Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07772


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AUNO XXXIII R. 114
Por 3 mezes adiantados 4;J000j
Por o mezes vencidos 4$500.

SEU'ND.V FEIRA I DE JIMIO DE 1857,
Por anuo adjuntado 15$000.
Porte franco para o subscriptor;
i\i Alli.Kt.ADOS DA SIIBSCRIPCA'O NO NORTE.
Pirahiba, 8r. Joao Rodolpho Gomes; Natal, I Br. Joa-
uim I. Partir Jnior; Aracatv, o 8r. .V. da Leraos Braga ;
aari, o Sr. J. Jos da Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Mar-
ow Rodrigues ; Piauhv, o gr. Domingoa Herculsno A. Petsoa
aearmsa ; Para', Sr, Juilino J. Ramoi i Amaionai, a ll. Jiro-
nymo da Coala.
PAIITIDA DOS COUltKElOS
OliniU : loda* os da., as l e meia hora. 4n fia.
Iguarats. Uoihi a Parahiba : aai viandas eaias-felras.
S. Ant.....Reserrua, Boaftv, Cmara, Alunl.....Garaaaana: ai larea-Wri
S.Loarea(0 Pao-dMlao, Naiareta, Lia.....ni, rejo, Prsqana, luja
afra, Fion, Vilte-BeMa, Boa-Vlila, Oriearj Ki ni ijaanas-Mni
Cabo, Ifojaca, Sacialilai, Rio-FaffaKMO, Una. Barrairoa, Afoa-Prata
1....."''" e Nalal : aalalae-feral.
(lodo. eorrnoa parten a> lo hora da manla.
AUDIENCIAS DOS THIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio .- tegundat quintal.
ftelacao ; lercas-feirai a labbadoi.
Fazenda .* quartas a sabbados as 10 horaf.
luizo do commercio : segundas aa 10 horas a quintil 10 msla-dla.
Juizo di orpboi: legundat a quintas as 10 horas.
' nmaira rara do cirel : sagundaa a saltas ao msio-dia.
Sagunda rara do ciral: quartai sabbadasao mile-dii.
BPHESIERIDCS lio HEZ DE JIMIO*
f 7 La cheia as 3 horas a 3 minutos da (arde.
1S Quarlo niinguanie as a huras a B0 minuto di manila!.
21 La ora as 7 horas a 41 minutos da larda.
2'J Quino crescenta as 2 horai a 1 minuto da manhai.
PREMIAR DE IIO.IE.
Primeira as 10 horas e 54 minutos da manhaa.
Segunda as 11 horas a 18 minutos da tarda.
DAS da semana.
1 Segunda. Ss. Firmo c Felino Un.
2 Terta. S. Marrclioo prrsh. e Pedro orcist
II (.marta. Ss. Heajicuiinue Laurenlitio Mm.
4 Qniota. -. Qnirin b. : Ss. Rolilu e Daciann Mm.
5 Sexta S. Pacifico f. Ss Nicacio e Appolouio Mm.
ti Sbado. S. Nurbertu b. ; Ss. Enstogio c Claudio Hb.
7 Domingo, da Satissima Trindade o 1. dcpoii do Kspirito Santo.
EVCAIUIEGADOS DA SlliS4*lPi;.ft ko M
Alagoas. o Sr. Claudios Falca Km ; Babia, a Bt. B.
Rio di Janeiro,o Sr.Joao reraira Marina.
III PER NAMB < O proprieiarie do DIARIO Manoel rifuairaa te Parta,
livrarii, praea da Independaacia na. ( a I.
PARTE OPPIOIAL
QOVERBIO DA PROVINCIA /
LE N. 417. _^, '-
Joiqaim Pires Machado l'orleJUa'we-presidnle
da provincia de Pernambaco. taco saber a lodos
oa seas habitantes que a asrombla leeistatiTa
provincial decrelou, e eu saoeciooei a resoluto se-
guinle.
Arl. nico. Fie approvado o compromisso da
irmandnde de Noasa Senhora do l.ivramenlo de S.
Loureuco da Mala, e revogadat as dispotir-ct era
contrario.
Mando, por tanto, i tnjaa as autoridades a quem
o conhecimento e execueio da referida retolac, lo per-
tencer, que a cnmpiam e fac,am cumprir tao intei-
ramente como nella se contem. O,secretario da pro-
vincia a faca imprimir, publicar correr.
Cidade do Recita de Pernarobaeo, aos tS diaa do
mea de rnaio de 1857, trigsimo aeito da indepen-
dencia e do imperio.
L. S.
Joaquim Pires Machado Porlclla.
Carla de le pela qoal V. Eie. manda ecular a
resoluc.au da asla legislativa provincial, que
sanecionou, apprnvando o compromisso da irraan-
dade de Nossa Scithora do l.ivramenlo da freguuia
de S. Loorenco da Mata.
Para V. Re. ver.
Firmino llerculano'.Baptista Ribeiro, a fez.
Sellada e publicada nenia secretaria do governo
da provincia de Peruambueo aos 18 de maio dc!857.
Jos Benlo da Cunta Figueiredo Jnior, otlicial-
maior servindo de secretario.
Kegiatrada a fl. 61 v. do livrn i. de leis provin-
ciaes. Secretaria do governo de Pernambucu 18 de
maio da 1857. Francisco de l.emos Duarle.
LE N. 418.
Joaquim Pires Machado Porlella, vico-presidente
da provincia de Pernambuco. Far;o saber a todoa
os seus habitantes qoe a asscroblca legislativa
provincial decretou, e eu saurcionei aresolucao se-
goinle :
Arl. 1. Fiea approvado o compromiso da irmiin-
dade de Nossa Seobora do Bum Conselho com a se-
guale alterar-es :
1. Ao' arl. i.Em losar de mesa geral di-
ga-setnesi administrativa.
S 2. Ao arl. 12.acrescenle-se os procurado-
res e adjunctos serio substituidos pelos que se segui-
rn] ua onleui da votario, decidinjo a sude em ca-
so de empale.
S 3. Ao arl. 1:1 j.",. depois das palavras reeo-
ber reqoerimentos e propaslas para irmausacres-
cente-sevolar sobrer a ai1rmsao deltas. E acres-
cente-se mais ao artigo o seguinte ^ Eleger a jm-
za, escriv.n e mordonia* por devurau.
4. No arl. 26 supprimain-se as palsvras do
arl. 4. e o
S 5. No arl. -2S S 1. SuppriTum-se as palavras
6 M assim a jui i, e-crva e mordon,as por de-
voro.
g t. No at. 2S S Sunprira tm-se as palavras
tomar conhecimento at deliberar.
7. Ao arl. -21.) na ultima parle seja ubslitoido
pelo seguinle. Cada irmao entregara ama cdula
com leu voto para juiz ; depuis oalra psra secreta-
rio ; depois oulra para Ihesoureiro ; depois uulra
com cinco nomes para procurador", e finalmente
oulra com quatro nomes para adjuntos.
8. O art. 30 seja substituido pelo segninle :
recolhidas as clulas parajutz em una urna, sa-
rao contados pelo irmjlu esrruia.lur, '|ue chando-as
conformes, passara* logo a le-las nina por orna, em
voa alta, e as iMilregara' eo juiz para verificar a es-aj
aalidao. O que ohliver umioria de volos, sera' de-
aclarado juiz. Seijuir*e-ha o recolliimeiito da rs-
lulas para serreano, Begaiado-aej o mesmo proces-
as), e assim al ullimar-se a eleira > para
da prjjsjlncia de Pernambuco aos 19 de maio de 1857
^-Jos Benlo da Cunha Figueiredo Juuiur, oflicial
miior servindo de secretario.
Registrada a fl. (il v. do livro i de leis provin-
Cae.Secretaria do soverno de Pernamboco aos
19 da maio de I8Y7.Francisco de l.emos Duarle.
LE N. 41.
Joaquim Pires Machado Porlella, vice-presidenle
da provincia de Pernambuco. |:aro saber a lodos
os seus habitantes qoe'a aisembia legislativa pro-
vincial decrelou, e eu sanecionei a re.-nlm .n se-
goinle :
rtico onico. Fica prorosada por mais dous ali-
os a licenca concedida com ordenado pela lei n.
158 da 1855, ao ajudanle de enseuheiro Joaquim Pi-
res Carneiro Monteiro para continuar na Europa os
seus esludos ; revogadas as disposii;es em con-
trario.
Mando, por lano, a todas as autoridades, a quem
o rouhecimenlo e execoeflo da referida lei perlen-
cer, que a cumpram e tacara cumprir tao iiiteira-
mente, como nella se contem. O secretario da pro-
vincia a far;a imprimir, publicare correr.Cidade do
Recite da Pernambuco aos 20 dias do mez de maio de
1857, trigsimo sedo da independencia e do impe-
rio.
L. S.
Joaquim Pires Machado Porlella.
Carla do lei pela qoal V. Ec. manda etecutar o
decreto da assemblca legislativa provincial que
sanecionou, prorogando por mais dous aunos a lieen-
a com ordenado conced la pela lei n. 338 de 1855
ao ajudanle de ensenheirus Joaquim Pires Carneiro
Monleiru para continuar os seus esludos oa Eu-
ropa.
Para V. Evc. ver.
Firmino llerculano Baplisla Ribeiro, a fez.
Sellada e publicada otaria secretaria do governo da
provincia ue Pernambuco aos 20 de maio de 1857.
Jos Benlo da Cunta FigueiredoJunior.offieial maior
servindo de secreiario.
Registrado a II. til do livro 4, de leis provinciaes.
Secretaria do aorerno de Pernambuco 2o de maio de
I87.Francisco de l.emos Duarte.
ludo* os
cargos da mesa.
S 9. O arl. :tl fica supprimido.
S 10. Ao arl. 38 aerescenle-so naa funcriies
esternas o capelUo estar' a' diraa dn jaiz.
^ 11. No art. 42. Subsliluain-so as palavras na
occasiAo al ser proposlas pela seguitilesa me-
ta admioistraliva pjdera', se julgar convenieote,
Mlager.
Arl. 2. F'ieam igoalmente approvados os com-
promissos dai irmanlades de Sania Crol dos prelos
caooairos da cidade do Recite, e do Senhor Boro
Jasas dos Martyrios, erecta na igreja de S. Joo da
cidade de Olioda.
Art. 3. Fteam revogadas as dsposic,es em con-
trario.
Mando, por lano, a todas as autoridades a quem
o conhecimento e execugio da referida lei per-
leneer, que a cumpram e fac.am cumprir 1,1.'
inteirameula como nella se contem. O secretario da
provincia a faca imprimir, publicar e correr. Ci-
dade do Recite da Peroambuco aos 19 dias do mez
de maio de 1857, trigsimo sexlo da indopendeoci-
e do imperio.
L.S.
Joaquim Pire Machado Porlella.
Carla de lei pela qual V. Ex,-, manda execular
a resolueao da assembla legislativa provincial,
que sanecionou,approvando os compromissos das ir-
mandades do Bom Conselho, de Santa Cruz dos pre-
los caooairos da cidade do Recifa, e do Sr. Bom Je-
sos dos Mirlvnos, erecta ua igreja de S. Joao da ci-
dade de (Miada, e fazeiido allomas alterares e lop-
press&es no primeiro dos mencionados compromis-
sos, na forma cima declarada.
Para V. Ese. ver.
Firmino llerculano"Baplisla Ribeiro, a fez
Sellada e publicada nesta secretaria do governo
Expediente do da 19 de maio.
OfficioAo Exm. hispo diocesano, rogando que
se digne de prestar cum urceucia o seu parecer sobre
o projecto n. 20 da assembla provincial.
DitoAo commaudante superior do Recib, para
mandar dispensar de ervirem no consellio de quali-
lirarto da suarda nacional do '!. 'balalho, "ao i."
escripiurario da Ihesouraria de fazenda, Manoel An-
tonio Cardlo, e o praticante Faustino Jos da Fon-
seca, cujos strvicos slo precisos aquella MparticJki.
Communicoa-se i ine-ui i Ihesouraria.
UiloAo me*mo, para attender como for compa-
livel com o servico, ao pedido que fazem os encar-
regadosda fe^ta de N. S. dos Prazeres na igreja do
Corpo Santo, de urna guarda de honia. para assis
lir a fesla da meimj senliora no da 21 do cr-
reme.
Dito Ao commandanle das armas, dizendo ficar
inleirado de lerem sido recolhidos ao hospital, us re-
crulas Felippe Santiago, Agostinho Ferreira e Joo
Baplista Evangelista 'do Nasciraentn, os dous pn-
meiros por soffierem de sarnas, e o nllimo para oh-
servar;ao, e recommindando ao mesmo lempo, que
mande por esle em liberdade, vislo ter apresentad i
isencAo legal.
DiloAo mesmo, inloinado-0 de ler deferido o
requerimeuio do recruta Manoel Esidio Comes de
Oliverira.'provindo a siia isene.o legal, |iara nao ser
obrigado a servir no evi-rcito.
Ditn-r-Ao chefe da.oalaeao naval, enviando a por-
tana que >. S. requisilou. afim de poder seguir par.l
a curte o 1. inncliinist lames Wl.e.-ker. 1
ltii -Ao rtiere rre polica, intelfan-io-o n ordenado o pagamento do pret das etapes abonadas
aos desertores do exercilo Jos Francisco de Souza
ver quola ao saldo de 208000 rs. que se d em seu
favor.
DitoAo commandanle de polica, aulorisando-o
a dar haixa do servico ao soldada daquclle corpo
Belarmino do Reg Barros.
DitoAo director das obras publicas, communi-
cando-lhe que fica dada a conveniente ordem para
o pagamento da primeira preslac/io a que lera direi-
to o arrematante da ponte sobre o riacho ltrumzi-
ulio.
Dilo A thesoararia provincial, para que informe
sobre a prelenrAo de Jos Faustino Mariuho Falco,
confirme exige a assembla provincial.
DitoAo commandanle de Femando, Iransmil-
lindo copia da relaco dos gneros que pelo conse-
lho administrativo foram enviados para aquclle pre-
sidio.
DiloAo mesmo, para fazer regressar para aqrii,
na prii ieira oppnrtunidade os reos Joao da Croz Si-
/ii lo. Manoel Rodrigues Giquiri, Anastacio Jos
Barbosa e Jos Soares da Silva, os quaes em de en-
trar em julgaiuenlo, no jury de Caruarii.Com-
municou-se ao chefe de polica.
PortarlaConcedendo de conformidade com a in-
formadlo da capilama do porlo, a licen;a qoe pedi-
ram os negocisnles Barroca i5 Catiro, para embar-
carem para Portugal 15 duzias de pranchet da ama-
relio alim de screm empreados em um brigue que
mandaram construir all.
HilaA agen'ia dos vapores brasileiros, para dar
passagem de estaNo para a llahia ao 1.* leneole Ri-
cardo da Silva Niives e sua senhora.
Dtspar&o* do lia 27 de maio.
Abaixos assignados moradores oa freguezia dos
Afogados, requeram que se mande collocar um eha-
fariz no paleo da matriz.Nio ha que deferir a vista
da informadlo juma por copia, da diracloria da com-
panhia de leberibe
ilacharel llrasilio de Amorim Bezerra, capitn do
1.- de artilharia.Ficara expedidas as convenientes
ordene no sentido em que pede o supplieanle.
Irraandade de Notsa Senhora da Paz dos Afosa-
dos, pedem que se mande correr urna lotera.in-
forme o Sr. tliesoureiro das loteras.
Joaquim Caelano de Souza Coosseiro, lente co-
ronel commandanle da fortaleza do Brum, rcquisl-
tandoque sejam ferropiados 2 soldados sentenciados
do .- de artllbarta.Remanido ao Sr. director do
arsenal de guerra para mandar fornecer.
Mara Joaquina da Concci^ao, requerendn que se
man le avahar u damuo causado em sua propritda-
de na villa do Cabo pela estrada do Sol, e ordenar-
se o respectivo pagamento.Informe o Sr. director
das obras publicas.
Manoel da Silva Mendonc,*, alteres da guarda na-
cional, pede reforma.Salisfaca o I." requisito do
art. si, do (lcrelo numero 722 de 25 de oulubro de
1850.
Oslado do lenle coronel commandanle do I', ha-
i hio de guarda nacional do Pao d'Alho, apresen-
lando as filiares de 2 do cmelas engajados para o
respectivo batalhs.Informe o Sr. inspector da
Ihesouraria de fazenda.
28
Candida Mendes da Cunha e Azevedo, prdindo
que se mande entregar o parecer do procurador fis-
cal eiarado no riquerimenlo da supplieanle.D-se-
Ihe por copia.
Domingos Alvos Malheus, requerendn lcene,a para
remellcr :lt pranclios de amarello para a cidade do
Porto.Informe o Sr. capillo do Porlo.
I ranci.r. Luciano do llego Calillo, pedindo para
serein admillidas na casa dos exposto* as snas lilhas
Isabel, e CotMlaneia.Informe a administradlo ge-
ral -los eslabelcriinenlns de cridade.
Officio do director interino das obras publicas, di-
endo que se mande construir una ponte
referida comarca. Declara oulro sim, que a jimia de Ir n que um juiz que era competente para u*n
saude se .reunir' ordinariamente "a secretariado
Sr. delegado do cirurgiao mor do exercilo as quar-
tas friras c sabbadns de cada semana, pelas 10 lluras
da ni inlil i, e quando succeda ser santificado qual-
quer dos indicados dias, a rcuniao se verificara' no
sulisequenle dia ulil.
O mesmo general determina, que na manhaa do
dia primeiro de junho prximo vindoftro, sa pane
revista de moslra ao* corpo* do exercilo aqui existen-
tes, aoda guarda nacional em aquarlelamento, e as
compauhias fixas, pela ordem seguate : s fi horas -i
companhia de artfices, s t e meia ao 8" batalh.lo
proces*o perca essa competencia com o andar dos
lempos. No mesmo caso esl.l actualmente o senado
qii.iuto a questao de que se trata. A sua competen-
cia cessou desde que desapparecou a r/.lo de ser do
privilegio do depulado.
Convencido, portante, *\p que o senado nAo pode
continuar a tomar conhecuneiilo desle processo sera
infracr.lo dos principios de nosso ilireilo, formolar
um reqiierimeuto para que se nuca a commisso
de eousiituicAo a respeilo da questao de compe-
tencia.
Fara' anda urna observaban. O senado tem deli*
ile mi,man i, as 7 ao lcl batalhAo da guarda naci- i berado sobre esle objecto sem converter-se em tri-
nal aqu.irtelado. ai 7 e Ires quarlos ao 10", as 8 e
meia aoj'.i ambos de infantaria, n< 9 a companhia
fixa de cavallaria, s 9 e Ires quartos ao |a balalhao
de arlilliaria a pe na cidade de Olinda.
Jott Joaquim Coelho.
IITERIOR
RIO DE JANEIRO
SENADO.
SESS.lO DE 8 DE MAIO DE 1857.
Presidencia do Sr. Manuel Ignacio Caealcanti de
da sessiio antece-
/.acerda.
approvada a acta
rio Juildl. I iilorin o Sr. inspectaf Ua ti
provincial.
i soiire i
itsoOJsffl
Morooii, Antonio Francisco do Nasciragulo e Jos
Pedro F'igucira.
DitoA' Ihesouraria de fazenda, para panar guia
de soccorrimenlo ao eapillo l.eopoldino da Silva
Azevedo, que segu para a Babia.Providcnciou-si
sobre a pissagem desse oflicial.
DiloA' mesma, declarando em soluc5o ao son
officio de 15 do crrenle, que o contrato feilo pela
diracloria das obras militares com Manoel Joaquim
Alves dos Santos, para ,: factura dos concert* da co-
zinha do quarlel das Cinco Ponas, fura apptovado
em 18 de abril de ultimo.
DiloA' mesma, commanicando-lhe, que em vis-
la do que ponderoo o director do arsenal de guerra,
resolver que Jlo Francisco da Silva, ex-prara do
corpo de artfices da corle, continoe. n.lo su a en-
saar gymnaslica aos artfices e aprendizes menores
daquelle arsenal, mas tambem a perceber o venci-
in-nio diario de 2- mu rs., qoe se Ihe mandoo abo-
nar por aviso da guerra de 8 de abril do auno pas-
tado, olo obstante findar-se no dia 21 do crreme o
prazo de uro auno, marcado para semelliante en-
tino.
DiloA' mesma, recnmmendando a expedido de
mas ordena, para que seja rucolhida a estaclo com-
petente, os direilos e emolumentos que lem de pa-
gar Joao Comes da Silva, para obter a sua carta de
2." lolieilia i de notas, escrivilo do crme o civel do
Bonita. Officiou-se ao nomeado, enviando a nota
dos emolumentos e direilos que lem de pagar.
DitoAo bacharel Delfino Augusto Cavalcanli de
Alhoqucrque, inteiraodo-o de ter nesta dala appro-
vado a conta que veio annexa ao seu offi.do de 19
de junho ullimo, das despezas por Smc. feitas com
soccorros prestados durante a sipidemia na comarca
do Bonito, onde exercera os cargos de juiz munici-
pal e delegado, e ordenado o pigamenln qoando hoo-
ORIGINAL DO DIARIO DE PERNAMBUCO-
OMBYX
31 DB MAIO DE 1857.
CYDTCI1IA, OU B1CUO DE SEDA DO
CARRAPATEIRO.
Ha muito qoe se lem procurado conseguir entre
nos a inlroduccao da industria srica, e esse pena-
inenio. cuja realidade pralica Irar iuconleslavelmen.
te um fataro de esperanzas para u desenvolvimento
da riqueza dopaiz,ja mereceu a altencAo da nossa
assembla legislativa provincial, que em 18)3 conce-
den o beneficio de urna lotera, para a fundacAo de
um eslabeleciroenlo sericcola nesta provincia, ao
esclarecido e diligente cidadao Filippe Mena Callado
da Fouteca.
Nesle metmo anno, o Sr. Mena eclobrou com o
presidente da provincia um contrato, pelo qual se
obrigara dentro do prazo de doas annos a apresenlar
o estabelecimenlo fanecionaodo de Orna maneira re-
gular.
Infelizmente al hoje nada se ha consegoido, e es-
la empteza qoe fai accolhida e protegida pelo poder
legislativo provincial, parece que lera o deslfno de
outras muitas que entre nos se hAo levantado sob os
melhores au*pieus, e (em perecido no principio da
tua orearao.
Entretanto ou porque *e previo depois que o resul-
tado n.lo podia corresponder s lisougeiras esperan-
jas que fez nascer em seo romee i, mi porque fossem
infruclosas as primeiras tentativas, ou toase por oo-
Iras causas qoe desconhcreinos, n cirio he que a in-
dustria da prodiicrao da seda nesta provincia, quasi
que nSo piatou de um desejo, e a respectiva explo-
rarao, que leria'vindo augmentarle umjmodo espan-
toso a riqueza do paiz, anda espera por esfnrcos
mais enrgicos e decididos dos espirito* emprehende-
dores e industriosos.
Parece-nos que o Ilustre e incanssvel professor do
' ivmna-io, o sr. Brunet, que lautos servidos ja lem
preslado a provincia com os seus Irahalhos dedica-
dos ao progresan de*te eslahelecimento, e anda con-
tinua a prestar, em oulras commissfes do governo
vem nos dar, por assim dizer, a solorAn do prohle-
COMMANDO DAS ARMAS.
Qaartel sreatoral do conamando ds armas de
Pernaoabnco na cidade do Recite, ena 29 de
maio de 1857.
ORDEM DO DIA N. ISt.
O general commandanle das arnxs declara, para
os fuis convenientes,que nesta dala ronlraliiram no-
vo engajamento por mais seis anno*, nos termos do
regulamenlo de 11 de dezembro de 1852, preceden-
do inspecrAo de saude, o lambo* da primeira com-
panhia do qnarto hatalliAo do arlilluiia a p, Fran-
cisco Antonio Tavares, e o soldado da primeira -om-
panqia do oilavo batalhao de infamara, Manuel Flo-
rencio, os quaes perceberAo por sobre os vencimen-
tos que por lei Ibes conipeiirem, o premio de 400?
rs., pago segundo o disposlo no artigo 3 do decretu
n. 1,101 de 10 de junho de 1851, e lindo o engaja-
mento urna dala de trras de 22,500 brabas qiadta-
das; se deserlarem, perderAo as vanlagens do premio,
e aquellas a que liverem direito, serAo considerados
recrutados, desconlando-se no lempo do engajamento
o de prisAo, em virlude da seotenc,.!, averbando-se
este descont, e a perda das vanlagens nos respecti-
vos ttulos, como he por lei determinado.
Jos Joaquim Coelho.
30
Ordem do dia n. 187.
O general commandanle das armas declara paraos
los convenientes, qe a presidencia I i servida por
portara datada da hnntem. exonerar o Sr. lente
do nono batalhao de infantaria Vicente de Paula
Ros de Oliveira do cargo de delegado do termo da
villa Bella, comarca de Flores, e nomear para o
mesmo cargo o Sr. rapilAo do quarto liatalhAo de
arlilhana a p lirazilio de Amoiim Bezerra, que foi
hontem mesmo nomeado para substituir aquelle l-
ente no cominando do deslacamenlo 'oante da
l.ida
dente.
O Sr. Primeiro Secretario da conla do seguinte
expediente.
lm offlcio do ministro do imperio, participando I d0 l,r"ces-o em queslAo
ler S. M. o Imperador ficado inteirado das pessoas j 1u,r
que na presente sesAo compitan a mesa do seuado.
Fica o senado inteirado.
He remettido para a secretara om exemplar do
relalorio do ministro da fazenda da proposla do or-
namento da receita e despera geral do ifnpero para
o auno da 18581859.
OSr. Presidente declara que designava o dia 18
do rorrele mez para proseguir nos termos da ar-
i-nsri'Mo do rea ex-depulado Manoel Joaquim Pinto
Pacca, e que nesta conformidade se ihe ia fazer a
competente notificare para comparecer parante o
senado.
O Sr. Barao de Muriliba julga opportona a|oc-
caiAo para prapor urna morAo sobre esle as-
sumplo. "
Emende que, desde que o reo deiioo ser reeleilo
depulado, o senado perdeu -"leleucia para jul-
gar o crime que como tal es- coinmetle-
ra. Essa competencia exista ocesso foi
apresentado na casi, mas ce- j da nSo
reeleicao ; c procurar prova-. palavras da
consliluirAo.
O art. 17 I da constituirao ..erprelado gram-
nihcalmeiile nao pode deixsr de dar em resultado
a proposicAo que o orador acaba da enunciar. Diz
esse artigo e paragrapho : o lie da attribuieAo ex-
clusiva do senado conhecer dos delictos indiriduaes
commellidos pelos memoro* da familia imperial,
ministros de estado, cuuselheiros de esla tu e sena-
dores, e dos deliclos dos diputados durante o perio-
do da legislatura. Ve-se pois qae o privilegio do
depulado HAo dura mal do que a legislatura em
que o reo hedeputado. Nem era po'sivel enlendor
se de oulra maneira ; do contrario uAo pndina ve-
riiicar-se a lispotliese do cita Ao arligo. Se o indivi-
duo que liver coininctlido o crime j for depulado,
como poder.i a cmara de que elle foi membro exer-
cer a atlriboifao de deeidir se o processo deve con-
luiuar ou nao a o depulado tur on nAo taspeoso no
exercicio de suas fonc^es? V
Domis, e ser exacta a doutrin* que o orador
iililiugna. sr a lUpulado liv* ^ ase jalaiada por
om delicio pralicado antes de su. eleieAo, seguir-
se-hia que perlenca o conhecimeolo desse de-
licio aos Iribunies ordinarios, o que he insuslen-
lavel.
buual de Justina. Mas pjdera'o senado declarar a
sua incompelencia sem converler-se em tribunal t
Cr que he duvida que merece tamoemser esluda
da. Por isso redigio a segutida parte do requeri-
irenlo.
He npoado c posto em discussAo o seguinte re-
querimenlo :
a Requeiro que a commisso de constilnirao emi-
ta o *eu parecer a respeito do seguiule. ficaudo en-
tretanto suspensa a proposlo fela pelo Sr. presiden-
te do senado :
k I' Se. n.lo son lo mais depnladu o ron Manoel
Joaquim Pinto Pacca, deve ser o seu processo jul-
gado pelo senado.
a 2' Se o senado deve ser convertido em tribunal
de jiislioa para se julgar incompetente ueste caso.
Bario de Muriliba.
O Sr. /). .\/tirtocl e tivesse a firme convireo de
que se moslrou aniado o nobre senador quanto a
incompelencia do sonado para coniuiiur a coulierer
ni dara o seu voto ao re-
ba de a figurar, pois que o nobre senador nio pode eislaliva. Ora, a* prorogaoors rijo depende da
deixar de aceitar a* ronsequenciasde seus principios, voutade do seuado ; e nio e deve deiier o jalgamea-
II i um aparte do Sr. bario de Muriliba;. lo de um deputaeo a volitado do poder eierulie,
Ouvio ao nobre senador que o caso e-a diverso, como acontecera se o deaaorasaem a ponto oe Mr-
porque enlAo o senado leria romeado a conhecer do uar-*e precita nma prorocacao da assembla paral.
processo de maneira que he o proprio nobre tena- | Vota contra o reqiierimeuto.
por quem fornece mais esle argumento em favor dat: O Sr. Pimenta lluenv jolsa claro e iaeoalnlavel
ideas que o orador defeode. j que o privilegio dar par loda a vida do rre a,eaalo
Se o jolgamento desle proceso tem sido demorado ao crime un- rommetleo qaaado era depatado.
o roo em nada para i so eoncorreu. Se a opiAo do nobre senador, autor do reqoeri -
NAo sabe, poi, como se posta pretender que elle ment, procedesse, segota-se qoe a miaiotre de r-
perca o seu privilegio sem talla sua. lado, depois de demitlido, teria jolgado M f-ro
Coocluindn, emende que a cotislituieao e os prin-; commom pelo* delictos pralieadot como ariaidro ;
cpiot geraes de direito n.lo tuslentam a opini.io do ab*urdo esle que par ninguem podera Mr dele
nobre senador, nAo podendo os precedentes ser iu-
vnrilii. por contraditorioi.
Vola, porem, pelo requerimenlo, por que pode-*e
tirar milito proveito do parecer de una commisso
composta de Ires dislinelos jurisconsultos.
O Sr. Silceira da Molla, pondo de parte loda a I do depulado e embarazar a influencia do poder exe-
prolenrao de refutarAo das razSes dadas pelo nebro riilivn sobro qualqoer oulro juiz meaos presligi-aso
senador autor do requerimenlo, entente que este ; do que o *enado. Aceita a dootriaa da nobre
dido.
Se considerar e rara de ser o fundamente ceaH-
tucioual do privilegio do depatado, a deciao eara
anda mais peremploria. O qae te quu qaando aa
eslabeleceo ese privilecio Fai garantir a
Todava vota por elle, apezar de ler por ora urna
opini.io npposta a do nobre senador, porque h de
suppor que a Ilustrada commisso de legislagAo
composla de mu ditiuclos jurisoon-ullo*, do um
pirocer luminoso, o qual poaera' moito bein fa-
zer com que o orador mude de convierto. E sendo
a materia muilo grave, enlende que orna demora de
ou (> dias nAo prejudicara' o julgamculo do pro-
cesso.
Espora' resumidamente as ntffM em que se fun-
da para sustentar urna opiniAo contraria a do nobre
sanador.
Emende o nobre senador pela llahia qoe basla at-
tender as regras da grainmatna para convencer-se
de qoe o leado nio pode conhecer dos ruines dos
deputados senao durante a legislatura. I.endo o ar-
ligo parece ao orador que mesmo as regras gramma-
licaes Irazem oulra convieoao (t).
He pois a prupria grammaliea quem dizdos de-
lictos do* depulado* commettido* durante o periodo
di legislatura.Se nao e*ia' repelida a palavra com-
mellidos he por evitar se urna redundancia. A rc-
|ieln;lo era escusada.
Ora. se a intelligeneia dada polo nobre senador
prevalecesse resultara um absurdo. O* ministros e
conselheirot de estado ficar,am com um privilegio
muilo mais importante do que os depulado- : seriam
julgados pelo senado aindaquando ja nao exeroe.-cni
aquelles empregos. lsto nunca poderla ser regular,
porque a couslituioAo, por motivos mui sabido*, quil
encher os mernbros da cmara dos depulado* de pri-
vilegios em nada inferiores, antes superiores, aos de
qoe gozara os ministros e conselheiros de estado,
Ohsprvn mais que o juiz de direilo que comnielleu
um crime he julgado p-la rel.ieAo respeeliva, anda
quando na poca do julgamenlo elle ja nAo he juiz
'le direito. Assim tambem o desemliaigador que in-
correu om um delirio nao deixa de ser julgado
supremo Iribuanl n, ohatanle a nAo ser
ma, em ama memoria que acaba de apresenlar aS.
Ele. o Sr. vire-pretidanle da provincia, sobre a rre.
arAo e educaeAo do bicho de leda do carrapateiro desenvolvimento industrial do paiz, quanto em
(Bombyi Cyaihia.
Nesle Irabalho, o Sr. Itrunet demonstra qoe a a-
rliui n;l i desle bombyx em o oos*o paiz he de una
facilidade espiutusa, pela sua rpida mulliplica-
ij.
Se a dil'.ienld ule da etplorara"o da indotlra srica
eslava aobreludo dependente de pjanlio e tratamen-
to da amoreir.i. base principal da pro luc;Ao da seda,
e que nAo podia proaperar enlre nos, o Sr. Brunel
remore esla diflicul lade, fazendo nos presente do
Bombyx Cyulhia ou bicho de mdi do carrapateiro,
o nos entina o processo fcil e promplo da respecti-
va propaga^Ao, para a quil remoacoin a/tiun-lancH o
elemento indispen-avel.
0 carrapaleiro. I'.icinus rommuni-, he urna plan
la mu vulgar entre nos, o floresce quasi por toda a
parte, sem resentir-se minio da eslerilidade do solo,
porqoe se encontr algumat vezee am lerreuoi de
pouca ou noiihuiiu ferlilidadc.
Esla vantagem he urna garanta incomestavel da
properidade da nova industria para a provincia ; e
alera dislo, como observa oSr. Ilrunol. o carrapatei-
ro pelo azeite que produz, he urna planta, cuja
culturase recommeuda por si mesma, offerecendo
nAo pequea vantagem para ser cultivado exclusiva-
mente, quando nao fosse para a crearao do bicho da
seda.
Agora pastemos a fallar sobre os nloresses c re-
sultados pomposos de urna das industrias mais lucra-
tivas, a que se tem applicado a aclividado. e Irabalho
humano, e que pode ser explorada ate pelo mais po-
bre campnnez.
Nenhuma indmtria, diz o Dr. Schmidl, no tea
opsculo sohre o planlio e tralamenln das amoreii a*
e criarAo dos sirgos de seda.promelle ofl'erercr resul-
tados tao grandes e espantosos como a industria s-
rica.
Com cfl'ilo, combinando elle os dados eslalisticot
que pude obter da prodcelo lolal da seda na Euro-
pa, chegou a verificar que o consumo nnnual lie de
88,000 enntos, sem contar a importarlo da seda da
Persia, Indias Orientaes'e China.
Toda esla teda, manufacturada e reduzida a pro-
ducios induslriaes, elevou-se a urna somma no valor
oe 3liO,lK) contos por anoo !
Comparando-se agora a perspectiva lisongeira,
que aprsenla a nova industria com o defiuliamento
em qoe progressivamenle vai cahindo a nossa cul-
tura do algodao, devido nao s a inconlancia que
olliinameuiese tem manifestado na marcha regular
dat eslaees, mae tambem a falla de conliecimenlo*
theoricos iudipensavei* a lodo e qoalquer ramo de
cultura, na i sena conveniente, e al urna necessida-
de que os nossos fazendeiros e agricultores do cen-
tro da provincia procorassam ensaiar a criarao e
eduraoAo do bicho de seda do carrapateiro "'.
Alm di-lo a pro lucran da seda he ante s om di-
verliinenln do que um tatbalho, principalmente a
crearao e educaoAo dos bichos, dos quaes 20,000 po-
dom ser tratados por doas peseoas, inclusive a cu-
dela dos casulos, sendo foilo todo esle Irabalho no
espen de i i dias pooco mais oo minos.
Assim, a industria srica, pela facilidsde da cria-
rn e educacla .do Bombyx Cynthia, pela simples
manipolacAo da seda, e da mais a mais pelo peque-
no dispen lio da rmiiirn para ot meresdos, com-
parada cem os productos de outroi ramos de callara
da provincia, offerece inconteslavelminti ama re-
compensa mus Inrraliva e al mus segara aos que a
ella te applicarem.
No dei-jo que temos de promover o inleretwt e
hem-e-lar de lodos o* noisos agricultores e o
nos
bargador quando chaga a poca do julgamenlo.
Olanlo a are.tos, pondera que nAo procedem os.
aiizuiooiiloa liellet ilanvadoe. purgue, inaamenle Insiste poil pela aiiprnvajao
nao pode ser approvada porque importa ami verda
deira exeeptAo declinntoria.
Ha um aparte.
Sabe perfeitamcdle que o juiz, conhecendo a sua
incompetencia, pode declara-la ; mas pergunla se
esl o senado convertido ja em tribunal para conhe-
cer da sua incompetencia como tal ? NAo. Logo, as
razoes allegada* pelo nobre senador so aerviriam pa-
ra mover o senado a converler-se em tribunal; para o
lim que as aproseutou nAo teem cabimento.
Por ou'ro lado, se o requerimeolo do nobre sena-
dor nAo he mais do qae urna interpretarlo da cons-
liluirAo, tambem nio he regular. S'Ao sAo estes os
tramites de urna tal interpretarlo.
De nenhnina forma pois, pode ser approvado o re-
querimenlo. So depois do senado conver-se em tri-
bunal podar discutir a sua competencia para lomar
conhecimento deste processo.
Se o nobre senador quizer prevalecer-se do argu-
mento deduzido de algn* termos no processo a qoe
te tem procedido, devera lembrar-sc de que nAo ha
pandade alguma. Nenhum desse* termos foi um ac-
to de decisAo, e o que o nobre senador pretende pelo
seo requerimenlo he urna decisAo que so pode ser to-
mada, depois que o senado esliver procedeudo como
juiz.
Vola pois contra o requerimenlo.
O ,s>. fariio de Muriliba nAo responde ja "s ob-
servaooet do nobre senador pelo Rio Crande do ^r-
le, porque enlende que a discussAo nAo pode conti-
nuar no pe em que o orador a collocou, quando es-
labeleceo a questao ; em melhor oceasiAo o far. A-
gora so seoecupar rom as objec\;ois do nobre sena-
dor que acaba de sentar-se.
Pretende o nobre senador que o reqflcrimento im-
porta urna decisAo, que a pode ser lomada por um
tribunal de Justina. Parece que S. Exe. nao tomou
em considerarlo a segunda parle do requerimelto,
na qual o orador prope quo, a ler-se de oreupar o
senado com a qoestao de lucompetencia, d a com-
minSo a sua opini.io snhre a maneira porque essa
deliberarlo deve ser tomada.
Para o nobre senador he cerlo que lal decisAo t
pode ser dada como Iriliuuil de jusilla ; mas para o
orador pode is*o ser oh|ecto de dovida, e ter-lhe
o,.,i o iiti 1 oovir a opiniAo da illustrada commisso,
!e por is*o qoe, pedin lo na primeira parte do re-
querimenlo que a r nnmi*sAo d parecer sobre a
questao proposta, indica tambero que diga como de-
ve essa questao spr retolvida.
Observou o ooliro leador quo slo vai prejudicar
ao roo ; ma* nao sali o orador como 11 oo S dias de
leaein- '["" "a Pav" eatliar lal prejuizo ; entretanto
Ihe parece de nioita conveniencia
illif-o.
nadnr, segnia-se que o poder exeeolivo, inllniada
na eleu-Au e rnneorrendo para a nao releir,A ta
depulado, no,lia levar o tea julgamenln para a lora
commom, dislruindo-sc assim a garanda qae a cea
tiiuir.n leve em vistas.
O privilegio nao h. concedido ao mdividao. mas
ao carcter de qoe elle esta revestido. O delicio
foi commettido gozando o reo do carcter de desa-
tado ; ha de ser julgado, pon, tegaade a privilegio
qoe compete ao depulado.
Nada mais acrescenta.
O Sr. D. Manoel -u-tenia o reqaerinwala, mee
(rindo que nenhum inconveniente, nlee vealaaam,
haver.i se o trado liver do esaverter-ea eea Iriko-
nil para decidir sobre a qoetlao de competencia.
depois que esta quetlao liver sido basa vealilada. a
vista do parecer da illustrada commisslo.
Confiando, poit, que o parecer tera dada rosa a
bravidade pcssivol, vota aioda pelo reqairiaaaala.
O reqoerimento he approvado.
ORDEM Im DIA.
Entra em segunda ditcsmao e he approvada seso
debate a iodicario do Sr. Ferrai, aalarlsaada a mo-
ta para ronlraclar desde ja a publicara* 4*
te* do sonado.
Esgolada a materia da ordem do dia,
senado, a reqoerimeolo verbal de Sr. D.
que fosse remettida a rnmmmao de legislaran a pra-
posicAoda cunara dot depotadat tabre h>|
O Sr. Presidenta da pira ordem do dia da ta-
gninle sess.lo a lerceira discoed* sse propati^ao 4a
canuta dos deputa los fazendo extensiva ai viava*
e li lio* dos officiaet e taait pracat do corpa maatri-
p>l permanente da corle e linas parte da desposa-
ran do arliso primeiro da lei de do trlemfcre da
1853, e ili-cus-io de varios paroceraa da romane-
iies.
I.evania-se a setsao a 1 hora da laido.
nada mais eommum do qoe ver-e OOIro nos um
triiinnal, as vezes do mesmo dia, julgar diversamen-
te casos idnticos.
Demais, as leisem que o nobre senador li i-eou a
A razo de ser do privilegio do depotado he nAo sua argon-enteolo nSo se irata de privilegio! c o ar-
sujeila-io a persegaices movidas com o fin de
nlluirem em seus actos como legislador : etsa ra-
zau desapparece desde que o reo nAo he mais depa-
tado. ,
Esla doiiirim he corroborada por muilos areslos
que a teem tanecionado. Citar o exemplo dos de-
pulado* de Minas envolvidos nos acontecimentoi
de 1818 : processados como deputados, foram de-
pois julgadot no foro coinmura -em que allegas-
sem excepto alguma; porque nAo haviim sido rec-
leilos.
O supremo tribunal de juslica julgoa-se compe-
tente para conhecer de delicio* commettido* por um
presidente de provincia quando era depulado, dos-
de qae elle deixoo de sor reeleilo.
Reconhece que ha areslos em contrario, mas nAo
provenientes de tribunal judiciaes. Conita-lhe que
a cmara dos deputados tomou couhecimenlo de
proces*os em que eram reos pessoas que ja nio go-
zavara do privilegio de deputados; mas islo nada
prova. Foi um erro da cmara, e nada mais. Nio
pode destruir doutrina apoiada ua lellra de um ar-
ligo da i'Diislituicao e em areslos de trlhunaesju-
diciarios, que para a interpretarAo doulriual valera
mais.
Diz-se que deve acabar o julgamenlo no tribunal
que prnicipiou a lomar cnnhiciininto da cao*s. Es-
le argumento he urna verdadeira policio de princi-
pios ; d por provado aqmllo justamente que se poe
em duvida. Se se prelende que a prevenjAo resalla
da compelencia, o orador, que neg (al competen-
cia, esl habilitado para dizer que nao pone-, ''aver
prevengo.
Passa a mostrar que a dnulrina que sustenta esl
de accordo com a no-sa legislar.io. Nao he novo en.
igo da OOOlliloifio que foi invocado nAo nula senao
dar aos deputados um privilegio de alia importancia.
Paranlo a doulrina da lei de 3 dedezembro de 1811
ou qualquer oulra, nao pole destruir disposisoe*
coiistitucionaes.
QuanJo nem a letra da conslilnic,ao nem os prin-
cipios geraes de direilo podem apelar i opinilo do
nobre senador, os prece lentes tambem nAo Ihe dio
mais for,.-1.
O nobre senador referio-se ao fado de IE48 com
alguns depalados de Minas; mas as aclaass circums-
lancias nAo pode proceder e*se precedente, nem o
nobre tenadur ollerecena scmelhadle argumeulo se
se recordaste da poca ern que o facto se deu.
l'.nian leu o nobre Baador que o exemplo em con-
Irario que si acha no* precedentes da cmara da
dos deputados foi um erro ; mas o orador nAo
sabe porque nAo terAo antes repotados erro, os ou-
Iros precedenlescitidos pelo nobre senador em abo-
no da uoutrina que dotando. Os procedentes no
nosso paiz lio lio contradictorios que sAo de parle a
parle frac* argumentos.
Disse o nobre senador que desde o momento era
que acaba a legislatura nunca mais o senado pode
julgar o depulado que nao he reeleilo. Mas suppo-
nha-se que o reo, leudo sido julgado na sessAo do
anno passado. vinha oom embargos que devessem
ser julgados esle anno. Oaem conheceria desles em-
liargos, se fosse exacta a doulrina do nobre senador'.'
Esta simples observarao basava para mostrar quaes
poderiam ser as ronsequenria* de lemelhante opi-
niAo se ella predomina-se. V-le metmo que o no-
-mador, lendo combatido a preveneao de juris-
dic,._ iio n olera deixar de abrasa-la Do caso de
da.r-.-e a .. lese de embargos, como o orador aca-
couber, os convidamos p,ra que explorem ea mi-
na rtquitnmi, que por cerlo s aguarda o aiviio e
a balea do miueiro laborioso.
O 8r. Brunet offerece anda especulacAo indo.s-
Irial a propagarlo de oulro insecto nitere-sante, de
que tamhem ir.ita ni sua memoria ; queremos fal-
lar na li :.. qufJ| como se s be, fornece A
linlurnria a* lindas cores carmosim, escarate,
ele.
A eochonilha cria-se na palmaloria, arvore il-
veslre da familia dos ., cactu* e que se encontra
com abundancia em os nossos lerloei, e floresce em
todos o terrenos com nina ficilidade admiravel. Eu-
conlrairr-se na varzeas e nos cmos das sorras, e
aprewnlam urna vegetasio vigorla, nio s no in-
vern, mas anda no lempo de verAo.
Tao fcil de ser lavradi e quasi tao lucrativa co-
mo o birho da seda, a cocbonilha merece e bem po-
de figurar no quadro da uossa prodacsao ; mat orna
conssderaoio oos faz duvidar do futuro desenvolv-
ment de-sesdous elementos de riqueza publica :
o e-pirilo deroliua e o apego aos hbitos adquiridos,
que se encontrara em os uossos agriculloresdo cen-
tro da proviucia.
No sertio, o algodio he ludo ; a agricullura con-
siste exclusivamente no seu planto, exceptuando-se
a pequea lavoura de legumes e cereaes iudispeusa-
veis para a allmenlasao.
As seccas que se hio sccedido com lana fre-
quencia naquellas paragens, o mofo e outras moles-
tias que nesles iiilimus tcmpoi vierara, como que
de-lruir completamente esta cultura, lem redozdu
o* lucros a proporsoes tao mesquinhat e desanima-
doras, que a continuar a*sim, talvez teoha de ter
abandonada em um fulurosprnximo.
Eolretanlo os nosos agricultores do centro s que-
rem e s cullivam o algodio, ao pusso que nos bre-
jos e as calingas cresce eipantoaainenle a palmato-
ria para a criafjta da eochonilha, lloresce a bauuilha
e outras muitas prodocsei de um solo frtil, como
o nosso. e que s espera a industria e a aclividade
do homem.
Termnando essas ligeiras considerasoes sobre a
memoria presentada pelo Sr. Brunet, resta-nos as-
segurar-lhe que nio licario perdidos os resultados
dos seus trahalhos e fadiga* : da semenle laucada
a Ierra sem duvida alguma ha de brotar, e espera-
mos que S. Exc. o Sr. vice-presidenle, que se tem
mostrado lio desejoso de p,omorer a prosperidade
da provincia, emquanlo presidir aos teus deslinos,
concorra da sua parle para a consecus3o de lio
grande desidertum com a sua dcJicario e patrio-
tismo.
Eis aqui a memoria do Sr. P.ronel
A' S. /..c. o Sr. Dr. Joaquim Pires Machado Por-
lefia, vice-pre. Como V. Kx. se moslrou vivamente interetsadoni
importacAo e aclimacAo no Brasil de urna nova es-
pecie de bicho de teda da India, e leve o pensamen-
to de qoe este induttrioso insecto poderla tornar-se
para a provincia de Pernambnco urna nova fonte de
riquezas, apretto-ma em aali-fazer o desejo de V.
Ex., eommunicsndo-lhe os cnsaios que lenlio eito
at boje sobre o ('Bombyx Cyolhiea da India, onde
ha seculos he lucralivamenle criado.
Por am especial obsequio do Sr. Ilerth, repre-
sentante da casa Meuron ,\ Companhia, oa Babia,
que, a pedido meu, se dignoo de incumbir.se de
Iraier do muteu de historia natural de Pars ama
duzia dettet interessantes insectos; e em virtude do
trafcalho a que se deu durante a viagem de ajuntar
o* casis depois de suas metamorphoses, pude recc-
her urna qoantidade de ovos fecundados.
Tres dias depuis da chegada dos ovos, que leve
lugar nos primeiro- dias do mez de oulubro do anno
passado, tahiram as pequenas lagartas. Apezar de
Indos os meus cuidados, perd quasi una terca parte
dellas em toa primeira Iraosfarmafio.
Receiando perder completamente urna sement
lio preciosa, dividi-a em duas parte*. Colloiiuei
urna delln em um jardn* n'um pe de ricinnia ou
carrapateiro, que he o alimento mais apropria lo a
osla especie ; cohri o carrapateiro com um grande
sacco de fil, afim de proteger os bichos de seda
contra as aranhas, mariboudos e passaro*, que sio
para elles inmigos crueis. A oolra ptrte foi posta
em canas de ma leira, cujas aberturas eslavam guar-
necidas de um (ecido de lio metallico.
Desde esse lempo uns e outros prosperaran! ; enm-
tudo, os que eram criado* ao ar livre desenvolve-
i" iin--e melhor, deram caslos mais bellos, comi-
S.indo-ui a liar lio dcimo oilavo dia, ao passo que os
OUlros, potlo que sadios, so comer iram a fiar no vi-
gsimo dia.
Em 18 dennverobro algumashorboletas j tinham
sabido, haviam-se ajuulado, e parte dellas posto
ovos; mas, leudo eu de partir para o sertio, acom-
modei em pequeos vasos de vidro os ovos recenle-
menle poslos, botando em urna graoJe caixa nao s
os casulot que nao eslavam aberlos, mas lambem as
borbolelas que aluda nio tinham posto, e levei ludo
coinigo.
Na primeira noiteas formigas intrndoziram-se na
caixa e mataram todas as borbolelas ; felizmente
reslavara-me anda os ovos qua eslavam nos vidros
e alguns casulos, cujas borbolelat anida nio tinham
sabido.
No quinto dia de viagem todas as borbolelas es-
lavam uascidat e se tinham ajumado. Ot ovos que
eu guardava nos vidros a pr p m; io que iam seudo
poslos, comeraram a proiinzir e conlinuaram ale a
miiilia chegada, que se ilfecluou no lira de II dias,
de modo que nessa poca eu tinli.i j bichos de seda
nutridos durante a viagem, contando os mais velhos
nove dias.
Esla segunda gerario foi mu bem succedida, e se
elevoo ao numero de inultos milharet de individuot,
emhora as formigas houvessem detlruido a maior
parle das borbolelas durante a viagem, e eo tivesse
distribuido na viagem ovos a lodas a* pessoas que
m'os pediam.
A lerceira gerasio chegou a ser lio numerosa que,
nio leudo eu logar cunvenienle nem lempo para
cria-los, lomei a resolurio de cria-la no ar livre,
conservando no meu aposento o que era possivel
criar ah.
Depois de ler deixado o* novos lagartos fazerem
sai primeira muda, amarrei un alguns pos de car-
rapateiro as folhas onde elles eslavam aprgados,
qoasi em numero de vinle mil.
Infeli/meule, no dia segrale a noile nbreveio
um temporal, que os fez desapparecei inleiramenle,
qner afogados pela chuya, quer levados pelo veulo.
Os que ficaram no meu aposento criaram-se lambem
como ia das geraees precedentes, e quando as bor-
bolelas sahiram Oos casulos, qui/. (eiilar lerceira ex-
periencia ao ar livre.
Para esse fim colloquci em alguns carrapateiros
cerca de Ires mil lagartas fecuudadas, as quaes po-
zeram aapesaram seus ovo* nal folhas da planta.
No lempo devido as lagartas sahiram peifeitamen-
le dos ovos, e nio ob-lanle a chuva, conservarain-se
debaixo das folhas e oomiam muilo bem. Ah pros-
peravam ha muilos dias, quando em menos de urna
semana foram lodas levadas polas formigas ou ara-
nhas, e sobretudo pelos pequeos mariboudos de di-
versas especies.
As que eu tinha feito criar em ama caga ;.,r i-
da, em raz.io do seu augmento, tinham progredido
de Isl sorte, que todas as paredes e o lelhado esta-
vam cheios de casulos de seda.
Esla quarli e numero*;! geranio n.lo linha anda
sabido lu/, quando deixei o serlio em ti de abril
ultimo. Receiando que Ihe succedes-e algum acci-
dente, Irouxe ao retirar-me alguns casulos vivos
que durante a viagem produziram borbolelas e ovo..
I'onho novos bichos de seda com doze das, os quaes
piomeltem bonsresultado!.
Como se \, pelo que precede, a mulliplicacao
desla especie de bichos de seda he eslremamente
rpida, porquanlo no espaco de oito mezes, do prin-
cipio de oulubro ao de maio, oblive quatm gerac/ies,
e a quiuta chegou quasi ao meio do seu desonvolvi-
mc.iio. Um bichu de seda pe 300 ovos, [muco mais
ou meaos, e criaudo-sc este producto multiplicado
ment.
OSr. I i'imile ie Jequitimkonka vots contra o
/eqnerimenlo, porque o acha intil na aetuali lade.
Enlende qoe o artigo oa constiiuieio que foi invo-
cado nio se oppdede forma alguma a qu" o senado
lomo eiinhocimenlo do delicio pralicado per um de-
pulado la pateada legislalura, que nio foi reeleilo.
Ma nao entrar agora no desenvolvimentu detta
upiiuao.
Siipponha-sc qne a commisso he de parecer
que o senado deve deelarar-se incompetente. Pode
ser esse parecer approvado sem qae o tenido se con-
verla em tribunal de ju-ii :a '.' Nio. I.ogn, para
que perde agora lempo com urna discussao que nio
pude ter solucio '.'
Ouanlo a 2." parla do requerimenlo, isto he,
para que a commissio emita o seu modo de pen-
sar sobre a maneira de declarar-se a incompelencia,
emende o orador qoe a tal respeilo nio podem ha-
ver duas opiniet. Para que pois ouvir se tambem
a rommis-io nestecaso'.' Ja se sabe que a decisAo
> pode ser urna.
o resallado do requerimenlo, pois, nio ser mata
do que a proletario do processo, o qoe j tem ei-
canaalisado o publico.
O nobre senador nio adeuden ainda a que o pri-
vilegiado nio he o brigadeiro Pacci, mas sim a c-
mara inleira dos deputados. E se o nobre senador
quer urna interpretasio da constiluirio, nio se pode
em tal assumplo tomar doliberao.lo'alguma sem o
concurso dos Ires ramos do poder legislativo, nunca
por um simples requerimenlo ou parecer da com-
misso approvado pelo senado.
Em resumo. Se u nobre senador quer quo o sena-
do se declare incompetente, nio he esta a occasio
de Iralar disso. Espere que elle se converla em Ir
banal de juslica. Se quer urna interpretarn da cons.
Iilnisao, he preciso que a promova pelos tramites le-
gaes.
Accresce que o senado ja decidi que nao pode en-
trar nesle julgemenlu senio durante a sua sessio le-
em oilo mezes
que seria mais
'vda a Ame-
por quatro geracn.--. --hia
Irinfi milhocs de bichos ua i
que sullicieole para fornecer sameT.
rica.
Estes birbot de seda nio sio difliceis de se criar, e
lo exigem muilos cuidados na primeira idade. I.ogo
que iiliem dos ovos, couvm dar-se-llies folhas no-
vas de carrapateiro, que devera ter renovada! mui-
rs vezes por dia, porque apenas seccam, as lagar-
las ja nio as podem comer, definbam, e brevemente
merrem. Na primeira niade os lenho criado sempre
cora folicidade era grandes vasos de vidro, em caixas
de folhas de flandres, ou em callaras meio fechadas.
A* fothas do carrapaleiro ahi se ronservam frescas
por mais lempo do que em urna grade, onde o ar at
dessecca mui proraptameule, qaando o dia nio he
chuvoio.
Assim que os verme liio adquirido maii forsa,
pode-se tem inconveniente transporta-los com at
folhas para urna grade feila de cipos ou de variabas
amarradas amas as outras em distancia sullicienle,
que perm.it i o excremento pasiar para baixo, onde
se podera por urna taboa para os recebar. Collocan-
do meia duzia 4e de-se em am pequeo lepafa criar grande numero
de vermes, al que telenda eslab-lecido urna o mag-
nanerie ou casa apropriada para a educajAo desles
insectos.
As grades devem sor suspendidas por meio de
cordal enroladas de algodio, afim de evitarem-se as
formigas, ou eolio soi melhor enlloca-las sobre
cavalleles de pao, cujos pos liquem dentro de|um
vaso de folha de flandres cheio de azeile, porque
em orna *" noite as formigas podem malar todos os
vermes. He necetsano conserva-Ios rom mailo as-
seio, e nao deixar arcu'mular os excrementos lias
grades, nem lambem se Ihe* deve dar folhas motila-
da*, que oa lornariam docnto-.
Nos primeiroa dez ou doze dias cites comem nan-
eo, c deilando-se nal grados as seis horas da larde
CAARA DOS SIS. lETlTiMSa
SES3AODE 9 DE MAIO DE 1857.
Presidencia do Sr. risconie di Bmftmf.
l.ida a aria da antecedente, he apps-ovada.
" Sr. Primeiro Secretario da coala da toaaala
expediente.
I m ollicio do ministerio do imperio. eaWMMi-
candoqueS. M. o Imperador fica teietMa daa aaat-
toat que compoem a mesa detla rimara.Fica ia-
letrada.
. a. ai. o imperador hou\e por bem. por derroto do
a no i nuueri- 7 rte *!'ril: "f""01" coaeelheiro viaaaado a
requer i rll..,v |os,r d. 4rmhlu4nr da n,,^, ^
l.m de Janeim, rom a* honras miaMra daaa-
premo tribunal de juttiri e com o ordeaado aaaaai
de 3:000-, lepen leu lo netla parle da apnrovaraa
de corpo legislativoA" commusao de peataete ac-
demdct.
Dito do metmo ministerio, romir.aairaada aaa
por decrelo de 7 de abril, fra aposentado a raaI
llieiro Cas.iano Speridiio de Mello e Malos ae la-
gar de ministro do supremo Iribaaal da iii.tica rata
o ordenado anuual de MJH, dependen,! or^a
parle da approvasio do corpo legitlalito. A' com-
missio de pensases e ordenados. '
Hilos do metmo ministerio, rommaaicaada qae
roram aposentados o* tegumies Sn. : Joaaaim Jat
Moreira Maia, em oflieal-masor da tarraUria da
polica da corlo, com o venrimento de I4M> : Va-
lerianas Jote Pinto, em oflicial da meema taceeiaria,
com o vencimeolo de sin- -. 0 padre ltaiii Ustati
\ alele, no lugar de confe-sor ai rathedral a ea-
pella impacial, com o ordenado qae Ihe campilii ;
o detembirgadores da relario de Pitrnimaare Sa^
vero de Amorim do Valle e Bernarda RehaNe da
Silva Pereira, cem melade da respective aidaaida
cada um dellet, dapandeado di appravocaa 4a car-
po legislativo ao qae diz respeilo aos m liaastaa
A' commisso de penses e ordenadas.
Dilo do mesmo minitterio. remitiendo doas rn-
presentardes dat cmaras municipaea da villa de tV
raliny e Ro Pardo, do Rio Graoda do Sol. podiado
tirovideuciat tobre o furto de gado qae eotxeealiva-
menle all te pnlica.-A' coosmittao da .estira cri-
minal. -
Um requerimenlo de Jola Boailo Nanee, pediada
dispensa do lapso de lempo para aa nalaralitar cida-
dao brasileiro.--A' rommitola de palores.
I ma reprcsenlasio de aleaos eleitores de 2n
ditlriclo eletoral de Minat-eraai eoalra a eMcSa
do depulado do ine-mo disinete.A' eaeaaeieOe a
poderes.
He lido e approvado lem debate o parecer da
commissio de podera, qae peala aa |
t.luando se quizer criar os luches da seda para se
tirar lacro delles, lie essencial guardar para semenle
os ratulos felos un mesmo dia ; do contrario temi
lugar todos os dias a abertura delles, li i vera nos ira-
balhot una irregularidad! e urna confusinprejudicial.
Alm dislo, como os carapaleiros nio lem lempo de
descansar e tomar as folhas necessaas para a conser-
vasio da vida vegeta', se esgotariam depiessa, e bre-
vemente morreriam.Os ovos,liram ordinariamente oo
nono dia, e deve-se ler o cuidado de os conservar
livresdoi dormestesu ou upulias, qoe gostam muilo
delles.
Na India, onde se cria em grande escala esta in-
teressante especje, as pesioas que nio lem meios de
estabelecer urna fabrica de fiar, conlentam-se, de-
pois de ter frvido o* casulos em agua levemente sa-
poncea, oom abn-lotpor urna extremidade afim de
lirar a chrysaiida, viraudo-os de dentro para tora, r
depois oe os ter lavado em agua lapida, eucaivam
uns sobre oulro! em forma de fuoil, enliando-os em
um i.edaro de pao leve e ponludo, qne Ihes serve de
ruca para fiar do mesmo rcodo por que se fia o algo-
dao...
Infelizmente param aqui as minhis informaros*,
vislo que o meus trahalhos ordinarios nio me tem
dado tempo pira fazer experiencias miis seriar. A
estas iuformacoes ajunlo um artigo de ..Mr. tiuerin
Menneville : publicado em novembro da 1851 na
lllustrarau Franceza, que V. Exc. podera man-
dar publicar, se julgar convenanle.
Sei lambem que tobre e*le importante objecto te
lem publicado urna serie de arligos do maior iuteres-
se as ni mona- ou annaes da sociedade de aclima-
Cio em Pars, ot quaet nos seriam muilo necessanos
potsuir na bibliolheca do Cyrauasio.
As minlias tentativas, embora sejam ainda incom-
pletas, provam de um modo iudubitavel qoe o
u II imli>x C\n(lna n ou hirho desoja do carrapa-
leiro, pode fcilmente arl i maro noeerlio, onde he
......- chamado a dar lucros importante! aquellos qoe quize
lolhas sullicientes, po1e-se dispensar de se Ihes dar rein fazer as despezas neoessarias para o criar em
comida durante a noite ; mas nos oilo dias segun- i grande e*cala, visto o elevado prejo da ola, e a pe-
les h indiipensavel, se honver grande quanlidade quena despeza de conduejao para os mercados em re-
de insectos, disiribuir-lhe* folhas urna ou doas ve-j zio do seu grande valor. Demah, o carrapaleiro do
te' de nole ; sem o que seria predio, para o* sa- | quasi por toda a parte com facilidade, e resiste s
s urna porc.lo i ercas nos lugares um pooco frescos, e alem disto
fornece por si mesmo um prodoclo lucrativo.
II
a Oulro insecto que sem duvida alguma poderia
prosperar perfeilamenle no serlio, onde desenvol-
vera a riqueza, he sem contradircio a corhnmlha. A
ped lo de V. Exe, apresso-me a dar as in; iimaces
ciar, imontoir de larde por cima alel
consideravel de follia*, cujo peso os faria morrer em
grande numero.
Os vermes mudam pouco de lugar, excepto quan-
do nio lem comer ; nesle caso deixam-se cabir da
erade, e o mesmo aconleee quando, porlo do ulti-
mo Ifsenvolvimenlo, nao acham lugar conveniente
para Oxirem os caslos. Para evitar osle incoove- seguiotess
mente, deve-ie nessa opa-., qac lu do dcimo ola-. A cocbonilha he om poqueno insecto da ordem
vo ao vigsimo da, amarrar ao redor da grade um do* hemip-lero*, cuja lomea, desprnvida de azas, he
numero lullh'ieiito de ramni seceos, oiul- ellos acha-' globoloia. de romprimenlo quasi de urna liulia e
rio todas as coininodidaJes para prender e fiar os meia, cor de purpura mais ou menos obscura, se-
c''"1"*. sondo a idade, e coberla de urna malerlaUMspaeea
Oilo dia* depois do fabricado* oa casulot, deve-se branca, mai* ou menoi abundante. Sabe-te que lu
matar aquellei, euja seda ie quer extrahir, e para com est" prcem-o mseclo que te fabrica o carmn em-
esie fim lerio immerso na agua fervendo, ou melhor pregado na oiulura, e se nblem as mait brilhanlea
no vapor, depois se eslen lerao ao sol para secear, ciiret carmesim, encarnadas e escarales ni tintara
ou era um finio na falta de sol : filialmente serio
poslos em um sacco, que e fechara com cuidado,
afim de evilar-sc os i dormestos ou pula*, que
goalam muilo delles, c que tarariam os casulos para
devorar o intacto deseccadn.
Os casulos qoe se pretenden! guardar, devoran li-
la- faMOda de soda e de lia.
lia duas variedades deste insecto : umi piqaena
condecida pelo noinede eochonilha selvagem ou sil
veslre, a a outra um pnueo maior, chimada cocbo-
nilha lina, a qual, sendo mais rica do (principio c-
lmame, he mais procurada uo oommircio, e mais
car no mesmo lugar, e a proporcio que es borbolelas lucrativa para se criar.
forera saliindo, serio postas era m grande panno es-1 A eochonilha selvagem se de*envolve iialuralmen-
tcndido com cordes, sempre no intuito de evilar-ie i le em diversas especies de "punlia o.i palmatoria
as formigas ; ah cuas por si mismo se ajunlarao e era orna grande parte da America tropical. Ho co-
pordo ovos. berta de ama abuudaulc nctoc.io braoca e Unigi-
nosa, que ao longe manifest a aea
palmatorias, e sendo esmgada ealre m dedot, lia-
ge-n- iiiin.edialai.ieiiie de um encarnado vialelr.
Enconlrei este insecto maii ireqeeateraeete nesta
provincia do que as provincias hmilropbet, o qae
lie una incomestavel garanta de qae loa cuitara se-
ria bem succedida naquell.it localidades. Infeliz-
mente a especie de opuulia on de palmaloria, aade
ella se encontri, eita' de til sorte guarnecido de es-
pinos lio agudos como agatina e de pequeo* lufas
de pellos penetrantes, que ncca*ionam dcies lasep-
porlaveis, que he inleiramenle impowivel criar Bea-
ta plaa a cocbonilha. Seria, poit, soflicienle taat-
tnuir a palmatoria do serlio por oulra iiaaiiu de
opunlia anloga.
Com quinta esta variedade da eochonilha de al-
guns lacroi, nio he geralinele criada no Mxico, sa
nio por pessoas pobres, que ajo teem meiot de i
truir alpeudret ou lelheirot para abn.er dat i
as cochomlliat reserveda para a repredacrJa,
que em razio do eolio de qae he mais afcaes1
menle coberla. ella resiste melhor s chavas i
que a eochonilha fina.
A eochonilha fina ate ha leoio urna variedade i
cocbonilha selvagem, obllda pelos cuidados aa
do homem dorante um groada na mero de eerarsXaa,
por tanto he a que converja criar de preferencia.
Serii fcil oble-la, com a especie de opoalia qae
a oulro, ou da ilha de Madaira oe da de Tenerife,
oode a respectiva cultura da' boje larrea importaa-
let. A experiencia lem provado que ella se acli-
iru fcilmente em lodos os piizet, onde crearem aa-
luralmente as palmatorias.
Antes da poslara dos ovot he que a eechoailha
conten maior qoantidade de materia eoleraate
lambem he este o tempo que se ewolhe para a ee^
Iheti, que he exlremameale simple*: bata tirar
os inserios, raspando com ama fara embolada os ra-
mos onde esli apegados e farend ,-n. cahir em am
pequeo ceslo oa cabasa, que lenha em ma de,
extremidades umi ehiufradura. un le se inlroda e
parle etlreila da palmatoria. Ilepu. meltem-ta em
pequeos aarcot, mergulham-se i.'agua queme pare
os fazer morrer e eiteodem-ee ao sol p.ra terror
Devem ter guardados em leaar -erco. porqoe a
humidide ea atiera e faz perder o p<> brinco qae ot
cubre e ihes da'meit valor.
Depois de seceos, ettio promplot para er ealre-
gaet ao commercio, qoe os compra immedialamraie
a mil oo mil e quinlieiilot r-is a libra, ceaferme ai
necessidades,
A cochoii'lha lina te multiplica rpidamente ; da
lomera duis me/e* da' urna nota gerario. No M-
xico, onde as chavas daram de cinco a mM meaos, ao
se fncm geralmrule tret rclhetas r.or auno. Na
serian, onde ehove nueale Ires oo'quatro taeresi,
pn ler se-hia provivelmente rer quatro eolhetai.
Quinde ea aproxima a ealaeae dat rhuvas, tm*.
e rrculher rn lelheirot at paimalonas gaaraacida
de insectil, que ie quer re*erar para a propauaeja.
All elles comineara a mulliplirar-te, e quando val-
la o verao, sio Irautporlsdos pira at palmalariaa
tnait robusla-, onde se molt'plicam rapidaiarnle.
Digne-se V. Etc. aceitar ot prnieslot da mais alta
con-iderac.i i e estima dn sea muilo humilde rciada.
/.. J. Brnnri, protestar da teganda casoar i de
historia n.iloral.
Pernamhoco, I. de maio de 18.57.
Km onlro numero publicaremos o artigo da '.o .
iraro acerca di cochouilha.

| fWu.tr.-f-r.rf.y(
MUTILADO


biAUO ns MHNAMr.UO gBCFNOA IBA i .iNlODE MAIO I)iS l.r>7,
(as parochiaes de alganias fregueziai pertencente ao
i. di-lrirl.i ila Baha.
PltlMKIKA PARTE DA ORDEM DO DA.
Continua a eleicAo Ras commissde permanente.
Juslica civil :Os Srs. Nabuco, Agaiar, B.r-
bo J uslicja criminal:Os Srs. Paranagu, Danlns e
Nabuco.
Diplumacia :O* Srs. Setsio, Paulino a Para-
nlios.
Marinha e guerra :Os Srs. Pcdarneiras, Para-
Dhos l'-i vi".
II" lacc.il > :O Srs. Joic Bcnlo, Silvino e Madu-
reira.
Cmaras munieipaes :Os Srs. Cosa Moreira,
Vin.ilo Mendrt da Cosa.
SEoUNDA PARTE DA ORDEM DO DA.
Conlinaa discussao adiada do |.areaV da coin-
ni-,i i de poderes, vol en separado e emenda so-
bre a eleicAo de depolados pelo 19. circulo da pro-
vincia de Minat-Gtraet.
O Sr. D*ai 1'ieSra diz que, como merobro do
unmissa'o, jnlaa-se obricado a responder ios ora-
ioresque contrariaran! o parecer, e deizndo de
parle todas as recriminarles pessoats que andaram
1 discussAo, so dar apreso aoa fados (obre que a
unmn-,... formoa o seu parecer.
Analysanioa queillo. o orador demonslra que,
pela cou(rontaao dos documentos prsenles ,i com-
inissao pelas parles iuleressadas, ella nao poda dei-
iar de dar o parecer que deu.
O Sr. Silca Campos opp.'n-t. ao parecer, mos-
trando os pontos pelos quaes a oleira devia ser nal-
la ; e lerrnina maullando o seguinle addilamento
.Miien li, o qusl he apiado :
Oue teja annollada lambem e > proceda a
nova eleicjlo de eleilores na freguezia da Gloria.
A discussSo Tica encerrada, nao se podeudo votar
Mr nao haver numero.
O Sr. Prndenle di para ordem do dia .-Vota-
do do parecer, cuja discussAo ficon encerrada e as
nalerias ja dadas tanto na primeira psrte, como na
niada.
Levanla-se a sessAo as 3 horas.
a viverrra como nio devem. O cral do publie
pernamhucano felizmente sabe que os nossos pobres
artista s3o |.v meos, inais que podem aiuda ser gi-
gantes.
MAl'PA demonstratiro d'ngua que lene, o banco da
barra dale porto na remana ltimamente
linda.
P. S.Eslava! pelo Paninunga, coja regulari-
zado de navegacAo vai captan i i interesa. po-
hlico, atata) como o sen digno comivandaiile, o Sr.
Iforeira, dhmo eavalleiro, que ro por tem dovida
urna importanle acquisicao para a eompanhia Pcr-
aambocana, lodos o* pattaaeiroa to contettei me
plomar a S. S., lid he o dbyie procedimento do Sr.
Morena, a iiuem felicitamos.
"^RiAlagqqT
KECIFE "i DE MAIO DE 1857.
AS ti HORAS DA TARDE.
RETROSPECTO SEMANAL
Mais um novo org.iu de eredllo vai e-labelfcer-so
ne-la cidade. Urna empreza dedicada preleude fun-
dar aqu nm banco de descont o circuirAo com o
fundo de dous mil contos de res, e que se denomi-
nara UniAo Commerdal.
Em o numero aeguinla publicaremos os respecti-
vos estatutos, e ja da agora chamamos a allanero
dos mi'- leilores sobre os artigos que deverao re-
sular as nperacoes do*le novo e-tabelecimenlo. Es-
tas operaroes lio mni lilao, e por iss i.ao de aci
litar as Iransacriies^por qualquer maneira, a--un que
se aprsente o necssaria uaranlla.
Na he somonte por mio de ledras que se pode
obterdinheiro : qualquer lilulo que reprsenle um
valor realisado, he neg iciavel, pondo-se de-i'arte em e 29 a 21 e 33. Em 30 da maio ,le (8.77.
,,1,7 ",0f!i"l"> *n:reridainenla ao Sr. *, qoc da. Ari. i. Poi approvado coma sesuinla emenda :
piaiea ueu. na recita passada, um assohio quau.lo os ||,, Sr. Kpaininou.las___AoS I.Com nsecrelario
anisias lrahalhavi.ni, cnuleiilia-ae n,.s licites da me- > da cmara municipal de IgoaraMl'l iUlIsnuO rs.
uer,ir..o : se nao agrada-te dos esperlaculos, rel.re-se AH. 5. Poi approvado cora a emenda do Sr. Cas-
neive a quem lem mais amor pelo bem estar de I Ir l.eao. Ao Dr. Manuel Izidro da Miranda a
arusias pobres, que (.referen! trahalhar como podem, quanlia de 54J000 rs.
.
N =
O O ^ Kmna$3o
o dus.li.i-. Prcamsr. Baia-mar.

a _ _______

2'i 1 1 liiin.H , 17 lij pej iii... 9 l|J p ing.
t> 2 i.1 It'ir-i. . 17 10
2( .1 i.-1 fera. . Iti 1(1 >.
'Ir i 'i." (eir. . 1". I|2 I0I|
JH i .>.* feira. . 15 .. III 1|2 i.
2* 1. ti.1 eira. . 1". 1(1
:tu , Sflhhado . 1!I|J II 1| i>
ObservacAu.
NosdilTerentes aneoradonros do purto oacillou o
baua-mar de I) e Jll a 16 e l-> o preamar de 21
CORRESPOMiKXUA DO DIARIO DE
PERNAMBDCO.
AI.AUAS.
Macei, 18 de maio de 1857.
Cortsimo icnlior.Peusava que fosse esla quin-
cena intairamente estril, infelizmente, porm, os
lacios succederam-se em tal rapidez, que de alzum;
tormo fornoceram materia,para urna missiva colusso.
Mae Dio aproveitarei como de coslume as menores
(ircumstancias, apenas slereotvparei os aconteciroeu-
tossem ,ipplicn;... de analvse. Narrarei os fados co-
mo os fados se denm, nem per accidens fallando '
verdade, e nem de leve pretendo ollander asuscepli-
lilidades, por que desejo ^affrmo llie debaino da pa-
lavra da bonra) conservar a....... i individualidade
ao abrigo da borrasca, que por ah vai amearando
toldar o horisonle maceioense.
Esta capital continua em paz, mas urna paz du--
-.ia, terrivel e meara Ja da influencia perniciosa dos
mos instinclos.
Sim, qoaudo observo os espirites em om estado a-
normal, a socie 'ade como que abalada, as provca-
seos reciprocamente barateadas, poderei dizer que
estamos aob a influencia amena a potica da paz '.'
Nao, nio.
Eu voii iplicar a Vmc. as raides que me autori-
*am a apretentar esse quadro verde-negro, essa nu-
vem qoe parece querer toldar o horisonle ma-
ceioense.
Domingo 3 do correle, am occasiAo que a msica
do corpo de polica tocava em a frente do palacio do
governo, am homem a paisana, mas que ao depois
veriieou-se ser soldado do segundo batalhAo de pri-
meira linha ; ou porqbe estivesse son a pressAo do
alcohol, ou sob influencia de algnma mana perni-
ciosa,he o caso quelprovoci.il com seus alaridos e ba-
chanaes ezpresses a ira dos msicos ; e para con-
rluir.o raeslre da masica Noblal, altrou-o de ventas
ao chao.
Appareeeram logo as pessoas competente,e ambos
sollreram a prisAo.
Avista da fcil soluto da queslao; paree que
Dada mais devia apparecer, engao manifosto Eoi
a cenlellia que mil unmc.ii o combuslivel.
Domingo seguinle, reunidas as msicas, imn dar
principio, quaudo um ruse-ruge veio sorprender o
povo inerme, que all ia apreciar os preludios masi-
caes. E o que acontecen ?
Um homem a paisana, mas que dizem ser pr.ira
do segando batalho, alirou tres valentes e certeiras
cacetadas sob o meslre da mosica da polica, licaodo
osle gravemente ferido.
Cett trop fort I
Permite a primeira autoridade da provincia, coin-
melter tal desacato !
Oh he por demais I
E o que ha resultado, roeu caro soolior ? Que de
lado a lado vio apparecendo forles provocacoes, a
ponto de ser precisa A prisAo de doas ofliciaes do se-
gundo, por se haverem apresenlado oslensivamente !
Os auimos eslAo irritados a pontos de ser preciso
apparecer :< (urca publica, sempre que he preciso
locar alguma das msicas.
O povo esla' agitado, o receio devisa-so em lodos
os semblantes, as noticias aterradoras propagam-so.
com formas gigantescas, emtira a egoranra indivi-
dunl esta' a merce da ousadia.....
Eliimamenta deelarou-se urna indiaposirao contra
o segando batalhAo que he de recejar seja a paz pu-
blica perturbada ; estamos, por lauto, s. I. a crtera
do Vesuvio.
Reos se amercie desta capital, abrandando as iras
dos que leutam esbarrar a marcha progressiva desla
cid ido, e do sea dcil e ordeiro povo.....
Basta.
Aqui chegou no dia 16 o vapor nPersinnnga, o
qual anda carregadu seguio em commissAo o sul da
provincia, por ordem do governo, cooduzindo urna
Torca que all deiiau. Deu-se a respeito desla va-
por a circomslancia da ser tres vezes aununciado,
duas vezes como entrado do norte a urna oulra do
sul, o que fez com que muila gente andasse em am
molo continuo, menos eu.
A zalabridade publica vai benigna, nada appare-
cendo (salvo a beziga) que possa alTeclar a desceu-
dencia do velho >o.
0 commercio camiuha em soa v.da, apenas agora
soubemos que um patacho do negocian!* s Sr. Fran-
cisco Ferreira Andrade, vi. a-se na dar eollisAo de
t.inrar ao mar na altura do Rio dozenlase oileuta o
tamas saccas de assucar. Sentimos sobremaoeira
esta prda, lano mais recahindo ella sobre o Sr.
Andrade, um dos caracteres honroso do commercio
desla provincia.
Ainda nao he chegado o chefe de policia, o Sr.
Dr. Neivss, continan Jo em seu lugar o Dr. Santia-
go. Ha pouco foi caplorado um inonslro que em
dezembro horrorUon esta capital com um criine hor-
rivel.
O cargo de thesoureiro da provincial, vago pela
demissAo pedida por aeu digno servenluario, o hon-
rado major Coatoho, continua vauo, sem appsrecer
qaem queira preenehe-lo ; e sendo nonie.nl" o Sr.
Jos Candido Monleiro, leva este Sr. de recuir, pe-
rante a banca monslro que llie lora eligida.
He o caso que os emprezado* eslAo no desembolso
de seus ordenados, o que cerlainento nAo he recebi-
do com especial agrado.- Tenham paciencia, e lauto
mais que a pulabula agora sera' niaior e mais avul-
tada.
F.stAo di forja partida, soiiees, bailes, arcos Irium-
phaes, radiantes recepn.es preparadas para a vinda
do dislinclo Alsgoano e senador por esla provincia,
o Etm. Sr. Cansancio de Sinimb. Dizem que o
primeiro sera' dado pelo seo amigo o Dr. Silveira,
ojootro por oulroi seus amigos, einbm o inesmo Etm.
senador rematara' com um, em salisfa^Ao a honra
qoe receben da provincia. Desdeja' eraprazo a Vine,
para a pompse desenpc,Ao do festejo, ae ale la nAo
tiver partido para a corte, onde pretendo circular-
me da gosos e mais algoma coosa de accordo com o
bem estar da miuha cosmnpolitica individualidade,
a quem desejo ludas as prosperidades.
Emflm, sem o auxilio da espada de Alexandre, foi
cortado o Dgordio da eleicdlo municipal, eahindo
aparado os nove eidsdAos seguintes;
Tenenle-coronel Paulo Joaqoim Tedies Jnior.
Coronel Manuel da Costa Moraes.
Major Manuel Marlins de Miranda.
Capillo JoAo Jos da Graca.
Dito Jote Gabriel Pereira Pinto.
Dito Miguel Joaquim Ramos de Moraes.
Mauoel Vicente de Sampaio.
Antonio Mara de Agular.
Delegado Manuel Jos Teiieira de Oliveira.
Todos da chapa conservadora, tahindo supplenles
ns seguales cidadAos do lado oppo*icionita, a saber:
'Cnente coronel Joc Vieira de Araojo Peuolo.
Professor Jos Francisco Sosres.
Dr. Jos Angelo Marcio da Silva.
Manuel Antonio Lopes Moriliba.
Dr. Antonio Carvalho Rapozo.
CapilAo Joaqoim Jos de Almeida.
1 Acabaram-se prtanlo as ancias, as duvi.las e he
de esperar que os negocios munieipaes lenham o de-
vido andamento.
Sim, meu charo Sr., he ama miseria c>t capital,
a rospeilo das providencias munieipaes. Por toda a
parte o lixo a as inun.indicias invadein as ras e hec-
eos ; o mercado he urna barburdia insupporlavel.
Da Levada, ra, fundeam as canoas, e onde o povo
vai comprar alsuns ceneros de primeira necessidade,
taes como peise, fructas e verduras, apresenta-seum
monopolio exerravel, de maneira que v-se o povo
na Insto collisao de comprar por oilo, aquillo que
(acilmeule comprara por dous. E pde-se por van-
liira censurar o iin.co li*cal que lem a cmara, o Sr.
Mareos de Paria Pinheiro .NAo, rerlaincnle. Muito
faz S. S.; e depnis como obrar com enersia, lento
ce cudir a lanos lugares '.' Se Ires ilaraes nao eram
snflicienles, como o sera' um, e ese sem auxilio,
sem execulures para bem preencher as posturas !
Resla-ma aaor ... lagar de Vanes, o que he feilo
do seu illustrado correspondenle o Valle ? magaHo,
recolhcu-se ao silencio, e deix..u-me ueste valle de
lagrimas, carregan lo obre meus debis hombros, o
pesado madeirn conesponiieucial! Oh he por de-
mais sobearregar esle seu criado Espero, porlanto,
que Vinca., embora in rari. nanti in oxroi/o roulo,
nos favores cora ulsum auxilin, mirikseando-ni.s
com algumas de suas eruditas e lumn as missiva
que posso allirmsr serAo bem e dignamente apre-
ciadas.
Voo dar fundo, mea charo Sr., o que nAo me era
al agora possivel, atiento o fornecimento de com-
buslivel, que excedendo minh-i expectativa nbrisnu-
me a ser mais extenso, o que certamenle n5-> rece-
Iwu niinha acquiesceuchi. C >mo ve.o cade in pace.
Deseju-lhe ude e properidade e a su digna fa-
milia, podando afimar-lhe que e-tar. sempre a sua
d.spu.ij.io o diiniuutiisirao prestio do
Cosmopolita.
pratica a verdadeira expressau do vocabulocom-
mercio.
O desenvolvimenlo rpido que dede 1851 a nos-
sa praca lem lomado, ha muilo qu reclama urna
instituir'. desla ordem, pois que os valores que gy-
ram no mercado sohem a urna cifra superior ao al-
cance da nica casa bancaria que temos na aclus-
lidade.
A c-nlralisacAo de pequeos capitaes formar om
estabelecimenlo importante que dai ao nosso com-
mercio mais urna fonle de recursos,que promovain e
alimentem o desenvo'.vimenlo proprio da poca.
Os commercianlrs nAo devem ser indiferentes a
subscrever cees para semelhante eslabelecimenlo;
vislo qoe sAo os primeiros iulere-s. Jo- na respectiva
m'lallarAn.
Jo Fauslmo Porto.
Hospital de caridade 28 de mam, 80 doentes.
AU amanhaa.
COMARCA UO BONITO.
Garuar 25 de maio.
Mil.
Cabendn-me a honra de ter, com o meu fraco con-
tingente, concomido para a eleicAo do Dr. Jeronvmo
Vilella de Castro lavares, represntame dele dis-
Iriclo eleiloral, que he o dcimo da provincia, nao
posso esquivar-me ao dever de defender-me e aos
mcos amigos da censura, que na cmara dos depu-
lados nos dirigir o Dr. Augusto Frederico de Oli-
veira, allribuinlo o retallado obtido pelo Dr. Vilella
Se tomarmos em consideraran os valores impoitan- ""luncia da polica as elei(es primarla!, o que,
;iur carln nAn I.. ......
tes que movem muilas das nussas ca cic, he inconteslavel qoe a quanlia com que snb--
crevrrem pouco influir no seu gyrof ao posso que
eonenrrendo para um melhoramenlo eeral. delle
participam, Jlendo principalmente a vantanem na
direccAo do Banco ser nomeada nesla mesma praja,
onde tambera lerAo lugar as assemhlas seraes.
por cerln, uAn he exacto.
Podemos, alianc.ir, sem temor de termos desmen-
tidos, que os elaitorea qoe concorreram para a elei-
rAodo Dr. Vilella, cuj, hrilhanle Iriompt.o f.'.ra np-
plaudido cora enthostauno, qoando publicado, nen-
hum deven a sus eleicAo ao apoio da polica, e que
se esla eleaeu eleilores por cerlo qoe elles nao con-
Empenhadot como sempre temos sido no entran- corrri"n Pa,a o resultado em favor du qual empe-
decimenlo da nossa provincia, nAo podemos deixar i ,.'nos 0" """"s fracos recursos,
de manifestar o nosso prazer cm mmunciar aos nos- Leil sos leilores essa grata noticia, e fazemos sinceros vo- \fV*.Ier 5ido l'roduzida ; nao sii por que a par-
ios para qoe a inslituicAo seja bem acomida pelo J"f| ?i'** con:urrei1 Para Iriumpho do Dr. Vi-
eommercio e mais pessoas inleressadas. e";l "" "la'ora nesla comarca, como ainda
Assemhla provincial foi prorogsda por mais sele mu"'" ""vi luos .le oulro credo preslaram o seo
dias. Embora se tenha eslranhado que aprsente 'mPorlal>l' sentimento prelenjAo do Dr. Vilella,
sessAo oceupasse mais de lie< mezes. com ludo po- ">u'"* ''onherido e lem sinceros e devolados amigos,
demos asseverar que na corle, na Bahia, e multas cnegou a noticia da modanca mmislerial, ediver-
oulras provincias, as tesses das respectivas as^em- 9'" vers"es ouvimos ja quar.to a durarAo do rainisle-
blas provinciaes quasi sempre excedem este praao. I Ji"laanl ideas polticas dos seus memhroe.
NAo escarecemos que intilmente, mas he inconlestavel qu dous mezes m'"\0,.n*a. ,".llu.l!m ne,las circum'lanrias, porque
de sessao nAo sao soflicicoles para se tratar os ne-
gocios de urna provincia, como a nossa.
Pelos dous vapores entrados durante a semana, do
norte e do snl do imperio, sondemos que reinava o
socego em lodos os lugares por mide passaram. O
.iTeolonia Irouxe dnos dias sobre as ultimas dalas
da capital do imperio, que nos tinha Irazido o
inslez, e por isso pouco oo nada adianlou ao que ja
sab.amus.
As noticias do inlerior da provincia continuara a
ser lisongeiras. As chovas que ltimamente calii-
ram aqu na capital, liiiham chegado an interior ; o
que lem enebido os apicultores de caiitenlameu-
lo. E-pera-se urna excellente colheta.
A alfandesa conlinua na sua magnifica prozres-
sAo ascendente ; a'em da somma que recolheu du-
rauta o mez. cnnsla-nos que ficaram de-pachos p .r
fazjr, por falla de tempo, no valor de mais de cein
conlos de res. O reu.lmenlo lotal das repartices
liscaes oa provincia fnram de 743:2919051 ; seii.lo
da alfandesa 525:122>.">20 ; do ronvulado geral
123:02.f39l ; do consulado provincil 6843I51 ;
e da rerehedoria de rendas internas 26:3019992.
Cerminou-se com o ultimo dia do mez a aotrmni-
dade do Jlez Marianno. Foi urna lonca fesla de
31 dias, um culto frvido, tributada a MAi do Re-
demplor dos homeos. As llo-e* com que a natareza
perfuma a creaco, e os canliros sagrados dos clujs-
lios foram as lioraenau^iis das almas piedOMt, que
se dediram a esse exercicio reliaioso. Sanos tem-
plos e muilas casas parlicolares feslejaram os 31
das do me/, de maio, consagrados especial.nenie a
adorarlo da Santa-Virgem. Em Indos esles logares
reuma a devoran, o espirito de pie.lade e a pureza
que- a r.di.i.Vj exige na adoracAo dos sens myslerios.
Falleceram dnranle a semana 2) pessoas, sendo :
livres, 9 horneo*, muflierese 10 prvulos ; e-tra-
vo-, 2 homens, 1 mulheres c 3 prvulos.
Palrnles dos dcsparltanlc* geraet. aVigilllO
Hilas ditas especiaea.......... I2~'itil
Peilio de tiiulus dos detpachanles, dos
caixeirosdespachanles, ele...... -si.ti
Eiiiuliiini'iii..- de cerlidot's....... l-ibn
-. porqu
o estado actual do paz, nAo permille|retrogradar, e
sim ra.ninliar para o proareso lento e rell.-ctido. c
pois nAo obstante os caracteres disliriclos, que l.da-
dores em campos diversos. rompOem o novo minis-
terio, delle espero mullos bens ao mea pair.
Desla vez passei do carcter de noticiador impar-
cial, para o de poltico de polpa. Pr.loe-me esla di-
gretalo, que Iba promelto IAo cedo me nAo meller em
outra.
Nada de novo me consta se lenha dado nesla villa
ou comarca, que possa nteres-, r.
Nio guslti que a missiva, sol numero II, qne re-
meili a Vmc, nio ha poneos .lias, deuusse de ver a
'sjz;da publicidade, como e'perava ; poit'pode mullo
succeder que por qualquer emersencia v dar, com
porto franco, em alguma agencia que me nAo soja
avoravel, e enlAo serei descuberlo, o que me nAo
couvein.
Tenho esperado pela resposla do promotor a cor-
respondencia do juiz municipal, eal hoje nada, ve-
zes nada. Dar-se-ha ceso que o promotor au res-
ponda Todo pode ser...
Ao Ier a seguinle colleccAo de svnonim.is ao verbo
fuir lemhrei-me Ue eslracia-los|para a pri-
meira missiva, u que cumpro.
Fogir, Ufar-te, abalar, fazer vispora, siscar-se,
lin^ir-se, plrar-ae, por-te na plieza, dar as tran-
ca", dar a cauela, dar aoscalcanhaies.liater a sola,
meller perns ae potro, motear, escafeder-'e, sur-
rar-se, fazer-te de tiagem, gsrrar as pernetas
estas eanlar, levar-se. fazer ablalivo de Tiagem,
volalisar-te, sumir-.se, poros pesera polvorosa, to-
mar a' de \ illa Dugo, p.'.r-se a bom recad.i, man-
dar se mudar, ir lomar ares, desertar, araigrar, ir-te
rebolindu, ir-re de esranlilho, ir-se com .) diabo
no corpo, ir com o diabo na mochila, voar sem
azas, despejar Ierra, melter Ierra em m>>io, levar-
se como una audorioba, como ora sargento, fugir
a unhat de cavallos, ele, ele. De lodo!, esles hou-
qu
Arl. (I. Foi approvado com a emenda do Sr. Gon-
calves GiiimarAes. Ao S "."Suppruna-se a pala-
vra calcameuln e depois de munieipaes, acres-
cenle-seinclusa a obra do cemilerio.
Arl. 7. Fin approvado com as seguintes emendas :
Dos Srs. Sorna Carvalho e Mello Cavalcanli.Su-
bstitutivo ao a ."Com o pasamento de cusas de
prnce*sos crimiuaes e de c.nlravences de posturas,
Inclusive o que se deve a Manuel Joaqoim Bandcira
de Mello, o ., Benlo de Fariat Torres 5()0?00ll rs.
Da commissAo. Inclusive melada do que se deve
a Francisco de Araojo Cezar,
Arl.8*9. Foram approvado..
Arl. 10. Foi approvado com as seguinles emen-
das :
Do Sr. |. de Barros, ao 8 1., com o secretario rs.
20111000.
lias Ms. Ignacio de Barros e Reg Barros ao j 7.,
Picando entornada a aforar o terreno preciso para am
pal.iradourn publico.
Arl, II. Foi approvado coro a emenda do Sr.
Neiva.Com o secretario da cmara, em lorar d
iiOaOOO, diea-se anojlKJO.
Arl. 12. Foi approvado com a emenda do Sr.
Epaminniidas.Cora o secretario 20O"MrttO.
Arl. 13, ||, 15, |S, 17, 18. e 19. Foram ap-
provado*.
Arl. 20. Foi approvado com as seguintes emen-
das :
Do Sr. S, Poitella, supprima-se o 5 I.
Da commissAo ao S 21, em vez de 19200 diga-se
2-llO.
Do Sr. (ioncalves tiuimaraes aos j;i 2. 25, 2(, 27,
28 o 29. diga-se : nos municipios de fora da cidade
do Recife, ser de meta.le o imposto.
Arl. 21. Foi approvado com a emenda do Sr.
1 heoduro, devendo tambera a cmara municipat do
Recife. applicar as metmas sobras ao alerro das roas,
que ealiverem alagadas.
Arl. 22. F'oi approvado, assim como a emenda do
Se. Sonza Carvalho.A Idilivo para ser collocado
depois do art. 22.Fica aulorisada a cmara muni-
cipal de Goianna a Contrahir ,ior muta da provincia,
um emprestimn sem juros, de 8:000? rs., quesera
pago aartzan de 20 por cenlo ao anno, para o mollio-
ramenlo do rio Capibanhe-Meirim, reronduzuido
ao seo leilu todas as aguas que delle foram des-
viadas.
Arl. 23. Foi pprovado.
Arl. 21. Foi regeila.lo.
Artigo a.Idilivo, pra ser collocado onde convier.
Fica approvada a postura addicional da cmara
do Recife de 29 de abril do correnle anno, abolindo
o a.l. 5. da de 13 de junho de 1855 na parte, que
manda remover para oulrot lugares as p alaria- exis-
lentM un centro da cidade.Uliveira.
Emenda additiva a do Sr. Oliveira.Acrescenle-
sesendo supprimido o art. 3. dessa pojlora e subs-
lituindo-se o segundo artigo pelo seguinle :As pa-
darias eslabelecidas denlro da cidade nAo poderAo
continuar ahi, logo que por qualquer lilulo que seja
lenham de passar dos cluaes proprietarios, que ja
esli inscriptos no livro da collecla municipal, a ou-
tros donos, sob pena de serem fechadas.Ignacio da
Barros.
525:12-'-- .20
.\n.< seguintes tspf> U -.
Diulieim
Ai-liados
Deposita*.
Em balanco no uliinn. .lo
abril. .'.1.......
Entrados no crrenle ""''
2! 19:173-722
313:0189798
23:dl5>S58
1:9589202
Sabidos
25:5719060
2:021-723
Firloba de IrfgD-Continua a afluencia da entrada impostos acarpo da collectoria
detle genero, entrando aetlaK- jdetn dem em
ebraond. que foram vendida, I"U fc MM
prern nccullo.e nutro de Baliimo-, o ma rea de Caranliuns.
re, "que aegala para a Parahiba.; Arrcnialados conjiiurlameiile :
O deposito subi a 22.0<:0 barri- 2.;500 rs. sobre O gad'i tall:ado pa-
ras, sendu 5,300 de Ballimore, ra negocio e. dizimo do mismo
,'.,1'.M). '!e, Ne,o ',,rJ.'a 'di!2 ''." Kad". vahado annualrrrn'c cm 2:7.3,0CO
TtS^IS^ffSSA !rm?d0saJo n a de llallimore. IH0 "mposlos
de 17.3 a 18;
a 20- a de New-Orleans, 203 a de IU|-'" "" "1 Prn
a cargo da collectoria
311.000
38.000
8O/0OH
451,000
bO.OOO
Kxislenle-...........
\./. seguintes esperiet.
Dinheiro..... 29730(18
Letras......23:6539269
2:9509337
Pliiledelphia, 2i-3 a de Richmoud -u "|0 ta agurdenle dem dem
e 26| a de Trieste. Comarca de Flores.
Descont---------O dinheiro conlinua procurado, e I ArremataJos conjuntamente :
n banco tem conservado o relale 2;500 rs. mi1hu i-gado llhado pa-
lle 'r,r"sda l;,l"".n"'"" 'i0' r: ra ",:"ri"e '* j m-n.o
T^^::;z;re alsum a j&z&-ss**- jg
Contritntieo de randadr.
Rendlmento neste me/......... 421-727
Airandegadc Pernambuco, To .If malo de 1857.
O etrrivo,
Faustino ./o-. ./.,.- Santot.
iMPORTACAO.
Fscuna americana aRoaange viuda de Ballimnre
com.snada a llenrv Fotler A. C., raanifeslou o se-
guinle :
750 barricas (arinha de 'riuo, 250 harrilinbns bo-
lachinba, iO meias catxas cha, 53 ditas relogot, 2
ditas materias para pholographia, 1 dila Ivpos ; a
llenrv i'osler >\ C.
CONSULADO GERAL.
Rendimenlo do dia 1 a 29. 113:8669782
dem do dia 30....... 291989
114:1589681
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimenlo do da 1 a 29. 8:8123071.
dem do dia 30....... 52/634
84649710
RENDIMF.MO DA MES\ DO CONSULADO DE
PERNAMBUCO EM CODO O ME/. DE MAIO
he IS57.
Consulado .le 7 por rento. 1(I9:182J086
----------------109:1829080
Ancoragem........2:276f4O0
Direitos de 15 por rento .las
erabarraees estranseiras
qoe passam a nacionaes. 1903350
Dircitot de 5 por cenlo na
compra e venda das em-
barcaefies ..... 493750
Expediente das capatazias. 9390395
Mulla......... ft3(XK)
Sello lito e proporcional. 1:l7fol00
Emolumentos de eerlidoea. !8-3(iKl
I retes-------------Sollrerain a declina, .lo, o elTec- Pji'm? 1>0 Bai1" avallar i lera
luou-se a 50 para Trietle a para o 'mposlos a cargo dos collecloros
Canal nAo ha mais de 10 pelo as- dem dem em
sacar. 20 0|o da agurdente i-Jcni
Coearam no porlu 4 vapores que seguiram seo j (.otilare, da lina-Y Isla.
... Arrematados cor.iuuUmo>e
nav.os rom farinha de Inco, I com 50O rs sobre o gado lalia 10 para
com biealhao, I com a,:endas euro-
999,o o
40,'M!
0ttt&pmibUto&.
Srs. redactores. Leude o ..Diario de Permm-
liucon n. 7ti de I de abril do correnle anuo, depa-
rei com a lran>criprAo de urna carta que eu havia
diriaido no dia 10 de setemhro do anno proiim?
passado, ao Sr. tenente-enronel Ildefonso Avres
de Albuquerque Cavalcanli, eulAo delegado desle
termo.
Disto nAo me admirei, pnrqoe am amigo rae cer-
tificara, que o Sr. Dr. Manuel Dantas Corra de
lints, pedir a dita caria ao Sr". Ildefonso, para da-
la ao prelo, e assim pslenlear altamente. .1 ignoran-
ciasuplna do visar-
Eu jnlea-
sm duvi
racAo de
etc.
Por i--.,.
forca de sua
Palos.
.ululado Curiosoque por
r. Dantas, analysaria a nar-
i, ortograpbin e pouluacAo,
Entra.am 3
carne secea. I
peas, I de cabolagem e I em lastro.
Saliirara '1 com carreaamenle de geaeroa lo psiz
para porlos Mlraneeirot, i de eabolaceui e I com
parle do carreeamenlo que trouve da ilollanda.
Picram no porto 18 embarcacSet, a saber : 1 a-
mericanas, 16 bratileiras, ldinanarq.no, 1 ham-
hursueza, 0 hespauiolas, 1 i iuglezas, e 0 porlu-
g.eaat.
vplv^eta5 b> yoto.
114:1589681
Dirersas provincia*.
Dirimo do algodAn e oulros
gneros do Rio drande do
Norte....... ltV.I-727
Dito .tilo dilo dilo da l'.i-
rahiba....... 78930OI
Dilo do assucar e ontros g-
neros da dita..... 1333691
Dilo dito das Alagoas. . 7:771.-1 80
---------------- 8:8619710
123:0233391
Deposiloi sabidos..... 1:6578375
Ditos disientes...... 9:2189161
Navios sabidos no dia 30.
Ballimorollriaii .nlez ..Daule,rapil,ao M. llrca-
keiin.lg, carga lacoeir.
MaraiihA.i e Para II.ale brasilelro ..Lindo Paqoe-
le, meslic Jo-e Piulo Nunes, carga varios g-
nelos.
Am-lher.lam pela BabiaEscuna hollandeza .An-
lise, cap.IAo A. M. Schvafsme, carga parle da
que trouve c estucar.
negocio e dizimo do ciesmo ga-
do, avallado annualmentc em 3:0*1 ."
Dilimo do gado cava I lar, dem -JO,non
linposlos a cargo dos collectorcs
incluidos os 20O3 por escr.vo ex-
portado, avallados annualmco-
te em 1 nj.000
20 por cento d agurdenle idem 31,'mmi
Itnpuslo de 20 por cento sobre o consumo
de agurdente nos municipios
seguintes :
Olinda avahado annualmente cm
oiaune dem dem
Nawretb idem dem
Pao d'Allio 1 iem i Jem
Cabo idem idem
Santo hallo idem idem por
Rio Formosa e Agua P.ela dem
idem por
Serinhem idem idem
-
-.-
0:
> Dr. Joio Dioil Kiheiro <1. Cunha, jall maoiripal
supplenle rt.i *e :uu 1^ vara pre|ar:*nr do pro-
r*--,i> do jury etr., ?lr.
Kaf saber qu? polo Dr. Franein de Ami 011-
veira Mac i el, juil lo direito inlpriiin da primeira
vara criminal da comarca deta cidade, me foi eom-
manirado ter d.'-iji,i i> n dia 1S de junho protimo
vindour pela* 10 horas d;t mauh.la, p^ra abrir a Icr-
reira sp*ilo judleiaria do jury deie termo, que tra-
balhtra' em das cintecutivcx, havando procedida ao
sorleio dos quarenla e oilo jui/f* que tem de ser*ir
na referiila es-.rio, de eoniormidade mm o arlico
.un dorenulameuto n. I JO de :il de Janeiro de Is'rj.
foram orte-ido e dc Freza*7.ia de San I-rei Tedro (icuralve*.
Dr. Antonio Gome* Tavares.
Manoel Carduzo Ayras.
Joao Antouio I'-thm .I.i Rocha.
Manoel de Soasa Ferreira.
Jos Pedro do Reso.
Joaqoim Aflonso dos Res.
Viceente (.ardoio Ayres.
Santo Antonio.
Dr. Tedro Dornell;.s Pessoa.
Antonio Vilal d* (Miveira.
Joao Rernardo de Siqueira.
Joan lunario do Reg,
Antonio Manoel Pereira Vianna.
Dr. Jote Anlonii de l;isneiredo.
Dominso da Silva liuimaraes.
;t;:> ihni
MI ,01*11
36,0(10
3*. 00
PAGINA A^fULS^.
ve quem proenrasse um para ser applicaMo a aquel-
le raso, que (oi cantado em verso ? No huove '
Ouan.lo os nossoj velli.s d li.'j, lamenland) as
eras paaaadaa, conlam-nos que urna libra de carne
enlata 2(1 ruis ; nina cavalla de del palmos pataca'
e meia ; um per cevado pocco mais de stis vintent
e dez reis ; um uedio leit.'io pouco menos de um
luslo ; e ludo mais assim relativamente aos seeros
alimenticios, rimo-nos e julaamns um impossivcl.
(guando anda os nossos vellios, cen-urando I exa-
fterai;ao da modas presentes, fazem-uos ver que no
seu lempo urna senliora (raj.va com admiiavel de-
cencia, ito he, com um vestido pelo meio das per-
as, e de panno e meio, que as impeda correr ;
com as mansuinlias de pifos encarapitadas em cima
dos hombros ; com o coz ile cinlur.ii. por baixo do
seio, ecnni o corpinlio alosando o sotii... julsanns
que os nossos ve.los querem comprometter a nossa
credulidade.
Qoando anda elles, reprovando a maneira livre
pela qual so educa ua,era actual a infancia, dizem-
nos que no seu lempo os meninos de Hialinos
ainda au.lavam de fofas e rolariuhos rendados; que
logo ao crepsculo pesavain as canias para rezar, e
alto oHercciam nos joelbos da mamaa a cors q.ie
rezavam ; que quan.lo vit.r urna mulher cobriam
Can as in...,s os oll.os e corriam espavo.i.los, como
se tivessem visto horren.los pbantaaaiaa ; qun a meea
comiam com a mao ; que acoinpauliados por uina
aia de canOmea e bem decrepiln, iam e vinliarn da
escola ; que eram lito submissos e respeiloses, que
visla dos (mis Ireiniam, e pe.liaro, na ra, a bencAo
a qualquer villio que viam ; que nao cenheciain as
Carlas senilo para fazerem suas casinbas ; que s com
licenca bebiara viulio can asua as qoalro Testas do
anno ; que, liualmente, recolhiam-M s Ave-.Marias
e dor.-niam [raneados... jugamos que somos viclimas
de quatito earrapello nos querem os nossos vellios
impii.sir, e traamos de, com o que vemos actual-
mente de contrario,dissipar de nossa imasniac,iio is
qu? jolgamoi caraminh' I ,s dos nossos vrllio-, e no
eulretanln qoe bera pensadamente, com mais ou me-
nos modilic.cAo, be urna re&lidade o que eles nos
coi.tam. Onde, em que lempo educoa-te a mocidade
mais dissoliilameulodo que no seculupresenle.seculo,
por a.tton nia-i.i, .las lu/es t Km que lempo o luxo
foi levado ao mais alio srai de lou-nra '.' Em que
lempo comeu-se mais caro e peior'.' Km que tempo
respeilou-se menos as eflat de um v.-llio '.' Oi! os
meniuos do lempo anligj po leriam ser libertinos,
nao iluvidamos, porem mais ou lano como os de
boje ? Duvidamos, e iluvidamos poique por expe-
riencia sabemos que anda boje os veitius re.pei.am-
se mutuamente, e conservan! esses puros cosluues
do seu lempo por urna ira )i. rio constante e digua-
mi'i.ie arraisada.
A cvilisao moderna ludo pnder laier, menos
extirpar cerlos ro.tomes dos lempos patsados, alias
dicnos de serem pralicados no presente e no futuro
Trouxemos a apello ludo irte, para eontarmos
am felo acontecido antes de lionlem no paleo do
Carino. Passava por cima de urnas talioas, que tem
no principio de*om dos berros ou ras, qne licam
em frente do Carino um vclbinho, coherlo de cabel-
los brancos, arrimado a um bordao, tremolo, e pelo
seu phyro, doeule -. nessa occasiflo passava, em
aentide o|.poslo um menino, um di..brete, ou um
malcriado: o velliinbo ao ve-lo, parou, e deu pat-l
quem achatse um. enlrelanlo eu e o im.-u amiao do
etlro lominoto, decidimos a qoealle Jo aefoiala
modo : se bonver um sviiouimo do verbo fugir,
que exprima urna earreira com os geil.ee do caci-
que, de rtnas leguas a pe, principiada eru urna por-
ta de cotinha, e acabada as aguts prcta, he esle o
vnonini. que nos serve.
( amigo do eslro nAo sa quer esqu?cer do com-
pmmisso, mandou-me a produccac. que abaixo
se 10 :
Vi honlem na ffira,
*)h I que randade !
Orlo mono vestido
Com .'.nuil v i la.Ir.
Trajava com gosto
K grande mistura,
lira ligurino
Ha era fulura.
Chapeo de palha.
De cor amarella
I,r.n.ila tscura
Freza a gola.
(iranes collarinhos,
Kram guardanapos,
Servidos nao nrettam,
Senrem para trapos.
("nllele de goslo
.Na forma i. na cr
Paiile rajar".o
l)a moda primor.
A calca li .Irada
Do cr dr.vidosa.
l'olimenl o no po
Obra grietosa.
No povu _mi.Ii ..ir
Tem lugar primeiro,
Dispe do cacique,
leudo dinheiro.
O amigo Zumb
NAo lll. esr
l>o _.!,,
'' ,..are. ido.
{ lie goslo ve-ln
, .,011. ^ Compondo ;
Levando,
Andando,
(lUiado
Pele rigor
li furor
I'" Cacique
'.le quer
I a Ier1;
Corapndrinho
Baralinbo
F'iadinlio,
Bomiinho,
(ioslozinlo,
Sm gastar
Monetario
No diario,
Faz bem,
Kan he p.-.ie...
-Nada mais a nAo ser a caresta dos gneros
;o me sappunlia esmagado pela
.de sabanea ; pois me conhe^o o
mais ignoranle dos sacerdotes da diocese de Per-
nambuco, que. nem no menos sel com perfeicAo a
grammatica da lins-ia materna.
Porm, felizuienle o celebre C'iriosose nao
quiz dar ,i e-se Irabalbo, lalvcz que por nimia cari-
da le para comigo.
CnnlentoU'Se em publicar pelo (Diario a referi-
da carta, nAo i_.'-. verbi como inculcou oCu-
rioso, mas augmentando lellras, subslituinlo
ninas por outrae, ilcnaluralisan.lo a nartarAo, des-
locando paragrapbos,- potpnndo palavras, anle-
pondo-as, ackillerau^i. e falsificando a ponina.-u.,
etc.
Proleslo contra, e o desafio para que mande pu-
blicar no DiarijS. a earta de meu proprio puuho,
.o ,'iotngraplioj authenticamenle reconhecida, sob
e l pena do Corios,passar a ser o al.ivoso.
Diz o Curio ..om sua ola : que nAo declara
o neme do nos? o amigo qoo ve.n *., -- i,,,.*,-'
J. !).. por deferencia pessoas quem se ref-re.
(Joe rynismo '.' Ousrer impiugir tanta suscepllln-
lidade, sendo ouvisso iimigoo proprio pai du
Corioso
Itaior deferencia, porcm. deveria Ier lido para
com o respeilavel publico o Cu.ioso que leve
a lembranra de lomar emprestada urna carta escrip-
ia, embora em l-inpo de amizarte ; mas apressada-
Unenle de noite, e sob a impressAo e dominio de D.
Uueri e I). Vulcano, para faze-la publicar sem con-
sulta ou annuend* de seu aulor; diderenlemenle do
que .--tull, o homem civilisado, cavalleiro, gene-
rosu e bem educado, mxime adulterando, e nAo
psis verbiscomo propalou no seuad perpetuara,
rei memoriam que nao leve a coragem de assignar
com o seu proprio nme.
Com aintercie deslas linhas.Srs. redactores, mui-
lo ebrigario ao sen eonslauto leilor
O vigario, Manoel Cordeim da Cru~.
Villa de Palos 7 de maio de 1857.
Mesa .lo consulado de Pernambuco. :t(H. maio de J1'1""1'1 Jl,, Siqueira Pilanga.
1857.Palo escrivao, o 1 eicripturario, Francisco J
de l'au\a Lopes Ret
EXPORTACAO'.
Maranhn, hiate nacional Lindo P.iqucltn, de
20.i loneladas, conduzo o seguinle : 2 volumes
miudezas, 7 ditos fazendas, 2 ditos ohapeos, 2 ditos
ferragens, S ditos limaras, 1 dilo obras de ouro, l!l
ditos medicameulos, :|> ditos chap, 2 ditos azeile, 211
ditos c-|iiri(o, :l it.l .. doce, 2 dilos charutos, 1 dilo
lina Visla.
Dr. Silvio Tarqoinio Villas Boas.
Joae Caroeire da (.unba.
Franeitee Ferreira de Mello.
Miguel Arcbanjo de l-'igueire Gaelano (ornes de Sa'.
Joaquim llemelrio de Almeida Cavili mil
Francisco de Lemos Duarle.
espanadore-, SO rebolos. S pecas de ferro, 621 bar- "^,'1l1"0 rte Ifn" 0mU>-
ricas con. 2.IM.S arroba, e-Jl'l.bras de assucar, SO X "T'* '
ditas bolacb.nlias, 130 ditas farinha d. trigo.
Aracaly, hiate uacmal Duvi losen, condoli o
seguinle :L17 volmnes gneros erlrangeiros, 1 l|2
pipa agurdenle, 2 barricas his-oitos, saceos bola-
cha, :t barricas assucar, 1 caixas laUo, 1 dila rap,
2 saccas cafe
Lisboa, patacho porloanez Brilliante, de IS6
loneladas, conduzio-o se.uiiile :1,983 taceos com
10.921) arrobas de assucar, I caixole doce de goiaba,
1.000 cocos com casca.
kkci.iii.ihh.ia df: rendas internas ce-
raes DE PERNAMBUCO.
Rendimenlo do dia 1 a 29. 22:97l.6Vl
Idem do dia .10....... 3:330338
Sr. redactores.A nossa digna assemblca pro-
vincial acaba de volar co-lra umartigoadditivo que
linha p..r liin aulorisar-se a cmara municipal para
contratar c.nn Antonio Bernardo (Juinteiro, ou qnem Taza de escravos.
'* vantagens ofl'ereresse, o foruecimeutnde carros; Cobranca da divida ncliva.
_tl',--tlll-'l'l.
RENDIMENTO DA RECEBEDORIA. DE REN-
DAS INTERNAS i.l.l! M> DE PERNA'I-
BL'CO 1)0 ME/. DE MAIO DE 1857. A SA-
BER :
Renda dos proprios nacionaes. .1O3OOO
l.audcmios......... .I.J02.0
Siza dos bens de raz..... S:^2teOJl
Direilos novos e velhos e de chan-
cellara ......... 83"58j(i
Dilo de patentes dos ofliciaes da
guarda nacional ...... 5103100
Dizima de chancellara..... 3279506
Multas por infracees de regula-
menln.......... 48,3813
Sello do papel lixo e proporci-
onal .......... 10:271.5.."9
Premio dos depsitos pblicos. 289891
Emolumentos........ 3299330
Imposlo sobre tojas, e casas de des-
conlos.......... 1:0383100
Dilo,sobre rasas de movis, roupas,
ele. fabricados em paiz eslran-
geiro
fnnebres para esla cidade e seus suburbios.
Nesla sabia p prudente declsAo foi a diana assem-
bla sem duvida nenhuma levada pelos allos senli-
niiitos de juslici e de inleresse pelo bem publico,
quesoem distingui-la ;epirissnse loma ella digna
da consiilerac.lo de lodos e especialmente dos habi-
tante! desla cidade, sobre cujas cabecas suspenJeu
ellas a calamidade que os amcacava.
Nos abaixo signados, porem", devemos a dislinc-
la ster1 a algum 1 coosa mais .loque islo. A anlo-
que se pedia |iara a cmara municipal im-
...ava nada men ,s do que o aniquilamenln de
grande parle de noss&s pequeas forlunas, sem fal-
lar da oflensa de direilos lambem nossos e da le
que os garanta.
Em nosso nome, pois, cm nomo de nossos filhos,
a quem por e-la,vez ao menos a ambirAoe egosmo
nAo conseguirn) arranear 01 meios de subsitlencia,
vimos depositar perante a honrosa assemblca provin-
cial um vol da mais profunda e eterna gralidAo.
que nao deixa ;sem recompensa as acees
eritonas, um dia cerlameute premiara' aquelles
que concorrer.ini com seus volos para o acto de que
fallamos Recife, I de junho de IHY7.Jos Pinto
de Magalbiea.Por meu pal Mano-I Coii(alves A-
gra, Miguel Esleves Agr.
Indemiii-ar.ics.
16O9000
SS.3OOO
2:3ii833l
9I73I70
29:30!3992
prigio Pereira (ioimares.
Dr. .Antonio Ferreira Marlins Ribeiro.
Anlnnio Ferreira da C ntl Braga.
Afoga los.
Joao Ribeiro Pesso.i de l.acerda Juniou
J0A0 Pinlo de l.emns,
Joao Ana-lacio Camello Pessoa.
Francisco Casado da Fonscca.
Vanea.
I Antonio Pedro Cavalcanli de Albuquerque Lias.
Jlo Francisco de Carvalho Pae de Andrade.
Manoel Francisco de Carvalho Paes de Andrade.
San Lourenco da Mata,
J0A0 Paolo de Souza.
Sanio Amaro Jaboalo.
,'.> Ira d.' Carvallo. Stares ItraiiAn.
trineo c irlho .1.1 Silva.
Manoel I i|.| ... de Souza Leo.
Ir. Filiope de Sooia LeJo.
I.uix Pereija de Mello. .
Antonio Joaquim dos Sanios.
J0A0 Filgueiras de Araojo l.yra.
Jos Joaquim rlai (aliagas.
Manoel Pires Ferreira.
Aluribeca.
Manoel da Silva Ramos.
Mariano de S e Albuquerque.
M.soel Meades da Silva.
A todos osiiuaes. e a cada nm de per si, bem co-
mo os nleresstdos em geral, se convida para com-
parecerem no primeiro andar da casa em que foi ca-
dea, em a sala das teasoea do jurv. Imito no referido
dia e hora, como nos nnis diis seguintes, emquanlo
durar a sessAo, s.'.b as penas da lei se Miar. E para
que chegue a noticia de lodos, man I-i nAo so pas-
sar o prsenle adilal, qoe se.a' lido e allixado ns
logares mais pblicos, e pohlicdo pela m.pren-a,
como remeller Iguaet aoa subdelegados do termo,
para puhlica-lo c mandarem fazer as nolifiaees
necessanas aos jurados, aos culpados e as leslemu-
nhas que se tehirem nos seos di-iriclot.
Cidade do Recile. 20 de maio de IS."i7. Eu Manoel
Correa Gomes de Almeida, escrivao inleriuo do jurj
o sobscrevi.
Joao Diniz Ribeiro da Cunha.
Recebedoria de Pernatnbaeo. 31 de maio de
18"i7.
Manoel Antonio Simdt do Amoral.
CONSULADO PROVINCIAL.
ali-
sagem ao menino, que nAo saiisfeilo lalvez rom menucios, qoe conlinua, assim como que as chuvas,
pelo que mostra o lempo, prometiera visilar-nos.
. t'.'ora particular.
&** :^,---s
quella prova de coriezania de um homani, que po-
da ser seu bitav, e linha direito ao sen rospeilo, e
acalamento, deu-lbe um Uo forle empurran, que o
alirou denlro da grande poreAn lama-municipal,
q-te alli ha, deixando-o debaleu lo-te com ella, e no
meio das vaias dos moleqoes Oue bello e\en;-
plo de moralidadc para os nossos vindouros. Conli-
uneni, meus meninos, e podem contar com a bine- (, nn-uiar__
volrncia criminosa de seus pais, e com a s.nccA-. im- esUbelacimeolo da fabrl
moral da mocidade, qoando praticar ,. .leses e colar.
oulros actos rejirovados, dignos tem duvida da mais '________________
bem pinada dazia depalmalnarlas, c .los inelliores,!, ki
positivos e mais prosaices cachaees... i f
Ka qoarla-feira, no alerro da I!aa-Vi-la, en- ___ ________'"
contraram-se (loas carroca.,jmi caire-ala cm S Exc. o Sr. vice presidente da provincia, heoTe
carne T.rte, e ulra com Dolech.s, ,q ||a p0Mdl pnr ,, a|o u ^ ^
a dout bois, e etta a em ; o carroceiru da carne nAo ttsemblc* <.
Iralon do dar pas<ncia
RECniT CA(..A(I.
No discurso do Sr. I. de Barro-, publicado hon-
lem, na columna quarla, onde esla : Disse o 110-
brridep0|,,j0 que a desapropriacao he de inleresse
particular lea-se itaa n nohre rlepotado que
da de inlere;se parli-
CAMBIOS.
Sobre Londret, 27 3|4 a 60 d. e 27 7|8 a 90 d.
c Pars, 350 rs. por fr.
Lisboa, 9"i por de premio.
Rio de Janeiro, 2 por 0|o de descont.
AccAo do banco SO por cenlo de dividendo por con-
la do vendedor.
eompanhia do Beberibe liOSOOO por ace I
cnmpauhia Peniambucana ao par.
Flilida.le Publica, 30 por cenlo de premio,
t Indeinnisadora. 61 ide .
.. o di e-Irada e ferro 20 por 0|0 da premio
Oisronlo de leltras, de S a 10.
Acciies do Banco, o a 45 de premio,
llurj.(Incas hi-spaiihulat. .. 289 a 2R500
Moeda de SaMO velhas .... 163000
69400 luvas .... I63OOO
a 49000.......990U
l'rala.Palaccs brasileiros....... iftcOO
Pesot colnmaari s......23000
mexicanos...... Ij860
Rendimenlo do dia' I a 29.
Idem do dia 30.
RENDIMENTO DA MESA DO
PROVINCIAL NO ME/ DE
18.i7.
Direilos de 3 por cenlo do assucar
exportado........
Dito de 3 por cenlo do algodao. .
Dilo de 5 '. de diversos gneros .
Hilo de 112 por cenlo do caf. .
Capalazia de 160 rs. por tacca de
algodAn .........
Dcima urbana.......
Meia siza dos escravos.....
Sello de heranca e legarlos. .
Novos e velhos direilos.....
Imposto de 3 e 1 p- cento sobre di-
versos eclabelecimenloa .
dem de 20 por cenlo do consumo
d'aguardente .......
Dilo de 123800.......
Cusas.......... ,
Mullas de imposto-.....
Juroi...........
Tasa das licenjas dadas pela direc-
tora da inslrucrao publica. .
Passaporles.........
(8:588*91 "1
, 2519236
68:81331.1
CONSULADO
MAIO DE
i2,(XK>
34,0(111
As arremata<,oes nrrtt ftlilM por lempo de
tres anuos, acontar do 1-de julbo do cor-
rete anno. a 3o de junho de 18*0, aob as
tesinas condicOes das anicnores, e na for-
ma do art. 76 do refiiilanieiito du 3 de coa-
te de 1852.
As pessoas que se propozorem a esla ar-
remaUCSo comparecain sala das sesssVes d i '
mesma juma, no da cima declarado, pelo
meio da, habilitadas na forma do art. 73 do
ciUdo regalameulo.
F. para constar M niandou aflixar o pr-
senle e publicar pelo Diario.
Secretaria da llicsourana provincial de
Pernamliuco 19 de mato de 1857.o secre-
tario, Antonio Ferreira da Annunciac.So.
Art. 75. tj contratos da rrcmaUc.ao de
renda, que imjiorlarem em mais le doas
conlos de reis, serao eftecluados sob a ga-
raDlia do dous Fiadores uinneos, que lenham
bens de raz na cidade do Itecife, ao meno>
um ilelles, urna vez que o oulro seja notoria-
mente abuitido.
Art. 76. As arremalaeocs poderlo ccr-
tuar-se pela maiur ou oieuor licitadlo ofa-
tecida em cartas fechadas.
Art. 16 Do regularcento interno da tbe-
sourana,
Osdocumcntos comprobatorios das habl-
illa cues dos arrematante, e os que devem
provar a identidade dos Um seroapre-
sentados na sess.'to da junta anterior a da ar-
rematarlo, para serem tomados em consi-
deraeo, resolver-se sobre a lianca, eadaiit
lir-se o licitante.-i onrorme.--o secretan.,
A. F. d'Annuuciacno.
0 lllm. Sr. contador da thesouraria pro-
vincial, scrvlndo de inspector da mesma Inc-
soutana, em cumpriincnio da ordem do
Exm. Sr. presiduilo da provincia, de SO do
crreme, manda fazer publico que no uia 18
de junho prximo vind..uro, ^-erantea tunta
da lazenJa da llie-ourariv ha lo
ii.'inaiar a quem por menos liier a obrada
couclusao doraiodosul da c .sa de deten-
(ao, avahado em 66:005-3721) rs.
A arremaiaso sera lena na forma da le
provincial n. 343 ae 15 de maio da 1834, c
sub as condit;es es .e< lacs abaixo co .ia-
das.
s pessoas que seipropo-erem a esta ar-
mataco com.narecam na sala da* sessoes
,da mesma juma, no di.
pelo meio da, competa
dos,
E para conslar se mandou ailixar o prc*
sent e pubiiear pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
I ernamburo 23 de m.iodc 1857 -o aecreU-
rio, Antonio Ferreira da AnnunciacSo.
Clausulas especiaes para a arrematar-o.
i.- A concluso Uo raio do sul da casa de
detcncao, consiste as obras disposUs no
oreaaaento,oo valor de i.:.imij-720 rs. #
2.' as obras serao comec.das dentro de
um mez, depois da assignalura do termo de
arremaUr;ao, e conclutua no prazo de um
anno. r
3.' O arreimtante na execuco dos traba-
Ihot 6uiar-se-hi pelo que se acha feto no
rato do norte, e observara em ludo aa nres-
cupc.ocs do eugenlictro que tnspeciunar a o-
*' Os mestres emprecadns na obra, scr5o
da approvocao do iesmo engenheiro.
5.' O arrematante sera obrigado a rec.-ber
pelos precos do orcamenlo, lodo o material
siente nos depsitos da obra, descontan-
do-se o seu valor da importancia da primei-
ra prestacao.
6. a importancia da obra ser devidida
em quatro.pre.-lac/.es igu-es, re.lis.das n.s
pocas estabelectdas no art. 20 da lei n. 6.
7.* Tuto o mais que se n.o adiar aqui da-
noslo, sera reglalo segundo as oispoiicrW
acim. deelar.ln,
tceaenta liatniii.-
O lllm. Sr. contador da thesouraria
provincial, servindo de inspector da mesma
thesouraria, em virtude de rcsolugiio da jun
ta da fazenda, man.la fazer publico, que de
conl'ormidade com as leis, perante a mesma ,
junta, devem ser arrematados por mutiici- ^llaa* "* .-Conforme, o secretario A. F.
pios e comarcas no dia 10 de gnito prximo ui An"
I .
ab.lr.iar.tm ; o boi da carroca .la bol-.-...- e,panl.-ae,
O carrociir-. ija^r vollar, o d--e com nm Gorro de
vi.rem pela retaguarda ; n carroceiro da .11 carne
11A0 esperando qutf lerminassa aqnelleeinlMr.ro,
pota c.in vi lela os In.is, arremete para I carr',.-
ra das
A atsemblca na teatflo .!e anle-houtem connusn-
d.. na discus-ao da redactas do projerlo n. II, ,,,,
va 1 vfiiciineiHes de varios Mnpregados provin-
ilo .prov.-
Al.l -ANDEIiA.
Rendimenlo do da I a 29. .
Idem do dia 30......
197:368/476
27:75i30i
525:I223.20
M:5973i50
2:lll7-ir.
7:230I8I
119956
3081680
5:1723713
2:i;:l(i320
2:397337
3213020
1:88'J3'J20
1:3399500
123N00
822383
1l1ili
14*793
123000
209400
2:359,000
6:861,000
Mesa "do consulado provincial, 30 de maio de
1857.0 2
c-ri i|il nr.iri 1,
i.uiz de Azecedo Souza.
ciaet.oroo o Sr. Manoel Cavaleanl.
ic .as, que immediiilamnle tiroo, aspa? <> redaeco, c rejeilada as duas emendas a
ofl. rendas.
I'a-a
lliando pela ra i;rauda por^Ao d.-llas, e -ervinoo .1-
alim?ulo a urna chusma de radios, que -i. foram e--
palba ios pelas cbibaias dos munieipaes. Parece,
qoe juraran) dar prejaian aos patleiros, merecendo
elle-, alias, algoma r.ttencao por nos fornecer, qun- u.uuunarau, .viei que--, I-
do mais precisamoso pio nosso .le cada da. nondas de .Mello, Jos Podre, licando odiada pel<
Comia-noi, qne os Kuardas-fseacs re.jnreram hora.
Detcarresam hoje 1. de junho.
liarca ioglezaIto.nla mercaduras.
I Urca n.leaaAmalpurdem,
liarca ingieraEiiuerdalecarvSo.
larca jn^le/aSaraliferro eir. barra.
Ilrigue inglexMlgnomlleIrilbos do forro,
lrigue dinamarqoeiUariaeaiat deq-ieijos.
Itriaue americanolairvf .riub a de trigo,
iale americanoRouroonddem.
aogiuaulo de ordenado. Elles leen por .lia 610 rs.
na la mais exiguo ; qu indo qualqoer itrvenle ga-
nba 13, be de bam, e niesmo do ju-lica qm. IAo ri:
dtcula diaria llies seja auguieiil-da. A maior parte
des guardas tem familia licita, a quem susl.nlmi,
alcm de que ellos fardam-se a ana cusa, e nio l a-
do oulros recursos de vida senA.. ao que se dedican).
lie de jii-lica, qoe Ibes seja u^menlado o ordenado.
He de crcr, que no orcamenlo mooieipal a a.....n-
bla aproveo aogmenioMe ordenado, que, segn lo
nos cousla, foi approvado pela illusinjeiloa ca-
maia.
A ordem do dia be
17, ea 2. do n. :n.
a mesma, c m::is a 3. do n.
EMEMMS APPKriVADAS EM SCI.IMIA DIS-
CSSAO DOPKJECTOiV 29 DO OKCAME.M'O
Ml.MCIPAI..
Arl. I e 2. Foram approvados.
Arl. 3. Foi pprovado com as segaioles emendas:
Da commissA .. A menda an SI.', sendo com
o porleiro 3(M>300II rs.
uarneuie ebrias.
lerceira discusiao do oreamnin pro-
vincial rom lo.iss as emenda a ell oUereeidaa,
eraram os Sis. iteg.i |.(rr..s, P. Baplisla, Manoel I Brigoo porloaoeiTaraje III dvtrsos gneros
i. ..buimanie*. Mena Manriques, Epami- RENDIMENTO DO MEZ DE MAIO.
importttfao.
Direilos de consumo. .'......513:1373071
Ditos de 1 por cenlo de ree\|.nrlaco
para os porlos etlrangeiros...... 299452
Ditos de I par renln de reexportarlo
para o porlos do imperio...... Iii32sn
Fvpeilienle ilc 5 |ntr cenlo .los teneros
eslrangeirot navegados por cabola-
sem.......".......... ;i7i-!l|li
Dilo de l|2 p..i c. .I... genero do |>ai/. 1:2203!.'5
Hilo .lo I l|2 por c. dos genera livres. 1:9619381
Annazonagem das merradorias..... 9919744
Hilada plvora............. 869895
Premio de l|2 pnrrcnlo dos aasignadns 6:1953066
Mollas calculada- nos despachos. 16732K.)
Dilas diversas.............. 2IO3OOO
Interior.
Scllu li\u................ 4"210
Do Sr. Catiro l.eAo, oddilivo ao S 3.- e ao Dr.
Jo.e Cardoso de (J.ieiroz l'onseca a quanlia de 1239
Pedimos as patruthat rondantes do l.airro da ris.
Boa-Visla, que t-pm reeolher sempre, que eneon- Do niesmo Sr. E ao contador do juiro, Manoel
trtreni pelas calcadas duas m.illiere loucas, ou eler- ; Nunes de Mello, a quanlia de 1583150 n., e neslc
tendido auguieule-se o quanliativo.
PRAGA DO KECIFE. 30 DE MAIO DE
1857, AS 3 HORAS DA TAKDE.
Rctista semanal.
Cambios---------- Os ltimos taojOM angaria.lo para
o vapor cTealetilaa regoUram de
27 3| a 28 a 60 e 90 das visto, c |,
depois nAo nos consta se fizetsem
Iransacces.
Algodao-----------Vieram ao mercado 943 saccas e as
vendas regularam de 733,50 a
T-iUKi por arroba conforme a qual
lidade,
Assucar-----------0 mercado esleve muilo animado,
principalmente para os mateava-
dos, que se lem tornado mais e--
cassos, vendendo-se o rbamado
Canal de 3-2IHI a 33150 ; amen-
cano de 3100 a 39550 e de Lis-
boa de 39600a 33700 por arroba.
O branco lambem obteve melbor
preco, mas nao leve tanta anima-
cta, as vendas regularam para os
linos de 53 a .".-100 ; tercira or-
le boa de '.-- 1 a i-'.nn ; qoarla
sorle de (NiOO a 497011; e tme-
nos de I3 a 13200 por arroba.
NAo ha deposito do mascavado, e
o do branco nAo he grande.
Couros- ^ao bouveram vendeas, e os pro-
cos de 316 a 360 rt. sao noiiii-
naes, e rom apparenria de bailar.
Bacalbao----------Eulrou um carregauenlo de San
JolO que hleve cerca de 163 por
barrica. Kclalhou-se a 17,3, e li-
caram em dtpo>ito 2,000 barricas.
Carne secca- Era consequencia da subida do
bacalbao, lem sido mais procura-
da, vendendo-se a do Kiu lirando
de 596OO a 69 ; e a de Buenos-
Ajrs de 39300 a 59400 por arro-
ba. A eiivlenle monta a 3.000 ar-
robas da |irimcira a 13,000 da se-
gunda.
vindouro, os im/fbstos seguintes :
Municipio do Recile.
23500 reis sobre o gado morlo pa-
constiTio, avahado annualmen-
tc em 60.502,000
Municipio de (anda.
235C0 sobre o gado morto para
consumo, dem dem por
Comarca de Cotanna.
23500 rs. sobre o gado mi.rio para
consumo, idem idem por
Comarca de Nazarcth.
23500 rs. sobre o gado morto pa-
ra consumo idem idem por
Comarca do Pao d'Allio.
2 500 rs. sobre o gado morto para
consumo idem dem por 4:210,000
Comarca do Cabo.
2;500 rs. solire o gado morto [ara
consumo idem idem por 1:592,000
Comarca de Santo antSo.
23500 rs. solire o gado morlo para
consumo idem dem por 8:080,000
Municipios do Rio Fotmoso
e Agua Prela
139151 23500 rs. sobre o gado morlo'para
consumo idem idem por 2:657,000
Municipio de ."serinhSem.
23500 rs. sobre o gado morlo para
consumo dem idem por 590,000
Municipio de Iguarassu'.
Arrematados coiijuctatnenle :
29500 rs. sobre o gado morlo para
consumo idem dem por 1:810,000
Impostos a cargo da collectoria a-
valiado por anno cm
20 0|o da agurdente idem id:ai
Comarca do Limoeiro.
Arremat dos Cotijuncl mente :
29500rs. sobre o gado tathadc pa-
ra negocio e dizimo do mesmo
gado, arrematado nnualuien-
le em
Impostos a cargo da collectoria a-
vahados por annoeai 823,000
20 por Oju d'aguar.lente idem idem 11 ,*
Comarca do Bonilo
Arremaiodos conjuclaoaente :
2-3500 rs. sobre o ga.lo lalhado e pa-
ra negocio e dizimo do mesmo
gado, avahado annuaiiiicnluom 2:770,000
Dizimo do gado cavallar dem
Impostos a cargo Ja collectoria do
municipio do Bonito dem dem 61-2,000
20 0|o da agurdente dem dem 42,000
Municipio do Brcjo.
Arrematados conjunciament:
2-3500 rs. sobre o ;:id. lalhado pa-
ra negocio e dizimo no mesmo
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da
lazenda desta provincia manda fazer publico
para r.oiihecimento de quem inte.cssar psrs-
sa, qne as notas de 5011)00 da segunda es-
tampa enc2rnadas >;lo substituidas por a-
or igual ate o ultimo de jonho prximo f-
turo ; e que do i. de julho seguinle em
diaute cotnecaro a soirr.-r o .lescoiito de 10
por cenlo em ca la mez. ate lic.rem sem va-
tor algum. .Secretaria da thesouraria de Per-
nambuco 22 de maio de 1857. O official
manir, Emilio Xavier Sonreir de Mello.
O lllm. Sr. contador da'thesouraria
4:059,000 Provincial, servindo de inspector da moma
llicsourana, em cumpnmcnio da ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia de 23 Jo
crrente, manda fazor publico que no da 8
de junbo prximo vindouro, perante a junta
da fazenda, se ha de arrematar a quem p.ir
menos lizer a obra do -mpedi menlo di a-
lerro dos Afogudos, avahado em 3C:9Of rs.
A arreuia'av.io snra feta na forma da lei
pro.inoal n. 343,. de 15 de ni-.ni de 1854, e
sob as clausulas e>|.ccues abaixo copiadas.
As pessoas que ae propozerera a esta ar-
rematarlo cotiiparccam na sala dassesssics
da mesma junta, no di. .cima decl.rado,
pelo meio da, comprtenUmeaiU habilitado.
I. para conslar se mandou ailixar o preaen-
te, e publicar pelo Diario.
Secretaria .a lli.-sourarii provincial de
Pernambuco 2b lie ii*7.O aecrclane, \.
I-*, da Annuncia<;.~ Clausulas especiaes para a srrematacao.
I.t A obra do entpedr.impnlodoalerrodos
Aogados, far-sa-tw de coiilormidaide roa o
orcair.cni.i approvado pela directora em
eoiis.'lno, C aiiiesentadi a .ppruvararv .1 i
Exm. Sr. presidevte i, provincia, na iin-
p .rtancia de 36:960^ rs.
g :. 0 arrematante principiar, i- obras no
prazo de um mez, os ninc u-ra no de i
mezes, aaboa cunta ios pata faraa .iiiart.
t .la bi n. NS,
3.-' O pag miento waliaai aa hn em qu.lrn
prcstatjo.'s ignaes, cujas Iri -. |uineir-
icspotideirio aos tres tarcos .a obra, c a ul-
tima liear para a entre. .leluntiv..
4." Para In o o qm ntOSC .iclia previMn
as presenl-'S cl.usul:.-, >i'g:nr-se-ha o que
14( non i dispoe a respeito :i lei p'evinri.l n. 2S(,, <
. com especiaba.le o art M i. informe.O
secret.rio, A. I", da Atinuociac^o.
460,000
100.000
3-698,000

Pela mesa do consulado provincial se
faz publico, que os 30 haj uttis p.ra o paca-
gado, avahado annualmentc cm 1:693,000',nenio, ahueca do cofre, la dcima do, pie-
Dizimo do gado cavallar dem 52,000. dios urbanos, das fr.guezias desta cidad-, e
I
v
f
ra negocio c dizimo do mesmo
gado, avahado anntialnienlicn 1:211,000
bizimo do gado cavallar dem em 105,000
solado provincial ale Pemaai baca 27 de m.o
de 1857.Antonia Carnetro Machado Idos,
admiuislrador.
DATA INCORRETA
MUTILADO


i
:>!AR10 DR IJkitNAViRDCOSr.nrNr.\ PF.i!\S I
O lllrrTr-gf. capitao do porto, para co-
nhcoimeulu dos navegantes, e de quem mais
possa inlorossar, manda fazer publico o of-
Bcio, copia junta, declarando as posivoes
em que se acham duas boias ltimamente
enllocadas, em virtude de ordem do gover-
no imperial, pelo vapor do guerra Heberihe,
Das barras de Camragibe, e Porto de Pe-
dras, provincia de Magdas.
Capitana do porto de Pernambuco, em 28
de maio de 1837. O secretario, Alexandre
Itodrigues dos Anjos.
N. 65. inm. e KSm. Sr.-n cumprimen-
to as instrucces sol) n. 110, que V. Exc. me
dirigi em 15 do trrenlo mez, passo a in-
formar a V Exc. das posicoes em que sea-
cliam collocadas as boias uo porto do Pedras
o Camaragibe.
A do Porto de Pedras esta collocada ao
Sul ua Baixa Grande, em cinco bragas de fun-
do, areia fina, prxima ao cabeco de pedras,
sobro a qual ha urna a duas bragas d'agua,
lias mares ordinarias.
A boia demora cora a ponta do patacho por
59. SO, com a bar reir ao sul da unja por
4:2. NO, com a ponta Japaratuba pora. Mi,
rumos magnticos. Pode-se passar prximo
a ella, pelo lado do sul, ficando a baixa pelo
norte, que tcm de comprimento na direegao
NOSE, de -20 a 30 bracas, e de largura na
de N'E-SO, 10 a 12.
A de Camaragibe est por fora dos cabecos
o ao sul dclles, em cinco bragas e tres quar-
tos na baixa-mar, de das de la, demoran-
do com a ponta de S. Miguel por 45. Mi,
com o meio da barreira do morro Camara-
gibe por 75." NO, c com a ponta de Santo An-
lonioCrande por 58.* SO, rumos magnti-
cos ; pode-se encastar ao sul da boia que ha
seis bracas, e seguindo na direcQiio a po-
voacSo do dito morro, vai deminuindo gra-
dualmente o fundo.
Dos guarde a V. ExcBordo da corveta
hlice Beberibe, suita no mosqueiro de
Pernambuco em 25 de maio de 1857.Illm, e
Exm. Sr. Francisco Manoel Barrozo, chele de
divisao e commandanle daeslaciio naval.
Jos Mara liodrigues, capUto de fragata e
commandanle.Esta conforme, Jos Rodri-
gues de Souza, 1.- lente. Couforme, Ale-
xandre Rodrigues dos Alijos
CO.tSELMO ADMINISTRATIVO.
O consclho administrativo para forneci-
mento do arsenal de guerra teui de comprar
os objectos scguinle :
Para a obra do hospital regimenta
Cal preta, alqueires 200 ; dita branca al-
queires 25 ; canoas de areia 10 ; oleo de !i-
"haca, gales 4 ; er, arrobas 3 ; secante,
libras 3 ; travs de qualidade, com 28 pal-
mos de comprimento, e palmo de fcs (!.
Presidio de Fernando.
Ornamentos completos,sendo, verde, bran-
oo, e rouxo 4
*.* batalho de artilharia a p.
Brim branco liso para calsas, varas 500;
algodozinho para camisas, varas 500 ; pan-
no preto para polainas, covados 50 hollanda
para forro, covnuos 25 ; sapatos, pares 300
esleirs 200 ; botes pretos de osso, duzias
1H7 ; ditos braneos graudes de dito, duzias
134 ; ditos braneos pequeos duzias 67.
9.' batalhao de infantaria.
Bonetes 35; grvalas 35 ; sapatos, pares
800; mantas 35 ; esleirs 400; brim branco
liso para caigas, varas 1088; algodaozr.ho
para camisas, varas 1000, panno preto para
. polainas, covados 100; hollanda paia forro,
covados 50 ; botas braucos grandes de osso.
duzias 290; ditos ditos pequenos, ditas 157;
ditos pretos de osso, ditas 334; livro de 100
lolhas de papel pautado 1.
10.- batalbSa de infantaria.
Brim branco liso para caigas, varas 480 ;
algodaozinho para camisas varas, 480 ; pan-
no preto para polainas, covados 48; hollan-
da para forro, covados'24; sapatos, pares,
192; esleirs 192; booes braneos grandes
deosso, ,iuzias 128; ditos ditos pequeos,
de osso, duzias 64 ; ditos pretos de'osso, du-
zias 160 ; papel aimago, resmas 6 ; penaa
le gauso 400; caivetes 2; tinta preta para
cscrever, garrafas 6 ; lapes 72 ; areia preta,
libras 6; cartas de a, b, c, cxemplaros 2,
taboadas, exemplares 20; exemplares de
grammalica porlugueza, por Monto 6 ; com-
pendios de arillimelica 6: traslados 2u; pau-
tas 6.
Companhia fixa de cavallaria.
Brim branco paia caigas varas 150; algo-
daozinho para camisas, varas 150; sapatos.
Para Lisboa, sahir imprelervclmento
no dia 7 do corrente, o veleiro brigue por-
Iiiguc/. Relmpago, o qual anda podera rece-
ber alguma carga a frete, o passageros,
para o que trata-se na rui do Vigario O. lo,
primeiro andar, com os consignatarios T. de
Aquno Fonseca & Filho.
I .

53
i
g
lena
X
9
roviiicia.
assignado vendeu os seguintes
O agente Borjri lera' de concluir segun-
da eira I dejunho, oleiliiodos objectos
pertencentet a S Exc. oSr. generalSea-
ra, relativamente aos lote que por (alta
de lempo rencia i'o dia -N.
Brender a Rrandis & Compsnhia fa-
ro leilo, para fechar enntas, porinlcrvcn-
eflo dojroposto do agente Olivoira, de um
sorlimeuto de enxadas, pregos e nutras fec-
ragens finas e grossas, miudezas, papel e va-
rios oulros artigo* inglezes, belgas e alle-
miles. que se vendern por pregos razoaveis:
quarta-feira,-3 do corrente, as 10 horas di
manhfa, no sea armnzem, ra do Trapiche
Novo.
O agenta Boria far leilSo quarta-feira
3 dejunho, as 10 huras da manhaa. em sen
armazem na ra do Callegio n. 15, de diver-
sos movis pertencentes a urna pessoa que
se relira para a Europa, constando de urna
excellentc mobilia de Jacaranda, com podra,
urna ptima secretaria tambem de Jacaran-
da, 2 guarda rnupas, commodas e meias
commodas, urna cama frsnceza, varios lei-
tos para enancas, um lindo toilette, espelho
de vestir, lavatorios com os competentes ar-
ranjos, um grande guarda louca, mesas de
abase clstica (grande, urna ptima mobi-
lia de nmarello c imoleta. varios movis de
marcineiria para differentes inisleres. can-
delabros e linternas devidro, lindos vasos,
figuras e mais enleiles de orrellana e de
crystal para sal?, um escolente relngio de
parede, quadros enm estampas, utensis e va-
rios arranjos de casa etc. : ig Mmente far
leilSo dns muitos objectos existentes no re-
ferido armazem, ja annunciado para o lia
27, cujo leilSo nao poude ler lugar; bem
como 2 ptimos bois de carroca.
leilao pe wum FUIGOS.
O agente Pesian, lar' taita (lli)JE' para ferhir
conlas, de 20 cai\as de eicellu(e queijos llmen-
nos, o melhores e anieo que lia na mercado, as 10
horas da msDhSa, na porli do armasen, do Sr. Au-
nes, defronie da alfandega.
O abaixo
premios
1 nicio Numero
1 (luirlo
1 dito n
i meio
1 dito a
o mesmo te,m exposto i venda os seus fe-
lizes bilheles, meios n quartos da primeira
parte da primeira lotera da ordem tereeira
de S. Francisco de Olinda, os qua-s uo
sujeitos ao descont dos oito por
3210 5:0al>*i
277'l 1:500/
2153 2(IO->
208 100/
2312 50
estaiieiee.i:CiHio
1!
nos.
esqua da eamboa do Carino,
DEPOSITO l>E
Carlos Scheel & B. Sassenhoff.
mhm
estSo
cento da le.
Por Saluslianode Aquino l'erreira, isrjadus.
J. P. Vosilex, lein a linnra de avisar ao reipeilavel pablico, qu lem aberto o peo deposito,on-
da se achara os mii lindos, lories e helios piuot, ale hoje eonhecidos dos afamado! laL-rieanlet
n primeiro oblando os prlmeiroi premios, a iiicIhIIi' de honra, n eipoiif&o de Londres lo 1851, e de!
.Munirk de 1854; Me* pianos sao "S prelt*ridos na AUeunuha. Hollanda, Etlados-1 nidos,
.'randes depsitos dos mesinus em Uuenus-A\ res, ValparaiZO, ele., Ote, onde san mullo conl
e se acham
ecidoi e de-
Southall, Melln i C, aio leia.por
intervenqao do agente Pestaa, le um
completo c variado sortimento de l'.r/.en-
das inglesas proprias do mercado: te--
ca-feira do corrente, a's 10 horas da
manha, em st-u armazem, ra do Tra-
piche n. .~i,S.
Oagtnle Itorji Iransferio o leilSo da laherna
sila no largo da Ribeira n. I, perlentwnle a Ioo Itn-
drigues Areia. por aolorisiglo do V,\m. Sr. Dr. oiz
apeetal da rommers.o, .1 re iiirrimenln de Jos
Maitins de Barroa e oulros credor^* do dn Areia,
para lerta-frira 2 do frrenle as 11 huras em poni.
, I
R0T2IE0 DO THELEGR4PH0
Na livrara ns. fi e 8 da prdea da Indepen-
dencia ha para ven ler o roteiro do thelegra-
pho, novamenic reformado, com o nomo dos
vapores e utras embarcavOep -ac deman-
am este porto, a 240 rs. cada um.
-
pares 6 ; esleirs 60 ; butes braucos gran
pes de osso, duzias 40; ditos pequenos, du- '.
zias 20. /
Coropar.'iia do artfices. f
Brim branco liso p>ra frdelas, varas 625;
algodaozinho para camisas, varas 313 ; pan-
no preto para polainas, covados 31 ; hollan-
ela para forro, covados 16; sapatos, pares
104 ; esleirs 123; boles braocos grandes
de osso, duzias 125 ; botes pretos ue osso,
duzias 105.
Delegada do corpo de saude.
Livro em branco pautado de 2U0 folhas 1,
Arsenal de guerra.
Livro da 150 folhas i.
Quera quizer vender, aprsente as suas
pro^ustas em caita fechada na sucroUria do
conselho, as 10 horas do dia 4 de junlio pr-
ximo vindouro.
Sala das sessOes do conselho administrati-
vo para fornecimento do arsenal de guerra,
27 de maio de 1857.Ala noel Ignacio lricio,
presidente,, interino.Bernardo Pereira do
Carino Jnior, vogal o secretario.
O conselho de admiuisiracSo do far-
damento do corpo de polica, manda fazer
publico que precisa comprar para as pracas
de pret, 400 pares de sapatos do sola e vira,
feitos na trra : aspessoasque se propo/.e-
rein vender, devero comparecer na sala da
secretaria do mesmo corpo no da r do pr-
ximo vindouro mez, pelas II horas da ma-
nilla, com suas propostas emerta fechada
acompanhadas das competentes amostras.
Quartel do corpo de polica 28 ie maio de
1857.Epiphanio Borgcs de Menezes Doria,
leneute-sccretario.
liEVililt
i
Santa
QA.RTA-FEIBA 3 DE JIMIO.]
Segunda recita da assiurnalura.
Depois que a.orclicstra liver rtesemp>nhado ama
de suas ouverluras, sutura a scena pela primeira vei
nesle Ihealro a iuleressjule comedia em 2 actos.
CONDE DE P,aRG,3.V.
Compoicao rio Sr. Ahranches representada por
imillas vezes 110 Ihealro (i\mnasio de Lisboa, e sem-
pre cora gral aceila^ao.
No iiiieryallo da comedia a Sra. I), babel e oSr.
Santa Kosa caularAo o muilo applaudido duelo
PROVINCIA.
O Sr. thesoureiro das loteras manda
feter publico, que se acham a venda, no
pavimento terreo da casa da ra da Au-
rora 11. 20, biltietes, meios e quartos, da
primeira parle da primeira lotera da
Ordem Tercena de San-Francisco de
Olinda, das 0 horas da manliaa a's 8 da
noite, cujas rodas, andam no dia (i de
junho.
Thesouraria das loteras, 50 de maio de
(857.Jos .anuario Alvos da iMaia, es-
crivSo das loteras.
Loteria (i
pro-
DE
OfSEIRINHO E A POBRE.
I malisai.i o espectculo o lindo e engraoado vau-
deville em dous aclos
k \\\\\ M IVITOL
Os bilheles desde ja se acham a venda no escrip-
torio do Ihealro a qualrpier hora.
I'riucipiai as 8 horas.
vid ca.
Ultima parte qu ita e
primeira da qu sita do
Guad ilupe.
O abrixo assignado v mi-
teu ;is S''i',:ii!i('s sor tes:
."> 500$2 meios.
."278 200J2 uiios.
2408 100$2 ditos.
I VII 100$2 ditos.
r>2S2 50$2 ditos.
5017 50$V quartos.
*. o L ivme.

Na ra do Cabuga' loja de miudezas
de quatro portas, da-se^lgum dinheiro a
juros, hobre penhoresqe ouroou prata.
O Camb declara ao autor do annnn-
eio sem assignatura, pulilicado no Diario de
2!> do me/, prximo passado, que para ^e lh>
responder o jiio piihlieou no Diaiio de
28, nao se faznecessario saber-se quem elle
seja, porque lodoso conbecem por
Cimba.
:: : f*.'Ti.<'>SiS>:""i.55,
iy '* x.* i.' *.. -* '.^.ms los Fortunato dos Sanios Porto.
Ordem tereeira do (armo
. O abaiso assignado, vendo o annuncio in-
serido no Diario de Pernambuco de 28 o
corrente, com assignatura de Gamll, de-
clara i esta pessoa que assignei o seu nomc,
a entSo serSo salisfeitas todas as perguntas
que li/er tendentes a esta or'.em. Joao de
Santa Rosa Muniz, prior.
OSr. Joaquina Jos llamos, que tcm
familia em Santa Catharine, queira fazer o
favor de dirjgir-se ao escriptorio do Sr. Ma-
noel Ignacio de Oliveira, na praca do com-
mercio u. 6, a negocio de seu inleresse.
Precisa-se alugar urna eserava que se-
ja boa quinlanJuia, anula mesmo sendo de
meia Uado; paga-se bem, quem a liver di-
rija-sea roa do Padre Floriauo n. 3i.
O abaiso assignado vai a Portugal a
tratar do sua saude. Recife 30 de maio do
1857.JoSoda Costa Lima Jnior.
Fugio na madrugada do 2!i de maio,
um boi de cor vermelha, corpo regular, ar-
mario esgalhaJa, levando corda; dcscon-
lia-se ter seguido para zs bandas do Cabo,
po.- lor sido do la : a ptsso que o encontrar.
00 il?.llc liver noticia, dirija-so a ra do
Mondego n. 66,quesera'gratificado.
-Venden se dous quarUos possantcs, e
um del les be muilo novo : na ra Nova n. 26.
- Manoel liomes l'erreira, subdito porlu- i
gue/, retira-se para a cidado do Porto, indo
por Lisboa.
Precisa-se de urna lavadeira qaelave
e engommo beiii, com hrctfidade : quem se
adiar habilitada, dirija-se a ra do Trapiche
n. 15.
Precisa-se de una ama para casa de
liomem sokeiro : na ra da Lingueta n. 10.
Oabaixo assignado, lem justo e con-
tratado, ceder por venda ao Sr. Xislo Yicira
Cuclbo.a posse. e bemfeitonas de seu terre-
no silo no Mouteiio, a margeiu do Capiban-
be, cuja posse bouve por compra a viuva
do Tallecido Sorianno, como prova o papel
de venda, l'eito pelo Sr. Bernardo Antonio de
Miranda, e assignado pela niesma sunhora,
se com ludo alguein se julgar eo:n 'ireito ao
ObjectO de que cima trata, redame quaulo
anies.
Joiio da Cunha Res.
O abaiso assignado, leclara que se nao
respetnsabilisa por qualquer oousa que de
hojeem ruante se peca em seu uome, tanto
por compra como para amostras.
Joao da Cunha Res.
Ko^a-se a pessoa que por ensano levnti do
gabinete portugus na none de 2S de maio prximo
passaoo um ehapo de ?ol ,!e s*rla, cibo de cima :
queira-o Blindar enlresar na ma di Caileia do K-
cife u. i">, loja de mibdeHS, aonde se ll.e resliluir
aquelle que ,a deixou.
POP. JUSTA : NECE5SARIA PREVENC&O'.
Antonia Carlos Pereira de burgos Ponee
de Len h?. scienteao publico, que tendo de
judicialmente haver de seu sogrooSr. Anto-
nio de Si queira Cavalcan, nao pequea
quantia, coja indemnisadio se julga com
direito, c c nio em tena o com,ieienle far
produzir as suas provas i>'->' todas as enor-
mes perdas e (lamaos, que elle mu de pro- ,
nosite e do caso pensado Ihc causara com
Ases ,>roeessos cavilosos que suscitara, lan-
o pelo cive como pelo eclesistico, c ate
pelo crimo!... por essas injurias e calum-
nias qud forarr.-lhe aliradas para ferir a
soa nonra e reputaco e por ler si apresen-
lado cmjuizo, cobrando aquillo de que nao
era credor ; entretanto qu-j ora chega ao co-
nhecimento do aniiuuci ote que o dito seu
sogro, com vistas sem duvda de subtrahir-
se a essa tSo justa e devida iudemnisaqfio,
c da a legitima que houvcr de locar a sua li-
Iha, mulher do annunciante, em pura perda
dos Albos Jeste, seus netos, pretende ven-
der ou fazer venJi ios os bens que possue,
como cffec ivameota jdeu principio com a
venda, ha das reelisa la, do engenno Mato-
Grosso da comarca do Cabo, he porianto
eonstrangido o annunciante a apressar-se
pela Imprensa a prevenir ao 1!1 i. Sr. Anto-
nio Bandeira Carneiru LeSo, i nao pagar a
metadu lio que Dcou ('.-vendo .la compra
que fez do dito enenb,o, fazendo recolne.-
no deposito geral a i portancia das duas
lettrasque assignou com o pra/.o de 1 a 2
anuos, de tOO'JO^OOO cada una ; como tam-
bem previne a toJas as pessoas a OSO com-
prarem bem aigum da casal de seu sogro >
Sr. Antonio de Si^ncira, tanto pelos moti-
vos j4declarados, como porque hoje se ve-
riuea com toJa a evidencia por esees mea-
mos motivos e por oulros mais, achar-se seu
sogro infelizmente n'um estado do n3o po-
der fazer qualquer lransac possa considerar ; e para que pois ningnem
possa ao depois allegar ignorancia, oppor-
tunamei'le se faz o presente, como um pro-
testo solemne contra todas as trnisaccous
que dora em diante sa lizer com o casal de
seu sogro,.que mu positiva e directamente
viio prejudicar os diretos do annunciante e
de sua mulher Hecife 30 de maio de 187.
Antonio Csrlos Pereira de Burgos l'ouce
de l.eon.
No deposito de mascas da ra do ftan-
gel n. 73, precisase de um caixeiro, senlo
de 12a i unios, preferindo-secom pratica.
- Precisa-sede um feitor: quem se jul-
gar habilitado procure a Jesuino Ferreira da
Iva, no sobrado do Caldticiro, fregue/.ia
do Poco da l'anella.
mez, na
de ouro de um
Vendem-sa estes pianos debati de toda siranlia, anlisnrkindo oo e mudarem, romo lories os
mnis que lem vinlo a e'-le merend, senrto t eonsIrnecSo amias moderas e lortissioBa, leudo a leelado a
elaslicnlo'e de-i-jada. e o exterior a Dlllor elegancia.
.Na rnesma casa ilina-sa e cou<*erla-se eom perci\*:o os mesmj instrumentos, e acha-se as ini;-ir, s
as mai mo.lcr'ias e nos meliiores roniponilores da Europai
Attenco. Attencao
Mara Rosada Assumpro. de coiifor-l R. C. Vales c ( ompanhia: esiabelendos
midade com os seus sumandos por vezei no l:i" de Janeiro, na ra do los c.o n. W,
i ..,.:.... ven lo um annuncio imblirado em urna das
transcriptos nestejornal, previne i. .,., M^ tePeniwnblJC0 ,.,, Sr. | *Ti ,
convier, que su ei nicamente passou e y. ,],. Sooza, preveiundo ao publico qu.-.
assignou urna obrigacSo de jetfcentos c verdaiieiro larope do bosque s't ellei he
nvenla mil ris 690<000), em 2li du quem vende.preveiu ros ao mesmo publir .,
fevereiro do correte auno, a.lavor do' JUJ'" 'c^etiido do H.o d>
,. _. Jrneiro pelos cima .piopnetarios ao Sr.
Sr. Joaquim Antonio da Si vara, com 0|Manoel Mvesf.uerra.e esle senhor fez ode-
prazo de doze mez.es, sendo que oulrol psito para ser vendido na pharrnaria do Sr.
qualquer titulo creditorio que appareca Jos da Croi S|ntos, na ra .Vova n. 53, uni-
' eos por m>s aulorisados para venderem o
nosso verdadoro, e mais prevenimos ao
senhores consamMores, qU ha perto de 5
annos os rotlos rollados as garrafas sao
assignados por llenry Mas, como procura-
dores dosacima propnelarios. Rio de Janei-
ro 13 de Janeiro de 1857.
Ama.
Precisa-se de urna ama para casa de poe-
CaKSLTORlO Vil: OPiJHIC
Du


Onde se acham serapre os mais acreditados medicamentos, tanto ora tinturas como
am glbulos, e prepara os eom o nuior escrpulo e por procos bastante coininodos :
HREgoS FIXOS.
Botica de tubos grandes. .
Dita de 24 .
Dila de 36 .
Dita de 43 .
Dita de 60 .
Tubos avulsos a......
Frascos de linturrsdcmcia onr;a.
Manual do medicina homeopatbica de Dr. Janr com o dic-
' cionario dos termos de medicina
Medicina domestica do Dr. Henry .
Trata monto do cholera morbus .
Repertorio do Dr. Mello Nortea .
io/noo
159000
211-00')
259000
30S000
19000
2*000
20-000
10^0(10
2/000
(OOO
rom sua a al;;um, assim como que nao assignou es-
cnptura de liypotheca c testamento nl-
;;um. Rccife.lS de raaiode 1857.Ma-
ra Rosa da Assumpro.
Joao Damasceuo Pacheco, Ue presente
morador em trras do ongeiihn da Escada,
muilo grato ser a pessoa que llie der noti- i
Ca, rerta da csislencia ou morlede seu l-
Iho, Simplicio Alves Pach' 'o, o qual fora
remita lo no anuo de 1851, e logo remettido
para o sul do imperio, pede portantoaos ha- ca familia, que saiba cozmhar, e enRoaamar,
cora toda a perln; a o, e paga-se bem : Ma
ra do Ccllegio n. 15, armaiem.
JOIIN CA1IS,
corretor geral
E AGENTE HE LEILO*BS I.UMMEKI.IAE.-.
n. 20, ra do Torrea,
l'ltIMl.lllii ANDAR.
prar;a do Corpo Santo
KKl.IKE.
SEGURO CONTRA FOSO.
Companhia Allianee.
EsuUlecida em Lona'res, era marco da 1S14.
Cap la I cinco miihoes de libras esiarliaat.
Sauniiers U.-othjrs & C., Its a aonra la ia-
Emtf aos Srs. Degociaales, proprietariesescasas*
a quem mais convier que esuic plenamaaia aa-
:orisados pela dita companhia para efleeuur safa-
ros obre edificios da bjolo e padra, eobsrtos da
llha e igualnentasobra es objectos queeoavare*
os mesaos edif.cos quer consista am mobilia ou
sa fazer.das de quiiquer qualidade.
PEDRAS PRECIOSAS.
Aderecos de brilhanlea,
diamantea e parolas, pul-
seiras, alliueles, bruros '
s rzalas, boloes e. oneis ...
de differenles eostos e de
diversas podras de valor.
Compram, vendem cu
Irncini prala. ooro, hri-
lliantes,diamantes a pero- .
las, e ontrSS quae-quer
joiasde valor, a dinheiro ,
ou por oliras.
miiM i
toa n mam
Zlua do Caiasa' n. 7.
eceber poi
dososvap v stia
Ir-
ropa aso>r sdo niHis
moderno gosto, tan-
to de Franca como
oi.no i: pbata.
__
Adererns completos ds
ouro, meins ditos, polsei-
r.;s. elluetes, hriucos e j
roaataa, conloes, iraneel-
lins, medalhis, correles
e enfeiles para relocio, e
oulros mudos objecin de
ouro.
Aparelhos completos de '_'
pr.ila para eh.i, bandejas,
salvas, eastifaes, eolheres
de sopa e de cha, e mui-
los oulros nbjeclos de .
prala.
:
deOsbi^-. as c!iiaes veadevi)
pre^ commodo como eostumam.
Ir ~ W
-gr a & 'OiB
I .S
n 3 J*
S Sr B
s
- S -a
o. o
n o 3
n <* t>
5 -

K
l O
TZ ^
^>
2. o.
i o .

rsi
C3
S t
ic
? f i


O ai ixo ansi^nad
de bilhetespfarantidosj pe-
ispn c m dbaixo notados,
send da quantia- de cen
il ris a cima, a tli-
, c il
ra
seu es-
d* (Ja
'ilieirc a vist-
crptoro, na
deia do ecifen. SO, pri
meiro andar.
Bilhetes.
Meios.
Quartos.
.".si 00
.ST00
!,S-~..-.0
L
hilantes, tanto das provincias do sul, como
do norte, quelere '. o i rese::leai'nuiicio,que
por houdade declarem o que souhere.o a
respeilo, podendo dirigir-se por carta nesta
provincia o Sr. ltulino Jos Fernandos de
rigueiredo, ua secretaria da presidencia.
O ahaixo assignado, por parte da com-
missio liquidataria da coi.ipai.hia de Pesca-
ras Lisbonense, faz publico que de coufor-
midado eom a rosolucSo tomada em sua as-
sembla gera!, se proceder a ven.la em lei-
lao puhlico, na praqa deLisbca, de lodos os
navios da referida companhia ; o como bre-
vemente tem decbegar a es'.e porto o bri-
gue denominado Pescador, perleiicenle a
mesma, avisa-se a todas as pessoas inleres-
sadas na compra de taes navios, para que o
examinen!, poden So dir.gir ao abaixo assig-
nado. no seu escriptoiio, ra da Cadea do
P.ecife : o supradilo leiliio ter lugar logo
que o mencionado brigue, regressar nesta
viagem. Por Francisco Gomes de Oliveira,
Jo;"io da Cruz Macedo.
Precisa-se de urna pessoa para o ser-
vi 50 interno de urna casa eslraugeira, que
emenda de cozinha : na ra Nova n. t7.
Precixa-se de una ama para o servido
interno de urna casado pouea familia: na
prar;a do Corpo Santo n. 17.
Saccu-se sobra a praea do Porto : na
ra da San/.a-Niovnu. i.
Contin'ua-sea precisar dcalugar urna
ama secca de portas a dentro : na 1 ua lar-
ga do (osario n. iO, segn lo andar.
Advogado na Bahi .
0 baeharel Jos Marlins Alves, advogado
na cidade da Babia, ra dos Droguistas n.
51, primeiro andar, o!F. rece o seu pequeo
'presumo aos senbores desta (idade e pro-
vincia, que all tiverem dependencias em
qua squer negocios que tculiam de correr
pelos diversos Inbuna.s ci r3;.articoes pu-
blicas. As cartas que lhe forera endereza-
das deyem ir, em sua ausencia, aos Srs. Al-
ves, Filho ii Companhia, com loja de ferra-
gens na mesma ra e Cusa, -s procuragOes
Jevemconler poderes para subsUbelecimea-
to Os honorarios sei80 pagos coul'oimeas
c invnteos, o s mpre naquells cidade, para
o que, devera haver all pessoa COmpeDte-
mente habilitada.
O abaixo assignado la/, scientc a quem
convier, que na quali adede testaraenteiro
do finado Manoel Uorira da silva, que ten-
do de dar principio ao Inventario do mesmo
liuado, e por isso roga a todas as pessoas que
com o mesmo tiverem contas, deapresenta-
Vtll- Is no prazo de s das, a contarda datades-
lo, para seren a Hendidas n mesmo inven-
tario. Outio sim, todos os d-vedoics do ar-
mazem de eunj secca, em que o mesmo
liuado liulia sociedadp, queii" m quaulo an-
tes pagar seus dbitos ao .--r. Jos Joaquim
Uartins, 1 essoa habilitada para este lim, por
s>.r socio do m"smo, e como tal liquidatario
ii. ( clincta Brma : esta declaracSo se faz pa-
y livrar de futuras duvi las. ltecife 27 de
Diaio do 1S57.Jos Joaquun da Costa Maia.
Precisa-so de am Feitor pera sitio :
no sobrado da ra da Mola n. 7.
Precisa-$e de um pelo para I0M0 o
serviro de urna casa cstrangeira, p.iga-se
llera.: na ra da Ciu/. 11. Ti

*-'-..--- .-. .-*>, -. -. --. .-k .-> ,* *-. .
--...-. ...-_.;.;^:-._: .--.. ..:..
%.\ llenme da matriz da Bo:i-\ isla a. NB, A
y^ amela-se loria e qos.qner obra de corte. 9
assim como limpsme ferros de rirurm Os m
tola qoslidade, bate-so ouvido era espa- ,'Lj
curdas : na rnesma \eode-se o alaaaia^e '\
, bichas, as 9 qoalquer hora. Qp
Italiano assignados, doclatasa qsjsj
Sr. Jordelino Mendos Pereira, deixou di aar
seu caixeiro desde o dia 25 do crrenle, aor
isso licadenenhum cffeilo o que o essjM
lizer em nas.so nome.Seralim IrmSo.
>$t(9\.
Ossos.
a&eioirios.
&
.-*, f\ .-;_
S io-Formosa.
ti-li:*:;-
0,
Psra Lisboa, sala em poucos das o
bngue portugus Relmpago, para o resto
da carga c passageros, para o que tnm 8K-
cellentes eommhdos ; trata-so com os con-
signatarios Thomaz do Aguino Fonseca i>;
Filho, na rea do Vigario n. 19, primeifj an-
dar, ou com o capitao na praqa.
Troca-se una barcacanova deG rai-
jos, por outra de 50, dando-se a dirVcr.n. a,
ouveDde-.se a mesma. queseoeha appare-
lliada e prompta a navegar : na ra da Ci u/.
n. 35, primeiro andar, a fallar comJoaquim
Conralves de Albpquerque.
Para o Hio de Janeiro salu: com
muita brevidaile a baa Hecife, e tem a
maior parte de seu carreffimento promp-
to para o restante e passarjeiros trata-se
eom .Manoel Francisco da Silva Carriro,
na ruado Collej'ion 15, ou com ocapi-
lao Manoel Jos Kilieiro, abordo.
CEARV F- AGARCIT.
Segu at o dia 12 do correte o petacho
EmultcSo : pac carga e passageiros, trala-
se com o capitao a bordo, ou no escriptorio
da Manoel GonsaWes Ua Silva.
JP 11 Dr. Jo3# Honorio Bc/.erra de M-ne- r-;;
,'.} es, pjedico pela Fcul la,le da Baha, lem '
A filado IOI resideneia na cidade da K10-1 iir- '
S moso, a da novo effereee seas servicos a lo- \;\
flP 'las a* peasoas (|ue o huurarein com sua co.i- *s
JS fidiica. .-.
Signaes do escravo Victorino que fu-
gio no dia 7 de maio de 1857: rosto um
pouco enmprido, olhos famacados, nariz
chato, coro falta de .entes na frente, um
^ente muita arruinado tambem na frente,
altura regular, possante do corpo, ns cha-
ros, sendo o p esquerd-i msis gr-sso do que
o direito, provemenio de nroa ferida que
leve em algom lempo -o dito l esqnerdo,
idade ata -20 annos, pouco mais ou menos .
quem o peger, leve- 1 ao engenho llurralho.
que sera recompensado, ou na ra .Nova
U. 65.
Rcfis,

'I
u
de
no Mu-
t&ei>'o c lia 1 re -,
teiro.
No deposito d-sta refinaria, na ra da Ca-
dea do Recife n. 30. ha sempre assucar re-
finado de superior qualidade, tanto em p
como emtorroes e em p."s, por pref;o mais
commodo de que em outra qualquer parte.
t.ompra-se elTeetivamente bronze, la-
tao e cobro velbo : no deposito ,da fundicSo
da Aurora, na ra do Bruin, logo na entra-
da n. 28, e ua mesma fundico, em Santo
Amaro.
Perdeu-se no dia 25desti
ra do Sebo, nina loneta
vidro: qucrmichar e <[u7.er entregar na
ruado Trapichen. 19, sera' graticado
com.sOOO res.
Psdaria.
Precisa-se de u;n amassador queentenda
deludas as massas : na ra da Senzala vc-
lli 11. SI. Agradando o seuservigo, paga-se
bem.
Oflerece-se orna ama eom muioliom
leil para criar qualquer menino : qu 'm
precisar, dirija-se 1 ma do Cotovello n. .r>j.

k I'; i
cllct
para
gar.
lu-
AlugS-se urna gran!? sala, sendo no bair-
ro de Santo Antonio, mobiliada, propria oa-
ra qualquer pessoa que quizer lecctonar
qualquer lingua, ou mesmo para alguma
sociedade de instruc;.o, ou tambem'para
dormida lecaixeiros, .10 que cot a vista
dos pretenden!! s se tira todo negocio ; po-
den > dirigir-se ao pateo da l'enia n. 2,
que .se dir quem alug
Precisa-se de dous amassadores que
enuandam b'.m Je masseira, e eompra-se um
caix&o para deposito de bolachas, e vnde-
se urna porc"'o de bolachas nuito boas a 4f
rs. a arroba: na nova padaria do Chcra-
menino.
OSr. Z- da Si I". Alvos queira vir ra
d'. Cadeia do Kecife entregar un relogio
que pedio emprestado para ir a Olinda, e se
uo vicr vera'sen uome por extenso neste
Diario, ou emoutio qualuuer jornal.
-.- Joio Licio Marques, subdito portu-
guez, vai a Kuropa.
Precisa-se de una ama que saiba bem
engommar e cozlnher, para casa ue pouea
familia, e paga-so bem : quem pretender,
dirija-se a ma Augusta n. 3, sobrado.
- (l mora lor da loja da ra do Sol n.
23, precisa retirar-se breve, e por isso ven-
de barato por nao eonduzr, o que lhe qui-
zerem comprar do all existente.
publieo, que eraba de contratar com os pri-
"leiros fabricantes, tanto de Inglaterra co---.o
de oca e-Suissa, -ara os ...sinos lhe f.i-
/ im remessas dos ma*s acreditados relo-
gios, tanto de prata como de ouro; assim
co -o se encarrega de fazer qualquer encom-
menta tendente a sua arte como de outra
qualquor, pelo que promette o bom desem-
penho de tudo que lbe for encarregado. a
mesma loja existo um grande e vanado sor-
timento de relogios .1? ouro o prala, paten-
tes, de todas as qualidades, ditos americanos
de utn gosto moderno, ditos com desperta-
dor, com corda para 3 das, ditos america-
nos com corda para l> 'as, ditos de parede
eom msicas, grandes de 6 pecas, pndulas
ricas, proprios para repartQo ou escriplo-
r.o, despertadores pequ-njse grandes, cor-
reiiiOcs de ouro, ricos sinetes, corrente-. de
ouro das mais rao lernas, superiores oculos
para theatro, ditos cou-odo melhor gosto,
ditosde ii;o rom osaros os mi.is Qnosque teni
apparecido, lunetas de ouro, liqa. boloes
para pueho, relogios de ouro co.sWesiiial.e
de brilhantes para s nliora, um sortimento
de sonis de ouro, e oulros maitos objectos, 1 '.ompanhiaJos Paulino Bautista.
Luz Jas Pereira simocs, bastante
procurador da sua mai D. Joann.i Francisca
de Jess, vendo o annuncio do Sr. l'rcmoiit,
ex-gerentc da casi do Fremonl & Lasne, de-
clara que no consente neai autorison o
tras^asso da chive do sua propriedaJe, sita
na ra -, <-ru/ n. 27:
Um estrangelro recem-cnegado preci-
sa alagar um sitio perto da praca, embora
pequeno, e que a casa possa acommodar
ulna pequena familia : a tratar no escripto-
rio da comianlna 0a estrada de ferro, ra
do respo, dns 10 ns J horas da larde.
LOTERA
DA
provincia.
O abaixo assignado vende a dinheiro a vis-
ta, sendo da quantia a iOOjOuj res para
eicia, os seus felices b Ibetes, meios, e quar-
tos, pelos oreos abaixo mencionados, na
ra da Cadeia do Recife n. V5, esquina da
Madre de lieos :
Bilbetes 5?oo recebe 5:0003
Meios :>700 i> 2:50i i -
Uuartos 1>3j0 1:250a
Por Salustiano de Aquino l'erreira,
Jos Fortunato dos Santos Porto.
O moco habilitado no cnsino primario,
que seoffererc para ensinar, tenha a bonda-
des p parecer no engenho Guerra do Cabo,
a Ir lar com o Sr Francisco l.uiz P. Brrelo,
o mais breve que for possivel.
He preciso contratar urna pessoa para
a dslribuic.io do Clarnn Litterario : quem
qui/ r, dirija-se a ra da Alegra, casa n.
3s, a tratar com o thesoureiro do Areopaco
Cinerario
.No dia 24 do corrente, roubaram da
casa de urna lavadeira, sita na travessa di
Concordia n. 21, a seguintj roupa : 3 cami-
sas de senhora, 6 ditas dc'homom, 3 calcas
de riscado de cor, 2 bMicoes de madapulo,
t dito de brim, i palito e riscado.
Faz-se todo e qualquer negocio com a
melhor loja do Passeio Publico n. 9, com
fazcnd.s ou .-era ellas ; a fallar na mesma.
I! Clara l.a.arl rotira-se ara fcuropa.
I remoi.l, ex-gerente da casa de Fre-
monl ce Lasne, retira-se para Europa. O
mesmo senhor vende o seu armazem armado *0S 20:000.s, 10:000$ E hOOOf.
com todo-, os perlences de escriptorio, e ^" prai'a da Iqdependencia 11. i-0,
traspassa as chaves do mesmo: que::i .re- acliim-sc a ven la os novos liilhetesda lo-
teuder dirija-se a ra da Cruz n. .7 : e tena til-do Monte-Pio-Geral, riue devia
con a como mesmo.appareca UQ\iornr (1 |r,,v;;,,.. as ,|t ^^
lo corrente), no boieqoim mos pelo vapor brasileiro, r|ue licava a
'oja cima se l.i-
ra" o proOipto pagamento dos pramios,
decoriiormidadeaot nossos annuncios.
'"re:-. t. fabrifaite de rr-
gos e re-;]ejos, ru cas
i-lores i?. [9,
avisa ao respeitave! oublico, que concerta
o g3as e realejos, [ida mi relias modernas
deste paiz, concerta saraphinas, pianos, eai-
xis do msica, ac d Q 5 e qualquer ins-
L;aguere ijvpo
-No aterro da Boa-Vista 11. i, tercairo an-
ar, continua-se a tirar retratas eom toda a
perfeicSo e pelo novo gystema norte ameri-
cano. Ah existe sempre um completo e va-
riado sortimento de caixinhas, quadros c
I jolas de ouro para a collocnQio dos retratos.
iodos os dias das 8 horas lia maiihr.i as i
Francisco Jos Germano, relojoe.ro, com Ja larde es,a k oDcna c gaIera a dis ossao
loja na ra Nova n.2l, avisa ao rcspeitavel
Na ra da Sensata Velha n. 116, romprara-
S3 ossos do boi.
Compram-se trsv-s de 25 a 35 pal sos
de comprimento, e palmo de grossura : na
liviana da prac.a da Independencia n.Cel
Compra-se urna cabra costnmada a
criar nieniuo : na ra de S. Francisco, ao-
brado n. 8, e na livrara n. 6 o 8 da praca da
I11J i'endeneia.
Compra-se elTeetivamente na ruadas
Flores 11. 37, primeiro ndar, a plices da di-
vida publica e provincial, .-.cees das roaapa-
nnias, e da-se dinheiro a juros, em grandes
e pequeas quanlias, sobre penheres
Compra-se elTeetivamente cobre ve-
lbo, seja deque obras for, forro de navios a
30o res a libra, o latao a MC, e peridicos a
4-;l)0d arrob ; no pateo do Cirmo, esquina
ua ra de Hurlas n. 2.
Compram-se barris de vinbo que no
ten1:1 mislura d'agua : na na da >rnila
Velha n UO, deposito de bebidas espiri-
tuosas.
-Comr.ra-sc um escravo pedreiro, qao
Seja moqa e sem vicios ncm achaques : na
|ua do ol, casa n. 11. Na mesma casa sarr-
cisa-se de um* ma forra que compre na
ra : p.g-se bem.
' Com ra-so na fabrica de espiritos, de
Jos Joaquim Lima bsirte, na ra Direila a.
17, garrafas e botijas vasias, e pagasa-se
bem; assim como garrafas brancas e fran-
cczis. anula mesmo secdo de azeile.
t*4V**3.
do publico.
r.arttiolomeo Francisco de Souza, len-
do o annuncio .los Srs. 11. i:. Yates i\ Coin-
panhia no biario n. 17, em que diz ser s-
i verdadeiro o xarope de bosque que
- ven le nesta ci ade 11 pharmacia do Sr.
Jos ds Ct uz Santos, onde fez i'e^osilo o
sr. Manoel Alves Cuerra, que recebeu uelles
proprietarios, decl ira ap ublico, que nffu
duvida seja falso o tarop ue bosque qpc
lamben vende em sua botica, mas assevera
que elle be comprado aos meamos Srs. It.
C Yates ,\ Compaiibia, do Ro du Janeiro,
como provam os documentos abaixo :
KIO li JANElItU s li AGOSTO U' 1856,
O Sr. Barlholomeo Francisco de Souza
comprou a It. c. Yates Companhia :
4 duzias iie gan; las com xarope
10 bosque a 549001.........216?"00
6 duzias de 1| garrafas com xa-
ru;e do bosque a 273000......162>000 ,
_________boa Ii
Quem liver para vender, urna bagateila
(jogo; em bom estado, annuncie.
Atteaco.
Vende-se ama esrrava crioula, de 23 sa-
nos de idade,com urna cria de 4 mezes, mul-
to linda, tem multo bom leite.e as halihida
des seguntes 1 coze, cozinha muito bem,
engomma alguma cousa elava de sabio a
baj/rella ; na ra do Queimado n. 9, segundo
audar.
.5
sito
P:-.S BICHAS
na ma estcita do osario n. II, ven lem
se os mclhores quejos Ion trinos que lean
viudo a esto mercado, por serem mnilo fres-
co.
Vcnd -so uma negra moca, de muilo
_ura, cozinha, engomma, |>a de sa-
! bao e hsrre a, tj.lo
Rs. 378OU0 i "-*0 mrre a, ludo cora perric3o : quem
Recebi o importe cima, 1,0 Sr. Antonio!* P'eenJer, dirija-se a ra da solcdade
joaquim Vieira de Carvalho. I'.io de Janeiro -a-
de agosta de ISjU. Por K. C. Yates &
que serao apresenlados a vista dos compra-
dores.
; 5 Joao ria Silva Hamos, medico pela un- ; .
versioade de Coimbra, mudou sua reaideo ^
: ciada ra do Cabag [.ara a ron Nova n. w
- 69, sasondo andar,' sobrado do Sr. Dr. Nel- '
. lo, a iln conlina a recebar, das s lo n
; lloras da manida, e d.::i rs 5 da tarde, as "'.'
pe>soas que o queiram consultar. :.,;
. ''.' *''

LOTEKIA DO
t&io de Ja-
ne*
!0
ecoulicco verdadeiro o signal su ora. Re-
tife 8 de agosto de 156.
m\ le Je verdade.
Manuel Hilario Pires Ferrfio.
RIO DE IANE1R is ll FEVERFIRO UE
1857.
Os Srs. Constantino Comes de Faria & l'er-
reira comprsraiu a R. C. Yates e Compan-
hia :
4 duzias de carrafas com jarope
do bosque a 5*?000. ........ 216/000
6 duzias de l|2 garrafas com xa-
rope do bosque a n7?'iuo......162/Oti'i
Rs. 37c>~i00
recebemos o importe. Por 1. t;. Yates &
CompanhiaW. c. Cerwarlt.
.Mis abaixo assignados declaramos que
compramos o xarope cima para o Sr. Bar-
lholomeo Francisco de Souza, de Pernam-
buco, em virludede sua ordem de 3 do cr-
renle. Ilio de Janeiro 18 de fevereiro de
157.--Constantino. Comes de Faria & Fer-
reira.
prazo d s dias.
Upiitem o noe '
do Sr. Pava, o aballo :i>*ijiio, perdeu da una de partir a .:." : r
suas algibelras I2U3 era sedlas, sendo amanla
brsnca nova de lOOs I" banco do Rin de Janeiro, e
outi.i tambem branca c nova de jOOU do bau-
sa de Peruainbuco, ambas eslavarn dubradas, (
a>de 20o eslava dentro da delOOo: qaemasaohou
a (pii/.-r entregar, podera' faier ao abaiio awl
ouine.ini) a sua familia, em cas3 ds sna residencia,
na ra do Livramonla n. 33, segan lo andar.
Jos .Nicolao Ferreira dos santo.
~-,r :: :..-'':-. ". "'
:z'-"\ '"'
^ \o coiisulli'no uo l.dlecido llr. Paula : .
Ramos, existem diversos medieamsnlos
bomeopalhicos, untaras, lobos vldrose :
globolos inertes, lu. se vende por minio
menos .le seo valor, para liqaidaelo: os
prelend mies dinj im-se ru.i .tu Encau-
lameolo, sobrado da e-quina do beccoda
Cacimba.
Precisa-se alogar urna par la ou prc'.i,
I ercferiiido-se escrava, que saiba tratarle
criiic.is-, c Jos seus arranjos: a pessoa que
liver, ouqui i.;i >so seencarregar, dni-
1 ja-se f ra ib' 1.cisco, como quem vai
para a ra bella, sobrsdo n. 8, para tratar de
seu ajuste, quesera bem pago avista de suas
qualidades.
AZ ,IIE DE CARAPATO
PURIFICADO.
Cinlinua -se a vender por 3>nno a caada,
e 400 rs. a garrafa : na fabrica da na dos
Cuarances, era fin de Portas.
Venicm-se -!,000 garrafas que foram de
eerveja, porem eslo lavadas proTiptas pa-
ra todo e qualquer liqui lo, pelo diminuto
preco ile 10U*Ni0 o mil.'iciro : s pessoa que
precisar, di ija-se a ra Imperial, junto a fa-
brica de sabo, t liorna n. tl.
Ra o Qtieima-
m-121 a
Vcndem-se as scpaiintes I -rendas moder-
nas, chcga.tKs (irlos ltimos navios france-
zes ; dSo-se as amostras com penhor :
Popelene de ramagem, fazenda moderna, dn
liad, s desenlio.
Sedinhss Ca quadros miu.los, covudo IffliM
*#*>
covados _'(> 1 o
1-IIHI
r.00 rs. e o
i.naly de llores solas, covado o Albaneza pela com .^aisde vara de
largura, covado l-OOe)
Chita roza larga com tu juu ii r a va-
ri, cov.uo 1S
Cortes de ca isa de | intl I u mudas
J.,20,
. : -.
-" '' -' X .-


.r..-\-:-
-.- .- -^- ... ... ...._,.
viuv de Manuel Fru n-
csco Itiheiro, moradora na ra do Sol n. 7,
coniinu'a a fazer cangica todos os domingos
e dias santos, em i|iianto bouver mi'.ho ver-
do : recebe as cicommen las na vespera, e
nada diz sobre o bom desemp nho, porque
ja he bem conhecido o seu trabsllio.
D MI nilG3.
Paulo (jsiigiioai deolUU, ra ? ; ii;; naefma can i^ra ,igm o p tlpnt'iiice. i p
. ......:::. :>:::.: -.; :.-:::
(i Dr. Ignacio Firmo Xavier laz puhli-
trumento que are i, o tambero fai obra |c.0i 'l110 mudou sua residencia para o seu si-
nova. \a misma casa fabricara-se c xas lio na Passagem da Magdalena, que lica ao
eir jotas d.'walquer nalureza, retratos, norte da estrada entre a ponte grande e a do
carteiras bomeOpathlcas, estoios, faqueiros, Chora-menino, c ah tem preparado una
etc., etc. CUS de saude com todos os commodos para
. ..3 lo tratamento de cscravos, cojos senhoics!
resl lam lora da praca, ou que nao os pos-

,600 rs.
o c >vad
T.
Ven le se Ha c seda de liuissima qoabdadit
e bom goslo : na ra do Cres -o 11. l. l)3o-
sa as an-osr.is eom pcuitor.
AI ,OOOrs.
a quem descubr.- urna trnusa de roupa la- jsam curar em suas proprias casas: quem
vada que desencaminhou-ae do porto das para isto quizer-se utilisar de seus servicos
eiiioas da ponte da Boa-Vista, a qual se jul- mdicos, que serio desempentiad..s com o
a Vrtra. ,
linho puro : na ra
a t r sido entregue em una casi per enga- i maior zelo, dirija-se. ao paleo do Carmo n.
no. sendo a maior parte dola de escravos :
pede-se, portanlo, a quem a liver, a mandar
levar ra nova n. 38, loja, ou annuiieiar
para se procurar.
9, primeiro andar, ou no referido sitio da
Magdalena. Proco 2/000 diariosexceplu-
VenJem-se brnis d
do Crespo n.19.
Vendem-sfl castanhas piladas a 80 rs. a
libra ; na ra >ova, taberna junio a ponte
da l'.oa-Vista.
Vende-se um Memo pardo, boni.a fi-
ando conferencias, sanguesugas o opwa-lgura.proaMopanipagea. .dadc"lo's
-ULS' I ua ra das Triuchciras u 2'j.
MUTILADO
ILEGIVEL


DIARIO DE PERNAMBUO SEGUNDA FEIRA i DE UN 10 DE 1S..7.
Na antiga loja de papel o livros, do i Vende-se presuntos, paios, linguicas,
Cardos Ayros, na ra da Cadeia do liedle ludo novo e por preso commodo : na ra
n. 31 A, cootinu'a a venJcc-secha hysson da { Direitan. V.
melhor qualidade ; bem como tem sempre
sortimenlo desse genero, de qualidades di-
versas, por pregos dilTerenles, e commodos.
covado, a
240 rs.
Cassas Trncelas de gostos novos a 240 o
covado ; do-se amosiras: na loja das 6
portas em frente do Livrarmuto.
la loja
das seis portas
EM FRENTE DO LIVRAMENrO.
A 240 rs.
Cassas francezas de bonitos gostos a 2*0 o
covado, riscado francez a 160 o covado :
dSo-so amostras com penhor.
JbJugene, Cliequot
participa ao respeitavel publico, em Per-
nambuco, que o nico deposito tiesta
praca, de seu multo conliecido vinlio de
champanhe, he na casa dos Srs. J. Prae-
ger & C-, rua da Cruz n. 11.
J. FRiEGER COMPAHHIA.
hua da Cruz n. ti.
Receberam pelo ultimo nawo de Ha-
vre, urna nova porcao de afamado c la-
moso'
VINHO DE CHAMPANHE
deEugene Cliequot a Reims.
Tintas
Vende-se urna porcao de tintas prepa-
radas, assitn como algumas barricas de
alvaiade : no armuzem de J- Praegerct
Companhia, rua da Cruz n. 11.
CHAPEOS A TAMBERLIC
Do al.-> ado fabricante
Pinneau de Pars.
Acabam de chegar pelo ultimo paquete,
os supra mencionados chapeos deste aa-
mado fabricante, e vende-se na loja de
\ portas, da rua da Cadeia do Recio n.
48, de Narciso Mana Carneiro.
Precisa-se de um oflicial de allaiatc
que tenlia pratica: a tratar na ruada
Madre de Dos n.'30, primeiro andar.
Cravos brancos.
Continuam-se a vender, em pequeas c
grandes porcoes, cravos brancos para bai-
les e casamentes: na rua da Praia n. W,
terceiro andar.
Cabaga, loja de miudezasde 4 portas.
a rua Nova, deposito de pianos do
Sr. J. P. Vogeley, ha para vender um
- Vende-se urna canoa de carreira, com
pouco uso na rua da l.ingueta n. 10.
Vende-so um Sitio no \rraial, com ca-
sa de vivenda de taipa e alguns arvoredos :
no mestno Arraial, casa amarclla.
Vendem-sc queijosem pedagos a 200 rs.
a libra, de muito boa qualidade : na rua
Direita n. ?.
-- Vcnde-se a taberna sita no Campo Ver-
de, muitopropria para principiante por ter
poucos fundos, e vende para a torra 16 a 20
rs. ; a casa tem commodos para pequea fa-
milia : quem pretender, dirija-se a mosma.
- Vendem-se 9 casas terreas bem cons-
truidas, na cidade nova, om Santo Amaro,
pertencentes ao Sr. Manocl Herrcira Lima: a
talar na rua da Ca.ioia do Recife n. 2, com
Marcelino Jos Cor.calves da l'onte.
Com toque de a varia, a nheiro.
Pecas de madapolSo lino.
Pecas de panno de coqueiro.
Vende-se na rua do Crespo, loja da es-
quina que volta para a rua da Cadeia.
Attencao
3
No novo deposito da rua do Rangel n. 73,
confronte a botica do pateo da Penha, ainda
se vende pao grande muito saboroso a tres
por dous, e oulras massas finas, pelos pre-
sos abaixo : farinba de trigo nova, superior
a 120 rs. a libra, cha preto muito novo a
18800, dito hysson a 29240, botachinhas de
soda e aramia a 320, ditas Sebastopol e re-
gala a 320, biscoitinhos finos e fatias a 320.
Vendom-se saccas com muito bom ca-
f, e mais em conta do que em outra qual-
quer parte : na rua da Cruz, armazem n. 26.
Vende-se urna escrava cabra, de idade
20 annos, sabendo cozinhar, lavar de brre-
la esabao, (engomma soIlVivclmonto e tem
principio de costura, sem vicios nem acha-
ques : para ver, ua rua doAragSo n. 20, e
para tratar, na rua da Cruz, armazem n. 26,
das 9 Doras da manliaa as 4 da tarde.
Vende-se queijo do ? ertao
a 480 rs. a libra, manteiga ingieza a 640,
queijo do reino a 19500, 13600 e 1/900, tari-
aba do reino a 120, gomma a 100 rs., lingui-
ca do reino a 400 e 64o, vinho do Porto en-
garrafado a 15000, dito do Lisboa a 560, ba-
sta de porco a 520 : as Cinco l'ontas n. 21.
Bolachas grandes ameri-
canas a l'JO rs. a libra.
Vendcm-se as Cinco Tontas n. 93, pateo
do Torso n. 21, dito da Penha n. 10.
Molas para carros.
Vendem-se cxcellcntes molas para carros :
ha rua da Cruz n. 20, armazem deF. Souva-
ge 8 C.
Vestidos a 15000.
Vendcm-se corles de vestido de chita lar-
ga a dez tustoes cada corte : na loja do 4
portas na rua do Queimado n. 10.
Venda de
ieilins I
patente inglez.
S.'io cargados < aeliam-ie a venda 01 verdd(iros
e liem conhfridus sellins inglnes patente : na roa
do Trapiche-Novo n. 42, armazem de fazendas de
A I imson llowie o C.
N. O. Bieber & Companhia, rua da
Cruz n. 4, vendem :
Lonas da Russia.
dem inglezas.
BrinzSo.
Brinsda Russia.
Vinho de .Madeira.
Algodao para saceos de assucar
Algod&ozinho da Baha
para saceos do assucar: vende-se em casa
de N. O. Bieber <\ Companhia, rua da Cruz
n. 4.
Moendas superiores.
Na fundigio do C. Starr o; Companhia, nm
Santo Amaro, acham-se para vender moen-
das de canoa todas de ferro, do um niodcllo e
construcco muito superiores.
viarlmiismo pa-
tente inglez
Os melhores relogios de ouro, patente in-
glez, vendem-sc por presos razoaveis, no
esenptorio do agente Oliveira, rua da Ca-
deia do Recife n. 62, primeiro andar.
Peunas de ema, cera de abelba e de
carnauba.
Na rua da Cadeia .lo Recife, loja n. 50, de-
fronte da rua da aladre de Dos, ha para
vender os gneros cima, reconlcmcnte che-
gados, por precos razoaveis.
Agencia
da fund cao Low-Moor,
rua da Vnzala Nova
n. 42.
Neste estabelecimonto continua a haver
um completo sortimenlo de moendas e meias
moendas para engolillo, machinas do vapor
e taisas de ferro batido e coado de lodosos
lmannos para dito.
Emcasa deSaunders Brothers C. ,
do Corpo Sanion. 11,ka para vandaro se
Ferro inglez.
Pixe da Suecia.
Alcatrao de carvo,
Eonas de linho.
Esponjas.
Drogas.
Algodao lizo para saccas.
Dito entrancado igual ao da Baha
E um completo sortimento de fzendasproprio
para este mercado : ludo por precio commodo.
Momhosde vento
comhomha* dcrepuxopara regarhortaseba
xa decapim : na (undi^o de D. W. BowiuaD
na roa do Kmm ns. 6 8el0.
llliuufii-' "" i'^a itilllu ll. .....
relogios de pa-
tente
I$280 rs. o par, ditas do laia muilo suporio- sas do muito gosto e por prego barato : na
res a 1800 o par, meias de algodao cru, roa do Queimado, oa bem conhecida lujado
muito superiores para meninos a loo rs.O miudezas da boa lama n. 33.
par, lengosj brancos de linho muito linos a
400 rs., chales de Ua rxos e preto-, pelo
baralo prego de 33, fil de linho liso muilo |
lino a800 rs. avara, princesa prota lina a
720 o covado, dita muito lina que rivalisa
com merm a l o covado, e alom disto um
completo sortimento de (azoadas de todas as
qualidades, que se ven lem muito burato, na
rua do Queimado n. 22, na bem conhecida
loja da boa f.
Tachas de ferro.
Na fundicSo da Aurora em Santo Amaro-
e tambem o deposito na rua do Brum, logo
na entrada, e defronte do arsenal de mari-
nha, ha sempre um grande sortimento de tJt> Q#
tachas, tanto do fabrica nacional como es-
trangeira, batidas, fundidas, grandes, pe-1
quenas, rasas c fundas ; e em ambos os lu- I
gares existem guindastes para carregar ca- |
noas ou carros, livres de despeza. Os preco
soo s mais commodos.
Arados de ferro.
Na fundicSo de C. Slarr i Companhia, em
Santo Amaro, acham-se cara vender arados
de ferro de um modello e coiislmcgiio muito
superiores.
iiigley.es de ouro, desabnete e de vidro :
vendem-se a proco razoavel, em casa de
Augusto Cesar de Abreu, na rua da Ca-
deia do Recife, armazem n. 11-
Charutos de "llave -
veiitieni-se em casa
Astley&C.
. Sel lins e
na
Fare
vada construegao, fundos pa"ra alambique*,
crivo* e portas para fornallias, e un intim-
dade de obras de ferro, que ser cnfadoiiho
enumerar. No mesmo deposito existe um
pessoa intelligentoc habilitada para receber
todas as encommendas, etc., etc., que os
annunciantes contando com a cpacidade lo
suas ollicinas e macbinismo, e pericia de
scus olliciaes, se compromeltem a fazer exe-
cutar com a maior presteza e perfei^So, c
exacta conformidade com os modrllosou
desenhos, e nstrueces que Ihe forem for-
necidas.
Qemento novo
reIeios.
' } SEI.I.INS e RELOGIOS de peieni
in^Uv. : a venda no armazem de
Roalron Itooker A Companhia, es-
qoin;i do largo Uo Corpo Santo nu-
mero 18,
Sao muito finas
Venderse superior farcllo vindo de Lisboa
iillimamentc, em saceos, c por barato prer;o:
na rua do Trapiche n. 9, armazem.
Luvas de pellica
para homens e senhoras,
chegadiuhas pelo ul-
timo vapor ing4ez.
Vendem-se verdadeiras e bem conhecidas | Na manhr.a do da 29 de maio o4e
luvas de pellica de Jouvm, amarellas e bran-1 anno de 1857, ausentou-se do engenho M*
*0t t)0* f** ko*
e de muilo bons gostos.
Mussultnas muito linas, matizadas com
lindas cores, de padres muilo bonitos c
intoiramenie novos; vendem-se polo dimi-
cas, para homens e senhoras, pelo baratissi-
mo prego de 2S500 rs. o par, ditas brancas,
e amarellas e pretas, todas de seda e pcrfeila-
menle boas, sem deleito algum, para ho-
mens, senhoras, meninos e meninas, polo
barato prc?o de 800, 1? c 18500 rs. o par,
ditas brancas de algod.lo para homom e se-
nhoras, proprias para montar a cavalloa 30,
loo e 500 rs., ditas de cores muito linas, de
lio da Escocia, para homens o senhoras a 400,
500 e 640 rs., e alem dostas outras mais qua-
lidades do luvas, e todas por mais" barato
prcc,o do que cm oulra qualqner parto: na
rua do Queimado, na bom conhecida loja de
miudezas da boa fama n. 33.
Na rua da Cadeia de santo Antonio, arma- nulo prc?o de 560 rs. o covado : na rua do
zem de materiacs, por preco commodo.
para os homens
que tiverem bom oslo.
Queimado n. -!:!, loja da boa le.
o, Collard, por preco mdico
Mettodo facilimo.
Na livraria da praca da Independencia n.
6 e 8, vende-se o methodo facilimo-para
aprender ler, novamente impresso e aug-
mentado, por mil reis.
Doce superior.
Ghegou 4 rua do Collegio n. 5, nova rc-
messa de doce de arac, goiaba e banana,
sendo o arac a 500 rs. cada caixSo, goiaba
a fi80, 8U0, 15 e 1>280 rs., banana a 680.
IEIAS PaEfAS tiE MA
lila c algodao pira pa
dres.
Vendem-sc superiores meias pretas de
laia para padres, pelo baratissi mo proen de
IJ800 o par, ditas de pura lila a 11500, e i-
pianos.
Vendem-se muitos lindos e e\cellentes
pianos, chegados ltimamente de llam-
indos retratos no frontes*
\cellente piano inglez, do autor Collard i Inu ;;o, e com
Ipicio : na rua da Cruz. n. .")">, casa de .1.
Keller
praaa
non
I
-
LJ
&C.
Aos seuhores donos de
tabernas.
Vendem-se barricas com sardinhas gran-
des e novas, assim como a retalho, aos cen-
tos, por preQO mais em conta do que em ou-
tra qualquer parte : na rua da Praia, arma-
zem n. 18, do S s i5e Mello Costa Oliveira.
Vendcm-se os superiores queijos di
reino, os mais novos neste mercado a 19440 .
na rua Uiroita n. 14, esquina de S. Pedro.
Ao Preguiqa que est
queiui ndo.
Na loja do Pregui^a, na rua do Queimado,
esquina do becco do Peixe Frito n. ^, ven-
dem-so nimias e diversas fazendas por pro-
cos baratissi mos, entro ollas notam-se cam-
braias francezas, padrOes novos e cores li-
las muito superiores de algod3o a 600 rs. xas, pelo baratissimo preco de 480 rs. a va-
na rua do Queimado, na bem conhecida loja
de miudezas da boa fama n. 33.
Leques muito fi-
nos.
Vendem-se superiores leques com plumas,
espelho e bolotas, pelo baratissimo preco de
j-imu cada um : na rua do Queimado, na
bem conhecida loja de miudezas da boa Ijtr
ma n. 33.
Brinquedos pa-
ra meninos,
Vcnde-se diversidade de lirinquedos para
crianzas, por preco muilo barato : ua rua
do QU'-'imado, na bem conhecida ioja de
miudezas da boa fama n. 33.
EICAS BONECAS FRANGE-
zas.
Vendem-se muito lindas c bem vestidas
bonecas francezas, grandes, pelo baratissi-
mo preco de 2;500 e 39, preco que nao ha
quem deise de dar se as vir; na rua do Quei-
ra, pecas de chitas escuras e de diversas co-
res, de excellentes pannos e c<>resfix3s a 5
e 6;000, e a 140 c 160 rs. o covado, lencos de
cambraia para maoa i-jo rs. cada um, mus-
sulina branca o mais Tino que he possivel e
de lindissimos padrOes a 440 o covado, len-
cos de seda de muito bom gosto a 800 js.
cada um, lazinhas de quadros proprias para
roupinhas de meninos, bonitos pannos para
mesa a 19920 cada um, meias casemiras para
caigas e palitos a 500 rs. o covado, dita pre-
ta muito lina propria para palitos e calcas a
19200 o covado, e muitas outras fazendas
que se deixam de mencionar, as quaes se
venderao por baratissimos precos.
Cobre
para forro de navios : no armazem de
Tasso haos.
Na rua do Hangel 7, vende-se. vinho
de caj' engarrafado ha 4 anuos, le i lo na
provincia do Ceara.
A \0#000
Vcnde-se encllente cera de carnauba do
Aracaty, o Assu', de una sacca para cima,
escolhendo o comprador a sua volitado, pe-
5f? "L-!1" C" Ja miudczas lo indicado pre?o de 10/a arroba : no ar-
mazem de I). It. Audradc >\ C, rua da Cruz
n. 15.
eoberlos c dcseoliertos, pequeos e grandes,
de ouro patente inglez, para bomem e se-
nhora de um iios melhores fabricantes de
Liverpool, viudos pelo ultimo paquete in-
glez : em casa de Southall Mellor di C", rua
do Torres 11. 38.
Algodao monstro, lie pe-
chincha.
Vendo-se algodao monstro com 8 palmos
de largura, proprios para toalhas e leucoes,
pelo diminuto preco de 600 rs. a vara : na
rua do Queimado n. 2-2, na loja da boa f.
GEisio paia mm
aso.
XAFUNDir.AO DE FERRO DO ENGE-
MIEIHO* DAVID W.ROWMAX, .VA
RUA DO BRUM, PASSANDO O ollA-
FAR1Z,
lia eni|irc u msr ande sor i ment dos se su i 11 les oh-
eclos <1 e me i'lian 1 s mus proprios parnenuenhos.a sa-
ber : inoeniljse meias modulas, da mais moderna
conslrucrao ; 'anas de ferro Tundido e lialido, de
superior qualidade e de lodos os tamaitos ; rodas
dentadas para auna ou animaes. de todas as propor-
roes;crivosc horas defornallia c reundros de bo-
eiro, a^uilhoes, brones,pararnsos e cavillioes,moi-
nhos de mandioca, ele. elr.
NA UESMA FUXDICA'O.
se etecutam todas as enronimendas eom a superio-
ridade ja couliecida com a devida presleza ecom-
raodidade em preco.
Vendem-se muilo bons eslojos proprios
para viagem, por tercm todas os arraujos nc-
cessarios pira barha, pp|o barato prcc,o de
1, 2s, 3>, 4?, e 5> cada um, esporas muito
linas de casquinha e ac a l o par, caixas de
tartaruga muitissimo boas para rap a 4 e
5^000, ditas de bfalo, lazenoa muilo boa
a 1-500 c 2/50(1, ditas muito linas de massa
a l, ricas charuleiras ti 2? 3> e 4;, ponleiras
de marlim e de unieoine para charutos a 500
e 600 rs., carien.> proprias para viagem a
3C, 5o e C?, grvalas pelas o de cores, fazen-
de muito boa e muilo bonitas a I?, 19500, e
29, mantinhas para gravata de meninas a
800 rs., riquissimos caivetes de punlial
com cabo de madreperola e de marlim a 5 c
3>, pinceis inglezes minio linos para barba
a 1.3 e 19500 cada um, grrulas de cores rom
copos, proprias para lavatorios a 19, gallie-
teirascom lodos os vidros necessarios e co-
Iher, pelo baratissimo prego de 2?, trance-
los prelos rolicos e chatos, de borracha,
para relogios a 80, S20, 400 e 50o rs., obrcias
de cola, enfeiUdas, contendo todos os dias
da semana, proprias para namorados a 400
rs. cada caixinha, ditas lisas a 100, escovas
muito linas para denles com cabos de osso,
muito bonitas, e marlim a 400 rs., 500, oou
e 1J500, ditas com cabo de osso ordinarias a
160, ditas de cabo de osso para uuhas a 30,
500, 640 e 15, ditas de cabo de bfalo e de
marlim, tambem para unhas, que se vende
barato, ditas inglezas rauilissimo boas part
cabello pelo Carato preco de 640, 1^500 e 39,
ditas tambem muilo linas para lato a ItOOO,
1S500, 2B e 39, aliadores inglezes para nava-
Ihas a l;, navalhas as mais linas que se pode
encontrar, para barba, e pelo baralissimo
prego de 83 cadtfeslojo de urna su navalha,
ricas bengalas le bamb' com caslOes muito
bonitos, pelo baratissimo prego de 2^500 e
35500 cada urna, ditas de caima linas e ordi- I
narias a 500 rs., 19, 1#500 e 25500, caixinhas I
com pedras de Osso, torneadas e muilo bem
le las, brancas e encarnadas, proprias para,
jogo de damas cgumao,
Vende-se cal de Lisboa ltimamente rhc-
gada, a.-sim como potasas da Russia verda-lcodo 3>500 rs. o par, ditas brancas da mes-
Meias de todas
as qalidadei.
Vendcm-se meias de sed* ae peso, brancas
o pretas para senhora, polo baratissimo pre-
ma qualiJado para meninas a 25000, ditas
pintadinhas de cores muitissimo bonitas,
proprias nara haptisado de enancas .1 2?000 o
par, ditas brancas de algodao, muito linas,
para senhora a 320, 400, 500 e 600 rs. o par,
Polo ultimo vapor chegou a nova loja ao d't"s pretas de algodao muito linas tambem
podo arco do Santo Antonio, un. completo |,ara senhoras a 400 c 500 rs ditas eruas e
brancas para homens a 160, 200, 240, 320 e
deira : na praca do (iorpo Santo n. II.
AVISO AS' SENHORAS BO
BOM GOSTO.
sortimento dos mais ricos chapeos para ca-
bera de senhora, assim como ricos enlotios
paia caneca de senhora e para meninas, ri-
cos enfeites para Descoco, tanto para senho- ,
ra como para meninas, ricas luvas enloila- ,as brancase de cores para meninas e mem-
400 rs. o par, ditas de cores de lio da Kscocia
tambem para homcm a 40" e 500 rs dilas
cruas muito linas e fortes para meninos, di-
das, do mais moderno gosto que lom viudo
a esta praga, lengos do retro/, bordados, de-
licadas duque/as para vestidos, ricas cam-
braias de padroes delicados a 480 1 vara, di-
tas a 460, corles do laa para vestidos a 55500
ditas para covados a 100 rs chales de me-
rino de todas as qualidades, ricas chitas
francezas imitando cassas a 280 o covado,
dilas a 210, mussulioas o todas as qualida-
des, toncas de la para meninas, sapalinhos
para meninos, c tildo se vende por baralo
prego, s rara esle novo cstabeleciment
adquerir freguezia.
GUINDASTE.
Vende-se um escolente guindaste de for-
ro om bom estado, o por prego commodo :
quem o pretender, dirija-se ao trapiche do
Cunha, que achara com quem tratar.
Chita roxa larga, con to-
que de avaria a 100
rs. o covado.
Na rua do Queimado n. 21 A,vende-se chi-
ta rcixa com pequeo toque de avaria a 160
rs. o covado.
t aixinhas para
vot trete.
Vendem-sc bonitas caixinhas com lentos
tapiruma da freguezia da Kscada, um escra-
vodc Florimundoda Silveira Lins, morador
em dito enpoiiho. o mencionado esrravo
rbama-se Jos, com idade de 18 a 30 annoa,
he cabra claro, altura mediana, cabellos ca-
rapinbos, sobrancelbas grossas e encontra-
das, nariz um tanto adiado, espadaudo em
proporgilo ao corpo, tem um dos dedos de
um dos ps torcido por cima do pollegar. O
dito escravo foi morador no sertao e logar
Pao das Trras, aonde foi vendido, veio ruira
Caruaru' vendido ao anounciante em abril
ultimo: quem capturar dito escravo e en-
tregar no referido eugenbo, sera bem rr
compensado,
Fugionodia 80 do crranle o mulato
llcinaldo, com idade de 24 annos, pouro
m*is ou menos, de estatura baiza, cabellos
carapinhos, rosto comprido, nariz aquilino,
com muito pouca barba : quem o pegar, le-
vc-o a seu senbor Antonio Le te Pereira Bas-
tos, na rua da Cadeia n. 17, que sera bem
recompensado.
KHteOOO de gratificago.
Continua andar fgido desde 2 de mam,
do abaixo assignado, um negro cnoulo de'
nome i.oncalo, idade 40 annos, crosso do
corpo, altura regular, rosto redondo, as per-
nas arqueadas quando esta parad, cantos
grandes, falta de cabellos na moleira, um la -
Iho no canto da fonle; foi comprado ao Sr.
Manocl Fonseca S Leitao.em Mara Karinba,
e consta-me andar por esse lugar e Queicia-
das, cQueimadinhas da ilha de lUsnaraca,
com ums prel por nome Hita : qurm o pe-
gar leve-o a rua do Amorim n 36, a Antonio
Joso Kcrnaodes de Carvalho.
- Continua a etar fgida a muala es-
crava, de nome llosa, de 35 annos de idade
pouco mais ou menos, estatura baixa. gros-
sa do corpo, cabellos quasi carapinhos, urna
cicatriz no beigo superior, cor paluda, ma-
gOes do rosto altas, e hunda grande quem
aprisiona-la dirija-sn a rua das Lalangei-
ras n. 26,que sera generosamente recompen-
sa.lo.
Kugio de bordo do brigue brasileim
Melampo, na noile do dia 9 do correntr, nm
negro de nome Marcelino, nacao Cabinda,
altura regular, secco do corpo, roslo roa-
prido, barba serrada e cria suiasa, coa lalta
de denles na frente, e consta andar vestid*
nos, e nutras mais qualidades que se vendem
muito barato : na rua do Queimado, na bem
conhecida loja de miudezas da boa fama
n 33.
Jofi>os de domin
Vendem-se caixinhas com joposcomple-
to< de dminos, pelo barato prego do 15200,
15500 e 2- rs. cada jogo na rua do Queima-
do, na hem conhecida loja de miudezas ta
boa fama n. 33.
C. STARR & C
rospeilosamenle annunciam, que no seu ex,
tenso estnholocimenlo, om Santo Amaro,
eonlinu'a a fabricar com a maior perfeigtlo
c promptido, toda qualidade de machinis- cum paleto, e calcado": qiem o pegar lvelo"
mo para o uso de agricultura, navegagao e a bordo do dito navio, junto ao cae do Paa-
manufartura, e que para maior commodo de
sous numerosos freguezes e do publico em
peral, lem aborto em um dos grandes arma-
zens do Sr. Mesi|uita, na rua lio BruiD, itraz
do arsenal do marinha, um
DEPOSITO DE MACHINAS,
construidas no dito sen esl.abclecimcnlo.
All acharao os compradores um completo
sortimento de moendas de canoa, com lodos
os melhorainonlos alguns dellcs novos e
origiuaes a que a experiencia de muitos an-
uos tem mostrado a necessidade. Machinas
de vapor do baixa e alta pressSo, lachas de
lodo tamanho, tanto batidas como fundidas,
pelo baratissimo
prego de 25, 2#500 e 35 a caixinha, lampari- de marlim para volUrcle, pelo baralissimo j carros de mao o ditos para conduzir formas
as de porcelana e douradas, muito bonitas, prego de 58 c 63000 : na rua do Queimado, I de assucar, machinas para moer 'mandioca,
e proprias para oratorios a 25, diversidade na bem conhecida loja de miudezas ua boa j prensas para dito, Tornos de ferro balido
seio Publico, ou a casa de seu consignatario
Manocl Alves Guerra, na rua do Trapiche o.
14, que sera bem recompensado.
de objectos de chsrao e outras mullas cuu- fama
para familia, arados de ferro da mais apprn- 1 sera gratilicado.
No dia 25 de abril de 1856, aosentoa-se
do engenho S. Vicente, freguezia de Seri-
nhaom, o escravo JoiSo Jos, pedreiro, com
idade do 45 annos, pouco mais ou menos,
bastante ladino, e os signaes que o fa/.ca
bem conliecido sao os seguinles : pouca bar-
ba, com alguns cabellos brancos, boas den-
les, tem una uulia do dedo grande do pr -
lpjada, assim como urna oulra da mi, cara
bexigosa, e o nariz um pouco pequeo, he
cnoulo, e natural do liecile, onde consta, e
tem sido visto Irabalhando, no oflicio de pe-
dreiro, em que he ponto: quem o pegar le-
ve-o a rua Nova v. 14, segundo audar, que
Dos premios da ultima mor te da quartae prime ira i quinta lotera beneficio de N. S. do GuadciaM da
' cidade de Olinda, extrahtda a 50 de Maio de 1857

1 XAROP1 DO
mmQJE
da boa fama n. 33.
BOtoes para pa-
ntos, colletes, puohos de
camisa, e para casa-
veques de senhora
Em casadeRabcSchmettau AiCompanhias
rua da Cadeia n. 37, veudem-se elegante,
piano; do afamado fabricante Traumaun de
ilamburgn.
Vende-so superior linhas de algodSo
brancas, e de cores, em novello, para costu-
ra, em casi de Southall Mellor \ C., rua do
Torres n. 38.
TA1XAS PARA ENGENHO.
Vendem-se abotoaduras muito linas de
madreperola para colletes, pelo baralissimo
prego de 500 rs., dilas muito ricas de todes
as cores a 400e 500 rs., ditas muito linas de
madreperola para palitos de homcm e de
meninos a 500, 00 e 800 rs., holes de moi-
zaique e outras qualidades. de muito ricos
gostos, paia punbos e collarinhos de cami _
fa, pelo barato prego de 800 e 25 rs ataca- i io Brum,' Passando *'. eonimuaha.
dores de cornalina para casaca a 300 rs., | dar um completo sorlimeptoda tausdeferrofun
botos ilo vidro de muito lindos padroes, vido e batido de 3 a 8 palmos de bocea, as quass
f a f undico de ferro ds D. W. Bowmam n*
Foi Iransferido orteposiio des le jarope para a lio
lica de J oso aarrafas 55-5(10, e meias.'tOOO. sendo falso lodo
aquelle qae nAofor vendido neste deposilo,palo
qupsen/ opresenteaviso.
IMPORTANTE PARA D PUBLICO.
Para curaale plilysicaem lodofoaseuidifleren
es ir ios, que r mol varia por conslipaefies, losse
asthma,pleuriz.escarros le sanue, tados e peilo, palpilarao no' corarn.coqueluche
bronchite, dorna garganta, e todasasmoleslia
dosorgospulmouares.
Ochlos e lonetas
de todas as qualidades.
Vendem-se orillos de todas as graduagiies
com delicadas armagoes de ago, pelo barato
prego de 800 rs. e 15500, oitos eom armages
douradas e praleadas a 15200 e l$500, ditos
com armagan de blalo a 15200, ditos com
armagao de baloia a 480, ditos comarmagiio
do metal branco a 400 rs., lunetas de um su
vidro redondas e quadradas com aro de b-
lalo a 500 rs., ditas de dous vidros lambem
eom armagao do bfalo a 15500, ditas de um
i s vidro redondas e quadradas com aro de
| tartaruga a I200 e 1-500 : na rua do Quei-
mado, na bem conhecidada loja de miudezas
da boa lama 11. 33.
NA LOJA
proprios para casavequesa 800 rs. a duzia,
e outras mais qualidades de boloes, que se
vendem muito barato : na rua do Queima-
do, na bem conhecida loja de miudezas da
boa fama n. 33.
Attencao.
Vendc-seum bonito molcquo de 1N annos,
sabendo cozinhar pcrleilamento, muito lid
e de boa conducta : quem pjetender, diri-
ja-sca rua dos Martyiios n. 14, que la so
dir.
Vcnde-se um escravo crioulo, bom
mostr do aasucar, e de ptima conduela :
na rua da Saudade, primeira casa de solo
do lado do sui.
.No pateo do Carmo, taberna n. I, ven-
de-sc doce de goiaba de primeira qualidade
a 12:000 a arrobi,
acham-se a venda,por epreco commodo com
promptido: embarcam-soucarrsgaat-st smcar
ro semdospea ao comprador.
Deposito
de rapeprinceza da fabri-
ca de E. Gasse, no Rio
de Janeiro.
Vende-se a preco commodo rap lino,
grosso c moio grosso, da acreditada fabrica
cima, ehegado pelo vapor S. Salvador ; na
rua da Cruz 11. *9.
Planta da cidade do Re-
cife
Marnaelada
Vende-sc a verdadeira marmclada, vinda
de Lisboa e do Kio (irande do Sul, em latas
de duas libras, por prego commodo : na ta-
berna grande ao lalo da igreja da Soledade.
Arcos pao pata pipas
Vendem-so 50 rodas de arcos de pao para
pipas : a tratar r,e rua da Ciuz no liecile n.
57, segn 10 andar.
Vendom-se bolachas grandes ameri-
canas a 120 rs. a libra : na rua das Cinco
l'ontas 11. 93, palco
da Penha n. 10.
da boa fe,
vende se muito barato
Colchas de damasco pelo diminuto prego
de 9j000, nros pannos para mesa a 35, atoa-
lliado adamascado com S [almos de largura
a I96OO a vara, mussulina branca muito lina
a 500 rs. o covado, dilus do cores do padroes
bonitos a .120 o COVado, chitas francezas
muito linas a 320 o covado, brim branco de
puro linho a IcWl a \ar, dito pardo tran-
cado tambem de puro hnbo a 1$280 a vara,
ganga amarclla iruilo lina a 320 o covado,
cambraia muito una com salpicos brancos e
de cores a laa vara, alpaca preta lina a 010 o
covado, cauto preto muito lino, lazenda su-
perior e propria para vestidos de luto a '.i(>0
o covado. panno lino azul a 3; o covado, dito
I muito lino a 5/, dito preto muito lino a 5i,
dilo muit 1
.. superior a 69, dilos verde escuro
Vende-sc a planta da cidade do Hecife e e ,.or l)c ca|,. u-mla superiores a 68. cortes
seus arrahaldes, fcita pelo sr. Iir. Jos Ma-I je casemira preta, lina, para calca, com lis-
mede Alvos 1 erreira, por ?cis mil res: na, lla hordada a 105, cortes de g'orgurao de
livraria n. 6 e8 da praca d.i ludependeiicia. .S0(]a para col lele a -V, ditos de casemira
iUappa das distancias da Prela lx>r"'la a to.fustao branco muito fi-
110 a 25 o covado, cortes de cambraia prela
prOVintJi'!. com 7 varas, pelo diminuto prego de 2~ cada
Na livraria u. fie 8 da prnga da Indcpen-i um u,l0:i de Jlta blanca com salpicos de
denoia, vende-se o mappa das distancias cores, tambem com 7 varas a 39240, sarja
das diHerentes villas da cidade entre si, ei l,rolil bespatihola a 250 covado,' grosdena-
religao a capital da mesnia, a mil reis. ,lcs de corcs ''' us"" covado, souin preto
__ j ... 1 aviado muito superior a 2.-5U0 o covado,
'_ ra U S %. ^r4flv8a gorgur,io preto do seda com salpicos, pro-!
L'm lindo e variado sortimenlo de model- prio para colletes a 33500 o covado, luvas1
los para varandas e gradaras, do gosto mo- brancas mullo linas, do lio de Escocia, muilo
dernissimo- na l'iindigao da Aurora cm San-! propria.-. para os Srs. olliciacmilitares, polo
do Tergo n. 21, e pateo! lo Amaro.e no deposito da mestna, na rua do baratissimo prego do 1- e par, meias pretas
I Brum. 'de laa. proprias para os Srs. sacerdotes a
i
3
ti
7
19
.'O
Jl
33
39
58
.7.1
MI
62
65
fifi
-.2
7ti
S
:v
!IS
III
20
2|
2li
II
H
v<
.VI
51
55
59
fi
Ii7
(,S
09
7:1
71
75
79
SJ
83
85
SN
:<2
95
99
JO I
i
li
8
1(1
22
23
^s
.10
37
II
15
19
la
39
(iil
Si
'.MI
91
93
99
.101
s
ti
II
\>
13
L'l
22
1
30
:)fi
NS. PHEMS.
55
55
i
58
59
5S
53
"'5
5
5 I
59
V-
:,.-
"5
58
O
.V
55
5a
55
5-3
5-5
5J)
53
5a
'5
53
.-5
5-3
.1-
.V-
10.:
33S
\2
15
T,
;*\
:>2
55
56
58
li
65
(it
<;s
69
71
7S
79
s
s,
sti
87
89
90
91
96
99
101
I
9
10
12
l'ii
21
23
.10
31
33
:ts
:9
'.o
l
13
52
(i
59
60
61
(17
liS
69
7(1
7 a
7S
79
82
s;
si
90
96
502

7
9
l
13
-.'o
2
33
53
5fi
5
308
>
5a
-
>5
53
59
5s
59
NS. PROS.
557 58
(II
62
(li
no
7(1
71
7(i
7S
SU
81
ss
92
93
96
IKHI
aa
loa
loa
55
55
r
.V5
:o
V5
55
59
59
55
55
NS. PRBMS. NS. IMIE.MS.
o(l> '
31
33
34
10
II
'.i
50
11
V2
13
l
20
2\
_>
t
30
+2
XI
34
:ii
37
38
39
-2
43
59
:l
65
liri
71
72
7:1
1.1
81
83
88
91
93
98
!W
703
I i
17
Lll
23
33
28
30
33
.17
; -
:'i
id
19
1.;
<;>;
70
71
71
74
76
78
s7
S'l
90
92
91
So. I
I
li
10
15
16
1s
in-
5.3
.1-
109
10-
."it 1113
a,
O
>
53 '
59
r-3.
59 ,
',;:
5a
S27
:l
l
i2

15
16
7
51
55
56
60
(2
(13
65
70
71
71
7(1
77
SO
SI
S(
89
93
91
95
97
99
ana
l
lll
!7
1S
L'l
23
26
s
29
30
31
33
36
:;s
10
J
16
s
52
59
1,11
III
68
70
73
7S
79
SI
S2
S
85
88
9_>
97
98
99
1005
7
10
H
1.1
I!
19
31
591
53
59
59
59
59
5-
5-3
05
5-
59l
59
55
1"5
C
209
5-3
">9
IOS
05
55
55
5 7
."13
59
2119
a-
59
58
5g
5
jo-
"'5
103
-
-".I
: i
37
12
15
s
19
55
58
59
15
58
59
303
59
.!-
59
59
58
5g
5g
58
55
5-3
59
y
5-3
1IH.lt
(II
63
66
67
70
79
su
M
S2
Si
S'.l
',2
93
98
1102
8
\2
16
19
20
21
-.
a
:iti
:\2
35
:i
39
'.I
13
i 7
18
50
52
51
56
57
70
71
"2
so
82
S
89
90
91
95
98
99
1201
j
3
>5
NS. I'IIEMS.
1273
76
j-3
59
'5
55
10-
59
5-
"'5
58
59
109
jo-
12
l
15
jo
21
21
:t0
::i
3i
35
37
39
43
16
18
53
:.
"iii
>\
39
< I
I,",
1.7
7o
'3
5-
58
59
59
>
sn
Sti
i
91
96
1300
I

3
i
9
li
17
30
21
23
31
26
33
II
36
38
:i9
o
16
:.
'i
60
(i-2
63
l-
7o
7s
NI
-1
97
98
1100
-i
li
7
II
12
17
18
20
23
2
25
32
33
:i
38
19
10
i 2

13
I I
9
51
51
50
."s
(12
Ikl
69
73
71
7S
Sil
Si
N(i
*7
S'.l
til
NS. I'IIEMS., NS. I'IIEMS.
>3
59
58
53
53
53
5-3
''3
53
59
59 i
59
5'
59
58
53
05
59
59
55
59
59
3g
.19
5.3
'-
>
58
59
59
1506
7
8
9
15
IS
23
25
32
:i".
t
17
S
.'.11
51
3
tull-
ir
5-3
55
39
53
58
59
-"'3
."?-
58
5.3
lUg
,"o-
93
5a
98
5?j 1501
71
72
77
82
S
85
S7
98
1601
li.
19
2
DI
:i
38
i I
it
13
17
S
ll
.'.I
55
56
59
60
es
70
71
7(i
79
80
si
ss
89
'H
93
91
1 >
ITOI
S
'I
1;

19
20
2',
29
31
39
'ni
51
53
lili
117
69
T
7li
'
- I
>2
81
53
5fi
59
53
53
'3
"'5
"'3
55
5-3
.'13
59
."15
5.5
Sj
."13
55
5g
59
5-3
1-.
5a
5a
NS. PBEMS.
2089
90
'3
.3
.1-
5a
105
1-
59
5g
:v3
55
5g
53
a
59
26
29
;n
;i
3.1
33
38
s
51
59
lili
62
i;
ns
69
70
11
-79
82
S
2002
9'
13
16
is
23
28
32
31
38
39
lo
12
19
52
53
58
63
(17
r,9
70
-a
7:1
III-
.T-
58
5-5
5-5
5
"|"
58
5a I
58
9 i
97
98
99
2102
5
(i
12
13
l(i
17
19
22
2(i
27
:in
31
33
38
13
15
7
53
(ll
62
(I
65
68
71
77
81
81
86
DO
95
99
22(10
a
:l
7
8
18
19
23
21
:t
:i7
39
7
MI
51
57
59
60
(I
61
(7
75
79
81
83
si i
8S
911
92
95
2301

12
l
IS
21
2
;i".
17
39
l
:(
l
17
s
19
.'.I
52
33
53
59
SJ
59
53
5g
39
5-5
5-3
53
5-3
53
58
5-5
58
.'13
59
53
5-
a-
">5
."13
2008
NS. l'KEMS.
2356
58
(1
l2
fi:t
lil
(7
68
71
7
75
SI
85
si
'Jii
92
93
91
98
99
21(11
8
9
Ki
n
16
s
20
O
' i
59
5
58
55
39
15
59
59
IOO3
39
"o
59
58
55
55
59
55
5-
58
1009 i
'-
5a
NS. REMS.
2613
15
16
17
21
23
25
2<-.
28
3
M
39
I
il
51
."Mi
59
(1
(2
66
lK
70
71
7.1
1-
10-
55
5-
58
."13
-
a-
58
5.3
5g
5-
5-
5a
58
"13
58
5b
53
.13
59
5-5
5-5
'5
"1-
5g
"C
53
5g
35
308
39
3-3
"15
5g
53
59
308
55
53
.".'.
209
39
."13
59
33
>3
59
58
5-
59
.'13
30
:i2
36
37
:w
i 1
15
51
55
en
63
os
73
76
81
SS
II
91
2503
t
11
16
19
23
:.'.
."1
.10
35
I",
K
i7
iS
I
57
58
(:l
63
(7
69
71
77
83
S7
89
91
92
9",
!KI
X 12
.1
s
l~ 7S
;"* S7

S8
" 91
"* 91
10- 95
1- 97
" 98
17 2702
58 3
I-
58
i
li
19
29
26
27
33
31
.15
il
12
13
51
* ">
i;
58
lil
67
70
TI
73

79
st
ss
93
91
95
ai
28112
:
1
s
9
12
II
16
ls
22
2K
33
37
38
i(>
i
'5
5-5
59
59
5?
5s
203
.58
59
39
38
33
58
59
59
->
5f
53
53
53
59
109
39
57
53
59
58
NS. l'KEMS NS. l'REMs.
.17
53
5-
*5
55
5a
2857
59
n
113
(8
7 a
79
8.3
8i
si
87
89
91
:m
2902
15
17
ts
20
21
22
25
98
i
:l(
39
M
i
15
M
ls
19
52
53
51
57
1,0
79
7,1
lil
1,1,
7(1
71
l:5tinj
17
.',7
5s
'17
.V3
5-5
59
"1-
3-3
59
59
5g
59
'5
58
71
NO
81
sj
Ni
85
s7
ss
'IJ
91
3001
(i
12
I I
17
M
21
21
1-
Js
29
33
33
:it
K
:o
i I
13
il
M
,0
55
2
M
71
>8
59
">8
55
5-
>a
'8
5.3
H
5
5J
"5
."13
55
55
.?5
53;
Si
59
5
5g
57
,19
5g
59
59
BU
59
',-
"3
">3
1-
ji-
ji-
o'M
96
98
3109
10
18
19
M
31
34
36
:i7
H
42
45
17
51
lil
ai
("1
7
71
72
71
7li
7N
Mil
91
'.Ni
98
1201
2
8
9
10
13
M
211
22
21
28
m
a
:w
38
i I
II
13
li;
17
I!
M
51
51
-j,
57
61
1*
i,;
(9
7C
7n
M
N5
Nfi
II
97
9
3903
ii
tu
II
Id
17
ts
;"
n
2
Ni
37
II
IS
Nf. PHEMS.
>9
59
39
39
ll8
55
38
59
58
53
59
59
59
si
59
59
5
'7
2113
59
58
5?
59
9|
l"3
'3
sol
'3
3
>
'5
"-
>B
53
5cM|
3a
53
"3
'5
9J
58
'-
>
"1-
10-
.13
>
"5
3
'-
'5
-
""
58
a)
53
'8
39
39
3
lo-
8JBJ
ii-
Iii-
Mi
58

1
71
72
76
75
MI
82
84
K7
ss
89
90
91
92
98
3400
1

|,i-

8
9
13
22
J7
ao
il
n

11
M
17
M
li
BJ
VI
I,,
(,7
88)
79
s.1
H2
98
vuu
I
6
II
II
21
J>
29
NI
:i
12
7
12
i 1
s
-J,
M
i
ti.
1.7
1*.
M
7*
sj
K7
m

17
39
38
-8
i
H
5
"9
38
9
"'3
59
39
59
'#
209
59
59
5
'
38
"8
38
39
9

"9

'5
M
H
**
3
'9
59
'
39
-
'3
9
H
.5
39
:
3*
5
5*
H
"#

81
I003
BJ
59
5
O
5
9
-
5
8J
a)
8J
3
8
lo-

9
5
BJ
"8
i
3
80
5
'
H
H
"<
'"
"-


1
0
O cscrivao, Jozc Januario Alves da Maia,
PERKP.IT-DB M. F.DEFAR1A. lM?.
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EB0JCPS8S_SQPJYT INGEST_TIME 2013-04-26T21:29:07Z PACKAGE AA00011611_07772
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES