Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07592


This item is only available as the following downloads:


Full Text
f Anno XXVII
Quinta fera 25
de Selembrode 1851.
N. 216.
DIARIO DE W PEM4MBIC0.
rarqo da UBcnu-oAo.
PsOAMIKTO AOIANTADO.
r trimestre. '.........
pr icmeslre............
Por anoo .......
" pjoo DINTSO DOTIIHUT.
Por ia,rte^Ift,omii;o*
Pri
' dcSelbr. Minas... 3t de
u.'rVnhS 7 de dito |S. Paulo. 3 de
Mari i2dedlo. !. de /.. M de
prahba. .9 eSetb. |8.hl... 18 de
4/000
B/rDOO
I ">'.....>
4/500
Agosto
sclbr.
dito
dllb.
EIASDA SESIINA.
-21 Seg. S. Mauricio m. ,1
3 Tere. S. Lino p. m. 12.
U 0U"- N. S das le "I
ca ; i. Gemido. \3,
Su Qulnt S. Flrmino b.
2(i en. Ss. CyprlanoV.'i.
Ju-tina mu. .
27 Sab. S. lame. 4.
33 Dom. S. Venceslao
duqu"; a. Salomao.jri
AUDUNC AS.
Hito Je Orphoi
e. s iO horaa.
I. vara do civel.
Mi. ao meio-dia.
Faunda.
cG. a lo horas.
2- rom do civel.
eaabadoa ao nielo-
ll'I.V lu.
rcat c sab-dos.
IFHC*IBB1Bn.
Crcicente i 2, aa 11 horas c 33 iniaulc da man,
Chela a 10, as II horaa e 24 minutos da ni.
Mingoante a 18, as II horas e 9 mlnulosda ni.
Nova 25, as 3 horas e 52 minutos da uiaiiba.
rnumn de HOJat
Primclra s 5 horas e 18 minuloa da manlia.
S uun I .i .i, .i horas e 42 minutos da tarde.
PAB.TJDAS SOS OOBHSIOa.
Goianna e Parahlba, a legunda, e sexlai-
feiras.
P.lo-Crande-do-Nortc, todas as quinUs-fciras
.mu.....da.
Garanhunsc Bonito, a 8 e23.
noa-Vlsta,c Flores, 13 e 28.
Victoria, as qulnlns-frlras.
01 iiicla, todos os dias."
NOTICIAS IlTnAMOStIBA*.
Portugal. 14 de Agost.
Hespanba. 9 de dito
Franca
Rrlgica...
Italia.. ..
Alcm.nl a.
Piussia ...
Dinamarca
Itussla...
urqu
8 de dito
i de dito
2 de Agi>at<
3 de Jiilho
2 de Agosti
I de dito
JO de ./iilln.
31 de Julho
mi- ii i i... 3de Julho
Sulsia....; 4 de Agosto
jSuecia... 30 de Julho
Inglaterra 8 de Agosto
E.-l'nidos 27dc Julho
Mxico... 7 de Juuho
' ialifornlo 15 de lunlici
Chlll. 26 de Abril.
Huenoa-A. 2 de Selb.
Montevideo (ide dito.
cakbiosde 2| DC eiTSMaMO.
Sobre Londres, a 28 /JO el. p. IfOOO ra. Firme
Parla, 300 por ir.
Lisboa, sein transaccflei.
BfKTAU.
Ouro.Oncas hrsp.nholas.... a 2H/WMI
Moedas de 6/400 velhas 16/000 a 16/200
> de 61400 novas. 16/000 a 16/200
de 4/000...... 9/000 a 9/100
Prata.Patacoes braallelroa.. 1*920 a 1/920
Pesos columnarlos.. 1/920 a 1/920
Ditos mejicanos..... 1/750 a 1/760
JARTE OFFICIAL.
MINISTERIO DA GUEKRA.
LEIN. 6I&.DE 23 DK AGOSTO l)K )85I.
Vir,tMfnrriatierra para o anno financeiro de
rmm' f ,8M Vom Pedro por gra{a de Dcos c unanlnia
cciainafiolos povo. Imperador co ti t lucio-
pal e defensor perpetuo do Hrail I: Fazeuios
fjber a todos os nossoa subditos, que a assem-
,1,-a geral decretou, e nos queremos a le *e-
gulnte:
Art. I." Al forjas de trra para o anno finan-
t(ir> de mil oltoccntos e clocoeuta c dous a mil
oitocentos e cincoenta c tres, constaro.
tj t," Dos ofteiaes dos carpos movis e de
guaroico, dos quadros da repartifo ecclesi-
aitica e corpo de saude, di estado maior de
primeira e segunda classes, engenheiros, e es-
tillo maior general.
2. e JU mil pracas de prct de llnha em
circumitanclatordlaariai, comprebendldos os
corpos de guarafo as provincias, em que
Mr necetsaria esta especie de forcea, conscr-
vando-se licenciadas cinco mil, na couformida-
oY da disposirOes do artigo 3.* do decreto n.
jfj3dc34dejulho de I80, ede 26 mi) pracas
ero circunstancias extraordinarias.
3. De 960 pracas de prel em companhlas
Je pedestres devendo urna d'esta pertencer a
enmarca do Rio S.Francisco da provincia de
Minas Geraes.
Art. 2.* Parase completaren, as Torcas tUa-
dis no art. I." permaaecerao era vigor as car-
tas de lei de 29 de agosto de 1837, menos a par-
te, em que a mesina lei exime n recrutadu do
servico mediante a qtiantla de quatrocenlos
muris. Os novos listados sendo voluntarios,
serviro seis annoae olio, se Ibrem recrutadus.
Art. 3.a O governo lica autorisado a desta*
car at(lqnatro mil pracas da guarda nacional.
Art. 4.* O governo poder abonar s pracas
dos corpos do excrcito, que. podendo obter
balxa por teremcompletado o lempo do servico
quierem continuar a servir, urna gratificacio
igual ao soldado de primeira praca, em quauto
forero pracas de pret.
Art. 5." Sao havendo numero sufficiontc de
cirurgiss militares, poder o governo ajustar
por contrato os que forem necessarios por
lempo limitado, e sem prctcrlco dos cirur-
gides elfectlvos do excrcito.
Art. ti O governo tica autorisado a Igualar
os vencimentos dos o lucia es das companhia*
de pedestres aos dos officlae*. das compauias
dos corpos do exerclto.
Art. 7. He permanente a disposicao do ar-
tigo antecedente, bem como d dn y,0, do !
eret n. 542, de 21 de maiu de 1930, que elevou
os sidos dos sargentos ajudadtes, quarteis mes-
tres, primclros e segundos sargento* e furrleis.
Art. 8. Ficam approvadas as dis(Jo arti. 9, t0, II, 2, 23 parte ultima, 24, 20, 2(3,
.'I i-.<-.!,;/, i. c 2. do rrgulaincnlj expedido
Lotii data de 31 de marco de l85i, pira execu-
','i i da lei n d85, de ti de setemprn de (850.
Art. (j. O posto de mareclul do-exrrcito, s
ser preenchido, qmndo o governo juigar con-
veniente.
Ar. tu.* O governo fica deade j atilorisido
a prestar aos recrutas que foreni hentados, os
necessarios meios de transporte para os seus
doniicllloi. .
Ar. II,* Ficao revogadas as disposiedes em
cootrariq,
Uaudainos por tanto a todas aa autoridades,
a quem o conlieciinento c execti^aoda referida
le pertencer, que cumpram e tacam cuinprtr
e guardar to Inteiraineutc como n'ella se con-
ten. O secretarlo de estado dos negocios da
guerra a faca Imprir, publicar e correr. Dada
no palacio do Rio de Janeiro, aos 23 dias do
inri de agosto de I85i, trigsimo da indepen-
dencia e do Imperio.
Imperador com rubrica e guarda.
Jtanoet Ftlixardo de Souza e Meth.
Carta de le, pela qual vossa magestade Im-
perial manda execular o decreto d'assemblta
geral, que bouve por bem sanecionar, tixando
as torcas de trra para oanno tiuanceiro de 1852
ais.vt. Para vossa magestadeimperal ver.--Car-
los Antonio Petra de Barros a fe. stava o
sello pendente das armas do imperio. Eu-
ebio de Queirot Coitlnbo Mattoso Cmara.
Sellada na chancellara do imperio, em 'G de
agosto de i86l. --- Josino du Nascimento
Silva. Fol publicada a presente lei na se-
cretaria d'estado dos .negocios da guerra, em
27 de agosto de i85l, Mbanio Augusto da Cu-
oha Mattoa. Registrada a l'olhas Itil do II-
vro de les n. 2. Secretarla d'estado dos neg
eios da guerra, em 29 de agosto de I85r.
MaimtRodriu*ei de Sloura.
. Barra Mansa, se declara <|ii nao se podendocoa
liderar vencidas as letras pelo simples iuii aa-
j mnrtc do aceitante dVllas, se deve limitar o
dito collctor a obstar pelos meios Irgaes, a
qualquer alienaco, que se pretenda fazer dos
bpns obrigados ao pagamente da sua
Ao mesino, resolvendo a riuvlda expendida
no niticio do collctor da Estrella, declara que a
multa que se deve impr ao jttU, que ti ver sen-
tenciado autos sem estarem devida-nente sel-
lados, he a do art. 87^1. do regulamentn de
' 10 de julho de 1850, teudo-sc em vista a dlipo-
' slcao do art. 100 da lei de 3 de uulubro de (8ii,
i e a explicaco contlda nn aviso da justica de 27
I de feverelrode 1849. I pelo que toca a reva-
' h.l.i, .i/, cumprc que o collectur exijn scinprc
( que se apresentarem autos ou outrus ttulos,
que n'ella tenbao incorrid), recebendo-a da
' parte, que tiver interesse em laic-los valer, o
que tenhao andamento.
GUVjSttNODA FrOVISGU-
EXPEDIENTE DO DA 17 DE SKTBMBRODE
1651.
Ortico. -- Ao commaudo das armas, inlriran-
do-o d liaver designado o da 25 do correnlc
petas 10 horas da manhii, para reun.;
junta de justiva na sala da secretaria da ]
dencia, alim de que nomee dous
Iieriores para com o capillo de i
todrlgu Thcodoro de Frcltas se
da
dapresi-
lUclaes su-
r c guerra
rem de vo-
gaes da referida uola. Neste sentido expe-
diram-sc as convenientes otdens.
Dito. -- A pagadoria militar, intorando-a de
haver approvado o contracto que prrlend.
i i/iT p.ir.i continuar no serylco do eiercito i
mais oito annos o seguudo sargento Francisco
Tiberio Pereira Falcuo e o soldado Joo Ma
noel Marques,aiiibos do quarto batalhao de ar
tlharia p, alim de que mande abonir ao
sargento a gratlicaco'dc '> "* / ra., e ao soldado
de S50/riM recebendo o priuiciro 1110/ rs.
vista c u segundo ."'. rs. c o mais etnpresta-
(cs de 10/rs. memacs. Communicou-sc ao
cotnmandudas armas.
Dito, Ao director do arsenal de guerra,
diendu que em vista do que representou o
inspector da pagidoria militar, acerca da pra-
tica que i nn.ii-, dever ser adffllUlda, de man-
dar oalmoxarife d'aquellearsenal receber pe
riel do sexto artiiazeui, Ucutu Martin Ooncal-
ves Lisboa, os diiihetros que em virlude doi
rtgulamcntos e ordens em vigor devem ser
abonados ao niesmo arsenal, para pagamento
daifeiias de seus operario* c das denpc/,as a
seu cargo, tem resolvido que o referid-' almo-
xarifetempre que llver de receber dinheros
na mencionada pagadoria satisfar inteiraiuen
teas exigencias do respectivo inspector, pois
que nao deve de modualgum continuar a abu-
siva pratlca al agora seguida. --Communi-
cou-se a dita pagadura,
Dito. A thesouraria da hienda provincial,
para que i vista de sua infurma^o c do que
reclamou o desembargador ebef de polica
interino mande pagar a liento los Antunca Pe-
reira, c nao a Floriiuo Caetano Demetrio, co-
mo Itie llolia sdu mdcnadu u quinta do rdll
Ji:!:"'i|1 rs., ilespendida com o fomeciincnlo
dos presos pobres da cadea ;lo Rio Poriuotn,
rclattvo'aos tneies de marco a juuho ultimo*.
-- INestc sentido olliciuu-sc ao dio desembar-
gador.
Oilu. Ao srguwlii subsIHutn do jui/. mu-
nicipal da segunda vara deslacidade, ateutan-
daresnoatado referido jui/. municipal de .'W Ol! queenlhusiasino havera mais santo do eos prestados pelo almirante Grenfell sao ob- infanlarlaic eavallarla no Rio Grande do Sul,
dejiinho, e docuinenlns anneaos, t.ido cons- que o do novo brasilelro ao ver ime o dspota jecto dos mais altos elogios em llonteuldo. c subdivide a escola da corle em duas. UeaUs.
tante da. inclusa, c inlai, e lambem vista da sanliudoniicaineacava o imperio com urna vin- em Corrientes e Knlre-Rioa. J na qualldade Ulna derera ser eslabelecida em lugar onde o
iiifiirmi., in do jui de direito dessa comarca gancanefanda.se outassemoa contrariado no seu de militar bravo c eiperlenle, ja cin suas rea- alumnos militares acuartelados posaam cstud.ir
de 10 de agosto, que igiialuienle por copia liles plano de conquista de Montevideo, e recusar- (oes com os governns alliados e com os chelea e praticar
te ao governo imperial ; pois sobre essa reprc
seutacao informar esta presidencia coiuofor
dejuslica.
INTERIOR.
do reeebido o oftlcl
mandado entregar i
cni que coiiiiiiiiiiica ler
iraenal de guerra o Afrl-
Manocl, cunto consta do
I ii il devulve cuiifarnii'
|ll(!
j ti auto a d<
o sustento i!i
i, rrsulvcr-se-
acdeaque Ih
crrente.
: uinibrcs, di-
que re me tu
ra.
lomi
ni olio
ltenlo
ada ma
MINISTERIO DA FAZENDA.
Ao director geral das reudas, em solufo
^'id* ca|iressaa no otVicio do coiielor da
FOLHET1M.
TRISTAO OE BEAUREGARD. O
( PULO I1AB.QUKZ OK FOCO AS. 1
libo, importunado pela
leinuraiica dessa fatal divida de jogo, Trislao
cria nao ter sido jamis lio desgranado. A es-
ta conviccao que faia-o experimentar um vi-
vu M.ll'Mii'ieniu. velo ajuntar-se o sentimento de
todas as auaa fallas passagclramenlc apagado
I1 11 especie de embriaguez, debaiso de cuja
influencia vivia, ba algnnias semanas ; elle po-
de ver i 'man o lado real de sua situado e com-
prelicndr o nada e a loucura das esprrancas
a que tinha (inmolado tantos deveres sagrados
c tantas a'eices santas A h ui.i.i abandonada,
--orina Irabida c aeupal ultrajado ; Siiuao, csse
amigo de urna dedicado tiio grande e de urna
ff'oaclo lao doce, deixado como a mal in-
uinerente deasaa relacdes que se i|uebram com
* mesilla facllidadc com i|UC se contrallan, taes
cram os entes aos quaes elle prcrira inulhcres
inseosiieis e frivolas, taes cram tatnbein os ac-
tos culpavris aos quaea Ihe era impossivel fe-
mar os olhoa agora que tinba essa lucldea de
juno que succede ao desranecimento de ccrlos
onboa.
Serla temerario querer analjsar todas as sen-
atoes que faziam vibrar a alma de Trislao, lo-
nas as resnlU(oea que atravessavam seu cere-
.,..'. ,on,"w-e seu orgulho, sua Irrcsolucao,
auas vontadea sbitas, suas mudaneas rpidas
c piojcctoa e de ideias ; os partidos os mais
ablua" .,or,m alternativamente lomados,
d. ""d"*' adoptadoa como bous e rejeita-
,. ?".'0 I"?0'- Ellc fl Uinbem o joguete de
."'""'ao. ale que urna ideia. ao seu ver,
tcll .li *"? '"buamente ecl.recer-lhe a lu-
_?yi '? e ""' ,eu projectos Incestos,
le coin .IHa *"" PP"re a manhaa, disse el-
tilicir-. ',cra """"o <*" natedHL)..Sf"* vil;tl*,1t11 K". acrei celebre,
'""bsUote terem felto ludo para desanimar-
Alllclle, Colina eSimo
ano menor d
recibo que reinen
solicitou S, ii.c c duend
pea que se dii le sido fcit
dito Africano na cadeia de Ulind
badepoisque remellrr ns iulnru
foiam exigidas em olliuio de de
Dito. A cmara municipal d
/.codo que a vista da iuformaca",
por copia do I xui. bispe^gdiucesauo acerca do
oMkii), em que a mesina cmara representa s
bre a conveniencia de passar a ser nterin
mente matriz daquclla freguezla a igrej i q
coronel PanUleSo de Siquelra C
rteeia para tal lim eut Pesque
uio calado, em que se aclia de
irii da relerida l'reguetia, auio
que nao se d despendi alguna i
ires pblicos, a aceitaeio di igreja ollerecida
para os actos qucdi-vem ser celebradoi em ma-
tria, cunipiindu todava ja a este respeilo unta representar.ao a asscm-
blca legislativa provincial para que esta deli-
bere sobre ludo o que cinvier a iiiudanca d;
sede da mencionada matriz.
Dito. A cmara municipal do I.imociro.
Devolvcndo a Vuics. o ollicio acompanhado di
documentos; que o subdelegado dessa freguc-
zia Francisco Antonio da Costa Cabr.il, dirigi
a essi cmara, representando contra o jui
nicipal do respectivo termo o ba,charel Joo
Francisco Coellio llitancourt, c que Vuics. cn-
viarain esla presidencia com o seu cilicio de
de rcverelro, tculio a dizer-lbca, que .. JaU
i^^iaiaafciM^Miafc^^hiBis^
argo dos i
remello, nao procede accusaciio fei'.aaodito Ilic aviliaulese injiislas salisfaedes. hoje Irc-
juiz municipal pelo referido subdelegado o mulo e humilde, suplicando aus ps da Gri-
qual puder todava ministrar ao promotor pu- Uretiiihi, que anda ha pouco tambem ludi-
blico quaesquer documentos c provas i'c delie- briava para que Ihe snsteole a cadelra cusan
tos, pelos quaes deva ser proressado o inesmo guentada em que se elle sema, e da qual orde-
juiz municipal, pudendo lambein essa cmara noiic preseuciou com prazer infernal o i 'U ,
representar sobre o que ibe parecer convenien- on o assasslnito de todos os seus rlvaes e de
iunumerosos Argentinos de mu e outro sexo
que por qualqucr motivo iiicorrram i-in suas
iras ou suspeilas !
I E esse perverso t servil Oribe, que ha tantos
aunos tala e regoi deaangue solo de aun patria,
'para escravisa la ao dominio de llosas, que
tem arruinado c levado a desesperaco ns cslan-
ciclrns brasileiros, c perturbado incessanle-
j mente a Iranquillid.idc de nossas Irouleiras
de que desprc/.o nao he merecedor esse malo
lico iiistrumeiito du ileipuia de hiienot-Avrcs.
'i|uando escarnecidas todas as suas brav.iiat, e
desesperando de sua posicao, se curva ante os
reprcseiitaiues da Franca c da Gra-Krelanha
para que Ihe valliaui ou ao menos presiem os
seus vasos da guerra para Icva-lo e a sua gente
a Bni'iios-Ayres !
ESectlvamente a pdelo em que se acha es-
se proconsol do dictador de Buenos Aj res he a
desesperada poalivel. O general conde
lorca de
e enlr.iu
i IV i lo
pera-
ir aa dotitrin
da, torcas navaes franeeza e ingiera, tem-se infantarta, eavallarla .iriiih n i i e a segur
havido com a maior galhardia e acert. Como da, deque a primclra he filial, compieben
o conde de Caitas, o almirante Grenfell rene dera' o ensino das inalbeiuaticas, das scieocia
bravura c pericia o prestigio da fortuna naturaes e da eugenliaria civil, a sera conver
RIO DE JANEIRO.
AO AMIGO AUSF.NTP..
Corle, 13 d. selemlirde 1851.
Noticias do Sul c eneerranienlo das augus-
tas cmaras nao podiam deliar de dar a esta
mana una pliisionomia poltica, e torna-la
una das mais activas e interessantcs. Mases-
tas noval c vivas ImpreaitVi em nada pr,-ju-
ni un a concurrencia e fervor das fillis noc-
turnas, f i ra MRs, sWre, dos uiullliplices e inces-
santes halles. Muilo ao avessn disso,foram-lhcs mal
de um grande auxilio, cahiram sobre as almas,
ces c os sentidos que animao, que se
apaivnnain que goiamos prazeres espirituaes
e phislco, dessas regiiies brilliaulcs, como he-
in luco orvalhu sobre vleose cniinavi.il. Diiem
as amurilla les competentes, e entre ellas o Sr.
Dr. Paula Candido, que a guerra, em vez de
diminuir, faz croser a verba dos nascimen-
tos, poique o amor excitado pelo fgo e prrigos
dos combates torna-se mais productivo. Os
bailes, as reunii's lestlvas, ao menos insta ri-
snnliae divertida cidade, es'lan nn inesmo grao cil
de alinidadc para todas as leniacoca fortes e a- sai
palxonaveis. Os suceessos que estlinulaiu a
libra popular, que dcspcitaiu a curlosidade
publica e enlretem o iiiuvimeiito e a vi-la du-
ranie o da, rei|uintam o amor da inuziea, o-
bram sobre esses corpos saltltaotea como o
gai sobre os bilrs aeroslaticos, e offereeem
novos Ibemasa sanetes para as urlica, que
preencheni os entre-actos dcss.s oommedla,
uo gosto da reaeco contra os dramaturgos,
Disse que as ultimas e llsongeiras novas do
nono cicrollo e doirxercltos alliados, c o cn-
cerramento parlamentar com tudas as suas ne-
oeisarla, eonse<|uencias sao os eventos que
nesta semana maia doinlnaram a alinelo pu-
com que suas acedes tem sido sempre coroa-
das, piesentememc e em pocas anleriorea.
A honra do Brasil, a causa coimnum do im-
perio e dos estados alliados estao nobre e va-
leuteinente defendidas. O inez de selembro
em que t ii ii o sol da independencia, ser
d'nra em diente recordado por mais mu laclo
biilhanie, o triumpho que d'aqui a dias alean-
carao as armas Imprtaos contra seus iiiiinigos
do Piala.
O encerrameutn das cmaras Sabe o que
isto signiiica? O termo de urna poca c o
piincipio de outra, para o inundo polilico
para o mundo industrial, para os jornaes, para
o ministerio, para lodos. Os ruuxines da pa-
tria eniraui na muda, e com cites lodos os pa-
pagalos da imprrnsa publica chem em Irii-
lea e semsahoria. A imprens polilica mi
governa entre nos cuno na Inglalcira duiante
o interregno parlamentar sem as cmaras
nao anda, arrasta-se ; nao vive, vegeta, A jus-
ticassfnlta, 0,hlnoa das seus competentes jui-
/.'-s, os negocios administrativos comecam a
correr mais ligriraim ule, o pnvi ouve fallar
menos em seus direltoi c liberdade, e goia
mais dclles pralleainenle.
F. asociedade elegante: Oh1 essa e lodos
os seus adherentes sao os que mais vivamente
iientar.
milicia
de
de (axial marcha .i frente de u
11,000 homens, c uo da -i do carrente
no F.stado Oriental, onde a esta hora te
junecaocoino general Urquia, que o i
va acampado no arrojo de Salilpuedea,
a niargein direlta do Rio Negro, A nona van-1 aenlem ai InBuenelai do eclipse parlai
guarda, composta de >,A00 cavallelros e com-: Que deaialque imineuaa que snlV
mandada pelo bravo Rio-Grandense David Ca- doi bailes, nos seos estado-maiov e iiieuui
navarro, ja dias ames llnha panado aa noiu, Olelraa dos seus corabateolea, no Jardl
fronteiras, e parou em sua uiireln para espe-1 nal llores e no corpo de seus dmii'ai : O coi
raro general em chele com o grosso do eaer- mercio de l'.iris entra lias suas lell ordlnarll
Iteiiuidos os eirrcilc. aliados, atraves- acabou-sc a escasez das luva de pellica!,
saram o filo .Negro e Irlo vcli/ez ao encontr K uiuilos dos nosSOl leosi se retirnui. em v
de Oribe que se acha acampado cm S. .los peras de mu baile da corle, quanlo j.i teios
ciui um exercilo quail todo de soldadesca ar- una prima dona absoluta e um tenor de pri
gentlna, e cuja foica nao c pode hoje bem es- j mlislino cartello, Labncccta e /.ecclilui, c ah
tunar pelas de fe :cocs e deservocs que tem sol- est a cbegai ludos os dias a LibtrUU, carrrga
UCO computada em Oa lO.Duojda de mais nnmes acabados em elm c ,i, qm
luje nao exceda de l> 00(1 O- eani.im, que dins.iu, que airehataui c cucan
esistlr ao numero e i valenta latn Mal haj i a usura dos legisladores cons-
mandados pelos prestigiosos j tilulnle,, que i;io punco decrctaram para sub-
le Cavias. L'rquiza e Car/o
1'i.n
Irld
hoinei
lilieui
dos c\
bliea, so/, i (es ioo
para que se nao c>
luz sideral ou luui
mor e Importancia
cinaces das lalas
cas c dramtica,,
lugar distiiino na n
; sub-lliiho estas palas
lueclo de que i nolle, sol a
, nao ha successo elijo ru-
lobreleve o ruido e asfas-
ila usa u tes, phllharmoni-
A quadia actualha de ter
historia pillosophicj.
poltica c industrial, e sei
estaclo da alegria. di graca e
llluto Hlilorlco c Gcograph
consentir que se escond i
quecliuento, e se confunda com ess:
da monotona e liie/i, cuja leinbrai
me faz boccjir c adormecer, este pi
slr '
denoi
do luxi
leo do
las dub
em lima fazenda, <-uja meiadc perience mi-
nli i iiina. I u scrc celebre puderei pois, se-
gundo me aprouvr, colhcr a admlraeSo do
povo licando cm Paria, ou desdcnha-la prelc-
rlndo-lhc a pura alfeicao daquclles i|iic nao
tem cessado jamis de amar-iiie. Scici ce-
lebrel !!
'I'risto reaninado por esta nova esperanca,
dirigiu-sc no dia seguinte casa de seu editor,
para o lim de assegmar-sc que seu poema ti-
nha apparecido. O livrer deu-liie urna prova
palpavel disso mostraudo-lhc una mullidao
de exeinplares que acabavaui de ser bro-
xados.
Trislo passou una parte da manhaa du dia
seguinte cm ir n casa dos lineiros mais afre-
guezados de Paiis para saber se sua obra se
venda rpidamente ; ninguema liuba aluda pro.
curado s tres horas da tarde. A' noilcelle lor-
nou a comecar esta dolorusa peicgrinacao e
Miiiin- em casa de Deutu nu Palacio lleal, que
dous exeinplares liiiham sido vendidos a dous
sen Mures que tiiihiin viudo juntos para os
niprai-
nada a
p Olos-
razll nao
ra do es-
pocas
a alud
indo de
Ine estrclainoa a segunda viageiu
do sceulo XIX. Se o Sr. I'oi lo Alegre, nirigii-
Ihado as abalraccdes do seu poema do Bratll,
duvidar da veracidade desicpomodi historia
coeva, lico i|uc o Sr. Varnliagcn, que UilbeS
l eatd,e que como cu tem no ui jet do sen
lempo urna verba para os paisatempo,diverti-
dos e innocentes, hade salvara gloria cu re-
lime do acno de iHi. K cu pruvaiei a um e
a outro que o facto he digno de uun pagina
histrica.
Que ngilarao pacilica, que viva curiosidade
se inanlfeslou anle-bonlem e hontetn ichega-
di dos vapores du llio da Prata c do Rio Gran-
de : Que regosijo, que enlliuslasmo quando
se snuue que o brava eiercllo linpericl j pisa-
va o territorio oriental, que o estandarte aurl-
vcidc [leniulava garboso c n imnphanlc no
Paran, nn Uruguay, no Rio da Prata, que os
Inlmlgu, ila patria, os instrumentos da Urania c
da liarh ir i.l re se viiin abandonados, batidos,
rcduzido as mais orillea, ciiiuuislancias .'
llosas e Oribe abusaram Indignamente sla
uassa moderac-o c paciencia, amc.-Kni ani-nos,
issuliaram-uos, vexaram, assissinaraiu e rou-
baram aos nossos compatriotas c.labelecidos
na campaiiha do Balado Oriental. Mas, eiullin.
extravasou-sc o caiiv. do soll-imenlo, e o pie o
vu da razao e os seniimeulos da hiiiiiauidade
n.-io puderam conseguir pelos meios pacficos,
as armas imperiaes vio arrancar pela Corea ir-
reilstlrel de nossos bravos. O territorio na-
cional, a vida c a propriedade de nossos con-
cidadaos vao ser vingadas, e com a causa da
imperio sero salvas a independencia, a liber-
dade, c a clriliaacao das puvoai;oes do Prata,
que vlvlain oprimidas, sequestradas do inundo
civilisado pelo tyrano de Palcriuu, e pelo seu
perverso lugar-leueute.
i^m^p, aaa^^iasnssBSBSBSBsaaaa
oes
l.ta ha punen c
i, c lalvci
. pode
reltos coi
generan conde do Callas, L'rqu
iicui poderia fuglr sean pilo llio Ua l'i.ili pi
ra abrlgar-sc em lluenos-Ayies, c ah correr a
surte do seu desptico amo." O laguaram, '(ue
he a IVonlt'ia mais meridional du imperio, e
por onde se pode chegar fu uniente al ao co-
i do Rio Grande, he defendt-
io te 5,000 homens ao mando
nandea, F.sta divisan coope-
rte com o corpo principal
as Curcas onlrerianaie
o Itio Negro para a cos-
a. Atacado deile modo pi i i frente e pela re-
ii.ni da provino!
do por una dlvls
do brfgadelro Pe
rara opportunaui
slo esercito braslleiro
o ientacs.que desccu
Atacado
s da praca
ivanc idas
stado On-
que
tagtiarda, ho-idisado pelos d.-lensur
de Montevideo c de suas potlcde,
Oribe nao tem refugio alguiu no \-
enlal. c ha de siiccumblr ou render-se,
Elle bem o comprehendeu, quando recorren
ao Sr. llore, ministra da laglaterra em Monte*
video, allegando, por Intermedio do ,cu re-
presentante II. Carlos Villadeuio
java evitar dei i nnaueulo de san
te fementido amor da httmamd
que os vasos de guerra biitann
sem a sua passagem para 0u
Kra sua nica salvaco ; e se a \
gue, levarla a llosas a uiclhor gente do
ello argentino com a qual poderla este v
go retardar por mais lempo c lomar ni u
guiioiema a sin queda, que necessai ih
fia de seguir-sc no prado victorioso do impe-
rio, do, listados do Uruguay, de Rnire-Rlos e
Corriente,. PelUuienle o governo ingle/, pare-
ce ter eomprebendido que ca do Interesse sen
ede lodos, (!a hiiuianidade e da civlliaaciio, o
triumpho da-causa que pleiteamos no Estad
sidio dos salvadora}, da patria
meleo i-menderam que elles podiam viver de
ar durante uun prorogaco .
Delseinos essa serie de tristes considcracoc
na i toquemos n'uuia corda que ferc lona l:i
iiieliuculicos, nao despnenlos as saudades de
tantos c de tamas, c vamos recopilar os Icilos
com que os nosssos representantes se recom
mead.ram esle atino i gralldad dos presentes
c meiuoria dos vindotiros.
O corpu diplomtico fol, eniliui, niganisa
do, e a diplomacia ser d'agora eiudianie nina
carreira civil.O ensino primario O secunda
rio da corle, plisado e publico, nao perman
liaso e abandono em que tem euve
cera no
l'secido
a educ
mais
acac
mu
dse
ob es
Ihe ped
i dcCeudei
is-A\ es
i-xcr.
r.lu
me
mal,
que
ili
las
recebid de Oribe' K,
truccdei neilescnlido t
por lord Paltnerston, c
Montevideo, mi folie |i
deus positivas nn contri
o direito
ollcnsas
ju f.isse p
iham sidu
no se acn
ique na C
lo o Si. Gs
di
ile imp
pie letnol
arque lus-
maudadas
dltav i .-na
lia deor-
:einu
Occupciiiu-nos poralguus insiamcs deSuu.io
c do batao d'lgui'u.u. hste que nao amava se-
nao as cousas lenas, e que dcmals nao cuida-
va em cicruisar-sc cm Pars, bem como elle o
dizia, quiz ir casa de'f listo logo depois da
risita que lisera a Bounacboo. Fui Sima o quem
o impedio, dizcndo-llic que nao cunvinha lan-
. .i a i" i un, i. a nu esiiiritodo joven poeta
culo dapublicacodesuiobra. D'lgOl
tomar sobre si n responsibilldade de una in-
jiisiilicnda InlervencHO, ocrrlohequc cedeu
proinpiameiitc s reclainaces dos represeu-
tanteado llraiil, Kutie-Kios c Corrientes),ea
Irrisoria pbllanthropiade Oribe nAolofluloein
seu espiruo seno por aigiius iuitanlca.
O Prata, o l.'ruguaj o o Paran esla lorie-
mente defendidos cunta llosas c SCU lug.u-le-
neme pelas eaiiuadrilhaa de Corrientes c Entre*
llios, e pela divisan naval Inasilrir.i, de que
he cliefe u intrpido e atilado Grenfell. Esta
nossa divisan couipoe-se dos vapore Ajibaro,
Reelft, Pedro II e Qolfinko; da fragata Coaslilai.
; das coivctis O. /'ranciicii, A'nerat, f in,
Januerfa, erliooa, ilnhmna e Ikrcnice; dos
la mocldada HuiuI
industiia iein nenhuma
liscalisaeu netll llmllei. 'fcrenius, alm du
eollegio Pedro II, que nao s-,lisfci s necessl-
1 dades de nossa populaeao, mais mu eollegio
, nacional, c espero que de una Inslrucco mus
,'proveitosa, llouvc [e quem sabe se anda
i existe ; em certo eollegio um prolessur de
,j fr.ineez que venia com toda esta sapieucia :
ii A igrej d'Ajud-i: Vtlt de la JanVe.As
'amas de Icite : rs dmes de lett.~l.es mcrtiri de
rhcveur: as ameix.is capillars. L'n ro imiten
: apfiriil ni fiistie : um re indio pari um llus-
' so. A nova lei de Inslruceio cxigindu tambem
I moraiidade e aptldad inielleclual do, que pre-
I lendereui o exerciclu slo magisterio privado,
' e Impondo raaoavels oondfce, aos que quizc-
I rem abrir casas de ediicarao, lia de acabar
'com esses escndalos c perniciosa fraude. O
ensino primario nao se limitar como hojea
leitura, escripia eqoaira operardes de arito
mlica, ser reformado segundu' a num.
escolas frince/.as c alleiuacs, uo sentid
tida, como a academia de marinha, n'um In-
ternlo para os alumnos militares, que serao
sustentados com os seus sidos e com supri-
mentos do estado.
Quando todos os paizes mais adiautado, eut
nrganisacao polilica e social tinbao adoptado
leis espeeiaes para prcvencu c castigo de cer-
tos criines em lempo de guerra externa ou
civil, ns contentavamo-nos com alvars desu-
sados e di.p sicoei desconnexas, que nao com-
prelu-ud..... todos ns casos, e oem podiam ter
una execuco regular, prompta e tilica/. Es-
la ticuna slc nossa legislacio militar e civil lu
prcenchida por una lei que pune efticaimen-
le a espionagem, as deseredes e seducedes em
tempo de guerra e cm lempo de paz. Crftou-
e inulto contra esla lei, nao porque se deseo
hecesse a sua necessidade nos casos previstos,
mas p lu receio de abusos em sua execuco.
Os oppositorcs chegaram ao pouto de coofes-
' tal he a lu v i do principio de seguran a
publica sobre que assenta ale!) que nao rc-
cusariam amurillado militar, dadas as hypo-
liieses mais graves atli consideradas, o arbi-
trio de mandar fmilar por sua couta e risco.
Se, pois, os criines de que trata a lei sao de
tainanho alcance para a seguranca do esladu,
juc nao se duvidaria deixar aos chefes milila-
lircilo de vida ou de mora sobre os seus
amores, a lei que previne o mal c julga os
imiuosos com formulas e garanta, dejosti-
no justifica as denomincdes que se Ihe
ni dado. Como o perigo esta no abuso, cu
lo receio no Brasil um governo capaz de coin-
mciler assassinatos jurdicos. E su ha entre
uein seja capaz de urna tal moustruosi-
dade, fa-la-liia com mais descinbaraco admil-
tiudo-sc o arbitrio que os opposltores da U-i
jutgam que devem ter os chefes militatcs.
A justica civil mcieceu os cuidados de uos-
sos legisladores uesta sessuo. O governo loi
aulurisado para organisar mu reglmeulo de
distas judiciarias, designar as ferias c das
feriados du foro, e elevar as aleadas das auto-
ridades judiciarias.
A li'gislicao ccelesiastica oftcrccU una la-
cuna inulto sensivel; fol precnchida, submel-
lendoe os arcebispus e blspos ao julio do
supremo tribunal de jusdea, nos casos que
nao forera puramente csplrimacs
Os vexames'.dn cruzeiro inglez contra a nos-
sa oavegacio cosleira pediam alguina provi-
dencia que. defendesse o c ininercio licito de
nossas prnvfncias, se por acaso a nossa justica
e generosidade no trouxerem o gabinete in-
glez a um aceordo que seja a ambos honroso.
Ella medida fol objeclo de urna brilhantissi-
ma dlacuaslo no seuauo, para a qual chamo
a alinelo de todos os que se quizerrin escla-
recer sobre o estado de nrssas relacdes com
Gran-Brelaoha. O noaso direito, a violencia
dos cruzadores inglezes nao podiam ser de-
monstrados inclhur do sjuc o le o Sr. Paulino
Jos Soare, de Souxa, Dlgamo-lo em honra
do nono paii Mullos opposicionlstas o con-
fesfazam cm sua alma, e desejariam estar em
posieo de oolher para si c para o seu partido
as palmas desse Iriuinpho parlamentar.
Os inelborainentoa proviociaes Coram con-
templados em algunns disposicdei imporlan-
tes da lei de arcamento, c por urna autorfsa-
cao ao governo para conceder privilegio delu-
sivo compauhia que se obrigar a estabelecer
nina o in-g i...o por vipor entre as provincias
ricm vojo que, linda assitn, houve m.-i
i u'av a- ilti que. obras. Mais as brilhatuns,
os discursos do duas e tres horas mo valom
nada ? So assim he, so os discursos do p,m-
l'j, puada nffO illlislrain o HOSS'I povo, C nllo il-
las orediUoosyatarm represenialivo, fir;o vo-
|ue i n'uina carta cm que dissertci l"S para que os des-Jos do Si. .Muntezuma
um pouco sobre isla malcra. Mas o inell.o- sej.lo salisfeilos.islo lie, ara que ,8 duas Ca-
e msrssapprovetn a ilideS. Ei.,qqe heolo
sta conlraetarem a pulilicacflo iles-us debates,
odoixarcni qun si t-ncariegucrn dessa sua-
ve trela os que a q.iizorcm faier gratuita-
inenle.
f'1
D.
bngues Bolo, Vaptlienbc e Cul/io/ii-, Os serv
dii os propriol cailizcs desapparc
ramente c cm dous un tres armasen
d'lgornny c Siuio Iuimiu pro-rurar oliv
caixeiros I iran obrigados para Ih'os a;
lar a procura-lo milito lempo debiixo d
tes de obras prii.nscsquccidas ou igt
l illlei-
s undi
inou
adas.
IO III
Pelos signacs que o livreiro deu-lhc deslas duas nomc e
personageus, Trislao rcconheccuquc Sluiau era
una dcllas, a outra parecia-se com d'lgoruay,
o que parcceu-lhc tao cxlra irdinario que elle
creu que havia erro da parle do caixeiio da l-
vraria ao qual se tinha dirigido. Ellc voltou
para casa, quebrantado de fadlga, abismado
de verguuha ede dur, e convencido da impo
nay, com quantsi pouco lilleralo, reudeu-se a
esla rasao : o curacu suppru nclle sempre a
Intelligcncia ; esperuu pois c para ler pacien-
cia, Simau e elle depois de tcicinlido c relido
com urna admiracao leinpre crescente o poema
de Ti isln, consigraram lodo seu lempo a pro-
curar lnformar-sr do cllelto que elle produzia
nu publico. A esle respeilo suas illuses cram
taes que iudo na minliaa do dia da publicacu
comprar seus dous exeinplares cm casa do li-
bo Dcnlu, leiiicram que Itirs rcspuiidesscui
que a primciia eslava j csgoladi. A- segunda
que.i.i i que lizeram, responderam-lhes que
niuguem tinha aiuda procurado a obra, o que
nao admirava, visto que o.autor nlo linda u
hccido c amado do publio
Ellc se lara Mohecer, disse o baro.
Ninguem le mal versos, replicuu o oal-
xeiroda Ii vi aria, e os gabinetes de leitura nao
os comprju mais.
Se cites fossein todos como estes, os com-
pradores viriaiu cm WUllidto, murmurou
l'lgornaj apanandu-sc furioso contra o indi
Os dous amigos vollaram para a casa desespe-
rados.
Ter-nos-liianios engimdo sobre o mrito
de nosso amigo Disse o baro. Esla indiilc-
renca do publico he iucoucebivcl.
Nao sei o que pense a esle respeilo, c cs-
tou desesperado, respoudeu Slm
amento nio he sii para esta cidade ? Sun
sd para a edrtc ; mas o llio de Janeiro _
de posse dellc, c ser mulla desgrava' s
presidentes e legisladores provinciacs nao o
rcgul ireni por esse padree.
Os cursos juridicos de Oliuda c San Paulo
a c-'Cola de medicina da Baha, e as escolas mi
litar e de medicina do Bin de Jantiro lambeui
incrcceram as honras desta sessuo. Deu-sc
ao governo autorisafu c bases para inellHira-
las. \ reforma era necessaiia a dcosa Mi-
nerva inspire bem o governo na sua eaecucio.
O inelhorameiito principal que receber
cursos juri lieos, ahiui du augmento dos
nados de seus lentes, he a creacao de
duas nli iras, una de direito romano c
de direito administrativo.
no os
orde-
mali
A rcfoiiiia do
tante, porque o
IIIO NI
[llar he mais impor-
iiiso das armas de
com a sua pessoa. seu.io rogaudo-lhc que qui-
zesse serineu genro : ci< como eramos todos
na outra liand-. 9
- Ah! quanta boudade '. rxclainou Slmo
eom
Quem me livor alurado le esle niomeulo
c for dessos espiritos minuciosos que si
procuran os d 'Cellos o contradiques do urp
I obro escriplor, ou f crtencer a classo do>
que prefercm um bom sntnno do dei hors.s
a rpida vigilia do um bailo, una partida do
Ires selc .i msica e divertidos movimeiitos
ile urna scliolhllsch, lia dn exultar, pensan-
do que desta vez nilo tenho qua cuntir ncm
sequerum concert do realejo. Convido a
essa quem nuor qn* j. nn < m?tt! rt'un,
curro, que, so o achar, Ihe nao ha de ciistif
'--- ~* -i-i-d------------'' :._u
Estas quatrn personageus furaui postar-sc
em derredor de nina mesa visinha daquella di-
.iiii' da qual Simu eslava sentado, e pcdiram
juc queriam almocar. Simu
in do(
i da un
_ .\<
da Ihe
aiuda
poi a ni
- \h
manhaa
Agora, meu joven amigo, elle deve ver' O Sr. me acompanhar, assim o espero,
iiiic se engaara, c bem me eutende, nao he ?. Farci a esle respeilo o que o Sr. desejar
nao posso mais hesilarem moslrar-lhe o resto j respoudeu Simao ; lodavia creio que he me-
da verdade. A' manlia irci casa dellc pelas | Ihor que eslej s com elle durante esta pri-
quanlo desejara estar com elle
dei h
dias p
leticia de seu talento e da impos'slbilidade de viduo que julgava lu mal a intelligcncia c o
suas esperaneas. I res das depuis dei excmpla-' goslo do pubiico.
es de seu hvru foram vendidos a bibliomanes Quanlo ao caixeiro, elle limilou-se a achar*
que faiiam collcccu de ubras monas no as- j nuil simples que mu leuhor que traja camisa
cedouru. O nico triumpho que Trullo oble- com bufes, c casaca aiul clara oo estivesse
ve, era por elle ignorado : o baro d'lgoruay' multo a par do que se passava uo coaimercio
Siiikio tinb.im churado au ler seus versos
As grandes provas da vida coniecaram pois
para o pubic I ilstao. Ellc conliou-sc as Ins-
piraces dcieu orgulho que lora lerido. Elle
prestou ouvldui complceme aus murmurios de
seu egosmo, e sacriheou-sc a si nic-siiio aluda
mais do que sacrilicra aquellos a quem amava
pois estes pelo uieuos cuusolavam-ie pelo peu
Esla viagein Ihe tei custado oro, mas
se aproveitar a licao, u.io ser anda de todo
perdida.
Dcos qtteira que o senhar sej bem suc-
cedido, quauto a mim, nano espero I elle que-
reriular contra a lorio, tomar a desforra,
mais principalmente nio spiercr confessar que
se enganou em seu calculo.
lsso ser preciso, cu Ihe porcl o dedo so-
bre todas as suas faltas. Demais tenho Infe-
lizmente um motivo mui poderoso que lser
valer, lima carta que recebi de Celar esta ma-
nhaa. inloinia-iiie que a Sra. Muelle est mili-
to doenle. Oiiandn o irinan soubcr disso, nao
qnercr allllgi la por mais lempo.
Min.m nada respondeu, mas seai rosto alte-
rou-sc to sbitamente que d'lgoruav com-
preh iicl.ii que nao era por IndiHeren;'i que
da lillcraiu
Siman e d'lgornay, ao lahircm da livrarladc
Deutu, dirigliain-se para um gabiucle de lei-
tura; elles queriam saber o que pcnsavain as feco drlla, e bem me cntende
folhas a respeito da nova publicaco. Leram Msso depender de mim....
comcllcilo ucllas mui bellus annuucios e os
elogios devldoi penna do pobre Trislo mas
acbaram que ca bem pouca cousa es.a-, pou- com nina voi profundamente couiiuovida
elle sccallava
Eu bem desconfiva exclamoii elle : vos-
.o ama-a c ella ama-u mancebo, seu proced-
nenio para com n irin i torna-o digno da af-
uo he ? Se
Por favor, Sr. baro, nao falle assim : nao
uein, nao devo esperar, intcrroinpcu Siuio
> Eu serei eelebr
' perdoaio
lrulT,,0",3"1 ,Ku "'celebre! tcin.c.-
lu uriadftV0"""111""1"" P0"31"" p-
gar ninfa, dlloa ,em ln(,Uei ooU(i ^ ^ ^
(*) FWs o Diario n. 2i5,
sanenlo de que nao Ihes liuha falladu coracao cas Hullas de elogios, lodavia cousolarain-se \ E porque nao esperai?
' pensando que era dilllcil I allar-se uieilior de, Fallemos de Trislao, Sr, eu Ih'o supplico!
[ um livio que uo se liuha tldo aiuda lempo de 3 Elle s deve oceupar-nos ueste momento,
apreciar. 1 Nao he nellc que cuido desejaudo que a
| Veremos manlia, disseram elles i ter-1 irma seja feliz? F.scutc-nie, Simao, proseguio
minando esta primeira .correleo, durante ajobarao coin a mais nobre franqueza, cu sou
' qual o acaso uo pcrinlllio que ciiconirasieinjorgulhoso como qualqucr, e mais lalvez ; te-
\ a Trislao, o qual pela sua parle l'aiia o inesmo. J nbo inultas veles censurado aillan(as desiguaes
da quanlo o orgulho depocii. Poucas horas No dia seguinte uada mais de anuuucios, nadaique um amor despresivel de riqueza acouse-
pois bastaram para destruir a obra de mullos mais de elogios, nada de compradores. A obra 1 litara ; mas declaro-lhe que le tivesse uina li-
dias, elevada custa de multas acedes culpa- nao viva uials senao por alguns cariases pen- ^ Iha e vosse tivesse teito por Cesar o' que tem
veis. I durados tas vidracas das Uvratias. No outro feito por Tiistao, nao me Julgarla quite para
estruudo
cntrrnecimeiilo. O Sr. fallar a Trislo uo reparou que Bourrachoii naolhe corre,
ira, nao he. disse ellc depois pegan- pondera a saudacao quese creu obrigado a fa-
o do baro. /.er Ihe, elle uo pensava scuao cm TrisLio De
tenho o direito de faier mais ; porcm repente o nomc desle pronunciado multas vc-
dissimularei, pois crcio que elle igno- zes em voz alta pelos recem-ebegados, arran-
que Ihe prestei um servico, e isso me eoit-o a sua preoecupacao : elle pos-se a ea-
inuiodo. cutir
Eu tinha predito o que acontece, disse
ourraclioii, be urna ruina completa, urna que-
da da qual nunca mais se levantar. Nao Ihe
fallava em verdade sean isso. Km lim cstou
contente, pois nao vi jamis suberba mais in-
slenle que a sua.
Paguu ellc alinal a divida de jogo, per-
guiilou um outro. Algunns pessoas aiuda hou-
tem puiiham isso cm duvida.
A divida l'oi paga, respoudeu Bourrathou ,
mas nao por elle.
Ah '. come-nos isso, mcu charo Adalber-
to, disseram ao iiiesmu teinpu ns companbei-
ros do celebre iporfimau.
Boiirrachon nao se fez de rogar e referi im
mediatamente, ao seu modo, todas as particu-
laridades da visita que d'lgoruay Ihe tinha fei-
.- lo, cntreiueiaiido em sua uarracao chascos lu-
i'ermitto-lhe sonharque he o marido da bre o digno lldalgo e rellrxdcs mais ou incuus
Allicltc de Henil,,;.,, i. offensivas da boma de Trislao.
c se qulier crcr-me, d.nlro de tres meir.i entrevista. Eu o conheco, a Ideia ce uia
os-heinos caminho para a Boigo
Elle
ijuitada de ante nio o revoltar
vera maso una irania e nada obleremos.
Tem raso mas se o Sr. nao for eoini-
go. acara aqu alim de que eu saiba onde o de-
vo procurar se Jiver necessidade de sua pessoa.
rarc mclhor: irci por-me no cale Tor-
lum que Hca multo perto da casa delle, e ao
primelro slgnal que o Sr. me fizer, Irel la
disse o baro levan-
Boas uoiles, meu ami-
ter.
Miravilhosamciite
lando-se para retirar-se.
g
s
No dia seguinte pelas dez horas uieuos al- ludo lito, meu charo, responderaiu os
guus minutos, desciam de um carro no bou- tres ouvintes oo prova que esle on.iual uo
levard dos lialiauos na esquina da risa Taiboul, venhada parle do conde de Beauregard.
o baria d Ignrnay e Simao. O priiueiro diri- Espcrem o lim da aventura, conliuuou
gio-sc i .niiiediai i.ui'ii ie par. a ra do lloussaic Bourrachou.
o outro subi a cicada de Tortoni e leudo en- Anda honlcm noile, proseguio elle, os
contrallo o pavimeuto terreo invadido pelos tres adversarios do conde de Beauregard, co-
freguezesda liols., cstabclcceu-sc em um dos mo os Srs. os cliamam, rreeberam uina carta
salocs do prunciro andar, onde uo havia anda delle na qual Ibes pedia que o excusassem por
ninguem. Urna hora que pareccu um sceulo a nao ler-sc aluda dcsobrlado para com elles,
Simao, passou-sc, iienbuma meniagein Ihe veio annunciando-lhcs demais que se oceupava se-
riamente diiso Aiuda duvldatn ?
paia eom elle.
Ellc quls ser independente dos seus, c pro-
eurou de balde o apoio de syiupalhias eslra-
iihas Prefeilo aos santos c duradouros praze-
resdafelieidade verdade na, os prazeres ephe-
merus da vaidade salisIVita, e a vaidade do bo-
inem do mundo fui nellc lau ludeuieute ataca-
da parte de d'lgornay.
Que se estar passaudo l, disse elle eom
sigo. Este longo silencio de um hoiiicm to
expedito ser acaso de um feliz aguuro? Ab !
se elle nao for bem succedido I
Siuio no podia tirar os olhos da porta de
entrada, espetando a cada nstame ver apparc-
cer um comuiissionario ou o criado de Ttlsiu
o que Ihe leiia pareeidu muilo mala tranquil-
lisador aluda. Pelas ouze horas e um quarlo,
pastos apressados se lizeram ouvir na escada.
Simau icvantoii-se, conveueido de que la ver
He extravagante.
He incouiprclicnsivcl.
Eu quizera bem ter una amigo como este
Sr. de barrete de pelle de rapoza,
Aposto que be seu pal, accrescentou Bour-
i i.-Iiiin : He insolente como elle. Eiuliui se
algum dia cu n encontrar, bel de insluar-lhe
que quando um liomeni tem mu lilho como o
seu, uo deve irazer a cabeca tan alia.
E nao temerla, Sr., passar por um co-
barde dirigiudo-sca um velbo, quando se tra-
mis capaz de espuudei-ihe
entrar o baro e o .migo ; inaslornu a cablr la de um joven
consternado em un cadelra, pois rccoobccera como merece ?
Bourrachou, o qual vlnha acompauhado de tre, A esta interpela,o fclU com urna voz ener-
individuos descouhecidos. gic e lodavia calma por Simau, o, quatro
ILEGIVEL


2
3
menos de um dil de subsidio pirlamenlar
e siga camionode Andaraby Granda. De-
pois que tiver andado causa da duas Ir-goas
por urna estrada ladeada de jardins.oilacios
e lindas casias de campo.chegsr*. urna im-
mensa el inicie sobre quo se eleva um sobar-
bo edificio, que etn grandera disputa com
aa alcaoliladas mooUnbas que o rodean).
Entre pela extensa lmela a que o convida,
para a qual o chamam as lus a que a illumi-
Dam e oricoporlSo quea defenlo de pos
proafaoos. Julgir-sc-ha, ao penetrar nessa
casa cm torno da qual ludo he noite e silen-
cio, trausporlado a um palacio de fadas'.....
Que maior o maia deslumbranteespeclaculi
puderiaeu olTerecor-lbe do que o primeiro
dos Palacios de Andaraby Grande, c a reu-
niSo universal quo ah leve lugar sabbadc,
aniversaria da independencia do Brasil.
De foito, nlo so pJedescreyera ssnsacllo
que deveriam esperimenlar todos os que,
ao cabo de urna lenga viagem, por lugares
qu a essa bora da noite arrome lav.io a soli-
dJo, se vissem no meio do todas as nacocs
que habitu o Rio de Janeiro, encontraste o
da, vldt, o movimento, a ordem e a de-
sorden!, a alegra, a msica, a dansa, o faus-
to e todos os regalos appetcciveis. Sora sem-
pre ama lembraoca agradavel a das horas
que se passrSo como instantes na bnlhan-
te e numerosa socio la Je que o Sr. Josc
Maxwell reuni em seu palacio de Andi-
rahy.
Outro do administrador do cemiterio, remet-. perar por ella algum temp, como acontece
leudo a l'olha doa ordenadoa dos respectivos ; g veles com os soberanos casnnirros; mas
emprfgadoo do mea fiado: depachou-ae, mao-1 ngs0 nj0 9e perdeu. I)ir-se-liia quo nao
dando ae pajar. .eslava aberla a exnoslcfio m quanlo nRo
- Fui approvado opaiecer queapreicnioua h mir,v,nM d9 producto
..om.ul. encarregada demarcar logares no.. e,,[.,t<- Aaora noe Mulbouso e Lyao
cemltcrio para ai lnnandadea construlrcni ca-!aesia Ciuaue. ngora qau "! '
Ucumbai.dUcndo haver Indicado o do SS. Sa- concluirn, a sua exposicao leg"19; ""
cremento e da. alma, da m.trls da Hoa-VUU pies e synoplica, para ver O Mm luniaro
logar para 150 catacumbas ao lado do norte do de curiosos que se agglomera de reaor uea
cemiterio, principiando do naacente para o tos brilhanlos galorias do primeiro aunar,
piienu-;.-i de Santa Rila de Cassla: na inesina uma on la continua de visitantes, que vom
dlreccao, para 100 ditas; a do Divino Espirito j gauijur a c aja rainha do nossas induslri-
Sanlo, ao lado do Sul, do naacente para o po- |g, n;lo .c 0ve ono esta cxclamacSo;
ente, para i5o de N. Scnhora do Terco |i||0! Admiraval! Primoroso I '.
neama dlreccio. para 100; e de ah rollando pe-, .h.B.dn mnrronl(, da d
ra%es obri-ando-sc a farcr a obra no prazo de dres, Taes rumores no polillo ter funda-
Gmezcs;cntcndendo a mesma commlcao que nlQ se|1[() UQS prlmeir05 dias, quanlo
se dlsla autorlsar ao administrador_ do'"lile-. com ^-^ MJ5tlnhDOI dnsrmba-
nquciaro' >i< r3pr"'j',, I h^r^rpublfco passava estupefacto por
esoiveo" tSKGZJTf S^SA iwU o ossa, tf TU. e 0*^
rmoadeconceaiSo de terreno, tendo-sc em i os. Era um espectculo tanto mals deplo-
vi,M as dispositiva do regulamento do cemi- ravel, quanlo maia silo duradouras as pri-
lerlo. meiras impressOes, c sobrevivem as vetes
Foram lambemaprovados dous pareceres da a realidade que deveria modillcal-as. Ha
commissio de edcflcacio sobre aforainenloa de I ..-. provinha dos expositores, quo cs-
..________J_ ___-l.-k- ...........ia... i.bI. ariinL I ...___ ___._lfl
terrenos de marlnha (requeridos pela adini-
M..i i .i, .i i geral doa eatabeleclineiilos de carl-
dade, Jos lligino de Miranda, c suas irmaiis,
Aoaclcto losede Mendonca, c Manuel Pestaa
de Andradc; sendo de oplniao a commitsao,
que o terreno pedido pela adininistraco, exis-
tente nos coclhoi, e fronteiro ao grande llospl-
"j- it-. i,,. ., i I,, lente nos cocinus, c ii umciru au g. .,.... ...,..-
Quixera anda fallar do ultimo uiverii 10 ( u, em conslru0i devia Hcar reservado para
espectculo da sociedad* Melpomene, que 8erCni publica, delineaodo-sc nelle ras
nessa noite em que a goiei Irabalhou como o c,pacosas, e praca, alim de que esac edificio da
n8o faria molbor a mais acreditada d-l nos-' carldade fique livre c deaabrigido pediudo au-
sas companluas dramticas, Quizara fallar torliacao do governt. da provincia para ac alte-
do sorao do Sr. commenlador JoHo Caldas rar a planta da edadenesta parte, e conse-
Vianua, que ^^j^Jg^ ESttM?SStt tfe
xerafesU que houve domingo pansido na ^ por ftcar e terreno por elle pedido com-
Iregucxia do Porlo das CaixM. que moveu prc|,cndia nl ,]Uciic ouiro; cquanto aos ou-
o povo e porsonagens desla corle, e em que ,rus re,|,|Crentcs, que se nroruiasse em aemi-
ossenhores Candido o Antonio Rodrigues do favorarrl, entendendo, a comnilssao que se
Torrea mais llOMfOt se tnjStraiSo obsequio- ihes deve inpor anbrigaro dcccdcrareni, aem
aos e se recommrmdaram estima dos devo- ndetnnisacao alguina. a porciio de terreno que
tos do Sossa Senliora, e mais ainda a grali- e liier mlslir para ras e travessas.
d/o^dosa^gosdasuafesl^^^
fai-lo, se j tenbo abusado dii tole- rcj Ferrcjra dc cdclit.a5o, Mamcde c /larro, i
rancia dos que me lem, e se he lioje nono jc nededes, I)r. MoracscCarnelro Mouleiro, c
Uevo ir amanbSa ao Prado Fluminenso ? i Mondou-ac rcmctler a commlssao de aaudc
gua-
da Silva. Que os ventos Iho scjSo propri- Despacharain-sc as pelicocs de Denla
cas, e possa nessa sua rpida psssagem cioPraaerca dos Santos, Domingos Garca Pa-
pelaEuropa ampregar a hbll cudlla pen- rame, Jus Aoloulo dc Faria Cuulo, Jos Sapu-
nadoaulordo Plutarco Brasileo em de- rll, Joao Francisco da Costa, Jos Fernandos
Tender o nome eos d.reilos da nar.lo que Wras,Lul,Joada csxl;\'ZT\\, K^lllT
ISO dignamente representa. $,*'AX?$?n '
[Jornal do Commtrcio)
perar'am quasi lodos o ultimo momento,
uns para acabar, oulros para expodir os scus
productos.
Moje ludo e>ti reparado; n antes do comc-
car o sxame comparativo de nossas diversas
industrias, comas de nossos rivaes, pos conllnnar-vus sam preoccupa^ilo patritica
o que vos lizera presumir tas minhas anteri-
ores; que o nosso tnumplio cerlo en to-
da a linha, explcmlido sobro ludo ni de l.y-
1o. fito porque Dio veja despontar no lio-
n- me poterfcias ameacadoras: nomoal-as-
hei somente, aguardando maisampls infir-
matilo; a Suissa tem litas, a Italia lem vellu-
dos, e a llispanha objectos de soda, quo me-
racem a maior alloncSo. A China mostra
chailes. o oulras fazendas lisas notaveis, a-
t meimo pelo gosto dot bordados, Mas
t-nde por asscntadu quo nos flcainos os cam-
peadores, os arhil os ineonlesliveis da ini-
ciativa c da arte. Un ingloz, bo.n Intendc-
dor, diziime honlom Nos tomos a
quanti lade, c vos a qualidade. O ioglez
liu ha rasflo.
Ser fcil demonstrar quo poderiamos 1er
tanto uma como outra: hastar deixar entrar
as materias p-imeirasdo traballio polo pro
po mais baixo da sua procedencia, seja don-
de lo r. U que do ordinario mais prejudica
a extra cello de nossas faz-ndas c a sua ca-
reslia relativa e esta provem sobro ludo do
alio prceo das inilorias primeiras.
K essi urna qoestfio de all'andegas; Illas
pelo quo tuca a arte o ao bom goslo, este fo-
lio sagrado n3o polo roubar-se; a ICxposicilo
L'niversal bom u prova, c muito aln das
miohis esperanzas; nilo podem tirar-nos
Eu anoel Ferrelra Accioli, scciciario inte 'esse privilegio, como no poJfm privar-nos
tergrandisslma influenoia no cuidado, com
que a mesma collecco foi reuriida.
Quom no conliece a India senBo pelos li-
tros, e no tem a este fespito melnor guia
do-qus os escriptos do nosso corapalrioli
Jacquemont. pode vtaos exposico eio
toda s realldade, sam casto, ncm fadiga; so
Iha falta o clima; o al'foulo-mo a dizer aue
bastarla esta collecclo para sttrshir a logia-
torra milbOes de visitantes.
A primeira coiss que di na vista, e a du-
plicada sorie militare naval, contando spe-
ciroens do todas as cmbarcacO'S, de alto
bordo e pequeas, que navegam nesses ma-
res remotos. Quantas formas diversas do
espingardas: de bombardas grosseiras, de
pislas, de frexas, de espadas, de punhaes
enfeilados de mil manciras, de facas de mal-
lo, de ouiras de folhas curvas, de alfanges
ludo, inslrnmantos para malar, temerosos
n horriveis, por n magnficos o esbeltos pe-
la materia e feitio e qaanto sflo raros com-
parativamente os da produccSo.' Presumir-
sa-ha que a vida he mui longa na quelle pa-
iz, e que um mal, um pezo de que convem
desembaracar-so o individuo o mais depres-
sa possivel.
Os navios tamban parecem nsitruidos
mais para a piratera do quo para o commer-
eio. Vede os do Mindanao com duas or-
donsde remos e velas quadradas ; os jan-
pana de Singapura da velas latinas; o barco-
serpente da Co.'hinchina com ps peque-
as guiza de remos ; e toda a frota de fli-
busleiros que as fragatas a vapor da Ingla-
terra vio pouco a penco varrendo dessear-
chipelago dos laJrOes. E nSo sora istoo ima
gem do amigo oriento que cede diariamen
le superiuridado do gonio europeu ?...
Va tlivista l'niversal lisbonense.)
w
DIVERSAS PROVINCIAS
Itondimento do da 1 a 23
dem do dia 24.......
1:141,797)
354,070
HS95,H97
CONSULADO PROVINCIAL
lleodimentododia 24 ... 849,108
RECEBEDORIA DE RENDAS CERAES
INTERNAS.
Reodimenlo do dia 34..... 378,534
Ralificaco.
Na revista commercial publicada segunda
reir, houve ongona no preco da oarne soc-
ca do Rio Grando do Sul, que devta ser do
3,009 a 3,300 rs. a arroba.
PERNAMBUCQ
CAMaua MUNICIPAL.
PlUMKIItA BESSaO' ORDINARIA DES DE'
BBTCHBRO DE 1851.
Prciiicnci'i do Sr. Olivara.
rio, a escrevi. IMiveira, preaidentc. Bar-
roi.--Figvcirto. Carneiro MoMeiro.- Fiiinna.
Uairttde
DIARIO DE PBBNAMBUCO.
arciet, 21 OBSETEMBRO DI 1151.
Arribou hojea este porto o vapor S. Scbas-
Prcsentes os Srs. Barros, Mamcde,t'arnciro iaV, que partir nn dia 21 docorrcnlc para os
Monlclro, Viannu.e Figuciredo, abrlu-sca acs- pprtos do sul, leudo chegado at Maecio no
sjo e foi lida c approvada a acta da anlecc- dia'2'5.
j. n(r A arribada foi motivada pela falta dc carvao,
Fui' lulo o icguintc pola que encontrando o vapor mo lempo na
F.XPF.D1KNTK. viagem, succedeu que o combustivcl se con-
L'iiiofficiodoF:!. presidente da provincia, sumiu mais doque era de esperar, c n'esta
ditendo que a cmara liicsse lodos os esfurcos conjunctura, receloso o couiniandame de nao
afimdeqiiescjao cagoladaa as agoas encharca- poder chegar Babia cun o que n-alava, co-
das em alguuspontos, d'esla cldade, como re- tendeu que por prudencia devia voliar a esta
presenton o presidcnlc do eonselho dc salu- cidade para receber quanto Ihc era neeessano,
bridado, visto que ncnhuuia neeessidade pu- devendo seguir o seu destino auianh.ia (i J ),
blica ae deve antepor dc garantir saudc dos e lendo dc locar outra vrzaqurllt- porto,
uiunicipcs.mormenteante o brm fundado re- Recebemos varias gazetas dc Maceiu, com
cciodc urna epidemiaiuteira. duas ate -.'.Ido crreme e delias colligimos
Outro do inesmo, dlzcndo que nenbuma gra- que toda a provincia dc Alagoas se acha cin
tificarao pode receber o procurador d'esla ea- perfeila Iranquilidadc.
iiiar.i'qu. I .i, i iwui-d. r., loialidade dc 1:800,01)0 O Coni/iluciona de 2? dopassado noticia o
ra. dcscu venelmriito aunual. villa da des- trgico Hu dos famigerados Josc (.aciano dc
posicco do^li arl, 2 da lei provincial u 281, Moraes, e all'eres Chiquinho, que a inesina ga-
combinada com ado6 arl, -Jdalci n 270 c zeta denomina amigo saicluc de \ cenle r er-
que por tanlo deve a cantara pagar ao inesmo reir dc Paula. I'or.im ambos mortoj em rc-
procurador de lorma que nao escoda Jaquclla sislcncia, lias malas ao norlc d aquella provin-
cifra: que luxedilo ofiicio reiiirltido a com- ca.
mi.sao que deu parecer sobre agraliflcacao que O lempo, jornal opposicionisa, que a gora
deve o ineaino procurador perceber pelo caces- ali se publica, noticia igualmente em seu u. dc
so dc Irabalho do cemiterio. ICdo correte um coiilliclo que leve lugar na
Oulro da camar* municipal da Roa-Visti, cidade dc Alagoas, no dia 13 do dito mez, en-
acusando o rccebimcnlo do dcata em que Ihc 're o subdelegado do lugar e um deatacauen.
communicouapusse do actual Exm. presdeme lo que ali cbegjra no da Ii, cumposm deaiV
da provincia.--lnlcirada. pracas do 3" bilalhao dc arlilliaiia apc. Deo
Outro do procur-dor participando aeliarcm- luSJr ao aconleclmento o ler um soldado do
se dcsacupadas as tojas ns. 18 e 20 da Praca da mesmo dcstacaiiiciilo espaucado um doudo, e
Indrpeudcncia, que hivi.nn sido arrematadas consta que, por esta e oulras imprudencias, os
por Justino Meruz. cin consequencla de liavc- soldados insubordinaram-sc, c osliveram a
rcm sido arremaudaa peranle o juiza dcau- poni de fazer logo : oiiiolim porni loi logo
sentes os bens dciaados pelo dito Merz : que apaziguado, e nao leve grande iiillucncia sobre
.sr annunciasse praca para os dias 4 ie> do a oidem publica, que dc promplo se reslabele-
corrente. <";______________________________________
Oulro do mesmo apresentando o bataneo da
ni rila e deaprza municipal do mez dc agosto
fiudu : foram aprovadas as contas sob parecer
que dera logo a commlssao dc polica por as
haver examinado antes, menos as relativas ao
cemilafio, que disse i mesma commissao nao
Ihc havlam sido aluda presentes.
Outro do fiscal dc S. Jos, remetendo o map.
pa das rezes moras para consumo no matadou-
ro desta cidade na semana dc 25 a 31 de agosto
ultimo .">ts Intefrada.
Outro do cardiador, participando nao poder
por csses das comparecer repardeao por se
,.. Ii.ir encommndado em sua saude.
VAKIKOADE.
KXPOSIC.Vo UNIVERSAL DE LONDRES.
O csrriplor economista, que citamos
em o nui.cro prccodcnl*, continua a se'ia
de suas cailis, e em data Je 17 de Uaio diz
sim: A final arvorou a Franca a sua
ndeirs, com applausos de lo la a Europa;
o dentro cm puncos das, ludas as suas lo*
dustria pode.a} ser apreciidas ojio ac
verdadeiro valor. A ci iade de LyBo fez es-
^
da benigoidade do nosso clima, nemoff ,s-
car-so omcrito, a clogaiicia das scnlioras
francezas. Pjrgunto-vos se a gr ytecoisa
quo possa ap'eiider-se ou comprar-sa.
Posso desdo ja resumir em poucas palavrss
a positSo que oceupamnsiio eslado actual
la Exposi(flo. i:. 11 111 rivaes quanlo forma, ao desenlio, s va-
res cm loios os objectos approsenlados; no-
moadameiitu, nos dos arles de ourives, do
mirc.neiros, da fabricantes da lironzes, de
papis pintados, da objectos phanUsiosos.de
insliume ito> de pracisr, do srnias de fogo.
Ojiasi que nao romos representados no que
res'peila a lour;as e irislaes As fabricas dc
Sanl'l.ouis c do llaccirai deserlaram em
prsenos da Inglaterra e da ltolicmia.
Tomos all poucas maquinas, e multo mal
avisado andaiia o que julgasse do poJcr in-
dustrial francez pelo que tiesta genero expo-
zemos, anda que os nossos producios e.[Porra oto mals oiviiino. namcoragem,
lili Ii .llissimos .... ,
I Resistir he vencer o armipotente,
As nof.s s manufacturas, oulr'ora rcaes/.Nossa victoria, tic pois, a resistencia,
Svrcs, Iteauvais, (iOhelins, oceupam uma A resistencia c honra avilla Albion ;
sala especial, que a admirarlo de to los os -^em ella aleaoeou mais em seus esforjos
visilautcs. Os nossos orgos, os nossos pi-1 Contra o hroe dos hroes
I i III V V I IIHI
" Publicago a pedido.
Homtnagm patritica ao iilttneto primeiro
lenle da armada brasileira, o *>. Tiiboto-
10 RavMOndo de linii i.i, poroccasiio de
facer humilltar-te o vapor Locust do cru-
zeiro ingle*, nos mares dt Sania Catha-
OE IMPROVISADA.
JVo' ser premio vil ser conheeido
a Por um pi egao' do ninho seu paterno.
C&MSES. II
A' Palria.' V Palria A ti BRASIL aurfero,
Nao mais outro objecto a minha lyra !..,-.
Knlrc tmulos scussnns suavlsavam
D'um coraco palcroo a dor perpetua,
Seu gemer pelos filhos
Que tropos liilniiiiiiii...
D'eolre os tmulos surge prasenlcira
Ao vesligio da gloria brasileira !
esse o carpir :.meu patrio lar se agita ;
Das musas do brasil he deverde honra
Consagrar ao porvir renomc e fcitos
D'aquclles, que em virtudc, c pelas armas
Da sua patria vingam
l'rios, independencia,
ludo, que a amiga nobre Grecia cania,
F. anda hoje o Univeiso applaudc c espanta.
Kis l sobre o Ocano o heroico Barrio
Vcrgonlca de Cabral, renov Doria,
0 pendaodo Ypiranga impoz a audacia
Do rilano feroz, Acor dos mares :
Piratas do governo
Que na Uibernia c no Ganges,
A liumanidadc c Dos, desdiz e insulta,
1 l'.il.i Ii ni se fez d'Africa inculta I
Avante, avante, oh Hrasilciro Alcidcs :
Defender a jiislica he j victoria :
Ruge Mavorte l nos vastos pampas
I. la vacila o antpoda dos Crachos:
No campo neptunino
O h-.'io de Abhoukir
Seo ingente poder tem por vantagem,
Movimento do porto.
Vatio mirado no dia 24.
Mscel-18 horas, vapor brasilsiro S. Sr6s-
ti'9o, commindanteo primeiro tenante Tor-
rozUo. Passageiros para esta prorinria,
Manoel Joaquim de Almeida Moada, Fancia-
co Jos da Costa M>doiros, Manoel Pereira
Camello. Jos Goncalv.'s da Silva, Valerio
Jos da Graca. Veio receber carvao
EDITAL.
O lllm. Sr. olliclal-mator servindo dc ins-
pector da thesourarla da faienda provincial,
em cumprimento da resolucao do tribunal ad-
ministrativo, manda laier publico, que no da
2deoutubro pruiimo vindouro, val novaraen-
te a pr;uM para ser arrematado perante o mes-
mo tribunal, a quem mais der, seis inoradas de
casas que couberam fazenda provincial em
pagamento do sello dc bcranca no Inventarlo
dc Joaquim Luis de Mello Carioca, e que na
conformldadc da lei i'urain adju ma fi/.i-nil.., sendo 4 na povoacio dos Afogados
ns. 24, 26, 28 c :m, avalladas cm ftvO.OOO ra., e
duas na tua dos Pogos ns. 15 c i7, avalladas em
234,000 n.
Os concorrentes compare^am no dia cima
indicado pelo mcio dia na sala do inesmo tri-
bunal.
i. parn constar se mandou alTuar o presente
c publicar pelo Diario.
Secretaria da thesourarla da fazenda provin-
cial ilel'crnambuco, 22 dc setembro de 1851.
O secretarlo,
.lu-i!!'.) Perreira d"Annuncafo.
Declarajes.
Thealrotlc Santa Izabel.
10.' RECITA DA ASS1GNATUTA
Eipeolaeule variado dramtico, canto',
daoca.
1 Sabbaio 27 de setembro de 1851.
Depois que a orchestra livor executado a
brlbanleouvertura -Simiramydes subir,
a sceoa a nova e linda comedia em 2 actos
intitulada, *
Quem porfa mata cara.
Pcrsonagens.
D. Goncalo Silvestre
Jos de Millos Monleiro
D. Nuno Manoel Jos Pinto
Antonio Santa llo5,
D.|Rosa D. Amaii,*
D. alaria D, Manoeli,'
A scena pasa seam uma esUlagsm ni tt.
Irada deCoimbra.
Logo que termine a comedia a senhor,
Carmela Luccl.executara a bella cavatina da
opera Parasina maestro Donizcltc.
Cm seguida a aenhora Lauda, e o Sr. v,,.
co, cantarSo o excollente duela il dut 10,"
cari depois do que subir a ,Mn,
ra a primeira repres^ntacflodii graciosa co.
media em 1 acto, ornado de msica
Kelly
ou
A vita Suissa.
PeftonagiHt.
Kranz, velho militar Rsymundo
Kelly, sua lilha D. Man.iell,'
Weroer, rica eslalajadeira D Amalia m'
Ruttly, seu filho Monleiro'
Senneville, joven ofllcial Bizerra'
Ilenriquo, croado Sania ltUll'
CORO DE Ai.lil;\i:s o
No fim da comedia a scnhora Landi, ex,.
cutir uma nova aria, segulndo -se pelos se-
nhores Finart oTrabatoni, a grande cco
de mmica e danca intitulada :
O Delirio de Pygmalion.
Pygmalion, Slalumi Sr. Kinart.
A Statua de Venus. Srs. Trabitioni,
O amor Nn,
Argumento,
Pygmalion, famoso Slalusrio, tendo feilo
uma estatua de Venus, achou-a t9o bella
quo tornou-se louco deamoros por ella. N,
meio do seu delirio supplicou a Deusaqui-
zesse animar a sua obra : seus votos furo
attondidos e Pygmalion desposou a esta-
tu quo tmlia foito.
Teminar o espectculo, com s graciosa
Tarca.
recrutamento n'Aldeia.
No quil o Sr. Monteiro, representa o papol
de Sargento Ferrabraz, e com as sonhorai
Amalia Monteiro, e Mauoeila Lucci, delo
em terceto
OLUNDU' DAMVRROV.
Commossar as 8 horas.
Os bilhetes acham-se venda no lugar do
anos, atroam inagislralmonte os ngulos Jos1
O ina\inio guerreiro
D\ Kuropa o nobre jin m^uteudo a guerra
edificios. Porcorrein-se as gallen.s para \cacca J* co n]io ,ellXcrra.^
ver urna infinidade do coisis ulcis; mas toda
a gente volla s galeras frane izas para ob-.cinco milhocs dc bracos brasilciros
servar e conhcccr os vordadeiros tvpos do Sobre scus montes, cosas c campias,
bello. >rguciii-sc ao i Co saudando o egregio llamo
Est, msnhO cu ti*., honr. de .compa- .'" "c ^ff^JSJZT"
nliar na visita di Lxposicuo M. a Uuquea A'defciata Palria.
d'OrleanS, quo nos disse com visivo! satis- iirasilciros; por Dos, por ella, luilo :...
I'acao: Decidid imenlo, a franca, o som- uisse o ijuc cu sinlo : disse-o sem cstudo.
proa mesma Franca; e a sua grandeza aqui
Drilha rom cxplenlor novo por va da com-
para cu-'
Vou agora conduzir-vosao torreno mais
propicio, as cun a: ,.i .V's entre as nossas in-
dustrias europeas c as do novo nmn lo: quo-
ro Tallar da ludia loglezt u da China que os-
leniaram productos na ventado BX'/aordi-
liarlos pela sua c iiifoco c variolado. Os
fabricantos de todo o genero c da todos os
paizis
Pon-J, di S.
COMMERCIO.
ALFANDKGA.
Itondimento do dia 2V. 18:669,878
Descarregam hoje 25 desclcmbro.
llares ingfcza -- JJjhiii --mercadorias.
i- 1>U i i-- %J i i i i .' u m | i 11 ( i (|i "* isa 1_
devom ostudar i fazendas da China "Uc" frn,CM ^l'"anle v,Dho' o|-
c da India, | or quo acliarSo preciosas in Ii- ,. te e vinagre. .
cacOes para renovar ou modilicar oa sot.s do- ''scu"1 l'amburgueza -- Aorwa -- merci-
sonlios, formas, e mesmo a armacilo do tea- .. f **' ,. ...
res. A COlleojflO das produceOes da India in- "'S"0 brasiloiro Gracioso dilas.
gleza particularmente inte essanlo por is- CONSULADO GERAL.
so quo (' mais nova e monos condecida do Rendimciito do 1 a 88. 13552,761
que as lY/endas chins. I. tambem mais IJomdodia 21........ 97b,509
completa; c fcilmente so re 'Onbeco que as ----------
ordens do governo iuglcz ii.lo dcixiram do 11:529,27]
mancebos voltaram-se para o seu lado. tou-lhes a veyladc, rcconimendando-lhes sc-
Cst Vine, cucarregado dc pagaras divi- gredo.
dasdoSr.de Ucaurtgard? ncrgiinlou Buur- I TriltfO nao deu senao um sallo al ao Kou-
lacbon. levard. D'lgornay segoio-o com mais agilida-
Kllc pode pagar as dc sua honra lano de que se teria devido esperar dc sua idade e
quanto todas as oulras, respondeu vivamente dc sua gola. Ambos ineitcram-sc em um ca-
SlmCo. briolet alim dc vercm o que Ibes licava em
Scinprc por procuraco, e a prova he que .frente, c promctieram ao cochelio uma rc-
oSr. intervein em um negocio que sa elle dii coinptnsa magnifica ac conseguisse alcancar
respeito. duas carruageus que se dirigiam para o bosque
He o que o engaa, Sr.: elle me dis res-,de Bolonha, segundo dlsscra o arinriro Desvi-
pcilo tambem. O Sr. sabe pcrfcllamcnlc que mes que clles inlerrogaran dc passagem.
s .ii amigo do conde dc Heauregard, c fallan-iTnsto eslava louco dc desespero, c lodavia
lodellecm minha presenca como acaba dc o nao sabia aluda scuao mciadc das rases que
laicr, he evidcnlc que tevcalntcncao deinsul- linba para desesperarse, puis ignorava que
fosse a causa do duelo dc Simio.
no nulo elles chegarain culrada dos Cam-
pos Elyscos avislarain duas carruagens que
seguiam uma a outra na altura dc ItonJ-Poin.
Cbegados a este lugar, virara as mesinas duas
carruagens que volteavam o Arco dc Iriiiiupho.
tar-nie.
Nao discorre to mal para um provin-
ciano, disse Bourracbon com o sanguc fri c
mais insultador.
Insolente.' ciclamou Simo levanlan-
do-sc.
Hourrachon levantou-sc lainbcm
mancebos inelteain-se entre elles
parle a parte, cslbrcava-se por sculai-sc ; mas mo ncm uiesuio de vista, de aorta que nao llvc-
S pallldes lvida da agouia cobria-lhc o rosto, ram neiihuuia atispcita dc qne se acbavam em
n sanguc sahia-ihc pela bocea c pelo, liantes : sua presenca; por isso quaudo d'Igo'oa.v se
era bliuo. Scu padriuhu que era amigo dc apartou, un deiles disse ao oulro,
Adalberto nao cuidavacm preslai-lhc iicuhum A causa deste duelo he lao absurda quan-
soccorro, c o pobre mancebo ia espirar por lo o scu resultado be. deplorarel Kisc pobre
falla dc algucm que o ajudasse a deisar a po- Uourranclioo podia bein ler deisadooSr.de
sicau horitonlal na qual aballara. Hcauregarde tranquillo, visto que cm summa
Trislao precipilou-sc para elle. nao linha que queiaar-sc pessoalinentc dcllc ;
Meu amigo, mcu irmau ezclamou elle mas o desgranado nao soubc nunca governar a
com uma vos que corlava os coracoes, que let lingoa, graeas a ella estamos agora neste cm-
vosse.' baraco.
Simao adiando um apoio pode entilo levan- Kslas palavras cliegaram aos ouvidos dc Tris-
tar-se c avistando a d Igornay, ao qual seguio ,.-, c coulirmaram-no na dolorosa suspeila que
a rnslaii, mu doce sorriso dcsUsou-sc-lbc pela c,pri,ira ao barao no moinrnlo mesmo cm
bocea ciisangucnlada, pola couiprebendcu ,.UCos dous tiros foram ouvidos. L'm remido
que o barao linha sido bem lucccdido cm sua 8Uru sahlo-lhc do pello. Elle eslava ajoclha-
canpreaa. do junio dc oimau ; ao saber que era a causa
-- Simio! mcu Irmas, repello fnstao com do estado em que o va, acurvava-sc sobre ai
um desespero que ia ale ao desvario, flleme, ,cs,no cana fronte foi pousar no solo cusan-
dlga-mcqucm c o mlscravel que o pot ueste guentado da clarcira. Foi ncslc eslado que
os tres |Chcgndos dcscida da avenida dc .Ncuili), ga- : eslado d'lgornay o acbou.
libaran, um pouco de terreno mas quaudo! Simio quit anicular algumas palavras, mas o barao teve neeessidade dec.nprcgar todos
une' un. mi n .i 111 -1 1 I i | T 1 I 1 i -v ------------------ ------- ------------ ---------------- --------- -i--------------| _iis_j s. a*. J
INad de barulho! Srs disse o mal ra- passaratn aporta Maillot, as duas carruagens um silvo roueo sahio-lhe do pello perlurado
i pou
Querer um dos Srs. servlr-mc de lestc-
iii un ha' accrcsccnlou SiniSu. Serande um
meio dc acabar com isso mais depressa.
Kstou s suas ordens, Sr., disse um dos
tres mancebos.
_ Rapat, val buscar-nos duas carruagens,
ese poderes ernter a liogoa. nada digas do rjue
acaba de paisar-sc.
O rapax obedecen a esta ordem de Flourra-
t Iioii, o qut>l disse-lhc mals que levasse as duas
carruagens para a porta do ar i mes, cm casa do qual iam tomar espadas e pis-
tolas.
Det minutos depois desta scena, d'lgornaj
estiva radiante; elle linha obtido tudoo que
deseiava, pois Tristo tinha-se compromettido
a deixar Pars com elle dentro de dous "jas. O
pobre poeta desengaado e arrepeudido vinha
iiiifar-sc nos bracos do amigo para rogar-llie
que Ibc perdoasse, e para chama-lo cu ir-
in-o. Elles percorierain ao principio todas 3%
^alas setu1 interrogar a nlnguem ; mas n3o
irhaado aquellc que procuravam, prrguula-
< -ni se o Uabam visto. Respunderam-lbe afKr<
ni ili vamente ; mas rom 11111 enihara*') que co-
mecou a causar-Ibes vivas toquietarAes. lil
iorain eulo mal urgentes e o rapas confe
i
Ibes que acabava dc veruaquelie instante mes
mo 'nitro pessoas entrarein em um mal-
lo fechado que iudicou da maneira a mais
eiacta.
Soceguee marchermos, disse com vos fir-
me o barao para o desgranado Deaurrgard :
em urna circunstancia como esta um fidalgo
nao deve ler o ar dc um criminoso fgido de
Charenton. Esta palavra alentou um pouco a
Trislao, o qual alm dlsso tomn coragem veo-
do duas carruagens paradas junto do lugar
indicado.
Barao, ctclamou elle no momento em
queentrava no mallo bravo, vein-inc urna ideia
horrivel : he que he por inim que Slmao se
bale.
No inesmo instante dous tiros de pistola
soaram
Trislao c o barao nao tireram neeessidade
senao de dar alguns passos para acharem-se
dianle do mals doloroso espectculo. Em nina
dessas pequeas clarclras que se achain cm
tilo grande numero no bosque dc Uolonha,
dous homens cstavam cstcndldos uo chao. Um
ferido por urna bala cima do olho e tolalincn-
os recursos de suacloqucncia para persuadir-
le a dor,
para prodi-
ua posicao
murou Tris-
lava saber quem linha ferido o amigo, se'nao -- Itasao dc mais para procurar salva-lo.
o podia mais vingar 1 D'lgornay laneou um Trislao Icvanlou-se, suas mos trmulas c
olliar rpido sobre o cadver e reconhecendo arrlpiadas crguerain o corpo dc Simao; este
Hourrachon nao duvidou mais um s instante ultimo eslava dcsinaiado ha alguns lostantcs.
3uc Simo nao fosse victima de sua amuade c (uando o lgubre cortejo eotrou na pequea
c sua dedieacao para com Trislao. caa da ra dc Calilo!, beauregard Icmbrou-se
Os senhores, disse cilc i lestemunhas, dc todos os sabios c bellos projeclos que for-
nao tem dcsgracadauaeiitc neeessidade de nos- mar primeira ver que viera a este lugar, e
so soccorro, periniltain pois que nao nos occu- pode diter com raso a si mesmo que se nao os
pemoa do que tem a fazer, e que 11,10 cuide- tlvcssc renunciado, terla evitado ludo o que
mus senao fin nosso amigo. tlnha jsoft'rido e ludo o que devia talve lof-
As tealemunhas respondern) que nada era frer anda,
mais natural, e all'irinarain sobre a honra que Um clrurgiao chrgnu, e sangrou aSIinao, o
tudo ie linha paasado lealmente. qual recnbrou cnlao o conheclinenlo, e pOde
Agora, accrcscentnu o b iro dlrlglodo-sc pronunciar algumas palavras.
a Trislao, cujo vilenlo desespero linha-se -- Ulga-me, perguntou elle a Trislao, esta
convertido em morno estupor, importa que emfim decidido a voltar para nossa chara
tornemos para Paris e que vejamos sem demu- Ierra ?
ra um clrurgiao. Heauregard eu v.iu buscar Parlirci logo que poder leva-lo comlgo,
urna dessas duas carruageus, e uella iranspor- respondeu Tristfo com calor. Sel ludo, meu
tari-inos a .Simao. Coragem, meu amigo; re- amigo, continuou elle, e nao quero apresen-
cebl tres balas 00 pello e anda aqu estou. tar-me dianle de minha ruina senSo diicndo-
Trlstao nada respondeu. d'lgornay foi em Ibe : Alliette, aqu est meu irmao.
procura dococheiro. Hem que as test.iuunhas, E voaa* nio nos dflxara inaisf repllcou
poucoa Instantes antes, tlvcsse parecido inte- Simio esforcaodo-se por sorrir a esta doce pro-
0 vapor u.s. SecastiSo > ro-
cebe as malas para os portos
do sul, hojo a I hora da tarde;
as correspondencias deverfla
ser entreguos sicas II, e depois dessi pa-
garSo o porto duplo.
-- O lllm. Sr. directo- das obras publicas,
man la fazer publico as pcssoai que quize-
1 hu contractar a pintura da polica do go-
verno desta provincia, quo apresentem as
suas proposlasao mesmo senhor al odia 6 costume.
de oulubro prximo vindouro. A discricSol p _. fl:,,,,., s,e orna
daquaiidaie da pintura, o condicOes para| ror engao aeixou este jornal de
esto contracto acham-se na reparticSodas publicar llOntem, 24 (le setembro, 0
obras publicas, ondj todos os concorrentes nnnnrio rln tliralm de
podero ir ver nos dias utois desde as 9 lio- segumte annuncio ao meuiro ae
ras da manhSa al as 2 da tarde. Santa I zalicl.
Directora das obras pnblicas, 2t do so- Sendo hoie, 24 de Setembro,
letnbro de 1851.Osocrelano, J j .% 1
Joaquim Francisco de Helio Sanios. anniversano (la sen lula monedo
- Pola subJelegacia deS. Josdo llecife, Snr- [). l'edro Io Augusto l'ai do
foi aprehendido um prcto de idade avanza- j_j m.,,_i,.. Aaiwt
da, do nomo Antonio creouio, quo declarou nosso Adorado fllonarcha, (lena
ser escravo do esludante do curso jurdico de lia ver, neste tlicatro, O especta-
HufinoCoelho da Silva, e andar fgido a1 1 annlinr:~An Tiranrla transferi-
dousdiis: sou legitimo senhor comparece c,Uo annunciaao, ncanao transicn
para Iho ser entregue, provando.
Como quer que u Exm. Sr. presidente
da provincia, baja dado as suas ordens para
quo as despesas u'agua, de tinta, o da limpe-
za das escolas publicas da provincia seja fol-
la pela thosouraria provincial, de ordem do
lllm. Sr. director Ceral da lnslruc(3o pu-
blica lar;o saber aos pas, ou tutores dos me-
ninos dc ambos os s ixos dessas escolas, que
esUo dosoneradosdessa especie de imposto.
do para Sabbado 37.
THEATRO DE APOLLO.
Recita extraordinaria cm beneficio
do actor francisco de salle*
CCIMAtUES F. CUNHA.
Quinta-feira, 25 de setembro de 1831.
Depola de urna brilhante ouverlura tocada
abusivamente exigido do" seus discpulos 'era grande orcheslr., subir a scena o belllul-
pela maior parte doj professores. Directo- "10 e apparatoso drama era quatro actos e ubi
na geral 12 de setembro de 1851. 0 ama-! Pjologo
noense archivista, Candido Fustaquio Cesar
de Mello.
VSo novamonto pra$a os concerlos, de
que precisa a lalriua do collegio dos or-
phaos em Olinda 01 licitantes deverao com-
parecer na salla dassessOesda administra-
(o nos dias 25 do crrenle, e 2 de Outubro
pelas qualio e mcia huras da larde ; poden-
do onlender-se antes com o cobrador, JoSo
Francisco Teixeiri, respoito do orcamento
da obra.'
Secretaria da administracSo do Patrimo-
nio dos Orphios 19 de setembro de 1851.
Antonio Jos" de Oliveira.
. 0 111. Sr. Director das obras publicas, t"",".,"10? \.\, '.
em virludc da ordem du Exm. Sr. presiden- A^rmu,,enr',,uc ",d,ort '
te da provincia de 22 do rorrenlo, mande Ludio w.'. \ '. '. '. \ '.
fasor publico que no da 2 de oulubro pro- Lord llroghlll .....
ximo vinlouro ao meio dia tem de si con-)OSineiro.......
tratar a construcr;3o dos bancos de hoora Ricardo.......
para as aulas do inslrucc,3o publica confor-, Samuel. .-..,..
mo o modelo existente. Os coiicorrentos
Lord Ricbunnd
Jhon
lori.il>
W illiaiu Sinith
Clary
Sara
compareccronodia o ora designado na sa-Jj*'Jj'lDe(lfort
O SIJSE1RO DE S. PAVLO
Person agens. Ador
PROLOGO.
01 SINU0III.
Scbastlio.
Gulinaraci.
Jorge.
Coda.
Al si -o ". .o.
D. I.eiipnl.lina.
D. Soledade.
DRAMA.
OS SINHOSES.
Carloi II.....,. Sebaitiao.
Lord licdlort......ColU.
Lor Weiton.......Figuelrcdo,
Mello.
Tanta.
Jorge.
Cae tao.
Gulmares,
Caouto.
Conrado.
al simio*.
D. Lespoldiaa.
la d reparticSo das obras publicas. | s'e'nor'ei dc corte," toldados e' dous r^aTco"'.'
Directora das obras pub!icas23dc SHem-j No intervallo do prologo ao drama o Sr.
bro do 1851. 0 secretario, Jouquim run- franolllno, director daorcbeitra, em obsequio
cisco de Helio Santos. j ao beneficiado tocar urnas
aaj
le privado dc inoyimenlo : era Bourrachon. O ressar-sc no que Hurrachon conlava do conde mena.do amigo,
outro que linha lido o pcito alravessado de de heauregard, ellas nao coohcciam eileulll. Jamis, Juro-lhc.
-- E se nao poder levar-me com sigo, par rccordava-ie dos quatro mcaei que acabavain
tira sempre ?..,. Jdcpassar-se e contara com dolorosa coragem
Senhores, senhores, disse aproximando- todas asfaltas que tlnha cominetttdo, todas as
se dos dous amigos o clrurgiao, o qual tlnha idecepees que tlnha lotTrldo. tile achara de-
licado alguns instantes parle com a barao,' licadoi e fiis aquellei que linha sacrificado a
lomo a llbcrdadcdc problbir-vos toda a con- sua ambicio, a sua inquietacao, sua necesii-
versacao al novo aviso dc minha parte. O ci-' dade egostica dc celebrldade, ao passo que ru-
lado do doenlc exige os ni i iores cuidados, c a se abandonado por esse mundo pelo qual ludo
mais pequea emocao, anda que causada por linha feito. Alliette c Corina desamparadas por
uma i n. o m. i nn-n fcllt, poderi ter ai conse- elle nao Ihe linham jamis exprobado seu alian-
I i..... i- in n. iiini .i.i.. dono I D'lgornay para ajiiii o qual linha pro-
Wada mais temos que diter um ao outro, cedido to mal, aoccorrra-o com selo c geof-
disse Siiniio filando todava os olhos sobre Tris- rosidade! Emfim Simio para quem se tiunj
Uo, como para pedir-lhe uma rcsposla ulti- mostrado to Ingrato e tSo duro, acabava ac
na pcrgunia que Ihc havla relio. por scus dias por elle, depois de ler rcoun-
Met charo Heauregard, Intcrrompco d'I- ciado, para procurar aer-lhe til, o praser
gornay, pens que serla prudente que vosse ver aquella a quera amava! ,,
losac ate casa, anu, que fosse lmente para Que sou eu ao p destes cnlcs ao Pc'!'
annunciar quc,vlnha passar alguns dias aqu, loi? exclainou elle oora rcrnorio e dese-
Talvez mesmo que fizesse bem em coinccar lo- pero.
go a por alguma ordem cm scus negocios, poli Quando o carro que o conduza eotrou
bem me emende, nao he? he mui possivel que ruade Challlot, uma InquietacSo morlal, i
breve esleamos em estado de partir para a peina um Insume por todoa o cuidadosa
Borgonha, c quando este momento chegar, le- quaei te linha entregue, apodcrou-se-lhc n"
r mui desagradavel que nao tenha sua com- mente do coracao._ A ra eslava ilW"
pela Kberdade. Que pensa do que digo? Ai- deierta, o carro nSo rodava senaoi comu"
icvcro-thc que nao delxarel a Simo cmquanlo lenlldo deiesperadora sobre aipedrascoo'
vosse nao voliar. tai de uma llgelra carnada de gelo. Ao ene
-Farcitudo o 'que nultcr, respondeu Tris- gardlantc da igreja, o cavallo parou, <'
ao, todava desejarla multo nao parar me chelro declarou que Ihe era Imposslrel ao
lellc anda. ao alto da ra. Yrlito dcsceu c tlroui da ai
Ii
del I
U cirurgio Intcrvclo segunda vez.
Mga o conaeiho que Ihe do, Sr
elle
de calma,
derredor dille durante as p
gibelra uma moeda, a quii deu ao leu conduc-
disse lor ; depois continuou o camlnho a p.
Doui homens acabavam de sahir da |g"J__.
c. Seu amigo tem sobre ludo neceasidade Dous ho.ncns acabavam de sahir da igw
calma, e qaulo menos gente houver era Um diante delle. Elles dous homens, oi'l ,
acrrcdordclle durante as primeiras horas, mais elle pasiou logo, alcanvaram-no na P"
seguros eslaremos de que nada perturbar o caa oceupada por Simao, na qual cnir
reouso que Ibe he Indispeosavel,... atraadelle. lrlstSo reconheceu entao coi"
-Simio, InterrompeoTrlslo por sui ves, duivel lerror que um deises homens era
do oque Ihe lenho dito, ludo o que vosse rae padre, o qual levava debalxo do capote
uma estol.. No menno ln"a'.'c
tudo mil.- .
tem pedido, eu o farol, c lie para dar-lhe uma lohrcpellls c uma estola. Wo menno >"
primeira prova dc minha sinceridade que me d'lgornay appareceu no palamar asira
aparto de voss; vou oceupar-me dc minha Um castlcal que tlnha na mi e'clarcu.
partida. At logo, meu Irmao. plenamente o roito, cujas feicoei lonas.
Simio sorrlo-se levantando os olhos ao c, e vara transtornadai. iiof-
lrisiiin sabio da cmara um pouco consolado Se he o padre, disse elle com uini >' 6l
pelo pemamento que ia coraecar a reparar focada peloi solucoi, venha apressado, ue.
suas faltas. Trislao preparou ludo para a par- um momento a perder ; ao depois reco
lidi. A venda da mobllia, o pagamento dc al- oeado a Trislao, accroscentou : QO
gumas dividas que Ibe rcslavam oceuparam-no Amorte esl aqu, mas Dos veini y
durante o resto do da; mas findo este traba- nosco. Trlstio, seja bomem urna vez cm
Iho, poz-sc a camlubo para Challlot. vida. nuevii'
Seu coraco ealava alegre, poli poda provar Simio aioda conbecia as Pe"as ,har,r
Earfacloaa sinceridade dc suas promessas. elleaccolbeti a Trislilo com umuocco ^
lie peniava no praier que Alliette sentirla, ao padre cora um sorrlso radioso. *i| ot.
quando o vlise voliar oora Simo, poli o pode- nuloi depois o olhir eslava exllncto, iio
ria levar aos pl de Corina, Entrclanloqua riso radiava ainda: Simo tuina mor
leguia a grande avenida doa Campos Elyeoj, (Ciariviw /
1


VARIARES
...< de uaeouipoilyao iobre o motivo do
*!?!V Carolina da Silva umbem em oIim-
A .'bcpiaclido cantar o inodliha brai -
C nOHKlUMAALMAlMPllX
%, d. S. Pa.fc.dram. que Unta revolu-
- !.u OU no. Ibealro. da Europa, por can a
f-" tdo eu complicado c bem desenvolvido
D,amoiarnbeinpelapartcdoSlnelro,que
",' 5; anpreienUr-ie ceg, obrlga o actor
e,d.,8S delta urna illracllluia poilc.o
nC ihoi ni. doloro.a i he poii o drama
d0* 'eoecUlo.cm honra de apre.ent.r
<" ^beneficio, certo de que ua e.colba to-
5?.!.^ merecer do publico genero.o de
f,cl&,dcqucme.Per.protccc.o.
",n.necarii8hoia.
Avisos maritmos.
Tar, Lisboa segu com brevidade o bri-
tunortuguex Concreto di Marta, pira car-
g /nassageirostrata-se com Thomaz d'A-
ouiuKonieea e (libo, : na ra do Vigario n.
Kue portuguez
g.epr
'"p'r'iieiroa'ler oo com o cipitSo, no pn-
i!i
Ci do commercio
Cear, Marannaoe Para
n novo brigue "una Brasileira Graciosa,
deslim-se a aquellas portos, quem no mes-
mo quizer carregar, ou ir de passigem, di-
rija-se 10 consignalario Jos ISaptista da
aesta igrej, dell polo Mo linfito da rus
Larga, entranio-se na praca da Uniao, c sa-
hindo-se na ra da Cruzes, nindo-se polo
lado direito da dita ra ale a quin>, e della
pela travessi, que sahe dofronte do lliealro
velho, seguindo-sf um poueo alianto da
igreja 8. Francisco, yoltmdo-se d'ahi, a
quina da ordem terceira para esta ra at
quasi confronte a venda do Sr.. Nicolao,
alravessando-se, antes di qoina para a ra
da roda, pelo pateo do l'araiso a Trente do
quartel da polica, subindo-sc a calcad],
anteada botica doSr. Jaso Marii, vollando-
ge da quina pela ra do Cabugi, o pelo pa-
teo da matriz a cisa do Sr. Joaqun) tar-
tarugueiro, onde deu-so pela fallido refe-
rido alfiineite : roga a quem o livor adiado
de o restituir no segundo andar das casas na
ra Novan 17 junto a do Sr. Coimbrt, que se
gratificar generosamente; assim como a
quem fur ouerecido de o levara dila casa,
ou de annunciar por este Diario, pois alum
deste favor se pagar a gratificarlo, que li-
tar dado.
Na mesma casa precisa alugar urna pre-
la liel, que saiba vender, e comprar.
l'-.rante o lllin. Sr. Dr. juiz do civel da
primeira vara depols da audiencia dodia 26
docorronte mez, se ha de arrematar por
venda, o sitio do Ierras, e casi de vivenda,
no lugar de Sanio Amaro, porloncente a
filias Coelho Cintra, por execucSo da Viuvi
e Filhos de Agostinho Manriques da Silva.
l'recisa-se de um bom lornciro : na rna
Imperial n. 37.
Passaportes.
Tiram-so passaportes para dentro o fra
do Imperio, daspacham-se escravos, cor-
5 ;
Casa de commisul,, de **^-\^^,ftuTfi?%&xZ%.
na ra Dircita, sobrado de tres re|,f elhequizerem dar suis ropas pira a
andares, defroate do neceo de S. amalayar, djrijarn-so ao sobrado dea
,, a {andares, defronte do chafariz, no paleo do
redro n. o, recebem se esclavos'p,ri10, no segnnJo andar, que achirSo
de ambos os sexos para se vende- com quom trarar.
i i Appareceu no engenho Fragoso 1 pol-
rem de commissSo, nao se levando dr0i *,u,no., quemfOr seu dono dirija-
por esse trabalho mais do que a'sa ao mesmo engenho, quo dando os sig-
nar r.ntn mn i Invir r ,ik-i -il nies, Iho ser entreguo; nao se responsa-
por cento, e sem se levar cousa al- bil5ando 0 propriel8rio do engenho, pola
guma de comcdorias, c olterecen- fuga ou furto do diio animal.
do-se para isto toda a segurancia L N di' 3 do setembro desappareceude
o Santo Amaro, urna canoa aberla com urna
precisa para OS ditos escravos. travecao nomeio da proa: quem esta pe-
No da 26 do crrante, despois da au-lgar, leve-a o mesmo lugar, a entregara
diencia do lllm. Sr. Dr. juiz dos feilos da fa- Mi noel Jos de O.ivoira, que ser recom-
[onseca Jnior : ra do Vigario n. 23 segun-
do andar, ou ao capilSo na prsca
Para o Cear pretende seguir com bre-
vidade a sumaca nacional Carlota, meslre
Antonio Jos Vianoa, quem na inasina qui- rem-se folhas, e tiram-se ttulos do residen-
jer carregar ou ir de passage.pde entender- cia: para oslo lim, procura-so na ra da
s) com o mesmo meslre no trapiche do al- Cadeii do Kecife n. 52, luja de fazendas do
'lo ou com Luiz Jos de S Araujo : najSr. Luizde Oiiveira l.ima, e em Sinto An-
ru da Cruz n 33. ionio : na ra do Quenna lo n. 23, lujado
miudezas do Sr. Joaquim Monleiro da Cruz.
Pede-se ao Sr. Antonio Maximiano da
Costa e a Sra. D. Caiolina quo em obsequio
ao empresario do thealio de Apollo oSr.
Gui maraes, na nuile do scu beneficio, ba-
jan! de cauUr o duolo do Moirliiliooalo-
Para a Baha pretende seguir com moi-
la breviJado por ter parta da carga pro n-
pti a sumaca brasileira flor do Angtlim,lor-
rada e pregada do cobre, mestie Heruardo
deSouza : quem na mesma quizer carregar
ou ir do passagem, pode enlenler-sa com
o mesmo meslre, ou com l.uiz Jos de S<
Araujo, na ra da Cruz n. 33.
Freta-se para Havre ou qualquer outro
po'to da Europa a barca franceza Edith. ca-
pilito Ponlet de lote 258 tonellaa, em casa de
Schsphillin & Tobtor, ua ra da Cruz n. 38
_---------------------------n
Lciloes.
.. o correlor Miguel Carneiro, fsra leilo
nodiasaubado27docorrenle as 10 horas
da msnhSa, no scuarma/.em na ra do Tra-
piche n. 40, de diversos trastes novos e
usados, louc, candinheiros, lanternas com
caslical de casquinbo, quadros com eslam-
pas ooulros mu i tos objectos: assim como
ao meiodia, ir a lelao urna por(So de cha-
rutos da Uahia de diversas qualidades, e
muito em conla.
kilKmau IrmSos farSo leiUo, por iu-
lerven(So do correlor liveira, do mais pei-
feito sortimento de fazendas das melhores
fabricas da Europa : sexta-feira, 26 do cor-
rete, as 10 huras du manhaa em ponto, no
seu aimazem, na ra da cruz.
Avisos diversos.
rbre, que tanto lem agradado ao rospoitavcl
publico, o pelo que mullo agradecido me
Qcira 0 que tece a Umbrtica
o Sr. Joaquim dos Santos Azcvedo, su-
gro do Sr. Viegas nSo si-ja tao druinonte,
mando logo pagar os 17,009 rs. na olera
zonda, so Ino de arrematar por execuQo da
[/en la provincial os seguintesohjcctos :
um sobrado de dous andares n. 71, na ra
do Padre Floranno, avallado de renda an-
nual em 150,000, por execui;3o que move a
mesma fazenda, contra Carlota Joaquim
Miiniz Tavarcs, um dito de um andar, n. 5
na ra do Cordoniz do bairro do Recife, com
eosinha fora, quintal murado, o cacimba
meeira,avallado por venda om too,- por exe-
cucao que move a mesma fazenla, contra
a viuva de Felippe Randeira de Azovodo, um
dito do dito, n. 28 na ra do Dorias, avaha-
do de renda ainual em 150,000, por exa-
cur3o da mesma faznida contra Jos Rodri-
gues dos Passos, urna casa terrea, n. 53 na
ra dosCuarara.ios, avaliada por venda em
800,000, por exocu;lo quo movo a mosma
fazenda, contra Joao Athanasio Uias, urna
dita dita, n. 8 na ra do S. Miguel do bairro
dos Affogados, avaliada de renda annual em
36,000, por execucSo quo movo a mesma (t-
zenda, contra os herdoiros de Antonio Xa-
vier da Silva, urna dila dita, na mesma ra
cima, c no mesmo biirro n. lO.avaliada de
renda annual em 36,000, por execuco da
mesma fazenda contra os mesmos cima,
urna casa em respaldo, na rui do Motoco-
lomb do bairro dos Abogados, avaliada
por renda cm 200,000, por execntilo que
move a mesma i Calvos Scrvina, um sobrado de ilous andaras
n. ^, na r:: dos Martirios, avaliailo da ren-
da annual om 200,000, por oxecucao da
mesma fazen la, contra os hordciros de Pe-
dro Ignacio da Cunlii, urna casa moiagoa 11.
li, que sorvo de coclicira, na travessa do
pensado.
O proprictario da anliga padaria ame-
ricam, na ra da SenjalU Nova n. 30, que
ba anuos fabrica a acreditada bolachincha
de leite, desua inven;So, participa aosseus
freguezes quo om altenclo a preferencia que
Iho ii-in dado. nSo obstante terem appare-
ci Jo outras a imitacao dolas, tem balxado
o pre;o da mesma para 4,480 rs a arroba
eicualmente annuucia ao pnblico que de
presente so fabrici ni dila padaria pSo de
provonca, o redondo, bolacha, bolachinha
doce, biscoito, o fallas, ludo da melhor
quali Jado, e com o maior assoio, e para re-
gallo das pessoas de bom goslo, tora pSo
q'ociile at as 7 horas du manh.ls.
-- Precisa-se alugar um molcque ou mo-
lecote, liel, ladino, para servico do urna
casa estrangeira : dlija-se a ra da Cadcia
n. 60 escriplorio.
-- Aluga-so por mdico preco o thcatro
do S. Francisco com lodos os seus ulonci-
io.: a tratar na ra do Apollo n. 20.
Boa-Vista, sobrado n. 5, que ahi se lliodira
uom ejacssa pessot._____________
Compras.
Compra-so urna esclava md(a de boni-
ta figura que nSo leoha vicios nem achaques
e seje prita engommadeira, co/.iulieira e
costureira no Recife ra da Sanzalla nova,
vendan. 7 dir quem compra.
Compra-se urna batanea grande com
seu competente (orno de 2 arrobasa1|4:
quem a tiver dirija-se a ra de Domingos
Pires n. 28.
Compra-se um scllim usado : na na
larga do Rozario, loja do miudezas, n. 26.
Compra-sc o tratado grande do jogo do
voltarete : quem liver annuncie.
Compra-ge o formulario, ou guia me-
dica do Brasil, por Chernoviz, na ra Direi-
tan. 14. '
-- Compra-se em segunda mSo Signops
pelo general Abrcu o Lima na livraria do
patoo do collegio 11. A,
Vendas.
lucos espelhos.
Vnnde-seem casa de Avrial Frere & Com-
panhia, na ra da Cruz n. 20, espelbos de
vidro rrancezes, com ricas molduras doura-
das e sem ollas, do 3 at 5 ps de altura, por
pregns muito em conla.
Claudio Ticsse,
Na ra das Flores n. 19, vende-sc muito em
conta um piano inglcz cm bom estado para
quem qtir-r aprender.
Paramentos de igreja
Vcnde-se um bonito calix, patena o co-
llior. missal, podra 'ara, galhoUs, sangui-
ita>i ,\ lorrcos, 4 pares de brin-
-A**'**", b"n Ti*,**** [l* a"cl*es. "'", l-rilliantes, 3 pul-
ponte deOonoa no lugar do l'arnameirim f?!8/^_*1C0',r,0s' ""deira, I relogio p-
com urna gra.nl) casi, o um sobradiaho|?h"7.,0?le5{8fOrrentef, I relogio para.-c-
porcima di coclioira, muito fresco, t 111 '"'. a' ..0 pell0 V0JU' .l salva
raudo cacimba, o dois lanquos com Co-j '.u ?'? ou,r s ob,'as d0"u
noria, de 4 agoas, estribaria para 6 cival-l ,,,rat' "" rua do Livraraemo, sobrado
quem a pertendur dir
Veras 11. 13, e 111 111 jsm 1
Veras com vinto o tres palmos de fro'nte, c,timbni urna c
l-ss a Iravessik
casa alu{a-se ,0"dom-sc 11a rua estrella do Rozario
iif 111r^* l 1 *
dos Coolhos, para nSo ver mais o seu nome I dozocois do ruudos, avallado por renda em Mom
110, com g
isa lerrea na povuac5o do i"" "J. Y!J^i'f ,"",m: s5"i'ce, J" B-
grandlH sallas o tquarlos, l,''?J:Al,rou, '.-". eOres do homem,
Aos 20:000,000 rs.
Acaba de chogar do Rio de Janeiro pelo
vapor Tay loja da rua do Queimado o. 17
V de Antonio Jos Rodrigues de Souza J-
nior, os biihetas, meios, quartos, oitavolo
vigsimos da segunda lotera do Rio da Ja-
neiro a beneficio do hospital de caridade de
Santa Catharioa, cuja lista chega no primoi-
ro vapor, os quaes se vendnm pelos baratia-
simos pregos abaixo, e lamem se trocam
por biihetas promiados do Rio e do Livra-
mento.
Bilhetea 22,000
Meios 11,000
Quartos 5,500
Oitavos 2,800
Vigsimos 1,300
mesmo sem pratica porm robusto.
O padre Joaquim belizaiio Lilis c Mel-
lo relira-se para a freguezii de Tacaret, e
adverte-se ao Sr. KraucisfJb Antonio de Hal-
lo, quo da dalu desla lica de ncnlium clIWlo
a llmica do segundo andar do sobrado da
rua Diroili n. II.
-- l'recisa-se do urna ama para fazer as
oempras e o servico interno de urna casi do
familia : quem quizer.dinji se a rua da Paz
11.1, nacocheira.
Precisare de urna negra para alugar;
a pessoa quu a liver dirija-so a rua da Flo-
rentina 11. 3.
A ilnece.Mi da associa^o commercial
dos lojislas, convida aos socios para assem-
bla geral no dia 28 do corrente (domingo)
as 10 horas da inaudita, ua casa da mesma
associa(3o, na rua da Cadcia do Santo Anto-
nio n.2l.
uiovc a mesma razenda, contra a viuva de
Antonio Jos de Ahlenla, O priiiHroau lar
do sobrado n. 20, na rua do llcmlica na Pas-
sagem da MaJalem, avahado de renda an-
imal em 230,000, por cxccucHo quo move a I
mesma fazenda, contra os herdeiros do nmndav !, quanto ello ha ulil, pois que fui
VIOLA
Torna-so esto motlioio, tanto mais reco-
^ovellas a i$00
a 5UU rs., o vo-
liimc encadernado.
Lotera do Rio de Janeiro
Aos 20:000,000 rs.
Na casa feliz
Dos quatro cantos da rua do Queimado n.
20, veodem-se os muito afortunados bilhe-
tea, meios, quartos, oitavos, e vigsimo* da
segunda lotera do hospital da caridade de
S111I1 Calhariua, cuja lista chega no vapor
at o dia 2S, a elles que estSo no resto.
Ho aterro da Boa-Vista loja n. 18,
defronte do tribunal do com-
mercio,
Vondem-se cortes de brim de puro linbo,
de cores de ganga, amarollo, rocho, preto, o
azul, pelo baratissimo preijo de quatro pa-
tacas o corto, e urna porefio de veludo de di-
versas cores, muito barata fazenda, propria
para vistuarios theatraes.
Vcndem-se luvas pira menino com
pouco toque do mofo pelo barato preco do
160 rs. o par: na na larga do Rozario, loja
do miudezas o. 26,
VenJc-se una biblia latina quasi no-
va : as Cinco PonUs n. 25.
Cavallos para a festa.
Vonle-soum ptimo cavalloruco pom-
bo. muito rinchador, carregador, blixo,
gallope miicio, e muito novo: no Aterro da
Roa Vista, n. 73, ou na rua da Cadeia do
Recife n. 14.
A 1,000 res o par.
VonJem-10 sapatOas do Aracaty, com
orelhas, obra bol, a 1,000 res o par: no
Aterro da Roa Vista, loja de calcados, n. 58
junio ao selleiro.
Vcndo-seuma nogrinha de 14 annos mul-
to linda, com priucipios de costura, urna
molatmlia, de ti anuos muito linda, e es-
polia, 3 negros mocos, lindas figuras com
habilidades, 3 negras de moia idade, urna
sabnemgommar e coziuhar, o fizer doces
do todas asquahdades, quatro mol-quesde
do 16 a 1S anuos lindas (guras, um inolali-
11I10 de 15 annos proprio para pagem, o de-
boa conducta o 'tuese alianza : na rua lar-
ga do Rosario n. 22 segundo andar.
Contina-te a vender diversas pecas de
ouro c prata som feitio ; assim como um re-
Uernardo LlSSarre, um silio denominado
Glqui na froguezia da Varzea, com casa de
vivenda e arvores de fruclos, avahado por
r 11 la om 100.000, por exicucao que movo
a mesma Tazenda coutra Jos Duarto Rau-
gel, urna casa torrea na rua do Mitucolom-
li do bairro dos AlTogados, n. 43, avahada
por ven la em 100,000 por execuco que
movo a mesma fazenda, contra Anu Joa-
quina doSacramoulo, urna dili dita, n. 73
na rua Imperial avaliada por rend annual
em 72,090. por oxecuefo que move a mes-
ma la/, lula, contra Jos da Costa Pinto.
0 SoliciUdor da fazenda provincial.
publicado om proveito daquellas pessoas
quo desejo saber ns regras ,io acompanlia-
ment sem que Icnliam o Iraballiode pren-
der a msica: ven lo-se na ruado l.iyra-
ment loja do calcado, 11. 27, a ."> mil reis
OSr. que deve 70,000 rs. cm Fra de faz publico que pelo Juizo dcorplulos des-
Portas, queira vir pagar o scu dobito,,doj la cidado, se'lia do arrematar om o dia 29 rity>e eomprido so Sr. Manoel di Fonseci
contrario lera de ver sou nome ncsla lollia. do corrqnte, pelas 4 Horas da tarde, ua por- 0 s|ya-quem o p-iiar ou d'clledor nolici.i
- esoja-se rallar Com o Sr. Joronymo ta do juiz dos mesmos os seguiuUs : um si- co'r pciierosamente recomnensiido no mas-
t.o de ierras proprias, no lugar que val rara mo nh0 acjmil n6t, pra asduascruzesdalmas.com casido viven- Sr. c^in,, Cruz, na rua Direit 1, 011 no paleo
Luiz Fernandos, irino de Francisco Joa-
quim Fernandos, morador no lugar da as-
sadura da villa de Melgado, comarca do Va-
lcn;a,e arcebispadodo Rraga, om Portugal,
para nogocio du seu inlorosse ; aquollo Sr.
Jeronymo morava coi 1814, na rua da Guia
no Recite : quem della soubor, ou o mesmo
senhor sa existir, dirija-sa a rua do Vigario,
casa n. 7.
Manoel Lopes da Silva,reside na rua do
do finado Francisco Carlos Texeira ; un
urna casa terrea junlu ao
quintal
sitio, com
dos Orphaos. na rua dos (.uararapes, n. 31,
Prccua-se de um rapaz de 12 a 14 annos J S 3S' 5.2
de idade para caixeiro de un deposito do ^ o-^|^>
pa Jara na rua daSenzalla velha n. 100. '*) 5 1-2" 1
Aluga-so por niozes para quem quizer ^ Jr"8o&-|i*
passar a fesla um sitio no melhor local da '
-.1 ci 111.;.i pegado o rio, bom coilivado de
- Os Srs. asignantes deste Diario, qu
cstSo em debito da subscripcSo, queiram
mandar satisfazeroudeixar ordem em suas
aasas para o pagamento, paranilo solTrerom
transloruo na entrega.
Precisa-sc de um bom oflicial do pe-
dreiro 1 na rua das Larangeiras n. 23.
No dia 7 do corrente setembro de 1851,
appareceram em casa do aliaixo assigoadn,
que o declara ao publico, tres escravos de
Domas Matheus, Francisco, a Felisberto,
perlcacentes a casa de D. M .ri.-i Joaqun ,
vindos de Goianna, protnstan lo acoxos de
sorvir;os, e podindo que o abaito assignado
osonviisse aos senhoros, coronel Jos Go-
mes dos Santos, ou Jos Venceslao AfTonso
Regueira. I.n o mesmo dia e hora, como
convinha ao dever, e melindro do abaixo as-
signado, o communicou aoSr. dolegsdo de
polica do termo de Nazareth, Jos Fernan-
dos Lopes Li mi, assim como que no dia se-
guinle mandara o preto Matbeus, mais fiel,
com cartas ao dito Sr. coronel Jos Gomes,
cu pan o Engenho QuilobieSirinhaem, do
ir. Regueira, aflm de que qualquer delles
sem a mnima demora os mandasse conlu-
11, ou determinaste destino conveniente,
visto que nilo se responsibilisando por el-
les como o declarou ao dito Sr. delegado,
somonte por amisade aquellos senhores
os tinha demorado para Ihe nao extravii-
lem ou acarretirem maires dispezas ; e
como no tinha ainda vollado o preto Ma-
Ihcus, com a resposta, ou ordeos, por este
tneio se insta novamente.
Luis Candido Carneiro da Cunha.
Precisa-se de um pessoa que hiten la
de planiacoes de silio, dando fiadora sua
conducta : quem estiver nestiscircunstan-
cias entenda-se com oporteirod'ilfandega
desla cidade, na mesma ropirti(ao das 8 as
4 horas da larde.
0 senhor Francisco Augusto da Costa
CuimarSes Juniur, queira ier a miniado de
ippirecer ni rna Nova ou innunciir 1 sua
muradia, pois quo tem-se procurado em casi
da sua sogra, em fra do Portas, e em casa
da sua midrinha no caes novo de Santo A ma-
ro, e que ambas ncgiram-so a dizor aonde
morava a sua senhoiia.
O abaixo assignado roga a
essa pessoa, que tem propalado
por diversas partes, que elle deve
c 11 So paga, que declare por esta
folha os nomes dos seus credores,
e a quantia ; se o nao izer, ser
tido publicamente por mentiroso.
Joo dos Santos S.
- Atuga-se um n.oleque de 20 inno.de
lina conducta, ptimo cozinbeiro : na rua do
Ringel n. 44.
Precisao-se de alguna ofllciaes de al'.ia-
te : na rua da Madre Ilous 11. 36, primeiro
andar.
Quem annunciou querer aluzar, ou
comprar urna olarii que tenha barro para
lijlo o tena dirija-se a rua da Aurora
n. 44.
-- Pergunta-se ao bab.il artista dramtico,
ao actor cujo mrito artigo j foi por um
seu predilecto, om um jornal desti cidade
comparado com noiso Taima, e Jo5o Cela-
nodos Santos, a final, do auclorda compa-
n dramtica do Apollo, ses. me. est
disposto a levar a scana o dilTicillimo dama
11. J0B0 de Maraa como pede o scu auctor ?
Minio duvidamos que assioi aconleca ;
provamo-io : um drama cuja execucSo lica
a perder de vista dessa bella produocuode
a. humas, s. me. tem o arrojo de levar a sea-
na todo corlado com monos actos do que
escreveu seu actor, sendo a sua beleza pul-
verizada com o charlatanismo de a. me. tor
ssiin manchado a gloria Iliteraria 10 Sr. w
"""idesLe.l Queremos fallardo drama os Aos gauderios do theatro. pensado,
dous Renegados, esua exccucllo, na pro- Rog-se 101 sanliorestolinelresque it- Vctor I.isne, cididuo francez, relira-
finciidasAl.gflat ? teniifio que em cada cimirete s tem 6 as- se para rra da provincia. _,.
--Dooilngo 21 daate mez de setembro sentos, e que quem compra o seu bilhetiuho -- Aluga-se o segundo indar com sotan
^lii 7 horas da noile, urna senhora por- he para se divertir apreciando osarliltas, e;e trapeira para grande familia, do sobrino
'' u um allnele do peito de ouro lavrado : oSt para Hcar sem luganos lolineiros mo da rua do Apollo n. 16; timhsm alugim-se
rua Nova pela cambo pateo do carmo siflo encommodos eeinpolitiois, como li- ot dous armazens, tendo o segundo aoiao;
l ao portao da dila rrdero, e d'abi em di- rao o lucro do Sr.Gormano.quo veem o thoa- sendo da parte da marc : os pretendentes di>
"llura a rua estrella do Rozario, a ciljadi I tro de grass deixindo camarotes vasios, rijim-so rua Diraita n. 2a-
guiar, ou hades Perluguexea, 2 volumea
Novellas Soletas de J. Boceado, 2 voluntes ;
li. Queixoto, s v ihimcs ; Novallas e coutos ,
12 v iii me. : historia Je 1, i-Mi.io l'Al; i'.l 'lie ,
- Fugio. a 6 mexes, do engenho Santa \\ volumes ; RodSo Amoroso, ou aventuras
lioza.ojsateniannunciadopor eslo Dia-\JcsA"...r"."1',30..,'aJ,",l"")' Caba"a da lndh'
W.o escravo Mallicos,cirroiro, alto, corpo
.ceco, falta de um dente na frento do qucixo
superior, pernas linas, e cora fonda, 011 tal
voz hojo so exisla ; a cicatriz cm nma das
pomas : n5o so annuncia o traje, porque o
lia do ter mudado: este escravo foi do Ara-
K, livrAra iln nalnn a livraria Uo pateo do Collegio sutssop,rascnliora. por menos de seu valor:
ii. ,1. da .ii-l Dnir.iilu. na rua da Cadeia, lojadelazondas, n. 41
vcndem-se Viagens deGullivor a varios pai- Veftlildcfa pocllliclla !
zcs remotos, 4 volumes ;h. Raymundo de A- I
a 6> rs. o corte.
Na rua do Queimado loja n.17,aop da
botica, veniem-se cortes de cazimira preta
fina pelo baritissimo prejo de 6,000 rs. cada
um.
Vende-sc graxa, e carnauba por mano!
, ..,....,,., I I Ul, l>.llllilUMIU, im (un i'iiiii.., n. iiiia
da, avahado cm 5:000.000, o qual sitio foi Ja |>t!n(la c;s ,lo Sr, |ja|pllsU u0 Sa.
aquinhoado a mesma lazenda no inventario .. se -uMr oncarrBgar de extln-
Ai\ lliia.lit 1. rmiiiiii>ii I .riK iiivnir. nm i i .
guir os formiguoiros, que existen! nocin-
dtono lugar da ponte de Lclioa, com casa ,- t ,j dc $ ,.|le,es, Jft 0ii(1(J
de vivenda, coclioira, atlribtii., ".iza lia el,tJnda.sb0 01I1 Jo,0 pranciSCO Teixeira,
o dillorenles Iructe.ras. avahado e u 6.000^, jcul)rl(,. da 8jrails,racao do Patrimonio
1 volumc; Joaqun.o Rosa 1 volumo ; O pre" ,loqUe 0moul'ra qulqucrparte :quem
Renegado, 3 volumes. Marco Aurelio, 1 vo- 'lV <
hNMI llarbarinsKs, ou os Randoleiros do .. Vcndo.so c,za n0va, que tem vonla
Castello do \\ Issegrado, volumes ; Cons- Brillcipjo do Corro lor do Rispo, com 135
tnin'l.1 I?'0.;, S "i""'.'" ''e E0gf l,,,f palmo doP terreno a llh.rga da mesma casa,
volumo, O llandoloiro dos Apeninos 1 vola. Jesobriga de urna livpotheca : a traUr
me; Viigem de TnsUo da C.inha 1 volu- ,'",," va,lua
me; O Pacaro azul.l volumo ; Aventuras de .. vende-so urna preta dc 33 mnos, pou-
RobinsonCruso, volumes: O Sepulchro, roow40ii menos dmelo, a qual traba-
novel Menta em logleza por Anua liado- b ,, e|1M,' c 8ao ru\ pois ,.)m
lilfe, traducSo Porlugueza, 3 volumes : vida ,)BSlanlc pratca Jo vender, oquecoziuln
forro
d
S.
peus
-- Na rua estrella do Rozario n-13, sogun-
do andar, precisa-se de um homem que se
encarregue de acabar de fazer urna estrada
e de outro que siiba onxarUr laranjeiras :
quem quizer so encarregar destos traballios
dinja-so a casa cima indicada, das 6 as 9
horas di manhSa.
~ UlTeroce-so urna ama para todo o ser-
vico da u na cisa de portis dentro no pa-
teo do Carmo n 10.
Aluga-so urna preta captiva, poga-se
bem : na rua da Calcada, defionlo de um
sobrado amarillo de um andar.
Aluga-se urna casa tarrea ou primei'o
andar, que tenha quintal, e urna sala espa-
cosa, e bem arejada, no bairro de S. Anto-
nio : quom a liver dirija-so a ruadoLivra-
monto n. 38, primeiro andar.
OSr. Francisco Joo Alvcsdc Almeida
tem urna carta vinda da Parahyba : na rua
do Queimado, loja dos Srs. Gaspar & Com-
panhia'
-- Precisa-se alugar urna escrava prola:
na travessa da rua da Concordia, sobrado
n. 5.
Procisa-sa do urna ama do leite: na rua
do Queimado n. 0.
Manoel Alvos Guorra Jnior, remolle
para o Rio de Janeiro um escravo creoulo,i
do nome Justino, perloucenle ao Sr. lenlo
Jos Fernandos daquella corte.
O .Sr. estudanto do lyceu, que tirou
a bengala de um dos examina lores, na oc-
casiSo do coocurso p. p., queira restituir
ao mesmo dno, ou bota-la uo mesmo ly-
ceu, vrjique foi visto, e a accSo nSo foi
boa.
O abaixo assignado declara, a quom
convier, que comprou a Sra. D. Mana Loo-
poldina Cordeiro da Silveira a sua escrava
Florn la, ecomo se achem ponhorando va-
rios credores os bous do casal da referida
senhora, por isso avisa pera evitar engaos,
o protesta embargar e nullilier quaosquer
exacur;0.s tendentes a dita escrava.
Joio da Cosa Bramlo Cordiiro.
o aventuras facecias, pachucliadas o traves-
suras, 2 volumes; O hoto de Suzaninha ou
a historia do Madama do S uiieterie,contada
pela a mosma 2 volumes; I), Jo3o da Falper-
ra.ou as venturas de umcalilirce personagem
escrita por elle mcsin ', 1 volunu ; Cu utos
das ladas, traduccao l'orliuuoza, adornada
com 10estampas linas, 1 volume ; Aventuras 'u,*: do vinlelinlosinnos, mu-
e astucia, de Lazarinl.o do lomnez, 2 volu- t b J S9rv de Cdrn30. por sar
mes; Itanoko, ou o negro, como poucos lla3t,nle |0r,;,zo e robusto.
brancos.3 volumes: A Marquesa do Ganges, Wneao ao birateiro
J.-?JL-S*TjJKSi .|I0S.SLSPS!. Vende-M vinho tinto da Figuein, a
II
cas
verduras do varias qualidados, e com I' >a ^
casa do morada, quej perlanderdirija-seu ^
rua do vigarion. 11. >
Precisa-se de urna ama, para cozinhar >)
c comprar, em urna casa de pouca ramilia : |^
quom uslivur nostas circunislancus, dirija- ^
so a rua do Cordoniz n. 10.
Jos da Costa Jorge, vii tazor urna va-
gom ao sul tratar do seu negocio.
Precisa-se do urna osciava que saiba
comprar o cozinhar, para urna casa com
duas pessoas : na rua .Nova n. 6.
-- Precisa-se do una ama para o servico
interno de unu casa de familia c as com-
pras na rua : na rua bolla n. 26.
l!
~ i *. t^ i.
a
- -j 5
f
Jif o n o a o -T
S
w a H b
ae
SO1.
- 0.0*3 x -* -
i =-'"'!".'
-- U.T*
3 tti 5
. ii ~
= 3 O
3 w i.-;
0-3 &
Gonduccao.
Quem precisar do carrosas paraconduzir
gonoros, materiacs, ou trastes, dipja-se a
rua ilaCateii do Recife n. 1, ou ao hotel
oo comercio.
-- Roga-so a pessoa a quem fr ofTerecido
paca macho com mullas brancas, do a
'. 2 =
?
I
A ELLES.
Sao clicgados os .superiores quei-
jos de prenca do Cear : na venda
da rua do Livramcnlo n. ao.
#**,+#*4H>&l&$S$&'*te>
s Elementos de liomopatilia. *
* Saino a luz a priiiiii'ra parle dcsta "
obra composla pelo profossor horneo-
patba Cossot llimont ; divid la em
* tres partos. F.sta primeira compre-
*j bendo, o discurso preliminar, a intro-
"b" duccilo, o oame do doenlc. a oseo-
9 lia do remodio, o omprego dos reme- "
f* dios, o regimoii o oscoiisellios chni- *
*> eos, com a explicir;3o dos nomos gre- w
o diario de una casa, lava da sabio e brre-
la, por preco do 350,000 rs. i na rua dis
Trinxeiras, n. 12.
-- Venda-so 2 garrotes tourinos Ribos do
paslo : nesta Typograplia se dir quem os
vendo.
Vende-se, na rua do Crespo n. 13, um
..ogro do naga i, de vinte tintos innos, mu -
lo proprio para servico de campo, por sar
lomar o manda-la levar no atorro dn Roa-
Vistan. 17, quo se recompensar. I* gos o anatmicos empregados om mo W
"ora-'W dicina, ea indicicaodosmedicamon- w
l'recisa-se de urna ama para cisa dc
mi lia : na rua do Hospicio, casi n. 17, tos apropriados para cida caso de en-
ORercco-so um rapaz portuguc para i fermidado. Esta obra he til, tanto
caixeiro do armazem, veuda,ou oul'o qual-4r para os mdicos quo so dedicarem a
quor estabolecimenlo, para tomar conla por 4> expeiimenlar a nova niodecina.como -
" para todas as possoasde boa vontado *
, Jo3o Nepomoceno Diis Fernandas,
Aj Dr. em mcJicina, pela faculdade do
t Rio do Janeiro, pode ser procurado
tp todos os diis das 7 da manhiia, as 5
Shoris da tirdo, pelas pessoisdesua
imizide,e por tolas aquellas que o
% quizerem honrar com a sua conlian-
( -i: ni rua larga do Rozario n. 50.
9 Aos pobres d consulta o so presta
aos seus chamados gratuitamente.
alanco ou som ello, para o quo tem has- 9
tante pratica : quem de seu preslimo se !# quo se quiierem convencer por expe-
* rioncias da vordado desta doutrina,
intelli- ?
quizer nlilisar, dirija-se a pracinha n. 10,
das 10 horas da manhaa as 3 da tardo.
~ Precisa-se de um cozinheiro, quo seja
oscravo i na rua do Queimado, loja n. IS.
Desojase sabor oudo mora o Sr. Anto-
nio Monloiro do Mou a, estudanto da aca-
domia : na rua da Cruz do Recife n. 61.
Dam-se 10,000 rs. dcalvioaras a quom
descobrir na rua do Collegio n. 13, primei-
ro andar, oudo se icham, e quem vendeu
la.-,. .n rentos de ferro de 3 a ( bracis da
eomprido cada urna, furladas na noito do 19
a 20 do corrente. Na mesma casa sa precisa
da umfeitor para aitio, e traballiadoros de
cuchada.
Na madrugada de 21 a 22 do corrente,
dcsappareceu do porlo da Serriria, junto a
_ cadaia, duas lian las de canoa de amarello,
f) I pequeas: quom das mesmas dar noticias,
oulovar a dila serrara, que ser recom-
* por ser olla muito clara o a
* gencia do todos. Rocebem-se assig- <#
* naturas para a obra inteira a S/ooo no #
* consultorio hoincopalnicoda rua das *
t. Cruzes n. 28. Dopois da publicado #
4> das segunda e terceira partos, o *
proco ser elevado a SfOOO para aquel- <#
* les que nao liverem assignado. No i
4t mesmo consultorio oncairega se do
> mandar fornocor qualquor oncom-
S monda de medicamentos homopa-
* tilicos. No prelo : Pathogcnesia dos
9 medicamentos homcopathicos brisi-
v leiros. V
Instruccilo.
Urna pessoa que sobre ter o curso com-
pleto do preparatorios possuo urna cond uta
civil a moni isempta de mes la, propo-se
a dirlicces por casas particulares do Ier,
escrever o contar correctamente, de lingoa
nacional e franceza,ludo com zelo c desvelo.
A mesma pessoa tambem sa propOe, durante
a cstacSo calmosa, a dar as rotondas hccOes
pelos suburbios destl cidade. Queui de seu
prestimo quizer utilisar-ie anouncia para
sar procurado, ou dirija-se ao Atierro da
ou principe querido, 2 volumes. j-)t0 pral>a 5U() rej6a libia;" mmteiga in-
Attcncao. gleza, a 610 e 800 reis; dita franceza, a
.Na padaria do forte do Matto rua do Dur- 4.S0 e 610 rs.; vinagre do Llsboi, a 200 rs.;
gos, ha um complolo sortmenlo dc marcas a garrafa: todos estes gneros por prago co-
linas, proprias para sorlimoiito dc dopositos modo e so dc boa qualidado; dofronle da
e voudas, muito em coma, e tambem so Matriz da Itoa-Visti, n. 88, esquina que vira
vende fariulia muito barata, para chape- para o Hospicio.
Iheiros. Vende-se um sellim inglez novo pro-
--Vende-so urna portao do caixas vasios prio pira pagom, por ter maca, coldres, o
dc cinco palmus pira cima: liaiua Nova ludo uS nuia auviua iricuaucboidas :
ii. 9. na rua do Trapixe-Novo, u. 18, escnptorio
Vende-so umi nogra de 22 annos, a- de Eduardo I!. Wyitt. ^
costumada o propria para toJo o servico de AiYftl&UOa
urna casa com familia : na rui Nova n. 9. .. IUJ
Vondo-sc alvaiade da melhor quilidade
Antonio ('erreira Lima ck Cumpa, que tem viudo a Pernambuco, em barris
nhia. na rua Novan- 3 pequeos:na rua do Trapixe-Novo,n. 18,
iiiM,n,iriiiTOion.j oscriptorodo Eduardo II. Wyatt.
Vendo barris com doco de cija, ana- r .' X
ns, mangaba, laranja, egrozollis. prezun- SliPOrlOa Cr6
to inglci para fiambro, dito porluguez para
pancha, paios, eliminis ,-qucijo loudrino,
Vondc-so er chgeado ltimamente em
barricas de difTercntos lamanhos, a vonta-
llamcngo, Irascos com conservas, latas com de do comprador : na rua do Trapixe-Novo,
sai-linlias, dilas com ervilhas, bolaxinhas n. 18, escriplorio da Eduirdo II. Wyatt.;
do soda, cararula. o nuis lino possivcl. vi- Ri#.u ,|r, rn,|M
nhosdo Porto, madeira, cheree, bucellas, JWUB Ul' lUllil.
csrcavcllos.bordoaux.S. Julao,meJoc, mus- Vondom-se bicos dc rendas dos mais mo-
Cttel do selubal, rronlignan, clianpagno, demos pidres, e de superior qualidado,
licores in i-vi. | ni i,, i, e outras qualidades, cm cartesenraitidos, contando cada cir-
azoita doce refinado, e todos os mais gone- 15o 60 pecas deum completo sortimento ,
sendo os bicos do ni fia poilegadi al um
palmo do largura, eis rendas cuidadosa-
mente sortijas ao gosto do mercado : na rua
do Trapixe-Movo, n. 18,escriplorio de Eto-
ros de venia.
Folln de flanJres.
Ven lo-so auporor folha dc flanJres, tanto
de marca regular, como dobrada e com JSh'wmu"
grossuras necessarias para qualquer obra, ,'^a', "jan.
na rua Viva loja de ferragens n. 15, confron-
te a matriz de S. Antonio : os pretendentes
!.:...::!; a olla qua nSo deixar3o de fazer
nogocio, tanto por tua boa qualidade, como
polo rasoavol oroco : tambem se compra, ardo lf, Wyitl."
cobre ou lata o voltio. k al I *1
-- ( i iienl., ie"vo Ja nieini quuiidade, -aCO llO C>)Llil)V.
vonJe Jos Antonio dn Araujo, por conla do Vende-se umi pequea quantidide em
quom portencor, por preco muito mdico, latas de 16 libras cada urna : na rua do Tra-
-- Cimonto superior, o melhor que lem pixo-Novo, n. 18, escriplorio de Eduardo
vindo a esto mercado, vende-se no arma- II. Wyatt.
zom do Vicenta Farreira da Costa, rua da
Madro eus, por prego mais barato quo om
outn qualquor parto, tendo-se em alinelo Vende-si para fechar contis, por preco
as porches. muito commodo, liana branca ailada de
Vendein-se na rua da Ma- u-Prior qualidade: na rua do Trapie-No-
i., ili i r i vo, n. 18, escriplorio de Eduardo II. Wyatt.
drede Dos barricas com fannha ** .. pAlllfI r-irdpira
SSSK primeira e secunda qualida- **al,<- .t*,a"l"eiro
i i- i j-T r b Hu""ua vonde-sa na loja de Cuaba & Amorra, na
ile, ditas dc dita loutaiia tambem rua da Cadeia do Hecite.n. 30, esta superior
de primeira e terceira qualidade, e rip.em botas o meios ditos, raoenumeute
AitL Ai: 1. ,4.,i______a. hegado, por proco commomdo.
Tintas.
Vondem-se tintas preparadas em oleo, ds
boa qualidado, e do diversas cores na rua
do Trapixe-Novo, n. 18, escriplorio de Edu-
Liiihas om nvelos.
ditas dita galega, todas das melho-
res qualidades que ha no mercado :
a
Capachos baratos.
Vendnm-se eanacbos m'''ir' uperiores.
tratar COia Joaquim da Silva M diminuto preso deSOOrs.: naruado
r Queimado, loja do miudezas do banteiro,
^"P08* junto a loja de cera n. 33, .

MUTILADO
W._ k -i


4* Alienado.
Vende-se urna michini completi, non
muito superior, da forc da qualro cavallos,
alta prsalo, com a aua competente moen-
da de assucar, por preco barato. Advoi te-se
ejue vende-se a mactiina junto ou sem a
moonda : dirija-so cm casa de Admson Ho-
wie & compannia : no trapiche novo no Re-
cite n. 43.
Deposito No armazem da ra da Gadeia
do Kecife n. 12, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedia, as-
sim como potassa chegada ltima-
mente, a precos muito rasoaveis.
Vendem-se os seguintes goneros do su-
perior qualidado muito em conta, queijos
londrinos frescas* ditos de prato prizun-
tos para flambr, ditos haniburguezes, di-
tos portuguezes mclgaso para panella. latas
com bolacha de Lisboa, ditas com chocolate
de canella de Lisboa, frascos com conservas
Dglezas,hcela ecaixinhas muito assciadas
com massas Anas para sopa, garrafas de vi-
nho muscatol.de situbal, ditas com dito fei-
toria do porto, ditas com dito de carcavel-
ios branco.dilas com dito de colares: na ra
da Cruz numero 46 defronte do Sr. I)r. Cos-
me de Sa Pereira.
1.olera de N. S. do Lvramento.
No aterro da Boa Vista, loja do calsado n.
58, e na ra Direita, loja de turnes n. 124,
vendem-se os muitos aforton.dos billielcs
ineios, quartos, quintos, decimos e vigsi-
mos, da lotera de N. S. do Livramenlo,
cujas rodas aii.lam no dia 31 do correntc in-
rallivelmente : os amadores da lotera mu-
nam-sa de bilhetes al o dia 20, pois ha urna
pessoa que fica com o resto para vender
com ganho, por sua conta.
l'ara as escolas.
Vende-se no paleo do Collegio, loja do
livro azul a synopsis do general Abreu e Li-
ma, ltimamente adoptada pelo Lxm. presi-
dente da provincia como compendio de lea-
tura e historia do HrasU as escolas prima-
rias da provincia.
Prego em brochura 2,560
Encadoilllda 3,-200
Casa de commissao de escravos.
Vendem-sc escravos e recebem-
ras, com duas frentes guarnecidas de veran-
das de ferro novas, o edificado moderna
com toda a solidez e per f,. rilo, cito na me-
Ihor ra do bairro de S. Antonio desta cida-
de, e cujosreiuilmentoa produsem avultido
juro : o* pretendentes dirijam-se ao Corre-
lorOliveira.
Cal virgem em pedra
Chegada recentemente de Lisboa, em anco-
ras muito bem accondicionadaa, e por prego
commodo; no armazem de Silva Barroca,
na ra do Trapiche n. 19.
Pechincha para os alf'aiates que
quizerem ganhar dinheiro, e
pessoas particulares, que gostam
do bom e barato.
Vendem-se na ra do Crespo, loja da rs-
3nina que volta para a Cadeia, pannos linos
e todas as cores da melhor qualidade pus-
sivel, e muito baratos por tercm um peque-
no toque de averia.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
Itl'A A M-.NZALLA NOVA N. 42.
Neste estabeleeimeuto conti-
na a ha ver um completo sorti-
incnt de moendas o meias moen-
4
de Janeiro : no caes da A Hunde- cm lotes o vontide do comprador .
ga, armazem grande defrontc da! na ra do Trapiche n. 36, emea-
rampa.
Por 800,7000
Vende-se
Arroz de casca,
Farello novo,
Cha preto,
Chumbo de municSo,
Cimento,
vende-se tudo por precos commodos :
armazem de J. I. Tasso Jnior, na ra
Amorim n. 35.
Agencia de Edwin Maw.
Na ra de Apollo n. 6, arnia/em de Me. Cal-
moni & Companhia, acha-se constantemente
bons sorlimentos de taina de ferro coado e
balido, lauto rasa como fundas, moendas In-
elras todas de ferro para animaes, ngoa, etc ,
ditas para armar em madeira de todos os l-
mannos c inodellos o inals moderno, machina
horisonlal para vapor, com torca de 4 caval-
los, coucos, passadeiras de ferro estanhado
para casa de pulgar, por menos preco que oz
de cobre, escovens para navios, ferro ingles
tanto cin barras como em arcos folhas, c tudo
por barato preco.
tarinha de mandioca.
A mais nova o Bllil barata fariuha de
Vende-so um terreno om 53 palmns
sa de Matheus Austin & Compa-;d frente, efundo, des lea ra d'Aurora
nl>llt ate a ra do Hospicio; na praca da Indepen-
dencia, n. n.
CartSes de visitas. --Von.de se cha pret> em.caicas, e em
nhia.
das para eneenho, machinas de |roindiooaquahano mercaJo, v.nJc-se oa
, .8 i i ... i .ra da Cruz do locife, armazem n. 13, de
Joilo Callos Augusto da Silva.
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, pa-
ra dito.
Yendein-se relogios de ouro,
Panno de algodao, para saceos.
na
M de commissao, tanto para a pro-
vincia como para lora della, para'
oque se offerece muitas garantas! TuJo ja nTclhor qualidade e
a seus donos i na ra da Cadeia do|mui,0 cm (0llla em (.asa je ,\_
Reciten. 51, primeiro andar-
Deposito da fabrica le Todos os
Santos na lialiia.
Vende-se, em casa de.Y ItieberttC.,
na ra da Cruz n. 4, algodilo transado da-
quella rabrica, muito proprio para saceos de
assucar o roupa do escravos, por preco com-
moao.
-- Vende-se cola do Miu Gran-
de, em barricas e por preco com-
modo : na ra do Vigario n. 19,
segundo andar, escriptorio de Ma-
chado & l'iaheiro.
Vendem-se as obras comple-
tas de Mirabeau em 8 volumesde
rica encadernaco.e por preco com-
modo : na livratia da ra do Col-
legio n. 9.
Vendem-se velas de espermscete, cm
caixas, de superior qualidade : cm casa do
J. Keller & Companbia : na ra da Cruz nu-
mero 55.
Vendem-se cera em velas ,
fabricadas em Lisboa c no llio de
Janeiro, em caixas de 100 libros
sortidas, de 1 a 16 em libra, e tam-
ben) de um so tamaito, por me-
nos preco do que em outra qual-
quer parte : trata-se no escripto-
l'rincipios geiaes de economa pu-
blici e industrial.
Vende-so esto compendio, approvado para
as aulas do primeiras letras, a 480 rs. : na
patente inglez, de muito acredita- praQ, ja indepon,!cncia, livraria n.f.08.
do autor, desabnete e vidro, mui- ####W#:#9 #
to em conta na ra da Cadeia do | ggSS SSSSttm l
Hecife n. 60. t saceos de assucar, por precocommo- fr>
1/1 do : cm casa de Iticardo Itoyle, na t>
venilC-feC A ra da Cadeia n. 87. ?
Fio de diversas cores, para sa- ,5?$*<*#??^?'?**,'?'-^^,*fffrS
p8ter0t carinha do mandioca.
,V> armazem do Anlonio Aunes Jacome
I'ires, no caes da Alfandega vende-se fari-
nha de mandioca om siccas, sent de pti-
ma qualidade O por preco o mais como-iodo
do mercado.
Vendem-se relogios de ou-
ro epiala, patente inglez: na rt'.a
da benzalla Nova n. l\?.
Mocmas superiores.
Na fundieQo de G. Starr *c Companhia,
om S.-Amaro, acham-se a venda moendas
de calina, todas de ferro, de um modelo e
construccSo muito supeiior
Taixas para ciiscnlio.
Na i'.rniir.il> de ferro da ra do llrum,
IOaba-8e do recebor um completo snrtimen-
to de taixas de 3 a 8 palmos o bocea, as
quaas acham-sc a veuda por prego com-
Linhas brancas e de diversas
cores.
Tinta de oleo de varias cores.
Cha pret c verde, de Inglater-
ra, superior.
Velas de espermacete.
damson llowie & (ompanhia,
roa do Trapiche Novo n. I\i.
Vende-se I'uinlia ele mandio-
ca de muito boa qnalidade, e re-
centemente chegada deSinlaCa- modo, e com promptidilo embarcain-se, ou
tharina no patacho Nova Luz: ta- carrogam-se em carrossom dospezas
. .. comprador.
ta-se a bordo do mesmo cm lente
do caes do Piamos, ou na ra do
Trapiche n. 5.
?**?*;>#;'?*>??
4 Veudeoi-M boticas homa'opatliicas, >
( gratules e pei|ucnas,cum os seus com- >#
,# plenles livros: na ra do Crespo, -
t loja amarilla n. 4. 4
<*l>*'V
Vende-se superior panno de
algodao, para suecos: cm casa de
rio de Machado & l'int
ra do Vigario n. 19,
eiro, na
segundo
andar.
'i'ecido de algodao trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na ra da Cadeia n. 62,
vendem-se por atacado duas qualidailes
proprias para saceos de assucar c roupa de
escravos.
-- l.in ri -11 lie ). K 11 1 &. Com-
panhia, na ruada Cruz 11. 55. acha-so a ven-
da oexcellenloe superior finito ele ln
celias, em harria 'le 5.-, lio muito recom-
mendavel as casas estrangeiras, como en-
cllente vinho para pasto.
Arados de ferro.
-' Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com cambo de sicupira e bracos
de Ierro ; na fundicao da ra
Brum ns. G, 8 e 10.
Vcndem-se amarras de ferro : na ra
da Senzalla nova n. 42.
Moinhos de vento
t'oni bombas de repucho psra regar hortas
d baixas decapim : vendem-se na tundidlo
de Bowman SMC Callum, na ra do Brum
ns. 6. 8 o 10.
Vendc-se gesso em barricas, viudo no
ultimo navio chegado de Franca, leudo ca-
lla bairica 20 arrobas pouco mais ou me-
nos : na ra da Cruz n. 55, casa de J. Kel-
ler ei Companhia.
Bombas de ierro.
Vcndem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundico de Ierro.
-- Vende-se superior ^cognac velho, em
barril de 12 a 24 canadas : na ra da Cruz
n. 55, casa de J. Keller.& Companhia.
Vnhoj de Champagne,
do superior qualidade : vende-so no arma-1
zein Kalkmanu IrmSos Itua da Cruz, n. 10
A '1,000 rs. o corte.
.\ ra do (jueimado n. 17, loja ao p da
nprau
Arados de ferro.
Na fundcto da Aurora, em S. Amaro,
vondem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
A i ma mala peebluclia.
Corles de casimira preta, lina, por 5,000
rs. ; ditos do cores, a 6,400 rs. ; brim brin-
co trancado de linho, a 1,800 rs., o corlo do
calca; dito escuro, a l,(>U0 rs.; dito de lis-
tras, a 2,000 rs. : na ra Uo Crespo 11. 6.
Pechincha.
Vendem-se no armazem gran le dclronte
Kenwortiy frx Companhia, na ra <' eacadlnha da allandoga dcGuveia e; Uias
. .. J muilo elegantes baldos ou linas do pao pll-
ela Liruz n. 2. lado de azule verlo com sua competente
Vendem-se selins inglezes, do forro, muito fortes e leves, propiiaa
.!.-:.-. .1:. .__^ U-_..____. para a compra do diaiio de uina casa, cu
elsticos, c ditos com borraneas : p,riecarregar u baldear agoade qual-
casa de Geo Kenvvorlhy & Iquer lugar para outro, parlicularmenleem
da Cruz n 1 'eucheira. c a bunio do navios, pelo barato
' proco de duas patacas cada una, e sendo
do quatro pata cima, a 500 rs.; aprovei-
teui-se, que se o;l,lo acubaudu.
-- Veiuiem-se muitos palitos, a 5,000 rs.
e Casacas a 6,000 rs., obra muito bem loila
na na
em
Coinpanhia,
Vcndem-se relogios de ou-
ro eprala, de vidro e saboncte ,
patente inglez : cm casa de Geo
tenwortbv & Companhia, na ra na ra do crespo n. 10.
, ., \ i-n.i.-iii-x- chales co soda a ,500 ,
da Cruz n. 2. j.ooo e t.ooors., o muito bous a S.UOJis ; a
Veude-sc no Marunhtlo, a fabrica elle eniea que se acjbcm : na ra do Crus-
de bugidi sliarinas e sabiio.
Os administradores da liquida-
cao de Tlicodorn Chavanes, ven-
deiii a fabrica denominada Mara-
nhensc, na ra do l'ioponlao, des-
la cidade ( porto dos remedios ) ,
a saber : casa cm que est mon-
po u. to.
-- Vende-se utna caiinlia, na rui da Man-
gueira da Itoa Vista 11. 30, por 350,000 rs., c
urna nfrii: a tratar na rila llireita n. It.
Vemle-sc utna negra propria para o Rer-
vifo dequurquer caza >lu fa i.ilia uor sab-r
bem coznhar na ra du AgdiS Verdes n. 62
se dita i; a. ni vende.
fe
I'.i i a pogens.
citvernisido.s,
' otos da
dt> da
hidrulicas, orisontacs de forra de > melhor qualidade : na loja do sir-
tfci gueira, no pateo du matriz de Santo
Antonio.
tada a fabrica, com ao bracas de fe Ven lem-so chapeos envernii
.. r i e i '. gales de ouiueprati. fl bott
Irente e i5 de lundo ; a prensas t meU, liraI1Cl, 3 amarallo, tud
Goo,ooo libras, cada urna ; i dila
vertical de forra de ,'|oo,oou libras;
3 grandes caldeiras montadas, pa-
ra o fabrico do sabao ; l\ ditas pa-
ra derreter sebo; todos OS porten- superior champangne, em casadeXlt Los-
.'. sero o fabrico uo j|,
Vende-se farioha do Santa
-- Vendem-se chumbo em barra, cjbos
de linho, e de maiullia de tolas as grossu-
ras, e de excellenle qualidade, e gigos com
'''ccs necesoanos
, stearina e s
bao
sra
9 escravos err-
tendedores do serviro geral da la- (.'athanna a sete p-ticas cada una
lrica; i terreno annexo a fabrica, sacca : no armazem de Antonio
com 7 bracas de frente c i5 de Aunes, no caes da alfandega.
fundo
3,ooo
i dito fronteiro a mesma Sapalfics de lustro a a.aoo,
fabrica, com 18 bracas de Irente e e 3,5oo, o par.
28 de fundo : as pessoas queprc- No atierro da Bua-Visla loj decalca 'on.
'j.f, 1. 58, junto ao seleiro vendo-so S'palOcs ile
lenderem comprar, podem nesta |uslrJ0 our11||)a uur .,_-0> 3UOO) rn e 3>50()
niara dirigirem-se a .1. Keller & o par, sapalOcs do aracati para meninos a
1' I 1 800 rs. o par, sapatns dj marroquim para
i.ortiji nuil 1. seuhora, felo no paiz obra bem feita, assim
Deposito deca e potasa. como de lustro, emarroquim para meninas
Cunha& Amorim, vendcmbarriscomc.il ^ 10 nnos, e mais so.limento do calcado
em pedra, chegada pelo ultimo navio de :"l preco commodo.
Lisboa ; ditos com potassa de boa qualida- ende-se
ile; o sem cxageracSo declaram, que ven- 'Superior alvaiado em barricas de 4 arrobas :
dem por menos preco do que em outra qual- na ral do Trapicno Novo D, 10.
quor parte: na ra da Cadeia do llerifo n. -- Vendem-se sapalO;s do couro d'i lus-
50, ouno becco do Monleiro, oililo da loja tro, fcilo na trra a 3,200 o 3,500 is., sapa-
dos mesmos 11. 2.
l'azadmiraco vender fazendaspor
t5o barato preco.
Cortes de cassa chitas com 5 varas porl600
rs., ditos com 6 varas por 2,000 rs., pecas de
chita com 38 covados ftor 5,000, 5,500,
bol i ca, vendem-se c:!cs de cascm i ras es- 16,000, 6,400 rs., lencos de cambraia de Ir-
curas de suparior qualidade a 4 e 5,000 rs.,
toes do canreira do lustro a 1,200 rs.
ra da Cadeia do llecife n. '.), loja.
Vendem-se
Amarras de ferro, o ancoras de diversos U-
manhos : na ra do Trapiche Novo 11. 10.
Deposito de cal virgem.
No armazem do Illas Fe reir, no caes da
casemrss decores mescladss proprias para
palito a 1,000 rs ocovado, panno lino azul
de superior qunlidade a 3,500 e 4,000 rs., e
mi de a 4,500 rs. o Cuvado ; asiiiuuumo um
completo sorli nonio de fazendas da todas
as qualidades por prego mais barato do que
em outra qualquor parle.
deposito do cal
Anillo
vii>em.
nfio para mo de senhora e bolso dihomem alfandega, vendem-S) barris com cal vir-
por 360,400, e 480 lais dilos de canr*|om, por preco commodo, vindos do Lisboa
111
zeodas por pre^o commudo : na loja da ra
do Crespo n. 6.
Anligo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
, muito superior cal nova em pedra,
Na ra dos Jorres, armazem n. 1 pj^gaj, ltimamente de Lisboa
12, ha muito superior cal nova emj na |,8I.ca .geira.
pedras chegada, ltimamente de __ Vende-se saccas com leijSo
i',-,,oa- molalinbo, de superior qualidades
-- Vende-se 1 mor parle de um grande: 1___., j_ 11 :_
predio de tres andares, e aotao com apci-e prximamente chegao do luo
braia de algodao com letrero muilo engran-no bnguo CoiCficdo cadopor280rs cada um, e muitas mais fa- 12 do correte : liata-so no mesmt arma-
- zem, ou com Novaes & Companhia, na ra
do Trapiche n. 31.
No atorro da lioa-Vi-ta, loja o. 18, de-
fronte do tribunal doCommercio, vendem-
se ricos cortes de cassa a 2,000 rs., ditos de
casemira a 4,000 rs casinetas meseladas,
ptima fazenda para palitores a 500rs.,e
um grande e variado sortimento da fazen-
das iuglezas e Iraucczas que so vondero ba-
ratissimas.
Vendem-se rolhas para garrafa cm
barricas de 2500 cada urna, por preco com-
modo : na armazem de Antunio Aunes, no
caes da alfandeg
Vendem-se carines de visi'as
com o nome do comprador em le-
tras brancas em alto relevo pelo
ultimo gosto de l'anz, a 1,000 rs.
a dtizia : no pateo do Collegio,
casa do livro azul.
mmmwmmmmmmmmmmmm
(i.-iiilois l'ailhetck Companhia.g
Continua-se a vender no deposito m
geral da ra da Cruz n. 52, o excel- *
tantee bem conceituado rap areia jh
preta da fabrica de Gaotois l'ailhcl &
Companhia da Baha, em grandes e 9
pequelas porcOes pelo preco oslabe- 3
tt lecido. #
%wmmKm,mw Vende-se um bonito mole-
que ci ion lo, com 1H anuos de ida-
de, e perfeito cozinheiro : na ra
do Crespo loja n. iG esquina da
ra das Cruzes.
I! i',iias novas francezas.
Ven lem-so gigos com 16 a 18 libras de
batatas nov-is e do superior qualidade a
610 rs.: no caes da alfandega, defronte das
cscadiohas, armazem de Coveia & (lias
-- Na ra do Queimado, loja n. 19, ven-
dem-se lencos do seda do lindos padrdes pa-
ra hombros do senhora a 1,280 rs., ditos
para menino n 500 rs.
Esta aberta a loja da ru do Crespo n. 15,
c vendem-se as scguinles faxendas baratas :
lencos de seda e garca a 800 rs Hitos de
seda o laa a 210 rs ditos de cambria com
bicoa 320 rs., ditos de cassa a 200 rs., ditos
azucs para tabaco a 140 rs., suspensorios a
100 rs. o pir, bicos linos a 120 rs. a vara,-]
chales de l.i. |no a 1,280, 1,000, c uo rs.
ditos de Ia e seda-a 3,000 rs., cleles de ve-
ludo a 613 rs., fusto a 320 rs chapeos de
sol de ponninho para hoinem a 1,200 rs., di-
tos para menina a 720 rs., e outras muitas
fazendas por muito diminuto proco.
- Na ra dos Laranjeiras n. I \, no segun-
do andar, sempro ha mullos bona escravos
para se venderem por proco mais barato do
que em outra parle, como s j in negras
moc^s com habilidades, negrotas, DOgroa
mocos, ptimos para qualquor Irnbalho, e
negios do meia i huir, (> muleques de 8 a 14
annos de idade, todos muitos lindos, e ou-
lios escravos.
-- Vendem-se ricos turbantes, loueadote
vestidos de cassa, emcsi de madamc.MM-
lochsu, no aterro da tlai-Visla n. I.
Vendem-se 2 flanlres com os en ipe-
tenle leinos do medidas para vem -se
azeite, assim como urna meia pipa para de-
poiiio do mesmo, como tampa u chave.tudo
por preco muito commodo: na ra Vclha
n. 63.
I.olcrias do IIio.
Bilhetes das loteras do Rio de Janeiro
no pateo do Collegio, casa do livro azul.
-- Vende.m-sc 10 escravos, sendo um mu-
leque crioulo, de ida lo 12 anuos, tres rs-
eravas mocas de bonitas figuras, enlcn lom
do servico decampo, ilous mulatns de boni-
tas liguras, urna cabrinba do iJadcl5ai6
annns, tres MCravaa de lodo servico : na
ra Di'eila n. 3.
- Vendem-se dous meios apparellios pa'a
cha do porcelana lina o de apurado gosto,
assim como urna porefo de calungas da mes-
ma louca, todo por preco muito commoda.
DKVREb DOS Il.MENS,
a 5no rs.
Ven'do-sa este compendio aprovado para
as aulas, cm meia oneadernac3o, a 500 rs.p
Cada um : na livraria n. 6 e 8, da praca n,
Independencia.
Vende-ae hum cscravo ptimo para qual-
quer servico da praca, ou docimpo; na ra
lidia limero 16
No armazem da ma da tlo la n. 15, ven-
de-se coiiliiiuailamoiit" S'ipcrior cal de Lis-
bii nvi da inellior possivel c por menos
prcen que cm qualquor parte,
Vende-se urna taberna, con poneos
fundos, e b'in afregueada : na ra de Nor-
ias n. 52 ou no pateo do Carino n. 13
Vende-se urna boa escrava pretil, pos-
sante, sadi i, lava, cose, cozinha, e tcm prin-
eipio do ongomiiiado, o nao he cara ; outra
lila do meia dsde, com boa conduela, n sa-
lia. ccoin as mes oas habilidades, menos
engommar por 270.000 rs. : na roa larga
'lo Rozarlo, loja n. 35, n sipatos Jo Arsca-
ly, chegados de novo.
Vende-so umi tabema, sita ni ra do
Pillar n. 88, bem afre/uo/.-ida, tanto paia a
Ierra, como para o molo : lrata-sj na mes-
illa talieina. ese dir o motivo porqus-.1
vendo ao comprador.
\ as'oo
Na roldo Queimado defioate do beco
do l'oixe frito, loj-i n. 3 Vjndem-M cha) eos
do nnssa francezei linos pelo baralissimo
preco de 2#50o mis cada um, silo recoui-
mendaveis naos por sernm abertos a lu-
cre como por serem de firma agradavel.
Vendc-se oleo cm botijas,
chegado prximo da llolfinda da
pura linhaca : aliaz do thcatio,
armazem de taboas de pinho as
sim como barricas com cimento c
tambem se vende os linas.
-- Vcndcm se coi les detapele
de laa e algodao para spalos n
:">oo rs., peles de marroquiu pre-
lo a looo rs., ditas de cor a t ,Goo
rs. : na loj de calcado do Aran-
tes.
Vendc-se urna negra moca, do linda
figura, com muito bom Icite, e com urna
cria de 2 mezes muito nutrida: na ruado
l'.'i. um, loja n. 2>, segundo andar.
libra, sendo em cmbrulboschinezes do S em
- Vendem-se uarus com ureu|ua Madrodo neos.
CRAX\ ECONMICA EM JIASSA.
1)3 insigne fabricante americano, James
Masson. A sua composicSo he foit de pro-
posito para lustrar com ogoa e conservar o
lustro, tatito de invern como de verilo ; a
grande vantagem que ha' nesta graxa he a
conservac3o do calcado, e lustrarem-seos
sapatosou botins aioJa mesmo mulla Ins.
o urna pequea lata aturar mais do que Iras
boiOos, ecuslar menos doqueum. Vendo-
so em barricas, ou poredo de duzias, no ar-
mazem de Vicente Ferreira da Costa, na ra
libra: no armazem do cas da A!f ndega, de-
fronte da escadinha do desembarque.
Por 3000U0
Vonde-so um bom escravoro. Uilo, an-
da moco, sem vicios; na ra larga do Roza-
rlo, padaria n. 48, so dir coa] quem aedeve
tratar.
Tudo muilo bom e barato.
Vendem-so lindos pentes de tartaruga pa-
ra prender cabello pelo baralissimo proco
de l,.'>to rs., tonca-lores de Jacaranda com
columnas e muilo bom ospelho a 9,500 rs.,
ditos com arraacSo de madeira branca a
1,200 rs., bicos finos largos, proprios -para
talho dd vest lo e roquete de padre a 1,000
rs. a vara, ricas litas largas dos mais boni-
tos padiOes que tom apparecidoa 1,000 rs.
a vara, ligas de seda com borraxa, fazenda
muito 'iperlor a 1,200 rs ditas ontrelinas
muilo "esticas a 2oo rs., luvasdo peliea pa-
ra mruinas e meninos a 1,000rs., ditas pe-
las de tri'cl sem dedos tanto para menina,
como para menino a 200 rs. o par, ditas prc-
las com palais de cores a500rs., ditas de
seda preta com dedos para senhora a 600 rs
linissimas meias brancas :>aia senhora a 500
rs., ditas para menina a 210,280 e 320 rs.,
pentes abertos de baleia para coco a 300 rs.
rail' imillas ruin soilimcnto de agulhus
francezas proprus para toda a qualidade de
costurase 300 rs., csixinhas com 6 patcis
de agulhas frauezas surtidas a 210 rs., pa-
peil de agullms cantutas a 40 rs., Irajicinlia
de 13a de luds as cores proprias pira guar-
nidlo do palitos de meninos a 60 rs. a pect-
nha, lindos agulheirus de vidro a 200 rs.,
caixintias coiu colxelos francozes a 60 rs.,
I he/mu nlias muito lillas para costurase
400, 600 c 800 rs louiiuuihas de seda preta
para enancas a 320 rs., miadas.de Mulla das
Ibas a 80 rs, ditas do peso a 60 rs., ni i i-
iuliasde liuhas de 200 jardus at.o rs. o Car'
retel, Troco de todas as cores a 160 rs. a yi-
ra, lindas carnudas de metal cum grampas
ul20rs. quo mi a i- umii i val o dinheiro,
lindos frasquinhos de vi lio vasios, a 400,
500, e 600 rs e outras muitas cousas que la
vcndcm mais barato do que em outra qual-
quor paito: na ra do yucnn do, loja de
miudezas do baraleiro, junloa loja de cera
n. 33.
lie preco desgracado.
Vendem-se luvas de se ia preta milito su-
perior sem deleito algum para homein a
ii "i rs. o par, ditas do algoddo d > cores pro-
prias para montana a 300 rs., sus lensonus
lin 'S de seda a 600 rs., molas para gravitas
a 500 rs., suponores meias eroil a 240 rs ,
livelasdouradas para calcas o coletos a 160
rs bonets francgzes do panno lino c de ca-
bello a 1,800 rs., ditos de veludo para ni-in-
iiu a mu i.- r.nxi- i i n tintas muito linas
para dezenlio a 3,000 o 4,000 rs estas cai-
xas lem lo los os uecossarios pasa dezentio,
bengallas superiores a 500 e 1,000 rs ricas
aboluaduras para colcles, viudas da expu-
sic-ao a 2,500 rs ln'as carleirinhas c m
chave pora guaidar dinheiro,a 2/, ditasdo
mu j ixj niiii sem chave a 500 rs., superiores
oculos de .inii.irjn de b ilota de todas as gra-
duces8 1,90o rs., lonetas de I e 2 vidrus
a 400 e 1,000 rs suporioros grvalas de mo-
la pretas u >l; coics a 1,600 u 2 OVO rs lu-
vas amarellas do algo 1:1o proprias para a ca-
vallana a 300 rs, e oulias militas colisas
quo se v.'ii lem iiiu-.i-i baratas: na ruado
Queimado, loja de miudezas do barateiro,
junto a loja de cera n. 33.
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 20:boo,ooo rs.
Vendem-so na rea do Queimado, loja n.
18, bilhete), meios, quaitos, oilavos, e vi-
gsimos da segn la lulerla do hospital de
Santa Calliarna, cuja lisia dovo cliegar alo
o dia 25 do corrent, no vapor da carreira.
Aos airicamtes.
No aterro da Boa-Yis/a n 73.
Vonde-so um pequeuo rosto de cera de
carnauba, primeira .-mi-, pelo baralissimo
preco de 5,600 rs. a arroba.
Pechincha a 160 rs.
Xa ra do Crespo n. i/i, loja de
Jos Francisco ias.
Vnndcm-se linissimas chitos pelas de
lustro a 100 rs. o covado, ditas francezas
largas do novos padrOes, imitando cassas a
24o rs. ocovado, ditos superiores, pannos
COf de vinho e de cat de miulinhos pa-
dies, lindos desenhns a 200 rs. o covado,
corles do cambraia pntalos de cores com
6 varas e meia a 2.240 rs. o corlo, cassas
preas a 210 is. o covado, riqtnssimos cortos
de vestidos de barra com riquissimos pa-
diO s a 5,560 rs. o corte, brim trancado cor
de ganga o escuro com una lisia mu luilia
a 1,000 rs. o corto, suponores lencos de se-
da de cores de ricos gostos a 2,000, biim do
linho imarello muito incorpado que parece
lona com listas min las a 1,800 rs. o corle,
assim como outras muitas fazendas pelo ba-
rato preco de agradaren! aos Srs. compra-
dores.
Pranx da Independencia 17. 9)
% Vende-so galiio do ouro e prata de %
f* superior qu >lidale tanto para devisas
0 como para bonete e cuapcos d>) pa-
9 gom na mosma loja so veude toda a
qualidade de uniformes militares :tu- $
*; do por preco mais commodo do que J|
9 em outia parte. *>
li*W<9<*9^*9>fa|k^aa>'JJ|aaj
--Achto-o a venda no novo armazem de
ma leu is junto a secretara da polica, tra-
vs de 25, 30, 31, 36, 40 palmos, cnxames
de 20, 25, 30, 30, c 40 ditos mSos travs-
ais de 30, e caibros a precos muilo baratos,
precisa-so de um home.n do boa conducta,
para tomar conta doum negocio.
Acudao regueses ao barato. !
Na ra do Cabug n. 12 loja de Francisco
Antonio SimOes vende-se papel de pezo a
2/000 u. a resma ; cartas francesas muito
linas a 7,201 is. a duzia c 610 rs. o baralho ;
Na de bolotas brancas o de cores de
muilo bou go-to,propiios para cortinados,
:t 5,000 rs.. a peca, luvas depelici parasc-
nliora muilo novas a 1,000 rs., o par, ditas
de ditas borda las, e com requintes a 2,000
rs., dilas do dita pretas para homem a 1,440
rs., o par, meias da linho a 3,500 rs., a du-
zia, hallados do panno do linlio com palmo
de largura a 180 is., tintt ingleza 120 rs o
bnio, linhas carrilol brancas too jaulas 320
rs a duzia. dt'sdodito20Tjsrdas a 889 rs ,
do melhor auto ; novellos de linhas de co-
res 1,280 rs., a Ib. ; dilas de dita branca de
varios ns muilo barato; bicos de varias
larguras e de palmo sendo muito fino a 1,000
rs., a vara, meias para homem a 140 rs., o
par, raizas d r ilxete Silo rs., a duzia i: ni-
xa a 80 rs suspensorios fita 140 rs., ditos
de burracha a 300 rs o par requilifes du
coros 160 rs. a vara botOes calca 900 rs. a
grosa ; caixas agulhas francesas a 280 rs e
a papel 60 rs, e outras mais miudezas, mam
barato do quo om outra parle, pois lio para
acabar.
Vendem-se 2 lindos moleques de 13 e
ISanoosdo bonitis figuras 2 linios niula-
| tullios Uc8a 12 annos bons para ollioio 2 lin-
das mus linhas de 19 e 18 annosone
guma e urna das quaes ravid. h.. "
um. dita perfeitacnsinheir, Ven?,^"
.-" cnzinhiln o i '
pnifeita ment e din io 2 ditas quo C!.U"
bem, 9 prolos para todo o servico,,. Inhi
cadeia do llecife n. 51 i. andar ^
.--Vendem-se 9. cirr0as nova ,i .
Pira para Boi, 9 dita, paVCJV.I|UXm.T'
gao de caibros. 2 jogos de bancas d'. p0r"
lo urna cama dito, tudo novo na ra dV""
-lea uo Sauto Antonio n. 13. arm.in? C|'
mj,
i ~Z V.e"dV8B um 8iuo 'ndTna^Mi
do tspmholro com bastante arvoro li> '
ras para plantacao: quem o quijar cu*"
no mosmosilio senara com queru tri, ""
nicas magensvindasde Lisboa
Vendem-se na ra do Queirradn i
miudezas do b.r.iciro, junto I |0j, fr*
.i. 33. as segutotes im^ens : Sanio ... "
nio.S. Sebastio, S. Benedicto, s Jov, to-
lista, S. Jo?o Ev.ngeli-.ta, S. M.n'oei d ?,P'
ciencia, Salvador do Mundo, S. Jort '' '
S. Luiz re. de Franca, 8. Francisco Jo ?^
OUdaCnaoaa.S Pn..i u._._ .. rae Asn
ou da Cnagas, S. Paulo, Santa Barbara '"'
la Apolonia, Santa Luzia, Santa R", ;"'
perfeilaa que de Lisbo'a i,
viudo, o os procos lornam-se admir^
porsorom multo baratas. uu""vi-,
Sao muito interessantes.
Vondem-se n. rui do Queimado, Ion a.
miudezas do barateiro, junto a loiadel,
n. 33, linda, figura, ven .endo"rucias fi
IMIO das saloias em Portugal, estas B.Z
sao muilo inieressanics por serem eijuld
las, e emquanto ao preSo n.1o ha cous, Z
barata, tambem ha um completo sortij ,
de calungas miudos, j,roprios par, bril
dos de m.ninos. o mesmo p.ra prezZ
e o preco he de admirar. r.opios,
nicas caixas de vidro paraguirdar
joias.
Veudem-se ricas caixas de vidro com bo-
nitas es.amp.s c de gustos dilTerenlcs, pro-
pr.ospara guardar joias, pelo diminuto pre.
CO de 800, 1,000,1,500, 9,000 e 3,00113 ,
ra do Queimado, loja de miu tesas do birn-
leiro, junto a loja de coran. 33.
Ultima moda vinda de Paria.,
Vendem-se ricos sinios .chamatolnloi
com fivelii pelo diminu'o preco de 200a
rs. cada um, umbem ha um complotosor-
tnnento de titas de voludo largase de tolas
as cores, fivelas e passadires, lulo proprio
para poscoco e sntos do sen horas, ludo por
preco muito commodo : na ra do Queima-
do, loja de miudezas do barateiro, junto 1
luja de cera D, 33.
Escravos fgidos.
GratMcacio di 90,000 rs.
Quem penar o muleque Manoel, escrava
de Sebasti3o Marques do Nascimonto, tendo
sido cipliyo de Cabriel Alfonso Kegueiri,
a quem Toi comprado, s;ndoodito escravo.
"lli'i.l di funileiro, do naca 1 angola, de
idado pouco mais ou monos 28 annos, lem
os signaessoguinles :'cr fula, dous denles
de menos na Trente da parle do cima doli-
do esquordo, fallo do cabellos do lado os-
quer lo, olhos pequeos, beicos grossos,
sem barba, grosso do corpo, claro, lovou
vestido camisa do madapolilo, jaquea de
riscido azul, calca branca, levou 111111 l-n i-
xa de roupa com calcas e urna jaquel., leu-
do lugar a fuga no dia 8 da corrento mez,
julga-se ter sido seduzi lo ; port.nto, desd)
j se protssta contra quem 1 livor em sea
poder : quem o pegar leve-o ra da Au-
ron, loja de funileiro n 62.
Luiz, alio, seceo, cara com maros de
bexiga, barba poa bailo do queixo, olhos
11 m tanto espantados, levou vestido calca
branca, jaqueta preta, e chapeo de sed. d.
mesma cr. Eslo escravo tcm omumadts
pernas signal de crrenle, desappaieceu i
Sapucaia, no dia 10 do corrent 1, e tem sido
visto aqui no Itecifo e cm Olinda: quemo
pegar luve-o a Jacinlho AlVuiso Botellio era
seu sitio da Agoa-Fria que ser generosa-
mente recompensado.
Quarta-feira, 17 do crrente, desapfi-
reccu de Beberibe, c tomou o deslino pa'i
a cidade de (Huid 1 pela estr.d. do fomo di
cal, um preto marujo de nomo Antonio, de
na a 1, de idado pouco mais ou menos de 10
aniius, picado de bexigas, he bem fallante,
segundo os termos mirujaos, levou camisi
o caiga de algod.1osinho americano azul,
um en.peo oleadode copa baix., e has um
tanto largas. I'ede-se aos Sis. da polcite
pessoas cncarrregadas do matricula de na-
vios tola a vigilancia aflm de nSo serem Ilu-
didos para a sua captura, assim comu idgu-
ma pessoa do povo ou capilies do campo,
quo m'ni generosamente recompensado*
do seu irabalho: na ra da Senzalla Vi-lhi,
terceiro andar da casa n. 112.
Da-se 5o,ooo.
A quem trouxer na praca da InJepedencii
n. 17, a preti Mara Joaqun, de idade de
30 a 40 annos, de nacilo congo, b.i(>, gor-
da, cor relila, bexigosa, seio grande, lem
um signal de carne sobro o beico superior,
e he bastante ardilosa ; j io escrava do
engenho. e ltimamente era quitandeira de
miudezas, desconlia-se que ando paia as
partea do sul, por estar acostumad. a andar
poi l vendendo, comuma crioula do nomo
Felcldade, de quem foi escrava. e couli
ter sida vista, na povoacSo de S. Amaro )-
luala 1 : esta preta fugiono di 1 II de abril
de 1850.
Gralilicaco de 20,000 rs.
Quem pegar o muleque Manoel, escravo
do s- Ii i-ti.ln Marques do Nascimenlo, tendo
sido captivo de Gabriel Alfonso Rogucira,
quem foi comprado, e sendo o dito escrato
ofllcial de funileiro de nacSo Angola, "'
idade 28 annos, pouco mais ou mooos,o lem
os sun.ies segointcs: cor fula, dous denles
do monos na Irente. fallo de cab.'llos do !
dousquerdu, olhos pequeos, beicos Kroij
sos, som barba, grosso do corpo ebuloj
lavou vestido jaqueta da riscado azul, cica
branca, camisa de Madapolilo, lovou nina
trouxa dcroupi com raleas o una 11'| "'("'
tendo lugar a fuga no dia 8 do conente
mez, e julga-se ter sido seduzido : porianio
desde ja so protesta comra quem o livor em
su poder : quem o pegar leve-o ra o'
Aurora, loja de funileiro e. 62.
-- Esl;lugdodcsde26de Agosto p.P
muleque Domingos, Imlieiro, es.pnle'0-
crioulo, i lado 92 a 94 annus, pouca barli'i
falla (iiinso, masca fumo,quaudo anda paro-
ce puchar por urna pero>, e gosl" de locar
viola, lio (litio do lagarLagoa-torta-d
Villa do Limoairo, o (oi do finado Vicente
Ferreira do Arruda aonde ainda lem a mac-
he prnvarel que por la ande por que foi vis-
to 110 l'au do Albo logo no segundo du, o.0
estar mesmo por aqui trabalhando escondi-
do nalguma tonda de sapaloiro, ou por >*
gum callugi denegro, por ser muito de p.-
tuscadas. Hoga-se a tod.s as ai,thorid.o
e a qualquer pessoa que delle souber.avue
aoahaixoassignado que recompensira turu-
llo atierro da Boa-Vist. n.|0 ou nos A-oga-
los cilio pegado a groja de S. Miguel.
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERUHN6519_9VKQ03 INGEST_TIME 2013-04-26T23:21:14Z PACKAGE AA00011611_07592
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES