Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07847


This item is only available as the following downloads:


Full Text

/\NNO XXXIII H. 220.
N -
Por o mezcs adiantados IfOOO.
Por o mezes vencidos. 4^500.
ARIO
BNCAaBEGADOS DA bUBSCRIPCA.0 DO NORTB.
?inhiba, 8r. Joao Rodolpho Gome. ; Natal, o 8r. Joiquim
1 l'aralri Jnior ; Aracalj, o 6r. A. da Lem o Braja ,- Cia-
ra', o 8r. ). Jos da Oliviir ; Maranboo, o Senhor Jos* Teixei
ra de Helio; Piauhj o geobor Jos Joaqaim Arelioo ; Pa-
ra, a tr. luitina J. Rimo. ; Amazonn, a Br. Jaronymu da
Coiu.
PARTIDA DOS CORRKIOS.
Olinrii : toilo* os das, s 9 e meia hora i do da.
l S. Anuo, Biierro, llonin, Carujru', Allinliu c GmafcaMi n.i le-ra-feira.
S. Lourcnto, l-.g d Alho, Kaiarelh, Limvrire, rojo, PaMaeira, lnaaleira
Flor.'), Vill.-Ucll., Boa-Viau, Ouicuri r t,u\ n.iipnrt.,-r,.ita,.
Cibo, Ipojiica.SeriRtiJein, Rio Formulo, Uua, Baireirui, Agu.-PrcU, Pi
mrnlcirai < .Yn.il : qMnui-feir*i.
.Tedoa i>r correio* parln ai 10 hora) da mantiSa.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNABS DA CAPITAL.
Tribunal do eommereio : inunda a quintal.
Relleno : tercia leiru a ubbadoi.
Ftzenda: quarUi a ubbadoi 10 horaj.
Juio do eommereio : Mgundn ai 10 borai a quintil ao tniio dia.
Julio da orphaoi .-segunda, a quintan 10 borai.
Primeira tara do cirel : ugundu aiaitaiao maio dia.
Segunda Tara do cirel ; uanai a ubbadoi 10 meio dia.
SAllVDO 5 E orii'BBRO DE 1837
Por anuo adianlado ljOOO.
Porte franco para o subscriptor.
BUCO
BPHBHBBJDES DO MEZ DE OL'TL'BRO.
3 La eheia ai SO minutoi di tarde.
10 Quarto minguaotea 3 boro e 8* miouloidi manliai.
17 La nova ai 7 horai e 19 minutoi da tarde.
2S Uuartocreiceota 11 boraa a 40 minuto da Urde.
PREAMAB DB HOJE.
Primeira ai 3 horai a 42 minuto, da larda.
Segunda ai 4 boru 6 minuloi da man boa.
QFFIGItU
(JOMMA.NDO DAS ARMAS.
Qaartul cameral da cnmniadi di araaaa ale
Peraaambace aa eidada da Heelfe, ana 1 de
outnbro de 1857
ORUBM DO DIA N. 32.
O brigideiro commandanli duarmai interino fot
publico, para conhecimeoto da guarnirlo e Pins con-
venientes, qoa a preaideneia foi servida conceder ao
Sr. Aolonio Kraociico dai Naves a exoneraran que
pidi do eraprego da boticario do hospital regimen-
tal, a Hornear para iirvlr o referido logar inlerina-
mmle o Sr. pharmaeeolieo Brat Marcellino do Sa-
cramento, segundo constan da ofcio dalado de 28
do me/ que flnaliioa.
Determina que o servido da gnaruijao aeja feilo de
caifas branca, vino que enlramoi no vern ; que a
fn; 1 que diariamente lem de montar guarda na
praj esleja na parada ai 8 horas da manhaa ; e qoe
o toqae de recolher leja dado s 9 hora, em ponto.
(Ai.ignado).Joao Jos da Costa I'imenlel.
Conforme.Demetrio de iismao C nlho. Alfa-
res ajadanle de ordens encarregado dn delallie. s
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE
PERNAMBUCO.
IIA.MIil P.GO.
31 de agoito.
A victoria alcanzada pela Franca na queslao dos
principados danubianos a reipeito dai elejei para
o divn he completa. Assim como a Inglaterra,
tambera cedeu Austria, e debiixo dessai crcami-
tanoias a' Turqua nada restoo do que sujeilar-se
ventade da Funja. Era couseqo.acia di.10 a Porta
ordenan ao Cairaakan da Moldavia, principa Vogori-
des, de annullar as eleijes moldavlanas, e da man-
dar proceder dentro em quime das a novas eleijes,
na eonformidade do programma eslabelecido pelos
repreientanles da Franca, da Russia, da Prussia e
da Sudenha na commissao dos pruicipados. E alem,
dliso, a Franja obteve nesia occasiilo a satisfarn de
que o gabinete austraco dea desculpa do procedi-
mento do sea internuncio em Coustanlinopla, o ba-
raode Prokesch-Oslen, com ex,.res-a declarado que
o mesmo oiaedera as fuaa iu-ti uc./ies. A auica re-
sistencia que al agora se nao acha ainda destruida,
he a resistencia pessoal de lord RedclilT, o qaal com-
bato_ al o ultimo momento toda e qualqqer con-
ceiio da Turqua, e segundo te diz, npre.enlou e-
nergicamente contra a orden; do seo gabinete de se
entender com os representantes da Franja, da Rus
sil. da Prossia e da Sardenha, sob base do ajuste
feito em Ojborne. Lord RedclilT derlarou querer
antei abandonar .1 ma psito no Oriente, do que
servir a urna poiilica de cadencia. Tambam se falla
que o Sr. Prokeich-Oslen, mul-contenle com a des-
approvajao do seu gabinete, tenciona dar a >ua de-
misiao. Taivn que a' Anilria saja m ii. fcil sup-
prir o Sr. Prokeseh em Constintinopla por oulro di-
plmala, do qus a Inglaterra de encontrar um soc-
ceisor proprio de lord RedclilT. Debati de todas
as eircomstanciai, a chamada deite ultimo nao-se-
ria senjo renunciar a Inglaterra por muitos anuas
sobre a sua poderosa posijo na Turqua.
Ao raiio 4 annallajo das ultima-* eleijes da
Moldavia para se proceder a novas, pouco adianlou
o resultado definitivo, e le se conlirmar o que se
escreve da Moldavia de parle ldeJigoa que as no-
vas eleijes em lodo o caso resiillsium em sentido
contrario a' UniSo, a qiesUu pan lente se achara
no mi'smo estado, em que aa achava antes da an-
nullijSo das eleiroe-. Mas apeiar di todo isso se
proceder', as novas eleic,6ei, e a Fraaea e a Rissia
njo deixarao de eiperimeular a iulluencia do seu
ouro obre o eleilores da Moldavia. Naloralmenle
do ootro lado tamhem se empregara' o mismo meio,
e bem pode acontecer que neise combate de luiees
fraiicrzas e rusios contra soberinoi ingleies, nao
poneos dos lu irdus, eccleaiaslicos, etc., etc., na
Moldcivia, acliar.lo por adeqodo^nn inlaresse de
ua impircialidade, de metier nas iom aUibeiris
o dioheiro- de ambas as partei. A probidade poii-
lica e o verdadeiro senlimenlo patritico iao cousas
desconhecidas na Moldavia e Valschia, e as diver-
sas classes da populajfto desses paites desde annos
considararam o seu interesse particular como o oni-
co airo d>s leus aiforjos pulilicos.
No meio do alarido causado pela quesiao dos
principados danubianos, que ibiorveu todi allen-
<;ao do mundo'diplomatico e publicista, a queslao
allemla-dinamarqueta se acha entretanto relegada
e deiada de parto.
Ja mencionamos a abertura di cmara do lloli-
lein en 15 de agosto, ifim de dar o seo parecer a
respeito de am nvo.proj*cto de cons iiuic.i apre-
>eni.id> -pelo governo dinaicarquei ; a lambem
mencionimoi que no dil legointe a cmara nomeou
urna commissao para examinar provi-onamente o
dito i rujeeto, e que na rleijao para aasa CommissAo
se manifeston urna opposic-lo decidida. Nao leudo
a cmara nenhum oulro assumpto para enlrir em
dUca'o, ella se adioo al i de agirlo pan deinr
a' dita commissao o lempo preciso para os ieo< tra-
balhos. Qaando no dii 21 a cmara se rannio d:
novo, se 100.be que a comin*<.1o no linlia aindi
lermipido aunas di>cu<0es, e por isso houve no-
vo idiamento at o dia li. lambem na sess.l> das.
e dia nao apparecea jenhumi proposta da eon
minas, e por issu o publico dte contentar se com
Mippmieei. Em lodo caso a srande demora da
rommiiiSo d motivo para ie suppor, que aperar de
se adiar na oppo a cmara nao pode ahila fiear de acord a respei-
lu dos pastos a dar. Mas nao pode uso estranliar
vislo a 'enejada do asiomplo e da decidlo que eab
a asseiubla, assim como falta de clareza nesle ne-
gocio entre a Allemanha e a Dinamarca. Bem dif-
feenlu seria o negocio se a cmara do llolstein,
no qun ella chama o seu direilo po.ie a activa e decidida protecjAo da Austria e da Prus-
sia ; mas nunca podera' ella contar menos com ese
apoio do que no presento mom'nlo em que es duas
grandes patencias alientais se acham lio hostilmen-
te cip; ollas nas principa los danubianos.
Na Anslria, alem disto, se comidera a queslao
holstainesa como de iul?re-a prnsiiano prepoude-
rinle, e a inipren-a ja por vezes deo a entender ofli-
cinsamente, que se 1 Prustia 11A0 smeme nio apoi-
assa, mis pelo contrario rombatesss os intereites ei-
pecilhii-aiislriacns na qaestao danubiana, a poltica
de Viena do leu lado nao se aeharia indozida a apoi
ar a poltica do Sr. de ManleulTM para com a Dina-
marca. O que parece claro, he que mesmo se a Aus-
tria nao poder Heiiar de preitar o leu apoio causa
dos .locados, es-e apoio nao lera mais do que reser-
vado e fraco.que as grindes potencias eilringeiras se
acham mais inclinadas do lado da Dinamarca do qoe
do da Allemanha deve confessar que a auestao
holsteioeza he orna queslao abandonada, a que
cmara reunida Ilzthoe lem toda razio para proce-
der enm grande moderarn.
Como ja distemos |o imperador d'AosIria empre-
liendeu de novo a sua viagem da lluusra em 8 de
agoslo.
priedade era memhro da eamara dos Hidalgos, Mean-
do della excluido o comprador de amaoha.
6 de lelembrro.
DAS DA SEMANA.
28 Segunda. S. Wencelo duque.
S9 Terca. S. Miguel Arrlianjo e Fraterno b.
SO Huerta S. Jcrouimo presb. card.
1 Quinta. S. Remigio ; b. Ss. Verissimo e Mxima.
2 SeiU.S. O Anjo da Guirda. S. Leodegirio b.
3 Sabido. S. Evaldo presb. ; S. Candido m.
4 Domingo. 18. SS. Rosario de Maria.
ENt: ARREGAD' )S DA SDBSCRICA HO SIL
Aligoai, o Sr. Cliudino Filcao Diai; Baha, o Sr. D. Dupta
Rio da Janeiro, o sr. Joao Pereiri Martim.
EM PERNAMBLCO.
O proprietario do DIARIO Manoel Figueiroa de Fara ai ni
Imaria, praca da Independencia n. 6 e 8.
lem desenvolvido na actual erise para oblar Irans-
porlea que condnzam a China e .1 India as tropas
desti governo. Em jullio e agosto stgairam mais de
Conlinninlo a minha correspondincia de 31 de vinle cinco mil homena dos porlos da Inglaterra
Rosto^ venlip relatar os acontecmenlos posteriores. | para a ludia, aleru.dsi forc.ai com destino China ;
e cada dia vao partindo mais reforros, principal-
mente com direerao ao primeiro desies pontos. O
soverno inglez porem nao lem disposto para esse
liin de sui marinha de guerra a vapor ; antes pelo
No dia 3 do crranle a Diela dos ducados do llols-
tein tejeitou a proposla da cmisliloicao, que Ihe lia
via oerecido o governo dinamarquez.
Nao leiupponha porem Desse aconleciminlo ama
importancia qoe elle nao lem. Continua lulo no es-
tado provisorio, que ordinariamente he o mais du-
radouro.
Os representantes das qaatro potencias que em
Couslantioopla haviam rompido as soas rela;Ses
eom a Porta Otlomaua.ja as reslabeleceram oI1ki.iI-
mente desde sabbado 29 de agoslo, hvendo-lhea a
mesma Poria
ainiunciadoqueanuullara as eleires; Irlanda no lempo de Napoleao, a coniunclamrola
laodra proceder a noval elei- ] com aaj1 tal quadro o phanlasma da Napoleao III,
Porta e a Aailria, para faicr eiprimir pelas pro-
vincial dannbiauai um voto contrario n reu-
nan.
Cerlamenle ja deve ter ouvido fallar em lord Red-
cliile : he a sobarba inglea na sua expreisao mais
elevada e mais arrogante Ningnem menospreza
mais do que este diplomsla as vas da verdade a da
juslira, para saliafazer as suas necissidades de orgu-
Iho e de supremaca. Se ha algum dos seus leilores
1 no parlamento que nao faja urna idea eabal deste hnmem, basta
que olhee m torno de si, mtsmo em Pernsnibuco :
encontrar 110 cnsul de S. M. Britanniea, um es-
pcimen dos-a escola de quebras pesenen, que que-
ram fanr fallar de si per fas el nefas >>, e da qual
lord RedclifTe he o chife.
As potencias signatarias do tratado de Paria en-
varam, ha couia da ura auno, aos principados re-
contrario declaroo. lord
que nunca tal le faria palo receio de ficarem a des-
enherto ai cosas da Ioglaterra, que convem sempre
guardar de qaolqoer sorpreza com urna forle esqua-
dra a vapor. Nao duvido que r,esa ncca.si.io livesse
o primeiro ministro da (r3a-Bretanha na Idea o
ponto da historia que reeorda a luvas,1o franceza na
(Bf.
de quo hoja trame a Inglaterra pelo conjunclo das
circuinslaiicias que a levaram as perigosas guerras
da India e Chin O Times, havia lambem recom-
mendado diasanle daquella declaracao de lord Pal-
merston, a mesma med la e pelos nieimos motivo.
as ultimas datas de Calcula sao anda as mesmas
Eis por ora arranjadas ai desavenras a reapeilo
dos negocios dos Bt-incipadoi Daoaianoi; mas a
queslao principal subsiste anda e nao lie dado a
otnguem prever com cerleza o resultado final.
As noticias da India lornam-ie cada da mais de-
sastrosas para Inglaterra. He fra de dovida qne I de que dei noticia na miui
alalo governo inglez triumpharj dos graves em-' quaulo a mala que aqoi he
barajos contra qailuta oa India, mas isso nao ser semana foi retardada all por lord Cannlng com o
eiKio depois de muiios lacrificios de dinheiro emui- Tiro d esperar pelas noticias que deviam ehegar de
lo derramamenlo de aangue, e por cerlo durante ; Delhi e ootros pontos, onde as forras inglezas se es-
muuos annos sera praetso entreter ua Indi om I lo batendo contra os insurgentes. Urna carta de
numerlo exareilo. Bambaim em dala de 30 de jolho diz qae o cerco
epois de longas e rapreheni as demoras resol-i de Delhi se cooservava na defensiva depois do fal-
veu-se liHilinente o senado de llamburgo cons- lecimfilo do general Harnard.
Iru.r um porto commodo e aeguro em Coiliavau, A.ilim, pois, o qoe ha de positivo quanlo as opa-
que sera ligado a llamburgo por um caminho de races militares am Delhi he que anda em I i de
rerro. Ja Mata volados os fondos necessanos para 1 julho 01 insurgentes se achavam de pose daquella
Macen os Irabalhos, e ha de espirar que sejam el- i pr.it;.i. Cawaoore. praca forle, que a principio resil-
les condundos com acllvidade, porque a ma neces- lira ao cerccTde Nina-Saibi, mas que depois se ren-
ndside he da maior urgencia. Logo qoe esliver! dera a este ehefa dos insurgentes, foi novamenle oc
construido o caminho de ferro, e o porto de Cu*-! cupada pelas forrai do general Uavelock depois de
n, o eommereio de llamburgo nao sera' mais' h
condeannado como ale agora a iolerromper Indas ai
sua operarles durante o mezes de invern, em qae
das informac,es confuas que nos chegam resulla
smente que os Inglezei, desprovidos de forjas, nao
podiriam, quanto ao prsenle, vencer a iusurrei-
r,ao amearadora que 09 iovolve, c que ganha terre-
no, como am incendio. Ceda crrelo que vem das
Indias traz o annuncio de novas revoltas e de novas
matancas. Delhi, centro da insurreijao anda re-
siste, e o, sitiantes -,lj incessantemenle atacados pe-
los sitiadoi que podem perder impunemente muita
gcute, ao paiso que as pardas sollridas pelos Ingle-
zes sao irreparaves. Enviam-ae muitos soccorroi
da_ metrpoli, roas sera' preciso mmtn lempo para
que as tropas inglezas chrguem pelo Cabo da Boa-
Eiperanca, Nao se compreheude porque raiao a
marinha a vapor lo numerosa na frota militar nao
he ntilliada para eslcs transportes : nao secompre-
hende tao pouco porque ratSo ottahinele inglez nao
presentantes encarregado de estodar os disijos dos procura obter do Pacha'do Eavnto nassaaem neto
habitanles e informar o congresso ; mas a principal
iuformarao devia ser ministrada pelai proprias pro-
vincias que deviam eleger, cada orna un divn
( assembla ) encarregado de manifestar seus vo-
tos.
Na VaUehia, esta operajo se fez, no meio de no-
ullima carta ; por- merosas reclamaroes, mas em snnima, como os re-
asperada no lim desla i presentantes do conuresso eslavam am llucharesl, o
aiinakm nao se alreveu a fazer Brandas tlolaeSea
havii^ o eommereio de llamburgo nao sera' mais haver derrotado o inimigo ; lao larde, porem, que
N ua-Saibi havia ja' eilermin.ilo o general Whe
gelado o rio Elba, cessa tola navegac^lo.
No dia 211 desle mez, nao livemos vapor de llam-
burgo para o Brasil, mas a' cunenr rio mez prxi-
mo, o servico da buha sera'frito sem interrupjao,
porque o lerceiro vapor Pritteiza de Joinville, es*
lara' promplo para navegar.
Nesles dous ltimos mezes, como nos annos ante-
cedentes em igual poes, o eommereio tem estado
pouco activo, mas os vendedores de caf principal-
mente couservam a ruine esperanza de o ver subir
de prec.0. Uamburgo he incontestavelmenle o pri-
meiro mercado do caf brasil uro, a um novo gene-
ro que he o tabaco da Baha, principia a ter impor-
tancia e a ser muito procurado.
Concluirei com urna noticia, cuja veracidade pos-
si atllrmar, porque aiei da pessoas competentemen-
te habilitadas, e em posir.io de serem bem informa-
das.
llavera'110 corrente mez orna entrevista entre o
imperador da Russia e o imperador Napoleao.
A entrevista tara' lagar n'uma cidade da Allema-
nha, e rain |.iauio as gazetas ora afflrmassem, ora
uegassem. o projecto des-a entrevista, ella se acha-
va resolvida pelos do.us imperadores desde o mez de
'bril. Tera' isso aljama importancia-nos deslinoi
da Europa '.'
Em todo o caio a uni > desses dous poderosos
mu i.irrli.i- n 11 pote deixar de ser de grande utili-
dad!, sobretudo actualmente, que os Ingieres alra-
palliidoi corn a India,deixam respirar o mundo.
P. S. A principiar do ultimo de agoslo leve losar
na llollanda, como todos os annos em igual poca,
11 m letiao ponlico de caf. As vendas fcilas ness
letlao dai qualidadei medianas c inferiores tiveram
lugar com baixa dos presos colados pelos correlores,
o que fez que fouem retirados do leilo 100 mil sue-
cos de cafe. Em llamburgo se espera que essn bai-
la havida na II illanda nao lera' aqu logar, pnrqu"
o caf dos iiossos depsitos he de melhor qualidade
do que o que sa epreseniou 110 leillo da llol-
landa.
O
LONDRES
8 de selembro de 1837.
Avon que amanhu seguir' de Soulliamp-
lon para o Hrasil, levar' a nolicia da chegada do
vapor o Thainar a aquelle porto do dia ."> do cor-
rente pela madrugada, lie esla a mais rpida via-
gem qoa lem havido do Rio de Janeiro a Soulhamp-
lon ; e a circnmslancia de ter sido feila por um dos
paquetes da companhia Reillugleza contribuir mui-
to para acreditar cada vez mais esta empreza.ja
aj.miaja la entre ai outm, que com ella concorrem.
He porem de lamentar, como ja lenho dito, que por
essa circumslanria leulia a directora esqueri lo um
pouco a conveniencia doi viajantes, que percoirem
mssa linba, conservando nella alguns vapores que
sJo de inferior marcha, e que tal ver. al nao eile-
jam ja nas mennas condiroei de navesarao, pelo
qae respeita a sua solidez, como as do iamar .
Os jornies deita capital publicaran) sem demora
as noticias do Brasil tr.izidas por esle paquete, e en-
tre as mais nutaveis apparece a da provavel e pr-
xima ruptura das relacrs diplomticas entre o Bra-
sil e o Paraguay por virlude da quebra que o pre-
sdeme Lpez pretende fazer no tratado ha pouco
celebrado entre o imperio e essa repblica. Nao ha
amia muilo lempo que essas folhas poblicaram tam-
bem a retirada do ministro do Brasil de Assump-
cao, por nao havrr esle podido conseguir de Lpez a
observancia daquelle tratado no que respeila aos
reclmenlos para a iiavcsac.io dos ros que bordam
01 dous Estados ; e dispertados agora por esta r-
cenle noticia da um prximo roinpimento. disseram
ellas qoe afna! vai o Brasil ser despertado de sua
profunda inercia por mais un agsressao da Re-
pblica paraguaya. Emquanto a mim, longe de ver
neie 1111 do de expor a siluarao < poltica dn im-
perio para com essa repblica urna injuria, vejo nis-
a rarecterisada a solida, prudeula. e labia direerao
que o govirno imperial lem sempre dado as quesloes
entiel'i e o governo de Assumpgao; e uina tal politi.
caaaoura resultados felizes, porque alm da Justina
da causa, he ella funtada na madura meditarn
quanlo aos meiot de cOeclua-la. [nao duvido que
na hora da lejo o governo imperial deienvolva 1
mesma energa que lempre lem mostrado paratei-
lisai pacincainente a pindencia, que boje desgra-
radamente parece imeacar a paz enlre os dous pai-
tes ; as-im como que nessa urgente occasiao o im-
perio apjiara' u enverno, que o rege, para melhor
lacihlar-lhe a mlurao dr orna qaestao, em qui hoja
comei-a 1 eilar comprnmeltido o bro nacional. Dos
aa-te pore-a o flagelloda guerra do Brafil, se por
meioi brandas poder le conseguir aindi aquillo que
o enverno imperial pretndese pila raxia da jas-
lita que Ihe assisle.
t.m jornal de Liverpool, creio que o Albion
poldicou no dia 7 do crrenle ama correspondencia
relaiiva a qaeitao que boje se agita entre o Brasil e
o Paraguay, na qual faz o seu autor apparecer lodo
o odioso desta crise conira o Brasil, cujo ngncia- P0'fs Turin, acbam-se novammle n'um p satii-
dor (o ministro que ha pouco deixou Assnmpcao) 'Jlarin, depois da retirada da ola de Mr. Carafa,
atara de impetuoso alrin da injusticia da |nrleuV.io ,oure ifresaineulo do oCsgliario, em que lambem
com mais de quinhentos nomina, que se Ihe haviam
rendido com a condicao de screm soas vidas salvas!
Emvaiios oulros pontos linham-se encontrado as
ror^as comhateules, maa sem resultado decisivo ; e
desle modo ie pode dizerque por emqoanto a re-
volla da presidencia de Calcula' se conserva anda
por debellar. Bombaim e Madrasta te moslram por
ora fiis ao governo da metropole.
Esla inorreir.ao lem lomado all om carcter pu-
ramente relisioso, em que os Mahometanos preten-
den-i predominar, servndo-ie dos liindous por ago-
ra como meros alensilios para i'eus lins.
Lord Conning continua a nutrir a eiperanra de
vir em breve supplantada a i.isurreicao militar na
presidancia de Calcula ; masas vanlagens al agora
alcancadas pelas tropas inglezas iaa tao diminutai,
que por emquanlo nao parece baver motivo da so-
bejo para aquella prematura crenca. Ninguem po-
rem duvida aqoi, e asiim o escreve em geral a im-
prensa europea, que mais cedo ou larde venha a In-
glaterra a reslahelecer a ordem na parle das soas
po-sessoes hoje revollada i vista dos meios de que
ella dispe e da defecejo que em subido grao ja rei-
na entre os insurgentes.
O governo britanoico, de concert eom a compa-
nhia das Indias, tenciona fazer occopar a saa India
Oriental com um exerrito superior a olanlo mil ho-
tiens de forjas inelezas. .
O parlamento brilannico foi encerrado no dia 28
ultimo por commissao legia. No discurso da corna
fea S. M. a rainha, apenas fez niimcVi dos aconteci-
meiiios da India, e referindo-se ao estado em ge-
ral da Europa, disse que ludo agourava duradoura
par.
Falln ainda desla vez do tratado de Paris, cujas
; eslipulac/.es eilao por emquanto sem iirem com-
, |>letamenle salisfeilas ; e concluio por fazer ama
l rilarao das medidas legislativas adoptadas pelo par-
lamento ni actual essao, engrandecendo muilo o
poio e meios qne a representado nacional presta-
ra ao sea governo.
A Igomas folhas europeas nao deixaram denotar
a superfcialidade com qae S. M. B. fsll.ua dos suc
eateoa da India, no que descobrirain intenr.10 de as-
sun .ilt.ini ir a gravi t'ade da siluaf ...
A prndeticta diplomtica enlre a Sublime Parla e
a Frinc, Russia, Prussia e Sardenha, foi liualmeule
resolvida como asles pialendiam.
As eleicool da Moldavia foraiu annnlladas, e um
novo decreto do tuliao man Ion convocar novas elet-
5e.
A fnslalerra e Austria, que a principio suste..la-
ram a Porta contra as reclmateles das outras puteu-
cas, vierampor fnn aconielliar o gahinele oltomano
a adoptar o expedienta lembrado, ao que este go-
verno cedeu, pretextando haver resolvido 1 crise por
accor.lu em que entraram todas as altas parles con-
tratantes.
No dia >:) de agoslo ollimo os reprisenlanles da
franca, Itussia. Prussia e Sardenha, reslabeleceram
suas relaroes olliciaes com a Porta.
Foi assim que Luiz Napoleao zomboa da luglaler-
ra(uesla questao; e na aclualidade das circunstan-
cial, em que se acha esle governo, lenlo de lutar
com as guerras da China e 111 lia, nao me admirara'
muilo que mesmo na qaestao final da sepincao ou
uniao dos principados, venha a Franca a Iriunipliar
anidada Giaa-Brelauha. O- jornaei ingieres porem,
lostenlam que a e-se respeilo ceder' o imperador
aple 1: veremos o resultado.
Sua magestadea niolii, deixou O-borne em fim
lo mez prximo passado, e le acha clualmenle na
fc-cossia com toda soa real familia. O principe Al-
berto ira' provavelmente fater antes do li n desle mez
orna visita ao campo militar de Chilant, onda se a-
rlia o iaiperador Napoleao, del> 29 de agoslo, eom
urna forja de viule mil humeas. S. A. R. sera' a-
cumpanhado do principe Alfredo seu ftlho.
O ministerio ingle! parece estar prestes a sollrir
urna modilicajao na pessoa de Mr. Vernon Sm Ih,
ministro da r.particao dos negocios da India, que se-
ra lalvet substituido por Mr. Sydney llerberl.
Lord Elam chegou ja a Hong-Kong, e a esla hora
devera nchar-ie no lerrilorio do. Cale-te Imperio,
para comejar as suas ne^ociijuis : luppe-se que
coinerara' sua seuhoria por fazer oceupar Cintao au-
les de seguir para perlo de Pekn.
A queslao enlre a llaspanl.a e o Mxico, parec
vollir ao desagradavel estado em que se achava pela
reiistencia deste ultimo aoverno. em ceder a exigen-
cia, que o gabinete de Madrid, Ihe faz dar por pr-
vidas aem discussao is iudemnisaces rrclamadas pa
ra subditos hespauhoii, que lolTreram no Meneo,
senao por counivencia, ao menos por negligencia do
governo desle paiz. Mr. Lafragua deixou Madrid
sem resaltado deliuilivo da suas negociacei, por
parle do Mxico.
Sua Sanlidade regressoa a Rama no dia ."> do cor-
rente, dspois de urna ausencia de ilgam mezes. Em
Horenja, onde esleve algan das, foi o papa viclo-
'iosamenle recebido.
As relares diplomticas entre os gabinetes de Na-
islhmo deSiitz. Como qorr que seje, Tnleressam-se
|iouco pelos Inglezei, em nosso paiz e na Europa,
pois que a Inglaterra lem fatigado o mondo com o
tea nrgulho, e com as suas injusliras.
A sesiao do parlamento inglez se prolongnu ella
anuo muilo alm doi limites ordinario! a foi sumen-
te 1 28 do mez passado qoe o aclo de prorogajo
foi levado as eamaris, nao pela rainha em pessoa,
m lai a n I.. ... .i -l~ ~"~."------------.- -- .-.--- ... v.uiii uau peni i.iniiii CUI I
.citod.ploin.iieo. '"" qU Mas na Moldavia, as cousas se p.ssaram mui de
oulra sorle. O Caimakan, Nicolao Vogorids, calcou
aos ps as iusruccOes qae elle tinha recebido da
Porl. Escodado cam o apoio que Ihe presta va m os
embaixadores, a Inglaterra e a Austria, compoz a
seu bei-prazer as listas eleiloraes, depois de ter ems
pregido a corrupto e a intimidaran, eliminou a-
quelles eleilores cujo voto tema, de sorle qua un-
vinle apenas qoe iin:,am diraito lomaram parte na
eleijao. Assim que'estes fictos foram conhecidos, os
representantes da Franca, da Russia, da Prussia e
da Ssrdenha, enderejaram ao governo Inrco cada
am, ama nota quasi idntica, assignalando as Ile-
galidades destai opersrSe e pedin lo que fosse *i-
signado a' eliicao, at llepos da revisao das lisias
elelorais, um praio de 15 das, que devia bastar
para a revisao.
O ministerio turco se achou muit embarazado ;
nao quiz desagradar a Franca, mas cuslar-lhe-hia
voltar sobre fados conformes sua poltica e despre-
zar implcitamente um agente de quein tinha feito o
arbitro com o lim soiuente de fazer Iriumphar os vo-
tos de -tu governo. Foi preciso com lodo sa pro-
nunciar : o conselho des ministros se reuni para
eslaloir sobre os pedidos das qualro potencias, mu
indeciai sobre a resolurao que iam tomar, quando
chegarain os embaixadores de Ii(S1a,lerra e d'Ausiria
que declararan! que queriam lomar parle na delibe-
raran. Desde em.io a deeisaoja njo era duvidosa. e
foi resolvido que se passaria alem disso s operajis
do divn moldavo, apezar doi protestos das qualro
potencias.
Esla resolocao do gabinete lorco dava ao negocio
urna extrema gravidade. O Sullo, para agradar a
Franja, acabava de tirar as funeces de arao visir, a
Keirhid Pacha, que aecusavam de demasiado frato
para a Inglaterra ; mas que importava urna mudan-
ja nas pessoas, se ai cousas fcavam no mesmo esta-
do, e se o novo grao visir, Muslapha-Pacha, conti-
nuava a poltica do seu pradecss.ir ".*
Assim o nosso ministro em Coulanlinopla, M.
Thouvenel, lomou immediat.iinente utn partido ener-
gco. Enviouo seu primeiro interprete Porta pa-
ra declarar quo se una laUllaeSo inmediata nao fs-
il ue rol pronunciado nesla circunstancia, e que me-
rece ser lido naoiumenle porque elle resume ftel-
menle os Iralialhos ,1a ,eaao, ma. lambem exprime
os seiilimenlo. da croa e do gabinete, acerca dos
successos da India.
Eis-aqoi como exprimi o lord Chanceler : (Uy-
lordi e senhores, S. SI. vos ordena' qoe sospeodais
vossns (rabalhoi parlammtares, e ao mesmo lempo
exprime os seus sinceros agradacimenlos pelo zelo e
aisidoidade com qoe leudes preenchido os vossos im-
portantes deveres durante a sesso qoe, embora mais
corla quo de ordinario, todava lia sido extrema-
mente laboriosa.
o S. M. nos ordena qoe vos expiimamosa satis-
farn que olla experimenta da que o estado dos ne-
cocios na Europa in-|ra urna confianra bem fonda-
da na continoajao di paz. Ajustes relativos ple-
na exerurao das estipulajOesdo tratado da Paris
ainda nao lem por liveisai causas sido concluidos ;
mas 8. M. espera que, graras aos sinceros catorros
das partes assignalarias deste Iralido, Indo quaiilo
resta a fazer, acerca das suas cslipulajes, podera'
ser antes de longo lempo regulado de urna mane-
ra sali-factoria.
o S. M nos ordena que vos informemos de que
II in.-urreijoes consideraveis qoe arrebentaram en-
tre as tropas indgenas do asercito de Beneala, fo-
ram leguidas de perlurbacan graves sobre mulos
pontos da presidenta, lem'v vaiiunle abalado S. M.
As atrocidades exerridus sobre crande numero
dos seos subditos ua india, eos soDTrimentos de qoe
bao sido victimas, tem penetrado com a mais viva
diir o corarlo de S. M., e por uutro lado o proce-
dimiento de minios fuuccionarios mis e militares
qoeseacharam em circumslanrjas exlremamenle
criticas, e lem sido expostes a grandes perigos, ex-
citou a profunda admirsrao de s. M. Ella nos or-
dena que vos informemos de que ella nao poupa-
ra'meio ilgum capat de reprimir estas araves de-
.ordeus ; e S. M. tem a conliauja de que com a
bencJJa da providencia, os plenles meios queestao
a sua disposico a pro em estado de alcanraro
alvo.
o Senhores da cmara dos communs S. M. nos
ordena qoe vos asr.idec.amos os generosos subsidio.
e dada a Franca, elle rompa imiueili.it.menle as! que volastes para o servijo do "presente anno c os
relajees diplomticas com a Turqui. Coma aslc I protestos que Ihe desle da vossa promplidao em
passo nao (o.se bem luccedido, e una respoila la- prestar a S. ||. o apoio que pode sr Decenario
voravel tuo chegasse no dia ruado por elle, a de par o reslalielecm nto da Iranqoilidaile na India.
agosto as 10 horas da inauhaa, as armas da Franca S. M. ficou s.ilisfeila de ver que pdeles provero
foram liradas do palacio da embaiada depois de le-1 pasamento das lommas allnboida a' Dinamarra
rem sido landadaa pelo commiaurio franco/. M. de ; Pelo esgale dos lucilos do Sonl, sem que para esle
apresenlar '. 'im acresceulasseis cousa alsun-.a a' divida nacional.
Mjlords e senhores S M. nos ordena
O conflicto diplomtico qoe de repente linha rom-
pido em Conslantinopla, exigindo a presenja do im-
perador em Vienna, lirn pela sesunda vea inler-
romplda essa viagem, mai ja em 23 de agoslo, ha-
vendo-se conseguido umt aolueao provisoria pela
r 'i-ess.i.i di Inglaterra, o imperadar se acha na po-
u. 1-1 do principiar de novo a viauem, mas lambem
esla vez se rireia urna in.ernip.;a 1, e isso por moti-
vo Jo congresso internacional-estilstico, qoe se deve
reunir em Vienna no meiado do rrez da selemliro,
rujos mernbros o imperador desejs iludir pessoal-
menle, seguindo o eiempli do imperador dos Fnn-
rczei a de el-re da Bilgiea.
Ja ba algum lempo se Mlava de que em Wnr-
lemberg o governo teucionava fatr algomas modi-
h-aoe- ni conslituijao reipeito da eomposij.1o da
primeira cmara. Esla nolicia te acha hoje confir-
mada, icreicenlando-se qoe a mudanji projeclada
era o premio que lem de pagar os ti talgos proprie-
(arioi pela >-2mi 11 cimara por haverem sido aboli-
dos em 1848 os dircitos particulares ile sinhorio. A
primeira cmara he enmpiila de maneira que todas
as le,, progressns e melhoramenlo. dependem dos
representantes da fnlalsiiia-proprielaria que forma a
Minora da m*sma cmara, nao oflercceno a consti-
IiiijA 1 neulmn meiopaia avilar a rpprovarao -"a
primeira cmara, na qual os fidalRM proprie'larins
formara a maiuria, mesmo no caso em que o gnvir-
110 e a cmara dos depulados te ach,.ssein no maii
intimo accordn n respeilo da urna medida. P. r e-s-
molivo o gov.ruo ja ha muilo deejava algomas mo-
dilicajles dee lyatania, e nas nesociajfles enlre o
governo e o. fi talaos respeilo da que-tao de inderr.-
m-ajao elles sedeclarar.im promplos para eonsenlir
ne- 1- modificares, aa quaes con-islem em qoe urna
certa renta animal proveniente, de prnpriedade ter-
ritorial aulorisa para 1 entrada na cantan do Hidal-
gos proprielirios.
Po la iora entrar na primeira cmara qoer cida-
dao, quer paisano, urna vez que possue certa propri-
odde, em quanlo qae al agora era isso dependenlo
nao do lamauho da proprie,la I-, mas sim daorigem
li i alga, do que resultivi que hoje o dono de ama pro
que elle suslenlava. II manifest que esta soitida
parlio de algum dos agentes que a esta hora tem ja
Lpez nesle paiz com o lim de dispor a opiniao pu-
blica di Inglaterra em sea favor, caso lucceda vir
a icender-se a guerra entre o Brasil 1 o Paragaij ;
mai debalde, me partee, prour.im essis satelliirs
ca.ihar aqu affricoados para um governo, cuja po-
hlira he ja bem condecida pela Gra.i-llrelanha por
traioeira e mesquiuha, principalmente qoando em
relnro as outras nar.s. Assim pois descanse o
Brasil na justija, que Ihe assisle, e no poder das
suas armas, quando ahoil a nrcessidade o obriguei
laucar lambem m3o deile ollimo recurso, para
ohrigar o governo de A.sumpjao a respeilar a f
dos Ira lado.
S;gundo annnnriaram as mesmas gazetas ingle-
zas, ministerio Olinda disponha de una maiuria
is| s forte em ambas as cmaras, com a qual a re-
loli endo varios assumpto. de nleressi publico ; e
a nova pauta das alfandegai do imperio uneciona-
va.|a ne.sas reparlijois, comqoanlo fosse provavil
qoxem breva iiveasa de ser ella revista pelas im-
VerfeirOes que nella a a pratica apontande. Pelo
que respeila ao estado do eommereio nas nossas
prara, foram mui favoravoia as noticia. Irazidas
pelo n Tliimir cxcploanlo apenas a nova do ri-
soroso calor na provincia de Pern.imbncn, que re-
duz'ra consideravelmenle a colheita desle anim.
O paqurle Irydispe chegou a Soulhamplon no
dia 2ti do oltiino, e logo foi frelado peh governo 11-
Sl't para IraiMporll de (ropa, com le-lm a Calcu-
la : hrevemenle seguir a mesma sorteo v.ipor Cal-
culn, pois que o almiraulado nao ces.a de frelaros
bons navios a vapor quo pode encoulrar para (rans-
por e de Iropas. Consla-me al que este governo
pre -ndera comprar em Creenok doos grandes va-
poros que all mandou eouilrur a companhia dos
Paquetes Bia.ileiros.
A linha de paquetes de Anvers ao Brasil lira pois
Interrumpida ; e queir.i Dos que por urgencia de
rircum-laneia nao venha o governo bnlannico a
l.njar m3o dos vapni.s da Companhia Real par
aquelli mismo lim, porqua nesse caso muito preju-
dicado li-.ii.i o servijo entre a Europa a o Brasil.
He eilraordinariai acliviaadeque o almiranlado
se insinuara que u governo piemuntez lomen lara a
rev lur.1,1 de Genova.
As correspondencias dos Eslados-L'nidos, ditem
ae em breve leguira' de Washington para o Brasil
o Honorable R. K. Mude, novo ministro america-
no na corle do Rio de Janeiro.
Comfort foi escolhido presidente do Mxico.
O fundos publico! do Brasil coii-emm-se fir-
mes.
PAHIS
21 de agoilo.
Ale hoje Un lenho fallado mui pouco acerca da
um negooio que, ba um auno, causa erande cuidado
diplomacia, mas que paia os leilores de jornies so
linli 1 um inleresse mui insignificante, pois qoe 1
questao nao dava am pisso, no meio de todos os ri-
gore. contradictorios que circulavam, e das polmi-
ca! violentas qne enchiam as folhas de Inglaterra,
de Friura, da Turqua e d'Aostria. Hoje comludo
o negocio deu om grande passo : lem quasi exclus'-
vamenle absorvido a iltenc.lo publica durante esta
quinzena e julgo qae he necessano resomir brava-
mente 1 la historia, para qae 01 seus leilores com-
prchindam cabalmente os curiosos incidentei que
acabam di ler lugar.
Ha de lembrar-se que o tratado i,e Paris decidir
que es provincias danubianas a Valachia e a Mol-
davia/ .eriam consultadas sobre as inodificajes que
se fizes.em na sin organisajao interior, princip-l-
menle sobre a questao de saber se tiranam separa-
das, ou se teriain reunidas si b o mesmo governo, o
qual reconheceria a suzerania do Porta. Assim qoe
estas provincias ex|irimissem seus votos, o congresso
de Paria devia estatuir definitivamente sobre a la
sorte.
Na origem cinco das potencias que tomavam parle
l'hoiivenel, (rajado de ca os seo. deveres ao sultao como simples particular,
para agradecer-llie a benevolencia com que o tinha
pessoalmeule honrado e sem di/er urna pala, ra acer-
ca da queslao poltica. O embaixadnrdi llussia im-
lou o exemplo da Franca, e os ministics da Prussia
e di Sardeuha liveram o mesmo cumportiraenlo. A
maior aunada le reinou em Conslantinopla ; espera-
va-se a cada momento a partida dos qualro repre-
sentantes da i 'rauca, da Russia, da Prussia e da Sar-
denha.
A nolicia desies graves soecessos chegou quasi m-
inediataineie a Paris e a Londres pelo lelegrapho.
As 1 dlias de Londres, anda as que defendiam o mi-
nisterio, alacaram com extrema violencia a M. de
Thuuvenrl, e como se sabia qu que esle embaja-
dor linln li-lmenle cumprid 1 as instruejca do seu
governo, agoirdava-se, s-no um romptmenlo com
a Inglaterra, ao minos urna disidencia obstinada
que poda drsfechar um golpe funesto na allianja.
Felizmente para a conservaran da paz do mundo. 110
mnmenio em que esla. noticias chegavam, o impe-
rador Napoleao ia parlir para Osbonie, com a m-
peralriz, afim da visitar a rainha de Inglaterra. Ha-
via urna occasiao que am principe tao hbil e tao ex-
perimentado nao dava deixar escapar de conjurar
urna dis.pni_.in que poda acabar n'um rotnpimeuto.
Com elTtito, o imperador parti a ."> de asosto, eclie-
gou a Oshorne a ti : ah encontrn brd Palmers-
lon lord Clareudon, e da conferencia que elle le-
ve com estes ministros da rainha, resullnu um arran-
jo, que be urna verdadeiri desapprovajo da polti-
ca aggressva de lord RedclilT.
Foi dicidido que 1 liigludrra nao se opporia mais
que as eleijei moldavas foisem revista-, nos pra-
zos que rerlamasse a Franja, e que inlluina para
com a Austria alim de que ella lambem disislisse da
sua opposicao.
A iinanmidade achamlo-se desl'arle rcslabrlecida
enlre os representantes das potencias sigualaris do
tralido de l'aris, ja ae nao podi pr em duvida a
aquiescencia da Porl. Assim |erminoo-se este ne-
socio, pela inlervenrao pessoal de Napoleao III, que
pela prudencia do seu compnrtainenlo, loruou-se o
virdadeiro director dos negocio! earopeus.
Ja deve ler sabido pelos jornaes inglezes qual fra
a mn I11..I0 do preces do mperidor, de que llie falle circumslanciadameii-
te ni minha ultima carta.
Tibaldi, o principal accosado foi condemnado
leporlacao perpetua : he a mais forle pena qoe po-
de ser pronunciada, visto que a pena de morle foi
abolida em materia poltica, tolas as vetes qoe nao
ha homicidio 011 assassinalo. Os dous cmplices,
drilli e li 1 rt I ,ih foram traiados menoi severamente
por causa das suas revelajoes, e condemnados s-
mente a 15 annos de delinrao. Anda ni.i la peo-
nunciou a senlenra contra us aecusad.11 conlumates.
De olla visla de O-borne, o imperador paisou
alsuns dias aqu assislio s feslas de 15 de igoslo, 1
nica festa poltica do rrgimen actual ; he o dia que
o primeiro imperador escolhen para celebrar a fesla
de S. Napoleao. Elle presidio igualmeule a inau-
gurajao do l.ouvre, palacio immenso que lem a ex-
len-iin de nma cidade e que encerrara no sen vasto
deienvolvimenlo, nao s a residencia imperial, mas
dous ministerios, om quarlel, varios mu>ens incom-
paraveis, urna biblolheca de 200 00 300,000 vulu- lalvet roais fune-la lila, li a do generil l.awren-
elc. He um raonumento de urna belleza ma- ce que commandava em Luchnon, e que acaba de
morrer das consequencias de suas ftidas. Este
general, comseteaoilo centos eoropeus suslenlava
o pait dos Miradas mu ln -I1l1s.nl,..
O negocio porem que mais dolorosameule lem
commovido a loglatnrra, nal ultimas unira-, he
o qne acontecen em C,e.i, n ir. Esta cidade, ape-
nas fortificada, era gurdala por tres ou qualro
ceios soldados ; as nolheies e os lilhosdoi com-
batile! de Delhi s. Iioham refugiado nena reii-
dencia. I:m chefe Mahralle, Neaa-Sail, veio sitiar
Cwenpoor, frente de -20 mil homens. O gene-
ral Welar qoa commandava morreo d.s feridas, ca
jo iriii n. leve a infeliz idea de entrar em ajuste,
com Nena-Saib. Esta miseravrl era condecido dos
oflici.es inglezes: ai. le da guerra, viva com ellei
eiareria mu mi.ia le. visjlava-os molas vezei, Iro-
cava com elles charutos, e fallava admiravelmente o
inglez, e all. clava om goslo pronancisjjla pelos cos-
luinei europeos. Os olliciaes julgaram pois qae se
pnlnin fiar uelle. Assignaram um capilulajao que
os aulori.ava, depois de Irrem deposlo as arma-, a
embarcar-.e para Calcula', e Nena Saib garanta-
Ihe a seguranra durante a viagem. Apenas porem
pozeram ps nos barcos, o trahidor M .limite rnm-
dou fazer fogo sobre elle., e apoderou-se dos navios,
man lou as-aisinar lodos 01 homens, e guardoo as
omitieres e os meninos, que mandou vender aos
-eus toldados, guardou para si Irinla malhers
Verdade he que miis (arda, o coronel inglez Nichol-
sonbateu Ncna-Saib em Ire occasies diffirenles,
feslaram entre alguoi regiminto! de Cvpaes, por
prudencia nao sao obrigadoi a marchar" conira 01 re-
beldes.
A grande queiiaa,he di saber qnando ehegarao os
reforroi da F.oropa, pois qne nao ha probibilidade
algoma de aoabar com .emelhaiile negocio, emqoan-
to naohouver em lmenla ao menos 30,000 homens
disponiveii qoe se ajuolem ao que reita dos amigos
regiment..
F.i.-aqui o que lio aulheolico sobre a reme.sa dos
relorjos : foi no correle do mez de julho qua as
pnmeiras partidas comejaram por meio denavioi
vela. No mez de agoslo, ootras partidas liveram
lugar, algutiiss por navios a vapor. O algariimo
deelas remes>as he de 25 mil homens pooco maisoo
menos : arrescentando a sin as forjas expedidas an-
teriormente pela China e qoe devem Picar em Calca-
la, mais alguns regimenlos que lem sido pedidos ao
Cabo da Boa E-peranja, completar-se-ha fcilmente
om mello bastante respeilavel para sodoear a n-
surreijao. <_)uando porem ic podera reunir este
eicrcito e no mdo estar__cplz de marchar ? Seron-
do os calclos mais prov'aveis, apenas lodos os oavioi
lerjo etl.'tinado o desembarque em Calcuta a meia-
doi de outbhro. Por maior qae seja a diligencia
que se empreguem nos preparativos de orna expedt-
j.So, quando se cuida em Indos 01 vveres qoe coo-
vem preparar, em loda as monijoes. am todas as
provisei de caminho e de cuerra para Irinla mil ho-
meus, qaando se rellecle qne esle homeni, para che
gar a Delhi, lem que fazer mais de Irsenlas liguas
cm ura piiz inteiramente divislido, he impoisivel
admittir que as operares mililares comecem anles d-
lim de dezembrn ou cmnecu de Janeiro. Ora, quan-
do e reflecto qoe ai noticias do Iheatro da guerra
dalam do mez de julho, pergunta-se o que se pa.si-
ra ueste ntervallo de seis mezn, em qoe o poder
inglez na India dever contino.r a lula com foijas
mnimas conira orna insuneijao formidavel, pergon-
la-e o qae vira' a ser dos heroicos soldados de acam-
pamento dianlc de Dt/Uiu pergunta-se emfim, seo
governo de Bambaim e"de Madrasta conscenirao
manter-saem paz conira a propaganda insurreccio-
nal e te o rasiilho de plvora u3o incendiara' lam-
bem o leste c o sul da India. Se assim aconlecei-
se, se apparecessem novo, desastres, o uforjo qoi
faz a Inglaterra seria insofliciente ; e Ihe seria neces-
.ario para recrrmquislar o sea dominio centenares de
mil homeme cenlenare de milhdes.
Ja' Ihe disse na minha carta precedente como as
diflerencas relativas a's provincial danubianas ti-
nham sido njustadas ni entrevista de O-borne. O
lelesrapho iaunedialameiile informnu ae. represen-
tantes da Franra e da Inglaterra em Con.lantino-
pla o accordo havido entre as duas potencias, mal
lord Redclifle nan quiz acreditar no deipacho lele-
graphico, offendido como elle eitava 110 seo orgolho
em conseqoeneia de desaprovajao qae se inflige ao
seu comportamento : esperoa que o correio Ihe Iro-
cisse as nrdeus do tea goveroo, para declarar emlim
a' Poila qoe a. elrjOn da Moldavia deviam ser an-
nolladai. O ministro da Au.lria, M. de Prokeich,
obrou da mesma maneira, e o governo lurco decidi
que estas eleijes fossem nnoulladis.que as listas rlei-
lorais tossem revistas.! qae 15 dias depois se proce-
dissem as oovas eleije. O telegrapha no. an-
noncino que depois de ler obtido astas tatisfarei, os
embasadnres de Franja e da Hu-sia, e os ministros
da Piussia e da Sardenha linham renovado as soas
relajara com a Poila.
A rainha de Inglaterra quiz (rilcmonliar quanlo
ella era sonsivel a' curia visita que Ihe Pitera o im-
perador e a imperqtriz da. Francezes em urna das
sua. excurses sobre o irrr, quiz por up. no solo
francez : desembarcan em Clieibourg, nos.o grande
porto militar di Mancha : foi raeebid pelo almiran-
te com o olvoruca e respeilo devidos a tua gerarchia
e ao seo ttulo de adiada da Franja, e depois de ler
visitado o porlo e os arre lores, ella vollou no da
seguinta a Osborne, donde pardo para a Escossia.
A propo.ilo de entrevistas de principes, fadei-lhe
nos boatos espalhado. icerca de urna entrevista que
devia ler lugar entre o imperador dos Francetei e o
imperador da Rauia. o faci he buje eerto, e eis-
aqui onde e como os dous soberanos se encontraran.
que vos
transmitamos os seus agradecimentos cordaes, pelo
dote que concdeles a su.i lilha mui querida, n prin-
ceza real, por accaliSo do seo cannento prximo
como prncipe Frederiro Coilhcrme da Pru.sia. : O'.mpcrador e a nnperatrz do. Francezes s
A rainha nos ordena que vos inform.mos deque ella : ir pagar a el-re de Wurtemberg a visla que e.le
vio com lalisfajao qoe, nao obstante .1 hrevida le I rei Ibes feza devem achar-se em Slolleard a 2 desle
'la presente ses-ao, podestes adoptar numerosos ac- mez. I'or outro lado, o czar, prenle da el-rei de
lo. de grande importancia, e aos quaes S. M. deu Vurtemherg, chesara' Slullgard, a 21 de selembro
0 seo cordial a.sendmenlo.
Os actos destinados aeslabelecer ama jnrisdicjo
m lis ellicaz para a justiPicajao dos testamentos na.
1 lula ierra e na Irlanda, ralilicam imperfeiroas de
que se queixavam ha mudos annos. O acto qoe
emenda a le relativa ao divorcio e ao. pleitos ti.a-
Iremoniac pora' termo a males que lem lido por
muilo lempo experimentados. Osdi.ersos icios pan
a punijao dos aboms de conlnija fraudulento-,para
a emenda das Icil relativas ai penas lecondiarias,
para a emenda da le relativa aos rallimenlol e ban-
ca-rola, na Irlanda, para o melhoramenlo da sorle
das infelizes alienados na Escocia, para o melliora-
menlo da organisaro da polica doi condados, lodos
erles actos as-im como oulros de menor importancia,
mas ten,lento- igualmeule ao tnellioramenlo progre-
ivo da legislajao receberam a sanejio de S. M.
lemos ordem da rainha para vos manifestar a sua
conlianja de que ao regrenardei ioi vossos diver-
sos ci-11 ia los exerrereis a influencia que vos perlcn-
ce com justo titulo de maneira, que augmentis o
bem estar c 1 felicidade dos seus leaes subditos, e
faz votos para que as heneaos di Heos omnipotente
acompanhem e coroem os vossos esforjos.
Observara' ueste di.rdrso, assim como se lem ob-
servado n.1 Europa 1 linguagem placida e firme do
governo inglez, qaando elle se explica aubre os
aconlecimenlos da India. O sangue fri 1 a modi-
jan lo tanto mais meritorias quanlo o. jornaes de
Landre* so fallam desies aconterimento. com orna
violencia que parece furor, e manifestando neces-
idades desrufreadas de vinganra. Releva dizer lam-
bem que as noticias chegam de Bengala sao hor-
rorosas, e rapaze* de excitar no mais'alto ponto
a colera dos Inglezes^ pois qae elles sAo olTen.li-
dos ao mesmo lempo no seu orgulhu e no. seus
lenliinenloi mais intimo.. Os selvagen. habitante,
da India nao fazem somenle a guerra os homen. :
nao ie comentan) em matar os Kuropeo que Ihe.
re.tem, se apoderam das mulheres e dot Pililos,
os submellem aoi ullrages mais abominaveis c de-
pois de ter (arlado as suas paixes, es fazem mbr-
rer nos mais horriveis snpplicins,
O ollimo correio de Bimbaim assnmbrou anda
mais o quadro. Nao su Delhi, a cabiji da insur-
rairo, aindt resiste, mas o xeicito "inglez que
devia sitiar aquella cid.de, e.t,' lambem sitiada,
e lodos os dias he ohrigada a repellir ataques hor-
riviis: os llindoos pirdem muila geole, e l o pr-
senle lem sido sempre repulido! ; mas os Ingiere!
se enfraqoecem pelas toas victorias e pelas moles-
lias qoe dvaslam o seo acampamento. Obrigidoi a
manler ai soas cnmmunicares, elle- so lem dous
mil homens a por em linha "conlia os insurgentes e
Deo. salie quando Ihe- eLegara' reforros. O oflical
mui rtiilincto que os eommaudaia, o general Bar-
norad acaba de morrer de dvsenleria. Oulra perda
e aln residir' al 28. He desla manain que te rea-
liiara e.la entrevista que muito lem preoccupido os
homens polticos.
(> imperador esla' neste momento no campo de
Chalona, onde deve enmmandar em penoa des manobras da guarda imperial. A impcralriz a-
inda esl.' ew lliarrilz.
O julgamenio dos aecusados con(uma/cs, no ne-
gocio da conjurarlo c ni; a a vida do imperador fai
pronunciado n -j desle mez. M izzini, .'.edr-llo-
lin, Campaaella e Massaranti foram condemnados a'
pena de deporlajao.
Acaln-se de julgar.im Algerii, oulro proresso que
des|ierlou no mais alto grao a alienen, publica. Tra-
tava-se de om assas.ioilo rommellido na pe.soa de
um chefe aigbe, mu devolado a' Franja, isiassinalo
commellido por Arabe<, mas do qual um ofllrial
francez, o capiOo Doineao,.linha sido o insligador.
Os debate, desle negocio duraram 15 diai, ,e o cipi-
tao reconhecido criminoso, foi condemnado a' pena
de morle. O. cmplices, considerado, como cgo.
instrumento, do crime, firam smenle condemna-
dos, un- a cal, perpetua com trabaiho, -o oulros a
priso com trabadlo por cerlo lempo. Os condem-
nados appellaram para o dibonal superior ; mas pa-
ra que a irnienja seja reformada, he miliar que nel-
la se descubra un vicio de foiraa ou urna falsa ap-
plir n-.io da lei.
L'ma ceremonia de grande inleresse para a scien-
cia leve lugar no primeiro deste mez. El-rei de
Bjjnmonle, Viclor Einmanuel, ..cha de por fugo a
primeira mina destinada a rasgar o moule Ceois, e a
eslabelecer atravez dos Alpes, urna communirajao
entre a Frinra e a Italia por meio de um tUDiiel de
12 kilmetros.
Bulletius da bolsa : 3 por rento franciz, G7 f. 05;
i l|2, 93,23 ; consolidado, nglczei '.I 1,2'.
ravilhosa, ornido no inlerior pelo mais bello traba-
dlo architeclonico, e por centenares de estatuas qoe
decoran) lodo o primeiro sudar. Desde o reinado
de Francisco I, Irabalha-se no Loovre, mas a obra
Inilia .ido mudas \eit> inlerrompida, e o que resla-
va a fazer quando em 1859 Napoleao III emprehen-
deu esla larefa, era inliint.mente mais consideravel
do que o que foi feilo. He urna honra mui grande
pira esle principa ter levado esla obra ao lim.
Cada anii.i, a 15 de agoslo, o Imperador procara
despertar no povo a recordarlo do primiiro imperio
e do primeiro impwador que firoo iao popular : es-
le anno elle vjuiz dar om lesleinunho novo de bene-
volencia aos anligos companheiro. d'armas de Napo-
leao ; rreoo urna medalha, chamida medalhi de
Sania Helena,que deve ser coucedi la a ludo qoan
lo re.la, em Franja e no eslraugeiro, dos aotigoi
solladni da repblica e do imperio que serviram
de.de 1792 at 1815.
A 17 deste met, o imperador deixou Paril com a
imperalriz, rom deslino li agua.de liiarrilz onde
iroperatrit deve tomar 01 b-nhns de mar. A resi-
dencia de Napolaao III, em lliarrilz ser moi corla ;
deve voltar a Paris a T, e dahi partir para Cha-
lons-ior-Marnc, em Champagne, para commeodir
as grandes munobra. no acainparr.ento em que de-
vem flgurar duas divisei da guarda imperial.
Esla'moi espalhado o boato de que o marido da
raioha Victoria, o prncipe Alberto, ira' assislir a
LISBOA
li de selembro.
A -il'iae.'i-i polil-ra da Portugal afoilamentc se po-
de dizer que tem em si eleminlo. transitorios, qae
nao sao a cabal e exacli-sima expressao do sjslema
ripresenlativo.
Aciba de ser nomiado para a pasta da guerra um
cavalletro mui re.peitavel por sois viilodes e ser-
vijos e carcter dos mais probos de.te, o brigadeiro
do exercito Antonio Rogerio Gromicho doseiro,
goveroador civile militar da Iba da MaJeira.'Ozelo
com que iquellc fuuccionaiiose lioove na cri-e por-
que paisou lia pouco lempo o districto do 1 um lu,
a soa actividad! lili applicadi a lodoi os ramos da
adminiliajao lornam-no credor de reconhecimento
e resptilo quamlo nao fossem ja muilo- oulro. Ulu-
lo, que o fauam recommendavel.
Entretanto o Sr. Couseiro nao faiia parle da re-
preienlajflo nacional e nin.uem dir' ter das praxis
e Iradicoei consliluejonaes recomporem-se i.miis-
lerios em vesperas da abertura da. cmaras, sendo
escolbjdos cavalleiros que nellas nao lem as-
senlo.
Este Tacto he censurado ao governo pelai folha.
progressislas, apezar de perteucer por sun Convic-
rdei o novo ministro qnclle gremio polico.
O visconda de S di Bandriie Ioi exonerado da
pasla que iiileriuameute oceupav desde 23 de Ja-
neiro do corrente auuo, fleaudo com a da marinha e
ultramar.
Comquanlo alguns orgaos da opposicao conleslem
o acert e opporlunidade de varias medidas adopta-
das pelo nobre visconde a favor das nosias colonial,
he cerlo que a. ioteojoes sao oplimai e qoe faz mui-
to relativamente aos recurso de que dispue a repar-
lijao a seu cargo.
Ha poucot din lirgou de Lisboa para Goa (nos
Esladoi di India) um transporte com li8 pnj.i li-
radas dai guarnijSea da Lisboa e Porto, deilinadna
servir no exercito da India, em pouco desfalcado
com os reforjos d'alli maodados para Maco.
"aquelle nosso cslabalecimenlo da China reinava
socego taluda das ultimas oolicia. A populado
he ixcessiva para a rea da cidide ; o eommereio
reeuoceiilrava-se naqoelle ponto, chegando a falle-
cer armazeni para faieuda e mercader i-. Tiiiham
os Inglezei feilo em anntslico e lord Elgio rrar-
chara para Pekn, a lint de entabolar negoelarOes
amigaveis com o proprio imperador.
Em Ning-P .10 norte da China, linha havido lu-
| muitos, eutre l'ortoguezes, Frauceze. e China, che-
Acaba de ia conceder aotoritajao a orna compa-
nhia pira eslabelecer n.iquella extensa proviocia
orna liaba frrea, qoa poderosamente contribuir
para o ata progresso material e moral. A imprenta
peridica vai all fomentar a diflualo dos booi prin-
cipios.
O primeiro jornal de Loan la, a Auroran, ini-
pendeu a loa publicarao. mai traa di crear oolro
por aejes, que lej diario e que teoha pelo miooi
aidimeoiei da aRevolujao de Selembro.
O governo de Lisboa acaba de recommendar 10
chefe administrativo da provincia que promova por
lodos 01 miios 1 cultora da canoa de a.socar e dei-
lillacu de agurdenles cujo consumo he muilo coo-
sideravel. Verdade teja que ii miis enrgicas ra-
commendijOei ofliciai nao excedem em nos eflei-
lo. o impolio mercantil ; mis ha de ter a propria
convenieocia doa agricultores e commerciaotei qoem
ha.le elevar aquelle ramo de cultura ao estado exi-
gido pelat exigencia! do mercado.
Voltando ao reino, donde partimos para esla di-
grcsiao ullramriBa, dir-lhe-hei que as eleijoei lup-
plemenlire leem lomado em seus preparativos om
especio mimado, a promeltem ser acltvameol dis-
puta las.
No paiz reina a maior Irioqoillidadi ; feliznieoto
perteneci a' historia (sindique receute. as efler-
vescencias desordeiras das faejes poltica). Hoja
levao(am-se as lempisladis nos centros eleiloraes a
ah mesmo ia aplacara. No regenerador houve
desaccordo. Tralava-ie da candidatura do Sr. San-
ios Monleiro, que foi eterivao da receita geni dis
sete-eaias, ou alfandega municipal, como agora
si Ihe chama.
O oulro candidato da regenerirao,pelos circolot da
capital, era o ha o Sr. Frederico Gailherme da Silva
Pereira, ex-minislro d justija. A rrdaejao da Ci-
vili.ijao.ii org.lo ostensivo daqoelle partido, recom-
mendou a candidatura do Sr. Lobo d'Avila, a pare-
ce qoe sem combuiacan previa com o proprielario do
peridico, oa para melhor dizer cam ai inflaeocias
predominante! no ceu4.ro ileiloral. Trativa-se lam-
bem de ama desistencia de candidatura, qoe 01 re-
daclore di Civilisajao pretendiera que reverten! a
fivor do seo indigiudo. O cerlo he que em resalla-
do da deiinlelligencia o jornal acaboo impriviili-
menie. Todo, o! ieai redactores menos om (o Sr.
Cual Riburo, segundo se dix ) tralam de fundar ou-
lra folha denominada o Coluro. O leu program-
ma poltico he lyropalhico ; empenham-ie a comba1
ter o privilegio, debaxo de quaiquer maoifeitajSo
qae se elle aprsente ; volam contra 1 hercdilarhi-
dade da cmara doi pare., rejeilam a poltica de no-
mei proprioi, que muilo entre ni te diga, lem no-
lavelmeote dominado lodos os bandos que se dizem
proclamar so principios e Itieorin. Ha aqu om jor-
nal que enlende e-lar dependente a felicidade do
paiz da elevajio ao poder do leo palrooo.Deas o-
is lu'- o lia fectl.
Erofim veremo. o oFuturo. Pinnas boas nao Ihe
fallam para deferir arrojados voot, regifics 1 qoe
a balanra ; o seo patudo fot a Civilisajao, e em
abono da verdade, aquelle papel foi sempre escriplo
c-m digndade, entrava com proflciincia em molas
quesles, occopou-ie de muito. .->ttumplot de utili-
dade reconhecida, e pretioo a quetiao da inslrucjao
publica, relevante, lervjoi. Serr 1 Iliteraria, nen-
hum peridico n tem tldo nem mais vj.ota, nem mais
profu.a, poii qoe 01 seas redactores, profugoi dai
amenas planicies da llieralora placida, moilis vi-
zt! I'ocavam, como para alliviar saudades, a loba
guerrrira das eicaramurai hodierna!, pela palhela
caprichosa doa paneis suaveis ou pela lyra inspirati-
va dai compoiijei opulentas.
A companhia promotora do eommereio industria e
agricultura, por meio de publicajet peridicas, cu-
jas eslaluloi haviam ja recebido a sanejao supetior,
la vao dar brevemenle lume o seo Diario do
Commercio. A direcciio da companhia declara que
etti folha he inteiramente eilrauha o Diario do
Commercio l'ortuguez. cuja puhlicajao foi ha lem-
po anuuuciada pela meima companhia, e qoe trido
de sabir dentro em pooco, lera' para ivitarqualquer
eqOivoco, o titulo de Jornal Mercantil.
0 'Jornal do Cainmcrrio de Lisboa, habililoo-sa
pira escrever arligot polilicoa.e desempenha latiific-
(oriameule. O baromelro dos jornaes sao ai lirageni;
1 desle nao aerusa frieza da parle dos teus leilores.
O seu redactor principal, o Sr. jPtiieida e Albu-
querqoe, ja tomoo posse do lugar de secretario ge-
ni do governo civil de Lisboa, em substituir j do
Sr. Santa Rita.
1 eremos em breve no porto de Lisboa om eslabs-
lecimento qae po torosamente roncorrer pira Ihe
dar o ullimo remate de sapirioridade. He a cods-
irurr.i 1 da um plano-inclinado.
Sabido he que Mr. Rmball requeren lia lempos
ao governo, a concessao par aquella obra.
Acham-se, segando ie allirma, removida, as dif-
liculdadi's que a sua proposla cao.ava a companhia
porlogueza, qae pretenda a mesma coneeisae.
O Sr. Romball veio a um accordo com os inti-
ressados oa companhia e Lira parla delta.
I'oi bom qae lermiuas.em as roo-as assim.
O Sr. Diogo Forgat puMicou ene met 11 toas
Aunolajei 10 livro 1- do cdigo commerciil.
A imprenta faz-lhe elogios.
Havia ha pooco lempo annunciado a companhia
Luso-Brasjleri, que ia liquidar.
Nao se tornou mais fallar na liqoidajo, e ni o
que se allirma he, que esla feilo um contrato pro-
visorio para o i'inerau da compenhia dos Acures
frica erm a Laso-Briiileira.
Allirma-so qae se reorgans. a companhia Real
Portugut za, enlrando orna reipelavel caa brilanni-
ca, a quil deve fornecer 7 vapores, sendo 3 para a
carreira d frica, dous para a doi Acore-, am
Mi-
Russia pretende fazer lambem ao acampamento. O
qoi parece cerlo he, qoe o czar qae viera 1 S. Pe-
lersburgo deve parlir pira Berln, nos primeiros dias
m congresso se pronunciaram pela reumao das duas | de selembro, e be de Berln, dizem, que elle vira'
provincias, eram a Franja, a Inglaterra, a Russia, a incgnito ao campo de Chaln..
Ja' Mu falle no nico grande faci que preorco-
eslas manobras, a nao seria impossvel que a propri
rainha arompanhasse ten marido. Oulro boaloj m esle, triumpoi de pouca imporlaiicia, o3o lem | gando a ser in.ollado o no.so cnsul. Partir'par
mano mais duvido Pruia e a Sardenha. Duas polenia. lmenle, 1
Tuiquia a Austria, qaeriam manler o ilalu qoo
hila he, a separaba a. Mas logo depois, por om des-
ses iranstornoi familiares poltica hrannica, o
gabinete de Lon Iris, influencalo pelo sen emhaixi-
dor em Conslinlinopli, lord KedclifTe, se collocou
de lado da maiuria, e Irabalhon, de concerln cora
pou a atlenjAo publica durante esta quinzena. e so-
bre o qual julgue til dar parlicularidades aos voi-
soi lutorei. Ha oulto fado que nao lem causado
menoi preoceupjes, he o negocio das Indiai :
Em lomma a tiluajao nao lem mudado'na India,
pelo contrario se lem aggravaijp. Delhi he lempre
o centro das operaees dos insurgidos, e nao ha es-
1.lrica, dous para a dos Acore-, an
conjanclimenle com o D. Pedro lio e o D.
ra II fazer a carreira para o Brasil, e um pan
com o Duque do Porto (qoe actualmente f.z o
lervijo dos Acore- navegar enlre Lisboa e 01 portos
do Algirve.
Para ai liuhai africana e ajoriana, esl arbitrado
o -ub.ntni de 67 contoi de rcis, e ltimamente ai
corles aulorisaram o governo a subsidiar a do Al-
garve com 9:6003000 aonuaes.
Conla, portento, n emprezi ja eom um subsidio
de 76 co itos de ris por mno e di pule do govirno
hi toda ,1 diipoiijao para proteger eila ulil empri-
ta de qae lautas vanlagens h3o de resollar para ai
uos.as pcsiaisOei d'Afnc archipelago dos Ajoris,
nao senlo minos vanlajoiai para o pait ai eommu-
uicojOei cidn viz maii prximas e freqoenle entra
esla capitel e os porloi brasileiros. *
I alla-se em qoe ha muilo possivel aogmenlar o
lubsidio como auxilio carreira transatlntica.
A direcjo da Companhia lleal lem empregado
lodos os eiforjos possiven para realiiar o leu piu-
iimento.
Os leui estatutos foram em alguns ponlos altira-
do., senlo ama dciaai alterijdei, qoe 1 direcjo
ervira gratoitamenle, oo sera a assembla geral qua
Ihe volar vencimeolo em relajan aos iuteresse qua
a companhia poi.a fizer. *
Asdidiculdides maiores e.lAo aplainidas, e, den-
tro em pooco citara' a empreza dePtniivameute
construid, e enlrara em operajes regalare!.
O D. Pedro II vai sabir para Londres, fazer
os reparos de qoe precisa.
Eslranham algn- jornaes do Minho a companhia
Laio-Brasleira qoe uo lenha dido oonla ao pu-
blico dai ioai ultimas resolojdes.
Preparam-ie muitos festejos para o dia l(f, anui-
versiro nalilicio do Sr. D. Pedro V.
Abrir-.e-ha a poca Ivrici, cantando na Sonm-
bula a cantora que estere ha pouco no Ro di Ja-
neiro.
No rfia 17 vai el-rei ao arsenal de marinha baler
a cavlha da primeira caverna da escuna, pelo vi-
lema mixto que all u eili' conslroindo.
He primeira de.te genero que se faz im Portu-
gal. Os Irabalhns comejadossao muilo pernalo.
Ni larde de 16 he a primeira asceojao de Mr.
Poilevin, livando por are! e Deven*, e pela mdica
qu-siilia de 27.^000 passageiros no leo Irem da
prazer.
Al loirces illaminadas do Passelo-Publco prolon-
gam-se al o lim de lelembro. Tem sido muilo con-
corridas.
A llieralora nao pro luz muilo, mu nao esla'
moribunda.
O Archivo Pidoreico desempenha o seu program-
ma ; o .Im nal dai ll-l'.-- Aiic- vive vida fnlgada : a
Iteviila d'lntlrucjao Publica -abe abundante de ar-
tigo! substanciaes, e 1 Revista Contempornea, di
que envi o prospecto, vai ler novas peiion.
Os seus rdalos .ao magnifico!.
1IESPANHA.
10 de selembro as folhas e uolicias de
Alcanram
llespanha.
Trocaram-ie ha poucos dial, no ministerio dos ne-
gocios eslrangeiriit, ai ralilicarrs do conveniocele-
aquelle |>orto nina corve!, fraoceta e o uosso bri-
gue deguerra Moolego que si acbav estaciona-
do na baha de Maco. Bom aeria que de ludat es-
las eventualidades sa trasse o melhor partido, e qoe
peranja algoma de lomar-se esta ci le te. emqoaulo ; da extraordinaria efflaeneil de commercio e riquezs l.rado enlre a llespanha e a loglalerri, para a pro-
nomernsns reforjo, nlo cheguem. O reino d'Oude ; no nico ponto neutro da China, resullasse pa-1 lecrao rccipioca da propriedade Iliteraria e irlii-
etl lodo insurgido : Bengala he para os Ingle! um 1 ra mis mais algum cn-r .11 Lamento ullrai ,1- "
Imperio a recoiiqanlar, pois que se anda elles pos- rio.
I0im Calcula e Benar-, iioulras paraaens m pos-1 A frica perlugii-ra e-i* em rindires mu favo-
suem absoliitamenie o solo qne pisam os seos sida- [ raveis para avaiicar em poucos annoi prodigiosa-
, dos ; as duas prei lencias da Bombaim e de M.i-1 mente e o governo da metropole Ihe nao ex-
ma. sobre e.le ponto tenho mudo pouca cous a drasli ainda e>iao tranquilla*, mas rom Indo rerea-1 lorvar pela inercia a- boas tendencias qae apie-
dtzer-lhe, porque a siloarAo nao tem mudada, e se o futuro, poi. quemaos ivmptoma. j se mani-lsenla.
tica.
Quando chegarAo a e.le desenlace as negociicoe
apenas entaboladas entre Portugal e o Brasil '.'
O "Monileurn publtcou rrcenlemenle em Paril,
o Irilado de lmifii com a Heipanlu.
Dnminle-sen existencia de um mainfe-lo em que
se dira qae a ci le hespanhola abrira camioho ao


.


2
gove un mexicano para chegar ao ajosli das quetles
pendentes.
Tcm-se impedi'lo cm Madrid a circularlo do eTi-
mes", e agora lodos os jornaei que veem pelos Py-
nneus tAo examinados anlti de tenra diilriboido.
Aos gabinetes di leilun prohibio-ie-lhea o lereni
lugares para se fallar em poltica.
Conliuuam as eieciic.de, asrassuiatos jurdicos, que
uao sao menos horroroso para a humanidade qoe
os perpetrados pala violencia, qae le encobre com as
Irevas.
sevilfia acaba de presenciar de mal dnas victi-
mas polticas.
Da dos ruzilados eslivera refugiado lia poneos
me/es em Lisboa
Parece que proseguem as perseguiees contra a
un, reusa peridica.
Diz-seque Sr. Cuelo vira* brevemente a Lisboa,
na qoalidade de ministro, e lencenla o correspon-
dente de urna das folhas daqui, qoe a ramanllu es-
pera alcanzar pelas relacoe daquelle diplmala nes-
ta corle, que faca variar a situado poltica do paiz,
pondo-se de accordo com a corte de Madrid, para
alcanrar s grave reforma coasiilucional que se pre-
medil.i ua peninsula.
Todo ialo, prosegue tile, nduz a crer qoe o ib-
solutismo marcha aceleradamente.
lie bem de presumir que aeu;lo livrarao alii da
cruzada, intentada contra os governos represenla-
livos.
u O partido, cabralista fara' abi quaolo poder,
etc., etc. i>
Para Lias apprehenses he preciso dar-lhe o devi-
do descont, e o correspondente alludido esta' em
Madrid, sobre a prestito de um governo que lem
fiado ltimamente a pobre da liberdade em grande
pars de suas manifestarais.
A nUacela de 10 trai a nova lei de initrnerao
publica, de qie llie darei mais circunstanciada con-
t n outra oceuiao, poia a' ultima hora acabo de re-
ceber. .
FUNDOS.
Bolsa de Madrid.
9 do setembro, a'a 3 horas da tarde.
3 por eenlo consolidados, 39 45 c.
Ditos difleridoi, 6 60 d.; a prazo !5-^71T.
Acedes do Banco de Hespanha, 144 d. /.
PEBgJkgBgCO,
PAGINA AVUL.SA-
SOJH EiKh. S
O ngnal de incendio por numero de badaladas,
e urna idea que a tal respeilo nos mggerio. Foi
ero diivida urna ixcilJeote medida que se adoplou,
signal de incendio por numero de badalada para
intruneiar o logar onde elle se da.porm, mislrr tam-
bem su faz que se estabeleca um outro sigoal que
indique a ciiiurcSo dn incendio, partindodo logar
onde elle fe deu, para por este modo evilar-se a con-
tniiia lo do mesmo signal as mais igrejas. Como
medida apreaenlamos a Idea qoe nos suggere, e vem
a ser : logo quo se (enha extingu lo qualquer irt-
ceucli urna d i igrejas que fiear mais contigua, ou a
qoe primeiro tiver annunciado o iuceudio.annuiicia-
r igoalmeole a sui exlincrAo por incio de repique,
que uao deveiii durar mais de 5 minutos, o qual ser
correspondido pelas de mais, para assim evilsr qoe
murtas vezes achando-se eslincto, nao continen) as
igrejas que ficain mais distantes a d.ir signal pela fal-
la de scieucia, o que licar sansdo por asee modo
qoe acabamos de indicar, e moito folgaremos se for
acolhido.
\oiacspeculacao.Informam-nos que esses almo-
creves qoe veudem azeile de coco, e mesmo o de
carra,iito, tem usado da especularlo de depois de
aferidas as medidas, o que da ordinario sempre se
faz as bairas, di mandar tirar- o fondo e corla-las
para reduzi-las a menor (imanho, ficando todava
aferidas, e por ese modo engsaado o povo, que nao
poda conhecer do furto qoe se Ihe faz. Prevenimos
portento, aos seuhore fiscaei que (ralem de investi-
gar esse modo de eipeculaclo, e do encarregado da
aleridlo, para que em logar de marcar as medidas
surtiente na parte soperior, que o tarara igualmente
na inferior. Igoal recommenda;ao fazemos acere*
das ancoras em que so vende c. azeile de carra-
palo.
Fetlade Santa Thereza. C insta-nos que com
grande pompa ae pretende festejar na Ordem :i.> de
Noisn Senhora do Carmo no da 15 do torrente a
iustiluidora da Ordem Carmelitana, Sania Thereza
de Jotos, e que nesse dia o hospital provisorio dessa
ordera estar aberlo para IoJoj quanlos o quizerem
vizilar.
O vipor inglez Teviol vindo da Europa,
jrouxe a seu bordo os seguinles passagelros:Joao
(.ornes Jardim, Joaquim Gomes Jardim, Domingos
Correa de jtezende Rego.Ttfaooel da Cunha Barhoza
Ribeiro, Manoel de Oliveira, Jos' Marlins de Cas-
tro, Joaquim de Sania Silva Caoba, Mr. Paulain,
Cancanas, Pascal, Peler Foulkcs, Itoberto K. Vales:
Francisco Comes de Oliveira, Mr. Thomaz Teixeira,
Louis Lucicu Paulin, Alexsndre Gollan, Bernardi-
no de Sooza Cunha. O mesmo vapor leva a seu
bordo, desla proviocia para o lliode Janeiro, os se-
grate passageiros:F. W. Arkarippl, John Don-
nelly, soa icuhora e duas misas, Antonio Dias Fer-
reira Macha lo, George Fnrness, A. P. Wilson.
O vapor nacional aPersinong.i, Indo de Ma-
celo e portos Intermedios, trooxe a seo bordo o se-
guinles passageiros : B.rlholomeu Campadonico,
Joao Trabncos, Antonio Jos' Marlins, Pedro An-
tonio da Silva, I, I. de Sonza Machado, Manoel Joa-
quim Maia, Gervazio de Oliveira Coelho, Claudino
AOunso Coelho, Manoel B. Brrelo Menezes e um
criado, .M.um-1 Jos' Baptistn, Antonio Loitrenco
leixeira e Marques, Urbano Pereira da Coala
Ferro, Jos' Mara de Azevcdo Jnior, Doulor
Bernardo Antonio de Mendonra e um seu criado,
I). Mana da dloria e 1 criada, Jos Joaquim de
Mendonca. JoseTIoaquim Alves Jnior, JoSo SimOes
Finiente, Manoel Gomes Pinto, Jos Antonio F.r-
nandes 1-radique, Juao MarquesSaldanha, Elias Jos
Rodrigues, Jesomo Al.es Prado, Antonio Francisco
Undoso, Franciico Sinliago Ramos e i criado, l.oiz
O. dos Santos e um criado, Mari.i M. Ferreira de
1 aivi e 1 criada, Antonio dos Santos Pinhsiro, Car-
los Roberto Tol, Francisco Marques da Fonseca Pila
ei2 escrayos, Jos do Reg Lima, Antonio Marlins,
Antonio Pinhelro de Palma, Dr. Theodoro Machado
!' ''. !"lva' Antonio Pedro Cavalcanli e 1 criado,
1.1117. Jos leixcirn.
Hoepltalje carade. Exisliaro no dia I." do
correle 23 homens e 24 molheres tratados pela ca-
ndada ; Ib' horneas e 16tiulhires qaepagam a casa
c I pcacas docorpo de polica. Total 95 doeules.
'Al depois d'amanha.
BEPARTigAO DA POLICA
. Oceurrenciae do dia 29 de setembro.
I'oram presos: pela subdelecacla do Recife Ma-
nuel Murena Ramalho, por embriaguez, e o prelo
csrravo Joso, sem declaracao do motivo.
Pela subdelegada da Boa-Viste, o crioulo de me-
nor idade de nome Gaspar, qae diz ser ciento de
Josa Estevas, do engenho Gorguea, por andar f-
gido.
Pela subdelegada dos Alegados, o pardo'Goncalu
de Frutas Fragozo, porjuso de armas defesas, e o
prelo Maooel, por andar (ugido.
E pela delegada do segundo diitricto deste ter-
mo, Francisco Alves de Barro, al segunda or-
dem.
-30-
lorim presos : pela subdelegada do Reeile, o
prelo 1,011. Oiomzio, para correcco. os maroj s iu-
giezes lliomaz Braga e Sleplem Mbensic, ambos sem
cieclarucao do motivo, c o preto escravo Fernando, i
requisito de seu senlior.
Pela subdelegaeia da Boa-Vista, o prelo Filippe
do hanliago, para correcc.ao, os preloi escravos Joao
e Izidro, este por desordem, e aquelle sem declara-
cao domolivo, e o pardo de menor idade Manoel
escravo de Florinda Knot, por andar fgido
E pela subdelegada dosAfogados, os pardos Ma-
theus JosRodngaes, Franc.sco Antonio da Silva e
C>pnano Francisc do Epiri,o Samo, esles por bri-
ga e aquellcs por brir.a e uso de armas defesas, e
Manoel Daniel, que declara ser esclavo delFrancis-
i-o Xavier, e andar foaido ha do-is annos.por uso
de armas defesas.
Em ollicio de 29 do correte refere o delegado do
termo de Goianna, que na pevoacao da Lapa, no
oa SS desle mez JoAo Baibalho farira levemeule a
Albino HaUat*, conseguiudo o criminoso evadir-se
depois de commetter o delicio.
Hoje pela maohaa indo a irmia de Carlos Semier
ao arinazem da caa em qoe moni sita ua ra Nova
ii. Ib, o achoucheio de fumara, deu parle ao ir-
niao, com este e mais pessoas d'a familia examinan-
do a cansa descobnram qoe um caiiBo, que con-
imha oito latas de msssa phosphorics, eslava incen-
niado espontaneamenlc, e procuraran extinguir o
incendio, ajudados iminedialamsule por'pessoas da
v.ni.hanca, lendo estes mandado fazer o sigoal de
logo pelas torres. "
l> subdelegado da freguezla, o da Boa-Vista eo
.Ulegado comparecern! logo; assim como soccorros
do arsenal de guerra, da polica, dos carpos da guar-
nlclo e da guarda nacional, o admini.lr.idor das
obras publicas Francisco Raphael de Mello'R.go e
ootras pessoas ; mas leudo os primeiros mencina-
nos adrado o caixfto dentro da cacimba, desappare-
reu o peiigo, e os soccorros olliciaes tornaram-se
desnecessarios.
I)ESPACHA1(A.M-SE PELA TOLIC1 V.
Durante o mez de selembro lindo, despacharam-
e pela secrelaria de polica 2 escravos, arada 8
tara o Rio de Janeiro, 1 para as Alagoas, 1 para c
Ido Gran le do Norle, 2 para o Cetra, 5 para o Ara-
caty, e 7 para dulcientes termos da provincia, lodos
em companliia de seas seiihorrs, com excepto de 1
que pagou o Impasto provincial.
Datadla u decarea do mesmo mez, legilimaram-se
por arta reparlir,AU para oblerem passaporles para
i ira aa ,mperiu |nd||dos, sendo um Braiileiio,
. PuMiiEoezes, -i Fiancezes, e um Inglez.
No referido mez enlrarein em o purlo desla cida-
i, viudos de fora d.. imp-rio e Ozeram as suas a-
l;r.!.enla.;iies 35 c-lr.iiiHeiros. sendo M Porlusuezes,
! Ilamburguezes, 1 llespauhol, I I (,l..,,,.. l.
lezes.
DIARIO DE PBRNAMBUCO SABBADO 3 DE OiTUBRO DB 1857
Caixa especial do calcameulo das ras desla cidade.
Saldo em 31 de agosto p.
paisado..... 3:0301105
Receita de 1 a 30 do cor. i -I.".u
-------------- 3:0369255
Despezaidem..... 1:(KK^kio
Saldo .... 1:436*255
Cala especial das apolices.
Saldo em 31 de agosto p.
paisado. 89:200^mo
Hecsila de 1 a 30 do cor. f
----------------89:-JOllOOO
Despeza dem .... l:t00-OUO
Ssldo 87;8O0jj(.K)0
t.aixa especial das lolerias.
Saldo em 31 de agosto p.
PMMdo...... 11:2105578
Receila de I a 30 do cor. .'>:6lt9393
n --------------K.:856s971
ueipeza dem ; 2:092-5000
Saldo .... 1S:76<0971
Cana do exercicio de 1857 a 1858.
Saldo em 31 de agoslo p.
passado......19:3805527
Receila de 1 a 30 do cor. 131:4579050
---------------150:8379577
Deipexa dem .... 6.:26lc232
Saldo.....8-1:5769345
Cana do exercicio de 1856 a 1857.
Saldo era 31 de agoslo p.
passado......22715885185
Receila de 1 a 30 do cor. 13:6859933
--------------211:2749118
Despezaidem .... 41:616-5100
. Saldo .... 196:6589018
t.aua especial de amortisarao do captol e juros das
apolices que forem eroilttdis.
Saldo em 31 de agosto p.
Pa"do..... 1:506-5872
Reoeila de 1 a 30 do cor.
--------------- 11:506*872
Despeza dem .... 9
Saldo. .
1:5065872
MAPPA dos doentes tratados na enfermara de
marnha de l'ernambuco do |, de jullio ao ulti-
mo de setembro de 1857.
E S =
trj ti %m
b 2
01 a CA tn ce u

86 J i:is 115 '2 21
138
Enferuiaria de marinha de l'ernambuco 30 de
selembro de 1857.
Joaqun Jos Alves de Albuquerque.
Cirurgiao e director da enfermara.
rilBSOL'RJUA PROVINCIAL.
Dn>oaeUaeao do salda eiUHeote na caix> de deposi-
lus, em 30 de setembro do 1857.
Saldo em .11 de agosto p.
. Pagado......6670109751
Receila....... ,
--------------667:6IOj9.i
Despeza ident. ..... 57:5U8|aO
Saldo .
. 6IU;I025UII
Honlem, pelas 5 horas e meia.da larde, recekeu o
cemiterio publieo os restos morlaes do Sr. desembar-
gador J >s l'elles de Meatzes, natural desla cidade.
Bom fillio, oplimo prenle, amigo sincero e magis-
trado de urna probidades toda aprova, o Sr. desem-
bargador Telles dixa saudades a ludos que o conhe-
clam, e memo aquelles qoe liveram occasiao de ira-
la-lo. Nasceo, vveu e morreu pobre, mas gozoo
sempre em subido grao de um nom honroso, e da
considerarlo de seus conddaddos. usque Ovemos
a honra de cultivar sua amizade desde os jeus verde*
anuos sempre o encontrando em todas as oceasias,
nao podemos deixar de lamentar a perda qoe o pala
leve de um magistrado iulegerrimo e de votar mau
saudade ao amigo sincero.
Pelovapnr Teviot, entrado hontem de Snulhamp-
lon, leudo locado nos portos do costme, recebemos
as cartas de nossos currespondenles de llamburgo,
Londres, Pars e Lisboa, transcriptas em oulro lugar
desle Diario e tambera gazelas francezas, belgas e
portuguezas, alcancindo os primeiras al 8 dn pas-
eado e as ultimas al 13.
O parlamento ingles foi encerrado por nma com-
missao da rainha, pronunciando Lord Palmeislon o
respectivo discurso.
*-,la Pe '-So nao f,.i bem recebida pelo povo da
1 .ra.i-liretanlia, pnr qoento logo depois de sua pobli-
I1I11' .(.a 1 baixsram os fundos ua Bolsa.
As noticias da India continuara a ser desfavora-
veis aos nglezes.
A a seguiule noticia exlrahida de urna y irte lelegra-
phiea de Londres : .
As ultimas noticias recebidas da India -,o muilo
adlictivas. O geueral sir llngh W'echler foi morlo
em Cawnpore, capitulando depois a guarnirlo coib a
promessa de salvar as vidas ; porm os indgenas a
passaram a espada, vendando em leilao as mullieres
e meinons|itiglezes. O chefe indio Nana Saib eita-
va a frente de 10.000.
Passam de 20.000 os insurgetile. I'.niese que
os sitiantes de Delhi nem se quer possam retirar nui*
Iba v.lo corlando.
a A 5 de jolho houve em Agro um sanguenlo cim-
ba e. Os nglezes retiraram ao forte por Talla de ca-
yallaria, depois de perderem a quana parte das suas
forcee.
Faltam 01 vveres em Clcala.
a A eslacao de Holkar ainda resiste, loram li-
cenciados 01 regiinenlxs do Punjab. Em Munacb
houve nma sanguenla halaiha : em Secca-Kote in-
surrecionaram-se dona regimentos.
A meatos gazeta pobhca anida a II os seguinles
extractos lirados do Times e da independencia
Belga :
O correspondente do Times escreve de Uom-
baim em dala de 30 de julho.
No dia !. de julho podia-se ver das lindas in-
slezas, obre a altura, um vaslo campo do oalro la-
do Jumn, em frente de Delhi. Eram os Bohcund
vindo das Ires oslarSe< de Bareillv, Marabad a Gha-
hjehaupoor, 1 regimenlos de infautaria, um decaval-
laria irregular, e urna balera.
E riam o at.gts pralicavel, porem a cheia prevista do
no nao leve logar.
Foi o rio vadeado em Girnukteser, ponto do
costurar, o Dorab foi alravessado, enlraram em
Delhi.
Tivemos dorante dous das a monilicacAo de
ver essa lonja fileira de homcus, pejas, cav'allos e
heslas de ludas as qsialdade, porque os rebeldes
tranam immensas riquezas, cliegando em masa
(idade pela ponte de barcos, sem que nos o poJesse-
raos impedir, nem me-mo inccmmoda-los.
-Mais adiante o me-mo correspondente, depoM
de notar a contar a derrota de Agr acrescenta :
Os revoltosos enlraram nos aqaartelarnentos
abanoonedos e os destruiram CompletanieiUe.
Depois, em lugar de ficarem diinle do foile,
como eu pens que leriam podido, se nao liveaffm
sido recebidos tan denodadamente, dingiramse para
Melera, com o fim evidente de se reunirem aos in-
surgentes de Deli1i.11
A iil.ahore Clirouicle diz o segrale :
A queda de Delhi. esperada com Una impaci-
encia parece eslar 1.1o di-tante como nunca.
0 us recebemos rer.ircoi, porem os rebeldes tam-
us abaslecemo-oos de miinices e de vivere
os reyollosos latera oulro lauto, porque Delhi nao
es .1 sitiada enao por um lado, 00 para fallar mais
lilleralinenle por um MI ponto.
Ua muilo militares de rauralhas com muitas
portas que esto completamente livres acs insur-
gentes.
A'cerca do progreso da insurrecto nos dslric-
los de nordeste e do sol, cuja tranqollidade os des-
pachos olliciaes insrcam, eis aqu dilIVrenlcs fados
que na deuam dnvida a e.le respeilo :
A Loliore Cltronicle de II de onho annunria
a revolla do Paodjab, em Jhelema, d 1 1. regitueii-
lo indgena, e o cortespondenle do "Tunee, decla-
rando que a revolla levo lugar na occasiao do des-
mmenlo des e corpo, arresceuta quo o. revollosos
foram repellidos, ma- nao sem lereni rnorto ou ftido
man de aO eurnprus.
Ucuve igualmente lula para o desarmamento do
08. da infantana indigna, era Rawu Pinde, lara-
hein no Pondjah.
1 No resto de 1 do o reino o desariuameiilo fez-se
sem efliisao de sangue, excepto como o traba dilo o
leleErap'lio, em Sealkole.
" Ncsle ponlnos insurgentes foram duas vezes ba-
tido*, porem o general|Mcliolsou nao pode persegui-
los pnr falla de cavallari.
O receio he tal no Decan, provincia da Madras-
ta, d ale o movimenlo abortarlo do llvderabad, que
s Chamaren, do sal desln provincia, j kirkee e de
Bengalure, tropas para manler a trauqnillidade.
Alem de que deicobrio-se em Nagpore om pro-
jeclo de insurrcic3o que foi felizmente frustrado.
Na provincia de Bombaiin houve raovimenlos
em A 1111..1I.1I1.11I e em Sunderpore.
O mirle desla presidencia esta muilo agitado.
lautas ra as dilliculdade em que presenlemenle
se v a orgulhosa Albion. que j nella se pensa em
orgamsar urna nova leaiAo ir liana, o promover en.
gaj imei.tos nos Eslados-Unido*.
Os nglezes sello persuadidos de que a revolla da
India lem por raneas fanatismo religioso daooella
populajao, us parece que enganain-se netla aore-
Ciafin. p
((Journal des Debis de 8 do passado dizque
um hujlez que envellieccra na India Ihe allirnn iiue
efundo as mtliores autoridades, a revolla (em por
cans urna vata riinspiacAo poltica e militar e 11A0
as inquielaces religiosas inspiradas pelo prosrlylii-
ino proleslanle.
Eis o que diz a pessoa a que se refere a gazeta
franceza :
ii lia piucos das um brahmine dos mais linos
de sua r^ca, e que conheco ha um q tarto de seclo,
velo vsitar-me. Lestes, disse elle, o Jiscurso de lord
FJIenihoroiiuli na cmara dus Lurds sobre a causa da
revolla di CJpalos ? Li, respondi-lbe eu. J;i
vistes alaum dia lana necessidade ? Nao ha um so
ludio ialelligente na India que nao ssleja dieposlo a
servirse della c ronverle-la em nina arma para aug-
mentar o descontentamente. Emquaolo na > se em-
prega o eooslrancimeule, o proselvlismo relieioso
uao ulleude a nenhum ludio ; puteo Ihe imporla o
dinheiio que nis'o se gasl, ou o nome dus subscrip-
tores, lindi que fosse o governadur geral, ou a rai-
nha Victoria, ele. Eila revolla he inteiramenle o
resultado de urna conspiradlo poltica Itamad pelos
mussulmanos para aniquilareni o poder brilannico
em seu proveilo. Sao clles que inlimidiram c sub-
levaram os cvpaios. lia muilo lempo que pensara
nislo, e ha cen anuos que em todas as mei|UIas da
India se rogo pelo reslabeleciraento da casa de Ti-
mier e do re de Delhi etc.
A Peral! parece tambem querer aproveitar-se da
occasiao para recoiar-se ao cuinprimento do tratado
de paz ltimamente celebrado.
Segundo diz o Joorualdes Debats, a Inglater-
ra i-.iin-.; 1 a 1 icoc u, ar -e pela demora da Persia
em execular 1 condirao do tratado de paz relativo a
vacoaeao de llera!. A indocilidade de Morad-
Mirza, ou a impostibilidade einque se achanam os
Aflghltia, de oceuparem uesle momenlo a iraca, se
della Ihes fusse frilu a entrega, conforme as estipu-
larles do Iralado, parecen) aos Ingleses motivos
mais do que sollicienles para juslilicarem a de-
loiina da Persia, e receiam que os aeontseimentns
da India uAosejam coniplclameutc eilraiihoi a estas
tardanzas.
Accrescentam clles, segundo o sea costume, qoe
o embaixador ru-so em Tehern emprega lodos os
itieios ao seu alcance, alim de prolongar esta situa-
dlo. Por outro lado, como Ferruck-Khin parece
disposlo a demorar-se em I-ranea ale' a primavera,
ilo inspira-lhes culi mea ua cnniiiiii.ieAo da paz,
e alem diiso eslao cerlos de que a ultima mala troo-
xe ao representante da Franca em Teheian inslruc-
ces que Ih prescrevem empregar luda a sua in-
fluencia, afim ile blenlo governo persa a evacuadlo
de lleral e a plena esecueao do Iralado.
At ao presente ainda nao enlregon o Ueral.
O Jorual do Commercio de Lisboa de 13 dn
passado publica o segniole acerca di China onde
Indo continua no mesmo estado.
Lemos n'oma carta particular da China, com
data de 19 de julho, os seguinles esclarecimenlos :
Acaba de dicidir-so a formarlo de um acampa-
mento destinado a receber Iropas que se esperam de
Inglaterra, e as que ha pouco chegaram. Esle a-
campamenlo c'ujo l.-.icido ja foi determinado, sera'
situado ao sul da enseada de lion-Kong, n{uma ex-
cellenle pnsie.io. Ja se acham all inslalladas ae
tropas irazidas pelo Norlhlleel, Araethgsl, e Auch-
land. Formou-se igualmente nesle acampamento
um parque de arlilheria collocado .-ol a diieceao de
uih (enenle coronel.
Circulavam diversos boatos acerca do plano que
leria sido adoptado n'um conselho de guerra, cele-
brado no dia 7, porem nada se sabia cora certeza a
este respeilo. a
LorJ Elgin ainda se chava era llon-Kong.
Enviara elle a crvela Croiser, commandanle i'el-
iowes, e o barco a vapor Vulcano, commandante
llockley, alim de reconhecerem a parte do Kiaog-
Son fque forma o litoral do districto de Shang-llai ;
oolros vasos de guerra, laeioomo o Uorneleo Shan-
non, linham recelo l 1 missoes anologas ; a Pearl fo-
ra mandada ao Jimio para levar 1 llikodadi um
agente inglez, o qual segun.o o Iralado de commer-
cio recentemeute assignado com ss grandes poten-
cias martimas, tem o direilo de alii residir.
Estas dillerenles medidas haviam feilo nascer nu-
merosas supposjcoes, porem as pessoas bem infor-
madas pensavam que lord Elgin, nada emprehende-
ria antes da crinad* do rmh.vs.adir franrer.
Mulliplicain-ae na 1'dloliua as desordeus e os as-
sassinaloa. Travaram-se ale mesmo lulas entra as
mnlheres do novo pieha. Em Jerusalem o patriarca
latino foi ameacado e leve de pedir a sua demissao.
O cnsul de Franca inlsrveio. Por lodu a Syria nao
e lalla seoao em roubos, irisultos e antearas contra
os flui-iA. -.
O principal ohefe da insnreie.lo que rehenloo no
Boira em 185!, apezar da .meara de ser medido
n'um rarcere, recomer;ou a campanha.
"Em Coi fu a Inelalerra addiou o parlamento por
dous anuo?. Esla medida cau-ou inuil 1 rrliae 10. 11
A lurquia accedeu linalmenie, como ja noticia-
mos, a's representare* da Fnnra, Russia, Prnssia
e Sar.lenlia, maulando proceder a novas elelcoes
nos principados, mas comervoo o mesmo govera-
dor, pelo que julga-se que o resultado sera' o
mesmo.
No Jornal do Commercio de Lisboa di II do
passado le-se a seguiule rtele noticia acerca do fim
que livera o ex-huspudar da Moldavia, o principe
Gregorio Ghvka :
O Courtler de Pars anounriava ha algn*
dios a morledo principe Gregorio Ghvka, ex-hos-
podar da Moldavia. A aulheiiticidade desta noticia
fui posta e.n duvida ; mas boje u Courrier rece-
heu ditalhes posilivuj da paite de um:. teslemuiiha
ocular desle Inste aonlecimetilo ; eis efiectivamenle
o que transcreve em dala de 29 de agosto ullin.o,
do caslello de Mee.
Testemunha da grande descrara que acaba de
Icr lusar no castello de Mee, ate hoj 1,10 pacifico,
compro o dever de vos Irausmillir os detalhes, e de
vos mustiaras cansas que deram lugar a esle aclo de
desesperadlo de S. A. o principo Gregoiio Ghvka
ex-hospodar da Moldavia.
Alma do partido nacional que pede a misis o
principe Gregorio Ghyka liulia por amigos todas as
pessoas de bem, por nnmigos alguns ambiciosos de
elevada e de baixa posiejo que se disputara o poder
eos iuiercsses. leudo estes sabido ao poder depois
delle, era natural porsegui-lo nos sens bens e na
sua feliridade.
i> Ja se hava instituido urna CoinmissSo por or-
dem do ciimnkin Balchi para Ihe exigir cont.is dos
dinheiros publicas. Esle prncedimeiito a seu resrei-
10 caatou-lhe lauto mais senlimeiilo, por isso que
nao lendo a rendas do Estado sido sufllcienles para
salisfazer as nocessidales da lodo o genero que pesa-
vam sobre a Muldavia, elle Ihe Imia junlado dous
I' n;o. da sua fortuna, dando islo lugar a que em
contrario do que acontecer aos seus antecessores
110 rspac.0 decenio e cincuenta aunos, em vez de
enriquecer, liuha empobrecido. Por inlervrndio de
Itesclnd-Pacha, e apuiado por Mr. de Thou'venel
ublevc que esla eommisis fosse dissolvida, e que lo-
dos os processos cessassem conlra elle.
Mais larde appareceu um liballo era que se cha-
mava a aliene,!) do paiz contra o principe Ghvka
por ler lancado m3o dos pagamentos atrazados" da
lisia civil, D3) segondo a aulonsacAo qoe mais tarde
rhegra, mes, aegundu carias nlli'cioias, pelas quaes
era convenientemente aul risada pelo seu agente em
Coiislanlinopla, o principe Vogorides, pil do icloil
caimakan da Moldavia.
Esle prfido libello, junio as profundas sensa-
es que liivia recebdo um anuo ante*, derem um
golpe mortal no principe. Nao se poda fazer idea
que um homem que elle linlia mcliido de beneficio*,
coj irmlas liobara sido por elle pensionadas, cle-
vaudo um de seus irmaos ao lugar de bispo de Mou-
che, o autor do libello, fosse capaz de levar a tal
ponto a ingralidAo para com o beml'eitor de urna f 1-
milia.
Como eu tivesse proloneado a conversa com o
principe al as nove horas da noile, e me cscapasse
por consequencia o Irem das 01I0 horas e quareuta
minlos, sentc-n.e de noy na sala, onde se achava
a ptinceza. Tendo o principe feilo um movimenlo
para se retirar, meu charo, Ihe diste a princeza,
Mr. Vaillanl vai partir, e eu espero a curroagem :
u demorst-vs anda um instante comuosco, e so-
11 biremos ionios.
Mo obstante estas palavras, o principe levan-
lou-ie, subi a esrada, ahra;oo seus lilhos, e um
minuto depois nuvio-se a delonsr,1o de orna arma
de fogo. Todos correm essuslados ; eu sub, e apenas
enconlro um cadver sobre urna cadeira e h Miado
no seu proprio saugoe ; o psincipe Ghjkl liaba fei-
lo sallar os milos. Ilavia lido a precau^ao de tirar
do pescoro c de suspender no crucilixu do seu orato-
rio, t sua cruz de ouro, que nlo quiz profanar, ten-
do desejado qoe eu csiivetse all para nao deixar s
a viuva qoe n fngir.. .
a Do sen leslamenlo cxlrahi a drdararao a os
adeos, que sAo o seu prembulo :
a Castellu de Mee, 21 de agoslo de 1857.
Sou victima de um trama ibominivel, nao pos-
so viver. Innocente como me ado. Uro dia \ir em
que a verdada se conheca. Espero os meus iiiiini-
gos peraulo o tribunal de Dos.
Assignado.G.GInka.
Castillo de Mee, 21 de agosto de 1857.
a Adees, espeta querida, lu que tu adoro, e que
me amas, abraca 1,-in os nossos aojinhos da minha
parle ; lu sabes quaulo eu sodri duranle o meu
remado, e quaudo eu julgava viver feliz e tranquillo
110 seiu da ininlia familia, perseguem-ice os meu*
iniraigis. Monslros, que prelendem fazer-me pnssar
pur un falsario, e dcshonrar-me Dos descobrii
um da esle trama execravel, e e-ses miseraveis se-
rao o'esmascartdos.
Assignado.G. Chjka.
11 Esles dous documcnlos, assim como o" leslamen-
lo, sao lo los escriplui em urna umea folha de papel,
e com a data do meimu da. A escripia clara e firme
denota o maior sanguu trio e presenca de espirito
J. A. Vaillaul.
Houve em l'uuis um grande molim contra os Ju-
deus.
Eis-iqui como o correspendenlc do o Clamor Tu -
blico refeie esle acouleciincnlo :
Desde que a deshumana execucAo de um Judeu
que leve lugar, ha pontos me/.es, despertou entre os
Moorus a anliga antipalhia contra a rar;a dispersa,
anlipathia qus a tolerancia dn defunto Be\ linha
conseguido dissipar, nao deixaram de repelir-se as
delarcs e insultos contra os Jodeus por parle dos
Mourus, desejosos de presenciarem oolra cena
sanguinolenta!, que para elle- seria um bello espec-
l.icul 1. ^"
Todava as auturidades procederam com pru-
dcnci.i, mandando, em lugar de Ibes dar oovidos,
castigar os denunciantes.
Os Mourns 111 lunados conlra as medidas adopta-
das, aproveilaram ua manhaa de 9 do anterior, a
occasiao, que Ibeiouerecen a allercajao entre um
lloara c um Judeu, para se entregaren] a maiores
desordena do que as auicriores.
1 Achavam-se us contendores na praca da mari-
nha, lugar aimde se reunem os chrislAoe os Jiideui
commerciaiilei, qoando os siiquinus estacionados
n.'nuelle sitio roineearan a inlerwair-M na que>lo,
loman lu della pretexto para mallralaram lodos os
Judeos, que eiiciinlr.iram por mais pacficos que elles
se moslrassezn.
Forraaram-se logo dous bandos, um de asgres'o-
re, oulro de acroininellidos, ambes os quacs cresco-
r.im muilo em punco lempo.
O dos Mouros, vendo que 11111 Judeu te refosia-
va na Bolsa que c-l.i nuaular I.hm de urna casa
da praca, cnlruu nclla do tropel ; quebrnu ludo que
all bavia, e roubou mais de don- mil francos, q e
linha o em arreaado do estabeleciinento e que eram
perleiirenles a um agocaole sardo, e uulros dous
tiaiicezes-jitdtu*.
Para reprimir a desordtm correu algunia Iropa
de um quarlel pouco distante commandada por Din
coronel, a qual felizmente veio desarmada, alias le-
na havido maltas desgranas todava os soldados
nlo liveram oulro raeiu de conler o lomollo, senao
in.ilii.liando quanlus enconlravam, do que ficaram
feridos doua negociantes maltezes, a varios judsus
frincezes e (osanos.
O primeirn interprete do consulado de Franca.
que uaquella occasiao eslava doeute, mandou abrir
todas us putlas do consulado, para qoe enlrassem
nelli iodos os que quizessem iculher-se ao pavi-
Ihlo francoz.
Chegou depois o consol da quinta de Marsa, em
que se achava, e maadou arraojar urna casa para
iralameulo dos feridus.
Como tivesse chegado tambem o minslro da
guerr., o cnsul engiu delle que mandasse poslar
urna guarda na praca para conservar a ordem ; ne-
gou-se primeramente o ministro a esla exigencia,
allegando que deicor.fiava da Irop ; porem pouco
depois leve de se conformar cora a pretendi.
Diz-se que foram presos 1,, mouros e aleuns ju-
eus, o que os agenlcs ,:0 be\ andavain em procu-
ra de cerlos amotinadores e ladrees conhecidos.
As da larde do mesmo dia eilava reslahelacida
1 Iranquillidade.
() papa ja se achava de volla na Cidade Santa, on-
de frtra recebdo pela populacao com grauda prazer
1 enlhosiasmo.
0 corresdondente da Nacao. escreviudo Ihi de
irieste, diz o seguinle sobre a Italia :
Sua alteza o archiduque Maximiliano badefazera
ua entrada solemne cm Milao no dia 6 de Mim-
bro,
Espera-se em paucos dias uo lago de Como o re
aa uelgica, que vem visitar es augustes consortes.
O governo approvou para cmbellezaraenlo da
cidade de Milao 10 roilhoes de lyrzs auitriacas, e va o
comec.ar ja ns trabalhos projeclados.
1 m bando da 16 individuos atacou na semana
passadq a porla de Veroua e Tremo e roubou 38,000
hziosem pnla.
N'arro-vos esle faci por qoe se da nelle a se-
guinle paiticnlaridade : os individuos qoe compu-
nliam o bando, e que foram presos pela polica eram
todos mancebos da \ irona, e sao us, recebedores
de un- poilos, oulros agentes de casas eommereiaes.
A duqueza de Parma parle hoje para os seus
estados no vapor de \ cueza.
O governo de aples linhs resolvido tornar pu-
l ico o processo ja instaurado conlra os cmplices do
ultimo movimenlo revolucionario ; poram agora de-
clarou que i-lo uao pode ler logar, pois pelas reve-
lares do bario Nieotin se sabe dos manejos mura-
listas, nos quaes eslo implicados muilos individuos,
cujos norocs obrigam a calar llgumas razes de es-
lado, todava o governo napolitano avisara' disto os
governos europeuus.
Por occasiao da presenca de S. S. em Firenz.i,
decidio-se que as (ropas auslriacas eram necessarias
as Irgacoes. e que porlanlo deviam continuar a oc-
copa-lis.
O Jornal do Commercio de Lisboafde 12 do pas-
sado, publica o seEuinte acerca dos etcriplos mura-
listas ullimimenie publicados :
Damos em seguida alnuns paragraphos do fo-
Hiclo que appareceu na Italia, publicado por um
secretario do principe Luciano Htirat, sem seu con-
senllmenin. seaundu dizem.
Este dnrii mo he um frito de Cnerr.i laucado
contra o re de aples, conlra a sua dwiaslia e
contra a sua poltica, e he ainda mais a revelado
dos projectos que abriga o muraliamo sobre o rei-
no das Duas Secilias.
Lmiti.r-nos-hemos,pcrcm,a trasladar algonsds
seus mais importantes periodos :
Se acontecesie alguma vez que urna d\nas!ia
inimiga do progresso, se eclipsasse do solo italiano ;
*a o povo, a quem esla dynaslii Ivrannisa se a-
chasie um da em presenta dos grandes imperios mi-
litares da Europa, inquietos e receiosos dos seus 110-
vos destinos ; nlo seria urna felicidade que um lilho
do rei podesse intervir c dar impulso a' liberdade de
um povo, e a' seguranra dos reis f A dvnaslia dos
Mural he nacional pelo baptismo do sangue, receb-
do pelo seu glorioso fundador na" dalia, e pelas ins-
Utuicoes de libenl.de de qoe esta' rodeada. O que
he a liberdade 1 Nao sera' o desenvolvmenlo do
espirito nacional t As nacionalidades onginam-se
da aristocracia nos povos barbaros ; porm recla-
msm a intervenjao das classes illuslradas, podero-
sas de riqueza e" intilligencia nos povos cifilisa-
des.
em favor do paisagairo e ordenou a venda da escu-
na. Esla ultima fui com eft'eito adjudicada por dou*
mil pesos a M. Willitm t'ilch, o passageiro queixoso
M. Smilh consol americano dirigi entao ao joiz
urna carta que u fez condemnar a' mulla e prislo.
Os grandes poderes do estado e as municipali-
dades, a millicia nacional e o exercilo, organsados
secundo os principios da liberdade moderna ; eis o
que he nacionalidade. Em resumo, a liberdade po-
ltica sera sempre para 01 povus modernos a base d
sua nacionalidade.
As insurreiges napolitanas team sido sempre
melladas por influencia eitrangeira, que Haz oulro
perigo.para o equilibrio europeu ; porm urna mo-
narebil constitucional e por isso mesmu nacional,
deslrurado o triplicado pergo da inurreicap, da in-
lluencia e prepinderanc! eslringeiras, he urna ga-
ranta dedurarAo para o equilibrio qoe deve reinar
eulro os grandes estados da Eoropa.
-i I acs saoasvanlagensque a dvnaslia dos Mu-
ral dar a urna uar.au e aos leis ; esla augmentara o numero das rannarchias eonsllucio-
naes aue regem as Ires quailas partes da Europa.
l)s monaichas concedem boje carias 1- narfies, co-
mo em oulro lempo 01 seas predecesores 'as oulor-
savam us municipalidades. As nacoes sao hoje as
grandes municipalidades da humanidade.
Etas 1A0 as nossa* tendencias ; esle he o nosso
modo de pensar. O que a nosso favor deve couspi-
rar, he a consciencia de um povo ; os nossos cm-
plices sirio os aconlecimentos c is faltas dos nossos
inimigos. Apezar disso, qualauer que seja o porvir
que a falalidade nos reserve, errremus sempre que a
iniciativa das rcvolares se prepara no centro dos
povos, ou se verifica por urna mud mea de prepon-
derancias uacionaes que abalam a Europa iuleira.
Procuramos urna soluro pralira a una das
Brandes oossIoh que agitara a Eoropa, e julgamos
te-la adiado Propozemo la, e eis como temos
conspirado.
Se n liberdade do povo das Duas-Sicilias he in-
compalivel com os llourbuu, e se a Eoropa quer
que baja em aples um rei, he preciso, ou deses-
perada liberdade, ou cliam-r urna nova dvnaslia,
ou prepara resse povo lyrinni tra toda a Europa. Mas sera' possivei essa lula Ua
iilgum monirrlii na Italia que queira subsliluir os
Bouibons Su diseutindo esles pergunlas, podero
comhaler-nos lgicamente.
Enlrelanlo os que Iremem com a idea dai nos-
sas conspiraces, podem Iranqullisar-si. Rejeilamos
muito a revoloc.ao para embarca-la como urna mer-
cadura prohibida a bordo de um navio, e exp-la
assim as postizas rigorosas dos empregados incor-
rupliveis da alfandega siciliana.
O que muilo oceupa a curiosidade publica na Eu-
ropa he a prxima entrevista que val ler lugar em
sllulgard entre o czar e o imperador NapoleAo.
O rei de Wurtemberg quer receber os dous sobe-
ranos com a maior pompa, por isso prepara-se para
dar a essa eulrevisla a maior soleranidnde.
O iraperadur NapoleAo sera' acompanhado do con-
de Walew-ki seu ministro dos negocios estrangeirns,
e p czar, do principe de|GortscliaeolT, que occopa o
mesmo porto na Russia, o que parece dar a entre-
vista um carcter inteiramenle diplomtico.
As noticias dos Estados l'nidos s.i i assim resumi-
das pelo New-Vork-Uerald.
O general Goocouria chegou antes de honlem a
vvasliingion, portador de despachos do nosso minis-
tro no Mxico. Nao se sabe ainda o conleudo delles,
mas suppue-se serem sem impoilaucia O general
diz que 110 Mxico se faziaro grandes preparativos
bellico, em consequencia das hostilidades conlra a
llespanha ; elle nao julga que a missAo do senador
Benjamn e de Mr. I.asiene, relativamente i eslra-,
da de lellmanlepcr, seja cornado com feliz resul-
tado.
0 presidente proclamou o cometo de execucAo d
tratado de amizade e commercio concluido entre us
Estados l'nidos e a Persia. Este tratado fui conclui-
do com o f'azo de dez anuos; e determina qoe
alem d! um embaixador uu agente diplomtico acre-
dinido junio de cada 11 m dos 'ous goveroos, havul
mais em Washinulon. Nova Vork t Nova Orlean*,
cnsules da Persia ; e err. leheran, Bender, Busbi-
rc c lauris, cnsules dus Estados Cuido*.
Pelo relalorio da ultima sessao dus commissarios
da emigracao, se s que do I. de jaiirtio ale 12 do
c-rrenle, etiecaram ao noisu porto 118,872 emign-
dos, islo he : 35,822 mais do que 110 periodo correi-
pondeiiie do anuo passado.
1 m despacho de Dubnqoe l'oiva nos informa que
romperam de novo as hostilidad!! entre os Sioux e
os Chippawis ; no I. de acost um corpo desles lti-
mos atacou um oulro de Sioux, parlo de Ssclrosciers,
e depois de haverem tomado Imita icalps, os Chip-
paivas se retiraram pelo rio Vermalho acuna.
O celebre Santa Anna acaba de fazer urna deca-
rajio pela qual elle nega a palernidade do manifest
de S de abril, que Iraz a sua aesiunalura.
Encontramos mais algumas noticias sobre os nego-
cios do Mxico nos jornaes da capital, e n| nossa
correspondencia da Vera Cruz do rila Por esta
vemos que a morlalidade causada pclu vumilu he
muilo monde, e que os min Jioaaaslu moito frequeu-
les em Vera Croz. #
Conlinuavam ainda nesle porto a fazerem-se pre-
parativos de defeza, na eventualidad! de urna inva-
slo hespanholi ; construiram-se pequeos lories ei-
Iri-mores, o furia de S. Joao d'L'lloa fui guarne-
cido de arlilharia e prvido com peras novas de
grosso calibre, abundavam as munires de cuerra.
No dia 9 desle mez, suscilou-sc um conlliclo em
Mazallan.
Mr. Smilh, consol americano nesse porto,fui preio
por ordem do joiz do districto e cacareando na ca-
deia da cidade par desprezsr a senlenra e ler recu-
j sado salisfazer o mulla de 100 piastras quo Ihe liana
s do imposta. Cnras a' inlcivenrAo do general Va-
I nes, que o fez soltar, s h ua propria respruieabili-
| dade, logo que leve conheciinenlo do occorrido, Mr.
, Smilh esleve pnneo lempo preso, porem nem por is-
,su elle deixou dj recolheras armas do consulado al
tsaju' se Ihe di^ urna solemne sstisfaclo, e envioQ e
sua quena para Washinglon.
A origein desle conlliclo foi um processo interna-
do por din passageiro da escuna americanaAda
procolenle de*. Francisca, e de propriedade de Mr.
James Mallicu*, ile Buslun, para o pagamenlo de
una si mina de 2,000 pesos adianlado, sobre con-
lialo de groisa aventura, leudo sido recusado o
pagamento desla somma, e reclamando M. Ilaskell,
frelador daAdapelo orgio do capitao M. Tho-
maiMatlien!, 1,800 pesos pelos adinnlamenlus por
elle feilos em o mime de M. M. Smilh e Maison
por oolro conlralo de giotsa avenlnra, 11ra dia mais
1 rcenle que o do passageiro, o juiz mexicano dicidio
.Sr. redaettres.Na Pagina Avulsau do seu
Diario de honlem se l o segrale, que cumpre-me
rectificar :
Honlem 28 do correte leve lugar na obra da
casi de deiencao a prematura morte de um preso,
occaaiouada pnr urna pedra que, dizem, no aclo de
ser guindada cabio sobre elle 1 o matou instant-
neamente.
Nao ha exacla a informarlo qui deram ao redac-
tor de sua Pagina. O preso Pedro Jos Feiloza,
que fallecen no dia 28 e trabalhava naquella obra,
havia deixado o eervico desde o dia 26 lueiandu-ie
de doenle, depois de ter cora uutro eondozido orna
pedra, que nao rabio e foi posla no lagar era que se
quera seta incidente algum.l
Recolhido a prieta fallecen doos dias depois, sen-
do cerlo que a sua morte fora devida a molestias an-
tigs que soffrla, desde que eslivera am Fernando
curaprindo senlenca, e nao a nenhum desastre ha-
vido na obra da casa de delencao, oude grabas ao ze-
lo coidadoados empregados della,nenhum tuccesao
desgranado se tem de deplorar,
Sou, Sr. redactores, etc.,
F. Raphael de M. Rigo.
2 de outohro.
arelo, segundo o valor determinado pelo decreto de
t- dejulho de 1778 e 6 por rento .obre o capilal
quanlo as rendas ; e para esta fim de promplo pre-
pare nunca men, de SO cont, porqoe o terreno e
a.ubr... sao do IHignitirio, vi.lo como lem 1 cmara
em seu poder rend.s em que foi condemnada, que
notonameule eicedem ao que lasta na tmrlmwm
tfciisiZr!?de re" ''"'
de rendas das bemfeilonas em que gaslou 1 lll-ill
rs., qe dao o duplo animalmente e u lerreoo nada e
oada valer, como quer a cmara.
Bazilio Alvares de Miranda Varajae.
DECIFRAC40'.
A decifratAo da charada publicada im numero
lulecedenle lis o mesmu nutne do acrstico publica-
do com illa.
ERRATA.
Ka charada publicada houlem no primeiro verso,
onde diz Serapre estilo, etc., lea-so sempre
asn etc. r
JgttMicocgeg a pebibo.
QUE OLHOS!
Eo amo tsses olhoi 1,10 egros, 13o puros,
Da vivo fulgor ,
Seiuoihos qua exprimera laodoce harmona,
Qoe fallara de amores com lana poesa,
Com tanto pudor.
(G\ Das.)
Ooe olhos, mea Dos qae olhos
I Ao fumosos ella lem !
(Mitos assi poderosos.
Nao os vi eu em ningnem.
Oue olhos, meu Deo. qui olhos !
(,'ue olhos 1,1o feiliceiros!
Sao como negros brilhanles,
Esses olhos Uo fagueiros.
Sao estrellas iolgurautea
Em imite esrura e sombra ;
SAo olhos de moieninha,
Olhos lodos de magia.
Slo olhos lindos, Iravessos,
E por demais perigosos :
Sao olhos que vencem, matara,
Esse olhos langorosos.
Oue olhos, meus Dos qae olhos !
Oae olhos fermoso lem !
Olhos assi poderosos
Nao os vi eu em nlnguem.
Ouando o amor os em embebe
Em seus fogos e meiguice,
A miuh'aliua se enebria
Como se Deo me lorriiw.
Suu mais feliz do qoe um rei,
Se ha que us reis slo felizes :
Creio estar unlo a' mais linda
Das mais formosas l'erizes. ()
Julgo este inundo pequeo
Para ser delle o seuhor ;
Desejara antes morrer
Enlre mil trovas de amor.
(le olhos, meu Dos que olhos !
lio formoios que ella (tm !
Olhos issi langorosos
nao os vi eu em ningaem.
Qaando se moslra arrufada
Meu rorarlo estremece ;
Seus olhos expedem raios,
O luror os embellece.
Faz um beiciuho agaslada,
Franzc as linda, sombraucelhai ;
Seu olhos faiscam lume,
I. iiie.im de fogo cenlelhae.
t'.oo o sao lindos, cnlAo.
Esses ulhostAo fagueiror,
Esies olhos meigos, puros,
Da mull', Ima os luzeiros.
Que olhos, meu Dos qua olhus !
(Jue olhos fortiosos lem !
Olhos asii poderosos
NAo 01 vi eu ninguem.
S3o olhos negros e bellos,
Kepissadus de dor;ura ;
SAu ojhos "castos e puros,
Os qu'eu amo com ternura.
Sao olhos eise. da virgera
Meu lindo Anjo da tiuarda ;
SAo olhos que sempre tembl
Em minha pobre mansarda.
SAo olhos que me dao vid!,
Os olhos que ella lem ;
Sao olhos que de amores
Me fazein morrer lambem.
Ooe olhos, mea Dos qasulhos !
Que olhos que e//n lem !
Olhos assi langorosos
Jamis os leve alguem.
&&mm$tete.
Sobre Londres, 27 iji*" a'eo d
1 P.iris, 316 rs. por fr
Lisboa, 92 por $ de premio.
.*h}n L!,3te Pr lo de descont.
ti A .r! uS Pr C*m e v'd.odo por con
la do viodidor.
companhia de Beberibe 60JOO0 por accao
e compauhia Fernambucana ao par
c Ulilidade Poblica, 30 pur cent di premio.
t Indemnisadora. 61 idea. """
e da estrada da ferro 20 por Ou. da nramlr,
Diseonto de lettras, de 8 1 9 por eenlo. P
Acc6es do Banco, 40 a 45 di premio.
Ouro.Oncas hespioholis. 29J500 a 30*000
Moidis di 63100 vellias .... I69000
i 69-400 novas .... IBjOOO
*9000.......9,000
Balsamo de cupaiba pur .. claro.
Tarro. .
Borracha por 5 fina.....
Mediana .
Ordinaria .
Cabera de Negro.
Seruaraby .
Do Cear, pellos......
Sernamby. .
Cacao, por 112 libras:
Par bom.....
Babia, .....
Cafe, por 112 Rio 1.a sorle .
Segunda .
Escolhido. .
dem da Babia pruneira sorle.
Segunda
Escolhido. .
Caslanha por 112* do Para nov.
Sebo por 1(2 do Rio Grande:
Bom e duro .
Mediano .
Usrnie .
Chifres, por 123 j de vacca. .
Ordinarios.
(onzas da ossos por (onelada :
Branca. .
Prela. .
Clina por i de cavallo. .
de vacca. .
Cobre velho por *.....
Couros por do Rio,
Seceos de 30 1 35 i.
di 20 a 24 *.
de Toaros, 35 a 40
dem do Rio Grande, por :
-Salgados, de 65 a 70
de 45 a 50 *
di vacca 40 a 48 e.
Cavallo secco, 10 a 13
. um.
dem salgados, 23 1 30
Pnti.PatacOes brasileiros
Pesos columnarias.
mexicanos. .
_ M ALFANDEGA.
Rend meu lu du'da 1 .
dem do dia 2 ,
25000
22)000
1{860
30:4645077
23:4129306
53:8769383
d i. 1 ,es!;Brl'en' I'i 1 de oulubro.
I alacho brasileiro-Araphilrite-.fomo a cha.ulos.
Male americano Rosamondo reslo
Barca americanaJnlia Cobbplvora.
Ilngue francezCairamercadorias.
tingue brasiluroDespique de Beiriidiversos ge-
1,a|arch maniirqaez-Forlonaquiijoi, geuebra e
ESde,frrol!leM~S' P,,er-beclos P" ocimiuho
Brigue ingl.z-I). Joan-mercidorias.
bacana brasileiraCaroliuaplvora.
MOVIMENIO DA ALFA-NDEGA.
volumes entrados com fazendas .... J2|
... 95
com geniros
Volme, s.ilndn com fazendas
11 com gneros
TuU I
416
218
357
i de catabro.
l'otimafc.
Apprrveitan.ln-se a camn mnniripsl desla cida-
de em 1S21 da ausencia do fallecido Jo3o Nepomu-
ceno es de Mendonra pela parle, que loraou na
revolorAo desse anno, nrsse lempo do guerra e au-
scncia cdificou o ajoogue e parle da riheira da lloa-
\ isla, em I8j palmos de trra, de 280, com 135 de
rendos, que elle linfa devello entre o (undos da
igreja da Sania Cruz e d vua da Gloria, comprados
I sua lia I). Caalana Marimna-Euslorgia de Jess
II de oulubro de 1819, e delles lomando posse jo-
dicial a 30 de marco de 1822.
\-se da escriplura de venda lavrada as uotas do
labellilo Dutra, a i de Janeiro de 1825, dizer o fal-
lecido Joao Nepomuceue Paes de Meudonca, que dus
dilos 280 palmos de Ierra achavam-se devololos 95,
que deilavam para a ribeira nova, que estavara jus-
tos e conlralados para vender e traspasar, como.de
fado Iraspassado os linha ao comprador Pedro Fran-
cisco do Mello.
\ -ie do libello que o assignatario propoz a' c-
mara pedir nicamente 01 185 palmos ou a indem-
maarlt. dellis, e nlo 280, porqoe seria iuclusivel-
menle pedir os !I5 vendidos a Pedro ; petilorio as-
sn.i detento desde a primeira'instaocia al a supe-
rior revisera, em cojos julsados se s estampado*
de melbor a melhor a mu U' a dulo da camera, ca-
lam o peilo ; querer ser lenhora dos 185 palmos de
Ierra sem titulo algum, pelo direito lalvez do com-
munismo '.'
Cheia de confosao e vergonha, porem sempre a-
garrada a prezasem lemor de consciencia, hinca do
procur.iiorio o honrado e honesto cidadao Clorindo
Ferreira Clao era menoscabo de son reconhecida
probidade, urna vez que toosegoisse afleiar o direilo
do as.ignalaiio, enganou se, e pedio o lempo como a
reipeilo do idvogado e nes jnizes, inrlosivsmenle os
d revisAo, para < quaes appella a inconsciencia e o
direiti. do assignatario, tanto mais quando he sa-
bido nao poder d spor de lao grandes recursos ; esle
he o esemplo de moralidsde e respeito qoe da a c-
mara, como da' quotldiuuamenle ao povo, flagelLn-
do-o, como o da ordera exposta.
Chegado o termo fatal, a emissan do nssigulario i
posse dos 185 p. linos de Ierra, cisque acamara
com novos ardis ipparece; seja alprimeira a dizer por
seu oraAe Simplicio Jo-e' de Mello, lilho de Pedro,
como se > de sejs Irahalhos publicados no t Mario
de 2S de selembro prximo passado, para insinuar
no animo do julgadur, e negar a poste de que 01 185
palmos de ierra eram ns me-mo- vendidos a Pedro
costa .1 crer, mas consta do referido Diario. per-
milla-se liada repetir, D tolal do terreno era 2X0
palmes e nao 95, daquelles oceupou a ornara 1K>
que he o pedi lo e mandado re.litiiu), deiando
devolulos !>i, que lio os vendidos a Pedro, e sen 'o
a re-l tuie.io .lo 185, he mauifesto e evidentemente
claro que nao he a fraerAo vendida 95 palmos, nem
qoe esle* se acliem incluidos na resliluirao do dilus
185 palmes, poique enlo seto 280 ; o que falla
mais a cmara 1 atirar-se ? como imputar de injusto
o julgadus ? como querer com mo de galo re-
viver o processo lindo, prohibido pela eonsliluirao ?
plantar a anarchia, pur o direilo adquirido vacifanle
110 meio do circulo vicioso pela anomala de novo
e repelidos julcados sobre julgados superiores ".'
Seja o segando ardil dizer a careara qoe deve es-
eolher 011 a entrega dos 185 palmos de Ierra ou a
sua illJ*.....'*'".ao ; pelo que respaila a enlre'ga diz
que nlo se podo fazer em quanlo o asignatario na..
Ihe pagar ai mas bemfvilorias, seria ju.lo se nAo
fusse :oradenmada em rendas superiores eos gastos
della, e quanlo a iodomnisaclo quer fazer por
mnto menos da sexta parle de "seu valor, morosa-
mente e em muitas pre-l.ie.s.
A cmara su pode desapropiar, precedendo im-
raedialo pagamento com mais a 5." parte sobre o va-
lor pela coacrlo e para ae (orlar a esle direilo he que
vem com a burla de mdemnissrlo, quirendo fazer
do. mais lulo.
A escolha he do assignalario pelo direilo de pro-
ptiedadr, Earanlido por todas as leis e pela eonslilui-
rao que nos rege c uao da cmara usurpadora. O
assisnalario 10 deve pagar o qoe a cmara gasluu na
bemreilorias, ainda que ellas agora augmenten) "fio
de valor Cor. Tel. dig. porl. I. 1 arl.5i8, Lob. deci-
sao ao S 233, mis quindn os rendimenlos em que o
reo for condemnado excede notoriamente ao que gas-
tn as bemfeilorias, nAo se deve retardar ao au-
tor a emisiao na pose, e se deve diflerira escuran-
do er(retinto os mesmo rendimenlcs, sirvindo 10
reo romo 110 csso vdenle a cmara) de relenrAo,
qui alinal sejsm compensado cora as bemfeilorias!
Lob. MI. $ 331,Cor. Tel. arl. 55l,ord. I. 3 lil.86 S 5.
As rindo em qoe a cmara Toi condemnada excede
notoriamente ao qoe ella gastan as bemfeiloriaa fi-
las nos 185 palmos de (erra, logo nlo pode impedir
a posse ao assignalario ; depois della pode tim des-
apropriar pelo lavor que Ihe concede a lei de 9 de
elembro de 1828 e S 3 do arl. lodo arlo addc. com
mu, lalo pagamenlo, e de mat. a 5, parle pela co-
Tolal e> (0;,
IMPORTACAO.
Uiale nactoual Araphilrile, vindo da Baha,
consignado a Aotouio Luiz de Oliveira Azevedo, m-
anueslou o segoiole:
Ki fardo airazema, 6 barris azeile de palma : a
o coosignatario.
I caixao cartas di jogar ; a J. remandes P.
Vianna.
I caxa fil bordado ; a JoAo Keller r) C.
I din pellicas e chpeos de felln ; a Chrisliini
\ Irmao.
8 fardos fumo, 1 caixao charutos : a Jos Dias
Braodao.
I caixa e I embrulho eharulos ; 1 Joaquim Pedro
Brrelo de Mello llego.
10 pipa, fumo monto, quarlolis cal de pedn ; a
Mmron A C.
155 fardos fumo, 1 fardinho, 104 caises e -',518
calxiuhas chirulos, 3 dozias de loros de acarande, I
caixao e 1 bocela com 17 imagen; ordem.
Escuna inglez* Vanilia.u vinda de ilamboeso,
Ctisignidaa Isaac, Curio A Companhia, manifeslou
o seguale:
II canas fazendas da algodao c de meio dito, 2
dtlas livros para escriver, 1 dila eocerado, I dita ob-
jectos de metal, i ditas tnercearias, 9 ditas vidros, 6
ditas velas de composicao, 46 ditas mobilia, 10 ditas
droga, 10 ditas e I barrica ferragens, 10 dilas pre-
gos, 2 ditai moiliie-, 3 ditu balanras decimaes, 1 cai-
xa pesos, I .Ua faci velho, 2 capoles alpisla, I dito
amostras, 258 seceos arroz ; aos Consisnatarios.
I caisa e 1 pacole papel ; a J. llaliiday.
.. y?"" Ucca em follla> d'll pelucia : a Chris-
liiol Irmacs.
Souz'""""' "'X8S V'dr0S B' *"* de
, ,'' CV*V fi'endas de meio linho e dila de alcodAo,
I barr dula em oleo, 1 paeole amostras: a Schfei-
lliu in Companhia.
2caixas bezerros ; a S. P. Johnston i C.
11 dilas fazendas de meia laa e litas de algodao,
(; ditas utensilio, para e.cr.ver, I dilas mereearias,
pacoles amoslras ; a Timm, Monsen & Vioaasa.
H eaiiu bnnquido ; a J. F. Germann.
100 caixa velas estearina, 50 barricas cervaja, (
ditas prego, II pacoles papel para imprimir : a or-
dem.
1 caixa fila de velludo de algodao, 1 dita amos-
tras ; a Lupe Rodrigues.
6 cana pl.osphoros, 2 ditas fazendas de linho!; a
D. Alves Matheus.
i caixas eart.is de jogar, 3 ditas armarios, prova da
rogo, 1 dita ferragens ; a Rafee, Schmntlan C
I caixa objeclos de pelles ; a E. H. Wyat.
100 barricas genebra, 65 caixas fazendas de laa.
de tuna lAa, de algodao, de teda mesclada e dila de
algodao, 26 ditas luucs, 2 balas juneo, 1 barril folhas
de zinco, I jacule e 1 caixa amustias : a C. J. As-
liey & C.
6 canas armamentos ; a Joi dos Santos An-
drade.
25 dilas licor, 1 dila fazendas de laa ; a M. J. R
e Silva.
9 caixa fazendas de seda, de meio linho, fila de
aelim, vettidos de algodao. I fardo panno, 1 caita
pelles, 2 barricaa cadiuhos ; a Nicolao O. Bieber
ix C.
Brigoe nacional Bom Jeans. vindo de Fernando
consmuado a A. P. das Neve, minifestou o se
guinle :
22 saceos milito ; a Jos Pinto di Cosa.
583 saceos dito, 50 ditos feijao molatintm a 300
genmuns ; a ordem.
Vapor nacional Persinunga, vindo de Macii
consignado 1 agencia, manifestuu o seguiule :
48 taceos assurar ; a Antonio Pedro Cavaleinli.
H barri* mel ; a Anlouio Marques di Amorim.
7 ciiioes charutos ; 1 ordem.
CONSULADO GERAL.
Rendnnenlo do di! 1..... 4:9879665
dem do dn 2....... 3:581*35
8:509fO3
DIVERSAS
Rendimenlo do da 1 .
dem do dia 2 ,
PROVINCIAS.
. 179325
. 1119915
1629210
DESPACHOS DE EXPORTADO PBLAWSA
DO CONSULADO DESTA CIDADE NO DIA
2 DE OCTUBHO DE 1857.
LisboaBrigue portuguez Activo, Pedro z7arges
de Cerqueira, 50 saceos gumma.
Cilla d'Afnca Polaca sarda ulieneral Caribella,
chramm Whalley A C (i pipas cachaca.
Rio da Prata--Brigue hespanhul Arautia, Viuva
Amorim t\. Filho, O pipas cachaca.
CanalBarca franceza Bogla, N. O. Bieber i\
C., 1,2(i2 couros sanalos,
l.iverpuulBarca iugle/a Eleonor, Saunders Bro-
Ihers o C, 1,2(10 sacros a-sucar inasravado.
LiverpoolBarca ingleza Imogeuei, James Cra-
blree t\ C, 260 saecas algodao.
Humos- A tresllriene diuainarquez -Jlnn Viu-
va Amorim ,*, !;ilhos, 50 saceos assocar masca-
vado.
RECEBtvDOKIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Kendimeiilo do dia I..... 2'8I9|556
dem do dia 2....... II89U
3:>679970
CONSULADO PROVINCIAL.
Bendimeulo do dia I..... 2:7259391
dem do dia 2....... 2:733/202
5:15Sc53
BULLET1M.
LIVERPOOL 8 DE SETEMBRO DE 1857.
Imporlarao.
I ivres de direilos para o vendedor.
( 1 l'eri/--, div ndades india ; la la- boa, ceios
beiufazrjns ; vardadeiros ivposde belleza e 'le bon-
dade.
'.'eneros.
Algodao por lili, de l'ernambuco:
Bom.....
Mediano .
Ordinario .
dem dem da Babia boro. .
Mediano .
Ordinario. .
dem do MaranliAo, libra longa :
Alcntara. .
Ilapicurii. .
Cavias. .
dem de machina bom .
Mediano
l'reros.
10 '1 da 10 >,J
9 3(4 d 10 d
9 1|2d 95|8d
11 .")|S d 9 :i| d
9 112 d
9 l|l d 9 8|8 d
10 l| d 10 ',d
10 d a 1(1 1|8 d
9 3|4 d a 9 7|8 d
9 3|ida9 7Sd
l|11
1|9
1|5 1|2
1,3
1f a 1|l
llil alOd
9d
li d 8 d.
8716
85|
50| a 5i|
44| 48|
58| d 62|
47| 48(
42j 41|
50| 50)6
30|
63|6
60| l l.2|
o7| 58|
2(i| 32|
5 5 a t 6 15
I 3 15 4
''ial3d
Hda 13 d
II 1)2 d
13 d a II d
14 d
13 d
9 l|2d
9 3| i d
9 3|4
9|
11| 1 I'-'|
6| a7|
9-5|8 d
Ordinario 9 l|2 d
Aneen por 112 do Itio, branro 38|6 a 43|6
l.ouro 36f(
Masrivado 3| 3g|
dem de Pernanibuco branco. 3S| |.|i
I .ouro. 35(6
Mascavado :\2\ 35(
dem da Rabil e Uaciii brinco.. 38)6 a I3|
l.ouro. ..." 3ii|
Masc.uaado 32|6 35|6
. oern dem 161 20 8 1
dem de Pernambuco, Babia, Marauhao e Para pnr a
Seceos alg., 26 a 30 S )u ,' A it > .
espichadoi 16 a 20 )" '- d '" J'' d
Curtidos 7 a 9 g 1* d
Molhados algados, 40
a 46 __
dem do Cear*. Parahibi e Maei por i.
Seceos salg. 30 a32s. 113|4 d
.Molhados 1 45 a 50 11 1,2 ,1
Litmaru por libra bom. l|io
Ordinario.....
Jacaranda por tonelada, do Rio. 12 a i 19
Rabia ......
liergelim, por qunleirao. 62( a 65i
Piassava, por 2240 8 do Pir n. 16 18
Babia. \ .... 11
nurim, por 112 bom. 7( a 81
Salsa parrilha por libra boa .. 1 |S
Inferior.....'. 1|6
apioca por 112 i Rio superior. 60| a 65|
Ordinaria invendaval 38| 11 40|
ii por do Para bom. 7 d a 9 d.
Fundos e Cambios.
Fundos ingleses.
Bancu de Inglaterra (acedes)
Consolidado
Redondos .
Fundos va. .
Bllgis. .
Brasileiros. .

Dinamarquezes
Ucspauhoes.
rlollandezes
Al
Mexicaoos .
Purluguezes.
DelTeridos
Passivos.
3 0|0-90 3|Ka90l|2
. .* .* 3 1|491 a 91 l|2
Eslraogiro.
. 41|2.%(a98|
. 5 lOli a I03|
.. 4 11266| a 98i
3-84i 1 86|
310| a 10 l|2
325 3|81 25 5)8
35 1|8 6 li.'t
2 1|264 a 65
49| a 100|
32l|4
4
...... 345 a 46
Uusso.......* 5109| a lili
-,......4 l|297| a 99|
Banco de Franca acroea). fr.2775 f.
Fundos francezes. 4 1p2 Ohj93 f. 35
" .. 367.60
Melaes preciosos.
Ouro embarra......Par onca 77(9
I urluguez im moeda. 77*
** ,..... 77|6
Oor;as hespanholis. ... __
imiricinis. a > 76| a 76,3
Prala em barra .... |l lia
Patacas brasilairas ... __
Pesos columnarios beipan. __
Moedas de 5 francos o 4|l I 112
Cambios.
\[,ib,oa.......90dd521.4a523i8
u "i ; 523|4a527,8
Kto de Janeiro tjO d v 26
Babia e Pernimbueo
Amsierdim 3 m d. 11,19
llamburgo..... 13.8
1 ar......... 25.60 25.65 '
.....3d. v. 25|20i25|25
U vapor lmar chegou a Soolhamplon as 4 horas
e meia da laide do dia 5 do corrite, leudo feilo a
vtagem do Rio-de-Janeiro a Soulhamptun em 22
das, 11 cluiudo todii as parigim.
AlgodloOs precos para esle artigo conliuuam a
sob mmuiudo ; as eutradas tambara sao escassaa, porem
como o ahjodo da clheila nova doa Estados-Unidos
deve comecar brevemente a chegar, he provavel qus
os present, elevados preces tem da baixar, embora a
nana seja so por ponro lempo. O tolal do algodao
PS"*" "no it 4 do rorrete monta em
1 ,J.di.I0 saccaa, indurado 165,120 sseeaa do Brasil.
As cut.nas al i mesmu data slo de 1,743,381 sae-
cas, indurado 111,560 do Brasil. Qaanttd.de appro-
Vmadaem.er 345,150 eacea., ti.cluir.no 8,600 sae-
casi de Pernambuco, Parahiba etc. ; 7,300 da B.lna
e Macera e 2,510 do Maranhlo.
Asiueir.Mercido freoxo i os precos declinando;
mas como as entradas de hoja em dianla tilo podem
er de considerarlo, M ehegada. do assuear da
safra nova, he mui natural para aoppor que a baila
no preco nao ser rauilo snivel.
Asi vendas dcade a nossa ultima em assuear do
Bratl,sao|asseguinte, a sibei:15,900 saceos aos
pracos de :io\ 35|6 pelo mascando da Pernambuco
J Babia ; 43| pelo branco de Pirnamboeo, a 32|.
Ji|b. M! do| pelo mascavado de Parahiba, Babia e
Pernimbuco, conforme as qualidides. Alm dula
qaanlia venderam-se mu pequea carga di 250 lo-
naladas 32|6 para am porto uo Bltico, e 470 to-
nelada em viagem cojo preco nlo Iraospirou.
O total do assocsr ds todas as quilidad era sir
em Londres ale 31 de agoslo desle anno, mela em
9.),9oo toneladas.
Quanlo a aslalisltcis do mareado de Liverpool,
reten no-nos a tabella supra.
Azeile de palma.Temos a notar urna subida no
preco desti artigo di 2 por lonelida desde i nossa
ultima, a a prucora continua. As vendis slo 5,900
toneladas aos preces de 44 15| 45 45 10 ih
tlb I0| e 47, enlrando nestaquaotidads 4,400 le-
udadas ainda em viagem i 45 I46. Ero ler em 31
de agosto 1,310 tonelada, conlra 1,575 toelidis ou
mesmo periodo do anne passado.
Azeila doce.iiuibera nesli artigo lem liavido
urna subida de 3 por tonelada desde a nossa ultima
e desde aquella data a vendas montara em 635 lo-
neladas de pese ios seguinle preco. Galipel 58
58 UN 59 e 60 ; Sevilhi e Malaga 56 I0| 56
' t>7 8 i8 ,0I ,'i,b0 56 57 a.. 57
I0| a8 s. 58 5) e s. 58 10| ; Gioja 56 a
ii s. o7,e Corf a Mogadora i. 53 10) e s. 54. Em
31 de agosto de 1857, 250 toneladas. dem em 31 de'
agosto de 1856, 2,000 toneladas.
Borracha.Nada limo! que icresccntir lo que
distemos ni nosn ultima aobre esle genero. Un pe-
queos lotes da fina foram relindos de leilao em
Londres u 1|6 '., por falla dicompridoni.
Ib .manes.Muilo apalhicos por falta de com-
pradores, lodavia, si is ntralas pelo prximo vapor
oao Torero de coosiderar-ao lalvez llavera' melliora-
mentu nos preeus.
Cacao.Continua i ser muilo procurado. A ulti-
ma venda. sAo 400 seceos do Par a 87| e 360 i
87|. Ein ser em 31 de uso.lo, 955 bsrricas e saceos
contri 480 idem no mismo periodo do auno passado.
Car.Durante lodo o mez passado a mercado es-
leve muilo quieto. O primeiro leilao de cafe de Java
da Companhia liollaudeza, leve logar ero 31 de
agoslo. As venda, montaran em 191,360 .accoi'o HH
barricas a preco am pouco abaixo das avaliacoe.
As vendas aqui ao as seguinles, a saber:510 sar-
co do Rio e do Babia ds 51 a 56| e 750 acco com
avana do mu,
Caslanha.Procurado.
Cooros.Encoolrim prpmpta venda aos precos
cima colados.
domina de peix.Ua muilo pouca em primetra
mam, mas sem haver allerar.au nos preco-.
Marfim.N'ao lemos qoe alterar nos precios da
nos.a ultima. Uouve um leilao de mirfim doEgyptn
em Londres, cujo reaullado deu satisfcelo ios ven-
dedores.
Queijos fl.mengos.Em razio do grindi C8lor
que lem feilo, o preco conservi-se alto. As colacors
da II..lian la slo 32. 6 guildars p 50 kilo.
Urocii.A de uperior qaalidade continua en-
contrar prompla venda.

LISBOA 19 DE SETEMBRO DE 1857.
Pirrus i re ii I es dos gneros de importurau do
Mil
Algodao de Pernambuco .
Dito do Mirinho e Para. .
Aseecar ele Pcrnainburo branco
Dito mascavado.........
Dito do Rio de Janeiro m. .
Dito da Babia b.........
Dito dito utascavado......
Dilo do Para bruta.......
Anuardeute de canoa do Brasil.
Alpisla.............
Arrnz da India Goa......
Arroz do Maranlao e P. ord. .
Dilo dilo melhor........
Dito dito superior .......
Cafe do Bin primi-ira sorle. .
Dilo .lito segunda dita.....
Diloditu lereeira dila .....
Dito dito escolha boa. .
Dilo di Babia ..........
Dilu de (^abo Verde......
Dito de S. T. e Principe. .
Dilo di Angoli ........
Cacao do Para .........
Cera amatella de Angola ....
% 17(|
n 115 165
a 2?X500 332(l
28350 2S-VIO
i 9300 2345(1
o 2n700 23800
-J-.HHI 2a 100
n :*500 a\9500
P 523000
800 19000
10800 580(10
a 500O 53400
a 5>6U0 55800
3000 naoo
.i 3,3200 3,3100
23900 .'|-JK>0
a 29600 2>700
o l,3K00 1.39110
o 2S900 35IOO
o 45500
4.3200
IS 80U0
II 5600
V 300
ILEGIVEL



DIARIO Da PERNAMBUCO SABBADO 3 DB OUTUBRO DE 1857

lu,i dila ile Rengela......
Cravo do Maranliao......
Dito ^irufe...........
(. iuro espichado da Minai .
Couros espichados da Babia. .
Dilos ,uus da Angola. .
>osMlgdoidj Mersoliao. .
Dilos ditos He Pernambuco. .
Ditos dito! da Itihia......
Dilos diloi da Cabo Verde
Dilo dilos dai tilias.......
Coiniohos............
Dtiles de marliiu le......
Ditos dilo meiao.........
Dito dilo ecrv.........
Ersailoce............
!'. riiili.i de trigo amneme. .
Farinha da pao.........
(juntia copal aiuarelli.....
Un,i dila varmelhi.......
Dita dila ordinaria........
Mellaco.............
(V:eo de capahiba........
llirucu..........., .
rmenla da Iodia........
Salsa |> ii i illi.i Saularem.....
Hila ilii.i linrupa'........
Dita dila Hio Negro......
Trigo eslraogeiro........
Tapioca........., .
Inella de Angola.......
Dila de Beugatla........
Dila de C.hu Verde......
Vaquetas do Maranhflo.....
Vaajnelaa do l'ara'........
Ditas de l'eruarobuco......
/.vporlafo.
Aguardante...........
Aieile doce...........
Amendoa doce ein milo, .
Uaulia de poreo.........
Balate.............
Cera branea em gruine.....
Dila dila ero velas.......
Osbolaa.............
Ceoleio.............
Cavada .............
Carne de vacca ......
u de poreo.
".liuiirn;.!:........
I arinlia de trigo.....
Manleiga de poreo. ,
Milito..........
Palos..........
Presunto;.......
Sal iriguelro grosso .
Trigo rijo do reino. .
Dilo mole........
Toucioho........
Violto de Lisboa linio .
Dilo dito bramo.....
Vinagre de Li'boa tinto.
Dilo tiran ro dilo ,
II

ti

I
a
|A
1
'H


urna


100
3:17
337
170
217
217
217
200
220
ijoo
ltOO
19200
800
:i3oo
89100
9800
19800
19801)
509000 52?000
429000
100 150
120
169000 179500
109000 129000
891100 99000
580 640
29800
1(9000 l>9000
119000 159000
99000
29O0 29600
2B900 39100
29100 29600
m
1H0
21K)
357
267
225
2.17
237
23
210
310
29*00
19750
19100
19*00
:i38oo
89600
800
59200
59200
19900
Londres

Pars.
Cenosa
311 d|V. .
63 div. .
90d|d. .
100 d|d .
3 m|d.
Cambio'.
p. 28O90O0 3209000
alm. 39*50 39500
C9OOO
a 69OOO
300
440
WO
120
420
230
I25OOO
2lo000
I56OO
89600
59IOO
121)
I9IOO
59800
29300
620
61<1
49*00
"M09000 115OOO
11090001419000
569000 6O9OOO
i) .569000 609000
. *
>
. M
. A
. A
8@
B

A
dit.
@.
molo
A
100
400
100
400
270
89100
400
560
580
46 3|l 47 lii
28 1)2 >29
8-2/000 a 819
>)i> n 5589.
2:i89l 2429
, B 89020 89010
15,1150 59IOO
. . 119200 19300
. . 185500 I8M0U
. . 960 970
. . 960 970
. . 955 96)
. . 39510 39-570
880 890
53 3|1
53 7|8 a 54
527 a 528
525 a 526
mslerdara 3 m|d, 42 3|4 nom.
Hainburgo 3 irt|d. 48
Madrid 8d|v. 935 a 940 nom.
I lili!).
Iuscripc,6e de 3jpor calilo 47 3|8 a 47 5(8
Coupous .....
Divida deflerida .
Caminho de ferro da leste
liauco de Portugal. .
Dilo do Porlo ....
Melaes.
Pajas de 89OOO. .
iiuc.n liespjnholas. .
Dilas mexicanas. .
Aguias dos Estados Unidos.
Patacas hespaobolas .
Ditas brasilairas. .
Dita meiicaoas. .
Viulc francos.....
Cinco trancos.....
ESTADO DUMEKCADO.
De 27 de agosto a 11 de selembro.
Sao dequai nenbama importancia as transarees
realzadas nc-le periodo, tanlo nos gneros do Bra-
sil e colooiaes como dos uacionaes.
U) sopprimenlos forain de pouca ejn*,lerac.3o, e
endo os mais avullados os da assucar, farinha di
pao e melaco.
Esl a pagamento o segundo semestre correte
aos fundo de 3 p. c, o qoe fez mtlhorar os prejo
alguma coasa, no entretanto as transarors ulinn.i-
menle sao mait moderadas.
A accOs do banco da Portugal conlinuam a ser
procuradas, depois da saluda dos vapores ardo a
liamliurguaz tem sub lo 99 por cada secta.
O vapir D. Pedro II da companbia UaM-Brasl-
leira, esl annuuciado para recebar carga e pasaa-
geiros pira Londres, aiu la nao tem dia destinado
para sabir. A 13 larga o Duque do Porlo para M
Atore*, he a (erceira viagem que lem eilo.
He esperado a lodo os momelos o vapor Bra-
taleiro Vapoek, deve receber algoma earga oeile
porlo.
IMPORTACAO.
AlgodSo,Tem sido uin lano procurado, porein
as vendas limilam-se ao consumo, as entradas foram
537 do Maranliao, 70 do Paift e 5 da Babia. As
existencias hoja crearam-e em 900 socas.
Arroz.Apenas enlraram 523 saceos e 3,213 al-
quairet em casca do Para.
AI o ni das ven la para consumo Ism lido saluda
para o inleiior'do paiz. As existencias boje em pri-
meira m.vi orram-se a mais de 30:000 a 35:000
saceos. ,
Os precos continuara lirme, regulan lo o cbagado
por va de Ing'alorra a 49800 o ordinario, 69 o boin
e 69100 o superior.
Alpisla.Alera de 163 ceires vindos de Tnger,
chegaram ollimamenla 27 de liibralt. Parece qus
se lem feilo algomas vendas anlre o precos co-
lado.
Agurdenle,Puncas oo neohumas venda*, os
depsitos, sfl > aioda avullados, chegaram algumas
parlidasdo Nortee deCabo-Verde.
Astucar.Nao lia nada de nulavel no mercado,
as venda euulinuam a ser escassai, cora especiali-
dade para os brancos.
O iiiovimento do assucar lem sido
CONSUMO
Caixa Fefie Barricas Sacros
Alera do que le expoilou, leam-se despachado al
10 o seguinle :
Hio de Janeiro 20 pipas, Pernambuco 2.
Vaquetas. Poacas \ondas uas de Pernambuco,
la man qualidades empaladas a prerot nominaes.
EMBARCACOBS DESPACHADAS.
Haba.Barca porlugueza Nava Elizia. cap. Silva:
carga, 96 pipas, 12 mei>9 dius, 205 barris de vinho,
20 pipas e 20 baria de vinagre, 3 pipas e 100 barris
de azeite, 100 barris de banha, 336 barricas de fari-
nha, 13 de erva-doce, 65 de amenduas, 100 moiosMe
sal, 1,600uollios de cebollas, 250 caitas de luala-,
15 da vella da cera, 35 volumes da drogas, 25 sac-
eos de com 11 lio-, 61 caitas de marmore, "e 23 volur
mea diversos.
Palhabole portuguez Encantador capiblo
Baplista ; cama 11 pipas, 26 meias dilas e 165 bar-
ris de vinho, 17 pipas, 14 meias dilas a 35 barris da
viuagre, 35 barris de azeile, 30 de toocinho, 20 moios
de sal, ('.'2 barriera de farinha, 100 volunte de ba-
lates, 15 de edra, 70 caixas e OOO molhos de cebol-
la, e 4 voluntes diversos.
Rio de Janeiro.Patacho porluguez Iberia, ca-
pilao Fernn tes ; carga 14 pipas, 100 barris e 10
eaixas de vinho, 100 barris de azeile, 26 moios de
al, 90 saceos de teiucas, 150 ancorelas da azeitouas,
19 fardos da albos, 53 voloines da Isgumes, 110 eai-
xas e 555 molhos de cebollas.
Coa e escala pelo Rio de Janeiro. Barca porlu-'
gneza ni). Anua, capiblo Caiado Juniur : para o
Rio ; carga 53 pipas, 252 barris, 80 ancorelas e 50
caixa de viuho, 20 pipas, 75 barris de vinagre, 161
banis de azeile, 58 de carnes, 5 pipas e 4 barris de
aguar lenta, 351 volumes da cra, 33 saceos de co-
miohos, 120 de semeas, 38 borricas d< cavada, 6 de
erva-doce, 6,450 reslcas de alhos, 5.150 molhos de
ceblas, 3,316 arrobas de baiala*, 10 caixas de rap,
128 volumes de drogas, 52 diversos, 2 da cal. 31 da
Isgumes, 678 varas de lagedo, 2 vaccas e 2 crias :
para (ios, 5 meias pipas e ti) ojiarlos com cognac,
100 barris de vinho, 20 de alcalrao, 50 da breu, 37
de carnes, 2 de manleiga, 15 de ral, 7 eaixas de azei-
le, 4 de ntassas, M ceibas de ajo, 1,351 barras de
chumbo, 50 leu de ferro e 29 volumes diversos.
Rio de Janeiro, Babia e Pernambuco. Vapor
ttainburguez aPelropolis, capilao Paulsena : para o
Rio ; carga, 210 caitas com Unalas. 955 de ceblas,
2AX voluntas de fiula luce, 62 de drogas, 211 de
amenduas, 30 de cavada, 100 fardos de albos, 9 bar-
ril de vinho, 13 volumes de cVa, 8 de masas, 5 de
tabaco, 27 de leguine- e 3 diversos: para a Babia,
235 caitas de ceblas, 120 do hlalas, 90 df fruta,
30 saceos de cavada, 55 voluntes de amendoa-: para
Pernambuco, 170 caixas de batatas, 100 da ceblas,
2 1 do fruta, 12 de alfazema, 12 volumes de comi-
nhos e 32 diverso. .
Rio da Janeiro.Brigue porluguez Matos I, ca-
pullo Mello; carga, 390 canas de btalas, 110 de
cebla, 25 barris ,ie azeite, 20 de carnes, 210 moios
de sal, 90 saceos de feijo, 150 de semeas, 20 volu-
mes de drogas e 2 caixas de litro'.
Pernambuco.liruue portuguez L-iia II, capi-
lao Santo ; cargas, 22 pipas, 3 meias dilas e birris
de vinho, 3o pipas e 2 barris da vinagre, 15 pipas, I
barril a I aucorela de a/cil 81 barris de loucinlwi,
20 de carne, 200 barricas de farinha, 30 de cevad 1,
210 saceos de Carelios, 10 de fejao, 395 caixas de ba-
tatas, 8 de rape, 15 e 2,000 mollvts de Cbolas, 127
voluntes de cera e 18 diversos.
Maraubao.Brigue porluguez Trovador, capi-
lao Madeira ; carga, 7 pipas, 22 meios e 15 barri-
do vinagre, 107 barril de vinho, 37 de azeile, 16 de
carnes, 105 de loucinho, 15 caixas de ittaMM, 250
de batatas, 18 de rap. 10 de cha', 225 e I.OoO mo-
lhos de ceblas, 350 barricas de farinha, 22 volumes
de drogas, 62 de cairo, 172 de pedra e 31 diversos
ParitJHnbuco.Brigue porluguez Tarajo 1, ca-
pujo l'aueco ; carga. 20 pipas. 15 meias dila e 59
barris de inho, 20 meias pipas e 180 barris de vi-
uagre, 6 pipas e 79 barris de azeite, 189 canastras de
batatas, 30 barricas de amen loas, 14 de erva-doce,
lili de cev.ula, 21.3 barris do carnes e loucinho, 72
caitas c 500 mullios de ceblas, 122 voluutesde cera.
95 de alpisla, 20 de alfazcma, 130 barris de cal, 2
caitas de massas, 300 ssccoi de semeas, 25 de co
miaba*), e varios volumes diversos.
Brigue poiluguez Relmpago, capilio Coi rea;
carga. 4 pipas a 87 barris de vinho, 7 pipas e til)
barris de vinagra, 40 barril de incite, 85 de louci-
nho, 72 de carne*, 250 caitas de bal atas, 275 e 2 000
molhos da ceblas, 78 barricas e 19 calv>sdecera
esi grumo, 12 barricas de erva-doce, 16 de comi-
nhos, 20 de alpisla, 11 caixas de ntassas, I de cha',
171 de vella de cera, i saceos de allazema, 300 de
farellos, 17 fardos de alhos, 66 golpelhas de amen-
doas, 2 surres de Boxea, 125 barris de cal em pedra,
15 volumes de drogas e taroi volumes diversos.
Rio da Janeiro.Brigue porluguez Nova Ami-
zade, i) capitao,Alves, carga 8H pipas, 320 barris e
191 ancorelas e 33 caitas de vinho, 61 pipas, 10
meias, 15 barris c 1 anrnreta de vinagre, 60 barris
de azeile, 81 de carne, 62 le sardi.tha, 10 1e eariao
animal, II) barricas de grao de cevada, 160 caitas e
lOOcaoasIras de batatas, 615 caitas e 450 molhos
de cebla, 50 sacco de tarello, 10 de fava, 13 vo-
lunte de cera, 20 de areia de amoldar, O de drogas,
i de cal.
N. B.No dia 10, as II horas da maohla, arhava-
se Tira da baria do Porlo, ao O. o brigue Alhenas
que havia sabido em 2 do correle para a Baha.
Vem arribado com agua abcrla ; salie a 26 do cr-
renla.
No dia 5 enlrou em Viga para fazer qtiarenlena o
brigue porluguez -Saudade,!) procadeole da llahia
para o Corlo em 13 dias, coro carga de assucar e
piassava.
No dia 3 enlrou no mesmo porto, para fazer qua-
renlena, o bncue portuguez .Vicaria, que sabio da
Baha para o Porlo em 60 dias, com carga de assu-
car e couros.
loi lanoado no dia 5 as aguas do Ave (villa do
1.011 Je) a barca Paquete do Rio Crande. Este na-
vio he propriadada do Sr. Carlos BrandAo, negocian-
te da prajs do Porlo, e foi construido pelo Sr. Joa-
quin Marlins de Araujo.
j&*:.mM& *# ijWf&0,
Navio entrados no da 2.
Marein a porlor intermediosa dias a 6 horas, va-
por nacional Persinunga, commandanle o >
lente Joaquim Alves Moreira, carga varios ge-
Poilo,daEuiopa-2ldias, vapor inglez Teviol,
commandanle Mok.
Rio de Janeiro17 das, brigue escuna Carolina,
le 11/ toneladas, capilao Joaquim Antonio (j
dos Santos, equipagin 11, caiga caf e mais g-
neros ; a Novaes A C. Pertence ao Rio de Ja-
neiro.
Chincha 61 dias, galera am-ricana Tarqun, de
162 toneladas, capilao C. B. Smilh, equipagem
16, carga guano ; a ordam. Velo refrescar e se-
gu para Bostn.
.
O III111. Sr. inspector da tliosouraria
provincial, em cumprimento do disposto no
art 3ida lei provincial n. 129, manda fazer
publico, para couhecimonlu dos credores
liypolbecarios e quae.squer interessados, que
as propri-dados abaixo declaradas; furam
desapropriadas, e que os respectivos pro-
pnetanos lem do ser pagos do que se Ihcs
deve por esta dosapropriaf;ao logo que ter-
mine o prazo de 15 dias, contados da data
dcste, que lie dado para as redamacOes
E para constar se mandou atlixar o pre-
sento, e publicar pelo Diario por 15 dios suc-
cessivos.
Secretaria da tb^souraria provincial de
Pernambuco 29 de selembro de 1857.O se-
cretaria, A. F. da nnuiiciacilo.
Relaco das casas desapropriadas.
Urna casa terrea 119 Mondeigo ,rua Iteal,
pertencente a Antonia Mara Monteiro, bcr-
diira doThercza de Jess Mara, pelaquan-
tia de 1:500-9000.
Tres casas de taipa, na directo do 27."
lanco da estrada da Victoria, pertencentes
a Jo3o Francisco de Araujo ojos Joaquim
Ribero, pela quantia de 3009000.
Conforme.-O secretario, Antonio Ferrci-
ra da Annuncago.
Terminar o espectculo com a nova comedia em um
aclo, ornada de oouplels:
ANJO E DEMONIO.
Os senhores assignaules lem preferencia aos eus
camarotes e cadeiras, e por isso sao rogados, os que
o quizerem, a maoda-lo buscar ao eteriptnrio do
Ihealro al ao meio dia de sabbado, e deasa hora em
diaule se dispora' dos que restaren).
Principiara as 8 horas.
Gabinete Optieo
ATERRO DA BOA-VISTA M.
O director deste saino, participa a seus
Ilustres protectores, que tendo-se traostor-
nado sua yiagem.coniiuuai por alguns das,
metteua umseu amigo, nao lera o referi-
do empregado chegado a um resultado,
estando alias em posieode o lazer, e de-
rendo tanto raaiscumprjr suas promessas,
quanto o objeelo do compromettiinento
sei vio para ser elevado a posiiao em i|ue
se aclia Seis a unos nao sao seis dias, e o
[liomem rpic nao lem sollrido desastres,
1 nem foi perseguido da sorte (luante 72
jmezes, tem lido lempo para europrii seus
tratos, e se o nao lem feito lie porque
car-ce de bro! Se este Sr. nao chegar
a um aecordo, lara' patente o i espeito se tem passado. .
Victima.
Estando a confecconar-se o almanak
administrativo, mercantil e industrial
desta provincia, roja-se a todos os se-
oirerece-lhes para esta semana agradavel ex- I nlioi esque costumam ser nelle menciona-
j dos, queiratn mandar seus nomes, mu-
dinca de domicilio, 011 outra qualquer
lemltrani^a.que sirva "para pie seja o mes-
mo almanak completo: da mesma sorte
roga-se aos senhores de engenlto e rendi-i-
' ros, pieiiam mandaras alteraces pie se
tiverem dado a respeito de suas proprie-
! dades.
Cnjjogv.ifiiic.-i
posiiao de vistas novas.
Guerra do Oriente.
1.a A sanguinolonta balalba
man.
2.a O grande bumbardeamenlo
Swea-Burg, os Alliados botando
congreve no da 10 de agosto de 1855.
3.a Ilatalba do Alma.
* A balalba de Tchcrnaia aonde foram re-
pelli Jos 50 mil Itussos por 10 mil Alliados.
5. Tomada"de Mamoiao, e assalto da tor- !TtJO0C iilCTO
re de MalacoS.
de Inkei-
invernal de
foguctes a
IJcvn.imhuc.-ina.
6.a A pedido do respeitavel publico 3 vis-'
tas, o general Sainl-Arnaud pausan lo revista Amanhila havera sess3o ordinaria Jo con-
!.b !;rPa.s 't"'.n&.";is' os prensores da gucr- selho.-A. A. Ferroira Lima, 1-- secretario
' '*vJV
Em agosto .... 505 QtJ
Dj I- a 10 de sel. 156
REEXPORTACVO
Caixa Feixes barricas
Em agosto .... 2 NC,
I'i I -.a III) le sel. I |9
ENTRADA DE 7 E AOiTO A 10 DE
SETEMBRO.
Procedencias Caixas Feixes Bricas
..Ri'iii-r-i-s-. -_ >06 _86 2:1
" 11111; u 11> i .... "Tijl
Pernambuco ...
6I.VI
1801
Saceos
5-26
166
Saceos
31
401
li80
ENTRADAS DA BaRRA.
26deagislo.Brigue porl. Kobim, da Babia.
2MBrigue porl. Pesca lor, de Peruambaco.
"Patacho port. I.onlia, da Babia.
2 de selembro.Vapor me. Tarnar, lenuiu no mes-
mo dia para o norte, do Hio de Janeiro.
Btrca brns. l.usitania, do Maraubao.
iiBrigue porl. I.igeiro, do Para.
aGalota porl. Cidade de Belem, idem.
Patacho porl. Josephina, de Colinguiba.
"Barca porl. Paqusle Sau lade, de Pernam-
buco.
6llrigue porl. Monleiro I, do Para.
7Vapor aurdoComle-Cavour, seguio a S para .Mar-
selha e Genova, do Rio.
Patacho porl. I.ibrdade, do Maraubao.
8Brigue porl. Auguslo, da Babia.
aVapor ing, Calcuta, seguio a 9 pata o norte, do
Rio de Janeiro.
10Patacho port. Margarida Leonor, pelo Faval,
do Rio de Janeiro.
ra europea,a divisSo iugleza partindo do Bal-
tico, leva a rainba Victoria etc. etc.
10.a a c-ra dos araos braneos.
II. A grande praca da cmara cm Pars.
12 a Igrrja de Santa Mara em Pars.
13." Vista do Mxico.
14. A praca de San-Petersburgo, capital
da Itussia.
10 Palacio e passeios das Tuillerias.
16. Casa da moe Ja em Paris
17 a o colisseo, o palacio das ciras
liorna.
18. A cathedral do Milito ctr. etc.
O salao estar aberlo das 7 at as II
noite. Entrada 500 res.
em
,la
2I>ft$0d :
l**
para a
Total '267 86 '29 3915
As existencia a 10 reavam-se
Cana Feiie Barrica Sacco
3660 227 7*7 46621
Cate.Apena enlraram 35 arcosde Cabo Verde.
A traosacotes continoam a ser de pouca Importan-
cia para coosumo, e em eral dos das Colonias, ha-
verao em ser cerca de 3,700 aceos do Brasil, c 1,200
das colonias.
Cacao. O mercado eslava desprovido, mas che-
garam ha dias duas partidas de 49.) saceos do Para,
di-se ajue parte foi ja vend lo a ."StiOT)
Cera. Enlrou de Tnger urna parlida de 33
qutntaes ineleies. Jtao consta venda, (em sido re-
exportada al'-iunia por coota dos pisuidores. por is-
so os nossoa pre;o sio norainaei, haverSo em depo-
sito 900 gamellas.
Ctoro..Aliinma vendas nos salgados do Mara-
ohao, llhis e Cabo-Verde, pouco procurados os de
Angola, lauto espichados como salgtdo.
Farinha de pao. Chegaram ullimamenle ditas
parlida de 1,321 sacco do Maranhau, tem-se feito
alguma cousj eo preco da uossa colarla.
Uuiniiii cooal.As boas quilidades prompla ven-
da, ordinarias empaladas.
Melado.Kntraram 561 cucos de Pernambuco e 5
do Par,). Os preces lem milhorado e leut-se feilo
algumas vendas.
Mailim.Prompta sahid.
(lumen.Chtgaram 161 paoeiros do Para' nossos
precos sao nominaes por falla da veudas, haverio em
r cerca de 300 paneiros.
Oleo de cupah\ba.Tambero o preco colsdo he
nominal, [enlraram < P,i, a' 10 barr "e 8 lilas.
Salsa parrilhs. Tsm-se feilo algomas vendas, as
entradas foram 347 rollos do Para', e as existencias
orcam-se em 550 a 600.
Crela. Chegaram 1,126 aseos de Cabo-Verde.
(I marcado continua frouio. e poucas lrartsacc,e se
realisam, haverao em deposito 7,000 saceos.
exportado.
Azeite.Xa primeira semana do roez tanlo a con-
currencia ao mercado com as vendas foram recula-
res, vendendo-se o genero no eae de 3JI70 a :;2o
e para embarque de 3-fiOO a 33<.:00.
Mas durante esta semana os prejos affrouxaram
alguma cousa,- regulando no ea's de 3)050 a 39150,
e para exporlarAo de 350 a 39500.
Cereaes l-m chegado alnumas cargas de trigos
dos Acores, que sa lem ven ii lo da liba Terceira a
510 rs., e de S. Miguel de 570 a 580 rs. Nao ha a-
biiinlancia de compradores, silo pequeas as panillas
de trigo do Alemlejo que lem vindo ao mercado.
' deposito de farinha eslrangeira vai-se exln-
guindo. || compradores a'a cavidas a 70 e 280 rs.
a do Afores ohliveram a -280 rs. Nos ceuteios pou-
e*s Iransaccoes.
lem app.ireoi lo pouco mi lio a' venda, no Riha-
(ejo tem havido compradores a 100 e 120 ra.
l-iiaT <'omo ,1',,emo na nossa ultima revista, veio
a d>HJO r., o que ((nl fe(0 Cl)m qUa os embarques
sejam avoltatos.
Vinho.As Irausacroe conlinuam a jer limtalas
nao so pelo quni enincra, do depsitos, como pela
(peclaliva em que lodos e.lao a'cerca da prxima
ruinen, no Mlrelanio nossos precos eslo liniie,
com especialdade para as boa qoalidades.
Alem do viuho esportado deapaehou-se le 10 o
(eguinte :
Ido de Janeiro 131 pipas, Babia 40, Pernambuco
29, Para 1 4|5.
Vinagre.As transaeces continuam a ser limi-
tadas em coosequeucia da sua escassez.
SAIIIDAS DA BARRA.
27 de agosto.Barca porl. iNova Eli/ia,
Babia.
oPatacho porl. Encantador, idem.
29Vapor gardo Villero liminamitl para o Rio de
Janeiro e mais esralas.
31Barca port. D. Auna, para (la, pelo Rio de
Janeiro.
"Patacho Iberia, para o Rio de Janeiro.
1 de selembro.Vapor lumburg, para o Rio de
Janeiro e BMJ esealas.
2Brigue porl. Malos I, para n Rio de Janeiro.
"-i-iie porl. I aia II, para Pirnambuco.
11Brigue port. Tarujo I, IJem.
Brigue porl. Trovador, para o Maraubao.
NAVIOS A CARGA.
Rio de Janeiro.Brigue porl. Esperieneia.
dem.Brigue porl. Peninsular.
dem.Brigue porl. Calabar.
dem.Brigue porl. Relmpago,
dem.Briaue porl. Parheco I.
dem.Barca porl. Ligeira.
jaBarca porl. I'igusirence.
I lili).ll rgUaJtrl. Lusitano.
I tem.Brigue po
Pernambuco.Barca porl. Mara Joic.
IJem.Biigne porl. Esperance.
Pai.Bregue porl. Ligeira.
dem.Brigue porl. Parejo III.
MaranhAo.Barca bras. Lu-itanin.
Parahiba.Brigue port. Paraliihann.
Rio Grande do Sul e escala pela Baha.Palhabole
porl. Bullanle.
ADDITAMENTO.
No dia II nao enlrou nenhum navio do Brasil,
Sihio 110 mesmo dia o brigue portuguez ultelam-
pagio para Pernambuco.
A 12 ii.io enlrou nenhum navio nem sabio com os
de-liuoi ou promencionados.
Espera-se a loda a hora n vapor brasileiro 0>a-
poek. proccdeiue de Gieenork, em cojos aslaleiros
acaba de ser construido ; lio de 1,200 lonrladas ; as
machinas sao de forja de 100 cavados ; depois da
'1-ii nr.i de 5 011 Odias neita porlo, segu para 11 Rio
de Janeiro eom escala pela Madeira, S. Vicente, Per-
nambuco e Haba.
Navios a sabir.
.Maraubao.Patacho porlauuez ol.iherda le, ca-
pillo Gusto lio Caetauo da Silva.
Pira'.Brigue porlujue/. I.idador.u capilao e
pralico l.ourenco Antonio dos Santos.
PORTO.
Buletim martimo de 26 de agosto a II de selembro.
.Vacos entrado*
2 de selembro.Barca "Carolina, Amoral, Mara-
nhAo cm 38 da- .
.Vun'iji sahidot.
Agosto 96.Brigue (Ulanos, capilao Magalhaes vi.
n 10 e l'ructas, Babia por Landre- .
dem 27.Barca Novo Elizio (vinho Babia,
dem.Palhabole .Encantador" vinho, sal, elr. ,
Bahir.
Selembro 2.Brigue a llhents,capitn Silva,Baha.
I lem 3.Patacho Rio Tinto, capilAo l.essa, Rio
de Janeiro.
NAVIOS A SAIIIR.
Baha.
Palhabole Lindo Alfredo.
Barca porlugue/a Douro.Luiz Adriao da Rocha.
Pernambuco.
Galera porlugueza Olinda.E. J. d Oliveira.
llar-a portogneza Santa Cruz, capitao Joo lleu-
riques de Ulveira.
Paliicho portuguez Duque do Porlo. >
Brigne portuguez Trovador.
Brigue poMuguez S. Mauoel I, capilao Mauocl P.
da Silva j^abe a 1.1 de elcmbro'.
Rio Grande do Sul.
Brigue porluguez -Ourenie.
Rio de Janeiro.
B.rca Fsliz. capilao Fuza de oliveira.
Barca Novo Tenlador, capilao Pnneuta.
Galera Saudade.
Barca llorha.
Ilarca aF (sabe a 15 de selembro .
Barca alluarte IV (prompla a seguir viagem .
Galera l-'lor do Porto', capilla Santos.
Barca t'crreira Borges
Par.'.
Galera Oda le de IMcm adiase no Tejo, mas
vai receber earga e pissageiros 110 Porlo .
Barca Nossa Seuhora do llom Succesio, idea.
Maraubao.
Barca Linda deve sahir a 20 de selembro).
O brigoe Augusto, procedente da Babia para o
Porto, arribo a Lisboa com avaria 110 cisco e mas-
Ireaoio. *
Olllm. Sr. inspector da tbesouraria
provincial manda fazer publico, quedo dia
2 do crreme por diante, pagam-i-e os orde-
uadosemaisdespezts provinciaes, vencidas
al o ultimo de selembro prximo lindo.
Secretaria da tbesouraria provincial de
Pernambuco 1.- de outubro de 1857. O se-
cretario, A. F. da Ann-unciasao.
O arsenal de rnarinha compra para
siipprimonlo no almosarifado os seguidles
Objectoa: alvaiado, almololias, grizelus de
rolna, meilini, medidas de follia, pinceis.es-
coiieiros, plvora grossa, remos de faia de
13 18 pes, raloeiras de ferro, raspas, son-
doresas, tnteiros de estanto, lijlos ingle-
zea, laiclias de bomba de ferro, e lorneiras
de metal branco : os pretendentes venda
dos ditos objeclos sHo convidados pelo lllm.
Sr. inspector apresenlarem suas propnstas
em carta lechada com as competentes amos-
tras nesta secretaria, no dia 5 de outubro
prximo, aleas II horas da inaiiha, em
que a compra sera ctfecluada. Secretaria da
inspccQo do arsenal de rnarinha de Pernam-
buco, em 30 de selembro de 1857. u secre-
lario, Alexandre Rodrigues dos Anjos. ~
Pela contadura da cmara municipal
do Recife se fa publico, que o prazo mar-
ca lo para pagamento do imposto de cairos
de passeii, o alcgael, carrogas e mais veh-
culos de coiiducgilo, principia do 1." ao ulti-
mo de outubro prximo futuro improroga-
vel, e todos que deixarem de pagar no refe-
rido pra/o, lieam sojeitos a mulla do 50 0|0
do valor do imposto. Contadura municipal
do Recife 29 de selembro de 1857. O con-
tador, Joaquim Tavares RoJovallio.
OSr. cbllector das rendas provinciaes
do municipio de Goianna faz saber que em o
da de boje Ihe foi entregue pelo delegado
des*/; termo o escravo crioulo de nome Luiz,
nal iral da comarca do l.imoero, de idade
de i annos, estatura alta, rosto redondo,
cab illoa carapinhos, olhos prclos, nariz cha-
to, bocea grande, barba pouca, picada de
1 ei ga, preso, crean cidade ordem do mes-
mo telegado, no dia 3 de Janeiro do jr-
rente auno, sendo avahado na quanta de
l:aoa; pelo que chama-se a todas as pes-
soas ruo tiverem direito ao referido escravo,
par. que dentro de 60 dias, contajos da pu-
blicicao deste, apresentem na collectoria da
dila cidade sua juslilicacSo de dominio, a
qual ser produzda perante o juizo muuici-
pal desse termo, e lindo o prazo menciona-
do sera arrematado em hasta publica, a por-
ta do mesmo Sr. collector, preceden lo-se
aiuiuiicio do dia e hora em que bouver do
ter lugar dita arremetaq-Jo, publicando-se
este edital pela imprensa, c onde mais con-
vicr. Collectoria provincial do municipio
do Giiianna 30 de julho de 1857.-O eserivao
da collectoria, Luiz de Albuqucrque Lins
dos Cuimaraes Peixoto.
Toado o ronselho de dministraoa) naval de
contraa! o foriiecimeiilo de anoz, agurdenle, as-
s .rar branco, de caiojo, azeite doce de Lisnoa, ba-
calhao, carne secca, cafo em gi,1o, lamilla de man-
dioca, fejao, sal, loucinho de Lisboa, vinagre, azei-
--teje jarpalo, velas sleariu', ditas de selio, pflo,
lioUchii7i5Taffirvele>-ta)eojijjslcs gneros das me-
ntores qualidades, para o consumo ta o/ermaria de
rnarinha, navios da armada e pravas, quer da bifCi
de excavar.lo, como do arsenal de rnarinha, no tri-
mestre a lindar em o ultimo de dezembro do cor-
renle anuo ; manda o mesmo coniellio fazer publico
que ludo isto lera' lugar no da 3 de outubro prxi-
mo, a visla de proposias recebidas al as II horas da
mautiaa, tus qmes doclare-se o preco xo pelo for-
nteimeolo ele cada um dos objeclos.
Sala das sessOes do couselho de alministrajao na-
ral, em 21 de selembro de 1867.O secretario, Alc-
Para o Rio de Janeiro sahe, com muila
brevidade, o bem conhccldo brigue Sagita-
rio, para carga e passageiros, trata-se com
Mauoel Francisco da Silva Carrico, na ra do
Vigano n. 17, pnmeiro andar, ou com o ca-
pitao Jos Mauoel FillM.
- Para Lisboa sahir com brevidade, por
ter parte lo BOU carregaraento, o brigue por-
loguez Activo : quem no mesmo quizer car-
regar, podea entender-sc com os consig-
natarios Amorim irmSos, ra da Cruz n. 3.
.Manod Jos Leite faz sciente ao pu-
blico e ao lorpo tic coinmercio, |ite ad-
miUiopar.i socios de sua loja ilt fa/.endas
na na doQueimado n. 10 dcsla cidade,
ao sen caixeiro Joo Joaijuim Correia e
Aitliui-Faltiao de Almeida Mcndonca c
|tie dcsla data cm diantc a firma social
sera-Lcitc, ArthurA C., sendo lodos
os socios solidariamente- responsaveis pe-
los debito! i|ue a mesma contialiir.
(',. W. Franck retira-se para Europa.
A viuva Maria Isabel de Moraes, ten-
Jo Je manda celebrar um memento e mista
por alma .la scu aliena mari.io Jos Peres de
Moraes, u, groja dos religioso cirmel.las,
boje -I do crreme, as (i horas da inanlia, rosa
eos prenle e amiuos de seu fallo.'.ido marido,
queiram comparecer na mencionada igreja,
alim de assislirem a lao religioso aclo, pelo
que se confessa eternamente agradecida.
xainre llolngues dos Aojo
CO.NSELIIO ADJIIMSTRATITO.
O conselho administrativo, cm cumpri-
mento do art -2-2 do regulamento de lido
dezembro de 1S52. faz publico, que foram
aceitas as propostas de Luiz l.couollodos
GuimarSes Peixoto, Francisco Maciel de Sou-
za Joaquim alendes Freir, Rodrigues S Iti-
beiio, .Miranda coreui :
O !. os medicamentos para a botica da
Clonia de l'imenteiras, segundo a relac,9o
ja aniiunciada, na importancia de 68-?760 rs.
() 2 318 pares de sapatos do Aracalv a
I MO rs., 124 esleirs a 200 rs.
O 8." 26 res.nas de papel almaco a 2-s800
5 ditas do dito de poso 29850 rs., 2 caivetes
de 2 folbas a 790 rs., 11 duzias de 1 apis a
230 res.
04
cento.
0 5.' 2ti garrafas de Unta pela a 360 rs.,
6 libras de areia preta a 200 rs., 10 niassos de
brelas a (O r-is, 20 cartas de i, lt, r, a 40
reis, 20 taboadas a 10 rs., 6 pautas a 40 is.,
6 exemplares de grammalica porlugueza por
Salvador a 600 rs 6 ditos de arithmetica
pelo mesmo a 20 rs., 20 traslados a 40 reis.
E avisa aos supraditos vendedores, que de-
verao recolhcr os respectivos objeclos ao ar-
senal de guerra no dia 6 do corrente mez.
Sala das sessOes do conselho a Irninistra-
livo, para forneciment doaisenal de guer-
ra, -2 de outubro de 1857. Bernardo Pe-
reira do Carato, vogal e secretario.
COMPANhlA
Peruambucana
Fest;i de Goiann ?.
Xo da:!-do prximo outubro seguir para Goi-
anuaovapor PERSINUNGA, a levar passageiros
paiaa fe-la do Orago, e vallara no dia 3 ; as pas-
egens ida e volla] serao pagas na gerencia, c cus-
larao 12>(KK). Em occasiao opporluna se annun-
ciai a hora da partida.
i*ara o fo de .aneiro
Ovelciro e bem conhecido brique nacio-
nal Laura, pretende seguir para o Uto do
Janeiro al o dia 3 de outubro, tem a bordo
metadede seu carregamento, para o resto e
escravos a Ir te, para os quaes tem excel-
entes commo.los : trata-sjcom o seu con-
signatario Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do ra da Cruz n. 1.
l'ara a Babia.
Areleira sumaca llortencia, pretende se-
guir para a lialua nestes oito dias, tem a
bordo dous le eos de seu carregamento
prompto : trata-se com o sen consignatario
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, ra da
Cruz n. I.
Ciar e Acrete*....
Segu no da 10 do mez corrente o palha-
bole SobrtI : para o resto da carga e passa-
geiros, Irata-se com Caelano Cyriaco da C.
M., na ra da Cadeia do Itccife n. 2.
* e.r e Harauh&o.
Segu o palhaboto Venus : para carga e
passageiros. trata-se com Caetano Cyriaco
da C. M., na ra da Cadeia do Kecife n. 1.
Para a l'araiiiba.
A laucha Flor do Itio Grande, para carga :
na ra do Vigario n. 5.
Para a Parahib .
A lancha Feliz das undas, para carga, tra-
ta- se na ra do Vigario n. 5.
Para o Aracaty.
Segu em poneos dias o hiato Capiba ribe
para carga e pt-ssageiros, trata-se na ra do
Vigario n. 5.
Aracaty.
Na ua da Cadeia do Recife n. 57, es-
eriptorio de Joao I'. Prenle Viaiina. lia
paia vender {'oniui de superior qualida-
de, courinlios de cabra, i-sf'ias dobladas
e cera de carnauba.
Para > Aracaty,
sahe mprelerirclmente no dia 7 do corrente
0 hiatc liivcucivcl ; aiu la recebe alguma
carga c passageiros : trata-se com Martina &
1 roan, ra da Madre de Dos n. 2.
COMPANHIA
Pernanibueana.
400 ponnas de ganco a 1?320 reis o
Attencao.
Na ra da Penlia n. 2 se fornece almo-
co jantar e ceia por diminuto preco e com
mnito asseio, lodos os dias lia mesa redon-
da a 640rs. cada pessoa: aos dominaos ha
boa mao de vacca para almoco: na mes-
ma casa se enrjomma pereitamente, ludo
por cominodo prero, fa/.-se bolo de en-
commenda para bailes, a 800 rs. a libra.
O desembargado!- (jomes Rrbeiro
tencionando fa/.cr urna viagem a Europa,
a tratar de sua saude, vende seus carros
e cavallos.
Em praQa publica do juizo dos feitos
da l'azenda, so h3o de arrematar em ultima
praca os bens seguintes :
Urna casa terrea de taipa na freguezia dos
Afogalos, na ra de San-Miguel n 46, com
15 palmos de frente o 55 de fundo, cozinha
dentro, quintal em aberlo, cacimba propria,
em mo estado, avallada por lOO.*". penhora-
da a I.eonarda Sacramento, por Maris Rosa
de Jess.
Urna casa torrea na freguezia de San-Jos,
na ra dos Acougulnhos n. 23, com t pal-
mos de Trente, e 13 de fundo, cozinha den-
tro, quintal murado, avahada por 800?, pe-
nhorada a Francisco Solano Pcreira llamos,
por Antonio Moreira da Penh*.
lima casa terrea de pedra c cal no largo do
Iteinorfio n. 9. ten do 36 palmos, 87 de fundo,
com 3 janellas de frente envidraca las,3 quar
tos, 2 salas, coziuha dentro, quintal em a-
berto, com \ ps de coqueiros, avahada em
l:000j, dos lilhos da Joaquim Jos Luiz de
Souza.
Os pretendentes comparegam as 10 horas
do dia 7 de outubro corrente, na sala das au-
diencias.
O abaixo assignado, na qualidadc de
propietario .la casa do sobrado de 2 anda-
res n. 10, sita no paleo de S. Pelro, declara
ao autor do annuncio publicado no Diario
de hotem acerca do mesmo sobrado, que no
dia I do corrente o Sr liscal da freguezia de
S. Antonio, procedeu com peritos vistoiia no
predio, e foi declarado pelos mesmos peri-
tos, que eom quanto se oncontrasse desapru-
mo no meio de sua cria^ao, todava nato a-
meaca eminente perigo.
Joaquim Jos do Oliveira.
Na ra da Uoeda n. 3, segundo andar,
'o i-ipra.m-.se oscravos proprios para servido
de campo
- Precisa-sc alugar um cozinheiro, que
seja captivo, para o servico de urna casa iu-
gleza : a tratar na ra do Crespo n. 2. os-
criplorlo, primeiro andar,'advorte-se que
agradando aga-sebem.
- Compra-so dinheiro miudo, na loja do
Anules.
Compra-so um escravo do meia i lade,
sera vicios nem achaques, prefariodo-se of-
licial de sapaleiro ; na ra do Kncantarnen-
to n. 3, urina/.m de couros, a tratar das 8
horas da manliSa as 4 da tarde.
Pracisa-se de urna ama para o servico
de casa de pouca laiilia : na ra da Cadeia
doltecife u 1|.
-- O abaixo assignado tem de mandar
dizer urra missa cantada a N. S. do Kosari't
do nincho da ra las Cruzes, no convento
le S Francisco, domingo 4 de outubro, as 4
horas e meia da manhSa e convida aos de-
votos da mesma imagem para assistir a dita
missa, para maior Inilhantismo.
Francisco Maciel do Snuza.
Xa rita do Encantamento n. 13, vnde-
se urna porcSo de jogos de pedras do nioi-
j nho, por mais .barato preco do que em ou-
tra qualquer parle. Na mesma casa precisa
se de una ama secca para seiviC'J iotaVRO.
Veiidern-se pentes de diversas modas,
de tartaruga, abortos o lisos, lambem tra-
vesano pera cabello de menina, c tamhem
faem-sc quaesquer obras deste genere, >:
concerta-so : na loja de tarlarugueiro, no
pateo do Carmo, toja do sobrado da esquina
que volta para a ra das Trincheiras n --.
Vcnde-se o sitio da cspella dos All ic-
tos, onde moia o Sr. major Candido Eraidio
Pereira Lobo, com grande extensSo de ter-
reno, muitos arvoredosde fructo, pasto para
vaccas, etc. : quem o pretender comprar,
1 vapor PERSINUNGA sal.i.a' amanhaa para
Golanna, a'a K liaras da mauliaa. Kecife 2 de ou-
tubro de 1857.M. L. de Mallos.

Kafo
'S. B.IP.
iecreio e Uniao
As pessoas (pie assignaram, e as que qui-
zerem anda assignar para esta sociedade,
deveraoreunir-se amanhaa, 4 do corrente,
as 10 horas da manliSa, no Iheatro de Apol-
lo, Mu de installar a sociedade e nomear a
direccSo.
*- A essoa que annunriou precisar de
urna pessoa que queira incuminr-se de criar
urna crianQa impodida, dirija-se a ra do
Cotavcllo n. 53,que achara com qaem tratar.
- O escravo Rulino tornou a procurar o
abaixo assignado para o comprar ; seu se-
nhor n3o o quer^ndo vender deve manda-lo
buscar quanto antes no engenho Mussaiba,
onde consta ao mesmo abaixo assignado
chegara dito escravo,' por cuja fuga se nSo
responsabilisa, e nem por outra qualquer
cousa tendente a semelbante escravo.Joa-
quim Salvador Pessoa de Siqueira Caval-
cauli.
Arrenda-se um sitio no IngardePar-
nameirini, conlom 2 casas, muitos arvoredos
euma pequea baixa para capim : trata-se
na ra do Crespo n. 9, com S. A. P. de Souza
Peres.
Atteiicfio,
Constando ao abaixo assignado que o Sr.
Jos Antonio Araujo Guimariles trata de ven-
der as dividas que tocaram em partilha a
seu pai oSr. Bento Amonio Gomes Cuima-
rSes. no inventario de Domingos Antonio
Gomos Cuimaraes, entre, as quaes existe
una quedizem ser do abaixo assignado,
declara ao respeitavel publico, que alm de
estarem anda de.tendentes as mesmaspar-
tilhas da decisan do Tribunal da Relagito,
he sua mulher cedora do casal por avultada
quantia, a cujo pagamento est especial-
mente sujeita a meiacao do mesmo Domin-
gos, accrescendo u;ais haver urna conta das
despezas e dinheiro adiantado que fez o
abaixo assignado a seu pai durante o lempo
de sua prociradoria : pelo que, protesta con-
tra qualquer venda que o dito Sr. Araujo
Guimaracs faca nao s das dividas como de
quaesquer beus pertencentes ao dito casal
Kecife 1. do outubro de 1857.
Jo3o Antonio Gomes Guimarr-s
AVISO AOS SENHORES VIA-
JANTES.
A taberna grande em S. Lourenco da Mata
aclfa-ae de novo surtida, o offerecc muitas
vantagens aos Srs. viajantes que all quei-
ram descansar por ter muitos eommodos
para aso, e querend.t fazer algum pelisco,
mands-so fazer com muita promptidSo e
impeza, a qualquer hora do da, e ao lado
da mesma casa tem urna grande cocheira
com toda a spguranca para se guardarem os
cavallos, e manda-se trtar dolles, tu lo por
preco muito comrrrodo, para se acre litar
este novo estabelecimento. efe
Antonio remandes llamos de Olivoira.
VeiiY-so burato.
No Passeio Publico, loja n. II, de Ferreira
& Cruz, existe um completo soitimento de
fazendaa de qualidales proprias para quem
costa-do bom e barato, cono sejam, corles
de casemiras muito cncorpadas c de bonitas
cores a 3^200 o corte, verdadeiro morim me-
draste, sem confeiicSo alguma, proprio para
camisas, fazenda nova no mercado a 240 a
jarda, e mais abaixo a 200 rs., mussuliuas
de goslo, chitas francezas, chitas finas de
oslo, ditas deco'ierta, e muitas nutras di-
versidades de chitas de padres escuros e
ores lisas, populares do Lia e seda para
vestidos, dn cores mui lindas a \/o covado,
brins de puro linho do coros para caigas,
superiores bretauhas o largas, de puro li-
nho, cambraias lisas finase ordinarias, cor-
les de chitas cassas de cores e bonitos Eos-
tos, cartees de algo 13o do diversas cores e
baratos, brins de quadrinhns, bonetes de
cores para meninos a 100 rs., lencos de cas-
sa para mo a 80 rs e muitas outras l'a/cu-
das quese nflo annunciam para evitar lem-
po, oque se ven.lerao por presos que sgra-
daro a quem vier com os cobres.
Ma loja
das seis portas
EM FRENTE DO LIVKAMErvfo
Cortes de cllete do casemira bordados a
29, pegas de algodao Irangado a I/2O0, cas-
sas para cortinado com bonitas ramagens a
2/500 a peen, ditss adamasetdas a 19600 a
.eca, lencos de reti*oz a 500 rs. cada um,
saias branc-ts bordadas a 1J600,
Atten<;a,o
OSr. M. quo lonou por em presumo um
palitot de panno verde anda moco, Irato de
pagar a quantia do 25, valor por que foi
comprado em casa do Sr. Cerdoso Ayres,
visto como longc de o restituir ao seu novo,
no estado em que o recebeu, pelo contrario
se lem utilisado delle, abusando assim da
hospit.'ilidadc e franqueza que euconlrou
em casa do aiinuuciante.
- Pede-seao Sr. thesourciro das loteras
da provincia que nao pague qualquer pio-
mio que sabir cm um meio bilhele c um
quarto da 1 iieria do Espirito Sanjo, sonto
aos menciona los no presente annuncio, cu-
jos bilheles se desencaminriaram ; ignora-so
o numeio do meio bilhete, e o nnmero do
quarto he 39 : foram comprados ao vende-
dor Ferreira e garantidos pola Srs. G a ma-
raes & C e ambos assignados as costas
com os nomes de Jos Joaquim de Oliveira
Gongalves e llcnrique Jorge Burle.
Aluga-sc a loja do sobrado n .., sito
na ra da Cadeia de Santo Antonio : a tratar
ua obra em conslrucgito entre o boceo do
Cunba o o do iheatro de S. Francisco.
Atien 9.O.
Prccisa-se de urna casa terrea no barro
da Itoa-Visla e que lenha bons eommodos,
quintal grande, cacimba, e em bom estado,
pois so pagara bem pago o s^u alugue
quem liver annuncie ou dirija-se a travessa
da rua das lruzes n. 8, para tratar.
NAO DE VACCA
Ama h.ia domingo llavera muiobomlei-
t, na rua do QucimaJu n 32, primeiro an-
dar.
JANTAHES. --------->
Na rua dn itueima lo n 32, primeiro an-
dar, se offereca comedorias para casas par-
iculares, dando-se almocos ejantares c.otn
todo o acojo n promptidao. iNa mesma casa
ha sem pie bom caf com leite e petiscos, e
mesa redonda as 3 horas.
Folh i de; Flandrea.
Venif.m-.se na rua da Cadeia do Kecife,
loja n. 64. em porc i a a retalho, caixos de
&
ROA 00 OUEIMADO
%
Grande sorti-
inento de fa/endas de to-
das as qualidades.
Cortes da vestido da ada da coras o mai
superior e moderno qoe ha no mercado. 9
Pajas de bretanha de liuho fina eom 6 va-
ras ............. msoo
Corles de vestido de lia matizada de novos
padroes com 15 corado...... 49500
Dito de calca de caiemira prala a de core. 49OOO
Ditas de cohete de gorguro de seda de va-
ro padres.......... 39000
Chapeo de maisa fraoce/ea forma novas. 7a50il
Ditos de sol de seda........ 79500
Leitcos de cambraia bordados, linos, para
............. 1J280
Ditos de do de linho lisos para mao. 400
Luvas de seda de toda as qaalidadas, para
liomens, seoboras e meninas..... 9
falli de satino prelo a de core. 2O9OOO
Dito de argentina de core escura. 7.3000
Ditos de fuitao de cores asselinadas. i,ssi
Ditos de brim pardo fino...... 53000
Pabl de alpaca preta....... I9UOO
Dito de alpaca e gangas de cores. Is500
Ditos de brim de quadiinlius..... I9OOU
Gnudoliis de alpaca preta e de cores. 59000
Komeiras de relroz com laro de eda para
saeteara............ '(9600
Chales de meriu bordado em 2 pontas. 129000
ilos de dilo bordados em 1 pona. 9)000
Ditos de dito coro listra de seda .... ..'tOO
Ditos da dito lisos .........i;.'>oii
Ditos de dilo curo franjas de laa.....icOOO
Ditos de laa adamascados, pretos e de cores. t-uoo
Ditos de chaly bordados...... 10)000
Panno lino prelu c de cures, para todus o precos.
Grosdcnaples prelo e de coies,covado
Seda |ieta lavrada aoperior.....
l'upehua de seda de cores malisadas, co-
Aado.............
Chaly de cores, com quadros de seda, co-
vado. ._..........
Dito de cores lisos covado......
Laa de quadrus pequeuos e graudes, co-
vado i..........
Lila eseda do novos padres, covado. .
Mauritana de seda matizada com cinco pal-
mos de largura, covado. .....
Crsoliua da aeda com quadros, ramagan e
lislras inalisada|, covado......
Sedas de quadriohos, corado.....
Duqneza de teda eom qoadro e ramagens.
Mussulioa branca e de cores, curado. .
Chitas francezas finas de novos padres, co-
vado.............
Irn lulma de seda dt lindos gestos, co-
vados ...........
Cassas francezas finas de cores lizas, vara.
Em rema do lieeco da Congregarlo, passiudu
loja Se ferragens, a segunda da bsaatdaa n. 40.
--- O bacharel Oliveira Maciel, iuiz mu-
nicipal da segunda vara desta cidade mudou
a sua residencia para a rua das Cruzes, ter-
ceiro andar do sobrado n. 28.
ajOOO
s.'a3oo
950
850
ni')
600
800
19000
19000
950
750
320
280
900
420

Thesouro ho-
meopathico
enlcnda-secora o dono do mesmo,o coronel fo'ha do Klamlres, por preco commodo'
francisco Joaquim Pereira Lobo, na ruado """ i'recis-so de urna mulher idosa
it>
DI
SANTA
EMPREZA- GERMANO
RECITA EXTRAORDINARIA.
(LIVIJE A ASSK.NATUKA.)
SABBADO, 3 DE OUTUBRO.
Subir'a' soena o muilo applaudi.lo e desejado dra-
ma em j actos, do Sr. Memlts Leal Juoior :
Cabug, primeiro andar do sobrado n. 61,
ou com Barlholomeo Francisco de Souza,
rua larga do Kosario n 36
-- Dosapparcceu da casa do abaixo assig-
nado, no da 27 de setembro prximo passa-
do, o escravo Antonio, de nacSo do genlio,
com os sgnaes seguintes cor preta, altura
regular, ps mal feilos, dentes abertos, bem
fallante, levou calca de algodaozinho de lis-
tra, camisa da algndSo azul ; este preto foi
escravo do linado Francisco Juan da Costa
Camoello, e boje pertence a viuva do mes-
mo (nado : roga-se, porUnlo, as autorida-
des policiacs e capilfies decampo a appre-
hensfio do dilo escravo, e leva-lo a rua Im-
perial 11. 167, ou alem da (abrid de sabio,
O agente Borja concluir hojea no.te, segunda c.aa terrea, que se recompensar
o ictiao dos olijectos Je marmore, |iie te-! com gencrosidade.
ve lugar quarta-leira .10, consistindo em Francisco lotelho de Andrade.
dilTerentes vasos de marmore, alabastro Fugio ha 15 dias o preto Caetan i, Ben-
agallia, fiiicteiras, tacas, varios adornos!guo1,1^de "la'Ie 3, a 3? anQOS' ">">.
JT.<,\ ntJ. '. i v |vando camisa e calca de algodo americano,
de sala, e o Uros minios objectOS que se- azul, muito desbolado ; he escravo do Rxm!
o vendidos por qualquer prero ollcre- viscondede l.oures, outr'ora de Angelo Fran-
dar-se-lia principio as (> horas da cisco <:arneiro : quem o agarrar ser gene-
em ionto rosamente recompensado, levando-o a rua
_______________________i da Cruz n. 3, casa de Amorim IrmSos, ou a
-**. ..a rua de Apollo, armazein iManoel Ferreira
*>$&09 da Silva Tarroso
-Bem que por quinze da. chamassJ C;rH (,(! forr0
s ao cumprimento de mm devem tJSttSSWEt CBS.'t
um luncctonatio publico pie compro-jn. 64.
para
o servicii interno de urna casa de pouca la
milia : quem pretender, dirija-se a rua da
I'raia n 20, segundo andar.
- A pessoa que tenha de ir para o no'te
e precise de urn criado, ple procurar na
rua do Amorim n 56; e o mesmo que se
offerece dar liador a sua conducta.
Vende-so urna negra cozinheira e de
mais servico, e urna moleca do 18 annos que
tem habilidaies : no segundo andar da rua
Oireila n 64
Ven,lcm-so caixas com sabio : no ar-
mazem do sobrado encarnado na esquina do
cafs do liarnos n 2
Na rua estreita do llosario n 25, pri-
meiro andar, ven le-sc urna escrava crioula,
de 22 annos, de bonita (ira, ptima en-
gommadeira e cozinheira, lava de sab&o e
cose chSo.
Precisa-so do um caixeiro de 12 a II
annos para taberna : na rua do .Nogucira
n. 49.
Prccisi-se muilo fallar com o Sr. Joa-
quim Jos Marques, acadmico, a negocio
seu : na rua da tenz \a Velha n. 68, segun-
do andar.
--- Precisa sede urna ama para urna casa
de 2 pessoas : no palco do Para izo, segan lo
andar ror cima de um acougue, esquina que
volta para o becco que sahe na rua da Ca-
deia.
Precisa-se de urna ama do leite, c pa-
ga-sebem: na rua do Pilar, cm Pora de
Portas n. i2.
OU
VADEMCUM
DO
#3
(3
Honieopatha

:.? PELO DR.
gSABWO OLEGARIO L-PIMO f
^ Ela obra, reconltecida por todo, como 5
W a melltor de quaulas ensinam a applicarao ^
da horneo palhi a no Ira I denlo da moles- .',3
- lias, continua a vender-se a ll;iHIO,na Bi- S
^ tica Central llomeopatbica, rua de Santo ' Vs Amaro (Mundo-Novo) n. 6 iS
$ EXCLLLENTES REMEDIOS 110- s
Q MEOPATHICOS, S
. |ireparados com o maior cuidado e mero, -i*
" vendem->e em carleiras or oreos 01 mala '*
-.13
v3
i
ro-e em carleiras por prero- os mais
r Humillos possiveii, flesle 1U$000 al
120-3000, conforma o numero dos lubos e
riqueza da caixas.
Cada luboavulto.....1$000
Cada vidro de (iutura. 2^000
N. I!.Constando ao abaiio assigoado
que algn individuo percorrtm o interior
?HP nSo sii desla provincia, como das Alagoa, ^
^1 l'arahiba, Kio-Crande do Norte e Cear, tfl
^ja vendedo "remedio em seu nome, julga
conveniente declarar, que a ninguent auto- w
^ risou para io,e que,como nSo esta promp- $?
.-.j to a carregar cqjji os peccados sitelos, 6 fO,
S a responsabilisa pela profieaidade do re- J?
? medios preparados debaiio de sua imme-
JjJ dala mpeccao, naBotica Central lio- 8&
~ meopailtica, rua de Sanio Amaro, (Mun-
K ^e Novo) n. 6.
$3 l)r. Sabino Olegario I.. Pinito.
s
38S&-&&&8@vii
- Em urna das roelnores localidades Ja
rua do Hospicio, ba urna casa n. 18 B, foi la
ocm todo o goslo o esmero, e em cuja coos-
UucqSo enlraram as melnores madeiras do
paiz e as melhores ferragens; a m3o d'obra
fui ejecutada pelos melbores olliciacs nac 1
n es e aeni.'ii'-s, sendo urna das casas mais
confoflaveis, porque seu dono a edilicra
para nella residir, e com elTeito aioda aiu
residi por algum lempo, mas como se ro-
solvesse a mudar-so e nSo Ihe convenha te-
la alugada, teuciona vende-la. Tem boa co-
ebeira e estribara, um bonito jardim com
canteiros de pedra e cal, vares de ferro pa-
ra plantas trepadeiras, entrada de frente e
posterior, isto he, pela rua do Hospicio e
pela do Destino, as frentes das calcadas de
pe Ira de Lisboa, as entradas de marmore, e
os tectos de estuque, eacadas do volta, entre
o jardim e a casa ha um calgido de pedra de
Fernando, o jardim he separado do pateo
por urna elegante grade de ferro, tem urna
grande cacimba com bomba de repucho com
encanamento e ura deposito na parte supe-
rior-da cozinha, aonie se conserva agua pa-
ra consumo da casa, a qual he levada pelo
mesmo encanamento a diversos lugares do
'"TI "" yTflrLll fir" t""|--ir" de
com valvulas~paa ieT-~
eaffj
marmore e azulejo,
pejo das aguas cm um cano do 250 palmos
de comprido quo conduz nilo s essas como
todas as mais do servico o da chuva a man-,
os hatillos pndem ser quentes ou frios, para
o que ha no banhelro duas lorneiras de qun
umacommuuica com um deposito d'ague
quenle assente sobre a chapa do fogSo da
cozinha. Tem outras muitas commodila le,
que pedem ser examinadas pelos pretenden -
tes, iriginlo-o para esse ira.aoSr. Jos
Kodriguos Peisato, na casa terrea junto, que,
lhes facultar a entrada. Pude convira lo-
dos e especialmente a um senhor do enge-
nho quo tiesta cidade queira fazer a sua rc-
sidapcia : quem a pretender comprar, diri
ja-se a rua da Madre de Dos n. 26, ao seu
proprietarlo, quo he Vceato Ferreira da
Costa.
o;:?sosq-3&&&@&,;;<
I Consultorio
! CENTRAL HQMEOPA-
THICO.
<# RUA DE SANTO AMARO,
C'S Mundo Novo 11. (i
-
v3
1
.'.3 t) llr. Sabino Olegario l.uUna Pinito .-'.
S .la consulta lodos os dia olis, desde as 8 **'
r horas da manliAa as :t ila tarde. Os convi- Stj
rs para riiilM deverSo ler dirigido per .:-.
.* e-cnplo. Os pobres silo medicado gratn- "
~ lamente. '. ';
-.::..::: *:::OZ<:~y:::Z-:.:-00.
Koga-sa a Sra. I). Auna Maria das Vir-
gens, viuva de Victorino N'unes de Barros,
residente ha anuos na fazenda de Pajehu',
ter uo do Cabrob, provinr.i 1 de Pernaiuhu-
co, ou a seus herdeiros, que venham ou
mandem receber a parte que Ihe loeou do
espolio de Jos Seabra Lomos, fallecido nes-
ta corte. Kio de Janeiro I de selembro do
1857.




MUTODO"
.




DIARIO DE PERNAMBUCO SABDADO .- DE OCURRO DE 185"
C0ISDLT0R10 HOIIOPaTHICO
DO
estt w_
Onde seacbam sempre os mis acreditados medicamentos, tanto em tinturas como
m glbulos, e preparados cora o maior escrpulo e por procos bastante commodos :
PRESOS F1XOS.
Botica de tubos grandes. 10/000
Dita e 2 159000
Dita de 36 > .... 209000
Dita de 48 i ... 259000
Dita de 60 ... 30900*
Tubos avulsos a....... 19000
Frascos de tinturrademeia onca. 29000
Manual da medicina bomeopathica do Dr. Jahr com o dic-
.] cionario dos termos de medicina :......
Medicina doaestica do Dr. Henry ....
Tratamento do cholera morbus .
Repertorio do Dr. Mello Moraes
20900*
10/00*
2/000
(1000
PEORAS PRECIOSAS-
msBBamsasss&msai ? s m
OURO E PRATA. |
Aderecos de brilhanlts, Jj
diamanle e porolas, pal- SE
eiras, allineles, brincos *
i rzalas, boles t anaeis jj;
?i de dilferenle nonios e de *'
* diversas pedral de alar. *
I I
: Compran), vendem oo "?'
Jg Irocam prala, ooro, bri-
.? Ihantes,diamaiilese pero
* las, e oulras
Jj joiasde valor
uu por obras
lOIEtti IMITE.
lJ* bl UR.HI
Rua do Cabuga' n. 7.
Recebem por to-
dos os vapresela Eu-
"S; 1 ropa asobiMNdo mais I SJllS^B? 1
a di! Virn 8 J "'. ailisaes. colheres $
a d"-,,ro I moderno gosto, tan- | .de8pa,e dBCh*- mui- i
fR __O n los 011 ro nhierlne H. *
j$ Adereroi cmplelos da X
* ouro, meios ditos, polsei- %
8 ras, alfineles, brincos a jjj
p rozelat, cordes, Irancel- jj!
% lins, me 1: llias, correnlcs *
S enfeiles para reosio, e
J oolros mullos objeclos de *
B ooro.
Aparelhos completos de *
Quem for dono de nm carneiro gran-
de, queappareceu na ra Imperial, prove-o
perante esta subdelegada, para Ihe ser en-
tregue. Snbdelcgacia de S. Jos do Itecife
29 de setembro de 1857. Accioli, subdele-
gado supplcnte.
Noy
sortimento de borzeguins Crancezes para se-
nhora, ditos para homem, ditos para meni-
nas, sapates, sapatos de diversas qualida-
des, tudo dos melhores fabricantes de Paris,
e pregos mais| baratos : na ra do Cabug,
toja n. 9.


objeclos de
fd i T? ~ & "" 0Dlr0' --i--" < a
mmmmmmm**** to de Franca como ISS^mmmmmmmt
de Lisboa, as quaes vendem por
pre$o commodo como costo mam.
Na fundirlo da Aurora
de serventes forros ou escravos,
servico debaixo decoberta.
precisa-se I
para
| DERTISTA FR1HCEZ. g
JT Paulo (jalgnou* dentista,ruafiova n.41 : J I
TO na roesroa casa tem agua e pos dentrilice. ^s
JOHN GATIS,
corretor geral
E AGENTE DE LEILO'ES COMMERC1AES,
n. 20, ra do Torres,
PRIMEIRO ANDAR,
praga do Corpo Santo *
RECIFE.
K
O Dr. Ignacio Firmo Xavier es-
-j. tabeleeeuem sen sitio da Passagem
K da Magdalena, que ica ao norte
S da estrada entre a ponte grande
"M e a pequea do Chora-Meniuo, ex-
S? cellentet acommodacoes para re-
^ ceber todas as pessoas enfermas
W que se quizerem utilisar de seus
g servicos mdicos, os quaes serao
Y prestados com o maior esmero.
S$ O mesino Dr., para o iim supra-
t& indicado e para exercer qualquer
# outro acto de sua prosso den-
@ tro ou fra desta cidade podera'
@ ser procurado a qualquer hora do
<$ dia eda noite, no referido sitio,
a excepcao dos dias uteis, das 9
horas da manhaa a's 4 da tarde,
quesera'encontrado no primeiro
@ andar do sobrado n. !>, do
do Carino.
Q
Os abalxo asslgnados, com loja de ourives
na ra do Cabuga n. 11, confronte ao palco
da matriz e ra Nova, fazem publico, que
estSo recebendo continuadamente a< mais
novas obras de ouro, tanto para senhora
como para liomens c meninos : os presos
continuara razoaveis, c passam-se contas
cora responsabilidade, especificando a qua-
lidade do ouro de 14 ou 18 quilates, ficando
assim sujeitosos raesmos por qualquer du-
vida. SeraDliim & Irmao.
i~j" Prec'sa_se de urna oiulher de meia
idade.de boa conducta e sem filhos, para
tomar conta do urna menina de 2 annos, e
fazer algumas costuras ; a tratar no campo
do Hospicio junto ao quartel, casa do de-
sembargador alendes da Cunha.
Precisa-se de um ama de leite e outra
para cozinnaQB fazer todo o mais 6ervico de
casa : na ra do Caldeireiro, taberna n. 60.
Na ra do Collegio o Sr Cyprianno, c
no aterro da Boa Vista na padaria do Sr.
Beiriz, se dir quem da um cont de res
ou menos com hypotheca em casas terreas
ou firmas a contento.
Aluga-se a casa terrea sita na ra
da Praia, pertencente ao patrimonio da
veneravel ordetn terceira de S. Francisco
desta cidade do Recife,
f Cristian}' & Irmao, com loja e fabrica de
? cliapcos na ra Nova n. 41, acabara da re-
k ceber pelos ltimos navios chegados do Ha-
r vre, ricos chapeos de seda para senhora pro-
> prios para paiseio. ditos do fellro paramon-
. laria, ditos de palha enfeiltdts para meni- A
nos e meninas, dos de feltro para dilos,
brrelos de palha rireitados o melhoreos- B
I lo poasivel, barretes de ptlha enreilados e
^ simplss para meninos, soperiores chapeos de
t castor brancos e prelos, rapados e com pel-
3 lo, ditos de seda o melhor qoe lera vindo ao
i mercado ; e oulros muilos variados sorli-
tos, que prometlem vender mais barato i em outro qualquer parte.
Precisa-se de um eitor que cntenda
de plantar-oes : no sitio do Chora-Meni-
no, fabrica de rape.
Alugam-se 5 ou 6 escravos robustos,
para armazem de assucar : quem tiver, di-
rija-sea ra do Trapiche n. 3, a tratar com
Goncalo Jos Alfonso.
Precisa-se de urna ama para cozinhar
para pessoas, sendo idosa melhor: na ra
Direita n 95.
l'recisa-se de um forneiro : na pada-
ria de Santo Amarinho.
As casas da ra do Pilar n. 10, c dos
i.uararapes n. 27, pertoncenles a Manuel
francisco da Silva Araujo, eslao justas por
compra ; se algucm tiver por qualquer di-
reito a reclamar sobre as raesmas, tenba a
bondade de nesles 5 dias fazer suas recla-
macocs, que depois do lindos nao se annui-
ra a qualquer reclamaciio. Recife 29 de se-
tembro de 1857.
Loeria
DA
Provincia.
mpm$.
Vendem-sc na ra da Cedeia do Rc.Mfe, Vendc-se a melhor loja de fazendas do
n. i, loja de Antonio Lopes l'ercira de Mello l'asseio Publico n. 9, propria para um orin-
n.. sarro* rom PTr0ll0itln pnnima rhpfiiia pirtianlA pnrnPi.__. -. *__
Compra-se
com todos os seu
ouom a tiver, dtrija-se a ra do Rangel n. vendem-se botijas coi m-
49, ouaonuncic. gleza para copiar, por preco commodo.
t-ompra-se cllcclivameute na ruadas v ,.j ... ..... .
Flores n 37, primero andar, apo.icesda di- 2S*7. ^a f s^c^m'cobeiS
vida publica e provincial, aeros das compa- J
ninas, e da-se dinheiro a juros, em grandes
e pequeas auantias.sobre Donhores.
Compra-se efectivamente pingos de
velas de carnauba : na ra do Vigario n. 27,
deposito de assucar,
et^-j;^
da
pateo
. SEGURO CONTRA FOSO.
Companhia Allianca.
Eswbalecida cm Londres, m marco da 1824.
cuja casa tem
commodo para qualquer estabelecimenlo
e inorada ; os pretendentes dirijam-se ao
carissimo irmao ministro Joao lavares
Cordeiro, na ra da Madre de Dos.
Aluga-se um sitio muito grande perto
praca, com muitas arvores de fruclos,
w, urna grande haixa para capim, casa de vi-
fg I venda assobradada e muito grande, duas co-
$ cneiras, urna estribara, casas para escravos
Bt.efeilor: quem o quizer alugar, dirija-sea
ra do Domingos l'ires, sobrado do Sr. Tho-
maz de Aquino, junto a um portSo de ferro
Precisa-se de um oflicial de pharma-
, ca que seja intelligente e lenha bom com-
portamento
na pra^a da Boa-Vista n. 22.
fM- "" .d* m" JOr^' de 19 diano: a lralar na rua d0 Qei-
loraiar aos tm. negociantes, proprietanos de casu, mado n. 46, sagundil andar, das 6 as 9 horas
a quea mais convier que esto plenamente au- da Dianba, e de tardo das 3 as 4 horas
loriaados pela dita companhia para affeciuar sega-' Precisa-se de ama anu paKi cozi-
?*?**.. *.. P^r. *"* "l-are engommar: quem raLr appa-
sobra os objectos quecont.varan. reca na r'a de Santa lhaM 3
Aos psssag^eiros do oinni-
btis r/abo.to.
Faz-se scienle, que de agora em diante o
mnibus JaboatSo partir para Santo Amaro
as 4 horas da tarde.
Jos Elias Machado Freir,
constructor particular, julgando-se versado
em construccSo theorica e pratica, offerece
nobilia ou
os masaos edificio* quer consista m
tm faztndis de qualquar quadada
Lotera da pro-
vincia.
O abaixo assignado vende bilhetcs ga-
rantidos |>elos precos abaixo notados, m
ipiantias de 100#000 para cima, a di-
nheiro a vista, em seu escriptorio, na rua
do Collegio n. 21, priroeiro andar.
Bilhetes 5JJ500 recebe 5:000*000
Meios 2.750 2:500s000
Ouartos 1P50 .< 1:250,8000
/*. J. Layme.
- Na rua do Trapiche n. 17, escriptono
pre-cisa-se deum preto para criado.
DEPOZITO DE R4PE PRIMEA DE
IARYIAKD.
lio chegado pelo vapor lguarassu este no-
vo rape, fabricado no Cear, pelo Dr. Marcos
Josc llieophilo, a sua boa qualidade eexcpl-
lente aroma, agradar os amantes da boa
pitada, e ven le-se por preco commodo: na
rua da Cadeia do Recife n. 29, primeiro
andar.
lie chegado a loja de Leconte, aterro
da Boa-Vista 11. 70, excedente leite
de rosa branca, para refrescar a pell
pannos, sardas e espinhas, igualmento o a-! ,
lamado oleo babosa para limpar e fazer eres- i i V SSOCI I A O FIO.^
:or os cabellos ; assim como p imperial del :*-1'5UWVlW |*U"v
o seu trabalho a qualquer pessoa que quizer
construir embarcac.es para longo curso.
n3o s para panno como para Ibe sentaren!
engenho para vapor, sendo seus planos eli-
minados por qualquer reparticSo, o mesmo
construe modelos do 50 a 60 pollegadas de
comprimento com toda setnelhanca promp-
lo a navegar; para o mercantil, que duvida
na sua capacidade ; e ensina a pilotagem
theorica e pratica conslrucgSo, arithmetica e
geometra pratica : a tratar na rua do No-
gueira n. 7
OSr. lente llennque Francisco de No-
ronha.quc annunciou relirar-se para a Bahia,
convidando a irem receber no quartel o que
dovia, all foi procurado, e nao loi encontra-
do, para o fim de pagar o que deve na loja
le fazendas da rua do Crespo n. 15, de Bre-
ckenreld, queira pois o dito Sr. tenente
ordenar da Bahia, que o referido debito se-
ja pago, visto que se esqueceu de o fazer an-
tes de sua retirada, como era seu devar.
"T >recisa*sc d Ufna pesso que saiba co-
zinhar, livre ou escrava, o n3o importando
lyrio de Florcnca pata brotoejas e asporVda-
des da pelle, conserva a frescura c o avellu-
dadoda primorosa da vida.
MDiNfJJO ESTABELEGI-
MENT0 DE PIAROS DE
JXIIP ITPP w vidados loaos os Srs s
. lIllBlto. ___^flnteaa B> milico i do
_i!SJfi!iddir-seii'T!sCabelecimcnto de
pianos da rua larga do Rosario para a rua
pular de soc-
Icorros mutuos

;-<
da Cadeia
llelaco.
I
e Santo Antonio a. 23,
junto da ;:;
Daordemdo lllm. Sr. diracl
comparecarem f.
deve ter lugar do- A
do correnle, para, de conformi- i;
dad com o-arl. 19 dos estatuios, elegerem V?
a nova directo.
Oolro sim, previne-ie a aquelles dos Srs. ^
. socios que se acbam a dever mens.ilidales. W
t> e aos que ainda nao paaaram as suas joias, '..':
Ot que devem por-se em da com a Associa- p\
& ilu a.'"" d* ele'Sao, pois que, secundo o X
arl. )8 do retimeolo interno, nao pode ser V.--
5g admiltido a vutar o socio qoe nao se echar A
a em dia.
^ Secretaria da Assocac.ao Popular de Eoe- ^
5 corros Mutuos, 1 de onlubro de 18J7. CS
m
AGEIO E PROMPriDAO.
Na rua das Cinco Ponas n. 136, lava-se e
engomma-se com aceio e promptidao, e lo-
ma-se algumas freguezias.
.viso as innandadese aos
fVst. iros.
Jos Paulino da Silva, com casa miMio!
tvzz^rtna"SiM-^ZrtX^'ZKnXZLXto
ESZSSftXttMEUfr ***, que este,. nesU cidade por
vira m^SKlSA 5*.W>|- alR.um lempo' hc na P'4":" da '"dependencia
o I lo am ,X 1 'I,'1!'10 ? por 4',assim como se vende linla Para "ca.
inesma casa um 3W, a*=s.labelecido na roupa, a melhor que tem apparecido. e agua
^u^^&^mJhJSSI d "r de ^ parf lir8r nodoas- de ferruagem e de tinta, e
touas as quaiiaiies, ah acharOo as pessoas ail para roupa.
entregadas das feslivi ladea, tanto da ci-j Precisa-se de urna ama para o servico
dadeco.no de fura., a qualidade de rogos de urna casa de pon".railiae SS
que precisaren! de momento, sem ser preci- compras da rua, que.sSo n.uil
so cncommendar, tanto sollo como em gi- entrar da rua da Gloria ao
randolas de todo o lainanho, conforme o!n. 56.
.KjaT,;C?bCm'Se-enCOmme,"las de f6s Precisa-se do urna ama que rozinhe e
nuJn -ii' d0 armaca1 C0UI corea de Unas as engmalo, para duas pessoas: m ruado
quaiiades, mandando armar c soltar a qual- Collegio n. 12.
ud armara V* ?****' S fl'SS d ~ l'erdcu se da rua Vc,"a alc Mondogo
,.roS!ir-K? 'ro'lUOls ou fiaiolas, urna cruz de orde/n do Christo: quera a
izeraenconmenda 3 acbou e quizer restituir, dirija-se a rua Ve
Aos 5:OO0sO0O, 2:0005000 c l:0O0sQ00,
CORRE HOJE.
O abaixo rssignado ainda tem um resto de
seus felizes bilhetes, meios e quartos, da
presente Iolcria, os quaes nao cstao sujeitos
ao descont dos 8 Ora da lei, na praca da In-
dependencia ns. 37 c 39, e na rua da Ca-
deia do Recife n. 45, esquina da Madre de
Dos.
Por Salusliano de Aquino Ferreira,
Jos Fortunato dos Santos Porto.
Piecisa-se deum caixeiro de 12 a
lo annos de idade na rua do Apollo n. ti
I.-andar.
'""!.P.ertencenJo as lerras denominadas
Pao d oleo, acuna de Agua-Preta, ao abaixo
assignado, consta que nellas se acha o Sr
Campos, de Hio-1-ormoso, fazendo planlaco
e cuidando em levantar engenho, segundo
he notorio, sem auioilsacao do ahaiso as-
signado, que tem esperado bastante que o
Sr. Campos com elle se cnlnnda, visto estar
o abaixo assignado resolvido a vender ditas
trras, c o Sr. Campos sabe raito bem que
cssas1 trras sao do abaixo assignado, como
consta do inventario que se proco leu em
Rio-Formoso, escrivao Coimhra ; estando
porera oir. farapos plantando e dispondo
como se suas fossem ditas Ierras, e tratando
de levantar engenho, vem o abaixo assigna-
do, muito a seu pezar, fazer a presente" de-
clarado para protestar contra semelhante
abuso, o em lempo pievioc ao Sr. Campos
para nao levantar engenho nem fazer seivi-
co algum em ditas lerras, para evitar ques-
oes, o que tudo protesta. Engenho Conse-
luo 22de setemLro de 1857.
Jos de Barros Pimcntel.
n Af ERICAG.
O abaixo assignado, teodo arrematado as
afencoes do municipio do P.eclfe. declara a
quem convier, que dar principio aos seus
traba hos do t. do corrente em diantc. em
viriude do que scienlilica as pessoas que
venderem ou que mandarem vender pelas
ras do municipio lazeudas, miudezas, lei-
te, mel, leijao, milho, arroz, azcite do car-
rpalo, carne de porco, ele etc.; assim co-
mo aos Srs. que vendem lquidos em anco-
ras, que tenham a bondade e ir ou mandar
alenr em lempo coinpetenlc, isto he, de ou-
lubro a dezembro, conformo determina o
regulaniento, na casa das afericOes, no pa-
?awJer52,n' 16- Recife de outubro
ae i057.---Fiancisco Pedro Advincula.
- Precisase de um caixeir para o bal-
b^UmaPra,Ja,'.a' lol"anilo amesmapor
balanco, prefenndo-se um que tenha pra-
tica, e que saiba bem 1er c escrever; aquel-
lo que se achar as circunstancias, alian-
caudo a sua conducta, polo dirigir-se a rua
dosQuarteis, padaiian 18. que achara com
quem tratar, demanhOa al as 9 horas, e de
meio da alc 3 da tarde.
Aos religiosos.
O abaixo assignado nudou-sc da rua Ve-
ina para a rua de Apollo 11. 29, e continua
na sua prosso de fazer capas, batinas, sa-
marras, e capas viatoria a uso da Bahia.
Alexandrino Cesar de Mello.
-- Manoel Congalves Pereira Lima faz pu-
blico, ahm de evitar dganos, que tendo
mandado sellar na villa de Sennbacm seis
lettra:-, cada urna da quantia de 1.000, pas-
sadas em seu favor por Mauoel Filippe'wan-
dcrlqy Lins, rendeiro do seu engenho Ca-
choeira Grande, do temo de Serinhae^i
succedou que o portador as perdessej>o ca-
niinhodeseu engenho Vicente Ospelfoda
referida villa : outro sim dejara que as
mencionadas lettras loranj-passadas a 27 de
'''^^-^^Zlli!!^im'- a-Jfeoeflr primeira a 27 de
nDarer.m fik. mil UrJUnilo de 1958, e ca la urna das ou-
lras a 27 de raaio de cada um dos annos se-
guinles, sendo a ultima portanto a vencer
em maio de 1863, relativas lodas essas let-
tras ao arrenda ment do fallado engenho
Cachoeira Grande, pelo lempo de 6 anuos a
contar de maio de 1859, e de todo o occo'r-
i i Jo se acha inteirado o dilo Manoel lilippe
Wandcrlcy l.ius, que com o annuncianto
concordou pasar novas lettras, fazendo-se
publico terem as oulras licado sem nenhum

m
Ao Gouva
Loja encarnada, rua do
Qncinmdo n. '27, esqui-
na do Collegio*
(Fazendas finas para a praca)
ticos chapeos para senhora de todas as
qualidades e ltimos gostos. ricos mantele-
tes para todos os pregos. cortes de seda para
vestido, com babados, ultima moda, ditos
sem babados de todas as cores e qualidades,
romeiras, camisinhas, manguitos e golinhas
de cambraia bordadas, chales do touquim,
de seda; de merino, de tarlatana, cambraia
e de ganga brdalos, cambraias de cores
muito linas, lengos desetim e de seda de to-
das as qualidades, ricos pannos linos, case-
miras, velludos, merinj, gurgurao e fus-
toes, chitas linissimas, largas, francezas, e
ludo quanlo possa servir ao bom tom e gos-
to da cidade : recebem-sesedulas velhas.
FEIJAO
muilo novo e muito barato, cm saceos : na
rua do Queimado n. 27, loja do Gouva.
Guarda nacio-
nal.
* Ainda continua estar venda oManual
da Guarda Nacional-, no deposito da rua de
:> l'Fancisco n. 6, lano cm brochura como
cncadernado.
Bous charutos
No deposito n. 6 da rua de S. Francisco,
vendem-sc charutos de tolos os precos,
malbarato qua be possivcl, por ler grande
Porcito. o tambera se vende em lotes de 5 e
Ocaixas e a prazo.
Velas de espermacete.
Receberam-sc agora novas velas deslea-
a retalho em caixas
preco commodo : na
urna carraca para cavailo, uHmamento do Gear, por p.eco coinmoio: fazendas ou se n es idin .lira 5u a'nr?
s perlenccs, ou sem eilet : a tratar na mesmi. Na mesma loja cima JSuilO
Vende-te milho superior em saceos
grandes, no armazem do Sr. Luiz Annes,
deironte da alfande;a, ou a tratar na rua
da Cruz do Recife n. 27, escriptoro de
Antonio de Almeida Gomes.
Vendem-se casaes de pombos batedo-
res de ptima rara c por prero commo-
do : no fim da rua do Cotovello n. 56,
portao de ferro.
POTASSA DA RUSSIA E CAL
ivo deposito da rua da Cadeia do Rocire.
armazem n 12, ha muito superior potassa
da Russia, dita da fabrica do Rio de Janeiro,
e ca de Lisboa em pedra, tudo chegado ha
poucosdias, e a vender-se por menos proco
do que em outra qnalquer parte.
VELAS DE ESPERMACETE.
Reccberam-se agora novas velas de estea-
rina que se vendem a retalho, em caixas de
25 libras, por prego commodo i na rua da
Gruz n. 49.
Vende-se espirito de vinho : na resti-
lagao do moinho de vento da praia de Santa
Pechincha para bahuleiros.
Na rua do Crespo, loja da esquina que vol-
ta para a da Cadeia, vendem-se chitas claras
proprias para bahuleiros, com pequeo to-
quo de avaria, a 4, 4>500 e 5/.
(iomma do Aracalv. '
Era porgOes e a retalho : vende-se na rua
da Cadeia n. 57, escriptorio de Prente Vi-
anna.
SAPATOS 1)0 ARACATY,
dos melhores que tem vindo a este mrca-
lo, para liomens e meninos, de palla e de
orclhas : em casa de Caminha A Filhos, rua
da Cadeia do Recife n. 60, primeiro andar
Vende-se superior lionas de algodSo
brancas, e de cores, em novello, para costu-
ra, em casa de Southall Mellor & C., rua do
Torres n. 38.
Vende-se a verdadeira graxa ingle-
sa ii.O", dos afamados fabricantes Day &
Martin, cm barricas de 15 duz.ias de
tes : em casa de James Crahtrc Al Co
nliia, na rua da Crnzn. 42.
nna, que se vende
de 2 libras, por
i-u%da Cruz n. 'i9.
l^a loja
das ;scis portas
Em frente do Livranteiitn
Palitos do panno lino pretos e de cores a
10.5 cada um, chapeos de oleado para pagem
a 23 cada um, mantas para sellim do ultimo
goslo alj.jogosdedamas a 500 rs., oh que
pechincha, molduras para quadros a tjeOO
cada um?, chales de seda a 5>, mantas a 23.
da?
Na loja
s
seis portas
em frente do Lvramentu
PARG AGAB\R.
Cassas de cores a 80 rs. o covado, mcias
cruasa 120 o par, duzia 1*440, cUcsde ves-
tidos com haba los a 800 rs chales pretos
de 15a a 1J, riscalo para colchSo a 80 rs o
eovado, luvas de seda prclas e do cores a
5U0 rs o par, chicotes para andar a cavailo
a 100, bengalas a 500 rs., chales de merino
pintados a If, ditos de garga a 240. tudo com
deleito ; d-se para amostra com penhor :
a loja esta aborta das 6 horas da manhaa as
9 da noite.
- Vende-se superior vinho de caj': na
rua de llorlas n. 16.
Attenco!

Vendem-se sedas brancas lavradas e finas,
para casamento : na loja de M. Ferreira de
Sa, na rua da Cadeia do Itecife n. 47.
VINHO DE BOEDE/lX
COGNAC
E SUPERIOR QUAL1UAO .
Vende-se na rua do Trapiche Movu r. 24,
casa terrea, em caixas de duzia e a retalho,
tudo por prego commodo.
FABELO.
Vende-se farelo novo em saceos : no ar-
mazem djFernandes & Filhos, rua da Ca-
daia n. 63.
Vende-se tima ptima escrava crioula,
boa engommadeira o cozinheira, a qual se
vende pitr a senhora se retirar para o mato,
e a mesma nao qucier acompanfcar : na rua
da Cruz n. 2.
-- Vende-se uma armaco, bsrris c ob-
jeclos de taberna, t) praca da ribhira da
i!oa-Visla n o : rjem pretender, dirija-se a
dita laberjjs, qUC achara com quem tratar.
vende-se um sitio com casa de mora-
ua e grande baixa plantada de capim, varios
arvoredos c algumas larangeiras, a frente
moradas, alera da sitio tem II moradas de
cusas de pedra e cal que rende annualmentc
i40/ooo pelos precos amigos : quem preten-
de couro envernisado, pintado e forrado de
novo : no sitio do Cajueiro, na Passagem.
Vende-se tambera outro cabriole americano
de 4 rodas, para 2 ou 4 pessoas, muito leve.e
pintado de novo, e arreos novos : na csrta-
da dos Afilelos, junto ao sitio da viuva Uuin-
tella, ambos por commodo prego.
Barato que
ADMIRA.
Cortes de cassa francezade babados,.com
12 a 14 varas cada corte, pelo baratissimo
prego de 43 cada corte para acabar: na rua
do Queimado, loja do sobrado amarello
n. 29.
- Vendem-se 2 pedras de sacada, boas,
de 8 e 10 palmos de comprimento, e uma
hombreira : na rua do Kangel n. 21.
Obras Lencos, loalhas, hicos, rendas, ele ele ,
de delicado trabalho, feitos no Aracaty :
vendem-se no primeiro andar n. 60 da rua
da Cadeia do Itecife.
tacrvos venda.
Em casa de Caminha & Filhos, na rua da
Cadeia do Itecife, primeiro andar n. 60.
Ventem-se 3 escravas pegas, muito
bonitas figuras, o 1 moleque de 8 a 9 annos
de idade : a iratar na rua do Queimado n. fi,
loja.
Vcndc-sc urna morada de casa terrea
cora solo c quinUl, na rua da Alegra n. 1:
a fallcr no largo do Pelourinho ns. 5 e 7.
Vende-se urna cas* terrea na pjvoago
dos Afogados, sita na rua do Motocolomh
n. '2, casa da esquina quo volta para o palco
de ti. S. da Paz, com 3 quartos, cozinha f- |
ra, quintal murado, cacimba s : quem pre-
tender, dirjase a rua dos Pires, a fallar
com Antonio Jos de Piusas, que dir quem
vendo.
Fazendas
|10-
>mpa-
>E BOM <;o&TO.
Superiores corles de seda com 3 ordens de
babados, corles de barege de babados com
muito lindos padres, golinhas brancas bor-
dadas paia benhora a 19280, l>600 e 25.,
manguitos bordados para senhora a 39 e 4; o
par, tiras bordadas de muito bom gosto a
l?J00, 29000 c 2*500 a vara, pecas de entre
Bleios bordados a 3> cada um, cassas orgau-
dys, mussulinas, chitas francezas, e oulras
muitas fazendas : na loja do sobrado ama-
relio, nos qualro cantos da rua do Queima-
do n. 29.
Bichas de Hainbtirgo.
Em fenlo a matriz da Boa-Vista, alugam-
se bichas, o applicam-se ventosas, seccas e
sarjadas, amolam-se ferrumentas de cortes,
c bolam-s? ouvidos em espingardas.
--- No armazem de llemcteno & Irmaos,
del ontc do trapiche do algo lfio, vende-sc
feij.lo branco, niulalinho e de corda a ll.-j'lOO
83000 res.
-- Vendem-se saceos grandes cora milho,
leijao iiiulalinho e familia : na taberna
grande ao lado da igreja da Soledade.
Vcndem-se e mesmo a prazo as maio-
res partes da fazenda de Santa Cruz ou lioa-
Vista, co ji 2,004 bragas de largura c 3 legoas
l|9 de fundo, cuj;i fazenda he muito boa por
nSc-solTrer mal irisle nem secca, o ser perto
desta praca ; vende-se era conla vista da
fazenda: no largo da Asscmbla n. 12, se-
gundo andar.
Com toque de avaria.
Na rua da Cadeia do Recite n. 54, vcndem-
se pegas deaigodSo com pequeo loque n-
ponta a 2.-500, lengos de cassa de boa quali-
dade a 160 rs. cada um.
CKIU EM CROME
\ende-so no armazem de Feliciano Jos
Gomes, na rua do Trapicho n. 7, em barri-
cas, chegada ltimamente de Lisboa.
Vende-se uma escrava cabra muito
forgosa, propria para engenho, idade 40 e
tantos annos: quera a pretender comprar,
procure lralar na rua larga do Kosario n
S.
tm.
Em casadcnabcSchmettaui&Companhias
rua da Cadeia n. 37, veuder-se elegante,
Pianos do afamado fabricante Traumtnn de
llamhurao.
Na rua da Ladeia defronle da Helado, venda
n. 28 de I). S. Campos, vende-ie e aluga-se, supe-
riores bichas hambur^ueas, em porfi e a retalho.
\ende-sena rua da Cadeia n. 28, auperior
presonto porluguez inteiroi iO rs., e mais obitelo'
por prero commpdo.
ttelogios.
Os melhores relogios dcouro, patentein
glez, vendem-se por pregos razoaveis, no
escriptorio do agento Oliveira.rua da Ca-
deia doftecireu. 62. primeiro andar.
Agencia
la fnndicfto Low-Moor,
ruada &enzala.fiova
n. 42.
Ne8te estabelecimenlo continu'a a haver
um completo sortimento de moendas e meias
mooiidaspara engenho, machinas de vapor
e taixas de ferro batido e coado de lodosos
tamanhos para dito.
v A CU DE LISBOA.
Vendo-so cal de Lisboa vnda no ultimo
navio, em barris bem acondicionados, por
prego commodo : na rua do Apollo, arma-
zem n. 2 lt.
SECRETARIAS.
As melhores que at hoje tem apparecido
a este mercado : vendem-se no escriplotio
do agente Oliveira, rua da Cadeia do Recife
n 62, primeiro andar.
Algodo liionstro.
Vende-se algodao mo*nstro com 8 palmos
largura, muito proprio para toalhas e
lo
3o, ou rua estrella do Rosario n 25 e se di- lcn?oe!*> Pel baratissimo prego de 600 rs. a
r que se vende. v,ara : lla 'Ja da boa fe- na r"a do Queinia-
TCIIAS PARA ENGENHO
Da fundido de Ierro de D. \V. Rowman
na mu d0 liium, passando o cbala-
riz, continua a haver um completo sor-
limcnto de taclias de Ierro fundido c hati-
do. de 3 a 8 palmos de bica, as quaes se
ecliama venda por preco commodo e com
promptidao, embarcam-se ou carregam-
se cm carro sera despezas ao comprador
Vende-sc na rua da Madre de Dos
n. 12, armazem de Novaos & C. Larris
defecro, ou cubos hjdraulicot; para de-
psitos de fezes, a pirro commodo.
Sellins e relegios.
SELLINS e RELOGIOS de patele
;.i"i-lP7: a venda no armazem de
m lloslron Kooker
ra o inolivo por q
Semen tes da hortalizas,
ch cgadas peloultimo navio de Lisboa, ven-
dera-so na rua da Cruz n 36, taberna de An-
tonio Lopes Braga.
8aI do Assn.
Vendc-se a bordo do brigue Elvira, tun-
deado em frenle do trapiche do algoiao: a
Iratar com Fernn les & Filhos.
Ao barato.
0 PREGUIA ESTA QUEI-
B
. poucas : no
p da taberna
iu 4 das antes para se poder apromptar
cora aceio o gosto o mais mo ierno. O an-
nuncanle lara todo o s.criticio para bem
desempenhar e servir rs pessoas oue o pro-
ZIZ?: t?f rc,sP,ls;,1'i>'sa pclaqualil.de
do fogo saludo do seu cslaNelecimcnto, por
ser la.mcado por um dos melhores artistas
deste genero, e bem couhecido
ricia : quanlo aos pregas prometa ser niais
razoavel que Ihe r0- poasivel
deVf.Se'.a'l oas asoCs 1?\T "" ".*"* na-asgera |
n. 52.
Iba n. 83, que receber boa gratilc<*ga'o.
A pessoa que annunciou querer dar a
criar um menino impedido, dirija-se a rua
Velha, casa terrea n. 90.
Aluga-se um silio nc Manguinho, de-
fronle do sitio do Sr. Jo3o Ignacio, tem
effeito. Engenho Vicente Campello 2(i de
setembro de 1857.
--- Precisa-se de um porluguez de 12 a
1* annos de idade, para caixeiro de um ar-
mazem do sal na rua Imperial n. 171.
--- A pessoa que Tallou para alugar a casa
no Monleiro, a beira do no, pode ir ao ler-
ceiro andar da casa n. 37 no aterro da Uoa-
Visla.
l'recisa-se alugar uma casa as sc-uin-
tes ras : Loncordia, Palma, ou iravessa da
Cadeia : dirija-se ao largo do Terco, taber-
na n. il,. promcile-se dar bom tratamento.
Jos Congalves Braga, subdito porlu-
guez, retira se para Portugal, no primei-
ro vapor que vier do su|, traUr de sua
saude, levando em sua companhia sua mu-
lucre seu hlho menor, e ao mesmo lempo ;
agradecen Jo a todas as pessoas as esmolas.
que tiveram a bondade de dar aos suus ami-
gos, que de lau boa vuntade se propozeiam
a agracea-las.e sao assaa pessoal ; pois que
molestia assim o permute. Se Dos
der, dirija-se'ao'alanguiuiio, padaria" c
achara com quem tratar.
Vendem-se os seguinles escravos: 1
escrava crioula, de bonita ligura. con 22
annos; 1 linda mulatmha de 16 anuos : 1
mulata de bonita ligura. de 20 annos: na
rua Ua Aurora n. 36.
Vendem-se dous carros do conducir
gneros da alTandega, um com um bol, e ou-
irocoiu um cavailo: trata-se na rua de S.
Francisco, deironte da ordem, na loja de
corneiro, com Francisco lbeiro PavSo J-
nior.
Vende-se o sobrado de 3 andares, sito
na rua da Cacimba n. 1 : a Iratar na rua do
Vigario n. 33.
ana relian. 4, de An-g
Ionio Francisco Pe-S
re reir, vende-se: S
seu pouco prestimo ^
o
o
;' Chacas recloodas de gorRui.io asaetinado,
I lOda de -I-, 1.1 A .1. m.wlo ........ .. -M ...... *'"
Para liomem.
Casacas de panno lino prclo, (oda forrada
de aeda, ebegadas ltimamente de Palia.
a 35,000 cada uma.
Casacas redondas do panno lino de cores, as
mnis bemffilaa que tem vindo a este
merc.ido, a 30,000.
Ibe der saude, offerece
na cidade de braga.
, O abaixo assignado,.vendo ura annun-
co do Sr. Prxedes da silva Cusmo, scien-
lilica a quem uileressar possa, q.,e sendo a
escrava Antonia do sju casal, elle nao ven-
detta pessoa alguma, nao podendo por isso ,
s grande casa para grande familia, e muilos Vr.ler qualquer titulo,, que aprsente o mes- -'S
pela sua pe- arvoredos: quem a pretender, dirija-se a I nio Sr. Prxedes, vislo como o seu casal s S
praga da Itoa-Viata n 5. tem um legitimo administrador, que he o ^
Prrcisa-se de um bom feilor para o | mesmo abaixo assignado. x-
sagem, Miguel dos Alijos de Mendonga. "!>
la .Magdalena : a lralar no mesmo silio, ou -- Na rua Direita n. 38, precisa-se il t5
na rua .Nova, sobiado n. 27. J uma ama secca.
toda de eda o de gotto novo, a .30,0(10.
:'j l-i-ac.s e Miljrccasaras de sarji crep, loda
1 de pura leda, a 28,000.
Paulos sarcos ile duque/a da l'erce, I /. i I ,
O i reiiiici da ruado
Queimado, continua a queimar na sua loja
n. 2, esquina do beceo do Peixc Frito, ura
lindo e variado sorlimento de fazendas de
hora gosto, por baratissimos pregos, pois
que sem ambiguo se comenta com um m-
dico lucro, c nflo Ihe sendo possive,' niar
era um peguen;annuncio ludo quanto tem
de iiom para servir aos seus freguezes,
menciona apenas olindinas, fazenda de seda
e algodflo, propria para vestido de senhora,
de gostos intcirara ole novos a 900 rs. o co-
vado, corles de largolinas para vestido de
senhora, fazenda muilo lina e do mellar
gosto inglez, cora bstras de seda e campo1
escuro a lacada um, organdvs do cordSo
com ilesenhos mui delicados, pelo baratissi-
mo prego de 410 rs. a vara, cambraia eslam-
pada do melhor goslo possivcl a 480 a vara,
cassas frauezas de lindos goslos a 600 rs a
vara, chitas francezas escuras, matizadas
cora lindos e novos padres a 260 o covado,
ditas claras, padrees largos c miudos a 280
e 300 rs. o covado, ricos c-lcs de setim
bordados para colletes a 4s cada um, laazi-
nhas escuras de mui ricos e variados padres
proprias para vest lo de senhora e roupes
de meninas a 500 rs. o covado. riscidos
monstrosde cores aleares e mu elegantee
goslos a 220 o covado, dlos francezes ds
quadros de lindos padres a 240, mussulna
branca a 320 o covado, dita muito lina 400
rs.,dita estampada de linios padres a 320 e
40o rs. o covado, Chitas linas de cores claras
e escuras, liulas lixas a 160, 180, 200 o "40
rs. o covado, pegas de cambraias lisas lepa-
das, muilo linas e cora 10 varas a 6c600, di-
tas de dita mais cheia a 4s60, dita transpa-
rente com 8 varas, muilo linas a 59*00 i pe-
ga, pegas de bretaaba de rolo com loaras
a >; cada urna, grvala., de selim prclas o de
cor, gostos modernos a 19380 cada ucna,
corles de bnni de puro linho a 2.^300, 2;VC0
e 2/o00, caseiniras de li idos padres a 5D5UO
e US o corte, ditos de algodao de lindos gos-
tos a 19, 13440 el?600 cada um, lengos para
raao a 120, ditos com bico muilo linos a 360,
chales ,ie gaze, ditos de merino lisos e bor-
.
no armazem
& Companhia, es-
quina do largo do Corpo Sauliuuj.
mero 48.
Ao canto
QUE ESTA' TORRANDO.
Na loja da rua da Cadeia do Recife n. 54,
ha para vender um grande e esplendido sor-
timento de fazendas baratsimas que fazem
admirar, o bom gosto, baraleza e boa quali-
dade, as fazendas sao as seguinles: cortes
de brim para caiga a 2;300e2;i00, chapeos
de sol de baleia 25, ditos de ferro a 15800,
ditos de junco a 19350, setim preto maco
muito fino a 2900, 3c e 3o500, e muito bom
4/ o covado, chales de chita a 1, casemira
prela lina a 18400, l60O, 1|800, 2 25200 e
5600, e minto fina 3, casemiras pretas e de
cores, de duas larguras, prop-ias para os
rapazes de bom gosto, e como se usa em Pa-
rs, caiga, collete e palito, o covado a 25400.
sargehm a 170.180 e 20o rs. o covado, mus-
sulna de cores 300, 3T20 e 340 rs.. e muito
hna a 360, cortes de collete de velludo do
ultimo gosto, riquissimos padres, de 6/500
ale I20,meias cruas para homem a 160, 200 o
240, e finas a 300 rs. cada par, chitas para a
pobreza, o covado a 140. e pega a 5a500, nao
desbotam, he escura, propria para escravos,
com pintaa.de mofo, mantas de seda da mo-
da a 58, 58500, 68 e 78, e muito Goas a 9"
tas de mola a 18, mantas de lago a 38, mus-
sulna branca fiua a 300, 320 e 340 rs. o co-
vado, chales de merino bordados de 19a a
8c, ditos bordados de seda a 108, ditos bor-
dados de seda e franja de retroz a 108500
a 5/800, 6, 7e 88, ditos bordados de velludo
Uno PAnn4 ADn pret0 a 2w0' mo0> W,
-?nn' SLiCS e 5a500' e muit0 fln<) .
75200, madapolSo em pecas a 2O0 Q.sftnn
Si,3;5(!0 iS-A*8*' ^SnTSb
int.tuladi melmdredesenhi a l5v0 covado,
chales pretos de alpaca a 3600, alpaca de
quadros a 560 o covado, seda branca levrad.
a 15400 o covado. alpaca de cores lisas a 600
rs. o covado, ditas preUs, lengos brancos
ordinarios, a duzia a 18300, ditos finos liie*
a 15700, 15900;, 28, 28400 e W 'IL de
casemira de algod3o a 28200, cortes de seda
de passar a festa a 15, alpaca prela, o cova-
do 480, 560, 600, 700 e 800 rs. e a 90o rs
muito lira, chapeos de mola a 58400, ctulv
de quadros a 900 e 950 o covado, riscados
munstros proprios para escravos 220 o co-
vado tapetes de velludo para cima de mesa
de fldalgos a 308, meias de seda prela a
2400 e 28500, casetSo da Suissa a 800 900
o 950 rs. o covado, alpaca de seda a 800 rs
o covado. chales de seda touquim lisos e
bordados, que por serem tantos os precoa
nao se menciona, tiras de cambri a 1/200 a
peg, mantas de velludo para cima de sella a
6/400, pulceiras a 38500, 4 e 5. riquissimas
sabidas de baile a 258, Italia preta, o covado
5, dita de cores a 950 e 18, tapetes a 88 o
25, luvas de seda bordadas 1 28500, visitas
para senhora a 128, diUs para menina a 88.
chapeos para menino enfeitados a 45OOO Na
mesma loja se dSo as amostras, e se manJa
fazenda com o caixeiro.
LUVAS DE JOUV1N.
J. Falque recebe por todos os vapores in-
glezes viudos da Europa, luvas de pellica
Jouviu, de lodas as cores, (ajilo para bo-
mein como para senhora : na rua do Crespo
de seda e la, de gotlo novo, a 18,000. i
Ha traques de ca.emira mesrlada com gula de "A
S velludo, a 18,000.
Palitos re alpaca prela e de cores, com Rola
-.:
-----------------e bor-
dados, obra nrimorosa, gangas mescladas
propias para caigas e palitos a 560 o cova-
do, casineta prela lina a 1>I00 o covado,. len-
gos de seda de lindos padres a 2* cada um,
cobertores de algoiao pera escravos a 700
, rs. cada ura, de todas estas fazendas e de
muitas oulras que se nao mencionara, mas
que se veuderao por baratissimos pregos, c
sodarao unostras com penhor.
leijao i ove.
relogios de pa-
tente
inglczcs de ouro, de sabonetc e de vidro :
vendem-se a preco razoavel, cm tasa de
Augusto Cesar de Abren, na rua da Ca-
deia do Recife, arma/.cm n. ."ti.
Vende-se uma boa es terrea na rua
da ConceicBo da Boa-Vista : a tratar no
aterro da Hoa-Visla 11. 43, segundo andar,
das 6 as 9 horas da manlia e dts 2 as da
larde.
Relo
cobcrlos e dcscobcrtos,pequcnosc grandes
de ouro patente inglez, para bomemese-
nhora de um dos melhores fabricantes de
Liverpool, vindos pelo ultimo paquete in-
glez : cm casa de Southall Mellor & t rua
do Torres 11. 38.
vesti-
p.a-
^ende-se
Cortes dos.
Vendem-se cortes de 13a de lindos
dres, com 15 covados cada corte, pelo di-
minuto prego de quinze patacas ; a elles,
antes que so *cabem : na rua do Queimado
D. 22, na loja da boa f.
CON PEQUEO TOQUE DE
AVARIA.
A dinheiro
Pegas de algodSo liso, largo, encornado a
28,2/240,255()()e2580 a peca, dito de si-
cupira a 29, 29240, 2/500, 25S00 c 3* a pega,
dito de sacco 120 e 150 a jarda, dito trun-
gado largo a 100, 120, no e 180 rs. a jarda:
vende-se na rua do Crespo, loja da esquina
que volta para a rua da Cadeia.
v CEMENTO.
Vende-se cemento, tanto
Fugio no dia 27 de setembro, as 9 ho-
ras da noite, da casa do Sr. Vasconcellos, na
11 ha dos Ratos, a preta Salustiana, cor fula,
bastante gorda, tem uma belide no olho es-
querdo, tem alguns pannos no pescogo. le-
vou vestido branco ; suppe-se que esleja
pela Boa-Vista, ou em Bebenbe, na casa da
?reta Thereza, ra3i da mesma ; esta preta
he escrava dos berdeiros do finado Mamede
quem apegar leve-a a rua da Cadeia de S.
Antonio n. 7, que ser pago o seu trabalho.
Fugio no dia 28 corrente, o escravo de
nome Miguel, levou camisa branca, caiga de
brim de lisUas, e cora os sgnaes seguinles :
estatura regular, cor fula, ps apalhetados.
barba ponteira ; con,ta que anda vagando
?S r j8 651* rillade> Pr iss pede-so is au-
toridades policiaes, que o peguera, e levem-
0 a rua Direita n 26, que se gratificar bem.
I' ugiram na noite de 23 para 24 do cor-
rente, do engenho Espirito Santo, sito na
Ireguezia de S. Rita da Parahiba do Norte,
os escravos seguintes, pertencenles ao abai-
xo assignado: Corgonio, de idade de 25 a 30
annos, hlhodoSIrid, mulato aga, alto cor-
po cheio, cabellos carapinhos, rosto redon-
do, nariz um* pouco chato, olhos pretos.
bocea regular, denles aberlos, bragos e per-
itas grossas, pouca barba e ruiva, os cabel-
los da cabega nSo sSo muito prelos, roato,
naos e ps muilo sardentos, loma Ubaco e
fuma, pos grossos e largos e nSo muito com-
pridos, tem uma verruga na junta da mo
direiia, pelo lado de fora e est bastante
crescida. anda limpo, e gosta de divertimen-
tos, levou chapeo de baeta e sapatos bran-
cos, be dado ao jogo. Manoel, mulato, idade
de 18 annos, estatura regular, rosto com-
prid, olhos agatMos, e passa um pelo ou-
tro. cabellos louros e crespos, nariz afilado,
bocea grande, beigos grossos, denles gran-
des e abertos de pouco, pescogo grosso e
comprido, cheio de cabellos, bragos eper-
nas grossas bastante arqueadas, de andar
banzeiro, ps muito grandes e grossos, e
tem alguns bichinhos, hemolle, e beslunlo.
Gorgonio fui vendido por Manoel da Fonseca
Mello Vicenlejajafia tlfiJdejio^tSiSVtV
deuaQ_#fcjrxo assignado o dito escravo :
^l*ffel foi escravo do capiLlo Manoel Joa-
quim de Araujo, morador em Boa-VisU, e
foi vendido ao abaixo assignado por elle
mesmo. Engenho do Espirito Sanio, 24 de
setembro de 1857.- Luiz Ignacio Leopol-
do de Albuquerque MaranbSo.
-:Do engeiho do Meio.fregueziada Varzca.
fugio no da 20 de setembro do correnU anno
0 escravo PantalcSo, otlicial de ferreiro bai -
xoesecco, cor preta bem fula, ralla baixa,
costuma embriagar-se pouco, foi escravo da
viuva do linado Joaquim Candido, do enge-
nho liba da alerces, j andou trabalhando
tugado nesta cidade, e he muito conhecido
era toda estrada do Recire at o engenho
Santa Cruz ou Cabega de Porco, sito na fre-
guezia de Una, por andar quasi todos os me-
zes de viagera de um a outro desses enge-
nhos, e he casado com uma escrava chama-
da llrgula que se acha no engenho Santa
Cruz: roga-sea prisSo do dito escravo e
prometle-se gratificar bem a quem o pren-
der e rccolher cadeja desta cidade, ou le-
va-lo a um dos eogenbos cima referidos
508000 de giatificagSo.
No da 27 do corrente fugio da casa do
abaixo assignado o escravo crioulo de nome
1 edro, o qual lem os signaes seguintes : es-
tatura regular, basUnte preto, j tem bas-
tantes cabellos brancos, tanto na cabega co-
mo na barba, levou caiga de brim de qua-
dros e camisa de madapolSo, mas talvez le-
nlis mudado de roupa pbrque levou mais
alera da do corpo, falla bastante descansado
e por entre os dentes ; julga-se que tere ido
para Garanhuns por ser natural desse lugar,
e do la ter vindo para ser vendido nesta pra-
ga : roga-se, portanto, as autoridades e ca-
pilaes de campo, a apprehensSo do dito es-
cravo, e manda-lo levar nesta cidade a seu
senhor. na rua Imperial n. 173, ou em Gara-
nhuns ao lllm. Sr. Manoel Jos Mendes Bas-
tos, que se gratificara com a quanlia cima.
Itecife 29 de setembro de 1857. -
Joaquim Luiz dos Santos Viilaverde.
No da 5 de julho do corrente anno fu-
gio do engenho Cursahi na ci marca de Pan
d'Alho. o escravo Antonio, Cagange, de ida-
de de 36 annos, pouco mais ou menos, de
altura e grossura regulares, caegueiro uu
andar, lem lodosos denles da bocea, con-
versa pouco, pernas finas, hc casado, e tal-
vez lenha algumas marcas de rclho as na-
dngas por ja ler sido castigado levemente
esse escravo foi di s berdeiros do linado Cae-
Uno Congalves da Cunha ; consta que este
em Santo Anlflo, em casa do Sr. Jo3o
jt.vv ,---.- .,;., voiii f":n ~*JT a.-
% de se-un o sarja da Clima, iodos forrados i'.'. >ende-sc na rua de Anollo n. 5, por preco '
O r de,e,lV ,0 00 e '2.'M)0 cada um. f3 razoavel, em saceos de alqueiru e mel. |
crom,;.f,:,;rho"rc:uadra,od.r:c." |J -Vei, a -iil.lHiO a duzia. A
yo
IboTfor"com-i!!?"^'.8."'.1?!-0 consla 1ue em P"*"'
-
Ditas de dila com peilo de Seliisia, a :),000 5?
a duzia. -..-
Ceroulas de bramante de puro linho e de no- fi
va mvencilo, 1 .l:l,ooo cada duzia. TT
E outra. mullas fa/end-u de linho e ledo, fe?
pelo mais barato prefo que s pode vender.
canora : < 111 ni o
1 na do Queimado
manso, proprio para
i pretender dnija-se a
11. 15, luja defrraeens.
CEBLAS UONSTRU EM PIMEIRA MA(l.
Vende-M por Mu ,.. cadj retlea com 25 cel,..|a
de Lisboa mallo grande, e de l.lo boa qualidade-
qoe aluram mais de (> intzcs : na rua esrreila do Ro-
sario taberna n. 17. ao voltar para o Curmo.
armazem de materiaes,
Santo Antonio n. 17.
CAAS DE FERRO
Excellenlesc-mas de ferro nara solt.-iros
vendem-se no escriptorio do' agente olivei-
j, rua da Cadeia do Recife n. 62, primeiro
andar.
na rua da Cadeia de aJe*S0* 1uf, o ronduzir ao refeiido enge-
uoiaue nho, ouao Itecife, na rua da Cuia n. 64, ou
del le der noticia certa, ser recompensado
com toda generosidade ; e quem o tiver em
seu poder, fique certo de sua punigao com
lodo o rigor das leis.
PKHN. TJ. DE Id. F. DE FAKIA 1857


?
MUTILADO
. ..


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E79QNH8NR_GMGV6G INGEST_TIME 2013-04-26T22:02:19Z PACKAGE AA00011611_07847
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES