Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07844


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XXXIII AL 223.
Por 3 mi7.es adiantados '000.
Por 5 mezes vencidos *$300.
(HARTA FEIPA 50 DE SETEMBRO DE 1857
Por anuo ndiantado lo^OOO.
Porte franco para o subscriptor.'
ENCAMEGADOS DA SUBSCRll'CAO DO NORTE.
Pirihilu, Br. Jaso Bodolpho Gomen ; Natal, o 8r. Joiquim
I.Per.ir. Jnior ; Aracaty, o 8r. A. de Lemoi Braga Ce-
t',o 8r. J. Jos de Oliveir* ; Maranhao, o Senbor Jos Teixci-
r de Mello; Piauhy o Senhor Jos Joiquim Avelina ; Ha-
r, o 8r. Jiuline J. Ramoi ; Amaxonai, o 8r. Jernimo da
Coila.
PARTIDA DOS CORRE108.
Olin.l. : lodo os dii. as !) c mcia hora il.. da.
lKur.tSu\ Guhuc Peraalba,: na* ica-M4as e -
s,. aatio, Beserros, Bonita, Garaam', Altleha i (!
S. Lour.-..c.>, Pao 'Allio. Nenraik, LueiMira, Brej
Flore,, \iiu-Hi-lia, Boa-Viste, Oarkarj a su, Msqaarraft-feirai.
Cafco, l|>ojuci, Seriiikacm, Rio Forillos,, l'na, Uarrv.ros, Agua
mrnlt'.ras e Nalal : qu.nla.-IWrd.s.
;Tpdoa o* cnrre.o* partea a 10 hora da manhSa
ue-folr*..
ii.liuns : ii i lercj-fcira.
Paaqa.....i, Inducir
-Prata, Pi-
ADIENGIA8 DOS TRIBUNABS DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : legunda a quintal.
Relacao : terca feirai e labbadoi.
Fazenda iquartai e tabbadoi ai 10 horai.
Juuo do commercio: segundaiai 10 horaia quintaiao meio dia.
Juizo de orphaoi .segunda, a quintal ai.10 boraa.
Primeira Tara do eivel : legunda eieitaiao meio dil.
Segunda Tara do elTel ; uarlai e ubbadoi ao meio dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE SETEMBRO.
4 La cheia as 2 horai e 47 mininos da rnanha.
10 Quarto minguanle ai 8 boras e 30 minuloi da Urde.
18 La nova ai 3 horai 13 minutoi da manhna.
26 Quarto crcente ai 6 horas e 40 minuto da manhaa.
PREAMAR DE HOJE.
Prlmeira a 1 hora e 18 minutoi da tarde.
Segunda a 1 hora e 42 minutoida manhaa.
CU MMA.MIO IMS A KM AS.
Qnartcl general do eooamando das armas ele
Pernaoabaco na cidade do Heclfe, na 28 de
setembro da 1867.
ORDEM DO DIA N. 29.
hrig ideiro eommandanle dai ir mas interino
declara, para os fins convenientes, que no dia 22 do
carrete se aore.entou da licenja com que fura a
corle, o Sr. lente do corpo do e.tado-meior de
primeira rla.se, administrador da. ibras publicas,
Francisco Raphael de Mello Reg ; que honlem se-
guio, para a provincia da Baha a reiunr-se ao cor-
po fiio a que licou perteneendo em virtudc do avi-
lo do ministerio da gu-rr. do 1. deala mea, por tro-
ca com n Sr. lenle Jo. Joaqnim Coelho Junior-
o Sr. lente da companhia fita da cavallaria desta,'
Ignarnietto, Francisco Hanriqoea daNoronha; e fi-
nalmente qae fcz*lambem honlem a ma apresenla-
jSo noquailel general, o Sr. altores do 10 balalliao
de infantina, Antonio Nogueira Pinto, que na
provincia do Maranhao qual ae nao recollieu em lempo ao sen corpo por i M fnr/,.
leradoecido como fea eerlo com documentos cora- -
Embalnos : conseguintemenle determina o mesmo
rigadeiro commandanle das a. mas que fique de I
nenhom efTailo a ordem do dia 10 do crrente, sob
o n. 20. na parte era que eoa-iderou ausente o re-
ferido S-. alfares, be'm como o reipeclivo edilal da
chamamenlo.
(Asimilado).Joao Jos da Costa l'imantel.
v Conforme.Demetrio de Gusmao Cotillo. Alia-
jes aju lanle de ordena encarregado do detalhe.
chi Nsdii-Chach, apoderou-se do territorio de
Candaliar, derrotndoos Magues e saqueando Delhi,
que he a cidade onde hoje le acha concentrada a io-
urreijao.
A decadencia do imperio comer de de Aureng-Zejb.
Alguna ofilciaei francetes, e moi principalmente
o general Perron, apoiados pelos Radijponls, os
Afghans e os Marslss, domicavam o imperio inlluin-
do constantemente no animo de Alam II, que havia
20 annos que eslava ceg.
A Franja pensou tambem na conquista da Indio ;
e Lahourdouaie e Dupleix, Eovernadores que aquel-
la potencia linha *in -as possesses, oppozerarn-se
aos trabadlos dos Incley.es.
Eles em 1793 apoder.iiam-se tina eslabeleeimen-
tos dos llollandezes na illi.i de Ceylao, e pouco a
pouco foram este..denlo a sua influencia.
primeiro golpe decisivo deam-no em 180:) sob
o pretexto de libertar o pobre imperador Alam II
da tyrannia dos Francezei e dos principes ou cliefes
que o 1.1 le.iv mi.
O exercito loglet aljanroa nma victoria junta aos
mur. s de Delhei, e o vellio imperador recebeu com
os bracos abarloa o eeueral l.ake, que cominandava
DAS DA SEMANA.
28 Segunda. S. Wencelo duque.
89 Terra. 8. Miguel Archanjo e Fraterno b.
30 Quera S. Jerouimo prrsb. card.
1 Quima. S. Remigio ; b. Ss. Verissimo e Mxima.
2 Seita.S. O Anjo da Guarda. S. I.eodegario b.
3 Sbado. S. Evaldo preso. ; S. Candido m.
4 Domingo. 18. SS. Rosario de Mara.
EM ;ARREGADi )S DA SUBSCRICA MO BUL
Alagoai, oSr. Claudino Falcao Diaai Babia, or, D. Dupra
Rio de Janeiro, o Sr. Joao I'ereira Martini.
EM PERNAMBUCO.
O propietario do DIARIO Manoel Figueiroa de Feria na ni
linaria, praca da Independencia n. e 8.
AMERICA.
O Nord publica a leguinle correspondencia :
S. francisco da Califooia
3 de julho de 1857.
Ha muilo lempo qoe habito nesle paiz. Observa-
dor por nalureza, acho-m eitranho no meio desla
populacho 13o buli(osa e lo activa.
Nao lomando parte 110 movimenu industrial, le-
nho eiperimentado multas vezes a necensidade de
contar o que fazem os outros, e de descrever os sin-
gulares espectculos que se me apresentam a' vista.
A California esta neite momelo em estado de
Iransforraac.ao.
De pan puramente mineiro leude a chegar a agr-
cola, coramercisl e industrial.
Estas crees sao sempre difliceii de atravessar ;
mas a acllvidsde e a inlelli^encia dos l.abilanloi se
esforr;am para fazer a transido tan pouco dolorosa
quanlo he possivel.
Tem-se formado umi grande sociedade nacional
de emigrac,ao que lem proclimad) ao patriotismo
de todos os habitantes para provocar subscripc/Vi.
que sao destinadas a pr em pratira os meios inais
proprioi para promover a emigrarlo europea agr-
cola para a California.
Ja sob a inspirarlo desla grande sociedade se or-
gaiiiso umi companha de barros a vapor destina-
da a concorrer com as coiopanliia. de Nova-Yorck,
que (ransporlam emigrados, mas pjr presos exorbi-
tante*. -,
A preienle companhia fundou se com o fm de
eslabelecer urna linha popular de barcos a vapor
entro S. Francisco da California, Nova i\.rck, e a
Nova Orleans.
Em quanlo M inais na America, ludo he papular
desde o advugado que vos apoqunnta aleo vende-
lliao que vos rouha.
Mas na presente circum boa e a eiprcssao justa, u popular qaer dizer aqu
barateza.
Ede palz, quan lo liver sabido ilas primeiras djflj.
culdadei d'urua i.i 1 vasta organizan, parece-rae
er chamado a gozar magnifico futuro.
Tudo o que se lera dito acerca do empobrecimen-
to das minas n.li descansa sobre neuhum funda-
mento serio.
Nunca ellas foram mais fecnn lis, e esta' clisa-
do o momento em que a applici(ao de novos moto-
res iodujlriaes ira' augmentar anda os seus pro-
ducios.
Se uestes ltimos lempos a eiporlajao do 0010
lem ligeramente diminu lo, he precisamento poi
que a iu luslria e o eommtrcio, lomando disenvolvi-
111 mi i, tem retido pelas anas proprias necessidades
qualquer cooa d.s riquezas locaes.
Islu he um bom symplorca.
CMI os melhoram'enlos pmjeclados, a cidade de
S. Francisco da California esla el.amada a ser o em-
porio if Indas as costas do Pacifico.
A baha, almiravel pono natural, polo ouler os
navios de todo o mundo.
A po-iuiar.i 1 vai-se dispondo | 11 1 que a Califor-
nia a seu lempo venda a gozar d.u vaniagens a que
aipira.
Hoje esla populado eompem-se deludo oque as
emigra(iiai deites ultioos dez annoi lem deuado
aqui de pas inlelligenle e de mas laborioeo.
Os habianles de Sao Franciaco tero dado por
maltas vezes prove de auaaplidao para o negocios,
e a sua cidade, portanlo, saluda das loas ruinas,
boje nada lem que invejsr s cidades commerciaes
de segunda ordem da Europa.
Adirlmenle este paiz onde o elemento escravo
falla, e onde se nao pode contar com os ludios que
formam urna populara ai numerosa, mas a mais
apalhica e a mais miseraTtl do mund >, necessda t-
Iralilr cullivadores europeos visio nao se obler dos
Chiaezes aquillo que se esperava, pois que ellei vem
somenie para eiplorar ai minas, e era lendo orna
certa lomma de dollars apressam se em regressar ao
seu paiz,
Purlanlo o qae falla a' California lie urna popu-
larlo estabelecida, homognea, e que ae affei;oe
a este solo o mais bello o mais feiil do mundo.
O commercio que boje se faz em S. Francisco he
muilo all.
Durante o primeiro semestre do auno de I8j~ en-
traran) ueila cidade 7.*>i navios provenientes da di-
, verso porlos.
Durante i segundo trimestre de I8">7, a etporla-
cao do ooa-,1 elemvi-sg a l:i,li:!HI dollar dos
quaes 10,l08:2\t foram para a Nova Yorck,
2,437:572 para a Inglaterra, e o resto licou oa A-
menca do Sul, Auslralia, e InJo-Ctuua.
ASIA.
Escrevem da frouteir.i di Polonia i Gazellc de
Augabourg > :
A submissAo \ ilunliria de diversas povoar^des da
Asia Oriental prova que as iiares pouco civiliaadas
desle c nii'iiMite preferem era lodo o cao 1 prolec-
ri > da Itos-u barbara rude domiuavoo da logia-
Ierra riv li-.ili.
A Russia Iraiando estas povoac,es de ama nu-
neira conforme ao seu natural, ,ivan ; 1 successiva-
roenle, e asignala ai suas acquisice* por orna orga-
nn.ir.V) militar perfeilaroeiile ailoptada ao genio
! destes povos, que a acciitam como mu beneficio.
Cada vez qua se (rala de sustentar a sua autorida-
de pela for^a das suas armas, a llossii castiga os
Turcomanos salleadoro, e prusegue a sua marcha
victoriosa no meio dos Tchetclienze dos l.eshens e
dos Teherkeise. A conquista da Sditivia e a morte
do Naib parecem lir fechado a crreira militar de
Schamyl, porque esta' desspossadn dai comarcas que
aliinenlavam seus bandos e Ibes fonicciam solda-
dos.
De hoje em diante, nao Ihe resta m lis que espe-
rar com resigna^ao, encerrado na sua residencia de
\ o lnin 1 limite di saa douiinarao.
Os Russos tem penetrado na sganlas de Teren-
goad, e o paiz que, lia alguna mezei apena, era
o Indar de reaniaa da cavallaria de .-; Iiamv 1, est
hoje occupadowpor vinte batalhoes russos de Iropas
regularea, defenlidos por foilificaces liem guarne-
cidas.
No centro da lioha do Cucase, na direita Abkha-
zia, o Russos n.lo lem felo, he verdale, pro^res-
oa tio consideraveis, mas a lomada socceisiva da
iiihlli in.i dosTcherks Dos iv 1 mil r.mili drilles mu o< partidarios de
M li-ine i-K-v Hin^va) linham aiiiiunciado, que se
apresenlariam em campanil 1 pira o mez de man,
nao se reuni a decima parle, e por este lado tim-
bn o Russos, apezar la bravura dos montauhe-
, zi's e das enorme difli:uldadcs do terrino, avau-
Cm irresistivelmcnte para o siu fim.
O plano emeebld* pelo Imperador Alexandre
consiste em allraliir ao seu paitnlo o monlanheze,
poupando por issi a despeai que faria um grande
exercito.
Alero disto todo os territorio conqolstadus s3o
conservados por fortalezas que all se constroem por
meio de um liem cnmhin do svstem;'.
Para assegurar mais a liberdade do principa mo-
gol, deitaram os Inglezes urna forle cuarnicao na
cidade e um reprisentaole encarregado deo vi-
giar.
A conquista do In.lojlflo he devida a urna aisocia-
r.Vi fundada em 1.VJ9 por grande numero de cora-
mercianles.
I' -I 1 companhia chamada n das In lias Orientaes n
sozuu par mais de duzentos annos de um monopo-
lio commcrcial, com cujo aoiilio aaninentou a
sua concurrencia e mulliplicoo suas fetorias na
India.
Este monupolio cessou em 1811.
O parlamento concedeu-lhe o exclusivo direilo
de trafico com a China ; porem declarou absoluta-
mente livres as relaroes da metropole com o In-
dosl.lo.
L'ma nova lei acabou em I8.1S com o privilegio
da comptnhia, e o poder illimilado de qce lioha
tozado por tanto lempo como corpo rummer-
cial, licou reduzido a alliibuiroes admtnislraliva e
poltica.
Desde aquella poca a companhia governnu na In-
dia em nome da Inglaterra, deten leu e alargoa o
territorio, colima os iinpotos, e finalmenla in. a ad-
minislracao sob a intervenrlo e direcrao de um con-
ulho superior estabelecido em Londres.
A industria privada lem podido commerrar livre-
meiite. e isto tem contribuido por espaco de 23 an-
nos para o inmenso desenvolvimento das IransaccOes
inglezas na India.
As Indias Orientaes directamente sobmettidas i
Inglaterra comprehen lem as tres grande presiden-
cias do Beugala Calcla e Agr,) Madras, Bamba
e mais a ilha de C'jISTj.
Csda umi deslas presi.lenc-as est dividida em
dlriclos, e estes sulidividido, direclam-iile admi-
nistrados pelos agentes da companhia.
A presidencia de Bengala, capital Ctlcuta, he
era Javida a mais cousideravel por sua impor-
tancia poltica, pela cifra de seus rendimentos e. pelo
commercio exterior.
Calcuta he o ponto da resiJencia do governador
geral da India.
A presidencia de Calcilla comprehende ns paize
de Rngala, Bectiar, All.lialud, Anlr, Agr, Delhi,
Gerohal, Adjmlr, Oriaa Gaanduana.
A presidenria de Madr s comprehende os paize
de Karnalie, Ciimbetur, Maissur, Malabar, Km ira.
Ralaualial e Cicars.
A de llomlm, o palzn de Arengaba!, R-djapur.
k.ii leicli e Guzzeral.
As presidencias de Madras e de Bombav, admi-
nistrada cida umi por ura sivernador' depen-
dem directamente do goveroa lor geral resi lente rm
Calcula.
A colonia da illn de Cevld.i depende da coroa
de Inglaterra, e sin a liiiinislr,ro he di.tincla
das demais possesses da India, de que arahamoi de
fallar.
O governador, o mngislrailns a os ftinrci-niiio
pblicos civi e militares sa 1 lodos n m adns pela
melrnpile-C-vliio !i? um gran le ponlu de escala e
um gran te ciitro de prodac;.1o.
O terreno desla ilha he de una fertili lade extraor-
dinaria : produz cannellas, naz moscada e grande
numero de plantas equinociae : possue minia de
ferro e pe Irai preciosas : no estrello de Manaar pes-
cain-se perolas em abondancia.
A populacla h coinpist do Chingalezes, Badilas,
Malabire, Mnssiilmanos de diHerentea regies de
frica e Europeus.
As presidencias de B'ngala, Muir e Ramluv c
a_ ilha de Oylla, occiipam una laperfieie de
l'iO.Olii) 0t) d hartares, e contera umi popularlo
de mais de IllD.OOO.OOJ de almas.
A esta cifra podem acrescentar-se os paizes cha-
mados alliados, protegidos e tributarios, que lera
urna externan quasi igual parle dominada, e perto
de 0,000,000 de habitante.
O governador geral administra por emita da com-
panhia, e executa as ordens que recebe da junta su-
perior de direclores, cslabelccida e.n Londres, logo
que seas accordas sai approvados pelo departamento
de intervenido.
A autoridad^ do governidor geral eilenile-te I
lodoso paizes da India sub/nellidos Urga-llrela-
nha, e vela lamli 111 por oulros estados que tallo era
relar/i- rom a companhia em consequencia de dif-
fereiii-. tratados.
Eslcs estados' que, romo ja disemos, se rhamam
alliados, protegido* e tributario, c-tao governado
por seus respectivo principes iudigenas : aus ,ia-
gam ura tributo, e oulros sao nicamente vassiilo
uu alliados da companhia.
Esla goza do direita de ler gairniroes em mas
praras fortes.
Na reah la le, j 1 direrla ou indireclamente, a pe-
nnsula do lndosiao est toda aoitlla ao dominio
inglez.
Desde que os Inglezes se cinstituiram em liber-
tadores do grao-mogol, Alam II. acompanhia pro-'
eorou sustentar ao redor de su saccessore urna
etiqueta obsequiosa, e o reprsenla!' inglez falla
sempre diante do chamado imperador com o mais
profdnd respeilo e cum as altenrSts devidis a um
mon.ircha.
Acompanhia resolveu alten 1er s despezas da
lamilla imperial, porem com lal econnmia, que
as prinrezas se viara (.brisadas a fazer algamas
obras que mandavam vender aos bazares da ci-
dade.
O grao-mogol appellou desta conducta para .1
Inglaterra, e em 1830 apreentou-se em Lon-
dres R.m hun-RuN, encarregado de expr as suas
qucixa.
Entao a companhia marcoa-lhe urna pensSo an-
naelde 3.700,0011 francos, qnanti lade insoflicienle,
pois a familia nnperi'l compese de mili ir. de in
dividuos na linha colateral directa e o chefe asti
obriga lo a suslenta-los a lodos.
J'orlo e Carla.)
[A Sardo )
lie
eta alliar-se alsum dia contra si, e nesla previsao,
aproximou-se da Alleraanha, que lem servido de ba-
se secular a' sua diplomacia contra a Russia de um
lado e contra a Franca de ootro.
A Allemauha, lem para a Inglaterra a vanlagem
de n.lo ser, nem saa viziuha inmediata, nem urna
potencia marilima.
No ponto de vista da poltica dos interese, as po-
tencias podem (er mais tenlaces de aHiar-se, do que
occasiOes de serem rivaes ; dahi a tentativas fettas
pela Inglaterra a I assia e a' Aaslria, ctijo concurso
simultaneo, Ihe asseguraria em caso de necessidade
o de toda a confeleracdlo da germnica. O consor-
cio da hilia primognita da rainha Victoria com o
principe rrelerico liuilherme, hsrdeiro da coroa da
l'russia, foi concebido com o fim de fazer penetrar a
influencia maleza em Berlin, para cootrabalancar a
influencia rusia, stabeleeida a l tambera sobre la-
os de f / mili 1.
Em Vienna, lord l'almerslon sacrificou a opiniao
expressa por lord Clarendon na conferencia de Pa-
rs, em favor da unido dos principados danubianos,
eo principio da alliaura que prodazio esta mudanza,
nao pareceu .1 algunias pessoas estranho ao casamen-
to, que seguio-se entre um archiduque da Austria e
a lha do rei Leopoldo. Este casamento he consi-
derado com razan 00 Ra, como urna linha de nniao
entre a Allemauha, que foi seu paiz natal e a lngla-
terre, qae foi sua patria adoptiva ; com ludo (leve-
mos dizer que as gazela* belgas prnteslaram unni-
memente contra esla sciiificar,ao poltica, dada ao
consorcio da prinreza Carlota.
To los estes fados que o publico rombinoa com a
nota diversamente interpretada, e pela qual o .Uoni-
leur desminti a expedirlo das tropas francezas para
China e dos boatos de cntrevi'ti entre o imperador
dos Francrze e o imperador da Russia, derrama-
ram na situacao duvidas e incertezas que a viagem
de Osborne devera neressariamente dissipar.
A guerra que na dous governos fazem err.Cons-
laiilinopla o na Alexandria, na* pule prolungar-se
s-m prejuizo para sua considerado e sua boa inlel-
ligencia. He um jogo perigoso que importa acabar,
e sobre tudo a Inglaterra nao deve desejar contina-
lo as circumstaucias aduar-.
As eventualidades da que a China e a India s3o o
Ihealrn, tem realmenle felo inais do que nunca, se
a IiUalcrra comprehender a importancia da allian-
rifraiiceza. A mnor parle dos jornaes de Londres
aitribuirim a rcvolta dos cip.ivrs, as intrigas secreta
ol agentes russos e as inslitices dos negncianles
gregos seus cmplices. Cremas qoe elles exageram
miso a influencia do gabinenele de Sin Petersliumo,
que se po esse sublevar o indgenas da India con-
tra o dominio inglez.le-lo-hiam feito durante a guer-
ra do Ortenle, e esta sublevaran, coinci lindo com a
hoslilidade dos Amerirano, que foi ura movimenlo
muilo vivo e a dos Chineze. que loma um carcter
nacional, collocaria a Inglaterra em urna situado
muilo crilca.
0"e os Russos lenlaram algniu esforj is nele fim
provavel, porque era om nireito que Ihe (lava o
estado de guerra, c do qual os Inglezes em seu la-
gar, leara usado inleiramente como elles.
Alai se o. llind,>u,tendo-e rebellado depois que a
paz foi fela, e que por consiquencia nao podiam
mais contar rom o concerno armado da Russia, obe-
deceram evidentemente a' outros movis e nao as
provocaces eslrangeiras. A sua revolta he a ex-
pl isao de um o lio nacional ha lant > lempo compri-
mid-, he a reactjlo de lo los o povos cunquiOa ios
contra os seus conquistadores, de lo los os opprimi-
dos contra os seus oppressores.
A este senlimenlo pplrintico se janla um semi-
rrento religioso, cujas eridas eram mais profundis
anida. Oa Indios, raca degenerada, laUHata e des-
de muilo lempo habitadla ao jugo, abdicaram aoa
liberdade as raaos ,ie homens, qd deviam eceilar
para senhores ; porem resisliram no da em que up.
I'ozeram que qaeriam fa/er-lbe ab lirarsna le. He
racil fazer ura escravo de 11111 Asitico : mas he dilli
ni faze-lo apostata elle ren.ga sea rei para salvar
sua vida, mas pref-re morrer renegar o seu Deo
lio o senlimenlo que anda n.lo compreiiemleram e
rospeilaram os Inglezes ; quizeram araasalljir as al-
mas como linham avassa I ,do os corpos.e comprnmet-
leiam saa conquisln, deixando n seus missiona-
nos insiuuiiem-s" junio de seos soldados.
A prova de que o san;oe derramado deve ser im-
pulado ao fanatismo anglirano esta' escripia na pro-
clamaran insurgidos de Delhi, qu declaram ler
pegado em armas peladedicaran a f,e que 10-
breludo appillam para os seiitunentos religiosos de
seus rompalriMas ; esta' escripia lainiiem nesla ob-
servarlo, de que a insorreico lera sido quasi exr|u-
sivameme parlilhada no litoral do Gangei, o rio sa-
gra lo da India. Foi inais que sufli dente ese temor
cinimuiii de suas conscienci-s para leunir em uma
usa romnium o brahmuialai a oa mahometanos
rujas profundas separacoe linham felo al entau
seguranra da popularlo britnica.
Mis quer I,' ,1 (do espontanea ou provocada pe-
la Rusia e pelo rei de Dude, como tem dito oMor-
ing-Paal ; quer lenha um caneter purameole
mihlar ou nacional e religioso-, a rcvolta da India
ni 111 por is-n he menos uma das mais grave prnva-
(i"s, que lem de solTrer a paci brilaiinica.
Esta narao he hoje o que foram em diveros pe-
ra, da historia, Tiro, Carll.aan, Genova, Veneza, a
lldlanta, todos os povos einlira, que lera reinado
mais snhrc 01 mares do que sobre a Ierra, e que so
Itm udogrande fura de suas frnulciras natoraes. o
da em que a fortuna os fez entrar nessas fronleiras
loa grandea paraiita desappareceu. O mesmo acon-
(ecera a Inglaterra, se perdesse as Inlias, e ficasse
reuuzda co seu reino unido, qae he menos um reino
do que om mnho, do alio do qual lomou seu vo so-
bre o mando.
Nao cromos que lenha siado a hora em qae essa
'. 1 c asmas esteja condemnada a fechar as azas c
em que a India dea ecapnr-lhe das garras.
lude ser (ambm que, como predizein oa claMs-
tas, que eonhecem pela estudo da historia, as in-
rrivcis ..Has da fortuna, que o povo inglez, n lenha
, ,,- a s"a e"e'g'a e a sua perseveranca, e que
rebellilo do, ,ipaj-e, n5o f|legUi jenao rontoMit
n dominio brilannico da ludia, rcvelando-lhe os sem
ado Traeos euggerndo-lhe as reformas, que ella
tem de completar.
A tomada Je Delhi, se por ventura conrmar-ie,
por, brevemente fim a' lula.
Mas, pode lambem acontecer que esla lula se pro-
longue e que, como prevem a maior parte das ga/.e-
tas de I .unir, se lenha de .ecomerar desde hV.je a
conqui.ta da India. Ds iMorgHei lem por s', a
anda he calcula a pelos documentos mais rcenles
'm duzentos millmes de alma., repaitida. entre as
quatro presidencias de Calcuta', Madras, Bamb-v e
ofiimi. ^t mil,li,res a ';" M elevan, a
-I.IIU lioroen, divididas em qualro exercito e rnm-
postos de dous elementos principaes U |rop,s |Bl|.
cenas ou cypjet, e as tropas reaes ao servico da com-
grado no* tratados de IS1.5 e na historia ri
perio colonial, que elle-i trn dividido, arruinndo -
detruindo. E^tci tr-tlados etpolailofl devenam ser
modificados por sua
,-, _- ,. ------------------------------ -->. .:. .....,- -,. M lllllllll |I<
i, Guamo a Paco da cmara dos depulatn, i de acost de ministrado provincial, as quaes foram parle
nle canta-118J7:Bario de Mana'.Torre llomem.Simpaio que a vos.a reunan este anuo se n5oelTe-luas
lo seu im-| \ launa. Sergio de Macedo. Augusto de Ol- da determinado pela lei; a primeira deu-s
uasse no
primeira deu-se por
: haver-se retirado para a corte u meu illustre anle-
>iipprima-se o additivo ao orramento que man-; cessor, pasando era ->i de fevereiro
rae^ nue eslive...m ^in.A i P" ,\ comraissoei de fazenda e commercio: ass.stir ao comeen dos vossos Irabalhus, e relalar-vos magistrado a que liei me referido, das leviciai da
dos Sai Bfat? ''"t ST,CS P" "' """'aa "
i onulari.es iiindus do a. in.P. T',"* ".!?"' or.ganisaan. u uma secrao especial para o ser- tona illuslrar.au e experiencia o. arlos da minha I a ordem desle fados he nolavel a maneira por-
es nS r,nl,, ""' l","llllm|- I'"1 I",'11 lllli ll"ll"l"'1. l"il qe o caria administrarlo, e as minhas ideas .cerca doi qae nma escrava arrematada em praca nesla capi-
anuella s nrantlu ana lh. i. rvii^a a"1e uaS.AkSm!^UHVmt,aZ^'l!^J^ pre-( cora vanlagem pira o estado, palo accrescimo de ver a prosperi.la.ic da prefnela. Depois da vossa e depois despeul.ou se das alta, barreiras, que do-
oda na te mut, ., ,?|,a ,a i? ,? n ,P "S** a ,,l"m;, ,e^n- ia" pearam na ad- minara o caes da sagracao, no intuito de ar?ojar-ia
mrMmmSTlM dos epu.alo,-2i de acost de min.strarao provincial, a, quaes fo'rara parle para ao mar, o desfarle subtr.l,ir-,e ao novo capli-
-T aa- ...------:..------=. .-.r._.r .. I .ro e na mpossibildade de allingir o caes era
razao da queda, tenlou conseguir o meimo fim des-
granado, comprimindo o pescoco com um lenco que
razia.
Vedes, senhores, que a eicravidao he, como todas
as grandes aberrarles da lei mo.al, uma ongem u-
nesta de excelsos, criroes e actos, ante os quaes a
consciaocia se perturba e se eoDfrange o senlimenlo
moral.
Depois de uma serie (So trille de altenlados con-
tra a vida do humera, que acabo de referir, .levo
por mais um pouco aligir a vossa sensibilidade
com a lista de oulros sucetsios igualmente deai-
Irosos.
As perdas de vida em ronsequencia de diversos
accidentes, no decurso do anuo de Ic56, foram em
n. de 7, e no semestre que lindoo, se elevaram ao
dobro, como veris do mappa n. 3. Semelbantes
acuntecimenlos desptrlaram particular altenc.ao da
que essa allianca sirva sobre tudo a causa do pro-
gresso e da juslica, que sera' geral, permanente, e
nao accidental e dcil, que nae sera' finalmente um
contrato leonino, mas um faci igualmente vanta-
jo.o a amba. a parles. O princ.pe de Metteruicl.
tratando um diada quosiao da llianeaa Interna
ciooaes com Mr. de S .iut Aolain, defiuio-a espl'l-
tuosa e profundamente, dizendo: Nao ha eousa me-
Ihor que a umao do hora.in e do caiallo : apenas
nao convem ser o cavallo. I'res.e.
RID DE JANtlIRO.
CAI4M DOS SKS. IiEPITAIjOS,
ACTi DE >> DE AGUSTO DE 18)7.
Pretidenria dn Sr. Hteone de llaependy.
As 11 horas da manhaa. estando presentes 57 Sr,.
depolados, o Sr. presidenta declara nao haver sessa
por f.lla de numero, e d
guii la-feira o seguinte :
Primeira parte.
Conlmiacao da dltcusflo do parecer di commissao
especial sobre a denuncia dada contra o ex-minis-
Iro da julira, o Sr. Jo Thomai Nahuco de Aran-
j., e ie houver lempo, as maleri.s autcriormenle
designadas.
Segunda parle.
De 1 hora da lar le era diante, 3.a discuisao da
proposta de orcamenlo.
No dia nao l.ouve insflo no senado
SBSSAO DE n DE AGOSTO DE 1857.
PruUeneia do Sr. riacoisde de llaependii.
A' hora do costume, fila a chamada, e acliando-
88 reumdu numero legal, abre-se a sessao.
Lida as actas das antecedentes, .ao approva-
O Sr. primeiro s-errelario ,\i conla do seguinte
EXPEDIENTE.
Tres oflieios do ministerio do imperio, remetiendo
copia dos decrelos que conceden] penses a I). Ma-
na do Carmo Monteiro Lisboa, ao leiienle Francisco
Ihomaz da Silva e D. Balbina Carneiro da Fontou-
ra Menna Brrelo, para inerererem a devida appio-
Vkan desta cmara.A' commissao de penses e or-
denados.
Dito do mesmo min sterin. remetiendo as infor-
ma5f.es pedidas sobre a prelencilo do eslu lanle
l.uiz Irancisco de Mminell..A' quem fez a reqai-
sirao. '
Hilo di mesmo ministerio, communlcaulo Picar
inle.rado de ler esta cmara approvado as eleirocs do
12. districlo da Haba.Inlelrada.
Dito do secrela.n. da sena lo. remllend>, para
er emendado, o projeclo sobro sociedades cm rom-
mandla.A' mes.
Dito do mesmo secretario, e\i;in 'o os papis que
serviram de base a rcsjlura > que emeedeu favor
igual loque boje prelendem os herdeiro. da Affon- '
so /ose" de Almilla Corle-Real, c commonieando I
loe ft. M. I. rouseiile as resolaces que conceden '
"'".....rmandada do Sii.ti-s.n.o Sacramento d.t
Gloria e outras, n Aaoeicflo Tvpographica Fio mi '
nense e Emprea lrica desla con.Man la-.e
salisfazer quanlo a primeira parte, e fica inleirada i
quanlo segn la.
Do mesmo secMario. devolvendo as resolucSes
desta cunara, que concedein Inlciias para o hospi-l
lal das Aguas Vi.luosas de llaependy e ulras, as!
quies nao pule dar o seu ronsenliinenlo ; e eom-
............-....., ex-
pondo ao mesmo lempo o que parecer conveniente
em relara 1 ao conjunrlo dos acontecmenlos e dos
(rabalbos da administrara,}. A vosa generosidade he
maior anda que a minha insafTlciencia ; espero
pois a vossa indulgencia.
Tranquillidade e seguranra social.
Nenhom ac.ntecimenlo extraordinario veio du
ranle a annn passado, on nos mezes do auno que Par' do zeloso magistrado, que dirige a poiicia da
i- corre, perturbar a tranquillidade que ha muilo lo- PCovincia, o qual multiplicou iuves|igarf>es a provi-
a- 1 gra a provincia. A elei.e municipaes de 7 de le- denciis, afim de verificar a causa real d-la mortes
> 1 lioiil.r., a ....nx .___:__ ._:_____ ... ..a-i.** 3.*-_ ....
principia.Incluindu-ie a quantia, etc. ato o fim.
Ara aja ,'orge. o
S nao passar a anterior emenda suppressiva, e
subsistir lodo o! :(. do arl. '.] elcmme-se a pala-
vraaposentados e accreseenle-se depois do nomea-
- dos desernbargacores a seguinte.:em quanlo se
nao der declino acerca de suas aposenladonas.A-
rauju Jorge. ,1
Sobsiiiulivo aoarl. adJillvo n. 48.Fica n co-
verno aulonsado a despeuder as qnanlias precisas
ra os melboramenlos do porlo do Maranhao, com-
prehen lidos o dique e caes da SagracSo, da barra do
Rio Grande do Sul e servico de sua praticagem.__
Pedcmeiras Das Vieira.Jaciolho de Mendonca.
Vriato.Cunha Malos.Cruz Machado.Ara'u-
jo Brusqup.Boiges Portel.B.rao de S. Bei.lo.
llarao de Porlo-Alegre.Vieira Belfort.Mendei de
Alineila.Diogp Velb ..
Ao erl. 35 additivo, e que traa dos ordenados
dos ineslres da familia imperial, depois da palavra
para ordem d7dridTs'e-;|v.r??|b,era0' acr',,cenles6 P'lavras-Jesde ja.- de vercom ella-.. Na"vYi7dT'rosario foram presos
em2de nuvembro o ecriva. de orphaos e onlro
que es,rage,ra. S2W5 J8__,?^!*" -COm ." ".
eml.r... e a eleu-Ao primaria para a luya lesislalara,
|em > le noveinl.ro do anuo lindo, se passaram em
toda a proviuria sem alleracao da ordem publica.
nao ItIUram a eirervescencia e a Irrilacflo, e depois
ai querellas e odios que acompanham a lula apauo-
nada da parcialidades que se debalem em laes oc-
cas.uis ; porem, em honra da provincia, he bello
de dizer, o sangue nao correa em sacrificio s am-
bicnes polticas. De dous aconlecimenloi criminosos
quesederam iros das das eleicf.es, apenas um lem
O governo fiea autorhldo a isenlar temporaria-
mente, em quanlo durar a rrise alimenticia, dos di-
! relia* de importicao os prinripaes gneros ali.nen-
iares. I'.ran rapprimidM os > addicionaei na ex-
porlacao5. R.Augusto Chaves.Fernn le da
Cunlia.Francisco Carlos llraudao.llanos Punen-
le.Almeida Pereira Filho.a
.1 Da (erceira commissao. Arl. .V substitutivo.
Fica o governo entorilado a despen ler no exerci-
cio de I8.",7 a 1858, por conta das verbas dos 19 e20 do arl. ii da lei n. 884 do I- de onlubro de
Iciiti, as mesillas soininas consignados nos 55 (i, !l,
I" e ISda prsenle le.Uiogo Velbo.Cunlia Ma-
los.Pederueins.
a Ao additivo ai.lnrisando o governo a rever as la-
bellas dos vencunenlos dos empregados das secreta-
rias de polica do imperio. acrescenlc--edesleja.
Alexandre de Siqueira.
Suppriuia-se o arl. ;t:l, que aaloria o governo
a contratar sacerdotes para as colonias c^m obrigargn
de eminarem primairai Ultras, sob regulamenlos es-
peciaes.endea de Almeida. o .
.. O governo fiea aulorisado para ciinhar moedasde
100 reis e de SO res, que sendo admtssiveii nos pa-
gamentos inferiores a I3OOO. e |er,1o an de 100 rs. 0
graos de piala .ura, ou de mil milsimos, e 4."> graos
le robre; easdeOr. 10 g.aos de prala pu.se
', de cobre. O la...aullo e cunli 1 sero regu-
depois de orna pequen.1 .:i -rcacao entre dous gro-
po*, e torna.a.n-se suspeitn rte disposiroes contra-
rias vida do delegado de polica do le'rmo. Na ci-
dade de N'.ann i.qusnd 1 em 1 de nnvembro, em vir-
lude de ordens da presidencia da provincia, se pro-
ceda a uma nova allelo de eleilores, em presenra
degranda numero de pessoa, em um quintal ern
que todos se achavam, foi de improviso atacado pelo
es:ravo Raimundo, armado de una faca de ponta,
a cujo golpes cabio inmediatamente morlo Fran-
cisco Raimundo Baplista. Atlribuio-.e o crime a
al urnas clnbaladas que o escravo sofiYera de quem
nao era leu senhor. O reo. na allima Mallo do jury
de Viaon 1, foi coi.dem.iadu a moite, e apenas Ihe
resta o recurso de graca.
A eslalistica criminal do anno lindo aprsenla j
homicidios, I latrocinio, 1 infanticidio, .') tenlat.vas
de morle, ."ili ferimentos e outras olTensas phjsica,
e 25 crimes contra a propnedad-. Por maior qae
lenha sido a dil.g;nria r.ntrregada em coll.gir este,
dados, n(o posso cier, relevai-me a ingenuidade,
que a lao eslreilo qaadro se reduza a criininalidade
na provincia. Quaesquer que sejsm'as razoes queje
adduzam para cxphrar como os crimis contra a pro-
priedade nao gmrdam em nosso paiz a relacAo cora
o Crimea contra a pe-soas que em outras parte, se
verifica, razoes em que sobresaliera a espontanea
pro ucea., e a uberdada do solo, deve-se reconl.ecer
|ue as leis do processo criminal, nao admillindo a
lados de forma que es| i moeda se nao confuudam i denuncia pelo criraa de furto, e suscitan,!
rom as de prata.Sergio de Macelo, a
O proprio narional que anualmente
a gran-
attribuidas a sinislros. assim como acerca dos suici-
dios, sob cujas apparencias se podiam di-fairar cri-
me horrorosos ; o resallado deslas pesquizai es-
crupulosas nao revelou, que a perversidade houves-
e i-i..,;,do os ieos crimes eoo coala das proprias vic-
timas e doi elementos, ou do acaso.
A (renuencia do transito lluvial em nma provin-
cia corlada de rioscaudaai, e o crescimenlo de suas
aguas durante o invern lindo, explicara o grande
numero de mortes devidas a aspl,\ na por submer-
sao, que con.lilue a-maior parle desses casos.
He asum qae o mal se prende fatalmente ao bem
sobre a Ierra, e a adrairavel hydrographia da pro-
vincia, fundamento de ama prospeiidade, que ni a
unagiuatao pode comprehender, agora de-per la bem
difierentes lenlimentoi.
Presrindindo da conslituic.ao plnsira ala provin-
cia, nao deixarei esle arligo sem refleclir na influ-
encia que exercem na reProduce,ao dos fados, de
que venho de occapar-me, a ccravidao e o eslado
selvagem ou semi brbaro dos Aborignes, que cer-
can! ou invadem as comarcas do cenlro. Tendes ahi
a lula doi principios inais opposlos ; e o estado so-
cial mais contradictorio o qae nos ollerece a liberda-
de a par da escravidao, e a independencia selvagem
resislindo c v il:-,ir.io e ao chrislianismo. O escra-
vo deserta da casa ou da feitoria do senhor, e as
mala, que aiiziuham o. notsos rios, forma com ou-
lros qae se arham uas mesmai eoodices os qoilom-
bos, que se reproduzem em varios ugare, muitai
veaei entretidos pelos visinhoa que tom elles cora-
merciam e qae crescem com a falla de accordo a
energia dos lavradores inleressados na .na deilrul-
rao.
Prosegoindo as providencias, que para bata-lei
no termo de Coroala' tomara o diilinclo vire-pre-
si lente da provincia, de quem recebi a administra-
rlo, ordenei a reuniao all de uma forca comidira-
vel a ditposifo do respectivo delegado de policia
supplenle Casimiro de Barros a Vasroncellos, qoe
lera mostrado resoluto decidida para exorura.i desta
empreza, mas depois do encontr da forja publica
com os quilombos, de qae resaltaran as mor-
. w---------- *.....- 1-------------, v i -ui.iniii as ri< i-
ie. demoras o julgamenlo dos pequeos delirios da de que ja Iralei, nao Uve mai noticia do nue
MIIIII,|.|||>I1 ,1 Ir I..... I .... ...... -___________ .MI, 1 .... ~..~__II. _. .
pri.fio civil na capilal da provincia da paralaba do
norle, fica peilanlendo aos proprios da inesnia pro-
vincia.
Pac" da cmara dos depolados. de agoslo de
ls.,7.A. al. de Arag.o e Mello.Di.igo Vellio.
To.cano Brrelo.Ilenriqnei.Pacs Brralo.Diai
\ "ir' Meeha lo le S .tiza Franco le Almeida.
(lirraoVuelta lavares.Pereira Pinto.B. l'i-
uienlel.Silva Miranda.GoncalTea da Silva.A-
raupi. Brusqae.Cisla Pinto.J. Marcopdes.Seo-
?a Lelo.Sania Cruz.J. A. Corts,Bario de S.
liento.-Salles.Araojo Lima.Ai.lunes de Cam-
pos.Sa c Albuquerque.Biplisla Monieiro.
leinandrs da Cunha.
.( Eme, 1a eo art. 4- =j 1 -F.m lugar d :IO:OIIO^
para e.labelec.menlo mi seminario episcopal de Goy-
serve de competencia do tribunal do jury, conco.rem em ,alli 'em occorrido, rallando acrecentar que" 5
escravos forsm tomados e restituidos a seus si-
ntieres.
Aguardo a conrlus.lo das diligencias ordenadas na
comarca do Alto-Mearim e a presenta de alguma
forja qoe se deve recolher a capilal, para applicar
atlencie a onlro logar da comarca do Tory-Aisu-
onde io dao igoaes reoni.es de escravos fugitivos,
do ; e cominunirando i|ue o mesmo adoplou e vai
dirigir a' sanelo Imperial a re..lurao que concede
um empreslimo a' companhia Pona da Areia.__A'
primeira parle, e intrirada
por pedir a
para
A vi'jla que o imperador dos Franrczes vai fazer
a'rainli.de Inglaterra, em seu palacio de Osborne,
loma umi importancia particular as circtimstaiici.i
em que vai ter lugar.
Bala vsit. derla ser a principio um acto de cor-
lezia e pissar-se em fam lia ; porm as eventualida-
des parecem fazer del! 1 um ac poliliea. Lord Pal-
mersion e lord Clarendon serlo apresenladoa de um
lado e o conde Walewki com Mr. de Perigny de
oulro. Por conieguinle nao he lemeridade pensar
que soberams e ministro se aproveitarAo dela oc-
casian |.ara chegar lem reticencias e resolver sera
amb.gindailes as qoestaes que sao a ordem do dia, e
dequealgninaslem ferio substituir ura antagoni.
bastante nolavel, a indiligencia intima que a guei
da Crimea estabeleceu entre os dous governoi.
Este antagonismo lem versaln sobre dons fado
prnicipa-s : a umao d0< principados danubianos ea
abertura do islhmo de Suez. Niales doos caios o go-
verno inglez nao obrou mteiramenie como alalo da
Ira...;. Ii cora effeilo na 1 he nma s-ena, ja' pasaada
esta lu ardenle e encarnicada de lord Stralford de
Kedclifl, contra M. l'bnuvenel em Conslantinopla
estas entrlga, estas ameajas, e e.tas afluencias ri-
Tats que se combaten! incessanlcinei.te e Iriuinphara
por sua vez '.'
-N'do be dos lempos passados a linguagera empre-
gala por lord Palmerston, qusndo confessa e
.no
erra
hia.
O governo na. pole contar sean com os ultimo,
cujo numero nao excede de -JO a :I0 mil nomine, q,.c
se acham repartidos entre as quatro presi tencias
Sera preciso lempo para coneenlra-los. e esso lem-
P**!?! norfloe 'mpe.in das India, lem
l.Hlll leguas de c mprimenlo sobre 800 de largura
A.le qoe sejam vencidas estas disiancias enormes'
e chegoem reforcos da Europa, a revolta poderia e-
lenter-se e lomar-se fjrmilavel, se arhaae um die-
re capaz. O que falla aos Hind nao alo l.nmens
mas om hornera. Se o acbassem seriara inimigoa
Hirr.veis, porque os embales, que liveram logar nos
muros de Delhi, mostrara, que elle, ja' esiao nola-
velmenle aguerridos.
Estas masas habiluadas a tremer dianle dos In-
glezes, e que nunca nusaram atirantado., seoao o
abrigo das maralhas, nao trepidan) desta vrz atca-
los em campo rao e renovar o ataque, de uma der-
rota ; symptoma eite lauto mais grave quanlo coin-
cide cora a resistencia inlelligenle e heroica que os
juncoschinezes, do .eu lado, acaban) de oppor pela
primeira vez as chalupas inglezas as aguai de
Cunti.
Estes dous fados indicam qae uma era nova co-
mecou para as raras asiticas, as quaes aprendern)
a rombaler a forja de serem batidas He a niitoria
de qoasf lodos os pivoi e principalmente dos Russos.
E'lei Asiticos da Europa, se asim os podemos cha-
mar, formados na lula pelas derrotas que Ibes fize-
ram soflrer Cirlm XII e .\ jp.ile.to I. Se o Indios
i'M-.-m tomar a mesma lijao da experiencia, a
Inglaterra se veria obrigada a lomar contra elles au-
xiliares, e se ha nm paiz, ao qual ella pode pedir
NOTICIAS DA 1MDIA IKGLBZA.
Baber, um dos neto do Tamnrlau, f,.i o qae es-
labeleceo o cel.bre imp'rio Mogol e.n 1526, domi-
nan.lo lodo o ludostao e ebegando a ana e-lado
flarescente durante o. reinados Akbar e Auren '-
Zeyb. *
D-poii da morte desle principe, seos filhos dis-
potaram-s. o imperio,, aproveil.udo-s, de.la an.r- 'alliada cora a Franc, contra, Rossi.,'rciouw
Os lentimenlos de lord Palmerston manifeilaram-
le ja' na ilanc. feita entre elle e a Aolria, depois
da concluan do tratado de Par. Ela allianca foi
uma volla enliga poltica brtannica, que profun-
damente calculadora e pessoal, nunc. gestoo de por,
como dzem vulgar mente, otos em ceito ; e tomando
suas precaocoes contri |.>1us, porque nao sacrifica
j un 11. os seus interesses a ningaera. Depoii de estar
imprimir quanlo a
quanlo a' segunda.
D.tos dos Sr. depoUdoa baria do M irom e Ce-
sar, commonieando nlo comparecer) a's sesi-s
por incommodados.Inleirada.
L'ra reqiieiimenlo da A..ciacao do S. Vicente de
I aulo, pedindo aulori.acao para que os bens de raz
em qui furom eslar.elecidm o intrnalos do meni-
no a cargo da casa da Providencia, poisam licar
perlencendo a' mesma ra zenda.
D.to de Antonio /ac!.ar..s de Barros, pedindo que
pelo Ihesouro publico nacional se Ihe pague o pre-
mio dos Africanos apprehe.idiilos uu hiale Man
Smilh.A' commissao de faren ta.
Dito do cabido do Para', pedindo aograenlo de
suas congruas.A' commiisio de penses e orde-
nados.
Lo sa nm parecer da cemmiislo da mesa, indefe-
nndo a pretenrao dos conliiiaos desta cmara e at-
tendendo a' dos porleiros.
Entrando em dtacano, he adalo
palavra o Sr. Danta.
O Sr. Marlinlio Campos obteni orgencia
apresentar o segointe requerimrnlo :
(i Nao lendo ohtido hoja as informaroes que sol-
eilei rio governo imperial sobre a eslra'da de Potro
polis a' Parahiba do Sul. e sendo ja' pblicos alguns
dos esdarecimanlos que ped, e dos quae, porlauln
posso prescindir, rrqueiro, que era uigen,ia, se so-
licite da pre.ideucia do Rio da Janeiro, por Inter-
media do ministerio do imperio, copia dos ollicios
do corooel Galdinu Jusliniano da Silva P.oieutel
relalivoi aos exame. e explorantes para o Iriead
dela aitra ia, bem as.ira copia da axpoilclio ou
"IU"'"- do director da companhia Iniao e Industria
uu do seu eugenheiro cora que arorapanhnu a plan-
la da seganla seccao desla eslrada apreseulada
ao presidente do Rio de Janeiro. Dr. Matti-
nho.a
Entrando em discassao, he adiada por nedir a
palavra o Sr. Barbosa.
ORDEM DO DIA.
Primeira parte.
Continua a diieoeUo adiada do parecer da com-
missifo esperial sobre a arcusarao do ex-minislro da
justira Jos TI. un iz Nabuco de Araujo.
I.e-se e apoia-se a seguinte emenda :
A conclusao do parecer lubslilua-se ou ample-
se pelas segu..tes :
a 1." Acamara reconh>ce antes da ludo que he
incouciliavel com o principio da independencia do
poder jndiciario iao amplsinenle consagrado na cons-
l.turao do imperio o allr.buir ao poder execulivo a
faCLtdade de aposenlar a seu arbitrio os membros
daquelle poder.
n 2. Reconbece'em lagondo logar que he de ne-
cessidade definir quanlo antes em lei os casos e o
modo, segando os qaacs smente po lero ler lu-
gar as aposenladonas nao soliciladas pelos magistra-
do.
3.a E finalmenlo enlcude, que nao he do jastica
decretar a aecusarao contra o ex-minilro Jos Ttlo-
maz Naboco de Araujo, pelo fado dn haver referen-
dado o decreto de novemhro de I8.>li, qoe aposen-
ton cora metade de seus ordenados a dous desem-
bargadnres da relac-ao de Perna.nl.uro, sendo certo
como be, que igual procednnenlo de oulros minis-
tros ja'fura nao ni mai de ama vez tolerado, como
implcitamente approvado pe'o corpo legislativo.
Pajo da cmara, >> de agosto de 1857.S* F.
de Araujo Joige.
Oraram o. Srs. Paranagua' e I ernanJes da Cu-
nta.
A discassao fica adiada pela hora.
Segunda pide.
Entra em 3.- discassao a proposla do orcamen-
lo geral do imperio. '
l.eem-ae e apoiam-sa as seguinles emenda:
Ao J 3 do arl. 3 acriscenle-se dep
denuncia dada contra o ex ministro da ju.lica J-
le I Homar. Nabaeo de Araojo, e as material anlcii-
orineule designada, si houver lempo.
Segunda parte
Continuarlo da lerceira dscosilo do orramento.
I.evanla-se a sessao as 3 ', lloras.
A '11 nao lieuve sess,1o na cmara dos depolados.
_ MARANHAO.
Na sessao do dia 12, os Srs. A. Marqu
Kodtifjties e Dr. Francisco de Mello
Coulinlio de Villiena apretentaram na
anembia legislativa provincial o se-
guinte projecto de mensagem a co-
1 (.1 :
Senhores.A anembia legblaliva provincial do
-tlaranha >, em nome da lluilrada provincia que lem
a honra dn representar, ven. respeil .sanenle felicilar
a \ M. I. e ininife-l.ir o seu jubilo e a sha grati-
dao pela escolba do miuislerio de i de mato finio,
que rero s-.lidou no imi crio os nobres senlimenlos
de fuso, tolerancia e concordia.
De accordo com a joslica, coma canstuirao do
imperio, o generoso animo de V. ti. I. t\*> poda
s .ffrer i|ue a diieordil flagellasse a narao, e que a
virtud", a sabedoria. c o tlenlas vive'ssem muilas
vezes em obscori 'adeafrrnnlusa. A providencia, qoe
dir.g- com imi almiravel complacencia os destinos
da trra de Santa Cruz, inspiro.1 sera dunda o ge-
neroso animo de V. M. I. e n'al.i naceu para a
patria novus ampenhos, novos arcnuimellimenlos,
qual Melles o mais grandiosoa eleirao dos crculos,
e a tranquilddaJe i|ue se observa no poyo brasi-
lero.
I m dos vultos magnficos da historia moderna, o
fundador Immorlal do imperio, o senhor I). Pedro
I, com a espada em panno, afogou no sangue a Iv-
rannia, erolheu nos campos .le l.alalln immarcesst-
veis lauro. Ma, a ma gloria, senhor, leria Incom-
pleta se nao coiiherese perfeilamenle a sua poca, e
nao ronsolidasse, ci>mo consohdou, a liberdade, a or-
dom e a ono para as gerares ful oras, mnilrando
as insl luirr.e* de lous povos livres o canto sublime
da sua desmedida Hieda. Digno successor de I). Pe-
dro I, V. M. I. romprehende o s-culo. acompanha
o movimenlo civilisador. previ- o .uccesso. fotoros,
e a fenle do povo brasilero inaugura uma poltica
sabia e conciliadora, a qual ha de conquitar na his-
toria imniorrcdourai paginas.
O ministerio de de maio snrg>o aos olbos do paiz
romo o arco iris da alliaura, que derrama no eora-
clo oamor fraterno, que dusipa osr ncores pessoas,
as lula poliiica, as querellas tempestuosas, b ir.no-
nisando para o bem commam os variados elementos
da soberana nacional.
minio para que de laes delictos te nlo tome conhe-
r.menlo. as cmaras le-iislalias mais de uma vez
se lera pedido a derogaran desla p.rle da leg.s|,rao
criminal, e agora mesmo sobre represenlarrs de di
Ursas provincias se prometi esla reforma", cuja ce-
r -si lade parece reconh-i ida pelas duas cmaras.
Dos liomici lio verificados un auno passado, 6 fo-
ram perpetrados por Indio, senii-tarharos, 7 por ai-10" bulos e vexa^Bes de que sao objecto os Indios
ranos, I por elleitu de alienara 1 mental, e soinenle
II por individuos em oulras rircumslancias. Dos 7
co.nmeltidos por ecravos, > foram contra os .enflo-
re, I contra o idmieiilrador, e l contra pessoas
na 1 comprehendnlas no arl. 1 da le de 10 de iu-
nl.o de 183").
O mappa n. I mietra os crime e factos mais 110-
** n" ?.....' de IK) de que leve conhecimento a
polica. Um lanceo d'olhossobia esle mappa vos dei-
xara ver que do ."iti fer.ment, e outras olTensas
physioai 3. perleucem ,1 comarca da capital ; que
as comarcas da Carolina e Alto-Mearim nao ie co-
nbece.i neiibum crime desles ; a as de Ouimaiai-s.
Alcntara, Chapada e Vianna apenas de 1 liouve 110-
iicle, sendo de notar que a ultima comarca aprsen-
la 1 homicidios e I infanticidio para 1 feriinento.
>a i.ilii.nua dos rrimea de arma defrsas na capital
encontraieis 1\ Infelizmente estes algarismo nl.i
podem si-nilicar a raridade dos crimes leves e poli-
ciaei que avullam em uutras estalistica, mas l-
menle demonstrara a iu-nrferenri com que s 10 con-
siderados em um paiz onde os habito da ordem o o
respeilo a le nao lera ebegado ao mais alio ponto, e
portanlo somante os crimes graves ferem a cun-cien-
cia.publica e provocara a perseguirlo judicial. Urna
prova disla verdade se eneonlra anida na ausencia
de mappa docrimes julgadoi definitivamente pelas
autoridades policiae, coja falla accu.a o relatarlo
que ao governo dirigi e.o 12 de fevereiro desle
aiinoodislinclo chefe de policia, a cojos trabalhos
lenlio tomado os dados que A vosia considerarlo aca-
bo de offi-recer, o oulro. que acerca deste objecto
continuo a apresenlar-vos.
O mappa sob o n. > dos crimes e lados nolaveis,
e de que ha noticia, occorridos dorante o I" se-
mestre desle auno, aprsenla 18 homicidios e 3 len-
lalivasde morle. Desle creseido numero de homi-
cidio! 7 se ile. un na comarca de Vianna, em la lioi
Guajajarasaldeados no Alto Mearim, qae, lendo-se
subleva o e eommelUdo varias morles, de qoe en-
contrareis noticia no relalorio de *) de abril, oppu-
/.eram a forja que contra elles expedid o subdelega-
do de Moncae f .re resistencia, de qoe resnliou li-
rarem morios 7 delles e f-ridos -> soldados. Dous na
comarca do Alio Mearim f-rain caminelti lo. em um
reconlro que houveenlre pretu oToin quilombo do
termo do Codo e 11 forja que contra elle, mandou o
delegado de polica, sendo es modos I .oblado el
escravo do quilombo. .Mai. uma morle resultan da
resistineTa a' forja publica, c foi a de um sol lado
da colonia ....litar do Gurupy, que cora oulros se
rebellou e dcserlou da colonia, cujo director mandou
per.egui-los por uma forja, a que resistir.n. como
verei. do relalorio rom que u digno vice-presidente
d.i provincia me passoo 11 administradlo. Dedazida
as 10 morle que se derarn em consequeneia. de con-
flicio com a forja publica, fi:am 8 homicidios p-ra
loda a provincia nesla metade do auno crrente. En-
tre esles homicidios conla-se nm fratricidio com-
mcitito entre escravos na comarca da Chapada. Das
3 tentativas de moile urna fui lambem conseqaencia
da lula que se Iravou ntreos desertores da colonia
militar do Gurupy e a forja que os persegoio,
A esles fados" deve-se acresceniar um tiro dado
intencin,luiente por om menino de 7 annos em
oulro da mesinn idade. na freguezia de S. Vicente
I-errer, comarca de Alcntara.
, os da pala-
sidade. O orgulho hrilannico conta -omine romsigo, vr*mcluindo-seas seguinteidesde ja'.__Fran-
nles de ronlar com os oulro. e por agora emende*- c'sco C'rioi Brandao.
riaaaT.*!1?.!!: peD'* em pe,'''r "U,i.li0,; ?' l3 luM' A" P^lavr.a:l:000,noo para auxilio
ler lugar essainesoravel necessidade. dianle, ih obras do seminario episcopal da provincia do
. ...ais elevadas fronte, deverla a Amazona., insertas na parle final do S 10 do a
Franja responder ao appello de Inglaterra ? Nlo 3, diga-.e 3:1*00900!) para aux.
de qual se curvan) as mais elevadas fi
I 1 mi; 1 re
hesilamos
in-s 1 nma
para lodos. Salvando o imperio brlanico alndiai
lio do seminario
,? .''Ponder : .un ; porque veramos ep.seopal da cidade de ManAos, capital da provincia
.soomaocca.iai.olemnede repararan e joilija do Amazonas.-Cosla Piulo.-P.ranagua'.- F.uslo
de Aguir o
lie aisim que desaaparecern) as fralercida. con-
lendas e com se palrioiico ministerio eslabeleceu-
se o accordo no nimos dissidenle, e as ambijSes
maeqainhai escnnderiim-se vergonhosas, e o paiz in-
leiro concenlra e me le as suas forja., inllainma-
se era novo, brios.'e 1.0 caminbar 1..i...anuario- de-
senvnlve placido e simullaneaiuente es grandes re-
cursos maleriae, inlellrcluaes e innrae.
A assemhlca legislaliva provincial do Maranhao,
senhor, n.lo podia ollnrcom in.lifereiira para esse
magestoso especlaculo. e apresenlando-se rrspeilosa-
menle ao p do Ihrono de V. M. I. nftoeo mani-
festa o jubilo da sua provincia, como tambera o sen-
limenlo geral da najai.
A onle.n e a liberdade, a tolerancia e a concordia
lymbolisam o reinado feliz de V. M. I. e a provin-
cia do Maranhao e a. provincias irman. abenjoam o
nome de \.. M. I., e uoisonas applaudem o minis-
terio de '1 d* mato.
Digne-e V. M. I. rnceber benvolamente os on-
t.melos de jubilo e gr.itidao que a asembles legis
laliva provincial do Maranhao mauife-l 1 a V. M. I.
em nome da sua provincia. Diario de Maranho.
O mappa n. 2 offerece nesle semestre 20 ferimen-
los e oulras offeusa phisicas qae excedrm apenas o
numero dos homicidio (18). Qaanlo aos ootros cri-
mei esle mappa he iuteirarneme defectivo.
O cornejo da segunda parle desle anno foi marca-
do por um allent, lo da maior almeida le. a ma-
drugada de 16 de julho, no lugar denominadoKn-
genho Velbo, prximo a" villa do Mearim, foi a.-
sassinada emsua ca.a Ro.a de Jeios Maciel com seu.
filhos Joanna Paula, inora de 10 anuos de idade, e
Jos Roberto Rodrigue,'menino de i) auno, e gra-
vemente ferida ni cab'ja Francisca Thereza Maciel,
de 11 a 16 anno, prenla daquelU infeliz, em roja
companhia se achava de visita, e fae escapan fugiu-
do para o malo, rmquanlo o assassino persegua as
nutra, victimas. O rrime perpetrado a laes deshora.,
em lugar escoro, so foi sabidp a's 8 horas da manh.ia,
em que Francisca Thereza, sal.indo do malo, dea
parle do aconjecimeiilo.
Ai autoridades da villa necorreram com muilas
pes.oas ao lugar do delicio, e 110 rio onde os lanjara
o malvado que Ibes ronlnra a vida, enconlraram os
cadveres de Kosa de Jess e seus filhos, Ii irrivel-
semi-civtlisados, ns ataques, insultos e mesmo atro-
cidades de qae algamas vezes lem sido viclimas os
baibaro., lem-nos em algumas orcasies impellido a
represalias e vinganjos borrivei. Se os Indios ilo
desconfiados a perfidui, deve-se reconhecer qoe
lambem muilo lera soffrido os elTeos da ma' f e da
ambijao dos qoe com elles Iralam. Tendn o senli-
menlo de sua fraqueza cm preienja das rajas civili-
ndes, nao he possivel cuuceber qus os poneos res-
tante dos primitivos senhores do paiz queiram de
boa vontade desafiar os seus acluaes dominado-
res.
Reservando para oatro lugar o tratar deite ai-
surapto mais largamente, dir-v,.s-hei aqui que alm
dos cuoflicloi com os Guajajiras do Alto Pindar,
qae orcorreram era fin de dezembro do anno pas-
.ado, e de que achare s noticia no relalorio de 29
de abril, nada mais de importancia tem havido por
esse lado.
No termo ds Chapada ha a mencionar a morle de
l.uiz da Cista Bregeiro, em fevereiro desle anno,
perpetrada pelos Indios Gavioes, cuja, hostilidadei
elle repellia da fazenda de seu pai na (Krema do
(ermo.
A's caa.as qae ficam as.ignaladas provenientes da
escravidao e da existencia de selvagens contiguas aoi
territorios que formam as comarcas do cenlro, 00
antes nellas enlranbadas, acre.cenlai a falla de ac-
cordo e inleresse pelo bem commum, a discordia e
os odios qae trazem dividida e em constante aulago-
nismo a populajao da provincia, qoe em esteris lu-
las de partido ha consumido sua actividade e ener-
ga, e tereis bem comprehendido as difliculdade da
admintslrajio da provincia, no proposito de garan-
tir a seguranja individual e de propr.edade. Sa
queris completar o quadro das causas dos cri-
mes, reun lo tas as unirs que se apontam geral-
mente e .to bstanla conhecidas ; limilo-rae a ai-
signalar as que me parece lerem um carcter mais
especial.
Adminislrajlo da juslija.
No anno de 18*6 hoove 29 sessoes do jury as 12
comarcas e 22 termos, qae lem eonielbo de jurados
na piovincia.
Dedozidas as 6 sessSss da capital, relam 23 sei-
soes para lodos os oatro. 21 termo, em cada um dos
quaes devia haver 2 sessGe. na form da lei. as co-
marcas da capital, Alcntara, Guimarae.,Tury-Assu'
e Casias renniram-se regularmente as sess'es do
jury ; nenhuma l sessao houfe em todo o anno as
comarcas do Brejo e do Alto-Mearim. No 1. semes-
tre do anno correte, alem dai 7 ies6ei menciona-
das no mappa n. 4. organisado pela secretaria da
polica, ha noticia de mais 5 sessSes a saber, 1 na
capital e'nuiy no termo do Itapucuro'-mirim, na
quaes nenhum processo foi apreieolado ao juiy,
uma no do lermo ds S. Benlo; comarea de Alcnta-
ra, uma na Barra do Corda, comarea da Chapada,
e oulra na eidada de Cxias, a quaes fazem 12 ses-
sfles do jury para toda a provincia.
Na comarca do Brejo, depois da 18 mezes de in-
(ervallo devia reanir-se ojaryha villa do mesmo
nome cm 2 de julho. Na comarca do Alto-Mearim
naoha jury desde dezembro de 18.">i.
Vedes.^senhores,- qae b.m pooeo he o zelo dV
quellei a quem nessas comarcas incumbe a tarafe
de presidir as sesOcs. Tenho dado as providencial a
meu alcance, para que se convoque o jury em todos
os termo, do Alto Mearim, e nao cesiarei de pres-
tar a devida altenjao a esle objeclo.
Em 28 ses-e. do anno pretrito, cojos trabalhos
roam mencionados no relalorio de 12 de fevrreico
desle anno organisado pelo Dr. chefe de policia, fo-
ram lolgados 10) roi, em 89 procseos, por 97 rri-
mes. Dos 10. reo. jolgados 45 foram condemnados
e DO abiolvido. Os crim.es jnlgados foram 4i ho-
inicidioi, 1 infanticidio, 2 (enlamas de morte, 34
rerimentos e oulras offensas physicas, 3 furtos. 3
roubos, 3 de eslellionalo, 2 de resistencia, e i de ar-
mas prohibidas. As penas impostai foram 3 de mor-
te, 1 / de ga!, 8 de prisao com trabslho, 14 da pri-
ao simples, 3 ds acuites e 9 de molla como pena
accessoria.
Ojota de direito da comarca de Guimarle. nao
envin a' secretaria de policia, como devia, o map-
pa dos crimes julgados na ullimt essao do anno
passadu.
Na comarca da Cirolina foi dorante o mesmo an-
no pelo jan de direilo jalg.do pelos crimes de rou-
bo e carrera privado o juiz municipal do termo do
Riachan, que firou absolvido. O juiz de direilo da
zsxtsrSKzt: ixrsru***cu,narfa '? *$^~&~^s&+*
c.un razflo com- proeessos do re.pontabilidade, se.u as irilorma-
f?,; r ,rtB""e aMHltato. a jr.es necearas. Das outras coman-asnada
polica proseaue con. o devido empenho as diligen-! consta.
mais
" i^JSZ^StoJ^!^*'* ent'*tt\ -^ "dmini.tr.jio da juslija nao ha pola muilo
," !ett[yj?J,2.* "'."lew grave antrelanl., que applaudir na provincia, a., alga... juizes con-
Relatorio (|c S. \\. oSr. Dr. Bunrenuto
Augusto de MagalbJei Taques, presi-
dente dn provinta do Maranhao, apre-
sentou a1 asseiriblea legislativa provin-
cial por occasiao de sua abertura no
dia 20 de agosto.
Seuhore!Ha com a maior satisfajo qoi veaho
na hora em qae escrevo estas lindas, nao' me be dado
adtanlar outrai informajoei.
t) anno passado hoove 6 suicidios e 3 tentativas
de suicidio. Esto anno j se rontam !) suicidios >
tentativa. Releva aober que desles !) snicidio 2 fo-
ram de ncgncianie. e aUriboidoaa inflaeneia moral
doesl-idn da leo crdito, 1 de um individuo, que
espai.eado e feri tn por nutro, resolveu depluravel-
mente, i.ao direi rom a coracem do J*p..nez que
rsga o proprio venlre, no eu de.e.pem, i.n na
maior prostrajao de an-mo, a p6r termo a existen-
cia, e 6 de escravos, qae ni morte prururaram a
isenjao do eapliveiro, e|porvenlura, diz u bourado
ella dignos do maior respailo por todos os titu-
lo, ha oulros a qum fallam os predicados da mi-
istralura, e daquelles que deven) ser o relo da
lei, era sempre parlen) exemplos de respeilo aos
sena preceilos e do cumprimenlo dos deveres a qoe
au adslrictot.
Em alguns lermos he bem frica a influencia dos
juir.es, eu.quanlo que poderosa he a doi escrivaes,
que a exercem rom prejuizo da juslija.
Nao rniicluirei e.lc artigo sem declarsr-vo" que
pela quinta voz foi julgado, o enno passado, ao jory
da cidade de Cixas.o famigerado Zacharias Fernan-
des dos liis, accosade de b.ver scMisioido soa as-

ILEGIVEL



DUMO DI nMUBCO OVaFiTa iElftx.,.'. Di SETOMo DE US?.
ps.sa, ceia e por elle abandonada ; pela lernlra voz.
absi.lviso, pende de decislo da relelo o seu pto- |
zetso, ja '. veas aimullado e subinellido da noto ao ,
nieimu Irilmnal, por appellac.Ao que inlerpoi o in- j
legro promotor publico da eouiarca, hoja juiz muni-
cipal do (eruto do Kosario.
i r._ i publica.
A guarnir e a polica em luda>a provincia eslo
quasi exclusivamente confiadas a' f< r._ i de primeira
linlia, i 11- I consiste no quinto btlalhao de iufan-
lan.i e ein qualro compauhias de pedestres. Oquin-
lu batalllo estado completo III.", piaras, tm eflictivtiiienle cora
ad idos e aggrrgados 807 prafas, das qunes Banan-
as em servico na capital 384, e deelieauai 328 ; as
in.ii s.1o doenles, piesos, menles, on em servio
fura da provincia. S lira este batalho pesa lodo o
ervico da guarnirlo do> Tollas e pontos da eapilal,
e no interior da pinviuria ; alem da guarnido da
edade le Cuai, dos destacamento! do ta roinar-
aa, manlem os destacamentos das comarcas do Alto-
Mearm, Vianna, (iuimares e Alcntara.
As qualro rompanhia de pedestres lem ITacliva-
menle 303 P"ris, em logar de 32S que dcviam ler.
lem ellas seus quarleis, a primeira nu Paisagem
Franca, dando os da>lacaminios de l' ti >t Bum, S,
Jos, Monge e llalsas ; a segunda na C' apada, dan-
do os Wslaramenlcs da Barra do Corda, Riachfto e
Carolina ; a lerceira no Brejo, dando os detlaci-
ment-n da Tuloyi, liurily, Vargtm (irande, Ilapo-
euni-Mirim, Icat e Kosario ; a quarta em Tuty-
Ass, daudo os dttlacameutos de (juropy a l'i-
aturo.
Tenho prdearado eitabelerer os deilacnmenlu por
comarcas, debaiio do con.iman.do de um cfllcial, qut
(eDlia a Oscalisa^ao, adruiuistricilo e diicccao de to-
da a rr.i.
Tenho para mim qua toda a forja de linha na
provincia, deveria formar doos corpos, um de goar-
nieflo da capital e das comarcas do litoral, oulro de
t. ati t a das comarcas do centro. Aisim aa neeessi-
dade do servico seriam melhor saliseitas, o muvl-
ineni.i da forja mais prumplo, a a sua adioinislrerao
mais regular. Ao governo imperial submelleiei este
pensameolo.
Cabe aqui informar-vos que, pelos avisos espedi-
dos pelo ministerio da gueirs, em 24 de julho 13
de derembro do anuo paisado, declarou o governo
imperial qua corrtriam por conla do estado, as
despezas com os quarleis da cidade de Canas a das
villas on le slacionam aseompanhias de pede-tres,
tirando a' cargo da provincia as despezas com os
quarleis dos destacamentos a o transporte das res-
pectivas pracas, como embregadas em servio de po-
lica.
Tambem pelo ministerio da jatlica, cm aviso da
'23 de dezembro de 1854, se daclarou qua a guarda
nacional, chamada para servijo de polica em auxi-
lio da forja policial, deve ser paga pelos cofres pro-
\inciaes.
O c, rpo de polica, qne pela lii de so creacao,
devia tr 102 piajas, que depois so elevaram a 172.
foi pela lei provincial n. 354 de 11 de julho da 1854
reduzido a' 174 pracas que rereheram a organisajao
qua Ihes dea o reg. do 1.-de maio de 1855. O seu
estado effectivo, no momento ein que ascrevo estas
linha, he de 100 prajas.
Com 400 rs. diarios de odo, GO reis mais de gra-
lifcajAo de volunlario, e 189000 rs. per anno para
fardamenlo, nao he possivel clavero corpo ao pe que
convm
Composto de pracas recruhida, sem os estmulos
do inleresse nu do biio, irentu pelo seu regulamento
dos castigos corporaes, cresce a aua indisciplina
desmoinlisacao, e nao pode prestar os servijos, ,i
que ka destinado ; he militas vezes urna causa de
pertuibac.au da ordem, que elle lem por missao
lelar.
Com o toldo actual nao he possivel oblar volunta-
rios para esle corpo, quando o eiarcilo com vanta-
gens superiores eacassimenle os recebe : entretanto
o seruro especial, que incumbe a esta parle da forja
publica, eiige na sua coinposjao gente escollnde,
capaz de proceder, como mullas vezet he necestaiio,
lea das vistas e das ordens immadialas de seus che-
fes e supariores,
Eolendo, lenhores, qne he ama necessidadr im-
periosa a dietolorSo do corpo de polica e a sua re-
organisarao, com o augmento conveniente de seus
vencimeiilos.
O relatorio do mjor commandanle do corpo, qut
pelo doolor chefe de polica fui me apresenlado,nao
permitle davida a' esle reipeilo. Se 13o critica n3o
lora a situaran linancial da provincia, pedir-vut-hia
a elevajao do corpa a' 250 prajas coma oiganisajao,
com pequea differenja, decretada na lei provincial
numero 233 de 6 de julho de 1847 ; mas pelo menos
pejo-vos que reforcis um pouco as companhias,
dando 80 soldados a'cada urna. Convm aljolir o
grande uniforme do corpo por deinecessario, 9 dar-
Ihe uniforme mais adequado.
O armamento por vellio e arruinado deve tertubs-
liluido por oulro propiio do servijo policial. Preri-
a tambem o coipi da utensilios marcados na tabel-
la 4. annexa ao seu regulamento, que Ihe no tem
sido fornecidos. As tres prajas de prel montadas ne-
cessitam de remonta, visto s existir um cavallo em
in-io estado.
l'euso que eom a qiiantia de 68:0169000 rs. pda-
se nao t levar a' eflcilo a reforma que proponho,
como adquirir 0 armamento, cavalgaduras c objec-
tos necissaho, de que leubo tratado. O pequeo
auamento da despera, que se lem de dar, sera' gran-
demente compensado peh orgauisagao de urna forjt
regular, a' qual possa ser confiada a' polica ur-
bana.
_A' par desle augmento de dtspe/a, lenho de pro-
por-voi a economa do que se despende com a guar-
da campestre.
Esta forra nilo dispensa em parle nenhoma os des-
tacamentos de primeira linha, nem Iraz allivio al-
gum ao servijo da polica : a tna inspecjSo e Ita-i-
lisaj3o he, sa nao Impossivel, exlremamenle dillcil,
e os abusos conlinuan sem remedio. A reforma da
policia deve ser acompanhada de algumas altera s
do reg. de I. de maio de 18->5, nao 10 quaulo a oiga-
nitajSo, fardamenlo, armamento e vencimeuto, roas
tambem quauto a outros pontos ; a eitincrao da6
juntas de juslija da provincias, auloriaida pelo 5 1.
do arl. 5 da lei n. 862 de 30 de julho de 1856, e eie-
culada pelo decreto a. 1830 de 5 de oulobm do au-
no passado, torna de necessida.le providenciar Acer-
ca do tribunal, que deve conhecer por via de recur-
sos de decises dos con-elhos criminnes, na confor-
rnilade do arl. 56 da cilado regolamenlo.
Uevo dizer-vos que S. M. o Impeador, por de-
creto de 17 dejunho ultimo, dignou-se de perdoar
a prajas de policia o crime dt primeira a segunda
deserjjo simples.
Ins.triicr.io publica.
A in.lrucj.lo primaria na provincia he dada em
68 escolas publicas, que lilao prvidas, 48 do sexo
masculino e 20 do sexo feminino, as quats esle an-
no >.1o frequeuladas por 2,116 alumnos, a saber :
1.807 meninos e 309 meninas. L)as cadenas de me-
ninos aeharo-se. providas inlerinameute 4, a de S.
Feliz de Balsa, a da CaroliTia, a de Santa Thereza e
a da Chapadinha, e vagas 2, a dt S. Vicente Ferrer
a a do Hiachau, que com as prvidas prefazem o nu-
mero de 50 cadeiras creadas. Das cadeiras de me-
ninas estao prvidas interinamente 4, as do Codo,
Pastos Bons, Corolina e Chapada, nAo leudo anda
tirado titulo a profetsora interina de Carolina ; e vi-
gas tres, as de Sania Helena, Mi.nr.lo e Barra da
Corda, que com as prvidas prefazem o numero de
23 cadeiras creadas.
Alem deslas cadeiras ha outrai em diversos esta-
belecimentot, de que Iralarel.
ao ensino a constnirjo de casas para rs escola,
como exislem em todos oa paiiea, em que o ensino
publico he dirigido com o preciso esmero. Aa casas
de murada dos profes*ores ble podem ler a canaci-
dade aeeattarla para as aulas, e a reajusta da escola
a do lar he lito commuda ao proessor como prejudi-
cial ao ensino.
lie pois com muita raijo qut o Ilustrado inspec-
tor da nstruejao publica, no realo.m que me apre-
senloo, instala na uecessidaded* d.tar a escolas com
edihcios proprios, a solicita pro\.-las de movis e
utensilios que Ihes lallam. Sem i,to jamis bavtra
tenia regular.
a Inipaccla do ensino depende inleiramenle o
eu icsuitadn. S a vigilancia e a Htcalltaclo rons-
lanle pode conler ot profesiores no coinprimenlo dos
sen* deveres. Ora, nada mais necessario a nada mais
dillcil entre nt. O proess. rado exige dedicajao,
a a nscalisajSu da ensino demanda grande taveridade
e energa de carcter. Em pequeos lugares, prin-
cipalmente onde a opiniao publica nao existe ou pou-
co val, aquello proftsa. r, que nao couhece a religan
do dever, esquece factlmenle as suas obiigajiet, qua
abandona para dar se aos prazeres, ao Coniinercio, a
desidia, a rabuliree a poltica.
indispensavel he porlauto, para que o ensinu seja
effeclivo, e nilo pinamente um onus para o lliesouro
prouuc .1, estabelecer a mais forte iutpecj3o sobre a
maneira porque os profetsores desempeuliain as suas
funcjea.
O inspector da inslrnrjfto publica pro[.e a crea-
j3o de agentes extraordinarios da inspecj.lo, ou visi-
tadores (I -s escolas, nomeados em poca loceras,
Com vaulageDS sullicientes, os quaes, percorrendo o
interior da provincia, inspecu'ouem a escolas, inqni-
ram o proceder dos profetsores, verifiquen! sua ra-
pacidade e de cajao ao entino, e da ludo l'orniaraii exacta. Certameule que o ensino muilo
ganharid com somelhanle providencia, e n3o julgo
que, por amor da despeza dahi resultante, te deva
prescindir do nico meio pelo que se poder tornar
proficua a grande despera, que se faz com as escolas
do interior.
Instrucjo secundaria.
O lyceu desla capital consta de 12 cadeiras com
oulros lanos Iprofessore, 2 substituios e 3 repetido-
res. Alem ditso o professor de grographia he substi-
tuido pelo de geometra ; o de inglez com 2 annos de
lcenja, por Anlonio Carlos de Almeida. Segundo
he necessario, muilas vezes encarrega-se a substitu
ro a pessoas idneas nomeadas na occasiao.
O proessor da primeira cadeira de lalim esleve sem
exerclcio por doenla desde fevereiro al 7 de junho.
A aula derhetorica conservou-se lechada detde mar-
jo al o 11111 de junho por falla de alumnos, e no 1.
de j ii 111 > abrio-se com 2 estudantes.
Acham-se matriculados em ludas as aulas do ly-
aeu I2'J esludanles, sendo 38 de francez, 32 de la-
lim, 22 de geometiia, 12 de inglez, e menor numero
das oulras aula, lando a de philosophia apenas 1.
De 148 matriculados o auno passado, foram exclui-
dos por turInilenlos 2, por peda do auno 811, e fue-
ra m exame 37.
Nao considero satisfactorio o estado do lyceu ; pro-
ponho-me a prestar a mais seria allenrao a 13o im-
portante estabelecimtnlo, e nao duvido a necessida-
dade da reforma de sua organisajAo e plano de es-
(udos.
O edificio do lyceu foi ltimamente reparado e
pintado, e recebeu os movis de que precisava, fal-
tando- Ifie ditas esunles.
S iie se ah a falla de um continuo, que ajuda u
porlciro e cuide do asseio da casa.
Aulas avulsat.
Alem da cadeira de geometra e mecnica applica-
da s arles cstabelecida na casa dos educandos, exis-
lem no interior da provincia G cadeira de lalim e 3
de fiancez: lodas 10 lucra ni o atino passado 81
alomnos.
Ha 4 annos que a cadeira de lalim da cidade de
Caxias he apenas frequeutada por om etludanle. Com
a de Vianna acontece o mesmo. Podis por aqu ave-
liar o proveito.que de semelhanles cadeiras se lira,
em compensajo das despezas iiue com ellos faz a
provincia.
Uesconhejo razts, que possam jusfieai a insli-
luij.lodccadeir.it de lalim por diversos lugares da
provincia.
Os estodos clsticos eonsliloem preparatorios para
o ensino superior; poucos elle- te atiliegam s-
menle para rnalo do espirito.
Em lodo o caso devern etlcs esludos estar em cerla
pruporjAo com tu Iras con.lirr.es. Para aquellos que
nao lem riquezas, que Ihes permita o ocio ou que
nAo tem menorcapacidadee meits para seguir a ins
irucj.io superior, que bem vira do eonhecirnentoda
lingua que fallaram Cicero e Virgilio '.' .Vnln.in ;
porem a perda de ttmpo, a iuhab lilajAo para profls-
sfles ultis, o desgosto de lodos os inconvenientes da
meia iiistmcjAo.
. Entendo que a existencia dpaulat de lalim eparsas
pelo interior he um mal grave para equelles, que 13o
a tila nltrallidot, e dalii nao podem passar, e para a
sociedade que nao lem a gai.liar com esla ciarse de
i e.linio* IHterariot.
O lempo dos grammalicot ja passou : boje lia coa-
sas mait ateia, a que se pode dedicar a aetividade
humana, e mais f.i\or merece a edurajAo indu-lridl.
Eiilen lo, pelo que lenho ciposlo, que devem ser
supprimidas as cadeiras de lalim avul-a*, salvo os di-
reitos dos acluaes professores.
Cumpre-me dizer-vos quo anda n3o loi executa-
da a le n. 433 que creou um lyceu na cidade de Ca-
xias
O governo nAo lem meios para manler e liscalisar
em Caxias um est-belerimenlo desla ordem.
Ensino particular.
Boa ltimos mappas remedidos o anno passado
crtela que exisliain na capital 2 rollegios e 8 esco-
las, e no interior da provincia 1 collego e 0 escolas,
frequeuladas por 635 alumnos de um e de oulro
sexo.
Heuiii.i.lo esle numero ao de lodos os alumnos das
aulas publicas j referidas, (eremos que 2!ltil alum-
nos frequenlam as aulas primarias e secundarias da
provincia, sem incluir os que recbelo cducajAo not
estabelecimentos esp'ciaes.
Ilililiolheca.
A biblioteca publiea annexa ao lyeo consta de
1,931 volumes de lo la sorle, parte cm bom eslado e
parte com algum estrago. Alem desles velumes ha-
va 592 inleiramenle arruinados, que depois de es-
crupuloso exame ordenei fo>semvend do a peso. To-
do falla neste e.ldielecimenlolivros, estantes, edi-
ficio eaptz.
Biviao judiciaria, civil e ecclesiaslira.
Conliuam tem ellerajAo o muuicipios e comarca
mencionados no mappa, que acompanhouo relatorio
do anno p*sado.
A creajao de eonselho de jara-Ios e de f-orivel
em lodos os 5 lermo da comarca do Itapucu'ii tor-
nou muilo diflicil o precnchimenlo das obrigacoes
do juiz de direito desla comarca.
Anda nAo 1*1 exerlada a Irtnsferenris das tillatde
Paslos Don, Patsagem Franca a S. Jos dos Male
para as povoajOes do Mirador, Manga e S. Joe do
l'arr.alnli.i. como delerminou a lei n. 386 de 30 de
junho de 1855, em razao de sabsislirem os motivos,
que avosso conhecimenlo foram Irazidos no prece-
dente relatorio.
Pelos mesmos motivos nAi se piile Iralar da crea-
jao da Villa Nova da Imperalriz na inargem direia
do Tocanlint, t da respectiva freguezia, em cxccuj.lo
da lei n. 398 de 1S56. Par. assenlo desla villa
indica o juiz de direito da comarca a povoajflo de
Sania Thereza, a nica que por all exi-le, 30 eguas
abaixo da villa da lloa Vistada provincia de tioyiz.
Ootrosconi a cmara municipal desla villa iiiIchiii
.-. J.....p; m do ii,r -i,-.., S. Jote)cima dt Caxa,
Chapada. Barra do Corda. Ilurili, S. JoAo de Cor-1
le, S. Antonio e Alma, 8. Beno, S. I.uiz tionza-
ga e Monrao.
Tem igrejas airuinaila e nAo acabadas as frecae-
zias do Kotario, Cmala, Pa>tos-Bons, Passauein-
Franca, Chapadinha, Urejo, Alcntara, Sanl Hele-
na. S. Vicente Ferrer e Anajatuba.
Eslas lelajes. senhores, apella o cortjAode todo
aquello para quem a leligAo nao he objecto de in-
dillrrenja.
A quaiilia de 8:000.?, qoe no S 2 do arl. lo da lei
n. 401 de 1856 csiitignuu para paramenlotde malii-
zet e capell.s, leve o destino que a lei ordenoo. Fi-
zeram-te as encommendas ; vieraio por mdico pre-
jo excellenles mistaes ; ja 10 freguezias receberam
os paramentos indispensaveis, oulrss recebe-los-hAo
brevementr, mas para que lodas liquen) igualmen-
te servidas lorna-se necessario o augmento desle
atetillo.
A falta de eilrarjan das loleriasr, de que Iralarei
em lugar compleme, nao prejudica tmenla as obras
das malriies, lambem rom isto leve dt soflrer a da j
mreja do convento de 5, Antonio, pur quanlo, de
terminando o S 5 do arl. 20 e o J 9 do arl. 22 da lei
n. 440 de 1856 que a preslajAo'de 500J mensaes pa-
la esla obla, lauto no anno linanctiro qoe acabou,
como no correle, correse por conla da 4.a parle do
produelo das loteras concedidas ptra coustroejao de
malrizes, entend que n3o lando sido a provincia in-
.leu,in..i a de neuhuma das preslaj&et re.lisa la* no
anuo (indo, na devia cooltnaa-las no rorrenle, as
circunstancial do lliesouro provincial exigiamtodaa
prudencia lias detpezat.
Saude publica.
No mez de marjo foram as povoajOes de Miriliba
e de Peri.i accomn.etlidas de fel dysenleria e tosse convulsa : o dicuo vicepresiden-
te da provincia dea as providencial* necessarias para
o soccorro desla paite da popolajao, especialmente
dos indigentes enfermos, de cujo lialamenlo encar-
regoo o Br. Toleulino Agusto Machado. Este facul-
lalivo rcculheu-st a capital no mez de maio, de 253
doeulet que Iraloil. 106 soffreram losse convulsa, 92
febres e 55 disenteria, inorreiam 5. Estas molestias
o dito facolialivii allribuio-as parlicularmente As
emanares do rio l'eri e dos lagos e brejos que Ihe
tica ni na vizinhanja.
Na capital appareceram alguns casos fataes de fa-
bre amarella, que felizmente se nao deienvolveo epi-
demicamenle.
No municipio do Rosario o mal lomoo proporjfies
maioics. lnfoimado no mez de junho por diversas
autoridades do eslado sanitario da villa, mandei ptra
alli o acadmico llaimundo Nonato Nones Belfos I,
que desde 15 de junho lem estado constantemente
necupado no tralamenlo dos enfermos, para o qual
levou urna ambulancia, e depois por conla do gover-
no foram presiaslos por urna botica da villa o me-
dicameulof precisos. Ao juiz de direito interino da
comarca o Br, Francisco Urbano da Silva Itibeiro,
cujo zelo tem sido incansavel, remetti 6O0s para toc-
enrro da pobreza desvalida, que mais soffre em laes
occasies. Na povoacAo de S. Miguel e depois em
S. Boque, Sinfaet, Taipii e Frecheiras, grande nu-
mero de pessoas foram accommellidas e felizmente
pouco .rasos se lornaram fataes.
Km 7 de atzoalo or'enei seguisse pera o Bosario o
l'r. ein medicina Cesar Angu(u Marques, pruvodor
da sausie e secretario do commissao de hvuiene, efim
de dirigir o terviro medico, pisra n qml ni- 1> si
u o acadmico Uelli.ii, e t-m-l-.r a natureza e de-
senvolvirnenlo da epidemia que se tem manifestado
com os caracteres de disenteria, tost e de febre in-
termitientes.
A presidencia se nAo lem descuidado de prestar 3
popularan desvalida e atacada da epidemia os so-
corros a seu alcance, corno muilo Ihe foi recommerf-
ddo pelo governo de S. M. o Imperador.
Eslabelecimeulo de caridade.
Em observancia dos arligos 1 e 5 da le provincial
n. I25de 6 de oulubro de 18I, serAo trazidas a'
vosea prein.i o balanjo da receita e despeza da San-
la Casa da Misericordia no anno lindo e o orjamenlo
para o anno futuro, com os Irabalhos que devem a-
companha-lo. Desses decumenlos veris que a San-
la Casa possue em btns de raz, esciavos e mofelt,
apolices e dividas 38i:37l>7i7de que, dedozido
n sea pailita na impurtanria de 2S:898.';G73, reela-
llie o capital liquido de 359:473|074, O rendimenlo
desl capital, consiste em grande parle nos predios
slo hospital, no cemilerine cm dv a activas, he
minio dirniniilo. A receila ordinaria do anno pawa-
do foi da 23:941)362, qoe com a extraordinaria ele
b:2679KM elevoo-ae a 30:2089462 : porem a despe-
za total foi 1:3869963. No orrainriilo do anno de 1858 he calcu
lada a receita ordinaria em 20:067?:MX), e a despeza
em 23:4939, o que diixa um dficit na 3:4859700.
Achandii-se ba-lanle arruinada a casa da ra For-
mn tejada a' S na Casa pelo seu liemfellor Pa-
checo, foi na furnia da aulorisarAo concedida pela
le veudlsia cm pr-ji a' Bernardlno de Ca forl |iela quanta d? i.ulli?, que o compra lor reeo-
llieu aos cofres da Santa Caca. Na rniiformi.lade do
S 6 do arl. 12 do compromiso, dei a minba appro-
iajAo a' este acto lea I a vanl.ijoo. Ke-ta ao com-
prador entrar na pone do predio, do qual anda nAo
foi despejado o actual inquilinu versado na chican
do foro.
Ivo lendo sido volado na sessAo do anno passado o
orcemenlo da Sania Casa para o anno que corre,
mandoo o meu anlece's. r que con'.inuasse a reger o
do anno precedente al a vossa decisAo a esse res-
peilo.
O hospital (u Caridada manlem 30 doenles a cus-
la da Santa Casa, e adinilte, mediante lima jusla re-
e as mensalidadei devidat pela provincia do l'iauln
por conla de dous educando, para cujo pagaminlo
se deram as ordens neceisariai.
Concluidas as obras, de qoe carece o eslaheleci-
ment, lomaran as maso olliciu.is maior detenvolvi-
iin uto. e mallo mait creteida ser a tua receita pro-
pria. Tuslo porem lem seus limilfi ; e para prospe-
ridade da casa ennvem n3o enede-lo. Cumpre, se-
nhores, manler iualleravtl a ditposijAo do arl. 33
da lei provincial n. 440 de 1856, Orando sem effeilo
as diepi Mi.ii. dos or-. 3 e 4 da Iti n. 408 do mes-
roo anno cojos arl-. 1 o 2 livera.n a disida ext-
cojSo.
o relatorio dozeloso si rector do estabelecimen-
lo encunirareis todas as explicafii acerca da sua re-
ceita e deipeza, de que voi aprcttiilel o resumu
retla-me solicitar a vosa pprovajo ao augmento pelijAo.
gado, | edindn o uso fiucto por nove annos, da cata e
lelheiro do maladouro publico da Cabanga, obrigan-
do-se a fazer-lhes os rnelhoremenlos dt que pieci-
s3o, sem exigir nada da municipalidade, a cmara
defera no sentido de poder ella, smenle emqoanio
dorar, usufruir a casi e telheuo, bfendo-lhtl eises
melhorainenioi qua pretende, tem todava allerar a
pauta da obra, e obrigando->e a atrigMI termo, em
que declare qoe nenhuma indemnisaro podera' exi-
gir em lempo alen ir pelat benifeitorias que fizer.
N3o foi approvado um parecer da ccmmi'sAo de
adifieajoet sobre a pielenjAo de Eliai in nr,ue. pe.
reira da Cunha, resolvendo a cmara que o peticio-
nario requensst a quem compelase, vittj que a mu-
nicipalidade nAo se reeonhecia po silo na ra I mperial, de que fez ella rainjao na tua
91
da gralilirajao, que merece o menor que sene de
enfermeiro.
( Contina.)
PAGINA AVULSA-
Li : III.IIi, S
Banhot.No da 24 do rorrenle passando om in-
dividuo pela roa do l.ivramentn, do Itrcairo andar
de um sobrado Ihe deram ambanho d'aguaesoJiaqa
A brincadeira n3o he mA, todava julgamos
dever prevenir aos moradores detta cata que o car-
naval anda esla muilo longe, e que a polica pro-
hibe semelliante diveilimenlo.
Aliso. Btixamot de salUfazer o que e nos pede
relativamente a barrajas, porque em verdade nada
podemos compreheuder a lemelhanta respeito ; pe-
dimos por lauto as necessaiias explicaj&es para po-
der salitfazer esse pedido.
('aia de orgia/.Informam-nos que existe na ra
Augusta, urna casa qut bem pirera urna cata de
orKia ; neoetsaiio porlauto te faz que a policia nao
a esqueja.
'ara a lllma. cmara ver.Na ra da Concei-
cAo na Boa-Visla, na I- ja de um sobrado de qualro
p ras de frente, se abri urna porta cocheira que
em vez de ser enllocada no centro, foi aberla em um
dos lados com desformoseamenlo do predio, e da ra
e talvez mesmo contra os prereiloa municipaes ; jul-
gamos por lauto do nosso dever chamar a altenjAo
da lllma, cmara, para qoe mandando examinar a-
qntlla obra conheja se esta' em forma, a conforme a
lcenja concedida.
Caultlislas e mas casas de tender hilltetes.
(irande he tem dovida o inleresse qoe deve dar
a venda de Mllielcs de lotera, garantidos a por
uaranlir, por qoe lodos os lias it abre urna
casa, lodos vendem, lodos locram, e finalmente
maior parte delles enricam. Ja' demonstramos
evidentemente qoe nenhoma vantagem se |lira
eom a compra desses bilhetes garantidos, cujo
resultado s reverle cm beneficio do caulelista ; mas
o iucaulo povo vai cahindo nesse engao, com o qot
muila gente se locoplela. Seria por lano muilo pro-
veitosoque, visto corno o povo se sujeila a esse pe-
sado onus dos cautelisias, que o respectivo Ihesou-
reiro das luchas organisasse um plano em qne ga-
rantiese o premio por inteiro a quem Ihe couheste as
sortts grandes, para assiro afaslar a especoljrAo de
tanta gpule, e com a qual vai sendo preterida a ven-
d slo* h Hieles na lliesourueta. A' lempo! limo* um
plano de tal forma organitado, que offereciaao com-
prador do bilhett nao s a vantagem do premio por
inteiro, como mesmo de n,lo perder toda a sua en-
trada, e te nos nao falla a idea, que nAo coulinha
bilhele branco. N3o teria por tanto desconvenie.il?
que o Sr. Ihesouieiro procurasse adqoiri-lo, e urna
vez siibir.etlidoa approvajo da piesidencia o pozesse
em pratica, para ver se por esst modo nAo s anima
aos apaixonados des-e jogo, como lambem para a-
cabar com essa mullidao de caolelitlas, que boje
qoerem fazer parle do pessoal da Ihesouraria das lo-
teras.
Iteprcentacao.Consta-nos que associajflo com-
mercial benecenle vti dirigir ao governo imp-rial
urna repreteotajAo acerca das allerajes que acaba
de se fazer com as demoras dos vaporea brasileiros,
demonstrando as inconveniencias que deesas altera-
jes retullam ao commtrciu. lie de crer que urna
lal rcpresenlajAo nAo dexara' de ser attcndiila,
Feslacm Jguarassu'.No dia 27 celebrou-s na
villa de Iguaraseu a frita dos Sanios Cosme e Dami-
n ; ai novenas fui.un mui concorrdas, e as vesperal
snlemnisaram-se com grande esplendor. A fesla que
eomejou a's 10 e meia horai da manhaa, findou a'i
2 horas da larde. Pregono padre l.ino do Motile
i.iiu.ru i A concnrreiiria do povo que em loda a
solemiiidede enrhera o lemplo, era admiravel pelo
respeilo e veoerajao que Inhulnva aoa seus glorio-
sos palroeiros. Appareceram 13o ricosloilelts
que nAo se envergonhariam de frequenlar as cere-
riioniat desse genero, que lem lugar as cidade,s. A'
larde houve procitsAo, sahiudo em carro Iriumphan-
le puxado pela irmanladeos Santos Cosme a Ba-
iniAo, augustos padroeiros da villa, e i-.imbem secon-
lavam ot Bndore de N. S. do itosaiio, ds Dores e
de S. Sebasliao, e correu algumas das melhoies ras;
o acompanhameulo loi brilhanle. mas Ioruou-te cen-
suravel o pequeo numero de irmAos qua compare-
cern!. A noile houve Te-Deom ; e depois, como re-
mate de quasi lodas as feslat, um pequeo fugo de
vista, que esleve bem scffrtvel. Tucen aigumai pejas
urna msica particular que ahi existe, mas o que
concorreu para dar maior lustre a feslividade foi a
banda de mutica do nono h dalllo da guarda necio-
nal de Olinda, que gratuitamente se presin.
i'plicaro.luformam-nos que o toldado de fu-
IribuijSo, prajas di armada, gente da mantilla mer-> zileros, que so potla iltfronlc do bilhar do Sr
Bespacharam-te as pelijes de Anlonio da Conh
Soaret GuimarAet, Claudio Dubrox, Ela fionjal-
vti Pereira da Cunha, Francisco Pedro Advincola.
Ferias, Cometi 6i Juvino, Mendonja i\ C, Jote
Joaquim da Silva C-ildat, Jui Anli um de Sonta
MasalhAes, .tos da Cimba.e levanloo-ie asci'Ao
Eu M no el I erren a Accioli serrelario a ticrevi.
Reg e Albuquerque presidenta. Frauca, llego,
Uarala de Almeida, Mello.
3. SESSAO' ORBINABIA 11 BE SETBMBBO DE
1857.
Prudencia do Sr. llego e Albuguergue.
Presentes os seuliorn Franca, Kego. Barata e Mil-
lo, fallando com cauta os eenhoret Borros Reg e
Piulo, abrio-si a seseAo i foi lida o approvada a acta
di antecedente.
Leu-se om ollcio do eogenhtiro cordeador, remet-
iendo copias das plan as do Kecife e da freguezia de
Sao Jn-e. as parles em que e tem de fazer al alte
rajoet por esla cmara approvadas.Adiado.
Dripacharam-si as pellroes de Antonio Pereira de
Fsria, Alexandrina dt Silva Barboza, bachartl Jo3o
l.iiii Ctvalcanli de Albuquerque, Jotu l.oorenjo da
Cruz, Jos Jacorne Tasto Jnior, Marcellino Gonces
Correia, e levantoo-se a sess3o.
Eu Manoel Ferreira Accioli, secrelario a escrevi.
(.mlhcrmiiia Mara, 19 annog, parda,,
BOlteira.
92 Filippa Mara, 18 annos, parda, solteira
93 Mana da Assumpclo, 7 anuos, parda.
94 Jos Ignacio dos Santos, 50 anuos, par-
do, casado.
95 il hotnazia Mara, 26 annos, parda, ca-
sada.
96 Mara Thomaziai 12 annos, parda, sol-
teira.
97 Margarida Mara, 6 annos, parda.
98 Manoel dos Santos, 2 annos, pardo.
99 Joflo Ignicio, 1 anno, pardo.
loo Mara Francisca, 80annos, parda, viova.
li Caetano Nonato, 57 anuos, pardo, sol-
teiro.
102 Auna Mara, 55 annos, parda, solteira.
103 Manoel Nonato, 14 annog, pardo, sol-
tetro.
10 foanna Mara. 10 annos, par.la, snUcira
105 Amonio Nonato, annos, pardo.
Brancos......._ <
Pardos......."_"_ g^
Crioulos...... a,i
Total.
105
Sendo actualmente 46 ai freguezias, vc-ec que nao o tino denominado Porto Franco, frontelro Boa-
ralla a provincia com a insIrucjAo que deve mima- Vitla, no qual mora o negociante Jos Joaquim S"-
trar ao povo. I veiino.
Mas, lenhore, o que imparta nao he ler radeirat Igualmnle nao foram crala as villas de S. Vi-
ra aulai publiicis, e pagar profetsores, roa qoe n- cenle Ferrer e do>Pinhciro, na forma das leis n. 133
le entinem como devem. A grande difficuldade
ueste isumpto he ter profestoret captzei, zelosos. A
multiplicidade dos professores, com a creajAo de ca-
diiras em logares remolos e de pouca importan-
cia, augmenta a dillieoldade, que he ainda maior
quanlo ai cadeiras de menina., para as quaes nAo ha
minias petsoas habilitadas, que se dediqaem ao ma-
gisterio em pequeos lugares.
Fra para desejar que em cada povoajAo honvesse
urna escola primaria, mas, as rircumstancies pon-
deradas, julgo em pura perda dot cofres publico a
existencia de algumaa cadeiras, e, longe de pedir
creajAu de cadeiras novas, julgo mclhor utar da au-
lo.i-ar.io para remover os professores e prnfessoras
para oude mais eonvier. As fresoezias da capital
na i e-l.lo certameule no caso doa logares, de que a-
cima tratei.
O inspector da in.triur.1o publica lembra a crea-
rao de uiiu urna cadeira de meninas nesla cidade,
alimi de qut cada Iregoeiia lenha a tua escola do se-
xo femimmo.
S urna eicnla do legando grao cxislt na provin-
cia e be a do profenor da freguezia de Nova Senho-
ra da Victoria eom a grnlificejAo annual de 180a n.
Jodei ai man -ao de rnr.e.re grao.
O J 2. do artigo 8 da lei o. 4i0 de C de selem-
bro da 18jb nao m*rcon a gralificaj3o, qoe devem
perceber oa professores, que tiverem 10 annos de ef-
feclivo icrvijo, nempaia esla dtiprza contgnou cr-
dito auflicieole ; pareeendo-me qoe a di-pn-ijao da
le conservou a ualureza facultativa da aalorisajAo do
arl. 80 do regulamento de 2 de fevereiro, alleraudo-
I o; -o.ii, ule a eondljao do lempo do lervijn, tenho
deixado de applica-la favor doi qoe bao requerido
a gralilirajAo extraordinaria, A qut julgam-te com d-
relio.
Exislem jubilados 2 professores, ama profe*sora, e
um prufstsor que continua a cnsioar depois de 25
anuos de excrcicio, com a gratificaj3o do arl. II do
regulamento.
O professor da Chapadinha Delfino Viera da Cot-
ti foi par rute: ri r iiideniiiado.como iucurio no arl.
llifi coligo criminal, perda duemptegocom inhabill
dado para oulro.
Km viniste de concurso, e na conformi lade do
arl. 30 slo regulamento, foram nomeados .1 adjuncto,
lilis- -e arhn addidei as escull da capital
Referiado-m* qoanto ao trabalhoi doanni pana-
do ao relatorio do mea lalectttoi de81 de fevereiro
'-i aiiio, acreicenlarei aqu| que no lim do auno
epeoaj OH MOIm da capital ixtaiu se fi/eram, e
loraoa cxamuiadn 22 atumpo*, a saber I", n i i--
ola do profenor Alexandie Jase Bodrigoes c 7 as
nutras duas.
Uesla-me tratar ein relajan ,i e*le asiuniplo sle al
un l'onloMi ataior Interine. So una crol i na
capital lini ca-a p.ra ella propria : daioolratumi
ta se no eorre lor da Igreja de S. Julo, e olraem
um -alo por baito da relajee. Todos ns m ili pro-
fessores lem as estolas Ra eitat em que m-r.iiii.
Km vil lude de represntaselo do digno diocesano
ordenei a transferencia da escola, que aecupa o cor-
redor.da Igreja di S. Joao. para ornaetaa, cujo alu-
t 199 da 18".(i, nTr< fregexin da ultima povoacaoT
creada pelo artigo 4 da lei n. 370 de 20 de mato" de
1855.
Foi canonicamenle instituida e provida interina-
mente pelo reverendsimo diocesano a fregoezil de
S. JuAo, creada nesla capital pela lein. 102 de ISli.
Porem por falta de igreja nAu foi erecla a nova pa-
rochia sle Sania Philuruena cieada pela mesma lei.
Os moradores do Cutm pedern que neste lugar seja
csllocada a nova matriz. O diocesano he de optnilo
que deve ter preferido para as.enlo da matriz o eilio
sla Maioba, que tica no centro da freguezia, e que
nAo convem nem o sitio da Maiobinha do-ignado pela
'- citada, nem o do Culim que forma urna strema
le
da Ireguezia, a qual entretanto lie parochiada cu-
mulalivamenle pelot qualro parochos das freguezias
vizinhai. &
A'e.mudaiirai decreladae propBs a cmara munici-
pal do Allo-Mearim que accresja a desta villa para o
porto do Machado, que aeha-ia em circumslancias
mais favoraveis para o teu ensrandeeimenlo.
A insliluijAo da freguezia de S. JoAo e a nova li-
mii.irio das freuueziat da capital exige urna allera-
jao nos disii icio de paz. alim de qoe os seus limites
correspondan aos da frtgueziar.
A cmara municipal do Alio Mearim propie a di-
vitAo do teu municipio im 3 dislrictos : o 1.- da vil-
la ten lo por limite o riacho Iniouo e o remanso
Doa IrmAa, o 2.- do Insooo ate u rio flores, o 3.-
das l)uas IrmAas ale a l.agem doCurral.
Culto publico.
A igreja ruara lbense, prendida por um prelado
eminente e juslamenle venerado, sents a fita de
templos di. n, s de sto sanio deslino. A maior parle
dat igrejas parochias tAe pequeas capelln arruina-
das e algumas aleteoberlai de pal lia.
A sominai voladas no arl. 31 da lei n. 367 de 2i
de julho de 1854 para obras de malrizes foram pol-
la A dispot-jAo do diocesano que deltas fez a devida
applicajAo.
Concluio-se a obra da matriz dt S. Jos dos In-
dios ; esta em andamento a cloTuri -AsM ; a dt S.
lenlo lulo fui anda comejada ; nao ha noticia da de
S. Jo-- do Peria, ou Miriliba cargo do propiio pa-
rodio, que toril eslado euftimo.
A qoanlia de 4.000$ volada no arl. 10 S 2 da lei
n. 4li'i de ISill, alem d; .i7i$itHI para a ir isa que
sene le matriz ni freguezi,', de S. Flix de llalsas,
leve a devida appllraj.lo ,ls malrizes slo Paro de Cu-
miar, de S. JnAa llapnsta de Viuliaes, e de S. Jos
do Lugar dos ludio.
cante, colonos da provincia, pretos de juslica, ecra-
vot e nutras pessoas, qoe ahi se qoerem Iralar. O au-
no passado I alaram-se no hospital 546 enlennos,
dos quaes sahiram cura los 417, fallecern! 86, e Ti-
raran! em tra amento il.
A uecessidade de algons quarlos, onde se reco-
Iham os alienado que vagam pelas ras, ou aSe re-
collii lo a' nritAo, tem sido sentida e exposla por to-
dos os provedorrs e a sua saliefaj3o nAo pode por
mai lempo ser a liada,
O hospital ios lazaros sol a mesma adminUlrajAo
da Mlterleordia, ni-nlilo coni o subsidio dado pela
provincia, duranle o anno de 1830 rtcebeu ele-
pbautiacoi, que com 10 existentes lizeramli, mor-
reram 3 e flearam 11.
A casa dos expnilns no anno de 18j6 rtcebeu li
expostos, que com 31 existentes preeuchernm o n.
de 37, fallecen 1 e licaram 36. Os meninos desle es-
labeleciinenln, chegando a idade convemenle, pas-
sam para a casa dos educandos, e lem fcil empre-
go, p, rom a't meninas que attingiram a' idade nu-
bil, nao te lem ollerecido destino e conlinutm no
estabelerimenlo.
Com o Cemilerio do GaviAo a' cargo da Sania Ca-
sa, queconlratou com o governo da provincia a sua
runsirurjao, na ennformidade da lei provincial n.
396 de 18 de julho de 1855. lem a Sania Casa des-
pendido a quautia do 22:338c6J2. c recheu do llie-
ouro provincial para es;e lim as doa primeira pres-
(aeoes do emprtslimo na importancia de 15:0005,
Asilo de Sania Thereza
Ser-VOI-ha presente o relatorio do digno director
diste eslabelecimeulo manlido inleiramenle pela
provincia. Em virluJe da lei n. 408 de 18.")6, foi
efleclivamenie elevado a 50 o numero da eduean-
dai. ^a cjnformidaslo da lei provincial D. 107 de
1856 passou esle eslabelecimeulo para o predio da
provinria sito na roa Formosa. NAo sendo possivel
chegar a um accordo com o proprielario do terreno
situado no fundos da casa, e cuja acquisicAo foi
aulorisada pela citada lei n. 407, turnase de ueces-
sidade recorrer A desapropriajAo de parle desle ter-
reno indiipemavel ao a*ilo, que nao lem atea para
rerreio e exercicio das edoeaodae.
Recolliimenlo do Remediei.
Para a manulenco desla casa conterbue a provin-
cia animalmente com a quanta de 2:iOil.-s applica-
da i suslentarAo de 12 orphas pobres, e a de 400?
de ordenado n u.na professora.
A falia de assidui la le da profeisora no cumpli-
mento de suas DbrigacOea lem molivado a recusa do
pagimenta dos seos vtncimentot. Com a creajAo do
asilo oe Sania Thereza parece qoe devia a provin-
ria ser dispensasla de corcorrer para este oolro esla-
belecimeulo. deixaudo si preeneber-se as vaga,
que se derem no numero <|aa oiphAas, sustentadas
pelos cofres pblicos, pois lAo avollada nAo he a -oa
receila que possa a provincia dar lobvonrao a
(oslos o edabelccimentoi piot e uleis queexis-
(em.
Casa dos eilucando.
Ksta importante insliluijAo continua em eslado
bastante Itlilfaclotio.
Tem artualrnriile 1IM1 educandos do numero, 46
extra-numerarios, e 1 pensionista particular, alero
de 2 por corita da provincia do Piaohi para aprru-
derem o oltirio de (anoeiro, o qoa, achando-e
promplos, devem brevemente regrestar sua pro-
vincia, na conformidade da orden da presidencia.
11/ edurandoi frequenlam a aula de primeiras lel-
Iras ; 3 frequenlam a de geometra e mecnica ap-
plica la a't arles ; 10 a de instrumentos de corda ; e
28 aprendtm a mus ca e o tuque de instrumentos
bellicos.
Pelas i oflicinas eiisliules eslAo ditlrbuidos os
educandos pela maneira seguinle : na de alfaiale
9 aprendizes ; na de sapateiro 31 ; na de pedreiro
12 ; na de carapina 10.
O rendimenlo iti banda di msica no anno lindo
roi de re 4:294,--28l, e dedo/ida a despeza de ris
1*1-111, licoj liquida a receila de re 3:8I3-?I70.
O reudimentsi das oflicinas foi de 3:0199590.
Na d slribuijAo dos premio 12 educandos oblive
ram a medalha de prala per ditlinrjao de capacida-
de moral. De 28 aprenlizes das olliciii, que con-
coireram ao exames, 2 oblivtram medulhas de piala. Na aula de primei-
ra- Itllraa nao haove exames. Na de geometra, ari-
Ihmelka e alg-bra foram axamiuados, e 3 oblive-
rarn o premio da medalha de prala.
() estado sanitario do eslabelerimenlo no anuo fin-
po loi p ..ir li-Miiji.,,,, Emrarain na eufermaria,
da jollio slo aun i passado a junho desle enn, 172
lo. Rio hateado canuta etpeciaes, que
Paita, perieuce a urnsenhor oflicial de marinha, que
all reside ; por cuja causa longe de causar suspeila.
, como nos quiz inculcar quem nos dea eisa noticia,
he um garaule que lem quem por alli quier Iran-
siltr.
Ilofjiilal de Caridadeyo dia 25 docorrenle ex-
istan! 98 doeutes.No dia 26, 96.No dia 27, 91.
At a amanhaa.
COMARCA DE SANTO ANTAO'.
Victoria 8 de selembio de 1857.
Ja n3o existe o Sr. Joaquim Camello de (joe
Cavalcanli, tleilor disle circulo. Vm retrocesso he-
uiorilirol.il como te diz ) de que foi a*sallado na
noilede 19, deu lim aos seus das na noitt de 21,
Esta perda lem sido assas sensivel a soa ineoniols-
vel mAi, e irniAas, cujos cuidados elle nAo de.-prt-
zava.
Consta-no, que o Sr. lenle Joaquim Fabrico
de .Matos, delegado de policia desla ttrmo solicitara
a sua desonerarAo desle cargo.
Esla noticia lem sid detagradavel aos YicL nen-
ias ; porque o Sr. lenle Fabrico em verdade lem
lido um comporlamenlo lal no extreicio do >eu em-
pe.f: ', qual era de eiierar da um militar sempre
elogiado pelrs trus superiores.
A reodas da municipalidade arrematadas para o
auno municipal de 1857 a 1858 foram elevadas a
1:5659, leudo da aogmenlo 205^600 ; e accrescendo a
esla as do patrimonio, das mullas por coulraven-
jOes de pustura, e dos jurados, sera a receita preva-
le! de 6 a 7 conlos de re.
Se a nosti cmara municipal lomar a resolucAo de
mandar construir curraes para recolher as bniada,
lera desle ramo una renda equivalente a 1:2189 r.,
calculando te a 000 boie por feira a razAo de 10 i.
por cabeja, que alli se recolher. Esla obra talvez
que se faca com a despeza de dous conlos de rit.
3o le* lambem de menor rendimenlo para a mu-
niripalidada urna casa de mercado e um cemileno.
Emfim a cmara municipal desla cidade encaran-
do riim a devida alionlo aquellas objectoi, de que
pode resollar ulilidada ao municipio, em poucos an-
uos poder potsuir ama grande renda.
I) Sr. lenle delegado Joaquim Fabrico de Ma-
los julgou inprocedeiile a denuncia que o Br.
Dr. promotor l'essoa de Barroi dea contra o Sr.
Ur. Elidi Janeen ; vislo como dos depoimen-
tns das te-lemniit as nAo resullava pelo menoi in-
dicio dt que fosse o Sr, Dr. Jansen falsifica-
dor das dalas das rerlides, porque alem dos autos
correrem por diversa mAos, ueiihum inleresse linha
aquelle Dr. nataa faltificajAo. I.ouvore ao Sr. l-
enle Juaiiuuu l'ai ririu dt Malot pela sua morali-
dade.
Tambem j te acha despronanciado o Sr. verea-
dor Alexandre II /erra de Albuquerque llarrcs pelo
Sr. Dr. JoAo Francisco Coelho liillancourl, que no
impedimenlu do Sr. Dr. Cirnt Cima, a quem o Sr.
Barro deu de tuspeilo, Ho Sr. Dr. Seigio por
domie, n-ir.ii como eupplente do juiz municipal, i.
lugar de juiz da direito ; e neste acto procedeu o
Sr. Dr. Coelho Bitlancouit com toda a ju-lija, que
era de esperar da sua imprcialidade ; porque a cul-
pabilidade ( segundo nielhor juizo s deese fado, pelo
qual fui pronunciado o Sr. Beztrra, n,1o Ihe piten
ca, mas aira a oulro.
Os gneros alimenticioicontnuam a ennservar pie-
joe elevados.
A falla dt Irocos continua a allligir-nos.
Oiol he intenso, e as aguas do uosso I aparara vo
diminuindo progreisiviroenle.
Foram trazidoi a feira de abluido 729 bol, que
foram lodos vendidos ao calculo de 5-5 a 59500 por
arroba sle carne.
Al oulra vez.
Victorleoee.
parda,
parda,
pardo,
pona imbuir ller.ijAo das ronliji.es livnierucas
i do eslabcler imenlo, o director oiga que a iiilluencia
A disposira,, .lazeluso diocesano fi p, sla lambem geral da epidemial no paiz te deve imputar ene
a quanta de lt.:i)llo-r volada ua inclina lei n. lu de augmento as enferroidades, de que foram alacadoi
18.56, deduzda do pro lucio da loteras decretada! 101 menores.
ni arl. 37 da le n. 367 de 1851. Por conla de-ie O halaujn la recrila e dispeza do estabelerimenlo
crdito foi applirada matriz de Itapacuru-mrli
qoanlia de 2:00(r? ; igual quanta ao comeca da sle
MmijA i. o :l.u iti.-s para cuulinaajAu da de'l.u.ma-
raes. A obra da rnalriz de S. Joaquim do Bic.niga
acha-aa etjlenlada, mai cisolando-se ocred.lo para
ella .bello, nAu podo conlinnir sem nova delfbera-
jao.
. inlormajfii- q.i pre-lou-m u IIvm. biipo da
no anno fin lo he o seguinle :
Receila .
Despeza .
31.2300059
25:7919351
sul auUimei. lie urna das cuudisOiiinjitptnsBvris.diocise, iC-.e quo uAo ten anaUii as fieguezi'i de
Salda de rcie.......5:4399295
Deduzindo-tt destestldo I.-6OO9OOO perlenrente a
slli-in 1*, lira |i.ira orrorrer ats despez geraes no
exerclcio correnlt o saldo sle rs. 3:8399395.
i'em lem dino 1 cata a haver 160-000 de legados,
CMARA MUNICIPAL DOItECIFE.
.a SESSAO ORDINARIA DE 10 DE SETEMHRO
DE 1857.
Presidencia do Sr, fego e Albuqueri/ue.
Presentes o Sr. Franca, llego, Mello, e Piulo,
faltando com causa os Sr. Barroca, Vianna e B-ra-
la, e tem ella o Sr. Barroi llego, abno-se a setsAn ;
e foi lida e approvada a acia da antecedente,
Foi lido o seguinle
EXPEDIENTE.
l'm oflicio do Bxm. vice-preidenle da provincia;
coocedendo a aulon-arao que ela cmara Ihe pedio
para Tazer n> postura de 7 de agosto de 1855. a modi-
lcacAo indicada na informaju sobre o requermtnto
de Claudio Dubeux, que reclamou contra a disposi-
jAo da mesma pusluia.Imeirada.
Oulro do fiscal do Recife, inloimando que Jos
Uonjalves BelIrAo & lrm3o podem fazer os reparos
qoe rei|uerem na sua casa 11. 113 da la do Pilar.
Defeno-se.
Oulro do mesmo, infoimando qua t'iavasso Ja-
nior \ C. podem fazer a obra qae preter lem no
quintal de tua casa da ra do Amorim, com lano
que dobrern 1 pared* qae faz frente para o mesmo
quintal e igualem a frente da casa do lado do sul.
IMerio-se nesle lenlido.
Oulro do inesm dizendn que da soa ultima par-
ticiparan a ela dala, nada de inlere-ie occorrera no
leu balrro.Ao arrbivn.
Sendo lido, e entrando em ditcussAo o requer
uieulu da couipjulua particular de ornicimeuto de
FREI.UE7.IA DE JABOATAO'.
UMA ESTATISTICA.
Setie de quadrot concernentts a' mesma
freguezia.
RE LA CAO DEMONSIRATIVA POS HABITAN-
TES DA POVOACAO DE JABOATAO.
( (!ni t,iu..i, ,11.1 )
En gen lio Bulh6cs.
1 Manoel Pires Ferreira, 8 annos, bran-
co, solteiro
2 Francisco Hezeira da Palm, i* annos,
pardo, casado.
3 Maris Joaquina da Concef5o, i annos,
parda, casada.
1 Anna Joaquina, 22 annos, parda, sol-
teira.
I'.ti| hernia Mtria.'Jl annos,parda, solteira.
6 llermenegilda Mara, '20 anuos, parda,
solteira.
7 Cervazia Joaquina, 19 anuos, parda,
solleira.
8 Prolasia Mara, 19 annos; parda, sol-
teira.
9 Harina Joaquina, 18 annos, parda, sol-
teira,
10 Aurencia Mara, 15 annos, parda, sol-
teira.
11 Amelia Joaquina, li anuos, parda, sol-
teira.
12 Candida Mara, 13 annos, parda, sol-
teira.
13 Tltcophila Mara, 12 annos, parda, sol-
teira.
14 Francisco Bezena, 11 annos, pardo,
solteiro.
15 Epipnania Mara, 10 annos, parda, sol-
leira.
16 Rufino Uezerra, 8 annos, pardo.
17 Fxequiel llezerra, 6 annos, pardo.
18 Mana Joaquina, 4 annos, parda.
19 Jovno llezerra, "2 annos, pardo.
20 Flix Jos Rodrigues, 3 annos, pardo,
viuvo.
21 Jos Rodrigues, 14 annos, pardo, sol-
teiro.
22 Cuilhermina Rodrigues, 22 annos, par-
da, solteira.
2: Florencia Rodrigues, 18 annos, parda,
solteira.
2 Anna Rodrigues, 13 annos, parda, sol-
teira.
25 Ignacio Jos Rodrigues, 30 annos, par-
do, casado.
26 I lor inda Mara do Rosaiio, 35 annos,
parda, casasla.
27 Manoel Jos Rodrigues, 7 annos, pardo.
28 Rufino Itodrigti'-s, 5 annos, pardo
29 Mina Uuilrigues, i annos, parda.
30 JJelarmino Honorio, 28 uros, pardo,
casado.
31 Anna Andrcza de Mello, 22 anuos, par-
da, casada.
32 Manoel Honorio, 3 annos, pardo.
33 Rita Domingas Sonatina, 50 annos, par-
da, viuva.
.'! i M-rt.nho Sorianno, 2i annos, pardo,
solteiro.
35 Filippa Cecilio Damasccno, 55 annos,
parda, viuva.
36 Antonio Joaquim Aureliano, 30 annos,
parti, casado.
37 Vicencia l.uiza de Souza, 26 annos, par-
da, casada.
38 Marcolina de Souza, 14 annos,
solreira.
39 Joaquina de ,Soua, 13 annos,
solteira.
40 Joo Vicente Ferreira, 10 annos
casado.
41 Francisca Maria Xavier, |28 anuos, par-
da, rasada.
42 Joanna Maria, 9 annos, parda.
43 Marcelina Maria, 7 annos, parda.
44 Alexandrina Maria, 6 annos, parda.
45 Matia Xavier, 2 annos, parda.
46 Juliana Marianna, 1 anno, parda
47 Joa-juim de Sant'Anna Cortez, 84 annos,
pai do, casado.
48 Joaquina Francisca de Souza, 55 annos,
parda, casada.
49 I.uzia de Souza, .19 annos, patda, sol-
teira
50 Florencia de Souza, 35 annos, parda,
soiteira.
51 Victorino ./os da Rocha, 80 anuos, par-
do, casado.
52 Gerlrudes Maria do Rosario, 50 annos,
parda, casada.
53 Manoel da Rocha, 28 annos, pardo, sol-
teiro.
5i Antonio da Rocha, 35 annos, pardo,
solteiro.
55 Francisca Maria, 12'annos, patda, sol-
teira.
56 Pedro Comes Martins, 22 anno, pardo,
casado.
57 l'miliana Maria da Concci<;3o, 27 annos,
parda casada.
58 Maria Francisca do Espirito Satto, 00
annos, parda, viuva.
59 Elias do Carino, 50 annos, preto, casado.
60 Filippa Mara das Virgcus. 30 annos,
prela, casada.
61 Rufino do Carnto, 18 annos, prcto, sol-
teiro.
02 Floientinodo Carmo, 12 annos, prcto,
solteiro.
63 Domingas Maria, 14 annos, prela, sol-
leira.
04 Margarida Maria, 9 annos, prela.
65 Mtliana Maria, 5 anuos, prela.
G6 Manoel do ('.armo, 4 annos, preto.
67 Roque Pinlo, 80 annos, prelo, casado.
66 Clara Maria do Carmo, 70 annos. prela,
casada.
69 Francisco Antonio de Carvalho, 26 an-
nos, pardo,casado.
'0 Alexandrina Coelho, 2 annos. parda,
casada.
71 Leonelia Coelho, 9 annos, parda.
72 Manoel de Carvalho, 8 annos, pardo.
73 Jos Antonio, 6 annos, pardo.
74 l.indolphode Carvalho, 1 anno, pardo.
75 Jos de Carvalho, 70 annos-, pardo,
viuvo.
76 Faustina Maria, 62 annos, parda, viuva.
77 Mafia Faustina, 42 annos, parda, sol-
teira.
78 Antonio Ferreira de Amorim, 25 annos,
pardo, casado.
79 Joscpha Maria da Concei parda, casada.
80 Maria da Concejero, 2 annos, parda.
81 Bernardina Mana, 1 anno, parda.
82 Francisco Ferreira de Aniurim, 80 an-
nos, pardo, casado,
83 Joanna Evangelista, 60 annos, parda,
casada.
84 Manoel Ferreira, 5 annos, pardo.
85 Maria Evangelista, 16 mnos, parda,
solteira,
86 < lara Maria, 15 annos, parda, solteira.
87 Mara da Assumpr-no, 50 anuos, parda,
viuva.
88 Manoel da Assumnc,3o, 25 annos, par-
do, soltoiro.
89 lirasiliano da Assiitnpr;5n, C
pardo.
90 Maria da Assump?o, 20 annos,
solleira.
36
38
39
iO
41
annos,
I "rila,
Engenho Sant'Anna.
1 Antonio de Carvalho Soares UrandSo,
45annos, branco, casado.
2 I). Calharina Amelia Soares UrandSo,
22 annos, branca, casada,
3 Augusto de Carvalho Soares UrandSo,
1 anno, branco.
4 Francisco Pedro Soares BrandSo, 40 an-
nos, branco, casado.
5 D. Maria Rita Soares BrandSo, 30 annos,
branca, casada.
0 Francisco de Carvalho Soares l!rand3o,
16 annos, branco, solteiro.
7 Thomaz de Carvalho Soares Erandio,
14 annos, branco, solteiro.
8 Mara Rita Soares UrandSo, 10 annos,
branca, solteira.
9 Joao de Carvalho Soares BrandflOt 8
annos, branco.
10 Eneas de Carvalho Soares IlratdSo, 6
annos, branco.
11 Ulysses de Carvalho Soares lirando, 4
annos, branco.
12 Pompeo de Carvalho Soares llrand3o, 2
annos, branco.
13 Jos Carvalho de Albuquerque Lacerda,
28 annos, branco, casado.
1 D. Francisca Alexandrina de Albnqucr-
queJ.acerda, 18 annos, branca, casada.
15 PeJro de Carvalho Soares UrandSo, 32
annos. branco, solteiro.
16 Manoel Nieacio Chimendes, 50 annos.
pai-Jo, casado.
17 Mara Francisca da Concego, 40 annos,
prela, rasada
18 Justina Mana, 20 annos, parda, solleira.
19 Maria das Neves, 18 annos, parda, sol-
teira.
20 Maria da PaixSo, 14 annos, parda, sol-
teira.
21 Ladislao Cosme Dami&o, 12 annos, par-
da solteira.
22 Joscpha Perdigte, 6 annos, parda.
23 Antonio da Silva Mello,40 annos, pardo,
casado.
24 Cosma Damiana, 38 annos, parda, ca-
sada.
25 Torlho da Silva, 17 annos, pardo, sol-
teiro.
26 Florencio da Silva, 16 annos, pardo,
solteiro.
27 Joanna Maria, 13 annos, pard, solteira.
28 Paula Francisca, 9 annos, parda
29 Joao Antonio da Silva, 10 annos, pardo,
solteiro.
30 Maria Francisca da Conceic,5o, 5 annos,
P'.rda.
31 Joaquina Theodora, 50 annos, parda,
viuva,
32 Manoel Joaquim Uezerra, 20 annos, par-
do, solteiro.
33 Marcos Fernandes de Souza, 40 annos,
pardo, casado.
34 Marlinlia Mara da Paxao, 30 annos,
Parda, casada.
35 Mara do Carmo do N'ascimcnto, 4o an-
nos, parda, viuva.
Joao Ferreira da Costa, 25 annos, par-
do, casado.
Thereza Maria de Jess, 20 annos, par-
da, casada.
I.uiz de F an^, 2annos, pardo.
Anlonio Cocido. 50 annos, pardo, viuvo.
Antonia Maria, 9 annos, parda.
Jos Antonio, 8 annos,'pardo.
42 Joanna Maria. 6 annos, parda.
3 Maria Joaquina, 3 annos, parda.
44 Joo Gualherto Uezerra, 30 annos, par-
do, casado
45 Malha Mara dos Prazeres, 35 annos,
parda, casada.
46 Manoel dos Prazeres, 10 a irnos, pardo,
solteiro,
47 Jos dos Prazeres, 7 annos, pardo.
18 Leocadia dos Prazeres, 6 annos, parda.
49 Joaquim dos Prazeres,5 annos, pardo.
50 Mai ia dos Prazeres, 1 anno, parda.
51 Lui/a Maria do Rosario, 50 annos, parda,
casada,
52 Agostinha do Rosario, 16 annos, parda,
solteira.
53 Rosa Mara de Lima, 40 annos, parda,
solteira.
54 Francisco de Lima, 6 annos, pardo,
oo Mana de Lima, 4 annos, parda.
56 Amazia de Lima, 3 annos, parda.
57 Joio de Lima, 1 anno, pardo.
08 Joanna Maria Francbca,60 annos, crou-
1a, viuva.
59 Jos Joaquim, 20 annos, crioulo, sol-
teiro.
60 Jos Flix, 50 annos, pardo casado;
61 Maria Jos. 35 annos, parda, c sada.
62Martnho Pereira da Silva 24 annos,
parda, solteira.
03 Josepha Maria, 16 annos, parda, sol-
teira.
64 Antonia Maria. 12 annos,parda, solteira.
65Galdino da Silva, 10 annos, pardo.
66 Graciana Maria, 5 annos, parda.
67 Francisco ds Chagas, 32 annos, pardo,
casado.
68 Pedro das Chagas, 40 annos, pardo ca-
sado.
69 Manoel das Chagas. 10 annos, pardo, sol-
teiro.
70 Joo das CbsgaSi 9 annos,
71 Jeronymo das Chagas, 7 annos, pardo.
72 .lose das Chagas, 6 annos, pardo.
73 Hermina das chagas, 5 annos, parda.
74 Pedro das Chagas, 4 annos, pardo.
75 Roberto das Chagas, 2 annos, pardo.
76 Iguacia Maria da Concerno, 70 annos,
parda, viuva.
77 Francisca das Chagas Rodrigues, 50 an-
annos, parda, viuva.
78 Mara Victoria, 40 annos. parda, sol-
teira.
79 Pedro Jos Pereira, 30 annos, pardo,
solteiro.
80 Imiria Maria, 4 annos, parda,
81 I.uiz Pereira, 2 anuos, pardo.
82 Thereza Mana de Jess, 50 annos, bran-
ca, solteira.
83 Joquelina Ferreira PavSo, 23 annos,
branca, solteira.
8 Jos Martins Vellozo, 54 annos, pardo,
casado.
85 Feliciana Mara, o annos, parda, ca-
sada.
86 Marcolina. 12 annos, parda, soHeira.
87 /anuaria Mara, 60 annos, parda, viuva.
88 Francisca Pereira. 50 annos, parda, sol-
teira.
89 Senhornha, %\ annos, parda, solteira
90 Claudina, 30 annos, parda, solteira.
91 Agostinho Antonio, 40 annos, pard i, ca-
sada,
92 Maria Severina, 35 annos, parda, ca-
sada,
93 Francolina, 8 annos, parda,
94 Pedro, 5 annos, pardo.
95 Cosma, 4 annos, parda.
96 Maria, 2 annos, parda.
97 Tiburcio, I anno, pardo.
98 Ignacio da Cosa Ribeiro, 10 annos,
branco, casado. .
99 Senhornha Ribeiro Ribas, 35 annos,
branca, acsada.
100 Maria itibeiro, 13 annos hranca, sol-
teira.
101 Jos Ribeiro Ribas, 13 annos, branco,
solteiro.
102 Joio Pereira de Lima, 36 annos,branco,
rasado.
103 Joaquina do Amor Diviuo, 26 annos,
branca, casada.
104 Manoel Tt.omaz Cavalcanti, 55 anno,
branco, casado.
105 lielpbina Maria dos Prazeres, 40 annos,
lirauc, cania.
106 Francisco Cavalcanti, 25anuos, branco.
solteiro.
107 Izidotia Cavalcanti, '20 annos, branca,
solleira.
108 Francisco Cavalcanti, 18 annos, branco.
solteiro.
109 Jcronyma Cavalcanti. 16 annos, branca,
solleira.
110 Thomaz Cavalcanti, 12 annos, branco,
solteiro.
111 Joao Cavalcanti, 10 annos, Dranco, sol-
teiro.
112 Jos Carlos Uezerra, 25 annos, pardo'
solteiro
113 Jos Themotco, 40 annos, pardo, ca-
sado.
414 Candida Maria, 30 annos, parda, ca-
sada.
115 Josepha Thereza, 60 annos, parda, ra-
sada.
116 Jos Ferreira Ribeiro, 55 annos.pardo,
aollo'O.
117 Jos Claudino de Oliveira, 40 annos,
pardo, casado.
1 li Anna Maria, 30 annqs, parda, casada.
119 Manoel Claudino, 14 anuos, pardo, sol
teiro.
120 Jo3o Francisco de Dos, 30 annos, pardo,
casado.
121 Maria do O', 30 annos, parda, casada.
122 Faustino, 14 annos, pardo, solteiro.
123 Jos Lino, 45 annos, crioulo, viuvo.
124 Luiz Paulo. 33 annos, Urdo, casado.
125 Francisca Xavier, 30 annos, parda ca-
sada.
J26 Manoel, 7 anno?, pardo.
Vicente, 3 annos, pardo.
|*| Ju08. 2 annos, pardo.
Aa 5ermel'nJa, la annos, parda, solteira.
130 Fausta, 5 anuas, parda.
|31 Joanna, 3 asnos, parda.
vfva"'"1" Mdr'*' 2 "* p,rd,
.'4 M?ra'*l,z,/'5,r'n08t ParJ. solteira.
34 Variada Paz, 25 annos, parda, solteira.
135 JoSo FraBc.sco da Cunha, 35 annos.nar-
do, casado. '
136 Joaquina Francisca, 30 annos. parda,
casada. v '
\H ^u,uuianatl0 annos. parda, solteira.
138 Pedro, 8 annos, pardo.
139 Manoel, 3 annos, pardo.
140 Domingos, 5 annos, parlo.
111 Merquides, 2 annos, pardo.
142 Jos, 6 annos, pardo
143 Frcderico, 7 anuos, pardo.
144 Antonio Jos da Cunha, 60 annos, par-
do, casado.
I5 Maria da Cunha, 60 annos, parda, ca-
sada.
146 Rita da Cunha, 12 annos, parda, sol-
teira.
147 Maria da Cunha, 10 annos, parda, sol-
leiiu.
148 Luiz da Cunha, 13 annos, pardo, sol-
teiro.
149 Florencio Jos d'Albuquerque,45 annov
pardo, casado.
150 Isabel Maria, 37
sada.
annos, parda, ca-
151 Luiza de Albuquerque, 14 annos, parda,
solteira.
152 Fimina de Albuquerque, II annos,
parda, solteira.
153 Joanna de Albuquerqne, 8 annos.
parda.
I5 Flix Jos Theodoro, 35 annos, branco,
casado.
155 Maria do O" ,29 annos, parda, casada.
IO Alexandrina do O', 16 annos, branca,
solteira.
157 Maria i7o 0', 7 annos, branca.
158 Jos Vaz da Silva, 30 annos, pardo, ca-
casado.
159 Rosa Mara, 22 annos, parda, casada-
160 Manoel da Silva, 8 annos, pardo.
161 Maria da Silva, 7 annos. parda.
162 Leocadia da Silva, 4 annos, parda.
163 Josepha da Suva, 2 annos, parda.
164 Anna Joaquina de Castro, 60 annos.
branca, viuva.
165 Manoel Rboira Ribas, 27annos,branco.
solteiro. '
166 Francisco Martins Ferreira dos Santos,
53 annos, branco, casado.
167 Joaquina Maria do Livramento, 45 an-
nos, branca, casada.
IOS Luiz Martins Ferreira dos Santos, 16
annos, branco, solteiro.
169 Ignacia Maitins Ferreira dos Santos, 25
annos, branca, solleira.
170 Maria da Luz Martins dos Santos, 14 an-
nos, branca, solteira.
171 Mura Martins Ferreira dos Sintos, 12
annos, branca, solteira.
172 Jos Rufino de Souza, 40 annos.pardo,
casado. '
173 Maria da ConceicSo, 10 annos, parda,
casada. r '
174 Manoel, 14 annos, pardo, solteiro.
175 Venceslao, 12 annos, pardo, solteiro.
176 Miguel, 9 annos, pardo
177 Jos Anlonio, 40 annos, crioulo. sol-
tei.o.
178 Ignacio Gomes de Lyra, S4 aiinos.braii-
co, solteiro.
179 Josepha Maria da Conceic,3o, 60 annos,
branca, viuva.
180 Ignez Maria da ConceicSo, 20 nnos,
branca, solteira.
181 Alexandrina Maria, 19 annos, branca,
solteira.
Urancos.........
Pardos..........'
Crioulos. .
46
141

Total. .
(Continua;.
181
<$0r?tg0n*mca.


i

Sri. redactores. (')Lindo cm ua conceiluado
Diario, do da 26 do correnlt, a P.igloa Avulia, a
tneontrando nella orna tsptcia de ctniora qua su
autor faz a Eima. rnarqutza do Recif-. por ler ido
a i-r.j do Paraizo rtoder gra; ai ao Todo Poderoto
lela ileri.o jaita qoe oblive do tribunal da rtlacSo
sla II.lna no pleito qoe trazia com a adminislraiMii
do hospital da caridade, nt po'io deiiar pinar dei-
apptrcebida semellianle maneira do proceder da
quem qoer que seja o conoto, que devando ir mai
curuio a" admirar etlt acto de religiao, (iprobou o
proceder drgoo d Eima. Sra., e como conndi-ru ca-
le acto como urna prova dt etpirtto de rtligioiidade .
da mitma Eima., lembro ao lal curiosa do enrnniu-
nicado, que quando Iralar de pation lio digoat de *
reipeilo. como he a Eima. Sra. marqoeza, que ose
de pala ra mait ca tal le irosas et|a trato mais con-
Milarieo a tua posc,o lulo.
A Eiena. Sra. indo a igreja do Paraizo, nao ollra-
nastou devere, nem Infringi regalamenlo, pedio
permitlinrm ir orar protlada ao Ihrono do Alliitimo
pela juitica que tao injuilamenle Ihe propo/.eram.
e por cuja deciiSo vai de novo entrar na gerencia da
bem que Ihe queriam eilarquir, nao rnaffdou bnr a
greja como diz o curioso no annoncio que malicio-
simeule publicou.
Creio que nao nos lie prohibido o direito de rm-
dermoi grcil ao Eterno por qualquer motivo que
noi loque de pirlo, pelo que inlereiiamo-ooi.
Cora eilai poocaa linha tuppoDho ler detmenlido
a tile quero quer que leja do annuucio pablicado na
dila Ptgina Avulia : perianto dina a verdade e nao
publique o qua nao aconltcca, com o fim dr que-
rer conlenlar a quem nao poda dar maiiremedlv ioi "
teai incommodoi.
Sou com allenriJo,
O Justictiro.
Srt. redactores.X leilura de om artigo com a
epigrapheA filia amiadt, ailignado palo Sr.
padre Joao llereulano do Reg, no Jornal do
Commtrcio detla provincia, de 4 do correle mai
de telernbro, faz-me pegar di penna, ole para re- ,
poieder a sen aotor, mai tmenle para dizer-lhe qoe
quiro t iou contente em carregir eom a conliadic-
i.ao e huiniih ir.io, o precooiada em tea referido
rligo; mai he depoii dilli vir eu mandar por um
tea confidente apreientar em juizo aqu na Victo-
ria as michas carias, e em minlia pruenfl t pro-
re ler um rninocioso eiame, te e.tiverem ir laclas
d-ie-me ai publica forma, vollando o o i inaet '
para o Sr. padre man.la-Ios imprimir, que, aiitla
de tul exame, quero carregar eom a pteba de cn-
Iradiclorio, poli quero logo e logo ver e conveacer-
me do qoe eu nema cartas tenho dilo centra o Sn.
coronel Tibortino, Dr. Oueiroi, capilao Jet Sevtri-
no, lenle Borget, ele., etc.
Sim, netta occniao qoe se proceder me exime,
eu lambem apresenlatei aa rarlai quo me eonvier
denlre muilai que tenho) da Sr. padre Joao, pa-
ra tambem lerem eliminada;, e te Ihe dar ai
publicas formas ,se qaizerj, a mandarai tambem*
imprimir oa originas! qae terSo acumpaiihad.it da
orna respoela adequada aquella artigo referido, e en
tao o publico ficar.i inleirado do quanto ea lonho-
rne presta 'o a favor de um homein ingrato, e qne
e torna deicoiihrcido, inda meemo lendo rerebido
99 faroret, mai qut Ihe filloa um par completar o
100. v

\

{*} Foi por virlude de urna ito(enc,a do tribunal
competente, que a admnislracao dos bem dot hoi-
pilaei di caridade lomoo conla doi qua perlenciara
'9 dn Pararzo, qual foi intimada aoa herdeirot do
Eim. marque* do Kecife ; e n.lo lendo havido igoul
ir.lirriaro ,li teutei.es, que se diz alcsn^aram a tea
favor ot mismos herdeiros, todo o acio que te pra-
licar antes desla lolemnidada he mal entendido.
O redactor da Pagina.
ILEGIVEL


*


DIARIO )S PEBNAMBCO QUARTA FJ51RA SO DE BETEMM.0 DE 1SM
t
\*

So 'ep.i:i lerti no mencionado artigo, depon de
e proceict aquella* aiamu aro uosiai aarlae, lem o
que protesto cunlra qualquer aiierclo qae epparec.a
pela publicarlo de ruinhas carita.
Examinadas as minliat carias, a minlia resposla
ser ama nica, (embora um pouco mas-anlt-,, mas
iplicila verdadeira, e nao coalianarei coro urna
polmica fastidiosa; anda mais, porqoe ni lo cu
13 > pobre como o Sr. padre JuSo em asa dito artigo
faz orna cantata, n.i.i ha possivol que um pobre po-
" 'inl-niir urna diseoaeao palo prlo. como um
millionario como he o Sr. padre Joao !!
Anula, nnalmenfe, porque o Sr. padre Jo.lo eor-
S casa paterna aprend as primeiraa letra* (multo agra-
de^ a Providencia e a meu querido e fallecido pal
ase poaqonha qae sr i II]
Dignem-ie, Srs. redactores, Iranserever ettas li-
nhai mal arranjadasem ieu bem conceiluado a Dia-
rio, palo qae muilolhes ficar obrigado. oda Vmci,
altete obrigado e eriadr.
Antonio Kaymondo de Mello.
EKKATA.
A eorreapondencia publicad do Diario deseaon-
da-feira 28 do correnta, miaada por Theolooio Jo-
t Tavares, deve ler-ae Theolonlo Jote da Frel-
a.
S5ariei>abe.
com posto parte de peilo de avet, Ihe ha tervido, fi-
cando os doas ttpotot sos em lodo o resto do da.
Tal foi a ceremonia, realisada ugundo os uios Ira-
dicinnaes.
A' Doila houve magnficos fogot de artificio, pre-
parados por om pjrotechnico, que loi expressa-
manle maridado de AUt-roanha.
Na manhia leguinle Elliem- Pacha folio palacio
imperial depftr aos pea do Sulllu a liomenagem da
sua gralido.
(.Vorilo.l
&oi&^ftfto
O LOUVRE. .
Moniteur .Sao reeorridos tres taclos depois
que eomtcou a grande obra qae temos esperanza
de ver enndair.
Uepois Francisco I e Calharinl de Mediis, o l.ou-
vre e ai Tolheriat occaparam seriameote os sobe-
ranos qae mais lem honrado a Franca, Henrtque
IV, Laia XVI e aples Pedro Leseo!, Joao Gou-
)on.
Felisberto Delarme, Ptrraoll, Soulllot, almiar a
Foilame sao os rollibor.dores illmlres de Mr. I,e-
fuel da Vitconli.
A parta qae Viseonti leve ne-l grande obra be
bem clara qaando o proprio roinislru de Estado no
aea discurso reeorda que 0 primeiro arehilecto do
noro Lourre Ml-ceu ha qnalro annot depois de
ler alliado o boin gusto a magnificencia, Iracaudo
toda a superficie a toda a direcco do l.ouvro ; as
larguras, os cireoilos, as formas daa galeras e dos
edibcioa que Ihe perlencem.
Foi elle qae leve a a Idea falla a original das ar-
cadas e dos qoarto ao re do chao.
Mas o teu projeelo criava entre o l.ouvre e as
Toilheriaa doas edificio inlipindenles que n3o
eoiobinavinj cora as eoostruecOit primitiva! e nao
recordavam a decorarlo.
Fol Mr. I.efuel a qaem competi o mrito de ter
reunido a obra de Francisco I," aquella de Ca-
tharina de Medien, n'um lodo solido, compacto e
harmnico.
Elle ditlribaio osreparlimrnlos interiores, dese-
nlio a> fehla, eereteentou om andar ao plae
pnmil.vu, n.ui luroo o chefe de obra da resl'ora-
V-l que Mr Duban tinha (lecuudo a borda da
agua, drngio e combioou o trabalho de cenlo e cin-
coeola e qualro eslalaarios e de toda a qualidadt de
rnalos.
A decoricao do novo l.ouvre comprehende mais
de 1,500 pijas de etculpura todas differentes e ori-
ginaos.
O bronzei e 01 ferros, ai galern, 11 aldravas, e
at as lanqoetai das portas sero eieeulada sobre
de'enlioi uovot.
Ete trabalho immenso nao deve empregar menos
de 3,600 obreiros, he necessario vencer obslarulus
que te tinham jtilgtdo impossiveis, igualar nivela,
dissimular defeilos lera remedio, tomo a falta de
paralelismo entre o l.ouvre e as Tailherias, e casar
o eslylot liversos sem copiar om so.
Durante cinco aooos, 01 trabaioi do l.ouvre
teem correspondido maravilhosamenle-a aclividade
dos estatuarios : aos pintores lamben) Ihes ha de
ehegir a sai vei.
MM. Duret, Barye, Rojio, Diebold, Cavelier,
Jouflroy, Dumoul, I.eqoesne e outros muitos teem
decorado com o mais paro do seu talento os pavi-
Ihues da1 praca NapoleSo e Ja praca do Carrousel.
Mr. (_imiherrae coiishluio ama claraboin no pa-
vil'iio Sully que sera' urna dasmelhorat obras desle
genero.
A industria assim como a arte teem aproveitado
esla grande obra.
Dude o auno de 1856, o l.onvre nao tem tido
menos de 313,272 obreiros de toda a espacia que
tem Iralj.illiado para O l.ouvre.
Os maieriaet teem tido escolhidos pira assegurar
a duracao do edificio.
O architeclo tem empregado com preferencia o
ftrro e a pedra ; em muilas obrai que se podia
empregar a ruadeira emprega-te o ferro para a du-
rajao.
O maseu do Loavra que era pequeo lemae
augmentado.
Mr. Lefuel nao contena com crear galerias no-
vas, melliuroa laiubem o ledo.
O acabamento doi Irabilhos abre a circularlo
duas novas commuoicacdts, urna para as carraa-
gen< pelo pavilhao de Kecheliea, e oalra para ai
gentes qoe Iransitam a p pelo pavilhao de Sullv.
Em lodos estes millior.irrmilus de otilidade leein
se empiegado cinco nonos e cuslado Irinta e cinco
imWioes.
E-perleas.
Commarcio do Pelo.lia rnezei om celebre ca-
pitalista da New York chama Jo Uunlington, fol
eondemnado a uns lantm annos de prisao, por ler
eommeltido ama serie de falsificacSet.
Um dos seus compatriotas muilo Imaginoso, em-
prehendea liberla-lo : porcm a conspirarlo foi des-
eo berta.
O a Correio dot Estadot-Unidot o da' os segain-
(es pormenores:
A euiiil'inac,) 1 he curiosa e atrevida, Seatchard
gabava-se de tar bastante hbil para poder contra-
faier a asignatura de quem quer qoe fosse, de
modo a nao despertar sospeila.
Primeiro que ludo devia elle fabricar um docu-
mento de perdi com a assignatora do governador
Kinl-Mais.
Alera disto Sealrhard possuia em materia tele-
sraphica um tlenlo particular, que provou do se-
guale moda :
Kesi lindo, ha anuos, na viiinhanra de Nova Or-
leant, no trajelo das Indias (elegrapliicat. fabricou
om poste, oro por dentro, conlendo um fi rt fer-
ro qoe puz secretamente era eonlaclo com o fin prin-
cipal, por meio de urrv>faro no isolador de vldro.
Prolongando depois 1 comroonicorAo do contra-
bando tl ao interior da tua casa, achoo-se no easu
de lr as meniagent que passavam, e tirar dallas a
proveilo que lie permiltiam as circamstancias.
Devia alie pralicar a mesraa operario no lelegra-
pho de doas lados de Sing-Sing, e por esta meio
interceptar toda a informadlo pedida pelu guarda
era chefe, para Albsny ao governador, ou u etlor-
ney *, do districto da Nova-Yorck, relativamenti
a aatlienlicida la do documento de perdi.
Em om on oolre caso Seatchard enviara logo a
seauiit resposta :
O perillo fol concedido, porcm rntrtra o preso
ao offisinl que tem um mandado adietarlo para a
tus Jalenjao.
&ite mandato, como bem te pode aoppor, devia
ser apreientado por om cmplice qae condatiria
II unt.ngiun a Naw-Yorck ; e all ama escuna que
o esperava, dara immedinlamente a' vela para la-
vana, ou jiara a llha dos Pioheirot.
He preciso convir em'.qae o plano tem mrito pela
orlgintlidade da invenrao e dos meiot ; e he fura
da duvida qoeaquelle qoe o roncebeu he homem
de recursos.
A cootinuacao do proceso podira' anda Irazer
euuioras deacobertat.
Tormeita.
tem.Ao Diario Mercantil da Valtueia di-
zem de Coneentaina, em dala de 5 :
Eicrevo debati da impret-ao da dr ao ver os
eslrago que asta villa e a da Mooro acabam da lof-
frir.
Por volla de i horaa dasla larda oblo ama ehnva
de pedra, da til nalareza, que os uossos homens
do campo, rlnem que nao ha memoria de cousa
iRoal.
Al padrea eram lodaa mallo grandes, sendo mui-
las do lamanho de ovoa de gallinha.
O terror e o etpanlo apoderoo-sa da lodos. Na
."" d0 L,v'"e Norle deile diilrlcle, e lodo o do
Mooro, Cal, e (Jayanes, perderam-ie completa-
mente as abundante! colheitas de vnho, azeite, e
larabem de milbo, atta' todo quebrado a deilado no
sola.
Por bailo1 daa oliveiras a das cepas, veem-se ar-
rancados lodoi ei fraclot e perdidas a'tsim 11 espe-
ranzas dos lavradoras.
Para complemento de deigraca, a chuva de pa-
dre seguio-se om vento lio forte, que rematou o
estrago doa milhus e arvoredoi, cliagando a arrau-
ear arvorea inleirai.
O easamentn de orna prineeza torca.
dem.No da 23 de julho. leve lugar em Ons-
l.inlinopla, o casamento de Keliah-Sultana segun-
da filba do Sullao, com Elhsm-Pacha', n I lio do mi-
nistro da marinha.
A etpota sahio do palacio do Sallan em um co-
cha coberrj de pedrariai, e ricas pinturas, recor-
dando os mais bellos coches do lempo de l.uii XIV.
A priutMi. coberr.' com om veo da ooru, eonser-
va-se escondida as vistas do publico.
0 aeu coche, precedido da msica da guarda
imperial e de om eiquadrlo da lauceiroa, ara se-
guido por numerosos cochee, onda i.-m seos joveu
irmios, as damas do hiram imperial, e at dos altos
iligniturios.
A Ira/, teguiam a cavallo, o grao-vitir, o rheik-
iil-islam, lodos oa ministrot e lodos os iligniturios
do imperio, em grande uniforme de apparalo.
1 ni segundo esquadrao de lanceiros fechiva a
marcha do corle jo, que caminhava muilo lenla-,
mente, por enlre urna dnpla ala de tropas.
No palacio de IMIerdasbournon o cortejo p non,
os miuisiros apearara-se, a Ethem-Pacha', apraien-
tando a porlinhola du cocha de sua augostl espola-
da, eplica-lbe qoe deca. A prineeza reross, e-
gundn o nso ; eolio todas as damas da corte jon-
lam ai suas iiialaiictas a eiliortacoei, para a deci-
dir a annar aos desejos do seu esposo.
Refihih-Soltana deseen do coche, e foi recebida
a porta do aaa palacio pelos mini-tros do Soliao.
Depon as damas da corle a acompanhararo aos
seus aposentos, mide se servirara refrescos.
O noivo manda depois perguntar se pia ser ra-
eebido pela prineeza : esta recuia ; porm, as damas
inlercedem outra vez, ese reliram deiando o lu-
gar livra ao esposo.
Esla vit juulir-se a Sullan ; 1 om bmquait
_ CAMBIOS.
Sobra Londres, 27 1|2 d. a 60 d.
< Parit, 346 rt. por fr.
a Lisboa, 92 por % de premio,
c Rio de'Janeiro, 2 por 0|0 de descont.
Aecao do baneo 50 por canto de dividendo por con
la do vendedor.
a a coinpanliia de Beberibe 60^000 por acclo
a a companhia Pemambucana ao par.
c c Utilidade Publica, 30 pur cenlo da premio,
a Indemnisadora. 61 idea.
a 1 da estrada da ferro 20 por Oin da premio
Diseonto de lellras, de 8 a 9 por eento.
AccOes do Banco, 40 a 45 da premio.
(Juro.(Joras heapanholas. 29J500
Moedaj da 6400 velhas ....
< 69400 novas ....
__ 49OOO.......
Prala.PatacOei brasileos......
Pesos eolumnaries......
meiica'nos. ,
30*000
16KW0
lticOOO
95000
29000
29OO
19860
Catea Filial do Banco do
Brasil
EM 28 DE SETEMBR DE 1857.
Directores da semana os senhores : Jos
Peraira da Cuaba e Dr. Augusto Frederico
de Ulivcira.
A caisa desconta letlras a 8 por cento ao
aullo, e toma diiihrirn a premio de confor-
midade com os seus estatutos.
ALI'ANDEliA.
endimenlo do da l a 28. .
dem do dii 29. ., .
614.-9601911
81:4779353
7'26:438f964
Descarregam hoje 30 de setembro. .
Barca IrancezaEmma Malhildemercadorias.
Barca inglezaEleonorcobra e chumbo.
Barca inglezaNnuphautforro e carvlo.
Barca inglezaCunlaslidem.
Barca inglezaIinogenesidem.
Bri,,ue ingJezU. Joanmerca lorias.
Brigoe hespanholAogelbacalho.
Patacho dionmarquez Forlanapapel, genehra,
queijoi e Trelos.
Hiato americanoKoaamondfarinha e bolacha.
MOVIMEMO UA ALFANDEUA.
Volumes entrados com faieoda .... 829
" e com gencros .... 261
Total
Volamos s.ihidot com fazendas
com gneros
CONSULADO GERAL.
lien lmenlo do dia I a 28. .
dem do da 29.......
Total
.Vt
386
29:1
679
60:I00;29
5025a52l
65:1251615
DIVERSAS PROVINCIAS.
Hendimento do da 1 a 28. 3:57090,0
dem do dia 29....... 811141
3.-651*181
DESPACHOS DE EXPORTACAt) PELAMESA
DO CONSULADO UESTA CIDADE NO DIA
29 DE SETEMUnO DE 1857.
LiverpoolBarca ingleza Nanpharilei>, C. J. As-
lley i\, C, 1,100 saceos assucar maicavado.
FalmoulbBarca ingleza Caringa, N. O. Bieber
Si C, 1,730 sarcos assucar mascavado.
Liverpool Barca ingleza olinogenes, Schramrn
Whalley A; C., 300 saceos assucar branco.
LisboaBrigue porluguez Activo.', Molla Irmlus,
80 sacros gomma.
Buenos- AyresBrigue dinamarquez -Mara, Viu-
va Amornn A Filbns, 728 barricas assucar branco
RECEIIr-DORIA DE RENDAS INTERNAS (iE-
RAES DE PEKNAMISUCO.
Rendlmer.lo do dia 1 a 28. 2I:.'I3I?787
Idem do da 29....... 3239864
91-658|65l
CONSULADO PROVINCIAL.
Hendimento do dia I a 28. 48:36,9181
Idem do da 39...... i:!5fi/:H0
52:5209534
rfe0l> &&!$&
POlXiifa
Navios entrados nu dia 28.
SumatralOOdiaa, barra americana Ceres, de 400
toneladas, capillo Thomaz Smnli, equipagem 15,
Carga pnneiila do reino. Veiu refrescar e segu
para New-York. Perlence a Sleme.
Terra Nova 37 Jias, brieue inglez llaidee, de
128 Uneladaa, rapilao Tucker, equipagem II,
carga 1628 barricas com bacailio ; a Saon ler
Brolers A; C. l'eitenca a l.ivernool.
Parahiba24 horas, hiate nacional Flor do Brasil,
de 2S tonelada!, meitre Joao Francisco llarlini,
rquipaiem i, carga loros de mingue ; a Justino
da Silva Boa Vista. Perlence a Permrahuco. Paa
saKeiros, Anlunio Barbosa da Coala, Manoel H.
dos Santo*.
Idem21 horas, Male nacional Concedan Flor da
Virtudes, de 26 toneladas, meslre Alnan trino
da Cosa e Silva, equipagem 4, carga loros de
mangoe ; a Paulo Jos Baptista. Perlence a Per-
namboco,
Ballimore 40 dias, biale americano Rosamond,
de 130 toneladas, capilao A. W. Revr.olls, equi-
pagem 7, carga 750 barricas com fariolia de trigo;
llenry Fosler C. Perlence a NewBedford.
Annobon20 dtai, barca americana uCharleu & Ed-
w.rd., de 141 toneladas, capilao W. L. Sallar,
equipagem 22, carea 150 barris com aieite de pai-
ib; a llenry Fosler & C. Perlence a Oartmoulli.
Liverpool41 das, patacho inglai Evo, de 201
toneladas, capillo I. Eastaway, equipagem 9, car-
ga razandaa a mais generus ; a Foi Brothers & C.
Perlence a Londres.
Araealy 8das, hule nacional InveDiivel, de
37 toneladas, meslre Joaquim Jos da Silvrira,
aqoipagera 5, carga couros salgados e mala gene-
ral ; a Marlnis Irmaos. Perlence a Pernamboco.
Passageiro, iogo Gomes da C'uz.
Navio sin lo no mesmo dia.
Rio de Janeiro Barca nacional Amelia, capilao
Joao Antonio Comes, carga a soc.ir, agurdenle e
mais gneros. Passageiro, Manoal Anlonii (jo-
mes.
O lllm. Sr. inspector ja lliesotiraria
provincial, em cumprimento da resoluco
da unta da fazenda, manda fazer publico,
que as obras dos c mcertos da ponte do Ali-
jo sobre o rio Scrinhaem, vilo novamentea
prara para serem arrematadas a quem por
menos fizer, no dia 8 deouiubro prximo
vindouro.
K para constar se manrJou alliar o pre-
sente e publicir pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco 22 de setembro de 1857. --0 se-
cretario. A. V. d'AnnunciacSo.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria
provincial, em cumprimento do disposto nu
art. 31 da lei provincial n 129, manda fazer
publico, para conhecimentn dos credores
hypotbecarios e quaesquer interessados, que
as propri dadus abaixo declaradas ; lora ni
desapropriadas, e que os respectivos f.ro-
prielarius tem de ser pagos do que se 1 lies
deve por esta desaproprac,3o logo que ter-
mine o prazo de 15 dias, contados da data
deste, que he dado para as reclamafes
E para constar se mandou allixar o pre-
sente, e publicar pelo Diario por 15 dias suc-
cessivos.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco 29 de setembro de 1857.O se-
cretaria, A. F. da AnnunciacSo.
RelaQao das casas desapropriadas
Uma casa terrea no Mondeigo iru Real),
pertencenle a Antonia Mana Monleiro, her-
fJeira deTrtereza de Jess Maria, pela quan-
tia de 1:500s00O.
Tres casas de taipa, na direcco do 27.-
lanco da estrada da Victoria, pertencentes
a JoSo Francisco de Araujo o Jos Joaquim
Ribetro, pela quamia de 3009000.
Conforme O secretario. Antonio Ferrei-
ra da AnnunciaQao.
char-se ausente de casa de sua senhora ha 2
annos: quem se julgar com direito ao mes-
mo, comprela nesta subdelegada, que jus-
tificando ser propriedade sua, Ihe sera en-
tregue. Subd. legaca dos Afogados 29 de
setembro de 1857.Francisco Carneiro J-
nior.
COMMANDO DAS ARMAS.
Para se poder dar fiel cumprimento a or-
dem do dia do quartel general do exercito
sob o n. 27, datada de 9 de setembro corren-
te, manda o lllm. Sr. brigadeiro comman-
dante das armas interino, que os senhores
odiciaes reformados, os da exlincta segun-
da linha com sold e os honorarios com sol-
do ou sem elle, que se acharem tiesta pro-
vincia, enviem quanto antes ao quartel ge-
neral do conitnando das armas una decla-
cSo por escripia dos lugares em que fazcm a
sua residencia, devendo aquelles que aqui
se acharem accidentalmente, declararem
qual a sua residencia permanente. Secre-
taria do commando das armas de Pernam-
buco em 26 de setembro de 1857.Francis-
co Camello Pessoa de Lacerda, capitao se-
cretario do commando das armas
O lllm. Sr. inspector Ua thesouraria
provincial, em cumprimento da resoluto da
junta da fazenda, manda fazer publico, que
a arrematacao da illumina?5o publica da ci-
dade deCuiaiuia fica trauslerida para odia
I.- de outubro prximo vindouro.
E para constar se mandou alTtxar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco 9 de setembro de 1857.- O se-
cretario, A. F. da AnnunciaSo.
OSr. collector das rendas provlnciaes
do municipio de Coianna faz saber que em o
Uta de hoje Ihe foi entregue pelo delegado
drs'. termo o escravo crioulu de uoaie Luiz,
nt iral da comarc-, do Litnoeiro, de idade
de 5 annos, estatura alta, rosto redondo,
cab dios carapinhos, olbos prelos, nariz cha-
to, bocea grande, barba pouca, picada de
torga, preso nessa cidade ordenviio mes-
mn lelegado, no dia 3 de Janeiro do cur-
rent? anuo, sendo avallado na quantia de
1:20*9 ; pelo que chama-so a todas as pes-
soas que tiverem direito ao referido ecravo,
para que dentro de 60 dias, contados da pu-
blicaijao deste, apresenlem na collectoria dita cidade sua justificado de dominio, a
qualserA produzda perante o juizo tnuuici-
pal desse termo, e fiudo o pra/.o menciona-
do ser arrematado em hasta publica, jor-
ta do mesmo Sr. collector, preceden lo-se
annuncio do dia e hora em que houver de
ler lugar dita arremela^So, publicando-se
esle edital pela imprensa, e onde mais con-
vier. Collectoria provincial do municipio
de Coianna 30 de julho de 1857.Oescrivao
da collectoria, Luiz de Albuquerque Lins
dos Guimarfles Peixoto.
Pela mesa do consulado provincial se
faz publico aos devedores o imposto da de-
cima, 4 por cento de diversos eslabslecimen
tos, casas de modas, e casas quetomjogode
bilhar, do aono financeiro prximo lindo de
1856 a 57, que conli>.ua a arrecadagSo al o
ultimo do corrente mez, e lindo este, sora
remettido seus dbitos para juizo. Mesa do
consulado provincial, 2 de setembro de 1857.
iheodoro Machado Freir Pereira da Silva.
DIRECTOIUV GERAL DA INSTRUCCAO'
PUBLICA.
Por esta secretaria faz-sc constar a quem
convicr, e interessir, que se aclia vaga a ca-
deira e inslrucco priuiaria do sexo mascu-
lino, da puvoac.iio N. S. do O'do Ipojuca, por
jubilacjSo concedida ao proressor.que a regia;
eque lica assignado o piazo de 60 dias a con-
tar da data deste para a inscripgo.e processo
de habililaQio dos can ii Jatos que a mesma
soquetram o oppor. ftecretariadita 22 de se-
tembro de 1857. ;o secretario, Francisco
Perei-ra Freir.
Pela administraijiio do correio se faz
publico, que por aviso aa secretaria de es-
tado dos neaocios do imperio de 3 do cr-
rente, fra ordenado que d'ora em dianle os
vapores brasileiros proeedentes dos porlos
do ral e norte, s se demoren) nesle porto
12 horas e nao 24 como dtiles era costume.
Correio de Pernambuco 22 de setembro de
1857.O administrador,
Domingos dos Passos .Via-aml.
Tendo o conselho de administrarlo naval de
contratar u fornecnieiil de anoz, agurdente, as.
siear branco, de caiocu, azeile doce de l.rsnoa, ba-
clhao, carne secca, c.fii em grao, farinha de man-
dioca, fe jao, sal, luiiciuho de Lisboa, vinagre, azei-
le de canapato, vclai slearmas, Jilos de sebo, pi,
bolacha, e carne verde, todos lliores qoalidailes, para o consumo da enfermara da)
mariuna, navioi da armada e pravas, quer da burea
de oieavaeio, como do arsenal de marinha, no tri-
ine-ire a lindar em o ultimo de de/embro do cor-
rele auno ; manda o mesmo conielho fazer publico
que ludu islo lera' lugar no dia 3 de outubro proii-
1110, a vista de propostas recibida- al as 11 horas da
manilla, as quaes declure-se o prero fi\o pelo for-
neciineulu de cada um dos ubjeclos.
Sala das sis-Oes du couselliu de administrarlo na-
val, em 21 de selembro de 1SJ7.O secretario, Ale-
jandre Rodrigues dus Anjos.
A administrarlo geral dos estabeleci-
tnentos de candado manda fazer publico,
que no dial.- do prximo futuro mez, na
sala de suas sessOes, pelas 10 horas do dia,
r-untinu'a a prara das casas r.s. 26 e 30 do
becco da Lama, avahadas por 609 annual
cada urna : os pretendentcs dirijam-se ao
lugar e hora aprazados, acompanliados de
seus fiadores, ou munidos de cartas destes.
Administracao geral dos estabelecimentos
de caridade 24 de setembro de 1857.O es-
crivao, Antonio Jos Comes do Correio.
CONSELHO ADMINISTRATIVO.
O conselho administrativo tem de com-
prar osobjeclosseguintes :
Para a botica da colonia de Pimenteiras.
Pu-gante de Le-ltoy, garrafas 3; espi-
rito ao vinho, garrafas 4 : carbonato do Ier-
ro libra I ; ether sulphurico, libra 1; essen-
cia de rosas, onces 2 ; espirito de cantba-
ridas, libra 1 ; llores de borragens, libras 21;
ditas de malvas, libras 2; ditas de sab 11-
gueiro, libras 2 ; iodoreto denotado, libra
1; mercurio doce, libra 1 ; mel rosado, li-
bras 2 ; pomada de saturno, libras 2; pas-
iilhasde iodoreto de ferro do Pudaguel, li-
bra 1 ; pastilhas de ipecacunha, libras 2 ;
sement do marmelo, Iibras2; lattaro em-
tico, ouQa 1 ; tintura de bejoim, libra I ;
dita de quina, libra 1 ; dita de nosvomlca,
011 gas 6 ; dita do pulsatilla, ongas 6 ; dita
de camomilla, ongas 6; dita de acnito, li-
bra I.
Provineia do Rio Grande do .Norte.
Sapatos, pares 318; esleirs do pallia de
carnauba 123.
Meio batalliHo da provincia da Parahiba.
Papel alniaco, resmas 6 ; pennas de gans ;
400 ; caivetes 2 ; tinta preta garral .s 60
lapis, duzas 6; areia preta; libras 6 ; col-
leccHo de cartas para principiante, ejem-
plares 20; taboadas 20 ; gramniaticas por-
luguezaa, por Monte verde, ultima collecg3u
6; compendios de arithmeiica, por Avila 6;
paulase; exemplares de escripia, de tras-
lado 20.
Proviment de armazens.
Papel almago, resmas 20 ; dito de peso,
resmas 5; obieias.massos 10 ; lapis, djzias
5; titila prelo, gairafas 20.
Quem qnizer ven 1er, aprsente as suas
propostas em carta fechada, na secretaria do
conselho, as 10 horas do dia 2 de outubro
prximo futuro.
Sala darsessdes do conselho administra-
tivo para fornecimeulo do arsenal de guerra
25 de setembro de 1857. Jos Antonio Pin-
to, presidente interino. Bernardo Pereira
lo CarMO Jnior, yogui e secretario.
Os bilhales tanto de camarotes como de cadelras a
geral, acham-se venda 00 escriploiio do thealro
de Apollo.
THErVTKO
DE
CMMIB.&13BB.
QUARTA-FEIRA. 30 DE SETEMBRO.
RECITA EXTRAORDINARIA
COSCEDIDA PELA SOCIEDAPE DRAMTICA PARTICU-
LAR, AO ACTOR
<7oaauttn ^/(o/i/ctco <^fbamo Depoia que a orcheslra liver execulado orna das suas
ruelhores oovenuras, ter' lugar a representacAo
da scena dramtica, ltimamente representada em
Lisboa :
OS 1'LTIHOS TOCTOS
DE
Luiz de Camoes.
Finda a srena a Sra. D. Francisca cantar a eugra-
cada ana, arompanhada de croa :
Mtitof.
Fiada a qual o beoeficiido cantar a aria :
MEU YOYO YCSS ME MATA.
Em seguida riprnentar-se-ba a scena cmica, orna-
da de msica :
ler minar o espectculo com o engranado duelo:
OMEIMNHQE A POBRE.
Cantado pela Sra. II. francisca e o beneficiado.
He esle o espectculo que o benei'ir^a-v no retirar-
se pira o Rio de Janeiro, tem a honra de olferecer
ao Ilustrado publico desta cidade, e certo de seu au-
tillo e nunca desmentida prulecr.io, desdeja cun-
f--a-se eternamente grato.
O reslo dos bilhates acham-se venda em casa do
beneficiado, roa da Florentina, portan. As pessoaa
que enroinmendaram camarotes podem procura-lot
al o dia 29 as 11 horas do dia.
Principiara as 8 horas.
Gabinete ptico
ATIR0W|0AJ^N.4.
O director deste saTSo, paiticipa a seus
Ilustres protectores, que n3o podendo sahr
desta provincia, lhes offerece por alguns
dias urna boa e agradavel cxposicSo de vistas
es-colhidas.
Guerra do 0:iente.
1.* A esquadra anglo-franceza, passando
o mar negro.
2. Conslantinopla guarnecida pela es-
quadra.
3. O siilto Adul-Medgi, rodeado de lords.
4 As esquadras alliadas, arvorando o
signal de guerra R' ssia.
5. rnmbardeamenlo de Odessa, os Ingle-
zes botan Jo foguetes a congreve.
6.a O grande bombardeanienlo de Sebas-
topol.
7. Batalhado Mma.
8 Tomada de Bomarsitnd.
9-a Tomada de Mamelo, e ataque da bor-
re de Malacoff.
10." Os verdadelros retratos dos defenso-
res da liberdade da Kuropa.
il. Os verdadeiros retratas das primeiras
personagens do mundo.
12 Destruic3oda torre de llabel.
13.* O interior do palacio de Luiz Filippe
em Paris.
14.a Vista de Valen*1* de llespanha.
15.* Jardim das flores em Paris
16." Jardim 6 palacio de Versalhes.
17.* Entrada do palacio de crys.tal em
Paris.
18.a Napolcao I, bolandoo oculoem fren-
te da catlieJral de Milo na Italia.
O salao estar aberto das 7 at as 11 da
noite. Entrada 500 reis.
&*^.-tfl(*N.
IMelaraeJU}.
Acba-se recolhido a casa de deten lo, o
crioulinho de nome Gaspar, que diz ser es-
cravo do S.\ Jos E nho Gurgucia: quem for seu dono, compa-
reca na subdelegada da freguezia da Boa-
Vista, munido de documentos, que prove o
seu dominio, que Ihe sera eotreue.
Pela subdelegada dos Afoga Jos se faz
puhlico, que foi preso e acha-s recolhido a
casa de detenerlo o prelo Daniel, que con-
fessa ser escravo de Francisco Xavier, e a-
THIATli*
DH
APOLLO.
RECITA E\TR\Olini\\RI\.
QLTNTA-FEIKA 1- DE OL II BKO DE 1857.
A culi), aiilna dramtica dirigida palo artista Germa-
no Francisco de Oliveira, representara' o drama
em 3 actos, do Sr. Men.les Leal Jnior :
PAGEM B'AUIBIRRIITI.
Terminar o eipeclaculo com a graciola a aempra
desejida comedia em 1 acto, oruoda de msica !
Hi>$0x
.
5 i>S.
Para o Rio de Janeiro sabe, com muita
brevidade, o bem conhecldo brigue Sagita-
rio, para carga e passageiros, trata-se com
Manoel Francisco da Silva Garrido, na ra do
Vigario n 17, primeiro andar, ou com o ca-
1 il3o Jos Manoel Fian.
Para o Rio Grande do Norte e Asiu' se-
gu imprcterivelinaiite no da 9 do corren-
te o veleiro e bem conhecido hiato nacinnal
Gastro, or ter parl de seu carregamento
a bordo, c para o resto, trata-se com o seu
consignatario Domingos Alves Malhcos, na
ra de Apollo n. 23,
Pina o Ai* segu em poucos dias, por j ter parlo de
seu carregamento prompto, o hiaie beberi-
be: para o resto e passageiros, trata-sena
ra do Vigario n. 5.
Para Lisboa sahir com brevidade, por
ter parle lo seu carregamento, o brigue por-
luguez Activo : quem no mesmo quizer car-
regar, pode' eiileudcr-se com os consig-
natarios Amoro lrmlos, ra da Gruz 11. 3.
QUARTA-FEIRA, r.O DO CORRENTE.
EXTRAORDINARIO.
Lciliio artstico
de mais de 300 magnilicos vasos de m rmo-
re, agatha, alabastro, porphiro e jaspe, de
modellos anda nSo vistos em Pernambuco,
como corynthios, armemanos, otruscos, ro-
manos, gothicos, de llerculanun e de Pom-
pea. dilTerentes figuras representando a dan-
sa dallellena, a vida desventurada, Ctaopa-
tra o Suzana obras de Chetici e Del'Medi-
co um lindo sortimonto de adornos de
sala e de gabinete, mesas de mosaico, e ou-
tros muitos artigos raros e de gosto, ele.
No rniazem lo aterro la B;>a-
Vlsta 11. 12,
por conta o ordem do Sr. A. Topi, que se
retira prximamente para a Europa.
, 0 AGENTE BOUJa
fara leil3o quarta-feira, 30 do corrente, dos
riquissimos vasos, etc.; cima mencionados,
que serSo vendidos sem reserva algum-.i, en
consequencia da preste sabida do Sr. A. To-
pi, o qual tendo recebido inesperadamente
da Europa os referidos objectos, e querendo
ir para oMaranho, a pedido de multas pes-
soas amantes deste genero de arto, resol-
veu-se a ficar mais alguns dias aqui, e con-
clui-los em leilSo. Dar-se-ha comeijo ao
leiloas 10 horas da manha em ponto, fa-
zendo-se pausa as 3 horas da tarde, e dndo-
se do nnvo principio as 6 horas da larde, a
Itnalisar com a noite.
N. R. Osupradilo armazem acbar-sc ha
aberto a concurso dos visitantes e p'cten-
dentes de ambos os sexos, nfio s durante o
da como a noite, at 9 horas.
REAL
companhia de paquetes
ingleses a vapor.
No dia I de outubro espera-se da Euiopa um dos
vapores desta companhia. a qual, depon do coslu-
me, reunir para o K10 de Janeiro, tocando na Ba-
ha: para passaaena, ele, trata-'e enm os a.enie-
Adaman llowie & C., na do Trapiche-Novo n. H.
DE
M ALGARISMO.
Principiara ai 8 horas.
COMPANHIA
Peraambueana.
Festa de Goanna.
No di.1 :t do prximo outubro sagui para oi-
anua o vapor PERSINUilGA, a levar pis-^eiros
para a fe.la do Orogo, e vollar 00 dii 5 ; la pas-
sag-ns ida e volta: serao pagas na screncia, e cu<-
l'rao 1-iSHIO. Em occasiao opportuna te annun-
ciaia a hora da partida.
I*ara o llio de Janeiro
O veleiro e bem conhecido brique nacio-
nal Laura, pretende seguir para o Rio de
Janeiro at odia 3 de outubro, tem a bordo
metade de seu carregamento, para o resto e
escravos a frete, para os quaes tem excel-
entes commodos : trata-ss com o seu con-
signatario Antonio Luiz de Oliveira Azeve-
do ra da Cruz n. 1.
Para a Babia.
A velcira sumaca Ilortoncia, pretende se-
guir para a Bahia nesles oito dias, tem a
bordo dous tercos de seu carregamento
prompto : trata-se com o seu consignatario
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, ra da
Cruz n. 1.
Cear e Acarar*.n.
Segu no da 10 do mez corrento o palha-
bote -obnl : para o resto da carga e passa-
geiros, trata-se com Caetano Cvriaco da C.
M., na ra da Cadeia do llecife n. I.
( e *r e Maraulirlo,
Segu o palhaboto Venus : para carga e
passageiros. trata-se com Caetano Cyriaco
da C. M., na ra da Cadeia do Recifo o. 2.
PROVINCIA.
O Sr. thcsotifcifo das loteras manda
fazer publico, que estao expostos a ven-
da, lodos os dias, no pavimento terreo da
casa da ra da Aurora n. 2C, das 9 horas
da manliaa as 9 da noite, bilhetes, meios
e quartos, da primeira parte da priineira
lotera do Espirito-Santo do Collegio, cu-
jas rodas nndam no dia 5 de outubro.
Thesouraria das loteras 26 de setembro
de 1857. Antonio Jaeintlio Cesar, es-
crivao interino.
Angelo Germano relira-se para fora
do imperio.
Oflerece-se um sacerdote para capel-
':~p
MAGNETISMO VMM VL.
Curso de magnetismo em tres lices, li-
candn o discpulo habilitado a magnelisar,
desmagnelisar, e a pode-lo applicar como
agente therapeutico as molestias nervosas,
por mdico precn, ra da Cadeia do Heciie
n. 15, primeiro andar. ',Leeciona-se a qual-
quer hora)
Alugam-se 5 ou 6 escravos robustos,
para armazem de assucar : quem tiver, di-
rija-se a ra do Trapiche n. 3, a tratar coa>
Leil
ao.
DE FAZENDAS IH6LEZAS E
quinta-feira, I.- de outu-bro, em seu arma-
zem, ra da Cadeia do Recife n *, de um
completo e mui variado sortimenle proprio
deste mercado, e recentemente despachado
da alfandega, de
Fazendas inglesas e
fraiiCPZris.
Leilao
N
lasdeengenho: quem de seu prestimo qui- C0,'J^VAfons
zer utilisarse, compareca no largo das Cin- t*onal? Jose *onso.
co Ponas h. 130, querellar com quem r"-V.T nhora que annunc.ou no Dta-
r8iiar M u. i| ^10 para Tazer companhia em urna casa, di-
'Na ra de S.Francisco, no segundo ^/f a*"^ios'si^iod9 Aurora ^C.a-
andar da casa que lica por ama do botlquim $' 2T vende-e um Pora de
za e juntamente de urna ama : na ra do L ""/jCJ"l" ^"^ 'ma SS cozlnh,r
Virrorin n i para 4 pessoas, sendo idosamelhor: na ra
viganon. 3. lireilan 95.
Prec.sa-sc de ittn preto forro ou e$- D-se oor 4:000/ duas elegantes mora-
cravo para serviro de nina casa estran-1 das de casas terreas cora sotSo, feitaa a mo-
geira -om pequea amilia : a "tallar na derna e acabadas ha pouco, em chSos pro-
nta ta Cruz n. 10. prios, em urna das melhores e mais publicas
I'recisa-se de um preto fono ou!!?\de!u C^X qnaes P^ntemente
,' so rendem 3/jOOO mensaes : a tratar no nrt-
escravopara o ser viro de urna casa de meiro andar da casa n. 16, por detraz da
campo de pequea lamilla : na ra da I matriz le Santo Antonio.
Madre de Dos n. primeiro andar. "~ Precisa-sede um forneiro, na padiria
viso as anualidadese aos Sesma1>ireiu dos Afogadus: a lr8Ur "
test, iros
Jas Paulino da silva, com casa publica
de vender plvora, na ra Imperial, a ulti-
ma casa pintada de encarnado, a esq.uerd ,
indo para os Afogados e n. 235, alm da pl-
vora que vende de superior qualidade e por
proco milito commoJo, tema^^iBJido na
nieiina casa um dotosito de IVgos dn :
Indas as in.ili,|;. !s, ah achar' pi'ssnas
encarrega.las da. Vajit
Ijies. Vantojda ci-
o arinazeii)
DO
agente Pestaa,
Sexta-feira 2 de outubro o agente Pes-
taa fora' leilao em seu armazem dos se-
guintes objectos de utilidade e proveitoao
uso e frtteto dos compradores, como ror-
diahnente lhes desejao mesmo agente :
lima escrava de 25 a 2( annos, bonita
figura, com una cria molatinho de 7
mezes,
Um cofre de ferro, obra perfeita <; bem
acabada pelo celebre e engenheiro artista
J. F. Blecher.
Bical pedias mormore de Corvntliio,
propraspara mesase consolos.
Cadeiras, soa's, marquezas, camas,
mesase consolos de variados feitios e qua-
idadet de madeiras, como Jacaranda',
amarello, angico, gonralalvesetc.
Candelabros, lanlernas, candieirot de
metal ecrystal. .
Guardanapos de linbo de Guimaiaes
para mesas de alinoro e jantar.
Euma inliuidade do objectos de toda a
serventa para uso domestico.
Leilao
de gneros, hoje.
O agente Pestaa fara' leilao, hoje 50
do crtente, as 10 horas da manha, na
porta do armazem do Sr. Aunes, del'ron-
le da alfandega, tleutna porcao de gene-
ros chegados prximamente, a saber :
Batatas de boa qualidade em saceos pe-
queos.
Barris com carne salgada.
Queijo prato.
Massas sortidas, sendo a maior parte ale-
triaem cautas e meiascaixas.
OOcaixascotn bacalbao de 100 libras
cada tima.
20 barricas com sardinhas-
Tudo muito proprio do mercado, eque
vender-ic-ha a preros commodos para
fechar contas de lim de mez.
gft>'&00 5 *$$$>*.
Estando a confeccionar-se o almanak
administrativo, mercantil e industrial
desta provincia, roga-se a todos os se-
nkoreaque costumam aernelle menciona-
dos, queiram mandar seus noines, mti-
diDca de domicilio, ou outra qualtiuer
lembranca,que sirva para queaeja o mes-
mo lmanak completo: da mesma sorte
roga-se aos senhores de engenho e rendei-
ros, queiram mandaras alteracoes que se
tiverem dado a respeito de suas proprie-
dades.
PEDACOS DE TIJOLOS,
Da-so urna porcao de pedacos de lijlos de
dade como de lor- *",U!,\\ilaTe dA fl,(
que precisarem dt /"'"'i.,,;,,, sed 8C'preci-
so encommendar, ll"Ho ^olt *>*%ai gi-
rndolas de todo 'Vo^jtio, COT2frffl(j ,,
gosto; recebem se,e"co^J^-
de vista e de arma;? cH
qualilales, maulan I 'rOtj."JS-nlta
.juer dtstauci i i|iie si-'t j^fe?j os f(>sjb
ar de armac.lo romo lipo^aiis im ^-.ii<
lugos ae salva, basta farja^'Kommen
ou \ dias antes para se po K aprom
com aceio e gosto o-ipaU a Hrno. O
nuacianle fara todo o stcjfH [ara berri
li.-seiii|iciiliar e s.n vir as M&oas que o pro-
cnrariTii, i- >;- r^spoosabUig pelar qualidade
Fazendas
DE BOM GOSTO.
.. Superiores cortes de seda com 3 orden de
babados, cortes de barege de babados com
muito lindos padres, golinhas brancas bor-
dadas para senhora a 13-280, 10600 o 39..
manguitos bordados para senhora a 3; e \s o
par, tiras bordadas de muito bom gosto a
19500, 25000 o 2500 a vara, pannos de entre
meios bordados a 39 cada um, cassas organ-
dys, mnssulinas, chitas francezas, e outras
militas fazendas : na luja do sobrado araa-
ello, nos qualro cantos da ra do Queiaia-
o n. 99.
do fugo sabido do *^>|
ser fabricado por
deste genero, e b
ricia : quanlo ao
razoavel que Ihe
Aluga-se
da prara. com
urna gran le hai
ra 'ca
nto, por
Tes artistas
ido pela sua pe-
rometto ser mais
fvel.
uilo grande perlo
ipim, NsTCPiP
ara toque
A
RA.
venda assobradada e muito grande, duas co-
rlifins, urna i^ribtftj, casas para escravos
efeitor: ojjtao raer alugar, dirija-sea
ra do OqM p^J'ires, sobrado do Sr. Tho-
maz deja Minto a um portuo de ferro
OS Hrkr Antonio dos Santos Souza
Leao venha faPber de Caetano Pinto do Ve-
arta viuda do Rio de Janeiro
Who dia 28 corrente, o oscravo de
el, levou camisa branca, calca de
liras, e com os signaes soguinles :
'regular, cor fula, ps apal.ietados.
Iiarbaponteira ; conUa que anda vagando
as ra desta ci lade, por isso pe.ie-so as au-
toridades policiaes, que o peguem, e levem-
o a ra Direila n 26, que se gratificar bem
- OlTerece-se um homem para caixeiro
do engenho, para casa de purear, sendo para
o sul : na travessa de Sariga Ion. I.
Fu gira m na noile de 23 para 9 i do cor-
rente, do engenho Espirito Santo, sito na
Ireguezia de S Rita da Parahiba do Norte,
os escravos segiiiules, pertencentes ao abai-
so assignado : Corgonio, de idade de 25 a 30
annos, lilbo do Sin l, mulato ac, alto cir-
po cheio, cabellos carapinhos, rosto redon-
do, nariz um pouco chati, olhos prelos,
bocea regular, denles aberlos, bracos e per-
tas grossas, pouca bar'ja e ruiva, os cabil-
los da cahega nao s3o muito pretos, rosto,
m3os e ps muito sardentos, loma tabaco e
fuma, psgrossos e largse nlo muito com-
pridos, tem umi verruga na junta da mio
direila, polo la Id de fora e est bastante
crescida, a ti Ja limpo, e gusta de divertimen-
tos, levou chapeo debala e sapatos bran-
cos, he dado ao jogo Manoel, mulato, idade
de 18 annos, estatura regular, rosto com-
prido, olhos agitados, e passa um peloou-
tro. cabellos lourose crespos, nariz afiladu,
oocca grande, beicos grossos, denles gran-
des e aberlos de pouco, pescoc/i grosso a
comprido, cheio de cibellos, braros e per-
nas grossas bastante arqueadas, de andar
banzeiro, ps muito grandes e gros tem alguns bichinhos, he molle, e bestunto.
Corgonio fui vendido por Manoel da Fonseca
Mello Vicente Tavares do Mello, e este ven-
deu ao abaixo assignado o dito escravo ;
Manoel foi escravo do ctpiUo Mmoel Joa-
quim de Araujo, morador em Boa-Vista, e
foi vendido ao abaixo assigoado por elle
mesmo. Engenho do Espirito Santo, 24 de
setembro de 1857. Luiz Ignacio Leopol-
do de \lbuquerqtie MaranhSo.
Furtaram do abaixo assignado, no sab
hado para o domingo, 26 para 27, da casa
de sua residencia, ra da l'raia de Santa Rita,
um palito lo panno preto fino,urna cale. le
casemira alvadi um cutate ds gorgurlo de
seda, um chap.) de sil.de soda rdxa, 1 pe-
ca de lita de 13a de fazer silln, e outros ar-
ranjos de casa tu lo em bom estado; a por-
ta estn lo fechad, julga-so ser por cima do
muro, a lita heprovavel, que vilo otlerecer
aos selleiros : roga-se a quem for offerc-
cido qualquer destes objectos, apprebender
ou dirigir-scao trapiche do Ramos, quesera
graliflcado-
Luiz Canudo Ferreira.
-- Precisa-so arrenlar um sitio nos lu-
gares seguiutes : eslra la de JoSo de liarms
Itosannho, Halem, Arraia c Alllictos, pro-
alvenaria a quem o quizer mandar carregar : | faetto-se dar bom trato : quem liver, dii i-
uo sobrado novo da rva das Cruzes perto Ja"se a ruada Cruz do Recite n. 29. que dir
Corte; de
13 a ii van
prego de W c'
do QueimadoJ
n. 29.
.-.0-.100
No dia 27 do
abaixo asaigostio o e
Pedro, o qual tem os s
pceza de babados, com
'te, pelo baratisstmo
ra acabar : na ra
sobrado amarello
So.
o da casa do
lo de nome
uintes : es-
o, j tem lias1
desta typographis.
Precisa-se de um feitor que entenda
de plantacoes : no sitio do Chora-Meni-
no, fabrica de rape.
- Aluga-se utna escrava, que tem al-
gumas habilidades, muito prepria para tra-
tar de alguma criani;a, por ser de muito bom
genio: quema pretender dirija-seao largo
da Assemblea u. 12, segn lo ou tercairo
andar,
quem precisa.
Compra-se urna carroca para cavallo,
com lodos os seus pertences, ou sem olles :
quem a liver, dtrija-se a ra do Rangel n.
49, ou annuncie.
Quem for dono de nm carneiro gran-
de, queappareceu na ra Imperial, prove-o
perante esta subdelegacia, para Ihe ser en-
tregue.' Snbdelegacia de S. Jos do Recife
29 de selembro de 1857. Accioli, subJele-
gado supplente.
TJ, w.? \^J?~* C!,a.,,oos A ~ 'W^ comprar um carro de ro-
das, com seus arreos, proprio para trabi-
lharcom um boi, que esteja em bom esta-
do ; na ra da l'raia, taberna n. 27.
Bichas tle liaiubiirjfo.
para senhora, turbantes para mogas, e tocas
para crlangas, por preco commo.io.
Da-se diuheiro a juros em pequeas
pon,es, at 800 rs., sobre penhores de ouro
e prata no becco do Dique n. 7, a toda e
qualquer hora achara a pessoa, que os d.
Precisa-se de urna ama para andar se bichas, e applicam-se ventosas*, seccase
iTTl lima naiariA* > >.,.*.... I .. /"'_I1J-!_1_!___ a__1^J_ ____ *
Em frente a matiz da Boa-Vista, alueam-
tatura regular, baslaule
tanles cabellos brancos, tanto na* cabeca co-
mo na barba, levou calca de brim de qua-
dros e camisa de madapolflo, mas talvez te-
tilla muda lo de roupa pirque levou. mais
alera da do corpo, falla bastante descansado
e por entre os denles ; julga-se que lera ido
para Caranhuns por sor natural desse Jugar,
e de la ter vtnlo para ser ven Ji Jo nesta pra-
Qa : roga-se, portanto, as autoridadese ca-
pilesdecamao, a apprehensSo do dRo es-
cravo, e man la-lo l?var nesta cidade a seu
senhor, na ra Imperial n 173. ou em Cara-
nhuns ao lllm. Sr. Manoel Jos Mendes Bas-
tos, que se gratificar com a quantia cima.
Recife 29 de setembrn da 1857.
Joaquim Lu/, dos Santos Villaverde.
Quen se quizer incumbir de criar
urna crianza imDajJida, a qual tem mezes
Je Ja le, annuncie por esla folha para ser
procurada.
AUeiic;V>.
Desappareceu da praga da Boa-Vista, bo-
tica n. 24, no da 26 do corrente, um cachor-
r > d'agua, co q os signaes seguintes : muito
grande, orelbas casimbas, e estas muito
grandes que excede o focinho, a cauda mui-
lo curta, com a I a cortada assemelhaodo-
se com um leSo, com um talho no olho di-
r-ito, e alem disto castrado : roga se a pes-
soa que u ichou, ou delle der noticia, diri-
j :-se a mesma botica, que ser han recom-
pensado.
Quem tiver e quizer alugar um molo-
quede 16 a 20 annos, que seja activo, diri-
la-ss a ra Nova, loja de chapeos n. 44, que
acaar com quem tratar. .
is-A 280 rs. a libra.
Cliigiram ra do Collagio n. 5, ai sigiiintai
manai pira aopa : macarrao inleiro, dito cortado,
macarrouela, lalheriro, lallirrinele, povete, e-trtli-
nlia, continlia, Imli .qh, pevide e arfolinha, lado a
280 r*. a libra, a a quem lomar eaiaa fai-ia algum
abalirnento, pira no aa cliama#attenc.ao daa casal
parlcoUrii, pnr jue em oulra parle nao se acharo
aitai prchinchu, aoda mesmo a troco de cdulas
velhai, lia ciiai com duu a qualro {aalidadei de
manas.
Precisa-se de um cai\eiro de 12 a
15 annos de idade na ra do Apollo n. 6
I.- andar.
Ernesto Schramm, socio gerente da
casa commercial Scliaramm Wliately &
C, retirando-seda mesma, fica extincta
a sobredita firma desde hoje, 30 de setem-
bro de 1857, continuando a gyrar a casa
debaixo da lirma nova de VVhately Fors-
ter iS C, entrando nella como socios os
Srs. Thomaz Forster e Joao Henrique
Krabbe, o primeiro dos quaes dirigir' os
negocios desta prara, ineumbindo-se a fir-
ma novada liquidarlo da extincta.
Millio.
Vende-se milho superior em sacois
grandes, no armazem do Sr. Luii Aunes,
defronte da alfandega, oua tratar na na
da Cruz do Kecife n. 27, cscriptorio de
Antonio de Almeida Gomes.
Vendem-seca8aesde pombos batedo-
res de ptima raca c por preco coiniuo-
do : no im da ma do Cotove'llo n: 56,
portao de ferro.
i
OSQB
com urna crianza :
taberna n 60.
na roa do Caldeireiro,
A pessoa que annunciou precisar de
um cont e reis, dirija-se a esla lypogra-
phia, que se^dir quem d, ou annuncie.
Aluga-se a casa terrea sita na ra
da Praia, pertencentc ao patrimonio da
veneravel ordem terceira de S. Francisco
desta cidade do Recife, cuja casa te
Foi transferido o deposito deste xarope
para a botica de Jos da Cruz Santos, na ra
.Nova n. 53, garrafas 5J500, e meias SaOOO.
sendo falso todo aquelle que nilo for vendi-
do nesle deposito, pelo que se faz o presente
corles! PORTANTE PARA 0 PLBLICO*
e olam-saouvtdosem espingardas. para cura de phtvsica em todos os seos
\ende-se um cochicho, o um casal de; dilTerentes graos, quer cCntivatia por cons-
canario do reino, e dous lillios muito can- tipaches, losse, astbma, pleuriz, escarros de
ladores : no atorro la Ros-Visla n. 8G. sangue, dor o costados e peilos, palpitaSo
--- No armazem de Hemeteno (t IrmSos, no coracSo, coqueluche brouchitc, dr na
def onte do trapiche doalgolo, vende se, garganta, e todas as molestias dos org.los
feljSo branco, mulatinho e de corda a 11-5)00 pulmonares.
sjoo res. ... Roga-se a Sra. 0. Dionizia Francisca
eio bilhele da II lotera do Rio do Souza, natural da villa da Barra, no Rio
commodo para qualquer estabelecimento 'Jft Janeiro n 816 qua man lei vir, pertence de S. Francisco e provincia de Pernambuco,
e morada ; os pretendentes dii ijam-se ao ,0J.JKf? Car.n,r, dJ U d0 Sobral- u a seus herdeiros, que venham ou mandern
Recife -29 de setemb o de 1857. receber a parte que he tocn do ospolio de
Francisco Tiburcio de Souza Noves, seu marido Jos Seabra l.emos fallec !o nes-
Precisa-se de utna escrava para andar la corte. Rio ue Janeiro 6 de agosto de 1857.
com urna criatica de u.n atino : quem qui- p.ninn i\s VIPTAlall
zer alugar maule na casa junto ao moiuho LIUAl'li uk Tlulutlill
de vento, po-traz da ig-eja de Santa Rita. No pateo da Matriz, na luja de cera da
\ende se umescravocrioulo.de idade, frente azul, estu expostos ven la bilbelos
pouco mais ou menos, 25 annos, hornear- ,! t las as loteras da provincia, e pagam-
ir"m ri?C'SC0 t r!r *'* Cluad3c j rc,r0 :. n"em o quizar procure no aterro da so todas as sortes que sahir.-m nos bilhetes
sileiro. retiia-ne para fora do imperio. Boa-V.sla, sobrado n. 5, primeiro andar. I que foreui vendidos na referida casa.
carissimo irmao ministro Joo Tavares
Cordeiro. na rita da Madre de Ueos.
- Precisa-se de dous amassadures : ha
padaria do Forte do Mallos ; paga-se bons
ordenados, agradando seus servicos.
--- Precisa-se da una pessoa, que ailn
cozinhar : na ruado llusuicio n 15.
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO

ILEGIVEL MUTILADO





DIARIO DE PERNAMBUCO QUARTA FEIRA "0 DE SETEMBRO DE 1837
COISULTORI HjflPilHICO
DO
Onde seacnam sempre os mais acreditados medicamentos, lano em tinturas como
ni glbulos, e preparados cora o maior escrpulo e por precos bastante commodos
PRECOS FIXOS.
Botica de tubos grandes. 10/000
Dita de 2* 159000
Dita de 38 > ... 209000
Dita de 48 ... 259000
Dita de 60 ... 30900
Tubos avulsos a....... 19000
Frascos de tinturrademeia onga. 29000
Manual de medicina homeopathica do Dr. Jahr com o dic-
.? cionario dos termos de medicina ; .
Medicina domestica do Dr. Ilenrv .....*.",**"
Tratamento do cholera morbus.....
Repertorio do Di. Mello Moraes
2O0Oi
10/000
2/000
6*000
' PF.DRAS PRECIOSAS- 1
I S
Aderemos de brilhanlct, jjj
* diamantea e perolai, pul-
n-ir.is. alfneles, briucos $
?; a roalas, botoea a ,-inneis g
* de dilTerenl aoslos e da 3j
5 diveriai pcdraa de valor. <*
* Si
m
9S Compram, venden, od &
Jj trocan, prala. ooro, liri- $.
Ihanles.d'amanleie pero- g
* las, e T>iilr.is quaesqaer &
joiasde valor, a dii.lieiro J
W vu por obras.
6 %
m t
iw* di m\m
Rua do Cabuga' n. 7.
Recebem por to-
dos osvapresela Eu-
ropa asobr isdo mais
moderno gosto, tan-
to de Franca como
* s *s*a8 ? :.*;*>> > .*. s> >.
* OURO E PRATA.
$ Aderer.ua complelu da '.".
hi ooro, meios dilos, pulsei- <
$ ra, alfinete, brincos e 7
s rzalas, cordoes, trancel- %
\t lins, medalhss, correntrs
j*j e enhiles para reloaio, e
$ muros mailos objeclos de j|j
i*; ooro.
JI Aparelbos corDpletus de j?
-+ prata para cha, bandejas, ?'
(j salvas, eoslicaes, colheres $
jgj de sopa e de cha, e un: i gjtj
S los nuiros objeclos de j
% prala. |
de Lisboa, as quaes vendeja por
preeo commodo como costumam.
jmmmwmmmsEBgfGgm
" brande arinaiem de
i'oupa feita.
RUAM,UV49.
\pL junto a igreja da Cor.ceicu? res.
Nesle estabelecioienlo encontrara o publico oaa g***la orlin),M\l ^e, oupas fpj-
'. como sciam : ca*ari*. *< lirpntsara.;. pmidnl... flanes .. .uti4 0? ',,,,, i:.,
r ,\iV<> a' pauo lino
,10* de .Tpaca, dilos
hrc '* c'"t,<
' ..Mr-. ililri<
l*. como spjam : eaaca, soorecasacas, entiblas, "fMW-
nrelo e de cores, ililos .le merino selim, dilos dt iMrjiBf'xa
da seda cor de palha, dilos Iranrcza e ditos d* hrlln t ?X miuco e '"' riir^S dilos
de riscado, calcas de casemirn prela e de cores, dilai n> n, JktWio'. dilas de me-
rino, ditas de princeza, ditas de hrim brneo'^ cerp, dilaJ^^eaga franceza, ditas
de riscado de linho, colleies de velludo prel de cores, dslo?W58orgnrao, dilos
de casemira liso bordado, ditos de selim brai.cn bordado para cabimento, ditos de
dito preto bordado e liso, dilos de merm bardado e liso, dilos >la brim da linho e
foslao, camisas fraucezas, clupos de fellro,ditos pretos deaeda, dilos de castor
branco com pello e rpalo, givalai tav^s iio lodaaaiqialidades, no me-nio
aprompla-se qaalquer encominrn la om i huras, cm di*) do armazein, para o
que tem escolhidos pannos linos prelos e de c res, raseintrai pratai e de cores, vol -
ludos, l.r.....le linUo.ami-es e oulras muilas fjenlas : as pesioas que compraren!
nesle esl.ibelerimeata-Searlo aali-reitissiinas, lano na qoalidade da faxenda e l.em
acabado das obras), coila as rcmmodidade do pre(o.
DEPOZITO DE R4PE PRINCEZA DE
MAKYLWD.
He chegado pelo vapor Iguarassu este no-
vo rap-, fabricado no Ceara, pelo Dr. Marcos
Jos Theopbilo, a sua boa qualidade e exce-
lente aroma, agradar os amantes da boa
pitada, evende-se por prego commodo: na
ra da Cadeia do Recife n. 29, primeiro
andar.
O labellio Portocarreiro est encarre-
gado de promover a venda de um predio
nobre de dous andares, perfeitamente aca-
bado, com muilos e excellentes commodos,
sito em urna das principaes e roelhores ras
desta cidade quom o pretender comprar,
dinja-sea ra estreita do Rosario n. 25, a
enlender-se com o mesmo tabelliSo.
Acha-se recolhido casa de detencSo
o preto Manoel, que diz ser escravo de Ma-
ximino de Barros Paula, o qual fra preso a
ordem do subdelegado da Ireguezia de San-
to Antonio, por ser encontrado na na ue-
poisdas 10 horas da noitc, sem billicte de
dito seu senhor.
Alugam-se 2 casas terreas sitas no lu-
gar dcSani'Anna do dentro, com bons com-
modos, e o lugar he o mais saudavel para a
Mude : no paleo de S. Pedro n. 6, segundo
andar, achara com quem tratar.
-- Precisa-se do urna ama de leite : na
ra da Senzala Velha n. 56.
Precisa-se de um socio que entre com
o capital de 1:000a para um negocio que dei-
xa do lucro para mais de 20 por esnto ; no
qual uSo ha fiados, e o mesmo socio nao
tem trabalho algum com o negocio : a quem
convier annuncie.
Lotera
DA
Provincia.
Aos 5:000j000, 2:0005000 e 1:0009000.
Primeira parlo da primeira lotera do Divino
lispirito Santo.
O abaixo assignado tem exposto venda
os seu felizes bilhetes, meios e quartos da
luteria cima, os quaes nSo estao sujeitos
ao descont dos oito por ffenlo da lei, na
praga da Independencia ns *, 37e 39 ; e na
ra da Cadeia do Recife n. 45, esquina da
Madre de Dos.
O mesmo vendeu os seguintes premios da
ultima parte da segunda, e primeira da ter-
ceira lolcria do hospital Pedro I.
2 quartos Numero 202
Lotera
1>A
provincia.
Aclia-sea venda as lojas ja contiendas
do respeitavel publico os lelizes bilhetes
rubricados pelo abaixo assignado da pri-
meira paite da primeira loteria do Divino
Espirito Santo, cuja extraceSo he no dia
> >ie outubro.
P. J. Lnymc.
FIACAO' E TFX1D0S DE ALGODAO'.
Os socios garentes da sociedade Fundado-
ra da fabrica de uarjfioe tecidos de algodao
fazem publico, que tem justo o contratado
a compra po' 16:000?, no estado em que ho-
je se acha, do sitio da estrada de Joiio de
Barros, pertencente aos herdeiros da finada
D. Mara Francisca de Almeida, e do linado
coronel Francisco Mamedc de Almeida. Se
alguein tem alguma reclamado a fazer so-
bre o dito sitio, queira dirigi-la por carta ao
escriptorio da sociedade, ra do Trapiche n.
H, no prazo de 15 dias. da data dcste. Re-
cife 2* de setemhro de 1857.
A viuva de Vicente Alvos de Souza
Carvalho. estando inventariando os bens d
seu casal, avisa a todas as pessoas que tivo-
reo contas com seu fallen lo marido, quei-
ram aprescnta-las ate o da 10 de outubro
vindouro, no escriptorio da sociedade, junto
a AssociacSo Commcrcial. Recife 2* de se-
tembro de 1857.
Claudina Senhonnha Vieira do Carvalho
- Precisa-S de um trahalhador de mas-
seira : na padaria do pateo da Santa Cruz
n. 6.
Ao barato.
0 PREGUE ESTA QUEI
MANDO.
VSJOfcSS
1 meio
1 bilhete
1 quarto
1 dito
1 nicio
1 diio
16*
1516
20
3027
2159
170
1:0005
2003
100S
40|
40.-.
*o.;
40?
-5.
Xa fiinfjiqio ""de
do solventes forros ou escravos,
servico debaixo ae cobertn.
I DENTISTA FRMCEZ. %
'^ Paulo (jaignoui dentista, na .Non n. il : *;'
na mesma rasa tem agua e pus .lenlrilice.
Aur^ Precij.^ 4BWfJJA Di) TABELECI-
MENTO DS PIAR i S DE
J. VJGNES.
J. Vignes mudou seu ostabelecimento de
pianos da ra larga do Rosario para a ra
da Cadeia de Santo Antonio n. 23, junto da
^^- un nicgiua iaao ic tu ci-it n t f/if usiiittiii.. ^y < n ( u ilp
intiv i iris .
JOHN GAT1S,
corretor geral
E A&KNTE DE LEILO'ES COMMERUAES,
n. 20, ra do Torres,
I PRIMEIRO ANDAR,
praca do Corpo Santo
RECIFE.
ACEIO E PROMPriDAO.
Na ra das Cinco Ponas n. 136, lava-se c
engomrra-se com aeeio e proniptidSo, e to-
ma-se algutnas'frcguezias.
il
KJasadesaucie
O Dr. Ignacio Firmo Xavier es-

Os abaixo asslgnados, com Ioja do ourives
na ra do Cabuga n. II, confronte ao palco
S labeleceuein sen sitio da I'assajem ^ ra do Cabuga n. II confronte ao palco
C! a ai i i < Ss i8 matriz e ra .Nova, fazem publico, une
*g da Magdalena, que hca ao norte g estao recebendo continuadamente ma*
i ponte grande g* novas obras de ouro, tanto para senhora
como para homens c meninos : os precos
continuam razoaveis, e passam-se cocas
com responsabilidado, especificando a qua-
lidade do ouro de 14 ou 18 quilates, ficando
assim sujeilosos inesmos porqualquer du-
vida. Serarjhim & lrmao.
COMPANHIA PERNAMBUCANA.
zea pequea do Chora-Menino, ex- f
Jff cellentes acommodacoes para re- v
2 cebei* todas as pessoas enfermas @
'l que se quizerem utilisar de seus @
^ serviros mdicos, os quaes serao @
'^ prestados com o maior esmero. @
O mesmo Dr., para o liin supra-
?> indicado c para exercer qualnucr
outro acto de sua profisso den- @
(^ tro ou fra desta cidade podera' $j$
?,';$ ser procurado a qualquer hora do e^
S dia oda noite, no referido sitio, $4
a excepcao dos dias uteis, das 9 @
@ horas da manha a's 4 da tarde,
que sera'encontrado no primeiro
@ andar do sobrado n. 9, ao pateo @
@ do Carino. f
SEGURO CONTRA FOSO.
Companhia Alliaoce.
Esul>alecida cm Londres, em mar^o da 1824.
Capital cinco milhes de libras eserlinas.
Saunders Brothers & C, tea a konra da ..
'.Tmn,-3J.7,rSf I"!188' Ptr-PrTr0S deMSM' i Pode"drisir--,e aVoa cTor<3aari"e7. ^SSTS,
a a que* mais convier qua estao plenamenta au- que achara' com quem tralar.
lorisados pela dita companhia para ffeetuar segu-
ros sobre adiecios de tijolo pedra, cobertos da
tllia e igualmenMsobre os objectos queconiiveretn
A direccio convi la os Srs. accionistas de
aeces da nova emisso, a realisarem a sua
ultima entrada de 40 por cento at o da 30
do corrento setemuro, pdenlo nessa occa-
sio receber por troca dos recibos em poder,
as respectivas apoliecs no escriptorio dos
Srs. Viuv8 Amorim & Filho.
Precisa-se de urna mulher de mcia
ilade.de boa conducta e sem lilhos, para
tomar conta de urna menina de 2 annos, e
fazer algumas costuras ; a tratar no campo
do Hospicio junto ao quartol, casa do do-
sembargador Mendes da Cunha.
Precisa-se de urna ama de leite e outra
para eczinnar e fazer todo o mais servico de
casa : na ra do Caldeireiro, taberna n. 60
Preuisa-se de um caiieiropara ajodar a ou-
tro no balcOo e qoe saiba ler e c- -rever para sabir a
~> ..,..o. cobranjas quando for praciso, preferindo-se o que ja
konra da in- "vu'r Pra"eil de aiieiro de padaria ; aquello que se
..: j_____! achar as circumslancias e der fiador a saa conduc-
os masnos edificios quer consista ara mobilii ou
en fazandas de qualquer qualidade.
Lotera d$ pro-
vincia.
O aluixo assignado vende bilhetes ga-
rantidos pelos precos abaixo notados, em
quantias de 100SOOO para cima, a di-
nheiroa vista, erasen escriptorio, na ra
do Collegio n. 21, primeiro andar.
Bilhetes 5$.")00 recebe 5:000,9000
Meios 2.S750 <( 2:500s000
^Quartos 1^250 1:250$000
/*. J Layme.
-- Na |rua dp Trapiche n. 17, escriptorio
pre-cisa-se deum preto para criado
Os administradores da massa Taluda de
D. Candida Mara da Silva Lima, viuva de
Delphino G. Pereira Lima, convidam aos
credoresda mesma a apresentarem seus t-
tulos dentro do prazo de 8 dias : na ra da
Cadeia do Recife n. 38, afim do serem veri-
ficados na forma da lei. Recife 21 de setem-
bro de 1857.Joaquim Jos Silveira ck C.
Soulhall Mellor&C.
Precisa-se continuamente de officiaes
de atraate para todas as obras : na ra Nova
n. 52.
U AD0LPHE B0URGEQIS.
Kutt Ni,va n. 61,
vend lodos seus cairos com boas parc-
Ihas, igualmente o sobrado, tudo junto
ou separado.
- Precisa-se de urna ame forra on cap-
tiva, para casa de pouca familia, que com-
pre, cozinhe, engomme e faca todo o servi-
co de urna casa : quem estiver Inestas cir-
cumslancias, dirija-se a ra de Moras n. lo,
para tratar do ajuste.
Precisa-se para urna casa estrangoira,
!,..,.:,. | aiouisa-so para urna casa esirang'-ira,
m"erando dernl? Qn i q,!.lzer ^?nuuz,r'' de. a,uar uma Pre' de boa conducta, que
ZS-urLa} >e calic. para, saiba engommar e fazer algum servido de
"t-lT:-"?.I."^,.e.*10 n'12' atrt'- ca*: 1" "ver, dirjase a ra da Cruz
-------------------- .--------------------------. .^,n i
com Francisco Jos Lene.
lotera
DA
provincia.
H_ ceros caneuos ; assim como po imperial de
O abaixo assignado vende a dinheiro a vis- i ;r'< de foreDCa para brotoejas o asperida-
ta sondo da quanlia de 1005 reis para cima 'Jes1 osseus muito felizes bilhetes, meios c quar-, !?.a Pr'"iorosa da vida.
a. 4, casa de N. O. Bieber & C
Aluga-se o sitio chamado de Chacn,
na Casa Forte, e que pertence a massa falli-
da de N. M. de Seixai : a tratar no escripto-
rio da administraeflo na ra de Apollo n. 6.
Ha chegado a loja de Leconte, aterro
da [loa-vista n. 70. escolente lei'te virginal
de rosa branca, para refrescar a pelle, tirar
pannos, sardas e espinhas, igualmente o a-
famadoolco babosa para limpar e fizer cres-
cer os cabellos ,- assim como po imperial de
vrin .In I-l..-__________________ r ..
-,-------- .-'v i..,., i'iua s-iiirn,
os seus muito felizes billetes, meios c quar- \
tos pelos presos al.aixo mencionados, b ~. "*? d" (:llegio o Sr Cyprianno.Ie
ru.i da Cadeia do Recio n. 45, esquina da I ,, crro da Boa N lsla na Pdaria do Sr.
Madre do Dos: ueirii, se dir quem da um contode ris
5?50O recebe 5-000 iou mcnos com bypotheca em casas terreas
2s750 1-5003 ion brmas a conteni.
13375 n 1-2503
Bilhetes
Meios
Quartos
-Ko dia 26 do corrente mez perdeu se
Por Salustiano de Aquino Ferreira "a r1IDeirndo Pcxe um saquinho de chita
Jos Fortunato dos Santos Porto' com nres Ja desbotadas, tendo dentro
|uns papis que so serviam a seu dono :
J-ianciie - N.ru.tr,Ud'RoM;o.17..'SnS,dor.U1 I'"*" "' *8' ,U8 *'*
cZ o mioda.creio St? 6 -l T "nlhe ~ Andr "e kbno Porto declara Pr te
comomaioraceopossivel, pois ah seacha que nunca teve sociedade nem lrma oue
raoquetiademelhor no mercado, e a toda nao fosse o seu propionome cima derla-
hora do da estar aberlo n,ra quem quizer rado. Recife 28 do setemnro de 1857
provar o que he bom ; ta.^jem se precisa de -
Compra-se efTectivamon'3 na ruadas
Flores n. 37^j)ivmoirO andar, aRolices da di-
vida publiceprovincial, acsd*sdas COmpa-
nhias, e da-se dinheiro a jurot^ em grandes
e pequeas uuantias. sobre ognhores.
Compraaiseefrectivamenle pngos de
velas de carnau*r" *M NM do Vigario n. 27,
deposito de assucar,
Compra-se uma carrosa em bom esta-
do, para cavallo e mesmo com ello : no caes
do liamos, sobrado nico de um andar.
Compram-se 12 cadeiras, 1 sof ou
marqueza de palhinha, 1 mesa de escrevor
com a cadeita de 2 bracos, 1 par de mangas
de vidro ou lanternas, 1 par de bancas ou
consolos, ludo junto ou em separado : quem
os tiver va a ra do Quoimado n. 43, ou an-
nuncie.
O descont ser pago na ra da Cadeia do
Recife n. 45
Por Salustiano de Aquino Ferreira,
Jos F'ortunato dos Santos Porto.
Precisa-se alugar um preto para ven-
der fazendas com.o Uholeiro pela ra : a
tratar no aterro da Boa-Vista n. 29, loja.
No alerro da Boa-Vista, loja d ; barbei-
i n. 51, de Cynaco Alves de Jess, ha vi-
droscom remedio do dentista que ha pouco
-i retirou, o que lira a dor dos denles por
ais forte que seja, com uma grande rapi-
BZ, o qual j tem sido por muitas pessoas
experimentado.
Precisa-se de um pequeo de 12 a 14
nnos paracaixeiro, que d fiador de sua
conducta, e bom ser que tenha alguma pra-
"ca do commercio, prefeie-se estrangeiro
u de outra provincia, ou mesmo de fra da
idade: na ra do osario.n 39 A.
*9 Js<- oDCalves terrena Cosa lem duas 3
casas pars slaRar em Sanio Amaro, ao p d,i J
_ rundidlo: a (raiar com elle a qujluucr hora, 55
em casa.
Lotera
DA
Provincia.
A favor das obras da irmandadu do Divino
Espirito Sanio.
Aos 5:0003 2:0003 c 1.000?.
Os abaixo assignado, tom expostos a ven-
da, na sua loja 110 p trro da Boa-Vista n 56.
e as casas do costume, os muito felizes
bilhetes, meios e quartos da primeira parte
da primeira luteria da irmanda le do Divino
Espirito Santo, a qual corre no dia 2 de ou-
tubro, cujos bilhetes sao garantidos, e sen-
do porso de 100? para cima a dinheiro, pe-
los seguintes presos :
Bilhete 5300 recebe 5:000>
Meios 2-3750 2:5003
Quartos 13375 1:8508
Silva CoiroarSes & c.
Precisa-se de urna pequea casa com
jni-dim, que tenha bastante comtnodida-
des pura dotis moros soltciros, e que es-
teja periodo Recife, preferindo-se os lu-
gares seguintes: Soledade ate Mangui-
11I10, Capunga e Santo Amaro : quem ti-
ver dirija-se 110 arma/.em da rua da Cruz
n. II.
Lotera
DV
proviocia.
Ultima parte da segunda e primeira da
lerceira do Hospital Pedro II.
Nos bilhetes rubricados pelo abaixo
assignado foram vendidas as seguintes
sortes:
Nums. 580 2:000,8 > meio.
202 1:000$ 1 quarto.
2780 -nos 9. quarto*.
081 100,s bilhete.
287,0 lOO.s 1 meio.
1238 Mg bilhete.
.",027 40,s 2 (juartos.
"ilftr, io.<{ 2 quartos.
2*74 OS meio.
0 \' 5'0 40s I meio.
A. garanta dos 8 por cento do imposto
geral he paga no c scriptorio da rua do
Colleo-ion. 21.
>&*&(&*
P. >i L ym?.
l\ovo
sortimento de borzeguins rancezes para se-
nhora, ditos para homem, ditos para meni-
nas, sapatoes, sapatos de diversas qualida-
des, ludo dos mtlores fabricantes de. Pars,
e presos maisj baratos: na rua do abuea
loja n 9
J2^
*P> ", **V ^V f\
.r.i:-. .-
um caixeiro : quem
com o annunciante.
quizer procure fallar
- Aluga-se para escriptorio, o primeiro
andar da oasa da rua da Cruz do Recife
o
Cri -...- chapeos im rua Nov.i n. t, acaliam da re- @
;\ ceber pelos ullimos navios cheRadoi do Ha- .-:-,
Jvre, ricos chapeo de seda para icnliora pro- :i'
prios para passeio, dilos do filtro para mon- VS
^ lana, ditos de palha enfeiladfs para meui- 'i
nos e meninas, dilos de fellro para dilo, ,
? barretn de palha anfeiladas o melliorgoE- @
;'-. lo posaivel, barretea de ptlh.-i enf.itados e ('A
Z simplrs para meninos, soptriores chapeos de 8
'-.' CMlot brancos e prelot, rapados e com pe- 5i"3
i$ '> "i'0 d w^a o mrllirr qoe tem vindo ao J$
;> mrcalo ; e oulros muilos variados sorti- S
W los, que promeltem vender mais barato que '<$
V^ em outro qualquer parte. ?
- Na rua do Crespo n. 17, trocani-se
moedas de ouro de 16JO0O por notas gran-
des, e compram-se moedas de 500 rs. a 2C00O
com premio.
-- Vendcm-se saceos grandes com mi I lio,
leijao iiul-iiinho e fannha : na taberna
grande ao lado da igreja da Solcdado.
A'cite :> pc.xo.
Vendem-se na rua do Trapiche n. 8, bar-
ns com azei'.e do pcixe, chegado ltima-
mente na balieira americana Charles Ednard
Vende-se ima mulatinha pesa com h-
bil! iaJes, uma negra de 20 anuos, crioula,
com habilidades, c duas negrinhas de 11 pa-
ra 12 annos. bonitas figuras : na rua do 14-
vramento n. 4. Na mesma casa ven lo-se,
compra-so c se recebe de commissio.
Vende-se um bonito mulalinho de 12
annos de idaie, proprio para pagem ou para
algum ollicio, por preso commodo: na rua
da P.aia de Santa Rita, cssa do Antonio da
Costa Reg Monleiro : quem quizer, dirija-
se quanto antes, que o annunciante retira-
se muito breve
--- Vendem-se 28 duzias do formas para o
fabrico de velas de carnauba, por barato pre-
so : a tratar na rua da Palma, alraz da igre-
ja de N. S, do Carino, dufroule do torreo, e
a pesso?. quo as comprar, se cnsina como se
Tabricam ditas Telas.
--- Vendem-se e mesmo a prazo as maio-
res partes da azendade Santa Cruz ou Roa-
Vista, co o 2,004 brasas de largura e 3 leguas
1|2 de fundo, cuja fazenda ho muito boa por
nao sofTrer mal triste nem secca, e ser perlo
d isla praca ; vende-so em conla vista da
fazenda : no largo d3 Assembla n. 12, se-
gundo andar.
Coui toque ilo avana.
Na rua da Cadeia do Recife n. 54, vendem-
se pecas de algodao com pequeo toquo na
pona a 2.^500, lensos de cassa de boa quali-
dade a I60rs. cada um.
Vendc-se urna escrava crioula, bastan-
te robusta, c com algumas habilidades : na
rua Velha n 71.
- Vcude-se uma bonita rede toda do li-
nho c sem uso algum : quem a quizer com-
prar, dirija-se a rua das Cruzes, sobrado
n 35.
Ni nova loj-t de fazendas,
do JoscMoreira Lopes, nos qualro cantos da
rua do Queimado n. 18 A, esquina que volla
para o Rosario, vendem-se superiores cha-
peos brancos de caslor a 93, corles do cam-
braia urgandys com 12 varas a 50, ditas es-
curas, frince/as, com 12 corados a 23200,
cambraias Hvncezas muito linas a 50o rs. a
vara, um completo sortimenlo de palitos de
alpaca prela e de cor, ditos de brim pardo o
brancos, e de oulras diversas qualidades,
colletesde fustao feilos, pelo barato preso
de 1 j.soo, e oulras muilas fazendas por preso
commodo.
CLRA EM GRUME
Vende-se no armazein de Feliciano Jos
Comes, na rua do Trapiche 11. 7, em barri-
cas, chegada ltimamente de Lisboa.
Vende-se uma taberna com poucos
fundos, propria para qualquer principiante,
em Fura de Portas, rua do Pilar n. 131 : a
Halar na mesma.
Na rua da Cruz 11. 27, esctiptoiio
de Antonio de Almeida (iomes, vende-se:
Vinho de champagne de superior quali-
dade em cestos de garrafas e meias.
Vende-se ama escrava cabra muito
forsosa, propria, para engenho, idade 40 e
tantos annos: quem a pretender comprar,
procure tratar na rua larga do Rosario 11.
35, ou rua estreita do Rosario n. 25, e se di-
r o motivo por que se vende.
- Vende-se uma preta de meia idade :
oa Roa-Vista, rua do Rosario n 58, dclronlc
da rua do Aragao.
Na ruada Cruz n.27, escriptorio de
Antonio de Almeida Gomes, vendem-se :
Camas de Ierro de goslo moderno,
Enchadasde dito, de diversos tamaubos.
Fio pnete.
Fio de velas portugnez e genovez em
meadas pequeas.
Papel de peso e almasso de iliveisas qua-
lidades.
Cartas portuguezas dejogar.
Attencau,
No alerro da Roa-Vista n. 16, vende-se
uma armasflo feita a moJerna, com todo o
gosto, loda envidrasada, propria para qual-
quer estabelecimento, por preso muito em
conta.
Vende-so uma escrava crioula, de ida-
de. de 16 annos, bonita figura, ecom princi-
pio de engommar ; una cabiinha que cose
muito bem, marca, labyrintha e eogomma,
com idade de 18 annos : na rua da Cruz n.
54, segundo andar.
cementes de hortalie s,
chegadas pe oultimo navio de Lisboa, ven-
dem-se na rua da Cruz o. 36, taberna de aii-
touio Lopes Rraga.
$.:i do As.su .
Vende-se a bordo do briguc Elvira, tun-
deado em frente do trapiche do algodao : a
tratar com Fernanies & Filhos.
Na rua da Cruz n. 27, escriptorio Je
Antonio de Almeida Gomes, vendem-se :
Archotesem lardos de ."0.
Azeite doce em caixai pequenus.
Cevadirha nova em garrutoes.
Licores sortidos em caixas liequenas.
Rolhas para garrafas e garraioes.
Velas de sebo em caixas de 52 libras,
inho moscatel em caixas peqi/enas.
O ?-re>uica Queimado, continua a queimar na sua loja
n. 2, esquina do hecco do Peixe Frito, um
lindo e variado sortimenlo de fazendas de
bom gosto, por baratissimos presos, pois
que sem ambisao se contenta com um m-
dico lucro, e nao lhe sendo possivel notar
em um pequeo annuncio tudo quanto tom
de bom para servir aos seus freguezes,
menciona apenas olindinas, fazenda de seda
e algodao, propria para vestido de senhora,
de gostos inleiram -nte novos a 900 rs. o co-
vado, corles de largelmas para vestido de
senhora, fazenJa muito fina e do mellmr
gosto inglez, com lislras de seda o campo
escuro a 12j cada um, organdvs de cordao
com desenhos mui delicados, pelo baratsi-
mo preso do 440 rs. a vara, cambraia estam-
pada do melhor gosto possivel a 480 a vara,
cassas franerzas de linios gostos a 600 rs a
vara, chitas francezas escuras, matizadas
com lindos e novos padrOes a 260 o covado,
ditas claras, padroes largos e miudos a 280
e 300 rs. o covado, ricos cortes de seti n
bordados para collotcs a 4? cada um, laazi-
nhas escuras de mu ricos e variados padrous
proprias paia vestido de senhora e roupoes
de meninas a 500 rs. o covaJo. riscados
monstros de cores alegres e mu eleganlee
gosios a 220 o covado, dilos francezes ds
quadros de lindos padroes a 24o, mussulina
branca a 320 o covado, dita muilo fina 400
rs.,dila eslampada de lin ios padroes a 320 e !
400 rs. o covado, chitas linas de cores claras '
e escuras, tintas lixas a 160, 180, -200 e 240 i
rs. o covado, pesas de cambraias lisas tapa-
das, muito linas ecom 10 varas a 6r6D0, di-
tas do uita mais cheia a 4-600, dita transpa-
rente com 8 varas, muito linas a 5>100 g pe-
ca, pesas de brelanna de rolo com locaras
a 23 cada uma, grvalas de selim pretas e de
cor, gostos modernos a l;280 cada uma,
cortes de brim do puro linho a 2-300, 28400
e 2#50, casemiras de lindos pa lroes a sjjl'O
e 6 o corte, ditos de algodao de lindos cos-
tos a 19, 1.-440 e ltOO cada um, lensos para
mo a 120, ditos com bico muito linos a 360,
chales de gaze, ditos de merm lisos e bor-
dados, obra primorosa, gangas mescladas
piopnas para calsas e palitos a 560 o cova-
do, casiuela pela lina a 1-toO o covudo, Icn-
Sos de seda de lindos padroes a 2? cada um,
cobertores de algodao para escravos a 700
rs. cada uin, de todas estas fazendas e de
muitas oulras quo se nao mencionara, mas
que seveuderfio por baratissimos presos, e
se daro amostras com penhur.
Feijao novo.
Vendc-se na rua do Apollo n 5, por preso I
razoavel, cm saceos do alqueiro e mel.
Ven le-se uma escrava de 30 annos, a
qual sabe com multa pcrfcicao cnconimar,
cozinhar o ensaboar, c nao lem vicios nam
achaques, he o que se afiansa : a tratar na
rua da ConceicSo da Boa-Vista, casa n. 10.
Vendem-se na prasa da Boa-Vista, bo-
tica do Joaquim Ignacio Ribciro Jnior 11
22, vidros deons com remedio para dor de
denles do dentista que ha pouco aqui esto-
ve, son lo enl e os mais remedios o que
tem mais approva lo.
Vende-se um molec.ao cozinheiro : na
rua llirrita n, 66.
Farinhu de niandioea.
Vende-se noarmazem de Paula Lopes,
na escadinha da alandega.
Vt'inle-sc um ptimo escravo ja' com
passaporte para o Rio de Jamuro : na rua
do Vigario 11. 2.",, primeiro andar.
Vende-se un hoi bstanle gordo e
manso, proprio para carioca : quem O
pretender duij,i-se a rua do' Queimado
n. 13. loja de ferragens.
CEBLAS UONSTIIU KM PIMEIRA MAO.
Vende-se 1 c.r ion r<. cada r^siea cm > erigas
de Lisboa muito grandes, e de 1.1 o boa qaalidade
qoe alunim mais de (i mezef: na tua eslrcila do Ro-
sario taberna n. 47. ao vuliar para o Carino.
Attenc.0.
A bella rapazea la de bom gosto : na rua
do Queimado n. >, vendem-se cigarros da
Mavana, de muilo boa qualida le.
Vende-se urna negrota de 14 a 15 an-
nos, de bonita figura, sadia o sem defeito
algum, saliendo cozinhar, coser e fazer la-
bynntho, ou troca-se por outra que tenha as
nie.Moas bondades e habilidades, com m;,is
as de engommar c vender na rua : para tra-
tar desle negocio, no Manguinho, primeira
casa do lado direito ao entrar na cs'rada
dos Afilelos. 1
Vende-se superior vinho de caj': na
rua de Hurtas n. 16.
VELAS :,F. ESPERMACETE.
Receberam-se agora novas velas de estea-
rina, que se vendem a retalho, em caixas de
25 libras, por preso commodo na rua da
Cruz n. 49.
VenJem-se brinqUedos da puericia :
Manual de 254 paginas, contendo dialogo em
prosa e verso entre as lettras do alphabeto
Regras de moral, Grammatica portugueza'
Doutrina clinstaa, modo de ajudar a missa'
Taboada de pythagoras, Regras de civilidade
ou manual do bom tom adoptado para uso
! das escolas de ambos os sexos 1f 000, Revista
da instrucsSo publica para Portugal e Brasil
160 rs., Compendio da historia romana pelo
Sr. Dr. Dourmmont500rs., Regras em verso
para arithmetica e para grammatica, coma
dupla utilidade de fcilmente se decoraren)
e hrem simultneamente por ser o seu pre-
Sr.d5annt0Us'O**rS': na rua Nova. bulic do Toalhas de linho.
--- Vende-se espirito de vinho : na resti- Chapeos de palha de Italia, sonidos,
lasiio do moinho de vento da praia de Santa
Aenco!

Vendem-se sedas brancas lavradas e finas,
para casamento : na loja de M. Ferreira de
S, na rua da Cadeia do llecife n. 47.
- Vende-so uma escrava crioula, do 30
*nnos, cozinha, vende, he fiel e nao bebe :
na rua do AragSo n. 36.
Na rua da Cruz n. 27, escriptorio de
ntonio de Almeida Gomes, vendem-se:
Camisas linas de flancllas.
Cochonilhosde linho de variostamanhos c
cores.
Itita
Pechincha para bahuleiros.
Na rua do Crespo, loja da esquina que vol-
la para a da Cadeia, vendem-se chitas claras
proprias para bahuleiros, com pequeo lo-
que de avaria, a 4}, 4c500 e 5/.
Gomma do Aracatv.
Lm porses e a retalho : vende-se na rua
da Cadeia n. 57, escriptorio de Prenle Vi-
anna.
SAPATOS 1)0 ARACVTY,
dos melhores quo tem vindo a este merca-
do, para homens e meninos, de palla e de
orelhas : em casa de Caminha A Filhos, rua
da Cadeia do Kecife n. 60, primeiro andar
Vende-so superior linhas de algodSo
brancas, e de cores, em novello, para costu-
ra, em casa de Southall Mellor &C.a, ruado
Torres n. 38.
Vende-se a verdadeira graxa ngle-
za n. 97, dos afamados fabricantes Day &
Alai lu, em barricas de 15 duzias de po-
tes: em casa de James Crabtre & Compa-
nhia, na rua da Crnzn. V2.
fc.m casadeRabeSchmeltau&Companbias
rua da Cadeia n. 37, veudem-se elegante,
Pianos do afamado fabricante Traumann de
tlamhurco.
Na rua da Cadeia defronte da Kel.rao. venda
n. 8 de I). S. Campos, vende-ie e aluia-se, npe-
riores bichas haml>uriieias, em por^So e a retalho.
Vende-se na rua da Cadeia 11. 28, joperior
presunto porlusuez inteiroa S40 rs., e mais objeclos
por prero commodo
tel
o^ios.
Vende-sc milh, novo cm s ecos: no ar-
ma/.em de Jos Joaquim Dias Fernandos c
Filhos, rua da Cadeia do Recite n. 63.
Vende-se a melhor loja de fazendas do
Passeio Publico 11. 9, propria para um prin-
cipiante por estar muito al'reguezada*, com
fazendas ou sem ellas, a dinheiro ou a prazo
QUBIJOS 00 SF.RTAO'.
Vendem-se na rua do Queimado, loja de
ferragens n. 13
Vendem-se saceos com reijSo fradinho
muito novo, por preso commodo : na rua
do Vigario n. 5.
Vende-se muito superior sal do As-
so, a bordo do brigue Sagitario, fon-
deado defronte do trapiche do algodao :
a tratar com Manoel Francisco da' Silva
Carneo, na rua do Vigario n. 17, primei-
ro andar, ou com o capitSo a bordo.
Venlem-se duas escravas, uma de 17
annop.com muitas habilidadcs.e outra de 10
anoos.que cosco fiz algumas couzas : quem
pretende-las, dirija-se ao sobrado encarna-
do, armazem da esquina do caes do llamos
Vende-se arroz branco em casca, por
atacado ou de sacco em sacco : na esquina
do caes do Ramos, armazein do sobrado en-
carnado.
LITAS I)F. J0UV1N.
J. Falquo recebe por todos os vapores in-
glezes vindos da Europa, luvas de pellica
Jouvin, de todas a* cores, tatito para ho-
mem como para senhora : na rua do Crespo
n 4.
Guardanapos a 5,000 rs.
a duzia.
Vendem-se duzias de guardanapos com
bonitas ramagens, pelo barato preso de 5?
rs. a duzia : na loja de 4 portas da rua do
Queimado n. 10,
Jii'Ics .e casemira a
5,000 rs.
Vendem-se chales de merino finos, de co-
res, pelo bsrato preso de 5.7OOO cada um
na loja do 4 portas da rua do Queimado
n. 10.
^a roa do Trttyidic
n. 34, escriptorio de no*
v;es & ,, vende-se supe-
rior vinho do Porloengarrafado, em cai-
xas de uma e duas duzias de garrafas,
bem como cm barra de quarto e oitavo,
a preeo commodo.
TOiiill S^>;IM Ittsr: a 5, /a,
> e ti.?OOO.
Vondcm-so toalhas do todos os tamanhos,
com bonitas ramagens. pelos baratos presos
cima mencionados : na loja de 4 portas da
rua do Queimadu 11. 10.
A 10,000 rs.
Vendcm-se manteletes do seda prctos com
ricas guarnisoes, pelo barato preso de 105 :
na loja de 4 portas da rua do Queimado
n. 10.
P0TASS4 D BUSSIA CAL
YIRGEM.
No deposito da rua da Cadeia do ecire,
armazem n 12, ha muito superior potassa'
da Russia, dita da fabrica do Rio de Janeiro,
e cal de Lisboa ero pedra, tudo chegado ha'
poucos das, e a ven Jer-se por menos preso
do que em outra qnalquer parte.
Os melhores relogios de ouro, patenlein
f;lez, vendem-se por presos razoaveis, no
rscriptorio do agente Oliveira.rua da Ca-
.loia do llecife 11. 62. primeiro andar.
Agencia
la fu nd i cao Low-Moor,
rua da Senzala i ova
n. 42.
Neste estabelecimento continu'a a haver
umcomplelosortimento de moendasemeias
cr.oeudaspara engenho, machinas de yapor
e taixas de ferro batido e coado de lodosos
tamanhos para dito.
CAL DE LISBOA.
Vendc-se cal de Lisboa viuda no ultimo
navio, cm barris bem acondicionados, por
pieso commodo : na rua do Apollo, arma-
zem n. 2 B.
SECaSTAMS.
As melhores que at boje tem apparecido
a este mercado : vendcm-se no escriptotio
do agente Olivcira, rua da Cadeia do Recife
n 62, primeiro andar.
Aigodo ionstro.
Vende-se algodao monstro com s palmos
de largura, muilo propiio para toalhas e
leuscs, pelo baralissimo preso de 6U0 rs. a
vara : na loja da boa le, na rua doQueima
lo n. 22.
TACHAS PAMA ENGENHO
Da fiuulioio de Ierro deD. W. Bowman
na rua do Bium, pastando o chafa*
riz, continua a haver um completo sor-
tiniento de tachas de ferro fundido e bati-
do, de5 a 8 palmos de bica, as iiuaes se
echama venda por preeo commodo e com
promptidao, embarcam-se ou carregam-
se em carro sem despe/.as ao comprador
Vende-se na rua da Madre de Dos
n. 12, armazem de Novaos & C. bar
de Ierro, ou cubos hydraulicos ; para d
psitos de fezes, a pirco commodo.
Sellins e relej ios
SELLINS a RBLOGIOS depaleu
PILI LAS HOLLWA Y.
Esteinestimavel especifico, composto m-
teiramcntedhervas medicinaes, nao con-
tem mercurio, nem alguma outra substancia
delecterea. Benigno a mais tenra infancia
ea compleisao mais delicada, he Igualmen-
te prompto e seguro para desarreigar o mal
compleifSo mais robusta; he inleira-
menle innocente em suas operasOeseelTei-
tos ; pois busca e remove as doeneas de
qualquer especie e grao, por mais antigs e
lenazcs que sejam.
Entre militares de pessoas curadas com
esle remedio, muitas que ja estavam s por-
tas morte, preservando em seu uso ; con-
seguiram recobrar a saude e forsas, depois
de haver tentado intilmente todos os ou-
lros remedios.
As mftis afflictas nao devem entregnr-se a
desesperasao; fasam um competente enaaio
dos efhcazes effeitos desta assombrosa medi-
cina, e prestes recuperaro o beneficio da
saude.
K3o se perca tem no em tomar este reme-
dio para qualquer das seguintes enfermeda-
des :
Accidentes epilpticos

* p.il ii'Kle : a venda no irmaztm
ile
- de
ostrn Hooker & Companhia, es
quina do largo do Corpo Santo no-
mero 48.
Augusto Cesar de Abren, na rua da
dcia do llecife, armazem n. ,"G.
i
Deposito
rap princeza da fabri
ca de E. Gasse, no Rii
cima.chegado pelo vapor S. Salvador : na -i13' mo,rd,or n0 engenho Varge de Souza no
rua da Cruz n. *9. lasso de Camaragibe, d'onde veio para ser
roa da Cruz n. *9.
Vendc-se uma boa esa terrea na ru
la ConceisHo da Boa-Vista : a tratar n
aterro da Uoa-Vista n. 43, segundo anda
das 6 as ti horas da mauhaa
tarde.
e dr s 2 as 4 da
rua
elogios
cobertos e dcscobertos,pequeos e grandes,
le ouro patento inglez, para bomem ese-
nhora de um dos melhores fabricantes de
Liverpool, vindos pelo ultimo paquete in-
glez : em casa de Soulhall Mellor & 1
do Torres n. 38.
jFeiide-se
Corte* d la. para
dos.
Vendem-se cortes de 13a de lindos pa-
drees, com 15 covados cada corte, pelo di-
minuto preso de quinze patacas ; a ellos,
antes que se acabem-. na rua do Queimado
n. 22, 111 loja da boa fe.
CQ1 PEQUEO TOQUE DE
o
la
tos de sedas para sen horas.
Vendera-so duas pedra de sacada bas-
ante largas, de 8 e 10 palmos de cempri-
mento, e uma hombreira de 10 palmos ; na
roa do Rangel n. 21.
Attencao.
No boceo dos Portos 11, 11, vendem-se cal-
Sados para homens, senhoras e meninos,
consstindo em sapatos, borzeguins e stpa-
Ioes, por preso mais commodo do que era
outra parle, e tamben) se faz de encommen-
'a, com sola franceza ou da trra, a vontade
os freguezes e com promDtidao
SYSTEMA MEDICO D HOLLYVAY
Alporcas
Ampolas.
Areias ;mal de).
Asthma.
Clicas.
ConvulsOes.
Dcbilidade ou exte-
nuaso
Dcbilidade ou falta de
forsas para qual-
quer cousa.
Dysintcria.
Rr de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no|vcntre.
Lnfcrmidades no ven-
tre.
Enfermidades no liga-
do.
Ditas venreas.
Enxaqucca.
Ilerysipela.
Pebres biliosas.
Pebres intermitientes
Pebreto da especie.
Cotia.
Ilemorrhoidis.
Hydropisia.
Ictericia.
Indigestes.
Iriflammas&cs.
Irregularidades da
menstruasito.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas n culis.
Obstrucsao do venlre
Phlisicaou consump-
S'io pulmonar.
r.elensiio de ourina.
hheumatismo.
Symptomas secunda-
rios.
Tumores.
Tico doloroso.
Ulceras.
Venreo (mal).
Vendem-se estas pilulas no estabeleimon-
lo geral de Londres n. 244. aStrand, o na
loja de todos os boticarios, droguistas e ou-
tras pessoas encarregadas de sua venda em
toda a America do Sul, Itavana e llespanna.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs. cada
uma deltas conten uma instmecao em por-
tuguez para explicar o modo desse usar des-
las pilulas.
O deposito geral he em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na rua da Cruz n. 22, em
l'crnambuco. I
'&Mtifc*i r*. lk>
Do engerho do Meio.fregueziada Varzea,
fugio no da 20 de setembro do corrente auno
o escravo Panlaleao, ollicial de fereiro, bai-
xoesecco, cor preta bem fula, falla baixa
cosluma embriagarse pouco, fi.i escravo da'
viuva do finado Joaquim Candido, do enge-
nho llha dasMerccs, j andou Irabalhandp
alugado nesla cidade, e he muito conhecido
em toda estrada do Recite ate o engenho
Santa Cruz ou Cabesa de Porco, sito na fre-
uezia de Una, por andar quasi todos os me-
zes de viagem ileuma outro desses enge-
nhos, e he casado com uma e-crava chama-
da titula que seacha no engrnho Santa
Cruz: roga-se a prisao do dilo escravo, e
promette-se gratificar bem a quem o pren-
der e recolher cadeia desta cidade, ou le-
va-loa um dos engenbos cima referidos.
Fugio no dia 27 do corrente, das 7
relogios de \y^
tente
inglezes de ouro, desabnete c de vidro .
vendem-se a p-eco razoavel, em casa de .7."fihUgl. ," 27 d crrente' d,s 7
, r___ jji para 8 horas da noite, um mo eque crioulo
Aiuriiatn l.i'Sni- ran A u,'ii nn ..un A* f., :.-_______._.___ ^ uluulgi
por nome Antonio, que representa ler 20 a
25 annos de Idade, baixoreforsado do cor-
po, cara larga, beisos grossos, com o sobre-
olho esqacrda um pouco carnudo, que pa-
rece inchado, as costas e nadrgas tem
marcas provenientes de chicote, falla ama-
lutada, por isso, que em lugar de sim se-
nhor diz senhor n3o, levou chapeo de cas-
tor branco bast.nte usado, camisa de risca-
do de algodao, calsa de brim de cor ja nsa-
Vendc-se a preeo commodo rap fino. ,la' fo' scr"vo n8'" Pr8.a de Luiz Jos Mar-
grossoemoiogrosso, da acreditada fabrica ?ues e de.Manoe' Serapiao de Almeida For-
S. Salvador ; na *?s' mrad,or n0 engenho Varge de Souza no
vendido, e he de presumir que ande por a-
qui mesmo no Recife : roga-se a quem o ap-
prchender, leve-o ao pateo do Car rao n. 1.
n. 6 ou 7, que ser ge-
nerosamente recompensado.
Desappareceu no dia 28. das II hors
A ti V *** .TkaO pra i m,e'? d8' uma nerinn de nome Ma-
l i I j|M 11 *S ', "A' a "la'le ?e 7 para 8 annos>levand0 ves-
tido de riscado azul : quem della souber,
dirija-se a rua do Amorim, casa de Antonio
Jos Fernandes de Carvalho.
Modiali do corrente mez de selem-
bio, do engenho Queimadas, freguezia do
Santo AnlSo, fugio o escravo Bernardo, cri-
oulo, idade de 18 a 20 annos, bem apes-
soado, cara redonda e lustrosa, ps seceos,
e cm um delles falta-lhc a unha do dedo
grande, e he canboto, e mais que tudo um
signal muilo evidente, que he ter uma ci-
catriz nss costas da maodireita, sabio com
trouxa de roupa fina e algodSo, chapeo de
couro, e alparcalas de aue sempre usa ,
suppOe-se ter tomado a direesflode Caruaru;
por ter mulla inclinacSo ao serviso deva-
queirire, nesta praga aonde tem estado
muitos tempos, ou mesmo qualquer outra
parte, pelo que o abaixo assignado roga as
autoridades policiaes e rpitaes de campo a
apprehensSo, e conducsao ao supradito en-
genho, aonde sera recompensado com lOOj
reis.Padre Antonio Vcira de Mello.
1. No da 5 de julho do corrente anno fu-
m """IITI" gio do engenho Cursahi na c< marca de Pao
Pesas de ajgodao liso, largo, cncorpado a d'Alho, o escravo Antonit-, Casange, de ida-
2?, 2^240, 2^500 e 29800 a peca, lito de si- de de 36 annos, pouco mais ou menos, de
rupira a y, 29240, 2/500, 29800 c 39 a pesa, I altura e grossura regulares, cangueiro no
dito de sacco a 120 c 150 a jarda, dito Irn-Undar, tem todos os denles da bocea, con-
Sailo lar.'oa 100, 120, 140 e 180 rs a jarda: [versa pouco, pernas finas, be casado, e tal-
Vendc-se na rua to f.i-ptntt. Inia da esntiimt ve/ Iroha nlpitmn< marriift to rclh. n.a u_
vesti-
vende-se na rua do Crespo, loja da esquina
que volta para a rua da Cadeia
CEMENTO.
Vende-se cemento, tanto cm barricas
--------,, ,,,r --------f .... wwwwmv, o Mu-
vez tenha algumas marcas de rclho as na-
degas por ja ter sido castigado levemente;
esse escravo foi di s herdeiros do finado Cae-
tano Con<;alves da Cunha ; consta que este
ve em Santo Anlfio, em casa do Sr. J0S0
como en porsao o a retalho, por com- Francisco, assim como consta que em Pijeu'
modo pruso para acabar, e muito bom: no existe um escravo com os mesmos signaes :
armazen; de materiaes, na rua da Cadeia de a pessoa que o conduzir ao refendo enge-
nho, ou ao Recife, na rua da Cuia n. 64, ou
delle der noticia certa, ser recompensado
com toda generosidade; e quem o liver em
seu poder, fique certo de sua punisSo com
todo o rigor das leis.
Santo Al Ionio n. 17
CAEAS DE FERRO
Excellenles camas de ferro para solteiros :
vendem-se no escriptorio do' agenteOlivci-
4a, rua da Cadeia do Recife n. 62, primeiro
andar.
PERlN. TYP. DE M. F. DB FAR1A 1857
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO

ILEGIVEL MUTCSD"


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EE13ZGHZU_6BEI3T INGEST_TIME 2013-04-27T00:18:26Z PACKAGE AA00011611_07844
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES