Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07766


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XXXIII N. 118
Por 3 inczcs adiantado 4$0C0,
Por 5 mczes vencidos 4$500.
I-

m fm&m
SEGINDA FEIHA 2:> DE MA10 DE 18^7
Por anno adiantado ljOOO.
Porlir franco para o subscriptor.

NCAIUIEGADOS DA SITBSC.UIPCA'O KO NORTE-
Parahtba, 8r. Joao Rodolpho Gomei : Natal, Sr. Joa-
uim I. Partir Jnior; Aracatv, o 8r. A. da Lemos Braga ;
ara, o Sr. J. Jos da Oliveira ; Iklaranho, o Sr. Joaquim Mar
oh Rodrigues ; Piauhy, o Sr. Domingos Herculano A. Pesioa
Guaran ; Para', oSr. Juiiino J. Ramoa ; Amaionai, tr. Jero-
ojora da Coala.
PARTIDA DOS i H.UKKK'S
Olin.1i : tn.lo, DI 'lia*, il lio me,a horas dn >li.i.
1-.....*u, '.......na Paraviba : boa ---.-.in.i.i- nu reir*.
8. tal .>. Beierrw.. 'tormo. Cimar.i, Akinl.....O.irmlinu-: ni lercs-feta
S. I.....rearo I'...,../ i/l,u. Kaiare*. l.soeiro, II, j->. lv-.|.i.-r.. Inga
......Florej, Vilu-rllt, Boa-Vi,l>, Uriean e I > ".- .p n ,.-r.-o.i.
Cabo, Ipojaea, SariaMeai, Rfo-ForauMO, im. lUcrer.....v_:.. i-r.*r.
Itaenleiraa r Natal : fainiaa-ralra.
I Tu.lo, .., correiu* pan.-m a. ui huras la raanbaa.
AUDIENCIAS DOS TRIBTOAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : lezunda a quintas.
Relaco ; lenas-feira. a aabbadoa.
Fazenda .* quarlas a sabbados as 10 hora.
Juizo do commercio: aegundas as 10 horas a qulnua a mala-da.
Juizo da orphoa : aegundaa a quintas aa 10 boraa.
rimaira rara do civel i segunda, a aexlaa ao maio-dia.
Segunda rara do eiral: quarlaa a aabbadoa ao maia-dia.
EPHEUERIDES DO HEZ DE M Alo.
8 La cheia as 11 borai e 51 minutos da (arde.
16 Ouario minguante as8 horas e SU minuto da tarde.
2:t La nova aos 28 e minuto, da tarda.
JO Quarto crescenu ai 10 horai a 52 minuto, da manhas.
IMtl'.x MAIt HK IIOJE.
Primeira as B horas e 18 minutot da manhaa.
Segunda ai 5 horas e '12 minutos da larda.
DAS da semana.
25 Segunda. -. Gregorio?. p. : s. Maria Madaglcna d.> l'a/i s. c.
20 Terca s. Felipe Nerj fundador da coogregaco do oratorio.
27 (litarla, s. Joao p. ni. : Ramulfo m.
2S tliiinla Ss. Seuadur podio e Just llb.
29 Sexta. >. Masimiano I.
30 Sbado, s. Fernando re s- Emilia m.
31 Domingo, Pascboa do Espirito Santo.
ENCARREGADOS DA SUISCHIPCAO NO SOL
Alagoaa.o Sr. Claudino Faleao Dia.; Babia, a Br. D. Duarl
Rio da Janeiro, o Sr. Joao Pereira Mart ni.
E.M PEKXAMIiCCOe
O proprietaaio do DIARIO Manoel Figuairoa da Farla, na la
livraria, praca da Independencia di. 6 a 8.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIAS 1)0 DIARIO DE
PERNAMBLCO.
LISBOA
G de maio.
Publicou El Orbe un correspondencia de
Roma em que se falla de urna supposla missSo de
S. A. a Sra. oanla D. Aona ele Jess, junio do pa-
pa, aobre o padroado porloguez na India e do desejo
que o nuncio apostlico junto corte de Lisboa,
mooaenhor de Pielro lem de concluir esta questao,
antes de ae relirar dista capital. I entuna aisitn a
correspondencia alladida :
a Ouacfo joven ll.J'erf^rveJia., a Roma;
conferencian com elle, e fallV-se de reun,.,-
direiros sobre o padroado. O joven monarcTia, en-
IBO de menoa rdade, promelteu empregar lodos os
esforz* com as corles ; porem ale o prsenle nada
aa decidi. Pode ser que soa lia, a infanta D. Anua
le Jess, uja portadora de maio de rouciliac.au.
O qde he eerto he, que leve uina louga audiencia
de S. santidade.
Eis o que diz o correapondenle romano do peri-
dico lie-1. iiI,el.
Oulro aconlccimenlo porem vcio nesles ttllimos
dias provar. que estas interminaveis negociares com
a corle de Roma se complican), em vez de marcha-
rera para um desenlace Uo satisfactorio, como lora
para desejar.
No dia i do rorrele o ministro dos negocios ec-
cletiastieos e jostira Vicente Ferrer Neto de l'aiva
declarou na cmara dt.s deputados, que apresenlara
a soa demissao a S. M por nao estar de acrordo
cora os seus collegas sobre a concordata com a Santa
Se. A demissao foi-lhe aceita, e o n-minislio agra-
deceu ao parlamento o apoio que llie prestara du-
rante o lempo que esteve no ministerio.
O depulado e bem couheci lo lillerato l.uiz Au-
gusto Rebello da Silva tomou enlo a palavra para
dzer, qne era honroso o motivo porque o Sr. Fer-
rar tinha pedido a soa demis*Ao, e para em nome
da cmara Ibe retribuir as palavras de benevolen-
cia que Ihe tinha dirigido, Numerosos apoiadns co-
briram as ultimas palavras do orador, c a imprensa
no dia segoiole ao consignar esta successo tnbutava
louvores ao procedimenlo do ministro demissiooa-
rio. Iguorando quaes fossem as dtsposirOes da con-
crdala, ligo podiam avalia-la ; porem," e-i'reviam
quasi lodos os'jornaesj se o Sr. Ferrer nao quiz au-
nuir a quaesquar principios que offeudam os direi-
los da coroa de Portugal, a su i deliberadlo, demit-
tindo-se, he oin acto que aobreraaneira o honra.
Os denotados deram Ihe claras provas de sympa-
Ihia, iodo grande numero oellcs abrai;a-lo e acom-
panha-lo al aos corredores da cmara, na soa
sabida.
ii-ae que os eellegas do 9r. Ferrer nio eslavam
prevenidos da sua retolucao.'e flue licaram assom-
'.irados, vendo-o entrar na cmara para annunciar a
sua demissao.
Parece que o Sr. Avila (ministro da fazeuda lica-
ra interinamente encarrezado da pasta da justica,
al resolurao parlamentar sobre a concordata.
Cheuou ha poucos 'lias o bispo de.Mac.io D. Jer-
nimo. Vem gozar de alaum tempo de licencia. O
illostre prelado he de ameno trato, e tem prestado
relevantes serviros a sua diocese e i igreja pelo es-
pado de tres anuos.
O conde do Thotoir embarcar lirevemenle para
Inglaterra, onde vai busrar sua lillia, que em Lon-
dres terminon a sua edurarfio.
O barao Pars, parti h
. Hieres, (cando alem disso ousdoze feridos de am- ollereresse un occasi.lo l.ivuravel para se-uirem I ida ln ,1 inr.;.(. e ciimn meio ile nianter e enneer-
boi os sesos. Em Chaves appareceram novainenle viagem. I var de um modo permanenle os gloriosos nomes dos
pasquiiis ameac,ando aquelles que fossem depdr na I Forera o brigae porlagaez Angeliea,as escunas i que nos lempos prsenles e passadoa teem servido e
devassa a que se procede em rons*queiicia do ticen- I inslezas aCanopw e oSistern, e os bialm porlueuezes i Ilustrado a soa patria.
dio da fabrica de Nanles. Parece que tambera no Souza. o Triumplio de Aveiroo, S. Joai|uim I, e j Que alcm dos orcamentos do corrente auno, sern
concelho do Marco se deram algumas desordens des- olinproviso. Selc uaulraglos em um s da O es-' apresenlados os do luluro auno ; e que lambem sera
la qoalidade, porem qoe o administrador levando lado daquella barra esla reclamando seria atlencao j apresenlado o einprestiuio que foi uecetsario con-
tado por bons modos, cousei;uio acalmar o povo
Em Penafel (ainbem (em havido grande a-larao.
Os triaos subiram em Londres, o em todos os mr-
ito ^averno. trahir.
A Academia Real das SclerKias, publicou o pri- Oue a imprensa reclama urna le lita e eslavel,
meirn ilumino dos seus Aunaos das Scieucus e
dos inglezes ; o que den lugar a subircm lambem os Ledras. Consta de las partes esla publicaran, sen-
do cada uina dolas elaborada separadamente por
cereaes nos nossos mercados. Entretanto err-se
qoe esla alta be momentnea, lauto no eslranaeiro,
como em Portugal, porque os mercados eslao abas-
tecidos e a prxima colheita prometle, c alin de
slo, porque allluem as cutrada* nos porlos es-
lieos e nao ha motivo para nao coulinuarem
rfincurrer nos nossos.
Conlaram alaumas foib provinciaes que lia dias
em Ramalde, para o Minlio, perlo de iilil mulheres
se appozerara ao euteiro do um cadver no ceimle-
rio, pegando nelle e enterrando-o na greja. A ser
Ctrlo. he uma repelido do que se passou na mes-
ma provincia em ISili, e que foi um dos pnrudros
episodios da _::i--1 r.i civil conhecida pela re\olta da
Mara da Funle.
Em grande parle e>(es males procedem de Igno-
rancia da parle da popularan. Anda que um peri-
dico porluense qnzera allnbuir aaora usles lamenla-
veisfactos a suaaesles e inflaeuciaa occullas dos ho-
uiens que nao eslao no poder, o mas certo he que
lano estes mollas cumu os que era agosto ultimo
agilaram a capital, procedem do pouco derrama-
in ii < das boas duutriuas [telas massas populares.
tala que a reforma ueste ramo da a iiiiiuislrarao
seja verdaderamente radical, e o complemento mo-
ral das forondas aspirarues da aelualnlade.
Dou certa eilensao is noticias coluniaes, porqoe
esloo rerlo que entre os Icitoies do Diario mullos
PortuKuezes se encontraran a quem esles pormeno-
res nao podem ser iodiffreotes.
Deleriiiiuou o goveruo ao uovernador ceral de
ADaola qoe noniee uma commissao muircipal para
o districlo de Casengo, co.nposlo de membros que
teuliam as uecessarias habililares para e\ercciem
aquelle cargo.
Musir o roappa eslatisticu do districlo de Mos-
samedes relativo ao anno de IS>li, um augmento
consideravel na produca agrcola, mas uma dimi-
nuirn de quasi 1G contos de rois no valor da im-
portacao e de ni ns de seis contos na exportaran.
Diz o governador que esla decadencia he motivada
pela rebeldia do sobado dos (iambos, que poz o ser-
ian u'um eslado anormal. Restabeleceu-se purem
o ocego com bastante dilliculdade, e esperava-se
que o anno novo (rara mellior aspecto as transac-
toes coramerciaes. O porto esla sendo mudo (re-
quemado pelos navios baleeiros americanos que all
vao refrescar. Prelerem os capitaes para aqnelle
Um Moisamedes a Sania Helena, porque alli sao os
vveres mais baratos e abundantes, lie de crcr que
esla concurrencia de embarcares eslrangeiras ve-
nhl dar grande animaran an commercio do dislriclo,
onde ha ja tres enaeobos de assucar. A plantnrao
da canua do assucar lem prugredido, o c-pera-se
que a salra do auno crreme exceda a dos anuos an-
teriores. Amigamente faziam-se casas de halrilacAo
de tabique e de palba ; hoje vn-se conslruindo ds
alveuana c colino lo de lelha. No dislriclo lia duas
olaruis ; sao de boa qnaiidmle e sahem em conla o
lijlo, a lelha e a ral. Seole-sa grande falla de
madeiras
PEMAsasas.
RECIFK -ir. Di; MU O l)K 187.
AS 6 HORAS DA TARDE.
BETROSPEGTO SE1VML
A no\dade da semana loi o nr*08ramma do nnvo
t rectora da rompanliia da Ueberibe, sendo eleilos os
Srs. Joao Piulo de l.emns, presideide ; Josc Pires
l'erreira, vire-presideule ; Manoel (onralves da Sil-
va, cana ; Cuilherme Auauslo Kodrmues Selle, te-
crelariu ; o Jos Mamede Alves l'erreira. Joao la-
nicio de Medeiros Reg, Luiz Anlonio Vioira e An-
tonio Valcnlim da Silva Barroca, adjuntos.
Esla companbia arraocou-nos iins horrores da se-
le. e poi lerino aoalto prec.n por que se pagava ino
que pormillindo a mais ampia disCBStio dos neg-1 minislerio, Iraxido pelo Tocantin*. Foi adoptado I caneco d'agoa ; a nao ser esla medida providencial.
alguns dos socios de cada urna das classes de que se ser apreseulada mu brevemenle.
coinpe a academia. (le iaualmeiile se tifio de propar diipOfiODCfl im-
Todos os mciefl ilovem publicar-sa d ais nmeros : pnrlantes para dar ao ensino publico a estalnlidade
um da primeira classe, oulro da segunda. O l. nu- leaal que he preciso dar-lhe, para remover os obs-
mero da |.a clame, Iraz nina mtro.lurrao pelo Sr. ; tarulos que se oppoem rpida execurac das obras
JoAo de Andrade Corvo, dous arligos sobre assurap- publicas, e para enlacar com as grandes TU de cotu-
dos pblicos, a liberte dos abusos e extravos que pelo ralo opposirioinsia desla cidade, o qual deca*
tao freqiirnlemenle a lem cnmpromellido, le que '
tos cliiraicos, de Sr. I'imenlel, uma noticia jooloai-
ea, pelo Sr. Ilocaa, e termina pela revista scie-Uifl-
ca ilns pai/es es'ran-eiros, pilo Sr. I^orvo.
O 1." nuinern da > classe, ronlm orna inlrodiic
rao dos Srs. Kabello da Silva e Lope de Men lon-
ra, a lilleralura porlogueza no seculo NVI c \\ II.
peto Sr. Lopes de Meudoiira, uma revista de econo-
ma poltica de ISli, e o extracto das artas das ses-
s-s Iliterarias da 2." classe da Academia Real das
Scicncias.
Os iiovos estatuios desla corpo I tterario mpoe-llie
como uma de suas mais imporlantel obrgar,ies, urna
publicaran desla nalureza.
Na cmara electiva leve segunda leilura, um pro-
jecln de lei do Sr. Kabello da Silva, autorizando o
governo a erigir moiiumeutos a Caraes e a (isvvell.
Me uma questan de diamdade para o paiz, e eslou
persuadido qne o parlamento volar unnime o pa-
aamenlo de-la divida nacional.
Termiuou ha 2 desle raez a poca lyrica no thealro
de S. Cario*.
l-'alla-sc ja, em cslarem escriplurados, por inler-
venro da aaencia franro-it.diana de Pars, o tenor
Arinaud e a prima-dona absoluta Arseoin Cliarton,
que fez as delicias dos dilettanli do Rio de Ja-
uero.
A formosa Bernardi l parti para l'ranra, deixan-
do vivas saudades aos seus adversarios.
O seu comporlameido foi irreprehansivel, despre-
zaudo quanlas seducrei a salleavara, e regeilando
por lini urna proposia matrimonial, seductora lam-
bem pelo que respeda fortuna.
O corarao da bella actriz j.i Ihe nao pertencia, e
diz-se que ira casar a Italia com o trinan da antiga
prima-duna Fabrica.
A celebre Domadora de animaos fernzes, madame
Labarreneda, parlio de Lisboa, onde foi justamente
celebrada pela sua iucomparavel intrepidez.
Comerararn as corridas de louios ; a rompanhia
hespanhola continua a implantar o iberismo dram-
tico-musical ; mudas familias ja' foram para o cam-
po, eos Iheatroa porluauc/.es, sera nuvidaue nolavel.
c vao de-aborrecendo os menos encalmados como
podem, e Dos osajuda.
lao Irmas (ido por ora mtii-
al, que o insigue pianista
'adrid. de um passeio al
.1.
/..
P. S. II iiteui consli(uio-se a cmara dos deputa-
dos ero sessSo secrela.
Parece que esle faci leve lugar, para ser apresen-
lado a cmara a concordata entre a enroa porlu-ue-
za e a Sania S, a respailo do padroado real uo
mii......'."i i ile Indas as classes as exiladas pruvinciaes
e iiiuucpaes, lao neressanas ao deseiivolvimeuto da
aaricullura e do commercio.
Sin estas as quesles priiicipacs em que toca o dis-
curso do lliroun.
A cmara dos senadores abrio-se (i 1 hora e om
quarlo da larde, e a dos depuladosas 2 horas o meia.
Enxio-llie inesino em hespanliol o curioso mani-
fest do general Espartero, dirigido aos oledores li-
beraes de Barcelona. Naquelle documento, o chele
do parddo progrewiila heapanhol explica a sua po-
sirao iluranle a ultima e (alai crise poltica que no
reino viiinho dou em resjltado o dominio reaccio-
narin.
He para ser lida com mudo inleresse esta manl-
feslaco sincera das opinies de nm hnraem eminen-
te, que pela sua elevada posiro. pode mellior que
ninauem fazer a historia fot (aclos que assombraram
a lodoi os liberaos da Europa. Esla explicaran era
indispeusavel em vista ds graves acru-ares de que
lem sido alvo o duque d.i Victoria. He o que ello
faz no seu mani(es(o aos! eledores barrelonez.es.
Prefer pms nsrlar-lh'a na sua Integra, para qoe
os seus leitores melhor a passara apreciar.
Segundo os jornaes, esia legislatura ser de pouca
duraran, visto que a estarai vai mudo adianlada.
O Orbe referindns-se as temerosas noticias de
conspirarn traiisraillida pelo Len, diz :
a He necessario que o governo ;eja mu caulelosu
no recebar as revelares dos seas agemes, porque
muaa vezes ha oelles zelo eiagerado, ou sao victi-
mas da in f e do embuste.
i Diz-se por ama voz que planos tenebrosos nos
ameacam, digam-uos quaes sju esses altos perso-
nagans que se presuuiem merc do punbal homici-
da, e lire-nos breveinenle da ancieddde em que nos
eollocou o arliao a que nos referimos.
frara de Madrid no de mam.
.1 por cenlo consolidado......
dem diflerido.........
AccSaido canal de Isabel II, de 1,000
reales, 8 por cenlo prero publicado
Mtin do lauco de UaWpanha, dem .
Concertlas viajarla'
tos ; enlrelanto, lie
Kerz, qoe se ar.ba
Lisboa, e daqui al
dous Otas para Naoles, haveudo-eeJ
aqui demorado apenas algunas semanas.
Na cmara dos departa los conelelo a etteatsao so-; preaa da naveaacao enlre Usboa, Acures e frica)
hre a pruposla do goveruo para a coiicasaiio OH, ra-jdi/.c
mintin de Trro ilo uorie, seino apprnvailos toios os con
seas arligos com os ed i!......... .. qoe o Sr. Avila
apresentar i e com om adddamenio do Sr. Pontea IV-
leira deM^llo. Este ad qoe para o caso em que o enverno' lenha de levan*
lar dinheir i para salisfazer os encargos do conlrslo,
nao o pus-a fazer por mais do juro correspondente
ao valor das inscripres na pra^a, sobrecarregado
com ni ii* meio por cenlo.
I m dos prinripes peridicos france/.es eslranba,
qoe o projeclo du contrato celebrado enlre o gover-
no porlaguez e sir Morln Pallo, para a fedura de
camiohos de ferro em Portogal, nao consigne a pe-
nalidade eventual, que podia resollar para este ca-
pitalista da falta de enmprimento das condires a
que se obrigara.
A parte da imprensa que aqui advoga os interes-
aos commerciaei, e principalmente o Jornal du
Commercio, lem instado pela crearlo de uma bol-
sa ou mercado de fondos poblicos e de actes das
diversas companhias que hoje exislem em Portosal.
As Irsnsaeees desla naturea faze n-se acloalmenle
aqoi por intermedio dos corretores ou cambista*.
Er.tretanto este meio nem he econmico, era ex-
pedito. He de esperar que a crearlo desle mercado
nao deixe de verificar-se brevemente, porque de dia
para dia se faz mais sentir a sua neressidade.
Ha pooco descobrio-se ama fabrica de moeda
falsa na cadeia di rolaran do Porto. Hoje dizem os
jornaes daquella ridade qae, dando-se nova hosca
as pri.oes, se fizera mellior adiado. Eticonlrou-se
uma machina completa de fazer se rSo de aparas de prata provenante das moeda que
haviam sido eereeadas, alaumas ouras de limalba
de prata, doas limas e duas Ihesouras apropriadaa,
o qoe ludo foi apprchendido, lacrado e rubricado,
brando em juizo para ns competentes ell'eitos.
Apoareceram no dia 2-> do mez passado em Cha-
ves proclamacoes e pasquins incilandn a plebe a ir
deilar togo a fabrica de desudaran estalielecida na
aldeia de Nanles. Foi corrido a pedra um prente
do dnio da fabrica, qoando eslava a compiar om
alqueire de btalas. O mnlim foi crescendo ; n-
dete om homem saltando, pregando e locando cla-
rim aluciando o povo, desorte queja a fabrica era
presa das chammas, quaudn a aoioridade apparereu
com soceorros. Em Amarante tera-se praticado seme-
Ihailes disturbios, causados pelas apprehmsoes do
poso a respeito das de-dillace* de cereaes. Em Tra-
vesea depois de gnu iAiimarn da parle do cora-
mandante da forra e de varios cavalleiros da loca 11-
dade para que o povo deserabargasse qu ilro carros
da inilho. romo o novo reiltlisse com alaridos, a
tropa tomnu posieao qoe domina va o pateo e adro
da igraja. Continuaran] os apupes e alaum dos a.
moliuados foram tocar os sinos gritando nos soldados
qoe largassera as armas e ja se preparavam para os
desarmar, qoando chegou novo reforjo. Nova sua-
soria, nova resislenrid. dispsr.noo os tomolluosos
uma pedrada que deduu om soldado a (erra. O of-
fcial commandanle mandou entau carregar baio-
neta. Algomas foram pelos ares o o sarganlo cabio
com om tiro de pistola.
A tropa corresponden com uma desraraa e com
nova carga de botnelas qoe fe/, dispersar a mulli-
ldao. Foi licar a villa Mr me, aonde cheaou com
moilos presos, pela maiur parle mulheres. No dia
27 regressou a Amarante. A tropa leve dous feri-
dos. Dapivo morreram duus homens e doas mo-
de construrro, de qu* ln aboudaiiria no
interior, mas qoe n.io nodriu ser treowporlada por 1 rlenle
causa da distancia e ausencia de nieios do roiiJuc- /'/o.-'* de /.i-'"'"i em
cao. xrres do banco de l'orlusal
Os jornaes il'aijClescreverido a respeito da rni-ftllas do)dito do Porto
ORIGINAL DO DIARIO DE PERNAMBUCO>
^^'i^^sa.
21 DB HAIO DE 1857.
que a ompanhi.i se nao rvnnllluln, c que a
cessflo do direito es'. nulla ; acresceutondo que
a earreira dos Acores ficou prejodieada rom a de
frica, e que osle fado moalra o uno exilo los con-
cursos enlre nos. Arouselham que se len'.e a nave-
garo dos Acotes, por ser cmprez.a pouco dispen-
diosa, e que o governe deve auxiliar, por haver
nella vanlagena administrativas que justificara aseas
o encargo do subsidio.
A 1") desle mez dce sabir o pnmeiro vapor para
arcbipelago armianu.
Fui ulliinaioente publicado na folha ollicial e re-
prodtizido por multas ootras o relaloro do aoverna-
dor |de Maco, ropeclivo an annu findo. Aqnelle
magistrado depois de ter allodido as providencias
que tnmoo para melhurar a arreraila^o dos impos-
loi e fazer com que o cslabelecimenlu nao fosse pe-
sado a inelropole, couclue por estas palavras. (ie-
ralineute fallando, o eslado desla colonia he prospe-
ro ; ha commercio; ha bastante navegaban, havendn
entre navins e lanchas 12, S07 toneladas, navegan-
do enm a bandeira portuaue/a. As providencias mais
urgentes de qu carece Mscao, he a oigani-aro e
aoamenlo da forra militar, n
As noticias de Maco alcanram a l"i de marro.
Nada ocrorrera de nolavel n'< io'-i! i peeseesfo, iiom
as operares da guerra dea Chins com os lngle/es,
qoe cnitmuavara na defensiva, esperando os lefor-
ro. da Europa.
Por um documento ollicial, vemos que nn nrrhi-
palaao tle Cano-Verde havia no anuo de IK.6( esrra-
vos .lo ambos os sexos e diffrentes i.lades, 5,175,
sendo o seu valor total I2, :M."i30(NI reis. Os escra-
vos de mais de 70 anuos valein cada um 21)31100 res.
Uestes havia apenas 211, sendo Is homens e II mu-
lheres, e quasi lodos ja sem oflirio.
No jornal a .'Civilisaraon, foram publicado* el-
auus docamenlos, que prov.im a solicdudc e dili-
gencia coro qoe as ilhas do Cebo Verde se (em pro-
cedido a abolir a escravalura, tornando -se nuiavei
T>ela abnegarlo com que lom emancipado os seus es-
cravos, o cidadao Joto Antonio Marlins, um dos mais
respeitaveis proprielarios daquelle archipelaao, o que
ja quando ah ara-suu o cholera-mnrbus, se tornoo
digno da srali io publica e da alinelo do governo,
potos serviros qoe presin aos sen concilladnos.
Na Iba de S. Vicente ja se conseguio extinguir de
todo a escravalura.
Em Santo Antao liberlaram-se alguns osrravos
por occasio da eslrada do governador dauuella
liba.
Na ilha do Sal, espera-ie qae brevemenle dimi-
nuir era grande eseaia o numero dos escraros, qoan-
do nao acabe de todo.
Acha-se a, frente do moviraenlo o governador
geral da provincia, Antonio Mara Barreiros Ai ro-
bas, e alguns insulanos generosos.
Publicoo-se agora a primeira parte do relalorio do
Sr. Julio Ptmentel, bre a exposirao de Pars, ci-
iendo a historia do eslado actnal da chimica c a ex-
postrao dos diversos prncessos modernos sobre o fa-
brico dji producios chimicos.
Este relalorio est esenpto com 1r.mi1 clareza e
eoncisao, e lem todos os requisitos indispeiisaveis pa-
ra ser entendido pelo maior numero.
Por omisso Ihe nao neeici os naufragios do da
22 do p.'ssado, na barra da Figueira.
Todas as embarcares Daofiagndasj so aehavara
carregadas dentro daquelle porto ha alguns mezes,
esperando que o mar, cora o augmento das maros,
sucm seidiinento religioso : a grande familia Ilumi-
na nao lem pira elle* um pai cuininum, urn desti-
no cointnum, uma lei cominum : Dos Dos, e sem-
pre Dos !
A humanidad!' he uma. As grandes familias que
a compile, por mudo lempo hostil entre si, por mul-
lo lempa esquecida da sua origen cummuin, |.i se
reconheceui.
A civilisar.ln vai penetrando aquellas que se apro-
ximaram pur ultimo do foco regenerador.
o lelezraphoelctrico e o vapor quasi que lem ani-
quilado todas as distancias ; em todas as paraaens o
homem apena a tn.io do homem ; o pensamanlo >e
mulliplica pelo nioviinentoqiie o fecunda, e ja a hu-
mani-lade, na sua impacieucia de alcanrar o seu
m\s(erioso, mas certo, mas sublime desltnu, n9o faz
mais lio que um iiuica povo, uma ornea cidade
de todas as cidades e de lodosos poros espalhadus
eV wiiio.
.-.r.rsrio.v.M-ii
2:ioig)o2i"?0(i
is l|"2 M I
i? if2 arW- .
2* a 2'J
3U 1 32
15 a 5
nos lirs por cenlo,
io-o:> c. 2o73 c.
107 d. 144 d.
rou que, a' vista da poltica auiiiinci.ida pelo chefe
do gabinete de '1 de maio, nao tinha ratao para Ihe
ser adverso ; de surte que potomos dizer que o go-
verno actual lem em seu favor as iluas opinies bel-
liaeranles nesla provincia. O /.il/crul publicou um
arliao em que diz que ja' he lempo de eettar essa lu-
la de partidos, e tratar dos mellinraineiibx moracs.
inteUeetuaes e mn/rr/jes iht proeineUt* Dos per-
milla que semellianle proposito, que applaudimos
com lua a sinceridade, asseuleem bases verdadeirai
e eslaveis.
Nesles ullimos dias cspalhou-se o boato de que se
pretenda formar nosla cidade uma a-sociac/io rom o
liin de [ ,'oroover alguns mellioramenlos em favor da
aaricullura da provincia. Prelendem pnmoiraraenle
Domprai 00 arreo lar um engenho, depois mandar
vir, da Coropa e de oulros paites, pessoaa que sejain
habililada para lodo quanlo diz respeito ao fabrico
do assucar, desde o ainanho das Ierras ale a ultima
operarlo exigida por esla industria. lambem tencio-
iiam mandar vir animaos domsticos das raras mais
uecessarias para o no'so paiz, e os mais olis ins-
trumentos aralortns prndd/.idos pelo progresa da ar-
le e da sriencia. Todo tsto formara' um ncleo, que
servir' de modelo e estimulo roinmum a todos os
agricultores : sera' o especiinen de uma hunda nor-
mal, que para o fuluro polevir a ser de arante uli-
li.1a.le.
Parece-nos que a idea ira' avante, purque a ini-
ciativa vem da presidencia, e por issa esperamos, e
quier, dentro era pouco teremus mais este melhora-
tnenln. que sera' mol vanlajoso a esla provincia.
O Sr. I.abandere nelio a' assembla provincial um
privilegio para estalielecer um engenho central des-
Ituailo a moer as caimas dos senhores de euaenhos
que as quizerem vender, liaranle compra las a'ra-
zan de 7 por cenlo de assucar por ICO arrobas de
caneas, qaanlidade csi 1 sem duvlda algnma igual, se
nio inferior a' media do re-ulta lo boje ohlido nos
melhores eogenhes da provincia. Segundo esla pro-
pnila de arante utiltdade para a nossa lavoura, o.
senberesdeengenhm ficam livres do posado Irabalho
que decorre desde o aele aem, e lem assucar mudo superior ao que fazem ac-
tualmente. He o fecundo principio na divitto do
Irabalho applicado a' in luatria do assucar, e e uuico
que pude upirar a substituirn du Irabalho etcravu
pelo Irabalho livre. He uma verlade laconlosiavel
qn, em qoanio as fonccOea do agrieollor nao forera
diffcreules das fancroes'do laliricanle, a grande cul-
tura entro nos ha de a\rar em uma esphera muilo
i
e alimento easencial da vida eslana boje Io raro
coran lodos os oulros. Mas a' vista do crcecimenlo
da popalaftoi parere que a companbia oto lira o in-
leresse que podia tirar. Entretanto poda recnther
aran ios ventase**, s raelnorasse a liscaiisarlo da
veinlaaem, so pmmovesse ns meios de maior consu-
mo pela venda de anneis d'agua, de casas de b.mho,
e oulrn* inelhnrameutos.
Se nao obtem os lucros a que he destinado, lie por
cqjpa dos seus accionistas, ns quaes depositando uina
confaura illimila.ia na .hercio, conlianca altas bem
mereci.ia, prejudicam desi'arle ns iuteresses da com-
p:i libia.
Com efl'eito, as reunies da assembla geral pou-
cos sao os accionistas qne cnnipareccm pessoalmente.
a mor parte manda os seus votos em carta fechada.
I1.1I11 resuda um acaubaineuin mu natural da parlo
da direceto, 'l"e em consoqiietiria de seiiidltanle
prncedimeiilu 'c abstein de turnar qiialqner resnlu-
c.lo em favor dos inleresses da companbia, com re-
cejo de diminuir otdividendos.
Pode ser qae por falla de uina deliberarlo eslejam
paralvsado* algons interesaos. Assim, he til e ne-
eessario que os accionistas comparecain pessoalmen-
te is reunies da companbia, alim de que se pos-
sam disidir e adoptar as medidas importantes que
muilo devem contribuir para a prosperiJaJe da cid-
preza.
Fallereram durante a semana id pessoas, a saber :
I homens, S mullieres e I '1 prvulos, livres ; e 5 ho-
mens, 2 mulheres e ."> prvulos, escravos.
MAI'l'A drmoiislraiiio d'aguu que lene o banco da
horra de-Ir porto na temana ltimamente
/una.
-o .
~ : =
= s^ - Nominar 10
z des das. l'reamar. Baixa-mar.
= 2
= > ;
17 Dnminao . l pos inglezes II l|i pes ing.
IN 2'l 2.' reir. . 151,2 d 11 >
r.> 3.a (eir. . 15 1|2 0 11
d 211 i.-1 feira. . Id n 10 1| i >,
21 27 ."." feira. . Hi1|2 a 10 Ii2
.0 2X 6." feira. . l(il|2 10
2:1 2!l Sabbadn . (7 9 1|2
NOTICIAS ESTRANOEIRAS.
LISBOA.
0' dC riii',,1.
O despacho lele^rapliii-'i cn\ ii de l'rirU ai li-
ceta He Madrid no 1." de inaio, diz q.e o ^rii" du-
que CoMlanllao cliepou no dia :M) de abril a l'.iris,
e que fon receliid na -[ -^ri < di> eamiulio de fr-rro
por S. Al. I. o pniii-epe Nipdlefto e mu viclorialo
pflo povo. Acre^cciild quo .dlecc a u -lu ; c.-.-i de
V
louceslei.
uscripi}Oes de .1 por cenlo
Ooupons ~~
divida deferida
Papel moeda
olas do banco de Lisboa
O mercado continua tro'jxo
liavoiidn apena. InaigaiAcantea iransacrcs.
As araes do banco de Porlugal afrniix.iram, c o
prero colado deve-se considerar nominal.
Em metaos pouco se fez. Senlio-se boje no mer-
cado algoma falla de prata correle, c se por estes
dias nao allluir, he de presumir que o agio dos sobe-
ranos suba.
Fica a sabir para o Maranhn os navios ul.iberda-
den e aFler do Mar.
O n PelropollSD, vapor da rompanhia hamburgutza-
brasileira. deve sabir daqui a 2H de maio para o Kio
de Jaueiro, com a escala do cosiume.
a sua ilignidade.
risos esforcos para fazer qoe este
No dia 21, inauaurnu-se a capella do Umpilal de
f'aridude, por meio de uma s.demiudada mu to-
cante.
Nao basta qap amemos a familia e a patria diz
um plnlosoplio dislinelo, rumpre que amemos A |,. j "> superficie do mun.In.
inauidade, i.lo he, que amemos a lodosos bou,,,,. A palavra divina revelada aos liomens lia dezoiln
nsar a maman) lade he investigar eetdadosameii-S^etalM" "I'"1"1-1 ronlinno, comenta la vidamen-
te OS lilulos que r ir ulcusim o de-Miio moral ilo ln. t P"r todas .as' iiilolligencias, (ernou-se a le so-
uiem, e eonslitue
He applicar os
deslino seja regelarmente realisado por todos.
He respeilar em mis e nos nossos semclhaulos a al-
ta dtgnidade d > ente que, oxceur.lo de todos osou-
tnis entes, fm dotado de uma alma.
He lomar pul) nos sdlrnuenlus de qnalquer es-
pecie que altl'geui os homens, soja qual Mr a lami-
lla, a narao e a race a qoe penenram, e Irabalhar
para diminuir edes soflriuiridos.
I in ilmi'iii. amar a lium inidailc he querer que o
li unem e inalrua, se ni .raltse, e caminhs com pss-
sos mais rpidos e mais seguros para a perfeirao.
Aquelle que encerr as suas afTetres no circulo
da familia, para quem o resto dos homens fie indtf-
feretile. e aquelle qi s.i estima os seus eoocidadaos,
os seos compalriotas, esles nao rnmpreheiiliem ver-
daderamente a nobrefa de homem, nao lem un co-
rarao nem a verdadaira cari lade, nem o amor, nem
o vordatleiro palriotiseso.
Nao posauem o sublime sonlimetito moral, que be
o sello da superioridad mural do liomciu, uu pus-
pfema.
iVldo repouss boje -obre a fralernidade liherda-
le, laoMil.la le, d'oa a vanle lo le be Inab .1 tvel, o
-o n prolSfes-o lie possiVel.
Cada in\*s>iilr, embora nao lonlia lalvez pe.'feda-
inenle consexieurn de-le seidims'nlo, cada umlsente
que u rico leinSjiecessi la le do pobre, c oue o forte
lem necessidiHle do fraco. assim romo esle tem ue-
.ii lade daquelis, ueste mundo onde nada lie es-
lavel. ',
I. ida um .pule qneNDeos nos confisu lodos t,u- aos
nutro., qoe a tnica pre'vuca de um basta pararon-
solar, e que o prazer be rVjcompIeto se nao lie^iarli
Ihado por algucm. ,
Aceitemos fraeamanle esia sania solidariclade ;
pratiqnamo-la cada vez mais, narSes e individuos, e
que iienhuin ente humano d' ora a vanle se |iu quoixar de ser denado no .iban -sji".
O abandono he a fraqaeza, o de^?niino a Baorte
mural, antes da melle phisira, infliguS* S quem po-
dia, a quem quena vtver, a quem tinha .iiredo para
faze-lii.
ILEGIVEL
\
HESPAMIA.
Temns jnrnaes hespanhoes te 2 de maio.
Ahriram-se as cmaras no 1' desle mez. Como
Ibe linlia dito na miuha ultima, S. M., em cunse-
qoeneia de seu eslado de saude, delegou no seu go-
verno a commissao da abertura da sessao e leilura
do disenrso da conla.
Foi nomeado presidente do senado o marqoez de
\ iluma, e vice-presi.lente o duque de Veragua. -Na
cmara dos deputados a eleirlo recahio sobre o Sr.
Marliuez de la II isa, sendo os qualro vtce-pre*i-
deides ns Srs Maquietra, Kerreira, D. Miln Alonso,
conde de Vista hermosa.
O duque de Valencia leu em ambas as cmaras o
discurso do Ihrono. .Nesle discurto S. Al. congralu-
la-se com as cmaras legislativas, por eslareiu aca-
bados os disturbios que teem agitado o commovi.lo o
reino, pur eslarem reslahelecnlas as relajos com a
Santa Se e aplanadas todas as difliculdades que a
isso se opponbam, por c terem reslabelecido as re-
lames com o imperador da Koasia. Parlielpa que
estilo ini.'trniii, i 11- as relaees diplomticas com a
repblica mexicana, em cuiiseqiiencia do aronleci-
meolos deplorareis, mas qoe espera que esta inler-
ropr.lo n.io sera duradoura ; e que com todas as
ootras nacnes se conserva sem alterarn a boa cor-
respondencia e amizade.
Diz que o eslado interior da mouarchia he satis-
factorio, que a crise das subsistencias 'em oecnpa o
o governo, que se acha quasi vencida e nao inspira
j o receio das grases Coraplicacora com que ao prin-
cipio amearava ; que o locego publico e Wgorallra
iolenor.se arbam compielaiuenle aDaotjados, e que
a sua sombra se Ion ledo as eletrjs municipaes e
para deputados com toda a liberdade e sera tumul-
tos; que deu urna amnista poltica geral e completa.
Participa que n governo apresenlara as cmaras as
medidas lom d i- pira o re-tabelecimentii das leis
que reaiam em ls.">i, e cuja observancia foi inter-
rumpida pelos acnnleciiiieiilos daquelle anno.
Oue as provincial do ultramar, lauto na Amrica,
runo na Asia, prosperara e rrescein em riqueza e
bem-e'tar a sombr de unta adminijtrarao protectora
e tutelar.
Oue se reslabelecen com toda a sui forca e vigor,
como o exigiam a palavra real e a reliaisidade do
governo CalholicO, a concordata com a Santa Se.
Oue o goveroo propina lima medida importante
a reforma do senado; restrlr.siodo as condires de
admiss.lo, uuinilo a dignidade de leador ans"cargos
mais elevados da greja e do estado, introdu/tn lo a
heredilariodade como um novo elemento de eslabi-
Mullipliquenios os nossos estsbelecimentos de ra-
ndado, aperfeicoemoa o gloiifiqaamoi os nossos bus
pitaes, nao deixemos luaar algum aonde nao desea
a in.iroct.ao, essa revelacao conslanle de Dos a
alma sdenla do licor da vida.
I rabalhemos pela nossa parle para accelerar o
glorioso fuluro da bnmanidade ; deat'erte conquis-
laremos a adnurarao, o recenheeimenlo dos serulos
futuros para o nossa secilo, que sera proolainado
por ella- como o maior de todos, pois que saberao
que pudorosas alavancaa de discordia e de odiuselle
lea neulralisado nu foao da sua ardente caridade.
A humauidade, c.creve Chateaubrianl, be coli-
sa Io grande, 13o santa, que so sa podo fallar nella
dignamente, tazando um appellu solemne para as
mais alias ideas que a Mtelligeneia humana pode
perceber.
i As civiliiares que prerederain a nossi.su Ihe
foram inferiores, poique nao eram fundadas sobre n
senlimenln da fralernidade, porque iguoravam a
liumanidade.
" OuHiilas tentativas, quanlas revelares snrros-
si\as entre a rrenca vaga e ineerla na evi.lencia de
urna alma, ao principio confundida com o eotti.>. ile-
ns dislincla ln corpo, mas material, emlim espiri-
lo.d. pnrem nobre oo volaar, segn lo emanava de
essencias mais o iiir.io clara, precisa, de uma alma nimalerial, im-
morlal, emanada d um tnico principio, e fazondo
de Inda a humauid le uma -o familia !
a Desta igual-lado de erigem e de destino doenr-
reu a Igualando de airoilos ; o bem o o mal doixa-
ratn de ser potencias crea-loras, patencias ndepen-
dontes uma da ODlra, para seren simiente conse-
quencias do principie da liberdade, e a caridade,
tiln da fralernidade, veio mudar a face da torra !
a Keliriiomo-nos por viver nn tempo om qae vi-
vemos. O futuro spra' grande, sera bello ; mas nao
lera gozado do espectculo da lula, cujn lim clamos
vendo.
o Os noeSOS descendentes serSo como ns herdeiros
de grandes casas: ehogados ao mundo lia opulencia
nao conhecero a eraorao que causa o beni eslur,
succedendo a miseria.
ferior a" que he destinada. Nao be uma utopia que
aconselhamos, he urna verdade evidente, cojos ell'ei-
tos iAo conhecidos as colonias europeas e em alguns
paites da America.
A assembla ja' deu o seu parecer a repeito da
retirn do Sr. I.ahautiere, n'um sentido lavoraval.
Ioigamos que a empreza ira' avanle ; mas se acon-
tecer que ele senh.ir desista do sen intento, nem
por issu ficaremos privados desle benefic o.
Oousia-nos que a casa .la Derosne e Cail, grandes
fabricantes eslahelectus era Paria prepazeram ao
nos-u eompatriots oSr. Manoel de Barros Brrelo
nina empresa para o mesmo lim, u.lo
P&Ginik VLSA
O ultimo rorreio da india e t?a China, ebegou a
Trieste com noticias mu Inslos. Os inleresses euro-
peas arliaiu-se cada vez msis compromellidos. Vio
s na China, ondo continua uma tocia devastadora
de incendios e assassinalos, seno lambem as tilias
do arelripelsKO Indico, onde he modo poderosa a
eraigraeo cluneza. *
A lal situarlo se laan chegado, que he urgente a
prompla exeruro de med las militares. O a Times
diz que as negnciac,Aes devem snspender-se at se
verlicarem as operaces mililares ; e posto achar-se
restabelecida a paz con) a Persia, he necessario, lo-
go que se ratifique o tratado, que as forjas reunidas
em Bushire se trausfirara ao litloral do celeste im-
perio.
O governo francez resolveu enviar um pequeo
corpo de ezercilo de tropas de trra, lalvez de mil
homens, para um desembarque eventual.
De Marselha annunciam a 26 que se eslava espe-
rando o grao doque Constantino. O principe l.oof.
membro du conselho do almlrantado russo licar.i em
Toulon, alim do eslu lar os pormenores da adminis-
Irecsjo da marinha. Acha-se resolvida a viagem do
czar ao Occidente.
As cartas de Hong-Kong da 14 de marro dizem
que as costas da China estilo tranquillas. A Iripolb-
r3o de um navio inglez que foi assastiueda na praia
de Canlao deu ongem ao rumor de que tinhara pe-
recido ramios Inglezes.
Escrevem de Berln a 26, qoe he positivo haverem
Consentido -- grandes potencias allemaas em oulor-
gar, a pedido do goverot dmamarquez, ura novo
prazo afim de que n re de Dinamarca lenha tempo
de reconstituir o >u gabieete, e manifestar o seo
modo de pensar acerca da reunan dos estados pro-
vinciaes de llolsiein-l.anemburgo.
Aflirmam de Vienna d'Austria que se acaban) de
receber despachos mudo importantes do baiao de
Pros&tsch, internuncio austraco em Conslanlnmpla.
A Porta acha-se indecisa ii-erca da umo dos pun-
cipados.
O re da Prassia esta paija fazer uma viagem a lio-
rna alim de visitar a imperatrii viuva da Kussia.
Goiiflrma-se gquo a Prussia aceita o encord propos-
lo pelas potencias naqaesjlo de Neuichaiel, e que I da eommlssoea da asse
iinicainenle apresciilou algumas objecroesem quanto I siani.la pelo Kvd. viaar
SSa^iffiS>\8
Ora bem Os homens anligos, hroes da com-
psnhia de ladVOesfdenoraioada 7iro,qoe lia dous an-
uos iufeslava esla capital, eslio-sa chegando ; ja sSo
encontrados em diversos boteqoins, Iransilam a noi-
le aos dous e mais, e alguns que viviam de picarem
carne, deixararn de o fazer. Por ora nao nos consta
que lenhain fedo alguma das suas, e todava como
sao bem conhecidos,he misterque as aotorldades 00-
liciaes estojara de sobre aviso, e o povo nao consinta
que csses lar.ipins rnuliein impunemor.le. Seja qual-
quer eidadlo um guarda vigilante, que aeompanhe
esses ladros, e os faca prender, logo que lancarem
mo do qu na i Ihe costn ganbar.
O desertor Pedro Jos da Silva, qne fra presn
nelu eidadgo Jos Cesar de Menezea, cansa negar o
seeulizeudo nao ser elleelle mesmo,esse
capadocio, que passoo no Barro por um snleolao foi
o proprio, que acutilou dortnindo um sargeulo de
polica, e anies urna pobre mulher ; foi recrulado,
e enviado pira o lito de Jaueiro, d'alli para Sania
Catharina, donde deserlou do corpo a que eslava
com praca. Pedimos a polica, que, su depois de
um exame minucioso, o ponha etn liberdade.
\amos fallar, lalvez a millesima vez, de um
Objecto que d'ora em diant-s o ir.iremos milito l-
menlo. Ou\ irnos dizor, que o famoso Lisemarque
esl rom om esisbelecimento do jogo digno de sor
viadado, lal he a curiosidad qoe excita. No forro
da rasa esla elle preparado com el.trablas de vidro,
nesto pro-|ocolospara o lado do sol, bstame espaco, fros:o,
rtr. l-irr^
vinca como em oulras do im[no. O Mr Barrosj a|?;ria e p,,,^, E,ril.5. .,or u. alcapu, e a es-
l.arreto, que esiodon om Parts cora apraveilameiuot ra.la de Jacob .,., i a., passaeem para tal eco ana
.ul?-' '.* "' *T,cnl-iira, e de mais, aj>|,0, d? bir,tho ,, ,,,; ,ogo q,le csl,l0
ans lem procurado a,i,ihca-l.>s i-ulio n-. no queMacomot* "
lem sido bstenle feliz, romo pruva a Kelinaria do
Mouleiro, cuja aduiiuislracao sciedtifica Ihe pertence
nladoziiiho-, lira
exclusivamenle, o Sr. Barros, di/emos nos, ia possne
um nomecouhecido, e esprame, que ha de aceitar
a proposta dos Srs. iJerasne e Cali. Ninguem du-.-
dar' das suas habiliares para dirigir uina empre-
za desta mture;. i. \tiia repelimos, o estabeleci-
menlo de rehnar assucar existente no Mouleiro,
e os resultados nbtidus s.1o documeulos incontesta-
veis da sua habilidada tiestas maleiias.
Sabamos ja ha lempos que o Sr. Joaquim Caval-
canli, proprietariu do engenho Paulista.requercra a
assembla provincial para conservar nos Uncos da
estrada do norte, qu* alravessam Ierras da sua pro-
pnedade, essas cercas e porteiras, que nos nossos ve-
Ihos camiohos Unto diflicullara o transito, e obli-
gara a quem viaja a levar eomsigo um paaem abri-
dor de norleiras, se nao quizer, alera ,de muda de-
mora, licar no lim da viagem cora os bragus moitos
deeansaso.
Porem achamos semelhanle prelencio lao extra-
vagante que nada diss;mns a esla respeito. Entre-
taoto, souhemos homem com espauto que passara
desapercehidainente pa segunda diacussao da lei do
orrameoto uma emenda aotorisando esse paaso re-
trogrado, e chamamos sobre esle negocio a allenco
dos illuilre deputados. que nao ho de consentir
em semelhaules embarazos a' circularo para pou-
par a cerlos proprietanus alaumas braras de cercas
ou de valados.
As eilradas do sul. Escala, Victoria. Pao d'Alho
alravessam militares de eugeiihos importantes, e os
seus proprielarios nao se lembraram de obstrui-l
com cercas e porleiras, ou,se liveram essa lembranra,
comprchenderain Immediatamente que om inleresse
publico de lauta importancia, como a factltdade e
rapidez do transito, nao pu lia ser sacrificada a om
inleresse individual que cifra-se na ocmiomia de al-
gomas cenleins de mil reis. Os do norte nao devem
ser mais privilegiados.
Desde o principio do me/, de abril acha-se n ti mi
bloa uma representaco as-
i d. fre-uezta d- l.'na, por
eacada, e l licam em
sama paz ns rregueze da garepa e do ggo, rindo-
se das visitas da polica e zoinbando da opiniSo pu-
blica,que ha multo se lem pronunciado contra o rao
lor de tanta immorahdade. Dizem tambem os tal-
ladores viziubos do famoso /.iseman/ue, que m
ama das paredes de ca-a lem um falso, onde esla' o
Brande deposito de garapas picadas ; valha a ver-
dade, ns nada asseveramos ; o que porem passa por
certo he qae deas individuos sabidos desaponlados
do lal forro encantado, esbofalearam-se defroote da
casa do famoso /.iscinarr/ue por caosa de jogo. Ora,
se jogaudo baraltiiho em casa particular, tres ou qua-
lro camaradas paia divertirem-se, assim mesmo nao
he la negocio muilo liqui tu, o que diremos de uma
sucia de vadioscom os bolsos recheados de pataces
adquiridos nao sabemos como, encafurnados de sol
a sol no forro de urda casa jogaudo a mais, e epan-
candn.se, desciiupondo-se com infernal gritara '.'
He celebre Por ventura individualisamns as
familias que dizem, bailar as noites qoe faz o seu
Mez-Marianno ? Por ventura t uma ou duas fa-
milias sao as que fazem com snleranidade os pios
exerciciosdj Mez-Marianno'.' Por ventura s as
familias tf alta plana s.lo as que raerecem o nome de
familias ? Ora pelo amor de lieos, nao nos empres-
teni pensamenlos que nunca nos pa-sarara pela ca-
beca.... por favor, deixem nos !
Paz gosio ver os miseros al-ijados como se ar-
raslam pelas inxsasruas, causando a poucos com-
paixao, e a mudos riso! Oh era que paiz por
menos civilisado se v andar de rastos pelas calca-
das, pracas um mendigo I'.-I.trao os nossos o-
j fres em lila misero eslado, que n!to possam com-
portar uma quota p..ra um eslabelecimenlo serio Ve
mendigos, alim de que a populacio nio presencia
Observarao.
Nosdiflerenles ancoradouros do porlo oici'lou a
baixa-mar de II e 20 a 111 e 22 pes inglezes, e a
preamar de 21 e 29 a -23 e 31. Em 23 de maio de
1837,Jos i'auslino Porlo.
Ale aiivjnli'ia.
VILLA DEIGUARA9SIT.
21 de maio.
He cosiume nos dias tle publico regosijo sahirem
os jornaes do prelo l r | idos em gala, eu desojara, qoe
miaba humilde correspondencia, oraao indigno de
lenarasa, boje se oll'erecesse aos leitores assim ata-
viada para drmonslrar o jubilo, que transborda na
alma de sea pobre autor, e que abuuda dos corac,es
dos Igoarassuenses.
Depois de aterradoras noticias adrede espalhadas
pela ambicio Iludida, e pelo fofo orgulho magoado,
chegoo a esle ciiculo a fausta noticia, de qoe pela
cmara dos seuliores deputados tinha sido approva-
da a eleirao do sculinr depulado Silviuo Cavalcanti
de Albuquerquo. He hoje um mero phanlasma o
delenda est Cartlago, com qoe um falso Celio nos
ameacava ; e o Sr. Ur. Silvino Cavalcanti de Al-
buquerque. o depotido do terceiro circulo eleitoral
da provincia de Pernambuco. Domingo larde li-
vemos a certeza uode ns amigos do depulado fi-
zeram orna banda de msica a percorrer as roas da
villa,c bnm numero de girndolas sobiram aos ares.
Consta-nos, que com igual alegra foi a noticia re-
cebida por nossos innos os Oliodenses.
Pedimos an Sr. Dr. juiz de dreito interino da
pnmeira vara, que se digne marcar a convocado do
jury, que desde o principio do anno prximo hodo
se nao rene nesle lermo.havendo enlrelanto algum
Irabalho accumiilado ; sabemos qae S. S. ignora
essa circunstancia, visto estar no exercicio da vara
de direito, ha pouco lempo, e por isto tomamos a
liberdade de fazer-lhe este pedido.
Continua a celebrarlo do mez M-iiannn, na
casa das recolhidas, apezar do invern. Nao sei por-
querazo essa festividade se nao moda para oulro
periodo do nno, visto que na presente estacao traz
io funestas conseqoencias. He verdade qoe o mez
de maio na Europa he consagrado a mai do Salva-
dor ; porm l faz elle parle da primavera, em qae
na expressao dos poetas, desperla a natareza e rei-
uam as flores. Nao sena melhor que essa solemni-
dade, alias i.lo digna ,ie acatamento, livesse lugar
no mez de dezembro '? Ser por pura imilacjlo, qae
se a pralira no raez de maio, ou llavera motivo mais
pl.iosivel'.'Dicanl Paduani.
Adeos, meo amigo ; deseju-lhc sinceramente sau-
de e felicidade.
REFAET5AO DA FOZ.ICIA.
Occurrcncias du ,|a 22 de maio.
I'oram presos : pela sub'.elefar.,. da fresnezia de
Santo Amonio, os prelo escravos Antonio, l.uiz,
leniaiidoe.Vnastacio, sem participacao do molivo,
a prela escrava Joanna, para correccao.
a redarru. I d-ze-seis senhores de eiiaeiih-is e mais liabdantes da
De Couipeiihage escrevem a 25 de abril que o pra- | meame fresuezia. em que pedem a lrosei?ucia da
zn de 7 dias que o ro courodeo a M. Kill, ministre I sede para o puvoa lo de Tamaodar, lambem uma
dos cultos para reconslitnir o minislerio, eslava e I lista de subscripro de pessoas que olferecem eoo-
lermiuar, e que diariamente corriera novas versiies I correr com qutitia de 2:21T;il.i:j rs. nara sedar
acerca dos candidatos que bao de ser escolbidos para comer a nova inalnz.
as pastas que reuna AI. Sebele. O n liagbladel I A representarn ja este* informada favoravelineii-
annnneia que estas noticias sao infon ladas, e acre-
dito que o actual ministerio sera o definitivo. An-
iiiinri,! lambem a prxima, chegada du bario de Bu-
lew, representante da Dinamarca ua Dicta Germ-
nica.
Bolsas estranaeiras.
Paria 1 de maio, s 5 e 15 minutos da larde.
Fundos Irancezes por cenlo : 68 60.I c
meio por cenlo : !I2.
Aiii-i.t i.i'ti 21 de abril.
Dilleridas : 21 )| Exterior : i I 7i8. Inleror
38 5|16.
Dilleri.l.t :
l-'ranefnrl 25 de abril.
-2i 5|S. lulerior : :IS.
le pido Exm. bi-po iliocesano, e so falla a declsflo
da assembla. Esperamos ;i-- es Srs. dopulados
aproveltarflo ospoucusdias do sessao que anda
restara para autorisar cs>a transferencia, cuja urgen-
cia nao he uegada pur pessua alguma das que tem
visitado o sul da provincia.
A povoar-Jo de Una nao passa de um cadavcr.que
ja nem se quer se pode galvannar, a matriz ela' era
ruinas, as casas particulares de-.ibam : ja chegoo
uina serra falta d'aaua. e oude nao pode liaver com-
moriiio algum, ao paso que laman Inri- si espera o
sopro benfico dos poderos pblicos para .cainitbar
a pasaos largospara o brilhaute futuro que Ihe as-
segura a excedencia do seu porto, e delie tara' an-
tes do lim do seculo, romo ja dtsse o txin. inurquez
de Olinda, orna das primelras cidades da America.
No dia 15 do crrenle leve lugar a eleirao da di-
espociaculos ropugn mies, como andar de rastos, pa-
sados em carretas etc., cerlos mendigos?
I'.O que he que ha de melhor na organisarao
do universo t
K.Um dia aps oolro.
P. Qual he o vinaador mai*' iofallivel, que ha
para quem lera desojos de le justificar, e ver puni-
do um calumniador'.'
11.-45 lempo.
!'(Jaece desmascara a hypocrisia '.'
K.A lingiia.
I'.Quem diz o qoe ootrera nao faz, o qae he
qu merece f
R.Oue o domo o de-cubra.
P.B qiian lo he que o demo o descobre.
U.Ooando maisroberlo se julaa adiar com o
manto de Tartufo....
Por vozes lem o alvirareiro do lelegripho des-
ta cidade mostrado sua incapacidade para este servi-
co, e anda sabbado fez stgnal do vapor oliuanaba-
rau, viudo dos portes do norte, qoando o vapor en-
trado foi o uMarquez de Caxias, prnoeieule da Eu-
ropa De que serve um telegraplio reaolarisado. se
o alvirareiro nao lem a precisa capacida le'.' Esoe-
o.a lalal para ee povoado, coilocadn no cume de ramos que se atienda as mullas reelamares reitas.se
remedie esta incuria, om que todos os das he Ilu-
dida a populac.lo desla cidade. Sa a pessoa enrar-
regada Dio lem a precisa inlelligencia, veja-se un-
ir, ou arabe-se com o lelegrapho.
S. rixe. n Sr. vice-presidenle da provincia nn-
moou a senhnra baroueza de Cimbres para um dus
locaras, que se achava vago, de inspectora dos ella-
belerimentoi das orpbaas.
.< A nos-a gloria be o culto de toda a dea grande
c generosa ; a nossa gloria be a can lado !
o Oulr'ora, antes quelivessem germinado as gran-
des ideas qoe luje resplandecen! em (oda a super-
ficie da trra, a caridade, viriude suave e (mida,
la cuidando e consolando os iufeltzaa um a um.
Asscmelliava-se entilo a boa mulher que reco-
Ihe a crianra abandonada e Ibe diz : o Tu sers o
irm.i-i dos meus Qlhos, trabaliiarei |ijr,t que nao sa-
jas mais miseravel do que ellea,
" lluje a caridade he a joven mli nraulhos.i e al-
tiva dos seus filhos, que ama a (n-Jns i_u lmenle
sem distinccu de prinioaenllo, mas que os ama vi-
rilmente, iiiqiiietaudo-se nouro de ver, se no fondo
do berc,o esla i.la nu palhn, com tanto que seja largo
e rommudo p ira ah dormirem, com tanto que a
erlanca aln esteja aleare, e sa de espirito e de
curpu.
' A caridade lie a mal fecunda que lom mudos
lilbns para ter lempo do geiliei com esle-, de brin-
car com aquellas, e que diz, ni istran lo-os, sem de-
| signar a nenliom em |. irticul ir : ToJ is sao meus |
lodos nao sao bellos, lodos nao ao fortes ; mas pa-
ciencia lo los vir.io a se-io : pois que lodos -e en
, tender.;o, e, se um tunco s-l nao lites he sullieiente,
lieos, que lio pai tle lulos, prometido crear segando,
terceiro, tontos quaotos forem neeessarios para aqoe.
cer, para I izer lloresror e fructificar osla Ierra aben-
coada. A caridade enlre particulares deve asse-
melhar-se a Cela grande caridade social, o
Desgracadamenle as cousas ainda n.io se pas desla maneira ; as prnme-sas .ios prophelas, dos ao-
jos, das virgens, dos sanios, s realisam 'noi vagaro-
samente, e o hc-pilal e a esinola sao ain la cunee li-
dos ao pobre e an enfermo como um simples favor.
ti nnsso hospital confiado aos cuidados e soliniude
do Sr. Jos Pires Ferrara, se nao pode lisfazei neces.idades de uma arando popular! i, em cjii-'-
quenria da sua eslreile/.a, be um documento do zelo
o ardor desse digno cidadao o uma prova nio equi-
voca do nosso progresso social.
Para Coroar os \ .los rlenles de inuilas almas sin-
ceras e apalxunadas pela civiliiarao desla Ierra, os
poderes pblicos desla provincia mandaran vir da
Europa dnze irm.las Ue caridade e um padre lazarla
la, para se encirregarem dos diversos e-Ubtdecimeu-
tos de cari '.ade que aqui ja' existem.
Ain la nao foi possivel realisar esse imbre desejo de
urna maneira- cmplela ; entrelanlo clieaaram ulli-
mamen'e seis irm.las, dirigidas pola suporiora, a ir-
mia Letal e um padre laiarista, o Sr. Chevalier.
Eslos anjos terrestres, ijmbolos da caridade e do
amor do nroxnno, arham-aa boje inslallados no hos-
pilal de S, Pedro de A lea ul ai a. ondeoxercera as san-
ias ftincr'.es do sen minislerio de piodade.
lie um espectculo palhVlico e loranle o ver essas
poninas celestes voar de leito era ledo para alliviar
as dores do enfermo infeliz romo sao ternas e Con-
s dadoras a- palavras de lincean qoe saliera da bocea
dessas sanias mulheres !
Comu distemos em principio, no dia 21 naogu-
ruii-.c a capella du eslabelccimeiito, rom a cleloa-
rlo de urna nisa solemne, cantada pelu Sr. padre
branles, carcllao do hospdal. Poi um acto mui edi-
ficante, ao qual assistirain u vire presi 'rule da pro-
vincia, chele le polica, ilepotados provinciaes, umi-
tas nutras pestaas, as >.-s ; maas da ir a la e n jo-
ven lazan-l i, lacerdote dolado de eminentes qoal
dades.
Estas fallas; adoplivas de S. Vicente de Paulo Iroo-
xei ni eomsigo le Paria, c por conla lo -talialer.-
mo*.!", um altar: im lo s os accessorios ne---- ;n >.
Tildo he rain!.rail d Idilio fiuissima e damasco, onde
se nota a maior simpli i-lade, de harmouia romo
mais delica lo gosio e elegancia.
I-ailnnis agora le coosas frivolas,
indo enlre mis le silencia e tedio, J i' nao lia bai-
les, nem saraos, ncua Ihealros.
o sol esla' ameacidoda conciirrenria do invernn,
quja' nos lem leil" as suas visilss ; as llores ja' co-
mecain a brol ir e a perfumar a creac-o, o a la, ese
a-lrn de disco argnteo, invocado por lodos os aman-
tes, cantada por lo les ..-.Uncos, tambem esla' pres-
tes a ser privada das emocSea da nalureza.
Mi- ni paseo que ludo parece dormir a' sombra da
nne, vamos dar uma noticia, que os leitores ho de
apreciar.

Estabeleceu-se na capital do imperio uina nova
empreza hrica, com o fundu de trezetdos e sesseula
contos, e representada pelos Srs. Manoel lljginode
Eigoeiredo, presidente ; Barao do Pilar, vico-presi-
dente ; Malinas los PlmeuU Thegomera e I'. S.
Dias da Molla, secretarios.
Pretende n.i.i s manter os espectacolos lyaicos da
opera italiana do thealro lyrica llumineuso, romo lo-
mar por empreza o thealro das pmviucias que sub-
vencionaren, esle genero de diverio,
O thealro de S. Joao da ridade da Bahii, ja' Ihe
he filial com a subvenc.lo de viule e tres ruidos de
ris, para tnuta repreieutaras.
A nova empreza lyrica pretende lomar lambem
por empreza os espectculos lyncos no thealro desla
cidade, sendo dados de janeno a filis de joiiho de
1X38, nos mezrs que o governo da provincia contra-
lar com a snbvenrao qu Mr antoriseda pela assem-
bla provincial, i.-o sen lo prnpi.i-ciunalraeute infe-
rior a' da Babia, para que os espectacolos sejam rp-
gulares c dignos do gusto dos habitantes dota c-
dade.
Eis pooco mai-ou maosos termos da proposla
que a nova empreza lyn i da capital do imperio
'en a' c in-i lerar i i goveroo <\-t no*sa pro-
vincia. Co isla-nos que S. Exc. > Sr. vice-pre', lente
ja' levoo-a igu tmenle a coiihecimenlo da assembla
provni ial.
Os nomes q.i lirmaram a proposlasao um i ga-
ranta evidente do bom ovil i da empieza ; e se o pro-
jeclo se reali--.ir, como suppomos, podoremos, mudi-
c.i e fcilmente, guzar das vozes deliciosas dos me-
lhores cableros que vieren para o Uto de Janeiro.
Tarabarlick, I,a Orna. Stoltz, Caosaloni, eludas
as celebridades que por meio de puotlnhos deluda
preta. em algernas folhas de papel, ethomam o
IWraos do Egypto, os Strapas .le llabxi.....'. os
Doaes de Vene/a. os Libertadores >a Ssaasa, Atilla,
emlim lulo quautn Ibes aura/ evocar do dominio dos
morios, ja' nao sero o monopolio exclusivo da
Corle.
O mvsterio da assoriac.li dos rspilacs e dos esfor-
roi rouuidus e combiuadus de tnudus individuus uus
A assembla, na sessao de sabbado, couiiouoa na
dis:ussao do projeclo n. ',9, que manda pagar pela
thesouraria provincial o ordeoado do pmfessor do
collegio dos orphaos, orando os Srs. Francisco JoSo.
Epaminondas de Mello, e Barros Brrelo, fienndo
anda adiado, e com a palavra os Sn. Metra ilen-
nqoes, e Antonio Cavalcanti.
Em seguida enlrou na apreciacSo da seguods dis-
R.*Ti.0 orS1""enlo1 municipal ; corando os Sr..
Reg Barros Theodoro da Silva, P. Baptisla, G.
Uuimaraes, Iheodoro da Silva, Vilella, Manoel Ca-
valcanti esouza Carvalho, foi epprovado o art. K
sendo reieiladas ai emenda, a elle offerecidas.
A ordem do da para boje comprehende a i dada,
e mais a primeira discussao do prnj.cto n. 43 tor-
ceira do orramenlo provincial e 39 desle anuo, e
primeira do projeclo n. .57.
~-*W*< ,..VaPi b;'1iilei,ro #* "e CorS, entrado
anles de honlem de Lisboa, Irouxe-nus a carta do
nosso correspondente daquella corte, que fica trans-
cripta em oulro lugar desle Oaro. e tambera varias
gazclas ponuguezasque alcanram a 6 do correle.
fcm I orlogoal der.m-se ulliroamento em algons
concelbos da provincia do Minho disturbios que fa-
zem lembrar o da celebre Maria da loule.
Alem de oulros occasmnados pela caresta dos ce-
reaes e nos qoaes inlerveio a torca armada, havendo
morios e ferimente. de ambas as partes, um gruo
uomeroso de mulheres apoderoo-so de ora cadver
que era levado para o cemiterio a euterrou-u na
greja.
O ministro da ju.lica e dos negocios ecclesiasticos,
ferrar, dea a sua dimissao por nao poder acceder a
concordata qoe o governo pretende fazer com San-
ta se. s. ixc. rommunicando este pa.so a cmara
dos deputados, fura por ella multo bem accolhido,
pois geralmenle se er que assim obrara per nao iol-
gar a dita concordata de accordo cora a dignidade
.Na llespanha rennio-se o parlamento no !. do
corrertte, sendo o diaeorso de abertura pronunciado
pelo duque de \alencia. visto q.e a raioha, pelo seu
eslado de gravidez, nao o podia fazer.
Eis aqui essa peca, que segundo corra, he obra do
iii'i.:-lr-i do interior, o Sr. Pida :
Senhores depulada.e .euador...Nunca lem sido
maior a mmha ...lisfacSo ao ver-rae uo meio de vos
'oreno 'q'h'10 a8'l'du e co,amo'do
Mas confio na Divina Provideaeia que anda ha de
ser maior esla miuha satisfago qoando com a vasta
rnoperatao e estorcos vejamos apgala de todos os
corarues a memoria daqaellcs triste, aconlecimentos,
do mesmo modo que te acha apagada oo roeu S
assim lograremos unir n'um lim eommum a lodos'os
llespanhnes.e reslabelecer a nossa palria uo alto lu-
gar que Ihe corresponde, e de que so podem laze-la
lia,"" a dm,iao e discordia enlre seus mearnos fi-
e Com a maior consolarao do men coracSo vos
aniioncio o restibelecimenlodas relaee. com a Sau-
la^Sede. Aplanadas peto mea governo as diflcul-
daro noites de prazer, tao agradareis como as que
se goza.n as cidades da Europa ; mas ludo dependo
da assembla provincial.
Concluiremos este fulhetim, trasladando para ani
ama noticia que eucoutramos era um lornal eu-
ropeo :
A ceremonia a' que acabo de assislir na calhedral
de Nossa Senhora de Pars, he o successo artstico ja
semana.
A Igreja loma a grande msica sob o seu palrnci-
mn, e vem em socrorro da Auociorao dot sjris-
tat msicos da tranca, presidida por Tayler. He
mu simpleMiieule um fado inaudito, nm's'Jecde-
itastico.
Era iSrerisn ver essa immensa baslica clieia de po-
vo, essa orcheslra qualruplicada. e esse exercilo du
quinbenlo, i.'xecut..res ; lods a gente correndo ao lu-
ga, -.auto para uma obra em apparencia profana.
o pro,;., dos losares reservados, leild
,"" m, 1 "s ? ;..... <<"" deslmalos para essa
cala bcneltrenle que Taylor fuudnu com Unta per-
everanra, z?lo e felicidade.
O autor da mi... cbama-se l.uiz Defles, e a sua
slrea he a revelaran do maior lulero.
O hurle, em lom men.,:, |le Je om", amplidno sd-
miravel ; o .toria he um seberbe cntico de alegra
seraplnca ; o Credo, imitado de moitos oulros, he
de milito bnm Hiedo ; SanCtu be uma maravi-.
Ihosa ira lcelo meldica da visia de Ezechiel : em
lim o ignus Dei e .lie Maria cantados no offerlr.rio
completara dignamente o completo de uma obra des-
lina ia a viver.
laure e Jordo, esses artistas de Unto la'.ento e
zelo, raolaram os toli. com voxea de cherub-ns. Os
roro. Hieran] o seu dever, como om s'. homem que
cania bem. tuleslremecimnto tle approacao mu-
da corren no inmensa auditorio, qoaiiJo o*orador
prnleno e-ta phrase musir nos ten de Deas, e
rolla para Dos.
E a esle repeito o que diremos em nosso abono t
Nada.
.ihialah-tl-Kralif.)


2
DIARIO DE PERNAMBUCO SEGUNDA FEIRA 2. DE MAIO DE 1857,
.Udeiiiuese-oppunliaiua 1.1o dejado sorccsso, lipi i O eorrwpondenle i afio, ucrevendo de Parid, i concluido ull mmenlo pin Pars, parece que a
enviado a Roma um emhaixalorque, em mea Dome,
estrelle o vincub s agrado que unem inouarcliia
heaponliula rom o Pi commum do fiis.
,. lamlieni (eiilio a inaior satfacao em aiiuunciar-
vot que se h.1u reslahelerido flirraenle ts relaj
rom o nosso anligo alindo o imperador de ludas as
riu-i,-.
Cum a repahlica mexicana lem se inlerrompido
diz o ejEoiote sobre r-sle asan>plo
o O sr.o duque Constantino chegara' a Marselhk
o dia 23 da abril, a 28 a l.yon, c a _'J a Chaln*,
lie sem dolida Beata ulhma ei.1ade que era' receba-
da olHeiabnanla palo ambaiador da llii.s a eiu l',i-
n-, M. de kisselell.
o da :1U cliegar* a Parla ai cinco horas 1 lar,le.
k Aluda n3o esla' decidido, e ruino a ramia de
as rellenes diidomaleai "em consequencia de acn i Inglaterra se dirigir' as Tollierias pelos b lolevard*,
lecimenlos deploraveis. Espero que e.la inlerrup- oo e sesuir..'pela ra que a er astiin, lara a iua einrada menos solemne
lilldades .iii la riAo terminaran).
U .Varal pobliea a aecoinla Iraduerao de um sop-
plemento anueio so n. :!IT da (azula de Tehern
rom dala le llluor oulra de 25 de fciereirc prxi-
mo paitada :
nos participa s rasaintes| perld*de 800 inillia
rn, e rjuaulUs eorn
c os i'i iduetiH iioj marea, pesca
ie<. ele., a I._\iii mllbei de dol
lado capital empreado no commcrcio
factura*, o terreno cultivad!
frele. transpoi-, constando al'.'um oulrn impedimento, alem i Jos dos Sanios Nevos.
Alora oa\ui- .i,, decrime pelo mesmo senhbr dispensado, I Ladislao Acresio de Almeirh l/nrtuna.
em minha presenca dastestemunhas Ma-|Salazar Hoscoso da Veiga Pessoa.
c lias maiui-
a Shoojn-oul-MonlU
ooticisa .i.iia las do'da :
Km 7 do cnenle
leudo eomsigo dea pac, .-
ranieosolti.....si.annos, eii,pIeR,rim-ss smenle ana de Carvalho, moradores nesla trege-1 Pela administrarlo do
y,liu oio sera' duraduura : a nacilo e o Roverno me-
xicano nao quererlo associar-se, o ja coinsraram a
dar provss disdo. a actos lio conlrarus a jusilla co-
mo a humaimiaile, leisaoilu-os impunes, nein obri-
ar a Uespanha, cum quem lano, lac.us os unem, .
a exisir a reparac.lu daqn-lles agravo,, j aquellas do ministerio ,
Con luda. M maii iiecn-s se conservara sem al-1 '"o"1
entrada
e brllhfcale. O srflo Sao* Censtantiao permanecer !
U'-lIt nuil.- Mdll] ItillH (1 l"ii.--, mili -------------- 1 ------ I--------* Vi> |- *>"- 'l- IHIIB
teracAua amiga e boa eorretpondaneia ea mi/sde., lime maio, tona a corte partir par* Fonlainebleao. ola a noile o campo nimigo.
ii O estado interior da inonarchia, he, em quauto Ha inn de res das o principe Tallar su a Paria, depois da se haver parlado coi
cabe salitfaclorio,
k A escasseidas tobsistinciaseot t\orbilanl pre-
Cos a que mbiram os gneros de prnneira nere-si-
dade, bao oceupado iaoeasaulemeole meu guveruo
a a erise quasi vencida, nilo inspira j.
o recelo das
graves complicares e riscos com que ao principio
amea^ava.
cr O suceso publico e a segor*nr;i interior acham-se
romplelamenle afianzados, e sua sombra se lem
feilo com (oda a liber.lade e sem disturbios as elei-
ci'ics manicipaes e as de depulados ss cuites.
T-imbem hei podido enlregar-me sem receio aos
malemaes impulsos du meu coraran, dando nina
amnista poltica, Uo geral e completa, que nao
ionve um su llespanhol excluido dos seus lienrti ios
a quem nao so houvessem abeito as portas da sua
patria.
a O mea governo vos dar conla eircumstanciada
das medidas lomadas para o reslabelecimenlo das
leis que re..iam em 1854, e cuja observancia foi in-
terrompida pelos acouteciineiiios daquelle anuo. A
legalidade, o respeilo aos poderes cousliluciouaes, e
meimo que a conveniencia publica eugiain impe-
riosamente aquello reslabelecimeiito.
Tem-se restabelrrido em loda sua forca e vigor,
como o exigia a miuha real palavra e a ininha reli-
giosidade, a concordata celebra la com a santa sede,
edictaram-se de man outrasdisposices para resti-
tuir igreja aquella liherdade de que a dotou u seu
divinu fundador, e que tao acatada liavia sido em
todos os lempos pelo religioso povo bespanhol a pe*
los meas gloriosos progenitores.
Be A necessidade imperiosa de acommodar os servi-
Sos pblicos as exigeucias da nova siIimcjo, obri-
Rou ao meu governo a ordenar e por em execuco
os orcameulu que vos sero aprese litados, e a con-
tratar om empreslimn, que, desaforando o Ihesouro,
fizess>i baixar o excessivo juro do dinheiro, e per-
milli-se aos capilaes empre^ar-sc uo fomento da ac-
lividade uacional. De ludo se vos dar coula pelo
meu governo para a convenieute resolucAo.
a Ai provincias do Ultramar, mesmo na America
que na Asia, prosprame crescem emriquexae ven-
tara sombra da unta adminislrac;flu protectora e
tutelar, e os seus habitantes recolhem o fiuclo de-
viJo acrisolada fidelidade que os ha liberlado du
mundo dos males em que onlros se acham en-
VOllllS.
* O exercito a a armada.que com n sea acreditado
valor a disciplina lanos iervicos hAo prestado em to-
das os lempos ao throno eao eslado.me hAo merecido
sempre especial benevolencia e allencAo, e o meu
governo te desvela por raanler a fon; a publica na
siteacao que reclamara os seus merecimeulos e os
altoi lisa que esta desliuad*.
As obras publicas leem sido tratadas com esfor-
zada acdvidade : aisim o exigiam a sua recooheci-
da importancia a a necessidade de proporcionar Ira-
balho t claites operarlas na grande caresta das
tobsulencias.
a Tal ha, Sra, senadores e depatados, o estado ge-
ral da mooarehia, e confio em Deas, que de dia em
dit ir roelhoraudo e crescendo com o repeiio es-
crupuloso s leis, com a eslabilidade inais necessa-
ria, que nunca depois de lanos anuos de distur-
bios e com o liancamento das inslituisoes conslilu-
clonaei, que assim susleulara a mbuslecera as pre-
rugalivis do Ibrooo como os furos da publica liber-
dade.
O meu governo vos propora, com esle objectu,
nma medida imprtame : a reforma do senado
reslringindo as coudices e admilo, unindo a di
ni lado de senador aos cargos mais elevados da
Igreja e do Estado, iolroduzndo a heraiic,a como
ura novo elemento de labilidades da faifa, e co
rae om ine.o de manter e couservar de urna manei-
ra permauenie os gloriosos nomes dos que nos pre-
seules a pastados lempos hAo servido e illaitraao a
ana palria.
a Alm dos orcamenlos do anno actual, se vos a-
prestntarAo opporluuameute os do auno prximo
foturo.
o Nelles se prope o meu governo tobmeller a
vossa appro\ara\i as relormas e vaiia^Ces necessaiias
para nivelara receila com a despea publicas com
o recursos permanentes, e conlo com a vossa coo
peracAo e esfor^os para obter om esultado, sem o
qual nein a faenda nem u crdito nunca podem
che^ar ao seu devido desenvolvunealo.
de feverer
cinco regimenlos inglezes
dearlilbaria haviim or i-
pido n Djali-tvmlaiuado a qualro leguas de Bou-I
hire, com o hlenlo de balerem as nowas tropas
que se acliavam em in-rcha para operarem a sua
em Pal* alo ao da lu de man, e no Intervallo do i |unccAo no qoailel general.
|.. da ala ate 10he que tarlo lugar as f-stas das yoerendo Shooja-oul- Moolk preveuir c* Ingle-
aaaaaja ros de. relacAo, mas hoja .levo acrecentar I /.e. no plano que haviam formado, poe-M em aaar-
maiinlia cd.....mitlero I cha com 3.WNI homens ae infamarla regular .liui
que serao eaplendidns. A jeavalleirot e i p-ijat da artilharia, para niicar du-
.\es*a meaina noite
... cousa de una leffua de
onde se demi.rarj dous das, para vi.ilar lodos o es- K-urase Jan. a cliuva comer a cihjr a caiilaros.
tabelernnenlos e inonuiiienlos pblicos, e no dia 1(11 As tropai In.leai. que a seu'turno s. haviam afafr-
liordeus. Uepuis embrrala na frngaU I lado igualnienle una legua de Djck-Koulah, balem
, utos portse em reinada a apronmarem-M aa nossat iropaa e
eteursAu. u gran procuraiii um abrigo por enlre o rochado! e lias ca-
pul Droxellai venias, omqu into que as nosaas (ropas, achaedo-ie
grao duque/a I sem abrigo no ineia de urna atpacosa planicie e\-
sua esposa, e arabos parlirjo'paraj Berln, e den i- i poslai a um furioso temporal, se retirara para o seu
de permanererein all Ires das, se dirigir) a S. Pe- i acampamento.
leribargo, lermo da sua viagem. Bapefa-ae ver pu- As Iropat inglezaa, lancam mao deste incidente
blicado n'um dos prximos nmeros do ii.Moiuleur.n e a luda a preaaa se pem em marcha para rliega-
a ereacJo da amolara mor. Irem a Bonrota Jan anles de romper o da. Souja-
A opimjn geral he que esla alta dignidade sera. oul-Moulk peiMgoe-oi com os seus tres mil humen.
le tropa eaeolhida e oilo peca de arlllharia. A v
seu consignatario Antonio l.uii -lo Oliveira
A/.evedo. na da Cruz u. 1.

'
rutr.'S m-1
ros k porl
partir
iiReine Hortense para ir visitar o
eilabelecirnenlus martimo*. Ilesla
doque desembarcara em Caala) c ira'
ao llanuover. ou.le deve eucoiilrar .
oorrcio so la/
le doliart uosraminhoide fer- 'ia, e n-ciMicram solemnemente em malri-. publico, queu vapor costeiro Persinunga r
pondeiies dispenderam-se para monto f.or palavras de presente, recebendolcebe a mala para Macei no dia27docor-
oraraeniot, esvada ordinarias, canses,: logo .ts bcncos nupciaes* Caelano Pinto ' Veras, viuvo de sua mullier fallecida D Ha- O lllm. Sr inspector da thesouraria da
^WMwRW'*' cia l'mreir da Silva, com l>. Krancelina Di- fazenda desla provincia manda fazer publico
O vapor imperador foil portador de jnrnaaa do niz da Concei?3o, solteira, lodos braocos, I para conbeeimento de quem interessar pos-
Par.' al i.i p.nai.ii.a aic _':! do corrjenie. sssento, e em lestcmunlio ile veril ule assig- lampa (encarnada sflo sabslituidas po"r va-
- nei.-O conego vigario, Venancio llenrique j lor igual at o ullimo de unho prximo l'u-
Ve Itezende, Nada mais consta do dito as-, loro ; oque do I. de julbo sega inte ittn
sent ao qual me reporto, Santo Antonio do dianie comejar3o a soirrer o descont de to
lenle I. de julbo de 1856. <> conego viya- por rento em cada mez, ale Picare ni sem va-
rio, Venancio llenrique de ftezende. lor algum. Secretaria da Ihesouraria de Per-
c o povo olhacnnj indilTtjrenca"para os insultos da lleconlieco venia Icira a assigntilura su- nambueo 22 de Uiaio de 1X57. (i olcial
Imprenta; vula-lhe o maier despreio, embora elle pra : ilou l'ii. Itecifa 7 de julbo de 185(i.~ maiiir, Emilio Xavier Sobreira de Mello.
j teja como ten, semnre tldo. o aggredido. Em icslemuuho de verdadeO UbelliSo pu- A pessoa que lancmi na caisa da admi-
ran lu I
linoam
npiosi
dial novas [viclini i
unas, a cuja rauti
\s chovas con-
e altrihue a in-
aluhrid.ide da provincia. A ordera pnbliea, di/ o
l'ahlicador Maranheme, marcha'inalteravel, poli
que as odlotidadet poltica^ n.iu pataam doproprios,
rainscnpcao para accionistas da |j|lcc>. Francisco UapUsla de Almeida.
decidamente cnncedida au principe de Canino ; mas
devo aqui fazer observar qu o uAmi de la Iteligion
e o Messager de la Veril, joruaes religiosos, que
devem eslar bem informa ios a este respeilo, e dos
quaes n ullimo lem por principal redactor o esmuler
particular da imperalriz, di/.em que a esmolana mor
era' orgauisada de inaneira que evite todu o con-
ftele entre o arcebispo eo esmoler mnr, n que con-
firmara o queja vos escrevi a saber, que o arcetiis-
po de Paria accumularia a diguidadede esmoler mnr
com as suas foucees archiepiscopaes.
- Ja que eslou Ir liando de cousas religiosas, devo
diier-vos, que alguns dos ccclesiasticos ioterdldUM
pelo hispo de Maulius appellaram para o papa da
sentenca do su bispe.
o 0 sanio padre eaearregoa o hispo de lllnis de
onvir coiiilicioniilinenle os queixosos e e hispo de
Moulins.
O pleito, com a opiniao do hispo de lllois sera'
depois enviado fieranle o metropolitano da diocese
de Moulins, o arcebispo de Sens, e depois ao santo
padre que decidir'em ultima instancia. I
Em oulra carta do mesmo correspondente, l-se
anda ela nutra noticia :
o S. Em. o eardeal Morlol lomou boj posseda ca-
deira episcopal de Paria.
Esla ceremonia leve lugar conforme o program-
la publicado pelos v garios geraes e capitulares.
u Observam-se, alera do clero marcado uo pro-
gramma, o hispo de Ais, e o bispo de Touri. Os per-
ontgens ofliciaes que se achavam na igreja deNossa
Senhora para receber o novo arcebispo, erain o mi-
nislro dos cultos o prefeito do Sena, o prefeilo da
polica, o procura lor imperial, o presideule do Iri-
banal civil, as depolares dos Irihunacs civis e os
comm ssanos mumeipaes.
" A diplomacia la/ boje milagras. Depuis do -ar-
ranjo dos negocios do Aeulchalel,Mxico,e Montene-
gro temos a mencionar o dos ducados.
o l.ma correspondencia de llamark nos annnncia
que esla qneslAo esta* resolvida. re lo/.indo-se lude
a urna simple* rou namarca pela inlervencAo da Franja e da Austria.
o Apezar de ludo quaulo se lem dilo acerca da bri-
Ihanle receprAo feila ao grito duque Cooatanno, pa-
rece que esla reci'|u;riu uAo exceder* a que se fez ao
archiduque de Austria nao querendo a Franca fenr
em nada o melindre desla potencia.
a SerAo, pois, as duas princezas de Kadlzowil e de
Jousopnf que (ario as honras na embaixada rana em
Pars ao grao duque Cuislanlino.
Iloje reunio-se a academia das sienc:as iniraes e
polilicas para ouvir o relaiorio de Mr. upin sobre
o corte do isthrno de uez.
O governo acaba de near aoiiCredilo Mobilia-
rio a autorisa^Ao solicitada para se prestar as ope-
raees que val provocar a emisio das acces do ca-
nil libo de ferro ru-so.
Esta adtortiacaa era indispensavel a admiuislra-
?Ao do crdito Mobiliario, constrangilo em varios
dos seus projeclot pelos estatutos.
ii I) governo napolitano propoz ao enverno fran-
cas o reslabeleriuienlo das boas relac-s entre as
duas potencias, cojo objecto deve ser tratado em Pa-
rs pelo duque de Aquila.
Esla proposta fai recehida framente pelo impe-
rador, porqoe o.lo pode fcilmente decidir a queslAo
sem a enneorrenci?. do governo hrilannico.
O projeclo relativo ao aenbainento do a boule-
vard de Sebasloplo Coi diitribuido hoiitem.
a Trata-te de levara elTeilo Irabalhos que impor-
lam. em nada menos de dozc milhdes.
Na Inglalerra^nada de exlraurdiuario ha lido lu-
gar.
Lonlinna com cal
calxa econmica.
V' da 1 du paitad Idmorj |ios do MaranhAo n Exm. Sr. lir. lienevenolo Aogoalo
de Magalhiet taques. S. Exc. fui moi bem recei-
do illi e gu/.avu da calima publica, lis lyuographot
du Maraulio, tegnindo o exemplu do nos iraatfl n
desla provincia e da da c.'irie, inilallaram, no da
II do crranle, a Saciedade TypograpMea Maraen-
", ciimpoiido-se a mesa da direcejo dos Kguiolca
Sis. ;
&:-\.^
guarda das tropas ingle/as annancia cum um liro de
peta a chagada das n-s-as Iropai. Os Inglezes, ven- V'.....ao Joaquim Antonio Pires, presulcnle,
da que por causa da lama nlo poderiam Iranaporlar s">r" Antonio de lanas, vice-prcsidenle,
sobre os camelos as suas munices de guerra, nar I |"" }!'""' *'v* SerrAo, pruneiro s-crelano,
rrea de trias, segundo dito.
da
-------........ suas munires do guerra, que .
Ibes pareeam tapuflaaa, qoeimam-at e marchara i?'6 M,,Sa tarreada rriajt,segundo i
em retirada para lluu.hire. As nu-sas (ropas pene- I V'"""-'1 'raneiteo Pires, lliesoureiro,
guem-nos ate qualro leuas e meia desea praca '"' ale"' desles, uumeado presidente honorario
.\esie cmenos oulrm dous remenlos da infamara ""'''; Sr- "r- -1""1" Henriques l.eal.
ingleza e qualrerentus cavalleiros com de? pecas de i """'"'"" MurtMM da coma do Kgoiole au-
arulharia ebegim de lioushire em auxilio das soas \ ''''" da Sl'una porlugueza Crea em viagem Uuro.lincas hespanholas.
tropas. do Ido para Lisboa : Meda, de ,;5lM) y,
Depois da chagada de.te reforro o. Inglezes vol-1 anTragio.O palachu a Mana enlra.lo hnn-
l un a face is nouat tropas e Irava-ie o combate en- .'" '" ar'"""ba. ronduzm o capitAo e marinheros
Ir as duas forcas. I l'A escuna porlogueza a (.eres a, qoe ia do Itio de
Apezar da' uferioridada numrica das nossas J" tropas, lu 'avia ellas s? haterara enm uiuilo aojo e
CAMBIOS.
Sobre Londres, 27 :i|;a (i() d. e 27 7|ts a '.)() d.
c Pars, 350 rs. poi fr.
a Lisboa, 95 por "0 de premio,
a Itio de Janeiro, 2 por (!pi de descont.
AccAo do baaco 50 por ceulo de divideudo por con-
la do vendedor.
ii cumpaiihia de lieberibe (isOOO por acc A
compauhia Peroambncana ao par.
a L'lllidade Publica, :iil purcenlu da prainio.
Indemnisadora. 52 Idea*.
da cslrada de ferro 20 por 0|0 da prem o
lliseonto de leltras, de S a 10.
Acce- do li.inco, 4(1 a 45 de premio.
285 a 2S3500
Ibas .... ItisOUO
: (icOO novas .... ItisOOU
coragem. Comectra o combate pela madrugada, du-
rando (uatiu horas c ineia conseculivns ; as nos-
iai tropas desenvolvern) lima bravura digna de
lodo o elegi ; por duas vezes penetralam a bdio-
ncla calada as lileiras do iiiiraigo dcibaratan-
do-o.
ii Corra no acampamento que perecer na bata-
llia Slaktes, general em chele das tropas inglezas,
o qoal chegara dos priineirusa lioushire ; porem e-la
nolicia nao he fon lada ; nAo podemos p. r einquanlo
garantir a sua aulhenlictdade. Do nos Mahoinmej-k nili Khan, Joran-Schir, e o sarlip Ali-
Kban, l\ara-(iuurlou, ao penelrarem as tiieiras lui-
migas, l naiii feri los, o pruneiro pela inelralha, e o
segon lo de um golpe de espada ; as suas feridas pu-
rera nao inspirara receio.
Einquautu duruii o cmbale a chuva nAo ces-
sou de ni.'..milla t.n os foinbalenles ; caba com
urna forca tal, que as duas furias liveram de reli-
rar-se, abandonando na lama algumas pecas de arl-
Ibaria.
a Por causa da intemperie do lempo nAo foi possi-
vel averiguar-se o numero dol inorloi.
Conla-nns que os Inglezes perderam aproxi-
madamente nesla balalba SOO a 1.000 buinens. As
aossai perdas sao avahadas de 300 a (;H> comha-
lentes.
Esperamos a lodos os in-laules milicias mais
rircuin-laiiciadas do illuslre Mahoinmed-Khan-Ssr-
kecliiklcb-Baclii, chefe das guardas do carpo de ana
mageslade o Shah, |qual, no mnmento em que eslas
noticias etilram no prelo, deve ler chegado ao quar-
lel general do nosso exercito, e que nAo deixara por
certa de no eommaniear lulos os promenoret desta
balalba que imiuedinlamenle publicaremos no nos-
so prximo numero.
O curreipoinleiile do .Vord acrescenta a esla Ira-
ducc.lo o segunde exlraclu de urna carta de Tehern
de (i de marco :
Chcgoo de Kars outro correio. As noticias que
Irouxe coufiriuara as que furam publicadas no sup-
pl '.liciltu.
Avalia-se a perda do inimigo de 1,700 a 1,800
Iioiiimis. Ai noataa perdas nA i alo eonsideravei>,
comparadas as do inimigo. Nao pastara alem de 5011
a i'tl homens.
ii As pecas de arlllharia abandonada) sobre o
campo de balalba furam levadas pelas nossas tropas.
O general dat tropai inglexae, que chegara um doa
primeiros a Bpuihire, e dous uliiciaes superiores fo-
raut morios no combale.
O) Inglezes transportaran) os feridos directa-
mente para as suas embarcacei, querendo deste
mudo occullar as suas perdat aos habitantes de liou-
shire, e as suas lionas que se acham nesle porlo,
furam igualmente embarcadas, a
A conferencia de Parn aabra a quenlAo de Neuf-
chalel cunseguiu fazer um arranjatriento qae foi jul-
naufiagou siihmergindo-fie iiileiraineule, a |iouca
Itstaucia da Parnahiba, Viudo cora agua aberla em
demanda do nosso porlo. A IripolacAo salvou-se n'um
e-caler, eaalando doos tijas do lugar do naufragio a
Parnahiba.
Uo Ceari, Kio (raudo do Norle e Parahiba, nada
ha digno de menco.
Achava-te a carga, no MaranhAo para esla porlo,
o brigue escuna hrailciiu u draciosa.
orre^0tti>ettda

nisli*ai;5o du enrielo iloas carias para osS's.
Francisco Gil Carcia Pimentel o Torres tv ir-
mo, aquello residente na provincia da Ba-
ha, e estes na do l',u> U Janeiro, sem que. as
livesse sellado eorn o porte comtielenle,
qneira dirigir-se a mesma rcparliQao, aliin
de salisfazer a differenga quo lia, e poJerem
ellas seguir seu destino.
0 lllm. Sr. corrertlor geral, Frederico
liobilliaid, eslnnilo prximo a fazer urna via-
(-"iii a Europa, fara leilo por inlervengao do
preposto do agente livcira, de loda a mo-
bilia etc., da casa de sua residencia no cam-
po, coosislindo etn so'a, mesa reJonda, con-
solos, lineas de jogte para outros misteres,
caderas usuaes, ditas de balanco america-
nas ti .vas, d.us estufadas le encost, piano
.lo oxcelietile vozs, esleirs e tapetes le sa-
la, lampeo s de globo, laiilernas, caisas com
pistolas de 5 (in.s, e iiilas para duello, cai-
xiiilia-, para vollarele com lixasde madrepe-
rola, copiador de cartas, cae-teira, urna con-
certina com msica, jugo de corridas, guar-
da vestidos, commodas, secretaria de segre-
do, lavatorios grandes e pequeos, toucado-
res, ptima cama de ferro grande, ditas pe-
quenas, mes clstica paia 21 pessoas, ap-
1 parelbOS de !oura para janlar, ditos de por-
celiana pira almoi^o e cha, buies de metal Q-
iio, coberlas de dito, garrafas e copos para
vinlio, facas, garfos e colh.-res, porr;o de vi-
nho engarrafailo de superior qualidade,
a 45000.......90000
Prata.l'aiacoet brasileiros......29000 gob as condi^oes especiaes abaixo
Pesos colurauarias......2c000 J.s
mexicanos.
A 1.1 -A.MIEl.A.
Rendimenlu do dia I a 2.'. .
dem do da 2!. .....
1J8U
570^70-2/664
17:S5lj7i8
:188:I5.;I2
Sis. redartores.fio seu Diario n. (II de 22 de
abril prximo pasudo, acha-se um annuiicio de
Jos Pan va, alim de comprar lodus os predios da
P. da M. para os demolir, etc. >0 nao eazergaSM
nene annancio nma formal indirecta a mim, e a
lodos que \do da encunlro a inudanca da sede da
matriz, na la teria que reparar se nao a n.elamur-
pho'e que se operou no aiiuiiuciaule, era lAu pou-
cos dias, pois que uo tava-pt, pela semana sania,
que leve lagar na igreja do P lar, servio de pobre
o Sr. P. P. [como na realidaeo he.equando agorase
aprsenla, too abundante de dinheiro, que sujeila-
se a [comprar iior lodo o preco as casas da P. da
M.,seria da esmolia que rec.beu'.' nao, porquanto
52'J re. nAo sao 5J0 coulos. Hespondeudo ao Sr. P.,
(cubo a dlzer-lht que, nAo mi se veiidem as proprie-
da les da P. da M., cuino tarabem os engeuhut Ma-
cicheia, Cunialv e Amparo, porem com a coudicAo
de que o Sr. I'., antea de edificar casas na P. do 1'.,
faca pruneiro um forte caes circulaudo loda a po-
nmi;fio. para que nAo seja tubmergida pelo mar,co-
mo por varias vezet lem querido eite grande de-
monio traga-la. a pontos de fazerem-te eslacadas
para reparac,.To das casos da ra do Fogo a Piaia,
como he publico, l-iulo attim que por vexet tem o
mar entrado em algumas caas. I jinbein sabe o Sr.
Pacuva. que no lempo de invern as aguas do Ma-
rei sahem de seu leilo e vAu pas-ear pelas caitt da
raa de llenlro.e que dlo-te-lhe sabidas edm levadas
para o mar, pur isto deve ler era cuidado o que for
liara prosperidade da P. Preseulemenle so quero
responder ao Sr. P. com o que lica dilo. Agora mu-
dando de sentida, dirijo-inc a quem quer que seja u
autor du aununcio, pedindo-lhe que procure os seus
desejos caprichosus, cora deveres de humera de bem,
e nAo eorn regaleirices propiias de pessoas sem edu-
eacio. Faca como eu, que procu.o o que entendu
justo, sem queoQenda a muguen), pois su com, to
a opiniAo d pensamnilo e nao a pessoa, que em ca-
sos taes pude ser ale meu amigo, Com a dilfereoca
de divergencia no pensar.
hio fense o Sr. anhunciaute que 9oo desaleclo
a P. du I'., pelo contrario soo amante de lodus os
O parlamento ficava a reunir-se a 7 do correnle
esperava-se qu^ o governo encontrara calurosa op- gado digno de aceitacilo assim pelo pleui'polenciriu
"A imprensa regida ha lempo por disposices in-1 potQ-'o na casa dos communs, bem que lenh.i nella prntliano como pelo helvtico,
terinas, reclama nm*lei lita e eslavel que, promel- grande maioria. Mr. DenilOO sera o proposlo para Etse arranjamenln sendo commaniearft ao ennse-
teodo a mais ampia ditcus-Ao dos negocios pblicos,
a liberte dos abusos e extravio, que lAo frequeule-
raente a hAo compromeltido.
Esla le tei tubmetiida mu bieve, a vossa ap-
prevaeto.
a Igualmente te vot proporAo disposices impor-
tantes para dar ao catino publico a eslabilidade le-
gal que he necessano dar-Ibes para remover us ubs-
laruios que te SppOem a rpida execuco das obras
publicas, e para enlacar com as grandes vias de coin-
rounicacAo de todas as classes aseslradaa proviucaes
e manicipaes, to necessarias ao desenvolvimenlo da
agricultura e do cummerco.
a NAo conlribui menos para este resallado ama
le sobre o rgimen das bypolbecas que, tirando lo-
ds a incerteza sobre o estado e os encargos das prn-
priedadet immoveit, facilite as IransaccOes sobra
ellas, diminua em consequencia do juro dos em-
preslimos, e raobilise em ceilo modo esle grande
mappa de vapores qnati estancado buje com grandes
prejuizos da agricultura e da industria.
ei Ellas lo, tenhores senadores e depulados, as
medidas priucipaes que te vos submelterAo pelo
meu governo nesla legislatura, e espero que vos de-
dinueis com ardor ao seu xame e approv,ic,Ao.
i( Desta inaneira Irabalhaudo lodos de conjoncto
no bem commum, esquecendo os antigos motivos de
dhisAoe de discordia, e contando, como sempre,
com os auxilios da Divina Providencia, lenlio a mais
seitura coufianc,a de que em mu breve veremos
a uotsa palria prospera e feliz, que he, nao o duvi-
do, o vosso nobre e nico lira ; assim comu he o
mais ament detejo do meu coiacAo.
NAo o lisiante dizer a soberana que o locego publi-
co e a seguranra do interior acham-se completamen-
te flaneado-, todava por noticias de'Bircelous
co isla que em varios pontos de Maestrazgo nola-se
eerla effervesceucia emre os partidarios cailislas, o
quaes em Cenia at chegaram ao mulo de dar v iv as
a Carlos V., pelo que modas pnsoes aa lizerani.
NAo sao somenle 01 carlistas que se agitara. O- proa
prioa republicanas preoccupain a allencAo do gover-
uii, que tem mandado prender a muilos.
Eit o qoe a resneilo te l no Clamor Publico :
Na noile de -il do passado, elfecluaram-sa em
Malaga variat priset de pessoascouhecidas pelasiuas
upinines republicanas.
Entre os presos encontra-ta um commandanle
qae foi da milicia nacional.
a No dia 27 enlrou tambem preso em Malaga, I).
II imualdo da Fuente, que parece linha passad
Serrana de Ronda com insiruccoes para agitar
aquelles pavos no sentido republicano.
o cargo de presidente.
O Morning /') -ranina poltico do gahiuele, diz o seguinte :
" lia nma dillerenca entre o progresso e o ra li- I r
calisino. Vm he compaiivel com a couservcAo de
ludo quanlu he a bem da cuiisliluiQAn e dat cuusli-
liiicoes do paz : oulra equivale a sua destruirlo.
Modificar a coustituicAo no que ella (em de rgido,
de raaneira que possa dar uiua accAo igual a ludo*
os sabdilotda ramha : mas conservando firmes os
principios sem os quaes a reforma sena urna mu
djiica tem razAe, e um sacrificio sem resultado.
Ampliar o sulfragio sem cumprumeller a ufld-
encia que perleuce legiliraameiile a cunsidera^ao e
a educacao.
a Iienlar os dissidentet dos direilos da igreja,
mas conservando iulaclos os recursos e os privilegios
da mesma.
Cooseraer os esiabelecimentoi militares e ma-
rtimos tuflulenles maniifctiifeirot.
Combaler as (orinal do erro perigosas enm
papismo, tem compromelter a liberdade rehgio,
llar a opioiAo popular a iulluencia que recUiDa
o deteuvolvimemo da ihlelligenoia, tem que sejii
prepidicadas as tradicoes hereditarias do governu.
i Ampliar as baies da representacAo parlamentar
mas contervando intacta a accau da prerogaliva
real. ,
a Uecondiii ir ot criminosos ao camiuho da Bir-
lada por Iralaraeutu de reforma humanitaria, evi-
tando tratar as pessoas de bous coslumes pelor do
que os criminosos.
Ampliar os direilos dos pobres sem inuslica.
facilitar os divorciot, sem enfraquecer a cuiis-
cieucia nacional no que diz resneito a sanlidade do
cata memo.
a Operar ai reformas legues tem prejudicar a le-
goranca judlciarie.
Exercer, um< vigilancia ellcaz sobre o trali-o
e. as manufacturas, lendo em vista impedi as alle-
raet, ai machinas perigosas, as expl i-es das mi-
appro-
i.tolo de
llescarregam boje 25 de maio.
II arca ingle/aEiuierdalemerca dol las.
IIrea in-le/aAmateurgigns ue luuQa.
liare inglezaFleet Wingbacalho.
Uriguc inglezMifinoiiiUeirduos de ferro, cerve-
ja e lardo,
Urigue purluguez-Itelimpagodiversos geueros.
Ilrigue porluguezTaiujo III vinbo, lamilla e
sardinbas.
P.rigue hamburcoezElbemercadorias.
Barca americanallauuak Tnoresloofarinh.i de
trigo.
Polaca brasilein/.elnsto resto.
CONSULADO CEKAL.
Kendimenlo du da I a 22. 70:1919491
dem do dia 2.1....... I:IUSJ607
71:3005298
DIVERSAS PBOVinCIAS.
Rendimenlo dodia I a 22. G:65l936'2
dem do dia -J3....... 95/378
------------
6:74631741
DESPACUOS 1)E EXPORTAIXO PELA BESA
DOCONSCI.ADO DESTA C1DADE NO DlA
25 DE MAIO DE 1857.
HavreRarca frai.ceza Venezuela, N. O. Rieher
(Si C, 122 I1T.IS ..Ig.ld.ll.
LisboaPalach porluguez Brilhanle), bastos i\
I.emo-, 100 saceos assucar bronco e 101) dilos
mascavado ; Marques Barros C, 60 saceos as-
sucar brauco e I i" dilos mascavado.
EXPOKTACAO'.
Rio da Prata, barca nacional Rufina, de 305
toneladas, cunduzo eguinle :ZOO barriquinhas.
e 710 barricas rom 13,356 arrobas e i libras de as-
sucar.
RECE BE DORIA DE RE
RAES DE Pl
Ren luniM.lo do dia I a J
dem do da 2!. ,
O lllm. sr. contador da tbesouraria pro- carro para seis pessoas de dous ou de um ca-
vincial, servindo de inspector da mesma the- vallo, com arreios dobrados e Singelos, 2
souraria, em cumprimeiito da ordem do cabriolis, sendo um novo, 2 cavallos, sel-
i:\ni Sr. presidente da provincia, de JO do lias com arreios, trem de coztnba, dito para
correle, manda fazer publico que no dia 18 jarJim, e iniiniJades de objectos assas ne-
le junlio prximo vindouro, perante a junta cessarios ; alem dos artigo supramenciona-
da fazenda da oiesma Ihe-ouraria, se lia de dos, btvera tambem excellento iiatnbre.
arrematar a queui por menos lizer a obra da queijos, bebidas etc., para o luncQ: ler^a fei-
concluso du rato do >iil da casa de doten- ra 6 do correte, as tO horas da manhSa,
e.'io, avahado em 6G:0U5?720 rs. 'sitio da casa amarella, junto ao da tsma.
A ariemalacao sera leita na forma da lei baroneza de beberibe, na ponte de Ucha.
'provincial n. 34:! de 15 de maio do 1854, e, -.. .__ ,- ....
Transferencia do leilao de fannha com
a varia.
eilao de farinlij, de trigo, annunciado
_ 2, lica iran-fi'i'i :a para terqa feira 26
frente. no mesmo arinazetu do becco
Congalves, as 10 horas da. manbaa em
ponto, sera vendida pelo manir precio oere-
cido.
Lciho do queijos flameugos.
Segunda fui ra 25 do crtente, ua porta do
Sr. Aunes defronte da alfandega, as 10 horas
da nauba, o agento Pestaa fara leilao dd
20 caisas com queijos llamengos os mais fres-
copia-
do
As pessoas que sepropo'erem a esta ar
mata^o comparec;ara na sala das se
da mesma juma, no dia cima declarar)!)*;
pelo nieio dia, competentemente habilita-
dos.
E para constar se mandou
suule e pubii'-ar pelo Diario.
Secretaria da Ihesouraria provincial de
Pernamburo j:t de maio de 1857. O secreta-
rio, Antonio Ferreira da Annuncia^So.
(Clausulasespeciaes nara a arrcinalacio.
i.. A concluso do raio do sol da casa de i*" dc_,nel".?r ?ua!'J',de 5_BJ ^3****-
allisar o pre-
deteng5o, consiste as obras dispostas no
orcauieiilo,no valor de 66:0059720 rs.
2 ,is obras sero come^adas dentro de
cado, o que sera realisado com avistados
mesmos.
- U agente Pestaa far leilao para fe-
ra mez, depois da assiguaiura do termo de i fhar cuntas de cerca de 25 caixas com quei-
jos de excellcule qualnlades, muito moder-
nos, desembarcados ltimamente
' INTERNAS CE-
flBUCO.
. 14:924584.1
. 87.')?7(),.)
l5:8(KI-sl>l2
CO.NSILADO PROVINCIAL.
seus habiianlet, e muirs prosperidades Ihes desejo, u.. i.o.>fUUU mUM.xUAL.
e u eiigraiiilaciiuentn da Ierra, mal nAo concordo Remmenlo do da la 20. i:8!.x>:l6
que eindtlnmenlo de oulra se queira exaltar aquel- I,aem ula -"-....... l:28u5>J
Ibo federal foi por elle iiiianiinemeiile
vado.
O re da Prottia conservar tempre o
principe da Neufclialel.
Ao passu que a quest8o com a Proasa se acia as-
sim em va de ajusle, oulra parece querer romee ir
com n Austria.
Eis u que no Jornal do Commercio de Lisboa lo-
se a e^le respeilo :
a Segnndu as ullimat nolicias da Soitsa, parecem
estar eminentes'novat diflculdades enlre a Confeda-
racAo e a Austria, a proposito da adminiatraclo dio-
cesana du caiil.lo de Tessiuo. Esle ultimo canino.
que faz parte da diocese du arcebispo de Miln, por
diversas vezes pedio ser emancipado da jurisdiccoo
do prelado eslraugeiro.
n A queslao,levada perante a Dila, haviatido re-
tirada da ordem do da, em consequencia da penden-
cia de N.ufrhalel.
o Hojc, o canillo de Teasino e odot GritSes, qoe
, se acb.i em siliiagSo anloga, renovam o seu pedido,
o j nriipoiido orna lei a qual poe Urinn ao exerricio, na
Suissa. de urna juritdicAo ecctesiastica por om bispo
ostrangeiio.
O governo austraco, do teu lado, parece nao
querer tolerar nma modificado arbitraria de om es-
lado de cousas em que eulram em jogu os direilos do
episcopado lombardo.
u*Resulla das ultimas noticias do ducado de Par-
ma, que a Austria peusa em augmentar o armamen-
to das suas fronleiras do lado do Pieraonle.
o O l'ensiero d'Onettlia publica oraa correspon-
dencia de Placeucia. que nao deixa a menor duvida
a este respeilu.
o Os jornaea piemonlezes annunciaram qoe a
Austria, em vnla das forliOcae/Jei da Ale Minina.
ra-.iidavacoustruir forluaobra a fronteirado Piemou-
le ; u faca, dizem os jurnaes de Vieniia, he inexactu.
A Austria manda nicamente levantar era frente de
Verana os duus furlet de Sania Lucia, cuja cjnslruc-
cao hila desde ha muilu decid .a.
o Cunlirma-se que u rei Viriur Manoel escreven
queira exallar aq
I-, pur ura nada majs digo, aguardo a ucci;siao que
me snscilar, liud uido cum dztr ao Sr. anuunciant
que com pesar meo nflo [ludedeixar de dizer verda
Oes laea, qnaa ajs*publiqaei per causa do nenbaim
concedo que merec.u ao *'r. annuiicianle. Srs. re
dadores, o seu correspondente ABC enganou-se
reduiidamcnte quando d tai pouco numero das as-
s gnaloras na toa correspondencia. r.u fui um dos
que andn de porta cm porta cunsuUauJo a venale
de quem quena ou nflo a mudanza da teda da M.,
a miis da qualrocenlas poseas rcsponderain-me
com suas assignaturas que queriam a conservado
da matriz no inetmo lugar, ein que se acha ; .ea
esla deelaraeau, porque ealuo prompto para apresen-
lar o documento que alludo.,
Queiram, Sn. redactores, publicar oslas toscas li-
aba* do teu assigiianle o constante leil r.
Francisco Cirdeiro Cavalcauli.
Iiamarar.'i 18 de maio de 1857.
n;
46:1319901
arreniatac;ao, c concluida no prazo de um
anuo.
3.' O arrematante na cxecuco dos traba-
hos guar-se ha pelo que se acha f.'ito no
rato do norte, e observara em ludo as pres-
cripc,Oesdo eugenheiro que mspecionar a o-
bra.
4' Os mestres empreados na obra, sero
da approvocjio do mesmo engenheiro.
5/1 O arrematante sera obngado a receber
pelos procos do orcaraento, tolo o material
existente nos depsitos da obra, descontn-
dole o seu valor da importancia da primei-
ra prestbalo.
6. A importancia da obra ser devidida
em quatio prestaces igu*es, realisadas as
pocas estab-leci.las no ait 2!) da lei n. 286
7.-' Tuto o mais que se uo adiar aqui dis-
poslo, sera regulado segundo as disposices
da citada lei. Conforme, o secretario A. F.
da Aiinunciaco.
TRIBUNAL DO COMMERCIO.
Pela secretaria infra sn faz publico, que
nesla data luiun matriculados os Srs. Anto-
nio Anlunes Lobo, porluguez, com 37 anuos
de chapeos em grosso e a retalho, sita na ra
da Cadeia do ilecilo n. 60.
Antonio Lopes Pereira de Mello, tambem
porluguez, em igual ida le, domiciliado nes-
la prai;a, com loja de miudezas em glOSaO e
a retalho, na mesma ra u. 7
Antonio Pedro das Neves, brasileo, com
fifi anuos, domiciliado e cslabelecido nesla
praca, com armazem de drogas, tambem
em grossoea retalho, sita na mencionada
ra.
secretaria do tribunal di. commercio de
as e ai malveriacOes di. caminlios de Ierro, sem. a Po IX para Ihc pedir a deiniss.lo de U. tranzo
compromelter a lbenla le commercial.
; Lu liin ex-nvr i'iu (udu a devida vigilancia,
sera a qual nilo ha governo, mas sem infringir a in-
dependencia pupular, aeni a qual uu ha tegeranca.
I Tal he a Ureta de lord Palmerslun, e que he
capaz de prencher, se a cmara dot communs Ibe
presta o seu apoio conscienciosu a que espunlanea-
menle se olnigou prestar-lhe, quando os vulos do
puvo llie foram uivucadus.
o Seinduvila o pai/. lem grandes esperancas. o
lord
de Malaga poz em bom re-guardo pouco depois de
chegar ao porlo o dilo vapor.
Segando ama correspondencia de Parit publicada
no Timei, os preparativos da expedicfto conlia o M-
xico foram suspenso! por ordem superior.
Em Franja o que preocenpa lodos os espiritos he
a presenea do gra duque Constantino da Russia e
do general Tolieben, o defensor de Sebastopol, que
o acompanha. Em lodat as eidada* pur elles visi-
tadas, ot illuslres viajantes lem recehido da parle
dos Franceztt em geral o nuil benigno c enthusias-
'.ico acolhimenlo, aguardando-os a capital com res-
tas magnificas.
L-te no Courrier de l'aris :
a O governo, tegundo se diz, acaba de comprar
enlre Chalous e Rheuis,varios terreos, a raaior par-
la esteris e incullos, na razHu de duus cntimo*
e.-ui u metroquadrado, montando a urna -omina de
quasi duus inilbes. Parece que sau destinadas a
furmar om immenso campu de acampameuln 'de
manubras em i^ue iosam reumr-se 80.000 ho
niens, e onde as (res armas encoiilrein ispaea sulli-
ciente para os seus exercicios.
Esla campo de manobras deve sr permanente,
islu he, um cerlu numeru de Iropafl ath estara' acam-
pada durante u invern, lima paria da guarda im-
perial deve ah ciar desde u uuluno prximo. Etn-
lim bao projeclo de fazer execular pelo* tropas va-
ria* Irabaiiuis de forlilicaces, formaud > um grande
campo e refugio anlogo au que us Au-triacus cuns-
Iruirain em Yerona e l.intz ; asta campu de jjrn ge-
neru iuleiram-nte uuvu, oceurrera' a ludas a- I lia-
da nos-a fronleira nella curie lAu vi/inha du Pars,
por mul os Prussianos entraran! em 1THU, e que a
perda da Sarrelnuis, de Phllipptville, e de Maneii-
bourg, lor.i iu liu vulneravel.
uO poni parece admiravclmenle eaeolhida para
osle Om, porque esta' ha molla lempo demonstrado
que esla parte do campo parece, pea sua cnaslilui-
.; id phisica,destinado a ser o campu de balalba onde
se ho de decidir os dattinot da Franca. Eis o que a
sle respeilo tel na Ueograpkie Omicertal, dt
Maltelirum: O erran* eompretiendldo enlre Rheint
^aiiil-Menehuuld, Vilrx, Epcuex, de que Chaluiis
oceupa o cenlru, furnia uui quailrado cuja diagonal
he pareorrid* pelo Marnc ; e um pluieau argiloto,
.'.;. i-i! a quasi rido ; au se encentra all por loiU
a p.irle teuo tufos roberlos de "2 a 3 eenlimeire* de
(erra ; nao te enconlram arvorei. apenas alginnas
molla": *ahabitacjtea all sao muilu raras e alista-
das 15 .s 20 kilumelms urna das uulras. Fui nesla
especie i.'e sulido que em i5() te deu a famosa ba-
lalba. ua qual Allila fui vencido ; fui na eulrada
deite terri'orio quo am 1792. te suspemteu a mar-
cha dos Prussianos pela balalba de Valmv ; fui na
oulra exiremidade que se derara as mais (erriveis
balalhas em .'SI Montinirail, Champ-Aubtrl, la
Fere-Champenoe, etc.
i) ni/, acaba de dar-lhe urna grande maioria, e
assim pudera' re-lisar as medidas que o eslado ac-
tual da niel i reclama. Os obslaculus nao po lemlvil
seuao du espirito de partido. Lord Palmerslou (ora
cunta elle os lurys aub a influencia de lord Derbv
e dos radicaes tob lord John Ru-sell, ou lalvez tob
M. Koebuch. Nenliom desles partidas pude aspi-
rar a ler um ascendente sobre a maioria ministerial
lar.me muitus annus, era podem pensar em con-
quistar o governo do pala.
Reunidos, podem destruir um ministerio, mes
nao pudenlii jamis reunir-se para uperarem de
concert.
u A sua larefa, por agora consiste em laxar urna
opposiC.S.o leal as medidas que nao podeiu ap-
prnvar.
Pur esla conducta, ohlcran a estima (lo pail, e
qiian ... para o futuro o governo de lord Palmers-
lou tiver a sari de luios os governo*, podero en
to, a' sua vez alcanzar os votos dos eleilores.
Continuara a parlir fuic.as para a China, onde a
pusico dos Inglezes nflo he'em nada vaiilajosa, pelo
qoe a partid* do embullador, lord Elgili, fieja adi-
ada.
Segundo uma caria da Londres, transcripta no
Payt, a tropas expedicionarias formarao orna divi-
sa." composta de duas brigadas :
a (^ad.i brisada culllpreh^ldera, 3 regimenlos em
lu.ar de 2, que bn o numero regulamenlnr,
a Esle sysiema foi admiludo para aauoplificarjio
do cuminaudo.
A prnneira brigada composta do 5 regiment
de fiizileirus, d.,s .V.l- e S2 regiment- de infamara
de linha, sera' commaodada pelo raajor general Sir
Roberto Garrel.
k Aiaguuda brigada compcsli do regiment 2:1
de fuzileiros, des "Hi e '.V.l regimenl s da infanlara
de linha, sara' commaudada pelo m >jor general Van-
Slaoberezee.
Alem desles regimenlos perlenccnlo lamlipm ao
Carpo espedicionario dou balalhoei de soldados de
O fogoso arcebispo de l'iirin. I'izeran se propuslas
a M. Franzoni ; dix-te al mesmo que Ibe fui ulle-
recido o brrele cardinahcio ; S. E. recusou. To-
dos perannlam o que fa.-a' nata caso o papa. Jul-
Et-se no Piemniite que S. Sanlidade dasaprovara'
formahn'iile U. I'ranzoni.
ii Os jomacs belgas o Sord e a Independencia
fallara piuco mais un menos nos mesmos lermo* da
prppoitat cuie teriam sido hilas directamente pelo
re de Sardeull* ao papa, eorn o liiu de s chegar a
uma sulncao sali-facluna das graves diflicold'ades
que sepaiam nesla momento o Pieraonle da crle de
Ruma. Esses ornaes dio cuino certa a existencia
d uma carta escri|ila |ielo rei ao papa, relativamen-
te a esle objaelo, A.severam al tnnmi que a res-
posta de Roma foi f..vuruvel aos dasejo* lo rei de
Sardenba, e falla-se da propaila feila a Mr. Paran,
leni da Ibe conceder o chapeo de car.leal, te elle
eooeenliite em pAr um lermo, com a ua demiaaao,
a um dos mais embarazlos eonfl clos suscilados en-
tre a Sama Se o governo PieaionttZ.
Es-es jornaes arre.renlam de reslo que o rei
de Sardenba lena loma lu a esle respeilu a inicialiv*
deaccordocom oiteosmioitlrot, e cum o commum
desejo de se concluir um accordo raxoavcl enlre as
duas puleiici.is. Publicarr.os cora ludas as reservas,
as u. irrics forniaes e reiteradas dtsses duus jur-
naes.
A Gaxela piemonteza annnncia que S. M. a im-
peralriz viuva, da Russia. parti de Niza em ji
noile. S. Mageslade einharruu em Xilla-Pranca a |
burdo da fragata nissa lOlafli, seguida pelo lio- i
vernolo, vapor da mannha sardi A imperalriz
desembarcara em Civila-Vecchia, d'uude se dirigir
a Roma.
Ao embarcar S. Mageslad-'1 nomerotil aerlama-
ees romperam da multidSo, que viera assi-lir a sua
partida. A impcraltu m -ir ,o--e vivamente cun-
ninvida ; fui c-ta uma prova nao equivoca las bem
merecidas saudades que ella deixa em mudos cora-
c/ies. Com elleito, durantflrosaeii me/es que pas-
in em .Niza, S. .M. !. ndbca deixou de soecurmr os
desgracados ; avulladas tommas foram par ella dis-
tribuidas em amlas, dcixando alem diese, antes de
parlir, ao municipio a quaulia de 30,000 francos
AO ILI.M. SR. EX-PROMOTOR INTERINO DA
COMARCA DE FLORES.
Srs. redactores.He chegado nesia capila! o 1-
lottrado joven ex-promolor interino da enmarca de
Fleres o lllm. Sr. Melchisedecb (iomet Pereira de
Vascuucellus, que vera a esta cidade ouvir algous
anuos na academia para assim melhur ler na socie-
dade uma boa-enlrada.
He lastima, ir*, redactorei, etse inneu nao formar-
se, pois podemoiatseverar a Vmcs. que tem um t-
lenlo cousideravel.
Esse moco dolado das excellanles qualidades que
o ornara, he de uma familia muilu (Ilustrada na .lila
comarca de Flores, j por ser de qaalldadel e rique-
zas dila famlha, e jt por ser a pnmeira em posiriio ;
louvores tejara dados ao lllm. Si. ex-promolor por
ler deirmpenliado dignamente o lugar que oceupa-
va ( o que nao e-pera vamos que elle lizes-e boa jus-
lifja por se achar no ineiio da familia, segunda as
carb.s que daqarlle logar recebemos, porem au cun-
Irario denunciava al dos prnprius prenles, como
um delles Flix Perreira de Siqueira, liihu du calil-
lan Luiz Ferreira das Csbeceir.is. '
Cunta e-se joven 21 anins de nlade, aqui esleve
quasi dous annos, e uma pequea mancha ein si au
exisle, louvores sejam dados a ua familia pur (er bo-
je em seu seiu um joven de exccllentes qualidades.
IJueiram, Sra. retadores, publicar eslas toscas li-
nbas uo seu couceiluado Diario que mullo ubrigados
Gcarla os
liuisheii.
llerife 20 je ma\0 e f{57.
Da vida ao nada, ha um ponto,
E o homem passa-o ligeiro !
(Mai/nl/ifies.i
Ocapiao de frassia Pedio Ignacio Moroni,
coinmanilante da cmvela / Hio, falleceu liou-
lem a. (i horas da manliAa A briosa corpora-
e.iu da armada bra'ileira deplora a sua falla,
seos numerosos amigos o choram, e a palria
agradecida, lastima perda de um braco ar-
mado que a defennera !
Militar lirios:, e denodado, hr.ruem de bu-
manidade, rico de honra, espelliu de discipli-
na, hone-ln, allavel e uslo, bom cmara Ja e
fiel amigo!
Pedro Ignacio Moroni Depois de haver
lomado parle na gloriosa lula da Independen-
cia, combatido com gjilhardia na guerra de
Buenos-A}res de 1S27 e 1850, contra o Dicta-
dor Rusas, e servidu com geral applauto de
seus superiores, amado e reap' lado dos seus
subalternos, filleceu do idade.'di anuos incom-
pleto!, victima de urna ueiiceplialilesu. Seu
corno fui redolido* pii! E sua alma subiu au
seio do Allissimu Deu.de Misericordia, em o
da 22 de maio do IJS57 !
Sejn Dous tiropicio a soa alma, e a laca per-
licjpar d^ eterna gloria I
Pedro Ignacio M n mi Receba as palairas
Irisle atanaotai que leeiiviam Icos inconao
lavis cantaradas e rnmpaiiheiros de armai!
Recebe-as em leslemonho da dr pelo elernu
Iransito, e as lagrimas que vertemos siivom de
hnilivo a aldlcflo que us opptima o coracAo
nesle solemne mumenlu de despedida Descan-
sa em iiHz. fiel amigo 13o preitimoto e IQo
Cheiu de virtudes !
A ierre lhe teja leve........
Recile 23 de uiaiu de IK../7.
\ i'\;a DORECife, 21 ni; maio he
V l'1-", AS :i IIOItAS DA 1AUK.
Iteii'iu semanal.
Cambios----------Sacon-aa sobra Londres a 27 :l( n
mi diat vista, e a 28 a '"> diaa, [a
raaiur parte cun algura prazu e
sobre o lio de Janeiro a 1(2 par
cenlo a 8 das visla.
Algodn-----------O mercado esleve mais frouxo nos
ultimo* dial e os precaM declina-
ran), veiidcndu-se us liuus de 7*1550
a 79600, os regulares de 7IU0
a 7-500 pur arroba. Vierara au
niercaao K05 saccas.
Assucar A entrada foi moderada e o depo-
sito -mnente consta do branco. I)
mercado e-teve animado, princi-
palmente para os mascavados, e o
branco de superior qualidade.
Vendeu-se o brinco fino a 5> por
arroba, a tercena surte boa de
1 ->lli a ij'.HIO. a lerceira regul.r
de 45(00 a i>700 ; a quarla de
'i-s400 a l.jVII), e a sexla ou ume-
nus de :l;'Joo a ij por arruba. O
mascavado Canal vendeu-se de
39100 55200, o America de
1 3?:|00 a Sg ("ill e o Lisboa de 30400
a .*1.>((H) jiur arrolla.
Couros-----------Veuderam-se de 3S0 a 316 rs. por
libra, e falla-se em vendas de
360 rs.
Bacalliao-'--------Tivemus um carregamenlo de
2'.I80 barricas de San Joao, o qual
fui vendidu acerca de I "-. e cun
esle rarrgainenbi o deposito anda
por 3,000 bairicas, relolhaudu-se
de K5 a 1i>? conforme a qualidade.
Carne secca- Flearam boje cm ter 9.00o arro-
bas du Ri > Grande e 3,000 de
Rueos A>res. Vcndeu-se de
53u'O0 a li.": pur arroba da primei-
ra, ede 59IOO a 553011 da segunda.
I- amiba de Irigo- Os suppiunenlos lem cuuliuuadu e
o mercado esla' abastecido com
S.'.IjO barricas deBaltimore, 5.700
de New Orleans, 6,100 de Piula-
delplna e 2,800 de Triada. Rea
Ihou-se de I85 a gl!5 da primelra,
205 a 223 da segunda, 225 da er-
rara e de 27-s a 2--5 da ultima..
Acciics de cump.- \ en l, rain em leilao algomatdas
de ngaro denuiuinada Indemni-
aadora a 111por cenlo de premio
sobre a entrada.
Detconlo----------- O dinheiro continua procurado, e
os descoulos regularan! de 10 a
10 l|2 por cenlo au atitiu, e nits-
1110 algum a II.
Freles ----- Tcudo chegado muitus navios na
temana, que termina buje, os fre-
les baixaram, ellecluaiidu-se a 0
pelu aatueaf par* o Canal e a 3|S
pur libra de algodao para Liver-
pool.
Toearam no porlo : 3 vajioret, 1 navio com azeile
de peixe, 1 de Calhao de Luna e 1 cum carne secca.
I n'i iam : 12 cum gneros e fazendas da Europa.
I cun lariulia de Ingo. 1 cum hacalbau, 7 de cabu-
lagem. 2 em lastro e I com earvflo de ped a.
Sihirara : S com carregamenlo de gneros du
paiz para nortoi eilrangairos, 6enm ditos para os do
impefio, I cum parle da carga du paiz e 2 com pif-
ie da lamilla de irigo que ronduzram.
Ficaram no porto .'di einharcaccs, a saber : 1 a-
mencana. I!) brasileas, 2 francesa*, 1 hamburgue-
za, 5 hespanholas, I hollandex*, 15 inglezas, e portuguezas.
ler;a fei-
ra 25 to crrante, as 11 horas da mauba,
derronte da alfaudega, armazem do Sr. Au-
nes.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo far
leilo porennta do quem pertencor, e por in-*
tervengo do ager.te Pestaa, de 30 bairts de
peixe,desembarcado:: ha pouco: segn Ja fei-
ra 5 do correnle, na porta do armazem do
Sr. Aunes, defronte da alfaudega.
- o agente Borja, om seu armazem, na
ra do Coilegio n, 15, Tara ieuao de diversas
mobilias de Jacaranda e de atsarello, objec-
tos da vidro. porcellana para sala e servido
de mesa, e uma infinidade de ontros muitus
objectos etc., quo fora impossivel mencio-
nar, os quies se acham patentes no referida
unna/.ein.ao exarne dos pretendenl.es: quar-
lu l'eira 27 d > crrante as 11 horas.
0 agente Boi ja, da ordem do Exm. Sr.
Iir. juiz especial do commercio, a requeri-
nieuio de Joao Mitins de Barros, e outros
credoresde Jos Rodrigues Areia, far leiUo
da taberna sita n > largo da Kibeira n. 1, uer-
tencente a esle, penuorada por aquelles,
couslaulo da armaijao. gneros, especia-
ras e uiensisetc. : t^rt;a l'eira 26 do cor-
rente, as II horas em ponto, na referida ta-
berna.
O agente Borja levara' a elfeito, no
dia quiita-l'eira 2S do cor rente, o leilao
dos objectos com[>reheniJidos no cathalo-
go, i|ue convenienleraeute se distribuir",
pertencentt ao Exm. Sr. teen te- jer.e-
rat Seara. A"s !0 1|2 lioi-as em ponto do
torSrdilo da, leca' principio o leilao, na
ernnmbuco 33 do maio du 1857.Mo im-lcasa da residencia de S. E\c., aterro da
pedimento do olliciul-maior, Diuamerico Au i i> ..v'.i.. -,x
oslo do Reo Itangel.
Pela inesina secretaria si faz tambem pu-
blioo que un daia supra, fora mslriculado o
palaelio uaCl uiai Anua, do qual he proprie-
laiia I). Mana das Neves Tass i. No impedi-
mento do oliicial-maior, Uiuatnerico Augus-
to do liego Rngel.
itv 0P to&etM,
&V&&V
s v*- -*v'3tl*
Maranhao
e Para.
aCTEI 0 DO THELEGRAPHO
Na livraria ns. 6 e 8 da praga da Indepen-
dencia ha para vender o roteiro do thelegra-
oho, novamente relurmado, com o nome dos
vaprese nutras embarcares que deman-
dam este :>orto, a 210 rs. cada um.
O veleiro palhabole nacional LINDO
PAQUETE, caa;.ni Jos Pinto Nanea, procedente
do lliu de Janeiro, cum metale du seu carrega-
menlo, ilestina lu aos porlos ui.licados, para onde
seguir' cora biovMadc, recebe o reslo da carga
.'.un o mesmo i-.i.n : a tratar com o consignatario
Antonio de Almti.la (jomes, ua ra do Trapiche n.
I", segundo andar.
r'ara o Rio d Janeiro
Segu eui poneos dias o patacho nacional
Tamega, para o resto da carga e passageiros,
para os quaes lem excedentes commodos :
trata-se com os consignatarios Novaes & C ,
ua ra do Trapiche n. 34.
PARA O PORTO
o brigue Trovador seguir com toda a bre-
vidaue. pur ter maior parte de seu carrega-
menlo engajado- para o resto e passageiros,
trata-se com Barroca & Castro, na ra da
Cadeia do Recife n. 4.
- Para Lisbua vai sahir com toda a bre-
vidade a bem c mliecida barca porlugueza
l.igeira, capilao Branco, a qual tem parte do
seu carregamenlo prompto ; para o resto e
passageiros, trata-se cora V. a. de Souza
Carvalfio Coiupanhe, largo do Pelouri-
nliu ii. 5.
fMmtnzo && potto.
desuarla para aci-s de beneficencia ; 6.000 francos
eontribuirAo para a fon lucilo de uma caixa ecouo-
Baiea. e o reala cara' rapariido entre diversos hos-
picios. "
o Seienlifie American publica os letointe*dados
eslalitlicos, acerca dot pronressos iodoslrlise e com-
roern es los Estados-fcnidos :
ii I) desenvolvimenlo da actividad industrial nos
gstados-l nulos he ia| ijue se lurna nnoativel pde-
lo seguir. M. de Bu, no seu eam/endinm do re- Caelano Pinto de Veras
censearaenln, diz aneo valor dos pioiluclosagrico-, O pa.lre Venancio llenrique du Rczende
presbtero secular,oflici I da imperial or-
Senhores redactores.!* Para prevenir fu-
: toros, v sso-llie a publicacao da certidao a-
I baixo de&te, pois suu seu amigo o obligado,
iniuiibi. cum n elTerliM de I.IKI) humen, ; rjaiilru las d .s K-la los Unidos, no aunr de 1850 era d*
eomnanli|as de arlllharia de marlnha, nina cumpa- I I,:l20 miiliies, (i.i|.:lgi dollars, e rscenla que no
nbia de tipidoras, e un servies de laude com um j anuo de lSi, rbeguu en algansmode l.iilKl milbes
pes-oal d -ion individuos. ,\t dolan. A lonalasem lotal ds Esladus-Unidos
i rodas esla* tropas formaran uma forca de 15lem 1855, foi da 5 milhes, 2l2.i)l)0 toneladas ; 2
rail hoiucus, son o caminando du lenenle-gineral 1 m-lhO**,- 335.130 toneladas pertsnciim aaelosiva-
lurd Ashurnhan. | mente ao* navios mercantes.
O coronel P.ukeiiban. que fez a campanil,) da
Crimea. Mercera as luncc/i-s de ajulaule general.
.i O gnvenio inglez eicolhcu para esla expadifJo
as soas melbores (ropas, o
O govrmo dos EsUdas-Uoidot, sendo convidado
pela lnglalerra para obraren) de cuinraum atenido
na qneslAo com a China, recusou-se a laso, e enviou
uma embalsa.la la, Humeando para esle lira a Mr.
Raed,
Na propria Parta, uao obilaate o tratado de paz,
Navios enliados no dia :.'..
Waterford com escala por Lisboa, M'deira e S. Vi-
cenle17 dias e 1!) hura, Vapi r brasileo uM.ir-
que/, de Cauasu, cominandaiile o 1. leuenlu Jua-
qunn Salomo Hamo* de Azevelo, Seguiu para
o Kiu de Janeiro, nn.i.cn.ln 1 passageiros para
aquella provincia.
Araealy14 diat, bilis braiilelro aCapibaribea.de
37 loneladas, meslre Trsjano Antones da Co-ta,
eqmpagera li. carga s.da, courns e mais gneros :
a Loiz Borges de Siqneira. Pcrlencc a Peniam-
buco.
.s'avios sahi los nn mismo dia.
MarselbaBrigue i'rauce/. ul'ierre 1.9 (ramio, capi-
tn Lavallier, carga a-sucar.
Bordeaux(ah-ra francesa iPividaln, com a mesma
carga que truuse. Su-pendeii d < lameiro.
1111^
Pernambucana
l) vapor PBRSINU.NA acbas- a carga para
ramondar, Baira-Grande e Macelo, p.sra onde si-
Ihi.i iia mantuia du dia 2S dn cnrreiile a carga se-
ra lecebida ate us 5 huras da tarde du dia 2I>.
a O eiiinmercio interior do pail dorante anno
de 1852, foi o -..imite ;
* Coniuiercio dos cosas Ires mil 31!) milhoes......
139,3/2 'tallar. ; commercio das cauaes, mil lS
inilhes de dollars ; o nioviraentn cummercial neloi
cauiiihus de ferro elevou-se ao algaiismo de mil 81
inillir.es 5(1,),n.iu dolan.
o Calcula se que os productos das manufacturas e
dat fabricas, no anno de 185K. elevar-se-ho a om
valor de pouco menos de 1,500 in KiCes de dollars,
dem do Cruzeiro, conego honorario da
capaila imperial e vigario collado da fre-
goeziadoSS, Sracramento do bairro de
santo Antonio do Recife, etc., el.-.
Certifico que a foliaa 8 verso do livro 7.
dos casa raen tos, se acha um asseolo, que
vai bem e lielmontc copiado, e he do theor
segunte:
Km 28 de junlio de 1850, pelas 6 horas o
mea da tarde, em oratorio privado, dispen-
sados os proclamos por S Uxc. Rvma e nao
c
.. '
Keai coiiipanhia (Se
que tes iii^lezns a vapor
pi-

-.
f*J Por engao deixou-so de puhlicar
primeira parte deste apedido.
Corris) sreral.
a a
^ V
> '
lili)


*
DA
PROVINCIA.
O Sr. tliesourei.ro das lotetias manda
fazer publico, que se acham a vendano
pavimento terreo da casa da ra da Au-
rora n. 20; bilhetes, meios e quartos, da
ultima parte da quarta e primeira da
quinta lotera de Nossa Senhora do Gua-
dalupe da cidade de Ohnda, das 9 horas
da rnanha a's 8 da noite, cujas rodas
andnm no da 00 do corrente.
Tliesouiaria das lolerias2o de mande
IS.")7.Josii Januario Alves da Maia, es-
crivao das loteras.
Tendo-se desercamnhado uma letra
da qtianta de i-s. 1: V-21)<200, sacada dos
Srs. Timrn Momsen A Vinnassa, sobre o
Sr. Jos Moreira Lopes, Ta data de "0
de jimhode 1836, ao prazo de 12meze<,
|)ievine-seao publico que qualquer tran-
saccap feta coma sobredta letra nao tem
validade alguma.
I'recisa-sc de um pretp para todo o
trrico de uma casa cstranfreira, paga-se
bein : na ra da Cruz n. 33.
A direcrao do e\lnclo Banco de
Pernambuco, avisa aos Sr*. accionistas,
que do I a S de junlio prximo, sesubsti-
tuirfio na caiva liial desta provincia, por
caures de accoes desta, as acces realisa-
ilas ou nfio, do <.'\tnc!o Banco de Per-
nambuco, icccbendo os Sis. accionistas a
importancia do excesso das realisadas. ou
entregando a da eulrada das nao realisa-
das, pai a licarem urnas e outras aceda a
par das Ho Rauco do Brasil, e percebe-
I rem geralmente os respectivos dividendos
do semestre, que principiara' no dia I-
de jiinho cm diante. Recife 22 de maio
de 1857.O secretario, Joao Ignacio de
Medeiros Rejo.
dos^faafllecto
Pode ser procurado das 7 as 8 horas da ma-
nhaa as 6 da larde : na ra da Camboa do
Carmo n. 20, cara sangrar, tirar e chumbar
: denles, P separa-los.
lem especicos para dores de dentes
a 19o frasquinho e pos dentificiofl e tnicos
para conservar c impar peifeitamcnle os
dentes sem alterar o esmalte.
OSr.-Joao Nepomceno Coclho Silva, tenha a hondade de ir a travena
da Madre le D.eosn. 1S. primeiro andar,
Al o dia :| rl^.ie me/. etpera-M rta Bsjropa, um a '^"A". 'l'j"'"'' trw,e"
, ", uhhai.. dns lanores desla fiiiiu.anliia. ..(mal rlninUdide- "' "" abatso assignados, scn-nti beam o
^ t: %%. vszssfas, ;l S.....:- -J........- ** ^^ f^'zxsr*1** sresp,M,avo1
baja 5 ss 10 borat di. inanba,.enepuitdes.a ate ""V* : r"Ppf-i ele., traale eorn COTpO* Commercio, i|ce apaitaram arrjl-
o momele dte lacrar, recebe-se eorre*poDd*Dai g5ii Adamwn Hovrte 4 C., ruado Irapiche- gayelmente, a.sncic.la.ie que tinliam na fa-
com o porte duplo. novo a. 2. linca de chapeos da ra do Passen. do-aos
du Coilegio, qua gyrava sob a firma Ban-
deira & Albuqueique, luje de 15 uiiiio de
O veleiro e beai conlicci.lo palhabote Dous l857,ficando o socio P.an leira com oestabele-
Relacao das cartas seguras vindas do norte Amigos, pretende sahir nestos oilo dias; cimento o encarrevado de receber o activo a
pelo vapor Imperador, para os senhores | tem prompbb metale do seu carregamenlo : solver o passivo. Recife 15 do maio de 1857.
abaixo declarados : para o resto e passageiros, para os quaes Joaquim de Allniquerque e Mello. Seve-
Antonio de Souza Maltos. | iem excelentes commodos, liata-se com o, nano Bandeira de Mello,


DIARIO DE PEKNAMKDCO SEGUNDA fElKA 25 DE MAIO DE 1S57,
Furto,
Na norte de segunda para terca-feira, 12
Jo corrente, furtaram ao abaixo assignado
um cavllo, do sitio portencente ao-falleci-
do Sr. Francisco de C.arvalho Paes de Andra-
de, no becco do Espinhero, o qnal tem os
signaes seguintes : cor ruco sujo ou cardao,
muito novo, e inteiro, ferido um pouco nos
peilos portrabalhar em carraca, hnje deve
ja estar sao, descarnado, tem urna n.area na
sarnelha de ter tido una ferida, cauda e di-
nas curtas : roga-sa as autoridades pociaes
ou a quaesquer pessoas
cido, a
alm de
entregue
fun5ao era Santo Au aro.
Jos Jaclntho de Carvalho.
Perdeu-se no da 21, da ra da Cadeia
de Santo Amonio ate a ra da Aurora, duas
lunetas, urna de tartaruga c outra do ouro,
ambas reunidas por ura tfancelim de ouro :
a pessoa que asachar, querendo reslitui-las,
pode entregar nesta typograpliia, que sera
bem recompensada,
Precisa-se de um pertuguez para cria-
do, e que se oceupe tambera em servico de
sitio : e de urna e'strengena que cozinhe,
lave e engomme, para pouca familia : a tra-
tar na eslrada de Joo Fernandes vieira, pri-
meiro sitio passando o dos 4 leOes.
CiraiMl
esquina da camboa
irmo,
Attencao.
anlarcs
Mara Rosa da Assumpcilo, de corilor- Tya ra de Hurtas n. Ifi, primeiro andar, se
idade cono os seus amiuncios por vezes fomece aimocos e j>litares para casas parti-
mi.ia.it' coin os seus amiuncios poi
transcriptos oeste jornal, previne a |iiem
convier, iiue su e tnicamente passot e
seiscenlos e
, em :(i de
a favor lo
assignoil lima oI)r(*a'fm noventa mil res 090*000
levereiro lo corrente auno,
Sr. .loaiiuim Antonio da Silveira, rom o
prazo le lo/.- mezes, sendo que outro
DEPOSITO I>E
esquer pessoas a quein for ofere- ^t-__Jl-. L' 1 ^ 3? 3' L'1 g ciualuuer titulo creditorio inc apparera
.pprehensnododi'tocavB.lo, que (jlVlOS bCIlCd (V H 3 tt $S6lt A Ol U>m la a.enatura, he falso e sern valor
se agradecer se cralilicara. sendo J i
,. ... a h1""'"'" =:"" -m alijum, asxim como que nao assienou es-
ao seo dono, no Hccife ao pe da i Vogclay, i. mi a honra 'le avisar ao re-p-iinvet publico, que ini abcrln n IB IrthriCdlll***
BSIKIOtFF.
de se achara os mai lindo*
ML@
doi -if.iin.-ili
fortes e liellos piauol, ale hoje conbccld
o primeiro obtonJo oa pnmeims preroioa, a medalha de honra, na i*ipoaic.3o de Londres de 1851, e de
Munirk de 1851; estes pianos lio 114 preferidos na Alleimohi. Uollanda, E'lados-Ulildoa, ese aeham
randes depsitos dos mesinos era Buenos-AN.es, ValpsralZO, ele, ele, oude fio iduiI t-onhecidos o de-
aejado*.
Ven.lern- mais que lein viuda a esle mereudu, sendo a ro.islrnr<\"io amias moderna e fortissima, leudo a teclado a
elulieida ie datfjada, c o citerior a msior desancla.
.Na mesilla casa aliare e concerla-se com pereicSo os Plasmos inslrumenlos, c aoha-M as msicas
em servico de ; a* ""'is '""dernas e dos melliores compositores da Europa.
criptura de hvpotlieca testamento ni-
jjuin. Recite,18 dema 10de IS.i"..Ma-
ra llosa da Assumpeo.
C5
COISDLT0K10

Grande sorti-
Onde seacham seuip'e os mais acreJitados niedicaincnlos, tanto em tinturas como
em glbulos, e preparados com o maior escrpulo e por presos bastante commodos :
Piltros FI\OS.
Botica de tubos grandes. 10/000
Dita de i o o ... 15*000
Dita de 3b > ... 209000
vta de 48 o ... 25-700
Dita de 60 ... 30S00C
Tubos avulsns a....... 19000
Frascos de linturrdemeia nhga. rOuO
Manual le medicina homeopalhica do Dr. Jahr com o dic-
cionario dos termos de medicina
Medicina domestica do Dr. lienry
Tratamento do cholera morbus
Repertorio do Di. Mello Mora es
2OJ0O0
10/000
2/000
6C'U0
PEORAS PRECIOSAS- >
ment de fazendas de
dws fs qualidades.
Uargurlo de aeda de cores com ramagem,
proprio para vestido da senhora, o cuva-
do a ..........
Ricas mani.is de blood pretas e brancas.
Loa de linlio a a
Urosdenapls prelo laviado, covado. .
Dilo dilo liso mullo largo, covado. .
Dito cor de rosa muito encordado .
Sarja preta liespanliola minio encorpado,
covado............
Salim prelo maco superior, covado .
Paoao lino preto e de cores, covado de 33
ra. a............
Corles de casemira de cores com barra ao
lado e de quadrinhoa, corte.....
Corlea de adeles Jde velludo prtlo e de
cores........." .
Curte decolleles degurguro de teda de
varioa padroes a I .
Meiaa cruas supe iores para meninos .
Corlea de veslido de seda de corea para e-
uhora, o mais rico que ha no mercado,
dravataa de aeda prelaa o de cores .
Chalas de merino bordado a velludo. .
Dilo de dilo bordados a seda.....
Hil i* de dilo com luir de seda '.
Dilu da dilo.com barra malisada. finos. .
Dilu de dito liaos. ........
Ditos de dilo com franjas de laa '. '. '. ',
Dilos de ISa adamascados pretos e de cores.
Len(oa para mo,de cimbrea de liuho,lisos
Pallios de alpaca preta lina e de cor. .
Gndolas de alpaca preta e de cor. .
Pupalma de seda de coras, malisadas, co-
vado............
Chatv de seda da corea, com cuadros, co-
ya lo ..........
Lia de qutdros pequeo* a grandes, co-
vado ......
U* e**da, lionilos padrfies, covado". '. '.
Ricos corles de lAa de ramagem malisada
com 13 covados........
Mauritana de seda de cores com vara de
tersura, covado.........
! r-'ilnia de seda com iietr malisada, ca-
vado............
Sedas de quadros de novas padres,covado.
Chapeos de inassa, franceses superiores .
Duqueza de seda con: ramagem, cov>do. .
Mussulina de cores mu linda-, covado. .
Chitas francetas finas.........
Cassas francetas de cores fixas, vara .
Km Irome do becco da Congregarlo, a
loja n. 40.
m
to-
isooo
9
292OO
29200
2-3'tOO
2S(M)
teOoo
7JO00
5000
109000
.nHi
5
&
1S5000
JCOOO
fiCu")00
ijoooo
5<)
49"i00
31000
5'0
4-5400
553OO
13000
8830
5K00
S.S01)
Aderemos de brilhanles,
diamante e perolas, pul-
seiras, allineles, briiiros
i ro/elas, holes e aunis
de differenli-s gastos e de
diversas pedrs de valor.
;' Compram, venden 00 ->'
g Irocam prala. ouro, bri .
V Oanles,diamantes e pero- .-.
ai las, e oulras quaesquer i
joiasdp valor, a dinheiio 8
8 ou por obras. >
1
0RE1RA k DQJJSTB.
HJfe ilf DrliSf.
aua do Gabuga' n. 7.
nieceherii por t -*
dos os va p r sda Eu-
ropa as obras do mais
moderno g^osto, tan-
to de Franca, como
OUBOEP&ATA.
__ ic-
Adereros completos da .-.
*' ouro, meioa ditos, pulsei-
2 ras, alfinele', luincos e *!
roalas, conloes, trancel- |
lin*. medllhal, corremos
* e entellet para rclogio, e
> uirui mullos olijeclos de
* ouro. 9
] Apirelbos completos de
prala pira cha, bandejas,
... salvas, ca.licaes. colheres <.
> de sopa e de cha, e mei- *
? los uulros objeclos de ?
v prala. ,
59000- t
ISfiOtl '
, as quaes vendem por
pre^o commodo'eoino costuiuam.
LOTERA
DA
provincia.
O abaixo assignado vende a dinheuo a vis-
ta, sendo da quanlia le lOOsOoo res paia
cima, os seus feli/es b llietes, unios, e quar-
tos, pelos prrfos abaiso mencionados, na
ra da Cadeia lo IteciTe n. 43, esquina da
Madre de lieos:
liilhetes 5-3400 recebe 5:0009
uhia
O Si
di
1jff.l
15000
I05O
7s")OII
730
320
280
400
segunda
Mcios
Quartos
19350
2:50(1;
1:3508
r. caixaaa mestna Comp?thia esta
autorisado 1 pagar o ('..;;,u .oitavo Jivi
ilendo. na razao de 2$500 rs. por accao.
Becife, l!i de nudo de I8.">7.O aecro
tario, Lni/, da Costa Portocarreiro.
Faz-so todo e qualquer negocio com a
elbor loja do Passolo Publico n. n, conj
endes 011 son) ellas ; a fallar na inesniai
A viuva e herdeiros do fallecido Sr: K-
= r-
ii
8
-r 5
I-a.
p
i
9

Ciliares, sendo com muito aceio e prompli-
d3o, man lando-sc levar em casa na hora
que se determine ; e tambeai se alugam sa-
las e quartos por muito commodo |ne;o.
Precisa-se de urna ama para casa de pou-
ca familia, que saiba co/.inhar, e engommar,
com toda a perfei^fo, e paga-se bem : ua
ra do Ccllegio n. 15, armazem.
Jlill.N GATIS,
COiretor geral
E AGENTE DE LE LO'ES COMMERUAES,
n. 20, ma do Torres,
PHIMEIRO ANDAR,
pra,-a do Corpo Sanio
REC1FE.
r-::-:\r:;-:-- .: --.r ... :"; if&Obd&n
."'. Joao da Silva Harai", medico pela
:-.?
'f&MES*g^
_ es
55
i-
w
sa s.
' 0
ti -
B
i
1
uni-
,,^ versiJal de Coimbra, nuiLii sud residen-
>' ri.i ij,i [tj,i ii.i Clbog* pira a ruu Nova n.
v3 *'*! secundi aodar, sobrado do Sr. |>r. Net-
, '^ lo, e alu CoDtina a rereber, dai S s 10
;;^ borai da manhia, e das : s." da tarde, as
*y powofli que o queiram coii'ullrir. *.,^"
.**,', ** -' ;* ,-' -*',* ;'\'"'\*\i'*' ''
^y\*y\*\\^pKi?\y\^ xfc^~Vy *'** ...*'-.i.:'ufixx
SEGURO CONTRA FOGO.
Comnanliia AUiaoco.
Esiabelecida em Lont.res, em margo de 1824.
Capital cinco milhoes de libras esterlinas.
Saunders Brothers C., tem a lionra do ir.-
I formar aos rs. negocisnies, proprietarios de casas,
a quem mais convier que estao plenamente : .orisados pela dita companhia para efectuar segu-
iros sobre edificios de lijlo e pedra, coberios da
tlha e igualuento sobre os objeclos quecontiverem
os mesaos edificios qner consista era mobilia ou
m fazendas ae qual(uer qualidade.
*rk*:'' ^.^ ^-' -- -*- *- .-.?'' *v.-*> m
'-.3^--..--.,. .;v.,"..j...":.;,..;;..';../( .:-.-...*.._
.*'J 1 t r 11: da oatri/ da lto;w\ isla n. SO, gg
It, aiiitda-su loda e qualqner obra le enre, .
\ aim romo Impam-ae ferro de eirargia da '*
@ toda qualidade, bale-M ou\idu em aapm- flfe
g^i sardas: na meama vende-e e alutjain-se a>>
" bichas, as-im cuino maiidam^e apphcar a '"*"
ux qu*lquer hora. >fc*
Ateneo
l. C Yates no io de Janeiro, na ra lo losoicio n. 40,
vendo um annuncio publicado em amadas
fnllis dePernambuco elo Sr. Bartl olomeo
I", de Souza, preven indo ao publico que o
verdadeiro xarope do bosque si\ elle he
quem vende,prcveninos ao mesmo publico,
que o nosso xarope de remellido do liio de
Jrneiro pelos acuna proprietarios ao Sr.
Manoel Alves Guerra, e este senhor fez o de-
posito para ser vendido na pharmacia do Sr.
los-- da Cruz Sanloa, na ra Nova n. 3, ni-
cos por mis autorisados pira venderem o
nosso verdadeiro, e mais prevenimos aos
senhores consumidores, que ln perto de 5
ainos os rollos collados as garrafas sSo
assignadoS por lienry l'rins, como procura-
dores dos cima proiinelarios. Itio de Janei-
ro 13 de Janeiro le 1857.
Precisi-se alugar urna pre'.a captiva,
que saiba cozinliar e lavar : para tratar, ra
doAmorim n 9, segundo andar.
lima pessoa de bo nflerece para cnsinar piimeiras leltras l'iira
de.sla cidade : a tratar na ra das Cruzes
n. 13.
Rosa-s ao senhor Monte Roso tetina
a lniii la,le de apparecer no aterro da lloa-
Vista n. 16, a concluir um negocio sobre
um rclogio, ;o qual nao ignora) pois queja
be passado bastante terr.po ; do contrario
lar-so-ha ver o como foi esse negocio.
Desapparcccu no dia di de abril do
corrrento anuo o pardo Candil), olTicial de
carapiua, oscravo do Manoel nacleto de
S,iu/.a, o pul inlituU-se de forro, coin os
signaes seguintes: altura recular, secco,
sellado, quando anda atira os ps para os
lados, cara descarnada, testa grande, cantos
bem fundos, traz o cabello semprc rente, he
bem barbado, polm so conserva o bigode,
tem todos os denles da frente per Cellos e al-
vos bastante; oqual pardo julga-se ter ido
para Parabiba ou llacei : roga-se a polica
e capites de campo que o apprehendam e
remettam o para a ra Direita n. 121, ou ao
enge.nho Pintos.

o
S

Botica
Por Salustiano de \quino Ferreira, i.liapel'acs barruto, que se.iui(;ar,-n com 1-
"1 los Forinnato dos Santos 1*i'io.Teito una'preta de omeC casa terrea com sotSo, i dirigir-sc a ra ^ufeusla, sobrado de varanda
o
;': EM PERNAMBI'CO S
:*' uo uk.
W SABINO OLEGARIO L. PINHO. O
^ Kua de Santo-Amaro (Mun- O
do-Novo) n. Q
^ Neate cslahelceimenlo eiistem os medica- r^J
gj menloa mais adeqaado, aot clima do or- ,
. 1, preparados coin a maior vigilancia pelo '".;'.
*a? propriolario. -,;
_'- Enslem medicamentos preparados no Kio : u
*t de Janeiro, que se vendem por preepa liai- JT
w xos, mas nao ae garante soa efticacia. 9
A eiperieucia tero damoustrado que os .'_
*'",i m",'Ci"n,Dtoi aqui preparados produiem s,;"
fe.'? melhor efleito, ca Das provincias do norlc, y.:
t do que os que os que em de fra. f'J.
.'\. O, presos silo fitoa, aendo mais caros, por ^-,
**** serem molbores, os preparados em Pcrnam- f-->
@ boco.. e
THESOLRO HOMEOPATII1CO i&
Vade-Mecum
DO
HP,\IEOPATA
Q PELO DR.
# SABINO OLEGARIO L. PINHO.
Esla preciosa obra conlina a ven^er-se
na botica central, a IOtUDO am brochura e
ir? II30U0 encadefiiada.
Aluga-se u ms
na Saledade n. 17 : a tratar no paleo do Cr-
ino n. 17.
Off-Tece-so urna mulher le meia idade
para servir em urna casa de iouc; familia,
ou mesmo pata seivir de companhia a aigu-
ma senhora idosa, ou mesmo para bular
sentido a al^um sitio perlo da ; ri<; i : quem
de seu presumo se quizer ulilisar, dirija-se
a ra Augusta n. U, que todo negocio se
faia.
Precisa-se de um saiseiro para urna
taberna na povoagao de Apipucos, uue tenba
bstanle pralica c dfi liadur a suu conducta,
nilo se pondo duvida pagar bom ordenado,
ou dar-se inleresss na mesma, sendo que
9
O
i
i
agrade
II. 32.
encarnada junto a fabricado Sr. Santos, on-
de se p le 'lar noticia da mesma.
Precisa-se de um casal de porcos es-
trani.'eiros, que sejam grandes; le um ca-
sal de ganeqs, de sement de horlalica e fruc-
leiras .!e dilVorenles qualidades : a pessoa
que livor para vender essus objeclos, ou par-
te detles, anouucio por esle Diario, onde
I eve ser procura lo.
Praeiaa-ta de 8009 1:000a com o premio qoe
|ecoiivencioiir, com bypolheta em um predio nes-
i la cidade : a quem convier ruiiunrie.
Precisa-se de uro criada forro ou captivo para
I usa a> don, MledaDlea, he apena, para cerlos man-
I da.lo, e pequeo aerviea iuternn : quem quizer ap-
larer na rasa n. !s da ra do Rosario da Boa Visia,
G
O
u>

Aluga-se a primeii-a sala do primei-
ro andar do sobrado da i-ua da Cadeia
do Recile n. I, muito propriopara es-
criptorio: a tratar na loja da mesma.
a tratar na ra larga do Rosario I fl,eahra' eemqaeaa fallar.
Precisa-se da 4 horaena ou rapara para en;e-
pppn, | nlio. sendo don. para (rabalhar em em de caldeira,
_ '""' um para Iralar de un quartaos e o oulro nara cria-
Perdeu-se urna patento de reforma, do Ido: quena qnier anuunele oa diriia-M araadaiSan
posto de lenle da antiga guarda nacional, lion^alo n, "
de Caelano de Assis Campos Cosdem : quem
achou leve ao paleo do (.armo n. 9, que sera
gralilicado ; Valo que ncnbuma ulilidade
tem senao para o dono.
Precisa-sede um trabalhad^r : na na-
darla da la Direita n. i.
Continua-se a vender queijos do ser-
tSo muio fraseaos a 50o rs. a libra, fendo
umsortimeulo de todos os tamanlos : na
taberna da ra Augusta, porhaisodo sobra-
do que foi de Jos Hara, n. 1.
Vende-seum escravo proprio para to-
do o servico, issio como bom para eiigenho
por ser mestre de assucar : a tratar na ra
Direita n. 2G.
Manoel Joaquim Candido Teixeira, pe-
lo presente Tazscienteao respcilavel corpo
de commercio, e igualmente ao publico, que
vendeu a sua loja de miudezas da ra do
Qeiinaio n. 65 ao Sr. Joao Antonio de Al-
meida.
Reoslos.
Francisco Jos Germano, relojoeiro, com
loja na ra Nova n. 21, avisa ao respeilavel
publico, que acaba de contratar com os pri-
meiros fabricantes, lauto de Inglaterra como
de Francjae Suissa,para os mesmo* lhe faze-
rem.rerness,s dos mais acreditados relogios,
Unto de prala como de ouro ; assrrn como queira apparecer' no'escrpiljri'o de Joliiison
Os abafso asstgnados, com loja de ourives
na ra ao Cahug n. n, conrronleao pateo
da matriz erua .Nova, fszem publico, que
i clao rcrebendo continuadamente as mais
I novas obras de i:uro, tanto para senhora
como para homens e
coalinuam
Precisa-se de um forneiro: ni padaria
da ra liirela n. 40.
PEBDA.
No dia 20 do corrente perdeu-se da ra do
Qucimado at o becco da Cangrega^o, urna
carleira contend 8<>000 em sedulas. vanos
papis, e meios bilhetes de lotera, e algu-
mascontas: a pessoa qu'e achou e quizer
resiiiuUa. dirija-se a ra do Cnieimado, loja
de miudezas n 63, que generosameiilc sera
recompensada.
-'- OSr. Antonio Joaquim da Silva Vilclla
para
meninos : os presos
razoaveis, c passam-se conlas
com responsabilidade, especificando a qua-
lidade do ouro de 14 ou 18 quilates, licando
assim sujeitos os mesmos por qualqier du-
vida. -beraphim & Irnnlo.
FEITOR.
Precisa-se para um sitio pequeo, perlo
da praca.de um feitorsolleiro ^,ue enlenda
delioruii^a, ele : Uirija-se ao primeiro an-
dar de n. o, na ra do Torres, praea do
Co'po Santo. <
se encarrega de fazer qualquer encomuien-
da ledenle a sua ai le como de outra qual-
quer, peio que promelte o bom desempenho
le ludo que Un loe eocarregado. Ha mesma
loa existe um grande e variado sortimento
de relogios de ouro e prala, patentes, de to-
das as qualidades, ditos americanos de um
gosto moderno, ditos cotn despertador, com
corda para 3 diAs, dilos americanos com cor-
da para 8 das, -Jilos de parede com msicas
Jardiin piibljc.)
iiaibueo, na
dade u. 70.
c a er-
d i Sol-
Patr & Companhia, a fallar com Krauaisco Ncsle muilo grande jardim ha muito Tan-
Cainpello Pires Ferreira. I de variJade de flores novas nesta provin-
Precisase de urna ama forra ou cap- ca : rosas, dalias, eoutras inuias quali la-
'iva, que engomme bem e cozinhe, paga-se des, assim com ps de alecrun do norte
bem : na ra Nova n. 34, cm casa de inada- sylmdras, etc., ele. : lambem ha Quitas
ma liosa llardy. j qualidades de ligos. uvas, qualidades novas
Na ra da Cadeia de Santo Antonio n sapotas o sapotis, etc. O tempo he proprio
7, primeiro andar, vendem-se charutos da de plantar/es. tVprontam-se encommeudas,
Baha en caisinhasde 50, os roelhores que lauto para o centro da provincia, assim como
Aluga-se um armazem de tres pol-
las, silo na na da Praia, perlencente ao
palrimonio da Ordem Terceira de San*
Francisco: ospretendente* dirijam-sao
largo doCarmo n. I li.
O Dr. Ignacio Firmo Xavier faz publi-
co, que mudou sua residencia para o seu si-
tio na Passagcm da Magdalena, que lica ao
norte da eslrada entre a ponte grande e a do
Chora-menino, e ahi tem preparado urna
casa de saude com todos os commodos para
0 tratamento de cscravos, cujos senhores
residam fra da pra^a, ou que nao os pos-
sam curar em suas proprias casas : quem
para isto quizer-se ulilisar de seus servigos
mdicos, que serio desempenhadus com o
maior zelo, dirija-se ao paleo do Carmo n.
9, primeiro andar, ou no referido sitio da
Magdalena. Preijo 2/00 diariosexceptu-
ando conferencies, sunguesugas e opera-
QOCS.
- Existe para ven1er-se na ra da Cruz
n. 26, dous fardos de fumo le primeira qua
lidade, para capa de charutos, 0 qual he.ve-
Iho de dous anuos, e vindo da tahia lti-
mamente
Quem quizer dar dinheiro para o Rio
deJane/ro, ou Babia, dirija-se ao hotel in-
g,!7., ra do Trapiche, que saqa-socom al-
gum premie, sem prazo, e aviste
-- O abaixo assignado, por e 1 le da com-
-.iii liquidalaria la companhia de l'esca-
1 ms l.islonerrs, faz putillco qoe di confor-
midad* com a rosoluco lomada em suaas-
sombla gera!, se proceder a venda em lei-
13o publico, na praija de Lisboa, de todos os
navios da referida companhia ; e como bre-
vemente tem de ebegar a esle porto o bri-
cue denominado Pescador, perlencente a
mesma, avisa-se a todas as pessoas inleres-
sadas na compra dc'taes navios, para que o
examinem, podendo dirigir ao abaixo assig-
nado. no seu escriptoiio, ra da Cadeia do
Recate : o supradito leilao lera lugar logo
que o mencionado brigue, regressar nesta
viagem. Por Francisco Gomes de Oliveia,
Joao da Cruz Macedo.
n abaixo assignado faz scientc ao res-
peilavel publico, que ningucm faca negocio
com Francisco Concalves de Souza e sua
mulher Hara da Penha lo Coratjao de Jess,
com a engenhoca denominada Bom Muc-
cessosita no segundo dislricto do termo
de Iguarassu', por quahto a dila engenr.oe ,
est pendente de urna hypolheca feila bo
abaixo assignado, e com a cunJ r.i,) espeiial
de, dito Francisco Goncalves de souza o
sua mulher nao polerem vende-la s-niio ao
mesmo abaixo assignado, pelo pre?o que
puderem couvencioiiar. no caso de quererem
vende-la, assim como que he o mesmo abai-
xo assignado senUor e possuidor de duas
parles da mencionada engenhoca, as quaes
comprehendern qaasi melade do termo da
referida proprie lade. outro sim faz sciente
igualmente qua '.ita engenhoca foi arrenda-
da por seis aunos, contados desde o mez de
maio de 1853, cotn a c.indicao especial Je,
no caso de ser venilla a subredita eoganho-
ca, estar com ludo sujeita a apreenclier-sj
o lempo do referido arrendamento, feilo pe-
lo Sr. tenante Jos Filippe de Mello/ e hoje.
pertcncente ao mesmo abaixo assignado. K
para que ningum se chame a ignorancia,
faz em lempo o presente annuncio.
Manoel Juliaoda Fonseca Piuho.
Barlholomeo Fiancisco de Souza, leu-
do o annuncio los Srs. K. C. Vales c Com-
panhia 110 Diario n. 17, em que diz ser s-
menii! verdadeiro o Xarope de bosque que
se vende nesta cidado na pharmacia do Sr.
Jos da Cruz Sanios, onde fez leposilo o
Sr. Manoel Alves Cuerra, que recebeu delles
proprietarios, declara ao publico, que no
duvida seja falso o xarope de bosque que
lambem vende em sua botica, mas assevera
que elle he comprado aos mesmos Srs. U.
('.. Vales Companhia, lo Kio de Janeiro,
como provam os documentos abaixo :
lili) DE JANEIRO K DE AGOSTO DE 1836,
O Sr. Barlnoloraeo Francisco de ouza
cotnfVou a II. C. Vales i\ Companiia :
4 duzias de garrafas com xarope
lo bosque a lsOD'l......... Ifi^tlOO
6 duzias de l|2 garrafas com xa-
rope do bosque a 27-7000......1639000
sa> uf O
o
DEITF*
A fe r 198,0.
Scientifica - sao de pesos, medidas e bataneas, principia
do 1. do corrente a (indar no ultimo deju-
nho : na casa da afericao, no pateo do Ter-
co n. 16.
Jos Antonio Moreira Dias & C, fazcm
sciente aos seus tregeles e mais compra-
dores de plvora, que continuam a ter um
completo sortimenlo desle genero, das me-
Ihores qualidades que vem a esle mercado,
cas amostras encontraran em seus escrito-
rios na ra las Larangeiras 11. 14, e ra da
Moeda 11. 23.
su tKllGBZ. 1
I'fialn Galgnom deotisU, ru;i Nova n. M : ,
Vi? na me^ma ci lein agOl e p-* Itnlnlice. $&
Precsa-se alagar urna parda ou prela,
preferin Io-se escrava, que saiba tratar de
crianzas, c dos seus arraujos : a pessoa que
a tiver, ou queira rtisso se encarregar, diri-
ja-SO a ra des. Francisco, como quem vai
para a ra Bella, sobrado n. 8, para tratar de
seu ajuste, que sera bem pago avisla de suas
qualidades.
Deseja-se fallar ao Sr. Jos Hibeiro da
Bocha Basto a negocio de seu inleresse : na
ra do Trapiche n 17, escriptorio.
OtForece-se urna mulher branca, de
boa conducta, para dirigir urna casa de pou-
ca familia, ou do hninem solteiro, anda
mesmo para sitio : quem delta precisar, di-
rija-se a ra da ConcetQao da Boa-Vista n. 2.
OfTerece-se urna mulher para ama de
casa cstrangeira : a tratar no Manguintio, es-
quina que volta para a Capunga,uu annun-_
DE
pianos fortes.
Em casa do Tiram Momscn & Vinassa, pra-
ea do Copo Sanio n 13.
L1VROS EM RR\NCO DE HAMBUKGO.
Em casa de Timm Moiison & Vinassa, pra-
C lo Corpo ?anto n. 13.
I'recisa-se de um caixeiro que abone
a sua conducta, e do um prelo ainda que se-
ja de idade : na padaria da ra das Laran-
geiras n, 28. Na mesma se offorece urna pes-
soa com habilitares necessarias para co-
branza, tanto na pra^a como lora delta, o
qual da liador a sua conducta.
ROUBO
r.ouharam na quinla-feira, 21 de malo, as
7 Imas da manha, da ra do Aguas Verdes
n. 21 um relogio de ouro pequea, de caixu
cubera, de n. 60, suisso, coin um correnlao
grande e grosso, c m o peso le 13 oitavas e
meia, mais um correnlao fino jue se ignora
0 peso, mais una correle dessCUftas, da
moda, com duas pedras raigadas, lingindo
passador, mais unsenfeites que estaVam no
correniSo grosso, os quaes sao, urna mSo de
coral encarnado, um livro esmaltado, urna
chave com caheea decavallo, nina agulhade
marear,urna agina com cornalina encarnada,
um entalle gran le a moda de um bicho co D
lima cornalina rajada em bsixo : rogi-se a
todas as pessoas a quem for oltareci lo, de to-
marem e levar a dita casa, que sern gene-
rosamente gratificadas, e ;>rotesU-se contra
uem tiver algum dos ditos objeclos.
A< togado isu liahi .
t> hachare! Jos Harlins Alves, advogado
na cidade da Bahia, ra dos Droguistas n
51, primeiro andar, offereca o seu pequeo
presumo nos senhores desla cidade e pro-
vincia, que nIIi tiverem dependencias em
qua-squer ngne.ns auC teoham de rnrror
uelos div.rsos tribunaes ou reoartifjOes pu-
blicas. As cartas que lhe forcm endereza-
das devem ir, em sua ausencia, aos Srs. vi-
ves. Filho & Companhia, co:n loj> de lerra-
gens na mesma ra e casa. s procuracOes
devem couler poderes para subslabelecimen-
to. Os honorarios se>3o pagos conforme as
convences, e sempre naquella cidade, para
o que devera haver alli pessoa competente-
mente habilitada.
Lotera
lotera do
Rio de Ja-
neiro.
AOS 20:000$, 10:0000 E l:000.
Na pa i 1 la Independencia n- 40,
acham-se a' venda os novos bilhetes da lo-
teria i lo Monte-Pio-Geral, inri, 1 ,1 )'< do presente; as listas espera-
mos pelo \apor luasildio, (pie iicava a
partir a >'< : na mesma loja cima se la-
1.1' o prorapto pagamento dos premios,
deconformidadeaos nossos annuncios.
No sitio das Roseiras, do tenente-co-
ronel Joaquim Llias de lloara, vende-se
urna engenhoca ou destorcedor de canoa
de das manjarras, era muito bom estado
011 pi.isi iioxo. lodo leito de pa'o-crro
011 sieupia, pelo baialissiino preco da
importancia das erragens, feitas na fun-
dirao do Sr. Mesquita: puern o quizer
comprar va' ao sitio cima, que licara
salis'eito.Joaquim Llias de Moura.
As senhores donos de
taberiiHS.
Vendem-se barricas com sardinhas gran-
des e novas, assim c mo a relplho, aos ce-
ios, por preco mais em con'.a do que cm ou-
tri qualquer parle : na ra da Praia. arma-
zem n. 18, de J.is le .Mello Costa Oliveira.
VonJe se urna bonlla escrava, perita
cozlnheira eengommadoira, sendo para lora
da provincia, oj p-ra al^um engenho : na
ra Augusta, sobrado n. 3.
- Vendem-se os superiores queijos do
remo, os m.is novos neslc meicado a IfWO :
na ra Direitan. l, esquina de S. Pedro.
Vende-se urna luida r.egrinha le 1*
annos, cozioha e lava de sabao muito bem !
tam principio de costura e engommado : na
ra .Nova n. 31.
BILHETES Di LTEHU DO
RIO DE JHEIRO.
Aos 20,000ry, 10,000,?,
.-OOOjOOll, 2:000>000 e 1:000/000.
Na prae da Independencia, loja n. 33, es-
lo expostos a venda os novos bilhetes,
meios e quartos da stima lotera do conser-
vatorio de msica nesta corte, a exlrahir-se
em 18 do correnle. As lisias virao pelo pri-
meiro vapor que sahir depois daquclla data.
Vende-se cha uxim le Pequim, o mais
superior neste geneio, cha hysson e prelo :
na padaria do paleo da Santa Cruz n. 55,
com a enlrada pela ra do Rosario : o na
mesma continuadamente, alm do excellen-
te pao de todas as denomina^oes e bolachas
fondas de lodos os la aunos, lambem ven-
de cafe em grao, dito moido, assucar refina-
do e caixiies de ioce de goiaba,
Vende-se urna casa terrea sita na rua
doSenho Bom Jess das Crioulas n. 37:
quem a quizer comprar dirija-se ao becco
DA
e
lem vindo a este mercado, e pelo menor pre-
grandes de t. pecas, pendii.as ricas, propnos Co que se ven Je em outra qualquer parte
.... .n .. ,. i-i 11' n 1 lili P Lodos os das ate as iu horas da iiianmia.
-Forsnosoe S
para reparticao ou escriptorio, despertado-
res pequeos e grandes, correnlOes de ou-
ro, ricos siteles, cotrentes de ouro das mais
modernas, superi >rcs oculos para thealro,
ditos de ouro lo melhor goslo, ditos de a;o
com os aros o nuis lino que lem apparecido,
luuetas de ouio, ricos botoe para punho,
relogios de ouro com esmalte de brilhantes
para senhora, um sortimenlo de aunis de
ouro, eoulros muilos objeclos, que sern
aposentados a vista dos compradores.
Afient ii -
Rouba.-am da casa le pasto da rua das
Cruzes n. 39, no dia 20 do correnle mez, um
bahu' de 4 p.Irnos e meio, levando dentro os
objeclos seguintes : em dintieiro t :670c em
sedulas. sendo una nota de 5005, duas de
20o?, ana de 50*, e asmis cntaniudas, to-
dos os papis de cirrum.-tancia, 7 camisas,
1 calca de panno, 1 palito de alpaca com go-
la de velludo, 1 par de bolftes, l chapeo do
chili, 8 pares de meias, ludo novo, e fra
roupa usada ; consta que fra um guarda
do butalhiio de S l.ourenqo, por nome Ma-
noel Carneiro da Silva : roga-se as autorida-
des policiaes a captuia rio dilo guarda ; e
da-se a pessoa que o pender, sendo que so
ache o dinheiro ou parle delle, a melado da
lita quanlia que apparecer. Encontrndo-
se o individuo, e no se echando senao os
papis, gratifica-se generosamente a pessoa
que fizer entrega delles na mesma casa de
pasto.
Ilegvel
:.r
ce.
Ama de le te.
Pri-cnm-flc do urna ama qiifi banha bom
leite, forra ou captiva : 110 aterro da Boa-
Vista, loja de bilhetes n. 56.
Precia-se de urna ama para o serviqo
interno de urna casa de pouca familia : na
pra^a do Corpo Santo n. 17.
Precisa-se de un rapaz portuguez, de
12 a 16 annos, sendo dos ltimos chegados
que seja de boa conduca, e que saiba ler,
para caixeiro de taberna : no pateo do Ter-
Qo n. 32.
Tendo-se propalado do dia 22 do cor-
rente para ca' depois do fallecimento do ca-
pit3o de fragata Pedro gnac o Morone, que
em seu testamento testara perlo de inu
conios de rs., e entre algtins leixados pelo
mesmo (se he que os deixou pois s consta
haver deixado a urna sobriuha e a umajrmaa;
se lenha fallado da quantia de 10:000?, qua
se diz elle hatfer legado a u-na senhora qu
coma como certo, ter o finado pretonc;5o de
se despozar com ella, sem comiudo a haver
pe li 10, e portento nao est'iva justo e con-
tratado, o que julgo e eremos nao passar a-
quellesdizercs senSodo volg 1 mal intencio-
nado, que a esla seniora ficara por doar;ao
011 dcixa a mencionada quanlia,|e como seja
isto tilo inexacto, pois que do testamento se
ve que nem nella se faz mencSo, e sen lo
que este cont nao lenh 1 ocunho da verda-
de, e le alguma forma se lenha propalado
com cores de pouca decencia, a bom da ver-
dad'1 publica nos esta, aiim lo publico ficar
iuteirado de tudo relativa ente ao lal lesta-
menio. He primeiro lestamnie-iro e aceitou
a testamentaria o chefe da divisao naval, o
; or elle se sabe com verd.ide e de sua infor-
marlo, que o que deixou o Tinado foi perlo
Je4.000a,sendo paite cm dinheiro a juros,
parle em dinheiro de contado e o restante
em movis e objeclos preciosos ; c couslaii-
'.o que o 3 testamenteiro de alguma forma
eoncorreii por nao cs'.ar bem Informado, pa- Comora-se urna negra que engomme
raque leproaalasse esta noticia ecorresse: cozinhe, assim como um negro para o servi-
oviiicia.
do Veras 11. 20.
Vendem-se queijos do reino a 1^*00,
1?600 e 19600 : derrame da matriz da Boa- '
Vista n. 88.
trand s e grades,
L'ra lin'lo e variado sortimenlo de model-
los para varandas e graderas, de goslo mo-
dernissimo- na fundicao da Aurora em San-
to Amaro,e no deposito da mesma, na ruado
Bram.
Moendns superiores.
Na fundicao de C. Starr & Companhia, em
Santo Amaro, acham-sc para vender moca-
das de canna todas de ferro, de um modello e
coustruccao muilo superiores.
Luvas de todas
as q'dalidrdes. '
Vendem-se verdadeiras luvas de pellica
de Jouvn, pretas c brancas, para hornera c
senhora a 2j500 rs. o par, ditas de seda de
todas as coras e bordadas, com guarnicOes a
29500, ditas lisas lambem de seda e de to-
das as cores, para hornera e senhora a la,
1520 e 1/500, ditas pretas de torcal, muito
boa fazenda a 15, dilas* brancas de algodio
para homcm a 240, 320 e 400 rs., dilas de
cores muito finas de fio da Escocia para bo-
mem e senhora a 320, 400 e 500 rs., e ou-
tras mais qualidades de luvas, que se ven-
de barato: na rua do Qucimado, na bem
conhecida loja de miudezas da boa fama
n. 33.
DE MITO BOSS GOSTO E
O abaixo assignado vendeu os seguinte
premios :
O l>r. JoId Honorio Brztrra dr- M-ne- ;;
aw, m^iiirii pala Kacul lada da Baha, lein i_
Oadoaua residencia na cidade ilu Rio-For- .-
moto, e de novo elTeieee .tas a peuoai que o bonraiciu ccib sua cea- .."
flanea.
.. -----. --. .>.-..-, .--., .-->-> .r\.~. r- .
\* '+. > U -^ -..- .- yr '^ -..' -- -.' -..y '-'
Maiia Caineiro desonza Lacerda Vil-
-.-
lambem para as mais do sul e norte, l're-
sentemrute as toseiras estao com flor para
a vista del las >e fazer boa escol. a,
- Precisa-se de um fetor para sitio :
no sobrado da rua da Gloiia n. 7.
l-or ter de fozer urna viagem para Eu-
ropa o sr. Hre lerico Fremont, ex-gerenle da
casa commercial franceza sob a (Irma de
l're>mi l.isr.e, qoe se cha em liquida-
eflo, os negociantes francezes Cals IruiDos,
esUbeiecidos nesta cidade, annunciim aos
devedores da dita firma, que na ausencia do
diloSr. Fre 0111, licam elles encarregadoa
da liquidado da casa, e previ nem a quem
interessar possa, e a toilos os deve lores, que
com os abaixo assignados dilos Cals Irmaos
1 bilhcte Numero 607 5009
1 meio a 1604 200?
1 biihcte 3524 100?
1 meio 1332 100/
2 quartos 0 202 50/
O mesmo t<-m exposto i venda os seus fe-
lizes bilhetes, meios e quarlos da ultima
parte da quarta, e primeira parte da quinta
lotera de N. S. do Cuadelupe doOlinda, os
quaes nao estri sujeitos ao descouto dos
oilo por cento da lei.
Por Salustiano de quino Ferreira,
Jos l'oiiuriato dos Santos Porto.
,p*;:.
ile plano, senao lano em<;uanto a .'arte di
doji.no referida, e que faz parte principal
desla correspondencia, ao menos na parte
relativamente aos ISOI'UO? senao lantoquau-
lo seexsgerou, ao meos deu foro* ja por
ser de su 1 pessoa que sabio esla noticia, e
ja na qualidade de :i leslameuteiro, c 3 tes-
tamenteiro o leneiue spcretarn) da capitana
oSr. Neves: concluinlo esti dizemos que
s nos levou a publicarmos, nio o desejo .lo
molestar a pessoa alguma, mas sim para Ter-
mos restabelecida a verdade edarmos o seu
a seu dono. *
na rua da Cadeia do P.ocife loja
ira
lasecca, prolessora particular, participa aos sc devem entender, porque sao elles
!-> t I., ,, .1 n 1 1 ,ii ,, .. 1 .... ,,,.< n...,.,,nf. i. t .
pas de suas Slumnas, e a quem convier, que
mudou a sua residencia da praca da Boa-
Vista, para a rua la Aurora, sobrado lo fi-
nado Sr. Ileiculauo, segundo o lerceiro an-
dar.
No lia 'j do correnle, pelas 8 horas da
msnbSa, vou pela porla de detraz do sobra-
do n. 71. da la Direita, e tomou a diNCfBO
das ras da Vira pagaio : quem o apandar, queira lcva-ln a
casa cima indicada, que ser recompen-
sado.
L'm liomem dos ltimamente chegados
do Porto, pretende arrumar-so em armazn,
ou padaria, ou oulro qualquer eslabeleci-
menlo : quem pretender, dirija-se ao pateo
da Sania Cruz n. 6.
Precisa-se de olliciaes do alfaiato, para
calcas de casemira : oa rua .Nova n. 52.
smen-
te os autorisados para a referida liquidacao.
Recite 9 de maio de 1857.
Fremont & Lasne.
Attencfio.
Prdeo-w no da 11 do mz pr,,irc,> passado, do
paleo du Carino, rua do Koaario ealreila, lila do
Rotarlo larga, diia da (Racimado, dita ,io Crnpo
Hle ii airo de Sanio Antonio urna inda dr 20c9 *
naa te declara e he nota do ban do Brasil, ou te
he as noJMl sp,IuIh veltiHH do imperio .lo Bratll,
porque foi perdida por um homem -o malo que nau
sala ler. e apenai condece tedulas pequenas : a
pessoa (|ue a liver aefaa lo, querendo deMnearregar
a sua eonaeicneia, entregando na rua .lo Kosario da
l ;i Viila n.32, aralilicar-.e-ha K'ner.itamnte.
-- Koga-se a Sra. armioda Pinheira dos
Santos, que queira declarar a sua morada,
para ser procurada, a negocio de muito in-
teresse.

lis. 378*1000
liecebi o importe cima, do Sr. Antonio
loaquim Vieira de Carvalho. Io de Janeiro
de agosto de ISj. Por li. C. Yates &
"omiianhi iJos Paulino ilaplista.
becoiihcQo verdadeiro o sigual supra. Rc-
til'e 8 do agosto lo 1856.
Km fe d3 verdade.
Manoel Hilario Pires FerrSo.
RIO HE JANEIRO 18 DE FEYERF1RO DE
1857.
Os Srs. Constantino .ornes de Paria Fer-
reira compraran! a i!. C. Yates & Compan-
hia :
4 duzias de t arrufas com Xarope
do bosque a 549OOO.........216/000
6 duzias de l|2 garrafas cora xa-
rope do bosquo a z",Ti'dO......1G2.1000
Rs. 3789000
Recebemos o importe. Por R.C. Yates &
CompanhiaW. C. Crwartt.
.us abaixo assignados declaramos que
compramos o xarope cima para o Sr. Bar-
tholomeoFrancisco le Sou/a, de Peinam-
buco, em virtule, de .-ua ordem du 3 lo cor-
renle. Itio de Janeiro 18 de fevereiro de
1857.Constantino Comes de Faria t Fer-
reira.
mucia.
O abaixo assignado \en-
de bilhetes fnrantidps, pe-
los piecos !>aixo otarlo^-,
sendo i;i quanti i de cera
;l res pura cima, a d:-
nheiro vista, em seu es-
cripturio, ;j rua da Ca-
deia do itecife i. JO, pri-
meiro andar.
Bilhetes.
Meios.
Quartos.
P. .s.
(j,i de casa :
n. 64.
Compra-se u-na casa terrea que lenha
commodos para urna familia; a quem convier
vender, procure na rua da Cadeia de S. An-
tonio, na cocheira do Sr. Augusto, que in-
dicara o comprador.
Compram-aje Diarios velos para em-
b-ulbo : no paleo da Santa Ciuz n. 6, pada-
ria.
Compram-so travs de 25 a 35 palmos
de compnmenlo, e palmo de grossura : ua
livraria da praca da Independencia n 6e8
Compra-se una cabra coslumada a
criar menino : na rua de S. Francisco, so-
brado n. 8, e na livraria n. 6 e 8 da praea da
Independencia.
Compra-se e(Tcciiv.'inenlo na ruadas
Flores 11. 37, piimeiro r.dar, apolices da di-
vida publica e provincial, accGesdas compa-
nhias, e da-se dinheiro a juros, em grandes
c pequeas quautias, sobre penbores.
Compra-se um palilviro de prata i-i e sem
feilirj1 :11a rua da Calcada labrado amar, lio n. t-J.
Compra-se electivameme cobre ve-
Iho, seja deque obras for, forro de navios a
300 reis a libra, e lalao a 360, e peridicos a
4>:i00 arroba ; no pateo do Carmo, esquina
da rua de llortas u. 2.
Compra-se um sitio perto di praca e
urna casa terrea nesta cidade : a tratar na
ruado Cabuga, loja do ourives n. 1 D.
Compra-se urna escrava que no seja
muito vellia, e que saiba fazer 11 diario de
urna casa : no pateo do Terco n. 59. Na mos-
ina casa se dir quem compra um par de
consolos que eslej im em bom esta lo.
Gompram-se barris de viudo que nao .,, ','j
1 -. 1j**,iit-Litr>iiii
."iSiOO
2*700
1*030
L i/me.
AMA DE LEITE.
1 lenha
Velha
luosas.
uiistura d'agua ; na
n 110, deposito de
rua da
bebidas
eu/.i.ia
espiri-
Vendem-se muilo ricos jarros le porcelana
para llores, ricos pares de calungas para ci-
ma do mesa lambem de porcelana, tiuteiros
de muito gosto, e paliteiros, ludo de porce-
lana e por preco |ue nao deixar de servir
a quem gosta do que he bom na rua do
Queimado, na bem conhecida loja de miude-
zas da boa faina n. 33.
lom e barato.
Vende-se muito bom papel almaQO grave,
a 43 a resma, dito muito bom sem ser greve
a 3520o, dito le peso pautado a 45500. dito
liso a 39, dito paquete pauta io a 5 0 6jt a
resma, dito de cores, de fotha pequea, em
quartos do resma a 700 rs., groza das bem
conbecidss pennas de ac;o, bico de louca a
1-200, ditas muito linas sem ser de bico de
lou;a a 5111 rs. c la, duzias de lapis muito
linos a 320 e 800 rs., canelas muito bonitas,
de seo, torneadas a 120. ditas de espinho a
200 rs., ditss ordinarias de po e flandres a
20 rs., caivetes de cabo de cbifre de viado,
de 2 folhas, muio boa fazen la a 800 rs., di-
tos de 1 s foi ha com cabo de ii;adreperola a
8,:0 rs., uUjs muilo linos de 1 s folha com
cabo de marlim a 1>630 e 2/, ditos de 2, 3 e
4 folhas, linissimos, lambem com cabo de
marfjm a S9500 e 3#, vi Iros com tinta car-
mim muito lina, propria para riscar e escre-
ver a 800 rs.,-boioes de tinta preta ingleza a
lo rs., tiuteiros (.tenle inglez, de vidro a
1;500 e 3.-, raguas redondas muito bem fei-
tas lambem inglczas a 500, 600 e 800 rs., pe-
dras i'igie/.-.s muilo linas paia amolara l/e
1-5500, tiuteiros para algibeira a 400 rs.,
agarradores de papis de umitas qualidades
B presos, e oiilras nuilissimas colisas : na
rua do lacinia,], na bem conhecida loja du
miudezas da boa fama n. 33.
Objeclos para
t.
o.
Na roa do Qneimado, r.a bem conhecida
ioj-a lo miudezas i- boa lama n. 33, encou-
j d,-se seni.iie co.~r lelo soriiniento de ade-
recos, brincos e rselas, pulceiras e alfine-
j les, ludo pelo, ero lilamente paia lulo, O
.que ludosevende mais barato doqueem
1 aira qualquer parto.
RICAS BOHECiS FKABCE-
vx
Vendcin-se 1 uito lindas e bem vestidas
cozt s, gran es, pelo barattssi-
le 2S e 2-5110. ditas vestidas de
5^tti>^i5
Vendem-se lies casas terreas novas,
muradase com cacimba,umu na ruados
ino preco
noivas, e cada urna no seu cartao a 3/OUO c
35500, preco que nao l:a quem deixe de dar:
na rua do ueimado, 11a bem conhecida loja
de miudezas d^ boa fama n. 33.
i a, is de fe ro.
"a fundico da Aurora era Sanio Amaro-
a rieconheco ser verdadeiro o signa, supr. J^^L^^^^&^^^
de Constantino Comes, de Paria A Ferreira. Recite, loja de chapeos 11. 46, se dir quera a tratar na rua dos Guararapes n. 20. I nha. ha sempre um grande sortimenlo de
111018 de levereiro de I8a7. precisa. Vendem-se'
ICm fi Je verdade.
Pedro Jos<; de Castro.
Precisa-se de urna pessoa para o ser-
vido interno do urna casa eslrangeira, |que
entend de cozioha : na rua Novan. 17.
e toalhas e lencos de labyin-1 tachas, tanto de fabrica nacional como es-
- Quem precisar de urna pessoa para Iho, de muito bonsgoslos, e saias de cacun- trangeira, baticas, fundidas, grandes, pe-
cozinhar, dirija-se a rua da Senzala Nova
n.13.
Eduardo Power e seu filho menor, sub-
ditos britnicos, vao a Europa.
d ; assim como esleirs de carnauba e : quenas, rasas c fondas ; e em ambos os lu-
gomnia de mandioca, viudo ludo ha pouco j gafes exislem guindastes para carregar ca-
do Aracaty, c por preqo muilo commodo noas ou carros, livrcs du despeza. l)spre;o
na roa de Apollo n, 12. saoo s mais commodos.
M' ,"r" X


DIARIO DE PEBNAMBUO SEGUNDA FEIRA 2..DEMAIO DE 1837.
Vende-se uma canoa de carrcira com
pouco uso : na ra da Lingoeta n. lo.
Ossos.
Na ra da Sensala Velha n. 116, compram-
se ossos do boi.
Vendo-so um mulanho do 7 annos,
pouco tnnis ou menos : no armazem do caes
do Itamos n 4.
Vende-so un, sitio na estrada de Par-
nameirim, com casa de pedra^ cal, com 2
salase 4 quartos, cozinha frt, chaos pro-
prios, com bastantes ps do fructeiras e bai-
xa para capim : os pretendentes dirijam-sc
se ao Passeio Publico n. 7.
Fareilo
voiide-se no armazem do Armes, no caes
da aUandega.
Vcnde-se doce de goiaba, da casca,
muito lino a 1/280 cada caixilo : quem o
pretender, dirija-se a ra dos Martyrios
n. 14.
Vende-se a taberna sita na ra das
Cinco Pontas'n. 93, ou da-se por balanco a
uma aessoa que de fiador a sua conducta.
Vendem-se saccas com Trelos : no
caes da alfandega, armazem n. 5.
Atien^o.
He ebegado ra do Caldeiroiro n. 91, os
afamados queijos deSind, que se vende
pelo diminuto preco do 560 a libra, ditos do
reino muito novos a 10500, 1:600 e 13800.
MALABAR.
O 39 A, confronte ao Rosario coi Sauto
Antonio, vende esta muito til agua para
tingir cabello, por um preco muito simples ;
assim como vende uma outra agua que tira
nodoas da pee, ou de qualquer fazenda.
Venda de
pianos.
Vendem-se mullos lindos e excellentes
pianos, cliejjados ltimamente de llam-
liuifto, ecom lindos retratos no frontes-
picio : na ra da Cruz. n. 55, casa de J.
Keller & C.
Vende-se superior panno verde para
forrar bilhar : ua loja da rna do Crespo n. 3
prxima ao arco de Santo Antonio.
(]emento novo
Na ra da Cadeia de Santo Antonio, arma-
zem de jnaleriaes, por prego commodo.
V*Jtn.
fie chegada ra estreita do Rosario, ta-
berna da estrella n. 16, os muito bons quei-
jos do Serid multo frescaes, e assim como
queijo do reino de muito superior qualidade
e sardinhas de Sanies, tudo isso por prego
mais barato que etn outra qualquer parte.
Alorla, freguezes.
PA1ITOS FRANCEZF.S
Vendem-se. palitos e sobrecasacos france-
zes de panno lino prelo e de cores com gola
de velludo e forrados de seda de 22 a 289,
casacas de panno lino forradas le seda a 28/
rs., palitos de alpaca a 7 e 83000, ditos de
linlio a 3?, camisas fraucezas branaas e pin-
tadas a 2* e 30$ a duza, caigas de casemira
preta c de cores a 10 1! 12o, colletes de setim
prelo e de cores de 5 a 85, ditos de velludo a
120, chapeos francezes de todas as qualida-
des, grvalas c luvas, e outros objectos que
so vendem barato na ra Nova, loja n. 4.
Vende-se boa manteiga ingleza a 800
rs. e a 720, dila franceza nova a 680, touci-
nho do Santos a 280,. arroz pilado da India,
muito alvo a 160, dito mais baixo a 120, sa-
bao a 160, banha de porco muito alva a 500
rs. a libra, vintio engarrafado muito vellio
a 900 rs., dito era pipa, do Porto a 56o, dito
da Figueira a 560 a garrafa : na taberna da
ra das Cruzcs u. 20. >
de goiaba, vinhos de multas qualidades,
bons, manteigas ingle/as e francezas, cha
lino, entrefino, verde, hysson c preto, hola-
chinhas finas e grossas, assucr de todas as
qualidades, e piala, fino, do Monleiro, sar-
dinhas de Nanlcs, amondoas, passas e casta-
uhas piladas, niassas linas para sopas, e
muilos gneros bons do diario de uma casa
de bom paladar, tudo por menos prego pos-
sivel. Na mesma casa precisa-se de um ho-
mem que faga cigarros.
A<>
P
rguiya que
queim ndo.
est
O Gosto-
Jft Na padaria na ra alraz da matriz da V.
E Boa-Visla 11. 26, aclia-se constaulemenle ~"
*y um tello sarliu.enlo de m.s*as tinas, de di- --"
i versas qnalld.i.ies, a quaes so veodem pelo ft
g5 diminulo prero de 320 e 40 rs. a libra,
Jg sendo em poroAu de meia arroba para cuna, *8*
9 ** vender a razo de 7o500 a arroba. @
Vende-se uma muala moga, coziuhei-
ra, e perfeila engoirlmadeira: na ra do
Collegio n. 18, segundo andar.
Veneodem-sc na ra Nova, loja n. 45,
bancos e ferrameulas para marcineria, tudo
em muito bom estado : a tratar na mesma.
VESTIDOS A 13000.
Vendem-se corles de veslido de chita lar-
ga a dez tuslOes cada corte: na loja de 4
portas, na ra do Queimado n. 10'
PARA SE.NHORAS.
Vendem-se os melhores e mais ricos cha-
peos que existem no mercado, ebegados no
ultimo navib l'rancez, havendo porg.lo para
as senhoras escolherem o gosto: na ra o-
va, loja 11 4.
NA LOJA
da boa fe,
vendase muito barato
Colchas da damasco pelo diminuto prego
de UjuOO, ricos pannos para mesa a 39, atoa-
lhado adamascado com 8 palmos de largura
a 1-600 a vara, mussulina branca muito lina
a 500 rs. o covado, uilas de cores de padroes
bonitos a 320 o covado, chitas fraucezas
muito finas a 320 o covado, brim branco de
puro linho a loUO a vara, dito pardo tran-
cado tambein de puro I111I10 a 10280 a vara-,
ganga amarella imito lina a 320 o covado,
cambraia muito fina com salpicos brancos e
de cores a 10 a.vara, alpaca preta fina a t40,o
covado, canlao preto muilo fino, fazenda su-
perior e propria para vestidos de luto a 960
o covado. panno lino azul a 39 o covado, dito
mudo lino a 51, dito prelo muito lino a ,
dito muil > superior a 60, ditos verde escuro
e cor de cafe muilo superiores a 65, cortes
de casemira prela, lina, para caiga, com lis-
tra bordada a 10o, cortes de gorguro de
seda para colletc a 2/, ditos de casemira
preta bordada a 60, fusio branco muito fi-
no a 20 o covado. corles de cambraia preta
com 7 varas, pelo diminuto prego de 2o cada
um, ditos de dila branca com salpicos de
cores, tambein com 7 varas a 2o240, sarja
preta hespanhola a 2.3 o covado, grosdena-
ples de cores a 1800 o covado, selim preto
lavrddo muilo superior a 25500 o covado,
gorguro prelo de seda com salpicos, pro-
prio para colletes a 3""5o o covado, luvas
brancas muilo linas, de lio de Escocia, muito
proprias para os srs. oficiaes militares, pelo
naralissiino prego de 13 e par, meias prelas
de lila, proprias para os Srs. sacerdotes a
13"280 rs. o*par, ditas de laia muito superio-
res a 1800 o par, meias de algodao cru,
muito superiores para meninos a 4u0 rs. o
par, leugos brancos de linho uiuito finos a
400 rs., diales de 13a n'ixos e pretos, pelo
barato prego de 30, lil de linho liso muilo
lino a 80 rs. a vara, princeza prcla lina a
720 o covado, dila muilo lina que rivalisa
com mrito a 1/jf o covado, e aleui dislo um
completo sortiment de la/.endas de todas as
qualidades, que se veiiicui muilo barato, na
ra do Quounado n. 22, na bem cooliccida
loja da boa le.
Vende-se manteiga ingleza a 700 e 800
reis, rnacarrao o 320res J na rua Direita
n. 14.
Milho e mais ge-
Na loja do Preguiga, ra doQucimadon.
2, vendem-so com lodo o desembarago e
sein preguiga, muitas e diversas fazendas
por prego baratissimo ; entro ellas nolam-
se cambraias francezas, padrcs novos e co-
res Dxas, pelo baratissimo prego de 480 rs.
a vara, pegas de chitas escuras de encllen-
les pannos a 5 e 6o, e um covado a 140 e 160
rs., lengos de cambraia para mos a 120 ca-
da um, longos de seda de muilo bom gosto
a 800 rs. cada um, laazinhas de quadros de
mui lindos padroes a 400 rs. o covado, boni-
tos pannos para mesa a 1.-1120, meias caso-
miras para caigas e palitos a 500 rs. o cova-
do, e outras muitas fazendas que deisa de
mencionar.
No pateo do Carmo, esquina da ra de
Hortas n. 2, vende-se gomma a 100 rs., man-
teiga ingleza boa a 640, 720, 800 rs., 960 e
10120, muito lina franceza a 720, banha a
520, oleo de ricino a 480 meia garrafa, pe-
neiras de rame do melhor fabricante de
Lisboa.
BATATAS 1I0LUNDEZAS.
Ja desembarcaram as superiores batatas
hollandezas, em gigo9, e vendem-so no ar-
mazem de Barros & Silva.
Bichas de llain-
burgo.
Na travessa do Rosario, Joja de barbeiro n.
2, esUo expostas a venda, aos ceios e a rc-
talho, chegadas pelo paquete vindo estes
dias de llainhurgo, e se vendem por baralo
prego, e alugam-sc.
-etioio facilimo.
Na livraria da praga da Independencia n.
6 c 8, vende-se o metliodo facilimo-para
aprender ler, novamente impresso e aug-
mentado, por mil reis.
Vende-se uma bonita crioulinha, de
idade 9 para 10 annos : quem a pretender,
dirija-se ao aterro da Boa-Vista D. 26, se-
gundo andar.
.PlspiiiAIUAS
muitissiiuo finase de mili-
to bous gostos.
Vende-se a verdadeira agua de colonia do
Piver, simples e ambriada em frascos de va-
rios lamanhos, banbas muito finas e de mui-
tas qualidades em ricos vasos, espiritos e
extractos muito linos e de muitas qualidades
em frascos de muito gosto, sabonetes milito
finse de muitas qualidades, agua de lavan-
de ingleza, fazenda muito boa, vinagre aro-
mtico tambein inglez e muito bom, extrac-
tos muito finos proprios para bolso de es-
tudante, escencia de rosa, pomada franceza
muito boa, macassar pcrola muito bom e de
todas as cores, dito oleo, pos para dentes,
pastilba e outras muitas perfumaras, tudo
muito fino e de muitos gostos, dos melhores
fabricantes da Franga e Inglaterra, e ludo se
vendo barato na ra do Qucimado, 'na bem
conhecida loja de miudezas da boa fama
n. 33.
Ao barato, que se acaba.
lie chegado ra do (tangel n. lio supe-
plor cha de S. Paulo, o qual se vende em
alas de 1, 2, 4, 6 e 8 libras, pelo diminuto
prego de 10600 a libra.
Farinha de milho.
No moinho de vento, junto da fundigilo de
$anto Amaro, moe-se milho a 100 rs. a cuia.
No mesmo estabclccimento vende-se farinha
de milho por pregos razoaveis, assim como
um par de rodas dianteiras para carro, fer-
radas, cora iniciis e eixo, que apc/.ar de tu-
do ser novo, se vende mui barato.
Na lrv(ku .! 3:1,1ra ,1a l>COS n. O,
vende-se o verdadeiro papel almago de pri-
meira e segunda sorte, proprio para reparti-
ges publicas c escriptorios, por prego com-
modo, chegado agora ; assim como uma
porgflo de pedras para moer milho e algu-
mas saccas com favas, tudo muilo em conta
para liquidagao : assim como na mesma ca-
sa se precisa de uma pessoa para cobranga
na praga, dando fiador a sua conducta.
Aviso aos senJiores de
engeulio.
Cobertores de algodao a 500 rs. cada um :
na ra do Livramenlo n. 16.
Vendem-se velas de carnauba, com-
;.oslas, da melhor fabrica do Aracaly c sa-
patos do Aracaly muito bons, tudo por pre-
go commodo : na ra da Cadeia do Recife n
60, primeiro andar.
das seis portas
F.M FRENTE DO LlVRAMErvfO.
Vendem-se cassas francezas e riscados a
meia pataca o covado, fazendas novas: dam-
se amostras com pcnlior.
Na ra do Rangel 7, vcnde-se vinho
de caj' engarrafado ha 4 annos, feito na
provincia do Ceara.
A \0#00
Vende-se excellcnte cera de carnauba do
Aracaly, o Assu", de uma sacca para cima,
escolhendo o comprador a sua vontade, pe-
lo indicado prego de 10/ a arroba : no ar-
mazem de I). R. Andrade & C, ra da Cruz
n. 15.
Vende-se.por prego commodo.supenor
vinho do Porto em barris de 8.' : na ra do
Trapiche n. 14, escriptono de H. A. Guerra.
Vendeni-se mastaros
de piiiho verinelhoda Sue-
cia, de 8 a 18 polleadas e
SO a 60 ps; em casa de
C. .1 Astley & C-
relogios de pa-
tente
iiifjlc/.cs de orno, de salionele e de viciro :
vendem-se a prero razoavel, em casa de
Aiijjusto Cesar de Abreu, na ra da Ca-
deia do Recife, armazem n. 10.
Claudio lubeux
Vendem-se_ velas mistas, proprias para
malar forniigas, e para que eslao muitissi-
mo approvadas : no seu escriptorio, ra da
Cadeia de Santo Antonio n. 13,
CLAUDIO DUBEUX
Vendem-se velas estearinas, proprias pa-
ra carros a 19190 cada pacote de 8 velas, :
no seu escriptorio, ra da Cadeia de Santo
Antonio n. 13.
Claudio 7>ubeux
Tendo recebido uma factura da 2,noo bar-
ris de plvora, dos melhores fabricantes,
vende-osa 145000; as amostras acham-se
no seu escriptorio, ra da Cadeia de Santo
Antonio n. 13.
Attenco.
Vendem-se pegas de chita de muito bons
pannos, pelo baralissimo prego de 5/ a pega,
que sahe o covado por seis vinlens e dez rs.,
a porgao he pequea : portanto quem gosta
de economa deve-se aproveitar : na ra do
Crespo, loja da esquina junto ao arco de
Sanio Antonio, c na loja uo 4 porlas n. 12.
Charutos de flava-
Era casa de Saunders Brothers C. ,
do Carpo SanioD. 11,ka para vtndtro s< i
Ferro inglez.
Pixeda Suecia.
Alcatrao de carvo,
EVnas de linho.
Esponjas.
Drogas.
Algodao lizo para sacca.
Dito entraado igual ao da Baha
E um completo soriimerjlo de fzendasproprio
para tste mercado ludo bor prego commodo.
Moinhosde vento
combombas dcrepuiupara reRarhorlaatbl
xa deeapim : na (undiriiu de t. W. Bowman
ua roa do liruiii ns. 6, 8 e 10.
praj fa de Iraneello para benlinhcs a ISO res, pnlccimslarmago de baleia a 480, dilos comarmagSo
ujnl I encarnadas muilo hunilas para Sra. c meninas a 200 de metal branco a 400 rs., lunetas de um s
Agencia
da fundicao Low-51oor,
rua da 'enzala Nova
n. 42.
Neste estabelecimento continua a haver
um completo sortimento de moendas emeias
moendaspara engenho, machinas de vapor
e taixas de ferro batido e coado de lodosos
lamanhos para dito.
Machinismo pa-
tente inglez
Os melhores relogios de ouro, patcnlc in
glez,. vendem-se por pregos razoaveis, nu
escriptorio do agento Oliveira, rua da Ca-
deia do Recife n. 62, primeiro andar.
Pennas de ema, cera do abelha e de
carnauba.
Na rua da Cadeia do Recife, loja n. 50, de-
Ironte da rua da Madre do Heos, ha para
vender os gneros cima, recentcmente che-
gados, por pregos razoavcisL
Ligas de seda
pura .senhora.
rs.,'lozia de miadinhat peras com 10 varas de iim de cus a 320, 360 e {00
ruis, doiiai clcheles a 720 ti., linlias brancas de nuvellos de lo-
dos os nmeros, dilas de cores, lindas de miada finas
e rocas, dilus de carrileis brancos e de cores, cordao
de vestido de loda a cfo^ura, biquiuhos de Indas as
larguras, e baratos, rendas de todas as larguras, es-
pelbos, curdas de viola, litas de laa de ludas as co-
res, filas de linliu liranris e de cores, ditlaes, auulbas
de tudos os numeres, lillas de seda de todos os nme-
ros, pennas de palo.caivas dechifre, rozarlos, colhe-
les de ferro, rclroi de lodat as cores, veronuas, filas
debeira prela e l>raura,eiampas,elui1oo maii que le-
la
rrt-
I
vidro redundas e quadradas com aro de bu-
falo a 500 rs., ditas do duus vidrostambem
com armago do bfalo a 10500, ditas de um
s vidro redondas e quadradas com aro de
tartaruga a 1?2U0 e 10500 : na rua do Quci-
mado, na bem conhecidada loja de miudezas
da boa fama n. 33.
' ios
cobertos e descohertos, pequeos e grandes,
i
a neces-ario para completo orlimeiilode bocelei-, de pateille inglez, para bomem 856-
as e mscales e que ludo se vende mudo mais bara- ^ melhores fabricantes de
;ndn queem oulra qualquer lua, na rua do 'iei- ",a ". u ,,,
nado, na< bem cc.hecid.i loja de mtadetaada boa ; |rverpool. vindos J,_elk_u|lll1_Pa^ele J"j
anos.
fama n.
Km casadeRabcSchmcttau cVCompanhias
rua da Cadeia n. 37, veudem-se elegante,
pianos do afamado fabricante Traumann de
Hamburgo.
Algdao monstro, lie pe-
cliincha.
Vendo-sc algodao monsiro com 8 palmos,
de largura, proprios para toalbas e leucoes, prias para baptisado de mangas a 2s000,
pelo diminuto prego de 600 rs. a vara : na
rua do Queimado n. 22, na lo.j|da boa fe.
Vende-se superior lindas de algodao
brancas, e de cores, em novello, para costu-
ra, em casa de Soulhall Mellor i\ C.a, rua do
Torres n. 38.
glez : em casa de Soulhall Mellor & C-, rua
do Torres n. 38.
Meias de todas
as qualidades.
Vendem-se meias de seda branca para se-
nhora, o melhor que se pode encontrar a
3;500 rs. o par, dilas pretas lambem muilo
boa fazenda a 2s500, dilas brancas de algo-
dao, muito linas a 320, 400, 500 e 600 rs.,
ditas pretas tambem muito finas a 400 rs.,
ditas de seda de cores muilo bonitas e pro-
1ECM1IISM0 My mt}
NA FUNDICAO DE FERRO DO ENGE-
NUEIRO DAVID W.BOWMAN, M
RUA DO RRUM, PASSANO O.HA-
FARIZ.
ha semprc um grande >.ii i'imenln lc--i'-uiulp^ di-
jacto- demeclianismosproprios paraeui.eulios.a sa-
ber : moendas e meias moendas, da mal moderna
[CODSlraecSo ; taivasde Ierro fundido e batido, de
(superior qualidade e de lodosos lamanhos ; rodas
Vendem-se superiores ligas de seda para i omtaau para anua ou animase, de todas as propor-
senhora, muito bonitas e, de muilos pa-i ^9es criyose bocas de fornalba e registros de bo-
droes, pelo baratissimo pkego de Io20, 'elh^0 aBu,l,'cs, bronzes.parafusos ecavilhoes.moi-
1j>500 e 2#mi0 : na rua do Queimado, na,B
bem conhecida loja do miudezas da boa fa-
ma n.33
tanhia, rua da
N. O. Biebcr A Com
Cruz n. 4, vendem :
Lonas da Russia.
dem inglczas.
Rrinzo.
linos da Russia.
Vinho de Madeira.
Algodao para saceos de asaltear
Algodaozinho da lialiia
para saceos de assucar : verido-so em casa
de N. O. Bicber 6 Companhia, rua da Cruz
n. 4.
na
de
ra mscales
i
e bocereirs.
chaly
achamilotadi), de todas as
cores a 1,100 rs, o co-
\ado.
Na ra do Queimado n. 21 A, vende-se
chaly liso -aahamalfltado, fazenda esta de
muito gost, chega pelo ultimo vapor da
l.uropa. Dao-se as amostras com penhor.
Capase polainas
PROVA D ilGCA
b citas pelos melhores fabricantes inglczcs.
VLNIIAM E VEJA* O' GENTE!! I
Vendem-sc de 8 a 120000, iguacs as de 20/ :
na rua da ( ruz n. 2.
(fortes de chita
frauceza, larga, a 2,000
rs, o corte.
Vendem-se cortes de chita, escura, mati-
zada, a ttOOO, em covados a 240 : na rua do
Queimado n. 21 A. Dao-se as amostras com
penhor.
Cortes de chaly
de babados a 12#000.
Chegaram pelo ultimo vapor da Europa
ricos cortes de chaly de balados, fazenda
esta :iiuito lina e de lindos gostos : vende-
se na rua do Queimado u. 21 A.
Sedas de qua-
driiiliosmiados a 1000 rs.
o covado.
Xa rua do Queimado n. 21 A, venJcm-se
sedinhas de quadros miudos, chaly do lis-
tras e llores solas a 800 rs. o covado. Dao-
se as amostras com ponlior.
n o
eros.
Xa taberna grande ao lado da igreja 'da
Soledade, conlinuam se a vender saccas com
milho bom : de novo avisa-se aos bons fre-
gue/.es que este estabelecimento acha-se
bemi sortido e de bons gneros, como sejam:
toja
das seis porlas
Em frente do Livrametito
BARATO QUE ADMIRA, A 35000.
Pegi.s do cassas pintadas com 20 varas,
gostos novos, a 5j a pega : damse amostras
com penhor.
Cobre
: vimiem-se era casa
C. .. Astley fe C.
>eos de fel-
tro e bonet de cabello pa-
ra meninos.
Vendem-se ricos chapeos de tcltro para
meninos, enfeitados com litas e plumas, pe-
lo baralinho prego de 3o500, bonetes muito
lindos de cabello a 29 rs. : na rua do Quei-
mado, na bem conhecida loja da boa fama
B. 33.
\JIins c rclesfios.
M SEI.LINS e RELOUIOS de palele
?5J iiejlez : a venda no armazem de
: jjj| Itoslron Itooker & CmpialB, s-
*iB^' quina do largo do Corpo Saolo oo-
A mero 48.
MEIAS PfifAS Si ilil\
e algodao para padres.
Vendem-se superiores meias pretas de
laia, pelo baralo prego de t800 o par, ditas
de algodao de superior qualidade a 600 rs. :
na rua do Queimado, na bem conhecida loja
de miudezas da boa fama n. 33.
Leques muito fi-
nos.
Vendem-se leques muito.finos, com plu-
mas, espclhos e bolotas, pelo -baratissimo
prego de 2o e 30500, ditos sem plumas muito
boa fazenda a 19380 : na rua do Queimado,
na bem conhecida loja de miudezas da boa
fama n. 33.
Sao muito im s
e do moho bous gostos.
Mussulinas muito finas, matizadas com
lindas cores, de padroes muito bonitos c
inteiramente novos; vendem-se pelo dimi-
nuto prego de 560 rs. o covado : na rua do
Queimado n. 22, loja da boa fe.
Couro de lustre
Vende-se couro de lustre l'rancez, o me-
lhor que pode haver neslc genero, pelo ba-
rato prego de 59 a pelle : na rua do Quei-
mado, na bem conhecida loja de miudezas
da boa fama n. 33.
Sellins
patente inglez.
Sao ebegados e acham-se a venda os verdldeiros
e bem coobeeidoi sellins ingloxM patente : na rua
do Trapiche-Novo n. i2, armazem de fazendas de
Adamson llowie o; C.
Planta ta cidade do Kc-
cfe
Vende-se a planta da cidade do Recife e
seus arrabaldes, leita pelo Sr. Dr. Jos Ma-
mado Aires Ferreira, por dez mil reis: na
livraria n. 6 e 8 da praga da Independencia.
Mappa das distancias d
provincia.
Na livraria n. 6e 8 da praga da Indepen-
dencia, vcnde-se o mappa das distancias
das diffcreiites villas da cidade entre si, e
re gao a capital da mesma, a mil reis.
Deposito
de rap princeza da fabri-
ca de E-Gasse, no J\o
de Janeiro.
Vende-se a prego commodo rap lino,
grossoo meio grosso, da acreditada fabrica
cima, chegado pelo vapor S. Salvador ; na
rua da Cruz i. 9.
e mandioca, etc. etc.
NA MESMA FUNDICAO.
se execalam todas as enrommendas com a superio-
ridade ja conhecida com a devida presteza ecom-
modidade em preco.
XAROPE
DO
'

Koi Iransferido o deposito deite jarope para a bo
tica dejse da Cruz Santos, narua Novan. 53'
garrafal 55500, e meias30000, sendo falso lodo
aquelle que naofor vendido neste deposito,pelo
quesefaz opresenUaviso.
IMPORTANTE TARA 0 PUBLICO.
Para curade phlysicaem todososseusdifleren
lesijroa, que>inotivada por constiparoes, lossc
astbma.pleuriz.escarros de san me, dorde cos-
tados epeitn, palpilarfiono coracAo.coqueloche
liniiiciiiic. dorna car^auta, e todas asmolestia
dosorgos pulmonares.
Vendem-se duziasde raixasde masca para rape pe-
lobarelissimn preco de 640 n.,duliM de lezouras em
carlaoa i-jnotle 10200e urandes 19920, duzias de
caixinhas de pao com palitos de fono a 21 de penles d cbitres moilo bons pra alizara]19200,
duzias de pentea de baleia para atar cabello a 2?200
e 2>00 de boles madreperola para ramisas a 60 reis.dilas I
muito linos de gata a 100 res, grozas de noles Ti-
nos para calca a 280 reis, car las com 25 pentesde
alfinetea 140 res,du/.ias de pentes de balea para 1-1
lizar a 3$, prozas tle livellas para sapalos a 500, du- I
zias de camvetes huospara aparar pennas a 25500 jcom delicadas arniag-'lCS de ago, pelo baralo
e :;-,du/.ias de gailas (armoiiicas) a 13200 e I51M),' Prego de 80.- rS. e (sfOO, ditos com armagoes
duzias de torcidas para candimos a 80, reis grozas | douradas e pratcada:-, a 152011 o IJt'O, ditos
iIp marras para cnbrir a lili), 12" e llill rei. pe- CQ m armecii" do bfalo a 1?200, ditos rom
Oculos e lonetas
de todas as qualidades.
Venderti-se oculo;. do todas as graduagdes
ditas cruas muito fortes para meninos a 400
rs., ditas de cores de algodao para meninos
a 240 e 320, dilas brancas para meninas a-
240 e 320, ditas cruas e brancas para bo-
mem a 160, 2110, 240, 320 c 400 rs., ditas de
cores de fio da Cscocia tambom para homcm
a 400 e 500 rs.: na rua do Queimado, na
bem conhecida loja de miudezas da boa fa-
ma n. 33.
Suspensorios de
borracha muito liaos
Vendem-se suspensorios de seda e sem se-
da, muito unos, pelo prego de 15000, I52OO,
i**600 e 2/o par : narua do Queimado, na
bem conhecida loja de miudezas da boa fa-
ma n. 33.
Na lojada boa f
vende-se o mais barato
pose ve I :
Chales pequeos de merino, de lindas co-
res, bordados em duas ponas a 7;00, ca-
misas de riscado muito bem feitas, pelo di-
minuto prego de 1/500 cada uma, ditas de
meias muito finas a it, lengos francezes pa-
ra rape a 360, chitan finase de padroes mui-
to bonitos para cobertas a 200 o covado,
cambraia adamascada com urna vara de lar-
gura, proprias para cortinados a "5 a pega
de 20 varas, gravatinhas do cassa muito bo-
nitas a 200 rs., selim encarnado, verde e
amarello muito superiores a 800 rs. o cova-
do, cortes de fusiao para colletes a 500 rs.,
Ift e 15500, lengos brancos de cambraia pro-
prios para hornera a 240, ditos ditos com
barra de cor tambem a 2*0, ganga amarella
franceza muito fina a 320 o covado, lengos
brancos grandes, proprios para cabega a
400 rs., meias brancas finas para senhora,
pelo barato prego de 240 e 320 o par, brim
de quadrinhos de padroes muito bonitos e
do puro linho a 240 o covado, pegas de pla-
tilhas de algodao, com 20 varas, pelo bara-
tissimo prego de 3J600 cada uma,chapeos de
palha lina do Chili, pelo diminuto prego de
10/, e aln disto muilissimas fazendas finas
e grossas, que veudem-se por menos que
em ontra qualquer parte : na rna do Quei-
mado n. 22, na bem conhecida loja da
oua le.
PKNTES DETODASASQUAUDAES.
o melhor que se pode encontrar, a 5. ditos
de baleia imitando o mais que he pssivel
aos.de i"*"?8"'," /. 1S200 e 1*580, ditos
mais ordinarios de baleia a 2*0 e 320 rs., di-
os de tartaruga para alizar, fornidos e mul-
to bem fetos a 45, ditos de marfim, fazenda
muito superior a 15500, 2, e 35, ditos de
borracha de muito superior qualidade a 15,
ditos de bfalo verdadeiro, muito finos e
bem fe.tos, a 640, 800 e 18, ditos a imitagSo
dounicorne a 15, ditos de baleii muito bons
a 280. 320 e 400 rs., dilos de hualo verda-
dero, muito bonitos e bem feitos, proprios
paraisuissas e changas, a 320 rs./ g^ Qe
marhm muitissimo bons, fabricados em I is
boa, para piolhos, a 800,1000 e isioo di
tos pretos de bfalo tambem para piolhos a
500 rs. : na ruado Queimado, na bem co-
nhecida loja de miudezas da boa fama n. 33
ttotoes para pa-
ntos, colletes e punhos
de camisa.
Vendem-se abotoaduras muito finas de
madreperola para colletes, pelo baratissimo
prego de 500 rs., ditas muito ricas de todas
as cores a 320, 400 e 500 rs., ditas muito fi-
nas de madreperola para palitos de meninos
e homens a 500 e 640 rs., atacadores para
punhos e collarinhos de camisa, de muito
rico gosto a 400 rs., 800 e 25000, ditos de
cornalina para casacas a 300 rs., e outras
muitas qualidades de tbotoadnras que se
vendem muito barato ; na rur- do Queima-
do, na bem conhecida loja de miudezas da
boa fama n. 33.
Cartas france-
sas muito finas para vol-
tarete.
Vendem-se finissimas cartas francezas pa-
ra voltaretc, pelo baratissimo preco de 500,
600 e 800 rs. o baralho,etambem se vendem
port.uguezas a 300 rs. : na rua do Queima-
do, na bem conhecida loja de miudezas aa
boa fama n. 33.
Brinquedos pa-
ra meninos,,
Vendem-se diversidades de objectos de
ago, muilodelicados e proprios para meni-
nos brincar, por pregos muito baratos : na
rua de Queimado, na bem conhecida loja de
miudezas da boa|fama o. 33.
Fugio de bordo da barca Matbilde, o
escravo de nome Antonio.de idade 70 annos
pouco mais ou menos, .com os signaes se-
guintes, crioulo, falla asoito e desenfan-
gado, muito alto, barba bastante e ja um
pouco branca, levou roupa azul, coituma
refugiar-se para os engenbos : quem do mes-
mo souber noticias, e o capturar, dirija-se a
rua do Trapiche n. 14, que aera bem grati-
ficada.
Est fugida o mulato Raginaldo, de
estatura baila,- cabellos carapirmoa, rosto
comprldo, nariz aquilino: quem o pegar,
leve-o a rus da Cadeia n 17, a seu senhor,
Antonio Luiz Pereira Bastos, que ser bem
recompensado. -
Fugio de bordo do brigue brasileiro
Melampo, nanoile do da 8 do crtente, um
negro de nome Marcelino, nagao Cabinda,
altura regular, secco do corpo, rosto .com-
prido, barba serrada e cria suissa, com falta
de dentes na frente, e consta andar vestido
com paleto, e calcado: quem o pegar leve-o
a bordo do dito navio, junto ao caes do Pas-
seio Publico, ou a casa de seu consignatario
Manoel Alves Guerra, na rua do Trapiche ti
vennem-se pentes de tartaruga para cabello '14. que ser bem recompensado.
i)
OH
preim >s t sexta
parte da sexta lotera a beneficio do Gymnaeio Prnambucano,
exiraliida a 25 de Itlaio de 1857.
iVS. PREMS.
3
para
forro de
queijos do reino, do sertoo de prato, doce' Tasto limaos.
navios:. no
armazem de
Vendc-sc cal de Lisboa ltimamente che-
gada, ssim como potassa da Russia verda-
deira : na praga do Corpo Santo n. 11.
TAIXAS PARA ENGENHO.
a fundicao de ferro de f>. W. Bowman u'
ruadoBrum, passando ochafariz, contina ha-
dar um completo sortiraeeto de taixesdeferrofun
vido e batido de 3 a 8 palmos de bocea, as quaes
tcatm-se a vsnda.por epreco commodo o com
promptido: embarcam-soucarrigaai-ss amcar
ro semdospezato comprador.
a
9
11
13
11
K
19
20
23
' 25
27 '
30
33
35
37
40
43
45
46
47
50
51
52
5*
58
60
61
62
66
70
T
77
til
8.
S7
KS
'JO
'.:i
101
2
a
9
111
14
20
21
21.
32
31
:i
43
i
46
"Hl
53
58
ti
71
7
71
77
78
7'J
NI
81
8i
83
87
88
89
',12
93
'.II
93
!I7
99
2112
NS. PREMS.
10
13
15
55
5
55
59
5
05
105
55'
5S1
'
5
58
55
5|
5
5
59
ios
5?
o
5>
55
55
5
103
59
53
53
.;
53
58
5 3
58
.".3
V3
50
58
58
58
58
5113
55
58
.">;
5-3
5o
53
58
3
5-3
58
5-3
108
208
53
58
"'3
38
>3
53
53
53
2008
;
33
"'3
"3
59
38
38
*>3
5|
"i;
5.3
53
58
58
53
58
55
53
5|
108
58
220
22
2i
37
12
47
50
52
53
54
1.2
6*
65
66
70
72
7.1
71
7'l
8!)
01
02
!I8
99
'301
6
10
It
13
1
19
:tj
36
37
39
41
M
43
8
i!)
52
53
:.'.
55
57
61
71
76
80
82
88
80
93
100
1
il
12
17
19
23
25
2'i
21)
30
33
34
30
.t
16
18
VI
.'.:!
57
58
00
61
65
s
82
83
ai
95
58
5a
58
58
58
58
58
58
5
58
20-3
58
58
58
58
58
53
53
58
103
58
Stf
38
30
3?
5-3
59
208
53
5-3
58,
53
58
.'.3
53
53
5|
">3
5*
"
53
5-3
58
58
58
IOS
|)S. PREMS.
58
5
58
5
58
5.3
53
53
58
53
5-3
53
38
5-3
5-3
53
58
53
53
53
53
''3
58
38
58
*'?
"i-
1(13
>!?
5$
>'
?
>3
53
108
38
59
53
:n
58
53
5>
58
58
58
4!)6
98
99
50i
8

10
12
13
15
18
i!)
21
22
2 i
27
2'J
36
38
39
13
44
16
7
48
40
56
66
118
71
72
71
7l
Kll
82
Bl
85
86
8S
8'J
!U
601
3
6
7
!l
13
17
18
.19
20
21
Jil
28
.'III
38
10
5
18
50
52
55
56
lio
62
64
68
71
72
so
82
83
87
88
!i
95
7:i'.l
10
15
16
23
21
27
33
:
NS. PREMS
59
99
59
">-3
59
5-3
59
59
53
53
53
59
5-3
39
53
53
59
53
5009
"'3
'3
59
5-3
59
53
59
.";-
39
58
53
59
*3
58
58
"'3
59
'3
5-3
53
59
">3
do
53
53
53
53
53
59
59
59
109
"3
59
59
53
59
53
58
>
73!)
4i
45
48
50
53
.58
60
63
61
67
<>!)
75
77
70
SI
82
88
89
96
if.)
800
5
8
16
18
21
29
35
36
40
4!)
51
.58
66
69
70
77
81
8
80
92
901
1 3
i
8
'.)
12
15
17
18
19
20
22
23
25
28
32
39
4
17
.50
53
51
58
60
62
63
66
(7
70
73
76
79
80
SI
82
84
86
89
58
58
53
58
53
53
58
58
55
53
58
58
59
53
53
58
59
58
5o
5-3
5-3
53
53
53
5-3
59
5-3
59
59
58
53
59
53
53
53
53
59
53
39
59
5
59
109
5-3
53
59
59
53
58
39
50
53
53
53
5-3
38
53
5
5-8
53
5?
53
59
58
5-3
3j
38
.".3
NS. PREMS.
991 59
53
53
5-3
"3
5-3
58
58
5-
5.8
58
53
53
53
>
53
59
58
93
99
tono
2
3
7
15
19
22
25
27
30
31
38
41
45
7
48
52
55
56
61
64
65
66
72
73
76
77
78
81
85
87
90
92
95
96
1101
3
4
9
III
13
19
27
32
33
33
37
39
II
43
18
50
51
56
59
60
(il
62
63
65
66
67
73
75
79
NI
Si
S
85
92
91
95
97
99
1200
I
JO
59
5o
59
5o
o
50
.53
58
5-3
59
59
53
58
59
58
53
58
58
53
53
59
58
53
53
38
53
59
5-
58
18
5-3
5-3
53
59
5-
53
53
58
59
''8
5-3
59
5|
59
5-3
5o
NS. PREMS.
1229
38
03
'3
O'
45
54
53
2
63
65
67
69
73
75
79
81
87
89
92
93
95
99
1300
1
I
8
9
II
15
16
17
23
24
27
28
30
31
32
33
36
I
0
58
62
(17
70
74
75
76
77
79
85
SS
90
97
14 05
6
8
15
!>;
17
20
21
2
25
27
29
:il
4 4
16
53
60
73
3
5-3
103
53
58
5f
58
58
59
103
53
53
59
5-3
59
5o
53
59
.5-3
58
53
5-3
39
53
58
53
53
"3
59
203
."13
59
5-3
50o
59
5-3
53
1008
53
53
53
>8
53
59
50
53
5-3
53
59
59
53
5o
58
55
109
38
5-3
59
211-
59
.".8
58
98
-
3a
\'S. PREMS
1496
98
1501
2
.
6
8
9
12
13
15
16
23
21
28
30
32
35
42
13
4 4
47
49
51
53
56
62
61
66
69
72
73
74
76
11
79
85
86
88
90
94
98
1603
i
5
6
II
13
18
19
21
28
29
31
31
35
39
15
47
51
53
59
63
Ii7
(iS
71
77
8(1
82
86
87
91
96
99
I7IHI
08
59
58
58
58
5o
58
58
58
5o
53
">3
58
5-3
53
203
33
5o
5-3
209
2118
53
53
58
53
53
59
50
59
,58
53
59
53
53
53
59
.53
58
5-3
59
58
58
5o
2003
53
5-3
53
53
>3
58
39
59
53
>3
53
5o
10113
.NS. PREMS.
1710
42
15
18
22
27
>3
53
5,3
53
59
53
53
78 53 6
ffl 59 8
81 03 9
81 59 11
85 59 13
88 5-3 22
90 '8 21
92 53 29
93 53 36
15 58 38
O escrivo, Jos Januario Alus da Mata,
"'8
53
58
"'3
.5.3
03
58
5o
"-
"'3
38
5-
5o
5o
53
58
53
53
59
509
58
58
43
44
46
50
51
57
65
69
72
78
84
90
91
94
97
98
99
1801
1
5
6_
8*
II
12
15
24
25
26
31
34
36
39
44-
53
56
57
.58
lili
fi7
69
TI
72
73
74
77
79
. 82
83
85
88
92
94
1901
6
15
21
21
28
311
32
33
31
36
37
4H
II
15
52
53
51
56
60
63
65
7.1
79
81
87
91
97
2002
9
10
NS. PREMS.
.13
5.8
53
59
53
53
.53
53
58
58
58
58
53
58
59
53
53
59
53
53
53
53
59
59
53
59
503
03
53
2011
15
17
20
22
24
28
34
36
38
39
42
14
47
48
50
51
53
55
.58
60
61
64
66
70
71
76
77
83
88
90
91
92
93
94
2100
1
6
9
15
16
92
24
29
32
33
35
30
12
45
46
49
50
58
59
1,1;
69
To
TI
>3i
fe
8
"'3
.".3
53
58
3
103
53
39
53
5o
3-3
53
109
53
58
59
59
5-3
58
59
5
78
82
81
85
89
97
98
201)
9
15
IT
is
28
33
31
41
42
4 4
47
49
..-
5;
58
53
58
53
59
53
53
5o
58
58
59
53
109
5-3
"3
53
59
38
59
33
53
59
13
33
53
53
59
58
58
38
58
53
58
58
58
53
5?
53
58
53
53
59
53
53
- 53
109
59
53
59
59
203
53
i
59
59
53
?
53
58
53
58
53
50
7,3
5-
5j
:.-
33
5-
501
5o
5a
39
203
1
...3
fe
53
5.3
53
NS. PREMS.
22.3
61
62
63
61
69
?(l
71
72
73
77
78
82
86
90
93
93
2:106
12
15
19
21
27
29
30
31
33
31
35
36
39
12
43
41
45
47
48
51
52
58
62
63
' 66
67
68
70
76
78
79
81
83
'.III
97
21110
1
(.
8
10
29
33
36
38
39
10
12
52
59
tli
69
73
70
Ts
82
81
86
91
93
98
53,2502
53 6
53 12
53 13
as
55
53
53
58
58
58
58
53
58
109
58
59
5-3
5o
53
53
59
58
58
3
58
53
.50
5-3
51
3.3
33
53
59
58
53
53
53
53
58
53
20o
50
fe
58
53
5a
58
53
53
58
53
53
53
59
203
5-
509
53
53
5-
59
5-
"'3
53
59
39
53
.3
5-3
59
3o
..3
58
53
>3
58
39
->3
59
59
59
.)**
59
59
5-3
59
59
5-3
53
NS. PREMS.
2515
16
18
23
27
28
30
31
32
33
36
:w
39
42
45
46
51
57
58
64
66
71
76
79
82
85
86
93
91
95
2600
1
3
4
10
11
15
16
28
' 29
33
36
38
43
45
47
49
59
68
70
79
81
81
85
B6
87
9 i
95
96
97
2701
3
4
7
9
10
20
28
30
33
36
37
15
53
56
57
61
63
65
71
TI
,5
Tli
T'.l
81
53
58
IOS
58
58
59
58
58
59
53
58
58
5.3
58
53
58
58
58
58
58
58
59
58
58
5
53
59
38
58
59
59
53
58
58
58
103
58
58
53
58
59
58
53
58
58
58
53
58
53
58
''3
53
503
5-3
58
5-3
58
5-3
1009
59
'^
5-3
>3
59
59
59
59
53
59
59
53
53
33
111.3
''-^
53
53
IO9
5-3
53
53
5,3
53
53
33
NS. P REMS. NS. PR] MS. NS. PREMS
2784 53 3028 59 3319 38
87 59 29 59 23 59
89 59 30 59 32 59 59 59 59
91 58 40 58 34
92 58 43 59 36
96 58 43 59 37
98 58 46 53 48 fe 59 58
2806 58 50 59 49
10 58 60 58 52
11 58 61 58 57 59
13 58 63 t 58 58 59
15 5 68 53 61 59
17 5 70 53 62 59
18 58 75 59 64 59
19 58 76 59 5 59
21 58 79 59 69 59
22 58 86 59 70 59
26 58 90 59 71 58 59 59
27 38 '3- 108 79
28 58 90 59 82
30 58 99 58 97 59 109
32 58 3102 59 3418
33 59 1 53 19 59 59
39 5 8 69 20
41 59 10 208 21 59
50 58 % 58 28 59
53 58 17 58 29 59
56 63 59 59 23 59 5 . 33 \ 35 09 59
65 58 - 37 59 36 59
70 58 43 59 39 59
71 58 54 59 44 59
73 58 57 68 45 59
71 09 02 58 46 59
77 58 68 58 48 59
78 58 69 203 52 59
. 79 58 -r. o * ,58 62 59
84 59 59 63 fe
93 5 76 . 59 69 59
95 58 77 58 71 59
2901 38 80 59 79 59
5 58 81 59 80 58
7 5- 82 59 81 5
> 9 59 84 59 89 59
10 58 88 , 58 92 . fe
15 58 91 59 93 58
18 58 93 59 98 39
19 58 96 58 99 59
20 5 99 59 .1500 5
25 58 3201 58 6 S*
26 58 8 58 9 59
27 58 9 59 11 5
'28 53 11 58 13 58
29 58 14 .-58 11 58
30 58 16 59 15 5
37 58 20 58 16 59
42 5:0003 21 59 22 58
47 39 22 59 21 1008
52 103 24 58 27 59
56 59 25 58 32 39
.58 "3 27 50 33 58
70 59 28 58 34 103
73 5o 31 58 36 59
79 59 38 58 38 58
80 5a 13 38 39 59
81 53 46 fe 12 59
82 53 51 >3 44 59
83 1:500-3 56 38 18 59
86 99 59 58 aa 59
'.11 / 53 110 5 53 59
92 39 63 .58 54 59
95 59 65 58 61 59
3001 ...3 68 38 65 59
3 59 69 53 66 53
1 ;,~ 79 58 67 59
6 38 81 fe 72 58
7 59 85 58 71 58
9 53 87 5 77 59
11 58 8!) 53 83 59
15 5-3 !IS 103 84 58
17 5 33(0 50 87 58
20 53 1 >.3 92 58
23 58 4 fe 96 58
25 59 5 208 99 fe
27 59 18 58 16110 53
/

l'KR.M'. lY'K M. F, DE PARIA. 1857
ILEGIVEL
MUTIUSDCT


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEUV0JFPI_ZFYDMQ INGEST_TIME 2013-04-26T21:20:46Z PACKAGE AA00011611_07766
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES