Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07770


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO mili N. 122
Por 3 meces adiantadoi 4jjt000j
Por 3 mezes vencidoi 4$500.

SEXTA FEIRi 29 DE MUO DE 1857,
Por anno adiantado 15000.
Porte franco para o subscriptor;
DIARIO
NCABREGADOS DA SITBSCIUPCA'O NO NORTE
Patialba, 8r. Jai* Bodolpho Gomei; Natal, Br. loa-
tai I. Pwair* Juntar; Araeau, o Br. d* Lamo* Braga ;
Hri, o 8f. J. los de Oiiwin ; Haranhao, o Sr. Joaquim Mar-
M Rodriga** i Piauaj, t Br. Domingoi Harculano A. Pcttoa
Ciaran**; fari', o Sr. Juillao J. Bamoi; Amaionai, Br. Jero-
jra* da Ca**.
PARTIDA DOS OORRREIOS
Ollnda : todo o* dial, a 9 e neia horas do din.
tguarsss, Goiaaaa e Parahiba : na* segundas e sextas-reira.
Bonito, Cama
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal 40 eommareio i segunda quintal.
Belacao ; tercas-feirat a aabbadoi.
10 horai.
10 horai quintil a* mila-dia.
quintaa ai 10 horai.
mtai ao miio-dii.
quirui labbadoiio miia-dii.
EPUEMERIDES DO MEZ DE MAIO.
8 La cheii 1111 horas 51 minutos da Urde.
16 Quarto minguanu ai 8 horai 50 minuto da tarda.
23 La ora o 28 minutos da tarda.
30 Quarto eraaccnta ai 10 horas a 6 minutos da man ha.
_, r*" OL PREAMAR DEHOJE.
Primalra ai 8 borai a 30 minutoa da manhaa.
Bagundi ai 8 horas a 84 minutoa da Urda.
DAS DA SEMANA.
25 Segunda. 1. Gregorio 7. p.; s. Hara Madaglena da Paii Y. c
26 Terca s. Felipe rv'ery fundador da congregcao do oratorio.
27 Qnarta. s. Joao p. m.; Ramulfo m.
28 Quinta Ss. Seuador podio e Julio Bb.
29 Seita. s. Maiimiano b.
30 Sbado, t. Fernando re s. Emilia m.
31 Domingo. Paschoa do Espirito Santo.
ENCARREGADOS
AJigon, o Sr. Claudino Falco Das ; Balda,
BJe da Jaaelro.o Sr. Joao Feraira Mirtina.
DA SUBSCRIPCAO NO SCL
. ir. D. Dtiart
NAMBLCO.
PARTE OFFIGCAL
OVERjtfo VA PROTItIA.
CxaadiaDta do da 7 de eaaio.
Oflieio Ao eniomaodanle uperir do Bonito.
Havendo j decorrido 8 raeze depoia da.informarSo
qua V. S. minislrou 9 dala de 17 de selembro dn
anno pinado, declarando qae alguna ofliciaes da
guarda nacional, 10b tea eommando superior, que
nloeamprirain a disponga do arl. do decreto n.
722 de 83 de oulubro de 1850, allegara ler sido a
epidemia do cholera, o motivo desea omiselo, sera
que al ao preiente, hajam ellas solicitado tuai pa-
tento, convrn qae V. S. me remella ama relajan
doa que se acharem nulo caso, ou nao se tiverem
presentado fardados no devido tempo, funda seren
declaradat aein effeilo as suas nomeajoes na eonfor-
midada do arl. 79 do citado decrelo e art. 2 do de-
creto n. 133 oe 6 de abril de 1834.
DHo Ao commandante superior do Limoeiro.
Tcnho presente a informa jan qae V. S. minitrou
em 27 de abril ultimo, declarando, qae a epidemia
do cholera, fui o bdicj motivo de nao haverem li-
rado ptente algoaa offleiaei da guarda nacional sob
aau eommando anperior.
Era reapoata, devo declarar-lhe, que nlo podendo
prevaleicer Mmelhante rato, nao so porqai, tendo
ido ellea nomeados era 16 de abril de 1833, 9 mezet
antea do apparecimento daqaella epidemia, deiiarara
de cumprir o proceilo di lei, mostrando desse modo
ama negligencia, qae linda raais grave ie torna, vis-
to qae ha mais de om anno se a cha eitincto aquello
mal, crescendo qae nem ao meuo,esperiados pela
circular deata presidencia de 9 de aitTvembro do tono
panado, tem euei ofGciaei procnrido tirar aoat pa-
tente*.
Teoho, pnis, reaolvido 1 bem da organisajlo e dis-
ciplina de 19o importante corporajlo, usar do rigor da
lei, mandan lo ficar sera efleito as nomeajoes dos
qne le tiverem moslrado omissos : para o que deve-
ri. V. S. remetter-me ama retarn dos ofciaei qae
le acharem coraprehendidos as disposijes dos arli.
79 do decrelo n. 722 de 23 de oulobro de 1830 e art.
20 do decrelo o. (354 de 6 de abril de 1854.
PortaraO viee-presideute da provincia, toman-
do em considerarlo o oflieio datado de 8 de novem-
bro do anno prximo pastado, em que e commandan-
te taperior da guarda nacional do municipio de
Goianna, Ihe reprsenla, qae doa officiatt abaixo de-
clarados, perteocentes aoetquadrfo de csvallariae ao
balalhlo o. 12 de infamara, una deiiaram de tirar
> aoat palentet ao devido lempo, oalros nao se
apreaeotaram fardados dentro do prazo legal, e ou-
troa floalmenle, madaram de domicilio : retolve,
na eooformidade do art. 65 da lei n. 602 de 19 de te>
timbro de 1830, considerar vagos ot poiloi para que
furam lia* nomeados.
Ettquadruo de cacallaria.
1.a cnmpanhia.
TeaeetaAntonio Francisco Pereira Jnior.
Batathio de infamara n. 12.
2.a compinhia.
AlfereaPinlo Franciaro ile Paula Montenegro.
DitoJos Thoraaz de Freilaa Jnior.
3.* companhia.
CapitaoBalduino da Silva Villateeea.
AlfereaFirmo da Cosa Villar.
i. companhia.
Tente Elias Cunegunds Vaz Carado.
6.a companhia.
CipitaoAndr Farreira de Mallos.
AlfaresFrancisco B.ipliila Bizarra da Bessurrei-
lo.
DitoJoaqaim Carneiro de Mesquila Mello.
7.a companhia.
-Tula J"o*o Camusr Paran Jar 6gs.au.
8.a eompanhia. -
GaplUoLaiz de Andrade de Albuquerque Mara-
nba*.
TeneateFrancitco Gomes Pereira de Andrade.
AlfereJos lavares Pessoa de Carvalho.
Cosnmaoicon-se ao respectivo commandaole su-
perior.
DilaExonerando a Manoel Antonio doa Passot
e Silva Jnior, do cargo de subdelegado da S de
Olioda por astim o ter pedido. Catnmunicou-se ao
chefe de polica.
DitaConcedeodo a Florencio' Jos Caroelro
Monlelro, de eooformidade com o despacho da pre-
sidencia de 8 de abril ultimo, 4 mezes de licem
com ordenado para ir a Europa tratar da saude. %
DitaA agencia dot vapores, para dar transpor-
tes por cunta do governo, sendo para as Alagoaa au
toldado Pedro Ado Correia, para a Baba ao se-
gando sargento Heliodoro Alves de Araujo, sna afr,
Mora e dous lilho menores, e para a corte ao tjfl
aerlor Julo dos Santos.Commonicou-se io:oq|
mindiola dat armas.
12
OfficieAo Exm. vico-presidente dn Aligoat,
rogando a expedirlo de ordent noaanlido, de m-
qaella provincia te nao embaucar corle e con-
doecao pira aqu de J0O p rancla*** de amarello. e
100 de licupira, qne JHo Francia* Regs doa An-
jot te offereceu vender ao ariaajKH marinha desta
provincia por prejo mdico, vi** haver nelle ur-
gente preciao de wmelhmle raaalalra___Aulorisou-
t* 0 arterial a eomprar a referida Madeira.
DitoAo' Eim. camrnaudame aperier do Re-
cife, oleiriooo-o de ler aitonndo a theaouraria
de fazatida, a mandar pagar os veaaimeDte* do* of-
eiae* e eornetas de qua trata o otTlclo de S. Etc. de
9 do correle.
DitoAo Exm. gestara! commandaole dai armat,
presentando para rastrilla de eiercilo, o paisano
Jlo Biplitla do Niiciraenl*Commanicou-se ao
joiz de dirailo de Santo A0I40, qna o havia reme!-,
lido.
I ^iT" l'nM'wlra>* doa eslabelecimenlos de DitoAo Exm. raordomo da casa imperial, en-
1 caridaae, para que Informe obre 01 legoiotes pon- viando-lhe, para qae faca chegar a aogosta presenSa
i' rt_. de M. a imperalriz, a pelicao em que a irmanda-
a a ya,"los posto exislem presentemente, ate a de de ISossa Senhora do Amparo de Goianna, toppli-
idide de 7 annot, cora aeclaraco aosiexos. ca a S. M. a graca de aceilar o Ululo de juiza per-
i, (guantas crianzas eilUo sendo amameotadas, petoa d'aquella irmandade.
quer dentro, quer lora do ealabeleeimento. Dii
EUPER
O proalieUrlo do DIARIO Manoal Fbraatroa da Fara, ni ni
lirnrii, ptaea da Indtpindancia na. a 8.
A estacao naval, dizendo-lhe que pode fa-
i. yual o modo de aerem entregues a amas ex-*1zer sahir o vapor Beberibe, afim de collocar duaa
i
DitoAo comelho admioiflratlvo, dizendo-lhe
qae lendo sido entregues ao araanal de goerra', pe-
los negociantes deata praca, Joio Farnandes Prente
Viaaa, e Jos Nosueira de Souza, 230 azelhas de
metal para gavetas, a 30 rasuraos da Historia do
Brasil por Beilegard, arligos estes por ellea manda-
do* vir de Londres, em consequeucia de encommen-
da da ai-director daquelle irseoal, mande Srac.
etTaetnar cora brevidade a compra doa referidos ob-
jacto*. era face dat contas juntas asaignada* pelo*
predilos negociantoa.Curaiuunicdu-se ao director
do irsenl de guerra. *
D1I0Ao arsenal de guerra, para insudar pelos
oflicaei daquelle arsenal, tazar as armares de que
precita o Gyranano tiara o* exercicios gyraoailicos
dos respectivos aloaftoo*.Commanicpu-se ao re-
dedor.
Ditj Ao mesmo, dizendo-lhe qae pode embar-
car o* eneros que leem de seguir para Fernando,
remetiendo a respectiva retacan, afim de ser trans-
miltida ao commandante daquelle presidio.
DiloAo director das obras militares, responden-
do, com a remasaa de copia da informadlo da direc-
tora das obras publicas, a ufflrio em qae Srac. pe-
do 6 eanpioaa, 4 pedreiros e 8 serventes daqoella
repartidlo, para terem empregadot not trabalhos 1
cargo de Smc.
DitoAo director dat obras publieai, inleiran-
do-o de Bear expedida a convenieati ordem, para
er paga ao arrematante do ernpedramento da se-
gunda parte do primeiro lanfo da tirada de Pao
rl'Allio a primeira piest.icilo a que tim elle di-
reilo.
Dilo^A Antonio de Morara Gome* Ferreira.
Tiado por po. tarn de boje nomeado V. S. para
o lagar de vbgtl di adminitracSo geral dot eitabe-
lecimeolos de ciridade, vago por fallecimenlo do
Dr. Simplicio Antonio Mavignier; assira lli'o com
munico para seu conhecimento, esperando qoe nlo
te negar a preatar os seos bons serv;eos no deaem-
peoho dease cargo.
DiloAo promotor publico do Reeif*.__Acenso
rocebido o officio de' 7 da abril ultimo, em qne
Vrne.. referindo o* motivos pelos qoaes considera
ler tido panado indavidamenl o alvir di solan
qae sentenciado Graciano Jos de Frenas obleve
do jniz mqnicipal xeeulor das senlenciia detle ter-
mo, eomrauuica rae que vai -requerer para aer cas-
tado o moamo alvar, e afim de que, melbor habi-
litado, para proeeder como for de direito,'pede-me
qae exija do juiz monieipal de Guiauna lodos oa et-
clarecimentot e inform do teutencido, e qae conslarem do carlorio daquel-
le JUIZO.
' Em resposli lenho a declarar, que daye Vmc.
proceder as iuvesliga^ses de que trata, e qoe nesta
tlala receramendo ao juiz monieipal da Goianna,
qne core brevi lade ministre as nformicOei e docn-
m.sntot exigidos. Fez-se o oflieio de que se
trata.
Di(oA' Ihesooraria provincial, commonicando-
Ihe ter dada destino aos 40 exemplare do relalorio
da repactieflo a cargo de Smc.Itemelteram-se a
issembla provincial.
DitoA' masma, para adianlar ao thetonreiro da*
obrat publici* a qua o lia de 2:0009 rt. pera a* des-
pezas eom a coocluiSo daa obra* do quinto lineo da
ramiflescio da. villa do Cabo, 11 quaes lendo tido
encimpada, et.Ho nudo encolada* por adminis-
trado.
DitoAo cororvandante de pollea, para augmen-
tar com mala ama , Jor.Camaunicou. h ao chafa da polica.
ternas, a qoe iospeccao esto eilas sujeites, e que
despeza ie faz com ella*.
4. Quintas exposla; de mais de 14 anno- existem
actoalmehte, e em que se occopam
DiloA' cmara de Goianna.Tenho presente o
oflieio de 23 de abril ultimo, em qne essa cmara,
remellen io-me i acia dos trabalhos da elevan de
joizes de-paz e veraadores, commuoica achar-se em-
possada, aasim como o* jairas de paz do primejro
diilricto, desde o da 9 de levereiro ultimo, detxan-
do de o ser 01 qoe por rOorarem distan!**, ainda nlo
compareceram apezar de terem sido chamados por
tres vezes.
Cumpre qae essa cmara renov os convenientes
avisos aot juizei de paz, qoe ainda nSo eslo empa-
nados para que vio prestar o juramento e entrar na
pos*e do cargo para que for.un eleitos.
DitoA cmara de Girmhuu*Declarando-lhi
ter sumetlido a deliberadlo da assemblea provincial
as posturas, qoe para esse fim foram enviados po;
aquella cmara.
DitoA cmara de Caruaru', acensando o reaebi-
menlu das actas da eleicode eleitores, que leve lu-
gar as daas freguezias d'aqoelle municipio.
DiloA cmara de Villa Billa, dizendo-lhe ficar
inleirado de eslaf aquella cmara empollada desde
o da 7 de Janeiro ultimo, auim como os juizes de
paz do prsenle quadneonio, 09 quaes desde aquella
da entraran) em exercicio.
DiloAo sonse ho de revista da qaailificacao da
guarda nacional de Papacaca, dizendo-lhe que Rea
inleirado de haverem sido concluido'* 01 trabalhos
d'aquella conselho.
Portara Prorogando por mas 6 mezes n lcenc.1
concedida ao profetaor de sciencias nalones do Gym-
nasio, Laiz Jacqus Breant, para continuar na cora-
misslo de que ella' fcnrarregado Fizeram se ai ne-
cesarias communicacdai.
DilaRenovando por miis dooi annos a uomea-
cjlo da admioiatrafao dos eslabelecimenlos de carj-
dide, sendo presidente Monteuhor Francisco Muniz
lavares, eacrivo Aolonio Jos Gome* do Correio,
thesoureiro Jos Pires Ferreira, e vogaai Jo3o Pinlo
de l.emos, e pira o lugar vago em consequencia do
falleeimento do Dr. Simplicio Aolonio Mavignier, o
cidadlo Aolonio de Moran Gome* Ferreira.
DilaAo a gente dot vapore* hrasileiros, para dir
passsgem de estado para a corta ao baeharel Eleote-
lerio Angutlo de Alhtyde.
13
OflieioAo Exm. commiodante superior da guar-
da nacional do RecifeEoviando-lhe para que hi-
ja da atlendet como for compativel con> o ervico
publico, o offfcio em qae a irmandade do SS. Sa-
cramento da mitriz Jo Corpo Sanio,pede nma guar-
da de honra pira acompauhar o agrado viatc 1, que
tem de aer lavado era prociaulo aot enfermos da
respectiva freguezia no dia 21 do correla___Cora-
vaTuiijcou-se a referida irmandada.
DiloAomeamo, dizaodo qae,.lendo S. Exc. de
retirar-se para a corte, pode patsar o commajidando
luperior a quem por le competir.
DitoAo chefe de polica, dizendo-lhe, que pode
amontar o deleitado de Goianna,# mandar contlru-
ir a* doaa guamas qoe requisita para earvirem de a-
brigo aa lentiuellna da cadeia d'aquella termo, en-
viando a eoola para aer paga.
DitoAo conselho administrativo, para promovea
a compra de um sitele de puoho com armas irapel
riaes, e om oulro de prensa, o* qaae* sao preciioa aJ
araeoat do aiuerra Can,!,. nata ll,T
toararia de fazenda.
DlioAo thesoureiro dn lotera^Tenho prsen-
le o *ea ollicio de 5 do correle aci.uipao.hadq de co-
pia* do* que dirigir VrBe.ao delegado de polica
do primeiro districte, e da* re'poslaaVgkfte, ludo a-
cerca da maiteira por que, a viu do Higo 14 do
regulamento de 1844, devjfBBC. montar a pessoa
para o aubslituir em **nfl lmenlos ; e em res-
po-la cabe-rae dizer-lhe qae a villa do ciladn arligo
ni se faz precito que pera etta autoritaco haja
instroaaolo publiao, bailando qae Vmc. faja por es
cripto-tMa dee|arcao a pesaaa qae o for sobslituir.
que entlo figurara' de seu liel oa prbposto, d*vendo
mmedialameote .dar condec meato disto ao go-
verno.
DiloAo ptovedor da aaude,' dizendo que nao
sendo pottivel fzeremse agora no arteoal de ma-
rrada, como declara o respectivo Inspector, os con-
eerlosd* que precisa o escaler aropregado no servi-
co d'aquella provedoria, haja Vmc. de contratar a
factura dalles em algura e'staleiro particular.
i DitoA theaouraria provincial, enviando a copia
do contrato celebrado comRaphatl Lucei requislado
por aquella repirtrrlo.
Dito A cmara de Garanhuas, acensando recela-
das a. copias das actas da elei^lo de ieitorn que
ollimente leve lagar na* freguezit* de Papacara, S
Bento e Garanhuns.
PorlariaNomeando a Daniel Edatrdo Cavalcan-
le Velltz de Guivra, para o lagar de subdelegado
da S de OlindaCommuoico'u-se ao chefe de po
lieia. ,
DilaNomeando ao padre Primo Feliciano Tava-
res. para o logar de capelln do codalo das orphftas.
DilaCnncedendo ao alferes do segando batalhlo
de guarda* nacionaes do Recise, Francisco Manoel
do* Smlo< Lima, em visla da informaclo-do respec-
tivo commandante superior, seis mezes de licencH.
DilaMandando admiltir ao servico do exercilo
como volunlario, por aeis annos, ao-sddado do Bar-
po de polica Caelano Beiione de Assit Campos, abo-
nan lo-se-lho o premio de 300J rej*. Parlicipou-
te a quem compela.
14
Oflieio. Ao Exm. presidente da Parahiba.Bo-
go a V. Ex. qua te digne de lomar em considerarlo
o que esta presidencia Ihe ponderen em o oflieio de
8 de oulubro de 1855, constante da copia inclusa,
ali n de que, antes de se remetieren) dessa provincia
os presos que tem de conservar-se nal priaOet dess,
teja asta presidencia previamente consultada te ellas
pudem oa nlo comporta-Ios ; cqnvindo que ai det-
DitoA thesooraria de fazeoda, para qoe entre-, menor Baroab no arsenal de Marinha.Remellido
ka ,1. I,.......I ....t. .u.....l.:l4.il. Ait., .. C __._.
pezaa realisadat com taes presos corram por conla
dessa provincia.
Jonlo remello a V. xc, e eo ilinuarei
regularmente, urna relajo espe
dendo as despezas dessa nalnreza
30 de abril deste anno, segando
chefe de polica, e espero qae V.
de de expedir a* *ua* orden* par
provincia teja convenienlemen
a faze-lo
Gcada cemprehen
realiada at o dia
me qommonicno o
Exc. let a bou la-
que o cofre ditta
indemnisado.
Igoaes ao presidente de Alagoat b ao do Cear, com
" segrale madanc,a do ultimo piriodo Previno a
V. Exc. de que remelterei regula!mente nma relaco
espeGcida, comprehendendo as Llespezaa dessa na-
lnreza, que se houver d* rea|i*4r p'or coota deisa
lera a bnndade de
0 coi daqui ,eja' "a.eas merab
Oflicioa-se ao
e remetter a rea
Bio Grande do
Igumas provincias
as prisO>s desta.
provincia, e espero que V. Exc.
expedir as aula ordent para qoe
convenientemente indemnisado.
chefe de polica para coofeccionai
(dea de qae se trata.
Dito Ao Exm. presidente d)o
Norte. Sendo remettidoi de
presos pira serem conservados
acontece qoe ellas muilas vezes ti 3o o* podem com-
portar, resultando alera disto om iccrescirno de de-
peza que vai pesando lemivelmi nte sobre o cofre
provincial, e que nlo est em pro >orrao com a qoo-
ta desuada para tal servico.
Bogo pois a V. Etc. que, quan lo houverem deier
remanidos dahi presos que lenha 1 de conservar-se
nat referidas prisoei, se digne comuliar-me previa-
mente afim de eu poder informar' a V. Exc. sobre a
postibilidade de terem elle* recebldos, convindo que
em lodo o caso- deem as oecessarias providencias
para que as deptiat realisadat coaitaes pretos corram
por conta dessa provincia.
Nula inloilo remello a V. Ei ., e eonlinoarei
faze-lo, a inclusa reanlo especificada comprehen-
dendo despezas dessa natureza rea itadas al o dia 30
de abril ultimo, segundo me coranmnicou o chefe da
polica ; e espero qua V. Exc. ti r a bondade de
expedir as suas orden* para que 1 cofre datta pro-
vincia teja convointemenle indemsisado.'
gnea* aot presidentes do Rio d 1 Janeiro, Amazo-
mt a Piaoliv.Ufliciou-ie lambejn aos das de mais
provincias com a alteraran aeguinDe no ullimo perio-
do Previno a V. Exc. deque rimallere regular-
mente ama relami especificada, c imprehendendo as
despezat dama jiareza que *e hoi verem de realisar
por couu desn Jrovincia, e espeio qoe V. Ere. le-
ra o bundade de expedir as toas trdens para que o
cofre daqui teja convenientemente indemnisado. .
Dito Ao commandante superior do lleeife, au-
torisaudo a conceder a dispensa do ervico da gnar-
da nacional que requisita o Exmj biipo diocesano
para Sebaslilo Joi Paixoto, que )eierce os logares
de meirioho gera-. da diocese e porlerro do palacio
da Soledade. j
DiloAo general commandaole das armas, apre-
teolando pira recrota* do eiercilo 01 paiuno* Fi-
lippe Sanliago, Agotlioho Teixeiralda Azevedo, Joio
Claudino Farreira, Jeto Beurria Jote Sacando.
boas em Camaragibe e Porto de Pedras.
DiloA Ihesooraria de fazeoda, para entregar ao
capillo quartel-meslre da goarda nacional des'te mu-
nicipio, a qoanlia da 2309000 reis, para as despezas
do expediente, na s da secretaria do eommando
soperior, mas tambem do* contelhn* de qualifieaclo
e de*reviso da referida guarda nacional.Commu-
oicoa-ta 10 commandante superior.
DiloA mesma, communieando-lhe ler concedido
a Leonor Jorge, permisslo para vedder a Antonio
Jos da Ascenso Noves, pela quinlia de 5:500000
res, om sitio seu na estrada de Jlo de Barros, oa
Belem.
DiloA mesma, racommendando qne mande en-
tregar a Manoel Firmioo Ferreira, conforme requi-
tiloa o juiz de direilo de Garanhuns, a importancia
da escolta qae conduziod'alli para aqu cinco recru-
las, e bem assim a das diarias abonada* ao mesmos
rcrotss.
DitoAo conselho administrativo, para promover
a compra do cordlo de lia prela de qae precisa o
arsenal de guerra, para a manufacturadlo do farda-
menio do 4 balalhlo de ar'ilharia a p.Commo-
nicoo-se ao arsenal e a Ihesooraria.
DiloA Ihesooraria provincial, pira entregar aa
Iheionreiro dis obras publicas, afim de serem remul-
lidos a Jos Antonio Lopea enearregado da obra da
estrada.de una, mais 2:000^000 reis, para as despe-
zas da mesma estrada.
DitoA mesma, para nlo i pagar a Mr. Brunel
a quaolia de 1319800 reia, que elle dispendeo com
objeetos que remelleu para o museo do Gyranasio,
mi tambem fornecer-lhe 01 artigo* constante* da re-
lajlo jaula.
DiloAo juiz de direito do Limoeiro. Sem *er
preciso recorrer ao governo da provincia, tem Vmc:
llribuicAo e meios necesarios para providenciar so-
bre o qae commu nica em seo offleio de 6 do pastado
dirigido ao Exm. Sr. cooselheiro presidente da pro-
vincia, relativamente as oceurrencias dadas entre
Manoel Kirnos Moreira e Joaquim Theodoro de Vas
concellos Aragao. Espero por lano que Vmc. faja
juslifa, procedeudo como for de lei.
DiloAo provedor do hospital portagaez, conc*-
dendo permisslo em vista da informaran da comrriis-
slo de hygiene, para qoe ejam tratados n'aqaelle
hospital alguat doentes de febre amarella.
PortaraCoime leudo ao juiz municipal e de or-
phlo* de Santo Antao, bacbarel Francisco de Souza
Cirne Lima, 15 das de liceora com ordeniido para
vir a esta cidade.
15
OflieioAo commandante das armas, declarando
ficar scienie de ler o pharmaeeulico Joo Soares
Baposo arrematado o foroecimento dos medicamen-
tos magislran preeispa para enfermara do 4' ba-
lalhao de artilharia a p, e inleirando-o de lar eom-
munieado aemelhanta arrematarlo a Idesoraria de
fazenda para opportunamenle iudemnisar o mesmo
pharmaeeulico da importancia dos medicamentos,
que elle for fornecendo.Fez se o Oflieio de que
se Irala.
DiloAo mesmo, recommendando a expedidlo
de suas ordent, afim de que seja dispaosadn do ser-
vico do aqaarlelamenlo o coronel commandante do
I" balalhlo da guarda nacional desta municipio,
Domingos AITnnso Nery Ferreira, visto ler elle de
assomir o eommando superior da mesma guarda na
eional.Communicou-se ao oommandanle snperi
do Recife
l>lo----Auoicino, dMa Gasr enro d, tr liSt*-
tado, enmo addido no 10- batalhlo os recrutas ^hr-
cotmo Joa Buliiio, Severino Vicente Francisco e
Antonio Jote Peixoto.
DitoAo mesmo, inteiando-o de qae a theaou-
raria de fazenda lem ordem para pagar ao alferes
Anlonid Manool Barboa, a quaotia de 9#*40 pbr
elle despendida com alugueis de cavalgaduras.
Expedio-s a ordem.
DitoAo chefe de polica, de.volvendo-'.he a con-
ta da deapezi, com o sustento dos preso* pobre* da
cadeia de Pao d'Albo nos mezes de oulubro a de-
zemhro do anno prximo panado, afim de qae a
mande reformar conforme indica a terteira seclo
da conladoria da thesoararia provincial no parecer
junio.
DitoA Ihesouraria de fazenda, commanicaudo-
Ihe qne por decreto de 27 do paliado foram nomea-
do* : Domingos dos Pa*sos Miranda, e Francisco
SimOes da Silva ; aqoelle para administrador do
correio desla provincia, e esle para o de ajudanle
do mesmo administrador.Comraonicou-te tam-
bem aos nomeado*.
, DitoAo conselho admini ao snbdireclor da colonia de Pimenleiras os medi-
camentos de que falla o oflieio de Smc. de 13 do
corren te.- Communicoo-se ao lupradilo lubdir eclo-
DitoAo arsenal de guerra, aulorisando-o a ven-
der a Jos Antonio Moreira Das & C. as 103 velas
mixlas de que elles necessilam.
DitoAo patrimonio do* nrphos. Contndo-
me fazerem parte do patrimonio de orphlos. nmai
pedreiras de cal, recommendo a eita administraran
qne informando-me com brevidade, qoal tui loca-
lidade, exlenslo e prodaclo animal, informe igual-
mente te esli ellas arrendadas, a quem, porque
lempo, e porque prer s, nlo devendo, 00 caso ne-
gativo, lomar a seu reapeilo qoalquer deliberado
em que primeiramenle se enleada esse conselho
com este governo.
DitoA Antonio Pedro Cavalcanti de Albnqaer-
qee Mu, dizendo que, em vista do parecer do chafe
de polica, nlo pode ser coocadida a sua exoneradlo
do cargo de 1- tuppleole da tubdelegacia da Varzea,
conforme Srac. pedio.
Dito A Ihesouraria provincial restitoindo a*
pap-is que vieram annexos ao oflieio em qae Smc.
declara haver a conladoria dessa Ihesouraria impug-
nado o pagamenlo da importancia da 3.a prea|ac<**
do 8. lauco da estrada da Escada, dizendo, qae em
vista da informaclo, por copia, do director da ohrai
publicas, mande eflecluar essa pagimenlo, conforme
ja se ordenou por despacho da 23 do.panado.
Portara Prorogando al o'dia 30 do corrento a
pratenle tettlo da assemblea legislativa provincial.
Dilo Concedeodo a Mara Clementina de Figuei-
redo, professora publica de S. Jos, ero vala da in-
formajio do director geral da iintrurc.au publica, 3
mezet d licen^a eom vencimentos para ITalar da
luade. lizeram-se s communieac.oes do cotlume.
Dita Exonerando a Manoel do Reg e Albu-
querque do cargo de segundo supplenle do subdele-
gado de Iguarass por ter mudado de domicilio.
Commonicou-se ao chefe de polica.
Expediente do secretario do governo.
Oflieio A nssamblea provincial, enviando copia*
dos ollinoi dos inspectores da Ihesooraria de fazenda
e da alfandega ministrando as nformarei, que
mesma assemblea requisitou a reqnerimenlo de om
Dito A thesoararia de fazenda, transmiltiodo o
oflieio da directora geral da detpeza publica, acoin-
pandado de copia da circular n. 17 da 27 do passado
e do regulamento do corpo de sonde do exercito ap-
provado por decrelo n. 1900 de 7 de marco ultima.
16
OflieioAo Exm. prelado deocesano, pira que d
o seu parecer sobre o regulamento de cemiterio ner-
lencente ao patrimonio de Nossa Seudora do O' de
Ipnjuca.
DdoAo general eommaodanie das armas, Irans-
millindo copia do aviso da guerra de 29 de abril ul-
limo, declarando ler sido deferido a tuppliea do ca-
pillo Pedro Alfonso Ferreira, no sentido de ter re-
duzida a 159000 reii, a contar d<> 1.a de julho eai
dianle, a consignarlo mensal de 3O9DO0 res, que elle
deixno nesta provincia, em favor de sua irina Ma-
ra do Carino Ferreira.Commonicou-se lambefr a
Ihesouraria.
DiloAo mesmo,-apresenlando para recrola do
exercito o paisano Cordulino Biptisla de Araujo,
'.ominuniroii-sa este destino ao chefe de polica.
DiloAo mesmo, inleirando-n de haver o lenle
jtolo Antonio Leillo, exnibi lo documento de ler
(Sgo os emolumentos relativos ao aviso determinan-
do, que fique Je nenhom efleito um oulro era que se
mandoo descontar no sold do mesmo tinenta ot ven-
cimenlos qua elle percebeo dorante tres mazas que
estava licenciado.
DitoAo mesmo, eommunicnndo-lhe ter concedi-
do ao recrota Cordolino Baplisla d Araujo Ayres, o
prazo de 20 diat para a apresemac,ao de i*en;6>s le-
gaes, cumpnndo por,tanto qae o mnmo recrulado
seja conservado em eoilodia durante aquello tempo.
DitoAo chefe de polica. Kemetlendo a V. S. e
inclua copiada resposta que dei a urna consulta, que
fez o commandante superior da guarda nacional de
Goianna, relativamente a mineirg de fazerem all
at auloridades policiaei requisic,oes de forc,a da mes-
ma goarda nacional, lenho a recommen lar a V. S.
qoe haja de expedir suas orden noseolido da refe-
rida resposli, nlo pira aquella localidide, enmo
para outrai comarcal, onde laivaz tambem nao lenha
lido convenientemente entendido o oflieio, circular
deita previdencia di 7 da oulubro ultimo.
gue a Mr. Krunet, no a quantia de 2:50(19000 res, para a* despeza* or-
denadas pelo aviso do imperio de qua ja se Ihe eo-
viou copia, urna vez que declara 5. S. nlo estar para
isso aulorisado pelo ministerio da fazeoda.
DitoAo mesmo, communicando-lhe qna fora
approvada pelo governo imperial, a rasblu^lo desla
presidencia de mandar continuar sob soa responsa-
bilidade, no crrante exercicio, a* detpeza* com as
verbasforra de linliaprendi de Fernando edi-
versas detpetas.
DiloAo me Nabar Carmiro Bezerra Cavaleanli, juiz municipal
do Limoeiro, os venein>entos| correspondente* ao
tempo decorrido desde o dia 26 at 28 de marco ul-
timo, em qae eitive elle fora do exercicio em con-
sequencia de ter sido chamado por este governo
eapilal servico.
DitoAo mesmo, enviando copia do aviso, da
guerra de 25 do passado, declarando qae nao fazen-
do a observadlo 5.* da tabella qae acompanhou o
decreto narnero 1880 de 31 de Janeiro ultimo, ex-
cepto alguna do* secretarios dos cqmm indo de
arma*, leem elle* direilo an abono de'vaaimenUt
de eatado-raaior da primeira ciassa.Commuuicoa-
* ao commandante da* arma*.
DitoAo mesmo, inleiran 10-0 de ler sido appro-
vada a nomeacao da Francisco PereiraUflanna, para
eicrivlo na botica do hatear*! reRimariTal desla pro-
vincia. Commanicou-tfa aacora manda nte dit ar-
ma*.
DiloAo mesmo, enviando ropiaalo aviso de 25
de abril ultimo, em qoe o Exm. ministro da guerra
declara, na > i ter-ee approvaojo a rajoluro que 10-
raou ette governo de mandar pajsr tob *ua respon-
sabilidade as detpetas que pela rubrieearsenal de
guerra forem correado al o fim do exercicio de
1836 a 1857, mas larabem recommenda qae essa
Ihesouraria envi em julho vindoore a demonstra-
Clo das despezas que se tiverem feito, afim de ter
aberto o competente crdito.
DitoA' Ihesouraria provincial, acensando a re
cepc,ao do oflieio em qne aquella tdoieararia decla-
ra haver entregado ao pagador das abrs publicas,
nlo os 17:0009 rs. pedido* pelo respectivo director,
mas sim quantia de 14:4009 rs., por existir nica-
mente 1:4009 rs. di quot consignada para a casa de
deleucao ; e duendo erfl respaila Jae, avistado
que pondera o referido director, mande Smc. nlre-
gtr ao .mesmo pagador, da roaneira indicada na in-
formadlo junta por copia daqo'lla directora, o qne
faltar para o completo dos 17:000 n. de que te
traa.
DiloAo commandante superior do Brejo, inlei-
rando-o de qua, por decreto de 7 de abril ultimo,
fora nomeado o tenente coronel Caetano de Olivena
Mello para chefe do eslado-maior h guarda nacio-
nal sob se commcodo aaperior.
DiloAo arsenal de marinba, enviando eopia.do
aviso n. 45 de 28 do pasudo, em que o Exm. mi-
nistro da marinha, declarando ter-te dirigido ao da
fazenda para que o carvlo de pedra que se fornecer
casa commercial de Scolt Wtlsoo \ Coropaohia,
segondo o respectivo contrato, seja pago pela Ihe-
souraria detta provincia, procedendo a liquidadlo
dos competentes condecimentos em forma, ordena
ao mesmo lempo qoe Smc., nao s remella aquella
estadio relar-s do ejue for suppri'do mentalmente,
afim de se fazer efleeliva a conveniente fsealisa-
o, mas tambem continu a enviar a secretaria de
slarto da marinha aa necessarias relaefie para se co-
ndecer do estado do consumo de emeldante gene-
ro nesta provincia.Tambera se stffllcioa nesle sen-
tido i Ihesouraria de fazenda. v.
\'-f j DitoA' junta qoalificadora de Tgaaraas, dizen-
10a, iflo qae. alm da lisia qae acoiopjinhoa a seu ofli-
eio de 9 do correle, comprehauapiido os indi ,i luna
<|aaliGaa.ioo acia nnn. eniivm que- nunaULi Um-
b'in copia da acta dos trabalhos da qualifiea-
clo.
DitoAo commandante de polica, para mandar
presentir ao chefe de polica, no da 20 do corre-
le, urna forja campoila de 20 prar is e om oflVial
daquelle.corpo, para o fim da escotar nze reo que
leem de responder ao jury em Caruaru'.Commu-
nicoo-se ao referido chefe.
DitoAo promotor de Nazarelh, dizendo eslar
scienie de ter Smc. no da 8 do corren'.e ressium-
do o exercicio da seu cargo, renunciando dest'arte o
resto.da licencia que Ihe fora coneedida.Fiz-
ram-se a este respeito as convenientes parlicipa-
cOes,
DiloAo. di redor das obrat militares, para que
com brevidade mande eregir o aliar de qoe trata o
ollieio junio por copia do lenle general comraau-
dante das armas.Commnninou-te a ette.
DitoAo direetor das obrat publicas, pan expe-
dir ordem ao ajudanle de eogeoheiro Feliciano Ro-
drigan da Silva, afim da que levanle'a planta e or-
ganise o orcameulo dos concert* de que precita- a
roa Direila da cidade da Victoria.
DiloAo mesmo, aulorisindo-o a conceder a li-
cenca de 6 mezes, que pede o meslra de pedreiro
do Gymnasio, Andr Wilmer, para Ir a Eu-
ropa.
PorlariaAo agente dos vapores brasileiros, para
mandar transportar no vapor oToeantins para o
Ceara, di-poirlo da respectiva presidencia, um
apparelho para aso de am cabrilha, o qail ser en-
viado para bordo pelo arsenal de guerra.Dea-
se scieucia ao Exm. prosele daqaella provin-
cia.
Despacho de 19 demaio.
Baeharel Bazilio de Amorim Bezerra, capillo do
1. balalhlo de artilharia, reqoerendo permisslo para
consignar de seos sol 101 a qaintia de 209 rs. men-
saes.Informe o Sr. inspector da Ihesouraria de fi-
zenda.
Paulo Francisco da Paula Montenegro, alferea do
batildlo n. 1? da guarda nacional de Goianna, recla-
mando contra a ordem do respectivo commandante
aaperior, a qoal priva o sapplicante de andar farda-
Be.Informe o Sr. commandante superior da guar-
na nacional do municipio de Goianna.
Oflieio do chefe de polica, dizendo que se mande
collocar alguna lampeos na ra do Caes do Cipiba-
r'be. Informe o Sr. inspector da Ihesooraria pro-
ncial.
Dilo do lenenle-coronel direetor das obras milita-
rapresenlando o ornamento dos rapare* que ne-
cetiila o quarlel do Panizo.Informe o S/. inspec-
tor da Ihesouraria de fazenda.'
Dilo do juiz municipal e delegado do termo do
Bonito, apresenlando 14 recibos na importancia de
r. 6269200.Volte ao Sr. inspector da ihesouraria
de fazenua, para qne proceda a esse respeito, de con-
formidade com a sua informaran de 27 de abril ul-
timo, sob n. 260 eao parecer do procurador fiscal,
constante da copia junta.
Dito do general commandante das armas, dizendo
qoe o quarlel do 4. batalhlo de artilharia necesita
de grandes melhoramenlos.Informe o Sr. direetor
das obras militares.
O mesmo, dizendo, qua a enfermara do quartel do
i. de artildaria, precisa qae se mnade fazer os rn-
cenos requisiiado* pelo resptetivo tinenta coronel
commandante. Informe o Sr. director das obras
militares.
Dito do director das obras publicas, dizendo qae o
arrematante da obra do Brunzindo, lem futo a ter-
ca parle da obra.Remellido ao Sr. inspector da
thesoararia provincial, para qae, a vitla do compe-
tente certificado, mande pagar a importancia da
prestarlo de qoe te Irata.
20
Anglica Mara da Cooceic,lo, reqoerendo qne se-
ja escaso do servido da armad sea lilho Manoel
Aolonio da Silva,.Informe o Sr. chele de polica.
Francisca Mara da Luz. pede a entrada na com-
panhia de aprendizes do arsenal de guerra para seu
lilho Claudino. Fa;a apresenlar o menor de que
trata ao director do arsenal de guerra, a quem nes-
ta dala aa expede ordem no sentido em que requar.
francisco Mendet Bodrigues, pede portara pan
levar gneros ao presidio de Fernando.Passe por-
laria eoucedendo-sa a licenca pedida.
Irmandade do Sr. Bom Jess dos Mariyrios da
cidade de Goianna, requeren que se mande extra-
hr as rodas da lotera concedida em benefieio das
obras da igreja da dila irmandade.Informe o Sr.
thesoureiro das I o le ras.
Joaquim Ignacio Pereira, quer embarcar 13 ta-
boas de amarello para o Bio Grande do Norte.
Paste porlaria, coocedeudo-se licenca para o aoppli-
carne embarcar as tahuas de qae (rali, as quaes tle-
vero ir acompanhadas de ums guia panada pela
capitana do porto.
Manoel Francisco Coelho Junior quer ser nomea-
do amanuense addido da repartidlo dn obras publi-
cas.Informe o Sr. director das obras publicas.
Offleio do commandante superior da guarda na-
cional do Itrejo, requiaitando livros para o* difleren-
les carpo* da guarda nacional da referido eomman-
do soperior.Informe o Sr. inspector da Ihesoura-
ria de fazeoda.
Dito do lenle gineral commandante da* armas,
dizendo que te aulorisou a compra de um cavallo
para a condcelo d'agua precita para o 4. balalhlo
de artilharia. Informe eom urgencia o Sr. inspec-
tor da theaonraria de fazenda provincial.
-22-
1 Antonio Manoel dot Prazere pede a entrada do
ao Sr. capillo do porto para qae no* termos de sua
uit'ormariu de20 do correnle, atienda ao que pede
o sapplicante.
Baltar 4 Oliveira. Dirijara-se os supplicantes
ao capillo do porto, a quem se expede ordem para
reformar a guia de que se Irata.
Dr. Filippe Lopes Netlo quer Iraspassar a posse-
do terreno n. 299 na ra do Alecrim a Boslron
Kooker & C.Informe o Sr. Inspector da Ihesoo-
raria de fazeoda.
ilygin Jos Coelho, tenente coronel do 4. bata-
lhlo de artilharia, reqaisilaodo 2 livros em branco.
Forne;a-se. #
O mesmo requisilan lo (echadoris. Remellido
o Sr. director do arsenal de guerra para salisfazer.
Padre Jlo Cyrilln de Lima, capelllo do 10 de
infamara, requiaitando alvas; amitos e mais objec-
los preciso* para o servico de capella.--Foruec.a-se.
Q mesmo, pedindo o concert de lateritas.--Be-
mettido ao Sr. director do arsenal de guerra para
maudar aaliifazer. |
Joao Marcelliao Alves da Fonteca, requerendo o
pagamento do resto da quaotia que se esta a dever
do eoocerlo feito 00 quarlel da guarda nacional.
Informe oSr. inspector da Ihesooraria de fazenda.
Jlo Nepomucetio Vallim pede a soltara de seo
lilho de nome Jlo.Informe u Sr. chefe de polica.
Miguel Lucio de Albuqaerqoe Mello, pede o pa-
gamento do fornecimenlo qua fez aos recrutas da
comarca do Bio Forraos*.Informe com urgencia o
Sr. inspector da Ihesouraria de fazeoda.
Manoel Alves Guerra quer vender o terreno de
marinha n. 347 a Manoel Ignacio de Odveira
Biaga.luforme o Sr. inspector da Ihesouraria de
fazenda.
Offlcio,do subdelegado do dislricto de Capoairas,
Jlo Firmino de Miranda, pedindo dispensa do
mencionado logar. Informe o Sr. chefe de policia.
Dilo do chefe de polica, requiaitando o pagamen-
to do forneeimeoto feito aos presos pobres da ca-
deia do Rio Formse -Remellido ao Sr. inspector
da thesourirlo provincial -para mandar pagar, estan-
do nos termo* legaes. **
O raeim, dizendo queso mande pagar ao regen-
te da cas dtM mendigos a gralilicac.au dos mezes
de fevereiro e marco.Remedido ao Sr. inspector
di Ihesouraria de fazenda para mandar pagar, -es-
tando nos termos legaei.
O .-neimo, apresenlando para ser paga a conta
do forneeimenlo feilo aos presos pobres da cadeia do
Brejo, na importancia du rs. 1179760.Remellido
ao Sr. inspector da thesoararia provincial para man-
dar pjgar, estando nos termos legaes.
23
Jaeintho Gomes Borges llchoa, e outrot, pedem
providencias para que a cmara municipal do Pao
d'Alho informe o reqnerimenlo dos supplicanlet,
como Ihe foi ordenado por detpaedo da presidencia
de 5 de Janeiro pru'ximo passado.-Informe com ur-
gencia a cmara monieipal do Po d'Alho.
Jote Hygino da Miranda quer corlar as matas
desta. provincia 300 paos de sieopira. Informa.o
Sr. inspector do arsenal de marinha.
Mara Gaudeneia da Silva, reqoerendo qae se or-
dene a entrega de sea fildo Pedro Algimiro da Silva,
educando do arsenal de marinha. Informa o Sr.
inspector do arsenal de marinha.
Offleio da administradlo do patrimonio de orphlos,
dando a informadlo exigida no reqnerimenlo de
Joanna Baptiita Neves Seixas. Informe o Sr. ins-
pector do arsenal de marinha.
Dito do juiz de direilo interino da cidade da Vic-
toria, informando o reqnerimenlo de Iguac a Mara
de Jess.lolorme o Sr. Dr. chefe de pol'Sla.
Dilo do general cnmraandama das arma, nitor-
ando o reqnerimenlo do lenenj,'Ignacio Gomes.de
Offleio do juiz de orphlot, requisita ndo a entrada
no arsenal da goerra para o orphlo Florencio Izi-
dro da Silva. Informa o Sr. director do arsenal de
guerra.
Dilo do commandante superior da guarda nacio-
nal de G irauhuiM, apresentau lo o offleio do com-
mandaole do balalhlo da respectiva guarda nacio-
nal n. 31, fim de que se dem as providencia* qoe
forem neceasaria*.Informe o Sr. chefe de policia,
Dilo do commandante superior da guarda nacio-
nal do Bonito, apresenlando para ser pago o prel
dot vencimentos da goarda naciooal aquarlela la.__
Remellido ao Sr. inspector da Ihesouraria de fazen-
da para mandar pagar, estando nos termos legaes.
Dito do chefe de .policia, apresenlando para ter
paga a conta da despesa que fez o delegado do ter-
mo de Serinhlem com o sustento dos preiot pobres
di cadeia.Bemettido ao Sr. inspector da Ihesoo-
raria provincial para mandar pagar, estando nos
termos legaes.
Dito da cmara monieipal do Recife, informando
o reqaerimento da Paulina Caetana Soares Carnei-
r. Volte ao Sr. inspector da thesoararia de fa-
zenda.
COMMANDO DAS ARMAS.
Qaartal general da ooraoaanata daa arma* de
Permmboco na cidade da Recita, aaa 27 de
oaalo da 1857.
OBDEM DO DIA lfi 485.
O general eommaudante das arma* determina qoe
as msicas dos corpos do exercito aqai existente, de-
pon de dado o toque de reeolher nos logares que se
acham eslabeleoidoi, regressem tocando al a distan-
cia d* dozenlos pastos smente, continuando a mar-
char silenciosa* at os respectivos quarleit.
Jote Joaquim Coelho.
TRIBUNAL SO COMMEHCIO.
SESSiO ADMINISTRATIVA EM 28 DE MAIO DE 1857
Presidencia do Exm. Sr. desembargador
Souza.
A* 10 e meia horas da manilla, presentes 01
brs. depotado Reg, Bailo, Lentos e supplenle
Bamoa e Silva, o Sr. presidente abrie a sessl* ; e
sendo lida a acta da ultima, foi approvada.
Leu-ee o teguinte
EXPEDIENTE.
Um oflieio da conservatoria do Cear, datado de
6 do correte, dando comprimente a circular do mi-
nisterio da jmtira de ti de fevereiro de torrale.
Accuse-se a recepcao e arc.hive-se.
DESPACROS. -i
Um reqaerimento de Jlo da Sttfl Wi*', pe-
tundo certidlo di sua matricula dH (tetante.
De-ae-lhe. '
Oulro de Jalo Jos da Silv Guimarlea, requeren-
do registrar a sua nomeacao de guatda-livros do
commereianle Jos Baplisla da Fonteca Jnior.
Regislre-se.
Oulro de Virgilio de Meneze* Leal, pedindo o re-
gistro de sua nomeacao de caixeiro, da Luiz Anloojo
Siqueira.Deferido.
Ontro de Francisco Antonio Pontaal Jnior, pe-
dindo registrar a sua nomeacao de caixeiro, de Luiz
Antonio Siqueira.Como requer.
Oulro de Francisco de Sooza Teixeira, entregando
a caria da registro da escuna Emilia, por have-la
vendido a Jlo Soares Ferreira, como constara da
copia da escriptora qoe ajunura, alim de er desune-J
rado da responsabilidad* respectiva.Archive-se e
fa;am-se as annotacAes necesiarias para ficar detooe-
rado di responsabilidad*.
Oulro de L. Margarida Rodrigues Ferreira o An-
Queiro*. -Volt* ao Sr. inspeeTor da ihesouraria" djF f"",'" K^"*"'' Pln.l0> ped""' registrar o-seu con-
trato ocial.Com Vitla ao Sr. desembargador fiscal?
Foi tambem com vila ao Sr. de^erabargadur fis-
cal o reqoerimenlo d Braga, Carvalho Silva, r-
ciedade roininercial brasileira, e composta de Jos
Marques Braga, bratileiro. eom 56 annos de idad.
Vicente Alves de Sooza Carvalho, portagaez, com
42 annos de i la le, e Manoel Goncalves da Silva J-
nior, brasileira, com 22 anuos de idade j o primeiro
residente em Liverpool, e os nllimos nesla cidade,
oude eslabeleceram a sua sociedade para eommar-
eio em grossq de tazendas e gneros nacionaea e es-
trangeiroa de conta propria de commi**lo ; pedin-
do. matricalar-se.
E nada mais havendo a tratar, o Sr. presidente
encerr u a seislo.
fazenda para expor o mais que ihe occorrer.
Oito do irrrenor oas onra publicas, ui/.emtu que
a obra do 7- lauco da estrada da Escadi etl no
cato de ser provisoriamente recebi-ia.Bemellido ao
'Sr. inspector da thesouraiia provincial, para que, .
vista do competente certificado, mande pagar a ina.-
porlancia da prestajRo de qoe ae traa.
Dito do director geral'interino da inttraccio po-
blica, apretenlaudo a relarao dos objeetos preciaos
para a aula tJo ltiro da vitla de Iguarass.Volte
ao Sr. director geral da intirucca publica para de-
clarar quanlos alomaos lem presentemente o pro-
fessor de que se traa.
Dilo do inspector da Ihesouraria de faienda, di-
zendo qae o solicitador da fazenda provincial levan-
Ion do deposito publico, para pagamento de sello de
heranja, a quantia de 3133096, a qual quaulia deve
er resuluida por ler sido illegalmenle. Informe o
Sr. inspector da Ihesouraria provincial, s
Dito do juiz de orphlos do termo do Becife, re-
quisilando a soltura do orphlo menor Augusto da
Guimarles, com praja na armada.Informe o
L.. chefe de polica.
Antonio Cesario Moreira. Das, alferes do 3- ba-
lalhito da goarda nacional, requerendo tres mezes
de licenca. Bequeira por intermedio do Sr. com-
itiandanle superior da guarda nacioual deste muni-
cipio.
Julo Pedro dos Santos Sobrinho, pedindo a enlrt-
ga do sea escravn de nome Laiz, ora com pra$a no
10- balalhlo de infamara.Junte o forml de par-
lilhas em que esleja comprehendido o escravo que
Ihe eoube, segundo diz, por heraoca malerna.
Jos Angelo Pereira, guarda naciooal do 1- bala-
lhlo, reqoerendo dispensa do servico, visto achar-se
matriculado no collegio dat arles. Informe o Sr.
commandaole superior da goarda nacional do Be-
cife.
Jlo Alhanasio Botelho, amanuense da alfandega,
requerendo que seja encaminhado ao giverno im-
perial um seu requerimenlo.Informe o Sr. inspec-
tor da Ihesouraria de fazenda, ouvindo o da alfan-
dega.
Lniz Ignacio de Oliveira Jardim, prof'ssor publi-
co de primeiras ledras da povoac,io de Floras, peda
60 dia* da licenca.Informe o Sr. director geral da
inslrucclrrpublica.
Manoel Jernimo Pioheir'o, recrulado. quer ficar
ttn cuslodia para provar a isenco que lem ao recru-
lamenlo. Concedo o prazo de 20 diat pira dentro
delle provar o supplicante a isencio que diz ler.
Offleio do juiz de orphlos, requisilan lo a entrada
no hospital de caridade para a orphla Ignez Ang-
lica da Conceicao.Informe a administrarlo geral
dos estabelecimeolos de caridade.
Dilo do commandante superior da goarda nacio-
nal do Becife, informando, segando Ihe foi ordena-
do em oflieio da presidencia datado de lt> do cor-
rente, com o oflieio do inspector da Ihesouraria da
fazenda, o qual devolve.Volte ao Sr. inspector da
Ihesouraria de fazenda.
26 -
Demetrio de Gosralo Coelho, alferes ajudanle de
orden do quarlel general, requintando viisourat e
espanadores.Bemellido ao Sr. director do arsenal
de guerra para mandar fornecer.
Francisco Botelho de Andrade pede titulo do ter-
reno de marinha na ra Imperial. Informe o Sr.
inspector da ihesouraria de fazenda.
Joaquim Bodrigoes Coelho Kelly, lenenle-coro-
nel commandante do 10- de infantera, reqaisiiando
cadas para presos, de perna e cintura.Bemellido
110 Sr. director do arsenal de guerra para mandar
fornecer.
Josepha Rufina de Castro Carvalho, requerendo
qne seja-aricaminhado ao governo imperial um seu
reqnerimenlo.Informe o Sr. iospeclor da theaou-
raria de fazenda.
Jos Cordeiro da Souza, feitor da obra da casa de
dte lirio, pede augmento da jornal.A*directoria
das obras publicas, usando da facjuldade que Ihe foi
dada para elevar os vencimentos d arios dos feilores,
atlender o sapplicante como for juslo.
Joanoa Baplisla Nevea de Seixas, pede a entrega
de oulro lilho existente no arsenal de marinha de
nome Francisco de Paula.Informe o Sr. inspector
do arsenal de mariiiha.
Mara dos Aojos daa Mercs, pede que seja posto
em hbardade teu lilho recrulado para a marinha, de
nome Manoel do Nascimento Paea. Informe oSr.
chefe de polica.
Mara Joaquina dos Santos, requerendo a entrega
de teu lilho recrula de manada de nome Joao Nepo-
moceno Valim Janioi Informa o Sr. iuspeclor do
arsenal de marrada ua parle que Ihe diz respeito.
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanza, eirargio
mr do-exercito, requisitaodo seringa de metal.
l'ornera-se.
O mesmo, reqoisitaodo carrete' para lampeOe
l'ornera-se-
O mesmo, requisitando cadeiras de palhinha.
Forneca-se.
Sancha Maria da Coneeicao, viova de Jlo Oli-
veira Guiuiaraes, requer que o titulo do terreno de
marinha oa rui da florentina que se mandn pas-
sar ao ten finado mando seja considerado em nome
da supplicante.luforme o Sr. inspector da Ihesou-
raria de fazenda.
Sebaslilo Jos de Carvalho, pede qae seja consi-
derado em custodia pata provar sealo do recroia-
mento, teu lilho recrulado Leoncio Amaucio, Ma-
noel do* Santos, e Francisco Jos Ignacio.Conce-
do o prazo de viole din, qae deverio ter contado*
de boje.
SSSSAO JUDICIARIA EM 28 DE MAIO DE 1857.
Presidencia do Exm. Sr. desembargador ,
Souza.
Ao meio-dia,achando-te presentes osSrs.desembar-
gadores Villares eGiliranae os Senhore depuladoe
Reg, Basto p l.emos, e supplenle Bamos e Silva, o
Sr. presidente abri a sesslo, o lida a acta da ulti-
ma, he approvada.
Julgamentos.
Apresenlada pelo Sr. desembargador Gilirana,
para julgamento, a appellaco desla cidade, entre
paites:
Appellante, Luiz Jote de Brito ;
Appellado, Jote Das da Silva.
Marcado o dia de boje, e sorteados 01 Srs. deputa-
do- Hago o Pinto de Lemos.
Foi confirmada a senleuca appellada.
O Sr. presidente negou provimento ao aggravo do
juizo especial em que sao :
Agsravante, Joaquim da Silva Mouflo ;
Aggravado, Jos Das da Silva.
Nada mais havendo a tralar, o Sr. presidente le-
vantnu a lealo a 1 hora da larde.
PERiAiaaco.
ASSEMBLEA LEGISLATIVA PBOVINC1AL DE
l'EKN A MUICO.
Senao ordinaria aaa 23 da malo da 1857
Presidencia do Sr. Jos Pedro da Silea.
. Ai II horas e 1|2 da manhla verifica- haver ca-
ta, e abarla a letsle, he lida e approvada a acta da
anterior.
0 Sr. 1 Secretario da conta do segaiala
EXPEDIENTE.
Um oflieio do secretario do governo, remetiendo
ai inlormsces pedidas por esla tiemble*, sobre o
projecto o. 50. A' quem fez a rdaTaiftclo.
Outre do raesrao Sr., remettendo o reeulamento
confeccionado do cemiterio publico da povoagSe da
Nossa Senhora.do O'de Ipojoca, jit approvido na
parle religiosa pelo Exm. Sr. bispo diocesano.A'
eom minio de negocios eclesisticos.
Urna peticlo de Bento Jota P res, arremata
quinto lauro da ramificado da estrada do sol,
dindoa eoncesslo de urna prorogacao para concluir
a obra, e a dispensa da mulla em que lem incurrido.
A' commissao de obras publicas.
Francisco Ferreira de Cirvalho, araemalaote do
1'2. Janeo da estrada do sal, pade orna proroga;lo
para poder fiualisar a obra, atsim como a dispensa
da multa.A romini-sio de obras publicas.
A commiiso de legtslsclo oflereceu o teguinte
projecto, qua lido, fui jnlgado objeclo de delibera-
do e mandado imprimir :
ir A coramisslo de legislarlo, a quem foi prsen-
le o reqoerimenlo de M noel Joaquim Ferreira Ei-
levis, 00 qoal reclama a revogaclo do art. 76 do re-
gulamento do 3 de agoslo de 1852, eutende que nao
de da aaa especialidade a soluclo desla quesillo, e
que lalvez 1 commisslo de ornamento provincial
compele mais esseocialmente dar parecer respeito:
entretanto, para nlo offerecer urna declinatoria, e
com o fim de, na ditcusslo regular, apreciar-se da-
m lamente a justar;! e nlilidade di revogado pedida,
otferece a segrale resoluclo :
> A assemblea legislativa provincial de Pernam-
boco decreta :
Arf. 1. Ficarevogado o arl.'76 do regulamento
de 3 de agosto de 1852.
Art. 2. As arreraalajqe de que Irata o refe-
rido artigo, serlo l'eilas d'ora em dianle da mesma
maneira porque se fazera as arremalacOes jadi-
ciaes. ak
1 Kevogadas a disposi^oet em conlrarTo.
t Sala das rommissOes 23 de maio de 1857.An-
tonio Epaminondas de Mello. Dr. Paula Bap-
lisla. a
O Sr. A. Cavalcanti (pela ordem) pede, que tija
nomeado not merab/o para a commisslo de pelicOet,
afim de inbstituir o Sr. Floreneiu.
O Sr. Presidente noroea ao Sr. Manoel de Bar-
ros.
O Sr. I. d Barros peU ordem) diz, qae na an-
sio de 18 do correnle. publicada no jornal de troje,
em occasilo que falliva o Sr. O iveira, vem um
aparte cora o seu nome, de qae nlo h* autor, apar-
te, que be o seguale : aE na parte qua diz raaaaito ao collegio dos orphlos,
mat acarea do? eslaeeteeiraentos de caridade, o pa-
trimonio he multo diverso.
O honrado ra-rabro diz, estar persuadido de que
este aparte foi dado pelo Sr. Theodoro da Silva,
sendo qoe elle orador nlo pronunciou, porque al
essa occasilo eslava persuadido, de qae a assemblea
provincial pddia ligiilar sobre lies beat, como te
T de Na diicorso.
O Sr. Olii-eira (p*la Ordem) : Ea rea qa* o
uobre deputado, que acabon de faltar, est equivo-
cado.
OSr. I. de Barros : O Sr. Thedoro acaba aaan-
mo de dlzer, qoe o aparte fot dado por alie.
O Sr. Oliveira : Ee aetava persuadido, que ti-
nha tido etse aparta do nohre deputido, e oa mea
discurso vea) com osea neme, pareceu-me ta-lo oa-
vido da baaea do onbre deputado.
Agora, j que leudo a palavra, au recommendo ao
Sr. lachygrapbo, qoe tanda toda a a llanca* no apa-
nhamenlo doa di*eursos da casa, porqaa as veza* a
mudaos* de urna palavra, tramtoroi inleiramaate o
sentido.
OSr. P. Bap&sta : E para qae vio oa diar-
los a' mSo dos depotados ?
O Sr. liceira : Ea disse na casa, qua ndo te
tratara do objeclo, qae at attamblas provincias,
nao podiam legislar tobre osben* das corporacCea de
ralo morta, eotrefanlo que 00 discurso van* dte,
qoe aa astembla* nlo erara competentes para le-
gislar tobre as corporafSet.
Ora, bem v o nobre depalado, qoa Uto tranitor-
na completamente o sentido, sendo qa*, o qae eu
diwe, foi inteirament diverso : as astemblas po-
dem legislar obre aa corporacOet, mas alo pedem
dar destino seos bent. (*)
OBDEM DO DIA.
Contrauscao da segunda diseaulo do projecl* n.
49, qae manda pagar pela Ihesouraria provincial o
ordenado do professor do collegio dos orphlos.
O Sr. Manoel Cavalcanti dir qae, com qaanlo a
primeira vista nlo mnsire o projecto cooler am sita-
do qoanto tero de prejudicial, perigoso e itemoriti-
dor da soeiedade, todava elle contera todas esta* in-
conveniencia!, qoe se extorcar por provar, e qae
devem aearretar a sua rejeicfio in imine, a combate
m primeiro lagar a doolrioa olttmanaaale egotda,
de te envolverem material beterogeneae m am ar-
tigo para facilitar, a discostfo.
O Sr. I. de Barros : Ho qoe a* iasi fe pren-
dem de tal maneira, que te nlo podem chamar he-
terogneas.
Ooradordiz, qoe comqnarito assim pintea, toda-
va a bate orimeira do projecto te pode deilacar eom-
plelaroaalsT'della, qae pode o proj-clo aer approvado
em a primeira bsse, pelo menos era primeira diaeos-
tSo, eque em aegooda tenrtaaar o poder-t* madifi-
car qoalquer idea, mas que abate primaira nlo pode
de maneira neahuma ser afpavaa pala atsamblea.
e qae esla base deve aearretar rejeisao de lodn as
o utrat.
O orador depois deier o projeclo dia : Senhore*,
ea vejo suspensa sobre a popalasllo agrcola da pro-
vincia orna nova espada de Damoeles lados devem
alerrorlsar-te, porque o governo Rea, aotori**de a
contratar sobra as base* atencinadss n* projecto, e
quem poder jolgar-se tranqnillo eatindo o governo
armado com nma auloritajeio delta*'.? ,
O governo pode aprataolar-te id casa de qoilquer
particular e dizer-lhi: a olilidid publici reclama a
sua propriedade, leuda a bondad* de tahir *e retii-
lir, eo melterei louvados, e Mi o Dtgoeio concluido.
O orador enumera os perigat da orna semelhante
autorisacao, a deaconventencia de lie idea contra
ama das principies bases consUtpe onaes, coatra am
do preceilos do paci ruodaatHal da estado, qoan-
do garante o dirio ? propriedade com teda a ana
pleuitude, idmittindo apena* desapropriaeso em
casos epeciaes, e s quaodo a utilidade publica o re-
dima.
Mat, diz o orador,o qae de utilidade publica '.' Po-
der-se-da classificar como utilidade publica a de om
individuo, os inlereiie de om pirticolar
O Sr. B. de Lacerda : O aobre depalado per
ahi nlo vai bem.
O orador diz qae vai muitf bem, porque nltade
que eiisle ama bate para se condecer qaando *So
os casos da^ utilidade publica 'qae pode autorisar a
-*-~Popriseao, ha.,,, q. ,ctj, menini..la a lo.,
e qne a nlo querer-ne eollocar a assemblea cima
dessa lei, em nendnm oulro caso se pode dar a des-
apropriacl 1.
(' B de Lacerda : Nlo pode revogar a lei i-
. orador, para ;comprovar| aaa aatercaa, luz o
simzlime segoiole : te a asaambla pade, a vitta da
lei nomear um empregado para om emprego pravin-
biz qua ninguem dar semelojete direiju a ataem-
ole, os obstante aer esta om* le suas allrboieOes,
e que no mesmo cato se acha a lei daa desapropna-
ces, que a assemblea nlo pode dtzer qoe asta 00
aquella he de utilidade publica, quando ja exisl* urna
le designando ot caso* em que se d la utilidade ;
qoe a pastar o projeclo, niaguem|m*is se jolgar se-
guro em sua propriedade, porque d* um para oulro
momelo peder o govtroo dizer : he de utilida-
de publica desapropriar tal propriedade.
O Sr. B. de Lacerda : Ea me opponho ao pro-
jeclo, mat Ihe affjrm* que alo ha euttn nenhum.
O orador, respondendo ao aparte, diz, que quem
liver sua propriedade n'um centre am poaco cobi-
cado, n,lo poder deixar d* lar receio deqaelh'a
vio desapropriar, sendo qae elle su minifest* inlei-
raraenle contra toda e qoalquer excep^io que 1*
queira fazer na lei exilente, sobre desapropriase.
Enleode que, forados caso*designadooa lei, nlo
pode ler logar desapropriaflo alguna, ron que o
projeclo olo faz mais do que espaldar o susto sobre
a populado, tuteado nem e quer aos menos not
principio* larabem perigoso* hi ponco emittldos na
cata, em virtud e dos quaes se lira a propriedade da
ralo de uns para a de oulro* mais oecessilados ; mas
que he lio smenle para Mr. di Lahaotiere poder
desapropriar o terreno qoa for de tea gusto, poden-
do mesmo esse eslrangeiro por om capricho contra
algura proprietario, rhand-lo sabir de 10a proprie-
dade ; e ludo islo para qae 1 diz o orador, para a
e-labeleciraenlo de nm eogeobo central.
E, pegunta o orador, um eslabelecimenlo destea
olo se podera crear sem a desapropriarao ?
O Sr. B. Brrelo :Apoiado, e sem privilegio.
O orador eutende que difliculdade nrohma ha na
criaclo de eslabelecimenlos desta ordem, indepen-
denle de desapropriarao, porque.existe em grande
abundancia terrenos para vender e que o Sr. de
Ledaatiere achara tem duvida nenhoma, attim
queira'comprar lodosos terreos de que liver neeet-
stdade em qoalquer dot centros agrcolas qoe deso-
jar, e qae tuppoodo mesmo que elle nlo queira
comprar, ha de tem duvida achar quera Ihe arrea-
de oa afore por 20 ou 25 anuos sem menor difli-
culdade.
O orador tem receio de.que Dio o btante diaer-ste
que o terrena qae se pretende desapropriar ha ape-
nas o- necessano para a cootlrucflo da edificios, da-
do o caso de nlo naves accordo entre o proprietario
do enganho central e os propietarios circumvizioho*
nlo se Irata'de estender a desapropriaclo ate o pon-
to que se julgar conveniente, visto que a lei nlo
pOe limite nendam.
Diz, qae a* nloeslivesse convencido de que as
malditas doalrioas socialistas linham calado no es-
pirito de algalia, |nlo poderia dar explcac.des ao
projeclo que te discute.
Nlo obstante todo os elogios, lodas as decantadas
vantagans dt asiabeieciraeniu de que trata o projac-
lo, diz a honrado membre que o uileresse publico
remtante de semelhante ettabeleiimenlo, he, qaan-
lo a elle, problemtico, olo paita de ama experien-
cia, experiencia que a* quer fundar em bases socia-
lista.
O orador est em duvida se ter de mais conve-
niencia qae o fabrico do tssucar aeja feito actual-
mente com maior perfeicao. sendo necessario em-
pregar para islo meios mallo dispendioso, de qae
obte-lo de qaalidade mais inferior, porem com me-
os dispendio, com meuos forja. He sua opiniio,
que os ou 50 por eento que lem de te empregir
par* oblar am producto melbor, devem ole* ao
plicar ao aogmenlo da prodcelo mesmo pelos meios
actnaes ao aprovelamento dat Ierra hoje incultas.
O Sr. B. Licerda :Urna coma nao repelle a
onda.
O orador discorde da opioilo enunciada no apar-
te precedente, porque a seuvar a forja agrcolas
da provincia o muitissim Dentadas.
O Sr. f. Lacerda :Ai machiuas aperfeiroada
pon para muitot braco.
O orador diz, qae os meios de qae a agricultura
dispoe alo os capitaei estaos bracos, que os eapi-
tae e brajas sao puuco, hvendo to tmente em
abundancia terreno para explorar ; por i**o dine,
qoe esta persuadido, qae mata vaotagem havar em
aproveilar etset terreno* para obter urna maior pro-
dcelo do que em despender grotsas qamlias eom o
melhoramenlo do fabrico, *
Nlo conlesta absolutamente a vaotagem daa fa-
bricas cenlraes, porem a seu ver etsas vantagans si
problemticas, porqaa exploraudo-sa como ha poaco
disse, os terreos hoje nlo aprovaitados, a agricultor
tirar sem duvida matores vanlagens, tirara' mais
lucro*, que lie justamente o qae convem, e qoe por
sso cora qaanlo olo deiapprove qualquer experien-
cia que se pretenda fazer, se oppde todava a ella
empregamlo-se os meios indicados no projeclo.
/

MUTILADO
;*) S. S. queiiou-se-uos de que o eo discurso
taliira iocado d* erros (ypographieoa, qa* ravisao
do (iDianoB era ama miseria : ter reapootavel por
lito o taedygrapdo ? Nlo corrigio o oabra. depalado
o na discono"! Respond o honrado depalado.
0 tacbvgnpho.
<


DIARIO DE PERNAMBCO SEXTA fEIRA 29 DE MAIO DE 1859,
O orador eonelue dizendo que aguarda ae expll-
i do honrado diputado membro da commitsao
* relator do projeclo, para da doto podar entrar na
quesl.io.
O Sr. liptmwondat de Mctto diz, que o honrado
orador que o precedeu,' tralou lo bam da malaria,
aprcstoiou razoas tao valiosas ero favor delie, que o
di-penan ua acrecentar maii alguma cousa. Expli-
ca novameale o que se dou a reipeo da quet>(3o
verteute, e conrlue votando pelo projeclo.
O Sr. B. Barrito :Sr. pretdenu, u nao lo-
maria a palavra nesta discussao, o honrado mem-
bro qui defd*n o projeclo em primeiro lugar, nao
ne (ivi'tee aoeoorrido a ama argumentado, que (en-
de a laucar o odioso tobre aqaelles que nao votaren)
de acord eom a ana npiniao.
o Sr. Francisco Judo :En posso lanzar o Odio-
si ubre.* opinioea, niaac lenho lodo o direilo.
O Sr. B. Barrito :Mat dizanto o nobra depu-
t do que aqaelles que impugnara o projeclo, nSo ce-
deui a se senliroenlu religioso, a estaf tentirnenlo
.-..riutito, qoe deve ceracleriaar a lodo a homaro de
corojo bera formado, .leste* que o nobre dapolado
>a esta argumenla'cau-lanca iberiamente orna
;au odioia sobra atfaelles qae argumeulam
conlr, a ioi opioiao. .
O. Sr Francisco Joco Esluu oo rata direilo,
O Sr. f!. B.treto :-He um roo direilo.
Sr. presidente,' o pr.ijecto que te discute, 00 asta
curtir., edn lidoaiaJeg.laflPexisleole, oo nao esl. ;
i 'otnpretietitaMo na legiilaco, he intil, to-
la, nao po Je produzr o* eltoitoi qae os nobre*
ilP|.ul.nl,i. queirin Que elle preduz*.
O :r. FriMcitco JZj :Eu diise, qae en urna
seqoencl*.
O Sr. B Brrelo .Nao he seqneocia, he mero
retulta'o, da que ji fui volado.
O Sr. Fi anciico foin : Demonstre.
O Si. H. lUrrelD :Demonstro mnilo facilmen-
e. O que a rasa- lem establecido pala legislacao,
.i eusto, n que ctisle, por outrj, na Iti qae aqui
i ..... ".' pastad-., lt que para aer prvida a
cadena ,1 nfitriemis Ir-tlrae do collegio ajae orphos,
ni mesruoa Iramilat, exigir-te as
t, que se eiigten para o profes-
ares Iteltnalrtir'i | P i iitn" ./ ,i:Peca a lei, e leia.
O sr. B. Virrtli :Eu-aqa qae est oa lei.
(Leu.) ...
Esia Ifi n a* m-,id* tic?, que se exigen as mes-
H,6es ,>r u pruvimento da cadeira do
i de cip'i.i
uin aparte.)*
O S'. /. de Birr is:E arprjii veja o nobre do-
Hu le Selemu mdo, qae a cadeira do
- j;. t>iuvida cerno devera aer a
lea .i.i segundo grao, dispondo
jji e'p.'iado oa orphSos, como
o ib e .lanla ;** is quan 'o avanfou, qae ni
' de lud. u pa-*o que nlo queremos
coirtr i.f-iliMi, n i-ipluiidade publica ; islo
>ro pista ,) .i, rltn.actu.
O Sr. Si-, i id* aro aparte.
O !}<: II. tj/rrel :i^ ifni fji, qu* nos chamoa
p ira t*( i q' re jiivamoa de ludo, deinsIraccSo
, t 'iisi.iHH infelizes e desvalidos ?
pt-iva n eoiiirajio do que o nobre
; arque exige, qK o p/ofesaor do
-' !* rp is mesimat habilila^Oes,
uuec*.(r>fii pta (n priif*--ores dos reos dos pobres:
iU m nw o ilutar* I puiado dase, fot urna cuas-
; Im ii.i, i- ii.iiln mai', e fem apnllcacao para o catjL
O Sr. /'. ,i.\_\Vv Jv'n : UbrigaJo,' muilissimo
biigaJo.
O .Sr. B. B.irrtlo:S'. pre ij lia pono que o prujecto, se eslava compreheo-
alalo na li, era uini iauliNaVaale, e acrescenlo inais,
^ae eil* nau litjfere a petic.li dosupplieanle, como
i ;>eo> demenalrisu u auiiire Sr. prtiro secre-
!jiiu inUsmn.qond* ia,.asiiu projeclo. Reque-
ren o prof's^ur, qje ae Mu mandaste pagar palos
cofre' ai cnesoaaaita urunucial, oa qae te declaras-
te. qil ui)'< cafres de.i pacar os seas ordenados.
Q ,-e far. u pr-'jeclo ? O ptoiiclo dit, qne o profesaor
i'*0 I"'0' afra* da Iheeouraria provincial,
maa a petic.1o do suppuciiita^eat deferida por esta
feraan ?.(jtio qae uto, porqae o projeclo o qae dia-
coej lie que u'ora avaiitr.u professor dos orphSoa
eja pago pela lliesoorarfn provincial e nSo pelo co-
fre dos urpaos ; de m-meira qoe os ordenados atra-
zedos' do peticionario podem ser pagos por om
c i edite esped I veta topeta astembla.
O ir. francisco Joo :a nem enlrei neasa
qaeatJo.
O Sr. B. Brrelo :Pais fia he, qae he a qaes-
tSo. Logo, o projeclo nio deferindo a preleu^ao,
na ses>o da aa>uo uluro haWecooa de ver am re-
querimento aqai pattasilo, qae te marque qnola pa-
ra pagamento deJfH alrazados, porqoe a lei como
esl redigida, nao abriga ao pagamento dos ordena-
do* pastados. *
Por cons-quencia, nao estando o projeclo com-
nrehendido na lei lisenle, nio aprsenla a conve-
niencia qsa o nobre depotado Ihe qar dar.
O nobre deputado para justificar anda o dever
que tullamos de corar do* orphSos, o qoe aliis nm-
goem puz em duvida, apoiou-se no peosaraeoto de
um graude liomem, qoe ditte, qae a a cruz e a es-
puria 9 erara ,as daas columnas, qae suslntavam a
soeedade. _
O Sr. Francitco Joao d om aparte.
O Sr. B. Brrelo:Ea disse em aparte, qae iilo
era mesmo o pensamOnlo de ara hespauuot, e acre*-
.uora.que a patria delles est no eela'do em
que es'.a, por s terem-se entregado a cruz e a es-
pada o ; te tivetaem cuidado mait de toa educaba
'.ndaslrial, dos seos melhoramealos interooi, lalvez
i2o tivcstein aofirido como tam.
Volu costra o Orojeeto.
O Sr. Francisco Joao :--(Nlo resiiluio o sea dis-
curso.)
A iti*cus*3o Oca adi.da pela hora.
L'unda discussSo do orc,au*e,nlo maojcipaL
" Arl.' 1. A despezn das eamaras,raunicipaes da
p'dviiicia para o anno financeiro, gue lem de decor-
I. de oulubro de 1857*9 Sr) de telembro di
1SJS, iie filada em rs. 115*5-2)033.
u Arl. 2. A cmara municipal da eidade do Rc-
sife iia auturi.a la a'despender cora oa objectos de-
n n piragraphos segoitttat a qaanlia de rs.
71:890i37..
I. Com a erretaria, aendo
jjecrelarto 1:100$; come olH-
ciai-inan).- SOJj: coui qualroania-
iu r.;e<, i WU^cada um. a servin-
un-. dalles 2:400j ; com o correio e servente
da casi 400.......,
a 2. Cviii a caotadoria, sendo
eem u k-rocuiador jaJprceiUacem de
por crnln em tt?Ss a< renda* da
eatnara, ciculaja de nolo. qne n3o
1 "f a l:"AiOj!. e nem exceda
* i- me uiais 3009 de
: >, 'Ja : e com o con-
tad'.'r 7IW-,.........
i. C ," o enipresadna exler-
ri'- irn o ailvma 1o 400J ;
. J Jj'icit^il i 3jOJ> ; com o of-
lOtica lilj ; mu oa tret
5 iM llej-ife, San-
A ileatio, fv .i.-,. ^:lt;03. lando
350i ""i lenadoe
Ti illa de kiai'lira^iln, qae
pelo >.jpplen-
:.t:r ,ii eiuseus im-
ila lli.i Vista
'e ori,:i-i-io e
WK *" i er ppi.-.fn.j., i,|j -ci,,..,(eji-
1* ;.ii.n ,:.. I'.ife-.e Afug*ju>90gt),
lo c.,,1, mi. 450* ; eom os ye S.
'"'' V'.ize e Ma-
nbeca iCU, a 1003 ci la uoi ; com
f,r .-5 ; cum o
en': ''* t.ir 1:00119 ; < com
inula-
ii luuarea le r*p*adores,
* qoaaii.1 rl< 'ij;.;, perc^bendo
-' t-i i'i aniiu.lmeul- ->ibt .
u 4. f>m o fem'lerio publieo,
rciidjc.a; otdmivlKtradu* 1:8009;
rom n cano lo <)0i) CUtT|
lao 5V$; c-rn o pvrteiro
>ut guardas 1:10JJ. t 5)0 'm o,aJn.ii 36!.jj ; rom
quiiize tr3b:il!,,lurui 3:6lHl? ; com a
coiislruec* i 'c ceaniterms { a da ci-
d/ida da Keife. porem ileulru dn m'u-
uieipio 2:0)0$ : a cc.n eienlaae
400 _........ 7afl
cain 1*5305; eom o expedienta e
iinpr.6cs OOj); com n pa-menlo
de costar, de proeette* criininaet e
de fantravencoei de pi'alura* 3:000
'"/v ,ib'",i!1 Co J"ry eleicoe*.
2:0009 ; om azeile o, agua para as
prtsoe* 500* ; cam litppea e con-
efvacio do caljirrjprit-da. ruis
6:000 I ct o roocerlo de nre-
dio* perlen-enies a oiuniupalHede
3:039} ; com os i.egociu foreusas
.)0lS ; com desapn'priacoes 4*000 ;
o f.im tjetpeza* eveiila>e* 1:5009
jj 6. Com a continuai;,, da obra
do iiialaileoro. ..'...,,
" 7. Com a contlruco da uto
mercado publico. '
a 8. Com a obra de dezesei* lor-
ree* commans, os q aa es atrito ti-
toados na onformidada das pottu-
rat monicipaet 15:2fJ9 ....
4.-7009000
2:80d9O00
matadooro poblico deve ler oulra applicacao ; por-, elle concerlado. e da' esperancas de urna longa vid
que como consta lem deter remolido aquello edifi- em delrimento do alinh.ment da dita ra.
sH

8:8209000
'ca,n
10:0109000
21:400*000
8:940 J37
2:0009000
15:2209000
co para oalro lugar, e lando a cmara municipal de
ser iinlemnisida pela companlua da estrada de ferro,
pode Inballiar no nuvoediiTcio lodo o prximo auno,
am parar a obra. Pinalmenle ola qae lendo a
cmara municipal do Kecife designado a verba de
6:000^. (e como disse em sea reliiorio ser intnfQci-
ente) para o mercado publico que (em de fazer ; a
commissao restringi essa verba a daos contot Eo-
lepde, por tanto, que haveodo neeetsidade dessa o-
bra qoe a commissao olodaviater diminuido a som-
ma, e aa alo ha neceaaidade, eniao nada marcasse.
Concluiodo espera que a illualre commis.ao Ihe d
ot etelareclmenlot devidos para poder votar.
Vio a mesa e apoiara-ta as segaiutes emendas:
Com o poneiro do cemilerio era logtr de 3508000
diga te 400|000.-Rego Btrrot. ^^
Ao g 5. ail. 3.
Cora desapropriaroei, tendo preferencia a dasa-
propnacio da cata terrea da esquina do Mondego,
qoe entra pa'a a roa da Trempe, 4:0009000.Bar-
roa de LacerdaNateimenlo Portella.Theodaro
da Silva. H
O Sr. Theoioro da Silca : Sr. presidente, vou
satisfazer o pedido do nobre deputado que se asten-
ia em freute a niun. O nobre depotado leudo exa-
minado o orcimeuio municipal, aehou que nelle nao
havia rnuita proporcao entre os divenot ordenadoai
Boaempregados das diCTeientea mnnicipalidades da
proviucit. A commissao na,o devia guardar easa pro-
PO'Sjp, porqae em seot Irabalhot, Dt coiifec;au do
projaclo, nao podia ler oulra base que a* propattat
dat cmaras: aaiim v o nobre deputado que, sen-
do muitas as cmaras, diversas as circumttancias de
cada municipio, e nao tendo Indas ello um pensa-,
ment commum, at snas propostas parciaet de orde-
nados nao podiam ser uniformes e nem corresponder
urnas aa nutras. A explicado, portalo, quo te po-
de dar; a desproporcao que o nobre depurado enxer-
sou, he eala. Me parece qne he bastante plaosivel, e
qae neste ponto nao pode a commissao ser censurada,
boloo mais o nobre deput ido que a commissao nao
havia altendido os pedidos de algamat camarat para
anmenlo de ordenadot.
O nobre deputado tero toda a razio. A commissao
vio qoe algumas cmaras da provincia pediara aug-
mento de ordenados para seos empreados ; mas en-
tendeu qae nao devia aagmenla-los; e com isto nao
fez mais que.seguir o exemplo qae dea nos anuos
passados. Adoptar, portanlocomo regracie conduela,
n3o augmentar ordenado a|xom.
Senheret, he urna verdade que aa cmaras rnuni-
eipaet vivero em completo deteixo, attettando ape-
nas su a existencia, porque despenden) soas rendas
eem o Ipagamento de ordenados. He om aboso ;
e ja' que nao podamos extiugui-lo, u3o quitemos
aogmenta-la.
.^" aiaz' porqoe a commissao de orcarcento mu-
nicipal, nao acceden a proposta de algumas cama-
ras para angraanta de ordenadot.
U nobre deputado anida achou motivo para fazer
observaeftes a respeito do procedimeoto da commis-
sao, em eooseqaencia de algumas verbas corapre-
hendidae no 8 do artigo qoe te diacote.
O nobre deputado chamoa a alinelo da casa so-
bre a cifra dot ordenados do lacrittao e do perteiro
do cemilerio publico, notando que a proposla da
enmara a respailo era minio maior. Se o nobre de-
putado livesae allendido qae iofelizmenle a imprea-
So de noatos trabalhns resenle-se muitas vetes de
errostypographicoa, havia lalvez d ser menos pre-
cipitado.... nao digo bera.... lalvez nao liouvesse
reito a censara que fez a commifsao. Nao he im-
proviso mea ; ah esta' o projeclo que Uve a honra
de olerecer e qae por urna Malidade nao foi ainda
discalido (e creio que o nao ser, apezar dos meu
desejoa o qual foi) por lal forma impresso, que qua-
ai reformei-o inleiramente com a minha propria le-
tra para corrigir os errot Ivpographicot de que esla-
va recbeado. He o projeclo n. 34. Portauto, aa e
nobre deputado tivesse refleclido tobre esta falla,
qoe infelizmente aa da aa impre<-ao des nossos tra-
ba I h os, lalvez iives.fi descoberlo o motivo de ser to
diminuta a verba de qoe fallou ; porque de fado o
ordenado proposto pela commissao para o porleiro
e gacrtaiao do cemilerio he o mearao qoe ellos ieem
actualmeate; he de 3009 para aquella e de 5509
por esle. Tanto assiin he, que se o nobre deputado
te der ao trabalbo de seminar as diversas verbas es-
peciaos eontrdas no 8 do artigo quo se discute, ve-
ra' qae toda* ellas prefazern' a qoantia de 11:0109,
somma qae te l a raargem desse ,, vtndo o aaerii-
13o a' ler ose 509. mas 300& e o porleiro em vez de
509 a quaotia de 5509*' Ha ama emenda apretenla-
da pelo Sr. Barros de Lacerda, membro da commis-
sao : elle a justificara'.
O Sr. Reg Barros pede qoe a casa conainta que
elle retire a sua emenda que a hponeo otTereceo.
A cata he consultada e cnsenle no pedido do
honrado membro.
Foi reme'ttido a mesa a seguinte emenda que Tai
apoiada. ,
O ordenado da secretario aera de 1:2005008.S.
R.Epaminoodas de Mello.
O Sr. P. Baplisla discorre tobre o 6 do art. 2
do projeclo do orcaraento municipal.
Principia palenleand a magoa, que tente com ler
visto realisadat mas provisdes, quando em 1850, de-
fendendo a r-roposta de om particular acompaohada
de urna magnifica planta para a ron,truc-rao de om
roaladouao publico, sendo vencido, disse", qae o re-
sultado seria ficar a municipalidad* aem urna obra
asas incestara cara a aaade publica
Diz qae lera repellido, e ha de continuar a repel-
Hr a opiniao de algont, qae estorvara a accSo ben-
fica dos particulares as emprezas de inleretse pu-
blico smeote pela razao de que elle* van finar ricos.
Esle modo de ver as cousas (diz o orador) he curio,
e indica alrazamenlo. O destino dot capitaes nao he
viverem inertes, e nemae perderem em emprezas in-
fructuosas : alies se engrandecen) pelo espirito de
bem combinadas espeealacOee : pensar o contrario he
erro, qne se nao justifica.
Passando depois a considerar a obra do maladou-
ro, qoe se esta'. Tazando, deplora o orador a grande
somma de dinheiro perdida. Tentou-se fazer nm
matadooro oaa Cinco Ponas, fiztram-se alerros e es-
tacadas,qae o mar levoo. Conheceu-se a iacapacidade
da localidade, e se foi construir a obra na Cabanga,
e ahi eala' ella tSo mal feita, qae nao pode sobtitlir.
Os canos de tsgoto sao estreitos por demais: oS'j d
athida ao tangoe das rezes, qae sao moras, e torna-
se om foco lerrivel de infeccCes ; de modo que he de
imperiosa neeetsidade, desmancha-los.
. Entretanto o dinheiro ae gasta, e o poblico soffre.
Tudo isto, (continua o orador) he verdade ; poli
qoe em duvida nao avanga proposites desla ordem.
Termina nadindo a commissao de ornamento daa
cmaras que o informe, se he isto possivel : 1, em
quanto foi oreada a obra do matadooro : 2" quanlo
ja ae tem nella Consumroido : 3o o qae pietende a
commissao com a pequea qoantia de 8:0009 rs. para
continuarlo de ama grande obra como esta.
O Sr. G. Guimaroe! : Sr. presidente, fa'rei al-
gumas observares acerca do art. 2 do orcamenlo
municipal em discassao, porque algamat das verbas
nelle consignadas nao estao moito de accordo com o
meu modo de pensar. Vejo primeiro qoe no 5 da-
se a consignacao para desapropriacoea de 4:0009, en-
tretanto qae julgo maita diminuta esta qaanlia, leu-
do de tratar se de desapropiares de algom valor,
necessariat para o aformoseamento desta eidade : por
consequencia eu lerei de mandar ama emenda para
que aeja aogmentada esta qaanlia.
Vemos, Sr. presidente, qoe algnns edificios ha
tiesta eidade que estao determinados em ana planta
para-seren demolidos, entretanto que dando-se a di-
miunla qaanlia de 4:0009 para as desaoropriacoes,
Bera' impastibilitaJa da realisar esse be-
neficio, exigido pela planta da eidade. Tratando so-
i detapropriacOes, o3o devo dalxar de notar nina
aldades que eu julgo da imporlancia, e he
* deeaproprianao de tuna cata que haoa sabida da
Irempe para o Mondejo; be am dos lugares estos
lira quasi todo o conimercio do centro da
ahem ahi duaa Iradas de dentro da Ci-
ro pequeo tepaco B carros, e das cargas qne vera do centro e
saliem da eidade. Por aonseguinte he orna uecesei-
dademaito palpitante que lemos nessa iesapropria-
1*0,6 declaro desle ja', que voto pela emenda do
Sr. Barros de Lacerda tobre essa desapropriac,ao.
Dma oatra casa que eo julgo de muilt necessidade
ta desapropriacao, he na roa da ConceicSo, a casa
. 2. qae aupponho esta' na plar.la da eidade para
ease flm, para formar urna ra, que alravessa do so-
brado qoetesado para a roa do Destino, e he de ama
pan-'e ulilidade a sua desaproprisco, e dos terre-
an* que vao ttfr a esta ra, nao sO pela coromodidade
it moradores, qoe lem de e iuo, nomo p.ra ficilitar a conslruccao deedifi-
i quiniaes da ra di Pires e do Hospicio;
f^alilda para a prac da Boa-Vista : por
ossaeqiencia m?ndarei ama emenda, autoritando a
cmara a Iralar desta desapropriacao.
Nolo, Sr. presidente, qpe a cmara nao lenha a
RlMa precisa, oa porque nSo he alten ti la pelas au-
toridades, a quem incumbe dar elTtetivn enmprimen-
(o as saas posluras, oa teja pelo que frtr, alguns edi
fiaos nesta cidada se acham em eslado de desmoro-
namenlo, enlrelauto que sobre iito se nao toma pro-
videncia nenhoma : por exemplo a casa qaeimada do
aterro da Boa-Vista, por assim dizar.esla' arruinada,
lrelatilo qoe nao sei que imporlaucia ae da' a al-
gaaro, que nao lem sido possivel deilar-se nbaizo as
rainas desra casa, o que eu julgava de muita necessi-
dade, nToe pelo risco que corre de de-moronar-se
em occistlaque passe alguem. como para facilitar o
transito daf ra do Camarao, que vem da ra For-
mosa para o caes do Capibaribe ; contenle-se que sob
6 o qoe pode ser de consequencias funestas, e por i-t
he de toda a cnnvenieocia a demolijao desta casa.
Tambera tiajmaila necessidade de demolir-se a caa
a Ira i
Um Sr. Deputado :A cmara oao lera colpa,
qoe rosse concertada pelo interior.
O Sr. G. GaimarUes :>3o digo qOe s-ja a c-
mara, mas o nobre depulado parec*-me que he les-
lemanha de urna taan que se etia' concertando no
Um da ra das Trincheiras, urna casa toda fora do
alinhamento, muilo baita, qat lalvez nao lenha 20
palmos de londo e enlrclanlo la te estao levantando
a* portadas, e te consenliotiueuma casa deslai, fu-
ra do alinhamenlo, fosse feita de novo.
Ha urna outra cousa em que lera havido poueo
etcrupulo, nos queremos censurar ot amigos por fal-
ta de visla.parece que not he que estamos comp cl-
mente cegos : quem vir no caes da ponte provisoria
oa beccos que all t* esl3o Tazando, e que ae tem
em vista fazer por cario se admirara'. Beccos qoa
ah existame que ja eram .loUrive.raeale lortot,
lerr-se entortado completamente, comeran.loo 1.
dtfeilo por consenltr a cmara que se "fizaste all
urna casa encostada a pona, que faz urna praca de
forma bem exquisita, e esta tudo isto de raaneira
lal que raostra cegueira, ou ioleresses !..
Collocou-se de modo a dita casa em frente da
ponte provisoria, que para o lado esqoerdo he bem
d'Iioil a volta dos carros, e mesrao bem perigosa,
Era lugar de te fazerem ts possiveis diligencias para
te eudireilar oo alargar os becco* exilenlas, lern-
te continuado a fazer colovellos, sem a ratnor ne-
cessidade e lodoa cheios da tortuotidade que bailan-
te dilHculta a illaminacao. Perganlo, Sr. presiden-
te e a cmara municipal nao lem cooheciraenlo de
(odas catas irregularidades ?
Um Sr. Deputado: He a maior de todas ellas.
O Sr. G. Guimaracs : Sr. presidente, a vista
fot ore-amentos apresenlados este anno na casa, n*
vemos qae a cmara do Recife, nSo (em nnvoa meios
de receila, e que ella nao lem angmenlado nao lem
seguido astea marcha progre*iva, que se Ihe quer at-
inbuir, islo he, nao tem mait meios de acudir as
nacessidades do municipio porque vemos que nos
aunas de 1853 a cmara foi auloriaada a dispor de
61 ^4C09, em 1854 de 63,9809 em 1855, 75:0009 em
18oG de 68:200.J, e este anno de 66:8009, ha em
qoaolo esta' oreada a sua receila e despeza. por
conseguinte pdese dizer que ella pooco ou nada
mais pode (azer rio que nos 3 annos passados.as suas
rendas na sao prosperas e como tal eu me opporei
ao 8.-que consigna a quola de 1 j:200fl: para 16
torreOes coramuns.
Um Sr. Uepulado : Oppoe-se f
O jjr. G. Guimares : Upponho-me.
Um Sr, Deputado : pois oppe-te a ama neces-
sidade reconhecida.
O Sr. G. Guimares : Entendo qae nos nao
devemos emprehender novas obras.
<> Sr. Ihcodoro da Silva : -~ Mas, porqoe razao
te oppe ?
O Sr. G. Guimaraes : Porque a cmara nao
tem forjas para fazer easa obra, e vai deitar paradas
mailas oulras necessidades. Pois nao vemos que
cmara ss da aulorisacao de gastar 4:0009000, com
desapropriasOes, quanlo ja deraoostrti a paquanhez
dessa quantia, em vista da neceetidad* argente de
de>apropriar cerlos predios ? Eu n3o entro na ques-
Ulo de ser conveniente ou nao a aotoritac3o para
desapropnar.para aforraoaeamento da eidade esj ltb
designado na planta sancctouada por lei.e assiin julgo
mnts conveniente que esses 15:2009 detignados
para torreOes communs, se appliquem a oulras medi-
das de mais urgente necessidade.
O Sr. Francisco Joao: A salubridada e a aaora-
lidade publicas pedem islo.
O Sr. G. Guimares : Temos vivido at hoja
com etsa immoralidade toda \...
O Sr. Francisco Joao : Mas he preciso cou>
te-la.
::
O Sr. Reg Barros obaerva, que tjrido-ie volado
na otiineira discusrucsao o projeclo apretenlado pala
abarca meaja? niaoieipal, t agora na se-
cunda, tal diaanbue o orcamenlo offerecido
pea cmara Mtael do- aecife. Diz qae, com
Pevido lempo para combinar as
Rom ludo nota algumas detigaal-
<>nlte wpuienio da cmara municipal d
neciieeda lllustre commisiao. Acha diminutos
leaidos do porleiro e do saehriatao do cemile-
rie pabliee, pelo qae lem de mandar orna emenda,
pedtudo o aogmenlo do ordenado dettet dona aan-
pregadoa. Nota mait qoe oao lendo Musir eem-
lo se regido pelas proposlas da* ratpeclivat ca-
devia tr refalado ai sua* daapezas na eon-
I "iirii.iadedesont renda, e 080 deiuado que alga-
da entradaTII roa do l.ivramenlo e Rangel, mas so-
breest creio qae ha am pleito, e a eamara nao po-
de ter obrigada a f.zer, senao aqaillo qae esla' nat
con.lices*da lei.
Maa he eom pasmo de lodoa que vemos estar ainda
em p eertas casas, mormenra essa de que ltima-
mente fallei, qae esla' collocada no lugar aonde pss-
sam duas roas arineipaea desla eidade, por onde
enlra todo o comraercio do tul, porque he pela ra
Diretta e Rangel que enlram todos os productos do
sol da provincia, e a do aturo da Boa-Visla to
concurrido.
Alera disto, Sr. presidente, nos vemos todos os
das eslarem-se concertando edificio*, qae eaiao na
caso de reco.nr em virlada da planta da eidade, e
entretanto eases edificios conlinuam a (car no mes
mo alinhamento. &, roa do Pires, bajrro da Boa-
"*> ..?.,,m wna caaa, creio que do Etm. Sr.
O Sr. G. Guimaraes : Quando a cmara po-
der, porque actualmente ella anda tem men.it r*n-
diroenlodo que em 1855, anoo em qae teve 75.0009.
est.e anno a sua receila apenaaest oreada em 74:Q009
rs. Por consego ule digo, qae voto coaira a lal au-
inr:si.-n,io, deixemos islo mais para litante, para quan-
do a eamara tiver mais meios.
O Sr. Theoioro da Silca : Ha diulieiro.
O Sr. G. Guimaraes ; Mas a cmara est au-
torisada a estar 74:0009 rs., e para desapropriaedes
so se dao 4:0009 rs. v
A cmara esta em litigio com o aobrado da esqui-
na do Livraraento, te for decidido que ella pode fa-
zer a desapropiarlo, ser com 4:0009 qoe hade con
egair ?
Um Sr. Deputado : Ah interven) o bom senso
da cmara, e do administrador da provincia.
O Sr. G. Guimaraes : E eolio ha raelhor que
digamos que fica (udo ao arbitrio do governo.
f Ha om aparte. )
lenho de fazer algumas observares acerca do ar-
uo que traa do ordenado do procurador da cmara
apezar de qoe as cousas estao de tal maoeira, que a
respeito de ordenados j ae saue que he a idea da
casa.
Ea qaizera que em lugar de te dizer o minimo
era 1:5009000, o mximo 1:8009000 e urna gratifi-
carlo de 3003000, se estipularse um ordeuado ceno
de 2:0009 oo 2:4009000.
( Ha alguna partes. )
E te nao quer lomar por base os 6 0|0 por isso que.
r.asse caso.o orden lo do procurador sari* muilo ele-
vado, e por etsa molivo e marcasse 1:8009000 de
ordenado, e 3009000 de gralificacao, lalvez leudo se
em vala ja a aposenladoria ; se nao queremos, digo,
pagar o* 6 0,0, poique ueaae edad o ordeuado anda-
ra por qaatro cantos, entendo que- tarnbem nSo se
deve dizernunca menos da 1:5009, nunca mais de
1:8009 e 300*000 da gratilbaco.
O Sr. _V. Portella : Aeho bnm apreseniar urna
O Sr. G. Guimaraes : Em negocios de- cortar
despezas deorcamento, nada se leva a elleilo aqui.
Um Sr. Deputado : Repare que aoa srvenles
do cemilerio se da a diaria de 1^880 rs.
0 Sr. G. Guimares : Irei ao 4, qae traa
do cemilerio. (L )
D z o relatorio qae te ptgav 19000 aos serven-
tes, mas que a epidemia do cholera fez com qae se
pagasse a 1f880 e entao a commissao lomou por ba-
sa a despeza que ae fazie. oo lempo do cholera.
O Sr. Theoioro da Silva Nao, Sr.
O Sr. (i. Guimaraes : Os nobres depnlados sao
qnem me informao, e o relatorio diz qae se pagava
a 1^880 por da, salario lalvez superior ao do porlei-
ro do Hospital Pedro If, aos ordenados do* em.
gados da casa de detonno, que lem 400 por anu...
entretanto me parece que he muito excessivo este
alario, apezar de que nap sei de qae especie sao es-
se* trabajadores. Eu confio muilo na illualre com-
missao, fazendo parte della mu dignos collegas, mar
nao obstante n3o deizo de admirar-me qoa ae d
a om trabalhador 19880, segando estao informan Jo
outros nohres collegas.
O Sr. Theodoro da Silca : Nao Sr., nao lem
1#<80.
O Sr. G. Guimaraes : Bem, talvez seja engao
meu, e dos que islo disseram e como o nobre relator
da cormiiis-ao permute dar explicarles, agoardar-
ine-hai para depois que elle fallar, prometiendo vol-
lar a questao.ee a isso me forraren), em sustentaran
das minhas idat.aqui emiilidas.
S3o remettidas a mesa as seguintes emendas :
S 5.Em lugar de 4.OOO9JOO para desapropria-
Oes diga-se 16:0009000, lendo a comraissio em vis-
ta a des.ipropnaca.i da casa numero 2 da roa da Con-
reinan, e terreno* para abertura da orna roa para a
do Destino, e aupprima-se o 3 8.S. R.onjalves
nimaraes.
2.Era lugar das palavras, sendo com o procu-
rador at 2:1009000, diga-te tendo cora o procura-
dor 3 por cenlo de toda as rendat da cmara.S.
11.Ep.iminondat de afelio.
Ot fiscaes das fregoaziae do Becife, Santo Antonio,
8. Jos e Boa-Visla. lerao cada um o ordena do de
9OO9OOO por anno, sendo melado considerada como
gratificado, que delxarao de perceber, quando nao
e-'tiverein em exercicio.S. K.Eparr.in011d.1s de
Mello.
4.Em lugar de 15 trabajadores diga-se 8.
Vilella.
O Sr. Theodoro da Silca:(Daremos em oalro
oamero.)
O Sr. VUella :Sostena toa emenda.
O Sr. Souza Carcalho :(Daremos em oolro na-
mero.)
O Sr. Paula Baptista conlrarioa a emenla do Sr.
Vuelta.
O Sr. Goncatvet Guimaraes :En cedera da pa-
lavra se nilo fosse o nobre depotado,que ltimamen-
te fallou, ter-se dirigido especialmente a mim fal-
lando das disapropriac5es, como querendo dar a en-
tender qoe eo (iva era vista na miaba emenda levar
al cerlo poni o desrespeito ao direilo de proprie-
dade.
O Sr. Paula Baptista :NSo foi isto.
O Sr. C. Guimares :Disse o nobre deputado
qae as desapropriaefiea te estao estendendo a nm pon-
to tal, que ja caosam receo ; mas eu declaro que se
houver algnma lei que eu recondena ulil, mandando
detapropnar qaalquer edificio, nao sera* -por falta
do meu voto que ella ha de deixar de pastar, mas
tambem digo qoe com a minha emenda nem com a
do Si. B. de Lacerda, mal algam ha de vir, porque
a miaba hienda o3o he senao urna recominendac'a.i,
rec.ommendacSo qui. esta' de accordo com a planta
da eidade, a qual designa certos edificios para serem
demolido.!. .
Assim ja v o nobre deputado, que eu nao qaiz a-
lacar o direilo de propriedade, nem islo se pode col-
ligir das emendas.
Sr. presideute, um oulro nobre depulado tambera
ceusurou as minhas observares ao ponto de quali-
lica-lat como sabbalina, dizeodn que nao a.-hava
mullo propriat as censuras feitas a cmara do Reci-
fe, por qne todas na mais peocavnm nease ponto. '
O Sr. Thtod.iro da Silrn :Nao disse isto.
te Antonio Correa de B-ito, digno commandanle co
G11 inubara a ira po lemos foriar-not a' publica-
cao do artiso n'ra, exlrahldo do Publica lor Ma-
1 ndense b de 1H do crranle, no qual faz-se a devi-
la justir.a no caraclar prubo daqualle honrado ofll-
cial, cuja conduca al hoja lam sido exemplar para
nao ser uodoada palo extravio de am deposito sagra-
do, que havia sido recoraraeadaodo aos seas convi-
dados.
L-sa no Diario do Commercio do Para o te-
gainle ;
a Temos hojea relatar om acoolecimeoto de tris-
tes conseqoencla*. que se dea com o commandanle
do vapor Goanabara, a o Sr. 1. lenle Antonio
Correa de Brito.
a Foi o Sr. Brilo portador de am c.iixole com a
soiuniacte 10 contos de reis em moeda papel, para a
Ihetooraria de 1,1/ n la da noesa provincia ; e, aqui
chegado no dia 13 do correle as quatro horas da
tarde, no din 14' he que pd.le condazir o caixole
para aquella reparti(ao, afim de fazer aulrega da-
quella importancia.
Apretenlado o caixole na Ihesooraria, e aberlo
na presenca do Sr. Brito, eocoulra-se vatio ; os de:
contos de rix haviam tido roubados!
Nt que presenciamos esta seena, nao sabemos
descrever o que toffreo entao o infeliz commandanle
do Goanabara o achar-te roobado por um modo
13o revollanle ; vendo toa at boje exemplar conduc-
ta e honradez a merr de qaantot a quizerem depri-
mir, t porqae um malvado cooieguio apoderar-te
dos dinheiro* do Ihesooro nacional 1
" O digno inspector da Ihetooraria de fazenda, fa-
zendo chamar as autoridades respectivas, procedeu
aos necessariot examea, e por estes te veio no co-
nJiecimeolo de lar tido o caixole desplegado, corta-
da a lata interior era que vinham oa dea contos de
res, e, depois destes roubados, repreg&do o caixole,
lacrado e posto te-lhe sobre o lacar urm moeda de
vinte mil ria, para imitar o sello do theaouro na-
cional.
Apezar das maiorat indagaces e exames feilos
pela polica, nada mais se lem podido deacobrir; sus-
peitaudo apenas o commandanle do vapor,que aquel-
la somma ihe fosse ruubada no Cear, em ama imi-
te qne se vio obrigado a dormir em trra, pelo lerri-
vel estado do porto qoe o privou de embarcar. '
a Seja como fr, o roubo teve lugar ; e, ao espa-
Ihar-sa a noticia todos lastimaran) o infortunio do
Sr. primeiro .lente Brito, protestando em favor de
sua exemplar probidade, e apresentando ai clrcama-
lancias de haver este Sr. condnzido perlo de 800
con los de reis para as diferenles pracat do Norte, sem
que deitassem de ser entregues puntualmente ; e de
te ter recutado ao convite do Sr. agente da compa-
nlua dos vapores Jos Antooio Affonso, para condu-
zir para a agencia, ua larde do dia 13, o caixole em
quesISo.
a Sera fazermos mais jaizos diremos nicamente,
como orqao da publica opini.o, que o conceilo do
Sr. primeiro tenerite Brito, aqui e em todas as mais
proviucias do Norte de em extremo honroso, pita ser
por todos almejado.
a E lanl isto he exaalo, que o docamant se-
guale o prova, e motlra que a tdesouraria j foi
indemoisada dos dez contos de reis extraviados.
11 Os abaixo. asignados, oegociantes da pregada
eidade da Santa Mara de Belam do Gram-Ptr", re-
conheceado na pesaaa do Illaf. Si. anlopio Co/ra
de Brilo, prirseiroSlenenle da armada nacional e
imperial, a ejommaudante do vapor a Gutoabara
da companhia brasilaira de paquetea a vapor, a mais
eiemplar e llibada probidade, e depositando otile a
maior eooGanca, nos offerecemos espoulaneamenlc
ao mesnio lllin. Sr. commandanle para aceitar esta
insignificante prova da aosta contideracao, e subi-
da estima qae Ibe tribuamos, empreatando-lhe a
qaanlia d qae carece para indemiiitar a fazenda
publica da importancia que transportava do theaou-
ro naaional para a Ihetooraria de fazenda desla
provincia, e que Iba foi sabtrahida dorante a via-
gm.
r Par 15 dt maio de 1857.
a Fraueiico Gaodeucio da Cosa & Filhoa 5:000l
a IJanriqua de L*-Rocque &C. 2:0009
Miguel Jote Raio i C. 1:0009
Jos Antonio Affooao 1:0009
Juyaim francisco llamos da Cruz 1:0009
Nenhuma reata poit he mais consoladora, que urna
conaciencia sem remorsosl
Aqaelle, que he accatado de um delicio, de qae i
toa consciencia o nao acensa, esta tenhor da si; por-
que a propria innocencia Ida iucule valor e cons-
tancia para repellir o seu aecutador. Aiexprestoei
nao Ihe faliam ; as palavrat como que Ihe sallara da
bocea, as bellas ideas te reproduzem ornas a pos de
oulras. Tanto pode a forn.i da verdade e da inno-
cencia! O crime porem faz do forte fraco, loma mu-
do o cloquate, e as idat do mais atilado engenho
quasi que detapparecem. E como nao acontecer
assim, se elle lem em si proprto um jaiz severo qae
O ron,I 'nina.
Dous mancebos talentosos foram levados a barra de
um tribunal para serem iulgados por crime grave ;
um sobre qnem petavarn fortes indicios, ara accusad'o
como autor ; o oulro, em quem se dtvam indicios de
innocencia, ara acamado de cumplicidade. 'rorma-
do o tribunal, o promotor .la jiistica destnvolveu ler-
rivel aecusarao contra ambos. Dada porem a pala-
vra para se defenderem ; principian o cmplice a
saa defeza, apresentando e refalando as falsas pro-
vas, em que se fundava a acensaran.
Era adrniravel vera a calma, n sangue fri, os
bellos pensamenlos, stmpre a mesma presenta de
espr.to, com que le portqu asta mogo, que afioal foi
julgado iuuoceole.
Cbegada porro a vez do autor de improviso tor-
noo-te paludo, balbucanle, trmulo, as tuas idat
eram Ireslocadas, as saas expressoes tam nexo, emfim
o tea metmo aspecto era a propria conlis-ao do cri-
me, de que era aecusado.
Tanto poder (em sobre o hornera os remorsos da
propria consciencia.
Consta-nos que o Sr. Francisco de BarrOt Correa
de'Queiroz lente coronel do batalhao da guarda
nacional deste municipio, acaba de ooovidar os se-
uhores officiaes das companhias para preslarem jura-
raenlo ; lalvez que agora se conclua a organisarjSo
deste batalhao, que nao sei porque fatalidade tem
eslado paralysada, podendo elle alias ja ter prestado
algom servlco ao publieo, satisfazendo assim as con-
dires da ana crearan.
He para admirar, qae ueste municipio s se po-
desse organisar am batalhao ; porque nelle, e quan-
do a populara era menor, erearatn-sedoua, e ama
companhia de cavallaria, qne eom oulra da fregu-
zia da villa da Escada, formava um esquadrao.*
He porra para presumir-se, qae depois de feita
a qualificacao, osenhor commandanle superior, pro-
mover a rrearao de um oulro batalhao para acom-
rr.odar a r.ipasiada do bom tom, que aspira ao ofll-
cialalo.
Est nos parecendo, qoe pelo geilo, qoe levara as
coasas, oa gneros alimenticios nao descerao por to-
do esle anuo dos allos precos a que estao elevados,
mxime o Sr, foijao.
Deot queira que a minlia previelo te nao rea-
liaa.
Vieram ao mercado S8(7bois, que ae venderaro lo-
dos calculaodo-se a arroba da carne a 4*000 a 49500
reis.
Vale.
O Vicloriense.
Joaquim Francitco Cordeiro, Joaqaim Antonio Pa-
reira (2), Maooel Loiz t'.oralves Manoel Andre
Botelho, Manotl Patrio do Nascimenlo, Rodngutt
& Hibeiro, Vicente Jos de Brilao, e Itvanlou-ie a
eetslo.
Eu Manoel Ferreira Aecinli, secretario, a subscre.
vi.Reg Albuquerque, presidente./,'urro.- Reg,
f.ego.Franca.Si\ca Barroca. Hanna.-Ba-
rata aJlmeida.Mello.
REPAHTiCAa DA POX.ICZA.
Oeeurrenciae do dia 25 de maio.
Foram prespa : a ordem do Dr. chafe de polica, o
africano livre Daniiao, por daaordem e ferlmentos.
Pela subielegacia na freguezia do Recife, Ma-
noel Gooiilve* Telles, por briga e ferimentos, Pal-
ter Nelson, a requisica do respectivo cnsul, o pre-
lo escravo Julin, eem participarlo do molivo.
Pela subdelegad* da freguezia de S. Aulonio,
Loiz Amonio da Hora, para averiguarse* policiaet
m crime da hcinicidio, o prtlo /cr'avo Anloniu,
Para averiguaron pullciaet.
Pela subdelegada da freguezia da Boa-Vista, a
prela escrava M.irianna, por estar 'fgida.
Pela suliiciegacia da freguezia do Pojo da Pa-
n-Ha. Anlooio Jos Pal, pot infracr4ao de posturas
muuicipaes.
() subdelegado da freguezia de S. Josjrefere em
oflicio de 23 do correuie, que nesta dala fora encon-
trado beira da raai por traz da praia de Santa
Rita, o cadver de um prelo no qoal procedeodo-se
a visloria declararan) os facultativos haver o dito
prelo perecido afogado.
26
Foram pretos : pela delegada do segundo dit-
Iticlo deale termo, Manuel Joaquim Ponles at a
segunda ordem.
Pela,subdelegaca da fregoezia de Santo Aolooio.
Manoel Tiburcio, por desordeiro, e 01 praloa escla-
vos Sabasliao e Eugenio, para averiguareis poli-
ciaet em crma de furto,
t ___
DESPACHARAM-SE PELA POLICA.
Dia 19 de maio.
O alternan Carlos Plugge, legitimado para obler
passaporle para a Europa.
22
Os eseravos Domingos, Jos, Antonio a Mara,
obtiveram portara para a Kio de Janeiro em coin-
pauliia de seu teolior.
23
Os eseravos Paulina e Generosa, obtiveram pas-
saporle para o Rio de Janeiro em companhia de sea
seubor.
As escravas Andrcza e Benedicta, obtiveram paa-
taporlcs para o Ro de Janeiro em companhia de
seu aeohor.
O escravo Gervazio, obteve portara para,'a pro-
vincia da Babia em companhia de seu aautror.
-28
A escrava Cicilia, obteve passaporle para a pro-
vincia de Sergipe em companlua de seu sendor.
Oesciavo Jacob, obteve passaporle para a fre-
guezia de La em companhia de sen teolior.
.- ilgt karao de Cimbiet, que a cmara quiz dasanronriar
'f r"00,e,P,,rta" V' '" ""'" ', 'fi liada por om orejo fabuloso, a ponto de oa"
m T,Tft", "1 "?"** q-" V "ffecluar a de.apropriicao, a a cmara ons.nl o
t-m mais I Emende q.t a ,wba dangoada para a ao depoi. que atsa predio le concariaste e aU U
O Sr. G. Guimaraes :EntSo dis eiso fazer-se excepto, perqu tinham todas teus
peccados. Eu nao. Uve em vistas lancar endioso so-
bre asa cmara, sai disse, lie que lendo-ttlnoa anuos
anteriores dado auto.iaacao a cmara para despen-
der 75:000? e dando-te a autoritacao esle anno t
para despender 74:000#, nao te podia acreditar no
progreato Assim, Sr. presideute, para 080 cansar a adenrao
da casa, que deteja volar, eu deixarei de fazer oulras
consideracOet.
Encerrada a discusalo e posto a votos o artigo, he
approvado, sendo rejeitada todas ai emendas.
Tendo dada a hora.
O Sr. Presidente marea a ordem do dia a levanta
a scss3o as 3,'s da larde.
PAGINA aVLSA
lEaD^iono
Conhecendo ai mallo de perlo o Sr, 1, leueo-
Estando preenchida a somma necessana, aoa
abaiia, assignados cabe unicamaute o devar da eerli-
lcar que fica expendido.
La-Rocqoe & IrmSo.
' Geraldo Antouio Alves A Filhes.
a Jo3o Pinto de Arauj >.
"Manoel Jos de Carvalho & C.
cr Leile & Innaoi.
Samad G. Pood. ,
Augusto Tappembecb & C.
i Marlins & IrmSo.
a Joao Augusto Correa & C.
a Antonio da Molla Marques & Irrno.
Por Jos CaelaooCardozo, Antonio da Molla
-Manan,
a Lucio de) Soaza Machado.
o Kanto & Al ves IroaSo.
a Antonio Marques de Carvalho & C.
Fraoeraco JosofJde Araujo.
cr Jos da C. VeLeso Fara.
i Manoel Jos libeiro.
a Pedro Martin--
cr Antonio C.ar.b. "i da Cunha Colmbra.
ir Mauoet Pmheiro-
Joaquim AtiWuio Liborio Chaaea.
o Ero vista da 13o hiuroso proced menlo do exern-
plaritsirao corpo do commercio deata pra^a, eramos
que o Sr. I.o tenante Brilo esta justificado, e que
na Ja suiTrer em aa reputar^o ou earreira.
a Nao terminaremos este artigo sem votar ama
prova de aslima aos Illma. Srs. chefe de polica Joao
Bapti ria Manoel Rodrigues de Alraeida Pinto ; porquao-
lo, cumprindo seus deberes, o fizeram de am modo
nobre e elevado, a sem augmenlar a dor ao af-
ilelo.
Honra, pois, aos dignos funecioaarioaque tabem
distinguir o infortunio do homem honrado, do pro-
ceder do criminoso.'
Couiiuue a companhia dramtica a nos dar bel-
las horas de distraerlo, como as qne passou o publi-
co no variado espectculo da qaarla-feira. Por ora
he o qae noaapraz dizer, cenosos laboriosos artillas
qoe nos tersempre aoaeu lado, quando se tratar de
dar po a quem deteja vivar por sua arte, tr.ibalhao-
do para gaoha-lo Com honra.
Sea um moco he ridiculo andar fetotalla-
marlinho pelas salas de dansa saracoliando, o que
diremos de um velho, que deixa ot seos inleretses, e
inscreve-se em quanta tala ha de dansa, e am tedas
pula, e por forja quer que at senhoras o applaudam'!
Ora, por qnem he, aenhor mea, suas cans, suas es-
trellinhas e ps de gallinhas Ihe dao direilo a que
vossemec eontenha-sa nos lim tes da aocianidade,
de que esl felismente revestido....
Consll-nos, que ha dous das fora cercada urea
casa por denuncia do jogo : nao lioove, porm, ma-
teria para prisao : a casa eslava isolada. O Sr. Dr.
Fara, tem desenvolvido arria aetivdade adrniravel,
e de alguma sorte posto a trola la para S. Jos a per
lioaze* jogadores.
Coosla-nos, que existe na DetencSo, preto, um
prelo captivo desde 1853, seiu que leuda sido poisi-
vel eulrar era julgamerflo no jury : he islo, chupa
quatro annos de priso, vai ao jury, pode aer con-
.lemuado, a j leva oas rentas a ajuda de castas :
preto nao lera amigos 1 Esse pobre homem (o pre-
so tioda da antiga cadeia ; esqueceram-se delie, es-
tao o engordando, e os seiihores, que s3o pobres, qae
leuham (3o avullado prejuizo sem haver decisao al-
guma da sorle de seu escravo,
Pedimoa aos senhores encarrtgados dos carros
fnebres, que nao consinlam ir para a casa do filia-
do o alaude sem que seja bem examinado, ae pode
ou nao resistir ao volumede am cadver corpulento,
para nao acontecer como na quarla feira i larde na
ra da Aprora, que um alaude largon o forro infe-
rior na occasiao que ia aer depositado no carro, e o
cadver teve de baquear sobte a calcada.
Se cerla tenhora, qoe se mostr 13o zelosa por
seu fildo, nao quer que elle frequente eertas casas,
nao Ihe d tanta liberdade, imponba-lhe as horas que
devo recolher-se, passe-lhe urna funda mesira, qae
j deixara esta catada roa da Roda, qae tanto faz ro-
dar a cabera da m3i, O 01 milos do tildo. ,
O vapor brasileiro Per.iuungau, tbido hon-
tera para Tamandar, Barra Grande e Maceio, le-
vixn a ie bordo ot tegointes passageiros:Domin-
gos Alves Hespanhol, Calharina Arsenia, Firmo
Candido da Silvaira Jnior, Joo Paolo Moreira
Temporal, Flix PereiradeSooza, Jos Antonio Pe-
reira, D. Maria Joaquioa Perelra, Antonio Ignacio
de Medeiros Dulra, Custodio Pereira da Silva, Jos
da Molta Pacheco. Joao Alves da Silva e i criado.
Joaquim Cardoso Ribeiro Campos e leado, Ao-
dr Guilherme Brekenfeld, Jote Antonio Goncalves,
Jos Maxirniano Soares de Avlar. Adolpho de
Barros Cavalcanli e 1 criado, Jo3o C. Heidmann,
Cttano, escravo de Rezendo Francisco Idelfonso
Ribeiro de Henezes, Maria Joaquina da Conceicao
e 2 Glhos menores, J*cintlio Soares de Menezes e
soaseohora. Francisca da xaltac3o Rodrigues, Ma-
rianna Molla Rudrigoes, toa escrava e 1 criada, Dr.
Antonio da Silva Nobra el criado.
O vapor brasileiro Guanabaraa, tahido hon-
lem para o Rio de Janeiro, condazio destn provin-
cia oa aeguiuln passageiros : Leopoldino da Sil-
va Azevedo e 5 escravo, Dr. Daniel E. da Gouveia
eseu escravo, Jos Antonio de Campos, Benlo Jos
Ferreira. l.uiz Cavalcanli de Albuquerque, sua se-
nhura e 3 criados, Anlooio Carlos R. de Anotad e
1 escravo, Dr..Joaqaim Antonio C. C. Miranda, sua
seuhora, 1 nlho menor e 4 eseravos, e I mulalinda
forra de nomo Errnelinda, Domingos Jos Alves da
Silva, Pranciico I. Pereira, Pedro da Silva Reg'
Rosa Maria da Conceicao.
Ate amanha.
, CMARA MUNICIPAL DO RECIFE.
SESSAO EXTRAORDINARIA DE 29 DE ABRIL.
Presidencia do St. Barros Brrelo.
Prsenles os Srs. Viaona, Reg, Franca e Mello,
fallando por impedidos os Srs. Reg e Albuquerque,
Barros Reg e Barata, e sem causa participada o Sr.
Barroca, abrio-se a sessao, e fot lula e approTada a
acta da antecedente,
Foi lido o seguinte
EXPEDIENTE.
Um oflicio do Exm. vice-presidente da provin -
cia, exigindn com brevidade copia em duplcala das
actas da formacao da mesa e apurarlo de votos do
segundo collegio eieiloral do segundo dslricto desta
provincia.Que te salisfizeise,
Huiro do inesmo, remeneado copia da lei pro-
vincial n. 408 de 23 deste mez, eoucedendo autori-
sacSo a esla cmara para poder alienar oa terrenos e
edificios, ib que esl de poste no lugar das Cinco-
Ponlat, corapaubia da estrada de ferro.Resol-
ven a cmara que a desapropriar^ao dos menciona-
dos terrenos e edificios fosse tratada peraote ella, e
nesie sentido meiidea ofliciar ao superintendente da
companhia, assim como atseotoa de uomear ama
commissao para os_ negocios pendentes eotre a com-
panhia e a mesma'cmara relativamente as al ler.i-
efiet qoa tem de suffrer a planta da eidade, oa parte
da freguett.i de S. Jos, por onde passa a estrada de
ferro. Para esta commissao foram nomeados ot Srt.
Franca e engendeiro cordeador.
Outro do mesmo, eommumeaodo que em data de
28 do correnle recomineodara ao agrimensor dot
terrenos de inarinda que, enlandendo-ae com esta
cmara procedesse as necessarias diligencies para a
medicSo e demarcarlo dot terrenos cima referidos.
Inleirada,
Oulro do mesrao, enviando convenientemente ap-
provada, para ter execuc,3o, a parte da planta da ei-
dade, coinprehendendo a rda do Caes do Ramos, e
o projeclo de sua continuaran para o sal.Qae
fosie remellido ao engenheiro cordeador, para por
ella se guiar nat cordeacOet.
a$ii**** H j$?m$mlmt0*
e intere*sando-i6 por ella grandes capacidades in-
lellecluaes, qoe habilmeote- expressam sens elo-
quentes pensara ntos. Mo me contiderando, po-
rem, ea no numero deiiat pe-toas, lodavia ofio ma
devo jalear itenlo de exprimir em lingaagem railei-
ra o meo humilde parecer a respeito da questao,
que presentemente agita os nimos doa meas patri-
cios : e piineipiare dizendo que, tendo eu morador
na montanha, em qae ee acha tiloada a malrix Oes-
la fieguezi, n3u oeixo de reeouhecer qae es habi-
taolea do Pilar e seu* circomvitinho* proeoram o
que por direilo Ibes nlo deve ler negado, n3o de-
v*ndo por isso serem alconhados de caprichoso*, co-
mo levianamenle o* denumuiou o.Sr. A. B. C, que
da mesma sorte rliamun a allencao dos dignissimos
representantes da fSpvincia, afim de nao te deixa-
rero illudir netl, uegocio. Ora, lie muilo dizer-te
1oe ama eorperaejao 13o reapeitavel. qae se acha mu-
indi de documeiitoa irretrajaviet da pesioas gradas.
f.""1?"drt,V,f,,w PUfarenea, pode.se ser
^-'".P-J fr.A.B..C.ca,UMe
Esl fora de toda dfl e incsnletUvtlmenle
provauo que a povoa$a do Pilar lie detde muito
tempe o logar maiai.-aaaporlanle dettn rlha. O cora-
mercio all II ,ra*aa progreesivatoenle, aaadifita-
C30 augmento a os vitto*. O.eonlraiio seauleca
no pequeo povoadu do monta da Coaeetco, codo
ludo decresce ed.mioue consldavelroeBU, che-
gando a ponto de de.moronar-s. os casebraa, qoe la
e.islem. sem havar qaera oa queira reedtQcar, a ter
apenas osa_ tajea, que s se oceupa Ihao, e bolacha quebra-dentes. He ata Sn. re-
dactores, a verdade nua croa que s pstete *er
contestada por alguem, cujoa inlarewaa peatoae*
po**ara *er offendidos da alguma maneira.
Ha por isso qoe coofiadot oo carcter relo e ius-
liceiro da veneranda pesaoa do Exm, prelada desta
diocese, qpe 19o solicito ae lem mostrado pelo bem
de seas amados diocesanos, eaperaaoo* que ajodado
pelo rneretissimo corpo legislativo daela previucia,
nos fara o beneficio qu sinceramente desojamos,
Fede a insersao desla jnal lacillo labyrintaa o qae
ueseja ver a pruiperidade pragresso do lugar, am
que nanceo e que compartilha com oa peaaamentos
a Ideas do Sr. U. E. F., attignando-ae em coulinua-
cao alphabetica G. H. I
, IIimaraca'. 22 de maio de 1857.
i
i
COMARCA DE SANTO ANTA'O.
Victoria, 27 de maio.
Quando ot remorsos da propria consciencia not
ace.usam de offensas pralicadas contra os naaaans se-
millantes ; quando ai suas qoeixas por e.ia offensti
cliegam ao dominio do publico ; entao nos, comp
rrn convictos, (caraos mudos, e nos sujeilauos ni
represalias, romo aquellet te tujeilara a tenlenca da
sua condemntcao.
Mas quando pelo contrario temoe consciencia de
nenhum mal ler procurado contra aqaelles, que oa
por falsas informaces, ou mesrao por designio for-
mado ta eonstituem, como olTeudidet, para assim
exercilarem um genio phrenetieo e rancoreaa; nio
not podemos, e nem devemot sujeitar-noi a ama con-
deninarao injusto, fundada em falsa* imaginaria! pre-
val ; e entao ppellamos para o proprio jaiz a nosta
consciencia, que dando pruvlraenlo ao nosio recurso
jalga-uos inuoceutei, a violimai da pervenidade.
pareca ratoavei qae
'!r')r cuP'a da planta dos Afogados, para sur reroel-
lida' tdesouraria de fazenda, como Ihe foi orde-
nado pela cmara, em compriinenlo de ordem do
governo da provincia, principalmente constando a
planta de tres grandes fulhas, cada qual com cinco
palmos de comprmanlo e quatro de largura, jul-
gaudo que a repartirn das obrat publicas era a
mais propria para fazer este Irabalho, por haverem
oella deseuhslas que disso sao especialmente encar-
regados, mas que, se nao obstante, enlendesse a c-
mara que devia elle inteiromper os Irabalhos a seo
cargo para tirar a copia, promplamenle ae confor-
mara com esla decisao. Que se repretenlasse ao
governo da provincia, afim de mandar tirar a copia
pelas ubras publicas.
Oulr,o do mesmo, informando acerca da obra qae
est fazendo a matriz de S. Jos, contra a qoal re-
presentou o director da estrada de ferro.Qae fosse
remellido ao Sr. Franca e ao mesmo engenheiro,
para o lim declarado ua decisao tomada abaixo do
segundo oflicio do Exm. vice-pretideole da pro-
vincia, de que no principio desla se faz men-
cao.
Oalro do fiscal do Recife, dizendo qne o cordao
do calcamento da roa do Apollo, da parte do caes,
eslava arruinado, assim romo parte da rampa do
porto das canoas, precisando de concert.Qae
mandasse reparar.
Oulro du fiscal Manuel Joaquim da Silva Ribei-
ro, expondo o eslado da freguezia .de S. Jote, e at
sua- necessidades.A' commissao de polica.
Oalro do mesmo, informando a favor da pelicao
de Pedro Antonio Teixeira Guimaraes, que pedio
licenc* para crear o seu terreno na ra dasCalcadas,
sfim de evitar o deposito do lixo, que nelle faz o
povo.Concedeu-se pa forma das postoras.
Oulro do fiscal de Santo Antonio, de 22 do cor-
rente, nao se oppundo a deenra que requeren V ba-
charel Jo3o Luis Cavalcanli da Albuquerque, para
fazer sumidouro na ra da Cadeia, enfrente da casa
em que tem seu estabelecimento.Conceden-**.
Outro do mesmo, informando coolaa o que re-
qacreu Francisco Jos Dias da Coila, sobre dar-te
baia na colltcla relativa a doui acoogaes da roa
do Rangel, viilp qae ainda exislem os acouguea, e
nao eslo extractos, como disse o peticionario.In-
deferio-se, nao s visto da informaran.i como por
n3o ler o requmate provado o qae allega.
Oulro do fiscal da Boa-Villa, informando a favor
do que requnreu Marcelino. Jos L'opes, quanto so-
mete a elevacao das portas do teu tobrado, no lu-
gar dos Cocidos, e nao quanto ao alinhamento do
mesmo..Deferio-ie na turma da informacjle.
Oolro do fiscal do Poco, consultando se a ditpo-
sina-i do arl. 1- lit. 6 das posturas de 30 de junho
de 1849, que prohibe que porcos andem tollos,tem
applicacao aqoalla freguezia.Mandou-se respon-
der que i respeito dos animaet, fizesse observar o
disposto no art. 16 til. 7 das mesmas postura*.
Oolro do mesmo, pedind* o pagamento da qoan-
tia de 3S310, que despendeu com a conduccao e *n-
lerrameiilo na matriz daquella freguezia, de um ca-
dver qoa fora encontrado no rio, e aeho'u-se no
logar da Sania Anua, ja corrompido.Mandou-se
passar mandado.
Tratan jo-se a requerimeolo do Sr. Mello, da pe-
licao'de Barlholomea Francisco de Souza, em qoe
requereu indemnisarao do terreno occopado com a
libra do maladouro, o Sr. Reg requereu a conti-
nuarlo do adiamcnlo deste negocio, al verificar
te te deve oa nlo continuar atobra no logar em que
esta'; porque a n3o dever coolino.r, a cmara nao
tenha necessidade do terreno.
He ldo e enlra era discassao orna extensa peti-
(3o dos propietarios de padarias existentes no cen-
tro da eidade, em que allegara que por nao ler a
cmara pmposlo por meio de urna poslora a revo-
gac3o rio arl. 5 da de 13 de junho de 18Vi, fora in-
deferida pela assemblee legislativa provincial o seu
requerirnanto, pediodo a abolilo do citado artigo
a favor do que informon a cmara ; e depoi* de
apresenlarem diversas considerarles em sustenta-
rlo da sus pretenc3o, concluem, requerendo propo-
zesse a cmara a revogacao da postura.
A cmara adiando judiciosa as razfles produzidas
na pntic.lo, e as que de mais apreaantou o Sr. ver i-
dor Franca no correr da ditcossSo, se bem qoe reco-
nbecesse que havia cumprido jio s o arl. 3 da le
.le i'i de oulubro de 1831, como o 4 do art. 10
do acto ndoicional, resolvea approvar os arta, de
pastora offerecioVw petszriearao vereador ; o 1- a-
bolindo o citad*) arTSar 5,nt; 2" n3o perinllmdo que
as padarias existentes dmlro da eidade pastera em
lempo alum, por qualquer tilulo que seja, dos ae
tuaes possuidores,islo lie,aquellas qoecomo laee estao
collectados nos livros de collecla municipal, a outro.
possuidores, ind pena de serem fechados, e o 3' so-
bre nao poder lermais padaria deniro da eidade o
propietario deJUatue for multado em tegundo r'e-
eucidencia poMlifracrao de posturas.Mandnu-ta
remoller a commissao de e lilcacoes o requerimento
de D. Mrianna Dorolhea-Joqoioa, e a de peljres
o da ijuncalves & Reit.
Despacharam-se as pelicos dp Andre Alves |da
Foncect, Antonio (ioucalves da Silva, Antonio Gon-
calves de Barros, Antonio Bernardo Quinto ro, Fir-
mino Pestoa da Gama, Francisco Jos Dias da Coa-
la, Francisco Jos Merlina Peona Jnior, barharel
Francisco Gomes Velloso dAlbuquerque I.ios,Fran-
cisco Antonio d'Olivaira, Henriqae Marques Lina,
Jote Paoliae de Almeida, Joaquim Fraocitco de
Paula Esleves Cirnanle, Jo3o Antonio Marques,
bacharel Joao Lmi CaTalcilcanti da Albuqatrqua,
A anambla honlem continaoa a tratar da re-
dacc3o do projeclo n. 11, qae eleva oa ordenados
de varioi empregados pblicos provinciaes, adiado
na sessao aoteredenle, e orarara os Srs. Francisco
Joao, Paola Baptista, Theodoro da Silva, ficando
ainda adiado e com a palavra o Sr. Souza Car-
valho.
Passando a discutsao doa arligos addilivos, oflare-
cidos em segunda dracussSa. ao projeclo de orcamen-
lo municipal, orarara os Senhores Oliveira, Anto-
nio Cavalcanli, Epaminendaa de Mello, Francisco
Jo8o e Manoel Cavalcanli, ficando adiado e coni a
palavra varios senhores.
A ordem do dia he a mesma.
O collegio das orphaas he ama das insliloicOcs
mait uteis, mait philantropicas e maia chriitaas que
se tem inaugarado em oosta provincia ; ma* a saa
organiacjlo primitiva, qoe cin principio poda *-
tufazer as necessidades do. momelo, lodavia o cor-
rer dos lempos a experiencia moslraram qae devia
ser modificada, se nao na sua esencia, ao menos ua
sua forma administrativa. Era preciso formar o es-
tabelecimento, e dar-lhe am carcter mais a Jequado
com as condices dessa* infelizes.
S. Exc. o Sr. cooselheiro Sergio Teixeira de Ma-
celo deuoa primeiro* passos para essa nova transfor-
marlo. Nomeou a seis senhora* respeitaveis da nos-
sa aociedade, inspectoras do ettabelecimeulo. Encar-
regou a commissao de organisar novos eslatutosa-a
qoal as vesperas da 'retirada de S. Exc. para a cor-
te, enlregou-lde os delineamentos desle Irabalho,
mas n lempo nao Ihe permitlio po-los em pralica.
ltimamente espaldaram-se varios boatos, qae am-
pliados pela imagiiinrao, que aempre vai adianto da
verdade, podiarrajtompremetter o presente e o foluro
da instituirn. Os boatos etpalhados t3o nimiamente
exagerados, e linli.un por origem algumas irregulari-
dades que ae davain no eslabeleclmeoto.
melhor
r^
foram
aconseldadas pela prudencia ; e as pessoas nomeadas
para os lugares que ficaram vagoa t tiveram em
seu abono a ncommetidacao das boas quali ladei qut)
oa. caraclerisaui, e que fto condecidos como pes-
soas de probidade irreprehemivel. Alm diilo, mun-
daram-se tornar effecliva* algumas dtsposir^es do re-
gulamenlo, bera come fechar-se a porlaria imprete-
rivelmenfe s 6 huras da tarde ; perroittir-se visitas
as collegiaea smente em certo da da semana, 4
hora determinada, ero presenca da directora ; me-
lhor regularidade inlarna as fancees do estabeleci-
mento, e para,firmar esla ordem, ama das senhoras
nspecloras foi ahi passar om dia. He portauto inex-
acto o que de odioso por ahi se t?m spalhadu.
Embora o governo loroatse ai medidas mais ar-
gentos, qae as circunstancias exigiam, com lado ten-
clona qoaolo aoles realisar a reforma projeclada,
afirn d* dar ao estabeletimenlo toda a eslabiiidade
desejavel.
Srs. redactores. Ue-mfoT%*J$ff,
do silencio, alim da paloutear ao pubiiee a J
horrenda persegaicao, qoe, debaixo daa lar-
|$ muas legaes, contra mim ordem o* meas
tv rancerotot e figadae* inuuigo*.
^ Em 1853 foi assassinado Manoel Gomes,
SS conhecido por Manoel Cambado, pala faiai-
^ lia Muniz, e lauto a viclima come o attaa-
xg tino eram moradores do mea engenho Bom
g Jariim ; achando-me entao no exeicieio de
55 delegad*) da polica desle lermo, fizcap-
-^ lur' ailoui qoe se achavam euvolvidos
*% 00 9Usf*s'l<>5 assasiinato, e ot remull aa
f aabdelegado de entSo, o qual procassoa-os
e pronuuciou-os.
* Submelti jos ao jury, foram,ambos abaol-
vidos, sendo que o Dr. juiz de direilo ap-
pelloa para a relacSo, da absolvisj; de om
de nome Antonio Muniz.
Nessa ttata os meua inimigoa p-oclama-
vam qoe ea persegua a iiiuoceulea, e t
com o desgranado intento de salvar a Jota
Gomes de Mello, autor do delicio ; na oc-
casiao do jury o advogado dotreosenlen-
deu qoe uevia aecusar-rae de perseguidor
a seus clientes, e esta mesma titeoria fai
expendida ao publico por meas inmige* :
nenhuma reapoeta dei-ldat, alem do mea 9
mais soberano desprezo ; e 6/mado em quo U
minha consciencia sa acliava tranquilla de
lo torpe accosae,3o. Patsaraot quasi qafl- o
tro annos, a juslica lomou coahecujiento da
oerorrido, o* criminosos foram oras julga-
dos e oolros foragiram-se. Eolretanto, ap-
parece a quadra aleiloral, conscio qoa
devera pleitear este campo, o fia, e 13o fe-
liz que eolhi os loaros da victoria ; nece*-
sanaraente essa lata creoa para, mim ia-
caroijado* ioimigo*. Fiudi a quadra elei-
loral, veio para delegado o primeiro su*-
pleute, o tenente Manoel Joa de Meoezei,
e ot meas Inimigos eateaderam que era
chegada a poca de forgicarem-me incom-
modos, e oa verdade, para bom xito os-
palharam que a marte de Manoel Cambado V
-.;? tioha tido por mim ordenada. MisesavtU A
^g luvenrao, torpe calumnia !
3b Para "'""foro o seu ramalhele, allkia- ''
?j? ram ara irm3o dot assassinos de Manoel @'
%f Cambado, e fizaram qoe el* declaris*, f &
_ i* gando me coma, qoe am doa seus irmSoe ^
<"* fora o autor da morle de Manoet Cambado, W
1^ e que eu fui o mandante. Cotia a erar !^
S (,ae a m,,dde humana chegasse al o pon- <>
2~ lo d fazer que om irmao fosse o denouc- J
f& anie de sea proprio irtnao Seja po-
i^b fra o qoe for, o que me cumpre he patota- 0k
>, tea ao publico todo ess* oegro trama que 2E
^ contra mim preparar^m os mau* flgadaa* &
$ lonoigos, Nauca fui assasiio ; nao leoho {&
\Z& as vestes salpicadas de langoe, nem lao m.
j. pouco a vida cheia de crirues. Deiprezo ^
^ (do Wo> oo-mc na cooscieucia, wu bas- @
^ Unte conhecido ; sirva ao meaos de pro- t*
*lo esla minha declaracao contra todas S
quaesquer exlorsoes que meas raiseraveis
J inimigus Ii/.erem, afim de me perseguir.
J Dando, Srs. relaclorea, publicldade ao
. qae levo dito, maito obrigtrao ao tea coos-
' laute leilor
Jos Antonio Lopes,
Rio-Formoso, 22 de maio de 1857.
otwfynbencia$.
Srs. redactores.Alguem qoa acabou de asaislir
a tessao da assembla- provincial de hoje, commeni-
cou-oos qdeo Sr. depulado Aolooio Jote de Oli-
veira, ii'uio discurso que profarira em favor de seus
arligos adilivos sobre padarias e carrol fnebres,
aventurara daas propoiirdes, qae por inexactos e of-
fensivas de nosso carcter, nao deven passar sem
reiposla e eonleilacSo d> nossa parle.
Disse o*r. Oliveira qae, por occasSo de contra-
lar-te, no lempo do cholera, o tarrico doa enlerra-
monlos. ni abano assignados haviamos exigido pe-
la condurcao de cada cadver a qaanlia de trala
mil res, ao pesso que o Sr. Quinteiro se contentara
com a qoantia de oez mil reis por cada condurcao ;
inlerpellan to ao mesmo lempo o digno Sr. Dr. Mei-
ra, par que Ihe respondesse de que lato eslava a
ambic.lo e gana de dinheiro.
Quanto a esse tpico, podemos dizer que o Sr.
Oliveira foi menos pensado, quando jurando sem
duvida as paRivras da Sr. Quinteiro oa oalro nosso
desaffecto, avenlurou ama proposicao que alem da
falsa, acarreto sobre os abaixo aatigoidcs am decar
que nao Ihes cabe. Nao ; os abaixo assignados nun-
ca exigiram a quantia de trlnia mil reis pela con-
dcelo de na la,cadaver cholenco. Eis aqui como
o fado se passou :
Convocados pelo Sr. Vir.les, administrador do ce-
milerio, e encarregadu pelo governo de contratar
com nosco aqaelle servico : reummo-uos para este
fim em casa do sr. Quioieiro, e ahi propoz o Sr Mi-
guel Eileves que se aos pagasse por cada cooduccao
a qoaulia d 93000 rs.
O Agr faz observar que devia haver grande
atropello naqu-lle servico ; pelo noe lalvez n3o
fosse demasiado o preco de 125000 rs.
A isso observoo o Sr. Vires, que o Sr. QaiDleiro
o havia avadado em lOoOOO ; avista do que nenhu-
ma oulra observacao se fez e sem objncro de mais
ninguem, ficou como estipulado o referido preco de
109000 n. *
Como prova desse fado, invocamos o leslemanho
do Sr. Vir3es, que tem duvida alguma na ser tao
inleressado peloSr. Quinteiro, a ponto de alterar a
verdade em proveito desle e desconceito dos abaixo
assignados, que-de tudo podem ser acoimadot, me-
os de ambiciofoi e sedenlus deouro.
Diste mais o Sr. Oliveira, que te o Sr. Quinteiro
deixoa de fazer com regularidade o servico dos en-
terramenlos a sen cargo, foi isso devido a maior ex-
tensao da Jreguezia, que Ihe coobe a da Boa-Vista,
e qoe, alm de mais extensa, foi mais acoulada pelo
cholera.
.Tiesla p"(e ainda claodieoo o Sr. Oliveira, por-
que se a freguezia da Boa Vala he mais extensa,
nao foi a mais flagellada. Pelo contrario muito maior
foi a mortandade na freguezia de San Jote, a' careo
de Pinte, e esle nunca precsou da ajuda de nenhum
de seus compndeiros, sendo que demais a maitcar-
regava com o eterrainento dus cMlereot fallecidos
no* hospilaes da roa da Aurora, Capunga e porlu-
goa, sendo neste ollimo servido apenaa ajudtdo
peto Agr.
Se alm destes, carregaram osabaixo assignados
com oolros anlerros naquella fregoezia, como diter-
se que o Sr. Quinteiro deixea de fazer aquello ser-
vico pelos motivos '-iun referidos ?
Procara-se explicar de oulro modo qualquer a
falta de eiaccio do Sr. Quinteiro uo comprimento
das odrigacOet que a ai t.oii,ira;im.is nao se inver-
tam fados qae anida estao na memoria de todos e
podem ser provados muito fcilmente.
Queirao, senhores redactores, dar publicldade i
estas lidas feitas a preua de seui leiloret
Jos Pinto de Magalhaet.
Manuel (Ioucalves Agr.
Recife 28 de marco ajo 18J7.
Srs. relacloreajr-Apreciando ena extremo a va-
riada leilura do sen interessanle e acreditado Diario,
e dirigindo-rne a caa de um amigo atsignante, po-
de delie obler alguna nmeros para elreter as h i-
rai, que vivo oceupattts in olio ; e lendo-oi coro
toda allencao, pasruei am encontrar duas correapon-
denciai pro e contra a mudanca da tde da nutriz
de Ilamarac para a igreja do Pilar da mesma fre-
goezia. Entao continuando na mesma paamaceira,
e Bdmirando o progreato das cootii, qisse rrom os
meu* tolde*, ora, graca* a Deo, ja- a minha Ierra
natal quer apparecer no roappa das Bardes, oceu-
pando ai colamnaa do mior jornal desla provincia,
9
yublkacto apttio.
VilA LAGRIMA
offerenda a lllma. e Exma.- Sra. D. Mattinima
Francisca Agres, pela sentiiissima morle d sua
Exma. filha a Sra. D. Emilia.
Qa'eras do ceo, nao da Ierra,
Bem m'o disse o corat-ao.
(F. Moutinho.) '
La marcha tao bella ranina daa flores,
Oespreta do galbo, la' roja-se ao po!
Um anjo na Ierra lucras donzella,
lim aojo I na Ierra Wgando 13o s.
Rojando esto corpo mesquinho no tmalo,
faa alma tao bella ia sobe p'ra os coos,
O praolo borbulha nos ollms de todo,
Da todos, donzella, bem como nos roeus.
Ainda innocente. n3o linhat de mondo
Tocado no* labioa amargo ventno,
Volvesle ao empyrio, risonho, conleato
Do anjo da morte ao supremo aceao.
Vt todos, qae vittet na Ierra etle anjo,
Raigai com presteza lotaoso vp ;
Qu'ellera um archaojo, qoe eslava na Ierra
E hoje he om areliaojo, qoe existe no co.
Tibartiuo Pinto de Almeida Jnior.
Recife 25 de maio de 1857.
'nm&$Hto.
CAMBIOS.
Sobre Londres, 27 3,4 a 60 d. e 27 7(8 a 90 d.
c Pars, 350 n. por fr.
Lisboa, 95 por % de premie.
Rio de Janeiro, 2 por Op) de descont.
Acn.io do.banca 50 por cenlo de dividendo per con-
ta do vendedor.
companhia de Beberibe 60000 por aej a
a a companhia l'er ambucana ao par.
c liliaade Pablicj, 3O0r cenlo da premio,
t a ludemnisadora.blide".
t < da estrada (. ferro 20 por Ovn da preru o
Disconto de lellras, de 8 a 10.
Ac{es do Banco, 40 a 45 de premio.
Duro.Oncas despalilllas. 28 a 283500
Moedat de t3400 velhas .... 16*000
e 68400 novaa I
a e 4J000.......
Prata.PalacOes brasileiros......
l'esoa coluruuari s.....
mexicanos.....,
ALFANDE1.A.
eodtmeulo da dia 1 a 27. .
dem do dia 28......
444:461^993
31:765433
479:227V26
Dscarresam hoje 29 de maio.
Calera inglezaBonito mercaduras.
Barca inglezaEunerdaleidea*.
Barca inglezaSarah narras de ferro.
Brigue inglezMignonillemercadorias.
Brigue inglez Danlebacalhao.
Brigue americanoFairyfarinha de Irigo.
Bngue dinamarquez Maria genebra, velas e
papel.
Barca portaguezaMaria Josdiverso generes:
IMPORTACA'O.
Barca ingleza Marv Wilson. vindade Liverpool,
consignada a Roslron Rovker & C, mauifestou o
segu na :
35 caixas mossolinas, 39 ditas e 68 fardos fazenda
de aUodao, 1 caixa cuteles de dito, 40 toneladas de
carv3o de pedra ; aos consignatarios.
21 caixas miodetas, 1 dita selins, 1 fardo coaros,
1 caixa e 7 bunios frrrsgens, 400 fogareiios, 1
barrica grades para os ditos ; a James Ilalliday & C.
37 taixas de ferro, 4 bailas estopa ; a S. P. Jobna-
lon ,\ C.
24 caitas linhas, -12 ditas 6 42 fardos" fazenda de
algodao, 1 caixa dito de 13a e algaida, 1 dita chales
da 13a e algudao, 50 ditas queijos ; a Barros (t
Catiro.
5 caitas fazeodade algodSo, 1 dila Jila da 13a, 1
dito chapeosde sol de seda ; a J. K-ller & C.
222 barrica! cerveja, 11 caixas e 20 fardel tecidos
de algodSo ; a Adamsoo llovie & C.
5 fardos fio de algodao em realho : a N. O. Bie-
ber 4 C.
42 caixas o 59 fardos lecidos de algodao, 5 ditos e
2 caixas dito de toa, 2 ditos dito de linho; a Soothall
Mellon & C.
1 caixa fazendas de algodSo ; afl. Gibaon
10 dilate 13 fardes fazendas de algodao, i caita
haba de lapateiro ; a Raba Scbamettaa & C.
ILEEiVEL

f MUTILADO
X


DIARIO DE PERNAMBUCO SEXTA FEIRA 29 DE MAIO DE 1857,
40 barm oleo de Mabita, 3 caias virfro, 1 feiie
chpeos 3 dilos obra de madeira, 4 macos ferralhos,
16 saceos gatos de ferro, 84 trpodes, 37 chapas pira
parede, 1* pitares de ferro, '1,004 eiooi de tlilo,
1,094 chapeos dt ferro de abrigar ; a orden).
Brigue ingle* Mignonelte viudo de Londres,
coiiflanado R'Hhe, Bidoulic&C, mioifisl.m o ie-
goinl :
50 bnrreai carreja ; a E. II. Wvall & C.
79 dita dili ; i Aramga & Bryao.
800 barril plvora, 1 caixio orna borra de farro ;
Fox Brolhrn. f
30 dlloi salitre, 1 caita colomelao^T; a J. Soun
& Compartida. I
500 dito* polrora. 200 ditoi chaiffbo de munico ;
a Antonio Joij de Castro.
49 pecaa cabos ; a Scolt Wafn & C.
25 barril saldr ; a Burle & Soma.
3U0 dilos tto caitas Mt**" a Saunders Brolhers
& Cimpaohia.
220 dito* plvora ; i M Nash & C.
200 dilu di'a ; a BdH B CaMro.
496 Olios e 4 eaiai "MHBE> A. de Soma.
16 caisai agua de Colonial a SouUwll Mello &
Coropaiihi.
lOOcaixis folha de Haadres, Htes cha, 0 dilu
canella, 5 dila biscoulos, 63 barA chumbo de mu-
nicSo, 40 saceos pimenta ; a F. G. de Olivfira.
50 barrieaa eervrji, 1 cana selius, 2 ditas chalet
de lia, 1 dita porltiices de escriptorio, 2 ditas pimoi
a ordem.
1 gaiudaile cm dilTerenles volumes, 1 meta dem,
4 wagons dem. 21 molduras de ditoi, 11 formas de
ditoi, 499 rodas, 11 caixas cora ditas 32 pare de di-
lis e enos, 64 mollas, 1 teaderi, 354 barrase 41
feixei de ferro, -18 canas e 4 barril chaves, 25 dito
prejoi, 56 dilos 6 caixis o 1 aaeco ferragsm, 60 lic-
eos farelo, 147 fardos eapira secco ; aoi con.ignala-
rios e agentes da estrada de ferro.
Vapor nacional Uuauabara* viodo doi portos do
norte, consignado n agencia maniOslou o seguiule :
32 rollos alsa ; a rerreira & Malheus.
33 ditos dita ; a Tiiomac de hara.
9 ditoi dita ; a Joaqaim de Almeida l'into,
1 rada ; a Manuel Joaqun) Ramos e Silva.
1 caia iguora-se ; a llemy Bruim & C.
I dita dila ; a Manoel Duarte Hodrigues.
30 ditas dito ; a ordera.
1 callao dilu ; a Ara naga X llry.m.
I pacota e 1 sacco ignora-sa ; a Belrairo de Bar-
ro Correia.
60 saceos ignora-so ; FranciMo Alvesde Pioho.
Patacho nacional fOninbcao vindo do Acarac,
consignado Manoel (joncaive da Silva, mainl'-lou
o seguinte :
17,857 roclos de sola, 90 cauros salgadas, 10 eou-
roi de cabra, 2 ditos de anca, 75 meies eounnlioi
curtidos, 2 pacotes redes de ticum, 1 saquiuho buxo
de peiie, 3 barricas 15 arrobas de sebo, 1 dita e~
Hatajaos peixe sreco, 90 alqueires de sal, 4 sacco}
gomma ; a ordem. *x l
Brigge ingle* a Dante, vindo de Ierra Nava, enn-
siguido J. Petar & Compauhia, mauifestona* se-
guinie : ^fc
2,250 barricas bacalhao ;' ioi consignatario. B
Brigae americano o l'iiry, vindo de KicwioifO.
consignado a Rostron Kooler & Companbia, mani-
festou o seguinte :
1,760 barricas e 266 meias ditas facililla de Irjgo ;
aos consignatario*.
Brigae araerirnno Brandywjne, vindo de Rich-
raond, ooniignado a Roslron Rooker & C, manifes-
tou o seguinte : |
1,512 barricas, 113 meias dilas fatinha de trigo ;
aos consignatarios.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do da 1 a 27. 93:156^493
dem do da 28....... 16:246)085
109:402*578
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimento do da 1 a 27. 7:810.3.583
dem do da 28. .. 398/653
2&500 rs. sobre o gado talbadoepa-
i ra negocio e dizinio do mesmo
gado, ivaliado animalmente cm 2:770 Of.O
Dizimo do gado cava llar dem 146,000
Imposto* a cargo da collectoria do
municipio do Bonito dem idera 642,000
20 Ojo da agurdente ideni dem 42,000
Municipio do Brejo.
Arrematados comincU maule :
la litado pa-
2$500 rs. sobre o gado
ra negocio e di/imo no mesmo
gado, avahado annualmenle em 1:693,000
Dizimodoga lo cavallar dem 52,000
Impostes a cargo da colleclotia idem 594,000
20 Ojo da agurdenle idem dem 38,000
Municipio do Cimbres.
Arrematados conjunctamonte:
2#500 rs. sobro o gado lalhado pa-
ra negocio edizioio do mesmo
gado, avahado animalmente em 1:211,000
Ditimo do gado cavallar idem em
Impostos a cargo da collectoria
idem Idem em
20 0|n da agurdente idjem idem
.omarca de Garaiiliuns.
Arrematados conjuuctameute
2j)500 rs. sobre o gado lalhado pa-
e dizimo
*. Para tudo o que nSo se acha previsto
uas presentes clausulas, seguir-se-ha o que
dispOe a respeito a lei previncial n. 286, e
com especialiade o art. 40. Conforme.___O
secretario, A. F. da Annunciagao.

compfnhia,, 27 de maio de 1857.O se-
cretario, Guillieime Augusto Rodrigues
Sette. ,
EXTIHCId BiSCO D2 PER-
Correio ge ral.
Reiagffo das cartas seguras, existentes na ad-
ministrarlo do correio, para os senhores
abaixo declarados:
Angelo Custodio da Kocba Medrado.
Antonio Brrelo Guirim de Almsida.
Antonio da Cunha Figue'uedo.
Antouio Francisco Altano.
Antonio Jos Gomos do Correio.
Antonio Pereira da Cunha 1'ilho.
c.ntonio da Rocha Bezerra Cavalcanti.
100,000 Cetario de Castro.
Klias Frederico de \lmcila e Alhuquerque.
Francisco das Chagas Bezerra Alvares.
Francisco Igaacio dos Santos.
Francisco i'ereira de Barros e Silua.
Gaspar Menezes Vasconcellos de Drummond.
Justina Litis Machado.
Joaquim Augusto de Siqueira Lima.
311,000
38,000
ra negocio e dizimo do mesmo
gado, avahado annua.men e em 2:763,0,,9 S^Co^ ZuZo!
D.zimo do gado cavallar i lem 80/000 j Joanna Maria da Conc
Impostos a cargo da collectoria
idem idem em
20 0|U da agurdente dem idem
Comarca de Flores.
Arrematados conjuntamente
2*500 rs. sobre o gado lalhado pa-
ra negocio e dizimo do mesmo
eicao.
JoSo Antonio ds Piedade-
'S Josepha Joaquina de Vasconcellos.
60,001 Jos F.anctsco Machado.
Jos Tavarcs Dornellas.
Joaquim de Souza Maia.
Luiza Maria do Nascimento Cesar.
JLuiz Jos de Souza.
gado, avallado annualmenle cm 3:173,00o fLuiz Salazar Mescjso da Veiga Possoa
pizimo do gado cavallar mera 342,000 Marcolino de Souza Lima (2).
Impostos a cargo dos collectores
idem idem em 999,000
20 0[o da agurdente idem 40,000
comarca da Boa-Vista.
Arrematados conjuntamente:
1,500 rs sobre o gado talhauo para
3:091,000
209,000
1:142,000
34,000
355,000
81,000
80,000
56,000
254,000
52,000
34,000
8:215S 236
DESPACHOS DE EXPORTAgAO PELA MESA
l>0 CONSULADO DESTA C1DADE NO DA
28 DE MAIO DE 1857.
Lisboa Brigoe portugnez Relmpago, Carvalho
A Irro-lo, 10 pipas mol.
PlulaitelphiaBrigae americano Fairyo, Rostron
itonk.fr Si C, 600 saceos asiucar mascavado.
Gilirallarttngne inglex Carrickfergas, Johnslon
PatM i C, 600 saceos assucar mascavado.-
Philadelphia llngue ameriaano aBrandywinea,
Rnslran Rookir & C, 650 saceos assucar mas-
cavado.
Li>boa--Carca portugueta Ligeirau, V. A. de
Suta Ca valho.iS C, 200 suecos assucar masca-
vado.
LiverpoolBarc ingiera Floaling Cluudr, Jnlins
loo Piler & C, 1,400 saceos assucar niu>cavado.
V.tlparaiioBarca ingleza ajame Anoa'o, Aiuorig
Irmaus, 1,000 saceos assucar br. neo.
New-OrleansBarca amerieaifa oBannak Thores-
looi>, Schramm Whalely & C., 1,800 saceos assu-
car mascavado.
LisboaPalieh porluguet eBrilhaiite, Baslbs ^
I.eino-, .530 sacco*assucnr brauco o 70 ditos mas-'
eataoU { JcS l'eiiolo da fouscen, 50 ceos as-
socar aaaseavado.
LiverpoolBarca ingleza Fleci Wmg, Saunders
/Jrnlhers &.C., 2,400 saceos asspcar mascataflo, e
i35 saecas algodo.
Bnllnnor^Bngue inglez Dante, Johnston Fater
& C, 2,550 saceos assucar mascavado.
AmslherdamEscuna hollandeza aAnlige, B.
Brandis& 0., 1.000 cooros salgados. 4
EXPORTADO*.
.V'fu', brigae nacioul Eiviraa, de 181 tonela-
das, couduzio o seguinte : 3 volumes chapeos
dilos breo, 5 ditos alcatrio, 8 ditos louo_a, 5 ditos
ferragens, 1 dito faieudas, 8 dilos espintos, 13 dilos
bolaenas. 2 dilos massas, 16 dilos sibao, 3 (Mos ar-
roz, 3 dr.os fomo*, 1 dito caf, 8 diloi e orna porc^o
de oiijeclos a' granel, 22 barricas arinha de trigo.
RECEBjDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBCO.
Rendimento do dial a 27. 20:4085831
dem do da 28....... 8935609
negocio o diziuio do mesm,o ga-
do, avahado annualmenle em
Dizimo do gado cavallar, idem
Impostos a cargo dos collectores
incluidos os 2005 por escravo ex-
portado, avallados animalmen-
te ein
20 por onto de agurdente'idem
impysto de 20 por cenlo sobre o consumo
de agurdente nos municipios
segu lites :
Olinda avaliadp animalmente em
Goianna idem idem
fizareth idem idem *
Pao d'Alho idem idem
Cabo idem idem
Santo Ant3o idem idem por
Rio Formoso e Agua Pela idem
idem por
Suriiihaem idem idem
As arremataces sorao mitas por tempo de
tresannos, a contar do de julho do cor-
rento auno, a 30 de jimiio de 1860, sobas
meslas condicoes das anteriores, e oa Cor-
ma do art. 76 do regulauento de 3 de agos-
te de 1852.
As pessnas que se propozerem a esta ar-
rematacao comparegara sala das sessesda
mesma junta, no dia cima declarado, pelo
meio dia, habilitadas na forma do art. 75,do
citado regulamento.
E para constar se mandou alfixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da .thesouraria provincial de
Pernambuco 19 de maio de 1857.- O secre-
tario, Antonio Ferreira da Aunuuciar;3o.
Art. 75. Os contratos, da trrematac3o de
renda, que importaren! em mais de dous
coutos de res, se^iflo efectuados sob a ga-
ranta de dous fiadores idneos, que teuham
bens de raiz na ci'tadc do Recite, ao menos
un delles, urna vez que o outro sja notoria-
mente abonado.
Art. 76. As arremataces podero cffec-
luar-se pela maior ou menor licilaijao offe-
tecida em cartas fechadas.
Art. 16 Duregulau,eiilo interno da the-
soraris.
Os documentos comprobatorios das habi-
litaces dos arrematantes, e os que devei-a
i provar a idenlidade dos fiadores se-o apre-
sentaaos na sessSo da junta anterior a da ar-
jUmratUtjSo', para^ serem loinados emconsil
lieracao, resolvur-se sobre a Rauca, e adm'.t"
Mathias Gongalvos Guerra Jnior.
Manoel Jos Carneiro.
Manoel Jos Ribeiro Cavalcanti Lima.
Manoel Thomaz dos Santos.
Pedro Antonio Cesar.
Sebastian Arrula.
CONSELHJD ADMINISTRATIVO.
O conselho admiuisiralivo, em comprimenlo do
arl. 22 do regulamento de 1* de dezembro de 1852,
faz publico que forain aceitas as proposlsde Fran-
cisco Maciel de Souza, Manoel Francisco de.Mello,
Antouio l'creira de Oliv-ira Barros, A n Ion ni de
Souza Mallos, e Josc No^ueira de Suuza, para j,for-
uecerem ;
O 1.* 200 pares de sapalus feiloi na provincia a
18800, 100 pares de chincilas a 13200.
O 2*. .'lio pares de sapalos feilos na provincia a
18800.
O 3.* 480 varas de cordao de lia prela a 70
res.
O 4*. um sinote de puuho com armas imprtaos,
a legenda inspectora do 3' dislrieto militar por rs,
, A diieccao do extincto lianco de Per-
nambuco tendo de dar m a sua lit[uida-
rao no ultimo do corrente mez, convida
por isso aos possuidores das respectivas
notas de emissao, a trocarem-nas at
aquella dala, na caita filial desta provin-
cia. Recite, o de maio d 18">7.O se-
cretario, Joao Ignacio de Medeiros llego.
A direcrao do extincto Banco de
Pernambuco, avisa aos Srs. accionistas,
que do 1 a 8 de junlio prximo, se substi-
titirao na cai\a li!al desta provincia, por
caiuVies de aceoes dest.t, as _acees realisa-
das ou'iio, do extincto Banco de Per-
nambuco, recebendo os Sis. accionistas a
importancia do excesso das realisadas, ou
entregando a da entrada das nao realisa-
das, para ficarem urnas e outras accoes a
par das do Banco do Brasil, e percebe-
tem geralmente os respectivos dividendos
do semestre, rjue principiara' no dia 1.
de iinlii) em diante. Rec'.'e 22 de maio
de 1837.-j-O secretario, Joao Ignacio de
Medeiros Reg.
Existindo no almoxarifado desta re-
partirlo, urna porga.) de plvora arruinada,
entregue pelos navias da armada, o IIIni. Sr.
inspector do arsenal de marinha, manda fa-
zer publico, que sera posta por venda, em
basta publica na posta do mesmo almoxari-
fado nos dia 28, 29, e 30 do corrente mez,
as 11 horas dajhanhaa, sendo que neste ul-
timo '1ia seTectuara a venda com quem
mais interesse^offerecer'a favor da fazenda.
InspecgSo db arsenal de marinha de Per
nambuco em 2j> de maio (Je 18.57.---O secre-
tario Alexandre Rodrigues dos Anjos.
96,000- goj, i diio para prensa com
de arlilices por j.'. .
O 5". 1 livro impresso para regi>lro
>9* balalbuo, conlendo ** '"'
legendacompauhia
auxiliar do
32 folhas por reis
geral do 9
60SO00,
Jos Nogueira d Souza, iodependenle de prepos-
la, em'virtude de ordem do governo da pr.vincia,
50 resumos da historia do Brasil' por Bellegarde a
denle il
M
T1EAIR0
DE m%
Isabel
m
JBkv 3|de junIc
_i,ecl
iie a orolic-
J,-naoawrruraat
nesll^giiw^JJWereiate c
ernandes Prente Vianna, tambem indopen-
de proposla por igual causa, 250 azelliatvdl
melal para gavetas a 3720 res.
. Avisa aos supradilos vendedores que devero re-
col ber es referidos nbjeclos ao arsenal de guerra no
dia 29 do corrente mez.
Sala das sesioes do conselho administrativo para
fnrnecimenlo do arsenal de guarra 27 de maio de
1857.Bernardo Pereira do Carinovogal e secre-
tario.
CONSELHO ADMINISTRATIVO.
O conselho administrativo para forneci-
rento do arsenal de guerra tem de comprar
os objectos seguinte :
Para a obra do hospital regimental.
Ca preta, alqueires 200 ; dita branca al-
queires 25; canoas de areia 10 ; oleo de li-
nhaga, gales 4 ; er, arrobas 3 ; secante,
libras 3 ; Uaves de qualidade, com 28 pal-
mos de compnmento, e palmo de face 6.
Presidio de-Fernando.
Ornamentos corapletos.sendo, erde, bran-
co, e rouxo 4.
4.- Iiatalho de artilharia a p.
Brim branco liso para calsas, varas 500 ;
algoJiiozinho para camisas, varas 500 ; pan-
no preto para polainas, covados 50 hollanda
para forro, covados 25 ; sapatos, paros 300 ;
esleirs 200 ; boloes pretus de osso, duzias
CompoilJo do br
lia- vezei n
cwra garal aceilaf
No inicrvallo da'cuiiiariia a S'a. D.
SanlajRosaJiSiJIryo abita applaujid
ROTEIEO DO THELEGRiPHO
Na livraria ns. 6 e 8 da praga da Indepen-
dencia ha para vender o roteiro do thelegra-
pho, novamente reformado, como nome dos
vapores e outras embarcacOes que deman-
dara este porto, a 240 rs cada um.
Lotera dk pro-
vincia*
Corre sahhatlo, 50 do
coi renteP J. Layaie.
I009000.de gratificagao.
Continua andar fgido desde 2 de maio,
do abaixo assignado, um negro crtoulo de
nome Oongaio, idade 40 anuos, grosso do
corpo, altara regular, rosto redondo, as per-
nas arqueadas quando est parado, cantos
grandes, falta Je cabellos na moleir, um ta-
Iho no canto da fonte ; foi comprado ao Sr.
Manoel Fonseca na Leito.em Maria Farinha,
e consta-me andar por esse lugar e Queima*-
das, eQueimadiuhas da ilha de Itamarac,
com urna preta por nome Rita: quem o pe-
gar leve-o a ra do Amorim. n. 36, a Antonio
Jos Fernando* de Carvalho.
No dia 2i do corrente, roubaram da
casa de urna lavadeira, sita na travessa da
Concordia n. 21, a seguinte roupa : 3 cami-
sas de senhora, 6 ditas de homem, 3 caigas
de riscado de cr, 2 lenges de madapolao,
1 dito'de brim, t palito Je riscado.
Vende-se uxa canoa de ca'reira, com
pouco uso na ra da Lingueta n. 10.
Os abaixo assignados, declarara que o
Sr. Jordelioo Mendes Pereira, deixou de ser
seu c^ixeiro desde o dia 25 do corrente, por
isso lica de nenhum effeito o que o mesmo
Qzer era njsso nome.-Seralim & lrmo
Vendem-se queijosem pedagos a 200 rs.
a libra, de muito boa qualidade : na ra
Direila n. 4.
Vende-se presuntos, paiosjinguigas,
tudo novo e por prego comraodo : na ra
Direita n. 4.
Collegio de San-
to Andr
Declara-se que as aulas de francez, in-
glez e geometra deste estabelecimeuto, co-
megam os trabalhns no 1. de junho prximo
vindourq, e que desde j esli abertas as
divas matriculas. Ra do Hospicio
PROVINCIA.
laJtosacan
1e!R!NH0*E a pob
espectculo o 1
is actos
RUMIA DE
l'inalisar o especlaculo o lido e engraciado"
deville eui dous actos
Os bilheles desde ja se acham a vendaj.no tscrip-
torio do theatro a qualquer hora.
Priucipiar as 8 horas. $
Basle
lSCiK\S
popular
DE
i
NO
PALACETE DA RA DA PRA1A-
' Sabbado 30 do corrente.
Por se ter transferilo para junho o diver-
timenlo particular vareado para este dia,
baver baile publico ; os cartes estarSo
venda no dia do divo, li ment, o qnal deve
8 horas
167- ditos brancni er imie-i de dila' diuUo Pr,nclP,ar 8S 8 horas e terminar as 3 : os
!L"!*? JUI,M seahores socios do diverlimenio particular
Ijem procurar os seus carl^na noite do
aVi
a>
Clara Lar,
21:3020
CONSULADO PROVINCIAL.
tir-se o licitanteConforme.O secretario-,
A. f. d'AununciagSo.
O lllm. Sr. contador da thesouraria pro-
vincial, servldo de ifspeclor da mesma the-
souraria, em cumpi'iineiilo da ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia, de 20 do
corrente, manda" fazer publico que no dia 18
de junho prximo vindouro, peanle a juma
da fazenda da mesma thesouraria, se ha de
arrematar a quem por menos izer a obra da
conclusfo do raio do sul da casa de deten-
gfio, avahado em 66:0059720 rs.
A arrematagao sera* feita na forma da lei
provincial n. 343 de 15 de maio d 1854,
CAri ac nnrirlinA on !>! ib aV 1__________*
copia-
Rendimrnto do dial 1 a 27.
dem dia 28.
59:0343575
7:8300ii
66:8619619
ta> jott^.
Navio entrado no dia 28 '
Ballimore39 dias, hiate americano aRosaraondu,
dt 130 toneladas, capilao Heyuolli, equipagem ,
carga 756 barrica com larnba de trigo e mais
gneros ; a ilenry Forster o: Compauhia. Per-
tence a New-Bedford.
Navios sabidos no*mesmo dia.
CotingnibaHiate braiileiro Sergipane, meslre
Henriques Jos Vieira da Silva, carga varios g-
neros. Passageiroi, Joaquim Leite ca Costa, An-
tonio Marques.
Lamandar, Barra Grande e MaceiVapor brisi-
lelro Persinonea, commandante o 2.* teoeule
Joaquim Alves Moreira.-
Rio de JaneiroVapor bresileiro diiianabara.
WH?*r '>
O Ulm. Sr. contador da thesouraria
provinci, servindo de inspector da mesma
thesouraria, em virtude de resol ugao da j un-
ta da fazenda, manda fazer publico, que de
conformidade com as leis, perante a mesma
junta, devem ser arrematados por munici-
pios e comarcas no dia 10 de junho prximo
vindouro, os impostos seguintes :
Municipio do Recife.
29500 reis sobre o gado morto pa-r
consumo, avahado annualmen-
le em 60.502,000
Municipio de Olinda.
29500 sobre o gado morto para
consumo, dem idem por
Comarca de Goianna.
2WO0 rs. sobre o gado morto para
consumo, idem idem por
CoiAarca de Nazareth.
2950o rs. sobre, o gado morto pa-
ra consumo idem idem por
Comarca do Pao d'Alho.
o, 500 rs. sobre o gado morto para
consumo idem idem por
Comarca do Cabo.
29500 rs. sobre o gado morto para
consumo idem dem por
Coolarca de Santo nto.
29500 rs. sobre gado morlo para
consumo idem idem por
Municipios do Rio Formoso
e Agua Preta
29500 rs. sobre o gado morlo para
consumo idem idem por 2:657 000
Municipio de Serinhaem*
29500 rs. sobre o gado morto para
consumo idem idem por
Municipio de Igaarassu'.
Arrematados conjuctamente
30500'rs. sobre o gado morlo para
consumo idem idem por
luiposlos a cargo da collectoria a-
valiado por anno em
20 Ora da agurdente idem idem
Comarca do Limoeiro.
Arremat dos conjunctamente:
2*500rs. sobre o gado talhado pa-
ra negocio e dizimo do mesmo
gado, arrematado annualmen-
le em
Impostos a cargo da collectoria a-
valiados por anno em
20 por Oo d'aguanlente idem idem
Comarca do Bonito.
Arroiaiodos cpnjuctamente ;
sob as condigoes especiaes--abaixo
das.
As pessoas que seipropozerem a esta ar-
matagao comparegam na sala das sesses
da mesma junta, no dia cima declarado,
pelo meio dia, competentemente habilita-
dos.
E para constar se mandou affixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco 23 de maio de 1857. O secreta-
rio, Antonio Ferreira da Annuuciago.
Clausulas especiaes para a arrematagao.
l. A conclusao do raio do sul da casa de
detetjg3o, consiste as obras dispostas no
orgamenlo.no valor de 66:0059720 rs.
2.a As obras serSo comegadas dentro de
um mez, depois da assignatura do termo de
arrematagao, e concluida no prazo de um
anno.
3." O arrematante na execugao dos" traba-
dlos gufar-se lia pelo que -se acha feifo no
raio do norte, e observar em tudo as pres-
cripgesdo eugenheiro que inspecionar a o-
bra.
4. Os meslres empregadns na obra, serSo
daapprovogao do mesmo engenbeiro.
. 5. O arrematante sera obrigado a receber
pelos pregos do ornamento, todo o material
existente nos depsitos da obra, descontan-
do-se o seu valor da importancia da primei-
ra prestaco
6.a A importancia da obra ser devidid9
em quatro prestages iguees, realisadas as
pocas estabeleci.las no art. 29 da lei n. 286
7.a Tuto o mais que se n5o adiar aqui dis-
posto, ser regulado seguudo as disposiges
da citada lei. Conforme, o secretario a. F.
da Annunciagao.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda desta provincia manda fazer publico
para conbecimento de quem interessar. pos-
sa, qne a? notas de 50/000 da segunda es-
tampa (encarnadas) s3o substituidas por va-
lor igual at o ulliino de junho prximo fu-
turo ; e que do 1. de julho seguiule em
diante comegarSo a soffrer o descont de 10
por cento em cada mez, at ficarm sem va-
lor algum. Secretaria da thesouraria de Per-
nambuco 22 de maio de 1857. O official
maior, Emilio Xavier Sobreira de Mello.
- O lllm. Sr. contador da thesouraria
provincial, servindo de inspector da mesma
thesouraria, em cumprimemo da ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia de 23 do
4:210,000 corrente, manda fazer publico que no dia 8
de junho prximo vindouro, perante a junta
da fazenda, se ha de arrematar a quem por
menos lizer a-obra do empedramento doTi-
terro dos Afogados,, avahado em 36.960 rs.
A arrematagao sera feita na forma da lei
provincial n. 313,. de 15 de m .o de tW4, e
sob as clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
reoiatagSo comparegam na sala das sesses
da mesma junta, no, dia cima declarado,
pelo meio da, competentemente habilitado.
K para constarse mandou a Hilar o presen
te, e publicar pelo Diario-.
Secretaria da thesouraria provincial^de
Pernambuco 26 de 18*7.-O secretario, NA.
F. da Annunciagao.
Clausulas especiaes para a axrgfnatagao.
!* A obra do empedram
134 ; ditos braucos pequeos duzias 67.
9.* batalho deinfantaria.
. Bonetes 35 grvalas 35; sapatos, pare*
800; mantas 35 ; esleirs 400; Drjm brai
liso para caigas, varas 1088; algod3ozinmo
para camisas, varas 1000, panno preto para
polainas, covados 100; hollanda para forro,
covados 50 ; botes braucos grandes de osso,
duzias 290; ditos ditos pequeos, ditas 157;
dilos pretos de osso, ditas 334; livro de 100
folhas de papel pautado 1.
10.- baialh3o de iufanlaria.
Brim branco liso para caigas, varas 480;
algodaozinho para camisas, varas, 480 ; pan-
no preto para polainas, covados 48; hollan-
da para forro, covados 24; sapatos, pares
192; esleirs 192; botes brancos grandes
deosso, ouzias 128; ditos ditos pequeos,
de osso, duzias 64 ; ditos pretos de osso, du-
zias 160; papel almago, resmas 6; penna
de ganso 4o0 ; caivetes 2; tinta preta para
escrever, garrafas 6; lapes 72; areia preta,
libras 6; cartas de a, b, c, exemplares 20,
taboadas, exemplares 20; exemplares de
grammatica portugueza, por Monte 6 ; com-
pendios dearithmelica6; traslados20pau-
tas 6.
uvi
imciuo
Para Lisboa vai sabir com toda a bre-
vi dada a bem ouhecida barca portugueza
Ligeira, capitao Branco, a qual tem Darte do
seu carregamento promplo ; para o resto e
passageiros, trata-sc cora V. a. da Souza
Carvalho & Companhia, largo do Pclouri-
nho n. 5.
Real compauhia
quetes ingJez s a
de pa-
va por.
resane
n.5%
%D Clara Luart retiria-se para Europa.
iWl- Fremont, el*gerente da casa de Fre-
pont mesmo senhor vende o seu armazem armado
com lodos os periences de escriptorio, e
traspassa as chaves do mesmo : quem- pre-
tender, dinja-se a ra da Cruz n. 27 : e
quem tiver conta com o mesmo,apparega no
prazo de 8 dias.
Quem por engao levou da capella de Nossa
Senhora da CoDceicao no dia 2i do correle nm
chapea de sol, tenha a boo-iade de manda-lo en-
tregar na ra da Cadeia do Racife, casa n. 52.
- Dm estrangero recem-cnegado preci-
sa, alugar.itn sitio perto da praga, embora
pequeo, e que a casa possa acommodar
urna pequea familia : a tralar no escripto-
rio da companhia da estrada de ferro, ra
do Crespo, das 10 as 3 horas da tarde.
Vende-se.um negro de nago, bog
mestre de aasucar, e de ptima conduela
na ra da Saudade, primeira casa de sotao'
do lado do sul.
Vende-se a taberna sita no Campo Ver-
de, muito propria para principiante por ter
poucos. fundos, e vendo para a Ierra 16 a 209
rs. ; a casa tem commodos para pequea *
milia : quem pretender, dirija-se a mesma.
- Vendem-se 9 casas terreas bem cons-
truidas, na cida!enva, em Santo Amaro,
pertencentes ao Sr. Manoel Ferreira Lima : a
tralar na ra da Cadoia do' Recife n. 2, com
Marcelino Jos Gongalves dafdnte.
- Vende-acum sitio no Arrala!, com ca-
sa de vivenda le taipa e lguns arvoredos :
no mesmo Arraial, casa amarella.
Jos do Reg Banagouro tem urna car-
ta na ra da CaJeia do Recife n. 2.
Precisa-se de um caixeiro para um en-
genho perto desta capital: a tratar na praga
do Corpo Santo, escriptorio n. 6.
O morador da luja da ra do Sol n.
23, precisa retirar-se breve, e por isso ven-
de barato por n3o conduzir, o que Ihe qui-
zerem comprar do all existente.,
_ ordem terceira do Carino.
O abaixo assignado, vendo o aununcio in-
serido no Diario de Pernambuco de 28 do
corrate, com assignatura de Gamba, de-
clara a esta pessoa que assigne o sen nome,
eent3o ser3o satisfeitas todas as perguntas
que fizer tendentes a esta ordem.
jLoteria
O Sr. thesoreiro das loteras manda
fazer publico, que se acham a venda, no
pavimento terreo da casa da ra da Au-
rora n. 26, bilhetes, meios e quartos, da
ultima parte da quarta e primeira da
quinta lotera de Nossa Senhora do Gua-
dalupe da cidade de Olinda, das 9 horas
da manhaa a's 8 da noite, cujas rodas
andam no dia 30 do corrente.
Thesouraria das loteras 23 de maio de
1857.Jos Januario Alves da Maia, e*>
crivao das loteras.
--Precisa-se de um fetor para um si-
tio perlo da pratja, paga-se bem, sendo
iel e tendo boa conduta : na ra do Tor-
res n. 38, segundo andar.
Os abaixo assignados, filhos e genro
de Miguel Francisco Diaiz Machado, e de sua
inulher ja fallecida D. Antonia Joaquina de
Aguiar, fazem publico, e em tempo que n3o
conformam-se com a escriptura da acom-
modago que fuera o mesmo seu pai e so-
gro ao Sr. Feliciano Joaquim dos Santos,
a respeito da quesillo que este senhor enca-
minhou com o terreno denominado Canoa,
o qual sempre fora de propriedade do enge-
rido Dona, pertencenfe ao dito Miguel Fran-
cisco Diniz Machado, e seus herdeiros ; Uto
reconhecidos serem deste engenbo Dona,
e n5o do Frescodim como quer o Sr. Felicia-
no, que algumss plantas feitas no terreno
em queslao para o engenbo Frescondim, tem
sido com consenso do engenbo Dona, como
succedeu quando all esteveo fallecido Qui-
rino Joaquim de Barros; tanto mais, n3o
concordara com tal escriptura, quando re-
conhecem a irregularidade com que foi ella
selebrada ; e por consecuencia nulla, urna
vez que se nSo deram as formalidades que
nos parece precisas, bem como sermos.ouvi-
dos na qualidade de herdeiros do casal! visto
como ja iiavia fallecido nossa mSi e sogra,co
mo porque existindo orphSos.e alguns maio-
res,nao nos consta que fosse ouvido o ijuizo-
ainda mais nos parece nulla por n3o ter as-
signado a mulher do sr. Feliciano, e nem
outrem por ella. Portanto scientiQcamos
ao Sr. Feliciano Joaquim dos Santos, a a
quem mais convier, que mo concordamos
com tal contrato nullo, o perante o publico,
protestamos por qualquer procedimento do
Sr. Feliciano, acerca de ditas ierras.
Bogenho Dona 10 de maio de 1857. Jos
Joaquim Ferreira------Jos Francisco Diniz
Machado.Claudino Jos Machado. Ar-
rogo do Sr. Jos Antonio de Alouquerque.
Jos Gomes de Mello.
Tresse. fabrcame de r-
gaos e realejos, ru* das
Flores i. 9,
avisa, ao respeitavel publico, que concerta
orgSos e realejos, poe marchas modernas
deste paiz, concerta sarapninas^pami, cai-
de msica, conitOes e a^ilquer ins-
Atteucao.
o
Maria Rosa da Assumpcao, de confor-
midade com os seus annuncios por vezes
transcriptos neste jornal, previne a quem
convier, que e nicamente pasaou e
assgnou urna obrgacao de seiscentos e*
noventa mil res (690#000), em 26 de
fevereiro do corrente anno, a favor do
Sr. Joaquim Antonio da Silveira, com o
prazo de doze mezes, sendo que outro
qualquer titulo creditorio que apparega
com sua assignatura, be falso esem valor
algum, assim como que uo assignou es-
criptura d bypothajja e testamento al-
gm. Recife, 18 de.maio de 1857. Ma-
ra Rosa da Assumpcao.
s
"o coasaltorio 4o fallecido Dr. Paola
Ramos, exislm diversos medicaawnloi
homeopalhieoi. lipltrii, toboi vidros e
lbulos inertes, lado te vendpor muito
menos de sea valor, para liquidarlo: os
pretendentes dirijam-ae k roa do Encan-
tamento, sobrado da asquina do boceo da rr
Cacimba. ^jf
2:359,000
6:864,000
4:659,000
1:592,000
8:080,000
Companhia fixa de cavallaria.
Brim branco para caigas varas 150; algo-
daozinho para camisas, varas 150; sapatos,
pares 60; esleirs 60 : botOes brancos gran-
pesdeosso, duzias 40; ditos pequeos, du-
zias 20.
Companhia de artices.
Brim branco liso pra fardetas, varas 625;
algodaozinho pa'ra camisas, varas 313 ; pan-
no preto para polainas, covados 31 ; bollaii-
da'para forro, covados 16; sapatos, pares
104; esleirs 123; botOes brancos grandes
e oiso, duf ias 167 ; ditos ditos pequeos
defesso, duzias 125 ; botOes pretos de osso,
duzias 105.
Delegacia do corpo de saude.
Livro ero branco pautado de 200 folhas 1.
Arsenal de guerra.
Livro da 150 folhas 1.
Quem quizer vender, aprsente as suas
propostas em caria fechada na secretaria do
conselho, as 10 horas do dia 4 de junho pr-
ximo vindouro.
Sala das sessOes do consolho administrati-
vo para fornecimonto do arsenal de^uerra,
27 de maio de 1857.Manoel Ignacio Briciuv
presidente interino.Uernardo Perajra do
Carmo Jnior, vogal e secretario.
O conselho de adminisirajgOo do fr^
(lamento do corpo de policia, manda fazer
publico que procisa comprar partfas-nrags
de pret. 400 ,iares de spatos de-sola e tira/
feilos na tena : as pessoas que sepropoze-
ren vender, dcvero comparecer ffa sala da
secrelaria do mesmo corpo no dia i "So pr-
ximo vindouro mez, pelas II horas da ma-
nhaa, com suas propostas em c^rta fechada
acompanhadiis das competentes amostras.
Quartel do corpo de policia 28 de maio de
1857.Epiphanio Borges de Menezes Doria,
te.nente-secretario.v
Companhia
DE
lieberibe.
Al o dia :1 de dos vapores desta companliu, o qual, depois da de-
mora do cojluine, seguir para o Rio de Janeiro.to-
cando na Baha : pura passageiros, etc., trala-se cora
os asentes Adamson Ilowie & C, ra do Trapicue-
Novo n. 42.
Para : Baha
O veleiro e betn conhecido palhabote Dous
Amigos, pretende sahir nestes oito dias;
tem prompto meta de de seu carrega monto :
para o resto e passageiros, para os quaes
tem excellentes commodos, trala-se como
seu consignatario Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo, ra da Cruz n. 1.
- Para Lisboa^ sabe em poucos dias o
brigue portuguez Relmpago, para o resto
da carga e passageiros, para o que tem ex-
cellentes commodos ; trala-se com os con-
signatarios Thomaz de Aguino l'onseca &
Filho, na ra do Vigario n. 19, primeiro an-
djr*. ou com o capitao na praga.
Troca-se urna barcaga nova de 26 cai-
xos, por outra de 50, dando-se a differenga,
ou vende-se a mesma, que se acha appare-
Ihada e promata a navegar : na ra da Cruz
n, 35, primeiro andar, a fallar com Joaquim
Gongalves de Alhuquerque.
Para o Rio de Janeiro sabe com
muita brevidade a barca Recife, e tem a
feteior paite de seu carregamento promp-
W : para o restante e passageiros liata-se
om Manoel Francisco da Silva Carrico,
na na do Collegion 13, ou com o capi-
tao Manoel Jos Kilieiro, fcjordo.
DA
ovmcia.
'0
590,000
1:810,000
460,000
106,000
3-698,000
823,1
114,0
A dirtjccao da companhia tem dehbe*
rado fazer a cobrahqa dos chafarizes e
l)icaspor arremataco de cada um cliafa-
riz separadamente^ sob as condicoes que
se acham patentes no escriptoaio da com-
panlia, ra Nova g. 7, primeiro andar.
/Alii se recebem pt opostas eA carta fecha-
das pira qualquer dos chafarizes, deven-
do ter lugar a acrematacaq dos do barro
do Recife no da 5 de junho prximo,
pelas 9 horas da manliaa, onde devem,
suas
do aterro dos .
Afogados, far-se-h defeonjyrmiJade com o comparecer os pretendtfcles^ieom
orgamento >pprovad pea directo-ia era fiancat.
conselho, e apresentado approvagao do
Exm. Sr. presidentp^da provincia, ua im-
portancia de 36:960^ rs.
2a O arrematante principiar as obras no
prazo.de un mez, e os coucluir no de 14
mezes, ambos contados pela forma do art.
31 da le n. 286.
3. O pagamento realisar-se-ha em quatro
prestagOMfuaes, cujas tres primeiras. cor-
Servira' de base para a artenaterao o
termo medio do rendimento de tres an-
nos ltimos ; sendo o chafariz la ra do
Brum : Vi0, Cruz 6:-t00$000 rs. ; Forte do Mattos
2:701)$; caes d*Alfandega 4:200$ rs.
A direccao esperando algum melhora-
i----------- j ( -- -"J-" "w ^ii luc* a3, *-*!- "
responoerao aos tres tergos da obra, e a ul-imento da Itvreconcurrencia,,aceita toda
tima Acara pra a ealrega denitiva. | e qualquer proposta.- Etcriptoi-io da
O agenle Pestaua far leilSo de 20 bar-
ris com vijno branco, desembarcado lti-
mamente : sexta feira 29 do corrento, as 10
hoyas da-manhSa, na porta do armazem do
Sr. Annes, defronte da alfandega.
O agente Pestaua far leilao de gran-
de quanlidade de mobilia de Jacaranda,com-
pleta, dita de amarello consistindo em me-
sas ledondas, consoios, solas, marquezas,
toucadores, apara lor, can lieiro americano,
apparelho para cha de pircellana diverso,
relogio de ouro patente, corrente, trancelim
e mais ohjeclos que se acham patentes nodia
do leilSo, no referido armazem : sabbado 30
do corrente, as 11 horas di manhaa, em seu
arma/.em na ra da Cadeia dw Recife n. 55
O agente Borja fara leilao sabbado 30
do corrente, as 10 horas da manhaa, em seu
armazem na ra do Callegio n. 15, de diver-
sos movis pertencentes a urna pessoa que
se retira para a Eu/opa, constando ae urna
excelente mobilia de Jacaranda, com pedra,
urna ptima secretaria tambem de jazarn-
da, 2 guarda roupas, commodas e meias
commodas, urna cama franceza, varios lei-
tos para criangas, um lindo toilette, espelho
de yfjjtir, lavatorios com os competentes ar-
ranjof, um grande guarda louga, mesas de
'abas e elstica (grandi), urna ptima mobi-
lia de amarello c.implela, varios movis de
marcineiria p8ra differentes misteres, can-
delabros e lantefnas devidro, lindos vasos,
figuras e mais eofeiles de porcellana e de
crystal para sala', um excellenie relogio de
parede, quadros com estampas, utensis e va-
rios arranjos de casa etc. : igualmente far
leilSo dos muitos objeclos existentes no re-
ferido armazem, ja anuunciado para o dia
27, cujo leilao nao poude ter lugar; bem
como 2 ptimos bois de (arruga.
Corre amanh3a 30 do corrente.
O abaixo assignado ainda lem um.resto
de seus felzes bilhetes, meios e quarlos,
as lojas do costume.
Por aluslianode .quino Ferreira,
Jos Fortunato dos Santos Porto.
Sabbado 30 do qorrente pelas 3 horas da tarde,
depois da oriiencia do Sr. juii de paz do segundo
dislrieto lieS.iiln Aulonio, se ha de arre-malar os
bens penhorados a Fimino Jos do Espirito Santo,
por exucm; io de Oliveira Liras, entre os quaes um
cruciTicio de ooro, urna clarinela de chaves, e oa-
Iro objealos do raeimo exeeolado.
Apresenlou-se em caja do abaiio assinado om
menino de nome Domingos, cor preta, e idade de 14
annos, pouco mais ou menos, pedindo aeazalb e fa-
iendo-se-lhe diversas pergonlas, declarou.er nalu-
rnl da Ooianna, n,1o ter pai era mjM'e ser forro.
Declara-se. portauto, que responso- idide alguma
loma o annunciante por qualqu>- avio que possa
ler dito menino ; lano nv a-^ fez apresenlar
peranle o lllm. ar. subd-- -gado Fr.....ico de Miran-
da Leal Seve, e fez i, decliraju de ser forro, e
por comiserajioi, 1he continua a prestar agazalho.
Qulquer pesot que livor dominio ou autoridad
uelle, se diiiiir a ra do Brum,armazem de assucar
H, 28 fe^-Jot da Silva l.oyo.
Uontem a noite (27 do cafrenle), no bolequim
do Sr. Paiva, o ahaixo assignado, perdeu de urna de
suas-algibeirus 120> em sedla, sendo urna nota
branca nova de 1003 do banco do Rio de Janeiro, e
outra timbera brauca e nova de 203000 do ban-
co de Pernambuco, ambas estavam dobradns, e
a de 20o eslava dentro da de 100# : qnein as achou
e quizer entregar, podera' fazer ao abaiio asignado,
ou mesmo a na ra do Livramento n. 33, segundo andar.
Jos Nicolao Ferreira dos bautoi.
Com t..';que de a varia, a di-
nheiro.
Peras de madapolao lino.
Peras de pauuo de coiiueiro.
Vende-se na rua do Crespo, loia
quina (jue volta para a rua da Ctfli
xas
truniento que apparega, e taa-7a faz obra
nova. Na mesma casa fabricam-se caixas
para joias de qualquer rfatureza, retratos,
carteiras homeopatlncas, estoios', faqueiros,
etc., etc.
O -r. Joaquim Pinto da Cunbaqueira
apparecer no prazo de 8 dias, no pateo do
Tergo o. 19, aOm de tirar um seu penhor, do
co"' ario sera vendido para pagamento do
pal e joros; e para que nao se chame
irancia, faz-se o prseme. Recife 26 de
mau de 1857.
Na sexta feira 29 do correte, na sala
das audiencias, e tinda a do lllm'. Sr. Dr. joiz
de orphiios.tea lu^ar a arrematagao da casa
terrea sita aefronte da igreja de N. S. dos
Remedios, anuuucUlS para o dia 22 do cor-
rente-, que n3o teve lugar por nao haver
audiencia.
ftoga-fee
a quem descobrir urna trouxa le roupa la-
vada que desencaminhou-se do porto das
canoas da-Qonle da Boa-Vista, a qual se jul-
ga ter sido entregue em urna casa por enga-
llo, sendo a maior parle della de escravps :
pede-se, portanto, a quem a tiver, a mandar
levar i rua nova n. 38, loja, ou annunciar
para se procurar.
Inatidaie do 5$. Sacra-
neiito da matriz da
Boa-Vista.
O escrivSo desta irmandade, abaixo assig-
nado, convida a todos os irmaos em geral
pata comparecerem no domingo, 31 do cor-
rente mez, pelas 9 horas da manhaa, no con-
sistorio da irmandade, alim de se procedpr
a eleicSo para a nova mesa que tem de diri-
gir o anno de 1857 a 1858.
Jos Joaquim da Silva GoimarSes
i OiEQDES-
Vendem-.se 3 escravos de idade de 16,18 e
24 annos, bonitas hguras, muito sadios e
robustos, proprios para todo servigo : os
pretendentes dinjam-se ao aterrada Boa-
Vista, terceirosobrado, segundo andar, jun-
to a o Sr. L-iconte.
tiem precisar de aterrar qualquer ter-
reno ou alagado, dinja-se a rua do Monde-
go n. 99. Na mesma casa se dir quem tem
urna canoa a berta, que pega um milheir
de tijolo de alvenana grossa, para vend
por prego commodo.
J. James levins e sua mulher reli-
ram-se para luropa.
da es-
teia.
Quem se julgar com direito a loros
e laudetnios a's casas de Francisca Mana
da Conccirao do becco das lUiudinlias n.
15, dos herdeiros de Jos MaTia de Amo-
rim, n. i, travessa do Caldeicro, vulgo
becco do Monteiro, vendidas pela azenda
provincial, appareca at o dia 30 do an-
dante mez, na rua larga do Rosariotg; 17.
Na rua Nova, deposito de pianos do
Sr. J. P. Vogeley, ha para vender um
e\cellq|te piano inglez, do autor Co!ln'd
& Collard, por preco mdico.
Os abaixo assignados, com-senhores
do enhenho Matto-Grosso, na cidade do Rio
Formuso, declaram ao Sr. Joao Hento de Go-
veia, que baja de suspender o alevanlamen-
to do novo engenbo que est levantando em
trras do dito engenbo cima, para poupar
os abaixo assignados o faze-lo judicialmente,
caso o n8o faga. Recife 25 de maio de 1857.
Manoel de .m o tira Silva de Aguiar.Ma-
noel Eliss de Moura.Francisco Machado
Teixeira Cavalcanti.
D-se at a quantia de 50 rs. a pre-
mio, sob penhores de ouro ou prata: quem
precisar, dirija-se a rua da Penha n. 25, pri-
meiro andar. ,
LOTERA do
Hio de Ja-
neiro.
AOS 20:000$, 10:000$ E 4:000$.
Na praoa da Independencia n. 40,
acham-se a ven'da os novos bilhete da lo-
tera t4 do Monte-Po-Geral, que devia
correr a 25 do presente ; a* listas espera-
mos pelo vapor brasileo,' que icava a
partir a 25: na mesma loja cima se ta-
ra' o prompto pagamento dos premios,
de conformidade aos nossos annuncios.
JoSo Damasceno Pacheco, de presente
morador em trras do engenbo da Escadt,
muito grato seria pessoa. que lbe der noti-
cia, certa da existencia ou mor te de seu fi-
lho, Simplicio Alves Paceco, ofoal-fora
rccrulado no anriode 1851, e logo reaiettido
paca o sul do imperio, pede portanto aos ba-
bflntes, tanto das provincias do sul, como
do norte, que lrem o presente aununcio,que
por bondade declarara o que souberem a
respeito, podendo dirigrr-se por carta nesta
provincia ao' Sr. Rufino Jos Fernandes de
Figueiredo, na secretaria da presidencia.
PreaBa-se de um feitor para sitio :
no sobrado da rua da Gloria n. 7.
D-se 339000. >
Precisa-se de alugr um preto possanta :
na rua do Rangeln. 13.
O abaixo assignado faz sciente a quem
convier, que na qualidade de testamenteiro
do finado Manoel Moreira da Silva, que ten-
do de dar principio ao inventario do mesmo
finado, e por isso roga a todas as pessoas que
com o mesmo tiverem coutas, de aprsente-
las no prazo de 8 dias, acontar da data des-
te, para serem altendidas no mesmo inven-
tario. Outro sim, tosas os derodores do ar-
mazem de carne sacen, em que o mesmo
finado tinhi sociedade, queiram quanto su-
tes pagar seus dbitos ao sr^ Jos Joaquim
Martina, pessoa habilit?da ffea este fim, por
ser socio do mesmo, e como tal liquidatario
da exlincta firma : esta declaracSo se faz pa-
ra livrar de futuras duvidas. Recife 27 de
uiaio de 1857.Jos Joaquim da Costa Maia.
Precisa-se de urna ama que saiba oo-
zinhar e fazer todo o man servigo de casa :
na rua do Caldeireiro, taberna n. 40.
Precisa-se de um criado que d fiador
a sua conducta : na rua do Hospicio n. 56.
Precisa-se de um oflicial da barbeiro:
na rua larga do Rosario n. 33.
- Na noite d 26 para 27 do corrente, foi
aborta a gasu'a, a taberna n. 79, da rea do
Rangel, d'onde levaran varios gneros, e
urna mesa com gaveta, a qual estara fecha-
da, talvez suppondo que havia dinbeiro : rn-
ga-se aos autores, queiram mandar deitar
por baixo 3a porta os papis que estavam na
referida gaveta, eque fiquem com o mais,
alias perseguir com o rigor da lei.
No dia 9 de junho prximo vindouro,
tem de ser arrematados em praga publica
do Sr. l)r. juiz municipal da primeira vara
desta cidade, lescravos, penhorados pelos
credores do fallecido coronel Francisco Ja-
cintho Pereira, para pagamento de suas exe-
cuges, cujo scripto se acba na mao do
porteiro dos auditorios ; he a ultima praga.
l)o poder'do abaixo assignado desen-
caminhoa-se ama lettra da quantia de 100*,
sacada pelo mesmo abaixo assignado, e s-
ceita por Antonio Flix Machado, no dia 15
de abril prximo passado,a prazo de 6 mezes,
e como a dita lettra tenha as costas o tras-
passo passado no dia 11 de maio do corren-
te, previne-se para que ninguem faga nego-
cio, visto ja o aceitante ests prevenido.An-
tonio Carneiro Pinto.
O abaixo assignado, roga a toda e'qual
quer pessoa que se julgar credor da taberna *
sita em Campo Verde, da qual he caixeiro o
Sr. Bernardo Rodrigues G. e Costa, baja de
apresentar sua conta al o dia 30 do corren-
te : na rua da Senzalla Nova n. 20, o qual
findo o dito prazo, n3o se responsabilisa por
qualqner debito que apparega, sem que seja
contral,ido pelo abaixo assignado.Antonio
Ribeiro Fernandes.
Elias Emiliano Ramos, vende um sitio
njfr Casa-Forte, mes ido por traga de lettras,
ainda mesmo de remissos devedores : com
tanto que tenhara bens livres deduvidas,cu-
jodono esteja sugeito a penna do Exm. Sr.
Dr, Peretti ; o sitio regula de 900 a 1000 pal-
mos Se fundo, com largura proporcional,
lleta mais de 100 arvoredos,3 cacimbas, e m
casi. i
v-Jfcrua do Brum n. 22, armazem de
LuizJjJSe deS Araujo, ba para vender su-
perioa^era de carnauba em saceos, vasos
esmaltados para quera tiver bom gosto, para
sitio ; tem amostras, no armazem Je Justino
Antonii l'into, atraz do Corpo Sanio ; pre-
suntos do Porto na taberna de Antonio Lo-
pes Braga e vi mes que vendem-se em conta
para liquidar coaUs.
l'recisa-sijab urna mulher mimo ca-
paz paMfair companhia a urna senhora ca-
sada, qoencop-se em trata meato ato um dos
arrabaw Bita cidade, devemo tambem
encarrngaMe de cozer e engomtnisr para as
duaspri icipaes pessoas da familia, tomar a
seu cuidado a conservagSo e asseio da mobi-
*>a e oerf Ifb da mesa; para o domis ser-
vigo, s a escravos: aquella que se julgar
habilitada a desempenhar bem estas obriga-
coes, dando conbecimento de ana conduela,
pode contar com urna renumerago de 20* a
59 rs. mensafs, dirija-se a loja n. 3 da rua
jo Cre%|o prximo aoardo. ou annuacie por
este lafiopara ser protJtrfeda.
JdadlimjBnloiiiode Santiago Imsh,
de brilhuntes para sflnlrora, uro .-..;rti,nento
de antieis de ouro, e outros muitos objeot09,
que serao apresenlados vista dos compra-
dores. v
Oahaixo'nssignado, filho dWallecido
commendador Luiz t'.omes Ferreira, declara
novamonle que vendo-so perseguftlo por
contas de Luiz Gomes Ferreira Jnior nao
so responsabilisa por ellas, puis que se as-
signou sempre Luiz de Moraes Gomes Fer-
reira.
.4 viuva de M*noel fran-
cisco Ribeiro, moradora na rua do Sol n. 7,
continu'a a fazer cangiea to tos os domingos
e dias santos, em quanto houver mitho ver-
de : recebe*as encommen .as na vespera, e
nada diz sobre o bom desempt-obo, porque
ja he bem conhecido o seu tiasalho.
No dia 30 do correte mez, depois da
anuencia do Dr. juiz municipal da segunda
vara, se bSo de arrematar por venda, na ca-
si das audiencias, o resto dos bens penho-
rados a Luiz Pires Ferreira, por execugao de
D. Marianna da ConceigSo Pereira, escnv3o
Baptista, por ter transferido para a primad
ra audiencia o mesmo juiz.
Precisa-se de um bom amassador
padarta na rua atraz da matriz da Boa-Vis
n, 26.
Relogio^.*
Francisco JosB^H|^^5elojoeiro,?cam
loja na ru : iSSiao rgspeiWflfc
publico, que :icaba aoiitpR),r com os pri-
meiras fabr,ciatal)j|rio JfTlriglaterracomo
de Fraoga e Suissr, para os rofcsmosMhe fa-
zerera*remesits dos ma^'acreditados relo-
gios, tanto de prata como Je ouro; assim
como se encarrega de fazer qualquer encom-
meuda tendente a*sua arte como de o^itra
qualquer, pelo que promette o bom desem-
psnhi) de tudo que lhe for encarregado. Nai
mesma loja existe um grande e vaiado sor-
tinlenlo do relogios de ouro e prata, paten,)
tes, de todas as qualidades, ditos americano!
de um gosto moderno, ditos com despertad
dor, com corda para 3 dias, dilos ame
nos com corda para 8 dias, dlH^
com msicas, grandes, de 6 pegas
ricas, proprios para repartigao ou escripto-
rio, despertadores pequeos e grandes, cor-
centes do ouro, ricos sinetes, correntes de
ouro das mais modernas, superiores oculos
para theatro, ditos de ouro do melhor goso,
ditosde ago comosaros os mais fihosque tem
apparecido, lunetas de ouro, riejs "botes
para puuho, relogios de ouro com esmalte mudou ntta rtUTdericia da rua Direita, pera
iq)*kitn Ar
.sua rstd
a Boa-VjjU rua dtos Coelnos, para o sobrado
a direita, com 7T*neaas de frente, sobrado'
do Sr. Adelo J*s ojb Mondonga. /
f l'recisa-sa atufar um tscravo qu seja fiel para
o lervifco d mu caii, piga-se 155 por mei e da-se
a comina : a tratar do escnptorio da roa das Laran-
geirai n.14.
Heury Bevins retira-so para Europa.
--Preeia-se de uro homem da idade de boa
conduela, para Iralar de um sillo : a Tratar com o
Sr. Manos! Joaquim Curren Leal : Da Boa Visli
juilva raa d'dKua.
Precisa-se de um mogo portuguez, de
18 a 20 annos, para caixeiro de urna fabrica
de velas do carnauba, dando fiador a sua
conduela : na rua Direila.n. 59.
Bilhetes d<
Graram-se e Imprimcm-se'cal bilhilet
de.visita, lettras de coroniercio | ibjtcios de
arte caligraphica, rcni-tros, vinlielW* qaaesquer de-
seuhos. Abrem-se firmas, sioetes, linio atalho do-
cu como em relevo, ornsmtDloscom objeclos deoor-
e prala. Fazem-sa riscos lindos e originaes para
os de lliyriuthfl. Admilie-ae a recusa ds '
uer rteMDt objectos no caso de ajo ficarem o
ltenlo dan pessoas que os encommendarem : quer
tender dirij>-s a qualquer destes lugires: uo
rro do lecife, rua da Madre de Deoa 32, pri-
iro andar; em Santo Anlouio, aa livraria classici
apaleo do Collegio u. 2 ; as Cinco Poutii, tobra-
do da quina confronte a matriz nova.
MUTILADO s


.
DIARIO DE PERNAMBUO SEXTA FEIRA 29 DEMAIO DE 1857.
C0ISLT0R10 PIEOPATHICO
DO
Onde seacbam serapre os mais acreditados medicamentos, tanto em tinturas como
em glbulos, e preparados com o maior escrpulo e por pregos bastante commodos :
HiECOS FIXOS. '
Botica de tubos grandes
Dita de 24
Dita de 36 >
Dita de 48 t
Dita de 60
Tubos avulsos a
Frascos de tinturrademe'iaoca! _
Manual de medicina uomeopatbica ds Dr. Jahrcom olio?
conano dos termos de medicina...... Q,C
Medicina domestica do Dr. Henry .
cholera* morbus ." .
Dr. Mello Moraes .
s
>

10/000
154000
309000
254000
309000
1 0
84000
309000
10/000
2/000
9<000
Aderteoa de brIUi
diamantas e perol
eiroi, alunitas,
a rotelaa, botOes |
de difereotet i
diversas pedra
Compram,
trocam prata,]
^ Ihaoles.dia
las, e oatraa
jotas de valor,.
* ou pot obras.
I0REIR1 k ODETE.
Lu ii imnii
Rua do Cab
OUROEPBATA.
n. 7.
< Adereces compleloe de
ig ouro, raeios dilOs, polsai-
* ras, alfloetei, brincos e
K rozetai, cordoes, traneel-
S? lim, medalhss, correnles
* e enleile para relogio, e
oalros mallos objecloi de
fe ouro.
Aparelbo? compleloi da
tecebem por to-
es os vap, t sda Eu-
r-, a Aparemos
DA aSODraSUO lliaiS P"tparaeh, bandejas,
J- $ salvas, cailicae, eolhsres
moderno g^osto, tan- I <>pa <<**. .mci-
. T? S ,0* O0'ro objectos
to oe rranea como fprsla-
de Lisboa, as quaes vendem por
preco commodo como costumam.
Attenco
K. C Yates & Coropanbia: estabelecidos
no Rio dOJaneiro. na ra do Hospicio n. 40,
vendo um anuncio publicado em urna das
folbas de Pernambuco pelo Sr. Bartholomeo
F. de Sooza, preveuindo ao publico que o
verdadeiro xarope do bosque s elle he
quem vende,preveQu|jftao mesmo publico,
que o nosso MrOBjaJOremettido do Hio de
Jroeiro pelos ciau proprietmrios ao Sr.
Manocl Alves Guerra, e este senhor fez o de-
posito para ser vendida na pharmacia do Sr.
Jos da Cruz Santos, -ua Nova n. 53, ni-
cos por no* autorisados pira venderem o
nosso terdadeiro,
senhores coasum
annos os rotoloai
prevenimos aos
ba perto de 5
loas garrafas alo
S, como procura-
Rio de janei-
aasignados por M
dores dos cimaP
ro 13 de Janeiro
Bartbolo
do o annuncio _
panhia no Otario
mente verdadeiro
se vende nesta ci
Jos da Cruz Santo!?
Sr. Manoel Alves Gaerra, <
proprietarios, declara ao
duvida seja falso o xarope de bosque que
tambera vende em^ua botica, mas assevera
que elle he comprado aos mesmos Srs. R.
C. Yates & Companhia, *do Rio de Janeiro,
como pravam os documentos abaixo
uza, len-
& Coin-
di z ser s-
osque que
acia do Sr.
deposito o
e recebeu delles
blico, que n3o
O Dr. Ignacio Firmo Xavier faz publi-
co, que mudou sua residencia para o seu si-
tio na Passagem da Magdalena, que tica ao
norte da estrada entre a ponte grande e a do
Cbora-menino, e ah tem preparado urna
casa de saude com todos os commodos para
o traumento de escravos, cujos senhores
residam fora da praga, ou -que nSo os pos-
sam curar em suas proprias casas : quem
para ato quizer-se utilisar de seus servicos
mdicos, que serSo desempenhados com o
maior zelo, dirija-se ao pateo do Carmo n.
9, primeiro andar, ou no referido sitio da
Magdalena. Preco-2^000diarios-exceptu-
ando conferencias, sanguesugas e opera-
I
Rio-Formoso.
O Dr. JoSo Honorio Bezerra de Mene-
"', medico pela Facilidad da Babia', tem*
nudo sua residencia oa cidade do Rio-For-
moso, e de novo efferece seus servic.ua a to-
das ai pessoas qae o bonrarem com sua coa-
nanga.
RIO tW J
O Sr.
compran a
4 duziaa
do bosque
* dozias __
rope do bosque "a 279BKTTT. 162*000
9TO DE 1856,
de Souza
Ua:
2164000
Rs. 378/000
Receb o importe cima, do Sr. Antonio
oaquitn Vieira de Carvalbo. Rio de Janeiro
de agosto de 1856. Por 'R. C. Yates &
'.ompanbiaJos Paulino Baptista.
Reconheco verdadeiro o signal supra. Re-
oife 8 de agosto de M56.
Em f de verdade. ,
___ Manoel Hilario Pires FerrSo.
BIO DE JANEIRO 18 DE FEVERFIKO DE
1857.
Os Sre. Constantino Gomes de Faria & Fer-
rera compraram a R. C. Yates dt Compan-
hia : .
4 duzias de garrafas com xarope
do bosquea 54*000. a. -. '. 216/000
6 duzias de lpl garrafas com xa-
rope do bosque as; B '. 162/000
, Rs. 3789000
Recebemos o imng K. R. c. Yates &
CompanhiaW.
No* abaixo assignadol Tlclaramos que
compramos o xarope cima para o Sr. Bar-
tholomeo Francisco de Souza, de Pernam-
buco, em virtude de sua ordem de 3 do cr-
rante. Rio de Janeiro 18 de fevereiro de
1857.Constantino Gomes de Faria & Fer-
reira.
Reconhego ser verdadeiro o sigoal supra
de Constantino Gomes de Faria & Ferreira.
Rio 18 de fevereiro de 1857.
Em f de verdade.
Jos de Castro.
rda ou preta,
iba tratar de
a pessoa que
rregar, diri-
mo quem va i
para tratar de
go avista de suas
Preci
prefer ndi
crianzas,
a ti ver, ou
ja-ae a ra de s.
paramrua Bella, sol
seu ajuste, que
qualidades.
* Ama de ite.
Precsa-e de um ama que tenba bom
leite, forra Vista, loja de bilhetes n. 56.
Aferijo.
Scientifica-se a quem convier, que a revi-
sSo de pesos, medidas e balanzas, pr incipia
dol. do crrante a Andar no ultimo dein-
nho : na casa da afericSo, no pateo do Ter-
co n. 16.
mrTh/aiZ"Sei0do e l^'quer negocio com a
melhor loja do Passeio Publico n. 9, com
fazend.s ou sem ellas ; a fallar na roesma.
Alupa^e apnmeira salado primei-
rt) andar do sobrado da ra da Cadeia
do Recife n. 14, muito proprio para es-
cnptono: a tratar na loja da mesma.
.-- a.ba, ssignado, por parlada com-
missSo liquidaUna da companhia de Pesca-
ras Lisbonense, faz publico que de confor-
midade com a rosolucflo tomada em suaas-
semblea geral, se proceder a venda emJei-
lao publico, na praca de Lisboa, de todos os
navios da referida companhiaTS como bre-
vemente tem de chegar a este pVtSo bri-
gue denominado Pescador, pertence-.te a
mesma, avisa-se a todas as pessoas qI
sadas na compra de taenavios, para i
examinem. podendo dirigir ao abaixo i ag-
nado noseuescriptorio, ra da Cadeia do
Recife: o supradito leilSo ter lugar loco
quo o mencionado brigue, regressar nesta
]L\f'?:7P0rJ"n?isco G<>mes de Oliveira;
Joao da Cruz Macedo.
Precisa-se de urna pessoa para o ser-'
vico interno de urna -casa estrangeira.
entenda de cozinha : na ra Nova n. 17.
.'; Preci*a-se de urna ama para o serrico
.nterno de urna casa de pouca familia : na
pra?a do Corpo Santo n. 17.
Sacca-e sobre a praca do Porto : na
ra da Sanza-Nova n. 4..
JZZ ,0n,m- .Sr- Dr. Jos Nicolao Riguei-
ra Costa, e mejor Manoel CUudino de Olivei-
ra Cruz, que- tm mandar a ra da Cadeia do
Recite loja-in. 50, receber cartas vindas do
Assu, acompanhando a daquelle outro.
caixaozinho. '
Jantares
Na ra de HortSs n. 16, primeiro andar, se
fornece almocos e junares para casas parti-
culares, sendo com muito aceio e prompti-
do, mandando-se levar em casa na hora
que se determine; e tamben se alugam sa-
las e quartos por muito commodo preco.
Lotera
DI
provincia.
O abaixo assignado ven-
de bilhetes garantidos, pe-
los precos abaixo notados,
sendo da quantia de cen
tail ris para cima, a d-
nbeirc vista, em seu es-
criptorio, na ra. da Ca-
deia do Recife n. 50, pri-
meiro andar.
Bilhetes. 50400
Meios. 2^700
Quartos. 10350
P. el. JLfjyme.
Precisa-se de um preto para t servico de urna casa estrangeira, paga-se
bera: na ra da Cruz n. 33.
teomptu
Ossos.
Na ra da Sensala Velha n. 116, compram-
se ossos de boi.
Compram-se travs de 25 a 35 palmos
de comprimento, e palmo de grossura : na
livraria da praca da Independencia n- 6 e 8
Compra-se orna cabra costumada a
criar menino : na ra de S. Francisco, so-
brado n. 8, e na livraria n. 6 e 8 da praca da
Independencia.
Compra-se effectivamente na ra das
Flores n. 37, primeiro andar, apolices da di-
vida publica e provincial, accOes das ciMbpa-
nhias, e d-se dinheiro a jdVos, em grandes
e pequeas quarJlias, sol o penhores. ^
Compra-se effect vamente cobre v
lho, seja de que obras for, forro le navi
300 reis a libra, e latao a 260, e peridicos a
iijoOO.arroba; no pateo do Carmo, esquina
da ra de Hortas n. 2.
- Compra-se um sitio perto da praca e
urna casa terrea nesta cidade : a tratar na
ra do Cabug, loja de ourives n. 1 D.
Compram-se barris de vinho que nSo
tenha mistura d'agua: na ra da Senzala
Velha n. lio, "deposito de bebidas espiri-
tuosas.
Na ra da Cadeia doRecife, lojA. 50,
ha para vender urna preta que fas o servido
de urna casa, lava e he apropriada para ven-
der na ra.
Vendam-se 2 moleqnes pecas, de bo-
nitas figuras, de idade de 10 asnos : nos
Coelbos, primeiro sobrado a direita, com 7
janellas de frente.
Molas para carros.
Vendem-se excellentes molas pora carros .
na ra da Cruz n. 20, armazem deF. Souva-
ge*C.
Vestidos a 18000.
Vendem-se cortes de vestido de chita lar-
ga a dez tustOes cada corte : na loja de 4
portas na ra do Queimado n. 10.
Precisa-se de urna criada que lave,
engomme ecozinhe : na ra Nova n. 38.
Vende-se urna excel lente escrava mo-
ca, sem vicios nem achaques, o qae se ali-
anza, sabendo lavar e engommar perfeita-
mente: na ra da Gloria n. 55. Na mesma
vende-se um sellim em meio uso, com todos
os seus pertences.
Vendem-se bolachas grandes ameri-
canas a 120 rs. a libra : na ra das Cinco
Pon,tas n. 93, pateo do Terco n. 21, e pateo
da Penha n. 10.
Venda de
pianos.
Vendem-se muitos lindos e excellentes
Eianos, chegado ltimamente de Ham-
urgo, e com liifdo retratos* no frontes-
pido : na ra da Cruz n. 55, casa de J.
Keller&C.
Aos senbores do nos de
ttbernas.
Vendem-se barricas com sardinbas gran-
des e novas, assim como a retalho, aos cen-
tos, por preco mais em cotata do que em ou-
tra qualquer parte : na ra da Prala, arma-
zem n. 18, de Jos de Mello Costa Oliveira.
; Vendem-e os superiores queijos do
reino, os mais novos nesle mercado al**0
na ra DireiU n. 14, esquina de S*. Pedro.
Vende-se cha u'xim de Peaum, q mais
superior (Me genei .I\M|| P^. preto
TAIXAS PARA ENGENHO.
la fundipo de ferro ds O. W. Bowmana u
ruadaBrum, passando ocbafariz, eoatinaha-
dar um completo soriimer to da taixes de ferro fue
vido e batido de 3 a 8 palmos de bocea, as quae
acbara-se a venda,por epreco commodo com
promptidao; embarcam-s oucarragaas-a mear
ro semdospssa ao comprador.
Deposito
de rapprinceza da fabri-
Methodo facihmo.
Na livraria da praca da Independencia n.
6e 8, vende-se o methodo facimo-para
prendera ler, novamente impresso e aug-
mentado, por mil reis.
, -^Vende-se bom doce de goiaba, caixes
Je4 libras a 800 rs. cada um, o maiores a
90000; no pateo do Hospital n. 18.
SLuvas de pellica
para bomens e sen horas,
clujgadinhas pelo ul-
timo nn, wm\t
na pa
com
mesma
to
fu
que*
um
DE
pianos fortes.
Em casa de Timm Homsen & Vinassa, pra-
ca do Corpo Santo n 13.
L1VROS EM 8RANCO DE HAMBURGO.
Em casa de Timm Momsen & Vinassa, pra-
ca do Corpo Santn. 13.
- Na taberna das Cinco Pontas n. 93,
precisa-sede um caixeiro para tomar conta
por balance
. ."*" Q*o> precisar de um moco com ha-
bilitares para caixeiro de loja de fazendas,
que tem alguma pratica de escripia, dirija-
se a ra estreita do Rosario, taberna n. 1
. Um moco propOe-se a ensinar primeiras
I em sua casa, na travessa da ra do
ado n. 1, ou mesmo em casas particu-
)aisde familias que quizerem hon-
leus filhos, poderao dirigir-se a
ueifcora do da.
&J
la
para
alu-
RECIFE.
Precisa-se de ama
ca familia, qae saiba o
com toda a perfeic3o, e
ra do CoJlegio n. 15, ar
JOHN GA'
corre tor
E AGENTE DE LEILO'E:
n. 20, ra do
PK1MEIRO ANDAR,
| prara do Corpo Santo
Mi
am JoSo da
vanidad*
' eia da roa i\
69, aecaodo
lo, e aiii curj
8bWai da rnanhu," e
patinas qae qoeir,
SKGORO CONTRA. FfJGfj;
Companhia AlHaoce.
Pl halar ida em Londres, am marco da 1824.
Capital neo milhes de libras esterlinas.
SaunasTs Brothers & C, tem a acota da in-
forstai aos Srs. negociantes, proprieurio da casas,
a a quaa maia eonvier que esto piensa ata au-
tor8ados pela diu companhia para effeHar segu-
ros sobre edificios de* tijolo e pedra,' cobertos da
tal ha e iguaiments sobra os objectos que eontivarem
os masaos edificios quer consista em mobilia ou
/ateneas de qaalqusr qualidade.
,,
...sala e um quarto
DafrMle da matriz da Boa.Vista^T%' amola-sa' toda e qualquer obra de corte,
anim como lioapam-te ferro* de cirargia da ^9>
toda qualidade, bale-se onido em aspin-
aardas: na mesma vcDdt-M e alugam-s
bichas, awim como maadasOsa applietr a
qaalqaer hora.
Continua-se a precisa* de alugar urna
ama secca de porUs a dentro : na ra lar-
ga do Rosario n. *0, segundo andar.
_>
All;
corrji dnSS janellas pi hondo na ra de
is ti. 16 : e^ilpbearWrUa comida : he
ropria para algum aooHrjr acadmico.
Bbaixo assignado declara que o an-
EiJ publicado no Diffo de 25 e 26 do
fleam de nenhum effeito. por isso
^lonte Itaso chegou a conclusSodo
Pobre o relogio, nao havendo da
Irte do mesmo senhor repugnancia alguma
r cumprimento do referido negocio, por
iue era alheio a todas as cartas que lhe
virtude de nunca as ter recebido.
Carlos Walter.
abaixo assignado declaro que as
que tenho dito contra o Sr. C. Wal-
i dia 21 do crrante mez, na Soledade,
orara involuntarias e feitas sem pensar : re-
tiro esUs palavras e peco perd3o ao sobre-
.dito senhor.O. Gourlet.
--- Precisa-se de urna ama para (todo o
servico de urna, casa de pequea familia : na
roa da Roda, sobrado n. 36.
T" Pfecisa-se da quantia de 800*000 por
terflpo de 6 mezes, dando-se por seguanca
uma boa escrava engommadeira e cozinhei-
'ra,de -2* a 30 annos, e sadia : dirija-se a
travessa da ra ireita'para a Penha, taber-
na de 4p3o Pinto, que se fara este negocio.
Advocado na Bahia.
O bacharel Jos Marlins Alyaa. advocado
na cidade da liahia, ra do* Droguistas n.
51, primeifb andar, ollerece o seu pequeo
presumo aos senhores desta cida- i e pro-
vincia, que aili tiverem dependencias em
quaesquer negocios que teuamA I correr
pelos diversos tnbunaes oq reparlicCes pu-
blicas. As carUs que lhe forem. endereca-
^y* m sua ausenoia, aos Srs. Al-
ves, rilnoAj inpanhia, com loja de ferra-
gens na maMjj ra e casa. As procracOes
devem coater poderes para'snbsUbelecimen-
to. Os honorarios serSo pegos conforme as
convences, e sempre naqnella cidade, para
p que devera haver all pessoa compelente-
rdbnte habilitada.
O Sr. Joao Nepomuceno Coelho da
Silva, tenha a bondade de ir a travessa
da Madre d Dos n. 18, primeiro andar
a negocio de seu interesse.
Vendem-se verdadeiras e bem conhecidas
luvasde pellica de Jouvm, amarellas e bran-
cas, para homens e senhoras, pelo bsratissi-
mo prego de 2500 rs. o par, ditas trancas,
amarellas e pretas, todas de seda e prfeita-
mente boas, sem defeito algum, para ho-
mens, senhoras, meninos e meninas, pelo
barato prego de 800, 1 e 18500 rs. o par,
ditas brancas de algodSo para hornera e se-
nhoras, proprias para montar a cavalloa 320,
?00 e 500 rs., ditas de cores muito finas, de
no da Escocia, para homens e senhoras a 400,
500 e 640 rs., e alom destas outras mais qua-
lidades de luvas, e todas por mais barato
prego do que em outra qualquer parte : na
ra do Queimado, na bem conhecida loja de
miudezas da boa fama 33.
Meias de ted
as qualidades.
Vendem-se meias de seda de peso, brancas
e pretas para senhora, pelo baratissimo pre-
go do 3500 rs. o par, ditas brancas da mes-
ma qualidade para meninas a 2W0O, ditas
pintadinhas de cores muitissimo bonitas,
proprias para baptisado de cnangas a 20000 o
par, ditas brancas de algodSo, mito finas,
para senhora a 320, 400, 500 e 600 m. o par
ditas pretas de algodSo muito finasTambem
para senhoras a 400 e 500 rs., ditas cruas e
brancas para homens a 160, 200, 240, 320 e
400 rs. o par, ditas de cores de fio da Escocia
tambem para homem a 400 e 500 rs editas
cruas muito finas e fortes para meninos, di-
tas brancas e de cores para meninas e meni-
nos, e outras mais qualidades que se vendem
muito barato : na ruado Queimado, na bem
conhecida loja de miudezas da boa fama
n. 33. I
Caixinhas para
voltarete.
Vendem- '-s caixinhas com lentos
demarfimj -, voltv-te, pelo baratissimo
prego dsrtBTe 68000 : n. Ja do Queimado,
na bem conhecida loja ae wudezas da boa
faaaan. 33. -^^^
Jog os de domin
Vendem-se caixinhas om jogos comple-
tos de dminos, pelo barato prego de 18200
18500 e 28 rs. cada jogo na ra do Queima-
do, na bem conhecida loia de miudezas da
boa fama n. 33.
At tencfio
No novo deposito da ra do Rangel n 73
confronte a botica do pateo da Penha, aind
se vende p3o grande muito saboroso a tres
por dous, e outras massas finas, pelos pre-
gos abaixo : fariuha de trigo nova, superior
a 120 rs. a libra, cha preto muito nuvo a
18800, dito hysson a 2*240, bolachiohas de
soda e ajaruta a 320, ditas Sebastopol e re-
gala a 910, biscoiiinnos finos e fallas a 320
Vendem-se saccas com muitQ bom ca-
f, e mais em conta do que em Outra qual-
quer parte : na ra da Cruz, armazem n 26
-- Venderse uma escrava cabra.de idade
20 annos, sabendo cozinhar, lavar de barre-
la e sab'10, (eugomma soffrivelmente
principio de costura, sem vicios
a do patefc, drsiH| | n. 55,
ntra'da pifajma do Rosario : e na
lUinuadamTBe, alm do exceden-
tas as denminagOes e bolachas
tOtajpaghos, tambem ven-
oido, assucar refina-
e goiaba.
nente-co-
, veodeee
u destorcedor de canna
de duas manjarras, etfmuito>lMm estado
ouquaarnovo, tod6*feito de^5l'o5erro
:upira, pelo baratissimo preco da
Ljdas ferragens, feitas na fun-
die d^-fll Mesquita : quem o quizer
comprar va' ao sitio cima, que icara'
sasfeito^Joaquim Elias de Moura.
Ao Pregtiica que est
queimando.
Na loja do Preguiga, na ra do Queimado,
esquina do becco do Peixe Frito n. 2, ven-
dem-se mudas e diversas fazendas por pre-
cos ba rali ss irnos, entre ellas notam-secam-
brsias francezas, padres novos e cores fi-
xas, pelo baratissimo prego de 480 rs. a va*
ra, pegas de chitas escuras e de diversas co-
res, de excellentes pannos e cores fixas a 5
e 68000, e a 140 e 160 rs o covado, lencos de
cambraia para mSu a 120 rs. cad8 um, rpus-
sulina branca o mais fiuo que he possivel e
de lindisaimos padres a 440 o covado, len-
gos de seda de muito bom gosto a 800 js.
cada um, ISazinbas de quadros proprias para
roupinhas mesa a 192C ada um, menas casemirasru v
caigas e Plit^s a 500 rs o covado, dftapre-
ta mui'.o.nr- propria par palitos e caigas a \.Keslp
182O0 o covado, e multas outras Tazendas
quesedeixam de mencionar, as.quaes
venderSo por baratissimos pregoa. ,
ca de E. Gasse, no Rio
de Janeiro.
Vende-se a prego commodo rap fino,
grossoe meio grosso, da acreditada fabrica
cima, chegado pelo vapor S. Salvador ; na
ra da Cruz n. 4.
Planta da cidade do Re-
cife
Vende-se a planta da cidade do Recife e
seus arrabaldes, feita pelo Sr. Dr. Jos Ma-
mede Alves Ferreira, por dez mil reis : na
Imana n. 6 e 8 da praga da Independencia.
Ma.ppa das distancias da
provincia.
Na livraria n. 6e 8 da praga da Indepen-
dencia, vende-se o mappa das distancias
das difirante villas da cidade entre si, pj
relagSo capital da mesma, a mil reis. I
Sellins
patente inglez.
Sao chegados e acliam-se 1 randa os verdadeiros
e bem coohecidus sellins iDglezes patente : Da roa
do Trapiche-Novo n. 42, armazem de fazendas de
Adamsoo Howie N. O. Bieber & companhia, ra da
.Cruz n. 4, vendem :
Lonas da Russia.
dem inglezas.
BrinzSo.
Brins da Russia.
Vinho de Madeira.
AlgodSo para saceos de assucar
Aigod&ozitih
para saceos de
la Baha
vende-se em ca
ET-." ""car: veude-se em ca
de N. O. Bieber & Companhia, ra da Cr
n. 4. 4
s
arauhs e arad
~s
se
Cobre
no armazem de
para forro de navios:
Tasso Irmaos.
Na ra do Rangel 7, vende-se rinbo
de caj' engarrafado ba 4 annos, feito na
provincia do Cear.
JO#000
Vende-se "callente cera de carnauba do
Aracaty, v \ssu', de uma sacca para cima,
escolhendo o comprador a sua vontade, pe-
lo indicado prego de 10/ a arroba : no ar-
mazem de D. R. Andrade & C, ra da Cruz
n. 15.
Aviso aos senhores de
engenlin.
Cobertores de algodSo a 500 rs. cada um i
na ra do Livrainento n. 16.
Capas e polainas
PROVA D'AGUA
Feitas pelos melhores fabricantes inglezes.
VENHAM E VEJAM>0' GENTE!!!
Vendem-se de 8 a 128000, iguaes as de 20/:
na ra da Cruz n. 2.
Milho e mais ge-
L Um lindo e variado sortimenlo de model-
los para varandas e gradaras, de gosto mo-
dernissimo- na fundigSoda Aurora en San-
to Amaro.e no deposito da mesma, na ruado
Brum.
Moendns supesiores
Na fundigSo de C. SUrr & Companhia, em
santo Amaro, acham-se para vender moen-
das de canna todas de ferro, de um modello e
construcgSo muito superiores.
Jiacliinismo pa-
tente inglez
Os melhores relogios de ouro, patente in-
glez,, vendem-se por pregos razoaveis, ni
escriptorio do agente Oliveira, ra da Ca-
deia doRecife u. 62, primeiro andar.
Peunas de ema, cera de abelha e de
carnauba.
Na roa da Cadeia do Recife, loja n. 50, de-
ronje da r ja da Madre de Dos, ha para
Oder os gneros cima, recentemente che
gados, por pregos razoaveis.
Agencia
da fundicao Low-Hoor,
ra da Senzala Nova
n. 42.
estabeleciment continu'a a haver.
um completo sortimenlo de moendas e meias
s -maendas para engenho, machinas de vapor
e taixas de ferro batido e coado de todos os
tamanbos para dito.
- Encasa deSaunders Brothers C praca
do Corpo Santn. 11 ,aa pa vendar o sa uinte
rerro inglez.
Pixeda Suecia.
Alcatro de carvao,
Eonas de linho.
Esponjas.
Droga*.
Algodio lizo para saccas.
Bito enfranjado igual ao da Babia
E uro completo sortimento da fizendasproprio
para asta mercado tudo por prego commodo.
Momhosde vento
Ta'dec^l8 dereP^para regar hortas aba
n!? aP S: "a fanl5odeD. W. Bowman
na rea do Brnm ns. 6. 8 e 10.
eros.
NA LOJA
da boa f,
vende-se muito barato
:has fe damasco pelo diminuto prego
de 91000, ricos pannos para mesa a 39-, atoa-
Ihado adamascado com 8 palmos de largura
a 1600 a vara, mussulina branca muito fina
a 500 rs. o covado, ditas de coras de padres
bonitos a 320 o covado, chitas francezas
muito>Hnas a 320 o covado, brim branco de
puro linho a i440 a vara, dito pardo tran-
cado tambem de puro linho a 10280 a vara,
ganga amarella muito lina a 320 o covado,
cambraia muito fina com salpicos brancos e
de cores a 1 a vara, alpaca preta fina > 640 o
covado, canto preto muito fino, fazenda su-
perior e propria para vestidos de luto a 960
o covado. panno fino azul ao covado, dito
muito lino. 5/. ditoapreto muito fino a#"
?'l0,TJ 8UP\r a 68, ditos verde escur
e cor de cafe muito superiores a 8, cortes
de casemira preta, fina, para calca com 1 s
ira bordada a,10. crC^S^'d-,
seda-para colleta a 2/, ditos de casemira
preta bordada a 6, fust3o branco muito fi-
no a 2 o covado, cortes de cambraia Dreta
com 7 varas, pelo diminuto prego de Meada
um, ditos de dita branca com salpicos de
cores, tambem com 7 varas a 2240, sari
preta hespanbola a 29 o covado, gro'sdeni-
ples de cores a 1/800 o covado, selim preto
lavrado muito superior a 39500 o covado
gorgurSo preto de seda com salpicos, pro-
prio para colletes a 39500 o covado, luvas
brancas muito finas, de fio de Escocia, muito
Eroprias para os Srs. ofiiciaes militares, pelo
aratissimo prego de 19 e par, meias pretas
de 13a, proprias para os Srs sacerdotes a
19^80 rs. o par, ditas de laia muito superio-
res a 1800 o par, meias de algodSo cru
muito superiores para meninos a 400 rs. o
par, lengos] brancos de linho muito finos a
400 rs., chales de Isa rusos e pretos, pelo
barato prego de 39, fil de Ifnho liso muito
lino a 800 rs. a vara, princeza preta fina a
720 o covado, dita muito lina que rivalisa
com merino alio covado, e alm disto um
completo sortimento de fazendas de'todas as
qualidades, que se venaem muito berato,.na
ra do Queimado n. 22, na bem conhecida
loja da boa fe.
lachas de ierro.
Na fundigSo da A*urora em Santo Amaro-
e tambem no deposito na ra do Brum, logo
na entrada, e defronte do arsenal de mari-
nha, ha sempre um grande sortimento de
tachas, tanto de fabrica nacional como es-
trangeira, batidas, fundidas, grandes, pe-
quenas, rasas c fundas ; e em ambos os lu-
gares existem guindastes para carregar ca-
noas ou carros, livres de dspeza. Os preco
8S00 s mais commodos.
Arados de ferro.
Na fundigSo de C. SUrr & Companhia, em
Santo Amaro, acham-se oara vender arados
de ferro de um modello e construcgfio muito
superiores.
Vende-se manteiga ingleza a 700 e 800
reis, macarrSo o 320 reis; na ra Direita
n. 14.
Cemento novo
Na ra da Cadeia de Santo Antonio, arma-
zem de materiaes, por prego commodo.
PALITO'S FRANCEZES.
Vendem-se palitos e sobrecasacos france-
zes de panno fino preto e de cores com gola
de velludo e forrados de seda de 22 a 289
casacas de panno fino forradas de seda a 28/
rs. palitos de alpaca a 7 e 89OOO, ditos le
linho a 39, camisas francezas branaas e pin-
tadas a 24 e 30 a duza, calcas de casemira
preta e de cores a 10 e 129, colletes de setim
pr!t0K de cores de5,S}' dit0* de velludo a
129, chapeos francezes de todas as qualida-
des, gravatas c luvas, e outros objectos que
se vendem barato na ra Nova, loja n. 4.
PARA SENHORAS.
Vendem-se os melhors~r-mairricos~ch,
fieos que existem no mercado, chegados no
ultimo navio francez, haveoo porgdo para
as senhoras escolherem o gosto: ua ra No-
va, loja n. 4.
para o homens
AVISO tf SUIOUS DO
BOI GOSTO.
P*S0.S!MoMss0 -"**
sortimento dos mais r\?'ham comP'eto
bega de senhora, assimlc?'CD8P.es P' ca-
pan cabega de senhor?*^ r,C08.enfeit<*
coe enfermes par. rncogo,Pt8n^!D,na8Vrt-
raeomo pie meninas, rc., 1 p8r" senh-
das, do maisWerno goato q7' eDf?"
esta pr.ga.Vmgos de wiroi1bori.dn7,I!,d0
licadas duqqeZM para v.-wrdos de-
vestidos.
tas a 460, cortes de I
ditas para covados
fin de todas as
francezas imitando
ditas a 240, mussul
me-
lcas chitas
"X'do* 59500
ooales de
es, 1
nH8* COVadO,
des, toucasde H^^nTs! ..Sh,'
para meninos, e tudo ae vend? por barato
preco, so para este novo esUbetecima!
adquenr freguezia. "eocimento
GUINDASTE.
Vende-se um excellente guindaste de fer
ro em bom estado, e por peeo^rJodo
quem o pretender, dirija-se a^tripi* do
Cunha, que achara com quem tratar
Na ra des Trincheiras o. f andar se d.r quem verrde imitv 5f g2
lnllblTTi0- ePorcommod?rac?
P--- {end-m8::86 l001u"lWS'
yendem-se queijos do rej muitn nn
vos a 19600e 19900, ditos dol B nuiE
libra a 480 aw,a,,-efinad8' de 6, 8 e 12
I.!?!''.."""""*" do reino novas
.. PMs musca eTs ."' i* M
.no piladas tolS0?""' "^nbas d
coentro muito n,'o.n semDt*
ivrin. .. ** na rna lyrios n. 36.

por
800
o
de
na ra dos Mar-
Vende-se,* sitioj,equeno com duas
uma com com-
casasdepedraeeal, sendo
sito
. DAS BICHAS.
r m m""'. ^i r ,r
Vende-se uma mulata <\p ao___
n.ta figura, engommadeirae colr^0*- h~
perfeigSo ; p motivo se ,iir. .e,M com
niij.u em s ifcas.
Vendem-se na ra de Sania tk-
taberna denominad. QueSaa6^ 1 W'
em conta. "oinjaaa, por prego
Com pequeo toque de avaria.
n uinheiro.
Pegas de madapolSo fino, pecas d n.n
de coqueiro: vendem-se *. ffio' cCp"?
" a ra da Ca'-
loja da esquina que volta para
deia.
no sitio do Chora-meHino.
?a para cavaI lo
Deposito de pao
Vende-se
tender procure-o8 na^X eHloCrt.sqUn!T6Pre-
-nita ro*.. larg,
que de
sHs.sr'*2sr.n
cobertos e descobertos, pequeos e grandes,
de ouro patente inglee, para bomem e se-
nhora de um dos melhores fabricantes de
Liverpool, vindos pelo ultimo paquete in-
glez : em casa de Sonthall Mellor dtO, ra
do Torres n. 38.
Alg-odau monstro, he pe-
ciiincha. .
Vende-se algodSo monstro com 8 paUnos
de largura, proprios para toalhas e leneoes,
pelo diminuto prego de 600 ra. a vara na
rua do Queimado n. 22, na lojajda boa f.
FA S
e tem
nem acha-
ques : para ver, ua rua do|AragSo n. 20 e
para tratar, na rua da Cruz, armazem n 26
das 9 horas da mnhSa as 4 da tarde.
-- Vende-se uma propriedade em caixSo
no lugar denominado Campo Verde: quem
a pretender, dirija-se a rua do Queimado n
25, a fallar com o Sr. Monleiro da Cruj, oue
dir com quem ha de tratar.
Cende-se queija do fcertao
a 480 rs. a libra, manteiga ingleza a 640,
queijo do reino a U500, 19600 e 1/900, f.ri-
nha do reino a 120, gomma a 100 rs., lingui-
ga do reino a 400 e40, vinho do Porto en-
garrafado a 19000, dito de Lisboa a 560, ba-
nha de porco a 520 : as Cinco Ponas n. 21
Bolachas grandes ameri-
canas a ISO rs. a libra.
Vendem-se as Cinco Pontas n. 93, pateo
do Terso n. 21, dito da Penba n, 10.
^ Na taberna grande ao lado da groja da
Soledade, continuara se a vender saccas com
milho bom : de novo avisa-se aos bons fre-
gueses que este estabelecimento acha-se.
bem sortido e de bons generas, como sejam:
bueijos do reino, do sertaoe de prato, doce
de goiaba, vinhs' de muitas qualidades?
bons, manteigas inglezas e francezas, cE2
fino, entrefino, verde, hysson e preto, bola*,
cbinhas finas e grossas, assucar de todas as
qualidades, e piata, fino, do Monleiro, sar-
dinhasde Nantes; amendoas, passas ecasta-
nhas piladas, massas finas para sopas, e
muitos generas boUs do diario de'uma casa
de bom paladar, tudo por menos' prego pos-
sivel. Na mesma casa precisa-se de um ho-
mem que faga cigarros.
RATATAS H0LLANPEZAS.
J desembarcaram as superiores batatas
hollandezas, emgigos, e vendem-so no ar-
mazem de Barrosa; Silva.
Claudio /lubeux
Vendem-se velas mistas, proprias para
malar formigas, e para que estSo muitissi-
mo approvadas : noseuescriptorio, rua da
Cadeia de Santo Antonio n. 13,
CLAUDIO DDBEX
Vendem-se velas estearinas, proprias pa-
ra carros a 19120 cada pacote de 8 velas, :
no seu esciiptorio, rua da Cadeia de Santo
Antonio n. 13.
Claudio Dubeux
Tendn recebido uma factura de 8,000 bar-
ris de plvora, dos melhores fabricantes,
vende-osa 149000; as amostras acham-se
no seu escriptorio, rua da Cadeia de SantoJ. -irJ
Antonio n. 13 ende
com deli
Fanos,
Em casa de RabeSehmettau Componhias
rua da Cadeia n. 37, veudem-se elegante
pmnos do afamado fabricanteTraumannd
Hamburgo.
Vende-se superior linhas de algodSo
brancas, e de coras, em novello, para costu-
ra, em casa de Southall Mellor & C.a, rua do
Torres n. 38.
NAFUNDigAO DE FERRO DO ENGE-
NHEIRODAVD W.BOWMAN, WA
RU^DO BRUM, PASSANDO O oHA-
FAnz,
hajeoipre um grande ornento dosaegoinlesob.
jacios 4mechanimo6proprios paraenhenhos.a sa-
maendas^ meias moendas. da mais moderna
onlrheSo i-laixasda ferro fundido e batido, de
fcperior qualidade e de lodosos lamanhos : rodas
dentadas para agua ou auimaes, de lodas as propor-
S0es;erivo6 6boeas defornalt.a erctiilro.de bo-
eiro.agoilhoes, brouzes.parafusos e c;ivilhat,moi-
nnos de mandioca, etc. ele.
,NA MESMA FUNDICA'O.
se execntaru ladasas eDcommendas eom a superior
ndade jaoonhecida com a devida presteza ecom-
modidadeem prejo.
XaEOPE
DO ,
Foi transferido o deposito dsse xarope para a bo
tica dejse da CruiSantos, narua Novan 53'
garrafas 5t500, e meias39000, sendo falso (do
aquelle que u,lofor andido neste deposito,palo
guesefaz opre.-cnli nviso.
IMPORTANTE tm-OPIJBLICfl.
Para curaile phlysiaeri todososaeudlflereu
lesgrios, que rmo ti va da por consl ipajOes, toase
asinina, pleur i 7. escario* de sangue, drde cos-
tados e peilo, palpjlarSono coracSccoqualuche
bronchile, ddr naarganta, e todas as molestia
dosorgao t p>i Imanares.
que tiverem boni g-osto.
Vendem-se muito bons estojo* proprj
para viagem, por terem todas-osarranjos n
cessanos para barba, pelo barato preco t
19, 29, 39, 49, e 59 cada um, esporas muitL
linas de casquinha e ico a 19 o par, caixas do
tartaruga muitissimo boas para rap ale
5JWO0, ditas de bfalo, fazenda muito boa
a 19500 e 2/500, ditas muito finas de massa
a n, ricas charuteiras a 29 39 e 49, ponleiras
de marfim e de unicorne para charutos a 500
e 600 rs., carteiras proprias para viagera a
3, 59e 6jf, grvalas pelas e de cores, l'azen-
de muito boa e muilo bonitas a 19, 1*500, e
29, mantinhas para gravata de meninas a
800 rs., riquissimos caivetes de punhal
com cabo de madreperla e de marfim 5e e
39, pinqeis inglezes muito finos para barba
a 1 o 1*500 cada um, garrafas de cores com
copos, proprias para lavatorios a 19, gslne-
leiras com todos os vidros necessarios e co-
iher, pelo baratissimo preco de 29, trnce-
nos pretos rolicos e chatos, de borracha,
para relogios a 80, 320,400 e 50o rs., obreias
de cola, enfeitadas, contendo todos os das
da semana, pruprias para humorados a 400
rs. cada caixinba, ditas lisas a 160, escovas
muitofinas para dentes com cabos de osso,
muilo bonitas, e marfim a 4u0 rs., 500, 60o
e 1#500, ditas com cabo de osso ordinarias a
160, ditas de cabo de osso para unbas a 320,
500, 640 e 19, ditas de cabo de bfalo e de
marfim, tambem para unbas. que se vende
barato, ditas inglezas muilissimo boas para
cabello pelo barato prego de 640, 1/500 e 39,
ditas tambem muito linas para falo a 19000,
1950, 29 e 39, alia dores inglezes para nava-
Ihas a 19, navalhas as mais finas que se pode
encontrar, para barba, e pelo baratissimo
preco de 29 cada estojo de uma s navaiha,
ricas bengalas de bamb' com casloes muito
bonitos, pelo baratissimo prego de 29500 e
39500 cada uma, ditas de canna finas e ordi-
narias a 500 rs., 19, If 500 e 29500, caixinhas
com pedras de osso, torneadas e muito bem
feitas, braucas e encarnadas, proprias para
jogo de damas egamSo, pelo baratissimo
prego de 29, 2/500 e 39 a caixinha, lampari-
nes de porcelana e douradas, muilo bonitas,
e proprias para oratorios a 29, diversidade
de objectos de charao e outras multas cou-
sas de muito gosto e por prego barato : ua
rua do Queimado, na bem conhecida loja de
miudezas da boa fama n. 33.
relogios de pa-
tente
rs.
com to-
avaria a 160
o covailtv
superior farello vlndo de Lisboa
te, em saceos, e por barato
fcbe n. 8, armaxam.
prego:
emle-se
ou lroca-se^
timo sitio no
do rio Cap
vivenda, est.._
bstanles arvoi
que sustenta
verno : os p
Cadeia do
Castro.
Venda-.__ ,
china de novo moo o, p
de varios tau.anhosn i
que ten, vmdo da KrncT
bem construida e est mon
Inar muitos annos : a tratar
da Santa Cruz n. 8, junto a ta
Na rua da Cadeia de sarifc
id*de aro op-
. roargem
ote casa de
'aves,
" lixa
P in-
t*e a rna da
Barroca &
a '
colchetes
rnos
ne
traba-
opateo
:x.-m* mikei
Oculs e lonetas
de todas a* qualidades.
[ oculos de toas *s geaduagOes
^s arm*g0es de ago, pelo barato
M. e 19500, ditos con armages
douradas prateadas a 13200 e IJtfOO, ditos
-co aimacan de bfalo a 19200, ditos com
artnagao de baleia a 480, ditos tom armagSo
de metftbranco a 400 rs,, lunetas de um s
vidro redondas e quadradas com aro de bu-
falo a 50Ors., ditas de dous vidros tambem
com armagfio de bfalo a 19500, ditas de Um
s vidro redondas e quadradas com aro de
tartaruga a 19200 e 19500 : na rua do Quei-
mado, na bem conhecidada loja de miudezas
da boa fama a. 33.
anno de 18A7, ausentou-se do engenho Ma-
Upiruma da fregiiezia da Escada, um osera.
vodeHor.rmindodaSilveir. Lins, mocador
rh-m10 e.n8enD0; O mencionado escravo
hP rTh^056' C?m id"de d0 ,8a 20 annos.
he cabra claro, altura mediana, cabellos ca-
rapmhos, sobrancelhas grossas encontra-
das, nariz um tanto afilado, espadando
inglezes de ouro, de sabonete e de vidro:
vendem-se a preco razoavqt, em caa de
Augusto Cesar de Abreu, na rua da Ca-J
deia do Recife, armazem n- 16.
..Charutos de Hava-
n: veudein-se em
de'C. Astlejy t C.
delitos e releg'-ios.
SELLUS a RELOGIOS depaieulc
inglez : a 'venda do arm<"' de
ltooksr Corajunli"). es-
larga da CorpuSa"10 LQ-
Hoslron
Bina do
mero 48.
Sao ipuito finas
ii/i
e de m
Mussulinss
(OvhoiiH gestos.
lindas cores, deFpa
iuteiramenie novos.
nulo prego de 560 rs. o o
Queimado n. 22, loja da
proporgSo ao corpo. tem um d7s dedos de
um dos pes torcido por cima do oollegar. O
dito escravo To, morador no sertSo e lugar
Pao das Trras, aonde foi vendido, veioplra
-aru.ru-vendido ao .anunciante em abril
ultimo : quera capturar, dito escravo e en-
vegar no referido engenho, ser bem re-
compensado,.
Fugio no dia 20 do crrante o mulato
legmaldo, com idade de 24 annos, pouco
maia ou menos.de estatura baixa, cabellos
oarapiobos, rosto comprido, nariz aquilino,
com muito pouca barbs : quem o pegar, le-
ve-o a seu senhor Antonio Leite Pereira Bas-
tos, na roa da Cadeia n. 17, que ser bem
recompensado.
Fugio na noite do dia 30 de abril um
escravo crioulo, de nome Lourengo, de ida-
de de 25 annos, o qual foi comprado a Oiogo
SoaresCaraeiio de Albuquerque, morador
uo engenho Ramos,freguezia de Pao d'Albo;
o escravo tem os signaos segointes : altura
regular, cor i.reta, pouca barba, i foi surra-
do, tera a perna direita asis fina que a ou-
tra, e na mesma perna ten' uma cicatriz
i'HSa ,evuu "i5" de casem' ciqzenta.elara.oova,'
" camisa de alg^dHuzinho escuro, j velha.
chapeo de palha : a pessoa que o pegar, di-
rija-se ajna Direita n. 3, que receber 500
de gratiflcagrio.
- Continua a estar fgida a mulata es-
crava, de nome llosa, de 35 annos de idade
pouco mais ou menos, estatura baixa, gros-
sa do corpo, cabello* quasi Carapinhos, uma
cicatriz no beigo superior, cor paluda, ma-
gues do rosto altas, e buida.grande : quem
aprisiona-la drija-se a rua'das Lalangei-
ras n. 26,que sera genaroaamente recompen-
sado.
finas, matizadas com
muilo bonilos e
se pelo dinii-
A3$50
Fugio de bordo do brigue brasileiro
Melampo, na noite do dia 8 do crrante, um
negro de nome Marcelino, naci Chinda,
altura regular, secco do corno, roato com-
rua do Pr'Ji barba serrada e cria soissa, eom falta
de denles na frente, e consta andar vestido.
com paleto, e calcado : quem o pegar leve-o
a bordo do dito navio, junto ao cas do Pas-
seio Publico, ou a casa de seu consignatario
Manoel Alves Guerra, na rua do Trapiche u
Vende-se cal de Lisboa ltimamente che- ** Que ser bes recompensado,
gada, assim como potassa da Kussia verda-
dera
ni praca do Corpo Santo n. it.
PBfiM.: TYP. DE M-. F. DE FAK1A 1857:
*
UEGiVEL
V.
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3ZMBI30U_BM9MXG INGEST_TIME 2013-04-26T23:47:05Z PACKAGE AA00011611_07770
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES