Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07646


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XXXII N. 280
OllY FEIRA 27 DE MNEKO DE 1851,.
v.
Por 5 mczcs adiantados 4j000j
Por 5 mczes vencidos 4;500.
Por auno ailiaiitado 15o000.
Porte frasco para o subscriptor.
**

k\< Aiuu.c.aiii is D.V SOBSCBIPCAO' NO NORTE
"inhiba, Sr. Geranio ?. da Natividad* ; Natal, o Ir. Joao
tura, Ir. J. Jola da Oliveira; Maraahio, o 8r. Joaquiro Mar-
quaa Bedrigun; Piluhy. a Sr. Domingo! Htreuliao A. Putos
Cian; Par, Ir. JuilioianoJ. Bamoi; Amnonai,. Ir. Jtrt-
n* i Can.
PARTIDA DOS COKItElOS.
Olinil : loria, n. Hiaa, c m'ij hor.,. .(o .li.i.
lanaratsa, '...,..m..... Paralaba : n Masaba.....,....r.Or...
S. Astau, Ik'trrrot, BoniUt,C*raant, Vnulio e i"j'.,nhii.: aa lraa-reln.
s. I onreaco, l'^-.-JAlh.., N.,/.,r.oii, Lia.....iro, l:r.-,.,. i>,...r.i...r.a, faga.
ira. Flore,, Villa-nena, ttoa-Vtata, Oaricarr e Rx: aa* >iaartaa-relraai
Cabo, l|>ojuoi, vniili.'i>>m, l, ln.i. ,t,rreir*a, agaa-ITatai
PlBcaicirat c Natal: ajaiataa-Mna.
,Toil correcta (a'lem .i- lo haraa da manhla.
AUDIENCIAS DOS TR1BUNAE8 DA CAPITAL.
Tribuoal do comrnarcio i tegunda a quintil.
Silicio : terc-ai-feirai aiabbadoi.
Faztuda : quarlaa eiabbadoi aa 10 horai.
Julio do commerclo: leguoda ailOhoraaa quintal aa ratla-dli.
Juiodtarphaoi i legundn quintil ai lOhorat.
Primalta rara da e/val I lagundaa a mu a* maio-dia.
Sagunda vara da airel: quinal labbadoi la maio-dla.
EPHEUER1DES lio MI./. DE XOVEMBRO
. Quirioeretcenti at 3 horat 4 minutos i 48tegundoi da l.
|ll Luachaia at 7 huras23 minatosa 48 segundos da ni.
1 Quartominguantaat 8 horas, 13 minuloit Hlgundei da ni
[27 La ora ai 3 horas,34 mi a utos,48 segundos da lardt,
Ip. ,t '"KA-VAR 1'KIIO.IK.
rnmiirs as 4horas .Hininulol di urda.
[Stguida as 4 horat a 84 minuloa da manhai.
P4ITI 3*71014).
DAS DA SEMANA.
2 Segunda. S. Joao da Cruz c- : S. Felieidade m.
2.'i Terca. S. Calbatini v. ni. : S*. Krasmoc Mercurio.
M (luana. S. Pedio Alnandrinn b. m.
27 Quinta S. Matanrida deSabuia v. ; S. Josaphat ni.
2K Seiti. Jacob da Marra f. : 8. Sostheno b.
2!l Sibbido. S. Saturnino m. ; S. I.ezinodiir.
30 Domingo. 1. do Advento. 8. Andr apostlo.
EHrCARRECADUS DA OTTMIUi UM
Alaaoai,. Sr. i Itudina FlIceoDu BaLita hi. U.
Jilo diJmairo.aSr. Jota Pirana JMarliaa.
KM l'i;i;\Mlllllii
O praprielarla da DIARIO Mtnoil Flgoiiraa 4a Fin*,*i
llirriria, prifa da Independencia m.ttR.
tos o prar.er de admirar e applaudir urna t*M mais
essa critica lio lrme e lao peneiraule, ao mesmo
lempo I.lo solida e lao delicada, essa expresao lao
grava e Uto hrilhanle, que parece 1er o raro privi-
legia de rejuvenecer lio cumplimento de sua larefa
OVERNO DA PROVINCIA.
Expediente da la 29 Ha novembro
OllieioAo Exm. mareclial co.nmandanle datar- *"na"- "0m'?aa,b?W he "char lc,n,us n<-
roat. declarando que o 1 cadete largealo Ignacio VUH P"a "trisar um tlenlo mexgolavel, sempre
de Alboquerque M.r.itih.in e o-J" aargetilo Joaquim
l'risco de Queiror. apresenlaram ducumenlos, dos
|aaes eansia lerem pago na recehedoria de rendas
iiilerin a importancia dos direitot e emolumentos
corre.ponde..l* ao 1V de 5 do corre,,.,, em que I ZL1 "' .*" '"" Vf**?^- ""' !
o aoverno imperial Ihoa conc.deu dispensa do serv- l!*2?**^.*!**!: *>"'" lll!e">-1
ro para estudar o cnrtu da reipeeliva arma na escola
m jo ii-i) e sempre novo.
I'ma circunstancia dolaros] diva e.le anuo um iu-
lereoe excepcional :i missao, que o relator eslava *n-
carreeadii de preeuclier. A Academia linha de di-
militar.
DiloAo tn.peclor da Ihesouraria de fa/enda, in-
teirandO'U de haver o cnnsellieiro presideule da re-
latlo nomeado ao desembargador Joic Yelles de Me-
neies para servir- o lusar de procarador da coroa,
aolterauia e Calenda nacional, e o de promotor de
ju-lira dorante a molc-slia do de.emharttador Jero-
oymo Marliniano Pigoelri Je Mello.
DiloAo mesmo, declarando que o promotor pu-
blico rtesla capital, barbarel Anlono l.oiz C.vkan-
li de Albuquerque, reiHsiimira hnnlem o exercicio
do seu carga.Igual declaraban se fez ao consellici-
ro presidente da relac,ao.
DitoAo presidente do conselho administrativo,
recuromendandn que promova a compra das Tazen-
das e rriais objecto. mencionados na relacilo que re-
mette, os qaaes tito precisos ao arsenal de guerra.
Fizenm-se asnecessarias commumeaee..
DitoAo chefe de polica,declarando, que trans-
mittio a Ihesouraria provincial para seren pii;a. e.-
lando nos termos lsgM8,M cuntas que S. S. remelleu
das de.pezas feitas com o su.lento dos presos pobres
das cadeias deCaroar e (ioianna.
DiloAo director do ar.enal de guerra, recom-
menilando que Tar;a entregar ao commaudanle do
corpo de policia, a. armas e mais objectos que se
mam aram depositar nos armazens d'aquelle arse-
i nal. Tamben, se nllicioa a Ihesouraria provincial
para mandar enliegar a arma e objectos que servi-
ram de amostra.
DitoAo contmandanle superior da guarda nacio-
nal do Bonito, declarando que autorisuu o inspector
da lliasoursria de lazenda a mandar enlresar ao se-
gundo sargento, Jos Avellino Torres Carapoba,
importancia dos veneimenlos do cmela Joao Jos
Daimisceno, e bem assim a dos prats das pracas da
tnesma guarda nacional, que se acham em aervico de
destai-amenlo naquella comarca, e recommendando
que enve novos prels do. veneimenlos do referido
corneta, orgauisados decunformilade com os nio lel-
los que remelle. Olliciou-se ueste sentido a men-
cionada Ihesouraria.
DitoAo inspector do arsenal de marinha, dizen-
dn que pode efleetnar a compra da boia que llie of-
fereceram por :M)0jU00 rs,, visto qne o preco della
be inferior ao euslo de oulras que se tem comprado
para o balisamento de alguna dos porto, da provin-
cia.Cnmuiuuicou-se ao inspector da Ihesouraria de
hatada.
DiloAo commandanle do corpo de policia, di-
zendo que, vislo nao ler apparecido qnem se queira
eocarregar do fornecimenln de sapalo. as pracas da-
quehe corpo, pdeSmc. faze-lo e,n dinheiru, pelo
prec-i estipulado na tabella n. :!, anneza ao regula-
memo provincial de -2 de dezembro de 1&5:).
DitoAo secretario da mesa parochial da fregue-
zia do Kaique, aecusando recebida a copia auilienli-
ca que Smc rcmetleu da acta do resallado da elei-
r,o PortaraAo agenle da companhia di' barca, de
vapor, mandando dar Iransporle para a curte, no va-
por Imperador, em olgui do. indares vag
iiassigeiro. dc'e-iado, ao capilAu-leiienle da jrma
da, Jos Mu. Itodrigne.
lio por nina tocante a svinpalhica homena^em me-
moria do illusirc bisloriador, que Mr. Villimatn eo-
meeaa sen relalorio oa anlea .ou discurso, porque i
este nome be o nico que cuovetu a esse acabados
escriplos de diuca e eloquencia, que fazem sempre1
urna impressaolao viva e lao favoravel sobre Aca-
demia e sobre o auditorio. S:l<, felizes diverses, pro-
testo, consoladores no me,o do materialismo praticn
e da febre industrial, que sao a enfermidade de nos-
sa poca. Mas a melliur inaueira de louvar a Mr.
Villeraain bu fazer que o leam aquelles que o nao
ouviram. Eis-aqui seu discurso, o qual reproduzi-
inos em sua integra :
Senltores :
Ela reun.11 sempre querida s lellras, de que a
allnelo publica he a pnmeira recompcn.a, deve
boje parecer triste para mis pola parda do bomem,
que ha quiize anuos temos coroado aqu mesmo com
urna di.l,nce,ao, que se renovava lodo, os anuo..
Ninguem .e linha caneado de nina lAo longa juslira
fela .i eminencia do talento histrico e ao imperio
da vontade .obre a. fadigas do corpo. A murle sii
faz terminar a respeilo de Mr. Angustio Thlerrj es-
s.i Imiii'Majcm sinsular, que urna in.liluii;lo genero-
sa linha feito possivel e condieues onicas ja.lilica-
vam para com elle.
Kio hesitamos em o dizer : ser para o carcter
de noSM poca ou, signal honroso o ler havido em
nono* diases.e accordo 1,1o constante dosjuizes, dos
concurrentes e do publico em proclamar lanas ve-
zcs o mesmo nome, em manler lano lempo a mes-
ial preferencia.
Kilo admittiinos quedebaixo do ascendente da. ap-
plicacoes pratica. e da industria lucrativa, a uilelli-
sencia dist grande nacao leuha desejo. de vir a ser
meno. sensivel aos Irabalhos delicados do gosto.;,
obras da arte pela propria arte. A admiravel eqoi-
dade da opioiiu em tavaf de Mr. Auguslm Thierry
estara ah para responder. Ella lem sobrevivido as
variacoes do lempo, as mudancas do poiler, u im-
labilidade dos maii aucu-la. palranatoa ; e.uhsli-
loindo-o. por as.im dizer, lem por e.sa nohre sub<-
IKuirao protegido al o lim a trahalho e a ida do
Ilustre escriptor, a quen, ella dotava de honra e in-
dependencia.
E.se privilegio acabou-se, lenhores ; fundado so-
bre urna das primeiras obras de Mr. Auguslin Thi-
erry, as Coimderares tobre a Biliaria da Franca
' ?* Como* merorhigianox, pertencia lambein ..
Iltonriadat Commenat, que sua morle deina inter-
rumpida. De boje em diaute a recompensa de Mr.
Auguslin Thierry nilo depende mais da gloria, e nAo
sera dada senilo pelo futuro; seu lugar esla ahi se-
guro. O louvor conlempnraneo he alsumas vezes
ceg, cicessivo ; mal nio se engaa semprt. Pre-
sagio que las historias er.lo immorlae', escrevia
Plinto o moco a Tacita : e dezoilo seclos ja pas.a-
dos lem feto desse presagio ama realidle, que
ainda cresre. Ouaetquer que sejam toaban nos-os
augurios, ou ame. nonos convii-ces pela durarlo
do nome de Mr. AagoMin Thierry, temos boje de re-
mo\er, enao Iransfeiir completamenta ola coroa
desuada, di/ia o fundador do premio, ;io Irablllio
pan* mais cloquele .obro a natal htitorie.
Como respndela 4 ealeprogramma um pouco a
coso ? A eloquencia, a verdadera eloquencia he
COMHANOO DAS ARMAS.
Qnaietel general do commaado das armas de
Pfrn.mbuco, aa cldade do J'.ecife, em >(> de
novembro de 1856.
OKDEM DO DA N. 37*.
O mareclial de campo, commandanle das armas,
sati.fazendo a requiucao que Ihe foi feila de S. Exe. ii Sr. brigadeiro bario di llna-Vi.la, com-
mau lanle superior da guarda nacional desle muni-
cipio, determina que uenhuin preso da mesina guar-
da nacional seja recebido no. quartnis militares e
fortaleza do Bruin, sen, que na parto que o acom-
panhar te especinque o lempo da prislo, e que a sol-
tura antes de cnmpletar-se esse lempo s possa veri-
licr-se mediante exprs. ordero de S. Exc.
Determina mais, que os presos pcrtencenlrs ao
quiulo batalhao de infanlaria da guarda nacional e-
jam recehiilos no qaarlel da Sdcdade, urna vez re-
mettidot com parte assignada pelo respectivo chefe.
yoc Joui/uim Cotilo.
EXTERIOR,
ACADEMIA KRANCE/.A.
Sesttio oitmtal.
Nada lemos que dizer sobre o lim e interesse par-
ticular denla millo. Todos sabem que ella he con-
sagrada i distribuirlo dos premios, que'u Academia
concede em sen nome i assumpto. que tem posta a
concurso, ou em nome de Mr. de Mnnhrn e de nu-
tro, genero.os hemfe,lores das ledra*. O Sr. birilo
de I iranio occupava a cadeira como director, e li-
lil., a seu lado Mr. de Villemain, Metalario per-
palo* e Mr. I.egouu, chanceller. O auditorio ero
como sempre, elegante e e.coliiido.
A primeira parte da intfn foi consagrada, segun-/|so, saloltr na o
do n o.o. ao relalorio circiim-lanciado, com que Mr. c.lo boncslo di
Villemain fez conhecer o juizn da Academia sobre a.
obra, premiadas O illuslre acadmico prcencheu o
eu papel de relator rom o successo e brilhn, cojo
hubiin feliz tem contralllo ha longo lempo. Deu-
,!r,-
HB
0 CANTO DOS MLLENOS-
PULO f.ONDK DE LEUURAT.
quo ganhou o segundo premio, decre-
tado pela Sociedade dos Homens de
Lettras.
l'ccseriarsua imaginaran de Indo
i' dc.srio, he um simple* calculu de
feli'idade para urna mulher cir-
fHO
Madama Nicker de Saussure.
i"onr/f..o.)
.Na iiianh.i.i Mgaiala desci lo sabio. Jorge ah es-
perava-me, como eu linha adevinhado :
Ivnl.'io, que di.se elll '.' peraunlei imperioii-
mentc. Ouero .aber ludo Nao poupe-me como a
urna menina doent<* : Icnhn forra para supporlar lu-
do, menos a incerteza !
Devo declarar-lhe a verdaile. respondeu-me
Jorse, e he nina larefa bem cruel! Aquella mnlher
Calvez lenha otenlido ; mas ella diz que o principe
he indigno de vott ; que tbiodonando-a nlame
mente depois 'le urna promesai de ca.amento, elle
cuidou que ella n,lo lena a coragem de viagtr-tc
pelo temor de perder-se juulameule. D,se laiubeui
q:re lendo um bello nome, ao qual ello accrescenlou
n li.lulo de principe, n.ii sendo rico, mas lendo os
gostoW de um duaipadnr, de um dissoluto viven da
jogos ot'ultos, e cummetlcu urna velhacaria de que
ella lie aofiplice, c cajas pnms oflereea dar-me par-
tllldo tambe.* para Pan. e.la mesilla manllaa.
Soltei un, grito dehurror, depois liquei mudo, im-
inovcl, e sem ai 'ever-uie a levantar a vi.t como -e
hauvtme participado deua macula, respaotavel pela
vargealu daquelle, i qoem tiah prometlido minln
ida.
Maaesta mulher ,'alvc/. lenha mentido, repeli
Jorize.
Dizeudo islo, son arrenl.' nfle Ctlav de arn'.rdn
rom sua. palavras. lina v.'/. interior grita va-me,
que um lioincm honrado n'*m mcsuio esl.i espolio a
seinellianies deieoaflaaeat!
Itesla-mefazer-llieuma pe.-gutila, mmlia pri-
ma, di.se Jorge. Perdoe-m'a. Voss lem de recla-
mar cartas, lemhrancas '.'
UnM carta, urna su, repnndi-lbe ; mas nio d-
llie is.o linio coidado, punco imporla-nie agora I
Mieiedade ; Indo esl acabado para mim !
EntSo fomns nterrompidn* pela familia iateira, l
qual qaeria rndeiar a Air. de Braizieni no momenla
minio rara por loda a parle, rari.sima na lnloria.
I) proprio Hr. ITticrry Ido peiielr.inle, (fio verda.iei-
r en suis nairares, lo expresivo para a iniiiu-
rio.idade dos coslumes, l.lo iiigenoamente aociado
It emoees populares que descreve, nio allinge a
e ilom da eloquencia leoilo em us grandes qua-
lesua conquisU da Inglaterra pelntNeru.au-
dot, e he o brilho de-se pequeo numero re pajina.
imperiveis, qoe aos no-so. olhos leve da relleclir
sobre o todo ile suas narrare..
!i agora, senhures, se n'. mesma ordem, nilo de
genio, mas de estados, nll, homem joven linda, ani-
mado de urna imagtnacla bstanle viva para defen-
der-te c ao mesmo lempo exarta sobre as invest
aarie, impondo->e com escrpulo a verdade as
cousis e procurando a jatlioi para com os homens ;
se, digo eu, um tlenlo as-im dirigido, tem feilo ler
successivameute numerosos voluines sobre a uosst
hisloria ; se, nao nhslanteos errse defeitosde urna
tarefa la*longa, leu, augmentado mullas vezes o in-
leresse dos Tactos couheculos, c manado com algom
tracal mais nossa. p .ca. memoraveit; se o ms
tinelo da patria, o amor esclarecido de sua glsr.
e o ello de seus grandes homens, respira em ludo
que elle escreve sobre um lal a.-uinpto, lulo se po-
de rom juitija conrcder-se-lhe es>a recompensa,
queoiiiin tinha oblido pela perfeirao de urna arle
mais irreprehensivel'.'
A Academia concede e.le anuo iHisloria de
Francade Mr. Ilenri Martin o grande preniin fun-
d.do pelo bario Uohart. Augmentando desle mo-
do a recompensa para etlende-U a obra inleira, a
.VcaderrnJ_corn|u_chei> "por oulra clas.e do In,titulo ; ella felicila-
ir atli ,.an.-.;flo in lirada .o seu proprio juizo ;
mis sabe lamben, que em nina composirau Uto vas-
eneontra niuilos assumplos de davida e de rrili-
;.alla hem o sabe, nao esl indecisa ; nao -dopla
i.lo quer honrar aqm .enao oque he bom, jadete-
bra ioimrnia e desiguil de um eora-
um espirito activo, engenboto, que
em Boewt dias de anihirao impaciente o de 'lona
rpida, lem dedicado finia anuo, de esludos Infali-
caveis ao aeabamenlo de um Irabalho, que elle cor-
rige constantemente. Mas etlai curreree. utaa
Vida Diario n. 27S.
)
de sua partida, (.toando foi annunciada acarruagem,
elle abracou a mal e a v, Noeini sallou-lhe ao pes-
COCO sem ceiemonia ; mas eu tive apenas a torca de
levantor-me para eslender-lhe a mo. Elle lvoo
esta mne Iremula ao. labios com om movimenlo co-
me involuntario de ternura e de respeilo, que tu-
cou-tne profundamente, (.toando parti, sent um
vacuo, um ahaiiil.no, que clava longe de prever.
Meu i-ulamenlo recomerava ; pois urna pessoa esla
s vezes 'solada moialinrnle sen, estar su, e nos das
Iri.les esse isolamenlo he horrivcl.
I'assou-se nina semana em Irazer-nns nnlicias de
Jome nem do principe. Depon, urna noile, onvi
um rumor de cavallos; meu coracAo palpiloo com
violencia : era urna seulenra de vida ou de morle
qoe ia receber.
Eis-aqm Jorse eis-aqni Jorge srilaram to-
do, alegremente correndo ao sen encontr.
Deila vez nem lite forra para levaular-me, re-
cejando apressar om instante a desgraca lemida. Meu
primo enlrou precipilo.lamenle prncurando-me con
os olhos. Sua exlrema paUidez, a perturbaran de seu
semblante dis.eram-me quanlo baslava. Elle aper-
lou-uie ferlemeote a mau lanrando-me um olharde
compaixn e de diir.
Pelo choque vilenlo qae exprrimenlei, rompre-
hend, eolio que eu bavia esperado anula. Todava
permanec tranquilla ; nao India mais lagrimal. Nilo
era ji a resisnarao, mas a fadiga que seaue os com-
bates lerrivei., em que a alma rebelde recasa aceitar
o solfrimento.
Pouco depon minha IV lomou o braco de Jorge
alim de ir para o terraro seguudo seu roslume. Sem
dovida apoiou-te om pooco fortemenle, pois elle
lio pode reter um leve srilo de dr. Pela primeira
vez vi entilo minlia lia esqiierer-sedescu recalo ha-
bitual exclamando :
Jorse .' estta com o braco ferido ; live.te al-
gum 'lucilo Eu ja linha adevinliariu is.o me-uio pe-
la la pallulez !
Nio he nada, absolutamente nada disse Mr.
de Itraizieux em lom imperioso, qoe ordenava o .i-
leocio. Peco por favor que nilo falle-se mais dessa
arranliadura.
En n3o podil dovidar : fra por meu respeilo que
elle arriscara a vida, e no roen profundo egoiuno
nem mesmo prarira e.se periso !
Na manh.la tegninte achei ain la Jorga snzinbo no
alio. quando Indos os oulrns Itabilantei do castello
C'lavau, anda em sua. cmaras.
Meu pun", di.-e-lhe cu, nao venho igrade-
rer-lbe : nin lorouhcrimenlo romo o meu nao e\-
prime-se pul palavras. Von l'oi meu irmo. meu
tnico amigo, men salvador '
Minha voz alterava-se ; nio pude acabar.
Tive de rumprir urna missao hem cruel, Albi-
na, reipondeo-me elle emlim quando vio-roe mais
iranqoilla, pois por algum instantes nio ouvio-te
mail do que meu. ..duro'. (.Inundo vo..:'. liver for-
ra pan, ouvir-uie, dai-lheliei a. npllca^Set que
lem o .lireilo de exigir. Ordene, diipoohi de mim...
Diga todo agora mesmo lornei m. Amanliai
quero qne om ilencio uterno cubra e~.e panado
drsdilnso... Tenbu oulro favor a pedir-lhe... um ul-
limo favor. Sirva-me de inedianeiro pura rom mi.
nha iv e minha lia ; diga-Ibes o que vos. .ihe
pers-llies que poupeiu-me qualqitci alluslo i iiu-
livres de censura "! Nao, senbores, e o premio que
concedemos nio tem necessidade della. Iloje mes-
mo indicaremos livremente como o autor, ua revislo
recente de seus primeiros vulumes e em um dos
mais bellos episodios de nossa historia, aot parece
ler-ie apartado da verdade por sua admiracao pelos
drunla. e pela influencia que se Ibes allribue subre
o genio da h'ranca.
A lu ludo va, dar no paraduM, : o tcslemunho dos
faci., a lgica das coosequeucias. O druidismo bem
mal couhecido, uao obslanle algumas buhas de Cesar
e alguna versos de l.ucanu, alo servio da modelo a j
coustituirao de nossa itireja : n.lo trazia em seu seio
a Idea da Franca ; nio o reconbece nem mesmo no
herosmo da ootta idada media.
Para que. diremo- nos, c.s.i preocuparan do uosso
historiador'.' Dandc vem essa luz, que au linha a-
percebido ".' Nio slo os druidas, imiuoladores selva-
gens de victimas humanas, lio os marlvres chrisllos,
victimas voluntarias das Ivrannias do imperio, que,
de Jerusalm al Itnmu, de Alexandria, de Smyrna,
de Corinlho al l.vln e em l.utecia exaltaran, o espi-
rito humano, moslrandu-lhe., por sua serenidade no.
supplicios, sua celeste origem < iminorlal nata-
reza .
Nao he urna Indir.lu dioidict, infiltrada nos sec-
los qae em um obscuro prado da Praafil, exallou
Joanna de Are cotjo oulra Velleda ; foi o espirito
chrisllo em ama alma simples e sublime ; foi a pai-
xao da dedicarlo, o euthu.iasnio de morrer por seo
paiz e por seus irmlos sem derramar o sangue de um
intmiso e marchando para o combate como orna vic-
tima santa reservada para o sacrificio depuis do Iri-
umpho. /
Mas lico aqni: be fcil censurar cm um gtande
Irabalho.
A honra de Mr. Ilenry Martin be obler mesmo
por al-um lempo, a dislincrao que po.suio o i iluto
inamovivel aquello que elle rhamava seu illustre
nieslre.
A academia ja fez sentir que, na inteorlo do fun-
dador, o segundo premio lenha estado lio distante do
primeiro ; e todava ella o parlilha entre os dous no-
vo, concurrentes; da melade as sabias e deliradas
observarles sobre o governo interno di, Franca, e a i
oulra melade a historia curiosa de nina das funda-
roes de I.uiz \l\, a casa de Sainl-Cvr.
Os dous actores sao destinado, a nutro, succes.os
e 'Intuirlo, por oulras obras. Mr. Churnel ho um
dos homens que conbecem mais a Frailea do seculo
XVII am suas le>, seu governo, seus coslumes, sua
lilteratura.
Rene a precisan das ideas a novidada das investi-
gac.es. Mr. Lavallce, aulor de urna historia de
l'ranra til e minia, veze. reimpresia, ulo sorriente
mostra as minuciosidades geographicns sua e-.acii-
dlo hbilmente calculada pelo inleresse como pela
iulelligeticia dos fados, entrega-e lamben, com ar-
dor a esse estado das lontes histricas as mais remo-
tas, onde os grandes talentos peneiram luje de todas
as parles para tirarem por meio da pintura dns ca-
racteres e pela parlicularidade dos coslumes, urna
interpretarlo do pastado ao mesmo lempo man cla-
ra e mais verdadeira.
Honrando desle modo a sciencia da historia, a a-
cademia deseja conservar aos premios fundados pelo
bario .Monlyon seu destino inteiramenle moral ; mis
neslc circulo estender muilu sua esrolha e ufo he-
sita em aproxima-lo do que pode parecer a cerlos es-
piritos muilo especulativo ou mesmo chimerico. A
academia enlloca boje na ordem das obras tileii aos
coslumes urna culleccao de poeiias sem aparencia
dosmatica, urna variedade de renlos melodiosos, ta-
bi'ios de urna alma aguada ubre a impresslo do. lu-
gares, das recordaroes de e'ludos ou ra'got de allei-
clo.
E comalfeilo, senhores, se no peni amento disan-
ligoa legisladores Mfrarifla a oxpertoaelsdeinai. de
um pnvo moderno, a msica he dolada de nina gran.
de arcao mural, a poesa, e-sa msica Interna da
alma, nao lem direiln ao mcsino imperio '.' E
quando ella emprega todo o seu .ettareo, quando se
tirope por fim as verdades da philosophia ou as pro-
mesial divina, ila rellgilo, nao pode Vir a ler a tur-
ma de entino mais persuasiva para o corar.u, '.' O
enlhusiasmo do bello ulo pude dar a inspirarlo,
como a candado d o herosmo ?
lie as.im que nos impre.sinnuram as Syinpat/iiai
ile Mr. de .aprade, obra de meditarlo e de candura,
combinaran de indurroes metapliisicas, de senlimrn-
los ao.tero, e de vivas emores lirada, do epecla-
culo da nalureza e aproximadas sempre das grandes
verdades iuscriplas no corar.lo do homem corno na
abobada dos reos. Ah esla nio poda sem divida
concorrer utilmente com lal ou lal producto da in-
lelligencia applicada com este on aquelle es'iltado
da ob.ervacao scientilica. Nao havia nisto medida
roiiiniiiin. Au calculo que venlica por um novo pro-
ceso a rapidez da luz sobre a zona lerre.trc, nao se
pode comparar o livre e puru roo da alma para o
Creador da luz e dos mundos. A tal experiencia so-
bre a materia, elherea nao se pii le oppor a aspiradlo
de amor, que da azas ao peu.amenlo, no dizer de
Plano. Mas pondo de parle o quadro poeliro de um
parallelo unpossivl, leiam-se essa. poes'as variadas
no assumplo e na forma, debaixo de urna paixlo,
a amor do i leal no liomcm, do inelTavel em Dos,
e se licar como batojado por um toara benfico ;
mar-se-hl ena purc/.a d'alma urnada lano dn ima-
ginaclu romo de innocencia, gozar-se-hi dellascomo
a mail potica das verdades c a mais verdadeira das
poetill, urna poesia quati cima da. palavras, inde-
pendenle de algumas fallas e algumas incorrere., e
conforme ao corarlo do homem, porque Batea dalle.
Algumas vezes ..lo eitrophei simple, e pequeas,
a meditat-lo de quein pas.ea no. bosques j* no fim
dn ontomoo, toa tristeza dimite das folhas que rahem
e o auno que se despoja como a vida ; depois sua
animada rellexlo sobre si mesmo, seu rasgodr resig-
uajlo :
l"ais le. adieux la folio jeunesse ;
('.esse, t ri'veor abus si souvenl,
De souhailer que la feuille renaisse
Sur tes ramcaux dcs.chs par le vent.
nha dnr, e sobreludo qualquer cnn.olarlo... Ouanla
a ,eprebet,es merero mullas, mas conhoro a in-
dolgeacil deaesi charas prenlas, enao asleino.
Enlao Mr. de Braiiieox conlou-mecirruiii.laucia-
damenle o rompimenlo com toda, as alinenos que
urna delicadeza exquisila pode diciar. Ah ceden-
do aos meus de.ejos, minha pobre avo na Uvera em
vittl oulra con.a senlo minha cura. Coliliaia mu
levianamenlc no leslcmunbn de alanmas molhere
frivolas como madama de Lircj que deslun liradas
pelas vanlagcns exlenores ilo principe, e eoconlrin-
do-o en, Indos os saines, nao imiginavim que seu
caraeler nn sua polica pmlessem delxar de ser hon-
rosos, (.toando lala-.e de um casamento poneos a-
migos lio atsas dedicados para se moslrarem since-
ro. Era verdade, Jorge Uvera ai prova da infamia
do Sr. Miehaelis. e a npinilo publica conlirmava es-
se earedo vergonhoso Mas, repite, elle referio-mi
e.las Iri.les rirriimslanrias com llence. que deviam
ahraudar-lbes a amargura. Falln em voz liaixa.
ronleve sua indignarlo, enao fez-me exprobarlo
nenhama... (.toando acaben enirceoo-me a minha
caria. Kassuei-a, e depoig dei alsuns piMot para
deuar o salle, (.besando ao lomiar lancei um olhar
airas, e o senlimenlo de meu egosmo lomou-me
confusa. Jorge neara apoiado a nm movel, grave e
silencioso, anda paludo c eufraqnerido pela ferida.
Vollei sem que elle ouvis.e o rumor de meus passos,
e pdndo-lhe a mo sobre o braco, disse-lbe com
voz trmula :
-j Perdoe-me, Jorge padeeo lano qne -nereco
algama piedade...
-H A* cu.lt de minha vida, respondeu-me elle, eu
quizara poder rettiloir-lhe a felieidade Coinpre-
benrjo-a, e lamento-a de loda a minha alma.
Dos le guarde, querida lillia. de experimentar ja-
n-ais- ludo o que eolio snflri Desprezar aquillo que
amamos, calcar aos pos loda a alecria, lodas as es-
peraocat da moridade, he coou borrivel, .im, mui-
lo htjrrivtl Dessa luta a gente sabe quebrada, en-
velbeci.la. mas resignada, curada. Nenliuma ternu-
ra sobrevive ao desprezo. Btpannea, confianra. lem-
brancat, Indo aniquila-se ao mesmo lempo", lie o
incendio que contorne o pilacio dos sonhos, e s-
menle deixa einzai e reliquias...
.Minha av e minha lia vieram ler romign nessa
mema noile. Minha tvehorava. Oh '. quanlesre-
innrsos tive de sua. lagrimal! eu queso devia (cr-
ibe dado prazeres e contolardei.
Porque ulo leve caoli-inca em sua lamil a, Al-
bina disse-me minha lia. Era mais natural e ale
m.us derenle, que voss se livesse dirigido a nis do
que a meu filho !
Ah disse eu. .ou moiculpada Minha niaior
falla, aquella que \ mes. nunca me pcrdnar.iu, he
ler cxposlo a vida de Jorge !
A ferida que elle rei.ebeu he mu leve pira dar
cuidado, tornuu madima de Itraizieux r,m loa Ir.in-
quillidade ordinaria. Alem de que elle nlO fez mai.
do qnfe sen dever. Vont> nao lem irnfo, eel'e he
aqui o uaieo representante de mi familia.
Minha av. prodigali.ou-me mil eoidados ; minha
lia permanereu Iranqoilla sem leslemunhar-me re-
senliinenlo nem azedume. Ea indulgencia Incnu-
iiii. lunfuii l.iuii'iiie ; pois rellectindn sinceramenle
eu rernnhecia quanlo fura imprudente e leviana ar-
riscando o repouo dos uniros como o meu. lonieji-
Ce doux feuillagi obscurcis.ail (a roulc
Son ombre aidail tuu ru'or a s'garer ;
l.a feaille tumbe, el sillo vant la vote,
I n ji'iir plus |iir descend puur l'eclairer.
l lu si les bois, l'omhrage aim do chne,
Onl Irop cach la luimere a' mes* jeux,
Soulez, vens, qae Dieu sibil de chnine,
Feuille, tumbe;, lal.-ez-uioi vor le cieux .'
Mais adiante este mesmo encanin de alegra me-
lancollica parece mais expretsivo ainda em urna re-
cordacao iuleiramenla pessoal ao poeta, sua habi-
tadlo, a o sea pensanienlo solitario e puro, entre os
tomallaade orna grande ridade. lie una meditaran
pelo cae. do Kliodane entre os rumnres do rio e o.
da mullidlo, mas a'vista doacimotdo monte Blanco
que se levanta no horisunle e fazem irsplandecer ao
longe sua branca luz, como o espectador que a con-
templa, e tente elevar-se no foudo de sua alma um
cume ideal de pureza religiosa c de grandeza livre.
Essa elevaran de coradlo, essa entbusiaslica melo-
da he o acento natural de Mr. .aprade, a Ihe lem
inspirado a mais bella ode da sua rodelo, aquella
que pude ler chamada una ode pica pela extendi
que abroga, os seres vivos que faz mover, o svmh'nlo
que personifica. Mas como dar o extracto do um poe-
ma ".' Como resumir a iniaginac,ao de um poeta '.'
Urna palavra smenle, senhores, dessa bella licelo,
onde os Alpe, to turna m. e fazem ouvir sua voz
debaixo dos negros pinliciros e dos gelos que ot de-
fendem, e ondea voz gitivo, de um descontente do mundo se confunde com
essa uatureza rude e deserta, na qual procura mais
um lugar de um suicidio ignorado do que um asylo.
Mas de repente o bronze do hospicio do grande S.
Bernardo vem adverli-lo, vem salva-lo ; e om coro
de religiosos hospitaleros o cerca, o anima com seus
cuidados, e o restilue a Dos a a' humanidad! por
meio dessas palavras de una harmona doce, como
a voz dos bemfeitores.
I. ame qui sal alteindre a' la cime ou nous simunes
S'y rapprocbe de Dieu sans s'eloigne des bommes ;
Elle est la ponr descendre el monler'lour a lour ;
El, des sommets pares de neigd el de bruveres,
Elle s'elance au ciel em gerbes de priores".
El revient tur la Ierre en setnences d'amoor.
Depois desla poesa, que vossaemoclo julsou, col-
locaremos nma que pourn se parece com ella, nao
he popular como ella, mas que Ihe prepara una
ceiva .ahitar, essa melaphisica generosa inspirada
pela alma e fundada pela sciencia. Tal he o carc-
ter de urna obra de Mr. Oiriiliann Birtholomeu so-
bre a. doulrin i. religio.as da philosophia moderna :
vasto assumplo que, na justa concepelo do autor,
remonta al Descartes, esse mostr poderoso, de
quem sahiram difTerenles escolas, mas cuja palavra
bem comprehendida he o e.pirilualismo mesmo, as-
sim como allcslam seus escripias e o genio do gran-
de seculo, do qual foi a nula principal.
De Descartes e da parle aa creaclo fela :i Friu-
ra, o autor passa a esse l.ebnilz, que .reuue quasi
lodas as grandeza, do espirito humano, gemetra
inventor, melaphysiro profundo, erudito universal,
esenptor original, mesmo ein una hngua, que ule
era a sua. ile bstanle dizer toda a forra e bizque
o esludo de um lal genio o mnis sabio como o mais
acrrimo adversario das escolas malerialislas. devia
trazar i grande cansa defendida por Mr. Barthol-
mess. Debaixo da iiradiarfiodo nenio de l.cibui'.z a
doola Allemaiiha limilnu-.e por mudo lempo a co-
mentar minuciosamente ilgantfprineipiet transceu-
deolet dessa philosophia, que a Franca ignorivi en-
tlo, ou aprenda tmenle pelas facecias de Vol-
taire.
I.epois desae intervallo de actividade secundaria,
que multas vezes tnecede, un, uovo e fecuinlo pen-
lador na ordem intelleclual, apparereu em P.inis-
berg, no reinado de um grande espirito, lentnu lu-
do refazer, malqnistoii-sc com o proprio l.aibnilz,
baleu cm mais de um eichupo, prem suslenlaiido
sua metaphvsica por sua moral, merecen bem de ro-
nero humano por sua inntorlil Iheorla do drver, a
mais nohre romo a mail til ipplicajlo do esplri-
tualismo. Se sua philos'iplua allemla detceu de-
pon dessas alturas, se a rivali.lade dos sv,lemas, augmento das ianoVae/Bet Irouxeram para ella, de-
baixo de ttulos novos, o. mais amigos erro-, o p.n-
theismo, o materialismo, a malcra pename ; se o
orculhu humano se fez Dos e se adorou debaixo do
nome de humanismo, a analyse imparcial, a discus-
slo viva e variada dessas toacas dootrinai nao podern
ser senlo una asedenle lirjlo de verdade moral e
religiosa.
Oespeclaculo da embriaguez cm que cahem cer-
tas svstemas, f.iz lembrar lainhem aosctpirilos a so-
I.re ia le. Ouando o homem v al que poni se
desvairaram algons discpulos de Ilegal, e como o
excesto da especulaclo subtil veio reunir-.a as Ihen-
nas grosseiras de l.amelie onde l'humaz Paxno, a-
prende a defender-so do primeiro erro de racioci-
nio e a procurar cada vez mais as verdades primiti-
vas, como a nica salvaguarda ufalliv el contra us l-
timos erros.
0 lagar que oceupa o espirito francez ne.te bello
quadro, augmenta o seu inlere.se para no..
Vallaire, Kouxeau sao jaliadoa debaixo de um
poni de visla externo, por assim dizer, que nao be
a cerlos respeilns meno. penetrante i menos verda-
dero. Ejrudilo e benevolo.o aulor alo declama a.
m..is ; aecusa raras vezes, e onde mesmo critica,
procura adiar algOIM dorura li censura, doscernir
algum bem do mal ; Inlves mesmo lenha peccado
debaixo dcs.a relelo por exces.u de precauret:
mas i indiligencia, falta pordolvel, nao lira nada a
inecridade.a aulondade, a indlgnacle inesuin do au-
lor, quando se Ir.ila ulo das pettoat, mas das dou-
Irinas.
A Academia concede a cada urna deslas obras urna
medalha de .l,(HKI francos.
1 m trabalho de urna penal hbil fixou sua llcn-
rao sem Mliifazer lodl a .ua esperaoea : he a Ira-
dueclo da Cit da Dieu por Mr. Stinel, e.le livio
original de um grande a piadoso genio em urna e-
li om recobrar macliinalmrute os habito, da vida.
Vollei ao sabio, ese nio Iraxil dabi em dianle ao
pequeo circolo da familii mais do que urna trille-
za ineommoda, in menos alo Irazia mais malevo-
lencia nem oroolho.
Nio jolgoes meritoria, Branca, es.a repentina la ai
atildado. Minha convale.cenra moral foi rodeada de
lano, ruidido. que, penetrada de recoiibeciinento,
eu tentej, como um doenle amado, occullar al nns
snilrimenlos iquclles que us espreilavam para apnla-
ca-los.
Minha pobre tv, apez.ir de sua idade, faza cs-
forros constantes para di.lrahir-me; todava ;>s vezes
nma palavra laucada estouvadamenle na conversa-
cao viulia reabnr-me as feridas ^vivanda-me alcu-
ma lemhraura do plisado, Minha lia Italava-me
com mulas atieiir.-. e prccaoces; cumludo en ex-
perimentara para com ella um incommodn que nio
podil vencer. Minha pruna boa e ri.onht fazia inu-
leit esforcos para alegrar-ine... Ali minha moci-
dade eslava acabada '....
Mas he de Jorge que qoero 'obreludo fallar-le,
de Jorge, a qnem s enllo aprend a conhecer. Elle
iralou-mecom um respeilo affertuoso, e urna deli-
cadez a de que pooco. nomenttle capa/es. Se ilcti-
ma alluslu imprudenlc vinha fizer-ma curar, elle
sabia desvia-la, e sem nunca parecer querer dislra-
liir-me. eon convalcicenca moral, querida lilba. e nao lem 01
doeolet moilas veze. i cabeceira dn leilo um enfer-
meiro preferido, que faz menos rumoi do que os
oulros, e que sabe adiar a. porfe, menos amargas '.
Assim panott-se um mez, um mez em que eu me
jOlsav mui digna de la-luna, em que lodos tiveram
picdade de minha dr : um mez, que algum lempo
depois en leria compra lo pelo preco de mulos au-
nas de minha vida, e para o qual agora reporta-te
meo pensameniu com profunda enmelo !
Pela primeira vez eu romprehen lia "as sanias do-
Cura, da vida de familia. Acalma, ;. iiniforinulade
que reinavam em torno de mim, e que me loriam
parecido antes lio montonas, repounvam meu es-
pirito e meo coraclo. Pouco aponen euvergonhei-
me de minha oeioiidade, lornei urna asalha, um pin-
cel. Entretanto, om da Noeml furr;ou-me a abrir o
piano ; loquei algumas olas... reminiscencias de
canlos, de danm..... nio sei... depoi. levanlei-me
repenliiiamenle. Dahi em dianlt abandone! a m-
sica para sempre. O canto dos lidenos reava-me
anda nn corarlo como nina derislo amarga...
Joru*e naluralmenle raimo c reservado, deteonli l-
do de si mesmo, lllvez por cau-a da carrera que o
ennservava ata.lado ibis rennies, Ulvex cm eonc-
qeeneit do eonttranaimento que toa mli Ihe impo-
zera, minea leria deixado conhecer todos os recur-
sos de eu espirito e de .en corarlo em circumslan-
cias mais felizes. Pira distrahir-mt p eontolar-me
elle ou.nu mustnr-te amavel. inslrnido, afleetaoso
bem diirerenle dos homem que n., .Hhem ter .i"ra-
daveis senlo por vaidade, e otante de un auditorio.
Mulla, veze. para fallar meu peinaiuenlo de lim
tieut, olla eonlava-nm de urna mineira deliciosa
I.....din. d.- na iageos longinqnn ; mas romerva-
va .empre urna impliridide lio perleiii, que nui-
sitem leria jamis suppo'ln que fana eiforro para
nb.e(]uiar.
Muiai vezes a prxima partida de man ptimo a-

. noca de decadencia. Familiar pela sciencia com a
j csseneia do assumpto, Mr. Saisset nio pude fazer te-
nia urna boa e iiisliucliva lraduc.au ; mas lalvez nio
, se teuh.i imposto esla e ngenhosa paciencia, que sn
I po lera traduzir, em lodas as particularidades, o es-
Ivlo de Sanio Aanslinhu e as cores lio rica, ditsa
I imaginarlo minos exacta do que viva e tocante.
A bella ntrodoc!, que precede esle Irabalho,
siimiudn rom rara sagacidad! e pres.asao nolavel a
philotopbia de Sanio Agoslinho, deixa-nos lambem
, o pesar de nio ler debaixo da mesma autaridade um
Irabalho mai. completo, urna analyse mail longa.
Coreandoetta abra, nota pedimos a Mr. Saine!.
| Pensador e eseriptor igualmente di.tinelo, mundo o
methodo ti extaade dos couhecimenlos, esclnreceodo
rom a luz de una s e livre phtlesophil lodos os pro
bletnas, que se prope, ten lugar nao lie enigoilado
pela importancia, qoe oblem boje a sua obra.
Ao lado desle Irabalhe de um espirito superior,
que n.lo lem desenvolvido loda a sua forra, fa/emos
uienclo de um bvro. onde o saber eo lalenlo qui-
zeram sobretodo toroar-se uteis por una obra ac-
cestivel a lodos. Esla obra compe-se de algumas
procs proferidas uos cursos de philosophia de urna ci-
dade de Franca, que nomes celebres Mi lellras tem
honrado ein diversas pocas, a patria de Brean e
a primeira escola de (ioelhe. lia quuize aeculos que
un crego eloquenle, um padre nhrlillo, discpulo
de Alhenas, encina de admiracle aos babilanlcs de
urna ridade da Asia, explicando-lhes de noile cm
homilas familiares a crearan do mundo e a obra dos
sele dias, segundo a f e a sciencia do lempo. l"m
joven e hbil prufessor de nonas escola, lomou pur
i assumplo de um curso publico cm Stra.burgo, a fa-
milia, os deveret que ella impe, as virludes que
| exige, as condices de sacrificio que Iraz. a felieida-
de que a reserva para si, os males que consola, e a
sonedlo suprema, a esperanca divina de que lem ne-
cessidade ; e esse estudo da vida assim leilo um no-
me da sciencia, esse ensino ao me.mo lempo alis-
tado e familiar duque ha de mais essencial e de
mais pratico para o homem, atrahia, e trazia em
numeroso auditorio perdeute da palavra precisa e
animada do jovom orador. Estas itiilrucroe. seve-
ras e amareis, publicadas hoje, nao serlo lidas com
menos interesse do que foram ouvidas. O fundador
de nussos premios leria gosado em umi igual appli-
carao esse philosophia, que nao era a de seu lempo
e voluntariamente coroado essa tocante obra, que a
sensarlo transformada de Csadillae nao leria jamis
inspirado. Urna meJalha de -*,(M>*J francos he con-
cedida a obra de Mr. Paul Jauel, como tradcelo
da CUt de Dieu.
A mesma moral com fuma. moi polmicas, ani-
ma una collecrlo de engeuhosos fragmentos publi-
cados por Mr. Can, sobre quesloes e mesmo sobre
celebridades ainda rcenles. O autor, senlo fez um
tratado cmplelo, faz ver ao menos por loda a parle
a unidade de um mesmo senlimenlo, de um mesmo
amor do hem e lambem de um mesmo eslro malig-
no contra o paradoxo e o erro.
Occupado cm comhalcr o Callo, exagerado, o im-
moral, uos syslemas e nos romances, i:o serio e no
frivolo, pode-ie ilgomus vezes encontrar algum aze-
dume em sua expresso, sobreludo quando a Jo.gam
separada do que ella refuta.
Mas a intenrlo he sempre recia, o penstmenlo
relleclido, po.loqoe animado, e exccptu.indo-se al-
gn. Iraros injustos e duros, a lic,lo he ulil. Ao
lado do sulTragio assim concedido, nina medalha da
mesma ordem he oflerecida, debaixo de urna im-
pressao de respeiloso inleresse, i obra calma e sere-
na de urna doce velbice. aos Cunlos da Infancia por
Madame de Bavvr.
Sempre se deve reconbecimenlo nos espirito, ra-
I tos, c delicados, quando se encarregtm de um In-
! balho fcil na aparencia, mas dilBeilimo na reolidl-
i de. A delicadeza elegante, a atara esearnaeedora
|coro que ie inlmivam algumas teenai dramtica.,
inspiradas a Madame de Itawr pela visla dos salor-
he aqu ub.liluid.i peb. estada inlclligenlc do des-
hilo do pobre, de sua educaran, de sua. provacSet,
da elevara.i natural, que poda ubler do trabalho e
da prohidade.
E.le livnuho iuspira'a emularlo do hem e a con-
nanca em Dos. Todos crecm seulir es-es uiliinos
rain., rujo calor temperado amadorece anda e cu-
lora o que ella han lia com a sua luz.
Depois desle sabio e gracioso rsrnpto, a academia
Idilin7uto enlre mulas obras de poesa e prosa, a
que nao era recommeudada nem pelo crdito nem
pela arle, e que be menos um livro do que um re-
trato ingenuo, o pequeo volunte de ulna simples
opeiaria, Heme barde, de Aix, coj vida fui uma
piedosa dedicarlo que, sem o pensar, ella Iranio
por sen talento.
Nao se pode consurar algama consa nesta obra".'
Nio se encontra nella sobre ludo a qucixa c algu-
mas vezes a impaciencia da desgraca '.' Islo memo
nao seria nm motiv de esquecunento.
Exalte-M o tlenlo anda que acensando seu sof-
friiiienlo e sua obscuridad, e a pobre operara, que
se ci sepultada cm um invencivel desprezo, re-
ceba de pe.soas, qae Ihe sao dcscoiihecidas, uma de-
munslrac.lo honrosa, applaudida p ,r esla a'sembla,
que a lereis servido du.s vezes, dandu-lbe mais ul-
auina relicidade para ella me.ino, mais jntltci para
o inundo, grifas ao inleresse que e.e mundo lao
longinquii e lao dislrahi lo nao Ihe lera' recusado. A
academia concede a Madame cine dard, d'Aix,
tima medalha de I.IKIII trancos.
Nio abandonemos em nenltum ponto, senhores, o
peu.amenlo dos generoso, fundadures que, em di-
ver.oi graos lera querido contribuir para o bem mo-
ral da sociedade pela animarlo das boas aecou ou
dos arandes esludos.
Fin emulo recente de Mr. de Monlvou araba dt
eslabelecer um premio annual de elevada IlUeraln-
ra a ser concebido por mis.
0 nomt de Mr. Bondin fique pois consagrado por
C'*a nobre inlenrao e pela applicicio, que ella ha
de rereber .' Iloje mesmo e para eus.iio dettenovo
pieinio leriamos podido hesitar mudos Irabalhos ua-
laveis pela iniporlancia do Itsumplo, pela eiteoclo
das indtgi(6es.
prrsenlava-se ao mea espirito, eeaosava-me una es-
pecie de susto ; mas eu IranquilliMVi-ine cuidando
qoe restava-lhe ainda um mez de licenca, e que el-
le viria sempre a Braizieureulre lodas as suas via-
geni,
1 ma manilla, minha lia recebeu uma caria que
pareceu causar-lhe viva satislaclo. Ella apresen-
Inu-t minha av, e ambas cunversarain um lat-
anle ein voz baila. I'iz um movimenlo para afas-
lar-me por discnrln. Ellas rhnmaram-me.
Querida Albina, disse me minha lia, nln de-
vemos deixar a vo.s e.lranha a um arouteciineulo
de familia, que sem duvula Ihe inleressara seriamen-
te ; Jorge vai casar-se !
Ah exclame! eu com espanto.
Is.o cau.a-lhe admirarlo '.' Com elleilo, at a-
gora nada Ihe liaba podido fazer presenti-ln. Toda-
va nio he uma pessoa eslranha que deslinamus a el-
le ; be Noemi.
Noemi ainda be nma crianra, lornou minha
av. Jorge uppuz a principio minias obietres. A-
cbiva a prima muilo joven para elle, ac'hav'a melhor
para nm inarinheiru licar livre, alim deafronlar os
penan, de sua carreira. Elle diz-se mais idoso do
qne he realmente... Porm minha lilha assim o quiz,
e ella lem um filho exemplar que obedccc-lhe
seuipre.
Sim, accresrenloa madama Itraizieux com fir-
meza, acho que he chegado o lempo em que Jorac
deve casar-se. Apezar do que diz ne um peutamen-
lo doce para um marinheiro saber que sua villa
nma familia o espera. Durante sua ausencia, Noe-
mi licara enm sua mai, aqui, ou comiso, e quanlo i
felieidade da mulher de Jorge, nao tenho receio a
es.e rc.peilo.
Oh! >im,dine-lhe eu profundamente comino-
vida. Praza a Dos que Noemi de-Iba a seu turno
Indi a felieidade que esle mundo pude oflrccer !
Jorge entrara nesse mnmr-uto.
Vem r.i, Jorae, grllon-lhe minha av alegrc-
menle ; vem receber as felieilacoet de Albina, a
qual j sabe ludo.
Fui ao seu encontr, apertei-llie as mos com cl-
fu-ao, e dissellie rom voz Iremula :
Dos abenroesua esculla, meu primo Elle o
livre de Lulas as dures, e cnnceda-lbe os melborcs
prazeres da vida !
Elle de*viuii.se Irisle e perturbado.Cuidei qae por
um movimenlo de nobreeompaixSo nao quera mns-
Irar-tt aleare rilante de mim.
A nria recebida nena manilla annunciavt a pro-
vini.i chegada dos pail de Noemi, os qoaet nao po-
diam licar miiitos riincm Brai/ieux, e desejavara
levar comiigo os noivos. Convinha aprenar-sc, visto
que a hreiir.i de Jora havia de expirar brevemente.
Hzeram-se, pois, sem demora lodos os preparativo..
1.....e dia em dianle nona vida irauquilia Reoo
perturbada. Itemait. en eonheciaqoe devia retirar-
me quanlo pmlene ao esqneeimenio jl linha feio
por milite lempo .ioulros oecuparem-.e coinicn I
Noemi mostrara a hinca alegra de urna menina ;
rallara .rnente de seu envo.al, e cnnsnllava me In-
re intrnenle -obre l.acalella. ; aa anieo -onho era
pparerar nos halles de Bcancon com o mai. bello
ve.luano, e ir muita. veze. a Pars. Jorae moslrava-
se mu altencinso para com sua inven noiva, lorril
com indiilt-encia as suas luncar.-is, mas deiiav.i ver
Esta palavra, elevada literatura, nos pareceu de-
signar subretudu o que he ao mesmo lempo sabio e
imperado o que nio se serve das letras se nao para
fallar alma, o que nio coucebe, nem apphca a ar-
le de esrrcver senln debaixo das formas:
Por lodos estes Minios, um nome um talento cele-
bre e chorado devia preocupar uo.sa lembranca e
lixar nos.es sufragios. E.se nome, es.e tlenlo,
he o de Mr. Ozninan; lio suas lirnes publica., sua
vida justamente honrada e os ultunos Irabalhos de
urna vida lio curia, (.toando se traa de iguacs di-
reilos Iliterarios lio duradouros ccnio purus, nin-
guem .em davida allegar!, como um obstculo a
essa esculla de II) bom excmplo, que o aulor dei-
xoq de vivar.
A coroa do talento nio nae arrn ule a fronle do
aulor vivo, adunia lambem a sua memoria c prote-
ge sua familia. Se Mr. Ozaman nao gozou da pu-
blicaran da sua melhor obra formada de sua. liroes
reclhidas au p de sua cadeira, he um molivo' de
mais para nos tribuannos publicamente ao seu no-
me Indas a. Iiunras que mereca e.le Irabalho, in-
dito em sua vina.
Nos longos esludos e alauma. vezes no. successos
un pouco lentos, imposto! ao culto exclusivo da alia
lilleralura, ha da parle du autor deunleresse e sa-
crificio, e da parle dos juizes nao llavera mai. do
que equid.tde em prolongar depon de sua morle a
recompensa, de que era digno e concede-la toda aos
que ella nmava mais que a si mesmo.
A viuva e o lillio anda jovens, de Mr. Ozaman
recebera romo o ultimo donativo de sua mo o
premio devido ao seu raro lalenlo, ao monumento
nio acabado dessa vocaclo ardeule, que ihe cuslou
lio caro.
Nada comelleilo excedeu a febre e.ludiusa, o ei-
forro ao mesmo lempo de applicacio e de eslro, que
consiiiumia Ozaman e cujos vestigios seus escriptus
contervam.
I.inauu. antigs, Knguas modernas do Meio dia e
do noria, historias de lodos os lempos, lilleralura
classica ou barbara em seus diversos graos, sciencia
do direilo religioso e civil, esludu das arles, elle li-
nha ludo abracado por um Irabalho raelhodico e to-
dava inspirado, cujos echos por assim dizer, se der-
ramavain em sua vasta memoria e em sua inlelli-
gencia sempre excilada.
E.les signaes, aparecidos desde o priucipio, li-
nbam-se forlilicido, deseuvolveiido-se sua Ibese
sobre Dame. Irabalho superior mas desigual, li-
nha sidu excididu pela sciencia e dicc.ln de seus eslu-
dos sobre os (iermanos, e esles preciosos fragmentos
iian eram para elle man do que o ensaio do grande
Irabalho ein que quarii comprebender a ruina e a
morle do amigo mundo e debaixo da fermentar.n
de seus destrocos o nascimeolu das sociedades mo-
dernas .ippireceudo de todas as parles, como urna
Ierra immensa e nova, que elle va rotear, animar-
se c embellecer-.e com a luz dessas verdades chns-
llai, que elle mesmo linha abracado com urna J
prolaoda e cora um corarlo apaixouado.
Al provaees crueis que a doenra. vem Irazer i es-
la vida de laborioso eulhusiaimn o abalimeulo do
corpo as iiiquielaroes nascidas do sollrimentn, as
viagens, as residencias na Italia para obler cura.
nada liraram a esse zelo de religin e desciencia, e
terrino) antea para o inllaminar. Enllo ve-sc .mes-
mo pelas indagaces Ido novas du aulor sobre as
escolas da llalla nos lempos barbaros esobre os poe-
tas franciscanos no coinrro da lleuasreuca ; mas o
grande titulo que, enlre as primeiras fadigas Fe
Ozanim e seu repouso toreado assigualou no ensi-
llo superior um orador, un eseriptor de mai., ani-
mando o e.lv lo p-la palavra c sublimando a pala-
vra por lodo. o. felize. legrado! da arle, era a li-
vro, que coro unos boje.
A rivili-aru no tecuio V, lefiamente da alma e
do ltanlo do autor, publicado pelo* eaidadoa de
um prnfosur celebre, suu cumulo e sea anlecessor
no ardor e na variedade dos mais nobres esludos.
Sabio e natural, dominado de nm meamo pama-
mente e radiante de md recordacoel, exacto a chato
de illu-e. encantadoras, este livro, formado de via-
je lirnese algumat notas, he urna ubra eminente de
lilleralura c de gallo. E leva a critica a' eloquen-
cia, e esa mesma cloqueucia, elle a coucebe, pro-
cura e encontra em sua mais elevada oriaem c cm
seu lypo, que nao morra jamait, ou antes renasce
sempre no ni.huelo natural da alma abalada pelo
bello e pelo divino, pelas nicas grandezas desle
mundo, rirlude, liherdade e .ciencia e pelas gran-
deza, do co, as que promellem a f e a esperanca
cbn-lla.
Vendo-te recalhldti nesse livro Indas at palavras
da bocea de zanam, suas impacientes analvzesda
decadencia amiga,suas piedosas homenagensde ad-
miradlo e de alegra a nova luz, seu fervor eslu-
dloso, que anima al a grammalira, sua euaenhosa
leinura.que rene c adevinha o primeiro balleneiar
ua idade media : licamos rheios de nina tristeza
umaraa e repelimos o pastado dn dnr, que laoto sa-
ber e lana inlelliaencia.lanos don. felizes nao aca-
baran! sua obra, que esse raro e bullanle eseriptor,
que resela em s.ibedoria imparcial e senlimento
profondo do verdadeiro e do bello, nao rhegou se-
nlo a' melade da vida c fui enfado no progresso de
silo forra e no sonhn de lodo, ot Irabalhos lio pu-
ro., que abrarava sua ombirlo de Miado, e que seu
peu.amciilo, que crescia com o Irabalho, promedia
ultimar.
r.m visla poi. de laes scntimenlos e esperiura.
fru>lradas para a. leltrat, be urna Iraquissima coi,-'
."larln, mas nina arando juslira, nllerecer a Mr.
(Izanain sobren lumulonnovo premio fundado cm
honrada elevada lilleralura. Jamis a cnndir.lo
que exprime esla palavra, sera' melhor piee'n-
(luda.
Dcsc circolo extenso, onde .o cnllnram as livre.
produrriie. de talento celebres, votlemot, senhores,
para os assiirnplos de premios, que propAe a Anda-
mia, aoi ensaios que ella pede e se comprai em di-
rigir.
lia um que derivava de sua predilecto pela liis-
lona ile nasfa lingua : a Academia linha proposlo
um esludo sobre as rhrotncas de Froissarl, sobre a
nina preuceupacao. uma tristeza que lodos allribuitm
a sua prxima pulida.
B"m como aconlecc sempre no campo um casa-
mento pioduz ama e.pecio de revulurln dome-lira
por mais siinpltsmenlc que se queira reisbra-lo.
Jolgiram dever convidar algn* prenles delran-
ebe Coml, algoni amigos de Pars, e lambem al-
gn, vizinhos de Braliieux. Foi preciso organitai
(riges, jantare, e recre os. Fjque como ettranha a
e.e movimenlo uro cnslumado. lodos desrulpavain-
mc cuidando que o esperlarulo da felieidade dos ou-
lros rausa-ine inveja. Ah! Branca, ee entimenlo
veraniihoso c.lava bem longe de meu corarlo !
Mas eu conheria que Jorge ca.ado nao seria mais
Jorge meu confidente... meu irmlo... o rompa-
nheirn dos meus dias de dor. A intimidado qne cir-
cnm-iancia. exc-pcionaes linham utebotecidoentra
nos ia ser destruid! para empro ; oulra pessoa leria
direilo.i loda a sua ternura, sua confianca, a al
ao seu lempo... Nao seria mai. Jorge !
Na vetnera do casamento minha lia chamou me i
sua cmara. Achei-a rodeada de juits. Sua phytiene
mia pareceu-me menos impassivel que ile costume.
D-me sua opinilo, Albina dise-me ella.
Eis aqui os diamantes que sempre desliuei minha
noia. t) enaaste he antiai; porem nio he melhor '
da-los assim'.' Noemi os mandara engastar a sen I
Eolio. Pela miaba parle nio emendo di.so, e con- I
feno que ser-me-hia penivel mandlos reformar.
F'nlo ella collocou-me ao pescoco, e nos cabellos
um collar c alfinetos.
S.lo moi bellos, de en.
E vendo-me ao ispelho lio Iri.le e lio adomida
icodiraro-me lagrimal dos olhos.
("oilada suspirn minha (ia.
Depois dina cm voz baixa e como fallando a si
mesma :
Eu n.lo cuidava que cssas joias seiiam para
Noemi.
Tirn um annel, c mcllendo-me no dedo accres-
cenlou :
Tome e.la lembranca, e conserve-a para mi-
nha memoria !
A mo tremia-me recehendo esse prnhnr inespe-
rado de alleir.lo no momento em que achava-me lao
miseravelmenle abandonada. Mo sabcmlo romo
aa'.ailrccs'e a minha lia lancei-me era teas bracos I
banlnda de lagrimal.
Ao meno. voss ha de ser sempre minha lilha I
pelo corarn! disse-me ella, e quando ellet relira-I
rem-se, vo.s licar comigo.
Nene momento baterara parla. Eram Noemi,
minha av, c Jorae. Fugi para occoliar minha. la-
grimas : entilo lanraudo-mede joelhosroguei a Dos
que applacasse-me ; accosei-^e de fraqaen, de egu-
ismo, de cobarda. I.evantei-me emfim mais Iran-
qoilla com o ptutameate de que rala um de un.
ueste mundo deve carreaar soa cruz.
Abr enllo as cixinhas ile joias que linlaam per-
tencido ii minha mli ; loiitei u mail bello aderero. e
loi leva-lo .i Koeml.
Or.erida prima, dine-lhe en, be o meo pie
-ente de nupria.. Serviitdo-le desla- ,oias has de
li'inhrar-le ilgumns veze. de mim.
Ella agradereu-ine rnm elTus.iu, e reteve-me jun
lo de si para fallar-me longamenie de todo, es ra
lellos aereo, que furuiam os uoivo-.
, vida, genio, arle desle pintor to verriadnrn, de
Herminio da meia idade. admiravel pelo minurio-
sidade dos coslumes, e, como diz aind.i leuelon.
; puis nio sei que de lacnico, de inctouo, de nua*4o,
, de vivo t apaixonado, que o proprio autor do Irle
maro envenjava a* nossa anliga Imana.
Sobre esle as.uniplo m.trurlivu e delirado a Ara
demia di.linauio um Irabalho : a memoria imcrip-
la sob n. I, e lem por divita : (Ira, lelvet e-i
livro n.lo esleja ordenado l.io jaslamenle rnm a
.lisunipin requer. i A roo lirio de Fminan. sea
vida errantee sua |ioesia de trovador, eslo all de--
' criptas rom cuidido e saaicidade.
I olas a. iudagare. .le rnrio.idade erudita, s
.iiccrdeni em um e-pirilo lio ju-to romo penetrar-
le. Mas, a |nantti da niaHi a dn aetjile. a nli. en
-equi/erem, a impiraro de narrador, n exrellenle
I goslo francez desse lilho de Vlenctennes, qae vi-
' vea mais na Belaica e ni li.jlalerra do nai eos
Franra, todo este lado bell unei le iillcrarin do a.-
; sumplo, nao orcupou ba.lanle o siIha bm.ra|do..
IA Academia nm quer todava prolonaar ama
I provaclo, r.ujo sucre-so dilleridn nao eril lalve
mais completo. F'lla concede ahm do premio nma
I medalha de I,.*i0(l francos a Mr. kervyn deleite
| nli.ive, ao douto eirriplor lielaa, ao nuneai dr >a-
her e de espirito que, re.brando a I i o irt qa>,
,com o orgolho de am compatriota, o riecrimandi
. mil lazes preciosas sobre ua vida e sea lempo, na*
procurou mnsirar-nns bem ale que ponto rssenar-
I rador provincial, ce eseriptor de frontrira ren
I toado por sua prosa viva e eorantadora nm dot aa-
I dlos nao excedidos, uma das tonlcs origintct da
I nus.a linj.ua.
Oulra quesllo, proposta ha (re. tunos pete Ac-
i demia, pedia anda mai. forros. Irj(va-v de
estudar os proare.sot do espirito* e do idioma fran-
cez no. primeiros (nota anno. do tecoio p.i-.a b. an-
tes do abalo rau.adu por dout poderosos armo, e
por as.im dizer sob o impal.o enfraqoecido do se-
culo passado e o movimenlo da propria I rain a no
secuto, que romerava. Era um Irabalho em qae a
philosophia da hisloria, o estado dat in-iitai, -. .
dos i ii.iiime. deviam apparecer, nao pira excluir,
ma. para esciuro er a queji.in da arle a do bo.1...
A Academia nio querendo retirar esta quena* do
concursa, nem que ella fique meio retolvida, prs-
roaa de novo a pro vara o ate e I* de oatabro de
1837. Ella lembra quanlo o estudo aliento do mo-
vimenlo gradual da lincoa e a investigar,!* das caa-
I sas, qae a modificara, devem dominar sqai tabre as
particularidades de binar.pina iliteraria, o adiando
de novo o premio, pede aos conrsrrestes aoroe*
I man precisis. uma aaalvte mai* severa e ana tcen-
icia de linauagem edeesl.lo que . mesmo a.sumpl".
Nao ha esle auno semelhinle duarlo para ot ron
nii-n.iirliii.iiiu. da Academia. Os assumplo* pre-
postos liveram a profnala da mocidade, arada en-
capada do Kosto das lellras : elle* Irouxeram aame-
r**M concurrentet e algont ensaiot notavet*.
(.ilemotem primeiro tocar o premio de poesa, *
I fazia appello para uma dat grande* recordar.ie. da
' reliaiao e da eloquencia, que m turneo mai. parti-
cularmente para no. nina recordarlo nacional. Ot
re.lo. ile Siulo Aao.dnho Irttidot para a Atrica. e-
a ultima consaararlo da ronquisla francesa d'll>-
pone. desperlou naturalmente a poesa, na peto aie-
ims esse ardur de espirito, que te loma alauma. e-
zes pnr ella. A Academia netle concurso receben
cera obras. Desle numero algum poemas aot eacaa-
taram petos felizei nsaos de iiiiaaiuii.lo e pranenas
de lalenlo ; lo lavia a Academia n.io betiloa alare o
premio e a ordem que devia dar a obra inscripta tab
o n. S, e lem por epiar.iphe : lll*,mare hit fui
in tmtbrit el in amira letwat. o autor he Mr. Ju-
lien Isallicrea, memhro da I niv,:-: la.le.
RtwordatjMt wtaditiaa adii.n.i.iu mgetiaa t*
a ni de Aaoslinho. succe-.iode uiuaeut liradas doa
priineiru. seculos chisll'S e da alona recente da
I-raneo, nos mc.mn. luaire*. dianle do memo altar
edu mesmo ltanle, puesi.i correrla, iiarnwNia rkria
de cmurlo, ha muilo qae louvar nc-le poema, to
qual uma parte oiucule vo. sera lida. e nao lea ne-
cessidade de oulra recumrncudar.io enao n pro|Mi..
i--umplo c a fW do aulor que se inspiro* drllc.
Ma., antes dsso. temo, qoe (aur uti.,. |oali dcveinu. uoinear a Mr. Alfredo dot Epardi, M
poema, inscripto sob u. VI, 'blein a secund.. meda-
lha. O Sr. matecbal. miui.lrn da guerra, prestdea-
le interino da intlriircao publica, de boa vmtaale
aolori.ou esli cxcepcl.i. Iimhem he concedida ama
menea* ao Sr. Dr. Bagante Vill-min, qae. om am
as.amplo lio grave, inlrndnzio rum lima lirclo du-
vidota versos d um eslxlo livre c delirado. |i.
escripia, anda tob aa nmeros :;7 e XJ ol crecer am
um senlimento vivo das mais nobres recordar'*-. e
algn tracal de nalurali lade e torra.
Nao rxageremos, senboret. e.le. indicios de talen-
to, aos quaes deve reunir, r >mo tabeiv cm j.
mui rara., a liberdade e a dicnidade dn i ep.-u .o. a
paita* do Irabalho. a felizetrollis dot modelo-, Mai
nln nos pertenre acolher e honrr deban > de loda
a. lonnas o que faz parte da rivilitara* em traer.
o a.-to da arle e da. lellras. A et"(e ltalo temo,
mndalo, que cntnprir, lerompontas qne raaredet.
Aqui he urna penan ulncitra. tend*-tc lorraid* cm
nina rnnditlo penivel ; he madama Itianrherrdii
que, por uma rnllerrao de verso, alsumi. ve leli-
zes, .S'oriAos e. Itealiilwles, oblem o premio M.ilb -
l.alnur-l.andrx : all he um poeto amadnrerid* na
solullo e no esludo, a qoem taudamoa a ma.i appa-
rico com o donalivo que a ollera I jmUil reserva
para o bomem de lellias, digno de uma drmoMtia -
r.io de inleres-e publico. O Sr. ronde dr l.i.|e. *-
lor dos l'nema* anlu/n., publicado, ha d.iaa ana*-,
e dat Patria* ., ha piara annunciada., he am
lalenlo especial, que, Innge dos cammhn. ordioarm.
da fnitilna ou me-mo do .urcessn, aspira ^ |a..-i..
'ubime. Seu e-tvlo he bello e c-u-adn. mai- diam.
d" alonadlo ua eauro di popalirnlade.
lie soba inspirarlo deiauaes eiemplns que qner
mus propor ., inneidad,, amiaa da paesia um imv
inampte para a prximo roncorso.
A Academia, tem nada presnever .obre a forma
Eu quizrra qoe lufo-tp. pastar cmico, ao ae-
Bes urna parle do anuo, arcretrenton ella ; mas di-
an-te em sesrcilo que Jorge parece na* desojar Hto ;
n.io sei porque Faie por ter amavel para eoenclle...
Creis que lem prevcnrrt ronlra ti,
Jorae tem raz.lo, respond eu. Em raa da
dou. jovens esposos um lerceiro he emprr impnla-
no. Nao precisas de mim, querila prima, e meu.
deveres retem-me junio de minha iv...
Arhci batanle raiotoclopara a-.,.|,r ilereiilemrii-
le a todasn ceremonias, con-ervando-me retrala,
e evitando at eeeailtll de allrabir a aliene*. Men
casamento baldado collocava-me pira rom*a toried*-
de decante em umi posirlo delicada : mas na* *ra
etse o tegredo de muliahumildade. A tociedado ato
exista mais a mcu olhos.
O ve.i nano de noiva at.entou admirivelmenle em
Noemi ; a alegra pareca (orna-la ainda mai* bolla
Sabindo da iareja ella mudou o Irage, dcpedio-."
apres.adamenlc de mi., e rorreo com t m.li pata a
carruagem. onde o poi ji a etperava. Jorse brando
um pouco alrez abracou a mil e a axo rom prnfonda
emocao, e quiz relirar-se ; porcm minha aso rete-
ve-0 dizendo-lhe :
E Albina, tilo a abracas Todava Jorae. e
em toa vulto nio me achares mai. aqai. lembra-tc
bem que quero que ella seja uma iim.la para li!..
F'He aperlou-mc a mo a dine-me cm voz
bnxa :
au irmla... nunca !
O silencio qoe succedeu i esse rumor fe-me lot-
nar a mim. Minha lia relima-.e. I iqaei... emqve-
rer metmn pensar."Iba, qaaaAe tomei a arhai-me
ne.a cmara solilaria... leslemunha de lauto. de<-
eoganot i de lanas dores... rhorei anida, chorei n<.r
muito lempo !...
O que he que a 'ligc-mc a.im .' disse en a rr.im
me.ina as-u.lada pnr ana nova fraquez.,. Ncsc h '-
mam que amei gura ame rom indilTerenca. Nem
rceme unte por eMa nm. odio on taasnaacaa. Re--
la-aM urna familia me, chira... Jorae be Wat h.
de o ser...
Baila recnnlieci que bnda xIm c-f.wcot para en-
auiar me... que arhava por mim ine-m... po- J*r-
ae, a quem ouli'ora tivera e direilo de amar, e a
quem repelUra e perder para sempre.
J'erto de vinle annos trm-.e p: ido desde c i
'.pora, Braaca, a te atrevate a feaeMe minha aatt-
Ottlo, he nrrate Jorae na" existe m it neslc mun-
do, e Noemi lem tcora entro nome. >im, rile mi
Ten nn mar. lonae da lo i" n rii-. I alte/ por un,
rommuiii arrordo rara, retal Indiana-aei appt"-
xiinad".
i'eixa-me poi. it ai-te c-lc iildmo reo-. |bn. >< la
imaaiiiai.io arra.l.,-le para um .eii'inirul" lernn. .
cuidado Nao empenhe. tu., vida pat c.prranra- rl.i
menea.. Minia, ve/r-c que prefere-tn aa Mnai i
da vida be a poe.ia, be o lomauce. I udo i-so iie-1,,-
l'ia-.e riuioi a. Raros da primavera, '.uarda leu ro
rarau paia um aatliateala mai. .t-rio. r ^e ni .ntia
re. um aun acure, en amiga i iva e ii-ino ;><> m-.
mo lempo, que umi ni.n esclarecida le Mtili.
.i.lo a repilla-. Podena nalo I .a .1.-. etaliereu
tinque ninanen, pardea jtaMia i ine-in.i le
peludo a felieidade, eaunad* eaaricre Mir a 11
I IM
MUTILADO




Wj OE P RRIBUQ QUINTA FEUA 27 II ROVtmtRO 31 18
ile una obra, ruios limita* o tlenlo sabera escolher
e restringir, indica para o premio da poesa, que de-
>e ser concedido em 18>7 a .. l.uerra do Oriente.
Iloje mesmo ouvireis os preludios dessa patritica
leinhranra na homenagcm prestada IM senlimenlo.
religiosos e gaerreiros que, de liona a Constanlluo-
pla, e das Portas de ferro al as praia* de Algcria,
lem taita da frica franrei urna escola 1,1o poderosa
p.ira os generaes e soldados vencedores na Cflmfl ou
dignos de o serei. A Academia espera a continua-
ran desla homenagem.
A Academia nao licuu menos salisfcita cnm lim ou-
trn concurso desto anuo ; ella linlia proposlo para
a*umplu o a Elogio de \ aovennrgues, desse joven
>Hicial. que foi um sabio, o amiga respailado de
Voliane. de que por sua idade podcria ler sido dis-
cpulo, alma forte c pura, superior aos vicios 'le seo
lempo, do que s bordn o espirito de indagacao e o
livre |i.-n- luienln, dando-Ibes mais severos limites e
nina comprehensan mal, elevada. Cinco obras pelo
menos sobre quarenla eduas a presentada* ao concui-
so, oirereciam vestigios de fortes esludos e de tlenlo
lelu. Lm discurso sob n. :tH, que tem por epigra-
pile: u As mxima, dos houieos revelam seu cora-
cao .Vauvenargues, mxima HIT' pareceu o inais
completo coiu arte, o mais engennaao com juste/a.
Atsuperiondade dcslc discurso apparecer sobreludo,
quando poder ser lido lodo inleiro. Oulro elogio Ihc
vira do mrito dos seas concurrentes, ou porque cm
o n. !i, cujo autor be um magistrado.
Air. Pailn, j coroado ein nossos concursos, ob-
serva-sc em algooa pontos a elevada inlelligencia e
o eslxlo du esctiptor. ou porque em oulro discurso,
n. i J. aprecia-se a pbrase fcil c animada e a abun-
dancia de ideas de um mancebo de viole e dous an -
ios, Mr. I be-igne Cerfbeer. Outros mritos e sobre-
ludo urna analyse espiritual da pbilosoplua de Vau-
venargues dis.nsuom o u. 25, que lem por titulo :
i Sursum corda n O autor be Mr. Emond lllanc,
joveu advogado, que urna vocaco de nome o de es-
ludos chama a oulros successus. Lina quinta obra
liualmeiile, cujo autor lie muito distinclo para obter
so meio Iriumplio, mostra em algumas paginas
somentc lado quauto a mesma miio podcria ler
feilo.
Eelicitando-se por ee interessanlo esldn sobre
\auveiiargues, a Academia concede o premio a Mr.
llberl, autor do discurso n. 38, como o mellior in-
terprete dessas mximas, que revelavam em Vauve-
nitignes um dos mais ..obres corarGes, de que se lem
hourado as lellras. Desse estudo aprofundado e bem
sentido ao mesmo lempo, nao ides oovir, senhores,
senao fragmentos ruuilo peqoeuos e pagina* destaca-
das. .Mas pela naturalidades arle felil de algons
pormenores, vosso goslo esclarecido adeviuhara o
mrito do lodo por esses siguaes de talento, que vos
comprareis em recunhecer.
(Journal de Debis./
WASHINGTON.
>ua historia e a da fundacao da repblica dos Esta-
dos-l nidos, por Coruelio de Wit, precedida de
um esludo histrico de Washington por (iuilol.
lia na vida dos grandes homens dous ladus bem
distinctos pelos quaes elles se recommendam a pos-
leridade. A importancia da obra que execularam,
os obstculos que souberam vencer, a firmeza d'al-
nia, a inleirea de caraclar, a ausleridade de prio-
cipios, a integridade de comportamculo publica, a
habilidade poltica, nao compocm senAo urna parle
de sua gloria, a mais essencial na verdade, porem
Ao a mais popular. Por essa parle be que elles se
elevan) cima do resto da humanidade, mas nao se
prenden) a ella. Ai qiialidades que no-Ios laura
amar silo talve menos elevadas que as que laten)
que o admiremos ; mas ellas, sem tirarem-llies a
digoidade, a moderam approximaodo-os mais de
nos. Ser un occullo amor proprio que nos faz
prezar nellcs sentimentos e coslumes pelos quaes
podemos ao menos Isonjear-nos de os assemelhar-
mos em algnma cousa 1 He que sempre depois de
havermos pago sua memoria oflicial o merecido
tributo de elogios a que ella tem direito, temos ue-
cessidade, para ser mais completa sua gloria, de
adiar cousa de mais. Nos procuraremos curiosa-
mente nos cantos menos bullanles de sua historia a
prova de que elles nao desdeubaram praticar tam-
bera essas pequeas virtudes de todos os das, que
nao aspiram a fama nem constiluem o heme, mas
que caplivam os corares, que lazem o homem bom
e bcoelico para com os oulro, sensivel a lodos os
pra/eres, a todas as afflicues, a lodas as emocoes do
lar domeslico. Nosso orgulbo Ibes peidoa mais vo-
luntariamente sua supenoridade reconbecida nos
arios da vida publica, e elles se conservam nossos
srmelhanlcs e nossos irmaos as particularidades da
vida intima ; se elles sempre nos perlencem por
nina communhao de enlimenlo*, de ideas, de pai-
loas, e quem sabe '.' mesmo de fraquezas que os
lornam homenscomo mis.
de ns ter, e por isso nos agradam mais. Ainda li-
le, na distancia de lodos esses scalos que os sepa-
ran de nos, qaa| he as majs .^ vete8 origem do
interesse que se prende a glorias quasi gastas por
um tao longa adrairaco ? lio que sua vida, Ilu-
minada por inlervalls desses nios do soa virtude
e desea genio que se teem glorificado para sempre,
MU sobreludo plena em seu corso continuo de um
va nos dominios do senlior Cha
nada quiz ouvir, O nome de Washington era ch.tr-
a todos os habitante! da Virginia : era um desses
personsgen* que ee n.lo deixava passar pea por!.,
quanilo se i.uh.i a felieldade de ah > encontrar.
Ao principio elle escuauu-se fortemenle ; mas
Cbamberlayna ralln iie o apresenlar una ene Hi-
ladora ejovein viuv..,que elle rulan a hospedara ein
sua eaaa, e o coronel sedea. Consenta ilizia elle,
cm licar para jantar, c nada mais e que loso depois
qoeril montar, e iproveilar noiie para chegar a
YVilliamsburg anlcs do despertar de sua excellencia.
Ello da' las orden* a Bishop excellente criado, que
liraddock ao morrer llie legara com seu cavallo de
b.ilalba, e seguio seu hospede para a ra*a.
A inan'-aa se paisa, rhega a larde e Buhan asa'
em seu pullo, leudo n'omi infla a jumenta favori-
ta do coronel pela rodea e rom a oulra preparndo-
se para llie apreaentai o estribo. Ja o sol merg.i-
lbava-se no horia inte, e o coronel nao apareca.__
He engrifado, repella o velho soldado, he bem en-
granado ; elle de ordinario lio exaclo.Anda espe-
rn moli lempo, e guando Washington cuid-.u de
vir emlim li\rar o pobre Bishop, que linlava ao re-
ledo, era minio larde para partir, a noile eslava
basi.-.nle esrura, c foi preciso esperar o da seguinle.
.No oulro da o sol ja eslava b*m bailo (piando o a-
paixunado coronel aprtou os Mancos de sen cavallo.
Seos negocios em Williamsburg, foraui prompla-
mente concluidos, e.desde viram-no multas ve/es re-
tomar o camino da casa branca, onde ludo logse
preparon para am casamento. .- 1,
Marlba Washington nlo era s nolavelmenle lin-
da, como moslra o relralo que se acba no frontispi-
cio do litro do senlior Wilt, ella foi sobretodo para
seu marido, toda ua vida, una boa dona de ca
mherlavnr, o qual ses meninos precoces no vicio, na* quaes o endure
meato antecipa a Idade da* paixoes. Prompto, on
sido, aatuei. *, cruel e maltazejo ello en ao mes-
mo lempo o I) raimo de cus c.....aradas e o hroe
do sous di*anmenlose 'ie sua; emprezai. Qoando
relientou a in*urrei;ao dacolonias, elle capiUneoa
um >i nido de revoltosos, impoz-se com coionel a
projincia do afutachuisMIa, e ganhou logo sobre os
borden* grosseiro e ferozes a- que elle se havia
felii o ehefe, mu asceudenle que o lempo so razia
auamenlar. A cxpedioao do Cana la Hit confenoa
gradfaacflo de eeaeral. Nem loai delapidac/iea, nem
o de regramenlo de seuscmlnmea, nem a violencia
e a i ritabilidado >le sen lemper linelo, nem a in-
dependencia de seu humor, po loi.nn eclxptar o bri-
Iho < e sua bravura a de snas qualid*des militares.
Para a Buena de partidarios, nao linlia elle ucuhnm
rival]no exereilo americano.... W.shington media
o va|or dos homens por suai qualid.ides mais qoe
porthoi defeiios; elle perdoava muilo i corugem e
ao nwrilo. Ello alleicuou-se a ArnOld, o trlon
eni|ire com indulgencia e dislincito, e muilas vezo*
deu-jhe a mito para sabir dos lances difliceil ein
que precipitara sua improdeneia. .Menos lole-
raule pelas fallas dos ollieae-, o Congresio fez Ar-
retpooder a om consellio do guerra, no cor-
por malveraacoos
abaso de
obl
rente auno de ITS'I,
autorid.de. Elle foi con lemnad > a ser reprehen
dido pelo general em chefe. Desde eulao elle se re-
solvcji de ringar-s*. Ilepois de baver em vao pro-
curado vender-ge a embaixada de l'rani.a. elle en-
trelace relares secretas e anonvma* com sir I leu -
riquajClinlou, cciieral do exereilo inglez, l'ouco a
poocO, revelou-lbesua classe e seu noin-, Ihe in<-
piron conflanea pela importancia das instrucces
pie Ihe forneceu
rindo a meza de seu marido por recompensa, nbleve de Washington o commandn de
do estado,
alloiides e cuidados amaveis para rom as pe
I) saber se ella nesU uiiiao po le consegoir dilatar as
faculdades expansivas de seu marido, be cousa de-
licada dedicidir. O Sr. Wilt, que n;lo perde occa-
siilo de prevenir a este respeilo tola a censura que
poderia cbeaarv nosso bere, o il> em su* casa co-
Wesl-Poiul. e obrigon se entregar o forte a sir
llennqiie Clinton, o
lermediirio na correspondencia e communieajOes
entre o Iraidor e o chefe do exereilo mglez. I'oi
no corso deasas entrevistas, que allrabido por Ar-
Para jolgarmos se oold no recinto .las linhas americanas, elle he sor-
prendido por Iguus voluntarios nacionaes que o
elle era ao me*mo lempo bem ierno e bem desvella
do, nilo temos del'e sendo nina carta escripia sua
mulher. lie verdade que a circumstaucia se pres-
lava. He um Inngo, e lalvez elerno adeos, porquan-
lo ia lomar o caminando em chefe do exereilo ame-
ricano. Ha sem duvida, qoem do Ocano, marido*
que achirlam ein igual caso expressoes mais pathe-
licas, e mo(rariam um co-acao mais eommovido ;
mas nenlium sem duvida se poderia gibar de exce-
der Washington quaulo a solidez do proceder. O
final da carta, sobreludo he o postscriplom de um
amigo, que compre bem as cousas e nao esquece na-
da de imprtame.
"..... Eu nao lenho neultuma apprebensao
dos trabalhose perigosda campanha ; meu nico pe-
zar he cuidar na tristeza que experimentaren, eu o
sei, de licardes si. Eu vo* rogo, pois, a armar-vos
de toda votsi eoragem c pasear vo*so lempo o mais
asradavelmeule possivel. Nada dar-me-ba urna mais
nova salisfac;ao do que saber que assim aconlece, e
de o saber por vossa ledra. 5leu ardenlc desejo he
que poMiil formar um plano qualquer de modo a vo*
dar conlentanienlo e Iranquilidah'. ao menos alccer-
lo ponto. beria|para roim um grande accrescimo de
alllieao ver-vos alllicla queixosa deum partido que
eu realmente nao podia eximir-me de abracar. Como
be sempre ncerla esla vida. ... cu junto a esta
caria um testamento. As vaotageos que este acto
vos a-segura, caso eu venlia a morrer. espero, que
vos stio agradaveis.
Para acabar com a afleicAo conjugal de Washin-
gton, que n,lo se deve julgar, he verdade. segando
nossos usos, n nossas uecessidade* mais eligentes,
mas que pareceu bastar a toa felichade interna, a
de sua mulher corresponden, como se pode crer,
pela mesma serenidade de senlimenlos, al as rir-
cuiiKlancias as mais solemnes. A '.I de julho de filil,
depois de quarenla anuos de una oniao pacilica, dos
o* remo em presenca um ilo oulro: Washington
esla moribundo, sua mulher esp?ra o seu ultimo
su'piro. o Pelas dez hora*, depoi* de VSCH esforcos
pira fallar, diz: he enejado o momento par
apnsionam. a Daas preoccopac*)es dominaran), des-
de este momonlo, o major Andr, nao comprme!-
ler Arnold, e salvar sua propria honra.
-Vuiia caria locante de nobreza e de candura que
elle enderecen inmediatamente a Washington, re-
pellio com indignajflo a qoalidade de espiflo, e jus-
tilicou eloquenlemeiile seu procedimenlo. Porm
nada o pode salvar. IN'em Washington, nem O con-
seibo de guerra deixaram se commover. Andr foi
condemnado (orea.
Senhor, escrevia enUa elle ao general em che-
fe, sustentado contra o temor da morte pelo senli-
menlo de que uenliuma accao indigna lia conspur-
cado urna vida consagrada a' honra, espero que nes-
la hora suprema V. Exc. nao negara' urna supplica,
cojo cumprimenlo pode soavitar meas ltimos mo-
menlos. Por sxmpalhia para com um soldado, V.
Exc. consentir', eslou eerto, em adaplar a forma
de meu supplicio aos senlimcnlu* de um homem de
honra. I'ennilli-nie esperar que, se meu caracler
VOS inspirou algiima estima, se en a vomos olbos
sou urna victima da poltica e niln da vinganca, ex-
penmenlarei o imperio desses senlimenli s sobre vos-
so coraeo. saliendo que en nao devo morrer em um
patbulo, n Este allivio a' sua sorle foi recusado ao
major Andr com uina lo;ica cruel. EtpiflO, elle
devia como tal morrer ; mas elle acaban como bra-
vo. B P. 169'.
(I general Washington liaba cm duvida esqueci-
00 que na idade do major Andr, ardeole e chelo de
esperances como elle, encelara sua reputncau mili-
lar por urna expedicao que linha mais de om rasgo
de semellianca com o enme de espionagem, que se
creo obrigado a punir tilo cruamenle.
Ouando em I7.)l, a Inglaterra recejando ver es-
tender-se cm roda delta a dominaciio franceza sobre
o couiiu-.nl* americano, vigiava com inqaielario os
progresos de seus rivaes e a inlluencia ile seus' mi-
sionarios sobre as popularesindia*, expedio-se urna
ordein de Londres ao govemador da Virginia para
expedir os pretendidos untrpaiore, que acabavam
Lnlerrcm-nic decentemenle. Nlo deixeis de conslru.r novo, feries sobre o rio Mississipe
IO) (lf'Srer II,t t iitn-ili, i>'i Ik lri> i hi. limo.-; iitl,.. ..(.:_ ...
meu corpo descer ao lumulo sean tres dial depoi
de minha morie... Me comprehendeis
Sim.
Esta bem.
Logo depois sua respir?cao lomou-se livre ; elle
lomou o pulso, viram-iio mudar ile temblante, sua
mao desamparou o pulso e recado.
Eoi-se '.' pergunta com voz firme c concentra-
da a senhora Washington. Os ssislenles ficaram
Irisie* e mudo*.
Esla bem, ludo e-li acallado, relnrquio ella ;
breve osesuiei ; nao lenho mais provac.Vs a atra-
vc*sar. Que de solucos retidos.que de effues snh-
enlendidas nesla troca suprema de nocfotiaM cerdci
eulre dous esposos !
Nao se deve esperar, depois disto, ver granar em
roda de Washington o nome de nm grande numero
de amigos. .Nao laliamos dessns relame* temporarias,
indispeusaveis para um homem d Estado, e qoe
lazem uina parle integrante de sua forra poltica.
Mas goslar-se bia por elle inmo, no me'io das agi-
sobre o Obin. Antas de se cmprcliender cousa al-
guina, foi misier por em campo agentes encarrega-
dos de descobrir o segredo das Toreas a' combater e
ilos recursos que se podenam ler romo seguros.
Esm delicada missao foi tambem accili pelo ma-
jorashingion. Elle deixou Williamsl.urao por-
tador de inlimaci.es de Sua .Mage-tade llrilannica
a-> commandanle das colonias Irancezas, mas sob
prelexlo apparente, elle devia sobreiu lo aprovei-
lar-sedeseu carcter oflicial e de sus. presenca so-
bre os lugares para recoubecer em segredo os orles,
e tentar a fldelul.ide das Ir.bus mdias. Habiluado
aslungton, desde sua primeira mocida le, a's fa-
djgai dessas cxcurses longinqoas, bem .depress
travesson os dsenos e a* monUnhas.haliitadas dos
selvagens, e remellen ao Sr. de S. Pierre a inlima-
rao de evacoar, a qu d foi acolbida com urna recu-
a. Dorante e**as conferencias pacificas, elle pre-
parava ja a guerra, examinando os lugares era que
se poili.m eslalielecar poslos militaras, ledUziodo os
indios, levantando a's occullas, do forte mesmo onde
a amizade fraternal deliruloe deCassio, diirinuein
Ibes u mrito c allera-lhei a grandeza de caracler ".'
.'oan.lii Paulo Emilio, para vir consotar-se cm ple-
no foro, as efusoes de sua dor, com o povo reuni-
do, abandona sua casa, erma de seas filhos, lica elle
le tempera de sua alma, na Iranqolllidade de
consciencia c na salisa(IO do cumprimenlo de um
dever, o apoio ou a docura que etpirilo* menos so-
litarios de ordinario podeui a* ell'usoes intimas de
ama affeirAo provaila. Parece que elle procedera no
menos, ainda que pai, o vencedor illuslre de Per- commercio dos homens rom aquella desconlianca ou
seo e da Macedonia "! IJoanlo a essas grandes figu- i aquella prudencia que se gabava, no fnn de sua vi-
ra*, petrificadas cm sua mageslade uuiforme, que < da' deliaver posto eaidadosamante em pralica em
aiieam do alto de seu pedestal nm olhar impassivel, j ,"-' correspondencia. Denlre os elraugeiros, aos
e parecem dominar a multidao. ellas espantan) mais quaes a eoriosidade nn o respeilo faziam emprehen-
do que allrahem, e, em ultima analyse, sua perfei- i *f a romaria de Mounl-Vernon, elle recebeu a vi-
rfo be por isio mesmo incompleta ; o herosmo n.lo I 'la de nm joven principe da casa de Koorbon, o d-
osla na inscnsiliilidade. que dcOrlcans, que comerava a sua vida, como a
Apresseino-nos em protestar cm prol de Wtihing lerminou. no exilie. *
Ion contra a applicacao que se ihe poderia azer de | Ao nscer do sol o principe vio seu hospede partir
nm juico mn rigoroso. Postoque seja do numero
do* moderno*, lodavla seu caracler autigu. sua pro-
bidadetoda primitiva, sna incessante e lilimilada de-
lica;flo aos inleiesses de seu psiz, seu de-inleresso
publicn, sua eoragem e'm todos os parigos, arrostran-
do com desprezo a inorle nos campos de Mavorte,
on a iiigralid.lo e a calumnia as lulas civis, cmfim
a cavallo, esmeradamente vestido e povillia'do:
Como, general, podis levanlar-vos lo cedo'.' Ihe diz
elle a' sua volu.
Eu posso levantar-me ce lo, porque durmo bem,
e, labei, que durmo bem, porque jamis escrevi urna
linha sem se me figurar qoe a va impressa. p. 373.
Seria em virtude desteprincipio prudente que elle
cumbido de esclarecer a marcha desta pequea co-
lumna
De sua parle, os Eranceze* afiara encarregado o
commandanle Jumonville, de com urna fraca e>col-
la de Irinla homens, drsempenhar cumu parlamen-
tario junio ao governo da Virginia t mesma missao
de qoe Washington algons mezes antes fura encar-
regado junto a elles. A pequea tropa Irauqoilla
jazia junio do snas armas qoando he dispertada a
eslavo/.: renlam-se. Debalde Juinouville allega
seu titulo diplomtico e prova -eu car.cler regular,
ex.iibm lejas inlimares de que he porla-lor para o
gorernador ila colonia. A nica resposla tai elle e
mais dez de seus homens rabino, victimas das balas
da Iropa que os havia cercado dorante o somno.
Era Washington a' (renta de suas companhias e de
algons Indios quem, sem aada alteoder, ordenara
o logo. Privados do seu chele e do tarjo de seus
companheiros por esta inesperada descarga, os l'ran-
cezes Hieram anda algons esforcos desesperados,
mas sucumbirn!
a grandeza do governo que elle ...ais que qualquer >s..alme..le nao s. entregoo se.,ao com reserva a su-1 monville vinha. nao ., sombra dos bosuT nem Ho
.oiilribio a fundar, desde a o collocan, em o nu- flrif5.es. e que as subordinou com pr.vencio ao | puc ,. confiado rep'ou o de n aMo V.o em
mero dos mais bellos exemplos consagrados mire os repooio fuluro de ua velbice? Pode-,, julgar, pela p|en dia, ^ ^ a Vencer e i ss, Irm
anhgos pelo respeilo das idade*; sua parlo he. pois, maorira porque elle perdeu aquella de lodos os seu* cheiramcnl. W." 1" %'eu-'*old" d" I*
familiares que mereca mais crer-se neces-arin a
sua felicidade privarla, da felieidade com que elle
sacrificara sem hesitar, ao respeilo excessivo que ex-
iga dos oulros e se dava a si mesmo, a uecessidade
secundaria de una amisade verdadeira.
o As radicas da lula e o habito de ser obedec lo
linham abalado o admiravel imperio que Washing-
ton adquirir sobre seu eer*c3o, e os olUelaes de seu
estado maior, aquell-s mesmos, cuja allivez llovera
ser poupada, linham as vezes de sollier de seu hu-
mor irrilavel e insceptivel.O coronel milln
era daquelles a quem a administradlo e o respeilo,
c al mesmo a ambieao, nao poden) fazer esquecer
o cuidado de sua propria digoidade, e cijos servidos
verl'lTrrw -.'Ur',,ar- m-se "'"" "."" i el'e enlflo eslava principio desda earreira mili- jragol-los
dfila?m.m T^^'^!^*"? *""* '" 1"e a VoleBO" aloral .le seu caracle
-le ordeus. no meio de seus rude* companheiros, era
usas bella, mas he para lamentar que seu tempera-
mento, sua educarlo, e lalvez o sangue do Norte,
que gxrara em suas veas, nao tenham feilo realcar
com um colorido mais vivo esta phisionomia auste-
ra : enlflo elle seria realmente um grande homem,
segundo o coracfln de Plutarco.
A alma de Washington mo era expansiva. Ella
era iielle o froclo da nalureza c da educarlo. Sua
mli, qoe enviuvara cedo, e que as lembr.inc.as do*
qoe a coaheeeram, nos rcpresenlam de urna gravi-
dade respeilavel, parece Ihe baver inspirado mais
respeilo que lernura, e, poto que elle fos.se irre-
preheuslyel no emprmenlo de lodos os seu* deveres
de ramilla, pode-se snspeilar algnma Meza na re-
signarlo puritana com qoe elle receben molida da
morte daquella mulher que s dirigi a sua inlancia,
e ll.c substituto lao cedo seu pai.
Por mais lerrivel e dolorosa que seja a perda
. on e seu
piiohc.io aeceita e assignada por elle rezava que a
iropa ngleza se relirjsse con. armas e bagageo*atoai
a morte de Jumouville era qoaliQcada ab. de assas-
sinalo. Aquelles que quizeiara salvar Washington
da homil.acSo de haver elle proprio sellado com a
sua :-ssgnalura esla ignominia, a legaran, que o acto
erarodigido em francez, como se aesla importante
Iransaccje que ia sarvir-lhe de salvaguarda estipa-
lando as c.i.veneoes trocadas, o nico partido aellas
inleressado l'osje lain!.-in o nico em uao poder com-
prrbeuiler-lbes o lermos. Triste apologa alias pa-
ra um homem qoe fazia gala em (na vainica de ju-
maitliacer eteripo nina Italia um u augurar qu
Hla stria tmprtSSQ
ve..lura podido contar no todo de sua vida, nao me-,
nos admiravel, nem e-*as facilidades de espirito brt-
loantes, nem esses nrremenos elctricos, que distin-
guen) a primeira vista na mullida., o homem supe- !
rior assignalado para a poslerldade f Nflo he nada -i
po-ler-se dizer que um I. -rn!.., de unem se nao lem
e-usa algnma a narrar, arraslou apo* de sr em lal
da o povo irresololo com sua voz aloqoente na Iri- !
bun.i, que elle em 1.1 balalba decidi da vlcloria du-
vidoia por um lance de bravura pessoal, que elle I
eolio em seu peilo de magillrado o ferro da plebe i
amotinada, e immovel paimaneceu no seu dever, I
que um hornea simples euiliui. honesto e (irme, ln-1
''gr.....obre, ensoluto, pode pelo feliz concurso j
de iodos esses ttulos eslimiivoli, obier na memoria
dos I.outens um lugar lo glorioso que nflo envejo
em nada o herois.no e o genio !
A rallar a verdade, da-se nos E*ladoso qoe se da'
as familias : nao ao sempre os prodigios que alo
se annoneiam pelas qualida.les as mais brilbanles
qoe sAo o ornamento, nenio apoio o mais solido.
ftiiem lizesse parallelamente nina lista dos grandes
espirito* de esperanzas, dos quaes as promoSHS pre-
coces ahorfaram ..'um* vergonhoss lohabilidade, ou
dos mritos interipados que deveriam ser a honra de
sen paiz, e teem sido sua mina, e a das disposicOei
modestas na infancia queleem prodazidn em sua ua-
Inralidade fruclos nlels, ou caracteres honestos, e
sem brillio, cupi desenvolvimenlo regular fez o es-
leta e a forca de sua patria, lalvez f.easse bem ad-
mirado de ver que einlim da contasa providencia
quiz quo o* suc;es*os d.na-lo'ir.n e a gloria real fos-
sem mais vezes ainda o galardSo de bom procedi-
menlo que do talento.
Se be um erro, perdoe-se-no-lo como innocente.
O orgulbo humano por cerlo resistir,, contra esta
prelencao de asimples virtude constituir a gloria.
llavera sempre bstanles espiritas vflos e pre-
sumpeoso* que eslabelecam sobre a superiondade
nconiesiavel de seu mrito natural seu direilo de
dirigir o* oulros, e de impnr-lhes a Imir.i \m. A-
pregoadoa sao na historia fomente eses geuios pre-
destinados. Mas nem sempre foram elles bem suc-
cedidos, c os temerarios que naufragaram nao li-
nham, assim como os uulrus, menos f na excel
leticia de seu espiritando sua eoragem e de suas lu-
zes. Nao, nao seja essa a punic.flo do orgolho; diau-
!e de Dos nflu ha homem necessario. Elle s una
vez poz em inovimaoto a estrella que se levanlou
sobre olledernplor do mundo. Ooaulo aos oulros, el-
le os e'colhe como Ihe aprai, grandes ou humildes,
denlre os ultimo* das classes ordinarias, ou ua pri-
meira da* inlelligencias superiores, para o* apro-
prtar a seus designios, os elevar ou precipila-lo*.
fazer deltas lligellosou salvadores : todo instrumen-
to podo Iransformar-sc em sua mao.
tem Vashiogten nunca se impoz pai da pa-
tria. Ella c.iiiieulou-se com ser da sua o fillio mais
snbmisso, mais dedicado e maisntil.
Longo de ler em mira .luminar as vonlades na-
cionaes para as amoldar a sua, applicou-se loda a
sna vida em esluda-las para c-m ellas conformar o
sea procedimenlo, es.io palriolismo mais puro pode
explicar todos os sacrificios que elle soube fazer-lhes
de suas opintes. e de seus seiitinienlo*. Se elle lora
um de**e espirita lleiivet* que, preoecupados de
sua furluua futura, anlucipadainente decidein-*e a
urna resignaban pacienta para chegarem a seu lira,
sna obediencia interessetra muilu perdera de seu
mrito ; mas elle ao contrario linha um orgulbo
nalural, que o revollava contra lodo o vislumbre e
desestima de sua pessoa ou de lent iliva conlra seu-
direitos. Logo no cornejo de seus servico* militares,
desde a primeira campanha conlra os Kralicczes, el-
le deu hem a prova. As autoridades iuglezas, em
vez de estimular com grabas particulares o zeta e a
bravura das milicias americanas, que ;acabavam de
ser-Ibes ulei*. asISbeleciara entre o sold de um e
oulro exereilo disliuccOes hum.lhaules, assim como
msolioham em favor dss iropas reaes urna prece-
dencia ollensiva para os olliciaes provinciaes. O co-
ronel Vashington nao trepidou em demitlir-se com
gloria escrevendo ao governo que, comoavaliasse
os seus trricos iguaes aos dos melhore* oflieiae*.
lomava em poni de honra nae os dar por me-
nos.
Em 17T(i, mudando as cousas de tace, e tendo
eulao os Americanos de combaler sob suas ordena
onlra aquelles.que, alguns annos antes, baraleavam
de urna mam-ira tao insultanle o prero de sea sau-
gue, e de sua preciosa cooperara, elle moslrnu ein
lodas as sua* relaces com seus novos immigos um
cuidado zel.Ko da dignidad* de qua se achava re-
vestido pelas colonias. Senda eslarero a sua honra e
a da sua causa |i0 estreilamenle unidas, qoe uao
se podia m-islrar negligente para cam a sua pessoa,
sem tallar o respeilo nacflo, a quem devia sua ca-
tegora e sea titulo. Sempre portadlo que teve de
tratar com os generaos ininngos, rgidos observado-
res da etiqueta inglesa, o avaros de suas formas po-
lutas para com os hurgeles rebeldes elles nao o en-
contraran) menos iugle que elles proprios por na
rigidez, nem menos genlilhomem quan:o as regras
do decoro, nem menos pichoso a respeilo das fr-
malas do protocolo. Elle acabou mesmo por corlar
toda correspondencia com elles le que, mslhor -
conreinados por nm revez qua Ibes moderou o or-
gulho, nao refosaratn mais tratar, n'umi razio mais
igual de general a general, com urna troca perfeita
de deferencias reciprocas.
Nao era s. dos ininngos que elle exigia o respeilo:
nunca.deixoa de o tazer em loda occasiflo com os
seus proprios olliciaes, e mesmo algumas vezes como
para com Uamiltoa excedeu os limites. Elle sabia
que seu conimamln pesara a alguns geueraes ciosos,
mais anligos que elle ua prolissao da* armas, e que
desejava.n reconquistar sobre um chele tiovico, pela
superioridade de sua experiencia e de seus servijos
anteriores, a superioridade ellecliva que a escolha
da congresso dera sobre elles a Washington, elcgen-
do-o chefe. Por vezes o experimentaran) ueile
ponto, mas si. cullieram novas humilhares.
Washington queria ser respeilado ; "elle o quera
nao io por propria digoidado, mas tambem por ese
amor a' ordem e a' diieiplioa, que o ajado.) tflo po-
.lernsameuta em toda a sua earreira civil e militar,
a orgaoitar o estado e o exereilo. Elle nao conceba
aulondsde sem obediencia, e, quando creo neces-
sario um exemplo para solidar entre os soldados de
New-Jerse) a dissiplina balada, marchou conlra
elles con: u.n corpo escolhido. os fe cercar, cone.e-
deu-lhes duas horas para refleclirein, os recebeu
snn condicao, e fez luzilar os ubecat.
Esta firmeza ioflexivel, a arrogancia e algumas
vezes essa allivez de caracler nao foram senao um
relevo dentis a' docilidade constante, com que elle
como cidadflo subordinou sempre suas paixdes e seos
sentimentos pessoaes seu patriotismo. Em 1T7(,
diante de lloslou. sua impaciencia pelas deloogas do
assedio, o desejo de encorajar suas tropas por uina
accao briil. me. o espirito ousado e emprehenledor,
qoe moslrou milita* veze* cam successo na direc-o
da guerra, c o a>so.no euilim de urna eoragem I) o
decidir... a dar o asalto contra a cidade e aventu-
rar ludo, como elle dizia, com um lanco da sorte.
Mas ceden as rcpresenlaci.es dos seus olliciaes e re-
utincioii a seu projeclo.
Em -eu proceJi.ncnlo poltico nunca obrou dille
rcnlemente; era menos orcupado ein dirigir a opi-
nifloqoe em preseoli-la ou lirma-la. He raaravi-
Ihoso ver u.n homem lao firme em seus principios
lomar nos detall.es da adniiiiistracao e-n tanta con
ideraeao o parecer dos oulros, provocar as objec-
Saria mais justo dizer-se que|S08*, convocar osconstlbos, e o que he mais raro,
Espontaneo e absoluto na direrrflo dos
- proprios negocios, confiado uasua perspicacia, e cer-
de urna m... escrevia elle a sua irmaa, rcla sempre ', i.VmTa^eoodo^?.6 ^ .*?*% 'Y'" .' """" rralicar contra a Iropa de Jnmonville .n acto si.ni-
a ensotado- de pensar que o ce a conservou ale ten **? '' e de destreza, Igualmente pro- ; ,iar|nI0 e c.....ra ,', J( lo a< .
uina idade que pones homens cxredem, e Ihe con- i T10 '''"' I"11"" Pn" guerra. De um cora- |,onr, mj|j,;lr
servou ale. o lim lodas as tacoldades inlellecluses, e -ao l"'lire e elevado, de um espirito collivado, frtil
todas as tarcas pbvsicas que se podem conservar aos ?,,l'r"..IJ.'i.'!: ',le."m Wlo
.lenla anuos. Essas cnnsderace*e a esperanca de
que passou a habitar mellior mundo, devem ensinak
a seus prenles a sujeilarem-sc aos decretos do Crea-
dor, o
Seria temerid.de ronjerlurar as vivezas de af-
feico que poderia revelar nclle o amor paterno na
educirlo de seas lilhos, pois que elle nunca os 1c-
xe. U pouco que sabemos de seus cuidados para com
o lilho de sua mnlber. e sobreludo para com os seos
sobrinbos, deixa duvidar s? esse senlimenlo excede-
i.a o limita de urna vigilancia amigavel o conscien-
cosa. Em lodo o ca-o ella uflo seria falla de fir-
meza a julgar-se pelo tom severo de suas reprehen-
soes ao pequeo Lanrence, seu sobrinho, que fugi-
ra do collegio para nao er castigado. I) pobre me-
nino nflo podia evitar do se-lo. 'porqoaulo a nobre
mao do proprio Washington ameae,a levantarse pa-
ra Ihe infligir a correccao de que elle fusira na es-
cola. Elle ainda accrc-ccuta oulras .une.ic .*, lien:
proprias a fazer refleclir nm berdeirn em esperan-
ca : a .Se ouvir dize. mais queixas la*, podes con-
tar que perders lodo o lugar em meu CONCHO e lo -
da* as esperatiras, que podes ler em mim para o fu-
luro.
l.'uanlo a historia .los amores de Washington, ella
nao he einmaranhada para os qie le*m de contar sua
>lda. Uma vez. aos dezesele anuos, elle experimeu-
lou por .. una joven escanta.lora, a eonhnda do co-
ronel Jorge l'airfax, u uma ptivoo que nao se mos-
lra bem viva, air.da que elle se qucixe que a a pre-
senca da bella das baixas Ierra* cada vez mais Ihe a
leava a chamma.ao passo quo se elle vveso mis re-
tirado das mocas, elio poderla miligar sua dor com o
es.piecimenlo deste casto e m-deilo amor. leliz
e.qiieciinenta que elle ja previa como um remedio
re. lo para seu mal !
Ahi lermlaam os amores conhecijos de Washing-
ton ; por quanlo haveria escrpulo em dar e-se no-
me ao genero de a.Iee5o raioavel e mo.lc.ada que
decidi de sua sorle, paasando um dia pela porla do
sei.d.or Chamhcrtayne, ein roja casa elle encontrn
madama Coslis, ou para charaa-la d'ora em diante
!, levando urna ordem, encontrar. Wasbuigtat. ?. ,e'.,ll;,mo,.sc,"ill '"ais dolorosamenle o golpe de
na oseada.En tcnlio que fallar-vos, Ihe d/. Wai
hington, v.nde ter comigo. A or.lem entregue, llo-
millun apressa-se em spresenlsr-se em
que cahiam victimas nossos bravos eampalriolas, e
que t.ilo trabamos podido deixar de reennbecer a
. primeira da anlipalhia nalnral, que Washington nao
casa uo ge- | ,-,to jim,|, ai-simular
tra^T.I^.leVh.biL om'SberoinVe % '^'T ?"e '"e '"" CU,,,,l"r"r S""e'i,,r '" "U .""^ ,,lire"' (,Ua""" a"a '"" "u-
' l lodo o Inumpl.io de sua causa, preeipilaram-no ,a | negocio, da repblica, que nao se julga mais aulori-
sado a resolver a menor dilliculdale por si mesmo :
elle lania-se, como om oulro homem, resolvido to-
dava na execuco, porm moroso em se deliberar,
escrupuloso e quasi supersticioso ua direceao delica-
da dos inleres'es de lodos.
ludo Ihe parela i.npurlaule em sua nova silua-
ejo, epor isso era vivamente agitado pelo pei.sai.ien
lo da responsabilidade que se prenda a seus meno-
res actos. oEu camiubo, se assim me posso expri-
mir, ein um terreno anda n.io Irilhado... Nada ha
quasi em meu proceder que nao deva ser um dia
invocado cuno um precdele. Esta idea me inspi-
ra ao roesmo lempo uma grande mira mesmo. e um ardeule desejo que lodas as no-
va* medidas sejam petfeitas o mais possivel..) E por
isso, lonas as vezes que se aprsenla nn comeco de
sua a-tministraeao um ponto dubo, vemo-lo. na-.
contente le se esclarecer com as lutes de seus con-
selbeiros olliciaes, dirigir consullas a Jax, a Madi-
si.u, aquelles de seus amigos cm cujo juizo mais
confia. Depois, qne.ndo elle lem obrado, interroga
a opinia publica por oulros amigos retirados do
n.oviinenlo -los negocios explica-lhe* com cuidado
o que n-o lora comprehandide; reclilica as impres-
soes falsas semeadas sobre a marcha do governo, e
assim permanece em commuiiicarao conslanle com
a opiniao.). p. i;',.
Nao sao estes, como se xi\ os passos de um ho-
mem de partido, nem mesmo de um homem de Es-
lado que resolutamente lenlll emprehendido por em
execur.H. una llieor.a prevismenle conhecida : os
sxdems *uppoem ciinhinares de ideas longo lem-
po debatidas e definil.va...ruta determinadas. Ora.
heduxidoso que sua inlelligencia nsse naturalmen-
te propria para .. coneepfOes especulativa*. Nada
revela, mesmo tas memorias, ou antes no diario de
sua mori'lade, aspirarles poticas ou um garbo de
espirito pililos..piuco. Sua edu.aco, relal.vamen-
de prtale.!.. iao extrema que, se he un. meio forja- le "' Tue parece, com a uecessidade de aclivldade
'o para levar a imitaran desses grandes exctnptas, pralica c suas preferencias para OS cooneeiroenloi
neral, na,, se deixa demorar -ei.ao i.a eVelo '"' l""ni"< '":S"nul" r,""","s "ncezes, mesmo
general Lafaxel.e, e acha Wasbinglon, nflj a'.b n ,tl'.l'T'.""! *,e"M "" '*. ""repidos e
nele, segundo sou costme, roa, no alto da estila ,;1."ece,i,.r"s ^a causa, porquai.lo desconfiava
dear irritado e impacienta. M 2.P.. """"r fj"! ""nluJ l-afaxelle, cujo
i Coronel Hamillon, ha dez minlos que me fa-
zeis esperar. I'allasles-me coi o respeilo. Eu nao
lenho consciencia disso, senhor, masj..' que aellas-
les bom dtzer-mo-lo, nos vos deixamos. Muilo bem,
senhor, a' vossa escolha. E cliesse. separaram. .. p.
Wsshigloo depois de relleclir, quis ler urna en
espirita Ihano e lealdadc cavalleirosa acabaran] por
Corear sna connaora e se imp.r a' sua estima, a
I-ranea, depois da morle de Jumouville al a pai
clandestinamente concluida conlra seui interesse
pelo presidenta dos Estados-Unidos rom a Ingla-
terra nunca leve que congratularle dos helios de
sen recoi.liecimenlo. Seja-no*. pois, pcnnillido
xv.si.igtnn Sepes de re lecl r. qu i ter iiina e.i ,,,,.,,: 7------- ^-j-- -, y~.r, .^.......... *,
Ircvis.a con. Hamillon, onde sem duvida Ihe expli- J'^TPZ,'! f "'"""" "vri,,l>c"lr '"-
caria esse movimen.o de vivaeidade ; mas elle en- ;'. "7,' ',', Ik a"'' esPeramos Te """
con.rou no orgulbo fendo de sen an ligo ajuda de \Z !"T''T.^'V; "'r J",,S '"""'
|0S
agora que nos felicitamos de enlrar no exame
litlos, que fundaram sua xerdadeira grandeza.
Domis, voluntariamente ennfessamos, parece-nos
que nao ha mislt-r maltratar ui grandes humen* de-
poi* de sua mor, lano em seu Interesar, como no
Interesse da humanidade. He o primeira movi-
menl'. das ..raees fnebres exagerar o panrgy-
rico, e spresenlar a' admiraeo universal m-.-leios
judant
ordens uma resolucao decidida de nao se expor mais
a.semelhanies desventaras. II..milln nao lie -u me-
nos, em mallas rircuuisiaiicjas, seu eonselheiro, e
na necassidade seu apoio.
Se Washington nao Iralava seus amigos cnm niai*
alleiieao. tambem seus n.misos nflo linham
esperar acha-lo menos inflexivel. hile apphr
major Andr, em eu extremo rigor, as le. rigoro-
sas da guerra. Poslo qoe a morle desse joven of-
licial inglez compromeilid.i por seos chefe.s em uma
miaste perisosa, e sorprendido, sem uniforme no
recinto das lorlilicacoes americanas, quando elle nao
rereiava expr sua vida e sna honra em servico de
seopaz, ua.ta lonl... de entrarlo ., joslica. nio
pode tadavia deixar -le lamentar que a ultima graca : Dn()rMrm^ frc,.....,
que elle imploro.! de uma ma.....
|e morrer como um soldad
dos
eir lao lcenle, qual
e nao como um la-
por seu novo nome, madama de Washington, joven drio na forca, achasse seus juize* inexoraveis e que
"Ovalas rica, como linda, e em lodo-enlido nm o exemplo do castigo l":es parecesse ncomplelo *e
partido as*Hs brill.anle. A narrara desta enco.ilro
decisivo n-lo lem um inlcresse bem romanesco ; mas
quando se Irala ds prender o coraelo de am In-mem
flltasse a vergonha. t Sr. Wilt narro esle episodio
inleressanU da seguinle maneira:
Poneos dias depois I7S0 ,a eoriosidade da gaar-
falba o elleilo excrdeu.lo o lim
Eulao veem-se logo os porfiados .lu\dadores, ra-
ra estril c malfica, inimiga lala de ludo o que he
gran le, de lado o que he bello, -!e lodo que os con-
demna pelo espectculo de sua superioridade, asse-
bxperholico panegrico,
aCciiare.ii-no ,le embar o publico, ainda que nflo
f'isse senao pela mentira de seu silencio, e, tirando
de*le esquecimeulo voluntan., um prelexlo plausi-
vei, para annullar u elogio, sua inal.gnidade re taz
enlflo em proveilo de suas pannos ra.enrosas a his-
toria .11 \ inu-le : que Inuinpho para a iuveja A
xerdaae. p*l
applicaveis, reslringio-se a u.n circulo de nocOes
elementares e de uma ordem l.lo humilde, que ella
nao loriara contribuida alias i collivar-lhe as len-
dencias n.ai- Iliterarias c mais levada*. Cada po-
vo cemeca por aecommodar sua inslruccao a suas
neeessidades, e a mais imples devia bastar enlflo
as colonias americanas, ouicamenld occopadas em
alargar inlinilamenle seus dominio*, e em lixar
n amespaco quasi illimila.lo os limitas decada um.
A tallura, a escripia, sobretodo o* elemento* das
malhemalieas e as tarmalas Jadieiarias boas de se
coohecer |para servir de garandas nu tramaccoes
parlieolares, formavam enlflo loda a aelencia do mes-
Ire e do diseipolo as escutas da Virginia.
Par melhormente saliSfazer aos deveres de sen
estado, \\ ashinglon, ti frcule das tropas do seu dis-
Iriclo, juntou ao depoi* es*a bagagem de inslroc-
(flo as-as mediocre um iipplempiilu de noe.'.ts mi-
litares bebida.....s principad ilvros de lctica que
Ihe vieram .s mflos, mas nao leve o lempo nem o
gosio de dar-s as bellss lellras. Elle nio sentio
a piivae.in, Bem Iflo poaco dssejou para os oulros
mais leileis estodos, mais do que nio lamento., a
falla para s mesmo. I alvez mesmn os repolasse
um lux iuulil, pcrquanlo na eduraeao dos seus
subr.olios pre-crev.a qoeduigissem sobreludo a
alleiieao ilellcs para aquelles .-tu los qoe os podan)
lo: liar apios para os negarlos asuaes da vida.
i ln.lo U'enlrs oulros mullos, dizia elle, sobre
urna boa escripia, sobre a ar.lb.nelica e as parles
mais elementares das malhemalieas. >.
Durante toda a sos vida, que foi tanga, Washing-
ton quando Dio servia nos campos oeenpava urna ca-
deira no rongressn. e lomou nec-ssar.menle uma
parle cnns.der.vel em Indas as .lelilier-i-r.es nesses
leinp-s la., abundantes deemorOese lao ricos do re-
sollados. N9o Ihe taltou, p.is,' occasiao de blllhar
pela palavra, se a naloreta ou o eslu lo o houvcssein
feilo orador, mas nunca elle deu-se a esle geueru
de illuslraca... e nada prova que para is fosse splo.
hile conleulou-se de praticar para s algumas regras
de proceder unplices e facis, qoe nao podem pas-
sar por preceilos de rhetorica, e que elle recommen-
da por seu turno a um de seas sobria nos rerenle-
menle sdmillido na convenci. O nico constlho
que le dar., se leudes o desejo de galibar a alleiieao
di assembia nc que falle* raras vezes, i somanta so-
bre assumpi... importantes, alvo qoa.ulo ie tratar de
negocios que interessam a leus rommilenles, e no
pr.meiro cso, que nlo deixes de bem po-suir-le de
sen assompto: nao exceda* o calor euvei.ieiUe, e a-
pte.se..la suas ..pinif.es com modestia. Bem que poss
arrostrar a conviccao, um tom imperioso sempre
ollei.de.
Seria nm nrobleai, histrico curioso de resolver,
saber o qoe leria sido da America, se Washington
josse dotado de todas a* qualidades bnlhantes que
Ihe faltaran). Ouanlo a nos, estamos convicios de que
no meio das infinitas dillicolda.les, qoe a liherdadc
nasccnle dos Estados-luido* leve de alravessar, as
maos de mu chefe ambicioso, ella leria terminado
no despotismo. ,\ soa salvacflo un grande parle, es-
leve em ser dolada a alma de Washington de lodas as
virtudes plansiveis e serenas, que raramente se alli-
am com os ardores de um espirito fogoso e de um ca-
rarler vehemente.
lia dous gneros de ambicio, uma he de uma
ordem mai elevada, a oulr.i mais commum. A
ambieao que homens eminentes, segaros da pureza
de seus menlos, poderam algumas vezes rcnfcisar
sem nada perder de sua consideraeflo, lie o in-
teresse ardenta de governar os homens no inleres-
*e de seus progressos o de .eu aperferomento. Esta
amhtca.i honrosa hasea-e na coi.llanca qoe pude ler
um pbilosopho na verdade da sua doctrina, u.n
homem de Estado na liil'alibilid.idc dos seus meio* ;
essa ambicio nflo he vulgar, ella leria mesmo pare-
cido suhtil a uma inlelligencia que nao era bastan-
te alimentada de esludos e meditaees philosophi-
cas para se sentir impaciente de fater passar suas
ideas aos tacto*. A oulra consista em elevar sua
fortuna tanto, quanlo ella pode subir n'um interes-
se de vaidade egoisla que faz contar por naia os di-
reitos de outrem. He aquella qoe faz conquistado-
res fura, e usurpadores no interior, ella oceupa
mais de melado da historia do mundo, e algumas
vezes com om Concert delouvores, que nao honra
a-i dt-e-rnimeuio dos homens nem a morali.lade da
crilica. (1 ambicioso que sabe bem succedido he
reciameule quasi sempre dolado peta nalureza de
goma .testas qualidades bnlhantes : espirito, co-
agem, perseveranca, qu dillicil hedtzer se ellas
orara noeivas ou Miniare* aos estados.
Esta ainl.ico culpavel, incompalivel com a nalu-
reza de Washington, leiia repugnado de mais a mais
a sua recluan.
Ilouve om dia em que a lenlneao leria sido gran-
de para am espirito menus firme e para um corac,flo
menos nohre. O amor do* soldados para com um
chefe constantemente occupa.lo em proteger seus in
leresses, a' conflanea qoe inspiran a Inda a nar,flo a
aduiinistracao experimentada de seu presidente, o
reconhecimenlo adquerido por tantas servicos pres-
tados por seu patriotismo, o horror a anarchia se er-
gua amearadora, ludo pareca congregar-se paia o
convidar a corear sua obra de sacrificio, contndo-
se a si proprio com o titulo de re que Ihe loi olle-
recido.
loi nene dia que Washington foi verdadciramcnle
grande. Em sua refusa houve alguma cousa mais su-
blime que a propria efosa : foi esse senlimenlo de
pudor e de confusao, onde parece ter lan.;ado uma
proposieflo descorlcz. O seu primeiro movimento nao
foi, como enlre as virlodes de lln-air.i-. rebentar em
censuras onnlra os que o jalgavam capaz dessa trahi-
cau : mas, foi de entrar em si mesmo, e com o rubor
um taces interrogar-se, se nflo leria por algoma im-
prudencia cm en procedimenlo dado cabimento a
esle engao injurioso, se elle nao merecer por inad-
vertencia a vergonha de uina tal honra.
I'oi com uma mistura de sorpreza c de dor que
alleulameule li os pensanienios que me submelles-
les. Eicai bem c;rlo, senhor, que nenlium acoule-
cimento nu curso desta guerra me ha lano aligido
como saber, por vos, que laes ideas circulan) pelo
ex-rcilo. Eu dero encara-las com horror e condem-
na-las severamente. Por agora licarflo ellas encerra-
das ein meu| peilo, menos que novas manifesta-
ees nao tomem a revela.;.. necessaria. Em va.) pro-
curo o qoe, em meu procedimenlo, pode animar
urna proposito qoe, a mim, me parece prenhe das
man.res desgracas q.. podem cahir sobre o meu paii.
Se nao me fac,o illusao a miin mesmo vos nao podies
echar, niugaera a quem vosios planos fossem man
dcsagraddveis.il
Eis a linguagem da virlnde antiga, da casta e p-
dica virtude, que so ignora a si propria, que cumprio
siinplesmeiiie e cumopur habito um dever de mais.
E logo, conformando seus aclos aua lincuagem,clle
desee do nico Himno, onde jamis se quiz assenlar,
da cadeira legitima da presidencia para se coalondir
con a multidao de seus concidados ; c nicamente
l'nes dirige, autes de expor o seo ltalo, e*ses adeoses
que elle chama justamente a saa ultima beujao aseo
paiz.
.. Da poltica que adoptaren) os estados depende
soa astabelidade ou sua queda. Cahtrflo elles '.' Per-
mauecerao elles em p Eis o que decidir se a re-
rolucao deve ser definitivamente olhada como uma
maldlflo bu como um beneficio. Eu lalve nao le-
nha o dirallo de examinar nesta caria se os estado*
devem ou_ uo delegar poderes mais ampios ao con-
gresso. Seja-me permitlido dizer qae se deixarem
ao congres.o o livre exercicio da* prcrogativasdeque
elle he incnnlestavelmente revestido peta constitui-
rn tu Jo calnra logo na confusao e na desorden).
Ap.eoderiamos eolio qae In um en--a leame.ito na-
lural e necessario entre os exce-sos da anarchia e os
excessos do despotismo, e que o poder arbitrario se
eslabelece sem costa sobre as ruinas de uma liberda-
de que degenera am licenra. ;P. OS
Para aquelles qne podenam crer qoe sem aspirar
dominar como Ixranun seu paiz, por um golpe vi-
lenlo on pelo successo hahilmeule preparado de
urna eulrgahxpocrita. Washington nflo era insen-
sivel ao prazer de governar um povo e de continuar
no exercicio do poder, bastara lembrar as circuns-
tancias numerosas, em que a fadiga e o dcsacoro-
.-.aineulo dirtgiao ao contrario seu pensamento para
a solidan de Mount-Vernon. Ouantas veles nao ex-
primi elle seu pezar, de nao poder mais cedo con-
sagrar eus dias ao repouso, para o qual sua aclivi-
dade nflo era feila, pelo menos ao ruidado de seus
inieresses particulares. Nao he esta o sonho de um
homem vido de poder .'
IJoando o campo esl mcrgulhadn no somno, eu
passo hem tristes ... -mentas em relleclir sobre a
nossa eiifadunha siluaeao. Bem vezes se roeanlu-
Iha i|uc en leria sido minutamente feliz, se com meu
arcabuz a* costas, me livetsa envolvido lias lileiras,
em vez de aceitar o commaudn ein laes circoms-
taucias, ou enlao se eu po lesse reltrar-me ao fundo
de meu paiz, e viver ii'utn wigxvam, sem teoier que
s posleri.lade e minha propria consciencia me ex-
probsWBtP esse procedimenlo. P. 8:1. i
i. Eu me lints envelhseer, dizia elle leflersoo
em 1793, minha saode est menos robusta : minha
msmoria que semiire fui mi, se enfraquece, e talve
aquelles que me cercam observem as oulras facul-
dades uma decadencia de que eu mes.nu nao sei dar
a razan. Esse temor me alllige, a minha aclivnlade
lem diminuido ; o* negocios lornam-se-me am pa-
so, a calma e o retiro uma paisae... Ninguem mais
do que en aborrece s ceremonias do mea cargo ; eu
nao icho prazer algum no exercicio das minha- luiic-
c/.es ; Dio son feliz sanio no *sio de minha familia
e o* meu* negocio* ahi me reclamaos. Minha pre-
senca n.io se taz mais necessana aqui ; oulros ha que
podem azer o que eu taco, tambero e mellior do que
cu. >. P. .SU.
E quando, em sua gazeta democralica, esse li-
bertino l'reneau, como elle o chamava, o denuncia-
va a nacao de querer mzer-sr o txramio, quando el-
le se va n'um dos libellos famosos inspirados pelo
jaruhino tieuel, rom .. i i i ti I o de exequi*. de \V as-
hinglon. rei e juiz.representado sobre uma guillo-
tina : Por Dos exclamava elle, quizera descer ao
lomillo. I., nflo trucara a minha liberdade pelo
ltalo de imperador do inundo, e aecusa-se-me de
querer ser rei.
Elle sempre vence.. e*sas lentaetas de re|rar-se,
que de lempos em lempos vinham avlvar-lbe mais os
desgastes da vida publica, lano que cru que sua
parle nos negocios importara a' salvadlo da sua pa-
tria. Nao se fez nunca um chamado as arma* na Ame-
rica,qoe osse elle logo om dos primeiros cm acudir,
Del es*a proroessa que .ichanius em uma toa carta
escripia a sea Irmlo, a qual poderia ervir de epi-
graphe a sua historia : .. Uinna esolura.. hem de-
terminada he consagrar a mu.ha vida e a minha Tor-
dilla a' nossa cusa. Alas, indas as vezes qoe a ra-
ros e curtas inlervalls elle p.i le rerobrar a -na chara
liheidade, sem faltar II seus devere* para cnm Ma
patria.que alegiia para ellec para loda a visinham-a
quand i elle reapparecia em sua casa ; a quando em-
lim livre da presidencia p.'.de-se crer com direilo de
gozar 00 campo nina vida menos turbulenta do que
em Philadelplila nu Bus aempamenlns, v se bs-
tanle pela desCripcao que e'le proprio nos taz do era-
prego socegado c uniforme de -eus dias, que, nesla
vida salisfeila,na., .eslava lugar para saudades .lo eu
passa.lo poder. Ea carta he enderecada, em 17!7,
10Sr. ileuiique, secretario da guerra".
[Continuar- se ha.
Parees que a mais alia loi coastrnida por Cheop*.
e que nao he possivel dar II.e menos de .1100 anuos
antes de Jess Chrlsto, posto que nem a Biblia nem
Humero nao tallam as px laroi-les,
Assim o* quarenla seculos nflo eram ama imsgi
naca.i do general Itonapa.le ; e enibora a maligni-
dada dos nossos soldados prelendessenao ve-las,nem
por isso deixain de s,-r reaes.
O sabio e exacto M. Wilkinson enlloca Suplns ou
Saophts, o Cheops dos l,rett.n, J|-J;| anuos antes .ta
era chrislaa, poca em que loi couslruida a grande
pxrami.ta, leudo sido a segunda e a lerceira qnas.
quarenla anuos de distancia cada urna.
Era esta tambem a poca ein que se liiml.iva o
primeiro imperio d'.V-sxria sob o bblico .Nenirod ;
mas nada havia na tirecia nesses lempos quasi des-
conhecid-.s, c eram necessarios anda cinco a seis
seclos ao menos para que se estabeleces-e o pri-
meiro reino de Argos.
A secunda pxrami.ta he de C-pbren, que era ir-
ma.i de Oheops, e a lerceira de Mencheiis, o lyea-
rino dos lirogas, lilho de Cheop*. As oulras Ha de
Pilara.>s menos famosos.
Se exista um fado cerlo. einbnra muilo extraor-
dinario, he qoe as pxramidc* su poderam ser rous-
Ir.tulas por meio de planos inclinados inmensos, so-
bre os quaes se rolasam successivamenle a* pedras,
ab--lulamente romo vimos em tS'lti o obelisco de
Louqsor esenrregar sobre o plano inclinado qoe Ihc
linham preparado, e dahi levanlar-se, Iriomphsule
t.ni os lcerces. Iudo quinto exceda ao sota fot
arrazado.
Entramo* em alguma* ranura* subterrnea.
em um. eo. que fumo* olirigado* a indar no e,
das troves da rasaron. coaaMnanes oa iiier<.giv,,|Hr,
u.ai del.cados e m-is elegaules de lodos, que pode-
n.os ver ; a. paredes lulei.ore. da ramera ... e-
Ireila onde e-lavamos, a-1...xai..-e totalmente ro-
bera* deltas, e eu desafiara a hal.ihuede aMdesrna
se ella q.nz-*se enlieler-e rom estes pa*atems*.'
a tazer alguma coo-a mais delicada e man rmt,m-
ladora.
Esta c.miara, cojo pavimenta estara r-modido BB>
vento do deserto, recebu cl...id.de por ama m^-
cie de <-hamine, onde trepam.e. de Bananas,
al. a no
A tali.pa-u, d* -rana, ,rol0>, .
direccflo de Mempln-, .. enc.nlra n phti.-e oaaaab.
le do Nilo.
Acha-'e em parte matitado mas oe lempo do Pti-
nio, qae o medio, .),, linha menos de OTes do al-
tura, a na sua pnsicAu acachapada tem man de leu
pe* de romprimenlo.
He em itrande parte lalhado na lociia, ano reina
nesle lugar, como elle rema deban-, ,\ ZZ
e do lomlo de Campbell.
As parles soperiore -.1- de podra* eslranha-
( propria rabeca lem |ior si ... *J ns de altara
lie dillicil sobir a p.irle superior, a ora an io-
ii.ui ,.o preparado, e dalo levanlar-se, Iriumphaiile *os amigos, que quiz tentar esta ia.i-.it.___~
depots de moilos esforcos, sobre seu pedestal di a. coadjuvado por oro rabe, xio-s* obriga-u7, ,,
praca da Concordia. nunc.ar sob pena de se despedac.tr. Pela no-a na*
Apenas, as calcadas egvpciis pelas quaes se con- le cnnlentamo-nos de admira-lu ca detuiio
dunam as pedras para ica-las, em vez de ler 300 Desda tH> o sphinge Acara meio orrallada na
ou ilM) pos de comprimenlo, linham I kllometin e areia, quo se .cumulara, denols dei algnns eacaSao!
m^',5' em lomo de i. e nflo ss deiiava v.r mais. ao nao
llerodoto c Diodorn de Sicilia tallam ne*las cal- ua altura de in |.es. '
cadas auxiliares e deltas anda se euconlrsin traeos Pernal om Ingles. M. Seotl e am llaliaaa V
v.siveis: sobre o solo. : Caviglia, |ue ro.ndatan, deseo'tarr.r Mnaanaai!
H. tlkinson reconhereu a da grande px remide c foram pagos da* sua redigas pela de-coberla da aa
sobre mais de 1,431 ps em linha rela, e quasi que templo, que se achaxi debiixo do col** e ao o*sa
poje allribuir menos de 85 ps do al- sa descia por uma escida cullocada entre' a. nern
lio .tii-,!,.
se Ihe uao poje allribuir menos de 85 pe de al-
tura
A da lerceira pxramide he actaalmentea niai ap
prenle
de diante.
A areia lem,
esta abertura
desde anana, obstruido aera
porem. indagantes man
Mas pirece cerlo que depois da coucloso da obra nosso compatriota Marietle, pcrmildra
principal' epagavam-se os vestigios das obras se-
cundarias que linham setvido para poder for-
mada.
Diodoroja linha feito esta observado ; e como el-
le o diz na sua linguagem melaphorira, parece
qae foi um Dos que as consunta, e que as eolio---...
em seus lugares p..r sua oinulpoleuc'ia, pois que
ninguem ve porque tueius a tii.io dos humens as pi-
de elevar, a
Estas calcadas deviam ser pela soa parte obras
considerareis.
A da grande pvramidc exigir dez anuos de Ira-
balho
.....Jal oatras 4*.-
coberlas, entre oulras a de orna esUlaa colosal de
Osiris, composta de -2S peda.;,., emblemticos aire
o quaes fui dividido, segando a rabota rcvrwia o
corpo do Dos. ojr
lie provavel que escavar/.es um pnnro parseverao-
les fariam encontrar novos Ihesoures; asas, eU-
escavaede- sao ...... dilliccis ne-le logar, e mai dis-
pendiosas
Quantas dilliculdadea muilo roa.ore I loa*M.
despezas mailo mais considerareis alo deveria cas-
lar o Irahalln original !
Parece cerlo qae o sphinge ora aos dolo ; e r-e-
!. lai mina* que sa encontraran! nos arredoroa!
tra reveslida igualmente de pedras polidas, sobre i penalmente diaole delle. ludo indaz a crer '-,,
Ihe ollercriam sacrificio*
as quaes eslavain esculpidas figuras de aniroaes
Acalcada da pxramide de Abourock linha 5,000
pos de cumprimeoto. Nflo era mais do que terco
do plano luclinado da grande pxramide.
Segunclu a (radieflo de que llerodoto se fizera
echo.e depois delle Diodoro, Pliuio e moilo* oolro*,
parece que Cheops empregou nula annos em cons-
Irui-la, e que he por centenas de mil que se devem
contar os opranos que ella oceupou ao mismo
lempo.
Nflo ha nada iocrivel em semelhanle asserraO; e
se jnnlarmos aos Ira bal bus sobre o lugar os das car-
reiras, mu longiuquas para o granito, uinguem re-
cusara a Iradtcao do historiador grego.
Elle ainda vai mais longe ; e segundo uma ins-
cripoao hieroglx piuca, o sustento dos operarios em
ceblas e em legme* devera representar nma sotu-
rna equivalente a .'i milhoes da nossa moeda.
Ora, ninguem vive soineule de legumes o ceb-
las, ainda no Egxplo, sobreludo quando se moviim
pedras como as das pxramide*, e se pode julgar por
esle nico artigo do que devia fazer o complexo de
lodos os oulros.
O eugenheiro qae eslava comnosco, o hbil M.
Mac-Clean, se eulrrliver.a>m calcular o cobo de pe-
dras que forma o todo da massa, e alllrmava qoe se
poderia boje, com os metas de que se dispe, cons-
truir uma tao cousi-leravel por i'i milhet de fran-
cos ; e islo quaulo a mo d'obra someule, sem con-
tar o prero das pedras.
Nflo coutesto clculos cojos elementos nflo lenho
bastante prescules para i.s poder verificar ; mas, ero
um lempo em que a mecheoiea devia estar lao pouco
..di .uta.ta e em que ludo se tazia pelos bracos do
homom, o prero devia ser muilo mais elevado, em-
bora a mao d'obra fosse nada, como he ainda boje
no Egyplo.
Por oolro lado lora um calculo bastante simples a
se tazer ; mas o nico elemento hxpothelico seria o
do transporte.
Se a pedra calcrea vinha de Mokallan, o semita.
o porphxro, o marmore, a sxcuita vinham da dis-
tancia de duzentas leguas, dr-Silsileh, no Alto-Enxp-
lu, e I.na mu dillicil avaliar, atada appruximaliva-
menle. o que um tal transporta p.Vle costar.
Nao se pode diividar, segundo lodas as tradic^e*
e as descuberlas rcenles do coronel II. Vxse, "que
esles imonumenlos grandiosos nao fossem "tmulos
para os re*.
Tem se feito sobre o destino deltas urna multidflo
de hypollicses mai* ou meuo* engenhosas. -
huir- multas osla he. a mais veto-imtl; e como
depois que o coronel 11. Vyse e llelioui encontra-
ran) a abertura, pode-se descer is cmara* interio-
re* onde deviam ser enllocados os sarcophegos, ou
ns grande p-xrami le. ou uas oulras ; como se encon-
traran) minios desses sarcophages com imcriproe
sulli-iend-nieiile precisas, ja na lie permitlido agi-
tar duvidas : as pxramides nao sflo senflo sepulcros,
mas devem ser sepulcros dos Phara.ii.
A mesma palavra de pxramides em grego nao quer
dizer mais do que Inmuta, por allusflo ao coslume
que linham os Cregos de queimar os seus mor-
ios.
Pela nossa parle, nao podemos enlrar no interior
da grande pyramide, embora a nossa eoriosidade e
a abertura diante da qoai passavamos a cineoenla
pes cima du solo nos couvidassem a islo mui viva-
mente.
Mas nos esqueceramos de muirnos de lozes para
penetrar as entranha* do monumento, e os rabes
que fazem proli.sflo de mostra-lo aos viajantes nflo
linham sido mais providentes do que nos.
Esprohramos-thes a falla ; mas tai misier nos re
llgnfr e partii sem descer a cmara ita ra.nl.a nem
a' do rei, revestida- ambas de uro granito admiravel
no meio desta massa de calcara : aviso para os fu
toros viziladores.
Substituimos esle exame inlerior qae nao pode-
mos fazer pelo de ootra pyram.de nflo acabada, qoe
foi descoherla tambem pelo coronel II. Vyse, des-
cuhrindo-a do meio da areia que a obslruia e qoe
elle chamou o lumulo de Carophell, como recordar.lo
do consol geral deste nome que Ihe prestara o >eu
apoio.
Eis-aqui o que he o lumulo, clnmido de Camp-
bell :
He um vasta buraco quadrado, qoe tem Ires pe<
de lado, pouco mais ou meaos, sobre 70 de pro-
tondidade ; he cavado no roche.lo perpendicular-
mente.
O primeiro quadrado he coucenlrico com oulro,
que lem 63 pes de larg... He separado do priineiio
por um rosas a pique, que lem 50 pes de profundida
de subre H ou ll de largura.
lem, pouco mais ou menos, a forma de .loa* ba-
cetas qiM.lr.el.i, das quaes a mais pequeua rabena
denlro da uulra, deixando enlre ambas sobre cada
face o esparo regotarmenle igual.
As paredes exteriores do primeiro buraco sao li-
ga-las de distancia em distancia as paredes interiores
da -.-gnu-la pur contratarles, que nflo sao man qoe
a pedra primitiva dcixa.la til qual era, e que nflo se
pude esvaslar emo o resto.
No fundo do primeiro huraco, e no meio, est
sarrophago, quo parece de granito, e quo esta' a-
berlo.
Sobre os lado* desla immensa escavacao de-r. -
hrem-se nichos desliuados a receber oulros sirco-
phago*, que deviam a empatillar o do Phaia
He mui perignso descer esta especie de caneia
expota ao lempo.
Sao neeassariaa coritas que se prca*lem slidamente
na parta superior, e he sempre. urna descida peno-
ss. Nenlium de nos a leuloo.
Par passar do primeiro quadrado ao segundo
sallar o fosso qoe os separa, he nece-sano ,er ajuda-
do pelos Arahcs, que carregam as gentes ou susten-
tan!. Mas he bom que a pessoa nflo seja sujcila a
vertigens. 11- rabes sallan) de um extiemo ao ou-
lro sem a menor dilliculdade.
Tal he o tmulo de Campbell. Evidentemente be
o fundo de uma pxramide une nflu tai acabada ; lis
o desenlio completo do sen interior, e o complexo
do* Irabalaos -uhterraneos qoe cxc-iam.
Estas trahalhos se execalam na pedra viva que ,e
encoulra nesle sitio, onde ella he anda soberlia, por
que o ulliino coiilratorta da cadea lil.vca eawga
qua*i al as margen* do Nilo.
Assim as pxramides suppi.e lanas Migas sob I
Ierra, quantas moslram na superficie du salo, e esta
prodigio fui tambem esqnecido.
icrer faaj m
Segundo as inscripc.te. sicrogxphica*. te a*.,
menta deve remontar ao menos" a I sanaanjana IV
islo he, 1 i) anno, antes da era rlnisU; e eoasa na-
da indica que seja esle l'har.,, qoe o Uve
triodo, se pur oulro lado a saa piada Ja as-n,.
se pelas oleran las espen lulas qoe elle fuera i
csupporsem exagerado qoe o sphinge he" ,.
contemporneo com as proprias |.vcamide,, par aa-
Iro lado se acha, em virlude da* ua dimenrae
ero harmona rom ellas, e quando o res lera to-
millos anota grandeza, osdeoses tem podem lar ro
presenlaroes Iflo rollossaes.
O qoe parece sobre lado ootavel aos ein* do Eaxp
lologos. he que o sphinge seis am id. lo de ai.,M,
de, de ordinario o sphinge nao he mai* qae an em-
blema da poder real; he feilo para recordar a lia) m
branca de um homem. e nlo a da ana des*.
Emlim nflo quero enlrsr em parlicatandatles a*.
bre ela queslflo, nem sobre ootra* marta*- o Itow
ta-me para rrsomir-me sobre as pvrimides a alga-
mas consideraros mui setaes.
llar l In lem v Sainl ilileire
Meml.ro do laliloxa.
Journal $iei Dthultt.
"-MAKiMCa.
A-sito lenho a conviccao que as tinas cmaras qae ___
se tem Iflo felizmente de.coueito na grande pxiami- nnr,,
de. mo sao as nicas, e elou admirado que'.indas ',
PAGIN4 AVULSA.
mwa 35Hs
Temos catre n o Sr. lokcrio, nm aV.
andes mais gigantescos que temo ri-sto, petos i
a corle, qu.-. em tudo be o termmetro do i
muilo o applaudio e admirou. Consta-nos, qoe
se no prximo dia 2 de .le/embro bou ver espect-
culo no Santa Isabel, elle lera de aprajrecer era ara-
na no Uescem-nascido.
A proposito : esse simulacro de rompo alna
dramtica, (porque companliia real s he aquella,
que vera, ou rio eslrangeiro, ou que lie bem ampa-
rada, cst-se rendo em apuros para spre-
senlar no dia 2 um espectculo coa mais ansia,
principalmente por ter de appareeer o busto de S.
M.. adianledo qual lem o Sr. contelbeiro de dar -
vivas do estylo: esta M vefyj0 em ap-co,j f^,^
uo quer t|ue acontis o mesmo que no paeaiia 7
du selembro no espectculo, no qaal foi visto ota,
(o imperial ornado de velhos trapos de sean ; o
llieatro demanda nessa noile illumina^ao dabnd .
uma banda militar, mellior dororacio do satao sra-
nico, onde tem os actores de cantar o nyrono na.
cional, algum (ogo para o principio do pipiana
ro, emlim, esses accessorios, que pede um da co-
mo o dia 2 de dezembro, em urna pr-ixinria rom
Pernambuco, em um lliealro romo o Sonta lanaa
com uma commissao rumo a actual !
Em Olinda esli ensatando no Moa tai r
u mais Ir.Ho fandango da vida fandangoqaer di
tet: uma sucia do borneas e mumere eos rinsa
de um tablado, que llicdao o neme de ronvr,
onde dan-am c canum como marujos lam am
gageiro, 'c que pouca vergonha '.) um padin i_
ricalo um vassoura, r^pecie de palharo oa almo
da fulganea : em loda essa saaenaae o tal naaVr
he extremamente ridicularisado pelo vassoara, que
tanto mais se slenla chistoso pan com padre,
quanlo mellior desempenha o seu papel. Eis
que quer di/er um fandango, que o povo applaaiiV
e afllue de lugares distantes para passar horas go>-
losas rusta das pulha- do vassoura dirigidas a.,
padre. Se as autoridades polidaes enteaiacaj, quo
esse diverlimento assim, segundo nos informam, be
muilo moral e edificante.... enlac loca o fan-lsn
go: arrilia, arriba gageiro CatMU a mai .
que quando ess.s personagens. voltam dos ensato .
praticam quanla casta de desaeaius ha ana qaeni
enronlram, e |las ras, mas isso he manat do
fandango....
Em um desses dias atirou-se a maro a
Varadouro, um prelo captivo, rom [iiiiniails V
suicidar-se felizmente cm tempu loi *al,o par
ranoeiros, que pertn estavam.
C.onsu-nos, que nma casa na ra ao *-
cantamenio f.'.ra destemadacm unta das nasie pa-
sadas lar um anno que a celebre coaaaanaia tiroquii por-se em campo ; a festa esta as
porta,...
Os artistas encarregado. .la obra da frente o
lorre da igreja do Carmo, pela ansiar jo V
verctii roncluido o trabalho lio imporunie sem a
menor desasir, pretenden) no dia 7 de ilmiaan
depois ilo acto da bencao do fronlispicio, dar pa-
tas ao Alii-uni, mandando cantar um;
com toda a pompa e solcmnidade. Parerrt
que os llevlos de \o-a Sonliora 4o Ormn. i
devem deixar de contribuir cum as aaa*
para um lim tao pi, quao justo. Cwsta-nos, qu-
o reverendissimo Sr. |iadrc provincial prc ta-sacom
a sua communidade a esse acto rom toda veataaV
e obsequios.
Pela estrada da coniam ha S das .loa
cayalleiros, era um mancclw g.ntil roas o sea jor-
kei du raiibues bramt.s e caxallo prcto; oVsraajra-
ram um naanaj ,.m aaa.aaj de rancho, algnn
momentos depois om cam|>one/ aaaaaaaa, n sen
arenque a paa, de rindi :
QaWo filiar rom o atfjMa !
- O que lia Iho IBBBaajfaj osle :
A carieira de V. S. que rabio em mmlta
in.lagar.'.es nao lenhain feilo descubrir novas. moro foi an.ioso ao gen.-ro-o a honrad*) aaaj
l'arerc-me mui provavel que os tmulo, da rai- I poner ; lomou a naranja
nha e do re. nao -ram exolad..*, e que se Ihe davam 'couro bramo ds Raaai
por conipaiiheiro* os lumulo- deprenles, onde1. i
grandespersonagem que agoar-lavan, nichos seme- tnU ll,na."'e,a ,l""a *
II...mes aos em que acabo de tallar.
nina grande rarlcira -le
; abrio-a Iremnta, e aan-
carii .lano am sa-pi-
Ac-rescenio oulra eenjeetnra a esta, llerodoto
pretende que a agua dn Nilo era r.uidunda por um
laqueduclo sul.lerraneo al o tmala real, enuco
1 cerca va.
Era *em duvida para prolege-lo por e.lc obstcu-
lo imprevisto, conlra as lenlatixBs lacrileui e tasa-
doras.
Verdade be que senao lem encnnlr.do nada lid o
prsenle, que posa continuar a sarmosiclo de lle-
rodoto. e por exemplo, nao ha vestigio am loda
a buii I e a hsspilalldade em pessoa. Em xao o
coronel preieu.tau pro.-..-uir tu visgem, allegando
ueporias ur'enta em W illiainiburi-, e nolieiaa im-
|.ortauii- a rammnnirai ao '.npr.ndor. tile gslj-
......' '" r""1'^"'" "...... le-" ''-lal I-- i"-' de*- erohora'no "pertilo'em
anlmr i u.ii- neta d
I Esta mu.;., ht -b
t-l.oi j xx 3 Ion Int.
grande homem.
anudas, i.tlvc/.
I Na p.s.ag.-ni de Monongshala, aparar de gri-
veinenle dnei.le;*e tal montar attavallo pata I,miar.
er u.n
ni Indos
masmo sen, ler a dita de passar por eswu risas vio^ ao lado d.. general IJraddorU.uat f... mono no con
lenta,, que oceaslonam ..--.e. brilhantaa, rasgos de bale, parta i... perigo. da arcio ; elle leve ..
Herosmo, palavra eloqaenle*. i nem me.mu lir por dos varados de quairn hallas edeu.
X r-li-
U..3 merlo .
CAUTA SOBRE O EGYPTO.
o rtaclor do Journal de* Dehali.
rtaem le estas obras enormes .' Ero que poca
foram tallas > Como poderam er construidas 1
I iuanlo cuslararo E.s ss nceteos qoe M agilan ao
aspecto desses prodigiosd'arle no Egxplo.
Para que serviam Qne orgulbo ts erigi .' Oue
miserias, que esfdrfoa mortaes na., lapporflol
Primeiro que lulo as pxramides da Ghiieh nao
sao as mais amigas; as de Dabshonr, de Sukkarah
I e de Ata.unI. aJinu.ta mai* aultgj., po:- rem.ui-
. taro a lerceira dxiuuaslia.
As -le (.Inreh .... da quino, -P devo cre na sri-
I i-ii-'.j .le l.liampullioii.
ro He s.-.iia<%.ic d.s-c
E-i in e-rio !
I a dinli.-iro P-rguntou-lhei o r,
na.
liarle estar crio...
'i> VS...
Sim, preferir... perder tajo o dinheiro, .1
que um:. aaMM aartaa. Contuu alguma*
que .'uiiiii em uir. .los bolsos ; estatam certa
escavacOes qne se lem feilo do canal subterrnea por liro" Olkte uina mu-Ja, e dando-a ao
>,n onde as aguas devesaeQ xir.
Ma, nao lie impossivel que ele segundo quadrado,
separado do primeiro por um f. o. ni r......nreei-
samente destinado a recebe-la ; e e-ia hxioih.-^
coofronlida com o facta Iraatecional ana nos c.,-
er.ou o historiador grego, |.aice-me equivaler a
una certa7a.
nc/. daSM
^
alona .. mc.t futuro '.
MUTILSDD
Enlre o pretos que irabilham na limpe/a
las na- da R-.a-Vista. um tu que, .-tguanlo nos
Mas^ataeouasasconjecluris.econlinnonomeu Taita "" """'"1"^ ? """**
caminho. guarda, os amnselhi para.... C>nx. m ter raenaln,
Ao oeste da grande pxramide, a ao nortada se- c nao d.-ixa-lo- um momento em ociosidad*.
qnla vasto. pasfiam pela raja anaal quando saht-m tls sata .
Sao grandes paraltaloi-ramroo-, artaajada* .me. !** Jifferenra fj/eru Jos mt-nitm r.ret.r.l. pn
lulos do. oulros, de.|u< >,..., .*.. Cas, OgM pedridj., fibsVMt, l-cl.tu. deSxvni-
liicameulc nu:


limo n nnnm quinta fika n m novFmiro de iii
poem-Se. Felizmenie sabemos dos nomes da lodos
ellos, ese continuaren] os seus mestres e pas sabe-
rlo quein sao.
Consu-no, que o Sr. Freitas Gamboa, ten-
ciont do dia 28 do presente, provar publicamen-
te no salo do Santa Isabel, a excedencia do rue-
lliodo Caslilho, e fazer 1er nina enanca, que l por
ouvir os ouirps lerem.
Uru costume perverso ni lavrando entre
us, que he preciso ter um paradeiro. Arvoram-
se alguns officiaes de juslica de mandados para co-
brar impostos, e bem que nos mandados venha
o nome de Joo, rom estabelecimenlo de charutei-
ro, fazem penhora a Antonio com loja de barbeiro,
e por mais que o homem clame que nao Ihe succe-
deu no estabelecimenlo, armam-lhe a Tolhaeada,
o pobre do padecente ou ha de pagar, ou ha de
pedir vista, etc., etc., no que gasta seus 505000
rs., ludo isto porque assim o querem certos ofticiaes
le justca, bem rotura as ordens do Illm. Sr.
l)r. Ucha, que honra lhe seja feita, nao tolera
malversarles.
Hospital de caridede 25 de novembro72
pentes.
Al amanhaa.
PortoBrigue portugoez oS. Manoel I, Hanoel este qneassignado polo sou secretario sera publica-
iSSTtaS^JLS "*- ^ dono-Diario^estacidadeealxado na praca do
PonoBarca portusueza Flor da Maiao, Manoel commercio com a lisia do que trata o rl. 5'. do
Jo HavreGalera franceza 01 leda, Lasserre A-Tiisct-1 Secrelaria do tribunal do commcrcio de Pernam-
frer*, .d'.'S saceos a-sucar inascavado e branro. 'u^n i _-ftMi i -<-.. t- i ^ j
LIvMpool-B.igoe ingle, iMe.n. John.lon Pil.r ** re novembro de 18ob.Joao Ignacio de
& Cuinpanliia. (l(l saceos sacar iimm-.iv.hIu. Mcdeiros llego, secretario interino do tribunal.
Liverpool(alera incleza llermione, C. J. Asile) Jos Jeronymo Monleiro.
REFAHTIQAO DA POLICA
Secretaria da polica de l'ernambuco 23 de no-
vembro de 1856.
Illm. e Exm. Sr,l.evo o conliecimenlo de V.
Km. que da* difieren!** parlicipacoes hoje receladas
nesla repartirlo, consta que se deram a seguinles
occorrenciis ?
Foram presos : pela delegada do primeiro dislric-
to deste termo, Manoel de Barros Oliveira, para
averiguacoes em crime de furlude cavallos, e os pre-
tos escravos Aotonto e I.uiz, por fagidos.
Pela subdelegada da freguezia do Recife, Ma-
noel Ramos, e o pardo escravo Manoel, por desor-
den), e a parda Mara Ignacia, par insulto.
Pela subdelegada da Iregaezia de Santo Antonio,
Manoel Jos Ferreira, SebasliSo uiltterme, e os
escravos Theodoro e l.nureulino, todos por briga.
Pela subdelegada da fregaezia de S. Jos, Joe-
pha Maria da Conceirao, por epaucainento.
E peta subdelegada da fregaezia da Boa-Vista,
a preta escrava Hortencia, a requerimiito de Maca-
rlo de Luna Freir, e Maria da .Concejero, por fe-
rimento.
lieos guarde a V. EvcIllm. e Exm. Sr. con-
selheiro Sergio Teixeira de Maeedo, presidente da
provincia.O chore de polica, Dr. Poticarpo Lopes
de Leao.
\ Cumpanliia, 1,700 saceos assucar mascavado.
xooriacao .
Liverpool eMaceiiiBricoe inglez Jane, de 409
toneladas, conduzio o seguiule : "J1H barricas ba-
calhno, 1,900 saceos macar.
Rio de Janeiro, barca brasileira uBrilbanle, de
287 toneladas, condu/io o segainte : (06 votames
generas eslrangeiros, 900 peora de amolar, 726 bar-
ricas assucar, 100 gralas espirito, 6 pexinhas e 30
denles de Ierro rundido.
Buenos-A)res por Montevideo, polaca hespsnho-
li oViageim, de 291 tonelada, enniluzio o seguin-
te : 1,820 votuuies com 13,679 arrobas e 10 li-
bras lie .--u.-.ir.
Parabiba, hiale brasileiro l-'lor do Brasil, con-
doli o sesuiule : 210 vulumes generas eslrangei-
ros, 2 rolo fumo, !l caitas velas de carnauba, 200
ditas cbarutos, 2 lata chocolate, 15 saccas arroz, II
ditas cal, i dita gomma.
KKCEBKDOKIA DE HUNDAS INTERNAS (1E-
RAES DE PP.RNAMBUCO.
Hendimantn do dia 1 a 93 19:5819867
dem do di26........ I53f2ti
afcostytti
CONSULADO PROVINCIAL.
Hendiinento do dia 1 a 25 38: 1619593
dem do dia -J6....... 3:0140290
11:5055883
Z&ODlmmtv do aporto.
Savlo entrado no dia 26.
Bueno-A\res25 dias, barca hespanhola oRosa,
de |K8 Inneladas, capitn Hablo Roig, qaipagrm
11, cari-a 109 toneladas de pedra e rea ; a Ara-
naga & Bryan. Pertenre a Barcellona.
Navio taido no mesmo dia
Liverpool por Macen iBrigne inglez Archibald
Steele. carga assucar e hacalhno. Passageiros,
Bento Joaquim de Medeiros, Manoel Joaquim da
Silva Leau, Manoel Josa de Abreo.
miut*.
Srs. redactores.Leudo urna correspondencia
pubicada no seu conceituado Diario, de hontera,
descobri phrases que ferem direcumenle ao juiz de
pazdo primeiro districio da freguezia de Santo An-
tonio, o Sr. Caelano Pinto de Veras, Conhecendo
de peno esse Sr., ojulgamos indigno de pralicar
actos como esses de que lhe faz carga esse Sr. San-
ios Porto.
Juiz recto a integro, cidadao ordeiro e imparcial,
o Sr. Veras jamis se tornara parcial em urna
causa de grande valor, quanto mais n'uma to
raesquinha.
Tendo sido chamado, peranle o Sr. Veras, esse
Sr. Santos Porto, pelo Sr. Dr. Casanova, nao com-
parecen como lhe incumba, e sim mandn um pro-
curador, que, durante a audiencia nao provou a
nao existencia da divida, nom negou as asserces
do Sr. Dr. Casanova, e nem combateu o juramento
dado pelo mesruo Dr., pelo contrario, limitou-se
;is banalidades de uma conciliacao. O Sr. Veras,
com a rectido que lhe he propria, decidi a vista,
de nada se ler provado em contrario, q"ue esse Sr.
Santos Porto, nao s pagasse a quantia pedida,
como, alm disso, indemnisasse s custas,
Eis o como o facto se deu, e nao como se nar-
rou ad-hoe na correspondencia ; o publico justi-
ceiro, que, apreciando o fado, julgue e decida.
Oamigodajusticu.
Ipubticacocg a pMbo.
VERSOS.
I
A roda da felicidade
A' meu bem constante gyra ;
Nada a faz retroceder.
Feliz iioem por Jeaos aospira.
II
Feliz quem por Jess suspira,
Com Iiiki, vigor e r,
Pois que couslanteinenle
Tiaz seo corno e alma em pe.
III
diego a ser tao venloroso,
i.i' nao tenho um s inimigo,
I-, assim vivo aqu contente
Sempre rindo, e bem contigo.
IV
QaMM soininha inlenc,oes
S bem sabe o Omnipatente,
Se ellas silo oq ndo maldosas
Che esta ludo bem patente.
O chefe da primeira seceo do consulado
provincial, servindo de administrador, em virtude
do disposio no art. 3 do regulameoto de .3 de ju-
Ihod) 185*2, faz publico que se acham deposita-
dos, no deposito geral dous escravos, Antonio, na,
cao Cassange, idade de 35 a 40 annos, Clorindo,
nacao Congo, idade de 40 a 45 annos, com urna
belida no olho esquerdo apprehendidos pela polica,
os quaes sao considerados bens de evento, por se
desconher seus donos, e para qne seja cumprido o
que contemo sobrediio art. manda publicar pela
imprensa, para que no prazo de 60 dias compareca
quem aos ditos escravos tenha direito, (indos os
quaes se proceder a arrematarlo pela forma deter-
minada no art. 4 do citado regulamenio.
E para que chegue a noticia de todos mandei
passar o presente edita!, aos 12 do uovembro de
185G.
Theodoro Machado Freir Pereira da Silva.
&
Edital.
e

q
o

Ordem transcripta do Diario do Rio de Janeiro,
n. 241 de 4 de setembro de 1853.
A' Ihesouraria do Espirito Sanior declarando que
nao procede a dirvida de que trata o officio da 17
de abril, litando approvada a deliberacao do presi-
dente pelas re/.oes jurdicas com que a jusficon.
As cmaras municipaes nao podem dispor dos
terrenos de marinha, como bens de que trata o
art. 42 da le do 1' de oulubro de 1828, porque
clles lhe naoso concedidos em atora ment nem doa-
dos,masapenasreservados para servidaopublica.quan
doasmesmas cmaras osjulgam para issonecessarios,
odesde uue o nao sao e ellas asim o declaran),como
o fe/, a da capital, tomam a natureza de devolutos,
para serem aforados pela fazenda a quem os pre-
tender, se oulro destino nao Ihes he dado, podendo
ode queselrala ser concedido emaforamento aoin-
dividuo a que a presidencia inandou passar carta.
rilACA DO RECIFE 26 lE NOVEMBRO AS
3tiORASl*A TARDE.
Cola^Ges olllciaes.
Cauros seceos salgados:I00 r. por libra.
r'rederico llobilliard, presideule.
/'. Horges, secretario.
CAMBIOS.
Sobre Londres, 27 3-1.
< Poris, 316.
Lisboa, 98 a 100 por ",l de premia.
ii Rio de Janeiio, Ida 1 par Oto a 15 e 30 das.
Acedes do Banca, 10 a 15 de premio.
(i ti companhia de Beberib 549000.
u compauliia Pernumburana ao par.
a a Utilidade Publica, 30 srcenlo da premio,
a ii Indemnisadora. 52 iaera.
'ila estrada de ferro 20 por 0|0de premio.
Disnonto de lettras, de 7 a 7 Ib por 0\Q.
Dito do banco7 a 8 por Ojo-
D'.iro.Onra hespanholas. 289 2HS500
Mneda de 69100 vellias .... 169000
b 69100 novas .... 169000
49OOO. .i.....9jO00
Prata.Pataces brasilpiros.i.....-ijOOO
Pesos coliimnarios. j.....^ioii
meiicanns. .1. I986O
Pelo pi senle faro publico, que
todo o cscruvo encontrado as 1 uas
desta cidade ou as estradas dos
arralaldes da mesma, depois do
toque de !) Iioras da noite, sera'
preso erecolliidoa casa de deten-
cao, e castigado namanhaaseguin-
tecom50paloiatoadas, salvo seos .
escravos apresenlarem bilhele as- ^
signado pelo respectivo senlior, de-
clarando c|iie vai a' seu servico. $$
O presente edital sera' observa- %
% do pelos agen tes de polica, passado @
^ o prazo de (i diasque, licam mar- $
cados para que chegue esta prov- i
aa>-; dencia ao conhecimenlo dos do- S
nos. ^
n Secretaria de polica de Per- Q
B nambiic.o*20deiiovembrodel85(i. (g
S O chele de polica, Dr. Polvcar- fi
5 po Lopes de Leo. 3
O Illm. Sr. inspoctor da thesouraria
provincial, em cuinprimento da resolucilo
da junta da l'azenda da mesma thesouraria,
manda fazer publico quu no dia 27 do cor-
rete vilo novamentc a praca para serem ar-
rematados a quem por menos lizer os con-
tratos seguintes.
Fmpedramenlo do 20 lanr;o da estrada da
Victoria avahado em 5:909c7OO.
Dito do 21 lanco da mesma estrada avaha-
do em 8:6959500.
Lanco da estrada entre a cidade de Goian-
na e a ponte de Bujary avahado em 13:4319.
Conservaciio permanente da estrada da
Victoria, por tempo de 10 raezes, avahada
em 8:5009.
Dita dita do sul, avahada em 8:5209.
Dita dita do Norte, avaliada em 2:288**.
E para constar se mamlou allisar o prsen-
le c publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
l'ernambuco 14 de novembro de 1856.O se-
cretario, a. V. d'Aniiunciacao-
O Illm. Sr. inspector da thesouraria
provincial, em cumprmento da resoluto
da junta da fazenda, manda fazer publico,
que a obra dos reparos da ponte de Pirauhi-
ra vao novamento a praca para serem arre-
matados a quem por menos lizer no dia 20
do crlente mez.
E para constar se inandou aflixar o presen-
te e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pcrnamhuco, 14 do novembro de 1856. O
secretario, A. F. dWnnunciacao.
O Illm. Sr. inspector da tliesouraria provin-
cial em cumprimento da resolu<*o da junto da fa-
zenda, manda fazer publico, que as arrematacf.es
das obras do riacho Piraubyra e do Brunzinho fo-
ram tranferidas para o da 27 do crranle.
E para constar se mandou aflixar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 22 de novembro de 1850.O secretorio,
A. F. da Annuncac,o.
Jos Joaquim Dias Fernandes.
.los Pires Ferrara,
Joo Ignacio de Medeiros Reg.
Joaquim da Silva Lopes.
Jos Rodrigues Pereira.
Amonio Valeniim da Silva Barrera.
Gabriel Antonio.
Jos Antonio Basto.
I.ui/. Antonio Siquera.
Joao Pinto de Lemos.
Jo.io Pinto de Lemos Jnior.
Jos Velloso Soares.
Elias Baptista da Silva.
Joaquim Ribeiro Ponles.
Manoel Goncalvcs da Sjlva.
Manoel Dnarle Rodrigues.
Jos Candido de Barros.
Jos Leao de Castro.
Manoel Ignacio de Oliveira.
Joao Jos de Carvalbo Moraes,
Vicente Jos de Brito.
Jos Pereira da Cunha.
Manoel Joaquim Ramos c Silva.
Francisco Accioly do<">ouveia Lins
Manoel Alves Guerra Jnior.
Jos dos Santos Neves.
Antonio Francisco Pereira.
Caelano Cyriaceda Costa Morena.
Antonio Jos Leal Res.
Gamillo Pinto de Lemos.
Bartholomeu Francisco de Sou/a.
Jos Gomes Leal,
Vicente Alendes Wanderlcy.
Jos Francisco Lavra.
Joaquim Jos da Costa Fajozes.
Est conforme,Dnameriro Augusto do Reg
Rangel, no impedimento do ollicial maior,
CNSELHO ADMINISTRATIVO.
O conselho administrativo, em cumprimcnlo do
art,22 doregulamento de 14 dedezembro de 1852,
faz publicc que foram aceitas as propostas de Gui-
Ihertne da Silva Guimaraes, de Jos Francisco La-
vra e Manoel Francisco das Chagas para fornece-
rem.
O I.* 25 covados de casemira azul a 29-100,
2.r>4 covados de baca verde a 640 res, 1500 di-
tos de dita a 035 reis.
0 2-, 729 covados de baela verde a 600
reis.
0 3*. 439 pares de sapalos feilos na provincia
a 1.-800.
E avisa aos supraditos vendedores que dovem re-
colher os referidos objectos ao arsenal de guerra no
da 28 do crreme mez.
Secretaria do conselho administrativo para for-
necmento do arsenal de guerra 20 de novembro
de 1856.Bernardo Pereira do Carmo Jnior, vo-
gal e secretario.
CONSELHO ADMINISTRATIVO.
O conselho administrativo precisa comprar 01 oh-
jectoi se^oinles :
Para o meio batalhao do Cear.i.
ll.'llainU de forro, covados 00 ; oleado para dc-
liruru. ditos 10 ; colxeie* prlo, purs 5(10 ; boles
brancos de osso sramles, rozas 50 ; ditos dito de
dilos pequeos, dilas 60 ; ditos prelos de dito, dito
li.
Companliia lita do cavailaria.
Cableadas de couio com arrala de couro cru
61.
Provimcnlo dos nrmazein do Aisrnal de Guerra,
oflicinas de I." e 2.a classe.
Costados de amarello, 6 ; (aboas de MMMllM de di-
tas, dulas ( ; pitia inarlim, rolo i ; travs de sien-
pira rom .o palmos de cumprimento, e !> pol. de
face, 3 ; arcos de ferro de 2 pol. e meia de larg. ar-
robas 10; ferros de plainas com capas de 1 e .'t| de
pol. ingleza de tare, -i ; dilos sem cap de 1 e 1|i
de pol-. iugleza de laig. 6 ; verrumas caibraes, du-
zias 4 ; dilas eaiiaes, duzas i ; ditas ripaes, ditas X
ditas de guarnirlo, dilas 1 ; piejos ripaes da Ierra,
milheiros 10 ; serrotes de lina. 6 ; dilos de inAo de
26 polj. de comprimento, 12 ; equadros de aro,* 6 ;
cabos de linho velho, arroba ."iO ; oleo de linh.ira,
dem ."> ; verde crome, dem :i ; rozo Ierra, idem I ;
arcoa de pun r.om na eompelriitM ferros, '2 ; ocre,
arrobas :l ; serras de mo de 26 polesadas de com-
primento 6.
Ollicinas de 3.a classe.
larra-hi inglesa del \\-2 polg. ( 5|8 com seus
compeltnies apparellios, 1 ; safras grandes, 3 ; fer-
ros sueros quadrados soilidos de 5|V a 5|S '|'|. 10.
5.a classe.
Sola branca garroteada, meios 300.
Furiieciinenios de luzess estaques mililares.
I'ios de algodilo, libra 30.
Presidio de Fernando.
Farinba de mandioca, alqueires 600 ; aletria, cai-
\a I ; vinho tinto, caadas, da medida nova 10 ;
agurdenle branca, ditas da dita. 20 ; araruU, arro-
ba I ; tapioca do Maranh.lo, arrobas 2 ; papel ai-
maco, resmas 6 ; ilito'pautado, dilos I ; tinta de es-
crever, garrafas 10 ; madapoln, percas 6 *, baran-
does de cera, 12 ; peira d'ara I ;gallielas com pra-
tos de vidrn, i ; sal refutado, selamim 1 ; folhioha
latina de 1857, 1 ; dilas de algilit'ira de dito, 2 ; ca-
ivetes lions, -1 ; ba'ta encarnada, cov. 1-2 ; prensa
de Ierro para fazer farinba com 2 furos de so-
bresaliente, 1 ; pregos caibraes, milheiros 6 ; dilos
caiats, ditos 6 ; dilos ripaes dn Keino, dilos 6 car-
vito de pedra, toneladas 2 ; caibros, 200 ; arcos de
ferro pdia pipas, arroba \ ; bren, barril l|2 ; vas-
souras de piassaba, 20 ; CDgaloM, 20 ; esleirs para
as mesmas, 20 ; pis de ferro, 12 ; cabos de linbo
para drira, peca 1.
Botica.
Acido nilrico, libras > ; aquilao gommado, idem
1 ; campliora, idem X ; calomelanos, nucas '1 ; crio-
sol, onr.c j ipecacnanlia pela, lib. I ; raz de al-
ela, arrolla I ; resina de aogico, libras 8 ; polpa de
tamarindo, idem 16 ; salsa parrilba, idem 32 ; espi-
rito de salamoniaco, libras 2 ; cvanorel
sium, idem 1|2; oleo de lima, dem I
magna, talas 2 ; fundas duplas, 10 ; dilas do lado
direito -> ; dilas de dilo esquerdo, 15 ; cicota ein
rama, libras i ; espirito de terebenlina, idem 8 ;
emplastro estomtico, dem 1 ; pomada mercnrial
de partes igiiaes, turas 8 ; viitro de ventosas surti-
dos, dnzias 6 ; rollias de cortica sorlidas, millici-
ro 1.
Ouem quizer vender aprsente as snas propostas
em caria fechada ni secrelaria do conselho as 10 llo-
ras do dia 5 de dezemhro p. futuro.
Secretaria do conselho admimslralivn para forne-
eimenlodo arsenal de guerra 36 de 1856.liento
Jo- Lamenha Lins, corunel presideule. Iteruardo
Pereira do Carino Jnior, vogal e secretario.
\ CRUDA oASTQ084
0 BIGDO S0MN0LENT0
He e*le o espectculo que vai ser presentado ao
Ilustrado publico desta cidade, de quem esperam 1-
colbimenlo.
Os bdheles podem ser procurados em casa da be-
neficiada, ra de Murtas, sobrado n. 70.
Principiar as horas do costume.
%tviM Wmlmrt.
Para Lisboa segu rom breviilade, por ler a
Lcilo
(1 agenle llnrja fara' leil.lo em seu armazem,
na ra do Colleglo n. 15. de urna inlinidade de ob-
jectos de dillerenlis qu.iliilades, conaislindoem obras
de marcmeiria novas c usadas, varios panos, obras
de oujo e prala, relogios para nlgibeira, dilos ame-
ricanos, de parede, Mpelhoi, luilre, lanleiuas de vi-
drn, candelabros, opliinos quadros, camas de ferio,
marmores para mesas redondas e consollos, mesas de
marmore, lou;a e vidros para mesa.e urna porc.o de
linissinias quinquilharias francezai, etc.. etc. ; MtM
mesma occasiilo fara' tamhein leilao ile orna excel-
lente mobilia de Jacaranda', lodos os mais arranjos
coiicernenles a casa, e quatro oplircos escravos nio-
maior carga prompla, a barra porlugueza Maria Jo- i C01- ,lc bonitas figuras, de ambos os sexos, perten-
aei>: para o reslo e passageiros, para o que tem e\- rentes a una pessoa que rehra-se para lora da pro-
celleules commodos, Irala-so com Francisco Severia- vincia : quinta-lcira 27 do correule, as II horas da
nu Kalicllo <\ Filbo, ou com o capitn na praca.
Para Lisboa segu em poucos dia, o brigi-e
porluguez l.aia III. queja pouca carga lhe falla :
para carga e passageiros, para o que lem excellente
commodos, Irala-se com seus consignatarios Fran-
cisco eversano iiabello ,\ I illm, ou com o capitn
J. J, da Costa, na prara ou a bordo.
ro (le Janeiro.
Aleo fim da presente semana pretende seguir para
o Kio de Janeiro a veleira barra brasileira Saraiva,
tero prompln dous Ierro de seu carregamenlo : pa-
ra o reslo e escravns a frele, para os quaes tem ex-
cellentes commodos, Irata-se com o seu consignata'io
Antonio I.ui/ de Oliveira Azevedo, ra da C'iiz o. I.
Illa lili.i 1.
Real coiupanliia
(jiiees iuglezes a
do jia-
va por.
Leilo.
O agente Pestaa fitra' leilao, de gran-
de porrao vas c usadas, inclusive diversas oliras de
ouroeprata, relogios patente, coi rentes
de 01110, colheres para cha', dilas de si>-
jia e mititos outros olijccios que estaro
patentes e sent vendidos a vonlade dos
compradores: sexta-feira 28 do corren-
te, no sen armazem na ra da Cadoiado
Recite 11. 55, a's II horas da manhaa.
folliiitlias
PARA 1857.
Ai liani-se a' venda as bem condecidas
(olliinhas, impressas nesta typograplaia,
das seguintei qualidades:
F01.II1MIA RELIGIOSA, contendo alm
dos ine/.es, t biUiotbeca do christao
que se coinpni' <|
oeposilo de pia-
nos fortes
HAS MKI.IIORES IAIIUICA>:
1111 casa de Timm .Momst-n A Vinnai.i,
piara do Corno Santo 11. 15.
Precisa-tede um rapsa para masjti
pni' de ora-1 de uma rusa esiiangeira : no Cor**- S.in
" to n. 15.
tbt>$o& &i*et&o&.
Alo o fim d o mez espera-se bm dos vapores di
real compaoliia, o quai depois da demora do cos-
tume seguia para o sul : para pas-ageiros ele,
Irata-se com os agentes Adamson llowie \; Com-
panhia.
AO RIO DE
Janeiro
segu com brevidade o briguc
nacional MARA L17.IA, capi-
tao Joao da Silva Moraes : tem
grande parte do seu carregamento promp-
] to, e para o restante trata-se com o con-
signatario Antonio de Altneida (lomes,
na roa do Trapichen. 16, segundo an-
dar.
Maranliao e Para
*%t opalbabote nacional LINDO PA-
-zML\ yUETE, cnpitao Ji.sc Pinto Nu-
nes, ya seguir com brevidade, pode ainda
rngajar alguma carga ; tiata-se com o
consignatario Antonio de Altneida (ornes,
na ruado Trapiche n. 1(1 segundo andar.
PAKA O PORTO
segoe com brevidade o superior brigue nEsperanzan,
novo, da primeira viagem e forrado de cobre ; para
carga e passageiros, trata-se com Barroca & Castro,
na roa da Cadeia do Kccife n. 1, ou com ocapilao
na praca.
de Janeiro.
Segnc no dia ~ do mez correte o palbabote I e-
*ius, aiuda pude receber alguma carga, e escravos a
frele : (rala-se com Caelano Cvriaco da C. M. Da
roa da Cadeia do Recife n. 2.
de Janeiro.
Vai seguir com brevidade o palbabote Vieiade,
para carga passageiros c escravos a frele trata-se rom
Caelano Cyriaco da C. M., na ra da Cadeia do Re-
cite n. 2.
Para Lisboa a
O patacho porluguaz aBrilliantco, capitn An-
tonio llraz Pereira, saldr' com toda a brevidade por
ler a mmor paite da carga prompla ; para o reslo da
mesma Irata-se com o dito na praca, ou com o con-
siguatario Domingos Jos Ferreira Goimaraes, na ra
do Oucimado n. 35.
PARA LISBOA.
Vai sabir com brevidade a barca porlugueza nLi-
geira, bem conherida pelas uas viagens ; para o
reslo da carga e passageiros, Irata-se com os consig-
natarios V. A. de Souza Carvalbo & C, largo du Pe-
lourinliu ns. j e 7, 00 ao capilo Rapbael Coiicalves
Branca, na praca do Commcrcio.
Para o Cear
o hiateNOVOOLINA, mestre Custodio
JoseVianna, linda recebe alguma carga
para completar o sen carregamento : a
tratar com lasso limaos.
Conipaiiliia brasileira de
paf|Uetes a vapor.
brasileiro,
Cflcscpiotidianas, melliodo de assistir a
missa e confssao; cnticos, psalmos,
li\ rnnos, ollicio de Nossa Senliora da
Conceic^o e muitas outra* oracrJe de
grande mrito, pceo...... 520
DITA DE VARIEDADES, a qualalm dos
mezes, conten artigos de agricultura,
noques de sciencias, artes, lei dos cir-
cuios, tabella de impostos, e rcgiilamen-
lo deafericao, etc., etc., preeo. 520 ,
DITA SIMPLES, contendoale.n" dos m(,, ^^ihin deltM.- d.m tn,,-s.
lei dos circuios c varias tabel- L",z Antonio Vieu-a. Manoel Joaquun R.i-
imposios geraes, provinctaesel
municipaes, preco........ 2i(l!
Os directores da otn|>anlii- gurOS niaistintosI lilidade Publie.i ,
novamentc coiividainaus Si>. accionistas,
para companverem no ct< riploiio d.
mesma comftanlua, ra da C.idei.i dn
Recite, no salilado '.l do corrcnli W
meio-dia, lim dse dai e\e*ue.io a 'ilii-
ma parte do art. H dos essatssttos. ieafe
/.es, a
las de
DITA DE PORTA, a quat alem dos me-
zes tem explicaces das indulgencias e
excoinmunhes, etc., pico. 1(1(1
DITA ECGLESIASTICA (ou'de padre),
elaborada pelo Rvd. Sr. Penitenciario
da Se de Olinda, segundo as regias
da
AI.KANHEUA.
Kei'diroenlodo dia 1 a i. 1. .
Id.ni do dio Jii .
i:ll:-2ffl():l
39-.-at900
i70:Ji:iS9:W
t&ttlmw,i0&<
Os senbores que arremataran! laidos de con-
gues pblicos na cmara municipal do Recife, coin-
parei-am na casa da mesma .cmara com seus fiado-
res, para assianar os respectivos termos,O secreta-
rio. .Manuel I'iTicira Accioli.
Defarretam hoje *7 de novembro.
Bngue inglezpriendamercaduras.
Galera imtletaBonitaidem.
Barca americanaAmandafamilia de trigo.
Barca americanaC. E. Tajidem a cha.
Polaca heapanhol*Culebravioltos,
Brigne brasileiroFall Heslinofarinba de trigo.
I1V5PORTABA O.
Samaca hespanhola Culebra vinda de Barcelona,
consignada a Aranaga (\ Br\an, manlfesloa o se-
guinte :
III pipas e ii mcias ditas vinho ; ao capilo.
;.ONSULAI"U (jKRAI..
Rendimento d-dia I ai......i:7!'.io7'9
Mein do di -.Hi....... l'b-iaClUi
19-4-219153
IMVEilSAS PROVINCIAS.
Kendinieiilo do da I a *ij kfBSfl95
Idem do dit 26........ 59t7
5:900(353
DESPACHOS DE EXI'OKIACAO PEI.A MESA
1)0 CONSULADO DESTA CIDADE NO DIA
2b DE NOVEMBRO DE IS.K.
Buenos-Ayr-sPolaca hespanhola "Silencio, Viuvfj
Aroorls cV Falli, :!">> barucas assucar branco e
mascavado.
LisboaBrigne porluguezl.aia III, diversos car-
regadores, 30 saceos assucar branco, 2!) cascos
mel.
Boenoa-AyresPolaca hespanhola Elegancia, A-
innria Irmdos, 1(1 pipas cachaca.
I'liiladelphiaBarra americana Colon, Malbens
Ausliii A Companhia, I '*> sacros j--in*ar ma-i :i-
vado. :
3 O commissario vaccinador pro- ig;
i^i vincial, reconhecendo <|uc muitas t$
|>essoas deixam de comparecer a ^
@ l'stil re|)articao em consecuencia j's
^_S da longiliide do lugar, avisa ao fl$
'ty i'-spcitavel ptihlico que tem re- f
'? solvido a vaccinar tambem as ("A
3 teiras leiras de todas as semanas, g&
^3 na casa de sua residencia, conti- fi
f^ nuanJo a repartirlo a l'unccionar #a
$jt no torreao da alandega nasquin- t
@ tas e domingos: assim, as pessoas tjgi
f (|uc sequizerem vaccinar as ter- ^
( cas reiras, podem dirigir-se das f
--] sete as nove horas da manliaa, ao ^
O -" dar do sobrado da ra Nova -''-
Q estpiinadadoSoln.O'O.Dr. Joao ^
& Nepomuceno Dias Fernandes Q
ft-^-'^-'l^^- 'y^.y^ .'."; .'"i .' '.'.ir'. '!s:*J\*T\ |Sn tu
THEATRO
ESPECTACLI.O S()U A DIRECCAO DO ARTISTA
O SR. SANIA ROSA.
BENEFICIO
DA SRA. P.
xj^ait-naa /t,nom
E1>0 SR.
JI&O rElEIM DA COSTA LUA.
Quinta-feira 27 denovembro de 1856.
Depms que o Kim. Sr. ronselhelro presideule da
prov in se dignir comparecrr na Iriliuna, os Srs.
professores da banda le msica mililar do corpo de
polica, de que he mestre o perito Sr. proessor Pedro
Nolaico Bapliita, exeeitarlo uma dassuas melliores
ouvertura.
Fiada a qual subir' a' scena a muilo linda e in-
leressaule comedia joco-sciia em tres actos, inlitu-
" A SElIBiLIBAE
NO
Sociedade
BECREIO F\MILI\B DO M0ME1R0.
Por ordem do Illm. Sr. director da
Sociedade Recreio Familiar do Mon-
teiro, convidoaos Srs. socios para com-
parecerem a' sessao, no dia 27 do cr-
lente, a's ~> lioras da tarde, na casa de
minlia residencia. Montciro 25 de no-
vembro de I8(i.O secretario, Francis-
co Braudao Cavalcanti de Albuquerque.
SOCIEDADE E E\S VIO IR V^CE/.
Por ordem do Sr. presidente declaro aos socios,
que lia sessao boje as horas.
O segundo cecrctario,
Costa Carvalbo.
A (ama do hom
caf.
Na 111a larga do Rosario n. i(i, primei-
ro andar, lia bous petiscos de diversas
qualidades para fazer lanche, das 10 lio-
ras do dia a's 10 da noite, e tambem das
mesmas 10 do dia a's 5 da tarde, ha sor-
vete a 200 rs., e das .1 em diante o bom
caf com leite, simples, cha' e chocolate:
na mesma cnleitam-se bandejas riquissi-
mas com asseioe promplidao, por menos
do que em outra quaiquer parle, assim
como fa/.-se diversos pranhos proprios
ppra presentes.
Attencao
A lama lo bom cale, na rua larga do
Rosarion. (i, primeiro andar, avisa aos
seus reguezes, que acabou de receber
um compiti SOrtimento de iiguras as
mais lindas que he possivel.de gomma,
proprias para bandejas e para brmdar-se
as jovens, como sejam, reis, presepes,
princezas, rainhas e cupidos, a lj>, 2s e
500rs., c caixnhas muito ricas para dar-
se di- (esta, e nutras muitat <-.iui!:is que
avista dos compradores escolheiao a seu
gosto-
Fugio hontoni as 7 horas,um escravo mula-
to de nome Tbomaz, alto, reforcado de corpo, com
marcas de bexigas, pamas grocas, e aellas marcas
de cicratizes as caue'.las, falla coui muila manci-
do, levou vestido camisa de panno azul groi'0
guarnecida de ourelo branco, nos ombros e pu-
nhos, aberla na frente em forma de palito : este es-
cravo he natural da Parabiba c lo escravo do Sr.
Carlos Coelbo, que o liouve por beranca de seu so-
gro Jos Joaquim de Souza daquella cidade, e foi
comprado pelo abaxo assignado ao Sr. Hilario de
Albandra Vasconcellos Jnior,morador no engerido
Tapu freguezia do Pilar desta provincia :
quem o pegar leve-o a rua da Concordia a Pedro
Antonio Teixeira Guimaraes, que ser generosa-
mente ratificado.
Continua a es-lar fgido o escravo Antonio
de nacao Cacange, de idade de 35 annos pouco
mais ou menos,altura regular,cangueiro no andar,
cor preta, roslo redondo, sem barba, costas limpas,
cheio do corpo, e conversa pouco, foi escravo dos
herdeirosdo tinado Caelano (ionralves da Cunha ;
ha quasi certeza de andar para as parles do sul desta
provincia, se alguem aroilar dlo escravo fique
cerlo de que o dono ha de proceder com lodo o ri-
gor das leis contra o acoildor, e aquem o cap-
lurar promette pagar rom generosidade, sendo con-
duzldo a rua da Guia n. (ii segundo andar nesla
praca, ou no engenho Crusabi ou Agua
Fra da freguezia de S. I.ourento da Malla.
igreja.
leis
condecidas a res-
O vapor IMPEItADOK, commandante '1'orrez.ao,
esperase dos porlos do norle em secuimenlu para
os do sul. al o tim do corrente mez. Os Srs. que
lvcrem de remelter escravos e quaesquer volumes,
sejam de carga ou cncommenda, deveao ir a agen-
cia no dia ct chegada do vapor, para so eugajar o
que poder ser rerebido ; no dia di sabida somentc
se a minie pasaaceiros e dinheiro a frele al as ho-
ras do expediente : agencia na ma do Trapiche n.
10, segundo andjr.
SdlM.
Le loes.
Willit
O tribunal do commoroio da provincia de
l'ernambuco, convida aos Srs. eommerciantes na- I
cionaes matriculados o residentes nesle districto, a
comparecerem no dia 10 de dezombro as i) horas da
inanliaa na secrelaria do mesmo tribunal para
proceder-sc a eleicao dos dous deptitados eommer-
ciantes que para o seguinte qusiiicnnio de 1S67 a
18I0 lem de substituir osacluaes Srs- deputados
Joao Ignacio de Medeiros Reg, e Joo Pinto de
I.i-uiu-, na forma do lis, nico do cod. rommerrial
e decreto de "> de setembru de 1850
11
Actores :
\s Sras. I). I'lorinda Knolh, Jeuina, Aleandri-
na; os Srs. Sania Kosa, Alves, Kibeiro, Kozendo c
l.iiia.
Os inlervallna eran preenchidos com as melliores
1 p"i;hs de msica do reperlorio do mesmo Sr. I'edro
Poneo, e enlrc as quites locatario ;a pedido de
imitas pessoa'.
M
Q
ra da opera
O Trovador.
F pan ronslar mandn o miiredilu Iributul fazer, fjjc'j,
Dar' liSt] So f'pecl.iculo onm 3 milito jnrosa
iam Lilly na qualidade de procu-
rador bastante de seu lilho William Lillv
Jnior, fara' leilao por intervencao do
agente Oliveira, eautorisarao do Illm. Sr.
inspector da alfanduga, da barca ameri-
cana Smitheld lotacao cerca de 165
tonelladas americanas, com sua maslna-
i;ao, leeros e correntes, cordoalha, panno
emaispertences, tal pial seachaancora-
da em franqua neste porto, onde pode
ser anticipadamente examinada : quinta
eir 27 do corren te a's dez horas da ma-
nhaa, no lugar da associacao commercial
desta praca. Bm seguida serSo tambem
vendidos defronte do Trapiche-Novo: uma
porrao de vollamc inteiramente novo,
consistiudoem vellas grandes, ditas de ga-
vea, de joanete, bujarronas, 2 escaleres
com velase remos e mais pertences etc.,
varios cascos vaziot para aguada, elenha
para uso de navios etc.
LEILOES
NN illiam Lillv fara" leilao, por interven-
cao do agente Oliveira, deum ptimo car-
ro de (nutro rodas, com dous arreios cm-
putos para cavallos, un cabriole! com ar-
reios, seis cavallos de carro e montara, ~>
sellins para montara de homem e 2 ditos
de senliora, l'tviose outros objectos : se\-
la-feira 2S do corrente, a's n horas da
manhaa, na cocln-ira do Sr. Miguel, sita
defroiited convento de 5. Francisco.
"s abaixoassisnado, com toja de nurives na rua
d" Cabag 11. II, confronte ^n paleo da matriz e rua
Nova, fa/.ein publico, que p.l.lo recebeudo conlinoa-
damenle as mais novas obras da ooro, lano para
senliora como para hoinen e meninos : os precos
continan) razoaveis, e passan-.-se conla com res-
pou'abilidade. especilicando a qualidade do ouro de
11 ou 18 quilates. Deaodo assnn sujeilos os mesmos
por quaiquer duvida.Scrapliim A Irmao.
Outra auuuncinu querer l:500f a premio de
um por cenlo, dando por aaranlia um predio nesla
cidade livre e desembarazado, dirija-se a roa do Ca-
bupa n. I(, segundo andar.
I'ri'nsa ... de um forneiro que saiba bem de-
sempeuhar o seu luaar : no aterro da Boa-Vista 11.
66, paHaria que foi de Aor Naozer.
l'recisa-sc de um nio^o porluguez para cai-
xeiro de assucar, ou para felor de um ensenho perlo
desla prai;a : quem pretender e(a orrumarAo, diri-
ja-se a rua Nova a. Vi, que se lhe dir' qem pre-
cisa.
Os Srs. lavares o Silva queiram procurar o
sen meio bilhete n. VM>2. na 111.1 da Cadeia do Re-
cife, esquina da Madre de Dos, luja de miudc/.a.
l'recisa-se de uma ama forra ou captiva para o
servico de uma casa de pouca familia : na rua das
Trincheiras n. S, loja de tarlaruj-ueiro.
Quero precisar de um menino de t a 15au-
ne* para eaheiro de taberna, o qual lem pralica c di
fiador a sua conduela, dirjase a I-ora de Tortas n.
'J2, ou aiinuuric para ser procurado.
Da-se I:IKI!)-()00 a premio de I l|:2 por rento
ao mez, sol lixp.ilbeca nu boas lirmas : na quinla
casa do talo direilo da rua da L'niAn.
AtteuciSo.
Miliao liorges l.'chna avisa ao reipeiUvel publico,
que atiri nova cocheira de carras e cavallos de alu-
suel. e tambem recebe cavallos ue Irulo : na rua da
liuia n. :i.
Aluga-se o segundo andar do sobrado de Ires
andares da rua do Qoeiiudo, onde morou o Sr.
Viesas: a tratar na obra que se e-la fazcudo na rua
da Cadeia de Sanio Antonio.
No dia "i do corrente regio um carneirn liran-
co, mochu e capado ; quem o adiar pude entrga-
lo na rua do Sol n. t, que sera' gratificado.
'u;o do engenho Canoa Brava da comarca de
doianna, no dia l(i do correle ron, uin cabra de
nume Jos, rom ollicio d- tapaleiro -. foi escravo do
finado leiii-nle-coronel Manuel Xavier Carneiro da
Cania, qoc morara em N. S. do O' da mesma co-
marca, (em os secundes ligte* : bstanle alto, bem
barbado, reprsenla ter .12 a 35 annos de idade, ca-
bellos sollos, corpo recular, lem uma renda peque-
a em cima da jaula do dedo erando de um dos pos,
deseja passar por liberto : rosa-se, portanlo, a todas
as autoridades, qae o lacam prender, assim como aos
seoh.res espille*: de campo, e remelter para o men-
cionado engenho, oo entregar no escripiorio na roa
d.i Cruz n. 21, que cencrosamenle scro recompen-
sados.
Na rua da Cruz 11. Ii, segundo andar, precisa-
se de uma criada que e,a de boa conduela, para co-
linhar e eogommar para urna familia de duas pes-
S0M ; uaose duvida pagar bem.
peito, preco.......... "tOO
I odas estas blhmhas sao impressas em
bom papel e excellente typo, < vendem-
se em porciio ea retalho: na livraria da
praca da Independencia ns. lie 8.
l'erdea-se uma pulceira de ouro, em forma de
tranceln) chato, para menina, embrulhada em um
pspel ; quem a acliou, querendo resluir a seo
dono, leve-a ao primeiro armazem de asaucar do
caes de Apollo juoto a ponte do Kecife, que sera'
recompensado.
Precisa-se de um feitor para trahalhar em um
pequeo sitio : a tratar 110 aterro da Boa-Vista
n. ii.
l'recisa-se de um homem para Teitor do sitio,
o qual saiba rallar inglez ou trance/. : a tratar na rua
do Crespo n. i.
l'recisa-;e de nm hom Cozinbeiro, forro, para
se eugajar para fra desla provincia : se alguem qei-
zer entrar em ajusle, preseule-se em o sitio do Ca-
jueiro, na l'assagem da Magdalena.
l'recisa-se de ulliciies de altaiale, para calca
de casemira ; na rua Nova n. SSL
Alur-a-se um bom sitio na Capunga, com boa
casa de vivenda, quartos para pretos, lugar para car-
ro e para cavallos, boj agsja. de beber, e muitas ar-
vores de fruclo, e so se oluga pelo lempo da Testa :
a Tallar ua rua do Cubug, loja de Joaquim Jos da
Cosa Fajozes.
I'recisa-ie de uma ama para o servico de casa
de ama familia, que apenas consta de duas peooas :
a Iralar na sua das Cruzes n. 2t, segundo andar.
Aloga-se orna prela qoe seja fiel, e que saiba
vender na rua : no'becco duSarapatel 11. 13.
l'recisa-se de orna ama para casa de pouca fa-
milia, forra ou capli\a : paga-se bem : ua rua Ve-
Iha n. UM.
SAO' MIJITO LINDOS.
Tucos cortes de vestidos de fazenda muilo
lina, toda de seda e de um gosto milito apu-
rado, chegados pelo ultimo vapor viudo da
Europa, muto proprios para asscnlmras de
bom gosto, assim como cintas Irancezas
muito finas matizadas com lio las cores :
dao-se amostras na rua iloQueimad 11 -22
na loja da boa te defronte da PARA QUEM TEM BOM COSTO.
Na rua do Oueimado n. 22, loja da boa fe,
ha um completo sorlimeuto de grosdeuapo-
le de seda de lindas cores; aproveitem antes
quscacaliem, que a Cesta est com nosco,
assim romo chapeos do Chile muilo linos,
que so Tndem por menos que em outra
parte.
Frederico rrcmont vai ao Para' tra-
tar dos seus negocios.
No dia 8 do corrente fugio do cngeuho Lava*
getn da freguezia de l'o d'Allio, um escravo pardo,
de nome Chrislovfio, que representa ler 10 anuos,
pouco mais ou menos, com os signaet seguintes :
balso, bem feilo de corpo e de ps, com barba or
debati do quouo. cabollo* cicspos, pouco coraUn,
olbus pretos, com todos os denles da frente, pronun-
cia alcunas palavras que parecem de negro de An-
gula : quem o apprehender conduza-o a rua da Cuia
n. (ii, segundo au \pt. a ao referido engenho l.ava-
gem, que seri geuei 'nenie recompeusado.
I'revine-se ;n ir. (hesoureiro das loterias que
nao pague a quem apreseutir o n. 10(12 da leleria
que ha de ter andamento, porque perdemos om meio
bilhete com ele numera, SODIO ao seu proprio dono,
dado o c.no saia algnm premio : o bilhetn esl as-
signado no lado de detraz com a Orina lavares i\-
Silva.
l'recisa-se de um forneiro desembarazado : na
pailaria da rua da Senzala Velha u. 'Mi.
l'recisa-se de nina ama para cozinhar par pe-
quena familia : na Capunga silio do Sr. "toberlo.
_ Na roa do Vicario n. I, precisa-sc de um ofli-
eial de barbeiro, que seja perito nu seu ollicio, e de
boa conduela.
Na rua do Aragao 11.7 se dir' quem da l-jOOtJ
a premio.
I'recisa-se de Dina ama para casa de pouca fa-
milia, que cozinhe c compre : na rua de Hurlas
n. l
A mesa regedora da irmandade das Almas da
malriz da lloa-Vi-la manda celebrar um oflicio so-
lemne por alma de seus irmios.uo dia 2S de novem-
bro, e nessa occasiao o respectivo Ihesuureiro distri-
buir' pelos pobres que assislirem ao ollicio a esmula
de 200 rs. a cada um.
Offerece-se uma crioula para ama de casa de
homem solleiro, nu i-lmi......: na roa dos Bar Ci-
ros, sobrado do Sr. Jo3o Piala de Lemos, quarlo
andar.
Quera annunciou precisar de 1:3009, dando por
garanta um predio desembarazado que rende ('00**
aiinuaes dirija se a roa di Cruz o. 33 : para Iralar
na mesma rua o. 13, loja.
Alugam-se escravos da Costa acosiumados ao
carreto de saceos de assucar a 19 diarios, com a
grande vanlagem de nao carregarem i caberla, e sim
ern carrose em bois : na ruada Senzala Vulha 11.
70, Segundo andar.
Compra-se urna rotula em mcie uso, c uma
balanra com pesos de arroba para baxo, quem t-
ver annunce.
Aluga-se uma casa terrea no Poco da PcrJel-
la, confronte a do Sr. (jbson com os seguintes
commodos : tres salas, seis quartos, cupial e rozi-
nlia separada : quem pretender dirija-se a Manoel
da Silva Neves em Fora de Portas.
Precisa-se de uro. feitor para engenho distan-
te desta prara 8 legoas, que emenda de agricultu-
ra do mesmo engenho, borla,plantaguo de flores
etc., e qued conhecimenlo a sua conducta, pre-
fero-se casado : a tratar na rua do Queimado n.
10, loja.
D-se -100 rs. .i juros, sob jieuliores de
ouro e prata quem precisar, dirija-se s rua
Imperial n. 25.
Ensina-se a pilotagem Ibeqriea, pralica, e
curso nialhomatico, e francez, comas para o com-
mercio; a tratar na rua do Nogucira n. 7.
O Sr. E. \. S. quiira apparcer ucsla l\po-
graphia, a negocio que lhe diz re"poito'.
N.i rua Direita n. is, precisa-se de um meni-
no para caixeiro de loja.
l'recisa-sc alagar uma ama para casa de fami-
lia, que saiba cozinhar, pois be para osle servico s-
meme : na rua aVagUSta, sobrado n. :t.
Sor vetes
Na sala interior dn sobrado n. (i, primeiro andar,
da rua do 1(2liona da tarde em diaule.
I'rccia-se de uma ama de meia idade e qoe seja
sadia para o servico interno do uma casa de pouca fa-
milia : no alerro da Boa-VitU n. 60.
O Sr. Joaquim .lose' Marques, que
mora or detraz da 'undirao do Sr. Stan-
emSanto Amaro, queira mandar a esta
typograpiiia, n negocio que Ule di/, res-
peito.
l)esc-:caminhou.se de um silio na estrada dos
AflHclas, que faz quina para u hecco do Eapiiheiro,
no dia 20 do crrenle, um carneiro grande, bstanle
manso, todo branco, mocho e iuteiru : pede-se a
quem o adiar ou delle liver noticia, o obsequio da
dirigir-se ao mesmo sitio,011 ao silio do Sr. liebuurg,
na caa junto a poni, que sera' geni-rnsamante re-
enmpensado.
mos e Silva.
Lotera do Rio
de Jaueiro.
Acham-sc a venda em a loja da ps*ac <
da lpde|endencia n. 40, o novos ImIik*-
les da lotera 07 da Santa Casa da Miseri-
cordia, rpie devia correr a 18 1I0 corren-
te ; as lisias esperamos pelo vapor fran-
cez BRASIL a 27, /caso texpu- ncsicpoi -
to). Ao recehermos as mesmas lisias, SC-
rao immedialaiuente pa;;os, de < onloi mi-
dade com os nossos aiinunciu*. os resi>e< -
tivos premios, na mesma loja cima
KliMIGUS KNEIP, mestre mairi-
nciro, no aten o da Boa-Vista n. 23, avi-
sa ao respeitavcl puhlico c aoseus amigos
e lrefjuey.es, que se acha habilitado a 01-
necer aos senhore de l>oin jjosto, e\c-l-
lente e a mais moderna escadaria redon-
da de quaiquer tamaito, c executad.i
com a maioi* delicade/a e pericia darle.
Bilhetes da lote-
ra do Rio de
Janeiro.
Acham-se evpostos a venda junio ao
arco de Sanio Antonio, os novos bi-
lhetes da lotera 07* da casa da Miseri-
cordia, cuja eslraccao teria lugar cm IS
do corrente, no Rio de Janeiro ; as lisias
veem pelo vapor francez BRASIL (caso
toque aqu,) ou outro que sabir depois
daquella dala: os premios sao pago* a
vista da competente lista, e por isto os
bilhetes sao vendidos a dinheiro a visla.
Jos Euzcbio Alves da Silva.
O abaiio assignado faz scienle que se eilravinu
de seu poder nm quarto de bilhele da l. paite da
l.a loleria concedida em favor do recolhiineulo da
Gmceii-aode 1 Huida, com o numero ti li, no qnal (
hio a sorte de dous coulos de reis, e tinlia so verso
a assii-nalora do abano assiu'iiado da maneira sejuin-
te : J. A. da Cuuha ; pelo que o mesmo pede ao.
Srs. Ihcsooreiro e eaotelistas.que nao pasuem aquem
apreseular o referido quarto, visto pertenrer
ahaito assignado.
Jos Antonio da Cunha.
Os credores da raaisa fallira de Oliveira Ir-
mao o. (',. sao convidados a comparecer na tala dai
audiencias do IA111. Sr. Dr. juiz espacial do com -
mercio, e por ordem do mesmo para o dia quii. -
feir.i 27 do corrente das 11 ao meio dia, aliin de to-
maren! conhecimenlo do relalorio do e-lado da dila
massa falloia. aprescnlado pela nova adminislra-
r.lo.
--I.uiz Manoel Hodrigacs Vallencasacca sobre l.i -
boa : a quem ronvier dirija-se a seu annizeni, rua
de Apollo o. 13.
Precisa-sc meoialroente de orna escrava bm
aln-iial, que seja liel e que se queira sujeilar a tra-
balliar 110 trafico de fazer doces : qaem a tiver e 4
queira alugar, dirija-se a roa da Gluria n. '.10.
O Sr. I ii .nu/ da Silva Loba llolelho lem uma
caria viuda de Portugal, ni rua JO Crespo n. 1.
E\posicao lillci.iria no saldo de Santa
Isabel
que mo a [ii e-Milar em publico os professores Anto-
nio Ignacio da Silva e Francisco de Kreilas i.im
boa, no dia sevla feira, 2H de novembro, as II horas
em ponto. Com acompanhamtnlo de seraphina o.
meninos cantaran pe msica do hvmno da Inde-
pendencia do Urasil a leltra da aberlara da escola.
O Sr-iprolessor adjunelolhes propor/i por byeoclipln-
cos (is vivas a S. II. I. e autoridades lillerarins, em
seguida a explicarlo desses byerogliphicos, canlando
ludas as regras e poesas anlogas rom acompanha-
mento de seraphina, por sola. Apresenlar-se-ha
um nrpli.'io de seis annos de idade. qoe nos foi en-
tregue em lio- de abril pelo Illm. Sr. J0S0 Xavier
Carneiro da Cunha, ao qual orphDo jamis ensena-
mos, nem consentimos que cnsinassem' a ler ; e s
por ter ouvinte le e esereve alcuma cousa. verilicau-
do-se assim o que assevera o Exm. Sr. Castilho nn
seu livro ajusle de conlas pagina 13, linhas 11 a IS.
Todos os mais Irabalhosde escripia, leitura de pro-a
e verso, routabilidade de numero- inleiros, dci-
ma es, rneCjSM ordinarias, problemas de clenlo de
ragra urea, gromclria pralica. aoalysc grammaliral
lgica, e mais descnvolvimcnlos desla nalurez.i,
que por ventora apresenlarem os manios, s.1o as
proyus do grande servico que o E>m. Sr. conselhei-
ro Castilho acaba de prestar as duas grande fami-
lias brasileira e porlugneza. A hora marcada cnlen-
da-se militarmente em ponto. Mo se apresenlam
os meninos das nossas qualro escolas da capital por
ser excessivo o seu numero.
Precisa-te de uma ama qoe saiba cozinhar, e
de um rapaz pa'a criado : na roa do Hospicio 11. -JS,
e na rua das Cruzes 11. -20, das '.' horas do dia ate as
9 da tarde.
-- Precisa-se de nm caiieiro que teoha bastante
pralica de taberna, pagando-se bom ordenado : a
liatar na rua do Visario n. 33.
Fabrica de fiar c
tecer algodao.
A sociedade em commandila, Amorim, I-aria,
(ioerra ,\ O., por deliherarao tomada por 1(11 dos
seus socios, subscriptores da OOlOllO a SKNttJBW de
reis, dos que ellecluaram o pagamento da primeira
preslacao, lem resolvido mandar a Europa o sen
socio Uupral, para ir procurar os riscos, plase 111-
loi inaijiiL's defntlivas, enoregresso deste, dar come-
1.0 a fililica'.an da fabrica e suas dependencias.
Km virladc do art. :l!l dos estatutos, a sociedadn
deliberou que continuara a admiltir novas sub-
cripcoes, no escripiorio da sociedade, provisoriamen-
le em casa do Sr. Manoel Alves liaerra, rua do Tra-
piche n. II, I." andar, em termos a aagmenlar-se o
capital social, nm de que, a fabrica possa ser feila
desde sua rundac,."io, com maiores proporc,OesTo con-
sequeulemenlefacilitar maiores lucros; devendo is
novas assignaluras, seren realisadas com as'presla-
cues ja' etrectoadas pelos primeiros socios.
A primeira prestacao realisada at hoje, lem sido
de 5 por cenlo do capital subscripto.
l'ernambuco 12 de novembro de I8.16.
Amorim, /-"arias. Guerra \ C.
S0CIEHU)E
fundadora dn fabrica de
a';ao e ftidos de aff/odao.
Os senhores socios silo convidados aellerloar o pa-
gamento da segunda prclacio, que he luada em 10
'.. do capital subscri[i(o por cada um no escripio-
rio, e provisoriamente cm casa do Sr. Manoel Alves
Goerra, rua do Trapiche n. 11, primeiro andar, das
'.I horas da manhaa as da tarde, da dala de boje a
30 do crreme. Pernanihuco 15 de novembro de
IS")(.Amorim, I ana-, liuerra 4 Companhia.
Una Nova n. 18 loja de M. A. Cajonea; C.Icon-
linua sempre a ler um grande sorlimeulo de obras
feitas de alfaiate, lano superior, como mais infe-
rior, camisas francetai, brancas de cores, gr-
valas, colarinhos,chapos Irancezes. dilos de sol, de
seda e panninho.suspeusnrii-s de h( rrnclia.mcias para
senhoras, humen, meninos. Tazendis para faxer-se
quaiquer obra de eucommenda com I inaior preste-
za e hom desempenho, em lim quaiquer peo,i que
I here/ 1 Maria de Jesos, porlagtoa, r*lllS-M vler a e-la loja, tirar nm laclo completo e por pre-
ira 1 oiiu-dl. r0 maj camm
ommodo do qae em oulra. qulquer parte.


MUTILADO
.


OUtlO II PIUV-SS- QUINTA FU -fi 27 i* NOV M Sd Br. 1856
DEPOSITO DE L1VE0S E BOTICAS HOMEOPTICAS*
DO
;j2ri^ai*
J"J
DO
K
n?
mQ<2^3e)<.
O Dr. P. A. I.nlm Moscoso, leudo de fazer urna viagem dcixa a BUa holica sola
direccSo de pessoa haliiliada e de iiilcira probidade, c lira deposito na loja de livrosdo Sr.
Mauool Nogucira de Souza na ra do Crespo, sobrado novo do Sr. Magalbaes Bastos.
pliegos FIXOS.
Botica de 13 tubos grandes. 10/000
Dita de 24 ... 13?00O
Dita de 36 ... 205000
Dita de 48 ... 257000
Dita de 60 ... IIISOOO
Manual de medicina homeopathica do Dr. Jahr com o dic-
cionario dos termos de medicina........
Medicina domestica doDr. llenry.........
Tratamento do citolera morbus..........
Repertorio do Dr. Mello Moraes.........
aosOoo
lOfOoO
2#000
61000
*
i
* :-ifr-*?WBHR"MW-.
* PEORAS PRECIOSAS- j
*
Aderecos de brillianlea, $
v diamntese perolas,pul-
cairas, alOnetes, brincos '?.
e rozetas, boles e anneis <*,
de difiranles gastse de
?: diversas pedras de valor. ?
I fl
* Compram, vendem ou &'
Jj trocam prala, oarn, bri- *
- Ihantes.diamanles entro- a
I0REIRA & DDARTE.
LoJA DI liRIVU
Ra do Cabuga' n. 7.
Receben) por io-
dos os vapores da Eu-
ropa as obras do mais
,S las, e oulras quaesquer | : I ((((! i> r 11 O TOStO. tH II-
5 joiasdcvalor, a to de Franca como
*
ai
I
w

?.
*
i
:
>A j ^ mu a n i r i i i i i : i -,.
B ou por obras. Jj
*.+.** ?.:.?:<.*:?:.?:? ? ;?*:*
MMW -* la*-MMa>l
OL'RO E PRATA- 1
_ S
Aderecos completos de S
ouro, mciosdilos, pulcei- i
ras, allinete?, brincos e *
rozetas, conloes, trance- y
lins, medalhas,correles
e enfeites para relogio, c '"
outrosmuitosobjectosde
ooro. 4
Apparelhos completos, ?
de prata, para cha, han- *
dejas, salvas, caslicaes, i
colheres desopaodech, *
e muitos ou'rus objectos ra
de prata.
de Lisboa, asquaes se vendem por
preco commodo como eostumam.
II M i l li' t'l'l 1

CoiupAiihiadeseguro con-
tra a mortal i da de dos es-
clavos estabelecida no
RIO DE JANEIRO
CAPITAL 2,000:000*000.
Atjencia filial de Vernamburo n. 1:1 rua do Crespo,
l'agar-se-lia sobre a avaliar.lo de 1:0009000 (e
ni.iisou menos em propor^.lo de oatro valor, inclu-
sive o sello da apolice etc.
Das idadei.
De 12 ate entrar aos 0 anuos ;UolOO por anuo.
As coudiroes impressaspoderao ser procuradas uo
escriplorio da compendia.
Dar-se-ha coDsullasiiralis aos escravos seguros das
'.I para 10 liaras da mandila, no escriplorio da com-
IHinliia.
Companhia
Peruambiieana
I J. JANE, DENTISTA, Z
6 continua a residir na ra Nova n. 19, primei- $
( ro andar. ^
Precisa-se de urna molher ;dosa e de bou
coslume* para urna casa de poucaofamilia, assim co-
mo de um liomem cozinheiro : a tratar cm casa do
desembarzador Mendesda Cunta, junto ao quartel
do Hospicio.
SEGU
Ossenhnresqnesubscrevcram novas acrcs desla
companliia, sao convidados a entrar com primeira
prestado dc:)0 por cenlo, no prazo de .10 dias: no
escriplorio do Sr. Antonio Marques de Amorim, ra
da Cruz. llecife 18 de outubro de I8><.Manoel
Alves Gaerra, secretario interino.
Recebe-se dinheiro para mandar
dar na cidade do Pollo, por letras, lejam
do pequeas ou maiores quantias, 10
cambio correntc : na ra do Trapiche
n. iO, segundo andar.
A lusa-se.1 loja da casa da roa da Aurora n. S,
onde toi oiliciiia do fallecido marcineiro llenriqne :
quero pretendes dirija-se ao Sr. Joao Pinto de l.emos
Jnior, no seu cairiplorio, ou casa de soa morada,
na ra da Aorora.
Precisa-se fallar aoSr. Joaquim Jos
Marques, que morou em Santo Amato :
na livraria ns. e 8, da piara da Indepen-
da.
Companhia de seguros un-
riimos, estabelecida uo
Rio de Janeiro.
Capital mil con tos dereis.
Ollerece ao commercio vanlascus que nenhuina
>u(ra companhia tem feilo ale acora. Accilam-se
proposlas de seguro no escriplorio de Isaac, Curio &
Companhia, agentes da companhia, ra da Croz
n. 49.
Cozinheiro.
Piecisa-st! alagar um eozinlieito, escla-
vo, que soja asseiado e no bebado, fiel,
jeto. : na ra d* Cadeia de Santo Antonio,
segundo andar da casa amarella.
-Viadama llosa Ilardv,
modista brasileira
Ra Nova n. 34.
Tcm i honra i!e anjiunciar ao respeilavel publico
que receneu de l'ranra pelo navio ultimo CMgado.
um rico sortimenio de chancos de sfda para senho-
ras, ditos de seda c de palha, de forma nova, da ul-
tima muda para meuinas de 2 a (i anuos, om grande
e variado sortmientn do enhilas para caliera de se-
iiliura.de lloros. Ota Troco, corles de vestido de
seda liranco, dito* de cores, grosdcnaples de dilleren-
les cores, corti-s de vestido, de garra de seda rnnilo
modernos, e muilas uulras fazendas. Na mesma ca-
sa compra-se uinaescrava mora e recolhida, que cosa
Mm e engommc.
I)ominr;os Alves Mallieus cacea sobre
a Balna. Recife 20 de sctcmliro de 1S50.
ATERRO DABOAaVISTAN. 16.
Mr. roma lea u tcm a he' de participar an
publico.quc receben.' pedras .,a fazer amolacao to-
dos os dias.
Na ra de S. Goncallo n. 14, precisa-se
de urna ama de leitc, sadia, c sem lilho p8ga-se
com generosidade.
!Sa ra do S. Goncallo n. 14, precisa-se
de urna escrava fiel para o servieo de casa e com-
pras para pouca familia : paga-sc bem.
.
irM*>,?i
I RENTISTA FtttNCEZ. |
tt Paulo Gaignoox, de volla de su a viagem &
.V a turops, est morando na ra Nova n. 2
.!, primeira andar, onde poda.ser procura- W
vj do a qualqjer hora. J
Alina tiak da provincia.
Estando se confeccionando o almunak
da provincia, ropa-se a todas as pessoas
que cosiu.namneile ser incluidas, eque o
n,io estiverem, ou bouver algum erro,
jneiiam mandar levar a livraria numero
tj e 8 da Piarada Independencia, a emen-
da, assim como pede-se aos senlioi es de
eiigeiihos, se dignem mandar ifjiutlmen-
teas transferencias a mesma livraria.
Precisa-se de urna lavadeira que se-
ja boa, nao demore aroupa no rio e d
fiador a sua conduta: na prar.i da Inde-
pendencia liviana ns. G e 8.
(lOMMIIIA DE SEGIROSIIIVIUT1-
SIOS E TEBHESTilES,
ESIAHEI.ECIDA NO ItIO DE JANEIKO.
CAPITAL 1 (,000:OO.sO()0.
A companhia tm soa asencia no escriplorin de
viuva Aiuorim & I'ilho, roa da Cruz n. 1,", onde
aceita toda a< propostas de seguros de riscos e for-
tuna do mar.
Sobre o casco, quilha e pertences de navios de
qualquer lolacao na oavcg(;ao de longo curso, de
raholasem, ou lluvial, ou na pesca, em viagem ou
prc l a viajar, em carga ou descarga, amarrados ou
ancorados, em concert ou no eslaleiro, qoer por
lempo certo, quer por viagem simplts, ou a premio
Sabr mercaderas desde o momento de seo em-
bari|tie al o de sua descarga e deposito.
Sobre os lucros esperados de mercaderas enrami-
ulialas para qnalqoer mercado.
Sobre o casco e quilha de embarcarcs miadas
eui|ircgadas em descarga Iraliro dos prtos.
.-d>re o capilal e premios de dinheiro a risco.
Sobre o premio dos seguros e premio dos premios.
Sobra acedes de terceiro por damuos causados por
ahalroaoieulos fortuitos.
Sjbre os frelei.
A companhia recebe lamben proposlas de seiiuro
de riacaa de iucendioe damnos causados para preve-
ui-l.)oue\lingui-lodcraio ou fuiro celeste, e inuu-
dacoes.
SOBKEOS SBGDINTES OBJECTOS.
Predios urbanos ou ruraes, igrejas equaesquer es-
a .elecimentos. com excloso dedepo-ilos.fabricas e
lal.orator.os de plvora, e materias incendiarias ou
nllammaveis. thealrn. e osas de espcclacolo..
Mercadura,. emi qiialq,r parle que e-tejam. mo-
bil.a e utenr.lio de abricas de quaesquer eslabele-
cim-nlo industnaes, quer sejam feila, por sen, pro-
prielarios, quer pelo, usu-fruriuario, locatarios; su-
litnralanos ou creriores lirpolliecarius
Kinalineule aceita proposlas sobre re-seguros, quer
dos segnradorej. qoer dos segurado,, ,;, casos em
100 a estes pode competir o re-seguro
A companhia garante a pro.npla" indemnisacao da
haporuiaeta de quaesquer,mislros, c a.....dicidade
dos premios: igualmente um ahalimento os pessns,
qiic na roda doauuo lizerem urna avullada suiuina
de rgana,
SEGURO CONTRA FOGO.
Companhia Alliance.
Estabelecida cm Londres, em marco de 1824.
Capital cinco milhoes de libras esterlinas.
Sannders Brotlicrs & C, tcm a honra de in-
formar aos Srs. negociantes, proprietarios de casas,
a quem mais convier qiw estn plenamentn au-
irisados pela dita companhia para etfectuar segu-
ros sobre edificios de lijlo e pedra, cobertos de
llha e igualmente sobre os objectos quecontiverem
os mesmos edificios quer consista em mobilia ou
em fazendas de qualquer qualidade.
alvm;.4r as. r\paze.\da '
Boa nova lenho a dar ;
Elle sol que vos abra/a
Vai-se em gelo transformar.
I.a' do Polo, onde o, Lapes
Vivem na toca cufurnados,
Checou nctar que refresca
Vossos labios dessecados.
E o Soares, que jurou suerra
Ao foco, ao sol, ao calor,
Com gelo, ananaz e outra,
Mitigara' vosso ardor.
Junto ao hecco do Rosario
Ide, pois, e encontrareis
Ser verdade o que vos cont ;
llom cobre la' deixareis.
I'recisa-se para o servieo interno e externo de
orna casa eslranseira, de om prelo: a quem Ihe con-
vier dirjase a ra da Cruz n. i.
JOAO DA SILVA RAMOS,
MEDICO PELA UNIVERSIDAD!: DE
COIMBRA,
-ontiniia a receber em sua c,a na rua 0 (;,i|,U),| .
1(, das S as 10 horas da manilla, e das ;t as ."> da
larde, as pessoas que o queiram consultar : liem co-
mo se presta a sabir com a j reconecida pr.unp-
lidilo, a visitar qualquer enfermo, a toda a lioia do
da ou da noite, quer dentro quer lora da cidade.
l'rccisa-se do urna ama que (alba bem cozi-
nhar : na rua do (Jueimado, loja n. l(i.
O aballo asslgnado avisa aos proprietarios das
-casas foreira, das roas de Santa Cecilia. Nogueira,
Arouguinhos, S. Jos. Santa lula e praia da mesma,
que venba .. ou mandem pagar os nro, vencidos,
assim como se devem enlender com o iue-.mii abaixo
asslgnado para oblerem a lirenca para Iraspassos as
occasmes em que Ibes seja preciso faze-los: na rua
do, Pires n. :I3.Manoel Gome, Valga*.
Precisa-se de um bom criado e paga-se bem
agradando o servido e comporlamenln : a tratar no
campo do Hospicio junto ao quartel casa do desem-
barsador Meodes da Cunlia.
A pessoa a quem for olferecida urna baria de
rame, grande, para banbo, e juntamente um., loa-
lii.i adamascada, de mesa, com dua, varas urna
quarta, querendo restituir esles .bjeclos, levq-os a
roa do Seve oo a ilha dos Batos, sobrado de um an-
dar, omle morou o cnsul portuguez, que sera'ge-
iicrosamenle recompensado.
Deposito
DE
Continua o depo'ito do becco do Goncalvts, arma-
zem n. I, a eslar supprido de sabio "superior, da
muilo acreditada fabrica da viuva dt- Delphino lion-
calvea Pereira Lima, vende-sca dinheiioa vista, sem
descont, pelos prerus abaiio de.-larados :
Amarello I." qualidade 10(1 rs. ,.
Cinzenlo 70 r. a ..
Nesta t\ pograpliia precisa-se fallar
ao Sr. lenlo A. R. Tupinamlia", que mo-
rn ou teve loja no pateo do Carmo.
Desapparereu do lerceiro andar da rua do Ro-
sario eslreila n. -2, por cima do barbeiro nm pipa-
galo : qnem o arhou c qaiztl entregar ser recom-
pensado.
Ma loja da fabrica de chapeos de Domingos
Francisco B imalho, na prai.a da Independencia II.
:il e :X, acaba de receber um sortiincnlo de bonela
de velludo, lodo, bordados a ouro, o mais bonito
que tem aparecido no mercado desla prai; i.
Precisa-se alujar um prelo, dando-te o sus-
tento e Imm salario : na rua Imperial, padaria nu-
mero 17.1.
Aluca-se nm sillo para paeaar a esla. no lugar
da Torre, a inargem do rio Capibaribe, com boa ca-
sa, solfio e com cande roiinha, eslribaria, etc. :
(quem pretender dirija-se :i ilha dos Ralo, no a rua
| do Seve, sobrado de um andar, em que morou o
cnsul poi logue/.
AMASSA DORES.
Precisa-se de dous amassadores que sejam liceiro
na lendeleira, e Baleadla) a arte, da'-aa bom or-
denado, enito Irabalha no eyliadra : os preicadea-
tes dirijam-se a rua Imperial, padaria n. I7i.
The undersigned lias tlie pleasure
lotuake knownlollie publie in general,
aud especial!) to Ship Masters, tht he
lias laielv opened liis ncw establishmenl
at Parahiba as a Ship Chandler and Gro-
cers Store, xvhere be shall be liappx lo
e\ecutean\ orders wliich tliex mas in-
trust him cvitli.
An Ionio Francisco Ramos
SIiip Cli niille
Aviso as seohoras que enfeitam bandejas
com boliulios e mesino para presepes,
qne reram em bom lempo de Testa.
Na rnnfeilaria di Pinto g Irmlo na roa da Cruz
n. -21 em frcoleao ihafarn, ahi enconlrarao os com-
pradores diversos olijecloaem doce e figuras propnas
para presepes e bandeja, para casamento, c bailes,
que ha muilo deviaai ler chicado paia inelhor se en-
feitarem ditas bandejas o mais delicado que he pos-
sivel, viudo da llalu e l'ranra pelo ultimo navio, e
os precos sao commodos ; assim romo amendoascon-
feitadas e caixinhas kiara a dilas que servem para se
brindar, assim como oulros doces e bolmhos Doiui-
mos que se podem enconlrar : os mesinos rinos
apromptam qualquar encommenda de bandejas e
commodo, precos, p mais breve e com asseio que
be possivel.
Pela mesa publico,que do primeiro de dezerabro prximo vin-
douro se principia a contar os 30 dias uteis para o
pagamento, a bocea do cofre, da decima dos pre-
dios urbanos das fuwaezus desla cidade e da dos
Afogados, lindos os, qu^cs incorrerao na multa de
3 0|0 lodos os que (leixarem de pagar seus dbi-
tos.
Bilhetes de visita.
Cravam-sc c imprimem-secom pcrfeirSo bilhetes
de risita, ledras de cmmercio o lodos os objeclos da
arle caligrapluca, reglslros, vinhelase quaesquar de-
senlio?, abrem-se lirilia,,, sineles, lauto a Ulho doce
como em relevo, ornamentos em objectos de ouro e
pr^la, fazem-se riscos lindos e original! paia borda-
do, de labyriiitho ; admille-se a recusa de quaes-
quer destes objectos no caso de alo ficarem a conten-
i da, pessoas que o, eiicomniendaiem : quem pre-
tender dirija-se a qualquer destes lugares : no bairro
do Recife, rua da Aladre de Den u. ,\>, primeiro
andar ; em Sanio Antonio, na livraria el issica do
palco do Collegio n. -j ; nd, Cinco Ponas, sobrado
da quina confronte a matriz nova.
(.lucni qnizer comprar nina preta que saiba
cozinhar e sem vicio, dirjase a rua de Santa Rila,
ca,a terrea n. 89.
Compra se cTeclivamente,latan brome e cobre
vellm : no deposito da fund,;.lo da Aurora, na rua
doltrum. loco na entrada n. 28,e na mesma fundi-
elo, em Sanio Amara.
- Compram-se apoliecs da Idivida provincial,
na rua das Plores n. ;37 !. andar.
Compra-se bm tanque ou pa de
pedra, que seja Imaior de tres palmos:
na livraria ns. d S, da praca da Inde-
pendencia.
Compra-se urna escrava mora e recolhida, qne
saiba perfeilamenle coser chao e eimommar : na rua
Nova ii. 31.
f$ttt5<$.
x endem-se dous mpleques um de qaiozee o ou-
tro ile qualorzc annos, os mais bonitos que tem
apparecido : na rua do l.ivramcnto n. 4.
Em casa de Eduardo II. Wyatt, rua
do Trapche-Novo| n. 1S, ha para" vender :
A verdadeira ;ia\a ingleza n. !l~, dos
rabricantes Dav & Martin.
Tintas em oleo.
Cabos da- Rustid.
Vinlio Clierrv superior em barris.
Agurdente de Francia dito.
Ei uclas c conservas inglezas.
Papel lino para carias.
Livros para copia i ditas.
Dltal rio IciiiIii-:iii,-,i.
Dilas em branca sortidos.
Papel para Copiar carias.
(i cl.aruteiras demai.'eira.
'''''';:''. :'::':l-:';_^\fT--':'-:^.;.<.;->,
Q Em casa de Eduardo H. Wyatt,
g rua do Trapiche-Novon. 18, ha $.^3
(5 para vender, chegado no ulti- @
? rao navio de Lontlres : 0
355 3 pianos Cortes e elegantes de fa- r
@ bricanle afamado, com seus per- fl%
-|$ tences seguinoes. jj
-;* 3 carteiras para msica. ';-
^ 2 duzias de estantes para dita. efe
@ cadeiras para piano. ."''
Tt *v-.
Slua
DO ROSARIO N. 36.
botica dt;
Uartholomcn F. de Souza,
contimn a vender
sendo falso oipie for vendido em outra
qualqqer parle.)
Rol) L'AII'ccteiir.
Pilulas vegetaes de Brandet.
Vermfugo ingles: em vidros.
Klixir anli-asmalliico.
Frascos de bocea larga com rolhas, de
I a -> libras.
sedas QDADROS ONDEADAS
A 1.SOO o eovBdo.
Chegaiam pelo ullinio navio Iranccz seda, de qua-
dros ondeada,, de liado sosia, e veudem-se a l^^(H)
o covado ; dAo-fl as amostras com penhor : na rua
do IJueimrfdo n. I A.
Chaty de flores
sohsaliOOr.s. o covado
Na rua di Oueimado n. 2\ A. vende-se (bal) de
llore-solas lislras, c dio-sc M amostia, com |M-
SEDAS DE
qu .ros latiros e niiutli-
nltos a l,00 rs. o
ce va (I o.
Vendem-M sedas de qoadros miado) c larsoa, pa-
droes modernos : na rua do (Jueimado n. 21 A.
de
(fiiadros 1.000 rs. o co-
vado.
Na rua do {Mimado n. 21 A, vendem-se sodas de
qiiddras muidos, padroes r<'\o, e esruios, polo dimi-
nuto pceo de I5OO!) o covado, cortes de oieiiliue a
lOgOOO, mnaaulini a :iki o <-ov>do.
FULR DE MOA
A 1,1100 nj. o covado.
iNa rua do Qaiimidi n. -21 A, vende-se Mar de
seda, lareo, dequadros de lindo, gestea; dSe-M a,
amostras com penhor.
Vendem-se a dinheiro, por precos commodos,
os aegainle arligos : champauue da lim arredila-
da marca estrella, sardinha, em lata, de qaarln e
meias, arenque, em pequeos barris, talas de pene
em conserva, vinho de Kordesut em caixa, de dalia.
e carrafas vaias em eiijun de duria : na 111a do
Trapiche n. 11.
TAHAS 1E FERRO.
Na fundir o da Aurora era Sanio Amaro, e
lamber no DEPOSITO na rua Hn Brum, logo |
na enlrada, e defronte do arsenal de marinha, fa
Sempra um grande sortimento de taixas, tanto de'
fabrica nacional como cstrangeira, batidas, fund-|
das, grandes, pequeas, razas e fundas; e em
ambos os lugares existem guindastes para carre-
gar canoas ou carros, livres de dispezas. Os
perros sao os mais rom nimios.
Vestid
pirutSazia
a IStfOOOrs.
Com pequeo
toque de avaria4
Peca de madapolao a S$iOO e :|;0(MI rs., alpaca
de seda rom quadro. a >Hl r. o covado, vend*m-sa
na rua do Crespo, loja da esquina, que volla paia a
da C.deia.
160
vado.
Su rua do Oueimado, loja 11. 17, ao pe da holica'
vendem-se os mais mudemos curies de vestidos de
phinlazia para senhoras, proprios da prsenle esta- 13-
(So, sendo de cambraia toda de seda com hahado, de
moilo lindas cores, pelo barato preco de l>X)00 r.
cada corle.assim romo chales de tooquim branen e de
cores bordados, por menos preco do que em outra
qualquer parte.
Novidade.
I'elo navio francez Olinda, chegou urna nova
fazenda de hla transparente ne diversas c delieadli
cores, com quadro* de seda, proprii da presente es-
(acao, para vestidos de senhoras e meninas, e se
vende pelo barata preco de 01(1 rs. caili covado : na
roa do Qoeimtdo n. IT, ao po da botica.
Vende se umescrtvo peca muilo robusto, pro-
prio para arinazera de assocar ou padaria, do que
enlende muilo, e um moleque muilo bonito e esper-
to : na rua da Scnzalla rNova n. :I0.
Vendem-se travs, enjams, milos Iravessa, p
caibraria, ludo de boas qualidade,, e lambem se ven-
de um moleque rom ollicio de serrador c canpioa :
na serrara de Jos Misino de Miranda.
Vendem-se espanadores sortidos de n. 1 a n.
.i : na rua da Prala u. 29, primeiro andar.
Em casa de Timm Moinsen A. Vin-
nass&, praca do Corpo Santo n. ir>, |,,
para vender :
l in sortimento de livros cm Iwanco,
ebegado ltimamente de Iiamburr;o.
Em casa de lleur. Brunn & Companhia, na
rua ila Croza. Il), vende-se cognac em caixinhasde
daa.
Em casa de Saundors Brothers e ('.., praca
doCorpo Santn. 11, ha para vinderose;uinte:
Ferro inglez.
I'ixa da Suecia.
Alcatrao da carvn.
. Lonas de linbo.
r s ] Esponjas.
IV'IC O i*\- l'roga's.
l^IO U t^U !A|Kll;iol7.op!irasarras.
Dito entran;ado igual ao da Bahia.
E uoi completo sortimento de fazendas proprias
para iste mercado : ludo por preco commodo.
Familia de mandioca.
Vende-se superior farinha de Santa
Catbarina, em saccasquetem inn alquet-
ie (medida vllia) por preco commodo:
no arma/.em de Xovaes iS C., na ruada
.Madre de Deo n. I i.
Ilisrado escuro de qoadrinhos. proprio para Ca-
"."..... vestido, de prelas, vende-se na roa do
Crespo, loja da esquina, que valla para a rua da Ca-
deia.
VINAGRF F.M IIARKIS.
superior a marca l'Klt e Plelo S Socios, acha-
1 no urraazera do Valonea, rua de Apel-
CEBA DE CARNAUBA, ABELUAESEBO.
Cadeia Uo llecife, loja n. 50, h. "
vender cera de carnauba nova e boa, dita de abelha,
e selio eni rama superior.
l\a loja das seis
E
portas
i" frente d.i Livramento
I'eseoeinhot do mais fino pello branco e de c.r
para as seohoras porem an peseteo a' sahida dos bai-
i's 1 llieatro para nao i-onsiiparein, preco cinco mil
rs., lencos derclrozmalisailosa dez tusles, romei-
ras pretas bordadas de cor a doui mil rs., lencos de
seda de cor para pesroco e mo de senboras'a dez
liistne. camisas de cambraia bordadas a dous mil rs.,
manguitos 1 dez tusles, collarinho. de recortes a
dez lusloes, e de massa a pataca cada um, saias
brincas bordadas a doos mil rs., luvas de seda pre-
tas 1 dez lusloes : da-se amostras de ludo,
penhor que equival o que se quer ver.
I'AKA ACAMAR.
Na rua Nova, loja Iranceza n. 8, confron-
te a Camboa do Csrmo,
vendem-se chapeos de seda para senhora, da ultima
moda e qualidade, com um leve loque de molo, pelo
naratmimo preco de l()> cada um.
CABRIOLET.
\ lade-se um ptimo eibriolel; para ver na rn-
V ende-sc um armario de pinho sem eslar en- cheira do Sr. majar Silveir
vernisado, e em muilo bom estado : na travessa da
Trempe n. "J.
Vende-se um rico jogo d- pistolas de fabrica
ingleza na rua do Crespo 11. il.
Vende-se urna esrrava erionll, cozinbeira e do
servieo de campo na rua Direili 11. 98.
Vende-se um encenho em Serinliaem, com
boas obra,, malla vir^em, bom terreno, animie, e
stira : quem o quizer dirija-se a la do l'adic l-'lo-
riano 11. :1S, sobrado de dous andares, que achara'
com quem tratar.
O abaixo Migaado vende o engeahl Arariba
do Plmenlel, ito lie, o qoe Ihe perience, nao ei-
2e dinheiro algum ao passar da ccriplura, conceden-
do ao comprador pa&ar-lhe no prazo de seis anuos,
como mais conveniente Ihe for ; sendo a compra
considerada como feila a dinheiro. e licar o com-! Iiaralo do
prador pasando juro de om por renta ao mez, e o iil
emienhn h\ pothecado ao pasamento, e ha vendo nina eI,,l,)0
firma reconhecidamente abonada para caranlia de '
qualquer falla. Esle eugenlm mee com euoas, tem
proporcoes para safrejar 1,000 paes c levanlar-sc
mal, dous enaenhos de moer rom agua : a fallar na
villa do Cabo ou na mesma engenhe com Francis-
co Elia, do I; _-.) Dantas.
Vendem-se seis escravos, sendo cinco prelas de
idade de -JH a 30 annos, com varias habilidades, e
um prelo olDcial de carpinleiro de idade de :I0 an-
uos : na rua Dlreili n. 3,
Vendem-se 'JO travs de fundo: a tratar no
paleo do lluspilal taberna 11. 30.
Vende-se ligos do comadre em caiviulias de S e
lli libras, ameonow, marmeladi em lilas de > libras,
ludo da o.elhor qualidade. ehegados ltimamente de
Lisboa no patacho Relmpago, e por menos pre-
1.0 do que em outra qualquer parle : na rua do Vi-
gario o. 'S.
Vende-se um balda de volla : confronle ao
Rosario a. .i'J-A.
Vende-se o encenho Muribequinha. :! lesuas
distanle desla praca, que fura avahado cm 35:0001
de rs.. perleiicriile ao casal do tinada comineada.Inr
Jos Paulino de Albuquerque Sarmenlo, e no qual
luin o nclnnl rcii.leiro Irea quiuliot-s rtc IOO^tOUO rs.
Bada um, que foram exetaidoa daquella avaiiacao a'
que e procedeu 110 dia li de julho do correnta anuo,
pelo juzo de orphSos : quem o preteaaerdirija-ae ao
Sr. lenenle-coronel llaiala, rua da Cadeia 11. >.
Vendem-M uvas moscatel de muilo boa quali-
dade ; na rua larga do Rosario n. 32.
Mu;j attenc&o
Na rua dn Crespo, loja da esquina, que volla pa-
ra a rua da Cadeia, vendem-se cobertores de laa
hespaiihoes, lencos de cambraia de lislras a <00, ."KM),
e 600 r. cada om, corles de casemira de cor a '15!
e.isOIH) rs., dilos preta a 5500 e 83000 rs., ditos
de urim escuro e amarello para calCa a I10, pan-
no de Idilio do l'orlo, lollhas de mesa e rosto, uar-
daiiapos de todas as qualid.des, atoalhado adamas-
cado com selle palmos de largura a 18600 a vara,
corles de cassa chita a t-siOO rs., e oulras muitas la-
zendas por precos commodos.
No trapiche do Hamos vende-se su-
perior Jacaranda'.
Vende-se manleiga maleza flor a 1jl0, dita a
OOrs., dita franreza I 6(0, passa, multo novase
liOOrs., I20S a >:), bolachiuha ingleza nova a :i0,
balalas a Ktl rs., velas de carnauba rehilada a 4K0,
qu-ijos do reino a yXM), alelria a iSO, vinho a .">liO,
<>0, 00 e I9OOO, o oulrai mallos gneros em coti-
la : ua taberna da quina da rua dos Alarlv rios u. 36.
ra. na rua ,la Cadeia de
Sanio Antonio ; e para tratar na rua do Oueimado,
|Oji de miodezasda Roa I ama 11. ,1.1.
qualU
Fama
Aoalcrro da Boa-Vista n. S, defrnnli da boneca,
he chegado um grande sortimento de '.odas II quali-
dades de eeneros de molhldos das melhores qualida- i
des. por preco cummodo ; por isso convida a todos
os fregueres que quizerem fazer sorlimenlo para pas-
sar a lesla e serem bem servidos, dirigirem-se a rile
grande estahrlecimenlo, que achanlo verdade quanto
dijo ueste aiinuncio. lainhem se vendem biscouti-
nhos finos inglezea a 9000 a lata, e de dez para ri-
ma mais baralo, e nina porrgo de caixai vasias de
espermieele, azeilc dore, licores, massa, cha, e ou-
tra, etc.
L^e
co-
AV1SO
aos barbeir os.
Na rua da Cruz n. 51, sala debarbeiro,
de Antonio Barboza de Barros, vendem-se
mchas dHamburgo, pelo diminuto pre-
co de -i.s'000 o cenlo, as mais modernas
lo mercado ; assim como se alurjain mais
c|ueem outra parte, ese vende
CAALES DE TOQU1M DA INDIA.
M rua da Cadeia do Recife. loja n. SO, defronle
da rua da Madre de Dos, ha para vender um cha-
les de toquim de pesada India, hranco, lodo borda-
Rap de Lisboa.
PELO VAPOR I). PEDRO II :
na rua do Oueimado n. ."5.
Superior eal de
Lisboa.
Vende-se superior cal de Lisboa : no
armazemdeNovaesA C, rua da Madre
de Deosn. 12, por preco commodo.
Velas de car-
nauba.
Vende-so a 1X)00 a arroba de velas de carnauba
do A raca I y na rua do Oueimado loja de ferragen,
elog*ios
ohcrlose descobertos, pequeuose arandes, deooro
e prata, patente inglez, para bomem e senhora, de
un, mis melhores fabricantes de Liverpool, viudos
pelo ultimo paquete inglez: em casa de Southall
Mellur & Companhia, rua do Torres n. :t8.
eois de patente
nglezesdeouro, desabnete edevidro :
vendem-se a preco ra/.oavel.em casa de
AugustoC. de Abreu, na rua da Cadeia
do Recife, arma/.em n. 06. .
-- Na ruado Trapiche o. l, escriplorio de Ma-
noel Alves tioerra, vende-se por commodo prego o
segniitc :superior vinho do l'orlo em barris de
oitavo,chapeos de fellro, esab.ioamarellu fabricado
no Rio de Janeiro.
I M VESTIDO POR 99000.
Novo c completo sortimento de corles de vestido
de chita de dillerenlespadres. cores lixas, pelo di-
minuto preco da-25 cada corte : na loja de i portas,
na rua 10 Oueimado n. 10.
DEPOSITO DA FABRICA
ndiistria Pernatiihncaita,
RUA DO CRESPO N. 0.
A fabrica do sahao e velas de carnauba, es-
tablecida na rua do lirura, tem estabele-
cnlo um deposito na rua do Crespo 11. 9, pa-
ra ah nicamente dar extraccao aos seus
producios, proporcionando assim a maior
coininodidadu aos consumidores. As velas
manufacturadas nesta fabrica, offerecem as
vantagens seguales: sao relias com a car-
nauba simples purilicada
por, sao inodoras c be
3f500
Vende-seca lde I.ishuaul ti mamen lechigada ,a
simcomopotassadaltussiaverdadiira : na praca
doCorpoSanto o.II.
A verdadeira fjracha ingleza n. 97
em I) fricas de I duzias de potes: em ca-
sa de James Crabtrcc & C, rua da Cruz
11. 2.
Vende-se superior linda de llgodSo branca e
de cores, em nnvello, para coslora : em casa da
Southall Mellor & Companhia, rua do Torres n. 38.
TAIXAS PARA E.NT.ENHO.
Ha fundipo de ferro de D. W. Bowmann ua
rua da Brum, passando o chaariz,'' contina ha-
ver um completo sortimepto de taixes de ferro fun-
levando didoe balido de :! a 8 palmos de bocea, as qnaea
achararse a venda, por prejo commodo com
promplido: embarcam-se oucarrega-seimacr-
ro sem despeza ao comprador.
^a rua do Vigirio n. 1!l, primeira andar, ven-
de-se vinho do l'orlo de superior qualidade da bem
cooneclda marca UW cm pipas, barris e canas de
urna e duas duzias de arrafas.
Mebis de todas as
dudes.
Vendem-se muito boas meias de seda pre-
las o blancas para senhoras pelo barato pre-
co de 3jS00,dita8 de laia para padres a 1JJ800,
ditas (le lio de Escocia pintadas para liomem
pelo baratissimo preco de 400 e 500, ditas
brancas c cruas para homem a 200, 240 e
280 rs., ditas piuladas e brancas para meni-
nos a 240 e 300 rs., ditas brancas, finas para
meninas a 240 rs., ditas brancas para se-
nhoras a 240, 300 c 400 rs ditas pretas de
algodo para padres a 60" rs.,e oulras mais
qualHtades que se vendem barato na rua do
Queimado, na bem condecida loja de miu-
dezas da boa lama n. 33-
Luvas de varias quaidadi s
Vendem-se ricas luvas de seda de todas as
cores, bordadas e com dollas a 2j o para
ditas sem ser bordadas brancas e amarellas
para bomens c senlioras a 1, 1J200 o IfSOOe
ditas de lio da Escocia brancas e do cores
para lmraens e senlioras a 300, 400, 500 ,
600, ditas brancas e de cores, de algodo,
proprias para montana a 240 e 320 e outra
qualidades mais que se vende na rna do
gueimadoua bem condecida ioja de miude-
zas da boa fama n. 33.
Vinl
Em
cernemente cheeadopelo brigue TrovadoroVvende-
se iiuicamenle no armazem de Barroca ^ Castro, ua
roa da C.deia do Recife n. 4.
ma da en i. si.
Antonio Barbosa de Barros faz sciente ao publico
que mudou a sua sala de barbear da casa n. 62 da
rua oa Cruz para a de 11. 51 da mesma rua ; na mes-
ma sala se achain as mais modernas bichas de llam-
borgo, que se vendem aos cenlos e a relallio, ealu-
aam-se, ludo mais baralo do que em outra parle.
Vendem-se dous pianos iones do Jacarandas
construeco voriical ecom lodos o melhoramento,
mais modernos, tendo vindo no ultimo navio de
Hamburgo: na rua da Cadeia armazem n. 8.
('indo do Porto, superior chamico.
1 caixas de 2 duzias e em barris de oitavo, re-
POTASSA CAL 71KGE1.
Moantigoaj bem conhecido deposito da rua da
Cadeia do llecife, escriplorio n. 12, ha para ven-
der muito superior potassa da Russia, dita do Rio
de Janeiro e cal virgem de Lisboalem pedra, tudo
a precos muilo favoraveis, com os quaes ficarao
os compradores satisfeitos.
-lECHASISiO PARA SKI-
pelo meio do va-
as na apparencia, |
entro.
Veode-M sement do coentro moilo
:::: 1.1! i !(:>() : im (.iberna da quina
'"OBRAS DE MARMORE
Baslo \ l.emos, na rua do Trapiche n. 17,
pan vender estatuas, pial, pedral
los de lile Igpolegidas, qoadrados,Indaaestaa obras
de marmorr, de alegante gesto, perteitai e em bom
estada, c par prcro, commodos.
queimam com igualdede e nao esborrain, el vendem :
niii) tazem murrSo e dao mais luze mais da- Lonas da Russia.
.VA FUNDICAO DE FERRO DO ENGE-
NHKIRO DAVID W. HOVVMAN, aA
RUA DO BRUM, PASSANDO O u
FAR1Z,
ha sempre um grandesoriimenlo dos seguinles ob
jeclos demechanismosproprios para en^enhos,asa
lr: moendas e meias moendas da mais modera
conslroccao ; taisas de ferro fundido e balido, d
superior qualidade e de lodosos tamaitos ; roda
dentadas paraanua ou auimaes, de todas as prear
roes; crivos e boceas de fornalliae registros de bo
eiro, aguilhoes,bronzes,parafusoscea\llies,moi
nhosde mandioca, etc. etc
NA MESMA FUNDICAO.
ie execulamlodasaseucommendascom a superior
ndadejaconhecida ecom a devidaprestezae com-
modidade em preco.
VINUO llt) PORTO (E.MI.M).
\cndc-se ptimo vinho do Porto em barris di
quarlo e oitavo, por prero razoavel: na rna da aea do Recile a. 13, escriplorio de Bailar \ Oli-
veira. "*
VENDE-SE
firasa de patente, prova d'agua, para
arretOS de carro.
Vinho do Rlicno de ciualidades espe-
ciaeslohannisberg <> Marobrunner.
No armazem deC. J. Astley&C.
-N. O. Biebere. C, rua da Cm/. n.
Em casa de Itabe Sclimettau & C.
rua da Cadeia n. o7, vende-se :
Elegantes pianos do afamado fabrican-
te Traumann de Hamburgo.
Em casa de Rabe Sclimettati &: C,
rua da Cadeia n. 07, vende-se:
Vidros para espelho.
Vinho do Kheno superior.
Conservas alimenticias.
Tinta para typographia.
rudo |or preco commodo.
N&valhfisa contento.
Conlinua-se a vender aKcOOO o par(preco ru! e
jabeaiconhecida.'iiavalliasdebarba.feila.s'peloh-
bil fabrcame que ha sido premiadoem diversa e,-
posioes:v.ndem-.secom aeondica0 de nao agr
dando poderocomprador devolve-lis al .10 .ni
denoisd.,compra,resliluindo-seaimDorlancia:cm
casa de AusustoL.de Abreu, na rua da Cideia do
llecife n. Jo.
Perliimarias fnis.simas.
Na loja de miudezas da boa fama na rua
do Queimado 11. 33 encontra-se sempre unj"
rico sortimento de perfumaras de todasfas
qualidades, inglezas c francezas, sendo -tos
melhores autores que ha em Farr e Lon
dres, a saber : agua de Colonia, uito boa",
sabio para barba de creme^e amendois
agua de lavatide muito superior, vinaerH
aromtico para dores de cabeca, banha mui-
to lina em neos vasos, extractos de muitas
qualidades, extractos proprios para|bolsode
estudate, esencias de varias qualidades
opiato o melburque ha para limpar detites'
P&S para limpar os denles, e oulras mu t
cousas que nao de.xarao de agradar aos aa
AOS AJUMES UO BOM E BARATO
Vendem-se ricas cdaruleiras bordadas
retroz servido lambem de carte.ra a U ,t?
tas sem ser bordadas muito boas a 2 V
carteinnuas muits ricas a y, dillls SLlg;
para viagem a 25500, carteiras grandes nal
d.nhetro a l/oo eifc tranceli^^
gtos prelos de retro/, a 160, afiadores mm
navalbas multo luios a \, pedras inglezas de
aliar iiavalhas a 1| e 1,500, rica"bei1l.
pelo barato preco de 13 e 18500, peni "Cm
escova o espelho para suissas 800 "s ^
jos para barba a e2,500, five,^ "curadas
para calcas e colletes a 120 rs., castoes mrl
beuga as a 80 rs., OMXioaas pa"a gua?uar
phosphoros a 160 rs escov.nhas para [im-
par peales a 240 ., Ch.cotes muito Zs
para cava lo a 800 rs esporas unas de a?o a
l#, gtavalas de seda muilo boas a 15, ataca-
dores de cornalina para casaca a 300 rs.. ni-
eis inglezas para barba a 500, 600 e 800 rs
camisas de meia muilo finas a 11200 ricas
abotoaduras para collete a 500 e 600 rs di-
tas para palitos a 500 e 600 rs., estojo.de,,.-
valhas linas paia barba a 23, calas tinlssii
mas para rape a 2*500 e 33, ditas redond.s de
tartaruga linas a 6?, e oulras muitas cousas
que se vendem por baralo preco : na ruado
yueimado na tem conhecida loja da boa fa-
na ii 33.
' FITAS DE TELODO.
vendem-se blas de veludo pretas e de co-
ros estreitas e largas, lisas e abertas de mu
ion umSt'l\?S> Pl barat0 Prec le 160
320 400 ooo e 600 rs., na rua do Queimado
na loja de miudezas da boa fama n. 33.
entes de todas as quali-
dades.
Vendem-se ricos penles de tartaruga a 5 e
ni'^rt lrde .alizar b0,,s d"s de
dito de marrar, a 15400, ditos de dito de tra-
vs a 4., ditos de unieorne para alisar a
19, ditos do bfalo muilo linos a 600 e 800
rs., ditos debaleta para alisar a 300 e 400
rs., ditos abertos imitando tartaruga para
prender cabellos muilo bonitos e bem tria
a liados a 13280 e 13500, ditos de b.leia a-
oe.losa240, 320 e 400 rs.. ditos de bufal-
para piolbos a 500 rs., na rua do Queimado
"a bem conhecida loja de miudezas da boo
liifllil II. 33.
BAWDEJAS FINAS E BARA-
TAS.
vendem-se bandejas linas e de varios la-
manl.os pelo barato preco de 1/500, 2#500,
M500 e 4? : na rua do Queimado loja de
miudezas da boa fama n. 33.
Guro de lustre marca de
castei).
Vendem-se pclles de couro do lustre de
muito superior qualidade a preco de49e
V5O0 : na rua do uueimado, na bem conhe-
eda loja de miudezas da boa lama n. 33.
TAB1HDAS E GRADES.
Om lindo e vanado sortimento de modcl-
los para varandas e gradsriss de gosto mo-
dernissimo: na fundicSoda Aurora emSin-
lo Amaro, e no deposito di mesma na rua
do Brum.
Para quem estiver de luto-
Vende-se na rua do Queimado, na bem co-
nhecida loja de miudezas da boa fama n. 33
voltas pretas linas e ordinarias, ricos alline-
tes, ricas pulceiras, e ricas rozetas, tudo do
melhor gosto que se pode encontrar e por
preco quo nao deisara de agradar aos se-
iinorcs compradores.
%ttm>o% flt#tai.
ra do que as velas stearinasou de qualquer
composicao, e que se vendem no mercado.
Fabricam-sedeO, de 7 e de lOem libra, ven-
nova, cada Jcl,d-S,! em caixas que contera 1!I2, 224 ou
i rua dos .Mar- j l-" velas cada urna pelo preco de 1 j/.
0 sabio be br.nco, as materias primas
de que he fabricado sao simples c inofensi-
vas, o cheiro que deisa na roupa beagrada-
ti-m vel; nvalisa eom o melhor sabio hcsianliol
is paia mesas c lijo- c he superior ao sahao americano, que se
vendo no increado a 2i0 rs. a libra.
Vende-se igualmente em caixas de arroba
c a preco de 16O rs. cada libra.
Os incrdulos comprando reconhecerSo
por experiencia a veraridade do que se an-
11 inicia.
Chapeos de palha
Italia.
(i
llaslo \ I.pinos, na rua do Trapicho n. 17, lem
para vender chapeo) de palha de llalla, dobradoa e
singlloa para liomem, lambem de pliantasia, e para
meuinas e meninas, das melhores fabricas e moder- r.
nos sosias, por precos commodos.
Pekiin.
YINHO D PORTO.
\ ende-se mml siiprrii r vinlii) Jo I'orln em liiir-
r~ de S.*, viudo no ulliimf navio d,if|iielli |>rorcden-
da : enirc elle in urna marca da orna qoatidadt ^c-
noina.sendo da eollieila Ir* 1834 ; a vista da muilo
fina qualidadt- e tln prero ratoavel o comprador ani-
ma-se : na rua deApolio n. Id, arma2em de aa-
-ucar.
nenio.
\'ende-se ccmi-no novo cm barrieaa omeiaibar-
ric.is, e a retalho, por preco muilo em coala : ua rua
da Cadeia de s>anlo Antonio u. 17, para acabar.
arme
a.
Ksla rica fa/onda de (i [lalmoa de largura lie inlei-
iinenlo nov em l'ernambuco ; fahrirada no celeste
imperio, de cuja capilal lira o nome. he de uns pa-
dre5lindissimos.e ainda nao vislos ate acora : ven-
de-se pelo baraliasimo prero de -600 o covaJo : na
m. do Queimado n. 7, loja da eslreila.
AGENCIA
Da fundic,o Low-Moor, rua daSenzali-Ro-
va n. 42.
Nesteestabelecimentoeontina a haver ucom-
plcto sortimento de moendas e meias moldas
para en^onho, machinas de vapor e taixss .de
ferro batido e coado de lodos os taminho.-para
CU E POTASSA I
Vende-se potassa di Russia c americana, rbe:.!a '
iieslc diasede superior qualidade ; cal de l.iiboa
da mais nova i|iie ha no mercado : no scusdepiM- ;
(os na rua de Apollo u. 1 A, e 2 II.
dem inglezas.
Brinzo.
H' ns da Russia.
Vinho de Madeir.i.
Algodao para saceos le assucar.
A!g(t(lrio2iiilis da Bahia
para saceos de assuca : vende-sc cm ca-
sa de N. O. Bieber & C, rna da Cruz
n. 1.
@

?@-S
.3
A ttcneo!
5W Na rua do Trapiche n. 54, lia
@ superior rape l'imce/.a do Brasil,
O 'llegado recentemente do Ro de
@ Janeiro, em qualidade pauoodif-
SJS fere do de Lisboa, ao psso que
O Ctista apenas l$400 a libra ; a elle
y antes que acabe, pois a icmcssa
;-.

f he pequea. v'-",'-'''-.''*..'>.'.,*.;T*,.'" cn> "> .-> **-
. .. .... ,,v -j o- www"I2ir%ra
lina do Queimado n. .
I.-das com fructas em ronseiva novuiner.te ehe^a- -
ilas ile biabo! a Slln rs., e com marmelada lina a tiid I I
por lilna.
ChI de Lisboa e potassa.
loi transferido o deposito dcale XirOM para a bo-
ina de Jns- da l.ru/. Sanios, na rua Nova
garrafal 59500, e meias
.k',
ullO, sendo fabo lodo
Ceblas.
Para liquidar se vendem muito li.ralas : no ar-
mazem di Antonio Aunes Jarome l'ires defronte da
porla da alfandega.

Na rna ,1o Trapiche armazens ns. Jc-jaquelle ,, nao for v.ndido'ueL.e"deposito,p."
, vende-se superior potassa da Russh"eMficpriMataaviie.
:,::::":::::';;,rr'. ::er,l':...... imnimute para ruino.
Para curad* phtvsieaem lodo.osseusdifleren-
Moinhosde VenlO leigrlai, quermolivada liorconslipacof, lo.sse,
. i *slhma, pleuri/. escaos ,lt saiiue, dr de c.is-
com bombas derepuxopari regar hortatibaf-, ladose peilo, palpilarao no corara... coqueluche-
xa decapim: na londicaode I). W. Bowman, bronchile, dr ni eaeanta, e tollas asmole.lias
na rua do Brum ns. b,8e10. 'dosorgos pulmonares.
MUTILADO"
10O.sOOO
DE GRATFiCAfjAO'.
Auscniou-se cm 28 de agosto deste correnle
inno da esa de sen Sr. Francisco Mauricio da
Malta Ribeiro, morador em Bom Jardim, comarca
do Limoeiro, o cscravo crioiilo de nome Fernando,
Lem moco, representa ler 25 annos, con, os seguin-
les signaes: altura regular, cabellos torcidos bem
pegados no casco, cor preta, olhos vivos, beir.es
groeos, com falla de um dente na parte superior,
barba imperial.corpo rebrcado.nadegar empinadas,
em pequeo foi alguma cousa surrado e talve/
mostr alguns vestigios, tcm os pese dedos curios
porem largos, be bem fallante, e corlez. Tem-se
descoiifianc.1 ter procurado para o engenho Jar-
dn,, comarca da cidade de Goianna.onde o mesmo
cscravo tcm seu pai, assim como lambem aparece
leve noticia que fora visto nesta capital : roga-se
por tanto as autoridades policiaes c capilaes de cam-
po de o capturaren, e mandaren, a casa do supra-
dtio sentar, que alm da paga a cima mencionada
sera generosamente gratificado.
ATISO.
1005000
No dia 23 de junho do correnle annn, fugio de
bordo do brigue Mara Luzia o prelo crioulo,
Manoel. o qual fazia parte da tripolacao do mesmo
brigue. de idade 24 i 2o annos pouco mais ou
menos, e tem os signaes seguintes : rotro compri-
mo e descamado, cor fula, cabellos cercilliades, o-
lhos um pouco grandes e amortecidos, beicos
grossos, sendo o de cima mais grosso que encobre
a falla que tem de denles em cima, falla um poueo
alropalhado devido a (alta de denles, pouca barba
e rala, e bigodes, lem na mao esqnerda junio ao
dedo minimo urna especie ds ervo sahido, as m-
degas um pouco empinadas, no indar tem um gei-
lo para um lado, cadeiras larg-as, cintura fina, ps
apalhotados e um pouco largos levou calca de al-
godo azul doshotado e carniza de algodao riscado,
chapeo do palha, tem ofiicio de cozinheiro, e cos-
inma emliriagar-se : foi escravo do Sr. Dr. .lero-
nymo Vilella e do Sr. Dr. promotor de Olinda
Queiroz Konscca, e ltimamente do Sr. Alberl
l'orstcr llamn : o abaixo assignado, senhor do
dito pruto, gratifica generosamente a quem o ap-
prehender e leva-lo em sua casa, no aterro da Boa-
N isla n. 53, segum|0 andar, ou no Recife, rua do
Trapiche n. 16, a Antonio de Almeida Gomes ;
como lainlien, protesta contra qualquer pessoa que
o orvultar em seu poder: assim romo gratifica paga
todas as despezas.Joaquim Lopes de Almeida.
I'KKn.. TVP DBM. F. DB FAKU 1856
'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDY2U1H43_1JR7BH INGEST_TIME 2013-04-26T22:23:38Z PACKAGE AA00011611_07646
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES