Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07661


This item is only available as the following downloads:


Full Text
\
ANNO XXXII N. 291
Por 3 iniv.es adiantados -ty'OOO,
Por 3 mezes vencidos 4,$500
vY
n*****
TEUCV FEIRA II DE DEZE1BR0 DE 1856.
Por aririo adiantado 15'000.
Porte franco para o subscriptor.
KNCAHRKl.ADOS DA SyBSCRIPCAO' NO NORTE
Parahlba, eSr. earvaxio v. dt Naiirididi; Rila I, Ir. Joo
Juta I. Partir Jnior i Ariel!;. Sr. A. d Lamoi Braga;
'i eir. J. Jotda OliMiri; Miranhio, o ti. Joiquim Mar-
ftedrigaei; Piuhj, o 8r. Domingoi Bireulloo A. Peno
Caa-eeae; Par, Si. JuilinlinoJ. In< AnaaioBaa.ofi. j,,.-
,* < CMU,
PARTIDA DOS CORREIOS.
Olinita : t,,,L, os dias, s > c neja horas rfo da.
HWMlt, (d.ianiia I>.iraliiba : as MKUilM RhvMli
5. Anlau, naa-arroa, llonilo.Craaru, .lliyil,., r Garaaaeai : na lorjl-fi
a. Loaraaeo, i'a-J'uii. NaiareUi. Lixoeiro. Breiu, Patamin, /na-
icira H,, l,||.|[,.,la, Boa-Vala, Oarfcar-- r K, : roi, narua-ielras
UDn.ipojaca, Serlahaea, luo-Parauail, Ina, .irreirM, .Vuua-I'rula
i-arnu-iraa r Nalal : c-uinlas-reira*.
(lodoj aa curren parlen as 10 harai da rainHa.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNABS DA CAPITAL.
Tribuna I de eommarcio | iep jnda e quintal.
Kelaeao lareai-feirai a labaadoi.
Panuda : quarn tiabbidoi al 10 hoill.
Juie do com mereja: legundan ai 10horile quintil la aele-dla.
Juno da arphaoi legunda quintil ai lOhorn.
Primeira ii ra da ifral I signadas 1 mili aa miio-d ia.
Segunda aira da ilral: quarui i iibbadoi ta milo-dli.
PA1T1 QFriCIAL
OOVERNODA PHOV1NIA
Es-aeaMeate ala avia 1 ala ateienabro.
OfficiaAo Exm. eurotnandaute superior da guar-
da nacional do municipio do Recito, declanodo que
fieara expedida* as convenientes orden* para que nao
sri rnnliuue destacado no .*>. balalbao de intentona
di mesma goarda nacional, o corneta do 2 de utili-
taria do exereilojos Francisco Autonio Pereira,
ana tanbem se tornera ao cominaulante do 1. dos
aseaeieaados balalhdes 8 cornetas de loque.OMici
aa-ee nasle sentido ao maraehal commandanle das
anual e an director do arsenal de guerra.
Dito Ao Eim. roarechal commandanle das ar-
aavae, neomraendando qae mande dispensar do aquar-
tellameiito oa suardas do >.<> balalbao de infantarii
deale municipio, Joaquim Aires do N'ascimento, Ma-
eeel Joaquim de Santa Anua, e Joaquim Jos Pe-
reira, visto que os serviros desses individuos sao ne-
cesaaros na capitana da ilfatidega.Ccirnmunicoo-se
ao reapeclivo commandanle superior e ao administra-
alar da eapataiia.
DitoAo mesmn, declarando que opportunamente
era enviado i repartirlo da guerra, alim de ler o
conveniente deslino, o proreiso verbal do soldado
Joa Francisco dos Sanio.
DitoAo inspector da Iheiooraria de fazenda (rans-
iUindo para os convenientes eiames copias das ac-
ta do eiiuselhn adminislralivo datadas de 11 e 6 de
novernbro ultimo.
DaloAn mesmn, recommendando que quanto au-
tos maede pagar ao tente Joiqoim F'abrico de
Mallos, oa vencimentos que se Ihe esla a dever, visto
toe lena alie de destacar para a comarea de Santo-
Aalie.l'arlicipon-se ao marechal commandanle das
armas.
DitoAo mesmo, restilnindo acompaohados de co-
pias das informaces do -.o lenle Antonio Egidio
ala Salva, o reqoerimento ein que Joaquim lves
Barbosa pede por aforameolo orna nesga de terreno
ala manara, que tica entre o terreno n. I7 contiguo
saa propriedade no sierro da Boa-Vista a o de n.
'-i. pcrteneenle ans herdeiros de Jos Kamos de Ol-
vaira, afim de que proceda a respeito desea prelen-
raa da eoofrtrroidade coro a sua informaran de 15 de
aovembro olmo, sob n. 771.
Dito Ao mesmo, devoivando os reqoerimentos
esa qaa Maria de Jess di Silva Motil e suas irmes,
bem coras Praxeles da Silva lnsinfio. pedem se Ibes
de por aforamento nm terrenoanneioao que foi con-
cedido as aapplicantes na ra Imperial, e bem assim
"> alagado que fiea era trente desses terrenos, afim
de que proceda a respeito deesas preteaces pela ma-
neara indicada nos pareceres que remelle por copias
do 3.a lenle Antonio Egidio da Silva, accrescen-
laudo mais a clausula da cederera, dos mencionados
larreaa a alagado, a parle qae ter precisa para a es-
Irada da ferro.
DitoAo mesmo, inleirando-o de haver em vista
de toa informadlo, indeferido a replica que Bieram
Jaa Veriesimo dos Anjos e mil ros acerca do alagado
de manaba que se roncedeu por aforamenlo a Jos
Jaeotno Taaso, a recommendando que mande paisar
o competente ltala ao referido Tasso.
DitoAo mesmo, cnmmuoicando alim de que o
faca caaelar ao administrador da rhrsa do consolado,
qaa em vista de sua informarlo, deferio o requer-
asalo aaa que Minuel Rodrigue! Valencia pede li-
r-eoea para embarcar o assucar da teu armazera no
caes de Apollo.
DitoAo mesmo, devolvendo o requerimenlo em
qaa o capitn mor Manoel Joaquim Carneiro da Cu-
aba pede Ululo do terreno de marmha de que se arha
de pneee ai raa di Aurora, ebem assim deoulrpque
Iba fiea annetn pelo la.!., do norle ; e autorisa-.do-o
a mandar p.i" ir e,se (iluloide couf>rmidade enm oV
parecer que remelle por ropia do i. teneote Anlo-
aio Kgidio da Silva.
DilaAo inspector do arsenal de mariiiha, paali
aaaailar faier os reparos de que necetsila oipparellm
4o bra^ue barca ir Ilamaraca. Commonicou-se ao
commandanle da estarlo uaval,
UiloAo director das obras publicas, declarando
quede canformidade cora a sua informado dada a
cerca do requerimenlo em qoeAnlonio llenriquesde
Miranda, encarresado da factura dos reparos das
arpias da estrada da cidade da Victoria, pede seja
feilo em pieslacftes o pagamento do valor dos men-
cionados repar s, vislo ler prestado li-nra idnea ;
lanrao em dito requerimenlo o despacho seauinte :
Como requer, sendo este apresenlado ao Sr. ins-
peclorda lliesoui aria proviorial para seu conliccincli-
to a eiecucAo.
DitoAo inspector da tlie'onraria provincial, in-
lairaado-a de haver^em vi-ia de sua informar;jlo in-
deferido o reqoerimento em que Brllarmino Alves
de Arourha, arrematante do imposto de 29500 r_.
por cabera de gado vaceum consumido nos munici-
pios de Igaarassn' e Rio Furmosn.pedia na.i ser obri-
aado a praslnr nova Cianea, va a reseisSo do contra-
a ; a recommendando que proceda n semelhanle
respailo de eooformidade com u parecer fiscal a que
se refera a citada informarlo.
DilaAo presidente da commiisSo de hygiene pu-
blica, remetiendo os documentos que acerca do cho-
lera-morhos e estarlo sanitario das .diferentes locali-
dades da provincia, teem sido enviados a previ-
dencia.
DitoAo mesmo. Em addilamenlo ao niau olli-
. io lendando-se rom o Exm. marechal co-aniaudanle
das armas com a administraran dos estahelecirnen-
los de caridade. aos qaaes neala dala oflilio, escolha
d'enlre os medicamentos e mais hjeclos cusanles
da retacan Inclusa, os que Ihe parecerein mais pro-
pri.is para a Iratamenlo de cholerieo*, e delle* faca
entrega aos doulores Jos Augusto de Souza Pilanga
e Jos Joaquim de Sonta, para o lim iudicado no HJ-
pradito ollicio. Fizeram se os odlcios de que se
trata.
DitoAo promotor publico desla capital.Em ad-
dilamenlo ao raeuollicio de honlem, remello a Vmc.
a Dota inclusa oniendo o norae do jai'/ processanle,
a dos criminosos, e oulras circumstancias relativas
ao momo objecto.
DitoAa iui/ de paz do 2. districlo da fregnezia
de S. Antonio, Firmino Jas de Oliveira, devo.ven-
do o affieie do juiz de direim da 2.a vara desla capi-
tal, o qual veio annexo a informaran dada por SmC.
acerca do requerimenlo'le .Manuel de Kesenda Reg
Barros.
DitoAo presidente do cnllegio eleitoial do Cabo,
accosaado recebida a copia da acta da eleic.lo a que
se proceden naquelle dislricln pura nrn de'pulado e
mi snpplenle a assemhla geral legislativa.
PortaraCoocedendo um inei da licenca com or-
denado para lrar de sua saude, ao joii'de direilo
da comarca do Ido Formoso, hacharel Manoel Jos
da Silva Neiva.Fizemm-se as neres aicaces.
KIMir.M l-'.l'.l lils |)i) HEZ DE DE/.EMIIRO
S Quarlocreicanlea 1 hora 7mlnuloia 48iagundoa da "
U LuaeheiaaiS huru U minuioia<8 tegundoi da t.
19Quariominguanlaai i horas,S5 minutle 48icgnndeida m
27 La no va ai 6 borai.SR minuloi,48 ieg undoidi m.
PREAMAR l'i: lili.II..
Prlmalra ai 7 horas a O mnuloi da larda.
Segunda ai.8 horaa e li mioulos da minhai.
DAS DA SEMANA
)> egunda. S. Albina m. ; S. Ensebio b. m.
16 Terca. Ss. Ananias, Azariss e Misael n,
17 Quarla. S. Floriano rn.; S. Calamco m.
18 Quinta 8. Espcridiao b. c. : S. Theolonio m.
19 Seita. S. Fausta : Ss. Pjulilo e Sidonio nim.
SO Sabbado.S. Libaraio m. : S. Bajulo m.
21 Domingo, t. do advento. S. Thomeap.
EXCARREGADOS DA Si:ilSOR|p:A0 NO Sil,
I Alagoii.o Sr.i laudme FaleaoDiai; Bahiaa 8r. D, Duina
|iodiJaneiro,a8r. Joaa PereiraMarlIm. p
EM PERXAMBL'CO.
O praprialariadaDIABIO Manea! flgnalroa datarla,na aai
jllvraria, prafl da Independencia na.ti 8.
DlnL e Exm. Sr,Manda S. M. o Imperador
que rj'or em diante nao se abonero, ajudas de cus-
i aos juizes de direilo que sao removidos a pedido
seu, mas smente aos que o forem nos casos do de-
creto i. 559 de 28 de junho de 1850 ; a saber :
i.- por necessidade ou uiilidade publica, ( art. 2.-
I.- e 2 .* do citado decreto) ; 2.- por mudanca
de urna para outra entrancia ; 3.' finalmente, por
demisso do cargo de chefe de policia para voltarem
a sua comarca ou a outra que for designada. 0
que communico a V. Em. para sua entelligencia e
execu^ao.
Dos guarde a V. ExcJos Thoraaz Naboeo
deArgujo.Sr. presidente da provincia de.Pernam-
buco.Cumpra-se.Palacio do governo de Per-
nambtico 15dedezembro de 1856,S. de Ma-
cea o.
IETERIGR,
anlece-
sens, nao se
m.ile-
CIRCLUR.
Ministerio dos negocios da Justina Rio de Janei-
ro; 23 de outubro de 1956.
ro, ToussAnT de ^ tux.
HiC mihi pmtcr umnes
AngtUsridet.....
(Horacio.)
XII
Hxplicoro e retrlario
(losange pasin urna noile inquieta e aguada. I'ir-
gunlava a si mesma com le rnr o que era feilo de
Adriano, e dizia que era preciso que elle livesse um
dos mais graves molaos para ala lar appareedo de-
IHiis dnjbaile do negociante.
O leilor lembi.i-se de que o Europeo enlr.ira e
aMn sem ser pereebldo.
A mora rnlregava-se a orna mullul.io de conier-
luras as mais contusas c menos i.....Inienles.
Ella levanlou-sc logo qu am.inlicceu, cd.un.ni
Emyrna, Ineaa-lhe euidadosameale um itinerario,
e enviuu-o acaeoberla.
RIO DE JANEIRO.
Relatorio apresentadoa* assernblagetal
legislativa, na quartasessSo da nona le-
fislatma, pelo ministro esecrelario de
estado dos negocios do imperio, Luiz
Iredreira do Couto Ferraz-
jConlinuacao.)
IINSTROCCAO' PL1ILICA.
A poltica do governo, como se v dos
denles rrlaiorios e de diversos actos
lem limitado a promover o inclliorameut.-
riaes do paiz.
Compreheodendo qoe nao be esse o nico elemen-
to de civlisacao e de progresso, e que na sociedade
ha lainbem inleressesde oulra ordeni, que recla-
mara igoal alieurAo, lomou o goveroo a peito a la-
refa, ja incelada pelos ministerios precedentes, de
memorar, quanto Ihe toase possivel, a nislnic.Vi.i pu-
blica, aperfeiroando-a e dillundiudo-a de modo mais
ellijaz, por todas as classrs.
I>ra conseguir esle resultado lem elle empregado
lodos os eaforros a seu aleante, ja reformando os
ealqbeleeimenlos de inslrucr,at) superior, ja liando
novia direccao a alguns ramos do ensino profissio-
nal^ ja finalmente procurando tornar mais ulil e real
a educacao primaria eserundaria no municipio da
corle, e adaptando aos cursos de preparatorios Mne-
los as Vacuidades de ireito providencias anlogas
as eslabelecidas para o collegio de Pedro II, e para
asaulasdeinstrucsSo secundaria aqni existentes.
Lindura livesse o governo, no desempenho desla
misso, aproveitado as lozei e a experiencia das res-
pectivas corporares scieutilicas e de pesioas illus-
Iradas, mo se desvanece, com tudo, de haver anda
ailin.;i.lo a' perfei(3o no minio que lem-se esmera-
do para desenvolver todos os elemeulos moraes da
e.liicara.i e da instrncc.ao nacional.
t;-nilinii.i. portadlo, a esludar pralicamenle a sua
obra, e lodos os das cuida de melhora-la, confor-
me vai aeooselhando a experiencia que so a execu-
'.'" Itni o privilegio de dar.
>cm islo be um faci que su enlft nos acunleca.
Em lodo a parle do mundo civilisado se procede
da mesma maueira.
Sem oulra poitia ser a soa marcha.
liada phase da sociedade exige novas elaborarors,
cai.a poca pedo novas reformas.
Todos os diasso tbserva que medidas que alias
lem j proluzino resultados benficos em paizes
iiiiii.. a.l...... .;.,., ^udc,n, mallas wtn, ser apenas
iniciadas com inuila parcimonia e reserva em oulros,
ja por causa de dadilos inveterados, ja pelo grao de
iilo-ira;au, e por muilas circumstancias cspuci8es.
Assim, pois, o governo considera o que lia feilo
nesle mportaiitissimo rama do servido publico, e
ludio reformou ou initiuo, nao como orna ubra con-
suinmada, mas simeomo os gerinens defutunis me-
lliojrainenlos, como ensaios que espera ver adopla-
dosi e tradnzidus era vantageus reaes e permanentes
ped experiencia, mas que pudem e deven, ser por
esta retocados e reeducados. ,
. pesde que o acto addicioual descenlralisou a ina-
truccao primaria e secundaria, s ficou, como sa-
bis, os poderes geraes nesla materia .i iispeccalo
immedi.ila do entino na corle e seu municipio.
Hospedando o direilo conferido us provincias por
aquella le, mas por uulro lado, convencido deque
a i inlnrmij.i !e do ensillo Iraz comsigo vantageus
reaes, continua o governo a despertar, por meio de
seis delegado!, a allenc.ao das a'semblas provin-
ciaes para as reformas admillidas na curie.
O zelo de grande parle daquelles funeciooarios, e
o patriotismo de muiUs destas corpnraces lem viu-
do em auxilio dos dezejos do governo, e ja nao sao
hoje poucas as provincias onde, coro mais uu me-
nos extensjo, com mais ou menos altersces, nao
leuliam sido abracadas as ideas cardeaes das refor-
mas aqu iniciadas.
E, o que he ainda mais satisfactorio, Iodos os an-
tros osapanhamenloi eslatisticos, embora imperfei-
tos, vao demonstrando ja progressivos melboramen-
los em qoasi lodo o pau.
Dos documentos olliciaes recebados, v-se que ha
imperio 1780 casas ou estabelecimenlos de ensiuo
primario e secundario, cusleados por eonla dos co-
fres pblicos, e frequentailos por cerca de 70,000
alumnos.
E'le resultado, se nao corresponde, como he ver-
dadfc, ao que se deve desejar, ao menos ja he espe-
ranzoso, por ser malla superior ao que apreseula-
van as estilsticas lia poucos annos.
Convra, pois, nao desanimar e proseguir-se, com
zelo e perseveranra na carreira encelada, dando ao
lempo o qoe he do lempo,e coufiaodo-se no futuro,
plantados como esiao os germen* que tendem lao
manifesiamenle a desenvolver-se e a fructificar.
Agora passarei a inforrnar-vos, mais positivamen-
te, do qoe lem occorrido,| da dala do meo olti-
mo relatorio em diaule, em lodos os ramos deen-
inn,
Comerarci pela
ln-lni-i;ni superior.
Aclium-se providas as cadeiras das qualro l'acul-
iladf.* do imperio.
Em lo las estas marcham os esludus com a conve-
niente regularidade.
Oa lentes conlinuam a servir com assidu'dade e
diligeucia, e al o presente nao se lem anda en-
contrado, na execucau dos cslatolos, embarazos ra-
dicaes que devam ser removidos.
Para o seu complemento acaba o governo de ex-
pedir o regolamenlo interno das Faculdades de .Me-
in ana, c bem assim de publicar o das Faculdades
do Direilo que, como vos noticiei o auno passado,
ni esperava por aquelle paia ser executado.
Neste Ir,balli.. procurei cinir-mc o mais possi-
vel as ideas indicadas pelos homens pralicos, que
formam as respectivas congregaces, e umformisar,
lauto quanln permillia o fim e ndole diversadas
Todavia a moja disse comsigo, que Adriano viria
brevemente esplicar-lhe ease enigma, e esperava-o a
cada inmolo, quando, com grande sorpreza sua, vio
pparecer osobrinho do negociante.
I.niz lendo a irona, nos labios e nos olhos, escol-
tado por quatro criados, saudou a moca com allecla-
cJo silenciosa c disse-llie :
Senhora Rosanse, Mr. Adriauo de l'oelcher
meo amigo, e brevemente meu primo...
Clavel p.irou iftu pouco para examinar o efl'eilo
produzido por estas palavras, edardejou sobre a mo-
ra um olhar de lince, no qual eslava pintado todo
o odio de um vivo ciume e de amor propriu c 11 eli-
dido.
Roanse licra paluda como um cadver.
Mr. de I oelcher, brevemente meu primo, con-
linuou o dandy, encarregou-me de reclamar-lhe lu-
do o que Ihe pertence, e de expi imir-lhe seo mal. -
ravel recnnhecimenln pela lerna c deliciosa o ama-
bilidade, qoe Vmc. Ihe lem mostrado.
E Lola orno com urna satisfarn inslenle con-
vencido de ler laucado urna sella muilo espirituosa-
mente aguijada
A colera lirillioo a principio noi olhos da moca
"^ Vf.f,''.?f*yem-aa.|lHi a* pernal, a para, ravel. estremece,, ao mes... lempo de humilh.ca
esponder foi brigada a armar-se de toda a sua co-1 e de furor, quiz responder; mas Rosal, nao deu-
.", I Ihe lempo.
. -Mi comprebendo, Mador, o .pie quer dizer- ; Foi para ouvir isso mais urna vez que o sn-
!".e,V ?.?"" "'" """" "'T' ",Ja d" "" pa'- "'"" vei0 a""i conlinooi, ella. Pois h.,m liqu, sa-
. \ossa senhona esqneee-se de que sob endura lisfei.o. e sirva aua verdade para abaler om poOco
e sua insolencia de filho dt
ditas Faculdades, as regras conceruentes ao seu re-
gimen e disciplina, como sempre entend conve-
niente.
Exped lawbem, em dala de i do 'corrente, ins-
trueces eipeciaes regulando as aulas preparatorias
annexas s ('acuidades de Direilo, conforme! o re-
uommendavam os estatutos de -2 de abril de 1H5i.
Era urna riecessidade allamenle reclamada a pu-
blicado de laes MMlrurni's, para que seintll. mies
aulas pudessem dar resullados mais correspondenle
ao seo fim.
D'ora avanle tanto o seo ensino como a sua disci-
plina podem ter meibor regulados, e mais efllcaz-
menle inspeccionados pelos directores das Facul-
dades.
I ..rain, alm disto, regulados os exames de pre-
paratorios pelo roesrno syalema e pelas ruasmos re-
gras com qne se fazein na corle os examen geraes de
que traa o arl. 112 do regulameuto da in-n ireac
primaria e secundaria, de 17 de fevereiro de I8i,
lano no qoe concerne a' forma dos exames, e modo
de julgar, como no que respeita aos livros nellei ad-
millidos.
Todos esles Irabalhos ler-vos-hdo prsenles cum
os -nuevos a esle relatorio.
Infelizmente sau anda obrigado a confessar-vos,
que a falla de edificios apropnados continua a em-
barazar que. as Faculdades de Medicina, desdeja
se levem a elimo as disposicies dos estatutos concer-
nenles a' crearan de ampbithealros, gabinetes, hor-
tos botnicos, ufllciuas e laboratorios de que care-
cen} para seu rnaior desenvnlvimeuto.
A construrrao de laes edilicioi lorna-se por lano
cada da mais argente.
Basta para islo altendir-ie que a dilliculdale de
se encontrarem casas no centro da cidade, ja nflo
digo com lodas as conHiraies convenientes, porm ao
menos com esporo solticienle, e em lugar azado para
a frequencia dos alumnos,d tal que a Faculdade de
Medicina da corle se conserva al agora no mesmo
edificio, cojo mao estado vos expuz no relatorio an-
tecedente.
As circumstancias climatricas do paiz, os onos
extraordinarios que por causa (deltas pesararn de
improviso sobre o Ihesouro nacional, e outros moti-
vos, n3o permiltiram ao governo comec.ar ainda a
fundaran de um edificio com a necessaria capacida-
de para preencher todo o fim dos estatutos.
Posso porm afliancar-vo* que nao perco de vis-
ta esle olijecln.
Na Faculdade de Medicina da corle ja estar, pre-
encltdos os lugares de 5 oppositores.
Resta apenas vago um na seccjlo de sciencias ae-
cessorias para o qual nioguem se inscreveu no prazo
marcado.
Foi esle por tal molivo prorogado ; e se dentro de
tempo de seu esparamento ninguem se apreseular
lera' o governo de Linear mao da aulorisarao qae
Ihe conferem os estatutos para completar esta rjasse
da qual espero muilo para o futuro do ensino, pois
ha de vir a ser nm frtil vivriro da professores ;
que se ira' habituando pela prilica, e adquirindoos
habilus e a vocacao do magisterio essenciaes para o
melhor e mais ellicax desempenho de suas nutres e
elevadas uneces.
Os oppositores nomeados leem sido aproveilados
nos diversos fius de sua rrear.'io.
As ioscripi o- na Faculdade de Medicina da Ba-
ha comecaram mais larde, por motivos justitica-
veis.
Todavia ja leve lugar o concurso para os lusa-
res de oppositores da seceso cirorgira, e foi apre-
senlada ao governo a lista dos 3 candidatos que
mais se dislinguiram.
Fallara ainda as proposlas para os das ootras sec-
eos a cojos concursos gradualmenle se ira' proce-
dendo, na forma dos estatutos e das insiruceo-s que
..cs.niaei am dala do dezemhrn rio INXi
S-ndo urna das necessidades mais palptlaules de
laes F'acol ladea n ergaainclo das aulas prabeaa de
pliarmaeia, acabo de expedir, de accordo com o
qae propoz a congrejarao da Faculdade de Medi-
cina da corte, as inslrucr^es porque .se devem
reger.
Alm disto trata o governo de promover a funda-
{Se de orna fabrica em panto grande de productos
chymicos, com os laboratorios necessarius para o
ensino da dila aula, pelo modo mais econmico ;
e leudo reeebido nma proposla vantajo maceulico Ezeqoiel Correa dos Santos, cuida em le-
vai a eS'eilo esta idea, mediante condirOes que n.i,.
sobrecarregam o Ihesouro nacional, e que vos serao
presentes logo que eslejam concluidos os respecti-
vos ajustes.
As bibliolhecas de lodas as Faculdades resenlcm-
se anda da falla de mullas e imprtanles obras.
Diversas represeulac,eg tenliu reeebido nesle sen-
tido de alguns directores, e emquanlo nao se execu-
tem as medidas dos recudimentos complementares,
na p-rte que versara sobre laes eslabeleciraeotos
regulara a maneira porque as obras devem ser ad-
quiridas, conviria que habililasseis o gover.io ao
menos.coru a verba deqoalro conlos de res para se
comprarem algumas das mais urgentes.
Nao vieran, al agora lodas as memorias histri-
cas das I-acuidades, perlenceules ao anuo passado ;
sei, porm. que na Faculdade de S. Paulo foi eite
tr,il,Hll>n.n.-mullido ao lenle substituto Antonio Joa-
quim Ribas e na do Rio de Janeiro ao Dr. Thoraaz
Gomes dos Santos.
Para evitar que no anno seguintc lique o gover-
no privado al esle inri das referidas memorias,
rniis.igre em um dus arlignsdos regulamentos com-
plementare* a obrigac,ao de serem ellas remellida*
ao inmisin... meu cargo, impreterivelmeule al o
dia Hdeabrildecadaai.no.
Nao irei a.liante sem declararvos qoe nm dos sg-
naes para mira bem caractersticos da tendencia mais
pronunciada doi espirilos para o esludo, he n faci
que passo a noliciar-vos, de lerem j alguns lentes
apreseulado a consi lerarao do governo, e feilo im-
primir Irabalhos que Ibes fazerp honra, escreveudo
e compondo compendios, cuja (alta era muito seusi-
vel em uossas Faculdades.
Assim he que, depois da reforma do* o.ludos, lera
j o governo noticia dos seguintes compendios :
De pralica do prucesso criminal, composlo para
uso da aula da segunda cadeira do quinto anuo da
Faculdade de Direilo de S. Paulo, pelo Dr. Joaquim
Ignacio li,mallio, lenle calhedr.ilico da dila nula.
De pralica do processo civil, orgauxado pelo lenle
da mesma cadeira, na Faculdade do Recite, 0 Dr.
Francisco de Paula Banlisla.
De Direilo Ecclesiaslico, pelo Dr. JeroDymo Vi-
Icll.i de Caslro Tarares, lente cathedralico da respec-
tiva cadeira, na Faculdade do Recite.
De pralica do processu criminal e do militar, pelo
Dr. Prudencio Giraldes lavares da Veia Oabral,
lente cathedralico da cadeira de Direilu Civil Patrio,
na Faculdade de S. Paulo.
De pharraacia pralica, pelo lente palhrdrali.ro de
pliarmaeia, na Faculdade de Medicina du Rio de Ja-
neiro, Manoel Mana de Moraes Valle.
De Anatoma, pelo Dr. Jos Mauricio Nones Gar-
ca, lente calhedraliep deanaloraia discriliva na mes-
ma F'acnldade.
Os dous primeiros compendios foram j approva-
nao crcio qae o Sr. Adriano tenha obedecido aos
impulsos de seu eoraeja encarregando a vossa se-'
nhoria de scmelltante miisao. Elle be nobre e obra-
r como tal.
He justamente por ser nobre,respondeu l.oiz,
meneando a nliera com insolencia, que Mr. de l'oel-
cher iorlina-se diaole dos deveres que Ihe sao impostos
pela suaroova posirA.i para cum minha familia. Estan-
do para casar com llenriqueta Flavel, elle observa a
mais vulgar lei de decencia renunciando desde j e
pora sempre s suas aflecluosas relaenes com a se-
nhora Rosange.
A esla Btlirrtiar.lo ainda mais categrica do cala-
mento de Adiiano, a pobre moca loria ficado muda
e aniquilada se nao fura o senlimenlo de indignadlo
e de revolla, que acabava de fazer-lhe surgir na al-
ma o desprezo, com qoe o filho do negociante que-
na opprimi-la. A voz corajosa da consciencia di-per-
lou nella urna energa invencivel.
Cbegando-se a Platal de (ronle allac olhar cham-
mejanle, ella exrlamnu :
Creo que a muala de Sainl Deirs n.lo be in-
ferior a muala de Calcula' !
I.uiz, ferido na libra mais sensivel c mais vulne-
Ao cabo de nma hora a negro vollou e annunciou
ine vira Adriaui (timan, lo Iranquillamenle um cha- J,r'',e,'lo <}*" f"."le havl relaco a'gma entre o ie- I seu orgullio jenaalo
rulo em rnmpanhia de Lat Flavel ded-iio das arvo- i "'"'r m'm" ,'*0"' "'"' "l0 '"ibrii. Mr. de Foel- fortuna
cher est na dada, sua saiide lie excellenle...
Como sabe disso? inlerrorapeu Flavel cora al-
tivez.
Eu o se, senhor, respondeu Rotante, a qual
am.nou-se repe.tl.menle a pala pereunla, e Mr.
de Fueleher deve-me pelo meuos urna ultima entre-
villa. Vossa sendnria ohriea-ine a dhet que a ma-
neira, pela qual elle foi arnldid.
re* do Caf Vair.
Rnsange respirnu om ioalanla : nao havia qnp re-
celar quanlo a samle de Foelrl.er. .Mas. esse mesmo
(arlo lava muilo ma> gravidade a sua ausencia.
Desde qne e-lava na Remidi era a primeira vez qu
elle passeva lano lempo sem vr-la, era a pnmeira
vez que dormir na cidade.; ella nao poda innpr
que iivesse passado a noile em oulro baile.
Vida Diario ti. 992.
I.u.z nao operara nnnc.i firmeza Ufa audaz da
parle dessa moca branda e dumilde. Dominadti ao
mesmn lempo pela lorpreza, colera e rnnfuso.c leu-
do as faces conirahida*, elle apenas pde;dizer :
Enlao rerusa formalmenle entregar os objec-
los perleureules ,, Mr. de Fnelrder .'
enl
oe.ra, pea qual elle o acolhido ne.la caia, ord.na- ; ^1^0!^^"^^^*^^^mi
Ihe qoe por.e-se ,le oulro modo. Venlia elle e tari is.o for obrieada. C '"
condozr logo u que lem na minha casa. D.maii, | O sobrinho do negocianle fez nm grande gesto de
27:1 alumnos.
M)l a
.Mi
20 u
K a
:r.i
997
33
li
907 i)
1i>
til

1
-2i
1
2I
grao do ba-
Si al amno.
M
4.. D
99
50 )
2S >
22
19 ')
s
:i ))
0
i
IS It
\
0
i
3 W
27J
900
119
91
87
M
:)(i
33
39
19
17
13
I.,
J
7
6
6
4
1
8
No mesmo caso esla a deliberacao tomada de es-
pacar a poca marcada pan, o encerraraeuto da pri-
meira matricula nesle anuo.
O cholera percorria diversas provincias no mez de
marr^o, reinava ainda nesla corle, assolava a capi-
tal de Pernambuco, e nao se linda iuteiramenle ex-
tracto na da Bahia, cidades que sao assenlodas Fa-
culdades.
ameara, e saino com os qualro negros que trouxera
para conduzir a roopa |c maii objectosde l'oelcher.
Apenas Luiz sabio, Rosange lancou-s sobre urna
cadeira e rorapeu em solucos.
Adriano paseeado a' sombra d?s arvores do Gaf-
Vair aguar.lava com impaciencia febril o resultado
da misso de seu futuro primo.
Bem que eilivesse convencido de que pucarregau-
do a I.uiz de ir a casa de Rnsauge.clle se conforma-
ra a'raz3o, a'digni.lade, a'decencia, todava nina
especie de remorso olislina"va-se em rensara-lo.
Adriano dizia comsigo que apegar de tudodevia sau-
dar ao menos pela ultima vez esse santuario tran-
quillo, esse lugar delicioso, em que Uvera centena*
degozo* em mistara; sohretudo devia apertar a
mode Emvrna, coja nobre iniciativa, cujo remedio
ignorado salvara-lhe t ,1 ve/ a vida.
E o coraeaodo m.incel.:i eslava assim sobre o do-
minio das mais peniveis emore*.
Flavet appareceu. Decidido a tomar a moca an-
da mais despresivel e odiosa ao* olhos de Adriano,
elle adullerou os faci* : allirmou que nao smente
ella recusara ora arrogancia sem igual entregar oa
objectos a qi.em quer que rosea, mas l.-.mhem pro-
ferir rom impudentes risada graeolaa e sarcasmos
sobre as paives ingenuas c sobre a rrcdulida.le do
joven Europeo.
De nadir -/a viva e arrebulada. Adriano deitoo-ae
levar desss mentiras, e na cmalo da indignarla e
do furor curreu a' casa de Roeange resoluto a calcar
aos ps lodas as allenrues.
A moja nao sal.ira do lugar; cabida em urna pol-
trona que eslava de ordinario no jardn, junio a ca-
sa ella nao cessava de chorar.
Nao encou(raudo a uiiiguam del.aixo .!,. caraman-
chel Adriano alravessou o corredor e nao vio a mo-
fa, ssnau quaodn esleve a dous paMoa della.
Vendo o roalo de Rosange .iinuudado de lagrimas,
o rnancelio licoii f.lupelaclo. O sodriudo do nego-
ciante pinlara-ll.e es-a fronte .-ornada da iinpu,leu-
dos pelo governo, precedendo os mais favoraveis pa-
receres das respectivas Pecnldedea, a de pessoas
corapeleotei, a quera incumb de atlenlameiile exa-
mina -los.
_S5o obras de merecmento real, qne o governo 11.10
pode deixar de premiar, a de mandar adoptar.
outros pende,,, ainda de exames, lendo o de
Direilo Ecclesiaslico. do Dr. Jeronymo Vilella de
Castro Tavares, emseu abono ja alguns pareceres re-
cbidos.
Esle ejemplo qoasi que instantneo, dado pelos
professores cujus mimes declarei, nao lem de licar
sem iraitaro.
Sei de outros compendios que estao sendo elabo-
rados por lentes quer da Faculdade de Medicina,
quer da de Direilo.
Ele fado, repilo, ha para miro muilo significa- 1
tivo.
Quando oulra coosa'nao prove, demonstra ao me-
nos que os lentes vao cada vez. mais comprehenden-
do, como disse 110 meu relatorio do auno passado, a
.tilma de sua misso na sociedade.
Compre pois nao parar.
Agora me oceuparei em dar-vo* cotila do mov-
meato escolar das Faculdades no anuo lindo.
Malricularam-se em lodas 1,099 alumnos.
Foram approvadus pleuainenle 7H.">
n v simplesmeute 1.i2
Iteprov.ido- 47
Perderam o anno 19
Deixou de comparecer aos actos era lempo proprio
um grande numero, principalmente de esludanles
das Faculdades de Medicina, por se acharem muilos
em commiisOes aaturisadas pelo governo, cora o fim
de ciadjuvarein os mdicos em pregados no Iratamen-
lo dos cholencos, na 1 s nesla corte e provincia do
Rio de Janeiro, como em nutras do imperio.
Dividindo agora aa algarisinos cima englobados
por cada urna das Faculdades, temos o seguinte re-
sultado :
Nos 5 aonos da Faculdade de Direito de S. Paulo.
Malricularam-se
Ubtiverara approvac,ao plena
Foram approvados simplesraente
Foram reprovados
Deixuram de fazer acto
Perderam o anno
Na Faculdade de Direilu do Recite
Inscreverara-se
Approvarara-se plenamente
simplesmeute
Reprnvaram-se
Nao fizerara acto
.Vi" lorau, habilitados !i
Na Faculdade de Medicina desla corle
Foram matriculados 215
Approvados plenamenle I.I..
" aimpleiraeute 22
Repruvadoi "i
Nao compareceram ao aclo 40
Foram inhabilitados H
Fallecern, 2
_ Na Faculdade de Medicina da Bahia
F.iran inscriptol
l'iveram approva^ao plena
Foram approvadus simplesmeule
Reprovados
Deixaram de fazer aclo
Perderam o anno
Nao se habilitaran.
Concluir,,, os estudos e lomaran,
chareis.
Na Faculdade de S. Paolo
Xa do Recie
.Na de medicina da curte
Na da Bahia
O curso de pliarmaeia era ambas as
Faculdades leve
>endo dos da Facoldade da carie
dos da da Bahia
Na primeira :
Foram approvados plenamenle
" siraplesmenle
reprovados
Nao lizeram aclo
Perderam o anno
Na segunda :
Approvaram-se plenamente
simplesmeute
Reprovaram-se
au foram habililados
Deixaram de fazer aclo
Concluirn, este curso li, .1 saber :
Na l'aculdade da curte !l 11
Na da Bahia ;, ,,
As provincias do imperio contribuirn) para a po-
pulacho escolar das Faculdades da seguiule ma-
neira :
O Rio de Janeiro cun
Bahia
Peruamhucu
S. Paulo
Minas
Ceara'
Paiahiba
Maranhan
S. Pedro
Sergipe
Alagoas
Para'
Piauhj
Malln-Grosso.
Rio Grande do Norle
Paran
Sania Calbarina
Goyaz
Espirito Santo
Nascidos em paites eilrangciros
leudo fallecido o Dr. Joan FranrisCo de Almeida,
director da Faculdade de Medicina da Bahia, est
este losar preenchido interinamente pelo Dr. Jooa-
tl.as Abol, lenle da mesma Faculdade.
Ao concluir esle tpico devo iuformar-vos que j
epidemia que alacou o llrasil em tao larga escala,
durante o anno passado, tnrnou imprelerivel a ne-
cessidade, a que ja me refer, de lancar o governo
mao dos e.lo lame- das Faculdades da Medicina,
aproveitando o ollerecimento, que grande parle del-
lea espontneamente lizeram, do ir parlilhar perigns
e privdrO's, longe mesmo desla corle, para soccorrer
ai pnvoaro.es invadidas pelo llagello.
Esla urgente necessidade t.ooxe a de assegurar-
Ihes o mesmo governo, que nao perderan) o seu au-
no, e que poderiam fazer os seos aclos mesmo fura
das pocas marcadas nos estatutos.
F'oi urna medida extraordinaria e bascada em cir-
cumstancias verdaderamente excepcionacs, que por-
tento nao pode deixar de merecer a vossa appro-
varao.
Nest.a* circumstancias
toda a expressao,
da matricula at
d i,*'1, .' *."------- 1------"" 1*" '"" -u,cii .. 1 o 1 i.,.. i, a li-
la de que as aulas se deviam abrir, e dah ate o lira do disenvnlvida e guiada pelo zelo e esforcos de pro-
deste mez nao havia senao um dia de aula, por co- fessores habililados.
nslancas fera severidade acuna de edade que ora requenta aquelle collegio faz rpidos, res, ainda ahi vemos o. beneficio.
, abrigar 01 esludanles ao prazo lixo progressos. e e*pero que nos exames do (im deste an-! municipio neutro ,1a reforma m
le o da 15 de marco, quando nesle no, moslre quanto pode a sua natural ptidao quan- 1 de levar a efleilo em Itsl
lleill alan, nni'i'i ir) uliei e n 4ani aln a Ihh 4a i4a..ar.-l__i J_ ._____ ja .a m -
nos que vai tirando o
me coube a honra
mecarem logo no dia Ifi as ferias da Semana
Sania.
Inslrucco primaria e secundaria no imperio.
Nao se lendo ainda podido organisar urna eslalis-
lica do movimpiilo destes dous ramo* do ensino em
todo o imperio, pouco pudeiei adianlar ao que sobre
tal objecto vos miarme, no ultimo relatorio.
Dos eselarecimeutus recebidos ronsla que a ins-
lrucco primaria remunerada pelos cofres pblicos,
e que coutou 1,506 escolas em 1851, foi dada du-
rante o anuo passado em 1,571 a 61,620 alumnos.
Esles aisar.sinos se dividen* pelas provincia- da
seguiule maueira 4
Escolaspublicas. Discpulo*.
Em abono do que levo dito, basla-n.e apuntar
dous fados que dispensan) oulras provas.
.nin \'. 1- r ema "151'""''0 Jn ?"'- Sio elle* os exames dos professores que lecciona-
menlo de I, de fevereiro de 18.., formuluu. no an- vara nos collesios parlculare naquell ?aoadra ,
no prximo luid... para rre.hodi.ar os estudos, um comparado dos exames dos alumnos oeeTiao c!m"o,
pregramma circumslanciado do ensiuo de cada nma de boje, depois da reforma
Vc^taCXiead, e luzes de um *?"* ""' "^^ f" *"
paiz mados a exorne de habilili.c.,0 das diversas materias
que, Destes ltimos lempos, lem-se avantajado tanto que leccionavam. Dele
12(11.",
7,689
ti,N:i8
5,667
i. 7(11
3,709
3,636
2.894
2,tl( 2,051
l.liUI
1,359
1,:iW
1,331
1,943
756
ti2
Wi
419
Minas-Geraes :!
Babia 193
Rio de Janeiro .cum a corte. 191
S. Paulo |6.i
S. Pedro 1211
Alagoas i.,
I'elll nul.u.-. "i
Sersipe 53
Ceur (i|
Para 59
Sania Calbarina 2
Gnvaz :|-j
Rio Grande do Norle :I9
Paral,iba il
Marauho .Vi
Espirito Santo 2:1
Piauhy :u
Millo-Grossi, 16
Amazonas IB
Parara, nao se receberam esclarecimemloi em lem-
po.
A in-tiurrao secundaria, remunerada tambera pe-
los cofres pblicos, foi ministrada a 4,793 alumnos,
as provincias seguinles, de que recebi era lempo us
u-rlareci.nenies pedido*.
Minas-Ceraes <"
Babia
Ceara
S. Paulo
Maranhao
Pernambuco
Alagoas
Parabiba
Para
S. Pedro
Rio Graude do Norle
Gnvaz
Espirite Sanio
Amazonas
Sania Catharina
Piauhy
Quanto ao ensino particular, os eselarecimeutus
recebidus apenas me habilitara para dar u movimen-
to da corle e Ib provincias, a saber :
Discpulos.
1,955
4,850
->,.>.">
9,448
1,810
947
850
72li
72:1
509
179
2;>:l
228
ISO
16
IK
lu,mus.
2,222
" 694
3H7
268
330
183
178
165
106
lo:i
93
79
66
:,i
42
Ib'
o, .|f. n da historia. l-j _-----i------------.....: -"" n senioras;
ao.....v.sas,que ainda exis.era por conla dol vacaoT m ""-** "* aPPro-
Eslado, nada vos dire mais de que est expoito no '
relator.o do conselheiro inspector geral.
Raze* de economa por um lado, d.fliculdades de
Minas-lieraes
Rio de Jaueiro (corle e provincial
Baha
S. Paulo
Pernambuco
S. Pedro
Cear
Para
Maranhao
Sania Calbarina
Seretpe
Alagoas
Para!.iba
Mallo-Grnsso
Hia Grande do Norte
Amazonas
O i o tal do 2|,7(( alumnos, do quadro cima, dvc
subir a 91,900, pelo menee, se Ihe addiciooarem os
algarismos das provincias restantes, que lulo se rece-
beram em lempo.
Nao ser prtenlo exagerado, porera sin, mu ra-
zoavel, calcular-se era 90 a 1011 mil os esludanles
de lodos os estabelecimenlos do imperio pblicos e
particulares, de in-truceao taulo superior, como pri-
maria e secundaria.
Inslrucco primaria e lecundaria na corte.
Para o lugar de inspector geral desse ramo deier-
vii;o publico fui uomeado o conselheiro de estado
Eoaebie deQueiroz Coulinho Maltoso Caraara, era
-ul,siiiuir,io du conselheiro de eslado viscoode de
Hab.ral.v, que havia sido chamado pelo governo
imperial para presidente do Banco do Brasil.
A escrupulosa esculla que para este cargo o go-
verno lem feilo, uas duas occasioes apresenladas, de
homens eminentes por sua posirao social e por sua
illottracio, e con den.los pela justa severidade corr.
que desempenham lodas as missoes qoe Ibes sao con-
fiada*, prova evidentemente o quanto procura dar
toda a importancia ao relerido cargo.
No relatorio que me apresentou o actual inspector
geral, achare discutidas algumas queslOes de urga-
u,*ai.-ao do entino, e indicados os melhoramenios
que ja eslao adoptados, ou que conven) iniciar.
E--e nlereisanle Irabalhu falla por s mesrao, e
dupeiisa-me de repelir-vos os valiosos servigos, que
tem prestado aquelle fanecionario e o conselho di-
rector.
Encontrareis tambera naqoelle documente as razes
porqueainda nao su lera realisado e desenvolvido cer-
tas ideas, embora ja formuladas em Mese, pelo regu-
lamenlo de 17 de fevereiro de I8j, expedido para
reforma do eusiuo na corte.
Falla de recursos em algons casos, o* hbitos inve-
terado! do povo em oulros, leem reclamado o eepara-
menlo de sua realisarao, a qual todava oceupa sem-
pre a aiirncao do governo e dos empregados superio-
res da ni-peccao geral.
Presenleraenle temos 29 escolaspublicas primarias,
sendo de meninos 18 e de meninas 11.
As primeiras foram frequenladas por 1.131 alum-
nos, e as segandas por 571 alumnas.
Embora comparado* esles algar.smos enm ns .lo
auno anterior se encontr um augmentode238alum-
nos na popular.), das cenlas, seria lal accresc.mo
muilo abaixo dos clculos do governo, se n3o se al-
lend'Ue as iristes circumslancias em que se achou to-
da a populacao, luan lo cora a epidemia a que por
vetea me lenho referido.
Fixigir que, em urna quadra destas, o movimenlo
escolar livesse ainda maior desenvolvimentu fura pre-
tender o impossivel.
Nem sei raesmo cerno se manteve o alsarismo do
anuo anterior, e muilo menos como foi anda supe-
rior ao do anuo passadu.
A inslrucco publica secundaria conten 207 alum-
nos sendo 162 do collegio de Pedro II e i da- aulas
avulsas.
collegio de Pedro II lem actualmente a sua fren-
te, como re.lor, o Dr. Manoel Pacheco da Silva, que
preeuche dignamente a vaga que deixoa o seu zeloso
aatecessor o conselheiro Jos de Si,u/a Correa.
Com essa direccao, e doulrina.|a pornm corpo pro
fessoral que vai-se lomando crednr de elogios a mo-
ra urna alllireao e lagrimas qae redmente nao po-
diara ser fingidas, pois erara derramadas lunge da
vista de ludos.
Sira, sao lagrimas verdadeiras! disse elle com-
sigo ; mas que chora ella '.' Seu infernal poder des-
vanecido '.' Sua velhacaria desmascarada '.' Todo o
sen i...nivel plano aniqulalo '.' Ou liaren, anda
nessa alma um cante occullo, urna dobra impercep-
livel preservada pela Providencia'.'
Enlresue a* impressOes raais vilenlas e miis con-
trarias Foelcher permaneca immovel e conlera-
plava Roiange sera poder proferir urna palavra.
A mur-a lavanlou-se e rompen a**ira o silencio.
Adriano, quando ainda era lempo eu disse-lhe :
Consulle-se religioiaraenlp, e renuncie para sempre
a Roiaoge, se condece que sua fronte nao pode cur-
var-sea burnilhacio do preronceilo colonial! lie
melhor esquecer-se de urna pobre moca de cor. do
que ser infeliz para ella e por ella Vott repelllo
toda a reflexao, quiz seguir smenle os impulsos de
seu coraran ; e lendo a convicrao no* olios, a plo-
quencia na voz, radiante Ihe o semblante de ins-
piracao e de enlliusias.no proleslou-me que nenhu-
enronlrar edificia apiopnado, e o destjo de dar al-
sum prazu a expe.enca e a reforma que publique,.
me demoveram al pouco lempo da idea de cnmple-
lar ja a mesma reforma no locante ao ensran secun-
dario, creando, conforme a aulonsaco dada na lei de
3 deselembro de 1851, e a promess'a do rilado regu-
lameulo de 17 de fevereiro de 1851, um extrnalo na
corle, onde se reun-,-m os professores daquella* au-
las as quaes por esse fado ficariam exlinctas.
Moje, porem, que o tempo decorrido vai felizmen-
te abonando a reforma, boje que ella lem dado ja al-
2um ftuclo, e qoe julso provavel a acqoM{ao de um
edificio adaptado, como aliante voi moatrarei, c*tou
convencido qne ha inconveniente no adiamenln dessa
creacao, e que vem chesandoa poca opporluna, ja
de aproveilar melhor as despezas que se fazem com
as aulas avulsas, ja de se completaren! o* benficos
que esperamos colher da reforma do collegio de Pe-
dro ||.
He, no meu entender, prejudicial ao ensino e a e-
ducarau dos alumnos internos des*e collegio o seu
duplice carcter de intrnalo e extrnalo simult-
neos.
O regimera qae se applica a meninos que vivem
em um eslabelecimenlo, longe da direccao immedia-
la e dos hbitos da familia, he contrariado na pratica
pela convivencia que elles teem, era muilas horas do
rea, com os discpulos externos.
i Al.-rn dislo, om s estabelec.ment publico de ins-
Iruceau secundaria faz desapparecer o principal ele-
mento do progreaso, a emularlo, que da' impulso as
raaiores ladigas e incessaules esforros.
Nolai que nao fallo s da eer,ulac,ao do professnralo
fallo lamben), ou antes principalmente, dessas lulas
da inlelligeucia juvenil, desse en!husia*me qae se ob-
serva nos discpulos de qualqner collegio, de quere-
rem primar sobre os alumnos dos oulros rollegios.
Assim, pois, trato seriamenle, de accordo com o
inspector geral da inslrucco primaria e secundaria,
de fundar neita corte nm extrnalo.
Sua oecessidade e cooveuiencia esiao para mm fu-
ra de quesdlo, e hoje s rae oceupo cora os raeios mais
asados de realisa-ln pelo modo o mais econmico,
sem ao mesmn lempo sacrificar ai bases ou elementos
sobre que deve ser asientada sua organiaarAo por ma-
neira correspondente ao seu destino.
Entretanto arriscare algumas ideas acerca deste
objecto.
lie fra de duvida, em primeiro lugar, que no no-
vo eilabelecimcnto se devem crear as mesmai aulas
que ha no rollecio de Pedro II, e sugtita-las ao mes-
mo melhodn, e a igual resimem e disciplina.
Era segundo losar que elle (leve ser fondado no
cenlro da cdadp.alim de que pussa ser frequenladu de
ni inbaa e de Urde.
Exige pois um edificio que conleuha salas vastas e
arejadas para todas as aulas, e anda esparo sullicen-
le para o caso em que o enverno jalgoe conveniente
nelle ealabeleeer a cla*se de meie-peneieoislaa, da-
qual talvez nao se possa preterir, e que nao deve era
caso aigum continuar anuexa ao intrnalo, sol, pena
de se .Itroin os mesmas desvantaseus que se procura
avilar cora > crearao do ex'ernalo.
Nenhnm ed'ficto vejo em melhore* circamslencias
para mais fcilmente preencher o lim que se tem em
vista, do que u actualmente uceupado pelo collegio
de Pedro II.
Esle edificio nao pode continuar a servir para o in-
trnalo.
Ja iusoUlciente no eslado em que se acha, porque
nao ha all nem onde acommodar convenientemente
os repelidores, era onde ler salas com o espar,., ne-
cessario para lodas as aulas ; visto como os dormito-
rios occapam as principaes divises do edificio ; pou-
co salubre ja por sua po-ic.au no centro da cidade pa-
ra conler oavollado numero de alomuus telemos que
possue, e que leude a augmentar eilraordinariamen- ] Cn>merc.o e a cerlos cargo* administrativos.
Esle primeiro fado de per si s as luzes dajevidencia, o quanlo a especolarao luida
invadido o ensino e quanlo se abusava da boa f dos
pas de familia, a cosa do seu dinheiro, e. o que he
mais, vicando-se a inlelliencia de seus filhos.
Entretanto ja nesle anno foram mais animadores
os ultimo* exames de candidatos ao magisterio par-
ticular, e aosuram um futuro mais lisongeiro.
O segundo fado qae vou apuntar vem fortalecer
essa esperanza.
Como sabes, os primeiros exames geraes de pre-
paratorios para bahililacfio dos alumnos dos colle-
gios particulares tniliam sido desanimadores.
Nao obstante ler havido da parle da coromissao
lula-adora, como ella mesma contessou, antes indul-
gencia e mnderacao do que severidade injuslilcavel,
'" It. alumnos [.oleran, ser aprosados; e, oque
mais he, lendo-se inscripto 151 s 48 se apresenta-
r*m a exame !
Pois bem : a licao foi provelosa.
O* collegios particulares romeraram desde logo a
comprehender melhor a sua elevada misso na sucie-
dade.
resultado assim o deraonslrou.
No Bando auno passado inicreveram-se para laes
exames lis alumnos, compareceram 115, e merece-
rn! approvacao 82, dos quaes -29 com diiliuc-
rao.
Entretanto os examinadores procedern) com a
mesma imparcialidade cora que I,avian, procedido
interiormente ; o melhodo e svslema dos exames lo-
ram os mesraos.
Nao devo deixar de notar que, quando me redro a
especulaco dos collegius particulares, eslou muilo
longe de comprehender nessa generalidade alguns
bem condecido*, que mais ou i.ienos formara,
sempre honrosa exceprao.
Possue esta corte 68 collegios c escolas particu-
lares.
Desses, 35 dio nstrucrSo ao sexo masculino, e 33
ao sexo feminino.
Neaeee eslabelecmcnlos, alm dos directores, mui-
los dos quaes lamben) ensinain algumas materias,
da ,s professores legalmenle habililados, sendo 35
do sexo masculino, e 13 do sexo femiuoo.
O numero de alumnos dessas casas de educaran
foi, no a..,,., passado, de 3,698, seodo 2,382 meni-
nos, e 1,316 meninas.
Em resumo, os diversos eslabelecimenloi de ns-
lrur(.-.1o primaria e secondaria pblicos e particulares
do municipio da corle (orara (requemados por 5,607
alumnos, sendo 3,720 do sexo masculino, e 1,887
do I,iiiiiiiiM,.
Permilti que, terminando este artigo, chame a
vossa alien.;.,,, para a necessidade, a queja me refe-
r no relatorio .te 1854, da crearan oeste corle de um
cuno ou faculdade especial de scienciai propras da
adroioislraco.
A prat.ca do servico publico me tem feito ludos
os dias reconhecer a lacuna de um cslabelccimenlu
desla i.rdein, que sirva para habilitar os candidatos
a mullos lugares da carreira administrativa.
A desueza com o ensino das respectivas materia
nao sp me antolli* lal que nos leve a adiar para po-
ca mu, remola a reaibacSo do referido eslabtleci-
menl ?
Aula do Commeroo.
A aola do commercioleve, durante n auno passado
19 alumnus ; sendo do primeiro anno 12, e do se-
gundo /.
Concluirn) os estados 6.
Foram approvadus plenamente 12.
" simplesmenle 31.
Perderam o aiuio 4.;
Aproveitando-me\la" aulorisarao queconcedcslesao
Enverno, organisei o* estatutos para a reforma de-la
aula, procurando lirar della o partido possivel em
bem do adiantamente da mocidade que se destina ao
te, ja pe'a humildade que domina grande parle do e-
dilicio, e finalmente inconveniente pela falla muilo
sensivel de tusares derecreio, e nos quaes os meninos
faeam ee exercicios gvmnaslico* tao essenciaes era
sua dade, e tao recommendados para sua educacao
physica por todas as autoridades competentes,vai
agora licar anda mais redi,zulo com o seguimenlo
dos Irilbos de ferro da companhi.i da estrada de D.
Pedro II peta ra estre-la de S. Joaquim.
Neslas circumstancias a mudanra du collegio be
indispensavel.
lie (aclo que ha de realisar-se mais ou menos
larde.
tira se ha de ter lugar daqui a dous ou Ir* annos,
sollrendo uesse inlenm o* alumnos era sua consliloi-
cao physica, e n ensino em seu maior e mais ampio
(Irsenvulvimento, melhor, por mais eronomico e por
muilo mais prudente, he desde ja cuidar-se em rea-
lisa-la.
Nao podeodo rom a somma, denlro da qoal foi
essa reforma aulur.sada, darn novo plano de eslu-
dos lodo o desenvolvimiento que deaejav, tenso para
lomar a nosa escola commercial igual i de Pars o
de oulros luaares da Europa, a menos para dar o maior
elaaleno ao ensino industrial, qoe all tamben) pu-
dia ser reeebido, creando-se as cadeira* de rbvmica
e phvsica applicada as arles, e de aperfei(oameuln
dailinguns ingleza, franceza e allernAa ; Iralei dr
por emquanlo eslabelecer soraente as cadeiras que.
me parecer,un indispentaveisa um curso commercial,
Ainda asaim vi-me obrigado a exigir como prepa-
ralorioi os esludos de arilhmehca, algebra, geome-
tra e trigonometra, e os da* lingoaa franceza e in-
gleza, visto como ja' temos na corte, quer no collegio
de Pedro II, quer na escola mililar e na academia
le ina111,lia as respeclivas aula- : le cautela, porem,
ex,ai que as operaeoes de aritdraelica fossem reeer-
j dadas como preliminares da aula de mutabilidad...
De qualqucr sorle ella nao se podera' cltccloar an-! oterlplnrasje mercantil, e que o e-ludo da aeoara-
phia fosse aperfeicoado na aula de geographia'e esla-
ttsliea commerci.l.
A vista da exigencia de maior numero de prepa-
ralor.os, e de ter ja' principiado'o curso commercial
da aula existente, asse,.lei que a reforma devia ser
publicada desde logo, para cunbecimento do futu-
ros esludanles, mas que s poda principiar a ser cx-
eculada no auno seguiule, reorganisandu-se o eela-
beleciraenlo no correr deste.
No intuito de abrir mais urna carreira a nossa nm
(tldada. eslabeleci nos e-i .tutos, de accrrdu com o
ministerio da fazenda.que os alumno, do novo ins-
tituto, que nblivcrum u litote de habillaco, por le-
rem frequenlado todo o curso e sido approvadoi as
respeclivas materias, pndessem ser nomeados para
os lugares de pralicaiiles do Ihesouro e das lhe*ou-
rarias, independenle de concurso, e preferido nos
empregos do mesmo in-lituto, nos das allandegas c
consulados, c em quaesqner lugares que nao exijaui
oulras habililajoes espcciaes.
Nao rae desvanero de ler feito um reforma com-
plete.
Fui para isso embancado pela verba denlro da
cessidades do ensino secundario e completar-se-hao 1-ial me caba a auluri-ar;a,., e pelas circumstancias
tes do lira do corrente anno.
O governo carece de procurar primeramente ama
casa com as convenientes cuDdirai-s fra da cidade,
em silio recoraraendavel por sua salodridade, e on-
de o alumnos pussam passear as huras de recreio,
nos dominaos e das sanios, e e,.lregarem- ercicios a que cima ,e refer.
Nao se penee que desta medida resultar,, augmen-
to de deanea para os cofres pblicos.
Longe esla' isso das ideas do governo.
A mudanra do collegiu pode e deve ser etlecluada
com os leus prop.ios recorso*.
lie p.ra mira fra de duvida, que a quanlia que
lera'de ser paga pela desaprupharo da parte do
seu edificio e dus terrenos que ao mesmo pertenceir.
ha de ser mais que sulliciente para esle lim, e anda
para os mell.oramenlos que for mister fazer-se-em
qualqucr edificio quo o governo conlralar.
Realisada a (ransferencia do collegio, a casa por
elle deuada sera excellenle para o evlernato, que as-
sim podera acbar-aa fundado e em eterecio logo
desde o principio du auno lectivo de I8i7.
Desta arle sera' satisfeila urna das principies un-
as sabias vistas do poder legislativo, quando, na lei
que aulorisou a reforma, eslabeleceu enlre suas ba-
ses mais imprtenles a da lund-r.',. do exler-
na lo.
he doseslabelecimonlos de inslrucco por conla do
eslado passarmos para os estabelecimenlos partiente-
inloaoBea celestes n,)u sao ouvidas (ante na uprema
poesa do amor, como na vil perfidia da mentira J
Essa Entina, essa menina, a respeito da qual cuma
mateara da caridura c o arenlo de verdade, cora
do paiz, que nao permilliam um plano mudo mais
vasto, e purconsegninte mullo mais dispendioso.
Tenho, porm, a cooscienria de haver feilo o que
pude, e fundadas esperancas de que o que liz ha dr
moldurar a actualdlade da aula du comrnercio, e que
be, pelo menos, para o seu aperfeicoaracnlo, uina
Rosange cucaron a Foelcher, perguulando a ti
mesma se elle eslava doodo.
Emma be minha tilda repeli ella.
Sim, sua propria filha rei.licou Adriano, cu-
arle inaudita ella mventeu urna historia romntica, jos olhos lanravam a colera e a anieaca
nao he sua dlda > yuem ;r|ica|00 llm fHCl0 Ho a,uro -.
A esle pensamenlo, como o leilor sabe, lodo o Tgda a cidade de Saint Denis.
Toda a cidade t Nao he possivel exrlamou a
mora com voz vibrante ; podem hinrar-mp em roela
a iniquo opprobrio da oriaen, e da casia, mas mu-
guen, procurara por em duvida minha honra Mi-
nha runducla esla ao abrico de toda a descooanc.a i
minha vida lem sido como um livro aberto a lodos
desde o dia de meu oaeeimente al boje Adriano !
ronlinnou ella com indizivel accenlo de revolla e de
odignacio, vou ja demonslrar-ll.e que he urna eslu-
sabe, lodo o
stnaue de Foelcher gelava-se as vela*. Seu cora-
ra lornou pois a revolUr se com indignaran e des-
prp/o.
Elle ia rebenlar, quando Rosange conlinuou :
E depois quo nutr minha alma com essa feli-
cidade, depoi* que afaguei com ella a rada hora meu
pensamenlo, que llz della o -.iodo radio'o de minlias
noile* e de meu* dias, meu raiu de ouro de consola-
cao, o olhar de Den* as Irevaa do meu destino, vos-
vera, Adriano, moslrar-meo horrivel nada de mi- P-o^calomnia o factoa qur^voss deu crdito, (.luan-
nhas illuse*, vem dizer-me : Porque quera* ele- !
var-le al inim, pobre insensata '.' Cirrega agora a|
cruz do amor devora no iHeneio e no itnlamenlo
ton desDsperr) c las lagrimea S e paite da des-
arara, e trrasla ueste mundo leu coraran dilacerado
m iri.iida eniangaeolada !... a Oh .'
rumo urna
lao, voase rra mni eorajoao, mu nobro, mu-
e na aurora desle amor Presuma deraasia-
fnrras, eu nao sonde prever
ina forra homana que nada neste mundo poderia I',"'"
diminuir ten amor e sua constancia Eu nao poda I A'lria
deixar de arrel.la-lo e re enganar-me arand
Rosana,; .,alo..-se abatid* pelas e......oes, e indi- '';,",c,lle. *"
non -, linda cabera sobre a mi. Mnrrcre talvez do seu abandono, mas o o arcuso
,._ ... ., voae era sincera I Ata! -en, agora mais (r|,z na
l> manerho dina sobro ella un, olhar ao mesmo rompanlua da multaer, con. que vai raar Eu no-
leropo de invesligacao doloroaa e de admraoao in- doria com orna m palavra laucar nena alma a sur-
vencivel ) semblante da mora an.,ndn-se gra- prez, o o terror; mas devo raar-me. O
daalmenle lirmara um brilho ale enl> desconbe- I Idp de joeltao*. o que imploro d
c.do. Sua belleza ideal augmenlava-se anda
seu rosto Iraaafigarave-ae. Os II,eso.iros de
. om co-
rarao ardml" e de nina consciencia pura ,lf,o-llie
aos oldns urna luz sublime ; 04 transportes apaixooa-
dos de uina alma primorosa coroavain-lbe a fronte
com una aureola divina Oupin nao Isria lirado
dealurabrade .'
- Me Deoa! dinw Adriano rom sigo, dar-ae-ha
s e*se coraban
que peco-
piedade, "be
ma,, j que conserve urna boa lembranra da infeliz Rosan
cia, esses olhos exprim., lo a insolencia, esses labios cas., que ella me .une lealuvute Ma
com o riso das li, e das Pbrvue, e elleachava ago- jja Dio ...r.ence a out.o f Essa vozmelJdtosa:;^; Z^ST^Sm''m$
ge. crea em sua franqueza, em sua honra, que he I
Inda a sua riqueza, o ludo o seu nrgulho c diga a !
si mesmo, que n eeracie della nunca ser.-i, assim ro- !
mo nunca fui, de nutro, se nao de voai.
Ata! de mM audacia! c-, i.,......, Foeleharl
tora de si, essa allirmarSii be nina l.laspheuiia Vos- '
s mele rom rara impudenria Cuida que eu pos- |
sa ser ainda engaado por lal impostora Emma i
Emma foi echada por Emvrna no jardim cu era
[anda menina, nao linda ireze annos. Eslava enlao
aqu em caa de minha ama Aotonlna, c junio de
meu pa, porque lii.ham comprado .-. ferias de meu
rnlleain. A pequea lem agora aele annos e meio,
eu lendu vinte ; posso ser ...ai della'.'
Adriano anar.'.oii o silencie, fulminadn por assim
dizer por rsse aran,nenio lie -imples e natural. Ma.
isso. ale,,, de que nuie., procura.a sader ,, idade exacta
le Ro-anau, ateo pouco a de Bajuna, sua ualureza
era Incompativel rom a- refloaOei Iranqnillaa. Seu
("ttiperamento i. indu/.a sempre aos exlreinos, .*
resoluri.es vilenlas. Ilagelio das almas inipressiuua-
veis e eenerosas.
Enlretento anda urna uuvem liucluava uo espiri-
to de Foelcher.
Oupm prova, peignulon elle a nu-ca, que seta
essa s,i verdadeira ida.le e a de F.mina '.'
A cerlid.in dn n...u nascimeoloe do della, res.
pon leo Rosanae. No i.tmenlo en, que ella foi
arhada. o medien da muu.cipalidade sendo chamado
lerifirue qne e enanca nao poda le mais de dou*
dia*. O om..... ,1,o de | o,. ,a fu logo i, piucas-,.
verdal, o qual servio da pon,, de partida ao ladel
ili.io, para redieir i, ante de na emento
Vou
MUTOstT


-
ggjgg Di PEIMMUCO TEHC* FU A 16 t DEZIIRIRO SI I8SS
base, cujo ensaioservir' de poiilu de partida para o
Talara.
Ai-.i l e 111 3 das Helias Arles.
Esla academia acha-se reorgani.ads de conformi-
dad* com as diposic,es do decreto n. SII5, de I de
elembro de IHji, e do respective regulamenlo ex-
pedido pelo governo em I i do maio do auno pas-
udo.
No da -2 de junho abriram-se s aulas, se, un lo o
novo plano da esludos.
as de milhemtlicat applieadas e desenliogeomelri-
co, materias eslahelccidascnmo prepu.alorins geraes,
nialricularam-**4l alumnos, des qu*es ubtiveram
approvacao II, sendo rom luuVor 2, plenamenle 7, e
titoplesmente 2 ; foram reprovdos -2, e ns resinles
oa deiitram de se apresai-lar a exame nu perderam
u anuo.
Esle fado qae dernonslra o espirito d justica que
presidio ao julgamenlo das liabililaces, he o atinuu-
cio de un fularo lisougeiro, provaudo qoe so so ta-
lento e a de-licacSo ao esludo lie permillido esperar
resultados felizes. -
Por decreto de 7 do correnle fui nomeadn o ,i I-
junclo de seceso de pintura Joo Maximiauu Malra
psra profesor da cadeira de desenho de ornatos.
Mo esta' ainda provida a de historia das bellas ar-
les, eslhelica e archeologia.
Esta aula nao pode ahita Irabslhar, porque sala
que llie lie destioad.-i, esta' occupada pelas aulas de
piolara histrica, e pela de pnizagem. as quaes de-
vero passar para a l'iuacotheca, logo que se con-
cluir.
Na parle material do estabe.lcciroenlo lem-se felto
tambero urna reforma geral, quanlo ao aceio e beleza
artstica.
A galera de pintaras, qae eslava deteriorada, a-
rha-se em parte reparada.
Ilur.iiiie o ultimo anno foi a academia enriqueci-
da com | acquisic^o de li professores honorarios pare
as materias da primeira e quarta secr.net, a de 26
n.erabros honorario-, conforme o disposlo no art.
1.12 dos novos estatutos.
As obras da Pioacolheca lem proseguido pur ina-
neira satisfactoria.
Arha-se prompta a parle externa do edificio, con-
forme o risco dado pela comrnissao de archilrctura da
msroa acastemia, reunindo ao aspecto de harmona
qae apreseula a solidez e boaexecur,,lo dos trabalhos.
A parle interna anda esta' por conclnir-se, e de-
manda algarqa despeza mais em rizao do gostu e
condicoes artsticas que exige, para que se lorne dig-
na do uso a que he destinada, e corresponda ao
nome c lira do estabelecimenlo a que pe lenca.
Imperial Instituto dos meninos cegos.
Tenho a satisfcelo de communicar-vosque este
uaseenle aslalielecimento, fundado apeuas ha un
anuo, ten ja apresentado resultados correspondeules
as nobras e benficas vistas de sua nsliluic.au.
As suas diderenlea aulas (em sido regidas coro
muita regularidade e melhodo, caheudo aos profes-
sores merecidos elogios pela assiduidade c zelo com
que desempenham as suas funcres.
Km todas as materias que lem sido ensinadasRe-
ligno. leitura e msica, he mui sensivel o progresso
dos alumno-.
Pelo que respeila a primeira, achando-se ellescor-
reles na doutrina chnslaa, pela lijo do cathecisino
romecou o respectivo professor a dar Mies un curso
lim deste anno, fazerem eiames satisfactorios.
No ensino de primeiraslellras nola-sc igual apro-
veitamenlo.
Todos osalumnos lera regularmente, c pila mainr
parlo eterevem, e fazero praliesmente as quatro pri
metros operar-oes de clcalo.
O professor desla cadeira, a vista de tal progresso
rumeroa ja a leccionar-lhes grammalica, geographia e
a parle mus adianlada da arilhmelica.
O professor de msica, alen) dos exarcicios prali-
cos.era canto e piano, lem ensioado a IIiooim desta
arle, oblendo vantagens.
i'rala-se de eslender esle ensino a diversos in-lril-
menliis. segundo as disposiedes da* alumnos.
A elasse das meninas lem-se applicado lambem a
(rabalhos e prendas especiaos ao seu sexo.
Coovmdu cilibeltcer no inslilutu o eusino de al-
guina, arles mechamos, ja como mel de distrac-
eao para os aluciaos abastados, ja' como un recurso
paraos pobres, o seu director acaba de dirigir-saao
do instituto dos jovens cegos de Pars, pediudo-lhe
que contrate para aquello lim un moco ceg, habi-
litado era diOereolea ollicios, como de torneiio,
crsleiro etc., o sobreludo versado no svstcina de
imprimir em pontos salientes.
O governo, logo que teulia presentes as romlides
do respectivo coulralo, resolver' sobre esle objecto,
que comidera de evidente utilidade.
Os estatutos, pelos quaesserege o estabelecimen-
lo^ a que foram expedidos em 18 de dezembro de
183, lem sido execulados sem inconveniente que
exija modificec,oes.
Tem-se tratado de ir formando lentamente a b-
liliolheca do loslilulo com obras apropriadas, man-
dadas vir da Europa e dos Estadas-Unidos. .VI.
baja' aigamas^escnptas pelos alumnos.
A pre.slac.ao de 15:000o, que aiinualinente recebe
dos cofres pblicos o mesmo inslitato, reunida a im-
portancia das penses que ja se eleva a KOOb, he par
ura suflicieule para fazer lace as despezas.
Tero sido mui lo lisungeiro o estado hvgienico do
instituto.
Ainda nenlium coso de fallecimeulo occorreu en-
tro os alumnos, e, o que lio mais nolavel, nenlium
foi acommellido peta epidemia do cholera morbos,
que apenas se manifestoa em un africano, de vida
irregular, empregido no servijo, o qual succombio
a enfenuidane.
Esle estado, abonando a pericia e zelo do direc-
tor, o qual he encarregado da higiene e saude dos
alumnos, prova ao mesmo lempo o acert com qae
foi etcolhida a localidade em quo Bita o estabeleci-
menlo.
O numero ja exilenle de 12 alumnos, foi aug-
mentado com iluds que enlraram no auno lido.
Sao naturaea :
Oa corle.........i,
Da proviucia do Itio de Janeiro. 7
Da do Ceara........1
Pcrlencem ao sexo masculino l, Alud nao lem sido remullidos das provincias os
meninos cegos que se esperavtm.
Tendo de certo concorrido para esle faci o estado
calamitoso de lanas provincias nesles ltimos lem-
. pos, tilo pode elle lambem deixar de ser era grande
parle allribuido repugnancia que, entre nos, como
em toda a parle, sentem os pais destpararem-se dos
tillios cegos, cojo infortunio exagera-Ibes o amor.
Nova circular acabo de dirigir para este lira aos
prasidenles de provincia, e he de crer que, pro-
porcao que for se espslhando a noticia do adiam-
ntenlo dos meninos matriculados, e da verdadcira
ai idade evanglica com que san tratados no institu-
to, mullos pais de familia, auxiliados pelo governo,
n'i" hesitara em allenuar a sorte de seos filhos feri-
Pequeas como esla, em sua oriscm, foram quasi
lodas as insliluifes desla genero, que honrara a
I- ranea, os Eslailos-I nidos, a Inglaterra e outros
paites.
Por falla de infor.nac.ues nao me he possivel nesla
necasiao, como desejava, apresenlar a cstatistica dos
meuiuos cegos existcnies as diversas provincias.
i.ontinun entretanto a recommendar aos presidentes
esle ubjeeto.
Academia imperial de medicina.
Nada lenho a aecresceular sobre o estado desla
imprtame associacAo e sobre a conveniencia de
prestir-se-lhe mais clcaz auxilio, para que possa
lor odetenvolvimento a que devu aluugir.
Suas necessidades continuara a ser as mesmas.
Kefiro-me poia ao quo disse em ineus anteriores re-
Morios.
Pouca foram as saas sestiles no denirso do anuf
lindo.
A calamidade que flagellou a popularao da cidade
absorvendo toda a aliento e lempo de"seus mem-
bros, qoe acudiram, como exiga o dever de mi lie-
bre prolissao, aos reclamos da humaudade. nao Ihes
permillioqueso oceupassem com regularidade cm
discusses scientilicas.
A academia preslou entretanto ao governo algom
servido, as criticas circunstancias em que seine-
Ihanle calamidade o collocoo, i-.larcceudn-o com .i-
sii.is luzes a conselhos.
* A sua bibliolheca enriqueceo-se rom algum-is
obras ioleressaules, pela maior parle relativas a epi-
demia reinante.
O governo, prevenindoo caso, qoe linio ja se re-
ceiava. do apparecimanlo desla epidemia no nosso
paiz, linha mandado vir da Europa concciluados es-
cupios obre esla materia, contento os mais impor-
tantes factos eobservi<;Oes, ;(im de serem objecto de
particular estudo e discus-ao da maami kcailcmia. i
InsliluloliiUonco e geographico brasnleirn.
Em lodo o anuo lindo prosc^uio este instilte em
sen- trabalhos, occiipando-se rmn os importante! e
difliceis objeclos qoe loo no a si estudir e elucid.ir,
a inoslrandu sempre soliritudc e zelo.
Em sua* srs-0s, roiiliimou a ser conslaiilcniente
honrado ruin a preseui;a de S. M. Impeiial, seu au-
uuslo prulectoi.
Cuidando desveladaineule na publicarlo de me-
morios e Irahallios de iuleresc para a In-lnria e peo-
grapllia do llra-il, lem o mesmo instillo felto pu-
blirar com rruularidade a sua ravisll lrimeiisal,qoe
ja se rerninmenda pelo va'or dos trabalhos que ui-
iism as suas paginas.
Bibliolheca publica.
Tendo-vtn dito no meo interior relalnrio que a
iransfeiencia de.-le estabelecimenlo para o predio do
largo da Lapa, comprado pelo governo, teria lugar
assim que se MnelnisMM as obras de que necessilava
afim de se adaptar completamente ao seu novo des-
uno, cumpre-me commuuicar-vos que, porrircums-
taucias extraordiuorias, foi cnibararada a rulisfta
desle arlo.
Obrgado o governo, para aru lir a popularao fla-
gellada pela epidemia ilo cholera-iuorbus, a estabete-
cer enfermaras publicas era dill-rcnlcs pontos da
cidade, e eiicontran lo grandes dilUculd-dcs em obter
as mais conveoieules localidades, rasas com acoin-
inodae'oes neressarias, nao pode deixar de ceder pa-
ra aquelle lira o referido pre lio, que eitava uessas
condires.
loran porlanlo suspensas as ohras prnjectadas,
durante o lempo em que as>im eslevo oceupados
proseguiram porem ultiinamenie, c, estando qua-i
terminadas, mui bicvo se efl'ecluar* a lianstacjlo da
binliolheca.
No decurso do auno passado adquiri o eslahele-
cimeulo 7li obras, sen lo algumas de subido valor c
iuleresse.
Parte dellus foi oflcrccida em nome de diHerenles
goveruos, ou por particulares.
O numero das pessoasque, durante o mesmo an-
no. o frequentaram, foi de 3,701, leudo consultado
5,111 obras.
Espero que se realise a transferencia da bibliote-
ca para mandar por em evecuro o novo r>*g que se esla' organtundo, e di\ursas medidas tenden-
tes ao luelhoiamento do servio*.
Museo nacional.
Alm dos irlballms ordinarios que Sillo a.cargo
aponas VHlicsVilrs par urna ilurarao
pide servir por muilo lempo.
Aostss cirotnllanrias parere
cil e mal r^a^rmt^ paja'ronseguir-se um edificio,
que reiina'toifSxlssTWrrfr {|ue devem roncorrer
in ilada, nao
que o me o mais fa-
das diOerenles seci;es, foram nesle eslabelcriinenlii
evamiuadas, em crescido numero, amuslras d mi-
ueraes e rocha.- colindas durante o ultimo auno nal
provincias da llama. Alago, Paraluba do Norte,
Ceara', Itaranliao, Pan', Mallo lirosso, Santa Ca-
Iharina e Sin Pedro; e procedeu se ao e-ludo e
classilicarao de grandesossadas fosseis de mamferos,
remellidas em avultada poir.'n.
Algumas de-las ossailas foram extrahidas da fazen-
da Cansanraono termo de Monte Santo, da pro-
vincia da Baha, por eslorcos Jo juz de direito da
respectiva comarca.
Todas as mais, que occoparnm 8"i caixes, saojde-
vi,lo. ao (rali ilh i e zelo inc.iiic.avel do finado juz de
direilo da comarca do Penedo, na provincia das Ala-
goas, Jos Vieira Rodrigues de Carvalho a Silva ;
tendo sido ascavadas^de lugares das margenado dio
de San Francisco, as proximidades da Villa do Pao
de Assucar, onde se descobriu um cousideravel de-
posito.
Sendo dillicil couaeguir-se, pelos meios quo tero
o musco, urna classili ir u> exacta de laes ussa las,
perteuceD|es, ao menos em parte, a especies perdi-
da, o director desle estabelecimenlo enviou algu-
mas paia Europa, efim de serem la sujeitas aos cou-
venienles! Oamos, '
Pelo ex-juiz de direito da comarca do Cralo, na
provincia do Ceara', Marcos Antonio de Macedo, fo-
ram reiiillidus alguns caixOes conlendu peixes fos-
seis que se encootram naquelle logar.
Do descobrimenlo de lodos as referidos fosseis vos
dei noticia o auno passado, a dechtei ler incumbido
a sua explorado e remessa aos ditos cidadaus, auto*
risandojpara este lim a- desprzss necessarias.
O resjultado demonstra que salisfizeram us desejos
do governo, e preslaram um importable servico en -
riqueceJndo o museo com ohjectos de tanta curiosi-
dade e Inlercsse para a sciencia.
Knlrje as acquisi^es fritas durante o ultimo anuo
nota-se urna urna do barro, couleudo ossos de indi-
senas.la qual foi encoutrada perto de Serpa, na pro-
vinciafdo Amazonas, em lugar onda lia mais de s-
culo existi um aldeamenlo, c oHerecida pelo cida-
dao lleurique Anloiiy, all residente.
No edificio que o museo occopa foram enllocados
dous pira-raio, que se lornevam de urgente neces-
sidadp pela enorme quandadc da iniicraes qoe
nelle|esiao accumulado-.
Conservatorio dramtico.
No decurso do anuo que lindan foram sujelas a
censara do couservalorio 21V prcas
em um bom Ihealro lyrico, sera o decrolardes o nu-
mero de lolenas que for uecessaro, e autor
o governo para com o seu producto eoolrilar por
empreza no por irramalaclo um edificio apropria-
do, debaixo de iinmediata fiscalis.ir.lo o direcrao
ua.
A rompauhia dramtica lem ltimamente traba-
lliado no Ihealro lyrico, comauionsacao do governo,
em ronsequencia de lei-se infelizmeiile iiiceinlado
o de S. Pedro de Aira niara no da 2(i de Janeiro ul-
timo, ja pela terceira vez.
O empresario lera cuuiprido as condiroes do seu
coulralo. e esosta que promove a reCOOSlmccia do
rae-ino Ihealro, rom e-forc^o ediligeucia iguaes aos
que eiopregou, quaudu o reconstruid dipeig do se-
gundr^snceudio.
Por*oecrelo n. 1667 de (1 de nnvemhro do auno
passado, foi aulorisada a ancurpora(ilo e ipprovailos
os eslaliilus de urna sociedode que se prope a esla-
helecer urna companhia dramtica, no Ihealro de S.
francisco, nu em oulro qualquer desla curie.
Fui lambem, por decrelo n. Ititi'.t deSI de de-
zembro do mrsmn anuo, aulorisada a encorporarao
a approvado* os estalolos, de oulra socitdade, rom
a denominarao deDramtica francesa,que lem
por lim snslenlar nesla corle urna companhia fran-
ceza de vaudnvilles e pequeas opera cmicas, e ou-
lro de dan- lo- a dill'erenles divertimentos.
AGRICULTURA.
S i-
, A nossa agricultura sotl'reu o anno piolada graves
prrjuizos, em cunseqneucia da lerrivcl calamidade
que pesou sobre o pai, e cuje remedio em oulr >
lusar solicito de vosso patriotismo.
Lentos sao anida, infelizmente, os prngressos nes-
la principal [me de nussi rqoeza. no que concerne
aos melhoramenlos que em outros paizes tanto con-
curren) para o augmento da prodcelo e de seu aper-
foicoamanto.
O espirito rolineiro domina cm geral, os no-so.
agricultores, que, confino- na extraordinaria ferli-
liila le de suas Ierras, na seaiiiiuam a arriscar gran-
des cupilaes na acqui-rio de in-lruinenlos e machi-
nasque, poupando-lhes o Irabalho bracal, deveriam
as-s anuir para augmentar e tornar mais vantsjosa
a cultura.
Praza aos crios que u cvemplndado por algiin-
que, mellior conliecenilo os seus* interesscs, se lem
apartado dss IraditOas e de babiloa inveterados, lan-
raudo-se assim na carreira do aperfen;oampnluva
sendo imitado, e se aueralise, em presenra das van-
taeens qucjaquelles lera ja colindo.
Para apressar esle resultado muilo devemos espe-
rar da iutroducrao de colonos industriosos.
O governo, coadjuvado pela sociedade Auxiliadora
da Industria Nacional, lem continuado a promover
os melhoramenlos a seo alcance, principalmenle fa-
zendo intrnduzr e espalhar as provincias, modelos
de machinas, hem como sanenles e plantas de paizes
eslrangciros, ja para crear novos gneros de pro-
ducto, js para aperfeiroar os que temos.
A Igual i- associai;6es eomeeam a formar-se para o
mesmo fin.
Entft oulras fare menta", em primeito logar, da
que lem pur tituloPharol Agrcola.
Oseufim he crear nm estabelecimenlo normal,
na proximidade de-la corle, |uo qual se Irale de me-
Ihorar a cultura dos vegetaes de mais utilidad e
proveito, da creaeo de pastos aitifici i -, do svsle.ns
de irrigajaode que tan brilhanlrs resullad'os lem
colindo a agricultura europealo emprego dos mais
modernos e aperfeicoadns instrumentos de lavoura,
do raelhorameulo das racns deammaes, e liualmenle
da inlroiliicrao das industrias que mais inmediata-
mente se lisam com a agricultura.
Os estatuios da companhia foram approvados por
decrelo n. 1674) f> 10 de novembro do anuo pas-
sado.
Foi ustatlada^ do lia 2I> do mc-nio me/, e j dea
comeen i seus.|[abalhos, leodo comprado, para fun-
dar oeslaheleaimento,a fazendadenominadaMcn-
danli.i ua hrgue/.ia do Campo tirande.
Na provine do Maranbiia lambem se organisou
ama compauhre con a deuominacao de Sociedade
de Agricultura a Industria rural Miranhcnse ; e na
do Ceara Iroti-se de formar outra com fin- seme-
ntantes.
Dtvo informar-vos que a sociedade Zoolgica de
aclimatadlo em Franca, acaba de nomear sen delega-
do no Imperio o Dr. Cuilherme Sehoch de Capa-
nema.
Ten io osla sociedade por lim inlrodu/.ir naquelle
pai/. e cm suas colonias, nao sii animaos como plan-
las uleis a industria, e que sirvam para suslenlo e
recrcio, esl dispisla, e se offerece para fazer troca
de alguns desses ohjeelos com o Brasil.
Nesle senlido acaba de meofliciar o Dr. Capanema.
I.'nle dezembro. Esse olvido be a basa da poliliea do Exm. Sr. pre..
Asjoci'os de Monteridro. si'ente, e a couiposirao inesma do ministerio he
Publicando linje i correspomlenria que nos remel- ; nina prova de que o uovarno nao representa a exclu-
leu o Sr. 11. Andrs Lamas sobre a situado de s.1o de nenlium dos hoineiis que perlenccram aos
Minlevideo, nao podemos deiiar de acoinpanlia-la I amigos partidos.
i o nu- Can alcumas nbservares, dec|: isardes | muilo folgainos de ver que S. Exr. esl 1.1o seguro rasnio para lameolar que o
da paz e do soreg da sua patria. Estimaremos so- > de-lino inspira aos esrripldiea brasileiros. e que
remaneira que se realisem as nperaoras do Sr. i mailo Ihes agrade^o, os faca aiudhiai vezes exagera- efemos ser um oulimo
Lamas. nos-os pengns.
A paz interna he lao ind apensavel ao Estada | Exislem todava, he verdade. grandes eltmentos
Oriental, que nos felicitaremos se, frustrados nosso | de perturbarlo, poim a par dMles tambera exislem
peJindo assim os alTazeres domsticos, a que es lao offerecer a V. S. urna joia da duzentos mil res
""'g*lM- 'le U.e entregarei na occasio em que receber
IJesde lempos remolos que he costume enlre mmha escrava, sem o que nao me enirezje V
mis dizer-se que de quando em dia, Sania Luzii,! S. que me tem tratado com tanta bondad \L '
ule esla oc- ou n0 CU 0iiavario. cliove, lie signal de ser abun- faltar com esle favor Di"a-m,, \ s >ra8
p o uilrresM aue o nosso ,,.,, ___... iyi0a-inu >. o, qualhan
riptdtV. brasileiros. e que Id,nte ann0 me. A seguir asm P^J", meu enme, se porveniura nao posso apnarecer faW"
nno pvmdouro, a ylsta|ca-me, Sr. coronel, o favor que Drttl a V '
recelos, xierem me-trar os arnnlecimentei que nao
lem o menor alcalice, que ndo lem a menor conse-
quencia essa dissidencia elcitoral, Mo intensa que
obrigou o presdeme da repblica a dirigir s au-
toridades a circular j.i condecida lelos nossos le
toras.
Em geral, as grandes dissi.lcncias eleitnraes i.a
sao sendo symptomai de um mal maior e mais pro-
fundo.
Quando lodos eslao de accordn no modo de enten-
der o de servir o paiz, o inleresse de que a urna
designe este ou aquelle para esse servico nao pode
por cerln molivar antagonismos entre a autnrida-
de suprema c cidadaus de la > elevada categora
e de lana influencia como o general D. Manuel 0-
ribe.
Ora, a inleusidads do symptoma nao revelara
iiqucza que eresee ni rainpaiiha em proporrnes
sorprendenlts e o espirito de orSlrin que he ainda
maior e tem resistido victoriosamente a Indas as a-
gilacOes porque lemos passado d-sde IS'it.eque
nunca poderam eslender-se alin das ras de Mon-
tevideo, que he o lugar em que indu-lril eo Ira-
lialim nao tem podido ainda renascer por falla de
productos d esportelo, que s esle anuo a campa-
nha lile enviar em quanlidade suflicieule para iui-
ciar ura muvimenlo commercial que por sem duvi-
da seri um elemento de ordem.
Se Vmc. me permit sst,pedira a lodos os horrens
que aqu se oecupam com os negocios do llio da
Praia, que medilasscm bem as lices que a histo-
ria daquelles povos cucerra.
lie um erruj gravisnimo e muilo crasso crer que
soja Imposslvel all nm governo de homens mode-
a lodos que n.io podi merecer iuleira conlianca a : rados, dos homens que reprcseulam a inlelligenria
apreciaran optimista do illustre e pairiotico dplo- : e a riqueza do pair. ; quo s seja possivel all o
raala .' governo das facc,6e* pessoaes, e que se deve esco-
S. Exc. nao deveeslranhar qne a imprensa brasi- Iher entre essas acr/ies a que for representada por
leira se oceupe seriamente com os aronlerimentos. um sabr ou pelo braro maii vigoroso e mais po-
da copiosa chuv^ que cahio ante-hontem miteeltM nalo dWo^7^i?oSl1^i,o
- dizer) um instrumento da von.ade de V 3.
Sr. coronel, eu sei que a minha escrava se de-
scncam.nha,jalvez esta hora j nSo esteta mais
na casa do M.gudiirmo. Rio pag.rei nunca se-
1Z?0' a V" S" de *Um sou criadj e 8mi-
go nbrigadissimo,
Talvez o Borges nao .certasse com o que eu es-
mandei.0 """ Ptmer" 'auda da 1ue lhe
hontem lodo o dia. Adagios vellios jamis fallia-
ram, ao menos, al hoje.
Hoje, que ornando inteiro preseucia a prodi-
giosa transformaran operada na n.vegar.ao em ---ral,
pela ap|ilu--r.io do vapor, he bem sabido o servico
que presta o soernrro de tilo poderoso motor, para
superar as ililliculdades e riscos que naturalmente
acoiiipanham as sabidas e eutradas do* navios nos
partos, mesmu naqutlles mais favorecidos pela na-
lareza.
A navegarao carece lauto de semelhante auxilio,
que a elle recorre, porassnn dizer, em lodos os por-
los commerciaes, exislindo alias ja ha muilo em
nosso paiz barcos a vapor para rebocar navios, nao
-"mente no vaslo e importada porto do Kio de Ja-
neiro, senao tambera u'oulros de menor e acanhado
commercio como os do Rio Grande do Sul e Sergipe. I r
Em taes circunstancias, a existencia de um vapnr de i
com a sorle da Repblica Oriental. S. Exc. sabe
que estamos com a repblica em 13o innnediato con-
tado de territorio, de iuleres-es commerciaes e li-
nauceiro-, que anda quando nos n3o impellisse a
sympalhia por um povo americano, teamos, para
nos nbrigar a alteuder sua sorle, inleiesses bra--
pular.
A verdade he qoe com a clevare das facen
pessoaes se instituira, n.l i o governo, nao o pnn
cipio da auloridede, porem a guerra civil oa ly
raunia.
A guerra civil e a tyrannia se engendrara e se
Iciros mais ou menos coinpromcllidos, alera da grau-. produiem reciprocamente, e essa he a historia de lo-
de {So poliliea que nos cumpria aproveitar. dos os podens que se levantaram sombra das fas-
Confessainos que m geral nao vemos debaixo de (oes pe-anaes e li eaudilhagein.
apparencias muilo lisongeiras, multo cor de rosa ;e i Confio em que o buin sonso dos homens de mea
o Sr. Lamas sabe que mo somos dos primeiros a pais, em qoe o bom seuso dos mesmos que podem
desesperar o fuluro dess paiz, nem as emergen- acaudilhar facres pessoaes,tirara proveilo das ligOes
cas que all se mulliplicam e que era om fuluro | da experiencia, e que as navens que soem levantar-
is ou menos remoto ameacam a nrdem publica. se no horisonle de minha patria nao chegarau a es-
De-tas foram licenciadis 122 sem emendas (2 'He iiicouleslavel que sem-lhaule sociedade pode ser
As "i'i restantes mo mereceram ap-
coni correc{ues
provasjSo.
A carencia de meios continua a obslar ao desen-
volvimeulo desta insliluirao, como ja (ive occasiao
de pouderar-vos. A quaulia ile i. ) i- annuaes com
que he subsidiada pelos cofres pblicos, apenas bas-
ta para occorrer com inulta restriceflo e ccouonua s
suas de-pezas ordinarias.
Conservatorio le msica.
Acliain-se proviiuv sele caUeiras das materias que
se ensinam neste eslabelecimeulo.
Eiisle vaga mnila a de canlo, a qual lodavia
lera sido regida pelos professores das dtlas aulas pri-
marias, que a isso se preslam voluntariamente.
Matricularaiu-se ue-te auno lili alumnos, seudo
10 do sexo feminino e 73 do sexo inasriliuo.
As primeira- frequenlam a aula de rudimentos,
solnhejos e de noces de canlo.
Dos segundos iuseraveram-se 13 na aula de contra-
ponto, li na de ralieca, li na de violouccllo e coo-
irabtixo, :; na de il ma, : na de clarinea, e <.i na
de rudimentos, solphejos e no(es de canto.
O decreto n. 15i2, de 21 lie Janeiro do anno pas-
sado, que reorgjiii.ou o conservatorio, daudo-ihe o
dcsenvolviraeiito de qoe lauto carecia, vai se execu-
lando e aprsenla ja resultados que se podem con-
siderar satisfactorios.
Assim o demonstran! os exercicios pblicos que,
no dia l.'i de marro olliino, zerain us alumnos, em
urna das salas da academia das bellas arles, onde era
geral manifeslarara adiantameulo, e deram alguns
pros-as de vocablo e talento especial, que Ibes pro-
inelte ura futuro Mperaocoso.
O conservatorio, alcm de 22 apolces de nm conlo
de reis la divida publica que po-sue, e sao desliiu-
das para o seu patrimonio, lem cm deposito no ban-
co rural e hypolhecario a quautia de :l":U'a>-.i .;.
jom os respectivos juros contados do pnmeiro de
Janeiro deste anuo em diante, producto das tres lo-
teras, que o governo, era virtud* do artigo 7 do de-
creto cima citado, conserva di-poniveis para aplicar
.is despezas indi-pens.veis de reorganisaeao, mana-
tencao e custeio nos qualro primeiros anuos da re-
forma do mesmo estalieleciineuto, e para a construc*
can de un. edillicio, ou pelo menos de salas mais a-
propriadas ao eusino.
Cinlinuam os alumnos mais adlaotadoa a ser apro-
veilados no coro da eapella imperial, e nos de di-
versas igrejas, onde recebem mu eslpmlio, embira
por emquaulo limitado, suflicieule para acororoa-los
desde ja na carreira a que se dedican), l.izendo-llies
entrever um futuro que os acobrtars da indigencia.
Seu prestante director, o profesaos Francisco Ala-
noel da Silva, prosegue no desempeuho de suas fune-
ces, com zelo e dedicacio dignos de hem cabido
elogio, e he feliziuenle acumpauhado em seus eafor-
t;os pelos uulros professores, merecendo particular
louvur o professor Francisco da Malla, e o Pa re
Manoel .Vives Carnciro, que al boje lem servido
graluilamcule os cargos de secretario e Ihcsourciro.
ITIEATROS.
No Ihealro lyrico Fluminense lem-se continuado
a ni nter urna companhia do eaulo.
No principio do outubro prximo ha de lindar o
contrato celebrado entra o guveruo e a directora da
respectiva sociedade.
Providenciareis sobreest objecto como julgardes
mais conveniente.
Algumas proposlas tm o governo reeebide rela-
tivas construceao de um novo edificio para este
Iheatio ; e comquanlo, em geral, oOecam eondi-
resal cerlo ponto ventajosas ao lliesooro nacional,
nao se lem o governo animado a aceita-las, visto co-
mo lodas tem por base adiaraentos e sacrificios pe-
cuniarias da fazenda publica.
Entretanto, forcea he confessar que a capital dr
um grande imperio nao pode deixar de ler um Ihea-
lro digno desle nome.
O actual, construido sobre bases pouco solidas, e
nudo proveilosa ao nosso paiz, facilitando a inlro-
ducilo de novas o boas raras de animaes e de plantas
iiiteiessanles a nossa agricultura.
Cftninumcarei aos presidentes de proviucia o seo
ollereciineuto, e fare goneralisar o seu couhecimen-
lo, esperando que delle se tire algum partido couve-
nienle.
D'um relalnrio apresentado ao governo pelo Pr.
Capanein-e nulros membros da commi-ao, que o
......' Cl'iveriio ni ni l.-.i aaatlUs ss espoiIXtOO |oe ul-
limamenie leve lugar em Pars, espero tambera o-
llier algumas ideas uleis e cuja propagarlo preste
utilidade no-sa lavoura e industria.
S2..
' ir lim Itolanico do Passeio Pnblico.
Nos meus anteriores relatnos expuz-vjs o estado
pouco satisfactorio deste j-rdim, as saas necessidades
e a carencia de meios que me empedia de cuidar do
sea melhorameulo por modo convenient.
Nada tendo a aecresceular a lal respeito, refiro-me
ao que entilo disse, ponderando-vos de novo que es-
le eslabelecimento merece alguns sacrificios para ser
elevado ao ponto que exige o seu destino, e chaman-
do a vossa ltenlo para a conveniencia da reforma,
de que lambem tralci, relativa ao modo de sua ad-
minislracao.
Alem dos trabalhos da conservadlo e aceio, lem-
se continuado a cultivar all plaas exticas de dif-
fcreules paizes.
O servico da illuminaeao a gaz que conlralei para
eslejardim, como ja vos participei, lera sido feilo
com a maior regularidade.
Pela inspecr.lo geral das obras publicas foram re-
parados os dous lurrees e a varanda.
Entre as difTeremes ohras qne se tornaos necessa-
rias, sao mais ingentes, a reforma dosgradis de fer-
ro que eslao muilo arruinados, um parapeilo em
loruo dos tanques das pyraraides, o concert dos re-
[iuxos, e maior abaslerimenlo de agua.
.1 ir,lim Botnico da Lagoa de Rodrigo de Freilas.
O relatono que acharis annexo, apre-enladn pelo
illuslrado director deste eslabelecimeoto, dispnsa-
me do fazer urna exposicTto minuciosa do seu estado,
dos melhoramenlos qo*. durante o ultimo anuo, all
se zerain, e suas priucipaes necessidades.
Itecoramendo a vossa al(enc,aoespecialmonlea par-
te daquelle relatono, lia qual se (rali da cultura que
rom bstanle desenvolviinenlo se lem feite, desde o
anuo lindo, da boinbunaca ou bombonaje ; e bem as-
sim da fabrica de chapeos do palha de Liuayaquil,
quo por ordem do governo fui fundada no estbele-
cimento, no mez de abril do mesmo auno, sendo di-
rigida por nm meslrc Peruano, contratado na pro-
vincia do Amazonas pelo ex-presidente, oscilador
llcrculano Ferreira Penua, o daqnl javos dei no-
ticia.
Eolende o Sr. Lamas que nos engaoamos, que he
infundada e-sa Irisle disposirdlo do espirito brasilei-
ro Os acoiiteciuieutos ah e.-la para nos respon-
derem. 4
l'olgaremos sincerainenle se virmns emfim que a
nrdem publica adquire na Repblica Oriental urna I
base lio segura,que inspire cunliaiir 1 na sua eslabe- I
lidade....
Infelizmcnlc, porem, como o proprio Sr. Lamas
ha de reconhecer, nao he essa a posicao da sua pa-
tria.
Para apreciar a silnacato actual, perdoe-nos o Sr.
Lamas se acreditamos mais o 110--0 correspondente,
que esta no Ihealro dos aroiilecimenlos, que he bom
e im arcial observador, do que em S. Exc, que,
alcm de estar longe, podo ser illulido pelo seu pa-
triotismo, ver mais pela lente dos seus desejos do
que pela verdade.
Nao lemos o o nosso correspondente, lemos lam-
bem para guiar-nos o Comercio -JeC Pinta. A aulo-
ridadedesse jornal, essencialmente ordeiro e mode-
lado, dirigido por um cavalleiro dos mais ele-
vados seulimcnlos de honra, nao pode ser recu-
sada.
curecer-nos o camiuho da nossa salvacao.
Publicando eslas linhas moilo obngara ao seu,
etc.
.tiidrvi Lama*.
Praia do Flamenco n. lili.2!l da novembro de
1836.
,lornal do ('ommerc't do Kio.)
PAGINA AVULSA.
SOD&i DILl-
Ficou para o sabbado, segundo nos informa-
ra 111, a corrida do navio 110 eslaleiro de S. Jos.
A ociosidada lio a mai de todos os vicios.
No becco do P. F ha um escripiorio, onde se
rene una nao pequea porjo de ncamaleoes que
fazem da varanda tribuna de desacatos, 9 deshones-
tando as paixoes, os hierres commetlidos pelo gene-
ral Oribe dorante o famoso sitio de Montevideo.
Nao sers isso um indicio t,lo grave, que deve asus-
tar lodos os amigos da ordem na Repblica Orien-
tal I Se um esenplor lao patrila, la-, moderado, ce-
de as-ira as iiispirarms de amigos antagonismos, mo
devenios receiar a pioxma restaurac^o das lulas do
panado'.'
Nao discutimos nomes, nao entramos no exameda
cor poltica dos candidatos sobre que esla travada a
lula entre o presidente da repblica eu general O-
ribe. Se isso nos lora permillido, lalvez consegnis-
si-inos mostrar que nao pode ser aceito sera erales
larAu o juizo do Sr. Lamas acerca da um ou de
oulro. lie isso porm escusado. O valor dos no-
mes proprios desapparece sisante do far.lo mesmo da
lula em que sao jomados, sendo osjogadures......
o presidente da repblica e o general D. Manoel
Oribe '
terminamos como romeramns: estimaremos mui
lo que os acoiileciinenlos deem razao ao Sr. La-
mas.
moslrar-lhe urna e outra cerlidao, accresceulou ella.
Venha Comigo.
Adriiuo seguio a mo^a, a qual enlrou no saino,
abri um movel velbo de bano, liiou dous papQis
impurlantis, e enlregou-ns dizeudn :
- Veja !
loelcher leu-os e lornou a lo-los com a maior al-
inelo, e depois resliluio-os a llosange.
Saas ultimas Uuvidas acabavam de dissipar-sc
liante da verdade, como uina ligeira nevoa a' appa-
riojM do o. l
Oue acredilei cu .' meu Dos a sobreludo que
Hl r exclainuu elle cohrindo o rosto com as milos.
Uh. Rosanue, perdoe-me Rotang* I accresceulou
beijando n fronte da mora. Fui victima rt urna ma-
rlnnarao infernal sou agora punido pela minha de-
ploravel ctMUnc*. Mas desgrarados delles sim,
ininha viuganca sera' implacavel.'lerrivel.
Adriano eslava horrivelrnenle paludo, seas albas
-. 111i1ll.1v.n1 com sombra colera. Elle nao admit-
s! que Ambrosio e Luiz Flavel livessem pedido Tal-
lar de boa fe ; acabava de persuadir-se d que era
bem laudado o boalo relativo a perita do negociante
sobre o assucar, e que cutan o pai a Giba a o so-
brinlio linhani-uo desviado de cominum accordo de
Rosange para apoderar-so de -ua riqueza tiras, do
veo do hymineo e tendo na mao o contrato de ca-
samento.
Rosange comprehendera iminediataraeutc a lerri
trigas, ande de fronte serena e de cabrea alia como
convem a sua Icaldade, a'ssuas luzes, ao seu uasci-
meulo, e a' sua riqueza.
Mas por favor nao ncculle me mais nada d'ora cm
diante, pois saberei assignalar-l!u os embostes e os
pericos. Dovo eonheecr inelhur do que vossii o forte
e o fraen, os definios a as boas qualidades ds meus
I compatriotas. Digi-me lado. Por eiempln,porque
occulta-m ainda o nome daquelles que lao indigna.
menle me ealuinni.iram'.' Pois sem duvida Vossdexa-
gerava designando a ridade toda. .
Minha pobre amiga responden Adriano en
nao exagorava someiit", menta lambem .' A colera
e a dr punham-me louco. Essa calumnia parlio
ibis Srs. Flavel.
Rosange fez um movimealo solnlo.como se lives-
se sido locada por urna pilha de Vulta.e recuoit mui-
los passos.
O- senhores Flavel I exdamou ella, oh infa-
mia He a mim que elles ullrajam a mlm a quem
dcviain respeilar, implorar constantemente de joe-
Ihos Elles as-im o querem.in-ensaios Eu uuarda-
va o silencio do un liunulo, elles furc,am-ine a fal-
lar Oh : meu pai accresceulou ella pondo as
Mes e e.guendo us olhos ao co, eu li/. o Vmc. um
juramento solemne ; mas uo contentes i.e quercrcm
quebrar meu amor, elles procurara arrancar-me a
honra Vmc. me perdoara', meu pai V011 violar
>l
Como veris, os primeiros resultados leem sido ex-
celieiiles, pois que j alguns chapos sn leem fabri-
cado, sendo o seu leddo cnmparavel ctm o dos me-
lliores que se euconlrara 110 nosso mercado,
A' visla dislo lenho continuado a mandar vir da
provincia do Amazonas maror porrilo Jesta planta,
para augrrcnlir a sua cultura no eslabelceiroeiilo, e
propaga-la pos- diversos lavradores; e oideuei ao res-
pectivo presidente que, por lodus os vapores que de
all parlirem, remella aempre alguns ajoujos de pa-
lha daquella palmeira, propna para 1 l.,l,i ico dos
chapeos, aui de que 110 Jardn Botnico va loman-
do incremento e se deseuvolvendo una ihdusina
que, pela immediala e vasta extracto de seus pro-
ductos, pii le anida um dia vir a ser de grande uti-
lidade para o paiz.
i Conlnuax-se-ha.)
lidades para quem passa, a ponto de nao deixarem
mTZ&t&tisEsi essaTnd8 rif rr}ou dormcm!
tscrevem-nos do li im-,1 ardim o seguinle :
Existe aqui um destacamento composio de um
cadele. um sargento, e um cabo, e dous soldados,
forea esla, que nao he suflicienle para repellir qual
quer cousa que possa haver, por quaoio as autori-
dades locaes moram em grande distancia, e as su-
balternas por si s nao podem fazer cousa alguma,
sem que as coadjuvem. nrmente com um desta-
camento to nsesquinho. Nao se pense que Bom
Jardim he ura lugarejo ridiculo, nao, heumpo-
voado muitu extenso, e muilo populoso, o alcm de
que ha lodos os sabhados urna feira muilo concor-
rida i o povo alllue a ella de 6 leguas de distan-
cia, e he isto, o que d lugar a que apparecamas
vezes occurrcncias bem desagradaveis, por falta de
um destacamento,_ que faga respeito, por quanto
lemos visto que, presos conduzdos por palrulbas
de paisanos commumenle se evalem, como ha bem
pouco lempo aqui se leu. Todos wachato satis-
feilissimos com o commandante do destacamento,
que felizmente vai preenchendo bem as suas obriga-
coes, ajudado pelas autoridades deste lugar......>
Urna preta ja idosa, queconduzia um me-
nino para a escola, puxou-lhe as orelhas por urna
traquinaco do menino, e pergunlada porque fiza-
ra isso no menino, respondeu muilo irada :
Dei de mamar a elle, he meu senhor mojo la
Temos visto contar, que dessas preceptoras a
nossa Ierra esl cheia, e quo algumas sao to proe-
mineoles, que as mais ligitimas perdem toda ascen-
dencia que dei..... tur swihre, ansa filhr.s em verda-
de he um excellenle meio de bem educar. Se suas
mais escravas lem lhas. ou senhoras mocas, sao
ellas as suas conselheiras a respeito de casamentes,
e as filhas bem, que as allendam, bom que adeptem
seus conselhos ; se assim nao he que digam essas
infelizes que sinnomineo sao casadas ; muilas vezes
os proprios pais se utiisam da influencia desses de-
monios para coagirem suas filhas a desposarera um
louro, com tanto que tenliam ouro !
Pedimos a certos pais de familias que rc-
commendem aos conductores, ou conductoras de
suas lilhs para as escolas, que do maneira alguma
consintam que ellas obedecam ao chamado de ceos
caixeirinhos. o que transponham os balantes dos
estabelecimentos, oude eslao ; he lao sement para
nao dislrahirem esses mocos de suas obrigaroes.
Pois ainda a irmandade do Senhor dos Mar-
lyrios nao leve urna xeceilinha com a qualjpodcsse
concertar a calcada da sua groja ? Com ef~
feiio !
Consta-nos, qun da meia noite para o dia,
frequenia um individuo a ra Novae Aterro, que
lem por cosiume (mo costume t) apalpar as fecha-
dutas, empurrar as portas etc. Quera sbese o tac-
to nao ser empregado com cera ou milo de pao ?
O cerlo he, que se he por costume que isso faz,
deve-se corrigir, porque ha quem o tenha esprei-
tado, c apezar do disfarce he liem condecido.
Na ra de dous carapees esmurraram-
se bem sollrivelmenle por causa de um cravo bran-
co lanzado por nivea mao do alio de urna trupeira.
Por pouco esmurram-se, verdade he que cousa
mais insignificante, que um cravo,lem servido de
pomo Je descordia.
Hacerlas casas de meslrcs de msica vocal,
que ensinam at depois de 1 hora da noite a can-
lar-se com voz de baixo. Ora para um visinho,
que custa a conciliar o somno, que um imperti-
nente percevejo o torture, que o calor o abafa, e
que ouve o latido montono de um cao junio a
sua porta mas um d, re, mi, em voz de baixo,
he o mesmo.'que se eslivesscm deilados 'sobra gre-
lhas '.'Ueixem queperturbein bem o silencio da noite
os cantadores de bandeiras, com seus bumbas, com
suas trompas roni|uenhas,ereboc3s desafinadas, por
que para esses ha carta branca, e at os inspectores
gostam
O espectculo do sabbado no ihealro de Sania
Isabel, estove como sempre ; os actores mostraram
o que erarn em scena, e o publica muilo se agra-
dou.
Ha urna taberna na Boa-Visia que tem por
costume embebedar quanto negro captivo se apro-
senta para comprar, e por tal preco o dono della
se aprovoita para seus mandados, e servicos, im-
Sr. redactor.As noticias de Montevideo por Vmc.
publicadas, lanm em artigo editorial, como na sus
correspondencia, podem dar lugar a apreciares me-
nos exactas da siluaeilo de meu paiz ; peco-lhe pois
um lugar lias columnas do seu jornal para reclilica-
las 11.1 i poulos maisesienciaes.
O governo da repblica uao trata de encoslar-se
ao partido que seu correspondente nomeia, nem a
iienhura outro.
O Exm. Sr. presidente da repblica he e ser fiel
a seu programma, e esse programma pode resomir-
se lias segoiotes palavrat: assegorar a paz, fortale-
cer os hbitos constitucionaes e levantar o principio
,1,1 aiil Hilado leg.tima, por raeio dej urna publica
inteiramente nacional, de jotllea e de conciliacao
.,,,. ,'i.i, sciiUj o presiileute o enere legal a respou-
savel da naeilo, e nao o caudilhu do um partido (As-
Mal, administrando legal e honradamente, a cha-
mando para o seo lado os Urirutaes, d'anles dividi-
dos pelas rotas c odiosas.divisas da guerra civil e da
caudilhagem a que lodos os homens bous leem hor-
ror perduravel.
A mellior prova de que as divergencias sobrevin-
das porcau-a da prxima eleir.lo senatorial nao silo
nem urna lula nem urna recosIrucQa 1 dos velhos
partidos, se lera no- minies dos candidatos reciproca-
mente apresenladus.
Os candidatos chamados do governo so os Srs.
I). Joao .Miguel Martille/., I). Ambrosio Velasco, O.
Antonio Domingo Cos, t. Candido Juanic, e t.
Alhauasio C. Aguirre.
Uestes senhores s um, D. Joo M. Marliuez,
perleuceu decididamente ao enligo partido colo-
rado, e t. Joao Miguel Marlinez, que he um dos
nomes mais puros do paiz, est, cpmo se V, as-
sociado a nomes mui respcitaveis do anligo partido
brauco.
Os candidatos do Sr. general Manoel Oribe s3o os
Srs. Dr. D. I'loreutinu Caslellanus. D. Manuel N
l-'apia, D. II -i nard 1 I>. Berro, t, Vicente V. Vz-
quez, e D. Joao P, Uaiavia.
Desles senhores o Dr. I). florentino Castellanos
couservou-se sempre em Montevideo durante a de-
lta da pi ara, e apparece ao lado de cidados que
esliveram no campo dos -madores, mas que como
elle representara illuslracao, patriotismo e indepen-
dencia pessoal.
Seso se Iraiassedas pessoas dos candidatos creio
que iieuliura dus que volassem ua lista chamada do
guveruo tena repugoanea em volar nos cidadilus da
lisia contraria.
Purcm, seja como quizer, j Vmc. podar ver que
mo he exacto que se trata de una recoiistruer,ao
dos velhos partidos.
A abjuraran desses partidos, a fu-lo da parle
fija e iiitelligenle de ambos, he un fado irrevn-
gavel que mais da menos dia ha de dominar a si-
lu.icao.
Ijuacsquer que sejam os senadores eleitos, lenho
cODviecao de que os candiJato- que hoje se apre-
senlaui, lano de um como de oulro Isdo, hilo de
representar, sobreludo, a ahjurac.Ho Jos etilos par-
tidos.
Do qae lenho dilo se deduz lambem a inexsclidao
com que Vmc. das* que o partido brauco se apre-
pdre Joo Herculano do Reg.
(Eslava reconhecida.) ^
Srs. redactores. -Gracas Divina Providencia,
ur nao ex.sitr na freguez.a de Santo Anlonio
reboque-no nosso porto, desfavorecido por cerlasI mais as* de tabolagem ; ludo deve-se ao Sr Dr
couliroes natural-- bem conhecidas, era urna neces- Manoel uarte de Ft~!
sidade palpitante, que de dia em dia mais se faria
seulir, e a que cumpria remediar, para libertar o
commercio da provincia to importante como esta,
das contingencias e simstros accidentes de qoe at o
prsenle tem sido viriima.
A idea feliz de satisfazer esta necessidade, alta-
mente reclamada por iuleresses vilaes, de que de-
pende a prosperidad e grande/a de nossa provincia,
he orizioaria do Sr. Augusto Kredeiico de Olivelra,
e do finado uegocianle fraucez Fredenco Coulon,
que pedirara ao governo imperial um pnvilegio ex-
clusivo para eslabelecer barcos a vapor, incumbidos'
de fazer o servico de reboque no nosso porto.
Obtido e-se favor, quegraluameole foi cedido a
urna companhia, que para (al lira se encorporou sob
a denomioac3o deVigilante, cabe-nos hoje a sa-
tisfcelo de aimuneiar aos leitores, que o priraeiru
vapor o o Caraaragibe u ja' se acha uas aguas do
nosso porlo, em estado de dar mine ao servico
que tem d preencher.
Esse vapor, de 180 toneladas, lem 93 ps de com-
primenlo, 22 de bocea, S de ponlal. Cada uina de
suas lina- machinas tem a forc,a nominal de 33 ca-
vallos: a sua marcha era circumslancias favuraveis
he de 10 milhas por hora. Pelo que respeila asna
construceao, he ella lao solida quaulo se pode dc-
sejar.
Assim, pois, por esse lado fulgimos ainda reco-
nhecer que a directora da companhia, composta dos
senhores harn de Caraaragibe, Jos Anlonio de A-
raujo, Suifl e Augusto de Oliveira, director hono-
rario, mostra haver bem comprebendido e concillado
os intere-.es da empreza e do cnuimercio, cora a
acquisicJo desse primeiro vapor, que em verdade
reone tudas as coudiees necessarias para satisfazer
o lim a qae he destinado.
Por occasiilo de inaugurar os seus trabalhos, re-
solveu a companhia fazer umi viagem de recreio a
ilha de ItamaracA, o que teve lugar domingo li do
correnle, indo o Camaragibe lumbar no poilo da
Villa Velha.onde um espacoso e bem arranjado bar-
racan, se achava preparado para receber as pessoas
que all foram. Alem dos membros da direcloria,
de diversos socios da companhia a oulras pes-oas uo-
laveis desla ridade, lomaram parle nesse recreio o
Exm. presidente da provincia, os Srs. inspector de
alfaudegs e guarda-mor, cap.lao do porto, chefe da
r-taran naval, director das obras publicas etc., e va-
rias familias. Entre as pessoas do lugar qne foram
comprimenlar S. Exc. achavara-se all presentes o
delegado e joiz municipal de Iguarass, o subdele-
gado da ilha, o Sr. major Cordeiro, o coadjutor da
freguezia, o Sr. Dr. M. Joaquim Carneiro ds Cu-
nha, commandante da fortaleza e oulros.
Apreciando o servido que ao nosso commercio
acabam de preslar aqoelles qoe couseguiram por a
sua di-posira-i um lal melhoraineiilo, fazemos voto
para que a empreza, vencendo lodas as difliculdades
que pur ventura se lhe opponhain, possa alcanzar
lodos os resultados a qua se propozeram.
Hospital decaridade 12 de dezembro. 68
doentes.
13___68___
Al amanhaa.
anas, actual subdalegado da
Roda Becco do Sarapaiel, ra do Livramento,
Caes do Ramos, nao existen, mais laes espeluncas,
ja a freguezia de Sanio Anlonio tem o Sr. Dr
tanas como subdelegado, para traze-la lo bam
poiiciada como traztam os ex-subdelegados Barata
Joo Valentn. \ Helia, Dr. Theodore, umbelioo
Urs. Antonio Jos da Costa Ribeiro e Manoel Fi-
hppe da Fonseca ; honra seja feita ao Sr. Dr. che-
fe de policia, por lio acertada nomeaco, honra e
gloria ao Sr. Dr. Manoel Duarte d'a Parias, por
lao relevantes servicos prestados s familias desses
homens amantes do gago, que sacrificam o bem-
esiar de suas familias, por ura Uro to reprovtdo
continu o Sr. Dr. Farias na sua policia, qoe ser
louvado pelos homens sensatos, e achara sernpre
promptou os bons cidados a coadjuva-lo na policia
da primeira freguezia da cidide do Rocife.
Queiram, Srs. redactores, inserir eslas toscas
linhas do seu constante leitor.
V,
12 de dezembro de 1856.
Calle do Kocha \2 de novembro de I606.
Vou desalentado na minha rude (arela de com
momeante desla humilde localidade, renos p?|
nenhura successo. que jam... visoo aihhTTo*e51
pobre peuna de corresponder... campon., meos
Plo lalido, de um oa oa.ro b,rbaote, a cuj, rZl^
ra asseole urna ou oulra car.puciuha, QU. LTS
Issv.ngamp.e.endoudoescouceara quem ira
rema por indicar-lhes o camiuho, ,00 ..TaTb.
a Mima publica ; menos, digo, "p\r SJ ^Zl
que segur centava, do que Ptlo praio IndXd?
A cem leguas dessa capital, cujas relacOes el
Uva de raro est. pobr. e .n.igniQcaule v iThe m-
ra compehender ., dilliculdade, de sua freqUen-
le comraunicacao cora esse emporio ae commer-
cio, essa cidade-fada, que os fiiho d
soem tomar como a sua'ca^.al natura? e "1
presos por l.co. de ios.incliva .ympathia or fZ
do. o, rao.ivos de eo.isiderarao, qn* fio ,PodT
do agente e doleos ntimos ; redaz-w a^roa co-
"JSSf*1' cum vanlagens .rnenle privada ,m
lembra-sec do crrelo para Iroca d. sua. corre.
Sendo abundante a prodoccln da referida plaa, ,',""va for,e ""'', debaivo da direcrao de um s
de cuja palha mo eilos os chapeos, nao pode deixar c I1" '" ""Vra* progresso, concilladlo e ol-
a fabrica de progredr. vnio, escrqilas uo programma de T de outubro de
IHJl, se apagavam da memoria de lodos, e que re
viviam os cucoberlos odios.
Acorapanho-o na sua reprovac.lo implcita do ar-
tigo do Comercio del /'tala, transcripto no jornal de
boje.
A auloridade constitucional mo necessila apoiar-
se uas recordacoes do passado, e a principal base
dessa auloridade he, iiiqiieslioiiavclmente, o c-que-
cii.ienlo completo, sincero c duradoi.ro, dos actos e
das paixea do passado, que podem dividir ou cnsaii-
guruiar o presente e o luluro.
O Comercio del Plata he um peridico que nto
esta do modo algum debaixo da inllnencia do io-
vernn, e no artigo em que abre o livro do passa-
do, de certo, Sr. redactor, da ceilo nao repre-euls
as ideas nem os desejos do govejno que sustenta ues-
te caso.
omtttitica)a.
A partida do Illm. Sr. Dr. Francisco
Joir|iiim da Silva, promotor publico,
nomcado pata Penedo capital de Sej-
g'pe-
Grata em extremo nos he a noticia de eslar a
parlir para a provincia de Sorgipe o nosso especiel
amigo o Dr. Francisco .loaquim da Silva, para to-
mar posse do lugar de promotor publico de Penedo
capital daquella provincia. Honrados com sua a-
niicado e affjvel iraiamonlo, rooonhocendo a capa-,
cnla rt e mrito que abundam nesse joven de gio-f
riosa esperancas.saberemos a par da^irisieza que nos
causar sua ausencia,apreciar c louvar to acertada
nomeaco : gloriom-se os Sergipanos do receberem
em seu seio um to dis.incio pernambucano, que
em quanto Dos, motivando a dor de lao descul-
pavel aprtamenlo, fazemos voios ao supremo Ser
pelo seu feliz destino,
Ds mares llie sejam bonansosos, de leu a-
migo
M. S. V.L. A.
0rre3ponfecnda0.
piule una-, a uo ser d
gre privilegiada, que
cu disse-llie qae um escripia, cojos caracteres Ira -
hiam oraa mao de raulher, tura adiado entre as rou-
pinlias da chanca no raimiento em qua Emyrna no-
la Irouxe. .Meu pai prorurou por muilo lempo com
a mainr persevcianra descohrir essa milo. Iteunia
lodas as cartas anlias e ndvas qne tinhain-llie sido
dirigidas, cinnregou ard- lodas as ve/os que linha
alguma aospei.a ; applicnn-se a um esludo decom-
paraedo pscrupiilosa, infalicav!, mas fui obrgado a
renunciar lirefa por nao ler podido adiar o menor
indicio que n guiass..! liu disse-lh alem dislo que
linha emliui desrnbertn a mu de lmma ; que sob
ililTercoles prelevlo- ella vinha ver a lilha, que ale
a menina-era levada mullas ve/.es a urna casa rica,
onde era cubera de caricias e de lagrimas. Ora,
essas lagrimas, essas caricias eram pro ligalisadas por
mi I .in lia l-'lavel.
vel drenldadode silaacao de l'oelcher para eonj a |es-c juraraenlo.
laroilia l'livel. Idei.lilicava-se com lodas as doloro- Bosaoga eslava mageatosa e der. vete- ainda m'is
sss emociies do mancebo. 5oa alma lito rica e lito de-; bella no meio de sua exallarao. O scnlimento de sua
dicada lrtdouo-te por dous diaraanlss liquido, que j virtud* ollrajada, o odio sordo, mas vivo, da moca
correrain-lhe pelas face-, e seu olliar lancou ao jo- | desdeuliada conlra a cnoula que bnlhava no seio d'as
ven europeo una onda de sollrunenlos svmpalhicos espheras aristocrticas, o esplendor uicompar.vel de
e de amor immenso.
Meu Adriano, di-se-lhe ella com in llsiv! elfu-
.lo.se vast quer crer-me, se meus roaos e sopplieai
lera ainda aljum peso em sao eni.iean.vns.i- nao lera
nutra vuigai.....nto o despreso. Para tamallnfr
es maebinatoet, be nnniro castiga diga* e ,ii.,jr.
Fique convencido que um desibao e-lrondo-o ale-
: raria siu- iniraigos Abandone-os a' suas vbiti-
seu olhai, o som vibrante de sua vos foriavam-lbe
um magnifico pedesial de vrgom vingadora.
N.lo leiei mais piedad delles ronliuuou ella
ilirlgioda sobre indo nu pentimeola espada do eas-
liun ponlra Henriquala. Adrin, vou deelarar-lha
quem he a in.1. dessa menina qoe dlsam ser minha
aiha He a mesma mulher a quem Vose la dar sen
1,orne : e Henriqapu l'lsvel.
Semelliauletrevelarau foi como um novo raio para
o Europeu ; nilo porque elle tivessej lidn susp-ila
de llemi.|'i-i 1 ; mas a lilha do negociante com edu-
caran e os principios religiosos quedevia ter rerel.ido
a lilha do negociante que viva debaixo das vistas do
pai e suspeitado em lal caso.
l-sn he impo-sivel Diiia l-oelrher enm siso.
Delnquela l'lavel pode alira de salvar o crdito, a
rcputocAo commercial do pai consentir em casar rom
um hornera que lhe seja indilTercu.e, sem ser capaz
de engana-ln indignamente, de eamiohar com elle
ao altar leudo o vestido manchado e a fronte alegre,
de occollar-lhe sobreludo a existencia de uina lilha
que pelo -cu coradlo de mili, pelos seus seiitimctitos
da clirishla, e pelo esplendor no meio do qual ella
lem sempre vivido he um cri.ne lar abandonado.
Kotange disse Poelchtr, o fado de que vo*s4 ae-
cusa a llenriquela he inaudito! Nao pesso cre-lo !
I)ar-sc-ha raso qae urna indignacao. alias natural,
faca-a calumniar a sen turno t Qoe I llenriquela se- I quela ga'lniu muilo -ua ronoto
ra a mai de hrama .' cnu-a monas vezes, perguulnu
Sim, respondeu a moca com Carea. Kvamine
bem menina, observe lhe os olhos a?ues tirando a
cor de violeta, os cabellos looros que tomara um re-
lleno domado a prop rcilo que ella ere-ce, a covinha
na face esqoerda. e snbreludo o pequeo signal pre-
til collocado debaixo do beifo inferior, e diga-me msdamesella Flavel pode renegar sua niha.
Hosange chimou i'.mm 1. e tiran lo-lhe o chapeo
d palha cubil.do de filas vol.oo para Adriano seu
semblante helio o anglico.
He verdade
lo rpido, he verdue 1 .orno nao liona eu rep
ainda nisso".' A semellianea he uulavel .Mas o
acaso...
O ac-o '! interrompeo a moca, eo lhe prova-
ri que n.lo. Vai falcar, minha ilha. disse alia
Kmma.
A menina sabit do salo, Rotangs eouiiuuna
Quando na vespera de soa partida para a India,
Adriano, tataG pedio ra* informae9 sobre i rama.
Srs. redactores.\'mcs. tero lidoquanto tem
dilo oSr. padre Joo Herculanodo Reg, (sem ra-
zo) contra mim ; e por isso Ibes rogo a insercao
da caria que acompanha, a qual me foi dirigida
pelo dito padre, para o respeiiavel publico comparar
urna cousa com oulra, efazer o verdadeirocon-
ceito.
Muito obrigaro ao seu constante leitor. -Vic-
toria l de dezembro da 1856. Tibunino Pinto
de Almeida.
Illm. Sr. coronel Tibunino finto de Almeida.
Quandus 12 de junho de 1856.Tenho urna es-
crava, a quem sempre eslimei e ainda estimo, (e
para islo lenho razoe?,) porm, tendo-me desobe-
decido, foi mistercastiga-la, como V. S. soube,
na quinta-feira da semana passada : entio recebi
urna carta de V. S., em que me ordenava cessasse
o castigo ; ejeu noacasligava.
Comtudo, corrido de vergonha, por temer
que a requerimento de alguem, V, S. mandasse
vesloriar a minha escrava, resolv occtilta-la, nao
por motivo do soffrimento della, (pois a castigue!
com urna relea de cabeco.) mas para nao passar
pelo desgosto de se publicar isto.
Ora, cis o que deu occasiao ao facto acon-
tecido.
O meu inno lem-me exagerado o crime e a
doeoca da escrava, que ouiros rae allirmam estar
quasi sa. V. S. he quem me deve orientar a res-
peito da verdade.
Hoje escrevi ao subdelegado para que retire a mi-
nha escrava da casa do Miguel, visto conslar-rae
que ha empenho em se a desencaminhar dalla. Se
V. S. a mandasse vir para a sua casa, que grande
favor me nao faria 'oittra sorle tenho de per-
de-la, nao sentindo tanto o valor da escrava, co-
mo a ausencia pela estima que lhe tenho. Pec,oa
V. S. mande vir a minha escrava para a sua casa,
c a conserve ahi al que eu a destine segundo mi-
nha vontaJe, e isto por poucos das. Pagarei to-
da a despeza feita com a dita escrava, e tenho de
1! disse o mancebo tazando um ges-
dde Como nao linha eu reparado
Vejo, interrompeo loelcher, qoe essa alma n3o
est inteiramenle fechada a lodo o senlimeulo nobro.
Ella podara mesmo alaum dia abrirse ao arrependi-
mento e repotacao. S Henriqueta he perseguida
pelo lerror da opiniao publica, se o respeilo humano
faz-lhe repellir a lilha, ao menos seu corar., mater-
nal a isso a rernu lu/. sempr. 8c n.lo fura a louca e
immoral obstiuaeande Mr. Flavel cm nllii ver no ca-
samento ionio um negocio de dinheiro, Henriqueta
lena podido estar secundo seu coraco, e teria pro-
vavelmenle sido excellenle mai.
Afim de que a chegada de Emraa nao soffre-se al-
ciima demora, ronlinuoo RttaoRO, madamesella
Flavel eeeravM-not oram um bilhele, o qual en-
viou por urna criada.
Meu pai, quepasseiava entilo debaixo do caraman-
chel, foi o primeiro qoe leu o... Eslremeceo de re-
l'iu no Jardim do Itei em um da de pssseio, que peute e-chamanrio-me ao fim do corredor mostrou-
ella chegouse p-la primeira vez a menina, a qoal me o bilhele.
vigiada par (llivctle brineava rom nutras. Ilenri- l)ei um grito de sorprezi.
ra, sua vivera, abra- | DI.'. silencio diste-me elle, para que a negra
quem er., tinglo nao pns-a referir la cousa algums Envia immedia-
granda torpreza, quando ouvio dizer que seus pais lamenta a menina, e vera fallar-me na minha ca-
an eram contiendo', c raelletidu nina nocla de ou-' mar,
ro na nulo da ucu-ra, rngoo-lhe que levas-e lhe fre- I
quenlemente a nieni.ia, ibiendo que quera fazer-1 Olvele e a criada de llenriquela sahiram com a
lhe prsenles, e imeressar se para sempre pela po- : meu,n;\- e" ul1' a cmara de meu pai.
tire orpliaa. '-'ue dizes disto pergootoo-ine elle.
lie a mesiua lellra respond.
llalli em diant Emms ra levada ao menos urna Exactamente eis-aqui urna prova irrcu vez por somana ca-a de Mr. llavet. A propna accresceulou elle, o bilhele de madamesella l'lavel
llenriquela, quaudu linha alimm negocio na cidade esla assignado por extenso Sim, he verdade, con-
vinha umitas vezes bu rar a menina. linuou elle recorren lo a
Al enlao ludo era mu natural. Vcem-se diaria-
mente eroolta neos tomaren, vivo intaresto pelos
meninos pobres e p-los urplnlos.
permlende tete arremedo burlesco d. reparti pu-
Uuaodo a corropcSo alhei., invalida, detoroa
iost.tuisoes de qoe depende esencialmente a ma.
nutencao do, d.reito, e da diguidade do c.d.Sao
como escapara aos funestos sslragos desla fatal bZ
'.ao?eIentarai eD,0,""da "' 1^Pec a .raen:
Oh e.xu da boa vonlade isto, porque qnem sa-
be onde rae emar.nhara. descambando no declive
escorregadio do a.sumpto? r.lvoa logo oSerec, e|!
la largo Ihoma; por ora ha prBB, ei* Znd=,-e
eslas linhas, ,ra que, mau.feslando a Vmc. os meo,
n.as v.vos agradeemerttos pelo z.lo com que mld.
tea* demora paran relo, o qoe agrada-m. dfzer-
lue-ruroteslo nao de.x.r pa.,ar Sm9 rt """
lumorar allusoes ollsusivas s sos couducta na im
plesnarracao defacto, pnbl.co,, que SladsrnJn
muoCa.Vr,..^ Afm ",CCtde"' "usn'10 lh ">
nuaiqiiei a ruga de Ireze criminosos da cadeia rt
1 icouceoivel. O digno delegado daquella localida-
de toraou enlre-deu.e, aquella no, ?mP| r-I
ferencia, mao.festando SM rebueoT desmido l
araofioac.-lo, que lhe i.so causara, querendo a^ todo
omSSm",rla,egUOU labu' nad .n,edU
almm. SU" ""P'ibilidades, ao menos litie-
easa't^Vo1?" 'fr'ido.M,ul,a toldad. dee Mnhor,
essa sus infundada, injusta e imprudente recrimi-
J^iol.'T.rZ0' POb^e, .eiC^ipU,, "*' <*""
bom som Z *"' Pr tMu P"18"3"' m" lio a
bom som nao devera avadar, pois, essa senhor
n.ndr?"m.,.M "" UlemP'v.-omo broUe!. prl
n.ndo. que sua grossesra provoc-sosip, qoando o mi-
Sl"'1 .davaW. isio%2s torcas^,
bmHa, 8am P"a de9ab,f4r 3t^rrfur.-
PamM inlelligencia "e o capiUo-mr do
St om mancebo possaido de ama alma h.m
de ord.m e joslica, conservando seo terrao mai.
1S2ZL** "' *">*>> h* Por SSS "onsTd..
XS
oa memoria ; na poca em
qoe Emma foi tcbada no jardim. Mr. l-'lavel habila-
va moineulaueamciile aquella casa que ve- a vuile
passos diqni enlre aquellas arvores. No tendo or-
Maso concito u.to lem segredo que a conduela sanitario ainda sua Casa de commercio em Saint De-
o3o revele. Adriano. I.m da loado alsuns mscales os. toreado aclivar spus ltimos ajustes de conlas na
segundo -en habilo d ir us ca.a. entrado na d Mr. ludia, elle den.va llenriquela mullas vezes qaalro
Flavel, llenriquela aituardou-se moilo do- vastos- ] e cinco mezes debaixo da proteerao de urna velha
nos de meninas que elles vandiara, com outras mer-1 India qnas enferma qut criara. I.uiz Flavel tslava
cadorias, e qnit lar immediatamenle Emma para fa-, ainda em Calenda, lodavia eo no teria podido sus-
ztr-lhe expirimenlar om. | peilar...
Mea pai ficou um inatenta em silencio, e depois
pegaudu-me das nidos disse :
Mintu lilha, suarda o segredo mais absolalo sobre
esta grande descoberla, e conservemos piedosamente
estes dous esrriplos, cum que-puderemos aUum dia
fazer que Emma teoha um bello dol...
Como eu j disse, proseguio 1 moca, men pai al-
guns momentos antes de morrer fezdessa recoraraeo-
dacilo o objecto de um juramento, o qual jamis le-
ria eu violado, se ligo livesse sido (So vilmente ultra-
jada l'oreiu os lacios sao mais eloquenlcs do que as
palavrat, Adriano, siga-me, e vera esses doos es-
criplos, os quaes examinei ainda ha oilo diasna car-
leira, em que foram medidos.
Hosange lomou ama chave em sua alcova, e acom-
panhada de l'oelcher subi a escada que couduzia ao
anligo aposento de Thoraaz l.incry.
Depois da morle do pai a mora nao qui/.era que
iiiuguein songo ella eblrassa nes-o sanctuano das
medilares dns clculos do marinheiro velho. la re-
gularmente urna vez de quinze em qoinze dias cer-
lilicar-se de qoe os insectos e a poeira a nada linhara
daiunilicadu. Todas as chaves eslavain nos movis
deixadas religiosamente era seo lugar.
a moca enlrou na cmara cora Adriano, liroa do
fundo de um armario u oa carleira velha de marro- 'nanlc
racues que ao epararmo-nos do ditiinca alfer,
Hermenegildo (ioraes de Castro a Mello, notto a
ttZ"l,a nos P0"""1 dpeo.ar de pobUear
gralS. .!0S se"lim""< -e amor, svmp.Hua"
Nesle termo.depois de apresenlar 1 conducta mus
lauvava qoe se pode encontrar era nm Brasdiro,
i.nnrn.?0 m,iur .ueP"'e.,cia possivel. tendo
lo se nneD," ? C0",C,enca Clos. moslr.n-
n..T r" p0r Sl e nunca f* '"'noacdes,
u ,c.L.U fVr"; re9,eo"53e. dependencia e
SS am- ?'u Pro|r"nnia. Nao se podem
dispensar o, Catol.nses.de. em orna despedida dig-
na de eterna saudade, vollar o, olho, a seo exdele-
nen0'cee.-'Z,r'lhe:~AKe0*'' 'ni0 bem f"
K ',,"" m""or 1 sociedadt hrasileira:
adeot. militar prudente e digno d.s insignias qo.
couduzs ; adeo, delegaci.iVCJad. das circumvU
Alguem entrn tqni sem men conhecitnenlo '
alguem de vosses deve sabe-lo Fui doas vezes t
cidade a semana passada : sem duvida aproveilou-se
um desses momentos para tirar desle armario papis
importantes... Se nao disserero-meja o oome da pes-
,os que os furtou, neuiuma considerecito me deterl
ea me esquecerei de qoe vetee* perlenceram a meu
pai, e amanhaa os farei vender em leilAO.
Zaza, disse logo Emma, a qual viera ao mes-
mo lempo que Olivetle, foi madamesella Flavel que
enlrou aqu comiso a semana passada.
Ilenriqarta exclamon Rosange. Oh meu
Dos. nao rolla** mais do qne isso. I bz-eme o que
ella fez, minha lilha.
Klla rorreo todas gavetas, abri isto-, disse a
menina mostrando com o dedo a carleira.
si'iroo daqui papel ?
Nao sei. Ella abrarou-me depois e disse-ms :
Nao digas a niuguem que vi Indo isso, e eu 10 daiei
moitos holinhos.
Mas. quera lhe dera a chave da cmara
Mnnami, Olivetle.
Rosange fez cahir sobre a negra om olhar folrai-
MUTILADO
quim encarnado, desalou o cordao que a rodeara 4
abri a.
A carleira eslava vasia !
Hosange fez um ge.-lo de grande sorpreza. I'rocu-
rou sobre lodas as pralcleiras do armario com a al-
ienlo mais minuciosa, poz sonre uina mesa lodos
os papis que ahi se achavam, e eiaminuu-os escru-
pulosameule de um em um ale o ultimo ; lanjoa
visla debaixo dos outros movis ecm todas as cvelas,
mas em vio.
O- dous e-criplos bivi.im dcapparecido.
fio cumulo do espanto, cheia de perlurbacito e de
angnslia cuidando tro Kmma, emendo que Adriano
eonsiderasse Indo o qae ella acaba de eoiilar-lhe c.oip
orna historia inventada pelo desejo da vinganca, o
moca chamnu inmediatamente todos os seos criados!,
e disse-lhe em lom de irretistivel auloridade ft
Olivetle Inmola como urna fulha confesson lodo.
Durante a ausencia da senhura madamesella Flavel
viera ao jardim, passeara algum lempo com Emma,
e depois pedir com instancia a chave do antigo apo-
senlo de lhnmaz l.ancry dizendo que queria ver o
mar o ot.-navios. Ella dert-lhe eniao a chave cui-
dam.o1 qne ngo ohrava mal.
- fudo e-l perdido exdamou a moca deses-
perada.
E lomando a menina nos bracos disse-lhe aperlan-
do-a Sobre o coraco :
Pobre lilhinha agora oolem verdadeiramea-
le senflo ama mili, urna s ue-te mando : he Ro-
tang.
Despeda os criados, t sahio a sen turno com Km-
ma f Adriano.
(Conlinnar-se-ha.)

'.


QIMII II ttlilBiCQ T*C FIIU 16 IE DEZiMBRO DE lili
zinhas, e acredilal qoe o Calle vos datla a niaii
sincera amitade. > (*)
Saude em plenitud e pitaeoa a rarlar, Ihe deseja
eol talo cuura, o leu muito obriado, o
Compone;.
i m -------_
rKACA UO RKCIFB 15 DE DE7.EMBROAS
3 HORAS HA TARDE.
CoU{6et ofllciae*.
Cambio obre Londres27 3|l a 28 d. 60 d|v.
Ocscoiitc de leltrasa 9 % ao anno.
rreierico Itobilliard,presidente
P. Borges, lecretario.
CAMBIOS.
Sebre Londres, 27 3|4.
P.iris. 346.
Lisboa, 98 l 100 por :, de premio.
Hit de Janeiro, 1 \i a i por 0|o a 15 e 30 dius.
Acetes do Banco, 40 a 45 de premio.
companhia de Beberibe 549000.
c compauhia Peraambucana ao par.
a UHIidade Publico, 30 purcenlo da premio,
c a ludernuisadora. 52 dem.
a da estrada de ferro 20 por 0|0 de premio.
Disconto de letlras, de 7 a 7 1|2 por 0|0-
Dito do banco7 a,8 por 0|().
ijuro.Unjas hespanholai. 38M 88)500
Moed de 69100 vellias .... I600u
69*00 novas .... 165000
< ( 49OOO.......99000
Prata.PalacSe brasileiros......2000
Peso columbarios......nhki
a meiicanos...... 15860
Caixa Filial u Banco do
Brasil
EM 15 DE DEZEMBRO E 185(i.
Directores da semana os seubores : Jos Perei-
ra Vianna e Dr. Angosto Frederico de Oliveira.
Tasa de descontua para letlras da Ierra, 9 ao
aaoo.
Uila para ditas cndossadas i ordem do Banco do
Brasil, a 15 d. v. if.
-.1.1 AMILI.A.
Randimantodo dll I a 13. .
Idain do da 15......
266:2649717
16:740j>576
283:005932:)
1pecpcuanha......,
tomma.........
(ii'iijilire.........
Lenha de acbas grandes .
Id pequeuas
o loros .
l'rauclias de uniarellude 2 costados urna
10 louro.........
ido de ainarellodr :5a40p. de
c. e 2 ,'s a 3 ilc I.....
u de Hilo nauaea.......
idinlio de dito........
Soallio de dito...........
horro de dito...........
Costado de louro.........
Cosladinho de dito........
Soallio de dito...........
Fono de dito...........
1 cedro ..........
Torca de latajulia.........
Var de parreira.........
" aguilliadas........
" a quiris..........
Em ibras rodas de sicupira para c. par
-. eixos a
Mel co......
Millo......
Peda de amolar
filtrar .
rebolos
Ponas de boi .
Piassava.....
Sola ou vaqueta .
Sebo em rama .
Pelles de carneiio
Salsa parrilba .
Tapioca.....
I nli.i- de boi .
Sabao ......
Vinagre pipa
4fc>ittt
325O00
alq. 3eOO0
;u 2.3000
ceulo 20000
1) 9900
113000
una 213000
169000
303000
0 I13OOO
0 99000
0 7-3000
0 19000
u 89000
1 89OOO
Jl 59000
l> 29500
33OOO
quintal 19280
du/ia I96OO
0 19920
15280
par 260000
185000
cauada 3210
alqueire 1J800
urna 9610
ti 60OOO
i> 9800
ceulo 32IKI
molho 9200
mel 39600
V& 6000
urna 9360
169000
39300
ceulo .-:ioo
A 9120
pipa 303000
Para 01 Aracary.
Sesue rom loda brevi.lade o hiale nvtncivel,
ja tem a inaior p.irle dn Barga; para o resto e p-issa-
geiraa dirija-te a Martina & Irmito, ruada Madre
de Dejs n. 2. 1
Para o Kio Grande tilo Sul vai sabir rom bre-
vidade a barca brasileira JIeineiilinmi : para o resto
da carua irata-se com os Wus consignatarios V. A.
de Suu/.a C-irvallm & Cotnpanlin, largo do Pelnun-
11I10 o. 5 e 7, ou com o pilan Manoel Joaquim
Lobato.
Para Lisboa segu coro brevidade, por |pr par-
le da carga cugujada, o brigue porluguez Euiicod,
capillo Luciano Alves Cooceir,to ; para o reslo della
e passaseiros, para o qoe ollVrece bons commodns,
Irata-se com os consignatarios Amorim Irmos, na
ra da Cruz n. 3.
O palhabole brasileiro Piedade precisa de
marinbeiros brasileiros para a sua tripolaco : a Ira-
lar r,i, o capilo a bordo.
Para Lisboa sane com brevidade por ler a
111 hit parle da carga prompla, a mullo veleira barca
porlugueza Jauola ; para o resto da mesma ou
petttgeirw, para o que tem os melliores e aceiadot
conunodoi, trata-secuin os seus consignatarios F. S.
RaLello A l-'jlho.
Scilfoft.
1*0 p> pimv.
navios salados no dia 15.
Kio de Janeiro pelo Assu'Krigue brasileiro Ma-
ra Luzia, capilo Joao da Silva Moraes, em las-
tro.
&Mf$f&
Descarregam hoje 16 de dezembro.
Barca ingieraFlotling CloadIrillios da ferro.
Brigue inglezRacerdem.
Brigue inglezFriemanlni;.i e queijos.
Brigue inglezLevanteearvao
Galera francezaHavremercadura-.
Barca sard.Paulodiversos gneros.
Barca americauaMemsotabrinda de trigo.
B-reu dinamarqueaPreciosaferro.
Barca auecabarailyenlaboado.
Brigoe hamburguezCitomercidorias.
Brigue inglezNevv EdIrilhos as ferro.
Patacho oldemburguezPfielfarinba de lrij;o.
Brigue portugaezEuricalagedo.
Brigue porluguezKelampsgodem.
Brigue brasileiroMarisnnafumo e sabito.
Escuna nacionalLinds resto.
CONSULADO 1, ti 11 Al..
Keiidimento de da 1 a 13 13:9959903
Idam de dia 15....... 6:696o870
50:6929803
IMVBKSAS PHOVIrtCIAS.
Kendimenlo do dia 1 a 13 2:986918')
dem do diz 15. .. 5285696
3:514988!
O Illm. Sr. inspector da thesourarla pro-
vinciaK, em cumplimento da resolucSo da
junLa da fazenda, manda fazer publico que
lo i transferida a rramatafSo das obras do
empedratnento do 20- e2f ianr 15 ,da estra-
da da Victoria para o dia 18 do crrente.
E para constar se mandou allixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco, 11 de dezembro de 1856. O
secretario, a. F. d'Annunciar;5o.
O Dr. Anselmo Francisco Peretti, commen-
dador da imperial ordem da Rosa, ejuiz
dedireito especial do comniercio por S.
M. I. e C. etc.
Kacosaberaosqueo presente edilalvircm,
que no dia 12 de ievereiro do anno prximo
lindo, se lia do arrematar por renda a quem
inais der, depois da audiencia deslejuizo
na sala dos auditorios, a casa terrea 11. 27
sita na ra Direita da povuac3u dos Afoga-
dos 110 valor de 1:500?, a qual fui penhorada
por execusa de Miguel Joaquim da Costa &
C. contra Antonio Atines Jacome Pires.
1. para quo chegue ao cotirieciincnto de to-
dos, mandei passar edita es, que sero publi-
cados pela iinpreusa e atusados nos lugares
designados 110 cdigo commercial.
Dado e passado nesta cidade do Recife aos
9 de dezembro de 1856. V.u Maximiano Fran-
cisco Duarte, escrivo o subscrevi.
Anselmo 1 raiuiscu Peretti.
3bt9ita<&t.
DESPACHOS E EXPORTAQAO PELA MESA
O CONSULADO DESTA CIDADE NO DIA
14 DE DEZF.MBHO DE 1856.
Hit da PrataBarca hespanbola Kosa, Arauaga &
Br\an, 50 pipas agurdente.
GibrallarBarca hamburgueza Jobanna Kalkman>,
N O. Bieber c Companhia, 600 saecus assucar
branco. O chefe da prirooira seccao do consulado
Boeoo.-Ayres-PolacahespaohoU Araancia, Iza- provincial, servindo de administrador, em virlude
ac, Curi", (0 barricas assucar branco. \ .- ,. ... .
Ballimore-Brigu.americ.no Helena, Henrique | *"PJ? n0 an> 3 do regulameato de 3 de ju-
l-'sier & Companhia, 1,300 saceos assucar branco 1 '"<> ua 1852, faz publico que se acharo deposita-
e mascavado.
BostonBarca americaua Cambridge, Johnston
P.ilcr & Companhia, 1,300 saceos assucar masca-
-, vado.
PrataBrigoe porluguez Amallan, Jos Antonio
de Carvalho, 278 saceos assucar brauco e masca-
vado.
LishaaBarca porlugueza Ligeira, V. A. Souza
Carvalho & Companhia, 102 sacros assuaar bran-
co e macavado.
LisboaPatacho porluguez Bullanles, diversos
earrtgadorts, 100 saceos a vado.
LisboaBarca porlugueza HortencM, Manoel do
Nascirnenlo Pereira, 607 saceos assucar branco e'
mascavado.
LisboaBarca porlugueza Mara Jos, Francisco
Severiauo Rabello & Filho, 10 pipas agurdenle.
LiverpoolBarca iogleza Floaling-Cloud, Johns-
ton Pater & Companhia, 600 saceos assucar maa-
eavado, 500 palhas de coco.
LiverpoolGalera ingina Bonila, Paloo Nash i
Companhia, 158 s.ccas algodau.
PhiladelpliiaBarca americana C. E. Tay, Ma-
llieos Ausliu & C, 2,100 saceos assucar masca-
vado.
llamplouBarca iugleza Warhanock, Scbaramm
i_V C, 1,300 sacc os assucar mascavado.
CxDortacao .
Parabiba, hiale braeileiro Flor do Brasil, con-
dozio o seguinle: 408 volumes gneros eslraugei-
ro, 5 fardos e 3 rolos fumo, 7 saccasel barrica caf.
I dita doce, 1 sacoa arroz, 1 lata cha, 10 caitas cha-
rutos, 6 ditas salan, 1 coligo, 1 baln com roopa.
dem, hiata brasileiro Camoesu, couduzio o se-
gainta : 121 volumes gneros estrangeiros, 18
calas doce, 1 barrica assucar, 1 sacra arroz, 126
dazias de cocos, I callao chapeos, 1 macieira, 16
arrobas de carne, 2 saceos palaces.
BECEBEDOK1A DE KBNDAS INTERNAS GE-
RAES DE PEHNAMBUCO.
Rendimtnto do dia I a 13. 11:5325637
dem do dia 15........ 6859928
. 123189B56
Por despacho do Eim. Sr. Dr. juiz de direilo
especial do cominercio e a reqnerimeuio dus admi-
nistradores depiisilarios da massa fallida de Jefa
Chrisoslomo de Lima, o agente Postaiia lara leilito
na luja da ra do Oueimado n. 63 da aun.11.J0 e
miudezas existentes na mcsma.cnislautes do balauro
no valor de r. 3:8725956, assini como ,ie lorio o ac-
tivo, importando na quaulia de rs. 13:7539180, con-
forme o mesuio balando, In lo perteuceule a massa
do mesmo fallido, cujo balando se aclia em mo do
agente cima, e podera' ser eiainiuado por quem
convicr em seu armazem ra da Cadeia n. 55, e o
leilao lera' luuar ler(a-feira 15 do currenteas II lio-
ras da maulla,i na inesrua loja.
Leilode predios
O agente Borja transfero pata terqa-
fetra l(i do corrente, o leil&o dos predios
abaixo declarados perteneentes ao Sr. Jo-
s Utas da Sdva, nnniinciado para (juatta
letra 10, a saber: urna aisa terrea de
n. 2, sita na travessa do Lima na rita
Imperial com 2 salas, 2 quartot e cozi-
nha ora ; 0 ditas de ns. i, 6, 8, 10, 12
c li
na mesma roa cora 2 salas, un
zflMicad.
dos, no deposito geral deus escravos, Antonio, na,
cao Cassange, idade da 35 a 40 annos, Clorindo,
na^ao Congo, idade de 40 a 45 annos, com urna
bebda no olho esquerdo apprehendidos pela polica,
os quaes sao considerados bens- de evento, por se
desconher seus donos, e para qne seja cumprido o
queconlemo sobredito art. manda publicar pela
imprensa, para que no prazo de 60 dias comparece
quera aos ditos escravos tenha direilo, lindos os
quaeS se proceder a arremalacao pela forma deter-
niinoda no art. \ do citado regulamemo.
E para que chegue a noticia de todos mandei
passar o prsenle edita!, aos 12 de uoverabro do
1856.
Theodoro Machado Freir Pereira da Silva.
WJ
CONSULADO PROVINCIAL.
Kendimenlo do da I a I I 389955872
rlem de dia 15....... 4:951*532
43:9509101
PALTA
Jo. prerus corrtntei dn assucar, algodo, e wia/j
leeros do paiz, que se despacham M meta do
consulado de Pernambuco, na semana d 15
a 22 de dezembro de 1856.
Assucar em caias branco 1 .* qualidade uj>
2." B a
> mate......... o
bar. esac. brauco. .....
b mascavado..... ,
retinado ..........
A|godao em pluma de I.' qualidade
u o 8.a c
a> a ja a 3.a i)
em caror.0.........
Espirito de agurdenle......caada
-Agurdente cachara........ *
a de caima.......
resillada.........
do reino........ ..
Genebra..........
........... caada
...............botija
Licor...............caada
a ............... garrafa
Arroz pilado duas arrobas, um alqueire
primor
cm casca ....
Azeile de mamona .
a mendobim.
de peiio .
Cacau ........
Aves araras .
a papagaios .
Bolachas .......
Biscoilos.......
Caf boro.......
v resstolbo ..'..,
om casca ....
muido......
(amo secca.....
Gacel com casca .
Charuto? bous ....
u ordinarios .
regala e
Cera de carnauba
_ em velas.........
Cobre novo roao d'obra .
(a ni os de boi salgados.....
* verdea..........
espitados.......
.i de ouca........
> i. cabra corlidot .
Caachimbo......., .
Esleirs de preperi.......
Doce de calda.........
n ii goiaba........
II scico..........
a jalea ......
Eslopa nacional........
eslrauaena, man a'ohra
Espanadorca grandes.....
o pequenos.....
Fariuli-i de mandioca.....
a milito.......
i> aramia......
Feijo.............
Fumo liom .........
a ordinario.....* .
a em folba hnm. .....
c ordinario.....
a reslolho......

caada


O)
una
un
,
cenlo
ia>
milheiro
urna
a)
9
9
9
.19*10
2590(1
Sol 20
69700
65300
55900
1577 5
9850
9520
9610
9800
9880
9800
9210
9800
9210
69600
19920
5700
10600
19600
595OO
IO5OOO
35OOO
19640
69400
15800
:1960o
45O0
IO5OOO
.5o500
25-560
19700
0600
25500
lOcOOO
liOtHKl
0160
0:112
02OS
O:120
159000
0360
(ySlO
52011
5210
5200
5800
OOO
1J600
I3OOO
25000
10000
i'$ O comm'usario vaccir idor pro- tt
^ vtncial, reconhecendo (tic muitai i
@ pessoas deuun de comparecer a .;!;-
| esta reparticao em conse(|ttencia j
eig da longitude do Itifjar,' avisa ao ^
^ respeitavel publico que tem* re- $
solvido a vaccinat- tambem as
A terreas l'eiras de todas as semanas,
na casa de sua residencia, conti-
$t nuandoa eparticao a lunccionar @
no tofrei la aJandcga nasquin- Q
^ tas edoinn tos: assiin, as pessoas i{;.
t <|ue sequizerem vaccinar as ter- ^
^ cas l'eiras, podem dirigir-ce das $
@ sete as nove botas da manbaa, ao i$
^ 1.- andar do sobrado da ra Nova $f
@ esquina da do Sol n. 00.r. Joao 5
4$ Nepomticeno Dias Fernandes -:;
Acha-se recolhido a casa da deleneao desla ci-
dade, por e-i-,' subdelegada de Sanio Antonio do
Recite, um muleque de nome Mauoel, crioulo, que
reprsenla ler 11 a 15 annos, com um deule de me-
BOI na frente, e cur uAo muilo prela, o qual moleque
diz ser esciavo de Francisca Catliaiiiia, moradora na
freguezia da Escada : quem se julgar com direilo ao
mencionado escravo couipareca ueste joizo, mouido
de seus competentes tilnlos para se eutregar,. Sub-
delegada de Santo Anin,o do Recife 10 de dezem-
bro de 1856.O suhilelesado.
Di. Manuel Duarle de I aria.
(|tiarto c cozinha l'ra ; 2 ditas na ra Im-
perial n. 70 A. e7015.com 2 salas, quar-
tos, cozinha lora ; arma/.ens em cai\ao,
na mesma rita, um terreno na ra da
Praia de Sania Hita e um dito na Passa-
gem da Magdalena cora 12 1|2 palmos de
trente, aolado da casa doSr. Jos Joa-
quim Dias Fernandes, os quaes setao en-
tregues sem limite, visto serem vendidos
por accordodo propi-ietario com oe\-cu-
rador liscal, pata cumplimento da con-
cordata que Ibelra ltimamente outor-
gada : ossenliorespretendentcsqtiequize-
rem alguns esclsrecimentos a tal respeito,
dirijim-se ao armazem do agente annun-
ciante, sito na ra do Collegio n. 15 onde,
teta' lugar dito leilao a's 10 borasein pon-
to do supradito dia.
O agente Yieira da Suva far leilao de um
sitio com boa casa de vivenda no lugar denomi-
nado Pedra Atolle, contendo duas grandes salas,
6 quartos bons, cozinha fora, copiar, urna grande
estribara para 20 cavados, sendo terreno proprio,
tambera se vender em leilao ou em particular parte
de urna lieranca em Apipucns. O dia do leilao ser
annunciado e os pretndanles poderao enlender-se
com o mesmo agente cm osen cscriptorio na ra
da Cadeia do Recife n. 24.
LEILAO.
O Dr. Kibeiro, formado em medicina,
estando a relirar-se para Europa no pr-
ximo vapor ingle/., tara' leilao,porinter-
vencao do agente Oliveira, de toda a mo-
biua de sua casa, a qual be quasi nova e
do mclliur gOStO : ijiiaita-lcirn 17 lo coi-
rente, as 10 iioras da manbaa, na mes-
ma casa, ra <|u Cruz n. I .
O Illm. Sr. William Lilley eslandoa relirar-
se para fura do imperio, fara' leilao poi iulerveurAo
do agente Oliveira, de todo o trem do seu eteriplo-
|.rio, silo na ra e def.onle oo Trapiche ^ovo,
cousisliiido em carleiras grandes c pequeas, mesas
de diverso< lmannos, bancos, prensa de copiar car-
las, secretaria grande, marquezas. cadeiras usuaes e
de Liaros, e oulros arligos ;e asim maisde um sor-
lmenlo de lustres de i, .1 e 2 lote* cada um, e can-
deciros para cima de mesa, 2 amarras de ferro qua-
si novas, urna com 100 c oulra cotn 50 brajas, etc. :
terja-feira, 16 do correle as 10 horas d:i manbaa,
no indicado tscriplorio
Pela sub lelegacia da freguezia de San-Jos do
Recife se aununcia a apprehensao de dous quarlaos
e una vacca ; quem te julsar com dominio a dilos
animaes, e npreseulaudo ducumeulusxomprobalorius
lhe sent entregues.
>uli i I ira de San-Jos do Recife, 15 de dezem-
bro de 1856.
O subdelegado,
E iuardo Frederico Bankes.
O agente Borja (ara' leilao, em seu
armazem, na ra do Collegio n. 15, de-
todos os objectos existentes no mesmo,
consistindo em objectos de mateineiria
novos e usados, pianos, varios objectos de
ouro e brilbante, relogios de diversas
qualidades, quinquilhai'iai ftancezas. vi-
deos linos e louca para servico de mesa,
ricos candelabros de bronze, anternas de
vidro, candieiros inglezes, e urna inlini-
dade de outros muitos arligos que lora
impossivel ennumerar, os quaes se acbanio
postos no referido armazem, c seentre-
gariio sem limite, betn como diversos es-
cravos mocos de ambos os sexos, todos
com habilidades: quinta-feira 18 do cor-
tente, a's 11 botas da manbaa.
Leilao.
Vicente Ferreira da Costa lara' leilao
de 50 caixai de queijos Hamengos, os me-
lliores e mais (retcaes, existentes no mer-
cado e desembarcados sabbado ultimo:
terca-l'eira 10 do corrente, as 10 botas
da manhia, no armazem do Sr. Annes
Jacome, defronte da arcada da alfandega.
Os recentes da contraria da Congrecarilo respon-
dem aoEnforquilhadodo Diario dehoniein 15 do
correnle, que o faclnde que sBo araudos uao Ibes
[ni lo ser imputado ; nlo estando em suas n.i is o
remediar casos fortuitos, e para no perderem de
lodo o seu teinpo aconselliaui aos ipieimsos llevlos
paciencia coiu o que mala agradaran! a Dos, do
que com rabiscas no Diajio, as quaes s moslraio a
falla de caridade de quem as escreve.
Escravo fgido.
No dia 9 do correnle desappareceu um prelo crioo-
la por nome Deodalo, lilho do serlai do lugar deno-
minado. Pesqueira, bailo grosso do rorpo, cor bat-
anle fula e com um ligOll no nariz proveniente de
(nuce de cavallo, representando ler de idade 25 a
'Mi anuos, levou veslnu caira de briin, camisa de
algodao e chapeo de palha ordinario, ja foi pgalo
perlo da ponte d'l.clioa e lornou a evadir-se do si-
lio do Sr. Amorim ; roga-se porlanto a quem o pe-
gar ou della liver noticia de se dirigir a ra d'Apol-
lo n. 12, quo sera' generosamente recompensado.
Lava-se e cugamma-se cora inuila perfeicao, e
coziuha-se em casa particular: quem precisar diri-
ja ao becro do Rosario n. 2.
Precisa-se de urna ama e de um criado, forros
ou escravos, p ra urna casa nesla cidade. na ra do
Hospicio ii. 28.
Precisa-se do um caixeiro para taberna, que
seja perito, e om pequeo ainda com pouca pratica :
na taberna grande ao lado da igreja da Soledade
n. 20.
Aluga-se um segundo an-tar com bons commo-
dos : a tratar na ra larga do Rosario n. :)2.
Aluga-se urna boa casa terrea nos Arrumbados
em Olinda, para srande familia passar o lempo da
fes la do Natal naquelle bello arrabalde : as pessoas
que pretenderen! alugir dita casa enlemlam-sc em
Olinda com o collelor Salgueiro, e nesla cidade na
ra dos Mai lyrios, casa junto a igreja, segundo an-
dar, do coronel Salgueiro.
Aluga-se a anliga casa de vender plvora, oa
cidade de Olinda. com bom silio, baua para capim,
e boa casa de vivenda ao pe : quem pretender dita
casa dirija-se a la do Vigario n. 31.
Lotera do liio
de Janeiro.
Hojeou amanfaSa esperamos do Rio de
Janeiro pello vapor francez AVENIR ou
pelo brasileiro IMPERATRIZ, as listas da
ioteloteria 27- da casa de correccao, que
fot extrahida em (i do corrente; ainda
existe a venda alguns bilbetes inteiros c
raeioe bilbetes desta lotera, na praca da i
Independencia leja n. O: os premios
scro immediatamente pagos na mesma
loja cima, a' entrega das lista.., de con-
I'ormidade com os nossos annuncios.
A pessoa que se quizer prestar a
dar liccoes de lingua italiana, annuncie
sua motada para ser procurada.
BILHETES DA LOTERA DO
RIO DE JANEIRO.
Jos Ensebio Aires da Silva mudot a
venda de seus bilbetes da lotera do Rio
de Janeiro, para a ra do Collegio n. 1-5,
deixandode vender de bojecui diantena
loja doSr. Malinas de Azevedo Villarou-
co, junto ao arco de Sanio Antonio.
D-sediiilieiro a premio obre penhores de ou-
ro oa prata : quem precisar dirija-se a ra da Ca-
cimba n. 2, que se dir' quem da'.
P/eriss-se de urna mulhcr para Iralar de nma
pessoa que esta'docnte-: a Iralar na ra da Traa
armazem n. 22.
Precisa-so de nma mulher que se queira en-
c.irregar de comprar e eoxinhar para urna pessoa : na
ra das Trincbeirs n. ti.
O Sr. I.niz Pedro Ferreira, viudo lia pouco de
Maranhilo, queira ir rereber urna encommenda que
dalli lhe foi remedida na ra do Trapiche n. 16,
segundo andar.
Perderam-se duas carias, urna para o Sr. Jos
Mmuel, msico, e oujia para o Sr. Joo Teneira,
ambasdo Kvm.Sr. guardiao do conveuto de Ipoju-
""' '" pn.iiciro urna unlcus ,,,u i receucr nesla
prata, e a segunda com 50*000 cm diobeiro : qocm
as achou se ver consciencia. leve-as a ra larga do
Rosario, taberna do Sr. Maciel, que sera craliiicado
Aluga-se a luja da roa Direila u. 66, e vnde-
se a armar i que eiiste na mesma lo,a : os prrten-
deules dinjam-se delronle i loja de chapeos n. 61.
Fucio eu perdeu-se nma canoa de carreira,
nova e por pinlar, com correle de ierro : quem a
achou. dirija-se a roa da Praia de Saula Rila n. 37,
sobrado de dous aud.ires.
-- Precisa-se saber se eilem as pessoas abano
declaradas Bernardo Jos da Coste, Jos da Coala
Sanios, Joao Severo de Mallos, Amaro l'ilippe Ca-
valcanli, Rosa Jlaria da Concei^o, casada com An-
tonio Joaquim da Silva Porto, islo na ra do Brum
u. 20.
50#00
DE GRATIFICADO'.
No dia 12 do correnle, funarm as 7 horas e lan-
60 anuos ; cura radicalmente em pouco lem-
po com pouca despoza, sem mercurio, as af-
l'occOcs da pello, impingens, as consequen-
cias das sarnas, ulceras c os accidentes dus
partos, da idade critica e da acrimonia he-
reditaria dos humores ; convm aos calar-
., um fardo de fazendas da noria do abai\o assig- i r},os' a '"siga, as ConlraccSes e a fraqueza
nado, contendo as seguales pecas: com mais ou d?s u,'Sn"-s. procedida do abuso das injec-
menos de dillerenca; 2 copas S mm Uno, 14 ZZ^^U^^^Z
peeu da chita de diversas cores, 18 i(4 varas delectes ou rebeldes, que volvern incessantes
brim branco iranjado, de Imho, G pares de lavas em coosequencia do emprego dacopahiba,
de seda para senhora, sendo 3 brancas e 3 amarel- da cubeba ou das injeccoes quo ropioseulem
las, 2 pecas de mussulina, 5 pecas dealgodo ame- o virus Sem neuti alisadlo. Garroba Laffec-
ricano, y covados de panno lino, 5 pega) de algo-jleur he especialmente recoiiiuiendado cou-
daosinho largo marca I)., I dita azul, 5 dilas de tra M (lC"cas inveteradas ou rebeldes ao
SYSTEMA ME1CO DE HOLLWAY.
IMLI.LAS HOLLOWAY.
Este ittcsiiinavel especilico, composlom-
teirameirte do berras atedicinaes, nao con-
tm mercurio, iicinalguma outra substancia
delectcrt.i. Beoiffno a mais tenra infancia.
fesia, no car'torio do labelliao B. de Sa, a negocio! gente Silva, na praca do D. Pedro t). 82. ~
| Porto, Joaquim Araujo ; Baha, Lima & Ir-
mflos ; Pernambuco, Soum ; liio de Janeiro,
Rocha c Filhos; e Moreira, loja do drogas ;
Precisa-se de u ma ama e de um criado, forros
ou escravos: ni ra do Hospicio n. 28, a qualnuer
liora.
No dia 1!) na sala das audiencias, as 11 hora?,
depois de linda a do Sr. Ilr. juiz de ausentes, se ha
de arrematar nina grande eilencao deterreuo na ra
Imperial, perleiicenle a her.inea do finado Antonio
da Triudade, sendo o lerreno de cada casa de per si,
c os devolulos emboles, assim como 111 pes de co-
queiros, como consta do escnptoem mito do porleiro,
vai a prarja a requerimeulu do Dr. procurador liscal
da I /onda nacuma: e por ora avallarlo.
este remedio, muitas que ja estavam as por-
tas da morlc, preservando em seu uso ; con-
seguiram recobrar a saude e Coreas, depois
de haver tentado intilmente todos os ou-
,. -, qualquer especie efe-rao, por mais antigs c
Koga-ie ao Sr. Honorato Josepb de Oliveira oo>yeau-LaUecteiiT 12,rua mchelieu a Pars, i leazos que sejam.
Figueirrdo de apparecer imprelcrivelineute antes da Os lormularios do-se gratis em casa do a- Kntre niilhures de pessoas curadas com
ibelliaoB.de Sa. a necocio cente Silva, na nraca do I). Pedro n. 82. ma n>mn.i; ...:>
de seu muilo inlercsse.
OAGUERREOTYPQ
Systerua nurte-aiuercHiiu
AIEKKO DA BOA-VISTA N. V,
terceiro andar.
Nesla casa couliuua-se a tirar retratos com luda a
pe feic .ni e pelo novo syslema norlc-americano. E-
ile sempre uip com pelo c variado sorlimenlo de
caixinhas, quadros e jolas de ouro para a colocac.au
dos retratos. Todos os dias das fS huras da manha as
S da larde esta a olliciua e galeria a disposicao do
publico.
.10 PUBLICO.
No armazem de fazendas baratas, ra do j
Collegio n." 2,
vende-se um completo sortimento de fa- %i
zendas finas e grossas, por mais barato M
precos do que em outra qualquer parte, M
tanto em porcoes como a retalho, afrian- Q
cando-se aos compradores um s preso E
Ipg para todos: esle estabeleciment abrio-se S
i jj-f de combinac^o com a maior parte das ca- 5
sas commerejaes inglezas, francezas, alie y|
maos e suissas, para vender fazendas mais j
em conta do que se tem vendido, e por isto fgt
oHerecem elle maiores vanlagens do que 5|
otiiro qualquer; o proprietario deste im- ^
porlanto esiabelccimenio convida todos |
os seus patricios, e ao publico em geral, ||
para que venham (a bem dos seus inte- |I
resses) comprar fazendas baratas: no ar- S
mazem da ra do Collegio n. 2, deAn- g
tonio Luis dos Santos & Rolim.
wmammmsW&kmaKMM
Na ra do Trapiche Novo n. 12 no Cit do Coni-
mercio, preclsa-sede om criado, paga-te bem.
Precisa-se de 1:500? rs. a premio de 1 por
cenlo ao raes, por lempo de um anno, cum hf polhe-
ca em um predio de dous andares nesla cidade, livre
e desembarazado, o qual rende 600; rs. annuaes,
pagndose o juro niensalmenle ou da forma que se
cuuvencionar : quem quuer dar annuncie pur esle
t Diarios.
Ainda esla' por alu:ar-sc o filio da Torre a
margeni do rio Capibanlie, com boa casa de >i\euda
eslribarit e bai\a para capim : a Iralar ua roa du
Seve, casa onde moiou o cnsul porluguez.
ALUUAM-SB
para passar a fesla duas rasas na Torre, com bons
eornmodof, caa las e piuladas : no arniazcm de ma-
teriaes da ra da Cadeia de S.nlo Autonio n. 17.
Precisa-se de duas amas, urna que saiha enzi-
nhar e fater o servioo inleruo de rasa, e oulra para
tratar de um menino : na ra do l.ivrainenlo, casa
n. 20, seguudn andar.
Villa Nova, Joao Pereira de Magates Leile ; | tros remedios.
Kio Grande, Francisco de Paula Couloot C As mais alllictas nSo devem entregar-se e
desesperacao; facam um competente ensaio
dosellicazcs eQeitos desla assombrosa medi-
cina, e prestes recuperarao o benelicio da
saude.
Nao se perca tempo em tomar este reme-
dio para qualquer das seguintes enfermida-
des :
Pebres intermitientes
Febreto da especie.
Gotta.
Hemorrboidas.
Hydropisia.
Ictericia.
IndigestOes.
Inilammacoes.
Irregu la ri da des da
menstruacao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis.
Obslrucco do venlrc.
Phlisica ou consump-
c3o pulmonar.
liciencTio do onrina.
Kbeumatlsmo.
Symptomas secunda-
rios.
Tumores.
Tico doloroso.
Ulceras.
Venreo (mal.)
PROVINCIA,
U Hr. t!i soureiro da
loteras HiailH azer pu-
blico, que e.stfto exost.os
a venda, no escriptorio
das loteras, lia rita da
Aurora n. 4i6, primeiro
andar, os b i he tes, meios
e quartos, da primeira par-
te da sptima lotera da
matriz da Boa-', itsta, cujas
rodaaatidaiii nodiaO do
corrente fuei. mesmo
r. thesoureiro manda de
clarar que existe unta gran-
de porenode bilitetts,incios
c (juaitos.e [rnv consegu li-
te os his, jogadores, me-
Ihor poderS,o eacoilier.
Thesouraria das loteras
I i de dezembro de 1856.
Jos 'anuario 'Ivs di
>Saia, sctivo das lote-
ras.
Lotera da pro-
vincia .
Segunda parte (la segunda
lotera do Carillo,
Oa
laixoassienado ven-
den as seguintes sortes,
e sao payas no escriptorio
do mesmo, ou na pr. ca da
Independencia loi
1925 6:0003 2 quartos. '
CONSULTORIO H0M(E0r\-
THICOs
1)0 l)K. GASANOVA.
28ra das Cruzes28.
IVcsle cuiiMiltu io lia sempre para vemler
os mais acreditados medicamenlos liuimro-
.Jf psIhitM de CATELLAN e tiYEBEK, lauto i
fji em tinturan, como cm gl,.lilo-, e o mais Mfi
.'._ em conla pooival.
*',;* I ma boliea da 12 laboi 6f 8#'a IOOOO
V ''* -' Itt la e I iOOO
iS Je :lt m iJs 1HS e 2U5OOO
u -2Z c VfOOO
ii de oO u Js 33$ e 3UgOW
Tubos avolsos 50,), 00, e loOOO.
I ouca da tintara a rsculher 20000.
Consultas lodos os dias gratis para os po- 'f"
: '}
O
bres
i
II)
40
Se;ue uestes oito dias o palliabotc na-
cional "Lindo Pa(|tiete, capitao Jos
Pinto Nunes, pdc anda receber algnma
caiga, faltando- lhe.um terco de seu car-
regainento pata ajuste : Irata-se com An-^
tonio de Almcida (ornes, na rna do Tra-
piche n. l(i, segundo andar.
, un
alqllWM O3S0
(t -.jjOO
B IjOWI
alqueire 900
. 0 10J0IK
b joon
lOjOif
8301
,-flOI K)
MARANHAO E PARA'.
Real
quett
eompaiiti
s inglezes
ta
a
(!e pa-
va por.
(J Ailirmam-n.is que o autor daisa pera famosa,
b o primeiro iuii de paa da Iregueiia, tleilor e.
quem o crera delegado da iusirucsao publica !*
Nodit -2-1 desle muz espera-se do sul o vapor
TVNBi coinmninHiile Valler, o qual depois da de-
mora do coslume seauirS para Soulliamplou, locan-
do io. parlo de San-Vicente, TeuenlT, Madeira e
Lisboa : para pasaaens ele, Irala-se com o alien-
tes A.lamsmi llowie S C, ra do Trapiche-Novo
D. t.
PARA O ARACATY.
Segu cm pouros dias o bem conheeirlo hyale
Capfbariba para o re*io da carga e passageiros
trata-so na ra do Vigario n. 5.
Para Lisboa
O palaclio porlagaes Brillianleii, capilo An-
louio Bra/. Pareara, tahira' rom loda a lirevidade por
ter a maior parte da carga prompta ; para o reslo da
mesma Irala-se com o dilo na praca, on com o con-
sianalario l)omine.osJos I trreira GatatarSH, na ra
do Queimado n. 33.
m&08 2>lt>et$0*,
Physiologia das
paixoes.
Esla importaiile produri-ao litleraria do Sr. Dr.
Mello Moraes do Itm de Janeiro, bem como a coru-
sraphia do imperio lo Brasil, e o Educador da mo-
culide brasileira, coordenailos por o mesmo aulor :
ai-li.i-.se venda ua roa do nucimado n. -,
Consullorio ho-
meopatliieo d Di, Mel-
lo Moraes, do liio de Ja-
neiro.
I uico depoiilo era Pernambuco, ra do Qjeima-
do n. -J7, aonde se acba um completo sorliocuto de
medicamenlos, lano cm tintura como em gtoboloa,
leudo carleiras de diversos lmanbo, por precos
muilo em conla. Tambem abi se encontraran oa II-
vros necessarios a lioineopatlua.
Precisa-se de um cdiciro que Icnba baslanle
pralira de loja de fazendas, para urna loja fura da
provincia.
Precisa-se de um bom forneiro : na ra Direi-
ta n. 82.
A pessoa que no Diario de 1:1 do correnle an-
nuncioo precisar de 1^003 a joros ilc um por cen-
lo, dando por Mguraaea um sobrada de dous anda-
res nesta cidade, diiija-se a esla lypograiihia que se
lhe dir quem os da.
No dia 17 do correrle, na sala das audiencias
do Illm. Sr. Dr. jail municipal da secunda >ara, c
depois da audiencia desle, se lia de arrematar per
venda com o abalimento da .". pirle, um lerreno
silo na ra do Capiliaribo, forr-iro a marinlia, pe-
nhorado a Jos Kudpsues do Paaao, como adminis-
Uador de seus filiaos, por execorn de Jos tnirocal-
ves Fereira Cosa.
O aballo SMignade, lendo de relirar-ta para
fra da cidade, onde se demorara' poralsuns lempos,
roga aos seus devedores que veoham pauar s^us d-
bitos ale o dia I i do crreme, assim como as pessoas
que lem penlmtes em en poder venbam re'cata-los
denlro du momo prazo, do contrario sero vendidos
para seu paEameulo.Pedro Paulo dos Santal.
Pren-n-ie do urna ama forra on captiva para
lodo o sexvi(ode urna caa de familia na ra No-
va, sobrado u. 23, seguudo andar.
Kua Nova' n. 18 loja de M. A. Caj & C. con-
tinua sempre a ter um grande sortinieulo de obras
hitas de alfaiati-, tanto superior, como mais infe-
rior, camisas francezas, brancas e de cores, gr-
valas, colaiii.hos,chapeos francezes, ditos de sol, de
seda e paiiniulio,suspensorios de liirr.iclia,meias para
laohoras, homeni, meninos, fazendas para fazer-se
qualquer obra de euroinnienda cou a maior preste-
za e boro desempeuho, em lira qualquer pessoa que
vier a esla loja, tirar um tacto cmplelo e por pra-
ca mais commodo do que em oulra qulquer parte.
ttenco
>.a ra do ltapiclie d. 54, ha O
superior tape Princeza do Brasil, @
O chegado recentemenle do Kio de f.'":
-,? Janeiro, em qualidade pouco dif- ;?
ffl fete do de Lisboa, ao passo que 5$
i custa apenas I$400 a libia ; a elle ?g
pi antes (|uc acabe, pois a tcmessa @
f| be pequea. S
C. STABB & COMPANHIA
respeitoaamenle aouunciam que no seu cx-
tL'iiso cslabelcciiiirivto em Santo Amaro, con-
iiiiiiiaiii a fabricar com .vi.aun- pcrl'cicSo e
promptidno, loda a qualidade de maehinis-
mo para o uso da agricultura, navega' ao e
manufactura, e que para maior coir nodo
de seus numerosos frcgue7.es e do publico
em geral, lem alieno cm um ibis grandes
armazena do Sr. Mesquita na ra do ISruin,
atraz do arsenal de marioha um
DKPOSiTO DE MACHINAS,
construidas no dilo seu cstabelrcimcnto.
Alli acbarSo os comprudores um completo
sqrlimento de moen.las de caima, com lodos
os mellioramcntos alguna delles novos e
originaos] que a experiencia de muitos annos
tem mostrado a necessiuade. Machinas de
vapor de baixa c alia pressSo, taixas de to-
do tamanho, tanto batidas como fundidas,
carros de mo e ditos para conduzir formas
de assucar, machinas para moer mandioca,
prensas para dito, tontos ue ferro balido pa-
ra lannha, arados de Ierro da mais approva-
da construccao, fundos para alambiques,
crivose portas para fornallias, e urna inlini-
dade de obras de ferro, que sera eufadoiibo
enumerar. No mesmo deposito existe urna
pessua iuielligcnte e habilitada para receber
todas as cncommcudas, etc., etc., que os an-
nuncianles contando om a capacidade de
suas olllcinas e macbinismo, e pericia de
seusofliciaes, se comprme tlem a lazer exc-
cutarcom a maior presteza e perfeicao, e
exacta conformidade com os inodellosou de-
senhos, e inslruccoes que llie furcm torne*
cidos.
Seguros contra
o
Accidentes epileplicos
Alporcas.
A ui polas.
Arcias (mal de).
Asllnna.
Clicas.
ConvulsOea.
Dcbilidade ou e\le-
nuacao.
Debilidadeou falta de
forcas para qual-
quer cousa.
Desinteria.
Dorde garganta.
de barriga.
nos rirs.
Dureza no ventre.
EnfermidadM no vcti-
tre.
Enfermidades no liga-
do.
Ditas venreas.
Knxaqueca.
Herysipela.
Febres biliosas.
Vendeni-se estas pii tilas no estabelccimcn-
to geral de Londres n" 244. oStrand, o 11a
loja de todos os boticarios, droguistas e ou-
|ra* pessoas cticarrcgadas de sua venda ciu
tbd a America do Sul, liavana ellespanba.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs. Cada
nma dellas conten urna instruceo em por-
luguez para explicar o modo de se usar dr-
as pilulas.
O deposito geral he em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22, oni
Pernambu
BANDEJAS FINAS E BARA-
TAS.
Vcndem-se bandejas finas e de varios la-
manhos pelo barato preco de 1/500, 2*500,
33500 e s : na ra do Queimado loja do
miudezas da boa fama n. 33.
PARA AS SENHORAS DE BOM
GOSTO.
Vendem-se caixinhas ricamente enlejia-
das proprias para presentes a 23, 35 e *#, ca-
nelas ricas proprias para senhoras a 500 rs.,
carteiriiihas muilo lindas para senhoras a
800 rs., tesouras para costura, fiuissimas j
1S, ditas ditas para unbas a 500, 13 e 1/500,
ricas ranjas para cortinados a 4/ a peca, len-
cinhos de rctroz de todas as cores a 800 rs.,
ricas caixinhas para guardar joias a 800 rs.,
camisas de meia para enancas a 500 rs., ri-
cos bolOea para roupa de enancas a lo a du-
zia, sapatnilios bordados para as mesmas a
13200 e 1/500, ditos de Ka mais ordinarios
a 320 e 400 rs., agulhciros com agulhas sor-
tidas a 160 e 240 rs. cartoes de colxetes
francezes 24 pares a 100 rs., carleirinhas
com agulhas sortidas a 320 rs., caixinhas
com agulhas francezas a 160 rs., miadnsi da
liona para bordar a 100 c 160 rs., carrilei-
de linha de 200 jardas bomaulor a80rs., di-
tas de 100 jaras autor Alexandrc a 40 rs.,
macinhos de grampas muilo boas a 60 is ,
trancinhas de 13a de casacoes a 80 rs. a pe-
ca, caixinhas com grampas muito boas a 16'
rs., miadinhas de hutas d*a peso linas a 120
rs., buhados abortos de linho a 00 e 120 .s.
a vara, dilo bordado de lindos padres a 20o
rs. a vara, trancas de se-'a de todas as cores
e larguras e outras muitissimas cousas, que
ludo se vende barato, na ra do Queimadc
loja de miudezas da boa fama n. 33.
V? Ka

i
20OI 900$ -2 netos.
2.")."iS 400$ > quartos.
Ii7(i 'iOO.s- -2 ditos.
20116 200.V bilbete inteito.
!M2 lOs dem.
1141 IOO.s- 2 quartos.
271 100$ bhete inteiio.
300 IOO.s dem.
151.") IOO.s 2 meios.
158 50.s 2 ditos.
1026 50.s 2(puntos.
1065 50$ 2 ditos.
5756 50.S 2 ditos.
5860 50.s 2 meios.
1255 50.s bilhete inteiro.
P. .#. Loyme.
Aluga-se um silio na Vanea, no corrcHor de S.
JoSo, com casi de vivenda. aivoredos de fruclo,
anlio alraz da rasa por ser do lado do rio : quem
pretender dirija-se a bolice do Sr. Cliagas, na ra
do I.ivr imeni, que adiara' com quero Iralar.
A fama tri-
umpha.
Na ennfeitaria de Piulo ,\ lrm.10, ruada Cruz n.
21, recebeu--e iillimamenle de Tranca um lindo ior-
liroenlo de lisuras de ramos de noivas c oulros 0I1-
jeclos de coinma o mais delirado possivel para
as senh iras qur>enfoilam bandejas e outras mesillas
para pretensa, uini porcSo de ainendoas confeiladas
c cnmnliH para se encherem o mais rico que se pode
achar para brindar-te as mesmas, aprompta-se qual-
quer encommends de bolinlios e doces 1 mais bem
feilo para casamenlos e bailes, com pronipliiblo e
aceio, e fruclas, para qualquer parle que os compra-
dures quizerem, por prcc,o cuiumodo.
Precisa-se de nma pessoa desembarazada de 1
familia, que ler.lia pralica de panaria, para 101.^"''-* '-''-LI.MAM KA ^011 de padre),
1857.
Atliam-se a venda as l>em conbecidas
folhinbas, impretsas nesta typojjiapbia,
das seguintes qualidades:
FOLUINHA BELIGIOSA, contendo alem
dos mezes, a bibliotheca do christao
brasileiro. que se compoe de ora-
ceS(|uotidianas, metbodo de assistir a
inissa e conlissao; cnticos, psaltnos,
bvinnos, ollicio de N'ossa Senhora da
Conceicio e militas outras oraeoes de
grande ment, preco......520
DITA DE VARIEDADES, a qual alem dos
mezes,'conten? artigo* de agricultura,
nocoes de sciencias, arles, lei dos cir-
cuios, tabella de imposlos, e regulamen-
lo de alerico, etc., etc., preco. 520
DITA SIMPLES, contendo alem'dos me-
zes, a lei dos circuios e varias tabel-
las de impostos geraes, provinciaese
municipaes, uceo........ 210
DITA DE POETA, a qual alemdos me-
zes tem explicaees das indulgencias e
exconnnunhes, etc., preco. 160
fogo.
Companhia yorthern.
CAPITAL, 1,260,000Estabelecida
cm 1856.
Pata ellecluar seguros sobre ptoptie-
dades, mercadoras, mobilia e gneros de
quasi toda a qualidade. Premio de 5|8
ate 1|2 0|0 ao anno.Agentes. C. J.
Astley & G.
(jravam-sr e imprimem-se com perfeir,,io billutcs
de visita, letlras de commercio e lodosos objectos da
arle caligrapbica, reni-lms, vinbelasequaesquer de-
senlio!. Abrem-sc firmas, sinelcs. tanto a lallm do-
ce como em relevo, ornamentos com objerlnsiteooio
e prala. Fazcaa-H rirns lindos e originaet para
bordados de lab\rinllio. Admille-se a recusa de
quaesquer drsles objecto no caso de nflo licanm a
conteni das pessoas que os euromraendarem : quem
preleuder dirija-se a qualquer desles luR>re. : no
bairru do Hecife, ra da .Madre de eos n. 32, pri-
meiro andar; em Sanio Antonio, ua livraria classica
do pateo do Collegio n. > ; tus Cinco l'outss, sobra-
do da quilla coufrunle a nialriz nova.
conla de urna para vender no balean e regero Iraba-
lho da mesma, dando-se-lhe inleresse ou ordenado
sullicienle, com lano quo abone sua capacidade :
procurem na padaria do paleo da Sania Cruz, jun-
io ao sobrado 11. 39.
Precisa-se de una ama de leile para criar orna
enanca de poucos dias : a Iralar na rna da Aurora
n. 36.
Precisa se de urna ama para o servico de urna
casa de pouca familia : a fallar na ra dn llrom, so-
brado confronlu a fuiidic,ao do Sr. Bowraan.
AtteiiQclo.
Os accionisUs da rumpanhia Viuilanle rloi rebo-
qoes.sao convidailos para ,1 reiiniao no dia 19 do Cor-
real, as 10 liora da inaulia, imprelrrivelmenl*,
para deliberarem sobre necocios importantes da mei-
ms cnmpaiiiua, no escriptorio de llenr> lorsler & I gOSto agradavel e acil a tomar em secreto,
Companhia, ma do irapiche Novo o. 8. |eslu em uso na marinha real desde mais de
elaborada pelo lvd. Sr. Penitenciario
da Se de Olinda, segundo as regras
da igreja, e lea conbecidas a res-
peito, preco..........iOO
todas estas blbinbas sao impressas ein
bota papel e excellentc typo, e vendem-
se em porcao < a telalbo: na livraria da
praca da Independencia ns. (i e S.
ROB I.AI I KCTEt K.
O uniro aulorisado ;.,r deeisSo to constlko real
decreto mperiaX.
Os mdicos dos bospitaes recommendam o
arrobe de Laffecteur, como sendo o uniro I
aulorisado pelo governo e pela real socieda-
de de medicina. Esle medicamento de um
DO
BOSQUE
foi transferido n deposito desle xarnpe para a ho
tica de Jos da Cruz Santos, na ra Suva u. 5:1'
garrafas SfSOO, e meias 39000, sendo falso lod
aquello qoe nilo for vendido ntsle deposito, pal
que se faz o prsenle aviso.
IMPORTANTE PARA 0 PIBLICO.
I'p.ra curada pblvsiraeni loilosnsseiisdilleren
teiros, qucrinolivada porCOOllipacdes,loase
asllnna, pleur7. esiai n.s de sansue, dr de eos
lados epeilo. palpitaran lie coraran, coqueluche
bronchile, i na gargaola, e todas asmoleslia
dusomaos pulmonares.
iEduisio Pi Des-
a.
NAFUND1QAO DE FERRO DO ENGE-
NHEIRO DAVID W. BOWMAN, aA
RA DOKL'M.PASSANDO O oHA-
FAR1Z,
ha sempre um grandesoriimenlo dos-ecuintes ob
iceto* de meehanlf moa proprioi paraentenhot.aca-
ber : mneudase meias moflida* da mais moderna
rouslrurriio ; lai\as de ferro rundido c balido.de
superior qualidade e de iodo* os lmannos j inda
deutadas para auna on animaes, .le todas as propor-
ees; cri\os e borras de fornalbae registroi de bo-
eiro, agailhOei,bronzes,parafasos ecuvilhoes.niol-
nhos de mandioca, ele. eir
NA MESMA FL.NDICAO.
leexcciilamlodas aseucommendas con> a superio-
ridad e ja condecid a ecoui a de vid api esteza com-
modidadeem preco.
Precisa-se alagar uma ama forra ou eapliva
para o servico de una eaa de pequea familia : a
tratar na ra Imperial n. .11 priinmo andar.
Precisa-se alugar uqia boa raa rom dous an-
dares, as principaes roas desla cidade, pasando-sc
bem : a tratar na ra da Cruz do Hecife n, 13. pii-
meiro andar.
RICOS ESTOJOS PARA COS
TURA.
Vcndem-se muito bonitas caixinhas com
reparlimenlos proprias para costura a 2f500
33 o 31500 : na ra do Queimado loja de miu
dezas da boa fama n. 33.
Cartas para joar.
Vendem-se baralhos de cartas francezas
muito linas e de bom papel a 500 rs. o bara -
Iho, ditas portuguezas muito linas a 320 rs.:
na ra do Queimado na loja de miudezas da
boa faina n. 33.
Alojad* boa
tama
Vende nitiilo bar; to :
Libras de Iinhas n. 100 e 120 de boa qua-
lidade a 2?, ditas de Iinh8s de cores a 1*300-,
pecas do lila lavrada larga de seda a 25500,
cluzia de pentes aberlos para segurar cabel-
lo a 2;200, grozas de botes de louga pinta-
dos a 240, meias brancas e cruas para homem
a IliO, suspensorios para homem e menino a
40 rs., carleiras para algibcira a 600 rs., pe-
cas de fita de linho a 40 rs., grozas de b-
lOes finos para calosa a 280 rs., grozas de
hotoes de madrcperola a 600 rs., braceletes
encarnados para senhora a 200, caixas com
Iinhas de marcar a 280 rs., pecas de bico es-
treito com 10 varas a 560 rs., duzias de te-
souras para costuras a 1/, ditas maiores mui-
lo boas a 19-200, e outras muitissimas cousas
que se vendem muito barato na ra do Quei-
mado na bem conhecida loja da boa fama
n. 33.
Luvas de varias quaiidatl< s
Vcndem-se ricas luvas de seda de todas as
res, cobordadas e com bolotas a 2{ o para
dilas sem ser bordadas brancas c amarellas
para bomens c senhoras a i-, 1B200 e I9S0O,
ditas de lio da Escocia hrancas e de cores
para homens e senhoras a 300, 400, 500 c
600, dilas brancas e de cores, de algodio,
proprias para montara a 240 e 320 c oulra^
qualidades mais que se yendo na rna do
Queimado na bem conhecida loja de miude-
zas da boa fama n. 33.
Para escrptorios e carto-
rios.
Vendem-sc resmas de papel de peso do
mclhor que lie possivel haver a t.?, dito in-
ferior poucajcousa a 35 c 33500, dilo paque-
te muilissinio lino a 4.-500 e cr, dilo almaco
grave e inarlim a 49, dilo almaco muitissimo
bom a 38200, dito de cores cm quartos do
resma a TOO rs gro/.as das verdadeiras pe-
nas de ac bico de lanca pelo barato prego
de 1:200, dias muito boas sem ser bico de
buica 5 nos a 320 rs., ditus proprios para risear b-
vros a son rs., canelas de osso loi neadaa para
peonas de ac a 120 rs., caivetes linissimos
de una a quatro lulhas a 1, 2, 3, 4, c ou-
tras mais cousas que se vende barato; ua
rna do Queimado na bem conhecida loja de
miudezas Ua boa fama n. 33.
Bonecas francezas.
Vendem-se bonecas francezas ricamente
vestidas e e varias qualidades a l?20i,
1-600 e 2.-;, na ra do Queimado loja de miu-
dezas da boa fama n. 33.
i
MUTTLADfJ


imio n rfvtunwi TEag MiA 16 DizEioa ss isse
DEPOSITO DE L1VR0S E BOTICAS HOMEOPTICAS
DO
ni)
O r. P. A. Lobo Moscoso, temi de fazer urna V
direccSo de pessoa habilitada e de inteira probidade, emn deposito na'oi.de li'vr'os daSr
Manoel Noguer desonza na rui do Crespo, sobrado novo do Sr. Hanlhaes Bastos '
rliliCOS F1XOS.
Botica de 12 tubos grandes. 10/000
n-'.U .do-* ,5-000
Dita de 36 ... 30M00
Dita de 48 ... 0.50000
Dita de (O
3H-000
Manual do medicina bomeopatbica do Dr. Jahr com o dic-
cionario dos termos de medicina
Medicina domestica doOr. Ilenry.
Tratamento do cholera morb
Repertorio do Dr. Mello Morcs
Jes.
20*000
lOfOOO
2/000
6*00"
* PKUKAS PltKCIOSAS-1
8
J Vderecnadcbrilhanles, *
;,- llamantes perolas. pul- *
J reirs, allinetes, brincos .*
* e rozelas, holoes e aunis *
de diflerenles rjostos e de i$
diversas pedrat de valor, i
1
^ Compram. vendem ou *
I Ir.icam ptala, ooro, bri- 8
Ihantes.diamaolcsepero- ?
* las, e outras quaeaquer *
5 joiasde valor, a dinheiro
* ou por obras.
?*???'**'.*'* ?;?*'.*;
I0REIRA & DAETE.
L.I4 lil OURIyM
Ra do Cabuga' n. 7.
Kecehera por to-,
dos os vaporeada Eu-
ropa as obras domis
moderno gosto, tan-
to de Franca como
I
A S*
OUKO K PR.VTA. *
ja 8
.?; Aderecos completos de J;
* "uro.ineosditos, pulcei-i
J ras, alfinctes, brincos e *l
*j rozelas, conloes, trance-
rjj lins, medalhas.corrcules <*
Sj e enfeites para reloitio, e ^
.. outrosmuilosobjeclotde *;
* ooro. '
'. Apparelhos complelos, *
de prata, para cha, bao- *
i dejas, salvas, eaalicaes, *
6g colheres de sopa edeclia, .?'
e mnilns oulrus olijeclos *
W do prata.
de Lisboa, as q naos se vendem por
preco couimodo como eostumam.
~-N" rua l3r=a do Kosario, esquina do bcrco do
I ene-1-ru, no seguudo andar do sobrado n. 9,
, cozufca se para Tora cun lodo asseio, perfeicao e
promptidiio e tambero se en?..mma : ludo por preco
| man commodo do que em oulra qualquer parle. '
Aluza-se aloja da casa da rua da Aurora n. .?"
onde fui oDicina do fallecido marcineiro llenrlque
quem pretender dinja-se ao Sr. Jomo Pinto de l.emo,
Jnior, no scu escriplorio, ou casa de sua morada,
na rua da Aurora.
ecmalguns negociantes desia praca. Na eidale de
Macen, j voluntariamente subscreveram rento e
tantos, e boje com a ultima publicarlo da canco
denominada O juramento teem surgido como
por encamo, novos apologistas, que me dio os pa-
rabens pelo botn resultado dcsta minha emproza.
Agora lembro de patagn), porqi-o motivo os
Exms. Sras., que consiiiuem as gracas do din e as
delicias da noile, nao se preslam a subscrever para
a publicarlo de tima obra, qne tanto exalta stias
sublimes virtudes e formosura ? Nao sao os elos
da cadeia do mais aprehensivo e melindroso sexo,
que faz. a gloria, delicias e doce ornamento dobo-
mem ? Ohomem nao nasce de seu venlre, para se
suspender de seu seio? Sua bocea deliciosa nao pro-
fere palavras mgicas, que adormecem udas isd-
rese geram todos os prazeres A Dataran do ho-
mem nao be o rellexo di historia de tao bello, de-
voto e sensivcl sexo ? Deve-se por conseguinte a-
doplar a estupida doutrina, de que id inlerceptan-
do-se as Sras. a propria luz, se consigueria evitar o
seni deslumbramentofechando as janellas das casas,
onde devem viver e roorrr ? As senhoras, diz. a
condessa deRemusat, nao temseno aclividade in-
terna : sna liberdadehe mais pacifica.que a dos ho-
mens, ellas b teem por inimigo o scu proprio co-
raco. '
Em verdade, sempre para as grandes emprez.as
reclamarani-seos maioresesforcos : os prolectores
das obras Iliterarias em lodos os tempos so denomi-
naran! egides dos fructos da intclligencia ; convem
porianio, que todos em geral, subscrevam, para a
publicarlo de urna obra, qne lanto electriza os co-
racoes sensiveis. As bellas] Pernamhucanas devem
de. imitaros exemplos das aflfectuosas eillustradas
bahianase fluminenses.O bacharel lormado.Joo
de Barros Palcao de Albuquerque Maranbo
SOCIEDADE FUNDADORA DA FA-
BRICA DE FIAR E TECER
ALGODAO.
(ls senhorea socios sao convidados ;, Oeeluar al
o da ai do crrante, o plmenlo da tegond. pres-
lH..io,q,le hefixada em lo por cenlo ,|o e.pltal
suliscriplo por cada ato : no escriplorio do Sr. M -
noel Alves (.uerra, ruado Tr.picbe n. II. Has' 9
horas da naabla, s ;> horas da tarde. Pernam-
Duco 0 de de?.i'inbro de 1366.
Jmorim, Fariat, (uerra JC.
Vendem-ie 6 taceal ile frijSo inulalinlio por
barato prec.0, esleirs ile palha de carnai.ha. oleo de
ricino da melhor fabrica do Itm de s. francisco a
:ll(> a libra, em lalas de 37 libras : na rua .lo Viga-
rio II. .
Veude-se om moleqae de idade li annos, cri-
onlo. Iros pretas de idade 30 annos, cozinhsm bem
e lavara : na rua Direila n. 3.
Vendem-se na ruado Trapiche n.
16. estnptorio de Hrcnder a' lirandistx C.
Frasqueiras dgenebra de Hollanda mili-
to su pe or.
Botijas de oleo linissimo para candieiros.
Lona a' imitaro da da Rutaia.
Pregos fundidos para lian cas de assutar.
Pape! para impressao.
hampa^ne.
Superior champagne em {jrralas e
meias: tiala-se com Antonio de Almeida
Gomes, na rua do Trapiche n. l(i, segun-
do andar.
Vende-se um bom piano de armario e de Rosto
moderno, com muito pouco oso : na rua da Aurora
n. 10.
DOCE.
Na rua do Queimado, luja n. e na rua Bella,
casan. 0, vende se o mais bem feilo doce secco de
caj' e do calda de todas as qualidades, as libras e
em bocelas bem enfeiladas, ou em barriliuhos ou
lalas, proprio para prsenles.
Vende-se a cnebeira da rua da Cadeia de San-
io Antonio n. 7, bem Jnionlad.-,, com bon< carros,
bons cavallos, c muito afreguezada ; o lempo nao
porte ser melhor pora quem quizer ganhur dinheiro,
raz-se lodo o neRocio a dinheiro ou a prazo, porqne
o sea dono nao pode oslar a lesla della por ler ou-
trosdever-s a cumprir, c lambem ler de fazer uni
vieuem a Europa em marro de!8i7: os prelendun-
les din jam-se a mesma a qualqucr hora do dia.
FAZEsiMS BARATAS
->I AVAKIA,
10'
11,0
1*500
00
FARINHA
N
ESTRADA DE FERRQ
Precisa-se de
ominar em casa de
do Kecife San- Francisco "'
(Terceira chaaiada.)
Kecife a S. Francisco, lem feilo a lerceira chamada
de i libras esterlinas, oo rcis 173777 sobre cada ac-
eto na dila companhia, a qual deve ser paga alo o
lia 8 de Janeiro de 18.Y7. na Baha, em casa dos
>rs. 5. Davenporl kV C, na corle, em casa dos
>rs. Mana Me. Cresol & C, e em Pern.mlnico, no
escriplorio da companhia. O accionisla que nao
cealiur n pasamento denlro do lermo indicado, po-
dera" perder lodo direilo as aceoaa sobre as qnaes o
diiopaKamenlonAoseliver cecluado, e em lodo
o de 5 por cenio ao! da vfnora'ei Crtieiu '* er-
omptr.
ama pessoa para co/inbar en- Compram-se tahoas que sirvam pa-
pouca familia, do lencnte^oro- ra andaimes : nesta typogranhia. ou na
sma casa se dir' quem vende .VI i;,....,...., c o j 7I "lI"ld- "J
ra muscatel a 500 rs. cada um. llM'"'a ns. I) e 8, da praca da Indepcn-
mcrgalhoa de parrei
itecebe-se dinheiro para ser mandado dorna
idade do Porio por lellraa paaas vista ou a prazo,
ero prala ou ouro: na ma do Trapiche n. VI, escrip-
orio de riioioaz de Paria.
Hospital Todos
os Santos,
ano, de na receber jornsou dividendo da c
paubia. pelo lempo qoa decorrer entre o dia indi-
cada) para o pagamento e a sua realisac,ao. Ncnlium
i ilo de transferencia podo ser resislrado depois do
da 8 do crreme, antes do pagamento da chamada.
Por ordem dos directores,
S. P. lereer,
_ ., Theoureiro.
Recifo :l de dezembro de 1856.
c Para o mesuro hospital precisa-se de
umen'ermeiroe urnaenfermeira, aquel-
es de nossos irmaos casados sem ilhos
quepretenderemolujjar, cujo ordenado
hedeO.s-000 para ambos e mesa, din-
jam-se ao irmoministro Feli\ Francisco
Etahdd. cm Londres, em marco de 1824. t Carmo ^ff'' aondm l^
Capital cinco milhes de libras esterlinas.
Saunders Brothers & C., tcm a honra de in-
formar aos Srs. negociantes, proprieurios de casas,
ea quem mais convier que esto plenamente au-
lonsados pela dita companhia para effecluar segu-
SEGURO CONTRA FOGO.
Companhia Alliance.
ri......pe:
ciencia.
- Compram-se apolices da Idivida provincial,
na ruadas Flores n. 37 !. andar.
Compia-se urna neara moca com habilidades,
com iiiiin uu sem elle : na rua do Ser.o n. I.
Corapra-se una cabra bicho que tenha baslan-
leleile, paga-ae bem : na rua do Trapichen. 8.
Oompro-se ou afora-se om terreno qoe sea
na rua do Socego, ou perlo della : quem quizer fa-
zer te negocio annuncie pira ser procurado.
Campra-M nina casa terrea do valor de oilo-
cenlos-ile om conlo e cem mil lii : a traUr na rua
da Cruz n. -Id primeiro -udar.
Cfl npram-se accoes da companhia de lleheri-
be : na
Na
fabricad
carreaac
ua da Cruz n. 35, segundo andar.
roo do Kaogel n. 2, coropram-se charutos
com fumo da Baha para Ires por dous e
Metidas.
w
vo) n. (i.
O
assimcomo precisa-sede
um servente para o ruesino hospital.
CCaNSLTOBl CENTRAL^HO- I
~- 9 -MEOPATHICO. -Z:
mSS2L*2 Hra* C0be^,0S,,9 "'^eSanto Amaro (Mundo-No- !
Mhae igualmente sobre os objectos quecontiverem *
nsmesmoseilificiosquer consista em mobilia ou
oto fazenrias de quahjuer qualidade.
^>^v^s> a*-aa*o?
I. JANE, DENTISTA, 5
9 continua a residir na roa Nova n. 19, primef- S
tt ro andar.
^9<999a90%i-A*9>aa>9S
Fabrica de. fiar e
tecer algodao.
Q O I Ir. .Vaftino Olegario l.iidgero l'inhn, Z
de rolla de sua viaaem ao Kio de Janeiro, 9
w conlinna a dac cnnsullas lodos os dia. ulei., dS1
r^ das X hojas da roanhaa, s J da-lardo. &'
^ Os pobres sJn medirartnc grainiamenle. TT
..*-...
A .jciedade em eommandita, Amnrim, Caria,
i.uerra i C-.. por deliberai..io lomada por 101 dos
-eos socios, subscriptores do 5009000 i\ 5:000-^)00 de
le, dos que ell'ecloaram o pasamento da primeira
iwe-larao. lera resolvido mandar a Europa o seu
-ocio Uiipral, para ir procurar os riscos, plase iu-
forma^es definitivas, enoregresso desle, dar coroe-
t.o a odilicacao da fabrica e suas dependencias.
Km viriude do arl. 39 dos eslalulos, a sociedade
Icliboroa qao continuara a admillir novas subs-
rnpres. no escriplorio da sociedade, provisorismen-
M em casa do Sr. Manoel Altes Coerra, roa do Tra-
picho n. It, l.andar,emlermosaaoiimenlar-seo
'jpilal social, afim de
Oabaixo assignado, curador fiscal, da mas-
sa fallida de Joao Chrvsostomo da Silva, convida os
credores do mesmo para que no prazo deoilodias
a datar de lioje.venhamapresentar seus credilos pa-
a seren verificados e clasificados, segundo for de
d'reilo. Recife 6 de dezembro de 1856Joa-
quim Filippc da Costa.
COMPANHIA INTERNACIONAL
FORENSE.
ISscriptorio central no
REA DO ROSARIO i\. 158
EM
Corle, ile
ra, em del
cambraia lii
lulo de don*
seis portas
tENTE DO LIVRAMENTO.
Vende-se em rasa de Saaodera llrolhers A C. ua
praca do Curpo Sanio .-.. 11, a mallo superior e bem
coiihecida farioha de Triesle. da marcaprimeira
qualidadecnagada em 9 do crrenle na escuna
PreiU, em porroes crandes e pequeas, couforme a
vontade do comprador.
Vendem-se lingaica do serlSo J 360 rs. a li-
bra, diias do Reiaa a 610rs. a libra, raixinhaa de
fiaos muilo novas com i libras por 18120, eaisSes de
doce de eoiaba muilo novo, e muilo lino a 1-iO,
passas a 560 rs., meias lalas de sarliuhas de Nantes
a .iO0 rs.. lelria a ISO rs., sement de coenlro muilo
nova a 3-2II rs., a carrea : na taberna da quina da
rua dos Martyrioa n.|:t(i.
Vende-se ra rua Direila n. 27, urna canoa de
carreira, nova, por preco commodo ; lambem se
vende manleiga iuleza a SSO rs., dita a XOO rs., di-
la fronceza a SOI I e720 rs., favas viudas da ilha de
S. Uiguel a iOO rs. a coia.poslas de cavalh.salpreza
a iO rs., ouiros muitos ganeraa e que se Tendera*
por commodo prejo.
Na luja de portas, na rua do Oueimado n. lo,
ha |iara vender novo lorlimeulo de fizcndas muilo
em cunta, como sejam :
dulas largas de cuie-, o rovado
lillas esticilas, oco\ado 100 rs., fofle
Corles de resudo de cblla larga 19000 e
Uilos de c.isas ile hana
l'ecis de chitas de cores
Hilas de diUs liuas
Madapolao entrelio SfOOO e
Uilo lar^o
Algodas azul de lisira e mcsclado, o envado
Uno americano, peca
Chales de ehlta
Lencos de ganga encamados
Chales de mermo de barra e franjas
l'eilosde hubo lisos e bordados para camisa
Vende-se om pretepe envidrando, cm poni
uraiule ; ua rua de S. Jet n. -Jl.
Moinhosde vento
com bombas derepuiopara regar borla r ha
xa de capim : na fundico de I). W. Bowman
na roa dn Brum ns. 6, 8 e 10.
CARNAUBA.
\eude-se cera de carnauba da boa qualidade ;
na rua da Cadeia do Kecife, loja n. 50 delimite da
rua da Madre de I ico-.
Vende-se
Envadasde ierro, do Porto.
Fio pnete.
Panno de linlio.
Pomada.
Saboneta francezes linos. '
Charutos'de San-Felix, de diversas quali-
dades.
Arcliotes.
Sabao nacional.
Na rua do Trapichen, l, segundo an-
dar, a tratar com Antonio de A. Gomes.
y5 Em casa de Eduardo 11. VVyatt, va-
rita do Trapiche-Novo n. 18, ba $J
para vender, chegado no ulti- fi
ino navio de Londres : f
~> pianos fortes e elegantes de fa-
bVicante afamado, com seus per- g
tences seguintes. ou
i>$ 3 carteiras para msica. A
Q i du/.ias de estantes para dita. A
$ 6 cadeiras para piano, e:)
s.y as (6 ... as...... % .......... *<.- y gfgjj
Para acabar.
DEPOSITO DA FABBICA
Industria Perrianibucaaa,
RUA DO CRESPO N. !>.
A fabrica de sabilo e velas de carnauba, es-
labelceida na rua do Brum, tem estabele-
cido um deposito na rua do Crespo n. 9, pa-
ra ahi nicamente dar estraccao aos seus
"-MKM rroducios, proporcionando assim a maios
>uiki COII1niodidade aos consumidores. As velas
;i5oo v"'tagens seguintesi sao reitaa com a car-
90001nauba simples purificada pelo meio do va-
!,',!;!! Pr'- Si1 inot|oril9 e bellas na apparencia,
m t,ue""iln, com igualdede e nSo esbbrram, e
Vu murrao e dao mais luz e mais cla-
ra do que as velas stearinas ou de qualquer
cornposicao, e que se vendem no mercado,
raoricam-se de 6, de 7 e de 10em libra, ven-
ambraia rom seis varas a quilro pala-
ilo. id por querer acabar ele uno,
comoilo varas e meia que d um ves-
e Ires habados a Ires mil rei. a |>eca,
eambraiaa eaocezas a dozc wmenso covado, rucado
para roopa di prelos a seis violens .. covado, corle
de vrsliilo cut aun. Ira4 i,A\...<.
Ipiicos de relib/. dez losloe
de cores .i ilcijlusloes : s
ou ii.'m iiver
O! pn-jos nel
roupar as fa
L
no.j palanas,
luvasdcsela prou e
quem nao quizer comprar
iihHro deixaia' de levar raleada, pois
loja sio de animar a gaslar para en-
illas.
NO
RIO UE JANEIRO.
director gral, ocoseuieiro j. f. de
Castilho.
O bacharel Rulino Augusto de Almeida, nomea-
do em 21 de novembro do corrente anno delegado
da Companhia Internacional Forense faz pu-
blico que o escriplorio da delegada esl aberto dia-
. Tiameniasm a rua do Collegio n. 17 primeiro an-
^m,9m^-S^JSSSLr.Sll rltHn?nl,0raSdarnhaaS'f da'arde> 8alli
seqoenlementefacilitar m.iore, lucros Revendo as 'ral"ra()oS ne8oc'03. deque se cncarrega a compa-
iio> asiizna'-----
$nm ja' effcl
snaluras, serem realisadas com as presta- P,'a c?ra especialidade entre Portugal e o Bra-
reriaadas pelos nrimeiros socios. ls"t os quaes sao : Proseguir reclamaces___ton
Sttsasss.hoje',cm ,id012 ?>y^r^ "eS^SaS:
l'eruambuco 12 de novembro de 5.
Amorim, I-arias, (uerra Ov C.
'
Va Ilpja das seis
portas
Emfre te do Livraraento,
Alpaca de qu ilros para veslidos de senhoras, bo-
nilos kosIos e mi demos a doze vintn o covado,
mausuilos para eslidos a dez lusloes o par, camisas
de cainbraia borkada a dous mil- reis. eollarinbos
uordados a mil rfeis, salas bordadas a dous mil reis,
lencos de seda pata pescoeo de senliora a dez lusloes,
cnales brancos pah trazer por casa a sello cada um,
e outras mullas (ifeeodas e alcaides, que vende por
iodo o preco parallo entrar no balance, a dinheiro
a Tlata, das borak da manhfla as 9 da noile.
Vende-so faiinha de maudioca e roilho muito
novo : no horte di Mallos, armazem do Cunha, por
preco commodo. \
Na rua das Crbzes n. 33, segundo andar, ven-
de- ama e-crava kioca, de bonita figura, engom-
madeira, cc*inheira\e lavadelra, um escr.vo de ueia
idad?, bom traballiaihjr de silio por estar coslumado
a este servico.
Vcnde'-se um cavallo rodado, bom andador
a Iralar na rua do Pavseio n. l:t, luja.
Vende-se urna boa lileira com lodos os ulen-
cihos para viaaem : no aterro da Boa-Visla n. 7.
legando andar.
Vende-H a casa do dous andares da rua da
Uuz do Recir* n. 32, muilo propria para qualqucr
esiiineleciinenlo e murada : a iralar na rua do Tra-
picha n. I primeiro andar.
Vcndc-se aguardeule de Franca de
qualidade : na rua do Torres n. :l(i. "
%
i>ni|)Ai!li;uleseiiro con-
tmamortadade dos e.v-
eravos estabeleeida no
RIO DE JANEIRO.
CAPITAL 2,000:000x000.
-Kia fiUal de Vernambuco n. i:l rua do Crespo
iMsar-so-ha sobre a avaliacao de l:000500o'c
o ... ...i menos em proporCao de oalro valor J inclu-
sive o sello da apolice ele.
Do* idarfei.
I'el2aloenlrraos ti) anno. .KislOO por anno.
,.,;,^ C."e"mprC'*Sp0deril(,scr Procuradas no
esrripiono da companhia.
i n'/.To"^ con!ul,asaliM"avo.(egnrosdas
par, |o horas da manhila, no escriplorio da com-
! EMISTA RILMB.
O Si-. loa,
mora noi
i-in Santo A
lypoj
peito.
\cst.i
A 9^000 CADA LATA.
S.- Vende-sena rua do (.lueimado u. 27, oplimo
car.- moido em urna fabrica do Kio de Janeiro, muilo
n torrado e sent de qualquer mistura, conlendo
los judiciaesfazer cumprir rogatoriasmandar
assislir a pracas e agenciar compras, e vendas de
predios rsticos, e urbanossollicitar pretencOes
justas dos governosrepresentar herdeiros, e lega-
rnos, promovendo lodo o processo.desde a babili-
lacaoi a elleciiva cobrancae, finalmenle, proteger,
e activar lodos os negocios licilos, e lodas as trasac-
eoea que respeitem iniernacionalmente aos subditos
daquellas nar;Ges.
A companhia lem assentado cm deixar sempre
escolha da parteas bases sobre que.cra cada caso, se
firmara o respectivo contrato, as quaes scrao, em
lodos os casos, reguladas segundo os compromis-
sos, quo fiearem cargo da companhia, ou do in-
leressado. Para dar plena demonstrado do zelo
com que os negocios sao tratados, a compan.ua na- mu^^Vlnd^'dVl'a'de'j
pnmeira
na rua la Cadeii
r. loaqtnm Jos Marques, rme
detrada fundirlo do Sr. Strr
Amaro, cjueira mandar a esta
raplna, negocio r|iie ll.e di/, res-
fall
.li-
ta typofjraphia precisa-se
h.n. Beato A. R. Tupinamba', quemo-
'"" .....ek)ja no pateo do Carmo.
- Traspassa-se um a
-a- rom
da receben para si, em caso algum, sea reclama-
cao for infructfera, pois s levanta urna porcen-
tagem sobre os valores cffcciivamenie cobrados I'm
loda e qualquer reclamacao que se apreseniar, como
dosen, ou podendo vir a lornar-se, litigiosa, os in-
teressadosdevero exhibiros documentos comproba-
vos de seus direilos, para serem previa, c gratuia-
mente examinados pelos advogados da empreza.
1 rocede-se ograluiiamenie.) pesquizas, acerca
da existencia, mudanca da residencia, ou fallcci-
menio de portuguezes. c brasileiros, quando isso
lor convenientemente requerido.
Estando irapressos os recibos para a cobran-
adasubscnpcodo volume das minhas poesa
que sera publicado em marco do anno vindouro, se
me faz preciso declarar para esclarecimenlo dos
meus prestrnosos amigos, que generosamente se
prestan ao pedido que Ihe-s fiz ha pouco neste
Ulano., deadianlar-mea diminua quantia quo
subscreveram ; c vem a ser : qlle o abono do pauei
feilo pelo coronel Menezes nadne sunicienle, para
que possa leceber as 100 resmas de papel, quo ha
de chegar em feverciro do referido anno de 1857
por quanto diz a sobredila caria de abono, que n
caso de cu nao salisfazer imraediaiameniea quantia
eonstamo da factura, o socio e goreute da casa N.
U. liieber e C. Ihe participe, para mandar salis-
fazer o scu impone, e elle receber o papel cncom-
_ mendadn, donde se \e claramente, que s salisfazen-
rarMos oqua.paga um mdico aluguel : a iraiar lo loda a importancia das referidas 100 resmas de
n. ma do Collegio i,. 21 segundo andar. papel, poderei conseguir a impressao do volume
!d:is poesas annunciadas.
Irecis.-separaoservicu ;.nlerno c externo da fia. ,,.,m..- .....
ura, quem ale o prseme lendo eslabelecido urna
lypographia com tres prelos.na rua do Palseio Pu-
blico n. 10, e comprado militas fonles do lypos no-
armazein de .issucar rom os
,-lenl..-5 caixcs, bal.inr.is.
i
e mais ulensis
nraa rara eslranieira, d^ om n elo: a .?aem lhe con-
ier dirlja-se a rua da Cruz n. t.
Preri-,.ie ,|P lim uorn
anradaa l*. .. m \ ic,,.
"-ulpo do lli.ipicio'i
hai'.a.liir Me.i,les
criado o paga-se bens .
iporiarnenlo : a Iralar no i *' ^'I0S Ia" podem compor 20 peridicos edi-
d'i'i'!,",,!," qUi,rlf'1 ca,a d desem-1 verMS c-,ras av"l^s,nao lem podido al hoje colhar
,,.,. 'u""' bom exilo, co.''io poder imprimir 2000o
wha nr. OHMBirs.
I'., om dianta llavera' lo.tr
...... .-.o ,:, e haver,'lo.t.s ,.4 ,,nill
III.AIAO....|.MIp.,iira'..,,, ;,,.,,,
Ua. t de I. .- s .' da larde : preco :ia(
anal redouda, e 2-SHHirs. ... a. ...,
doiiiiu^s e das
tRil DEJA-
..ras d.i ma-
.rpor'.-r..3^,."'PV
exem-
pJares de um pequ?0 volume de poesas, sem ob-
lar de sem amigos d ailia.'iiimentn dessa ^diminua
quantia ? ()j assignantes hojij excedem de 1500
a vista de enihusiasmo e dedicac.io que ?: leem ma-
nifestado na briosa academia, no collegio dos artes.
cada l-st orna arroba de cafe superior.
Vendi-ae urna cabra bicho : na i
de Sanio Antonio n. It.
Vende-ee ua rua Imperial um armazn de sal,
com comiiioilos para grande familia : a Iralar na
mesma casa n. 11,3.
!> Trovattore de erdi
Varias peca de msica para piano ; na luja de
Ilumonl. rua Nova n. 9, aonde acha-sa lambem as
musicas viudas do Kio de Janeiro qu.idrilhas, val-
ai, Khollb para flauta e piano, c de mais a bala-
Iba de .Sebastopol, peca inleirameule nova para pia-
no, e mullo procurada mi Kio.
Vendem-se dous pianos fortes de Jacarandas
eonstrucco vertical ecom tojos o metbonmento,
mais modernos, tendo vindo no ultimo navio da
Hamburgo: na rua da Cadeia armazem n. 8.
FITAS DE YELDO.
Vendem-se litas de vellido pretas e ilc co-
res, estrellas e largas, lisas e aberlas de mui
to bons gustos, pelo barato preco .lo 1 no
320, 400, 500 c (iOO rs., na rua do Quemado
ua loja de miudezas da boa fama n. 33.
ouro de lustre marea de
rastel o.
Veodem-se pelles de couro do lustre de
muito superior qualidade a preco de49e
4500 : na rua do yueimado, na bem conhe-
cida loja de miodezas da boa lama n. 33.
fSao muito lindo?juda pu-
uhos.
Vendem-se maito bonitos botOes para pu-
nlios pelo barato preco a 500 e 800 rs cada
aboloadura : na rua do Oueimado na loja de
miudezas ta boa lama n i.
R p de Lisboa.
Yende-sc superior rap fresco, chocado agora de
Lisboa : na praca da Independencia n. 3, loja.
Violto de Lisboa
em barrilinlios de 1(1 em pipi : vende-se em casa
de Abaoalo U de Abreu, ua roa da Cadeia do Kc-
cile ii. :1b.
DE CASTOR BRANCO A
6000 RS-
Chapeos de castor branco de bonilas formas, rbe-
eados oltimameule : na loja e fabrica de chapos
de Joaqoim de Oliveira Mala, na pracn da Inde-
pendencia.
No paleo rio Carmo, quina da rua de llorlas n.
aAw*i'5*i fl"'* londrino muilo superiores a
i'/i a Ti'lllu' dn reiuo l oo 7i %"' m!,alt's* iu8l"a H ',80'e ,li0' ,i0a a
Cemento.
Em barricas e a relallio: fto armazem de male-
""" ''',"" *' <--"lea Sa-lo \nloi. pP ro
commodo. j ...
Vende-se o sobrado amarollo de um andar e
solAo, chaos proprios, quintal murado e lodo plan-
lido, com duas cacimbas, na rua da Calcada n. 12 :
a tratar no inesnio.
Em casa de Eduardo II. W'vutt, rua
do Trapiche-Novo n. 18, ha pah* vender :
A verdadeii-a gia\a inglesa n. 97, dos
fabricantes Day & Martin.
Tintas em oleo.
Cairas da Itussia.
YinhoCierry superior em barra.
Agurdente de Tranca dito.
Fructase conservas inglezas.
l'apel lino para caifas.
I.ivros pai a copiar ditas.
Ditas de lembranca.
Ditas em branco sortidos.
l'apel para copiar caitas.
Kelogios de oiirocoliertosedesc.obeitos.
Joias.
Sellins com pertences patente inglcz.
Vendem-se
prancfaoet de pinho da Sueciacom 18 ate
2 palmos e .1 poiegdaS da grossura, des-
carregando agora para o armazem de C.
J. AstleycSC., no Forte do Mallos: ven-
dem-se em Lotes grandes ou pequeos e
por preco muito commodo.
Veudeiusse (> s de com-
madre,
em eailinhai de 8 e tli libras dos melhores une ba
no mercado, por preco commodo, e lambem se ven-
dem em libras a 2.0, e lalas de 2 libras deinarmela-
da da melhor qualidade a 1(900 cada lata : na rua
do Vigario n. 27, deposilo de assucar.
V endem-se barril rom muilo bom vinho do Porlo
lendo 22 caadas, por preco muilo commodo- no
caes da a.fandea, armazem de Paula Lopes ,. ,,
roa dniV gario, taberna que faz esquina para a rua
do Codorniz.
TAIXAS PARA ENGEXHO.
Ra fundifo de ferro de D. W. Bowmann ua
rua d Brum, passando o chafariz,' contina ha-
rer um completo sortimento de taixes de ferro fun-
dido e batido de 3 a 8 palmos de bocea, as quaes
acham-se a venda, por epreco commodo com
promptido.- embarcam-s oucarragaai-se em car-
ro serodospeza ao comprador.
Em casa de Henr. Brunn & Companhia, na
rua da Cruz u. 10, vende-se cognac em cauinhasde
duza.
Familia de mandioca.
Vende-se superior farinba de Santo
Catharina, em saccaaquetem umalquei-
e (medida vllia) por preco commodo :
no armazem de NovaesA C, na rua da
Madre de Dees n. 12.
Em casa de Saunders Brothers & C, praca
doCorpo Santo n. 11,ha para vander ose-uinte a
Ferio inglez.
Pise da Suecia.
Alcairao de carvao,
Eonas de linho.
Esponjas.
Drogas.
Algodao llzo para saccas.
Diio entroncado igual ao da Babia.
E uai completosortimento de Janeadas proprio
para aste mercado : ludo por preco commodo.
Ci.J de Lisboa e potassa.
Xa rua do Trapiche armazens ns. 9e
11, veude-se superior potassa.da Russia
e americana, cal virgen, de Lisboa, da
mais nova tpie lia no mercado
.AGENCIA
DaundicoLow-Moor.rudaSenzala-Ho-,
va n. 42.
Nesteestabelecimentccontinaahaver com-
pleto sortimento da moendas a aieias moendss
para enBenho, machinas de vapor o taixas da
ierro balido e coado de todos os lamanhospara
dito. r
CAL E POTASSA
------r v n i i ni n uu-
uenuo-seenicaixas que contem 192, 224 o u
d^o velas cada urna pelo preco de l/.
O sabao he blanco, as materias primas
uequonc fabricado s3o simples e inofensi-
vas, o cheiro que deixa na roupa l.oagrada-
vcl; rivalisa com o melhor sabao hespanhol
e he^upenor ao sabao americano, que se
vende no mercado a 2i0 rs. a libra.
Vende-se igualmente cna caixas de arroba
e a preco de 160 rs. cada libra.
Os incrdulos comprando reconhecerSo
por experiencia a veracidade doquasean-
nuncia.
VELAS l)E CARNAUBA.
Vendem-se velas de carnauba pura a 12c a arro-
ba ; na rua do Queimado n. 60, loja de lerragens.
Na rua do Mondego n. 9, vende-se airoz de
casca ein saccas, pui preco beralo.
Veudc-se cal de Lisboa ullimamenle checada, ai-
sim cuino potassa da Kossia verdadeira : na pracg
do CorpoSanio n. 11.
SUPERIOR TIMA DE LISBOA,
vendesesupeuor linla para escrever, que nnnea
e...'Z !'"'i"eUl' "en> crla papel, mullo propria para
na rua das Critica em Sanio Antonio
escriplorios
n. .10.
Na taberna da ma llirell n. 4, confronte
ao oilo do Livrainenlo, de Jos de Mello Cosa O-
liveira ; (.., ha os seguiules (eneros superiores :
vinbos do l'orlo de diflerentes qualidades de liiO ale
15MJ a garrafa, dilo de Lisboa a <0 e 720 a ear-
raa, dito da l-igueira a jbO e 00, din. de Sle e
doLsIreilo a iKO.oOe fiill. giripiga branca a 1S2K0,
vinho branco a que chainam Madeira a S00 rs., dilo
branco a 560, cerveja prela e branca, lano em nar-
ra fas cumoem meias dilas, de diversa" qualidades e
aotorea, boa geoebra holiandau e bamburgueza em
|frascos e botijas, boa cbainpagiieemgarrafas, meiase
liiEos, boas passas e liaos de comadre era cmmh,i.
de 3, 6, 12, lli e 24 libras, ameinas, latra, macar-
r.lo, arroz do Maranbao, sag, cevadinha, verdadeira
larinhaou coinma de malaraua, bolachinhas de soda
e insleta, biscouliuhos li.....en. lalas. bolachinba
de ararula, lulas com sardinbas. chocolalede Aijboa,
cafe, cba bynon de 2*400 a 35200 a libra, dilo pe-
rola a OOO rs. a libra, cba do Kio em latas de I. 2,
i, 8 e lli libras, chourias, loucinbode l.i-boa, man-
leiga maleza a 1?2lH), riila franceza a 720, queijos
muilo nona, cbarulos finos de dillerenlesqualiJades,
boa agurdenle de caima de 22 sraos, e.lodos os mais
gneros proprios dcslcs eslabelecimenlos por precos
commodos : asseveromosquo serta bem servidas lo-
das as pes.oas que se dignaren honrar-nos com sua
prolcrco e fregueiia.
Vendt-fe Data escrava crioula, cozinheira e la"
vadeira : na rua Direila sobrado denm andar n. 99
REMEDIO 1MCOMPAHAVEL.

m
de
U!
a
r
ir*
colorios e sle'-cobcrlos, pequeos e grandes, de ogro,
patente ingle. para boun-m e senliora, de um dos
mellioici fabricanles da Liverpool, vin.los pelo ulli-
mu paquete inglez : em casa de Soutball leliur &
Cumpanhia, rua do Turre* n. '.IK.
VEXDE-SE
Grava de patente, prava i
ai reos de cairo.
Vinlio do Rheno de qualidades espe-
croesJoliaiinisbcrp; e Marcobrunner.
No armazem deC. J. Astley & C.
de (juatlros a 640 o co-
vado.
Vendein-M' na ruado Ijueimado u. 21 A, lan -
seda de quadros de lindos goaloa, fazenda esla ebe-
gada pelo ultimo navio rranee*- ; dao-se as amostras
.'um penhor.
Vende-se o engenlio Maribcquinha, Ires legoas
dlslantodesta praca, perlenceule ios berib-iros do li-
na.lo cuiiimeudador Josc Paulino de Albuquerque
Sarment, avalindo pulo compleme juizo, na qnan-
lia de :tj:00(lj00() : quem o pretender duija-se a
casado lenle coronel liara la. ua roa da Cadeia
n. 22.
AO MADAJliSMO DE BOM COSO.
V andero-ie andas escoeczas de quadros, cora qaa-
Iro palmos de larguia, fazenda muito superior a
I500 o evado : na rua da Cadeia do Kecife loja
le Manorl lerreira de >^, esqoioa que volla para a
Madre de Deas.
Vinho do Porto
.Na rua da 11 idre de Dos, loj.i n. 31, vende-se vi-
nho do l'orlo de muili, boa qualidade, cm barriada
>.- e S.- ; e engarrafado das meibores e mais acre-
ditadas mareas legointei :
Duque1SI0
Real18.1 i
Duque do l'orlo
Vende-se potassa da Kussia e americana, chesada
ueste, dase ne superior qualidade; cal de Lisboa
la mais nova que ha no mercado: no seusdeposi-
,os na rua da Apollo o. 1 A, e2B.
Na rua do Vicario n. 19, primeiro andar, ven-
de-se vmho do l'orlo da superior qualidade da bem
coiihecida marca orna c duas dalias de carrafas.
Muita attenc&G-
Na rua do Grapa, |UJa da esquina, que volla pa-
ra a ma ua Cadeia, vendem-se roherlnrr< de Ma
neapanboef, lencos da eambraia de luirs a 400, 500,
o 6IMI r<. cada um, corles .le casemira de cor a i.-
e.iOOO rs., dilus prela a 49500 e 8-000 rs., dils
de brim escuro eamarello para calca a lO, pan-
no de linho do Porlo, toalhai de mesa e'rosto. Euar-
dauaposde lodas as qualidades, aloalbado idamas-
cadocom selle palmo de largura a I.MiOO a vara
corles de ca.sa ch la a l-.iOli rs., e oulras muilas la-
teadas por prcco's commodos.
Marmellada.
lina do Queimado n. .".
I.alas com fruclas cm conserva novamer lechega-
daa de Lisboa a 800 rs., e com marmelada lina a i
por libra.
UNGENTO HOLLOWAY.
Milhares de individuos de todas as nacOes
podem teslemunhar as virtudes deste reme-
dio mcomparavel, e provar em caso necessa-
no, que, pelo uso que delle lizeram, lem seu
corpo e membros inteiramente s3os, depois
do lia ver empregado intilmente outros tra-
tamentos. Cada pessoa poder-se-ha conven-
fnw n fS. curas ,naravilhosas pela leitura
dos peridicos que Jiras relatan, todos os
oas ha mullos annos ; e a maior parle del
as sao t;,o sorprendentes que admiran, os
mdicos mais celebres. QuanUs uessoas re-
cobrararo com este soberauo remedio o uso
ue scu bracos e peinas, depois ue ler uer-
iiianec.do longo lempo nos bospitaes, onda
leviamsuBi-eraampulagao! ellas ha oiui-
im,(iiie tiavcjjdo deixado essesasylos de oa-
decnrTIJr m, para se nao submetlcrem a essa
operucao uolorosa, foram curadas completa-
mente, mediante o uso desse precioso re-
medio. Algumas das taes pessoas, na elusao
ue seu reconheciment, declararam estes re-
aultados benficos dame do lord correce-
lor.e outros magistrados, alim de mais au-
leniicarem sua allirmativa.
igueni desesperara do estado de sua
sauue se tivesso bastante coulianca para eu-
saiar este remedio constan "nenie, segiun-
io algum lempo o trtame ,0 que uecessi-
tasse a ntureza do mal, cu resultado seria
provar lconteslavelmenl- Que ludo cura
O ungento he un, muparticularmente
nos seguintes caso
vainas linas para barba a 25, cailas linissi-
mas-para rape a 2500 e 3S, dilas redondas de
taitaruga bnas a 6, e oulras multas cousas
que se vendem por barato preco : na ruado
yueiniado na tem conhecida loja da boa fa-
ma n. 33.
Para quem estiver de luto-
Vende-se na rua do Queimado, na bem co-
nhecida luja de miudezas da boa fama n. 33
rollas pretas linas e ordinarias, ricos alne-
les, ruas pulceiras, e ricas rozetas. ludo do
melhor gosto que se pode encontrar e oor
preco que nao deisara de agradar aos se-
nhores compradores.
Boa fama.
Vendem so superiores macas para condu-
c3o de roupas em viagem, pelo barato prego
06 5,6, 7 e88 cada urna, galheteiras com
todos i s vidros necessarios a 2, ricas car-
teiras de Jacaranda e mogno para se escre-
ver e guardar todos os pertcoces, proprios
para viagem a 8, 10, e 123 cada urna, cosU-
reiras riquissnnas de Jacaranda com os re-
partimentos forrados de seda e com muito
gosto a 4, 5, 6, 7 e 8?, penles muito finos pa-
ra alisar.propriosparacriancasou para suis-
sas a 330 rs., pulceiras do meihor gosto que
se pode encontrar a 2/, ricas cruzes de cor-
nalina, carleirinhas para lembrancas, gorras
para hornero, as mais modernas que se pode
encontrar, sinetes com todas as letlras do
abeedano, sinetes proprios para namorados,
neos irascos para cima de mesa e outras
muilissunasgalanlarias, ludo muito fino e
oe muito bons gostos, asseverando-se a
quem vier ver o rico sortimento, que sem-
pre exisle neste estabelecimento, nao deisa-
ra oe ler ein que empregue muitissimo bem
o seu dinheiro : na rua do Queimado na
bem coiihecida loja de miudezas da boa la-
ma n 33.
Na loja da loa f vende-se muito barato,
tanto as pessoas da praca como aos fie-
guezes do mato.
a ^'fino^'f f*. a *' pe enen^nia a '.?," 3W(M'' a|god3ozinho liso
Uin i'deam a -P20' dit0 dUo dem dem
in^,.:'?odao de listras a 16 rs- cova-
7nh i i KaS/ara CoberU a -00 rs-> br'n-
heo en 1i'"h0,de 1u"-"nhos a 200 rs.,brim
branco trancado dito a i/440 rs. a vara,
dio pardo liso de puro linho para palitos a
C40 rs., dito de cor trancado dito dito e de
bo utos padrOes a 800 rs filo de linho liso
muilo fino a 880 rs. a vara, dito dito borda-
do dito a 1/280, eambraia lisa fina a 480 .,
dita dita de salpicos muito fina a 800 rs.,
dita adamascada com urna vara de largan
para cortinados, em pega de 20 varas a 7.
camisas de rucado muito bem feitas a 1S500.
cortes de eambraia muito fina de muito boe
naos palroes com 7varas'a25, palitos ds
iinm pardo de puro linho a 32O0, ditO-
pretos muito bem feitos a 4, ganga ama-
ieiia iranceza muito lina a 320 rs. o covado.
cortes do tustao para collcte a 600 rs., ditos
ditos finos a le, ditos de gorgurSo de seda a
*->oo, assim como outras muilas fazendas
que se vendem por menos que em outra
u'.V Vua do Queimado n. 22, loja da
ooa fe, defronte da da boa fama
VEHDEI-SE CAPACHOS
pintados, compridos e redondos a 700 e 800
rs.; na rua do Queimado loja da boa fama
Peutes de todas as quali-
(iades.
Vendem-se ricos penles de tartaruga a 5 e
/, ditos dito de alizar bons a 4, ditos de
dito de marrara a 1M00, ditos de dito de tra-
yessa a 45, ditos de unicorue para alisar a
15, ditos de blalo muito finos a 600 e 800
rs., ditos de balcia para alisar a 300 e 400
rs., ditos abertos imitando tartaruga para
prender cabellos muilo bonitos e bem traa
baldados a 15280 e 1500, ditos debaleia a-
bertosa2i0, 320 e 400 rs., ditos de bufal-
para piolhosa 500 rs., na rua do Queimado
na bem conhecida loja de miudezas da boa
fama-n. 33.
Meias. de todas as
dudes.
quali-
Alporcas.
Ciaunbras.
Callos.
Canceres.-
Corladuras.
Dores de calicha.
das costas.
dos membros.
Enlormidades lis em geral.
Enfermidades doanu
trupcoes escorbticas
I islulas no abdomen.
Frialdade ou falla de
calor as extremi-
dades.
Frieiras.
Ccngivas escaldadas.
Inchac.oes.
Inllamrnacao do ligado
da bexiga.
Inllammacao da ma-
triz.
Lepra.
Males das pernas.
dos peilos.
de ollius.
Mordeduras de repti.
Picadura de mosqui-
tos.
I'ulmoes.
Queunadclas.
Sarna.
SupuracOes ptridas.
Tinba, em qualquer
parle que seja.
Tremor ue ervos.
Ulceras na bocea.
do ligado.
das arliculacoes.
Veias torcidas ou no-
dadas as pernas.
Vendem-sc muito boas meias de seda Dre
tas e brancas para senhoras pelo barato pre-
t$LWlllSe '"iaP^apadres a 1*800,
ditas de fio de Escocia pintadas par. hornero
pcio baratissimo proco de 400 e 500, ditas
brancas e cruas para homem a 200, 240 je
280 rs., ditas pintadas e brancas para meni-
nos a 240 e 300 rs ditas brancas, fin."para
meninas a 240 rs, uilas brancas parase!
nhora, a 240, 300 e 400 rs., ditas pretas de
SdH.pir" Padres 600rs-'e ^T" mais
qualidades que se vendem barato na rua do
Queimado, na bem conhecida loja de miu-
dezas da boa fama n. 33.
Na loja ti? boa f
vende-se muilo barato : panno fino azul
fl^a?.*0' ,l"" dito P'el superior a
va di "i Pr' '" 'nUU0 H" 9(i0 'S- IU-
.11..u, i" c:!,,ricas b0l,tas '28<> o par
d tas dita bordadas a 2.5, ditas dita para me-
ninas a .ao, ditas de'fio de Escocia para
mem'i!0io3:20rS-dUs dit0 dil Para">-
n en. a 400 rs meias pretas de seda para *.
nn "h-?' d,'laS ,l,,1,s de P* W
t#600, ditas d.las de algodao para senhora
a 00 rs., ditas brancas dito dita a 240 e 3->0
rs., ditas ditas dito para meninos a 240 rs.,
chales de merino oo. ricas palmas borda-
iias a matiz 5;500, ditos dito com listras de
fi! -1 *,,-d-liI,.s dil ''o com ricas franjas
t f-da,a-ro0,V ditos dito dito com franjas
de la. 4500, ditos de li. de muito bonitos
? a.9' d"os de al60d50 dil dito ;
peilos para camisas a 400 rs., ditos
Vendcsesle unguaitoVoTsLeTeVimen- $3^Bn0B*1**i ",m 'st<>
Em caixas de uiua c
i1u/.ias.
duas
vora.
agua, para
Claudio ubeu\ vende pclvoi-a, a l".s
cada barril de 25 libras.
Antonio Jos'de Castro vende plvo-
ra de superior oualidade a I3#00j0o bar-
ril : as pi'ssoas que quizerern dilo gene-
ro, appareram em o sen escriplorio, na
ruado Vigario n. ."il, para veras amos-
tras.
Vendem-se pelles ilo ealira de loda qualidade,
por preco commodo : ua rua da Criu n. 34, primei-lsoulhali Me"u'r"^ ompanii
Ceblas.
Para liquidar se vendem muilo barata. : no ar-
muiera de Antonio Aunes Jacome Pirea defronleda
porla da alfandeiia.
A J60 vv.ls o covado.
RifeadO escuro de qoadrinhos, Iproprio para ca-
misas e veslH.is de pretas, vende-sc na rua do
Crespo, loja da esquiou, que volla para a rua da Ca-
VINAGBF EM BARRIS.
Superior a marca l'RR e Falelo Socios, ach
se a venda no armazem do Valenra, rua de AnoP
Ion. 13. -
PARA ACABAR.
Na rua Nova, loja franceza n. 8,confron-
te a Cainloa do Carmo,
veudem-se chapeos de seda para senhora, da ultima
moda e qualidade, com um leve loque de mulo, pelo
haraliaiimo preco de lli? cada um.
Superior eal de
Lisboa.
Vende-se superior cal de Lisboa : no
armazem de Novaos 4 C., rua da Uadre
do leos n. 12, por prcro commodo.
CABRIOLET.
Vende-se um oplimo cabriulel; para ver na co-
clicira do Sr. niajor Silveira, na rua da Cadeia de
.Sanio Antonio ; para Iralar na rua do Oueimado,
..ja de miudezas da lina l-'ama n. 33.
elogios de patente
inglezesdeouro, desabnete edevidro :
vendem-se a preco ra/.oavel.em rasa de
AugustoC. ile Abren, na rua da Cadeia
do Recife, armazem n. 56.
Na ruado Trapiche u. II, escriplorio de M- J" neDtef. '}'\ rs Chicles muilo bous
noel Alves i, uerr,i, vende-se por commodo prreo o I'?1"" cava!|o u s0 rs esporas Unas de ac ,
Roiot. : superior vinho do Porlo em barris de '* grvalas de seda muito boas a 1-, alaca-
oiiavn,chapeos de f.-liro, e nal.joamarello fabricado I dores de cornalina para casaca a 300 rs., pin-
cois ingle/es para barba a 500, 600 e 800 rs a
de algodao branca e
to geral de Londres :n. 244, .Slrand, e na
loja de todus os boticarios, droguistas e ou-
tras pessoas enciii regadas de sua venda em
toda a America doSul, llavana e llespanha.
Vende-se a 80irs. cada bocctinha.coulem
una inslruccao em portuguez para explicar
o modo de fuer uso desle ungento.
O deposito geral tic em casa doSr. Soum,
pliarroacculico, na rua da Cruz n. 22, ero
1'cniauibuco.
I'erftiDiarias finissimas.
Na loja de miudezas da boa lama na rua
do Queimado n. 33 cncontra-se sempre um
rico sortimento de perfumaras de todas as
qualidades, inglezas e francezas, sendo dos
melhores autores quo ha em taris e .on-
dres, a saber : agua de Colonia muilo boa,
sabao para barba de crcme de amendoas,
agua de lavando muito superior, vinagr
aromtico para dores de cabera, banha mui-
lo lina cm ricos vasos, extractos de muilas
qualidades, extractos proprios para bolso da
estud.nte, cssencias de varias qualidades,
opiato o niclliurque ha para limpar denles
ps para limpar os denles, c outras muilas
Cousas que nao dcixarao d agradar aos se-
nhores compradores, e que ludo se vende
por preciltlio muilo barato.
VOS AJUMES DO BOM E BARATO.
sortimento de fazendas que se
vendem por menos que em outra parle : na
rua do Queimado n. 22, na bem conhecida
loja da boa fo defronle da da boa fama.
.culos e lunetas de todas
as qualidades
Vendem-se superiores oculoscom armaeSo
do tartaruga de todas as graduacOes a 35000,
ditos muilo bons coro armaces douradas a
I&200, dilos ditos coro armaces prateada,
lo, ditos ditos comarmaco de ac a 800e
I, lunetas com armacHo de tarUruga a 1S.
ditas redondas equadradas debaleia a 500
rs.. duas de dous vidros armaeSo do baleia
a 11600, e outros oculos mais que se vendem
por preco barato na loja da boa fama na rua
do Queimado n. 33.
'*WO& fttgfc*.
Diieiiseolio liento-Velho em Sanio Antao ro-
2io ein das de novembro p. p. o escravo Alexandre,
crioulo, de .i aonos, cor fosca, altura regular, olhoa
papudos, prslimpos, cabelles crescidos na freole, lal-
vez com eicalrizes Misas de acoutes as oadecas, e
inesmo as costas. I-oi do engenho Paraizo em Rio
l-ormozo, lando sido comprado oesla pra^a viudo do
seriao do (.eara-, para onde talvez se leuba evadido.
Saino com camisa azul, chapeo de palha linio de
prelo : pe.le-se a quem d?lle liver noticia ou encou-
Vendem-sc ricas charuteiras ..ordadas &Z^'&SES." "'""l0 '"*"
rctroz servindo lambem decarteiraa i/, d- M
tas sem ser bordadas muilo boas a i c :i Fu^io hontem as 7 horas,um escravo mula-
carteiriiinas muits ricas a 3/, ditas proprias l0 de nome Tbmaz, alio, reforcado de corpo, enm
para viagem a 25500, carleiras grandes para I marcas de bexiRas, pernas grojas, e nellas marcas
dinheiro a 1/500 e 2?, irancclins para relo-
gios. prelos de retroza too, afudores para
navalbas muito linos a ig, pudras inglezas de
aiar iiavalhas a 1? c 1-r500, ricas bengalas
pelo barato preco de 1* e Ia500, penles coro
cscova c cspelho para sui-sas a 800 rs esto-
jos para barba a 23 02*500, (ivellas douradas I
para calcas e collcles a 120 rs., castocs para
bengalas a SO rs., caxiob.s para guardar
pbosphoros a loo rs escovinbas para lim-
Itio de Janeiro.
de cicrali/.es as cauellas, falla com muita manci-
rlao, levou veslido camisa do panno azul groco
guarnecida de ourclo brar.co, nos ombros o pu-
nbos, berta na frenioai forma de palit: este es-
cravo he natural is'Paraliiba e foi escravo do Sr.
Carlos Coelho, que o houve por heranca de seu so-
gro losJoaquim de Souza daquella cidad.efoi
crnmprado pelo abaixo assignado aoSr. Hilario de
A Ihandra Vasconccllos Junior.morador no engeDho
Tipu freguezia do Pilar desta provincia :
q'uem o pegar leve-o a rua da Concordia a Pedro
A.ntonio Teixeira Guimariies, que ser generosa-
n lenle cratificado.
Yende-se superior linlii
de rorea, em novello, para
stura : em casa d*
ruado forres n. W
camisas de meia muito fina, a I#200, ricas\
abotoaduras para cohete a 500 e Mi rs., di-
tas para palitos a 500 e litio rs., cstojos de na-1

MUTCSDCT
PEBN.: TVP DK y. F. DB FARI* 185b'

!


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ES5P3RGL0_58LQWR INGEST_TIME 2013-04-26T21:58:47Z PACKAGE AA00011611_07661
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES