Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07987


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1
J
i
i
i
*\
AUNO XXXV. \l)IEKO 40.
Por tres meze ailiantados 4$rOOO.
Por tren mer.es vencidos S$000.
DIARIO
BARBADO 10 DE 1 I VI Itl lltO !>; IH50.
Por anuo mliant uto ir.sdOO.
Porte franco para o subscriptor.
PERNAMBUCQ.
ENCHUECADOS DI SUBSCRIPQAo NO NORTE.
Paralaba, o Sr. Joo Rodolphn Comes Natal n Sr \n-
vara "oT? *2toiaZ2y'' Sr. -"''" '"'""s ""H Pfi-''Alo." .^^il.. !.,,
uara.n.sr. J. Jos de Olivoira; Maraiihaii, o Sr. Jos Tri-I ,a Flor
xe.ra de Mello; Pianhy, o Sr. Jos.'. Joaqun, Ai.-lii,..; Para,! .piarlas
".nsu US: An""""as- Sr" Jerummu da Cabo, Srrinhem. Rin Fnrmoso. I ,,a, llarr,
PARTIDA DOS CORRtlGS.
Ohnda lodos os dios as note e mi'ia horas do da.
Iguarassu, Gotanna e Parahiba nas segundas p sexlaa-feiras,
S. Anuo, Bexecrod, Boailo, Caruar, .Vlliulio e Uaranhuns
nas Uareu feiras.
Unjo, Ppsqunira, Ingazoi-
\ illa Bella, Roa-Vista, Ourieiiry e Exu na
loarlas tena
iros. Agua Pro-
la, Pinmnteiras o Natal quintas feiras.
[Todos os forruipa parten) as 10 horas da tnanbaa.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES 01 CAPITAL.
Tribunal do romnieirin: segundas o quintas.
Helarn: Ierras (erras e sahliadns.
la/roda: qii.irlas e sa hilados as III lonas.
Jui/.u dti i-i.iiiiii.-iii.i: i|uintas an lueifl da.
Hilo di- nrphos: Ierras sextas as lll horas.
Primeira vara docivel: torcas e sexlas ao meio dia.
Segunda vara 1I0 rivel: qua'rtas c sabbados ao meio dia.
P>RTE OFFICUL
GOVERNO DA PROVINCIA.
Por ordcm da presidencia publica-se pela
gunda voz o saguinle
EPHEMERIDES DO HEZ DE FEVEREIRO.
2 la nova as lli harase minulos da larde.
10 ouario rrcsrenlo as r> horas r 20 minutos da larde
17 la i'hcia as s unas e li minutos da manha.
\ (.loarlo miiiguaiile aus 1 minutos da larde.
PIIEAMAIl he hoje.
Primeiro as fi loo-as e O minutos da manha.
Segundo as li lunas e ;i(l minlos da lardo.
DAS da semana.
I Segunda, s. Valentn] ni.; s. Americio ah.: S. Agalao.
15 Torea. Ss. Pansl.......Jiivila uno.: S. (Jnilidolieo m.
MI Uarla. S. Porllrin ni.; S. Honesto sai-.; S. Samuel 111.
17 Unila. S. Silvino h.: Ss. Serundu.....e (tomillo lino.
18 Sexta, s. TI.....Ionio prior da S. Cruz: S.Sinao h. 111.
19 Sahbado. S. Conrado I.; o l. llvam de Cantina .
encarregadcs da subscripcAo NO SL.
Magiias, > Sr. Claudino Falcan Hias; Babia, o Sr. Jos
Mallo.-. Vlies; Rio de Janeiro, u Sr. Joan Pereira Martins.
I.M PEIIN.MRI 10.
(l propretario do DIARIO Manuel Pigueiroa de Paria, na
20 Domingo da septuagsima. S. Eleotcriu b. 10.; s. ilo b. i sua linaria praca da Independencia n-. (i e 8.
qualquer naluro/a, podeu vigorar al. o espiten de -
1 cinco aunan.
S No lint dos pro/os dct-laradus na clausula an-
i lecedenlo os colonos podern dispur do si como
brin quizerem, soni trae tara taso possam servir
se- de embanco quaesquer dividas, que ellos bajara
~ li,,. coiilrahido com o fazendeiro ; lieando. porm. ex-
ilmrn!^ 1 'Imperador houve por bei or- repinadas as que prncederom do fomocimeiilo do
D1n aqmo,!r. ?m rt i"" -*RUI"U"S ("f1"'-.! estuario o,ossar e do sustento, no caso cuque
decolonT "'' '' es",b"1"''1"""'" fazendeiro nao seja obrigado a foruoc-lo; (a-
iri 1 a' ..1 /.endn-se liara essi- lim ajuste especial na occasio
do imJri.. V'" d"**** Pnr'os doconlntocom o colono. .......ante approvacao da
osla X. ", n,r tiT*" |,fBM r 'I"1'"--"1" '"nridado. ,, p,. |, f,-,, eslalu......ida para pro-
... ,.r. Ji c"l"!""s r'}* I'"" govemo, tecu dos colonos.
;sffS ">las'"'"i,s, ,!*' f or,,ra,u Mr"".,'"^" *>-t*?*-
1." Se a venda Mr (ei.a diuheiro a vista ''"' "* "!,ri""-'"'s ;1 'I'1" ,"':1 ^"i1""" ^"^-
EXTERIOR.
Kelatorio do prgwiateaUe dos Ksiailos-
I iiiilos.
t'oiirtuso. )
11 ni hrai-o de niaiTciniissn os dous oeeaims pe- :
... ........ o pre- pela clausula 15." pagar-llu's-lia 11111 salario que nan ,
gg'A!!!!.'?1 Va M *"?" "m^hur guali- ser por,no, meiiis de BUNIO......, mais de I2J0.HJ;;
'
de
Ulll
3
Iodo,
rospect
por cenlo pelo tempu, que fallar, para preencher! un
O termo do conlralo
ueiramlo pnr Nicangu
l'ia pl'eleililer que esse>
de |iiir impecilhos nav
naires.
( transito por lona airan/. desse islhmo eslrei-
looecupa punco mais mi menos a mesma posico.
I. una estrada na qual os I-lados lein fracu iuli-
russe comparativamente do grande nlt-ressc iiuo
nessa mesiua via de c.......iiiuicaeu ii-in u reslo/tlu
jalar aquanlia, que o menor devora rc-
1 eeber toenaalmenle, depotilndo-M g excedente de
.. _H hj polhcse de venda a prazo, o colono nao j modo seguro que forme ubi pee.
mZtS2'J?I?T* '."'"S r"nl "'' *l"n|- I fuaud 'i-"eslalH-li^r sohre'si
quer natureza que seja. nem as Ierras, tem as beiti-
lio 000 ,.11,. ic-l,,. I Vf* ""-"inpaliveis. II conimeicio das oolias na- ,, ',
Uto, qt... II.. achc enes naodeve lica ii.ac.iv ne oslne.nnario en, quau- d.'Sl,n!
ca, o para proteger a vid.t n as propriedades dos em selembro pausado, emedimilo foi reduzido I d.
cidadaos Americanos que a atcavessaui, rain a 13j cotilos punco mais ou menos .i 10 centogabar-
coudicao de que as (oreas devoran ser retiradas lor 1 rica ; os direitns sobr......Iros artigos de productos
go que pausar o perigo. uossos diiuiuniraiu igiialmenle nas mesmas propor-
Seiu essa eondieao, o- nossoa cidadaos estarao coi.
cnisiaiiieinenie Bxposlos violencia o .i tulerrup- Sinto acrcsccntar qt..... govemo d
eo no uso da estrada. jma a percober un direiln de anida de quasi 11
Costa Itica, nao se pode- I ^'melhjuie neeessidade existe para a volaco de por cenlo sobr.....at, com qtianlo egse artigo seja
lados tivessem o direilo :l""'1 ,' 'les'iuada a proteger as ciliadas de Panam ailmillido com franqueza nos Estados luidos. He
.icio em deiriineiiio das v Telnianlepec. un iinus pesado para os ntnsumidorea de cafe do
i.i.ianio estrada de Panam, os Ksladns-lluidos nomo paix, lauto mais qnauto liramos do Brasil a
garanleni uxoresaamente, pelo Halado une uotteltli- iiielaile de sua rolhoila de caf. (I iinssn ministro
rain mm a Nova Granada, a ntutralida.de do is-
Ihino alim di- impedir que u liviv transito de um
piulo a oulro solfra nutra vez em qualquer poca.
por lantu lempo quatitu eslivur o Halado em vi-
gor. ,
K quaolo ,i estrada de FehlMHtcpcc, qui
tellteule se ahilo sol, os non lajiiavei
u 1 raiado de .lo de dezoinbro do [853, que conclu-i no Brasil nao sao em snmma, d
utos com o Mxico, assegura aos cidadaos dos Ks-
lados-li'iidns um direiln de iransilo uessa estrada,
para suas pessoas c meicadorias, e dispoi* iptu 110-
iihiim dos dnis (ovemos |iodcru por obstculo
essa circolacao.
Esso tratado concede, alm disso, aos Estados-
Laidos o direilo de transportar-pelo isthuio eut
'1 merc das couipanhias ruaos que pretenden! le
concluido rom o Nicaragua ronvoucocs algumas
n.....n-
auspiios,
os ipie sohieiiverain em uuiiicro do 271 foram em-| eloqueui ia potlo anda nao tire o prazer de
pareados no Ntagrn, vapor dos Estadus-Cnidos 10-lo.
liara sn .ni transportados costa d'Africa, soba ula por aqu um snjeilo que se intitula de Br
vigilaucia do agente do Estados-Unidos conforme em medicina, lusco e fusn cabalando para setde-
o heor do acto de :il de marco de 1819 o qual: pillado proviucial, e oirerece roma hasedesna .i.-i-i-
llrasil conli- prolbe 0 Iralicii de escravos. arad 11 baver curado no lempo do cholera por honi
i> segundo artigo ih-sie ado autorisa .< o nresi- diuheiro, e at segundo me informa 0 Sut-inia quer
denle a lomar as medidas que julgar coiivenieiiles ser condecorado, pois diz que milito se sarrili-
para proteger, sustentar e transportar para tora dos cou a hetn da humanidade, e que recebnndoSHTs.
limites dos Kslados-l nidos, lodos os negros, mua- por dia, ainda demonstrava o sen amor carilatixo.
los un hornera de cor adiadoi bordo de um ua-i Nuiln se /angn o nu-u II. com a justa reiexit
vio preso 1........>nlregandn-se ao trafico dos negros I que Ihe li/, e anda por roda a parle di/.endo, que
receben por mslnu-coes n-ilerar sens exforeos para | por um navio de guerra dos Eslados-I nidos. agora que ha de mostrar o poder de sua hrleill-
nhter a suppi-essao di-se dueiio d" evpoi lac^......le- Siisciiou-se nina din ida sobro a interpretarn genria, e me dizem mais, que quer ser lente de la-
vemos esperar q......governn esclarecido do impe- desse ado. 1; porfoitanienb- claro que ella auto- lim do Al heneo, e pergunmdo-se-lhe se tuina as
ador adoptara essa medida justa e saina. Ser pa- risa o presidente a proteger, sustentar e iranspor- sullicienles hahilitacoes para exerrer a magisterio,
orno ha razan para err, tima ; lar os negros at o momento em que sao entreguei
ala. S,
ra os dous pai/es, con
lima lonle de 1 rscenle prosperiilade lOmoiercial. ao agente na costa d'Atrica ; pori'n nao diz que di-
As reelamaioes dos nossns iiaciniiaes residentes 1 va proleg-los depois que sao entregues ao seu
nm valor muito I destino. Entretanto foi nomeadoum agente na Afri-
iiiusiili-ianl, mas alguinas ha que se apoiaui sobre ; ca para receb-los ; u.io se podia supporque o rnii-
principios evidentes de juslica, e sen regiilauteiilo \ gress......tendease que elfos fnssem ahaudou.ldos
nao deve ser demorado Desta vez, segundo pens,, desde a rhegada e expostos a morrer nessaa cosas
.....'s<" ministro l'ar um novo e.-l'ono e tilica/, inhspitas, to foine a de miseria, 011 a se lornarem
para regular esse negocio. I victimas do tralicn. Se (al fnsso a inlenco do con-
A 2 de jiiuliD, o ultimo enngresso tomoo una gresso, a inuncaco de um agente estabelecido nes-
resolin o aiitorisando o presidente aadoptar aquel- sa i-osla para recebe-tos seria intil
111 -iitarU, 011 de legado, nosqtiaes passar a'p'ro-i p.r"! 1."c,lns,.P'?1'
vcrilicarein as segurancas da exc
---------, s.pMMo, ...... ....... .- inissnill II 111,1 | O .
uriedadc para o herdeiro ou legatario, mas aeiuprc \ ""'"" d"*"'|ri>"'-
como oiius da hypotbera. 11." Se acontecer que o colono consulta no Iras-
5." Os ttulos de venda sern passados, na cflrle passn, c o que esliver disposlo a receb-lo, nao
pelo director geni das Ierras publicas, e nas pro- i queira responsahilisar-se pelas obrigacoes uuntrahi-
vincias pelos delegados deste, com o visto e anpro- j d"s,_ou nao possa olTerecer as segurancas, que se
vacio do presidentes das mesmas ; e sern dados \ exigirem, pnder todava ser pcrmillidi) o conlralo
grattiilainentesein onus iicnhiim pecuniario. 1 de traspasso, se o primeiru contratante se respon-
6." Se forem em numero di- cinco ou seis as pes- sabilisar por todas as nlirigacjes. e com as mesmas
stias que compozerem as familias dos colonos, de garantas anteriores, coiuliliiindo-se principal ros-
que se trata neste artigo que sao os que formarem ponsavel como se continuasse a ler o colono nos
estabefocinwntos agrcolas, e se ellos comprarem ; trabalhos de sita lavoura.,.
as trras diuheiro Avista, o governn pagar una 12." Ofazeudeiro fica obrigado a fazer asdespe-
passagein e se passarem de seis, pagara ditas. I zas de hospedara 110 porto, ou pintos, em que os
rica declarado que o numero de pessoas de fa-. colonos desembarcarem, as de condueco para
tnilia nao se mmpreliendem.us maiores de 50 au- a fazenda ; soni que eiiia relrihiiico do co-
nos^nem as menores de 12. 1 lonn. .
JLii ",e"df/,e ormaua a familia, quandn com-1 1:1." Se o fazendeiro nJi livor da.lo as t.ecessa-
posta de mando e mulher, 011 de pat e lilhos, ou rias providencias para o ruWbimculo dos colonos no
ue traaos e Irmaas ou de tutor e pupilos. porto, ou portes de desembarque, as despe/as sern
S. Aieni das passagens granulas, deque sefal- fnilas.pela Assoriacao Central de Colonisacao, para
ni nu clausula 6 o govemo pagar as do menores scrcm pnr elle pagas na si a integridade com o juro
n *nn"*- i de 6 por cenlo.
. Se os colonos, chegando a tira porto do Bra- ,,,,., .. I, ,
sil, ttverem de seguir para nutroporui, alim de se *' u la;''"deiro nao peder recusar as cotilas,
encaniinharem para o lugar do estabelccimcnto, as i'1'"' para '''" ',,a clausula anteredenle Ihe forem
despazasdas passagens para este segundo porto se- "Pf^uladas pelo presidente da Associeo. ouseus
rao k custa do governo. commissariosnas provincias ; nem ser envido em
juizo sobre qualquer recteaiaco, que sobre ellas
tenlia de fazer, setu que pnmeiro deposite a quan-
lia pedida.
lo.* O fazendeiro devora dar aos colonos inorada
gratuita, qualquer que seja a forma du conlralo,
rom as necessarias accomnfodacoes para sitas fami-
lias : patata como lhesdar o sustento necessarioc
os tratar em suas molestias. I.hes fornei-er os
iiislrumeulos necessarios, pora disposicao dos
mesmos, quandn a fazenda tenha prnporios para
taso, algum terreno parasqas plaulaeoes particula-
res no lempo, que Ihe restir; sem que llqnera ja-
mis com direiln acsses lenos, nem possam exi-
gir .pagamento de bemfeilorias, devendo larga-Ios
logo que expire o conlralo.,
.1 gov_
10. Nos lotes de trras, que forem vendidos, o
governo mandar levantar urna casa que sirva pro-
visoriamente, e preparar o terreno com derriba-
metilo de mato na snperlicic correspondente de
11 m quadrado de 100 bracas por lado, assiin como
roncera u* primeiro 111110 a cada familia, ou co-
lono estabelecido sobre si, as primeras semcnles
lairrospoadentesaestairea, ede maL um i-avallo
ou mulla, uro boi ou.racca, um gallo, duas galli-
iihaseum leitn, expirado o anuo, cessar este
favor.
11. Os faeores expressados nos paragraphos an-
tecedentes, saoassegiirados siiuiente s primeras
ISO familias que comecarem a povoar urna colonia
das que sao eslabeloridas pelo governo.
Pica declarado que, para ser considerado pri-
nioiro -povoador. uo sn exige que este sejui-asadic.
oastanflO'qur iihM|nU mi,*u u mitas Wime esi.tlie-
leeimento agrcola.
12. Para gozarem dos favores aqu concedidos,
os colonos deverao trazer nttesUnlos dos cnsules
brasileiros ; dos quaes conste que sao de bous cos-
lumes, etem hbitos de trabalhos.agrcolas: assiin
como quaessoas rolace* dos menMiros da fami-
lia entre si.
Art. i.' Por espaen de tres anuos, contados des-
ta data, o governo dar gratuitamente passagens
aos colonos, que os fazendeiros ou lacradores de
couceito qnizeram tomar para suas (atondas, com
tanto que a somma total por anuo nn exceda
quantia de trczenlos eolitos ; observadas as clausu-
las seguimos :
1." Dnvero fazer constar direcloria da Asso-
cieo Centroide Colouisaro.....tmero de indivi-
duos u de familias, que quizerem, c a nacoaque
deveto petlenccr.
2." evero declarar a tialiirc/a dos trabalhos, a
que ns deslinam, as pruftsses, que deverao ler e o
lugar do eslahelecimento.
3.* Nao seru facultados a cada un fazendeiro 011
lacrador de eonceito colonos coui passagens pagas
pelo governp seno al o numero de 80 de Indas as
idades.
Este numero poder ser elevado a 100, se dentro
em um atino' do dia em que elle (or preenchido, nao
apparecer outro fazendeiro, que igualmente os
queira.
." Pica declarado que para urna e a mesma fa-
zenda nao se poder exceder o numero de colonos
marcado na clausula antecedente, seiam qoanlos
forem seus donos, e seja qual fdr a forma de sua
administracao, e a maneira de aproveitar as Ierras,
ou trabalhandn todos em rommiim, ornada umsn-
bre si dentro da mesma fazenda.
5." O faxendeiro ser obrigado a admitlir urna
lamilla por cada seis colonos, que iiuizer con-
tratar.
A familiajuga-sc composla nos termos do art.
1 clausula 7.
6." Os favores concedidos neste art. 2" nao sao
extensivos a companhias, enipre/ai ios de colonia,
ou peliculares, que tenham (orinado nu houvereni
de formas estabclecimestos coloniaes com pn'mios,
emprestimos, ou quaesquer soccorros pecuniarios
concedidos pelo governo.
7." Pica inleiramenle. livre aos colonos cclebra-
rem os contratos que quizerem.
Se porm os priineiros contratos, que celebraren)
* loracao de senicos, nao podero ter vi-
aia de dous anuos. E se forem de oulra
16." Em coinpeusaco das
IOJ|- |>QR| fni fl^isN,
mis trirhntttmrTiesrcs peln
despaza*, que se ho
n _fepih;irO lii .Uivilo
'emiai iieulupnan mu mu
los lechados, as malas dos Estados-Cuidos, las medidas o meins coercetivos que julgasse ne-! Sern ainda provavelmente feilas oulras capturas
sula 7.a deste artigo, mediante o salario, conforme
a clausula 9.* do mesmo artigo, se o contrato (or
dessa ualure/a.
17." Os fazendeiros dar ) seguranca suflicieiite
para o ciimpriinenlo do colralo, sendo obrigadosa
recelier os colonos que pe irem. t vieren) por or-
den sua; salvo se eslivere Mocados de molestia
Contagiosa, 011 nn se aehari m nas circiiinslancias
indicadas no pedido.
1S.* Kra dos casos declar idos na clausula ante-
cedente, se os fazendeiros se acusarem a recebe-tos,
serao responsaveis pnr Inda, as despezas. que coui
ellos se li/ereiu, assiin de passagens, como de oulras
quaesquer que resulten! daijccusa.
19.a Se o colono esliver
dias seguidos, ser nbrigadn
lempo.
E se no dernrso do annn
deixarde Irabalhar, exeedetj
que de cada vez nao cheg
a preencher esso lempo.
A cessaco voluntaria de t|-nbalho, traz a obriga-
eao de o preencher por oulrli lano tempn de ser-
vico, ou poroulroqualqner iodo, que conveucio-
narcm.
20." Ao colono, que ntisfiar ieiu de veres pelo
lempo du conlralo, fondo dalo proras de bomeom-
portamenlo, se venderio lorias nas colonias iln go-
vernn, que elle esrolher,
lanos das clausulas I."
di'slas instruccoes.
21.a O colono nn ser obriiado a Irabalhar nnsdo-
mingos e das salos ; Bes O exceptuados os lem-
pos de colheita que exija iral albo Desees mesmos
(lias ; assm como nao ser ol ligado a Irabalhar por
da sean at 12 horas, liranlo salvo, dorante
espaio, o lempo neceasario para dcscanco
nuda.
lenle por mais de 15
a servir por mais ease
0 total dos dias, que
le vnte dias, ainda
1 quinze, ser obrigado
ii-iiii.s nas eoioui
cnln as coudi
2.a 3.a e 4.a d
oes cons-
do art. 1."
(orem de locaci
gor por mais 1
IOI lll II >|.
Fica entendido que n cok)
(ora das horas de trahalhn,
sempre marcadas pelo (azemh iro
Art. 3. Oscolnnos, de que
contratados e-transportados |
soi iaio Central de Colonitac.
de Janeiro, ou de qualquer 01
ma, conforme (or mais convci
10 pode dispnr de si
as quaes alias sern
se drigirem para o eslabeleeilueuto.
hala o art. 2.",sero
ir intermedio da As-
o al o porto do Hio
Ira provincia marili-
lienle para os colonos
Palacio do Rio de Janeiro,
de 1858 Margue: du tillada
en 18 de novembro
yerno dos Estados-ruidos nao quer mais, por
Bcar satisfoito eom menos.
0 governo dos Eslados-I nidos, nao iptereria, ain-
da que podeaso tirar do transite pelo Nuaraguauma
vanlageiu que nn fosee cunimum ao resto do
mundo. _
A ueitlralidade e a ppoleeeo dessa estrada, para
uso commum de indas as liacoes eis o sen nico
Un.
O governo dos Estados-lnidis nao se nppoe a
que o Nicaragua perceha nina justa compensino das
companhias b dosindividuos que atravessam essa
islraila, porin insiste para que essa via de com-
inunicaeoun possa para o futuro ser fechada por
um decreto arbitrario desee governo.
Se apparecessem discussocs enlre o Nicaragua c
aquellos com quein por ventura tenha feitu conveu-
i;oes, deveui ossas discussies ser julgadas por 11111
tribunal instituido ad koe e a estrada nao deve ser
lechada dorante a controversia. Eisanossa polti-
ca, que nao pode dcixarde lera approvaeode todas
as oulras naces.
Poderiam ser evitadas todas essas dilliculdades,
se, deaccordo como Nicaragua que observado boa
fe, o uso desse transito podesse ser aborto livretnen-
le ao mundo,eom a condice de pagamento deum
direiln rasuavel no governo do Nicaragua pelos nas-
sageiins e mea-adorias.
Notnezde agosto de 1852, a coinpanbia accesso-
ria de transito le/a siiaprimoira viagi-m pela estra-
da do Nicaragua e cnniiniiuii a Irabalhar com gran-
de vanlageiu para o publico al fevereiro de 1856,
poca em que fechnu-se a estrada, e aconcessn a
esse paii linn romo a sua o instituirn foram siiui-
maria earbitrar.ameiite recogidas pelo governo o
presidente Vivas. or *
Antes dessa dala, em 1854, haviam apparecido
senas discussocs aceita do eslabeleeilueuto dasouii-
las enlre a cumpaiihia e n governo, e aineaiacam
iilornuiipera lodo momento a ciivula.o da estra-
da. Os Estados-Unidos procuraran em rio impe-
dir essa Inste oeciirreuria. Seria intil n (erir as
diversas diseussoes que surgiram enlre as partesin-
leressadas al a poca em que foi fechada a es-
trada.
lisiar di/er que desde o inez de fevereiro de
lSolia estrada conservou-se fechada, com grande
prejinzo ; principalmente dos Estados-Unidos. De-
pois dessa poca cessiui it.- -^-^ nuil 111 icmii*
:i' Tat!iiitWi"Jtwib "i^\rr^a\^.-?Ba^MT'17n^^r^^;^^.lS l
desarrasoado dos tiossosconcidados pela sua passa-
geni California e viceversa.
A Ifid.....ivembro de IH57, o secretario de estado
1......inistrodn Ni, ai agua as'sigiiarain um tratado,
siihasestipulacocs do qual nsoe a prulecco da es-
trada de transito ciam garantidos, nao si ios Ksta-
diis-iinidos rumo lamben a todas is oulras uacoes.
Os documentos que sarao conunnnicados peta secre-
taria de Esladn mostrarn por que unitivos esse
tratado nao pode obter a ratiiicaco do governo de
.Nicaragua.
A principal nbjerco parece ter sido feila esti-
pularn que autorisava os Eslados-Cnidos a em-
pregar a (orea para conservar a estrada aberra 110
caso em que o Nicaragua nao cumprisse esse de-
ver.
Por causa da (raqueta dessegoveruo, de suasfre
quelites mudancas de adminislracu e de suas dis-
sensocs intestinas, que sai......isegucncia dellas, era
essa urna das eslipula^oes mais importantes, e que
era essencialnieiite nocessaria, nao s para segu-
ranca da estrada, romo para a seguranca dos cida-
daos Americanos, que si' dirigissem s bostas pos-
sossoes do Ocano PaciQco, ou que dellas rottas-
sem. Setal estipulaco li/esse parte de um trata-
do enlre us Kstadns-llnidos e o Nicaragua, D CO-
nhecimenlo desse fado leria provavelmente por e[-
leilo impedir as parles hoslis de czimmellereni as
aggressoes na estrada, e de tornar intil a nossain-
lervenco com o lim de proteger.
O poderetccdtivo deste pas, em sua intervenco
com as naces estrangeiras, limitado ao emprgo
da diplomacia.
i.iuainlo essa arma nao Ion eviln, elle nao pode
recorrer legtimamente (orea sem utorisacao d-
recla du enngresso, seno para resistir aos ataques
hoslis e repelli-los.
Nao leria poder para invadir o territorio do Ni-
caragua mesmo para impedir a deslruieo do Iran-
sito e proieger a vida e propriedade dos uossos ci-
dadaos quandn alli passassein.
E verade que en una brusca eventualidade que
livnsse esse carcter, o presidente maudarai or-
dena a nina (mea armada acampada nos arredores
para ir em seu soccorro, porm obrando assiin (alo-
la por sua propria rcsponsaliilidadu.
Nessaa crcumslanrias,. recomtncndo seriatnenle
ao eqngresso a volaco de urna tai, que antorise o
presidente a empiegar, com as restriceoes que o
enngresso julgar convenientes as fon;ns'dc trra e
de mar dos Estados-Unidos, para impedir que o
transito possa ser impedido ou (echado pela viulen-
Ogo- (,l,"! "i'" sa" ''nadas a seren distribuidas pela li- cessanos para arraiijar as diuVioiiles qnesloesque I semellianles pelas nussas (oreas tiavaes, e rerom- e o publico d'abi nn creta 0 que diz 0 con
L'in nao eoiiimiiincacao, c do transportar com (rao- CXlsliam enlre es Esladus-Unidos e a repblica do ntendo seuianeute ao cnngres'sn que emende o se- denle da Ordem pois elle he bem conlierido
!!.'!.''la....!:.:..r'.','!"S d'' alfa,"ll'a ?_'lu u,".lroa """* *ra?"v- .' l* ac J"lhi a sou pedido o predi- mudo artigo da le de Sde marco de 1H19 aflu de esp Vine, c estivesse e sonbesse de sua vc_ .
desembaraia-lo da ambiguidade que por lauto tcm-| viria conmigo, que os doesteS por elle laneados' na
po conten e (acuitar ao presidente a execucao do pessoa do digno major roiiverle-use em grandes
em proveilo do governo americano, osobjectos per- dente (01 aulorisado a noiuear e enviar um coni-
leui-entes ao guveriui caes cidadaos dos Listados- missario a essa repblica.
Cuidos deslinadus ao transito, e nao a "seren dis- i Em cuiiseqiiencia, iiumeei um cnmiiiissario que
tribuidos 110 islhmo. # parti para o Paraguay com os poderoso nslrue-
Kssas e-tipiilaioes dos tratados concluidos com a cues necessarias para terminar essas qnesldes de
responden, mu homemque escreve a favor do bem
material e mural da provincia nn est habilitado
para ser lente ? Entao ? riicnl l'iidninii,
O Exm. presidente vai marcliaiido de um modo
asss louvavel, e praza a Dos que elle termine a
sua presidencia do modo porque vai, poique entao
osla provincia Ibe ser ele mente grata. Os seus
arlos sao sernpre presididos pela inodoraco, e lo-
dos qur pro, qur contra se acbam milito salis-
eitos de sua ndiiiiiuslraco.
O iinsso asstente o Sr. major Nicolao Tolenli-
110 de Vasconcellns, goza de bstanle considerarn
o publico d'abi nn creir o que di/ o correspon-
nos.-o,
da ron-
Nova Granada e com o Mxico, parecen) igualmen-
te ler neeessidade da aeco legislativa para pode-
ren ser postas en execucao
um modo amigarel o pacil'u-o, se fose possivel
Sua.ex|n-rencia e laleulo juslilicarain a esculla
pie eu havi.i eilii. Elle dcmonslrou ao govi'nio d
Os males SUCcedidos aos uossoj concidad.os em i Paraguav que era de sua honra reparar"prumpta e
Costa Itica e em Nicaragua, durante os dous ou tres voluntariamente os ultrajes feitos aos Csladns-l.'ni-
uliiiiins anuos, altrahirain a alteiu-o seria du go- ; dos ede pagar nina ndennisacan aosciddaos aioc-
Alguinasdas injurias feilas teinuin carcter mili-
to grave. I) fado que se den em Virgiu-llay, 110
me/ de abril de I806, quandn nina coiupauliia de
Americanos desarmados, que nao pcrtiuctaiu a ne-
uhiim dos partidos bulligeraules, fui assallada pelas
trapas de Cosa Rica, quualirarain sobre ella 0 ma-
taran) e ferir.im grande numero, cheguu apenas le-
ve lugar, au conhecimenlo do congresso, no lempo
ruanos, a quem riotontament linha despojado das
propriedades.
Se os esfiiiins do iinsso conimissatio licarcin sem
resultado c que elle aba consiga o Um de sua mis-
sao, s nos restar a alternativa da (orea para obter
satisfarn do Paraguay.
Km vista desse sincessii, o secretario da mari-
iiha.sub minha dirccio expedioforras iiavaescuja
reiinio em lluenos-Ayres oque sefo sullicenli!
lo moii predoressor: c peiu-so immedialaueiilu en caso de neeessidade. Todava, deseju sincera-
11111a devassa o exgio-SC do governo do Cusa llica
nina reparacau que estivesse em relaco coui agra-
vidade do tacto.
minie que nao sejamos obrigadus recorrer a essa
alternativa.
Ilelalivaiiieiile a esse objeCfo convenietile mos-
Foram igualmente pedidas oulras roparares por Irar a unssa situaco linanceira. Toda as causas qui
oulras ttllrajcs feiios em diuerentas parles lo paix, '
e dos quaes muitos nn erain de carcter menos
grave que o de Virgin-Bay.
Nu enllanto, quando o nosso ministro actual lio
nicaragua foi noiueadu em de/embro de 1857, non- o-.....
huma repararn poude ser utida pnr qualquer dos- Para supprir n dficit, o
ses dolidos e uenhitma resposla sC den s perguu- de oulubro at dezemhro de
tas formuladas pelo govemo americano ao de Costa-
Rica mais d
M >i i 1 1. 1 1 1 ~. 1 1 us-
por meins aiuig.i-
loslaRica, f
sempre mora-
SCEUS DA VIDA AMERICANA. ()
roa
Alfredo Assolant.
sem valor, ah tens o inimigu Vaisreceber o pre-
mio de tuas tergiversa! oes.
Essa c. boa diss'e o gigante, seja quem (r,
en o ensinarei.
No mesmo instante Acacia a| parecen na entrada
do vestbulo. Appleton e Cn| li/eram-lhe (ogo ao
mesmo lempo sem o oUVuder. I'aulo atirou por sua
ve/ e ferio Appleton. Este d 11 segunda descarga
lo precipitada e to mal dirig da como a pniuuira.
O francez responden ainda, 111; s sem resallado. 0
reralcrr nao be urna arma tan mortfera, como se
[Conelutao. I
Moeajuetadas.
Entretanto os dous amigos seguiam a galope a
estrada de Sugar-iiapU : nomo da casa de campo
ile Craig. A carruagcui rodara em caminhos medo-
nhos, sobre troncos de aores mal cortadas, e a
cada passo cania em barrancos. Caminhos como
este nn faltara no Kentuchy. sobre ludo nas malas.
Faz-sil mais promptamontc abater urna arvere, ser-
ra-ta em tabeas e estende-lasno chao, do que urna
esiraila regulas. Alm disso, a pedra he rara nesse
Estado, o mais frtil tal vez da C'nio.
Finalmente o dia appareceu, e um sol magnifico
illuminou o rimo das serranas e dos robles. Pelas
nove horas da manha descobro-se a chamin da
casa de Craig. Jeremas, que diriga a carruagem,
parou.
Nodevemosir mais longe, disse elle. Cum-
pre primeiramente obter informacocs das forras e
das rlisposicocs do inimgo.
Acacia apeou-se.
Fieai aqui, disse^ellc, e loraai cuidado nosca-
vallos. Vou explorar campo. Se ouvrdes algum
tiro, apparecei e vinde ter comigo.
Acacia aproximou-se sem ser visto at a distan-
cia dejeincoenta passosdacosa. Urna barreira muto
alta cercava de todos os lados a casa e o jardira de
Craig.. Acacia saltn por cima desta barreira. e
achoa-se no jardim. Ah havia oulro obstculo, que
elle nao liaba previsto. Dous caes enormes, ades-
trados em cacar negros, guardavam a entrada da
casa. Apenas'viram Acacia, precipilaram-se sobre
elle. Com um tiro de revolver o lingol quebrou a
queitada ao primeiro, que frigio uivando, e com ou-
tro (iro maln o segundo.
A este estrondo, amigos e inimigos correram ;
Craig e Appleton, que almocavam iranquillainenlc,
dexaram a mesa e tomaran suas armas.
Muito bem I Appleton, disse Craig, massa in-
forme de carne, jumento, bruto sem intelligencia e
rain muito de pres-
ausaTem muito mal.
poderia crer. Os Americanos a
sa e fa/ein pouca pontaria para
mesmo a curta distauria.
Bom I disse Jeremas, esse huiro de Acacia
quer fazer-se malar. J contiva que havia de fa-
zer algtima asneira. Vainos, John, estis promplo?
Avante pela velha Inglaterra! disse oseve-
demborguens*'.
Ambos parliram a marclie-marche porin Jere-
mas, mais lcsto e mais prnni| lo, foi o primeiru a
sallar por cima da barreira, esem esperar seu com-
panhi'irn, correu para a casn. Chegava muito
tarde.
0 estrondo do combale advertioa Julia de quina
casa se passava algum aronlecluiento extraordina-
rio. Abri a jmila c reconlJeceu Acacia e Jere-
mas. Seu corarn estremecen le alegra.
Acode-me Paulo acode-fie !
A creada, que havia sillo raptada com Julia, a-
iiiii atino antes.
O ministro receben por iustrucRocs exprimir ao
governo o pczarquc linha o presidente da ttio
por ver a pouca alleiu-o que se pipeslyv.i s justas
reclamaeocs dos Lisiados Luidos : e que se esse pe-
dido nao fosse inmediatamente sjjfoleitn, nao res-
laria ao governo da uiiio seno o*j(optar aquellas
medidas que fosseui necessarias pora obter essa jus-
ura que nao haviam podido ublcr por meins a
veis dos governos do Nicaragua e Ro
Ao passo que ns Eslados Unidos
rain e mnstram a mais sincera adheso honra e
dtreitos dessas repblicas, nao podem soflrer qui
essa adhes
': -' a."-'-
uTiidaus americanos
No que diz respeito Nova Granada, temos 1011-
1ra esse lisiado motivos de queixa que datan de
inulto lempo provenientes de reclamacbes de nos-
sos cidadaos cargo dessa repblica, reclamacoes
que nao receberom satisfarn: d'essas queixasjun-
laraiu-sea pono ultrajes commeltidfts sobre 1 ouri-
ilados nos.-os un Panam, em abril de 1856.
O secretario de Esladoe o ministro de Nova Gra-
nada concluirn) um tratado para soliu-o des- i.
dillicuhlados em seleuibro de ISjT, que coulinha
condiedes justas e aceitaveis.
Esse tratado foi Iransiiiillidu Bogot o foi rali-
lirado pelo governo de Nova Granada porm com
cenas emendas. Todava svoltondepois que sefe-
chou a ultima sesso do Senado. Ser iiuuiediala-
menle submeltido approvacao dessa eorporaco,
esi-for concedida essa approvacao, ella destruir
completamente os uossos motivos de queixa contra
.1 Nova i.rauada a respeito das reclamacoes do que
acabamos de tratar.
Siiseitou-se nina queslo entre os dous goveruos
relativamente do direilo da Nova Granada de per-
eeher um direilo de porte sobre navios dos lisiados
Unidos nos porlos do islhmo, de impdr nina lava
Robre OS nossns nacinnaos que rhegavain a esse
paix cun a inlenco de ahi Ocarem ou de passa-
rem de um oeccauo'aoulro pela estrada du transi-
to, assim como de levantar um imposto sobre as
mallas ilos Lisiados Unidos, transportadas pelo ca-
nutillo de ferro de Panam.
O governo da Nova Granada foi, informado que
os Estados Unidos ronsideravam a percopcoilc una
dessas laxas ionio nina violaco do Iralado'entre os
dous paizes, cqual os Estados Unidos resistiran.
Nao obstante, estaos promptos a discutir essas
quesloi's coui seutimi'iilos de amisade e de juslica
o com um interesse mu sincero de chegarmos
um arranjo satisfactorio.
Para esse lim ja foram enceladas algumas nego-
Ctacoes. Nada tein feilo pela percepeo dessas la-
xas, iii-ni antecipado colisa alguna nas lircuinstau-
etas ai-luaes.
As nossas relacoes com o Brasil sao da ualure/a
mais amigarel possivel. Os productos dos dous pai-
zes, particularmente ns productos agrcolas sao laes
que deven desenvolver consideraveliueiile as 1ro-
i-as respectivas.
11 Brasil consomm grande quantidade de farinhas
americanas, e os Eslados Unidos tira desse paiz
caf por mais do triplo do valor. Em consequenca
disso leve o direiln porcebidu un Brasil sobre as
arinlias americanas importadas.
Tenho a salisaco de poder aununciar-vos iuet
lein pruJitzido us vexames pecuniarios no pata, lem
redu/ido tanto o montante das importacoes dos
pai/es estraugeiros, que ns rendimeulns tem sido
nisiiilieieules para azer as despezas tieiessariasdo
governo.
Congresso desde o me/.
1857. aulorisoii a emis-
sao de 20;0(ki,iKiii de ratas do Iheseuro, o temi-
se visto que essa medida ainda era insuiili-ientc,
autortaou por urna deeiso de II de junhode 1858,
um einprcstimo de 211:1)00,(1110 de dallares applica-
vel ao pagamento das acquisiri* feilas em virlude
dos llnelos.
Neiiiium estadista nosaconselhari de augmentar
a divida iiacinual, sobrecarregando as despezas nr-
dinaria.sdo governo. Seria nina poltica milito rui-
nosa. Em caso de guerra, o nosso crdito deve Ser
0 nosso principal recurso, pelo menos para o pri-
meiro aiiuo.e seria de bem diminuto valor se con-
Irabissemos nina divida forte em lempo de paz. A
nossa verdadeira pulilica augmentar os uossos
1. corpplela rendinicntos emproporc.io nossas despezas. Se-
y" iwim'm',;,;: ;ViViu.:uriJb"ij'iii.jV.i};:iv ^i'^-1 v *
proveilou-se da confuso gcral
II111. Julia abri a porta e pre
Vendo-a, Appleton au
furor.
prec
pode
para correr o ei-rd-
pilou-sc na escoda.
mais conter sen
Vai i-
{'I Vide Diario a. 38.
0 de furor e dse.' -
que te darei a vid;
IV al I I
Craig, disse elle, continua; o combate
zez entrar na gaiola este bello aassaro.
Craig nao o entenda mais. 'Vendo Jeremas e
inglcz, que corriam tambera, pesio que mais leal
mente, Isaac julgou a partida perdida. Como ni 1
fosse hornera de lornar-se pertinaz sem razo, (i -
gio por unta porta orculla, nioolou a eavallo e CO
ret para o lado do Oaksburgh.
Ninguem leve a idea de o pe rseguir. Applentot ,
dando pela sua fuga, liceu che
pero.
Bende-te, disse Acacia ,
O gigante sera responder 'disparen o ultimo tir >
sobre o Francez e subi a escada. Seu movimeiil 1
foi prompto.que ninguem leve lempo de o preve-
nir. Julia licou aterrada a qui/ fugir, mas elle al-
canenu-a e ferm-a no peito com bairie-knife. i
infeliz rabio hauhada em sangue. \ppleton qu r.
secundar n golpe ; mas Acacia precipitou-se com
o rain o den-1 he urna pun halada no corarn coril
tanta forca, que o gigante cabio inslanUn'eanientk
morto sem dar um grito. Anderson e Lewi cheg
> am muito tarde.
11 a r>j Acacia precipituu-se sobre o corpo inanimado de
sua infeliz amiga.
Julia bradou elle, Julia em nome do co !
responde-nie !
Ah I disse Anderson, est inorla !
Eugauava-se. Os tres amigos levaraiu-ua para
o seu leito e examinaran! alenda. Julia abri os
olbos e desmaiou oulra vez.
A ferida be mortal, disse o Inglez, que pre-
tenda entender um pouco de cirurgia.
A esla noticia Acacia apoderou-se de um violen-
to desespero. Agarrn nio de Julia, beijuu-a
com um transporte de ternura e de dor tal, que
seus coinpanbeirns nao poderam conter as la-
grimas.
Ah! infeliz Julia, disse elle, para que le dei-
xci eu ? Nao devia velar sobre li toda a minha vi-
da, e fazerdu meo corpo um escudo para li? O gol-
pe que te ferio, ser para inin um remorsa eterno.
O infeliz amiga porque me trahislcf
A estas palacras Julia lornou a si.
Querido Paulo, disse ella, (ui sempre fiel ao
nosso amor.
Acacia vullnu ns olbos para o Ingle/..
Nao ainei, nciu amarai jamis seno a li. tem
sei. acrescentou ella com um sorriso desesperado,
que nao foi grande exforro alim de conseguir que
me fosseis liel para o futuro. A vida abandona-iue..
Morrer lo moca ah lieos !
Acacia estaca devorado pelo remorso 1 Nesse
momento supremo comprcheudeu que Julia dizia
a verdade, e leve horror de si mesmo. Exprobou-
se cruelmente Beuegoismoe sua inconstancia. Mal-
dizia o Ingle/., a Craig, Appleton e a si niesmn.
Chorara, gritava, pedia perdi a Julia, que nao o
eseulava mais. tewis nn eslava tambera calmo.
Jeremas, o uiiiro que linha conservado algum san-
gue fri, ntconheccu que convinha obrar e trans-
portar Julia nara Oaksliiirgh.
Dcboran cuidar dela, disse Jeremas ao seu
amigo.
Condii/iram-iia para a carruagem depois de le-
rem curado apressadamenle sua ferida, e seguirn
o caminlio da cidade.
XII
Miirte d Julia'
O triste cortejo enlrou em Oaksburgh ao pilr do
sol, e dirigio-se para a casa de Jeremas Vnderson
A opinio publica ja se pronunciara a favor de ca-
na. O desalio que havia feito a Craig tinha pro-
duzido 0 nielbor elTei'.o em um paix, onde as ques-
ties as mais das vetes se resolver a tiros de es-
pingarda do que peanle us Irihuuaes. Todos aguar-
davaiu um espectculo interessaiite, e ninguem se
enganava. O bom Carlino rom suas intrigas e ns de
seos amigos, tinha em pouens horas obtido resulta-
dos maravilhosos.
seu dever.
Nao posso terminar sem rumprir o agradavel de-
ver de felicitar o congtesM por ter lio bem respon-
dido rerummendacn que eu Ihe dirig no inoii
ultimo relatorio, cniiecdcndo-mc o lempo suHicien-
le para examinar todos os bilis apioscnlados mi-
nha approiai o, antes de encerrar a ultima sesso.
Essa alteraeu mis hbitos do congresso fui una
verdadeira reforma. Exerceu urna influencia be-
nfica sobre as transaecoes dos negocios legislati-
vos, e merece a approvacao do pata. Ilecoiiiineiiilo-
vns vivamente esse precedente estabelecido pol-
vos mesmo romo um exeiuplo seguir na prsen-
le sesso.
Washington CilyC de dezembre.
JasBS BIT.IHNvN.
[Independencia llelga.)
INTERIOR.
HI GB.WDE DO MU I I i
14 de fevereirii de ih.'.I),
MON CIIF.H.
Pensei que ])or estar no secuto das luzes as cahe-
Cas se arliasseni aclanadas pelo beniguo influxo
oeste poderoso dmenlo,o eslava otate bem rente,
e j havia formado urna ciinvici e assenlada quando
cirenmstanrias me fon-am a demover-me da Qrne
crtica em que jazia a esse respeito, e tomar una
opinio mais acertada, e ludo isto por nao ler que-
rido tomar prt-leeeocs da santa experiencia, pois
que estou bem relio que nao cahiria em um erro
to redondo.
A nossa provincia vai boje como se diz geralmen-
te s mil maravilhas a respeito de distracc6s e a
nova povoacao dos Cuararapes vai tomando sen
incremento pois que as feiras quasi sempre sao
concomdas, e a provincia muito deve ao major Fa-
bririo que na verdade he um dos honieus queiniii-
lo ha feilo em seu henelicio, e o go\crno conheceu-
00 as suas boas dtaposicoes ajuda-o lauto qnauto
cahe em suas torcas, e segundo se diz temos mu-
danza a capital para l.
V sua relnneo para ootl-o tildar j se f.i/ s.olu-
loitvores a sua honra e nohre/a de carcter..
Mais cousas se me ntTerero a dizer-lhe, porm a
lapide/ dn vapor lal que nao mais permiti, e
aproveiio a occasiio de felirilar-lhc pelo bello typo
que apresenlnu no sen Diario o qual tenho enlre
as inaos, porm ainda nao 0 li, 0 que viiu fazer de-
pois de dar esta por concluida.
Quando livor de eserever para a Europa, recom-
raende-me an llr. P. P.
Ad hevois.
BIO DE JANEIRO.
O rgimen eleitoral.
II
Havia no paiz duas conviccoes, universalmente
aceitas : nao que a discusso prn(unda as bouresae
(eilo entrar nos espirites ; mas a lirn dn soffri-
mento, supprindo a dscussio, as ll/era adoptar :
M depiitaroos de chapa sao um inconveniente ; nao
s Ira/ein cmaras unnimes, em que, pois, o paiz
he incompletamente representado, rumo igualmen-
te ir.nislurmaiii osystema governamenlal em urna
cuino crornederaco das graudus deputaces provin-
ciaes : acahe-se com as depulaces de chapa ; a
preponderancia da magistratura "na elciro c no
parlamento um dobrado mal ; nao s "porque o
magistrado, fcito poltico, desampara do continuo o
lugar em que lem de administrar a juslica, e deixa
assim entregues a interinidades e inexperiencias as
mais sagradas das (linceos sociaes, como porque,
directamente interessado na sorie dos partidos, ei-
va-se das paixoes delles, e esquece-se da impar-
Cialldade Iniciar que pelo sen cargo lite im-
posla.
A essas duas conviccoes instintivamonle adopta-
das pela licao do solTriineiito folln lei de18o5 ;
e ellas applaudiram-a, viclnriram o ministro o n
gabinete que a linliam palrociuado ; sera mais pa-
rn o enlhiisiasino a aceitn.
A par do (alseaiuenlo do poder judicial pela ino-
1 iil.ii ao da ambicio pulilica nos magistrados, o paiz
senta e lameutava os desvos da administrarn su-
perior, igualmente entregue a essa ambico : aiu-
leriiiidade das presidencias, quandn o presidcnle-
depulado tinha de \ ir ao parlamento, e ilcixaf a
(Juanto ao modo de repartir pereeber os impos-
los, segundo nina tarifa severa, j fallei muito
lempo e imillas ve/es, emitti a opinio de que nina
boa pulilica exige que taso se faea por meta de di-
reitos especiaes nos casos em que podem ser con-
renfontemento appUcados, como por exempto so-
bre os ariigosde un taes de differentes especies, o
assn.ar hruio, os vinlios e espirites (tstrangejros.
Na minha opinio os direilos especiaos sao os
memores, seno os nicos lucios de assegurar os
rendinentos contra as facturas falsas e fraudulentas,
e essa a platica adoptada pelasoulras uaees cnin-
merciaes. Alm disso os direitosespeciaes trariaiu
ao inaniifaclureiro auiericaiio as winlagens inciden-
tes a que elle ten direilosob urna lacha de rendi-
nienlos.
o systeina actual inleirainente em detrimento
seu. (Miando os precosso elevados e ns negocios
irosperos, os direitos vo augmentando, quando
lmenos neeessidade de seu auxilio. Pelo contra-
rio, quando OS pinos haixam, e que lula contra a
diversidade, os direitos diminuem na mesma pro-
porreo, justamente em desvaulagem sua.
Julguei dever dar esses pareceres que sao o trac-
to das niiohas ohsesvaccs pessuaes. O congresso
decidir do seu valor.
No nteu ultimo relalorio a111111.1l live orrasio de
rerommeiidar a eOMtrnecao immediata de dez va-
pules pequeos de pouca agua, alim di
lar a lona da uiarinha
a essa recuiiimendaco autorisou a conslrucen de
oito navios dessa especie. A vautageni que' pro-
dii/ o cumprimento dessaantorisaciofoi constatada
no relatorio do secretario da uiarinha. Part I lo.
com elle a opinio de que maior numero de navios
dessa 1 lasse necessario lano para proteger de
urna maneira mais ellica/ as pessoas e as proprie-
dades dos cidadaos americanos noinar alto e nos
paizes esirangeiros, como para guardar mellior as
nossas praias,
A 21 do mez de agosto passado, o lente J. N.
Slailit, comnandantc do brigne Delphim dos Esta-
dos-Unidos, raplurou o negreiro Echo (oulr'ora n
l'nlman da Nova Orloans,) ao p de Kei verde, nas
eos de Cuba com mais de frsenlos negros africanos
a bordo. A preza, sob o coiniuaiidn do lente
llradford da uiarinha dos Estados-Luidos, chegou
a Charlestoii a 27 de agosto ; qnauto aus negros em
numero de :loo forara confiados guarda do mars-
chall dos Estados-Unidos para 0 dislriclo da Caro-
lina do Sul, nreiiduram-nos primeiramente no cas-
talio de Oincknev, e depois na fortaleza de Sumter,
e linliam lirado presos al IS de setembro, quando
augmen-
O enngresso era resposla
cora
lia o se-
Deborah receben a infeliz Julia em seu proprio
quarlo, embola si' houvesse doutorado nos Eslados
Unidos, sabia medicina, ecertamente valia matequi
a maior parle dos seus collegas de Oaksburgh edos
ai rahaldes. V auslera mcihiidisla peusou cuinmetler
um come receliendu urna cathnlica em sua cana;
mas a pallidez de Julia, o sangue que perdia, a dor
dn lingol, e mata qne ludo lalvez, as instancias de
Jeremas, decidiram-ua a tratar miss Airare/, rumo
nina lilia de Israel, embota ella s fosse, a bem di-
zer, nina simples Madiauila. l.ucy, mais lerna e
compassiva, sentio-oa prodnidaineole rom mo ida,
vendo sua anliga rival: respeiluu a dor de Acacia,
e allribuio-a smeiite a urna amisade profunda vo-
leiilamente illterronipid pela unirle ; amoii-0 mais
porissu, porque ludo he pretexto de amor para os
que auiaiu e de odio para os que aborrcelo.
Julia nao illudio-so a respeito do sou destino.
Emqtianto Lucy procurava consola-la e ama-la, seu-
lia-se ciindemnada : mas eslava quasi conten
isso, porque mis olliusde l.ucy descnlui
-'redo o seu anuir.
No,sou mais que um obstculo, peusou Julia.
Acacia nao me ama mais. Que farei na vida llevo
resignar-sae sua amisade depois de ler recetado
delta tantos juramentos boje violados-;
Essa amavel e encantadora Julia, lo dignado
melhor surte, era a triste victima dos preeoneeitos
do sen paiz. A escravido a linha sujeilado desde a
infancia as paixoes de Mr. Sherman, equando ri-
se livre e senhora de suas arenes, sua deslnuira pas-
sada pesou sobre toda a ana existencia. Acacia, que
a Uvera esposado, se houvesse sido seu pnmeiro
amante, considurou-a anexar seu como urna amante
1 omniuin, e nn romo a coiiipaiiheia de sua vida.
Onde havia amor faltara o respeito, e oaiuoi-sem o
respeito da mulher amada nao de longa duraco.
Julia nao se irrilou com a desgrasa, e essa hoiida-
de um como encanto, que atiranta a si e seduzta.todos
ns que a cniheciam. l.ucy auiou-a teruaineute des-
de o principio, e Iraluu-a como sua inna.
Entretanto Acacia e Jeremas dcliberaram sobre a
maneira de tirar vinganra de Craig.
Cumpre, disse Anderson. fa/e-ln comparecer pe-
rante 0 jury, como i-umplice de assassinalo e de
rapto.
Amigo, disse o l'raiiee/,ileixa-ine o cuidado de o
punir. Tenho sede de sen sangue. Hade morrer, e
quero que inorra pela minha 111.10. Ileixemos a jusli-
ca, seinpre cxa, aos que san bastantes fiaros para
fazer juslica a si mismos, e procuremos vingar-uos
como hoinens.
Queros por ventura assassina-lo? perghnlou
Jeremas. Espera ao ltenos, que eu seja maire. Ar-
ralaremos o negocio amigavelmenle, e nao sers
obrigado a solfrer as lentas formalidades de nm pm-
nao he possivel prosperar, pofde um lado be cer-
cado de morros de ara quasi que intraiisiiaveis, e
de nutro d'anua.
Todava ainda nulo que n Cuararapes nao offore-
lodos osenmmodos que seria paradesejar.e nao
se obvia de lodo as dilliculdades com que se lula,
pois que ainda assim he necessario fazer nina pon-
to de alguna etteusio, a qual demanda bastante
diuheiro, e cuja despe/a nao pode comportara pro-
vincia, a menos que nao queira sacrificar a verba d
sua receita.
Abrem-se no dia 25 as aulas do Alheen e os
alumnos sao pomos, e admira mesmo que una pro-
vutcia como a iiossa que couta ja avullado numero
de habitantes, nao de bstanles meninos para re-
ceherem educarn, e nao sei como se possa conci-
liar, e jurando nas palacras de um iiieu amigo de
c pessoa muito rcspeilavel, e queesl a parda
provincia liinlim por ftaUtaa me di/, que provm
dos lentes nao seren milito bous, porem eu como
goslo de ver para crer, fui o anuo passado algumas
aulas para ouvir as explicacoes de seus respectil
lentes, e muito espantado liquei de ver um novo
methodo de ensino da gramnialica porlugueza 1
por mais que bnseasse coordenar as palacras dita
pelo lente nao me foi possivel tirar unta justa illa-
cao do que elle dizia.
Se se d issu com a de grammalica portuguesa,
milito prior acontece com a de geometra, pois
lente desta cadeira um homem que entemle lardo
dos nmeros como eu du mundo da la, e o que
mais he se Vine, visse 11 imposanl cun que elle en-
Iraya na aula, abra a livro, e COntecava a explicar
dira um Pilagnras, mas que meu amigo, nada
diz que va Iba e dizem que elle ainda a oceupa por
falla de pessoa competentemente habilitada para
ella.
A de lalim marchara do mesmo raudo, e apro-
veilo a occasio para contar-lhe urna anedorta ;
meu professor apresentando os compendios pelos
quaes devia lecciouar o anuo lectivo, den um nu-
mero lal que causn admirarn a todos qoanlo dis-
so souboram, e scndo-lhc perguntado qual o moli-
vii de assim o fazer, responder que, qiianlo mais
livros, mais proras dava elle de seu roiiherimenlo
no lalim. E o que me diz a esla t Ue lauto nao
sabia eu, c bem dizia lim grande mestre da anli-
guidade, um p na cva e outro na osela.
J se aeha entre nos o Dr. Uindolpho que eslava
de licenca.
O distinclo director da instrucro publica apre-
senlnu um relalorio que dizem ser um Irabalho per-
fcito, e em o qual se achara espalhadas as llores da
se ai iin-| 1 ialiMwr
0111 srvenlo
unn., n "ovei-naoi-a ; os atiusos i\i \n\v-
r""1"'". rhefe au^mtiutll, u pSUsimItoti-'
Iransfornar-se en general da campanba
cesso. Todos os meus policenien declararn a urna
voz, que (oi elle o primeiro que atirou.
Nao responden Acacia. Quero que as probabi-
lidades sejain iguaes. Tetemos as mesmas armas ;
mas terei de mais Julia para viugar. Entretanto pa-
ra nao prejudicar lita eteicio, esperara quesejas
Horneado maire.
No mesmo dia couircou urna lula entre o Herald
ofFreedomeo Semi ll'eeekly \fe?Mnner. Craig, ater-
rado a principio rom a raerte de Appleton e cora a
sua propria derrota, linha recetado que o atecassem
com a justiea, e j tomava suas precaueoes. Doze
nenllemen* de palenle, todos digno de (e, lodos ha-
bitantes de Oaksburgh, eslavam promptos para de-
clarar debaixo de juramento, que Craig a um mez
nao tinha deixado acidado. Vendo, porm,que nao
u agrediam, licou mais animado e promoveu sua
candidatura ao cargo de maire com urna audacia
inaudita. Arcusou ocamente Acacia e a Jeremas
de seren occultaiiieiile iiegropbilos; arresceiiluu
que u segundo era uiii licitado, e 0 primeiru um li-
bertino, que viva com ama moca de cor e escanda-
lisava a pieilusa coniiniuiho dos melbndislas d
Oaksburgh. Jeremas qniz inunodiatamente atira-lu
no rio, mas Acacia pedio-lbe que nn nli/ess.i.
Este hoiiiein perteuce-me, disse elle : sagra-
do para ti. Ouero offorcce-lo aos manes de Julia.
Acacia SuStentOU da sua parle, a candidatura du,
Anderson e arcusou Craig por todos os crimes. co-
nbecido 0 eslylo dos Americanos para que soja ne-
cessario dar extractos dessa polmica. bastante di-
zer que os dous adversarins excederain-se nessa
lula.
Emlim chegou o grande dia. Os knmr-nolhing e
os nielhudislas foram liis a Craig ; mas Indos os un-
iros volaram a favor de Andcrsiui. O calente Toin
Caribb e sua brigada acharara meto de assignalar-se
noile, quebrando os lampeos e dando murros e
1 areladas nos partidarios do infeliz Craig.
Vela primeira vez, desesperou elle consigo
mesmo. A historia de Julia des vetes repelida no
jornal de Acacia e sempre eom circumstaucias no-
vas, qne aggMvavain o crimo du Isaac, e faziara
sua vidima ainda mais iiiteressanle, linha conse-
guido lurua-ln odioso. Seu carcter bem conheci-
dn o seu titulo de Yankee. era j bastante para di
concertar seus mais intrpidos partidarius. Esta-
ca na situaco deploravel do infeliz Tariuus, qtu
os densos coudeuinaram, e que procura em rio fu-
gir a espada \-ligadura de lineas. A falalidade
nu anles a vinganra divina o persegua. Tudas as
manhaas Acacia rennvava em sua gazella a pru-
messa de curlar-lhe as urelias e prega-las na por-
ta do Herald o[ Ere.edom. No dia seguintn ao de
sita derrota, Craig exasperado resnlveu malar o
lingol.
Acacia eslava acautelado e procurava mesmo
nha de
eleitoral.
A nova lei lambem fallara a esse publico soffri-
meniu, e im.slrava querer tntiga-lo. Nem lauto
era mister para que u paiz dola sfe apaixnuas-
se, e a saudasse como o principio da sua regene-
raran.
Entretanto o que se fez ? Descobrio-w o edificio
anligo, tirram-se algunsdos seus madeiros que se
suppozcram carcomidos, melleram-se-lhe oulros;
sem muito reriOrar como se Ihe adaplavam, e nn
primeiro tufiu o edificio quasi que se deseonjun-
ton, i; na primeira chuv clioveu-lhe pnr loda
parle.
Ciimprir reruar ? cuniprir repor o edificio to
sen anligo estado?. Nio, nem issn possivel, nem
p'iile baver quem o queira. Nao possivel, porque
do- madeiros lirados do edilirio muitos realmente
eslavam carcomidos ; desflzcram-sc expostos ao ar.
Nao pode baver quem o queira, porque o antigo
edillcio linha deferios capilacs, porque a lei nova
encuna o germen de grandes e reaes melhoratneii-
los: porque em poltica nio possivel andars
apalpadelmsde diante para iraz, de traz para dian-
le, tazendo hoje para desfazer atuanhaa, e refazer
depois d'amaiilia.
Urna lei falla sempre a urna neeessidade publica:
de oulro modo neiihum 1 intelligencia a poderia
abracar, iienhum voto adoptar ; se depois a expe-
riencia veni mostrar que urna lei nio satisfaz ne-
eessidade a que falla, o que cumpre emenda-la,
completa-la e prosseguir.
O rgimen eleitoral que tinhamos nao era abso-
lutamente man ; smenle tinha vivido os seus dias,
passado o seu lempo : nunca seremos ingratos pa-
ra o passado, nunca teremos exclusivamente pra-
gas contra um sysletna eleitoral que nos den as leus
orgnicas de todas as nossas msliluires, que
fundn enlre nos o rgimen parlamentar, que nos
den essas cmaras lo patriticas c lio populares
que, nos diasfataes da revolta, nao duvidram jn-
gar adan ie das (acedes em tumulto a sua populari-
dad!', assiin maniendo a undade do imperio, res-
taiirando n ordem, quando a autoridade nao linha
nem o prestigio moral, nem a influencia, neni os
meins maleriaes necessarios para rumprir 11 sen
niimoiisii encargo da salvaco publica.
Imaginemos por um mnmento que depois do de-
sastre de 7 de abril de 1831 nao exulta essa rama-
ra, lilha'ilessa eleicn provincial, em cujo recinto
se senlavam todos os homens de algum prestigio,
de algiima importancia em rada urna das diversas
provincias do imperio, quando o 11 iu de Janeiro,
nina occasio que olTercceu-se logo. Nn momento
em que entrara no escripluriu do Semi- Weechlli
\lesseiigcr, vollou-se por acaso, e este raovimento
iraprevisto salvon-lbe a vida : Craig, collocado a
tinto passos delle, acabara de dsparar-lhe um liro
de recolcer. A bala ferio a porta, arrancando um
pedaeo de laboa.
Imprudente disse Arada collando-se c ali-
randn por sua res. Duas halas foram ainda troca-
das sem resultado
O poco reunia-se ao redor dos i-ombatentes, por-
que a lula tinha lugar no meio d ra. Ninguem
fe/ estoico para os separar. Os vi/inhos e as pes-
soas que passavam, eslavam ahi como juizes do
campo. Irritado de servir de espectculo aos cu-
riosos. Acacia corren para o seu adversario e fez-
Ihe fogo a queitna roupa.
No 1111 nio instante Craig alirnu. Os dous ad-
versarios i-ahiram. Acacia (crido na peina, e Craig
mprto ; a bala linha-lbe arrebetilado a sastaca.
Italeram-se \alciitcmciilc, disserain os espec-
ladoros. Enlerraraiu Craig ; e Acacia e/.-se con-
1I11/11 u curar no quarlo de Julia. Sua (crida nn
era pangse e Ikborah prouielteu cura-la era pon-
eos dias.
E Julia ? perguntou elle em voz baixa.
Pomas horas restam-llie para viver respon-
den liehorah 110 mesmo tom.
Miss Alvari'/, que estava presente, anda que na
nutra extremidade do quarlo, adevinhoii a resposla
do medico e estremecen. No momento de morrer
revoliava-se contra esla cruel neeessidade.
Apegava-se vida com desespero. Emlim, com-
prebenden que devia suhmetter-se sua snrle ;
pedio aos que eslavam presentes queso rctirassem.e.
a deixassem s com Acacia.
lien caro Paulo, disse ella, ameitc com urna
paixo sem igual. Nada no mundo me era lo que-
rido como tu, nem mesmo a salvarn eterna, que
eompromet por ti s. Pizea-te-me feUx tres au-
nes, e foi muito ; porque at entao nao tinha co-
ndecido seno a vergonha e as miserias da esrra-
vido. Por ti conhei'i a felicidade, lima felicidad!.'
fch I bem fugitiva; mas* nto dependen de li o ser
-eterna. Nao podamos, iiciihuin de mis apagar a
lembranca dn passado. Kni Cala a serpente que
devoron sempre meu xnracio, e fazia com minlias
lagrimas no meio mesmo de nossos mais vires
transportes de amor. Oh Sherman Sherman !
Julia desfez-ee em prantns. Acacia abracando-a
chamava-lhe us nemes mais Ionios sem a* poder
consolar. Eslava desesperado por ver morrer em
nina agenta lo cruel esos pobre Julia ; a quem ha-
via amado lauto, e amara lalvez mais do que nun-
ca. Julia bem o rnmiireheiideii, e sua alma lo
lerna licou quasi consolada com a idea de qne dei-
xaria a seu amante urna doce e eterna recorda-
rn.
Tranquilisa-lc, disse ella e manda chamar
miss Lucy.
l.ucy ontrn quasi to afflicla como Acacia, por-
que amaia sinceramente a miss Alian-/.
Querida Lucy, disse a moribunda, como po-
dere recompeiisar-vos a bondade cora que rae la-
veis soezorndo, a mira eslrangeira, e de urna rara
desprezada Vou morrer ; pormilli-me que vos
deixe o que tenho de mais caro 110 mundo, a felici-
dade de meu amigo Acacia. Sei que o amis e
que elle vos ama, miss Deboralim'ocontou.. Adeos,
sede felizes, e pensai algumas vezes em vossa ami-
ga Julia.
A estas palanas desmaiou. O padro Carlino ,
que foi chamado apressadamenle, ajudou-a a mor-
rer santamente. O pobre padre seulia-so desfalle-
cer cuinpriiido os deveres de sen niiuislerio.
Ideeni />;, disse ello repetindoas palanas do
1-ivangellio,porgue romut f rox mlvou.
Julia sorriodorciucnto para Lucy e seu amante e
morreo.
He irapassivel pintar a dr de Acacia. Todas as
pessoas, que eslavam presentes, chorwam, at a
severa Deborah. Julia foi sepultada nas burdas do
Keiituiky aop de um roble, debaixo do qual gos-
tava de senlar-se.
Acacia restabelcccu-se do seu ferimonloc obede-
cen aos votos de miss Airare/, casando com Lucy
mas nao est ainda consolado. Cotntudo a bella Keu-
ttickyaua he (eliz, porque elle oceulta sua melanco-
la dando-lhc o nome de saudades da patria. Lucy
rosnlveii-so a fazer urna viagem i Franca. Haveisde
vc-Io este ver.io eom sua mulher. Sua fortuna
inmensa; mais hoje nao cuida mais em ser rico.
Tem una (ilhinha encantadora, a qual rhama-se Ju-
lia e ha de vir a ser tu bella como sua velha amiga.
John I.ewta, leudo abandonado seus sonhos apos-
tlicos, casou cqm Ueborah. Os dous conjuges ensi-
llara o evaigellio s populaces pacificas do conda-
do de Kenl. e apezar de algumas impertinencias da
mulher, s,iofeli/es. Mislress Lewis acaba de publi-
car em Londres um livro edificante, intitulado : o
Coraran cruxificado, que muito apparecido nas
sociedades biblicas.
Jeremas, brando s, casou e sua mulher j o fez
pal de dous gneros. rico, maire e ha de sor go-
vemador do Kciiturky.
O padre Carlino voltnu Italia. Para o consolar
do bispado, que Ihe haviam feito esperar niuilo lem-
po, Acacia Mu- fez presente de 20,000dollars. 0 pa-
dre vai debaixo do bello co dn aples, comer ma-
earrp at que o alijo da morir toqtte-o com a pona
de sua a/a, como diz nao sei mais quem.
ra
:
II 1 ar-%1% #r-i
'-:7
{ ,-;-._-...; .
J.


2
Bahia.Ternanibuco, estavan entregues ao raolim,
o no molim dominara o terrivel elemento da sol-
dadesca infrene, e cumpria, para arreda-lo,- dissol-
ver o exercito ; demos que, fllha dessa eleirio por
provincias, a cmara nao tivesse, a par do seu pa-
triotismo, da sua unidado de vistas e de horror
anarchia, esse prestigio em todos os pontos do im-
perio, e o que teria acontecido ? Quanlo tempo se
tt'ria demorado o triumpho do motim '.' A cmara,
portal, salvuii o paiz : omnipotente eolio, conser-
vou a sua omuipntt.....i.i, de 1831 a 1840; como que
cxercen urna dictadura.
A dictadura trouxe a reacco... Mas nao nosper-
camos em consideraccs que, embora tenham para
nos granda attrativo," para nos a quem tantas vezes
afflige o desembarazo com quo vemos lancur-se o
desdem sobre o nosso passado, longe nos e'vam do
proposito que lindamos feito ao escrcver estes ar-
tigos. Voltemos a elle.
A eleico por chapa trazia a olygarchia das gran-
des deputacoes, a lei quiz evita-la. Conseguio-o ?
Reconhecenios que a eleico por provincia dava
ao imperio brasileiro um aspecto diverso do que
deveria ler. Fazia apparecer a queslo sempre la-
tele em todos os espiritos, c desponlaudo em um
sem numero de discussies, especialmente quandci
M Iralava de despezas e obras publicas, deimpos-
tos, de recrutanionlo, acercada natureza dadinso
do imperio em provincias. Seram as provincias
divisos meramente administrativas, seram divi-
ses polticas ? Havera unidude do imperio, ou
apenas urna mimo de partes inais ou menos seiiu-
Ih.inles e cointeressadas em estar juntas t Haveria
por outra um imperio, um, ou urna confedera-
<;o mais ou menos intima, leudo por centro um
Id ron ci V
Essa immensa queslo, que nos nao occorre que
poralguem hnuvos.se sido (ormulada e menos dis-
cutida, exista, dixemos, latente em todos os espi-
rito, ufluindo no voto legislativo, impondo, por
exemplo, urna estrada de ferro para Pernambuco
f outra para a Badia em coiupensayo da estrada
t ,r,r0Para R' d Janeiro; impondo o luxo de
facilidades e de cursos jurdicos, e a impossidilida-
" da creacao de urna uoiversidadc, a/.edaudo as
ihscussoes sobre recrutanienlo e suscitando mil cri-
mes na distribuico da renda publica pelas ueressi-
< ades do estado, e einfini, mais fatal do que tudo.
dando a apparencia o as proporces de grande*
prnuuuciamenlos de una quasi guerra,civil a qnal-
quer motim que se erguesse em algum ponto de al-
guma grande provincia. A dcpulaco por provincia
luiha u iiicomenicnle de perpetuar esse inconve-
niente.
Accreseia-lhe que o depulado, solidariamente li-
gado dcpulaso de que fazia parle, perda com a
.-na individualidade urna parte de sua responsabili-
dade moral. Na campanda eleiloral, a chapa, com-
binaco feita entre as influencias da proviucia, ex-
clua a lodos quantos nao entrasseiu no gremio de
suas alluicoes, e, vencedora na maior parte das fre-
guezias, deixava fra da representacao e do parla-
mento todas as notabilidades, todos os caracteres
distinctos, lodos quantos tinham apenas o apuio da
opiniao que na campanha havia fleado em minora,
ll'adi inconvenientes gravissimos, nao sendo dcl-
leso menor o seguinle:
No rgimen absoluto os espiritos se acommodam
a condicao social: se ardeutes entram em conspira-
coes, morreni no eadaarso, apudressem ein prosi-
gangaugas ou em desleros; se humildes e ambicio-
sos, buscam na adulaco, de rastos pelas oseadas,
mcios de subir as grandezas que apetecem : se do-
minados por nobre ambicio de gloria, mas nao se-
quiosos de martyrio, arcedam-se do mundo da po-
ltica, refugiam-se no rejaco das silencias edaslet-
tras ; por ah buscam a gloria.
No rgimen representativo, porni, assim nao
acontece ; a carreira da ambicio poltica, a todos
aberta, assegura a todos posico e influencia, na
proporro de seu talento, dos seus esforcos, ou de
sua feheidade. Se mesmo para os ardentes a neces-
sidade de conspiraco desapparece, incontestavel
que, quaudo em co'nscquencia de algum mo prin-
cipio as leis orgnicas desse rgimen, um grande
numero de notabilidades fleam arredadas da repre-
sentacao, corre o paiz ofBcial um grande risco ;
urna massa de legtimos dcscontcntamcutos contra
elle se liga, enleia-o, entorpece-,o annioLa-o.
Toda aspiraeo nobre, servida por dticto ta-
lento, c apoiada em legitima influencia, se nao acha
lugar no paiz ofBcial, intensa a esse paiz olcia;
ou descontente resigna-se. e disilludida relira-se
laucando o epigramma da dcscrcnca nesse rgimen,
ou continuando espera de sua desfona, emprega
sua energa nessa utilidadc de discussao, de cotn-
mentarios, de descrdito, com que prepara o seu
futuro triumpho.
0 paiz sempre softre ; a estabilidade das leis, o
respeito aos actos da autoridade, tudo se allue: a
narao em vez de ser representada, divide-sc em
denominadores e dominados, em vencedores e ven-
cidos, e estes pedem de continuo aquellos que llie
apresentem os seus ttulos de dominio, e iiegam-
lne enrgicamente a legalidad" da sua victoria.
Nao escrevemos essas palavras d nilhue ; esta me-
nos recordando do que houve no paiz no lempo das
cmaras unnimes.
Foi poisam progresso real, um principio saluta-
rissimo, oque acabou com a eleico por chapa, e
nao ha de ollar atrs : todas as restaurarnos tein
al*Oi.do lodo* us seumales, un mal in'aioi, un
>nonT-nl........i I.....i|iilfn.i..... ,_
Mas, para acabar com as grandes deputacoes pro-
i inciaes, e com o dominio das chapas, era neces-
sario descer ao ponto de disserainacao a que des-
ceu a lei t
Que vantagem poltica, por exemplo, ha em di-
vidir em diversos districtos populacocs homogneas
em tudo asmesmas, por exemplo, em tros distric-
tos a cidade do Rio de Janeiro, e o resto do impe-
rio em partculas de territorio insignificantes, das
quaes cada urna mandasse o seu representante?
Quera-se fugir de um vicio ; a grande concen-
trarlo provincial: c correu-se ao ponto extremo,
mais completa disseniiuaco ; nem se quer se al-
tendeu ao conselho eterno da sabedoria, que nos
hrada que os oxlreinos sao sempre viciosos, e nos
recommenda o medio tutminux ibis.
Para evitar a chapa, deu-se-uos o districto, e nao
se reparn em que era necessaria muita forea de
vnntade para obrigar a razo e aceitar como repre-
sentante da nacao o individuo desconhecido, sem
nomo, nem serviros, a quem qiiareula ou cincuenta
eleitores houvessem feito o obsequio de dar um
diploma de deputado. Cada um dos deputados de
out ora, das grandes provincias, apresentara um di-
ploma dado por 900 ou 1,000 eleitores ; isto
apresentava-se revestido da ronllanca de mil cida-
dos conspicuos, escollados para escolhe-lo pela
ronfianra da maioria da populacho activa da pro-
vincia : hoje cada depulado de circulo c o amigo es-
colhido por uns quarenta ou cincuenta eleitores Jei-
tos por algiima centena de votantes.
Difticilmenle ao resultado dessa disseminacao elei-
loral pode a razo conferir o prestigio de representa-
cao nacional. Nisso nao se reparn, embora graviss-
rao fosse o inconveniente; nao se quiz igualmente
reparar que os grandes interesses naconaes sao es-
seuealmente colleclivos, que o hbil estadista o di-
plmala que assegura a honra, dignidade, os'direi-
tos da nacao peranle as mais naces ; o guerreiro
que leva as armas vencedoras do'imperio aos cam-
Eos do inimigo ; o jurisconsulto que medita no ga-
inete os grandes principios da scienria do dircilo :
o administrador que estuda a fundo os grandes
problemas de que depende a prosperidade do pre-
sente a do futuro; o publicista que analysa c dis-
cute as relaeoes intimas do governo c do governa-
dp, ea aeco da autoridade ; o hbil orador, o de-
volado jorualista, sao homens consagrados ao ser-
vico dos interesses colleclivos da nacao ; sao ho-
mens a quem cabe um lugar na representacao della;
e esses homens flcavam desnorteados se'm ttulos
com que podessem competir na pona com as allci-
coes locaes ; seram pois forcosamenlc excluidos
ou modestos nao se apresentanam para porfiar coni
o lllho o sobrinho, o atildado, o protegido do elei-
lar dominante no circulo.
Nisso nao se quiz reparar : a lei logo na prmei-
ra execucao mostrou os seus defeilos; noforamj
simplesmente os eleitos de 40 ou 50 eleitores os
que eutraram para a representacao nacional; os
concluios e conchavos de deputados e de supplen-
tes trouxeram ao parlamento cidados que s tinham
B apoio de 25 ou de 30 eleitores, e que puzero em
rommum os seus pequeos eiercilos, para repar-
tir entre si os despojos, excluindo algum competi-
dor que ambos ameacava.
Mas nao especialisemos o que houve; o rgimen
da duplcala, fllha da mais consumada fraude, da
breganha, indicio da mais profunda immoralidade,
d olygarchia, em que o txo -depulado appareciaa
par do tobrinho supplente, cedendo-lhe as vezes o
seu camarote no theatro nos das em que o espec-
tculo fosse menos interessante... Apenna nos en-
ganou ; queramos dizer : cedendo s vezes aesup-
plente o seu assenlo na cmara, para, como bom
prente, o ir exercitando as sessoes que lhe parc-
cessem ser monos dignas de sua presenca.
Ora, poder isso continuar ? Nao, nao; e nao, res-
ponde-nos o bom senso publico, e o echo do que se
ouvia em dezembro de 1858 nos diz que esse *\o
unnime.
Nao ; pois se continuasse, cumprria dizer adeos
ao rgimen representivo em nossa trra; que tudo
seria preferivel ao dominio dessa olygarchia! O aue
cumpre pois fazer r ^
Eiamina-lo-hemos em outro artigo : por ora bas-
ta-nos lar mostrado que a le de 1855, se excluindo o
inconveniente das ehapas, deu-nos ainda mais gra-
ve inconveniente.
(De un commmcado do Jornal do Commercio
do Rio).
*mB&**^*&
Diario de Pernambuco. Sabbado 10 defevereirode18I>9.
ntiante por talla de brar os, nao ha conveniencia p i-
blica em atrupellar a guarda nacional de fra da
cidade, com destacamentos, para que tiquem assia
distrahidos di lavoura antos bracos que nella :
empregam.
Continalo os interrogatorios na secretaria
polica, alui do se recofahecer os fundamentos d,
suspeitasque pesam sobre os diversos cidados pn
sos por causa do alteutpdo do dia 8.
Na comarca da Bija-Vista, no lugar Ilha-Cranj-
dc, tendo o escravo Alfxandre, do fallecido Gonca
lo Bcnto, armado urna davina em um recado pa'r i
malar capivaras, aconleccu que se disparasse til i
sobre urna pobre mulher de nome Bomana, que por
alli passara, resultando disso morle prompta in-
feliz. Nao obstante ser esse factu todo casual, i
autoridade policial probegue as averiguacoes le
gaes.
Em Cahrobo, Joo Gomes, deu urna facada n
braco i-sqiierdo de Maioel Theodoro Vieira, e sen
do perseguido pela pi lica, poz-se em fuga.
Abaixo damos pnhlicidade a urna correspon-
dencia, que nos remellen o Sr. E. 1'. em defexa di
eorreio desia cidade, ue se julga olTomlido cun .^^
obsenacoes que cm nosso numero 10 lizeinos sulin
o sen ico dos crrelos lia certas defezasquese tor-
iiaiu escusadas, caso ID que est a do Sr. E. 1". Km
nossas obsenacoes Dio halamos do eorreio desla
cidade, nao llegamos o zelo de seu administrador,
iio argimos o Sr. director geraldos correios, nao
Osemos filialmente censuras determinadas ; falla-
mos apenas nos detritos que anda se notaiu no
modo de fazer o ser ico dos correios. e pedimos
um estado sobre issi par* que as cousas possam
melhorar. Estavamos jersuadidos que lindamos fei-
to reflexies milito iu> las, e jamis cunlraiuos que
a susceplibbilidade do eorreio desla cidade se
aedava tan apurada, fue fosse calar censuras onde
ellas nunca exisiraui !
No entretanto Hurten que o eorreio desla cida-
de acredite que noss is observaees nu furaiu iu-
fun dadas.
Gommuiiicados.
Contra as agenc i
s dos centro Ionios conti-
nuadamente i|iiuixaJ por faltas de jornaes, por d
mora lias entregas das cartas, e at pela negligen-
cia com que deixam que os estafetas militas vezes
passem pelos logara mais prximos sem tlcixar as
malas, oque s faz-m quamlo vollam do ultimo
ponto. Acerca das gemas internas das provincias
da Parahilia, Rio-Cr, ude do Norte eCeara, lambem
temos recelidit assduas queixas.
Bem sabemos que is agencias nao sao odrigadas a
mandaren] entregar orases o carias a distancia da
sua resideucia, ui disto que nos queixamos;
em ouiros motivos f iran bascadas as nossas cen-
suras.
O eorreio desta cii ade com a sua corrospouden-
ca, parece, que s<3 quiz arrancar-nos um elo-
gio a que se julga com direito : nao temos du-
vtdaem (ue-lo, uu ndoconfesnmoaqae i sua ad-
ministraco zelosa no cumpriineuto de seus
deveres.
Sr. redactor da Rei'Ula.Havcndo deparado
cm a sita Bptta de 16 do eorrento, com um arti-
go em o qual algucm se quena da irregolaridade
que se d na remessa dos jornaes para as provin-
cias da Parahiba, Blo Grande do Norte e Ccar, o
al mcsino t*in alguiis pontos do interior da provin-
cia, nao posso deixar de dizer alguinas palavras em
aboiio daqiielles cojo cargo se aclia confiada a di-
reccao do servico publico naquillo que diz respeito
llepurlicodo Correio.V.m priiueiro lugar dirca
roitaecu da Herida, que infundada me parece se-
melhanle queixa, pir quauto a administracu do
eorreio desla cidade nao concorre para que tcs fal-
tas se dejen, ao con rario procura preveui-las, co-
mo he geraliuente sabido e anda mais por aquellos
que condecen! o quanlo he solicito u Sr. director
geral dos correios em promover todo o meldora-
menlo possivel: ao bem publico, e a manuleneo
da regularidadc que deve haver nos correios que
lhes sao subordinad is.
lsto posto com ein dizer, que sendo Mamau-
guape una agencia pertencento ao eorreio da Pa-
rahiba, a pedido do proprielaro do Diario sao os
seus jornaes reiuetlidos pelos estafetas do Ito Gran-
de do Norte, alim dt chegarem com mais prompli-
do ao seu destino ; mas aconleceiido nao chega-
rem no devido tetiipii os estafetas daquelle ponto,
como uitimameule aconleccu em duas semanas,
claro est que a cor espundencia deve llcar retar-
dada, e por eonsegu nle augmentada, tanto que por
semelhaiite razo h i luda a corresuondencia, que
para alli havia reme tida para Parahiba para se. be
dar o conveniente dtsliuo.
Ora se islo acontece, ja, se v que nao pode
caber ao eorreio desta cidade qualquer necusaco,
e tanto mais accrescendo que esta por militas vzes
tem feito seguir c iliais estafetas para conduzireiu
as malas da Parahibji, as quaes pelo seu volunte
pezo excedem as torcas do um s lioinem, como
ltimamente acoulcueu cm cousi^queuca da trans-
ferencia da sabida uo vapor yuarass do dia 1
para 15 do correule j mas nao se segu que tal pro-
videncia possa sempre ter lugar, por que eulo se-
na transtornar a exjiedico das outras malas para
as dflerentes agencias pela falta de estafetas, c lan-
o mais nao haveudu como se diz, cssa autorisaco
da directora para elevar o seu numero. Outro tanto
nao se pode dar com a remessa para o Cear, por-
que esta he feita regularmente por todos os vapo-
res o navio, do voUj i ru Pva alli su;
'mili -Mlw-ffT-TW,---l^UCIIl
ponda.
Nao se devem ig
Sabem todos que, depois da revoluco de 1848
os membros mais proemiueiiles do antgo partido
praieiro foram pouco a pouco abandonando a luta
pela impreusa, e que do orgo de que se serviam
Mata iminenles chefesse apussou un horacm, que
ate euto nao ligurara as lileiras desse partido e
que se manifestou algumas sympathias pelos parti-
dos em que eslava dividida a provincia, certamente
0 foi pelo saquarcma.
Desde essa poca at o anuo de 1857, pode-se
a (firmar sem susto que o partido praieiro nao leve
orgo na imprensa, porque o Liberal Perniimbuia-
o uoadvogou os seus interesses, massim os des-
se domem, que especulando com o cadver desse
partido, converleu o seu anligo orgo em macliiua
sua.
Se islo nao verdade, que noscontestem demons-
trando quaes ten sido esses interesses advogados
e quaes os fructOS do lidar do Liberal uestes (tez
anuos.
Kxamincm-se todos os nmeros do Liberal des-
da 53at hoje, e nelless se encontrar arligos in-
sudantes contra as pessuas mais gradas desta pro-
vincia quer perteneaiu ao lado saquarcma, quet ao
praieiro, tongos e estirados panegricos aos juizese
tribunaesqneproferirn senteneas a favor das cau-
sas desse domem que se intitula doje chefe do par-
lido praieiro ou vituperios en casos contrarios.
Alen desasa artigosse eneontraritongos arrasoa-
dus, luislurados com lioas dozes de insultos, sobre
questes de divorcio de liliacoes de aeeoea de let-
tras, de der.i ncas, e al sobre a liberda'de de Dos.
Tamben se encontrara1 os bem elaborados arti-
gos sobre ser OU nao ser o conseldeiio Jos Rento
Bdalgo, e onde prova u redactor ein chote, que e
dranco, e nao mstico.
A este respeito Iranscrnverenos aqui o seguinle
tieilai-iiilm d'ourodu Liberal de 0 de selelubro de
l8.rri.
............. Temos visto netos de Africanos (ru-
lado* com Europeus Ido claros, ecom o oval da fa-
e tiuiperfeilo cuino us individuos do puro typocl-
tico. Ao contrario aauelles, cujas familias deino-
iH no Jlrasil deinnis loiigu dala,vo lomando mais
roniinciadiimente o lijpo local, rao pediendo o
rada face [ licando assim como un queijo do Ser-
io ) como acontece especialmente para o .\urle do
mperio, e nio tomando o typotriyueiro. t>
Assim ia camiiihaudo esse segundo jiido Errau-
1 i, ora conleslado, ora ridicularisado por alguns
j iniaes do partido saquarcma, que tinham a levi-
uaudade, senao a lulenia, de quebraren laucas
l oiii ota] camueo : Em 1856, se nao nos falda a
i lemuria, coiiheceiulo os saquaremas que nao ha-
\ ia partido organisado com quem se balessein, reli-
t irain-se do jorualismo, u deixaram que o Liberal
ebbravejasse sua vonlade at dar casca de ina-
Miro.
Il.ivre do azorrague contrario, que militas vezes o
cbiiliulia alirou-se o Liberal con todo o furor a lo-
djus quantos nao taan parle da grei que o ali-
laenlava.
I Nessa poca leudo tomado conta da administra-
ttaeo desla provincia o actual Sr. ministro do impe-
ri i, rompen o Liberal en elogios a esse eximio es-
t;dista, aqun por pouco nao cliamon, lioinem
n feo.
Todos que lian esses elogios, o conlieciam as
ni andas do Liberal, riam-su, e prediziaui a Ireiueu-
d; tuiupeslade que devia cadir sobre aquelle admi-
n Irudiir, logo que elle nao famrecesse cortos pla-
s cleiteraes. Nao tardou inuito que islo se rea-
li.-asse, e de modo que nao fra previsto.
Nao foi s sobre o administrador da provincia
qi b cdoveram os insultos e vituperios lodos
quauto frequeutavan a palacio eran alcuudadns de
pr -varicadores, moedeiros falsos, assassiuos, deflo-
rai ores, republicanos, e nao salisfeilos com isso,
uuii at s familias, e di/ia-.-e quo Helias havia car-
vt que tisnava etc. etc.
Asjiesssoas assim injuriadas queriam desabafar
pete imprensa ; masiiesla, iieiihuiu orgo olferecia
lucidores proporces do que o Diario de t'ernam-
buio, a cujo proprieUirio recorrern pessoas gra-
dasi pedindollie permisso para respoiiderem s
agaresses do Liberal.
i este pedido aquiesreu o venerando proprielaro
do Diario n.'n, em obsequio a essas pessoas, to
atn zmente injuriadas e calumniadas, como lambem
en attenco ao anligo patelo praieiro, ao qual fez
gra ido servico, cousenlindo que se deinonstrassc,
con o se demouslroii, que o Liberal Pcrnambucano
nao era seu orgo na imprensa.
T los que lean os artigas, que naquella poca se
pul icaram, se lembraro por cerlo de que eraiu
esciiptos em linguagem moderada, se bem que
ene gica, e sempre em resposla ao Liberal. Gritou-
SS i| o- o Diario eslava dcscompoudo e provocando :
em resposla a essa aleivosia publicou o Diario di-
fer us artigos provando a incxae.tido dessa queixa,
a ce rroborou essa prova com una estatislica diaria
dos insultos de cada um numero do Liberal, e das
ietoas insultadas ; e en todos esses artigos dcsa-
lOUeeaempreo Liberal para que tizessooinesiuo
a n speito uo Diario. O silencio foi a respusta.
H tuve depois da retirada do Sr. conselheiro Ser-
gio uua pequea pausa da parte du Liberal ; mas
niiiilio uli to esperancoso projecto, como o de ci-
rilisar muitos lugares do territorio Rrasileiro.
Va DOS IKTEBESS.UlOS UO NoRTK.
Reeifc, 18 de (ereiro de 1859.
Correspondencias.
talmente queixaros assignantes
do interior da provincia, porque nao s elles como
o mesmo proprietario do Diario sabe perfcilamen-
te. que sendo o pon* da remessa urna das agencias,
nao podem ellas enviar a correspondencia para 2 e
3 legoas de distancia sem que tenham quem a isso
se preste gratuitamente; e cnlo para esse Um uiis-
ter seria urna reforma geral na dirceco dos cor-
reios ; reforma esta que sumen te ao governo com-
pete fazer. Sei bem nue a redaeco nao procurou
Increpar esta ou aquella admiui'straco ; mas para
arredar qualquer juiso, julguei do riieu dever fa-
zer a presente dechuaco com o nico entuito de
por a salvo aquella a quem lenho a honra de per-
tencer.
E. F.
No Correio Mercantil 16-sc '.
A sociedade Ypjiranga reunic-se antc-hontcm
em assembla gerai. Depois de lidos o rotatorio e o
balanco de receita e de despeza, que foi remeltido
a urna commisso, a sociedade proclamou seu pre-
sidente honoraria o Sr. haro de Suruhy, em atten-
co aos relevantes serviros prestados por S. Exc. a
dita assuciaeo.
Procedendo-se eleico do conselho director c
apuradas as listas, sahlram eleitos os seuhores:
commendador Manuel Hygino de Figuciredo, coin-
mendador Francisco Jos Goncalves da Silva, I)r.
I-uiz Antonio da Silva Nazerelh Manoel Furlado de
Hendoui-a, Antonio Joaquim Ribeiro, Antonio Jos
da Silva Rabcllo, Miguel Joaqim de Nazareth, Dr.
Francisco de Menezes Dias da Cruz, Rr. Autonio
Rodrigues da Cunda, Antonio Jos Dias Moreira,
Florindo Goncalves Coelho, Francisco Jos da Silva
Ramalho, Alexandre jQs de Siqueira, commenda-
dor Luiz Cypriano Pinheiro de Andradu e Joo F>v
liciano Dias da Costa.
Do Conciliador copiamos:
Consta-nos que oExm. presidente da provincia
mandara por disposico da cmara municipal al
a qnantia di-15:0008, para fazer attenuar os males e
estragos produzidos pela cheia do rio Parahiba, e
soccorrer s classs pobres, que tem de lutar rom
a fome pela dislruico das lavouras em algumas
freguezias, e que autorisra mesma cmara (caso
appareca alguma epidemia) a contratar al seis m-
dicos para soccorrer s mesmas classes c a foruc-
cer-lhes os precisos medicamentos.
Passageiros do vapor Oyapoct. sahidos para o
sul: Joo Francisco Xavier Paes Brrelo, sua se-
nhora, 2 fllhos, 3 escravos e 1 criada, Jos Rodri-
gues, Joo de Carvalho llaposo e seu escravo, Jos
Antonio dos Santos Andrade, Dr. Joao Goncalves
Silva Montenegro, Joaquim Ferrcira da Silva, Pe-
dro Aureliano da Cruz Muuiz, Pocidonio Maximia-
uo de Mello, I.uiz de Franca Rogo, Anna Francoli-
na da Silva e sua criada, Conrado Elippel, sua se-
nhora o 1 criada, Jos Francisco da Costa Nogueira
e seu criado, Tarquinio Theolhonio Abren, M. M.
Rooker, B. Joscph, Manoel Fonlan, Vicente Bezer-
ra Montenegro, Francisco B. Montenegro, Hercula-
no Firmino de Moraes, 1 criado e 1 escravo, Luiz
Manoel R. Villariuho, Joaquim de Azevedo Mata,
Pedro da Silva Reg, Antonio da Gosta, D. Adelaide
de Castro, 1 escrava a entregar a Joo Antonio Ca-
pote, Francisco! Jos Aspra, Jos Antonio Tcixeira
Pinto, 1 escravo a entregar a Jos Costa de Sam-
paio.
Passageiros do vapor Iguarass, sahidos para
o norte: Raynlundo Carlos Leite, tenente-coronel
Zefenno G. P.jda Molla, Virgilio Mendes Leal, Mar-
colino Alvos tlavalcanti Conegundes, Antonio Au-
gusto Peixoto de Alencar, padre Raymundo F. Ri-
beiro c um criado, Frederico Velloso Koop, major
Jos Pereira de Axevedo, Gabriel Soares Raposo da
Cmara, sua senhora, 2 tilhos e 2 criados, Alexandre
Ferreira Santos Cmara, Dr. Jos Antonio Coelho,
Fr. Bento da Santa Florencia, padre Bartholo-
meo F. Vascdncellos, Policarpo Jos de Souza,
Joo, Jos di Silva Antones, Antono Hulla tela
C, Florencio Gomes Coelho, Antonio Thomaz Fer-
reira da Cunda e sua scAhora, 1 criada e 1 criado,
Antonie Vicente Magalhs lllho, Dr. Luiz Jos C.
S, sus senhora c 1 criado, Autonio Jronymo Pi-
nheiro.
Passageiro do brgue nacional Conceico sa-
penniiito que os hirudifs repellisscm as
injii ias que quutidianameute Ibes lanca aquelle
jora il. Nova gritara se levanta contra o'proprieta-
rio i o Diario, e tem-se o desplante de alarmar qu
de innull
os renellii
Sis- redactores. Por Ulna exdruxula currespon-
dencia publicada no Liberal l'ernambucano de 14
do correule, e subscripta pelo Sr. Andr lves da
Fonseca Jnior do coUegio de Santo Andr, fui
directaim.-iite provocado para urna lula para niim
desagradavel, easseguroque teria a lnnganimidadi-
de nada responder e entroga-lo ao soberano di s-
prezO.que merece, se nao (ora a necessidade indec'li-
navel s dever imperioso em que me acho, de dar a
respeilo algumas explicacoes ao publico, a quem
presto todo o apreco e con-ideraco.
Logo que iii-talli i. na i asa da na do Hospicio n.
19, um collegio, sod a denominarse do nnmCiin-
seldopara a eilucacu primaria e secundaria, son-
be que o Sr. Andr, ralado de inveja pela sppari-
cao de mais esse eoiiciirreute ao sen estabelecinieu-
lo, auilata por adi a desacreditar-ine por lodos os
nietos e modos, cobertos e descoderlos, ao que dei
pouca importancia por considerar, nao s que os
latidos de um cao giiso nao aiiiedroulain, como
tamben por se nie haver dito que este proceder do
illuslre i'iivalbeiriiera una especie de moiioiuaiiia,
que llie dava to (arle, a ponto de nao poiipnr I
director algum doSOUtrOS eollegios fundados m-st.i
ciilade.
Cnnsolei-nn-, pois, por suffrer no meiode nutras
militas victimas, deplorando no fundo d'alma que o
Sr. Andr paderesse, na flor dos seus anuos, to
terrivel molestia, sem alias haver nesta Ierra algum
outro Dr. Dulcamara, que o podesse curar.
Km seguida tamdein fui iidurmadn que o mal do
Sr. Viulr se linda aggravado por tal guisa, queja
pa-sava a calumniar a mim e a todos os Srs. direc-
tores dos uniros eollegios, ili/.endo que cada um de
per si ou insiilidum procurara desacreditar o seu
eslabeneineptO (de Sanio Andr), assim conm que
o mesmo uunamoa reciprocamente, o que sensibili-
siiu-me profundanienle, por conliecerque aquello
carnllieiro quera tirar partido niinha cusa e da-
quelles honrados cidados; mas como nu son rau-
cnoso, e entrego a Dos o castigo dos desgostos,
que un- causan, perdoei por isso ao Sr. Andr, un-
to mais quanlo lembrei-me que elle se devia con-
fessar na prxima quaresma, e ento seria peniten-
ciado pelo sen conVssor por essa suppusla calum-
nia ou intriga de mo gosloe pessmo raracter.
Ja eslava esqaerido das queixas contra o Sr. An-
dr, quaudo deparei no prediclo Liberal a lal SUS
formidolosa correspondencia ; digo formidolosa
porque fni-me preciso descascar e lomar folego por
mais di-lies ve/es para poder ler e entender o sen
cnnledo, sendo que o mesmo succedeu a nutras
essoas que lamben se deram a esse penoso tra-
aldo.
De todo esse aranzel apenas pude concluir que
o Sr. Andre houce por eiiidar-me a pateroiilade de
um conm.....icado inserlo no peridico Vapor dos
Traficantes, sod o psciidonymo fin rf< offemdi-
dos e descarregar sodre mim, por essa sondada
culpa, nina centena di- insultos e aleivus.
_ Pois i-m. sem querer medir-me pelacraveira do
Sr. Vndr, porque cada um d oque tem, devo
apenas declarar ao respeitavel publico, que esto
cacallieiro nao se peijou de adulterar a verdade,
quaudo tal mpulacao me dirigi, avista do docu-
mento abaixo transcripto, do que se evidencia que
nao tire a mnima iilervencn nesse artigo.
Esta prova inconcussa deve fazer corar ao Sr.
Andre, o convence-la que nao he prudente formar
jiizos temerarios ; deixar-se arrastrar pelas mpres-
soes resultantes das prniPras app.iiencias, por
quanlo de ordinario quem assim procede dea: ple-
namente confundido e desmoralisado ante a Opi-
nio publica, que nunca declina deste verdaileiro
principio quis semel mendax, semper priesumitur
inendax.
tira, leudo o Sr. Andr dolido com outras podras,
orque, (como j disse) propalou-se que este tai ti-
heiro queixava-se de todos os directores dos eolle-
gios presentes, passado e futuros, sendo cerlo que
esses distinctos cidados leen amigos dedicados,
assim como o Sr. Andr provavelinente contar
rom alguns dcsafeicoados, ou niesino inimigos ;
como pode designar a mo que llie atirou, a quiln-
arnnnou Nesle estado, o nieldor partido i to-
mar, he nao ser muito fcil em adracar a nv ten
por Juno.
Desengane-se o Sr. Andr urna vez por todi s de
que eu, assim como os domis directores dos uniros
eollegios desla cidade, nao precisamos de esa-
creditar o sen Santo Andr para fazermos prospe-
rar os nossos estabelecimentos ; porque os pan dos
educandos j s* nao deixam levar por essas intri-
gas miseraveis, fofas cantilenas e promessas gigan-
tescas, e s acreditatu no resultado da boa ei ses-
udo
Sr. Andr, porqu"esse'seu "estado de furor Contra
os seus compandeirus he geralmente traduzido:
queS. S." sentaproximar-sc o sonda hora fatal
para o seu esialielecimento, e ento auda phalita-
siando pretextos,espalhando laes boatos, como pre-
vios mcios juslilicalivos da sua iiuinenle deca-
dencia.
'< '.........un la aasjliiiii.iii ni
mesma hora principiu s preparaces neceasaras os
Sis. engenheiros se retiraran, porn nesse mesmo
dia imite de novo appareceram os mesmos, dizen-
do, que os agentes da cnmpaiiliia do ga/ exigiaiu
urna penaou multa, no caso de nao estarn promp-
las as retortas no lempo estipulado, ao que si- re>-
noudeii qiie islo nao era costume nem podia ter
lugar, mas para satistaxer esse capriedo dos Srs.
agentes, piopoz->e-ldes, que se pagaran cen mil
ris porcada um dia que passasse dos dousniexes'
al a entrega das quin/.e retortas, c que igual quaU'
lia pagnriain os agentes da coinpanliia por cada mil
lia que estivesseiu promplas antes do lim dus dous
noves, e anda que nao id-ram derisao alguma, con-
liniiou-se com nina ja principiada, a qual se acha
j prompta e postuna h-eiileda fiindieo, onde po-
de ser vista a qualquer dora, provando->o assim que
a demora da Iluminarn, nao a impossibilidade
de se fazerem as retortas nesta cidade, nem to
pouco falla de icio da parle dos Srs. engenheiros
ein cumplir seus deveres,
Seu constante loiior
\ eridirus.
COMMERCIO.
PKAC.* DO RECIPE, 1K DK PEVEREIRO DE IfH
AS I1IKS HORAS DA TARDE.
Colaeoes ofliciaes.
Descont de letrasel (l ll ao auno.
I'reil. Itodilliaril, presidente.
P. Itorg.s, secretario.
AI.FANDKCA.V.
Renilimenlo do dia 1 a 17. .
dem do dia \H......
279:4538151
2084g20!l
:I0J037S3(I
Descarregam doje 19 de fevereiro.
Barra inglezaSapphotazendaa.
Rana ingle/aGenevievedem.
Barca inglezaHindoo -ceneja, loura, arroz eeh.
Barca portuguezaFlor de Mariasardiuhas, albos,
cdelas e arcos.
iliaie portugus Voador do Mondego viudo e
azeile.
Brigue brasileiroS. Josdiversos gneros
MOY1MKNTO DA ALFANDEGA.
Volnmes entrado-
com taiendas
com genero
leridos os que tivi-rein boa letra e souberem Im-
uas eslrangeiras.
lis prelendentesdeveroaprcscnlarseus reqqeri-
menlos na mesma Ihesouraria com cerlido eni que
proven ser maiores di- 20 annos.
K para idegar ao conliisimeiito dos nleressados,
se mandn allixar o prsenle e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesonraris provincial de Pernan-
buco 7 de fevereiro de lho9.o secretario, Antonio
Ferreine dn d'Annuiiriarao.
Declaracoes.
Leiloes.
Volnmes sabidos com fazendas
con gneros
1
1,885
2111
588
"rar,
..^^^, ,- .~v uLicuiian ou resuiiaao ua ma ec
cao de seus lilljps res nonrerba. t) mais
he lartiilismo e a/gucia, de que se deve despoj
agg edimose insltanos a quem apenas faz juslas
cen tiras 1 E ao mesmo lempo somos mimoseados
com urna boa dse de insultos, bem como o pro-
prie aru du Diario '.
N 10 nos incemmoda a linguagem do Liberal : po-
dem licar certos disto : haremos de responder-lhc
sem na quejulgarmus conveniente pr-lhe a calva
i 111 istra.
C lamcm muito embora ao Diario grande Hotel,
de i ujas janellas se sacude o lixo dessa inmunda
tase 1 da ra do Collegio: minioscui-uos com os
epit icios de vendidos, mercenarios, estupidos,
mei 1 duzia de escravos poslos disposico dos Ca-
vad antis, digaiu finalmente o que qizcrem, 11-
sull un como hoje o llzoram, os miseraves undibu-
lari< s desse novo Catuc, que nao recuaremos;
acii. tade ludo est aopino publica, que, ha muito
tem feito juslica ao Liberal dando-lhu o merecido
lug.- r entre os pasquins mais inmundos que se
leu; infelizmente publicado nesta provincia.
F nalisaremos declarando rcuacro doLeraf,
que si-, cm outras pocas os seus escriptos nunca
nos ncommodaram, muito menos agora, e que se
por pobreza de espirito est disso persuadida, en-
to pirmiiiir.i que lheappliquemos as mesmas pa-
lanas do Boa] de um de seus coinmunicados nao
lia entura como ser besta.
Ri-cife, 18 de fevereiro.
W.
em publicado no Liberal de hoje, um aiinuiuin,
ira queorocurava-se desconceituar o digno subde-
eg do de Capoeiras com o publico, e cspccialmcn-
e I Sr. Dr. chefe de polica. Nos porm que temos
a f< licidade de conhecer o prestimoso Sr. Caldillo
Alt s Barbusa, e que por mais de urna vez o lou-
1 n os era seu zelo e dedicaco pelo servico publi-
co, apressamo-nos em protestar contra e xactido
des e aununcio, e nos declaramos que estamos
pro opios para qualquer discussao a respeito, urna
vez que o annuncianle deixe a capa do annimo,
pro ira dos que aseen fulminados de inreja, ou
que nao conliam na veracidade de seus actos,
_ .. Patricio.
Rfcife 18 de fevereiro de 1859.
Illl|Mll!a;io.
Brigue dinainarquez 1-uoiil, rindo de Liverpool,
manifestou o seguinle :
14 caixas objeclos de moda, 1 barrica ditos de vi-
dro, 21 ditas dobradicas, 411 ditas emailas, 1 dila
pregas, 55 ditas, 1 caixa (erragens, 20feixesde pas,
3 ditos rame, 6 forjas. 3 caixas culileria, 21) fexes
ac, 40 toneladas carrito de pedia ; aos consigna-
tarios. __
37 taraos tazenda de algodao a n. Gibsou.
70 gigose 1 caixa, diuca ; a Fox Brolln-rs.
I caixa fazenda de la e algodo ; a 11. Brunii.
06 saceos arroz, I barril carne, 3 caixas panno de
lindo, 29 caixas e 58 fardos hienda de algodo,
0 divos de ferro ; a ArUrigdl Tiuknss \ C.
45 laxas de ferro ; a 1). W. Bowman.
50 liarris salitre, 50 saceos piuiedta, 1 paeote roa-
na, UO libras lio de algodo, 8 fardos e 46 caixas
fazenda de dito, 1 caixa objetos de esvriptorio, 150
barricas cerveja; a t:. J. Astley A; c.
511 barris manleiga ; a Soiildall lleUors.
50 barris manleiga, 2 fardos iazendade algodo a
la ; a Jolinstou Palor & C.
JO barra manleiga ; a Tasso Ai Irino.
10 toiulladas de ferro ; a S. P. Jodnsloii.
2i caixas fazenda de algodo, 1 dita camisas, I
dita objectoa de eseriplorio ; a urdem.
(i barricas genebra ; a Tdaiupson Palor.
1 fardo fazenda de la, 1 caixa camisas, 1 dila al-
catifas, 1 dila tapetes ; a S. P. Joliuston c
11 barricas forrajeen, 1 caixa phosphoros. 20 di-
gornas, 5 feixes aunis de ferro, 13 ditos e 925 dar-
as de dito ; a Izidoro Halliday C.
50 barris manleiga, 29 fardos o 27 caixas fazenda
de algodo ; a J. Rider t C.
6 barricas tudos de cliumbo, 3 caixas e 3 fardos
fazenda de lia; a Rostrou Rooker A C.
50 barris manleiga ; a Saiiiulers llrothers.
* barricas culileria, 1 dita nunhas, 1 caixa fer-
ragens. 1 dila objuctus esmaltados ; a Prente Vian-
11a At C.
18 caixas e 15 fardos fazenda de algodo,; a Isaar,
Curio & C.
4 caixas 5 fardos fazenda de algodo ; a Adam-
suu Ilowie i C.
CONSULADO GERAL.
R.indimenlo do dia 1 a 17. 101:7488067
dem do dia ls....... 2:213g551
106:96lg6l8
Pela siibdelegacia da freguezia do S. Fn-1
Pedro Coueah es foi aprehendida urna caixa com
chapeos de duela prelose de cor : quem direito ti-
veradila caixa apreseate-se que lando o numero
dos cheos, marca da caixa e satisfazendo a des-
pe/a lio*ser entii-gue. Recite 18 de fevereiro de
1S59.Coucalves Jnior.
Pela siiddelegacia da freguezia do Recite, foi
apprehendida aun pardo, una possa de edita con
alguns colados de menos, e foi aedada em mu sac-
io 110 areal do Rrnui. (.liieiu for dono da dila cinta
apn-seiile-se, i|ne dando os signaos della e quanl ida-
do de colados, llie ser eulregue.
Subdelegada do Recite, 15 de fevereiro de 4859.
Gonrulces Jnior.
Caixa Filia] duBancu do Brasil
t'in IViiiiiiiiluuo.
Mim dfl ;iltn'viur o i-xanH' ilos lilnlns i-nmiiior-
ria'< olViTiiidns a deflCOalO a diri'rloria dn raixa
lilial do binen do llrnsii em Penumburo, ruga nos
Srs. romiiH'iviiinli'S tfiiu t^nrain coim BOCIOS Se Ir
inns sorinrs i'xislt'iilt's ncsla pon OUtni Jirafas vi-
/iiihns se sirvnin inandnr deposiUr no ri'ftTido u
InhrliM-iiiH'iMo suas rirrularts, dcvi-ndo oslas rnntor
a nssi<;iinlni'a individnnl do endn ROCO A o modo
porque cada nn iflsignaa ra/.o socul, usin romo
a dorlarnrao do uoinr dorada SOCIO i|iti* da lirinn
social pede fa/.or uso.
I
CASSNO POPULAR
NO
DO
PALACETE DA RA DA" PRAIA.
Sabhad 10 crrente.
Indndilavelineule llavera nesse dia o ultimo daile
antes do carnaval, o qual ser com tuda a pompa a
drillianlisino.
A sociedade. ser incanvel em envidar todos es
netos para que a lina orden e liaruioiiia quo sem-
ine tem reinado, nao soja alterada.
lie 1 ontonnidade com o regulainento que o Illm.
Sr. iir. chefe de polica se digioni approrar, ser
vedado o iugresso id.- pessoas, que nao se apresenla-
reiu ileeeiitemeule veri idas.
Principiar o baila as 8 horas e terminar as 2.
Os carios eslaro renda no lugar do costume. Da-
mas gratis, cavald-iros 2,s'.
N. R. llavera nesse dia srvele.
yENLVD
A 21 d correRle.
O agente Olivan lara' leilao sem re-
serva em precos da remanescenfe mobi-
lia do Sr. F. W. Nash e de toda a que
pertencra ao finado Samuel Norri, in-
clusive muitos livros scientificoi, histri-
cos e de recreio, algumas obras de ouro,
e muitas obras de prata, entre estas um
rico aparelho de goito moderno para cha
e cal : segunda-lira 21 do corrente as
10 horas da manhaa no escriptorio de
referido agente.
S
nr.
UM MAGNIFICO TERRENO
E CASAS.
Sc".ii iiila-fei ni H do trrenle.
PELO AGENTE
PESTAA.
Aiilorisado pela III.""* junta administrativa 4i
dospilal Portiiguez de beneficencia, o supradito
agente vender em leilao publico no dia cima de-
signado e pelas lll lunas dn manlia.
1.111 terreno silo em frente do caes da C.adeia No-
va, com 158 palmos de frehte no almhamento
do referido caes, e de fundo (2i palmos pelo lado do
norte e 61 pelo do sul, cercado e plantado
rom mais de diuentas aores fructferas e do
iminediata utilidaile, laes como niangiieiras, figuei-
ros, larangeiras, romeiras, sapotisi-iros, etc. etc.
t.oulem mais nn dilo terreno duas moradas de casa
de sobrado de iimi ailar, urna das quaes se arda
descebarla, e cinco moradas terreas, todas habita-
das proilu/iiiilo nao pequeuu reudiiiiento.
Os prelendenles podein desde j examinar esta
iiiilissiiua propriodade, e para melhores eselareci-
lllenlos de suas ronfronl.-n oes e do mais que iute-
ressar possa, dirijam-se ao mencionado agente a
qualquer llora, que ludo Idos ministrara.
11 d-il.io lera lugar uo mesmo terreno 00 dia e ho-
ra j referidos.
Avisos diversos.
PERNAMBUCO.
REVISUJIIIRIJI.
Nao ha muito que notamos a necessidade de
se abolirem os destacamentos, que as comarcas
existem actualmente, orgaoisados de pracasda guar-
da nacional, nao s porque taes destacamentos nao
Erestam a autoridade auxilio proveitoso, como tam-
em para arredar dos cofres provinciaes urna des-
peza que enede o seu lim.
Com a supressao desses destacamentos nao re-
sultara o menor prejuizo a accio policial, no en-
tretanto que tirana a provincia'difllruldades flnan-
ceiras, para poder applicar o dinheiro que dispen-
de com a guarda nacional, a outros misteres de sua
competencia, e que demandam urgencia.
No estado em que se acha a agricultura, defi-
nido para o 11
reir Soares.
o Grande do Sul : Bcrnardino C. Fcr-
Passageiro do hiate nacional Beberibe, sabido
para Penedo i Jos Halheiro Machado Braga.
Passageiros da galera francesa Berthe, sabi-
dos para o Havre: Ernesto Heberrer, Godofredo
Cabcrtaux, sua mulher e urna tilda.
Matadouropublico.Malaram-M- no dia 18 do
corrente para o consumo desta cidade 53 rezes, e no
17 46.
C instando-nos que a companhia Periiambucana
est resolrida a liquidar-se, j por nao ter anda
obli Jo do governo geral utna subvenco, que possa
fazi r face certas despezas, isto de'mandar cons-
tru dous melhores vapores, sendo um destinado
par a lindado Norte e outro para a linha do Sul,
e U por que, os que actualmente ella possue, se
acd un em estado tal, de nao fazer com devida re-
gularidadc as suas viagens : faz-so mister, que o
conlelho da direcro da mesma companhia solicite
do (koverno nena neeesaarios, para levar ao Om
desjado sua empreza: a nao ser esses prejuizos,
como acontece quasi sempre Isso com todas as em-
presas em seu coineco ; tenha-se em vista a com-
panhia brosileira de paquetes, que j vendo-se em
lacslcrcumstancias, e, se nao quando peiores, vai
todava marchando hoje par passu com a compa-
ndi ingleza.
O a, o nieldoramento que tem mostrado a compa-
nhia Pernamburana em differentes pontos de sua
esca a, sem duvida mali ulav.-l.
Hisdeque os vapores Persinunga p Iguarass
com icaram dar suas viagens no liltoral do Cear
at laceio, muito teem prosperado as provincias
limi rophes.
Ai difllculdadcs com qnc lutavam multas vezes
os agricultores e negociantes, em transportar com
pres eza os seus gneros para esta provincia, pou-
co a pouco tem desapparecido com a chegada des-
tes 1 aqueles.
O grande numero de passageiros do centro, nao
Sodi ndo ir sempre as capilaes, porser-lhes dispen-
os 1, onde de ordinario aporlam os vapores da
com tauhia brasileira esperaui pelos os da conipa-
nhii Pernambucana naquelles pontos, em que dei-
xam de tocar aquelles
Di hi se v, que tudo isso devido dislincta
companhia, qu.- nao obstante lutar com mil emba-
races, e at mesmo sacriticando-se, s tem por lim
inell orar a sorte de muilas localidades do nosso
territorio ; e se esta llzer cotn que os seus novos
vapores tenham una marcha regular,' chegandocm
cert se determinados dias, em breve tomaro gran-
de ii cremento os portos Botareis da Granja, Acara-
c c Aracaly, d'onde animalmente se exporta gran-
de qianlidade de couros, cera de carnauba, farinda
de 11 andinca, gneros esses, que muitas vezes se
perdem, por nao haver urna boa va de trans-
pon s.
sao e estado se ignora.
Hospital de caridade.-lstem 47 homens, 52
mulheres, ilacionaes : 1 hom.cm, estrangeiro ; 9ho-
mens, escravos ; total 103.
Foram visitadas as enfermaras pelo rirurgin Pin-
to s 7 horas e 5 minutos da manhaa. Dr Dornel-
las s 8 horas e 35 minutos da manhaa. Dr. Firmo
MASCARAS E PHANTASIA
MAGESTOSO EDIFICIO
CAES DE APOLLO
Sabbado 1! do cor rente.
No dia cima designado, as duas espacosas salas
daquelle edificio eslaro drilliante e pomposamente
('reparadas, alim do aellas ter lugar um grande bai-
ede naaearaae pbanlasias.
Anles de principiar o baile a banda de msica do
2 batalho de iufaiilaria da guarda nacional, diri-
gida pelo ingsilit- professor llermogenes, exociilar
no salo bellas e variadas pecas de. seu repertorio,
para maior recreio dos concurrentes.
O inleressado, pois, nesle divertimento, (qne
um particular) leudo de fazer convites seus ami-
gos e aos amadores de to bella distraeco, espera
uina concurrencia asss completa, assim como nao
poupar esforcos, alim de licar satisfeilo o respei-
tavel pollino.
O baile principiar as doras do costume e termi-
nar as 2 huras da manlia. Adverte-se que s s
pessoas decentes se dar ent.ada, cujo proco para
os homens c de 2gi- para senhorasgratis.
Mortalidad do dia 18.
l'i!!nl^j!.e.ca^rela' cu0.*onlei 'dade, prolls- Ci nstando-nos pois, lambem, que alguns dos
JltltlIlllH IIIIMI'llliJ.
meios pensionistas o externos nao procede de to
igiiolul moiivo, e siin da maneira bem publica com
que dei promovido a manuleneo do melhor rgi-
men e tralamenlo possivel aos ditos oollogiaos como
lela acquisicaodc-mui distintos o acreditados pro-
lessores para o meii estadelecimeiilo.
Desalio ao Sr. Andr para que exdiba a menor
prova de que por qualquer modo o tendo doslili-
sado, pois em retribuicao serei franco en referir
outros promenorm, e, se conseguir lieenca, publi-
care alguns documentos que demonstraiu bem que
cortos pas ten retirado seus Bines do collegio
.Sdiiro.lni/rr (dn Sr. Andr) o procurado mili es-
pontneamente o que dirijo, pela grosseria de seu
tratar, a parda anarchia que por l (olees enxer-
guem.
Quem procede como cu lenho al hoje procedi-
do para rom o Sr. Andr, nao precisa desser as in-
dignidades que lhe apruuvo fanlesiar para apropri-
ar-me ; nao precisa, ainda aocresrenlo, dos conse-
Inoade quem, comeo Sr. Andr.no tem idado.nem
juizo prudencial paraos dar.
Arabou-se o tempo das palacoadas a rharlatenr
ras, e por isso cada 11111 as den- repellir, senao
quizer por seu niotu proprio constituir-se um
verdadeiro ludibrio, ou dar-se ao pelisco ua socie
dade.
Assim, pois, concluirei dizendo ao Sr. Andr
que oceupe-se s com o seu Sanio Andr, e deixc
me viver tranquillo, na certeza de que nao me
lembro delle ; porqne nao posso, nao dvo, nem
quero dislradir-me dos meus pesados estudus no
ultimo anno de niinda carreira jurdica, dos serios
cuidados que incessatitemenle presto para a da
edaeacao da numerosa mocdade que len sido con-
tlada espontneamente ao collegio quo dirijo, alias
dentro em trez metes de sua inslallaco, para oceu-
par-me das frivolidades que preoecupam o mesqui-
iiho1 espirito de S. S., e dar-me de cao Iradaldo
de destruiros eastcllos de llespauha que de l Mr
engendrando.
Se S. S. tem poneos encargos, e procura este
neio para aue o seu nome corra pela imprensa, so-
ja fallado, do mesmo modo que traslato qnizcele-
drisar-se incendiando o magnifico templo de Del-
phos, deve recorrer a outra estrategia; porque nao
esloit para perder o meu precioso lempo com quem
acoslumado msica, ama a variedade, prosa mais
as distracoes que un assiduo Irabalho.
E tanto mais firmo esta minha reaoluco, quan-
lo tendo profunda coiivicco de que o Sr. Andr
agora quer, suspira e supplica urna discussao comi-
go, c mais logo com outro qualquer director de
collegio, para ver se rehabilite o que administra,
corre de bocea em bocea, espalda-se por lodo o Or-
be terrqueo a sua fama gloriosa; ou por outra
para elevar-se a nossa custa, viudo nos a perder
smente no tal jogiiinho.
Nem por isto presuma o Sr. Andr que esloit re-
solvido a solfrer os seus assaltos contra a minha rc-
pulaeo.
Os tribunaes do paiz foram constituidos para pu-
ntrem os calumniadores e insolentes, e para onde
nao deixarei de o arrastrar se ousar nialtrater-me
por qualquer maneira; pois nelles espero e contio
achar o desaggravo legal e nao ouso dizer como dis-
se o mesmo Sr. Andre naquella sua corresponden-
cia : que a nossa trra desgracada, que as leis
sao ultrajadas pelo dinheiro.
Desojo de todo o coraco ao Sr. Andre a mais ro-
busta sade, meldur juizo, e mais dinheiro, para
ver se assim nao procura iiitrometter-so no que me
diz respeito.
Recite 18 de fevereiro de 1859.
Joaquim Barboza Lima.
Illm. Sr. Modesto.A bem da verdade peco a V.
S. o obsequio de declarar ao p desta, se o cnmmii-
nicado, inserto no seu jornal 11. 103, e assignado
um dos offtndidoi, foi-lhe dirigido por rain OU
por pes-soa de minha rasa.
Permitla-me uzar da sua resposla, como me con-
vier.
Sua casa 15 de fevereiro de 1859.
Son de V. S.attento criado.
Joaquim Barboza Lima.
Illm.Sr. Dr. Joaquim' Barboza Lima.F.m aliono
da verdadecumpre-me dizer-lhe que o communica-
do a que se refere nao me foi dirigido por V. S.,
nem porpessoa alguma de sua casa.
Piule. S. fazer desta miiida resposla o uzo que
lhe convier.
Fevereiro 16 de 1859.
DeV. S.atlento criado.
Modesto F. das C. C. Barros.
mi..
dem do dia 18
DIVKRSAS PB.OVINr.US.
39|8H5
4:6611899
DESPACHOS DF. EXPORTACAO PELA MESV DO
CONSULADO DESTA CIDADE NO DIA 18
DE FEVF.RKIRO DK 1859.
Rio da PralaBarca despalillla Rosa, Ajanaga
4 Bryan, 20 pipas espirito.
I anal- Rrigue lionoi enano. .Miranda >, H. Briiiin ii
C, 1,300 saceos assucar.
Porto Barra portugueza Sympathia, Bailar A
Uliveira, 49 coums salgados.
Ilha deS. MiguelPatacho porluguezSouza&C.,
Ponte & Araujo, 30 meios de sola.
Kxportayao.
_Valparaizo, barca bamlinrgiieza Victoria, de
7U tonelada.-, condiiziu o seguinle : 4,650 sac-
eos assucar.
Hio da Prala, barca drasileira Atuizodc, de 280
toneladas, eoudiRlu o seguinle : 2,900 harneas
assucar.
Peuedo, hiate nacional Beberibe, conduzio o
seguinle : 312 retamas gneros e.-lrangeiros, 30
ditos ditos nacionaes.
Aracaly, hiate nacional Aracaly, de 35 tonela-
das, conduzio o seguinle : 2119' voluiiies gneros
estrangeiros, 240 ditos ditos nacionaes.
RKCEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GERA1.S
1)E PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 17. .
dem do dia 18 ...... ',
15:117f543
1:135171
Seuhores redactores.Oftendido em minha hon-
ra e melindre por um celebre Bento Gomes, que
Icnt taberna o aeougue no. Remedios, onde ha
pouco lempo me consta dora urna estocada em um
escravo do Sr. Angelo Raplisla do Nasciniento ; ve-
jo-me obligado recorrer ao seu prlo para paten-
lear insolencia deste campio, e.o insulto quo
me fez, de que pretendo rdama-lo emitas. Nio
querendo eu ser prejudiradado em um troco que o
mesmo fez, niaudando-llio no dia 17 buscar para
meu gasto algumas libras de carne, recebi era res-
Eosla o bilhete que offereoo consideraco do pu-
lico, e por elle ajuizaro'da estpidos deste indi-
viduo, e da insolencia rom que procede, abusando
seguramente da minha pacifica ndole, e querendo
dest'arle despeijar sodre mim lodo o fel e rancor
quedo seu coraco Irasdorda.
liba de Beinllca 18 de fevereiro de 1859.
i.iii; Manoel Rodrigues Vattnca.
Sur. Valenca.
Remeto as tres patecas do Eingano que Vmc. diz
que o prilha pagou ; i para nao haver Emganu
nem o S.' comer carne Ruini Magra i casa i pagar
domis pode comprar aonde quizer que Fregezes
da qualidade do Sr. nao Faze falte pois e tonas as
suas ronlas senprfT pon obestaculo i deividas no
mais son seu servo o crinlo assignado
Gomes.
S/C17 de Febero de 59.
Avisos martimos.
16:263g:l32
CONSULADO PROVINCIAL."
Rendimento do dia 1 a 17. 50:825g26l
dem do dia 18....... 2:596j55 i
com pandantes muito tem concurrido para seu esta-
do n orboso, nao por certn islo sufliciente, pre-
ciso |ue se exibam pravas.
Ti ndo eu j embarcado felizmente no vapor Per-
imt 100, e vendo o interesse e grande zelo, que to-
ma i dislincta lente Joaquim Alves Moreira, em
augr icntar scmelhante empreza, son o primeiro
-------------------------------------------------------------- 1-7------------------ ---------------------------------- ~J-.. J .... u |>, ,,i.|| j u
as 10 horas da larde de hontem. Extraordinaria- tttUM^que sem receio algum devem ser banidas to-
- das 1 s rrspeiteSj_que lho queiram imputar.
Poi-tanto, cSi6s fervorosos votos Ilustrada
com| anhia Pernambucana, que implore ao gover-
no gi Tal um emprestimo, para nao deixar em ca-
rnete s 10 horas da noite entrou um hornero e
pouco depoi de sua entrada falleceu sem fazer de-
clararan algiima.
\
k IT II A HA
-
Seuhores redactores.Sa Pagina Avulsa de 25
dn me/ prximo passado appareceuum artigo soba
epigrapheOffc\nas do gaze para ninguem infe-
rir d aqui, que na fundico desta cidade nao se pode
remediar a falta das retortas, queiram VV. SS. dar
publicidade ao seguinle:
No dia 24 do citado mez, logo de manhaa, appa-
receram na fundico d'Aurora os dous engenheiros
das obras do gaz, perguntendo se podiam ser felas
retortas de ferro para o fabrico do gaz, e sendo-lhes
respondido na aformaliva, deram em continente as
dimensiese pergunteram seu custn e o tempo cm
que se poderiam apromptar quinze, mostrando-se
mui desejosos que fosse o mais breve possivel, era
attenco necessidade que havia de taes pecas, foi-
lhes promettido, que mesmo com sacrificio, as retor-
tas ftcariam promplas era dous meses, e neste sen-
tido a encommenda foi feita, datido-se naquella
534213815
Movimcnto do porto.
Karios entrados 110 dia 18.
Liverpool15 dias, patacho inglez Media de 152
toneladas, capito W. W. Bayles, equipagem 10,
carga fazeudas ;aSouldal Mellon.-. Perteuce a Li-
verpool.
Bio do Janeiro14 dias,polaca despatllala Vieiorin,
de 168 toneladas, capito Feliciano Bieira, equi-
pagem 11. carga 3,000 quintaos hespandes de
carne ; a viuva Amorim & Filhos. Perteuce a
Harcellona. Sguio para Ilavana-
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio de JaneiroVapor nacional Oyapock, com-
mandanlc Francisco F. Rorges.
Portos do norteVapor nacional Iguarass, com-
mandanle Antonio da Silveira Maciel Jnior.
Rio de JaneiroBarca americana Grape Shot, ca-
pitn Homerrod : em lastro.
Rio Grande do SulBrigue nacional Conceirao, ca-
pitn L. I. de Souza Lobo, carga assucar o mais
gneros.
GenovaBarca sarda Paoolo, rapilo Busano, car-
ga assucar,
PenedoHiate nacional Beberibe, mostr Izidoro
B, de Mello, carga bacalbo.
ltadi.i-l'aiacdo americano llomanre, capito Do-
ean, carga parle da que trouxe.
llavnGalera franceza Becthe, capito Laine, car-
ga assucar.
OBSERVARES METEliROI.Oiacvs.
11IA 18 1IF. FKVKRF.IHO.
VKXTO. II llMuMt IIKi
p -
6 | O O V* * Q *> i C 0 a i 3
8 : i ^r * =;
5 8
*-> *5 --
>dam. Cumulus ESE Reg. 266 ti'.a Nfl 77 rain. 75fiS
9 SE 28.3 22.fi s:i n 7Sfi
1/2 dia 3dal. 30.(1 2f.O M M
Cirrus 28.8 23.1 s 83
6 > 1 28.3 22.6 83 -
A noite este\e clara com grandes nevoeiros,vento
SE, veio para o terral e ao amandecer rondn rie-
lo S. '
Observatorio do arsenal de marinda 17 de feverei-
ro de 1859.
VlF.CAS Jl'NOIR.
Editaes.
O Illm. Sr. inspector da Ihesouraria provincial
cm eiimpriineiiio da ordem do Kxm. Sr. presidente j
da provincia de 3 do corrente, manda pilr a concurso !
o lugar vago de segundo esenpturario da contadu-
ra da mnsma tdesoiiraria, o qual tora lugar no dia
15 de marco prximo niara ; devendo os pretenden-
tes seren examinados na graumatica da lingua na-
cional, rscriptiiraco por partidas dobradas, arith-
metira e suas aplicaces com especialidade a reduc-
Sio das moedas, pesos e medidas; no calculo de
escontos e juros simples e compostos ; sendo pre-
Ktiamft-e Para.
Vai saliir com a maior brevidadepos-
sivel o palbabote nacional Novaes : quem
no mesmo quizer carregar ou ir de pas-
sagem para o que tem bons commodos
dirija-se ao capitSo na praca do commer-
cio ou a E. II. Wyatt na ra do Trapi-
che n. 18.
A carac e Ceara.
O patacho Kmiilacn segu al o lira do frrenlo
niez; para carga e passageiros trata-sc com o ca-
pilo a bordo, 011 no escriptorio de Manoel Goncal-
ves da Silva, na na da Cadete do Rerife.
O hiato Aracaly, nieslro Joo H. do Almeida,
segu para o Aracaly no dia 19 do corrente, tem
bons commodos para passageiros e trala-se no Re-
rife ra da Gadeia n. 60.
Lisboa e Porto.
Sojjin om pniiros dias a barra portiiguo/a Lima,
recebo carga : passageiros paia ambos os portos :
trata-sc oon 0 coBgnaUrio Joo daSUva Regadas,
na na do Vigario n. 4.
Para o Aracaty.
Segu con brevidade por ler mais de no lado da
carga prompta, o bem condecido dialeCastro, mos-
tr Francisco de Castro, para o resto da carga Ua-
la-se com o consignatario l). A. Matheus.
I'ara Lisboa pretende seguir viagem no dia 19
de narco prximo, iiupreterivelnic-nle, o bem co-
ndecido brigue porluguez Constante ; para o resto
da carga e passageiros, aos quaes olTereee aceiados
commodos, trata-so eon 08 consignatarios Tdoniaz
d'Aquino Fonseca & Fildo, ou com o capitn o Sr.
Augusto Carlea dos Seis, na praca.
Companhia Pernambucana.
O vapor narional Persinunga, romraandante o
segundo lenle Moreira, seguir para os portos do
sol de ana escala no dia 0 do corrente as 5 horas
da tardo. Recode carga at o dia 19 as 6 horas da
tarde.
Para por Cear
Segu no dia 28 do me/, corrente com a carga que
Uvera bordo o palbabote Sobral, recebe carga a
tratar com Gaetano Cyriacoda C. M., no lado do
tlorpo Santo n. 25, primeiro andar.
Para o Assii,
Salte para o Ass por estes 5 dias o patacho Bom
Jess ; para carga a Irele e passageiros, trata-se na
ra da Madre de Dos n. 2.
Rio Grande do Sul.
A barra nacional Thereza I, sahir at o ultimo
do corrente, reeebe alguma carga para o que. 1ra-
ta-se com os consignatarios Ballhar Olivcira, ra
da Cadeia Volda u. 12.
Porto.
A barca pnrluguc7.a Sympathia, capitn Antonio
Noguoira dos Santos, sahir al 26 do corrente ; re-
rebe ainda alguma carga a frote e passageiros para
o que trata-se rom os consignatarios Ballhar & Oli-
vcira, ra da Cadeia Velha n. 1.
Aracaty.
Sabbado 19 do corrente mez, seguir parao Ara-
caly o milito veleiro e bem conhecido hiate Exha-
laran, para o restante da carga e passageiros tra-
la-se com Gnigel limaos, em sen eseriplorio roa da
Cadeia do Recite n. 28, primeiro andar.
Para a Baha.
_ Pretende seguir nestes 8 dias o patacho nacional
S. Jos, tem a seu bordo dous tercos de seu carre-
gamenlo para o resto que lhe falla Irata-se com o
seu consignatario Antonio Luiz de Olivcira Azeve-
do, no seu escriptorio ra da Cruz n. 1.
Para o Rio de Janeiro
O velereiro' e bem conhecido brigue nacional
Tres Amigos, pretende seguir rom muita brevidade
tem a seu bordo motado de sen carregam*nto, pa-
ra o resto que lhe falta Irata-se rom o seu consig-
natario Antonio I.uiz de Oliveira Azevedo no seu
escriptorio da ra da Cruz n, 1.
Para a Bahia
A sumaca narional Hortencia, pretende seguir
com muita brevidade, tem parte de seu carrega-
meuto prorapto, para o resto trata-se com o seu ron-
signatario Antonio Luiz de Oliveira Azevedo no seu
escriptorio ra da Cruz n. 1.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama d
leite que naotenha filho, agra-
dando paga-se bem e aianca-
se bom trata ment : na ra
Nova n. 49, junto da Concei-
dO-3imrarer------
AMA,
Precisa-se de urna ama para coser e engommar
em una casa de pouca familia ; paga-se bem: na
ra da Cruz n. 23, segundo audar.
Festejo.
Na madrugada do dia 21 do corrente mez, depois
de terminado o festejo da Senhora dos Remedios,
urna gyrandnla de bombas do ar annunciar ao pu-
blico que em frente daquella capella tem de ser er-
guido o estandarte do Sr. dos AfUictos, eom a pom-
Ea e hrilhantismo que exige Uo sublime acto. A
anda de msica do A. batalho de artilharia a p,
bem condecida por sua boa eiecuco, aeompaohar
o mesmo em sua dirercao Passagem. Seguir-se-ha
o santo sacrificio da missa, e elevado o estandarte
do dito Senhor, ter lugar o sen setenario com gos-
to e simplicidade. o programma da testa ser an-
nunciado.
No collegio de Nossa Senhora do Bom
Conselho precisa-se de um homem de
reconhecida moralidade para bedel e
promette-se um linnnrano vantajoso :'
quem se achar nostas condicf oes appa-
reca neste instituto.
Antonio dos Santos Ferreira, vai a Portugal
deixando romo seu primeiro procurador ao Sr. Joo
Jacintho de Medeiros Rezende, e em segundo ao
Sr. Bcrnardino Francisco dos Santos Oliveira.
Precisa-se alugar um preto canoeiro, dndo-
se sustento e casa para dormida; a tratar na rus da
Concordia u. /6, arina/eiu do sol.
Constando aos proprielarios da casa de sade
de Santo Amaro, que se tem espalhado que os
doenles brancos estn misturados com OS escravos,
ellos vio. noreste uicio desfazer a falsidade desto
boato, declarando que ha em seu csiabelecimontn
i inmundos exccIlenUis para a separaran dos doenles
conforme suas cathegorias, e molestias, e que nun-
ca se deu o caso de estar um doente bronco no mes-
mo qunrto do escravo. Declaram mais, que as ron-
pas, camas, loucas e os mais objeclos do uso dos
doenles eslo tambera separados* con vera para
combater o escrpulo de piasoas mais delicadas, e
para o crdito do estabelecimoDlp ao que se acham
tupouliados os proprietartos.
Drs. Ramos k Smm.
Francisco Corroa Raposo, subdito pprtugucz,
relira-se para Portugal, levando em sua companhia
sua senhora.
Perdeu-se no dia 10 do corrente, da praca da
Independencia at a ra do Queimado, sobrado n.
16, ou dentro de mnibus BemHca, un bracelete de
cornalinas encastoadas em ouro : quem o achou,
querendo restituir, o poder fazer no terceiro an-
dar do sobrado cima, que alem de se recompensar
ticar-se-lhe-ha agradecido.
200$ de gratificando.
Ausentou-se da casa do abaixo aisig,
nado na noite de 30 de Janeiro p. p,-
o teu escravo Rayqaundo, Dreto, criou-
lo. do terto, representa ter 30 annos,
he de boa figura, tem pouca barba e
usa-a rapada, alto, chato do corpo e bem
fallante, tem falta de "entes na frente,
tem urna dequena rotura no lado diraito
e usa funda, tem ot dedos grande* dos
pe* um pouco tortos, foi vestido de pa-
leto! preto, camisa de chita franceza,
cali;a de brim branco de pequeos qua-
dros e chapeo do Chyli; consta que na-
quella noite e no dia seguinte (domingo
31) estivera no bairro do Peres em com-
panhia de outros na propriedade do Sr.
Jecintho Jos Cabral : roga-se a policia e
a qualquer outra pessoa a sua apiehei cao
conduzindo-o a casa do mesmo abaixo
assignado, ra Nova n. 33, ou na ra
do Trapiehe n. 9 armazem, onde se gra-
tificara' pela apreheasao com 200| ; pro-
tes ta-ie contra quemo tiveroceulto, por
isto que nao guardam simplesmente um
preto fgido, mas um facinora sobre
quem recahem suspeitas de tentar con-
tra a vida de seu senhor.
Jos de Aquino Fonseca.

II I-/MI *ri





I
I
I
I
4
. 500
320
160
MUihas para 1859.
Arham-se rend na livraria n. 6 i 8 da praca
da Independencia, as fnlhinha do auno de 1859,
Sara as provincia de Pernambuco, Cear, Rio Gran-
c do Norte e .Magnas, das segundes qualidades :
Fnlhinha do priprietario agrcola conlendo
aleiu das materias do eoslume, as lew e
regulamenlos das Ierras publicas notadas
eom to(los ns avisos e ordens que as tera ex-
plicado o ampliado al o mez de soienibro ul-
limo ; estafolhinha he essencialmenle ne-
.iria a toda* as pessoas que possuem ura
palmo de trra para mais, pois com ella es-
Uro habilitados para nao cahirera em multas e
nao serem Iludidos, preco res. .
Fnlhinha religiosa a qual alem das materias do
i'iistume contein 9olT\cios, exenioio para ga-
nhar o jubyleo, modo de visitar as imagens
do Senhor, de Nossa Senliora, e qualquer
sanio ou salta e orac&o de S. Benedicto, e
a semana meditativa, preco ris. .
Kolhinha de porta ris......
Kolhiiiha eccleiastica ou de resa feila pelo Bvd.
Sr. conego penitenciario da S de.Olinda, se-
gundo a rubrica e ordens da Santa S, ris. 100
Uuiaseuhoru quetem pralica de vestir anjns,
mocas soltcirase casadas, contina a offerecer o seu
presumo a pessoas que dclla precisarom, indo mes-
mp casa dos pretndanles: poder ser procurada
na ra da Otoan. 60.
Precisa-ae alugar urna casa terrea em bom es-
lado, no bairm de Santo Antonio ou Boa-Vista : di-
rija-se na do Crespa n. 2.
Ainal ot veodellies desta cidade
accordaratn do kthargo em que jazeram
desde muito tempo, ese con vencer m das
gentilezas cavalleirosas do digno arrema-
tante do contrato das aguaardentes;
hoje poucos s3o ot que trazem os olhos
vendados e que negociam com licores de
produccao brasileira.; esperamos que
estes poucos vendelhiies se desenganem
totalmente; consta-nos que perante o jus-
to e integro tribunal da relacao do dit-
trteto pende en anda algn* processos es-
candalosos promovidos pelo mui digno
arrematante do contrato das agurden-
te e como confiamos na justica e intei-
reza daquelle tribunal o senhor arre-
matante recebera* mais urna liccoe po-
ra'-termo a sua havidez de lobo telva-
gem pelo tinir do ouro.
No armazem da rna do Viga rio n.
7, precisa-te de um negro postante para
o servido de assucar.
Charuteiros.
l'recisa-se de dous offlciaes de eliarulciro : no
deposito da ra do Rangel n. 6.
Offeroce-se um rapa? que enlende de escrip-
tiir.tcSo por partidas dobradas, para aaixciro de
Sualquer casa commercial, ou para encarregar-sc
e qualquer escripia : quem pretender, dirija-se a
ra da Cadcia ti. 56, ou annuncie para ser procu-
rado.
Jos Thomaz de Campos Cuaresma, adminis-
trador da espalara da /ttfandega de Pernambuco,
faz publico que sua residencia hoje no largo de
S. Pedro, sobrado defronte da igreja n. 2. Tambem
faz siente, que contina a vender-se em dita casa
n. S, todas a qualidades de doces seceos e de cal-
da, por preco igual poique se vende em oulra qual-
qi*r parle, acrescendo dar-sc gratilir.ac.ao de tantos
por corito ao portador que for fazer a encommenda.
James HerbertScoyd retira-se para a Ingla-
terra.
O abaixo assignado fazseientc ao publico e ao
commercio, que venden a saa taberna da ra de
Sania Cecilia a. 18, Sra. Mara da CoDcricao Soa-
resdo Mondones, desde o dia 8 do cerrent ; e faz
mais constar ao mesmo publico c a queni mais
possa intersssar, que a casa terrea da ra da Sania
Cruz do bairro da Boa-Vista n. 82, perteucente a
mesma senhora cima, se acha hypothccada ao
mesmo abaixo assignado desde o dia 7 do correte,
enmo consta da cscriptura publica pasSada no car-
lorio do tabelliao Francisco de Salles da Costa Mon-
teiro, e por isso se faz o presente annuncio para a
lodo o tempo constar e evitar duvicias. Becife 17
de feyereiro de 1859.Jos Bernardino Alvos.
Na lina dos Batos, na casa em que mora o ma-
jor Tristo Pi dos Sanios, vende-se umamobilia de
Jacaranda em muito bom estados, constando de 12
i;adeiraS 1 sof, 1 mesa redonda e 2 aparadores, e
bem assim nm cama de casado, 1 mesa elstica,
marquezas, mesas e mais objectos prnprios para casa
de familia.
D-se algum dinhetro a premio com penhores
ou hypotheca : na ra do Rangel n. 36, primeiro
andar; na mesma casa vende-se um escravo ainda
moco Imoi serrador, c de todo sen-ico bom para en-
geunu-
Forneiro.
Diario de Pernambuco. Sabbado. 19 de fevereiro de 1859.
3
\i\ FRREA
DO
ittencao.
-. i v v i i K.51:
RECIFE t S. FRANCISCO.
k i'iimpanliia deseja fazer irm ennlraln para ras-
par, 1 impar e pintar aspantes de forro de .Mugados,
Molocolomb, Jahoalo e Pirapama.
Deseja tambem,tratar com qualquer pessoa que
Jiieira contratar para o tupprimeuto de, pelo menos,
ez jimias de buis, cavalloS, para arraslar_ inadoi-
ra das malas da coiupanliia em L'linga de Baixo pa-
ra as iiflirinas tle Barlialho.
Tambem deseja engatar o servico de adjudantes
de cugonheirn o 1 aggriinonsorosque enlendam ou
iuglez ou francez siillicienleinenle para receboroin
as suas iuslrneeo.es nessas linguas.
Carece lainlieni do pedroiros, cnteos, carapinas
e pintores.
As pessoas qiiercndo nforinaooos a respeiio quei-
ram enlonder-se nesle escriplorio em qualquer dia
desle mez das 9 al as 6 horas.
Se algum senhor de cngenho da visiiihanoa da
villa do Cabo quizer aproveilar do uso da senaria
da eompanhia em Iroca de sen ico de buis, podem
assim fazer enlender-se para isso com o abaixo as-
signado.
AssignadoW. M. Ponislon.
Escriplorio do engonlioiro em chele Villa do Cabo
22 de Janeiro de 189.
W DENTISTA FRANCEZ.
**> Paulo Gaiguoux, denlisla, rna das I.a- .
<>e raugeiras 13. Na mesma rasa lem agua e "9
pd denlilico.
?.'*?% fYfTi fifi i; X?
passaportes.
Tiram-se passaportes para ilenlro e fura do impe-
rio e dcspachani-so escravos : para cujo tini procu-
rc-seoanuuiiiiaiile na ruadoOueiniadn u. 15, loja
dos Srs. Oouveiajii Araujo ;'na ra da Cadeia do Re-
cite n. 49, loja do Sr. Firmo Candido da SilveiraJu-
uior e no armazem de (azendas n. 31), dos Srs. Mou-
teiro & Lopes.
A antiga tinturaria franceza do aterro da Boa-
Vista, ache-so h ije de novo rstabelecida na ra da
Palma, casa jiiil o a urna taberna da esquina da mes-
ma ra, e continua a servir bem aos freguezes lin-
gindo de todas a! cores com peffice.
Preparam se bandeijas com diffeieiiles arma-
ces para bollin ios, linos, de. todas as qualidades 68-
colhidos ao gosl da encommenda ; assim como bol-
los ingiezes, ya: lis de nata, podins, etc.: quera pre-
tender procure na ra da Penha n. 25, segundo an-
dar, que ser bi m servido.
Franceliui Isidoro Leal & C, tem para vender
gemina de mam ioca de superior qualidade, viuda do
Maranho, em arricas : quetn a quizer procure em
sua casa, no lar ;o de S. Pedro n. 4.
Precisa-si de urna ama para servir a una se-
nhora casada, s un familia, paga-so bem, porni exi-
gc-se pessoa q le preste boas informaces : na rna
uo Crespo eseri| torio da via frrea, entre 9 horas da
manliaa al 4 di i tarde.
O abaixo i asignado, professor jiarlicnlar, resi-
denle no 3." ai dar do sobrado n. 58, da ra No\a,
participa ao re ipeilavel publico, c mxime aos se-
nhores pas de icos discpulos, que as aulas de pri-
meiras letras, liliin e francez coiuecaram a funecio-
nar desde o dia III de Janeiro crlente, e que conti-
nua, como d'ar tes a receber alumnos internos e ex-
lernos, paraise em leccionados nassu|>raditas disci-
plinas. Jos Miria Machado t Figueiredu.
Aluga-se im sobrado margem do rio Capiba-
ribe, defroute i o hospital Pedro 11: a fallar com
Antonio Camei u da Ciinlia, na sua fabrica no largo
dos Coelhos.
Arrenda-i e o eugenho Tiriri, levantado em
tenas de Algidoaes, com as obras necessarias
para moer, bous lugares proprios para sola de
gado, com pou :a cerca; assim conm vende-se a
a futura safra, .isto o dono ler de sahir por asees
tres a seis aunes, por motivos particulares : quem
pretender, dirija-se ao mesmo engrano, a tratar
com Jos Xavii r.Caraeir Rodrigues Campello.
IaOTKRI.l
DA
Pura dsenenn ,l,,s inc-reiluloN.
O padre Francisco Verissimo Bandeira fa*publico
para conliecimi-nlo de quem couvier, que ciilrcgoii
para a igreja matriz da Kscada, por esmola, au sa-
oariatao da ml'Sina, Kloriano Jos de Souza, iiaos
20 libras de cera, 16 em barandoes e t em velas,
por occasio Ida oncoiiimeiidacan solemne que fez,
precedendo Kcenca, ao carpo de sua uiiii presada
in.'ii no selinin dia de seu eulerraiiienlo, por nao
haver precedido anleriormenle a encommendnfo
simples no dia do bito;... coinn tambem a quaii-
tia de 7{>tMM) (Jnr pagamento de 200 lijlos, que scus
amigOS Tlieodlisio e Manuel Pon ira pediram, pres-
tados para a laiiura da catacumba, em que depo-
silaiam as cinzas de sua mai; e assim julga nada
dever relalivanienle o esse acto. K porque algiiem
lia nesla prara, que persuade a algiimas pesai SS
nao ser exactij o exposlo, convida o aununciaiiti
|que o contrare
qualquer mitro.
esse alguem,
iiayio ou por
porque o faz.
llesappaieceu do
Ponto di' 1'iln
gleza, cor d
se poder, por osle
e nao pela maueira
qualquer pessi
dar noticia ou
ra da Cadeia
compensada.
sitio de llenry Gibson, na
um cachorro rateiro, de raca in-
raposa, inuilo esperto
roga-se
ipie delle souber, o obsoipiio de
le leva-lo ao mencionado sitio, ou
o Recite u, 52, onde ser bem re-
Amn.
una ama para comprar e cosinbar
DOAUArro da Ba-Visla n. 12,
do boceo dos Ferreiros, se dir quem
Novo banco de Per-
nambuco.
Os Srt. accipnistat do novo banco de
Pernambuco sao convidados a realisar
at odia 4 de marco prximo viudouro a
quarta e ultinak prestarlo de 25 por cen-
to sobre o valor de suas respectivas ac-
C"es. Escriptorio do novo banco de Per-
nambuco 31 del Janeiro de 1859.No im-
pedimento do presidente, Jos' Joo de
Amorim.
Relojoaria.
Carlos Waller, propriotarin da nfflrinn derelojoei-
ro no aterro da Boa-\isla n. 10, avisa ao nspiila-
vel publico dosla capital e do fra, o principalmen-
te aos teas numerosos tregeles o amigos, me leu-
do recebido offlciaes peritos o Irabalbando mesmo
com ellos, acha-se porlanlo habilitado a receber
qualquer concertode rejogios, fl olironniiielros dos
mais pequenos e simples, at *s mais delicados e
fliiiiiiiitosos, e promete exceutaros mesmos, com a
preslexa o solid*/. so lia provado e n^conhecido o
com pouca demora ; ns procos seriio conforme os
roncertos, mui favoraveis; assim ritmo risaaos
Sis. negoaantes que vendem relogios, o que livc-
rero poredes da relogios para alina-lns, receberA os
mesmos por proco mais conveniente do que eui nu-
tra qualquer, sondo os relogios aliados com pres-
teza o hrevidade. Aproveitandoaoccaso avisoaos
Srs. que. teuliam relogios concertados em sua casa
desde milito lempo, tenbam a lutndade di- os virein
buscar al o 1" de marco prximo viudouro, valo
que dopois desle dia marcado Dio responde mais
por ellos.
C. Valter, rclnjncirn no aterro da Boa-Vista n. 1fi,
acha-se obrigado a avisar ao respeilavel publico, e
principalmente aos seos freguezes, que a sua loja
acha-se todos os dias olis aborta das 7 da manhaa
al as6 1/2 da larde, e quando a porta vidracadada
sua casase aelia fechada, porque a pnoira gigan-
tica desta sua rna iianadmitle aporta iberia.
GABINETE PORTUGUEZ
DE
LEITURA.
A directora do Gabinete Porliiguez|de Leilura,
usando da faculdade que llie ceiicedom os estatu-
tos un 8 6 do art. 46, e tendona devida considera-
cao as regalas dos socios, resolveu em sesso de
14 do correle adoptar a seguinte disposico, que
prncipiarl a ter vigor no dia 1." de marco do cr-
lenlo auno :
1." Os accionistas que ultrapassareni o lempo
marcado para ler qualquer livrn, lerio a suspens.io
da leitura exlerna por tantos dias quanlos tivcrcm
excedido o prazo determinado.
Secretaria" do Gabinete em 15 de fevoreiro de
1859,-0 2." secretario,
Jos F. Bar role.
Em casa de BVender a Brandis &
C, ra do Trapiche Novon 16, vendem-
se charutos da Baha da afamada marca
M)VOEST\BELECniE\TO
Na rna dn Rangel n. 48,casa pintada de cimento com urna grade de forro na porta da ra,
abrin-sc.iim novo atmazem, onde os freguezes adiarn todas as qualidades di' o.pililos, como sejain
vinhos de todas as qualidades, licoressuperioies e ordinarios, agurdente de cana, alcool do 36 a 40
graos, e multas nutras qualidades de bellidas ludo por preen mai- barato dn que em oulra qualquer par-
te, o que se torna til econmico para os Sis. cheles di'familia.
Dominga 20 s5 horasds manhaa lamben haveraconibrtawl mi de vacca, Cesta a moda de
Lisboa, para as pessoas que enrommendaram-na com antecedencia na sexta-feira, visto como nao sendo
ii eatabclecimenlo afrueuezado anda solaz miater este aviso, aflm de o proprietario nao fa/.or despezas
inuteis. lias 5 al as 9 da imiie, haver para refrigerio da HKl.l.A BAPAZlADA, o delicioso soneto da
melaor finia que sepuderobter.
Tambem so est preparando una sala para banhoa, que dopois que se adiar prompta que ser
annuncado.
Finalmente o propriotaria dcsto nt estabelecimcnto espera agora dar ao publico no quc'estiver
em suas fnreas, esperando dn mesmoa sua oonoiirronoia. visto que lem em vistas servir bem.
o proco dos vinhos o segninl : do mais baixo a 22240 a ranada, 320 a garrafa; dito brauco
3gr>()0 a caada, 500 rs. a garrafa : dito linio dn mellmr a 2jWl a ciliada, (00 rs. a garrafa ; dito molhor
a 2.S a caada, i II rs. a garrafa ; dito mais lino a SgQO a caada, ihfl a garrafa ; dito superliiio a S a ra-
nada,640 rs. tgarrafa,eoutros muitosdemelhorc dilTerenles igualidadosque coma vista nao so deixa-
r do a/er negocio.
Caixeiro.
forma de Havana, primeira qualidade ;
genebra em fratqueiras especial para casa
de particulares.
OSr. the
que te acha
ureiro manda fazer publico
a venda todos os dias dat 9
horas da manhaa at 8 da noite, no pavi-
mento terre da casa da ra da Aurora n.
26 e as casas commissionadas pelo mesmo
Senhor thetoureiro na praca da Inde-
pendencia numero 22 e na ra Direita
n. 83, ate as 6 horas da tarde, so mente os
A pessoa que precisar de um ptimo forneiro que bilhetet e meios da quarta parte da oi-
sabe oecupar seu lugar dirija-se ao paleo da ri boira
deposito a. 15, para tratar.
Casa de commisso de es-
(tavos na ra larga do
Rosario n. 22, segundo
odar.
Nesta casa recebem-se escravos para serem ven-
didos por commisso por cunta de seus senhors,
allanca-se o bom Iratamenhi e a prompta venda,
alim de os donas nao soltrerem empate com a ven-
da dos mesmos; nesta mesma casa ha sempre para
vender eseraros para engenho, moloques c negras.
Na ra do Trapiche n. 17, precisa-se de um
criado, eaeravo.
O deposito do gelo estar aberlo todos os dias
das 9 horas da manhaa s 5 da tarde, assim como
declara-se as pessoas que mandarem comprar gelo,
que venham com dinheiro trocado.
Jos Dias Brandao tem para vender charutos
em porcio dos mais afamados fabricantes : na Liu-
ola n. 5, assim como tabaco simonle em latas de
B libras e ludo por preces commodos por serem
vindos de conta propna.
Casa para alugar.
Nao se tendo veriticado o arrendamento da casa
n. 161 da ra Imperial, com 2 grandes salas, 5
quartos, eozinha fra e extenso quintal, contina a
mesma em disponibilidade para alugar-se pela quan-
tuV'de Og mensaes : na ra Direila n. 45, loja.
Na fundiro da Aurora, em Santo Amaro, pre-
cisa-se de olficaes peritas de carpiua.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife a Sao Francisco.
George Furness, empreiteiro
14MOOf ale Krtll..a...
Tendo oSr. tiwlhermc Miguel Pennton
engenheiro em chefe da eompanhia da
estrada, de ferro exigido do empreiteiro
o emprego de dout mil obreirot as obrat
da tegunda seceo, tendo
1,700 trabalbadoret.
300 mechanicot e outros.
Isto para o dia 20 de fevereiro de 1859,
ou antes e desojando o dito empreiteiro
satist'azer esta exigencia e achando que
pelos meiot ordinario! nenhuma etperan-
ca pode ter de ter bem succedido, ofTe-
rece o premio cima de 10 con tos de veis
a qualquer pessoa que cumpra as segnin-
tet :
CoattUefos;
Trazer para as obras da tegunda sec-
cSo para terem empregados at o dia 20
de fevereiro de 1859 ou antes 1,000 tra-
balhadores e 200 mechaVicot ou de ou-
tros orncios e emprego, contervar ot dis
tot trabalhadores e mechanicot e outro-
como cima dito ou um numero iguals
constantemente empregados nat obra,
da tegunda iecc3oda dita estrada de ier-
ro por um periodo de 4 mezet.
Os trabalhadores serto pagos a razao
de 1,280 ii. diarios, o mechanicot e ou-
t>*ot receberSo de 2 a 4$ por dia confor-
me sea merecimento.
N. B. Qualquer horaem que esteja
actualmente trabalbdndo na dita estrada
de ferro tera' considerado nem agora
nem para o futuro, como um homem
trazido at obrat na conformidade dette
contrato.
O pretendentot devem dirigirle pet-
soal mente a
lohn Bayliss,
Agente por parte do empreiteiro.
Uting de Cima 51 de Janeiro de 1859.
tava loteria da matriz da Boa-Vista cu-
jas rodas deverao andar impreterivel-
men te no dia 26 do correte mez.
Thesouraria dat loteras 16 de fevereiro
de 1859.O eterivo. J. M. da Cruz.
Da-te 1:400j( a juros por tempo de
um anno, sob hypotheca em bens de
raz livies e desembarazadas : na ra
Direita loja de cera se dir quem da' ou
no pateo do Paraizo n. 10.
O tintureiro do aterro da Boa-Dista ting* com
perfeicao de todas as coros o mais barato do que em
qualquer nutra parle.
Seguros martimos.
A eompanhia (ndemnitadora queren-
do corresponder ao benvolo acolhimen-
to que tem recebido do commercio desta
praca, acaba de retormar at condicoet de
seus segurot. A eompanhia paga at ava-
rias grossas em sua totalidade. O preqo
daapolice ficareduzidoa 500 rs. paraos
seguros de 2:000$ para baixo, e para ci-
ma dessa quantia a Ig.
Aluga-se um silio na estrada do Rosarinho,
com casa de pedra e cal, e com commodos para
grande familia, estribara para dous cavallos e bas-
tantes arvoredosde fruclns : quem pretender diri-
ja-se n praca da Boa-Visla n. 12.
Jos dos Sanios Cecilio, retira-se para Por-
tugal.
Irmandadc de S. Jos da Agona.
O secretara da irmandade de S. Jos da Agonia,
por ordem da mesa regedora, convida aos seus mui-
to dignos irinos cx-mesarios, para que compare-
cam no consistorio da mesma irmandade domingo
20 do correntfl pelas 11 horas da manhaa, para reu-
nan de una inesa ronjuucta, alim de se tratar de
negocios tendentes a bem da irmandade.
Erd.P. V'ilson Jnior, subdito britannico vai
para a Europa pela Baha, com sua senhora, um l-
Iho menor e urna criada.
Na ra d(a Cadeia do Becife primeiro andar n.
28, ha urna cama e una encommenda paja a Illin.a
Sra. D. alaria Amelia Coclho Leite.
Precisa-se de um amassader entendido de sua
orcupaco : 114 padariajda ra das Cra/es n. 30.
MUS Maiinol Bodrigues Valonea, partidor in-
terino do jni/u docivel nesta cidade do Becife, avi-
sa aos senliures escrives respectivos e mais pes-
soas do fro, oue pode ser procurado para odescni-
Senho destas tunccfies todos os dias das 9 horas as
tarde : na na do Crespo n. 19 1. andar.
'Alugam-se dous armazens, um com frente pa-
ra a na da Moeda, e outro para o largo da Assem-
bla, com porto de embarque : a fallar na rna da
Moeda n. 3, primeiro andar.
COMPANHIA
(JOLLEGIO S. JOAO
ESTRADA DA VICTORIA.
ANTIGO PALACETE DE CERQUEIRA LIMA.)
Direetolr o Dr. Francisco P. de Almeida Sebrao.
O director avisa aos senhors pais de familias, e mais pessoas inleressadas, que no dia
3 de fevereiro abrem-se as aulas de primeiras letras, lalim francez, ingle/..
Sendo por deniais couhecidos os ptimos commodos, o muitos arrnnjos, que olerecc
esta casa para nin estabelecimento de ednoai ao, o aprazivel do sitio, e sua posicao sadia e
retirada, limiln-iso apenas o director reclilirar o que ja tantas vezes tem repetido, e niio pou-
par sacrificios i desvelos para elevar seu collegio aquello grao de pereican, que merece
um inslitiido deste genern.
O director aproveila esla ocrasin para de publico, mais tuna vez agradecer a todos
seus amigos e a feicoados, que lem recommendado o seu estabelecimento, assim comii aos
seus Ilustrados irofessnres os cuidados e zelos to .impamente prodigalisados aos alim mos
que Ibes foram ( nnfiados. laTlo como est o director na roiilinnacao de seus esforcos pni-
ina-se a recom endar sen rollegin aos pais de familias, rogando-Ibes e as mais pessoas in-
teressad.is, que: e dignem visila-lo para o que ettao sempre franqueadas as portas.
O director lempre solicito em promover a educacio de seus alunms podo este anno,
mandando controlar na Kurona, conseguir um hbil professor de exercicios gymnaslicos o
Sr. Fredriche 7,i udler, exercicios estes que lauto sorvem para o desenvolvimenlo phvsico
dos aluiniuis, lo nando-os mais fortes e robustos, e assim poder realisa' a bem conliecida
mxima
IfnMSSHM 111 enrporesano.
As aulas di sciencias ahrir-se-hao no 1' de marco.
Hatera de ensiiio.
Primeiras elras.
I.aiim frai ees, inglez.
Arilhmetic a, algebra e genmelra.
Bhetorica loelica e anaiyse dos classicos.
Philosnphi 1 racional e moral.
lleographi i, historia e chronologin.
Msica, di usa, desenlio, tarhygraphin, contabilidaderommercial, italiana, gymnaslica,
esgrima : haver i ainda um curso elementar de historia natural, comprehendendo elementos
de chiinica e ph sica c principios geraes de anatoma geral e discripliva.
l'rofessores, *
Melchiadejs Antonio Ribeiro duimaraes.
Dalmacin Joio Chaves, c Salnstiann da Silva Cajueiro.
Dr. Finnilin Pacitlco Duarte (iainoleira.
OlymnioJFiuza Muniz Brrelo.
Joo da Veiga Murici.
Dr. Pedn Antonia de Oliven** Bolclho.
Dr. Auto lio Franco da Cosa Moirclles.
Izidrn J( s de Mattos, professor do lyceu.
Dr. Vice lie Ferreira de Magalhaes, professor da faculdade de medicina.
Dr. Fran usen Rodrigues da Silva, dem, idem.
J)r Alex indre Jos deQueiroz, dem, idem.
Dr. Frai cisco Bodrigues Nunes.
Padre njeslre Ivo Jos Ferreira.
Julio M.jrquolon.
Fredrirne Zuudlcr.
"Condieoex de entrada.
Pelo anno lectivo em tres pagamentos adianlados :
Os porcionistps pagariio.........
A loja n. .{5 da ra Direita precisa de um cai-
xeiro do qualquer naciniialidado, com pralica ou
someta, eom tanto que lenha de 12 a loannus,
saiba loro escrever, soja activo e vigilante.
Nos abaixo assignados declaramos que anii-
gavelmonie dissnlvcmos .1 sociedade que linhamos
na Inja de tazendas n. 2;1 da rna do Queimado,com
a Urina Amorim < Costa, Orando o socio Cosa com
a mesma loja, que contina a gyrar somente com
sua lirina, o elle obrigado polo activo e panaivo, c
a liquidacao da extincta lirma ; para que conste
[atemos o prsenle. Recite 1* de fevereiro de
1HT)9.Jtisi-Jott'/uiii Barbuda \morim, Prometeo
Ptreira da l'osla.
OSr. que pretender comprar o terreno que o
Hospital Porluguez faz leilao, nao tem o [ando que
elle di/, porqu.....ouipriniento linda na direceo
do mura que Dea o gasea cerca que tem pela parle
do ste, e deulro da dita cerca Rea a ra que est
projeotada, que lia de pastar pelo dilo lerieno.
Ao publico.
*g D. Thereza Aloxandiina de Souza Ban- '4*
^jj deira den principio aos seus ensiuos do [J
*$ primeiras letras e grammatica, c continua i [,-
**H a reeeber discipulas. A iiiesma senhora *
X& ensilla burilados de varias qoalidailes en- ^[^
^$ mu de ouro, seda e varias oulras galante- .*
!} ras de la, cumn lloros, taplos ole. Se al- fc|.
"H^ gera quizer servir-te de seu presumo di- S-i
J| rija-sea ruados Quarteis n. 11, segunda gj
X andar. L
-W">Tf'T""? *~*"""t"""f >>'?>??*")'%*
Precisa-s.i de nina ama de leite forra ou cap-
tiva, bstanle sadia, e que de boas informal -oes a
sen respailo : no escriplorio da via forrea, ra do
Crespo 11. 2, se dir quem quer.
Precisa-sede um amassador : na ra da Sou-
zala Villin 11. 91.
Jos Jnaquim Goncalves Haslos. liquidatario
da extineta tirina social de Bastos \ Carvatho, faz
publico a quem convior e particularmente ao corpo
du commercio, que o passiVO da referida lirma
tcha-ae liquidada, e se alguem ha que se fulgue
orednr, rpieira apreseular seos tilulns no prn/n de
ludias, na luja da rna doQuiemado n. Mi.
^ No Diiirit) de Veniambaea de boje, vejo o agrav
deeinienlo que da u Sr. Jns Joaquim da Cosa Ma-
inel ex-lhesoiireiro da ordem lerceira do Carino a
lodosos irinos, que com ello servirn! particular-
mente ao actual prior ; vista poisrelribuo ao Sr.
Mariel OS nious ogradecimenlns assogiirandu-lho
3 ue o ineu apoio e coadjuvaio extensivo a lo-
os o:
ASSOCIACO POPULAR
DE
Soccoitos Mutuos.
Amaulia ^) em sesso magna, ser inslallado
solemnemente o conselho administrativo desta \s-
sociaco, no palacete da ra da Praia. Os senhors
socios ctfceliuis sao convidados a comparecers 11
horas da manhaa.
.1. ./. Themoleo.
1." societario.
Parlieipa-so ao respeilavel publico que torno-
.....se comidas 'um acoio o prosleza, e se onaarrega
do lavar o eiigommar : na mesma precisa-se alagar
una boa coziulieira o urna engommadeira, prefe-
i'iuiln >o captiva : na rna do Atalho, casa nova jun-
io dn Sr. Baslns.
Para I vrar de ques-
tes.
lgnora-se se he foroiro ou proprio o solo da casa
terrea sita no rea] dn Porte das Cinco Ponas n. 49,
o qual fo do tinado Flix Snares do C.arvallin, o so
alguem sejulgar com djreiu ao foro do dito solo,
appareca no pateo do Teo n. :12. munido dos oun-
potoiiles documentos para receber o quanto a uies-
ma casa eslivor devendo.
rn ASA lt3U-JilA JiJSI,
2, (oldcit Sqoai'P, Londres.
os irmaos de mesa alim de que tctihaiu a pre-
cisaforca moral para bem puntualmente cumprireni
seus deveres e evitar que appareca qualquer abuso
que resolte o meo comprometimiento.
Marcelino Antonio Pereira.
Becife 16 de fevereiro de 1859.
No da lid.1 correte ausenlou-se de casa a
escraza Bita, com idade de 30 annos pomo mais ou
menos, crioula, estatura regular, cor fula, ps gran-
des e malfeilos, levando dous vestidos no corpo
sendo um de chita e outro de cassa azul desbolado,
e com panno preto, esla prela foi escrava do Dr.
Sele engenheiro : qneni da mesma souber dirija-se
ao forte do Mallos n. 10.
Fredericn Chavea alaga sua casa de campo,
sita no Poco da Pauella, com muito bous enmmodos
para familia, leudo 4 salas 7 quartos, eozinha fra,
casa para criados, cocheira, estribara liara l caval-
los, boa cacimba, jardim e horta aos lados da casa :
as pessoas que a pretenderen!, podero so dirigir
i mesma casa, 011 noaten'oda Boa-Vista 11.17
Jos Alvos da Silva tjiiimares, aehandii-se 0111
liquidacao de seus negocios, roga por favor sos seus
devedores.lhe mandem pagar seus dbitos,assim co-
mo aquellos senhors que leem ainda Ipenhoresem
seu poder os venham tirar.poiso mesmo lem de reli-
rar-se desta provincia, e por conseguinte tem de en-
tregar ao seu procurador a conta daquelles que dei-
xarem de satisfazer, e para evitar queixas, faz o pre-
sente aviso.
Festa de Nossa Senhora da
Conceu> na igreja do S
Pantaleao no Monteiro.
Regent Street.
J. C. Ol.IVKlBATend, augmentado, eom lo-
mar a casa contigua, amidas e exceHontas aeenin-
modacoes para muito maior numero de hospede
di1 novo se recommenda ao favor e lembrama dos
seus amigos e dos senhors viajantes que visitem
esta capital: contina a prestar-Ibes seus trricos
o bous otlicios, guiaudo-os em Indas as omisas que
precisen) conhecunento praiico do paiz, etc. Alem
dn porluguez edo inglez falla-si- na casa o hospa-
nhol e franco/.
Joo Francisco Xavier Paes Barrlo, nao pu-
dendo despedir-so particularmente de cada um do
seus amigos pola rapidez de sua viagem, o faz pelo
presente, aaengurandeIhes a minha amizade, o
pondo sua dispusien ns seus sirvios onde quer
que se ache. Approveita o ensejo para cordialinen-
le agradecer a lodos quanlos o visilaram e loniaraiu
parle nos soffrimentos que a si e sua familia ferio o
iiconlecinieiilo de 8 do conrete, e oll'erecendo-lhcs
igualmente o sen mesquinho presumo, na Babia
ou nhi qualquer oulra parle.
Joo Francisco Xavier Paes Brrelo, tendo de re-
lirar-se para fra da provincia, deixa encarregados
de lodos os seos negocios aos Srs. Drs. Domingos
de Souza l.eao, l.uiz de Carvalho Paes'de Andrade,
o Antonio Fraiicisen Xavier Paes Brrelo.
O110111 precisar alugar nina escrava crioula,
com 18 a 19 anuos do idade, de bom oomportaiuon-
to e llol, procure na ra da Boda 11. 25, que ahi ve-
r e ajustar ; advertindo-se que pode servir para
casaal para compras na ra, por ser bastante intel-
ligente.
Deposito da ra da Gruz
H. 17
Ha 11111 grande sortunento de diversos gneros
estrangeiros o nacionaes. por proins razoaveis,
presuiilus de lianibre, nevos clu pidos, farinba de
liiilhu, carne do porco salgada, carne de vacca sal-
gaila. conservas de carne ejpeue novas, cnegadas
pelos ltimos navios da Europa, lagoslas novas
em conservas, cavaltinhas outros muitos diversos
peixes estrangeiros.
\ eiidc-sc jwppl para Pinlirullio, a
;($20U a arroha; na livreria da prara da
liidppendeiu-ia n." ti o s so dir quem
>endp.
Vende-se nina escrava propria para o servico
do malo, cnin milita sado e bom ponante : 11.1 en-
trada da ra dn Sobo 11. 5.
Vende-se um .avallo com lodosos andares,
ardigo epaasarinheiro : na roa Augusta n. 46.
Calcado karatissimo.
A Inja n. 45 da roa Direita relarha borzeguins
ranoezos de lustre para homein a 8800, obra fres-
ea o sem deeilii, sapalns (le'lrancinha a I961KI.
J. Falque recebeu pelo nllimo navio francez
borzeguins de sotim branco e de cores, assim como
de duiaquepreto e de cor com gaspea o sem ella
para soiilioras : na ra do Crespo' u. 4.
Vende-se. bolacha quebrada de muilo boa fari-
nba, em libra, por preco commodo : na rna da Sen-
zala Velhan.91.
Na ra de Sania Bita .11. 3C, se dir quem ven
do nina linda negrinha de 1:1 anuos, com principio
to costura e eiigommado, sendo que j cn/.iuUa mui-
lo bom.
No atorro da Boa-Visla, taberna n. 34, ven-
dom-se rebolas a 1 o cenlo, superior qualidade.
Vendo-so os bom couhecidos potes de un-
gncnlopara malar ralos e baratas rpidamente : na
ra da Sen/ala Velha taberna da esquina do becco
dos Portos,
Vendem-se 2 mulatas prendadas, 1 negra pa-
ra servico de campo, 1 molecole de muito bonita
ligiira, de idade de 12 anuos, 1 preto marrineiro,
1 dito ferroiro e 1 preto para lodo servico : no pateo
de S. Pedro 11. 6.
Vende-se una nmlaliuha peca, milito supe-
rior, e jA engomma soffrivel: na ra da Conceicao,
casa n. 4.
Oculos de alcance.
Veu.lem-se tres oculos de alcance, novos e de
muito bous vidros, sendo um grande por 30J e
diius menores a 20$ : na ruado Qucimado, loja de
miudezas da aguia branca n. 16.
Veiidciu-sc tres escravos, sendo um mulato
de bonita figura e moco, queda l,s"600 pordia, una
dita com cria e com agumas habilidades, e una
negra propria para o servico de campo : a tratar na
roa Direila n. 121. Vendem-se os ditos escravos
com algum prazo,
As melliores bolachinhas de araru-
se vendem
ta, vindas do Rio de Janeiro,
no caes da slandega armazem do Sr-
Paula Lopes ou na ra do Vigario n. 7.
800 rs* a vara.
Fil de linho com 2 1 2 varas de largura
^) proprio para cortinados e lmbelo para i
o vestidos: se vende na loja da roa do Quei
S mado 11.IO de. Leite i Correia.
Vende-se una purcao de esleirs ao Aracaty,
a relalho oscolhidasa vontade do comprador e o
mais barato possivel: na ra do Arago u. 16.
Escriplorio de advocada
O Dr. Antonio Burgos da Fonseca abrir seu es-
criptorio di' advocarla por lodo eslemezna rna do
Collegio casa onde lem seu escriplorio o Sr. Dr.
Drumond, sala em frente ao caos.
Condecido na provincia como advogado, e as
provincias das Alagoas, Paralaba, llio tirando dn
Norte e Cear, conta rom seus amigos como sempre.
No exi'i'oiiio da prolisso desdo 1835 saliera to-
dos que nunca as lulas polticos intluiram nos seus
actos como advogado ; o son respeiio aos diroitns
de lodos nunca permitO que se dosviasse dos devi--
res da nobre prolisso a que se. dedicara, e que con-
tinuar a respeilar coma inlegridadc do seu rarae-
ter nunca contestado mesmo as mais intentes lo-
teada poltica pessoal, que desdo o comocoarruina
este bello Brasil.
Ouem quizer encarrogar-se da cobranca de
nina divida, que com os juros ja monta em seis ron-
tos de ris, estando ellaj litigada em grao de exe-
ciico e penhorados alguns bens, que nao chegam
para seu pagamento ; mas cujo contrllenlo, que
morador dislante dosla praca 14 leguas, lem outros
com sufliciencia para salda-la: dirija-se a eslrada
No saliliado l!l do correle as 9 horas da noite se i do Bosarinho sitio fronteiro a capella, com a garan-
levanlara bandeira da mide Dos, que ser con- lia do estylo para contratar.
duzida por um coro de meninas e percorrendo
100 sebolas por 1$, saceos de
feijao preto a 12$ muito novo,
sarcos de farinha de mandioca
i <># muito nova, e oulros mui-
tos gneros que s com a vista
do comprador: no armazem de
ManoelJoaquim de Oliveira &
C, ruado Codonis n. 16 em
frente do becco da Madre de
Dos.
Os meios pe
Os extfl
Primeiras le
I.alini.
Oulra qnalqier aula.
Osali
nriouislas........ .
rnos pagaro mensalmente, em quarleis adianlados
ras.............
360n00
180JOO0
. 4S0D0
. 58000,
. 6S000
nios pagarao em separado todas aquellas materias que nao forem preparatorios
para as acac emias do imperio.
O coll igio dar o necessario para as aulas como globos, mappas de parede, desenlies,
etc., devenc o os pais dar os livros para os differentes esludos.
Km ein de molestias os pais, correspondentes ou lutores serio inmediatamente avi-
sados, podi ndo o alumno ser tratado no collegio ; para o que ha unta sala especial, com lo-
dos os com nodos.
F.' pn hibida a entrada no collegio a pessoa que sofrer de molestia contagiosa.
O din cor dar uina relacao dos objectos indispensaveis que deve trazer nm pnrrionis-
ta, pedindi desde j que as camas sejam de ferro o pelo modello das que existem no colle-
gio ; lodos )s mais objectos do uso individual devem ler igualmente um modello ; tudo isso
rene a mi tor economa, maior aceto e regularidade.
O po cionista que pagar na necasio da entrada a quantia de 25J000 ter direito
ao uso Ja 'ama, colches, Iravesseiros, hacas, lavatorios, etc., durante sua estada no col-
legio.
No fl n do anuo lectivo haver exames pblicos, para os quaes snro convidados to-
dos os inte ressados pelo resultado dos l rabal los.
Infoi maco no escriptorio do Sr. D. A. Malheus.
^
CASA DE SALDE
DOS
SITA EM SANTO AMARO.
arios da rasa de gande sila em Santo Amaro, convencido da grande ulilidade de um
desta nalureza, montado com regularidade, em una cidade j tan populosa como a
ndo fallan ainda os recursos para se Iralarom grande numero de pessoas, que em seus
podem encontrar os commodos e cuidados indispensaveis era cortas enferraidades : re-
solvern! tomar sobre si osla pesada trela, deliberados a nao se poiiparem a conga alguma que possa
concorrer para o bom andamento de to til eslabelecinienln.
Asvanlaguis que n'snllam da creaco de una casa de saude entre nos sao to sensiveis, que nao
nos cancareinf s em demonstra-las.
Todos sal em os inconimodos que qualquer doenle causa familia, que se re obrigada a preslar-lhe
cuidados, em 'asas ponen eommodas como as nossas, o com o mo son ico dos escravos.
Se nao hi uver urna vigilancia assidua : as prescripcies do medico" relativas aos medicamentoso a
Os proprii
estaboleoimonll
nossa ; mas
domicilios uao
diela nao ser i observadas. D'ahi o risco de se perder nm doenle, o qual bem tratado podia escapar
innrte.
Os estran [eiros empregados no commercio e as alucinas, e os embarcadicos longos de suas patrias
''e dos seus, s i> geralmente ciinliadns aos cuidados de pessoas pouoo zolosas, porque nada perdein com
| o man rosoli, ilu do Irataineiilo.
I Nos enginhos o nos serios he incalculavel o numero dos individuos, que sao victimas de eiifernn-
I dades ligeinu por nao lerem sido convenientemente medicados.
He para as proprietariosdos engeuhos e para ns moradores do mato, que este estabeleciniento se
(orna de imn cusa ulilidade.
Com a pi quena despeza, resaltante da conservaco por alguns dias, de um escravo na casa de saude
ellos podem i alvar-lhe a vida, e desle modo inleressareni muito.
Assim p >is. bem avahadas as vantagens de um estabelecimento desta nalureza e lendo-se em vista
ALLIANCE
Estabelecida cm Londres
MROO Df (824.
CAPITAL
Cinco mUhoes de Vibras
estertmas.
Sannders Brothers & C.'tem a honra de informar
aes Srs. negociantes, proprictarios de casas, e a
quem mais consier, que eslo plenamente autorisa-
dos pela dita conipanliia para effecluar seguros so- i o nenhum aiigmento da despeza ; porque a diaria que os proprictarios geralmente exigciii, lm
bre edificios dt lijlo e pedra, cobertos de telha e '
igualmente sbreos olijeoinsque conliverem os mes-
mos edificios, quer consista em mubilia ou cm fazen-
das de qualquer qualidade.
Irmandade de Nossa Senhora da
t Soledade.
A mesa regedora desla irmandade avisa ao res-
peilavel public, que lew para alugar um relen-
le silio, com urna nova casa de vivenda com bastan-
tescommodos para una grande familia c diversos
arvoredosde [rucio, capin para sustento deum ou
mais cavallos, lia Solidado, defronte do palacio do
F.xm. Sr bispodiocesano, aonde osprelendentes de
verao dirigir-se para verificar, e as suas propostas
a esta irmandade, que para esse fim se reunir a
mesa no domingo X do correte s 9 horas da ma
nhaa no consistorio da mesma irmandade na igreja
de de N. S. da Soledad.-. Becife 16 de fevereiro de
1859.Jos Anlunes Guimaraes, escrivao interino.
meninas e percorrendo os
lugares do costunie acompauhada de uina das me-
lliores msicas militares ser colloeada no respocli-
vo lugar, subindo toar dous bales de gosto espe-
cial ; no dia seguinte haver urna pomposa festa e
Te-Deum. e de esperar que as msicas facam real-
car a fesla com novas e variadas pecas ; findo o
Te-Deum haver um bonilo fogo artificial preparado
por um dos bous artistas.
Perdeu-se no dia lerca-feira 16 do correte
desde a na da Cadeia at o Forte do Matos, nina
carleira contendo 3 lettras do Bio de Janeiro sendo:
2 firmadas por Antonia Jos Alves Sonto, a pri-
meira de 1:300$ e a segunda de150g; oulra firma-
da por Montenegro & Lima da quantia de 1008, In-
das a ordem de Jos Pereira, contra-mestre da bar-
ca nacional Amizade, alem de cento e tantos mil
ris em cdulas e outros papis: quem as tiver
achado querendo restituir as lettras ser gratificado
cora o dinheiro que a carleira continha : na ra da
Cadeia do Becife armazem n. 4.
Na ra da Paz
(oulr'ora Cano) casa de marcineiria, faz-se toda a
sorte de comidas para fra. sondo os precoa ns se-
guimos : jantar ordinario por mes 20g ; almoon e
jamar 25j: almoco, jantar e ceia 30$ ; sendo com
decencia 35$ ; assegura-se o acoio o perfeicao nos
guisados.
l)eseja-te saber a inoradla da Ulra.a
Sr." D. Antonia Correia de Lacerda, pa-
ra cora ella ou quem a represente te tra-
tar negocio de nteresse : no armazem
de assucar, ruado Vigario n. 7.
Grammatica nacional em lersn,
Nao me sendo possivel obter mais que tres exem-
plares em Lisboa, resto da i.' edicao desta excellen"
te obra, edosejando propaga-la para progresso da
inatrueco primaria, julguei que o melhor meio era
publica-la em forma defnllieliin, para que todas as
pessoas interessadas na inslruccao, podessem apro-
\ eiiar urna obra dedicada a S. M. a Imperalriz l)u-
queza de Braganca, e que merecen a honra de ser
apprnvada pelo ciinselho superior da inslruccao pu-
blica, e aplicada a todas as escolas de primeiras le-
tras dn reino de Portugal. Danto a mira estou pago
com o adianlamento que observo nos meus alum-
nos ; mas o proprietario do peridico A Ordem
que gratuitamente se comproinelteu a vulgarisar,
bem merece da patria.
Francisco de Freitat Gamboa.
CASA DE SAUDE.
Compras.
A saboaria da ra Impe-
rial compra sebo em rama
a 9$ a arroba a dinheiro
vista: a tratar com o seu
administrador.
NOVO BANCO
111:
O Banco compra acedes da via frrea do Becife a
So Francisco.
Compra-so no armazem de materiacs, na ra
da C.ada de Santo Anlouio n. 17, chumbo reino.
Compra-se patacOes e sedulit de 5$
em bom ettado ; na ra da Cadeia loja
de cpmbmn. 5H.
.Na ma do Collegio n. 9, compra-sc um cylin-
dro para padaria, em bom estado.
Compram-se oncas hespanholas: na ruada
Cruz n. 45, primeiro andar.
Compra-sc um boi que soja bom para andar
com urna crnica, e juntamente se compra una
carraca que esteja em bom usn : n.i taberna gran-
de nn lado da Soledade, se dir quera precisa.
Conipram-se diarios velhos a 100 rs. a libra :
na praca da ludcpendanca n. 3.
CARRO AMERICANO
55 Aterro da Boa-Vista. 55
lima pessoa que retira-se para a F.uropa vende
um carro americana de4 rodase 4 assentns quasi
novo, com os arre ios e cavallo proprio de carro ;
rende tambem jnuto ou separado 4 rodas america-
nas com as competentes pontas de eixo c huchas
todas novas.
No deposita do gelo, na na da Senzala, ven-
dem-se lian iquinlias com macas muito em conta.
V)00 aauza.
Meias de fio da Escocia, de cores, se ven-
dem na loja da ra do Queimado n. 10,
de Leite & Correia, (por haver grande
porro.
Grande sorlimeno
DE
Fazendas pretas para a
quaresma.
Grosdenaple preto a 1$300, lg600,1$800, 2|000,
2gi00n ciliado, dito muito superior e largo a SJMOe
2klt).i invado, sarjapreta superior a ig o covado,
dita hespanhola superior a Zf600 o covado, sarja
Hita adamascada a 2$ 100 o covado, dita muilo lar-
ga e superior em qualidade a 3(500 o covado, corles
de sedapretos adamascados a30g o crte, ditospre-
Ins eom babados a 65Socortc, ditos com babados de
velludo a 85,dtoscom 2saias bordados a velludo o
mais superior que tem viudo a Pernambuco a 150$,
d i tos m ii i to ricos a 400$, ditos com barra adamas-
cados a 65$, mantas de fil pretas a 10$ ditas
superiores a 12$, ditas de blonde a 16$, pannos pre-
tos de 2$. 2$8O0. 3$500, 4$. 5, 6, 7, 8, 9, 10 e 12$.
casemiras pretas de 1$400 o covado, ditas a 1$800,
2g, 2$5(X>, 3$, 3g500, u muito superior a 4$, mante-
letes pretos bordados, visitas pretas bordadas, e
mitras umitas fazendas de bom gosto, por precos
mais commodos do que em outra qualquer parto :
na loja do sobrado amarello, nos quatro cantos da
rus do Oueimado u. 29,de Josa Moreira Lopes.
Vendas.
Novidade no
mercado.
i -".-

que a paga da simples visita medica feita em qualquer rasa particular : ot propietarios esperam grande
protcicao das pessoas que esliverem as cirenmstancias de carecerem de se ulilisar de sen estabeleci-
mento, para assim tazerem face a enorme desposa que Ihes he inherente.
A oscoll a do local foi a mais acertada. He um silio de um arrebalde prximo da cidade e muito
sadio.
A casa I r>m ptimas accommodaces : e acha-se repartida de modo, que pode receber doenles de di-
versas cal he orias e sexos.
Ha qual tos fortificados para reeeherem alienados.
Os priqnotarios habilitados pela sua pralica de medicse operadores se prestam a fazer qualquer
operacao ; a nada se poupariiu pelo aceio, ordem regularidade do estabelecimento, e pelo bom trata-
monto dos e gentes.
He peri liltido a qualquer facultativo fazer recolhor a esle estabelecimento doenles confiados seus
cuidados, e illi serem por elle operados ou medicados.
Adiarii menor he de 2$500, podendo fazer-se algum ahatimento no raso de grande demorado do-
enle, e con orine a nalureza da molestia. Os doenles que quizerem Iratameulo distinclo do geral, ser.io
recebido ( ir preco mais alio conforme se ajustar.
As ope acoes sern previamente ajustadas.
As pag s serao feitas por prestacoes adiantadas de quinze em quinze dias.
Os doei tes podem ser visitado a qualquer hora do da.
Quem e quizer ulilisar desle eslabelecimenio pode dirigir-se as casas dos proprictarios, ambos mo*
radores na t la Nova : ou enlender-se com o regente no estabelecimento.
O Dr. Ignacio Firmo Xavier, proprietario da an-
tiga e acreditada casa de saude sita ao norte da es-
trada da passagem da Magdalena, entre a ponte gran-
de e a pequea do Chora-menino, o na mesma re-
sidente, lem disposlo os inelhoros cominndos para
receber qualquer pessna enferma, o ,icbaiido-se o
son cstalieleeiinento as mais agradaveis oondiees
hygienicaa; continoa a ofterocerosseas seniens.af-
aiioaiidn o mellen tratameutu o o maior zelo no
curativo das molestias. 11 mesmo dnntur, lem des-
tinado una sala para parios, cuja ulilidade be iu-
eolllestavol.
SVO F.NC.VRBF.C.xnOS M CLIS1C
Operacoes.O lllm. Sr. Jos Francisco Pinto f.ui-
maraes, rirurgiiio do Grande Hospital de Canda-
do, cuja pericia he bem conliecida.
Medien consultante.O lllm. Sr. Cnmmendador llr.
Jns Joaquim de Muraos Sarment.
Partos.O lllm. Sr. llr. Silvio Tanpiinio Villas-
lia.-.
Palhnlngia dulriiia.O proprietario do eslabeleei-
mento.
A diaria sera de 3$000 e 2$000, conforme a gravi-
dade e diiraeao da molestia.
As pessoas que quizerem um Iratamenlo distinclo,
pagarao na razao da despeza que z.erem.
Operacies, sanguesugas, conferencias serao pagas
aparte da diaria.
Para a entrada dos doenles se tratar a toda hora
do diac da noite uo cslabeleeiinonto.edas 1U lunas
as 6 da larde na ra de Hurlas n. 12, ou .no Palea
do Canon n. 9.
Passagem da Magdalena 22 de dezembro de 1858.
Dr. Ignacio Firmo Xarier.
Taberna.
Vende-se una taberna cnin pequeos fundos, si-
ta na rna de San Francisco, propria para qualquer
principiante por ser mui bem afreguezada e ter bas-
tantes cummudos : para ver o tratar ua ra Bella
n. 5.
Vende-se um cavallo acoslumado a trabalhar
em machina de padaria, grande e manso : ua ra
Direila, padaria u. 21.
*, ende-se unta escrava crioula, de 26 a 2*
anuos, SUSjOatsaadoira, costureira, e enm oulras ha-
bilidades : na ra Augusta n. 17.
Vende-se una cabra bicho, propria para criar
menino porsermuitn mansa,com duas crias, oda
garrafa moia de loile : quera precisar, dirija-se
ao Campo Grande, sitio do porto dn Cajueiro.
NEV.
Ra direita n. 31.
No hotel Adolpho o deposito de mfl.ssas, aeliari o
respeilavel publico nevo as huras da larde ; sala
grande, e duas entradas, isto he, oto da Penha.
Redes linas.
Jop Carlos Coelho da Silva, defronte da igreja
da Madre de Dos, tem Jiar vender 4 redes tinas
de dormir, viudas do Maranho pelo vapor Oya-
pock.
Clarinela.
Vendc-se ua clarinela Ce 10 chaves, com pou-
co uso, e em Imn estado : a follar na ra do Ouei-
mado n. 63.
Ao deposito de pao, em frente o becco do Rosario,
rhegaram da Europa ltimamente novas remessas
de tudo quanto diz respeiio a balaios, obras estas
fabricadas em Portugal, Franca e Hamburgo, sao
pelo presente rogadas todas as pessoas que peste
estabelecimento fizeram eucommendas de berros
volantes para crianeas de tenra idade, voadorespra
as mesmas aprender a andar, canastras grande* para
supprir os panacus, cestas para aviamentos de fa-
zer meta, ditas grandes e menores para compras
no mercado, e para mscales de miudezas, actales
conde-cas : vendem-se tambem mulhns cora 10
esleirs de angola, viudas por Lisboa, a $400 cada
um mull".
O Leite & Irmo continuara a
torrar.
Mussiiliua toda encamada, cavado 220 rs., cm-
brala lisa muilo fina a 3$80O, 4$800. 5$200 e 5J6IM
rs. a peca, de 10 jardas, briin de linho para calca
de bonitospadres a 880 i*s. a vara, cortes de Biea
casemiraa 3MQU ra.cada um, lencos de cambraia
do linho a 3gz00 o muilo Anos a 4$500 rs. a duzia,
chales de touquim pretos, ditos de merinprelos,
ditos de merino liso de todas ascoresa 4f800 rs., e
bordados a 6$800 rs., chita* francezas de coros ti-
zas a 2211. 2411,260,280 e 300 rs. o covado, madapo-
lo a 2|5x(lO, :ij200, 3$800. 4$000, 4$00. 4$800.
5$IMHI o 5$5()0rs., e muito fino a6$000rs. apera, de
20 varas, palitols de alpaca muilo finos a 6$000 rs.,
cortes de colotes de casemira a 6$000 rs., esparti-
lhospara senhora a4, 6e 8rs., e dos modernos a
9a rs., gaiaspara senhora al600 rs., bordadas a :t|
rs., e muilo superiores a 4 rs., gollinhas muilo
bem bordadas a 3950(1 rs., mangudas e camizinhas
muilo linas para senhora, cortes de cambraia do
gaz a49rs., lapides para sala al800 rs., para por-
ta de sala a 48 rs., e para cabriolet a 2J500 rs..
meias muito linas pan senhora a 2)600 rs. duzia,
ricas colchas de damasco de seda a 25c32f rs.cada
una, cortis de cassa de lindos desenhos a 2J) rs.,
boas chitas escoras o de lindos padroes a 200 r*. o
covado, meias de tudos os lmannos para menino e
menina, guardanapo* a 4) rs. a duzia, pecas de
cambraia lisa de lzjardas a 3 rs., mussulina'braii-
ca a300 rs. o cavado, toalhaspara mesa a 4 ts.,*'-
des de folha a 69 rs., e ha oulras mutas fazendas
que se vende por barato preco, e de tudo se dar
amostras.



Superiores sedas.
Vendem-so os meteoros o mais modernos corles
do seda preta de 2 saias, ditos de 3 folhas, mantele-
tes pretos e de cor, grosdonaplos de cores pretos : na
rua do Queimado n. 29, loja do sobrado amarello,
m.indaiu-se as amostras.
Pohora e cliuniko.
Vende-so por menos que em olllra qualquer par-
te : no escriplorio de,Moreira Das, no lorie do
Mallos, roa da Moeda n. S.
Salitre refinado.
Vende-so salitre refinado de superior qualidade,
n barato preso no armazem da na da Moeda
LOJA NOVA
llK
Jalali) & Gompanhia.
Neste grande esubelecimente de calcado franco/,
na ma Nova n.7. o publico achar para escomer
volitado, oinclhorsortiineiilode calcado desembar-
cado ha poneos dias, tanto para senhoras, como
para hmense meninos, o limito cm muta a vista da
qualidade.
"*" i.uariiK-oes de tilo prelo com golla e
manguito, se vendem nicamente na loja
da ra do (juemiado n. 10, de Leite & Coi-
rea.
- *
*
Sapatos de traneinha.
Fatenda superior a I, (00 o par: i
ra Direita n. 45.
Assucar refinado.
Na ruadas Lanrangeiras n. 15, vende-se assocar
, reinado pelos procos seguimos :
Pnmeira sorle c'hrislalisado 2110 rois a libra.
Primeirasorte arcado 140 ris a libra.
Segundasorte dito liil res a libra
fundido low-xow,
Una da Senzala \o>a n. V2.
Ncslo eslabelo.imerito continua a baver un com-
pleto sorunicntn de uioendas e raeias nioendas para
engenho, machinas de vapor o laixasdc forro bali-
do c coado, de todos os tamanhos para dito.
Almeida Gomes, Alves & C."
"VENDEM XO SKI ARMAZEM
RA DA CRUZ
Diario de Pernambuco. Sabbado 19 de fevereiro de 1859.

Lima & Marliiis
venden em sega Mlabetocimeutes da ma Nova ns.
< o *, friha db l'laodios, pelos seguimos procos,
a diiiheiro vista :
IG
l\
l\\
pra/.o
Unta
Hita
r i ,,i,a
lanibeni velioera a
eonveiiciouar.
216000
22SOOII
23J0O0
palos procos que se
vn~
*

CHAPEOS de fcllro surtidos, da fabrica acreditado
de .Carvallo Piulo, do Rio de Janeiro.
SARAO das fabricas do Rio de Janeiro.
VINHll de champagne de superior qualidade.
SAI.\ VS, bandeuas e Airas obras deprala.
Vende-so em rasa de Saiinders Brolbers & r..,
praca do Corno Santo, relogios do afamado fabri-
cante Iloskcll, por procos commodos, o laiiiboni
Irancellins o radeias para os iliesnios, de escolenle
goslo.
REMEDIO 1NC0IYIP AR A VL
uncoento hoi.i.owvv..
Militaros de individuos de ludas as naceos pdom
toslomiiiiharas virtudes deslo remedio ncnnipara-
''"'f pm <** "......ssario, que, pelo uso que
Hzeraru lom son corpo c memoras nteiramcnle
depois do haver ompregado innlilineiile uniros
Mos. Cada pessoa poder-ae-ha convencer
^Rrasm.'iniwlhosnspola leitura dos peridi-
cos, jaeHtas relatam todos os dias ha inuitos ali-
os; eamaior parte dolas sao lao sorprendentes
que admu-am os mdicos mais celebres, (.inanias
pessoas recobraran! com oslo soberano remedio o
uso deseos bracos e pomas, depois de tor perma-
necido longo lempo nos hospilaes, onde deviam
oflrcr a ampiilaeiio! Helias ha militas que havendo
deixado esees asylos de padecimentes, para genio
submelterem ossa ypcraio dohirosa foram mia-
das completamente, mediante o usodesso precioso
remedio. Algumas das taes pcssfns. na enfisau de
seureconheaimonlo declararan! osles resultados be-
nficos diante do lord corrcgedpr......Iros magistra-
dos, afim dentis aulentetarem sua Qrmativa.
Niiigiiem desesperara dnealado desndese ti-
vosse bastante cnnllanca para ensaiar osle remedio
constantemente, seguindo albulo lempo o tratamcii-
lo que nocessitasse a natureza do mal, eujo resulia-
dosenaprovarincoiitestavolmonle: One ludo cura
O uuKiient be util, mais partlrular-
mente nos setuinies -asos
Alporea.s.
Caimbras.
Callos.
Canceres.
'.orladuras.
flores de cabera.
das costas.
dos memoro*.
Knfermidades da cntis ero
geral.
Bitas do anus.
Krtipcuos o escorbticas.
Fstulas no abdomen.
Frialdado 011 faltado calor
as extremidades.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
Inchaces.
Inflamaco do ligado.
dabexiga.
Intlamina.ao da mastriz.
Lepra.
Malos das pernas.
dos Mitos.
do Olhos.
Mordeduras do roplis.
Picadura de mosquitos.
Palmos.
Queimadelas.
Sarna.
Supiirai-oes potrillas.
Tinha, em qualquer parlc
que Roja,
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do ligado,
das articula. ics.
\ eias torcidas ou nodadaa
as pomas
_ o nun (iri lias.
Vende-se osle ungento no eslabelecimento geral
do Londres n. 224, Slrand,* o na loja do lodos os
uoticanos droguistas e unirs pessoas encarreaadas
de sua venda em loda a America do Sul, Havanae
Hespanha.
Vende-so a 800 rs. rada borolinha, conten urna
i islracrao em portugus para o modo de fa/.er uso
doste ungento.
O deposito geral he em casa do Sr. Sotim, phar-
maooutico.na ra da Cruz n. em Pernambuco.
CATHECISMO
DOITRINA CRISTAA
(oiuposlo para o pnsino dos alumnos do
imperial instituto dos meninos cegos
rato conkoo
DR. JOaQUIR METM0 FERNNDES PINHEIRO.
vol. in-H. encuadernado, 1$000
Esta rathecismo foi adoptado pelo consolbo de
mstruccao publica da corto.
Vende-se no Rio de Janeiro, utrnmcii/e na li-
vrana do editor B. L. Garnier, ra do Ouvidor n.
o, e as principaes livrarias de Pernambuco.
Ra Nova numero 18.
M. A. Caj & C." recelieram un aortimento de
fiamizinhas com manguitos para sonlioras e meni-
nas, os lindos padrees que se poderlo encontrar
um sortimentn de caixinbas de conchas e busos
propnos para guardar joias para um presente, por
serem multo lindas e exquesitas sua factura, or
preo commodo. '
Na loja das 6 portas em frente
do Livrauenlo.
Barato para acabar eom a Ik m resto
de fu/mi il:is.
i ceas de cacas de cores com 33 covodos a 69000.
Z\?. 3, m rPS' rc-** dc : rovodoT,.
btanlo larga a ;)jfKI0. covodos a 160, corles de
$, Jom ". ?rados I*, lencos de renos a
MWreis, camisinhas com gollinhas para seul.ora a
2WJU0, mussulliiia encarnada e branca a !12t> o co-
vodo. cortes dlasde quadros e fazendas bstan-
le largas a D9OOO, laazinha lina para vestido a 400
o covodo. pecas de bretanha de rolo a 2J000, len-
Sos ae seda encarnados e bramos a 800 rs. n-so
hnr.i J8 con! .P'nnoros; 'ja esta aborta das
horas da manhaa as 9 da imite.
U>oat, tirina e brtnz<)es.
Cobree metal.para forro com
pregoi.
Oleodelinhaca.
Barrilha.
Vinhot fino de Motelle e Joan-
nuberg e*pumoo, e de Bordeux
em quartolai.
_C. i. ASTLEY4 C.
,ros^.Tden"*6 4ns esc"** mulatas de 13 c 17
ATTEMAO.

Casa i de commisses de es-
cravos na ra do Livra-
menlo n. 4.
V'endem4se doaa mualas, de idade de 20 i.......s,
de bonitas ligaras, sabendo engommar com perfei-
';"' co/mliar. o una negra crioola da mesina ida-
de, au i,m|,is as habilidades. Na msala casa se
recete para vender de c.......lissao, inTercendo M i
liom lialamoiilo ea prumpl.i venda.
\ in.li-se um cabrioiol do duas rodas, dosco-
'"'ll" ''......arrciosem moiio bomestado, por uro)
:>' c-oiuniodo : no alono da Boa-Vista, para vera
Iralar non Miguel Souger.

hissel, reloioeiru franco/, \ende relogios de
oiirn e piala,.eoncerla rolo-ios. joias o uiiisi- -.
cas, ja aqu be ennbeeido lia mnilos anuos
balla no pateo do Hospital u. 17.
>-* MAS~ .....
Ncndo-se superior linlia clr algodo, liranoe- o
de cures, em DTCllo, pala fosloia : 011, casa do
vmlhalL, Mellotie., ra .lo Turros n. :l.s
.Veiide-afftBCtivaiiienle farollo do Lisboa lias
Cinco Ponas b63, por menos .loque em onlra
qualqiler par-
Vinho Bordeaux.
Km casa de Henr Bruno A C, ra da i.rn/. n. 10,
vende-se vinho Bordeaux de dinorenles quaiidados
como l-afolle, Ch, Leovillo, l.s. Jolicen, em caixa
do urnaduziapor barato proco.
Cognac.
Cognac superior em caixasde moa du/ia, vendo-
so em casa de Henr Bruuii \ C, r na da Cruz n 10
Ra da Snzala Nova n. 42.
\ onde-se em casa de S. P. Jonhstoii & C. vaque-
las do lustro para carros. sellin> e siiOea inglen-s
i andeeirus casi ira.-s bronzeadOS, lonas Ulglezas,
bode wla, chicle para carros, e montara, arreio
para carro do um e dous cavallos, e relogios domo
patenta ingle/os.
Assucar refinado.
Ro pateo da aldz da Boa-Vista n. 20, eonfrnnle
0 chafan/, vende-ab assucar retinado pelos precos
a MQ reis a libra.
a lid ..
a 120
- No arma/om n. 6 da ra da Madre do lieos
no deposito da roa da Cruz do Rocife n. :I2, veu-
.i.-so assucar refinado em barricas de arroba e meia
tros arrobas, sois o |oeia, oslo prourio para embar-
que, por ser preparado com clara d'nro, sondo a ar-
roba dode primeiraqualidade IS800,,- .le soirun-
da a Isllill. I
. Aviso.
No armazem de Adaius.m, ll..wic,A C.rua do Tra-
picho n. (2, voudo-so selliiis pm-a houiem o senhora
arreos plateados p-.,ra cabriolis, chicles pai.i co-
ro, collonas para caalio, etc.
Cimento romano.
Vendo-so nos arma/cus de tndrade \ Kampello
roa da Madre de lieos n. 1S, o (lu largo da \sseihl
junio ao Irapiohedoalgodiio.
CARROS.
(. Adolphe Bourgeois,
vp RA NOVA N. 61,
vendo carros novM e mudemos de ( ssenli
quenos o grandes, dos melhoros fabrica.....s de
o ..orosrom pouco uso, lirreiosnovos cabrio
cobertaasem ella, parrillas de .avallo para
bous cavallas para cabrioiol, ludo por preen
modo.
.)"> Aterro da Boa-Vista
Casa re F.Poiricr.
segoinlos:
Primeira sorle rhrsilalisad
arcado
Segunda c .<
is pe-
Paris
le d.
corro
com-
55
\ onde-se laboas do pinlm de resina de 1 1 (el
1 2 pullogadas de groaSlira, por proco imiilu ra-
zoavel.
Ultima moda do Paris.
Chales de merino seiim. bordados a sida, com mi
H/. de ouro : na ra do "mimado n. 21 A.
Arkwriirlu Tuekisa & C." lom para vender no
sen armazem da ruada Cruz n.lil o seguale mi
commodo proco: '
ltiscoilnselii l|,|S.
Fio de vol...
XAROPE
ro transferido o deposito deslo xarope para a
botica de Jos da l ni/. Sanios, na roa Nova numero
*1: garrafas 5J50T o .....os :I5, gendo falso lodo
aquello que nao lo vendido neste deposito, pelo
que se fa/. o prese! le aviso
PORTANTE PARA O PUBIJCO.
Para cura de pliUsica em todos os seos dilTeren-
los graos, qner ni.ilivada por coiistipaeocs, loase
asihina. pleura, tseardos do aangue, d.irde cosa-
nos o peilo, palpUacSo no ooraeao. eoqueluche
'".....h":-- ''"r n gargania, o todas as molestias
dos orgaos pulmn oes.
Ellos palele com rodas de madeira para car-
rocas de engeiihos Je assucar : na fuudi.-u do Brnm
u. u, n o 1(1.
TAIX.VS DE COBRE
para ongenhos de assoc
6, 8e1ll.
Na roa da Liiiio.i
se vende nma ponao do
Loar.
ir : na fiindicao do Rriim ns.
llima casa do lado csqiiordo.
obras de labvriulo viudas do
^
le pellica doJomin, brancas e *3
loiuem como para se- *s
m a vender na luja da
10, de Leite c Cor-
do cor tanto para
nhora, se conlinu
.ra do Queimado
Correia.
Yendem-te
bra a dinheiro ou
Matos, armazem dp
na ra do Crespo
Vendem-se 4
10 annos, a din he ro
me se convencionar
n.2"
Cano novo.
Vendo-se um excoll
um e dona cavallos : i
do Novo) o. 6.
Vendom-se os melhi
prelo a aquilli
29, aobn
,600 courinhos de ca-
li prazo : no Forte do
Sr. Araujo para ver e
23 pam tratar,
pioletities de idade de
ou a prazo conor-
na ra do Crespo
ejnle carro ingle/, nov, para
a ra de Sanio Amaro (Miin-
Chapeos a Aquille.
os melho res e mais modernos chapos
'.para houiem : na roa dot,)oeimado n
brado auiarelln.
Potassa
E CAL IE LISBOA.
No beni cunheiidu e
da Cadeia do Recite n.
da llussia o da do Rio
da Russia
arredilado deposito da ra
12, ha para vender polassa
le Janeiro, nova o de supe-
rior qualidade, assim o uno lambein cal virgem em
pedra : ludo por piceos) muilo razoaveis.
Relogios.
Vendom-se relogios
no arnia/eui de Augiist
deia do Recito n. :W.
......ro inglo/os de palonte:
C. de Abr..... ra da Ca-
Labyrinthos.
Chegou novo sortimento de obras de labvrint
toalhas, bicos rendas, lencos etc., ele na ra d
Cadeia do Recife n. 60. r"a da
n. .io.
TACHAS
pira
i\a furiilqioI de ferro de 1).
W. Bowman, na ra do Brurn,
passando o clialarix, continua a
haver mu completo sortnento
de tachas de IVnp fundido e ba-
tido, de 3 a 8 palmos de lea,
as quaes se aehaln venda por
preco commodo e com promp-
tido, embarcaolse ou carre-
gao-seem carro, jsem despezas
ao comprador.
1
cobertos e descobertos, pequeVios e grandes, de ou-
ro patente inglez, paraliomem e senhora, de um
dos melhoros fabricantes do Liverpool, vindos pelo
ultimo paquete inglez: em cisa de fcouthall Mel-
lors A C."
A'LOJA DA ESTRELLA
Ra do Queimado
numero 7.
Neste eslabelecimento achara.
limpiadores o
[com lonuo do
120
1M1
2III
2SOO0
] I l>l H HI
r.siiiii
l|28Q
^0
1 Silln
4sr>O0
53000
IK1
(Mil
i aria.lo o cmplelo sortimenlu de hzeudas de
idas as quaiidados, ionio sejaiii :
hilas do coros seguras, invado.
Hilas de dilas linas, covado. .
Hilas franco/as linas, Covado. .
l|ocus de cassas do cores. .
iolinhas e manguitos de croch.
'.orles de casemira a Mi .
lales de frco......
Itrim trancado de linho, vara .
Maulas o grvalas linas .
Musselina do gaz, corado. .
Ricos eneiios. mira senhoras
Chales de merino bordados
mofo)........
Lencos de cambraia do linho, dii/ia S .'.
l'niieo/.a prela.covad........
Ilnni do llaiuhiirgo n. ~, vara .
Kscravo peca.
\ onde-se um esclavo mua.....plima figurae opli-
1110boboiio : na ra de Sanio Amaro Mundo Novo!
o. .
Tounis )u a meninos.
Na roo po Queimado n. :I7 loja do i norias lom
imvariadosorttmentode lomas para crismas mui-
O bom onfoiladas para i|000, dilas muilo linas o
bordadas a istmo, tamben tem caifas prelase de co-
res, de relio/, muilo bem onfoiladas de ridrilbos
por proco commodo.
Assucar refinado.
No pateo do Tercn n. 2:1 vendo-se assucar reliua
du pelos procos seguiules :
Primeira sorle chriatalisado 2tm ris a libra
Primeira sorle areadu I0 ris a libra.
Primeira sorle dito Izii ris a libra-
Ncboiue muilo barato.
\eiidoin-se facas o garios muilo linos com cabos
de ossu rolos ,.......vados muilo Ih-id pollidos
polo haralissimo preco de :1S2IHI, dilas linissimas
coni cubos de ehifre do rindo a 4S300, dilas de ca-
bos de balanco o mais lino que se pudo encontrar
a t.,s, illas eom callos pelos a |g o M, dilas com
cahus de iii;n um. trinchantes' de ludas as quaii-
dados, orilleros de metal principe do mnito supe-
rior qualidade para cha sopa o :i.s e r.sr.ihi ,i_
/ia, .lilas para lerruias a :)s cada una, o onlra-
mniltasimas ......sasque serendeju buratissimo na
ra do QneiMado na bem coiiheoida loja de luiudi-
zas da boa fama n. 33,
IVut
es de tai
dualidades
a ruga
I ras
e ou
diversas.
Vendem-se penlesde tartaruga degoslos inlcira-
mule novos o fornidos para coco, pelo haralissimo
proco de ,s. IJ500 ,, r,s, dilos muilo ricos lanibom
.o tartaruga i imperalriz, para diversos pr.....is
ditos de balea, que muilo se confunden! com os de
tarlarug... pelo barato proco do |, ditos do ludas
as qualidad.-s para alisar, dilos de lodas as ouali-
dades para piolhoa, ditos do travessas de blalo e
lartaruga, ludo por proco que uingueni vendo na
ra du Queimado, na bom conbecida loia de miu-
.lo/as da boa fama n. :):{.
Esparlilhos franrezes.
Vendem-se esparlilhos franceses de nudas
carretela e de llbozea para enUer, o melhor qu
podo encontrar ueste geneii.,, na bemfeiloria e no
comniodidade a qi.....i usar (driles, pelo haralissimo
|"lr......I, W500 o 7S : na ra do Queimado, na
bem oonhceida loja do miudezas da boa lama II 33
Konitas e de boui t|uali.
Vende-se 8a de muilo liadas coroso do boa qoa-
ulade para bordar, polo bal alissimo proco do 8* a
libra: na nwdaiQoeimado na bem conliocida luja
de miudezaa da boa fama ii :tt
NOVA AGUA
\ende-se osla agua a mefior une lom appareci-
'I" para liugir o cabello e s.issas de piolo na li-
vraria universal ra do illigio n. l), d-se junto
im impresso gratis, ensillando a forma de applicar
Vende-se cal nova de Lisboa : M ra Apollo"
Camisas d(
\ endom-se muilo superiurl
1! o lg2IHl reis ; na ra ds Q. oimad
nhocida loja da boa fama n. 3
meia.
camisas de meia a
na bem eo-
Apparelhos de boreellana.
Vendem-se mni bonitos e delicados apparelhoi
le pnrcllanadoorada proprip> para briu. nodo d.
n.iunas sendo ellos to dilireiites lamanhos i
bran-
iii
g
do Queimado nos qualro canol foja dag'iiia
ca ti. 16.
Cofres para guare ar dinhciro
ou joiaj.
Vendem-se cofres para guar ar dinheiro e
polo haralissimo proco do :>s. i.slKI o Bs ; na ru
do Queimado, na bou, conhecid loja de miude/a
da boa fama n. 33.
Luvas para honem <
nhora,
lorcal muilo supe-
Vndn-wlma petas d.
runos a 1< e 1g20ll, dilas de ,<*, ie loqM I,,
res com ricas guamicoos o simples para senhora
ditas de seda lio do Kscocia o'algodao, dasd
nimio boas quaiidados para hciiiem, .lilas de sed
para niemnas por proco que por corlo nao deivar
de agradar a qnalquor romp idor: na ra
Queimado, na bem conherid
boa fama n. 3.").
ENFEITESPARAABECAS.
it inndiTiuiA i. lulii.-i,!,.., ,...t :...... ( Ti p.
ramente modernos e pelos dimi utos procos de
>&; para qnalquor p.ssoa se e Hifiear da rerdade
de que fallamos, dirqa-se a loja d'aguia branca ii
qualro cantos da ra do Queiiua lo n. 1C.
Aguiakanca.
Novo e completo soiitimenlo d<
meias para hohnens,
mulheres,iiicuuos o meninas
de'alcalinos.
Vendem-se mnito boas meias c as sem costi
para homeu a 18 glosas minio linas a 00 e 3fi K) a .lu'/ia di,
muta encornadas de liodohradon i3:VKi a du/ia e
400 rs. o par, dilas tanibem de lio i obrado para s-
lSOTldlB' e3SM' 'Var- <"
a 4tKJ, SKI o 600 rs. o par. ditas paia meninos me-
ninas conformo os diflerentes lamaqbos, asseveran-
do-se seren mais baratas do que m onlra qual-
I
Qui
16, .
rand
ver
mi
poro
d
Para mscales e boceleiras.
Vendem-se caiiinhas com 100 agullias franco/as
sorlidas de muilo boa qualidade a 16(1 e 2IKI reis,
caixinbas muilo bonitas com grampos muilo bem
felos a MI olllrs., biquinhos orondas estrellas
muilo bonitos a 800 rs. a peca com 10 varas, carines
de cuhhoio. franco/os.i 50 rs., lesuuraa linas para
costura a IS fl du/ia, bolees para camisa ;l |i,ii ,,. a
glosa, pomos muilo bous para alisar a MJMI rs. a
du/ia, dilos muilo linos para coco a 2< a du/ia. ca-
lmles muilo linos para aparar p.-mias a ifia dll-
/.ia, eslojos com iiavalh.is iniiilo linas para barba a
M) oiiiNi rs., .lilas sem eslojos a 320e ihi rs., pe-
' ns de lilas do lan do Indas as cores com 13 varas a
180 rs., linhas do miada cabeca branca o cncarna-
.da, dilas do novellos de minio superior qualidade
decoros ,. brancas do lodos os niiineros. lilas .le
seda o de retro/, alunles em carias e ein caixinbas
eludo o mais que he necessaiio para impllo sor-
tiuienlo o pm- preco que doixa grande iuteresse a
quein comprar para lomar a vond.-r: na ra do
Queimado, na bom t.....herida bija de niud./asda
ba lama u. 33.
As tcrilatleii'as linas de .lo\n.
A loja d'aguia branca acaba derecheras vorda-
deiras luvas de louvin, viudas de sua encommenda,
lano para l.omem como para senhora, aliancaiulo-
sequo sao as inelli.ues .pie em tal genero so lein
Msluaqui: vendem-se a .StKI o par : assim c,im
oulras igualmente novas, etainbcni mu boas a 2$
r. Quem aprecia o bom, hedirigir-se ra do
limado nos quatro cantos, loja d'aguia branca n.
que ser bem servido. .Na inosina loja existe IIni
sorlimeiilo de linas de soda de minias .. .li-
sas quaiidados lamben) para boineni o senhora,
a procos haralissimus.
COMPLETO SORTTMENTO
BE
Perfumaras franrezas e
inglezas.
Vende-so a bem coiihccida o acreditada agua de
loma do l'iv.r, em frascos grandes o pequeos
ranlindo-se a qualidade a 5IMI o ls, .lila iniiilu boa
glo/a, anda superior a do Pivor a | o frasco sa-
neles para barba a IS a dn/ia, canudos ,|o poma-
fraiue/a muilo lina a 100 e lotl rs., dilos muilo
ando o de superior qualidade a 800 rs., opiata bi-
sa para os denlos, em caivas de porcellaua o mili-
grandes aNM) rs., dita franoe/a em Iiihos grandes
iiicl.il aMNlelj!, vinagre aromtico muilo pio-
lo para dores de cabeca, al.in das mais serventas
NMl rs. o (rasco, sabio do ercinu ,. amendoas
'mu Sliprerior para barba, em eaivas de vidroe de
ircellana a IfztlO o l,s5IMI, agua de Lavander verda-
ir.. mgleza a 8IMI rs. o frasco, frascos grandes e bo-
nitos COln o verdadoiro oleo de babosa "a IS, ossen-
na do rosa em frasqainhos pequeos a iOOrs., pas-
lilhas proprias para bahiis e comniodas, por sor o
verdadoiro preservativo dadracas ao mesmo lem-
po dei\ar exccllente aroma na iopa, polo baralis-
suno preco deSOOrs., extractos nnissnos de diver-
sas qoalidades, franc.-/es o ingle/es, em ricos fras-
cos do rrvslal brancos o de .ores de variados ges-
tos, banda miiilissimo lina inglo/a o franco/a em
Utas, frascos de cidro grandes e bonitos, vasos de
porcellana de bonitos o variados gostos, eaixinhaa
muilo ricas com sorlinientn de perfumaras proprias
para presentes : o outras militas diversidades de
perfiiiiiarias. Indas muilo Uase por proco ajile nao
he possivel deixar de agradar a quem leulia precisan
do comprar : na ra do Queimado, na bem conhe-
cida loja de miudazas da Imhi fama n. :!'!.
Visporas e dminos.
>endom-se os mnito divertidos jogosde visporas
pete barato preo,, ,1o |f ,. Ijiiki, e os de domin a
ISaOO : na ra to Oneimado, na bom ennhooida loja
de miude/as da boa fama u. 33.
Para meninos.
Bunuls de gorgurio de seda furla-cori's, obra de
minio gosto a i$: na loja d'aguia brama, na ra do
Queuuado nos quatro aantos n. 16. .v grande ex-
Iraccao qi.....lie lom litio, e a pequea qantidade
que resta, faz-nos di/er que quem nao M aprossar
litar sem ellos, por isso apparocam buje mes.....
quem quizer dars fosias aosseus pequeos.
Pulceiras de froco.
Vendem-se muilo lindas pulceiras do froco das
que mais.se usain presentemente, pelo baratissimo
proco de -2 ennhcoi.la loja da boa faina n. :):|.
SAMBA DA
AGUIA BRANCA.
ItautloJja c lalhoips
Vende-se bandeijas de folha grossa o linlas mui-
lo linas em lomos a 8$ e 9 e solas a M ffiOO
U, SffiOO, I,4g00, SSpBS, seo- moderiMsmol-
des e bom goslo do desenlio de suas pinturas doixa
bem oouhecor qnanio sao ellas linas e baratas por
taes precos; vendem-setambem Jacas c garlos de
rabo de osso redondos, oHavadose erados a :\nn
o il.Ciim, ditas com cabo de balis rravadase folhas
linas a 3ftilKI o Sa du/ia, dilas linissimas com ca-
bo il.; voado, de osso pollido o baleia, o melhor
.pie se pude onconlrar a 5$ ">g~>M lij; o K$500 a
dn/ia, .lilas rom cabo de marllm e folha do ato a
lfie lt, Jilas com iaho*lo ossu para meninos a
381 o lallier, trinchantol muilo linos a 2fS00 :!,<;,
colberes de metal princeM lio Unas que se con-
tunden! rom as de piala sondo para simpa a 3J500
a ansia e para cha a z)800, ditas oclulinagie a
1S6OO o lj, ditas grandes e mudo unas a 3$ cada
um : na loja da aguia branca nos qualro cantos da
roa Ao Queimado n. 16.
CHEGUEM
A loja da Boa Fe
Que, est voiiilonilo muilo baralo.
Jlrosdenaple prelo muilo superior a 1.X00, 2S
2,500, 31,3,600 e 4S o corado, sarja piola bespa-
nhola muilo superior a 2,200 o covado, seiim ma-
"o muilo superior a 3,5(K) o cucado, panno nreto
LOJA DA BOA FAMA.
\ endem-se por proco que faz admirar riquissimas
filas (aviadas de lodos as coros o larguras, tilas lisas
eom puna o sem ella, Uros bramos de seda de mui-
lo lindos pa.lroes o de todas as larguras, Iranioias
abortas itliuho para hallados a 1211 o 1611 reis a vara,
jarros para llores a 2S o par,atacadores mi enlladores
de seda de Unas as cores para leslidos.dilosproprios
para osparlilhus, lesouras de lodas as quaiidados
as mais linasquo he possivrioDeonlrar-se.agulliutros
do marlini ......Iras nimias quali.la.los, lilas de vel-
ludo de ludas as quaiidados, hol.iiihas de laiuur.a
muilo lindas para meninas de escola, frasqinnho
com cardinal a inelhor colisa que lom apparecido
para tirar nodoas em qualquer qualidade de hzen-
da. pelo muilo barato proco de 2S. Iranrinhas du so-
da tic Indas as coros muilo lindas proprias para en-,
fmlarroupinha para meninos e meninas, oulras
miiiiissimas cousas que se allanes tender-so Indo
por proco baralissiiuo : na ra do Queimado na bem
conheciila lujado iiiiudo/as ta boa faina.
Bandejas finas.
Com pequeo toque de avaria.
Na loja do l'regni. a vende-.,- ma.lapidan com pequeo toque de avaria a 3,<{ihI a peca, ditos mais
linos largos a 3gHO0 a peca, .hilas [rauco/as largas cores escuras o lindos padtoes rom pi|'ueno loque
to molo a 2IMI rj'is o covado, chales de morillo com algumas piula- de mofo e rom lindas palma- lias
ponas a fg300 cada mu.
14 FABRICA NACIONAL DA RA DA FLORENTINA 14
lodo \ini\l'lljUn de bada, fcllro o oulras quaiidados mais superiores e
pe os .lo Miu .i. Janeiro.
Pode-se ver e escolher
hapeos de seda. ^MjI. Ion ira o oulras quaiidados.
Grande sortiment
por monos proco do
Vendem-so lomos de tres bandejas muilo
o .lo gostos inioianieuie modernos pelo barali
proco de OS o 12,>1 na ra do Queimado. na be
liheoida loja de iniudo/asda boa faina n. 33.
Capellas e ramos para noivas.
\ endom-se linissimas.. delicadas capellas oramos
brau.os para noivas, pelo baralissiiuo proco de 6$:
na ra do Queimado, na bem eoiiho. ida loja .1
./as da boa fama u. 33.
finas
simo
n co-
miu-
^ -----~..---...... M^ .v.^,. H ,,p i ''.,. .- lll.lllo mi
peruires a 13g, ditos de corgurao proto a 3,500, di
los de dito de cores a i.Ot, merino pretosetun
muilo lino a 1,120 o covado, alpaca preta muilo
Una i 640, WK) lg o covado, meias prelas do laa
mnito superiores proprias para os sonhores sacer-
dotes a 2$ o par, cambraia de linho muilo lina a
'- 6 a vara, esguiao de linho muilo lino a 16.000 rs.
' a peca com 12 jardas, bretanha de linho muilo o
muilo larga a 2()S0(KI a peta eom 30 varas, cam-
braia adamascada para cortinados a 12.IKK) a paca
com 20 varas, bramante de linho mnito superior
,(,;;,';; i;m uas varas de largura a 2,400 a rara, aloalha-
ja ili mludezasda", do adamascado com mais de H palmos de largura a
1,2X11 avara, brim liso, llamburgo, muitofinoafl
e a IOS poca com 20 varas, esguiao de algotlao
Mui modernos o delicados","i,fTfio7.r.Ti."W"e, ""'1" ''."' :,'2IHJra l"-".a l0m '2 oas, cambraia
nliin,.(r,rl., iu"s"" '!' ''''lores, lilas, lisa minio lina a b$ a peca com 8 2 varas dila
em^wttmimnTfam^S!' L?C?^ W M,,i,nli,,a a 6.5W *!*! eum 10 vara,!
..Zr P ";i.....bomgosto d.la muilo lina com salpicos a 9K) rs. avara o a
SeWe^Shos o,'';"' "T ,-l""u 0,,lros faneca com 1,2 varis, Ut de linho bordado.
is obra de api rado gosto eintei- 1,100 a vara, maulas pretas bordadas a iStvos
da mosina qualidade a 12,000, gollinhas de lil
para homam a
lo da Kscocia a
para padres a
pretas e bran-
diasmui II-
quer parlo, meias de liia muito'flna
500 rs. o par, ditas linissimas de
600 o 800 rs. o par, dilas de laia
lgfjOOo par, dilas de seda mui fina-
ras para senhoras a 3g, 4g e 5g o pa
as para meninas a 2g500 o par, assim como mili-
tas outras miudezas eobjectos de pisto, que estn
patentas na loja d agina branca, noslqualm cantos
da roa do Queimado n. 16.
Veiidom-se saceos grandes com arroz do cas-
ca mnito novo, o oleo do ricino em alas de 30 li-
bras, ludo por proco commodo: na rlia to Vina-
rio n. 5.
:........- vi. .,wv, efunda.- ue iuo
mnito bem bordadas e bstanles largas a 1,200 ca-
da urna, lencos3e cambraia de linho com ico lar-
go em volla a 2S, meias brancas de seda para me-
ninas a 2< o par, dilas brancas de algodo muilo
linas para senhora a 3,600 a dn/ia, dilas inglesas
muilo superiores lambein para senhora a 7t$ a du/ia
dilas para meninas de todos os lamanhos a 281)
par, dilas para meninos a 240 o par, dilas de algo-
dio cni para hoioein a 1,800, i 2,500, 3 e 4g, o
ingle/as muilo superiores a 5,000 a duzia, lencos
brancos de cambraia para algih.ira a 2. i 0o a duz'ia,
dilos maioresa 3,000 a du/ia. ditos muilo grandes
proprios para a cabeca a 400 rs, cada um, dilos
multo linos de esguiao do linho a 7,800 a du/ia,
ditos de linho de coros escuras e lisas proprios
para os tabaquistas a -100 rs. cada um, chales de
merino liso de lindas cores com franjas de soda a
6g, dilos de chalv com listras do seda em volla e
eom franjas tambem de seda a Tg, ditos de merino
bordados a !lg, dilos de loiiqiiim milito superiores
bordados em dnas ponas, com franjas muilo com-
pridas, pelo baratissimo proco de 45$ooo, ricos
peales do tartaruga a imperalriz a 12 c a 20g lo-
ques muilo finos a 4,500, ligas de seda a 1,280 o
par, chapeos de fellro milito linos a 5 e 6S, brim
branca trancado de linho muilo Uno a 1,280 avara,
dito uicorpado muilo superior a 1,440 a vara, dito
decoros de padroes mullo bonitos a lg a vara, di-
los de quadrinhos muilo proprios naja obras de
meninos a 200 rs. o corado, gauga aniarella fran-
co/a muilo lina a 320 .novado, dilas escaras milito
superiores a 560 o covado, camisas do. riscado mul-
to bom follas a 1,500, cambraias frauce/as decores
muilo bonilas a 400 rs. a vara, entre metes muito
tinos a 1,920 a peca, liras bordadas muito linas a
> o a lg a peca, e alem disto um completo sorti-
nieiilo de fazendas linas e grossas, t|uo vendem-se
por precos mui coiumodos, s afim de se fazcrein
grandes vendas : na ra do Queimado n. 22 na
bem couhecida loja da Boa F.
!'"""IIU 4 4
napeliiiiis de lifnde soda o mais rico
que tem viudo ao mercado, assim como
veos para as ino-mas, se vndelo uniea-
nienie na loja da roa do "mimado n. 10
de Uite&Correia.
****????*? .??? 11 ?"?"$
Tende-se cera tic abelha o de carnauba
ruadait.ru/ do Recife, armasem n. .13.
onde-se fumo em folha e cola, chegada re-
conlemeiile da Baha, por menor preco do que em
mitra qualquer parte : na na da Cruz'do Recife n
13, prunciro andar.
Espelhos grandes.
Vendem-se espelhos grandes para narede rom
bellas molduras oiiv.rnisa.las o tlonra.las o vidros
mui linos e claros a ||e 5g : na teja d'aguia bran-
ca nos qualro cantos da roa do (.Im-mado n. 16.
Leques muilo linos.
Vendem-se loques de madreperola os mais ricos
que se pode onconlrar, polo baralo proco de 12,s .
1>S cada iim.dilos sem sor de madreperola. poriu i lo
goslos muilo lindos a 2jt. 3 l| o 5$ na rna do
"llennado, na bem coiiliecida loja do miude/as da
boa fama n. 33.
CHOTA M MMTT.
Pronuicn oslo Quoimaiiilo.
Na ra do Queimado II. 2, esquina do boceo do
l'eive l'riio tem o l'rogui.a para vender por bara-
tissimo proco um completo sortimeolo do fazendas
bom i 'iiii.i sej.im corles de eassa o seda do lindis-
simos gostos a BJ500 cada um, ditos de lia o seda
de limlissimos gustos o superior qualidade a 7g ca-
da um, corle de cambraia branca com salpicos a
3J0S0, dilos to dila com llores de cores a 3S800,
S*ngas rntarJadas de padroes e superior qualidade
i iSHKI o cinado ; chitas escuras o claras do coros
ivas a 160, 180, 200 e 240 reis ,. covado ; dilas
franco/as do. lindos padriies e de medientes pan-
nos a 210. 260, 2WI e 300 reis ......vado, cambraias
adamascadas para cortinados de camas pecas de 20
varas a US, grvalas prelase de cores eom mola o
sem ella S 8OO-0 1$ rada nina, dilas com mola mui-
lo linas a IgW), lencos de soda com alguin enfoil..
a 800 rois cada um, grosdenaple de cor de boa
qualidade a ISSIIO o covado : cortos do oaseinira
lina a 6g, dilos de meia casemira a 2S, dilos de di-
ta mais lina a 2g000 cada um,corles de brim de li-
nho a IgTOO cada um, ditos do dito bronco com lis-
Iras o de puro linho a lg920 cada un. corles de
gurgiirao para rolletes a 3Scada um, dilos de me-
rmo bordados to lindos (!Oslos4g500, ditos do rase-
mira prola bordados a 3S800 cada um, cambraias
lizas de 8 varas a SJSOO, 41 1$ IKI. i,S8(Ml e 5g5INI a
peca ditas lapadas cnni 10 varas a -(,, 41500
5J800, fifSOO o 7S2IKI a peca, cortes de orgamly fa-
/enda minio larga o lina a 2S60O, alpaca preta eom
o palmos de largura propria para somarras o capas
'lepadles a 800 reis, lan/inhas de quadros proprias
para vestidos de senhora a 360 o 500 reis ...ovado,
chales de laa linos com barra malisada a 4g5IIO, di-
tos de merino lizosa f{H00, dilos de dito bordados
a (S2IKI cada um, teneos brancos com barra do cor
a 100, 120 o 130reis cada um, rhilas franco/as lar-
gas para coberla a 210 rois o covado, brim branca
de lislra do puro linho a 800 reis a varo, dito de
lindissimos gustos o superior qualidade a l$iio a
rara, dilo bramo muilo lino IglNIl c IglOO a vara,
cassas de cores do lilldissimos goslos a 360 0*4011
rois a vara, mussiillina com pequen.i loque dn\a-
riade lindos padroes a 250 o invado; dila sem ma-
na a 300 res o ovado, dita toda encamada a 22ti
rois o .ovado, dila mais larga a 32|| rois, casemira
pnla a 2g, MO, 20400, 3S500 e 4g o covado,
panno lino azul o cor de rap de superior quali-
dade a 5g o .ovado, dilo pjelo a 4$, 5g o 5g500 o
covado, dilo azul proprio para fardas a 2g. 0cora-
do, lencos bramos para man de senhora do bico
largo o muilo linos a 800 o lg cada um, cilas os-
curas de limas Osas a 5g200 a peca, alpacas de se-
da do superior qualidade a 900 res o covado, pe-
cas do cambraia lisa com pequeo loque de mofo a
2$, ditas debretanba de rolo eom lo varas a 2g,
aliialhado largo muilo lino com bonitos lavoros ,i
l$28ll a vara, italianas, especie de cambraia pinta-
latla tle coros livas e liudissiinos goslos a 180 reis
a vara, cambraias franco/as de lindos padrees o es-
colenles pannos o 500 reis a vara, .assas pintadas
miudinhas a 320 res a vara, luvas de lio da Ksco-
cia, brancas o do cores a 320 reis o par, cambraias
napolitanas rosas azues de quadro a 30o roa a
vara ou 220 reis O colado, riscadinhos franco/es de
quadros a 180 rois o covado, bramante.....ilo largo
a 2g400 o covado, velbuliuo de todas a cores a 720
rois o cavado, meias ornas para houiem a 160, 200,
360 o 403 reis o par, dilas para senhora de ludas
as qiialidades, paletols to alpaca pula a ."i.S. dilos
de meia oasemira a 8g, ditas de panno piolo o de
Cor a IOS, luvas de seda para sciihora a lg200 o
par, dilas de seda bordadas de lindos goslos a 2S200
o par,; e oulras militas hiendas que se deixaiu do
monciniiar o se wiulorau por baralissiinos procos ,.
so darao amostras com penhores.
Loja ii. 7)1.
He na ra do Queimado a loja
de quatro portan.
So encentra mu cmplelo sorlimeulo do grosde-
naple prelo de IglitlO, 1gh00. 22, SgSOO, 2g|0,
2,800, ;tg ,. 3,200 o covado, dilos decores de 1,600
o 2g o covado, panno lino prelo de 2,500 ale 12g o
covado, dito cor do rap o verde cor de garrafa,
fa/enda muito superior a 7g o cavado, cesareques
de fusl.io ricamenteeiifeiadns de ricas tramasUn-
gindo lindos bordados a 18g, cortes de vestidos do
phautasia muilo lindos o dos mais modernos a 18g,
ditos bordados a velludo de coros muito lindas a
30, dilos bordados a seda com lindas llores alfif
cada um, palelols do panno o de casemira proles o
de cores de 16 al 25g cada um, dilos de brim
bramo mullo linos .le 5g, 5,5011 e| cada um, ricos
pannos da mais lina casemira de lindas cores para
cima de mesa de mete de sala, loalhas de linho ero
proprias para rosto a lg280 cada urna, redes de
coros viudas da Babia da Traicao, obra muilo bem
acabaa, pelo diminuto proco de 18f cada urna, o
oulras militas fazendas queso com a vista do com-
prador se poder mostrar, e se vendern por pro-
co muilo commodo.
Chapeos para meninas.
He na loja de quatro portas na ra do
Juelinado n. :t~
que so onrnnlra um rico sortimcnlo do chapeos para
meninas e meninos ricamente enfeilados, e lambem
chapeos para senhora, de palha enfeilados, todos
de gustos modernos, u se vende mais em conta do
que em onlra qualquer loja.
Chapos de palha escura para
homem por precos baratos.
Na bem couhecida bija da boa f, na ra do yino-
madon. 22, encontrarao os bonsireguezes um rom-
pilo sortiiiienlo de chapeos ingle/es do palha escu-
ra de formas inteiramenle modernas e bonitas da
o lii ma moda. Tornam-se reoommendaveis por se-
rum mni leves o frescos para a presente estacan :
vendem-se polos haralissimus procos de .(g e!M,
vendem tambem chapeos e bonets di......ama quali-
dade para meninos S 3g 3g600.
Algodo nionstro.
Conlinua-se a vender o bom eonheoido o econ-
mico algodo monslro com 8 palmos de largura,
proprio para qualquer obra por dispensar lodo o 1ra-
baiho tie coatura ; aproveitem emqnanto ha na
ra do Queimadon. 22, na lujada boa f.
Cortes de laa.
Anda roslain alguns corles de laa lina para ves-
tidos, com 16 aovados cada corle a 4g, estao-se a-
cahando : na roa do Queimado n. 22, na loja da
ATTENCO.
Na nova loja ta ra do Gollegte n. 1, vendom-se
cambraias decoros fazendas muilo Unas a 260 reis o
covado, miissolina de .oros a 440 reis o covado, len-
cos d.i.soda de cores a IgOOOcada um, sargelins a
200 res o covado, uioiasde soda brancas e prelas a
3gopar, casimiras finas a 5g o corlo, dilosa2g50ll
chales do inorin bordados e lisos.
Vende-se urna escrava inora sadiae
setn vicio, para engenlio por ter bastan-
te conhecimento do serviro de enchada :
no pateo do Paraizo n. 10.
Em casa de Kabe Schmettan & C.
ra da Cadeia n. 37, vendem-se elegan-
tes pianos do afamado fabricante Trau-
mann de Hamburgo.
Vende-se om cabHolel com lodos
os arreios em bom oso, e um ptimo ca-
vallo bom trotador para o dito, ludo por
preco razoavel: na ra Direita n. 83 das
9 horas da manhaa as 6 da larde.
A\iso aos si'iihoiTs de engeiihos.
Cal nova do Liaba em barricas o em ancoras, mui-
lo propria para a con.lucran de agurdente OH mol :
na ra da Cadeia, defronle da rolaeao n. 28.
Vende-se nina casa terrea com um terreno ao
lado, com II palmos de frente e 170 de fondo, mu-
rado, na passagera da Magdalena n. o, entre as
duas pontea : a tratar na rna do Vbjsrio n. 23, ou
na traveseada Madre de Dos n. 12.
Vendem-se velas do carnauba de primeira
qualidads, de lodos os lamanhos a l:t>!IMKI a arro-
ba, dilas de composi.ao a 14g0lHl, charutos emma-
rados ipia.lra.los a 11400 o couln. Na Ucsma a-
brica precisa-so de tlous ollioiaes de chariitciro, o
paga-sc 160 do feitio por ionio, d-e fumo de re-
gaa para I rabal bar : na Iravessa dos ExpostOS u.
16, por dola/ da malris de Sanio Antonio.
caiinnii
>a grande fabrica de ta- ,,"l",1,
mancos da ra Direita,
esquina que vira para S. Pedro n. 16. lom elfoeli-
vaiuonle riquissimo sorliinonlo de lamaneos de to-
das as quaiidados, proprios pan a esla.ao invernosa,
o vende-se lano a retalho como em grandes por-
res, por menos proro que em onlra qualquer
parle : os sonhores cninmercianlos de f.'ua devem
prevenir-so, pnis o invern osl prximo.
t) agente Oliveira aeha-ae encarnando pelo
Sr. .1. II. II. Htdm, socio gerente da casa couimer-
cial nesla placados Srs. Y O. Ilfl'bor A I'... da :
venda do ptimo sitio, eom baixa do capim para 3
ou i cavallos, o o......una elegante casa conlendn
numerosas aceommodacoes. rendido por interven-
cao do mesmo agente em [cilio de 10 de julho do
anuo amado, por ordem do seo antariet proprie-
lario Manoel .lo .Visoiincnto da Silva llaslos ; e
COMO nossa necasiao foi de ludo folla ampia des-
rrtpcao por esta lliario, sullioieiile parece declarar-
se presentemente ser situada a dila bem eoanecida
e aprasivel propriedatlo, no htgaf denominado
estrada de Sant'nna, detronteda do uado Anto-
nio da Silva ; i- que, ein coiisoqnoiicia de leooionar
dilo Sr. Ilnlni retirar-se para a Europa, pode dis-
pensar a oociipaeao da mosma, que fika comprada
com o intuito do gota-la com sua familia.
Vende-se superior farollo de Lisboa ebegado
intimamente: na ma du Vigario n. 19, 1.-andar
por tomn.ido pn
(lera ihM'iiriiauba
Na rna da Cadeia do Recife, loja n. 50. esquina
dofroirte da rna da Madre do lieos, ha para vender
saceos com oera.de carnauba do superior qualidade,
Vendo-se nina jimia deboisda v erdadoira rara
malabar: no Porto das Canoas dobairro de Sanio
Antonio, principio da ra da Concordia.
Vende-so um terreno entro as duas pontos da
Passagom da Magdalena com 74 palmos do frente o
170 de fundo, coui varias (rucleirns : a Iralar no
forte do Mallos rom Jos Ribeiro de Brilo.
Vendo-se urna excellente parrilla de cavallos
de carro : quem a pretender dirija-so a ra do Tra-
piche o. i, primoir.i andar.
Vende-se por preco commodo mu elegante
cabrioiol de balaustres, pintado o forrado do no...
do inelhor goslo : na ruado Ara gao u. 37.
> 4 i 4 4 )tHil5
A

MnCHINISMO
Na fumliao de ferro do eugenheiro ll;i-
vidW. Uowmaii, ua ra
do lii-iiin, passando o rlinlai-i/.
lia Sompre um grande snrtimeiilo dos soguintos
objectos to mecanismos proprios para engeiilnis, a
ssaber: emendas e metas moendas da mais mo-
derna coiislriiccao ; lachas de ferro fundido o bali-
do, de superior qualidade e de todos os tamanhos ;
rodas domadas para agua ou animaos, do todas as
pmporoocs ; crfvos c boca do fornalha o registros
de hooiro, agoilhoos, bron/es, parafo/os e cavi-
11.....s, moinhnsde mandioca, ole. ole.
N.V MKSMV FND1CAO
se execulao todas as oncommoiidas com a superin-
rulade j coiihocida com a devida presle/a o com-
inodiila.le em preco.
ARUfAZEM
IIK
GRANDE SORTIMENTO
;ii:
Roupas feilas e fezendas
N \ II LA 1)0 QUEIMA.'X) N. 46. i]
LOJA
i a*
niniH nfc BASTO.
Palelols do casemira do cores, sacco-
peln diminuto preoo do IOS, Jilos de dilo
-iil.n> .asaco o 1IJ e a 1SS, ditos de rase-
mira prola forrados de seda a 18$, ditos so-
- lirocasaco de pajino prelo milito lino com
golla do velludo a 22$, dilos de panno jp
piolo saco alOj, ''alca da melhor case-
mira de cores a 6S, ditas mais linas que
;. admira a 7g, ditas pretas a 6$, 7$ e 8$. ''*
rlleles de diversas quaiidados e deludas ;A'.;
as .uros do 3$ a 5$, calcas do brim de li-
lil., d cores a 3$ o 3$500, palelols do al-
|ia.a pelos o de cores a 4$, ditos de laa a
li.S, dilos .i. soda de coros a 0$, ricas man
las para grvala a3g,500, luvas de Jooiin
piolas o do cores lano para homem como
- para senhora a 1$800, ceroulos de bra- 'i.
;. maule a 1$600, c outras militas fazendas e
obras feilas queso com a vista he que o gt".
treguo/ podo av aliar o que he vender ba- %-
ralo. 7.
Sebolas a 12,000 a
caixa.
Feijo mulatinho a 2i$ o sacco : no
armazem de Manoel Joaquim de Oliveira
& C. em frente do becco da Madre de
Dos ruado Codornis n. 16.
Fazendas e modas Presuntos Para fiambre.
MIGUEL JOS DE ABREU,
11 Ra do Queimado II
Ksle oslabelocinionlo que iii.|ueslnnavelmoiile he
boje um dos melhores aesle genero aeha-se com-
pletamente sonido de ludo o .pie de mais rico, mais
bello, mais moderno e do mais etenaal
gosio exisie un mercado relativamente a (azndas*
\ ondem-so presuntos para fiambro: no alerro da
| Roa-lista, junto a loja de llan.lres, em tasa de Va-
riaste Marluis : assim como vinho Madeira Soca-
dilo (.boro/., dito Bordeaux, c todos os mais gen.-
.ros avoniadedos tregese.
Escravos fgidas.
o aiiornd. "S""'- d''aileiro d" coneule anuo, fugiu do
fi/eild.se i ''''K""1'" Trapiche do Cabo, uiim escrava crioula de
modas lano liara senhora como para cavalheirns' "'"",' "'""I"""1- 1',"' rePre8en* l-r40 arnios, pon, o
Naoseespecialisainaqnios diversos artigos que "!:!!*!"uJV'"s:.J^:...'*r?- f!,la' cabeC Wd''.
ipeciausam aqu os inversos artigos que
cnnslitneiii oslo variadissimo sorliinonlo, porque
isso faria demasiadamente longo, o por coiise.pien-
cia faslidioso e intil osle annimeio; masas.segura-so
ao respeilavel publico o especialuioiile as senhoras
o cavalheiros do hom Inni, que o que cima se allir-
ma nao he o coslumado o trivial engodo com que so
procura aUrahir a concurrencia, masaim a exacta e
lioi exprossao da rerdade.
Ao que lies dilo s rosta acciescenlar que lodos os
artigos serao vendidos pelos mais moderados precos.
Vendem-se estallas de eiigimio detlilferenles
comprinionlos, bombas para puchar agua em ca-
cimba, com correales de compoeicao, a algumas
mais baratas por larem pequeos deloitos, presos
proprios para pregar arcos de barricas : na ra do
Trapiche B. 8
Rua do Queimado n. 1.
Na loja na rua do neimado n.l, anligamenle
conheciila pola do meia patata, BXislO um ..impllo
sorliinenlo de fa/.eudas. que se deseja liquidar por
qualquer um preco, alim doom breve se poderdas
'novaorganisao.io mosma loja. Mas nao sondo p.u-
sivel mencionar um por mu, lodo artigos de que
se compile o dito sorliinonlo, limilamo-nos aos se-
guiules, adiciouaiido-llie sena haralissimus pr.eos.
alim de que os amantes do barato facain a decida
ida doqiiauto economisarao em seaofttreuem
dila teja : corles de oassa chita a IgoOO. dilos linos
a pinta miudinha a 2$, cassa de cor, vara 320 reis,
dilas linas o lixas na cor a 440, ditas francesas mili-
to lina a 6(0, sedas de quadriulius a 1$, dilas mili-
to largas a lgBOO, ditas de quadrinhos miudinhos
ausentes em grosdenaples a l$500, fa/enda de las
com quadros de seda a 320 o covado, dila superior
a 400 rs., enaly padrees iutoirainenle novos a 1$,
chitas francesas superiores, lano em panno como
em linlas a 320 o covador dilas oscuras a 200 o co-
vado, alpacas do urna s. cor, fa/.emla muilo lina a
:i00 o covado, dilas com listras de soda a 500 o co-
vado, liras bordadas tic 6 melrns, por inclus 25 por
0,0 do que em onlra qualquer parle.
tem falta de denles na fronlel tem urna ciratrTiia
testa proveniente de urna pancada de chicle, mal
vestida, uculca-se lavadeira, falla muilo desemba-
raoada e anda de timo para nao ser eoahecida ;
postuma acnular-so era Fora de Portas. Boa-Vista,
di/eiu que ella anda por Naaarethl quem aappro-
lien.lor on dor noticia ser generosamente recom-
pensado, levando no engenho Trapiche do Exra. Sr.
vis. onde da lloa-Vislo, ou na na Nova em casa do
Sr. Sebastian Lopes l.uimuraes, defronle da Coucei-
i.an dos Militares.
No da 1 i de agoslo do anuo prximo passado,
fiigiram do engenho Solo Ranchos, Iregaezia de
Nossa Senhora da Escada, comarca da cidade da
\icloria, os seguiules escravos: Damiao, criouto.de
i) anuos de idade pomo mais ou menos, cor fula,
heleos grossos o meiu arrobilados, tem urna cicatriz
na testa proveniente de um coico de animal, pernas
linos o argoma musa arqueados para fora, esmalma-
dn, espaduado, altura regular, o est hiieaudo ago-
ra. Jaointhu, crinlo, de 28 annos de idade pouco
mais ou monos, altura regular, cor preta, pouca
barba lenos grossos e faz certo gito na bocea quan-
do falla, tem urna cicatriz em urna da* faces, pernas
', fuma' e tocador de viola. O
Rua do Queimado n. 1.
Nesla loja existe um bom oratorio de Jacaranda
pora vender.
Madeira de pinlio.
Vende-so mais barato do que em nutra qnalquor
parle : na rua da Cruz u. 40, pi uncir.. andar, e na
rua do Brum. armazem n. 10.
Batatas.
Vendein-se hlalas ltimamente ohegadas de
Lisboa a l$20rs. a arroba no armazoiu da Tra-
vessa da Madre de Dos n. 10.
Sorvete na casa de banhos.
Todos osdiasiiteisdasfi horas as 10 da noile. DOS
dias santificados haveri tainhcm de da das 11 as
Zda lardo sauBUSOS sorvoles de crome o champes
a parisiense. Ha vasilhas para coiidii/ir do Ba 10
sorvoles para quem os quizer lomar em casa.
Cal le Lisboa.
Vendo-se cal de Lisboa proco commodo : no
armazem de Prente Vianna & C. rua da Cadeia nu-
mero 57.
AMi-iii-o.
\ onde-se ou aluga-so por preco commodo una
bonita canoa nova o piulada : ua rua da Concordia
no eslaloirn do Sr. Corvante.
Vende-se o diccionario do Muraos, .piarla edic-
ean : na rua doPassete n. 7.
Vende-so casa u. 37 da rua das Trinchoiras ;
a Iralar no atorro ta Boa-Vista n. 6.
Vendo-so na rua da Praia n. 40, una prola
bastante robusta, propria para servicii do campo.
ARMAZEM
DE
Fazendas e modas.
II RUA DO QUEIMADO. II
Para senhoras.
Variado sorliinonlo de rios cortes do vestidos de
gurgiirao uroln bordados a velludo, manteletes pro-
tos bordados, vestidos o manteletes de seda do di-
versas coros, marahuts c variado sortimento de en-
feilos para toilet, chapos sem contestaco o melhor
que a arte pode produzir para satisfazer ao apurado
goslo das senhoras, vestidos de phanlasia pretos e
de lodas as cores para passeio c soiro.
Para ravaltairon.
Variado sortimenlo de falo feilo francez c inglez
de diversas fazendas o varias cores ; casacas pretas
do panno Onissimo impermeavel; chapeos do castor
pretos e brancos : charutos da reserva de encom-
menda especial.
hnas, esmaimado, ...
pnmeiro foi comprado aoSr. Joao Francisco Barbo-
/a da Silva r.umar, o o segundo diz que foiescra-
voda familia do Sr. Joao Nones, da fazenda do Sitio,
em Pajee de Flores e comprado na praca de Per-
nambuco. (a,usa tpie dilos escravos esli em Pa-
je de Flores por portadoresquemandei ede IAvie-
ra m : r..ga-se as autoridades poiiciaes e capitaestle
.ampo de os pegar e levar ao referido engenho, a
Bernardiuo Barbo/a da Silva ou na praca dePer-
namlnito aos Sis. Manoel .Vives Ferreira 4 Lima, na
ruada Mn.la n. 3, segundo andar, que seriore-
compensados com a qoantia cima.
Fugio u dia Io do crrenle o cabra Francis-
co, de 20 a 22 minos de idade, pouco aiais.ou mo-
n.is, alio, grosso do corpo, sem barba, pernas gros-
sas, elilho da sorra do Cachorro d'onde veio para
.. ser vendido nesla .idade, foi all eacraro do Sr. Ma-
! noel Jos de Jess : roga-se a todas as autoridades
poiiciaes, com especialidade da comarca do fcrejo
. da Madre de Dos, que o hajam de appreheoder
bem como aos capitaes de campo e lev'arem a rua'
de Apollo, armazem n. 16, qaAaerao generosamcD-
le recompensados.
Fugiram do engenho Oeiro de Sebastopol des-
ta provincia da Paralaba do Norte, na noiiade 81 de
Janeiro do correle anno os escravos segutetes: Ca-
inillo, rrioulo, edr bem prola, do idade de 38annos
pouco mais ou menos, alio, corpo reiterado, bocea
regular, sem barba, tem os denles da frente uns so-
bre os oulros, o urna cicatriz em urna das pernas, que
diz ler sido dentada do um porro dmalo, cascos-
tas bastante picadas de chicote. Maximiano, cabra
cor escura, idade que representa ter 20 annos, bailo'
grosso, rosto redondo com buco de barba, nariz cba-
io. Oceos grossos. doBtea^sfailna .bonitos, falla
descansado. -<*WJHfl presumid. 24 an-
nos, esialiira rehilar, see do corpo, rosto tirado
olhos pequeos, nariz o bocea regiifares, denles por-
folios, maos grandes, njjMOBi alguna bichos, tem
a fulla minio doscausaanHman pouco bacal. Ksles
escravos foram do Maasa||> fondo vieram para sor
v.mil,los na Paralaba.' He As autoridades ftoli-
ci.ios o aiulaos de canVrsrWfcosptr!,,v quem quer
que os apprehender elevar no referido engento a
soiisenhor Cypriano do Arrochella Galvao serire-
componsado rom generosidade.
No dia 13 do ,
Ionio Alv as Barbosa
nte, fugio do sitio de An-
- -m santo Amaro, um eacraro
r11:1'1^ alto, reforcado do eor^o"
nrii i i'nd P S,iP"1 UD>a rande ferid "
cano la direita, que faz com qu seconheoa visivel-
ome piixar pela penia ouando anda: roga-se por
aillo a lodas a,.autoridades de fa/eromTplura
em qualouer parte que apparoca c nianda-lo entre-
gar ao abano assiguado," na rua de Apollo n 30
onde so pagarao lodas as despezas. Recife 15 de fe-
verciro del859.-,l.itonio Alvf Barbota.
Fugio em dezembro do anno paseado um es-
M,nr,,I,0!ii|e9'n.Sme' ,'ri0U," d*dC ,5 ,,LUS- "*-
aiura alta, crtr fula e com falu de denles na frenlol-
tov ou camisa branca e calca azul, o qual escravo de
Jos da Cunlia : roga-se as autoridades poiiciaes e
apilaos de campo a captura do dito esaravo e lva-
lo ao Iramchc do Cimba, oue generosamente so ara-
lillear.
Ausontou-sc do sitio de Honry Gibson, na
Ponte do l.choa, um negro de nome anuario, com
si annos de idade, pouco mais ou menos tem pou-
ca barba, eos os cambados por causa de bichos, o
que lhc ditieulla o andar : os aprehendodores po-
deni enlroga-Io no mesmo sitio, ou na rua da Ca-
deia do Recife n. 52, onde serio recompensados.
PERN.; -TYP. DE N. F. DE PARIA. 1859.

arepwT----


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBBKRY3HH_DJCKQF INGEST_TIME 2013-04-26T22:31:19Z PACKAGE AA00011611_07987
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES