Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07769


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A N N O XXXI11 121
Por 3 mezes adanuidos *#000|
Por 3 mezes vencidos 4J500.
QUINTA FURA 28 DE MAIO DE 1857.
Por anno adiantado 15#000..
Porte franco para o subscriptor!
DIARIO DE PERMMBUGO
NCARRKtiAUOS DA SUBSCRIPCA'O NO NORTE
Parchaba, 8r. Joio Kodolpho Gomal; Niul, 8r. Joa-
olot 1. Pireire Jnior; Ancatr, o Sr. A. da Lwaoi Brisa ;
aar, o Se. J. Jote di Olivein ; Marmhe.0, o Sr. Joiquim Mir-
an Rodrigue* ; Piuhy, Sr. Domingo! Harealioo A. Piuoi
Ceireue '. Para', o Sr. Juiliao I. Rimoi ; Amaioaii, Ir. Jiro
Tica fe Creta,
PARTIDA DOS CORRREIOS
OltnCa : todae oa Ca, ii9< aela horas do da.
Iaua.-afa. toianna e Parahiba : nal Hegundas e eitas-reira*.
S. Anlio, Beierroa, Bonito, Carnaru, Allinho e Garantaos: na terca-feira.
S. Looranco Po-dUloo, Naiaretb, Limoeiro, Brcjo, Pesquera, Inga-
ieira. Florea, Vilta-Rtlla, Boa-Vi.la, Oricury e Ex iiaa iinarua-feiraa
Cabo, Ipojaca, Seriab&em, Rio-Furmoso, Una. barreirua, Agoa-PreLa,
Pimenwiraa e NaUl : quintas-'eiras.
(Todoa a corraioa partan a le horas da aaanha.
AUDIENCIAS DOS TRIBONAES DA CAPITAL.
Tribuml do eommereio legundu quintal.
Silicio i lerrai-feirai a ilbbadoi.
Pizcada.' quirln i ubbidoi n 10 horii.
Juio do eommereio : leguodnai 10 horii quinln n mile-di
Juia da orphoi: segunda i a quintil n 10 horai.
i'rimaira Tara do eivel i legundu i iiilai lo miio-dit.
Segunda Tira do eiral: quartai a MbbadMao maia-dia.
EPnEHERIDES DO MEZ DE MAIO
8 La ehaia u 11 horu Si minutos di (arde.
16 Quirto rainguanie n 8 horu e 50 minuto da Urda.
23 Loa Dora loi 28a minutoi di tarda.
30 Quirto ereieenia ai lOboni i 52 minutoidimmhaa.
PRF.AMAR DE HOJE.
Primaira ai 7 hom a 42 minuto* di minhaa.
Segunda aa 8,horas a 6 minuto!da Urda.
das da semana.
25 Segunda, s. Gregorio 7. p.; s. Maria Madaglena da Pazi T. c
2G Terca s. Felipe Mery Tundidor da congregado do oratorio.
27 QnarU. s. Joo p. ni.; Ramudo m.
28 Quinta Ss. Seuidor podio e Just Bb.
29 Seila. s. Miiimiino b.
30 Sbado, s. Femando re s. Emilii m.
31 Domingo. Pischoi do Espirito Santo.
EXCARREGADOS DA afesCRIPCAO NO SUL
Ala goai, o Sr. Cliudino Pal co Din ; Babia, Sr. D. Duarl
lio di Janeiro,o Sr. Joao Perein Mirtim.
EM PERNAMBUCO-
O propriaUrio do DIARIO Manoal Figuiiroa di Pirii, na mu
livrarii, praea da Independencia u. 6 a 8.
PARTE OFFICIAL
MVEBNO DA PHOVTNGIA.
LE N. *15.
Joaqaim Pires Machado Portada, viee-preiidtnle
da provincia de Pernimboeo. Fajo saber a lodoa
i eeaa habtenles que a assembla legislativa
proTincial decreloa, e ea aoeeionei a resd,uc.lo e-
guinli.
Art. nico. Fica approvado o comproroiMO da
Irmandada do SS. Sacramento ancla na igreja ma-
tris de Ingaieira ; revogadas ai dsposicOei era con-
trario.
Mando, por lano, a toda* aa autoridades a quem
o conheciraenlo a etecuc,ao da referida le per leu -
car, que a cumptara e acam cumprir (So intei-
raroente como nella se contera. O lecretario da pro-
vincia a faga imprimir, publicar a correr.
Cidade do Recife de Pernarnbuco, aos 18 din do
raer de maio de 1857. (rigesitno sex(o da indepen-
dencia e de imperio.
L.S.
Joaqun Piret Machado Porlella.
CarU de le pela qnal V. Etc. manda etecutar a
resoluclo da assemblea legislativa provincial, que
sanecionou, approvando o compromiso da irraan-
dide'do SS. Sacramento, erecU ua igreja matriz de
Iogazeira.
Para V., Bic. ver.
r'irmmo llerculano BaplisU, a fez.
Selllda e publicada nesta secretaria do. governo
da provincia de Paruarnbuco aos 18 de maio de!87.
Jos Banio da Cunda Figaeiredo Jnior, oflcial-
maior servindo de secretario.
Registrada a-fl. 60 do li'vro 4. de leis provin-
ciaes, Secretaria do goveruo de Permmbuco 18 de
maio da 1857. Francisco da Lemos Doarle.
LE N. 416.
Joaqaim Pires Machado Portada, vice-presidente
da provincia de Pernarnbuco. Faro saber a Iodos
os iew habitantes que a anembla legislativa pro-
vincial decreto, -ea saoccionei a raso I u rao le-
goinie:
Artigo anico. A villa de Caruar fica elevada a ca-
tegora da cidade ; e revogadas as disposices em
contrario.
Mando, por (auto, a (odas as autoridades, a quem
o conhecimenlo a eiecarao da referida resolano per-
tencer, que a campram a facam cumprir (So inteira-
meote, coato nella se conlem. O secretario da pro-
vincia a faca imprimir, publicar correr.Cidade do
Recife da Pernarnbuco aos 18 das do inez de maio de
1857, trigsimo sexto da independencia e do impe-
rio.
L.S.
Joaqaim Pires Maehado Porlella.
CarU de la i pela qaal V. Exc. meada exacatar a
resoluclo da anembla legislativa provincial, que
eanecionoo, elavando a villa de Caraar a calego-
ria de cidade.
Para V. Exc. ver.
Firmino Hereulauo Biplist.i Rlbiiro, a fez.
Sallada a publicada oesla secretaria do governo da
provincia de Pernarnbuco aos 18 de maio de 1857.
Jos ionio da Cunta Figueiredo Jnior,oflicial maior
sirvindo de secretario.
Registrado a fl. 61 do livro 4, de leis provinciaes.
Secretaria do goreroo de Pernarnbuco 18 de raaio de
1857.Francisco de Lemos Duarte.
OOMMANDO DAS ARMAS.
SJaurtal (eaeral do comoiando da armas d
Pira!imoo a. cidade da Reclfa, ua 26 d
sale ato 18S7.
ORDEM DO DA N. 484.
O general eommandanle das armas consideran-
do qusnto he pernicioso o inveterado costume de
aUuns comuandantes de companhias dos coipos do
exsreito, de flavegarem as partes accosatorias das
pravas qoe detBTIam, artigos de armamento, equi-
pamento, e fardamenlo, que nao levaram com o
iim de sapprirem por esta forma as fallas de lies
objectos pelos quaes s.ld rexponssveis, sem se lem-
hrarem qoe por cstemeioreprovado/e crimnoisoag
gravam a lorie dos desertores, qoe em seas jalga-
meoloi, nem so raeebem ama pena dupla, mas
anda sao obrigam a indemnisa^ao doirefariJoi ar-
ligos.julga portanto do sea dever chamar, toda a
atlen^So dos Srs. commuudanles dos cor pos pitre a
parles accusa(orias dos desertores, afim
semelhanle abuso, eropregsodo pira i
ra nsealiss^ao.
O meirao general declara para os fi
lea, que oesta dala eontrahiq novada
roais seis annoi nos termos do re
de dezembro de 1852, precedendH
anude o cabo de esqodra da companhii xa de
cavallaria desla provincia Clemente NuoesdeSon-
za, qaal percebera alm doi vencimentos qae por
lei Ihe crimpelirem o premio de 40(0, pago segando
o dhposlo no art. 3- do decrelo n. 1401 da 10 de
jauhs do 1854, efindo o engijamenlo ama dala de
Ierras de 22:500 bracas quidradu ; se desertar,
perder s vaolagens do premio, e aquellas a qae
liver direilo, ser (ido como recroiado,descocndo-
se no tempo do eogijimenlo o de prisflo em virio-
de de senienc, averbando-se este descont, e aper-
da daa vantagens no respectivo titulo, como he por
Ui determinado.
ti Jote Joaquim Coelho.
I1TMHI0H.
COERESPONDENCIAS DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
AMAZONAS.
Manaus 8 de maio.
lia bastante lempo qoe nao Ihe don noticiad mi-
nia*, nem .lio pooeo do qae lem occorrido atesta
vasta provincia. Nao sei se culpe mais a miaba
elstica pragaica, se a carenera de fados para cum-
prir a obrigacao a que me aajeitei para com Vmc.
Taivez qae ealre em miaa falla ama e oalra cousa;
mas agora espero qae, com a recepto deila mmha
missiv.1, fiquemos em completa harmona.
Tendo sido concedida ao Exm. Sr. Dr. Joo Pe-
dro Oas Viaira, a demissae que pedir de presiden-
te desla provincia, parti S. Exc. para a corte, on-
de foi tomar aasentooa cmara qoatriennal como de-
potado pelo lereero districlo eteiloral de Mara-
ohao.
Os beneficios e melhoraroentos qae legoa o Sr.
Dr. Das Veira ao Amazonas Ihe grangearam tal
grao de estima e consideradlo qas admira, o sea
oome he sempre proferido com respeito, e a saa ad-
ministrar^ao recordada saadosamente.
Em sua partida seai numerosos amigos deram-lhe
exuberantes provas de qoaolo o estimavam : no
Amazonas aioda nlo se vio despedida em qae con
corresse mais gente, e qae fosse mais apara-
losa.
O Exm. Sr. Dr. Dias Vieira nao lem o dom de
perfeclibilidade; e por isso deixoa aqu alguns,
ainda qae poneos, desaffectos. Sao estes homens a
quem nao pode agradar o presidente que, consejo
de seos deveres, nao se daixa levar por palavras
elifloas, a ponto de servir de maniveila para
le elle* consigan, seas ambiciosos desejos.
Nao lando o Dr. Vieira coasentido que o Amazo-
nas continuasse oa eegoeira am que jazi.i, e envi-
dando os mais inauditos esforcos para plantar a ei-
vilisacao e enarsodecimenlo oa provincia, nao po-
da agradar aquellos qoe, corando mais da asas in-
teresis qae do progresso de saa Ierra, desejsvam
que ella prosiguiese no estado ordinario, por assim
convir as suas prelencoes I
O proceseo eleitoral correa em toda provincia
com a maior calma e regalsridade possivel. O Dr.
Francisco da S. Carueiro, ex-juiz de direito da
comarca do Rio Negro, ainda qaando esta provin-
cia era anoexa a'do Para, leudo adquirido, por sua
sublimes e raras quilidades, mullos amigos aqu,
propoz-ie eiodidalo a representante da provincia, a
sendo goslosaraote aceita a la deputaoao, foi elei-
lo com unaoieaidade de votos !
A completa derrota que soffrea o seu competidor
o lenente-corooel Joao Wllkens de Mallos, exaspe-
roa sobre maneira aos adiados diste senhor ; e u-
sando do ja sediro direilo que (em o que perde,
clamam com todas as forras de seus pulmes, que as
eleices foram vexalorias, qae nao hoove liberdade
nem garanda na voUclo, filialmente que o Sr. Dr.
Dias Vieira empregou a mais terrtvel cmpreselo
para excluir o nome do Sr. Wllkens das ornas I
Ora, quem lescoohecedur dos diversos caracteres
desla provincia, e leodo o a Diario do Grio-Para',a
nao acreditar no qae all se acha eslampado ? quem
ignorando a jos(eza com qae se procedern) as elei-
rOes nesla provincia, olo jalgara' verdadeiras ai
maltas irregularidades de qae 13o animosamente es-
la' preohe ama borlesea represenlarAo, qoe fizeram
aos representantes da nagao os desaffectos do Sr.
Dr. Dias Vieira, provando que as eleicoes estao nal-
las '.' Todava, se qaiaessemos descer a fazer ama
analyse, por cario qae desmoronaramos esse gran-
de raoiiuroinlo, pidrao de gloria de seus aolores.
e onda faieiB elles consistir toda sua espemica !
Nlo dos daremos, porem, a esse Iraballio ; pois,
estando plenameole conhecida a causa que os le-
vou aquelle acto, seria loucora nossa o qoerermos
desfazer. Era o ultimo esforco ; jogarsm a ultima
carta I
P Exm. Sr. Angelo Thomaz do Amaral, a quem
foram confiado os deslinos desla provincia, em subs-
tituido ao Sr. Dr. Das Vieira, vii sigaindo a sua
marcha administrad va mu bem. O goveroo muii >
acertado andn mandanpo para aqu u Sr. Amaral.
S. Exc. acha-se dotado da melhor voolade para
Amazouienses ja fse vo compenetrando qae o re-
creio, be ama necessidade.
Ha bem pouco tempo era o bilhar do Sr. Jerni-
mo Costa, nico divertimento que Mullamos. Era
inleiessante ver-se a rapazeada affloir para all,
logo qae chegava a noite : acendiam-se os can-
die'iros, e enllo nao era menos carioso ver-se o fa-
go vivo em qae se viam as ebrneas bolinhas, que
nlo paravam. se quer um mnalo no verde Uho-
leiro.
Hoje, porem ja se nos vio proporcionando outros
recreos ; ja se dao algaims partidas, soires, e con-
cer(os,* etc., anda que em pequea escala ; (todava
a primeira difcoldade est vencida, reata qae nlo
friquejem, e coatlnaem.
No da 13 do crranle inslallou-se, oesta capital a
sociedade Philarmooica Amaiooieose. O acto da
ioaaguraclo esteve brilhante ; o prazer se divisava
dos rostos de todos os membros, qae erlo concordes
oo progresso e eogrsodicimenlo da associaclo.
Esta socnda.de que encerra em si o atit so agra-
davel, he ama prova do bom gosto dos habitantes
desU provincia, qae, pela inac^lo em qoe se acha a
provincia esUva calado em seus paitos ; porem logo
que appareneu a iniciativa para o dasenvolvimento
das bellas artes, o maoifestaram de ama maneira e-
vidente.
Alguns mimbroi da saciedades ainda nao esto no
caso de bem desempenharem as obrigarOes philsrmo-
Dicaa ; ron com o eitudo e vonlade he provavel qoe
brevemente o eslejam ; disto ja tisumos urna prova
no da 22 do correte, em qoe, reuflindo-ae para
ensaararo, derm a mal lisougira esperanza.
Fazemos votos pira qae prospere a sociedade.
Ptojecla-se igualmente a instituic.lo de urna socie-
dade Recreio Dramtico Posto qoe ainda nao
eslejam sofueientea montadas as bases, o carcter de
seus instituidores nos aulorisi a declarar que se rea-
lzara, pois qae elles oao a dsixarao roorrer antes de
sea apparecimeoto.
He possoido do maior prazer qoe Ihe noticio a
breve publicarlo de om jornal Iliterario a recreati-
vo, sol a redaejao do bacharel Ramos Ferreira.Com
quanto sejaraos um pobre diabe carregado de eslei-
rs velhai. leacionamos rabiscar o nono lano quan-
to para este jornal, se a redaerso nos quizar confe-
rir tal honra.
O eslado sanitario desla provincia he excelenle,
ainda que tem apparecdo amas febrinhas ; raai pe-
la sua bapignidade, peoco assastadora.
O abastecimeoto de vveres nesta capital ainda se
conserva ao maior grao de escassez possivel. A cma-
ra municipal esla promovendo o< rrieios para yer se
eonsegne remover esle nao pequeo mal.
As chovas aioda continuara copiosas ; o rio cresce
espantosamente, e dizem os aodgos hbil,unes di
provincia que he esla dma das maiores endientes, que
se lea visto em Manas.
O calor he tal qoe se torna insupporlahliuimo ;
agora roesmo fez-me elle ana.ir com a rabera pelas
elhejeas regides ; por isso coocloo esU.
Au revoir. i
C.
PARA'.
16 de maio de 1857.
Cunlinuam sim alleracao a Iranquillidadi publica,
excepto para os polticos direilos' que a vsm aman-
eada, porque umsogeito espancoo em Igarapimirim
saa caselra ; e am orphlozmho foi removida de
urna cadeira de ensino primario, por nlo comprir
seas deveres ; e porque foi demitlido o delegado, por
contrariar o'um attestalado, arrancado pelas lagrimas
continuar a promover os beneficios de que lano do professor, do que contra elle iuformara anterior*
recejesta provincia; e procurando dar in- mente, cosa vanlade notoria. Todo isto merece ber
emento aos ja encelados pelo sea antecessor, S.ls gainchadas dos direilos (3o apenar tres) ehenio
' Xxc. nlo delxa da promover outros, como aquella,'livo luffieieolissinio para diurem qoe a presiden:
frer o Cabido, se nao fr muito prudente e reflec-
lidtf na escolha de om homem qae tira de governar
a diocese, lalviz por moito lempo.
Os direito mandaram urna tristissima correspon-
dencia para o Obteroator do Maranho, insulto for-
mal e mentiroso contra a briosa guamicao desla ca-
pital. O lira desta mentira nao foi outrosenaV obri-
gai a algara dos calumniados a dir um ensinozinho
ao calumniador, e poderam gritar : a tranqoillida-
de publica est em risco de vida ; estamos com o
1853 1 I Mis os honrados offandidos deram ainda
orna prova de'saa disciplina e amor a ordem : con-
tentarim-ae com desmeolir pele impresa o calum-
niador. Preferiram a pena i espada. E slo insu-
bordinados 111;
Deram agora os direilos do Grjo-Par em forjar
idealidades e chiogarem-ou regateirapien(e em
disforra daa desmonstradas ladroeiras do teo, pi-
nho etc., a do qde praticoa am administrador das
fazeodas. Nlo admira que em vez de jeitilirarera-
se, deseomponham a idealidades, pois qai sao ideaj
lidades oa responsaveis pelas descompostaras.
Este recurso nada adiaola, e,ln am mee ejemplo.
ji ouvi a am dos calumnalos qae vai taaabem idear
um Dr. Quatr, a respeito dn qnal tem maravijhis a
contar. La se avenham : assim o querem, asaitn -
lenham. E o qu admira lie que em meio de tan
lis descompostaras, le sahisse o Gran Pira a rfizer,
com toda gravidade, qoe sempre |fugto de queslOes
pessoaes Se isto nlo he cynismo, he ama compro-
vaijlo malhematica da deso"idem que reina na dire-
(lo dessa gazeta. qae assim se contradi e condsra-J
na. Eis o eorpo poltico bem organiMdo.... pela
cabera do Peona, que anda sempre ao veoto.
Acaba de dar se na thesooraria am dessee |faclos I
lastimosos e de espantar. O honrado eommandanle
do Guanihara vai thesuuraria enlvegar (como]
ja fizera em oolrai provinciaes) dez conloa de reis
trazidos da corle. Abre-se a caixa coa as solemni-
dades do estylo, e dentro... nem um real I! Faja
idea do .sobresalto do commandante<^|que qaando
soppaaha|rdesveocilhar-sede ama reidonsabilidade
se v meltido em oalra qae corapromene a saa re-
putarlo. He mais ama victima innocente de ch-
ines alheios, de cajo resaltado estar gozando em
plena paz o verdndero criminoso. Nao sei ainda
ao certo o resaltado do exime ; mis o desappareci-
manto do dinheiro he am faci.
16
Nao sanio houlem o vapor, e ea bem ao contra-
rio deullligir me com isso qae me fea a Ir o pe lar a
minha correspondencia, estimei, porqde tivi provas
da persuasao, em que eslava da honradez do com-
mandanle do GoaoabaraD o Sr. primeiro teneele
Antonio Correia de linio, e de qae o verdadeiro cri-
minoso, o ladrlo eaUr hoje gozando em plena paz
(se he qoe o criminoso pode ter tranquilla a cons-
ciencia) do (rucio de sua perfidia.
O eommereio desta praca apreciador da hoora do
referido commandaote, fez esla acta esponUoeo,
eraprestou ao commaudante os 10 coatoi. Os Srs.
Francisco Giudencio da Cosa e l'ilhis deram 5:000?
porque os outros negociantes nao lhes consendram
dar lodos 10-000$ O Sr. rJenrique de La Rocque
2:000 ; o Sr. Miguel Jos Raio 1:000 ; o Sr. Joa-
qaim Francisco Ramos 1:0009 *, Sr. Jos Antonio
Affonio, agente da companhia 1:000$. E bastante
zanga los ficiram por nlo serem convidados para o
empreslimo os negociantes Srs. Lucio de Soaza Ma-
chado, Samuel G. l'oud, Manoel Jos de Carvallio
& C, e Geraldo Antonio Alves e Filhos, que o qoe-
riam fazer de toda qoantia, contentando-se de decla-
raren, que eslavam muito dispo-to faze-|o, cerlos
-orno estavam da ihleireza e probidad*! do coinman-
nle. A
f*Esla acto me convence qoe a virtjSde ainda nao es
selheiro Sergio Teixeira de Macado. Alguns, e nao
poneos aereditsvam mesmo que o conselheiro Nabn-
co nao devia deixir di fazer parle do novo gabinete.
Andamos porm lodos muilo longe da virdade, o
que he mais urna prova da que nos os provincianos
andamos sempre no mundo la loa em materias po-
litices. Muila geote n3o pensar nesle ponto como
en. Embora, cada um he livre em pensar como
queira.
O engenheiro da provincia nao foi para a Btanle,
como ea pensava, e Ihe raandei dizer. A causa desse
facto fui o (er elle seguido para saa cidade em com-
misiao do governo.
O discurso do Sr. Paes Brrelo sobre a eleicao do
Crato foi muito apreciado nesta capital. Niuhum dos
partidos ficou molestado com anogaagem daqaelle
eavalleiro, por que reconheceram, qus mesmo di
cmara e Sr. Paes Brrelo olo deixava o seo papel
de Imparcialidade e ju-iira.
Nao me oceorre cousa algama mais importante, e
por isso eaearro esla aqai.
ui importantes.
O Eim. Sr. Dr. Dias Vieira planloa no Amazo-
nas a civilisarSoje progresso. O Exm. Sr. Amaral,
cullivando-os, procura dar-lhes o maiqr grao de de-
senvolvimenlo.
A bordo do vapor Maraj, entrado nesle porto
ne dia 10 do crrenle, vienm os Inglezes Samuel
Wines, e Swam, aquella consol de S. M. briUp-
nica, residente no l'ara', e este sea secretario. A
causa de saa viagem fot *b sypdicarem os prome-
norerdadoi na morle deunalSorl-Americaiios, que
era 1855, pirlo das frontajiras de Tabanliga, live-
rain am combale comunadus nossos, que iam in-
(imar-lhei de parle do lommandanle do Forte para
qae foisem all, aim de eiliibirein seos passapor-
^es, vaalo como luro, a vinhern de paizes cslrip-
eiros (do Pero'). Reculando estes comprirem
aqaal)a ordem, haleram-se ; cinco foram victimas
it imprudencias, e ua logrou evadir-se.
Sr. Amaral reeebiu ib sais senhorias
com lows eavalleirlfemo e consideradlo; porm
iap (Man do-se o Sr. AvTnei coaio coaiol, e nlo
liando acreditado nesla provincia, em (I carc-
ter, S. Exc. declaroo-lhe que eslava promplo
prestar a S. S. auxilio para proseguir em suas inda-
garles ; todava que' s podia consentir que ellas
fossem feita* por suas senhorias como meros parti-
culares.
Consta que o Sr. Wines nlo iicara muito satisfei-
(o ; cumludo sujeilou-se ao qoe o Sr. Amaral Ihe
expuzen, e redrou-se no regresso do mesmo va-
por.
Diz-se qoe o Exm. Sr. Amaral segu brevemen-
te para corle, em consequencia de se adiar doen
le, bem como saa senhora. Bastante sentimos se
real isa r-se a ida de. JExc. nao lmente porque a
sua ndminislrarao (era sido boa, como, e principal-
mente pelo motivo qae o obliga a relirar-se.
Teoho a dar-lite a infausta noticia do passamenlo
do coronel Severo Jos de Souza Lima, ex-com-
mandante de armas desta provincia, que (endo par-
tido oa ultima viagem do vapor Tapaj para o
Para, para dalli aegoir earainbo da corle, alira de
tratar de sua saude gravemente alterada, fnlleceu
oaqoalla provincia ; deisando sua infeliz esposa, e
innocentes fllhos emersos na mais profuuda dr.
O Sr. coronel Severo era bastantemente esli-
mado nesla provincia pelas soas raras qualidades ;
e peis saa morle tem sido geralratnte pranleada.
A Ierra Ihe seja leve.
Esta provincia ja vai se desprendendo da mono-
tona em que sempre te achava mergolhada ; os
FOLHETIM,
OREIOASMOmmS.
POR EDMID.SO ABOL.

Pholini.
Hirris he nm dos homens mais esveltose mais ele-
gantes qne lenho encontrado. Tem ir varonil, fron-
te alta, olltar lmpido e altivo.
Nunca pode fazer grande caso de M lerinay ;
examinava a Giacomo Foodi com r .dade in-
difftrente, qoe nos .leva a ama c, raaes ex-
ticos ; o peqoeno Labsler inspirV, > poico nte-
reaae ; pofra eu linha amizade aN^tis. Sea sem-
blante franco, suas mine'iras simplesTsua rudeza que
nao exclua a brandara, aeu carcter arrebatadp, e
todava cavalleiroso, as extravagancias da sea humor,
a viveza de seos seiilimenlos, ludo isso altrahia-me
tanta mais farlemente, porque fao aoo vivo nem
apaixonado. Amamos em lomo de nos aqmllo que
era as tvlo echamos. Giacorao veslia-se de branco,
porque era prelo, au adoro o Americanos, porque
son AllemSo.
Quanto aos Gregos eo os eonhecia mallo pooco de-
peis de qaatro mezes de residencia na (irecia. Nada
he mais fcil do que viver m Alhenas sem mistu-
rar-secom a gente do paiz.
En olo ia ao boteqnim, nlo lia a Pandora, neja, a
.Winerca. nem oulra gazela dp lagar, nlo'freqolli-
tava o Utealro, porque lenho os ouvidos delicados el
orna ola deienloada offende-me maiscroilmenle do I
qoe am mairo ; viva com a familia da casa, meo
herbario, e John Hirris. Teria podido ser a pre-
sentado no palacio, grabas ao mm passaporte diplo-
mslico e ao raeu titulo oflicial. liaba entregue met
bilhele di visita em caa da meslre de ceremonias, e
da grao mes(ra, e podia contar com um convite para
o primeiro baile da corle. Guardnva para esaa cir-
eomslincia urna bella casaca encarrada eora borda-
daras da prala que minha linda Rosenlhsler me
(rooxera na respira de minha partida. Era o uni-
forme de sea marido, j fallecido, qae fora prepara-
dor da historia nataral no Instillo pnilomslco de
MJnden.
Slinha boa lia, mullier de moito juizo, sabia qne
um uniforme he bem reeebido era lodo o paiz, prin-
<:ipaliMti(e quando ha encarnado. Mea irmlo mais
velho fez observar que au era maior do que meo lio,
e qae va mangas di la easaca nao chegavam-me in-
I 'irainenle pona dos bracos; porm mea pai re-
plicn vivamente qae ai bordaduras da prali des-
se eolreaou ceRameote eiquerda 1
Nenhurri presidente o contenta mismo o Sr.
Reg Barros, aquem hoje elogiam em exeesso, (mas
porque pensara mcommodar com isso o Sr. Koli.in,
do qae porque o sinlam) nao espacoo mordacida-
de direila : tagiam somente, porque para mais nao
luiliam corasem.
Hojeligaram no (roeio tres personacens : nrna,
celebrissiraa era feno e outrai maroleiras, que fe-
rian) esconder-se de lodo mundo a quem tem vergo-
nha ; e duas, celebres pelo tesleraunho falso da ex-
istencia de um imaginario Jos Alves Guerra. Este
(istentanho he, no enleuder de muile gente, urna
nodoa indelivel e vergonhosissima na vida publica
dos lies doudos.
O Dr. Castro esl na moita, mis as erises ri uro
homem por si. Este escondiroento do doutqr, asse-
veram as iniciidos (qoe traidores!) que he plano a-
conselhado pelo amjgoda Orle. He preciso que elle
desapparej da poltica para pastar por homem.sem
partido, e mesmo superior a partidos I
Chegarara as mesiras para o collegio das educan-
das dista cidade. Urai he a regente, e tem ero seu
abonos eoohecimentos do francez, inglez, geogra-
phia e historia, e oilo aunos de directora de um col-
legio em Lisboa. A oalra enearrega-ae de costaras e
bordados. Keliro-me a respeito do Diario do Com-
mercio de 15 do correte.
A renuncia do nosso dioceseno cansn espinto.
mesmo aos qoe o sabiam dominado desla idea : sup-
punharn qae o lempo e a reflexao lh"a deslerrariam.
Os motivos apparenles nlo parecemsulucieates; i ,s
elle os leri pesado devidamente, para que se rosj'Ji-
vesse a esle passo. Foi urna decaplo horrivil Tu a
cerlos sogeilos, queeoodvam negociar com o sede-
me, e aio la ha pooeo comeravam estpida intriijui-
n'ia contra o E. P. R.
'Nlo posso sull'rer com paciencia qoe ama couilnlia^
chegada lia pouco de fora, sem serviros tem sicrifi-
rios pelo Sr. bispo, queira meller-se oa sua amizade,
como muquirana nls dobrai da carniza, para intri-
gar. Nlo se escarmentoo'cora o desfecho da primei-
ra intriga : tentar segunda, quando o Sr,J>. Jos
linha j renunciado, talrez pan ver-s livre e des-
cansar de tanto intrigante.
Qaando a renuncia lor definitivamente decidida
com a uceitacao do Ffjpa, taremos de ver alias caval-
larias, para a eleicao do vigario capitular. E eo es
larei promplissimo a contar-lhe miudameote o que
se passar, e com a competente analyse. Quem sabe
se eolio deixar de reinar a doce pax da nota igre-
ja ? Eu nada soffrerei, porque nio son padre : sof-
(Vid. Diaria n. 116.)
;!-*!y A'.
lumbrariam a todos, a qae as princezes nao repara-
ran) nisso.
Infelizmente a corte nao dangou em toda a esla-
rao. Os prazeres do invern forera.o florescer das
araendoeiras, dos pecegueiros, e dos limoeiros. Falla-
vi-se vagamente de am grande baile pan o dil 15 de
maio ; era ura boato acreditado por ligninas gazetis
aemi-otdciae ; porm qoe nao mereca eonliinra.
Meus estudos eaminhavam como meus prazeres a
paaso miado. Ea contiena a fondo o jardiin bot-
nico de Alhenas, qae oSo he muito bello nem muito
rico. O jiiidim do re offereeii osis recursos : um
Francez inlelligente ahi reuni todas aa riquezas ve-
getaes do paiz desde as palmeiras das ilhas al ai sa-
tifrigias do cabo Snnioro. Passei ah boas raanhaas
oo meio das plantar-Oes de Mr. Bireaud. O jirdim
nao he publico senlo a cartas horas, mas eu fallava
grego as se n ti ne I las. e pelo amordogrego deixavam-
me entrar. Mr. Bareaud nao se enfedava com go,
ronduzia-roe a loda a parte pelo prazer de filiar em
botnica eem franca;. Em sua ausencia en ia procu-
rar urajardineiro.e fallava-llie em allemo : he bora
ser poiyglolla.
Herborisava om pooco lodos os dias pelo campo,
mas nanea lio longe como quizara ; porque os sal-
teadores aesmpavam-se em torno de Alhenas. Nao
soo cobarde, e a continuadlo dista historia Ih'o pro-
vara, roas prezo a vida. He om prsenle que recebi
e qoe qoero conservar quanto mais lempo for possi-
vel em Irmbranra de meu pai e de minha rali. No
mez de abril de 1856 ara perigoso iihir da cidade ;
havia mesuno imprudencia em residir nella. Eu nlo
me avenlurava sobre a ladeira do Lycnhele sem pen-
sar na pobre madama Durand, que ahi foi mohada
ao meio dia. As eollioas de Daphn lembravam-me
0 eapllveiro dos deas offlciaia francezes. Na estra-
da do Preo eocuidava involuntariamente nesse bao-
do de ladrdes qoe psiseiivam em' seis esrruagens
[como convidados de bodas, e que fozavam os passa-
| geiros alravez das pordnholss. O caminho de feote
lico Irazia-me memoria a prislo da duqueza de na-
cencia oo a historia moi recente de Harria e de Lo-
bsler. Elles voltavam do passeio montados em dous
cavados persas perlencentes a Ilarris : cahem em
urna emboscada. Dous salteadores de pistola em pu-
nho os fazem parar no meio de ama ponle. Elles
lanram a visla ero torno de si, e veem a seus ps
beira do riacho ama duziay de padres bem armados,
que goardavam eincoen(a on sllenla prisioneiros.
Todoi os que tinham passedo por ah desde o nas-
cer do sol tinham ateto despojados e depois ligados
para qae nenhurn fosse dar aviso polica. Harris
eslava sem armas como o sobrinho. Disse-lhe era
inglez : Enlregoimoso dinheiro; ninaoem deixa-
se matar por vinte dolan. Os salteadores apmham
os escudos sem deixarem a radea dos eavallos, depois
inoslrarn o rio arenando que devem descer para ahi.
Eniao Harris perde a paciencia ; repogoi-lhe ser
atado como leuda. Linca om olhir ao peqoeno Lo-
J biler, e no mesmo instante dous morros pndelos
descera como palanquetas sobre a caber, de dous sal-
1 ttadorsi. O adverurio de Willlam cahe para atrs
afid<-----------------------i
abaadonaHa oeste mun.l: ba a anreciem e por ella (arara acrilicis.
Seja iito nmi consolaclo para Sr. Correia de
Brilo, a um documento que transmita posterida-
de sua replselo illibada como realmente o he.
CEaRA'.
1 orlaleza 23 de maio.
Para nlo perder a occaiiao que mi olTerece esle
vapor, nlo qoero eximir-me obrigarlo de dizer-
Ihe o qoe ha por aqui de mais nolavel.
Espen-se moito breve a abertura da estrada da
Granja pan Sobral, e o melhorimenlo* do rio dn A-
caracn, para cojo flm votoa a assemblea previncial
alguns fundos. Dizem que a compmhie pernamhn-
cana| auxiliar esses trabalhos, e eu aeresceolo, qae
se ella o nio lizer, nao passailo de esperances todos
os projeclos a respeito.
0 eommandanle do vapor a Guiaban ti, qae de-
ve conduxir a presente, soffreo igora um roano de
dez roiitos di rii. O sea correspondente do Pir de-
ve noticiar-lhe asle faeto com ledas as soas circums-
(anciai; por ana razao deixo de faie-lo aqui mi
nuciosamente."
O meu dever nesle ponto he oarrar-lhe a impres-
sao que aqui causn semelhante fado. A reputadlo
do commaudante em nada tem diminoido ; tode o
eommereio, todas as pessoas qae o conhecem nesla
capital aGancam a sua probidade, e por um modo
assaz lisongeiro.
O Sr. Brito adiara aqui com a oaesma faoilidade,
com que achou no Para, quem Ihe ampreslaise o va-
lor preciso par indemmsar a fazenJa nacional.
Dizem que o roubo foi faito a bordo, e esla he a
crene;a garal.
A vista do modo por qae lenho oavdo contara
historia do mesmo, he entre poucas e|inliraas pessoas
de bordo, que se devi procurar o autor do crlme.
Desconlia-se qoe elle se realisou no porto desta
cidide, pelo qoe o chefe de polica acha-ie em ave-
riguases. Al esle ponto nada se tem descoberto.
Acha-se preso por mais saspeilo um criado do
vapor.
Faco votos para qne o Sr. eommandanle Brito con-
siga descobrir qoemjlhe caoiou lano damuu, afim de
ontrega-lo vio licta da lei.
Tem continuado a chover. He esti om anno mui-
to abundante. N'8o ha porem, por ora, mais reeeio
de secca, grc,as a Lieos.
A queda do ministerio causo a aqui algama estra-
nheza, pois ningoem peosava que'houvessecombim-
cao ministerial, em que nao figorasse o nome do coh-
disparando a pistola, o de Harris lancando mais far-
lemeele passa o parapeilo, e vii cihir no meio de
seas carneradas. Harris e Lobster estavam je longe
rasgando a barriga dos cavallos com as esporas. O
bando levantase como ums homem, a faz fago com
lodat as suas armas. Os cavallos slo morios, roas os
eavalleiros dasembararara-se, valem-se das pernas, e
vem ao-vertir a polica, a qual pozse em marcha oa
madrugada do terceiro dia.
Nosso excedente Christodalo soabe com verdadei-
ro petar da morle dos dous cavallos ; mas nloachon
urna nalavri deceosura para seus matadores : Qoe
querem, seohores ? dizia elle com bondade ; esse
he o seo officio. Todos os Gregos compartilham nm
pooco dessa opiniao, nao porque os salteadores pou-
pem seos compatriotas, e reserven) seus rigores "ara
os eslrangeiros ; porm um Grego despojado pelos
seus irmos, diz a si mesmo com certa resignarlo,
qne seu dinheiro nao sabe da familia. A popularlo
v-se pilluda pelos salteadores assim como ama mu-
llier do povo seole-se e-pancada pelo marido, admi-
rando como elle bale-a bem. Os moralistas indge-
nas queiiam-se de os lodos excessos commelli los nos
ampos assim como ura pai deplora as Iravessuras do
lidio. Reprehende-o era voz alta, ama-o em segre-
do, noquereria que elle se assemelbdise ao filho do
vi /.i nho, qui nunca fez fallar de si.
He .esse um fado lio verdadeiro qae na poca de
minha chegada o hroe de. Alhenas era justamente o
flagello da Aldea. Nos saldes e nos botequins, as
lujas de barbelro onde se rene o povo miudo, as
boticas, onde se ajonlam os cidadaos abastados, no
Ihealro, a msica do domingo, e na estrada de Pa-
tissia somante le fallava do grande lladgi Stavros, o
invencivel, o terror da polica, o Rei dis Monta-
ohas 1
Ura domingo, qoe John Harris janiava coro nosco
(era pooco tsmpo depois de sua aventara) lancei a
conversado sobre Hadgi Stavros. Christodolo o li-
nha frequentado muito durante a guerra di Indepen-
dencia, lempo em que o salleamento era menos dis-
cutido que agora.
Elle esvasou sen copo de vinlio de Saotoiin, pas-
soii a mo pelas barbas j grtnlhas, e comerou una
longa narnrao entrecortada de algoni suspiros.
Contou-Dos que Stavros era filho d um sacerdote
da ilha de Tino. .\aseen, Dos sabe em qoe aouo :
os Gregos do bom tempo nao sabem sua Idade, por-
que os registros do eslado iao urna jlvenejo da de-
cadencia. Seo pai, que o deslinava igreja, man-
dou-o aprender a ler. Na idade de vinte auuos elle
fez a romaria de Jeraialra, e aerescenloo ao seo
nome o ltalo de Hadgi, que quer dizersanlo. Had-
gi Stavros, vollando para sen paiz, foi apanhado
por um pirata. O veoeedor achoo-lhe boas disposi-
roes, e de prisioneirn o (ez mariulieiro. Assim ea-
raecno elle a guerrear os navios toreos, e geralmen-
le todos aquellos que nlo Iraziam canhOes a bordo.
Depois de alguns anuos de servico, enfadoo-se de
Irabalhar para os outros, e resolveu eslabelecer-se
por soa eonta. Nao leodo barco, nem dinheiro pa-
ra corapra-lo, foi obrigado a exercer a piralaria em
MUTILhDO n
Ierra. O levaotamento dos Gregos contra a Tur-
qua, permitlio-lhe peicar em agoa turva. Nunca
elle soabe exactamente se era salteador ou revolto-
so, nem se commandava a ladrdes aa a partidarios.
Seo odio para com os Torcos nao o cegava a lal
ponto, que passasse parlo de urna aldeia grega sem
ve-la e esquadriuha-la. Todo o dioheiro Ihe con-
vinha, quer viesse dos amigos, quer dos inmigos, do
simples roubo, ou di gloriosa pilhagem. Essa im-
parcialidade augmentou rpidamente sua fortuna.
Os pastores correnm a' por-se debaixo d sua ban-
deirat quando souberam qoe ganbava-se ramio com
elle : soa repotacao deu-lhe um exercilo.' As po-
tencias protectoras da insorreiclo liveram conheci-
menlo de suas fecinliai, mai nlo de suas econo-
mas ; nesse lempo ludo se via eora bellas cores.
Lord Byron dedicou-lhe urna ode, os poetas de Pa-
rs comperaram-no a Epaminondas, e mesmo ao
pobre Arislides. Bordaram-se para ella bandeiras
no bairro de Saint Germain ; enviarara-st-lhe sub-
sidios. Elle receben dioheiro da Franca, di Ingla-
terra e da Ruasis ; e eu nao jurara que nunca re-
ceben da Turqua : era um verdadeiro Pillicare!
No lira da guerra vio-se sitiado eora os oulros chafes
no Acropolo de Alhenas. Achava-se nos Propyleos
entre Margarilis e Lygand, e cada om delles
gturdava aeos liiesouros cabecaira de leu leto.
Era nmi bella noile de verso, o ledo rabio to acer-
tadamente, qae esmsgou a todos, menos a Hadgi
Stavros, o qual famava (ranquillimente leu ca-
chimbo ao ar livre. llecolheu a heranca de seus
eoropanheiros, e todos coidaram que fora bem ga-
nhi. Mas nma desgraca, que elle nlo previa, veio
pdr termo aos seuslriumphos : fez-se a paz. Had-
gi Stavros, teodo-se retirado pin o cadepo com
seu dinheiro, aasislia a uro espectculo extraordina-
rio. Ai potencias que linhsro posto a Grecia em li-
berdide, tentaran) fundar um reino. Palavras mil
soanles vinham zuir aos ouvidos do velho Pallica-
re ; fallava-se de govirno, de exercilo, de ordem
publica. 1 izeraiii-iu rir muilo, annunciando-lhe
que soas prorriedades estavara comiirchendidas em
ama sobprefeilora. Mas quando o erapregado do
fisco apresenlou-se-lhe em casa para receber os im-
postos do anno, elle tornnu-se serio. Lincou-o i
ros depois de t-lo alliviado de lodo o dinheiro que
Irazia. A jastca enlrou era contenda com elle,
Hadgi Stavroi voltoo para as inontanhas. Deraais,
enfadava-e em casa. Compreheoda at certo pon-
to, que se tivesse am tecto, mai com a condicao de
dormir em cima.
Seos nimos companheiros de armas estavara dis-
persos por todo o reino. O estado lhes dera trras, e
elles rultivavam-nas murmurando, e cometido sem
appellle o pao amargo do Irnbalho. Logo que soube-
ram que seu chafa eslava dssavindo com i le, vende-
rn! os campos, e correram a ieonir-ie a elle. De soa
parle Hadgi Slavros contentoa-se de arrendar seus
beus: tem qualidades de administrador.
A paz e a ociosidade (inham-no fsilo adoecer, o ar
das montiohM toruou-o tan alegre que em 1846 cui-
i
PARAHIBA.
21 de maio.'
Revollado coma demora que leve no norte o va-
ro Imperador, nao quix dar-lhe q gosttnho de
cartas minhas, por Issu nao Ihe escrevi ; o qoe
11(0 agora por este Goanabira, ^ue lempre he um
peoco mais marebadot vjjiaus aquelle,* paranlo me-
nos embirrante e illaainqw
Cometo formulando um proteslo con(ra os seus
compositores e revisora pelas inexacMdSM a troca-
dilhos com qoe teem sido publicadas, as mifihas ul-
timas raissivas, e isto fago, nao s. pira que tjinham
d destosen criado, corno para nu sinecronar com
'meu silencio os graves erros qoe teem apparecdo,
deixando de remetter-lha o catalogo das erratas pa-
ra nio occopar espaco do seu apreciavel Diario
com isoeiras de nenhuma udlidad, pois a nao
erem as erratas do celebre regiraeolo* de cus-
as, nao tei qae oatras valham a peqa le ler li-
dai.
Feito este solerosea e resumido protesto, passarei
ao que importa', visto.qae o tempo nem a voolade
permilte-me divagae9as,.da mesma forma inuteis,
qne as tees erratas.
O veloz nTocaoJhH)) annancioo-nos, nao s a que-
da do gabinete Cotias, qne Dos luja, como a ele-
vacio ao poder do novo ministerio, organisado no
syslema conciliador, leodo por sea chefe o illuslre
vlro o Exm. mirquez de (Huida, muito digno e
disidido pai da patria. Os ceos coroem seus e-f r-
cos dos melhores resaltados, para felicidade des-
te rico paiz, e d ao recem-nascido longa exis-
tencia.
Esla mudenca por aqui cansn seu rehnliro, e
posso aflirmar-lhe que as sumldides da Ierra u3o
so atreven a formar ora juixb seguro da face que
tomar3o os negocios poblicos. Esto todos com a
pulga na orelha, como l dizara. Ea, pela parte
qae roe loca, como de politic nada enlendo, nao
ajuizo cousa nenhuma.
Esperando mesmo a despeilo do enorme rabo oo
canda do cmela, viver mais liguas dias, agoardo a
marcha iovariavel doi aconteciraenlos, firme no raen
proposito para o que der a vier, t eolio Ihe direi o
pansamuio a respeito.
Finalmente posso anooociar-lha e o faro com a
maior satisfazlo, qus o nosso estado de salubridade
tem melhorado conslderavelraeotje, tendo declinado
em extremo a fabre amarilla, eojoi caso actoal-
mente sao rarissimos, e de pequea consequen-
cia. '
A tal tosse ncoqueluchen he que continua ainda
a flagellar as crianzas, ceifando urna oo outra des-
tas innocentescrealuriuhas. Verdad he qne vio em
bom Lempo
rerera d
ao desgosto de presenciaron as pautaras que
por esle inundo.
Ap'Zir disto, como por c J eslou acostara id n,
nlo lhes quero fazer compiiihia, prineipalmenii
com reeeio de ser obsequiado peloscaranguei-
jos. L
Deflnxos temos em qafniidide, quasi ninguem
possue o seu nariz desempedido. A's vezes ato lie
urna fortuna, principalmente quando tem de transi-
tar-so pela gradavel ladeira de S. Francisco e oa-
tras travessas e beccos de que fajo, como o diabo
fugio da cruz.
Quanto tranquillidade publica vamos magnfi-
camente, ajosluggs vao seodo Irancafiados sem
contemplarlo, assim que cahem as unlias da poli-
ca, que oenhum quartai lhes da. Segundo ama es
latistica publicada pela Epocha, peridico ex-
clusivaroeota offlcial, teem sido agarrados de Ja-
neiro a abril oitenta e tantos daquelles inno-
centes.
Aqni nesta capital livemos sabhado 23 noite,
doas casas roubadas no bairro do Varadooro, sendo
o prejuizo de pooca monla. Oa vez era quando ap-
pareceo seus raloneiros por esta pacifica cidade,
sobre os qpaes he preciso toda a vigilancia da poli-
ca, afim de reprimi-los e afagenta-fos. Estou con-
vencido qoe o mailo digno chefe de polica inte-
rino dlra' suas ordena terminantes neste sen-
tido.
O tribunal do jury concluio seus trabalhoi no
sabbado nllimo, sob a presidencia do integerrimo
Dr. juiz d direilo da comarca, o Sr. Assis Rocha.
Os proce'sso repa.a los e apresentados barra do
tribunal foram de pouea consideraran, mis assim
mesmo o tribunal nlo foi indulgente, hoaverim
sempre sons considerar;Oes. Faltarain jurados, con-
forme Ihedisse sucerderia, e fallaram sem cania
justificada. Espiro portanto qoe serlo esfregidos
com as randas impostas pelo merilissimo Dr. jniz
de direito, para nao mofarem dos oulros qoe com-
parecern). A le- nao excluio ningoem, portanto nao
lemos privilegiados.
Louvado Dos installoo-se a sociedade Bailante
em que Ihe tenlio fallado, aob o tituloReereio Fa-
miliar, e liyeiuos a primeira partida era a noite de
-' I do ailante. Cimpireci 'reaniao munido de
um convite que a direc'.oria leve a bondade de
foroecer-me, e retlrei-me a'a duas horas da noite
exlremameule sadsfeito.
A concurrencia do belio sexo foi pequea, mas
assim mesmo haviam la algunsdemoni nhosque
nlo deixarara de perturbar a tranquillidade dos
meos setenta cajus, que teoho no cachaco. A falla
que sendo-se desenliaras foi motivada, segundo po-
de colber, dosseslrosde rauitoi, qae quizeram
em primo loco examinar o'qoe era a sooiedade,
liara,depois apresentarem soas familias. Nlo me ad-
mirara qae isto se dsse com algum coosiderado
mais malulo ou bisooho, porrri com socios propria-
nienle maravilhou-me de veras 1 Nao si quando
acabarlo cerlos prejuizos nesta minha boa Ierra...
I al vez nanea I
Por falta de edificio apropriado s funcrSes da
lociedade, leve lugar a partida no nlo da assem-
blea provincial, que eslava elegantemente prepara-
do, e Iluminado da melhor forma possivel. O ser-
vico do cha (o feito com muila profoslo e limpeza,
offerecidos madamas por certo numero de socios.
As bandejas de bolinhos estavam perfeitamenle ar-
raigadas, nada mais havia a desejar. Na cpa ou
botequim se obiervava a mesm ordem qae em lado
o mais.
Os amadores encontraran! boa cerveja pre(a e
braeca ; excelenle coguax, genebra e licores, bem
como geuuinoi iofasa, do Porto, Madeira, Cherez,
ele. ; linalmente, nada e exigi'que olo houvesse.
Dansou-se bastante, e nada menos de oitu quadri-
Ihaa, (rea schotlishs e nma varsoviana.
^ Nlo pense qoe fui meUer-rae timbero nesse bs-
Tolho ; conhero perfeilaroenle o logar qne me com-
pete, a nlo gosto de micaqaear os mojos, como
outros mudos da minha idsde fazem.
A msica he que poda estar melhor ensaiada, isto
para justificar o adagio qae diz nao haver cavado
sern tacha. *
Honra, portanto, aos dignos directores, que envi-
daran) todos os esforcos para desempenharem satis-
factoriamente saa tarefa. >
Esquecia-me dizer-lha que nioou na eompanhil
a mais perfeila harmona e concordia. Nlo hoove
a menor desavenca, a nem isso se esperava por certo
de eavalleiros lodos de educarlo.
A vista do que levo escripto, acho escusido di-
zer-lhe que faro votos ardentes para a prusperidade
da sociedade Recreio Familiar, que ao menos nos
promove om til e agradavel passalempo ueita mi-
nha ierra, tida e havida por classica da insipidez e
semsaboria. Assim seja.
Cobsta-me qae se procura organisar ama associa-
rlo oo prars cammercial, onde oa negociantes se
reunam, como se osa as deraais partas, para tratar
de soas transacrOes. Nao Ihe posso affirmar qoe.esle
projeclo se realice, visto os nossos vellios negociaules
pouco gostareio deTaodernisraos.e amantan a rolna
amiga. Dizem ella* que team feito at agora nos
escriplorios todos oa leus negocios, ondi teem gacho
muilo dinheiro, sem auxilio de piara, que no s,eu
entender nada vale, nem nada expresan. E lirem-os
l deste modo de pensar! Entretanto, desejo que v
avante semelhante projecto, par mlm de summa
ulilidade, quando menos para forrCr-me ao desgos-
to de ver os nossos negociantes, I aasBo os de supe-
rior categora, grupadoi pelasi Has, lujas, roas,
etc., combinando eipecularoes ca fcaudo negocios,
O nosso eommereio ja nao be Oto^icignificaue que
nao possa comportar um estabeJecimento de tal ua-
tnreza, e por isso he mster toda a perseveraoca da
parle dos autores da idea para leva-lo a effeit.
Foram creados tres lagares de praticantei na the-
sooraria geral, com o ordenado da 300$-cadi um.
O cooeorso para o preenchim'euio delles lera lagar
no dia 8 de judio futuro, e ha ura semnomero de
pretndanles. Os empenlios fervein, como he costo-
rae logo que ha qualquer lugarzinho vago. Veremos
se o mrito ouas habilitares sao supplantadas pelo
patronato.
i Est traballiando no consistorio da matriz desta
idade o conselho de revisao e quabficar/ao da guar-
a mese e he apoiado o legoiole ra-.
nTe.rada ~ Z=o^-^r. g=^5gSKg ^:
go..o de presenciar.ro a, pal.far'as que vio ^&0'^!^& &?%%
dou em casitvJJI. De eerto elle tinha mais de cin-
coeola annoi; porm os homens dessa tempera nao
ficam abatidos pela velhice ; a propria morle hesita
antes.de alaca-los. Casou cora orna moca rica de ama
dis melhores lunillas de Laconia, e torpou-se assim
adiado dos maiores personageui do remo. A mulher
legein-o por loda a parle, deu-lhe urna filha, leve is
febre, e raorreu. Elle mesmo criou a filha com cui-
dados quasi materoaei. Quando a fazia sallar sobre
seus joelhos, os salteadores seus companheiros di-
ziim-lhe rindo : a S le falla o leile.
O amor paterno da novo impulso ao seu espirito.
Querendo ajuntar para a filha um dote digno de rei
estudou a quesilu de dinheiro, sobre a qual tivera
ideas mu primitivas. Era vez de amonloar seus es-
cudos em cofres, quiz po-los a premio. Aprenden
as maneiras da especularlo, seguio o curso dos fun-
dos pblicos na Gracia e nos paizes eslrangeiros. Al-
guns at aflirmam que leudo observado as vanlaoens
da commandita, elle leve a idea de por o salleamento
em acres. Fez inultas viagens a' Europa guia dn por
um grego de Marselha, qoe Ihe servia de interpreta.
Dorante o tempo qne esleve na Inglaterra assislio a
urna eleicao em nlo sei qae cidade do Yorkshire :
esse bello espectculo iospiroa-lhe relleioes profun-
das sobre o goveroo constitucional e seos proveitos.
Vollou decidido a especular com as instiluiroes de
saa patria, e a tirar deltas orna renda. Queiihoo
grande numero de aldeas para o servico da opposi-
rao, e destroio algunas outras no inleresss do par-
tido conservador. Para derribar om ministerio, bas-
tiva dirigir-se a elle : proviva com argumentos irre-
futaveis que a polica era peisima, e que nao se oble-
ra algama seguranca senao rondando o gabinete.
Mas em corapensaco dea rudes liefies aos ioimigos
da ordem, punin io-os por onde haviam peccado.
Seus talentos polticos foram taaconhecidos, que In-
dos os partidos o tinham ero alia estima. Seus come-
dios em materia de elciclo erain quasisempra segui-
dos, de sorte qae contra o principio do governo re-
presentativo que quer que um s deputado exprima
a vontade de raudos homens, elle s era represeolado
por uns l> i na diputados. Um ministro inlelligente,
o celebre Ithalelds, conheceu qoe um horabm, que
tocava tantas veles as molas do governo, havia de
desorganisar por Iim a machina. Eoaprehendeu ligar-
Ilie as mos com ura lio de euro. Marcou-dii um
ponto de reunilo em Cirvati entre o llymel'.e o
Pontelico ni casa de campo da am .cnsul" estrangei-
ro. Hadgi Stivros veio sem escolta e sem armis. 0
ministro e o salteador, qae conheciirn-ie desda muilo
lempo, almoearam junios como amigos voltios. A'
sobre mesa Rhaletlis offereceulhe amnislia completa
para elle e o seus, ama patente de general de div-
sao, o titulo de senador e dez mil hectrea de flores-
tas. O Pallicare hesitan ilgntn lempo, e depois res-
p..n leu nao : a Ea teria lalviz aceito issj ha vinte
annos, disse elle, mas agora estou mailo velho. se
posso nesla idade mudar meu modo de vida. A poei-
ra re Alhenas, nlo lem valor para mim, eo dormira
no senado, e se me dsses soldados para commipdar,
ea liria capaz de descarregir u pistolas sobre 01
nente-coronel Jlo Cavalcand de Albuqoerqoe Vas-
concellos, ,i quera lenho muilo prazer de dar esla
insignificante prova de considerarlo e estima, pela
digiiidade coiu qoe sabe manter o seo posto.
Os seeros alimenticios continuara a sustentar pro-
cos fabulosos, devido tambera secca que anterior-
mente livemos, a qnal assolou a pequea lavoura.
se continuar o invern como vai, creio que mais
para dianle devero baixar. .
A barcaca Ligeira apreseotou-se aqui com orna
carga de bacalbo podre, qae foi todo lanzado ao
mar, por prejudicar a saude publica. Se o aujeito
por especuladlo comprou-o j nesse estado, lis bem
feito qoe tal Ihe lucceda, para oioser ambiciesj.
Sobre a obra da cada publica, curopre-me dizer
qoe, segando me consta, S. Ex. o Sr. vice-presi-
d-nle, em virtud do parecer das commissdes qoe
Ihe annunciei, lem teocOes de fazer as altencOes
precisas e conveaimles as prisOes do andar supe-
rior, ainda mesmo com mais alguma despeza, visto
nlo estar o c intrata lor obrigado a fazer semclhanles
alleracfies, em vista das condic,0es a qoe se sojeiloo.
Parece-me que S. Ex. ordenando a factura do que
he necessario para ficsr a obra perfeila, procede
muilo bem ; do contrario moilo terii pira eensorar,
mnrmente sabendo-se que anda pode-se remediar
ludo actualmente.
Nada Ihe digo de eommereio,/ porque o mea Ci-
ceroni favlhoa-ine dista feita cum os aponlamenloi
precitos, todava sempre Ihe nnlaret que o algodio
prosegue muilo animado, oblendo, segundo ooco
di/.er, ni inspeccao, de 89 a 8j20Q por arrroba.
A nossa alfandega e cnnsnlado renden no mez pas-
eado, de abril, .'10:ti -Jolln, a a mesa de rendas pro-
vinciaes, 24:2389192. O Ihesouro provincial posiuia
no lira do referido mez, em o cofre respectivo,
I12:401323, sendo m moeda 56:0749919, e em
letras 56:3269404.
A despeza provincial no mesmo periodo 'sommoo
em 44:0039S43. E adeoa. Saude, felicidades, pata-
coi e bem estar Ihe desejo, etc.
PEHMAMBHCO.
ASSEMBLEA LEGISLATIVA PROVINCIAL OB
PERNAMBL'CO.
Seuio ordlaaria am 22 de malo de 1857.
Presidencia do Sr. Jos Pedro da Silva.
As II horas et|2 da maohla verific-ie haver es-
sa, e abarla a sessao, ha lida e approvada a acta da
anterior.
O Sr. 1 Secretario di coala do legoate
EXPEDIENTE.
Reraelle-se a mesa o segainte reqaerimenlo qne
be apoiado :
Tendo sido illegil e irreligiosamente converti-
dos em armazeos de recolher gneros, algona slaa
qnartos e corredores da igreja da Madre-de-Deo,
porquaoto ai leu provinciaes da 10 de jonlio de
1835 e 4. de ntaie de 1850, qoe mandaram entrga-
los as irmandides nella erectai, de Santa Anua e
do Sr. lloro Jess das Portas, nao permilliram qas
se lhes dnae tal applicac'ao, que he tnteiraracnts
cootraria a reverencia, qae se deve aos edificios des-
tinados ao cnltu de nossa religue : requeiro, qae
se officie ao Eira, vice-presidente da provincia, pa-
ra, de accordo com o Exm. bispo diocesano, provi-
denciar a respeito, como entender em saa aabedoria
e for de direito.S. R.O'.iveira.a
O Sr.aP"rncico Joao disse.que nioduvidaria pT'
lar o tes)'oto a idea comprehendida no requerite.
lo offereedo pelo illuslre Sr.2.o secretario interino,
se por ventura nelle ss nao achasse incluido nm jal-
gado de oatareza admimslrativa, proferido pela ca-
sa, a respeito da interpretarlo daa leis de 10 de ja-
nho de 18:55 e 4 de maio de 1850, julgado, qne poda
nao estar de accordo cora a iutclligencic qae a pre-
sidencia dacaaraspeilo desca leis.
Tem, portarrlo, eosno conveniente a mais acertado,
er o reqaerimenlo da honrado raembro remettido i
alauraas dai commissoes, qae peta soa natorea. pos-
sa enaltecer de objeclos desta ordem, afim de vis-
ta do parecer desta commiado, poder a casa tecnar
Urna resoluc,3o ; e nesta sentido offereceria am re-
neriineqlo, ce por acaso o Sr. B. de Lacerdi nio o
Hvesse precsaJUo.
I Tambero *H j
qeerimenlo
o Requeiro, qne 0 reqaerimenlo do Sr.- Olivetra,
caja rernelUdo as cooiinissaes de legislarlo e nego-
cios acclesiasticos.B. de Lacerdi.
O Sr. Oioatra : Eu me :ooformo com o re-
qaerimenlo apresentado ltimamente, e por isso de-
xarei da snitantar a minha indicarla, pera o qae es-
tiva habilitado com os docsicaanlos e idfetmaefiei
neceaaariaa.
O lempo nlo ce pode perder.^orqoe ha ontrec ne-
goeios baitante impor(a,itec entre mloi, por isio ac-
enio-me, votando pelo reqaerimenlo.
Consnllada a caca, ipprova os requieimia-
tos.
S,lo lirios, julgidos objecto de deberaclo e mi
dados imprimir os seguioles projectos :
o A assemblea legislativa provinciil de Pernarn-
buco decreta :
a Arl. 1. Na aposentadora dos empregados do
consulado provincial, serio incluidas doas tareas
partes da porcenlagem, alm do ordenado, para
fizar a qoantia caro qae elles devem ser aposen-
tados.
a Arl. 2. A porcentagem ter calentada pelo an-
no em que for concedida a apoieotadoria ao empre-
ndo.
a Arl. 3. A disposiclo do art. 1 s lem applica-
cao ao empregado que liver direito de ser aposinla-
do com o seo ordeoedo por ioteiro, aqnclle po-
rm, qoe s liver direilo de ser aposentado com e
ordenado proporciooal aos annoi de servico, apenas
poJer accumular nma lerc parle da porcenlagem
que menciona o art. 2.
Art. 4. Sao revogidis as dkipoiirei em con-
trare.
o Sala dai commiesoes 22 de maio de 1857.
Antonio Epaminondas da Mello.
a A coramicelo de igrirultari, a quem foi remet-
tido o requirimento de Carloi I.uiz Ricirdo Lihin-
ire, tendo tomado na devida coosKlerarla todo
quanto acha-se ah expendido, he de parecer qae a
ssembleaj, to zelosa como he dos iulereises agrico-'
las de provincia,adopta o segainle projecto de lei :
Fiea o presidenta da provincia lalorisado a'con-
tratar com Carlea Luiz Ricardo Lahautire e ecla-
belecimentodeuma/aori'cacintral de acaacar em
qualquer dot ceiros agricoln da provincia, tabre
as buei segaintes :
a 1. Sera pelo governo reconhecido de ulilidide
provincial o estibeleciroento dessa fabrica, quin-
ta a desapropiarles, ce furem estas jolgadas por
elle indispensaveis para sea fondaclo, correodo, po-
rem, por conta do emprezario todas as despeza qoe
fuerera com temelhantea desapropriacbes.
2.a Cooceder-se-ha ao dito Lahaore, a cene
ocios, luccasiores ou cessionarios, o privilegio de le-
melhanle estabeleciminlo por j annos, dentro de
urna rea, coja axleosao seje limitada por nm raio de
1,500 bracas, contadas do ponto em que esliver a fa-
brica para qualquer de seus lados, afim da que, do-
rante o privilegio e dentro dessa rea, nenhuma
ootra abrica de semelhante natorea, lendo o mei-
rao fim, seja estsbelecid em detrimento da mencio-
na.la cima : .nlo inhibindo iilfporm, de sorte
aigoraa a qualquer dos propietarios, ejae trras
estiverem comprehendidas no referido- permetro,
continuar a fabricar seus assucares em seus proprios
engeohos, ou fazer nelles qualquer melboramenlo
que ceja, afim de melhor aproreitar as cauas to se-
ment ahi cultivadas.
a 3.* O emprezario contratar com os referidos
proprietarios, se convier a eles, o fabrico de seos
assocares, garanlindo lhes (pelo menos) om liqoido
de 7 por ceuto em assocar tecco do pe o das cams,
que lhes perlencerem, e que por elles forero postas
na fabrica, sendo dous tercos desse assocar da pri-
meira qaaldade prodozdi por ella; a o reito em
liarles iguaes, de qualidades inferiores.
menos 80,000 arrobas em 100 diac, on a moer to-
das as canas, que, segundo os ronlralos de qae (reta
a base 3.', os seohores dos engenhos coraprectandi-
doi po perimelro aeima, pszerem na fabrica.
5.a O emprezario ser obrigado a franquear aac
agricultores da provincia o exime dos rriimn ata
fabrico.
6.* No contrato qoe o governo eelebrar.se aslipa-
lirlo as penas ero que deve incorrer o empresario,
no caso de abandonar a empreza.
a Sata das commissoes, 22 de roco de 1857.Ig-
nacio de Barroi Brrelo.Marques de Amorim.u
O Sr. I. de Barros pede, qae o projecto, qae co-
nos uniformes pela forja do habita. Volta pois aos
leus negocios, e deixa-me cuidar noi meas, n
Rlialetlis nao se dea por vencido. Tentou es-
clarecer o salteador sobre a infamia do ollicio que
exercia. Hadgi Stavros poz-ie a rir, e disse-lhe
com amavel cordialidade :
Cumpadre, no dia era qae escrevermos nossos
peccedos qnal de nos lera maior lisia ?
'Pondera, emfiro, screscenlou o ministro, que
nao podes escapar ao leo destino : morreras qual-
quer dia de morle violenta.
Allah-Kerim responden elle em turco. Nem
t nem eu lemos nss estrellas. Porm ao menea eo
lenho orna vaotagera : be que os meus inmigos. tre-
tera ura uniforme, e recooheco-os de longe. Nao
podes dizer outrolaulo dos leas. Adeos, iimlo.
Seis mezes depois o ministro foi assassioido peioi
seus inimigoi polticos ; o salteador aioda vive.
Christodalo nao codIod-dos todas as facanhas de
sea hroe : o da nao teria sido soflicienie. Con-
lentoo-se de enumerar as mais notaveii. Creio que
em nenhurn paiz os mulos de Hadgi Stavros fize-
ram jamis cousa mais engenhosa do qoe a pilha-
gero do A'teoiinr, barco a vapor do Lloyd austraco
que o Pallicare despojou era Ierra s II huras da
manilla. O Xiebuhr vinha de Conslantinopla ;
depoz a carga e o passageiros em Calamaloi a lesJe
do isthmo de Corintho. Qaatro carros e dous m-
nibus tomaram os passageiros e as mercadorias para
transporta-las a oulro lado do isllimo, ao peqoeno
porto de Lootreki, onde oulro barco as esperava.
rev de esperar muilo. Hadgi Stavros em pleno
dia, em bella estrada, era lagar plano e descoberto
roubou a9 mercadorias, as bagagen-, o dinheiro dos
viajantes C as muoices dos soldados que escoltavara
o coraboi. Koi um da de 250,000 fraocos, disse
Christodolo com i oveja.
Tem-se fallado muito das crueldades de Hadgi
Stavros. Seu amigo Cliristudtilo nos provou que
elle na fazia o mal por divertimento. He om ho-
mem sobrio qoe nlo embriaga-se de nada, ero
rm'smo de sangue. Se Ihe acontece aquecer muito
os pes de nm caroponez rico, he para saber onH-, 0 |
palifa escondeu seus escudos. Em geral e|e ()lt
com brandara os prisioneiros de p*;,r apera resgale
No verlo de 1854 deseen u-^,, noie coin 0 SPU b} casa de um merca**,,,. ja n\la ds teabi, o Sr. Voi-
d. Achou ,ainilia reunida alcm de am velho juiz
no l.'.ounal de Clialcis.quc se eiiiredulia aro jogo de
cartas com o dono da casa. Hidgi Stavros offereceu
so magistrado jngar-lhe a liberdade, perdea e exe-
ccin-ce de bom grado. Levou comsigo o Sr. Voi-
di, lidia e u lidio ; deixou, porem, a mullier para
tratar do resgate. No dia do rapto o marcador acha-
va-se com a gota, a filha rioenle de fabre e o filho
mui paludo. Vollaram doos mezes depois todos cu-
rados pelo exerccio, pelo ar livre e pelo bom Irala-
mento. Una familia inleira recobrou a siude por
50,0u0 trancos : era porvenlora moilo caro ?
Confeiso, acrescentou Christodolo, qoe nosio
amg nao tem plesiade para eom os moa pagadoras.
<"tu t am reigili nao he pago oo prizo marcado
s.
elle mata o< prisioneiros com exacddin commercial;
he coa maneira de protestar as Ictlrac. Apezar da
minha admiraclo para com elle, e da amitad qae
une nossas duas familias ainda nio perdeei-lhe a
morte das doas filhas de Mislra. Erara doas getneas
de qualorze annos, lindas como doas estatuas de
marmore, promedidaa em casamento a dous man-
cebos de Leondari. Eram 13o semelhanlec qae quem
is va eifregav os olhos para verificar se eram duas
ou urna s. Urna manlIJc tara vender caslos de
cede na fabrica. Levavam jantes ura ceslo grande,
e corran) pela estrada como duas pomba atadas ao
menlo carro. Hadgi Stavros levoo-ai para a rnon-
lanha, e escrevun a' mai que as entregarla por
10,000 fraocos pagos no fim do mez. A mai era orna
viuva absstada, proprielaria de bellas amoreiras,
porm falta de dioheiro em moeda com} lodos nos!
Tomn essa qaanlia emprestada hypothecando seus
btns, o qoe nanea be fcil, mesmo a 20 por ernta
le lucro. Eorara-lhe necessarias seis semanas par-
reunir a sommi. Qaando ella leve emfim o dinhei-
ro, earregoaIim burro, e.pirtiu a pe para o campo
de Hadji Slavros. Mas io' entrar i grande langaia
do Taygele, no logar em qoe iclum-se cele fonies
debaixo de om pltano o barro que caminhav adi-
anle paran, e recnion continnar. Enllo a pebre
mai vio V beiri da estrada soas duas filhas. Esta-
vam cora o pescoro cortado at os ossos e eccas lin-
das catecas quasi leperadas do corpo. Ella lomon
as doas pobres crealuras, collocoo-as sobre o borro,
e reconduzio-as a Mislrs. Nlo pode jamis chorar,
por isso endoudeceu e morreo. Sei que Hidgi Sla-
vros irrepeodeu -se do que fuera: cuidava qae a
viuva era mais rica, e que nio quera pagar. Ua.
tara as doas lidias para eiemplo. O certo he que de-
pois desse lempo suas cobrancas sempre foram
promplaraente fettai, e qui ningoem alreveu-se
roa s faze-Io esperar.
ruis Ccroono gritn Gla*o;0 dana0 ora
murro que balou a casa como um terremoto, se ja-
ras'.; :\\i cahir-mc as mos hei de dar-lhe am ri-
gate de dez mil murros que Ihe ptrmittira' retirar-
se dos negocios.
Pela miuhi parle disse peqoeno Lobeler coro
om sorriso tranquillo, nlo pec,o mais do qoe eocon-
In-lo a cncoenla passot do meo recoleer. E Vmc,
lio John ?
Harris assobiava entre os denles nm peqoeua
aria americana aguda como ama lamina de punhal.
evere crer o que oueo t cciesceniou Mr.
Merinay com sua voz flautada. He possivel qne
taes horrores se commeliam em um secnlo como o
nono 1 Bem sei que a Sociedade para a moralisa-
cao dos mal/eitores aioda nlo eilabeleceu filiacs
neste reino, mas rilo ha aqni milicia '.'
Certamente, respondeu Chrisio dolo, 50 offl-
ciaes, 152 brigadeiro, e 1,258 soldados, sendo 150
a cavado. He a melhor tropa do reino depois da
da Hidgi Stavros.
{Contin-uv-u-ha.)


V
=
mo m.rabro da commrsSo de commercio, obres pu-
blicas, ele, leve a honra de oflereeer, Mja impresso
normal da caa as da immediato.
Lonsulia-se a casa.esita accede ao pedido do hon-
rado memoro.
OSr.M. 1/eriguet:Sr. preiideole, como tem
de se diicuiir pela lereeira vea o projecto da orce-
mente, provincial, que anda se ecba en segunda
discustgo, e nelle ha referencia a eitrada de ferro,
cora relajo ao pagamento do jaro garantido pela
proviqpia, ao desejavu por cerlo modo orientar-rae,
para poder volar sobre amalarla, que ha paraos
nalureta mallo Importante, coro conhleimenlo dej
canta, importante mesiDe em relajo a despeta que
a provincia tem de faier. Ea nSo estou mallo salis-
feio acerca doe trabalhos da estrada de ferro, se-
gundo alguna coost*ue leobo oavido ditef, e to-
mo me consta, eaistirem dados ofBciaea, que podem
esclarecer a casa a > respeilo, neste sentido offs-
reco ora reqaernaanto, exigindo da presidencia a
remosta do ultimo retalorlo da directora das obras
publicas, eom refaceocia a esees trabalhos.
Vai mesa, a apola-se o ttxulnU reqnerl-
menlo: '
Reqaeiro que se pec;;i ao governo a remeta ar-
gente do ultimo relatarlo da directora daa obras pu-
blicas a cargo do eogenheiro Sliiiet, acerca dos tra-
balhos da estrada de ferro.-^Meira Henrlqdes.
O ir. M. Henrfques:(NJo restitnlo sea dis-
carao.)
O Sr. B. de Laceria :Sr. presidente, ea voto
pelo requerimenlo do nobre denotado, visto qoe
todos oa eaclarecimentoa, qoaesqoer que elle? sejam,
8 de qualquer natareza, serSo sempre vaolajosos ;
roas en. se bem qoe n.lo tenha mea joito maito for-
mado sobre essas negocios, e vejo que o nobre ora-
dor qoe me preceden, tamben- nao o tem, todava
aeho. que he de algara modo conveniente haver co-
mo que orna eipecie de protesto, porque esse voto,
se bem qoe nao nos d como convencido-, sendo
proferido aqai oa asstmbla, prodcu um echo lar-
ri vel.
Ea, so bem que, repilo, nao tenha o mea joiio
formado sobreindo o que ha a respailo de dasapro-
priacoes, eomliido sei alguna cooea ; creio mesno,
que factos da orden dos qoe acaban de ser referi-
dos, lem-se dado, mas o qae sei verdadeiramenle
he, que de desaprepriac^et prepriamenle jodiciaes
eo peloa canaes competentes mareados pela lei das
desapropriacoes, i tiyeaots dona casos ba poneos
das.
O .Sr. Souza Carvalho :Ja se
soffrea desaproprlufao nao gritar *
O Sr. B. de Laeerda :Este faci en dout qae
se deram na mesma eceaaiSo, de algum modo nos
devem por a salvo oa eolloear-Bos em posirao de
nao- darnoa moila iraporlacia a esses boatos, e mes-
mo ea sei, qae varios proprielarios, cojos terrenos
foram desapropiados, ficaram salitfeitos, e qoe
alguna qoe pretender- tetar seos direitoa a toda a
Seclividade, questSo judicial nao oa atemo-
sia.
O Sr. P. Baptista :--Eo sei do contraro.
O Sr. B. te Laeerda:Eu acredite qoe algom
factos se tenbam dado, nao qoero dixer o contrario,
mas enleado measno, qee eesea ineoaveeieatea qae
a eompaahia leen acanelado, nao eetao debai-
xe da oosaa aleada ; nosaa inlerveacjo peder ser
levada para oulro lado, podr ser levada pera
lado da directo, qae a obra Um tido, meemo piral
a ceoslraccao da abra, roas pelo lado daa desspro-
prfeclea, nao. Emfim, ea nao repillo a idea do re-
Queriiaento, icho boro todo e qaalqaer eselateei-
maato, mas o raen flm foi contrabalancear de algom
apode a imprsstao qae podia causar e voto desta
DIARIO LIS PERNAMBDCO QUINTA FBIRA 28 DE MAIO DE 1867,
vio algoem qoe
Dirat mete, que a engenheiro iogles contratado
pala goverao gsral, Sr. Une, qoe eftego do Rio
* Janeare, ha penco lempo, tendo ecantioado esees
^atto a estrada de farro, esi satiafeilo com a
teofao- deltas, dta metros qoe .iao te podia exigir
*)* *** nem 4pto qoanto a compatible tem
leita, aaaManto halla engenheiro de multa nota,
* a qaal cre, qae anda nei.liam boa-
aha.
,ea vote pel reqasrimento, mas entend,
qea ara de teda a necessidada haver nesla casa ama
especia de protettot
O Sr. Francisco Joao: Afolado, apoiadit-
81DM*
O Sr. M. Bmriques:{ NSo restitoio sea dis-
enrao.)
Eocerra-se a diicnssao, a posto o requerimento a
votas, he approvado.
ORDEM DO DA.
Segunda ditcuisao do projecto n. 47 deste aono,
que dix :
a A astembla legislativa provincial de Pernam-
boco reeolva:
a Art. 1. Os profetsores de primeiras le tiras, a
qoem for concedido, na forma da lei, a gratifica rao
addicionai, por terem 12 anuos de ervico effeetivo,
eemecaro a perceher a dita gralifeacao, desde qae
tiverem completado o referido lampo.
a Art. 2. Ficarn revogadas as disposiedes en con-
trario.
a Sala das commisaes 22 de abril de 1857.Dr.
P. Baptista. a
Ha approvado* sen debate.
Seganda diseusiao do projecto a. 53.
Arl. 1. O beneficio daa loteras concedidas e
qae se conceleraro pala assembla provinoial para
qualquer fim publico ou particular, era de doze
par cento, eomo ja eal eslabelecido, e'livre de qaal-
quer imposto oa despeas.
He approvado sen debate.
a Art. 2. Fica prohibida organisar planos, qoe
prejodiqoem ou desfalquen por qualquer forma o
referido beneficio, a
O Sr. Francisco Joao :A prohibicao do art. 2.
me parece sem dotda orna redundancia, porque en
nao posto soppor, qoe se orgaaitem planos contra-
rios as disposice* da lei.
Acaban da deelarar-se ao art. 1. as condicOes
que davem ter ae lotera, acarea do beneficio qae
deltas se deve tirar, a agora o art. 2. repele a mes-
ma cousa.
O Sr. Souza Carvalho :Ha questSo de redac-
S*>. ^
O Sr. francisco Joao : Ea 3o esloa fallando
centra o projecto, adopto nesmo aa ideas delle, ms
digo que o arl. 2. nao he.mais do que om oorol-
lario, ama consequancia tirada do art. 1.. porque
este diz: (Le.)
Islo he, quer teja i latera concedida para em
beneficio publico, qoer para id beneficio partico-
rar, essa beneficio lirada dalla tari de.doee pea can-
to tivre de qualquer despeza, agora art. 2. diz :
(L.)
Por conseguale, a disposieSo do arl. 2. ja se acha
eomprehandids no art. i., porque, lego qae est
estabelecda a forma porqae se deve tirar esta bene-
ficio, est prevenida a idea do art. 2.
Urna voz :-Salvo as se soppoe, qae qaen arga-
nisa oa planos, ten a faeuleade de revogsr noaaaa
lei*.
O Sr. Francisco Joao :Ea aeho, qoe he ociosa
a diiposic.3o do art. SU, por eso mnndarei sim-
pleemeole ama emenda soppreesive deese artigo.
' He reraettida a mesa a segaiole emenda:
Sapprima-se o arl. 20.Francisco JoSo.
Jle approvada a emenda.
Vai tambem a masa o seguinle artigo dditivo :
O presidente das loteras lera' 40{000 de gralifca-
So por cada parla que se extraliir.Sooza Reis.
Nascimeuto Par tal la.V. Vilella.
Encerrada a diicassao ha o artigo dditivo ap-
provado.
Seganda dltcnssao do projecto n. 39.
a A eomraissao de ordenados, a qoem loi afleclo
o requerimento do Dr. Jo8o Jos Pinto, profeaaor de
saude do eollegio dos erphaos da cidade de Olinda,
acompanhado de algans docaraentos, he de parecer
qoe ae adopta a seguiste reeolaclo :
a A asiemblea legislativa provioctal de Ptrnam-
boeo, decreta :
i Art. oBieo. Flca elevado a ara cont de reis o
ordenado do profeaaor de laude do eollegio de or-
phSos da cidade de Olinda, revogadas ss disposi^Oes
- sm contrare.
Sata das eommissoes, 17 de abril de 1857.Jos
Qoiolino de Castra heo. JoSo Yalentin Villela.
He approvado ten debate.
SaguMa discassao do de o. 49, qoe diz.
Barros.O governo mandara pagar adianlado a
compunliia peruambocana a subvenc.Ao que ella deve
receber dorante o aono linaoceiro de ,1857 a 1858.
prestando a mesma companhla fianza idnea dessa
qoantis, e desconlando-se no mesnio pagamento o
jaro de qoalro por cento que paga a caixa filial do
banco a thesooraria.
a Do Sr. I.aiz Fillppe.Fica o governo aatorita-
do a contratar a vinda de qualro muflas de canda-
de, para terem dilriboidas pela casa dos exponlos e
eollegio daaatrptiaat, despendendo para esse fim a
somma precisa.
i Dol Srs. N. Portells, e Antonio Cavsle.inll.
Fies o presidente da proviheia aotorisado a fazer a
despeza necessuria para mandar vir tres irruflas de
ctridade para o eollegio de Papaica.
abertura da assembla provincial dverao estar iih-
pressot e dislribaidos, o balsnco a nrramenla da re-
ceila provincial, .un como os relatnos dat diffe-
reines reparlicoes publicas da provincia, sobre ludo
o da Ihesouraria.
De Sr. Souza Carvalho Fiea o governo da pro-
vincia aotorisado a marcar as condicoes qoe devem
ter as porleiras des engenhos, cajos cercados forem
atravessados pelas estradas, sendo aquellas deste mo-
do permillidas.
a Do Sr. Ignacio de Barros.O presidente da
provincia fica aotorisado a contratar nos termos dos
paragraphos seguinles com oro ou man iadividaos
O malhoramento da estrada de Beberibe, e de outres
era iguaes circuraslancias, assiai como a feilura de
ponles, e de qaalqaer ramificaclo das estrada
provincias!, oa principaes vas de commonicac.ao da
provincia, lano por agua como de Ierra, con tanto
qoe nenhoma dessas obras assin cobtratadas, seja
emprehendida a eargo dos cofres pblicos.
1. Flca depeudsule desta assembla a appro-
vacao dos contratos qae se fherem era- virlade desle
arligo, exceptasndo-se porero nao s o que se eflec-
luar a respailo da estrada de Beberibe, ama vez que
esleja todo elle de accordo eom o seguinle paragra-
pno ; assin como aquelles contratos que versaren
sobre obras de um valor inferior a tres coritos de reis,
oo era qoe se estipular pedagio qae nao exceda de
um anno de perceprao.
2. O contratos cima serflo formulados sobre
ss seguinles bases:
!. Ainspecsao das obras, nflo s na feilura eomo
na eomervacio dellas sera {privativa do gover-
no, a bera assim a approvago dos planos, poden-
do esles ser organisados nos termos do capitulo 1 do
Ululo 2 da lei regulamentar numero 286, quaodo o
emprezario assim o qaeira, de accordo com o gover-
no. ou qnando esle assim o determine.
2.- Ao goverao compre garantir ao emprezario
a percepeflo do pedagio pilo numero de aunos esti-
pulados e na forma porque for contratado, com tan-
'"j M C0D,nDlriutes do pedagio nao paguem em
cada barreira mais do duplo do qae eostumam faze-
lo as do governo.
3.* O emprezario sera obrigado a comear e a
nsr prompla a obra em lempo estipulado e sob penal
convencionadas.
4. O numero de annos para a psrcepcao'do pe-
degio sera regalado em alinelo ao transito qae pos-
sa tar a obra, e a extentao elifficuldades della.
^, e 5.' Em quanto nao flndr 6 prazo de percepcSo
ao pedagio, ser o emprezario obrigado a conservar
a obra em perfeito estado de (ransilo, sob pena
.de ter falla a reparlica "pelo governo, a coala
lie emprezario ; flcando este alem disso obrigado
apagar ama malta correspondente a decima parte
Ha valor da reparacao.
g 3.- Qaalqaer das obras cima, embora eropre-
hendidn por particolares, ser Considerada de alili-
dade pabliea, qoanto as desappropria^Oei, de qae
por venlurt depender a sai reallsacSo; e por islo fo-
sara a 'arrespeilo dos meamos previlegios qae as
mais obras da provincia.
12 e 13 da le numero 222 de 16 de agosto de 1848
hca extensiva a um dos professores do curso de in-
duslria, escolhido pelo governo.
" Dot Srs. Epaminoodas e Barros Lacarda.Os
lilhos naloraes, reconbecidos em testamento, e escri-
tura pnblica, segundo a lei de 2 de selerobro de 1847
eetao isentos do pagamento da taxa do sello de he-
ranca e legado.
o Sr. Mejra Henriques.Ficarn supprimidos
osjirdeaados dosmembrosda administracao do eol-
legio dos orphaot. e
SJo rejeitados :
Utni do Sr. Lniz Fllippeque autorisavs o gover-
no a mandar faier ama ponte sobre o Capibaribe no
lagar da Capanga-Vellia.
Ootro do Sr. Souza Reis, sobre o prazo par pa-
gamento de meia siza.
j 'vlL'0 do Sr- Mafra Henriques sobre o impoilo
ae j.jOO por cabecs de gado.
Oalro finalmente do Sr. Oliveira sobre a moru-
lona qae pedia Jos Narciso Camello.
Tendo ja dado a hora.
-O Sr. Presidente designa a ordem do dil e levan-
ta a sessao as 3 3|4 da tsrde.
Pereira de Caslro, Dr. Jos Mara de Albuquerqae
Mello e um escravo, Joao Jos da Cunha I.age,
I.uiz Ribeiro da Cunha, Antonio Tiburrio Rodri-
gues, Antonio da Costa Alecrim, Sabino Antonio da
Silva Coutinho, Domingos H. de Oliveira, 2 lilhos, 1
riada e dnas escravas, Joflo Elcomb, Ludgero
tes do offlcio qoe dirigi a commiisao em 21 dej
marco nltimri, relativas t fabrica da carvlo animal,
foi porqae entenda qae assim o dlvia fazer, sem
se guiar pelo arbitrio da ningdem para se livrar da
pecha d parcial, que Ihe podia ser Irrogada, visto
como Ihe parecea qn, se a referida fabrica de car-
r >., t, i ^ .. i ------ ----------------* .---.- ... n,. picv*j* .,., oc a iririioi turica ue car-
Landido A. Costa Ferreira e um escravo, Pompeo vao animal, por oslar montada com apparelhos pro-
PAGINA AUULSA.
IB 151 IB HA 8
Goncalves Pedreira, Ur. Joaqoim do Nascime'nlo
Cosa Cunha Lima e um escravo, Francisco L. d.
Silva Retumba, Antonio Bezerra Carneiro da Cunha
e um escravo, Francisco Rirrdo Pessoa, Antonio
Rodrigues de Sooza, Eutibio H. de Castro, Manuel
da S'lva Pereira,Antonio Thomaz, Manoel de Aran-
jo, Miguel Ribeiro de Isjnn, Francisco Jos da San-
Auna. Victorino Jos Baibota, Joao Jos da Ro-
cha, Jo3o Filippede Souza, Bilbno Alves de Sou-
z, Joaquim Alves de Sooza, Mara Thereza do Es-
pirito Santo e seis pravas.
Seguem para o lio de Janeire : Senador Pao-
la Pessoa e 4 escravos, Dr. Simplicio Hemeterio
Machado e 2 escravo!, Sebasliao Jacioth'o de AmIra-
de Pessoa, Mirliniano Rodrigues da Coila, Salnslia-
no Jos de Panla; Jos Martins Correia, Manoel Ri-
beiro e 100 escravos a entregar.
Al amanhiia.
glano t, 'pitn&mhuw.
. i va meius qae as ibis me lem tranque?
A astemblea provincial na sesslo de hontem apre- importar com considencOes particulares,
clon em lereeira discassao o projecto n. 37 qae crea affeieoes desle oa daquelle, cojos inte
orna fregoezia na capel la de Quipapa', orando o Sr. sam soffrer eom as medidas adoptadas a
Siqueira Ctvalcanli e P. Baptista, sendo approvado '
com o projecto n. 52, que foi uflerecido como
prlai e'perfeito, como affirma a commissao que
ella se acha, podia permanecer no centro da popu-
lacho, tambem o podiam as padariat, cojos tornos
se acham ennstrnidos de confornidade com as con-
dlcnei dd plano da Dxlincla tociedada de medicina
desta cidade 1 que forera sasceptiveis de as rece-
ber. contra as quaes podia a-cmara afflrmar que
urna s queixa rio receben no decurso do corre-
le qaalriennio, dos moradores vlzlnhos, nem Ihe
tem constado que os seus Irabalhadom internos
lenham soffrdo, depos que se conslroiram os tu-
bos conductores de fumo, e os tornos pelo modo
prescrlplo no meimo plano ; mas que nem por isso,
nem mesmn pelo que dispoe o arl. 4., do til. 5, dat
ptistoras vigentes, dexou a cmara de atleoder as
medidas sanitarias, indicadas por a coramlisgo, re-
duzindo a postora a qoe pedia a remocao das pa-
dariat do cenlroda cidade, donde concloia a cma-
ra, qoe se a commitsao de higiene se jaclava de
cumpridora de deveres, nem por isso era mais so-
licita do que ella em col lar do bem publico com
os meios qoe as leis Ihe tem franqueado sem se
nem cora
interestei pos-
bem do pu-
blico,
Oovimos dizer qae slgans moradores da Capungi.
pre/endem edificar ama oulra capella, alm da que
est em edificarlo sob os auspicios do Sr. Carneiro.
Maito nos congratulamos com 13o pas inlenres
daqaelles habitantes ; porqoe no scalo actual,
quando parece qae a impiedade tem-te aeaslellado
oo cenlro da civilisacSo. a edficaco de om templo
por particolares, Iflo tmenle por epirilortligioso,he
om facto digno sempre da mais honross menco. A
imprensa nao pode ser moda diante de-aejOas 13o
dunas de recommendaejo, e respeilo. Louvores,.
p*ts a lodos estes senhores, qoe se acham empenha-
dos na edificaego dessa oulra igreja, e desejamo-lhes
qae seus intentos tenbam existo feliz.
Per mais de ama pesssi temos oavido dizer
qoe a ponte da Boa-Vista ameaca roina. Como nao
costa nro exame, pedimos ao Sr. director das obras
publicas, qoe 13o solicito se tem mostrado no des-
empenho da seos deveres, mande examinar te com
eneito lem fundamento esses boatos.
Consta-nos que om gsiato de mo goste leve a
rembranca de laucar certa substancia emtica na
agu polavel, no quarlel em qoe est destacado o
primeiro batalbao da Cnerda Nacional: na VerJade
esse procedimento leve o desejado effeilo, por qoanto
alguna dos ofBciaes do referido balalhao soffreram
vmitos, ancias, dores, etc. ere. NJo seria mo qae
se svodieatte tal fado e se trataste de punir o autor.
Dizem, qae a lembranca parlira do bairro do Re-
fritemos deexpellir eerlos cottnmes qae caa-
es m prejuiso: estas fazendas molhadas, estendidas
as janellas ou varandas das casas de algans rlistat
alfautes.-sao prejudleiaes a qaem por baixo transita.
O enlrodo aqoatieo j nSo nos con-vem, e aiada me-
nos, chovas artifietaes.'
O nossp acontlaole leitora nos deienlpe nao
podir-mossstisfaze-lo a respeilo do seu aponlamen-
lo das cadeirinhas,v>alanqoins, etc., he de lembrar-
mns algom onns para esses vehculos de lempos an-
liquarios, visto que os carros, omnibos, etc., pagam
um imppslo. Temos ora goslo partical.r por estas
Iileirasde braco; acharos mesmo um Irasle in-
dtspensavel para quem gosta de ser paxado por ani-
maos racionaes...
Existe no meio da roa da Auroja um fojo,
covaiioby.n,iiiiinon boraco, que segundo di-
zem pode comportar, bem n goto, quanto guarda
fiscal tem havido e pode havr.qoe lem eihote fa-
zem-se eegos. Nao he nada, couta mullo simples, po-
de quebrar a roao de om cavado ea a perua de um
guarde municipalnflo he nada
A'semana passada, na roa Jo Cabng, nm
carro quebron urna das rodas menores, e nosabbado
caso semelhanle dense na roa Nova, qoe felizmente
nada hoove, porque os Dassageiros nflo esperaran)
que os mandaawm tahir I Ha muilo qne clamamos
contra o delelia de eertas e bem determinada eo-
cheiras, ja a respailo do nenhum acceio qoe nellas
j.*'j4 P" harbaro "laiotoqoe de aeacavallos,
j3 finalmente pelo ponco oo nenhom cuidado, qae
tem os eocheiros em Irazerero sempre tratad
emenda. Continuando na discnsSo da redacto
do projeclon.il, que ficon adiado na sessu an-
tecedente, ornram os senliores Francisco Joao e An-
tonio Cavalcanli.
Traanlo dos arligos additives offerecidos em le-
gunda discas3o ao orcahiento municipal, oraram os
senhores Pereira de Mto, Epaminondas de Melto,
P. Baptista e Meira Haqnes, ficandoainda adiado.
A ordem do da para hoje he a misma.
Pelo vapor Guanabara, entrado honte.m dos por-
tos do norte, recebemos jornaes do Amazonas, do Pa-
ra e do Ceara', chegando os primeiros a 6, os segun-
dos a 20 e os ltimos a 22 do correte.
Todas as provincias deste lado de imperio gozavam
da mesma tranqoillidadee salnbridade qae oo ultimo
vapor.
Um uuico facto nolavel encontramos, alm dos que
dio os nossos correspondentes no Amazonas, Para',
CSera' e Parahiba, e he o desappajecimento de rs
10:000, que deviara ser entregues na Ihesouraria do
Para pelo comrnandsnle do vapor Guanabara, qae
os havia recebldo no Ihesonro uaospual. A esle res-
peilo eis o qae diz'o Diario do Gram-Par :
o Um caso nolavel e grave acaba de ter lagar. .J
No da 14 do correte o Sr. 1 teneule tirito,
maito digno commandante do vapor aGuanalura,
iodo Ihesouraria de fazenda fazer entrega de om
caixole remeltido pelo thesooro nacional com a qqaa-
tia de 10:000, passoa pela deeepcao de. ao abriT-se
o dito caixole, ver que tinhs sido victima de nm far-,
to, pois qae a caixote eslava vasie.
a O Sr. coramandanie Brito flcou extremamente
sorprendido, porqae eslava carto de ter visto contar,
vvehhcahto elle mesmo ao depois) e metler no cal-
ite o dinhero, no thesooro nacional, e sobremane-
ra saecombldo, porqae dolado de ama honradez e
rrobldade a' toda a' prova, a primeiraida qoe Ihe
soggerio aquelle inesperado acuntecimento foi, a
perda de_sua r^puiacAo e ama mancha em Sua vida
ate liojefura e isenta de qualquer pecha desarosa,
pela impulacao injusta qoe ulvez se Ihe fuesse.
Eeum eCTtilo para om homem de sentimentos
nobrescomo he o Sr. tentte Brite, o caso nao era
para menos. ,
Porm, felizmente o Sr. tenenleBrilo deve tran-
qaillnar-se, porqae todos Ihe flzm a devida juslica
recoahecendo qoe esla' salva a sai repotagao, ja' pe-
tos seos antecedentes e conducta illlbada, ja' pelo
testemunho unnime de todas as pessoas qae o co-
nheeem, ja' peto conceito e crdito de qoe goza entre
o corpo do commercio desta cidade, qae saneado do
2ISS2 correo c<,mo 1ae Porna a' offsrecer-lhe
os 10:0009, ja' finalmente pela circnnslancia de ter
agradecido ao Sr. Alfonso, gerente da companhla, o
olTerecimenlo para Irazer o caixote para a gereocia,
no da era que chegoa o vipor, para ser entregue no
oulro dia.
Todo islo allanante atiesta a innocencia do Sr.
lente Brilo, e tem leilo calar no espirito de lodos
qae he elle um homem honrado e probo, e qoe foi
victima da malvadez de alguem qne, levado pela sr-
dida ambicSo, nao trepidou ero compromette-lo, pra-
licando um acto vil e degradante.
a Seropre, pois, qne a eompanhia liver no com-
mando dos seas vapores, homens como o Sr. leoente
Brito, ha de acredilar-se cada vez mais, e tornarse
digna de encomios.
No largaremos a pannasem dirigirmos, em no-
me de todos os Paraenses, algamas palavrassde agra-
decimeuto ao prestante carpo do commercio desta
cidade, particalarmeoto aos Srs. Costas, Haie, La-
Roques e M. F. R. da Cruz pela espontaneidade e
ravalltinsnio com que se apressaram a salvar a inoo-
cencia e a repulacao de ama victima, digna de toda
i a considerado.
. Aci.'ors, como esta, m ni lo honra m e eleva ni a-
'quelles que as pralicam.
0mm$ttii.
CAMBIOS.
Sobre Londres, 27 3]4fa 60 d. e 27 7|8 a 90 d.
i Paris, 350 rs. por fr. ^
( Lisboa, 95 por % de premio,
s Rio de Janeiro, 2 por 0|o de descont.
Aceito do banco 50 por cento de dividendo por con-
la do vendedor.
c eompanhia de Beberibe 609000 por acc a
s eompanhia Pernambacana ao par.
c a Ulllidade Publica, 30 pur cento da premio.
< Indemnisadora. 61 Ideo.
* da estrada da ferro 20 por Ojo da pram'o
Discohto de ledras, de'8 a 10.
Acc,Oes do Banco, 40 a 45 da premio.
Ooro.Oncas hespanholas. 289 a 289500
Moedas de 69400 le has .... 169000
< < 69400 novas .... 16000
a 49000.......99000
Prata.Palacos brasileiros. 29000
Pesos eolumnarles......29000
a mexicano......i 19S6O
RECEBtiDORIA DE RENDAS. INTERNAS CE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 26.
dem do dia 27. .
19:5779532
8319299
20:4089331
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 1 a 26.
dem do dia 27. .
53:10059i
5:9309981
59:0319575
0Dimnta topotH.
Navio entrado no dia 27.
Psr e portos intermedios10 din, vapor hrasilei-
ro Coauabara, commandante A. C. de Brilo.
e*tet*0*
* ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 26. .
dem do dia 27......
1*
$
4-24:4489324
20:0139669
444:461/993
Descarregam hoje 28 de maio.
Galera inglezaBonita mercaderas.
,Barea inglezaSarah ferro.
Uris
de
i&ommnnicabo.
.-.os e lim-
os os arreos, e ferragem dos carros, e ludocarhinhs
^^^^jao oe^ legi^lar.ao lendo examinadora ametma I Entendamos qoe a polica deveria im-
peticJo do profetsor de Insttuetao erenentar do eol-
legio dea erphSos de Olinda, bem como as infrma-
seos que o acompanham, be de parecer qoe te adop-
te a reeolaeSo seguinle :
A assembla legislativa provincial de Peroam-
baco, decreta :
< Art. 1. O profetsor de iostroeeao elementar do'
collegie dos orphaot de Olinda, aera' pago dos seo
vencimentos pelos cofres da Ihesoara/ia provitvaUl ;
e revegadas as disposiefies em contraria.
o Sala dateoromrMoet, 29 de abril de 1857.An-
tonio Epaminondat de Mllo.Neiva.-
Depois de algumat cooslderacfles del Srs. B. dt
Ltcerdt, MeiraHenriqoes, fica o projecto adiado.
Continua disteussflo dos artigot additlvea apre-
seniados em segunda ao projecto de orcamenlo pro-
vioeial. *
O Sr. M. Henriques :(Nio restitui.ea dis-
carsa.)
O Sr. Jos Pedro ( deixando a eadelra da preli-
tkncu ) da as eiplieacOes pedidas palo heo/ado de-
patsdo qne o precedea.
O Sr. Francisco Joao ( diremos em oatro na-
nere.)
O Sr. Souza Carvalho
discurso.
O Sr. M. Hi
carao.)
O Sr. J<
do precad
O Sr. So2m*\ pitirada de oro ar-
tigo addilivo, qae ofkJSmF* eonsiderac^o da casa
sobre o contrato, para abaslecimento das carnes
verdea.
Encerrada a discoasSo snbroetltm-se a votarlo os
arliaos addilivos cojo resaltado he o seguinle :
Approvados:
(i Do Sr. Oliveira.O presidente da provincia fica
autorisadoa reformar oregalamento dos estsbelaci-
mentoa de earidade, e os estabelecimenlos dos colle-
gis dos orphaot.
o Do Sr. N. Portella. Ficam revogadat as dii-
|iosicoes legislativas a ragolsmentot que aolorisam
a nclutao de meninos eiposlos no eollegio das or-
phaas.
< Do Sr. Ignacio de Barros.Fiea o goverao au-
lorludo a despender a quanlia que for precisa no
correle exerccio para o pagamento prova vel do
joro garantido a eonipaahia de estrada de ferro do
Raeife a S. Francisco ; e -erapregar oes objeclasea-
pacincados aesta verba todas as sobras da recails.
< Dos Srs. Amorta, Dr,,SaptiaU, Igaicia sJa
/
Nao devolvi seo
devolvi seo dis-
18 observa^es
pedir qaa certos carros velhos vlaj.ssem, e qo to-
das as cocheiras deveriam ser visitadas pelos inspec-
tores de quarteirflo, ende estivassem ellas, e eom al-
gom segeiro entendido, examinar os carros, e ver se
devism oa nflo Irabalhar. Islo feilo, veramos que
ootro seria o cuidado de certos propriptario de co-
cheiras, cojos carros caosam tanta repugnancia como
se esquiles fossem. Desnecesierio he dlxermos qae
so centaramos as cocheiras qoe eoxeam.
Pedimos a's patrolhasdo bairro de Sanio An-
tonio, qne ae nao descuidero de rondsr o Caes-boier
das 9 horas em diante. O largo desse caes vai servir
de renniao aos ladrOet do Tiro.
Nao pode ter logar a pablicacao das poesas
que nos offerlaram.
Nao se ha de dizer nunca qoe em Perr.arobuco
nao lem vindo eompanhias lyricae 5 lia bem pooeo
lempo ca esleve ama, mal unha ,ahd0i ei
chegoo outra, a amanhSa nuira vira', a nao se diga
que so o Maraohao, a Baha e a Corle .ao ae pro-
vincias visitadas por eompanhias lyrieas...
Esla' em campo a compinhi, de 'idrOes do
tiro. Antes de honlem a noile foi aberla a' gazua
a casa de vendagem do Sr. Manoel de Sooza Tava-
res, na ra do Rangel o. 79, e.os ladrOet engaa-
dos no lugar ende te goardava e dinhero, carrega-
rara ama grande meia onde estovara es papis de im-
portancia e livroe de escriploraeae : forcoso se faz
qae a polica quanto antes Irale de esp'lorar essa
corja de larapios, e nao h>ja ecm ella a menor con-
descendencia. No entretanto pedimos a esses desal-
mados, que pelo menas reatiluam os papis, que de
nenhum proveito Ibes serve. ,
Prsvenir os crimes foi sempre o meio melhor
ue governar, per isso he nece-iano qoe se faca com
que O! pretor qa andam oceupados na con lacean
dos objectos diversa*- 30 viagem pelas calcadas
qoando vao carregados, para toe nao dammfiquem
a quero por ellas transitaro. como atooiecru no dia
2o do correle na rna do Crespo, em que um eeto-
danle levoo lal encontrflo quocahio sem temidos, e
o mesmo havia succedido diaa antes a um logisla da
misma ra. As posturas municipaes eremos qne
proliibem transitar carreaido pelas calcadas, e quan-
do nao, he una medida qoe a polica deve manler.
O piquete Guanabara, viudo Vdos portos do
norte, Irouie a seu bordo, para esta provincia, os se-
guinles passageiros :
Em. Sr. leoenle-general bario de Tury-Ats e
um filbo, cooselheiro Tibureio Valeriano da Silva,
sna senhora, 4 filhos e 7 escravo, D. Mara Lona
D. Francisca Paul Peiioa a 2 escrjtvu, Joao Carloat
\
CONSIDERACO'ES QUE NAO' OFFENDEM.
Quaodo abrio->e o caqalerio, a cmara municipal
eonlratoo com 01 senhores Qainlelros o servico dos
carros fnebres ; mas esse servido era 13o mal feilo,
lanas queixas choviam sobre os senhores Quinteiro,
qoe esles e a cmara viram-se na necettidade de
acabar com o lal contrato.
Depois dos senhores Quinteiros veio o Sr. Laces;
e enlao o clamor sabio de ponto ; e a cmara vio se
outra vez na neeeisidade de acabar com o contrato
do mesmo genero qae fuera com aqbelle Sr.
Estas dase experiencias provararo assas a cmara
municipal, que u servieexde carros fnebres nSo pe-
dia ser feilo poi-um s individuo sem grave detri-
mento para o publico.
Um nico tornecedor maoda condazir o cadver
a hora que Ihe apraz, e nao a hora qae convra ao
dono do enterro ; e isso contraria moilas vezes a
esle, qoe s pode eontar com convidados para cerla
hora. ,
llavendo mais de om tornecedor, o enesrregado
do enterro pode livrar-se dessa coolrariedade, a-
ehando qoem o sirva a hora desejada.
Comqusnio o preso dos csrros seja fizado e o tor-
necedor nao posta a I usa-los por pre$o maior, toda-
va acontece, qoe podem ser alugados por precos
menores, havendo mais de um emprezario; porque
se um tem os seus carros oceupados, oolros es lem
em disponibilidade, e a etles convro antes alaga-tos
por menos, do que 16-los paradoa sem nada ganha-
rem.
Havendo nm s tornecedor, o publico flca privado
dessa vanlagem, porqae o tornecedor privilegiado
s alagara' pelo preco litado.
O regolmnenlo chama de primeira ordem a um
carro puxado por dous eavallos decentemente arreia-
dot, devendo o cauflo ser coberto com om grande
panno de vellodo de teda prelo e fino, com borlas
nat puntas de galas ou franjas de bur, e por esse
carro manda pagar 409.
Pedro quer um carro deste preco e detta ciaste,
pede-o ae tornecedor exclusivo, e esle manda-lhe
um carro puxado por dous eavallos magros que fa-
zero vergouha, mas que nao podem ser rejei lados,
lano porque o enterro nao espera, como porque o
regulainento s falla de duus eavallos e nflo diz que
estes sejam gordos. O panno que cobre o caixao he
velho e safado que melle nojo ; aus como lie de
velludo com borlas de ouro, esta' ogpiermo; do re-
galamento, que nao diz que ella seja novo, e a par-
te n;io pode reclamar. O panno pode mesmo o3o ser
de velludo de seda e as borlas nflo seren depuro,
purquo nao he n'uma occai3o semelhaule que se
proredem a taes exames e reclamac,6es.
Havendo mais furnecedores, esles, que se querero
acreditar, nao cominetteram Ue abusos, o panno
iera' o que a parle escolher, os eavallos stiflo gordos
e ludo o mais convenientemente preparado.
fra desles, milharrs de oulros abusos podem
ser commellidos sob o tal syslema de lornecimenlo.
Se, pois, o Sr. Quinteiro em oulro lempo ja deu
a
prova de n3o poder sustentar um furoecimento dess
ordem ; se a cmara rauuicipal ja experimenlou os
elle.los do furnecimento por tal syslema, como he
qoe o primeiro requer un semelhanle previlegio e a
segunda quer reviver esse meaino systema ?
E isso qoe dizemos nao se refere s ao Sr. Quintei-
ro, refere-te a qem qoer que contratar com a c-
mara municipal o exclusivo fornecimenlo de carros
fnebres, ou antes refere-ie ao propno syslema de
tornecimtolo, por que he e-sencialiiienle uesae sys-
lema que partero os abusos de que fallamos.
Se elle pode Irazer aos colres municipaes alguns
tomos de ris, nflo he isso raz3o para ser admiliido,
reconhecido, como esta', ser elle prejudicial ao inle-
resse publico ; por quanto nao u he cura sacrificio
deste qoe a cmara deve Uzer avultar as toas ren-
das, quando estas sflu creadas em beneficio do pu-
blica.
O neihor seria, po4r tanto, que as cousas ficasstm
como ertao ; poit ja nao sao poucas as calamidades
que nos affligero.
Basta que, era quanlo vivos, soiTramos a peste, a
tome e outras inclemencias, propnas da poca ; mas
qoe depois de morios nao sajamos objectos da espe-
cularlo de avaros e desapiedadoa coniraladoret.
1
gue inglezllantobacalhao.
Barca inglezaEunerdalelaixas e carvSo.
Brigoe inglezMignenittatrilhoi e farra.
Birca americanaHannak Thorestoafarinha
trigo.
llrigue americanoBrandy Winedem.
Bhgue portugusRelanpngopedrae de cantarla.
Brlgue porluguezTrovadordiversos gneros.
Patacho brasileiroEmulaqSogneros do pafz,
Brigoe dinamarqus Mara queijos, geoebra e
papel.
IMPORTACA'O.
Galera Ingleza Bonita,i> vinda de Liverpool,con-
signada a Fox Brothers & C, raanlfastoa o seguin-
le ;
1 caita meiat di algodao, 10 ditas e 4 fardos len-
cos de dila,32 ditos e 32 caitas fazendas de algodao,
1 dito dita de lia, 1 anbralho dila de llnho, 50
gigos e 1 barrica looca ; aos consignatarios.
4caixas faseudas de nio, 50 barris manleiga
Sothsll,Mellors& C.
45 caixas e 79 fardos fazendas d'aliodao, 4 di-
tos dita di linho, 6 ditos pannos, 1 clxa chsptos di
sol d'algodo, 1 bahn objectos particulares ; a Henry
Oibson.
33 laxas de ferro, 8 tordos fio e fazenda de linho ;
a S. P. Jobnslon & C.
4 calzas tecidos de algodao ; a J. Keller & C.
50 barris barrilha, 5o ditos estanho, 30 per.it de
cabos, 50 baldes de ferro oleo de linhtca, 170 bar-
ricas eerveja, 4 caixas lencos de algodao, l dita fa-
zenda de linho, 15 ditas a 85 fardos fazenda de al-
godao ; a C. J. Aslley & C.
1 fardo lio, 6 barricas ferragens : a Brindar a
Braodis.
70 pecas de machinfsmo, a caixis e 4 pecas objec-
tos para machinas, 3o toneladas de ferro, 2 pares de
lollis ; a C. Starr & C.
1 caixa e 1 barrica ferragens ; a Baria & Soa-
1 dito bandos de dina, 1 dita banh de nrso.
dita presuntos a livros ; a Francisco Gomes d'Olive.
fcolirinlio. f\
barr objectos particolares ; a T. Gollao.....'
l.embrulho jotfb de xadrez vldros para relojoei-
ro e amostras de fazendas: a L. H. Williams.
2 caixas couros, 22 ditas e 31 fardos fazen-
das de algodao ; a Admson Howie & C.
20 fardos teciuos,de algodao ; a Francisco de P.
Figoeira Saboia.
400 fogarairot, 1 barrica ferragem, 50 fardos e 06
caixa* fazendas de algodao ; a Barroca & Cat-
iro..
-'I calzas fazendas de algodao ; a Raba Scharae-
tan & C,
3 ditas miudezas,2 fardos fazenda de 18a : Feidel,
Pinto & C.
58 barrica barrilha, 32 ditas enchadas, 26 ditat
quicios, 15 dilas ferros de engammar, 2 ditas pregos.
4 feixes rame, 3 canas, e 33 barricas ferragena, 6
ditas, 95 gigos e 1 cesto looca, 2 caixas cha, 1 em-
brulho roupas ; a ordem.
35 caixaa coaservas,44 fardos fazendas de algodao;
a N. O Bieber & C.
3 caixas e 6 fardos hiendas de algodao ; a L. An,
Ionio de Siqueira.
2 fardos e 1 caixa fazendas de las,4 diloa e 11 far-
dos fazenda da algodao, 1 dito dila de dito e ISa ; a
James Crabtrae.
9 togareiros, 1 barrica grades, loo feixes pares
de ferro, 50 barricas anchadas ; a Issac Curio & C.
2 barncaa ferragens ; a J. Hallidiy & C.
2 fardos chales de algooo, 4 ditos fazendas de li-
nho, 2 ditos dila de laa ; a J. Ryder & C.
14 fardos fazendas de tlgodflo ; a Rostron Rooher
es C.
3 saceos amostras ; a diversos;
Barca ingleza Sarah vinda de Liverpool,
consignada i agencia, roanifeslou o seguinle :
830 barras a 394 feixes de ferro, 260 ditos de ar-
cos de dito, 300 fogareiros ; a Braga, Carvalho e
Silva.
1 machina de vapor completa, 4 barricas a 1 cai-
xa ferragens, 1 dila balanca e arreins para carro, 4
4 dilas selins e pertences, t dila fundas, 1 dila me-
dicamentos, 1 barrica pos pretos, 4 ditas tintas, 8
ditas oleo de linhaca, 100 barrilinlios chambo de
manijao, 1 eaixa cha', 70 feixes ferro em barra e
chapa ; a S. P. John,ton.
102 lonelladet de carvao de pedra ; ordem.
20 barriraa eerveja, 2 ditat sal, 3 dilas presunto,
2 ditas e 11 caixaa conservas, 3 ditas queijos, 5 di-
tas bolachinha ; a J. da Canha Neves.
50 caixas queijos ; a Saundars, Brothers & C.
8 fardos e 2 caixas Lnulas de algodao, 10 ditas
ditas de linho, 1 gigo louro, 1 caixa vnlio qui-
nado, 50 barra manleiga ; a Johnslon Paler& C.
1 caixa presonlos e queijos ; a James Ryder fl C.
3 ditaa fazendas de algodao e Ua, 1 dila spalo*,
perneiras e capoles; a Timm M. 50 barris manleiga ; a Baslo & Lemos.
, 1 caixa fazendas de laa e algodao e dita de seda ;
a I.uiz Antonio de Siqueira.
3 caixas fazendas de algodao ; a Soatball, Mellors
&C.
2 dilas raipadeiras para embarcaeoes; a A. da
t'.o-ia e Silva.
581 tnlhos de ferro, 1 eildeira de vapor, 12 pa-
res de roas para carros, 8 canas armarles para di-
tos, 8 dilas arroacSts para rodas de cairos, 5 ditas
eixos para ditos, 4 ditas ferragem para carros, 21
pegas de ferro fundido, 106 feixes de ferro em obras,
22 caixas ferragens, 35 tonelladaa, 13 qoinlaes e 3
arrobas de carvao qaeimado ; a' eompanhia da es-
trada de ferro.
1 sacco amostras ; a diversoi.
Polaca hespanhola u Prompta vinda de Buenos
Ayres, consiguada a Bailar & Olivtira roanifestoo o
seguinle :
3,200 qoinlaes de charque, 50 couros de pollro ;
a' ordem.
O Dr. Anselmo Francisco Perelti, commen-
dador da imperial ordem da Rosa, juiz de
d 1 re to especial do commercio porS. M.I.
e C. etc.
Faco saber aos que o presente edital vi-
ren., que no dia 28 do correte mez, se ha
de arrematar por venda, a quem mais der,
depois da audiencia deste juizo, na sala dos
auditorios, a casa terrea n. 27, sita nk ra
Direita nos Afogados, avallada por 1:500 rs.,
e por nSo ter apparecido lancador em ou-
tras pracas, vai pela quantia de 1:200 rs.,
abatida a quinta parte na (forma da Ipi, e
ser adjudicada, caso n3o haja quem lance,
aos exequenles Miguel Joaquim da Costa &
Companbia, por execuefio de quem vai a
praca dita casa, contra Antonio Annes iaco-
me Pires e outros.
E para que ebegue ao conheciment dte to-
dos, irtandei passar editaes que sefSo publi-
cados pela imprensa, e afflxados nds luga-
res designados no cod. commercial.
Dado e passado nesta cidade do Recite, aos
6 de maio de 1857.
Eu Maximiano Francisco Duarte, escrivSo
o subscrevi.
Anselmo Francisco Peretti.
O Illm. Sr: contador, da Ihesouraria
provincial, servindo de inspector da mesma
thesouraria, em virtude de resolucao da jun-
ta da fazenda, manda fazer publico, que de
conformidade com as leis, peranie a mesma
junta, devem ser arrematados por munici-
pios e comarcas no dia 10 de junbo prximo
vtndouro, os impostos seguinles :
Municipio do Recife.
25500 reissoljre o gado morto pa-
consumo, avallado annualmen-
te em 60.502,000
or L Municipio de anda.
2o00 sobre o gado morto para
consumo, dem dem por
Comarca de Coianna.
29500 rs. sobre o gado morto para
consumo, dem dem por
Comarca de azareth.
29500 rs. sobre o gado morto pa-
ra coasumo idem idem por
Comarca do Pao d'Alho.
c50o rs. sobre o gado morto para
consumo idem idem por
Comarca do Oabo.
29500 rs. sobre o gado morto para
consumo idem dem por
Comarca de Santo AntSo.
2*500 rs. sobre o gado morto para
consumo idem idem por 8:080,000
Municipios do Rio Formoso '
e Agua Preta
29500 rs. sobre o gado morto para
consumo idem idem por 2:657,000
Municipio de SerinbSem.
29500 rs. sobre o gado morto para
consumo idem idem por
Municipio de Iguarassu'.
Arrematados conjuntamente
29500 rs. sobre o gado morto para
consumo.idem dem por
Impostos a cargo da collectoria a-
valiado por anno em
20.0(o da agurdente idem idem
* Comarca do Limoeiro.
Arrematidos conjunctamenle:
29500 rs. sobre o gado talhado pa-
ra negocio e dizimo do mesmo
gado, arrematado animalmen-
te em
/npostos a cargo da collectoria a-
valiados por annoem
20 por Ojo d'aguardente idem idem
Comarca do Bonito
1 Arrematodos conjuctamente:
29500 rs. sobre o gado talhado e pa-
ra negocio e dizimo do mesmo
gado, avallado annualmente em 2:770,000
2:359,000
6:864,000
4:659,000
4:210,000
H592.000
590,000
1:810,000
460,000
106,000
3698,001
823,000
114,000
146,000
642,000
42,000
1:211,000
105,000
311,000
38,000
451,000
60,000
CONSULADO CERAL.
Rendimento do dia 1 a 26. .
dem do da 27. ..... .
8-2:8033167
10:35*8326
93:1569193
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimento do da 1 a 26. .
dem doflia 27.......
7:5919383
285/200
7:8169583
Da aetso da cmara municipal do Recife de 11 de
abril de 1855, publicada no Diario de Pernambuca
de 28 do mesmo mez, se fez o seguinle ezlraclo :
Offlcio do presidente da commisi8o de liyaiene po-
blica, fazendo larga expsito sobre as Mricas de
carvao aiiunal,e de extracco e de depuracao de oleo
d* ricino commum 011 carrapalo, sustentando que
esta devia ser rtmovida, e aquella, conservada, e di-
zendo no fim da exposijao, que a cammissao de hv-
giene nao atiende pesMas, quando se trata de es-
tabelecimenlos em retocan a saud* publica, procu-
rando conciliar e intere-se publico com o particu-
lar. Mandoo a cmara que se responder, qu0 de
nenhom raodl se oppunha a que tost removido a
ecunda das mencionadas fabricas, com lauto que
designasse a commissao o lugar para onde o devia
ser, mandando-a mesmo ftehsr, como todo ihe per-
mita o arl. 49 do regulamento n. 28. de 2 de te-
ero*rdal851 ; e que se fez ai rtflexoes constan-
DESPACHOS-DE EXPORTACO PELA ME?A
DO CONSULADO DESTA CIDADE NO DIA
27 DE MAIO DE 1857.
LisboaCarca porluguera Ligeira, Carvalho &
Vieira, 650 taceos assacar mascavado.
LiverpoolBarra ingl'za oFIeel Wmg, Saunders
Arolher* t c 1,200 saceos assncar mascavado.
Lisboa Brigoe porloguez aHelarapago, T. A.
Fonseca ii Filho, 200 saceos assucar brauco e 266
ditos mascavado.
BarcelonaPataca hespanhola Amelia, Aranaga
& Bryan, 82 saccas algndSo.
LisboaPalacho porluguez Brilhante, Bastos &
Lemos, 330 taceos assucar branco e 210 ditos
mascavado; Manoel doNiscimenlo Pereira, 16
canaozinhos doce de goiabs.
Buenos-AyresPotoca hespanhola Rositas, Isaac,
Curio & C, 30 saecna aatucar branco.
PhiladelphiaBrigue ameriaano nBrandywinei,
Rostron Rookr C, 1,750 taceos assacar mis-
eavado e 100 ditot branco.
New-OrleansBarca americana Hannak Thoret-
ton, Schramra Wlialely & C.h 3,650 saceos atu-
sar mascavado.
Dizimo do gado cavallar idem
Impostos a cargo da collectoria do
municipio do Bonito idem idem
20 0|q da agurdente idem idem
Municipio do Brejo.
Arrematados conjunctamenle:
29500 rs. sobre o gado talhado pa-
ra negocio e dizimo no mesmo '
gado, avahado annualmente em 1:693,000
Dizimo do gado cavallar idem 52,000
Impostos a cargo da collectoria idem 594,000
20 Ojo da agurdente idem dem 38,000
Municipio do Cimbres.
Arrematados conjunctamente:
2^500 rs. sobre o gado talhado pa-
ra negocio e dizimo do mesmo
gado, avahado annualmente em
Dizimo do gado cavallar idem em
Impostos a cargo da collectoria
dem idem em
29,010 da agurdente idem idem
Comarca de Caranhuns.
/ \ Arrematados conjunctamente :
#00 rs. sobre o gado talhado pa-
ra negocio e dizimo do mesmo
gado, avahado animalmente em 2:763,000
'Dizimo do gado cavallar iJem 80/000
impostos a cargo da collectoria
idem idem em
20 0(o da agurdente dem idem
Comarca de Flores.
Arrematados coujuntamente :
29500 rs. sobre o gado laibada pa-
ra negocio e dizimo l mesmo
gado, avahado annualmente em 3:173,000
Dizimo do gado cavallar idem 342,000
Impostos cargo dos collectores
idem idem em
20 0|o da agurdenle idem
Comarca da Boa-Vista.
Arrematados conjuntamente:
1,500 rs sobre o gado talhado para
negocio e dizimo do mesmo ga-
do, avahado annualmente em
Dizimo do gado cavallar, idem
Impostos a cargo dos collectores
incluidos os 20O9 por escravo ex-
portado, avallados annualmen-
te em
20 por cento dd agurdente idem
Imposto de 20 por cento sobre o consumo
de agurdente nos municipios
seguiutes:
Olinda avaliado annualmente em
Coianna idem idem
azareth idem idem
Pao d'Alho idem idem
Cabo idem idem
Santo Anifio idem idem por
Rio i'ormoso e Agna Preta idem
idem por
SeriiiriaeaHdem idem
As arremataces serSo feitas por tempo de
tres annos, contar do f de julho do cor-
rento anno. a 30 de junlio de 1860, sobas
mesmas conicOas das anteriores, e na for-
ma do art. 76 do regulamento de 3 de agos-
te de 1852.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
rematarlo comparecam sala das sesses da
mesma junta, no dia cima declarado, pelo
meio dia, habilitadas na forma do art. 75,do
citado regulamento.
E para constar se mandou aflixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernanibuco 19 de maio de 1857. O secre-
tario, Antonio Ferreira da Annunciacao.
Art. 75. Os contratos; da arrematacio de
renda, que importaren, em mais de dous
contos de reis, serSo erfectuados sob a ga-
ranta de dQys fiadores idneos, que tenham
bens de raiz na cidade do Recife, ao menos
um delles, urna vez que o outro seja notoria-
mente abonado.
Art. 76. As arremataces poderSo effec-
tuar-se pela maior ou menor licitecSo offe-
lecida em cartas fechadas.
rematacSo, para serem tomados em consi-
deraeso, resolver-se sobre a flanea, e admit-
tir-se o licitanteConformeo secretario,
A F. d'AonunciacSo.
-O Illm. Sr. contador da thesouraria pro-
vincial, servindo de inspector da mesma the-
souraria, em cumprimento da ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia, de 20 do
corrente, manda fazer publico que no dia 18
de jutiho prximo vindouro, perante a junta
da fazenda da mesma thesouraria, se ha de
arrematar a quem pof menos fizer a obra da
concIuaSo do raio do sui da casa de deten-
c:1o, avaliado em 66:0059720 rs.
A arremata?ao sera eita na forma da lei
provincial n. 343 de 15 de maio da 1854, e
sob as condicOes especiaes abaixo copia-
das.
As pessoas que sefpropozerem a esta ar-
matacSo comparecam na sala das sesses
da mesma junta, no dia cima declarado,
pelo meio dia, competentemente habilita-
dos. .
E para constar se mandou aflixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco 23 de maio de 1857.O secreta-
rio, Antonio Ferreira da Anritticiacao.
Clausulas especiaes para a arr>fflatac3o.
I.i A conclus3o do raio do sul (Wasa de
detencSo, consiste as obras dispostaa.no
orcamento.no valor de 66:005720 rs.
2.' As obras serSo come,
um mez, depois da assignatura do termo de
arrematarlo, e concluida no prazo de um
anno.
3." O arrematante na execuQo dos traba-
lhos guiar-se-ha pelo que se acha feito no
rajo do norte, e observar em tudo as pres-
cripcesdo engenheiro que inspecionar a o-
bra.
4. Os mestres empreados na obra, serSo
da approvocSo do mesmo engenheiro.
5. O arrematante ser obrigado a receber
pelos precos do oicamento, todo o material
existente nos depsitos da obra, descontan-
do-se o seu valor da importancia da primei-
ra prestacao.
6." A importancia da obra ser devidida
em quatro prestaces igmes, reahsadas das
pocas estabelecidas no art. 29 da lei n. 28e.
7.* Tuto o mais que se nSoachar aqu des-
posto, ser regulado segundo as dispsices
da citada lei. Conforme, o secretario A. F.
da AnnunciacSo.
' O Illm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda desta provincia manda fazer publico
para conbecimento de quem interessar pos-
sa, qne as notas de &O/O00 da segunda es-
tampa (encarnadas) sao substituidas por va-
lor igual at o ultimo de junho prximo fu-
turo ; e que do 1. de julho seguiote em
diante comecarSo a soffrer o descont de 10
por cento em cada mefz, at ficarem sem va-
lor algum. Secretaria da thesouraria de Per-
nambuco 22 de maio de 1857. O oflicial
maior, Emilio Xavier-Sobreira de Mello.
- O Illm. Sr. contador da thesouraria
provincial, servindo de inspector da mesma
thesouraria, em cumprimento da ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia de 23 do
corrente, manda fazer publico que no dia 8
de junho prximo vindouro, peranie a junta
da fazenda, se ha de arrematar a quem por
menos lizer a obra do empedramento do a-
terro dos Afogados, avahado em 36:960# rs.
A arrematacao sera feita na forma da lei
provincial n. 3*3, de 15 de maio de 1854, e
sob as clausulas especiaes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
rematarlo comparecam na sala das sesses
da mesma junta, no dia cima declarado,
pelo meio da, competentemente habilitado.
E para constarse mandou aflixar o presen-
te, e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco 26 de 1857.O secretario, A.
F. da AnnunciagSo.
Clausulas especiaes para a arrematacao.
1.a A obra do empedramento do aterro dos
Afogados, far-se-ha de conformidade com o
orea ment approvado pela directora em
conselho, e apresentado a approvaco do
Exm. Sr. presidente da provincia, na im-
portancia de 36:960;* rs. '
2 a O arrematante principiar as obras n~
prazo de um mez, e os concluir no de i-
mezes, ambos contados pela forma do a>
31 da lei n. -286. |
3. O pagamento reilisar-se-ha em' quatro
prestaes iguaes, cujas tres primeiras. cor-
responderfio aos tres tercos da obra, e a ul-
tima ficar para a entrega definitiva.
4." Para tudo o que nao se aclia previsto
as presentes clausulas, seguir-se-ha o que
dispe a respeilo a lei provincial n. 286, e
com especialiade o art. 40. Conforme.O
secretario, A. F. da AnnunciacSo.
Elie de Beaumont, secretario perpetuo da a-
cademia das sciencias.
Abordo da Rainha Hortense, aos 20 de a-
gosto de l856,no porto de Sernick (ilbasShe-
tland) Sr. secretario perpetuo. as Bahias
dos paizes do norte, em Spitsberg, as Islan-
dia, na Sroenlanaia, encontraram-se mui-
tas madeiras boiantes, que depois de boiar
por muilo tempo sobre o mar, sob o impul-
so das crrenles, termioam dando abi a
costa.
A principal parte destar madeiras, be de
pinho, mas no appareceu indicio algum se-
guro de sua origem.
Eu quiz que a miaba viagem aos mares do
norte, contribuisse ao ulterior reconbeci-
mento destas corrente, ja estudadas Das
suas principaes direccee, mas cujas ramifi-
caces b3o anda pouco conhecidas, e eu
mandei tancar ao mar de bordo da corveta
Reine Hortense, em suas differentes viagens,
grande numero de boia (cincoenU) cora a
indicacao de seu ponto de partida.
Estas boias compOe-se de um cylindro de
pinho de 25 centmetro de dimetro sobre 25
centmetros de altura. Na direccSo do eixo
do cylindro fe-se um buraco destinado a
conter urna pequea garrafa de vdro lacra-
da, coDtendo um bilhte concebido nestes
termos:
999,000
40,000
1:091,000
209,000
1:442,000
34,000
355,000
81,000
80,000
96,000
56,000
254,000
52,000
34,000
$*?i$**tve*
CORREIO CERAL.
O hiato nacional Lindo Paqueteo, recebe as ma-
las para o Maranhio e Para' hoje (29) do Arrentl
aa 2 1(2 horas da tarde em ponto.
TRIBUNAL DO OOMMERCIO.
Por esto secretaria se faz publico, que nesla data
foram matriculados JoSo Diat de Caslro Guimaraet,
portugus, cora 45 anuos de idade, domiciliado oa
cidade de Maceiocapital da provincia das Alagoas,
com sao estabeleciroento de lazan ios em grosso, e a
relalho ; e Miguel Jos Barbosa GuimarJes, po'rlu-
guez com 45 aunos de idade, domiciliado nesta cida-
de do Recito, onde he eslabelecido na roa do Crespo
n. 5 com toja de faztndat em groso e a relalho.
Secretaria dotnbuoal do commercio de Peroam-
baco 26 de maio' de 4857.Dioamerico Augusto do
Reg Rangel, no impedimento do oflicial maior.
Companbia
DE
Beberibe.
A direccao da eompanhia tem delibe-
rado fazer a cobranca dos chafarizes e
bicas por arrematacao de cada um cbafa-
riz separadamente, sob as condlijoes que
se acham patentes no escriptorio da eom-
panhia, ra Nova n. 7, primeiro andar.
Ah s recebem propostas em carta fecha-
das para qualquer dos chafarizes, deven-
do ter lugar a arrematacao dos do bairro
do Recife no dia 5 de junho prximo,
pelas 9 horas da manhSa, onde devem
os pretenden tes
Viagem de S. A. I. o principe Napolen a
DVrM rs. ^ bordo da corveta Rainha Hortense, comman-
cadas^dentro de fiada pelo Sr. De la Ranciare, capitao de mar
e guerra.
Bilhete lancado eo mar no dia......de 1856.
Latitude ....
" Longitude do meridiano de Pariz .
Quem encontrar esto bilbete, be rogado a
ramelte-lo ao cnsul francez mais prximo.
Este bilhete est traduzido em inglez, la-
t m, e russo.
As garrafas .sSo lacradas com breuoope-
daco de madeira, de maneira que ficam b-
teiramente cobertas, e por cima acha-se pre-
gada urna chapa de chumbo com a inserip-
5S0 do nome da Rainha Hortense, e a data
em que foram (aneadas ao mar : finalmente
para melhor chamar a atteocao sobre estas
boias, e impedir que sejam confundidas com
outras madeiras boinies', fez-se no contorno
do cylindro e de lado a lado dous buracos
perpendiculares entre si, as quaes estSo fi-
xas duas cavlljas salientes, porto de i dec-
metros, e formando urna cruz.
' Ficar-vos-hei reconbecido se tiverdes a
bondade de escrever aos diversos corpos ou
sociedades sei en tilicas da Luropa e da Ame-
rica, para levar esle facto ao sen conbeci-
mento, e dar-lhe publicidade, rogando-Ibes
que hajam de dar conbecimento a acade-
mia das sciencias de Franca, do lugar em
que estes cyliodros-forem encontrados. Re-
cebei,Sr. secretario perpetuo etc. Assigna -
do, Napolen. Conforme. Francisco Jos
Pinhelro Guimaracs.. servindo de oflicial
maior.Conforme, Francisco Xavier Hom-
lerapo.-Gonforme.-0secretario,. Alejan-
dre Rodrigues dos Aojos.
Circular o.Rio de Janeiro, ministerio dos
negocios da marinha em 22 de abril de 1857.
Illm. e Exm. Sr.Avista da inclusa traduc-
ido da copia que me foi transmitlida pelo
ministerio dos negocios estraogeiros, com
aviso n. 15, de 8 do corrente, da carta qoe
S. a. I. o principe Napoleao, na sua viagem
aos mares do norte, dirigi ao secretario
perpetuo da academia das sciencias, com-
municando-lhe ter mandado laucar de bordo
da corveta La Reine Hortense, em differen-
tes lugares, varios fluctuantes com a indrea-
cao do ponto da respectiva partida, pare re-
cohecer ulteriormente ascorrentes desees
mares, cotivetn qae V. Exc. na conformida-
de.do que requintara a legacSo de 8.M. o
Imperador dos Francezes nesta corte em a
nota, que acompanbou a citada carta, ex-
peca as precisas ordens a capitana desse
porto, para recommendar aos capiUes dos
navios mercantes oaciorues, nelle existen-
tes, que se encontraren! algum dos ditos
fluctuantes, o recolham, e entreguem na ca-
piaania desta corte, se a ella verem, eno
caso de se dirigirem a outro porto ao respec-
tivo cnsul francez, ou a quem suas vezes
Gzer, declarando qoando o acharaos, e em
que lugar, e dando quaesquer outros escla-
recimetilos para as observarles scienttficas
de que trata a mencionada carta.
Dos guarde a V. Exc.Jos Mara da Sil-
va Paranhos, Sr. presidente da provincia de
Pernambuco. .
Cumpra-.se. Palacio do gowao de Per-
nambuco, em 18 de maio de 1857.Portel-
la. Conforme. Francisco Lucio de Cas-
tro.Conforme. o secretarte, Alexandre
Rodrigues dos Aojos.
EXTINCU BASCO DE FEE-
ribdco:
A direccao do extincto anco de Per-
nambuco tendo de dar m a sua liquida-
Cao no ultimo do corrente mez, convida
por isso aos possuidores das respectivas
notas de emissao, a trocarem-nas ate'
aquella data, na caixa filial desta provin-
cia. Recife, 5 de maio de 1857.O se-
cretario, Joao Ignacio de Medeiros Reg.
A direccao do extincto Banco de'
Pernambuco, avisa aos Srs. accionistas,
que do la 8 de junho prximo, se substi-
tuirao na caixa filial desta provincia, por
calices de acedes desta, as accoes realisa-
das ou nao, do extincto Banco de Per-
nambuco, recebendo os Srs. accionistas a
importancia do excesso das realisadas, )>u
entregando a da entrada das nao realisa-
das, para ficarem urnas e outras accoes a
par das do Banco do Brasil, e percebe-
rem geralmente os respectivos dividendos
do semestre, que principiara' no dia 1.
de junho em diante. Recife 22 de maio
de 1857.O secretario, Joao Ignacio de
Medeiros Reg.
- O concelho adminislraliro do patrimonio dos
urphaoe, tem de levar a* liatla publica esa a sala de
suss*sdes no dia 29 do correle, a renda das ca-
ses do mesmo patrimonio, qoe fr.aram por arrema-
lar em a praca do dia 23, por falta de licitantes :
e bera assim urna outra parte das mencionadas ca-
sas abalio declaradas por lempo de om aono, que
lem ne decorrer de primeiro de julho prximo lu-
turo a 30 de junho de 1858, segando o qae dispoa
28 e 29 da regaUmenlo em vigor, t
Art. 16 Do regulamento interno da the-
souraria.
Os documentos comprobatorios das habi-
lilacdes dos arrematantes, e os que devem
provar a idenlidade dos fiadores sarao apre-
sentados na sessao da junta anterior a da ar-
comparecer ua prerena
liancas.
Servir' de base para a arrematacao o
termo medio do rendimento de tres an-
nos ltimos ; sendoochafariz'la ruado
Brum 5:-H0000 rs. por anno ; ra da
Cruz 6:400$000 rs. ; Forte do Mattos
2:700$ ; caes da Alfandega 4:200$ rs.
A direccao. esperando algum melhora-
mento da livreconcurrencia, aceita toda
e qualquer proposta. Escriptorio da
eompanhia, 27 de maio de 1857___Ose-
cretario, Guilherme Augusto Rodrigues
Sette.
Kua de
os arligos
saber :
N. 12 casa terrea, roa do Sebo.
H. 16 casa de um andar, roa da Carila do Reeife.
K. 28 dila terrea, roa da Madre de Dos.
N. 29 idem idem idem.
Rna do Torres.
y. 37 casa de dous aadaret.
N. :is idem idem.
N. 39 idem idem. '
Ra de Amorim.
N. 48 casa terrea.
N. 49 idem idem.
S. 50 idem idem.
N. 51 idm idem.
N. 52 id 1 idem.
N. 53 id. *vn.
N. 54idU
N. 55idedF
S. 56 idem
do Ateit de Peise.
N. 57 casa terrea.
N." 58 idem idem.
u nim. hr. capitao do porto, mandan- N. 59 cs de um andar,
do dar publicidade ao aviso do ministerio da K- 60 casa terrea*
marinha de 22 do mez prximo fiado, acom- N- 6I ldem ,dm-
panhado da traduccao de urna carta que sua N'62 "jenl ">en>"
alteza imperial o principe Napole5P, na sua dem 'm.
viagem aos mares deporte, dirigi ao secre- N> "" fderaRn. dl rimha
tao perpetuo da academia das sciencias, N. 65 cas. terrea^' "' CaC,mbi-
commun.cando-lhe ter mandado lanQar de N. 66 dem idem. ,
bordo da corveta La Reine Hortense, em dlf- N- 67 dem dem.
lerentes lugares, varios fluctuantes. com a ^>s licitantes hnjam delcomparecer eom teasfia-
indicacilo do' ponto'da respectiva partida ^"e" e,r> a M'a an aeatoet do meso? conselho,
para reconhecer ulteriormente an correntes ti "oras da manhSa do mencionado dia. Secre-
desses mares rpeumm..,,,!.. i,____. Iaria do conselho ad|ninilraiYo do patrimonio dos
dodisnostonnitiln^^ 8,' em"bse1rv?,nc'a orpho. 25 de maio de I857.-0 secretario, Manori
Sr < 8VS0 6 de 0rdeu* d0 bXm- Antonio Vregss.
?Ari'P presidencia de 18 do Opresidenle do conselho dequalifica-
ciirrente, aos senhores capitSes de navios C3o da guarda nacional da freguezia de S.
mercantes nacionaes.existentes neale porto, josc, previne a todos os cidadSos guardas
que se encontraren] algum dos referidos nacionaes do respectivo batalho, que re-,
tiuctuantes, o recoltam, e entreguem na ca- quereram ser incluidos na lisia da roserva,
pilania da corte, se ahi forem, e no caso de que deverao comparecer no consistorio da
dtrigirein-se a outro porto, ao respectivo matriz da mesma freguezia, no dia 98 do
cnsul francez, ou a quem suas vezes fizer,' corrente ao meio dia, afim de serem oompe-
declarando quando o acliajam, e om quelu- tentemente inspeccionados,
gar, e dando quaesquer outro esclarecimen- -~ Existindo no almoxarifado desta *-
tos para as ouservacOes scientiicas, de que particao, urna porcSo de plvora arruinada
mencionada carta. entregue pelos navtas da armada, 0 Illm Sr'
Capitana do porto de Pernambuco 20 de
maio de 1857. secretario, Alexandre Ro-
drigues dos Anjos.
Traduccfo.- Copia.Experiencia sobre a
direccSo das correales do ocano atlntico
do norte.
Carta de S.'A. 1. o principe NanoleSoao Sr.
nspeclor do arsenal de mariohj, manda fa-
zer publico, que ser posta por venda, em
hasta publica na porta do mesmo almaxan-
ii ^rad!?S 28'^'e3 do correnta mez,
Z '?'?'.oh^ a410 que neste ul-
d!a seeffectuara a venda eom auem
as
timo
f
MUTILADO "


DIARIO DR PRRNAMBUCO QUINTA fERA 28 DE MAIO DE 185?'
InspeegSo do arsenal de marinha de Per-
nambuco era 2*de maio de 1857.- O secre-
tario Alexandre Rodrigues dos Aojos.
Baile popular
DE
MASCARAS E PB1\TMIA
NO
PALACETE DA RA DA PRAIA.
Sabbado 30 do correte.
Por se ter transferido para junho o diver-
tirbento particular marcado para este da,
llavera baile publico ; os cartoes estarn
venda no dia do divertimiento, o qual deve
principiar as 8 horas e terminar as 3: os
seohores.socios do divertimento particular
devem procurar os seus cartoes na noite do
dia 30.
ftfrto 4tar*ttt>*
Para Lisboa vai sahir com toda a bre-
vidade a bem conhecida barca portugueza
Ligeira, capitao Branco, a qual tem parte do
su carregamento prompto ;
. ,h K' Vof,?>';.'m h0.nrj "L-. ,T,Mr ao re-peilavel pobliro, que tem aberto o sea deposito, on-
de achara os man lindos, fortes e bellos pnuos, at hoje conhecidos dos afsmsdus fabricante
.ML@S HllIL t H/SAStKHHOtV.
tejado? 0>,"B" "n Bun-Ayre., V.lparairo, etc., etc., onde sao moi.o conlSA de-
Vendeni-se estes pianos debaixo de toda garanta, anfiancando nao se mudarem eomo todos os
eiHiiciH.i ie nespjaaa, e o citerior a rasior elegancia.
i.rlSSSL!l8"l?.l!.?"'U.-!e_C0D.rfe?'10 M ra"ffl0' iortrumanto., e acba-.e as msica.
igiros, trata-se oom V. A. de] Souza" ** ma" modernas e dos melbores compositores da Europa.
Carvalho
nbo n. 5.
& Companhia, largo do Pelouri-
Comiianlia
Pernambuc na.
Grande estalieleeimento
de piaiios.
esquina da cainboa do Carino,
DEPOSITO I>E
Carlos Scheel $> II: Sassenhoff.

CISDLT0R10 HIEOPiTHICO
00
Onde seachamsempre os mais acreditados medicamentos, tanto em lin
em glbulos, e preparados com o maior escrpulo e por precop bastante commodos
PREQOS FIXOS.
tubos grandes. .
como
Botica de
Dita de 2*
Dita de 36
Dita de 48
Dita de 60
ij
D

>
>

O vapor PERSINUNGA.a.eha-se a carga para
1 mandar, Barra-Grande e Macei, para onde sa-
hira' na manhaa do dia 28 do corrente : a carga se-
r recebida al as 5 horas da tarde do dia 26.
Rea] companhia de pa-
quetes iuglezes a vapor.

lO/ooo
15*000
208000
25t>000
308000
18000
28000
Tubos avulsos a
Frascos de linturrademeia onga.
Manual do medicina homeopatbica de Dr. Jahr com odic-
l conano dos termos de medicina.....
Medicina domestica do Dr. Henry..... ,"
Trata ment do cholera morbus .
Repertorio do Dr. Mello Moraes .'
208009
10/000
2/000
6*000
Precisa-se de um amassador que seja
desembarazado : na padaria da ra larga do
Rosario n. 48.
Attcncao.
Mara Rosa da Assumpcao, de confor-
midade com os seus annuncios por vezes
transcriptos neste jornal, previne a nuera
convier, que s e nicamente passou e
assignou urna obrigacSo de seiscentos e
noventa mil ris (690$000), em 26 de
'etereiro do corrente auno, a favor do
Sr. Joaquim Antonio da Silveira, com o
prazo de do/.e mezes, sendo que outro
qualquer titulo creditorio que appareca
com sua a^sjenatura, he falso e sem valor
algum, assim como que nao assignou es-
criptura de Iiypotbeca.e testamento al-
gum. Recfe,18 de maio de 1857.Ma-
ra Rosa da Assumpcao. .
Urna senhora solteira e honesta se
offerece para companhia de qualquer se-
nhora viuva ou casada, com pouca fami-
lia, sendo branca : annuncie sua mo-
rada.
Jantarcs
Na ra de Hortas n. 16, primeiro andar, se
fornece al mocos e jantares para casas parti-
culares, sendo com muilo aceio e prompti-
d3o, mandando-se levar em casa na hora
que se determine; e tambem se alugam sa-
las e quartos por muito commodo prego.
Ama. *
B S
- s
5
s.a.
a n
11
9 3
n o

Al o dia 31 deste mez espera-te da Earopa, om
nos sapores desta companhia, o qual, dopois da de-
mora do coslume, seguir para o Kio de Janeiro,to-
bando na Baha : para passageiros, etc., trata-ae eom
a arenles Adamson Howie & C, ra do Trapiche-
novo n: 42.
Para a Baha
O veleiro e bem conhecido'palhabote Dous
Amigos, pretende sahir nestes oito dias ;
tem prompto melada, de seu carregamento :
para o resto e passageiros, para os quaes
tem excellentes commodos, trata-se como
seo consignatario Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo. ra da Cruz n. 1.
Para Lisboa, sabe em poucos dias o
bngue portuguez. Relmpago, para o resto
da carga e passageiros, para o que tem ex-
celentes commodos ; trata-se com os con-
signatarios Thomaz de Aguino Fonseca &
Hlio, na ra do Vigario n. l, primeiro an-
dar, ou com o capitao na praca.
Troca-se urna barcaga nova de 26 cal-
los, por outra 4e 50, dando-se a ditferenca,
ou vende-se a mesma, que se ocha appare-
Ihada e prompta a navegar : na ra da Cruz
n. 35, primeiro andar, a fallar com Joaquim
Ooncalve de Albuquerque.
;Jbttl*i**c
TI
agente
O
Borjahoj aS
10 l|2 huirs
e m ponto;,
_|dar princi-
pio ao lelr) dos objectos
coinprehendidosno catha-
log-o-que eonvenientein
te ser- destribuido,
tencentesao Exm. ?
neufe genera I Seara;
aterro da Boa-Vista n 38,
residencia de S. Exc.
1 PEORAS PRECIOSAS- fr(
Aderemos de brilbanles, gf
diamantea e perolas, pal- &
seiras, allineles, brincos &
t rozetas, bolfies anneit ^
de diferentes goslos e d ?
diversas pedras de valor. W
Compram, vendem ou
troeam prala, onro," bri- S
Ihantes,diamantes e pero- ...
% las, e oulras qoaesquer $1
* joiasde valor, a dli.lieiro ^
^ uu por obras.
I0&EIKA
L#JA DI $w\m
Roa do Cabuga' n. 7.
Hecebem por to-
dos osvap r sda Eu-
ropa asobrasdo inas
moderno gosto, tan-
to de Franja como
-OUROE PRATA- I
f Adereces completos da
g ouro, meios dilos, polsei-^
g ras, aleles, brincos
gs r?ze,a% ordes, Iraocel- S
g lins, medalhas, correntes j*j
* e enfeiles para relogio, e ^
f ootros muitos objectos de 9
S> ouro.
^ Aparelhos completos de i
M prala para cha, bandejas, -
I salvas, castijaes, colheres fe
g de sopa e de cha, e rati- '&
los outros objeclos de 8
i prala.
o.
de Lisboa, as quaes vendem pqr
preco cooimodo como costumam.
- Na ra da Cadeia de Santo Antonio n.
", primeiro andar, vendem-se charutos da
Baha eco caixinhasde 50, os melhores que
tem vindo a este mercado, e pelo menor prei-
QO que se vende em outra qualquer parte:
todps os dias at as 10 horas da manhaa.
mmi

Rio-Formoso.
O Dr. JoSo Honorio Bczerra de Mne-
les, medico pela Faculdada da Baha, lem
lindo sua residencia na eidade do Rio-For-
moso, e de noy eflerece seus servidos a to-
das as pessoas que o bonrarem com sua con-
flanca.
v..-
Si'
compaohia
D
Beberibe.
O Sr. cai\a da mesma Companhia esta'
autorisado a pagar o dcimo oitavo divi-
dendo, na razao de 2s">00 rs. por accao.
Recife,19 de maio de 1857.O secre-
taria, Luiz da Costa Portocarreiro.
~- Faz-se todo e qualquer negocio com a
meitior loja do Passeio Publico n. 9, conj sembla geral, se proceder venda em lei-
tazendas ou sera ellas ; a fallar na meara* UlQ publico, na praQa de LisMoa, de todososJ
! nerdeiros do fallecido Sr. F navios da referida companhk ; e como bre-
HOSPITAL NRDS6EZ
DE *
O agente Pestaa far JeilSo de 20 bar-
riscom vinbo branco, desembarcado lti-
mamente : sexta feiraS do correte, as 10
horas da manhaa, na porta do armazem do
Sr. Annes, defronte daalfandega.
O agente Pestaa far leil3o de gran-
de quantidade de mobilia de Jacaranda,com-
pleta, dita de amarello consistindo em me-
sas redondas, consolos, sofas^ marquezas,
toucadores, aparador, candieiro americano,
pparelho para cha de porcellana diverso,
relogio de ouro patente, corrente, trancelim
e mais objeclos que se achara patentes nodia
do leilao, no referido armazem : sabbado 30
do corrente, as II horas da manhaa, em seu
armazem na ra da Cadeia do Recife n. 55
LEILAO* DE VELAS STEARINAS.
O genie Pestaa far leilao por conta de
quem pertencer, de 100 caixas com velas
stearinis, desembarcadas bontem : hoje, 28
do corrente, as 10 horas da manhaa, defron-
te da alfandega, na porta do armazem de
- Sr. Annes.
LEILAO" DE QEIJOS.
0 agente Pestaa far leilao hoje, as 11
horas da manhSa, defronte da alfandega, na
porta do armazem do Sr. Anues, de 20 cai-
xas com excelleotes queijos fiamengos, de-
sembarcados hontem.
--- O agente Borja trahsferio o leilao da
taberna sita no largo da Ribeira n. 1, que
devia ter lugar no dia 26, para segunda feira
1 de junho, as 10 i|2 horas em ponto.
O agente Borja far leilao sabbado 30
do correte, as 10 horas da manhaa, em seu
armazem na ra do Callegio n. 15, de diver-
- sos movis pertencentes a urna pessoa que
se retira para a Europa, constando e urna
exceliente mobilia de Jacaranda, com pedra,
urna ptima secretaria tambem de jazarn-
da, 2 guarda roupas, commoJas e meias
Commodas, urna cama franceza, varios lei-
tos para enancas, um lindo toilette, espelho
de vestir, lavatorios com os competentes ar-
ranjos, um grande guarda louca, mesas de
abas e elstica (grande), urna ptima mobi-
lia de amarello completa, varios movis de
uarcineina para diferentes misteres, can-
leiabros e lanternas de vidro, lindos vasos,
Uguraf e mais eofeites de porcellana e de
crystal para sala, um excellente relogio de
parede, quadros com estampas, utensis e ya-
!,?|8^raDJOS de c,8a etc-: 'Smente (n
leuao dos muitos objeclos existentes no re-
enao armazem, ja annunciado para b dia
i> cojo leilao nao poude ter lugar ; bem
como 2 optiraos boisde carroca. '
O Sr. provedor Antonio Francisco Lisboa
mvidaaos lllms. Srs. provedor e mordo-
mos da junta passada, bem como a todos os
_ sonbores accionistas que quizerem fazer o
ffCf favor de assistir ao ollicio e missa por alma
do finado bemfeitor Jo3o Vieira Lima, o qual
ter lugar no dia 28 do corrente mez na ma-
triz do Corpo Santo, as 9 horas em ponto,
e desde j agradece a todos os senhoreque
comparecorem a tSo religioso e pi acto.
Secretaria do Real Hospital Portuguez de Be-
neficencia em Pernambuco aos 25 de maio
de 1857. Jo3o Domingues Ramos, secre-
tario.
BtTEIkO DO THELEGBAPHO
Nalimrians.ees da praca da Indepen-
dencia ha para vender o roteiro do thelegra-
ptao, novamente reformado, com o no me dos
vapores eoutras embarcares que deman-
dan este porto, a 2*0 rs cada um.
S ocie dada de Ensato Francez
Mr0J:' ,h"^e,"le coa,td* ,od0' u' com-
parecer ho,e (281, as 10 horas em ponto : oi rna da
Alegra n. 3.- ^
a ~~JH* 8exta feira 29 do comente, na sala
das audiencias, e fiada a do lllm. Sr. Dr iuiz
de orpnSM.tera luxar a arremataeSo da casa
terrea sita defronte da igreja de N. s. dos
Remedios, annonciadfl para o dia 22 do cor-
rate, eque nSoteve lugar por n3o haver
audiencia.
GABIHETE PORTDGEZ
DE
O conselho deliberativo faz publico, que
nao temi bavido numero lej?al de socios
para haver assembla geral domingo (24),
novamente convoca a mesrha assembla ge-
ral para quinta-feira, 28 do rorrente, as 5
lloras da tarde. Recife 25 de maio de 1857.
O secretario interino,
Ricardo de Freitas Ribeiro.
- Precisa-se tomar a quantia do 1.200
a premio, e pelo tempo que se convencionar,
eda-se por garante *escravos pecas, livres
e desembarazados de qualquer duvida, resi-
dentes nesta eidade : a quera convier, an-
nuncie para tratar-se das coudigOes.
Precisa-se de urna mulher moito ca-
paz para fazer companhia a urna senhora ca-
sada, que acha-seem trata ment em um dos
arrabaldes desta eidade, devendo tambem
encarregar-se de cozer e engommar para as
duas pnncipaes pessoas da familia, tomar a
seu cuidado a conservarlo e asseio da mori-
lla eoservico da mesa; pa-a o demaisser-
vico, so a escravos : aquella que sejulgar
habilitada a desempenhar bem estas obriga-
ces, dando conhecimento de sua conducta
pode contar com urna renumeracao de 20 a'
25 rs. mcnsais, dirija-se a loja n. 3 da ra
do Crespo prximo aoarco, ou annuncie oor
este Diario para ser procurada.
t~ Joaquim Antonio de Santiago Lessa
tnudoui a sua residencia da ra Direita, para
a Boa-Vista ra dos Coelhos, para o sobrado
ad.reita, com 7janellas de frente, sobrado
do Sr. Anacleto Jcse de Mendonca.
Fugio na noite do dia 30 de abril um
escravo cnoulo, denome Lourenco, de da-
de de 25annos,o qual foi comprado a Dioso
SoaresCarneiro de Albuquerque, morador
oo engenho Ramos,freguezia de Pao d'Alho ;
o escravo tem os sigaaes seguintes : altura
regular, cor preta, pouca barba, j foi surra-
do, tem a perna direita mais fina que a ou-
tra, e na mesma perna tem urna cicatriz;
levou calca de casemira cimenta,ciara.nova'
camisa dealgodaozinho escuro, jvelha, e
chapeo de palha : a pssoa que o pegar, di-
rija-se a ra Direita n. 3, que receber 50i
degratificagao.
Sansra-se, tiram-se denles, bolam-se ventosas,
com toda perfeico, e alof (las Cra7.es n. 35, loja de barbeiro.
Precisa-se alujar um escravo que seja fiel para
o erijo d* ama casa, paga-se 15 por mea e da-5c
a coraioa: a Iratar no ecriplorio da ra das Laran-
geiras n. 14. |
Henry Bevins rclira-so para Europa.
- Precisa-se de um homoin do idade e de boa
conducta, para Iratar de um sitio : a tratar enm o
sr. Manoel Joaqairo Correia Leal : na Boa Vista
junio a caa (fagoa.
,o~ir'c'M"M de um moQ> portuguez, de
18 a 20 aonos, para caixeiro de urna fabrica
de velas do carnauba, dando fiador a sua
conducta : na ra Direita n 59.
- D-se at a quantia de 50j> rs. a pre-
mio,sob penhorea de ouro ou prata : nuem
precisar dirija-se a ra da Penha n. 25, pri-
meiro andar, 'r
lippe Paes Barreto, que se julgarem courrtfT-
reito a uma preta do nome'Graca, queiram
dingir-se a ra Augusta, sobrado de varnd.-.
encarnada juuto a fabrica do Sr. Santos, on-
se pode dar noticia da mesma.
Aluga-se a primeira sala do primei-
andar do sohrado da ra da Cadeia
do Kecife n. 14, muito proprio para es-
criptorio: a tratar na loja da mesma.
Os abalxo assignados, com loja de onrives
na ra do Cabuga n. 11, confronte ao pateo
oa matriz e ra Nova, fazem publico, que
estao recebendo continuadamente as mais
novas obras de ouro, trfhto para senhora
como para hornens e meninos : os precos
conlinuam razoaveis, e passam-se contas
com responsabilidade, especificando a qua-
lidade do ouro de 14 ou 18 quilates, ficando
assim sujeitos os mestnos por qualquer du-
vida.-eraphim &. lrm3o.
lotera do
o de Ja-
neiro.
AOS 20:000$, 10:0000 E 4:0000.
Na praca da Independencia n. 40,
acham-se a venda os noyos bilhetes da lo-
tera r4- do Monte-Pio-Geral, que devia
correr a 25 do presente; as listas espera-
mos pelo vapor hrasileiro, ,<|ue icava a
partir a 25 : na mesma loja cima se la-
ra' o prompto pagamento dos premios,
deconformidadeaos nossos annuncios.
Precisa-se aiugar uma parda ou preta,
preferindo-se escrava, que saiba tratar de
criancas, e dos seus arranjos : a pessoa que
a tiver, ouqueira di janse a ra de s. Francisco, como quem vai
para a ra Bella, sobrado n. 8, para iratar de
seu ajuste, que ser bem pago avista de suas
qualidades.
Ama de leite.
Precisa-se de uma ama que tenha bom
leite, forra ou captiva : no aterro da Boa-
Vista, loja de bilhetes n. 56.
A-frico.
Scientifica se a quem convier, que a revi-
85o de pesos, medidas e balaceas, principia
do 1. do corrente a lindar no ultimo de ju-
nho : na casa da aforQ3o, no pateo d0 Ter-
co n. 16.
Aluga-se um armazem de tres por-
tas, sito na ra da Pra, per ten cent e ao
patrimonio da Ordem Terceira de San-
Francisco : ospretendentes dirijam-seao
largo do Carmon. 16.
O Dr. Ignacio Firmo Xavier faz publi-
co, que mudou sua residencia para o seu si-
tio na Passagem da Magdalena, que fica ao
norte da estrada entre a ponte grande e a do
Chora-menino, e ahi lem preparado uma
casa de saude com todos os commodos para
o tratamento de escravos, cujos seohores
residam fra da praca, ou "que nao os pos-
sam curar em suas proprias casas : quem
para isto quizer-se utilisar de seus servicos
mdicos, que ser3o desempenbados com o
maior zelo, dirija-se ao paleo do Carmo n.
9, primeiro andar, ou no referido sitio da
Magdalena. PreQo-2^000diariosexceptu-
ando conferencias, sanguesugas e opere-
Qes.
O abaixo assignado, por parte da com-
missio liquidataria da companhia de Pesca-
ras Lisbonense, faz publico que de confr-
midade com a rofeoliiclo tomada em suaas-
Precisa-se de uma ama para casa de pou-
ca familia, que saiba cozinhar, e engommar,
com toda a perfeico, e paga-se bem : ua
ra do Ccllegio n. 15, armazem.
JOHN GATIS,
corretor geral
E AGENTE DE LEILO'ES COMMERUAES,
n. 20, ra do Torres.
PRIMEIRO ANDAR,
praca do Corpo Santo
KECIFE.
$@@@@ >-$MM
*?;3 Juan da Silva Unaos, medico pela un- gt
O^ versidade de Coimbrl, mudoo sua residen- 5?
W cia Ja rua do Cabug para a roa Nova n. 9
fP 69, secundo andar, sobrado do Sr. Dr. Net- A
^ lo, e ahi contina a recaber, das 8 s 10 |
W horas da manhaa, e das 3 rs 5 da larde, as 9
f& pessoas que o queiram consultar. ^
SEGURO CONTRA FGO.
Companhia Alliance.
Esubelecida em Londres, em marco da 1824.
Capital cinco milhoes de libras esterlinas.
Saunders Brothers & C, tem a honra da in-
formar aos Srs. negociantes, proprietarios de asas,
a quem mais convier que eslo plenamente ao-
'.orisados pela dita companhia para effeciuar segu-
ros sobre ed" teios de ti jlo pedra, cobertos da
tlha e igualmenta sobra os objectos que eontiverem
os mesaos edificios quer consista em mobilia ou
W fazendas de qualquer qualidade.
Defronte da matriz da Boa-Vista n. 86, t
amola-se toda e qualquer obra de corla, '
- assim como limpam-se ferro da eirorgia da-'
g loda qualidade, bale-se outijo em espa- ^
sardas: na mesma vende-se e alugam-se t
bichas, assim como mandam-se applicar a '
qualquer hora. I
Illm. e charissimo irmao prior___
Pela primeira vez tenho a satisfaccao de
dirigir a V. C. o presente, a fim de rspon-
der-me. com preciso, e he verdade o
que acabo de saber por m de nossos ir-
maos, que tendo V. C. convocado mesa
conj ueta para o da 24 do corrente, ella
trabalhou illegalmente, porque sendo a
mesa regedora composta de 24 membros,
ez-se a conjuncta com 21, quando devia
ser 50 ; assim como dando a nossa ordem
com um excessivo dficit. Nesta mesa aug-
mentaram-se os ordenados de todos os em-
pregados da ordem ; se tudo isto he ver-
dade, ent5o permitta-me V. C. que Ihe di-
ga que primeiro devia-se satisfazer a
quem se deve, para entao augmentar-.se
os ordenados: de que cito nao he adminis-'
trar, esim esbanjar oque nSo lhe perten-
ceassim pensa O Gamba'
Rg-a-ee
a quem descobrir uma trouxa deroupa la-
vada que desencaminl^ou-se do porto das
canoas da ponte da Boa-Vista, a qual se jul-
ga ter sido entregue em uma casa por enga-
o, sendo a tpsior parte delta, de escravos :
pede-se, portento, a quem a tiver, a mandar
levar rua nova n. 38, loja, ou annunciar
para se procurar.
Irmaudade do SS. Sacra-
mento da matriz da
Boa Vistas).
O escrivSo desta irmandade, abaixo assig-
nado, convida a todos os irmSos em geral
para comparecerem no domingo, 31 do cor-
rente mez, pelas 9 horas da manbla, no coo-
sistorioda irmandade, alim de se proceder
a eleic.io para a nova mesa que tem de diri-
gir o anno de 1857 a 1858.
Jos Joaquim da Silva GuimarSes


lOLEQDES
Lotera
provincia.
O abaixo assignado ven-
de bilhetes garantidos, pe-
ios precos abaixo notados,
sendo da quantia de cem
mil ris para cima, a d-
nheiro vista, em seu es-
criptorio, na rua da Ca-
deia do. Recife n. 5.0, pri-
meiro andar.
Bilhetes.
Meios.
Quartos.
P. .1.
AMA
.5S4-00
2><700
IjjSSO
L'tyme.
DE LEITE.
S pDE|TISTi FRiHCEZ.
^ Paulo Gaignoni dentista, roa Nova n. 4t : *b
^? na mesma caa lem agua e pos dentrifice @4i
Q&99W399'&Q%Q
Jos Antonio Moreira Dias & C, fazem
sciente aos seus freauezes e mais compra-
dores de plvora, qffe contir.uam a ter un
completo sortimento deste genero, das me-
lhores qualidades quevem a este mercado,
e as amostras encontrado em seus escriplo-
nos na rua das Larangeiras n. H, e rua da
Moeda ti. 23.
JoSo Damasceno Pacheco, de presente
morador em trras do engeoho da Kscada.
muito grato ser a pessoa que lhe der noti-
cia, certa da eislencia ou morte de seu fi-
Iho, Simplicio Alves Pacheco, o qual fora
recrutade- no anno de 1851, e logo remettido
para o sut do imperio, pede porUnto aos ha-
bitantes, Unto das provincias do sul, como
do norte, que lrern o presente annuncio.que
por bondade declarem o que souberem a
respeito, podendo dirigir-se por carta nesta
provincia ao Sr. Rufino Jos Fernandes de
Figueiredo, na secretarla da presidencia.
Precisa-se de um feitor para sitio
no sobrado da rua da Gloria n. 7.
veraenie tem de chegar a este porto o bri-
goe denominado Pescador, pertertcente a
mesma, avisB-se a todas as pessoas interes-
sadas na compra de taes navios, para que o
examinen), podendo dirigir ao obaixo assig-
nado. no seuescriptorio, rua da Cadeia do
Recife: o supradito leiklo ter lugar logo
que o mencionado brigue, regressar nesta
viagem. Por Francisco Gomes de Oliveira,'
Jo3o da Cruz Macedo.
Barlbolomeo Francisco de Souza, len-
Jo o annuncio dos Srs. K. C.'Yates & Com-
panhia no Diario n. 17, em que di? ser se-
ment verdadeiro o xarope de bosque que
se vende nesta eidade na pbarmacia do Sr.
Jos da Cruz Santos, ohde fez deposito o
Sr. Manoel Alves Guerra, que recebeu delles
proprietarios, declara ao publico, que nSo
duvida seja falso o xarope de'bosque que
tambem vende em sua botica, mas assevera
que elle he comprado aos mesmos Srs. R.
C. Yates & Companhia, do Rio de Janeiro,
como provam os documentos abaixo :
RIO UE JANEIRO 8 DE AGOSTO DE 1856,
O Sr. Bartholomeo Francisco de Souza
comprou a R. C. Yates & Companhia :
* duzias do garrafas com xarope
do bosque a 54JKI00.........216S0OO
6 duzias de 1|2 garrafas com xa-
rope do bosque a 273000......162*000
Rs. 378*000
Recebi o importe cima, do Sr. Antonio
'oaquim Vieira de Carvalho. Rio de Janeiro
de agosto de 1856. Por R. C. Yates &
CompanhiaJos Paulino Baplista.
Reconbeco verdadeiro o signal supra. Re-
oife 8 de agoslo de 1856.
Em f de verdade.
Manoel Hilario Pires Fe'rrSo.
RIO DE JANEIRO 18 DE FEVERFIRO DE
1857.
Os Srs. Constantino Gomes de Faria & Fer-
reira compraram a R. C. Yates S Compan-
hia :
* duzias de garrafas com xarope
do bosque a 5*000........; 216/000
6 duzias de i\-2 garrafas com xa-
rope do bosque a 275000......162/000
Precisa-se de uma ama que tenha boni
leite, forra ou captiva : na rua da Cadeia di
Recife, loja de chapeos n. 46, se dir quem
precisa. ^
Precisa-se de um preto para todo o
servic.0 de rima casa estrangeira, paga-se
bem: na rua da Cruz n. 33.
. Precisa-se comprar taboas de uma ar-
magao velha : quem tiver para vender, diri-
ja-se a rua das Cruzes n. 13.
--Os abaixo assignados, filhos e genro
de Miguel Francisco Diniz Machado, e de sua
mulher ja fallecida D. Antonia Joaquina de
Agujar, fazem publico, e em tempo que n3o
conlormam-se com a escriptura da acom-
modacao que fizera o mesmo seu pai e so-
gro ao Sr. Feliciano Joaquim dos Santos,
a respeito da questo que este senhor enca-
minhou com o terreno denominado Canha,
o qual sempre fora de propriedade do enge-
nho Dona, pertencente ao dito Miguel Fran-
cisco Diniz Machado, e seus herdeiros : t3o
reconhecidos serem deste engenho Dona,
e nao do Frescodim como quero Sr. Felicia-
no, que algumas plantas feitas no terreno
em questao para o engenho Frescondim, tem
sido com consenso do engenho Dona, como
succedeu quando all esteve o fallecido Qui-
nao Joaquim de Barros; tanto mais, nSo
concordara com tal escriptura, quando re-
conbecem a irregularidade cora que for ella
selebrada ; e por consequencia nulla, uma
vez que se nSo deram as formalidades que
nos parece precisas, bem como sermos ouvi-
dos na quahdaue de herdeiros do casal,' visto
como ja bavfa fallecido nossa nuli e sogra.co-
mo porque existindo orphSos.e alguns maio-
res.no nos consta que fosse ouvido o juizo :
anda mais nos parece nulla por nSo ter as-
signado a mulher do Sr. Feliciano, e nem
outrem por ella. Portanto scienuficamos
ao Sr. Feliciano Joaquim dos Sanios, e a
quem mais convier, que nao concordamos
com tal contrato nullo, e perante o publico,
prorestamos por qualquer procedimiento do
Sr. Feliciano, acerca de ditas trras.
Engenho Dona 10 de maio de 1857. Jos
Joaquim Ferreira-----Jos Francisco Diniz
Macbado.|Claudino Jos Machado. Ar-
STT
Rs. 3789000
R. C. Yates &
Recebemos o importe. Por
CompanhiaW. C. Cerwartt.
Nos abaixo assignados declaramos que
compramos o xarope cima para o Sr. Bar-
tholomeo Francisco de Souza, de Pernam-
buco, em virtude de sua ordem de 3 do cr-
reme. Rio de Janeiro 18 de fevereiro de
1857.Constantino Gomes de Faria & Fer-
reira.
Reconhego ser verdadeiro o signal supra
de Constanlino Gomes de Faria & Ferreira.
Rio 18 d fevereiro de 1857.
F.m f de verdade.
Pedro Jos de Castro.
Precisa-se de urna pessoa para o ser-
vico interno de uma casa estrangeira, que
entenda de cozinha : na rua Nova n. 17.
Preci.a-se de uma ama para o servigo
interno de uma casa de pouca familia: na
praca do Corpb Santo n. 17.
Sacca-se sobre a praca do Porto : na
rua da Sanza-Nova n. 4.
Fugio no dia 20 do crente o mulato
Reginaido, com idade de 2* a irnos, pouco
mais ou menos, de estatura baixa, cabellos
carapinhos, rosto compriJo, nariz aquilino,
com muito pouca barba : quem o.pegar, le-
ve-o a seu senhor Antonio l.eite Pereira Bas-
tos, na rua da Cadeia n. 17, que ser bem
recompensado.
- Olllm/Sr. Dr. Jos Nicolao Riguei-
ra Costa, e mjor Manoel Claudino de Olivei-
ra Cru' queiram mandara rua da Cadeia do
Recife loja n. 50, rsceber cartas vindas do
Assu', acotnpanhando' a daquelle outro, um
caixaozinho.
DE
pianos fortes.
Em casa de Timm Morasen & Vinassa.pra-
ga do Corpo Santo n 13,
L1VR0S EM BRANCO DE HAMBURG0.
Em casa de Timm Morasen & Vinasaa. pra-
ca do Corpo Santn. 13.
ogo do sTTJose Antonio de Alouquerque.
Jos Gomes de Mello.
^ Na consultorio do fallecido Dr. Paula
j. Ramos, eiislem diversos medicamentos
hompopathieos, limaras, tubos vldros e
fP lbulos inertes, todo se vende por mailo
t menos de sea val r, para liquidacSo : os
*T pretendentes dirjame rua do Encan-
W amento, sobrado da esquina do beccu da
^ Cacimba.
Precisa-se de um leitor para um si-
tio perlo da praca. paga-se bem, sendo
iiel e tendo boa conduta : na rua do Tor-
res n. 38, segundo andar.
Os abaixo assignados, com-senhores
do enhenho Matto-Grosso, na eidade do Rio
Formoso, declarara ao Sr. Joo Rento de Go-
veia, que haja de suspender oalevantamjen-
to do novo engenho que est levantando em
Ierras do dito engenho cima, para poupar
osabaixo assignados o faze-lo judicialmente,
caso o nSo faga. Recife 25 de maio de 1857.
Manoel de Moura Silva de Aginar.Ma-
noel Elias de Moura.Francisco, Machado
Teixeira Cavalcanti. *
Tresse. fabricante de or*
gaos e realejos, rua das
Flores n. 19,
avisa ao respeitavel publico, que concerta
orgSos e realejos, poe marchas modernas
deste paiz, coucerta saraphinas, pianos, cai-
xas de msica, acerdeoes e qualquer ins-
trumento que appareca, e tambera faz obra
nova. Na mesma casa fabricam-se cxas
para joias de qualquer nalureza, retratos,
carteiras homeopathicas, estojos, faqueiros,
etc, etc.
Um mogo prope-se a ensinar primeirs
lettras em sua casa, na travessa da rua do
Queiraado n. 1, ou mesmo em casas particu-
lares: os pais de familias que quizerem hon-
ra-lo cora seus ilnoa, poderao dirigir-se a
qualquer hora do dra.
- Na taberna das Cinco Ponas n. 93,
precisa-sede um caixeiro para tomar conta
por balance.
Quem precisar de um mogo com ha-
bilitages pira caixeiro de loja de fazendas,
que tem alguma pratica de escripta, dirija-
se a rua estreita do Rosario, taberna n, 1
Vendem-se 3 escravos de idade de 16,18 e
24 anuos, bonitas tiguras, muito sadios e
robustos, proprios para todo servico : os
pretendentes dirijam-se ao aterro da Boa-
vista, terceiro sobrado, segundo andar, jun-
to a o Sr. Leconte.
Quem precisar de aterrar qualquer ter-
reno ou alagado, dirija-se a rua do Mond*-
go n. 99. Na mesma casa se dir quem m
uma canoa aberta, que pega um milheiro
de tijolo de alveuana grossa, para vender
por prego commodo.
J. James Grevins e sua mulher reti-
ram-se para Europa.
' ATTENCAO.
U >r. (i5c.il da freguetia de Sanio Antonio lanee
suas vistas para um quintal que lem na roa do Li-
vramentoTi. 27, sobrado de tres andares, e veja por
oslo o estado em que se acha esle quintal, pois ja
nao se pode mais aturar semelhanle (edito, qoe exa-
ia deste bello quintal, emfim s com a sua presenta.
Una visioho.
Vende-se farello de superior quali-
dade, chegados ltimamente de Lisboa,
o$ e tfOOOrs. a sacca, conforme a qua-
lidade : no armazem do Sr. Luiz Anto-
nio Annes Jacome, defronte da alfan-
dega.
Itelog-ios.
Francisco Jos Germano, relojoeiro, com
loia na rua Nova o. 21, avisa ao respeitavel
publico, que acabado contratar com os pri-
meiros fabricantes, tanto de Inglaterra co>no
de Franga e Suissa, para os mesmos lhe fa-
zerem remessas dos mais acreditados relo-
gios, tanto de prata como de ouro; assim
como se encarrega de fazer qualquer encom
menla tendente a sua'arte como de outra
qualquer, pelo que proraetto o boni desem-
penho de tudo que lhe for encarregdo. Na
mesma loja existe um grande e variado sor-
timento de relogios de ouro e prata, paten-
tes, de todas as qualidades, ditos americanos,
de um gosto moderno, ditos com desperta-
dor, com corda para 3 dias, ditos america-
nos com corda para 8 dias. ditos de parede
com msicas, grandes de 6 pegas, pndulas
ricas, proprios para repartigSo ou escripto-
no, despertadores pequeos e grandes, cor-
rentios de ouro, ricos sinetes, correntes de
ouro das mais modernas, superiores oculos
para theatro, ditos de ouro do melhor gosto,
ditosde ago comosaros os mais finosque tem
apparecido, lunetas de ouro, ricos botoes
para punho, relogios de ouro com esmalte
de brilhanies para senhora, um sortimento
de anneis de ouro, e outros muitos objectos,
que serSo apresenlados vista dos compra-
dores.
0 ahaixo assignado, 6,lho do fallecido
commendador Luiz Gomes Ferreira, declara
novamente que vendo-se perseguido por
contas de Luiz Gomes Ferreira Jnior nao
se responsabilisa por ellas, pois que se as-
signou sempreLuiz de Moraes Gomes Fer-
reira.
A viuva de Manoel Fran-
cisco Rihetro, moradora na rua do Sol n. 7,
continu'a a fazer cangica tortos os domingos
e dias santos, em quanto houver milho ver-
do : recebe as encommendas na vespera, e
nada diz sobre o bom desempenbo, porque
j he bem conhecido o seu t abalho.
-~ No dia 30 do corrente mez, depois da
audiencia dot)r. juiz municipal da segunda
vara, se bao de arrematar por venda, na ca-
si das audiencias, o resto dos bens penho-
rados a Luiz Pires Ferreira, por execugo de
D. Marianna da ConceigSo Pereira, escrivSo
Baptista, por ter transferido para a primei-
ra audiencia o mesmo juiz.
Precisa-se de um bom amassador : na
padaria na rua atraz da matriz da Boa-Vista
n. 26.
' D-se 253000.
Precisa* d alugar um preto possante :
na rua d^kangel n. 13.
Precisa-ae de urn Hornera para traba-
Ihar'em um sitio, e botar sentido aos escra-
vos, e tambem precisa-se daum ou dous ra-
pazes que se quizerem propof servico do
mesmo sitio, ou a corte de capim : na loja
de fazendas, no Passeio Publico n. 7.
Do engenho Soledade, da freguezia de
Ipojuca, fugio um escravo cabra de nome
Jos, com 50 annos de idade, altura regalar,
secco do corpo, cabellos crespos e poucos
brancos, pouca barba, olhos embranquica-
dos, e tem falta de denles na frente, os de-
dos grandes .dos ps torios, e as pernas zam-
bas, levou caiga de algodao azul, camisa de
madapolo, jaquel preta, chapeo de palha
tinto de preto, e alem deste uriforme, levou
mais roupa : este escravo he bastante pro-
sista, e tem porcostume quando foge incul-
car-se por forro : desconlia-se que ande a-
qui na eidade : quem o apprehender qoeira
o cpnduzir ao engenho cima, ou ao Sr. Jos
Joaquim de Miranda, junto ao arco de Sanio
Antonio, que ser bem recompensado.
Na rua estreita do Rosario n. U, pre-
cisa-se alagar uma negra que seja fele boa
cozinheira.
O abaixo assignado faz sciente a quem\
convier, que na quali.ladede testamenteiro
do finadManoel Moreira da Silva, que ten-
do de dar principio ao inventario do mesmo
finado, e por isso roga a todas as pessoas que
cora o mesmo liverem contas, de aprsente-
las no prazo de 8 dias, a contar da data des-
te, para serem altenlidas no mesmo inven-
tario. Outro sim, todos os devedores do ar-
mazem de carne secca, em que* o mesmo
finado tinha sociedade, queiram quanto an-
tes pagar seus dbitos ao Sr. Jos Joaquim
Martins, pessqa habilitada para este fim, por
ser socio do mesmo, e como tal Ifquidatario
da exlincta firma : esta declarago se faz pa-
ra livrar de futuras duvidas. Recife 27 de
uiaio de 1857.Jos Joaquim da Costa Maia.
O Sr. Joaquim Pinto da Cuuha queira
apparecer no prazo de 8 dias, no pateo do
Tergo n 19, afim de tirar um seu penhor, do
contrario ser vendido para pagamento Jo
principal e juros ; e para que nSo se chame
a ignorancia, az-se o presente. Recife 26 de
maio de 1857.
Precisa-se de uma ama que saiba co-
zinhar e fazer todo o mais servigo de casa :
na rua do Caldeireiro, taberna n. 60.
Precisase de um criado que d fiador
a sua conducta : na rua do Hospicio n. 56.
Precisa-se de um ofllcial de barbeiro:
na rua larga do Rosario n. 33,
PROVINCIA.
O Sr. thesourelro das loteras manda
fazer publico, que se'acham- a venda, no
pavimento terreo da casa da rua da Au-
rora n. 26, bilhetes, meios e quartos, da
ultima parte da quarta e primeira da
quinta lotera de Nossa Senhora do. Gua-
dalupe da eidade, de Olinda, das 9 horas
da manhaa a's 8 da noite, cujas rodas
andam no dia 30 do corrente.
Thesouraria das loteras 23 de maio de
1857.Jos' Januario Alves da Maia, es-
crivao das loteras.
Bilhetes d visita.
Gravam-M e imprimera-se com perTefcSo bilhttei
de;visita, lettras de commereio e todos oa objectos da
arle ealigraphiei, recislrae, vinhelase qoaasqoer de-
searlos. Abrem-sa firmas, sinetes. tanto a Ulh* alt-
ee como (Di relevo, oroameolos eom objeclos dcoar-
e prala. Fazem-se riscos liados e originaes para
bordados de labyrintho. Admilu-M a recua* ds
quaesquer destos objeclos do caso da nao ficarem o
conteni das pessoas qoe oa encommtodarem : quem
pretender dirija-se a qaalqner dtstes lugares : no
bairro do Recite, nm da Madre da Dos n. 92, pri-
meiro andar ; em Saote Anlonio, na livraria dataica
do'.pateo do Coilegio n. 2'; n. meo Poutos, sobra-
do da quina confronte a matriz Aova.
PBLICACAO' RELIGIOSA.
. O Brasil.
Peridico Cathollco, Litterario, e Noticio-
so, publicado no Rio de Janeiro, subscreve-
se na livraria' n. 6 e 8, na praga Ja Indepen-
dencra a 65 por semestre, pagos adiantado.
Compra-se effectivaraente bronze, la-
t3o e cobre velbo : no deposito Ida fundigSo
da Aurora, na rua do Brum, logo na entra-
da a. 28, e na mesma fundigSo, em Santo
Amaro.
Na noite de 26 para 27 do correte, foi
aberta' a gasu'a, a taberna o. 79, da rua do
Rangel, d'onde levaram varios genero, e
uma mesa com gaveta, a qual eslava faena-
da, talvez suppondoque havia dinheiro 1 ro-
ga-se aos autores, queiram mandar tetar
por baixo da porta os papis que estavara na
referida gaveta, e que fiquem com o mais,
alias perseguir com o rigor da lei.
- No dia 9 de junho prximo vindouro,
tem de ser arrematados em praca pabilo*
do Sr Dr. juiz municipal da primeira vara
desta eidade, 10 escravo*, penborados pelos
credores do fallecido coronel Francisco Ja-
cintho Pereira, para pagamento de suas exe-
cugOes, cujo escripto se acha na m5o do
porteiro dos auditorios* be a ultima praca.
Do poder do abarlo assignado desen-
caminhou-se uma lettrada quantia de^OO,
sacada pelo mesmo abaixo assignade, e a-
ceita por Antonio Flix Machad, alo dia 15
de abril prximo passado.a prazo de 6 mezes,
e como a dita lettra tenha as costas o tras-
passo passado "no dia 11 de maio do corren-
te, previne-se para qoe ningaem faga nego-
co.visto ja o aceitante estar prevenido.An-
tonio Carneiro Pinto.
O abaixo assignado roga ao aotor do annoacio
do Diario de 28 27 do carrate, o qasl peda qtw
appareca ao sierro da Boa Vina a. 16, a eoaeluir
um negocio sobre ato relogio, queira fazer ver co-
mo foi esse negocie.J. A. Mele Raso.
Haveodo sido poblicados ao Diario da boje
algans docomantos concernenles a qnestSo, que 00
joiio munieipal da primeira vara pende entra o
fc.xm.Sr. senador Aulooio 'fith Oanlas de Berros
Leile e a Euna. Sra. D. Joasma Mara de Dns Go-
mes Ferrao, sobra a servido ha longo lempo, et-
(abelecida na caa da roa do Hospicio a. 3, compra-
da por aquella Sr. senador ao Sr. Dr. Jos Aagnsto
Cesar Naboco de Araojo assegura-se a qnem le a
feliz lembranja de tratar dootribunaes para a im-
prensa a apreciacSo da predila qoesUlo, eom a omis-
So das suas priocipaes cireunstUncias, talve* para
fondor preven^jss, que brevemente por esta asesino
orgo so demonstrara' conj provas ineoncossas de
que lado millum araaSo o a Justina, apar isso coo-
vem que o respeitavel pnblieo sgoarde-se para eoto
poder melhor juizar a qaeaiao.
JoSo Fernandos Prente Vianna o ra senho-
ra retirando-se para a Earopa ao vapor Tstenla,
padem descalpa as pessoas da soa amizade, de qoesn
deiiaram de despedir-so pessealmeBle, o eflorooom-
Ihes o sea preslimo servicos em qaotnner parto
qoe se acharem.
Antonio de Azevedo Pereira o roa senhora,
reliram-se hoje para a Earopa as vapor Teatoaia,
pedem descalpa as pessoas de ana amizade, de quem
deisaram de despedir-se pessoslmente, taolo nsata
prata como na cidede do Araeali, onde forara esla-
belecidos porquasj 35 annos, recebendo obsequiosas
atlensoes de todos, a qaem por este molo leslemu-
oham sea reconheeimeolo e eterna gratidao, offere-
cendo-lhes seos prestimos servicos oto qoiloaer \a-
gar qoe seaeharem.
Necessila-oede orna cozioheira forra 00 capti-
va para ama pequea familia, a que leona boa 01
docla: oa rua da Roda n. 16, qoe dir* a pesi
que pretende.
O abaixo assignado, roga a toda e qaal
quer pessoa que se julgar credor da taberna
sita era Campo Verde, da qual he caixeiro o
Sr. Bernardo Rodrigues G. e Costa, baja de
apresentar sua conta ate o dia 30 do corren-
te : narua daSenzalla Novi-n. 20, onual
undo o dito prazo, nSo se responsabilisa por
qualqner debito que apparega, sera que seja
contrahido pelo abaixo assignado.Antonio
Ribeiro Fernandes.
Elias Emiliano Ramos, vende um sitio
na Casa-Forte, mesmo por troca de lettras,
a inda mesmo de remissos devedores : com
tanto que tenbam bens livres de dividas, cu-
jo dono esteja sugeito a peana do Ex Sr.
Dr, Peretti; o sitio regula de 900 a IflOO pal-
mos de fundo, com larguar proporcional,
tem mais de 100 arvoredos,3 cacimbas, e ma
casa.
-- Na rua do Brum n. 22, armazem de
Luiz Jos deS Araujo, ba para vender au-
Penor cera de carnauba em saceos, vasos
esmaltados para quem tiver bom gosto, para
sitio; tem amostras, no armazem de Justino
Antonio Pinto, atraz do Corpo Santo; pre-
suntos do Porto na taberna' de Antonio Lo-
pes Braga e vimes que vendem-se em conta
para liquidar contas.
Continua a estar fgida a mulata es-
crava, de nome Rosa, de 35 annos de idade
pouco mais ou menos, estatura baixa. gros-
sa do corpo, cabellos quasi carapinhos, uma
cicatriz no beigo superior, cor paluda, ma-
gaes do rosto altas, e bunda grande : quem
aprisiona-la dirija-se a rua das Lalangpi-
ras n. 26,qae ser generosamente recompeu-
Venda-se por barato prego, nma ma-
china de novo modelo, para fazer colehetes
de varios tamanhos, e dos mais modernos
que tem vindo da franca, esta machina he
bem construida e est montada para traba-
tfcar muitos aonos : a tratare ve-la nb pateo
da Santa Cruz n. 8, junto a taberna.
ROB LAFr'ECTEUB,.
O tnico autorisado por decisao do caiHHo nal,
decreto imperial.
Os mdicos dos bospitae recommendam o
arrobe de Laffecteur, como sendo o nico
autorisado pelo governo e pela real socieda-
aedjjaiedicina. Este medicamento do um
gostff agradavel e fcil a tomar em secreto,
estaem uso na marinha real desde ?nais de
feo annos; cura radicalmente em pouco tem-
po com pouca despeza, som mercurio, as af.
roegoes da pelle, impingens, as consequen-
cias das sarnas, ulceras e os accidentes dos
partos, da idade
redilariados
rhos, a bexi
dos orgaos,
goes ou de
o arrobe cura"
ceutes ou rebeldes,
cr
r
Fda acrimonia he-
nvm.aoa catar-
e a fraqueza
das injec-
syphili ticos
Hpo os fluxos re-
que volvem incessanUs
em consequencia do emprego da copahibe,
da cubeba ou das injeegoes que representem
o virus sem neutral isa-lo. O arrobe Laffec-
teur he especialmente recommendado con-
ira as doengas inveteradas ou rebeldes ao
mercurio eao iouoreto de potassio.Lisboa.
Vende-se na botica de Barril e de Antonio
Feliciano Alves de Azevedo, praga de D. Pe-
dro n. 88, onde acaba de ebegar uma gran-
de porcao de garrafas grandes e pequeas
vindas di -ectamente de Paria, de casa do diio
Boyveau-Laecteur 12,rua hiebeheu Paxis
Os formularios dao-se gratis em casa do a-
gente Silva, na praga de O. Pedro n. 82 ~
Porto, Joaquina Araujo ; Babia, Lim&Ir-
"Sf Tmbaco Soum i R0 de ^Deiro,
Rocha & Filhos; e Moreira, loja de frogas ;
Villa Nova, Jo3o Pereira de Hgales Leite
Rio Grande, Francisco de Paula Couto o; *
MiiTiiann ^


xnmwffl'
DIARIO DE PERNAMBUO QUINTA FEIRA 28 DEMAIO DE 1857.
Sala
para alu-
gar.
, Altiga-se urna grande sala e um quarto
com duas janellas para ra, sendo na ra de
Hortas n. 16 : tambem se d a comida : be
casa propria para algum senhor acadmico.
O abaixo assignado declara que o an-
nunci) publicado no Diario de 25 e 26 do
correte ficam de mnhum effeito. por isso
que o Sr. Monte Raso chegou a conclusao do
negocio sobre o relogio, nao havendo da
parte do mesmo senhor repugnancia alguma
no cumprimento do referido negocio, por
isso que era alheio a todas as cartas que Ibe
dirig, em virtude de nunca as ter recebido.
Carlos Walter.
Eu abaixo assignado declaro que as
palavras que tenbo dito contra o Sr. C. Wal-
ter, no dia 21 do corrente mez, na Soledade,
foram involuntarias e faltas sem pensar : re-
tiro estas palanas e peco perd9o ao sobre-
dito senor. O. Gourlet.
Precisa-se de urna ama para ftodo o
servido de urna casa de pequea familia : na
ru da Roda, sobrado n. 36.
Precisa-se da quantia de 8002(000 por
tempo de 6 mezes, dando-se por seguanca
urna boa escrava engommadeira e cozinhei-
ra, de 25 a 30 annos, e sadia : dirija-se a
travessa da ra Direita para i Penha, taber-
na de JoSo Pinto, que se far este negocio.
Na manbSa do dia 22 de maio deste
anno de 1857, ausentou-se do engenbo Ma-
Upiruma da freguezia da Eacada, um escra-
vo de Flori mundo da Silveira Lins, morador
em dito engenho. O mencionado escravo
cnama-se Jos, com idade de 18 a 20 annos,
be cabra claro, altura mediana, cabeUos ca-
rapinbos, sobrancelbas grossas e encontra-
das, nariz um tanto afilado, espadaudo em
proporco ao corpo. tem um dos dedos de
um dos ps torcido por cima do oollegar. O
djto escravo foi morador no sertao e lugar
Pao das Trras, aonde foi vendido, veiopara
c"iru' vendido ao annunciante em abril
ultimo: quem capturar dito escravo e en-
tregar no referido engenbo, ser bem re-
compensado,
Advocado na Bahia.
O bacliarel Jos Martins Alves, advogado
na cidade da Bahia, ra dos Droguistas n.
51, primeiro andar, offerece o seu pequeo
prestimo aos senhores desta cidade e pro-
vincia, qqe all tiverem dependencias em
qusquer negocios que tenham de correr
pelos diverso tribunaesoa repartices pu-
blicas. As cartas que lbe forem endereca-
^7?" '*'em sua aus'encia, aos Srs. Al-
tea, Fabo t Companhia, com loja de ferra-
5Ba ra e casa. As procurares
ir poderes para substabelecimen-
rrioa serSo pagos conforme as
convencoes, e sem pro naquella cidade, para
o que devera haver alli pessoa cotopetente-
meiite habilitada. ; ^^
_ rO Sr. Joao "JSepomuceno Coelho da
Silva, tenba a Bfendadc de ir a travessa
da Madre de Deoen. tk primeiro andar
a negocio de seu interesse.
Attenco
R. C Yett* & Coaipanbia: estabelecidos
no Rio de Jaaeiro. na ra do Hospicio n. 40,
vendo um annuncio publicado em urna das
Tomas de Pernambuco pelo Sr. Bartholomeo
F. de Souza, preveuindo ao publico que o
verdadeiro jarope do bosque s elle be
quem vende^r^animos ao mesmo publico,
que o nosso lasMe be remettido do Itio de
Jrneiro pelos cima proprietarios ao Sr.
Manoel Alves Guerra, e este senhor fez o de-
posito para ser vendido na pharmacia do Sr.
Jos da Cruz Sahlo, na ra Nova n. 53, ni-
cos por nos autorisados para venderem o
nosso verdadeiro," e mais prevenimos aos
senhores consumidores, que ba perto de 5
annos os rotlos collados as garrafas sSo
assignados por Henry Prios, como procura-
dores dos cima proprietarios. Rio de Janei-
ro 13 de Janeiro de 1857.
Cootinua-sea precisar dealugar urna
ama secca de portas a dentro: na ra lar-
ga do Rosario n. 40, segundo andar.
WomptH*.
Ossos.
Na ra da Sensala Velha n. 116, compram-
se ossos de boi.
Compram-se travs de 25 a 35 palmos
de comprimento, e palmo de grossbra : na
livriria da praca da Independencia n. 6 e 8
Compra-se urna cabra costumada a
criar menino : na ra de S. Francisco, so-
brado n. 8, e na livraria n. 6 e 8 da praca. da
Independencia.
Compra-se efectivamente na rna das
Floras n. 37, primeiro andar, apolices da di-
vida publica e provincial, acc.0es das compa-
nhia.;, e d-se diobeiro a juros, em grandes
e pequeas quantias, sobre penhores.
Compra-se efectivamente cobre ve-
Iho, seja de que obras for, forro de navios a
300 res a libra, e lati a 260, e peridicos a
45061) arroba; no pateo do Carmo, esquina
da ra de Hortas n. 2.
Compra-se um sitio perto da praca e
urna casa terrea nesta cidade : a tratar na
ra do Cabug, loja dedurives n. 1 D.
Compram-se barris de vinho que n3o
tenba mistura d'agua: na rna da Senzala
Velba n. 110, deposito de bebidas espiri-
tuosas.
Compram-se duas portas de 4 a 5 pal-
mos de largura, e de 6 a 8 palmos de altura,
delouro, ou cedro: quem tiver annuncie
para ser procurado.
Na ra daa Cruzes n. 13, compra-se
urna armacao velha, ou taboas j servida* de
qualquer estabelecimento.
Compram-se rouedas de prata de 500 e 1 eom
o premio de dous por ceoto: Da roa da Cadeia do
llecife, loja de cambio o. 38.
***.
Na ra da Cadeia do Recife, loja n. 50,
ha para vender urna preta que faz o servico
de ama casa, lava e he apropriada para ven-
der na ra.
Vendem-se 2 moleque pecas, de bo-
nitas figuras, de idade de 10 amos : nos
Coelbos, primeiro sobrado, a direfl i, com 7
janellas de frente.
Molas para ca
Vendem-se excellentes molas pi
na ra da Cruz n. 20, armazem de F. Souva-I
gefle.
AVISO AS' SENHORAS DO
BOI GOSTO.
.. Pelo ultimo vapor chegou nova loia ao
pe do arco de Santo Antonio, um corneto
beca de senhora, assim como ricos enfeites
para cabt'Qa de senhora e para meninas, ri-
cos enfeites para pescoco, tanto p8ra senho-
ra como para meninas, ricas luvas enfeita-
das, do mais moderno gosto que tem vindo
a esta praca, iencojJjcetroz bordados, de-
licadas duqueztts pafCieatdos, ricas cam-
bra ias de padr&i de* 11* a 480 a vara, di-
tasa 460, corte* de la para vestidos a 5S500
diUs para corados a 400 rev, enales de me-
rino de todas as qualidades, ricas chitas
francezas imitando cassas a 280 o covado,
ditas a 240, mussulinas de todas as qualida-
des, toucas de 13a para meninas, sapatiohos
pura meninos, e tudo se vende por barato
preco, s para este novo estabelecimento
adquerir freguezia.
Vestidos a IsOoo.
. Vendem-se cortes de vestido de chita lar-
ga a dez tustOes cada corte : na loja de 4
portas na ra do Queimado n. 10.
Precisa-se de urna criada que laye,
en^omme e cozinhe : na ra Nova 38.
Vende-se urna excedente eacrava no-
ca, son vieras nem achaques, o que se afi-
ance, sabendo lavar e engommar perfeita-
mente : na ra da Gloria n. 55. Na mesma
vende-ve um sellira em mio uso, com todos
osseus pertences.
Veidem-se bolachas grande* ameri-
canas a 120 rs. a libra : na ra das Cinco
Pontas n. 93, pateo do Terco n. 21, e pateo
da Penha n. 10.
para os horneas
que tiverem bom gosto.
Vendem-se muito bons es tojos proprios
para viagem, por terem todas os arranjos ne-
cessarios para barba, pelo barato preco de
lj, 2, 39, 49, e 5 cada um, esporas muito
finas de casquinha e ac a 18 o par, caixas de
tartaruga muitissimo boas para rap a 4 e
50000, ditas de bfalo, fazenaa muito boa
a 19500 e 2/500, ditas muito finas de massa
a ti, ricas charuteiras a 29 39 e 49, ponteiras
de mariim de unicorne paja charutos a 500
e 600 rs., carleiras proprias para viagem a
39, 59 e 69, grava tas pretas e de cores, fazen-
da muito boa e muito bonitas a 19,19500, e
29, mantinbas para gravata de meninas a
800 rs., riquissimos caivetes de punhal
com cabo de madreperola e de mariim a 5J e
39, pinceis inglezes muito finos para barba
19 e 1s500 cada um, garrafas de cores com
copos, proprias para lavatorios a 19, galhe-
teirascom todos os vidros necessarios e co-
Iher, pelo baratissimo proco de 29, trance-
lins pretos rolicos e chatos, de borracha,
para relogios a 80, 320,400 e 500 rs., obreias
de cola, enfeitadas, contendo todos os das
da semana, proprias para namorados a 400
rs. cada caixinba, ditas lisas "a 160, escoras
muito finas para dentes com cabos de osso,
muito bonitas, e marfim a 400 rs., 500, 600
e 1#500, ditas com cabo de osso ordinarias a
160, ditas de cabo de osso para unbas a 320,
500, 640 e 19, ditas de cabo de bfalo e de
marfim, tambem para unhas, que se vende
barato, ditas inglezas muitissimo boas para
cabello pelo barato preco de 640, 1/500 e 39,
ditastambem muito finas para fato a 19000,
18500, 29 e 39, afiadores inglezes para nava-
Ibas a 19, navalbas as mais finas que se pode
encontrar, para barba, e pelo baratissimo
preco de 29 cada estojo de urna so navalha,
ricas bengalas de bamb' com castOes muito
bonitos, pelo baratissimo preco de 29500-e
39500 cada urna, ditas de canna finas e ordi-
narias a 500 rs., 19, OO e 29500, caixinhas
com pedras de osso, torneadas e muito bem
feitas, brancas e encarnadas, proprias para
jogo de damas e gamao, pelo baratissimo
prer;o de 29, 2#5O0 e 39 a caixinba, lampari-
nas de porcelana e douradas, muito bonitas,
e proprias para oratorios a 29, diversidade
de objectos de oharao e outras muitas cou-
sas de muito gosto e por preco barato : na
ra de Queimado, na bem conhecida loja de
miadezas da boa fama n. 33.
--Veode-se urna propriedade em caixSo,
no lugar denominado Campo Verde : quem
a pretender, dirija-se a ra do Queimado u.
25, a fallar com o Sr. Monleiro da Cruz,, que
dir com quem ha de tratar.
- Vende-se a taberna sita no Campo Ver-
de, muito propria para principiante por ter
poneos fundos, e vende para a trra 16 a 209
rs.; a casa tem commodos para pequea fa-
milia : quem pretender, dirija-se a mesma.
Vende-se urna escrava cabra, de idade
20 annos, sabendo cozinhar, lavar de barre-
la esabo, eugomma soffrivel mente e tem
principio de costura, sem vicios nem acha-
ques : para ver, na ra do|Aragao n. 20, e
ra da Cruz., armazem n. 26,
manhaa as 4 da tarde.
Queimado n. 35, vende-se
1 urna cria, ptima engorn-
heira, e faz o mais servico
para tr
das
u
ma
de casa.
Vende-se urna bonita escrava crioula,
de idade 20 annos, com boas habilidades, e
s se vende para o mato ; urna dita boa co-
zinheira, roa de meia idade, boa quitan-
deira, urna bonita negrinha de idade 11 an-
nos, um moleque de idade 11 annos, um es-
cravo ptimo para tomar conta do um sitio:
na rus de Aguas Verdes n. 46.
Ao JPreguica que est
. queimando.
Na loja do Preguica, na ra do Queimado,
esquina do becco do Peixe Frito n. 2, ven-
dem-se muitas e diversas fazendas por pro-
cos baratissimos, entre ellas notam-secam-
braias francezas, padrOes novos e cores D-
xas, pelo baratissimo prego de 480 rs. a va-
ra, pecas de chitas escuras e de diversas co-
res, de excedentes pannos e cores fixas a 5
e 68000, e a 140 e 160 rs. o covado, lencos de
cambraia para mSo a 120 rs. cada um, mus-
sulina branca o mais fino que hepossivele
delindissimospadrdes a 4*0 o covado, len-
qos de seda de muito bom gosto a 800 js.
cada um, laazinhas de quadros proprias para
roupinhas de meninos, bonitos pannos para
mesa a 19920 cada um, meias casemiras para
calcas e palitos a 500 rs. covado, dita pre-
ta muito fina propria para palitos e caigas a
18200 o covado, e muitas outras fazendas
que se deixam de mencionar, as quaes se
venderao por baratissimos precos.
Livros em braneo.
Jos Nogneira de Souza, com livraria de-
fronte do arco de S. Antonio, recebeu lti-
mamente de Franca urna porcSo de livros
proprios para escripturaQSo commercial, de
muito superior papel pautado, e riscados
com elegante e segura encadernac8o de ca-
murca, guarnecidos de metal, os quaes se
vendem poi precos commodos.
Tentativas poticas.
Ainda existem alguns exemplares destas,
interessantes poesas do Sr. Francisco Gon-
calves Braga, as quaes estSo a venda na Li-
vraria do Nogueira, defronte do arco de S.
Antonio.
Poesas de Furtado Coe-
lho.
Ainda restam alguns exemplares destas
poesias,as quaes se acham a venda na livraiia
do Nogueira, defronte do arco de Santo Au-
tonio. .",.
No litio das Roseiras, do tenente-co-
roneiloaquin Elias de Moura, vende-sl
ma engenhoca ou destoroedo|de canna
tfe duaf'inanjurras, em muito bom estado
ou quasi tovo, todo feito de, pa'o-ferro
ou sicupira, pelo baratissimo prec<> da
importancia das ferragens, feitas na fun-
do Sr.-Mesquita : quem o quizer
contar va' ao sitio cima, que hcara'
satisfeito.Joaquim Elias de Moura.
los senhores donos de
tabernas.
Vendem-se barricas com sardinbas gran-
des e novas, assim como a reiafbo, aos cen-
tos, por preco mair em conta do que em ou-
tra qualquer parte : na ra da Praia, arma-
zem n. 18, de Jos de Helio Costa Oliveira.
; Vendem-se os superiores queijos do
reino, os mais novos neste mercado a 18440 ;
na ra Direita n. 14, esquina de S. Pedro.
\ende-se cha uxim de Pequim, o mais
superior neste genero, cha hyssone preto
na padaria do pateo da Sania Cruz n. 55,
com a entrada pela ra do Rosario : e na
mesmf continuadamente, alm do excellen-
Ve/am.
He chegada ra estreita do Rosario, ta-
berna da estrella n. 16, Os muito bons quei-
jos do Serid multo frescaes, e essim como
queijo do reino de muito superior qualidade
e sardinbas de Nantes, tudo isso por prego
mais barato que em outra qualquer parte.
Alerta, freguzes.
BATATAS HOLLANDEZAS.
J desembarcaram as superiores batatas
hollandezas, em gigos, e vendem-se no ar-
mazem de Barroso: Silva.
Methodo facilimo.
Na livraria da praca da Independencia n.
6e8, vende-se o methodo facilimo-para
aprender* ler, novamente impresso e aug-
mentado, por mil reis.
Ao barato, que se acaba.
He chegado ra do Rangel n. 11 o supe-
plor cha de S. Paulo, o qual se vende em
atas de 1, 2, 4, 6 e 8 libras, pelo diminuto
preco de 19600 a libra.
Aviso aos senhores de
engenho.
Cobertores de algodSo a 500 rs. cada um :
na ra do Livramento n. 16.
Capas e polainas
PROVA D'AGUA
Feitas pelosmelbores fabricantes inglezes.
VENHAM E VEJAM 0* GENTE!! I
Vendem-se de 8 a 129000, iguaes as de 20/:
na ra da Cruz n. 2.
Cobre
para forro de navios: no armazem de
Tasso Irmaos.
Na ra do Rangel 7, vende-se vinho
de caj' engarrafado ha 4 annos, feito na
provincia do Cear.
A \0#00
Vende-se excellente cera de carnauba do
Aracaty, e Assu', de urna sacca para cima,
escolbendo o comprador a sua volitado, pe-
lo indicado preco de 10/ a arroba : no ar-
mazem de D. R. Andrade & C, ra da Cruz
n. 15.
relogios de pa-
tente
sortimento dos mais ricos cbapeos'paTa'cal f6, P! ? t.dfS "8 d,onominces e bolachas
iw. nhnr ,.;m !" 5:!.-' "*** furadas de todos os tamanhos, tambera ven-
de caf cm gr3o, dito moido, assucar refina-
do e caixOes de doce de goiaba.
Vendem-se toalhas e lencos de labyrin-
tho, de muito bons gostos, e saias de cacun-
d ; assim como esteiras de carnauba e
gomma de mandioca, vindo tudo ha pouco
do Aracaty, e por preco muito commodo :
na ra de Apollo n. 12. ,
* MALABAR.
O 39 A, confronte ao Rosario em Santo
Antonio, vende esta muito til agua para
tingir cabello, por um preco muito simples ;
assim como vende urna outr* agua que tira
nodoas da pelle, ou de qualquer fazenda.
Venda de
pianos.
Vendem-se muitos lindos e excellentes
pianos, ebegados ltimamente de Ham-
burgo, e com lindos retratos no frontes-
picio : na ra da Cruz n. 55, caa de J.
KellertC.
inglezes de ouro, deaabonet^Sde vidro :
vendem-se a preco razoaveIjl casa de
Augusto Cesar de Abreu, na #^i da Ca-
deia do Recife, armazem n. 16.
Claudio Dubeux
Vendem-se velas mistas, proprias para
matar formigas", e para que estao muitissi-
mo approvadas : noseuescriptorio, ra da
Cadeia de Santo Antonio n. 13,
CLAUDIO DBEX
Vendem-se velas estearinas, proprias pa-
ra carros, a 19120 cada pacote de 8 velas,:
no seu escriptorio, ra da Cadeia de Santo
Antonio n. 13.
Claudio Dubeux
Tendo recebido urna factura de 2,000 bar-
ra de plvora, dos melhores fabricantes,
vende-os a 149000; as amostras acham-se
no seu escriptorio, ra da Cadeia decanto
Antonio n. 13. w
Attenfto,
Vendem-se pecas de chita de muito bons
pannos, pelo baratissimo preQ de 5/ a peca,
jue sabe o covado por seis vintens e dez rs.,
a porcSo he pequea : portanto quem gosta
de economa deve-se aproveitar : na ra do
Crespo, loja da esquina junto ao arco de
Santo Antouio, e na loja de 4 portas n. 12.
. Charutos de Hava-
na: vendem-fse em casa
deC. .). Astley&C.
Chapeos de fel-
tro e bonet de cabello pa-
ra meninos.
Vendem-se ricos chapaos de teltro para
meninos, enfeitados com nas e plumas, pe-
lo baratinho prego de 39500, bonetes muito
lindos de cabello a 29 rs. : na ra do Quei-
mado, na bem conhecida loja da boa fama
n. 33.
Sellins e relegios.
SELLINS a RELOGIOS de palete
inglez : a venda no armazem de
Roalron liooker & Compa'nliia, e-
quina do largo do Corpo Santo Da-
mero 48.
Sao muito jias
e de muito bons gostos.
Mussulinas muito finas, matizadas com
jindas cores, de padres muito bonitos e
inteiramente novos; vendem-se pelo dimi-
nuto preco de 560 rs. o covado : na ra do
Queimado n. 22, loja da boa f.
Copo d^e lustre.
^Vende-se couro de lustre francez, o me-
Ihor que pode haver Deste genero, pelo ba-
rato preco de 59 a pelle : na ra do Quei-
mado, na bem conhecida loja de miudezas
da boa fama n. 33. ia>
Sellins
patente inglez.
Sao chegados e acham-je a venda oa verdadeiroi
e bem condecidos sellins inglezea patenta : na roa
do Trapiche-Novo n. 42, armazem de fazendas de
Adatoaon Howie &C. .
Planta da
praca
uinta
Em casa da Saunders Brothers C.,
do Corpo Santn. 11,ka para vendar o se
Farro inglez.
Pixeda Sueeia.
AJcatro de carvo,
Eonas de linho.
Esponjas.
Drogas.
Algodolizopara saccas.
Dito antrancado igual ao da Bakia
E umcoapleto sortimento da fsendasproprio
para asta mercado tudo por preco commodo.
Moinhos de vento
com bombas derepnxopara regarhortaaeba
xa decapim : na tnndiciode D. W. Bowman
na rna do Brnm na. 6, 8 10.
Ageneia
da fundicao Lo^v-Moor,
ra da /Senzala Nova
n. 42.
Neste estabelecimento continn'a a haver
um completo sortimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e taixas de ferro batido e codo de todos os
tamanhos para dito.
Maehinismo pa-
tente inglez
Os melhores relogios de ouro, patente in
glez, vendem-se por precos razoaveis, no
escriptorio do agente Oliveira, ra da Ca-
deia do Recife n. 62, primeiro andar.
Pennas de ema, cera de abelba e de
carnauba.
Na ra da Cadeia do Recife, loja n. 50, de-
fronte da ra da Madre de Dos, ba para
vender os gneros cima, recentemente che-
gados, por precos razoaveis.
igas de seda
parasenhora.
Vendem-se superiores ligas de seda para
senhora, muito bonitas e de muitos pa-
drees, peto baraliijimo areco de 19200,
1/500 eitfOOO: na.jrrdo Queimado, na
bem conhecida loja de miudezas da boa fa-
ma n. 33
N. O. Bieber & companhia, ra da
Cruz n. 4, veuelem : %
Lonas da Itussia.
dem inglezas.
BrinzSo.
Brins da Russia.
Vinho de Nadeira.
AlgodSo para saceos de assucar
Algodftozinho da Baha
para saceos de assucar.' vende-se' em casa
de N. O. Bieber & Companhia, ra da Cruz
Para maseates
e bocel e i ras.
Vendem-se duziasde caixas di massa para fcap pe-
lo|baratissiroo preco de 60 ri.,duzias de lezouras em
carlio a>1900Oe 19200 e grandes i 19920, dozias de
caixinhaa de pao eom palitos de fogo a 240 rs.,;duzu
de penteade cbifres rooilo bons paraalizara|19200,
duzias de peales de baleia para agir cabello a 2J200
e 29600,dozia de navalhai para barba a I9600,grozas
de boloes madreperola para camisas a 600 reis,ditas
moilo Unos de gata a 100 reis, grozas da botoes fi-
nos para cale* a 280 res, cartas com 25 peoles de
alfinetea 1*0 reis.duzias de tientes de balea para a-
lizar a 39, grozas de fivellas para sapatos a 560, du-
zias de caaivelea finos para aparar pennas a 29500
e 39,duzia de gaitas (armnicas) a 19200 e 19400.
duzias de torcidas para candieiros a 80, reis grozas
de mareas para eobmr a 100, 120 e 160 res, pe
cas de tranceln para benliohes a 120 reta, pulceirus
encarnadas muito bonitas para Sre. e meninas a 2S0
rs..dorias de miadtabas de liabas pretas a 240 reis,
pcas com 10 varas de fila de coa a 320, 360 e 400
reis, duzia de lauei a 100 rs., dozias de caixas com
clcheles a 720" rr lindas brancas de novellos de lo-
dos oa nmeros, fitas de core9, linhas da miada finas
e grocas, ditas de t'arrilais brancose decores, cordao
Cartas franee-
zas muito finas para vol-
tarete.
Vendem-se finissimas cartas francezas pa-
ra voltarete, pelo baratissimo preco de 500
600 e 800 rs. o baralho, e tambem se vendem
portuguezas a 300 rs.: na ra do Queima-
do, na bem conhecida loja de miudezas da
boa fama n. 33.
Botoes para pa-
litos, colletes e punhos
de camisa.
Vendem-se abotoaduras muito finas de
madreperola para colletes, pelo baratissimo
preco de 500 rs., ditas muito ricas de todas
as cores a 320, 400 e 500 rs., ditas muito fi-
nas de manreperola para palitos de meninos
e homeus a 500 e 640 rs., atacadores para
punhos e collarinbos de camisa, de muito
rico gosto a 400 rs., 800 e 29000, ditos de
cornalina para casacas a 300 rs., e outras
muitas qualidades de abotoaduras que se
vendem muito barato ; na ra do Queima-
do, na bem conhecida loja de miudezas da
boa fama n. 33.
JR elogios
cobertos o descobertos, pequeos e grandes,
de ouro patente inglez, para bomem e se-
nhora de um dos melhorej fabricantes de
Liverpool, vindos pelo .ajtiejo paquete in-
glez : em casa de Southall HHlor & C., ra
do Torres n. 38.
tthalllfell
Meias de todas
as qualidades.
Vendem-se meias de seda branca para se-
nhora, o melhor que se pode encontrar a
39500 rs. o par, ditas pretas tambem muito
boa fazenda a 29500, ditas brancas de algo-
dSo, muito finas a 320, 400, 500 e 600 rs.,
Lditas pretas tambem muito finas a 400 rs.,
ditas de seda de cores muito bonitas e pro-
prias para baptisado de criangas a 29000,
ditas cruas muito fortes para meninos a 400
rs., ditas de cores de algodao para meninos
,240 e 320, ditas brancas para meninas a-
9*0 e 320, ditas.cruas e brancas para ho-
mm a 160, 200,440,. 320 e 400 rs., ditas de
cores de fio da Escocia tambem para homem
a 4O0 e 500 rs.: na ra do Queimado, na
bem conhecida loja de miudezas da boa fa-
ma n. 33.
Suspensorios de
borracha muito faos
Vendem-se suspensorios de seda e sem se-
da, muito finos, pelo preco de 19000, 19200,
|/600 e 2/ o par : na ra do Queimado, na
bem conhecida loja de miudezas da boa fa-
ma n. 33.
Na loja da boa f
vende-se o mais barato
possivt:] :
Chales pequeos de merino, de lindas co-
res, bordados era duas pontas a 79OOO ca-
misas de riscado muito bem feitas, pel di-
minuto prego de 1/500 cada urna, ditas de
meias muito finas a M, lencos ranrezes pa-
ra rap a 360, chitas finase de padres mui-
to bonitos para cobertas a 200 o covado
cambraia adamascada com urna vara de lar-
gura, proprias para cortinados a 79 a peca
de 20 varas, gravatinhas .le cassa muito bo-
nitas a 200 rs., setim encarnado, verde e
amarello muito superiores a 800 rs. o cova-
do, cortes de fustSo para crleles a 500 rs.,
.! e 1950O. lencos brancos de cambraia pro-
pnos para bomem e 240, ditos ditos com
oarra de cor tambem a 240, ganga amarella
anceza muito lina a 320 o covado lanens
de vestid^) de loda a groenra biquinhos de todas as uHncos grandes, proprios para c'abeca a
larguras, e baratos, rendas de todas as larguras, es- 400 rs meia* 1 ranea* W a,, "ega a
pelhos.cordas de viola, filas de laa de loda. as co- mSR^SS^m^XuTiJ"^ Senh_ora.
res, filas de linho brancas e de cores, d.daes, agulhas Pf* pa;a>0 Preco de 240 e 320 o par, brim
de tados os numeres, filias de seda de lodos os nme-
ros, pennas de pato,caixas dechifre, rozarios, colhe-
res de ferro, retro de todas as core*, vernicas, filas
debeira preta e branca,grampas.eludoo mais qae'se-
ja necessaho para completo sortimento de bocelei-
ras e mscales e que tudo se venda muilo mais bara-
to do que em oulm qualquer loja, na ra do O'iei-
mado, na bem conhecida loja de miadezas da boa
Tama n. 33.
Va randas e grades,
Um lindo e variado sortimento de model-
los para varandas e gradaras, de gosto mo-
dernissimo* oa fundigao da Aurora em San-
to Amaro,e no deposito da mesma, na ra do
Brum.
Moendas superiores
Na fundicSo de C. Starr & Companhia, em
Santo Amaro, acham-se para vender moen-
das de canna todas de ferro, de um modello e
construegao muito superiores.
Luvas de todas
as qualidades.
Vendem-se verdadeiras luvas de pellica
de Jouvm, pretas e brancas, para bomem e
senhora a 29500 rs. o par, ditas de seda de
todas as cores e bordadas, com guarnioOes a
29500, ditas lisas tambem de seda e de to-
das as cores, para homem e senhora a 1|.
19200 e 1#500, ditas pretas de torgal, muito
boa fazenda a 19, ditas brancas de algodSo
para homem a 240, 320 e 400 rs., ditas de
cores muito finas de fio da Escocia para ho-
mem e senhora a 320, 400 e 500 rs., e ou-
tras mais qualidades de luvas, que se ven-
de barato: na ra do Queimado, na bem
conhecida loja de miudezas da boa fama
n. 33. ~
DE MUITO BONS GOSIVS.l^n^M
cidade do Ke-
cife
Vende-se a planta da cidade do Recife e
seos arrabaldes, feita pelo Sr. Dr. Jos Ma-
medeAlves Ferreira, por dez mil reis: na
livraria n. 6 e 8 da prac,a da Independencia.
Mappa das distancias da
provincia.
' Na livraria n. 6 e 8 da pra^a da Indepen-
dencia, vnde-se o mappa das distancias
das differentes villas da cidade entre si, e
relaco capital da mesma, a mil reis.
'Deposito
de rap princeza da fabri-
ca de E. Gasse, no Rio
de .Janeiro.
Vende-se a prego commodo rap fino,
grosso e meio grosso, da acreditada fabrica
cima, cb ra da Cruz n. 49.
A3S500
Vende-se cal de Lisboa ltimamente che-
gada, ssim como potassa da Russia verda-
deira : na praca do Corpo Santtn. 11.
TAIXAS PARA ENGENHO.
la f nndipo de ferro da D. W. Bowman a
rna do Brum, passando o chafariz,-contina ha-
dar umcompleto sonimepto da taixts de ferro f un
vido'e batido de 3 a 8 palmos de bocea, ai quaes
acham-se a venda,por epraco commodo com
promptidao.- embarcam-soucarrga-s emear
ro semdospez ao comprador.
BARATO
Vendem-se muito ricos jarros de porcelana
para flores, ricos pares de calungas para ci-
ma do mesa tambem de porcelana, tinteiros
de muito gosto, e paliteiros, tudo de porce-
lana e por prego que no deixar de servir
a quem gosta do que be bom na ra do
Queimado, na bem conhecida loja de miude-
zas da boa fama n. 33.
Bom e barato.
Vende-se muito bm papel almaco greve
a 49 a resma, dito muito bom sem ser greve
a 3s00, dito de peso pautado a 49500. dito
liso a 3, dito paquete pautado a 5 e 61 a
resma, dito de cores, de folha pequea, em
quartos de resma a 700 rs., grozas das bem
condecidas pennas de ac, bico de louga a
19200, ditas muito finas sem ser de bico de.
louga a 500 rs. e 19, duzias de lapis muito
finos a 320 e 800 rs., canelas muito bonitas,
de ago, torneadas a 120, ditas de espinho a
200 rs., ditas ordinarias de pao e flandres a
20 rs-, caivetes de cabo de chifre de viado,
de 2 folhas, muilo boa fazenda a 800 rs., di-
tos de 1 s folha com cabo de madreperola a
800 rs,, ditos muito finos de 1 s folha com
cabo de marfim a 19600 e 2/, ditos de 2, 3 e
4 folhas, linissimos, tambem com cabo de
marfim a 2-5500 e "3,?, vidros com tinta car-
mim muito fina, propria para riscar eescre-
ver a 800 rs., boies de tinta preta ingleza a
140 rs., tinteiros patente inglez, de vidro a
19500 e 39, reguas redondas muito bem fei-
tas tambem inglezas a 500, 600 e 800 rs., pe-
dras inglezas muilo finas para amolar a \g e
lji500, tinteiros para"algibcra a 400 rs.,
agarradores de papis de muitas qualidades
e pregos, e outras muilissimas cousas : na
ra do Queimado, na bem conhecida loja de
miudezas da boa fama n. 33.
Piaoos.
Em casadeRabeScbmettau &Companhias
ra da Cadeia n. 37, veudem-so elegante,
pianos do afamado fabricaute Traumann de
Hamburgo.
Vende-se superior linhas de algodSo
brancas, e de cores, em novello, para costu-
ra, em casa de Southall Mellor & C.a, ra do
Torres n. 38.
de quadrinhos d padres muito'bonitos e
de puro linho a 240 o covado, pegas de pa-
ulnas de algodao, com 20 varas, pelo bara-
tissimo prego de 3600cada uma.chapeos de
palha una do Chili, pelo diminuto prego de
lo/, e alm disto muitissimas fazendas finas
e grossas, que veodem-se por menos que
em ontra qualquer parte : na rna do uei-
mado n. 22, na bem conhecida loja da
boa fe.
PENTES DE TODAS AS QUALIDAES.
Vendem-se pentes de tartaruga para cabello
o melhor que se pode encontrar, a 5, ditos
de baleia imitando o mais que he possivel
aos de tartaruga, a \g, 19200 e 1950o, ditos
mais ordinarios de baleia a 240 e 320 rs., di-
tos de tartaruga para alizar, fornidos e mui-
to bem feitos a 4, ditos de marfim, fazenda
muito superior a 19500, 2? e 39, ditos de
borracha de muito superior qualidade a 1>,
ditos de bfalo verdadeiro, muito finos e
bem feitos, a 640, 80o e 18, ditos a imitag3o
do unicorne a 19, ditos de baleia muito bons
8 280, 320 e 400 rs., ditos de bfalo verda-
deiro, moito bonitos e bem feitos, proprios
parajsuissas e criangas, a 320 rs., ditos de
marfim muitissimo bons, fabricados em Lis-
boa, para piolhos, a 800,1000 e 19500. di-
tos pretos de bfalo tambem para piolhos, a
500 rs.: na ra do Queimado, na bem co-
nhecida loja de miudezas da boa fama n. 33.
NA LOJA
da boa f.
vendese mj jarato
Colchas de damasco pelo diminuto prego
de 9000, ricos pannos para mesa a 39, atoa-
lhado adamascado com 8 palmos de largura
a 1*600 a vara, mussulina branca muito fina
a 500 rs. o covado, ditas de cores de padres
bonitos a 320 o covado, chitas francezas
muito finas a 320 o covado, brim branco de
puro linho a 19440 a vara, dito pardo tran-
cado tambem de puro linho a 19280 a vara,
ganga amarella muito fina a 320 o covado,
cambraia muito fina com salpicos blancos e
de cores a 19 a vara, alpaca preta fina a 640 o*|
covado, canlao preto muilo fino, fazenda su-
perior e propria para vestidos de luto a 960
o covado. panno fino azul a 3o covado, dito
muito fino a 5/, dito preto muito fino a 5#,
dito muit > superior a 69, ditos verde escuro
e cor de caf muito superiores a 69, cortes
de casemira preta, fina, para calca, com lis-
tra bordada a 109, cortes de gorgurSo de
seda para collete a 2/, ditos de casemira
preta bordada a 69, fustSo branco muito h\
no a 29 o covado, cortes de cambraia preta
com 7 varas, pelo diminuto prego de 29 cada
um, ditos de dita branca com salpicos de
cores, tambem com 7 varas a 2240, sarja
preta bespanbola a 29 o covado, grosdena-
ples de cores a 1/800 o covado, setim preto
lavrado muito superior a 2j500 o covado,
gorgurSo preto de seda rom salpicos, pro-
prio para colletes a 3950o o covado, luvas
brancas muito finas, de fio de Escocia, muito
proprias para os Srs. ofhciaes militares, pelo
baratissimo prego de 1 e par, meias pretas
de- 13a, proprias para os Srs sacerdotes a
19^80 rs. o par, ditas de laia muito superio-
res a 1#800 o par, meias de algodSo cru,
muito superiores para meninos a 400 rs. o
par, lengosj brancos de linbo muito linos a
400 rs., chales de 14a rxos e pretos, pelo
barato prego de 39, fil de linho liso muito
fino a 800 rs. a vara, princeza preta fina a
720 o covado, dita muito fina que rivalisa
com merino a 1# o covado, e alm disto uro
completo sortimento de fazendas de todas as
qualidades, que se vendem muito barato, na
ra do Queimado n. 22, na.bem conhecida
loja da boa f.
Tachas de ferro.
Na fundigSo da Aurora em Santo Amaro-
e tambera no deposito na ra do Brum, logo
na entrada, e defronte do arsenal de mari-
nha, ba sempre um grande sortimento de
tachas, tanto de fabrica nacional como es-
trangeira, batidas, fundidas, grandes, pe-
quenas, rasas c fundas ;' e em ambos os lu-
gares existem guindastes para carregar ca-
noas ou carros, livres de dspeza. Os prego
sSoo s mais commodos.
Arados de ferro.
Na fundigSo de C. Starr & Companhia, em
Santo Amaro, acham-se oara vender arados
de ferro de um modello e construccSo muito
superiores.
- Vende-se manteiga ingleza a 700 e 800
reis, macarrSo o 320 reis : na ra Direita
n. 14.
Algodao nionstro,
chincha.
he
pe-
Vendo-se algodSo monstro com 8 palmos
de largura, proprios para toalhas e lenjoes,
pelo diminuto prego de 600 rs. a vara : na
ra do Queimado n. 22, na ojajda boa f.
EQUIISIO f U 131
. FERRO DOENGE-
NHEIRO DAVID W. BOWMAN. WA
RA DO BRUM, PASSANDO O oBA-
FARIZ,
ha sempre ara graode sortimento dossegainles ob-
jectos de raechaaismos proprios paraeohenhos,a sa-
ber : moendase meias moendas, da mais moderna
consirucrSo ; laixasde ferro fundido e balido, de
superior qoalidade e de lodos os tamanhos : rodas
deuiadas paraagua oa auimaes, de todas as propor-
jSes; envose bocas de foroalha e registros de bo-
eiro, aguilhSea, bronzes.parafusos e cavilhoes.moi-
nbos de mandioca, etc. ele.
NA MESMA FUNDIQA'O.
se execotam lodas as encommendas com a su per io-
ndade ja coohecida coro a devida presteza ecom-
modidade em prec,o.
XAROPE
DO
BOSQUE
l-'oi transferido o deposito deste xaropeparaa bo
tica de Jos da Cruz Sanios, narua Nova n. 53'
garrafas 59500, e meias39000, sendo falso lodo
aquelle que oaofor vendido nesle deposito,palo
qaesefaz opretentcaviso.
IMPRTAME PARA 0 PUBLICO.
Para curade phlysicaem todososseuadifleren
esgros, querraolivada por constipaces, tosse
astli ni a pleuriz. escirros dcsangue, drde cos-
tados epeito, palpilacaojp corarao.coqueluche
bronchile, dorna gargaarta
e todasasmolestia
dosorgaot pulmonares.
Oculos e lonetas
de todas as qualidades.
Vendem-se oculos de todas as graduacOes
com delicadas armaces de ac, pelo barato
pre^odo 800 rs. e 15500, ditos com armaces
douradas e prateadas a 19200 e 1&500, ditos
-com armac&n de bfalo a 19200, ditos com
armacao de baleia a 480, ditos com armado
de metal branco a 400 rs., lunetas de um s
vidro redondas c qtiadradas com aro de bu-
falo a 500 rs., ditas de dous vidros tambem
com armagito de bfalo a 19500, ditas de um
s vidro redondas e. qnadradas com aro de
tartaruga a 19200 e 19500 : na ra do Quei-
mado, na bem conhecidada loja de miudezas
da boa fama n. 33.
Cemento novo
Na ra da Cadeia de santo Antonio, arma-
zem de maleriaes, jior preco commodo.
PALITOS FRANCEZES.
Vehdem-se palitos e sobrecasacos france-
zes de panno fino preto e de cores com gola
de velludo e forrados de seda de 22 a 283,
casacas de panno fino forradas de seda a 28/
rs. palitos de alpaca a 7 e 89000, ditos de
linho a 39, camisas francezas branaas e pin-
tadas a 24 e 309 a duzia, calcas de casemira
preta e de cores.a 10 e 129. colletes de setim
preto e de cores de 5 a 89. ditos de velludo a
129, chapeos francezes de todas as qualida-
fles, grvalas e luvas, e outros objectos que
se vendem barato na ra Nova, loja n. 4.
PARA SENHORAS.
' Vendem-se os melhorese mais ricos cha-
peos que existem no mercado, ebegados no
ultimo navio francez, havendo jrarciio para
as senhoras escolherem o gosto : na ra No-
^_ o einais g-
neros, t
Na taberna grande ao lado da igreja da
Soledade, contnuam se a vender saccas com
milhobom : de novo avisa-se aos bons fre-
guzes que este estabelecimento aCitra
peni surtido e de bons gneros, como sejam:
bueijos do reino, do serto e de prato, doce
de goiaba, vinhos de muitas qualidades,
bons, manteigas inglezas e francezas, cha
fino, entrefino, verde, hysson e preto, bola-
chinhas finas e grossas, assucar de todas as
qualidades, e piafa, fino, do Monteiro, sar-
dinhasde Nantos,.amendoas, paseas e casta-
lias piladas, massas finas para sopas, e
muitos gneros bons do diario de urna casa
de bom paladar, tudo por menos preco pos-
sivel. Na mesma casa precisa-se de um ho-
mem que faca cigarros.
SYSTEMA MEDICO DE HOLLOWAY.
GUINDASTE.
Vende-so um excellente guindaste de fer-
ro em bom estado, e por preco commodo :
quem o pretender, dirija-se ao trapiche do
Cunba, que achara com quem tratar.
Na ra das Trincheiras n. 19, segundo
andar, se dir quem vende urna casa terrea
com chSos proprios, e por commoda preco,
podando fecbar-se logo qualquer negocio.
Vendem-se queijos do reino muito no-
vos a i00 e 19900, ditos do*ertSo muito
. n'^09 rs- ? libr''- "'S* ingina
a 880 e 19000, toocinho de Santo* com car-
nes a 160 a nbrat caixOes com doce de goia-
pa muito fino a 1/200, e grandes a 1|800, ve-
as de carnauba refinada, de 6, 8 e 12 por
ira a 480, ngulas do reino novas a 600
rs., passas muscateis a 600 rs., castanhas do
remo piladas a 60 rs. a libra, sement de
coentro muito nova a 240 : na ra dos Mar-
tynos n. 36.
Vende-se um' sitio pequeo com duas
casas de pedra e cal, sendoiama com com-
modos para familia, ooulrrcontigua mes-
ma, rallando s cobrir e repartir, no princi-
pio da estrada dos aflctos, todo plantado
o larangeiras, frucU-plo sapotia : a tra-
bar com ios Antonio Marqu, b-, JMo do
Cnora-menmo.
Depsito
. DAS BICHAS.
Na ra estreita do Rosuio n. ti, vendem-
se os melhores quegMflKdrinos, que tem
vindo a este mercado^P f aerem muito fra-
COS a
Vende-se lageV de Lisboa : no eMri-
ptono da ra da Moeda n. 23.
-^Vende-se urna mulata de 8 annos, bo-
nitai figura, engommadeira e cosMreira com
perfeigSo ; o motivo se dir ao pretendente:
em Fra de Portas; ra do Pilar o. 20.
Milhu em saccas.
Vendem-se na ra de Santa Thereza n. 66,.
taberna denominada Queimada, por preco
cm conta.
Com pequeo toque de avaria.
A dinbeiro.
Pecas de madspolSo fino, pecas de panno
de coqueiro : vendem-se na ra do Crespo,
loja da esquina que volta para a ra da Ca-
deia.
J
Grande sorti-
mento de fazendas de to-
das as. qualidades.
ergorflo de sada da corea'com
proprio para vestido t
do a...... ...
Ricas mantas de blood pratas e
Loa da linho a
Orosdeoaple preto lavrado, cavad*.
Dito dilo liso muito largo, covado. .
Dito cor de rosa rooilo encornado .
S*rja preta hespenhola maito
covado. ......
Setim preto maeo sopariar, covado \
Panno fino prelo e de coras, covado de 31
r. a..........._
Corles de casemira de cores con barra aa
lado e de qaadrinhoa, carie .....
Conts de colleles jde velludo preto a de
""fea..........., ifltjOoo
ortee deeolielea u~..~. 2^^ iva>
vatios padres a .....
Meias croas superiores para meninos ".
Corlea de vestido de sada de coras para ae-
nhora, o mais rico qoe ha no megeado.
Grvalas de seda prelas e de corea .
Chalas de merino bordado a velludo. .
Ditos de dilo bordados a seda -. .
Ditos de dilo com lislra de seda '.
Ditos d* dito com barra maUsada, fios'. '.
Ditos de dito lisos. ........
Ditos de dito com franjas ds 15a '. ] '.
Ditos de la adamascados pretos e de cores!
Lencos para mio.de cambraia de linho,lisos
Pelils de alpaca prela fina e de cor. .
jOBdla de alpaca preta e de cor. .
npelioa de seda de eeres, malisadas. ca-
vado.........; _
Chai da seda da cores, com quadros, ce-1
vado ............
Lia de quadros pequeos e grandes, *co-
Jado............
eseda, bonito padrees, covado. .' .
/tico cortes de 13a de ramagem malisada
T com 15 cevados.....
Mauritana datada da corea com' vara de
largura, c o vasto.....
Ursulina de seda eom listra raalisadas,'ct
PILULAS HOLLOWAY.
Este in.estimavel especifico, composto in-
teiramente de hervas medicinaes, n5o con-
ten mercurio, nem alguma outra substancia
delecterea. Benigno mais tenra infancia,
e a compleicSo mais delicada, he igualmen-
te prompto e seguro para desarreigar o mal
na compleic3o mais robusta; be inteira-
mente innocente em suas operacoes eeffei-
tos ; pois busca e remeve as doencas de
qualquer especie e grao, por mais'antigas e
tenazes que sejam.
Entre milhares de pessoas curadas com
este remedio, muitas que ja estavam s por-
tas da morte, preservando em seu uso; con-
seguiram recobrar a saude e forcas, depois
de haver tentado intilmente todos os ou-
tros remedios.
As mjiis afilelas nSo devem entregar-se a
desesperacao; facam um competente ensaio
dosefficazes effeitos desta assombrosa medi-
cina, e prestes recuperado o benelicio da
saude.
N3o se perca tempo em tomar este reme-
diojpara qualquer das seguintes enfermida-
des:
Accidentes epilpticos
Alporcas.
Ampolas.
Areias (mal de).
Asinina.
Clicas.
Convulsdos.
Debilidade ou exte-
nuado.
Debiliuade ou falta de
forcas para qual-
quer cousa.
Desinteria.
Dor de garganta.
de barriga.-
~ nos rins.
Dureza no ventre.
Enl'i'nnidadei no ven-
tre.
Enfermidades no liga-
do.
Ditas venreas.
Enxaqueca.
Herysipela.
Febres biliosas.
Febres intermitientes
Febreto da especie.
Cotia.
Ilemorrhoidas.
Mydropisia.
Ictericia.
IndigestOes.
Inflammaces.
Irregula ri da des da
menslruacAo.
Lombrigasde toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas n culis.
ObslruccSo do ventre.
Phtisica ou consump-
c.lo pulmonar.
Retencfio de ourina.
Kheumalismo.
.Symptoiiias se
rios.
Tumores.
Tico doloroso.
Ulceras^
Venereofmal.)

Vendem-se estas pilulasjno estabelecimen-
to geral de Londres n'. 244. aStrand, e na
loja de todos os boticarios, droguistas eon-
ras pessoas encarregadaa de sua venda em
toda a America do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetiuhas a800rs. Cada
nma dellas conten urna instruceno em por-
tuguez para explicar o modo de se usar des-
tas pillas.
O deposito geral he era casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22, em
Pernambuco.
m
3JW
7*000
iaooo
33000
a
i

18JO0O
9*100
69500
61000
59500
4*500
39080
9400
49400
59500
19000
9850
9600
9800
59000
19600
19000
9950
79500
750
400
segunda
vado.' .
Sedas de quadros to novo* pad'rOea,evdo'.
Chapeos de masaa, ft-ancezes superiores .
Uuqueza de seda eom ramagem, cov.do. .
Mussulina de coreattoi lindas, covado
Chitas francezas Atas.....
Cassas franeezas de cores fijas, vara" '. '.
Em frente da becco da Cougregacao', a
loja o. 40.
Vender ama carroca para 2 bois, mui-
to boa, e colipram-se nns arreos de carro-
ca para cavallo : no sitio do Chora>-monino.
Deposito de pao.
Vende-se um deposito de pao bem afre-
nuezado, com balc3o de vinhatico, pratelei-
ras, hteiros, latas, frascos, etc.: quem pre-
tender procure-o na ra de Hortas n. 16.
Chita roxa larga, com to-
que de avaria a 160
rs. o covado.
Na ra do Queimado p. ai A, vende-se chi-
ta roxa com pequeo toque de avaria a 160
rs. o covado.
Farello
Vende-so superior farello virido de Lisboa
ltimamente, em saceos, e por barato preco:
na ra do Trapiche n. 9, armazem.
Vende-se
ou troca-se por predios nesta cidade um p-
timo sitio no lugar do Cordeiro, margen)
do no Capibaribe, com excellente casa de
vi venda, estribara e senzala para escravos
bastantes arvoredos de fructo, e urna baixa
que sustenta de 6 a 8 cavallos de verao e in-
vern : os pretendentes dirijam-e a ra da
Cadeia do Recife, armazn, de Barroca &
Castro.
Na nova loja pedo ar
co de santo Antonio
ha para vender cortes de cambraia de barra
a 25000 o corte, sarja preta lavrada propria
par vestidos de pretas a 160 o covado, ricos
enfeites para cabeca de senhores, cambraia*
linas a 500 rs. a vara, chitas francezas a 240
o covado, e outras muitas fazendas por ba-
rato preco.
Vende-se bom doce de goiaba, caixes
de 4 libras a 800 rs. cada um, e maiores a
19000; no pateo do Hospital n. 18.
Fugio de bordo do brigue brasileiro
Melampo, na noite do dia 8 do corrente, um
negro de nome Marcelino, nacfio Cabinda,
altura regular, secco do corpo, rosto cosb-
prido, barba serrada e eria suissa, com falta
de dentes na frente, e consta andar vestido
com paleto, e calcado : quem o pegar leve-p
a bordo do dito navio, junto o caes do Pas-
seio Publico, ou a casa de sea consignatario
Manoel Alves Guerra, na ra do Trapiche o
14, que ser bem recompensado.
'
PEAN.: TYP. DE M. F, DE FAMA 857:
MIITIlAin >


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5IYAE7Y3_AQXMHN INGEST_TIME 2013-04-26T23:34:49Z PACKAGE AA00011611_07769
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES