Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07779


This item is only available as the following downloads:


Full Text
kftn xxxiii n. ir.
t.

\

>

*.
Por 7t mczes adianlados i.sOOO-
Por mczes vencidos M500.
ENCARREADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE.
P.inhiba, o Sr. Joao Rodolpho Gomes ; Natal, o Sr. Joaquim
|. Pereira Jnior ; Aracaty, o Sr. A. de Lemos Braga .- Cea-
r o 9r. J. Jos de Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Mar-
ques Rodrigues; Pituby o Sr. Jote Joaquim Avelino ; Pa-
ra' o Sr. Justino i. Ramos ; Amazonas, o Sr. Jernimo da
Cosa,
PARTIDA DOS CORREIOS.
TER{A FEIR.4 II DE JIMIO DE I8.7.
Por anuo udiajitado I>s000.
Porte li.nuo para o sulMcriptOr.
BUCO.
hora do iIm.
Olin.li- : ...,l.... ai.......
IgMraaae.', .......** l'arasija: na* tncaaalM a eilae-Tel
>.. vatio. Heu-reo, Itoni.i, ltraanT, Alma..... (jenAhaBi : n.i lerca-fclra
S. LiMCrac-M *.....l'Alhtp. KuaiMk, I...........o. III.-,... lv-i|,i.na. l.-.,..,
i Villa-Helia, tlava-Visu, Oariam e Kia', usqwruui-leiraj.
i........ li'"iei,s--iinhSem. Rio I ..mi...... Um, Barraros, Agaa-Prau, \;
.....i.-i'.i- N-ii.il: auuUait-friras.
Tedoa o* correios partea a. n. aa-rasa SHaua.
Al D1ENCIAS DOS TR1UNAES DA CAPITAL.
Tribunal do rommercio : segundas e quimas.
Itclacao : tercas feiras e sabbados.
Fazenda : quartas e sabbados as 10 horas.
Juizo do cummerciu : segundas as. 10 hora*: e quintas ao meio dia.
Juizo de orphos segundas e<|uintasas 10 horas.
Primeira vara do civel : segundas escitas so meio dia.
Seguuda vara do civel : uartas a sabbados ao meio dia.
EPBBHEBIDE8 DO HEZ DE Jl.NHO.
7 La rhcia as 3 horas e3 minutos da tarde.
15 QuarU) unii ji. n,i.- as l horas e 30 minutos da manhaa.
21 La nova as 7 horas e 44 minutos da tarde.
20 O.uarto crescentc as 2 horas e 1 minuto da manhaa.
PHEAMAR DE HOJE.
Primeira as 5 horas e 18 minutos da matinal.
Segunda as 5 horas e 42 minutos da tarde.
DAS da semana.
s Segunda. S. .U minino ab. ; Ss. (ildardo. e Heraelio llb.
9 Terca. S. Pelagia v. Ss. Primo e Feliciano Mu.
10 Ouaria. S. Margarida rainha.
11 (jubila* A solemnsima (esta do Santissimn rorpode Chrislo.
12 Serta. S. Joo de s. Facundo, Oriolre e (uido.
13 Saltado. S. Antonio padroeiro da Proiincia.
14 Domingo. 2. S. llazilio Magno b. doul. da igr.
EM.ARREGADOS DA SI H-CHICA" 1*0 SIL
Alagoas. o Sr. Claudino Flcalo MI Baha, o Sr. B. llaarH
Rio de Janeiro, o Sr. Joao l'creiri Martn.
EM PERNAMBICo.
O propridariodo DIARIO Manorl Ficueiroa de I aria aa m
I hvraria, prac,a da lnde|iendenria u. 6 e .
IITBRIOR
RIO DE JANEIRO
22 de maio.
As linl.it! ate vapores tirasiUtro* tubccncioiados.
Nao se pda resistir a evidencia.
Os Cactoi reproduzem-se todos os diai, e lodos os
dias bridara em alia voz por orna reforma' prompla
no sv simia das nossas liuhas da vapor.
Olala quo be um grande mal, porque desacre-
dita a oossa navegajio a vapor, ojo deixa aprovei-
lar os favores concedidos pelo astado, e oao facilita o
progresara e a riqueza do paiz.
Se as cousas conlinuarem orno al aqu teem id o,
a uavegarao dos barcos de vela sera' lalvez preferi-
da & dos barcos de vapor.
Anda aote-hoDlem chesoa dos portos do norte o
S. Salvador, lando feito a sua viagam redonda em
55 das !... Ja se v que este vapor nao sa pode ufa-
nar de luperioridade sobre os amigos Correios Mari-
limos.
E nem o S. Salvador lie o nico barco da liuha
do norle que se moitra incapaz de servido por sua
marcha morosa, ou pelo estado do seo roachinismo
cseo : os vaporas Imperador e Imperatriz,
ambos de cabellos braneos. lambem se assighalam
pelo mesmo defeilo capital, e porlanlo o servido be
m rrgra mal executado, e delle nao lira o paiz
as vanlagens a que tioha o tem incontaslavel di-
reilo.
Em todo mando mili.o lo o vapor empregado co-
mo motor as vias de rnmimiuic.ij.i., resolvis o
problema do eneurtaraeoto das distancias ; mas no
Brasil, quem dir' que isto acontece quamio se ob
serva ama viageih como essa que acaba de fazer o
"S. Salvador .'
Em lodo o mundo civilisado, em lodos os paizes
onde se lam eslabelecido a navegajo a vapor; sao
cundirnos essenciaes della a cele idade e a pontual-
dade : no Brazil, porm, leimamoa em conservar li-
nhas de vapores, cujas viagens sao de ordinario an-
da mais do que morosas, e que por aso mesmo nao
podeui nunca desempenhar a coudijao da pontnali-
dade.
De que nos sarrem linlias de vapores subvencio-
nadas que nos envergonham '.'... I)e que nos servem
ellas qiidii lo alguns dos seus vapores silo verdadeiros
carangueijosoo esquifes ?
Voltaudo os olhus da hnha do norle para a do sul,
leim iremos, insistiremos anda uas obsarvajes que
ja' por vezes julgaraos dever dirigir Compaiihia
- Brasileira de Paquetes a Vapor.
Nao fallaremos mais, ag>ra pelo manos, a respeilo
das ruodilicardes indispensaveis que reclama a nave*
u.k.1 i da linlia do sol para se remediar us inconve-
nientes que olltrece quasi sempre a barra do Rio
Grande. J discorremos suin^ieutemeiite sobre esse
aasumplo, e os que lem ouvidoi ja nos devem ler
ouvido.
Has loruaremos a queilo da sabida do Pin*
tiniuga.
Ninguem se lera' esquecido de que o Piratioinga
sabio para o sul, depois de ler eulrado o piquete
iuglez_Teviol, t que por n9o se demurar duas llo-
ras, nao levuu i mala da Inglaterra.
He a lodos patente a inconveniencia de samellian-
la faci, e nem nos lie possivtl admillir em defeza
delle a desculpa da poutualidaile, quamio vemos que
a mesma poulalidade se nao tem observado em nu-
tras occasiots e rircumstancias, tralandu-sa da sahida
doa vapores, nunca, ou t por inilairre, -e v res-
peilada tu entrada dos mesmus.
Suppondo-se, iiorrn, que lao mal rbida des-
. nao encontra enmpanhia algumi que se preste a se-
gurar os seus vapores !... Basta esla simples obser-
vacao para dispeuiar todas as refleioes que pode-
riamos fazer sobre o estado dessa liolia subvencio-
nada.
Mas devem as eousns continuar como tcom ido
al aqui '.'... o tlalt i/uo sera ncite caso lolera-
vel '... as reclamar^oes da imprensa devem conti-
nuar a ser dosalleudida .'...
Nos contamos que u.'io.
A Inglaterra, que nestas qoeslea he a melhor da<
mestras, nos ensina o que j se devia ler feito. e o
que anda se pJe e cumpre necessariamenle fa-
zer.
Na Inglaterra sempre que o governo celebra con-
tratos com alguma companliia, noraea fucaes que
velam pala execuc.au resnela dos contratos.
Faca o mesmo, pralique de igual modo o nosso
governo.
O estado qne garante e presta subvencas s
companhias da vapores, tem o direilo de exigir que
o servico das linhas seja regular, e n"erec;a ao com-
mercio e a tolo o paiz vanlagens reas, vauta-
gens qaa rorrespondam aoi favores concedidos pela
nacao.
culpa podesse prevalecer, o Tacto que se deu serve
para tomar evi lente a DeeeMtdade de se mudarem
( dia dt aluda. de>wo. vapores.
Dabaiio desle ponto de vista he preciso reconhe-
cer que estamos boje em peior estado do que j nos
achaiuo.
Pelo sysleiua antigo, e antes de se ler estcmlido
a linha do sul al Montevideo, os nossns vapures
que raziara para o Rio iir.ui le do Sul. urna nica
viagem por inez, sahiam doVJia U a dia 16, e vol-
tavam de 8 a 10 do mez seguinle.
Aconteca, pois, que os nossos vapores levavam
sempre a mala da Inglaterra, e regressavam trazeo-
do as respostas muito a lempo de as fazer seguir pa-
ra a Europa no paquete Ingles,
Unja lem a liuha do sul duas viagens por miz ;
devia-se esperar que o servido fosse mailo melhora-
do, e que as commuoicardes anda mais ae facilitas-
sem ; mas acontece pelo contrario, que aquillo mes-
mo qua se [uia com urna viagem, nao se pode coo-
egoir com daas I...
I'ao mal calculado foram os dias da sahida e che-
gada dos vapores, que ate se perderam as vautagens
que se colimen pelo amigo svslema com urna ni
viagem !
lioje o vapor que sahe .i s n.'i. leva a mala da Eu-
ropa, e o que sahe a _'s nao pde voltar a lempo pa-
ra encontrar rio Rio de Janeiro o paquete inglz
por coosaquencia perde-se desse modo um mez n
eorresponJeiK.ii commercial e particular !...
Acreditamos que ninguem achara que admirar
nesle chamado mellioraineoio, como ninguem dir
que o servido da lioha do sul cjrrespoude ao aug-
mento da despeza que ella nos cusa. O seu me-
Ihoramenlo nao passou de urna eineuda peior que o
foiielo.
Mas em compensac/lo todos se ho de admirar de
que a Companhia Brasileira de Paquetes a Vapor
nao veja, nao recouhe;a que os seus iuteresse
sua conveniencia, o seu lloresemnto dependem
mais que ludo das vanlagens que as suas liabas d
vapores oflereceram ao coramercio.
O Piralioinga anda nos suscita relenles de ou-
tro genero.
Para alimentar e nao uterromper a navegarao da
na lioha do sul, a companhia Brasileira de Paque-
tes a Vapor leve de fretar um barco, e a sua esculla
recahio nonPiraliniuga, que reconhecidameute nao
pode aflronlar o invern na costa do Rio (irande.
A explicaran desle facto, adesculpa com que se
pretenM dafende-lo, nao serve seno para palen-
tear um erro grave commetlido pela mesma compa-
nhia.
iz-se que na vardade o uPiralininga nao he o
vapor de que se carece, mas qua uo se encontrn
um oulro melhor para fretar!
Agora, perguntainos nos : quem foi que obrigou
a Companhia Brasileira a comec.ar o servico da li-
nha do sal, qciando ella nao linha anda i so diipo-
sico o numero dos vapores necessarios para execa-
la-lo salisfactoriamenle '.'
n-i il foi o mao conselheiro que delerminou a Com-
panhia Brasileira a por em servico a linha do sul,
Inaii lo anda a' linha dn norte acliava e se' ach.i
l.i i mal servida, que lem na sua navegado vapo-
res que fazem para o norte viagens redondas de 55
das 1...
A prudencia aconielhava qne primeiru se comple-
tare, se aperfeir;oasse uina linha, a do norte, alim de
qaa n lo aeonleceste u que se est vendo, isto he, nao
termos linha, nem para o norle nem para o sal, nas
cim ur-s exigidas.
As coasequeocias da precipalac^ao com que a
(lumpanhia Braoleira, para aproveilar lalvez as van-
lagens de um novo contrato, eucetou a nova linha
do sul, sero adiar habilitada para desempenhar con-
venientemente o servico da navegaco, lem sido
sentidas, e lulo de continuar a s-lo commuilu gran-
de desprovalo do publico.
A companhia ainda nao linha armado a sua linha
do norte com um numero sulllciente de bons vapo-
res, para eutreler a naveglo conforme ella deve
ser.e ancioss estabelecen immedialamente a linda
do ul, tem se lemhrar de que nao podia servir con-
venientemente o publico.
Oiem mal eiilreiinln om.i s linha de vapores,
anda peior enlretm duas.
A Companhia Brasileira v se, poii, obrigada a
frelar vaporea como o ciPiMtinnga, plra na0 jn|er-
romper a iiavoga^o do norte vapores como o S. Salva lor, que desde
rouitu lempo devena estar frtf de serviro.
E v-*e por isso ainda obrigada a faltar aos seus
compromissos. a desrespeilar os seus contratos com
o goveruo, como agora mesino acaba de se ob-
servar.
Com elle lo. companhia anuunciou houlem a sa-
bida do irS. Salvador para o norte no .lia 27. Volla,
pois, esse mesmo barco que acaba de fazer orna via-
gem redonda do norle em 55 dias !
" A com mi-sao de couslituicao e poderes, lendo
examinado as acias e mais documentos relativos a
eleicao do quarlo districlo eleitoral da provin-
cia do Cear, aprsenla o resultado do seu tra-
balho
Esle districlo lem dous collegioi: o primeiro,
de Baturit, composto de duas fregoezias, em que o
processo eleilural correu regolarmente, a saber : de
Baluril, que dea 3 eleilores, dos qu es faltaran)
dous no cullegio, e de Canind, que deu 17 ; a vo-
lacao foi a seguinle : Dr. Domingos Jos Nogueira
Jagaaribe 37 votos : padre Raimundo Francisco
Hjbeiro 37 ; Dr. Thotnaz Pompeo de Sooza Brasil
17 ; Dr. Vicente Alies de Paula Pessua 15. Doos
votos recahiram em outros cidadaos.
O segundo collegio. o da imperatriz, he tam-
bera cnmposlo de daas freguezias, a saber : a da Im-
par atril, que deu 36 leitores, onde a ordem publica
foi perturbada pelos funestos aconlecimentos que,
estando no dominio do publico, ocioso se torna re-
ferir, e depois dalles o processo eleitoral correu re-
gularmente ; a de Santa Cruz, que deu 2l eleilores,
oude a aleie.io correu recular e calmamente.
Os eleilores da Imperatriz deliberaram no col-
legio recebar somenle os votos dos 12 eleilores pri-
meiros votados de Sania Cruz, por eulenderem que
esle era o numero legal que aquella fregoezia devia
dar, nao obstante ler dado em 1852 21 eleilores, o
que deu caasa a que os 21 eleilores sa constituissem
em collegio separado denlro da ......un matriz, sob
a presidencia interina deumjuiz de paz de Santa
Cruz. Depois dislo, os eleilores da Imperatriz, re-
solvern! admitlir a votar como eleilores de Sania
Cruz 12 indivi luos Horneados em um i eleir.i i apn-
cryplia presidida por Francisco Smiles da Cruz Ma-
riano, quinto volado para juiz de paz du 3" districlo
da freguezia.
A volaran da primeira fraccao do collegio foi
a seguinle : Dr. Pompeo W volos ; Dr. Paula l'es-
soa 4i. Recahiram volos em dous oulros cida-
daos.
A v .i .i;lo da segunda fraccao do collegio
foi a seguinle: l)r. Jagaariba 21 votos; padre
Raimando 2t). Kecahio um vol em diverso ci-
dado.
I A couimisso eolende que, nao obstante ler a
freguezia de Santa Cruz, cannicamente provi' de-
pois da le de I! de agosto de Isll, dado 12.
anteriormente i elee.o de|18>2, leudo dado
inno 21, e nao len lo esla augusta cmara ai
os vol* do* y oxee.Itiules. segundo oa po- es
adoptados sem uina so excepeao na verilicar;o de
poleres dos oulrns districlos e derisoet do governo
imperial, a dila freguezia deu devidameule 21 elei-
lores, e justificada se acha paranlo a deliberacao
que elle toinaram de constiluir-ie em collegio sepa-
rado, alim de y delies ufio seren privados de volar,
c seus volos devem ser contadas na apuraco dos vo-
los do districlo.
<( Sendo apocrvpha a eleicao dos 12 individuos,
que, como eleilores de Sania Cruz, se apresentsram
a votar, deve-se descontar 12 votos dos 2 primeiros
volados.
A freguezia da Imperatriz deu em 1852 36 elei-
lores, mximo periniltido pelo arl. 52 da le de l'.l
de agosto de I sin. Em virtude da lei provincial n.
626 de 22 de dezembro de 1853, foi anuexada urna
parle desla freguezia de Acaracii, e oulra de
Santa Auna ; na primeira fraceo de territorio fo-.
rara qualilicados 103 volantes, na segunda 211, e
em todo o 'errilorio retante da freguezia da Impe-
ratriz 2.18 votante!, e Taita a propor;ao determina-
da pelo avi da Imperatriz 'ar soraeute 32 eleilores. a de Santa
Auna mais 3. i Jle Aearai mais um, e porlanlo
deve-se dedozit 'primeira os volos de i eleilores,
annullando-se. .s diplomas dos 4 ltimos votados ;
pois comquanre esta cmara leoha approvado o ex-
cesio de numero alem das bases estabelecidas no arl.
52 da lei, quaudo eise excesso foi lamben) approva-
do nas legislaturas anteriores, lem lambem resolvido
em casos idnticos aannallacao dos diplomas dos
eleilores eicedenles do numero approvadu, e das
bases do dilo artigo.
Tendo a Iregguezia de Cauind dado I i eleitn-
rei nas legislaturas pastadas, e que Ihe foi marcado
depois que perdeu territorios para se formar a fre-
guezia de Santa Cruz, mi i podia dar 17, e de-
vem ser anoullados os diplomas dos 3 ltimos elei-
lores.
O resallado da eleicao, segundo o exposlo.de-
duzidoi os ^ votos da Imperatriz e 3 de Caniud, he
o segumie : |)r. Jagaaribe 58 votos, Padre Raimun-
do 57, lr. Pompeo' fli, Dr. Paula Pessoa 411.
Coueliiindo, he a commissan de parecer :
y Que se approvem as eleic,qes das quatro fre-
guezias do quarlo districlo eleitoral da provincia do
Cear, sendo aunullados os diplomas dos quatro l-
timos eleilores da imperatriz, e dos tres ltimos de
Canind.
2" Que se remella copia deste parecer ao go-
io, para mandar proceJer criminalmente contra
os outros autores da eleirjo apocrvpha de Santa
Cruz, presidida por Francisco Smiles da Croz Ma-
ntillo.
n :( Que lejam reconliecidos deputados do mesmo
districlo o Sr. Dr. Domingos Jua Nouueira Jasua-
bire, e supplenle o sr. Raimundo Francisco Ri-
beiro.
Sala das commissOes 21 de maio de 1857.An-
sala Candido da Cruz Machado. Jernimo Jos
Teixeira Jnior. i>
/ oto separado.
a O abaixo assiguadu, inembro da cnmmsao de
con-lilun;.io e poderes, examinando os papis ico-
denles a eleicao do quarlo districlo da provincia do
Ceara, em que dispulain lugar de dcpulado pelo di-
to districlo os Drs. padre Thomaz Pompeo de Suuza
Brasil e Domingos Jos Nogueira Juguaribe, lem a
honra de sujeilar i considerarlo desla augusta cma-
ra o resultado de leu Irabalho.
Dous sao os colle^ios deste districlo eleitoral, a
saber: Baluril e I looeralriz. O primeiro comple-
se de daasjfregaezias Baluril e Caiiind.IEm Canin-
d nao ha contestaran quanlo liberdade do vol ;
venceram os que protegan) a candidatura do Sr.
padre Pompeo, n.u lendo os adversarios se apreseu-
lado em campo.
n Conlesta-se porem o numero de eleilores : deu
a freguezia actualmente 17, e lomando por base, na
forma da lei, os anuos de 182 e de ls, he sus-
(enlavel esle numero, poique em os ditos anuos deu
a fregnazia 1(i no primeiro 'e 2i no segundo, asiiin
como 32 em 1815, podendo dar l'.l pela qualicacao
do auno panada, l. unto.lo lendo dado em 18J9 o
numero de I i eleilores por indicacao do presidente
da provincia, tomada em vista dos dados estalisticos
de esto, e em Is52 igual numero, eolende o abai-
xo as-ignado que se marchar com mais acert
appruvaudo-se este numero de I i, e auuullandu-se,
como excess,, 3 eleilores. Baturilu deu 3'J eleilores.
Venceram os amigos da candidatura do Sr. Dr. Ja-
guaribe, nao leudo os adversarios seapresentado em
campo. O partido que lli ha dominado dividio-se
entre si, e se bem que o grupo vencido allegue ler
havido compresso da parle do grupo veuceder, e
resultem alguns indicios de ler havido o emprego de
Mai pelo contrato celebrado com o governo, a sa-; '"e,"411"*'""1 como parece deduzr-se du in-
bi Ja do vapor devia ler logar nao no dia 27, mas no > 1""" '1"" P'ocedeu o Dr. jan de d.reilo da eo-
dia 25 do mez ; como, pois, se fez o contrario do I ""'" p''udu nao apparecera provas Soflicienle
que se contraCon, e purqu. a.sim se procede ?... : l^^Tl""^ Hd"l":'"' "* ***** reS'ie" d''
* ^ ieleir;si( de-la fregoena.
laz-aeoconlrariodo qoedispoem os conlralos e. ,;, 0 numero de eleilores nao ha contes-
empregam-se no servico vapores julntadoi, porquo o i tario.
governo aSo tem li'caes que velem pela execu-.au Qaelia-ae o Sr. Dr. Pomp) que no collegio,
na occasio da entrega .Us cdulas, lora substituida
n-
desses contratos, como certementc cumpria que
vesse.
pablici) que solfra, e o esladn
pouco fracto quanlias avulla-
E enlretanlo o
que dispeuda com
das !...
Parece que um
mao fado acanlia e persegue as
nossas Indias de vapores !
Alem das duas de que lemos fllalo, e qoe per-
lencem Companhia Brasileira, lemos mais a liuha
subvencionada para Santa Calharina e porlos inter-
tinJini, e esta acha-se em etrcuinslaucias laes que
una doeleilor Manoel da Costa Braga, que volara
nelle Ponip'o, oulra como nnine do Dr. Jagaaribe.
\o inqiierilo do dito a de direilo juram sobre es- ,
te poni a I.', ) ", |(>.> e 18.' leslemunhas, mas seus
dilos, baleados em nolorie lade nao baslam para se !
Jen.ir de considerar verdico o que consta da acta
l'or falla de espaco, nao podemos publicar lion-
kiii esti's pareceres, o que s agora podemos fazer.
os n/i.
do collegio. E pois deve ser approvado o collegio
que volou nos seguales Srs. : Dr. Jagaaribe 37 vo-
los ; padre Raimundo 37; padre Pompeo 17 ; Pau-
la l'essua 15.
n Eliminando-se o exceiso de 3 eleilores de Ca-
nind, coja voiai.-ao he conheeda, lemos o seguinle :
Dr. Jaguaribe 37 ; padre Raimundo 37 ; padre Pom-
peo 15 ; Paula I'assoa 12.
o O se^uudn collegio coinpreheude 2 fregoezias,
Imperatriz e Santa Croz.
Na freguezia da Imperatriz houve lula por par-
te de um juiz de direilo o que ja he do dominio
publico) contra us que defendan) a candidatura do
Sr. Pompeo ; mas repellida essa iulervencao, sere-
uou a desorden), enrrendoregular o processo eleito-
ral. Contesla-se porem o numero deeleilore, que-
rendo-se que seja de 32 |em lugar de 36 que deu.
Mas na opiuia* Jo abaixo assignado o numero de
3b* deve ser approvado por multas e valiosas razes :
1.", porque a base legal he lirada dos anuos de 1842
e 1844, leudo eniu dado 12 e 4( eleilores ; 2.',
porque em ret dea 30, e 41 era 1845 : 3., porque
pela qaalificafao, lano anliga cuido actual, pode
dar al o numero de 5'.' eleilore ; 4.a, porque he a
povoarao de maior populacho depoii da capital ; 5.a
finalmente, porque em 184!l dea o numero de 3t>,
assim como em 1852, por ler sido designado pelo
presidente de entao. Alem de ser isto justo, vai de
accordo com os precedentes desla cmara.
o Na fregaezia de Santa Cruz hoave duas elei-
c.es primarias, urna de 12 eleilores, promovida pe-
los propuguadores da candidatura do Sr. Pompeo, e
oulra de 21, feila pelos adversarios desle senhor. Te-
mos aqu duas quesles: 1.J, qual de-tas elei-
coes he valida '.' -'.', qaal o numero legal de elei-
lores ?
i Os qoe sostenan) a eleicao dos 12 eleilores di-
zerr qua foram obrigados a la/e-la porque o juiz de
direilo, qoe se liuha dirigido a Imperatriz com gen-
te armada para inlervir na eleicao daquella fregu
zia, sendo repellido, viera Santa Cruz ( 1 leguas de
distaucia } e ah cerca'ra a igreja juntamente com o
delegado, a quem ha poucos dias absolver para que
eutrasse em exercicio e nao consentir que os volan-
tes, seus adversarios, emrassrm para tomar parle uo
processo eleitoral, e por esle mulivo prooararam ou-
lro lugar em que se reunirn) e volaram ; se bem
qae appareceram indicios de intervenrao por parle
das autoridades, nao consta todava que os meios em-
preado- Toasen) taes que Irouxessera coacrao, e au-
lonsassem a separarn. Asim nao seudo justificavel
a separarlo, e dndose irregularidades constantes de
mformares ofliciaes, esla eleir.ia nao poda ser ap-
provada, e sim a oolra.
O numero poiem de eleilores desla freguezia
nao pode ser de 21, e somente de 12. l'orquanlo em
I8U foi pelo presideule da provincia designado o
numero de 12 eleilores para esla freguezia, que de
fado os deu : em 18J2 o presidente deugnou igual
numero, mas nao ululante foram eleitos 21. O colle-
gio julgou nullo o excesso de l, e raandou que os
volos fossem lomados em separado, e na cmara dos
Srs. deputados em a dila legislatura foi approvado o
collegio que assim procedeu. A cmara, approvaudo
em ger.il o collegio sem clausulas, parece que impl-
citamente approvou suas deliberacea, ando urna
deltas a nao approvaraa do excesso de 9 eleilores.
Nesla contormidade, pensa o abaixo assignadu que o
excesso actual de eleilores deve ser repellido ap-
provando-se somente o numero de 12.
Pede-se que sejara julgadoi millos Ire eleilores:
Jos Angelo Brrelo, Felisberlo Teixeira Bastos e
le un i- Rodrigues Barbosa, por seren menores de
25 anuos. Moslra-se provada com tres cerlides I
menuridade, e com altestado do parodio em que de
clara serem fillios familias. Observa 'em o abaixo
assignado que a prova devia ser cr aaaaa>i, ,. ,,,
l W-uu 1...I.. o,-........... N.loaive i ..ili l '.'"
in'-las decises. O abaixo assignado mo considera
i.niia prova suflicienlc
ir Pede-se lambem que se annullem seis elei ores,
por nao terem a renda que a lei exige. 0 genero de
prova porem de qua se seive a parle imeressada nao
lio por ai s sullineiile. Isto posto, v-se que o colle-
gio legitimo da imperatriz compee de 3( eleilores
da freguezia de-te nomee de 12 da doplicala de Sl.
Crui, prodoziudo o seguinle resollado : Pompeo, i,S:
Paula Pessoa. 4i.
Eliminado! porem os 12 volos millos da dupl-
cala de Sauta Cruz, temos : Pompeo, 3G ; Paula Pes
soa, 32.
Os 21 eleilores de Santa Croz, dm qoaei cima
falln o abaixo assignado, nao quizeram eucorporar-se
M collegio, renmram-se em separado, e votaran) no
Sr. Jagaaribe, 21, padre Raimando, 20; eliminado o
excesso de 9 eleilores temos: Jaguaribe, 12 ; padre
Raimundo, II.
o Reumndo todos os volos assim declarados, fica a
votarlo na ordem seguinle : Thomaz Pompeo de
Soma Brasil, 50 ; Dr. Domingos Jos Nogueira Ja-
guaribe, i'J ; padre Raimundo, 48 ; Paula Pessoa i i.
Mas accresce ainda que e-te collesio reunido em
separado nao pode considerar-se validol 1.\ porque
nao houve, e oem se allega, motivo procedente pa-
ra que os eleilores deixassem de comparecer ao col-
legio legitimo ; 2.- por que foi presidido por juiz in-
competente ; 3.\ por que a acia nao foi laucada no
livro de olas, como cumpria que fosse, alem de ou-
tras fallas. Em lodo o caso pois, ou nao se coulem
is votos desle collegio, ou se conten) cumo cima se
fez, o deputado he o Sr. Dr. Pompeo e foppleule o
Sr. D.-. Jaguaribe.
Julga pois o aliono assignado que se deve proce-
der do seguinle mudo :
I. Oue tajan) aunullados na ele53o primaria da
freguezia de Cauind os tres eleilores excedentes ao
numero de l, licaodo, de 17 que deu, reJuzido
a II.
ii 2 .ue seja annullada a duplcala de 12 eleilo-
res da freguezia de Santa Cruz, presidida por Fran-
cisco Simes da Cruz Marinho.
a 3. '.'na seja amiullado na eleicao primiria da
freguezia de Sania Cruz o excesso de '.) na eleicao de
21 eleilores a que all se proceden. licanJo valida a
eleicao al o numero de 12.
4. Que leja considerado nnllo o collegio em que
le reunirum esses 21 eleilores de Sania Cruz.
.. Que,sijara approyados lodos os demais elei-
lores que fazem parle do i districlo.
i (i. Que seja reronlieeido depulado pelo dilo dis-
Incio o Sr. padre I liorna/. Pompeo de Souza Brasil,
e supplenle o Sr. Dr. Domingos Jo; Nogueira Ja-
guaribe.
ir- Pajo da cmara dos Srs. deputados 23 de maio
le 1857.J. J. Pacheco.
l.eu-se tambera o parecer da commissAo de rnns-
lituiro e poderes sobre a eleicao do I" districlo ila
provincia do Piauhy :
A cumuii-ao de con foram remellnlos dous diplnma's, de depulado cinto
pelo I.'districlo eleitoral da provincia de Piaohv,
um do Sr. Dr. Antonio Borges l.eal Caslello Branco,
e oulro do Sr. Dr. Antonio Francisco de Salles, len-
do examinado ai actas da respectiva eleic,o aprsen-
la o resultado de seu Irabalho.
Este districlo, segando o decreto n. 1,78!1 de 22
de julho de 1856, se compe de dous collegios : o
1.- da capital, comprehende quatro freguezias, a sa-
ber : Nosia Senhora do Amparo da cidade de There-
siua, que deu 11 eleilores ; Nossa Senhoia da Coo-
c-ico das Barras, 15 ; Santo Aolonio de Campo-
Maior, 6 ; Nossa Senhora dos Reine.Ii da villa da
l.nio, 9. Total, 41. Deixaram de compaiecer ape-
nas doos eleilores, um das Barras, e oulro da l'nio.
u A volarlo reunida foi a seguinle : Dr. Anto-
nio Borges Leal Caslello Branci. 25 volos ; Dr. An-
tonio Francisco de Salle, 21 ; coronel Jos Francisco
de Miranda Ozorio, IS; Dr. Simplicio de Souza Mea-
da*, 13 ; Dr. Carlos de Souza Marlius, I ; Dr. An-
tonio Sampaio Almendral, 1.
Nao tendo sido qualificado volante o eleilor da
Theresina, Libralo de Ara I ._ 1 o collegio tnmou
em separado o sen vol, que recahio nos Drs. Salles
e Simplicio, bem como ovlo do supplenle chama-
do em seu lugar, em virlude do artigo 71 da lei de
19 Je ago.to de 181li, que recahio nos mesmos doos
senhores.
H processo eleitoral desle collegio, anexar das
discussoei untantes, e sobremaueira inconvenientes
em que se consumirn) raoilus dias, nao aprsenla
vicios uu irregularidades que posiam invalidar a elei-
cao. Descriminou-se a volarlo dos eleilores de cada
paroebia, que fui a seguinle :
Theresina, II eleilores e I supplenle. Salles,
11 votos, e 1 do supnlenle ; Simplicio, 7, e I do sup-
plenle ; llurzes 3 : Carlos, I.
Barra, 11 eleilores, Itorges, 11 volos; Ozo-
rio 11.
l.'niio, 8, eleilores. Borges, 8 vnloi Salles,
7 : Alraandra, 1.
ii Campn-Maior, li eleilores. Salles, li volos ;
Simplicio, (i.
o Nas freguezias de Theresina e l'nio as eleicoes
corrern) regularmente, nolando-se apenas entre us
eleilore daqoelle, Liberato de rea l.eSu, cojo di-
ploma deve ser imnllado.
o Organisada a mesa parochlal, Francisco Luiz
Pereira de Carvallio e Silva e Pedro Jos Augusto
de Lemos acellar, membrm da mesma, apresenta-
ram um protesto que os oulros tres raerr.hros nao
consenlirarn que fosse iuserido na acia, o que deu lu-
gar a que os dous mesarlos o consignassem debaiio
de suas esiignalaras, prevalecen lo--e dn disposlo no
aviso n. 111 de 1 de outobro de 1817. Nesse protesto
se allega que o presidente da provincia maulara nis
vesperas do dia da eleicao 70 e lanlus pracas de li-
nha, de mili ira o 1.' suppleule do delegado, alim dt
entrar oulro supplenle em excreicio; que este luma'-
ra parte activa na eleicao, deraitlindo quasi todos os
inspectores de quarleirSo, intimidando volantes com
amearas de recrulamenlo, priiflo e servico da guar-
da nacional, e prendando dentro da igreja um vo-
tante ; que alem d'uso a mesa eslava guarnecida por
ti pracas de linha, cada urna das duas porlai 'aleraei
com senlinellas e a porta priucipal com uma guarda;
que a forja destacada, deixando o quarlel, fura oc-
cupar a casa de um cliefe de uma das parcialidades a
10 bracas distante da matriz, ludo com o ("un de ater-
rar os volante da parciali lade opposta ; norquaulo
ojoizdepaz presidente da mesa, ale molendera,
com uma guarda qae po'tnn deuaiio do arco da ma-
triz, vedar aos votantes a iu>;.eccao dos Irabalhos da
mesa, desisliudo dislo alinal, em visla ihis reclama-
c.ei.
" Alguns cidadaos declararan) qae nao concorda-
vara cora a descripr.i doi fado-, e os oulros mesa-
rlos, que hoave na vardade a idja de cercar-se a me-
sa na capella-mor, para evitar que se pozesie em
pralica planos semellianles ao que leve locar na c-
len.ao de setembro, com o qual se conguio inulilisa-
la, que nao podia haver coacrio por nao se ter feito
ainda a chamada dos volantes ; qoe a guarda reqai-
Ml.id.i para garantir a ordem, alientas a- ameara- do
Dr. juiz de direilo do comarca, e lente coronel,
Bacellar, n.lo se podia considerar ostentaba? de for
ja, que a priao ordenada pela polica nao foi sim-
plesmente da pessoa de um volante, e sim de um
crimnoiso de duas morios.
O presidente da provincia em nflicio reservado
qae foi publicado por um dos candidatos no Jornal
do Commercio n. 120 de 3 do corren le mez), de-
clara que nao se commelleram violencias na dila
cleirao com intervenrao da forja publica ; que a
forja que fizera marchar em numero de (10 prajas,
sob o commaudo de um oilieial de cooanca, livera
ordem cxpreisa de nao tomar parle algama na elei-
jao, e somente de manler a ordem publica para ga-
ranta da liberdade do vol ; que demildra o 1 sup-
pleule do delegado por haver-se comportado mal na
eleicao d setembro, eslar de accordo com o juiz
de direilo da comarca a quem acensa de haver pra-
ttc.i lo excesios, tomando parle activa na eleicao.
O juiz de direilo, em uflicio de 15 de olnbro,
dirigido ao ministerio da jaitioa, asievera que a for-
ja mandada pelo presidente da provincia nas vespe-
ras das ele i roe- rom duas cargas de car tur lia mes. nao
livera nutro lim scn,lo a conquista eleitoral, e mos-
tea com documentos que o delegado supplenle em
exercicio e o commandaule da forra se oppuzernm
formalmente a uma ordem de soltura em virlude do
requenmento de haheaieorpos de nin volante que
fura preso dentro da matriz no dia da eleicao, o qual
juotou folha corrida, mostrando-se isento'de crunes
noi juizos onde se havia processsdo.
Esles fados sao confirmados pelo promotor pu-
blico interino da comarca em ollicio documentado
que, com dita de III de oulubro, dirigi ao ministe-
rio da joslija.
_ O delegado supplenle, informando ao juiz de
direilo sobre a referida prisSo, em ollicio de 2 de ou-
lubro, declara qoe determinara vocalmente a ordem
do presidente da provincia por ser o volante indi-
ciado era crinn de homicidin.ve conslar-lhe que es-
lava pronunciado em C.impo-Maior ou L'uian. o que
Ihe fora denumiado verhalmcnle em occasi.lo que
presente so achava o indiciado, e conviuha elfeclua
logo a prtilo para evilar a fuga. .
ii Anda que pelos documentos que acompanlnm
a expoiico do promolor poblico, qjulenda a commis-t
*3o qae o fado da priaao que' leve liiuar denlru da
igreja na pessoa de urn votante, e qua foi allegado
no protesto, eil sullicientemeule provado o que no
Miro protesto Teilo pela malaria da mesa parorbial,
implcitamente se acha a eon0sl80 de oulros que fa-
zem presumir que o acto da aulnridade policial,
apoiada na forja publica, n.1o suarJou aquella im-
parcialidade de que se havia millar em oaclo de uina
eleicao, ludavia nao Ihe tendo sido prsenle a juli-
licaro documentada, a que se refere o parecer da
mainna da mesa do |- collegio eleitoral do di.trido.
nao pode a mesma rnmmisso avahar at que ponto
seraelhautes fados devem ser aceitos, e quanta in-
fluencia podran exercer sobre o resallado da elei-
r.io da freguezia das Barras.
Campo-Maior. A eleijao desla freguezia foi
argida por dous membroi da mes do collegio por
ler sido falsificado o livro da qualilicajao e violada
a urna, funlando-se para preval a primeira asserjo
na discordancia de duas eerlides, uma exlrahida do
dito livro e oulra da copia exilenle na secretaria da
presidencia. Cumpre atlender-se que a discordancia
dn duas cerlides nao cooslilue prova necessaria da
falsilicajao argida, que alias poda verificar-ie mui-
to fcilmente pelo exame do proprio livro. Quauto
violajao da urna, refere-sea doos mesarios, e atles-
tadns que u3u vieran) ao conhecimeulo da cum-
inmo.
2- collegio.
ii O 2- collegio deste diilriclu compreheude i Ire-
goezias, a saber
lor Manoel Joaquim de Souza, leve logar depois i soas ; accresce que lano a arca como a urna tiuliam
delle nomeado mesario pela (armados eleilores- apenas uma chave.
lia certido de idade inserta na propria acia se ve- a lie miuha opiuio, poii.que ca eleicao he nulla.
rifica que o dilo eleilur iiasceu em 21 de agoilo de a Elle collegio deu ao Dr. Caslello ranru 25 vo-
1829 ; eslava pnis com mais de 27 aunas, e portan- tos, Dr. Salles. 21, Osorio II, Simplicio 13.
lo, 'ruo como lcilor reconheci io por e como cidado com as qualidades de eleilor, eslava taram no Dr. Salles, lemos o seguinle: Caslello Br n-
legalmenle nomeado para a ruea. e sua excloso I co 25, Salles 18, Osario II, Simplicio 7.
fui um acto de prepotencia. Qoanlo a excluso de .. 2.' collegio. lem qualrn freguezias: Pedro II,
oulro eleilor por falla de idade, quando eltilo nem l'iraciiruca, Batalba e Paruahiba.
ao menos (o conleslada com a cerlido de ha-1 a Nas Ires primeirai uo encontra a commissio
lismo. din i I. ; achnu que lulo correu suavemeule ; mas
Os documentos relativos .i' nao ingenudade do seja-me permillido chamara alleuco da propria
oulro cnnsisteiii n'uma carta particular, e em cer- | commissao para a acia da freguezia de Piracuruca ;
ti lio de alfurria de uma cscrava. Eslas excluses lenho f que, lendo-a, a propria commissao concor-
lojnalai e acinlosa prodiiziram grande irritarlo nos i dar comigo, que esta eleicao n,*lo se pode -u-teutar *
nimos, e se nao fura a energa das auloridades po- | que ella he iiisauavelmeule nulla. Da ada cousla qu
liciaes, e do coinmandanle da forja, a ordem pu- em o dia 2 comejou a primeira chamada, e nao se
ia perturbada, como ie declara na mesma | concluio, proseguindo-se no da 3 em a dila primei-
u Nossa Senhora da tiraja da Parnahiba. que deu
24 eleilore; Nossa Senhora d Conceico da villa
de Pedro II, 9 ; Notai Sentan do Carmo de Pira-
curuca, 5 ; S. Gonjalo da lialalha, 4. Tolal, 42.
o Na primeira freguezia huove duplcala de e-
leijao.
Compareceram na igreja malriz da cidade da
Parnahiba os eleilores das quatro freguezias, inclu-
sive os da dupla eleijo qae teve lugar na meaina
cidade sob as presidencias do jai/, de paz Doiriiu-
gos Dias da Silva Ilenriques e do 2-juiz de paz pa-
dre Antonio Joaquim de llrito, faltando apenas dous
eleilores da Balalha e um da ultima doplicala.
a O eleilore nao contestados de Pedro II, Bala-
Iba e Piracuroc, em numero de 15, enlendendo ra-
zoavelmente que nao aos da duplcala e sim a ellei
compela a orgaaiiajao da meta, logo qae o contra-
rio foi resolvido pelo juiz de paz com os eleilores
da duplcala a que o mesmo presidir e um da Ba-
talba, segundo cooslada respectira acia, reliraram-
se para a igreja do Rosario, onde constituirn) oulro
collegio sob a presidencia inlerina dn 2- juiz de paz.
O collegio da matriz ficoa composlo de 21 elei-
lores da duplcala presidida pelo i" juiz de paz e de
um da Batalba, cuja votaran foi a seguinle :
Dr. Borgei, 25 votos; Ozorio, 25.
o O eollegjo reunido na igreja do Rosario foi com-
poslo de 1.> eleilores das Ires freguezias : Piracoru-
ca, Balalha e Pedro II, e 33 da duplcala pnsidida
pelo 2- juiz de paz, ao todo 38.
ii volelo dos 23 eleilore da doplicala.
i Salles, 23 volos; Simplicio, 17; Almendra, li.
o Volacao doi 15 eleilores das nutras tre freguezias.
ir Salle*, 15 volos ; Simplicio, 9 ; Almendra, 3 ;
Jos Pereira aues, 2 ; Ozorio, 1.
o Da acia desle collegio reunido na greja do Ro-
sario cousla qae apresentando-se ai acias das rnesai
parochiaes ao primeiro juiz de paz na matriz, e-le
declarar que nao aceilava n livro remellido pelo
presidente da cmara monicipal da meima cidade,
em que eslavam as actas da eleijao feila sob a
presidencia do segundo juiz de paz. Dislo proce-
den a divergencia enlre os eleilores nao contesta-
dos e os da duplcala presidida pilo mesmo primei-
ro juiz de paz, nao consenlindo esle, apoiado na
forja publica, que se formuse oolra mesa dentro
da matriz, justificarlo tira o alvilre adoptado pelos
dilos eleilores dse reumrem luh a presidencia in-
terina do segundo juiz de paz na igreja do Rosa-
lio, onde fizeram a sua eleicao.
ii Eleijao primaria.Correu regularmente o pro-
cesso eleitoral nas (res freguezias de Pedro li, Ba-
lalha e Piracuruca.
ii Na freguezia de Nossa Senhora da tirara da ci-
dade do Parnahiba, reunido! no dia 2 de'novem-
bro o eleilores e suppleulcs convocados para orga-
nisajo da mesa parorhial, o primeiro juiz de paz
Domingos Dial da Silva Ilenriques fez a chamada
dos eleilore e verificando acbarem-se prsenles 22,
apresenlou invita, iegan.de se lena acta respecti-
va, de que o eleilor Faustino Jete ,Ja Fouseea,
qualicado no -elimo quarleiro, romo se v da
acta da formajao da mesa presidida pelo primeiro
juiz de paz.
12 pois os eleilores em numero de 11, e sup-
plenles em numero de 12, da parcialidade opposta,
em visla de lio flagrantes violajAes da lei, pratica-
das pelo mesmo juiz de paz, que centava cora o
ra chamada, fazemlo-se nesse mesmo dia em acto
continuo a legenda e lerceira, quaudo o art. 1S da
lei de 19 de agosto de I81I manda qne a lerceira
chamada se faja em oolro dia depois da segunda, em
hora aun mirada pelo presidente ao encerrar a sessao
do dia antecedente. Accresce que nao se declararan)
apoio decidido da forja publica, que guarneca a em acta especial ni uomes dos votantes que fallaran)
matriz, deiando de lomar parte nos actos subse- | lerceira chamada arl. 49 da mesma lei. Convel
quemes a laes decises, declararan! que iriam com por ultimo observar que rompaieceram 2211 vulan-
0 segundo juiz de paz, como consta da acta respec-
tiva, proceder a oulra eleijao mesmo' na igreja ma-
triz, ao que se oppoz o primeiro juiz de paz.
ii No da seguinle, 3 de novembro, oa porqae a
les, e fallararn 152. A' visla do exposlo julgo nullos
os 5 volos desta freguezia.
i A eleijo da freguezia de Pedro II nao pude
ser approvada, porque nao existe acia. He verdade
igreja matriz eslivesse cercada de soldados," e as que o cellegio considerou boa es.a eleijo, mas o
porlas fechadas anida depois das 10 horas do dia, I collegio he nimiamente sospeito,por ser Iodo de uma
conforme a acia da eleijo, presidida 'elo segundo I parcialidade.
juiz de paz, e olficio do vigario, ou porque hou-
vesse fundados receios, como parece mais natural,
de que se dessem fados lamentaveii em vista das
oceurreneias do dia anterior, os picdilos eleilores c
suppleotes resolvern) fazer sua eleijao na igreja
do Rosario cora o segundo juiz de paz, depois de
ler sido convidado o primeiro para presidi-la. Re-
ceberam-ie nesta eleijo 765 cdulas, e na da ma-
triz 758, ao lodo 1,523 ; a tolalidade dos volantes
he de 1,463: porlanlo, dada mesmo hvpolhese de
nao fallar um ni dos 1,463 volantes, t) dellcs vo-
laram em ambas as igrejas.
As irregularidades exposlai vicaram e-senri,l-
mente a eleijao presidida pilo primeiro juiz de
paz, e a commissao enfeude qoe lano ella como a
duplcala presidida pelo segundo juiz de paz nao
pode sr approvada.
Aiinulladas as duplcalas da freguezia da Par-
nahiba, e deduzidos os votos dos seas eleilores, o
resultado da opurajo dos dous collegios sera' o se-
ga i nte :
Salles, 39 volos ; Burees, o-, ; Simplicio, 22 ;
Ozorio, 15 ; Almendra, ; Nones, 2 ; Carlos, 1.
re Concluiodo, he a commissao de parecer :
1. Que sejam annullada ambas as eleires da
freguezia de N. S. da draga da cidade da "Parna-
hiba, bem como o diploma,do eleilor Liberato de
Ara l.eo. e approvadas as nutras eleijes das oulras
7 freguezias.
o 2. Que seja reconhecido d-nulado pelo 1" dis-
triclo eleitoral da provincia do Pianliy o Sr. Antonio
Francisco de Salles, e supplenle o Sr. Antonio Bor-
ges Leal Castillo Branco.
a Sala das commissOes 23 de maio de 1857.An-
tonio Candido da Cruz Machado. Jeronvmo Jos
Teixeira Jnior.
Eulrou em discussao o parecer da coramiisn de
conslituiro e poderes, concluiodo qoe seja reronhe-
rido depulado pelo 8" rustrirlo de S. Paulo o Sr. Dr.
Gabriel .los Rodrigues dos Sanios, ao qual foi apre-
enlado leguioie emenda :
I. Qoe se approvem aaeleic,(es primarias do8
dlslricto eleitoral de S. Paulo, suido maullado- us
diplomas doa qualrn ltimos de l'irariiiuusa, do qua-
Iro ltimos de Araraqnara, dos doos ul limos do Des-
calvado, dos qualrn ltimos de Brotas, c finalmente
um de Sania Barbara ; 2'. que se remella copia desla
decisao ao governo, para mandar proceder novamen-
le a' eleijo de deputado e supplenle.A. da Costa
Pinto.Nebes, a
Depois de nm dbale em que lomaram parle os
Srs. Cosa l'inlo, Cruz Machado, Carrao. Augusto
Je (lliveira, Pacheco, e Cesar, licou a discussao eo-
cerrada.
l.eu-se o seguinle vol em separado relativo ao
primeiro districlo da provincia do Piauhy :
o Diversindo da opioiao da miioria da commissao
de ron-tituir.il e poderes sobre a qoeslao do primei-
ro districlo eleiloral da provincia do Piaohv, pejo
liceo ja a esla augusta cmara para fon lamentar o
meu voto, e chamo sua (Ilustrada allenco para o
segoinle, bem coovencido de que ella nutre o mais
-lucero e rdeme desejo de fazer juslica reda e im-
parcial.
ii Dous sao os collegioi em qoe se acha dividido
esle districlo eleiloral, um qae se rene em There-
sina, outro em Parnahiba ; cumpre examinar cada
um delle-.
1.'collegio.Comprehende qualro freguezias:
Theresina, Uniilo, Barras, e Campo-Maior. Sobre os
Ires primeiroi a commissao pouco diz, depois de fa-
zer algomas nsiuuajiles contra a primeira autorida-
de da provincia, con o que inculcando que ella hou-
vesse dado algum apoio a um dos candidato- ao lu-
gar da depotado, o Sr. Aolonio Borges Leal C.-tello-
Branco, conclue adiando regulares as eleijei das
ditas freguezias, e npprovando-ai. Concordando com
a commissao quanlo a ler corrido regularmente o
processo eleit ral, divirjo nal iii-inuaroes que faz a
auloridade, porque dos papis que exa'minei conven-
jo-me que ella guardou perfeila neutralidade, e se
algum reparo ha a fizer-lli-, he que a ioa neutrali-
dade foi excessiva, inuslramlo-se coudescentede mais
contra os desmandos de algumas autoridades locaes,
que no calor que desenvolvan! a prol do oulro can-
didalo, o Sr. Antonio Francisco de Salles, raostra-
vam-se alo irneaeadorai, e deanspeitosas, como ie
ve de um ollicio por uma deeiei auluridaJes en le-
recado ao presdeme da proviucia.
A eleijao da freguezia de ("ampo-Maior a com-
missao comidera regular, jiilgamlu merecer desprezo
as arguijoes que contra ella se fazem ; eslas argui-
jOei, porem, nao sao tanto para desprezar como pa-
re.-en commsio ; ao conlrario, parecem-rne um
pouco serias esla eleijo, na rainha humilde opi-
uio, he aulla : primeiro, por falsilicajo ; segoudo,
por violarlo da urna. A falsificujo acha-se eviden-
temente pruvada com a cnnfroiitacao de duas eerli-
des exlrahidas, uma da aolheulica da qualilicajao
da secretaria do presidente, e oulra do proprio livro
da qualilicajao. Observara-se nomes alterados, n,lo
menos de 12 ; acharo-se nomes no livro da qualilica-
jao, nao menos de 17, que n3o esl.lo na autbenlica
da secretaria, pareceudu que foram introduzidos de
permeio ; alguns nomes, emliin 19, 1 que exislem
ua autbenlica da secretaria nao exislem no livro da
qualilicajao como ludo se v da confrontarlo junla,
que pejoleja impressa conjunrlamente coni este pa-
recer. Nao houve, he verdade, um exame, para tor-
nar certa e ii ilpavel a falsilicajao.mas a prova cima
indicada be sullicienle, e toma maii vulto e forja
em presenja de oulros fados. Foi requerido exame
ao juiz municipal em lempo de se poder lomar, al-
guma providencia ellicaz. E o que fez elle'.' Despa-
chou a 20 de oulabro, designando o dia 31 do mes-
mo mez, vesperal da eleijo, quando nao seria mais
lempo de aproveilar o exame, para se proceder na
eleijao pela cerlido da secretaria do governo, se o
exame conclaiise pela falsidade ; accresce que no dia
designado lal exame se nao fez.
ii lia alleslailu do commandaule dn destacamento
asseverando que a chamada le nao lizera pela au-
Ihentica da presidencia ; pedio-se ao juiz de paz pre-
sidente da mesa paroclual para declarar se fez a cha-
mada pela lisia do livro, ou pela cerlido da secreta-
ria, e elle fugindo da queslo respondeu que a cha-
mada fora feila pelo alislamenln legal. V-se na con-
fruntajo que ullereci cima I nomes, no fin) delta
declarados que se ach.iin na qualificajo viciada, e
So exislem ua autlientica da secretaria, ma9 esles
nomes eslo mencionados na acia da lerceira cha-
mada como uo tendo acudido a eila : logo he claro
que a chamada foi feila pela lisia em que se achara
escriplos.e e-.sa lela he falsificada. Estando assim
provada que a lista lirada do livro da qualificajo
foi falsificada, e que a chamada dos volantes foi feila
acia da ultima chamada dos votantes, nao pndia
lonccionar como tal por oslar pronunciado em pro-i pr essa li.la falsificada, nao padece duvidVoue "a
s contra e|ejra ae Campo-Maior he nalla. A violajao da
Compoz-se de 23 eleilores da Parnahiba, qae a
propria commissio julga nullos, lirados osquaes-li-
cam 15 nesse collegio ; desles 15 sao 9 da Treguezia
de que traamos ; foram pois ellei proprioi que ap-
provaram seus diplomas com mais 5 eleilores de Pi-
racuruca, que eu considero nullos.
O dilo collegio, poii, nao passa de um conven-
tculo. N'onia eleijo 13o conleslada com a do pri-
meiro districlo eleiloral do Piauhy nao ie deve
spprovar uma eleijo primara sem a respediva
acia.
Resta agora fallar do freguezia da Parnahiba.
D.i-se o segoinle :
ii O juiz de paz mais votado (m odia designado
na lei aprcsenlou-se na matriz, tendo proredido os
avisos necessarios, o antis de ergaaiear a mesa de-
clarou que liuha duvida se o eleilor Faustino Jos
da Fonseca poda ecucorrer para a formajao da
mesa, por constar de ama porlaiia do ex-presideole
do Mai inli.i.i. o Sr. Cruz Macln do, que o dilo elei-
lor eslava prenouciado, lano qua o demiltio de sub-
delegado, declarando que o enme ara o de violen-
cias i-ouira a pessoa do juiz de paz presidente da
junla de qualificajo de Avrarosas. O oflicio do Sr.
ex-presidenle era de 31 de julho de 1856. Discuti-
se esla queslo, e foi decidido* pila mamita dos elei-
lores que elle nao poda volar em couseqaencia da
pronuncia.
o Passando-se eleijao de 2 inembros para a me-
sa pela turma dos eloitores. foram Horneados Anto-
nio li iplisla Lopes. Manuel Joaquim de Sooza com
11 volos, leudo Malinas Jos de Souza e Antonio
JosAnalio de Miranda 10 votos. Fui mimbro da
assemhlea parochial apresenlou por escriplo un re-
querimenlu, declarando que Malinas Jos de Sooza
era liberto, e que em cousequeocia oao fosse decla-
rado elegivel. (inmediatamente um rmlo do Dr.
Amonio Francisco de S.lles, supjitenle de eleilor,
raquereu lambem que fosse en luida o mesario no-
meado Manuel Joaquim de Souza, por ser me-
nor.
Enseguida este requoreu que lamhein foise
considerado nao elegivel Antonio Jos Aualio de
Miranda, ior.r iifualinan a menor.
ii Foi lo 1 discutido, e leudo de -ecuir-se a vo-
tajo, o juiz de paz delerminou que cada im volas-
se cun a palavraelegivelounao elegivel.Nes
ta occasio os eleilores e nipplenles do Di. Salles
declararan! que nao queran) volar na queslo ; que
se seporavam e iem formar nutra mesa com o segun-
do juiz de paz, e assim o lizeraoi.
o Decidio-se por volaran o seguate :
I. A excluso do mesario Mauoel Joaquim de
Soaza, por ser menor.
ii 2. Qoe n3o era elegivel Ma hai Jos de Souza,
por ser liberto.
o 3. Que lambem nao era ele:ivel Antonio An.dio
d Miranda, como menor.
Segando lei ultima de eiejes e seu regut.i-
menlu, enlendu que os eleilores e supplenlcs que
inlerveem na nomearao da me-1 teem o direilo de
escolher pessoas que lenham as 'labilitijoas para se-
rem eleilores, e poden) em cousequcncia deixar de
escolher cerlo e determinado individuo, se eolende-
rem qae elle nao lera o.-a- habiiilaroes, sisim como
p dem era lempo rrvogar um a ooiueaju lena, se
verificaron) qua ella recahio em pessoa que careces-
se das habililajes. Se os que nomam ussm mal
desle direilo ou eugauain-ie, nao ha isto motivo le-
gal para que se faje urna separaro, e se erg i oulra
mesa. < niii.i a ma orgauiajae da mesa, e contra
te. i- .os des'as, ha reoursos, protestos e provas, a
vista das quaes a cmara dos deputidos dan razan a
quem a liver.
ii Eulendo qoe nao se deram fados que joslifi-
ca-sem a retirada dos sappleutes dos eleiiures, para
lazerem, como fizeram, uina eleijo sua, para a
qual smenle concorreram seus amigos, o.lo lendo
havido aquella fi-calisajao que a le quer ; assim le-
uho opinado em oulra. eleires que leem sido sujei-
tas a meu exame, e pur este lacla s considero nul-
la semclhanle eleijo, devendo considerar-se valida
a que foi feta parante o juiz de paz mais volado.
As decises que tiviram lugar bao acarrelam uulli-
dade alguma.
i Ojuiz de paz qae presidio foi o mais volido,
e porlanlo o legitimo. A mesa couipi.-.e de i me-
sarios, doas da escolha dos eleilores, ejlous da esco-
Iha dos supplenles. Os eleilores, que em sua inaiu-
ria eram da parcialidade do Dr. Caslello Bronco, no-
inearam dous msanos ; he verdade que um delle
foi julgado nao elegivel a requenmento de pessoa da
parcialidade do Dr. Salles, mas nomeiu-se nutro ;
lemos pon que o- dous msanos nomeadus tinham as
qualidades de eleilores. Se os lupplentea dos eleilo-
res da parcialidade do Dr. Salles uo uomearam os
oulros ipj is msanos, he porque uo o quizeram fa-
zer, elle- eslavam em manira, e declararan) que w
reliravam para ,i i/er uma oulra eleijo, e assim
praticaram. A deci-no que huuve, e que cima no-
lei, sobre ser elegivel ou uo esle ou aqueile, em
oada nfimo, porque vers-iu acerca de individuos
que nao foram nomeadus para a mesa, que liveram
apenas rolos iminediatoi aos que liveram dous me-
sarios. A leo.Vi nao aliada a Ifgalidade da mesa,
ollera somente o diteilo dos m .v oluo-, que pode-
rlo reclamar peranle o poder competente.
o He pois minha npimio que leve ser annullada
duplcala favoravel ao Dr. Salles, approvando-ie
a eleijo feila peranle o legitimo juiz de paz.
o Tudas essas freguezias que acabo de aualvsar fa-
zem o segundo collegio, o qual dividi se em dous,
um reunido na matriz e oulro no lio-ano.
n O collegio da malrz, composlo de 21 eleilores
da Parnahiba, e 1 da Balalha, votou nos Srs. Cas-
lello Branco 25, Osorio 25.
'i O collegio do Rosario, composlo de 23da dupl-
cala di Parnahiba, de 9 de Pedro II. 5 de Piraco-
ruca, c I da Balalha, volou nos Srs. Salles 38, Sim-
plicio 26.
o Eliminados 23 volos da duplicara da Parnahi-
ba, (i da Campo-Maior, 5 de Ptracuraca, e 9 de
l'edro II, lica a volajo redazida oos segaiutes ter-
mos : os Srs. Antonio Borges Leal Caslello Branco
Ul, Josii Francisco de Miranda Osorio 30, Antonio
Fraucisro de Salles 19.
ii He porlanlo o meu parecer o seguinle :
1. Que se peja ao governo a acia da eleicao pri-
maria da freguezia de Pedro II.
2. Oue se aunulle a eleicao prima, ia da fregaezia
de Campo-Maior, procedendo-se i nova.
3. Que se auuulle do mesmo modo a da freguezia
de Piracuruca.
i Que se annulle a doplicala dus eleilores da
fregaezia da Parnahiba presidida pelo padre Antonio
Joaquim de Brilo, na igreja do Ro-ario.
III i,oin.,|n da Miren Sepulveda.
153 Miguel AI ves Sepolvio.
1ti9 Narciso de Soezs Lima.
179 Andre Alves I ernaudei de Veras.
190 Joaquim Pereira da Rocha.
197 Raimundo i,mi jal ves da Casia.
-'l'.l 1 cenle de Souza Machado.
227 i .lanudo Ferreira dos Saolos.
230 Francisco Pereira da Silva.
213 Jost- Manoel da Silva.
271 Canuto Correa da Silva.
277 francisco Ferreira.
290 .1. n i Amonio da Silveir
293 Joo Manoel Machado.
"'HS ',raJa" Rodrignei de Carvalke.
377 K-tevao dos Sanios.
379 Francisco Josc de Moraes.
397 Eiequiel Pereira Barros.
113 llaiinuudu Ferreira de Soaza.
421 Antn o Francisco de Oliveira.
131 Crrgorio Robes Ierres.
153 Raiiuuodo I raneo Planes.
156 Valerio Lopes de Souza.
1M3 Luiz Pereira de Unto.
505 Thomaz Ferreiri Cuulo.
535 Polv carpo Nones Mello.
515 Maiaqaias Cuines
557 Joo da Silva Araojo.
"o.i Pedro Alves de Vasrooeollo.
5lib" Raimundo Jos Pimenlel.
5S(i sevenno lleunques do Nascimentn.
588 Paulino Pereira de Souza.
5M Raimando F'erreira.
IKI3 Joaquim Ribeiro Soares.
Cerlido da aulbenltea a. 2.
Por 1 Antonio Josc da Silva.
18 Antonio Pedro Ferreira.
2 Bernardo Pereira Lima.
SO Jea Peieira dos Saolos.
11 ( Manoel Casaca.
11 t Marcos Pereira de Sooza.
123 Theolooio Jos Pereira.
125 Aolonio Ferreira de Fisueiredo.
i l'i Conjalo da Abre Sepolcio.
t ii, Manoel Alvet SpuiCM.
Itt Narciso dm Sanios.
1 ii Andr Mano Ferreira da Vera*.
1K7 Joao Ferreira da Rocha.
193 Raimuudo Comes da Coila.
212 \ cenle Lardoso de Meeede.
220 Clarindo Pereira dos Sanie*.
223 Francisco Ferreira da Silva.
2tii Josc Manoel de Carvallo.
2l2 Manoel Correa da silva.
''" Francisco Teixeira.
2SI Jlo Vatooio da Silva.
281 Jase Manoel Machado.
299 I raja mi Rodrigues da Croz.
270 Espindiao dos Saolos.
372 Francisco de Moraes.
389 Ezequiel Ferreira Barro-.
195 Raimundo Ferreira da Mlva.
Redamarle.
13 Victorino Frataeiaeo de "liveira.
20 Gregorio Robes Passa.
12 Raimoudo Francisco Nev.
15 Valerio Vives de Sooza.
til Antonio Pereira de Balo.
91 I homar Ferreira Simio.
1-2 Polv cardo da Casta Lima.
132 Malinas Comes.
I i i Joo de Paiva Araojo.
150 Pedro Alves Vianna
152 Raimoudo l'imentel
173 Sevenno Francisco do a-rmenle
175 Paulino Jonfi de Sooza.
183 Raimundo Perda.
189 Jos Joaquim llili ao.
.\..m... .|.lc aa,. eiiitetn na aulheniici da
(aria, e sim no livro.
N. 37 Fri'derics Jos da Silva.
39 Francisco lio Irisan do Na-cienoaM-.
7 Raimundo I.i-m da Silva.
59 Alano Josc Bapluta.
lt Joaquim Goaaas Pereira.
ISt II m,..indo Ferreira de IHiveira..
193 Manoel Alves de Sooza.
198 Ricardo Antonio Pereira.
211 Jos Alves Pereira.
215 Jos de Souza Machado.
217 Joaquim de l.aiv.dho
'190 Domingos Amonio de MosOjoiU.
II i Pedro de Souza Barras.
115 Josc Pinto
lili Joo Pedro.
52i Antonio Vieira. .
513 Joao Menino.
Nomes que ni > w acham ne livro, o nm aa an-
Ihentira da secretaria.
N. 55 Antonio Josc Baptreta.
102 Ignacio Comes Pereira.
1u| Josc das Noves o silva
175 Antonio da Conha Monleiro.
319 Wenceslao Jote dos Saolos.
315 Miguel Josc de Carvalhe.
.158 Qaiuilno Jo' ar Saeta.
ilN Raimundo Antonia da Silva.
107 Hairaundo Bolina.
Reclamarle.
V 2 Raimando domes de Sonsa.
3.1 Jn-i \ cenle Ferreira.
I Jost' Craveiro.
12U Manoel Vieira.
182 Francisco Antonio do >awimealo.
181 Marcos Pereira.
18.5 Antonio Francisco.
192 Joo Pedro.
193 Ant >nio Veojao.
191 Pedro Luiz Pereira.
.Na retario do- individuos mfneimadei na oda da
eleijao como ausente e acham os gemid aosaea
que eon-la n do livro falsificado, e nao da aols-aolito
da presidencia.
N. 39 AlaooJoa Baplista.
5 IS(i Benedicto Ferreira de Oliveira.
lu Bernardo Ferreira Lima.
227 Clarindo Ferreira dos sanios.
271 Cinuto Correa da Silva.
377 F.-ievao dos Mnto..
277 11 alienen Forreara.
113 Coojalo de Abren sepolveds.
2110 Joao Vutonio da >ilveira.
211 Josa* Alve Pereira.
193 Manoel Alvos de Sooza.
120 Msi.oel Pereira da Saoaa.
19S Ricardo Antonio Pereira.
ASSEMBLEA LEi.lSI.A 11\.\ PRUVrOAL aC
PERNAMBI di:
sosia ordimaru eaa 3 o analo n ISS7.
Preiiiennm do .Sr. Jote Petra da ziolafl.
A II horas a 1|2 da manhaa vi* Ma aa navarra
sa, o abarla a sessao, ha lida a approvado a acta da
anterior.
0 Sr. I Secretario da conla Ja se traale
EXPEDIENTE.
1 m tdi io dn secretario da governo, iimillmo
copia da ii formajao qoe a cmara moniciaol do O-
linda ministrou obre o requerimetito de tsoao Iroo-
jalves.A qoem fez a reqasic.io.
Cent nuil a di-css-o da redan, ae i
mero 11.
Vai a mesa a -rguiuie emenda do Sr.
valho.
Sapprimam-io as palmasProcurador siscal o
oliciladiu.Souxa l.vrvallio.asanaaM tjvaleaoii
Vilella.l/ranriico Joao.Waaderlev.Marras.
Ari-lnle-
Hcpoi- de al.uma-1nn.iderar,v. Aa sr. Francate
Joo. he ppiovada a redaran rei-ilaOa. aa lau-
dasdos Srs. Souza Carvalha'e IhMidaro de Silva.
ORDEM INI DIA.
Conlinuaran da 3* disscosso elo peeierle de orja-
inenlo provincial, rom
Sooza Car-
provincia do
lo presi lente
le julho, in-
n. 177, pela
pessoa do juiz de pal, prndenle da
lilicajao da freguezia de Alai .ves da
Maronlilo, como se va ta portara
daquella provincia, com dala de l
serla no s Puhlicador Maranhense
qaal o ilriniilia de supplenle do subdelegado de
pulicia da dila freguezia. Resolven-se por II volos
coulra 10 a evcluso do dilo eleilor. nao obstante
constar da acia que a pronuncia Overa lugar nm
18! antes da sua eleijao, e nao se ler provado com
documenlo que a mesma pronuncia tiyesse sido su--
lenta la compelentemenle, como era iudispeneavel
para que ella jiudesiu dar causa a suspenso de ili-
reilos polticos.
o Depois resolveu-se tamtiem a excluso de Ires
eleitorca reconliecidos validos por esla augosta c-
mara, um, a prelexlo de nao ser ingenuo, e dous,
de serem menores de 25 anuos quando foram elei-
junla de qua- unid he tambera cousa grave.
Allega-se que em e dia lendo-se anleriormen
le concluido a segunda chamada, antes de proceder-
s a lerceira comparecer,un o juiz. de paz e mesarios
da parcialidade do Dr. Salles, antes da hora marca-
da, quando anula nao linhiin concurrido os volante-,
e man lando retirar a gu rila, licaudo apenas o or-
denanja, abrir o juiz a arca em que e-tava a urna,
lir.ii.i esta, e lamhein a abrir, e tirando um masso
de cdalas smarellas, introdaiira outro de cdulas
brancas. A prova consiste em um alie-lado do com-
mandaiile do destacamento, em nutro de varius cida-
daos do Campo-Maior, em uma juslificai.o proda-
zida na propria freguezia sem audiencia ilas partes,
que nao foram adiadas para -arem ciladas, e em oo-
lra juililicajao com cilajo do mesario Dr. Raimun-
do Antonio de Carvalho, o quid pruteslou contra a
competencia do foro. Nesta juslilicajo jaram o or-
los em 1852 ; a excluso de um desles doas, da elei- donanja, os soldados do destacamento, e oolns pes-
emendas j.i olerecidas.
Remelleu-se a moa as -ejoinle- ernooda-, oo
Oue se anpruvem ludas as oulras clcijes pri-1 s.lo approvadas.
' Na emenda do >r. I aaaala d Barros em ver de
frilura de puntesdiga-*fritera d orna poolo
mi rio Sennhaom un locar denuniiitade* Pede de Pe
dras e antena, 1. R.M. de Barro
Su; uima-*e a emenda do Sr. (lerrosde l.acorda
ao artigo (VSilva Braga.
Emenda addiliva ao arligo 11.Depon dan pe-
de loo ai man i"
eadcia de
Rarru.
ola para o |
de ui-lror. o prim ,naarreirle-e oo
quantu de H7^"itsi para pagamento ao [
Pand'Alhn.A. I.eaa.Soota ijarvalhe.
Ae artigo :!'.lodnsive |u:mie-pora aoc-
menlo dos vencimeuloidoi enipre-gaJae peovtin-iori
na conlormidado da le que o aalehsee :|n:in.
Oliveira.I. de Barros.
a Com -otivenjao a Arienie I a*teosa. da Ssva
1:2nn->.-F..de Melle.
o tmeu Jl ao arli.o 15 do erjaavense fvevmsiaJ
manas*
li. Que soja declarado depulado o Dr. Antonio
Borges Leal Castalio Branco, esupplculeo coronel
Jos Frailesco de Miranda Osorio.
o Pajo da cmara dos deputados 25 de mam de
1857. J. J. Pacheco.
I- DlUrietc cir,/.,r,(| i., i'Muhii.Compaiando ai
cerlido n. ,. oblida do proprio livro da qualilicajao lavras reparo e ron*rvac...,d
da reguezia.leCirapo-.Maior. com a de ... 2, ex- diga-se-c com os repar- di
tral.ita da aut.ieulica ansenle na -ccrelana da prc- a qaantia de 3:iMMr>. \|. >
sidenria, iiolam-se as.livergeaci.is seguiute : i Ao mge que mar, a qi
\OHUS alterad'!!.
Ccrlidu do livro u. 1.
N. I. Anselmo Jos.- da Silva.
52 Antonio Pedro Pereira.
lili Bernardo Ferreira Lima.
81 Jos Ferreira dos Sanio.
118 Manoel dirija.
120 Manoel Pereira de Sooza.
127 Thiolonio Jos Ferreira.
129 Antouio Penetra da Figutiredo.
rfijnraD"



DIARIO DKFEBNAMBUCO TERCA fEIRAO DEJNHODE 1857
3.e liuuver companhia lyrica 2:l:000;*'Anlo-
dio Cavalcaoli.
a Additlivoaonrt. 2DepoU das palavraiajudas
que l'urem nece.-sarin-arrscente-e um ein
l'esqueira ; o 01 iii.ii- como no artigo.S. U.Cas-
tro Leo.
Substitutiva ao J 1 do artigo 5.i. iu os em-
pregados e pnifessorea, inclusive o augmento dos or-
deuadoi do secretario e do professor de desenlio......
39,260j}.Uliveira.I. de Barros.
Emenda addiliva ao anigo i do projecto da le
do'or;amrn(o provincial. Depms da palavraser-
veuleacrecente-e que lera 1?C>0O diarios o
111,11- como no Milita, e neale Molida aogmeule-se o
quanlilalivo.S. K.Ulivein.
Subslutivo ao artigo Vi.Com os jubilados......
11:1165705.Oliveira.I. de limos.
' Substitutivo ao ^ 2 do ai I. 7.--Coro o ilii^uel
de casis, licando o governo auiorisado a exceder esii
coosiguacto para igualar estes aluzuei* na eonfar-
midadu da le que assim o deleriuiua 7:05n?.Oli-
veira.I. de Barros.
o A'tigo addilivo.Jigo obstante a di'posi^.lo do
artigo 42, o governo devera' mandar correr na pri-
meiro semestre todas ou algum** parles das loteras
concedidas a favor do convenio de San-Francisco de
('linda, se julgar de argento neressidade os reparos
do mesmo convenio. Mello Cavalcauti. -- Souza
Carvalho.
a Supprima-ie o ; 5 artigo 40.Souza Kais.
Addilivo a; I ido artigo lu.As loteras con-
cedidas pela asaenibla geral para o muuicipo neu-
tro eslo comprelieudidas no dispoilo do projecto
dos 80 por ceoto.--S. K.Castro LeSo.
k meuda substitutiva das emendas dos Srs. Bar-
ros Brrelo e Castro LeAo ao artigo 42. >oppri-
mam-se as palavras Pedro II, e acrescenle-se : cor-
rendo as rodas das do liospital l'edroll am separado,
servindo de tliesooreiro o llieaourairo dos Ostahtleci-
menlos de caridede, que sa prestara' gratuitamente,
deduzindo someule as despeas indispensaveis para
sua vlracc.lo, nao poijeiiiln cun ludo faier correr
nuis de urna parta par met, au o proprio tlicsourel--
ro das lotiriasqua prelirir', cedendosua OommiaeSo
a favor das obras do mesmo hospital, e urna vez que
laca correr pelo menos uina parte por mea.Souza
neis.
Ao ligo 38 acrescenle-se 16:2289339 rs.~li-
veira.I. oe Barros.
a Emenda subslituliva do 5 1 do arliao (i.Coro
os prol'essoras luclusive a quantia de tSt corres-
pondente aos tres mezes que deixou de receber e a
que tem direito o prolessor de Nazareth 4:025;} rs.
Koclia Bastos.Souza Carvalho.
Sobslilulivo ao S I do arl. 7Com os profesa-
res inclusive dous adjuntos a 3008 rs. cada um, li-
caudo o governo auiorisado a eiceder esta consigua-
i; lo para augmentar os ordenados dos profesores
que se habilitaren! na forma da le n. 369, conceder
as gralilicaroes por inaia de doze a quiuze anuos de
servir a aquelles que adquirirem asta direito, igua-
lar os vencimeulus das professoras aos professores na
cooformidade da le que autoruou este augmento, e
crear mais cadetras.Uliveira.I. de Barros.
Fica o presidente auiorisado a impor ama mulla
ao empiezario, pela falla de cumprimento do con-
tracto, de dez a vinle conlos.S. R. Francisco
Joa.
Addiliva a do Sr. Castro Leso.Cedeudo o the-
soureiro os 5 por ceuto a beuecio do Hospital.O.
Ijuntiara'es.
Supprimam-se as emendas ao arl. 42, que passa-
ram em segunda discussao, e subslitua-se pelo se-
luinte : fica o ihesoureiro das loteras obligado
fazer correr meusalmenle orna parle da loleria do
hospital Pedro II, devendo ser de capital tal, que o
hospital leuba de beneficio trila conlos. Castro
Leao.
Se nao passar a emenda da soppressao do j 5 arl.
15, seja elle substituido assim : com o ordenado do
administrador 6009.Meira Henriques.
Supprima-se a emendado Sr. Igoaeio da Barros,
relativa a eilradas, approvada em segunda discusso.
S. II.Manuel Cavilcanli.
Supprima-se a primeiri base da emenda do Sr. I.
de Barros, a qual consigna a idea de desapropriaco.
S. II.Machado da Silva.
O governo fica auiorisado : primeiro, a lazar a
carne verde que for posta a venda nos municipios de
Olinda e Kecife, tendo em considerarla a sua qualt-
dide e o preco do gado; segundo, a fazer a despeza
precisa para enrurfl cesla medida e su.i liscalua-
&>.S. F5.Castro Laao.
O Sr. llego Barros:Sao taas as emendas offe-
recidas em 3a discussao ao ornamento provincial que
ilillinl me he tralar de todas ellas, |>or isso oceupar-
nic-l.ei daquellas sobre que lenho de fazer algumas
observares, afim de obler eselarecimentos para po-
der volar.
A emenda do Sr. A. Cavalcanll, qae exige aquan-
tia de 1:0009 para o tneatro Ivnco, eu nao rae op-
ponbo, mas d-eaejo que o nobre callega me d algu-
in.is eiplicardes sobra ellas, me informe, se com
23:0009 se lera seiupre urna companlua lyrica na
provincia.
Um Sr. Deputado:Ha orna proposlade orna em-
preza do Rio da Janeiro ueste sentido.
O Sr. Hego Barros:Ha oolra do Sr. Sabino para
fazer-se om caes desde a ra Nova ateo largo de
Palacio. Urna e
eos de olio merecimento e dillioceBo para deputa-
do geral : aleui de stu talento e vasta illu-trar.in,
sua moderadlo acrisolada coi revezes e inmensas
fadiga, liavia captado os ineus respeilos o esluna.
Eis romo una vez me proiiunciei no mesmo anuo
de I Vi \ na discussln da raspala a falla do Ihrono
a o laclo de om partido abandonar as eleires, re-
signado ao seu ostracismo, e de um governo arma-
do de immensa forja, e prvido de todos os lucios
fuain as
ile ludas as eiprestoet, de modo que u,io
ju-las conveniencias que so qmz guanlar.
Para elle e quaesqoer oulros gneros de falla",
em qua eu podes>e ler cabido, conlo-me defoudo,
leuhores, pela vossa hond.ide.
AlguiU Srs. Depulailns : Muilo bem, muito
bem.
O Sr. Ignacio de Barros rumprimenla o orador.
O Sr. Munoel Cntalranli : Cerlamenle, Sr. I misericordia ne de Itefe meiter .i desorden) no meio dos scu, nao presidenle, be lemeridada iniulia pedir -.. palavra de- i oceupa-se de escrever as portas dos
be um acloque se applauda ; mas que unpressionapois da discu itrlamenta e exige estados imparciies sobre a me- j parabens pela su coulisslo e desejava que esll sua : nada ; no oolro da cilio ns izinhoa leudo un soai que o lempo que gastis em maldito! i
lltor diren; lo que se devera dar a causa publica, eiposirdj calase no espirilo de lodos, iiiim como [portas (lo bellas cousis, e is senhorai honestas m-1 roalhaiilei, empregii-o eu dirigir o rebanho
Escaso ir finis tonga, a diroi apenas, que aquel- ealou na meu. | pedidas .1 clieearem os suas jmiellas! Ha eenle pa- vos foi confiado.
les e iiulu,trias, so pioprias de vagabundoi c (ra-
anles.
Misericordia Ja os seus viziohoi eslan cansa-
dissiuios. aborreedlslildOS, e ludo quanlo acaba em
issimus de inflrerem lenlio em suas portas As
calcadas silo quebradas, o Iransilo impedido, e o ca mis oOeodi por paunmenloi, ce
tisc.il ralado como um fiscal de uiaimore oendi por palavras u obras, iii'/.ei-i
Mu haver
Hilis, que eoloa deicarldoio, nSo CillllM un
su faci, que islo prove. I', eu para provar a Toan
nimia carnl ule li.-l, citar o Tacto de vossa m Bl-
(ruosa aguressao contra iniiii. ignorando eu os inuti-
mis, que mis levaran! a esle conrurso.prqiiaulo nuu-
Igiima \f/
e qaies ellas
|uem empreuue nina dasobras da foram, eihibi au publiru um documenlo ao menos
ajudada por al^uem que me confonda. Entretanto me chmala disca-
i'os vi/Mibos, ridosu O publicnos julgara'
! K nao he | Cuucluirei, dando-vus um simples cnnselbi. e he
1)01
las mullas ideas (ransluxein hoja na poltica de con-
cillaran.
E que polilica lie ela t deixemos o que possim
soar suas palavras, e compreliendamo-la em sua
rMlidMO viva e ascendente.
Eu a colillero como perfeilainrnle, como a mim
proprio, e como razaoqqe m'.i dita ; e se bem que
me nao anime a defini-U, ouso vo-la aprcsenlar cm
suas diferentes phases, todas dignas de pleno ac-
lliiinenlo. Muilos apoiados.) I piasagem de llgomai em secunda discusflo, nao po-
1 olilioa de conciliaco, senhores, be a poltica de : de deilar de se opour a ellas,
luleraucia e pralicas moderadas, nica que |iude fa-i Pasla a apreciar leparadarnante rada una das
vorecer todas as paixoes uubres. moralisar a don- emendas insistindo em >ua> opinies ja emillidas.
niatmcao e fazer a sociedade progradir, civiluan-[ O Sr. (.'. nir/iiinics: {Daremos no seguinle uu-
i mero.'
Eu lulo concordo as ideas do nobre depulado, I ra ludo, e anida lira a deiM muila eule boa
porom eslou persuadido que sao eilai aisuil opi-1 Consll-nol que no burro do Kerife um
nlftes, a declaro que eu o couhero perfeilamenle. poeira quereinlo expeninenlar a lia
^ i quero, porm, entrar em quesines polilicas, di-
virjo muilo e muilo de sua opinlio, mas vnu tralar
do oreamenlo que he o que esla' em discasslo.
Dorador, di/ que se acba alemorisado pelo em
numero de emendas que tem sido offerecidas ao or-
caineiiio, e innis alemorisado anida por ler notado
ca-
da fronte
ilera i.io bella cabecada em ionio, que o derribou
por morlo A uossa Ierra ja esla muilo corlezla, |
leui laidas rapoeiras... as-un be biuii ; o que porein
convein be que a polu-ia uo deive pegar loo iuuo-
cenle mu la !
Bimue IngleluolltaIrilhoido leiro.
Itaic, fraoeoxaCarthagencgarraoei vastos
Ctt.SSI I AllO.tjERAI..
Ilendimenln do da I a l> .
dem d i di i >.......
38:t2cO30
!1:l)63sHHI
do-se.
cipies '.'
(I Sr. /'. Ilapliala :He polilica que, queren-
de ser providcule, estudanJo e veucendo prudente-
mente as causes qiio nos alrazam, para Irabalhar e
ser ahi bem succedtda, precisa da coadjuvarau, calma
e moderaran de lodos os partida*.
O Sr. .1/. Caealcanli :E dabi 1
O Sr. P. Baptitta :Cooseguinlcmeute ella nao
quer e nem pode querer humilliar, nein depri-
mir por quzlquer modo que seja as convicres -a-
poianos.)
Pelo contrario, mais expuraada de paixes vul-
gares, querr mesmo ambiciona a existencia regular
dos partidos com suas dcvnc/ies sinceras, e cada um
dellescoro urna direerjo superior e illuslrada. para
que coro a euergia unnime de todos posta cliejar
riumplianle ao seu destino. (Muilo bem.,
He a poltica que, nascendo em sua uricem das
disposires favoraveis dos povos, corre em loda a
eiteii- i do imperio, aceita por todos os boas ci ts-
die*, qae -entem e veem seusmAis caros luleresses
ideulillcados com ella e por ella defendidos.
Ella exprime orna necessidada geral e nm dever
commum a lodos os parlido*, qual o da moderacao :
nesla parle os liga por lac.os mu uatura e decen-
tes e os cliama para, tr.ib ilb indo conjunlamenle,
darem placidez e nexo aos negocios a simplificaren!
os ineios de execa^lo.
O Sr. M. Cara\canti :E dabi
O Sr. /'. Baptitta :Ella marcha do presente pa-
ra o futuro mu devagar, levando em caminho as
experiencias do passado. (Minio bem.)
A sua misiao he a do Yerdadeiro progresso [apeil-
dos.)
Eis-ahi quaes sao as minbas convicres inrolumes,
eis alai a posi;ao franca, em que, apezarde mais des-
favorecido, que olguns oalros, ecomprebendendo to-
da va as preoecupacoes e cuidados do poder, para nao
acgrava-los. espero resistir aos choques de meus dif-
fereules iuimigos.
E quaudo grandes pezares me sobrevenham, reco-
Ihido ao sanctuarin da consrieiicia e da familia, ahi
mesmo serei sensivel aos males pblicos.
Sempre me sobrou paciencia, e me ha de sobrar
para esperar, e na ordem impeuetravel dos aconte-
cimenlos humanos, aquillo qae algumas vezes pare-
ce ser oro aniquilameuto, mo he mais que uto eclip-
se. Alludu agara quem j me fez crave ain-ara.
i.iuein sa exprime por esle modo, ser algnrb trns-
fuga '.' ter paixes ignobeis '.'
Voz** : Nao, nao !
O Sr. Paula Baptitta : So o mesmo defensor
da ordem ; mas, nlo tenho ahi ficado, qual eslalua
immovel. Se, porcav, me qaizerem chamar liberal,
ou progressisla ; chamem-me embora ; nada dislj
me desdoura, e nem eu repillo ; cora tanto que me
nao chumera exaltado, oo reactor. ( Mullo bem.1
Segando as condiroes, sobre que o Brasil actual-
mente repousa, a exaltaco lera de acabar por si
inesiiia, e a reacglo....
O Sr. Manoel Cacatcanti:He militas vezes sal-
vadora.
0 Sr. Paula Paptuta :E a roaecJJo nao servir
senao de perpetua-la, e al cerlo ponto justifi-
ca-la.
Assim sao todas as coasas humanas podem (er
ama applicarao boa ou ni, til ou prejudicial, se-
gundo a diversidade dos lempos, e um numero quasi
infinito de circumstaueias.
E sera esle o plano de orna emanciparlo polilica,
que se me aliribuin nesta casa '.' Se he, nao he al-
gara plano, que sympalhise com as Irevas ; mas que
procura a luz do dia : nao he algum plano, qae con-
doza os Pernambucauos revezes e des*rac,as ; mas,
seguranra, ao repouso, a huma a a gloria. Muilo
bem, muilo bem.)
O Sr. Manuel Caealcanli: Mas elles nao iro
l.
O Sr. Paula BapHtta : Se he nm plano, nflo
sou eu o autor delle ; mas o Brasil, que o quer, e ha
momia igual a esta j foi aqui apre-
senlida, e os uobres depulados allegaran! que esla | de vencer ; porque nlo puder.'i jamis ser impelido
obra era geral ; porem nao sei se es-a emenda cabio, na execuro viaoresa e relien ida das leis des
nem se a obra deve sarleila pelo* cofres geracs uu pee* rfi,imo. HiHImi epatadas
proviuciaes ; ae tem da ser fela pelos geraes, deixa
de ser necesaria a emenda, e se nao, entendo que
a obra se diva mandar f.izer.
iu L'ina ontra emenda do rpesmo Sr. autorisa o go-
verro a mandar fazer urna estrada da villa do Cabo
* para Ipojuca. Acho deinecessario essa estrada, por-
que a estrada do sul passa pea villa do Cabo e val a
Ipojoca, assim uao ha conveniencia ueuhuma em
le l'ater semelhanle estrada.
Ha anda urna oulra du Sr. Sabino, em qae obri-
ga os propietarios que tivtrem porleiras oas estra-
das, a terem um guarda constantemente ero cada
urna das porleiras. Acho que isto he um onus muito
pasado, porque o proprleterio que liver dous eru-
pregados all constantemente, nao dispendera' menos
de 1:200}, e elle o que quer evitar he a despeza de
ler empregados pasturando os seus gados, por isso
como ha de querer ter dous empregados, um em
cada porteira'.' Por conseguir ama de doas,
ou votc-se pelas porleiras sem onus nenhum, ou en-
tao vote-se contra ludo.
Ornea nobre collega o Sr. I. de Barros augmenta
a verba designada no artigo que eleva a 400J a ver-
ba decretada no arrmenlo.
Um Sr. Uepulado:Isso passou na casa.
OSr. /. de Itarrot:Eolio est direito.
OSr. Reg Barros:Ha ama oulra do Sr. Meira
Henriques, mandando supprimir olido arl. 13.
He de crer que a nobre deputado pede para qae se
suppriroa esse paragrapho, porque julga que esse
empregadG be desnecets.irio, porem he sabido que
o Diestro he um eslabelecimenlo importante, e que
Dio poda ficar entregue aoabndono, or, suppri-
* mindo-se o administrador, quem botara* sentido ao
theitro.
I la om aparte.)
O Sr. Reg Barros:Mas o nobre |deputido nao
diise, que ficasse o administrador sem ordenado, e
linda que o dissesieqoem qoerer sujeitar-se a ser
administrador sem ordenado '.' Nlo posso volar por
esla emenda.
O meu nobre amigo o Sr. Epaminondas de Mello
tambero apresenlou urna emenda marcando 1:2003
para a subvenrao do Sr. Arsemo Fortunato da Silva.
Este senhor ja leve esla subvenrao ha 4 ou 5 anuos, e
della se nao anida sproveitou, nao reclaroou, nem
consta que leona pedido proro&arlo desle favor, nem
aprsenla lo os motivos pelos quaes nao lem exigido
esla consignarlo ; a commissao, supprimio esla vir-
ba, e por qae cousignar-se agora de novo, fazer-se
essa despeza, quando esse diubeiro pode ser applica-
do i outras causos de necesidades mais urgente '.'
Por islo vol contra esla emenda.
Slo estas as nbscrvaces que linha A fazer.
O Sr. Paula Baplista iiiovimenlo de allenro e
profundo silencio.) Nlo vos parera extraordinario,
suohores, qu na occasilo em que se discute o orra-
menlo da provincia, eu venha prender vossas lio
preciosas alieures a objeclos exlranhos, islo he, a
eoltica.
Por quaoto, alm desle proceder nao estar muilo
fjr.i dos usos parlamentares, preciso destruir uro pe-
r ueniuo castello de suspeilasiujuriusas e iii-l'irra las.
que se (ero querido levantar contra mim, para assim
impedir, que longe d'aqui, e boje principalmente que
nlo lenho assenlo ni representarlo nacional ellas
nao lomem proporees mu alheias a verdade. E
ueste intento espero que com a publicidadc de mi-
nhas opinies e fundamentos para a sua ju-la apre-
ciarilu, o successo core os meus desejos.
Tintos amigos, que continuara a dar-me provas de
extrema confianca, e a quem devo mui distinrlas
luoria e beneficios, meus adversarios, qoese prezlo
de ser justos, o Brasil erafini, que mejulguem segun-
do as minhas verdadeiras couvicrOts.
Desde que por motivos mu nobres ie dignos, de-
diquei-me ios negocios pblicos, cnlendi que p fe-
char as portas as reaceOea, e o acabar com inlule-
raocia dos partidos era uina .randa necessidaile do
Brasil, que quena desen\olver seus immensos recur-
sos sob coudices mais fecundas e civilisaduras.
Por oulro lado, minha sensihilidade nunca pode
amoldar-se a essa violencias constantemente repro-
ducidas e converlnlas pelos partidos extremos e in-
tolerantes em meios mui usuaes de combate.
Sempre entend, e ainda hoje enlcndn, que a or-
dem a juslirj e a liberdade sao Iros arailes ser-Jades
simullancaa cm sua origem, e iueparaveis em sua
existencia. Todo o aulauoiusmo enlre ellas nasce
das paixes e desejos ininoderados dos homtus.
Por Cuiiseguuile, lano ,iais iMtIBCtos da egnis-
mo, mais intolerancia e mais verliuem bonverom,
qonntu o aulaoiiisiiio eutie estas ideas -oa' mus
pronunciado em detrimento de todas ellas.
E, pela razo contraria, onde houvsr mais tole-
rancia e moderadlo, a tul allianra natural rece-
bera' ama direcru mais viva, e mais pratica [mui-
lo bem. )
Estas ideas, emilli-as eu em 1850 uo seio di re-
presenlaro nacional, as quaes, como um hospede,
que fnzia visila intempestiva e ncoromoria, foram
cumpruneiUadas como verdadeiras utopias.
Eu bem que mttlia em cnnla o quanlo a oppor-
turudade, qoe ccilamenlo Tal ludo. e.f.^\ anda
O Sr. Atanoil Caratranti : Dos o permita.
O Sr.l'aula Baplista : E-sei ludo islo urna
simples vallaidade minha ? Niogoen o dir ; puis
sao muitos os fictos, que atlestaro os progressos do
Brasil, pelos qaaes elle vai seudo conheci lo, e alla-
meule apreciado em todo o mundo. i.Vpoiados, mui-
lo bem.
He mui natural, que eu lenha lido velleidades ;
pois sou homem, ejiasta ; e talvez, que a principal
lenha sido o viver m pequeas poslfool (nao apai-
ados} e por isso mesmo lo destituido de recursos, e
ja querer servir o paiz sem allender antes, se lenho
alguma consa a lemer oa a lucrar.
Mas, que fazer, se esta tal oa qual iulelligencia,
qae lenho, me domina em extremo'.' Se islo n3o
he urna falalidade, devo dizer, que donla antes
urna vontade firme e justa, do qoe velleidade.
Sa lenho fallado de mim, fui a islo obngado pela
necesadadeda defeza : agora fallarei do qoe nteres
sa a lodos.
He lempo de redeclirmos lodos, e empenbarroo-
nos em acabar com as nossas discusses.
O Sr. Manoel Caratranti : Diflicil cousa.
O SrJ'aula Hapiteta :Nao oslamos bem mnilos
apoiados) : de om oulro lado poltico iguaes desgos-
los se corresponder, apuiados.)
Bonald difinio o homem : um espirito servido
por ergios n : d'ahi nascemas doas ordens.a moral
e a mulerial. O homem, por conseiUnle, nlo p le
ser segregado de suas mullirnos e inleressea.
Se os lar,,, do governo constitucional slo fortes,
duraveis e perpetuos, mo he porque apertem e com-
priman! demasiadamente ; mas porque se alargam
por lodos o pontos da sociedade, e se dilalam enn-
venientemenle a deixarem livre desenvolvlmenlo a
todas as ambiroes justas, nobres e honrosas, (apoia-
dos, muito bem.)
Se as ambiroes favorecidas em om s poni. sanr7
Clonando o predominio de individualidades, he um
mal, he urna cbarnina incendiaria, oa uro fogo lento,
que alimenta uccullas indisposirocs,'o deseio de des-
Irui-las, ou cumprimi-las ueste mesmo poni, he nm
desejo. que, por injusto e immoderado, se loma bor-
nve|. Apoiados.,
I) merecimento nao quer prisfies para O Sr. Meira Uniriqun faz algumas considerarles
em justificarlo des.as emendas.
O Sr. Jos Pedro, diz que mais ama vez se v
obngado a fallar para conibaier as razes com que o
orador que o precedeu lun lamenlou a sua emenda,
que aulorisa a divislo do municipio do Recite para a
arrematadlo do imposto de 2500 por cabera de gado
consumido, e pedir a assemblca que rejeile sta emen-
da por ser inexequivcl essa divisao da mauelra por-
que fui proposla.
Principia declarando.que a excepclo de irremala-
rln do dilo imposto no triennio de 18 51. em no-
uhuma das outras inlerveio para a fixarao dos procos
que Ibes serviram de base, por se adiar com assenlo
no asserablca provincial ; que os do Irienuio de 51 a
51 foram Bxodosj pelo presidente da provincia em
srs.i.i do lidian .1 a liniuislralivu da hesou/aria, du
qoal lambem era presidenle, e os do Iriennio de 51
a 57 linham sido proposlos pelo lospeelor interino, e
approvados ppla presidencia, e por isso nenhuma im-
|oilara,i Ihe poda caber pelos prejnizos que por ven-
tura livesse -lindo a fazenda, se os leve, nestes dous
ltimos (nennios em coiiseqoencia dessas bases.
Diz que esla' convencido que a tbesouraria nao er-
rau, quaudo livou o pre;o de 56 conlos para servir
de base a arrematadlo do municipio do Recite no
Iriennio de 54 a 57 ; porqoanlo leudo esle trienmo
principiado quaudo lerroiuou o do contrato do for-
necroeulo das comes verdes, que obrigava os con-
traladores a malarem, termo medio, OT rezes por dia
para o consumo das qaatro (reguezias desta cidade.
Poro da Panella e Afogados, e nao-checando o im-
posto a produzr com esle consumo ii cootos, uao era
muilo qae para os completar, e ter o arrematante os
lucros necessarios, salvando as despezas de arrecada-
rn, se lhe cedesse o diminuto numero de rezes que
se consumiain as freguezias da Varzea, Muribeca,
S. Amaro de Jahoallo e S. I.oureuco.
Entrando tambein na apreciarlo da base para a
actual arreroalarlo no dito municipio, que foi lita la
em 00:5003 annualmente, diz que corre ella m ni rezes por dia, termo medio, e devendo dar-
se mais 10 para ler o arremtame us lucros necessa-
rios, e poder fazer a despeza com a arrecadarlo, que
un loriara' pelo menos em 2:1001 por anuo, licar
esla base calculada na raz3o de 70 rezes, que he pou-
co mais ou menos o consumo aclual, termo medio,
levan lo--e em cunta os das de precedo, os da qua-
resma. as seccas, e o consumo no lempo de verlo,
qae sempre he menor do que o do invern, em cou-
sequencu da caresta da carne, e por haver mais
abundancia de peixe.
Concede de barato que preseulemenle se consuma
mais de 70 rezes diariamente, mas como he de opi-
unloque as bases para as arrematadles liquein a quem
do que se deve consegoir pelas licitare*. alim de
convidar os lidiante-, ainda por esla razio julga que
a ilies njraria fez bem fixar a da que se trata na quan-
lia cima relerida.
Diz que nao aceila as informares dadas pelo ora-
dor, a qoem responde, n.lo s porque o consumo no
invern he sempre o maior, e nada prava por isso o
que bouve Deesas semanas de abril e do correle mez
mencionaflas nessas certides da cmara, que foram
apresenladas, ionio tambero porque ni he elle o
lerroo medio do consumo diario, qoe deve ser calcu-
lado adeii tetido-ie a lodas as circunstancias que o
alleram.
Keaeita lambem o p'reeii porque foi ltimamente
anemalado o imposto da cmara desla cidade, por-
que deve elle corresponder a !IS rezes diarias, termo
medio, para que lenha o arrematante os necessarios
lucros, e lara a despeza da arrecadarlo. Diz que es-
ta' convencido que essa arrematarlo foi fela incon-
sideradamente ; visto que inconteslavelineiilc nao
dar' lucro alum. Qao islo nao he urna nnvidade,
porque lias arreraatares fetis na tbesouraria, mili-
las vezes os licilanles tem por capricho offereerdo
laucos que Ibes lem Infido cunsideraveis prejnizos.
Declara que os inconvenientes, e prejoixoi qoe lem
I soffrido a fa-zenda provincial por se lerem filada para
as arremalares I. ses muilo elevadas nlo s.'n desro-
u pros-. nbecdos, e que ha pouco lempo loeeodea ipie ac-
reuila o goveroo elevar a do pedamo da carreira do
O vapor hrasileiro (S.Salvadora, sahido para
os portofl do Hurle, roirliizio desla provincia os se-
uiules passageiros : Ely I lili, Daniel Cesar llamos,
Antonio Bezerra Carnolro da Conha e I criado, An-
tonio .Nogueira Piulo, francisco Rleardo Poasoa,
Dr. Manuel S Crdena, Francisco Aotonio Feruaii-
des, Doiuiugos Juuior da Cunda.
At ainaithoa.
Padre Marral Lopes Kecife 2 de juubo de 1837.
O padre l'ranrisr-.' Pedro da Silva, parodio rollado
na igreja matriz do ^all Sebastllo da villa do Ou-
rcuiv por S. .M. Imperial e C, ele. ele.
Altelo por rae ser pedido ipie o reverendo Mar-
ral Lopes de Siqueira, durante o lempo que aqui
tem residido, leui-sc porl.do rom illibaia conduela,
lano moral, civil, como rellanla, lis in ii le paro-
icbi.tlurirurv, I de dezembro de 1833.r'raueneo
Pedro da Silva.
Illins. Sis. presidenle e mais vereadore* da cma-
ra municipal.O padre Marral Lopes de siqueira, o
bem do seu direilu precisa que Vv. Ss. atlesiem a
p desle o seguinle, se lem lido boa conduela moral
e religiosa, se lem fallado a verdade, qualquer que
seja a uecessidade que a isso u pudesse obligar, se
em alguma occasio.'fomeuiou entrigas, ou se pelo
contrario lem feto ale sacrificios, para acabar com
desavencas, empreando sempre os molos os mais
bouestos.se lein-se negado aos seus seinellionles quan-
do suas necessidades reclamam u'serviro de sua pro-
fi-slo, se lem prestado serviro ao guvernu, com a
quella deciucia que deve caraclerisar ao sacerdnle
lio anuos, a contar do I" de jultin do ror-
rele anuo, a 30 mesmascondiroe* daa anteriores, e na for-
2 ^.M-s'is ,lla ljo arL "6 do rcsulametilo da 3 de aco-
le de 1832.
As pe.ssons qun se propo7rem a esla ar-
retnatarao comparceam sala das sesujales da
musnia itiiita, no da cima declarado, pelo
IMIO da, lialiiliUdas na orma du arl. 73 do
i'it .ilo ti r'tila,iiri,ln. '
E para constar se mamlou aflixar n oro
antee pubiiear pelo inano. K
Secretaria da llicsouraria provincial Ha.
0 DE Jl NUU Dh I87. ^ STSl 'I' V\ ,1C n"dde ,8T- ?
New-rlean.-llarr, americana llannak Hieres- lal, *V"""" ''erreira da Annunr.iar,o.
lorio, Schiamm Wliately A; t:., 200 saceos assu- A"- ,J- "' Contratos, da arreinaUcan
DIVERSAS PROVIBCIAS.
Iteniliineulo do da I a 0 .
dem do da 8.......
2:1719369
163/168
2:3.I'it737
DESPACHOS DE EXPORTACAO PELA MESA
DO CONSULADO DESTA t;il)ADE .NO DIA
DE JIMIO DE 18
COMAUCA DO BONITO.
Caruaru' XIV.
Na vida do homem, assim como na vida dos po-
vos ha uo cur.-er da ciislencia una poca, um da,
que fazendo parle do passado, peridicamente se re-
pele pelo succeder dos anuos, e esse anniver-ano ;
para uus be a reeordacSo de feilos heroicos, acroes .
nobres e cheiai de orgulho, para oulros (o momeo- e "> '"""em hone-io, se finalmente ja pralicou al-
...______________ .... .' I .1 1 b I I .'- I I. I ^ : ... : 1 I I J >>. .....1,1 I ...... I, I II .1.' H.l.l.
los em que o agoilbao do remorso ferindo-lbes a
ron-ciencia os,faz lembrar a pralica deuin aclo alta-
mente reprova lo, urna immoralidade, urna prevari-
carAo, um acto cobarde, a mais... a muilo adianle
iria se qmzcsse oceupar-me cum a descripedo de
fados, cuja piatica deve eiivergouliar ao homem que
aprecia o vivar em sociedade. E para que, o que
acabo de escrever '.' Dar-se-ha caso que lenha eu de
comniemorar um fado heroico cuja pralica illus-
Irasse o individuo a quem se atttibue semelhanle
fado ? Nio, e porque, pois '.'...
No dia 30 do prsenle faz dous innos que
una simples palavra mandado fez dar urna
ca reir ao nosso juiz municipal, sendo que era
juiz de dircilo o doulor Jos l'ilippe de Sou-
za Leao, que nao deve ser esquecido, quando se
coramemora o fado bem pouco commum da fgida
de um juiz !
Nao sei porque o mo fado de quando em quaudo
nos persegue. N;lo quero e nem devo erguer o veo
que encubre o passado ; mas o presente obriga-rae
devassa-lo, portanlo n3o eslranhem Vmes. acom-
meroorataoda fgida do juiz municipal d'aqui,
Tacto virgem para esla Ierra que he bandada pelo
Ipojuca.
Ja que fallei na fugida do juiz municipal quero
darI he noticias do homo foro.
He grande o desguato que reina enlre esle povo
para com o juiz municipal, que Irata a lodos, quasi
sem eiceprdo, de um modo brusco e assaz gtosseim,
sendo que nao ha parte alguma que leudo ido a sua
casa urna vez que se resolva tornar sem sacrificio.
Cliega a poni de ullimamiuie na faclura de um in-
ventario conservar un nao pequeo numero de inte
ressades todos a pe, de quando em quaedo dirigindo
diclos picantes e grosseiros, senJo qoe ja uo tem
soilmlo alguma desfeila, porque esla uossa gente be
muilo boa e morigerada.
Cousla-me, porem, que s,lo muilo bem tratadas as
parles que vilo casa do juiz municipal acompa-
abadas por cerlo individuo que, tendo sjdo soldado
de pulida relaxado, e ao qual se allribue tambera
certas visitas a certas osas gradeadas por ser aman-
te de papas-capim de cabreslo, est agora arvorado
em ellecluador de cerlosarranjos forenses biscoiia-
licose com caria branca. Verdade he que leubo
ouvi lo juizos temerarios a respeilo de semelhanle
allianja ; mas como de luletin- solus Deus, e das
\ elu.ica las, s os proprios socios, para ses remeti
a informadlo que me dorara, para sobre eila dize-
rem o que bouver a bem de seus inleresses.
O nosso juiz municipal he bom homem ; quanlo
protege, protege.
Doas individuos, cerlos e determinados, silo ex-
clusivamente aquellos que eserrem as funcr's de a-
valiadoree, o como se fazaemelhaolo milagro, be que
eu nflo pude descubrir ; pois dou, cujos que aqui
chegaram sem seren condecidos, nao podem ler lau-
ta svmpalhia que os fizesse galibar tanto dinheiro
como tem ganho. Eu pretendo mais logo explicar a
ra;;lo do que acabo de dizer.
Nilo quero alongar-me, por isso deixarei pura a se-
EOinte o fallar do na. marianuo, que houve na nos-
sa roalrlz. c do qnt h'onver no jury, que deve princi-
piar no dia 5.
(Carta particular.)
gura acto que o desdoure, ja' como luunein, ja' como
sacerdnle, reinonlando-e mesmo ao lempo da sua in-
fancia a essa poca de irrellevao : portanlo, pede a
Vv. Sa., Illms. Srs. presidente e vereadores da cma-
ra municipal da Villa Della, se ibgnem alienar cum
roda iinparriahdade o que requer o supplicaule.
E R. M. Padre Marral Lopes de Srqueira.
Alleslaroos queo Kvm. Sr. Marral Lupes deSiquei-
ra, lem gozado de urna conduela sempre honrosa,
moral civil e religiosa,sem nota algama por onde le-
nha desmerecido o concello pudlico, e nem to pou-
co lem sollamado com cavdlares, eugauo nu oulra
qualquer cousa para induzr intrigas, antea p-lo con-
trario tero (eito em dillereutcs pocas sacrificios pa-
ra acabar cum de-avenras, empregaudo os ineios lio-
neslos e maviosos ; prestando ao governo relevantes
servir, sem que lenha ullrapassado as raias de sua
prossilo, quaudo as necessidades de seus semelhan-
les recriara am. He o quanlo podemos alte-lar sob
uossos signaes e selo das armas impenaes. Pai;o da
cmara muuicial da Villa Bella, ero se--.ni ordinaria,
em 13 de Janeiro do 1837. Victorino Pereira da
Silva, preaideute.lonralo da Cosa Lima.--lenlo
Concalves Pereira. Jote ('.aciano da Silva Campos.
Jo3o Martins Vieira.
car masr.ivailo.
Liverpoolllrigue Ingle trlceoea, James Oablree
i'v t.., 100 saccas algod.io.
Ilin-iioAvres Polaca lie-, anliol i Madona-,
Dallar Ov Uliveira, "J't cafeol aguarde ate.
DueuiK-AvresBiigue ingle/. iiMignouelho, Isaar,
Curio 6, C, 30 cascus cachara.
Lisboa llrigue porluguez ularujo II lo, Manuel
Joaquim Itaums e Silva, 50 sacras algod.iu e 13
cascos mel.
LisboaBarca portoguezn 'Maria Jos, Francisco
Severiauo Rabellu & l-'ilho. 600 saceos assucar
hrauco.
LisboaPolaca nacional /clon lia, Isaac, Cario
*; C, 2S cascos mel.
Porto llrigue porluguez Trovadora, Barroca di
Caslro, 02 cascos mela^u.
Ci 0.
dous
renda, i|i.e impoitaretn em mais de
tontos de rea, M,j eftecluados sob a
rautia de dous Madores idneos, que leuda,,,
liens de ra/ na cidade d.i llecife, ao nieno,
um delles, una vez que o nutro scia nolorio
monle ab'in.du.
Art. 76. As arrematac/irs poderlo ecr-
tuar-sc pola maior ou menor licitaclo olle-
lecidu eni cartas fechadas.
Arl. 16 Uo regulatvcnlo interno da the-
sourarii.
Os documentos comprobatorios das habi-
lita^oes dos arrematantes, e os que devein
provar a idenlldade dos Dadores serao aprc-
senlados na sessao da junta anterior a da ar-
remalaflo, para aerem tomados em con>i-
dera(3o, resolver-se sobre a fianza, a admii
EXPORTAgAO'.
Liverpool pela Parabiba,barca inglcza Juvenil,
de 550 toneladas, eondatio o seguiule :1,820 sar- tir-se o licitante i onloriuc.u secretario
eos coro 3,100 arrobas de assucar, sin irrobas de A. r. d'AlinunCiaCdO. '
ossoa,
RECEBi'.DOKIA DE RENDAS INTURNAS t.E-
RAES DE PERJtAMBCO.
lien lmenlo do dia 1 a 6 6:2103001
dem do da 8....... 553S79
6:7723706
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimenlo do da 1 a 6. 22:6671011
Idero do da 8....... 2:1013287
24:7699234
Sr N pottv*
Zim
v ?
httnGmm'XQ.
Em oulro lu..ere deste jornal annunciainos ao
pol > I nla lio aslaheteeimanta de unnl ns-ueiarn
para promovrr o m?!liprai;ien(u da agricultura nesla
(iiquia' a mais do que linda sido arrematado no ul- provincia. A Dotic:a foi seralroeule acoldida, c lioie
lirr.o Iriennio, nao appareceram licitantes, e por isso 9, pelas 5 horas da lardo llavero ni palacio do go-
foi esle imposto irrecadado adminilrativamete con vemn umi raooio para cs'.e l'un de Uo alio alean-
nntavel prsjuizo, ealinal arrematado por menos di: ce. Foram expedidas carias de convites para esla
pira alguein : no campo da jusla igualdad, e*cora
as armas da muderucjlo, he que elle po)e dipular
com feliz successo.
E nos, Pcruambocanns, qae nslenlamo-nos de for
les, sejamos mais, cm qae ludo, fortes na modera-
rlo prudeucia e paciencia, cuja victoria ha a anica,
qae nos ha de trazar uobres recompensas, mullas
apoiados, muilo bem.)
Onde esla' o nosso pundonor patritico? que res-
posta digua de nos daremos, se nos deserem que, a-
pezar de nosso orgulho, nao limos atinado com os
facis ineios de acabarmos com nossas inesquiihas
desnnies *
Sejamos, pois, moderados: desobslruamos para o
merecimenlo o caminho, qur erroa passados obstrui-
rlo : confiemos as illu'tradas intenres do governo,
que, sob laes condires, nao posso crer que baja
qoem queira que a sprpreza e o acaso venbam re-
solver quesle*.
O Sr. Manoel Caealcanli :As vezes.
O Sr. I'. Baplista :A nona tolerancia e mode-
rarlo, e igualmente o lempu s3n os dous poderes be-
nficos, que lulo de acabar com o runo fado, que nos
lem Irazulo desunido : sao elles que bao de fazer
com qoe os Pernambucauos um povo .lo generoso,
leal, dcil e obediente, possam linda palenlear em
Inda a exteoslo, que desejim, seus puros seulimenlos
de adlieslo a' constituirlo e ao Ihrono (mullos apoia-
dos, .muilo bem, muilo liem .
Minha voz he mu fraca para que a esculem oo
apoiad.isi ; imw be desiuteressada. Para conserva-
dores, liberaes, progres-islas, para lodos os Pernam-
bucauos em geral as verdades sao eslas. Felizmente
tenho visto que mo be pequeo o numero de ami-
gos, que em suas manifeslardes cordiaes me acum-
Pdiibaui nesles juslos seulimenlos de moderarlo e
fralernida'de, os quaes cada vez mais se gmera-
lisaru.
que pula ter sido, se nlo fosse a prara por esse ele
vado preco.
Tendo desla sorle justificado o orador a lliesnora-
ria, quanlo a fixarao dos preros para as arremalaces
do imposto de 25uO rs. no municipio do Rerife, de-
clara-se contra a emenda apresenlada pelo preceden-
te orador, porque exige ella que o dito municipio sn
divida em parles da maneira que a flanea nao ex-
ceda a 100 coritos, ao passo que de sabido que a liase
para a arrematarlo da cidade do Recife, inja indi-
visibilidade he recoiihecida, deve exceder nos tres
anuos a 110 cotilos.
Chama a alinelo da assembli para esla prcten-
rao dos arrematantes, por considera-la pingosa, vis-
to que sendo as freguezias de fura da cidade conside-
radas o refago da arrematarlo em ajuestao, pode soc-
ceder que separadas nao sejam arrematadas.
Diz qua nlo lera' dovida de aceitar a divislo do
municipio que fr pussivel, mas que para salvar ua
responsabilidade das consequencias que della possam
re-ui'ar, pediria a assembla que lixasse o preri, de
cada urna das portes.
Justifica lambem a Idesouraria da imputaran que
se lhe fez de ler infringido o seu legulamenlo com a
exigencia da liaora em beus de raz nesla cidade cor-
respondentes ao valor de um alinu de arrematarlo ;
o diz que nlo havenlo limitei no dilo regulamenlo
acerca desles bem, procedeu como devia a junta desia
repartirlo fazendo essa exigencia, que conciliou os
inleresses da fazenda com os dos arrematantes.
Sustenta ainda com os fados por elle presenciados,
e rom a mamr iriip i-iluli la le dos colluios. a pre-
ferencia do syslema de propostas por cartas fechadas,
ao de pregie ; e voliando a queslao da divislo do
municipio do Recife para a-arremalarlo, suslonla
lambem com os principios que davia cilado em oulra
occaaiao, que as divisos para a arremalarlo do ira-
poslo de que se Irala, devein ser prvjudiciaes a fa-
zenda, e o prova com a arreinalaclo do Iriennio ul-
timo da exmela Idesouraria, que sendo fela englo-
bada por urna sii coropanliia renden 122:(it0i, leudo
dabi perdante conseguidn-se smenle 104:7009000,
por ler o governo ordenado qua fosse fela pur mu-
uicipios e comarcas,
Conrlue declarando a assembla que eslara' pela
soa dcliberae.lo, qualquer que seja.
" 'r" J." *ierrcl'"'i'> diz que acaba de cliegar u se-
nbra comp.iroc-ro :\ esli reonilo todas aquellas pessoas
'oe se Interessam pela prosperidade desla provincia;
embora Dom todos lanham rccehido convite para
i'Io, pois que o lempo nlo den lugar a que se es-
leadessem os avisos em maior escala.
&
itmmnniHtoo.
PARAHIBa.
.S'r.s. Redactores. Nao era de minhas inlencoes,
e nem sena, levar ao cuuhecinieulo do publico do-
tadlos dos meus semelbaules, ja em razio de um de-
ver sagrado, a mis comrnellido e exemplificado pelo
Homem Dos, o3o ser forrado pelo Sr. Manuel da
Cosa Travasto, morador nesla villa do Inga, que li-
rando-se dos seus cuidados, ousou roimosear-me nu
jornal parahibano Imprenta n. 2(> em 12 de maio do
preaeote auno, com os termos: a Se fosse ero Serra do
Ponle desle termo, |bavia ser sepultado nlo em lu-
gar sagrado, como succedeu a uro infeliz, que estan-
do ebrio foi morlo a ordem nao aei ae do capelln,
sacristn, ou o cao, ou cousa que acaba em So, foi
eulerrado fora da igreja, a diziam aqnelles cima
que acabara em Sn, que quem moma ebrio e nlo li-
nda rosario no pe-coco, era excommougado e nlo
devia se enterar na igreja incerlos em sus cor-
respondencia contra a illustre cmara do mesmo
Inga.
Nao val a pena que o Sr. Travisto envolv em
suas pagiuat sem luz e cavilosas, um t.i apouco id-
nea ministro do aliar, coja ignorancia o acanita, cu-
jo aeinhainentu o Iraz sempre esquecido do publico
e arredado da sociedade dos grandes homens do se-
culo, cojas acedes o na i divulgam, e do cojo despre-
zo se nao colhc vanlagem : mas assim mesmo carre-
gadu de fraquezas nlo euconlra capacidade e iulelli-
gencia com quem posta razoar. sim soinenle o gran-
de nomo de Manoel da Cosa Travieso.
Ha de admirar, e pasmain todos ao ver a audacia
do Sr. Travasso em aproximar o capelln da Serra do
Ponle a urna tal aeran criminosa, de Idsds de 7 an-
uos de oiigem condecida por lodos, julgada e pu-
nida e nlo he fcil colligir-se por que principio e
motivo aborlou seroelhante idea ; quando he cerlo
que o Sr. Travasso esta intimamente convencido de
queo dilo capelblo nenliuma parte tem lidoem loda
sua vida rom acroes de tal ordem, e muilo deseja e
roga ao Sr. Travasso qne produza easa ua asserco
pela allirrnativa, afim da arrancar de soas mesraas
cusidlas provas aulbeolicas para se innocentar ao
publico : pode, sim, e receben! por um favor espe-
cial, que "- Va, se he homem ; porem er-se que
nlo que desla vez. Vamos adianto.
Tomara, |. vastara, o Sr, Traaaaao eemeitianle
re vjoc-n. por alguma odiosidade '.' creio que pie ;
porxque nunca livemos dissen^oes, anda pequea-,
aun-- nos (eraos comportarlo com alguma eslima eal-
lenrlo seria por considerar que eu devia estar des-
couieule pelo .sr. Travassu me nlo ler embolsa'o o
que me compele por direito de mintia assi-lencia no
enterro do sea finido p.ii, solemuisado em dias do
mez dejulhode 1851, e em oulro igual de um seu
illis. solcranisado em dias do mez de fevereiro de
1856 '' nlo pode ser ; porque, se assim o fosse, devia
e podia euien ler que indemuisaudo-me ( c he o seu
dever, embora nao gosle de o fazer ) lornar-me-hia
de boa iulelligencia : seria com o lito de deamere-
cer-roe para com o publico '.' lambem nao ; porque
esle o nlo recouhece habilitado para tal, em razio de
lhe uao merecer o mtnor concedo. Talvez seja por
algum vol, que lenha feito aos seus dolos, de in-
Navios entrados no da 7
Babia6 dias, garopeira nacional l.ivrarann, de
10 toneladas, meslrc Custodia Jota de l.emos,
equipagem .">, carga charutos e Masa gneros ; a
Antonio Luiz de Oliveira A/.evedo. Passageiro,
Pedro Celestino dos Sanios.
HavreIS dia-i, barca franceza Cailhasena, de
225 toneladas, capillo S Martin, equipagem 12,
carga fazeudas e mais gneros; a N. O. Bieber
& C. Perlence ao Havre.
Grangmoalh52 dias, biigue ingleujuniala, da
218 toneladas, capillo John J. Meibiiich, oqtit-
pacera 10, rarga Inlhos para a e-liada de ferro ;
a Ralbe >\ Hi toul.ic. Perleuce a Liverpool.
Navios sabidos no mesmo dia.
Para e porlos intermedios Vapor brasileiro uS.
Salvadora, esasmandaola Ponle Ribeiro.
Valparaizo Barca iugleza -Jane Aune, capilao
toiarle Morln, carga assocar.
l.i-lini llrigue porluguez Relmpago, capillo
Bodrigo Joaquim Correia, carga assucar, mel o
algodao.
Sahio para Tundear no lame L'ar. a barca americana ullanuak Tboreston.
Navio saludo no dia S.
Rio tiran le do SulBarra Innsilein uMalhilden,
capillo .ler.inv mu Jos Telles, rargr assucar.
1&Mtt#&*
ALGUMAS PALAVRAS AO SR. CALMANTE DA
CIDADE DEC.OIANNA.
Iloslamos e approvnmos mesmo que si censure a commodara lodos desle termo, inda mesmo os san-
aste no aquello IndividoO, quando elle se descarreia
do nmhihn qne deve trilhar, c .-anda mais approva-
mos eapplandimos qualquer censan bem eulendda,
lodas ns vezes que esta se dirige a corla calbegoria
de peisoas, as quaes pela sua posirao e func^es que
exercem, nos devo inspirar urna plena Maanea.
Sendo verdadeiras astas nossas ideas, nlo pode-
mos ler sem indignarlo o trecho da correspondencia
de timanna, cuja epigraphe heo que vai por Goian-
na ana Id de maio, e cuja assignalura he o Calmante,
relalivu ao bolicario Cooce;.lo ; onde sa diz que
elle lem vendido massa caustica por pomada alvissi-
ma e triucal por saLde glauber a pooto de ler causa-
dogravesdainuos,e islo porque Baccho Iheliraoseuso
algumas vezes, como he voz publica, sendo smenle
dignos de louvores os senhores Leocadio e Crespo.
Sim, pos-uiroo-nos de loda a indignadlo, por ver
que o Sr. Conceico nao merecia to acre ceusura.
Conhecemos ao Sr. Cunceirio ha muitos anuos, e
seudo elle mais anligo ua pharmacia rio que os dons
predilectos do Sr. Clmame, ainda nlo ouvunos a
menor queixa contra elle, e muilo menos ainda ou-
vunos fallar qae Irocasse um remedio por oolro, op-
prunido pela lura de Baccho, o qui temos ouvido
dizer e sabemos por experiencia propria he qua o
Sr. Conceiclo, he pasaoa muilo alleuciosa, levando
a -M ni n-il i ao mais alto grao, sendo muilo boro
pharmaceulico, tendo sempre desempinhado muilo
bero a sua profissjo, e desaliamos ao Sr. Calmante,
ou alguero, para que rile uro s faci que desaire a
reputarlo que o Sr. Ciiceicao tem firmado no ex-
ercicio de sua arle, devendo citar as especies de
damno, e as passoas que lem solTrido coro as prepa-
rar,cs do Sr. Conren.-ao, e nao como fez vagamente.
2:350,000
6:864,00>
*:t>.V.l,HO0
4:210,000
i:59i,000
guinle ollicio de S. Exc. o Sr. presidenle da proviu- e lundado no dizem ; e emquanto nao o lizer ser
cia, prorogando al o da (> de juubo as aess6es desla | lido por leviano, por acreditar em enredos desle,
ou daquelle deiafeir,uado do Sr. Conceiclu.
assembla.Inleirada.
O sr. P. Baptitta pela ordem diz que a commis-
sao enearregada de levar oa actos a anecio de S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, fura recibida com
loda a consideraclo, e que S. Esc. dissera que os lo-
mara na devida considerarlo.
A diseastao lira adiada p'ela hora.
O Sr. Presidente leudo marcado a ordem do dia,
levanta a ses!3o as I horas da larde.
PAGINA AVULSA
-^L-uIS 1LL2
Da indilTerenra em objeclos de religilo be que
nasce rommumenle a impiedade. Por ahi passei.im
uns italianoseom figuras burlescas degesso,soba de-
nominaejo deSania ManaMenino DosSanio
Antonioele. ollerecendo pelas portas a qoem quei-
I ni lini.innl-1,1.
<&>tvtoni>tncia&.
Iliin. Sr. vigario Francisco Pedro dtt Silva.
l-oi .me- de hontem que, seulindo-me mais allivi i-
do de meus incouimodos, e advertido por um ami-
go, li a vossa conespondencia contra mim publca-
la no Jornal do Commercio n..., e eis a razo,
porque a minha resposla tanto lardou.
Dissestes naquella correspondencia, que eu sou
mo homem. Para a vossa eterna eonfnsls onaroeo
ao respeilavel publico o allealado, qua me desles.em
que iiiioin-to a iniulia conduela, aftirroando-a em
le de p iio.-Ii.
Cilloco-vos, por ionio, em um terrivcl dilemma,
para que o publico vos julgue por vossas propnas
tos de suas igrejas, algum dos quies queira Dos, nao
esteja queixoso.
Ter carecido de sepultura ecclesiaslici o infe-
liz que allude o Sr. Travasso em sua correspon-
dencia, he cerlo, e o mereceu justamente : mas
someule por ler morrido ebrio, e n3o ler rosario
no pe-coro, isto lia invenrlo pura do Sr. Travasso,
ejfllha legitima do seo bello tlenlo; porem nao pos-
so deixur de desculpar sua ignorancia das le-
da igreja, contra asquaes Iraz sempre sua espi-
nbella levantada, leudo por consegoiute rallo de
censurar sua execurlo. O mesmi Sr. Travassos deve
de hora cm aliante saber que licilam'enle nao pude
entrar no templo de Deoa na sua po.iru actual, e
murreodo tal, peior um pouco all inorar tierna-
mente, inda mesmo em ccmtlerio ibeti(n,ido, ltenla
a integra do Canon 21 do Concilio Laleraueiise I. soh
Inov. 3. u Oronia utrius que sexus lidelis, posl-
quaro arl minos discrelionis perveneril, urania sua
salus peccala conleatur delittr, sallem aemel ni
atino, proprio sacerdoli, el injunicam sibi pueuileu.
Iiam slu leal prn viribus ad-mplere, suscipiens re-
verenter ad minos in Pascba Eucharisliae Sacra-
menliuin...., alio quin et vivos ab iogressu Ecclesiae
ar uarlur, el moriens Chrisliana rareat sepultura
e felizmente lhe be fivoravel o desuso, em que cabi-
ram essas consliluir;ries|ad hoc; por que do contrario
dara mais um Irabalhoao nosso parucho em publica-
lo vitando : quanlo mais o infeliz, assim Considerado
pelo Sr. Travasso, o qual ebrio, e obstinado contra
qoem o ferira e legalmenlc prendera, rnorreu alera
de rae na con-lar. e a mualos, de sua obediencia aa
leii da igreja, frequencia ans seus ollicios sacrifi-
cios, e participaran dos seus Sacramentos J Cale-se
la o Sr. Travasso, ou venha provar o Contrario ilisso,
para enfilo couheccr-se da injuslir que lizera a' lal
infeliz, mandando-j sepultar lora da casa sagrada,
o capelln da serra do Ponle, parocho desla freue-
zia naqueile lempo, e que assuu leudo procedido,
obra'ra contra as dispu-irns das leis da tgreja.
Desculpe-roe, senhores redactores, a uiassada de
uro seu allencioso servo. O capelblo da serra do
Ponle Hermenegildo llerculano Ernesto Vieira.
PovoaeS.0 da serra do Ponle, 1 de junho de 1857.
O lllm. Sr. contador da
provincial, servindo de inspector
tbesouraria, em virtudede resoliiro da jun
la da fa/eiidii, manda fazer publico, que de
conlormidado cora as leis, c regula ment em
vigorperante a mesma junta, devein ser ar-
rematados pormunicipios e conurcas no dia
10 de junho proximovindouro, os impostos
seguinles :
Municipio do Recife.
39500 reis sobre o gado morto pa-
consumo, avallado annualmen-
te em 60.502,000
Municipio de Oiinda.
2;500 sobre o gado morto pr.ra
consumo, dem dem por
Comarca de Goianna.
2S",,0 rs. sobre o gado morto para
sumo, idem dem por
Comarca de Nazarctli.
rs. sobre o nado morto |ia-
.- consumo idem idem por
Comarca do Pao d'Alho.
2 500 rs. obre o gado morto para
consumo iuem dem por
Comarcado Cabo.
2--;>00 rs. sobie o gado morto para
consumo idem idem por
Comarca de Santo Antao.
29500 rs. sobre o gado morlo para
consumo idem dem or 8:080,000
Municipios do Rio For.noso
e Agua l'reta
2;500rs. sobre o gado morto para
consumo idem idem por 2:657,000
Municipio de Serinhlcm.
23500 rs. sobre o gado morto para
consumo idem idem por 590,000
Municipio de Iguarasso'.
Arrematados conjuctamei :
2500 rs. sobre o gado morlo pa .
consumo idem dem por
Impostos a cargo da collecl i a-
valiado por auno em
20 0|o da agurdente idem id n
Comarca ,do Limoeiro.
Arrematados conjunctamente:
27500 rs. sobre o gado lalhado pa-
ra negocio e dizimo do mesmo
gado, arrematado annualraen-
Dizimo do gado cavallar
te em
Impostos a cargo da collectoria a-
valiados por aunoem
20 por 0|o d'aguardento idem idem
Comarca do Bonito
Arrcmaiodos consuetamente :
2o500 rs. sobro o gado talhado e pa-
ra negocio e aizimo do mesmo
gado, avahado animalmente cm 2:770,000
lacao.
O lllm. Sr. contador da tbesouraria pro-
vincial, servindo de inspector da mesma tbe-
souraria, em i umprimeiito da ordem do
Kxm. Sr. presidente a provincia, de 20 do
correule, manda lazer publico que no alia 18
ue junho prximo viudouro, peraote a junta
da tazenda da mesma Ihosouraria se ha da
arrematar a quem por menos liier a obra da
coucluso do rato do sul da casa de deten-
5o, avaliado em 66:O05r72O rs.
A arretnalacdo sera lena na forma da le
provincial n. 31:1 de 15 de maio da 1854, e
sob as condices especiaos abano rutila-
das. r
As pessoas que se propozerem a esta ar-
rnata^ao comparecam na sala das sekaxws
da mesma juma, no da cima declarado,
pelo meio da, competentcmciite habilita-
dos.
E para constar se mandou allixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da tbesouraria provincial de
I ernaaibuco 23 de maio de 1857.-O secreta
rio, Antonio Ferreira da AnnunciaeSo.
Clausulas especiaos para a arrematar-jo.
1." A conclus.lo do raio do sul da casa de
detcnc.io, consiste tas obras disposUs no
orcameiilo.nn valor de 6h:005;720rs.
2.- As obras scrao coniccadas dentro de
um mez, depois da assignalura do termo de
arremaucao, c concluida no nrazo de um
atino.
3." 0 arrematante na execuco dos traba-
Ihos guiar-se-ha pelo qoe se acho (< ito no
rato do norte, e observara em tudo as prew-
enpeoes do eugenheiro que inspecionar a o-
4.a Os mestres empregados na obra, serio
da approvocSo do mesmo engenheiio.
5.- O arrematante sera obngado a rereber
pelos procos do ore-amento, tudv o material
existente nos depsitos da obra, descontan-
thesouraria tlo-se o seu valor da importancia da prn
da mesma' ra prestaco.
6." A importancia da obra sera devidida
em qutro preslaces iguaes, realisadas nao
pocas estabeleridas no art. 2ti da le n. 388.
7.> Tuto o mar, que se n.lo ochar aqu di>-
posto, sera regulado segundo as diposic<>s
ila citada le. -Conforme, o secretario a. r'.
da Anniini'iac.o.
- o lllm. Sr. contador da thesourarn
provincial, servindo de inspector dajaaciinio
Ihesouraria, em cumprimeiun da ordem do
Kxm. Sr. presidente da provincia de a\i alo
crrenle, manda fazer publico que no da 8
de junho prximo vinduuro, perinlc a junta
da fazenila, se ha de arrematar a qi em por
iiieiio- lizer a obra do cmpedramaaito do ar-
ierro los Afogados, avahado cm ns:'*;! rs.
A arrematacHo ser folla na forma da In
provincial ti. 3I3,{ de 15 de maio de 185.
sol as i'lousulas capuemea abaii mijiaila .
I As pessoas que se propozerem a esta ar-
remalar;ao romparea;am na sala das sessf'aes
da mesma junta, no dia cima derlarado,
pelo rncio da, competcntemcnle habiliudn.
i; para constarse mandou aflixar o preser-
te, e publicar pelo'iarto.
Secretaria da thesourarii provincial de
Pernambuco 26 de 1857.O secretarle, A.
F. da Annunciaco.
1:810,000
460,000
106.000
61,000
3 698,000
823,000
114,000
146,000
612,000
42,000
.voUta.
ra comprar ; nos quer par.cer, que seroelhaule in- palavras, e acres, e assim vos diaa : ou eu
ii.,el,,i> .1... .. ,. ..i. I. I ... I ...!...:_ *\.. _.________! ..
Aproveito a orcasiao para eiplicar-me snbre uina
eniemencu, qua aqui se deu nn me passado.
luliiiinaiido-se os abusos da libcrdado de impren-
U r iii.nellidos por um partido, eu disse que mis,
que haviarnol defendido a ordem publica cm ISI,
tambero fainos responsaveis por exce.-sos e abuses
desie genero.
O Sr. Manorl Caralranli:E que duviila ha.
O sr. p. Baptitta :Nio pensei entao, que um.
proposifao lio sunides como osla, e no inloilo de
riu:ra-ar os aninos, podesse dar motivo a coleuma
qoe, rom grando pozar meu, dous uu Iros aqu le-
vaniiram.
Eu sou incapaz de calumniar e de querer roubar
as [lorias a' alguero e a' mim proprio : slo otcosfM
e-tes indignos de minli?s ideas, c de men hibltoi.
Ponso, com ludo, que bj lorias que ie olilein com
renca sic.riliciii, brilhain mullo mais, quando I 0-
norusldide aamodeatilt slo seus sldeles : c nem
di,i islo como urna nuvidade.
luslria deve ser prohibida pela polica. Ou esses es-
peculatlores ri-quem de laes lisuras uomes lio vene-
randos, ou nao di"in o escndalo de mircadejarem
laea monos por sanios. Pedimos a polica, que lo-
me sobre seu cuidadu acabar com semelhaiile escn-
dalo.
Antes :!e hontem andn pela ra .teosla um
homem ebrio, proferuidn eni voz alia as maiores obs
ceniilades posslvi): nao he i-lo p-rero que uoa sur-
prende, porque a ra Angosta, loppmnof eslar se
pessoa qne repre-enle a polcia :
foi libar, que ilgoni ostadanle
qoe diz o VOHo alleslado, c enllo, hoje me cilom-
niaes por um modo feruz, e indicno de vossa missan
divina, o ou sou realmente mao, como dia-csles em
dita vossa correspondencia, e ent.lo, allirmasles una
falsidade sob a f de parodio, e quem he capaz des-
ta Iralnrlo ios >eus Sigrailos 'devores, he capaz de
tupo o mais. Eseolhei deslas duas j>roposir,(s qual
a que vos couvem, e asseuta mellior no vono carc-
ter.
Na caria, qne dirigales ao Kxm. Sr. censelhoiro
o que noa admiruu i Sergio, presidente da provincia dissesles, qoe eu me
que alias querrm lomei vo-so inuniEo, pelo f.irlo de haverdes lirado
CASIlllOS.
Sobre Londres, 28 df a 60 d.
Paris, 3S8 I*, por fr.
a Lisboa, 95 por % de premio,
a ltio de Janeiro, 2 por 0|n da descont.
Acrlo do banco 50 por rento de dividendo por coo-
l< do vendedor.
o companhia de lieberibe liOtOU por acro
a n companhia Percambucaua ao par.
a Tlilidade Publica, :>0 por cenlo do premio.
ii ludcmiiisadora. 61 ida...
a 1'isronlo de lellras, de 8 a 10.
Acces do Banco, 10 a 45 de premio.
passar por morigerados, acoinpauharam applaudiudo ein concurso a freL'uezia ,1o Ooricury.
esse infeliz, e inauflando-o para que mais genliieus Tenho dn a coropaixlo de vosso espirilo lao ina-
lizesse. e obscenidldes proferisse Oh islo he mui- cessivel ao lemorsn Mo fui eu quem, quando los
lo zumbir do publico Qoeresa fa/er de boom pro-' les propo>lo para a igr-ja do Oricury, vos ollerereu
viocil uina aldea de Mlvageni, onde nao be conheci- \ una caria de pessoa mui cous drada para o Exm,
da alisoliilaiuenle a moralidade '. | Sr. ministro da juslira. caria que dcpuis, uo qui-
Ouro.Olivas bospanholas.
Moeda de 68400 velhas
n a 6p400 nuva^
a o 5000. .
Prata.l'alaces brasileifos. ,
Pesos coluininirus. .
mexicanos. .
288i
283500
llijOOO
1i,-ii
000
izuno do gado cavallar idem
Impostos a cargo da collcctori do
municipio do Bonito idem dem
20 0|n du agurdente idem idem
Municipio do Urejo.
Arrematados conjunclameule
23500 rs. sobre o gado lalhado pa-
ra negocio e dizimo no mesmo
gado, avaliado annualmente em 1:693,000
Dizimo do gado cavallar idem 52,000
Impostos- a cargo da collectoria idem 594,000
20 0|U da agurdenle idem dem 38,000
Municipio do timbres.
Arrematados conjuncUmcnte:
2i?500 rs. sobre o gado lalhado pa-
ra negocio e dizimo do mesmo
gado, avallado annualmente em l:2tl,000
Dilimo do gado cavallar idem em 105,000
Impostos a cargo da collccloria
dem dem em
20 0|o da agurdente idem idem
Comarca de Caranliuns.
Arrematados conjuncUmentc :
-'mi rs. sobre o gado lalhado pa-
ra negocio e dizimo do mesmo
gado, avaliado annualmenie em 2:763,000
Dizimo do gado cavallar idem 80/000
Impostos a cargo da collectoria
dem idem em
20 s iaj da agurdente dem idem
Comarca de Floros.
Arrematados conjunlamenle :
23500 rs. sobre o ga,do lalhado pa-
ra negocio e dizimo do mesmo
ado, avaliado animalmente cm 3:173,000
lii/.iino do gado cavallar ideai
gseuo Impostos a cargo dos collcloros
ncooo
Deaejavamos ah.-r qual o artilla dramtico que *" l"r ">'< allirmasles, soubosles que
r. mi a a farr., que foi no Slbbldo no Sania Isa- ercls rulllc" a|"csenladt) T
bel para lhe dizermoi francanimle, o qua sentimoi 1Sa0 ''" ,lePols ,u S'J'-S parodio du Oricuij.i
a respailo lello. A P'oposilo. iloer nos par cer que! ""' lleiles0 alleslado, de que fallei, c que jamis
a acloal companhia pouco adi-nl-ri, so 80 menosl0. "UU'M"> fssiovosw inimigo 1 Limo pas.
dislanle dquelle lempo ; mas, Hahores, eo nao Arrependi-me, pois, je ter fallado de um passado
ata-lava moni olbis e cuidados de i'ernambiicn, que que lenbo do um dos primeirus a esquece-|j ; e,
era a provincia. i;uc enllo m.is mllrla, e por is-o se as minlias in'.eores nlo foram lio nobrea, romo
nunca hesitei ein apressar-me na manifeslarloIsappua ; pelo menos loram irreprahenuveis '.nuiles
deslas opinies, nao corno um sarrificio que fazia ; | apiados;.
malcomo um dever que ctimprii.
nao powr om assignalura a l.i e -J.:' oralim dos ea-
maroles a 1. e 2. nr em das cadenas: as grandes
empresas se sustentara pelas asignaturas, e anda ha
limri Vimos am eZemplO na emprrza dn Sr. Julo
Caelano. A companhia, ao nosu ver, esi.i iraba-
Ibanilo bem sollrivclinema, porem desanimada pela
visante dos camarotes, Keleva notar, qne squclles
Srs., one nilo livarem a paciencia de ouvir Irabalbir
mal, relirem-s* da plalca, mas nlo prelendam ir-
rasla-la ao grao de urna prara publica, onde be lici-
to aos glllloa assoliiarcm. e oulras cousas pralicarcm
propriai de quem nlo sabe respedar nem a si, ero
ao publico, que nlo pode, e nem deve sancionar ma-
.rottirat. Se querem pitear, palmero, mas nunca
Devo aqu terminar, contfuamlo que em nm as-: Ibes s^r airoso crapregarem mems ignobeis para per-
o desenvotvirarnlo a eslaa inmpto lao delicado orno esle, em que.se os pansa- iwharem a cerlos arlislas. que Ibes he licito liaba-
MaW a ,, oesetnotvimrnto a eslai lomplo lao oeueooo ramo esle, em que.s, 0, pensa- Hubaren, a cerlos arlislas. que Ibes he licito liaba- par vos confundir, oflerero o llestado n. 2 da ca- arca franceza-Fernondo-mercadorias
a5X22SttI2 P 11 "l"' ,,a "" TV il-"m1i,;,,e", f"se,n' ",u,r," vem accumula- Ibarera an.es mal do que faerem parle da eoo.pl- mar do Pajeu, lugar onde na.ci, o lenho vivido 111 B'iguedinamarqoM^M ria- en
Itdide di ele.cau de um dos uossos horaem pubh-1 dos, he bem dill.c.l medir con.lanlcmcot. o alcance I nina do Tiro ou oceuparem-se de oulrai ar- triuta anuos. aropeira-Liviar,-li.mo charulos
lepois de sardes parodio do Oricun.que
me
le-
viano coma uina criaura, vie.les dizer publicamente
a ciuii ollensa do iiuu carcter, que me lornei vo-asu
luuuigo pelo laclo de baverdos lirado a fieuuezia '.'
Dissesle ainda na vossa mencionada rana, que en
dinero publicamente em Uricorv, queo Exm. Sr.
ranselheiro S-.-ruio era Inniirm de caria branea, e lia-
via dado nslrucroes para a ludo o cusi, veucer-se a
elel(aO, e agora dire, que havois provado islo com
alguuiai passoas, sendo eslas, alias.de vossa parciali-
dad!. Oh! Sais mullo incmisiderado Promelles arro-
ganlemente provar um fado com o publico impar-
cial, e aliual para prova delle recorresles as pmprias
pes-oas, de que sois iustruincntu'.' !
Eu sou como saheis, Sr. vigario Inncisco Pedro
um pequeo insecto perdido no po',mis,mesmo issim,
Caixa Filial iiu Banco Brasil
EM 8DEJNHODE 1857.
Directores da semana ns senhores: Joo
Pinto de LeiuOS, o Antooio Marques de Amo-
rio.
A caixa desconla letras a 10 por canto ao
anuo, e loma dinbeiroa premio cm conl'or-
midade com os seus estatutos.
AI.FANDEGA.
Rendimenlo do da 1 a 6 86:6098207
Idero d} dia 8....... 9:9635310
96:572,1547
Descarre^am boje li de juubo.
Itarca im;lezaUomia fero e carvlo,
liarca iiul/aAmateurdem.
Barca laniciaMary Wil-onmercadorias.
i .,'in dem em
20 0|o da agurdente idem
Comarca da Boa-Vista.
Arrematados conjuntamente:
1,500 rs sobre o gado lalhado para
negocio e dizimo do mcsino ga-
do, avahado annualmente em
Dizimo do gado cavallar, ide n
Impostos a cargo dos colle.Horcs
incluidos os aWOg por escravo ex-
portado, avahados .innuulmen-
le em
20 por cento do agurdente idem
Imposto de 20 por ceuto sobre o consumo
de agurdente nos municipios
seguinles:
Oiinda avaliado annualmente em
<>oianna idem idem
Nazareth idem idem
Pao d'Allio idem idem
Cabo idem idem
Santo AntSo idem idem por
Uio FormosoeAgua Pela idem
idem por
Serinhem idem idem
As arremataces serao feitas por lempo de 11 impreusa.
unciacao.
Clausulas especiaes para a arrematacSo.
1. A obra do empedramenlo do aterro dos
Afogados, far-se-ba de conformiilatle cota o
oreamenlo approvado pela directora em
couselho, e anresentado a approvac.ln do
Kxm. Sr. presidente da prnvibcia, na \m-
portancia de 36:96iN rs.
2 a O arrematante principiar as obras rr
prazodeum mez, eos concluir no Je I*
mezes, ambos contados pola forma do art.
31 da lei n. 286.
3.' O pagamento rcalisar-sc-ha aa qnatrn
presUiccsiguacs, cujas tres primeiras. cor-
respoudero aos tres tercos da obra, a nl-
tima licar para a entrega delintliva.
4.' Para ludo o que uo se acha previsto
as prsenles clausulas, seguir-so-ha oque
dispe a respeilo a lei provincial n. 6, e
com especialiade o art. 40 Conforme.O
secretario, A. F. da Annunciaco.
O Dr. Joaquim Francisco Huirte, juiz dos
orphos, supplente em ercicio, na ci-
dade do Recife e seu termo, en virlude
da lei ele.
Faco saber aos que o presente editil t-
rem, que por este juizo, e carloro do e*cn-
vSo i.uimaraes, tem de ser arrematadas tm
hasta publica, na sala das audiencias, por J
pracas successivas, e a quem por ellas maior
preco offerecer, as dividas pertencenles ao
fallecido Manoel Fcrnandes i.uedcs, cons-
lanle da relac.3o seguintc :
Hla(;aodasdiviJas descripUs no inventa-
rio dos hens do finado Manoel Fernandcs
Cucdcs, que sejulgam incobraveis.
Devcdores.
Manoel de Mesquila Tcixeira. principal
juros, vencidos ate 15 de agosto de MH a
quanlia de 352-189.
Mi liitn/ Filippe da Silva, idem ilrm dem,
na data cima, a quanlia de !43-53.
(Unesmo devedor, idem idem dem, na
dala cima, a quaulia de 1:099*344.
Antonio Filippe da Suva, dem idem idem,
na data cima, a quanlia dr 176-91*;.
Jcs Anselmo de Furia Cesar, idem din.
idem, na dala cima,a quanlia de 2.392|S92.
U mesmo devedor, idem dem dem, na
data cima, a quanlia de 2:Hx-ojs.
licmidem dem idem, na data aciaa. a
quautia de 2:845;I50.
Idem idem idem idem, na data aciau, a
quanlia de 2:531/206.
Idem idem idem idem, na dala ariosa, a
quanlia de 2:68&M78
Francisco Connives da Costa, dem dem,
na data cima, a quanlia de 1:1613521
Joaquim de Souza Pinto, dem idea, ata
dala cima, a quanli* de 3 7'.i-o m.
O mesmo devedor, idem dem, na dala a-
cima. a quantia de 2.66l'?630.
Maria Joaquina Pessoa de Melln.idcm ideaa.
na nota cima, a quanlia de 521-250.
.Matioel ['ereira dos Sanios, nem i lem, ni
dala acuna, a quantia de 371-929.
I.urz Kranciscj II rbalho, dem idem. na
data .acuna, a quanlia de 21.1-719. *
Jofto Convalves da Silva l.uimer.ics, nlrm
idi m, n data aruna, a quanlia de I i;ta, ,
Joaquim liernardo Vieira i.umarScs. nlrm
idem, na dala -icima, a quaulia ale MSf7tt.
Amonio Machado da lloclla, dem dem,
na quantia de 717/327.
I.u.z Vin-Mmo, principal sea juros, a
quantia de 200-uOO.
Th ima I liipe da Si .va, idtm dem, a
quanlia de 133/980.
Francisco llibeiro Viauna, i Jcm dem, a
quanlia de 3:3103036.
As quaes v.lo a prara a rpi|uerimcnlo de
Antonio lloleiiin Pinta de Mesquili, invcnta-
riante e lestamcnteiro do tinado inventara
355 000 do Manoel Fernandos l.uedes, para do seu
81,000 liquido producto, ser pago o respectivo s*l-
80.000 lo de herancas c legajos.
96,000 Esta se passou por ben* do meu interinen
56,000 lorio, proferido nos autos do respectivo in-
254,000 ventano.
i para que chegue ao conheciaoento de lo-
52,000 dos, man .ei la vi ar o presente, que sera af-
34,000 afaaio no lugar decoslume, e publicado pe-
311,000
38,000
451,000
60,000
:ii-,nuil
999,000
40,000
3:091,000
209,000
1:442,000
31,000
f
i
MUTILADO



DIARIO DE PERNAMBUCO TERCA FElttAll DKJUNHO DE 1857,
Cidade do Kecife 2i) de maio de 1857. O
bacharel, Joaquim Francisco Duarte.
O l)r. Polycarpo Lopes de I.eSo, chafe de po-
licia, e auditor de mariuha da provincia
de Pernambuco, por S. M. o imperador,
que Dos guarde etc.
Faso saber aos que o presente edital vi-
rem, _qua no dia 17 do corrente mez, se ha
de urrcinatar por venda, a quem mais der, as,
11 horas da manhaa, tiesta auditoria de ota-
rinha, os seguintes ohjectos, perlencentes a
presa do palhahote negreiro, apprehendido
na barra de Serinhaem, e recolhidos no ar-
senil demarnha, onde poderao ser exami-
nados pelos pretendeutes :
Urna vela de re, urna dita de proa nova,
outra dita da bujarrona usada, avahado?
por IOS rs.; urna ancora de Ierro, sein cepo,
avallada por 211/ rs., urna panella de Ierro, a-
valiada por i- rs., uin cainarolo de vento, a-
valiado por 2j rs., 22 toneis para agua, sen-
do 12 abatidos, avahados uns pelos oulros a
ljOOrs., 2 mastroscoin suas enxarcias, 12
malaguetas de madcira, c 1 carntel de por
a barquinha, avahados por 5o rs., 2carau-
gueijas, 1 retranca, e 1 pao da bujarrona, a-
valiados por 59rs. : que tudosomuia a quau-
tia de 1059000 rs.
E para que chcgue ao conhecimento de
todos, mandei lavrar o presento edital, que
sera publicado pela irapreusa.
Dado e passado nesla auditoria demari-
nha, da cidade do Kocife, aos 8 de junlio de
1867. Eu JoiJo Savatva do Araujo Calvo,
escrivuo o escrevi.
r. Polycarpo Lopes de Leo.
$**!*&;(";*.
uleiiftii por lempo a tiecjrreralo Un le junho do
auno prximo, neressarios a enfermarla ds mari-
uha e aos navio* da armada, c tninhem da contratar
o fonipciiuenlo de arruz, a^uardeolo, avocar bran-
do, azeitc doce de l.i<*lnja, bacalbo, earne ->>,
cale etu grao, farinha de m intlivca. l>jao. hI, lou-
ciiiIki de Liiboa( vinagre, azeile d carrapata, vela*
stearin i-, pAu, bolacha e carne ver le, :<: e-tes
genero* da rnellior qualldade para oconinmo da en-
fermara de marital, navioi da armada e pradal
quer da barca de eveava^ao como do araaiiel -ib ma-
rinlia, 110 (rimetlre a lindar em o ultimo de selem-
bro do corrente aun ; nnnda o menino eoOtelho
fazer publico que tu lo is>o lera1 lugar no <)ia SI <*<>
correle mes, virta le propeatas recebidu ato
11 horas da manhfla, as qoaei declare-se o pre$o ..
tito pelo fbrnecimtnlo de caria un dos objeeloa. Sala 1 -
docoMelhe <1e admmiararo naval em 3 da juuhoJOlOS. so
de 1837.O secretario, Alexaudre Rodriguei dos
Aojos.
O lllm. Sr. Inapeetor da tlieaooraria provin-j
cial, insuda fazer as acumule* deelara{oea para co-
nheeimentfl los pretendeutes as .irremalaroes do*
impoatoa que vao a prega no do crrenle.
Ia (jue us arrematantes devem presentar aj junta I
l o
LEILA'O
que faz o agente Pestaa por conta
quem pertcncer, de II pipas com vinlio
da Figueira : piarta-ieira H> do corrente
as I !> horas da manhaa em ponto, 11a nor-
ia doarmasem.do Sr. Anuos, defronteda
alfandega.
LEILA'O DE M0BILIA.
O agenta Pestaa fara'leilo por conta
de VNDESE NA LIYKUUA DA 114(1 H IMEMttl \. I E8.
40 VOLUMES DA OBRA ABAIXO MENCIONADA.
res
res
O illuslrissuno Sr. capullo ao porto, rcfui iu
se ,i urna commuiiicarao ollicial, que recebeu do
commayJo da eslagio naval, Calada de lioutem,
inauJj -fazer publico acbar-se balitado o porlu de
Tainandarc, em cumprimenlo iie uiua das disposi-
coes do aviso imperial de 5 de novembro de 1835,
leilo eale trabalho mu receultmeule pilo brigui de
guerra nacional Cearose, seudo que a boia eala'
collocada na fralda do lado -lo canal dtuouanado
baila pequea, dentro dos picoes dn Kecife, na la-
liiude 8- 44' 18" sul, e laagilade 35- V 30" O C-w,
demorando o lorie de Tamaudar por 21 N. O., na
dislaucia de orna nuil, i, e a pona das I Hielas por
'.ii' S. O na distancia de nina e meia ; rumos Var-
tl.il-.ru~; e xi* 11 ii-l .i em prt-amar um fundo de sete
luai. is no lugar da boia e de 2 1|2 em cima do
balso.
Opilania do porlo de Pernamhoco 5 de junho de
187.O secretario, Alenaudre Ito.lriuues dos Aojos
Hela mesa do consulado provincial se
faz publico, que os 30 dias uleis para o paga-
mento, abocca do cofre, da decima dos pre-
dios urbanos, das freguezias desta cidade, e
da dos Afogados, se principiam a contar do
i.' de junho prximo vindouro, lindos os
quaes, incorrem na multa de 3 por cento,
lodos aquelles que deixarem de pagar seus
dbitos, nos referidos 30dias. Mesa do con-
sulado provincial de Pernambuco 27 de maio
de 1857.Antonio Carneiro Machado Rios,
administrador.
CQNSUUDO DE FRANCA.
O cnsul de Franca nest provincia lem
( bstanle interesse de ter alguma informado
ou noticia de urna senhora franco/a por no-
me Mara Papillon, que veio ao Brasil em
1830 : as pessoas que possaro dar alguma
informacSo da mesma, leaham a bondade de
a communicar neste consulado de Franca.
O lllm. Sr. contador da thesouraria
provincial, servindo de inspector da mesma
thesouraria, manda fazer publico, que tendo
a asserabla legislativa proviucial suppri-
mido na le do ornamento para o ejercicio
de 1857 a 1858 o imposto do di zimo do gado
cavallar, n3o ser o mesmo imposto inclui-
do as arremataces annunciadas por esta
thesouraria, para o dia 10 do corrente.
K para constar se raandoa allixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco 6 de junho de I857.--U secreta-
rio, Alonio F. d'AnnunciacSo.
O i-un.cilio adminislralivo do patrimonio dos
orphaos, tem de levar a hasta publica em a sala de
suas sessoea do dia 12 do correute, as rendas das ca-
as do mesmo patrimonio, que licaram por arrema-
tar m aprac,a de 5 do correute, e bem assim man
oulra pane das menciona las casal abala*) declaradas, I'
por lempo deom auno,que Ir ii de oecurre de 1 de .
julho proiimo futuro a 30 de juulio de 185*,segandol4
o|qua >ll>|H>.fn o. mis. _> o 29 do reguUiiienlu un?
m- -i a saber :
Numero*.
Ili'.II Casa do uro andar, ra-da Cidaia do Ke-
cife 8.
2818 Ca terrea, dem da Madre de Dos reis
PJ/600.
. 29 (i Dita dita, dem dem i'.M-.
398 Dita de doui andares, dem dos Torre reis
>G700.
55!21 Dita terrea, idein d'Amorim IIOJIIO.
BU Dita dila, dem dos Burijos 8'J;'J2U.
y U:i.i dita, idem idem 76/190.
"I^ Dita de tres andares, dem do Vizario res
61 (lio.
8116 Dita terrea, idem da Seiuaa-Vellia
1325110.
8127 Una dita, idem d Guia 110*220.
87I' Dita de dous audares, dem da Cruz
1719630.
8821 Dita dito, idem idem 563*660.
8030 Dila dita, dem idem .ViO/bbO.
0012 Dita dita, idem idem 5249150.
01105 Dila terrea, idem de lora de l'ortas res
1419160.
92-103 Dita dila, dem dem l I- w;o.
93-1U1 Dita dila, idem idem 1419460.
O99 Dila dita, idem idem tllgili.
9589 Dila dita, idem inern 198/660.
9t> 2 Dita dila, idem dem J-Oirn.
07lio lula dil i, dem dem I il-'ii.'i.
08108 Dila dita, idem idem 1419460.
90-106 Dita dila, idem idem 111 -',. i.
100-104 Dita dita, idem idem 1419460.
01-102 Dita dila, dem idem 1419460.
102-100 Dita dita, idem idem 1419460.
10398 Dila dita, idem idem 1419460.
10196 Dita dila, idem idem 1419460.
10591 Hila dita, dem idem 111516o.
Os licitantes liajam de comparecer com m seus
fiadores em a sala das sesaes do mesmo con*elho as
II horas da manhaa do meiicionado da.
Secretaria do coitelho administrativo do patrimo-
nio dos orphaos 6 de juuho de 18">7.O secretario,
Maiioel Antonio Viegas.
CONSELI10 ADMINISTRATIVO.
O consellto administrativo, em cumpri-
mento do arl. 22, do regulamenlo de H de
dezembrode 1852, faz publico que foram a-
ceilas as propostas de Francisco Maciel de
Souza, Domingos Francisco l'.am ili i, Jos
"Hogueira de 8ouza, Rodrigues & Itiheiro,
<>uilherme da Silva Guimaraes, Jos Francis-
co Lavra, Carvalho & Silva, Siqucira cv Pe-
reira, Antonio Fernattdes da Cosa l.ima,
Joaquim Mendos Freir, e Manuel Antonio
Teixeira, para fomecerem :
O i.'- 404 pares de sapatos, feitos na pro-
vincia, a l980j rs., 075 esleirs de patita de
carnauba, a 24/ rs. o cento.
O 2." 35 bonetes com o numero de metal,
para o 9.* balalha de infamara a 19100 rs
O 3." 1 livro de loo follias do papel hollo-
sla pautado, pori9n., I dito ue dito de 150
folhas por 109rs., 1 dito dito de 200 folhas
pon 49 rs.
_ 04/ 6 resmas de papel alraacoa 3/300 rs.,
759 duzias de boles brancos grandes, a 240
reis a grosa, 433 duzias de ditos pequeos a
240 rs. a grosa.
05.- 2100 varas de brim branco a410rs.
O 6.; 743 varas de brim branco a 420 rs.,
35 mantas de laa a I56OO rs.
07- 2343 Varas de algodiozinho a 180 rs
0 8.- 229covadoa. de panno preto, a I98OO
res. ^
O 9.* 4 ornamentos completos, para o sir-
vi da igreja matriz do presidio de Fernan-
do, sendo encarna lo, verdee branco, e roso,
a 589 rs.
O 10." 760 duzias de botos pretos "randes
a 210 rs. a grosa, 2 caivetes para aparar pe-
nas, a780rs., 72lapis a 200 rs. duzia,6
garrafas do tinta preta a 440 rs.
Ol.- 400 alquciresde cal preta,aisOO rs.
37 ditos de dita branca, a!20rs., 1f canoas
de areia, roiilcnd1) cada unta 6 cariocas a
5/ rs., ludo posto na obra.
Bavisa aos suiradilos vendedores, que
ileveriio recolher os respectivos objeelos, ao
arsenal de guerra no dia 12 do corrente inez.
Sala dassesses do consellto administrati-
vo para fornecimento do arsenal de guerra,
8 de junho de 1857Bernardo l'ereira do
CaiHN Jnior, vogal o secretario.
~- Tela collecloria da cidade de 01 inda se
faz publico, que os 30 dias uleis p*ra o pa-
gamento da dcima dos predios urbanos e
mais impostos desta cidade e seus subur-
bios, se iirincipiam a contar do i.- d8 junho
prximo vindouro, lindos os quaes incor-
rem na multa de tres por cento todos aquel-
es que deixarem de pagar seus dbitos nos
referidos 30 dias. Collecloria de Olinda 30
de Maio de 1857.0 collector,
Francisco dasChagas Salguero.
Tendo o eonselho de administraran naval de
aeuma pessoa que se relira para lora da
provincia, de urna e\cellenle molnlia de
consistudo em cadeiras, c ni'sa redonda, assim como
oulros movis de amarello, trens demesa
dejantar, almoro, e de cozinlia : terra-
feira 12 do corrente, pelas II horas da
manhaa, ua ra do Pilar n. 50.
Isaac Curio & C, lano leilSo cm pro-
no acto da arremala.. io os eus Madores, ou Jarlas '"enea do Sr. cnsul de HambugO, por iu-
deMea.raconbeeidu c'selladas em que derlaretn.que j tervcnciio do preposto do agente Olivcira, e
se pre-Lni a I.hujh. conta e risco de quem perteucer, de porcSo
2> Que as propoilai para ai arrematarei devem de lazendas avariadas a bordo do navio in-
ser laucadas no crrelo no da da arreinatacio, cm '. glez Floating Oud, na sua recente viasem
rotulo declar indi) a arrematarjo que se pretende. ( de Liverpool a este porto : terca feira 9 do
sendo una propoila para cada arremalarilu .,. i "*"""" ""
E para constar se Inaujou allixa o prsenle e pu- I ', correl,l,!. "<>'" d ^.
bi.cr pulo oiariun. v v armazem ra da Cruz.
Secretaria da thesouraria provincial de l'ernan-' O preposto do agente Oliveira far le-
buco 8 de junho de 1857O secrelario, Antonio 1". lo por ordem e em presenca do lllm. Sr.
d AnuunciaSao. C0I1SU| aos palzes BaiXOS, por lulorisaco do
n7 2 corrc"'5C '\z Pul,licu-; lllm. Sr. inspector da alfandega, com assic
em ponto. risco de quem pertencor de um chronometro
I'ela'adminislracao do correio se faz. poltico, i um sextante,agulhas.uma lanchacom o coin-
que as malas que devem ser conduzidas pelo vapor j plente veame e mais preparos, um cscaler
cosleiro KlgoaratMU para os porim da l'aralnha, Itio ] cun remos ele aoutros objectos salvados
trandedo Norlee Cuara', fecham-se amanhaajll
do correle, as 2 horas da tarde em ponto.
THEATRII
DE
Hmu Lsai
QUARTA-FEIRA 10 DO CORRENTE.
Beneficio
de
ANTONIO JOS' DUARTE COLMMIA.
epois que a orchcslra livor eveculado orna de
suas ouverluras, subir a sceua em repetirn a come-
dia em 3 actos inmolada
ap-
para
cm
es iiis luimos.
A socieda le dramtica por ver o quanlo foi
plaudida esla comedia he que lauca ino della
preencher este espectculo.
Finalisar o espectculo o lindo vamlcvillc
um aclo anida nao representado ueste (healro.
mfAWk m: m aarisio.
\ ai com toda msica com que foi represeutado
em Lisboa.
A aociedade dramtica tem envidado todas as suas
forjas a !m de ver se por etta maneira contenta ao
respeilavel publico, nao s laucando mo de come-
dias que depeudem de uraudes dtspezat, como tain-
bem de vaudevilles cuj^s msicas se lem tornado
bastante dispendiosas, com ludo anda n,lo se aeltam
esmorecidna visto e^perarem ser coadiuvado* por es-
se ini'sin > publico qrte a tantos em ideuticas cir-
comstancias tem protegido.
Priucipiara as S horas.
da barca hollandeza Cornelia, incendiada
na altura do Gamela da Barra-Grande, na sua
ultima viagsm de AmstenlSo, com destino a
Haiavia : quarla-feiralO do corrente, as 10
horas da mtuhtia, uo trapiche da alfandega.
- O agente Rorja, de ordem do lllm. Sr.
Dr.juiz de orphSos interino Joaquim Fran-
cisco Duarte, segundo o seu despacho de 27
de margo pioxiuio passado, exarado em re-
querimcnto de D. Mara da ConceiQSo Ferci-
ra, inv''tilariante de seu lilho, o Sr. Dr. An-
tonio Francisco l'ereira de Carvalho, fara
leilSo em seu armazem, na ra do Collegio
ti. 15, de um excellente piano de Jacaranda,
moderno, urna ptima estante euvidraenda
para livros, outras muitas obras de tnarci-
ncria, varios vidros, e divorsas jolas de ou-
ro, brilhante e fioissimas perolas, bem co-
mo aderemos completos, polceiras, allinclos,
argolas e brincos, garganlilhas, atinis, vol-
tas, trancelius e urna porcJIo de livros do
direito e litteratura, etc etc., perlencentes
ao neto da dila senhora cima, do quul he!
ella lu ora, cujos objectos se aclidin ptenles i
no referido armazem, e serSo entregue pelo
maior prego oll'erecido : quaila-l'cira, 10 do
corrente, as 11 horas cm ponto.
O agente Rorja, em seu armazem, na
ra do Collegio n. 15, fara leiliio de diversas
obras de marcineria, bem cuino um ptimo
piano de Jacaranda, de armario, una excel-
lente mutulla de Jacaranda, varias obras
avulsas de marcineria, vidros para sala, ob-
jectos de pincelan-i, e outros muilos objee-
los, ele. : quarta-l'eia, 10 do corrente, as 10
i [2 horas da manhaa.
9 5 ;.>
M ii:iioii:i:s COUPLETS F.T AlllIKSTIutES ni. ni i: DE SAN T SIMN m 11 l MU 1 B DI LOI IS \|V l.l 1 A III.I.I..M f. AVI C 1(1 PORTBAITS e> iaii i r. non r:
3) PARS, ItQSa 0
i e a i
www vvx^vv
MI.MOIHES
SAIM-SIMON
vx\w\***vw
C i 3
XMXVWW**
I'AKIS
\.X-WW%>.V\Vk'V
is::t.
WVXakaMM*
& i j .
i slKHOKIlN COMPLETASE AITIIKNTIC.AS no M Ql K Di: SAN-SIMA O lu .mim '" ni: 11 lz \H K A liei.L.NCIA. .i,.,, i n. 1.. ORNADA DE '0 RETRATOS I.AMINAII'IS. PARS,
09 i:,r.. 03
a ej a
iLoeria
D.
vincia.
Lotera
DA
Provincia.
o
da
'Hixo assi^nadn ven-
de bilketes garantidos, \)e-
los precos abaixo notados,
(|ii;tnti t de crin
para cima, ; t-
vist*i, em seu es-
, na ? ua da a-
dea do iiecife n. SO, pri-
ineiro andar*
Bilhetes.
Molos.
Quartot.
sendo
mil ris
nlieiro
criptorii
Oliaixn assignado vcuJcu os scguinle^
premios :
1 me i.i \ amero 2325 500-
J ruailos 1'i"5 100/
1 nicio a MU M|
1 billiete V a ion-
2 quarlos > 92 Mi
I 1 ICIII .. U'l 50-
1 dito J 1M 50|
1 l'ilbele 15'.i M|
^pS?>
:. : ....?.
companhia
Periianibucaiia
to&ri, &&*(*&&.
ROTEIO DO THELEGKAPH
Na livranans. 6e 8 da praca da Indepen-
dencia ha para vender o roteiro do thelegra-
pho, novamente reformado, com o nome dos
vapores e nutras c.-nbarcaces que deman-
dan! este porlo, a 210 rs. cada um.
Soeicdade d va pares ham-
I)iiri>ueze8
Hainbiirg-o>brasileira.
^pera-se dos portu dn Sul, no dia \> ou 1:1, t
s"~"e depois da demora do contume, para llamburgo
''1' Lltboa e Soutampton, o vapor lORle tiolden-
'''e : quaesi|iicr mluines e ma*Ul devem ser
"renoeu na agencia na na da Cruz D. 1, daaa lio-
'" ules de se fechar a mala.
ociedadede vapores hanv
burufuezes
Hambur^o- Br sileiri.
Eipera-ta de liaoobargo no dia 15 do corrente o
vapor hamborgaei l'elropole, e depoi, da demora
dn soltme fenue para a llaliia e Itio de Janeiro
ouaesiiuer inlonuar.iei lie rom os aaenles na rna da
t.ruz n. i.
Perneras superiores.
Na ra da Calea do Itecife n. 35,lojl ele Pereira
& Haltieui, veinlem-c perneiras ogleai superio-
res de iMiiro de luslre. as melliorea que lem appa-
recido nesla mercado, sendo pieferiveis a borracha,
por preco commodo.
\ en lemse lre< casas terrea, novas, muradas
e com caeintbu, urna na ra do* liuararapes n. 1 ,
e duas na raa do llrum : a Iratar coro o agente Pes-
ma, na roa da Cadea do Kecife u. 55, ou na ra
dos liuararapes n. 20.
\ eiiile-se iiin molan, de 17 anno, e. urna ne-
sriuha de 'J : na rna da l'enha n. (i, segundo andar.
Precisa-se alugar ineiisalmente uina cana
que pe^ue de mil lijlos para cima, paja-se liem:
quem livcr anuuiieie por esla foilia.
Do sitio do Sr. Manoel Joaquim Carneiro Leal,
na rna .los Pires, fugio um lioi e de nnmn laranja,
quem delle soulier, ou der noticia, sera recompen-
sado.
Na ra eslreila do Rosario n. 25 primeiro an-
dar, vende-se urna escrava crioula de 35 annos. que
engoma liso, CMioha e lava de sabao, e faz todo o
artigo lano de casa como de ra.
Airenda-se ositio n. 120, na ra Imperial a
tratar no mesmo, ou na rna da Cadtil do Itecic
i>. 9.
Grande sorti-
mento
Aterro i Boa- ista n. l,
defronte da boneca
Jos Joaquim Goatjalves da Silva faz ver \>?o at este dia, deisando por seus procu-
:.sH)0
2700
l.s.V.l)
Lnyme.
Dcu-so para conduzir a um preto duasl
estantes de missal, o qual dcsapparereu com
ellas: rnga-se a u.uem l'orem ollcrecidas, leve
a livraria n 0 e 8,da praca da Independencia,
que gratifica-ce.
--- JoSO Teixeira de Souza Lima, por ser |
inuito necessario ir a Portugal a tratar de '
seu negocio, deiundo aqu as suas casas I
de negocio, taberna e padaria, entregue aos
seus inleressauos, gvrando na im. lrma !
aos seus fregue/.es que recebeu boje tres
facturas grandes, sondo urna ingle/.a, urna
l'rance/.a e urna portugueza, conlcndo um
graude sorlimenlo de gneros de motilados,
os quaes vende muito barato, bucetas com
docec pera proprias para presentes, marine*
lada em latiulias de tolos os tamaitos,
quartos de marmello, mama de tonales em
latinbas de 1 c 2 libras, toucinho de Lisboa
multo novo-a 12? a arroba, chouricas a 15-
a arroba, presuntos para o cozido ou assado
de Lamego lj a bUO rs. alibr-,presuntos para
Hambre inglez. queijos loulriuos ds 5 1|t
libras muito frescaes, conservas inglezas,
nal refinado lino, latas de bolacliinna de so-
da, ditas doces do todas as qualidades, ta nto
cm poicSo como a retalho, concervas ali-
menticias de Lisboa, latas, muias, e quartos ;se,lte-
radores .Manoel More ira da Cesta e sua se-
nhora I). Luiza Hara da Costa e Jos Ansel-
mo da Costa.
Jo8o Teis.eira de Souza Lima vai a
Portugal.
Precisa-se alugar urna .ma que cozi-
nhc o diario de urna casa do pouca familia,
e quo saiba lambfm eu&ommar, prefere-se
escrava : a tratar na ra da Cruz, aruaazem
n. 16.
I)-se dinheiro a juros mdicos, rece-
bendo-se penhores : na ruadaPraian.il,
segundo andar.
Iloga-se ao Sr J. L. A. 1 Monte Raso
tenha a bondade de apparecer na praca da
Boa-Vista n. 12, que se precisa fallar, e como
lenba-se mudado para o mato, se faz o pre-
O vapor PKRS1PU MiA, coinmnnu;. .
te lenle Moreira, aclia-sc a' carga naca
os portos de Tainuiidaic, l$,iria-(iiuinii;,
Porto lo Pedras, Caniaragibe e Macer,
para onde sahira no rjia ll> do corrente,
reoebeado caiga ate a's 5 horas da tarde
do dia 8.
Para o Rio de Janeiro sabe com
milita brevidade a barca Kecife, e lem a
maior parle de seu caDregameDto promp-
to : para o restante e lassageiros lrata-se
com Manoel Francisco da Silva Carneo,
na ruado Collejjion. I"), ou com ocapi-
lao Munoe' Jos Kilieiio, abordo.
Companhia
brasile de pa({ueteB i
Vapor.

O vapor TOCAN l'INS, rominandanle, o capllao
de fragata tiervasio Mancebo, espera-se dos |iorlns
do norte, em scguiniento para o do sul, al o da
II) do correute : agencia, ra do Trapiche n. 1(1.
Para Lisboa, com toda a brevidade,
Oor ter grande parte da carga prompta, a
bem conbecda barca portugueza alaria Jos
qoem quizer carregap, ou ir de passagem,
para o que lem muito bons commodos ; di-
rija-se aos seus consignatarios Francisco he-
veriano itabcllo & Filno.
Para Lisboa.
Pretende sabir com intiilu brevidade o
brigue portuguez '(Pescador,., por ter
parle da carga prompta, para o resto e
passageiros, para os quaes tem exccllentes
commodos: trala-sc com os consignata-
rios Novaos o: C, ra do Trapiche u. 54.
ipai
na
Pernambucan^
Fiel transferida a viazem do vapor alguarasso'.a
annonciada para o da ?, para o dia lo, em conse-
bucucia do lempo chuvuso.
I'AS\ O KIO DE JANEIRO,
a barca Yaya segu com toda a brevidade,
por ter a maior parte de seu carregamento
contratado: para o resto (cerca de mil sac-
eos ou 100 pipas) : trata-se com Barroca rx
Castro, na ra da Ca.lcia do Rccife n. 4.
-
UIEJUL
PRoviiNr-r.
O Sr. Ilit'sonreii'o das loteras. finntf0'
la/.cr publico, que se achaco a venon, no
pavimento terreo da casa da rna da Au-
rora n. 2(i, das ) lioras da manliua p's S
da noite,bilhetes, meiose quartos, da ter-
ceira parle da primeira lotera loScnlior
Itom Jess de S. lioncalo, cujas rodas an-
dana no dia Ili de junlio.
Thesouraria das loteras, (i de junho de
1857.Por Si. (Iiesoiniiro F. A. tic 0-
liveira, Joo Miguel da Cosa.
- o abaixe assignado faz ver ao respei-
lavel publico ea quem llic convier, que tem
justo e contratado a compra do una casa
terrea na rna das Cinco Ponas n. 102, do
que he proprietaria a'Sra. I). Tbereza de Je-
sus da Silva ; por isso se algtictn se julgar
com direito a dita casa, haja de reclamar no
pr.-izo de 8 dias. a contar da data deslc. Ite-
cife t do junho de 1857.
Manoel Itibeiro Fernandes.
Fugio no da :t do corrente moz, da
povnaciio de Sanio Amaro JaboatSo, o mnle-
que crioulode nome Jos, dado de 18 minos
pouco mais ou menos, com os signaes se-
guintes: estatura e corpo regular, preto,
olhos afumneados, nariz chato, rosto curto e
abocetado, levou vestido camisa e calca azul,
e chapeo de pallia ; tem-se toda certeza que
ve i o para o Recite : roga-se a toda e qual-
quer pessoa que o pegar, que leve-o no refe-
rido lugar, a Jos Fernandas Monleiro, que
ser recompensado.
Quem for dono de urna ancora d
canoa, com um pedaco de corrente de
Ierro ; procure na restilucao de Franca,
ua ra de Santa Hita.
Faz-se publico que se ac'ia contratada
ComaSra. i). Joaquina de HagalhSes Coim-
bra, e com seu li I lira o Sr. Joo da Silva Co-
imbra, viova e herdeira legitima do fallecido
Jos da Silva Coimbra, a compra da sua ca-
sa terrea, sita na ra Imperial n. 76 : se al-
guem poisae migar com algu.n direito so-
breest casa, sirva-se de declarar por este
Disrio, dentro em t'es dias, contados da da-
is deslio. Becie 8 de junho de 1857.
Precisa-se do um boleeiro : na ra do
Qucimado n. 16, primeiro an lar,
A lllma Sra. viuva do coronel Severo
Jos de Souza Lima, tenha a bondade de en-
tcniler-se com Felisberlo Ignacio de Olivei-
ra, na praca do commcrcio n. ti, a negocio
de seu inlcressc.
Ama para engo nmar.
Precisa-se de urna ama que engonime bem
c cozinhe.podendo vir as 6 horas da manhSa,
evoltai as 6 da tardp: un aterro da Boa- Vis-
la, loja de bilhetes n 56.
Precisa-so de duas amas que saibam co-
zinliar e engommar com perfeico, efaQam
lodo o mais servigo de urna casa de pouca
familia, paga-se muilo liem : na ra do A-
ragiio n. 1, primeiro aimar.
Na ra larga do Kosario n. ai, loja de
miudezas, tem urna caria vinda do llio Cran-
de do Sul, para o Sr. Jos Joaquim do Fi-
gueiredo, a qual se entregara, pagando o
auiiuiicio.
Precisa-se. de umi ama para urna casa
de pouca familia : no palco no l'araizo, no
segundo andar quo volta para o becco do
Ouvidor.
Francisco Augusto da Costa CuimarSes,
faz publico, que nao Inc consta que seu fal-
lecido Gibo Antonio Augusto da Costa Gui-
marSes, devesse quanlta alguma, eomtuJo
sealgucm se Iulgar credor do in.-smo, por
Os abaitn assiqnarios previnem ao Sr. .loso
l.oiicalves lerreira Cusa, que nos formaos de part-
llia- >|iie Ule foram dadas por OCBKio do inventario
do lin.i*i Jos Francisco llel-rn. li^ora S. S. como
devedor da noanlia de rns 38^690 de principal )
a cada um rtelles, e purtanto repUm->a seus ere-
dores de dilas rjuantias, o que fazem puldico em vir-
Imle dos .innoiicios de S. S., somenle, mas no |.or-
|ae dnvidem de sua probidade c honradez..Ma-
nuel Joaquim l'ereira.Francisco Jo- llelem.
Jesuiuo Cr.rneiro de Alliuquerquc roja an Sr
iMpoetor de qaartairlo da rna.da Gru, pie nunca
raiendi coosislir lodo esse ico capricho, n ardente
ilesejo c-n nnlro objeclo que na icjn meramtDle o
ilOfompenho das fune(Sei Ic^aes do ion referidrj c;:r-
".....'""'''" lar n arbitrio do ouraver na sua lis-
ia dos <|-.aii:-.id.:s nomo de penoa.^oe, coma moito
"em informado osla, nai.ea perteicea eue sen l
IT'Je/.la. '".Ji..i|..i....,.f,.
Os cre.lircsdo bllecido Alexandrc da Silva
Fracnsn, queiram, dentro d8 dm, eomparacer na
quina rasa terrea do lado esqoerdo ra roa Agon-
a, seanindo da dos Marlyrio), das 5 horas da larde
e.n dia:i>, afim de, ethiliiinlo qnapsqncr iloeonlan-
Iricomprobatorioi, ereui Indemnieadoi. Iiecife !l do
iiulio de 1837.
I'rcisa-se de um raiteirn que leal pralici
de taberna : na ra do Encantamento n. 77.
>iio lia pesoa algoma qne deeeonbeca as dil-
ainldadea com que leolto lulado, alim de realisar a pu-
hlieac.io do meu diario, denominadoO DeaperU4oi
(.oniniercial do Norte. Hoja fornm dlilriboidoi os
ns. I, ^,;! e 1 nos bairros de S. Fre Podro Concal-
ves, da Boa-A ista, e 1 dMrielo de S. Antonio, c'silo
liem rnulir-riiiai ai cansa, desla demorao numero
.ivnliado das asiignalnra;, a enlreaa feila pessoal-
rnenle, e porque tirando mil e dntenloi ejemplares
" polas C h iras da miniaa eslo promplosrecbe-
los e dis|rilin-ln nos primeiros dias da publicaran
sao dilV.i-uldadw, que acora se podein vencer far'il-
menlo e por Uso e-pero lo lao heanos assignan-
le sar.liuh.i--, liuguados, salmonele cm latas
grandes e pequeas, cvala, peixe espada,
vinbo engarrafado de todas as qualidades,
o mais superior que ha no mercado, vinho
afamado champagne, cha perola, uxim e
liyssou, ameisus francezas em latinhas de >
e 1(1 libras, arroz carolino, dito inglez, dito
do Maranhao, tanto em saceos como a reta-
lho a 3? a arroba, manteiga lina de todas as
qualidades, e muilos outros gneros finos,
que vista faz fe, e nao se engeita dinheiro.
BANCO UNIA'O-CO.MMEBCIAL.
Uina das listas de subscriptores esta'ex-
posta na salla da Associarao Commercial,
at o dia 20 deste me/. : os pretenden tes
' pois nao podem ser procurados lodos)
querrn! dirigir-se a mesma salla, das
horas da manlifinale as ~> da tarde.
O Sr. Mcolau Meyer lem urna caria
na ra do Trapiche n. 19.
Aviso scientifico.
O Fxm. conselheiro Castilho, para ameni-
sar c facilitar o estudo do latim, que pelo
seu syslema de cnsino se aprende no espado
de um anuo, redimo as puncipaes regras e
excepcocs a formulas lyricas, para onde as
enancas sao attrabidas, decoram sem esfor-
so, repetcm por brinco as horas de recrea-
Clo, e de quo ser mui diflicil quo se es-
quecam. Aprosentaremos dous ou tres ex-
emples :
lcgrV do comparativo.
Comparativo
Pede ablativo
l>e oceulto pr.-.'i
veno nc nietiiiio
O due excedido
Por outrem he.
Precisa-sede una ama de leiteque o
tenha bom e ein abundancia ; paga-se bem:
na Capunga, sitio do Arantes, ou na ra da
Cadeia de Santo Antonio n. 22, terceiro
andar.
Perdeu-se desde a ra da Cruz at a da
Scnzala urna almofada de carro : quem a
achou, querendo restitu-la, far favor diri-
gir-so a coclteira do Sr. Joaquim, na ruada
Senzala.
Victorino Pinto Machado rctira-se para
Portugal.
Da-so 18;000 mensacs pelo aluguel de
um bom cscravo : as Cinco Poutas, sobra-
do da esquina confronto a matriz nova.
VA
1)0
Heberibc.
I'm que o indica
:No I uno idioma
Que no de liorna
Pido ser quam.
Ouam o ablativo
Moda em agente
E os de repente
Nova orarlo.
Partes regentes c casos regidos.
Os termos que regem caso
Tres grupos s3o :
Transitivo, substantivo,
Preposicao.
Tres casos sito os regidos ;
O genitivo,
0 ablativo, e por dous modos
O aecusativo.'
O genitivo he regido
lie substantivo;
De prepr sieo ou verbo
O aecusativo;
Do preposicao .rnente
O ablativo.
0 professor da escola central, na ra No-
va, i mita cao do Fxm. autor, acaba de do-
lar a UUtruccSo primaria dostn provincia, de
regras em verso, para facilitar aos meninos
de todas as escolas, e por qtialqucr svstema
deensino, a decorar todas as regras da ori-
' thmelica, figuras de svnlaxe e de diccSo ; e
conlronte ao Rosario em Santo Antonio, re- para que seja accessvivel a todos.eStSo iran-
cebeu-se neste estabelecimento urna porciTo cas na escola central do inelhodo Castilho,
de pipis picados ja com eslalo, para se ven- na ra Nova, entrada pela ra das Flores,
der por um prego muito commodo, e assim pelo diminuto proco de 40 rs. Para a con-
ter-se balas de estalo com muito pou-o tra- fecQilo de taes reglas nao be necessario ser
balhoe pouco dinheiro ; tambem se vendem bom poeta, urna vez que a cxplicaco coin-
amendoas francezas, qtiadrinhas para sor- cida com o espirito da rima, uxala que estas
tes e juntamente se d3o de vendagem halas se torneo] qual oovode Colombo. lacis
de estalo com muita vantagem. e recebe-se do compor a todos os mestres de instruccSo
qualquer encom "enda para fra, aliancane I primaria, entre os quaes Accupa o iiilimo
do-sea boa qualidade e elegancia dos pa-|| lugar Francisco de Freitas Gamboa.
peis.
Attencao.
*
Domingo, 7 do correte, das
horas da nuilc, roubaram da la
les benigna descolpa, ronslanle e assidua prolec^ilo
ao Despertador Commercial do Nortea, que n de- .
raja o bem c progresso da liumanidade. O redactor
O hiicharrl firmado, Joilo de Itarros Falcan de Al-:
liuqncrque Maranliao.
Vende-se um moleque de II a 12 annos, boa!
lisura : na ra da Cro n. 51, I" andar.
Confcitaria
59A
S para as 0
lern i da es-
abri
quina da ra larga do P.osario quo volta para '"";'"" ^P0"*0 'il0 n0 he9C0 n i""-
o quariei da pohcia, 2 saceos com o resto de va,ve armazem n. I e acha-se nova-
l'.in ('onseipieiicia da chuva, lica Irans-
lerida a arrematacao annum i.ida, dos cha
tarizes do Kecife, para terca-leira 9 do
corrente. bjeriptorio da companhia ">
de junlio de 1857. O secretario, (lni-
llierme Selle.
Tbomaz Dawes, rrcderiek Ashby e llcn-
ry Conde, retiram-se para Inglaterra.
Beuto Jos Fcrnacdes Barros, transfe-
rio a sua residencia para a casa n. :il ua ra
da Aurora. Kecife 2 de junho de 1NY7.
Da-se a qnantia de 30 a 200? rs. a ju-
ros, coirr penhores : na ra Nova loja n. 12,
las II oras do da, as 3 da larde.
Mara Mai tiinaiia de Campos e Oliveira,
cx-proftssora do collegio das orpiias, ob-
leve liceuca do Exm. presidente da provin-
cia, para abrir aula particular para o sexo
reminino da inslrur^So elementar, quo se
da as escolas publicas do primeiro grao, e
na qual se propOe eosinar as materias desig-
nadas na Ici; e por isso faz publico aos pas
de familias, e a quem mais convier, quo ja
den principio ao cnsino desde o mez de maio
prximo passado, no sabrauo no pateo do
Carmo n. 9, casa do sua residencia, onde tra-
tara das condices relativas a admiss3o das
alumnas: lanihem recebe pensionistas c
meio-peocionisUs.
i^;S O 00aOGOO
j3 O Dr. Kilieiro, medico, de vol- v$
v3 ta de san viajjem a' Europa, con- t^jj
$ tintn a residir na mesma casa da
[' rna da Cruz ti. !~>, onde pode ser
i.'; procurado a qualipicr hora.
ur *y Vi .' *. s
Antonio da Silva
O mesmo tem exposto a venda os cus Ir
lizes bilhetes, meios e qnafto* da lerreira
parle da primeira lotera do Senlmr Rom J<--
sus das Dores de S. Cunalo, as tojas dn
costme.
Por Saluslianode Aquino Ferreira,
Josc Fortunato dos Santos Porto.
\ Sabio a luzO Despertador Comrocr-
' cial do Norte. O ledactor, o bacharel lorm-
. doJoSo de narros lalcao de Alliuquerquc
Maraiiho, espera do todos os seus beiiiguo*
assignantes, que avista do recibo imprpiso
e assigiindo HtisbrSo promulamenie o pri-
meiro trimestre, alim de fozer face js enor-
mes despezas do referido Diario.
A lypographia ostabclerida na ra do
Passeio Publico n. l'i, piensa de algn
compositores Cabis para a publicarlo do
Diario e obras avulsas.
Precisa-se de urna ama qu* tenha boas
le te, forra ou captiva*, no aterro da Boa-
Vista, loja de bilh.l-'s n. M
ijuem quizer ser cobrador dasassig-
naturas de Diario denominadoO lh:>_:rrt-
dor Commercial do Norte,--dando lianza
idnea, que se responsabilise cuato princi-
pal pagador, lera de lucro dez por renta,
dando cotila diariamente as 6 horas da tar-
de, lucro este consideravel, pois queja exis-
ten, mil assignantes. e es,-era o relnctor
que esse numero duplicara cm ponen lem-
po : dirija-se a referida lypographia.
Da-so a premio de 1 por cento ao mez,
a quantia de fcMM rs., sobre lellras de boa
firmas e hypothera, penhores de ouro ou
prala quem pretender, dirija-se a praca da
Independencia, luja de livros n. 6 e 8, que tm
dir quem us da.
CompauiitS Luso Bra-
SC1M
Manoel Duarte liodrigucs, dando cumpri-
menlo a ordem recebida dos l.\ .i>. Srs. di-
rectores da c mi .ania na cidade do Porto,
em caria de 27 de abril ultimo, faz publicar
o annuncio seguinle, para scieucia no
dos Srs. accionistas nesla, como para a querr.
mais possa itileressar.
Liquidayao tia couipanhia
de vapor Luso Bra-
seir.t.
Tendo sidor;solvda a liquidadlo da com-
panhia de n ivegacao a vapor l.uso-l'.rasilei-
ra, como se acna publico pelo manifest dn
Sr. presidente da assembla geral, no Itio de
Janeiro, com dala do 1. de marcado crren-
le anuo, a direeco da mesma r.impanbia
na cidade do Porto, abaixo assignada, auli-
risada por oflicio do mesmo Sr. presidente
com dala de 16 de i.v.rco, faz publico que.
recebe prnpostas para a compra dos barc.
da mesma companhia abaixo descnplos c
seus pertences, at o da 30 do prximo fu-
turo mez de julno, e nesse mesmo dia pela-
12 horas da manhaa scro aherlas em seasie
publica, na presenca Sos pronnicntcs oo
seirs re preseulanles, que qoT.ereme. si
aquello aclo. Os invenanos dos mcsoio
barcos podeo ver-se em Lisboa, M I
lorio da delegacao desla companhia, e net-
cidade, no escnptorlo da direcclo. Parto
25 de abril de 1857.Os directores d- erm-
panhia l.iiso-llrasii-ira. Visr-ond de i.aMii
s*> s..-"a^" -lr*r
GuimarSes, avisa a
todas as pessoasque possuein cautelas irac-
ciooadas peo annunciante, equo estejam
premiadas, que apresentem para ser pagas
no prazo de 30 dias, contados desla data :
lindo o qual prazo, requerera disoneraco
na thesouraria. Recife 4 de junho de is.">7
Antonio da Silva GuimarSes.
Precisa-so alugar una ama que cozi-
nhe o diaria de urna casa a pouca familia,
agradando paga-se bem : na roa do Amorim
.i I1I.I/--.H u. 41.
: : .;;:'; r\.r-.r-r :.:.:.:: .
Grir*** -... -...'..- u-' <*.- *..- -,* '....... ..>...-
y Jo.lo id Silva .'.amos, medico pela um- ;,'.
,: versiJade do Coimbra, uiuduu sua n'siaen- 5
<&/ cia da ra du Cauuga para a ra Nova n. V..-'
r l)'J, se^uudo andar, solirado do Sr. Dr. Nel- >
., lo, e
'- I.
mesma taberna que se liie daia 10$ e gra- O Iierdeiros do casal do tallecido
tilicac.'u) ese I he licar obrigado ; assim co- Francisco da Rocha Wanderly, pievin-
mo se protesta contra quem o comprar, pois ne.n ao publico que lie falsa urna lllra
, ja nadesconhanca de quem foi, por ler rnui-,,,.,:,,. i < ,
| tas pessoas a ver a danca defronte. aC "l l'!', (lll l":.,do ,;,n "01 Prccisa-se de um muco portuguez para n! da s,,va CCiOli, condecido por Anlu-
caixeiro de una fabrica du velas de carnau- "' doudo, como se obrigo a provar : por
ba, dando liador a sua conducta, paga-se rinanto muilo antes da data da referida
bem : na ra Direita, casa n. 'J. lein-i nn ..o.-,-,..>'... .n i i
.-Memorias completas e .utlienticas do; ,.'", "' T eHe papel alguna,
secnlodeLuizXIV, ea Itcgencia. publicadas st.:'t"'11' 'nleirametile ceg: assim
dos mar.uscriotos origiuaes, pelo marquez I"'1* n.IDj5uenl negocie dita lettra com o
OagenteBorja fara
ios movis pertencenles ao Sr
eilo de diver-
Lduardo
ii, em sua residencia ni ruada Cruz
na
ie-
carteira, um grande
i,
IW
" primeiro andar, consistindo n i
excellente moliilia dejacaranda', com
ptima
..n columna a recetor, das 8 al 10
aorai da maullad, e das '.l :s S da larde, as ^*
--y Pesuas que o queiram consultar. '..."
'i.'-'.i.''-.". '-.. o .''._".. "i ', '.-;" :': '..",
WvrWr Hrvrtlyxir ...- .^.-v.'x -*-.^y .^
Xa ra da Cruz, deposito de doces,
n. 17, lia um grande soilmenlo de do-
ces de caldas e seceos, de todas as quali-
dades de Inicias, e se aanca as qualida-
des aos lenborcs que nurzerem fazer o fa-
vor de comprar nestacasa, e igualmen-
te um grande soilimeiito de charutos de
todas as qiialidadas, dos mdhores fabri-
cantes da provincia da Baha, e exceiien-
les anana/es abacachis, laranjas de um-
bigo, e lodasas mais finetas qUCOSSenho-
res quizerem lazer encommendas, promp-
O.-^IlTn, DaiflirduH,.vfl Sanios.
Barco a vapor a liebreD. Hara I!, da scr.-
deira, construida cm 1X51 nos cstalci-
ros oe l'.ieardo v\ llcnriquo l.rcen, "C
Itlackwall, condado de Medise*, '.
lotaciode 1536 toneladas, evi-liim de
forca de 300 cavallos, conftruida for
Miller p.avcnhilUV -alkcll-
Harco a vapor hliceD. Pedro II. de w
deira, construido cm Idij, ncsestalei-
ros de .Mr. W. Pirher em Londres, de
lotac.lo de 1,512 toneladas, machina de
loica de 300 cavados.
Vapor a helircDuque do Porto, de ferro,
construido em 1853 em Newl'.astle upon
Tync por Thomaz Toward, de lolacSo
de 289 toneladas, machina de forra de
80 cavallos, construida por R. Slephin-
sen A Companhia.
Prerlsa-so alugar urna par.la ou preta
preferindo-se escrava, quo saina tratar de
rriancas, c ds seus arranjos : a pessoa que
a tiver, ou qiicira disso se encarregar, din-
ja-se a roa de >. Francisco, como quem vai
para a rna Helia, vibrado n. 8, pata tratar de
seu ajuste, que ser bem pago avista de sua
qualidades.
LOTERA
DA
provincia.
O abaixo assignado vende a dinheiro a Ma-
ta, sendo da quantia de lUOrOOD res para
cima, os seus lites bilhetes, meios, e quar-
lo.s pelos oreos abaixo mencionados, na
ra da Cadeia do Kecife.n. 45, esquinada
Madre de Dos:
lllieles
Meios
Quartos
de S. Simn, 4H volumes, com estampas : na referido ccioli, sol nena de perder o seu C"
livraria us. 6 e 8 da praca da Independencia.! valor. I -'3
5-iOO recebe 5:0O->
2r"00 2:5O0>
1-350 >. l:i<>-
Por Salasliane de Aquino Ferreira,
Jos Fortnalo dos Sanies Porto.
Precisa-se de um amassador; na pada-
ria da ra do Cotovello n. 31.
ss.noras (j c monta--
a cavitll<
Na roa Nova i. 18, loja de M. *.. Caja' ha ricoa casavcqucc de cores, e pr. 1 >-,
para montara ; assim como um _r ni Ir sor-
limenlo das mais bem .trabajas obras de al-
raiate, lano superior, como mis inferi',
! chapos, ditos deso, lencos dsela, dilos
hora marcados, e acondicionadas de qual-1 a lita para g.avata, dilos de aaraa, luvas,
quer maneira a vonladc dos mesnuis pes-
soas.
."- '.'"'-.'ifi '% :';*'""''-''.*"j.-'-.
urxip .'-.... i^-".'.-. t -.' ** *.--.-
UefroaU da matriz da Boa-Vista a. Nl, '. tato Completo,
aniula-se loda a quali iaJe de ultra de car- .--, ios, a tlinlie : r- '.' -..-, -- ...,-,-r
lamente serSo mandadas vir para
o dia
e

suspensorios, meias para homt.m, senhora* r
meninas; camisas, ditas de meias, lazenda-.
para qualquer obra que seja encommnda-
da : a pessoa que vier a cala loja, achara um
e sera um s ;rcr:o pata lo-
.- Aluga-se para servico de casa, um es- Aluga-se para o servicn interno de casa
cravo crioulo, de 18annos: a tratar na ra estraneeira, um moleque e urna negra com
do Collegio n. 16, terceiro andar. | habilidades: no armazem de recoiher dc-
Na ra do Trapiche Novo n. 12, caf fronte da porta da Ufandoga.
do commerci, chegaram salames francezos Jos Teixeira Leite, declara aolllm
muito fresen.. Sr. inspector das rendas internas, que em
J
dra, nina
;uarda-loitca, bancas para JOgO, una
porco de loucae vidros linos para mesas,
e outros imiitos objectos etc. : I erra-le ra
!) do crtenle as I I horas da manliaa.
O agente Pestaa fara' lelao por
conta de quem pertencer, de 1.10 barri-
cas corneal : ipiarta-feua 10 do corrente
ao meio dia em poni, no lorie do.Matto,
armasem defronte do trapiche do algo-
coDlraiir o foraacimeata de medicamealg, iaclmive do.
qualquer titulo, queira dirigir-se a Santo| ^""P hasta publici
a maro, para enlonder-se com o annunci-
ante.
Na audiencia de quarla-leira II) do crrenle,
Snlfl o juizu muniri|ial da secunda vari ira' a prari,
pela ultiiu. vez, o labrado de dona an lares, u. \1 da
ra da liuia, avallado par 5:0009, (lerlenceiilp a li-
nada I). Joaana .Mana da ConceicAo, para cuinpri-
ineiitu dos leaados por ella deivadin.
COMPANHIA PEKNAMIllLANA.
Os senli.ires accionislus que liiinaraiii aova acres
desla empre/.4 e que salislizeram a primeira entrada
de lili pur cenia, san c invi.lados a realisar a aegun-
Na ra da Concordia u. jii, deseja-se
fallar ao Sr. \nloino Feliciano llodrigues
Selle, a negocio de seu interesse.
No da 9 do crrenle se ha de arrema-
do Dr
sua loja n. 21 a, nao se vende mais camisas
re tas, desdo o 1." do correte mez, nico
ohjiicto porque foraeolloctado.
Est rugido desdo o dia 9, urna cabrinlia
Dr. jmz municipal de nome Hiopolyla, idade 11 -unos, com os
Ja primeira vara, urna casa lerrea ni rita signaes seguinles: levuu vestido de chi'a
: os preteiuenles comparecam na calmera, um lenco ao pescocn maneira de
capa, olhos pequeos, um tanto fundos pei-
los gran les, cabellos raros; leii sido en-
contrada venden lo friictas, o tem sido vista
*;' W, .i-siiii eomo liiup ini-se ferro* de nrur- 'x- "',tsiv'pi,^': 'f.r\yt' / -.-*.*^-*- ^f'sri^rM^
a de luda a qualldade e l.nl.mi-se ouvidos ^. -y**"*^'^. **-*.j*-* *-MJX-lH.1
em aipinaardac na mesma 'cu Jem-se e .-'. *5 ll) j'l Mili
lusam-it bichas,ainrn como inaudam-se ";' S ai"".
>& applieara qualquer hora. :.j !? No "mazcm de fazendas. tralas, ra do
.--.-... .. -. -. -.-'.. '-:.,..;. Collccis o. 2,
< UUIHV NMIONM sS vende-se um completo soriuaer.io i b-f
Continua estar a venda o'manual da % koAkms t grs >, rr mh isa
guarda nacional, ou eolle-c3o de lodas as *3 Prefos id 1U9 e;n cetra qualquer parta, j
leis, regu lamen tos, brdens o visos concer- tamo c:u porijocs como a raaaaW, a ."."un- ^
nenies a masma guara, relativos, nao so ao '.^ jando-sa aos cumpradures um so proco Q
processo de qualilicafao, recurso de revista para todos: esta eaaManaMBM abno-ae
etc., seno a economa dos corpoa, ag da con-binacao eom a maior nirie las ra-
sala das audiencias, depois desla.
Vciieravel irmin Utle Sarita Rita, de Cassia.
as pessoas que em seu pider liverem pa-
tentes dos irmSos da vciieravel irmandade
de Santa Hila de Cassia, que fnlleceram na
poca do cholera, ou em outra qualquer.
em Pont'' de Ucha. Itecife e Pora de Portas,
julga-seja ter mudado roupa, diz que esta
pagando semana ; pede-se as autoridades
poiciaes ou capitSes de campo, que appre-
hendam e levem a ra do Padre Floriano n
3V. ou ao sitio da viuva de Anastacio I'ran-
co/.tuliar e engommar, para urna casa ue pouca
familia : quera estucr nestas circanjstancias, diri-
ja-se ao aterro da lioa-Viila u. SS, qua se dir
quem precisa.
com declararlo do da, mez eanno do falle- familia, vencendo o aluguel de 2O3O0O men-
cimenlo, roa dos Martyrios n. i, casa do
escrivo, Jcronymo Emiliano do Miranda
Castro.
saes, diria-se a ra Imperial, segundo an-
dar do sobrado n. 67 defronte do viveiro do
lluns.
etc. etc. etc., senio a economa
organisacao por municipios, batalhdes, com-
panhias com mappas, mdelos etc etc : na
roa iic s Francisco, deposito 11. onde en-
contrara ja enca.iornados.
Preci.a-se de urna ama para o servico
interno de uina casa de pouca familia : na
praca do Cnrpo Santo n. i".
Precisa-so da um caixeiro de 12 a *f>
annos para taberna, e qu tenha algi.ma
pralica : na ruadesaot Rita Nova n. 5.
Precisa-se do um feilor capaz e de boa
con lucta para tratar de um sitio na Passa-
gem da Mag laiena : procure no sitio do Sr.
1. luard Feotn, ale as 9 horas da inanliia,
ou dep.ns dasS horas da tardo. .No mesmo
sitio cima precisa-se de um homum para
bolielro e que suba tratar bem de cavallos,
acciado, trabalhador e honrada.
'-f sas eonuasreiaes in^l-'a-, fr:iiirtza, P-
ios e suissas, aera vanear fi stiai nu.s
i-':i conta do que se tem V'Dilidn, e pr isw
S Ouereean elle maiore* vantai-n do qua .
.\ oatro qualquer; o proprietano oV-ie im-
** portante e-tabelti-imenuj rnimli i lodot
^ os seus patricios, e ao piil'ir em feral,
^ para que MOJuna a ln-rn rlus s.-n-- inte-
rassss) ccir.jirar faz' njas baratas: no ar-
3 maz-'in r*a rna do Colk-.ao n. 2, d An-
', ionio Luz do Santos . II0I11
MKs&Aistittak -wtexm
. ,d is x- u a I -.
l"m lindo e variado sorli'nenlo de mnjl-
los para verandas e gradaras, de guslo mo-
na funmcao da aurora em Sau-
I dernississo-
- Precisa-se de um caixeiro para Ubcr- lo amaro.e no deposito da mesma, na ra do
na : no largo do Pilar n. 17. i lirutn.
MTOtDfJ
ILEGIVEL


DIARIO DE PERNAMBL'O TERCA FEIRA '. DEJL'Nll DE 1857.
C0ISLT0R10 HOIEPATHICO
fe
i% va ca fnww aw^wvwi&wt
_ > ss e "a -m.
Onde se achara seinpre os mais acreditados medicamentos, tanto em tinturas como
em glbulos,e preparados com o maior escrpulo e por presos bastaate commodos :
PRESOS F1XOS.
Botica de tubos grandes. 10/000
uta de 24 ... 159000
Dita de 36 ... 203000
Dita de 48 ... 258000
Dita de 60 ... 300000
Tubos avulsos a f. 19000
Frascos de tinturrademeia onca.' 2000
Manual de medicina homeopathica de Dr. Jahr com o dic-
cionario dos termos de medicina
Medicina domestica do Dr. Ilenry
Tratamonto do cholera morbus .
Repertorio do Dr. Mello Moraes
205000
I 010110
2/000
61000
*'*i*.<-.-\>.-: :?:-:-,:?.

. PEORAS PRECIOSAS- |
. Aderemos de brillianles, <>
'*' diamantes e perola*, pul- '>
% leiras, allineles, briucos *
$ e rozelas, botoes e aunis
al de differenle so-Ios e de f
f. diversas pedras de valor. *
* Compram, vendem ou *
* Irocam prala. ooro, bri- .^
* lhantes.diamantese pero- &
lis, e oulras qoaesquer m
joiasde valor, a dinlienu *
^ mi por obras. ,
jfofiMIBMlM o: 3BS S BES jg&l
IOREIRA 1 OQiRTE.
LIJ4 DI HliUVBI
Rua do Cabuga' n. 7.

Recebem por to-
dos os vapores da Eu-
ropa aso'iiMsdo mais
moderno gosto, tan-
to de Franca como
? cr*v: : *><-! OOROEPBATA.
3 Aderemos complclus di *
ouro, rneios ddns, pulsei- o
* ras, alfineles, brincos e
p rozetas, conloes, trancel- <>
< lins, medalhas, correales *
J e enfeites para reluci, e '*
Jj onlros muilos objectos de "%
r. ouro.
* Aparelbos completos de J
* pnla para cha, bandejas, g
S salvas, caslicaes, colheres J.
B de sopa e de cli, e mui- i
* los oulros objeclos de S
si prala.
de Lisboa; as quaes vendem por
pre Atteuco
K. C. Vates & Companhia: estabelecidos
no Rio de Janeiro, na ra do Hospicio n. 40,
veado um annuncio publicado em urna das
lolhas de Pernambuco pelo Sr. Bartbolomeo
F. de Souza, prevenindo ao publico que o
verdadeiro xarope do bosque s elle he
quem vende,prevenimos ao mesmo publico,
que o nosso xarope he remettido do Rio de
Jrneiro pelos cima propietarios ao Sr.
Manoel Alves Guerra, e este senhor fez o de-
posito para ser vendido na pharmacia do Sr.
Jos da Cruz Santos, na ra Nova n. 53, ni-
cos por nos autorisados para venderem o
nosso verdadeiro, e oais prevenimos aos
senhores consumiJores, que ba perto de 5
annos os rotlos collados as garrafas sao
assignados por Heury Prins, como procura-
dores dos cima propietarios. Rio de Janei-
ro 13 <}e Janeiro de 1857.
Bartholomeo Francisco de Souza, len-
do o annuncio dos Srs. lt. C. Yates & Com-
panhia no Diario n. 17, em que diz ser se-
ment verdadeiro o xarope de bosque que
se vende nesta cidade na pharmacia do Sr.
Jos da Cruz Santos, onde fez deposito o
Sr. Manoel Alves Guerra, que recebeu delles
propietarios, declara ao publico, que n3<>
duvida seja falso o xarope de bosque que
tamhem vende em sua botica, mas assevera
que elle he comprado aos mesmos Srs. R.
C. Yates & Companhia, do liio de Janeiro,
como provam os documentos abaixo :
RIO DE JANEIRO 8 DE AGOSTO DE 1836,
O Sr. Bartholomeo Francisco de Souza
comprou a R. C. Yates & Companhia :
4 duzias de garrafas com xarope
do bosque a 545000.......... 2165000
6 duzias de 1|2 garrafas cora xa-
rope do bosque a 27O000......162:000
Rs. 378*000
Reccbi o importe cima, -do Sr. Antonio
oaquim Vieira (Je Carvalho. Rio de Janeiro
de agosto de 1856. Por R. C. Yates &
ompauhiaJos Paulino Baplista.
Keconhecp verdadeiro o sigual supra. Re-
eife 8 de agosto de 1856.
Em f de verdade.
Manoel Hilarlo Piros I\ ii.'ln.
RIO DE JANEIRO 18 DE FEVERF1RO DE
1857.
Os Srs. Constantino (.ornes de Faria AFer-
reira compraram a R. C. Yates iSi Compan-
hia :
4 duzias de garrafas com xarope
do bosque a 5*3000.........216/000
6 duzias de 1(2 garrafas com xa-
rope do bosque a 27500......162/000
r ____X
Rs. 3785000
Recebemos o importe. Por R. C. Yates &
CompanhiaW. C. Cerwartt.
Nos abaixo assignados declaramos que
compramos o xarope cima para oSr. Bar-
tholomeo Francisco de Souza, de Pernam-
buco, em virtude de sua ordem de 3 do cor-
rele. Rio de Janeiro 18 de fevereiro de
1857.Constantino Comes de Faria & Fer-
reira.
Reconheco ser verdadeiro o signal supra
de Constantino Gomes de Faria & Ferreira.
Rio 18 de fevereiro de 1857.
Em f de verdade.
Pedro Jos do Castro.
, DENTISTA FRNCEZ. |
yr Paulo Caignoux dentista, ra Nova n. SI : "g>
'-.i na mesraa casa lem agua e pos dentrilice. "!
JOHN CAT1S,
corretor geral
E AGENTE HE LElLO-ES COMMERUAES,
n. 20, ra do Torres.
PR1ME1RO ANDAR,
praca do Corpo Santo
RECIFE.
casa de saude com todos os commoJos para
O tratamento de escravos, cujos senhores
residam fra da praca, ou "que nao os pos-
sam curar em suas proprias casas : quem
para isto quizer-se utilisar de seus servicos
mdicos, que serao desempenbados com o
maior zelo, dinja-se ao paleo do Carmo n.
9, primeiro andar, ou no referido sitio da
Magdalena. Prego2/000 diariosexceptu-
ando conferencias, sanguesugas e opera-
Ses.
Tresse, fabricante de or-
gaos e rea Jejos, ra das
Flores n. 19,
avisa ao respeitavel publico, que concerta
orgaos e realejos, pe marchas modernas
deste paiz, concerta saraphinas, pianos, cai-
xas de msica, acordees e gualquer ins-
trumento que appareca, c tambem faz obra
nova. Na mesma casa fabricam-se caixas
para joias de qualquer natureza, retratos,
carteiras homeopathicas, estojos, faqueiros,
ele, etc.
Vende-se um negra moga, com22an-|
nosdeidade, sabe cozinhar com perfeigo,
e engomla liso, lava de sabao, faz lodo o
scrvigo de urna casa, o com urna cria de 5
mezes, muito linda e esperta, e bem nutri-
da : na ra larga do Rosario 11. 22, segundo
andar.
llillio e do-
ces.
Vendem-se saccas com milho bom, e doce
marmelada, goiaba e araga lino, em latas e
caixoes de todos os tamaitos, por diminuto
preco : na taberna grande, ao lado da igreja
da Solcdade.
Vendem-se balanzas decimacs da forrea
de 220 a 1,100 libras : na ra da Cruz, ar-
mazem 11.16.
Vende-se por barato precio um balco
de volta e um moinho para caf, tudo novo :
na ra eslreita do Rosario, loja do sobrado
que Tica bem confronte a ra das Laran-
geiras.
AZEITE DE CARRAPATO
PURIFICADO.
Continuarse a vender por 3.;0o0 a caada,
e 400 rs. a garrafa : na fabrica da ra dos
Guararapes, em lora de Portas.
Vendem-se queijos de coalha e de
manteiga, por eommodo preQo : na ra do
Aragao 11. 36.
Vendem-so 3 portas, 2jancllase4 gra-
des de amarcllo : na ra da Santa Cruz
n. 23.
Xa ra do Cabug, loja da
aguia de ouro.
vendem-se balaios para costura e fructas,
frasqueiras em 12 frascos e copos proprios
para viagem. caixinhas para voltarete, bo-
tOes para roupes, cachos de flores france-
zas, lioneras de todas as qualidades, phos-
phoros com velinhas de cera proprios para
quem fuma, papel ourado, pratiado, som-
bras de todas as cores, ligas de seda, las de
todas as cores, panno de linho aberto, ligas
para mcias, de seda e borracha, ligas de
borracha proprias para amarrar papis, tin-
ta em garrafa, filas de velludo, trancas de
laa e seda, linhas de carretel de 200 jardas,
de Alexandre, linha para bordar, de linho,
capachos grandes e pequeos, perfumaras
de todas as qualidades, pentes de tartaruga
superiores a 4mi,hi, e outras muitas miudc-
zas, por preco eommodo.
Vende-se urna armacao pequea para
qualquer estabelecimcnto. na ra do Livra-
mento n. 28, e tambem aluga-se a mesma
loja : a tratar na mesma.
ucijos
Vendem-se superiores queijos flamcngos
os niais novos que ha no mercado a 1:140
na ra Direila n. 8.
Sabao
O antigo deposito, sito no becco do Con-
Deposito
de rap princeza da fabri-
ca de li.Gasse, no Rio
de Janeiro.
Vende-se a prec;o eommodo rap fino,
grosso e moio grosso, da acreditada fabrica
calves, armazens ns. X c 6, acha-se de novo cima, rhegado pelo vapor S. Salvador ; na
suprido de diversas qualidades de muito sua ; r"a da Cruz 11. 49.
perior sabao amarello, fabricado nesta pro-
vincia^ vende-se por menor preco que em
outra qualquer parte.
rcos cortes de
seda de cores a 18000.
Na loja do 4 portas da ra da Cadcia do
Recife n. 48, de Narciso Maria Carneiro, ba
para vender um grand", sortimer.to destas
sedas com padrOos mui delicados, proprios
para senhora e para meninas.
LUYAS DE JOUVIN.
Constantemente acharSo na loja do I.e-
conle, aterro da Boa-Vista n. 7, as verdadei-
ras luvas de Jouvin, de todas as coies, igual-
mente ricos pentes de tartaruga da ultima
moda.
jRua do Queima-
1ADIIH. 21 K
Vendem-se as seguidles fazendas moder-
nas, chegadas pelos ltimos navios franec-
zes ; dao-se as amostras com penbor :
Popelene de ramagem, fazenda moderna, de
lindos desenhos.
Sedinhas de quadros miudos, covado I5OOO
Cortes de chaly de babados 125000
Crosdenaples de cor, covado 25200
Cortes de chitas largas, 8 1(3 covados 25000
Chaly ondeado, covado
L5as de quadros, covado 600 rs. c
Chaly de llores solas, covado
Albaneza preta com mais de vara de
largura, covado
Chita rxa larga com toque de ava-
ria, covado
Corles de cassa de pinlinhas miudas
Ama.
M0U
800
800
15000
160
25200
Atieucfto,
Precisa-sej de urna ama para casa de pou-
ca familia, que saiba cozinhar, e engommar,
com toda a perfcico, e paga-se bem : ua
ra do Ccllegio n. 15, armazem.
m
^ O Dr. Caeteno Xavier Pereira de Btilo, SJ
M* medico, faz scienle aos seos amigos e ao 2[
(S uril" d'' Roa-Vista, c;.sa n. 2, que fui do @
a Tallecido Gadaull, por cima da bolica do Sr. -.5
'& Joaquim Ignacio Kibeiro, onde podera ser vf;
%';} procurado a qualquer hora do da ou da
.i "oile- S-".
@@-@@@si
-- Precisa-sede una lavadeira e um co-
peiro : quem estiver neste caso, dirija-se a
casa de Rostron Rooker&.C., na praca do
Corpo Santo, para tratar.
Precisa-se de um canoeiro pratico na
carrelra do Monleiro para o Recite : na ra
da Cadeia do Rccife n. 30.
,***.
Ossos.
Q
Na ra da Scnsala Velha n. 116, compram-
se ossos do boi.
Compram-se travs de 25 a 35 palmos
de comprimento, e palmo de grossura : na
livraria da praga da Independencia n. 6 e 8
Compra-se effectivamente na ra das
Flores n. 37, primeiro indar, apolices da di-
vida publica e provincial, actes das.compa-
nhias, e da-se dinbeiro a juros, em grandes
e pequeas quantias, sobre penhores.
Compram-se borra de vinho que n3o
tenha mistura d'agua : na ra da Senzala
Velha n. 110, deposito de bebidas espiri-
uosas.
Compra-se urna negra boa cozinheira,
idade de 30 a 36 annos : na ra da Cdeia do
Recife n. 64.
Compra-se um cavallo que seja novo,
ecarregue baio at meio : quem o tiver,
dirija-se a ra do Qucimado, loja de fazendas
n. 20.
' Compra-se 1 ou 2 escravos de 18 a 30
annos, sem vicio nem achaque, n3o se olhi
a preco: na ra do Cotovello, padaria n. 31.
Compra-se urna canoa de iim s pa'o
que conduza mais de dez caixas de assu-
car, estando em bom estado e apurelha-
da, para viajar.
&m*9.
1 *
n 1 I s 1 11 !. 1 I
1 " _- > a -o O 2 = 0
iaai 3 5 i
^^* g S *2 S 0 3 i j i-1 *3 ?
a V 1 1 I S. S ^aV 9 es w >s- O 1 i .- g S 1 i s i 4 99 | = S S 5 r^ E o --3 | 11 i | ]
fl I .- i
e B a 3 es i f 11 f v
^ U 11 H i
ss s z => 1 I 0. -r1 0 0 C V "3
i e
SEGURO CONTRA FOSO.
Companhia Alliance.
Esubalecida cm Londres, em marco da 1824.
Capital cinco milhoes.de libras esterlinas.
Saunders Brothers & C, teta a honra da in-
formar aos Srs. negociantes, propietarios da casas,
a quen mais convier que eslao plenamente au-
torisados pela dita companhia para effecluar segu-
ros sobre edificios de tijolo e pedra, coberlos di
llfia e iguaimenl sobre os objeclos quecomiverem
os a'esaios edificios quer consista era mobilia ou
fjzendas de quali]uer aualiilade.
Bio-Formoso. I
O Dr. Jo3o Honorio l!ez IH, medico pela Faculdad. ,|a Baha, lem '.'
fmdo sua residencia na cidade do RJo-For- '.
moso, e (Je novo elTerece eus serviros a lo- S
das as pesoas que o bonrarem com sua con-
flanea. /t.
O Dr. Ignacio Firmo Xavier faz publi-
$
Caminbo do co
ou meditaces sobre as mximas eternas e
sugrados mysterios de N. S. Jess Cbristo a
1/jOO : na livraria ns. 608 da praca da
dependencia.
Novas pautas da alfan-
deg-a.
Vende-se a nova tarifa da alfandega : na
livraria ns. 6 e 8 da praca da Independencia.
NSTRUCCAO- PRIMARIA F.M PERNAMBUCO.
--- Queijos do Ceara de 1, 2, 4 e 8 libras,
muito frescos, chegados pelo Iguarassu', em
po: rao e a retalho, por menos do que em ou-
tra qualquer parte : na ra da Cruz n. 3(,
confronte ao becco da lingoeta, taberna de
Antonio Lopes Braga.
Francisco das Chagas Salgueiro.
- Vende-se no deposito do largo da ri-
beira deS Jos n. 15, queijos do reino, pelo
barato preco de 640, 800, 15280 e 15440, he
pechincha ; massas finas de todas as quali-
dades a 320 rs. a libra.
Farello
Vende-se superior farello vindo de Lisboa
ltimamente, em saceos e por barato pre^o :
na ra do Trapiche, armazem n. 9.
Vende-se na antiga loja da boa fama,
na ra larga do Rosario n. 35, sortimento de
lilas, rendas e bicns, assim como fitas, vel-
ludo, franjes de seda e trangas, e todo o
mais sortimento de miudezas e quinquille-
ras, por procos muito baratos.
Vcndcjse rap ar.'a preta bom a 000,
13 e a I94OO rs., Paulo ( ordeiro a vintem c
irinta reis cm oitavas, assim como se ven-
dem fundas do lado direilo e esquerdo a 800
c IsOOO rs. cada una : na ra larga du Ro-
sario n. 35.
Vende-se urna cscrava mor;a, de na-
c3o, com una cria de 3 mezes, e tem bom
leite, preferindo ella ir para engenho por j
estar costumada s. esses servidos : na ra do
Vigario n. 27, primeiro andar.
Aviso aos senhores de en-
genho edonos de ofli-
cias
Vende-se bolacha americana a 100 rs. a
libra: no pateo do Terco n. 21, dito da Pe-
nha n. 10. Tamhem se vendem cartas de
Vende-se urna escrava cricula, de 20 an-
nos de idade, sadia e sem vicio, com as ha-
bilidades de cozinhar o diario de urna casa,
engommar liso, ensaboar, coser cb3o e ves-
tir a urna senbora ; o motivo da venda se
dir ao comprador : trala-se na ra do Col-
legio n. 17, loja, e para ver, na ra de Dor-
ias n. 140.
Vende-se urna excetlente escrava par-
da, de idade 20 anuos, engomma, cozinha
muito bem ; uma crioula de 20 annos, com
todas as habilidades ; duas lindas criouli-
nhas de idade de II a 12 annos ; um mole-
qiie pei;a, ptimo cozinheiro, de idade 20
annos ; um dito tambem pera, de 12 annos :
na ra de Aguas-Verdes n. 46.
- Vende-se ou arreuda-se um sitio pr-
ximo ao engenho Peres, em trras foreiras
a este, por foro perpetuo, com casa de tijolo,
sendo grande, e com bons commodos, bem
como estribara, e quarto para prelos ; tem
difierentes arvores de fruclo, e (erra para
plantaces: quem pretender, dirija-se ao
engenho Ucboa, que achara com quem tra-
tar.
Vendem-se mcias compridas c curtas
Jo Iu Jt uuiiuiii. miiii costura, uliejju-
das de Lisboa no ultimo navio, por prero
muito eommodo : na ra do Qucimado
n. 41.
Velas de esper-
macete.
Vendem-se caixas com 23 libras de re-
las de (i em libra, a preco eommodo; em
casa de Isaac Curio & C, ra da Cruz
11. 19.
Vende-se uma crioulinha com Han-
nos de idade, bem parecida : na ra do Hos-
picio n. 15, se dir quem a vende, e onda ha
de ser procurado.
Grande fabrica
de tamancos, na na l)i-
reitri, esquina do becco de
S. Pedro n. 16.
Neste estabelecimeuto ha effectivamente
uni grande sortimento de tamancos, tanto
para bomcm como para meninos esenhoras,
a retalho ou mesmo em grandes porches,
para o mato ou mesmo para a praca, muito
cm conta e a vontade dos compradores.
- Vende-se borracha para sapatos c bor-
zeguins a 400 rs. o palmo : na loja de sapa-
tos na ra Nova n. 26.
ni nova loja da rua do
Colie^io n. 9,
vendem-sc pe^as de madapolio largo e fino
I com um pequeo mofo a 45500, pecas de al-
godUo grosso a 8?, chales de merino de to-
das as cores a 55500 e a 95, de tarlatana a 15,
chapeos de sol muito finos de panno a 2/ e a
2$500, um completo sortimento de.corles de
calcas a 1, capas de panno todas forradas a
4>500 e "5, pegas de esguiao muito fino a
3f500, chitas largas francezas a 320 o cova-
do, mussulinas de cor multo lindas a 320 o
covado, redes a 5?, cortes de calcas para bo-
mem a 80o rs. cada um.
covado, a
240 rs.
Cassas francezas de gostos novos a 240 o
covado ; dao-se amostras : na loja das 6
portas em frente do Livramento.
la loja
das seis portas
EM FRENTE DO LIVRAMEiMU.
A 240 rs.
Cassas francezas de bonitos gostos a 240 o
covado, riscado francez a 160 o covado :
dao-se amostras com penhor.
i'Aigene Chcqaot
participa ao respeitavel publico, em Pcr-
namliuco, que o nico deposito, nesta
praca, de seu muito condecido vinlio de
champanhe, be na casa dos Srs. J. Prac-
ger J. PRAEGER & COMPANHIA.
Pr*aa da Cruz II. 11.
Recchciam pelo ultimo navio de Ha-
vre, uma nova porcao de afamado c la-
moso
V1NH DS CHAMPANHE
deEUgene lMcquot a Keims.
Tintas
Vndete urna porcao de tintas prepa-
radas, assim como algumas barricas de
alvaiade : no armazem de J. PraegCl'di
Companhia, rua da Cruz. n. 1 i.
CHAPEOS A TAMBERLIK
Do afamado fabricante
Pinneau de Paris.
Acalian: de cliejjar pelo ultimo paquete,
os supra mencionados chapeos deste afa-
mado fabricante, e vende-se na loja de
I portas, da rua da Cadeia do Kecifo n.
18, de Narciso Mana Carneiso.
Methodo facilimo.
Na li'raria da praca da Independencia n.
6e8, vende-sc o methodo facilimo-para
aprendora ler, novamente impresso e aug-
mentado, por mil reis.
Vende-se queijo do -ertao
a 480 rs. a libra, manteiga ingleza a 640,
queijo do reino a 15500, 15600 e 1^900, fari-
nha do reino a 120, gomma a 100 rs., lingui-
?a do reino a 400 e 640, vinho do Porto en-
garrafado a 15000, dito de Lisboa a 560, ba-
nda de porco a 520 : as Cinco Ponas n. 21.
Bolachas grandes ameri-
canas a lO rs. a libra.
pateo
Planta da cidade do Re-
cife
Vende-se a planta da cidade do Recife e
seus arrabaldes, feita pelo .sr. Dr. Jos Ita-
mede Alves Ferreira, por seis mil reis' na
livraria n. 6 es da praca da Independencia.
Mappa das distancias da
provincia.
Na livraria n. 6 e 8 da praqa da Indepen-
dencia, vende-se o mappa das distancias
das differenles villas da cidade entre si, e
relac.5o a capital da mesma, a mil reis.
Algodaozinhcr ca Bahia
para saceos de assucar : vende-se em casa
de N. O. Bieber Companhia, rua da Cruz
n. 4.
N. O. Rieber companhia, rua ds
Cruz n. 4, vendem :
Lonas da Itussia.
dem inglezas.
BrinzSo.
Brinsda Russia.
Vinho de Madeira.
Algudao para saceos de assucar
Machiuismo pa-
tente ingle/
Os melhores relogios do ouro, patente in
gloz, veudem-se por preijos razoaveis, no
eseriptono do agente Oliveira, rua da Ca-
deia do Kecife u. 62, primeiro andar.
Peonas de ema, cera de abelha e de
carnauba.
Na rua da Cadeia do Recife, loja n. 50, de-
fronte da rua da Madre de Dos, h para
vender os gneros cima, recentemente cho-
gados, por precos razoaveis.
Agencia
da fundico Low-.lo:=r,
rua da Vnzala Mova
n. 42.
Neste cstabelc um completo sortimento de moendasemeias
ino- ni!a> para engenho, machinas de vapor
e taixas de ferro balido e coado de lodosos
tamanhos para dito.
Emcasa de Saunders Brothers C. praca
do Corpo Sanioo. ll,ki para vindir o m uinu
Ferro inglez.
Pixeda Suena.
AJcairo de carvo,
Ennas de linbo.
Esponjas.
Drogas.
Algodolizopara saccas.
Silo atrancado igual ao da Bahia
E um coapleto sonimento da fzendasproprio
para jsie mercado tudo por preco eommodo.
Momhosdo vento
comhombas de repujo para reijar horlaseba
xa de cap ni: na (umlicSo de W. Bowmau
na rua do Bru ns. 6 8 e 10.
Foi Iransferido o deposito desle xarope para i bo
tica dejse da Cruz Sanios, narua Novan. 53*
j^arrafat 5t*)500, mejrtsH^OOO. sendo t.il-utodo
aquel le que ninfor vendido nesle deposito, pelo
quesefaz opresenU.-iviso.
niPORTASTE PARA OPIBLICO.
Para cunde phlyaieaem imlusosiieusilifleren
lesgros, quer in oliva da porcooitipafSe*, tosse
asllima.pleuriz.esrarros desauiue, drdeeos-
lados p peito, palpitaran no corarao.coqueluche
lironcliile, dorna earu'anla, e lodas asmoleslia
dos ora os pulmonares.
Sao muito finas
e de muito bons gostos.
Mussulims muiio linas, matizadas com
lindas cores, de padroes muito bonitos e
inteirameme novos; vendem-se pelo dimi-
nuto preco de 560 rs. o covado : na rua do
Queimado n. 22, loja da boa f.
A3$500
Vendc-se cal de Lisboa ultima'mente che-
gada, assim como polassa da Hussia verda-
deira : na praca do Corpo Sanio n. 11.
(^emento novo
Na rua da Cadeia de Sanio Anlonio, arma-
zem de materiacs, por preco eommodo.
Caixinhas para
voltarete.
Vendem-sc bonitas caixinhas com lentos
de marlini para voltarete, pelo baralissimo
prego de 5? o 6:000 : narua do Qucimado,
na bem conhecida loja de miudezas da boa
fama n. 33.
Luvas de pellica
para homens e senhoras,
chegadinhas pelo ul-
timo vapor inglez.
Vendem-se verdadeirase bem conhecidas
luvas de pellica de Jouvin, amarcllas e bran-
cas, para homens esenhoras, pelo baratissi-
mo preco de 2:300 rs. o par, ditas brancas,
amarcllas e prelas, todas de seda e aerfeila-
mente boas, sem deleito algum, para ho-
mens, senhoras, meninos o meninas, pelo
barato prego de 800, 1s e 1:500 rs. o par,
dilas brancas de algodSo para bomem e se-
nhoras, proprias para montar a cavallo a 320,
400 e 500 rs., ditas de cores muito linas, de
lio da Escocia, para homens e senboras a 40o,
500 c 640 rs e alem destas outras mais qua-
lidades de luvas, e lodas por mais barato
prego do que em outra qualquer parte : na
rua do Queimado, na bem conhecida loja de
miudezas da boa fama n. 33.
Mcias de todas
Jogos de domin
Vendem-se caixinhas rom jogoscomplo-
tos de dminos, pelo birato preco de 1-joo.
1:50o e 2- rs. cada jogo na rua do Quei ata-
do, na bem conhecida loja de miudezas da
boa lama n. 33.
Grande sorti-
to-
l*nn
9
9
,aaaa
27!
2NWO
:i^xi
liorna
I

*aaa
E
i:
F^inho to
Porto.
Na rua da Madre de Dos, loja n. 34, con-
linua-se a vender o muito superior vinho do
Porto engarrafado, cm caixas de uma e duas
duzias, das eras de 1815 e 1834, assim como
vinho fino do Porto, em barris de quinto,
oitavo e vigsimo, vinho branco e geropiga
branca, em barris de quinto ; tambem Iro-
cam-se iraagens de Santo Anlonio de prata,
vultos pequeos muilo perfeitos, por quan-
lia mdica.
Para noite de S. Joo.
Vendem-se amendoas confeitadss de todas
as crese cheias de mcl, proprias para as
sortes da noite de S. Joo, por barato preco:
no deposito da rua de S. Francisco n. 6.
Bouecas mgicas.
Aebam-se a venda, por eommodo prego,
bonecas com gaveta mgica, para brinque-
Vendem-senas Cinco Pontas n.93,
do Tergo n. 21, dito da Penha n. 10.
Venda de
pianos.
Vendem-sc muitos lindos e excedentes
pianos, chepudos ltimamente de llam-
buigo, ecom lindos retratos no frontes-
picio : na rua da Cruz n. 55', casa de J.
Keller & C
Cobre
LfAS
cobertos e descobertos, pequeos e grandes,
jl* 0a.ro patente inglez. para bomem ese-
i nhora de i ii dos melhores fabricantes de
Liverpool, indos pelo uliimo paquete in-
I glec: eo i \sa de Southall Mellor & C, ru
>*o ioaws ". j. *
AigvdSLo tnonstro, he pe-
chincha.
Wendo-sc algodSo monstro com 8 pnlmos
de largura, proprios para toalhas e leucoes,
pelo diminuto prego de 600 rs. a vara : na
rua do Queimado n. 22, na loja da boa f.
relogios de pa-
tente
ingieres de ouro, de sabonete e de vidro :
vendem-se a preco razoavcl, em casa de
Augusto Cesar de Abren, na rua da Ca-
deia do Heci'e, armazem n. 10.
Charutos de flava-
na: vendem-se em casa
de G. >. Astley & C.
Botoes para pa-
litos, colletes, [>:mhos le
camisa, e para casa-
veques de senhora
Vendem-se aboioaduras muito finas de
madreperola para colleles, pelo baralissfmo
prego de 5<>0 rs., ditas muilo ricas de tod?s
as cores a VOOe 500 rs., dilas muito linas de
madreperola para palitos de bomem e de
meninos a 500, (00 e 800 rs., botos de moi-
zaique e outras qualidades. de muitt ricos
gostos, paia punbos c collarinhos de carr.i
sa, pelo barato prego de 800 e 23 rs ataca-
dores do cornalina, para casaca a 300 rs.,
botoes de vidro de muilo lindos padroes,
proprios para casavequesa 800 rs. a duzia,
e outras mais qualidades de botoes, que se
vendem muilo barato : na rua do Queima-
do, na bem conhecida loja de miudezas da
boa fama n. 33.
no aima/.cm de-
dos : no deposito
n. 6.
da rua de S. Francisco
para forro de navios :
Tasso Irmaos.
A \OSOOO
Vende-se excellente cora de carnauba do
Aracaty, e Assu', de uma sacca para cima,
escolhendo o comprador a sua vontade, pe-
lo indicado prego de 10^ a arroba : no ar-
mazem de D. P,. Andrade & C, rua da Cruz
n. 15.
OS,
Em casa deRabeSc'imettflu sCompanhias
rua da Cadeia n. 37, vendem-se elegante,
Pianos do afamado fabricante Ti aumann de
Hamburgo.
Vende-se superior linhas de algodao
brancas, o de cores, cm novello, para costu-
ra, em casi de Southall Mellor .\ C., rua do
Torres n. 38.
TAIXAS PAMA ENGENHO.
Va (undipo de ferro de D. W. Bowmana n
LAIA
para pa
Vcndem-se superiores mcias prctas de
laia par padres, pelo baratissimo prego de
1S00 o par, ditas de pura lila a 1^500, e di-
tas muilo superiores de algodSo a 6p0 rs. :
na rua o Queimado, na bem conhecida loja
de miud'zas da boa fama n. 33.
m
10
Vendem-se os melhores queijos do
reino que ha no mercado a 1:410, macarrSo,
talliarim a 320, manteiga ingleza nova a 800 .
rs., linguigas do reino a 180, loucinho de "*' passando o cliafarfi, continua ha
Santosa2S0, o mais novo no mercado: na derumcorapleto soriimenloda taixesdeferrofun
rua Direila n. 14, esquina que vira para S.
Pedro.
co, que mudou sua residencia para o seu si- i traques a 280 rs. a carta,
to na Passagem da Magdalena, que lica ao I Vende-se uma escrava crioula, de ida-
norle da estrada entre a ponte grande e a do de da 22 a 23 annos, oplima engommadeira !
t-nora-meiuno, e ah tem preparado uma'na rua Bolla, casa n. 2, so dir quem vendo.
PECHINCHA.
Na rua Direita n. 27, vendem-se queijos
chegados ltimamente pelo vapor, muito
novos. a 1:800. ditos a 1:500, ditos a l;40o,
ditos a 1/300, ditos a 19200, manteiga ingle-
za muito nova a 960, dita a 800, dita a 640,
dita a 560, franceza a 800 rs., dita a 720,
chourigas do reino a 600 rs. a libra, e oulros
muitos gneros que se vendcro por prego
eommodo.
NA FUNDICO OE FERRO DO ENGE-
NIIEIRO DAVID W. BOWMAN, NA
KL'A DO BRUM, PASSANDO O oIIA-
FARIZ,
ha sempre un grande soriimenlo doslagoiotn oli-
jeclos demedianismosproprios paraeii'.enlios.a sa-
ber : nioeudase meias impendas, ila mais moderna
conslrucrao ; laixas de ferro rundido e balido, de
superior qualidade e de lodososlamanhoi; rodas
dentadas paraagua ou animies,detodnaipropor-
roes; ciMise bocas deforoallia eregiilroada bo-
eiro, a,iii Oes. lirnzes.paral'usos c ca\llioes,moi-
nhos de mandioca, ele. elr.
NA MESMA ILNDICA'O.
se eveculam lodas as encommenda com a superio-
ridade ja conhecida com a devida [presteza ecom-
rDodidade en, preco.
Oculos c lonetas
iie todas as qualidades.
Vendem-se oculos de todas as graduagoes
com delicadas armagoes de ago, pelo bara,()
as qualidades.
Vendem-se meias de seda e peso, brancas
e prelas para senhora, pelo baratissimo pre-
go de 39500 rs. o par, ditas brancas da mes-
ma qualidade para meninas a 29000, ditas
pinladinhas de cores muitissimo bonitas,
proprias para baptisado de mangas a -2,00o o
par, ditas brancas de algodao, muito linas,
para senhora a 320, 400, 500 e 600 rs. o par,
ditas prelas de algodao muito finas tambem
para senhoras a 400 e 500 rs., ditas cruas e
~asvps8T homens a 160,200, 240, 3S0'e
'.. o par, ditas de cores de fio da Cscoc i
im para bomem a 400 e 500 rs., dit
muito Qoaa v. fui le:s para meninos, di-
tas in ..nras. e de cores para meninas e meni-
nos, e outras mais qualidades que se vendem
muito baralo : na rua do Queimado, na bem
conhecida loja de miudezas da boa fama
n. 33.
Brinquedos pa-
ra meninos,,
Vende-se diversidade de brinquedos para
criangas, por prego muilo barato : na rua
do Queimado, na bem conhecida ioja de
miudezas da boa faman. 33.
Leqes muito fi-
nos.
Vendem-se superiores Ir s com plumas,
espelho e bolotas, pelo bai simo prego de
29000 cada um : na rua do eimado, na
bem conhecida loja de miadezas da boa Ta-
ma n. 33.
NA LOJA
da boa f,
venderse muito barato
Colchas de damasco pelo diminuto prego
de OjOOO, ricos pannos para mesa a 39, atoa-
Ihado adamascado com 8 palmos de largura
a Itioo a vara, mussulina branca muito fina
a 500 rs. o covado, ditas de cores de padres
bonitos a 320 o covado, chitas francezas
muilo finas a 320 o covado, brim branco de
puro linho a 19440 a vara, dito pardo tran-
gado tambem de puro linho a 19280 a vara,
ganga amarella muito lina a 320 o covado,
cambraia muito una com salpicos bramos e
de cores a Ir a vara, alpaca preta Gna a 640 o
covado, calilao pretomuilo fino, fazenda su-
perior e propria para vestidos de luto a 960
o covado, panno fino azul a 38 o covado, dito
muito lino a 5/, dito preto muito fino a 51,
dito muit > superior a 69, ditos verde escuro
e cor de caf muito superiores a 69, cortes
de casemira preta, fina, para caiga, com lis-
ira bordada a 109, cortes de gorgurSo de
seda para collele a ~2/f, ditos de casemira
pela bordada a 69, fustSo branco muilo li-
no a 29 o covado, cortes de cambraia preta
com 7 varas, pelo diminuto prego de 29 cada
um, dilos de dila branca com salpicos de
cores, tambem com 7 varas a 29240, sarja
preta hespanhola a 29 o covado, grosdena-
ples de cores a 1/800 o covado, selitn preto
lavrado muito superior a X;500 o covado,
gorgurao preto de seda com salpicos, pro-
prio nara colletes a 3>50o o covado, luvas
brancas muito finas, de fio de Escocia, muito
proprias para os Srs. odiciaes militares, pelo
baratissimo prego de 19 e par, meias pretas
de 13a, proprias para os Srs sacerdotes a
19280 rs. o par, ditas de laia muito superio-
res a 1800 o par, mcias de algodao cru
muilo superiores para meninos a400rs.o
par, lengosj brancos de linho muilo linos a
400 rs., chales de 15a rdxos e pretos, pelo
baralo prego de 39, fil de linho liso muilo
lino a 800 rs. a vara, princeza pnla lina a
720 o covado, dita muito fina que rivalisa
com merino a l o covado, e alem disto um
completo sortimento de fazendas de todas as
qualidades, quee vendem muito baralo, na
ua do Queimado n.*22, na bem
loja da boa fe.
ment de fazendas de
das as qualidades.
'arsar3o de irdi de cores rom raaucrai.
proprio pin volido de tensara, a cava-
do .... ,.....1 .
Hicas maulas de bload prela e braocai.
I,ns de linbo a
lirosdenaple prelo laviado, covado. .
hilo dito liso muito largo, covado. ...
hila cor de rosa multo encornado ...
Sarja preta lispiuholi muilo eararaioa,
covado............
Selim prelo macao toparior, cavado .
Panno lino prelo e de ires, covado de t-
n. a............
Corles de casemira de crn com barr aa
lado e de quidrinho, corla.....
Cortil de colletei (ile velludo prala 4a
cores............
Cortil decollilei desoiqurau da eda aa
varios pidroes a........
Meias cruas supe inres para meninoa .
Corles de vestido de tadi de nm para te-
nhora, o mais rico que hi na mercada.
tiravatas de seda prelis a de rt*rr ...
Chalis de merino bordado a velludo.
Hitos de dito bordidos 1 >edi .
hitos de dito com lislri de Kda ....
Ditos da dilo com barra malisida, lisas. .
Dilos de dilo lisos.........
Hilos de dito rom franjas da lia .
hilos de lAa adamascados prelos e da cra*.
Lencos para mAo.de cmbrala de lina*,litas
Pablos de alpaca prela tina e de car. .
lioudnlas de alpaca preta e de cor. .
Pupelina de sedi de cores, miliaSaa, ca-
vado.............
Chai de seda de cores, com quidrat, ca-
vado ..........
I.aa de quadros pequeos a prindes, co-
vido............
Ua e sida, bouilos padroes, rotarte. .
Kicos corlea da laa de ramagem militada
coto] 15 covados........
Mauritana de seda de cores con vara de
largura, covado........ .
I'rsulina da teda com litlrit miliadaa, ca-
vado............
Sedas de quadros de novo* padroet.eavad*.
Chapaos de matsa. Trncete! Mpariaraa .
huqueza di seda com ramagem, cavada. .
Muwulmi da cores moi linda-, cavada. .
Chilis frineeiai fins....... .
Cassas francezas de cores fi\i, vara .
Em Trema do Liceo da Cougre4a{ae, a
loja D. lo.
Taclias de ferro.
Na fundicSo da Aurora em Santo Amaro-
e tambem no deposito na rua do Itrura, logo
na entrada, e defronte do arsenal de man-
tilla, ha sempre um grande sortimento da
tachas, tanto de fabrica nacional como es-
trangeira, batida, fundidas, grandes, pe-
quenas, rasas c fundas ; e em ambos os lu-
gares existem guindastes para carregar en
'10as ou carros, livres de despeza. O preco
soo s mais commodos.
94M
49Mf
59aa
irii
9"ia
.'One
795S
73a
WB
2WI
oa
sagat da
Moendas superiores.
Na uiidigSo de C. Starr A Companhia, m
Santo Amaro, acham-se para vendar moen-
das de raima lodas de trro, c i.ui uiudeiio
cniistnicc.no muito superiores.
Arados de ferro.
Na fundigSo de C. Starr & Companhia, cm
Santo Amaro, acham-se nara vender arados
de ferro de um modello e construccSo muito
superiores.
Stotawi MtiM
Na manhaa do da 22 de maio dcsie
anuo de 1h.i7, ausentou-se do engenho Mi
tapiruma da freguezia da Eacada, um escra-
vode Florimundoda Silveira Lins, morador
em dito engenho. O mencionado aacravo
cbama-se Jos, com idade de 18 a SO annos,
he cabra claro, altura mediana, caballos ca-
rapinhos, sobrancelbas grossas e encontra-
das, nariz um tanto afilado, espadando em
proporgSo ao corpo, tem um dos dados dei
um dos ps torcido por cima do pollegar. O
ditoescravo foi morador no scrUlo a lugar
Pao das Trras, aonde foi vendido, veio para
Caruaru' vendido ao aununciante em abril
ultimo: quem capturar dito escravo e en-
Degar no referido engenho, sari beaa re
compensado,
Fugio do engenho Sipoal, termo de
Nazareth, um moleque de 16 a 18 annos, cri-
oulo, sci ro do corpo, pernas finas, pea cofa
pridus e descarnados, cabeca e cabello frau-
de, meio fula, queixo fino e mages do rosto
elevadas, bocea grande, denles larga* a
meio acangulado, gosU de fumar, sobran-
ceibas prelas: quem o pegar leve-o ao mes-
mo engenho a Cuilhermino Jos de Moraes,
lavradur do dito engenho, que gratificara
generosamente.
Continua a andar fgido desde 8 de
fevereiro do cm rente auno o negro de bordo
do brigueMelampo, de nome Marcelino, da
nagio 1.11 bmda, altura regular, secco do cor-
po, rosto enmprido, barba cerrada, a cria
suissa, com falta de dentes na Trente, e cons-
ta estar Irabalhando na estrada da ferro :
quem o pegar leve-o a rua do Trapiche n.
14, primeiro andar, escriptorio de Manoel
Alves Cuerra.que sera generosaaaenU gratifi-
cado.
Fugio em principio deste m<*z, do en-
genho Queimadas, freguezia de Bsrreiros,
o escravos Miguel, crioulo, sapaleiro, ceg
do olho esquerdo, gago, cinhoto. idade 30
annos, barbado, alto, secco do corpo, cor
fula, o qual em novembro do auno proxiato
passaiio tora apprebcndido pelos capitaes
de campo Joo Fagundes de Araujo a Anto-
nio Jos da Silva, as maltas do Prala, cm
Agua Prela, em poder do Joto Jos de Rosas.
genro do Caudilho <:actaao Alves, em cojo
poder e de Miguel A (Tonso Fen-eira, que o
seducio, esteve oceulto Sanee*, constando
agora que ditoescravo da aam> procurara
laes proiecces: roga-sa perianto aa auto-
ridades policiaes e espitase de campo, ba-
jara de o apprehender, e levar ao dito en-
genho, onde generosamente se satisfar as
despezas ; protestando-a contra quem quer
que o tenha oceultoem seu poder, de se pro-
seguir nos termos da lei, alim de evilar-se
tantos escndalos sempre prejudiciaes aos
bragos da nossa agricultura.
Candieiros pro-
prios para estudantes
Vendem-se muito lindos candicires pro-
prios para estudantes, pelo baralo prego de
Fugio no da 30 de maio prximo pes-
sado, de bordo da barca brasilcira Malbilde,
um mulato de nome Cosme, com os signaes
seguales : estatura regular, corno grosso,
cabellos crespos, olbos pardos, p:s grossos,
levou vestido caiga c camisa branca, e uma
trouxa rom diversas roupa> para mudar ; loi
condecida I ,.m companhia de um negro de nome Antonio
que tambem fugio de bordo da moma barca,
j com os signaos seguinles : er preta, *~>tatu-
! ra regular, olhos pequenos, narir chalo, tesa
uma cicatriz na cabega por cima da orrlha
direila, c levou vestido caiga e camisa azul,
e da pelo appellido de l.oanda.o mulato ci-
ma foi escravo do lv.l. ronegu Manoel Josc
Fernandes, e vendido aqui por Manoel i.on-
la 3 a 8 palmos de bocea, a. ,-1 prego de ^rsTcl^OO^dts^om^rn^OOs ^1 *^ft n.*j?? ^ gS'ambos' 2TJ25Z2'ater.' do Sat
xcira, roga-so a todas as autoridades poli-
acaani-se a venda,por epreco eommodo *com douradas e prateadas a '19200 e 18500, ditos, cida loja de miudezas da boa fama n. 33.
promplido: embarcam-s oucarriga-si mear com armecao de bfalo a 19200, ditos com
ro semdospeza ao comprador. I armagao de baleja a 480, ditos com armagilo
I do metal branco a 400 rs., lunetas de um s
ellins e relios.
SEI.I.I.N5 a BBLOGIOS ile palenli
inglez : a venda no armazem de
Kostron Kouker ,\ Companhia, es-
quina do largo Uo Corpo Sanio nu-
mero i.
vidro redondas e quadradas com aro deb-
talo a 500 rs., ditas do dous vidros tambem
com atinar ni de bfalo a 19500, dilas de um
s vidro reaondas e quadradas com aro de
Cinturoes de
borracha.
tartaruga a 19200 e 19500 : na rua do Quei-1 nos, e pelo barato prego de 10000 cada um :
mado, ua bom conbecidada loja de miudezas i na rua do Queimado, na bem conhecida loja
da boa fama 11. 33. 1 de miudezas da boa fama u. 23.
ciacs, c a capitaes campo, a apprehensSo dos
ditos escravos, e muito principalmente as
autoridades d'aqui para a dita sana do Tei-
teira, por so desconfiar ter seguido para
: la o dilo mulato : quem os pegar leve-osa
\endem-se superiores e muito bonitos I rasa de seu senhor Manoel Alves Coerra. rua
racha para bomem e meni- | j Trapiche n. 14, primeiro andar, que sera
eneros.mente gratificado.
PEK.N. 1VP. DE at. r. DE FAJUA : 1857;
MUTILADO

ILEGIVFL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5E675SC1_XYZ1QZ INGEST_TIME 2013-04-26T21:19:31Z PACKAGE AA00011611_07779
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES