Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07813


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MOXXXIII N. 10-2.
Por 5 mezes adiantados 4{000
Por 5 mczes vencidos 4 SEGADA FEIRA 24 DEAGOSTO DE 1857
Por anno adiantado ljOOO.
Porte flanco para o subscriptor.

ENCAB.REGADOS DA 8LBSCR1PCAO DO NORTE.
Panhibi, o 8r. Joao Rodolpho Coma ; Natil. o 8r. Joiquim
1-Pereira Jnior ; Araeatv, o 8r. A. de Lemoi Braga ; Cea-
ra', o Sr. J. Jos de Oliveira ; Maraohao, o 8r. Joaquim Mar-
qnet Rodrizues; Piauhy o Sr. Jos Joaquim Avelino ; Pa-
r, Sr. Juiiino J. Kamoi ; Amaionai, o 8r. Jaronjmo da
Coala.
PARTIDA DOS COR REOS.
Oliiolo : lodos os das, as 0 p meia horas do da.
lguara*iT, Uoiaijna e l'arabilta: as letaall a estas-feras. ,
S. Anlin, llelrmn, llonilj. Caraira', Allinho o Gemahaas: na lerara-feMs
S. l*urenc;o, Pao d'Alfao, Naxarrth, Limociro, Braja, IV*i|u*-ir.i, InfCaieira,
Flnrea, Villa-Bella, iton-Vis'.a, lluricurt e Bu', na.|uarlas-f.ri.
Cabo, lpojoca, Srrinhicaa, Rio Formo*), Cha, Barreiros, Agua-Preu, Pi-
mrnlcirase Salal: quinus-reiras,
iTedos oscnrreiua parlcm a, 10 horas da manhSa.
AUDIEN6IAS DOS TRIBUMAES'DA CAPITAL.
Tribunal do commarcio : facundas a quintal.
Relacao : icrca feirai labbados.
Fazenda : quarlaa a aabbadoi ai 10 hora.
Juizo do eommercio : segundas ai 10 horai a quintal ao maio dia.
Juio da orpnioi : gunda a quintal ai 10 horai.
Primaira tira do civel : nguodaa eseitaiao meio dia.
Segunda rara do elvel : uartai a labbadoi ao meio dia.
EPHEHERIDES DO MEZ DE AGOSTO.
5 La cheia ai 4 horai e 0 minutoi da tarde.
13 Quarto minguania ai 3 horas e 22 minutoi da tarde.
19 La nova ai 2 borai e 6 minutos da manhaa.
27 Quarto crearenta aos 45 minuto da tarde.
PREAMAR DB HOJE.
Primeira as 7 horas e 42 minutos da manhaa.
Segunda as 8 horas e 6 minutos da tarde.
DAS da semana.
24 Segundo s. Barlholomeo ap ;i. Protolonco b.
25 Terca S. Luiz rei de Franca..
26 Quarta S. Zeferino p. m.
27 Quinta S. Jos deCalasans: s Rnfo m.
28 Sella S- Agostinho b. e dout. da igr.
29 Sabbado S. Adolpho m. s. Sabina v.
30 Domingo 13 S. Roza de Lima americana v.J
ENCARREGADOS DA 8BSCRICA NO SUL
Alagoas. o Sr. Claudino Falc.o Dial: Baha, o Sr. D.
Bio de Janeiro, o Sr. Joao Pereira Martini.
Duli
EM PERNAMBUCO.
O proprieUrio do DIARIO Manoel Figueiroa da I'arii na sus
livraria, praca da Independencia n. 6 e 8.
TIMO,
CONFLICTOS INTERNOS E EXTERNOS NOS
ESTA DOS-UNIDOS.
A L'niu Americana, por motivos facis de serem
romprchendidoi, lornoo-se natoralmenla o objeelo
das lympalhias de todos os homent polticos que
lem f na liberdade, e dai anliphalias dos que n.io
acreditam senao na aotoriade. Dahi nmn grande
divergencia na maneira de apreciar os aconlecimen-
tos qne (ero losar naqotlle paiz.
Una sao levados a altar ludo, oalros i depri-
mir. De ambos os lados guardase silencio sobre cer-
los fados e volgarisam-ae outros, exageraiido-os,
.segundo convem oo nao as opioioes deliberadas. Te-
mos sempre procurado conservar-nos em igual dis-
tancia dos dous extremos nos juizos qoe lemos for-
mado sobre a repblica de Washington. Temos fri-
to ver o bnm e o mao sem prevengo ; convencido
de qoe a imparcialidade he a melhor poltica, a
verdade o melhor argumento. A civilisar,ao e o pro-
gresso -a' mu aproveitnr-te do mal como do bem, e
nada ha que pnssa fazer desesperar do futoro da de-
mocracia americana as crises que experimenta, por
mais complicadas e violentas que sejam na aparen-
ca.
Com efl'eilo nao se contam menos de cinco conflic-
tos rcenles nos negoeios internos dos Estados-Uni-
dos.
O primeiro foi urna lula sanguinolenta, que se
empenliou entre o partido dos a Know-nothings n e
os demcratas per occasiSo das eleic/es mauicipaes
de Washington. O maire leve de Invocar o auxi-
lio do poder execulivo contra os bandos de natu-
raes n qoe se tinham apoderado de orna pera de ar-
tilharia, e o presidente Buehanan poz sem hesitar ;i
disposiclo da autoridad munici|ial duas companliias
de raannha qoe, depois de inules intimaciles, res-
pondern) ao fogo doa assaltantes com orna descar-
ga, que matn seis pessuas e ferio dezeseis. Os amo-
linadores se deipersaram, sem lenlarem mais cousa
alguma.
Este acnnlecimeoto he sera duvida nenhama mul-
lo lamenlavel, mas nSo lem a importancia que
nprogve dar-lhe o a Constitucional, i> o qual, quer
fosee para augmentar a sua gravidade, quer por
inadvertencia, Ihe asignada para Iheatro a cidade
de New-York, em lugar da de Washington. O caso
seria o mesmo. se eollocisem em Pars urna commo
c.ao de Versalhes ou de Sao Germano.
O h Constitucional nao deixou de tirar desle erro
geograpliico urna vaniagem magnifica contra as ins-
titaicOes americanas em gerl. A esla sangoionlenla
turbulencia das eleicoes transatlnticas elle oppoe a
pacifica regularidade das eleir/ies francezas. Mas ao
passo que elle arcos, as primei.as por falla de or-
dem, o Times n aecusa as legundas por falta de li-
herdade. Nos Estados Unidos bale-se algumas vetea
para se ch-gar ao piolo, i nas tambem nenhum
embarace all se oppoe ao dircilo de reuniao c dis-
caisao.
A lalilade mais ampia he deixada ao rxercicio da
soberana popular.
Demais o argumento que n o. Constitucional pro-
cura tirar dos aeontecimentos de Washington conlia
o que os Americanos chamara o self governmenl,
ciihe diante desse lesleraunho historie, de que lodas
as eleic/iel feitai em Franca,' no segundo periodo re-
pablicano. foram da maneira mais recular e mais
pacifica, Revolucionario como fni, o rgimen de
I88 deu, sob essa relac,ao. um exemplu a mais de
um governo monarchieo. O lemperamenlo doa po-
vos, seus Osos e coslumes entram tiestas especies de
manifeslaeoes muito mais do qoe ai constluic,es po-
lticas.
O segando conflicto que hi imputado s inslilui-
iile- americanas, leve luuar enlre o i> maire da ci-
dade da New-York a o novo goverpador do estado
residindo em Albany. Perlencendo ao partido dos
republicanos oa qoasi uholicisnislas, renuvou elle o
pessoal da polica de New-York com humens do seu
partido ; mas o maire que he demcrata, cnnlealoa
sea direilo e recusou reennhecer sens delegados.
Resullou 'l iln urna pnlicia dupla, qne tein feilo a si
mesmo a guerra, em lugar de laze-la aos ladroes.
Ouauto mais guardas lem New-Yoik, menos guarda-
da ella he.
Este estado de coasas trooxe ama anarchia fcil ds
comprehender-sa e inspirou k gazetta Triliunn,
ama vehemente eslilinaria, que muitoi peridicos
franeezes e o prnnrio ((Monileur,* se deram pressa
em reproduzir. lii algumas verdades nesse qu.i tro
da si tu a rao actual da cidade de New-York ; mas
encontra-se lamVm nelle maila exagera^Ao, como
em lodo qnanto escreve a a Tribuna, gazetta re-
dimida por urna seila de fouricmtas a outros pheloso-
phos, para os qnaesnioha salva^o fora desuasdoa
trinase de suas propbecias. Eis-aqui [em exemplo
curleso.
Dorante a guerra da Crimea, a o Tribuna d tinha
predlto que Sebastopol nao seria lomado, e ainda
persiste em sustentar que o nao fr. Um leslemuoho
semellianle, como te v, seria mnilo suspeito, senSo
tivesse por ranea < o nCorreio dos Estados-Unido',
que confirma urna parle dos dous fados e acrescen-
ta a historia de ama pequea lula pittoresca enlre
1 duas policias rivaes.
Os igenles do maire arrancaran) a' forja das maos
dos agentes do novernador um homem preso por
estes pela imputaran de (er lomado parte em um
roabo de 20,000 dolan feilo em ama casa. A au-
toridade expeli ordena de prisSo contra o ofllrial
de polica, que commrlteu esle excesso de zelo, e
que por este fado fui sogeilo a urna ranean de l.O'KI
rtnllar. Nao se sabe, se, dorante esse lempo o ladrao
dos 20.000 dallara frigio.
Finalmente o a Correio dos Estados-Unidos de
i:i de jinilio annuncia que ess qoestao deploravel,
ipip eompromelle por Unto temp a seaurauea e a
salubridade da cidade, esliva resolvida de facto con-
tra as pretences do maire, pela demiao d seui
proprins asentes, esperando que o seja de direilo pe-
lo tribunal de relacao. Esle lera'de pronunciar-se
sobre a eonslitucionalidade da le em virtoda da-
qualobroOo governo, e lodos os partidos se incli-
narao diante do sea accordSo.
A colli'o. que aparecen no Eslado dn Oho enlre
as aatoridades locaes e :u aolorldadei federae;, de
urna nalureza mais grave, porque leve lugar no ter-
rino ardente da escravidSo, onde o fanatismo dos
ORIGINAL DO CURIO DE PERNAMBUCO-
23 DP. AGOSTO DE 1857.
O homem pi/e roar.Amia o padre Bartholomeu
de i,'iii, e n tev aerottalo.Cotuiierarei ge-
rae* sobre a nategarao aerea.OfirmSo' Moni-
t/al/ter* e o teu balao.O carro aere:) de lord
Carling/ord.Oulra invenrao do padre Bar-
Iholomeu A biographia unicerial de Michaud.
O futuro do Bra'U.Conclutao.
Comediremos este folhelim rectificando o qne dis-
seroos na Carlera de 2 do actoal, isto he, qae at
a ovencao da Monlrfolflere, sempre se havia inlen-
tado fazer d homem um passarn, dando-lhe aras, e
sempre se havia naufragado ante e>ta dimciitdade ;
pnrqae o corpo do homem lem am peso especifico
muito mais consideravel que o dos pialaros ; sendo-
llie precisas, para se poder sosten!ar no ar, aras in-
mensas, e fora de lods a proporcao rom a forra que
elle poderia desenvolver para acit^-tas.
Nflo he pnrqae o peo C'pecilieo do hom*rri seja
mais consideravel que o do< pa'saros, que elle nao
poderia voar : nnlra he a razan, valo que tem-se
mortn oa spanhenhido agoiaa. que lie o passaro que
mais ae eleva, com o pesa de mais de 80 libras.
O cndor nao tni menos de apis a oilo arroba*, e
levanta as garras o hezerro de om auno, om car-
neiro, viruinlia oa Ihama, p -an i de I rea a qnalro
arrobas ; islo he, o cndor eleva-s- com mais de 10
nu dnze arrobas, peso tnui superior ao de qualquer
homem.
Ouil he pois a razan 1 lie que o homem. desu-
ado a andar no sentido vertical, enm a cabera er-
guida, lem o sen cenlro de gravidade na eapinha
dorsal ; mas para vaar seria netesanrio collorar-se
horiiorita|mnle, e enlo o cenlro de grnvdade se
deslocaria, ficandn aballo dn enconlrn dos tiraros,
aos qmes naturalmente deviam e azas.
Ora, para que o homem porlaaM conservar o equi-
librio no ar, se n o que elle nao pedera voar, seria
mislerqtie as azai fossem collocadas no cenlro de
gravidade, quasi na melada da corpo, e enl.lo leria
neeessidade de urna forr;a eslranha para poder mo-
ve-la.
Alem de que a azas nSo rnmpirtam somenle o
centro de gravidade, mas lamhein a cauda do pa-
saro ajuda a suslnola-lo ; tanto assim que n passa-
rus que a nSoem, como o namhu', a agachadeira, ele,
voim muilo curio, muito rastiiro em iuha
inleresses se acha em lula com o das paixes poli-
ticas e religiosas. Todos sabem que se traa de om
escravo do Kcanlarky, qae tinha conseguido fogir
para o Oho a all tinha achado emprego em casa de
um rendeiro, esperando poder candar o Canad' ou
preparar a evasao de sua mulher e de seus lilhns.
Urna caria que ella linha dirigido a sua mulher foi
interceptada e fez seu senhor seejuir as soas pei Dirigio-se esle ao Oho, promelleu urna Isrsa re-
eonpensa pela apprehensao de escravo, e conlion o
cuidado de rehave-lo a um preboste, qae parti para
essn expedido com um reforjo de seis ou oilo ho-
mens ne polica.
A 26 de maio cheearam elles ao romper do dia
fazenda designada, no momento em que Addson, o
negro persecaido, arnhiva de e ergoer da cama.
Nao vendo seas inimigos, sen.lo no momento rm que
eslavam ja perlo da porta, Add son correa para as
aguas-furladas, omle o sesairam ; a escada, a Hul-
ea, que dava accesso por urna abertura de pequea
dimenaan, eslava ainda em seu lugar, de molo que
o seu perseguidor comec,ou a subi-la apressadamenle,
levando urna espingarda de dous canos carrecada,
n qusl Ihe salvou a vida, porque, apenas tinha che-
gado a melade de sna ascenr.in, quando Addisoo,
appireccndo no alio da aseada armado de um revol-
ver, fez fogo. A bala dea no meio dos doas canos da
espingarga, quebrou a vareta e com o choque de-
too-o por trra, poslo que nao ficasse ferido. Levan-
lando-se precipitadamente o preboste responden Ihe
pela abertura com um tiro, qae somenle ferio o lecto.
Addson entrincheiroa-se entao e preparou seus
meio de fgida, no caso em que a resistenna rot-
ea eflicaz; mas as cousas se passaram de mitro
modo.
Logo qne appareceu o preboste, o renden o enviou
apressadamenle aldeia um de sens filhos, urna ra-
pariga, para dar parle do que se passava. Nao obs-
lanle, os esforcoi empregados para dele-I, joven
mensageira desempenhou sua missao, > em um abrir
e fechar d'olhos, viole oa Irinta pessnas Armadas se
epresenlaram na fazenda, resolutos a resistir aos olli
ciaes federaes, ainda qoe fosse pela forra, o prebos-
te e os seus liveram de renunciar o lirn de sua ex-
pedidlo e relirar-se com as maja taiias, ao passo
que o negro, cansa desle conflicto, era enviado para
0 Canad, onde leve de chegar sem incommndo.
A noticia deste acnnlecimenlo, levada a Cincin'ati
por aquelles qu linham sido as victimas, decidi s
autoridades federaes a com, ensLrem o seu mao elfei-
lo com um aclo de vigor.
O negro eslava perdido; mas ellas podiam obrar
contra os qoe Ihe linham darlo primeirainente asvlo,
e depois assegurado sua fugda por meio de nula re-
sistencia aliena a le, delicio a que e-la infligid i a
pena le prisao e 1.000 dollars demola.
O preboste Chnzclnll psrlio pois a 27 le maio para
Mechanisborgs com una rlozia de asentes armados.
Portador do urna ordeon de prisao assignada pelo
commissario Nevvhall, contra Csrlns e Eduardo Tay-
lor, Kussell Oydo e lliram Gullridge, con prender a todos qualro sem resistencia de sua
parle.
A' esla noticia a mais vilenla tgilicjlo derraman
se logo em lodo o condado de Chanipaiiha, o leud-
se obtido de um dos jnizes nina or.iem de babeas
Corpus, osherif Laylon foi apresenla-la aosfune-
cionarios federaes; irifelizmenla chegui larde, os
presos eslavain ja forado dulriclo judiciari Ob-
leve-se entao segando mandado no condado de Chir
ke ; desla vez. o sherif alrancoit logo a escolla que
con loz.ia os presos, e recusando o preboste ohe Jecer
a ordem, seguio-se urna lula de corpo a corpo, na
qual se Irocararn alguna tiros. Ningueni ficou lerido,
mas M. Laylon leve de renunciar o intento de levar
as cousas mais longe.
Oulro sherif do condado de Greene foi enrarrega-
do de om lerceiro mandado, a aeompanhado de viute
1 ornen* armados, conseguio prender os agentes
federaes, que foram por sua vez levados presos
para Sprinclield.
O preh.i-te foi posto em liberdade sob e raut;ao de
2.DO dollars, mas seus ditos auxiliares ficarain na
prisao por lerem recusado prestar a de dez mil dol-
lars.
A' mensagem (eleaaphicade Mr. Churchill, o m.
nislro do interior respondeu : a ConsuUai o ador-
ne) do dislrido e execulai a le. O presidente nos
convida para que compraos o voaso dever, que elle
cumprira' o leu.
Esla respoeta lacnica faz lemhrar a que em 1832
o general Jackson dea as ameac,ss de oullidaded'i
contratle uniao pela Carolina do Sul : Cumpri-
ref omeu dever conslitocional, emhoraseja obrigado
fazer voar a cidade de Charlrston.a
O negocio pois foi inbmelIHn ao tribunal federal
de Ciiicinali, para o qftal foilevado a 10 de junhn.
Mas o essencial do processn he mais om ponto de fac-
i qae de direilo. A le federal qoe ordena a extra
dicci dos escravos foii los,na i pod- ser posta em du-
vida. O governo do Oho s diseule a form i do pro-
cesso e se jolga com o direilo de exigir que seja des-
penad i a legislat;aorriminal desle eslado em sau ter-
ritorio pelos representantes do governo federal, assim
como por I orlos os oolros eidataos. Seu alvogado
procurou eslabalecer, por cinco a illi taviti, qae a
escolla >o preboste linha maltratado os presos e fni a
primeira em fazer figo. Mal segundo outros teste-
monhos maii numerosos, o funecionario federal n3n
praliroii nenhum aclo de violencia, e foi n escolla
dos dous stierilT. do Ohio que rompeo as h islilidsdrs.
Se assim for. a victima ser' do governo de Washing-
ton, que nSo poleria ser vencido, sem que a aerao
do poder central, ja Lio contestada nos estados, Da0
fosse completamente aniquilada.
Emqoanlo se diseule com o Ohio. Hacharan se pre
para para obrar contra o I I ib, afirn de rernndutir
o Morinons ao respeilo da moral e das |e. Mas, ao
passo que para um lugar indcnificanle se apresen-
lam de ordinario vinle candidatos, o presidente ve-
so em difficui boles de enconlrar um homem de boa
vontade para ir recolher ou antes conquistar a heran-
Qa de Brlrtcam-Yooiig.
Com ludo esse legadn foi aceito pelo coronel Com-
mings, segundo ons, e por M.Thomaz, do Marvland,
segundo aflirmam outros.
' Una esrolla de 2,500 homens sera' dada ao novo
governador de l'lah para ah estabelecer a lia au-
toridad. Esla Corea he mais qoe sufiicienle para
conler Crighan-Young, n> obstante as apparencias
deconfiauraallecladas por esse propliela. Al de
abril elle presidio ama conferencia geral dos san-,
tos do dia final, a a 21 do mesmo mez denava a'
cidade do (randa Lago Sal para fazer em o norte j
urna excurso de nlgumas semanas, cujo (ira nao era
indi sabido.
Finalmente a qoeslao do Kansas, qoe lem sido I
por tanto lempo o faeno de discordia enlre o norlee
o sal, parece ter entrado em via da ama solaceo pa-
cifica, grecas a firmeza de Mr. Buchanan a a habil-
dade de Mr. Rouarlo W'alker, novo governador da-
quelle territorio. Elle fez comprehender aos par-
lidarios da escravidSo, qae emprehendiam urna (a-
refa impossivel. e que, pnr mais que liz.essem, Kan-
sas seria livre.
I'omaram pois o sea conselho e lodos os mu es-
forcoi lem boje por fim fazer de Kansas um eslado
perleneenle 8o partido demcrata a n.lo ao republi-
cano. Tal he poltica seguida pelo goveruador
Walkor que, com esle compromiso, espera conciliar
as pretences oppostas do sul e do norte da Uniao,
a.-egoando oapoio de Kansas ao|candidalo demcra-
ta as prximas eleic/ies nresidencias.
Estas eleirdes sSo o alvo esn vista da qual se for-
mam quasi Iotas as combioares polilicas nos Esta-
dos-Cuidos e as variantes dessas combinac,es estra-
tgicas, ha meio seculo seriara curiosissimas de esln-
dar-se.
De 1SK) a 1820, os emlidatcs presidenciaes fo-
ram quasi lodos homens do sul, a duranle esse pe-
riodo de lempo, sua poltica foi conciliar o norte.
Uatii cmanaram as tarifas protectoral em favor dai
manufacturas, o Banco dos Estados-Unidos, fondado
em l'lnladelphia e o compromisso do Mi-snuri, que
ferarn oulras taas concesses faltas aos humen- do
ni.re sob os auspicios de presidente do sul. As coa-
sis toma rain urna direccao diametral mente opposta
a p.-.rlir do momento em que John Qainey Adama,
homem do norte,foi eleito presidente pelo Congresso
pin I8at5s Foi seu peneamenlo e re seus succes*ores,
aovernar como o homens do norie com os principios
do sul. o
Taes foram os proram'nas do general Jackson e
de .Mr. Van Harn, de Mr. Pierce e de Mr. iiacha-
nan. Os homens de eslado, que n3o lem sabido a-
doplar e manler esle equilibrio, nao chegaram ao
poder oa baquearam. Assim Mr. Van Burn n3o
foi reeleito em I8 por ter abandonado os princi-
pios do sul, e Manrique Clny naufragou no mesmo
auno por ler-ae inclinado muilo para o lado do norte
na quesiao do Texas.
O general Cap foi derrotado por um motivo se-
melhanle em 188 pelo general Taylor.e Mr. Fran-
kln Pierce perdeu-se em 1850 sosteniendo eem re-
serva os inleresses do sul na discuto do bil do Kan
sas e do Nebra-k i. Tal ha o erro que prncuram evi-
tar Mr. lincharan ten.lo em vista o preseule, e o
governador Walter em vista do futuro.
Em suas retarnos externas, os Estados-Unidos
leein dous confiados para rcsolvtr ; uin cora a Nova
tirana la relativo ao isthmo de l'an.iiii ; o outro
cora a Inglaterra a respeilo da America central. A
cerra desla ulliraa quesllo corra voz de qne lord
Napier tinha feilo em nomo da Inglaterra novas pro-
postas ao gabinete de Washington, o qoe o general
Cap havia declinado abrir presentemente negocia-
(es sobreest assumpto. Mas esla grave determi-
narlo nada linha de oflicial.
Tal era a situaran poltica interna e tvim dos
Eslalos-Unidos, que, nao obstante ler todas estas
cenias para ajuslar. saldava se com urna prospen-
dade Io continua e crescente, que o mimslrd da
fazenda, avaliava qoe no fim do anuo financeiro
ficaria no Iheaouro um excedente de cvrea de viute
dous mlhSes de dollar.
Alem dislo.calculava qne a reducen i da tarifa das
alfandegas, posta em praiica no 1-. de julho, aug-
mentara notavelmenle a cifra das imporlaces e
por coiiseguinlea das receilaa ; por essa razao linha
elle resolvido apresenlar na prxima spss.Ij do oon-
gresso a proposla de dar mais exlensao a lala dos
arligos admtlidos livremenle.
(Prene).
COKRFSPONDENCI.V DO DIARIO DE
PERNAMIILCO.
RIO DE JANEIRO.
Cartas da Corle.
III
Rio 9 de agosto de 18-57.
Nao me arcuses mais, mea charo It.....pelo aban-
dono em que ha qualro das ileixei madama La-
borde.
Essa falla felizmente se acha reparada. Ja fui
ao Provisorio (Ihealro) oovir a dislincta cantora.
Confirmando o juizo queja emit, asseguro-le que
sos voz lis pouco voluntla, mai a soa vo^alisac3o
lie raaravilliosa.
Espera-se breve a represenlajao do o Bnrbeirn de
Sevilhs, em que ella deve executar a parle de |(o-
sina, e fazer-nos ouvir a grande aria da ( solilha.
Ser urna Rnaina om lano gnrducha. he verdade,
o que faz perder um pouco a illusao, vislo que ma-
dama Laborde a Mida no volume do corpo o que
falla-lhe no volme da voz: he carnuda, nedia e co-
rada como uiua camponeza da Asatela. Mas islo nao
importa : as cautoras sao para o oovido e nao para
os nlhos.
Pelo Thamar, o aqai ehrgado na dia 3 rio cor-
renle. foi esla corle honrada com a visita de nm alto
e myslerioso personagem, qae viajando inmiznito,
vera permanecer por algum lempo na capital da mo-
narchia americana.
No elegante saiAo qoe na Baile de 5 do correnle
leve lugar era casa do Sr. viseonde de Maranguape,
por, motivo ile um anniversario, fez elle a sua appa-
rirao nos saines fluininenses, e creo que se nao ter
ariepemlido ile os frequenlar, pelo boin acolbimenlo
qoe tem litio. Alem de qu- Rio he (acil sabir de
urna reuniao em casa do illuslre conselheiro, sen
impressio agradavel, nao son.ente pelas maneirs e
(ralo dos amphy(riea, gos(o c ordam que era Indo
rcuiam, como pela felicidade de escolna com que
conseguem reunir sempre o mais helio e plegante
m wlarnisiiin. Diris um oboqueln coraposto das mais
mimosas, graciosas e frescas llores.
lin espirituqso escriplor de revislai, de minha
syinpalli, em o seu artigo domingneiro do boje, no-
liciando a chegada daqu-lle personaeam, qoe nada
recia, e nao podem absolutamente vollar no vo para
nenhum lado.
I'm cndor morto no Alio-Peni era I82i linha 22
ps de pona si pona das azas. Qaanlo pcs.ria essa
blaarma Nunca menos de 10 a 12 arrobas.
Eis ah a razao porque o homem na i pole voar ;
pois que horiosontalmenle collocado, o seu cenlro de
gravidade se acharia fora do encontr dos bracos, e
porque nao lem cauda ; e para adaplar-se azas a
cauda seria mislcr urna Tor;a eslranha que as mo-
vesse. A onlros passsros grandes que tem a caoda
enra, suppre-a o comprmanlo das azas, qoe ex-
cede duas e tres vezes o eorpo rio mesmo passaro *
ou como o morcego, coja membrana cartilaginosa,
que Ihe serve de azas, esta' adherenle 10 dorso alea
centro de cravidade.
Sem embargo acredilamis que o hnmam poderia
voar, se podes-e ronservar-se em perfeiln equilibrio
no ar ; o que n.lo poderia conseguir senao pondo
azas tambem as pernas, e dando.Ibes am movimento
simultaneo e anlogo ao dos bracos.
Porqoe sobrenada o homem dentro d'agua '.' He
porque pode conservarse em equilibrio ; mas |opo
que cessa o movimenlo das peritas, estas tendera a
lomar a p i-ir;lo vertical, e o homem vai ao fundo,
porque o sen peso especifico he maior que o da parte
do Huido qne elle desloca.
Todava, ainda quando se fize'se om ensaio, nao
pas-ariarle um mero diverlimenlo, pois que o ho-
mem nao poleria Iranspor grande espaco voaoilo,
pelos esforcos que seria misler empregar no movi-
mento das .izas.
O homem mais forle nao pode nadar mais de nina
l'Eoa ; alguna se lem salvado de naufragios mainr
distancia, mis sempre com adjolorio de um corpo
liuctuanle.
Modernamente lord Byron alravessoo a nado o
Helle5DontoenlreSes(ose Abydos, (3o celebres pelos
amores de Leandro e Ilero : foi aira e.cenlrici.la-
de maleza ; mas ah o canal tem menos de meia le-
gua. .
Agora voliemns ao padre Barlholomea de Guma
romo lemos de fallar novamenlp em sua m irhins,
jnlgamos conveniente repetir a deseripcilo que delta
demos na Carlera anterior, afim de qoe os leitnres
possam melhor apreciar o que temos ainda de di-
zer :
Tinlia.ella a forma de um pasiaro, crivado de
multiplicados luhos, pelos quaes ptssava o vento a
encher urna esp.cie de b"jo, o que servia para ele-
vado ; e se faltasse o vento, enlretinln-se o mesmo
efeilo por mpio de foles, disposlos dentro do
eorpo da "machina. A ascenso devia lambem ser
promovida pela atlracrilo eleclriea de peras de am-
bar, dispnslas na parle superior, e pnr doa* espheras,
na mema posicao, incluindo magnele.
Ela d,scnpe,lo que ronservaraln as duas Encyclo-
pedias, coincide perfeitamenle cora a eslampa e no-
tas, que Iraz o Recreiojornal das familias, pu-
nirnos he do que nm prncipe de sangue, assim se
exprime:
e Ja appareceu modestamente encoberlo com o
titulo de bara i de Grabow em varios saines desla ci-
dade. Foi vislo pela primeira vez na hrilhanle reu-
nido dada pele Sr. ministro dos eslraugeims, qaarta-
feira ullimi. As Sras. viscondessa de M ranguape e
soas (Ibas pussuem o segredo de acolher eom ama-
bilidade lodos os seus convidados, a a alteza de alem :
Kheiin, qoe falla perfeilamenle varias linguas. mas!
nao conhece o porlugnez, pude comludo suppor-se
anda em om dos primeiros sales do velho mundo, j
quando acbnu quem Ihe fallas, em puro fraucez, de
arte, de lilter llura e de poesin. u
Como ves, o elogio dos donos de casa he completo ;
mas as ioformaeoes sobre o principe sao obscuras,
se nao v.lo muito loria*. A esse respeilo o jornalis-
mo lem guardado urna grande reserva, nao decla-
rando o seo nome nem n nacao a que elle per-.
lence.
Cousa cariosa Conhece-sa perfeilamenle tal ou
tal oulro individao, sahe-se o seu nome de baplis-
mo, a soa posijao na sociedale, o lugar donde vem
a para onde vai ; sabe-se mesmo os molivos de sua
viagem ; mas ninguem o diz sena i era voz haixa !
O jornalismo que e:n ludo gosta de dar a laramella,
que em lado se intromelle, lorna-se repenlinarnen-
le grave e circumspeclo como um minielro de es-
trangeiros perant- o parlamenlo, no dia que lem
preauica, e n.lo quer disentir 'Sao conveuiencias
qu levemos guardar, diz elle.
Ora, eu que nao son jorualisla, e que apenas es-
crevo carias coiilidenriaes a um amigo, qae ohrig.i-
cao tenho de guardar lae conveniencias'.' Por qae
hei de occollar d ti aquillo que qoasi toda a nenie
sabe Sera sappir-le muito indiscreto, heoflensa
qoe nao (e fare nonca, pois sei que es a propria
imagem do segredo, a estatua da confidencia.
Fica, pois, soliendo que o barao de Grabow he sem
(irar nem pr o principe Frederico (iuilherme Ni-
colao, miau segundo do grao-doque reinante de
Meklenbnrgu-Shwnn, filho de urna irrna i do rei de
Prussia, primo irmao do imperador de Aleandre e
do conde de Pars, major de um regirneulu de cno-
raceires prossiano. Na idade de 30 annos, (nascau
em .i de margo de 1S27) Ilustrado como o iflo os
principes do norte da Europa, lao estreitarnenle li-
gado por parentesco :i duas Lio grandes cortes, e en-
tregue a carreira militar, he fcil anteveres que S.
alteza, que ao demais lem vacartto irresislivel aos
eucantos da', llhas de Eva, nao palia levar vida de
monga na gran le cidade de llrlm, Cinsegiiiiile-
mente divertio-se como s podem diverlir-se os prin
cipes. He natural e ju-tilicavel que el-rei seu lio
nao livesse levado isso a bem, principalraenla leudo
silo de sua algibeira que saino a quanlia de qui-
nhenlos mil francos para pagar a conla dos taes di-
verliraentos. No obstante a lista civil da Prassia
poder comportar essas despezas evenlnaes, o princi-
pe foi a aconselhnlo o de ir para Hamhurgo, cidade
menor e menos frtil em disiracc,o?s, pois que he es-
sencialmente rommercial.
Ainla assim. pas*ados roez.es, foi o citado doque
reinanle quera foi poslo era coiilribu'C,a> pira sal lar
as despezas resalanles dos prazeres fi atemos. O
negocio arranjoo-se com Irezentos mil francos.
Entao lembraratn i S. nllrta que era muito cpn-
veniente fazer ama viagem a Am-rica do Sol, n-slu-
ralmenle para eiludar a ndole e os enslumes dos
povos que corapoem os estados, que outr'nra foram
da dominio porluaiiez. e heipanliol. E-I.i vislo que
he urna viagem de mlrneijla e recreio, ndo o duvi-
des : a como seja mais couiinodo para tal lm viajar
incosnilo, s. alteza, que vem aeompanhado de oin
secrelario particular, lumnu o pseulonymo cima
dilo, lano mais que tem de ir paitar alguns mezes
no Bio da Prola, onde se nao conhecem piincipes.
Eis-ahi. pois, quem he
Le barn de Grabow,
Oui n'est pas gra, ni heao.
Havendo-me encontrado com elle em mais de am
sabio, posan dizer-le que pisa e faz corlezias com
notavel elegancia a dislinrriao. He de un pulidez
e amabilidade para com as damas que encanta, e
valsa como um fida'go allem.lo. Typi nteirainente
tudesco, cabello curio, bigode ligeiro e sem barbas
de olhar lombrio, p-iuco expansivo e alum lauto
sensual, sua pliysiuuomia he pouco syrap ilbica, a
ao primeiro aspecto n.lo pre lispe o observador em
seu favor. Mas commiinicailo lorna-se agradavel :
sen (ralo he ameno, sua palavra Insinuante, e o seu
surriso, ora fucitivo e condescendenle, ora mais
demorado e expressivo, altrahe e desperla svra-
palhia.
Saa residencia he no hotel de Inglaterra, que ol-
limurnenle tem ganlio muilo para o alia circulo por
causa dos leus patricios representantes dessa provin-
cia. Nao menos de cinco representantes de Pernam-
buco ahi se hospedaran) : um senador (casado e
qualro deputados snlieiros, qui oecopam oa devem
oceupar luifar qualilicado no mundo elegante. Tam-
bem he hospeda dessa casa um depotado p*lo Kio
Grande do Sul, lilohir que (rala-se ahidalgadamente
como nao coslumam o generaes do noiso exercilo,
em cujo numero elle se eonta.
E o fado he que pa.-ad i a sessao do parlamento,
o holel de Inglaterra perde muilo de vid.i e anima-
ran, e he mesmo pouco frequentado, nao balante:
ser mademoiselle Girand soa propnetaria a hospe-
deira mais graciosa, mais amavel e bella de qoanlas
lem o Rio de Janeiro.
Pena he que, era occasiilo, em que viajava pelo
Rio da l'rala, por phanlasia e ilistracrao, livesse de-
de nma queda de cavalln e quebrado urna perna, de
modo que (coa om lano defelluosa. Mademoiselle
he um [Hinco a boiteosen ; mas isso em nada dimi-
nue o torneado de suas formas e a elegancia de sua
delgado cintura.
Tornando ao hotel, como dizia, as-eguro-fe que o
Sr. bar3o de Grabow esla pefeitamenle servido.....
de hotel, lano polos arranjos e as*eo ra casa, como
pela compaiiha que nell.i encentra.
Como sempre o lea iicio Luna.
blicado em Lisboa no anno de I83'J, paga. 80 a se-
guate*.
O mesmo jornal se referee um mpresso de ITT,
lambem publicado em Lisboa, em qoa nao s a ma-
china como o fado de Voar era presenta da cor(e e
do povo, i.in'iitp-iadiis por lesteinuiihas ainda exis-
tentes naqaella cidade.
\\ pena que o viscoi, de de 8. Leopoldo,eicrevendo
a su memoria em I sil ainda Ignoraste lodas essas
provas cables a favor do objeelo das suas investiga-
r/es. Dando pois como sobepunente provado oque j
na i he po-sivel duvi lar te, continuaremos ai nossas
re!1ex0 Com edeilo, essa machina deviam applicar-se
dous mrTvimenlos : de asceiirlo e de Iranslaecao.
Para islo 'ta misler n3o sii empreaar duas tujs
dislinrlas, como domina-las a' vonla le para d ir-Ibes
orna direccao conveniente ; o que conseguio perfei-
lamenle o no-so sabio patricio.
Para a ascaneao desenvolveu a forra de atlracelo
por meio do elertro-magnelismo, e tiara a Irans-
laecao empregnu o ambiente por meio do tubos ay-
metri ament enlloca los, que recebessem e Irans-
miltissem o ar condensado, eslabelecendo diversas
correnles pin lodos os stnlidos. Em todo islo respira
nao s muila arle, como engnho profundo, para
lirar vanlagem dessas duas forjas combinadas.
Ora, se nbservarmoso eslado das seiencas phvsi-
ro-iiiat'iem incas naqoalle lempo, notaremos qoe do
ar apenas se linha eonliecimeoto da sua elasiieida-
de, e ra soa ponderabilidade, e islo mesmo depois
de Toiricelli a meiados do seculo W'II. Enlaoain-
da era lido como um corpo simples, como um ele-
mento.
Da eledricidade pouco mais se sabia do qae nos
linviam IransmiUido os Creaos, isla he, que esfre-
gando-ie o mbar, que elles cham.iv.im electrn,
este adquira a propriedade de allrahir os corpns le-
ves ; foi o Dr. Wall o primeiro qae ohservou a pri-
meira faisca elctrica prnduzida pela friceao do
mbar.
As experiencias de Dufjv, Nollel, Grav, Bich-
na nn ele., sobn as causas c as Iris desle phenome-
nn, foram mui posteriores a' invenelo do padre
l r!; lnir.eii de Gusm.lo.
Di magnetismo tambem apenas se sabia a saa
propriedade de allrahir o ierro ; dahi lalvez dedu-
zira o nossu compalriota as suas relaees com a elec-
Iricidade.
As cao.as da inclinaeao, declinaban, e variaco da
aanlha magntica ernm simia desronhecidas, ou nao
linham lido o deseiivolvimento, que se Ihes dea de-
pois. A bussola era apenas am fado isolado.
Os Gregos eonhecenm o imn desde Pylhagoras,
mas dahi al a invencao da bussole, estecnnhccimen-
to lirou sem applicajao. Coulomb, quasi no fim do
seclo passado, foi quem descubri as primeiras rela-
efies enlre o magnelismo e a eledricidade, mas foi
Oersted, como j dissemos, quem em ISIO creou a ver-
HECIFE 22 DE AGOSTO DE 1857
AS (i nOHAS DA TARDE.
RETROSFEisTO SEA>VL
O locego poblico conserva-se in.lteravel em toda
dadaira tciencia do electro-niaauelismo, muilo mais
de om seculo depois da la applicaca-i pelo padre
Gusm.lo.
Ye se pois, pelo que acabamos de dizer. que o not-
es patricio ara ora sabio de primeira ordem no prin-
cipio do sculo passado ; que a saa iovencfio era mar-
cada com (odas os dados da sciencia, muito alem do
qae coinporUvam os conhecimenlos phisico-malhe-
malicos daquella poca ; que se cheuarmos a obler
por meio do electro-mngnrdimo orna forc,a sufiicien-
le para supprir o vapor o'agaa, ser ainda a elle de-
vido esse aperfei^oainenlo as machinas hoje de va-
por, evitan lose a despeza de comhuslivel eo risco
das explosei a dos incendios.
O aerstato, por tanto, do padre Gnsmao, lem n.lo
son caobo da sciencia, sem empirismo, como (am-
o do genio levadn ao mais alio aran de poder ; foi o
genio elevando-se ao eo. porque nao rabia na Ierra.
E lana sciencia, e lanos esforros, r (anta ardor pa-
Iriolico mallogrados pe'a ienoraucia, pelo fanatismo,
a pela imbeeili lade daquella poca !
Vejamos agora o que era o b-l.lo dos irmao Monl-
golfiera em 17SI. Nesse t'mpo o ar j era perfeila-
menle condecido ; n.'io sern -ua elasliri-lade e p u-
derabilidade, como em sua -leus; la 'o as d fierentes
alturas ou camodas ; o barmetro de Torricelli linha
sido apeifeicoado ; j erara condecidas (odas as suas
propriedadrs, a'sim couiiqua nao era lira corpo sim-
ples, roascomposlo.
Sobre a eledricidade e magnelismo j Coulomb ha-
via nr!i .li as primeiras relacfl?s entre esles dous
agpnles ; j eram conliecidas as croasda inclinaban,
daeiinaeio e variarlo da agnlln, eiilim o imanen.-
rao lerreslre e a electrcidadej erara conliecidas como
duas forjas, que se attrahiam ou repelliam, seaundii
as pnsir;f>es e as distancias da cada ama. E porm,
apeznr de lulos esles conliocimenlos a Monlgolfiere
nao passs do om brinquedo de cri.incas como as bo-
Ihas de sabao ; ha em loda ella mais empirismo do
que arle, sem nenhum prinepio que aprsente urna
idea luminosa nu urna invencao scieulifica.
O que he pois a Monlgolfiere '.' Figuremo-la romo
a descreve Ur.Tergan na sua historia da locomoco
aerea.
Era nm sacco de forma espherica oa esphernidal,
feilo de ama lela nao diz de que, se de seda, 1,1a ou
algodao) e forrado de papel, cnnlendo ar dilatado ou
rarefeito por meio de nii fogaro collocado em um
orificio na parle inferior do balan.
Cremos que ningaem ignora islo, pois que as monl-
golfieres s.lo muilo coinmuns as nossas festas.
Ora em 1T8:| j eram perfeilamenle conliecidas
militas das prnpriedades do ar ; ama dellas he qae,
assim como determina o phenoineno da combuiiao,
lambem se dilhla pelo ealor.
Perdemlii o ar cuntido no lialo grande parle do
seu peso pela dilataban, esle devia elevar-se p"la pres-
s3o do ar exterior muilo mais pesado ; assim como
um corpo leve imiuario sobe imiuodialamente a toua
a provincia, mas cnnlinoam os clamores acercada
carestia doa vveres, especialmente daquelles que
ao de produccao indgena. As nolicias recellas
de alguns pontos do interior accosam esla triste si-
tuadlo. As chavas cessaram, mas as lavouras vao
prosperando.
O ultimo paquete do norle deixou em paz sb a
relacao poltica, as provincias em que loron ; mas a
sauranei in lividual, no Ceara' linha solTridn rrueis
violai;0es. As gazelas daquella capital denunciam
vario assaisinalos, reveslidos de circumslancias mu
alrozes.
As communicaces do Paraguay ainda s.l desagra-
daveis. Os negocios enlre o Urasie aquella repblica
cada vez se vao complicando mais. O presidente L-
pez parece nioguerer chegar a om accordo raz.na-
vel, e continua a pralicar soas habiluaes insolencias.
Alguns espirites arrenles enlendem que o governo
hrasileiro deve interroinper lodas as negoriaciies pen-
dentes, e quanlo antes declarar guerra i repiihlica I
paraauava; mas o gabinete de San Ctiristov,lo, Ion-
ce de alten ler a essas explosrjes deenthnsiasmo, an-
da cunlinua a emprimar os mei-.s le brandara, a-
cnnselliados pela prudencia, c qoe ealao de harmo-
na rom a in lole pacifica do seculo actual.
Certamenln, se o Brasil quizer empregar a forra
para fazer Iriumpliar o sen direilo no Prala, dentro
era pouco o consegoeria ; pois que dispe com van-
lagera dos meios necessarios para obler semelhante
resultado : lie a primeira pnlenria do continente
sil-americano, e nislo est a faicilidade do seu Iriara-
pho.
Cora efleilo. Besas zorahou por mullos annos da
diplomacia inglea c fraucez i, mas quando o gover-
no brasileiro vio que era cheaadn o momenlo de lo-
mar parte na lula, f-lu eom toda a energa edenn-
do, e a tyrannia de Rosns foi aniquilada para lem-
pre.
Enlrelanto, o fado de ser o Brasil ama nae.lo su-
perior aquella, he que deve fazer adiar 'o em-
prego da forca, ao menos emquauln islo for com-
palivel com a dignidade nacional. Segundo as ulti-
mas noticias chegidas da corte, consta qae o enverno
imperial lenrionava mandaran Paragaay nm envia-
do extraordinario com ampios po teres para ajuttar
essa Ii-tpiic i que ja' se vai laraanda eterna, a he
prnvavel r desla vez o presidente Lpez atienda
aos seus verdadeiros inleresses.
As cmaras breaileirai lem feilo pnaca cousa nesta
sesslo, que ja' se acha em vespera do sea encerra-
meulo. Approvouve-se ultini mente na cmara dos
deputados o projeclo de lei, adresentado peto gover-
no acerca das sociedades em commandita, depois de
longos debales. N;lo somos partidarios do svstema
da. resnenles, mas lambem no queremos nina
franqoez.i excesslva, porque em ambos os extremos
dao-se gravea perigos para os eslados ; queremos a
anlin nna dos dous principios, que nos parece ser a
verdadera solucao do problema econmico.
Bem sabemos que urna eoneeaeao exagerada de
ralos de crdito, com a faculdade de emissao piile
vir a ser una calnmidado para o paiz, como aconte-
cen^ nns Eslados fiiidos, onde se ciparara n'iim au-
no trinta e lautos estabelecimntos bancaes. e ao ca-
bo de Ires anuos lodos linham fallo hin.-a-rola ; mas
t mli'iii he mn grande damuo pira o desenlotvimen-
lo da industria e do eommercio, que n'uma provin-
cia, como :i nossa, s exista urna r,\,i filial, a qual
iiieiiniestavel.nenle nao pu le sili-faz.er as nece-sida-
des legiliraas da praea. Nesle ca'o, he de loda a jus-
liea que se ample o ere.Ido publico, conce<1endo-se
outros p'dhe.erimentos desle genern ; e se o gover-
no tomaras procauees que a prulencia acouselha,
he inulto provavel que nao acontece liniltro algoin.
E jr. que fallamossohre esle assumplo, njoiera fora
de proposito .innunciarmosaos nossns leitores, que os
estatutos oo l.aneo Uniao Commercjal aeompa-
nhado. da lista de numerosos arcioni.las, e da favo-
ravel informaran da presidencia desla provincia, ja
suhiram a' lanrseao de S. M. I.
Entretanto, d zem que oulro pe l'do para a funda-
ca a de um terceiro banco nesla cidade fora apresen-
lado ao geverno. Ora, nao ten lo constado nada a
esle respeilo na praca, pde-ae suppor que os in-
lluentes desle novo banco sejam ilguns capitalistas,
que nao quizeram lubacreaer para o bauco L'nian, e
que em numero mu limitado o organisarnm em se-
gredo enlre si.
Nao ha duvida que ha poucos mezes algomas pei-
| soas erara de opiniao que nao era preciso i praja
mais que O.nyre do capital da caixa filial do Banco
do Brasd, e esla opiniao era prmripalmenle profes-
tada por grusso capitalistas. N"3o queremos dizer
que semelhanle procediraento revelasse urna tenden-
cia decidida para o monopolio dos ditiheiros ; toda-
va as ideas da poca reagiram contra islo, e o eom-
mercio, cnnsrio dos sens verdadeiros inleresses, a-
dherio prorini Hlente ;,' eneorp orara o d i banco U-
niflo, embnra aUeai capitalistas convidados para
snbscreverrm, se eeusassem a prete'xlo de ser ex-
tempornea a prelenco, e da impossibilidade de
emissao.
Sem qoe ainda estivessem patentei as deas do
governo sotire a eoneet'Ia de emissao, o pedido do
banco Cni.lo foi para a corte, onde a par dos ante-
riormente solicitados, aguarda a ana sorte ; a qoan-
do atinal se desenliara mais claramente as ideas
do ministerio, ha quando te aprsenla o pedido do
novo banco!
Se nos pn lerna s convencer deque o lerceiro ban-
co pdi lo he destinado a operar com om fim de
ulilnlade publica, nos congratulamos com (alacqoi-
siclo; mas ja' se nos revela quasi o espirito de op-
posifio, que por vezes se lem aoleposlo aos melho-
res projeelet apparecilos.
Enlrelanto, lemos para mis qoe a perspicacia do
ministro da lateada sera'capaz de descobrir que a
conveniencia desta praca esta' em approvar os esta-
tutos do banco lindo Commercial, e sa no futuro
se eonhieer que seu fundo lie exiguo para as Iran-
sacc5es,eniaose approve o que foi pedido depois. Fe-
lizmente, n governo lem provado qoe nlo allender
' preferencia na preleocfti's de influencia pessoal,
o su tero em vsla o bem commum e a prosperidade
do paiz.
No dia 21 a' larde entrn nesle porto, procedente
de Alazoas, o vapor Persinunaa.o da companhia
Pernambocana, o qual acaba de chegar de urna ex-
ploradlo commercial ao S. Francisco, onde foi pela
primeira vez. Tivemos oeeaifHo de tabir qoe, lam-
bem pela primeira vez, se enconlraram nessa grande
estrada lluvial dous vapores, o nnsao uPtrsinunga e
d'aaua pelo principio j annunc;adn, e ennbeeido
des I Arclumedes, que um corpo raergulhado dentro
de qaalquer Huido perde lano do seo peso quanlo
pesa a parle do (luido que elle deslori.
Pela descriprlo quedeixamos copiada, v-se clara-
menle, que nella n.lo ha sciencia, uem arle, nem pro-
priamenie Inverir.lo, se he que se altrihuea' invencao
a primeira bolha de sabao qae um menino laneou ao
ar, soprando por um canudo.
Enlrel mo f ii Pilaire de Bosier, o primeiro que no
mesmo anno se alirou aos ares ; mas ao acaso, ven-
tura, sem direccao nem destino ; pareca miis leva-
do pela sede de celebridad quede amor a sciencia.
Em 178 mirreu em oulra tacaneXn or urna des-
sas inadvertencias, que nao lem qualificarao.
O p'iysico Charles ja havia Dib'liloido ar dilata-
do pelo hydrogeneo puro, afim de evitar o incendio
do fico ardente da .Monlgolfiere.
O que fez porem Pilatre de Rosier '.' A um hallo
ch"io de giz hydrogeneo ajunloo una Monlgolfiere
con a sua foruallia ou fogareiro, e o resallado foi
ineendiar-se toda aquella nigromancia, a mnrrer o
aeronauta.
Ora foi Cavendish qaem descobrio em 17fi6 o gaz
hv droaeneo, a que elle mesmo denominnu gaz infla-
maeel ; por conseqoenca nao era desronhecida en-
lao essa propriedade ; enlrelanto que fui um physiro
e chimico como Pilalrc o mesmo que se sacrificoo sera
ulilnlade para a sciencia nem para o mundo.
Vele depois, como melhoramenlo, a invencao do
paraqoada, que uns nllrihuem a Garnerin em'l78i,
e onlros a Blanehard em 178"i, Ainda islo foi sem a
menor otilidade ; a M ni. Blanehard morreu em
islll, como P lalre, pelo incendio do seo baUo, tem
qae Ihevalesse o piraqueda de sea marido.
Muilas oulras ascenr;6es se fizeram com fins scien-
lificns para es(odar e averiguar cerlus phenomenos
rn-leoroloaieos ; entre as mais nnlavcis sao as de Biot
e Gav l.nssae, de linio e llarral, etc.
Minios lem por diversas vezes annunciado a reso-
luto do problema da navegado aerea, como Mr.
Pelin, Vaa-IIeeh e oolros ; mas dldmamenle d-se
competencia entre o hallo de Gavarni e o carro aereo
le lord Carlingford.
O primeiro ainla reeurreu ao gaz hydrogeneo pu-
ro para elovar-se ; he ainda o mesmo svstema do
phisico Charles, e da todos quanlos seseguiram de-
pois sem a menor ditlerenea.
mecnicos e e-i-onli narnenlo calculados. He po o
carro aereo de Carlingford o que mais o aproxima
do passaro do paire Gusmao, a ser (alveza machina
que ha de prevalecer.
Al agora, exeepc.lo da hlice, empresada por
Gavarni, e de qae falla Carlingford na desciiprao do
seu carro, ninguem anda havia lerabrado ou inven-
tado nm inslrameolo que servisse de pr>pulsoraos
aerstatos ; enlrelanto que este meio fura empre-
0 Sania Craza, perlencenta a enmpanhia rosleira da
Baha. Consta-nos qoe os habitadles do Penedo fi-
caram moi contentes com esle passo da companhia
Pernambocana, a qual, se estender a navea irn at
aquella ponto, ha de proporcionar grandes vanla-
gens ao eommercio daqoelH cidade, e ao mesmo
lempo pode lirar inleresses reaes para a respectiva
empreza.
Diz o Soticiaior de Macei que o eommercio do
Panedo cora Pernamhucn lem estado interrumpido
pela talla de rommunica(es, e desla falla lem re-
aullado muilas vezes a erasaez dos gneros mais ne-
cesarios a' vida, que lem subido a precos extraor-
dinarios e al fabulosos. Temos, he verdade, re-
lances rom a Babia, tiz aquella jornal, donde le-
mos sidos snppridos dn lodo qnanlo do eslrangeiro
consumimos ; porm eMe eommercio esta' longo de
; nos convir como o de Pernambneo, o qae le prova
com o que lera acontecido em Macei, que pouco a
1 pouco lem mu lado suis relaees commerejaes que
linha com a Baha para Pernambuco, do qoe lem
resultado lerera all os gneros e razendas cuuserva-
do oa precos mais monros, lanto assim que mollas
vezes o eommercio desla cidade he all que recorre
e enconlra eeneroi mais har los, nao obslanl 0
eommercio direrlo que lemos com a Babia. Ora,
se em Macei aonde s seeros ja esto sobrecarre-
aados cora fretes e deapezsi de Pernamboco para l,
e ainda assim nos convem comprar, dando ganho aos
negocianles, que vantaoeni n,lo teriamus em ler
transarces directas rom Peruamhuro. Pernamhucn
he visitado por quasi lodos os navios qoe se dirigem
para o Brasil com carregamenlos de vveres, com
b ir.illi,ii, farinha de digo, vinbos, etc., ele, all
vao saber os precos dos mercados da Babia e Rio de
Janeiro, ele.
ir Ora, s com prnhabilidade de alrancarem me-
Ihores precos he qoe esles navios passam de Per-
nainhnrii para o sul ; asim nao admira qoe geral-
mente os precios dos gneros sejam all maia ballet.
Por i>so mnilo esdroaiiamos qoe a enmpanhia pei-
namhurana rnnlinuaasc ,i mandar aqui seus vapores,
e seja ha mudo isso desejamoa, muilo mais agora
que a rompanhia da Baha vai fazer nicamente
urna viagem mensal. cm lugar de duas que confor-
me o seu contrata devia fazer, a assim trremos de
sentir ns eSell s desle grande intervallo, nao poden-
do contarmns eom a navegando dos barcos de vela
pela sua irrejil in la Ir, porque se algons mezes le-
mos tres ou qualro cheaadas, noulros nao nos vem
um so navio.
Confiamos que a companhia pernamhurana se
anime a emprehender esla navegacao, de que fruir
vaotagens h8o s para si como para o eommercio de
l'ernambiiro ra geral, que sem duvida vir,' a subs-
tituir o da Baha, como ja' aconleceu em Macei.
Esle prospecto que iuteressa to nosso eommercio
em geral, deve Influir para qno a rompan).ia per-
nambucana detenvolva as suas nperares al o S.
Francisco. Procedendo desla sorle, nao s ha de li-
rar maiores inleresses, como lambem ha e a nossa influencia legitima, assignada pela natureza,
desde a maraeni esqnerdl di S. Francisco al o
Amazonas.
Enlre as victimas que esta semana foram ronduzi-
das a' residencia elern i do cenulerio publico, run-
la-se o coinpnsiior Antonio Thoniaz da Sooza Ma-
aalhlps, que flagelladc por urna cruel enl.-nni la le.
duranle mais de seis mezes, saccamliio no da 21 do
actoal. Llena, uir.a mulher c dons filhos de tenra
na le emolios as doras da orphandade e da po-
breza.
I n dos artistas mais nlelligenlet e mais habis
entre os lypniraphos desla cida le, o infeliz Maga-
Ihaei apenas leca grandes sautades a soa mulher, fi-
lhos e companheirosn-Mgos.
Fallecern! duranle a semana aj pessoas, sendo 13
homens, |n mulheresc 13 prvulos lvres, e ho-
mens, 3 mulheres e 2 prvulos escravos.
P6GINA AYULSa-
Lj: ^S^a S
Os habitante! da freguezia do Pnr;o loffretn
presentemente de dor sobre dores: porque impedi-
dos de sepollarem os seus morios as isrejas da mes-
ma fregoezia, e nao peden In a inaioria delles, com-
portaren) com despezas indispensaveis para os en-
terrar no cemilerio de-la cidade, tem de sepulls-los
as capoeiras do Arraial; o qae he repugnante, in-
decoroso e irrelaioso : conrea), pois, que prompla-
rnenle se dem as providencias para execolar-se a
lei provincial, qo- man lou establecer naqaella fre-
aaezia nm remiterin pnlilicr.
Alguns jovens eiiihusiaslas pela arle do dese-
nho tem manife-lidi as par-des, a portas do edifi-
cio do nosio Ihealro. e em nuIros logares, o quanlo
he preciso qoe a pelleja Ihes aproveile a dedicarlo e
talento, franqoeaudo-lnes a casa de detenc.ao: adia-
mos justo e muito conveniente salisfaze-los.
Roga-se aoSr. ,qoe nilo he fraco) o obsequio
de n;lo continuar a ei-randalisar n ra onde mora,
porque se esla ou aquella pessoa gosla dus seas
xdavmeins, a maiorla dellas o abominara.
^ O Sr. professor de primeiras lellras d rus da
Gloria nao la-no. reflexionar o seguinle : qae de-
terminando o rezuUmeiitn; que se ahram as aulas
pela manhaa as 9 e pla tarde as 3, n3i he respon-
savel pelos disturbios que antes das mencionadas ho-
ras fizerem os seus discpulos na ra da soa aula ou
em caminho, por finito mais de urna vez (em pedi-
do aos pas dos seus alumnos, qae antes dcisas ho-
ras nao mandem seus (llios, nao s para na i r u-.-
rem perturbadles na roa, senao tambem porqoe an-
tes nao se ahrem is sua portas, etc.
Pedimos ao Sr. li.cal de Sin Jos o favor de
examinar o sobrado da ra Aogusla n. 3 B, eujo so-
brado esta', segundo he voz geral, radiado pela par-
te de detraz. e ameaca ruina.
Que binomio mgico ? V e ouve-se por elle.
Ora, meo chaco, era I idas as pessoas goslain de ser
lio miiiocio t ufo que deixe-se de estar incommodando a vizi-
iih.iura com seiDlhan'e pr ce tmenlo I
Um espen lido baile se prepara para o dia 20
no -i i i de Apollo.
O vapor inelez nl'rince, sabido para a Euro-
pa, conduzio a seu bordo os seguinles passageiros :
Antonio J. R. de Soii'.a, sua senhura, 2 lilhos e 1
criada, Antonio J. de >\. Audrade, sua senhora, 2
filhos e 1 criada.
Hospital de caridada 21 de agoslo % doenles.
fe amanhua.
ga'o pelo padre Barlholomeo, servindo-se simples-
mente do ar.
Sabe-se que os finidos pela propriedade de tende-
ren! para o equilibrio, augmenlam a io velocidade
pela cnmpre-,i i ; e c esse principio he geral para
(odoi os fluidos, o h muito mais para o ar pela soa
elasticidade ; com eileilo, nada ha cnmparavel com
a velocidade de um foracle.
O padre Bartholorneo encanan 'o o ar por meio
dos luhnt Ihe dava maior velocidade e forja ;
e meimo grande altura, onde eslivesse mais di-
latado, poda comprimido, e dar-lhe a forja ne-
cessaria. O que nos parece he qae foi esle um dos
problemas de hy 1ro lynamia, resolvidos pela machi-
na do padre Gusmao, cuja perda lora mais ien-
sivel.
Parece que os m'inhns de rento, inlrodur.idos na
Europa no serillo \I pelos Cruzados, que os trouxe-
ram do Oriente, scrviraui, as-dm como as velas dos
navios, para a iheoria do movimento empregada pelo
padre Gusmao na sua machina.
Se os navios podem mover-se, ainda mesmo con-
tra o vento, pelas diversas posifjes que podem lo-
mar as velas, nao he para duvidar que seguindo o
mesmo impulso, iiodesse o ar servir de motor, urna
vez qoe se Ihe po (esse dar urna direrciu sempre
convenienle ; e isto nr-smo se deprehende da des-
cripejio qae Taz lord Carlingford do seu carro aereo:
o O carro aereo po ie camiiihar em qualquer di-
recrlo : contra o valo, com o vento, ou com o veo-
lo de banda. Neste ultimo caso procedera como
um bole atravesando urna rpida correla : islo he,
mais ou menos de asgoelba, segundo a forja da cor-
renle. ji
Nao foram s os Inglezes e Americanos do Norte,
qae conaeivaram a memoria do padre lliriholomeo
de Gusm.lo, e dn seu ano-talo, pois que os Franee-
zes lambem a transmitliram como urna prova da ce-
lebn I ale bem merecida do non e impalriota.
Na logr-.phia universal da Michan i, tomo PI, pa-
hlicada em 1817, artigo Gnimlo etcriplo por
Hocous. anda quando assigne patria divera c di-
verso eslalo reliaoso, porque o faz Jesuta, rom la-
do coincide no essencie!, apreaoandn-o iwenlnr
dos rtero.sZ'/io.s concloindo assim cse Ionizo arti-
go : Com qoauto muito antes do seclo WTI, di-
versos autores propoze'cm difierenes meios par se
poder elevar aos ares, > que parece cerlo lie, que ao
padre Gusmao se deve in as primeiras experiencias
dos bales aerostticos, renovados rom maravilhoso
uccesso sessenta annos depois de sua morte. a
Finalmenle ainda nos resla da sua doula penna.
alm de varios terrodea sobre ditTerenles assumptos,
amo obra, que lem por titulo : Varios modos de
esgolar, em gente,a n.ios que lazem aaoa,Lisboa
-Na offlcina Real Uylandesiana 1710 em ,.o
Esla edrao parece nma Iradoeclo do original lati-
no, em que ,i escrevera ) padre Gusmao, fei(;i pro-
vavelmenle por elle iiie-mu ; viito qoe fora pabli-
MCTOR1A.11 de agosto.
Aqui chegou de volla do liecife o Dr. Elidi Jan-
ten de Catiro Albuquerque, no dia 9 do correnle, e
tem sido bstanle visitado, nao s pelos seos amigos
que ronconhecem a na emiisencia ; mas li pelo po-
vo onde lem muila influencia e eceilarn.
Agora lempre estamos mais animados cora i pre-
senta do nossso dootor, porquanlo ha elle o nosso
consolador; a prova he qoe anda nao foi procorado
o l*i. Elidi, que nao o achassem sempre prompto o
a ludo dsse remedio, tratando a' lodot com urna
aflabilidade tal que s sabe caplivar.
O jory vai atjrir-ie, e queremos ver como se ha de
haver o Dr. promotor com um advogado da qoalida-
de do Dr. Elidi, muila gente esta' preparada pira
assistir. Do resaltado publicaremos.
O matlos velhos.
REPABTI5AO DA FOIalCI.V
Oceurreociai do da 20 da agosto.
F'oram presos : a ordem do lllm. Sr. Dr. chefe
de polica, os relos escravos Jos, Eoslaquio e Jos,
a requisito de leo senhor,Jos Juliao Regoeira Pin-
to de Soma.
Pela delegada do primeiro districto deste ter-,
mo, os pardos Manoel Joaquim dn Naseimenlo Con-
(ente, a Manoel Frasao, que diz chamar-se Amo-
nio Ribeiro dos Santos, a disposijao do litro. Sr.
Dr. chefe de polica.
pela subdelegara da fregoezia de Santo Anto-
nio, Joaquim Arpidio Rosas da Cosa, qae diz cha-
mar-se Joaqaim Arpidio Rosas Bastos, e o prelo
escravo Apoiinario, ambos para correejao.
21
l'or.im presos : pela snbdelegacia da fregoezia
d.i Recife, os porluguezes Manoel Jos Ferreira dos
Santos, Antonio ros Santos e Joao da Costa, a re-
quisicao do respectivo consol.
E pela snbdelegacia da fregaezia da Boa Vista, o
par :o Joao Galdino Trigoeiro, por ser encontrado
com um ferro agorado km forma de punhal.
22
Foram presos : pela subdelegara da fregoezia do
Recife, M im.lino Antonio Gonjalves, e Joao Gual-
herlo pos Sanios, este p-ra averigoajdes e aquella
sem parle.
Pela subdelegada da fregoezia de S. Anlonio,
Cosme Jos da Cruz, e n escravo Nicolao, ambos
para avrriguacoee.
E pela subdelegada da fregaezia da Roa-Visla,
Jlo Sabino dos Santo*, por uso de armas prohi-
bidas. *
DESPACHAUAM-SE PELA POLICA.
Dia 20 de agosto.
O escravo Ricardo, oliteve portara para.a pro-
vincia do Ceara' em companhia de seo senhor.
Os escravos Mximo e Estenio, obtiverara por-
tara para o Rio Grande do Norle, em companhia
de seu senhor.
CONSULADO PROVINCIAL.
Lancjamento da freguezia de S. Frei Pe-
dro (ionralve do Recife, pan imposto
da decima, feito pelo lanrndor do con-
sulado provincial Joao Pedro de Jess
da ll.it i i, Je conformidade com a por-
tarla do Sr. administrador da mesa do
consulado provincial, de 11 de agosto
do cor rente anno.
Arco da ('. >nceir,io n. 2.Capaila do arco
da Conceirao da piule, urna luja por
haixo da mesma capella, arrendada pnr
805001), importancia a decima em. 79200
dem n. 4.4 mesma, ama loja por bal-
xo da mesma capella, arrendada por
80500O, importancia da decima. 70200
dem n. G.A mesma, urna loja por bai-
lo da mesma capella, arrendada por
809000, importancia da decima. 79000
Largo da Alfandeaa n. 1.llerdeiroi de
Maria Candida Pina, om sobrado com
urna loja e dous andares arrendado lu-
do por I.Jlt.-.. mporlaocia da dcima. I ll-ii'.n)
dem n. 3.Dr. Jos Rav mundo da Coi-
la Menezes e Clara Faoslina Bezerra de
Menezes, urna terreas arrendada por *
1:2009000, importancia da decima. 1089000
dem n, 5.Irmandade do Senhor Bim
Jesos das Portas, ama terrea arrendada
por 0005000, importancia da decima. 5.9000
Id.m n. 7.Irmandade de Sania Anua
da Madre de Dos, nma terrea arrenda-
da por oOgOOO, Importancia da decima. 459000
dem n. 7 A.A mesma, ama terrea ar-
rendada por 3509000, imporlancia da
dcima. "......... 319500
Boa da Cadaia n. 2.Marianna Pacheco
de Qoeiroga, om sobrado com ama lo-,
ja e dous andares, arrendado lodo por
te-"IX), importancia da decimt. 580-jOJ
dem n. ?. Anoa Martina Ribeiro e He-
raclio I'eregiinq Macial Monteiro, um
sobrado com urna loja e qoalro andares, -
arrendado ludo por 1:4009000, impor-
lancia da decima........126*000
dem n. (i.Jos Marlins Pereira Mon-
teiro, om sobrado com loja e doui an-
dares, arrendado ludo por 7(K)9000,
importancia da decima...... 639000
dem n. 8.Antonio Pedro das Neves,
um sobrado com orna loja e dons an-
dares, arrendado ludo por Cine-mo,
importancia da decima...... 54^000
dem n. 10,O mesmo, om sobrado com
urna leja e doas andares, arrendado
ludo por 50, imporlancia da decima. 58500 '
dem n. 12.Jos Gon;alvei da Fonle,
um sobrado eom urna loja e Ires anda-
res, oerupado pelo mesmo avaliado por
801)9009. importando da decima. 729000
dem n. 15.Jos Rodrigues de Araojo
l'oro, um sobrado com urna loja e
doos andares, arrendado lodo por
4(109000, imporlancia da dcima. 639000
cada lambem em lalim na mesma oflicna e anno,
e eom eslampas, sob o seguinle titulo :Vario; ra-
llones Anllias pro navibos autmatas conilruendi
egundo oestxlo d-quelle lempo. Isto prova, alm
do talento aeuminoso.do padre Barlholoraeu, a gran-
de variedada dos seu conhecimenlos as scieociai de
appTleaeafo.
Cromos haver preenrhdo a nossa missao, lele s
desenterrando do p do esqaacimenlo o nome do
nosso patricio, cuno reivindicando a gloria do seu
maravilhoso invenlo, para que nao se diga de mis
que abandonamos 01 nossns para acalar e loovar
nicamente os estranhos, s porque o s3o.
'.''mitos outros Brasileiros dislnclos nao deiappa-
receram da Ierra sem que ao menos os acompaohas-
se urna inscriprao lumular '.'
Ouanlcs;aiii, la ex i-tem rom InconteslaTel merec-
ment, qae nem para elles se olha, como se Ihei
ha-lasae o premio da propria consciencia pela Iran-
quillidade que se goia no re:inlo do gabinete '
E todava o Brasil he a Ierra dos prodigios em to-
dos 01 reinoi da nalureza ; parece que o genio hra-
sileiro he Lio vasto como suas llore-tas saculares, lio
rico como suas minas de ouro a de diamantes, ISo
elevado como soas monlanhai e penedias. Para nt
lmenle o fu!uro, porque o presente he apenas urna
poca de Iransic.io.
Nesla poca ferrenha, qoe se fosse de mais longa
durac.lo, bastara para esgotar-nos a seiva e matar-
nos o genio, ii nos resla o appellarmos para a gera-
c.ao vindoora ; ella reivindicara' lambem lodos
es nossos foros, a elevando-se sobre as roioai do pas-
sado, fundara' a ciar.1 terminal da grande carreira
que lem a percorrer as gerac,oes futuras.
Entao oh quem ainda vivera !' esle langae que
hoje corre lenlo c amortecido em nossas veias, fer-
vera' e produzira' todos os phenomenos de aro pa-
triotismo ardente, aeompanhado de lodas as virludet
qoe distinguirn! os povos ra antiauidade.
Nenham povo conhecido da trra leve am sua o-
rigem propon/ies llotinlajosas romo o nesio, ne-
nhum melhors elementos de properidado e gran-
deza, nenhum (auto favor do reo ; se o nao apro-
vcilarmos, inaldic.loiobre a nossa raja.
Se n.lo ali-fazeinni completamente ns nossns leilo-
res, a colpa n,lo foi nosia, porque semelhante larefa
dependa de oulros meioi, que n3o eslavam ao nosio
alcanee.
o que dependeu de nos, trabalho, esludo, exame
e diligencia, Indo empregamos para conseguir o nns-
so fim, e rehabilitar um nome glorioso, bem caro a
lodos 01 eorace brasileiros.
Paulsla ou Pernambucano, o qoe importa ? To-
dos sabem que s,lo estas duas provincias as qae lem
urna historia propriamente sua, e que se ligam por
mais de om I u.-o memoravel, desde oa dous irm,los
Marlim Alfonso e Pero Lopes de Soza al a nossa
independencia.
Waian-e.-A'rafiy.)
.


-


DIXrIO DR PERNAMBCO SEf.UNIU'fEIRA 21 DE AGoSTCTDE 1857
dem i). 16.M iiincl ilo Nascimento da
CmU Monleiro, uin sobrado com ama
loja e Ir andares, arreudddo ludo por
8OU9OOO, importancia da dcima. .
dem n. IS.Uerdeiros de Joi llamos
d Oliveira, um sobridu com orna lo-
ja e dous andar', arrendado ludo por
liOOtfc'JUO, importancia da dcima. .
dem n. 0.Luiz Antonio de Siqueira
um sobrado como urna loja e doga a-
il.n-e. p i0llo, avallado ludo por........
i:lOOStKH, importancia da dcima. .
dem n. 22.Jos lionc,alvss Torras, um
sobrado ruin urna loja (res andares
arrendado todo por 800,9000, impor-
tancia da dcima......
dem n. i.Hebriqo* C-ibion, um so-
brado com quatro lujas e doui andares,
arrendado ludo por 7Utl8000, impor-
tancia da decima........
dem n. 26.- Barao le Capibiribe, um
obrado com urna loja e Irea andares,
arreudado ludo por 6009000, impor-
laoela da dcima........
dem n. 28.Mario de Capibaribe, um
sobrado com urna foja e tres andaras,
arieududo ludo por ,".009000, impor-
tancia da decima.......'.
dem n. 30.Hospital de caridade, um
sobrado...........
dem o. 32.Orpblo Joao Rodrigues Li-
ma, um sobrado como urna loja e dous
andares, arrendado ludo por 7509000,
importancia da decima......
dem n. 31.Jos Anloirio Bastos, um
sobrado como urna l*ja e tres andares,
arrendado ludo por 1:1008000, impor-
tancia da decima.......,
dem n. 36.Manoel 1. incal ve. da Silva,
um sobrado com ama loja o Ires anda-
r, arrendado Indo por 1:580-3000 ira-
porlauci.i da decima. 1 .
IJein n. 38.llerdeiroi de Jos Ramos
de Uliveira, um sobrado com um luja
o quatro andares, arrendado ludo por
1:0005000, Importancia da dcima. .
dem n. 40.Isabel Mara Ferreira, um
sobrado com urna loja e trea midares,
arrendado lado por 1:1001000, impor-
tancia da dcima........
dem 11. 42.Joaquira Luiz Vitira, e
Manoal Jos Carneiro, um sobrade
com urna loja a tres andares, arrenda-
do ludo por 1:0003000, importancia a
deeima...........
dem n. 41.Patrimonio dos orphaos,
um sobrado..........
dem 11. 46.Antonio Gonralves Perei-
ra Lima, um subrado com orna loja e
dous andarts, arrendado ludo por......
6500000, impoitancia da decims. .
dem 11. 48.Herdeiroa de Francisco F-
lippe da Barros, Joto Dotado Bomam,
lierdeirosde Marcelino de CitnppsQua-
resma e l)r. Ludgero (iuncal.es da
Silva, e Narcizo Mara Cameiro, om
sobrado com duas lejas e dous andares,
arrendado ludo por 1:2009000, impor-
tancia da aecima........
Ra da Cadea n- 50Joanna da Rocha
de Jess, um sobrado com duas lojas e
Ires andaras arrendado ludo por 8009
importancia da dcima.....
dem ir 52.Viuva e herdeiros de Loiz
Gomes Ferrena, um sobrado com urna
loja e Ires andar', arreudado lodo por
1:<>00o00O importancia da decima. .
dem u- 54.Joao Jos de Carvallio Mo-
raes, e Paula Iiidra da Costa'Monten o
um sobrado com urna loja e um andar
avahado ludo por (509000 iroporlaucia
da decima..........
dem o- 56. Capella dos Prazeres de
(juararnpts. um sobrado cou duas lojas
i dous andares airendado ludo por
1:30UbOOO importancia da decima. .
dem u- s.Jos Antonio Pereira da
Hucha um sobrado cun um nina loja e
dous andares occupaJos pelo mesmo,a-
valiado por 7009 importancia da declina,
dem IV 60.Antonio Jos de Masalhaes
Bastos, um sobrado ruin urna luja e
dous andares arrendado ludo por
1:0003 importancia da dcima .
dem n- 62.Edward Uenrique Fo, um
sobrado com urna loja e tres andares
" avallado ludo por 1:0009000 importan-
cia da dcima........
dem n- 94.Antonio Pedro das Nev,
um sobrado com urna loja e dolo anda-
res, arrendado ludo por 7003 impor-
tancia da decima.......
dem u- 66.A04011 io Pedro das News,
sobrado com urna loja o dous andares,
oceupado pelo mesmo, avallado por
7O0o importancia da deeima. .
dem ii- 1 Jos Gonc,alves Torres, um
sobrado com urna luja e Ires andares,
"ocupado pelo mesmo avallado por
650) importancia da decima. .
dem ii- 3.Jus Anlouio Lupes, um so-
brado com duas lojas e dous andares,
arrendado ludo por 7003 importancia
da dcima..........
dem u- 5.JoSo Bapli-la Fragoxo, om
sobrado com urna loja dous andares,
arrendado ludo por 8O3 importancia
da decima..........
dem n- 7.Jos Baplisla Ribeiro de
I arias, um subrado cum um loja e um
;m lar,arrendajo ludo por 4003 impor-
tancia da decima........
dem n- 9. Jus Baplisla ltibeiro de
Farias, um subrado cum urna loja e
dous andares, ai rendado todo por 400J
importancia da dcima......
. dem ii- II.Caudido Sodr da Molla,
um sobrado com urna loja e dous an-
dares, arrendado tu o por 4809 im-
portancia da decima.......
dem irlll.Francisco de Piulio "Jorges,
sobrado com orna loja e Ires andares,
ludo por 7503 importancia da decima,
dem n- 15. llerdciro de Joao Vieira
Lima.om sobrado com urna luja e dous
andares, arrendada ludo por 0709 im-
portancia da dcima......
ldemn-17.Antonio da Azevedo Pereira,
um sabrado cun urna loja e dus an-
dares, arrendado ludo por 7509 im-
portancia da decima......
dem n' ID.Jos Lourenco da Silva,
Calharina Teneira Lopes o Manoel
Pereira Caldas, um subiado com urna
luja e um andar, arrendado ludo por
bOOO importancia da dcima. .
dem ii- 21.Antonio Joaquim de Sou-
za Ribo.ro, um sobrada com urna loja
e Ires andares, arrendado ludo por
1:1003. importancia da decima. .
Idom n- 23.Hospital do Paraizo, um
sabrado...........
dem ir 25,Manuel Kibeiro da Cunda
Oliveira, um sobrado com una loja e
dous andares e soiao, oceupado pelo
mesmo avahado por 80OJ importancia
da decima..........
dem u- 27.Manoil Pereira Caldas.um
sobrado com urna luja e Ires andares,
arrendado lujo por 453 importancia
da dcima........
dem 29.Filhos de Jos Rodrigues do'
Pisso, um sobrado com orna loja e tres
andares, arrendado por 1:1009 impor-
tancia da decima.......
dem n-u3l.Amorlm & Irmaos, om so-
brido com urna toja e dous andares,
arrendado ludo por 91124- importancia
decima.
7-29000
905000
999000
JaaJMO
8I96OO
5,3000
459000
67*300
998000
1429000
909000
99901KI
9O9OOO
'I
589500
A ele'u;ao provincial ilo primeiro disti oto
eleitoraj de Pernambuco.
Entre os maitu candidatos que allradem natural-
mente a silencio dos eleilores do primeiro dislriclo,
vemos Ires cidadaos que (se nao por luperioridade de
merecimento intrnseco), por motivos especiaes, de-
vem de preferencia fuar a eseollia desla illusiraao
eullegiu.
lleferimc-nos aos Srs. Dr. Antonio Epainiuoiidas
de Mello, negociante Antonio Marques de Amorim
e llr. Cjpriano Fenelon Guedes Alcolorado.
Se o taleulo, a corajosa e inalteravel constancia na
vida poltica e os ervicos a um pariidj, prestados
rom dedicar mi a eternamente desacotn|>anliadus de
sulida recornpeiisa, mtreeem o publico rerouheci-
menlu, anda que de modo tardo e moilo iueomple
lo ; muguem mais rio qae o Sr. llr. Epaininondas
tem o direilode representar o diilricto inimiro 1 da
provincia. Sem os seus eiforcos, quaes senain boje
os eleilures da freguazia de Sanio Anlouio, qual loria
sido o resultado da eleiiilo de depulado coral ness*
dislriclo ?
A escolda deste Pernambucano deve ser um poni
de honra, a paga mesqoiuha de urna devida de in-
sidio,
dos de a. joio e nenie, e de todo o p
vador.
O donrado e inlelligente Sr. Antonio Marques de
Afnoriin, he um candidato natural nao s da fregue-
zia do Recita, de que ha eleilor, como de toda esta
do-se geito a flanea de Trajino Cavalcanli de Albu-
querque, cojo fiador tol o mesmo comprador das
ierra Domingos Freir !
leudo apparerido no Diario ra Peruaiiiburooum
artigo censurando um tal escndalo, o mesmo Elias
leve a falta de pejo, de em om oulro artigo, asig-
na lo por Manuel Freir, dizer pouco niais ou menos
o seguidle:
Sobre o negocio de Sania Antonio, o que lia he,
que mea mano Domingos Freir lando necessidads
de situar gados no serlao de Podras, comprou Ierras
a Jlo l.ins e siluoo etc.Mas sobre a venda 1er si-
do feila em eoacc/its e ameacas na priao, ao irmSo
oo proprio delegado, e a despiouuncia, pelo cunda-
do do mesmo e do comprador, daqjelles que a pou-
co eram dio criminlos ; deitou ludo no lintairo o
prevaricador, que descaradamente procurou eucobrir
sen proprio ciims Algum dia estas cuntas se po-
derao tomar, pols esistem documenlos : o proprio
processo desprnnunciado.e volado forte como ferro !
ludo tem seu lempo. Avisando-se a la a venal pro-
ce'lmenlo, deu o tal beiju' denuncias falsas contra
mim e ineus manos, em processo de que ja nos lia
vamos livrado ; prendeu para rerrula um mano
ineu, injuriando e a mebanlo muida sentida mai e
p*, qusnilo Ido cercou a casa, e depois de nos eol
locar entra todas estas perseguirles, embriagado pe-
nao ,0 dus eleilores da" Snio AmuD'ioTeorno I !!!" '"ZaZ*ti T" C'" Ke",e "' S?" **
S. Jos Recita, o de todo o partido cansar- im rlJ T22. 1 P rii""" S-*1 '"^
afilela, o resgale de seus fillioi processadus recru-
lados, pela venda do sitio c casa em que mura, com
lodos os heno !
Us afilelos pas, com o lim de verem om socego
commercianle cidade. Honesta al onde se poje .er,! f,^" "'''"V.d/""' J" J'"0. *'Pe'fnSa'.P'opondo-
inlelhgente instruido como entre nos b.V.Mta pou^ L'fSfcL im*Z? r m SL5TS ."" 8. """
eos negociantes, modesta at a timidez, o Sr. Mar- ; "ff"' T ,%'"^""" eondiclo,
qaes do Amorim, he ,, dos raro, Braoiloiroo que en- ?"e'' '%*,*.', 7" Ve"a*' Pu m"
tro nos se teem .presentado e distinguido can,- I -oi!!ul".h.?. I "l ." .'T
mercio de grosso trato. Oseo nume adiase br.lhan.^0'r.r.Jf.. P!S,,T" qe 'Ud"
-emente ligado A as-uciacao commeina,, de que he | SSrmgZS^tSi "!"
vsnho a ficar s com o meu vigario, 01 defuulus e a
cruz da fabrica, e ser muilo bom so meu galio em
lugar decapa ds esperie,n,lo Irajar camisola do lona,
c fora da freguezia -. purque o tal major Pinheiro.
he limivel, o eslou receloso que au se janla r m o<
dasgosloso da fesla, e vendamos a Dr esto auno 2
das de joizo, sendo o do foro no 1 do nulubro, e o
no'so a 1 do mesmo, leudo de permoio s os das que
se cusluma otar no oratorio.Libera nos,Domine,
como algumat vezes Icnlio ouvido aos padres.
,& fffCrt'
TRACA DO RECIFE 22 DE AGOSTO AS
3 HORAS DA TARDE.
Colardes ofliciaes.
Descont de ledras"10 0|0 ao auno.
P. Borges, presidenta.
L. Dobourcq Jnior, secretarlo.
dessas san-
irigi|lo pe-
IO83OOO
729000
1449000
589500
1179000
639000
909000
905000
639O90
6-19000
589300
639000
4392OO
369OOO
369000
439200
679500
609300
67/500
iiOOOO
999OOO
9
72,3000
409500
990000
8I9I8O
9
presidenta, ao nusso Banco, a companhia Pernam.- | T,,,.
bucana, recente companhia d.e colonisacao, e a lo- '" '*** '*ro"<,e P fop.onlo mao nao
9as.ouo.uasi todas as Imprezas qu. honran) Illas-fffSfSS?: A" auloridle8 pe'"res do logar,
Iram, abeiieliciain a provine a. I.unge de tirar del- c"llt."r"1.u Io"" qerla abusar de sua pruden-
las grandes intereses, oSr. Amorim, tem feilo gran-
des sac ilicin d > -eii lempo, ere lito e dioheiro para
susteutar alguiuas limas emprezas. Honrado ha dous
anuos com uin lugti na assiinblca |iroVincial, elle
ja se mostruo digno dv-e cargo, rieixaudo um docu-
inenlo de sua d-diracilo a esta cidaile, propendo e
faremlo |> i-sar urna le, proziina a ser ejecutada, que
ealabeltco una aula da commercio, com o Om de
habilitar os nossus polrtclos para a carreira coinmer-
ciai, que at buje, |>or diversas razes, Ibes (em sido
1.1o pouco acce-sivel. A' cidade do Kecife cabe pois
reeleger rsse Pernambucano di.lindo, esse seu can-
didato nalural, que tanto honra e caracterisa esta
comir.rrcial e emprthendedura cidade.
OSr. Dr. Cjpriano Fenelon Guedes Alcuforado,
he um dus no.sis mais talentosos jovens ; he um II-
luslr* faneelenarlo que se tem dislinguido pela sua
intetlileuela e dgnidade, lie um advogado que vai
adqueriodo um nome honroso pelo seu merecimeu-
lo. O Sr. Dr. Fenelon, pelo seu cargo, pelas soas
relacc, pela estima que tem grangeado daqualles
que o tem podido apreciar, he digno nao s de re-
presentar a freguezia de S. Jos, mi le he apresen-
lado por alguna eleilores, como loda a cidade, a es-
pecialmente a classe dio numerosa e importante dos
funecianarios pblicos. O Sr.Dr. Fenelon he o snbs-
lilulo natural do Sr. Jos Pedro da Silva, na nossa
assembla, onde por cauta de suaa luzes sobre as li-
narias da provincia e a Dossa Ihesouraria, de oulro
modo, a falla do Sr.inspector seria mimiamenle ten-
sivo!. Julgamo-lo pois credor dos iijssus sufra-
gios.
E estes Ires nomos sao todos na verdade dignos de
serem enviados asiembla do Forte do Mallo pe-
los nossos concidadaos e collegas.
L"m otaitor.
cia e boa f, a opiniao publica exaltando-se de in-
dignacao ; os negocios da Ierra tomaram seus eisos,
e eslamus livres e sollos, Dos louvadu, eo o meus
1..um- sem sermos resgalados com a |veuda das pro
priedades de nossos pais, do poder^aquelle moaro
prevaricador inslenle, que fieoo lambendo os bei-
(00, sem poder beber agoa da garrafa I (assim se cha-
ma a propriedade de meas palil eitcnsn ja val es-
ta, sem termos chegado talvez a quarta parle da jor-
na la !
Tenha poii o re em urna serie de artigas segundes, irei dasmaearan-
do esses tralicanies da honra e bens alheios, suas
baldadasseui feilos i-idignos e criminosos para com
todos,e presentemente contra a familiaSabe rooitu,
e o padre Florencio principalmente do capataz Elias
cuja genealoga desde o enseulio Pedregulho em
oianna.e sua descripcAo:phsira e moral somente da-
vam materii rara muilas paginas, ss ja por tao dis-
muralis.ido nao meiecesso antes n despiezo do pu-
blico.
Villa de ossero, 14 de julho de 1857.Clemen-
ini't de (soes Nogueira.
Eslavo recouheucido.
CAMBIOS.
Sobre Londres, 28 d. a 60 d.
Pars, 316 rs. por fr.
Lisboa, 92 por % de premio.
Hio de Janeiro, 2 por 0|0 d* descont.
Aec,ao do banca 50 por canto de dividendo por con-
la do vendedor.
a a companhia de Beberibe 609000 por acrao
companhia Peruambucana ao par.
< L'lilidade Publica, 30 por cenlo do premio,
c Indemnisadora. 61 ide -..
c < da estrada do ferro 20 por Oto do premio
Diseonlo do ledras, de 10 a 10 por canto.
Accfies do Banco, 40 a 45 da premio.
Ouro.OiiQas hespanholas. 29)500
Mosdas do 69400 volhas ....
e c 6940O nuvas ....
* 49OOO.......
Prati.l'aiaces brasiieiro.......
Pesos eolumoarios. .....
mexicanos......
3OJ0C0
IO9OO
ItioOOO
99000
2J0OQ
2BOO0
I986
ALFANDEGA.
Rendimentn do da 1 a 21. .
dem do dia 22......
444:0299112
45.-270j>940
489:3009052
-a
@0mp0ttbettrfit.
dem n- 33. Patrimonio dos orphaos,
ora sobrado.........
dem n- 35.lierdeirosde Jos Ramos
de Oliveira, um sobrado com una loja
o um andar todo porSOOj iinporlaucio
da dcima..........
dem ii' 37.Francisco Severianno lla-
bello Jnior, um sobrado com orna lo-
ja edons andares, arendado ludo por
1:15QQ importancia da decima. .
dem u- 39.Manoel Goncalve da Silva
um sobrado com urna loja e tres anda-
res avahado lodo por 1:2009 impor-
tancia da decana. .......
dem n-41.Mainel oncalves da Sil-
va, um sobrado cora una loja c qua-
tro andares, arrendado ludo por 1:0009
importancia da decima. .
Idiin n- t.'l.Inn.indade das almas do
Hccita, um sobrado com urna loja o
dois andares, arrendada la-Jo por 1508
importancia da decim.......
dem n- 43.Manoel Uoncarre da Silva
um sobrado com urna loja e dous an-
dar*, arrendado ludo por 7309 impor-
tancia da dcima.......
dem n- 47.Jos dos Santos Nunca de
Oiveira, mu sobrade com urna luja o
tr.'i antares, orreadido ludo p.>rb(K)9
importancia da dcima.....
dem n- 19.Josa dus Santas Nanea de
Oliveira, um sobrado com ama luja e
clons andales, arrendado lulo por
6i0f importancia da decima .
dem n- 51.Isabel da Silvcna de Mi-
randa Scve, sobrado com urna loja e
lies andares, arreudado ludo por
1.30O9 importancia d. dyima, .
Idcm n- ,">:!.Isabel da Silvnrn de Mi-
randa Se\.-, u:na sobrado com duas lu-
jas e Ires andares, arrendado ludo por
1:3909 importancia da dcima .
Id-m n- 5>.Viuva e herdslras de Joao
.Nepomucenu Barrooo, um subrado com
urna loja e Iras andares, arrendado lu-
do por 7009 importancia da decima
Lien ii- 57.Patrimonio dos oiihtos,
sobrado........
I lem n- 59.Patrimonio da uplioo!
um obrado........
1 lem ir til l'alrimunio dus orplijos,
um sobrado.........
IJem n- li i. Palrlmonio dos "ii !i-u-,
um s ibrado .....
Prlmelra sessao do con-ulado pruvincial, lide
ago-lo le I8.J7. lancador, Joao Pedio de Jess
da Malla.
(ronluiKar-je./ia.
72J000
1039300
1089000
909000
IO95OO
679500
729000
579000
II79OOO
125.301'.O
639000
i
9
3
NEGOCIO DO AJ?OI)[.
Provocado o aggredido em minha honra c socego,
e no de minha familia, por Manoel Freir da Sil
veira o seus manos e condados, leudo sido pouco di-
ligente em etporao publico respeilavel nossas ques-
lOes, o quem s3o aquellas homrns malignos, por
causa das grandes oceupa^es do commercio em que
caus empreado ; por isso muimos e impefeilos lem
vivo alguns ertigos que nesle sentido km sido pu-
sidoados, escriplos por amigos, que nao lem sido
bem instruirlos de ludo.
A minha proprio defeza convm pois qoe, fur-
lando alguns momeutos as occupacflts peadas que
me iinpoe meu negocio, ja um tanto consideravel
para o lugar, va' apresenlando ao publico taes quaes
i3o elles. Ja em 11111 artigo, que publiquei no n Pe-
dro II do Ceara', dei orna idea succinls de quem
era o pai, que taes lilhos produtiu, Manoel Freir
da Silveira Snior ; aqu porm priucipiare por
dizer, qoe assim mesmo elle, em relaciioa essa pro-
genie infecta que deizou, era uin bom horneen, por-
que ao menos, (apecar de seo genio precipitado e
insultante, do qual muitos foram victimas de ata-
ques brulaes) depois dos primeirus impelos e deli-
rios da malcriaran em que parecia mais fono que
racional, moderava, perda o udio e au premidna-
va o mal de ningoeni. Deiiemos os murlus, vamos
aos vivos. Nao ha termo poiein, que signilique o
estado de maldade em que deve ser uraduado o ge-
nio ddienlo, inlrigaule, briguenl e vingaluo desse
rancho de siganos que delta deseendeu I E-tupi-
dos como a |iroptia estupidez, sem ediicae.lo algu-
ma social, nutridos na presuinpcao de lilhos de pai
espadachim, e valent.lo que foi commandantc no
lempo do despotiimo por estes mesmus lilulos, tor-
naram-se 13o insolentes e insopportaveis, que s,lo o
llagello dos viziuhns ; dos quaes talvez nao se tire
dous com quem nao tenhaui lidouma contenda, urna
intriga No seu cerimtnial ou cartilha odenla, se
observara restrictamente os preceitos aoli-sociaes
de ques he homcm brioso e de bem aqutlle gros-
seiro, que vira a cara e foge, como do encommuu-
gario, a todo seu semellianle com quem lem a me-
nor indispool{So, que apregoa contra elle injurias e
insultes em toda parle que se aeda, e que prufers as
irrevogaveis senlen;as de llie nao encruzar os h-
lenlos por oilo a det annos, ou perpeluaineule, a e
de vender al a ultima vacca, r, para se vingar !...
tluein nao lera' visto e ouvido e lnguaieiro Do-
mingos Freir a cducalliar (o termo vem a pro-
sita, por ser elle condecido por ir educedlo de reda-
ndo a, por soa ma' linguaj todas as lionrss, todas as
prodidades, todo quanto da de mais sagrado na vida
privada de todas as familias cora qaem nao sita' em
relacoes? Quem nao lera' ouvido as ameacas e vo
ciferacOes insultantes do regaleiro Manuel Freir,
contra as victimas de sen dessgrado ? Quem na 1
lera presenciado os arrebalamentos o vira-voltas
grosseiras e insulluosas do rencoroso Jo3o Freir,
quaudo se enconlra inesperadamente com stus de-
sallectos I Quem all nao lemsoffiido incommodos,
prejuizos, desasocegos e alTionlas de lodos elles, que
andam setenta e oilenta leguas s pelo maligno
prazer de farer mal Cousas sao estas que nao da
no Apodi quem u.lo tanda visto, ouvido e sollrido,
e das quaes lem sido victimas, alm de ontras mui-
las, as familias dos finados lenle Jos de Gos, e
major Nogoeira dos Rosarios, de meu pai, de meo
sogro ; o professor Dantas, o profissor Beltrao, a
arlual professnra Anua Rosa Emilia, o finado vi-
gario Faustino, o actual vigario Floren.-io, o altares
C Iranciscu Reinaldo, Manoel da Gusta Soares, Jos
Ir. ir de Amorim, JoSo de Goes fiu^ueira Roclia, o
infeliz Manoel Theodoro ele. etc. e oulras muilas
para que nao cliega o papel e a tinta, como iiei de-
monstrando-e provando nsste e nos secundes ariigos!
A pacifica e modesta familia Sade-muilo, nao tem
degerido poneos Iragos do tal derramado por essas
lingo,is de vibora ; porm modelo da inaiuidao e do
sofTrimenlo, lem podido al agora, com seus eiem-
plos e comeldos, contar urna eiploso geral de in-
dignacao contra esses gruidas ; mas ja la' vai lam-
ben) srredatadu pela enchurrada de suas desenvol-
turas, como iremos vendo. Pobres como o pai, cor
do irabafaz sem costumes, iolrigadus como quasi
lodosos prenles de inlelligencia lomba e sem cul
livo algum, mesmo fracos e o bardes, como lodos os
malcriados, nao leem 11 lo os taes o beijs i> om ti-
tulo ou qusli ale que os recommende peanle o pu-
buco, se nao soas malversaces ; 110 entretanto de
ridiculo ve-Ios soberbose erilhasia se importancias, persignindo aquein u3o Id'a da'
depois que o condado Elias os lem apodrecido rom
esias vaidades eloucuras proprias delta !... Jo'o No-
cueir, av materno dessa eenle, antes de murrer
na villa de Marvao no Piauhv, legitimou por sub-
sequente matrimonio Ires flllios, que deisoo ; mas
esses desvalidos de melhor figoia que os heijii-, se-
gundo me informam, leem can;ado de se dingirem
a elles por suas deroncos, constante boje da matar
paite dus roer ros qoe pussuem. e de que se apoi ram em ausencia do mesmo Nogueira ; e a icpola
lem sido insultos e ameacas de se gastar al a ulli-
ma vacca, para nao pagar !
Mas como De. s escreve cerlo por linhas curvas,
eslri e avizinhando o lempo desla restituirlo, por
que ja doje etisle neis mundo de Dos, quem es-
leja disposlo a proteger os taes desvalidos, e fazer
tender ate a ultima vacca, porque talvez assim
rdegueiii para a restilucao do que perlence aos
inesmos '. Deas de J usura, prolegei os desvalidos, de
quem sois toderauo |iroleclor 1 '. I
Falleremlo sem drrdeiros um cundailo 1I01 mes-
mus deijus, chamado Domingos, e leudo de pasea!
a melaco dos dens para os derdeiros laleraes, ma-
nos e sobrinhos do muri, vivem elles alli quasi lo-
dos liebres, por ajo lerem a necessaria energir para
fazer o proprio Elias, que foi quem casou com a vi-
uva, vomitar cs>! bocado alheio, que he boje quasi
do que vive, lempo vira' e inlo muilo lunge, que
elle o vomitara c mi o impulso das circumslaiicias I
A Jusltea Divina 011 mais tarde ou mais cedo he
tempra salsfeila l'faualoo tal Manoel Ferreira,
(un feio pe 1 logar de delegado do Apodi, que po-
lo obter par tregeids do cunhado Elias,
Sn. redactores.Acabo do soffier a maior das
injuslicas e como a suppouha um invento, digno
de levar-seao coiihecimento do publico sensato, e
verdadeiro aqolalador da moralidade dos fados,
paso a expor-lheso tegointe.
Tendo-se procedida 110 juizo municipal, a reque-
rimeiilo meu urna vesluiia contra Joaquim Jos Ri-
beiro Pcssea, em um rogado, que este me havia In-
cendiado, foi o d .11.110 avahado em trila mil reis ;
mas, sendo os aulos dessa queitao, em que leve lu-
gar a vestoria conclusos ao juiz municipal, quando
a alead! do. juizes de paz se havia elevado 1 qoau-
lia de 50.301)0, cuten leu quede juiz. que devia re-
meller aqaesUa ao juiz de j>az desla fraquezia, e
assim o fez ; pelo que este, recbenlo os autos, deu
sua seulenca, que foi publicada e intimada asparles.
Islo poto, passados mudos das, apresenla-se a
parte cooiraria com urna pililo, pediudo vista da
seulenca ao actual juiz de paz desla freguezia, o
inrjur Francisco Antonio Pereira, que fura loovado
do pelicionario da vista, e epae entrelaulo Ih'a con-
cedeu ; e apresenlado* os embargos por aquella
parle, da-se enlio de suspeito, c vio os autos ao juiz
de paz iminediato, o Dr. Jo3o Antonio lernandes
00 t.irvalhn, qoe recebeu os embargos e sem dar
vista ao embargado p.ia rontraria-las, julgon nuda
a primelra seulenca do sea antecessor, absolvan-lo
o embargante de paear o damno as custas, em qae
tora con lemnari ', e coiidemiiando ao embargado
uas cusas. Devo advertir, que o advogado do em-
bargante be prente muilo proiimo do juiz refor-
mador da primelra aenleoca ; e enlretanlo este en-
lendeu que nao era motivo sullicienle para decla-
rar-se suspeilu. Eutendo poi', que semelhaute fac-
i he um dedo invento, (r que se deve allriduir
um juiz bacdarel '. ) pois que anda se alo sadia, ao
menos ra penis nossos malos, qoe as Meneas dos
imzesde paz, dentro de na aleada, vala do dis-
poslo na caria de le de 15 de outuhro de 1S27 arl
o J 2, e rog. de 15 de marco de 1842arl. I 5 2, eram
su-cepliveis de vista, o refurmaveis por embargos
que se deviam julgar par senlenra os embargos re-
cebnlosde urna das parles, sem "que a ootra fosse
ouvida em aadieucia para vir com a soa contrarie-
dade ou impugnarao. (icando assim lolluda, e pri-
vad 1 do direilo de defeza, que as nossas tais laido
garantam e que linaliusute de urna senlenca passada
emjulgado se podesse pedir vista !
Se em lodo esle proceder do Dr. Jo3o Antonio
lernandes de Carvaldo da ou nao arditrarie.lade o
clamurosa injuslico, ou antes injustica absoluta, e
contra direilo expresso, decid.10 quem for habilita-
do na materia, e avahe da sorle dos habilanles des-
la freguezia. E para que n3o fique essa peja con-
sagrada ao silencio, pero-Idea, Srs. redactores, quei-
rarn dar pudlicidade em seu muilo couceiluadu jor-
nal, a estas toscas linhas e a co|iia da seulenca a que
me refiro, com o qae mudo obrigarao ao seu meuor
criado
Joao Coelflb de Souza.
Freguezia de S. Miguel do Taip 5 de agosta de
COPIA FIEL DA SENTENCA.
Recebo os embargos e julgo-oi logo provados para
elleito de se considerar nudo esta pmcesso pelas ra-
zoes eipendiilas nos embargos, licando a parle o di-
reilo salvo de requerer competentemente seo direi-
lo ; pagas as cusas pelo autor embargado.
O esenvao a faca publicar em sau poder, e car-
tono com iiiiiin.,,;,', das parles.
Jo3o Antonio Fernandes de Carvaldo.
Bomdm 18 de junlio de 1857.
Srt. redartoret.Ymci. far.lo om grande obse-
quio declarar soa opiniao, se de tambem estendido
aos oulroi ministerios em geral, o que se l no l.i-
brral Pernambucano de segunda taira 17 do cr-
renle, sub o n. 1455, 111 parle das Iranscripcoes 3."
leci.ao.Circular. Ministerio da jusiica. K10 de
Janeiro em 16 de juuho ds 1857.Illm. e Exm. Sr.
S. M. o imperador manda recommendar a V. Exc ,
que sempre que a imprensa nessa prorincia denun-
ciar factus de autoridades, ou Je parliculares, os
quaesdovam ser investigados por tralarem de abu-
sos do poder, ou de algum aclo criminosoprocure
imuiedint -inenie colher infurmaces sobre lacs tac-
tos, e as transmuta Oora urgencia a esta secretaria de
estado, com declarado das providencias qua liver
dado na orlla de suas atlribuir,oes. Esperando o
mesmo aogosio Sr. que V. Exc. nao daia' occasiao,
a que Ihe sejam exigidas essas iuforma;dss por nao
asjbaver enviado em lempo proprio.
Dos gaarda a V. Exc. etc.
O que muilo Ide Picara' obrigado
Manoel Luciano da Cmara tiiiarana'.
Sr$. redactores da Pagina Acuita.Esloo em
termos do denar de ser saeristao da matriz da cida-
de tioianua, pela zanga que me tem caucado o res-
pectivo parodio o Sr. Domingos Alvares Vieira, por
isso que me dizern que lodos os parocboi, concorrem
mais ou mano, para o cngrandecimtnlo das festas e o
de ca da ierra, procede nislo pelo inverso ;. porque
lendo o Sr. lenle Miguel l.ins da Silva.eomo pro-
curador da prxima ta,m do Orago desla freguezia,
empregado lodos os meios ao seu alcance, para ser
taita com pompa e es|ilendor, o reverendo vicario o
lem desgostado impon o-llie a msica do Sr. Henri-
ques Rabello, para locar em todos os actos delta,
com preferencia a do Sr. Jos Conrado, qae alem de
ser a melhor possivel corno lem sido elogiada pelos
jorn.-es desla provincia, accresce ser esle cunhado
daquelle procurador ; e pelo que consla-me que nao
so se presta a isso por mdico precn, como qoe ludo
envidara para o bom desempeulio ; poiem o reve-
rendo vig.rio. que nao allende a astas conveniencias,
esao seu nao genio, lem dito que de mais fcil
nao daver festa, e fecdar a matriz, ,10 que se chegar
a razao, e su acredita ; poique ja ha 3 ou 4 anuos
sendo jaita des-a festa a Eima Sra. do Sr. llr. Joa-
qoun de Souza Heis, elle preferio antes pagar pe. s
dinbeiios arrecadados a urna msica, do que acei-
tar a vanlajosa esmola que clfereceu aquella fulza
de dar a msica para a vespera, festa e Tc-Dcum,
porem, agora nulro e|>eraiiras de que aquello
Sr. tanenle l.ins n;lo cadera' do direilo que
tem de contratar a msica o o mais preciso
como procurador da festa, lano mais porque se
me lurorma que lovoa esse neaocio a S. Exc. reve-
rendsima ouao Illm. e Rvm. Sr. vigaiio geral, pe-
diudo urna ilensto a respeilo, a qual nao pude dal-
lar de ser em prejuizo dessa embirrancia do reve-
rendo vigario com o que lano lem desgosta 10 um
pequenu numero de pessoasque aluda india em ru-
da de si, sendo todavia eu um dus seu
Desearreoam hoja 21 de agosto.
Barca americanal'nidofamilia de Irigo.
Utigue inglezSpraybacalhao.
Brigue sueco Jeniiymercaderas.
Escuna dollandetaTerca Kand-ssonidem.
Brigue portuguezLaia 111 touciudo, cal t ba-
tatas.
Sumaca hespanhnlaDolorespipas de viudo.
MPOKTACA'O.
Brigoe inglez Sprav, viudo do Terra Nova, consig-
nado a James Crabilree o; C. maoifostoa o se-
guidle :
2,700 barricas bdcaldao ; aos mesmos.
Sumaca despachla Dolores, vinda de Barcelona
o Malaga, consignada a Araoaga & Bryan, raanifes-
tou o segoinle :
Da Barcelona.
40 pipas, 100 metas e 50 barrls vinhos, 50 barricas
farinha de trigo, 546 panelas ds barro, 273 frigidei-
ras do dito ao capitao.
De Malaga.
70 barris vioho, 20 ditos azeite de oliveira, 300
qoarliulMS de barro ; ao capiao.
CONSULADO GERAL.
Bendimenlo do dia 1 a 21. .
dem do dia 22.......
Carne secca .... ......
Cera de carnauba em pao. .
1 em velas.........
Cdarulns bous.........
o ordinarios ......
regala e primor .
Cocjs seceos..........
Couros de bu i salgados.....
o seceos ou espixados. .
" verdes..........
a de moa ........
n cabra cortidos .
0 i) carneiro.......
Doce de calda.........
a o' goiaba........
> TI CU..........
jalea ,.....'
Espanadores grandes.. ....
o pequeos....
Esleirs de preperi......,
Eslpa nacional........
eslrangeira, niao d'obra
Fariulia de ararula.......
' o milho......,
o mandioca......
Feijao.............
Fumo em rolo bom .....
1 indinarlo.......
em falla boio......
o u ordinario ,
restolho .
Gengibre...........
Gomma...........
Ipecacuauha.........
Lenha de aedas grandes .
peijuenas..... 1
B loros....... a
PrancdOes de amarello de 2 costados um
louro......... i)
Costado de amarello de 35 a 40 p. de
c e 2 y a 3 de 1.....
de dilo usuaes....... d
Cosladindo de dito........ ,-
Soallio de dilo...........
Forro de dito...........
Costado de Inuro......... u
Cosladinho de dito........
Soaldo de dilo...........
Forro de dilo.........
a cerlro.......
Toros de lalajulia......
Varas de pereira......
o aguildadas......
a quiris.......... a
Em odras rodas de sicupira para c. par
5.-J3O0
B 1(i>niu
B I29OOO
cenlo ljTlMI
9S1H)
ji 29.V10
cenlo Jr'iii
t J320
0 jaso
B 210
V m 1.39000
B 9100
8 90J
9ioo
1) 9320
a 9800
B 910
um 51KH)
0 1000(1
urna 92O
19600
I9OOO
@ 3|500
0 398OO
Alquere WKio
alquene K3000
(lOOO
1 i-i.i.i
D Uin M
D 79000
29OOO
alq. 2 ti 59000
3>
cenlo
85:1089145
2:6019128
87:7099573
DIVERSAS PROVINCIAS.
Kendimento dodia 1 a 21. .
dem do dia 22. ..... .
5:1039818
120/599
5:3149117
DESPACHOS DE EXPORTACAO PELAMESA
DO CONSULADO DESIA CIDADE NO DIA
22 DE AGlSTO DE 1857.
Rio da PraiaPalacdo inglez olndexo, Isaac, Curio
ii C, 310 b'rricas assucar branco.
Monlevideo Brigue dinamarquez -Ccres, Bii'.lar
iS; Oliveira, 350 barricas assucar branco.
Rio da PrataBrigue suecu uDiodeto, Francisco
Medeirns&C. 150 barricas assucar branco.
Ht'raBrigue franoez ol'arahiba, N. O. Bieber
& C, 1,301 ciiiii"- salgados.
EXPORTACAO'.
Lisboa, barca Gratidao, condu/io o seguinle :
1,557 saceos o 13 feixes com 7,797 arrobas e 13 li-
bras da assucar, 1U0 cascos mel, 9b cascos sguarden-
le, 17 couros salgados, 15 saceos gomma, 25 pran-
ches de amarello.
Buenos-Ayrcs e MonleriJo, patacho inglez oBos-
phorus, de 318 loneladas, conduzio o seguinle :
100 pipa cachaca, 1,6:10 barricas e 480 barriquiuhas
com 15,659 arrobas e 2 libras de assucar
llura, galera franceza Olinda, de 444 lonela-
das, coudozio o seguinle: 6,198 couros salgados
seceos. 1,004 ditas verdes, 4,000 ponas de boj, 800
saceos com 4,060 arrobas de assucar, 666 saccas Cun
1,632 arrubas e 1 Barceduna pela Parahiba,galera hespanhola Lau-
ra, de 760 loneladas, couduzio o seguinle : 800
sacras com 4,097 arrubas e 25 libras de algodao,
3.000 couros salgados, 500 saceos cacao.
RECEBtDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimerilo do dia 1 a 21.
dem do da 22.
17:9469013
1:7293151
19:673|I97
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimenlo do da 1 a 21. 50:6229066
dem do dia 22....... 1:3129277

quintal
duzia
a
Mel_____......
Milho........
Podra de amolar .
o filtrar .
rebolos .
Piassava em molhos.
Ponas de bol ... .
Salan........
Salsa parrilba .
Sebo em rama .
Sola ou vaqueta .
Tapioca.......
I'nlias de boi ....
Viuagre .......
32*000
29000
I9OOO
II9OO
219000
189OOO
3O90O0
19000
99UOO
79OOO
I-'IIKI
CN.IIKJ
69000
5-9000
29500
.I9OOO
19280
I96OO
1#)20
15280
26-3000
SJOOO
5250
siSo da entrega definitiva, e as oulras cor-
respmi lerilu a cada lergo Jas obras.
* s O prago da resuoiisabil.uade ser do
umai.no, durante o qual u arremtame ser
obrigado a mantci a eslraJa em pe.-feito es-
tado do conservado reparando as ruinas to-
da as vezes quo exigir o cngenlietro da es-
tiada.
I." Para ludo o que DBo se acba especi-
ficado as presentes clausulas nem no oica-
mento, seguir se-ha o que dispe a respeito
a le provincial n.286.Conforme.o secre-
tario, A. F. da AnnunciacSo.
O lilil. Sr. inspector da Ihesouraria
provincial, em cumprimento da ordem do
i.xin. Sr. presidente da provincia d-elOdo
nortele, manda fazer publico, que no da
3 de setembro prximo vindouro, petantes
juula da fazenda da mesma Ihesouraria, se
ha de arrematar a quem por menos (izer a
obra dos concertos da ponto do Unjo sobre
o rio Seriiihilem, avaliados em 1:276? rs.
A arrematarlo ser feita na forma da lei
provincial n. 313 de 15 de maio de 1854, e
sob as clausulas especiaes abaixo copiadas.
da coll'doria, Luiz de Albuquerque Lins
dos Guimaries Peixoto.
O Dr. Anselmo Francisco Peretti, commen-
dador da imperial ordem da Rosa e juiz de
direilo especial do commercio, nesta ci-
dade do Itecife, e provincia de Pernambu-
co, por S. M. o imperador, que Dos guar-
de etc.
Fajo saber aos que a presente carta de e-
ditos viren, ou della noticia tiverem, em
como Jo Gandido de Barros, me endere-
cou a peticSo do theor seguinle :
Diz o lenente-coronel Jos Candido de
Barros, morador nesta cidade, que Lino Jos
de Castro e Araujo, ent3o corr merciante es-
Ubeleeido nesta cidade Ihe he devedor da
quar.jiaiie500/rs., de urna nota promisso-
ria, vencida em 18 de julho de 185, com os
juros de um por cento ao mez, a qual nota
foi transferida ao supplicanle por Antonio
Josc da Cosa Guimares. tambem commer-
cianle, e comr. ossupplicados nfJo tenbam
pago o sau debito, nem se si iba onde se a-
cham resulindo actualmente, requer o sup-
phcantea V S. sirva-so de admilti-lo jus-
lili,- ir ., Kannnn .1...- .....I' i .
canada
alquere 3900
una .;iio
69000
9800
9-00
19200
9120
199000
69OOO
920O
19000
P300
3O9OUO
---------"r'*'iai0 !* t"r-.s.u<^. fFiKrtiiiu o. o., va-no ue admttli-lo ius-
as pessoas que se propozerem a esta ar- I tilicar a ausencia dos suplicados, a isto fei-
remataciio comparegam na sala das sessej to se passe carta deeditos, alim de serem im
da mesma junta no dia cima declarado pelo supplicados citados para na primeira audie.i
meto da competentemente habilitada*-, ,cia deste juizo, verem assig^.r-se-lC os
para constar se mandou anisar e publi- 10 dias da lei, dentro dos quaes deverSo con-
a,I,., ?" ss. ^ fessar' ou 8"egr os seus meios de defeza
secretaria da Ihesouraria provincial de pena de revclia?
i.,lE,B!b"C01n,de "?* WO secre- Assim, pede ao Exm. Sr Dr. juiz do com-
lano. A.F. da Annunc.acao. mercio Ihe deflra.-E R. M.-Moraes e Silva.
Clausulas especiaes para a a rrematagilo. Em-aig se nao contioha em dita peticSo,
1." Os colicortos da ponte do Anjo sobre "a l.utl profer o despacho do theor seguinte:
o rio Scrinhaem serSo feilos de-conformi-' 1n*- R<"-,fa o < ">?.,
dade com o orcamenlo apresentado a appro-
va^ao do Exm. Sr. presidente da provincia
na importancia de 1:276-9 rs.
2." Balea concertos deverao principiar
no prazo de um mez eserao concluidas no
de seis mezes, a contar da data da arrema-
ta c5o.
3
paga
certos ..
cbidos definitivamente.
*. I ara ludo o mais que oSo estiver de- ;
terminado as presentes clausulas, seguir- cartas cora o prazo de 30 das, fin lo o qual
se-ha o que determina a lei provincial n. 286 e havlclos os justificados por citados se Ihes
del7demaio de 1851. Conrotme.Ose- nomeara curador, para com este correr a
.-i..!:.,,,, a p .i- >---------1-..- causa os seus devidos termos; pagas pelo
. um
ceulo
a
<>
@
uieio
ceulo
Ipipa
moiwmcnt* ^5> togt?
Navios entrados go dia 22.
Havre39 dias, brigue fraocez oBelem, de 187 to-
neladas, raiman l.erous., equipagem 15. earga
mereadoras; a Lasssrre & Tissel.frte. Peiten-
o Havre. P.sssgeiros, L. A. B., C. Capdeville,
E. P. Mispolet.
Navios sabidos no mesmo dia.
SoulhamplonVapor inglez Pinee, commandanls
J'ilni liammirh.
HavreBarca frsnceza oOlindss, capit.lo I.ojer.
cari! ssucar, alaodo e couros. Passageiro, Mar-
ital Canlerre Crebier.
Barcelona pela ParadbaGslera hespanhola Lau-
ra, espito Jos Isern. carga algodao o mais g-
neros.
Canal Escuna iogleto njeune Elisa, capillo John
Pallo!, carga assucar.
Iluenos-Ayrea por Montevideo Patacho iiiclcz
allosphorusn, ca ii.i i P, Pinder, carga assucar e
Anunrilenlp.
MAI'l'A dernoiuiralifi. d'apuu que tece o banc, da
barra deste porto na temana ltimamente
______I' mlii.
16
17
IS
19
20
31
-_;
Nominaco
dosdias.
Domingo
2.a feira.
3. fsira.
M feira. ,
5. feira.
(i.J feira.
S.ilili.dn ,
Preamsr.
I i 1|2 ps i II:
15
15 1 j-2 o
16
li. 1 [2 i
17
I6I|2 i.
Baia-iria .
11 l|2 ps iue.
II
101|2
10
10
9 1i2
10
Observado.
.Nosdi6erenles ancoradouros do purlo oscidou a
bana-mar de 14 e 20 a 16 o 22 ps inglezes, o a
preamar de 22 o 29 a 21 1|2e3l 1|2. Em 22 de a-
goilo de 1857. Jos Faustino Porto.
ff*
0,
51:9ti(9.113
PRACA DO RECIFE, 98 DE AGOSTO DE
1857, AS 3 HORAS DA TARDE.
Itecista semanal.
Cambios Os saques para o vapor nTImmar
foram negociados a 28 l|l, 28 e 27
7|8d. por 19, sendo os ltimos a
28, ao qual esleve firme, porm
depois da sabida daquelle vaso tor-
i >i.-se um pnueo varillante.
Algodao----------- C.niiuii ni animado vendendo-se
de 89 a 89300 por arroba. Eutra-
ram 706 ssccas.
Assucar------------Tanto pelas desfavoraveis noticias
da Europa, como pela proiimida-
de da nova safra, o mercado tem
estado um pouco animado, e mes-
mo tem soll'ndo declinarte. Ven-
deu-se algum branco regular de
<9 a 19100 por arroba ; masca-
vado America de 39200 a 39260,
Caual de 3-9100 a 39200 por rro-
ba ; e algum esculludu a 39500.
Eolraram 3,2.50 saceos.
Couros------------ Pouco procurados ds 305 a 310 rs.
por libra do- seceos salgados.
Bacalhao---------Negociou-se um csrrrgamsnlo d
San Jo.io com 2,700 barricas -
rtrea de |s-i;iili. Ketalhoo-se dr
189 199 por barrica, e flcaram
em ser 5,600 barricas.
Carne secca- As vendas do resto que exislia do
Rio Grande regulou de 698OO a
79 por arroba, e hoe nilo existe
nenhume em primeiro m.lo.
Farinha de Irigo- Tocarsm oeste porto o srguiram
para os do sl dous carrrgsmen-
los com 7,000-barricas. Tivemos
mais oulro carregsmenlo da mes-
ma qualidade que existe em ser.
Vendeo-so de 229 a 26s por bar-
rica americana, e de 269 a 28? de
Triarte, tirando em ser 3,600 bar-
ricas desia e 5,000 daquella.
Descont----------Conservoo-se a 10 por cento ao
auno.
Frels ---------Houvrram fretamentos para o Ca-
nal a 30 sem pritnagem, e ha pou-
ca procura de navios.
Toearam 00 pono : 5 vapores, 2 navios com fari-
nha1 de Inco, 1 com bacalhao, e -.' com guano.
Enlraram : 11 de cabolagem, 1 com bacalhao, 1
com carne, I com vinhos, 2 com faiandas e gneros
europeos e 1 em lastro.
Sahlram i> com carrezamento de gneros do palz
para porioa eslrangeiros, 5 de cabolagem, e 5 em
lastro.
Fieeram no porto 11 embarcaraes, a saber : 2 a-
meriranas, -JOnrasileiras, I dinamarqueza, 2 france-
za", 2 hespanholas, 1 bnllandeza, 9 inglesas, 1 porlu-
sueza, 1 sarda e 2 suecas.
ina.idando-os vir rtipnii escollados du Purlo para o
Apodi, para OOTirem jurar teslemuulias em um pro-
cesso que Ibes abri, anjeaban lo de os remetter cn-
ciiiradns e proeetsadM para a capital; os obiigou es-
- ni I I ainf.uta a n-signarem, prsios cuino esla\am,
esrriptura de venda de suas Ierras e caas, a seu ir-
mao Domingos l-'reirc, pelo prefii que quiz, sob pro-
mrssa ile serem despronuncialos de todus os crunes,
que Mieerarn imputadas, por seu cuntalo Lias, I-
-upplcnlc du juiz municipal, romo imiiiedialameule
o foram, Jola l.ins de Albuquerquee Belarmino de
.. a esde a o
maldito do iusjur Pinheiro, que al sabe que eu f-co
hosliai, e que o reverendo vigaiio tendo diut.eiro
para guizan.eulo Um;a na despeza da fabrica bairis
le vinho incompelen.emente, e faz una conta com
que muilo lenho embirrado, por nio ser allandido
ella o viiiho que nos chupamos c por purlas Iraves-
sa e nem ao menos o Sr. major Pinheiro se lembiou
do incluir nessa conla um boradiubo de que Ihe fur-
neci na matriz para lie dar com campboia a um cho-
lenco que Iralou por ler sido accominedido aqui ao
lempo da -
S,i. -a,ns ? *l"u1'""i"fe ueh.rm.no de lempo d. mi.sa conventual ; n.ialmeiile.s.nhoresro-
suuza. campos, que hcarain morando no lugar dan-' dadores pelo geito que as cousas tito lomando eu
PAUTA
dos precos correntes do assucar. algodao, mais
leeros e producret naeionaei que te de-pa-
cham na mesa do consulado de Pernambuco
na semana de 21 u 29 de agosto de 18)7.
Assucar branco.
ii masravado.........
rehilado........
Algodao i'in pluma de I. sor (a
o d 2. a
II 1) 3.a 1)
o em caroco.........
Aguas ardeultsalcool, ou espirito
d'.uuanlrhle. .
de cachaca.......
de caiii.u.......
distilada a do reioo. .
Genebra
..........., ,
Licor ...............
...............I.
Arroz pilado.............
i. em casca..........
Azeite de mamona ........
b mcndobiin e de coco. .
de pcixe.......
Aves araras.........
b papaga ios.........
Periquitos..............
Bolachas............
Biscoilos.............
Cacao......i.....
Cachimbos.......,....".
Caf bom.............
n em grao restolho.....
ii com e-asea.........
moido............
O Illm. Sr. inspector da ihesouraria
provincial, em cumprimento da ordem do
F.xm. Sr. presidente da provincia de 7 do cor-
renti, manda fazer publico, que no dia 3 de
setembro prjimo Tindouro, perantea junta
da fazenda da mesma thesouiaria, se ha de
arrematar, a quom por menos flzer a obra
do empedramento da primeira parte do pri-
meiro lanco da estrada do Pao d'Alho, ava-
llada em 38:06^0000 reis.
A rrematac3oser feita na forma da lei
provincial n. 343 de 15 de maio de 185*, e
sob as clausulas esneciaes abaixo copiadas.
As pessoas qua se propozerem a esta ar-
rematacSo comparceam na sala dassessfjes
da junta no dia cima declarado, pelo meio
da competentemente habilitada.
E para constar se mandou allixar o pre-
sente, e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco 10 de agosto de 1857.O secre
tario, A. F. da Annunciaco.
clausulas especiaes para a arrematacSo.
1. As obras da primeiraparte do primei-
ro ianrjo do empedramento da estrada do Pao
d'Alho, far-se-bao de conformidaJe com o
orcamento approvado pela directora em
couselho e apresentado ao Exm. Sr. presi-
dente a provincia na importancia ii .
38:060/000 reis.
2. O arrematante dar principio as o-
bns no prazo de um mez e as concluir no
de 16 mezes, ambos contados na forma do
art. 31 da lei provincial n. 286.
3. O pagamento da importancia da ar-
reiraUgao realisar-se-ha na forma do art.
39 da mesma lei.
* O arrematante excedendo o prazo
marcado para a conclusao das obras, paga-
r urna multa de 100a rs, por cada mez, em-
bora Dio seja concedida prorogar;iio.
5." O arrematante durante a execuQao
das obras proporcionar transito ao publico
e aos carros.
6." O arrematante ser obrigado a em-
pregar na execu^ao das obras pelo menos
melade do pessoal do gente livre.
7." Para ludo o mais que nao se achar
determinado as preseules clausulas nem no
orcamento, seguir-se-ha o que dispfJe a res-
peito a lei provincial n. 286.Conforme.
t) secretario, A. F. da Annuncia3o.
o 11 ni. Sr. inspector ua Ihesouraria pro-
vincal, em cumprimento da ordem do Exm.
Sr. prei-idente da provincia, de 7 do corre-
te, manda fazer publico, que no dia 20 do
mesmo vai novamenle a prarja para ser ai-
rematado a quem por menos lizer a obra do
15- hinco da estrada do sul, avaliadaeni
15:6209000 reis, servido de base para a arre-
matarlo o nlfereciraeiilo de 1 por cento abatiuiento feito por Jo3o llippolyto de Me ira
Lima.
A anematacSo ser feila na forma da lei
provincial n. 313 de 15 de maio de 1854, e
sob as condices especiaes abaixo copia-
das
As pessoas que se propozerem a esta r-
mamelo comparecam na sala das sesscs
da mesma junta, no dia cima declarado,
pelo meio dia, competentemente habilita-
das.
E para constar se mandou allixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da ihesouraria provincial de
Pernambuco 10 de agosto de 1837. O secre-
tario. Antonio Ferreira da Annuiiciscao.
Clausulas especiaes para a arremalacSo.
1." As obras do 15. lance, da estrada do
sul far-se-hSo de conformidade com o orca-
canada Isooo melll0 pl"ta e perfls approvados pela di-
b Ia92 rL'cloria em conselhn, e apresentados a ap-
le6o"o provacao do Exm. Sr. presidente da provin-
|ii~|"hi cia na importancia de 15:6209 rs.
3)000 1." O arrematante dar principio as o-
icooo liras no prazo de um mez, e devera couclui-
fSSOnllas de ,8 mozesi ambos contados na for-
5v00 m* do arL 3I ibtJO a0 l"JU"C0 cm toda a extens3o do latido no
5vjnu lim de 6 ntezi s
7 43500 remalacSo realisar-se-ha cmqualro presta-
0-3600.cOes iguaes cuja ultima ser* paga na occa-
a
caada
canada
botija '
cariada
garrafa
arroba
una
uin
B
'1
H
. O
milheiro
, arroba
l;ioa
3;00
59760
89200
7;800
7r!H0
290.50
9900
9620
9800
9800
9800
9210
9800
9240
23100
crelario, A. F. da AnnunciacSo
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro- J
vincial, era cumprimeuto da ordem do xm.
Sr. presidente da provincia de 11 do corren-
empedramento do23.- lauco da estrada da
Victoria, avaliada em 8:6029 rs.
Aarrematac3o ser feita na forma da lei
provincial n. 343 de 15 de maio da 1854, e sob
as clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas queso propozerem a esta arre-
matarlo couiparegam ua sala das sessrjes da
mesma junta no dia cima declarado pelo
meio dia competentemente habilitadas.
E para constar se mandou allixar o pre-
sente e publicar pelo Diario
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco 12 de agosto de 1857.-0 secre-
tario, Antonio Ferreira da AnnunciagSo.
Clausulas especiaes psraa arrematacao.
1." As obras do empodramento do 23.-
lanco da estrada da Virtoria, executar se-
h3o.de conformidade com o ornamento ap-
provado pela directora em conselho e apre-
sentado a approvac3r> do Exm. Sr. presiden-
te da provincia na importancia de 86029 rs
2. As obras principianlo no prazo de um
mez e (in Jar3o no de um anoo, ambos con-
tados de conformidade com o art. 31 da Jei
provincial n. 286.
3. a O pagauento da Importancia da ar-
rematacao realisar-se-ha na forma do art.
39, da mesma lei provincial n. 286.
4. O arrematante excedendo o prazo pa-
ra a conclusSo das obras pagar urna multa
de 1009 rs. por cada um mez, embora Ihe
seja concedida proroga$3o.
5." Oarremataute durante a execu^ao
das obras proporcionar transito ao publico
e aos carros.
6. e O arrematante ser obrigado a em-
pregar pelo menos metade do pessoatde
gente livre.
7.* Para ludo ornis que n3o se achar
determina lo as presentes clausulas nom no
orcamenlo, seguir-se-ha oque dispOea res-
peito a lei provincial n. 286.Conforme.
O secretario, Antonio Ferreira da Annun-
ciac/io.
--- O Illm. Sr. inspector da thesouraria
da fazenda provincial, em cumprimento da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia
de 11 de julho ultimo, manda fazer publico,
que no da 27 do correnle, ao meio dia, pe-
rante a junta da faienda da mesma Ihesou-
raria, se ha de arrematar a quem por menos
hzer o costeio da illuminacSo publica da ci-
dade de Coiar.na, por lempo de 3 nnos, a
contar do I.- de oulubro do crtenteanno
aofmde setembro de 1860, avallado caua
lampeSo em 180 rs. diarios.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
remalagSo comparecam na sala das sessea
das, que ahi encontrarSo as condiges da
mesma arrematacSo.
E para constar se mandou allixar o presen-
te e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco 12 de agosto de 1857. O secre
tario. A. F. da AnnunciacSo.
Distribuida, justifique. Recife 2dejulho
de 1857.-A F. Perelti.
l-.m cumprimento do meu despacho foi a
peticao distribuida ao escrivao Francisco
Ignacio de Torres Banleira, e o aupplicante
produzindo assuas Ustemunhas jualificaram
a ausencia dos supplicados em logares n9o
sabidos; e subindo os autos a minha con-
agosto
justificante as custas. Recife 9 de"
de 1857 Anselmo Francisco Peretli
Nada mais so continha em minha senterjea
por forca da qual o men-
ua Costa t.utmaraes, para que dentro do re-
ferido prazo comparecam nesle juizo para
allegarem o seu direito por todo o conteudo
na paticao cima transcripta ; pelo que loda
e qualquer pessoa, prenles, amigos ou co-
ndecidos dos referidos supplicados, os po-
der3o fazer scienles do que cima flcaex-
posto.
E para que cbegue|noticia a lodos, mandei
passarediiaes que serSo afflxados nos luga-
res do costume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nsta cidade do Recife tos
22 de agssto de 1857
Eu Francisco Ignacio de Torres Bandeira,
escrivao do juizo especial do commercio o
liz escrever.
Anselmo Francisco Peretti.
fettlfcWl&tlr,
CORKEIO GERaL.
Pela admtiJstracSo do correio se faz pu-
blico, que o vapor costeiro l'ersiuuoga sabe
para Macei no dia 27 do corrente as 6 ho-
ras da tarde, e a mala que deve condazir
para a mesma provincia fecha-se as 5 horas
da tarde do .mesmo da. .
Directora das obras mi-
litares
Precisa-se pintar o quaneldo Hospicio, e
quem deste trabalho se quizer cncarregaf
por empreitada, pdedirigir-se a esta direc-
tora, onde existe o orcamento, e se pode
fnzer o ajuste.
O administrador interino do consulado
provincial, em virtude do disposto no art, 3
do regulamento de 3 de julho de 1852, faz
publico que se acham depositados 3 cavados
apprehendidos pela subdelegacia da fregue-
zia do S. Jos, os quaes sao considerados
bens do evento, por se desconhecer seus do-
nos, e para que seja cumprido oque contm
o sobredito artigo, mandou publicar pela
imprensa, para, no prazo de IS dias, com-
parecer quem aos ditos cvalos teuha direi-
to, odos os quaes se proceder a arrema-
tacao pela forma determinada no arl. 4 ilo
citado regulamento ; e para que ebegue a
noticia, mandou fazer o presente e.iiui aos
14 de agosto de 1857. Theodoro Machado
Freir Pereira da Silva.
A administrarlo geral dos estabeleci-
raentos de caridade manda fazer publico,
que no dia 27 do corrente, pelas 10 horas da
. i m..li..,,,:u cumparecam na saia aas sessoes "'subaa, na sal< das suas sessOes, continu'a
da mesma junta, competenlemente habilita- a Praa das casas ns 31 da ra da Moeda, 26
das. niiA ah ani.i\tii.'..-,f, ,.....,i;..,-..... a.. 6 30 drt heren ra I ama \ i> in ,s- -..* a., c
e 30 do becco da Lama, 5 e 39 da ra d S.
Francisco, e 8 da roa do AragSo
Ad.niolstrac3o geral dos eslabelecimentos
de caridade 20 de agosto de 1857 O escri-
vao, Antonio Jos Comes do Correio.
THEATKO DE SANTA ISABEL.
O artista dramtico Germano Francisco do Oli-
- u nrii.ii urarmiico uermn rrancisco da ll-
O Illm. Sr. inspector da Ihesouraria veira, lem a houra de annunciar ao respeilavel pu-
incial, em cumprimento da ordem do ''!'cu> Qu* acaba de contratar com o goveruo da pro-
Sr. presidente da provincia de 11 do vil,c'" emP "o thealro de Santa Isabel, devn-
ente, manda fazer oublico. nue no dia 3o.d'r_com's a' "P""".8e dramaliea. no dia
provincial
Exm Sr.
corrente, manda fazer publieol uVdo d < P *wopr.DiiicO.
10 de setembro prximo vindouro, peranle ^ a junta da mesma thesouraria, se ha de ar-
rematar, a quem por menos lizer a obra do
9s lanco da estrada do norte, avaliada em
9.2369426 rs.
A arrematacao ser feita na forma da lei
provincial n. 343 de 15 de maio de 1854, e
sob as clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arre-
malacu comparecam na sala das sessoes da
mesma junla no dia cima declarado peo
meio dia competentemente habilitadas
E para constar se mandou allixar o pre-'
sent e publicar pelo Diario.
Secretaria da ihesouraria provincial de
Pernambuco 13 de agosto de 1857.O se-
cretario, A. F. da AnnunciacBo:
Clausulas especiaes para a arrematacao.
1." As obras do 9 lanco da estrada do
norle far-se-h3o de conformidade com o or
Camento.planta e perlis, approvados pela di-
rectora em conseliio, e apresentados a ap-
provacaodoExm. Sr presidente da provin-
cia, na importancia de 9:236-9426 rs.
2. O arrematante dar principio as obras
no prazo de um mez e llovera conclui-Ias no
de 13 mezes, ambos contados na forma do
art. 31 da lei provincial n.286, dando trau-
sito ao publico em toda a exlensao do lanco
no lim e seis mezes.
3 0 pagamento da importancia da ar-
rematacao realisar-se-ha em qualro presta-
os Srs. que preten lerem camarotes oo cadeiras
podem dingir-se ao escritorio do llitatro, qoe des-
de Ja se acham abertas as assignataras, 10b as con-
ilicftes seguinles :
As assignaluraa sera? feilas por 12 oo 21 reci-
tas. As primeiras lergo o descont de 6 por cenlo
sobro o total da sua importancia qoe soi paga
adundada ; e at segundas lorto 10 por cento da
desconlo com a mesma condicao.
Os Srs. nssigoantss lerio sempre a preferencia a
seus camarotes ou cadeiras em todos es espectculos
que se derem no Iheatro de Santa Isabel, seja de quo
genero fr, com lauto qoe sajara dobaiio da direc-
;.io do actual emprezarm.
Os espectculos sardo sempre variados do drama*,
comedias, va u de vides e fasces, obrigando-so o ein-
prezario a apreteutar dorante us tres primeros re-
les, a saber setembro, outobro- o oovembro nove
pecas novas ainJa no repieseutadas nesle Iheatro.
O empreuiio.que tatitos fusores dtvo au' llus-
(rado publico pernambucano, favores que elle reco-
nheco serem devidos, nao ao seu rbereciinenlo ou
talento artstico, mas sim a summa boudade, e ani-
mo protector que allaroaule caiaclensa o mesmo
publico, espera mais obter toa> a soa coadjuvac,to o
apoo sem o qoe baldados serio lodos os soas boas
desejos eesfortos.
Gabinete ptico
ATERRO DA BO AVISTAN. \.
O director deste salo, participa a seus
Ilustres favorecedores, que tendo-se de re-
ses igaes, cuja ultima erVpVg'a"n'ca- ll,ar desU Prpv'r>C'.offercce-lhes estasema-
SSo da entrega deli.uliva, e as oulras cor- Ha uma a8ra,,avel exposlco de vistas todas
ri'NiHiiut, i "i.. u inrimiia. .,i,r... novas.
Cuerra do Oriente.
Plano da provincia Ersan e Odessa etc.
rt'spiiml-1 ;m> a cada terco das obras
4." O prazo de responsabilidade ser um
anuo, durante o qual oarremataute ser o- ...''
brigado a manter a estrada cm perfeito es- | .' B
lado de conservaco. |. *" apoleao III, a bordo do vapor
5.M Para ludo o que no se achar especi-! J)er"11 Vlsilar a nu "'"za em Calais.
lcado as presentes clausulas, nem no or- ," A saneu">oleola balalhc de Alma to-
Camenlo, seguir-se-ha o que dispOa ares- mai,a l,or oulro ponto.
jeito a lei provincial n 286.Conformo___' A b"talha de chernata, aonde os Ilus-
o secretaiio, A. F. da Annuuciac3o. sos ,oraln rcpellidos por seis mil homens das
tropas sardas.
--- OSr. collector das rendas provinciaes 5 Batalha a incendio de Moscow or Nt-
i do municipio da (.uianna fa/ saber que em o : poleao 1, e os Kussos.
I di ule boje Ihe foi entregue pelo delegado 6. A sanguinolento batalha de Inkerman
desLjs termo o escravo crioulu de nome Luiz, batendo-se a ferro fri, tomada por outro
la comarca do Limoeiro, de idade ponto.
de 25 annos, estatura alta, rosto redondo,
cabellos carapinhos, olhos pretos, nariz cha-
lo, bocea grande, barba pouca, picada de
I hexiga, preso nessa ci Jade a ordem no mes-
| mo delegado, no dia 3 de Janeiro do cor.
rente a:ino, sendo vahado na quantia de
11:200. pelo que chama-se a tolas as pes- Turqua.
soas ijue tiverem direito ao reerido escravo, 10. vista de Marselha em Franca.
para que dentro de 60 das, contados da pu- il. Igreja de Sania Alaria e seus arrabal-
. blicac-do deste, apresentem na collecloria da des em Parts
Batalha das trincheiras franceza toma-
da por outro pouto.
8 Os Francezes fuginJo da nio Castella
a Velha, estando prisioneirosem frente de
Cdiz, em7 de abril de 1811.
1 palacio do Sultao, imperador da
; illa cidade sua juslilicacSo de dcmiuio, a
; qual ser produzida peranle o juizo muuict-
I pal desse termo, e lindo o pra/o menciona-
! do se' arremai.sdo em Irasta publica, por-
ta do mesmo c.r. collector, prcccueii.io-.se
annuucio do din e hota cm que houver de
i ler lugar dita arremetac/io, publicando-sc
,f>ie edita! pela Imprensa, e onde mais con-
Ivier. CouV.ctoua provincial do municipio
1 de Coiauua 30 de julho de 1857.O escrivao
llotel-de-villc de Paris.
Vista de Montevideo.
Vista de Ccnova tomada de Stunion.
> Isla de U^yon*. Franca.
Vista do palacio real de Amsterdam.
Jardim e palacio de Versalhes.
18." ,\apole3o I, botando o oculoem fren-
te da Calbodral de Mi!3o.
O salSo estar aberlo das 7 at as II da
noite. Entrada 500 reis.
18."
13."
14."
IS.
16.a
17.'
>~



K--;



DIARIO DE PERNAMBUCO SECUNDA FEIRA 24 DE AGOSTO DE 1857.
2Ct)80d m&tUteM.
/
COMPANHIA'
hrasileira de paquetes a
vapor.
O vapnr Paran-fn, commandante F. F. Borge,
tper*-M dos portos do norle *m seguimenla para >
tal ai* o da 26 do crtenle. O* seuhore q<" flve-
rem de reme Itrr carga on encomendar deverSo ir ar
ageucia no dia da chegida do vapor, para ae engajae
o que poder ser receido : no da da aahida omeul*
e dimite paisageiro dinliciro a frte at a< hora'
do espediente. Ageaela na ra do Trapicha n. 40.
^f carac
No dia 33 ao mez correnle segu o pata-
cho Sanu Cruz, capilSo Francisco Jos da
S.lva 'lis; para o resto da carga, trata-se
e om Caetano Cyriaco da (.. M na ra da
Cadoia do Kecife a. 2.
S i Fie neste dial por ler orna boa parte da carga
engajada, o veleiro patacho u Auna capilSo l)o-
rningoa Henrique afra : a tratar com Tasso &
banflja
Para o Rio
de Janeiro
/
asueno da 3t do mez coireote, o brigue HER-
CULES : para o reato da carga, paatageiros e eacra-
Jja a frete, Inla-se com Caetano Cvriaco da Coala
Moreira, na roa da Cadela do Kecife n. 2.
'ara o Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade a ve-
leira sumaca nacional Conceigao, lem prom-
Ho nietade de seu carregamento : para o
rosto e escravos a frete, para os quaes tem
excedientes cornmodos, trata-se com o seu
consignatario Antonio Laiz de Oliveira Azc-
\h lo, ruada Cruz n. t.
Para a Baha.
O veleiro e bem conhecido patacho nacio-
nal Amazonas pretende sahir com muita
brevidade, por ter bordo- dous tercos de
seu carregamento prompto : trata-se com o
seu consignatario Antonio Luiz de Olivera
Azevedo, ra da Cruz n. 1.
Campanil a Pernambucana.
O vapor Pcrsinun^a, commandanle o se-
gundo lente Joaquim Alves Moreira, se-
gu viagem para os portos do sul no dia -27
do crrante, as 6 horas da tarde ; a carga
devera ser embarca 11 at o dia 26 as 5 ho-
ras lambetn da tarde, nao recbenlo mais
alguma depois dessa /lora.
--* i
tiH.
LEILO
extraor dhitirio.
(Sem reserva algunia),
A. Topi, com deposito de objectos de mar-
more e alabastro, no aterro da lloa-Visla 12, lendo do retirar-se breve nenie psia a
Europa, far leililo por inlervencSo do agen-
te Burja, do seguiote : um grande.e lindo
sorlimentode figuras diversas, representan-
do personagens celebres antigs e modernas
ditfereutes vasos got lucos e gregod para a-
durno de sala e para jar Jins, 2 ncaaT.'esas le
mosaico, historia natural (passaros, quadru-
pedes), jarros, garrainhas, fructoiras de va-
rios modelos, objectos para escritorio, e
para eofeites do mesa, e urna immensidade
de outros muilos ariigos de gosto e de luxo,
que s pode ser apreciados coma vist,
segundo os cathalogos, que scrao distribui-
dos no dia terca-l'eira 25, no armazem do
dilo agento, na rna do Collegio n. 15, e no
supra e citadoes labelecimeiito, aonde lera
lugar o leil.io : quarta-feira 26 do correnle,
as 10 horas em ponto da mandila.
O agente Borja, em eu armazem
na ra do Collegio n. 15, fara' leilo de
urna excellente mobilia de Jacaranda'
com pedia, cuma uilnidade de outros
inuitos objectos de marcineiria e outras
qualidades (que sero vendidos s m limite
de precoplguoi), urna caixa com cassas,
urna dita com chapeos franceses de mas-
s e do Chile, e urna porrao de relogios
inglezes, suissos e horisontaes (paraliqui-
dacao); e bem assim um excellente car-
ro de quatro rodas, com urna linda pa-
reaba de cavados russos, um carneiro
inuito manso, para enanca montar, 1
caixa cora calungas e mais objectos de
porcellana 2 opiimos cavallos para car-
ro, e 1 ditobom andador para sela edous
ptimos escravos mocos proprios para to-
do oservico, os quaes sero vendidos pelo
maior preco olerecido : segunda-tena
' i do correntias 10 horas damanhaa.
0 agente Pestaa far leilo, por coa-
la de quem perlencer, de urna mobilia de
laceran la,consisti lo em cadeiras, ditas de
braco, sof, mesa redonda, cousolos, urna
magniflca cama de Jacaranda a franceza. um
guarda-roupa, versas obras de Jacaranda
para sala de janlar, marquezas, cadeiras,
consolos, sofas, Isnternas, candelabros, um
apparelbo de louga azul para mesa, dilo de
porcelana para cha, copos, calis, garrafas
c muilos mais objectos, e trens do cozinha ;
assim como um excellente mulalinho do 12
a 13 annos, muitovbonita figura, o que tudo
se acha patente aexame dos compradores :
quarta-feira, 26 do crrenlo, as 10 horas da
inanha, no sobrad i do lllm Sr. coinmen-
cladpr Magalhes Bastos, na ra do Cadeia
n. 25, primeiro andar de terrado que lica
por cima da loja do Sr. Flix, alfaiate.
tf-Pbftti* & vze4.
fazer publico, que estao expostos a ven-,
da, lodos os dias, no pavimento terreo da
casa da rua da Aurora n. 26, das 9 horas
da manliaa a's 9 danoite,billietes,meios e
quartos, da primeira parte da primeira
loteria do convento deS. Francisco de
Olinda, cujas rodas andam no dia 29 do
conente. Thesouraria das loteria 22
de agosto1 de 1857.Jos Januario Alves
daMaia.
* Lotera
DV
provincia.
AO 5:000,v, 2:000$ E 1:000s.
Noescriptorio do abaixo assienado,ven-
de-se bilhetes,meios e quartos em quantia
de 100s para cima adinheiroa vista pelos
seguintes precos :
Bilhetes o'sOO recebe 5:000s000
Meios 2<{750 2:500s000
Quartos lj$375 1:250j000
f*. L'iyrne.
Lotera da pro-
vincia,
Quarta parte da segunda loteria do hos-
pital Pedro II.
Continuum a obter premios grande
os i'elizes billietes rubricados pelo abaixo
assignado, como se ve nos seguintes n-
meros vendidos na loteria cima men-
cionada.
Nums. 2783 5:000$ quartos,
922 2:000$ 1 meio.
41 ti 1:000$ 2 quartos.
2097 400s bilhete.
1104 200.S 1 meio.
5420 2003 1 dito.
2800 100s 2 quartos.
207 i 100s bilhete.
2087 100s dito.
1129 100$ 1 meio.
oVOi iO.v 1 meio.
410 VOS 2 quartos.
142 O3 1 meio.
5454 403 1 dito.
3820 40$ 1 dito.
A garanta dos 8 0(0 he paga apenas
sahir a lista geral noescriptorio de
P.J. Lavme.
Vende-se farinha de milho muito
nova, chegada pelo ultimo navio d'Ame-
rica : no armazem de Matheus Austin B
C, rua da Sen/alla Velha n. 106.
Arrenda-seo engenho denominado
Conceicao, na povoacao de Bebejibe.quer
como engenho, quer como sitio, tem to-
das as proporcaes para plantaco, o rio
junto a casa de vivenda, que he boa, tem
varios arvoredos de fructos, a vista do ar-
rendatario se expora' o mais : quem o
pretender dirija-se ao proprietario abai-
xo assignado na praca da Boa-Vista n.
28.Manoel Elias de Moura. Recite 22
de agosto de 1857.
Mudanga do estabeiecimento de pianos de
J. Vignes.
J. Vignes mu.Ion seu estabeiecimento de
pianos da rua larga do Rosario para a rua
da Cadeia de Santo Antonio ti. 23, junto da
Helaco.
Doce de ar<*c ejMnaua.
Chegou i rua do Collegio n. 5, nova re-
messa de doce de. arae e banana, fabricado
no engenho Guerra.
Vende-se um bonito molcqtie de 10
I annos, sem defeito na rua do Collegio n
Ib. segundo andar.
Vende-se urna boa burra franceza, de
armario, com segrelo : na rua da Cruz n
26, arrriaze-i.
Aluga se urna preta que faz o diario
de urna casa : na rua Oireita n. 2i.
- Preciss-se Je um rapaz'para caixeiro
de armazem, que saiba escraver e contar
bem, o qual dando (ador a sua conduela,
encontrar com quem tratar, na rua de A-
pollo n 2t.
O herdeiro de Manoel Paes Barreto.
fallecido em dias do correqle mez, he Miguel
dos aojos Paes, nico competente para ven-
der o sitio das reas, que era do dito Gnado
como em juizo se provar, sendo por conse-
guinte nulla qualquer transaccaj que ou
irem effectuar sobre esse sitio
Precisa-se lugar annualmente es-
cravos paia irahaliiar em um armazem de
assucar ; paga-se bem : a tratar na rua do
Vigario n. II,
Precisa-se alugar urna preta escrava
para urna casa de pour.a familis, que cozi-
nheefaijaas canpn de na: a tallar na
rua do Aragao n. I, primeiro an lar.
Desappareceu no dia 18 do correntc o
prelo Benedicto, de naco Migla, i la le de
30 annos, pouco mais ou menos, enr bastan-
te preta. estatura regular, olho< um tanto
vermelhos, beicos grossos, barba rapada,
traz higode, levou camisa de algoiaozinho,
calca de arulo por cima da calca, ama cor-
reia com livela, barrete na cab*Q, oflicio de
catraeiro, foi do fallecido Antonio Fereira
Lopes e hoj de viuva : quem o apprehenler
leve-o ao pateo de S Padro n 6, sgunio
andar, que ser bem gralihcalo.
t*era de carnaob.
Vende-se cera de carnauba, a mais supe-
rior que tem vin lo a este mercado, por pre-
co muito commodo : na rua Nova n. 20, loja.
Lotera
DA
Provincia.
J
Um funccionario publico compromet-
leu ha anuos a urna pessoa de quem se di-
zia amigo,e por mais que este amigo,tenha
escripto,instado e solirido pelo dito i'unc-
cionario para cumprir com seu dever.tem
sido ludibriado.caeoado.e ate menospreza-
do Nao sendo pois possive fazer chegar o
referido funecionario aocinnprimento de
seu dever iior outros meios, vai-se tra-
cer ao publico este negocio, se elle o nao
concluir, para ao menosuCiocontinuai1 el-
le a passar por honrado.
A clima.
CL DE LISBOA.
Vende-se cal de l.isbua viuda no ultimo
navio, em barris bem acondicionados, por
prego commodo : na rua de Apollo, arma-
zem n. 2 B.
Antonio Joaquim dos Santos Andrade
esua senhora, retiran los i cara a Kuropa, e
n3o podendo dospedir-se le tolas as pessoas
da sua amizade om consequencia da rapidez
da sua partida, ped-m-lhes descu'pa dessa
falta, e offerccem-lhes all os seus prestimos
Os abaixo assignado fazem scient* ao
respeitavel corpo do coinmercio, que ven-
deram a sua taberna, sita na rua da Tremae
n. 1, e julgam nada dever pertoncento a dita
taberna, porm se alguem ss julgar seu ce-
d ir, apresento suas contas no prazo de oito
dias, a contar d. data deste, (indas os quaes
nSo se a Imitte renlamago alguma Itecife
22 de agosto de 1857.
Miguel Jos da Costa & Irmao
O abaixo assignado, morador no en-
genho S. Pedro, freguezia de Pao d'Alho.
previne pelo presento a tolas as autoridades
policiaes e ecclesiasticas, nao s da comarca
de Pao d'Alho como las de mais da provin-
cia, que lendo-se evadido de casa o seu lilho
menor Ignacio Correia de Mello, do 18 anuos,
lio, imberb secco do corpo, cor alva, ca-
bellos crespos, ol ios pretos, ps grandes,
com o fim do casar contra a vontadedo an-
nuncianlc e todas as conveniencias soeiseS,
com Aichangela de tal, Blba natu al de Lou-
renQa de tal, moradoras no engenho itanhen-
ga da mi ira lita freguezia, e tenlo o annun-
ciante, pelo juizo ecclesiastico, impel Jo
esse disparatado consorcio, reclama a inter-
vengo das autoridades policiaes, alim de
que caplurem esse seu lilho desvairado, e o
AS 5:0008 2:000o e 1:000a
O abiixo assignado garante os bilhetes da
loteras da provincia, resuonsabilisando-se a
pagar os premios maiores sem o descont de
8 porcento da lei, cujos bilhetes vao com a
seguinte rubrica silva Cuimaraes & C. e
tem exposto a venda na sua loja no aterro da
Boa-Vista n. 56 A, os biltvetes da primei'a
parte da primeira loteria do convento de S
Francisco de Olinda, a qual corre no dia 29
do correte :
Bilhetes 6s00O recebo 5:0008
Meios 3;000 2.5003
Quartos 10500 1:2500
Ni mesma loja cima, vendem-se a dinhei-
a vista, da quantia de 100# rs. para cima.
pelos precos :
Bilhete 58500 recebe 5:000o
Meios 28750 2:5008
Quartos 10375 1:250*
Jos Joaquim da Silva Cuimaraes & C
Vende-se una escrava de ntQflo, sabe
cozinhar, lavar eengommar : na rua llirei-
la, casa n 6.
O abaixo assignado lou a resposla, que
o Sr. Joan Cancio Gomes da Silva sedignou
darem 17 deste mez as instancias repelidas,
que o mesmo abaixo assignado fez no Diario
de Pernambuco, Liberal Pernambucano e
Despertador Commercial do Norte, e sent
que o Sr. Gomes da Silva, nao obstante es-
lar um pouco mais socegado ds f idigas dos
seus trabalhos, ecom o espirito plcidamen-
te repousado, como assevera na dita sua res-
posta, que vem|no Liberal n. 1457 de 19 des-
te mes i o mez, anda assim continu a adul-
terar os lacios, e a peccar contra a verdade,
como o abaixo assignado passa a demons-
trar.
Km 7 de margo de 1855, o Sr. Gomes da
Silva fez citar ao abaixo assignado para uo
jaizo da segunda vara civcl desta cidade
responder aos termos de u n libello civel, no
qual lhe queria pedir a quantia de 380o950
res, e (presentada a necao na audiencia,
em 17 do dito mez de margo, offereceu o Sr.
Gomes da Silva o seu libello, na qual disse
no primeiro artigo, que o H. (he o abaixo
assignado), comprara em sua loja varias fa-
zendas para seu uso, na importancia de .
2003000 reis.
Disseno segundo artigo, que morando o
mesmo R no primeiro andar da casa n 33
da rua 'aova, por Ih'o ter cedido o autor \he
o Sr. Gomes da Silva, na razio de 2O58OO rs.
cada um mez, ileixou de pagar 8 mezes e 21
dias de singue!, qu importa em 180;950 rs.,
que com a quantia de 2008 rs., das fazeudas,
prefaz a de 3800950 rs.
Ora, do que Oca exposto, he manifest,
em primeiro lugar : que a aegao, que o .sr.
Jo3o Cancio Gomes da Silva move ao abaixo
assignado n2o he encaminhada como diz
pelo juizo do civel da primeira vara em se-
gundo lugar, que o Sr. Gomes da Silva pele
no seu libello somente 2003 rs del'azenJas,
que o abaixo assignado comprara em sua lo-
ja para seu uso, e mais 1805950 reis dealu-
guel do primeiro andar da casa na rua Nova
n. 33, relativo a 8 mo/.es e 20 dias a raz3o de
20;S00 rs por cada mez : do que se segu,
quenem heexact'i, que o abaixo assignado
saja devedor ao Sr. Gomes da Silva de di-
nheiros, que pedia para gaslo de sua casa
emquanio ia, e voltava do Recife : nem he
verdade, queseja devedor de importancia de
fazondascompradasem nomo do Exm Sr.ba-
rSo de Suassuna ; e da-se a mesma falta de
verdade quanto a quanlia de 4308 rs que o
Sr. Gomes da Silva tem declarado, que o a-
baixo assignado lhe he devedor.
Accresce ao esposto, que nesses mesmos
autos do libello do Sr. Gomes da Silva o a-
baixo assignado contraran lo o libello alle-
gou, que pelo dito senhor esta obliga lo a
L. Leconto Pern C, por ires leltras na
importancia de 2:1268*00 rs ,. e a Rostron
Rouk & C, por urna leitra de 127osO reis :
ora, estes dbitos nilo fjram anda pagos
pelo Sr. Gomes da Silva, e por isso perma-
nece a obr^gagao do Sr. Comes da Silva, e a
do abaixo assignado : logo com > pile o S'.
Gomesda Silva se dizer ere lor do mesmo a-
baixo assignado 1
O abaixo assiguado tem essa mobilia, essa
escrava, que o Sr. Gomes da Silva diz que
ninguem compre, e o sr. G Dea da Silva
quebrou e n3o obstante ter a fortuna do se is
credores annuirem a rebater 70 porcento
nos seus creJlos, nem assim o Sr. Gomes da
Silva llies pagou.
E agora peigunta o abaixo assignado ao
Sr. (lomes da Silva ainla quando a divida
demandada fosse liquida ; o Sr. Gomes da
Silva poda receue la '.'
Tolere o>Sr. Gomes do Silva, que o abaixo
assignado lhe diga anda que nunca quiz
vender nem mobilia, nem escrava, que esses
annuncios do Sr. Gomes da Silva que tem
apjareciJo no Liberal Pernambucano sao
filhos do desojo, que tem o Sr. Gomesda
Silva de provocar o abaixo assigna:o; por
que o abaixo assignado tem urna posigao. e
o Sr. 1.0.nes da Silva na la possue, o por isso
n3o se importa de cnxovalhar a quem S
Me sal- que nflo pode ser assim enxova ha-
do, sendo a raxlo porque avaDQou tanta
Ulsidade.
Sr. JoSo Cancio Gomes da Silva quanto,te-
nho dito, deixaria de pralicar se S. Me nSo
me tivesse tanto provocado ; mas he esta a
ul'ima vez que me oceuparei com S. Me. ;
porque nao eslou ocioso, para estar respon-
diendo a lana falsilade.
Recife 22 de agosto da 1857.
Manoel Polycarpo Moreira de Azeve lo
Quarta-feira, 26 do -corrente, depois
la audiencia do lllm Sr. Dr. juiz dos feitos
da fazenda nacional, se hao de arrenaiar os
bens seguintes, penhoralos por execuges
da mes na fazenda, contra seus devedoies:
urna casa terrea na rua da Cisa Forte n 43,
feita de cal e lijlo, com 15 palmos de fren-
te, ciziiiha Tora, quintal em aberio, avaha-
da em 3008'lO, penhora ia a Mara FVaucisca
da Costa, em lugar de Florencia Mara das
Vlrgens ; urna dita na rua da matriz da Koa
Vista n. 17, com 18 palmos de frente e 70 de
filudo so!-lo de baixo de coberla,cozinha fra
c quintal murado por 900/Oi). dos herdeiros
de Antonio dos Santos Correia ; una dita
11a iravessa de S Jos n 13.com 17 palmos
da) frente e 70 de fun lo. sotan, cozinha fra,
quintal murado e cacimba por t:-003, de Ma-
rianna llermogenes da Conceigao ; urna dita
em frente da igrejados Remedios, com gran-
des comoiodos, terreno de voluto em ambos
os oitOes, e fundos at a camboa por 1:3" i,-,
de Francisco de Assis Campos Cosdem ; 12
cadeiras, 2 bancas e 1 marquaza, tudo de
maloira angico, por 463000, de Luiz Antonio
Rodrigues de ,\lraeida : quem pretenler ar-
rematar os bens ci'na declarados, compa-
rega no lugar e hora do coslume. Recife 22
de agosto de 1857.O solicitador do juizo,
Joaquim TbeoJoro Alvos.
compauhia
Vigilante.
Pela segunda vez se convdam os accionis-
tas desta conpanliia para reunan na terga
feira 25 do corrente, na rua do Trapiche 11.
8, segundo andar.
Rento C. B. de Azevedo.
Aluga-se o segundo andar do sobrado
o. 2, no becco de S. Pe 1ro : os pretendentes
para ve-lo, a chave est as lujas do sobra-
do, e para tratar do ajuste na rua do Collegio
n. 23, primeiro andar.
- OSr. Pedro de Carvalho Lima tem urna
carta viuda de Lisboa, na rua do Apollo n.
19, taberna, .
COMPANHIA
Clara alaria da Assumpcao de S.
Paio agradece summamente a todas
as pessoas que se dignaran assistir
ao officio solemne, que fora celebra-
do naigreja do Corpo Santo, no dia
17 do corrente, por alma de seu mui
prezao lilho Luiz Carlos Frederico
de S. Palo.
i
Os abaixo asslgnados, com loja de ourives
na rua do Cabnga 11. 11, confronte ao paleo
da matriz e rua Nova, fazem publico, que
estao recebendo continuadamente as mais
novas obras de ouro, tanto para senhora
como para hornens e meninos : bs pregos
continua! razoaveis, e passatn-se contas
com responsabilidade, especificando a qua-
lidade du ouro de 14 ou 18 quilates, ficando
assim sujeitos o.; mesmos por qualquer du-
vida. Seraphim & liman.
A I-A na. Sra. D. Joaquina Ignacia Bor-
ges Lima, que morou no sobrado amarello,
na rua Augusta, queira mandar concluir o
negocio que deixou aliado quando se mu-
dou do dilo sobra lo. na taberne defronte.
- Precisa-se de um caixeiro bom balcao
para urna loja de fazendas no bairro de San-
to Antonio, annuucic ou dirija-se a rua do
Queimado n. 27-
O Sr. C. \V. Mull nao se poder retirar
para fra da provincia de Pernambuco, sem
que venha ajustar contas com os abaixo as-
signadus. -i.hrisliani & Irmao.
Precisa-se de 3 amassadores, que se-
jam desembaragados em todo o servigo : na
rua do Rangel n'. 13, ou na padaria da rua
1)13
Aviso ao res leitavel publico, que por i dos Pescadores n. 2 e 4.
ciusa de igual nomo e de alguma duvida,
do ora em diante, em lugar de Jos Gomes
do Reg Barros, me assignarei por Jos
Olympio do Reg Santiago.
?@
aa
;.:
GRANDE ARMAZEM DE
ROUPA FEITA.
Rua Nova 11. 49, juii- g
to a ig;re;a da Con- &
ceicao dos Militares. S
-Veste armazem encontrara' o K
:'.j publico um grande sortimento de ^
Tj roupas eitas, como sejam casa- 2
;;- cas, sobrecasacas, palitos de pan- gg
i
no lino preto e de cores, ditos de
casemira de cores, ditos de bom-
ba/un, merino, princesa, alpaca, ;::
brim de linho branco e de cores, g
ganga eriscadinhos, calcas de ca- j
semira preta e de cores, de meri- ;V,
^ n, priuceza, brim de linho bran- ^
y_- co e de cores, ganga efuslo, col- t
.i letes de velludo, guigurao, case- aa
mira bordada e lisa, setm borda- ;;
^ do, macao, merino e f ustao, gra- i
-a vatas e luvas de todas as qualida- *^
j des, chapeos pretos para homens, .-;".
r^ ditos de castot branco com pello e
i rapado, camisas rancezas, eou-
.ja tros muitos objectos que agradara'
, aos fregue/es, tanto na quahdade
.7* obras, como na commodidade dos
.% P'wos.
?9f
V
o
Q
O
Minia
Vende-se superior tinta para cscrever, dc
Lisboa : na rua das Cruzes n. 30.
Na rua do Brum 11. -2.1, lerceiro andar,
precisa-se de urna ama parda ou crioula, pa-
ra lavar em casa roupa de meninos eengom-
mar : paga-se bem, agradando, por urna
precalo.
Quem precisar de um excellente a 1-
ministrador para engenho, dirija-se a ru <
las Cinco Pontas n. 43, que encontrar urna
pessoa com toJas as habilitagOes precisas
para bem dse npenhar este emprego, e da-
r fiador a sua conduela.
Na lypographia da rua da f'raia n. 43
leseja-so fallar aos Sra. Joio Francisco da
lar,'un recolher annunci nte para lhe dar o conveniente des- j lajalo David Ama lor de Oliveira, esto mo-
lino,e evitar dest'aitu o abysino em que 11- ra lor na praia do langa, e aquellos na cida-
felizu'ente elle procura despenhar-se. He- de do Olinda.
PROVINCIA.
O Sr. thesoureiro das loteiias manda
cife 22 de agosto de 1857.
Jos Ignacio Correia do Mello.
Antonio Jos Rodrigues de Souza, em
sua viagem a l'.n opa, deixou como seus bas-
tantes procuradores, seu irmao Luiz Jos
lio Iriguos de -onza, Antonio dos Santos
Vieira.eseu irmio Joao Ba.lista Rodrigues
de Souza ; e na i ten lo lempo para se des-
pelir de todas as pessoas le sui amizade,
pede-lhes desculpa por esta falla involun-
taria.
Miguel Jos da Cosa retira-se para
Europa alim de tratar do sua saude.
-- Joaquim Carneiro relira-se para Euro-
pa afim de tratar de sua saule.
Precisa-se de um feilor para um sitio
muito pe.rto desta cidade: trata-se na rua
do Vigario n. 6
Fazen-Sfl vest los e casaoques, tanto
de meninas como de senhoras : na rua do
Vigario a, 10, por cima do pintor, segundo
andar.
Aluga-se um sbralo e dous quartos
fra, com um grande quintal aterrado para
o lado do pantano, proprio para plantago,
sito no lugar dos Arrumbados, defronte do
Collegio dos orphos quem o pretender,
entenda-se com Jos ntunes Cuimaraes, na
rua de Apollo, armazem do Sr. Barbosa
11 30.
D\ Manoel de Souza Garca, nao po-
denJo despedir-so pessoalmeute de todos os
seus amigos pela brevidade de sua viagem,
pede desculpa por meio dcsle, offerocendo
o seu limitado prestimo na provincia do
Ceara.
O abaixo assignado faz ver a quem
convier, que a taberna sita na rua do Socego
no Campo Verde, pertencenle ao Sr. Antonio
'ibeiro Fernandes, pertenca ao abaixo as-
signado por co 11 pra que fez ao dito senhor
des le o da I." dejunho do corrente aono.
Recife 20 de agosto de 1857.
Manoel Joaquim Alves dos Santos.
Precisa-se. dd una ama que saiba co-
znhsa e fazer todo o mais servigo de casa :
na rua do Caldelreiro, taberna n. 68"
-- Na rua 1I0 Trapiche n. 17, cscriplorio,
precisa-se de um criado.
Precisa-se de um amassador : trata-se
na rua Nova n. 52. Paga-se bem.
I'recisa-se de duas pessoas paxa o sor-
igo interno de urna casa estrangeira, urna
que enlenda de cozinha, e outra que cosa e
ongomme : na rua Nova n 17.
Ten lo de ser arrematadas no dia 25 do
corrente mez, depois de fin la* a audiencia
do.Sr. Dr. juiz municipal da primeira vara,
lua moradas de casas terreas, sitas no bair-
ro do Recife, sendo una na rua da (iuia n.
4, com 20 ramos do frente e 60 Je fundo,
solia de baixo d"* coberla, cozinha fra,
quintal murado, avahada por 1:400;, e a ou-
tra na rua ''a Senzala Veliia n. 15, com M
palmos de frente e 36 de fundo, com um te-
Iheiro que servo de cozinha, avallada por
1:0004000, cujas casas penenciam ao tinado
Jos Joaquim da Cunha, e v3o a praga a re-
queriuiento do inveularianle e lestanientei-
ro do dilo Tinado Joao lavares Cordoiro.
Asseio e promptidSo.
Na rua das Cinco Ponas, casa n 13G, en-
gomma-se com muita promplidao e aceio, e
tomaiu-sealgum^s freguezias.
-- A ex-snciedade dramtica julga na la
dever, todavia, se alguem se julgar credor
della, apresenie-se ao Sr. Coimbra para ser
proiTipUmente pago.
--- O abaixo assignado previno em tempo
que nutro iuimigo ligada! uao tem senao
seu sogro Josu de vmoriin Lima, e por con
seguinte s a elle devor ser imputad- qual-
quer calnstrophe que lhe aconlcga. O abai-
xo assignado ve-se na dura ncessdade de
fazer este publico protesto, por quanto a
penas o dito seu sogro contra elle intent 11
urna acg) de prodigalidade, desde logo
tem sido persegu lo na rua, de noilc. por
vultos disfargados como elle, logo deu parte
a polica para garantir-llie seus dias lio na-
tural que o dito sea sogro queira talvez, por
meio daquella aegao de prodigalidade, fazer
lucrativa es;ieculagao ue obior os bens do
abaixo assignado, que com sua lilha casou
sem dote algum, uihs prcienler arrancar-lhe
a existencia he o que nao se coa luna com o
carcter e i Ja.le do mesmo seu sogro. Doos,
porm, se ha de amerciar do abaixo sssig-
nado Recif 21 de agosto do 1857.
Uinbelino a'asiinino de Carvalho.
Quem liver penhores em poder do a-
baixo assigna lo, veuha resgalar 110 prazo de
81 dios, a contar da data desle annuucio, 110
lim do qual p^ssarei .a ven le-los para paga-
mento do meu principal e juros
Antonio da Guiaba S. Cuimaraes.
------Fazem-se franjas largas eestrellas,
tanto do 13a como da retroz : na rua do vi-
gario u. 10, por cima do pintor, segundo
au lar.
Na rua do llrum n. 22, lerceiro andar,
precisa-se do una ana paia acabar de criar
una enanca, paga se bem, agradando.
--- Precisa-se arrumar de caixeiro um ra-
paz braseiro, ou tiaia taberna de que tem
bstente pratica, ou para segundo caixeiro
de armazem de assucar : quem pretender,
pule dirigu-.se a rua do lirum, armazem
n. 22.
Domingos Francisco Ramallio, e sua
familia vai a Lurupa a tral.r de sua saude,
deixa por seu primeiro procurador encarre-
gado ile lodos seus negocios leu lentes a sua
loja o seu com-cuuliado Jos Gongalves Mal-
veira, segunda o Sr. Jos Nunes ac caula e
lerceiro o Sr Jos Itib nro da Costa.
- Rogo ao Sr. Jos Thomaz de Campos
Quares-ca o favor de ieclarar pelos jornaes
os fsetos que o aulorisam para dizer ao lllm.
Sr. ins ji-cior da alfandega que eu era inimi-
go do mesmo senhor inspector.
Jo3o Alhanasio Botellio.
Precisa-se de um caixeiro com pralica
de ven ler ao povo 110 balcao, e que seja
agradavel para os freguezes, e que abone
sua capacdade : na padaria do pateo da
Santa Cruz, com a entrada pela rua do Ro-
sario n. 55.
k ara a f sta.
Aluga-se urna casa margem do Capiba-
ribe, com cornmodos para familia, com 3
quartos, dispensa, gabinete, quintal, cozi-
nha fra, estribara, e um ptimo copiar pa-
ra recieio : a tratar na rua Nova n. 39, pri-
meiro andar.
Fabrica de caldeireiro,
fuudicao de bronze, e
(nafa metaes, na rua do
Brum do Recife n. 1S,
eoiihecida pjr fabrica
do Mesquita,
Neste antigo estabeiecimento tem feitos e
fazem-se com presteza, do encommenda, os
objectos abaixo notados, com a maior per-
feigao possive e commodo prego, a saber :
Brouzes para engenho, cavilhas, parafusos
para roda u'agua e torneiras o mais perfeitas
possive.
/llambque de colire de quaesquer dimen-
ses e modelos condecidos, carapugas e ser-
pentinas em separado.
Bombas de cobre de qualquer modelo,
com jungos e vlvulas de bronze.
Coxas e pares de cobre, e de ferro para
engenhos, caldeiras dc cobre e de ferro es-
tanhadas para navios.
Coln-es de todas as qualidades necessarias
paia o fabrico d'assucar, e picada para roda
de mandioca.
Crivos dentados dos mais modernos, por-
tas de fornalha e registros para assentamen-
t is de engenhos.
Eixos e lilil is para carros, aguilhes, e
paral'usos para engenhos de quaesquer ta-
maitos
Portoes e grales para sitios, e verandas
para casas de quaesquer modelos que pos-
sam desejar.
Govemaduras de bronze para navios, cali-
nas de leme, e quaesquer lerragens para os
mesmos. m
Canoas de cobre, ale chumbo e de zinco
para eucanamenlos d'aguas de casas, de si-
tios para jardins.
E todos mais objectus, que he possive
fazerem-su de cobre, bronze, latao, zinco,
cnumbo e ferro, que ficam por notar, e que
seria enfadando o euumera-los.
Tambeni se fazem lodos os concertos, que
possam ser necessarios aos senhores de en-
genho,em quaesquer pegas das cima men-
cionadas,como sejam aguildoes e parafusos,
ser necessarios para engenhos, com promp-
lidao, e perfeicfiu ; addigao esta, quo por ser
pouco lucrativa, mu.ti- vezes outros esla-
belecimeulos recusam fazer, e que neste,
sempre se Gzeram, e se farao alim de a todos
servir como Ido lor possive, e a bem de to-
dos, que o occiparem, porque sempre foi
este o desrjo do fundador ueste estabeieci-
mento.
Precisa-se do um cozinheiro : na rua
do Hospicio n lo.
OBJECTOS DE SEGEIROS E StXLEIRO. PARA
A PABRICUCO DE SEGE-iE ARREIOS.
Pelas exeeriencias de muitos annos neste
genero, me he possive, tanto pela propria
fabricago, como pelas relagOesco n as priu-
cipaes fabricas, fornecer qualquer artigo
Mprtencente ao fabrico de seges e arreios de
lodas as qualidades. Os senUores fabrican-
tes, que buiiaivni ao adaixo assignado com
neo nmen las dadas por desenhos ou expli-
cages, podom assegurar-se, que suas en-
commendas scrao exactamente executadas,
e por piegosos mais moderados possiveis :
para mais iuforinagdes, dirijam-se por carta
direclamenle a II. M 9. Ruhs, em Altona,
perlo do llamburgo.
RIA NOVA N. 34
Madama Rosa liardy recebeu de Franga
um sortimento de fazendas de moda do ulti-
mo gosto, a saber, lindos enfeites de cabega
para senhora, chapeos de sela, ditos de pa-
ula desabados, euleitados, de cores, ditos de
feltro e do palha para montara, manguitos c
camisinlias bordadas, espartilhos de todos
os laman! o-, cortes de seda branca lavra-
dos para noiva, leques, lita de seda e vellu-
do preto, baleia para vestido, os mais mo-
dernos e ricos pentes dd tartaruga, lin los
edapeosinhosdeseda para baptisado, toucas,
meias de seda, veslidinhus feitos, benecas,
ricas capelln de llores para noiva e mantas,
e multas ounas fazen.as que se vendem em
cunta.
O abaixo assignado, possuido do
maior empeuho de se descobrir os auto-
re e cmplices do horroroso assassinato
perpetrado na pessoa do seu mui prega-
do amigo Thomaz {.olan, vice-consul de
S. M. llritannica nesta cidade, oll'trece
dous contos de reis a quem lhe prestar
qualquer esclarecim'ento exacto sobre es-
se facto, ou mesmo o conhecimento de
alguma ciicumstancia.ou accessorio delle,
de modo que se pona averiguar a verda-
SEGiWll\BITIl9SE
.IiTi'foriYv bo tmpttic >i>
brasil,
ESTABELECIA NO 10 E JANEIRO
CAPITAL il;00,000,000.
Agencia rua da Cruz
11. 43.
Aos senhores negociantes, proprieta
rios de casas etc. etc., se ollerece na agen-
cia de dita companbia nesta cidade, a rea-
lisar;o de seguros por premios econdicoes
muito mdicas.
Na mesma agencia se cilectuam segu-
ros tanto para o norte como para o sul,
nos vapores costeiros e navios de vela.
Os senhores proprietarios e consignata-
rios de navios que desejam te-Ios registra-
dos no Veritas ou Monitor Martimo
(Titulo de Registro) tenhama bondade de
dingir-se a esta agencia alim de fazerem
as declaracis precisas.
, para os negocios de traiisaccao de crdito
e banco de qualquer genero.
As pessoas quenoioremconbecidasdos
-laiinunciantescleveaoacoinp'nharsuasoi-
deus com os fundos necessarios pan sua
exeuceo ; licando entendidas que os an-
, nunciantes uo teem dilliculdade em adi-
antar 7.) 0|0 sobre os gneros recebidos
antes de la venda.
Os piceos Corren tes e mais informacoes
comineiciaes, que forem pedidas, se'rao
enviadas gratuitamente, salvo o porte do
correio, podendo dirigir-se aos annunci-
a ntes.
Fabrica de i-icao e tecidos
de algodftp.
Os ahaix 1 aaainnados, leudo clilido da Eoropa, aa
oeresarias nilaniui.o-, planoe e or^amentoa para
a fabrica de fiar e tecer algodda, coovidam aos Sn.
ucioa a vir ve-Ios, no ecriptntio do sr. Manoel Al-
vea Guerra, na rua do Trapiche n. \.
Igual-maule r.onvidam aapeanoat que aubicreveraro
para esta empraia, a realiaarem a lerctira pre>la;l>o
de 2U pur cenlD, o que verirtrarao de boje al 31 do
correnle me*, no mesmo eicnplorio.
As peuuas que ainda quizerem fazet parte de-la
cmprea, senlo admitlidas, pagando o valor das eo-
Irailas rtali.aiia-, na occasiao de subscreverem no
livro daa assiguaturaa, que -ao de 1(109 a j'.uOOsOu.
Recife, 1 de aguslo de 1857.
Amorim, Furias, Guerra & C.
Publcacalo Iliteraria.
C01.0GR.VPnU
Clu-onogi-uiihia. nobiliaria, ge-
nealgica c poltica
DU
IMPERIO DO BRASIL
COM VAK1AS TKANSCRll'COKS
DA
Corographia brasileir.i, do padre Maucel Avies do
Casal.Ilifloria da America rorlugaeza, de Ro-
cha Filia. UirnaiM da compadliia, de Vtscon-
cellas.Ilisluri* do Brasil, do visconde de Cay-
ru.Castnoto l.usilano, por Ir. Raphael de Je
sua.Memoiiaa do Rio de Janeiro, por monse-
ulior Puarro.Annaea do Rio de Janeiro, de
Silva Lisboa.Ani.aesdo Maranhao, de Berre-
do.Alunes *\u Rio tjrande, do viacoada de S.
Leopoldo.Memoria du capitana de S. Vicente,
poi rr. (iapar da Madre de Usos.Eras do Pa-
ro, por Ba\en.n.Memorias lii-loricas da Baha e
corographn l'uapu-a, por I. Accioli. Chrono-
logia, do general Ahreu e Lima.llislona do
Brasil, de Varuliagen.E de oulros iuipressos e
inanuscriplos :
CONTENDO
A descrip^ao geographica.e uucOesliisloricas e po-
lticas, desde o descubr memo do Brasil al agora
(1837), e lambetn o lempo em que ir.nn povoadat
as suas dilfereules cidades, \ illas e lagares ;
Seus gnvernadores, e a ongem daa diversas fami-
lias hra'tlriras e seus appellidus, e&lrahida de aut-
gos inanuscriplos genealgicos qae nu tras d.lle-
renles se puJeram obler ;
A litiona dos minitlerios, sua polilict e cores
com queappareceram.
A historia das cmaras temporaria e vilala desde
a consliluinle de 17 de abfil de 1823 al 18J7 ;
E lambem urna etposii.au da historia da indepen-
dencia, escripia e cuiuprovcda por leslemuuhas o-
culares que aindam reslam, e dos outros rauvimen-
los polticos, alim de que se tenha um conhecimeolo
eiaclo nao s da geogiaplua do paiz como da sua
historia civil e poltica.
Pelo Ur. A. J. de Mello Muraea, natural da cida-
de das Alagoaa, autor de mullas obras lincearas e
scienlificai.
Subscreve-se nesta cidade do Recife, na livraria
da praca da 111 k-paii J -ncia i '. 6 e 8.
do
, assun como assegura, sol sua palavra
de bonra, o mais invibiavel segredo, a
quem Gzer qualquer dessas revelacoes,
|>ois lie bem possive cliegar-se ao fim
desejado, sem declarar-se donde ellas
procederam.
Consulado Britannico 11 de julho de
I8.")7.II- Augustus Cooper, cnsul.
.[..O-:---:-: > .: O.. .: ^O i/:>
tj O Ur. Joao Jos Damasio medico, pode ser '
[r. procurado para o eseiricio de sua pios- l*
-..' sao, na rua de Apollo n. 9. g
:-.';::-CrO-::-v.:v.:./<3@@vS
Na rua larga do Rosario, no segundo
STRDA DE FERRO:
Recife S. Francisco
LIMITADO.
.diuia cliaritab;.
O directores da Conipanhia da Estrada de l-'erro
do Recife a S-m-Fraiicxc, limilado, leem feilo a
l|"'ia cnim>'a de duas libras esterlina*, ou ris
179777 sobre cada arc,o na dla companhi.i, a qoal
deve ser paga al o da 24 d agoilo do correle an-
ua de 1857 : no Rio de Jantiro, em casa dos Sra.
Mau Mac. (iregor C. ; na Babia, em casa dos
S'. S. S. Udveuporl & C, e em Pernambuco, no
excrlploria da Companbia.
O accionisla que nao realisar o pagamento den-
tro do leinro indlaido, podera perder iodo direito t
acfcs sobre as quaes o -ilo pagaruenlo nSo se luer
effecluado, e em iodo caso lera de pagar juros na
filo de cinco por ceuto no anuo, e de nflo receher
juros ou dividendo da rompanhia pelo tempo que
drcorrrr entre o dia indicado para o pagamento ea
sua realisa ;ao. .
Neiibum auto de transfarencia pode ser registrado
antes do pagamento da chamada.
Por ordiMi) dos directores. Jamet TempletOll
h'ood, superintendente.
O aballo assignado, procurador bstanle de sua
rogra l>. Mara Jos da Auiiunciar,ao llaplisla, pede
os credores do seu finado cunhado Antonio llaplisla
Ribeiru de l-'aria, lilho da mesma, que apretenlem
suas conlas at o dia 31 do correnle mez ; assim como
avisa aos devedores do mosmo que pessoa alguma ca-
la autorizada a receber suas dividas nao ser o abai-
io assignado.
l'eroam'jaco 13 de agosto de 18J7.
Antonio Machado Gomes da Silva.
AOS MORADORES
dos lugares ti es i e Ad /ga-
dos l N.iiito Amaro de
.itfioatao.
Tcndo de dar-se comr>r;o em setembro pr-
ximo a ima linda de mnibus diaria dfsde
o Recife at Santo Amaro de Jaboatio, o
proprietario convida aos ir oradores daquel-
les termos, para que cducoiTaui para a sua
conserveHao, a qual sera proveitosa nao s
aos moradores como rom especiali lado aos
sendo es negociantes, tanto pela frequei.cia
como pela l'acilidado com que poJem visitar
esta praga, c assim, colliereui meldores cun-
Grande sorti-
meiit i de fazendas de to-
das as ^ualidade.
lirosdenap* pretode| seda laviada, covado. i-JlK)
Dilo dilo liso muito largo, covado. 29*200
Dito de cores liso muilo superior 2cimi
Sel mi preto macao, covado...... 3&000
Panno fino preto e de cores, pata lodos os presos.
Pupelina de seda de cores ruatisada, co-
*aJo............. 15000
Chai de cores, com quadros de seda, co-
, vado ............ j85o
1.a. de quadros pequeos e grandes, co
, v-"10............ 8600
La.i e seda de novos padres, covado. *>800
Mauritana de teda com cinco palmos de
largura, covado......... 19600
l r.olma de seda com qoadros, ramageus e
lislras malisadas, covado...... IjOOO
Sedas de quadros bonitos padres, covado. $950
Duque/a de seda com ramagem, covado. 750
Mu-ii 11 n a branca e de (ores, covado. 320
Chitas Trncelas finae........ 280
Froodolma de seda para vesiido..... 900
Cassas francezas finas de bonitos padres,
*aw............. 420
Argentina de cores escoras, com (lpicos de
seda, proprio para palitos...... 800
Italiana de seda preta com lustre, para pa-
mes............. ijjooo
Lencos de cambraia bordados, muito linos. 13280
Unos de dilo de linho lisos para mao. --4K)
Corle de casemira preta e de cores. ijOOO
Corles decollles degurgurio deseda.de
vatios padroes, mamado...... 3JO0O
Chapeos de massa francezes formas nova*. 7g500
Palils de alpaca prela, linos...... IgOOO
Dilo de alpaca e gangas de cores. ". 49500
Gnudolas de alpaca prela e de cores. 5-000
Chales de merm bordado] a velludo grao-
d............. 183000
Ditos de dilo bordados a seda..... 9jO00
Ditos de dilo com lislra de seda. 65500
Ditos da dilo li-os. ........ 59500
Dilos de dito com franjas da laa 49500
Ditos de l.ia adamascados de cores. 39000
Ganga franceza superior de coras, covado. 600
Romeiraade relroz muito superiores, pa-
ra tenliora.......... 996UO
Em frente do becco da Cougcegacao, passando
loja pe ferrageus, a segunda de fazenda n. 40.
V. >o consultorio homeopalhico do Drr Ca- tja
Y sanova, rua das Cruzes n. Si8, ha sempre 5*
-p um grande sorliinento du niai acremia- t.'
... dos medicamentos bomeopa-thicof, e ludo *
4 esle syslema. .--v
^ Veiuiem-se vidros com rolha de vidro, de ^
&&&%}#-%:$) 35$^
ROB LAllECTELR.
O nico aulorisado por ccisio do comelho real,
decreto imperial.
Os mdicos dos bospilaes recommendam o
arrobe de LalTecteur, como sendo o nico
aulorisado pelo governo e pela real socieda-
de do medicina. Este medicamento de um
gosto agradavel e fcil a lomar em secreto,
est em uso na marinha real desde mais de
60 anuos; cura radicalmente em pouco lem-
po com pouca despeza, som mercurio, as af.
feccoes da pello, impingens, as consequen-
cias das sarnas, ulceras e os accidentes dos
partos, da idade critica e da acrimonia he-
reditaria dos humores; convm aos catar-
rhos, a be&iga, as contraeces e a fraqueza
dos orgaos, procedida do abuso das injec-
ces ou de sondas. Como anli-syphililicos
o arrobe cura em pouco lempo os Ilusos re-
centes ou rebeldes, que volvem ucessanUs
em consequencia do emprego da copahibe,
dalcubeba ou das injeccOcs que representen!
o virussem neutralisa-lo. O arrobe Laflec-
teur he especialmente recommendado con-
jra as doencas inveteradas ou rebeldes ao
mercurio e ao iodoreto do potassio.Lisboa.
Vende-se na botica de Barral e de Antonio
Feliciano Alves de Azevedo, praca de I). Pe-
dro n. 88, onde acaba de chegar urna gran-
de porcao de garrafas grandes e pequeas
viudas dilectamente de Paris, de casa do dito
Boyveau-Lalfecteur 12,rua hlcbelieu Paris.
Os formularios d3o-se gratis em casado a-
gente Silva, na praga de 1). Pedro n. 82.
Porto, Joaquim Araujo ; Baha, Lima 6l Ir-
maos ; Pernambuco, Soum ; Rio de Janeiro,
Rocha & l'illios; e Moreira, loja de drogas ;
Villa Nova, Joao Pereira de Magates Leite ,
Rio (irande, Francisco' de Paula Couto &
andar do sobrado da esquina do b^cco do pas de gneros e fazendas. O propietario
Peise Frito, n. 9, d-so alincco, janlar e
ceia, por prego mais commodo do que em
outra qualquer parle.
-- I'recisa-se alugar nos arrebaldes desta
cidade al o Poco urna casa assobradada ou
sobridi), tendo os conii.o.los seguintes:
alm do poder conler 12 a 20 pessoas, tenha
cocheira, estribara, arranjos para criados e
por ora estalielere o prego do 500 rs. por Ic-
goa ; fa-se poiem diHerenga aquellas pes-
soas que fjcarem assiguantes por todos os
diis ou as vezes que quizerem por semana,
pagos ciensal-i'ente adiantado : a tratar na
rua do tlieatro de Santa Isabel, casa da es-
quina.
Rua do Collegio o Sr. Cypriano Luiz da
escravos, e que o sitio seja abundante de ar-! l'az ; aterro da Boa-Vista, padaria do Sr
vores fructferas e baixa de capim, que pos- [ Beiiiz, dii-se-ba quem da quanlias de 5005
ale 1:0003 ou mais, com hypotheca em casas
terreas ou firmas a contento.
S Sl'IElilEL A C, banqueirosene-
gociantes, estabelecidos lia muitos anuos
em Londres, tecn u satisl'accao de par-
ticipara seus corresjtondx'ntes e no publi-
caban! d
&&
O
v.
Thesouro ho-
meopathico
43
OU
V4DE-IECC1
DO

i
Homeopatha. |
PEI.O K. O
^SABINO OLEAUIO L lIMIO-g
;-; Esta obra, reconhecida por lodos, como ^
"'.- a melhor de quaiilai ensinam a applicaro fe
f5 da houieopalhia no IraUoienlo da moles- ft'
..... lias, cunlinua a vender-se a llgOOO.na B i- J
'' lica Central llomeopalhic, rua de Santo V
;.; Amaro (Mundo-Novo) n. 6 '.':
% EXLiELLENTES ItE.MEDIOS IIO- ^
;3 AIEPATHICOS. fi
;. -, preparados com o maior cuidado e esmero, t%
ff vendem-ie em carteiras por prec,o o mil J
'"3 cornmodos possiveis, desle IU9OOO al %?
,;jSl I2U5UO0, conforme o numero dos lobo e 5
. ... riqueza das caixas.
W Cada luboavulso.....IjOOO W
i.-3 Cada vidro de Untura. 55000 tfy
i i. B.C mslando ao abaito assignado -je,
que algn individuo parcorrtin o interior 3K
S? nao ni desta provincia, como da Alago*, W
: j l'araliiha, Rio-Grande do Norte e Ceaia, gS
^ vendendo remedio em seu nome, julga fi
9 convenienle declarar, que a ninguem sulo- jjj
V riou para isso, e que,como n3o eln promp- ^?
. -. loa carregar corn os peccados alheiee, >U gis
;^ se reaponsabilita pela profcuidade do re- ..'?
"S? medios preparado debaiio de ua iimin- '''
^| dala iuspec^ao, naBotica Central lio- ($
menpathica, rua de Santo Amaro, Man- ..-,
de Novo) 11. 6
m
-j
sa sustentar annualmente quatro cavallos :
annuncie por este aDiario ou outros peri-
dicos.
Acha-se ausente desde c dia 1. do cor-
rente a escrava Thereza, Conga, de 61 anuos,
baixa, um pouco relbrcala, cabega branca,
le o os .ledos dss mfios encaranguejudos c.
calombos peins cosas, proventeiites de
agoules de senhores anteriores, anda espi- co' Io* i,ral)',m dl> lundar casas liliacs
gado e um pouco peala, levou vestido corino* prinripae porto* e distritos inanu-
lie rosa'com ilorps amarellas : quem a pe- f'actureiros de Fr.mca, Alemanlia, lielgi-i inadoi dccncanamentosdc gaz c ajjua i)a-
gar Uve-a a casa de seu senhor o major An-ca c Hollaiida. conservando alen disto ra dentro de edificios em todas as suaa va-
5,5 Dr. Sabino Olegario L. Plnbo.
-.i..-:.:.:-':.- :..::0^-.rO:.:O^QQ^
AVISO.
Josepli Slielinerdine lem a honra de
informar ao respeitavel publico, (ue ten-
do-se estabeleciao na ruada Aurora, San-
io Amaro, entre as duas pontcs, jieito da
fundicSo, acha-ie promjito a se encarre-
gu deludas as olia-as de sua prolissao, quer
seja ti-aballiosem chumbo, \idraceiro, ar-
lunio da Silva Guimar.les, na na Imperial
n.64, que sera gM^mnleZw^^9'^?*1^^ ,
sado cenlas as cidades mais importantes, c
portos mais cominen.iaesdalir.i-llrctanlia,. bastante txpcricnci
e estao tm posic3ode ofleiccer givndisuiue, com attencad
Itoga-se a Sra. I). Diunizia Francisca
de Souza, natural da villa da Barra, no Rio e estao em 1
de S. Francisco e provincia de Pernambuco, ,,|,i,;,.n. .., .,, 1- riiiirinssar
- Precisa-aa de um mogo portuguez, de ou a seus denle i ros que venham o,, men.lem '"?"*! M ,s '" ^Jfi i,n^^i
i !a le de 18 a 20 annos, para irabalhar em I receber a parle que lhe toeou do espolio de a m -"";." como em outioqual-
uroa fabrica de volas de carnauba : na rua seu marido Jus Seabra l.emos fallecido nes- 'liier P"to l,a Luropa, de tuna casa para
Direit n. 59. la corle. Rio ue Janeiro de agosto de 1S57.' compra ju venda de ariigos, bem como
i edades,uicluindobanlieiros, bombas, la-
Irinas d'agua, etc., o inesina tendo tido
a na Europa, espera
aos seus freguezes,
moderacao em seus precos, merecer do
respeitavel publico desta cidade toda .-
protecqo, pura o que pode ser procuiado
no lugar cima indicado.

.


C0ISULT0R10 HOIIOPATHICO
DIARIO DE PERNAMBUCO SEGUNDA FEIRA 2\ DE AGOSTO DE 1857.

Onde seachamscmpre os mais acreditados medicaavpntos, tanto era tinturas como
cm glbulos, e preparados cora o maior escrpulo e por pregos bastante commodos
CREgos FIXOS.
Botica de tubos grandes. .
Dita de2* >
Dita de 38 a '
Dita de 48 c .
Dita de 60 .
Tubos ayulsos a......
Frascos de tinturrademeia onca.
Manual de medicina homeopathica de Dr. Jahr com o dic-
cionario dos termos de medicina ; .
Medicina domestica do Dr. Henry .
Trata ment do cholera morbus .
Repertorio do I) Mello Moraes
10/000
159000
209000
253000
308000
19000
25000
* PEORAS PRECIOSAS- 3
$ Aderemos de brllhanlas, i
- diamantea e perolaa, pal- IB
': ,'cir,i-, ainete*, brincos j
JJj a rozetaa, bolftes annaia ^
'., de diflerenlM goato9 e de *
'] diversas pedras de valor. &
* r.
;. Compran), venden) oa 98
!*j Irocam prala. ooro, bri- S
9 Ihantea.iliamanleae pero- jJJ
- laa, e oulras qoaefqoer >;
* joiai de valor, a dlrJieiro *
I ou por obras
20900
lOfOOO
2/000
6#000
7.
I
L9J1 fi| iiritsi
Ra do Cabuga' n
Receben, por to-
dos os vap, res da Eu-
ropa asobr isdo irais
moderno g-osfo, tan-
| OURO E PRATA.
t Aderecoa completo da f|
tfj ooro, rneioi ditos, pulsei- !
* ra, alfneles, brincoi *
g rozetaa, cordn, Iraneel- j|
fS Un, medalha9, correles <>'
% e enhiles para relogio, e *
2 ODlroa roolloa objeclos de
?i ouro. jy
fAparelboa completos de 5
prala para h, bandejas,
ja? salvaa, easlicaes, colherea $
de sopa e de cha, e mui- a
de*
5 W *^ -l S ,0 o objeclos de 1
6**:8sfflB3Bg3ssgEgB^sasB to e rranea como I p1- 1
de Lisboa, as quaes venden* pop
prego commodo como cosfanianri.
O Dr. Ignacio Firmo Xavier faz publi- {*>,fi-,!*.<*\ r.^.^^ ^-------------------------
co, que mudou sua residencia para o seu si- ; '-'">-.'. CrJ-:.'.-:.-: -.5 &@ o na Passagem da Magdalena, aue tica ao O Dr. Francisco de Paula Bap-
&3 tista, tem aberto escriptorio para j
@ advogar, no primeiro andar da
&3 casada na das Trincharas n. 19,
por cima do cartorio do escrivao
# Raptista.antigamentedo fallecido
# Reg; ealii, das0 horas dodiaem
diante, esta' prompto a ourir a
@ lodos, e a receber as causas de to-
$g dos que quizerem procurar seus
0 serviros de advogado.
. >
6

I>0ft,
to na Passagem da Magdalena, que lica ao
norte da estrada entre a ponte grande e a do
Chora-menino, e ahi tem preparado urna
casa de saude com todos os commodos para
o tratamento de esccavos, cujos seohores
resldam fra da praca, ou 'que n<1o os pos-
sam curar em suas proprias casas : quem
para isto quizer-se utilisar de seus servicos
mdicos, que serSo desempenhados com o
maior zelo, dinja-se ao pateo do Carino n.
9, primeiro andar, ou no referido sitio da
Magdalena. Preco2/000 diarios-exceptu-
ando conferencias, sanguesugas e opera-
coes.
eIRio-Formoso.S
*g O Dr. Joao Honorio Bezerra de Mane- $
& s, njedico pela Facaldade da Baha, lera
,j lindo stm residencia na cidado do Kie-l-or- *,--
--. moso, e de novo efterece seus servicos a lo- ^{>
' das ai pessoaa que o honraren) coro aua con- S?
W fiaDSa- rife
SEGURO CONTRA FOtW. uy^'*'
Companhia Alliance.
Esubelecida era Londres, am marco da 1824.
Capital cinco milhes de libras estarlinas.
Saunders Brothers & C, tea a kpnra ds in-
formar aos Srs. negociantes, proprietarios de casas,
a que mais convier que eslao plenamente au- ova n. ,
tonudos pela dila companhia para affecluar segu- as parelbas de cavallos o motivo desH PTJ8 c Uln caixeiro : l
ros sobra ed.fic.os de ti oto a padra, cobertos da venda l,e as nosim ,1 v ,Vh desta o lado da igreja da Soledade.
tlh. e .gualmemasobra os objecte, queconiiv.rem ZSriS ^n L ^ P Camara
ranunn.jii;.;...,...___SZZ. ._? muDicipai. \encle-se tu,do ou em separa-
do, tambem se vende o sobrado se con-
vier.
Compra-se um carro proprio para o
servico externo da Ifandega, para trabalhar
comcavallo: na ra da Cadeia do Hecife,
ioj3 n 6*.
Continua-se a dar dinlieiro sob penbo-
res e a juros commodos na ra da Praia n
43, segundo andar.
- Compra-se um cozinheiro hbil na
ra do Trapiche n. 19.
Compra-se effecti va mente na ruadas
Flores n. 37, primeiro tndar, apolices da di-
vida publica e provincial, accoes das compa-
nnias, e da-se dinheiro a juros, em gran.ies
e pequeas auantias. sobre penhores.
Compra-se um preto de 20 a 24 annos,
sendo perito ollicial de carapina ; paga-se
bem : a tratar na ra Nova a. 53, botica.
O propietario da coebeira da ra
Nova n. 61, vende todos seus carros com
Feijao imriati-
II110
Vendem se saceos com 35 cuias de feijao
mulatinho muito novo.'.e por preQo commo-
do : na taberna grande ao lado da igreja da
Soledade.
Ao Cauto
QDE ESTA' TORRANDO.
iVa ra da Cadeia do e-
cif'e ii 54.
Chita francesas rauilo finas a aiO e 280 rs. o co-
vado, chales de merino prelus a 3j(0, dilos de cores
a 5s000, manas de seda muito linas a 63, "3 e 93000
ra. cada ama, mussulinas muilo finas a :U0 e 380 ra.
o covado, cimas de bonitos padroes a 160, 180, 20
e 2:20 o cavado, chapoa iranceze* muito finoa a "8,
lencos do carobraia a l3._iOO, 23400 e 33000 rs. a du-
zia, uravalaa pretas de mola a I30OO cada orna, ditas
de fila a IjOOO ra., dilaa de laco a 700 rs. cada urna,
brinuiohoa para jaquela a 00 e 220 r. o covado,
madapolfiea a 236OO, 23SOO, 33IOO, 330O, 33500,
4)000, 4920O e 5PJO0 rs. a peca e moito lino, gan-
ga amarella a.tOOrs. o covado, chales de merino,
bordados na pona, moito ricoa a II5OOO r., ditos
da louquim aOjOOO rs corlas-de casamira a 43 e
492OO rs., chitae de coberla muilo largas a 400 rs. o
covado, chales de cambraia a 800, \g-200, I38OO e
21000 rs. cada om, pecas de ahita cores lilas a 53800
O3OOO, 63200, (iiiOo, 63800 e 78000 ra. cada orna,
brelanha de linho lina a 560 ra. .1 vara, aeaim maceo
a 238OO e 33000 rs. o covado, chapoa da sol de aeda
a 6g480 e 730IX) r. cada um, dilos para aenhoras a
23500 e 39500 ra. cada oro, meiaa para aenhora a
23200, 23500 e 33800 r. a doiie, chales de ganga ea-
lampado a 23101 e 23200 rs. cada om, ditos borda-
dos com franja de liaba a 33200 ra.. riscados fran-
ceza muilo largo e de bonitos padroes a 300 rs. o
covado, bnm de linho em corles a 23200 e 2300
ra., ISa para vestidos a 19500 ra. o covado, alpaca
prela a 500, 600, 700, SOI), 9110 e 19000 r. o covado,
corles de nieia-eatennra a 23OOO rs., Utas a 560 rs.
o covado, e oulras muilas fazendas que a' visla do
comprador mencionara'.
Tintas baratas.
Cr, ochre e rso-lerra a vintem a libra
lomando de 8 libras para cima : na ra do
Livrameuto, loja n. 35.
Ateiico
o
Na na larga do Rosario n. 38, loja de
miudezas de Joao Goncalves Ferreira, exis-
tem venda caixas com lentos para voitare-
te, as mais ricas possiveis, litas de velludo de
todas as larguras, franjas, de seda asmis
ricas que tem vindo de Franca, fitas lavra-
das, fazenda ainda nao vista, pesos para pa-
pel muito finos, com todas as personagens
da Europa, cinluro>sde borracha muito li-
nos, eoutras muitas qualidaies de miude-
zas. que nao se podem mencionar.
Queijos *8 za-
patos
Vcndem-sc queijos do sertao, grandes e
pequeos a 400 e 440 rs. a libra, e sapatos
do Aracaly e da trra, de todas as qualida-
dcs, para hon.ens e meninos; tambera se
precisa de um caixeiro : -na taberna grande
os mesaos edificios quer consista em raobilia ou
n fzandas de qualquer qualidade,
JOHN CATIS,
corretor geral
E A^NTE DE LEILOES CO.MMERC1AES,
n. 20, ra do Torres.
PRIMEIRO ANDAR,
praca do Corpo Santo
RECIPE
| BMtitIWitcE
X 1 alo aignoiizdenlisU, ra ^ova n.41 : fc?
m na mesma casa tem agua e pos denlrilice.
Tasso Irmlos.
Avisara aos seus.freguezes, que s ulmas
lannnas de trigo Richmond chegadas ao mer-
cado, sao vendidas em seus armazens, pelos
seguintes presos :
Galega 268000 por barrica.
Haxall 259300 idem.
O Dance 249000 idem.
Columbia 239Ot.'0 idem.
Alem destastem farinhas novas de Tries-
,.r f Jn,rc,.SSSF- Fontana e primeira
qualidade assim como completo sortimen-
to das melhores marcas de i'hiladelphia, No-
va Orleanse Baitimore.
-Na fundico da Aurora precisa-se
de serventes forros ou esclavos, para
servico debaixo de cobe^ta.
J7 P/ecisa-se deum cozinheiro: no lar-
go do Hospicio junto ao quartel, casa do de-
.sembargador Alendes da Cunha. Paga-se
bem agradando o servico.
Ae publico.
Oabaixo assignado faz selente ao respei-
tavcl publico e aos seus freguezos, que aca-
ba do montar dous importantes estabeleci-
mentos de fazendas, na ra do Crespo ns.
10 e 14, onde encontrarlo um vanado e lin-
do sortiuiento de azendas de todas as qua-
Iidades, as quaes vende por preco muito
commolo; sendo gerente do estabeleci-
mento n. 10 o Sr. Marcelino JJeronimo de
Azevedo. I. G> Malveira.
- --- He chegado a loja de I.econte, aterro
da Boa-Vista n. 7, excellente leite virginal
de rosas brancas, para refrescar a pelle, tirar
pannos, sardas, e espinhas, igualmente o a-
raraado oleo babosa pjra ltmpar e fazer
crescer os cabellos : assim como p impe-
rial de yno d Florenca para brotoejse
asperidadesdn Pelle, conserva a frescura e
o avelludado da primavera da vida.
Roubo de maileira.
Tendo-se conduzido para a praia da
(>adeia, pordeti-az da casa que loi da po-
lica, cinco travs de 40 palmos, com 8
c meta polegadas eru quadro, no sabba-
do 1 do corrente, as quaes licaram amar-
radas, e na segunda-teira acharam-se de
menos duas : roga-se a quem dellas sou-
ber, queira dar noticia na obra da ra
das Cru/.es, ou na livraria ns. C e 8 da
praca da Independencia, que sera' m.
Illir.nlo.
Domingos Alves Matheus saca sobre
a praca da Porto.
O advogalo I.eopoldino Antonio da
fonseca, residente em Macei, offerece seus
servi!osaspes,o,SqM,le||cs ge auizerein
utilisar naquella cidade.
Xtteneao
Aluga-se ou vemlc-sn um sitio em SanfAn-
na do Xavier, com grande casa do morada,
estribara para 4 ou mais cava los, cocheir
grande, quartOS para pretos, e capim pera 2
cavallos lodo o anuo: quem o nretendnr m.
detiroaououtramane.ra, queira dirigir-s r^a rm"em. Jo Sr- "ntonio An"es, con-
a ra da Cadeia do Recite n 20 a tratar 8 eSlla,J,nha d" lfandeea. vendem-sp
com l.uiz de Moraes Gu'nes Ferrei'ra.
Acosa dos ex postes desta cidade pre-1
cisa de unas de leite. queestejam no gosoj
de pe-Hita saude, enotenbam mais de
'|uuivnia "anuos, para amamentarem os
meninos qoeexistem dentro do estabele-
cimento: as que quizerem ser adtnitti-
d-is, dinjam-se a referida case, a enten-
dci-se (om o respectivo regente.
A a (J.! leit
Domingos Mouteivo Peixoto ron as
pessoasde sita amizade catadas armellas
n; fni'1"01-,""1 i-.em-n'ascido
nl:,.,,delbe inculcaren, rf^Mni amn
de .dtesemilho: na ra .lo Colleeion.
o, segundo andar.
Agua para tirar nodoas de fcrrugeme
delrntadeesricor. Unto em roupa comS
6 papel, a|320 o vidriado : a prac.a da ,-
dependencia n. 4.
Unto.
Vendem-se luyas de pellica de
Jouvn, de todas as cores : na roa do
Queimado Joja n. 40.
Vendem-se duas optimaa mulalinhas, de ida-
le de Ij annos, de muilo lindas figoras, e com al-
sumaa habilidades; urna negrinha de 11 annoa,
mudo hnda ; duas oegraa : na roa do I.ivramen-
, "7-No, ar"nazem do Paula Lopes no caes
da alian lega, tem batatas as arrobas e sebo-
las aos centos, por prego commodo.
ApABATO PASA ACABAR
2\a ra do Cespo^ii. 15.
Vnhos do
Porto.
Na ra da Madre do Dos n. 34, loja, ven-
dem-se especiaes vinhos do Porto, das me-
mores quahdades, e marcas mais acredita-
das, inclusive a do Chamico, em barris de
quintos, oitavos e decimos ; bem como dos
engarrafados das .-rus de 1815 e 1834 em cai-
sas de urna e duas duzias.
Com pequeo toque de
avaria.
(A (liiilieiro*.)
Na na do Crespo, loja da esquina que
volta para a ra Ja Cadeia. vende-se :
Pecaste algodao lizo a 800, i.sOOO, l.s-280
a^7x&Ta*s& "rS^-,?o00' 2sooi>> &2i
320 o covado, dito de laa com vara de lar- ne 2iX0-
gura a 320 o covado, palitos pretos de alpa- Dlta dito de sicupira, a diversos precos.
ca a 5/000 cada um. luvas de Jnnvin o.nnn Ditas dita ca a 5/000 cada um, luvas de Jouvin a 2MQ0
o par.
Vende-se arroz de casca a 5S500 o al-
quetre.e 200 rs. a cuia : no pateo do Parai-
zon. 16 taberna.
Breu.
Ditas dito de sacco, idem.
Tinta para marcar roupa, que d8o lar-
ga, ao contrario quanlo mais se lava mais
pretae segura fica, a I9UOO os 2 vidrinos,
na praga da Independencia n. 4.
A 11$WO rs.
Vendem-se cortes de cassa fina pintada,
no armazem de Tasso com lpicos e palminhas miudas e com 7
varas cada corte a 3200: na ra do Queima-
do n 22, loja da boa f.
Na praga ds Independencia n. 4, ven-
de-se ail liquido, o nielhor que tem appare-
cdo para ailar roupa, pois nilo tem o in-
conveniente que sempre as senhoras que en-
gommam encontram no outro, pois basta 4
I 5 pingos para ailar urna bacia d'agua, a
400 rs.
FARELLO.
Vende-se em barricas e saceos : no arma-
zem de assucar no caes de Apollo, esquina
da travessa da Senzala Velha.
Vende-se espirito de vinho : na resti-
lagao do moinho de vento da praia de Santa
Rila.
Vende-se sement de horUliea : na
ra da Cruz n 36
- Vende-se cal do Lisboa, a mais nova
que ha no mercado, por preco commodo:
na ra da Cadeia, defronte da KelacSo. ta-
berna de Domingos campos
Rarris com bren
Irmaos.
Fumo lie Garaii!imis.
O abaiso assignado recebeu agora de Ca-
ranhuns urna porcio de fumo muito supe-
rior : os prelendenles podem procura-lo as
tabernas de Victorino Jos Correia de Sa, na
ra Augusta 11. 1, e de Jos Dmelas da Cos-
a, ra do Pocinho, ondo se vende a retalho,
por preco commodo.
Manocl FirminoFerreira.
Vende-so urna vacca parida de novo,
em Santo Amaro, passando o cemiterlo pu-
blico, o segundo sitio.
Nh nova loja de fazendat,
de Jos Moreira Lopes, nos quatro cantos da
ra do Quetmado n. 18 A, esquina que volta
para o Rosario, vendem-se superiores cha-
peos brancos de castor a 9<000, colletes ei-
tos de fustiTo a 1800, riscados francezes
muito finos a 160 o covado, cortes de cam-
braia franceza com 12covailosa 2.9IOO, eou-
tras muitas fazendas por precos commodos.
vende-se una criouh de ptima figu-
ra, engommadei.a e cozinheira : na ra das
Cruzes n. 24.
A 59000 rs.
Vendem-se.superiores chales de merino,
decores, cora ricos padroes, pelo barttissi-
nio preco de 5^000 : na loja de 4 portas da
ra do Queimado n. 10.
A 2.3OOO rs.
Continua-se a vender cortes de chites
rrnneezas escuras, pelo barato preco de 2/
o corte : na loja de 4 portas da ra do Quei-
mado n 10.
- Vende-se um relogio de ouro, patente
sutsso. trabalhando em 13 pedras, e por pre-
go rommodo : na ra do (jueimado, loja
Vendem-se excellentes madeiras pro-
prias paia coberlas de carros, de 22 e 24
palmos : na ra do Jjsmira ou beceo das
Barreiras, casa do frente amarella.
Na ra Augusta, taberna de 5 portas
n. 1, vendem-se muito bous queijos decoa-
Iha de lodos os tamanhos, sendo de meia li-
bra a quadro libras cada um, pelo diminuto
preco de 360 a libra os fregueies devem
aproveitaraocessiaoantes que se acabe a
pechincha.
Datatas baratas.
- da alfandega, vendem-se
batatas muito novas a 15200 a arroba.
vert deiro aigoio di
i' brica di iJia
Vende Antonii, Luiz de iiveira Azevedo,
no seu escriptorio, na ra da Cruz n. 1.
Jb caranda.
Tem para ven ler ;mlonio Luiz de Oliveira
Azevedo, ra da Cruz n. 1.
Vende-se urna escrava crioula, de 18
a 19 ennos de idade, com boa figura o sadia, ,-, ,
sabe lavar, engommar, e tem principio de UOl'te.S
cozinha : na ra da Saudade, primeira casa
de sutao do lado do sul.
DINTELE I ES A iOsOOO.
vcndem-sc manteletes pretos, de nobreza,
com ricas guarnigOcs, pelo barato preco d
lOrOOO reis, na loja de 4 portas, ra do Quei-
mado n. 10.
Vende-se chocolate, marmelada em
qoartos, de superior qualidade, vinda ulti-
m-me:ile de Lisboa, no brigue Constante :
na ra da Senzala i\ova n. 4.
Bo fazenda.
Vendem-se na ra do Livramento n.
3o, bonetes para meninos, de marroquim
domado, cora velludo de varias cores
e fita de galao, pelo baratissimo preco de
5.S000. '
Vendem-se sapatos dos melhores, fa-
bricados no Aracaly, carne e queijos do So-
bral, ludo chegado ltimamente, por presos
commodos para .cahar: na ra da Cadeia
do Recife n. 60, primeiro andar.
Mud z*> baratas.
Jos Fortunato dos Santos Porto acaba de
montar o seu condecido estaheleciment da
ra da Cadeia do Hecie n 45, esquina da
Madre de Dos, com um rico e completo sor-
timentode miuJe/as, n3o s para a praca
como para os senhores negociantes do cen-
tro, e mesmo de oulras provincias que bem
sequeiram surtir, ahi acharao constante-
mente liiihas brancas e de cores de todas as
qualidade?, um rico so-timento de perfuma-
ras, luvas uera horocm, senhora e meninas
bengalas de cnna e de baleia, bicos de seda
de todas as larguras, ditos entrefinos, cuti-
larias hnissmiis para mesa e escriptorio,
tintetros de porccllana, lindas pedias para
segurar papis, ricos cnfeiies para senhora,
toucas, carleiras, pspelhos de parede, esto-
jos para barba, lindas ahotoaduras para col-
Icte.pipel, capachos para portas e sofas.
rape de diversos fabrcenles, ptimos charu-
tos da Baha, e urna tmmensidade de ubce-
los que sena enfadonho mencionar, que a
vista dasqualidadese dos piceos de cerlo
"gradaran ao comprador. Assegura-sea mo-
dicidade dos piceos-
^ende-se
de la* para esli-
do.
Vendem-se cortes de lila de lindos pa-
droes. com 15 covados cada corte, pelo di-
minuto prego de quinze patacas ; a elles,
antes que se ac.bem : na ra do Queimado
n. 22, na loja da boa f.
- Vende-se superior Iinhas de algodSo
brancas, e de cores, em novello, para costu-
ra, em casa do Southall Mellor c C.a, ra do
Torres u. 38.
Ao Pregui^a
QUE EST QUEMANDO.
INa loja do Preguica, na ra do Queimado,
esquina do becco do Peixe Frito n. 2, ba um
completo sortimento de fazendas por precos
baratissimos, entre ellas nolam-se chitas
francesas escuras de lindos padrOes e cores
fixas a 260 rs. o covado, ditas ditas claras de
padroes miudinlios a 280 o covado, ditas fi-
nas de lindos padrOes e excellentes pannos,
e cores fixas a 300 rs. o covado, lindos la-
petes para salas a 33800 cada um, pecas de
bretanha de rolo com 10 varas a 2C0O0 cada
urna, mussulina de cora 320, dita mais fina
de lindos padroes a 360, dita muito lina a
400 rs. o covado, dita branca a mais fina que
be possivel a 400 rs. o covado, cambraia
franceza de cores Dxas a 480. rs. a vara, di-
tas de cordao a 500 rs cassas francezas
rsuito finas e de lindissimos padroes a 640
a vara, lencos pequeos para m3o a 120, di-
tos a 220, ditos com bico muito finos e com
lindos bordados a 360, cortes de casemira
com lindos gostos a 53500, ditos finos a 63,
meiascasemirasdequadrinhos proprias para
caiga e palito a 560 o covado, ISazinhas de
quadros proprias para roupa de meninos a
400 rs. o covado, grvalas pretas de setim a
1*900 cada urna, riscados francezes de qua-
dros de lindos padrOes a 240 rs. o covado,
casineta preta muito fina a 19200 o covado,
casemira preta a 29OO, cortes de castor en-
corpadopara caiga a lc440, ditos a 1, ditos
de bnm de linho a 15440, ditos de brim de
algodao branco a ls cada um, chalps de me-
rino de todas as qualidades, lisos e borda-
dos, por baratissimos pregos, chitas escuras
e de diversos padroes e cores fixas a 160,
180 e 200 rs. o covado, ricos lengos de seda
de lindos padroes a 21000, e outras muitas
fazendas que se deixam de mencionar, e se
venderSo por baratissimos pregos ; se da-
ro amostras com penhores.
Venda de
pianos.
Vendem-se muitos lindos e excellentes
pianos, ebegados uJtimamente de Ham-
burgo, e com lindos retratos no [frontes-
picto : mi ra da Cruz n. 5o, casa de J.
Keller & C.
i\a loja
das seis portes
em frente do Livrament<
Golinhasdetalagarga para pescogo de se-
nhora a pataca cada urna, chales de cassa
para trazer por casa e irem 110 banho a sello
lengos de seda para trazer aos hombros a'
dez tustes, camisetas de cambraia para se-
nhora a dez tustOes.
Na ra da Moeda n. 2, defronte do tra-
piche do Cunha, ha para vender pipas novas
e usadas, meias pipas, barris novos e usados,
arcos de pao para pipas, vimes, arcos de fer
ro em fexes, erramentas pata tanoeiros,
cal em pedra de Lisboa, tudo po-- pregos
commodos; assim como barris com azeite
dn carrapnto.
Na ra do Cabu M ga', loja de miu-
dezas |f 4.
DO
tem para vender nm completo sorlimcnlo de baba-
dos de. panno de linho, lano aberto como bordado e
de lodas as largaras, principiando por dousTltdos e
acucando em dous palmos, os quaes se vendem maie
barato do que em outra qoalqoer parte por ae que-
rer remeller o ilinliiiro ao fabricante.
He fina cao do Monfeiro
l Ro deposito desta relinaria, na ra da Ca-
ideia do Hecifa n. 30, ha sempre assucar re-
Minado de superior qualidade, por prego de
C)i)0 a arroba, dando-se um abate a quem
comprar mais de lo arrobas por semana.
aos senhores de
engenho.
No becco do Congalves, armazem n. 10,
dcJoscDuarte das Neves, vende-se a mais
superior farinha de trigo, em meias bar-
ricas.
relogios de pa-
tente
inglezes de ouro, de sabonete e de vidro :
vendem-se a preco razoavel, era casa de
Augusto Cesar de Abreu, na ra da Ca-
deia do Recife, armazem n. 16.
.ttetbodo facilicno.
Na li"raria da praga da Independencian.
6e8, vende-so o methodo facilimo-para
aprender ler, novamente impresso e aug-
mentado, por mil reis.
Arados de ferro.
Na Tundigao de C. Starr & Companhia, cm
Santo Amaro, acham-se para vender arados
de reno de um modello e construegao muito
superiores.
n "Za* r"at.d*Ca(,eia defronte da Relacao, venda
n. x de l). b. Campos, vende-ae e aluga-se, supe-
riores bichas hamburuetas, ero porco e a relilhn.
Vende-ae na roa da Cadeia n. 28, snperior
presunto porlugaer. inteiro a 4S0 ra., e mais objeclos
por prer;o commodo.
Ceblas novas de Lisboa.
Continuam-se a vender no armazem de
Barros I
fcm casadeRabeScbmettau:&Companhias
ra da Cadeia n. 37, vudem-se elegante,
pianos do afamado fabricante Traumann de
Ha aiburgo.
Lobo & C. vendem cal preta a CGO
rs. o alqueire, equivalente a urna barrica
de bacalbao, em canoas de (0 a .")00 al-
queires: quem precisar procure no por-
to das Canoas da ra Nova no segundo
andar do ultimo sobrado, assim como
vendem a retalho em pequeas porcoes
em seu armazem, na ra da concordia a
700rs. o alqueire.
Vende-se na ra da .Madre de Dos
n. 12, armazem de Novaes&C.. barris
de ferro, ou cubos hidrulicos ; para de-
positas de fezes. a preco commodo.
TACHAS PARA ENGENHO
Da fund.cao de ferro deD. W. Bowman
na ra do Brum, passando o chaia-
rtz, continua a baver um completo sor-
timento de tachas de ierro fundido e bati-
do de o a 8 palmos de bica. as quaes se
echara a venda por preco commodo e com
promptidao, embarcam-se ou carregam-
se em carro sem despezas ao comprador
Relogios.
Os melhores relogios de ouro, patente in-
glez, vendem-se por precos razoaveis, no
escriptorio do agente Oliveira, ra da Ca-
deia do Recife n. 62, primeiro andar.
, caas de ferro
Lxcellentes camas de ferro para solteiros :
vendem-se no escriptorio do agente Olivei-
ra, ra da Cadeia do Recife n. 62, primeiro
andar. r
Agencia
da fundicao Low-Moor,
ra da Senaala t'ova
n. 42.
Neste estabelecimento continu'a a haver
um completo sortimento de moendas emeias
moendaspara engenho, machinas de vapor
e taixas de ferro batido e coado de lodosos
tamanhos para dilo.
Chapeos de Italia.
Vendem-se superiores chapeos de Italia,
recentementechegados, a prego commodo :
na ra do Trapiche Novo n. 16, segundo an-
dar, escriptorio de Antonio de Almeida Co-
mes.
Carne secca do < ear.
Vende-se superior carne secca do Ceara,
por commodo prego : no armazem de Luiz
Annes, defronte da alfandega.
Tachas de ierro.
Na fundicao da Aurora em Santo Amaro-
e tambem no deposito na ra do Brum, loco
na entrada, e defronte do arsenal de mari-
nha, ha sempre um grande sortimento de
tachas, tanto de fabrica nacional como es-
trangeira, batidas, fundidas, grandes, pe-
quenas, rasas o fundas ; e cm ambos os lu-
gares existem guindastes para carregar ca-
noas ou carros, ltvres de despeza. Os prego
saoo s mais commodos.
Algodao iiionstro.
Vende-se algodSo monstro com 8 palmos
de largura, muito proprio para toalhas c
lengoes, pelo baratissimo prego de 600 rs. a
vara : na loja da boa fe, na ra do Queima-
do n. 22.
Mussulifiaff brancas e de
c >re.
Vende-se mussulina brenca muito fina a
**0 rs. o covado, dita de cores de excellentes
padrOes a 320 o covado : na loja da boa t,
na ra do Queimado n. 22.
jLnvas de .niivin.
Constantemente acharao na loja do Le-
conte, aterro da Boa-Vista n. 7, as verdadei-
r*s luvas de Jouvin. de todas as cores,
igualmente ricos penles de tartaruga da ul-
tima moda.
Moendas supeiiurea
Na fundigSo de C. Starr o, Companhia. m
Santo Amaro, acham-se para Tender moen- ^
das de canna todas de ferro, de um modello e '
construccSo muito suseriores.
Relogios
cobertos e descobertos, pequeos e grandes "^
de ouro patente inglez, para boroem ese- .
nhora de um dos melhores fabricantes de
Liverpool, lindos pelo ultimo paquete in-
glez : em casa de Southall Mellor & C.,- ra
do Torres n. 38.
VENDE-SE
na ra do Trapiche n. 34, escriptorio de '
^ovaesc&C, superior vinho do Porto, em
ca.xas de urna e duas duzias de garrafas : .
1 preco commodo.
Sellins e rele-ios.
I-Rlel'"-S R?LO(iIOS d.palate
K.roa' JCf* >" ->.
Deposito
de rapprinceza da fabri-
ca de B. Gasee, rio Rio
de Janeiro.
Vende-se a prego commodo rap fino,
grossoe meio grosso, da acreditada fabrica
SI?? B!v,pors- Sa,T'do'-
vstmpi
:'
0*,
2005000 de gratificagao,
S P^r ?s escravos crioulos, Lau-
rent.no e Manoel.por antonomasia barbeiro :
ni.lk iVJZ* 258nos' 8>to. nao muito for-
nido, rosto compndo. sem barba, bem pare-
cido, e muito pachola, levou chapeo do Cbi-
m;fiem6aOSiHa.Helr8,Hrbem; Man0el.
mesma idade, e he mais escuro que o Lau-
rentino, estatura baixa e bem fornido, rosto
32122 re-,beI? Parec,id. Pemas grossas.
& dBP,hd" tem cicatrizes as
costas como sello de suas proezas : levaram
em sua companhia um moleque de nome
Alexandre, que com elles aprenda ooliicio
de pedreiro, cujo ofJlcio sabem perfeitamen-
te ditos escravos : as pessoas queapprehen-
der qualquer destes escravos e os entregar
ua cadeia da cidade do Itccife, ou os condu-
zirao engenho Boa-Esperanga na freguezia
doL.moe.ro, receber a dita gratificacSo e
mais despezas que fizer.
"Z Em.12d,eJulho prximo passado fugio
do engenho Bosque Alegre, provincia dis
Alagoas, o escravo Germano, com os signa es
seguintes^ idade 35 28 annos. nagao Ango-
a. alto, corpulento, cambado das pernas,
tendo em ama dellas a cicatriz de urna gran-
de fenda, barbado, car. comprida, e regris-
nn:.iee,eSC,?V?-pcrlence aoSr JosPul-
r^ Aln?e,da Lima, morador na Barra de
Camaragtbe, e suppOe-se ter fgido para
esla provincia de Pernambuco procura de
outro companheiro do mesmo engenho. ha
pouco lempo vendido : roga-se, portante as
d8deSp0'.Caes' aos Srs^/piues'de
17'/,J,'l(,oer outra Pesso qe o ap-
rehenda, de o entregar ha villa do Passo ao
hnrnSqr'rnl'VnhoF,,cao' ^ Pernal-
buco a relisberto Ignacio de Obveisa, praga
do corpo Santo n. 6, pois ser bem recom-
pensaao, e sat.sreitas as despezas que com o
mesmo se fizerem. '
)
OS
premios da quarta parte da segunda lotera a beneficio do Hospital Pedro SesWo
*_________extrahidaa22(!e Agosto de 18S7. bM '
RS. I'KEMS.! NS. PREMS.
3
4
7
11
18
22
27
2!)
32
37
38
3!)
52
43
.11
56
58
til
i
66
68-
71
73
77
8:1
87
ao
91
92
97
102
4
5
6
15
21
22
25
26
:i\
34
35
:i7
7
."i0
52
53
51
57
59
62
6i
67
G8
77
78
79
80
81
82
85
92
a
206
1
8
10
t
16
17
18
2:1
2
M
36
38
40
:i
i i
i 5
49
50
52
51
62
61
66
72
7:1
76
78
79
.";
5
53
*
5
SB
5
59
9
5
5|
5
5
59
58
59
55
5?
55
5>
59
5|
5|
5.3
59
59
5*
59
59
59
5.3
59
59
59
59
^
59
59
59
&9
59
5j
59
59
W9
">5
5j
59
59
59
59
>
53
53
59
59
59
'>3
'-
53
53
59
5-3
53
5S
59
59
">-
58
59
53
59
53
59
59
_ 1
>3
59
5fl
59
59
59
59
53
59
53
53
5-3
5-
St
53
59
9BG
95
96
99
300
1
7
8
it
13
15
23
26
27
28
31
32
36
40
'.I
42
46
50
55
61
61
68
70
71
73
75
77
81
82
83
86
87
05
40
5
6
8
10
16 1
27
28
2!)
31
41
17
59
60
62
66
67
88
91
97
507
9
13
15
16
17
18
28
29
39
:t
42
45
16
47
48
51
5 i
56
58
6"
61
67
68
70
71
72
75
77
83
84
KS
90
92
59
59
53
59
.59
59
59
69
59
53
591
591
59
59
59
59
59
5 i
-
5|
59
09!
53
9
5
53
5J
5
59 i
59
5
591
53
59
53
53
Sf
5S
53
.59
59
59
',113
;0009
53
53
53
53
5-3
^3
59
59
"-
59
591
53
59
53
59
53
59
53
59
5-3
59
53
.">3
.13
59
53
59
53
53
53
59
59
53
53
53
5.3
"3
53
~>3
59
59
53
5-3
"'3
53
59
NS. PRE
597
602
17
22
28
30
32
33
38
41
'2
50
51
53
56
66
67
82
8
87
88
8
92
95
96
701
4
8
10
13
17
18
20
23
29
30
3
.16
40
16
47
52
5fi
67
68
73
75
77
80
84
93
802
8
13
19
22
28
30
32
37
40
47
51
51
US. NS. PREMS. I NS. I'KEMS. NS. PREMS.
925
26
59
64
66
68
72
75
81)
83
87
88
91
94
95
98
900
1
5
9
12
13
18
19
21)
21
22
24
os
59
59
59
59
5-3
53
59
59
59
53
59
53
'59
59
39
59
59
59
53
59
59
59
S*i
."13
59
53
5-3
59
5g
53
53
59
59
59
5.3
5.j
>
59
?
53
53
53
>
59
53
59
69
53
59
5
59
59
53
59
59
53
59
69
53
.">3
53
53
>-
59
59
59
53
59
53
53
59
59
"3
59
59
59
59
53
'3
"'-
59
59
59
5.3
59
59
53
59
2:0003
59
32
36
39
41
45
48
51
60
64
65
68
72
76
89
90
92
93
1004
13
16
17
19
20
22
23
26
31
38
45
54
60
61
66
7(1
72
76
78
87
88
90
95
lili
1.1
16
29
30
31
32
38
39
43
15
18
49
50
51
52
53
56
58
59
60
61
68
71
75
79
81
84
87
90
95
98
1200
2
3
6
8
10
12
13
14
17
18
23
26
29
32
53
59
53
5
53
53
59
59
59
59
59
53
59
09
59
5ft
59
59
53
59
59
59
53
5|
59
5|
59
53
53
53
59
. 59
59
59
55
59
5g
5.3
59
59
59
55
59
5
59
5;
5|
53
I093
53
5
59
53
5)
59
59
5.3
59
59
59
59
53
5-3
59
59
9009
59
59
53
53
5-3
53
53
59
53
53
59
.">3
5
53
59
53
55
53
53
59
59
54
72
59
1236
12
13
47
53
58
65
66
67
68
79
81
83
81
86
91
96
1300
i
5
f>
7
10
12
13
16
18
21
23
24
25
28
29
30
31
36
39
12
45
48
50
52
54
57
58
63
68
81
a
88
89
90
93
95
97
99
1103
3
6
10
15
18
19
39
34
35
10
44
45
19
51
.58
63
66
11
81
82
86
87
89
92
1HII
2
8
11
12
11
16
18
19
20
28
59
53
53
53
59
59
59
59
53
59
59
59
53
59
59
59
53
53
53
59
59
53
59
53
59
59
5.3
53
59
59
53
5>
53
53
83
53
5-3
59
59
59
53
59
59
59
53
59
59
53
53
59
">3
59
53
.59
59
59
59
53
">3
53
5g
59
5g
59
5j
53
59
53
5|
53
53
99
5.3
53
59
?
.o9
59
99
59
59
53
53
53
59
59
53
99
53
59
59
53
1536
37
II
16
47
50
53
56
57
63
66
68
69
75
76
77
81
83
88
90
93
94
95
98
1602
6.
8
II
13
17
18
19
20
22
28
29
33
35
10
II
43
45
48
53
58
63
65
67
68
72
73
79
81
88
92
97
99
1702
i
5
6
10
13
15
1*
17
20
23
31
40
49
51
54
55
58
60
62
64
65
6.8
711
71
75
78
83
8
85
86
91
97
99
1802
53
5
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
403
53
59
59
59
59
53
59
53
59
5j
59
- 59
59
59
53
59
59
59
53
53
59
59
>
59
1003
59
59
59
59
5
53
59
3
5-3
53
59
5-3
59
89
59
53
59
59
53
59
53
59
59
59
5-3
59
5-3
53
59
59
59
53
53
53
59
53
59
59
53
53
59
59
53
59
59
59
59
59
59
59
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS.P REMS. NS. PREMS. NS.
1811
12
15
16
17
18.
19
21
22
23
26
28
33
36
38
41
45
49
50
53
62
65
66
68
77
83
8*
89
92
93
95
99
1907
II
13
14
20
'22
23
25
28
30
35
37
39
43
i
49
50
58
59
62
63
65
66
67
70
73
77
81
83
85
88
92
20(13
O Escrivao, Joz Januario Alves da Mata
10
15
16
18
20
23
24
27
33
36
38
40
'I
51
55
56
.58
59
60
66
68
69
72
73
71
53
59
.59
59
5-3
59
53
59
59
59
59
">3
59
59
59
59
59
53
59
59
59
59
59
59
59
59
53
59
59
59
59
59
39
59
5*
5-3
53
59
59
59
09
53
53
5.3
53
59
59
5-3
59
59
53
59
59
5-3
59
5c
53
53
59
59
53
59
59
53
59
53
59
59
53
59
59
53
59
59
53
59
59
53
59
59
5-3
59
59
59
59
"'3
59
59
5^
53
59
1003
3079
80
82
87
89
92
93
94
95
97
2101
3
6
8
12
13
15
17
23
24
25
26
29
30
34
48
52
53
56
57
61
62
65
69
70
75
77
78
81
85
88
89
91
93
99
2204
7
10
12
14
15
18
19
22
21
31
35
38
46
47
48
60
53
57
65
67
87
96
98
2310
13
14
17
18
19
22
23
28
29
36
11
43
49
52
54
56
57
61
63
59
53
53
100b
59
59
403
. 59
59
59
59
59
59
53
59
59
59
59
59
59
59
59
59
53
53
59
59
53
59
5-3
5-3
59
59
53
59
5
59
59
59
"'3
59
59
59
59
59
59
59
5;
53
10,
53
59
59
59
59
53
5-3
5-3
"'3
59
59
59
59
59
53
59
59
59
53
59
59
53
59
59
59
59
53
59
59
59
5"*
59
53
53
59
53
59
5-
59
2374
76
77
82
ai
85
86
87
88
90
92
97
2402
7
9
10
12
13
15
20
22
26
27
29
36
37
42
43
49
50
53
54
55
63
66
67
68
73
74
76
78
80
83
90
91
92
96
97
98
2500
1
5
I
9
14
20
26
28
30
35
38
39
15
46
50
57
61
64
65
03
67
68
69
77
79
80
82
87
91
93
2600
5
15
16
18
19
23
3*
27
59
59
59
5-3
59
53
59
5
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
5
59
>9
59
59
59
.53
59
.59
59
59
5?
59
53
59
59
59
59
59
59
53
59
59
59
59
69
59
59
5
59
2628
29
34
35
36
41
43
41
46
51
59
62
67
63
71
75
77
78
79
83
86
88
89
92
95
97
99
2705
10
II
13
15
18
22
23
24
25
29
.30
33
37
49
50
53
56
57
58
59
60
62
64
65
67
68
73
76
5;
53
53
53
59
53
59
59
5-3
409
77
78
79
80
81
83
84
88
93
95
59 2800
3
5-3
59
53
59
53
53
53
53
5-3
59
59
59
59
59
59
53
5-3
59
59
59
59
5-
53
S
' 7
8
13
19
20
23
29
:to
31
33
34
39
42
44
48
SI
52
60
63
64
(.7
69
7H
9f
59
59
59
59
59
59
59
59
59
5
5
59
59
59
5
59
59
59
409
59
59
59
59
59
4009
59
59
59
59
59
53
59
59
59
59
59
59
53
53
59
59
59
59
59
59
59
59
53
59
59
59
59
59
53
39
59
59
59
59
59
5:000-3
53
59
59
59
1003
59
53
59
53
59
53
59
58
53
59
59
5o
53
"'3
59
59
59
5-3
59
53
59
.'.3
>
5-?
2879
82
85
90
81
93
98
99
2904
13
15
16
18
19
28
29
3
36
37
38
48
49
56
62
64
66
71
72
78
79
80
84
86
87
91
96
98
3002
16
20
21
23
26
28
30
33
34
35
36
37
43
45
50
52
57
58
59
66
69
73
73.
11
80
81
85
93
95
98
3104
6
8
15
20
21
27
31
sa
34
38
43
45
46
17
50
53
55
56
60
111
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
69
5
58
59
59
. 59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
58
59
59
59
59
59
59
59
3
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
58
59
59
59
59
59
53
59
59
59
59
59
59
53
59
2163
67
7i
75
79
83
84
88
92
93
97
98
3201
2
4
6
7
12
14
16
18
19
20
21
22
23
25
29
31
33
34
37
40
45
48
49
51
53
54
55
58
64
66
67
68
71
76
79
80
82
90
92
95
99
3300
1
2
3.
4
' 9
18
22
24
26
27
30
31
38
45
PREMS.. NS. PREMS. NS. PREMS.
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
58
5
>>
58
59
59
59
59
59
59
59
58
59
59
5
58
58
58
59
59
59
5J
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
.59
59
59
58
53
59
59
59
59 j
58
3413
17
20
21
24
25
26
27
29
30
33
34
41
43
49
52
56
61
64
65
68
70
76
77
78
81
85
87
93-
94
95
3500
2
15
17
18
24
26
32
42
54
56
60
62
63
67
68
69
70
71
82
86
87
88
89
90
98
58 3700
53 : 3600
59
2008
59
58
59
59
58
- 59
58
58
409
59
59
58
58
58
58
9
5
59
59
58
59
58
59
59
8
59
59
59
58
59
59
58
5
58
59
58
58
59
59
59'
59
59
59
58
58
58
5
59
59
59
59
59
59
6
11
13
17
18
30
t
23
M
28
33
36
37
M
U
w
54
56
58
62
65
71
75
76
78
79
87
90
91
92
96
3800
2
4
53 50
59 51
53
59
53
59
59
59
53
:i
59 i
59
59
59
3
.'-
59
59
59
59
59
53
59
61
62
65
68
69
72
73
78
79
82
86
90
92
3100
1
1
12
59
59
59
53
59
59
59
59
58
59
. 59
59
59
59
59
.59
58
59
59
59
59
59
95
59
59
59
33
59
59
53
59
1(1-
53
1
4
5
7
9
16
17
21
23
24
26
27
33
34
35
45
46
47
51
52
56
60
62
71
74
75
77
78
83
86
87
95
99
59
39
59
59
59
59
59
58
59
59
59
39
59
59
59
5-3
59
59
59
33
59
39
o
59
59
59
59
58
53
59
SI
7
9
15
18
21
25
26
27
35
36
37
46
49
54
57
58
59
6
68
74
77
78
83
86
89
91
98
3900
1
5
7
16
17
21
22
31
32
38
46
49
53
58
66
74
76
77
79
82
83
85
90
91
.53 95
5o
59
96
98
59
38
59
59
58
69
35
5
59
5
59
58
- 59
5c*
59
58
38
58
59
59
59
59
59
58
59
59
39
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
38
39
. 58
409
59
58
5
59
59
59
39
59
59
59
59
59
59
59
58
49
59
59
59
59
59
59
59
39
39
59
59
59
58
59
59
59
" 3-3
58
59
59
53
5
58
59
5-3
59
59
58
59
95
59
59
\
PERN. XYP. DEM. F.DE PARIA. 1U7.
. .


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESGOATGY2_1DHL8R INGEST_TIME 2013-04-26T23:33:52Z PACKAGE AA00011611_07813
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES