Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08009


This item is only available as the following downloads:


Full Text
V
5

i
'^'v
ANNO XXXX. NUMERO 62.
Por tros mezes adanta.los 4$0O0.
Por tres meses vencidos 5$000.
DIARIO
QUINTA FEIRA 17 DE UiRfO DE 1850.
Por anno adan tarto 15$000.
Porte franco para o subscriptor.
ENHUECADOS DI SUBSCRIPTO NO NORTE.
Parahiba, o Sr. Joo Rodolpho Gomes; Natal, o Sr. An-
tonio Marques da Silva; Araratv, o Sr. A. de Lomos Braga;
Cear, o Sr. J. Jos de Oliveira; Maranho, o Sr. Jos Tei-
xeira de Mello; Piauhy, o Sr. Jos Joai|uim Avelino; Para,
o Sr. Justino J. Ramos; Amazonas, o Sr. Jcronymo da
Costa. '
PARTID DOS CORREIOS.
Olinda todos os das as nove e meta Doras do dia.
iguarass, Goiannao l'arahiba as segundas n sexlas-fciras
S. Anlo, Bczonos, Bonito, Caruar, Allinliu e Garanliuns
lias ten-as Mas,
Pao d'.VIhu, Nazarolh, I.imoeiro, Brejo, Pesqiieira, Ingazei-
IUDIENCIS DOS TRIBUMES DI CAPITAL.
Tribunal do onninieroo: secundas e quintas.
Relarao: tenas feiras e sabbados.
Fazenda: tenas, quintas e sahhados as 10 horas.
PERNAMBUCO.
SUMES DA CAPITAL. EPHEMERIDES 00 HEZ DE MARCO. nuc na ctxim nfuatuaM aa tamitMa .u.
ra, Klori's, Villa Bella, Boa-Vista, Ouricury e Ex nat Jaizo dorommercio: qnintas ao meio dia
quartas feiras.
Cabo, Sorinhoni, Rio Furmoso, L'na, Barreirus, Agua Pre-
ta, Pimoiilciras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios parteui as 10 horas da manha.
Dito de orbaos: Ierras e sextas as 10 horas.
Primeira vara docivel; tenas b sextas ao meio dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbados ao meio dia.
PARTE OFFIClAL.
GOYKHXO
OFFIClAL.
I.V l"B*I\CI.V.
o inclino requeriiueuto de Vidornia Joaquina de lodu Eduardo Jos de Santa ua. professor publi- cas, cora referencia s peiii-H
Carvalho. | co de instruirn primaria de fruteada Grande.Vol-' Francisco Pon-ira, allegando sf*
intii ao inesmo.Teudo coneedido ao remita i le ao Sr. director geni da instrueco publica para inoefide Souxa Sejodio na
Agosliuho Soares de Souxa, que rom ollicio de 21i verificar 0 numero das fallas e declarar se sao abo- lugar denominadoI.....s Iriu.
4.* seceso. Secretaria do goveruo de Peruambit- 1- rre"le mandei apresuntar a \ Kxc. o praso de narcis. i ritari, pede nrm idoncia al mi
, 1S illas para provar a iseneao. que diz ler para nao
servir nn oxcreilo : assim o coniiuuuico u V
para seu cnilieciinenln.
Dito
EPHEMERIDES 00 MEZ DE MARCO.
t La nova as f horas e 51 minlos da larde.
12 Qnarlo rrescenlc as 2 huras e 20 minutos da manha.
18 l.ua cheia as 7 huras e 20 minutos da larde.
26 Quarlu minguante as 7 horas e 8 minutos da niauha.
PREAMAR DE IIOJK.
Prijeiro as Z huras e 51 minutos da manliaa.
Segundo as :t horas e 18 minlos da larde. .
-r-
DIAS DA SEMANA.
II Segunda. S. Mnlliildes Raiuha ; S. Afrndizu tu.
15 Tena. S. Ilenrique re ; S. Longuinho soldado.
H> Uarla. Ss, Cyriai-u e Taciano iiiin.: S. Vhraliao Kremrtn.
17 Quinta. S. Patricio ap. da Irlanda; S. Geimdi-s v.
18 Sexta. S. Gabriel are. ; S. Narrizn are.; s. Frigdiano b.
19 Sabbado. S. Jos Esposo de Kosea Senhora.
20 Domingo. S. Martinho Dumieuse are; S. Guilberlo b.
ENCARREGAOOS DA SUBSCRIPTO NO SVL.
Alagoas, n Sr. Claudo Falro Dias; Babia, o Sr. los
Hailins Aires; Itiu de Janeiro, o 9r. Joo Pereira Marlins.
F.M PEaNAMJiUCO.
O proprielario do DIARIO Manoel Figueiroa de Faria, na
sua livraria praea da Independencia as. 6 e 8.
io 15 de marro de 1859.
Peta secretaria do goveruo se faz publico que no
dia 25 do crreme, aniversario do jiiramanto
consttatelo poltica do imperio, harendn cortejo
efllgie de S. M. o imperador, no palacio do goveruo
s 5 horas da tarda. O secretario do govenio, Jos
Henlu da Cunha Ftguriredo Junior.
de un terreno un
do lerinn de l'.a-
-e proceda aie-
Dito ir ja, do inspector do arsenal de niariiilia, ilieo das lenas publicas: leiibo a rocoinmolida
Exc. I informando o reqiu-rinieiilo de Joaquim Jos Alvus Vine, que por sua parle nao consulta eui iuvasoe
comiuandanie superior da guarda nacio-
nal desle municipio.Sirva-so V. F.xc de expedir
as snas ordena para que no dia 27 do crranle unta
guarda de lisura do ti." balalho de infanlaria da
! Albuquerqiie. lufofac o Sr. inspector da Ihe- de laes lenas por particulares, nem que os ai la
sooraria de (azoada.
-12
llequerimento de Antonio Joaquim Pires. 1. rou-
em que Manuel : compras iinudas fussi.ni follas por Luurcnoo Nuues, coiuuiiiiiicar a V. S., oiu resnate 90 scu ollicio de
iirbiolo pr Ma-. Campellu. 14 do corrate.
Dito ao inesmo. Declaro a V. S., para o tim
conveniente, que a despeza rom os seis Africanos I
livros, que* do arsenal de marinha pas-araiu a ser- I
vir no hospital militar deve correr por nula do | .
ministerio da guerra, aboiiando-se o mesmo que se i CMRESPONOENCIA
EXTERIOR.
possniroa se perturben, reeiprooajueuie, e se es-
tendam alill dos limites que ora e precisamente oc-
cuparem, ciu quanlo nao loiem bulasas respectivas
Expediente do da de fevereirn.
guarda nacional desle municipio se poste cm frente espingardeiros du arsenal d
tramestre das ollicinas de Cerreiros, serrallieiros n | demarraees pelos juizes oomniissaiios,
lhe dava uaqucllo arsenal
pilo ao inspector do arsenal de marinha. Com
referencia informarn que Vine, ministren vin
dala de lioulein, SObn, 61, acerca de lequeriuienlo
de Scoii iiett & C. lenta a derlarar-lbe que o car-
depois da sua ultima susso, aceitaran! do goveruo
protector, funcci.es incompativeis com as de depula-
do. N'uiua palacra, esle partido julga que o trium-
pho lhe perlencera, e conta repelliudu todas as refor-
mas que nao forem aeumpanliadas pila uniao, levar
o parlamento a urna declaracao anloga i de Mde
1827. N e-se segundo Mb- pie o debate solemne
que tai comerar no scin da cmara ionia ses pro-
vavelinente de grande vivacidade. A xesoluro que
qiieui
. guerra, pedmdo se i compete dirijir quaesiiuer controversias, ftiii- appa- i vio foniecido deve ser naso a 23S. nois 'ode a
da ig.eja de N. S. dos Remedios na frogOzia dos mando que o director do mesmo arsenal atieste qual; reeerem.-luaes aos uizes ini.nicipaes So Bonito lidade
Ollicio aoExm. enviado exlrao"rdi"rio_ "mln- ceKar namTe e dk -" '''"' "'' "'"' "lmT">'"u'i': s"I,l,li':a,''0 c ** "o seu e Caruar
tro pleiiipo.enciario do Brasil en. l.o,,dres.-i:.....a i "" !" ----.....- -"."'"-A"^te. querendo. Dito ao director das
Dilo ao cuuselhciro presidftiiii' da rctarao.r.m- liiin di- Aolono de
Mljnrnur
I DUo io nirsmi). Ao seu dlHcio de bntcni, sb
ibras militares.Ao seu of-' u, (2, resiioutlo dectaraudu auc aWe ser nnsta em
iufoVmacho do cng^Vero0se,rda estrada de ferro nu'.''ico a r'r'^oVu^'X^ei^'elTrDS sel^LT^Vui^M. V^"""'"--. ^SZ ''" 2' ''" rreuui sol. n. L ,,pondo deca- arrematado a eve^ao djas reoaros precJo* no -
passo. por copia s maosde V. Exc. as minutas das do termo de ttii ufetarhliTI 1,; i,'. 2,7 V : h n Y l'a B,"nclu"', r-udu ''"l' ?Purv" arremataj^s concertos pr.- zareto da ilhj (1n Basa, -
wafereWi*. o. comu.issao consultiva da mesma Ceau Junio ^ncTX utJ\^t 1 .^, i -L InS*^^ ^"^"rSi'^ ZSttZ KfjN '" Wp*. ..,.., h-Io : memo junio'pVSplr
estrada, que veram lugar em Se 10. do correnlo.! lhe ftri con cedto omnoHaX de hTesi o^V 1^ I. .^^ ?n, l^ .m. f"^. ^fWTDJ^ R":2j.e> 'i':*H7) **"' '" *u.".l l.uiz Co.-' Dilo ao msmoT-IJoiivui que Vine, informe
Dilo wmmtora^rm&.^mnd^mv\MZ Zto^^&to^wZ^te \%$F 7 de-de outttbro hodejMmeida.danduimrliador Ignacio Xery IVrrei- quaes os lugares que nao tem caes desde, o arsenal
que limito concorreu para que nao se podessa caii-, me parlicinoii em ollicio dea diti -| i,IoT' i iin ,i i> k- i ..-,. 'r-fm qaft >me- ,r s"'1 Parl leuha '"da a a,,; as ci,,co Pnw polo lado da hacia, e de ambas
linar os presos, que ltimamente se evadirn, da i so tamK insueilr ^ LeSIT nm .. t rnn?* A?1" Pesaos de ; vigilancia necessana para a boa e^ecucao da obra e as margena do rio auTa punte nova, declarando, se
cadeiadavillade Garaiihuiis. o nao estar aquarle- zenda "'"l'-Uor da tbesourana de fa- Bar.. pediudtf s.- mande cert.l.c.ir o lempo ein.ofcservanca das condicoes do coi.trato.-Commuiii- lhe for possivel. pu. quem deven, ser feitas as par-
lada a tori, de linha. que alli se acha destacada. I Dito ao commandante da divisan naval.-Fien ^^Z^n^^^^Z^Lr^'' dil C0"*,n7? 1" L'.'?:.,:ur,..r?-,?.?ria de.fa/en*. U's dl = .s" I'?'r^Ueutaies. e quaessejau, elles.
queira V. Exc. depnis de ohler as necessarias in- I inlei
da divisa o naval.Fico marca de Santo Aulao.Como requer.
Dilo ao mesmo.Pode Vine.
Dilo do bacharel Joao Carlos Augusto Cavalcanli; lacio da obra, que se untudou lazer
'Hez, juiz municipal do termo de Iguarass, pe- i Soledad* de conformidade com o avi
..eirado de ler de seguir amarillas para o Rio d
Sfi^SirS!:: onlctouetitmtoblf^'0 ^'^ V' ^ ffluTa TT^ "" "V* "Vi*- '" "V^ "" '.....for""dadv ff*"- "--^
i requerida.
concluir a nema- su pelo ministerio da marinha e como inelhora-
iio quartel da ment do porto, se por oulro niinislerio ou pela fa-
Dilo ao inspector da thesouraria de fazenda.
. ...... |.u | .-iiibstituindo n mesmo motivo constante do meo of-
SdTliSall--^^ dcrnezas9co,,u,';'r"n1,e ^T" "" .''t" ** "
despe/.as com a rubricaCommaudo de armas e
cnu-se ao chefe de polica.
Dilo ao mesmo.Haja V. F.xc. de mandar prtr
em bordado, visto lr provado sencao legal, o re-
mita Cl.tracntiou Bapli.sta Bruno, que lhe mandei
aprescutarcem okio destadata.Communicop-se
no chele de polica.
^ Dito ao mesmo.Dos olTicios juntos por copia ve-
r V. Exc. que anda pende de julgameuto dojurv
o processo d" soldado do oilavo batalhao de infaii-
tariaManoel Antonio Guiarte.
Fica assim respondido o seu nfficio de 11 de no-
veinhro do anno prximo passado, soB n. 659.
Dito ao presidente da rolaran.Communico a
V. S. que o juiz municipal do termo de Caruar
bacharel Jos Mara Freir Gameiro participou por
ollicio de 11 do correte, ter reassuindo aquella
dla as funecoes do scu cargo, passando as de juiz
de direilo da comarca do Bouilo ao bacharel Pedro
Camello Pc*sda.Couiiiiiiuicuu-se ao inspector da
thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo.(jncira V. S. dar o scu parecer
sobre a materia do ofl'.cio incluso, que era 12 do
correnle me fpi dirigido pelo juix de direito da co-
marca de Garaiihuns.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Auiiuindo ao me me requisitou o chefe de polica
em ofBcio de 19 do correnle. sob n. Kil..recummen-
doa V. S. que mande.entregar a Simplicio Jos de
Mello a quautia de 27*500 rs.. que o delegado do
termo do Brejo despenden com as diarias ahuila-
das a 2 rerrutas, e c<|jo pagamento se ordenou por
despacho de 31 de 3ettuil.ro ultimo, fosse feito ao
procurador d'aquellc delegado. Coramunicoti-se ao
chefe de polica.
Dilo ao coromandnle-siiperior da guarda nacio-
nal da comarca de Santo AnUo.Remellendo por
copia a V. S. para sua otclligenria e direcciio o
aviso ipie em 3 do corrente me foi dirigido pelo mi-
nisterio dajiutica, tenho a declarar-lhe que fica
concedida ao major Candido Jos Lopes de Miran-
da, i.eenea para residir fura do districto desse com-
maudo superior, com tanto que nao dcxe de com-
parecer ao ervico, que lho pertencer.
(Juanlo ao capitao secretrio geral Joo Francisco
de Amida Falcao, conven ue V. S. informe que
tempo deaervico conta BfcalUdal. afta de sfu-
zer-se a exigencia coiititht na ultima parle do cita-
do aviso. __
COnTeMe uilIlTo BOB SUldllUHM 9mff^Hl!tK.
me em 18 desle mez.
Dilo ao commandante do presidio de Fernando.
Remello por copia a Vmc. para sua intelligencia, o
offlcio que hontem dirigio-me o juiz municipal da
primmra vara a respeito dos senienriados, que l-
timamente seguiram para.csse presidio.
Ditu ao capitao do porto.Faco com este apre-
senlara Vmc, para ser inspeccionado, o refruta
Jos Joaquim Guimaraes.Comrauuicou-sc ao che-
le de prilicia.
Dito ao juiz de direito da comarca de Sanio An-
uo.Ao anMfflcio de 14 do corrente respondo de-
clarando, que ffea prorogado por 3 mezes o prazo,
que se coiicedeu a Bollarminu dos Santos Bulcio
para apresentaeo de seu titulo visto ter sido desi-
gnado para servir piovisoriamenle de labellio do
registro geral das hypothecas.
Ditoao inspector'interino desande publica.Fi-
coinleirado do que Vmc. commiinica-me em sen
omclo de 12 do correnle, referindo-se varila
que se tem desenvolvido em Caruar e Altinho. '
Dito aoi commissnrio vaccinador provincial.Fi-
co certo do couteudo do seu ollicio de 11 do corren-
te, acerca da vanla, que se tem desenvolvido em
..aruaruo Allinho, para onde Vmc. remetteu lami-
nas de pus vaccinieo.
Dito ao superintendente da estrada de ferro
Acensei recetada a communcacao que em 12 do cor-
rente dingio-me o Sr. superintendente da estrada
de tem. com as copias das minutas das conferencias
da commissao consultiva da mesma estrada une
tiveram lugar em 3 e 10 desle mez
Dito ao juiz de paz presidente da junta qualiOca-
dora da freguezia de Cabrob.-Convm que Vmc,
akm das copias que acompauharam o seu ollicio de
de Janeiro tiKimo, remetta-me de harmona com
o disposto no anso de 15 de mano de 1817, a co-
pia ua acta do encerramenlo dos trabalhos, a que
procedou a junta qualilicadora dessa freguezia na
to del84 "' da W "m7 de 19 de aos-
Dito ao conselho administrativo, para forneci-
mento do arsenal de guerra.-Recommendo ao con-
selho administrativo que nos termos do seu regu-
aruonlo, compre para o hospital militar os obje-
tos mencionados no pedido junto.Communicou-
se ao comnnndante das armas c ao inspector da
thesouraria de fazenda.
Dito ao conselho encarregado do fornecimenlo
dos navios da armada o estabelecimentos de mari-
nna Annuindo ao que me requisitou o inspector
iifiS0"rana de Ull'"da em oluc'o do hontem, sb
n. 116. rerommendo ao conselho encarregado do
lorucciuieulo dos navios da armada e cstabeleri-
nienlOB de marmha que, nos termos de contractos
lavrades por occisa de compras feitas pelo mes-
mo conselho, de conlormidade com o artigo 13 do
regulamento que baixou com o decreto u. 2108 de
ai de fevereiro do auno preximo passado, faca sem-
pre expressameneo daautorisarao dada pela pre-
sidencia para laes cuateras, e remella aquella llie-
sourana copia authentica dos referidos termos___
Comronnicou-sa au inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Dito a cmara municipal do Bonito, Alm do
balaneo da rcceiU e despeza do anno linanceiro mu-
nicipal, decorrido de 1857 a 1858, e contas que a-
companharara o olflcio da cmara municipal do
Bonito com daU de 17 de dezembro ultimo, con-
vem que se remella o orcameuto que deve ser pre-
sente i assembla legislativa provincial com aquel-
tes documentos na conformidade das disposicoes
em vigor.
Dito i dita de Tacaral.Alcm do balaneo e or-
camentn que acompanbaram o officio da'camara
municipal de Tacaral de 14 de Janeiro ultimo,
cumpre que seiam remeltidas as contas da mesma
cmara do conformidade com a resolucao de 31 de
oulubro de 1831.
Dilo i dita de Cabrob.Alm do orcamento que
acompanhou o olUcioda cmara municipal de Ca-
broDo de 10 de ianeiro ultimo, cumpre que seiam
transmillidos o balaneo e cootas relativas ao anno
linanceiro municipal prximo lindo na conformida-
da da resolucao de 31 de oulubro de 1831.
Portara.O presidente da provincia, attendondo
ao que lhe requereu Ivo Piulo de Miranda, profes-
for publico de primeiras leltras da povoacao de A-
gua Preta, resolve eoneeder-lhe dous mezes de 1-
cenca com ordenado para tratar de sua sade a
contar do dia 8 do corrente em diante.Communi-
cou-se ao inspector da thesouraria provincial e ao
director geral da instrueco publica.
Expediente doieeretario do governo.
Inspeccao dos corosno corrente exercicio, tica
V S. aiilorisado a mandar pagar ppurluiiaiuenlc
sob miiiha respnnsabilidade, as fnlhas de renci-
nienlos relativos ao present- mez e aos seguintes,
em quaoto o governo imperial nao providenciar a
semelhautc respeito.Cuinmuuicou-se ao comman-
dante das armas.
Dilo ai. mesmo.Ao sargento do corpo de polica
Antonio de Sou/.a Machado, mande V. S. entregar
acuantia be 600gono, ,ou. que, segundo osen olli-
cio de 11 do corrente sob n. 97, lem de ser habilita-
da a collecloria de Caruar para pagamento dos des-
tacamentos daquelle municipio e do Brejo.Com-
municou-se ao commaudaiite do corpo de po-
lica.
Dilo ao inspector da thesouraria prnvineial.
Haja \ me. de ordenar que o cofre da thesourftria
de fazenda, como requisita o respectivo inspector no
OfBcio, junto por copia, seja iudemuisado da quan-
tia de 32>t0O, em que segundo as contas junta em
duplicala, imporlam as despena feitas pela collec-
loria de rendas geracs da villa de Serinhem com
o sustento dos presos pobres da cadera da mesma
villa no mez de Janeiro ultimo,Commiimcou-se ao
inspector da Ihesouraria de fazenda.
Dilo ao mesmo.Itecoinmeudo a Vmc. que, nos
termos do meu ollicio de 4 do correnle, mande en-
tregar ao thesoureiro pagador da repajlico das
obras publicas mais a quautia de 4:5009000'para a
obrada casa de delencu na presente mez.conforme
reqnisilou o director aquella reparrieo em ollicio
de hontem. sob n 31.--Coniiiionicou-se ao direc-
tor interino das obras publicas.
Dito ao director interino das obras publicas.
deudo o aerroscimo prposto no seu officio de liou-
lem, sob ii. 45, e declare-mu o valor total da refe-
into do bacharel Joaquim Jorge dos Sanios, juiz rula arremalacao.
de direitn. pediiuln se arbitre 1:2009 ris a ajo- Ditu ao inspector da thesouraria provincial.
da de cusi, que deve coinpetir-lhe para ollertuar : Com u olllciu, que Vine, me dirigi em 22 do cor-
osuii Irausporle da comarcado Brejo nesta provin-' rente sel. II. 79. receta urna copiado termo de con-
cia para a de Casias no Maianlio. para onde tora j trato para a factura dos concertos da poule do
removido.Dirija-se osupplicaiile ao" Sr. inspector
da thesouraria de fazenda, a quem se expolie a or-
doiu necesaaria no sentido en que requer.
Dilo de Thumaz da Cunha Lima Cantoaria, lhe-
sourciro da irmandade de S. de Guadalupe da
cidade de Ulnida, pedindo se mande extraliiraigu-
ma parle da 5.'1 loleria das concedidas- para as obras
da igreja da mesma irmandade. Nao tem lugar,
visto que a le deu preferencia cxlrafco de outras
loteras.
Dito de Chrislovo de llnllanda Cavalcanli Mello,
Passu portara cuncedendo a prorogaeo pur uui
mez.
'?ilo de Francisco Bolelliode Andrade.Nao tem
lugar oque requer.
Hilo de Joaquim Theolonio Soares d'Avellar.
> olle au Sr. inspector da Ihcsunraria du fazenda
para mandar pagar ao supplicautc da data do
aviso.
Dilo de Joaquim do Reg Barros Pessoa Estando o
terreno alorado regularmente, use o saapticantedos
meios judiciaes convenientes, poisque adinnislra-
livamente nao se pode mais couhecerdo objeelode
que se trata.
Dilo de Jos Antonio de Moma. Vulto ao Sr.
coniiuandanle superior da guarda nacional da co-
marca de Santo Antao, para que, achandn-si farda-
\njo.
I'orlaria.(i Sr. agente da cnmpauliia brasileira
de paquetes a vapor mande dar transporte para o
Para, no 1." paquete que vier do sul, a Francisco
Pedro Vinagre em lugar de r destinado parapas-
sageiro d'eslado.
( Espediente do secretariq dqgoverno.
Ollicio ao coiumaiidaiile superior da guarda na-
cional desle municipio.O Ex. Sr. presidente da
provincia uiaiidaconiinunicara V. F.xe. que por des-
pacho desta data, aulorisou o inspector da thesou-
raria de fazenda a mandar fazer as convenientes
notas nos asseiilamenlos do corneta do 0." batalhao
de infanlaria da guarda nacional Francisco Antonio
das Chagas, que falleceu no hospital militar, como
. Kxc. comiuuuicuu no seu nlSciu n. 20 de 19 du
correle.
Ditoaoconsellieirodelegadodareparlico especial
das tenas publicas.De ordemde S. Exc' o Sr. presi-
dente da provincia communico a V. S. que. por
despacho desta dala, se mandou aajisfazer pela the-
souraria de fazenda a :ni|iorUncin do livro com-
prado para o laucamente das arias da commissao
de julgamcnlo, como se ve da cunta auuexa ao olli-
cio de V. S. de hontem.
-25-
Olllcio ao coiiiinandaulc das armas.Em addila-
DO DIARIO DE PERNAUBUCO-
PariK. de fevereiro.
Peranle as declara.-es respeitosas da raiuha Vic-
ria. a respeito dos tratados nao leria a Europa o d'abi sabir podo ser decisiva para o- ftalo das set
i ueiio ile pergiiular que pensameiilo nutria acerca '"'as ; assim, embola essa luta parlamentar se '
dislu o mperadur Napoleo? De que luguagem i Pas-Sl' "-'"i Hiealro resnelo, tein urna importancia
usara elle.' ynamlo a i de fevereiro apparecen elevada. 4,i nina mensageiii foi notada em 'respos-
uma broxiira n carcter sni-nlTicial. que'compr-
tala indicios serios u graven: os projeclns da guer-
ra Iriiiuiphavaiu.
do de base o or.*i Uj^'"'???** *W* \mr **ra- a?da4a Pni
ioa.1 as in.ios, a lodo.- os Iivros novus desappare-
rain diante delle, en. Paris ; assim como em nosso
taillclim, a luieraliira desapparece diaute da poli-
lica, lao imporlaule, lio nionopolisaddra este mez.
i> paginas que dcmonsiraui o inleresse que a
do o Siipplicanle, lhe seja deferido jaramente allm ment ao meu ollicio de 22, remeti por copia a V.
de entrar no exercicio du seu posto, visto j ter ti- : Kxc. o trecho do ollicio que om 7 do correnle diri-
rado patento. giiMne o juiz de direilo da coinarca de Gatanhuns,
Dito ao promotor publico da comarca do Bonito.
Em resposla ao ollicio que Vmc. dirigio-mc em
10do corrente a respeito do criminoso Thomaz An-
tonio de Gouveia, tenho a declarar-lhe que foram
dadas as providencias necessarias, como se ve do
ollicio junto por copia, dirigido pelo chefe deWicia
embala de honleni, sol n. 167.
Dilo ao juiz de paz presidente da junta nualifica-
lfjtafn58,'5^''\r;c.-,fr:- r^Juiia'^^Ta'
aiompanhou a ollicio de Vine, com data de U
o correnle, nao se haver procedido qualiticaco
do districto de Quipapa, por nao haver o juiz de paz
respectivo remetiilo as listas dos votantes, como
lhe cimipria, tenho resolvido designar o dia 1." du
iiiaii. pmximo vindouro para a nova reunan da jun-
ta qualilicadora da freguezia do Allinho com o lim
si.mente de proceder qualilicaco dos habitantes
daquelle districto, o no caso (nao esperado) de que
o juiz de paz i.uncida na omissao em que incorreu,
cuiuprir que, apezar disso, se proceda dita qua-
lilcaco, requisitando-se do delegado e subdelega-
do cm exercicio, assim como dos inspectores de
quarleiro, os alistamenlos parciaes, e recorrendo-
se a outros meios que a lei aulorisa, como se de-
clara no aviso de 26 de abril de 1817, e logo que a
junta tiver celebrado a sessn de 5 dias, de que tra-
ta o art. 22 da lei n. 387 de 19 de agoste de 1846.
isso mesmo se communicar presidencia alim de
designar-se o dia para a reiiuio do conselho muni-
cipal de recurso, ua conformidade dos avisos de 23
a 25 "
rido com q despacho junto poropia laucado no re-
querimente de Joaquim do Reg Barros Pessoa.
Dilo da mesma.Deferido com o despacho desta
data.
llllicio n. 140, do lente general commandante
das armas taiismittiiido urna rearesentacSfl du al-
teres commandaut
d
leiru-rnmr-jmgjp ^. .. .,,.. ., ,;,,,-
lentes.Informe 0 .Xinspector da thesouraria de
la/.enda.
Dito ao mesmo.A respeilo 4pa recruta
Jos dos Santos e Clemenlino Hknlisl.i Bri
foram considerados apios. com.VV. Exc.
T das airaras HTT'oxis- uiasattuj Ue provar
servir no exercito
rulas Manoel
runo, que
declaren
no seu ollicio de 23 do correnle, ftbnumero 162, se
me olferece a dizer que o segundo deve ser posto
em liberdade, como recomu.endei em ollicio de zl
deste mez, e o pnuieiro opporliiuamente lera des-
Dto n. 13, do chefe do polica.Volle ao Sr. iiis-
pecter da thesouraria provincial para mandar
pagar.
Dilo n.81, do mesmo. Voltc ao Sr. inspectorda
thesouraria provincial para mandar pagar.
Dilo n. 150, do director geral da instrueco pu-
blica. Volle ao Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial para mandar pagar.
Ditodo promotor publico interino da .comarca
de Santo Anio, transmillindo urna iluta do ll.esou-
rude 20jf000, quesuppOc falsa, alim de se proceder
convenientes exames. Itemetlido ao Sr. inspector
da Ihesouraria de fazenda, adra de ser examinada a
pota inclusa, dando-so conta do resultado presi-
uencia.
-1 i-
Requerimento de Cosme das Trevas Te^hira, 3o
escripturario da thesouraria de fazenda, pedindo
Dito ao mesmo.Ao officio de V. Exc. de 23 do
corrente, sb numero 163, respondo declarando que
as despezas com os seis africanos cm servico no
hospital militar derem correr por conta do niinis-
lerio da guerra, sendo abonado para a sua alimeu-
laco o inesmo que se Ibes dava no arsenal de mark
nha e ueste sentido nOido thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Expeca V. Exc. as suas ordens
para que, a coutar de lioje, se aprsenle diariamen-
te nn tribunal do jury desta cidade, s 9 horas da
manha, durante o lempo da respectiva sessao,
urna guarda commandada por um olllcial inferior.
Communicou-se ao juiz de direilo presidente do
tribunal do jury.
Dito ao comiuandanie superior da guarda nacio-
nal desle municipio.Pode V. Exc. expedir as r-
ateos convenientes para que nquartele no dia 1." de
marco prximo vindouro o segundo balalho de in-
fanlaria da guarda nacional deste municipio em
. -
Officio ao commandante das armas. s. F.xc, o
Sr. presidente da provincia manda coramuuicar a
V, tic. que nesta data se expede ordem thesou-
raria de fazenda para realisar-sc o pagamento da
l"*J!i devida ao segundo sargento Joo Anto-
nio de Barros Lacerda pela apprehenso do deser-
tor do mesmo batalhao Joaquim Thoreso Nunca.
-23
').'fJfti*0 C0Inmaudante das armas.Tendo con-
cedidJJMj recruU Manoel Jos dos Sanios, que com
offlciode hontem mandei apresenUr a V. Exc. o
praso de 15 das para provar a iscnro, que diz ter
para nao servir no exercito. assim communico a V.
Exc. para seu conbecimento.
Dito ao mesmo.Queira V. Eic. informar sobre
e a de fevereiro e 7 de junho de 1857.
Por esla orcasuio recommeudo a Vine, a exacta
observancia do art. 4 da citada lei e mais disposi-
coes em vigor sobre o objecto de que se trata.Re-
raclleii-sc copia deste ollicio cmara municipal de
Caruar.
Portara.O presidente da provincia alleiidendo
ao que requereu o 1" escripturario da Ihesouraria de
fazenda Jos Brasilino da Silva, e tendo em vista
a informal o do respectivo inspector, dalado de
hontem, sob n. 119, resolve eoneeder-lhe 20 dias
de licenca cora ordenado, na forma da le, podeudo
usar dola fura da provinaia.
Despachos do dia 11 de fevereiro.
llequeuimeiiio de Antonio dos Santos Falro,
professor publico de primeiras leltras da povoacao
oe Correnles, freguezia de Carauhuns, pedindo se
rorogue al o lim do correnle mez a licenca que
lie foi concedida para vir a esta cidade prestar o
exame de liabililaco.Informe o Sr. director ge-
ral da instrueco publica.
^ Dito de Antonio dos Santos do Siqueira Cavalcan-
li Jnior, capitao do batalhao n. 39 de infanlaria da
guarda nacional, pedindo um auno de licenca para
ir a Europa.Como requer.
Dito de Baziliano Magalhes de Castro, alteres do
3." batalhao de infanlaria da guarda nacional, pe-
dindo cerlido da uformaco ministrada pelo com-
mando superior da guarda'nacional do Recite acer-
ca de urna dispensa de servico que o supplicanle
requeren.Como requer.
Dito de Benlo Jos Pires, pedindo cerlido das
uforruacoes dadas pela thesouraria provincial, pro-
curador liseal da mesma e director das obras pu-
blicas, relativamente ao pagamento que requera
das prestacoes do 5." lauco da estrada do Sul.Co-
mo requer.
Dito de Joo Antonio da Silva Mallo, pedindo
cerlido do decreto de 10 de Janeiro do correnle au-
no que rommuloii em 200g para a casa da Miseri-
cordia desti cidade a pena que lhe foi imposta pe-
lo juiz de direito da primeira vara,Passe-se.
Dito de Felippe Benicio de Si Lilis, pedindo se
siibmetla ao governu imperial o requerimenlo em
que solicita ser prvido no ollicio de escrivo de
orphos e ausentes do civel e cxccucoes criminaos
do lermo da Boa-vista.Seja subiueltido ao gover
no imperial.
Dito de Jos Joaquim de Figueirdo Pernambiicn,
pedindo ser nnuieado provisoriamente para o lugar
de amanuense da alfandega.lufurmc o-Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
Dito de Manoel Jos da Costa, pedindo cerlido
da sua patento de leen le-coronel com manila uto do
exlinclo 2." balalho de infanlaria da guarda nacio-
nal deste municipio, bem como da portera que o
reformou naquelle poslo.Passe-se
Dito de Mara do Rosario de Uliveira Mello, pro-
fessAra publica de primeiras letras da villa do I.-
moeiro, pedindo que se faca remontar a dala do seu
proviraenta naquella cadira o pagmento do aug-
mento do ordenado que ulteriormente se lhe con-
ceden.Informe o Sr. director geral da instrueco
publica.
Dito de Chrislovo da Rocha Cunha Souto Maior.
Seja sabmettido ao govenio imperial.
Dito de Frederico Chaves. Seja submeltido ao
governo imperial.
Ollicio n. 135, do tenenle-general commandante
das armas, api escotando o alicatado cm duplcala
ao 2." sargento do 4." balalho de arlilharia a p
Joo Antonio de Barros T.acerda que apreheudeu o
dezertor do inesmo batalhao Joaquim Thereza Nu-
nes, afini de poder receber a graliflcaro que por
esse motivo lhe compete.Infurme u Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
ludias de prorogaco da licenca de um mez que j subslitiiico ao primeiro.Communicou-se ao com-
obteve.Paste portara na furnia requerida, | mandante das armas c ao iuspeclor da Ihesouraria
Dito de Feliciano do Reg Barros, arrematante dos
comerlos da poule dos Carvalhos, pedindo se mar-
que um prazo maior que o do respectiva contrato
para a conclusao daquelles concertos.Informe o
Sr. director interino da repartico das obras pu-
blicas.
Dito de Jos Joaquim Aires f.atco c outros. esla-
l.elecidos com tabernas cm diversos pontos desta ci-
dade, recorrendo da deciso da Ihesouraria provin-
cial, que nao atienden a sua reclamu acerca do
imposto de 20 por ceuto qu epagam pela vendada
agurdente de produeco brasileirainforme o Sr.
inspectorda Ihesouraria provincial.
Ollicio n. 115, do lenle general rummaiidaiile
das armas, transmit indo o pedido, orginisadn pelo
delegado do cirurgio mor do exercito, de insim-
ulemos, iimpas e ulensis, de que tem necessidade
a enfermara do presidio de Fernando.Informe o
Sr. inspectorda thesouraria de fazenda.
Dilo n. 147, do chefe de polica, apresentando a
coula e recibo da despeza feita com a pintura do
sobrado da administrarn da casa dedetein-o, e sa-
la, onde foi ouir'ora a cosiiiha, na importancia de
591000 reis.Hcmettdu ao Sr, inspector da Ihesou-
raria provincial para mandar pagar.
Dilo do capitao do Porto, informando o requeri-
menlo de Mara Bernardina da Conceico, mi do
recruta Felinto Antonio Rodrigues da Fonseca.
Informe o Sr. enmmandante da divisan naval depois
do conveniente exame, a que mandar proceder a-
liu. de explicar-se a coulradicco que se d entre o
juizo da inspeccao c o atlesladu incluso.
15
Requer ment de alguns professores c professoras
de instrueco primaria, pedindo o reslahelecimento
do feriado da quinta feira, de que gozam as aulas do
Cyuniasio e de outros estabelecimentos de instrue-
co. Informe o Sr. director da iuslrucco pu-
blica.
Dilo de Joo Pinte de Oliveira, pedindo o paga-
mento dos alaguis- de suas casas, que servem de bacharel Jiiveucio Alves Ribeiro, por ter oethelivo
_. iispecl
de fazenda.
Dilo ao mesmo. Itequerendo alguns ofucacs
passagem para os rnfpus de reserva com o funda-
mento de lerem os coiiselhos de qualiticaco reco-
nhecido a sua inaptido para o servico activo, e
rouvindo que laes passagens se nao coedara sem
inaior exame e sem uma inspeccao regular, que
determine perfetameute o estado le sade dos pre-
tendentes ao servico de reserva, lenho pormuilo
conveniente que V. Ele. expeca as ordens necessa-
rias pan que sejam inspeccionados lodos os olli-
ciaesqiierequererciu a referida passagem, dando
anda V. Exc. cora a remessa presidencia dos res-
pectivos requerimcnlos e termo de inspeccao, o seu
juizo sobre a conveniencia da passagem.
Remello a V. Exc. o incluso requerimenlo de Ja-
nuario Constancio Moutero de Andrade, a que se
refere a sua iformaco de 25 de Janeiro ultimo,
s daules superiores, alim oe expedirem as ordens de
que se Irata no nlficio cima.
Dilo ao presidente da ndaco.Tendo-me parti-
cipado o juiz de orphos desle lermo, bacharel Er-
nesto de Aquiio Fonseca, que pordoeiilc passra .
exercicio da vara ao respectivo primeiro supplenle
assim o cojiimunicu a V. S para seu conhecimentn.
Communicou-se tambora ao inspector da Ihesou-
raria de fazenda.
Dito ao mesmo.Tendo-me participado o pro-
motor publico da comarca do Bonito, barharel Luiz
de Alhuqiierque Marlins Pereira, haver dcixado, no
dia 21 do corrente, o exercicio do Seu Jigo para
tomar parte nos trabalhos da assemblqMtislaliva
provincial, na qualidade de diputado Cuto pelo
dcimo districto : assim o communico a Vi S. para
seu coiihccnieiitu.Communicou-se tambera ao ius-
peclor da Ihesouraria de fazenda. .
Diioao mesmo.Tendo-me participado o juiz de
direito da comarca do Bonito haver uomeadn para
exercer alli interinamente o cargo de promotor ao
zenda provincial.
Dito ao director das obras militares.Sendo a es-
tacan da estrada de ferro constantemente infectada
pelos gacel que se exhalam das privadas do forte
das Cinco Puntas, segundo me informa o respectivo
eiigenheiro liseal, baja Vmc. de expedir suas or-
dens no sentido de fazer rasgar seuielhaiite iurou-
veniuute.Cnmrainiicou-se ao eugeulieiro liseal da
estrada de ferro.
Dilo ao director interino das obras publicas.Km
vista do que rae ponderen a cmara municipal do
Recite em officio de 21 do correnle acerca da urgen-
te necessidade de repararse u cabaiacuto do ater-
ro da Boa Vista, entretanto que "nao ha presente-
mente no mercado pedia para vender-se, haja Vmc.
de fornecer mesma cmara para aquello lim, a
poreo que for neceasaria da pudra que existe na
casa de deleiieo para os reparos rja estrada do
Mangiiinho. Comuiiinicnu-se a referida cmara
municipal.
Dilo ao couimmandantc do corpo de polica.
Pode Vine, dar baixa do servico ao soldado do cor-
po sAb seu commando Joo Baplisla da Silva, a que
se refere a sua infonuaru de 27 de Janeiro ullimo,
sb ii. 17.
Dito ao mesmo. Devolvendo o pedido a que se
referera os seus olficios de 14 do Brrente o de hon-
tem sdb ii. 75 e 94, tenho a recoinmendar-lhe que
reduza o mesmo pedido a 100 camas, podeudo re-
quintar outras posteriormente, se a pratica mostrar
que sao necessarias.
Dito ao mesmo. Remetla-me Vmc. mensalraen-
te a lisia dos soldados do corpo do sen commaudo.
que teudo lindado u'lempo de seus contratos, nao
quizerem continuar a servir.
Diluancotniajssario vaccinador provincial.For-
neea Vmc. o puz necessano para a vaccinaeo dos
recrulas. Communicou-se ao coniniaudaiilu das
armas.
Kto ao subdelegado da freguezia de villa Bella.
Intbirado de quai.U. Vine, me rommiluica, em
seu officio de31 de Janeiro ultimo, remello-lhe por
.. -copia o ollicio desta presidencia de 23 do marco do
anno pastado, exigindo infnnaaeoes acerca das tor-
ras, deque tratara os artigos 2' a 27 du regula-
tente ii. 1318 de 30 de Janeiro de 135i, alim dq
que \ me. em praso breve, d cuiiiprinienlo ao que
nelle se determina.
Dito cmara municipal do Recite. Concedo
cmara municipal do Recite a aiilorisarao que me
pede para alienar a D. Antonia Francisca Cadaval
Pinto o lertejw, do que Irata o seu ollicio de 21 do
corro.iu-Mlf). fl$t Iteanrlo n mesma cmara nuto-
,uo fWWVj-u.-mi fMHf|ui!r UWre Uieuaro d
resto, que anda existe desse terreno.
Dito ao conselho administrativo para fornecimen-
to do arsenal de guerra. Autnriso o conselho ad-
ustralivp o comprar para fornecimenlo do arse-
nal de guerra 10 arrobas de plvora grossa mgleza
mencionada no pedido juuio, sob n. 193. Cum-
muiiicou-se ao inspector da ihesouraria du fazenda.
Portara.O presidente da provincia, attendondo
ao que lho requeren Antonio dos Santos Falcao,
professor de primeiras letlras da povoacao de Cor-
rentes, respire prorogar al o lim do co'rrente mez,
enm yencimenlos a licenca que lhe foi concedida
em 29 de novembro ultim para vir a esta capital
prestar exame de habilitaen.
"I"-O presidente da provincia, attendendo ao
que lhe represen!.ni o commandante superior da
guarda nacional do municipio do ll.^ife, resolve
nostemiaajvdo 1."Jo art. 65 da lei u. 602 de 19
de seiemhrode lnfjjfbrtigo 28 do decreto n. 1351
de b de abril de 101. privar do posto o lenle
qnartel-mestre do sexlo balalho de nfaularia da
r.uropa inleira Umii na solueo do prublema dos iles-
liuos italianos' Irata-se de'coustiliiir a unidade da
j.eniusula. por meio de nina unio federativa, so-
bre a qual a cidade pontifical leria a preceden-
cia, os estados italianos eontede rados. a Italia
si/ra pacifica, o papado consolidado c elevado a toda
giaudeza de sua inisso a Europa tirar emancipada "la n"'',
de mu pongo real, que pude purlurba-la profunda- Tanquilii
mente. O inleresse geral coi.duz a eslasuluco. xo tei
Cm obstculo fra da Italia, fra do inleresse eu-
ropeo, e asilua.o da Austria na Lombardia. Est
M lgica da poltica austraca oppnr-se a islo, as-
siiu oinins. oppoz s reformas, assim como se op-
pora a tudo quanlo cumpre fazer. Convir curvar-
je sob o velo de Vieiiua t Convir passar alm ?
Sera um appello forca, ou um apoello opinio
que pode Iriuuiphar desta resistencia, e produzir
urna solueo reclamada pelo inleresse geral ?
Os tratados que niautein os governos sao as leis
luleruaci.uaes dos povos, e nu seriara inverosi-
raeis se o inundo fosse immovel. Se os tratados
que devem proteger a seguranca da Europa, a pem
em pengo porque elles j nao correspondeni
as iiecessidades ou os prec.isoes que os dictaran!. A
prudencia publica aconselha entao que sejam subs-
liiuidos por unir cousa. Urna potencia qu se en-
iniicheirasse por traz dos tratados para resistir a
iiiouiiinicos reclamadas pelo senilmente geral, te-
na por si, sem duvida.o direito essripto, mas tera
contra si o direilo moral e a consciencia universal.
Logo se est demonstrado que a situarn dos esta-
dos italianos seja nao s uma causa de'soffrimcnlo
para o paiz, mas anda uma causa de iiiquietaco.
de iiicoiumodo e talvez rotoluco para a Europa, a
lellra dos tratailos fAra iWbalde invocada : ella nao
poderia resislir coutra a njessidade da poltica e o
inleresse da ordem europS. O que ha pois a fa-
zer? Appellar para a Franca ? Alaste de nos a Pre-
videncia scinclhanlc exlromidade I Releva appellar
para opino. Ouando a verdadeira siluaco da
llalla for conhecida eru toda a Europa, e lodo o
mundo esliver convencido de que ha no meio dos
estados mais esclarecidos do globo, sobro essa Ier-
ra onde oasceu a civilisaco, um foco de agitacoes,
de deserdens, de perlurbcn profunda, que pode-
a lao fcilmente loniar-se um foco de luz c de ne-
bro actividade, onlao a opinio poder julgar e se
impor talvez, como ajuslica pacifica do boui direi-
to. Epara habilita-la a pr'oiiunciar este juizo que
temos feito este trabalho. Nao temos hostilidad!-
algiima contra a Austria. A Italia o nico moti-
vo de dillciildade que possa existir entre ella e a
rranca. Respailamos a siluaco na Allemanha, que
nada lem a recalar de nos sobre o Rheno. A solo-
cao dnquestio italiana leria como resultado apagar
enlre a Franca o a Austria qualqiier motivo de dis-
_ seiiewbEaa duas potencia* se pode m approxi-
I ^^fi.1* *'-"" iotei..,,e.- columna, a hw- iwhii..
para a timo., de todos os grandes govenios da Eu-
ropa, abra de previnir as complicaedes do futuro,
fc para aportar essa intelligencia de designios e de
estreos lao necosabros ao bem geral, que quiz.
rainus desviar Indas as diOiculdades actuaos c re-
sulver nina das queslocs mais urgentes e mais con-
siderareis do momento.
^ overnar prever. A inclhor mancha de asse-
gurar a paz preceder as complico.-oes susceptiveis
de occasionar a guerra. Ha perigs na Italia, nos
os asgnatenos. Iladaqnelle lado garantas a dar
a uieresses fundameiitaes, nos 6s reclamamos. Ha
causas que nao podein succiimbir no mundo ; esta
pertence a este numero, por que nao egosta nem
exclusiva ; a causa da uacionalidade de um povo
la ao discurso de Mr. Clasdetono. ua qual es repre-
sentantes se prouiiuciara pela unio com a ifii pa-
tria, o reino helleuico.
Em materia de abertura d*i sesabo parlamentar,
podemos dizer anda que a iltU teaoiro em Ber-
ln, o principe regente da Prussia, peranle as c-
maras, de p, ao lado do llirouo, e com a cabeca
deseoberta, pruuunciou um discurso no qual, fa-
zeudo menean da enferinidade prolongada de el-rci,
implora providencia para que lhe d a saudc sob
um cu mais sereno.
A sessao legislativa ser de curta duraco, c o
governo nao apreseular lei alguma importante,
excepeo do augmentu da dotaco da coroa e do
orcamento da marinha. A reurganisaro do syste-
ilar ser adiada at o restabeceimeuto da
lidade publica.
lerminaremos este boletim sem fallar ainda
no Levialhara I O l.evialham ou Creat Basteru,
este colosso cujo nasciraento foi cercado cora tantos
presagios sinistros, parece dever emlim entrar n'um
periodo mais feliz. Uma na companhia, cuja for-
uiacau se aiiuuncioii, acaba de decidir quo todos os
complementos necessarios para a installaco per-
feila deste navio vo ser emprehendidos e'mquin-
ze das. L"m exercito de operarios deve meter
raaos obra nos flancos do gigante, que era breve
estar em siluaco de comecar as suas operaces.
Os trabalhos forara adjudicados a tres emprezarios
que se encarregaui, um de tudo quante pertence a
especialidade metollica, o outro de varios arranjos
particulares, u teroeiro das decoracoes interiores.
Tudo dever estar terminado, sob pena de per-
das e damnos n'um prazo de 5 mezes a dalai de 15
de Janeiro.
iu v'aK'!m d"-' etperiencia ter lugar no raeiado de
julho, e durar seis dias, tempo necessario para exa-
minar o navio em todas as coudicos possiveis,
tanto vela como vapor.
Depois de terem Iracado planos hypotheticos so-
bre o futuro desliuo coinmercial do Great Easlern,
os joriuflh ingleses pretendem hoje demonstrar que
poderosTmachina de guerra se encontrara nesle
navio, capaz de transportar na razao de 18milhase
12 por hora ao menos, hito exercito de 10,000 ho-
raens a um ponto dado das possessos iuglezas com
o material necessario, o estudo maior, os ottteiaes,
seus cavallos e todos os peirechos de campanjia-.
Esla celeridade de 17 milhas e 1/2 por hora, esl
segundo dizein elles, milito cima das possibilida-
des ; mas suppondo-se por momentos que a Ingla-
terra se torna formidavel cora islo, toda a gente sa-
be com elfeilo que o seu nico ponto vulneravel, o
segredo da sua fraqueza, como potencia militar,
provem menos do que ella tenha poucos soldados,
do que da necessidade em que ella se acha do dis-
persa-los sobre todos os pontos do gtobo. Com es-
ta fortaleza movel e com os campos sobre o Ocano,
a lctica naval soffreria as uiesraas majJMcaeocs
que fez sulirer estrategia a apparico amca'mi-
uhos de ferro, fora entao smente que snoden.i
atllnnar que o vapor operou urna rcveliiebo iCom-
pleto no mar como em Ierra.
. c. v.
quarlel ao destacamento da villa do" Cobo, e n en-
trega das mosinas, allm de seren reparadas.In-
forme o Sr. inspector da Ihesouraria provincial.
Dito de Jos Apoliuario do Sacramente, soldado
do 4" balalho de arlilharia
de tomar parle nos trabalhos da assembla legisla-
tiva provincial: assim o communico a V. S. para
seu cuiiheciraento.
Dilo ao mesmo. Tendo o aacharel f.nurenco
pecconado de saude.-ltequeira- peoscan^com- 5?*B *
plenles,
-24-
Officio ao commandante das armas.Dos recru-
las mencionados cm seu ollicio de hontem, sob n.
158, pode V. Exc. mandar abrir asseutaraento d
praea a Joo Gomes Pereira, Joo Manoel e Manoel
Alves Ferreira, e quanlo aos de no.....s Antonio Lo-
pes de Mello, Vicente Ferreira de Barres e Agosli-
nho Soares de Sonsa, se resolver opportunaiuente
visteque existera reelamacoes pendentes.
Dilo ao conselheiro delegado da repartico espe-
cial das Ierras publicas.Devolvendo a V.'s. os re-
qucriraeulos de Manuel Francisco Pereira, que pede
providencias para nao ser perturbado na posse de
um terreno, de que se acha de posse, tenho a de-
clarar-lhe que, nos termos de sua informa.-ao de
hontem, recommeudo aos juizes de direito e muni-
cipaes da comarca do Bonito que por sua parle nao
consiutam em invasoes de trras publicas nem que
os actuaos posseiros se pcrliibcni reciprocamente e
esteudam seus limites alm dos que ora e precisa-
mente oceuparem, era quanlo nao forem feitas as
respectivas demaicacoes pelos juizes commissa-
rios.
Dilo ao commandante superior da guarda nocio-
nal dos municipios de i finida e Iguarass.Toman-
do em consideraco n requerimenlo, era que o sol-
dado da 1." companhia do 9." hatallin de infanlaria
da guarda nacional do municipio de Olinda, Manoel
Olegario da Fonseca, mustia achar-se impossibili-
tado para o servico activo o que alteslado pelo
Dilo n. 50, do chefe de polica.Volle ai. Sr. ins-
pector da thesouraria provincial para mandar pagar.
Dito n. 3, do director geral da iuslrucco publica.
Volle ao Sr. inspector da thesouraria provincial pa- parecer da junta de sade, resolv at tender ao" re-
ra mandar proceder na conformidade de sua forma- I curso interposto da deciso do conselho de revista
cao de 9 do correte, sob n. 68. I nos termos do art. 59 do decreto n. 722 de 25 de
Dito n. 4, do mesmo.Volte ao Sr. inspector da oulubro da-t850, e ordeno que o referido guarda
Ihesouraria provincial para mandar proceder na con-1 seja comtemplado na listada reserva: oquecom-
forraidade de sua inforraaco de 9 do corrente, sob
n. 69.
Dito n. 7, do mesmo.Volte ao Sr. inspector da
thesouraria provincial para mandar pagar.
Dito u. 13, do mesmo, informando o requerimen-
raunico a V. S. para sua intelligencia e divida exe-
cui.o ua parte que lhe tocar.
Dito ao juiz de direilo da comarca do Bonito.
Tomando em consideraco o que propoz o conselhei-
ro delegado da repartico especial das Ierras publi-
co de 16 do correnle, que naqiella dala assumira
as funecoes de juiz de direito da comarca do I.i-
moeiro, para onde fura removido por decrelo de 28
de oiitubru do anno prximo pastado : assim o com-
munico a V. S. para seu conheiuiento.Coiiirau-
uicnu-se laiubeiii ao inspector d.i thesouraria de fa-
zenda. i
Dilo no mesmo.Tendo-me participado o juiz de
direito da comarca do l.imoeiru haver moneado pa-
ra exercer interinamente alli o cargo de promotor
ao bacharel Marco Tulio dos Reis Lima, por se
a.har de licenca o cffeclivo : assim o communico a
V. S. para seu conhecimenlo.
Dilo ao delegado da repartir* .especial das tr-
ras publicas.Devolvendo a V. S. o requerimenlo
de Francisco Gomes da Luz Freir, sobre que versa
a sua informa, ao de hontem, se me olferece a di-
zer-lhe que, lendo-se feilo as necessarias recom-
meudacoes s autoridades da comarca e lermo do
Bonito para que os actuaos posiuidores de terrenos
nao sejam perturbados em suas posses, resta que
opporttinamciite, e pelos meios competentes, se
proceda acerca da pretenco dosupplicanle nos ter-
mos da lei numero 601 de 18 de selembro de 1850
edo regulamento de 30 de Janeiro de 1854.
Dilo ao inspector da thesouraria de fazenda.De-
volvendo a V. S. o requeiimentii de Joo dos San-
tos Colho e Joaquim dos Santal Colho, assim co-
mo os documentos que acotiipaiiliram a sua infor-
macn do 19 do cnenle, sb numero 114, tenho a
recomraendai-lhe que iiifoime se os peticionarios
fizerara a porcia do caes a que se refere o titulo an-
nexo aos uiesraos documentes.
Convm, oulro tim, que era Indas as informares
sobre transferencias de terrenos de marinha, se'de-
clarc estar ou nao. cumprida a confinan .1. fazer
caes se ella tiver sido imposta.
Dito au mesmo.Tenho por conveniente remet-
ler-lhe por copia e para ^seu governo, o ollicio que
em 29 de selembro de 1857 dirigi a presidencia ao
director do arsenal de guerra, ordenando que as
mqr do s l.oawarl. fe da lei gn^ d(, i.
mfirede lSTiSJjaSJljTij;,,, 28d0decrete n. 135
e abril de IOT. privar do posto o lenent
l-mesire do sexto balalho de nfaularia d_
mesma guarda nacional, por nao se ter apresenta-
do fardado no devdo lempo. Communicou-se ao
commandante superior da guarda nacional desle
municipio.
Dita.O presidente da provincia, conformndo-
se coma prnposta do lenle coronel commandan-
te do corpo de cavallaria n. 2 da guarda nacional do
municipio do Brejo, com daLi de 20 de Janeiro ul-
limo, acerca da qual informou o commandante su-
perinr interino era oflicio de 29 do mesmo mez, re-
sol ve nos termos do arl. 48 da lei n 602 de 19 de
selembro de 150. nomear para olciaes do referi-
do corpo os cidados seguintes:
2.a cospamiia.
Alteres.Joo Marinho Falro Jnior.
3.a COMPANHIA.
Tcnenle.O alteres da quarla companhia Goldluo
Rodrigues da Costa.
4." COMPASH1A.
Alteres.Joo Baptista de Benevides Mcsseno.
Communicou-se ao commandante superior interino
do llrejo.
Dita.O Sr. agente da companhia brasileira de
paquetes a vapor, mande dar passageo de estado
em lugar de r, havendovaga, para a provincia do
Para, a Manuel Francisco Alves, sem prejuizo das
queja se tiverem concedido.
Dita.o Sr. agente da companhia brasileira de
paquetes a vapor, mande dar transporte para a Ba-
bia, no vapor que se espera do Norte, por conta do
ministerio da guerra, ao capitao do segundo bata-
lhao de infanlaria Jos Hermenegildo Leal Ferrei-
ra, a urna lilha de 16 anuos de idade a ao-1. sar-
gento Joo Domingos Ramos.Communicou-se ao
commandante das armas.
Dita.O Sr. agente da companhia brasileira de
paquetes a vapor, mando dar passagem de estado
I.ara o Rio de Janeiro, em um dos lugares de r, se
muvef disponivel, no primeiro vapor que passar
para o Sul, ao bacharel Manoel Pereira da Silva
llrambilla, sem prejuizo das que j leiiham sido
concedidas.
Expediente do tecrelario do governo.
Officio ao commandante das armas.O Exm. Sr.
presideule da provincia, tendo indeferidn nenia da-
ta o requerimenlo do sentenciado militar Felippe
Jos Ferreira, sobre que V. Exc. informou em olli-
cio de hontem, sob n. 168 : assim o manda cora-
muuicar a V. Exc. para seu cunliccmcntu.
Dilo ao chefe de polica.S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia, tendo autorisado por despacho des-
ta dala, o inspector da thesouraria provincial a pa-
gar ao bacharel Jos Leandro Godoy Vasconcellos,
contarme V. S. requesitou em sen ollicio n. 178 do
23 do correnle, a quautia de 63J9 0 res dispendi-
da do-do 19 du julho do anno passado al 10 deste
mez, com o curativo dos presos pobres da cadeia de
Garanliuns, o com varios objectos para o servico o
seguranca da mesma cadeia, como se v da cnla
em duplicala, que acompanhou o citado ollicio :
assim o manda communicar V. S. para sua intel-
ligencia.
Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, communico a V. S. que, por
despacho desta data, foi o inspector da thesouraria
provincial autorisado a pagar a Joo Fernandos Lo-
pes a quanlia de 105gl60 ris, dispendida desde o
1. al :tl de Janeiro findo, com o sustento dos pre-
sos pobres da cadeia do termo da Villa Bella, bem
como a de 8&120 ris, gasta cora o fornecimenlo de
luz para o quartel do mesmo termo, conforme se
v da cunta en duplicala annexa ao officio de V. S.
de hontem, sob n. 180.
Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, manda communicar V. S., que por despa-
cho desta data aulorisou o iuspeclor da thesoura-
ria provincial a pagar a Pedro Paulo dos Santos, a
quautia de 72|MD ris, dispendida com o sustento
dos presos pobre* da cadeia do termode Caruar no
mez de Janeiro Ando, como se v da conta era du-
plicala, que aconipaiibou o ollicio de V. S. de hon-
tem, sol. n. 13.
Dito ao commandante do destacamento de Villa-
Bella.O Exm. Sr. presidente da provincia, remet-
iendo nesta dala ao inspector da thesouraria pro-
vincial, para o lira eonveuiente, os preta dos ven-
cmentes, na importancia do 1838520 ris, abona-
dos s pracas da guarda nacional destacadas nesse
termo no mez de Janeiro ultimo; assim o manda
rtnnAIV 3DCD.
povo
uvo, do equilibrio da Europa, e talvez da indepen-
dencia do papado, que a Franca tem semprc defen-
Deoj reservara sem duvida urna bella parte de
'h-Mia humana aquellos que snstentassem esta lula.
gloria nao nos teota ; temo-la bastante na histo-
ria do passado assim como nosacontecimeutes ceu-
leiuporaneos para nao desojar mais
Fazemos pois ardentes votos para que a diploma-
cia faca na vespera v uma lula o que faria no dia
seguidle de uma victoria. L'na-se a Europa enr-
gicamente para esta obra do justica ede paz! Deve
estar romimscn, porque estaremos sempre com
ella para defender-lhe a honra, o equilibrio e a se-
guranca.
Tal enunciado em largos traeos, o pensamen-
lo soberano, sobre esla questo 'italiana, que an-
nuucia um futuro prximo, milito cncio do suc-
eessos.
Parece quasi possivel que a questo do Oriente
esl em vespera de renascer. Todo o mundo oriental
esl mal pacillcado. E' vetdade o dizer-sc que os
aconleciinoulos da Servia esto terminados, e que o
voto das popuLn oes se acha em sumraa respeitado.
Islo nao sem dillicutdade todas as vejes que se
iriiiinphar das prevencoesda Porta, coutra a fami-
lia obieuov ii.-h. Foi preciso a instancia de todos os
representantes das potencias, excepto do d'Austria.
que pelo contrario se eleva va at a resistencia, e
segundo o seu uso, oiferecia a coadjuvaco activa
de seu governo. O senado, o ministerio e a Kupt-
china, dirigiram, segundo as coiiveiicoes das grau-
das potencias, nina policio Porta, para confirmar
a uleico do novo principe, que recclicr a inves-
tidura do proprio sullo. O Hospodar da Moldavia
foi eleito eiu Ja y a 17 de Janeiro, o coronel Cuu-
za que resumi a unanimidad..- dos sulfragios ; ludo
se pnssou com inleira regularidade e na ordem mais
perfeita. Iiiimedialaraenlc depois da eleic.o, a as-
sambla eleiioral voldu uma mensagem "s poten-
cias, que Ibes agradece, em nome da populuco
moldava o que ellas tem feito cm favor dos princi-
pados unidos. O novo Hospodar, o coronel Cousa,
i partidario da unio, todo devolado poltica
que a Franca contribuio a fazer prevalecer no con-
gro-so e na conferencia de Paris a respeito da orga-
nsaco dos principados.
Eis asaneco mais explcita da Moldavia 4 obra
i da conferencia, tanlo pela mensagem s potencias,
coran pela esculla do Hospodar. Eis um termo s
agitacoes, eis uma saneco regular de siluaco que
tira qualquer pretexte a nter, ornan, ou le uma
potencia eslranha, ou de una potencia suzerana,
cuja aeco nos principad.* nem sempre tem sido
perfeilamenlc de accordo com o espirito do tratado
de Paris e da orgauisaro eslabelecida pelo acto de
9 de agosto. Jlas as cousas nao esto paralysadas,
quanlo ao Hospodar da Valachia em Bukarest, Os
Caimakaus lera inleirameute para assegurar o
Iriumpho do candidato austro-turco, Mr. Stirbey ;
as violceos da roiislituico sao rada vez mais nu-
merosas e flagrantes ; os' incessanlcs protestos dos
eleiiores licara sem elfeilo ; os cnsules se reuni-
raui eu. conselho e declararara que as cleicoes feitas
em taes circumslancias seriara cortamente amolla-
das. Os Caimakans se obslinam em querer impedir
a todo o cusi a esculla de um candidato popular.
F" para esperar que o bem saia do proprio excesso
do mal, eque a intriga austraca veja quebrar-se-
ibo as mos a corda que ella tem to violentamen-
te eslicado.
Muilo porto deste foco mal apagado do ultimo
cundite as illi.is Jonias, Mr. Gladstone aceitou o
cargo de lord comraissario. A duraco das suas
funecoes ser mu limitada ; abri a 25 o parla-
mento ionio e deve propon uma serie de medidas
cuja adopeo lhe parecer necessaria depois do iu-
querito a que acaba de proceder ; o seu mandato
durar al 15 de fevereiro. Longe de desanimar o
partido nacional est mais resoluto do que nunca,
e a sessao parlamentar promette ser fecunda cm
discussoes da mais elevada gravidade.
Falla-se at em provocar um novo voto contra o
protectorado. Pela sua parte, Mr. Claatslouc espera
ti ampliar no debate e fazer aceitar s reformas que
a Inglaterra prope, cm compensaco da sua recusa
em conceder a unio das Setc llhas com o reino da
Grecia. Fila coula sobre 87 votos contra 93, qoel
tero os adversarios tiesta propoeteio, islo so-
mente subte uma materia de 5 votos. Mas a des-
peno desta confanos, esta maioria j mu traca po-
deria chegar a faltar ao lord comuiissano extraor-
dinario.
O partido radical ou minorista manifest com ef-
feito a intenco de pedir artes de qualquerditcusso
a exclusao dos qyatro mnmbros do parlamento, que
SSEMBLEI LEGISLTIlr* PROVINCIAL.
sessao oaDi.XAau es 16 i.k naneo de 1859.
Presidencia do Sr. Bario de Caiaaragibe.
Ao meio dia, feila a chamada, acham-se presen-
tes 21 Srs. deputados.
Abre-se a sessao.
Lida a acta da anterior, approvada. J
O Sr. 1." Secretario d cont do seguinle
EXPEDIENTE.
Um ollicio do secretario do governo, remetiendo
do ev.oiiipl.ii os impressos do orcamento de receita e
despeza provincial para o exercicio de 185 a 1860
A distribuir.
dem, enviando por copia o ollicio reraettido pela
cmara do Hecia, em que peda aelevaco do im-
posto sobre carros e a crearn, do de 200 reis por
palmo de terreno nao edificado dentro da cidade.
commissao de negocios de crnras.
dem iraiismitlindo alguns papes, allm de que a
sembla resolva a que termo pertencem os mar-
_. pertencem os quar-
leiroes, Papagaio. Carrapicho e Riacho. com-
missao de estalistica.
dem do Sr. Caldas Lins. communicandn nao
poder comparecer-estes dias por ucommodado
In tetrada.
dem do secretario da provincia ; transmil-
Undo os balances, contas e orcamentos das cama-
ras municipaes do Recite, Olinda e Pao d'Alho.A
commissao de contas das cmaras.
Um requerimenlo das recolhidas do convente de
Iguarass, pedindo a coutinuaco da consignaco
que lhe foi dada pela lei u. 45 A commisso'de
orcamento.
dem do capelln do mesmo convento, pedindo a
consignaco de 2 contos de reis para coutinuaco
das obras alli emprehendidas..4 mesma commis-
sao.
dem do diversos empregados do consulado pro-
vincial pedindo o pagamcoto dos ordenados e por-
contagans desde que passaram a servir os lugares
em que actualmente se acham. mesma commis-
sao.
dem de Josepha Mara do Espirito Santo, pedin-
do se marque na lei do orcameuto municipal (pio-
la para ser paga da quautia de 25J000 que o seu ti-
nado marido ficou a dever a cmara de Santo An-
teo.A commissao de orcamento municipal.
dem do vigario Jos Mathias Bibeiro, pedindo
se lhe mande pagar o que de mais dispendou as
obras de sua matriz.A conunissao do orcamento.
Sao lulos c approvadosos seguintes pareceres :
A IIm de poder dar parecer sobre a pretenco de
Jos Augusto Leal, a commissao de commercio in-
duslna etc., requer quo pelos cauaes competentes
se peen a opinio do governo acerca da utilidade do
objecto da mesma pretenco, consultandc-se a com-
missao de hygiene publica.
Sala das cururaisso.es. 16 de marco de 1850 1
F. de Oiireira.Dr. .V. -PorUlla. '
A coiuminso de exame de posturas e negocios de
cmaras recoohecendo pela leitura, o minucioso
eiame das addicionaes da cmara municipal da vil-
la de Garanliuns o direito que tem os creadores e
agricultores daquelle municipio de reclamareui
pelo orgo da municipalidade respectiva a esta as-
sembla a necessidade que alli ha em separar-se o
gado de diversas especies dos lugares somonte prn-
pnos para lavouras, determinando-se terrenos ap-
tos a creacao daquelle e ao planto destas, aflm de
3ue os agricultores nao percam seu tempo precioso
espezas e trabalho, alm dos conflictos que com-
rauraente se do enlre creadores, e agricultores por
se nao acharem ainda descrminados esses terrenos
de parecer que attendendo-se s justas razos
expandidas vo a imprimir as mencionadas addi-
cionaes para entraren] na ordem dos trabalhos.
Sala das commissoes da assembla legsilativa
provincial de Pernainbuco, 16 de marco de 1858.
Padre Petxoto Duartc.Oliveira.Antonio Epa-
minondat de Mello. 9
Potluras da cmara municipal da villa de Ga-
rantan*. ,
Ar.V 10' Fica Proh'buio de criajKse gado vacum,
cayallar, ovelhum, cabrillas a-porcos dentro do cir-
culo desta villa.
Art. 2. Os contraventores pagano a mulla de
quatro mil ris por cada uma cabeca de gado, sendo
tirado a cusa do dono, e pagando a distruicao que
fizeram as lavouras. ^^
Art. ;{". Cabrinam|pBiTclhum c porcos que causa-
rem damno s'laveWBs, sero morios pelo fiscal.
Asi. 4". Os aoinms ravallar que offenderem as
lavouras alm dejiagarem seus donos o damno
icito as lavouras sorrerao a multa de dez mil ris.
Art. 5". Pica dividida o circulo da maneira se-
grate : Pegar do silao Bellamente em linha rec-
ta ao riacho dos Porcos na passagem do riacho na
estrada que segu doitio Panlisla para o rio Ca-
, e dahi em rumo direito 4 Cruz de Joo Fi-
pe na estrada que sali Jttta vUla para a (alen-
da S. Joao at eslafazendaLrdeU* seguir ames-
raa estrada a Serra dos Bou, a deste lugar seguir
a mesma ostrada que segu para Canhotinho a en-
contrar com p dislxtrto do mesmo nome ; ficando
assim pertencendo o terreno da parte do sul consi-
derado para agricultura e pela parte do norte ter-
renos de cna. Servindo tambem de diviso o tor-
il) H publicamos o discurso em outro numero
Nata do traductor.

, )
*am
lall ITII
rv-v';^.


2
reno seguate : Pegara do sitio Rcllauonlnja cita- .di' 1831, (orar fundos 011 darn pravas de grande.
doao sitio Jardim o deste au >itii> Mimosiuho,c da-leoragem em cmbales pola independencia nacional
Diario de Pernambuco.Quinta cira 17 de Mraco de \ 859.
id seguir o eaminho da Cruz al encontrar a es-
trada quesegu dista villa para Aguas-Bullas, u
ilalii rumodircilo ao riacho borro, edoscendo por
ello aliaixo alaos Poros, dondeseguir pela cslra-
da qiiovcni para esla villa at o Tabolciru do Bor-
ge, e dalii seguir o raminlio da Lago at a entrada
do sitio Saoninho o seguindo pelo caminho do sitio
Campestre atcnufiuntar com o sitio Estrella, edahi
em linha din-ita ao sitio Malta Escura encontrar
com o dislricto de Paz do Pouco Comprido e oda
Paliucira ; ficandn assim perloiicondo no norte ter-
renos proprios para agricultura c ao sul terrenos de
criar.
Pica revogado nesla parle o arl. 12 da lei muni-
cipal de 4 de marco de 18(3.
Paro da cmara' municipal do termo de Gara-
limis i ni ses-ao ordinaria de 1 de abril de 1857.
titanio Teucira do Hacrdo, presidente.Manoel
Carvalho Pnrlaoo.Florentino l'.ypriau da Cos-
l.iMiiviii'u Milite Tenorio de Albuquerque.
Antonio Cardeal de Azcvrdo. E inais se nao conti-
nua n dita ai ta.
l'.u Jesuino Correia de Kelln Brasil, secretario da
amaiamunicipal do Garanhnus a escrivj e assig-
nui.
Est conforme.Jivuno Correia de Mello Iran.
Sao lidosc iiiaiidados.iiiiprjwir os srguiilc-s pro-
jeetos. y .
1859.r-r'>j'ef,o n, 7.
'< A commissao d"JfJestatislira leu alt< lilamente a
petico que a e5l*a*gusta assembla dirigirn! os
povos do dislrirlo de Itapnza, termo de Caruar,
p.-diudoquo seja restaurada om matriz a capella de
S. Castalio, sita naquella povoacao.
Allog.un (uni principal motivo de sua suppliea a
coirtciiieneiii de seren nielhor salisfeilas as suas
nc.essidudcs cspiriluaes, que pela distancia dos lu-
gares nao podeiu si i dovidanienle alteudidas pel
respectivos paroclius, anexar do sen zelo : apreven-
ala igualmente um atlestado do reverendo vicario
de Caruar,. em que declara ochar-so a indicada ca-
pella nastlbndici oes de passar a serventa de ma-
triz, e se pronuncia ao uiesmo lempo por esta res-
taurara.
Com qiianlo, porcia, pareca n commissao que o
molivoallegado lio legitima ; todava de opiniao
que sobro a conveniencia la medida seja ouvido o
prelado diocosanu, rciiicltando-se-lhe o seguale
projeclo, atna>-de->*,iievtto*Vi o sen jui/o antes de
ser elle stlhinettido dnieuit? ,o.
Sala as coiumissies, II de mareo de 1s50.
A assembla legislativa provincial de Puruambu-
co, resol \u :
Arl. I. l'ica restaurada em matriz a capolla de
S. Caelane fdial de Caruar
Arl. 2. Os limites da nova freguezia se rompre-
henderao da maneira segiiinlc
Arl. 3. Comcrar, pelo lado do sul, do ltrejn Ru-
raeo, freguezia de Nossa Senhora do do Altinho.
ao Itrejo Palmeira, e desle ao llrejo Salgado, ser-
viudo o riacho Paroroca de extrema eom a fregue-
zia de Caruar, al asna barra coiu o rio Ipojuca,
lalii seguir no norle ao alio da Cnjazeira, onde
Morou Jos Manuel, dividindn sempre eom a fre-
guezia de Caruar. d'ahi em direci;ao do norte n fo-
zenda Japicanga, e a fazeuda Jaracali inclusive, e
d'ahi a s. liento naseenca do riacho Dina, e por
este abaiio eom todas os suas aguas al a sin em-
bocadura no o Ipojuca, oxlremaiidn-sc desle modo
cun a fr.iguczia de S. Jos do llrejo da Madre de
lieos, segiiindo sempre. a direrraa do poente, pas-
teada em linha divisoria quu sempre dividi afre-
geczla do S. Jos do llrejo, a encontrar eom asex-
Iroiiias da freguozia de S. Bcnlo, e servindo de linha
divisoria dessa mesma freguezia al o povoado Ca-
xoeirinha da dita freguezia do S. Benlo, c d'ahi
rm direccao ao leste, locando na fazendn Vanea,
d'ondc seguir para o nasecnte, diridindo eom ti
freguezia de Nossa Senhora do O' do Altinho, aosul
locando esta linha as fazeuda Pedra de Bailo Gar-
rote, Serrada Boa-Vista, Brcjo do tinado Pil, Bo-
queiro em direccao ao llrejo JussarS, Coelhc, o
noBrejo do Buraco, donde parlio a primeira li-
nha do sul.
Arl. 4. Ficam rorogadas todas as leiso disposi-
eoes om contrario.
Paco da assembla legislativa provincial de Per-
namliuco, 11 de maree de lh59.Pinto de Campo.
Manoel Caralcar.li.Correia de Oliveira.
O parecer lica adiado, depois de algumas obser-
va.-oes sobre n ordein do Sr. Barros de l.acerda,
por haver pedido apalavraacercado mesniu pare-
cer o referido Sr. Lcenla.
A commissao de peticoes, examinan o requeri-
ineiilo de Thomaz Jos'da Silva Cusmao, e ai-hou o
Mgiiinle : o peticionario requer que se Ihe eouceda
un auno de licenea eom todos os seus vencinien-
los, e que senomeie pessoa para subslitui-lo duran-
te a sua ausencia; que lem servido ha mais d<
vinlc e cinco anuos ao Eslado, eom assiduidade
zulo p lideltdade, seru nunca ter gozado lirencas ;
que est consideravelmeiite doentc, que para "res-
labeleccr-sc precisa de lempo, e 6 opiniao dos sen
facultativos que a sua sade ser mclhoreienle res-
labelecidn, endo elle curado ou tratado na Euro-
rapa
A comniissii do pelicoi's, em visla dos docu-
mentos annexos ao reqecrinienlo que examinun
reeonheco que est proxado eom evidencia o fado
li haver o peticionario servido ha mais de 25 an-
uos, som ntemrpcuae,aB ceneas ; <; er a com-
missao que semin-e c*m -xolo, ildolidadu tn.uo elle
allega.
Enlretarilo nao afirma a commissao minuto
acliar-ee o pMMOnerio consideravelmente doenli
a sernecessario lempo prolongado para curar-st
c necessilar de Ir Europa para CSSO tim. Recu-
nhpcu.porm a commissao de peticoes, que prora
ducumeiital apresenloii nesle sentido o requeren-
te : se porni nao pode a commissao qualilicar de
evidente essaprora, spela razao de nao poder
avahar otarlo que ella encerra, nem por isso lom-
hem a recusa couio insuficiente. Assim
commissao, que a probidade e inlelligeneia do me-
dico que atlinnou o fado, d.'i a csa provu o valor
necessario, para que a commissao o receba como
base para a discussao, e assim offereca conside-
rarlo destaillustrc assemhla
A commissao de peticoes, cntende, como varios
(suipiores, que as licenras dadas a funecionarios
por motivo de molestia, sem os respectivos ven-
i imentos, ronlm mesqninhezincompalivel eom a
dignidade do poder publico, c encerra mullas ve-
zea injuslira clamorosa. !', como a assemhli'a pro-
vincial, nao est adstricta dispusicao das leis vi-
gentes, por ella feilas, e as pode alterar e modilira.
geral, c individualmente ; como a presente preteu-
eao, podo ser deferida sem offensa alguma dos iu-
leresses pblicos, emhora nao baja direito adquiri-
do por parle do peticionario ; a commissao de pe
tienes, conllando que o bom senso e illustracao des-
la assembla a fardo sempre legislar eom acert e
do melhor modo, de parecer que se aulorisc o
presidente da provincia, a conceder, ou negar a li-
cenea nos termos em que pedida, depois donri-
licadns todas as parles allegadas pelo peticionario
e para ato aprsenla o seguinle urujecto de lei
185'J.-Projeclo n. V.
A assembla legislativa provincial derrela :
.'.rl. 1.* i) presidente da provincia, Pica aulorisa-
do | conceder a Thomaz Jos da Silva Cusmao
Hiesoureiro da thesouraria da fazeuda provincial]
um auno de licenra para curar-se onde convier-
Ihe, eom todos os vencimeutos que actualmente
percebe.
Arl. 2. A substituirn ser feila como aprouver
ao governo, no caso da concessao da licenea : re-
vocadas as disposicoes em contrario.
Sala dasrommissoes, rmll de marco de 1S59.__
Paulo ttAmoria Salgado Jnior.Antonio Epa-
minundat de Helio.
A assembla legislativa provincial de reriiam-
buco resolve :
Art. nico. Pica augmentado eom cincoenta por
rento mais os ordenados do regente bolicariu Itar-
beiro, enfermlro c porteiro do grande hospital de
caridade ; revogadas as disposiriies em contrario.
Sala dasconimissos 16 de marro du 1859 Thto-
dnro Machado Freir l'ereiru da iha Jnior.
E approvada a redaceao du projeclo n. 45 de
Us58.
/Conl/iiiiai,-sc-/ia^.
REVISTIARI*.
Foi exonerado, a pedido scu o Sr. Joaquim
Marques da Cosa Soares. do cargo de subdelegado
de poliria do 1" dislricto da freguizia do Cali, no-
ineado Bernardo IVrrrira de Burros Campello.
No dia 5 de tetereiro no dislricto de Villa Bel-
la, termo de Flores, Miguel l'errcira do Rosario as-
sassinou a Pedro Perrera Leite. Foi preso no dia
18 do dilo ; esl proressado, e pronunciado.
x'Mx autHKn ix r.vno ni: ksoiiaiira.O Direito
de Paris, di cunta de una audiencia, em que urna
inulher foi condemnada rfum nnnodeprisao por se
ler apoderado de um porimoniiiiir, que perlencia a
urna dama que rom ella ia em um mnibus.
Esta mullir i era dm 1830 casada eom um sargen
lo belga, ruja companliia eslava encerrada na C.-
dadella de Anvers. Ninguem pndia penetrar na pra-
ca. Mana Lomhard ( a mulher de que se trata),
lenibrnu-sc de se veslir de soldado, c couseguio as-
sim torear a senlinella, e rcuuo-so a scu marido.
Alislou-se convi soldado por dous aunes, e dislin-
guiu-se pormoCo que alcaurou lugo as divisas du
cabo.
Depois eslava eom oseu regiment cuifrcnleda
aldcia de Berehem. Travou-se una accao decisiva
rom as Iropas hollaudczas refugiadas na povoa-
e.'io.
Tratava-se de prepelrar a viva forra em urna casa
decampo, cujas entradas estavam barricadas, e da
qual parti um logo luortiferojpbro-osassaltanles..
i) i apilan cabio uorlo. Us bravos' belgas hesita-
vam.
Ilaria Lombard, avanca, arrojrfba a porta da casa
as coronhadas da arma.'e penetra na casa seguida
do seu regimentu, que toiobu lugo a aldeia, u de-
cidi da balalha.
Diilravez, perto de Louvain, no meio de un
combate, relienlou uui caixao de plvora e laecaa
por Ierra ao lado da llria, um grande nuinero^B
seus (amaradas. Todos os oulros fugiram Mara
sem se aterrar, tirou os feridos do meio do fogu, a
llicsprodigalisou os mais intlligenteg cuidado.
Porem o sexo desta curajosa mulher nao podia
Orar ignorado. lK-pcU de dous aunos de serrico
ella niesmo se deuunciou au coronel que a 0-
qmqii canlincira, c nesla qualidade se conservou
seta anuos unida ao regiment de scu marido
Por esles fellM glunosos e segundo a lei de 1833
que cruou a conducoracao da Cruz do ferro para os
que desde 25 de agosto de 1830 al 4 de fevoreiro
i ni Jos belgas confer a Mara Lamban!, a Cruz
ferro coni as honras, ujnilbe perteneca.
Ilepois de ler deiv.ulo o servico. a corajosa Maria
nenien sen marido, e liusu rediizida a vivir de urna
pequonn p.'iiso militar. Ha dous annns lornoii a
casar em franca cum um honrado operario aclual-
uieiite enfermo, c a miseria aimpelho a prlicara
ni aceao pila qual foi comdemnada a um aunu de
prisao.
Mortalidade do dia 16.
Jos Morera Comes, trauco, solleiro, 45annos, li-
sien.
Francisco Jos Alvos, bronco, solleiro, 35 anuos, t-
sico.
Antonio, prelo, solleiro, escravo, 30 anuos, infla-
maco.
Romana, exposta, parda, 15 dias, espasmo.
Nicolao, preto, solleiro, 19 anuos, frialdade.
Antonio Comes Barbosa, pardo, casado, 30 anuos,
beataas.
Clotildes, bronco, j> annns, cmaras desangUC.
loan, preto, solleiro, escravo, 05 anuos, gaslro in-
lerite.
Pedro, pardo, anuos, bexigas.
laludoitrnpublico.Mataram-sp no dia 15 do
torrente para o coaanmo desta cidade 15 re/es.
No dia lti du niesmo til.
Hospital de caridade.Exislem 53 hnmens, 5:1
mnllieres, nacinuaes; 1 bontem, eslraBgpiro ; 3 ho-
mens, escravos; total lio.
Eorain visitadas as enfermaras pelo rirurgio
Pininas 71 limas da maullan, Dr. Doradlas is
7 I 2 limas da nianha, e Dr. Iiirmo s 51 2 horas
da larde de huiilci.i.
Brrelo, entilo uiiirgndo do i.alio, o Sr. I'ovillo, j
elevado ao poslo de inajor-giaduado, dispoz-sea
enroi porar-se a oulros afliciaes, aflin de opporem- nha
se au presidente Ilegal, e
oiliciii's, tuve do deiiara
liraudo
d
p u isio, re-niiiil<
riil.ule do Bcrife
Na sesso de bontem da assembla provincial,
depois do expediente, diseiilio-sc o projeclo n. Silo
auno passado, que rreava una freguezia em Mallia-
dinha, orando os Sis. Concalves Cuiniaraes, Souza
Keis, Piulo de Campos e Anuda Falcao. Foiregi-
lado. Enlrou tanibein em primeira discussao o pro-
jeclo n. 21 do auno de 157, que eleva a villa a
povoaro de N. S. do O' de Ipojuca. tlnni oSr. Bar-
ros de l.nrerda, e requeren adiamenlo da discuaso
at que fossem ouvidiis o juiz de direito do Cabo,
e a eanHVa mimicipal. Hejjnitado o reqerimeiitp.
fui o projocto approvadiV: ^
l Sr. Theodoro e Silva, requeres'para queopro-
ji;rlo de forra policial fosse dado para o urdem du
dia de boje, e assim se decidi.
<> Sr. Uanoel CaraleaDli reclamouquetendoche-
eado a casa depois da ilislribu'n o do ornamento e
balanro da thesouraria, pedindo" os exemplares que
Ihe perlenciam, na secretaria se lho responden que
secretaria do governo, nao nbaUntesorem osde-
putados em numero de 39, s havia paraahi remet-
lido 38 cxcmplaros.
Sendo duas horas, o Sr. presidente derlaron pa-
ra a ordein do dia do In.je a conlinunio da de bon-
tem, e primeira discussao dos projeelos n. 19 do
anuo passado, ns. 5 e li desle auno, o segunda dos
de n. 19 de 1857, e 2 desle auno, e hvaiilou a
sesso.
Gommuiicados.

9-Xm, Sur. tenentc-Kencral
IOS" .I.K'.ljIZlll (Oflllll.
Transniillir posteridade as grandes aeros, pa-
ra que uvam elcriiimcnte aqttelles que as pratica-
ram, e costumo amigo, eji a era no lempo em que
Cometi Facita escaeveu a vida de Agricula, consi-
derada como um mdelo; e lodos goslain do cer-
car de circiimsiancias extraordinarias a infancia dos
borneas lUustres, aojos fejtosnarran, aflm de que
eslas pareeam precrusoras de suas grandezas Intu-
as, como iiutuii-o um du#imaia dislinctos lentes da
l-aculdade do Medicia de Paris uscreveno a bio-
giaplua de seu profundo mate o bario G. Dupuv-
lien, que 80 le no Plularco-Francez. Desejando qu<
passe historia o lime uo um bravo militar que es
limamos, para que asnuvens du iudilferciitismu e
do esqueciuieiilo o lo Awiirucam, como lem suc
cedido aos de nulms, JMauns tfarar um esboco de
sua vida ; e posloqueb infancia*do Exm. lente
general Jos Joaquim Coellin se nao encontrem es-
sas circumstaiicisj, de|ue fallamos, e que por ve-
Zes nao sio seno fruiios de iuiaginacn, todava
seus mitos meritorios, que nxporeios cm franque-
za 0 imparcialidade, nos pftreceni dignos de ser re-
feridos ; e eslamo persuadidos que baslarao estes
e sua conduela exampiar, em que sohresaem o brin
e a probidade, para i|ue seu mime passa- posteri-
dade, que ir cornado de. honra e gloria, e, alra-
vessando a idade, subsista na memoria de ludos
E verdade que us prmeirus anuos do Ilustro ge
npral deii-seuma oceurrenca, que parece ler influi-
do sobre sua eleva o Nascendo em Lisboa, aos
> de seleinbro de 17.07, de Joaquim Jos Coelho o
de sua mulher D. Thereza Mara de Jess, edevon-
do seu rnio mais moro ir ao Biu de Janeiro, on-
de achava-se sen padrinho, a chele de esquadra
Garcao, que o mandara chamar: mas, nao aueren-
do esle senarai-se de sua familia, o Sr. Jos Joa-
i|iiiiu Coelho subslitui-n a parlio. Cliegando ao Rio
du Janeiro em 1811, e preuriiujo a cureirn militar
a qunl^M, r utitm, que Ihe era' olTerpciltav praea, como voluntario, em 23.deabril do 1811, rni
0 l.'balalliao de fusileiro, e, fazendo parte da ev-
pedicao, que viera Pernambuco em 1817, a esla
provincia chcgoiicoino prara do batalhao de gra-
uadeiros. OSr. Coelho nao foi desses soldados, que
nao seutem lijler-lbe o enracosol a farda: abra-
cando a carreira das armas,' procuren sobwsahir
por sua conducta e applicaco ao serviro, o a Uto
deven percorrer eom dislinucao lodos s postes de
otllrial inferior alodesargento-ajudaule ; eaquol-
lesque u viram nesse lempo, e anda vivem.se re-
cordam da eonsidenuo, que mereca de seus che-
fes, o da estima, em que era tido pelo Mostr go-
nerari.uiz do llego Brrelo, que por rozos assistio
eom prazer s manobras, que elle rxeciilava nesse
niesmo campo, emque, minos depois, sua voz mar-
cial tiulia de serouvida lenle de. toda a tropa da
gii.-.rnicaosob sen conimaudo.
Se o Sr. Jos Joaquim Coelho, senlando prara,
nio leve a vanlagem deenlrar nu Exerr.ito como ca-
dole, sua conduela sempre digna e suas qualidades
pessoaus, que tanto cuncorrem para a atlraceao
sympathica que exerce, l'aziam quo como lal fosse
eslimado por todo.t aquelles quo eom ello (Mam
om intiinidade, e eram a flor da mocdade desta
provincia. Apenas principiaram a manifeslar-se as
ideas de liberdade e independencia, uo lardn em
pranunciar-se em seu favor, e, sendo preterido em
tuna proposla, a que linlu ineontemrel direito,
injuslira que por aquillo solu-cu, decidio-su a ligar-
so iuleiramenle aquelles que leulavam oppnr-se ao
governo ilu general Luizdo Reg Brrelo, e burlan)
reunios, a que elle cum militas pessoas gradas
.'sM-h.i. Parlindo do Pnrlo o grito do liberdade,
que lora ouvido na nuilo de 23 de agosto de 1820,
veio reperculir no Brasil, e, inslallando-se em Coi-
anua um governo provisorio similhanra do que
SO havia InataUada na Babia eml do fe'vereiro de
1821, o sargeiitu-ajudanlc Coelho concurren pode-
rosamente, pela influencia que exercia sobre seus
companheros danuas, para que o 1." batalhao de
paseadores, a que pertoneia e era commandadope-
lo mujor l.uiz Deodalu, fosse eiuorpornr-se aquel-
les que siislenlavam esse governo. Desde enlao du-
vdosos nao lem sido seussentiinenlos, o desde es-
se dia dala essa dodieacao ao Brasil, em favor do
qual tantos serviros lia prestado, c por vezes lem
derramado seu sanguo, como altcslam suas ciea-
1 rizos.
Elevado em Coiann.t no posto de tenenlc-ajudan-
le, o que prova asna coadjuvaeo valiosa, leve lo-
go de dar mostra de sun bravura. Marrhavam so-
bre a ridade do Recite as torcas, que siislenlavam o
governo provisorio, e o lecnle-ajiidnilo Coelho
fui escolhido para eomauadar a sua vaegoarda,
composla do infanlaria e de ravnllaria, e, andando
sempre em frente da forra geral na distancia di
urna a duas leguas, foi o mimeiru a encontrars
tropas iiiiinigas, que se acliavnin as irnmediaci
un familia, seguir como osbatalhoesl '. :,'
issadores omihreecao villa do Cabo, onde es
apresentaram ao presidente nomedu pelo governo
imperial, que se arnva no sen Eugenio, Vciho, \i>-
p que o dito Pacs d'Andrade recusava-se a dar-
llie posse. Sendo diminuta a torca que apoiava o
presidente, legal, e nao pudendo aquelles que os
conunandavam resistir asqueem sen guguin.....lo
Hiera marchar Pacs d'Andrade, elle e seus cumpa-
nheiros resolveraiu deixar essa villa, e relrar-se
para a Barra-Crande, e ahi forliuear-se, como
lizeram ; e, beiu eiitrincheirados nesse poni, e
coadjuvailus por forras que receberam de Alagoas,
jKlcram resistir durmi seis metes a farras ame-
losas que eom eiilhusiasnio so hatiatn em favor da
Federacao du quador, proclamada por Pacs d'An-
drade, at que, chegando da corte os reforros en-
viados pelo governo imperial, liveram de marchar
sobre a capital Cumiando Kxercilo, que fui deno-
minado Coopermdoi da Una Ordeni.
Mullos fbram os sen ros prestados pelo major-
graduadn Coelho na Barra-tirando ; incneionarc-
IIIOS algn-, para que se nao snpponha que falla-
mos vagamente, ou oscreveiuos sem dorlimenlos
comprobatorios de nossas asserede*. Encarregado
de defender tom seu halalho, que era o 1" de cas-
sadores. o parle da forra ncebida de Alagoas, a
liinelieira da fenle, seu'iprc leve a feliridade de
roenacar o iiiiinigo que ronslailtemcntu o atarava
eom forrasmni superiores s suas. I)s seus esfor-
'.'"> se nao limitaratu a defender essa linrhera :
sendo ella atacada em una ncrasin, e fazendn o
uiiinigo una negara, carregnu este depois cniu gran-
de farra sobre a retaguarda que, nao estando forti-
lirada, em facilidad!' permtto-llie penetrar no
acanipainenlo das tropas mperlaes ; mas, receben-
do urdem y, major-graduado Coelho para carregar
sobre o iiifniigo, A frente de seu batalhao, consc-
guio leva-lo de rojo e aeossa-lo na distancia de una
legua, do [lie rcsultou deixar aquello no campo
diversos njoiiose ter mullos fondos ; e dias de-
pois, leude tido anda a feliridade de desalojara
forra imperial, que orcupava a enrdilheira es-
querda doEicanipameulo, eso'ppondu oslar de pos-
se do campo, vio malngradn sen plano, porquaiifo,
o niajor-graduado Cuellro, retcllando ordem de re-
Inmara comlh.'ira, cf)ft,"<'iiO foae4n r. ruar, dei-
xaudu ainda no campo 1) iiiimifO gnus morios ; e
sendo cssclpouln considerado o mais importante c
arriscado, bflerecru-SU para orrupa-lo e defende-lo,
e, Iratandii de fnrlillra-lo convenientemente, exe-
cntou-o di| lal nianeir.T, que no ataque geral que o
lUimigo den, rairegando rom suas iniilheres solda-
dos sobre essa cordilheirn, que era se.a esperanca,
foi COmpIdlamcnie npellido, deixando afreiiledes-
sa furliliraro juncada decadnveres, entretanto que
O dislinclu in.ijiir-graduado Coelho, apenas leve
dons inurlHI e Irvs leudos, nao obstante hacer du-
rado n ataque das cien s onze horas da mnbaa,
Rao furam estes os uniros serviros importantes
presladosbelo major graduado Coelho causa im-
perial. Das depois do ataque geral dado pelo ini-
mig), em ajile elle se euhria de glorira c deraprova
de sua tecuca militar, quz o conininiulanle das (or-
eas all estacionadas me fossem atacadas asinimigas
iiiesinn eio sen acainpnmento ", mas isso era arrisca-
do, ps pjitlia ser dirigido por um olBrial inlelli-
genle e bdavu ; foi o major-graduado Coelho queui
leve a honra de ser encarregado de dar a aeran, o,
marchando fenle 1.: forras liradas dos diversos
pontos, ataron as do nimigobm tal mpetuusidade
que pene-uii pelo lado direilbde suas forlilicaroes;
infefazmente pomo depois nasa bala, que alrves-
sou-lhe u ante-braco esquerdo, e urna copiosa chu-
va, que Subreveio, ll/eram que nao rontinuas-
se o ataque, que teria sido eproado de grande
resultado sem essa occurrcncia, recollieiulo-se por
islo as fon-as imperiais a seu acampamento. I'e-
rido nesse ataque, o major-graduado Coelho tratou
de restabelecer-su para vollar avis cmbales ; mas
nina heniorrhagia que prucedia da arierra nteros-
sea, que havia sido dVendida, ia (azendo-o succuni-
bir, [lOrqiianlo reprtin-s todos os dias, p s a rus-
to e tomo por milagro, vislo que ja su havia perdi-
do a Psporanra de conler o snngue, pode cessar;
entretanto, so o Ilustre militar eseapou da morte,
nao deixou de ticar SOflrPOda desse ferimento, pois
que a relrarro dos msculos Ncxlssores dos dedos
inulilisou seus niovimcutos, i; aiuda boje o lenente-
general Coelho mal pode servir-se da mo esquer*-
da, que apenas se presta a sustentar as rodeas do
cavallo.
A prescnr.a de espirito e intrepidez do major-gra-
duado Coelho mull devorara os chefes das torcas
ituperaes, que se arliavam nn Bana-Crandu ; e, a
nao ser islo, lalvez uulra fosse a sorle da gaerra o
a forma de governo i.o Brasil, pelo menos de sua
parle scptentriuual. Citemos mu fado, que prova-
r o quu dizemos. Na povoacao de S. .los-da cu-
ra-grande oxislia um ponto commandado pelo l-
nadu capiau Francisco Ignacio Ribetea Huma, e a
esse lugar coslumavaiii ir em passaio os homens
mais Importantes do acampamento; mas o major-
graduado Cuelho mima us linha acouipanhado em
suas excurscs. I m.i vez resolveu-se a ir, e cum
effeito parti em una maiihaa rom o marques do
Recite, Dr. Mayor, consolheiro Thomaz XavjerGar-
la JoAlamvia.xoronel lleji^O Jos le
casa de seu amigo alim de resOlvC-la a faz-lu, vis-
loque este nao queria ennvir no que se ll,e propu-
I nha saliendo que suaevaso compromellia seu pro-
;i esses lector : e, nao salisfeilo eom esse sarrilirio .i ami-
nella zade, ronseguio queseo protegido nao fosse eon>-
uerado ausente, e como tal o julgassr a Commissa
miliL.r que o cundemiiaria por continuara, porque,
se assimse iirocelesse.si>na comprelicndido naca-
Idgqria de oulros que iiforam, u nao poderte ser
restituido ao seio de sua familia, romo succedeu
aquellos que nn participaram das vanlagcns dessa
celebie amnislia que, exriuindo os condemnados
ausentes, mandava concluir cum presteza os pro-
cessos coiueca.los, e executar os quu hOUVCSSem si- u rnmmamlaule era
do eondemnados morte ; entretanto que, sendo de- '
morado, como foi, sen julgauonln, pode aprovei-
tai-lbe a amnista.
i's relevantes serviros prestados pelo major gra-
duado Coelho causa imperial, pela qual por vezes
arriscara sua vida, apenas liveran em recompensa
a connrmaeo de seus pslos ganhos eom uniros
s< rviros, nao menos imporlantcs.prcslados anlerior-
menle ao paiz, i* a eonuPcoravu de oficial da impe-
rial ordem do Cruzeiro, ea medalho de distincru
d.ula aos hravosdo Bxerrilo cooperador n boa or-
dem. E venlade que o lenle general Coelho, leu-
do por habito nu pedir rulliuiicraries ao gov mu,
nem iiicuniinoda-lo cnin i'Vgellrias, receben sem
mormurar o que o Imperador Un* quz dar, nn fa-
zendo valer ossrvteos que Ihe prestara, serviros
que ge arliam niencoiiadns no documentu que vai,
eom oulros, transcripto mais abaixo, e est assi-
nado pelo coronel Conrado Jacob de Niemcyer.
(jnalquer nutro, que houvesse prestado esses sen i
ros em rirrumslamias l" arriscadas, v livesse Pin
sen favor u tesli^munlio de lanos bravos, esperara
pelo menos a eflectiv idade da patente de major, e
ail'.igir-si'-hia ; las o Sr. Cuelho mida disse : essa
ell'i clividaile < llic foi dada por decreto de 12 de
ouliibro de 1825, o que prova o que se leem 1101
artigo que publicamos no Diario de l'eniantbuco v
julho de 1857 ; islo c,que o Ilustre general nunca
especulou eom victoria.
No cumulando lio halalho n. 17 de eassndores,
que elle ba\ ia organsado em 1825, coutiuiiuu a dar
pravas de seu amor disciplina o uslrucro mi-
(lar, lodtivia niio deixou de solfrer uijustiras pro-
movidas por seus iiivojosos, sendo notavel a que
Mu- foz experimentar o general Antera Jos l'errcira
de Brillo, eutia Comniandanle das Armas desla pro-
vincia, injusiiea lano mais clamorosa quanlooma-
or Coclbo liuls)tprpv.|n a oceurrenca que serviu-
lliu de pretexto, expoudo seus rereios ao dilo gene-
ral que, habitHBo a maneiras despticas opouco
respeilosas, por ve/es fazia execuiar resolucdes lo-
madas nos momentos de conlrariedado ou colera ;
lOdATa isto foi nm meio, que leve o major Coelho
para mostrar quaulo forte seu espirilo de suhOY-
geiilnR, que em lenle de leda a forra militar da
guarnirn reunida em grande parada, por ser dia
aniiiversario do nascimeutn do Sr. I). Pedro I, lho
foi os ninis pomposos elogios, e reparn a injuslira
que havia roiumellido. Digamos pois em poucs
palanas u que a sin den lugar, para que so nn
pense que bouve da parle do disimilo ollicial qno-
bra de dignidade individual, ou falla que exigis-e
castigo.
Tendo o major Coelho reccbido do qiiarlel-gene-
ral un-, reerulas, e parecendo-lbo que o quarlel de
seu halalho nu iiflerocia a necessaria seguranca,
repiesentnii islo inesuiu au general Perrera de Bril-
lo; mas este, mi vez de considerar no que se Ihe
ponderava, a aAuder s reflexes que Ihe eram
feilas, persisti fu que linha determinado ames,
romo cosluuiavairalicar. Nao lardou que alguiis
desses rerrutaasjntvadisseni : sibendo-u o general
Ferretea de liritio, e desoeitado poi se ler realisa-
do o -que liavia previsto o major Coelho, nao s
maiidou prender dous capiles du batalhao de sen
coramaniio, que nenhunia falla haviam commeiii-
do, senao determinoii que o niesmo major passassu
para o batalhao n." 1 de eassadores, de que era
coinmandaiile u Icneiile-cnronel Thomaz Antonio
da Silveia, alim de que nesse batalhao ossia-
prender a fazer-se respeitar de seus subordina-
dos ; batalhao om quo leinava a relaxarO e de-
sordem, como veriticou-o o major Coelh, prece-
denles de oceupar-se pinico eom o que era de sua
obrigaean o dilo tenente-coronel, que prefera o
sninno aos exercicios militares.
Continuando
mor ordem, e sua suhonlmaro lizeram quere-
pellisse o convite. Nn orant occultoa os manejos
los desordeiros ; entretanto o governo provincial
ronsorvava-so, por assim dizer, impassivel, nu lao
frdxn, quedeixava-os progredirem em seus planos.
Se o lenento-cnrouel nn arceitou o convite, nem
por Islo os chefes d.i desordem ou contra-revolueM
desaninaram, porque sabiain q......lie era incapS
de nina delaco, o, procurando aliciar os soldados
do li.iiallio, que esterera sob seu rommando c aca-
bava de ser dissolvidn, conspguiram em grande par-
le seu intento, risloqoe esses sol.lados aiuda se
achavam espalhados por esla cidade, e o nomc de
sentado eomu meiode
s.dueo ; mas islo uo BprOVettOu, 0 se i|. ve ao
leiieiile-coronel Coelho, que s obedece ao governo,
e nn dcsembainlia sua espada contra a ordem, que
6 a garanta do nossa estabelidade.
A lionas rompen a desordem, fondo lugar em
abril de 1832 no hatera de S. frei Podro Concalves,
um que eslava aquartelado um dos balalhes'dr mi-
licias composla un grande pane de brasileos adup-
livus, o tenente-coronel Cn 'lho apn -nliin-se ao
governo imperial e receben o rnuiniaudo da forc i,
pie dev i.i conler os desordeiros, leudo sob sua-. or-
do
a guerra entre o Brasil e a Cispla-
tuia, e precisando* nosso Exercilo de novas Iropas
para poder manieras posices que orcupava, o Sr.
Coelho, queja seahava elevado au puslu de len-
te coronel por Deetelu de 5 de fevereiro de 1827,
tve de marchar aesse auno para o Riu Grande do
Sul eom 0 balalhc/n" 17 de eassadores, que elle
cuniiuandaca ; e, Dcorporando-so ao Exercilo bra-
sileiro, all perinaiieceu at a conclusau da pazem
1828, rontiuiiaiido depois em guarniro naquella
provincia at 1831, da qual s eui voltuu. \
casrpanha daCisplaliua nao foi estril para o len-
le coronel Coelho ; c, se nella noganhou nem pus-
lu, nem coudecorai*es, purque Indos licaram esla-
conarios eom a abdicarn do Sr. II. Pedro I, all
den pravas do sua eorageni e dedicaro a esla pro-
vincia, que elle considera como ngar de seu
nascimento, mostrando-o rom actos, e nao eom pa-
lavras. As exallares palriolcas do povo pernam-
hucano, que se inflama fcilmente, fazeui que us -
IbOSdesta provincia sejam ucuimadus de desordei-
l-emeiiha l.ins I'", '''." >""r;1s deste Imperio, c a bravura de .-rus
Uaeoso tm* aSieo-st- safe.., ^,. en BBa!l ^VSmSP?9 "*fi*2li!i 'iuii itnw %. iTffJl. i -1 "
aram-nndp- "' llu insuliorHlos7 Islo nao e mexaclo : digam
as otc^ iiiiiuigas,
lellS COappaillleims,
ni algumas casas e
mas, cnegando todos ao ponto, cncoutraram-no de-
serto, e, infniiiiando-se, soiiberain quu aturra, quo
o guarneca, o linha deixido, retirando-se paraou-
Iro lugar, em cunsequuncia de haver reccbido avi-
so de que forras iniuiigas se dispuiihaiu a a!acaf4s).
Nu lardou milito que todos os da comitiva do mar-
quez. do Recito, deixando essa posiro, seacliassem
ein frente de torcas uimigas, e a lal dislaucin, que
dlicil Ibes seria escaparcm. islo porui nao per-
lurbou o major-gra.luado Coelho ; desviando-so um
poucu para u lado da praia, parti a galope, nao
obstante urna descarga que saucera,, da qual rcsul-
tou a uiorle do ten.uile Sanios, cujo cavallo ncura,
eenlregar-si ao iiimigo o lenle Joo du Dos que
bai ia cabido do em que ia monlado, e, chegando ao
acampamento, voar marche-marche cum seu bu-
lalbu ao lugar em que eslavam as fot
e pode por esle modo Uve
que se achavam homiziafM
nao deixariam de. Ilcar priskStiro, ja o nao leudo
sido purque o inimgo suppunha que ellos linham
all ido acoiupanhados de tropa. A nao ser o cora-
joso procedmento du major-graduado Coelho, que
nao heailOQ em oxpdr sua vida para salvar seus
companheroa e voltou eom as torcas que estavam
sob seu li.minaiido, lodos leriain cabido em poder
do inimgo, c por cerlo, prisioneiio o marque? do
Recito e os homens mais importantes do acampa-
mento que o cercavam, tena desappnreeido esse
poni de apoio, que servio para quu o Sr. I). Pe-
dro 1 podesse conler os que havaui proclamado a
Federar do Equador e nao eslavam solados.
Nao pudendo o major-graduado f.oelbo, por sear-
se ainda forido e minio enfraqiiecido, acoinpnnhnr
o Kxcn'ilu imperial em sua marcha sobre a cidade
dolRecife, feita, como saben) algn-, por estradas
pomo frequentadas que haviam sido indicadas pelo
engenheiro Conrado, dias depois voltou 4 capital ;
mas nao o fez nem para perseguir adversarios ven-
cidos, nem conservar-sc impassivel ante as perse-
gi cues, que oulrosexerciam e sao frequentes em
taes oireumslanctes. Se o major-graduado Coelho,
ios campos de balalha, cumpria scu dever, nunca
ni islrou-se cruel, e nao dvlxava de deplorar os nia-
les que acarrelava a guerra civil, lano mate qaante
entro OS olciaes, que se haliain lias lllelras inimi-
gqs, coiilava amigos. Sao lio importantes osserii-
rds que elle prestou nao s aos seus amigos, sean
aquelles que recorrern) a sua protecrao e vali-
mbulo, que, quando oulros nao livesse quo allegar,
liislariam esles para mostrar que o excellenlc seu
ci raro, e que o lenenle-general Coelho numa per-
s guio pesaos alguma, Valeudo-se de sua protecrao
0 leiienle-coronel Jos Aiilouio l'errcira e o capi-
llo Jos Vaz de Pinlio Cnrapebn, que uur cerlo nao
p idiaiu escapar de ser eondemnados a morte pela
t immisso militar, insliluida nao obstante j&pxis-
1 -aConsliluinio offerecida pelo Sr. t. Pedro I, na
da cidade de Olinda, sendo obligado a baler-se'du- 1ia.' Sr> conselheiroThomaz Xavier Garca d'Al-
ranle duas horas sem raceber auxilio da forra, que I r it'ida, seu relator, la implacavel mostroa-se, o
devia presla-lo e cnmpiiuba a retaguarda. Eslp fei- l1Jor-grnduado Coelho nao:s presloit-se a sua ova-
lo d'arinasni'in poda passar desapercehido, > era s'0_. senao_ foi pessoalmenle cidado de Olinda,
um baplismn de gloria'para aquello que havia liga-
do sua sorle da pnlria que adoptara : logo de-
pois foi elevado ao posta de rapilo, e nesle cou-
liiuinu a dar pravas de sua dedieaco.
Casamln-se rm :! de nnvembro'dc 1821 eom I).
Mara Bernardina de. Cusmo, lilba de Joaquim Es-
tanislao da Silva Cusmn, os laros, que ronlrahira,
ninda mais o prendiam no Brasil : a islo deven eni
parte nao arharac entra os seus valenie eompa-
nheirosd'arinns. que se balinm nn provincia da Ba-
bia conlra as tropas lusitanas sob o rommando do
brigadeiro Madeira que nao quera reronbeeer i
independencia do Brasil, j proclamada a recebida
eom enlliusiasmo por qnasi lodo o Imperio ; uns,
conservando-se em Pernambuco, o capitn Coelho
nao deixou de prestar relevantes serviros causa
da ordem, que elle sempre tcm defendido eom de-
nodo, e a este sedeveo nao terem sido mais luc-
tuosas certas sernas, quo a anarchia, que se nota
quniidu os governos so arham sem forra, fazia appn-
rerer rom frequencia ; convindo nao'passar em es-
qiiccimcntn o seu procedimeulo quando Pedraso,
aullado pela populara,se iadcixando levar ao pre-
cipicio, a que arrastrara a parte mais elevada de
nossa snciedade, sendo o rapitiiu Coelho que eom
o i" halalho de milicias, deque elle era mandan-
te) e tiuha por coronel Jos Ignacio Alves Ferreir.i,
mais concorreu para qire a anarchia nao licasse
trnimphante.
Dissolvida aCoiistituinle Pin 12 de novembro de
1(523, c, chegando a esta provincia alguna depu-
tados de Pernambuco. Paralaba e Cear, em 13 de
di /ri,iino desse anno fuiapresenlado um manifes-
t, em que ellos expunham a violeuca que linha
soirridoa Assembla, cuja casa havia sido cercada
por tropas de todas as armas em atitude hostill
apoiadas de daas peras de arlilharia eom murres
accesos epromptaa a obrurem, nesse mesmo dia
retinio-se em sesso extraordinaria a Juuta do en-
verno da provincia sob a presideurir> interina do
Sr. Francisco de Paula Cavalranli d'Albuquerque,
hoje senador ao Imperio e bario de Suassuna, ,'
reconheiendo esta que linlia perdido toda a torca
moral, como derlarou-o em sua respectiva arla, fot
cleilo presidente, da provincia u fallecido senador
Manoel do Carvalho l'aes de Andrade ; mas, nao
querendo cato obedecer depois au guVurno impe-
rial, aun nao linha approvado a sua cleicao a ha-
via nomeado o marquez do Recito, Francisco Paos
senao foi pessoalmenle
nade te achavam oceultos, ecom el les velo edei-
i ou-os em essa do cnsul dos Estados-Unidos da
mcrira do Norle, o prestrtroso Ray ; e lauto sen
rhracter nao 6 propenso a perseguiroes c vinganras,
enronlrando na nnile, emque*arompanhara OS
afuetees de quenosoccapamos, o lenle Hen-
anha, unidos seus poneos inimigos individuaes,
o prendeii-o, e reparando quo esle havia lirado
. terrado rom suapresenra, por elle passando, dis-
e-lhe quenao o linha viilo, e fizente que nao o
teN Esle fado, que garanlimus, mostra o que u
i mente-general Coelho, e que merece ser imitado
or aqlfollcs que, em idnticas rircumsianrias, se
io leriam esquecido de seus odios, edariam gra-
as ao acaso por Ibes offerecer bccasio de vin-
anra.
Mais do que isto fez o major-graduado Coelho :
jm servico ha, que nos parece digno do serreferi-
lo, poisqiio musir que sua dedicara vai alm do
|ue se pode esperar de qualquer homem. Entre OS
ompromellidos, que haviam sido prisionciros, con-
nva-se o cnpltode milicias Bernardina Pereira de
trillo: esle oficial, commandandoo halalho a que
"ileiicia, linha-se opposlo nosAfogadns i entrada
las forras iinperiaes fazendo-lhes togo ; c islo era
'ulliricule para que fosse rondemiiado morte pela
iommissaomilitar. Sua familia recorreu ao major-
fraduado Coelho, eom quein entretnha reteroes de
imizade, e esle nao s consegu do general Lima
Silva que ocapilo Pereira de Brillo fos-e remo-
ido de bordo do um dus navios de guerra, en que
om oulros achava-se preso, i>ara a sala livre da
adeia, seno desla para sua casa, que obleve por
lomenagem, assgnandu o major-graduado um ler-
i no, uo qual se respnnsaUilisava pelo dito capitn,
slo porem nao lutslnva paro livrar da Commissao
l litar e por coiisequencia dosuopUcio o capitn
ereira de Brillo ; esle s podia*evilar aquella e
srapar da morte se fugisse ; .mas Pereira de Brillo
a incapaz do acto to deshonras, c seu compor-
mento provoii-o. Muilos das depois de estar em
ia casa Pereira de Brilto, o major-graduado Cecilio
fai avisado que seu protegido linha do responder
peranle a Commissu militar, devendo ser por islo
rtcolhido prisu, o elle sabia que a coudemnarao
pena capital o esperava, visloque achava se a3
cOndires em quo era imposta: nao soaconsulliuu
a Pereira de Brillo quo so ovadissu para os Estados-
libidos, como j lindara feilo uniros, senao foi
todos os que tom estado em nutras provincias, sem
niesmo exceptuar a do Rio de Janeiro, so nao fal-
lamos verdade ; entretanto aquellos que nus cunhe-
cem, e julgam sem paixn us uossos compatriotas,
reconlicccm a injusiiea dessas iinpulares, c nao
podem deixar de confessar que nao ha*povo mais
dcil, mais brioso, nem mais euthusiasla da gloria
1 capaz de altos frites.
Chegando ao acampamento do Ro Grande du Sul
o tenente-coronel Cuelho encontrou ossas impnlat-
coes que o morlilicavam. e leve por islo de telar
eom a prevenrao, quu havia, contra us soldados per-
naiiiliucanos ; mas nao lardou que se lhu oll'ereces-
se accasio de mostrar que essa preveucau, como
outras muites, era infundada. Logo depois de che-
gai.ieconlieccu que a mu reputarn das trapas des-
la provincia nao era recebida smenle peas pea.
soas da escala inferior da sociedade ; mas, nao sen-
do elle homem a suppoitar hunlhacoes, foz desap-
parecer essa ni rcpulaco, que a in'veja nos linha
dado.e procrala enlreler. Achava-se o tenenle-
coionel Coelho no quartrl-gcnerul, eouvindo o ge-
neral em chufe interino do Exercilo, o ingle?. Brown
dizer que os soldados de Pernambuco eramfracos
e rebeldes, inlerrumpou-0, e pediu-lbc que u no-
iinasse para entrar desde logo em acro eom seu
balalbao ; mas, nao estando este ainda habituado
ao liio.nem coiupeliudii-lhe ir a puslos avaluados
resisliu esse general. Nao era isto, que desejava lenenle-roroiiel Coelho : insisti, e por hu toiat-
leudidu seu pedido. No primeiru dia nao leve en-
conlro eom 0 inimgo, e islo ia desagradando-o
porquanlo almeteva ler umaoccasao de dar pravas
de que seu batalhao era composte de soldados bra-
vos e obedientes : eom efteilo uo da seguinle leve
lugar um ciieonlrej, e lanUcoragem ellee seus com-
panheros d armas mostraram, que u inimgo foi
repellidu esahiu complelamenle balido. Este hilo
d'armas juslilicuuos nossus soldados, egeneral em
ehefe interino, que antes nos- havia ouendido cum
opftbelos injuriosos, fui o primeiro aprociamur que
us Pernaiuhucauus eram soldado* diguus de figurar
em qualquer exercilo do mundo, poisque nenhum
uulro os exceda em valor e firmeza, e desde enlo
os lilhos desla provincia cuuiecaram a gozar da cun-
sideraco e da alia estima desse general. Islo, que
fez em favor de nomo p.eniambucano o tenente-co-
ronel Coelho, que nao nasceu em Pernambuco, nao
fariaiu lodos, e o que prava nossa assercio que
acbundo-su prsenle um lente coronel pornain-
bucano, a quein se diriga o general emchefe nleri-
no quando solluuojpalavras insultuusasqueiiiulesla-
ram o Sr, Cecilio, nocudou de repellir a injuria
que lasjgan sobrehile recada, esutlreu impassivel
quu d*aa ousuio eslrangeiro.
De volla n esta arovincia, o tenente-coronel Coe-
lho & encontrou rtsiituido a seus lares alguns dos
prosrirptos de 182jl, e, chegando, viu que seus fa-
vores nao tinliain sido esi|iiecidoscom aabdirai o do
Sr. I), Pedro I, pohque enlru os que o visitaran! no
primeiro dia se coaiaram alguna, nesse numero fi-
gurando 0 cupilio Jus Vaz do Pinho Carapeba, es-
se mesniu n qnem elle se prestan em sua cvasu.
alim de escapar de ser execulado, como foroouiros
que se nao achavam em pebres nmdteeoes sendo
de notar que essi visita se foz debaixo do copiosa
eliuva e em um di* arrabaldes desla cidade, onde
eslava a familia op tenente-coronel, poucas horas
depuis de seu desi nibarque em nosso porte.
A abdicar o do Sr. D. Pedro I, tendo dado gran-
de abalo ao Imperio, dividido em partidos polliros
e descontente em eanaequcneia du exeessos eom-
inrllilos por nlgiiis militares que perlenciam so-
ciedade denomina4a Columna do tirona e do aliar
da qual nao fazia parle o lenente-eoraiiel Coelho)
foi causa de que lido sahisse do estado normal e
as rodas adminisltativas se achassem tora de seus
eixos. Exercilo, tendo-su prestado ao que se fez
em 6 de Abril do 1831 no rampo de Santa-Auna du
Rio de Janeiro, foj-ae relaxando, o seus repelidos
actos de insiibordia. o, para os quaes concorriaiu
alguns Officiaes, simdo o mais nolavel o que leve
lugar poste provinda em setembro desse auno, cuja
guarnteao sublevo-see deu saque cidade do Ro-
cife, obrigaram a Kegencia a dtssolrer muilos cor-
pos. As pravas de bravura o suhordinaro, que ha-
via dado o halalho n. 17 de eassadores, comman-
dado pelo tenente-coronel Coelho, eram urna garan-
ta para sua conservarn; mas assim nao succedeu.
Chegando a esta provincia, esse batalhao foidiasot-
vido, nao obstante nu haver arlo alguiii que contra
elle depozesse, e Itr eslado fra do foco da insubor-
dinarn, pelo que toiisen iva sua disciplina ; e, pos-
to que seu cominandani nlm oppozesss resistencia
alguma, Indavia nxislruu a inconveniencia da me-
dida, edisseque.se ella podia evitara insubor-
dinarn, roncorrerin para quu desordens populares
se repelis-.-jii ; o us sncceSSO* posteriores, que pu-
zeram por vezes en alarma a populacio desla ci-
dade, provarara qut elle linha raza. Os partidarios
do Sr. I). Pedro I, an encontrando apoio no gover-
no da Regencia, o desejando que continnassem os
exeessos por elle praticados antes da abdicaro
exeessos que comprometteram o inounrrlia, qne'er
acensado de favornc-los, julg.uam acertado impor
por meio da forra, e operarein urna conlra-revolu-
co : o esla provincia fui eseolhida para dar rome-
ro no romtumeiilu. 0 lencnle-rorunel Coelho, que
i. aqui se achava lo volta do Rio Grande Ou Sul,
fui convidado para tomar parto nesse acto; mas seu
dens -eu amigo Coraiieba, enlo commaiulanli
naialliu n.51 do2." linh.i. Safo-ndo eltedo que se
havia folio para seren aliriados seus antigos solda-
dos, mandn locar chamada eom o signalqiie sen
batalhao linha no acampamento do lli.i Urandedu
Sul, e nn lardn que esses bravos, que em elle
lanas vezas haviam ido ao lugo, se Ihenpresenlas-
seiii, admirados de ver seu coromandanto uui oppo-
sirfio desordem concentrada no bairro do llecto,
poisque se Ibes tiuha dito, para allrnhi-los, que o
lenle coronel Coelho tambcni entrava nn numero
doa que promovan] acoulra-revnluro. Todos sa
bem os serviros que o leneiite-roronel Coelho pres-
Iruu ao governo imsses dous dias, em que duran o I
fogo, o todos sabeni lahibcmque, depois de venci-
dos us desordeiros, nenhum leve quuqueixar-se del
viugaueas do bravo militan, que nunca lem recorri-
do a este meio du saiisfazer odios.
Vencidos os desordeiros em abril de 1832, os
partidarios da contra-revoluro nio perderam as
esperanras de conseguir ueibnres rusullados em
ouiras occi-ies, G por isto, logo depois se poz en
inovimenlo u capilo-mrTorres Galfindo, e eome-
rnii a revolla rouhecidn sob a denominarn de ca-
banada. O tenente-coronel Coelho ainda achou-se
Mitre aquelles quo se balam eontea ns revoltosos,
e sao lanos os sen icos que prestou durante os dous
anuos que diirnii e-sa guerra fraliecida, qucdeixa-
mus de relala-los para nao ternar-iios errfndonbo;
bastando que digamos,pie foi elle quein,eom o ba-
lalbao de milicias n. l sob seu cumulando, ronse-
guio por em eommuncarao as torrasdest aprorin-
cia eom as dr Alagiias, soffrendo cobslanlemonte fu-
go, d que re-iillou-lhe nm grave ferimento da pei-
na direila em o ataque do llrejii-Velbo, veudo-SO
por islo forrado a vir Iratar-se nn capital, onde -e
achava quando no acampamento foi forido seu ami-
go Carapeba, que velo uiorrer nesta cidade, a cojo
funeral assistio aiuda forido, indo em urna radora,
visloque Ihe era imi-ossivel andar, uu mesmo ler-
se em p.
A inda nao bem reslabelerido, e sem que podes-
se lirmar-se sobre a peina, vniioii ao acampamen-
to, e fenle de lodos as turras, em substituirn
do rominandanie das Armas, all ruiiliniiou, sem-
pre prestando serviros iiuportanles, at que cesson
essa guerra, que a ambic.io de uns, e a velhaearia
de uniros eiilrelinliain. Nomeado rnmuiandaute
das Armas deste provincia nu t dedezemlm de
Is32, s foi rendido em 1 dejunhode 18%. Du-
rantcossa commissao rompen na provincia do Pa-
ra essa sanguinolenta desordem, que romeroupelo
assassinato das antoridades, em cujo numero eoo-
luu-se o nosso dislinclu e bravo comprovinciano,
tenenln-coronel Santiago, e o lenente-coronel Coe-
lho olferereu-se para partir ein defeza do gover-
no ; mas seu nlfererimento uo foi acceito pelo pre-
sidente desta provincia, que o julgav.i mais preciso
mu Pernaiiibiiin, \ isluque rereiava desurdrm si-
milhanle, e Ihe era imiispeusavel ler nm militar
da tempera desse, de que nos oceupamos: ecom
elleilo, sabido que, quando alguns exaltados qui-
zi ..un, em 1835, depot a primeira aatoridade dea-
la provincia, que enlo era es-e niesmo Pues d'An-
drade que. illegnl em 1824, tora por elle lo guer-
reado, o leiieule-rorouul Coelho nao dexuu-osrea-
lisirem seus desojes.
Todava,lenilu recebido ordem de ir em srguimen-
to de alguna chefes,que por elle podtem ser aprisio-
nados rom farilidade, mas leinbr.indo-se que eram
Pernambiicauns, apenas limlou-sc a marchar: e,
pretextandoorgnisar a forra que eslava sob seo
rommaml,, den lugar demora, e permiltio que
esses desvair ulos se despersassetn sem peda de
s.ingue : o que por cerlo 6 digno de elngius, c nao
pralteariam outras que ge achassem as utesmas
circumstanrias.
Exonerado do rommando das Armas, n.io por ha-
ver mal servido, e sim por ler-se operado muden-
ca na poltica, fui nomeado em li de agosto de
1830, inspector-geral da Guarda nacional do Reci-
fe, e logo depois coiunuiudaulc dororpode Polica,
lugares que deixou em dezembro de 1837 pur ler
de marchar nm soecorro da provincia da Baha,
alim de baler rom as forras de Pernaiuburo o- re-
voltosos, que uu 7 do novembro desse anuo haviam
proclamado all a repblica.
A i'uirda-iiacuipal do Recito uo era, por asaim
'""'l''""ii Juj"'""> e^ytWW~B*T.
eom o mesiiiol3rdanieiilo, arttiadas de e-
granaderas; ella nada aprcsehtataa de marcial,
ra em suas paradas e marchasnioslras-e ccrio gar-
bo, c que pmprio dos Pernainhfiauns. o lenen-
le-coronel Coelho sabia O que Se podia esperar da
milicia ridada, e, entrante no exerricio de ins-
tructor geral, cuidoa logo du nslrui-laconvenien-
leinenle em o manejo das armas ; e em verdade,
pouco depois mootrva-se ella digna da denomina-
ra que linha, eolfcroria o aspecto lisongeiro de
forca militar, podando enlo nvalisar eom qualquer
oulra do imperio. Desde essa poca nossa Guarda
nacional deixou-se possuir desse enthiisiasniu, que
tem e Ihe faz honra ; e que ainda parece deve-
lo ao impulso que receben, e aosesforcpsqueem-
pregou seu insiructur-geral para que soubesse ma-
nobrar, e servir-se das armas, que Ihe sao confia-
das para defeza da Patria e desuasinslituu fus.
se aJenente-coronel Coelho presten serviros
Guarda>narional do llerife, nao menos proslou-ns
ao enrpo de Polica, que esleve sob seu cumulando,
o o eslado, em que achou-n, quando dille tomn
tonta, co em que deixou-o, quando tere de partir
para a provineu da Babia como commandanle da
brigada expedicionaria de Pernambuco, mostram
do que capaz sua aclividade, o Olanlo pode sen
amor disciplina e seu espirito de ordem. Esse
corpo achava-se to desorganisado, que governo
provincial reconhecea a.....wssidade dedissolve-lo
ou de dar-Ilu: um rominandanle que podesse fa-
zcr-lhe ler a organisaro e forma de um batalhao
de linha, o que era dilliril vista de sua propria or-
gnnisai defoitoosa, e da indisciplina, em que es-
lava e eraentretida pelas cirrumslaueasexcepcio-
naes, rm que se achava o Brasil depois da abdicaro
e sob o governo trato da Regencia : u tenente-coro-
nl r.ueiho, convidado para entrar no eommando
desse corpo, e considerando quoia prestar um ser-
Viro A provincia, nao hesiten, n acceilou a com-
missao ; e to bem soube baver-se, que, passados
poneos mezes, a mudanca era completa, sondo en-
lao que esse corpo pode apresenter mappas c ler
escripluraco regular, indispeusaveis em um ha-
lalho.
Apenas chegnu a esla provincia a noticia da re-
volta da Baha, quiz seu presidente 0 Sr. Francis-
co dn Rege Barros, boje visrondeda lina-Visla,que
marrhasso una forra respcitevel ein soecorro da
ordem perturbada, e de nossas inslituices em pe-
rigo; e, leudo de azo-lo, ninguem u'ereria tantas
recomnii ndaces para ruiiiinamla-la quanlas o lo-
nenlc-coronel Coelho, j 13a experimentado cm
graves rirr.umstanrias. Com olfeil, foi elle esco
lindo para essa dillicil e arriscada commissao, e
commandando a brigada expedicionaria, parlio en
dezembro de 1837.
Tantos t tees sao os serviros prestados nesta
rampaiiha pelo leiieiile-coronl Coollio, que seri
longo narrar um aps oulro. Este parle da vida du
dislinclo militar, de que lomos o prazer de oceu-
par-nof, ifovi.i ser escripia naquella pruvinria e por
algiim de seus lilhos, porquanlo esses, quu llii'dc-
vem vidasn propriedades, diriaai ludo, eo diriam
du modo, que c.nvrnresse ns que possaui suppnr
exagerado OU gracioso o que escreveinns. A capi-
tel da Baha, entregue aos revoltosos, aproacutava
ii.n aspecto formidavel, e, liguraiido fenle das
forras que a oceupavam homens notaveis o rosolu-
los, nao era fcil a tomada dessa ridade.e isto pro-
va a resistencia que encontraran) noasos soldados
nesse famoso ataque, em que o lenenle-coronel
Coellio, seu rninii,Huanle, empenhou-se, salvan-
do-a de ser devorada judas chanimasque j cumo-
ravaui a lacrar, principiando por diversos edificios
incendiados pelos mesmos revoltosos em deses-
pero.
Chegando Baha, o tenente-coronel Coelho re-
conheceu quaulo era desfavorav el a siluaro do go-
verno, c,eomprebendeado que devia mostrar qm
os Peruaiiiburauos eram soldados dignos de nqiut.-i-
fo que seus toilos d'armas Ibes lem grangeado,
cuidou de orrupar poulo mais perigoso que exis-
lisse ; c em verdade rcaUsou seu desejo, u oceu-
pon-O. Em fenle das tropas, que eslavam Sob -en
eommando, exisliam pontos fortflcadose guarne
cidos por pretos que se halaiucom milita bravura
e continuamente Ibes faziaui fugo ; mas lato nii
alemorisava-o : pelo coulrario, sentia-se possuid
de ludo o orgulho militar, e os SUCCCSSivOS ataques
mostraram quaulo valia sun pessoa. o do que eram
rapa/es esses bravos oflicaes, que elle escolbors an-
lesde partir d'aqui, e nao besilaram em acreilar a
honrosa uscolha, entre ellos figurando nlgnns.cujo
nomesse lornaram dislinctos pilos ionios que co-
Iheram, como foram Aninli, Piulo, Pontea, Bene-
dirlo, Porlella e outros.
f"Coniiiiiar-.sc-/ia./
Ete entre nos O distincto actor Germano Francisco
de iiiiveira, que aps una ausencia bastante tenga,
v em anula urna vez revver o palco do Santa Isabel,
que desde a dala de sun partida se arba conilemna-
do a obscurantismo por Ihe fallar radiante sol do
sen hiiiiisplierio.
No lo de. Janeiro nunca desinento o subido
eoneeilo de que gozan de que tem indiibilavel jus,
por ser um artor de subido mrito, eque jamis
quor firmar asna gloria em fofas prasampres.
li 29 Honra e Gloria o drama escolhido para
sabbado crrente, em que pile foi sala viclnriado
na corte do Imperto, e que urna corda de gloria or-
nou-lheanda urna veza fronte.
I i-n-r um elogio qualquer a esla pres Iraualbo
perdido, pois qi.....nonie de seu autor o melhor
garante, e o dislinrto actor soulie lo bem compra-
hender o papel de oue se ochava incumbido, qno
os applausos bravos rompern] r-spontanea o It-
vrcmenle do lodos .os ngulos dotbeatro, atraves-
sando a grande distancia do Atlntico veio nqierrn-
lii I -i ei- jubilo eeiil'uiisiasuiu al in',..
Convm agora qoe u publico pon......burano pro-
leja ao irmu arlnUa, para que elle em sua brilnan-
te rarreira jamis possa ratrogradar.
i. um trbulo derido ao genio que nunca pode ser
Iraduzide pula lisonja.
i>-sitwi-.i de IWulos mmeroia^is.
Segundo os respectivos editaes publicados hon-
tem, lia urna lal disparidadc as rondicres an-
aunciadas petos dous bancos de emiseo asistentes
nesla provincia, para a realisarode dlocesos iran-
saerdes rommcreiaes, quena realidade nao devel
passar desapercehido um fado desta ordem. A cai-
xa filial do raneo dn Brasil annunca desrontar lot- j
ice ate i prnzo de Bmezes aojuro du 8por canto,
o noto banco pni :n -.'i descontar nesla semao i a
!l por rente a- lellras dr prazn menor a ( mezes, o
a lll pur rento as de pra/.n at/- il me/es! \ c.iixa
filial loma dinheires a premio ao juro de li por cen-
to, o novu banco segundo estamos informados s d I
pur culo pelos dinheiros qm: llie sao ronilados!!
yual desse- douseslabelecimenlosbwicarios n-i-
rora favorecer mais os grandes nteresses desta
pruvinria? Sendo obvia a resposla em rsla dos
editaes publicados, nao podemos deixar de render a
ib-vida honienageni intelligeniia e patriotismo
que presiden! au proceder da actnal dir loria da
caix.i filial do banco du Brasil. Ao menosj pode-
mos lodos nos felicitar que buje nu predomina mais
o nosso horisonte finanrera rsso aipirilo malfico,
aiiii-lirasleiro e pernambncano, que fazia com que
a laxa de descont.- fosse sempre mais i levado nes-
le proco de 2, 3 el por cont de que as [nacas da
llal'ia e Rio de Janeiro, isto que um mesmo e--
lalielecimenlo bancario ramificado em diversos
pontos do imperio, como o banco do Brasil exi-
gtesc nn.- desontos um juro maior nesta prara dn
que em nutras; quando alias presunie-se geral-
ineniu que a prara de Pernambuco 6 aquella que
nasle imperio se acha mais slidamente consti-
tuida o oerece mais garantas! Sendo corto que
iiilr'ora a laxa de descontos U.-Sla provincia era
sempre mais elevado do que em outros punios do
imperio, o sendo regia!mente cerlo que a caixa fi-
lial o Uiermonielru regulador dos premios de di-
. por rnsegiiinle inlluiuito em Indas as
LisboaPatacho portsqruez cZarco, Jos dos San-
tos Pereira Jardini, 60 saceos imar iisjnravado
Luanda Patacho porluguez Tnrujo 11. Manuel
joaquim Rasaos o Qlva, 7 coseos agurdente.
RallimofiPatacho nmerieano-.1. C. Keiren. Wha-
lely 1'urslerOv C, 700 SaeciM assurar liiasravadn.
Ilamplon RuisBarra aiii.-nrau i l'lyng cloud,
Whalol) l'oisier A; C, 000 saceos assuebr mas-
cavado.
FaluionlhRrigue iuglez D. Joo -. Whalely Fors-
ler 4 l'.., 400 sarros assurar un-, avado.
Liver.....IBarca ingleza Baiiaui.au-, James Ry-
der \ c, 7110 sacro, asnear masravedo.
Canal Patacho ingle/.Medea Suulhall Xellors &
C., 3"J0sarros amarmasr.ivado.
RECEBEUURIA DE IIENOAS INTERNAS GEBAES
DE Plilt.WMllCCO.
Rendiiueiilii :l> du 1 a 15. 3S:33J585
dem do dia 18....... l:33TS6oi
CONSULADO PROVINCIAL
Rendmento do dia 1 a 15. .
dem do da 10.......
33:0731188
35:153(397
d:'J52S227
39-403182
Moviment do porto.
ilheii-i.
Ir.in-.i.-. ipie se n-alisam nesta provincia lauto
para o commcrcio como para a lavoura e mais in-
dustrias, fcil ile cniuprehoiider ipie pri'jui/us nao
causn provincia esse condemuavel urocedimeelo
anterior da caixa lilial, que nulbares decoutosoao
foram cruelmenie exlorquidos ao conimercio em
geral, lavoura o mais industria pela usura que se
fazia pesar sobre esla provincia? Ao menos boje
as vanlagcns que se deve esperar do banco do
Brasil, a prara de Pernaiubiico esl igualada da
Baha e Rio de Janeiro ; a laxa de, descont nesta
piara esl a S por ionio, assim ruino na Babia e
Rio segundo as ultimas noticias recebidas, uno ,
na caixa lilial d banco do Brasil, o nao un novo
banco de Pernambuco, inelitnido aliapora bene-
ficiar miis o conuiii't'ctn da pruvinria e que por is
so marrn a laxa de descont a'Ju 111 por cenlo ; i
que n ulis, rea um
negociante Pernambncano.
jVavos entrastos no dia 1C.
Buenos-Ayre:(t paladn bespanliol Procer, do
Isl lonelodas capilao t. Halheos Melle!, equipa-
gom 0, carga 2,11011 quiulae- lu-spanlincs de carne
, ordem.
Ili.i i.rade do NoaloG dias, lancha brasileira tUr
dn llio Orando, do \2 toneladas, eapilo Miguel
Ariujo da Costt, equipagein 5. carga assurar, a
Jnau da C. Magalhcs.
OBSEIIVAtjOES METEOROLOCICAS.
nn 16 ai nw.
A noile estete nublada dando alguns aguareirus,
rento SE e assim aiiianheccu.
Ubservatono do arsenal de marinha ,10 de marro
de lS'J.
YiboasJghiob.
Declaracoes.
ERRATA.
No eommnnteado publicado no a. Cu eom litulo
Volta nos temaos antigot, etc.h'a-se : linhas i i
ontro* em vez de oalrot; linhas 122 esta enivez
de seta ; linhas 1:|'J txerctrao em vez de txereeram.
Correspondencias.
Senhora redactores, lia dous mezes, pouco
maisou menos, li no seu eslimavel jornal nm au-
nunci por parle da reparlirao da inslrucrao publi-
ca, abriiido um concur.-n para a primeira cade ira de
Historia e Geograpnte anliga no lymnasio desla ri-
dade, que tirara vaga em ronseqiiencia du falleri-
menlo do respectivo proprietario, o padre-mestre
Joao Capislrauo de lendonca.
A vista do auuiincto livo os mena desejos de op-
pi'ir-me (lila cadera, uo por que eu me achassi
habilitado ; mas contando rom espirilo de protce-
cao que em nossa ierra e em laes casos, nunc
abandona a qilem o sabe procurar. Enlrelante, Ira-
loide vera U-i o regulaiuenlo, que derigem
iuslluico, e arhei quu para aprescnlar-mc em
seinelhaulecnncur.su eram necessarius muilos co-
iiherimenlose um grande esludo, que humanamen-
te fallando, nao poda vencer no curio espacu .1
dous nje/.-s. Enlo abr inos da eiupruza, i- de-
sisli da uiuha prolenruo ; mas nao foram aoineuU
eslas considerai oes que me lizeram abandonar un
projeclo to arriscado.
Suppuz que proprio governo mandasse suspen-
der o concurso. Com elleilo, confornio a leilura
que li/. do regulainenlo, vi que as cadeiras do
Cviiuiasio, segundo plano dos eslilos, usuran
lueacbicai.lente i|.--!nliuidos, de surte que haviam
aiuda'uiuilos professoresque nao se achaitt eni ex-
ercicio ; poruue aiudi nao linha chegado a sua ve/
vislo que o eslabelecimenlo conta apenas quatni
ii... J ii, n-riaiii, Ihiii tiULii.li.ag -_lt.odia4.^, ^
ernnouiisai- l:.).)il-t (laudo-s a um dos priTTessores
que aiuda nu podvm ler exerricio, tnbalha de-
la cadera ou de oulra qualquer ; lano mais qu
ns actuaos prucssnres du Cyunasio, cm virludeda
le da creara do mesmo, nn perdem os seus or-
denados, liiilinra n.io tr.iballiein, oslando todavia
promplos ; e alm disto sao elles substituios luis dos
oulros. Ora, estasduvidas lainlieiu pesaram no meii
espirito ; pois pndia acontecer que a presiilenria to-
masse a deliberai'u de suspender, poroes, o con-
ruisn, e neste caso o meu estudo e as minnas pa
sodas em buscado proierr-io ncassem perdidas,
Mas, porgunteri alguem, a quevem olas runsi-
deraroi.-s agora.' Respondoraide una uianoiro muitu
simples: lodos saium que eu me preparara para
este concurso, e rumo desist desla pratoncao, jul-
RO-me na necessidade de dar os motivos por me
o Rz.
0 Candidato Desisten/e.
Publicacoes a pedido.
Joaquim Jos llamos, guarda-livros da rasa com-
mercial dus Sis. Manuel Ignacio do (Hiveira & F. ,
> que lam..... recebe algumas commisses de assu-
rar, para obviar qualquer falsa supposii u. decla-
ra que nn foi com elle que se den o faci relatado
no extracte dos trabamos d tribunal do jury pu-
blicado ein o Diario deludo crlente ; e sm com
oulro que lem nomo igual aoseu.
Recite lti de marro de 1859.
Joaifuin Joal llamn.
COMMERCIO.
ACFANOP.GA.
Rendimrulo dn ilja 1 a 15. .
dem do dia lti......
2lz:178*8Sz
17:C35SU8I
29:8113803
Desearregam hoje 17 de mano.
Barra americanaImperadorfarinha a milho.
Patacho americaui John C. Kaffer farinha de
liigo.
Barca americanaFryiug ClaudIdeoa.
Paibabote nacional Dous Amigos div ersos g-
neros.
JIOVIMENTO DA ALPANUBGA.
Volumes eutradus com fazendas .
com gneros .
Volumes sabidos cm fazendas
c com gneros
*
Iiii|inrt:i<-rn>.
Polaca hespanholi fleinrntina, rinda de Monle-
video pelo Rio de Janeiro, consignada a Amoriin i:
Irnruis, manifestou o seguinle :
3,887 quintaos hespanhes ou 11450 arrobas do
carne sorra, 00 muros sei-r.is ; a ordem.
Rrigue nacional Dawtao, vindoda Rinde Janeiro,
'.....signado a Antonio l.uiz de Olivoira Azevedo,
manifestou o seguinle ;
800 barricas farinha de Irig. 75 harris breu, 1
dilo viiilio, 1 ditos aceita de amendoa, raixinlias
cha. 7 Caotas chapeos do Chili, 0 caias salsa par-
nlha, 1 eetsao Iremoas, -1 harris ramos derhum-
bo, aOOditOSde ferro, ~t retratos de barro, 5 inc-
lus para luz, 1 caixa 0 1 volurnn perlenres, 1,251)
sacros farinha de mandioca, 17lldilos feijao, 30 ro-
los e 70 latas fumo. 1 dita queijos de qualha, 7
raxdes chapeos, 1 dilo ditos de lebre, 200 sacros
caf, 80 barricas cebo, 1 dita cigarrus, 2 raixas ra-
p, 1 dila cha, 1 naslro de pernba ; ludo a ordem
de diversos.
CNSUL\D0 CERA,.
Rendmento d da 1 a 15. C9:C7(S892
dem do dia 10....... 7:7C7l82
"2S07I
DIVERSAS PROVINCIAS
Rendimenlo do dia 1 a 15. .
dem do dia 10.......
3:88fiS097
:iC7v;ii98
4:253(195
DESPACHOS DF. F.XPORTACVO PELA MESA Du
CONSULADO DESTA CIDADE NO DIA 10
DF. MARCO DB 1859.
HavreRrigue baen Fernando, diversos carre-
gadorea, 0,500 saceos assurar mascaval.
MarselhaBarca franeeza aLevetrier, \. o. Bie-
bei-tV Ci OOOsacriis assurar msseavado.
Ruenos-Ayres Patacho hollandez iLanrano,
[asee, r.urio A: C, 100 barricas assurar masa-
vado.
Rio da PialaBarra amerirana *J. F.. Wiliames*.
Bailar \ Oliveira, 2011 barricas assurar branca.
Lisboa Baiarho porluguez Hara. Larvalbo N,-
Nogueira ft C, 100 saceos assurar brumo.
Lisboa Rrigu porluguez Gooatante, T. de A
l'ooseca & Filho, 4 barricas assurar branca.
Directora sernl ,|;, ustrufeao publi-
.: dn iirovinriti.
Por esla secretaria faz-so ronslar a quem ennvier,
c de ordem do Sr. director geral nterin o Dr. Je-
ronynio \ ilella de Castro Tacaras, quo em ollicio d
Kxm. Sr. ronsolheiro presidente da provincia de 4
do crrente fui determinado o seguinle que os pro-
fessores pblicos devem reqnerer pivsidencia por
intermedio da directorio, alim de qnescjaui logo in-
formados os seus reipierimenlos; eque lhes nao
dar licem-a para tratar de negocies seus, sem que
deixem subslilulo coulento dos delegados ilite-
rarios.
Epara que rhegoo o conhecinicnlo dnsiuteres-
sadoa se mandn publicar o presente pela imprensn.
Secretaria da uslrucro publica li de marco de
1859.O secretario, francisco 'ereira freir'.
O cnlirador da recebedora de Pernambuco
avisa a quem cunvier, e principalmcnlo aos pru-
prieta ros de canoas, qne ser diariamente encon-
trado dasO s 8 horas da manlia, em sua casa na
na dos Pires n. 46 A, alim de mais Ibes facilitar o
pagamento dos iuiposlos que nao foram pagos na
reparlicaom o lempo competente.
Km prara publica do Dr. juiz dos fritos da fa-
zeuda provincial, se bao de arrematar por venda
em ultima prara :
Urna casa terrea de taipa na povoacao do Cachan-
g, com 3! palmos de frente o 40 de'fundo, costaba
fra, um quarlo, e copiar na frente trazeira, quintal
cercado de madeira, ecom algumas frucleiras, sen-
do o sol foreiro, por 1-200, cuja casa foi penlin-
rada a Vicente l'errcira da Costa Miranda.
lima casa terrea na freguezia dos Afogados e ra
dos Possos ii. 22, rom 19 palmos do frente c 4C de
fundo, roziuha dentro, quintal em aberto, e a casa
em mo eslado, por OUsOtl.
Oulra casa na mesma ra n. 21, com 19 palmus
de fronte e 40 de funda, enzinba demr, quintal em
aberlii, e lamben) a rasa em man estado, por 80):
rujas casas foram penhoradas a Miguel Lourenro
t>* prHendenlu i.uiiiiin'< anana satirrtas audien-
cias as 10 horas da maiiha do dia 17 du crrenle
Pela rnntadorte da cmara municipal do Rerife,
se faz publico, quo o prazo marcado para pagameii-
lo dus imposlos de estahelecmeiilos, lindo-se no
ultimo de marco do correlo anno, e todos aquelles
que au pagaren), liram sujeilos mulla de tres
por sent ao valor do mesmo imposto. Contado-
na da cmara municipal do Recite 10 de fevereiro
de 1859.O contador-,
Joaquim Tararet lodocalho.
Pela recebedora de rendas internas goraes se
faz publico, que se leudo concluido o lauramenln da
laxa de escravos du oven-icio runsJi,*pudem vir
paga-la todas as pessoas que apraWntaraiu rea-
es para a arlual matricula do quinqui-ni de
1858 c 1S03, e na occasio do pagamento receberao
os compelentes certificados, ltecchedona de Per-
nambiiro 15 de morro de |J859. O administrador,
Manoel Carueiro de Souza Lacerda.
DircetoriH roi-nl.liilnNtrur.-ai> publl
ea lii proviucla.
Por esta secretaria faz-se constar a quem coovier
e inleressar. que o Sr. director geral inleriuo lem
marcado o dia 28 do corrente, seguuda-feira, para
o concurso primeira cadera de historia c'geogra-
pha do gymnasio peruambueano, cujas materias es-
ta. designadas no regulamento interno do niesmo
gymnasio, arls. 127.128,129 e'lSf, a saber: histo-
ria dos lempos primitivos, povo hebreo, Kgvpcios,
vssyrios, llabyloiiins, Pheuir.ios, Modas e Persas ;
historia e geographia da Creca ; geographia e his-
toria Romana ; geographia o historia da idade mo-
dia. V. para que rhegue ao coiihecimcnlo dos inte-
ressados se inandou pulicar o prsenle pela im-
prensa.
Serretaria da inslrucrao publica 16 de marro de
Ih',9.Oserrelaro, Franeuco Pereira Freir.
Tribunal do .miuiierri.
Pela serretaria do tribunal do commercio da pro-
vincia de Pernambuco se faz publico, que nesla dala
llca insrrplo em o competente livro, o Sr. Aiiluino
Bcrnardu Vaz de Carvalho, Porluguez, de 87 anuos
de dade, domiciliado e estabelecido nesla cidado
com sua rasa de commercio, em grosso.
Serretaria 14 de marro de 1859.Dr. Aprigio Cui-
iii'.'rio, ollicial-maiur.
THEATRO
DE
Santa Isabel.
O artista dramtico Cdrmano Francisco d.c OKvei-
ra, lem a honra de annuneiar ao respvilavel publi-
co, que se acha de volta a esla c.ipilal, o que vai dar
romero aos seus trabalhus secniros.
O pessoaldesua companbia e inleiramente novo
e escolhido, que tem de apn-sentar, cunta elle, que
igualmente preencher ns flns a quo se propine,
ein progresso da arle dramtica, e. que bem satisfaz,
a esperlativa publica.
Tendo dudara primeirarepresenlarao nn sabba-
do 19 do corrente, convida por isso as pessoas que
quzerem assignar tanto camarotes como cadeiras,
que podem desde j fazerno cscriptorio do thealro,'
das y horas da manhaa s 3 da tarde, sobas condi-
i es segnfntes: '
As assignaluras sera cffectuadas pr15ou:t0
recitas ; n primeiro caso ter o assigiiantc abal-
menlo de li 0/0 sobre total da importancia da as-
signatura e no segundo cas ter o ssgnanle o
abaliuienlode W0,0pagas adianla.las.
o prugramma do primeiro espectculo ser cir-
ciimslanriadameiile annunciado pelos jomaos, sen-
do o drama o
Tambcm subir a secna brevemerrt o magniOrn
mysleri em I actos
GABRIEL ELUSBEL
ou os
Milagres de Santo Antonio
ruja senario e vestuario foi preparado no Rio do
Janeiro. A empresa ronla como sempre com a pro-
lec o do publico ein geral.
Avisos martimos.

'
Para o de Janeiro sabe com muita ln.-vida.le o
liem ronbecido brigue Sagitario : para carga e p.is-
I sageii-os, trata-so com Manoel Francisco da Silva
I Carneo, na ra do Vigario n. 17, primeiro andar.
'*****:
-.^.v..
B -



Diario de Pcrnambuco.Quinta feira 17 de Mar^o de 1859.
*
I
1
1
i

i

*

Segu nesles das n patacho Sania Cruz, recebo
carga afreto cpossogeiros : a Iralar con Castao
Cvriaco (fa Costa Murt'ira, nu lado do Corpo Sanio
n.25.
Para o Rio de Janeiro.
O veleiro e bem conhecido patacho nacional Ju-
titi, prolende seguir cura muila brevidade, lem par-
lo de seu corregamentn prompto para o reslo que
lhe falla trata-sc com o ten consignatario Antonio
uii de Oliveira Azevedo, no seu escriptorio rua
da Crin n.l.
Para o Rio Grande
do Sul,
segu com muila brevidade o brigue nacional
Duque da Tcvceira, por j ler dous tercos da carga
prompta : para o resto, Irala-se com o consignata-
rio, ra da Cruz n. 51.
Companhia Pernambucana.
O vapnr nacional Pertinunga, cnminandanle o
segundo lenle Moreira, seguir para os portos
do sul de sua escala no dia 20 do correte as 5 ho-
ras da tarde. Hecebc carga al o ia 19 ao meio
dia.
O vapor,Iguarassu' espera-sc dos portos do norte
al o dialGo seguir para o referidos portos das
depois que se aununciar. Desdo ja se recebe carga.
isto ser vendido som reserva no supradilo .lia
quaria-feira 18 do correle na na do Hospicio so-
brado de un andar (do Sr. Caotanil] segundo depois
da casado l.oo deurn.
Terca-feira 21 do frrenlo.
PK TODO E QUALQUER PltCQO.
Rua doCollerjio n. 15.
IJE
CARROS.C\V\LLOS,ES-
CRAVOS E MOVIS.
1.
far h-ilo no dia cima indicado de 2 carros rom
I cavatina, um cabriolcl, 2 negros, 1 negras e iodos
os movis pertcncnntes a urna familia que scrclivou
Procisa->e de ulna ama que seiba cozinhar,
cugommar o fut o sumen de casa : no prin.eiro
andar do paleo do Terco n. ii.
Sabliado. 12 de marco, fugio n escravo crioolo
de iiome Fel\, com os" seguintes signaos : alto,
desdentado, com muitospanuos pelo rosto e carpo,
luuilo rcgrisla, ein um Indo do uozio lem um pol-
miio procedido de urna faeada : protesta o proprie-
tario dcste escravo contra quem o liver en sen
poder inlegal, o jornal diario de 3) que o niesmo
escravo ganhava : quem do niesmo liver nolicia,
mesmn capiles de campo, nu agentes da polica,
u apprebendaiu elvemelo Horade- Portasn. 111,
roa lo Pilar, que sei-o gratificados. Declara-so
que lamhcui torio dosolnos, porisso temsiimacs
mnio evidentes, e portaulo niuio fcil do descu-
br-lu 801 qualquer parte que andar.
Ao aterro na loa-Vista n. 8, nesle ullinio va
por, cliegaram queijos de Minas muilo frescos.
Arrendo-se ou vende-se um sillo no lugar da
Torre, matgeni do rio Capiborihe, com excellenle
casa di' vivuuda para grande familia, contendo
salas, 10-quartns, co/inlia fura, uma.sen/.ala, coche-
ra para 2 ou .1 carros, onartoa parra criado e pretos,
estribara para (i cavallos, quartos para aniroaes do-
msticos, galinheiro, cacimba eom excedente agua
de beber, o outracoiu bomba e casa de banho, ar-
para Rampa, cojos precos nao lem reserva ; bem ditu rom'vasos linose figuras, baila do capim, po-
to amsitio najiovnacao do Barro rom 8(1 pal-I mardelarangciras, alm de onlras frnclas dopal*:
a possoa que pretender, dirija-so a ra de s. Jos
moa de tostada e 78 braca* defnelo, lem casa d.
vivenda com SO palmos de frente contendo 3 salas.
ti terreno t torcho ao engenho Veres e plantado
de diversas frucleiras. sendo jaqoeiras, fruta-pao,
maogueiras, oili-eore bastantes lar.iugoiras novas
o de niiiid boa qualidade, entre ellas algunas j
do miii doces e apreciavois tarantas. Todo o sitio
cercado de Limoeiros, ConseguiutemeMe convido
aos apreciadores dns bellos arrabaldcs deesa ridado
que nao dcixem de comparecer ao referido leilao,
alim de arremataren! um sitio que oiferecc as me-
lhores vantagens possiveis para um buui passomen-
lo de fasta.
Leilao
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
PAOLETES A VAPOR.
0 vapor Tocanlins, commandanlo o primeiro te-
nenie Pedro H. Duarte, espera-so dos portos do
norle ein seguimoul i o do sul al o-dia 20 do cor-
rente.
Recebe-so desde ji passagelros, fele de dinhei-
ro e cncommendas e engaja-sc a carga que o va-
por poder conduzir, sendo os volamos despachados
com antecedencia al i vespera de sua ehegada :
agencia ra do Trapiche n. 40.
Para a Baha.
A ydeira e bem conhecida sumaca nacional llor-
ttitcia, pretende seguir com muila brevidade, lem
dous torcos de soiPcirregainciiln a bordo : para o
resto que Ihe falla, trota-so eoin o seu consignata-
rio Antonio l.uiz de Oliveira Azevedo, no seu cs-
eriplorio ra da Cruz ti. 1.
Para o Bio de Janeiro
segu; impreleriveliaenlo no dia 21) do correle o
patacho nacional J*lia, anda pode receber 400
saceos : os pretenderles eulondam-se com o sou
consignatario Antonio l.uiz de Oliveira A/evcdo, to
seu eseriplorio na ra da Cruz n. 1.
Para a Baha.
O Toleiro he*, conhecido palhabole Dous Ami-
9'm, pretende seguir cotu muila brevidade, tem par-
le de seu carregamunto prompto : para o resto, tra-
la-secom o seu consignatario Antonio Luir do Oli-
veira Abovedo, no sen esrriplono na da Cruz n. 1.
Para o Rio de Ja-
neiro.
0 bem conhecido e veleiro brigne nacional Da-
mito, de primeira inercha, pregado o forrado de
cobre, pretende seguir com muila brevidade, lem
parte de seu carrugainenlo prompto : para o reslo
que lhe fallo, trata- eom o seu consignatario An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo, no sou eseriplorio
ra da Cruz u. 1.
Para o Ass
segu nesles dias a escuna nacional Esmeralda, re-
cebe carga a frele : trata-sc com o sen consignata-
rio Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, no seu ca-
ri iplorio na roa da Cruz n. 1.
Para o Anteaty.
Sabe por loria osla semana a barcaca liara
Amelia, de primeira marcha, com lodos os com.....-
dos, para carga anda dos uiaiores voluntes Irala-se
na ra da Cadeia n. 57.
Para o Rio de Janeiro
sabe breve, por ler parle do carrosamente promrHo,
o brigue nacional Helena, capllo Domingos l.
MalTra : a Iralar com os seus consignatarios Tasso
traaos, ou cora o mismo capllo.
Seguo viagem at o dia 31 do correnlo para o
l'.io de Janeiro, o patacho nacional Evora I : para
(arga trata-so na rua de Apollo, armazem n. 10,
ou com o capitn a bordo.
Sabbado 1 i) do correte.
T. B. Hro\Mie estando prximo a reti-
rar-te para a Europa fara" leilao por in-
tervencao do agente Oliveira, de toda a
mobilia da cata de sua residencia no
campo, cjnsistiiiJo em cadeiras, solas,
mesas redrelas de jogo e de costura,
consolos e mais adornos de sala de visitas,
cadeiras de bataneo, de encost e de bra-
cos, ditas de moeno, um esplendido pia-
no dos verdadeiros fabricantes nglc7.es
Collard iSi Collard, aparador, mesa de
juntar, lanternas, espellios, leitos de fer-
ro e de madeira grandes e pequeos, ca-
tres para meninos, guarda vestidos, lava-
torios, espellios, lampeOcs, quadros, lou-
ca, crystaes e almdeoutros artigos di-
versos um bello carro e um lindo apare-' k
Iho de prata magnilicamente lavrado : |
sabbado 19 do corrente, as 10 liorot da]
manlia:i, na indicada casa, stana Capun-i
ga perto do porto denominado do Jaco-
bina.
Avisos diversos.
n. lo.
ODr. D. Kaphael Sancher, lendo do retirar-so
hn vemeiilo para Europa, parlieipa ao publico afim
que as pes.-oas que quizerom ullisar-se de son
C4SA DE BANDOS
NO
mSJ u*jd
Nesle eslab looimeiilo de tan grande utilidad l1
al ;;s 1(1 mi IIluirs da ni itfl banlins fros Simples de agua corrente da Conipaoliia do Beberibo, ditos
aromticos,ditos do choque e chuvi-.o. lianhos momos simples earomticos, asshxi como lianbos mi -
dicinos siilphornsns e salgados, rindos do l'aris, das "iui acreditadas pliarmacias de Mes. Sarband
Vauquelin o l'ellelier Pal t\ Fillios.
Chamamos a alteneo dos lllms. Srs. Drs. era nv diciua para este estabelecimenlo, que podert
faciiiai-lbes algumas curas importantes, lia lugar reservado e Ciinipletamenle Beparado vara as fa-
la manha
mili ns.
presumo, como medico oculisla c prociirem em a
sua residenciahotid inglez de nina al i lena-
da tarde.
l'rocisa-se do um caixeiro portiigucz que le-
nha pralica de taberna o d liador a soa conducta :
na rua de Santo Amaro n. 28, taberna.
Os abaixo asignados azetn scicn-
tet ao publico que se desencamiuharam
com a carta ein que vinham pelo Igua-
rassi't tres lettras que por avisos de Ma-
cei foram scientilicados de ter la' si-
do firmadas pelos Srs. Silva Leao 6 C,
daijuella cidade a favor dos abaixo as-
signados ein data de 51 de Janeiro pro-
Mino passado a 5 mezet de prazo, sendo
duas de 10:000$ cada urna e urna de
10:590$ e previne-te a todat as pessoas
que no fajara negocio algum com as
suprn mencionadas lettras, visto nao te-
rem as mcsrnat ainda ebegado at maos
dos abaixo assignadot e por isto nao
podem tero nosso endoce eos Srs. Silva
Leao & C. ja cstao prevenidos de no pa-
gar seno aos abaixo assignados.
Pernambuco 15 de marco de 1859. -
James Crabtrec & C.
l
PRECO OOS RAMIOS.
Trinis carios pava hanhus fros com lenrl de de linho. .
l.tuin/e dilos dlUl dln..............
Sele lulos de llilO...............
Trila dilos para banho momo de choque, ohiivi.-ro ou fanl
lenci'.i de linhoc toalha propria..........
Qninze ditos dito dito..............
Sele dilos dilo dito...............
Um banho av ulso Crin nu momo com loncl e toalha. .
Hilo aromtico, inais o valor da essencia. .......
Banho medicinal artificial salgado..........
Hilo dilo dilo de Vichy..............
Dilo dilo dilo de Barege..............
Os abaixo assignados esperan merecer a coadjnvaci
carines nao sao Iraiisferiveis.
ir>snon
syihiil
I^IKXI
gomoj
insum
risoaii
IgtXW
18500
2.-9KKI
J.-iii: I
do ii-|ieilavel publico, o adverlom, que os
A$narlt Fre**.
Leudes.
SUMFTUOSO LEILlO
HE
Finos movis, viAvos, luon
zea, crystaes, porcelana,
prata e otitros artigos
etc., etc.
IBA BO BRttl \ I PRIKFIRO WDAR.
Sexta-feira 18 do corrente.
onoarregado pelo rtlm. Sr. I)r. Joo Pedro Maduro
da Konsectf; que ha pouco relirou-se para a Kurop-i,
far loilfiu de lados os movis perleucenles a S S
os quaescousisiem era rica mobilia de Jacaranda
goslo modernissimo, eicellenle piano forle de ja-
caranda, urna linda mobilia do mogno para gabine-
lo, toiti.-tcs, peches, guarda vestidos, juarda rou-
das com espelho, commodas, ptima secretaria, es-
crivaninha de mogno, estantes para livros, cadei-
ras e bancas de oliarao, ditas de diversas totalida-
des o fcilios, bancas de costura, mesa de charlo
para caf, etcollenle cama france/.a com cortinados,
marque/as de dormir, camas de ferro, retretes, bi-
dets, eabldes, lavatorios com podra, aparadores,
mesa elstica,, dita simples, suarda louras, apare-
lhos de nu porcelana branca para almoco e jantar,
ditos dourados com malizes, vidaose crystaes para
serrico de mesa, ricos vasos e Oguras 'c mais en-
lenos de porcelana de Sci res para Sala, tape, ana,
candelabros, lanternas, serpentinas decrjfal, can-
dicirosde bronre americanos, lanternas inglezas de
casepiinha lina, ptimo ealqjp de pistolas lnglezas,
espingardas de 1 c2 canos, e muitOS outros ubiec-
los de goslo e capricho, que tra ijnpoasivcl enu-
merar, os quaes s com a vista podem ser devida-
niento apreciados: uo sohredito dia sexta-feira 18
do corrente as 10 horas em poulo da manlia, na
rua do Broin n. 18, primefro andar
TRANSFEREBClfl
PARA
0inla-feira7docorrenle
GR\NDE
DE
M.o\eis diversos, camas a
merieanas. caitriolet, ear-
rocas, carros de condni.T
Cazendas da aUandcga,
cavaUos, Viois etc., etc.
Rua do Hospicio sobrado de
MM amkkr {do Sr. Can-
tanit) segundo depois da
casa do Leo de Ouro.
do ordom o conta de urna familia nobre, qu
lira para o rentro da provincia, far leilao dos ob-
jeclos mencionados perlenceiites a mosma a saber :
exccllente mobilia de Jacaranda com podra a l.uiz
XV, ptimo piano de Jacaranda franco?, cadeiras
b-inqniuhas o sofs de gabinete e quarlo especial'
loiletes lavalorins com pedra, guarda vestido*',
commodas, guarda roupas, camas francozas com
cortinados, dilas de soueiro, marquezas, mobilias
propria de quartos, dita de sala de jantar, mesa
elstica, guarda loucas, aparadores, mesas do. en-
gnmmar, ditas de cosinha, aparclhos de porcelana
do varias rtualldades para almoco e jantar, vidros
para servico de mesa, randioiros de diversos fcitios,
lanternas debronze, candelabros o lanternas de vl-
dro, enfeilos de porcelana e cryslal para sala, tape-
tes, esleirs e outros muitosobjeeins etc., etc., as-
sim como 2 exccllenles rorros americanos de qualro
rodas, um cabriolet, cavallos, urna corroen, 2 car-
ros de ronduztr fazendns da alfaudega o bis: ludo
^iiiiiwiaiMi......H> *nw -r T
Onom quizer alugar urna prcla que soja Pe e
saiba vender quitandas na rua, pagando-se nensal-
mcnle, dirija-se a rua da IVnhii n. 25, para ajus-
lar-se.
Precisa-se de um caixeiro para armazem de
malcraos: a Iralar no armazem do sol, rua da
Concordia u. 26.
O avaixo assignado declara que desden dia 10
do me/, prximo passado lem libado sua residencia
no lugar do Oi.Tnta, freguezia dos A logados. Reci-
te 14 de marco de lts.r>9.
Josc Jlttni: Teireira Gnimares.
Precisa-so para o servico de homem solleiro
de. um criado de 12 anuos, (orto ou captivo, porm
liel e diligente : na ruaHova u. 15, primeiro andar.
Attenoao.
Prerisa-se alugar por mez um escravo para carre-
garuina labolela, comojoias, das 10 huras da ma-
nha al as 4 : qoem liver, pode dirigir-so no ho-
tel ingle/., sala n. 4.
O abaixo assignado avisa a sou mano loao
Climaco de Vasconcellos, que mande quanlo ules
conduzir da estacio do Cabo seus dous fardos com
fazeudas, remettidos no dia 11 do crtenle, porquan-
lo l foram vistos em doploravol estado de molha-
dos, por causa das acluaes churas, e de nao cslnrem
convenlenlemenle abrigados. A caria que acompa-
nhpu os niesmos, existo na dita cstaro, c conten
oconhecimenlo, un bilhele to despacho,ele.F. S.
.1. rtMaoncalua.
Fui ciioonlradn na oseada do sobrado n. 93da
rua llireita, urna earleirade cirurgia, contendo ob-
joclos : quem fdr seu dono queira apparecer, que
pagando este oiinunco e dando signal corlo se lhe
entregara,
Aluga-se una escrava moca que sabe porfei-
lamenlecozinliar, engommare co/.er, e aiiauca-se a
boa conduela ; quem a pretender, dirija-su' a rua
do Cuspe, lojan. 16.
Precisa-se de um caixeiro que Ion ha pralica db
taberna, e boas qualidades, que dando fiador a sua
conduela, nao se olha ordenado: a tratar ua rua
larga do Rosario, taberna n. 46.
Vende-se um cabriolet em perfeilo oslado, for-
te e de boa construccao, e igualmente um excellen-
lo cavado para o moamo, pnr commudo proco : a
iralar ua rua da Aurora u. o2.
Chapeos de seda com veos para senhora os
mais delicados e os do melhor goslo que tem a osle
mercado, pelo diminiilu preco de 15 : na rua do
Livramenlo n. 2, esquina.
Vendeni-se peoras de fogo, em porco de 10
niilbeiios jiara cima : na rua da t.adeia lo Recite
n. 31.
AMA.
Precisa-se alugar nina ama forro, que saiba lavar
e eiigoniinar, de lina couducla, pudendo tamblo vir
s 0 horas da nianha c vollar s da larde ; paga-
se bem : no aterro da Boa-Vista, loia de bilhelos
n. 56.
Fugio no dia 5 de marco eorrcnlc omoleque
Conslanliiio, do 17 anuos do idade, bem pelo, es-
pigado, sem deleito, signaos visiveis, lanuoiro, lem
trahalhado em diversos armazensdo oncher pipas de
agurdenle, no Recit e na rua da Praia ; quando
esl fgido cosluma Irabalhar de srvenle to obras
do pedreiro, inllulando-se forru : raga-Be a quem
o descubrir leve-o un d parle ua orara da Boa-Vis-
ta, loja do cera n.7, que segralilicara.
_ Toma-so 3:000g a premio pelo lempo c condi-
ccs que se coiivenciunar, o da-so por garante Iros
scravos inloramenle pecas, mili sadios, sem vicio
nu achaque, sendo 2 esclavas o 1 escravo, todos
niui cOiilieddosaqtti na cidade onde residem ha mul-
los anuos, lirres o desembarazados do toda e qual-
quer duvida ; o escravo niui liel, iniolligeiilo,
exccllente comprador e de todo servico; una escra-
va muilo pralica e encllente quilandeira de vender
na rua em taboleiros o lavadeira de sabio ; e una
lindo crioula do 16 annos, que nunca sahio rua,
mui hoiiosla, bem educada, com excellenle con-
ducta, lava, cose e coziuha, mui cuidadosa para
criancas nu amanhu das qnacs tem muila pralica;
nao so duvidar dar 2deste8 scravos para o poder
de quem emprestar o dinheifo conforme o ajusta
qu^sc li/.er c.untanto que a querer a inucamba de
16 a
*'i PKDIAS PRECIOSAS.
i
Adorecos do brilhan- -
' les, diaaanlose pernios,
7: puleoiras, ollineles. brin- i^
i cus o rselas, boloes e
[ annoisde dill'erenles gos- -
' los o de diversas podras
.; de valor.
Compram, venden), ou ^
Irocam prata, ouro, bri- ,,
j ihanies, diamantes e pe- V
^J rolas, o outros quoesquor
~( joias de valor, a diiibei- -
5 ros ou por obras.
JIOREIR\*lll'.VHTE
oL'lto 1. PRATA.
I.nja RUADOCABUGA' N-7-
Recebem por todos os
vapores da Europa as
obras goslo lano de Franca
Adereces cmplelos de
ouro, neios dilos, pul-
.. i -oirs, allinrles, liiincos '
. .- eroaetas, conloes, han- "'
-. sriins, modaUas, corren-
li s o enieiles para rolo-
;io e niilroa niuilo.s oh- '
un).
Appari-lhos completos
de prata para cha, ban-
como de Lislioa.asiiiiaes dl,if> s""s ii~lii1n:<.
l tiilhoros de sopa echa o
Ytiiitlein |xtr preco eom **r'"'10>""">objod de -
modo como costumam. ,""'
Mjec..,
[Ao publico c ao corpo
do commcrcio espe-;
cialnionte.
O bacjiarel abaixo assignado eflorece
os seus servicns de advngado em am-
bas as instancias no civel, crime e com-
mercio na capital e fora dola. Kspero
ser procurado, allirmando que lomar
o niaiur iulerosse pelas causas que lhe
forem conllados. O logar do sen es-
eriplorio 6 no primeiro andar do so-
brado novo n. 4 da rua do Collogio
aiuide moi^i, podendo por issosor con-
sultado a qualquer hora. = rVanci
luis Correia de Andnide da Silva,
Precisa-so de umlionieni para feitor d engo-
lillo distante desta prara ; quem pretender, dirija-
si' ao Recite, roa da Cadeia, loja n. 26.
^a$!&&M &&&*&&&<
?^j i ontiiiua oslar por alugar a casa de Jos y
J' Conivalvos Ferreira Cnsla^em Santo Amaro, f
j:| de um s andar, entre as dos Sis, Starr e {**,
"f .lo -' l'ercira Vianna, conl quintal murado, I ;<-
^?^ cacimba o muilo boas !accnnimodacocs, kf^
,'.-i anda mesmo para grande familia, a'qual S-
g fui pijilada ltimamente : quem a quizer ?;
?*! corpudo vira qualquer llura em casa de BJ
4 sua residencia, que lem njuem amostre. R
^;r^^pa9KJM$wa sfe:.-::-..--. ::-.-.?:-<:
." imiOmimm rifttiiKtl ftt.a
Iluga-se ao Sr. Paulino ( 8 Silva Jlindello o fa-
vor do ir a rua da Senzala V dha n. !), rosgalar
i ni valsen da qiionlia do609, visloque o lempo j
be de suba.lote Antonio Frnandes Fradique.
Precisa-se de milito
boas costureira > para fazer
colletes: na na da Madre
de Dos n. 3b*, primeiro an-
dar.
Precisa-se de oficiaes de
eharuteii'o paga-s i a 560 rs. o
cenio e earregaeo a 400 rs.,
bom fumo para l abalbar : na
rua Imperial n. 41
Ama.
CASA DE SALDE
SITA EM SANTO AMARO.
DOS
Neste estabelecimenlo ha as melhoreB anaaniodacoes para se Iralaiem doenlos de qualquer ealhe-
goria c sexo.
Adiara menor he, doSS5U0, devendo o pagamento ser feit| por quinzenas odianles.
llavera o maiorzoln eompenho no Iralamenlo dos doentes os quaes acrao visitados polo menos
duas vezes por dia pelos mdicos proprielarios do estabelecimenlo.
Precisa-se. de urna ama qnn;
te e engomme alguma cousa
n. 13. segundo andar.
Est fgido o preto Manbol Cangalha, que tem
as pernos muilo tortas e ten u colea azul e camisa
branca : quem o pegar leve-) a taberna do Portos.
Revalenta arbica.
He com osle nomo ha pouc
le paiz una fcula, i ujn long
foilossauha muilo ronhecM
Europa. Esia frinha que oa
pedos o exponentos leill o
molestias e circumstanciasUi
lempo conhecida nos-
uso o niiravlliososel-
>s o bem notorios na
mdicos mais eircums-
ipregado em diversas
lem grangoadn o cro-
dilo bolo merecido de que boj i gnza. Arevalenta
arbicaalcni de multas
que ella combato sem o inen u sull'riuioiili
cenle, he especiaunenti
carocem de um alimento
fcil digoslu, o qual longo d
ser tomada com apetito con
monto ordinario. lloosieci
padet'imoulos pulmunares, d
orgao oulraquecitbi por luda
arladas eiiferuiidades,
do pa-
app icada as possnas que
i dol adn restaurante e do
sor repugnante pode
o qualquer oulro ali-
Imetiic empragada nos
bilidades do qualquer
e qualquer doenia o
particularmente para inolesli is no peito, cuino tos-
s, coqueluehes, aslhma, a.
quos nervosos, alfeccoes do
tb-se smenlo na ru da SI a
naiubiico, bulice o armazem
Bravo.
latinos, s so far este no*
com possoa de fa-
2, Golilcn SquiiiP, LoRilrcs.
lt'K<*it Street
I. G. OLIVEIRATend
mar a casa contigua, ampiis
modacos para nmilo maior
de novo se recommenda an
aeus amigos o dos senhore
honesta, paracujo pudor olio v o cumeondi- osla capital; continua apri
(iD desta nao sabir .rua, puis que sondo esla como
ainda c virgem, nao si: desoja a prosliluicao delta :
It quem convier osle negocio annuncio para ser pro-
curado.
A possoa que aiiiiunciou querer comprar um
cavallo, dirija-se i rua dos liiararapes, uacoenerra
do Sr. Flix da Cunha Teiveira, a qualquer hora do
dia, que alii encontrar.
> yuoiii precisar de urna miilher do idade para
o servico de casado pouea familia, dirija-se ao bec-
eodo Pocinho 4.
Retiram-so para Kuropa os Srs. I). Remani
Velho e Na/ario Reinaldo, a Iralar de seus negocios
Manuel Jos llantas, subdito l'ortiigiioz, reli-
ra-se para Purlugol.
Manuel Jos llovalino, rctira-se para F.urnpa.
Attencao Aurora.
Nesle hotel d-se comida o casa de morada para
una possoa mcnsaliuenle por commodo proco, c for-
nece-sc para fura, o precisa-so do um cria'du ; as-
sim como vende-so um deposito de massas linas com
una rica armaeo, por commodo preco. Nos do-
mingos haver mau devacca.
bous ollicios, guiaiido-os
precisen] eonbt'imento pra
du portugus edo inglez fu
lihul o l'r.incez.
He chegado a loja do L
VisU n. 70, escolenle, leil
c.\, para refrescar apello, ti
pinnas, igualmente n afama!
o fazer croscer ns cabellos
rial do l_vro de Klorenca p
des da pello, conserva a fr scurae oavelliiado da
primavera da vida.
Na loja das 6 polrtas em frente
doLivraruento.
Corles do seda com baba los o com 27 cnvndos a
1
2llj(KMI, ditos com 19 covo
loa fazondn nova com M c
los bordados a :t}~iiiii, gollii
lajOOO, camisas com golli
soda encamados o broncos
preto do salpico milito fin i
amostras eom ponhoros;
horas da noite.
1PEDRAS PRECIOSAS.
Adereces de hrilhanles, E
diamantes e perolaa,
pulseiras, alflnelos, biin-
|Ki eos o roslas, boloes e
aunis de diflerentes
goslos o i\v magnillcos
hrilhanles.
8!
Compram, vondom o
troeam prata, ouro, hri-
lhanles, diamantes e pe-
rolas, o outrasquoesquor
ioias de valor, a dinboi-
' ro ou por obras.
Hmann&E. Iihii,
J0AMIE1R0S
llold inglez sala n. 4.
Reccbem pos* lodos os sapo- m?
J i'fts da Europa e to Rio de Ja- j
iicii-o obras to mais moderno
oslo, lano il>. Franca como^
>ili's|;i ultima capill, asi|iiai's< .
tsve,ndem cora toda a garaitiaW
na i|iiaiiilatli> dos hip.Imb e**,
das pedrns, c pelos precos;
mais commodos possiveis,j
|tcndo sempre :\ disposico dos^
E' IVcnuezes um bello e variado
sorlimentr).
enzinho porfoilamcn-
: na rua do Collcgio
tlrdeni tereeii'u de S. Francisco.
T"ndo a mesa recedora da venetavol ordem lor-
ceira do s. Francisco dcsla.cidade esolvido man-
dar pintar o delirar a sua igreja, convida pelo pr-
senlo as possnas para isso habilitadas, a examina-
rem a wencionada igreja, o a enviarom suas pro-
postas em caria fechada al o dia 2D do concille ao
rmao secretario.
Precisa-se por alugiiol, de um preto de meia
idade, que entenda alguma cousa do Irahalho do
campo, di-*o sustento e ronpa : a trotar no pateo
do Carino u. U, ou na Passageui da Magdalena, em
casa do Ur. Firmo.
Precisa-se de um offlcial de pliarmacia para a
Parahiba, que Icoha bastante pralica, o seja de boa
conducta : a fallar ua rua do (lucimado com Jo
Joaquim do Paria Machado.
I'iocisa-so do una ama para comprar e cozi-
nhnr para lies pessoas de familia : na rua do Col-
logio, luja n. 9.
Constando que Rento demandes do
Passo, cidado porluisiiez, nroprietario c
possuidorde boa fortuna, sobrinlio e um
dos teslamenlciros de Domingos Rodri-
gues do Passo, fallecer ein Portugal, dc-
seja-se saber se elle deixo nesta pi*t>
\incia algims procuradores; no caso alir-
maliio pede-se aos niesmos Srs. procura-
dores o favor de deelararem por esle Dia-
rio os seus nones para se Ibes comnmni-
car iicrocos de grande monta.
O baebarol los Bonifacio de S Peroira tem
aborto osen eseriplorio de advogado nohairrodo
Ilccife roa da Cruz n. 18, segundo andar: quoui
quizer encarregar-lo dopatrociuiu de suas causas
pode procura-lo no mesnio escriptorio, das 9 horas
da maiihaa al s 4 da tarde.
Precisarse de urna ama para o servico do urna
casa de pouca familia, preferiudo-se escrava : a ira-1
lar na rua Nova, loja n. 44.
MISO-
Furtarain lia 20 dias do moirao do si-
tio da inoradla do abaixo assipnado na
Passagem da Magdalena urna canoa de
carreira de um s pao, ainda nova e to-
da.pintada de verde com a marca da ca-
pitana do porto M n. 171: roga-se i
quera a tiver adiado ou souber aonde
exisla de participar no dito itio ou na
rua do Torres n. 14, que sera' gratifica-
do,Antonio Jote Leal Itcis.
Folliiiilias para 1839.
Acham-so venda na livraria n. C o 8 da'praca
da Independencia, as folhrnhas do auno de 18Ti!(,
liara as provincias dcPoriiouilu....., r.ear., Bio Gran-
de do Norle o Magnas, das seguintes quaiidades :
folhinha do priprielario agrcola contando
alom das nialerias do cosiunie, as luis o
regulamentos das torras publicas notadas
com lodos os avisos e ordens que as lem ex-
plicado e ampliado ale o mez do setembro ul-
limo, pelo Sr, l)r. Antonio Vasconcellos Mo-
nezes de Drummoad : esta folhinha he es-
sencialmeiile iiecessaria a todas as possnas
que possuem um palmo do Ierra pora mais,
poiscom ella eslao habilitados para nao ca-
hirem em mullas o nao seren Iludidos, privo 500
Folhinha de nurla ris........'. 100
Folhinha eeclesiastica ou de rosa feila peo ltvd.
Sr. condfo penitenciario da S deOlinda, se-
gundo a rubrica e ordens da Sania S, ris. 400
I). Anua Joaquina Teixeira da Molla f.avaloan-
li arrenda o sou engenhn Novo no termo de Igua-
rass : quem o pretender, dirija-se ao sou sitio
Uuteiro, enera vado onlro trras do mesmo enge-
nho, ou na villa de Iguarass, rua da Matriz, casa
n. 9, a Iralar com o lilho da pruprietaria, que (
Jos Teixeira da Molla Cnralcnnli.
Na imite do 12 do corrente marco fngiram
duas muas portencenles ao l)r. (loria,'do sitio na
estrada dos Afflictos, onde mora o mesnio doutor,
sio ambas castanhas, mansas de sella o carro, es-
tao marcadas as pomas logo abaixo d'aooa, o una
que he menor esl tambera mareada as orelhas:
quom os Inuixera son dono, ou dr inforinacoes do
lugar onde oslejom, lora nina gratiflearao.
Aluga-se o segundo andar solio* do sobrado
da ruadas l.orangoiras n. 1 f: no atorro da Iloa-
visla n. b, tonciro andar.
A irmandade de N. s. da Solodade da Boa-
Vista avisa a todos os seusiruiaos, que nao so ten-
do reunido os mesmos no domingo, 13 do corrente,
para a formaro da mesa geral em que se lem do
proceder a eleieao da nova mesa, o Ira lar-so de
mais iibjeclos de muila importancia a bem da
mesma irmandade, polo prsenlo flcain ossenliores
irmns convidados para o dia domingo, 20 do cor-
fenlo,_ashoras da manha. Recite 14 demarco
do IS.iU. O escrivo da mesmn,
/ooomih Jote Marti*,
.~ Alugo-se um criado ptimo pora todo o ser-
vico : a tratar na rua do Teryo n. 62.
Pcecisa-se do uma ama para casa de familia
do duas pasfcas: na tado Queimado n l, pri-
meiro andar.
S? DENTISTA FRANCEZ.
COiHPANlIIA
ALL1ANCE
Estabelecida em .oinlres
ws$ h mi,
CAPITAL
Cinco mi\Yi5cs de Viliras
cslci'lmas.
Saundors Brothers & C.'fem a honra de informar
aos Srs. negociantes, proprielarios de casas, o a
quem mais ronrier, que esto plenamente autorisa-
dos pela dita rompanhia para efectuar seguros so-
bre Oditicios de ljelo e podra, Clibellos Jo lelha o
igiialnieul" sobre os objoclosque Poiitiverem os mos-
uinseilincins,querconsista eiu mobilia ou e.n fazen-
tlas (Je qualquer qualidade.
\luga-se um preto corinheiro : quem o pro-
leiid. i, lrija-se a rua do Cabug, loja n. 2.
I'arlioipa-se ao respeitavel publico, que for-
nece-se comidas com aceioc presteza, o seencar-
rega de lavare engommar : na rua do AUlho, casa
nova inuio do Sr, Bastos Na mesma precisa-so
alugar tuna boa eozinheira e nina engommadeira,
pieferiudo-se copina.
Arreuda'se un >i!o em Sanl'Anna : a Iralar
na rua do Ranad n. 50.
Ba do Oueimado ii. H.
Fazem Setenta aos seus rregue/es, que rcccUoram
pelo ultimo vapor todas as tazendas precisa- para a
presento quaresma, como sejam : vestidos do Gros-
denapoies bordados a velludo com baados : di-
tos bordados a gorguo c grosileiiapolos to lodos
os proco ; maulas de blondo o veos : casimiras pro-
tas ; pannos do melhor que ha no marcado ;
corles ile colletes de velludo, seda o grosdenapotes,
bordados o lisos; lavas de pellica de.bnin; ditas
do retro* bordadas ; meias do seda; dilas de laja
amito elsticas; goiinhase manguitos; casaveqnes
o manteletes preto e de coros ; chapeos para
homem, o mais fino que he possivcl ; nlogios p-
lenle inglez e meios enronometros; um grande BOf-
liuieiilo to obras do ouro de ludo quanlo so pre-
cisa ; calcado, lano para homem como para senho-
ra : roupa eila do bulas as quaiidades; o outros
mullosobjectosde goslo que estao patentes aos
Srs. hvgnozes, que avista das Indios quaiidades das
tazendas o o cominodo preco nao deixarao de fazer
nego.iio.
LOTERA
PROVINCIA
OSr. tliesoureuo manda fazer publico
que se achara a venda todos os dias das 9
horas da inanhaa as 8 da noite, no pavi-
mento terreo da casa da rua da Aurora n.
20 e as casas comtnisslonadas pelo mesmo
Senhor tliesoureiro na praca da Inde-
pendencia numero 22 e na rua Direita
n. 83, ate as (i horas da tarde, somonte os
bilhetes e muios da primeira parte da pri-
me! ra lotera de S. Jos de Riba Mar,
cujas rodas deverao andar impreteri-
velmente no dia 33 do corrente mez.
Thesouraria das lotfrias 12 de marco
de 1859.O escrivao.. M. da Cruz.
Precisa-se
do urna ama para cnzinhai em casa de homem sol-
leiro : no aterro da Pia-Visla n. 2, adiar com
quem Iralar.
A (tengan.
Johnston Palor *j i'.., consignatarios da barca in-
gleza Seraphuia, precisam saber quem s'.m os
consignatarios de 100 barricas com eerreja, viadoa
a bordo da mesma, sendo 80 da marca GFS e 20
da marca ii F S diamante.
Iscariote, enlarde, quoni insulta com MM
de cao, o berros de tndeiro, e nao tem noinio de
aasiguar-se como o tio.Beaasaeo.
VENDA XI I.I.A.
I). Imbolinadc Paria Gusmo, nulher do coro-
nel Antonio Jos Ourjao, declara por seu procu-
rador irrfra assignado, que- nunca den poderes a
seu marido para vender, coinu lhe consta ha ver
rendido sen engenho Canacas ao vigaro de Cam-
pia Crande, Camillo de Heuonca Portado, de
cojo poder protesta iehave-h. porac o competente.
Ih-sle modo previne o publico para que nao se faca
?ocio alguracoui o rigario Camillo sobra o refe-
rido engenho. Timbauba 1." de marco de ls.VJ.-_O
procurador, -/. Borge Varntiro.
l're, sa-sede irdHIglXHl a premio com hypo-
Iheca em bous do rai/.: quom preleodor amiiiucio,
Precisa-so tle mu oriailo para o servico do
mesa, do um para o buhar, naga-so bem: na rua
do Trapiche Novo n. 2, hotel Ja Kuropa.
Itapliae] Pernandes branles annunca a toda
qualquer possoa o ni geral, que dr algum objet lo
Hado, ou oulro qualquer negocio coai algum es-
clavo sen, que elle nao so respousabilisa sem levar
bilhele sen.
Precisa-sede uma ama de idade para andar
com uma menina, e fazer mais algum serv cu do.
casa, menos cozinhar : no, Recite, rua da Cruz
ns. :li o 13.
liospiial l'oriiijir/. te lltMielirnifia en
Pcrnambuco.
F.m consequencia da doliberaoo da junta admi-
nislrativa, sao ptdo prsenle convidados os nieoi-
bros da mesma paro reunir-so uo dia 18 do corren-
lo, potasa huras da larde, em sossao ordinaria, que.
lera lugar no respectivo estabelerimenlo. Rocifn
10 de mareo do 1850.J/nnoel llibeiro liusUn, 1."
secretario.'
_1)_12D2l'J)3
Hl.\0 BENEFICENTE
DOS
ARTISTAS SELLE1R0S
Fni Pernambuco.
Fm virlude do arl, s do capitulo *.* dos novos
estatutos, convido a todos os senhores socios para
comparocorem domingo, 2(1 do corrente, as 10 ho-
ras da manha, na sala das -essiies da sooiedade,
alia do elogoreui o nova consoi-o que tem de d-
rigir os trabalhos da soco-dado, no annn de 1859 a
IhOll. II secretaria, JnsfFruaeisco Lucia.
. JtX J : t XX i&JrtiJJJt

Aviso.
ias de estomago, ola-
I gado ole, ele. Ven-
re de Dous n. 1, Per-
le drogas de Joo da G.
LOTERA
Os bilhetes rubricados pelo abaixo as-
signado achara-se a venda as lejas do
costutne pelos sejjuintes precos
Bilhetes 5#800
Meios -SI00
vende-se em sou escriptorio na rua do
Collcgio ii. 21 primeiro andar em por-
co de 50.S" para cima pelos seguintes
preces a dinheiro
t
; Desoja-so saber notadas exactas Acerca dos
i Srs. Ilenrique C.arnoiio de Almeida o Jos
j llygino Xavier da Fonseca. se ainda existen]
dundo sao moradores, a negocio de seu parta- >
cular nleresse : na ruado liorlas u. i, nudo
Umbem se gratificar bem a qualquer nuira .-
; possoa ijue appareca para dar iuffiiiiaces a
respeilo. *_aim como quom 6 Jos Jeronymo ;
. Alvos da Maia, que a Ii lulo de procurador do
lenle Jns Joaquim de Souza requeren em .
3 nomo deslo liceiua da cmara para cdilicar. C
i Stv xrrmn r ?rrcrt^
Novo Banco tle Pernambuco.
Os Srs. accionistas sao convidados a
receberem o segundo dividendo feito eui
28 de fevereiro ultimo, naraz de7a500
rs. por acco.
Uecife 16 de marco de 1859. No
impedimento do presidente, Jos Joo de
Amorlm.
Compras.
Bilhetes
Meios
o'iOO
_jf70ft
P. J. Layme.
nnm
<>
augmentado, com lo-
e exeollentes accom-
iiiimero de hospedes
favur e lombroiiea dos
viajanles que jusitom
star-Ibes seus servicns
un lodos as cousas que
ico do paiz, ele. Alom
la-su na casa o hespa-
cconlo, aterro da Bne-
virginal de rosa brau-
ar pannos, sardas o es-
do oleo babosa para liui-
assim como p impe-
lir bnrloejas o asperida-
VIA FEIIIIEV
no
RECIFE A S. FRANCISCO.
A eompanhia soacha prompta a receber propos-
tas para a conduccaode urna grande qiianlitlade de
irilho. e outros materiaos portencenles a mesma
via frreo do lilloral dos Cinco Ponlai, onde presen-
temente se ochom, ao lugar chamado Boa Suca ou
Berlioga, silo no rio Ipojuca.
As propositas deverao ser enviadas por escriplo,
morcando o preco por arrobas inclusive carregar e
doscorrogar O peso que pCido ser coii.lu/ido por co-
da barcaca, o maior numero dolas que so poder eui-
pregar nesle servico assini copio o lempo gasto em
cada viagem.
Kscriplorio dos engenheiros navilia do Cabo 10
de mano de 1S50.
B'. V. Pei.Uton,
Kngonheiro oiu chote.
VIA FRREA
DO
Recilc a S. Francisco
A eompanhia precisa empregar 300 ohroiros ad-
dicionaos entre a villa do Cabo o tilinga, e ofteroce
as seguintes vaulogens.
F.sl resolvida a contralor ns atorros em lances
pequeos, por procos que goraiilem maior lucro
aos contratadores, do que o que se realisa polo Ira-
halho diario.
F.niprogar-se-hao todos os homens de torea o ac-
tivos por um pro. o proporcional equivalente 1 jisll
rs. diarios.
os por IctMK), dilos de
ivooos a 59HMI, mangiii-
as linas 150IIO, ditas a
has a JIIOO. lencos da
a 800 rois. Hil de linho
I lJOO n vara. Pii-se
loja esl aborta aleas 9
-; .'
Paulo Gaignonx, dentista, rua das La- -
<> rangeiras 15. Na mesma tasa lem agua e *4*
X P" aenlifico. ?>
Casa de commissao de s-
cravos na na larga do
n. 22, segundo
andar.
Nesla casa fecehem-so scravos para seren ven-
didos por commissao por pona de seus senhores,
ananca-se o bom Iralamenlo e a prompta venda,
allni de os doims nao solTrerem empate com a ven-
da dos mesmos ; nesta mesma casa ha sempre para
vender eseravos para engenho, moloques e negrus.
CASA DE SALDE.
O Dr. Ignacio Firmo Xavier, proprietario da an-
liga e acreditada casa do sonde silo ao norle da es-
Irada da passagem da Magdalena, entre a ponte gran-
de o a pequea do Chora-iiieiiiiui, o na mesma re-
sidente, tem disposto os nn lhores commodos para
receber qhalquer possoa enferma, c achando-se o
sou estabolecimenlo as mais agradaveis condicoes
hygienieas; contina a oflerecer os seus serviros", af-
lioncando o melhor tratamenlo e o maior zlo no
curativa das aatnslias. Omesmodoulor, tem des-
tinado uma sola para parios, cuja ulilidade he in-
conleslavel.
8O EtC.lRREOADOS TU CLNICA
Oponicoos.(1 Illm. Sr.Jos Francisco Pinto Cui-
iiiarcs, cirurgiao do Grande Hospital de Conda-
do, cuja pericia he bom conhecida.
Medico consultante.<) lllm. Sr. Commcndador Dr.
Jos Joaquim de Moraes sarment.
Partos.o lllm. Sr. Ur. Silvio Tarquinio Villas-
Uas.
Palhologia dulrina.0 proprietario do eslabeleci-
mento.
A diaria ser de 3*000 o 2Si)00, conforme o gravi-
dade o duracao da molestia.
As pos-oas que quizerom um Iralamenlo distancio,
pagarn na razan da despez que lizerom.
Operooies, sangiicsugas, conferencias sero pagas
oporle do diana.
Passagem da Magdalena 22 do dezembro de 1858.
Dr. Ignacio Firmo Xavier.
Aluga-se um sobrado a margem
do rio Capibaribe, na estrada de ponte
de Uchoa : a fallar na rua da Aurora
n.26.
FredericoLemcke,
ir;
Fugio de bordo do brigue nacional" Almiran-
te o escravo Joo, de nacao, de idade de San-
nos, pouco mais nu menos, alio e oheio do corpo,
rosto redondo, sem barba, o falla nial; levuu ves-
tido calca o camisa azul, o chopeo oleado: quom o
appreliender, luvando-o on eseriplorio de Jos Joa-
quim Das Fernandos & Filho, no largo da Asscm-
hla n. 10, ser bem recompensado.
Proeisa-se de 11111a ama, que enzinho o engom-
me : a Iralar na roa Nova n. 10, loja do Sr. Avellar.
Ama.
Precisa-se do uma ama para servico de portas a
dentro do nina casa do puiica familia, paga-so bem :
a quem convier dirija-se praca da Boa-Vista n.
'Si, segundo andar, entrada pola ruado Arago.
Fiigomma-se roupa de toda a qualidade com
perfeiio ; qoem quizer mandar o tanihem
para lavar roupa branca e de chita dirija-se a Ira-
ressa do armn. 2, sobrado de um andar junio a
esquina da rua do Fogo, para o ajusto.
Precisa-se de um pequeo para caixeiro do
taberna e que leulia alguma pralica frelerindo-so
desses chegodos ha pouco du Porto : na rua da Cruz
n. 20.
Proeisa-se por alugiiel nu compra de una es-
crava de isjcia idade mas que saiba fazer lodo scr-
(icode uma casa : na rua das Cruzesu. 20.
ATTF.Xr.AO.
Passo-se urna loja na rua Direita eom miiidezas
011 sem ellas ; quem a prclendor dirija-so a agota de
ouro rua do Cabug n. 1 B, para se Iralar do ajusto.
Deseja-se alugar um moloque de 12 a 15 an-
nos para o serviro interno de 11 ma casa de pouea
familia .quem liver algum que o queira alugar di-
rija-so a rua Nova loja da viuva tiadaull que achar
eom quom ajnslar.
D-so elTei-tii-amento dinheiro a premio snb
ponhoros de ouro 011 prala : na rua Augusta nu-
mero -18.
Antonio Joaquim Rehollo Bastos com taberna
no pateo do Torco n. 11. declara ao publico e aoSr.
l.uiz Jos Marquosquede'hoje ein diaiilenoveude
mois em seu estabolecimenlo bebidas espirituosas
de produeoo brosileira.
Fugio do abaixo assignado, no dia 6 do cor-
renlo, um escravo por nomo Cermauo, idade do
:!'i.unios, pouco mais011 menos, cujos signaos sao:
bajo, seceo do corpo, um tanto a barriga crescida,
ps apolhelados. muilo regrisla, para maior signal
ove boxigas do pouco lempo ; Julga-so andar pe-
tos arrabaldes desta eidado, o por isso rogo as au
loritlades policias a capiles de campo o appre-
hensao do dito escravo, e lcvom-110 a seu senhor,
na roa da Praia 11. 48, taberna.
Joaquim Josi de Pinito.
OfTereoe-se urna ingleza para ama do casa es-
Irangeira, nao sendo para cozinhar ou comprar : na
lerceira casa da rua do Prazcr do lado esquerdo
A saboaria Ha rua Impe-
rial compra sebo em rama
a 9$ a arroba a dinheiro
vista: a tratar com o seu
administrador.
Compra-so uma casa torrea no liairro de San-
to Antonio ou nos lmites de S. Jos com o de Sanio
Antonio : a peesoa que tiver, podera tratar o ne-
gocio na rua de S. Jos n. 45.
Compra-se 110 armazem de materiaos, na rua
da Cadea de Santo Antonio 11. 17, chumbo velho.
Na piulara da na Direila n. 2, compra-se 011
aluga-se um esorave padeiro.
Compra-se um cavallo que lenha andar balxo,
c que nao exceda de 200J : quem o tiver annuncio
para ser procurado.
Vendas.
Calcado.
I'.ontratar-se-ho pedreiros, campias, officiaos
do pedreiro, ferroiros, assim cuino oulros mcham-
eos, mediante condieces hvoraveis mpreitada
ou motlianle paga diaria corrcspoiidenlu, no caso
que preferiram.
Havero moradias para osohreiros, cojos manli-
mentos serao transportados graluitainenle da esla-
can das Cinco Ponas aos pontos das suas moradas
tiola linha. Tambem se coneeder una passagem
ivre ao Reeife para lodos os que foiom embrega-
dos, para ida e volla nos sabbados, di-pois de feito o
pagamento ; assim como a todo lempo so dar pas-
ta livre, de 20 horneas,! um, para o lint do com-
prar mantimentos.
Kscriplorio dos engenheiros na villa do Cabo 10
de marco de lo.VJ.
1K. .V. Penislon,
Engenhciro em Chele.
TJ mili
DU
RECIFE A SAO FRANCISCO-
A eompanhia esl prompta para entrar em ajusto
com qtiaeeqiier pessoas que qiieiram encarregar-sc
de transportar malcraos do* lugares das Cinco Pun-
tas e villa do Cabo pora os pontos do Pavao, Olin-
da. Para e Timbnass, assim como oulros punios rouna, e paga-se iiem : a Iralar na rua da Collegio
das divisoes mois distantes da vio forrea. 11. 15. armazn,
O abaixo assignado estimar receber prnposlas Proi is i-sed ttOl cOlinheiro ou uma aotinhoi-
por oseripto, oslaboloccndo o proco por legua por 1 ra : no aterro da Boa Vista n. 12, segundo andar.
cada arroba de peso, pelo qual os propnnentes se1 Precisa-so de tinea ama para casa de homem
iibrigaro fa/er transportar os mesmos materiaes. Isolteiro : no niallissJMn. 61.
Todas aquellas pessoas quo eoiiscguirem este | Precisa-so para ufna casa ostrangeira de uma
5 ajuste coma eompanhia, lero o privilegio do po- niulatinha do 12 all annos, roa do Trapiche Nevi
'X derem obter passagem livre pela via frrea, e re-' n. 12.
PB0FESSOB 11F. PIANO F. CANTO
lina do Sol 11.15.
__^B__^i s5?-:Csl^ ::;
-_ 1 rei-isa-so Mugar un p rete robuslo prnprin
para o son ico diario do nina casa.; d-so comida e
metterom seus propriosgneros pelo frele mnimo
oslabelecido pela tabella.
Eseriplorio dos uiigi'iilieiros navilia do Cabo 10
de marco de ltfttf.
W. M. Penitton,
Eogenbeiro em chefo.
Precisa-so alugar ama rasa terrea om bom es-
lado, no bairr de Santo Antonio ou Boa-Vista : di-
rija-se a rua do Crespo n. J.
Jos Joaquim Dias Fernandos & Filhos mn-
daram seu eseriplorio da na da Cadeia pora o largo
da Assembla, primeiro andar da casa n. 10.
TT
Oicialdeharbeiro.
Na roa da Cruz sola de barbeiro n. 51 primeiro
endar, precisa-se do um o'.lh ial do barbeiro : a Ira-
lar na mesma sala com Antonio llarbosa do Barros.
Aviso aos Srs. negociantes
desle praca.
Trapiche do Cunha.
Neste ostabelecimento receboiu-se e embarcam-
sc saceos com assuc.ir, vont tuda a promptiduo c
ii'fiti pelo diminuto preco de 40 rs. cada um.
Avrlissemenltouslesn-
gociants de cetle place.
Trupifhe Cunha.
Dsormais i.n embarquera lo sucre, daos ect la-
blissomeiil, i 40 rs. le sac! On _aranlu toule la
pronipliliido. el la plus grande propel daos le
servico.
Avise lo all llielrailpliere
estaMished.
Trapiche Cunta.
Notioe es hereby given tht hencefnrward earh
sack of suggar shall pay 40 rs. fnr doposiling and
embarking. Promptilude aud cleanliuess in lhe
service ave warranted.
Vendem-se sapaloes de vaqueta de lustro de Nan-
los, eom duas solas, toreados, polo diminuto preco
do "9 o par : na rua da Oadcia do Recito, esquina
da Madre do Dos. Na mesma loja existe um com-
pleto sortimento de calcado para homens, senhoras
o meninos.
a- Na taberna de Costa & Silva, na rua da Praia
n. :ti, vende-se um exccllente oculode alcance.
Na ilha do Noguoir.i vendo-ae uma poreao de
cocos seceos eom casca, proprio para embarque,.!!
por preco commodo: quem quizer, dirija-se a
mesma ilha.ou a rua Imperial n. 03.
Cernida
superior a 28500 a arroba : vondo-se na rua do A-
morim n. i:), armazem de Travassos Jnior 6t C.
Cu mu roes seceos.
Acaba de chegar taberna do largo da ribeira de
S. Jos n. 1, esquina da rua de Santa Rita, uma
grande porcao de camarese pciie seceos, chega-
do ltimamente do Maranho, c se vende por me-
nos preco do que, em outra qualquer parle, por ha-
ver uma grande porro a vir por ininha conta ; as-
sim como lodos os gneros pertencentes ao dilo
estabelecimenlo ; se vende ludo muilo barato a
dos melhores que ha no mercado, como seja man-
leiga inglcza, dita frauceza, queijos muilo novos,
cha hysstu o perolo, arroz pilado a 80 e 100 rs.,
viiihns muilo bons e de todos os precos, sendo do
400 o 800 rs. a garrafr.
Saceos com mil lio.
Vendem-se saceos com milho novo, e reconle-
mente chegado do norte : a Iratar no Recite, rua
da Cadeia, tojas nr.23 o 26.
Vende-se uma prela crioula de lili annos do
idade : na rua da Cruz do Uecife n. XI, primeim
andar.
Na rua da Cruz n. 00, vende-so gorguro rOxo
de muilo boa qualidade, proprio pora opas.
Vende se excellenle bolachiiiha por H#200 por
arroba, o superior a 3jt840, bolachinha docoa4gl00,
hiscoilo grossn ordinario a ls:!8ll n arroba, pao a
120 a libra, muito bom pao o bolachinha de segun-
la qualidade a 100 rs a libra : na rua larga do Ro-
sario, padaria n. 18; tambem se vendem meias
barricas vasias muilo em conta e com o prazo de
cinco mezes.
Vende.se uma negra acabralhadq, com idade
de 35 annos, pouco mais ou monos, coran-a bem o
lava de varulta : quem a pretender, dirija-se a rua
do Oueimado n. 18.
Para Ihealro.
Os melfcoriw binculos quo tem vindo ao ;
mercado vendem-se em casa de Julio & !
Courado, rua do yueimado o. 48.
'onde-so muilo sup'iior doce degoiana nnu
a 1*100 cada ra; o, proprio para doeute: na rua
dos Marlyrios n.'. '.
Veudem-so ixas de passas a 500 rs! d-
frniitotla alfandoga, armazem dor. Annos, e no
pateo do Tono n. 21.
Vciulou'i-so 5 bnis mansos o gonlos paracar-
fi: quem pretender, dirija-se em Olinda, no si-
MHr. Dr. Parias, mi na praca da Independen-
^loia do onrivos n.33.
"* Vende-so uma casa de pedra c cal, na fregue-
ria dos Afoga-os, rua de S. Miguel a tratar na
ni* laseriol n. 151, das G As 8 horas da manha,
e das a da tarde ein diante.
-_ Vendom-se duas canoas de earroira, sondo
'ima para familia o outra menor que pode com mo
possnas: n tratar na ruada Concordia, armazem do
sal, ou no estaleiro do 8r. Carvalhn.
Attenvio
Vnnde-c o bom acreditado ungento que mola
.apidamenlo ralos e baratas, polo mdico preada
18 cada um : na ruada Senzah Velha n. 50.



FAB. NACIONAL
Diario de Pernambuco.Quinta feira 17 de Marco de 1859.
DA RA DA
14.
Grande sorllmento
Tintar
de
ria,
FLORENTINA.
CHAPEOS
[ACHINAS DE COSER,
MMiiMiEmiau
NA
MIOJA DA
AGUIA BRANCA.
ltamleija c lalhercs
de lodas as qualidades,
garantidas.
14
Hua do Queimado n. 7.
Rost, eslabclcrimenlo adiarn os compradores
ornis variado e rompido sortiinciitn do lodas as Vende-se bandeijas da follia groan e tinlas mni-
qualidades, como sejam : n u"nS n Ionios a 8$ e 9$ o solas a 2S, 2$5oo,
Vestidos de seda prelos com babados g I 38. 3)5500,4S. 48500, 5$ o 6$, si mis modernos mol
Mitos de dita de cor com babados. ... $ jjes bom goslo de desenhode suas pinturas deba
Crosdenaple prcto Uno de 18900 a 2$800 l),',n conheccr quanlo sao ellas linas e barata por
Hicos manteletesprelos prinreza Clotilde
Cortes de cairas de liriui de linho de cor a 1$2N0
Carteirosde perfumaras inglezas. 59000
Camisas francezas de lodas as qualida-
des deStOfllla........ 48000
Para meninos.
Rnnets da nrguro de seda fnrla-cores, obra de
nicnlo goslo a 4$: na laja d'aguia braura, ha roa do
(.1111 limado noaqnalro cantas n. 10. A grande ex-
traccao que elle lem lulo, c a peipn-na qnanlidade
que resta, hunos dizer quequem nao se apressar
lii.n.i sem ellas, por SSO apparcoam boje niesino
queiu anisar fiaras feata aosseus pequeos.
Cal de Lisboa.
\ 4$SOO.
Vende-se superior cal de Lisboa a mais moderna
que lia no Ulereado, toda em pedia a 8500 o barril:
na ra do llriim 11.18, ariuazoni de assucar.
* &WSM
oes e iioni gosio oe aesenno de suas pinturas deua quem quuer paras feata aosseus pequeos. ''**( (I i
bein conhecer quauto sao ellas linas e baratas por _, *'; A l^w-k a
rgiSSiSK Nova 11 venci aperiicoada AlCatlIa
Palelols de panno f raneles del 6$ a 30000
Dilos de alpaea franeczes...... 128000
Poupelina de seda de 900 a..... 18200
Chita Boas o cuvado.
Ditas francezas o royado .
Ricos enfeiles para senboia..... $
Pcnta de tartaruga modernos de "Ja 159000
e manguitos de .roch. 108(100
Relogios
de onro patente in^lez de um dos
melhorcs fabrfeantes de Liver-
pool, ckegados ltimamente pelo
ultimo paqnetc e alguns de nova
atendi coberto e descobertos a
vontade do possuidor: ein casa
de.ArWrighl& ti. ra da Cruz
n.61.
vmdem-ec camisolas "de" fapara escravos a
1(400 cada urna : na ra do Collegio, toja n. 9.
Carne americana.
Vende-se carne de vacia americana, em barris,
cada um com 200 libras, por prero baralo : na ra
de Apollo n. 8, armazeni de Pacheco k C.
Velas slerinas
para lanlernas de carro.
Champagne de sidra,
em barricas de 3 duzias.
Vinho champagne cont de
linas a 3$600 e 4$ a du/.ia, dilas linissimas com ca-
bo de veado, de osso pollido a baleia, o mellior
que se pode encontrar a 5| 5f500 6$ a 6)5300 a
duna, Jilas rom rabo de iiiarlim e folha de aro a
, 12$ c 1 i-,, dilas rom rabo de osso para meninos a
1MI 32(1 o lalher, trinchantes muito linos a 2$500 e 3$,
->(j rolheres de metal piinrepe lio linas que se ron-
fundem com as de prala sendo para simpa a 58500
a du/.ia o para cha a 2$IKI, dilas oclutinagre a
1(690 e Vf, dilas grandes e muito linas a 3$ rada
um : na toja da aguia braura nos qualro canta da
ra doUucimado 11. 16.
Vende-se efTeclivamenle farello de Lisboa as
Cinco Ponas 11. 63, por menos do que em oulra
ipialquer parle.
1 > 1:
Liuha Roriz farelo esema.
Na ra do Torres, esrriplorio de Guillen me Car-
valho & C.
Vendem-se doiis guarda huirs de moldura de
bonito goslo : na ra da Aurora 11. 20, luja de mar-
eineiro, se anuunria por ser a ra retirad*.
RuadoCotovcliu n. 81.
Vende-se umamobilia de raz de amarello eniais
objoctos: quem quizer appareea.
Bandes ou almofadas
**3! Vende-se alcatifa rom qualro palmos
Ijjij! de largura milito propria para forrar
,1- _SX_ i i I C salase grojas a tiOtl rs. o invado: na
ue crina para penteado de!ii!r,!ootri-*pu-li. u,j dc Cu^
Na toja d
Ilecift' ii. ii
senhoras.
Leilo&Irmo, na ra da Cadeia do
F.m casa de Tasso Irmaos.
Espartilhos franeezes de nova
invencao.
Vendem-se espartilhos franeezes de molas e car
retis, o melhorque se pode encontrar nesle gene-
ro, na bemfeitroia c na coinmodidade, a quem usar
dilles, pelo baratissimo prero de 6, 7 e 89. Estes
espartilhos sao chegados no" ultimo navio tiancez,
e so se enconlrnm na roa do Queimado, na bem co-
iiherida loja de miudezas da Boa Tama 11. 33.
Calcado superior e barato.
Ra Direita n. 45.
Borzeguin de senhora (Jl\). 4^800
Dito de liomem. 8,s8(l0
Sapato de tranrinha. l.si.OO
I
Vt
gOfltOJ
na n
irrar carros. ;V^
asen di* seda de bonitos "j
, bwnvi < ......... i.fopno para forrar carros : ,-\l
.*\4 na ruaii Crespo d. 12, loja de Canoas & E
Vinho Bordeaux. ('"J )
o. ^m^^?^^^^
z Caiidieiros de saz.
Na loja do Sertanejo
Em rasa de llenv llriinn i' C, ra da Gnu n. 10,
vende-se vinho Bordeaux de dillerenlrs qualidadi
romo I.afolle, Ch, l.eoville. I.s. Julicen, ein ca
de iiinaduzia por barato preeo.
Para os senhores de en-
genhos.
Acaba de chegar urna forja porttil com lodos 03
perteiir.es necessarios para traballiar de ferreiro,
montada sobre rodas, eda mais solida construccao :
esta forja utilissima para engenhos por poder ser
condiizidS fcilmente para qualquer lugar onde se
precise de um concert, e pelas ptimas ferramen-
tas que compite o seu todo de grande perfeirao,
tornando-se iudispensavel em um engenho : os "que
pretenderen!, podem examina-la na loja de ferra-
gens de Vianna k Guimaraes, ra da Cadeia do
Recifo n. 59, onde lambem encontraro completo
sortimeiiio de enchadas e oulros inslri.....>ntos de
ngrirulliir.ie ferragens, e iniudezas em todo gene-
ro, por preros commodos.
Vende-ie na ra da Cadeia eicrip-
torio n. 50, galcs, palheta, cordo, es-
plguillia, renda de exceilentet gostos,
linha de roria, enteitadae de ns. 1 a l(i,
toafliasde linho de diversos tamanhos
para mesa e rosto, retroz, cochins, ca-
padlos, folhas lisas e bordadas, hoeaes
para seringa, perfumaras, bengalas, di-
versas miudezas e fazendas francezas
Vende-se sal do Asea abordo do 'brgue El-
,11ro : a U-alar na travessa da Madre de Dos n. 7
ou a bordo com o capiUio.
Novidadenalojado
Sertanejo.
Ricas sabidas de baile o melhor que pdehaver
no mercado e gostos que anda uiio fnram vistos a
preco de 35 e 40S, e mais baixas a 32}, meias mui-
to unas para padre de laia a 1 $1500, ditas de seda
para senhora a 2200e 2$500, dilas bramas a 2S500
e 38,chapos de alpaca forrados de seda,mnlo rom-
modos a 2J200 e 2J400, mantas prelas de blonde a
lOg el2S, dites brancas a 7g e 75O0, lencos de seda
L.res. Brandes a 18800 e 1g00, e muito linos a
ZSSOO, ncas bengalas de massa lingindo unicorne
a 7j, ditas finas a 88500 e 10g, dilas de cannaa
lg500, chicotes de estalo muito linos a 2K500, dilos
sem estalo a 1 e 900 rs., paletots de alpaca de co-
res e prelos de lodos os tamanhos para meninos e
horneas, o preco conforme os tamanhos; ossim
como sejam peales virados i lmperalriz o mais mo-
derno que pode haver a 16g, 18 e 23, dilos sem
ser virados a 48 e 5g, e ludo o mais, que se pode
procurar, tudo tem vontade do comprador.
meninos.
nie randieiros de gaz, propase para ri-
nesas de salas : estes randieiros loniain-se
leudaveispela limpeza e boa luz, assimrd-
rns mais pequeos, proprioa para homenl
ros sao commodos
ttmin
roberl 18 B descobertos, pequeos e grandes, de on-
ro pal -ule inglez, para hoiuem e senhora, de um
dos m Ihoies fabril .mies de Liverpool, viudos pelo
ullinii paquete inglez: em casa de Soulhall Mel-
lon A C
M em rasa de Saunders Riolbers \ C,
do Corno Santo, relogios do afamado Cabri-
Roskell, por piceos commodos, a lambem
Jliiis e cadeias para os meamos, de exet lenlo
OVA G'
Ra do Oneimado 11. -13 A, loja de labolela junto !
ao becro da Congregaco, segunda loja do fazendas I
quem vem para o Livramenlo, lem para vender um Veiu
grande sorluienlo de fazendas novas de "goslo-, ma de
como sejam : grosdenaples de cores inuiln linas o recom
ovado a ljXII0, dilas prelas de diversas qualidades o !'.....'
covado a IgiOO, 18500, IjKOO, JW, IgSOO, dila olleiri, poissa mais ecoojiros do que vela-, 1
lina a 2J c milita lina a 2$4(MI e 2 espanhla muilo lina de duas larguras a 2.S o cova-
do. camiziiihas para senhoras de lodos os conipri-
niiMilos com pregiiinhas, obra muilo lina aO$e
OgOO, golas e manguitos de lodas as qualidades e
lodo o sorlimenlo para escolher, emquanto ao pre-
co garanle-se vender mais baralo do que em nutra
qualquer parte ; assim como sejam palelols de pan-
no muito lino forrados de seda a 18, 208, -S. 2S
e 26g : roga aos sens respejlaveis (reguezes, que
lem amostras especiaes sullicieiiles para levar as
fazendas para ver se agradam.
Cortes de la.
Anda reslam alguns corles de laa fina para ves-
tidos, com 16 corados cada corle a 48, eslao-se a-
i-aliaudo : na ra do Uueimado 11. 22, na loja da
boa fe.
Aterro da Boa-Vis-
ta n. 60.
Vendem-se muito superiores casinetas mesrla-
das, com um pequeo toque de mofo, pclobaralis-
simo preco de 360 rs. o covado.
I ATTENfjiO. 1
,-> Kissel, relojoeiro francez, vende relogios de 5
>* 011ro e prala, coiuerla relogios, jota c mus- <\
J^ ras, ja aqu he conheridn ha niiiilos anuos, 3
,< habita no paleo do Hospital n. 17.
Ra da Senzala Nova n. 42.
Vende-se em casa de S. P. Jonhsloii & C. vaque-
tas de lustre para carros, sellius e silbos ingleses,
candeeiros e caslicaes bronzeados, lonas ingle/as,
fio de vola, chicote para carros, e montara, arreios
para rarro de um e dous ravallos, e relogios d'ouro
patente nglezes.
Aviso.
No annazem de Adanisnii,llowie,&C.,ra do Tra-
piche n. 42, vende-se sellins para homem e senhora,
arreios prateados para cabriolis, chicles para car-
ro, colleiras para cavallo etc.
55 Aterro da Boa-Vista 5 5
Casa deF. Poirier.
Vende-se taboas de pinho de resina de 1 1/4 e 1.
1/2 pollcgadas de grossura, por preco muilo ra-
aoavel.
I.inia.
MM
a
V( nde-se esla agua a melhor que tem appareci-
do pira lingir o cabello e suissas de puto : na li-
vrar a universal ra do Collegio n. li), d-se junio
um mpressosralis, enainandoa formado ssjplicar.
Pianos.
Vendem-se pianos fortes do melhor
gos o e modelo que tem vindo a este
merend e por oreos commodos: na
ra da Cruz do Recite n. 50.

XAROPE
GRANDE SORTIMENTO
Roupasfeilase fazendas
NA RUADO QUEIMADO N. 46.
LOJA
Toncas
Na na po Queimado n. 37 loja de 4 portas tem
um variado sorlimenlo de toncas para crismas mui-
to bem enfeitadas para 2g000, ditas muilo finas e
bordadas a 4,3000, tambem lem roifas pretas e deco-
res, de retroz, muilo bem enfeitadas de vidrilhos
por preco coinmodo.
Cera de carnauba
Na ra da Cadeia do Recite, loja n. 50, esquina
defronte da ra da Madre de Dos, ha para vender
saceos com cera de carnauba de superior qualidade,
Carteiras grandes com cha\es.
Vendem-se por preco muito barato carteiras
grandes com chave, proprias para guardar dinheiro
e letras : na ra do Qneimado, na bem conhecida
oja de miudezas da Boa Fuma n. 33.
DA
FUNDIDO LOWHfcW,
Roa da Senzala l\ov; n. 42.
Neste estabelecimento continua a baver um com-
pleto sorlimenlo de moendas c meias moendas para
engenho, machinas de vapor e l cas de.Ierro bali-
do e coado, de todos os tamanW'para dito. .
. Avis:
LVas de pellica, de Jouvin verdadeiras a 2J900,
muito novas, ebanba tranceza s libras, meias li-
bras e quartas al onras > 2}560 a libra : na loja
de miudezas do aterro da Boa-Vista n. 82.
Foi transferido o deposito desle xarope para a
boliea de Jos da (ruz Santos, na ra Nova numero
53 : garrafas 5g50li e meias 3$, f ndo falso lodo
aquello que nao fur vendido ueste deposito, pelo
que se faz. o prsenle aviso
IMPRTAME PAIt.V O PUBLICO.
Para cura de plllvca em lodos os BOUS difleren-
les graos, quer motivada por roilsliparoes, losse,
aslhina, pleuri/, OhCarros de sangue, dorde costa-
dos e peilo, palpilacao no eomcao, coqueluche,
bronchile, dor na garganta, e todas as molestias
dos orgaos pulmoiures.
Potassa da Russia
E CAL DE LISBOA.
No bem conheridn e arredilado deposito da ra
da Cadeia do Recife n. 12, ha para vender potassa
da Russia e da do Rio de Janeiro, nova e de supe-
rior qualidade, assim como lambem cal virgem em
pedra : ludo por procos muilo raioaveis.
Relogios.
Vendem-se relogios de ouro inglezes de patente:
no annazem de Augusto C. de Abreu, ra da Ca-
deia do Recife n. 36.
TACHAS
para
Na undigao de ferro de DJ
W. Bowman, na ra do Brum,
passando o chafariz, continua a
haver un completo sorlimento
de lachas de ferro fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmos de bica,
as quaes se acham venda por
preco commodo e com promp-
tido, embarcao-se ou carre-
go-se em carro, sem despezas
ao comprador.
Chapeos para meninas.
He na loja dequatro portas na ra do
Queimado n. 37
que se encentra um rico sorlimenlo de chapeos para
meninas e meninos ricamenta enfeitados, e tambem
chapeos para senhora, de palha enfeitados.
:,.-
ES Palelols de alpaca de icor e pVetns pelo
dimiuulo precu do 4JJ,bh>s de fnslo bran-
ros c de cor a 5!, ditos de lirim pardo K '
muilo superior a 5$, dilos de esguian da S|f
China cor de laranja a 5$, dilos de palha f,;
de seda a 59. dilos de nieia rasemira pn-
JHj tos e de cores a 8f, dilos de casemira de "
3?1 cor padres milito modernos a 18g, dilos t
y lino pretocom golla de velludo forradas 0
Na loja TT empanada encamada, ra do Queima-
do n. 37. araba de rereber ltimamente Ue Franca
um Completa sorlimento de fazendas prelas, pro-
prias para os actos da semana sania, bem como
sejam, ricos corles de vestidos de grosdenaplc pro-
le, bordados a velludo o a reros, manteletes de
grosdenaplc prelo, ricainenle enfeitados, maulas
de fil prelo e los prelos, fazeuda muilo superior, a
melhor que lia no mercado, grosdeiiaple prelo de
militas qualidades, mu completo sorlimento de
panno lino prelo e de casemira pela para lodos os
piceos, eludas estas fazendas se vendelao por me-
nos preco do que eui oulra qualquer liarle ; lam-
bem se alianea de servir e agradar com Inda a deli-
cadeza lodas aquellas pessoas que frequentarem
este e.-lalieleiilnenlo.
Vendo-so urna esrrava crionla, mora, bonita
figura, qual sabe bem cozinhar e engomniar, e
mais algumas habilidades : a tratar na ra do Pa-
dre Florano n. 32.
Vende-se o terreno sita na ra do Almrim,
pegado ao sitio denominado viveiro : quem o pre-
tender, fallo na na do Crespo n. 10, que dir com
quem deve Iralar.
Vendem-se 6 negros mocos bous Irabatkado-
resde enchada, 3 negras com algumas habilidades,
4 miileques de a 12 anuos e una negra de meia
dado por proco commodo : na ra larga do Rosario
n. 22, segundo andar.
Farinha de trigo
SSSF.
Fernandes & Filhos lem superior farinha do tri-
go da marca SSSF chegada antes de honleiu que
vendem a preco muilo em canta no seu arma/em
ra da Cadeian. 63. boceo da Madre de Dos n. 12.
(CMOTE1 m MMTTID.
0 Prepira est Qiicimanilo.
Na ra do Queimado n. 2, esquina do beeeo do
Peixe Frilo tem o Preguica para vender por bara-
lissimo preco um completo sorlimenlo de fazendas
bem como sejam corles tic cassa e seda de lindis-
simos costos a 6$00 cada um, dilos de la e seda
de lindissimos gostos e superior qualidade a 7$ ca-
da um, cortos de ranibraia brama rom salpieos a
3500, ditos de dila com llores de cores a 3,3800,
gangas meseladas de padres e superior qualidade
a 5$400 o covado : chitas escuras e claras de cores
, lisas a 160, 180, 200 e 210 rea o covado; dita
donas luvas dejnuviii, viudas do sua encommonda,; francezas do lindos padriies e de eicellentes pan-
tanto para homemCOIUO para senhora, aliancando-|nos 240, 260, 280 e 300 reis o covado, cambraias
seque sao as melhorcs qu......i tal genero se tem adamascadas para cortinados de camas pecas de 20
vista aqu: veadem-sc a 2.<.)IMI o par : assim romo varas a 11$, grvalas prelas e de cores rom mola e
oulras igualmente novas, otainbeni mu boas a 2;> sem e(|;i al
o par. (Jiiem apreria o bom, he dirigir-so ra do
Oneimado nos qualro raulos, loja d'aguia branca n.
No annazem de K. A. Borle & C.*, ra da
Cruz u. 48, ha excedente cnampanhe da melhor
marca quo tem vindo ao mercado a K) o gigo.
Ricos enfeites com vidrilhos
para caneca.
Vendem-se os mais ricos enfeites prelos o de
rores rom vidrilhos, pelo baralissimo proco de 48
Ojjcadaiun: mi bem conhecida loja de miudezas
da Boa Fama, na ra do Quuinutdo n. 33.
Attenco.
Yoiula do sobrado, ra Xovt n. (i!.
O abaixo assignado leudo precisan de ir F.uropa
tratar de sua sadc, vende sua rasa de sobrado, onde
lem sua cocheia : quem quizer possuir bom pre-
dio, aproveito a occasin. (I uiesmo ruga o especial
tavor a lodosos seos devedores de carroso nutros,
a pagar soas COOtas, para eular oulros lucios, alim
de poder liquidar os sens negocios. .
(,'. Adoljilie lli/tirgeoi.
Vende-se mi arrenda-se o engenho Sao Jos,
na freguezia de Santo Anlo, 4 leguas ao sul da ci-
dado da Victoria, rujo engenho me rom agoa, toiu
grande cercailo, hnpo o circulado por vallado
milita malla, o preparado du lodo necessario para
! moer: rom grande casa do vivenda, seuzalla, ele,
casa para bagaro, com eslua a assenlamento para
i relame quem' o pretender dirija-so ao engenho
Sibir a tratar com o seu proprietario.
Relogios.
Vendem-se relogios de ouro e doura-
dos patente para liomem e senhora de
diversos tamaitos por preros commodos :
na ra da Cruz do Kecife n. 50.
Algodo monstro.
Cnnliiiua-se a vender o botn conhecido eerono-
miro algodo mnnslro Com 8 palmos de largura,
tiroprio para qualquer obra por dispensar lodo o tra-
lalho de eosiura ; aproveitcm emqnanta ha : na
ra do Oueimadon. 22, na lujada boa f.
AsACi'dadeii-as luvas dcJovin.
A loja d'aguia branca araba de receberas venia-
Velas de carnauba.
No anfEO deposUo da ra do Vgarn n. 27, von-
dt'in-si' volas de caradoAba em pwfueuas o grandes
porgos, si-ndo do t. 7, 9 12 em libra, por menos
un que em oulra niKilipior parlo.
Vendem-se 12 rasofs di- eanarioa il* Imperio
t-ru aeui viveiros : (uem is preondtT lodos >< ren-
do por menos proco; Igual monto se voude casaes
do rulas do llambiirgo do muito boas qualidades :
ni sobrado da ma do S. Francisco n. 8, como quem I
vai para a ra Bolla.
Meias de borracha.
CHEGAIUS LTIMAMENTE NO NsVVIO FRANCEZ.
Na ra du (.lueimado, na bem conhecida loja de
luiudezaa da lloa Fama n. 33, j.i lem para vender
por preso baralo as muilo procuradas meias de
borracha, nicamente proprias e approvadas para
loda c ipiabpicr enchaco as peruas.
James l.rablree V C, leeni para vender em
sen annazem, ra da (ni/, u. (2, os seguintes ar-
ligos :
CIIAMPAMHAdo superior qualidade, em gigos de
daa de garrafas, e lambem em gigos de duas
duzias de meias dilas.
PI BE VKI.A muilo forte (o melhor que tem vin-
do a osle morcado) e proprio para coser saceos
com asnear.
ARMACKS DE SKI.l.INSlauto para montara de
seuhoras como para homens.
ciiirniKSpara euros.
PKRNF.IUASmuito bem feilas.
Altll^lllSpara carros de um c dous cavallos.
1'IVKI.ASde ferro estanhado para obras de sl-
lenos.
Toalhas adamascadas.
Fio de vela.
Biscoutos em lata.
Venrlem-se em casa de Arkw-
reglit & ra da Cruz n.
fil. por barato preco.
Ja de seda a 22J, e a S5g, calcas de casemira '-"
-.3 prelas e de cores a bS, 7$' e 8$, rlleles *'' -
Ji de gorguro de seda a 5$, ditos de velludo "
J nreto a 7J, dilos de cores a i)$, ditos de g
fl fustao e briui a 2g50(l a 36, comillas de w
^3 bramante a ISblKI a lgSOO, loncos de cam- '' -
..- braia de linho dr/ia US00 e6>, e oulras s.''_,
< visla quo se pode avahar a pechincha. >. "
wmmmmmmm
Apparelhos de porcellana.
Vendem-se mui bonitos o delirados apparelhos
de porcellana domada proprios para brinquedo de
meninas, sendo elles de diirerenles laiiianhos e
gostos a lgO, 2, 2S300, 3g, 3S500 o .|j! na na
do Queimado nos qualro cantos loja d'aguia brau-
ca u. 16.
ENFEITES PARA CABEgAS.
Mui modernos e delicados enfeites de llores, fitas,
plumas e frocos para senhora a 6}, S e 1flS, precos
cslcs baralissitnos visla da perfeicao e bom gosl
com que sao elles acabados, assim como oulros
pretos do vidrilhos obra de apurado gusto e inlei-
ramenle modernos i; pelos diminutos piceos do ig o
ij; para qualquer pessoa so eertiflrar da verdade
de que fallamos, dirija-se a loja d'aguia branca, nos
ipiallo canlosda rua do (.lueimado n. lt.
Aguiabranca.
(ovo e completo sorlimento de
I meias para homens,
mulheres,meninos e meninas
de 2 a lannos.
yendem-se muito boas meias cruas sem costura
. todos
de gostos modernos, e se vende mais em conta do
mn em oulra qualquer loja.
Vende-se superior linba de algodo, branecs e
do cores, em novello, para costura: em casa de pf!a ,,0lnc." a.S00 aduza elOOjs.o par, ditas in-
Seulhall, Mellor&C, ra do Torres n. 38. B1,-Ps mullo finas a2j^00 e3Jal)0 a du/.ia, ditas
muitu cjicorpadas de lio delirado a 4S5UO a du/ia e
40fflrs. o par, ditas lambem de lio dobrado para se-
nhoras a 3g600 a duzia e 32(1 rs. o par, dilas linas
a -180, 500 e 600 rs. o par, ditas para meninos me-
ninas conforme os dilerentes tamanhos, asseveran-
do-se seren mais baratas do que-cm oulra qual-
quer parle, meias de laa muito linas para homem
Pecas de madapoln a~2|500 e 39000 : na ra do K rs- o0Par' *tas naissimas de fio da Escocia a
nn ui. a. ... ... .ai>. n... ~^A. -._J oW rs. o par, ditas de lata para padres a
Com pequeo toque de
avaria
Crespo, loja da esquina que rolta para a na da Ca-
deia.
Com pequeo toque de avaria.
16, que ser bem servicio. Na inesma loja existe um
grande sorlimenlo de luvas de seda de militase di-
versas qualidades lambem para homem e senhora,
e a precos baratissimos.
Espelhos grandes.
Vendem-se espelhos grandes para parede com
bellas molduras enve Misadas o deliradas e vidros
mui linos e claros a i$e 5j : na loja d'aguia bran-
ca nos qualro cautos da ra do (.lueimado n. 16.
Fazendas prelas para a
quaresma.
No atorro da Boa-Visla, loja n. 60, de Gama &
Silva, sendo um completo sortimento de grosdena-
ples pretos, pannos e casemiras, pelos precos se-
guintes : grosdenaples, o covado a 1S280, ls600,
1*800, 29. 25210, casemiras prelas, cortes a 59500,
6X500, "900 .16 12$ cada corte, e pannos prelos
de dilferentes preros c qualidades.
Ra do Queimado n.l.
Na loja na roa do Queimado n. 1, amigamente
conhecida pela do meia pataca, existe um completo
sorlimenlo de fa/.eudas, que se desoja liquidar por
qualquer um proco, alim de ein breve se poder das
nova organisarao mesmaloja. Mas nao sendo por-
sivel mencionar um por um, lodos arligos de que
se compoe o dito sorlimento, limilamo-nos aos se-
guintes, adiciimando-lhe seus baralissimos precos,
alim de que os amantes do baralo facam a devida
idea doquanlo economisarao em se sorlirem em
dila loja : cortes de cassa chita a 1$600, ditos finos
a piula miudinha a 2$, cassa de cor, vara 32(1 reis,
dilas linas e Usas na cor a 410, ditasfrance/as mui-
lo lina a 6(1). sedas de quadrinhos a lg, ditas mui-
lo largas a 1J600, ditas de quadrinhos miudinhos
assenles em grosdenaples a 1S5O0, fazenda de la
com qnadros de seda a 320 o covado, dila superior
a 400 rs., chaly padres inteiraniente novos a 1$,
chitas francezas superiores, lanto em panno como
em linlas a 320 o covador ditas escuras a 260 o co-
vado, alpacas de una s cor, fazeuda muilo fina a
500 o covado, dilas com lislras de seda a 500 o co-
vado, tiras bordadas de 6 metros, por menos 25 por
0 0 do que en oulra qualquer parle.
Loja ii. 37.
He na ra do Queimado a loja
de qualro portas.
Se enrontra um completo sorlimenlo de grosde-
naplc prelo de 18600, 1$800, 2$, 2200, $l00.
2,800, S e 3,200 o covadojilos de cores de 1,600
e ,S o covado, panno fluo prelo de 2,5(Sl al 12< o
covado, dito cor de Hp e verde cor de garrafa,
fazenda muilo superior a 7$ o covado, casaveques
de fustao ricamenteanfeitados de ricas trancas lin-
gindo lindos bordados a 18S, corles de vestidos de
phaulasia muilo lindos e dus mais modernos a 18$,
ditos bnrdados,a velludo de cores muito lindas a
30g, ditos bordados a seda com lindas flores a 28j
rada um, paletots de panno e de casemira prelos e
de cores di? 16 at 25$ cada um, ditos de brim
bronco muito finos de 5$, 5,500 e 6$ cada um, ricos
pannos da mais lina rasemira do lindas cores para
cima Ue mesa de meio da sala, toalhas de linho era
proprias para rosto a 1$280 rada una, redes de
cores viudas da Baha da Tracao, obra muilo bem
acabada, pelo diminuto preco de 18$ cada urna, e
nutras muitas fazendas que s com avista do com-
prado! se poder mostrar, e se Tendern por pre-
co milite commodo.
Chapeos de palha escura para
homem por precos baratos.
Na bem conhecida loja da boa f, naiua do Quei-
mado n. 22, encontraro os bons fregueses um com-
pleto sorlimenlo de chapeos inglezes de palha escu-
ra de Jornias iuteiramente modernas e bonitas da
ultima muda. Tornam-se rerommendaveis pnrse-
rein mui leves e frseos para a presente estaco :
vendem-se pelos baralissimos precos de 4$ .'5$,
vendem tambem chapeos e bonets damesma quali-
dade para meninos a 3$ 3$60l).
Em casa de Kahe Schmettarj & C.
ra da Cadeia n. 57, vendem-se elegan-
tes pianos do afamado fabricante Trau-
mann de Hamburgo.
Alnieida Gomes, Alves & C.a
Na grande fabrica de ta-
mancos da ra Direita,
esquina que vira para S. Pedro n. 16, lem effecti-
vameiile rii|iiissimo sorlimenlo do lamaucos de lo-
das asqualidades, proprios para a eslaoao invernosa,
e vende-se lauto a relalho como em grandes por-
res, por menos proco que em oulra qualquer
parle : os senhores conunercianles do fra deven
prevenir-so, pois o invern esta prximo.
IY1ACHINISIYI0
Farinha, millio e
farelo.
Vendem-se saceos com farinha, milhn e farelo,
ludo o melhor possivel : na taberna graude da So-
ledad.'.
Vende-se um escravo moro, muilo robusto,
pralioo nos trahalhns de armazeui de assnrar. bem
romo urna linda esrrava rrioula oplima eugouima-
deira e enzinheira : na ra Nova n. 67, priiuoiro
andar.
CHEGUEM
loja da Boa F
Quo. est M'iidi'inl muilo barato.
firosdenaple prelo muito superior a 1,800, 2$,
2.5IHI, 3$, 3,500 e 4$ o covado, sarja prela hespa-
nhola muito superior a 2,200 o covado, selini ma-
can muilo superior a 3,500 o covado, panno prtoo
liioi a 2$, 3, 4, 5, 6 c 8$ o covado, casemira prela
muilo lina a 2$, 2.500, 3$, 3,500 n 4$ o covado,
ricos corles de oolletcs de velludo preto bordados a
12?, ditos de diio de rores a 7$ e 109, e muilo su-
periores a 13$, dilos de gnrgurao prelo a 3,500, di-
los de dilo de cores a 4,500, merino prelo seliui
muito lino a 1.1211 o covado, alpaca prela muilo
lina a Ulll, 800 1$ o covado, meias prelas de la
muilo superiores proprias para os senhores sacer-
dotes a 2$ o par. rambraia de linho muilo tina a
6$ a vara, esguiao de linho muito lino n 16,000 rs.
a peca com 12 jardas, brelanha de linho muilo e
muito larga a z0$000 a pera com 30 varas, cam-
braia adamascada para cortinados a 12,000 apera
com 20 varas, bramante de linho muito superior,
rom duas varas de largura a 2,400 a vara, aloalha-
do adamascado com mais de 8 nalmos de largura a
1.280 avara, brim liso, Hamburgo, muilo lino a 0
< a 10$ a peca rom 20 varas, esgnio de algodo
muilo lino a 3,200 a poca rom 12 jardas, cambraia
lisa muilo lina a 5$ a peca com 8 1/2 varas, dila
muilo lina a 6$, 6,500 e 8$ a peca com 10 varas,
dila muito lina com salpieos a 900 rs. a vara, e a
7$ a peca rom 8 1/2 varas, fil de linho bordado a
l.lio a vara, maulas pretas bordadas a 10$, veos
da mesma qualidade a 12,000, gollinhas de fil
muilo bem bordadas e bastantes largas a 1,200 ca-
da una, lencos de cambraia de linho com bico lar-
go em volta a 2$, meias brancas de seda para me-
ninas a 2$ o par, ditas brancas de algodo muito
linas para Senhora a 3,600 a duzia, ditas inglezas
muilo superiores tambem para senhora a 5$ a duzia,
ditas para meninas de lodos os tamanhos a 280 o
par, ditas para meninas a 240 o par, dilas de algo-
do rru para homem a 1,800, 28, 2,500, 3 e 4$, e
Ql
"Su fumlicao de ferro lo enjf,enheiro Da-
vid \\. llowinan, na ra
do ltriim, |tassanilo o chafariz.
Ha sempre um grande sorlimenlo dos seguintes
Na loja do Preguica vende-se madapolao com pequeo toque de
Unos largos a 3$80U a peca, chilas francezas largas cores escuras e "
o par,
SOOrs. .
1$600 o par, ditas de seda mui Unas pretas" e bran-
cas para senhoras a 3$, 4g e 5g o par, ditas mui li-
nas para meninas a Jfi500 o par, assim como mui-
tas ootras miudezas e objectos de gosto, que eslo
patentes na loja d'aguia branca, nos quatro cantos
da ra do Queimado n. 16.
Na ra da Cadeia n. 28, defronte da relaco,
ha para vender bizas hamburguezas em porro e
a relalho e tambem sealugam por preco commodo.
~r Superior cal de Lisboa para fabrico de assu-
i ai 38400 a peca, ditos mala
infn~a 500 fein o nt -.0-- ~-- InMft padres com pequen* toque car, em amores nfoito bem fetos que servem para
iao, cuales de merino com algumas pintas de mofo e com lindas palmas as conduro de agurdente e por prero commodo : na
I ra da Cadeia n. 28, defronte da relacio.
ponas a 585W cada um.
VENDEM NO SEU ARMAZEM
%1 RA DA CRUZ %f
CHAPEOS de fellro sortidos, da fabrica acreditada
de.Carvalho Piulo, do Rio de Janeiro.
SABAO das fabricas do Rio de Janeiro.
VINHO de champagne de superior qualidade.
SALVAS, bandeijaa e oulras obras de prala.
Ra do Queimado n. 1.
Nesta loja ezisie um bom nralorio de Jacaranda
para vender.
Cognac.
Cognac superior em caias de urna duzia, vnde-
se em casa de Heur Bruun t C, r na da Cruz n. 10.
MUI e I> cada urna, dilas rom mola mui-
lo linas a 1$600, lencos do seda rom algum enfeito
a 800 reis cada um, grosdenaplc de cor de boa
qualidade a 1$S00 o covado ; corles de casemira
lina a 6$, dilos d......ia casemira a 2$, dilos de di-
la mais lina a 28600 cada um, coi les de brim de li-
nho a I87O0 cada nm, dilos de dito branca com lis-
iras e de puro linho a 18920 cada um, corles de
gnrgurao para colletea a 3$ cada um, ditos de me-
rino bordados do lindos goslos ($500, ditos de case-
mira prela bordados a 3$800 cada um, cambraias
lizas de 8 varas a 8$500, 4$. $400. 4$800 o 5J00 a
peca dilas lapadas com 10 varas a 4$, 4$500,
5$8O0, t>$500 e 78200 a peca, cortos de organdy fa-
zenda muilo larga e lilla a 2(600, alpaca prela rom
6 palmos do largura propria para samaras e capas
de padres a 800 reis, lanziiihas de qnadros proprias
para vestidos de senhora a 3611 e500 reis n covado,
chales do la tinos com barra matisada a 4$500, di-
tos do merino lizosa 48800, ditos de dilo bordados
a 68300 cada um, lencos blancos com barra de cor
a 100, 12(1 c 130 reis cada um, chilas francezas lar-
gas para cubera a 240 res o covado, brim brauro
de lislra de puro linho a 8110 rea a vara, dilo de
lindissimos goslos e superior qualidade a 1$440 a
vara, dilo braneo muilo lino 1x280 e 1$400 a vara,
cansan de cores do lindissimos goslos a 360 e 400
res.a vara, miissiillina rom pequeo loque de ava-
ria de lindos padres a 250 o covado; dila sem ava-
ria a 300 reis o covado, dita toda enramada a 220
reis o cavado, dila mais larga a 32q reis, rasemira
prela a 2$, 2$2II0, 28400, 3^500 e 4$ o covado,
panno fino azul e cor de rap de superior quali-
dade a 5$ o covado, dito prelo a 4$, 5$ e 58500 o
covado, dito azul pruprio para fardas a 2$, o cova-
do, lencos broncos para man de senhora do bico
largo e muilo finos a 800 o 1$ rada um, rhilas es-
curas de linlas Osas a 582110 a peca, alpacas de se-
da de superior qualidade a MKI res o invado, po-
cas de cambraia liza com pequeo Impo de mofo a
28, ditas de brelanha de rolo com 10 varas a 2$,
aloalhado largo muilo lino com bonitos Livores a
1$280 a vara, italianas, especie de cambraia pinta-
tada de cores lizas o lindissimos goslos a 480 reis
a vara, cambraias ianecias de lindos padrees e ex-
folenles pannos a 500 reis a vara, rassas piuladas
miiidiuhas a 320 n is a \ara, luvas de lo da Ksro-
ria, bramas e de cores a 320 reis o par, cambraias
napolitanas roas e azues de quadro a 3C() reis i
van ou 220 reis o covado. i isradiiihos franeezes de
qnadros a 180 res o covado, bramante muito largo
a 2$ 00 o covado, vclbutina de todas a rores a 720
reis o covado, meias rruas para homem a 100, 21)0,
360 o 400 reis o par, ditas para senhora de todas
as qualidades, palelols de alpaca prela a 5$, ditos
de meia rasemira a 8$, dilos de panno prelo e de
Cor a 10$, luvas de soda para senhora a 1$200 o
par, dilas de seda bordadas de lindos goslos a 2$200
o par,; e oulras muitas fazendas que se deixam de
mencionar e so vendern por baralissimos precos e
se daro amostras rom penhores
Vendem-se solcras e saradas de pedra de
cantarla : a tratar na ra do Torres, escriploro de
Lemos Jnior & Leal Itcis.
Madeira de pinho.
Vende-se mais baralo do que em outra qualquer
parte : na ra da Cruz n. 40, primeiro andar, e na
ra do Brum. arma/.em n. 10
g He chegada a nova factura d
largas e estrenas |
da ra do Quci- ?
uiadon. 10.de Leitc& l.orreia. '.."
s T3 -':.: -j-:. -- 53
l'arn >-.< \ IN'i'on.
Variado sorlimento de falo feilo francez e inglez,
de diversas fazendas o varias cores ; casacas pretas
de panno tinissimn impermeavel: chapeos de castor
prelos e brancos ; charutos da reserva de encom-
menda especial.
BORDADOS FINOS.
Na ra do Queimado n. 37,
loja de 4 portas.
Tem um completo sorlimenlo de bordados, romo
seja golinhaspara 600,800, 1$e 1 $200 al 3, man-
guitos de 1$600 o par at 28400, manguitos rom
golinhas de ricos gostos a 4$, 5a, 69, 8, 10 e a
128 o par, completo sortimento de tiras bordadas e
ciilreiueiusfraiicezes, tiras bordadas inglezas de di-
versas larguras e de urna fazenda muilo superior
propria para calcinhas de crianras e para casave-
ques, camisiuhas bordadas com golinha e mangui-
tos por preco commodo.
Vende-se em casa de C. J. Astlev
&C :
Cabos da Russia e de Manillia.
Palhinha de junco preparada.
Vinhof de Rheno, de Moselle e de Br-
deos.
Roldas de cobre e presos do mesino.
Salitre teliuado.
Sementes.
Vendem-se sementes de horlolire de lodas as qua-
lidades, rbogadas ltimamente de Lisboa : na ra
da Cadeia do Recife n. 56, loja de ferragens.
ALPACA BRANCA.
Vende-se alpaca branca com duasftrgurasa 1 o
corado : na ra do Queimado n. 34, loja do Larra.
Vendi'-se um armario por qualquer preco : na
ruada Cadeia da Santo Antonio n. 11 B.
Vndese fumo em folha e cola chegada recen-
temenle da Baha, por menos prero do que em ou-
tra qualquer parle : na ra da Cruz do Recife n. 13,
primeiro andar.
inglezas muilo superiores a 5,000 a duzia, lencos
bramos de rambraia para algibeira a 2,400 a duzia,
dilos maiores a 3,000 a duzia, ditos muilo grandes
proprios para a cabera, a 400 rs, cada um, dilos
muilo linos de esguiao de linho a 7,500 a duzia,
dilos de linho de cores escuras e fizas proprios
para os tabaquistas a 400 rs. cada um, cuales de
merino liso de lindas cores com franjas de seda a
6$, dilos de chaly com lislras de seda em volta e
com franjas lambem de seda a 7$, ditos de merino
bordados a 0$, dilos de luiiquiu muito superiores
bordados em duas ponas, com franjas muilo com-
obje.los de mecanismos proprios para engenhos, a pridas, pelo baralissimo preco de 458000, ricos
a saber: moendas o meias moendas da mais.....- ; penles de tartaruga a impcralriz a 12 e a 208, le-
derna coiistrucco ; lachas de ferro fundido e bat- j do, de superior qualidade e de Indos os tamaitos ; |li,r. chapeos de fellro muito finos a 5 e 6$, brim
rodas dentadas para agua ou animaos, de lodas as bramo trancado de linho muito fino a 1,280 avara,
proporcoes ; rrivns e bocea de fornalba e registros dito inrurpado muito superior a 1,440 a vara, dilo
de boeiro, ogoilhos, hronzes, parafu/.os e cav- do cores de padres muilo honitos a 1$ a vara, di-
glezes superiores do pregas
3 deudosos tamaitos aloja f

factura de camisas n- H
Ibocs, monillos de mandioca, ele. ele.
NA HUSMA PNDICAO
se ozeentao Indas as encommeudas com a superio-
ridade j conhecida com a devida presten e coin-
modidade em proco.
ARMAZEM
Fazendas e modas
DF.
MIGUEL JOS DE ABREU,
.1 Ra do Oneimado 11
Esle eslabelecimenlo que inqueslionavelmenle he
hoje um dos melhores ueste genero aeha-se com-
pletamente sorlido do tudo o que de mais rico, mais Tf TtT^f II W T!\T TBTP1T Tff i\ TAiT?
bello, mais moderno o do mais elegante e apurado JJdUJ Uj) JiJEl I JJaiuiuilJj\ ]j)x
costo ezisle no mercado relativamente a fazendas e
tos de quadrinhos muilo proprios paja obras de
meninos a 200 rs. o covado, ganga amarolla fran-
reza muilo lina a 320 o covado, dilas escuras muilo
superiores a 560 o covado, camisas de riscado mui-
lo bem feilas a 1.500, cambraias francezas decores
muilo heniias a 400 rs. a vara, eulre meios muito
linos a 1,920 ajicca, liras bordadas muilo linas a
3 e a 4$ a peciT e aleni disto um completo sorli-
menlo de fazendas linas e grossas, que vendem-se
por precos mui commodos, s afiiu de se fazerem
raudos vendas : na ra do Queimado n. 22, na
em conhecida loja da Boa F.
Hecousa muito boa.
Vende-se a verdadeira pomada para Ungir ca-
bellos, pelo barato preco de la a caisinha, com es-
covinha propria ; lambem se vende massa para
aliar naralhas a 320 : na ma do Qneimado, na bem
conhecida bija de miudezas da Boa Fama n. 33.
modas lano para senhora como para cavallteiros.
Nao so cspccKilisam aqu os diversos arligos que
ronsliluem este variadissimo sortimento, porque
isso {aria demasiadamente longo, e por consequon-
cia fastidioso e intil osle annunci; masassegura-se
ao respeilavel publico e especialmcnle as senhoras
e cavalheirns do bom loin, quo o que cima se allir-
ma nao he o rosluinadu o trivial engodo cun dnese
procura altrahirac......urrencia, massim a exacta e < pdra em
fiel1 expressao da verdade. pipag meias e baTrs va'gos;
Ao que llca dilo so resta arrresrenlar que lodos os
arligos serio vendidos pelos mais moderados preros.
Vendem-se as verdadeiras luvas de Jouvin, tanlo
para homem como para senhora, pelo baralissimo
prero de 2-;500 o par : na na do Queimado, na bem
conhecida loja de miudezas da Boa Pama n. 33.
Vende-se a prero coinmodo, em casa de Bar-
roca & Medeiros, ra "da Cadeia d Recifo n. A :
Vinho do Porto, superior Chamico.
Grande sorlimento
IB
2
ninus
PARA A QUARESMA.
Superiores cortes de seda adamascados, pelo ha-
ralissiinu prero de 30$, dilos adamascados de ba-
bados a 4ll$ o corle, dilos adamascados com duas
saias a 70S, ditos muilo superiores de duas saias)a
90$, dilos muilo ricos bordados a velludo, lindos
cazaveques de seda pretos bordados, superiores
LOJA DA BOA FAMA.
\ endem-se por proco que faz admirar riqusimas
1 fitas lanadas de lodas as cores o larguras, filas lisas
com pona e sem ella, bicos brancos de seda de mili-
to lindos padrees e de todas as larguras, tramoias
abortas de linho para babados a 120 e 160 reis a Vara,
jarros para llores a 2$ o par. atacadores ou cofiadores
de seda iff' lodasas cores para V^Kidos.dilosproprios
para espartilhos, lesionas de todas as qualidades
as maisliiiasque lie possmMeiirOpIrar-se.agulheiros
de marliin contras muitas qualidades, fitas de vel-
ludo de todas as qualidades, bolrinhas de ramurra
muilo lindas para meninas de escola, frosquiilin
com cardinal a melhor musa que lem apparecido
manleletes de seda pretos bordados, dilos de fil para t*n,unioas em qualquer qualidade de fazen-
S. _? lP.nlSd,S.C0DI .2X11 .?."s,0'?ros1d.'.'ua- da. pelo muilo batato prero de 2$, trancinhas de so-
ple nielo a 1$2(KI, diio a 19600, do a 29, dilo a
2$4O0, dilo muito superior a 28600 o covado, sedas
prelas adamascadas, selim prelo maco, sarja prela
muilo superior, velludo prelo, mantas prelas de
fil de seda a 10, 12 e 14$, dilas prelas de fil de
linho a 16$, e oulras nimias fazendas do goslo, por
preros mais commodos do que em oulra qualquer
parte : na ra do Queimado, na loja do sobrado
amarello n. 29.
Vende-se urna cscrava rrioula, de 26 a 28
95
Ra do Queimado.
lodas as coree muilo lindas proprias para en-
roupinha para meninos e meninas, e nutras'
issimaacousas que se aflanca vender-se tudo
por preco baralissimo : na ra do Queimado na bem
conhecida lnia.de miudezas da boa (ama.
Escravos fgidos.
bilidades na lu i,li, 17 a Anlomo Prancwee de Aievedo, o meu escraio
crioulo** "omeianlo, de idade 21 annos, alfaialo.
e prcto poucOj retento, alto, magro e franz.ino do
rorpo, roslo cofeprido, olhos nm lano grandes,
pouca barba, pernas deUzadas. gagueja quando prin-
cipia_a (sUtr, e ton voz cultural : ronsta que pre-
mBircar para o sol no vapor Oyapnck, em
isnronri.s niri'mili.- romPa"l''a is proprias para loalhos, nji.os e qae esti miImop & pusj| ,e rom Q ,/u
Pedro: quem o fegar ou elle der n
so no Maraimao com o Sr. do dilo escravo, e pesia
cidadecom Maooel Ignacio de Oliveirai Piihn.que
graliili'aro generosamente.
Fu^io do poder do abaixo assignado no dia K
de fevereiru pcoziioo passado, uma sua cscrava Je
nome Isabel; er parda clara, e de idade pouco mais
ou menos 30 annos ; bastante gorda, e lem mui-
tas sardas im rosta, em dedo da modireila dos-
preporcionadamenle mais grosso que os oulros,tem
o cabello corrido, e usa traze-lo penteado, levou
um chales de la amarelloecostuma andar calcada.
E natural do sertao do Pienc ( segundo uforman)
o por Uso prnvavel qee para ulli procure refugiar-
ae a titulo df forra ; rogarse a captura delta e pro-
metl'c-se generoaamcute rerompensar a quem a pe-
gar e levar i na do Brum, annazem de assuear n.
28 B.
Jo ia Silva Laye.
Nesla loja vendenise toalhas e lencos de labyriio i t-^,> e- ?,r"P,,r* n. JPor Oyapoek, e
thos, rendas das ilhas proprias para'toalhas, lieos
pretos de seda de ludas as larguras, dilos brancOs e p2n^,1
franjas de seda do lodas as larguras, lilas do ullio ^^[."V^P $* a-*)ie ^.er uoUc,a- "l;
goslo, ditas de vellido prelo ede recorte, lloree
varias qualidades, bolees do vidro e vellido de diver-
sas cores, para casaveques o eolias muitas miude-
zas de gusto que se torna desnecessario mencionar
e que se promello vender em conta
O Leite & Irmuo continuam a
torrar.
Mussulina toda encarnada, invado 220 rs., cam-
braia lisa muilo lina a 3$8(K), 48800. 5$200 e 5fCO0
rs. a pera, de 10 jardas, brim de linho para calca
do bonitos padres a OSOrs. a vara, cortes de roela
casemira a 3$000 rs. cada um, lencos de cambraia
do linho a 38200 e muilo finos a 4$500 rs. a duzia,
chales de louqiiim prelos, ditos de merino prelos,
ditos de merino liso de todas as cores a 48800 rs., e
bordados a 68800 rs., ilutas francezas de cores fi-
zas a 220, 240,260,280 e 300 rs. o covado, madapo-
goj 2*!S00' 38(K)- 3SS0,, 4S00. 48200. 4$800,
UnOO e oSSOOrs., e muito lino a 6$000 rs. a pera, de
20 varas, pnlilots de alpaca muilo linos a 6$000 rs.,
cortes de colelos de casemira a 68000 rs., esparti-
lhos pora senhora a4, 6e 88rs.. e dos modernos a
99 rs...saias para senhora a 19600 rs., bordadas a 3
rs., e muilo superiores a 49 rs., gollinhas muilo
bem bordadas a 355IKI rs., manguitas e camizinhas
muito tinas para senhora, corles de cambraia do
gaz u49rs., tapete! para sala al9800 rs., para por-
tado sala a 49 rs., e para cabriolo! a 2500 rs.,
meias muilo linas parr senhora a 29*00 rs. a duzia,
ricas colchas do damasco de seda a 25 o 329 rs. cada
uma, corles de cassa de limlos desenhos f 29 rs.,
boas chitas osunas a de lindos padrees a 200 rs. o
covado, meias de lodos os lmannos para menino e
menina, gnardanapos a 49 rs. a duzia, pvras de
cambraia lisa de 12jardas a 39 rs., mussulina'bran-
ca a 300 rs. o covado, loalhas para mesa a 49 rs., re-
des de folha a 6rs., e ha oulras muitas fazendas
que se vende por barato preco, e de tudo se dar
amostras.
Em casa de Brender a Brandis &
C, ra do Trapiche Novon, 16, vendem-
se charutos da Baha da afamada marca
forma de Uavana, primeira qualidade ;
genebra em Crasqueiras especial para casa
de particulares.
Vende-se um negro official de marrineiro de
toda obra, muilo moro e robusto: na ra larga do
Rosario n. 22, segunde andar.
No dia 14 de agosto do anno prximo passado,
fugiram do engeuho Seto Ranchos, freguezia de
Nossa Senhora da Lscada, comarca da cidade da
Victoria, os seguintes escravos: Damio, crioulo, de
25 anuos de idade poueo mais ou menos, cor fula,
bfeosgrosso.se meioarrebitados, tem uma cicatriz
na testa proveniente de amenice de animal, pernas
finas ealguma cousa arqueadas para tora, csmalma-
do, espaduado, altura regular, e est bucando ago-
ra. Jaeinlho, crioulo, de 28 annos de idade pouco
mais ou menos, altura regular, cor prcta, pouca
barba, henos groases e faz cerlo grito na bocea quan-
do falla, tem uma cicatriz em uma das faces, pernas
finas, esmalmado, fuma, e tocador de viola. O
primeirn foi comprado ao Sr. Joao Francisco Barbo-
za da Silva Cumar, e o segundo diz que foi escra-
vo da familia do Sr. Joao Nunes, da fazenda do Sitio,
em Paje de Flores e comprado na pr*ra de Per-
namburo. Consta que ditos escravos es'to em Pa-
je de Flores por portadores que mandei ede lvie-
ram : rega-se as autoridades poliriaes e rapitaesde
campo de os pegar c levar ao referido engenho, a
Herna rdino Karbuza da Silva ou na praca de Per-
nambuco aos Srs. Manoel Alves Ferrera k Lima, na
ra da Noda n. 3, segundo andar, que seo re-
compensados com a quanlia cima.
PERN.: TYP. DE H. P. DE PABIA. 1859. *

---.:;--.
'
* i ai a
TT
: -.' v


T"
"sr~


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOU16GHTP_3Z8WOA INGEST_TIME 2013-04-26T21:42:14Z PACKAGE AA00011611_08009
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES