Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07666


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANN XXXII N. 500
Por 3 mezes adiant;idos 4<000.
Por 3 mczes vencidos 4J500.


SEGIXDA FEIRA 22 DE DEZEMBRO DE 1856.
Por auno adiantado 15^000.
Porte franco para o subscriptor.
MCAMBGADOS DA SIIIISCRIPCA'O NO NORTE.
Pararuba, o Sr. Cervario V. da Natividade ; Naul, o 8r. loa
quim 1. IVtmi Jnior; Aracaty, o Sr. A. de Lemos Braga ;
Ceara.o Sr. J. Jote de Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Mar-
iluz Rodrigue ; Pituhy. o Sr. Domingos Herculano A. Pessoa
i.rsense : fara\ oSr. Justimano J. Ramos; Amazonas, o Sr. Je-
ronj moda Costa.
PRT1 AFFICIAL
OVEBHODA PROVINCIA
FwytHf ta la 18 d deiembro.
llicioAo Exm. general commandante das
armas, remetiendo por copia o aviso da re-
partidlo da guerra de 5 de novembro ultimo,
do qual consta que foram indeferidos os
requerimentos de Germana Thereza de Je-
ss, p^dindo a p,is>Hgem de seu filho Joio
T1DA DOS CORREIOS.
Olinrf.
lKiif.-i. Goi
S. Anfao, BeiajYI
S. LoVrenfO, V*i
ipir", Floros, ViUa-HVI,
Catio, l|oiuc.i. S-rinlLirm, Uio-KutmoHo, L
Pineiit'-irat e >.hj[ j qLinU*-feiri.
(Tdus o* corri'ioi pjjjriem df 10 horas di
. a # mria hnr-n fru ii.i.
l'-ralnh ; nal .-Kun-I.i'* i testa-((
mi... Caraari, Altiako i- Gaiuauu
o, Raiaroia, U*oelro Brejo, *i
Im-V|.i*, Ouncuiv Ell; ru*
IM1.
fiiefn, /!-
UirreiriM, A^ui-l'fi'U,
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAE8 DA CAPITAL.
Tribunal do eommercio : segundas e quintas.
Relata ; ierras-feiras c sabbado.
Fazenda .- quarlas e sabbados as 10 boras.
Juizo do eommercio : segundas as 10 horas e quintas ao meio-dia.
Juizo de orphaos : segundas e quintas as 10 horas.
riBOn vara do civel : segundas e senas ao meio-dia.
Segunda vara do civel: quarlas e sabbados ao meio da.
EPHEMERIDES DO HEZ DE DEZEMISItO.
5 Quino crcsrenic a 1 hora 7 minutse 48 segundos da manha.
11 La cheia as 3 horas 44 minutos e 4S segundos da tarde.
19 Omito minguante as 4 horas 25 minutos e 48 segundos da ni.
27 La nova as 6 horas 26 minutos c 48 segundos da mankaa.
_, ., PREAMAR DEHoJE.
Primeira 0 30 minutos da tarde.
Segunda 0 34 minutos da manhaa.
ro que V. S., tomando' por esse objecto o
mals decidido empenlu, exiiediralcom ur-
gencia s autoridades locaes as convenien-
tes ordens, de conformidade com as instruc-
cOcs que baixaram com! o decreto n. 1591 de
U de abril de 1855, recoraraendando-lhes
mui especialmente :
1" Que procurem pelos meios mais bran-
dos e de simples persuasSo obter o maior
numero de voluntarios ue for possivel :
2- Que tenbam o maior escrpulo, em
DAS DA SEMANA.
22 Segunda. S. Honorato m.. S. Floro m.. S. Haviano.
23 Terra. S. Seivulo advogado contra n paralvsia., S. Midonio m.
24 (Juan. Vigilia, Jejum., S. Delphino b., S.Farvila m.
2J Quinta. >)> Nasc.de N. Senbor Jess Chrislo.. S. Eugenia m.
"- Sen. 11 oit. ("este dia santo fui supprmido.| S. Estevo.
27 Sabb. 2'oit. (este dia santo loi suoprimido). S. Joao apostlo.
'-8 Dom. !Vago) Ss. Innocentes mm.,'S. Castor e Osario mm.
Cardoro da Silva, purifcente ao 8- batalliar. 3ue "a ^3,"1 ,recrut4do,s.. nem apresenta-
de infantaria para o 10. da mesma armao^os Para voluntarios individuos incapazes
do scrviQO para quo forem destinados, ou
do anspecada de artfices, Francisco Borg-s
das Chagas, que pedio servir no corpo de
artfices da corle.
DitoAomesmo, dizendo que pela leitu-
ra do aviso da reparliQao da guerra de 5 de
novembro ultimo, constante da copia que
remelle. Mear S. Exc. inteirado do destino
que leve o soldado do 10. batalhao de infan-
ta ra, Miguel dos Anjos Peres
Ditoao raesmo, cotnmunicando, alim de
que o faija constar ao cirurgiSo-tenente do
corpo de saude do exercito, Olegario Cosar
Cabossu', que segundo declarou o Exm. Sr.
ministro da guerra em aviso do 6 de no-
vembro ultimo, veriicou-se nSo terelle di-
reilo a medalha que pedio da companha do
Uruguay.
Dito -Ao niesmo, inteirando-o de haver
indeferidoo requerimento em que o segun-
do cirurgiSo-teoente, Dr. Aprigio Hozendo
Pereira Guimaraes, pedio 3 mezes delicenca,
na forma da le, para ir proviucia da
Baha.
DitoAo niesmo, declarando que mandou
abonar ao teoente Vicente de Paula Ros de
Oliveira, a importancia da forragem para
urna besU de bagagem correspondente a 11
dias, visto estar elle nomeado para comman-
dar o destacamento da comarca da Flores.
DitoAo mesmo, declarando que de con-
rorraidade com a ioformac.ao do chefe de
polica dada acerca do requerimento, em
que o capitSo Manoel de Campos Leite Peu-
teado pedia o pagamento da quantia de
H-lfitO rs., que despenden com o curativo
de pracas doentes, quando delegado e com-
mandante do destacamento da comarca da
Boa-Vista, e com o fornecimento de etape a
dous recrutas, que conduzio para esta capi-
tal, lancou no dito requerimento o despacho
seguinte :
O pagamento da quantia de 82(1560 rs.,
proveniente do curativo das pracas, deve ser
feito pelos corpos a que ellas pertcncerem.
Quanto porem a 653760 rs.. nao pode ser pa-
ga, ani vista do abuso quecommetteu osup-
plicaute, conservando detidos des te 5 du
julho atlo de novernbro deste anno os 2
recrutas de que trata, os quae foram pos-
tos em liberdade pelo chefe de polica, por
Ihe terem sido apresentados em poca em q a lei prohibo o recrutamento, eser um del-
Ies maior de 40 anuos
DitoAo inspector da thesouraria de fa-
zenda.A' vista das observaces apresunta-
das pelo agrimensor das marinhas com re-
ferencia aos requerimentos por V. S. infor-
mados, em que Jos Soarcs Pinto Correa,
Manoel Goelho Cintro e Luiz de Carvalho
Paesdo Andrade pedem por aforamento um
alagado de marnha na ra da Praia de San-
ta Rita, tem resolvido :
r Que os 52 palmos disponiveis do mes-
mo alagado, e aos quaes se refere o enge-
nheiro agrimensor no parecer incluso por
copia datado de 19 de novembro ultimo, se-
jam aforados quelle dos tres pretendentes
que pela posse olTerecer maior preco, qiie
ser levado renda geral sob a verbater-
renos de marinha ; poisquea nenhum dos
peticionarios pode convirque o referido ala-
gado seja subJividido e distribuido por to-
dos elles.
2- Que no titulo de aforamento se decla-
re, que a qualquer tempo em que se houver
de proceder desappropriaijao dessoalagado,
a fazenda (salvo a pagamento das bernteito-
ras) nao ser obrigada sen3o a restituir aos
cessionirios o valor que delles houver rece-
bido pela posse que Ihes fol dada.
3- Que se a desappropriacao se verificar
someate em parte do terreno, o foreiro ser
apenas indemoisado do prec,o proporcional
a essa parte.
Para estes efTeitos devolvo a V. S. os men-
cionados requerimentos com as informaces
e mais papois que acompanharam, recom-
mendando-llio que faga intimar as pessoas
interessadas, alim de procederem como Ibes
convier, de conformidade com as proscrio-
Ces cima declaradas.
DitoAo mesmo, dovolvendo os requeri-
mentos em que Antonio Jos Ribeiro de Mo-
raes e o bacharel Francisco de Paula Salles
pedem por aforamento um terreno de mari-
nha na estrada do Motocolorab, aGn de que
proceda a semelbante respeito, de confor-
midade com a decisilo dada hoje sobre a pe-
IqSo de Soares Pinto Correa, Manoel Coelho
Cintra e Luiz do Carvalho Paesdo Andrade
pretendentes um alagado na ra da Praia
de Santa Rita, na freguezia de S. jose
Dito-Ao chefe de polica.0 Exm minis-
tro da marinha, em aviso de 7 do corren te
ultimo, recoramenda a maior solicitude na
acquisicSo de pracas para a armada por meio
de listamemos voluntarios, ou do recrta.
ment. Reraettendo a V. S. copia do c*ad0
oilicio, em que ocommandallle da estaf.;-;0
naval faz sentir o desfalque que tDm navij0
ns guamiles dos respectivoa navios, espe-
ORIGINAL DO 0IARI00E PERNAMBUCO-
2lDEDE7.EMUr,ODEl8G.
P1C NICK EM IIAMARACA'.
I mi das scena* mais encanladoras que a natureza
no nilerece, nesla zona Iropiral, em que vitemos lie
no mez de d-
selo roulradicc.ao o nasciT do sol'
zembro.
lie um e>pec!acnlo sublime, disno di ima-iiiai.io
d'azas d'ouro da musa d^scripliva de (irlhe ou'dc
CamOes.
Nurens de mil cures, miis bellas qne as do arco-
ira, o que so Iranslianram ao infinito, ornam o lio-
risonte ; o, na hora solemne, que se sorcede alvo-
rada, so ve surair u rei dos asiros do meio das ondas
corno om rochedo de fogo e purpura.
No dia II do crreme, s seis horas o moia da ro.i-
que cstejam fora das cohdiQes legaes :
3 Finalmente, que observem toda a cau-
tela, para que o espirito de partido ou quaes-
quer motivos alheios ao bem publico nao
iulluam de maneira alguma no recrutainen-
to, obngando a um sarvico forcado indivi-
duos, que tenham por ventura em seu favor
as isenedes da lei.
O que ludo tenho por muito recommen-
dado a V. S.No mesmo sentido olTicou-se
ao capitao do porto, para se dirigir aos ca-
pa la zes.
DitoAo commandante da estacSo naval,
recommendando a expedico de suas ordens,
para que o commandante do brigue de guer-
ra Ceareuse receba a seu bordo e trans-
porte para o presidio de Fernando, as pra-
cas e sentenciados militares, que Ihe forem
apresentados por parte dos commandantes
dos corpos de priroeira linlia e da fortaleza
do Bruin. l'aiticipou-se ao commandanta
das armas.
DitoAo director do arsenal de guerra,
para mandar furnecer ao delegado do se-
guudo dislricto deste termo, 20 armas e 200
cartuxos embalados. Communicou-se ao
chefe do policia.
DitoAo inspector do arsenal de marinha,
autnrisando-o a comprar nos termos de seu
oIBcio de 11 docorreute, as ancoras, boias
o correntes requisitadas pelo Exm. presi-
dente da Parahilia.Communicouse a the-
souraria de fazenda.
DitoAo commandante do presidio de
Fernando, dizendo que, se o sentenciado
Jos Paulino de Messias esta impossibilitado,
por molestias, de liabalhar, conforme alle-
goa en um requerimento, que despachou
nesta data, cumpre que Smc. o altenda,
quando Ihe pedir ser dispdnsado do ser-
vico.
DitoAo juiz do direito da comarca de
Flores, dizendo quo visto nao poderem con-
servarse por mais tempo as nove barricas
de bolachas, que Ihe foram entregues pelo
ir. Thomaz Antunes de Abreu, convm que
ame. as faca distribuir pelas pessoas indi-
gentes daquella comarca.
DitoAo juiz de direito do Cabo, aecu-
sando recebido o olficio em que Smc. parti-
cipou haver aberto no dia 10 de corrente a
segunda sessao do tribunal do jury daquella
comarca, e encerrando-a no raesmo, por nao
haver processo em circumstancia de sor sub-
mettido decisao do mesmo tribunal.
DitoAo regedor do Gymnasio Provin-
cial, devolvendo arelacSoquo acompanhou
o seuollicio do 11 do npvemro ultimo, alim
de que faga juntar os procos dos objectos
constantes da referida relacao, para poder a
thesouraria provincial satisfazer o respecti-
vo pagamento.
Hito-Ao juiz d paz mais votado da fre-
guezia de S. Rento, aecusaudo recebida a
copia authentica que Smc. remetteu, da acta
da eleicao de eletores daquella fregue-
zia.
DitoA' administrar;"io dos estabelecimen-
tos decaridade, recommendando a exped-
co de suas or leus, para que Jo3o de A'ouza
Gomes seja recolhido ao hospital decarida-
de, para ler all olratameuto do que precisa
o seu estado mrbido.
PortaraProrogaudO por um mez a li-
cenca que foi conced Ja em ISdeoulubro
ultimo, ao escrpturai o da secretaria da
presidencia bacharel Joaquim Francisco
uarte.-Communicou-se thesouraria pro-
vincial.
DitaAo agente da ompanhia pernambu-
cana de uavogag3o co: teira, recommendan-
do que mande dar passagem para o Ce ara
era um dos lugares para passageiros de esta-
do no vapor a Iguarasu", a Pedro Jos de
Amoriin.
-19i
(lili coAo Esm. presidente das Alagoas, depre-
cando a evpe li';;lu de suai ordens, para que -c|i sa-
lisfeila a requisara do marochal commandante das
armas constantes do o II icio que remelle por copia,
acerca de 12 pracas de pral que perlnncendo ao 8.
batalhao de infamara, desertaran) do 10 da mesma
arma a que estavam addidas.
UiioAo Em. mareclial commandante das ar-
m uienle destino os dous procassos verbaes que S. Exc.
remetteu com oflicios sob sis. 913 e 917.
UiloAo mesmo, dizendo que, para poder resol-
ver acerca do pasamento que pede o capito Ma-
noel da (".nuil* Wanderley Liu, no requerimento
que devolve, faz-se preciso'que S. Eic. declara em
quantos dias devia asse ofiicial fzer as marchas de
qae tratara os documentos annexos ao mesmo re-
querimento.
DitoAo inspector da Ihesonraria de fazenda,
inteirando-o de haver, em vista do parecer da con-
ladoria daquella thesouraria, laura.lo no requeri-
mento, era que BentodosSaolos Ramos pedia fosse
modificado o Tjio do terreno de manulia n. 16 A e
16 II na roa da Gloria, o despacho seguinte :A'
vista do parecer da conladona da thesouraria de
fazenda, luncado no verso desle requerimento, e
com o qual concorda o respectivo inspector, deve o
supplicanlesollicilar titulo do terreno u. 16 A e 16
L'raa orchestra composta de doas harpas,urna rabe-
ca e varios inilramentos.executados por um s indivi-
duo, alegrava os viajanl's, com harmonas pillores-
cas. que tioham urna cor da Testa que os asuardava.
O vapor largoo por maoos cabos que o prenda ni
ao caes, e comecou o trajelo. Todoa os simblaules
eslavam radiantes de alegra e contenlamento.
Dentro em pouco, eslavamos defronte do pharol,
que dizein ser o mrltior de toda a costa do Brasil '
he visto na distancia de oito leguas, toi conslroido
em 1819. sob a directo do capullo de mar e guerra
Joilo Flix l'ereira de Campos.
Passamos depois n Brum, fortaleza fuodada pelos
llollandczes, a qual coma hoje duzeotos e vinle cin-
co annos de existencia, e que leve por deuomiuacao
o nome damulherdo general Bandoar eraburg.
Avistamos o forte du Buraco, e cume^amos a con-
templar Oliuda coroada com os seos alvos edificios,
cercados de vrenles arvorelos. Dunda, que n
conceiio de um amigo chrouista, era antes emula,
que inferior as mais ricaa e deliciosas cidades da
America.
Hablada de quasi MK\0 vizulios, com duas no-
bre< parochia'.qualro suinpluosos convenio-,c luuilos
edilicias aulorisados, desprilsou dos primeiros fun-
dadores o anligo uome de iMarim, e admiltio o de
Olhula para maior in lien; ni da ameuidade do litio,
em que lavada do mar por urna parle, e do rio He
B de que se acha de posse, nao lando porm lugar
a roodificac.00 que pretenda obter no foro que raga
pilo mesmo terreno.
DitoAo mesmo, declarando qoe o dinheiro des-
tinado para as despezas do preiidio de Feruando.da-
ve ser entregae coro urgencia ao comraissario do
brigoe de guerra Ceareuse.Communicou-s ao
commandante da estaco naval.
DitoAo mesmo, autorisindo o, em vista da in-
formadlo do mareehal commandante das armas, a
mandar abonar ao lenle Jos Amonio de Luna, n
meio sold de sua patente, a contar do 1 de novem-
bro ultimo, com o descont parte, para indemnisacito do que esta elle daver a
fazenda publica ; licando S. S. certo de que, em 12
do citado mez de novembro, se deprecou ao Exm.
presidente do Rio Grande do Sol, a expedirilo das
coovenieates ordens, para cessar o aliono da'quan-
tia de 305000 rs. mensaes, que o referido tem ule
havia consignado naquella provincia.
DitoAo commandante da estarlo naval, dizen-
do, que pode fazer stguir para o seu destino o vapor
de guerra Recint.
DitoAo presidenta do tribnunl do coramereio,
acensando receladas as duas copias que S. S. re-
mellen., sendo ama da acia da eleirAo de dous de-
pulados e oalra da dos trabadlos do collegio elei-
toral, lodo daqaelie tribunal.
DitoAo inspactor do arsenal de marinha, in-
teirando-o, de haver em vista de seo ofiicio n. 355,
expedido as convenientes ordens, para que nao s
sejam postas sua dispo-ir.lo as pracas da raariulia-
gem e bem assim os soldados do balalhu nav 1 que
forem precisos para as visitas dos navios surtos oes-
te porto, mas tambero pagas as despezas que Smc.
houver de azer com o material do Lazareto do Pina.
Otlicou se nesle sentido ao commandante da es-
tacar, naval e ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.
DitoAo mesmo, para mandar por ao serviro do
Lazareto da ilbi do Pina, dous africanos livres que
Ihe parecerem mais proprios para isso.
DitoAo presidente da cornraisso de hygiene pu-
blica.Acenso recebido o ofiicio datado de hnulem,
m que Vate,, coromutiicaodo-me as providencias
que tem dado e oolrasque devem ser adoptadas pa-
ra regular o servido do Lazareto da Una do Pina,
prover ao tratameuto dos doentes, e as desinfecc/ies,
prope lambem as pessoas qae devem ser emprea-
das no referido Lazareto.
Approvando todas as medidas que Vine, mencio-
na, reeommendo-llie todava que por ora cont.ale
somenle o pessoal que for estrictamente iudispen-
sivel, qae devera ser augmentado a proporcao qae
for crescendo o numero dos doentes que se recolbe-
rem lo lazareto.
Nesta data declaro ao inspector do arsenal de ma-
rinha, que os doentes tratados no hospital deverau
coucorrer para as despezas com a quantia diaria que
actualmente se cobra no hospital porluguez, poden-
do esta somma ser mais larde elevada se a.sim pa-
recer josto. Quanto aos navios qae forem desimec-
lados parace-me razoavel a somma de !8f rs. que
Vmc. propoe.
Aomesmo tempo recoramendo quelle inspector
a tupe liria das convenientes ordens, para que o
boticario da enfermarla do arsenal Incurra os medi-
camentos necissarios no hospital do Piua.Ofliciou-
se neste sentido ao referido inspector.
DitoAo mesmo, para que remella ao juir. de
paz da freguezia do Altinho, algumas I nimias da
pus vaccinieo para seren all empregadas, visto ter-
sa desenvolvido a varila.
DitoAo mesmoEm respostaao ofiicio de Vmc.
datado de 17 do crreme, e s hontem recebido, nn
qual Vmc. me expe algumas mu 11 la-, cuja adop-
So julga conveniente em cooscqucncla do appare-
cimeoto da febre amarella a bordo de alguns na-
vl*t surtos no porto desla cidade ; tenhn a dizer-lha
quej se acharo turnadas algumas das reftndas me-
didas, e que neste sentido ja exped ordens a Vmc.
e a todas as mais pessoas que devem coucorrer na
execuo dellas.
Dilo--Ao mesmo.Tenho presente o ofiicio que
Vmc. dirigio-me houtero, aecusaudo a recepto do
qoe Ihe euderecei na mesma dala,recominen.u-ido-
Ihe a exerur.io de medidas que ja Vmc. havia pre-
visto, e qne por um incidente deixaram de me
ser apresentadas em tempo ; do qoi Ihe nao deve
licar o dezar qae suppe, porquanto eslou certo do
zelo e prompiid.ia com que Vmc. procura cuinprir
as suas obrigaepes.
Em risposta ao citado ofiicio, na parte em qoe
\ me. prope a mu luir do hospital martimo para
a ilha do Nogoeira, devo declarar-lhe que por ora
nSo conven aagmeutar despezas quando o mal nao
aprsenla anda tanta gravidade e pode licar limi-
tado a um pequeo numero de casos, para os qiaes
sao ullicientes as providencias tomadas.
DitoAo mesmo, approvando a proposta qua fez
ao doulor Candido Jo-Cssado Lima, para ajada-lo
as visitas abordo dos navios ancorados nesle porto,
curapriodo que Smc. indique a gratificarlo qae ao
deve abonar ao referido doolor.
DitoAo commandante do presidio de Fernando,
recommendando que d a Vicente Ferreira de Pan-
la, quo se acha delido naquelle presidio, toda a li-
berdade compalivel cora a seguraura,evitando queso-
bre, a sua pessoa se exercam actos de vexai;,io imitis
em ra/.j,i de ana avanzada idade, e iniquns porque
a sua surte nao esta Itgalmenti lixada e definida,
segundo rae parece.
iloAo director das obras pnblica>,para que en-
tenlen lo-se cora o inspectora thesouraria provin-
cial, mande examinar o lelbado do edificio onde se
acha enllocada a mesma Ihesooraria, e tazer os oon-
cerlos de qoe elle precisar.Cummuuicon-se ao re-
ferido inspector.
DitoAo mesmo, recommendando, que logo qae
for pussivel, mande examinar por pessoa complan-
le a caa onde fuuccionii a cmara municipal de
Pao d'Alho, e remella um orramento da despeza
que Ihe parecer iudispensavel para o aceio e segu-
ranza daquelle edificio.
DiloAo juiz de direito de Gnianua, acensando
recebido o mappa eslatislico, que Smc. remet-
teu, da ultima sessAo ordiuaria do jury daquelle
termo.
DiloAo inspector da thesouraria provincial, ap-
prevando a arremalacao qae fez Abilio Kernandes
Ingo de Loureiro, da obra do empedramento do
ST lanco da estrada da Victoria com o abato le 2
por eeoto, novator do respeclivo orraineulo, e dan-
do por fiador Bernardo Aotonio de Miranda.
DitoAomesmo, aecusaudo recebido o ofiicio,
em qae Smc. participa haver Manoel Gonveia de
Souza, dando por fiador Manoel Joaquim do Reg e
Albuquerque, arrmala tu a obra do eiupedrameu-
lu do 2- lanco da entrada da Victoria, com o abale
de 1 por ceuto e declarando que appiova essa arre-
rnalarao.
DitoAo mesmo, dizendo que proponhs o que
EXCAItUEGADOS DA M Iis.imp, \o NO SOL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Dias ; Baha, o Sr. D. Dunral;
Rio de Janeiro, o Sr. Joao Pcreira Martini. v
EM PERNAMBUCO.
O propretirio do DIARIO Manoel Figueiroa de Firii, na sua
livrana, praca da Independencia ns. 6 e 8.
convem fazer acerca da conservado parmancnle
das estradas da Victoria, Norte e Sol e do lanco da
estrada eotre a cidade de Goianna, e a ponte do
Btijary, visto nao terem appnncido licitantes a
ella.
DiloAo encarregado do registro do porto, re-
commendando que nao ponha impedimento ilgum
a sabida do vapor inglez, que viudo de Londres
para Calculhi, entrn ueste porto para tomar car-
Va, ama vez que esleja o mesmo vapor desembara-
zado pela alfandega, mesa do consulado e capitana
do porto.
DitoAo bacharel Caetano Eslellila Cavalcanti
Pessoa, dizende ficar inteirado.de haver Smc. en-
trado no exercicio de delegado do lermode Goianna.
DitoAo vigario da freguezia de Pao d'Alho.
Constando-me que anda se coulluua a sepultar ca-
daveTts as igrejas dessa freguezia, recommendo a
Vmc. qae faga cessar essa pralica, e qae enlenda-se
cora a cmara municipal respectiva, a quem nesle
sentido ofiicio, empiegue os meios convenientes que
o sea zelo Ihe diciar, psra que o cemiterio ah fun-
dado por oceasto da epidemia, tenha a decewia e
propon/es que forera necessarias.Olciou-se nes-
le sentido a referida cmara.
DitoAo presidente do collegio ileitoral de Flo-
res, aecusmdo reeehida a copia que Smc. remellen
da acta da elen.no a que se preceda naquelle col-
legio para um depulado e um supplente i assem-
lila geral legislativa.Igual ao secretario do col-
legio cleiloral deOlinds.
DitoAo presidenlo da mesa parochial de Pes-
quera, aecusaudo recebida a copia authentica da
eleicac a que se proceden n.-quellla freguezia, pare
vereadoras e juizes de paz.
inelezes sentidas qaeixas pelo procedimenlo que a
imprensa inglcza esli obseivando a respeilo du go-
verno francez.
Dii qoe lia em aejao poderosos interesses, apoia-
dos por agentes habis e pouco escrupulosos para
anear discordia entre a 1'ranc.a e a luglaterra, que
he misler ser explicada essa mu laura de tora que
fizaram os joruaes iiiglezes quando tratam do impe-
rador Napoleao. Reeonhece o Ckronicle nao ser
EXTERIOR.
nhaa, depois da ronteinplacao de-la se.n 4, nill_ bcriba por oalra, entre p-rpetua e a-radavel verdu"
reza, qoando ja os raios lo sol cnmi-r.ivam 4 scililil-
lar nos alvos edificios, como diamantes ero eolio de
noiva, o impaciente Ctmaragibe, A 1 rain-hi no caes
do Arscual de Marinha,rcrchia a bordo ama pleia la
escolhid.i de convidado', que iam ser obsequiados
m llamarac pelos dircciorcs da companhi, que
proporcionou ao c.immercio desta rulada om grande
melhoraroenlo, o vapor de reboque.
Entra ot diversos convivas, eonlava-te o pre-
sidenle da provincia, dous d-ptilados ;i assemhla e-
ral, o chafe da eslarao naval, o rapililo do porto' o
ronsol dos Estados-tenidos, n insiieclor da alfandega,
o ruarda-mr, o eomraandanle do segundo vapor da
roinpinhia IVrnamluir m 1, varios negociantes na-
rinnaes f eatrangeirns ; e reproientava o sexo adora-
vil ama rosa de rondas pealas, hrilhanles e perfu-
madas qoe, rainha un ea tronco, axredi a toda"
i-ssa paludase brancas llore-.qua a brisa agita bran-
damente, e Ihi abaodouain um suave e agradavel
iDceuso.
ra, cora cinco montes, mais moderados, qne allos.i,
lis Hollinilixaaa Dcandiiran em -Jl de novembro
de llill ; lodosos templo! ariler.nn. e os que exu-
lem nenhum he iiileir.iiurnlc diqaellei aunaos. A
Se fui depois reconstruida i cusa do senado da
cmara, depois da restaurarlo da p*ovincia.
Ir o Collegio e a Miiericordia, urna torre ou forte,
em qoe se recoihiam, e onde foram una vez cerca-
dos pelos iudigems a ponto tal, que se jalona per-
d dos.
Desla torre ou forte, diz o padre Jabala*, que
anda exisliam alicerces no seu lempo, e tal vez an-
da hoje.
Eslas Ismbranr 15 sem nexo nos occorriam ao pas-
sarmos por dianli de 1 Unida, que agora se ach ao
decadente ; e, como adeos a este antigo monumeolo
da nossa provincia, repelimos com nosco os seguin-
les versos, que lernos em om idyllio feilo a primei-
ra capital de Peroambuco, pelo Sr. Antonio Joaqeim
de Mello, e postos ua bocea de um iudigeua :
Essas torres branqoeadas
So heroico mausoleo
Dos ossos dos meas avs,
Sobre 01 quaes sobem 10 co.
Charos ossos veuerandos !
Que exemplo a uns Que dever !
Oliudiades escravos'.'
Ou liberdade ou inorrer.
Entretanto o Camaragibe segua o sea curso, e 10
mesmo lempo >umia-se as no-,- vistas a alegre cicla-
de do liedle, qae, ao vajanle, que se approxima
de nossas coilas, parece Venus, uascendo da espuma
do mar.
I mar eslava baslantc agitado, e a mor parle dos
viajantes sollriam um leve ocsranMdoda eujio, que
he lao vulgar Om laes cirrumstaiicias.
Duhramus a pona de Oliuda, e rumeravainos a
ver desdobrar-se liante de nos, a esquerda, urna es-
plendida e infinita paizagein, ornada de urna vege-
tarlo magnifica, que prenda a attenrao de lodos.
Depois de termos omrohado um poiico,descortina-
mos a povoaco do Rio Doce, oude so entram as f.n-
llioclonicas jangadas ; he o primiiro lugar habitado
que se enconlra naquellas praias, depois que se dal-
ia 1 H 1 n la.
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE
PERNAMBUCO.
PARS.
11 de novembro.
O imperador e a imperatriz chegaram de Compre-
gne 110 dia 0 as horas da larde, e parliram logo pa-
ra S. Clond. Noton-se ler-se recebido mu obse-
quiosamente pelo imperador em Cnmpigne o gene-
ral Kiseleu, ecom mais deflerencia que o usual com
os membros ordiuarios do corpo diplomtico. O
general era portador de urna carta aulographa do
imperador Alexandre. Duron mais de hora e meia
a nitervista que leve com o imperador, mas do que
nella se passoo nada transpira. A's perguntas dos
seus amigos apena- respondi o general, que oi re-
cebido com muila benevolencia e qae os negocios
iam bem.
A Ruisia nnio-se a Franja na queslo da oceu-
pacao dos principados, e falla-se de urna ola que
M. de Budbcrg enviou a este respeilo. Segundo
uns M. de Budberg nao fe/, mais do que mani-
festaces vorbaes nesle sentido. Porem islo uao pai-
sa de um ponto accidental.
O certo he que a Russia pede, como a Franca que
s tropas auslnaras evacuem os principados. Allir-
ma-seque de Vienua se enviou urna beta em resinas
ta, a S. Pelersliurgo.
Ua tres semanas fallava-se de novas conferencias
em Paris como de um projeclo resolvido decommum
accordo entre lodas is potencias reprrvsenladas no
primeiro congresso, hoje porm, se dennos credilo
aos rumore* que vo tomando sraude vullo, encon-
lra este projeclo, siria opposirao da pane das poten-
cias que de primeiro linhain parecido acceder sem
repugnancia a esla medida.
Sao estas potencias a Inglaterra c a Austria. Lon-
dres e Vienua recoasr-se-liiam a fazer parle do
novo congresso, ou pelo menos s consenliriam lo-
mar nelle parle com a condirao de que fo da a Rassia.
Esla revelado fe-la o Conslitutionnel n'um
artigo que fez muita lensaco. J>elie se diz que as
dissencoes que se soscilaram entre as grandes polen-
cias sobre a execurao do tratado de Pars sao do do-
minio da ennsciencia universal. Se o lexlo e o es-
pirilo do tratado parecem dar.emquanlo a Borrad
razo a Rassia, e nao Inglaterra uern a Austria'
propi a Russia ubmetter esta dilliculdada e oulras
que existero a conferencia de Pars. Diz a proposi-
lo disto o 1 Conslilotionnel : 1 Que se pode obieclar
conlra esla proposicao.
Pois nao -era isso mesmo o que a boa lgica e a
boa f eslo naturalmente aconselhandn '.' Preferir-
se ha recorrer a forca ? Quer-se recomecar a guer-
ra 1 Desojara o ministerio inglez tornar a entrar na
lica, nao para assegurar a exeeujao do tratado de
lans, mas para satisfazer ambir-des por um momen-
to d ufar radas ?
A isto aceoda o Debuts dizendo que n o Consli-
tutionnel nao acredita que o povo iualez esleja dis-
posto a ratificaJJeimilhanlc poltica. i>
Na sua opinilb, a conveniencia da reoniao do con-
gresso he urna cousa qae nao so pode por ira duvi-
da pelo que estAo disposlos a submelter-se a elle
com lealdadi, e aem pensamimo reservado, e que
esla reoniao he o melhor caminho palenle para se
chegar a um accordo, cmfira o nico partido que de-
centemente se pude propor.
O Morning Posl, examinando as duas que.loes
que dividem a Inglalerra e a Russia a saber, a de
Bolgrad e da ilha das Serpentea, diz que lendo-se
resolvido ja no congresso de Pars, as futuras nao
ttnam direito de torna-la a rever.
O Times publica lambem um artigo sobre o mes-
mo assumplo. Seaundo quelle jornal, a Inglater-
ra nSo v no modo de proceder da Rassia Halo o
habitual procedimenlo da diplomacia russa. Diz
que os seus esforcos tem sido encaminhados a desu-
mir a Franca e a Inglalerra, ero prava do que, es-
creve o seguinl :
(i Em lodo o conlinenle se lem visto qae haven-
do -ido exalcada a Franca al as nnvens e a Ingla-
terra desacreditada e provocada, fiulum que adiar-
se accidenlilmeole divididas. Nao nos fora possi-
vel dizer al que pomo essa evenlualdade pode
ender a realisar-ie. Inda quanto podemos prever
he qae uso nao excercera' ullueueia neohnuia na
Inglaterra, e nos felicitamos de que todas as poten-
cias que assignaram o iralado de Paris, ha Ires que
permauecem unnimes para oppor severa reprova-
(le a monarchia prfida e ousada qua se arroiou a
semilliantes manejos polticos.
A Inglaterra esla' bem resolvids a reprimir a a--
sressao russa onde que por ventura se manifest.
Heea grande objeclo sera' cumprido com cooperaeao
c boa vonlade da Franca.
lie assim que o povo inglez esli' adherido 13o
foriemeule a alliau^a iraneeca como na poca mais
unporlauli1 da guerra. Porm, i a nossa polilica deve ser a mesma.e quem nos ajudar
a inumphar sera' o lean amigo. >
O Morning Chronicle dirige aos sem collegas
exlrauho que a imprensa independeuta manifest
Apezar dos enormes esforjos dos llollandeze-, ede
-o ler Malhi.s de Alhuquerque un TiKI hnineiis para
toda a defeza, dos quaes apenasnilenla c lanos eram
to linha, e ni lo n mais ordeaan<;a paciGea e inixpi-
ienle, a eccopacao de Ol.nda nleemtoa menos de
liilenta mnrles, caliendo a cada om din lados melada
leste numero, eqaasi onlro. lano, feridos. A um, |eCa de di.lauci. tica barra de Po-
. l-oi recuperada Olin-la pilo, nossos, ma. depois de ; Amarello, defendida por um reduelo arruinado, e
iliini tirapo os Hallan li/i-s a lomaran, a oeeupar, qae, sigundo conlam, admillia oulr'ora navios de
? os 11 ossn, relomaram na a.iles da resiauraca..: lotar> ir.ual aos que aclaalmenla procurara o Moa-
TnWrim.b.rf ,. n .^ 'queiro, mas boje esla reduzda a um canal entre o
O primeiro donatario Duarle Coelho e seas rompa- recle e a Ierra, milito inericr ao noe ja foi. Mais
heiros, para se difendarem dos repilidos ataques alera se enconlra Nossa Senhora da O"
os .ndomavi.s Indios, lev.ntaram na ra Nova, en- I P01 Iras da povoaeSo de Pio-Amarelo, e alrave?
u
de um denso bosqoe de roqueiros se descortina, do
mar, o pequeo povoado denominado S. Jos, cuja
branca capelliuha domina o cimo do monte em que
Mil nadada a povoaco ; duas leguas ao norte eata
Maria-l-armlia, logar tambem habitado, e que tira
a sua denominaeao do rio que o banha.
Fallavam-nos duas leguas poocu mais on menos
para chegar ao logar do uosso destino.
O mar, que se cnnservou igitado por esparo de
ama hora, alinal, como una bommagem ,1 bella'car-
Ra que levava, abraudou a furia, e lornon-se se-
reno.
0 leve incoinmodo do enio liuha desapparecido,
e comecavamos a avistar ao longo na exlremidade
oriental da Ilha, a fortaleza da Saula Cruz, fundada
em 1631, pelos Uollandezcs, que eaUo a charaaram
Forte d'Orange.
De repente, e como por encanto vimos o mar coa-
lliado de canoas vela e eraliandeiradas ; de qumdo
em quando, de urna dellas sobiam fosueles aos ares:
era o diligente e dedicado capataz da costa de llama-
ra di que viiiha com os seus subordinados ao encon-
tr do capitao do porto e do chefe da eslacao Iri-
bular-lhes protestos de consideradlo e respeilo.
A m ir,- era viva, e ja' se aehava bastante baixa-
Os illaslres mariuheiros que estavam a bordo do (' maragibe, querendu evitar alguma necurreocia des-
gradavel.asseularain que seria melhur fazer de ou-
Ira maneira orcslo da viagem que nos fallava, o que
nao excedera a nina legua.
Todos os passaseiros approvaram o alvilre, c un
passando-sc para canoas c oulros para um escaler do
vapor, seguiram para llamarac'.
Eram dez horas, e posto que fosse um dia de ve-
rao, com ludo lupinos occasiao de verificar o bello
pensaraenlo de um viajante, o qual visitando a nossa
capital, quando traa do nosso clima, diz qoe, sob
os raios do sol, anda qnamio esli 110 zenith. he o
calor lao ponca sensivel, que quelle que se. acha
exposlo i sua influencia, de alguma surte se esquece
de qoe nina sombra Ihe proporcionara rompida
frescura.
Com efieitn, eiparimenlunoa esle phenoaseeo, e o
incidente inexpera-ln, io inlerromper a mnnolonia
de seis leguas de viairem, aiigmentou o curanto do
reslo do caminho.
Depoii de ur.i quarlo d'hora passavamos por de-
ironie da fortaleza da Santa Croa, que actualmente
dii que nSo coraprehende que peridicos importan-
tes defraudem os desejos dos que querem su.lenlar
a todo o transe a allane,! anglo-franceza. Parece-
Ihe que se deveria reflcclir muilo anles de seguir
urna marcha que ameara destruir a mais formosa
probahdadeda paz futura e do progresso da Euro-
pa qae jamis se lem apreseutado uos aunaes da ci-
vilisaeao.
Nao discate a liberdade da imprnnsa ingleza, mas
perguula se he rasoavel, no momento em que aca-
bara de manifestar-se zermeni, de irrilarao, Iralar
como um jorual o fez, de ridicularisar a administra-
ra o colonial da Frauda, e se lie conveniente que
loiiienlem a discordia e a Irritara 1 dois jornaes que
se suppe representaren! a poltica de lord Palmer.-
Iron, na occasiao era que a F"ran<;a deieja renovar
o congresso de Paris, e em qua a Rassiapirece dis-
posla a adbeir a esle pensamenlo.
> Ka sua visila a Mancheslcr prouuncioa lord l'al-
meiston Ires discursos. Foi all recebido com en-
lliu-iasmo. Exprimi a esparanca de que sera mau-
lda a paz ; mas que a sua durar< deve depender
di fidelidade com qua forem execuladas as cou li-
ces.
A respeilo da Russia, disse que ella procarava il-
ludir as eslipulares do tratado ; porem, o nobre
lord confia em que esla potencia gaardara a obser-
vancia das obrigarSes contrahidas no congresso de
Pars.
Dirigindo-se aos jornaes francezes, exprima a Ga-
zeta dai Portas, allemau, o pensamenlo de que.seria
muito para desejar a 1 turnan de um congresso defi-
nitivo em Pars, mas queera inopportuoo o mome-
lo, visto que as desconflautas actuaes serviriam s
de prodazir geraes complicares.
Aopini.il, do Morning Po,t nesle assumpto he
que a proposla da reabertura das conferenciaste
l'aris.on de arbitramento por nma potencia neutra),
nao be aceilavel ; que o Iratado de Paris nao ca-
rece de revisao ; e que a Inglaterra salteria defen-
der o tratado.
O Siccie escreveu ltimamente um arligo delen-
dendocom calor ajilliaura ingleza. X parles repu-
blicana da impreusa sustenta de um modo vigoroso
e irrcspondivel a poltica de manter-se a oceuparao
do Mar-Negro, e musir qua esla lera sido inteucio-
nalmenle mal iulerpretada pelos partidarios da all
anca russa.
Os jornaes allemaes e as correspondencias de Vi-
enua conlimiain a fallar das rcenles mudancas que
se tem verificado uas reliroes das potencias euro-
peas.
lralam, com mais seguranc do qne nunca, da
unido da Austria luglalerra e Turqua sobre ai duas
queslocs ; da oceupacao dos principados pelas tropas
auslriacas, da piesenr;a dos navios inglezes no Mar-
Ncsro.
Por ouln parle, allirraa-se qae a Russia, nao
comente com protestar contra a presenta dos Aoslri-
l-iacos nos principados, e da dos inglezes 00 Mar-
.Negra, eniemleu dever manler forjas importantes
na Russia meridional.
O qoe he verdade, he que a opuiao da imprensa
acerca das novas conferencias em Paris, aprsenla
um verdadeiro mosaico. He sabido que se disse,
rom razan ou sem ella, que a Austria e a Inglaterra
se recusivam a lomar parle n'esle novo congresso.
Ha poucos das, manireslou o Jornal des D'ebats,
que reconheceriam o sea erro e vinain a melhor
conselho.
Consta por boa va que brevemente ser celebra-
do um Iralado de eommercio entre a Franca e a
Russia.
Esse tratado he parlicalarmenle lavoravel a
Franja, o qoe explira as ptimas indiligencias que
se iioiam ntreos gabinetes de Paris e S. Pelersbar-
o, o adiamenlo da reforma das pautas das alfan-
dega Trancezas.
Nos nllimos dial de outubro chegou de S. Per-
lersburgo a Berlim o ajadaute de campo russo Al-
debinski, oude le demorou algaos dias, parlindo
lo*o pira Paris. Allribue-ie esla viagem a intimi-
dade qne se asa openudo entre a Franca e a
Kussia.
Nada se sabe anda de positivo sobre o dia do 1-
bertura do congresso de Paris, e parece que a Ingla-
lerra coDfi.i em que a Russia ceder por fim, sem
que seja neeessano recorrer celebra conferencias
a lira de-obrigar os inglezes a abandonaren, o Mar-
Nearo, e di Austracos a| evacaarem os principados.
A consequencia da prolongarn da uceupajau dos
principal pelos Austracos, e a permanencia da es-
cuadra ingleza no Mar-Negro, e fazem subsistir na
1:11-.ia meiidional, assim como em Podolii e Vohy-
nia numerosos corpos de tropas reatas.
At agora nao se apresenlou no Interior da Russia
nem na Polonia um s dos corpos que sahiram da
Crimea. As duas divises ue granadeiros que t-
nham parlidn da Crimea na primavera, e qae devi-
am vir de Moicow depois dacoroajao anda nao che-
saram as fronleias da Polouia. Nao pela distancia
que anda u,lo chegararn os grauadeiros, os quaes
alem disso nao combaleram na Crimea, porem
s por motivos polticos he que pode explicar se esla
demora as reumoes de Iropas uas provincias meri-
dionaes.
Em S. Pelersburgo formon-se orna sociedade pa-
ra recolher os maleriacs subraergidos no porlo de Se-
bastopol.
Esla sociedade lera' direilo melade dos objeclo
qne se poderem lirar do fundo. Erna somma de 300
mil rublos, que eslava deposilada no banco de S.
Pelersburgo, destinada para Sebastopol, foi posla pe-
lo imperador disposijao do grao-duque Constanti-
no, que a fez enviar a' juni.i formada em NicolaielT,
para soecorrer os marioheiros que solfreram perdas
em Kerlch e em Sebastopol. Proviuha esta somma
de siibscripres voluntarias.
Tinha-se espalhado o boato deque o imperador
linha retirado a sua conlianra ao general Luders. A
caria benevolente qua acaba" de Ihe dirigir Alexan-
dre II, provt qoe nunca passou de boato falso.
Por noticias do Mar-Negro, consla qui as relaces
enlre Nicolaieff e osdemais porlos doEuxino tem es-
tado muilo animadas ltimamente.
Conrma-se que a Russia hlenla construir novas
forlficacOes na Finlandia, e assegura-se qne entre as
quesloes qae actualmente motivara recprocos des-
pachos com lana frequencia entre as cortes da Lon-
dres e S. Pelersburgo, figura em primeira linha es-
la resolucao. O gabinete de S. James considera, se-
llando dizem. esle projeclo como contrario, seu.loao
lilteral, pelo menos ao sentido disposlo no Iratado de
Paris, que prohibe o eslabelecimeulo das fortifica-
rnos de Aland ; e commuuicou a sua opiniao ao go-
verno francez.
Entretanto esle vi- a queslao a oulra luz, mais la-
voravel a' Russia, e o conde de Mornv respondeu
ao prncipe Gorstchakoll, que a Franca "nao se oppo-
ria a' cooslrucjao de novas fortalezas no golphu de
Bolbnia.
asopiniOes individuaes dos seus directores; porem Aiiuuuciava-se ha pouco lempo aroiornaleslran-ei-
se acha bstanle deteriorada, j se lendo abatido orna
parle do ii.isii.io do sal... Emlirn pisamos na (e.ra
donde Duarte Coelho expulsara os Francezes, ni pa-
tria das celebras mangas do jasmim, das quaes hoje
quasi que s existe urna reputarao potica.
Desembarcamos no territorio chamado da ilha
ralba.
Desde a praia al olngar onde deviamos pousar, o
caminho eslava decorado com arcos de palmas de
ciiqueio, ornado* de flores, e baudeiras de nares es-
Iraugeiras.
A' distincia de cem passos pouco mais 00 menos,
ao lado de urna gigantesca mangucira, coja idade be
calculada em mais de cenia e cincoenla anuos. P no
meio de urna esplend la vegelarao, se havia levan-
tado um vaslo e commodo barrara 1, guarnecido de
arcadas de verdura, qm tora impruvsado para a
reata,
O sobarbo barrado era dividido em duas parles :
era urna se levantara um tablado para dansa, e n'ou-
tra eslava urna mesa de oilinla talheres.
Poneos passos antes do barrarlo eslava orna casa
preparada,com espelhos e lodas as commodidades ne-
cessarias, para receber as senhora passageiras.
Depois dos cumprimenlos trocados enlre 03 passa-
geiros e o juiz municipal do lermo, o delegado, o
subdelegado do dslriclo, o 1 ominan lano da fortale-
- que linham viudo especialmente felicitar o Exm.
ro solur.io da quesl.lo pendente enlre a Turqua e
o Monte Negro. Segundo as ultimas nolicias recebi-
da pela ii Gazela Austraca nnao parece confirmar-
se, porquanto se aflrma que Porta nao aceitou as
bases do accordo proposlo pelo principe Danlo, e al
se julgava que respouderia com urna negativa formal
aquellas proposlas, .ueleem por objeclo ceder ao
Monte Negro ama parle do seu territorio. Ora, islo
foi.o que se verificara.
Dizem de Scalari, qae as Iropas do Nizam (arco
se acliam n'om estado moilo raiseravel, fallando-
Ibes roupa, alunemos e quarleis.
A prohibirlo feila pelo principe Danilo de cele-
brar cerlas feslai, produzio doscontentamento.
Participara de Constanliuopla com dala dol.da
novembro, que principiaramas sesses diplomticas,
sobre o lirmau relativo aos Principados Danubia-
nos.
Por despacho da mesma dala, consta que a esqaa-
dra do almirante Lyons invernara no Bosphoro. O
re Olhon parti no da 1 para Alhenas.
Foi mui bem recebida pelo gabiuele austraco a
roiiimunicar.io da l'russia relativa a Newcbalel, e o
seo reprsenla me naSuissa esta' encarregado desus-
leutar enrgicamente as pelirei prussiaiias. Espera-
se era Vienua qae estas instancias serao felizmente
terminadas.
O couselbo federal, dizem que se mostrara mai
disposlo a por ara liberdade os individuos que se
acham em delenrao.
O governo imperial julga de grande conveniencia
que a Dieta germnica apoie as reelamaroesda Prus-
sia junio ao governo federal, e se admira ao proto-
colo de Londres.
Ao mesmo tempe o sahioete de Vienua aprecia
muilo si moderarao que a Pruisia moslra constante-
mente, em atiene 10 a' paz da Europa, a' queslo de
Newchatel.
lie significativa a opiniao corrente nos crculos of-
ticiaes sobre os servijo que tem prestado a' Prussia
o gabinete francez. .\oia--e que he a Franja a quem
a Prussia deve o ler sido convidada as conferencias
de Pars ; que a Franja diu os primeiros passos e os
mais decisivos em favor da Prussia na queslo de
Newcbalel. Diz-ie finalmente, que a Prussia esla' de
perfeito accordo cora a Franca e com a Russia em
lodas as quesloes importantes, quo na aclualidade se
agilam na Europa.
Parece que o governo prnssiano insiste ha lempos
na idea de um Iralado de eommercio com a Russia,
a tal ponto, que das represeulaces das Dietas pro-
viuciaea, se passou ja' a Iralar enlre os diplomticos
russos e prussianos, ainda que por ora nada disto se-
ja inicial.
Allirraa-se qae qua a Rassia se moslra asss dis-
posta a aiiuair, nesle sentido, aos desejos da Prussia,
e a abertura das negociares acerca das commanica-
roes, que se vao estabelecer enlre os caminhos de
farra prusianos e russos, pode considerar-so como o
primeiro passo para se entabolarcra relaces mercan-
lis mais eslreilas ontre os dous Eslados."
Esrrevem de Berln, que o general de engenheiros
russe Smolkowski cliegara aquella capital recente-
mente, alim de Iralar da quesiaodas commumeares
que se v3o eslabelecer cutre os caminhos de ^rro
russos e prussianos, e especialmente de um ramal
que una o caminho de ferro prnssiano de Leste, com
o russo de S. Pelersburgo a Vanarla. O seneral foi
recebido pelo rei e pelo ministro do eommercio, e
lodos os das tem conferencias com o director geral
das obrai publicas. O conde Aldelberg, plenipoten-
ciario militar da Russia, leve lambem conferencias
sobre este objeclo.
Em conformidade com os desejos da Austria, diri-
gi a Prussia novas instancias a' Dinamarca sobre a
queslao dos dominio- do llulstein, para a obrigar a
mudar de systema neste ponto. Como as represenla-
coes das duas potencias allemas apenas tinham pro-
duzido una resposta evasiva, a Prussia queria levar
em seguida a quesl.lo peranle a Diela. Espera-se
entretanto na Aii<|ria que uina nova reclamar,u ob-
teria o desejado fim, e islo delerminou a Prussia 1
intentar o ultimo passo.
O conde Mollke, embaixador da Dinamarca em
Pars, lixoo a sua residencia em Kiel.
Hesobreraaneira nolaval o arligo publicado pela
a Espaa, orgo do mareehal Narvaez, a favor do
rei de aples. Depois de fazer o panegyrico daquel-
le ininiarrli.i, cuuclue assim :
lima onica voz se fez ouvir para protestar dig-
oamenle conlra a exocurao do attenlado com que a
Inglalerra ameara o tbrono do rei Fernando e a in-
tegridade do seu reino. Esla voz, singular coinciden
ciu, he a do proprio governo, contra o qual se coll-
gavam ha pouco as randes naroes do Occidente,
porque ellas julgavam que esse Eslado quena des-
truir o fraco imperio de Ablul-Medjid. O autcra-
ta de lodas as Russias, com muila razao, exprime a
sua admirarlo ao ver que as grandes potencias fal-
lara ao sen programma, em nome do qual comba-
tan] na Crimea e 110 Idlico.
Se por desaraca o alenla lo que se machina coo-
Ira o reino de aples chegasse a cousumar-se, seria
preciso que todas as narei da Eoropa, e particular-
mente a nossa, suubessem que o alleotado de hoje
conlra o rei Fernando, poderia amauhaa ser dirigido
conlra ellas ; porque, do momento em que se pode
realisar, um scmelhanle ltenla lo constilue urna fla-
grante violara*) do diroito internacional, qne he o
paci de lodos os povns ci\alislos p.ira a sua com-
mum seguranra. Nao havera' nesse casu oulro direi-
lo, a nao ser o capricho do mais forte conlra o mais
fraco. u
O rei de aples linha regressado de Gaela a' ca-
pital a 30 de outubro, e celebrado ora conselho de
ministros, linha feito sabir para Roma om enviado
encarregado de umi missao, e depois tornou para
Gaela, onde conlava deraorar-se al 8.
Em frente de aples cruzavam a Trgala france-
za (i Duchayla 11 e um aviso inglez.
Ambos os navios Irocaram salvas cou as forlale-
zas, e varios oliciaes desembarcaram e circularan)
pela capilal.
Estes navios estacionarios esiao cncarregados da
vigilancia e da Iraosmissao de despachos, e devam
ir sendo rendidos successivamente por oulros na-
vios.
Falla-se em aples da prxima publicar jo de
diflerenles decretos relativos a' administraba!) e obras
publicas. L'raa correspondencia de aples, conta o
aclo das sabidas das legariies ingleza e franceza. O
e
Tal
leve o litlo de villa na sua fundarlo em 1535, e
ainda que depois de expulso os llollandezes, em
I6i, licassesugeita ao governo de Peroambuco.com-
tudn na parte jodiciaria conservoo-se independenle.
Tambera era independenle na arrecadacao e fisca-
lisarao dos dirruios reaes ; linha ama provedoria
igoal em lado .1 creada em Pernambuco, fiscalisava
e arrecadava as suas rendas, as quaes chegaram 1
avullar tanto que era 11179 encarregon-se-lhe o paga-
mcnloda folha ecclesia-lica de Pernambaco, quando
os rendimenlos d'aqui nao chegassem.
Hlitro do dislricto da capitana de llamarac se
crearam cinco fresueiias, seudo Goiaaui a mais ami-
ga, a qual em consequencia do seo eslado de flores-
cencia mnilas vezes foi cabera da capitana.
Hoje llamarac se acha em plena decadencia,he om
echo do passado.e era geral os seus habilinles revelara
grande pobreza.
O sitio onde est a malriz cujo oraeo lie de Nossa
Senhora da ConceirjAo, olierece urna visla encantado-
ra : para o lado do nascenle se descortina nina vas-
lid3o infinita do Ocano, e para o poente v-te,
distancia de qualro leguas, a antiga villa di Igaaraa-
su\ com os seus brincos edificios, como um bando
de cysnes pairando sobre as arvores.
Acabada a missa. a qual assisiiram somenle os
hospdese dousou Ires individuos do lugar, volla-
inos para nossa pousada.
Entilo o dignos am pin Irme- nos aguardivam com
Sr. presidente da provincia, o Rvm. parodio disse a um almoro servido com profoMo e magnificencia, no
S. I'.vr.qoe eslava a sua espera para celebrar Blata, qual loma'ram liarle as peaaaai prsenles: nao fall-
balo Brenmer aahio a 28 da outubro as 10 hora
da manhaa n urna carrnagem a seis, precedido por
um crrelo, e segnido por um carroc.lo em que iaro
os seos criados c bagagem.
As :t da tarde do mesmo da, sahio lambem da
aples o encarregado de negocios da Inglaterra
Mr. Petar, acompauhado por Mr. Olumketl e pel
primeiro secrelario da embaixada francea. Afim de
evilar-se alguma demonslracan, haviam-se mandado
collocar 00 caminho numerosos agentes de policia.
O a Morning-Post puhlicou recenlemenle um
violento arligo conlra a Austria, 1 respeilo da ques-
lao napolitana. O Times o annuucia nesle momen-
to que o seu correspondente de Vieuna lle esereve,
que o governo austraco receben de Londres a cer-
teza de qae o Morning-Post nao lem oenhuraa
especio de relac.oes com lord Palraerston.
Coramunicam da Suissa, que conlinuam all em
grande escalla os alislameolos para o lervico de a-
ples.
He positivo que se (rala de produzir orna prxima
couciliatao na queslao de aples, e espera-se born
resultado, pois a loglaterra nao pode moslrar-se
raudo rigorosa para a caoia da Aostrii, nem a Fran-
g para a causa da Rassia. lia todo o fundamento
para crerque algumas gratas concedidas pelo rei d
aples baarlo para a solucao deste negocio. Ta
be, pelo menos a opiniao geral.
A r< Correspondencia Austraca diz siber por
boa va qne, emquanto a' queslao de aples, a In-
glaterra se acha em vesperal de realisar om disejo
concebido por ella ha annos. Trati-se nada menos,
que da oceuparao de om ponto da costa da Sicilia
pelas tropas inglezas, alim de esercer mais fcil vi-
gilancia nos negocios italianos, e uas complicaces
que possam resollar. A Inglalerra justificara isla
medida a exemplo das guarnicei qae tanto a Fran-
ca como a Inglalerra eem ua Romana e em Roma.
\3o sendo cada vez mais coohecidos 01 litis qne o
sabinete de S. Pelersburgo se prope conseguir na
Em Vienua nao sao menos apreciados. A allen-
roes prodigaliadus pela Rassia e Sardenha sao alta-
mente significativas.
As consequencias desla nova, para nao dizer an-
mala, intimidado que estas duas potencial seesfor-
cim reciprocamente por eslabelecer eotre si, sao pa-
nules. Em Vienna enleodim os esladistaa que o
momento aclual be poaco lavoravel para o impedir
com probabilidades de bom xito. A opiniao qui
aili lem mais consistencia, he que se deixe conioli-
dar a allianea rnsso-sarda, com a certeza de que os
principios diamelralmenle oppoiloi em qoe se fon-
dan) e funceionam aquelles doui governo, devirao
produzir, miis cedo ou mais tarde, um rompi-
niento.
Por oatn parli o representante rosso junio a' cor-
te de aples, Mr. Kokoschiue pela sua aclividade
chegou a conseguir nolavel preponderancia no eipi-
ntc. do rei Fernando.
Se, como se pode prever, os conselhos de Mr. Ko-
koschine continuaren) a prevalecer no espirito da-
qoelle soberana, a inlluencia austraca desapparece-
ra da alia Italia, e ver-se-he, como anles de 18011,
predominar exclusivamente a influencia russa. O
que resalta dos ltimos despachos de Mr. Marlini,
encarregado dus negocios da Austria naquella corle,
he qua passou do primeiro ao legando lugar, debai-
no do poulo de visla ds suas relaces diplomticas
autenores. Para quem conhecer o espirito meticu-
loso do rei Fernando, nao lera' diOicil ter em conta
os raolivos desla mudanza.
Desde que o rei de aples aoube do intimo ac-
cordo que se pst.ibeleceu enlre o gabinete austraco
e_o de Saint-James acerca das grandes quesliies.alils
nao resolvidas no Oriente, c das quaes as de aples
n3o sao mais do que o coronario, tem-se reconheci-
do mais de nm symptoina de qoe o poder qoe goza-
va Mr. de Marlini aoleiiunnenle, era verdadera-
mente insigiiicanle.
A noticia de om Iralado concluido entre o Pie-
monte e duqneza de Parma, esta" causando em Vi-
enna a maior scu-arlo. Trala-ie de urna cess3o e-
venlual do ducado de Parma. Ignora-se ainda se
aquello Iratado secreto existe on nSo realmente, po-
rem he certo qne o descontentamente da doqueza
lonlra a Austria provm em parte do rigor com qae
tem procedido o onselho de guerra e ai autoridades
judiciariis na averiguarlo do assassinalu de qoe foi
victima sea esposo, pira descobrir os verdadeiros au-
tores e as causas moraes desle crime. Deide logo
os ministros do tribunal foram destituidos e a duque-
za se acha em boa harmona com o conde Cavour.
O gabinete da Sardenha si lem depois oecupado era
couiolidar eslas boas relaces e ero faze-las extensi-
vas a" Toscana. Diz-se que o conde Cavour quer
fundar na Italia central urna cuallisao dirigida con-
tra a intervenco da Austria.
Parece contar no ducado de Parma e na Toteana
cora om partido numeroso, qae parlilba esli metma
idea.
Nolicias recentes chegadas do Cabo da Boi-Espe-
ranja fazem erer que nao he muito provavel urna
guerra entre os Inglezes e os cifres.
ULTIMAS NOTICIAS.
12 de novembro.
O Sr. de Persiany vnltoo a Londres e por esla oc-
casiao se renovar,mi as promessas de ama boa indi-
ligencia enlre as duas potencias. Parece resolvido
que nao te reunir' um novo Congresso.mas sim que
si Hornearlo commissarios especian para rigolarem
em Conslanlinopla a queslao da oceuparao doi prin-
cipados, de Bolsrad a da ilha das Serpentea.
Parece, perianto, estar desvanecida completamen-
te a diflieuldadi que exislii entre a Inglalerra a a
tranca acerca do novo congresso de Paris.
O corpo expedicionario das Indias chegou ao gol-
pho prsico. A insurreicao persa he ameaca-
dora.
A construccilo do gganlesco caminho de ferro do
Euphrates he cousa de qoe se trata com muito inle-
resse. Sahiram com direccaoa Alexandriidoos eom-
missariosinglozes para dispor o conveniente. O tra-
tado esta' quasi concluido. A va frrea comerara'
no anligo posto de Silencia e terminara' n'om poni
do lillor I do golpho Prsico A exlenrlo da linha
sera' de 1,500 kilmetros. Primeiramenle se cons-
truir' a serrn que ha di mediar entre Seleneia e
o Euphraies, cuja longilude he de 320 kilmetros.
Em seguida sera' construida a segunda que tocara'
em Bagdad e concluir' 110 golpho-Penico. O em-
prezarios apresenlaram ja o seu projeclo. Os Iraba-
Ihos de verlo ficar promptos no prazo de cinco an-
nos. A configurarao do solo, a julgar pelos esta-
dos feilos, facililla sobremaneira a construcrao do
caminho.
BOLSAS.
Pars 12.Tres por ceulo, 66, 10. Qnalro e meio
por 100, 90, 25.
Anvers 7 da novembro.Dflerida, 22 13|16. In-
terior 37 5|8 papel.
Testa, que se celebrava de proposito para diverli-lo i
aprescnlaram-se os trajo mais ingenuos e grutes-
cos ; dissereis amdesses passalemprn de eras remolas,
caja noticia apenas cheia boje 10 nosso coohecimen-
to, como urna iccordario.- sHraras di chita com pin-
turas desusada, plumas exquisitis, fitas de cores vi-
VI-.mas, a oulras rnuilas extravagancias desla mlu-
reza, ornavamaos que viuhara contemplar os folgue-
dos dos passageiros.
O gelo lambem causn grande admiraran boa
nle do la -
guillas mais si te respiilo e ver a alga-
genio do lugar : era interess.iulc ouvir fazer ai per-
is singulares a este respailo e ver a alga-
zarra que la/i un, ao pegarem em om pedaro de ge-
e lodos o seguiram i igreja
A matriz esta enllocada na chaa de um monte cla-
vado, o para allimir o silio onde se acha he preciso
subir urna iugreme ladeira, por um eslreilo Irillio,
guarnecido de malos de ambos os lados, Em verda-
de, esle trajelo foi muito mais sensivel, do que o
reato da viasera do vapor para Ierra.
Entretanto chipamos i nutriz, e livemns de la-
mentar o ciado de ruina em que se ada, e a deca-
dencia extrema da sede de ana das capitanas do
Darte do Brasil.
Sesondn as chrnnira dn lempo, llainarari f ii ra-
bera de urna capitana de trinla a (antas leguas, in-
dependenle de Pernamtmro, de quem hoje he hu-
milde vassala, doarao d'el-rai D. Joao III a Paro
Lopes de Sania, romprehendendo lodo o territorio
da aclual provincia da l'anhiba e parle da do Rio
liranda do Norte.
va conforlo atgom dos que -e exigen) em ssmellian-
lls nrcasiis.
Depois do almoro appaieceu una grande quauli-
dade de excellenles uvas, e, segando nos di-seram,
havia em uina casa aupe du harracio mais de dous
mil euros verdes, cuja dorura, lempe/ada com gelo,
anda se lornava mais agradavel.
Embora a mesa sempre se eonaarvaiaB posla, com-
tudo o e-paro decorrido enlre o alrnoco e o janlar foi
consagrado,para quem quiz, a dausas, paleslras e ou-
lros passatempos.
O gelo qua os ampbilrioes levaram daqui em gran-
de abundancia, e as conlralansas que liveram lugar,
furam duas cirruni-lanria. qui mais rapiivaram a al-
ternlo da cenle da Ierra.
Assim qne se e.palhou a nolieia de que -e c-lsu
l iii-'in I 1 no Parrarlo, romeraram a checar o. mo-
radores da redoude/a, como se vieera assislir a ama
lo. Un pediam om pouco, emhrulhavam"em pa-
pel e inellam na algibeira para levaren) para casa ;
oulros queran) .erro : era orna scena inleiraminle
cmica, em que so manifestava toda a simplicidade
dos babitaules.
Finalmente dunsod-se ama walsa, e posto qae o
labiado uao estivesse moilo seguro, com lado nao
liouve queda, como no ullimo baile dos cincoenla
solleiros.
A's qaatro horas, o jamar eslava prumplo : maior
profus.10 e maior magnificencia que ao almoro ; um
gesto mui ilc-cado presidio a esla parla da feste. Co-
mo fosse miiii'ii'ii o numero dos convivas, lano do
liecife como da Ierra, foram obrigidos a ir i mesa
por Ir vezes.
Acabado o janlar, a mar eslava quasi cheia. D'a-
hi a pouco lempo appanceu o Camaragibe, qae veio
tundear junio a praia.
F.ram cinco horas ponen mais ou menos, e traa-
mos de embarcar. As cinco e meia su.penderam-se
os ferros, e vollamos para o llenfe. rhcioi de sauda-
des pelos prazeres que gozramos, durante horas lo
rpidas.
Na volta, posto que o mar eslivesse bastante enfu-
recido, comludo nao bouve enjo ; e as nove e um
quarlo dtsemharcavamo no caes do arsenal, no mes-
mo lugar,onde llovamos embarrado pela manhaa.
Assim se concluio e'la fesla sempre presidida pela
can li 11 harmona e puro respeilo, em qae a vene
rarao e o acalamenlo cerraren) a noilp e o dia, ao
claran espliodido que se desprenda da abobada em
balsamada do c, o, romo o incens em frocos argn
leo.
AlitXalnli-rl-Kratil.


"i'O D PIMHW SIGUND* FIlll 22 II DEZURIHO BlN.t
Am-ii-r.l un 7 de novembro. MuI.ti I i 33. Inte-
rior 37 118. Proal 59 IpJ.
Ilruiellh) 7 de novembro.DilTerida 22 7|S pe-
pel.
Londres 7 de novembro.Exterior 12. Diflerida
917(8. Ceilificados51|8. Pasiiva (i \ft.
HESPAiNHA.
Alonraam a 13 as ultimas noticias daquelle
reino.
Sahio na folha ofiicial o decreto Horneando em-
bajador de S. M. C.junto acorte de Lisboa, o
Sr. D. I.uiz Lopes de la Torre Ayllon.
Vieram tambem publicados os decretos conlir-
mando as nomeacoes diplomticas que na minlia
ultima llie annunciava, com estas alteracoes :
D. Alexandre do Castro, que foi varias vezes
depuiado, he nomeado ministro na Sardenlia.
Para a Prussia, era lugar de D. Pedro Paschoal
de Oliver, o marques de la Rivera, Juan Xi-
raenezes de Saudoval.
Para a cidade livre de Francfort c das confe-
deracoes Suissa e Germnica, D. Cayo Quinhones
de I.eon.marquez de S. Carlos.
Aceita a demisso de I). Diogo Coelho e Inusa-
da, ministro em Constantinopla, vai substitui-lo
D. Gerardo Souza.
D. Manoel Bermudez de Castro, ministro que
foi da fazenda e deputado s cortes em varias legis-
laturas, para enviado extraordinario e ministro
plenipotenciario na Austria.
O governador civil de Madrid, prohibi que nos
botequins e mais botis pblicos, se levanussem
questoes polticas, tornando responsaveis os donos
dos estabelecimentos pelo cumplimento desta dispo-
sicao.
Em Toledo c Sllamara eos bispos ordenaram
que fizessem preces, em consequencia da seeca,
implorando chuva para beneficio dos campos.
O padre Fulgencio, amigo confessor do rei, li-
nha ebegado corte.
Diz a poca, haver tomado consistencia nes-
les ltimos das a noticia do prximo reconheci-
mento da rainha Isabel, pelos filhos do 0. Callos,
e naturalmento pelos que anda permanecen) fiis
aquella causa.
Esperara alguns que este successo lenha lugar
antes do dia dos annosda rainha ; porm, duvida-
se ainda se Monlemolin far o mesmo que D.
JoSo, D. FernandoeD. Sebasliao, ese estes, no
caso de reconhecimento, virio i Hespanha ou fiea-
caro em paiz estrangeiro.
O governo convidou a rainha D. Maria Christi
na, para voltar quanto antes Hespanha. Parece
que tinha embarcado em Marsolha para Cirila-Ve-
chia, com destino Roma, onde permanecer tres
mezes.
O governo aceitou a demisso do Sr. Pacheco,
do lugar de embaixador de Inglaterra. Ao que
parece tambem est definitivamente decidida a no-
meacao do Sr. Gonzales Bravo, para Londres.
Nao se sabe, com elteilo, so licar de parte o Sr.
Sluriz.
A deaereao dos remitas ullimamente entrados no
oxercito, hetaonotavel.que se eipedio urna ordem
regia para que a guarda civil, dedicando um es-
pecial cuidado sua appreheoso. d parle todos os
oilo dias do resultado dos seus esforcos.
Nada se divulga, por ora, emquanto ao plano
econmico do Sr. Barzanallana, e cr-segeralraen-
te, que ainda o nao apresentou em conselho de
ministros.
Das declararles do Parlamento, a infere-se que
hecousa positiva u resiabelecimento das contribui-
d-oes de portagens e consumos, a contar do 1. de
Janeiro prximo futuro.
A rainha mandou suspender o baile que preten-
d dar no paso noldia 19,e que fossejn distribuidas
pelas pobres da capital as quantias que nelle se de-
viam gastar.
Comprou o governo 300 mil fangas de trigo para
fazer frente a caresta dos cereaes no presente inver-
n. Estao se preparando os armazeos convenien-
tes para esta reserva.
Era esperado no dia dos annos da rainha o et-
presdente do conselho de ministros.
A" ultima hora : Publicou a uGazeta de 13
do corrente o real decreto pelo qual se declara levan-
tado o estado de sitio estabelecitto pelo decreto de H
dejulho ultimo. O decreto he datado de 11.
Foi abolida a junta consultiva de Ultramar, vis-
to haverem sidooomeados os individous que bao de
compor o conselho-real.
O editor do jornal a Esperanca foi condem
nado a desterro, multa e cusas do processo por
um artigo aecusado.
Comer-ara m as chuvas as provincias de Cdiz e
de Valencia, com grande satisfacao dos lavrado-
res.
FUNDOS PBLICOS.
Os 3 poreento consolidados39, 250
Ditos differidos24,30,35, e 40
Accesdo canal de Isabel II106 p.
Ditas do banco de Hespanha124 p.
LISBOA
13 de novembro.
Esta vai pelo Porto pelo vapor D. Pedro V.
que encela agora as suas carreiras para os portos
do Brasil.
Chegou de Inglaterra nooTync. o marechal
duque de Saldanha, com a sua nova familia. As
filhas que sua esposa tinha lido do primeiro ma-
trimonio, ficaiam n'um collegio em Londres com-
pletando a sua educaco. A duqueza he senhora
de muia inslrurco e amabilidade. O marechal
lera sido visitado por pessoas de todas as parciali-
dades polticas Aflirma-se qua demorara expres-
samente o seu regresso Portugal, emquanto nao
estivessem terminadas as eleices.
Emquanto ao definitivo resultado destas vai-se
verificando o qne lhe escrevia ullimamente. Pre-
domina o elemento progresista, mas como este
partido se acha dividido, resulta que todjs as frac-
eoes lerflo ropresentaco no futuro parlamento.
Tudo faz crer que a questo do juramento poli-
tico vai ser altamente agitada as cmaras. O
Sr. ^aDe" da Silva, sahio eleilo pelo partido le-
gitimisla, por Barcellos, e diz-c que a sua candi-
datura loi coodiciooal, e que lie elle quem vai le-
vantar este debate.
Ora, o juramento poltico he s regulamentar,
e como tal pode osla disposicao ser alterada por
urna decisao das corles.
Os beraes eslo descontentes, e querem atlri-
bur ao governo a culpa de se iragitar este assump-
to. Na melhor opinio, o governo nao podia evi-
tar que mais urde ou mais cedo as cousas chegas-
sem a este ponto.
A discussao deve ser muito inleressantc. Os
realistas, de proposito, para entrar nella, elegeram
deputado o visconde de Canellas, conspicuo juris-
consulto, e queapezar de ter perlo de 100 annos,
amia conserva todo o seu vigor intellectual.
Corre tambem, que os depu'.ados realistas con-
vencionaram jurar por osla vez sem exemplo para
entraren) na cmara, o por consequencia, n'uma
queslao tao vital para o seu partido.como he esla ;
veremos o que se realisa.
Foi nomeado chefe de diviso da armada o ba-
rao de Roboredo, posto que doixra vago o conse-
Iheiro Jo5o de Fontes Pereira de Mello.
FC-\ DOS PBLICOS.
Praea do Lisboa em 15.
regularidade, os dias de partida, que devoro ter
lugar urna vez por mez.
L.
lanos .fazeros como (em ofi'cal, que quer dar rupia
limpa de li,
CoGtla-no, que fura multado nm liileqaineiro
na ra do Roaario, pelo nimio .sseiu em que trazia a
aoa casa. Nlnguem tabeoqua come, c que laet os
adultos em .ligninas dems casas! Que cales I que
cafes com leite !
Ha ura liolequim, ou cafe,que deve ser vizila-
do pelo seu interior depon de 2 horas : o caf de-
pnis de feilo em machinas de fulli.i, i|ue So lampas
de semana em tamaa, vio deManca em deposilos
da mesmi follia, que l.lu limpoi sa> como escarradei-
raa de plhvsicus ; estes vasos permanecen) em cima
de una hauquinia lebosa, onde se depudlam e
limpa m so os candieinis. encliem se de azeile etc.,
de sorle que azeile e c-f, leile e aeile, caudieiros
eleileiras. leiloiras e almnlnlias veui ser urna, e a
mema cunsa naquelle holciiuim ; na eulrelanlo.
que os freguezes vilo rhucliaado esses laxantes eom
nome de caf Anda contra
lasco-holequins.
A pulirla deve oslar muito vigilante, porquan-
lo os lailres eslao em campu, sera a suarda avan-
tada dos galanh ilus.ou viriam com a chuva ? sejam o
que Tor, siio males nao menos lerriveis que a febre
amarella e o cholera, o cerlo he que elles leem rou-
badouns Iressiliosdo Hospicio, deixando no muro
de um dos dilos silius nina eieada.
Na noilc de lerri-feira, que muito clioveu, os
ladrespreteuderarn entrar na casa du Sr. Jlo I.uiz
na rus da Santa Cruz, fazenda esforcos para arran-
car a auloira da parla : he de notar qoe a roa da
Sania Cruz, he milito publica, e que o sobrado do
Sr. Jlo I.uiz nao fies louge da ribeira, onde existe
urna guarda, e seminella ; hemoita audacia !
Tomo-la de viole, e magra, pois uestes dias ja
e eom fanlidade se podem' verificar as (randas o an- 8/v!ve,"?l(l0 a dl"oi"' pala"'1 a. carne "rde> e
.,n......... .i....-i ooze qoando j esla corrupta ; assim estilo realisan-
do nnssas previses: assim inasnio, visto que os guar-
RECIFE 21 DEDEZEMBRO DE 1856
AS 6 HORAS DA TARDE.
u RETBOSPEKTO SEHAYU.
Ale o inumeniu em que escrevemos estas linlias.
nada se ah .icerc do ultimo dislrictu cleiloral dcs-
la provincia.
Ainda quando o novo processo eleiloral olo pro-
porrioiasae nutras vaiilacens, todava pernitUo que
a t-u ic.ii secundaria ao menos entre n*, fo.se urna
re,ilidade. Qurr livessem cuncorrido lodos n< etei-
Inre de um ciiculo dado, quer live-e comparecido
smenle urna parle, he certu que o esulladn foi lr-
Kitiinameuie obtidoj islo be, os eleitores rieram lislai
conteudo nomes daquelles, em quem qmze'ram vu-
lar.e os sallrauos forain apurados escrupulosamenle.
>;lo -iconleceij, como em oulros lempos, em que
un* iiillucucia local de accordo com alguns eleilo-
r<*s calenlava em sua casa o numero dus votos, e os
dtslnhui. ou ti e o- seus afilhadoi. -
O vicio das duplcalas que oulr'ora era 13o corn-
niom, desl* vez desopparecen, pelo menos nos 12
circuios, cujo resultado ja he condecido ; embora
seuielhanle escndalo se des.e em alsuraas provin-
cias, rom tudo uao foi Com o excesivo luto com
que se praticava sob o autillo syslem, ecom elTeilo
a possibilidade desta pralica lie hoje menos fcil,
porque os limiles da volacAa s3o baslanle estreilos,
continuaremos sobro taes
niillar ulna cleicjlo.
V se ana comedn
e e;iccrrou-se nesta cidide
por duas solemnidades na Facoldade de Direilo. No I '"' "" 'a <"-*'"* evem esperar, passiar,
dia 15 o Sr. Aprisio Just.maoo da Silva Guimaraes eo,,ver'dn^ ',"1""- tabaquear, o .
defendeu these. para receber n grio de doulor, e foi' v ~,fcn,rari"" "> d Porto
approvado ; a 20, dia marcado pela coiirenac3o em I 1S i LfwJ." ,* ,eg"i'" Pa5sa"
le muitos couvidados, e depuis de havtr i
a jIIociic.Vi anloga, lhe foi conferido o uei0
gci'os :Joaquim Jos da Silva, Francisco Boaveo-
da Lu Loamirn, Antonio da .Molla e Silva,
lardo Gomes, Antonio Feroandes da Kocha,
preseoca de
recitado urna
Somos os primeiros a exigir lodo o rigor oaa pro- I l^l^S^ Taixeira, Manoel do Mesqoita Cardol
vas das habilacoes escolares, mas de.ejaramos que !**! ",?,!Jaqu"n er,ra ^^'.Auna dos San-
a iraparcialidade e justira mprepresidisse.n aos c- l^.\ u.m' """^ m?nr- ,J,'"C ^ Masso. Jos da
los de..., nalnraaa. A cad.ira do aminando he 1'"'?? um "' .d- Minoel Lo.z Ce Carvalho,
cheia de espinhos e amarguras, e se o laminador AD,onA *St JnCde P,,na-
quizer, fcilmente lh- noderi torrar a serle fatal.: ~"" ar'nrasiieiro Imperatriz, saludo para
Mullas vezes a tvrannia que o lente eerce do alto ,P""S d1 n0r,e- ConI'1VIIOs P*aaciros seguinles:
j-----j.: __.i. ur. Jos l.ourenco Mcira de Vasconcellos. sua se-
nhor.i, I menor e I eseravo, r. Abdon Felinlo Mi-
anexe I mana, Amonio Bernardo dos Santos Ju-
da cadeir.i, proli.burlo que o examinando desenvolva
com liberdnde a materia, que pretende provar, ac
ulri-o, e a mais bella iulelligencia de ordinariu lie i
abaixo da mediocridade. Aulm couvm que o
minando lenha loda a possibilidade de inos
abaixo da mediocr.dade. A-sim couvm que o al h',"'; J" Aul!U slrar n Josl Jodau"n de Souza, llenrique Jo-e \ leira e
sirai o ., r..___ *. ..
lodos sao dolados de um lgica severa, era do Jora
da sintbese, e p menlo s se manifesla em loda a saa lucidez, no
discursos oraes, depois de minia- evolUQes. A qua-
lidade de eiamiuande n3o lhe tira o re*pt-ilo at-
lencio. que se deve a lodos os hom?tis, pelo contra-
rio, parece que era laca casos se devem exagerar es-
tes scnliraeiitos ds civilidade, a que lodos temos di-
reito em qualquer circumstaacia em qoe nos acida-
mos. Tambem enlendeinoi que o regulameoto inter-
no da Faculdude deve ser reformado na parle qoe
se refere ao lempo para defeza de dieses ; pois qoe
n3o he pnssivei que ama quesillo, cojo dcsenvolvi-
menlo exige volumes, pos*a ser tratado em meia ho-
ra. Por exemplo, a quest3o sociedade moderna, que pode ser considerada idb
diversos pomos de vista, marcada at hoja com o ca-
rcter da controversia, d3o poleria ser tratada den-
tro de 13o curio prazo pelo economista man habili-
tado dos nussus lempu. ; e ueste caso, como se lla-
vera um principame que apenas pode dispor do cur-
io periodo de meia hora ? lia-lina, Proudon, Thiers,
Chevalier, etc. nao seriam capazes de desenvolver
senielliame problema ueste prato. S o charlatanis-
mo e a ignorancia le.-iam semelhante preleocSo.
Desde odia 15 qa lera chuvido uesla cidade, co-
mo na quadra mais rigorosa do invern, e po.to que
esla circunstancia lenha interrnmpilo moagem
dos engenhos, cora (udo as novas plaas anda u3o
soffreram o menor mal ; pelo contrario os agricul-
tores, por esle fado, eslan bstanle satisfeitos, e es-
peran) urna colheita magnifica para o anno futuro,
se a establo for regalar. Entretanto a Providencia
lem sido benigoa, pois qoe nao obstante estes excep-
cionaes das de invern, com lodo o lempo lem per-
mitlido o exercicio das lransacce< ordinarias da vi-
da. Se he verdadeira a renla popular, de que os
12 dias que so seguem, depois du dia de Sania l.u-
zia, symbolisam os 12 mezes do anuo, o de 1837 se-
ra' bastante frtil e creador, e os agricultores nada
podero allegar contra a estaco.
As noticias do norte sob a relacao politica s3o a-
lisfalorias, mas, quanto a salubridade, o interior
do II iranliaii ainda luta com as cmaras de sangue,
e nu Kio Grande do Norte, segundo as ultimo uo-
licias,d'ahi recebidas. se lem dado varios casos do
cholera-niorbus, lauto na capital como no interior.
O paquete do sol n.l; Irouxe novidade alguina im-
porlanle, que possa serreproduzida. Enlrarain ues-
te porto duas vapores transatlnticos, n uTunno e o
Pedro V, o primeiro viudo de Genova e o segundo
de Portugal. As noticias polticas (randas por am-
bos, a excepto da eleicHo do presidente da Cu!3o
Americana, sao inteiramenle destituidas de inlerrs-
se. O Pedro X aunoncia um novo terrino a va-
por por oruacompaiihia Hamburgu-ltrasileira, euju
primeiro vapor, que se denomina Teulhooia, de-
vera' sabir de Soulhamplun a 2i de dezerabro cor-
rente. He mais um passo dadu na senda do progres-
so para estrellar ainda mais as rear;es.eolre o ve-
Iho e o novo mundo.
No dia-19 leve lugar o ponto n'aala, dirigido se-
gando o methodo Caslilho, pelo Sr. Francisco de
I- rcitas Gamboa, e o resaltado pralico apreseiilado
pelos discpulos do apostelo incansavel da inslrurc,3o
primaria entre nos, he digno dos maiores loavores.
i .ri.mra- de lema idade com ara anno de pralica,
eguodo esle systema admiravel.de amor e atlrac3o,
declararam perfeilameole varios episodios du poema
pico de Cames, resulveram clculos da arilhinelica
desde os nmeros iuteiros al proporces, analysa-
ram pbrases lgica e grammalicalmen(e, responde-
rn! a (odas as pergunlas acerca dos myslerios da re-
ligio, e ludo islo pralicaram com (al rapidez, que
sorprender.n a torios os espectadores. He am
argumento irrespondivel as duvidas e molejos qne
se possarn fazer contra o -> -tenia do illaslre ceg, e
urna prnva evidente de que as luspira^oes do pro-
gressu devem ser acatadas, e nunca menosprezadas
P'la oti.linar lo t relina dos incrdulo* de eras pas-
-a la-. A perseveranca, dedicando e intelligencia do
Sr. Gamboajiao respondido cabalmente aos sarcas-
mos e incredulidade dos homens do passado, e sAo
um titulo que lhe deve crangear as sympalhias e
considerarlo de lodos os homens lio progresso.
O vapor de rebuque (em condooado as suas ope-
races com felicida'le,e a espectaliva publica se acha
plenamente salisfeila, abeiicoando os patriticos es-
torbos dos individuos que proporcioiurara esle gran-
de melhorameuluao nosso commercio.#Todo a gen-
te se ha de lembrar de que o vapor o Mrquez de
Olinda i) naufragou ao norte da provincia na distan-
cia de I.) leguas pouco mais ou menos de-la cidade.
O casco e mais objectos perlenccntes ao mesmo na-
vio foram arrematados em leilAo, e embora algumas
parles fossem trazi las para aqu, cointudu o caco
n.lo pode ler o mesmo deslino, e os novos propieta-
rios ja tintura perdido as esperanzas de aproveilaro
casco.
Eulrelanlo a visla da facilida'de que proporciona
o Camaragibe n liveram a inspirac3o de divi lir
o casco em doas parles, e desCarle Iraze-lo a rebo-
que para este poni. Com elleilo, no dia 20, o Ca-
maragibe enlroa no mosqueiro, arraslando a pos si
urna parle do Mrquez de Olinda e era breve
ira condozir a oulra.
Em a noile de 20, o estado maior da guarda na-
cional dssle municipio nbsequioo o respectivo chefe
com ama brilhanle partida oo sitio do Caineiro, a
qual esleve bstanle animada e concorrida.
At hoje n3o se tem repruduzido os caos de chole-
ra morbus, que liveram logar na semana passada, e
as noticias chegadas do interior da provincia sob a
retaclo da salubridade publica, sao bastante sali>fa-
lorias.
Morlalidade do dia li a 2() de dezembro. IS ho-
mens, i mulheres e IS prvulos livres: 2 liomens, I
mulher e I prvulo, escravos ; total i i.
... a i escravo, 1 .
criminoso, 2 praeas, e o soldado Jo3o Vicente Fer-
rtira da Silva.
* Al amanhaa.
VILLA DBIGUARA9BU'.
1!l de dezembro.
l'.u, que me ufano de ser lillio da primognita de
Hilarle Coelho, nao posso deiiar de congradular-me
cora Vine, por ver, que este lugar vai ler om repre-
sentante no parlamento oacooal, que lembre suas
mais palpitantes necessidadc.,que pune por seus direi-
tos ; e alegro-rae por ver qoe a eleir;ao para depu-
tado por esle circulo recahio em urna pessoa de reco-
nhecido mrito. Tres insigne! Irla.lores se arremes-
saram na pre bres e brilhaaies divisas estampadas em seus bro-
quel. Os juizes de campo varillavam acerca de quem
sena o escolhido para receber o premio : um ex-
perimeniado nos iraqoejoa da puliiica, oulro rico de
intelligencia e uobres seutimentos, e o terceiro bem
que novel no cmbale, em que se empeuhava, offe-
recendo cora ludo provas de dedica;3o e bons dese-
jos. Se rendida fui a patoja enlre os Ires gaerreiros,
nao menos renhidl e calorosa fui a diicuss3o enlre os
juizes. Duas vezes pur suas mos circularam as es-
pheras para o escrutinio, e afinal oi dada a deci<3o
que para a experiencia de umsysleroa novo era pre-
nso um hornera novo, os votos deram a victoria ao
l)r. Silvino Gavaleanli de Albuquerque, em quem
lodos confiara. .Nao manos digna de aeeilaeSo foi a e-
eleiQao do Dr.Ablio Jos lavares da Silva, para sup
pente,que j he conhecidu como magistrado, e como
poltico.
A liba de Ilamarac leve a distincla honra de
receber a vizila do Exm. Sr. consclheiro presidente
da provincia, sua famiilia e muilas pessoas distinclas
ilo Kecife.Segondo me ioformam,foi ama perfeila fes-
la campreslre, onde a liberdadc de mos dadas com
a elegancia dansaram ao sum do instrumeiilo de Pan,
cujas vozes se confundiam com as do instrumento do
re David ; mas nisto se nolnva o aecurdo da gran-
deza com simplicidade pastoril. Nao devo esquecer
dizer-lhe, que essa vizila lieara registrada nos aunaei
da illia, como um gran le aconlerimenlo, que foi per-
turbar o silencio e soreg da Ierra, onde se passaram
raudos aclos ruramemorados na nossa historia. O
entntala olo eaqoaea dizer,que Deesa fesla apre-
senlou-se o gelo secco, al entilo desconliecido, cujas
qoahdades excedem as du moldado, porque conser-
va-s por mus lempo, e nao queima -Ir rindo.
Por fallar na lita, devo dizer-lhe tambem, que o
joiz de paz daquelle luaar Leandro Jos Durnellas
esl lomando ua vara bem pesada ao povo ; e como
n3o ha recurso de suas decisoes al 50)000, que he
muilo para a pobre gente, s o Sr. r. juiz de direi-
lo pode fazer alguraa cousa em baneficio dos flagel-
ladas.
Para aproveilar o portador deixo de massa-los
por mais lempo.
Saudee felicidades lhe desejo sinceramente.
( Carla particular.
REPARTIQAO DA FOIalCIA.
Secrelaria da polica de Pernambuco 20 de de-
zembro de 1856.
Illra. e Exm. Sr,Levo ao conhecmenlo de V.
fcxc. qne das diOerenles par hci paees hoje recebidas
nes(a reparli;3o, consla qua se deram asseguioles
ocrurrenciis :
Fnram presos : pela subdelegada di rrgoezia do
Recife, Benedicto Antonio da Silva, Manuel Anto-
nio Domingues, por desordem, e o marojo inglez Ja-
mes Jarlon, a requisito do respectivo consu'.
Pela subdelegada da freguezia de Sanio Antonio,
Manoel do Nasrimeolo, e Amonio Ferreira da Co-
nha, ambos para averignacOea em crime de furlo.
E requiic3o do depositario geral o preto escra-
vo Pedro.
eos guarde a V. Exc. lllm. e Eim. Sr. con-
selheiro Sergio leixeira de Macedo. presidente da
provinciachele depolicia.Dr. PoMcarpo Lope/
de /.eno.
PGlN4 AVULSA.
IE2 -J ISUA;E
assentamento 44 ||24-4 hi.
41 l|i
24 3|425 t|4
:>0o3.")08?
2409S4S9
478j4?93
Coupons
Porjugal
diario bt Wtvwzmbuto.
Ocemiterio publico desta cidade recebeu liontem,
no seu eterno silencio, os restos moriaes de um va-
tio immaculado, que, lendo abnegado o mundo,
viva para o co.
O reverendissimo padre Joaoda Silva Lobo,
natural da cidade de Braga, no reino de Portugal,
onde receben ordem de presbitero, retirou-se pa-
ra o Brasil, logo depois da extinecao das ordens re-
liogisas, veio residir era Pernambuco, que adoplou
como patria docoracao e da intelligencia, e sempre
deu provas ovidenles d'araor para com a ierra
em que residi por muitos annos.
Sendo nomeado por S. Exc. Rvm." vice- rcilor
do seminario episcopal de Olinda, ahi servio alguns
annos, o depois pedio e obteve demisskdo cargo,
conservando sempre a estima a considerarlo do
Exm. Prelado.
Passou algum lempo em um engenho, onde foi
summamente eslimado, e como a vida do claustro
era o mais ardenledesejo que lhe preocr-upava o es-
pirito, terolheu-se ao hospicio de Nossa Senhora
da Penda, onde residi por espaco de doze annos,
ajudando com a maior dedicado' os Hvms. Capu-
chinhos no cumprimonlo dos seus deveres sagrados,
e vivendo, como elles, a vida de morlificaroes e
ausleridade que ahi so pralica, sempre .:ora a maior
candura e abnegacao de si proprio.
Ha cousa de tres semanas, eomeeotl aenir al-
terado emsua saude, mas nunca abandonou o seu
=f
Apezar desta medida, d o. luurnal res DebaL,
julgam aluumas gazelas que ha ainda probabilidades
de um desenlace favoravel. .
O jornal belga Nord, futidadn em am despacho
lelegraphico de Londres, diz qne o rei de Nap.dei,
hoje que a partida das doas legajos o lornou livre
de loda e qualquer influencia eMram;eira, vai pro-
clamar med tas que bao de obler a appruvacaj (..-
ral. O que pode dar algnma consistencia esle-
bnalos lie que n principo Carina anda nao aahio de
Londres, e que o marquez Anloonie n3o salur.i
de Pars por ora. a
lima caria de .aples, dirigida em dala de :1 do
mez passado ao diarlo allemAo de Francfort, diz o
segu-nle acerca das intaneVea do rei :
o A llOdeoulubro o re presidio a urna aeilo do
couselho de minislios, em segoida i qual o coronel
Goerra foi manda'lo a Boma com urna i.....ai par-
ticular para o papa. Julgase que esla mis-ao lem
relacao com as represenlacoes feilas pelu papa para
que o rei faga concesses as potencias occidentae..
O coronel Guerra deve eslar de volla em Gael no
dia K.
roado a respeitoda gituacao actual, e da miluencia i chinismo dos Sis. liennie e Filtras de Londres.da
diplomtica, a que se pode attribuir a parte prin- forca de 150 cavallos.
cipal ncsia revolucio de palacio. Outra correspon-
dencia, que encontramos era um jornal da manha,
continua os parmenores que nos devemos e com-
plela-os sobro ura ponto bastante importante.
o Diz ella que os ministros do Sultio e os em-
bajadores das potencias signatarias do tratado de
Paris, depois de unie breve discussao, se eulcnde-
ram sobre as bases do lirman relativo a convocarlo
dos Divansdos principados, do Danubio.
O projecto do governo. de que nos demos co-
nliecimento, foi modilicado em alguns pontos, mas
as mudanzas versam so sobre o modo de romposigo
dos Divans.
Assim, segundo a correspondencia menciona-
da, haver um s Divn para as tres classes de boy-
ardos, que votarao juntos, conforme o modo se-
Espera-se que o rei conceder alguns perdn, guido al agora para a eleicao dos hospodares ; o
zstttSziiSLEu zmsrzz: rrdiK rep-rT,ames do clcro sera augmen-
le d um diplmala: ilad0 na peoporcao das suas riquezas terrttoriaes, e a
Quando um rei eslt no seu direilo, n.lo deve classedos camponezes seni tambem representada e
nunca ceder ameacas injustas, mas tambera lem admitlida a volar nos Divans.
Cada dia nos convencemos mai--, que devemos
ler ama casa. senSo com muilos commodo, pelo | ministerio ; e no sabbado, 20 do corrente, denois
menos com mais do que os que ha no graude hoooi- I do mu m; A_____.._. '
tal, onde sejam recolludos os alienados.
fera corra pelas ras da Boa-Vista um alienado, li-
dio de nin artista, qoe havia podido Iludir a vigilan-
cia dos de saa casa, fe precipilara-se na ra. Se hoa-
vesse ama casi prupria, esse pobre humera pur cerlo
que nao passuia pelas fadigas qoe pa.sou, correado
Naaexa' *eM,.ttr a missa do cstume, sentou-se 'na c
dura do confessionario, onde se conservou al 10
horas.
Eolio, experimoniando grandes coniracroos no
peno, recolheu-se celia. Dentro en po'uco fi-
\ por rento
Dividida deferida
Acyoes do Banco
Notas do Banco de Lisoa
Torio
.Metal sonante. I
P. S. Annunciou a cunpanliia de vapores___
Hainburgu-Brasileira, urna nova carrtira de va-
pores para o Brasil, pelos .'$ barcos a vapor.
Teutonis, a hlice de 2,200 toneladas, forca
de 400 cavallos.
I'etropolis.o mesma lotacao e forra, e oulro
barco em conslrucrjao, que deve ser da mesma for-
ca e li.ttono.
Sahiro de Hamburgo, fazendo escala por Sou-
thampton, Lisboa, Pernambuco, Babia e Rio de
Janeiro, c vollaian locando nos inesmos prtese
tambem por Cabo \ erde.
A viagem ser pelo vapor Teutonia. que
de\-aliirdeSnuibaniplou no .lia :> i di* dezembro
prximo fiiiiin,.
A u terspo serio findos pela companbiaeom
que nao i'ssina peas la.ngas que pa.sou, correndo j 7. ------- ^v.... o u |iuco n-
aps um loucu carpuleulo, e de furias hercleas, c0" Pr,vad0 a falla, e apezar dos esforcos da me-
sera haver quem o ajudasse. Conheceraos algamas' dicina, expirou depois de receber os ltimos soc-
ramilin. qoe infelizmente leem era snas esas prs- corros da religio, na idade de -19 annjs
snas a tenadas, mas que por u3o termos um asvlu i- u"*'" omus.
propriado.passara os raaiores su-los.e dsgoM,^ issil .I)(,C;! ". all8Vel P3ra Com odos. leve sempre tima
veis com enfermo de lal genero no centro da fami- Nlaa re,lSl0Sa c exemplar, e a sua morlo deixa pa-
lia : temos esperanca. que em breve eessar um tal netrados dedor tojos quanlos o conheceram.
O co receben urna alma pura, e a religio per-
rimer
Pelo vapor D.Vcro II que, sibbado 211: chegara
du Porto, recebemos as cartas dos
inconveniente.
O Sr. fiscal de S. .Vnlunio raarcou um nram i
de i:, a 20 dia, a todos os labernci.u-, pira Ciar deu um dos stm mals ^'edtdos ornnmenios.
c piular os seas eslobelecimcntos, e bem assim o.
aeangaes, alguns dos qaaei erara perfeilas casas de
onlojos.
Tambera nos consta
Alguns Mohore se queixsm, segundo temos
envido, que n..... sempre podem preencli.r bem ai
.as obnincfiea m......,,,,,-, ptqoa falla-Ibes .. i.
po, qua emprniain .:..... ., rolle......* munieipal : bao
duvidam.w qne iim e,a, e i..io cer.., deararasoado
que semelhante misler fosse dado a quem no livessa

Otllovemos de Inglaterra e Franca, tendo man-
dad,, retirar da corle de Nadles os seus respeciivos
''""''",a.....'" caham de enviar Agori oa paiaanor-
tes aoambaixadore* napolitano! em l'ris e l.on-
dree, cobo acontece quando lia inlerruprju na, re-
laraes diplninalic.i-.
obrigar^ao de prestar seria at(enc3o aoa cou-elhosq.ie
lhe d i .. sera atacar a sua dignidade e os seus direi-
los iuviolaveis. .
Assegora-se que o governo napoiilano quer dar
om grande desenvolvimiento aos trabadlos pnblicoa.
Falla-se tambem em ora decreto a declarar aples
porto franco.
Eis aqu agora quaes s3o as in(eiie,es da Inglater-
ra.segando urna carta escrita de Vienna d'Austria a
Correspondencia lavas:
Corre aqui ha dias a noticia de que o
governo inglez communi^ou, realmente ao
nosso a sua inten<3o de fazer operar um
desembarque sobre algum ponto favoravel
das costas da .Sicilia, e de oceupar depois
militarmente diferentes localidades at a
soluco definitiva da questSo napoliana.
A i ealisaco desto projecto seria grave
as actuaes circunistancias. Foi concebida
pela Inglaterra no ullimo seculo, e a suo
execuijao seria sem contradiegao muito po-
pular neste paiz.
USO tcnlio por certo necesstdade do in-
sistir sobre o alcance deste projecto. Assim
na Franga, como na Austria ha de compre-
hender-so o immenso elTeito que deveria
produzir este acontecimento em todos os
estados ta pennsula italiana.
A Inglaterra, acrescenla-se, trata de
justificar os seus projectos de oceupacao mi-
lilar na Sicilia pela occupaco prolongada
de Moma pelas tropas francezas, e das lega-
coes romanas pelos Austracos. Mas toda a
Europa sabe, que as tropas de Franca e da
Austria nao est3o era Roma e as legaces
seniio por convite expresso do soberano
pontifico, ao passo que na Sicilia n3o pode-
rla efFectuar-se um desembarque senito con-
tra ^ vontado do rei das Unas Sicilius. Este
tacto nao poderia pois interpretai-se seno
como um acto de viva fonja ejercitado so-
bre um paiz em violaco dos direilos legti-
mos de um soberano estrangeiro.
-< .N3o seria inverosimil que a recente sa-
bida das nossas tropas das legagoes romanas
fosse ordenada para tirar a Itiglaleara todo
e qualqner pretexto de levar por dianle o
seu projecto de oceupar Palermo e alguns
oulros punios sobre a costa da Sicilia, o
augmento successivo das naos de guerra in-
glezas.no Mediterrneo insp:ra,|he Torca con-
fessa-lo, serias inquietaces sobre os pro-
jectos do gabinete de Londres, projectos so-
bre os quaes nilo podemos lardar a ser com-
pletamente edificados, e que actualmente
nos cumprazemos em considerar como exa-
gerados pelo rumor publico.
Imh considera era pengo a allianca anglu-
iraneosa, se as dill'sreucas eurupeas actuis irlo se
reculara antes da abertura do parlamento, eulre-
lanlo o Murning-Pott, declara-se aulorisado a as-
segurar que nunca essa allianca foi lio intima co-
mo agora.
Pela uossa parte parece-nos tambem quo nunca
tanta intimidarte se dera-entre a Franca e a Kussia
como presentemente.
Eis aqui como refere o Mnnileur a recepcao do
condo kisseler, embaixador russo, pelo imperador
Napoleao III : F
Sua Exc. o conde Kisselefl teve a honra de
ser recibido pelo imperador em audiencia publica, e
de lhe entregar as credenciaes que o acreditam jun-
to de S. M. I. na qualidade de embaixador extra-
ordinario e ministro plenipotenciario de sua mages-
tadoo imperador de todas as Russias.
O imperador estaba rodeado dos officiaes d:
coroa, da casa de S. M.
S. Exc. o ministro dos negocise dos do servico
assistio a audiencia.
_S. Exc. o embaixador dirigi ao imperador o
seguinte discurso:
" Senhor.
O imperador, meu augusto amo, nomeando -
me seu embaixador junio de V. M. I., encarregou-
me de dedicar todos os meus cuidados em cultiva-
as relacoes de amsade que unem as dous impe-
rios.
o Julgar-me-hei feliz se, no especo da rhinha
carrira, poder contribuir a cimentar entre a Franca
ea Piussia esla unio.que assegura paz geral urna
das garantas mais duraveis.
Em nome do meu augusto soberano, tenho a
honra de apresentar a V. M. I k credenciaes de
que estou munido, e espero que el* se dignara ac-
colher com benevolencia a homenagem de meu pro-
fundo respeito.
O imperador respondeu :
Senhor conde.
Desde que o tratado da paz foi assignado, uve
por constante preoecupajo, sem diminuir as mi-
nhas antigsallan;as,miiigarporbonsprocedimentos
tudo tudo o quo a restricta execucao de certas con-
diccijes podia ter de rigoroso. Soube com prazer
que o meu embaixador em S. Petersburgo. anima-
do destes senlimentos, souba conciliar a benevolen-
cia do imperador Alexandre.
Espera-vos aqui o mesmo accolhimento, n.o
duvideis disso, porque, independentemenie do vosso
mrito pessoal, representaes um soberana que lo
nobremenie impor silencio s tristes lembran^as que
deixa quasi sempre a guerra, para nao pensar se-
nao as vantagens de urna paz cimentada pelas re-
toos de amisade.
S. Exc. o conde Ilissoled e as pessoas da sua
embaixada foram conduzidas ao palacio das Tulhe-
ras por um mesire e um ajudante de ceremonias,
as carruagens da corte, e conduzido ao palacio da
embaixada com o mesmo ceremonial.
No grao ducado de Luxemburgo rebentou um
conllicto enlre as cmaras e o rei da Hollanda, como
grao-duque de Luxemburgo.
O discurso pronunciado pelo principe Henri-
que ao abrir a legislatura, annunciava modificases
na constituicao do paiz,pan po-la em harmona com o
rgimen da confederacao germnica. Esses pro-
jectos enconlraram viva opposico na cmara dos
depulados, a qual, por 31 votes contra 15, appro-
vou o projecto da resposta ao discurso da coroa,
em que se deixava entrever em termos bastante ex-
plcitos o desgosto com que te va o annuticio da mo-
dificaco constitucional, o quando a coramissao da
cmara lhe apresentou a resposta ao discurso da
coroa. o principe lheentregou urna replica escripia
em termos duros, a qual foi commuoicada textual-
mente a cmara dizendo que eu protestava for-
malmente contra o iheor insidioso desta resposta,
porque jamis a C3sa d'Orange tratou de supprimir
as liberdades dos povos que governa, nem submel-
te-los a um rgimen contrario a seus costumes c ao
seu grao de civilisaco. Foi approvada na cmara
por 27 votos contra 12 a proposla'seguinle :
o A cmara, considerando que da replica i'eila
por S. A. R. mensagem resolvida que os mem-
bros do governo reponsaveis induziram ao erro a
eoroa sobre as suas ntencoes e sobre os senlimen-
tos monarchicos que inspirou a voiaco eminida so-
bre a mensagem, declara que o governo nao lera a
sua confianea.
A eamara addiou as sessoes at 19 de oulubro
prximo, emquanto a coroa nao accorde o quejtil-
guo conveniente. A replica foi escripia pelo mes-
mo principo.
O re do llanover acaba de dissolver as suas c-
maras legislativas. He a segunda medida desta ua-
lurcza, a que o guverno hanoveriauo se vi: obrigado
a reconer hacerlo lempo a esla parle, alim de acabar
com o conflicto que existe entre a cora e a
enlacio nacional pur causa da le fundamental! ()
leilores eslarflo lembrados de que depois de nma
dissolucilo pronunciada lias memas circomsiancias,
os elalloraa lornaram a eleger a mesma maioria.
Sera o resulladu dcla nova tentativa mais fa-
voravel B0 goveroa do que o foi o na primeira ?
Os leilores virara as informadles que os nossos
mrrespondentes de Cooslantinopla nos iraosmitti-1 nos do Recife"
am acere, da ultima criso ministerial jesia. infor- l Esle vapor, construido pe|os Sb ,.aird 4 c.
V3:-ase,ncomplelss,no detraen-de Liverpool, ^ra do 1000 toneladas de lote, 2?(i
Nu mez de unho o casco e machinismo foi ven-
dido em leil.au, e comprado por varias pessoas ds-
ta cidade, lendo nesla compra parle o Sr. Furness,
empiciteiro da estrada de ferrodo Recife a S, Fran-
cisco.
Primeramente ten tarara os compradores recobrar
o maahunsmo que era novo, e de grande valor,
Urna porcao consideravel delle foi irazida a este
porto ; mas urna falta de unidada entre os socios,
quanto aos meios de recobrar o dito vapor levou o
casco e o mechanismo segundo veza praca, ne-ta
occasiao o todo foi comprado para oSr. Furness,
pelo seu agente nco paiz o Sr. John Havliss
C- E. J
Com a determinarlo que he notavel nos seus
patricios elle recoraessou os seuslrabalhos &6, e
sua perseveraba, energa, e coragein, pode-se at-
tribuir o feliz exilo que agora recordamos.
Ouvimos dizer que o Sr. Bayliss esl proceden-
do, (e com toda a esperanca de feliz successo) ao
aboiar e salvar oulra parte do dito vapor.
Em Justina companhia do novo vapor de re-
boque devemos nolar que, esta chegada podia ler se
demorado muilo ainda, seniio fosse a maneira es-
pirituosa com que a companhia pelo seu agento o
Sr. Sivift, adoptou a lembranca de irazer o vapor
ao Recife em dous pedac5s por meio do vapor
de reboque.
A primeira parte ja nos vemos no porto e com
muda satisfacao saudaremos a chegada da oulra.
COMSULAOO PKOVIMCIaU.
Randiineulo do da 1 a 10 flriirmin-ir
d.m do da 90 ...... "SSSfiiS
C6;(S06j)Tu(i
PRACA lio RECIFE, 30 DE DEZEMBRO UF
1856, AS 3 HUKAS DA TARDE.
(eiista semanal.
Canil,,,,,----------os ..que. do que deve 5er porla-
dori vapor que se espera do lt,oe
segu pora Soulampiun teri .-
vuli.das. Comerou-se a .accar a T
M a prazo o 28 a di.,|,e,I0, e ll0
fim da .emana lornou-se firme a
*. e hoje fallou-s. em JH >{ <\
;o auoo .obre Lonlres.-sLe
l ans accou-se de340 a :i| res
P fr-, sobre IJsboae Porto a H.i
o d. JJne,ro a -2 por cent,, de
Assucar .
-t^^>^.
@^<4i..f?>.
rltACA DO RECIFE 20 DE DEZEMBRO AS
3 HORAS DA TARDE.
CotacOes olticiaes.
Cambio sobre Londres28 d. 60 d|v.
Cambio sobre a Bahaao par.
freierico ItoMliard, presidente
P. Borgtt, secretario.
CAMBIOS.
Sobre Londres, 28 a 28 l|4 d. por I*.
< Pars, 340 a 341 rs. por fr.
Lisboa, 95 por % de premio.
i. Rio de Janeiro, 2 por 0|n de descont.
Aeefei do Banco, 40 a 45 do premio.
,i companhia de Beberbe 549000.
" rr companhia Peruumbucana ao par.
' Ulilidade Publica, 30 pur anulo do premio,
a rr Indemnisadora. 52 i.lem.
n d eslrada de ferro 20 por 0|f}de premio.
Diseonto de leltras, de 8 a 10.
Dilo do banco8 a 10.
Ouro.Oucas hespanholas. ,
Moeda de 69100 vellia
n 69400 novas
a 49000. .
Prata.Patacn, brasileiros. .
Pesos columoarios. .
' mexicanos. ,
289 288500
. 1119000
. IHKXHJ
. tloOO
. 20000
. 29000
19860
Al.I ANDEt.A.
Reodimeotcdo dia 1 a 19. .
Idam do dia 20......
391:7319520
l 107:8lKij908
Detcarregam hoje 22 de dezembro.
Brigue inglez.Nen EdIrilhos.
Brigue incleiRacerdem.
Brigue inglezFriemanmereadorias.
Patacho oldemburguezPfielfarinha de trigo.
Brigue brasileiroMarianuapipas de violto.
Sumaca brasileira NJova Minerva fumo a cha-
rutos.
Polaca sardaMariavicho e fruclas.
IIV1PORTAQ.VO
Brigoe brasileiro aMriannau vindo do Rio de Ja*
neiro, cuusignado a 1 anoel Ignacio da Oliveira,
mabifeslou o seguinte :
4 caixuie- fio de por ele; a J. F. Prente Viauna.
30 casas moscatel ; a C. A. Sadr de Mello.
5 pipa, vinho ; a Jo; o Pinto Rrgis de Souza.
50 pipas e 125 voluaies abatidos ; a Manuel Ig-
nacio de Oliveira.
20 rolos fumo, 5 bi n
a Maia & Irmao.
1 rau > chapeos a ;
3 ditos ditos ; a A.
I dito ditos ; a A. I
ni barr, polassa. 20
a Chrisliaoi & Irmas,
de Abreu.
Pereira de Mello i\ C.
ditos luucinho, 100 ditos ba-
nha, 480 ditus abatido 80 dilus e 18 pipas vinho,
267 saceos caf, 120 r
maoifeitou o seguinte
I caia. cassa ; a J.
rris louciuho, 1 dilo hanli.i
los fumo, 36 caitas velas, 28
cassueiras de jacaram 35 caita, mereadorias, 3
caises e 80 latas cha, calile, charutos, 2 rebollos
de pedra, 11 ealioot e apeos ; a ordem.
Sumaca nacional 'Nova Minerva vinda da Bahi.
mes Ryder.
tem i
opinio ,ue antecipadamenia haramos for-1 pes de romprmenio, 30 pos de largo
a A Porta deu a sua approvac/io a estas modifi-
cases, e esl se trabalhando na redacao de um
firman definitivo.
ir O almirante l.yons c M. Bulwer loram conde-
corado" com o Mpji iie. A oomaafio de Reschid Pa-
cha' fui recebidifcom profunda salisfac;ao ; espera-
se que elle conseguiro' aplainar asdifticullades, Res-
chid Pacha' rulo lie de molo algum hostil a'Franca,
O Sulto annuncioa ao novo grao visira sua nomea-
cilu era termos d'oma rara benevolencia.
O Sullilo, dolorosamenle commovido com os
desastres de Canda, mandou remelter soccorros de
teda a especie. Foi enviado a Cindia om vapor com
varios nbjeclos.
>< O Jornal de Constaniinopla felicite Reschid Pa-
cha pela sua rolla ao poder.
A iPresae rTOrianla espera que Aali Pacha" po-
llera voltar ao ministerio, afim de augmeolar as ter-
cas do partido das reformas.
o Lord RedchlT entregou ao Sallo a ordem da
Jarrete,ra e pronuncioo ara ditcur.o. E'la ceremo-
nia fui fei(a com a mesma pompa que a recepeo do
imperador Napoleao em Londres.
O SolUo entregou um Sabr ornado de bri-
Ihanles ao almirante l.vous, em testemonho da sua
alNraecIo.
Esia-.e esludando o caminho de ferro de Varna
a Kiitschock.
c Augmentara os assassinalos em Constaniinopla.
o O novo Iribunai misto condemnou a morle uns
salteadores a I bine/e-: as suas caberas foram eipostas.
O esercilo da Servia foi elevado a trinla mil
homens.
Dizem de S. Petersburgo, em 3 do oulubro o
seguinte a Correspondance Havas ;
O imperador informa-se peridicamente dis
producges litterarias. Por isso mandou expres-
sar a sua benevolencia a varios sacios, entra oulros
ao professor Leoutzoil. de Moscov:. Redactor das
Propyleas, revista que traa das antiguidades clas-
sicas, e ao consclheiro Sirajef, professor da uni-
versidade de S. Petersburgo, por urna obra intitu-
lada : a Theoria da provao. M. Le Play, de Paris,
autor da obra Os Operarios europeos, foi conde-
corado com a ordem de S. Wladimiro da terceira
classe, e o professsor Phebus de Gresse, recebeu a
ordem de Santa Auna da terceira classe pela sua o-
bra Trtalo da simplificado dos medicamen-
tos.
^ O grao-duque Constantino obelve auiorisa-
cao para applicar a esquadra do mar Negro os me.
Ihoramcntos introducidos na esquadra do Bltico,
sem sor especialmente aulorisado pelo imperador
para cada melhoramenlo particular.
biblioiheca imperial nomeou correspondentes
honorarios M. Dulaurier, professor da escola das
linguas orientaes vivas em Paris ; Seebade biblio-
thecario mor em Wiesbaden, (Nassau) e Widmann ;
conservador da biblioiheca de Munich.
A Ilespaulia eslava luciendo com os horrores dn
fome, a popabeao irapl rava a misericordia divina
por meio de preces pun|,ca< que liveram sua origen,
era urna caria do ministro da grac-a e da jostira.
Eis o que publica a aile respeito o Diario II"'-
pinliol :
As preces publicas que por efleilo da grande
secca que e experimenta em algamas provincias co-
mecaram em loda llespanlia, liveram soa origem
i.'um.i caria qoe o ministro da graja e ostica diri-
uio aos prelados he.panhne', caria na qual se mani-
fesla n maior fe na Providencia e o mais vivo desejo
de qne o clero saia de sua natural apalhia para in-
culcar ro povo os mais puros principios religiosas.
rr Bem sei, diz o Sr. Seija., que quando o sacerdo-
cio enconlra tibia a f e al difundida a iocleduli-
dade, recala-se de suas funcces, e escusa-se dar -
lmenlo em desprezu do iropio. l'urem tambem he
misler que con-idere que se abandona o corral, as
oyelhas se eslraviam, que afroosam os eierccios de
piedade, augmenta o iudifferemismo, mais perigoso
quic qoe as errnea, crencas. No meu sentir, he
mislerucoslumar o povo a que as suas aillie'irs deve
primeiro que (u'do fazer a. suas preces a Dos, e
veja qoe o sacerdocio implora a sua misericordia,
eiercendo a mais nobro missao do seo sanio minis-
terio, e no bastam no meu entender, qoe a. rogati-
vas se verifiqaem d. modo que o povo apenas per-
ceba que se fazem. Cunvem dar-lhe. publicidade e
solemnidade;queassisla olmaiornumero de cleropos-
sivei; que concorramas autoridadese o municipio;
que se convide as pessoas nolaveis da lucalidado ;
que aquelles que por.ua posicAo pos.am dar exem-
plo, otdeera, e que se va' lomenlaiido o espirito re-
ligioso, po* desjraca baslanle decahido.
A infanlaUmalia qoe ltimamente casara com o
principe Adalberto de Baviera acha-se doente de
cama e s.u estado causa em Munich grande .ensa-
ca o,
O peridico cima citado diz o seguiote acerca do
(ratameulu que ella tem recebido ou seio de aoa no-
va familia.
ii O principe Adalberto, que adora a saa esposa,
nao se aparta um momento della, segundo escrevem
ao Conceller. O rei, pai, lamben) passa multa, hora,
ao lado de n soa querida filha qua e como Iha cha-
na ; e finalmente, a infama era objeclo dos mais
temos cuidados por parte da rainha, do rei da Gre-
cia e da gran duqueza da llarm.ia.lt. Ainda que
a nus'a formnsa cumpalriola esteja ausente de sua
familia, cocontroo em Munich outra cheia de ter-
nura e amanle solicilude. No dia 2 havia cabido
ama forle nevada em Munich.
As noticias da ludia checam a 17 de oulubro.
O 77ffirs Iranscreve da G.zella de Bombaim as
segoi iles observac. feilas pelo Observador do
Puonali acerca da expedir,',., peraa :
Em consequencia de instrucc,cs recabidas de
Bombav pelo telegrapho elctrico honlem 16, publi-
coU-se de repente ordem para a part la immediala
da primeira companhia do primeiro liaUlli.lo de ar-
lilharia europea, e da reserva que ehegaram antro
dia de Ahmednoggor, o era viriude dista ordem el-
las parliram de Poooah esla manlnla muilo cedo era
Iii,-i .r, a presidencia, para se reuiiirem a torra que
marcha para o golfo prsico. A companhia, que
leva com sigo ama balera liseira de campanil,,, cons-
te de tlili homens o 250 cavallos, a he commanda-
da pelo cap l hi Halch.
e O esquadrflo de cavallaria irregular de Poonah
enraman lado pete major Tapp, parlia' de Seroor
no dia 18 do crreme. O major Tapp ja' recebeu
para esle fim ordem positiva.
O de Rifles, coramandado pelo coronel llon-
ner, tem ordem de partir de Poonah para a presi-
dencia no sabhadu de mauhaa. Irflo de (Jarapotee
alea presidencia pelo caminho de ferro.
Duas companhiasdesapadures p n tirara de Poo-
nah no sabbedo.c arlilheria montada do rpita,,
Blake sahira* denois de amanhaa. Os primeir irao
do Campolee al llombay pelo caminho de ferro ; e
a senunda marchara' at Oolwa, ah embarcara'.
A razo desta diileienea he porque os einpregados
do caminho de ferro naoeallo preparados para trans-
portar pecas e munices de guerra.
As ordens para esles ruovimenlos foram passa-
da. honlem as 1(1 horas da uoite, inmediatamente
depois de recebidas as insIruccOes peto lelegraphu
elctrico,
As tropas que vio reunir-sea expedicao, este-
vam ha dias compteldineule equipa tas, e promplas
para marchar ao primeiro aviso. O-' soldados esta
muilo animados alegres com a campauha que
tem a fazer.
rr Chegoo-nos noticia de que a forja que ha de
ser mandada contra a Persia ,i da presidencia de
Bombay sera' elevada de 5 000 a 15,000 homens.
Corre que as ord.ns para esles movimentos de
(ropas foram pa-sadas em viriude de iualrncces re-
cete la de lord Canning pete (clegraphn eleclricto
pelo governude Boinbaj, e que o eoverno da India
recebera as ultimas insirurefies das autoridades da
mai patria para a sabida da espedicao. Parece (ara
bem que o despacho que conlinha a declarado de
guerra conlra a l'ersia, fura mandado por via do
nosso rn.baixadnr em Conslanlinopla. He para ad-
mirar que nao fossem mandadas ao governo de
Bombay copias destes despachos, ao meuos romo l'H. 100 dil.s passas, ', saceos amendoas' t "hiaVrto!
um .imples arlo de corlezia. ,, : Hi pipas e 2 meias ditas aceite de canapVlo 17u
sacc-s railho, I caldo espanadores, 102 .ateas feijao"
Bustou, barca americana aCambiidueu, de ti l0-
nalailas, eoodoii. u segoinle : t,0)O Saccu5"com
-tl.tHHl anchas de a.sucar, I caisa palito*.
Lisboa, barca porlugueza llurlencaa, de 599 |0
nelada, conduzi.1 o seauinle: ,IK)7 saceos e 1
barricas coiri2ll.ll,7 arrobas e 17 libra* de assucar
i atoo de Camaragibe, hiato brasileiro Santa I u-
7.a, CMdoaia o seguiote : 81 volme* geue'ros
estrangeiro. o-"a.
Liverpool pela Parahiba, barca ingleza olloalina
( loud. ,ic ,M (oneladas, con luzio o legointe : _
1,800 -arcos com 'J.UOO arrobas de assucar.
1 ara eCeara, patacho brasileiro Auna, de 181
toneladas, conduzo o seguinte : II volumes ae-
neroa estrangeiros, 10 ditos ditos uaciunaes.
KEt;EKEUOItlA HE RUNDAS INTKRNAS V,V
KAES HE PERNAMBI'CO,
Kendimanlo dodia 1 a II).
dem do dia 20.....
1 oixla cartas de |o ar ; a Burle O Souza.
1 caia meias ; a II Bruno.
2 quartolas lirio flor intioo, 8 pacoles fumo moido
a Mearon & C.
i cascos aeile de palma ; a Manoel !*-j|da Coste.
1 eaiviite miudezas ; a Albino Jos da Silva.
400 caiiinhas charutos ; a Gunnarae- Si Valente.
1 i ditas ditos ; a Isaac Curio.
2 saceos colla ; a (jhristani & Irmao.
100 caiiinhas charuto. ; a S. Barroca A C.
1 Cala* opio o plrJlas ; a B. Francisco de Sooza.
16 caia. evilhas ; ichafleillio.
8 saceos colla ; a I rander Brindis.
i duzias de loros di jacarando, 30 fardos fumo, I
caiiole, 1 feia assuc ir, 68 saceos caf, 18 ditos ta-
pioca, 5 barricas fari iha, 1 dila 1 caiiJo teosa, 500
qiiariinbas, 1.3 canas ras baloques, i fardos fiu de
purrete, i,.Vi caiiin las charutos ; a ordem.
Vapor uacioaai P rana vindo do Norte, consig-
nado i agencia, man fe.lou o segoiole :
95 rolos salsa ; a M aifins (t Pinte.
2 sinos e 1 roda de brome ; a Antonio de Almel-
da Gomes.
2 pacole ignora-se ; a H. Bruoo c5i C.
1 embrulho dilo ; a Manoel Ignacio de Oliveira.
1 caia dilo ; aos Fiadcs da Peni,.,.
I caiiete dilo ; a L-tevn Jos do Reg.
74 rolos salsa ; a l'homaz de Paria.
E-cuna Sueca -Apotema,, vinda de Slocklon, con-
signada a Sol Wilanii, manfestoo o seguiote :
160 toneladas de carvAo de pedra ; a ao. consig-
natario..
Pslacho nacional Sania Crozo viodo do Mar -
Ido, consignado a C. da Cosa Moreira, manifesloo
o .eguinle :
:10 barris banha ; 1 rodede de ferro quebrado, l
pedaro de roda de ferro ; ignora-se.
150 sacco. arroz : a Novaes \ C.
87 dilus feijao ; a Domingos Alves Matttens.
'iO ditos arroz, 200 paueiros tapioca, 35 rolos fu-
mo ; a ordem.
CONSULADO KRAL.
Rendimanto do da 1 a 19 74:7073111
dem do dia 20....... 5.782j>ill
80:4893522
Bl VERSAS
Reudimenlo do dia 1 a
(dem do dit 20. ,
PROVINCIAS.
19 ... .
4:6838956
301*444
4:9853400
nesta semaua u
i:'?" '">'""" antecedete!
de | oorr m"laria 30 melho;
7 "*'-W0 saceos, purm a. -r.n
Mise Ifor ->', fbut ^7... 'MC IC|U-
Ven, e ''"''"l fu,aal 'egala.es.
1 a-t-si ii i -do L"Do de
!d. *?._ Amanea 3**33100,
ijiou .ijloO. America 3 a 3>t(Ki
Algod.1o----------Enlram 748
Aleve
e-mpoucori.0^^
se ama partid, de 120 ..ce*. I
superior qualte.d, a tS! '
arroba no di. 16, mLSZ&J"
WHO dos regalare..
Couros--------------Fueraro-se algoma. venda, a pra-
cooccollo.oqnefK.apor,,.^
penor ao. allimos de 310 e 31> r,
por libra. "
Bacallnio-----------Chegaram tres carregamaotos, dos
quae. om seguio para a B.hia e
dous foram vendidos a preco oc-
cullo. Relalhou-se de llsal'-s
por barrica, (cando em ser 7 QUj
barricas.
Carne secca- Apenas licaram hoje am ser cerca
de 900 arrobas do Rio Graode
(endo-se veudido de 33200 j
idaT Pr 8fr0ba COnfurnia 1"a-
l'arinha de Irigo- Tivemos tresc.rreg.meate,, de um
?'*.,?u?" ."nenie se vendern.
1,000 barricas, e com elles o d.-
posiio sabio a 12.000 barricas.
Relalboo-se de 20 a 243 por bar-
rica da Am.iicana e 26a pela de
Deiconlo i/' ,e Pr"neira qualidade e SSSI'.
ueiconto---------Rebateram-.e letra. dea9 1|->
Freles- Poreentoaoai.no.
>ao con.u se etracloasse frau-
mente,
(ocar.m no porte : 5 vapores e 4 navios de din
"^agtezas";8"^,1 h"P||ol. 1 -on.od.at
%tSZM*g?* i I. Pona!
Mot>iwcntc do Dorio.
;,PD,.POd,o,U|aanu:.1'- Pedr *> ^ J^
TEST de ^ZiL** '" hMpanhola
Loa., de 137 lonelad.s, capilio Joo Millet
equipagem 10. e.r vinhos a Ar.oaga St Brv.n
Perteoca. Barcellona. Segaio p.r* UlaTll
upiro.
^^iTS f? brig.ae inlei R.n*vala, da
o2looeladas, capiiaoJohn LeSueur, equip.gem
^2? cdy4.u e ??pa,a estr"d f'"c
a ordem. Pertence a Jarsev '
Terara,,NOr'e,'^).n.a', """ n,?l" William Tho
mas, de 239 toneladas, capitao W.lliam Palfrev
equ.pagem lo. carga 3,068 barricas cem bacalh.c,'
ni i.. V<,C"" lahUo* no metnio dia.
Pli.ladelphia-Barca americana CE.Ta,. eani-
llo N\ libara T. Clark, carga 8UCHr. a>"' a("
i. WhT' 'D8 <'IIercnles"- .mndame
Em comraissacBrigne de guerra brasileiro Cea-
zira\cirr*ate .2-S-
Santos pelo assu' e Rio de Jan.iroHiate brasileir,.
IXtuT: 0,e,,", l0",a"jM A,w "'.
Par.*IreiP0rcommteTedOS~V"por brasilei' Ipa-
CimTr.aatrbO.rCaaP,U0-le0enl,: An'"'
Aatrtos entrados no dia n\
"r^Vi^?5. P0,ac* P -Esperan.
nai'em 11 l0Dela4dca!: C'Pllil0 1tia>* Abril, eqoi-
- .C'rga *&&"&" hP.nhola,q da
Richmnd 1 7"" ,rmalM- Ter,en" B.reeloo.'
ce de r^on'a.',HP,"Ch0 """"i""" Commer-
ce,de 1,1 toneladas, caplao Homphrey W Sea-
bory, eqoip,geiD 9, arg. 1,576 b.rrioa7eom f.ri-
cltll'g e"aiS g,D"os: Uen'y Porst.ro,
Companhia. Perlence a Bedford.
xaciot sahidos no mesmo dia.
Rio Grande do Norte-Lancha brasilair. Feliz das
2.nd,.U'.meSlre Bero,rdo ,0 d Coala, carga fa-
HbLteraDerrf- P,rir*. **
ll.n.d2a .'. Jo,9"n de Paada,
l 155*!? Mool"'o. Manoel Piolo de Car-
Etirtiusr**oHveira- m--"-
^e'F.8.^ h'I'6 brMIer S" LH. mes-
5.1- S,be,r.0' .C,r'" n'^lhao e m.i, gene-
tS&tttS^Li" "*"J*
K,p.dr,v,r0 Pe'a Bal,,a V,Dor P<""goez .
lr a m. con"Dau carga a mesma que trooie. '
Bostn-Barca americana Cambridge, capitao S-
irio.l Sparrnw carga assucar. Passaieiros, Hen-
KoTcoZ '!, '" vh' """,0" M- Cu,hm.n
?;h., J V,apor de l",e"a b"1lero Bebe-
S,b.teseXm.?rrn,e0l--,enen,eL-d"d
*r|^J2f*i Esperanca, mostr Ma
noel Jos da Rocha, carga bac.lho e mai. g.ne-
iLV& ui0Ml Jos dos Raie .
Liverpool pe. Pa.ahiba-Barca ingleza Floatin
Clood, capiao R. W. Twis,, em lastro. 8
"*
GbiUt*.
DESPACHOS DE EXPORTACAO PlA MESA
1)0 CONSULADO DESTA CIDADE NO DIA
20 DE DEZE.MBKO DE 1856.
Lisboa Brigoe porloguez cTarujo 1, 8 pi
mel.
LisboaBarca porlugueza Maria Janota, 250 sac-
co as.ucar branco c masravado.
Rio da PralaBarca hespauhola Rosa, 20 caicos
agurdenle.
Buenos-A\ resPolaea sarda Celestina, 250 bar-
ricas assuc.r branco.
Lisboa Patacho porluguez Brilhanle., 200 sac-
eos assucar branco.
RolherdamEscuna hollaudeza X.epbvr, 10,000
ponas de boi.
GibrallarBarca ingleza Kalkman., 500 saceos
--uar branco.
LisboaBarca porlugueza Maria Jos,,, 11 caicos
mel, 600 saceos assucar.
PhiladelphiaBarca americana Menisola, 1,700
saceos assucar.
Gibrallar Barca ingleza Aune Scoll, 1,570 sac-
eos assucar.
LisboaB.rea portagueza l.igeira, 8 .aias assu-
car, 18 barris mel.
Exportaran.
Rio Grande, lancha brasileira Feliz das Ondas,
conduzo o seguinte : I caia rap, 8 saces caf
1 ruin e 1 Tardo, lumn, 6 argolas de ferro, 2 lacea*
arroz, 10 canas sab.io, 1 dita pirlos, 24 dilas doce de
guiaba, iJ dilas charuloi, 1 raolhos de albons, 1 bar
ril agurdenle do reino, 3 barricas genebra, i di(a<
licor, calas buladla, 1 quarlola agurdeme, I
cauao chapeos.
Baha, patacho brasileiro "Esperanca, de 103 lo-
neladas, condiizii. o l.gnint. : loo barns vinho.
t, 1]"?.S''C'"'0'.M """ ,e;-". 5 canas pa-
onttttmt tca^a.
VAPOR MRQUEZ DE OLINDA
Enlre as noticias martimas da semana temos de
i nctar sob o titulo de navios chegados motada
repre- dc um val,or- Lsta chegada singular da-nos um e-
xemplo do queso pode completar, com delermina-
can e perseveranca.
Lembrado estera o leitor que em man;o ullimo.o
vapor Mrquez do Olinda,,. foi naufragado na
sua primeira viagem 5o norle, no lugar chamado
Carne de Vacca. 49 milhas pouco mais ou me-
ta, com ma-
17:7.io:i;-,-,
1:793456

19:5240111
0 cidadao Manoel Ferreira Accioly, jaiz de paz
do quarto anno desta freguazia de San Jos do
Keeife em virtude da lei etc.
Faco saber aos que a frsente carta virem em
como Antonio Francisco Hartins de Miranda, me
enderessou a pelicao por escripto do theor seguin-
lllm. Sr. juiz de paz da freguezia de San Jos.
7 a !!00 Francisco Marlios de Miranda.qoe
,rr:ia8nR0drg0 GM/e Basto, quantia
de 16S9640 re.s de gneros que tomar na taberna
do st.ppl.eai.ie em 18 de dezembro de 1854
como consu pela conta junta e nao havendo o sop-
phcado satisfeito referida quantia e achando-sa
ausente em luga, nao sabido : requer o supplican.
tea V. &. se digne admitti-lo a jusliucar o esplen-
dido para que provado seja elle cilado por caria de
edilos afim do comparecer na audiencia por
\.S. marcada para a conciliacao com a pena de re-
veha passando o respectivo escrivao certido do re-
sultado por tanto pede a Y.S. se sirva defirir mar-
cando d,a e l,ora.-E R. MAntonio Fraucisco
Hartins de Miranda.
E mais se nao conlinha em dita petico que
me sendo apresenlada, dei o despacho seguinte :
.tusiifique. Freguezia de San Jos do Recife 15
de dezembro de 1856.Accioly.
E mais se nao coutinha em dito despacho aqui
copiado. Em viriude do qual produzio o suppli-
cantesuastestfmunhasc subindo-me os autos con-
clusos dei a semenca do theor seguinte ;
Julgo por semenca o deduzido na pcli-
caoi de follias a folhas c mando do que se passe car-
ta de cditos na forma requerida com o prazo de 30
dias_, pagas pelo justificante as cusas. Freguezia
da San .los do llecifp 19 de dezembro de 1856.
Manoel Ferreira Accioly.
E mais se nao se conlinha em dita semenca a-
qui copiada por forca da qual o escrivao que esta
escreveu passon a presente carta de edites com o
prazo de 30,dias pela qual e seu theor se chama,
cita e hei por citado ao supplicado ausente Rodri-
go Ooncalves Bastos por todo o conlheudo do res-
pectivo cima transcripto ; para que compareca por
stou por sen bastante pro:urador a I audiencia
desie juizo que lera lugar depois de lindo o diio
prazo por se conciliar com o supplicanto a respeilo,
cora .. pona de revelia.
Pelo que toda e qualquer pessoa, paran tes amigos
ou .ronneridos do supplicado o podero fazer sci-
enie do que anma fica exposto, o porleirodo juizo


QIMII II HBUBICO S GUMA FURA 22 II ZiMMO DE II
afinar a publicar a prsenle nos lucres do coslu-
meeser publica Jo pela imprensa. "
Dado e passado nesla freguezia do San Jos do
Becifc aos 19 de dezembro de 1856.F.u Jos
Gon^alvesde S, escri ,io o esrrevi. Manoel Fer-
rara Aecioly.
/
A malas que lem da condaiir o patacho brasi-
leiro Aunan, cora destino as provincias do Cear e
Para, fecham-se boje (-22' ao meio da.
O chefe da primeira seccao do consulado
provincial, servindo de administrador, em virlude
do disposto no art. 3 do regulameoto de 3 deju-
lhodal852, faz publico que se acharo deposita-
dos, no deposito geral dous escravos, Antonio, na,
cao Cassange, idade de 35 a 40 annos, Clorindo,
naeao Congo, idade de 40 a 45 annos, com urna
beliJa no olho esquerdo aprehendidos pela polica,
os quaes sao considerados hens de evento, por se
desconher seus donos, e para qne seja cumprido o
que conlemo sobredito art. manda publicar pela
imprensa, para que no prazo de 60 das comprela
quem aos ditos escravos tonha direilo, findos os
quaes se proceder a arrematado pela forma deter-
minada no art. 4 do citado regulamento.
B para que chegue a noticia de todos mandei
pasear o presente edital, aos 12 de uovembro de
1856.
Tbeodoro Machado Freir Pereira da Silva.
REPART1CAU' DA VACCLNA. @
(ja. O commissario vaccinador po- ($
( vincial, reconhecendo que muitas ^
$ pessoas deixain, de comparecer a $
testa repartirao era consecuencia t
dalongitude do lugar, avisa ao ta
0 respeitavel publico que tem re- (i;
Ssolvido a vaccinar tambem as f&
tercas feiras de toda as semanas, -g&
ua casa de sita residencia, conti- ,;';.
nuando a repartirao a funecionar g
Qp no torreaoda alfandega nasquin- fifi
| tas e domingos: assim, as pessoas $s
M que sequizerem vaccinar as ter- ,;'_-
tff ras feiras, podem dirigir-se das j
(g tete as nove horas da manhaa, ao -;'j
!. andar do sobrado da ra Nova M*
esquinada do Sol n. 60.Dr. Joao f&
Nepomuceno Das Fcrnandes s
*$$$ ^*-::v ::::;: ;ii
Pela recebedoria de rendas inlaruas, se fai
publico que he oeste correule mez, que se fiada o
praio do pagamente des impoilos seguioles, sem
malta, perleiieeules'iio pnmeiru semestre do exerc-
ciu do 1856-1857, a saber: rauda dos proprios na-
eiouaes, foros de terreos de marinha, decima ad-
dicioual de mo mora, imposto sobre lojn, dito
especial sobre casas de movis, roupas, etc. Fabrica-
dos em pan eslrangeiro, dito sobre barcos do inle-
rior a laia dos escravos, depois do que (ero de pa-
ga-Ios com a molla de 3 por ceuto em favor dos co-
bradores.
Kecebedoria de l'ernamhuco 9 de dezembro de
1836.O administrador, Manoel Cirneiro de Souza
La cerda.
Pela recebedoria de rendas internas geraes se
tai publico, que no correte mez se Duda o prazo do
pagamento dos imposto do eiercicio de 18551856,
a sabor : Ronda dos proprios naciouaes, foros de
terreuosde manaba, decima addicional de mo mor-
a, imposto sobre lojas, casas de descomo, etc., dito
sobre casas de movis, roupas, etc., fabricados em
pan estraogeiro, dito sobre cascos do iolerior, e tai-
xa dos escravos. Dado o qual os devedorea terio de
paga-Ios judicialmente. Kecebedoria de Peruam-
baco 3 da dezembro de 1856.O admioislrador,
Manuel Carneiro de Souza Lacerda.
MAKANHAO' E PARA'.
i
Segu nestes oito dias o palliabote na-
cional <(Lindo Paquete, capitao Jos
Pinto Nunes, pode ainda receber algnmu
carga, faltando- Ihcum terco de sea Car-
regamentopara ajuste : tratarse com An?
tonio de Almeida Gomes, na rna do Tra-
piche n. 16, segundo andar.
PARA O RIO l)E JANEIRO.
A barca naeloual aThereza lo ja conhecida pela
iii-i forte conslrocc,ao e ligeira marcha, icgoira' para
o Rio de Janeiro dentro de poneos dias, por in
prompla maior parte da a carga: qoem quizer car-
regar dirija-se a ra da Cadea Velba o. 12, escrip-
lono de Bailar $ Oliveira.
Companhia
Peroambucana.
Os senhnres que sobscreverarn novas .croes des-
ta eompauhia e que aluda nao eotraram com a pri-
meira prestarlo de 30 por cenlo, sao convidados a
salisfazer, uo. escriptorio do Sr. Aotooio Mar-
ques de Amorim, ra da Croz n. 45. Recite 16 de
dezembro de 1856Manoel Alvts Gaerra, secreta-
rio interino.
Para o Porto segu com a possivel brevldade
a barca portugueza Santa Croz, quem nella qui-
zer earregar ou ir de passagem, para o que lem en-
cellantes eoraroodos : dirija-se aos consignatarios
Tliomaz d'Aquino 1-onieea & Vilhos ua ra do Vi-
gario o. 19.
inazem, na ra do Collegio n. 15, de to-
dos os objectos existentes oo mesmo, con-
sislimlo em objectos de marcineiria novos
e usados, pianos, varios objtjijtos de ouro
e brilhante, relogios de divenas qualida-
des, quinquilharias francezas, vidros li-
nos e loura para servico le mesa, ricos
candelabros de bron/.e. Linternas de vi-
dro, candieiros inglezei, e urna infinida-
de de outros inultos artigos que lora im-
possivel enumerar, os quaes se acharuo
e\poslos no referido urmazem, e se en-
tregarao sem limite, bem como diversos
escravos moros de arabos os sexos, todos
com habilidades: terca-feira 23 do coi-
rente, a's 11 horas da manhaa.
Leilo.
O agente Pesiana far leilo em seu armazem na
ra da Cadeia do Recite n. 55 de grande porcao
de obras de marcineiria novas e usadas, ditas de
ouro como sejam, relogios de algibeira, allioetes
de diamenies, boies ditos.anneis, colheres de sopa
e cb, candelabros de brome, e de vidro, urna lin-
da cadeira de earregar senhoras, grande porco [de
pedras marmore quadradas, e redondas, porco de
cachimbos de louca, porco de caixas de velas de
carnauba, ricos pianos de Jacaranda e rauitos ou-
tros objactos que seria impossivel enumera-los, e
que se acharo patentes ao exame dos compradores ;
segunda-feira 22 do corrate as 11 horas da ma-
nnha.
DEPOSITO DE L1YR0S E BOTICAS HOMEOPTICAS*
:*x7raji
2>Sk 5>0 &t
DO
rua~
5o
O Ur.P. A. Lobo Moscoso.teiulo de fazer urna viagem deixa a sua botica soba
direccSo de pessoa habilitada e de inleia probidade, e un deposito na loiti de livrosdo Sr
Manoel Nogueira de Souza na rus do Crespo, sobrado novo do Sr. Magalhacs Bastos
fungos FIXOS.
Botica de 12 tubosgrandes. ,
Dita de 2* .,
Dita de 36
Dita de 48
Dita de 60 .
Manual uc medicina homeopalhica do Dr. Jahr com o dic-
cionario dos termos de medicina
Medicina domestica doDr. Ilenry.
Tralamento do cholera morbus .
Uepertorio do Dr. Mello Moraes.
10/000
153000
203000
259000
30S000
20.-000
10/000
1100
IIOOH
SfottoS Cuerdos-
i
Espera-se dos porto*. do sal o vapor frfncez
I. A\ t.M K, n qoal depois da darnora necessaria se-
guir para Marselha : para qualqoer inforrojeio,
em casa de N. O. Bieber & C, ra da Cruz a.
Para Lisboa.
O patacho porlugutr. Brilhante, capit.io An-
tonio Brat Pereira, sahira" com toda a brevidade per
, ter a Matar parle da carga prompla ; para o resto da
mesma Ma-aa com o dilo na praca, oo com o con-
anatanu I oiuiiiosJo^ rtrreira Goimarnes.na ra
do Oueimado n. 35.
l'ara Lisboa legue com brevidade, por ter par-
le da carga engajada, o brigue portuguez Eurico,
cap.lao Luciano Alvo. (.oucei(;ao ; para o reato delta
e naana-atraa, para o que etTeraee bons commodos.
Iraldi-se com aa cnsigumatios Amorim Irmaos, na
ra da Cruz. n. :|. '
Para Lisboa ,,,,. com brevidade por ter a
maior parte da carga prIUp|,,,, muito veleira barca
portuguez. ,.Jo.a ; p. rl0 da J^
cassaseiro., para o que (l-m n. melliore e aceiadoi
ESSRvm? *,CU5 co"sinal"''s-
COMPANHIA PEKNaMBICANa.
O vapor Iguarass e-pera-se ueste porto dos do
M a c odia i, do crreme ; uhira' para s do uor-
l.anles do l.m do mez, recebera' carga c ra=sa-
ftaicK.
Melquades Antunei d Almeida fat leilo,
por intermedio do agente (Jorja (ieral.le* de ina re-
liuaria sita na ra da Cmcordia o. i, 'cousisliodo
em laixoa grandes, canes proprios para depo.ito de
as.ocar, engeuho para aaoer osso, rnoinho grande de
pedr. para aze-lo em po, ionio pnra qoeim.r ossns,
r..rma para os entornar, dilas p.ra porgar o assorar
rom o Cimpetenlc* furos para ai receber. e ealTM
objectos mats perlencentes a dita refinaria. |Ddo se
vender em um s lote, ou em separado, conforme
engirein os pretens : segunda-eira, do cr-
rante, as II horas da inauhAa, na referida casa.
Le i la o.
O agente Borja l'ara' leilo, em seu ar-
Remedio para ti-
rar a caspa.
Na ra estreila do Rosario, ioja de barbeiro n. 2,
est szposto a veoda este excelleote remedio que
limpa a caspa e mala as empiuges, qoe qoasi sempre
s3o motivadas pela mesma. Tambem se vende a ver-
dadeira agua para lingir o cabello, todo islo por
moito barato pra^o.
Miicliin ts para sarjar ven-
tosas.
Na roa estreila do Uosariu o. 2, Ioja de barbeiro,
vendem-sc muito superiores machinas de sarjar ven.
losas por muito barato prec,o.
Aluga-se urna prela que cozinha, engomma e
ensaboa : quem a pretender dirija-se a ra Direita
n. 6.
Desappareceu do abaixo assignado
no dia 50 de outubro prximo passado, o
escravo Luiz, crioulo, com idade de 25
annos, tem os signaes seguintes: alto,
grosso, pouca barba, dentes cangulos,
talla atrapalhada, tem urna cicatriz em
um qnarto encostado ao quadril, este es-
cravo desappareceu da villa deGaranhuns
onde foi comprado ao collector Manoel
de Carvalho Furtado, levou vestido ca-
misa e ceroula de algodao, chapeo de
couro, suppoe-se estar acoitado para as
partes de Santa Bita, distante da mesma
villa cinco leguas.
Bernardo Barbo/.a da Silva.
Desappareceu no dia 24 de novem-
bro prximo passado, do engenho Sete
Hamos, o escravo Antonio, mulato, idade
de 24 annos.com os signaes seguintes: al-
tura e grossura regular, lem falta de deii-
tes na frente, queixadas grossas, nariz
curto e arregacado, pouca barba, peinas
regulares, ps pequeos, foi comprado
na referida villa a Francisco Antonio de
Mello, e suppoe-se ter fugido para as par-
tes de Jacuipe, onde foi preso em dias de
setembro deste corrente anno: roga-se a
todo;, os ra pitaes decampo ou qualquet
pessoa particular que o pegar, leva-lo ao
engenho Sete Bamos, que seta' generosa-
mente recompensado.
HU .MIVDE DO SEMIIII. lilil
JESS DAS PORTAS.
A mesa regedora da irmandade doSe-
nhor Bom-Jesus das Portas, erecta na
igreja da Madre de Dos, convida a todos
os seus irmaos, para comparecer-un no
dia 25 do crtente, pelas 4 horas da tar-
de, no consistorio da mesma irmandade,
atm de se proceder a eleicao da nova
mesa, que tem de reger a mesma irman-
dade.
Lotera do Rio
de Janeiro.
lloje esperamos o vapor inglez TYNE.
conductor das listas da lotera 15- do
theatro de San-Pedro de Alcntara, cujas
rodas deveriam andar no dia 12 do cor-
rente; anda restam a'venda alguns b-
lhetes desta lotera, na Ioja da prara da
Independencia n. 0: os premios serao
pagos na mesma Ioja, logo que se tenha
feito a distribuirao das referidas listas, de
conformidade com os nossos annuncios.
Lotera da pro-
vincia.
PruieiiM parte da stima
lotera (U matriz da
Boa-Vista.
Sortes vendidas pelo a
baixo assignado
2052 2:000.-,- bilhete pleito.
2893 OOOf 2 meios.
1592 100 2 ditos.
2605 100,s 2 ditos.
599* lOO.s bilhele inteiro.
515 50.S' bilhete inteiro.
2142 50s dem.
2+89 504 2 mei<>s-
2505 50.v 2 ditos.
074 50s 2 ((liarlos.
?Sao pagos os premio-
no escriptorio da rna da
Cadeia n. 50, ou na prnqn
da Independencia n. 40.
/'. -i Liipnc.
;;Ja fabrica de velas
da na do firuio, precisa-
se de nina lavadeira.
M adama llosa Hardy,
roa Nova n 34.
Acaba re receber do Parra um lindo sorlimenlo de
chapeos de reda para senhoras, brinco, ro relio, ditos para viovas. lindos chapeozmho. rara
meninas, de seda e de ralba, dutaoainhw de baoli-
sado, penles de larlaruaa modernos, capellas e mau-
las para noiva. c mnilH uulras aiendas nue se ven-
dem mais barato (|uc em qualquer ootra parle.
- Quem tiver adiad., orna, carias eml.rnlha.ia,
em um lenco branco. viudas do centro para diiTcren-
les pessoa. nesla praca, pode dirigir-fa ao Fi.rle do
Malina, prensa de lose (.arlos de Sooia l.obo 4[ C
i|oe spra' racompensailo.
I'ierisa se lomar a quanlia de rs. 1:000 premio de nm por rento ao mes, pelo lempo que se
convencin ar, e da-se garanta a contento com pro-
pnedade neMa pra.a ; a quem convier Sonancia
para sir procurado.
Precisa-se aloijar para urna casa eslranceira,
um moleque ou mnleca que saia i ra, de idade" mala
ou menos, l oo 16 anuos, e p.sa-se bem : na roa
do \ igario o. >, primeiro aodar.
1
Claudino Bezerra Cavalcanti, retiraudo-se para
a Paralaba sem se liaver despedido de (odas as pes-
soas que o honraram com sua amizade, comnietleu
com i-io urna falla bastantemente sensivel; porcm
toda iuvoluDlaria em cooseqoencia da sorpresa de
sua viagem, a por isso esperando ser dettulpado se
prevalece da presente occa.iao para sinceramente
certificar-Ibes que eslarao sem|.re em sua plena dis-
posicaoos tenues servijos de que o julgarem cipai ;'
se poisisto algum dia o lizerem, dar Ine-hao a maior
saii'fai.-.v., o mais excessivo prazer.
Precisase de urna casa terrea ou em Sanio An- aDail assignados, com Ioja de ourives na ra
Ionio ou na Boa-Vista: quem tiver para alugar an- t-'ouga 11- 11, confronte ao paleo U matriz e ra
nuncie por esle jornal. I Ijva, fazem publico, que atUo reoebendo continua-
Novaei oj Passos, do Hio de Janeiro, lazem ; ',a,nenle as mais novas obras d ooro, tanto para
publico, que pessoa alguma faja negocia cora os her- "uor como para homeni e meninos : ns nrecos
l*
PEORAS PRECIOSAS- W
i jfc

g Aderemos de brilhanles, B
ar diamntese parolas,pul- *
* ceiras, alfinetes, brincos i*
* e rozetas, l.oloes e anneis *
dedilTerenlesgoslosede
diversas pedras de valor, -t
#. i
^ 9
* Compram, veodem ou S
j Irocam prala, ooro, bri- *
' Ihanles.diauanleseptri.- ?
i las, e mitras quaesquer '*
fjoiasde valor, a dinheiro S
, ou por obras.
WMriiMwiwta s 9t s ? nsaS
10REIRA k DARTE.
l..'A ll| 0I1ITE2
Ra do Cabuga i,. 7.
iieeebem por to-
(i os os vapores tia Eu-
ropa as obras do mais
moderno osto, tan-
to di Franca como
k
OfROEPRATA
ir*-1*****::
$ Aderemos completos de i
'*: ouro,inelosdilos,pulcei- *
* ras, alfinetes, brincos e jj
'j rozetas,coidf.es, trance- J
lins, medalhas,correules >
'' e enfeiles para Telonio, e *
tf oulrosmuitosobjectosde %
| ouro. .
M A['p iriilins completos, ?
"le prala, para cli, bao- J
S dejas, salvas, caslicaes, j*.;
'& colheres de sopa edech, .?
'* a muito* outros objectos S
> ile prala.
s- -r .: *<;.*. ::<-:?>%-'<,? *.?-.
de Lisboa, as quaes se vendem por
pre^o eommodo como coshuuairi.
deiros de Arsenio Fortunata da Silva, sobre os bens
parltlhados entre os ditos herdeiros, visto que pi ob-
tiveram senlenca conlra elies pelo jaiio municipal
da primeira vara, escrivao Conha.
No dia 1." de dezembro do cocrente anno, as
continuara razoaveis, c passam-se conlascor rs-
pon.abilidade, especificando a qualidade do ouro de
11 ou lt, quilates, ficaudo assim sujeilos os mesmos
porqualquer duvida.Seiaphim & Irmao.
O actor Pedro Baptisla de Sania Rosa declara ao
unrMlimii i,l.i; ...____.. a. ^
ora, d. noe, foi ^SSSS^m ropo] re.^a^TtZ ?"'" "t8""* **" 30
de palacio velho. um cavallo calilo com catmZ:! weBSor.^ura^,d. S 22 EP?? 8 !?"
quem for seu legitimo dono eutenda-se com An.o- Solares na S nioJoaquim Candido, soldado da eomnaubia nio Joaquim Candido, soldado da eompauhia de ca-
vallaria, que pagando as despezas que com elle liver
eilo, e dando os signaes certos e ferro, llie sera' cu-
culos que Iiveram lugar no mesmo theatro ob sua
directo ; e se Dor ..caso alguem ainda se julsar cra-
dor de alguma cuita perlencenle a tats especlacolos.
regu ; o tnouneia, e d a, que a -e sDo Z, '11SOma C',""a l'",enn" especlacolos,
"-'JZZTZd0'^:i*"'P Vt&ESEZlV,orosali5fei,a-Reci-
r>o da 21 do crranle, as j horas da manhaa,
desappareceu urna prela de nome Joaquina, fula,! ~ 0erece-se urna paida de meia i.lade para
chela do corpo, estatura regular : quem a appiehen- ".""'quer urna casa de pouca familia ou homem sol-
der leye-a a sua senhora, na ra do Kaugel n. 59, ,e,ro> Para cozinhar, engommar, lomar conla da
primeiro andar. jeasa.pois he de boa conduela e bona cosiumes: quem
O abaisoassicnado, como herdoiro de sen fal- Preciar dirija-se a ra dos Acougoinhos n. H.
rru m r-nmi, r, ---------------- -... -- u, l 'III J lili
lecido pai Manoel Eleulcio Correia. e como procu-
rador de sua mili th Anua Francisca Accioli l.ins
faz scienle ao publico que havendo o Sr. Filino
Precisa-sede um ou dous meninos que queiram
aprender a encadernacUn. sendo de boa conducta :
os pretndanles dirijam-s ao paleo do Colleeio ofli-
rini Hat unc i.'-. ,..'. .I_ 1? >i i m.
Santiago Vieira da CoohieT.ui moTherTSTda T. T dirl>"":". !>" Callalo ol
NalWd.de Vieira, assim como Virosa Alaria tal ""'o de .. C. de Urna. Silva.
Rocha, e Jos Vieira da Cunha e sua mulher, ven- Aluga-se ou arrenda-so um sobrado de dous
dldo ao p,i do abano assignado, no anuo de 1750 ai' ""dures, ou de um andar e Ioja, ou casa terrea com
lUflo flllO UH.- .11 I > < > -, nn^._..: .'lili- -r.J>. _. i..:. > .-
u.u o pi no anauo assignado, no anno de 17. as anaares, ou ue um andar e toja, ou casa terrea c
parles que possuiam noengeuio l.imueiro da fregu- so,a. sendo no Mirra ile Sanio Antonio, da-se
zia de Aaua-Preta, liavidas por lieranca de sua so- ,lor dinheiro adianl.. lo, e mesmo se fara" alg
gra e avu t. Mara da Trindade de Jess, acnnleceu reParo Irala-se un paleo do Colleg.o, olliciua de
que depois de passadas as rscripluras de ditas ven- cadernacao de I-. C. de l.emos e Silva.
ile Santo Antonio, da-se lia
;um
---------- -..,. v Qtu,, .,, mui-ie -r-.-......-.....i.....,, .,,, ,.,iur^Mrt uniciiii ue co-
que depois de passadas as rscripluras de ditas ven- cadernacao de I-. C. de l.emos e Silva,
das fossem uullos o inventario e parlilhas, em virtu- a_j A. .,
de dos que se moslravam vendedores senLore h^J., T *C de "'" l"'?r Porlu!'u lW rn si-
possuldores de laes parles, eeoorc7m TZ> rf.S1Lda P,*'.,M *" ,lr" Ml* ,ralar de
nenhum nevo conirato se lenha feTo que pos" ,|! ?*Tr mjA "K''! "i"1"1 elc" : ,"le", "rc-
rogar ditas escriptura. e mesmo h.jam os ve" ledo WS pC 1* f?ml,^ em s *.
res recebido dinheiro por con. da' vida ne fize- """ *" l0'C *** de Carniho-
ram ; o abano assiguado, aabeudo qne elle, preteu-
dem novamenle vender a outrem ditas parles, faz o
prsenle annnncio para que ninguem se posta cha -
niara engauoFrancisco Canlldio Correia l.ius.
- Fngio no dia 2 do correule mez, do ensenho
L itcln I o rin _
Precisa-sc de'uma ama para rasa de pouca fa-
milia, que sirva para comprar ouqualquer inandado-
a Iratar na rna larga do Rozario n. 38, segundo
andar.
Velho "d'ele termo'; o^reTo '"niyo'''ie'oome Jna- nZ,!',!"." d"her0 3- i"'0**"*"* P'nl.or.s de ouro
quim. como, ai.nael seg.....tes : baUo.Trb To, RU^SS,~"" "***
olhos vivos, bonita phisionomia, denles alvos, que- q q d "
bradodas virilhas, trazendo por isso urna funda. Es-' l'recisa-se de urna ama para o servico de orna
le escravo foi comprado no Recife, onde servia da casa de pouca familia : na ra Direila o 8fi
boleeiro de carros. Recommenda-se a sua appre- ; Precisa s. ri. ,
hoslo a polica e aos capitaes de campo, certo de milia ,',, 2! en ','. P',ra.,ca'a df P0"" ,a"
que lerao generosa recompensa .. l(Varem ao dito i m, 0 "a Zj a"C"C iMBndo P,V) nU-
engenho Velho ao eu dono o Dr. Antonio Carlos de J3-
Almeida e Albuquerque, ou no engenho Boa-Vista : 0 af
ir-sssssrjrs^. ijOii fci tana.
que. Parahiba i2 de dezembro de 1856,
Loeria
DA
Provincia.
O abaiio assignado veodeo as seguioles sortea :
1 meio n. 14276:000,-]
2 qoartos o. 2.130 400-,
2 ditos n. 3536 2005
I meio n. 2253 2005
I dito n. 2402 100-s
1 dito n. 2232 lOOf
O mesmo tem eiposto a' venda os seus fclizes bi-
lheles, meios e quarlns da terceira parle" da segunda
lotera do convento do Carmo, pelos precoi j an-
nunciados, os quaas nao estao sujeilos ao'detconlo
dos olio por cento da lei.
Por Salusliano de Aquinn Ferreira.
Jus Forluoalo'dos Saulus Purlo.
59 A
DA
Lindas cousas veuham ver
E juntamente comprar
A festa est na porla
Sempre se lem a quam dar.
Neste eslabeleclmenta, confronte ao Rosario em
Santo Aotouio, o primeiro deste genero oesta capi-
tal, alem de biscoitos e doces nncionaes e estrangei-
rus, halo mais bello sorlimenlo de caixinhas que se
tem visto, e as melhores e mais aromticas pomadas,
estrados e saboneles que lem viudo a este mercado,
em riquissimot vasos.
Ao publico convido
Por nao ser enageracao,
O objectos annunciados
Se acham em expsito.
Ootras cousas tambem ha
Na caa 3! A.
Precisa-se de urna prela capliva para o servico
de urna casa de pouca (anula de portas dentro'-
na ra do Amorim n. !), segundo andar.
r T ''"a-sealogar urna cozinheira para casa de
lamina, que saiba fazer as compras, prefere-se es-
crava : na roa do Crespo, Ioja 11. 9.
Precisa-se de urna pessoa capaz que queira fa-
frV.fZffi? ,e u"", c,,a "" ",uc, n"*lW, podend.,
ILJ1 S 'a"t em iua "sa PaS-e em ; na
ra dos Marlvrios n. 1(i. '
nn afa\V7m.T"1V A "qoes. Barros .v Companhia, declarara ao
l'ISfllV ^j I I 4 '":"' '|ut' ""....." r"rrrnle 'ezembro desped-
* M*.^F V Ja. 1 ^ ^al J. i^. ; wn o seu caneiro o Sr. Joao Jos Ferreira.
O Sr. thesoureiro das loteras manda fazer publico '
que ie acha a venda na ra da Aurora 11. 2li pri-
meiro andar : bilheles. meios e quartos a lerceira :
parle da sesunda loieria do convenio do Carino, qua 1
correm as rodas un dia 10 de Janeiro de IK.>7,bem as- j
sim que tem a disposii;ao do rtspeilavel publieo
graude quanlidade dos bilheles, meius c quartos
acuna.
OSr thesoureiro manda Iranscrever o plano por
que d ora em vaote se h3o de enlrahir as loteras.
PLANO.
3600 bilheles a 630O
20 por rento
21 6009000!
4:3209000
17:2S03OOO I
Attenc
o
Na {fraude fabrica de tutnancos, da iua
Direita, esquina do becoo de San-Pedro,
lia elfectivamente um {jt-ande sortinlento
de Umancos, tanto para homem como
para senhoras e meninos, muito em cori-
ta, assim como se apromptam encom-
mendaspaiafra, com toda a perfeiraoe
ligeireza
A irmandade da matriz da Boa-Vis-
ta precisa de serventes livres ou escla-
vos, para a obra da matriz, paga-se bem
a jornal : a tratar na mesma matriz com
o thesoureiro ou o guarda.
Precisa-se de 1 ama de leite que nao
tenha I1II10: quem pretender dirija-se a
ra do l.i\lamento, Ioja de calcado n.
35, que alu achara' pessoa que tara' to-
do negocio de vntagem.
Na roa das l.irangeiras n. 16 precisa-te de
urna ama que saiba co/.inhar o diario de urna casa,
e pelo Irabalho da-se boa paga.
O ibaiso miaada, cpim. do patacho oldem-
horguez Pphiel... raz scienle que din se responsa-
r>Hi>a por qualqucr divida que conlraiam em Ierra
seus marinheiros.J, Careles.
-- Precisa se de um caixeiro que lenha bastante
pralicade fazendas e que di-fiador a sua conducta,
para urna ioja fora da .idade ; 110 aterro .la Bua-
> isla B. 47, segundo andar.
- O abaivo agnado r,ira-.e par., Carnaru', < S .rVTIcVr uXZZ^
dena por seu procurador nesla praca aoSr. Jos A n-!^ ULMlMl rill\F,/ ^
Ionio Moreira Dias; as pessoas eoui qoem lem ue- ^ f ****
gocio devarlo entenderle rom o dito Sr. Dias em
seu escriplorio, na ra das Laranaairai n. l.
Pedro Paulo dos Santos.
6:0005000
I :.'.D0S000
800*000
10030O
400*000
4003000
i008000
2409000
3009000
Premio de
Dito de
Dito de
Dilo da
Ditos de 200
Ditos de 1009
8 Ditos de 50
12 Ditos de 209
30 Ditos da 109
IU0 Ditos de 69
1200 Premios.
2400 Brancos.
3600
Thesouraria da< loteras II. de dezembro .le 1836.
O thesoureiro Fraocisco Antonio d Oliveira.
ApprovoPalacio do guvenin de Peru.imbuco
11 de I-/omino de I8.G.S. de Macedu.
Conforme.Antonio Leile do Pinho.
Jos Januariu Alvcs da Mata, escriv.o .las lole-
rias.
Boi futido.
lia 10 dias, pouco maii ou menos, desappareceu
do -ido de V,ralo oe l-reilas lavares, ,l becc
das Kdrreiras, Uin boi niar.su de carroca, cor cinzen-
la, da nome (.lialinho, ,. joloa-e oslar seguro em al-
aum sillo : quem do mesmo der nolicia, on lenha
em seu poder, queira a/er setenta ao dono ciina
que ser recompensado.
Paulo Oaignoux, de volta de soa viagem
(Si '.' turl"- *'a morando na ra Nova n.
W 11, primeiro andar, onde podelser procora-
as^ dora qualquer hora. ,
O Sr. Joaqii.m Jos Marques, <
mora por detraz da fundicao do Sr. Sti
em Santo Amaro, queira mandar a e
typograpliia, a negocio que llie di/, i
peito.
uc
in-
sta
es-
Novo manual
o
Commerciante
F. DO
ADVOCADO DO COMERCIO.
Acaba de sahir luz, ja romplela, esla inleressan-
le collecc.io da leci-hic.lu do cnuimercio, conlendo o
Cdigo Commercial annolado com as referencias dos
diversos arligos do mesmo cdigo e dos respectivos
reglamelos entre si ; assim como com os decretos
e avisos expedidas "aii- o anno prximo passado, ex-
plicaudo ou addilando alsumas de suas dispnsi-
coesj s.oUid,i d..s regulamenlos n. 737 e 11. 738
de y."i de novombro ilc 1.V) lambpm annolados, e
da um appendice conlendo a integra de todas as
leis, decretse regulamentos publicados ateo referi-
do anno, inclusive a lei n 7!1!1 de Ib de selemb.o de
184 qoe retormnu os Iribuuaei do eommercio, cora
o respectivo regulamento n. 1597 do i.- de maiode
I83. A' veuda na livraria de J. Nogueira de Scuza
junto ao arco de Santo Antonio.
CONSULTORIO CENTRAL 110- fi
# .MEOPATHICO. %
63 vo) n. U. -;;;-
^ O Dr. Sabino Olegario /.iijgero l'inho, (fr
^ de volla de sua viacem ao Kio de Janeiro, U\
w continua a dar ronsullas lodos os dias uleis, %
B das S hojas da manhaa, as 2 da larde. i-/j
,-". Os pobres sao medicados gratuitamente.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia ; quem se julcar habilitada dirija-se a ra da
Senzala Nova n. I i, segundo andar.
BILHETES DA LOrERIA DO
RIO DE JANEIRO.
Jos Ensebio Alves da Silva mudott a
venda de seus hillietes da loteria do Rio
de Janeiro, para a rita do Collegio n. 15,
deKandode vender de hojeera diante na
Ioja doSr. .Malinas de Azevedo Viliarou-
co, junio ao ateo de Santo Antonio.
folhinliAN
PARA 1857.
Acham-se a' venda as bem conhecidas
folbinbas, iUpressas nesla l\ pograpliia,
das seguintes quididades :
FOLH1M1A RELIGIOS conlendo alm
dos mezes, a bibliotheca do ebristao
brasileiro, que se compoe de ora-
Ccs quotidianas, metbodo de assistir a
inissa e conlissao; cnticos, psalmos,
bymnos, ollicio de- Nossa Senbora da
Conceirao e muitas outras oracoes de
. grande mrito, pieeo....... ."20
DITA DE VARIEDADES, a qual alm dos
mezes, conten? artigos de agricultura,
noct.es de sciencias, artes, lei dos cir-
cuios, tabella de impostos, e regulamen-
to de a'eticao, etc., etc., preco- .")20
DITA SIMPLES, contendo alm'dos me-
zes, a lei dos circuios e varias tabel-
las de impostos geraes, provinciaese
municipaes, preco. '......2i0
DITA DE PORTA,' a qual alm dos me-
zes tem evplicacoes das indulgencias e
cxcommunbcs, etc., preCO. 160
DITA ECCLESIASTICA (ou' de padre),
elaborada pelo Rvd. Sr. Penrtcnciario
da S de Olinda, segundo as regras
da igreja, c leis conbecidas a res-
peito, preco.......... i00
Todas estas blbinhas sao impressas em
bom papel e exccllente typo, e vendem-
se em porcao e a retalbo: na livraria da
praca da Independencia ns. (i e 8.
Aluga-se a enliga, casa de vender plvora, na
ddade do Olinda. cora bom sitio, balsa para capim,
e boa casa de viveuda ao pe : quem pretender dita
casa dirija-se a ra do Vigario n. 31.
A pessoa que se quizer prestar a
dar liccoes de lingua italiana, annuncie
sua inorada para ser procurada.
AI.LCAM-SE
para passar a festa duas caas na Torre, com bons
commodos, caiadas e pintadas : no armazem de ma-
teriaes da ra da Cadeia de Santo Antonio 11. 17.
ESTRADA DE FERRO
do Recife Sun-Francisco
(Ter ce ira chamada.)
Os directores da companhia da estrada de ferro do
Recite a S. Francisco, tem feito a|lerceira chamada
de-J libras esterlinas, 00 rcis 175777 sobre cada ac-
c,Ao na dita companhia, a qual deve ser paga ale o
dia 8 de Janeiro de 18)7, na Baha, cm casa dos
Srs. S. Uavenporl & C, na corle, em casa dos
Srs. Mau Me. Gregor f C, e em Pernimbuco, no
escriptorio da companhia. O accionista que nao
realitar o pagamento dentro do lermo indicado, pe-
der' perder lodo direilo as acees solire as qnaea o
dilo pasamento nao se liver eflectoado, e em todo
caso lera' de pagar juros na razao de ."> por cenlo ao
anno, e de nao receber juros ou divitendo da eom-
pauhia, pelo temroqoe decorrer entre o dia indi-
cado para 0 pagamento e a sua realisacAo. Nenhum
auto de transferencia pode ser rtgislrado depois do
da X do corrente, antes do pagamento da chamada.
I'or ordem dos directores,
S. I1. I ereker,
Thesoureiro.
Hecife 3 de dezembro de 1856.
SEGURO CONTRA FOGO.
Companhia Alliance.
Estalielecida cm Londres, em marco de 1824.
Capital cinco inilhoes Je libras esterlinas.
Saunders Brotr.crs & C, tem a honra de in-
formar aos Srs. negociantes, propietarios de casas,
ea quero mais convier que estao plenamente au-
.orisados pela dita companhia para efleciuar segu-
ros sobre edificios de lijlo e podra, cobertos de
llha e igualmente sobre os objectos que comiverem
os mesmos edificios quer consista em mobilia ou
em fazendas de qualquer qualidade.
>aa.-*. -f ?>:;***fmn9
l JANE, DESTISTE, S
9 eontioua a residir na ra.Nova o. 19, primei- fS
ro andar.
Nesla tvpograpbia precisa-se fallar
aoSr. Rento A. R. Tupinamba, qiierao-
rou ou teve Ioja no pateo do Carmo.
Precisa-se para o servico iuleroo c externo da
urna casa eslraiieira, de um preln: a quera Ihe con-
vier dirjase a ra da Cruz. n. 1.
Hospital Todos
os Santos,
da ve riera vel Ordein ler-
ceira ilo San-Francisco.
Para o mesmo hospital precisa-sc de
iihicnlcrmeiroc tuna enfermeira, arpiel-
les de DOSSOS i uaos casados sem lilbos
que prelendeieinolugar, cujo ordenado
hedeGO^OOO para ambos e mesa, diri-
jam-seao irmao ministro Flix Francisco
de Souza Magalhaes, morador no largo
do Carmo n. l(i, assim como precisa-sede
um servente para o mesmo hospital.
n~*'..'.a* la,-a 'lo ""rio, esquina do boceo do
1 eixe-I rilo, no sesnndo andar do sobrado n. 9
coznha-se para f.ra com lodo aseio, perfero e
promptidaoe laml.em.se ensomma : ludo por preco
mais eommodo do que em nutra qualquer parle. *
Muga-se a Ioja da caa da ra da Aurora n. .'.i-
onde foi ofiicina do fallecido marcineiro llenrique s
quem pretender dirija-se ao Sr. .loao Pinto de l.emo,
Jnior, no seu escriptorio, nu casa de sua morada
ua roa da Aurora.
Consultorio ho-
meopatliico d > Dr, Mel-
lo lloraos, do Rio do Ja-
neiro.
I uico deposito em l'ernaml.uco, ra dn Oueima-
do n. 21, aonde se acha um complalo sorlimenlo de
medicamentos, tanto em tintura como em glbulos,
tendo carleiras de diversos lemanitas, por preCM
muilo era conla. Tambem ah se enconlraro os i-
vros necessarios a homeopathia.
Pliysiologia das
paixoes.
Esla importante prudaegae Iliteraria do Sr. Dr.
Mello Moraes do lito de Janeiro, bem como a coro-
grapbia do imperio do Brasil, e o Educador da mo-
cidade brasileira, coordenados por o mesmo autor :
acha-se venda na roa do Oueimado n. l.
Kecehe-se dinheiro para ser mandado dar na
cid,i lo do Porto por lellras panas n visla ou a prazo,
em prala ou ouro: na ra do Trapiche n. 10, eicrip-
o't" de Thoraaz de l'.irii.
Precisa-se de um bom criado e paga-se bem
agradando o servico e comporfamenlo : a tratar no
campo do Hospicio junto ao quartel casa do desem-
bargador Mondes da Cunha.
Precisa-se alugar urna boa casa com dous an-
dares, as priocipaes roas dcsla cidade, pagando-se
bem : i iratar na ra da Cruz do Recife n, i:), pri-
meiro andar.
Bi lheles de visita.
'.ravain-se e imprimem-se com pcrfen-.m bilheles
de visila, lellras de eommercio e lodosos objectos da
arle caligraphica, registros, vinhelase quaesquer de-
senhos. Abrem-se firmas, sineles, lauto a talho do-
ce como em relevo, oruameulos com objectos rie ouro
e prala. l-'azem-ss riscos lindos e orisinaes para
bordados de labjriiilho. Admilie-se a recusa de
quaesquer drsles objectoa no caso de nao ficarem a
conteni'das pessoas que os encommendarem : quem
prelender dirija-se a qualquer denles lugares : no
bairro do Recife, ra da Madre de Dos n. ;2, pri-
meiro andar ; em Santo Aotouio, na livraria classica
do pateo do Collrgio n. -J ; as Cinco Poutas, sobra-
do da quina confronte a malriz nova.
Go-mpu.
Compra-se ma negra moca com habilidades,
com Bino ou sem elle ; na ra do Sebo n. 12.
- Compram-se apolices da Idivida provincial,
na ruadas Flores n. 37 J.- andar.
Compra-se urna casa terrea do valor de oilo-
cenlos al om cont a cein mil tis :.a tratar na ra
da Cruz n. 2r> primeiro andar.
Compram-se aegocs da companhia de Deberi-
be : na ra da Cruz u. 35, segundo andar.
Compra-se ouro, preferindo-se de lei, proinel-
le-se pagar raelhor do que em outra palle : na ra
larga dn llusario n. 17, junte ao quartel.
Compram-se ptaees brasIleirfJk e
liespanboes a -2,sOIO, e sedulas ou prata
de 1S000 com um por cento : na rita
da Cadeia do Recile, Ioja de cambio
n. 38.
Compra-se ofreclivamenle,latan bronze e cobre
velho: no deposito da fiindic.lo da Aurora, na ra
do Brum, logo naeulrada n. 2H,e ua mesma fundi-
cao, em Sanio Amaro.
fi'rnft$0.
Vendemse 12 caleiras, I sof, I par de ban-
cas, 1 meia commoda e loucador, 2 mesas de jaular
com gavetas, por prec.o muilo eommodo por ser de
urna pessoa que se retira : na taberna da ra das
Cruzes n. 2(1.
P071SS CAL TIRGEfi.
No amigo ej bero conhecido deposito da ra da
Cadeia do Recife, escriptorio n. 12, ha para ven
der muito saperior potassa da Russia, dita do Rio
de Janeiro e cal virgem de Lisboa em pedra, tudo
a precos muito favoraveis, coa os quaes ficaro
os compradores satisfeilos.
VINHO DO PORTO GEMINO.
\ ende-se ptimo vinho do Porto em harria de
quarloc oilavo, por preco razoavel: na ra da Ca-
deia do Recife n. 13, escriplorio de Bailar A Oli-
veira.
?Sao muito lindos para pn-
nlios-
Vendcm-se muito bonitos botos para pu-
nhos pelo barato preco a 500 c 800 rs. cada
abotoadura : na ra do Queimado na Ioja de
miudezas da boa lama n. 33.
VENDE-SE
Graxa de patente, prova d'agua, para
arreios de carro.
Vinlio do ltheno de qoalidades espe-
ciaesJobannisberg e Marcobrunner.
No armazem de C. J. Astley & C.
XAROPE
DO
SQU
Foi transferido o deposito deste \ aro pe para a ho
tica de Jos da Cruz Sanios, na ra Nova n. VI'
garrafas 55500, e metas 33000, sendo falso tod
aquello que nao for vendido nesle deposito,pal
que se faz o prsenle aviso..
IMPORTANTE PARA 0 MILICO.
Para curade phlysica em lodoosseusdifleren
esgrsos, quermotivada por conslipacf.es, tosse
asfhma, pieuriz. escaos de saugue, dr de eos
lados c peito. palpilacao no coracao, coqueluche
hronchije, dorna garganta, e (odas a-molestia
dosurgaos pulmonares.
:
lECHAlfiSMO nu m

MUTCM5 NAFUNDICAO DE FERRO DO ENGE-
NHEIR DAVID W. BOWMAN. xtA
RA DO BRUM.PASSANDO O oHA-
FARIZ,
ha sempre um grande soriimenlo dossecoinles ob
jectos de mechanismos proprios para en.enhos.a sa
ber : modulase meias moeudas da m.iis modern
couslruccao ; lai\as de ferro fundido e balido.di
superior qualidade e de lodosos lamanhos; rodi
dentadas para agua on auimaes, de ludas as propor
cues; crivos e boceas de foroalhae registros de bo
eiro, aguilbcs,broiizes,paiafusos ecavillioes,moi
nhos de mandioca, ele. ele
NA MESMA FUNDICAO.
aeetecutamtodasasencommeiidas com a superio-
ridad ej conhecida e com a devidaprestezaecom-
modidadeem prero.
Em casa de Rabe Scbmcttau & C,
ra da Cadeia n. 57, vende-se:
Vidros para espelbo.
Vinbo do Rbeno superior.
Conservas alimenticias.
Tinta para tvpograpbia.
Tudo por preco eommodo.
Em casa de Rabe Schmettau C,
ra da Cadeia n. 57, vende-se :
Elegantes pianos do afamado fabrican-
te Traiimann de Hamburgo.
Vinbo do Porto, superior cbamico.
Km cavas de 2 duziaa e em barris de oilav'c, re-
ceiilemcnle chegadopelo brisuc Trovador; vnde-
se nicamente no armazem de Barroca & Castro, na
ra da Cadeia do Recife n. i.
'entes de todas as qna-
dades.
Vendem-se ricos penles de trtarusa a 5 c
79, ditos dito de alizar bous al?, dllosde
dito de marrafa a 19400, ditos de dito de tra-
vessa a 4s, dilos de unicornc para alisar a
i?, ditos de bfalo muito linos a (00 e 800
rs., dilos de balla para alisar a 300 e 400
rs., dilos abortos imitando tartaruga para
prender cabellos muito bonitos c bem Iraa
balitados a l?8ll c IS500, ,]tos Jc .)g|ejil a.
bellos a-J10, 320 c 00 re., ditos de bulal-
para piollios i 500 rs., na rna do Qnoimado
na bem conhecida Ioja de miudezas da boa
lama n. 33
Alg;od3.oziihi) da Baha
para saceos de assuca : vende-se em ca-
sa de N. O. Bieber & ('.., iua da Cruz
n. 'i.

Ble loo ios
cnbtrtos e descoberlos, pequeos e grandes, de onro
patente inslez, para homem e senhora, de um dos'
mello.ic. fabricantes de Liverpool, viudos pelo ulti-
mo paquete iuglez : em casa de Soulhall Mcllor &
Companhia, roa do Torres n. 38.
N. O. Bieber & C, na da Cruz n. i,
vendem :
Lonas da Russia.
dem inglezas.
Rrinzao.
Ibins da Russia.
Vinho de Madeira.
Algodo para saceos dcassucar.
Meias de todas as qnali-
dides.
Vendcm-se muito boas meias de seda pre
tas e branras para senhoras pelo barato pre-
co de Sf500dias de laia para padres a l>800,
ditas de lio de Escocia pintadas para homem
pelo baratissimo preco de 400 e 500, ditas
brancas e cruas para homem a 200, 240 e
280 rs., ditas pintadas e brancas para meni-
nos a 240 e 300 rs., ditas brancas, tinas para
meninas a 240 rs ditas brancas para se-
nhoras a 240, 300 e 400 ra., ditas pretas do
algodflo para padres a 600 rs., e outras mais
qualidades que se vendem barato na ra do
Queimado, na bem conhecida Ioja de miu-
dezas da boa fama n. 33.
Nalojadaboaf
vende-sc muito barato : panno fino azul
a 3# o covado, dito dito preto superior a
3*500, cantan preto muito lino a 960 rs., lu-
vas de seda com ricas bolotas a 13280 o par,
ditas dita bordadas a 2.3, ditas dita para me-
ninas a 15280, ditas de Oo de Escocia para
meninos a 320 rs., ditas dito dito para ho-
mem a 400 rs., meias pretas de seda para se-
nhora a 2.3, ditas ditas de laia para padrea
1/600, ditas ditas de algodao para senhora
a 400 rs., ditas brancas dito dita a 240 e 320
rs., ditas ditas dito para meninos a 240 rs.,
chales de merino com ricas palmas borda-
das a matiz a 55500, ditos dito com listras de
seda a 4/, dilos dito liso com ricas franjas
de seda a 5*300, ditos dito dito com franjas
de laa4#50, 'ditos de 15a de muito bonitos
padres a 1?, ditos de algodao dito dito a
800 rs., dilos de tarlatana a 1S, lencos de
cambraia com ricos bicos de linho a 1/200,
ditos de dita proprios para homem a 240 rs.,
cntnbraias france|fcs de cores muito finas a
480 re., peitos para camisas a 400 rs., ditos
de linho muito finos a l?280; alm disto um
completo sortimento de fazenda que se
vendem por menos que em outra parte: na
ra do Queimado n. 22, na bem conhecida
Ioja da boa fe defronte da da boa lama.
Uculos e lunetas de todas
as qoalidades.
Vendem-sesuperiores oculoscom armacao
de tartaruga de todas as graduaces a 35000,
dilos muilo bons com armaedes douradas a
15200, ditos ditos com armaedes prateada,
15, dilos ditos com armacao de ac a 800e
15, lunetas com armacao de tartaruga a 15,
ditas redondas e quadradas de baleia a 500
rs.,ditasdedous vidros armacSo de baleia
a 15600, e outros oculos mais que se vendem
por preco barato na Ioja da boa fama na ra
do Queimado n. 33.
Na Ioja da boa fe vende-se muito barato,
tanto as pessoas da praca como aos fre-
guezes do mato.
Madapolo n. 6 a 45 a peca, dito entre lino
a 35600, dito dito a 3/300, algodaozinho liso
encorpado de 20 ardas a 2#880 a peca, dito
dito dem idem a 25720, dilo dito dem dem
a 25240, algodao de ltstras a 160 rs. o cova-
do, chitas finas para coberta a 200 rs., brin-
zmho de linho de quadrinhos a 200 rs.,brim
branco trancado dito a 1/440 rs. a vara,
dito pardo liso de puro linho para palitos a
640 rs., dito de cor trancado dilo dito e de
bonitos padroes a 800 rs fil de linho liso
muito fino a 880 rs. a vara, dito dito bordo-
do dito a 1/280, cambraia lisa fina a 480 rs.,
dita dila de salpicos muito fina a 800 rs.,
dita adamascada com urna vara de largura
para cortinados, em peca de 20 varas a 7s,
camisas de riscado muito bem Cuitas a 15500,
cortes de cambraia muito fina de muito boc
nitos padroes com 7varas'a25, palitos d>
brim pardo de puro linho a 33200, dito-
pretos muito bem feitos a 43, ganga ama-
relia franceza muito fina a 320 rs. o covado,
cortes de fust5o para collete a 600 rs., ditos
ditos finos a 13, ditos de gorgurao de seda a
35o00, assim como outras muitas faenda!,
que se vendem por menos que em outra
parte1: na ra do Queimado n. 22, Ioja da
boa l, defronte da da boa fama.
Boa fama.
Vendem.se superiores macas para condu-
cho de roupas em viagem, pelo barato preco
de 5, 6,7e83 cada urna, galheteiras com
todos (s vidros necessarios a 2f, ricas car-
teiras de Jacaranda e mogno para se escre-
ver e guardar todos os pertences, proprios
para viagem a 8, 10, e 123 cada urna, costu-
reias riquissimas de Jacaranda com os re-
partimentos forrados de seda e com muito
gosto a 4, 5, 6, 7 e 8, pentes muito finos pa-
ra alisar.proprios para criancas ou para suis-
sas a 320 rs., pulceiras do meihor gosto que
se pode encontrar a 2/, ricas cruzes de cor-
nalina, cartoirinhaspara lembrancas, gorras
para homem, as mais modernas que se pode
encontrar, sinetes com todas as lellras do
abeedario, sinetes proprios para namorados,
ricos Irascos para cima de mesa e outras
muitissimas galantarias, tudo muito lino e
de muito bons gostos, asseverando-se a
quem vier ver o rico sortimento, que sem-
pre existe neste estabelecimento, nSodeixa-
r de ter em que empregue muitissimo bem
o'seu dinheiro : na ra do Qoeimado na
bem conhecida Ioja de miudezas da boa fa-
ma n 33.
-mmnmmm mmmuuuam
AO PUBLICO. 1
No armazem de fazendas baratas* ra do s
Collegio n." 2,
vende-se um completo sortimento de fa- M
zendas finas a grossas, por mais barato M
precos do que em outra qualquer parte, Sf
tanto em porcoes como a retalho, arrian- M
cando-so aos compradores um s preco B
para lodos: este eslabelecimenlo abrio-se ~
de combinado com a maior parte das ca-
sas commerciaes inglezas, francezas, alie- f
mos e suissas, para vender fazendas mais 3
em conta do que se tem vendido, e por isto ||
oHerecem elle maiores vantagens do que B
outro qualquer; o propietario deste im- *
portante eslabelecimenlo convida todos H
os seus patricios, e ao publico em geral,
para que venham (a bem dos seus inle-
resses) comprar fazendas baratas: no ar-
mazem da ra do Collegio n. 2, deAn-
tonio Luiz dos Santos & Rolim.
v LEQES FINOS.
\endem-se leques muito linos com ricas
pinturas, cspelho e plumas a 2/, 35500 e 4/ :
na na do Queimado Ioja de miudezas da
boa lama n. 33.
He moito barato.
Vendem-se duzias de facas c garlos de ca-
bo de marlim dn boa qualidade a 10a, ditaa
dilos de cabo de balanco muilo finas a 0/,
ditas ditos cabo roCO eoitavadoa :t-, du-
zias de colheres de metal principe a 39 c f-\
ditas de metal mais orJinaiio a 800 c 1-40,
e outras muitas cousas que se vende btalo,
na ra do Queimado na bem conhecida Ioja
de miudezas da boa fama n. 33.
Arados de ferro.
Ka fundirn de C. Stau-<\ C, cm San-
io Amaro,acham-se para vcndcr^arados de
Ierro, de conslruerno muito superior.
Vemlem-e dous pianos fortes de Jacaranda
construecao vertical ecom todos o melhorameni
mais modernos, tendo vindo no ultimo navio da
Uamburgo: na ra da Cadeia armazem n. 8,


MI I* PEgSIB.CI SEGUNSA FfclfA 22 fil l>.ZEM!la SI 18
Botica.
Yendeui-ie lodos os medicamentos, loara e mili
ulenciliosdeoma botica: a Iratarna roa do Queima-
do d. :->, que todo o negocio se Tara.
Vende-se a taberna da ra doi Pires n. 2, con
fundos a contento do comprador, e com boa morada,
vende bem para a Ierra, e o motivo de veuder-se he
porseu dono morar moito lonse : a tratar com Iter-
nardino Francisco de Arevedo Campos, na ra das
1 rmchiras n. 50.
Attcncao.

Lindas cassas francezas muito linas, de
120 a 280 o covado ; chitas irancezus
largas e linas a 220 o covado ; cortes de
colletes de gorgurao de cores e pretos,
lencos escarate para tabaco, mantas de
seda para senhora ; tudo por muito bara-
to preco, por seterde acabar com ditas
ta/.endas : no aterro da Boa-Vista, loja de
bilhetes juntoao selleiio, n. 56.
Vende-ie orna mulata de idade de -20 anuos.
na ra Nova n. til, primeiro andar.
Vende-se o grande armaiem alfandegado do
largo da Assembla n. 20 (Forte do Mallos muito
proprio para qualquer estabelerimento, ou mesmo
para recolher gneros como e-l.i serviodo actualmen-
te* por estar collocado defroiitc do trapiche do al-
godo: a Irtlir na ra do Trapiche u. II, primeiro
andar.
Na roa da Matriz da Boa-Vista, padaria n. 26,
vendem-se alliadas, Sebastopol, imperalriz, rega-
la, aramia, tudo pelo preso de 320a libra, falias c
biscoilos doces a _'ti.
g ^a ra do Crespo loja amarella n. $
4-, de Antonio Francisco Percira, S$
$ vende-se roupa feita, chegada pe- *$
9 lo ultimo navio vindo de Parit. fi
S Casacas de panno Gno preto e de cores, gj
t'ik 3 'V''*''''- -'a
UP Calcas de ost uiir.i prela e de cores, a Vf
t) 123000. &
,-ja Colletes de setim, gorgorito e de velludo, >.
%* a 83000.
5S? Palitos de pauno fino preto e de core
$g 203000.
.'. Sobrecssacas de cures de panoo msela-
Vfr do muito fino, a 253000.
Sj Pellisses d caaemira mesclada, a 25-3000 jj!
g> Casacaa redondas ou fleques, a 309000. t
Tff Palitos de alpaca prela muito fina, a ?
m 123 g Ditos de'dito de core, a 69000 t'A
-jt Capas de panno lino preto, a 25g000 Sj
gj Ceroulas ile bramante de linho de novo w
tg modelo, a 3^000 B
JS Palitos de seda prela de CanlAo, a 2ig000 Ja
Dito de bramante brauco de puro li- V'
2 nho,a 53500
gp Ditos de dito pardo dito dito, a 49OOO
Ditos de melim com lislras de cores,
a 49500
V.'? Camisas de mnrim francezas brancas e
i?a de cores, a 23 e 29500.
-j. Ditas com peito, ponho e colarinho de J?
W esguiao de lrland.i de linho, duzia a 45&000 W
':< E oatraa mollas fazeodas de linho e seda. fSJ
AVISOS
Vende-se a loja de miudezas da ra da
Cadeia do Kecile n. 11, que l'oi de Manoel
Joacjuim de Oliveira, com poucos fundos:
a trater na mesma ra n. 7, para vero
balando.
Vende-se na ra da Cadeia do Recie n.
~, loja de Antonio Lopes Pereira de Mel-
lo & C, as bem conhecidas velas de car-
nauba do Aracaty, pelo barato preco de
12.S000 cada urna arroba.
Trancas de seda.
a V?
loja n. 82.
Vendem-
se de todas
as cores'e de
bonitos gos-
los: no afer-
r da Boa-
Vista, nova
Stf
,m
Kende-'se uiu meio 5
chronometro bem re-H
a ra do $
I
9 su lado
Bruiu n. Itt, primeiro

,: andar.
&<$

Vende-se nm excellenle escravo de 18 annos,
sem vicio nem achique : no armazem de sal, a fal-
lar com Honorio Hcrmelo Vieira Torres.
Vendem-se velas de carnauba composta e li-
quida, is melhores que lem apparecido, esleira de
palha ilobrada, pelles de cabra, curtidas, meios de
?ula, lado em grandes ou pequeas porrei : na roa
Jo Vigario n. .
Vende-se urna prela de nac,ao Bengoella, ida-
de 40 anuos, pouco mais ou menos, propria para o
servido de orna casa de familia, lambem he peiila
quitandeira, muito fiel, lava perfeilamente desabao:
a Irafar na travessa da Madre de Dos n. 18, das 8
horas do dia as 5 da tarde.
A"S PECHINCHAS ANTES QUE SE ACABEM.
Vendem-su latas com marmelada a 8O0 rs., e 480,
ditai eom marmelos, ditas com serejas e peras a 800
rs., e massa de tomates : dofronte da matriz da Boa-
Vista, quina do Hospicio n.88.
Vende-te urna Irave de 45 palmos, madeira de
qualidade, por preco commodo : na roa Direita
D. 76.
Couros de cabra.
Vendem-se superiores couros de esbra, marca
;r.ude: na roa da Cadeia do Kecife.n. 57, escriptorio
e Jo.io Fernandes Prenle Vianna.
No aterro da Boa-Vista n. 80, vendem-se v-
nhos engarrafados, Madeira Secca a 19, muscatel a
13280, de Selubal, azeile retinado fraucez a 900 rs-
a tartafa, figos de enmadre a 2*500, calas de 16 li-
bras, e 00 rs. em libra, marmelada em latas a 640 a
libra, ervilhasem talas grande a 800 rs., e meiasla
) r., mantorna ingleza a 6,0 a libra, chocolate de
Lisboa lino a 440 a libra, dilo a bailo a 400 rs., vi-
nagre brauco forte a :120 a garrafa, conservas de Lis-
boa 480, ditas inglezas a 800 rs., bolachinha de
Londres a 19800 a caia, e os miis gneros por eom
nodo preo.
Velas de composicao.
Na ra da Cadeia do Recife n. 57, eseriplorio de
Joao Fernindts Prente Vianna, vendem-se muito
iperiores velas de composicao por barato preco ;
apenas resta urna pequea porche.
Gouiiiia,
Na roa da Cadeia do Kecife n. 57, escriptorio de
Joo Fernandes Prente Vianua, vende-se superior
i-omma de mandioca ultimamenle chegada do Ara-
cal).
C5ra de carnauba.
Vende-se soperior cera de carnauba : na roa da
Cadeia do Kecire n. 57, escriptorio de Joao l'eroan-
!: Prente Viauna.
O A LOJA PKKNAMIIUCANA
i DA RA DO CRESPO N. 11,

-.i ;icdba de receber um completo sorlimento k
;* de obras feilas, como sobrecasacas de panno A
S* e alpaca, colletes de pequim preto e de co- *#
'.y res, sobretudo de panno lino muito encor- $$
jTjj palo e camisas linas, lauto brancas como de M
. cure-, ludo prnmelte vender barato. SE
'Xn. Kereba 'mi""' ricas sedas para vesti- %6
.,3 dos, ricos cortes de vestidos de velludo com g?
f, tres ordens de volantes, tanto de cor como I
;;' pretos. neos chapeas para senhora e meninos ^
-.?v a 53OOO : da-se amostras de ludo. fc3
0^00000 Q @$$@-
C hales de tou-
quim
A 24^000 rs.
Vandenvsena ra do Queimado n. 21 A, chales
KV*' Para li<,uidar' hP"' de soide seda
><> Trovattore de Verdi.
Varia- pccMda musir para piano; na loja de
Hurnont. ra Nova o. I, ,llrte aclia-e tambera as
ina.icas viudas do Rio de Janeiro qu.idrilh.is, val-
-.1"., scholi., para flauta e piano, e de mais a bala-
llm de Sebastopol, peca inteiramenle nova para pia-
no, e muito procurada no Rio.
^ Chapeos J|
de molla e de di-
versas qualidades.
S3o chegados a praca da Independencia, loia
de Joaqun, de Oliveira Maia. ns. a 110. os muito
desejadiis chapeos de molns de elen^ntes formas, fa-
zenda lina, os quaes se veudem por mais mdicos
precos do que em outra qualquer parle, chapeos de
lellro tinos, de todasa. cores e gostos inleiramer.te
jiovos, ditos de dito e de palhiolia, ricamente enfei-
tados para meninos e meninas, ditos francezes de
massa, Tazenda fina, e outros de diversas qualidades,
tudo de gostos proprios da fesla.
Na loja das seis
. portas
Eui frente do Livrament.
Alpaca de quadros para vestidos de senhoras, bo-
nitos gostos e modernos a doze viulens o covado,
manguitos para vestidos a dez lusldes o par, camisas
de cambraia bordadas a dous mil reis, collariohos
bordados a mil reis, saias bordadas a dous mil reis,
lenjos de seda para pesclo de senhora a dez lustoes,
chales brancos para trazer por casa a sello cada um,
e outras niuiias fazendas e alcaides, que veDde por
lodo o prec.o para nao entrar no balanc,o, a dinheiro
i vista, das 6 horas da mnnhaa as 9 da noite.
Vendc-se agurdenle de Franca de primeira
qualidade : na ra do Torres n. 36.
A %$m CADA LATA.
tZJ" Vende-se na ra do Queimado u. 27, ptimo
cafe molde em urna fabrica do Rio de Janeiro, muito
bem torrado e isento de qualquer mistura, conlendo
cada lata urna arroba de caf superior.
Ne ra da Cadeia, defronle da Relacao, taber-
na o. 28, ha das melhores bichas hamburgaezas pa-
ra vender a retalho e em porcoes, e tambem se
alugam.
^Vende-se im porc.no de lijlos inglezes, prova
de rogo : cm casa de Soulhall Mellor A Compauhia,
ra do Torres n. 38.
Vende-se o diccionario histrico, critico e bin-
graphico, conlendo a vida dos homens illuslres, ce-
lebres ou famosos de todos os paizes e de todos os
seculos, seguido de um diccionario resumido de rov-
tologia por urna sociedade de Iliteratos; obra rara"e
cariosa por conter liuas eslampas dos principaes per-
sonagen, em 30 voluntes em oilavo : na ollicioa de
eocadernacao no paleo do Collegio p. 20.
Vende-se superior fumo de Caranluins a ISO
a libra : na Camboa do Carmo n. 12.
Vendem-se bolachinhas inglezas sorlidas, de
superior qualidade, em latas pequeas, proprias para
a fesla : em casa de Soulhall Mellor & Companhia,
roa do Torres n. 38.
Marmelada e
' amendoa.
Vendem-se pellesde cabra de topa qualijade,
por prejo commodo ra da Cruz n. ::i, primeiro
andar.
Plvora.
Claudio DubeuA vende pclvora, a los
cada barril de 25 libras.
Vendem-se
pranchoes de pinho da Sueciacom 18 ate
22 palmos e 5 polegadas de grofsura, des-
carregando agota para o arma/.em de C.
J. Astley St C, no Forte do Mattos: ven-
dem-se em lotes grandes ou pequeos e
por preco muito commodo.
0Mim HABATAS
>EM A VA 141 A;
Na loja de 4 portas, na roa do Queimado n. 10,
lia para vender novo sorlimento de fazeodas mullo
em conla, como sejam :
Chitas largas de cores, o covado
Hilas eslreitas, o covado 100 rs., 120 e
Corles de vestido de chita larga 13600 e
Hilos de cassas de baria
Pera de chitas de cores
Ditas de dita linas
Madapolao entrefiuo 33000 e
Dito largo
Vende-se marmelada da melhor qoalidade qoe
na no mercado, em latas de 2 libras e IjlHK), e
amendoas a 510 a libra, e figos ainda aliste aleu-
mas canas de 16 libras que se vendara por preco
commodo : na ra do Vigario o. 27, deposito de as-
Vendem-ie batatas novas a 23500 a caia, (en-
oo cada cana duas arrobas; uo armazem de Luiz
Antonio Anncs, defrnute da porta da alfandega.
Algodao a/uJ de lislra e mesclado, o covado
Hilo americano, pera
(sfcales de chita
Lenjos de ganga encarnados
Chales de merio de barra e franjas
Peilos de linho lisos e bordados para camisa
180
160
23000
2301)0
53000
33-500
4)000
160
3|000
4O0
200
13500
400
Moinhosde vento
combombas derepuxopara regar horta s eba
xa decapnn : na lundisode D. W. Bowman
ua ra do Brum ns. 6, 8 e 10.
CARNAUBA.
Veude-ie cera de carnauba de boa qualidade ;
na rna da Cadeia do Recife, loja n. 50 defronle da
ra da Madre de Ueos.
Vende-se
Enxadas de ferro, do Porto.
Fio poi-rcte.
Panno de linlio.
Pomada.
Saboneta francezes linos.
Charutos de San-Flix, de diversas quali-
dades.
Arcliotes.
Sab5o nacional.
-Na ra do Trapichen. I (i, segundo an-
dar, a tiatar com Antonio de A. Gomes.
^mz
*&-*
Cal de Lisboa.
Ra da
Praian. !>9.
no ultimo na-
vio e m uitissimo bem a con
llegada
preco muito barato.

Moendas supe-
riores.
Na fundieao de C. Starr & C, em
Santo Amaro, acham-se para vender mo-
endas de canna todas de ierro, de um
modelo e construccao muito superior.
Na loja
das seis portas
EM FRENTE DO LlYRAMENTO.
Cortes de cambraia eom sele varas a quatro pata-
ca, sem defeilo, s por querer acabar este auno,
cambraia lisa comoilo varas e meia que d um ves-
tido de dous e Ires babados a tres mil reis a peca,
cambraias escocezas a doze vileos o eovado, riscado
para roupa de pretos a seis viulens .. covado, corles
de vestido com dous e tres babados a cinco patacas,
lencos de retroz a dez lusldes, lavas de seda prclas e
de cores dez lusldes : s qoem nao qulzer comprar
ou nao tiver diuheiro deixara' de levar fazenda, pois
o precos nesla loja sao de animar a gastar para en-
roupar as familias.
. ~ Vendem-se 6 saccas de feijflo molalinho p
barato preso, esleirs de palha de carnauba, oleo de
ricino da melhor fabrica do Ido de S. Francisco a
360 a libra, em latas de 37 libras: na roa do Viga-
rio II. o.
Vendem-se na ra do Trapiche n.
16, escriptorio de Brender a'Brandis&C.
Frasqueiras degenebra de Ilolla-nda mui-
to superior
Botijas de oleo linissimo para candieiros.
Lona a' imitaco da da Russia.
Pregos fundidos para barricas de assucar.
Papel para impressao.
Champagne.
Superior champagne em garrafas e
meias: trata-se com Antonio de Almeida
Comes, na ra do Trapiche n. l, secun-
do andar.
FARINHA
De Trieste.
Vende-se em casa de Saunders Brothers & C na
prai.a do Curpo Santo n. 11, a muiln superior e bem
conhecida arinha de Trieste, da marcaprimeira
qualidadechegada em 9 do corrale na escaoa
rreiU, em porees graodes e pequeoas, cooforrae a
voutade do comprador.
Cemento.
Em barricaa e a relalho : no armazem de mate-
riaes da ra da Cadeia de Santo Antonio, por preco
commodo. *
Em casa de Eduardo II. Wyatt, ra
do Trapiche-Novo n. 18, ha para'vender :
A verdadeira graxa ingleza n. 97, dos
fabricantes ay -V .Martin.
Tintas em oleo.
Cabos da Httssia.
VinhoCherry superior em barris.
Agurdente de Franca dito.
Eructase conservas inglezas.
Papel lino para cartas.
Livros para copiar ditas.
Ditas de letnbranca.
Ditas em branco sorlidos.
Papel para copiar caitas.
Kelogios de ouro cobertos e descobertos
Jaoias.
Sellins com pertences patente iuglez. fjn ""
AO MADAH1SMO E BO.M COSTO.
de Manoel Ferreira de Sa, esquina que volla para
Madre de Ueos.
Antonio Jos de Castro vende plvo-
ra de superior qualidade a I3000o bai
ni: as pessoas que quizerem dito pene
rp, apparecam em o sen escriptorio, na
ra do Vigario n. 51, para veras amos-
tras.
6fc

& Em casa de Eduardo H. Wyatt, @
@ ra do Trapiche-Novo n. 18, ha @i
para vender, chegado no ulti- @
mo na vio de Londres : 0
@ 5 pianos fortes e elegantes de fa- #|
tt bricante afamado, com seus per-
^ tences seguintes.
9 ." carteiras pala musica.
@ 2 duzias de estantes para dita.
B G cadeiras para piano.
TAIXAS PARA ENGENHO.
clicioiiada ; vende-se or H f"ndif0 de ferro de D- W. Bowmann ua
'Or ra d Brum, passando o chafan^ conlina ha-
Ter;um completo sonimerlo de taixes de ferro fun-
dido e batido de 3 a 8 palmos de bocea, as quaes
acham-se a venda, por epreco commodo com
promptido: embarcam-s oucarrega-se em car-
ro semdospeza ao comprador.
Em casa de llenr. Brunn & Companhia, na
ra da Cruz n. 10, vende-se cognac em caixinhasde
duzia.
Faiinha de mandioca.
Vende-se superior farinha de Santa
Catharina, em saccasquetem um alquei-
ie (medida velha) por preco commodo :
no armazem de Novaesi C., na ra da
Madre de Deot n. 12.
-- mndo Trapiche o. H, escriptoriode Ma-
noel Alves Ooerra, veade-se por commodo preso e
seguinle:superior vinho do Porto em barris do
oilavo,chapeos de fellro, e saboamarello fabricado
no Kio de Janeiro.
Em casa de Saunders Brothers & C., prac*
doCorpo Sanio n. 11,ha para vender o seguints ,a
Ferro inglez.
Pixe da Suecia.
Alcalro de carvo,
Eonas de linho.
Esponjas.
Drogas.
Algodao lizo para saccas.
Dito entrancado igual ao da Babia.
E um completo sorlimento de fazendas proprio
para este mercado tudo por preco commodo.
Cal de Lisboa e potassa.
Na ra do Trapiche armazens ns. 9 c
11, veiide-se superior potassa da Russia
e americana, cal virgem de Lisboa, di
mais nova que ha no mercado,
AGENCIA
Da fundieao Low-Moor, ru daSenzala-Ro-
va n. Al.
Nesteestabelecrmentoeonlina ahaver na con:
pleto sorlimento de moendas e Meias moendas
para engenho, machinas de vapor e laixas da
ferro balidoe coado de lodos os tamanhofpara
dilo.
' CAL E rOTASSi
>eode-se potassa da Russia e americana, chegada
nestesdase de superior qualidade; cal de Lisboa
da mais nova qoe ha no mercado: nos seus depsi-
tos oa ra de Apollo o. 1 A, e 2B.
Na ra do Vigario n. 19, primeiro andar, ven-
de-se vioho do Porto de superior qualidade da bem
condecida marca GW em pipas, barris e caitas de
urna c duas duzias de garrafas.
ilnita attencao
Na ra do Crespo, loja da esquina, que volla pa-
ra a ra da Cadeia, vendem-se cobertores de laa
liespanlics.lenysde cambraia de listrasa iOO, 500,
e 600 rs. cada um, corles de rasemira de cor a 5,
e 58000 rs., dilos prela a i3500 e 8*000 rs., ditos
de brim escaro eamarello para cal;a a 1*440, pan-
no de linho do Porto, toalhas de mesa e rosto, guar-
danapes de todas as qualidades, aloalhado adamas-
cado com selle palmos de largura a 10600 a vara,
corles de cassa ch la a 13600 rs., e outras moitas fa-
zeodas por prorn's couimodos.
Mar mellada.
Rua do Qudmado n. 35.
I.alaseom fruclasem cooserva novsmer,le checa-
das de Lisboa a 800 rs., e com marmelada fina a lil
por libra.
Ceblas.
Para liquidar se vendem mnilo baratas: no ar-
mazem de Antonio Annes Jacoma Pires defronle da
porta da alfandega.
A 166 reis o covado.
Itiscado escuro de qoadriohos, jproprio para ca-
misas e vestidos de pretas, vende-se na roa do
Crespo, loja da esquina, qoe volla para a rua da Ca-
deia.
VINAGBP EM BARKIS.
Superior a marca PRB e Falcao -,........ .HH... ..... m.. vx iw, icha-
se a ven.la ao .irm.izem do Valeoca, rua de Apol-
PARA ACABAR.
Vendcm-se sedas escocezas ile quadros, com aua- \i x- i i a ,-
Iro palmos de largura, fazenda muilo superiur a na rua ->OVa, loja tranceza n. 8, COniron-
13*00 o covado: na rua da Cadeia do Recife loja te a Camhoa do Carmo,
Martrerti li '""" de S"' ts1oina 1ae Tolla P'ra vendem-se chapeos de seda para senhora, da ultima
vendem-se chapeos de seda para senhora, da ulinu,
moda e qualidade, com um leve loque de mofo, pelo
liaral'ssimii pre(ode ln- rj.l um.
Kelogios de patente
- nglezesdeouro, desabnete edevidro:
vendem-sea precorazoavel.em casa de
AugusloC. de Ahreu, narua da Cadeia
do Recife, arma/.em n. C.
Superior cal de
Lisboa.
Vende-se superior cal de Lisboa : no
armazem de Novaes & C., rua da Madie
de Deosn. 12, por pieco commodo.
Vende-se superior liuha de al(odo branca a
de cores, em novello, para costura : ero cas de
Soulhall Mellor 4 Companhia, ruado Torres o. 38.
DEPOSITO DA FABRICA
.Industria Pernambucaiia,
RUA DO CRESPO N. 9.
A fabrica de sabSo e velas de carnauba, cs-
labelecida na rua do Brum, tem stabele-
ciuoi um deposito na rua do Crespo n. 9, pa-
ra ah nicamente dar extraccao aos seus
productos, proporcionando assim a matos
commodidade aos consumidores. As velas
manulacturadas nesta fabrica, offerecem as
vantagetis seguintes: sSo fe i tas com a car-
nauba simples purificada pelo meio do va-
por, sao inodoras e bellas na apparencia,
queimamcom igualdede e nao esborram, e
naofazcm murrao e dao mais luz e mais cla-
ra do que as velas stearinas ou de qualquer
composicao, e que se vendem no mercado.
fabncam-sede6,- uerido-se em caixas que contera 192, 22* ou
dao velas cada urna pelo preco de 15/.
O sabao he brauco, as materias primas
de que be fabricado sSo simples e inofensi-
vas, o cheiro que deixa na roupa heagrada-
vel; nvalisa com o nfelhor sabao hespanhol
e be superior ao sabSo americano, que se
vende no mercado a 240 rs. a libra.
Vende-se igualmente em caixas de arroba
e a preco de 160 rs. cada libra.
Os incrdulos comprando reconhecer3o
por experiencia a veracidade do que se an-
nuncia.
VELAS UE CARNAUBA.
> endem-se velas de carnauba pura a 123 a arr o-
ba ; ua rua do Queimado o. (i'J, loja de ferrageos.
c
3S506
Vende-se cal de Lisboa ltimamente chegada, as-
sini como potassa da itoesia verdadeira : na praca
doCorpoSanto n. 11.
VARANDAS GRADES
Um lindo e variado sorlimento de model-
ios para varandas e gradaras de gosto mo-
dermssimo : na fundieao da Aurora em San-
to Amaro, e no deposito da mesma na rua
do Hrum.
riTASDEVELDDO.
Vendem-se fitas de veludo pretas e de co-
res, eslreitas e largas, lisas e abertas de mui
to bons gostos, pelo barato preco de 160
320, 400, 500 e 600 rs., na rua do Queimado
na loja de miudezas da boa fama n. 33.
ouro de lustre marca de
casteo.
Vendem-se pelles de couro de lustre de
muito superior qualidade a preco de4e
4/500 : na rua do Queimado, na bem conhe-
cida loja de miudezas da boa lama n. 33.
Ricas titas (ias e modera
as dos melhores gostos
que se pode encontrar
se vendem na loja da boa fama na rua do
Qneimadon. 33 e por precos que naodeixaru
de agradar aos compradores, porque real-
mente se vende barato e ha muilo oude es-
colher.
SAO' AHITO LINDOS.
Ricos cortes de vestidos de fazenda muilo
lina, toda de seda e de um gosto muito apu-
rado, chegados pelo ultimo vapor viudo da
Europa, muito proprios para as senhoras de
bom gosto, assim como chitas francezas
muito (mas matizadas com lindas cores :
dSo-se amostras na rua do Queimado n 22
ua loja da boa le defronle da da boa lama.
PARA QLEM TEM BOM COSTO
Na rua do Queimado n. 22, loja da boa fe,
ha um completo sorlimento de grosdenapo-
le de seda de lindas cores; aproveilem antes
que se acaben, que a fesla esta com nosco,
assim como chapeos do Chile muilo linos!
que se vendem por menos que em uutr
parte.
Escovas e todas as quali-
dades
Vendem-se ricas cscovas inglezas para
roupa, o melhor que pode haver e de nova
mveiicao a 39, ditas francezas muito boas
a 15, 19500 e 2^000, ditas para cbelo ingle-
zas e francezas a 1s200e2, ditas para den-
les inglezas e franaezas a 400, 500 e 600 rs.,
dilas para unhas dila dita a 240, 500 e tt/e
outras qualidades mais baratas, que tudo se
vende na rua do Queimado na bem conheci-
da loja de miudezas da boa fama n. 33.
Bonecas francezas.
Vendem-se bonecas francezas ricamente
vestidas e de varias qualidades a 19200,
19600 e 29. na rua do Queimado loja de miu-
dezas da boa fama n. 33.
Para escritorios e carto
ros.
Vendem-se resmas de papel de peso do
melhor que he possivel haver a 65, dilo in-
ferior poucajcousa a 39 e 39500, dito paque-
te muilissimo (ino a 49500 e ec, dito almaco
bom a 39200, dito de cores em quartos de
resma a 700 rs grozas das verdadeiras De-
.u'i^nn50^!00 de '?'"? pel barat0 Preco
de 1*200, ditas muito boas sem ser bico de
lanca a00 rs., duzias de lapis muitissimo li-
.* n "" dit0s PrPrios Para riscar li-
tros a 800 rs., caetas de osso torneadas para
pennas de acoa12(.rs., caivetes finissimos
de urna a quatro lolhas a 1, 2, 3, 4, e ou-
iras mais cousas que se vende barato; na
rua do Queimado na bem conhecida loia de
miudezas da boa fama n. 33.
Luvas de varias qualidades
Vendem-se ricas luvas de seda de todas as
res, cobordadas e com bolotas a 2 o para
dilas sera ser bordadas brancas e amarellas
para homens e senhoras a la, 18200 e If500
ditas de lio da Escocia brancas e de cores
para homens e senhoras a 300, 400, 500 e
600, dilas brancas e de cores, de algodao.
proprias para montara a 240 e 320 e outras
qualidades mais que se vende na rna d
Queimado na bem conhecida loja de miude-
zas da boa fama 11, 33.
A loja da boa
fama
Vende milito barato :
Libras lidade a 29, ditas de linhas de cores a l420o,
pe-as de jila lavrada larga do seda a 29500,
duzia de pentes aberlos para segurar cabel-
lo a 2-9200, grozas de bolOes de louca piula-
dos a 240, meias brancas e cruas para humen
a 160, suspensorios para bomem e menino a
40 rs., carlcias para algibeira a 600 rs., pe-
as de fita de linho a 40 rs., grozas de bo-
lOes finos para calcas a 280 rs., grozas de
botes de madreperoia a 600 rs., braceletes
encarnados para senhora a 200, caixas com
linhas de marcar a 28" rs., pegas de bico es-
treito com 10 varas a 560 rs., duzias de te-
souras para costuras a 1/, ditas maiores mui-
lo boas a 19200, e outras muitissimas cousas
que se vendem muito barato na rua do Quei-
mado ua bem conhecida loja da boa fama
n. 33.
Vendem-se sellins com pertences,
patente inglez eda melhor qualida-
de que tem vindo a este mercado :
no armazem de Adamson Howie
4 C, rua do Trapiche n. 42.
POR o0:000 REIS.
Vende-se urna rica toalha de labirintho
propria para baptisado na loja da boa fama
n. 33.
Perfumaras finjssinrias.
Na loja de miudezas da boa fama na rua
do Queimado n. 33 encontra-se sempre uro
rico sorlimento de perfumaras de todas as
qualidades, inglezas c francezas, sendo dos
melhores autores quo ha em Pars e Loo-
dres, a saber : 1 gua de Colonia muito boa,
sabao para baria de creme de amendoas,
agua de lavantie muito superior, vinagre
aromtico para flores de cabeca; banha mui-
to fina em ricos vasos, extractos de muitas
qualidades, extractos proprios para bolso da
estudanle, esserjcias de varias qualidades,
opiato o melhor tiuc ha para limpar denles,
pas para limpar os denles, e outras muitas
cousas que nao dpi xa rao de agradar aos se-
nhores compradores, e que ludo se vende
por precinho muito barato.
VENDEM-SE CAPACHOS
pintados, compriilos e redondos a 700 e 800
rs.; na rua do Q eimado loja da boa fama
D. 33.
$0tt*4>0ftt*i*0$.
Do engenho liento-\ cilio em Santo Antao fu-
Sio em das de noverojbro p. p. o escravo Alexandre,
enoulo, de 30 anuos, cr fusca, altura recalar, olhos
papudos, pslimpos, cabelles crescidos oe frente, lal-
itz coro eicalrizes an igas de aroules uas uadegas, e
mesmo as cosas. Foido engenho Paraiiu em Rio
rormozo, lindo sido c imprado nesla praja vindo do
serlao do Ceara', para onde talvez se tenha evadido.
Sabio com camisa azi I, chapeo de palha linio de
preto : pede-se a qnerb delle tiver noticia ou encon-
trar, o prenda c o fajt conduzir ao referido enge-
nbo, onde sera' bem gratificado.
Fugio hontem as 7 boras.um escravo mula-
to de nome Tbomaz, alto, re(orcado de corpo, com
marcas de bexigas, pernas grocas, e nellas marcas
de cicratizes as cauellas, falla com muia manci-
dao, levou vestido camisa de panno azul groco
guarnecida de ourelo branco, nos ombros e pu-^
nhos, abara na frente em forma de palito: este es-
cravo he natural da Parahiba e foi escravo do Sr.
Carlos Coelho, que o houveporheranca de seu so-
gro Jos Joaquim de Souza daquella cidade.efoi
comprado pelo abaixo assignado aoSr. Hilario de
Alhandra Vasconcelos Junior.morador no engenho
lapu freguezia do Pilar desta provincia :
quem o pegar leve-o a rua da Concordia a Pedro
Antonio Teixeira Guimaraes, que ser generosa-
mente gratificado.
VmJEHZ. &" '2 d0 "" mez, do engenho
nn m *"""' P"'0 ,sc' *< Dome Joa-
olhos'vivo? !B"l*. .Mt,in, ; ">iio, barbeo,
IrL a ?;U l'h''nomia, denle, alvos, que-
h t.Pir c,"aPr'0 Kf. onde servia de
buhe ro de carros. R,cororaenda-se a sua appre-
henrio I polica e aos capuje, d. campo, crios,le
ZenhfvMir0'" WM,P 'arera o dito
Almeida Abuqoerque, ou no engeubo Boa-Vi.t,
tF'tSAtfm dl Aln,eida e Albuquer-
qu- rarahiba 12 de dezembro de 1856.
, ~ 0.?,"1 d0 mn fevereiro do crreme annn
fogio da Oloria do Goil. um eseravo poTnem. Ma-
noel, ,d.de 30 annos, com os signaos .guim.7 Di
raice, perna. fin.s, barrigudo, com falta de "inte?
SS"' i"gn^,a vaIl> d". ama ":
H.a ernum caroSo qoe parece um tobiano, ha
muilu regnsla, e lem ja sido visto por duas vezu
nesla praca : roga-se as auloridade. policia.s e eap,-
taes de campo a apprehcnsao do diloeieravo, e-
vem a dita Iregaezia da Gloria do Goita, a entregar
ao padre Antonio da Silva Cavalcaoli, que serao se
nerosamente recompensado!. 8
arinAJ"ei"0UH* da "" d0 abaiI signado, no
da 10 do corrente, a sua escrava crioola, de nome
uora, de idade 30 annos, cozinheira e eugommadel-
ra, cor Tala, estatura alta, secea do eorpo, pes e naos
seccoi. dedos eoroprido, denle* limados, lem na
oreiha esquerda um faro 00 lagar das ergotea : dir
aadnr procurando senher, e alguaiai vezes anda de
osa e saia prela : roga-se aos eapiles de campo e
a polica, que a apprehendam e levem a Soledade
rua de Joao Fernandes Vieira, casa de janellue 1
Porta, onde icrao graticados.
Jos Anto de Soaza MagalbJei.
A t te 1193,0.
Fogio no dia 7 do corrente mez o eseravo de no-
rae Jaciutho, de Befo* Costa, de idade 100 annos
pouco mais ou menos, alto, pernas arqueadas, poi-c
barba, jalga-se lar acoutado no logar da matriz
da Varzea, por ler sido encontrado por varias pes-
soas, as quaes diz que seo senhar o forroa por elle
ler comprado nm bilhete da lotera e sabir a sorle
grande: roga-se as autoridades policiaes, capujes
de campo e pessoas do povo que o eoeootrareru o
levem a ru Oireila n. 76, que se ragirao ai dci-
pezas.
500^000 de grratific-.pao.
A qoem appreheoder on der noticias certas do es-
eravo fgido cm 23 de fevereiro, de nome Manoel
crioulo, da Babia, oflicial de caldereiro, he alto e
bem parecido, corpo fluo e com hombros largos, ros-
to redondo, olhos pequeos, retinto, com falla de
um dente na frente da paria de cima, com algumas
epinlias no rosto, Betcee linos, sem barba, lera de
2 a 24 anuos de idade, falla muito bem e macio,
eosluma aflirmar-se moito qoeodo falla, e lem pes
e maos muito bem feilos. Esle escravo he dos Srs.
Lemos & Ramos, do Rio de Janeiro, e tem-se descon-
fianca qoe esleja nesta provincia : quem o pegar oa
der uolicias cerlas, receber a gratificado cima de
JOOKOOO, em casa de Joao da Silva Moreira. na rua
da Praia 11.16.
Dos premios
NS. PREMS., NS. PREMS.
S
II
13
15
18
20
21
93
2
27
28
31
3i
36
37
JO
M
a
44
45
47
51
52
58
59
63
65
71
72
79
80
85
87
90
93
M
95
100
I
3
19
16
18
22
24
25
26
27
28
29
33
34
36
43.
44
13
8
51
52
54
56
57'
58
60
63
65
60
72
74
78
82
81
85
87
88
90
n
95
97
99
207
8
9
12
14
19
21
23
24
26
28
32
:3
37
39
68
68
69
69
6
68
6
68
68
68
68
68
68
108
.69
6>
69
8
6
68
68
6
68
69
69
68
69
69
69
69
69
(9
69
69
69
69
69
60
oc
69
69
6-3
63
69
69
69
6
69
603
69
69
108
69
68
69
63
6,3
69
63
69
208
69
69
69
69
69
69
69
6-5
69
69
68
68
60
68
8>
68
68
68
69
69
68
69
20?
68
6-3
68
63
68
68
63
68
69
68
69
69
241
47
51
52
55
56
59
63
65
67
68
69
77
78
81
83
84
90
94
95
99
300
1
3
4
6
7
9
11
12
15
23
27
31
31
36
l
48
50
58
67
7.<
74
7'J
82
84
87
88
89
90
94
400
11
17
20
21
23
30
33
3
:I8
39
10
li
16
49
57
59
63
li
71
72
74
75
76
79
80
81
83
S
86
91
96
98
501
3
6
13
15
16
17
AIS. r.-. i'i USJtlS.
69 520 209
69 25 69
69 26 69
68 27 69
<3 28 69
69 30 63
68 32 69
68 33 1"3
108 36 69
68 10 69
68 41 69
68 43 69
68 45 69
203 54 68
68 58 68
68 59 58
69 60 69
69 69 69
68 73 69
6? 75 69
63 8i 69
68 89 69
69 600 9
68 4 69
68 7 69
68 8 69
68 11 69
68 13 69
69 li 68
69 16 68
69 17 69
68 19 205
68 20 63
68 22 63
68 :io 68
69 40 63
69 12 69
68 52 69
69 62 69
69 72 69
69 73 9
6g 74 508
68 79 68
69 81 69
69 87 6-3
69 89 109
69 90 69
69 92 6;
68 95 63
6 96 69
69 98 6,3
69 99 69
63 702 69
69 10 69
69 13 68
61 16 63
69 22 63
69 23 68
6a 25 68
69 27 63
6-3 28 63
69 29 63
69 31 68
68 31 6-3
68 37 68
69 39 68
69 fi 50 6-3
65 69
6-3 51 6-5
69 52 203
69, JO 63
69 56 69
69 t 69
69 58 69
6a 0 63
69 61 68
63 63 63
69 66 63
63 67 68
63 6S 509
208 70 1*
69 /.i 63 '
68 77 69
60 78 59
10-3 80 63
63 81 103 83 103
6-3 85 69
208 88 63
68 93 9
6-3 93 . 69
6.3 93 69
509 98 63
ti,3 8110 64
68 109
69
da primeira parte da stima lotera a beneficio
extrahidaa 20 de Dezembro de 1856.
mi
a Matriz da Boa-Vista,
NS. PREMS.
63
6-3
6-5
69
69
69
6-3
63
6f
6-3
803
6
8
9
14
15
22
32
33
34
36
39
41
46
47
49
50
51
53
57
58
63
66
69
72
79
86
88
94
96
905
9
13
15
18
20
21
24
36
38
10
45
18
50
51
54
55
57
66
69
73
76
79
82
85
86
93
97
1000
3
5
9
16
17
18
22
21
25
26
32
43
43
56
57
60
61
63
61
70
76
78
80
82
83
87
92
97
1102
7
8
9
11
li
15
17
69 5t
62
68
70
71
76
SI)
89
84
83
63
6
69
63
68
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
63
69
6-3
69
69
63
63
69
69
69
63
69
69
69
69
69
63
63
6
6
69
65
68
69
6*
69
109
63
63
6-3
6|
69
63
63
63
63
69
63
63
69
63
63
69
6-3
6-3
63
63
63
63
6-3
69
69
63
o
63
69
63
69
63
10-3
63
63
63
69
69
93
95
99
1202
9
10
96
27
31
36
37
:18
10
47
55
56
65
66
70
71
75
76
77
79
85
87
88
95
1308
12
13
16
17
18
22
:i
li
45
51
52
53
55
56
5S
61
6 i
69
70
71
72
7 i
76
77
78
i
8
86
88
90
91
91
96
1400
3

6
8
II
17
19
21
27
29
63
63
69
69
69
68
203
68
65
69
68
69
69
69
509
09
68
69
69
IO3
209
69
69
69
68
69
69
69
69
63
69
68
108
68
6
68
68
69
68
69
63
63
69
69
63
509
63
6-3
63
63
63
63
69
63
63
69
63
68
63
63
63
69
63
63
69
63
63
63
63
6-3
69
69
6-3
63
63
63
69
69
63
63
63
69
69
l;3
6-3
63
203
63
69
6?
68
20,3
6:0003
68
NS. PREMS. NS. PREMS. NS.
1120 63 1432 68 1750
24 63 33 68 53
28 68 31 69 58
31 68 38 63 64
36 63 41 63 67
38 68 51 63 69
43 203 52 69 70
** 69 53 69 72
45 68 55 63 82
69 57 63 83
61 68 86
62 69 88
65 68 92
68 63 93
73 64 94
81 69 95
82 63 97
90 69 99
91 68 1800
98 b8 4
99 68 3
1500 68 6
1 208 10
3 69 12
5 68 13
9 108 14
12 68 15
14 69 23
18 63 29
22 63 35
23 69 36
25 69 38
27 6f 39
30 69 <
32 6.3 43
37 63 44
38 63 45
68 47
45 69 50
53 69 61
54 6.3 67
55 63 69
57 6-3 "1
59 68
00 68
61 68
65 69
69 69
70 503
76 69
64 69
86 68
87 63
90 68
92 1003
93 63
94 63
98 (i.,
99 60
1600 63
17 69
18 69
20 69
21 69
27 68
32 69
3/ 6f
39 6.3
40 69
41 103
12 69
13 63
8 6-3
19 63
52 63
54 63
57 63
59 909
60 63
62 63
63 68
' 69
66 69
79 69
81 103
M 63
97 63
1707 6o
14 63
19 63
21 6-
32 69
3.1 65
45 1;,-
16 63
NS. PREMS. ,Ns. PREMS
IT-JI .- I
"9 2025
69
6-3
63
69
32
36
40
45
51 52 2:0003
69
63
68
68
69
69
6-3
69
69
68
68
69
6-3
63
63
68
69
69
69
69
69
6-3
71
75
80
88
90
92
91
98
1900
3
4
5
6
10
17
18
27
29
.30
.12
33
35
41
51
53
53
56
57
62
66
67
<
77
87
89
91
93
99
9002
i
8
9
10
14
16
17
is
1
20'
69
69
69
69
69
68
69
69
69
68
69
69
68
69
69
69
69
69
69
68
108
69
69
69
69
69
6-3
69
69
6.3
69
63
6-3
68
63
69
63
68
63
63
69
309
63
69
63
63
6.3
69
63
69
69
69
63
63
69
63
69
69
63
69
68
69
691
203!
9
III-
54
56
58
59
60
61
65
67
69
70
72
73
76
78
79
81
89
91
94
95
97
99
2100
1
6
23
34
26
27
30
36
39
42
46
47
50
58
60
61
68
69
75
82
87
92
91
95
96
2208
II
18
19
20
22
26
28
29
30
32
34
36
38
16
50
53
58
60
65
71
71
73
79
si
81
S"i
88
92
93
96
3306
9
12
li
15
16
IS
69
69
63
63
6
69
69
69
69
69
69
209
208
69
69
69
69
68
69
69
69
6-3
69
6
69
69
6-3
69
6,3
69
63
69
6-3
508
68
69
69
69
IOS
69
63
69
60
68
63
63
68
69
69
69
63
63
6-3
'3
69
68
69
63
69
IOO.3
63
6-3
63
63
69
201)3
69
63
63
63
69
59J
63
69
:::
69
63
63
63
<3
63
63
63
69
69
69
69
NS. PREMS.
2326
27
29
30
33
36
37
41
46
30
51
52
54
57
58
61
64
67
70
71
73
77
78
79
85
87
92
2102
4
6
69 2596
69 98
69 2601
4003 -
b9 5
69 6
69 8
63 9
69 14
69 45
69 16
69 2!
69 22
10o 23
?
69
69
I 3
69
69
6
69
9
15
18
21
22
28
2
31
33
:18
44
47
55
67
61
62
65
70
71
73
74
75
76
78
82
83
86
87
89
91
95
2505
12
13
23
25
26
27
28
36
37
38
42
43
l
16
51
.V!
56
57
5S
59
i.l
61
71
TJ
71
79
80
81
85
87
90
91
69 57
.69 59
68
69
69
1008
2009
69
69
69
68
69
69
69
68
63
69
69
69
69
68
63
69
69
69
69
69
69
69
691
6-3
69
69
691
63;
691
509
<9
.63
69
69
69
69
69
63
69
63
69
63
69
63
69
651
103 i
69!
i;>
.
t.-
io
69
1;-
63
1;-
B9
69
69
!.-
69
03
63
li-3
68
69
61
63
64
71
75
76
81
84
87
2700
6
8
9
11
14
15
21
25
27
29
31
37
38
39
49
56
57
58
60
63
61
65
66
68
71
76
77
78
83
90
93
94
95
96
2800
1
8
10
II
19
30
22
21
29
111
31
32
33
i.l
li
17
18
51
62
63
63
69
7.1
71
PREMS.
69
69
69
69
1009
69
69
63
69
69
69
69
6.3
61
69
69
68
69
69
69
69
69
68
69
69
69
69
68
69
69
69
69
109
69
69
69
. 69
63
103
69
69
69
69'
69
68
63
69
69
69
691
69
69
6-3
69
6-J
69
69
69
69
69
69
6f
69
69
6g
63
69
69
60
6-3
69
6c
63
65
69
63
69
I113
69
69
'C
li-
lis
69
6-3
63
69
63
63
(i-
69
50
69
IO3
63
NS. P
2873
76
78
80
81
82
88
91
93
94
2902
4
5
II
16
22
26
31
32
39
10
41
42
47
53
54
38
59
63
64
66
67
69
70
73
7t
75
80
84
85
86
87
90
91
92
97
1012
13
17
18
21
23
26
28
29
30
31
33
.18
10
41
13
46
47
49
50
51
53
57
60
6 i
65
66
70
73
78
80
82
83
K"i
Sli
!l|
92
91
1102
i
8
10
11
Mi
32
31
REMS.
68
69
6
69
-5*
> 69
69
69
9009
59
69
69
69
69
69
63
68
68
108
69
69
39
63
9
69
69
69
69
69
69
109
69
69
69
69
69
69
6S
68
69
69
69
69
69
69
68
68
8
-19
69
69
68
63
63
68
63
69
68
68
69
69
69
63
69
63
69
63
6.3
59
69
68
63
63
63
63
63
"i3
63
9
6-3
63
68
69
69
69
6-3
69
69
69
63
NS. PREMS. 1 NS. PREMS.
63
3137
38
43
44
30
54
37
60
61
67
70
72
82
86
88
91
96
99
3200
1
7
11
13
14
17
26
27
35
36
39
43
53
56
61
62
65
66
69
73
77
82
88
89
94
95
97
33(15
7
8
9
11
12
14
15
18
19
30
34
36
il
55
16
62
61
67
70
75
79
82
86
90
95
1103

5
7
8
IJ
15
_'ii
22
23
39
31
34
35
40
11
15
M
53
61
63
66
69
69
68
68
68
69
68
68
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
68
9
69
;69
69
69
69
69
69
69
69
69
59
<$>
69
691
69
69
69
69
:
109
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
63
3470
74
75
78
84
85
89
91
93
94
97
3502
4
9
12
13
23
26
27
9
30
31
32
34
36
38
40
41
42
45
47
30
55
57
63
69
73
74
76
79
82
83
93
94
98
P
7
11
12
.13
14
17

M
30
31
33
33
37
40
41
69 i 47
1
69
69
69
63
69
69
69
69
103
6.3
h>*"W
69
63
69
69
69
69
63
6|
68
69
IO9
108
68
69
68
68
68
63
69
10?
69
69
4
49
50
53
5
57
63
65
7*
72
79
82
86
87
89
90
93
98
3700
3
4
9
12
13
15
16
'19
21
22
23
68
69
69
63
109
69
109
69
69
69
69
68
69
69
69
69
69
69
69
68
69
2OO9
69
69
69
69
69
69
69
69
69
6,
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
9
69
69
69
6
6-3
69
69
'69
6
69
69
108
69
68
68
203
6
68
63
69
69
69
68
68
63
68
68
69
69
69
68
68
68
68

'69
69
69
68
69
109
69
69
69
69
68
NS. PREMS.
3728 69
29
30
31
32
36
37
38
39
40
43
49
51
52
54
56
61
62
71
77
78
82
89
94
95
96
97
99
3809
13
17
19
20
23
27
28
29
30
34
41
44
48
51
55
58
60
61
63
66
67
68
- 69
88
90
94
96
97
3901
8
10
12
16
19
21
23
26
27
28
31
34
35
37
:w
11
43
46
SO
51
52
60
61
ea
67
69
71
75
77
80
81
83
90
91
94'
95
98
69
69
6
69
69
69
69
69
69
69
6
69
69
68
69
69
69
69
69
69
109
69
69-
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
109
69
68
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69
69*
69
69
69
69
69
69
69
69
69
108
69
109 .
69
69
6
69
69
69
69
69
69
69
69
9
69
69
69
69
69
1009
69
69

\
MUTILADO
PBBN. TYP.DE M. F. DE PARIA. 1856.


.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEIMAL1TP_QO3VDC INGEST_TIME 2013-04-26T21:14:11Z PACKAGE AA00011611_07666
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES