Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07591


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXV jl
Qiia.t' frira ?4
cJp. Sclrmlpo N. 215.
DIARIO DE W PERMMBllOa
mito a suBcmr?lo.
PiSlMinro AdiaNTIuo.
Pr trimestre............
por semestre..........
'"' *n Po DENTao Bonnumi.
n ri .. deSelbr. Illlna... 31 de
u.r.nbo 7 de dito S.Paulo. 3 de
"*'i l2dedi.o. R.deJ.. i4 de
pf.ib.. l9.-eS.lb. ,8*1.1.... 18 de
i/000
flOoo
15/000
4f!M
Agosto
Selbr.
dito
.ni,,.
DAS DA SSNAlrA.
V Seg. S. Mauricio m.;
83 Tere.8.Lino p. re.;
24 Qu.rL H.S.das aler-
ces ; s. Geraldo.
2.r> Qulnt S. Firmino b.
26 .seit. Ss. i\ p. i ni e.1,
JU'lina inn .
27 Sab. S. Cosme, 'i.
S8 Dom. S. Venceslao
AUDIENCIAS.
Juixo de Orphtloi
, c5. as 10 horas.
I. vara do eivel.
, e. ao meio-dia.
Vazenda.
c6. as 10 horas.
2' vara do eivel.
, c sbados ao n.cio-
Rrlarfo.
duqu"1
S.lou.o. percas c sabidos.
liiniDH.
Cresccnte i 2, as 11 horas e 33 minute da man,
Cbeia a 10, as 11 horas e 24 minutos da m.
Hingoanle 18, as II boras e 9 minutos da m.
Nova 25, as 3 horas e 52 minutos da inanha,
IBIAMAB DE HOJ
Prlmclra as 3 horas e 42 minutos da tarde.
Segunda s4 horas e ti minutos da uiantiiia.
rlBTIDlS dob cobbeioi.
Goianna e Parahiba, t segundas e sestns-
felrat.
Rio-Crande-do-Norte, todas as quiolai-feiras
ao meio dia.
I Garanhuos e lionlto, i 8 e 23.
Roa-Vista, c Flores, 13 c 28.
I Victoria, as qulntas-feiras.
lOlinda, lodosos dias.
TOTIOIA* ISXnAMOCinA.
Portugal.
Ilespauba.
Franca ...
Blgica...
Italia.. ..
llem ,n' i.
Prussia ...
Dinamarca
Russia...
Turqua..
14 de Agosti
1 de dito
H de dito
5 de Vito
2de Agosto
3 de Julho
2 de Agosto
1 de dilo
10 de Julho
11 de Julho
lustria... 3de Julho
Sulsia..... t de Agosto
Suecla... ao de Julho
Inglaterra 8 de Agosto
E.-Unidos 27 de Julho
Mxico... 7 de Junho
California 15 de Junho
Chill. 26 de Abril.
Nuenoi-A. 3 i felb.
Montevideo 6de dito.
CAMBIOS BC 3 DE ISTCMaWO,
Sobre Londres, a 28 ,29 d, p. 1/000 rs. Firme
Pars, 360 por fr.
Lisboa, sein transacedes.
METACI.
Ouro.One.. hespanholas.... a
Uoedas de 6/400 velbas. 16/000 a
de (if400 novas. 16000 a
de4/0('n...... 9/W0 a 9/100
Pral.Patacflesbrasilelroi.. 1/920 a I/92U
I'csos columnarios... 1/920 a I/M0
Ditos mcMcanoa..... 1/750 a 1/700
PARTE OFFICIAL.
mina ao Sr. le neolc-coronel coinmandante da
fortaleza do Rrum. Antonio Gomes Leal, que
se recollia preso no qunrlcl do Hospicio para
responder pela fuga do preso poltico Jou dos
Sancos Lima Ponte Baia, que se cvadli da
inetina forUlea na nuile de lB do correoHe.
O coronel coinmandante das armas de<
MINISTERIO DA JUSTINA.
2 Seccio.Ministerio dos negocios da jus
.ir-Rio de Janeiro. 21 de agosto de 1851.
"'.':," E. Sr.-Fol presente a S. M. olin- ra, queein consequenclada referida del.bera-
"'L'-oofllcio que V. Esc. me dirigi cinda- fo, nomedu c toinou coma hontem mesmo,
!a. do correte, cinmunlcando a olucao do commando Interino da fortaleza menclo-
...rtru. duvida proposta emnoine do conse- nada, o Si. capitn do quarlo baialh.o de
bode .iu.Hlic.cao da suarda nacional da fre- artilharia a pe Alfonso de Almcida c Albu
r'edocorreler"cuinmuuicando "aloiucYo do commando Interino da__forMleM^raenelo^
uie deuaduvida proposta em noine do conse- nada, o Sr.
lode (lualilicacaoda guarda nacional da fre- artilharia a
,iuiia de S. Sebasllao da Barra Mausa, por seu querque.
"nectivo presidente, perguotando-sc, apesar ^^^ rkmli* atetara ama,
.1, recoiibeccr o conselho que certos indivi- aassasasss
INTERIOR.
Hl UK JANEIRO.
Ao 11 ni 1 1 Liborio.
Ja tinha posto no corrcio a que lsoj! sabio
uovapnr Pirmmbutana, guando vi no Jornal
Ida. ,,,, n.Tr. 1- la P"taa d" contratadas na Europa. > ennam
rf 15 citado leveuor 1u""''s 'ld,',, nouv" na Kuropa' W"W,,
5,L .VrL'l que lindo o lempo lesse contracto, possao cl-
L'i,".?1'" .?..?! 'Y'Il" lesdar-seaos hbitos pacilico. da vidaag.lco-
c recoobreer o conselho qu
dos por falla de renda nao pdem ser quall-
fictdos guardas nacouaes, os deveria todavia
uuslilicar por es la. en. incluidos na lista dos
otantes da fregueiia ; e o inesmo augusto Se-
|,or manda responder que mullo bem fol sol-
vida essa duvida por V. Exc., decidindo que a
douslcao do art. 15 das instruccoes de 25 de
ollluro de 1850, nio li.nitou o pleno arb.tr o (mmutlo .ohegadl de mal! cerno c noven
ncae.le.conselhosdeq...lihcatao confer- dMConir.UdM na Europa. Vc.1h.1n
fin os arls. 1J e J3 das mesmas ln*truc- ..------. -----....
os i porquanlo o art,
tzve^SmFtSs^rsjtm indTvv: -.j^istrm
dos qne se escus.vam do servico a pre- aoull'llall,1,ia.1 0 que ucvc clusar estranhexa. he
testo de Taita de rend.. que abas nao allega... oll ,'.,.,.( n.o oculto, co.n que so
uuando ao incluidos na lista dos votantes ; i|mDra,11 jc coloniasca para o Sul, onde el-
igs nao obng.de manera algu.ua o conse- ,., ..lda ,clll prosperado, a cxcc|,ode S. Leo-
IhodequaliHca,ioaquallllca-los guardas na- .. ,.,.,. esta te.n mu, f.c.lidade de
donaet, qu.ndo por si meaino conheca que es- r,nsor',e p0r ag0a dos producios para o mec-
a fslta de renda he urna verdade e nao u.n cado rao passo'tueo imincnso A.n.ronas, que
pretexto. E portante deven os cunselbos dtri- (odo con| 0J seu lnnumerof, c gigantescos tri-
gir-se pelo conbec ment particular das cir- bu,,,io ,prccnla u.na estrada VUliMlm., c
cunistanclas dos individuos, como recommen- f d Jj os pontos mais remotos par. o
da o art. 13, e.e.u dependencia das recama- Illcrcau cral ..,,,, Ui fecunda os
(Oesdcque tralam os arls. Me seguiules, llia,,c,w;15 os ma ,cos lenos do mundo
elimina-loa da guarda nacloual.ou deixar de cflm Vlir.ds, e preclosissiniis produ-
qualific.-los. e aloda nao pertenece... a ella, t 0 Au.asonas, digo ten estado
embora subsista a anomala (cujoconhecimen- >n| ,, e)uecime,.to, c abvidono. Agora,
to compete a ouira auioridade de coulinua- 1|{0apcni, .ce que a esforcos de ilguuia
rem.votar.n.selelcdes primarias. .rus lillin obteve ello, que u.nvapor vague!
Dos guarde a V. Exc.-iW.o de Qae.ro: acj,a e auau j^Uo alguma vida ,,'ai. ao tar-
t'oalinho Mal 010 Coro. Sr. v.ce-presidenle u> # Mt0l0 oouiiBroTo daquellas vastas re-
da puvinciado Bioj^Janciro^ Igioes. Deoaqueira que a erca.Jo da nova nro-
miNKTKRtr) DA [" \ZP.,\li A vlncia do Rio-Negro, d nasci.nenlo ao espirito
EXPEDIENTE DO DI v 23 DE AGOSTO. qUC os Paraenscs inesinos tomcn a iucialiva
A' lliesour.rla de Perna.iibuco, sobre o nosse negocio, lembrando-si- que sitas vastas
recurso iolerposto por Carlos Juge, eaplllo do i'roiitclras ptecUalll ser puvoadas para seren
brigue francs Artigo, da deciso da tt.csoura.' iirolegldas.
ria, conlirsuando a da alfandeca, que julgou 1 >ao vi, nns consta-ine, que grande c poinpo-
procedentc a apprehenso icndas no valor de II ;45ij400 rs. descarregadas ; u e que rsie funeral lora IV.to ,1 expensa da
do dito brigue, impondo-seao capilao a inulta | orde... tcrcelra de S. Francisco de Paula agra-
correspondenle a 50 por cenlo daquellc valor, | decida aos servieos, que na quesillo do cen 1.to-
nos termos do art. 156 do regulanunto de 22 I rio Ihe prestara 110 senado o (Ilustre tinado,
de junho de 1836, em virtude do decreto de 5 j Kada meu querido Liborio, nada lao mrs-
julhodo auno passado, se declara que nao se quinho, nada lo p uco ..obre, lao pouco ca-
acliandoo cas* literalmente coinpreliendldo as I valbeiro como a posiciio, e.u que 110 senado se
liypolueaee do referido decreto, deliberou o tri- jcollocou o D. Manoel! Te.n-sc mostrado u.
b'unal do ll.csouro que, procedendo-sc na r- | l.oniem de plisos raucorosas; e sabes que os
uta do tj !* do art. 145, pague o capiliio, alcm I homens assim s0 capit/.es de ludo, ou ao
opposicao do senado, do que pelo que disse o nao recusaran). Diem que o Moraes Sarinen- iito he, casou coin u.n conde, e depois deiiou- e I). Manoel aproveitou occasto para uro-
tal Sajto. E na verdade, meu querido l.ibori., t0 dc'ra uiu aparte, que mal co.nprrhendldo o. Talvex que a la I princesa seja como essas |mover urna indigna intriga dizrnilo que (>
coin sereu u.n pobre irmao Andrecreio que nao pelo orador fra reto.qu.do pouco ...ais ouf que dicm abundare..! no pala royol em Pa-, suvuiiii> queri 1 a divisSo do &orte e do Sul,
dira principios lao desliacs, a meu ver, como menos coin as seguinles patarras, na verdade ris porque preciso he es.ar acostuiuada a nao VIS[0 como nili) lrt.a ilo estrada j d-' ferio
os que vaucou o senador Vergueiro. Disse mui fortes : O ornhor niio lie competente ter vergouha para vir aqu e.u alta cathegoriaif ara 0 Norte I Utf quu'tlo n3i> &80 Oap.ze-S
cllequeoprojectouaosoeraanlcconslilucioQ.il, para diicr isso ; ningue.n sabequ.il he o par-; dar-nos seinelliaules escndalos: crelo quej'! xum raucorosas I As entradas de fer
msate Intil, e dcsnecessarlo, porque um lido do nobre deputadoEsla lirada provocou anda sou multo indulgente nestas uilnhas 1 moIh.irmiii<. .inliimn m>
general em canipauha eslava Investido de um o Moraes Sarment, que entre mitras observacoes, porque tenho que se nSo pode i ro sao. ul" metnuramenio uiili.sirnn, na..
poder dcscreeiouario, c podi segundo o di- cousas disse, que elle nunca apparecra nos', em tao poucos dias dar-se assim um especia- que exige grandes capitaes, que rallan) ain-
reilodas gentes faicr ludo isso que determina- trlbunae defendeudo crimes alnues, infames,, culo se.n ser ja multo rel na sua ierra. E da no Brasil ; e se lie preciso principiar, e.
va o projecto; que por tanto r, liiosse sol) sua crimes que olTeudiam a hu.uanidadc c as leis seria ella realmente mulhrr do principe? temara experiencia, lie positivamente DO
responsabilidade, e depois respoodesse pela da religio. Evidentemente era isso dirigido'Perguoia l ao padre-guardio, porque para H.10 de Janeiro, quo doife come^ar, porque
sua conduela. ao Pereira da Silva, e rccrla-sc defesas dos iiiim. pobre donato, > 0110 he duro de roer, i he oll io abundflo maisos ciipitaes. Assim
Ora ahi tens o que cu chamo una escanda- negreiros por elle muilas vees l'eita nos tri-, Ooliro principe de Santa Sevenua iuvor- nlesln0 poucoaacreJitarri nessa estrada do
roi'ca.^a.clrcms.anc^e'omod^Se^ palmea ^^'^"^".l^ animad^;, ns de.,, lidien. : fehzmenU na, .Mora
gir6lllo posso conceller como um libcralo porque u orador no calor do discurso a* vcirs Troia por til motivo, o muud 0.111 mullo
daquellesquer antes deixar esse arbitrio, do cnlcude mal, como no caso presente, c niio rivilisadii, os inlcressos cominorciaes .3o
quedar o seu voto para o litar, i'orcm o Sr. tendo o aanue trio rclltctidn c calculado do|hoj6 0 Qiolivo iOQO Ullico, a menos O
Vergueiro ua unnha opinif.u mosirou nisso um Dilnlalro Kuiebio, he levado a resposus iinpro-. m,,js comilHItll daSSUerraS das DaCOefl
carcter mui desleal, qucrenlo paisar por l.um pnu ImuWNndMi qua provocan, represa-'
aos olhos dos exaltados, e Involvendo os geue- M. I ina cousa me deu muilo no goto e
raes Maqueados em diliculdades das clrctims- ful o di/.er, secundo me amrmam, o Moraes
taucias, sein se saberem haver entre os perigos Sarniento, que quando CDlroU para 0 mlnis-
dos espides, c dos traidores, e as aecusaces, terio o ministro BUzeblo, apparaedra etlo de-
eujrt dir*'ito se i|ucr deixar salvo o 3r. Verguei- manliaa cedo em sua casa, dizendo : meu
ro, negando seu voto para dar vigor como legis- amigo, sempre nielli a nao na oombucaq,
laco patria a um priucipio que reconhccc in- que provocou fortes animadver.des da parle
h ere ufe aos generaes em campauha, c admit- <>os Irniol Sajrdra. Levado da curiosidade
do por todas as uacoes civilizadas, e ao mesmo donatal procure! saber o que era isso de com-
leuipo estiguiaii/.a de ante constitucional. Sr. t/aea em que o fcu/rbio (inda ineltido a m.lo,
VeiLjueiro, Sr. Vergueiro, quemo tuio conhe- t eis-aqui o i|uc me contaiam, c no que atliei
cer, que o compre. .Meu amigo, iodos os do- muita grata :
natos juntos nao sao capaces de fazer um quar- (juitidu qucmii apanliar macacos, pegam
to do mal, que pode lazer, c realmente faz um OUia eabaca, abrcm-llic um buraco, (ci.-ahi o
so desses cantadores .1 choro alto
Pur u cos de eolitos de rea. Devia ser laucado ao
mar no arsenal da marinlia um brigue birca;
assistia S, M. o Imperador c grande concurso
de povit, O barco pegou duis veies, e quasi
lica. Dliem qnc o Teoreiro Aranlta fallara mui*
to, por ver qne ludo estava arranjido contra os
lalacoinesfohoi principios da sciencia. \u
sel at que ponto esle senhor pode ter voto ua
jue lie combuca ; uicueiii-llie dentro nina es-
piga de milito, c lirgam-a em lugaies onde
andem meseos, Vein miideataii adeudo i
da conihuca, agarra-a, vira-a c torna a
vrra-ta, espa pelo buraco, melle a inlo c
apo'lcrn-se da espiga : eolio o fraudulento ca-
cador, que eilii esprelU corre sobre o gulo-
so bixinhn, qncrendo lemz por iialnrc/a, nao
* i!n-iiil i 11 ; it oque urna vez ag.irron, e nao
podendo saear a mao com a espiga, corre dif-
icultosamente 00IU a combuca arrasto, e he
maie. ia. apesar de ser o escolhido para.r lau- "c" }"menie can. a combuca arranche
carao lliaTa nova provincia do Jliu-.Xrgro ; po- ""l'^l""-nt. a pan hado. Ora dous Pf'C.
.n o ceno he que ..este uosso arsenal d. o'rlc \Sffmltui ,r fiSI1"*!? "! i unV 7
............ ..-i,i ,...;,.. .... ..,..,:.,... iTj melli a ni;io ni i.oinlnu i. l.m headilli.nl-
da mulla ah indicada, o valor das sedas que
deverao conter os volumes sublrahidos ; csli-
uiando-se este valor peto das de que se couti-
uham cin outros volumes que, segundo cous-
ta do msuifeslo, foram uszidus pelo mesmo
navio.
DIA 2ti.
Ao director geral das rendas, em solucao as
duvidas do colletor de lapivary, se declara
uuanlo a primeira, que a ciza dos bens de raiz
di vr ser paga na coectorla do lugar oudc es-
i.u situados os beos. ou na daquellc em i\ae
se liver celebrado o contrato, se ucnhum dos
coQlrahentes residir no lugar da siluaco da
causa ; e deve portaato proceder nesta coufor-
addaena cobraocado refeiido imposto quan*
lo srguoda, que os contractos feitos por cs-
crpto particular, na fdriua da lei, dos que se
paga cica sao Iseolos do sello proporcional.
Ao mesmo, em solucao a duvida do ad-
ministrador da recebedora se os perieuccs nos
conhecimealos cui Corma, de gneros para os arseuaes se passam para ha-
vereui o seu pagamento, sio iscnlos do sello
proporcional, se responde que no prevalece a
rrspeito dos pertenecs o fundamento de icn-
jfo concedida pelo regulamcnto de II) de julho
li' iS'id, aos referidos conhecimentos estes
ao ttulos de divida passados por urna repar
ij;.u publica, e aquelles, transferencias desses
tulos feitos pelos credores do estado : como
Ues esli coinprehendidns na tabella da pri
inelra claise, do art. i." do cilado regulameato
c'sujeltos por couicguiute a revalidayao quan-
do u,i se tcnlia salisfeito o imposto no devido
lempo.
Othi
iiiiiin io das armas.
Quarlel do commando das armas na cidade do
Heclft, 19 de iclembro de 1851.
UKI.LU III nu n. II i.
U coroucl coinmandante das armas, ua for-
ma deliberada pelo Esni. Sr. presidente da
provincia, em oflicio de houlem datado, deler-
I OLIIETIW.
TRISTO DE BEAUREGARD. ("
(PELOHARQDBZ DEFODRAS.)
XVI.
tomo be que Iristao, o qual temos dado tan-
tas provas de acu orgulho, poz-se em citado de
deixar dizer de si oque Siman escrevera ao pal
que ou vira da bocea de Adalberto Dourrachon 1
orgulho de Ti Istao, bem eoiuo o de quasi to-
dos os hoineus, era alternativamente ceg c
perspicaz. Foi assim, por exemplo, que o Joven
cunde preterir iuortilica<;ao passageira que
tcrla sentido explicando-se francamente com o
doutor Briant, quiudo anda era lempo, a res-
ponsabilidade tao grave de ter-sc sublrahido
pelai fgida aempenhossagrados. Km seu pro-
cediiueniotuind'lgoruay, ellemo*lrra a mes-
ina ceguelra, seiapre por cama dessa deplora-
vl disposicij que o levava a temer menos
praticar urna acfao m do que pronunciar uina
palavra embaracadora.
Por ccaslaoda perdacon^idcravel que Uve-
ra no Jogo, elle obrara aiuda segundo o mes-
inosysteina. Parasahlr honrosamenfe da dif-
nculdade em que se achata, bastava que cs-
crrveisea AHIette, cuja dedicaco e Indulgen-
cia nu eram duvidosa*. Trisio leve este peu-
amento, be verdade ; mas seu orgulho revol-
tou-se logo, porque o pedido de um succorro
''vis ser acompanhado da conlissao de todas
J* suaa fatss, e esla conlissao parecla-lhc urna
"aquew Imperdoavel. Elle esperava aleta dls-
*o que sahiiia do embaraco cm que se va sem
o succorro de nlnguem ; contava com o acaso,
'|uc dea dlvladadedoa orgulhosos e dos fra-
cu*. porque he ceg como elles, e imprevisto
tamo ellt.sao fmprevideutes.
tnntae seis horas depois dos acontecimen-
loa que acabamos de referir, obaro d'Igoruay
m,u c.ua carruj6e> bnate da casa oceu-
ii aiJ1\ "a,) R,aonneau na ra de Chaillot
nos aulorisau acrenva do mal que se diz delles.
Ja a piiuielra tentativa de assassinato do Jos
Ignacio d'Albuquerqoe, JA a morta dos irmaos
Varellus acontecidos na presidencia do I Ma-
nuel no Rio G.aude, dio que pensar Ai caberas
facis, porque nada mais ordinario no marti-
rologio dos povos do que ver passar-se aos
subalternos as paixes dos goveruaiiics. llojc
chorou elle no seuado a persrguicao dos amigos
no Lliu-tirandc, perseguicu, ijuc dhem coa-
sisllr em nao podcrcui mais com o poder da au-
tondade matar mais Valleras, c mais Joss Ig-
nacios.
O seu dueude he aiuda atrauzacta camlida-
tura do cousclheiro Thomi\ivicr aSenitu>
ria por aquella provincia, c o ministro da jus-
lira he o alvo a que atiram lodos os setts l'uru-
res por acreditar elle que csse ministro fui u
apreseniador desse candidato: p>recc que aiu-
da nao perdeu de todo as impresses do susto.
Parece culi ctinto que esse candidato Iridiarla
honra como concurrente na lisia trplice, e que
o trliiinplio que na esculla oblcvcu I). Minorl,
devera silifazc-lo, e lio mcio dessas glorias la-
ze lo esquecer ludo: e he por isso que te en
digo que a posicao, que elle tem eacolbldo he
iuleirameute mesiiuinh, pouco nobre e cava-
Iheirosa. J em outra occasio te escrevl licite
sentido, c insisto nislo, porque elle insiste.
Hu te disse em outra queoulroque niio o mi-
nistro da juslica lembrara para o Rio Grande o
Tilomas Xavier : essa pessoa foi o viscoude de
Olinda, como elle mesmo dccUrou boje no
senado explicando esie tacto para acalmar csse
senador, que todo mundo comeca a recear que
venha a caba como acabou o pobre Navarro.
llojc7 coulinuou a cmara a discussao do
projecto alcuuhado coila cubren viudo do sena-
do : dizcm que orara o Mello Frauco com mui-
ta declamac.'ioscm discutir um s ponto do pro-
jecto. Seguio-se-lhe o Sajan Lobato (o de btr-
bas) e sustcnlou muitobeiu oprejecto.dcmous-
iradoconi a cousli[ui;ona mo, i|uc elle es uva
dentro c bem dentro dos limites della. bu as-
sim o relo, mas pelo que li dos discursos da
um o cerlo he que ueste uosso arsenal di corle
le ni acontecido cuitas, que autorisam rajad
deseas, nao soda parle de um presidente do
Rio-Negro: mas inesmo de quilquer irmao
Libarlo Por exemplo : assentou*se cm ucres-
seular nina cob^rta a corveta Hihiana, c a cor-
veta se su'tinha tambem como certu individuo
de per iris de cauotilho. Fol preciso arrasa-I., de
novo, eul.io VOgOU brillianlciuc:ile para O bul,
Assim foram certos cauques mandados vir de
Inglaterra segn Jo a encuinuieuda e plano dea*
|e uosso arsenal; assim nutras militas eotttBI
l)a-sc pur pronto um nivio para seguir anui-
do, e logo se descobre que est podre o gu u-
pei,
pod
metli a uiao na coiuli
diitc da lltuacao de um ministro com a pasta
da sua reparlieao. Oulro he a tenacidade, com
que se niio querer.! mais deisar .i pasta. Creio
que u prliuelro pensamenlo lo i o do ministro ,
porijiie pens que urna pasta nao pule, para
nlngueui, ser tao appetilosa, como he urna
espiga de lullho para um macaco. Seja, po
ti..... o que for. meu querido Liborio, lem<
bra-te que ja coalas Uu$eaj, c que maetfei
t//i<, dizem por aqu, im > inelc to em com
'(. i. !S:o sejaa alviirelro ; niio sojas o pri
uieire em querer dar le de tudo, e procur
apreuder na cabeca dos outros, c niio ua tua
nunca lie preciso
0 que boje mais que
riualinfntehoje(3SJ aparcoeu no Jornado ouvlrc calar; c procura provar o pie mullas
v biixo entra as dnalos encontr.i-se mais tino
e mais bom-semo do que mesmo no padre
provincial.
governo deu um*. pen
de u.n cont
Commcrcio o mu tallado programi da opposi-
cao. lie una de tutii, inttc, tntto I Ser pre-
ciso mandar um oadlnbo do tamanho deste
mundo, mi tur-nos tudus dentro, maiuria, cop-
posicao, ludo no fundo o Tiinandro, mcinbro
da commisso; faicr deirelcr tudo, derramar oitoccutos mil ris viuva do senador Paul
ahi seja por onde for e o que sabir, he a refor- c Souts, que alias dizem ter deixado urna fur
in a projetada !. Uto ha tanto, querer refor- tuna de uitenia cotilos! Ora, se aos deputa
mar, como era querer Pedro Malaxarles Ira/.er dos e seuadores se comeca a dar pensc-, ou-
lenha para casa amarrando todo o mato. lm- de ir parar O pobre Brasil? Islo he mais 00
postura, Impostura, e sdmente Impostura: lan- tavel quando consta que a viuva da senador
|0 mais qua Oto cm cinco aonos de prepoten- Nabuoo, que uada deixou, aiuda anda ahi
ca, nada reformar un, nena inlentarain relbr
mar: pelo contrario indo n urna coiiimisso
comporta do T. II. Otlonl, Urbano c crelo que
pidre *l ii i;ili a reforma do cdigo do proces-
m', f mi [i,i a qual lauta selcuma haviam levan-
tado, c que servio de pretexld>prira a revolu-
V-io de Mu s e Sorocab?; essa comuiissao disse
no seu parecer que anda o lempo, c a experi-
encia mi haviam indicado os pontos, cm que
es<*a lei pecara: o que deu motivo ao ministro
Limpo de Abren ducr-lhes que nio era issoo
que elles tinham dito ao pas, nem que o
paz delles esprrava. l.'mi s idea rasoavel
apparece, e he que ludo sera sustentado na lm-
prensa, e na trbuda, ligiudo de ag:taces que
s servein para matar a liberdide. Por ahi
crelo que iro bem, e poderao chamar gente
a i se u que ijutsciem for rasoavel
Tem Corrido que algUllia iusnburJiuaco apa
receu cui una dos batallies de eshangelros
empelotas, oque deu motivo a serena man
dados iS para o Rio Grande, mas nao est i
so bastaute claro veremos o que dliem as pri-
tnelras noticias.
Ilouvc hoje na caunra dos depuudos urna
occurreucla dcsagradavcl. Sustenta va o Pe-
reira da Silva a lei dos crimes militares em
tempo de guerra, alcuuhiuda de fi'i-rifcrais
c para sustentar scus argumentos contra a op
pnsico apoiou-se cm um aviso do regenu
Feijo como auioridade, que os oppoMciouistas
vras baslaram para p-lo no laclo de tudo. Elle
de nada se admirou, por quanto desde o dia
cm quesuppunha que o pal devia ter recebtslo
a carta que Ihc escrevera, eslava convencido
que se cuidava cm tirar Tristo da dilliculdadc
em que se achava, e esperava, trille sim, po-
rm cheio de coulianca. Seguro agora de poder
ajqdar o amigo, elle couvidnu d'Igoruay n
dcscaucir por algumas horas. Depois, disse el-
le, at deliberaremos sobre o que ser nielhor
fasersc para arraigar as cousas conveniente*
mente.
Meu charo amigo, nao audei setenta le-
guas por um Trio ile dore graos, para deitar-mu
ao ebegar como um soldado do papa. Demais
nao pretendo demorar-mc muito nesta Itabylo-
na, c o pagamento desta divida de jogo tem
sido ja demasiadamente retardado. O diuheiro
aqu est, importa que elle seja enlregiic hoje
mesmo a quem dcdlreilo peitence. Ku uao al-
mocarel sein que este negocio eslcja conclui-
do : dlga-iuc onde mora csse Sr. CliUdeberlo
Cravachon.
Adalberto Bourrachon, disse Simio sor-j
rindo. Klle mora na ra Lepellicr n. i ; mas
uo lie elle que he o credor de Iristao.
Pouco Importa, com lauto que elle possa
dar-me infonnacoes.
Com ell'eito, lem raso, Sr. barao. Lstou
prompto para acoinpanlu-lo.
Nada, meu charo, isso deitirla ludo a
perder. Ksle Oogobnlo l'atachon conhece-o, c
advinharia logo que nao he o conde de lie a u-
regard que pMja por si. Eu me aprescnlarel cu-
ino um procurador, c anda que s^ja obrigado j
a ment! um pouco, a honra de nosso amigo
sei salva.
O conlicclmrnlo desta dcdicaeiio commoveu j
vivameniea Simao, o qual lesteiuuuhou sua ,
emocioessua alegiia pela maneira a mais ca- ,
torosa.
VossA est sombando com suas admira-:
ces : ns eramos todos as im da outra banda.
Maude-iue vir una carruaseni de nluguel, se (
he que as revoluces tem deixado subsistir:
esla iustitulco lo rccotumendavel e lo til. |
Minan dcu-se prcssa em iranquillisar o ve-j
Iho emigrado, cesperando que chegasse o ve-
hiculo o (jual mandara procurar pelo seu por- ,
telro, propozoulra vez ao baro o deitar-se so-1
bre um canap, e mudar o calcado paradescan-
i.as dece
linn ns > casacao por una casaca
te .' disse Simio coin hesitacao.
O Sr. teme que me nf.o achcui bastante
elegante, nao he ?
Simo fez urna resposlapolida, porm a ver-
dade he que elle lenha medo que o trago grot-
tesco do barao desse lugar a alguina scena
desagradave em casa de KuiiiTachou, o quai
pussuia no ultimo gru a insolencia dos ricus
sem talento. Vieraui anunuciar que a carrua
gem eslava prompia. D'Igoruay inandou que
seu criado Rene levaste para dentro della asa-
cola do Sr. Ragonnc.iu, c assegurando-sc queas
suas dozemile quinientas libias de ouro csta-
v un ainda cm suas algiberas, despcdlu-se
de Simao, tcndo-lhe promcltido que verla ter
com elle apenas livesscarraujido o negocio de
seu joveu amigo.
Opoileuo da casa de llourraihon le ao prin-
cipio algumas ditficuldades para deixa-lu su-
bir, e foi preciso que d'Igoruay levasse de as-
salio esla prliiielra posicao ; mas na porta da
antecmara do joven c brilhautc membro do
Jochey-Club, os obstculos foram mais serios.
lm criadu malcreado examinou o bar.io desde
a cabeca at aos ps e disse-lhe que o amo nao
recebia ninguem pela manhaa.
Diga-lhe que he sobre um negocio im-
portante que quero lallar-llic, respoudeu
d'Igoruay.
Meu amo nao traa por si tucstiio nenhum
negocio. V ter com o seu notario.
.Meu charo, o Sr. he um marolo, rcplicot
o baro ; ordeno-lhe que v j c j dlzer a seu
amo que quero fallar-lhe da parte de um de
scus amigos.
_ He impossivel.
He diuheiro que trago, paiife ; Ve l. 1)1
Curre que as torcas do Rosta quiserain a-
iravcssar o Rio pira Corrientes, ou Entre*
Itfos ; mas que hali las pela no^sa e^qualra
r liraram-se com peda. 0 coronel Lamas
olllcial de o I.- fe/ p'ssar sus familia para
este lado, o com ella alguns ulliciaes ; 5up-
poe-se qun i>to hu in HclO do qu*)rer abait-
donar Orih >. S tal nC. mal vii csse saigon-
lO e Rosas.
0#I3 Wouifloa que Jo Pololas vierffo re-
molidos para o Rio Grande l'orao os caberas
de uin molim do duas compinhii*, qne os
seus proprios prenderam, o ontregaram so
ni'jor, cuja corajosa rosolucSo o intretdJez
poaaoal loz acalmar a sublevaGj.0 causada ou
I elo rigor da dosciplina, ou pela embria-
guez.
Passou finalmente cm 3. dlcouuSo s ini -
mondi ilgumi a loi contra os spides : foi
ella 1 ii i a! i,i em ambas as cmaras
nada flcotl precise maioros domonst-u
cOoi cada um tem agora campo b:m vasln
para relleclir, e formar osoiljuizo. QdAD-
toa miui os piopiius argumonloAda oopo-
bcBo no sanad" foram que mais me conven-
ce-lo da uuii Lid.', c urgencia dosa lei, pa-
ra nlo deixar aos generaos rsse poder a*hi-
iraiio, ediserecionario, que Ins iccouhccia
o sonador Vergueiro, 6 acredi'o quo os que
siisl-nitramo volaran a le, obrarum coin
ni;'s !'-tillado, o patriotismo, porque nao re-
cusaram lomar sobre si u brmenlo a part-?
da res; O'tabilidr.dt*. que outros quenam
alirjr toda ."Obr.- os g-neracs stloni
tos entre os perigus, en que i ospionagein
asfduQflesoavolvein o exercito. e as accu
-a^r s, com que os amuac,im os UberalOoi
e as m ilioios-s msnbas d;>s velbas Raposea
Uouclui la essa dUcussffo, parece que os
depuiados no BatQo muit'j dispuatoa aliaba
litar mais. visto uo s dia sen lo olgumas peiisoes,ulori-at;oos p ra
lazoie n iiovosoxamea o matricularle algum
epruvados \. ^. II cas-) he que hoje ( 4 d
lelembro, )uflo liuuve s llSo por falla de nu-
mero, s eaperain pela deciaao doo'c.amea-
to no senado.
i: iili.ii i-.iTun para o RO (Iranio mais dous
offcises, canto cmeoenta e tantas prunas
Jos Oatraogelros c mrala los.
U v vorso qui'br.iiiu Las podras da foi (ateza da
Santa Cruz, depreasa(a fures de multo angi-
co icou poifeitamente curado, disem os la-
cultati?os,e segu o seu destina: dizem que
val navegar entro Mouliv.dj, UunnosAy-
res. erios viainhus. Teria para isso lie
< oc Rosav, ou he ji 'Spculac,So sob o as
circunstancias actuacs? Grandes Ysnkmys?!
Ten ha llrquisa, n sous aliados oui lado cora
:Ssa raposa.
EHSo Hgora com muita pressa paa fazer
passar ncst-rs poucos dijd o quasi sem dis-
cus'ao, ibsolutomente sem dlacuaa9o,uma
le viuda do senado para so crearem com
mete m.io ni; panillas i asa navegaeflo por vapor ontre t>-
Porcm leli- dos os port >s do llrasil ; mis dizem quo he
' bom, out'us qua nao presta.
11 lio sclemuro. GoaelUiO*H hoje a s -s-
- "i" do sonado estando o presentes u > r -s: -
dente, o a crclaiie Vaiasques, Cauido Uap
chorar sem ser attendida : o sibe Dos se al-
guma viuva desoldado morto cm campanha,
nada lem merecido do governo '
Rovldade f Novidade n boro .' \i vivam os donatos, que nao dao des-
tes espectculos ao mundo. Tal vez lenhai ou-
Vldo por l dlzer que o vapor Ingles Tiviol nos
irouxe urna groxa de diplmalas, entro os
quaei um tal principe de Santa Severina, ve-
Ihu c fcio, mas cuja princesa, dizem os que a
Vlram no famoso baile do soi^ro do viscoude
d*branles, ser urna pnrfelta Venus de moci*
dade e belleza. Pois bom ; os dous principes
;t vinham brigadas na vlagem, c agora o prin-
cipe raascollno foi abandonado pelo fmuniuo,
quo lalvez velo-hemos dando beij.-mao na
ra do uo\idor. Ve l que genio nos man-
dam os ptthco par a (srra do macacos '. K
dizem que macaco vell.o u;
combuca Uem que inettC
mente para este a combuca quebruu-se ; e di'
go fallamente porque talvcz palor Ihc aconte
eesse, se a couservasse, que fortuna he quan
do laes coinbucas se quebrara Mas, pergun<
vell,. Kuropa priucipalineiito Itali. eAllu.- nha ba um. praga de principes c titulare, -pie orador, que l.n ,a muilu qu.' dlzer atu ama-
lie u.na miseria; al dliem que alguus leein nllDa, e niio eonviudo mssu o presidente,
sua ca>a .1.' pasto, tic euja rend. vive... A la
musa cantor. Ua Bdelvira era condeca, due
nada dalle, escrt'vcr-lllc-lic. que nao lie ass.u.
que pralio.ni lidalgos.
Poli bem disse ouira ro, eu leguirci leu
exemplo,
K cu tan.be.n, accresccutou urna ler-
ccira
faci lio, Srs
cao, iuterro.npeu
dlacuratiiria at a nolte. Eral terreir. ,lis-
i'.i..n da lei Ja estra la .I ferro par Mili.*,
. ~i^assaa
que elle merece um,. li-
a pes.tna que d'Igurua>
reconheceu icr a que repooder. ao criado.
Ki.lreta.ilo fol voss, ...cu ell.ro Adalber-
to, que o aprese.ilou ao club.
Gracas a SaavagQy, '|ue se prcoecupara
delle, e que agorosla bcui vergonnoao,
Uccebeu oile a linport.net. de todas as
compras quo te para csse pretendido conde de
Ueauregard .'
Ii'lgorna) sallot sobre o banco como se ti-
vesse obedecido j iu.pu!*ai de u.na ...ola, ao
depois por a inflo sobre u rcposlciro para estar i
prompto a levanta lo.
l. S-iuvagiiy lie liuo, rc.poud.ll Uourr^,
cl.ou ; elle fes compras importantes pata r.
preleudido conde de ucauregj.d, como vosse c
chama, segundo creio luuijuslau.ei.le, ...as nao
pagou, no, lcou por elle.
Ka le que fe ...uito bem excla.uarai
Iros ou qualrn vo/.cs ao ...es.uu lempo depoii
as voos cossara.n de fallar eu. curo, par. la-
zer cada una sua parle separadamente da u.a-
u,iii seguintc:
Ene Re.urcg.rd be um ligante!
Un. gatuno !
Oue nlng.ic.nconliccia, ha tros mofes.
i.i,i' ni pois nos poder dar informar,>cs a
sen reipelco ?
Ku, senliores respoudeu o barao Icvan-
i ui,l i sbitamente o reposteiro c apresentau-
do-sediantedos qual.o interlocutores, embas-
pe.au. os Iros credores de l'i.sio, pois e.am
ellos que ostavan. c.n casa de Uourraclion.
Hflo a dasete*, replican d'fgornay. pois
eu vinlia justa.nenie para terminar o negocio
de que I'tllavcis
Elle lena llovido sc-lo ha mais lempo,
muruiurm llourracliou entre os denles.
Sabemos isso tanto quinto o Sr. ; mas
quando se mora cm provincia, c se ten. Ierras
ao sol, como um lidalgo do bom lempo amigo,
em vea de lor capilao sombra, como um
usurario, nao se cousegue adiar Tinte e cinco
mil Ir.iicnsda noile para o dia. Saboi tamben.
;m -. lien, v /. que no.i Dom temua elrada.s
para os BOsOl meioa oruinarios de couduc-
V'Bo, cono poderemos te-la de ferro ? Uujid
mo ve a ma fe, c o furor do l). Manuel i'
t'.raudes silo aa miserias da tintures, hu-
mana,
I i compeiisacSo passou hoje inesmo Da
cmara dos itepuUdos em tereeira il.--.-us -
sito lei lu'.orisando-o a coutractar com
conipanhiasa navcg.f.lo viporenlru lo-
dosos portes do imperio. (Juaiilo a mini hu
outra i taou 'da. Se arrenda n3o chega para
as desptsas ordinarias, seuSo temos podido
pagar um ru.il da eiiurme divi la, como se
podera garantir essas comp.nliiaao Juro,
de que trata a lei i' Em li n o lempo o mos-
trara.
BnlroQ esla tarde o vapor do Buenus-Ay-
itn, aiuda nada sol, senfio que com ebVito
foi balido Ignacio Ur.bo por Garzn. Nossa
es |ua ira len io recebido logo Jas forjas Ro-
sislss no Itio l'jraua, respondeo-ll.e, e repel-
ho-o. O ministro uigloz iilVereceu a liosos
a ii>cdic.,~.o i li.; ic.', que mo foi acccil*.
.No f,ii neoeiU, e foi acceila par. occasio
nppo luna, poique o orguluo da pantera
expirante (lie nSu permeiua excuaar-sj de
algumas bravaUs contra o brasil, mas a neta
Jo nii.iistro Ai,na au iniuistioi glii he ISo
el. i,, de baixas liuiniiia^Oes que bem ino-
tra, que a pautara esta nal vascas da aioite.
Iloju I I e..-ri'.lu-.e s c.iui ji,is,e osLegis-
laJures retiram-se tanto mais contentes
para suas csis, porque leum as faustas no-
tlC'U do llio do l'rati. Oribe procuruu a
prui"C(9o dos esquadrae trance, eidlge-
za paria retirad, de suas l'0'i.'ispar. Buo-
DOS-Ayres, poieui oss. protecclo Ihe loi ne-
g ida em (orea dos protestas dss furrj.s alia-
dis, e o licinoioso sargento da Hos.s tera'
do ron ler-se prisioneiro, senao f.igir aban
donan lo ns seus, ou leudo por estes al.au-
douaJo, coiiojs. tem si :o ,or grande nu-
mero.
Consla que oconsoili.) prjvido de S M.
Briiaulca reconheceu o perfeit) dlreito ti
governo brasilero de hostilizar Oribe.
A lei do o i in i n lio da ferro n.lo se pOdr
concluir no senado, Dea a do crdito ; u.u-
conoadospesa aati l'eita, e o crdito recu
vclve a iprovacSo, o mal nao lie grande.
Muilo e.nbasbacadJi .tcvetn lii-ar os que
igoirav.1.1 protecr;au, e soccorro do governo
itigleza llosas, e os que d'ante mo se esta-
vo liVIDde amagoa Je tosas cm a es.c
raur;i de nossos des.res ua quuslSo do lito
da Prala.
Amigo, por muilo lempo eslarel privado
do gOJ o de e>civvei'-ti', e talvez para sem-
pre, porque estou informo, e por conselho
dos mdicos vou para al ayuts virtuosas di
Ca iip.iiiua. Fiei-me nu lio nulo 'atina, e II-
quei em mui lasli lioso estado. Sesluu bum
da quebradura, graeus ao coiro do peiie,
bot. A deu regala-te bem, enunca le es-
quejas do teu alfecinoso irmj
Andrc.
V. S. NSo te dizia quo la por psse inunda
voltio ha principes Oc loJa laia I1 Cois bem .
"i{o.u ouvi dizer quo o principo de 3. Seve-
' i no he um principe d'alta gerarqu.a, nai
liico.Sania Seveiina niio lu nobro .' Ora
iulcoJoi-vi.s la con tul moiiiiifaJa Ale
agora cuidava cu que quando so dista um
piiucipo dizia-se una cfUidadesupen'or.su-
IiIiiiii", exeelfa, sobrenatural; agora he isto .'
I. assim o prestigio su vai evaporando, e
agente su val acoslU'iiail io a nao fazer caso
do le. ; e islo em miiili. o..nido n.lu he
bom. Vamos poiem ao mais rtigr-ca lo.
Ouvi quo .. principe h'.ra ler c >m o mims-
diase ello depois de ter deixado caliir sobre a
mesa o ultimo NapoIriOi
So quer lempo para pagar o icslu, lolga-
leiuus muito de dar ao cunde de Ueauregard
urna nova prova...
...Ui dosejoque te.n de jngarcn .Inda com
elie, cntrnilc.u-.ne, niio he I iiiterroiupou d'-
Igurnav com u.n loui chocarreirn. Qua.ito au
leinpo," seulioies, pee,,.vos Hcclivau.cnle o
que he uccessaiio para mandar buscar uii-
ul.a carruageu. u.na saeeola que conten dozc
in.l equinhentas libras, as quaes jumas os que
iquicsto, completarlo vosia omina. c Ba-
t ,11. I I....... "-fewui'trfM ".' i u. uc umuiDi.
,1,...,.'"' ",aleu o Unl.a lomado .....< hora de ... e um canap, c mu
. ...r, f' que achava-se mais solido sobre suas I Nao (arel Mi i Se me deltar, lornar-me-
. uasuo que uo...omento da parlnia. (hei iuteiiicado como lima barra de ferro, e se
u..'11....,''-'o';'','r*r'.,'"',0uP0ucolna'1''"ras botas, mullas peraas lomarao a di
u menos a raue de sua viuda i poucas pala- u.efisao de it.ua peja de calibre ulula c seis.
-v.Nao quer pelo menos stibstiluir este bar-
cj de pello de rapoi. por utu chapeo, c ester
(*) VUt o Diario n, 2 M.
/oniln isso, o baro n.cueu a linio ua alglbeirajbicadosda npparicao desta ligu.a grottesca
c retlrou a elicia de pecas de uuro. | _0Sr. he seu pal ? pergiiulou o primeiro
Rapara aqu, disse o criado dcscobrindo a jos mancebos que pude lomar a si de sua sor-
porta, vou prevenir meu amo ; mas qual o seu I n. esa.
noine para poder annuncla-lor j fijo lenha esta honra, mancebo : mas se
Rao leuho no e para um villao-suiu co-|mc fossep.ceiso cscolher entre o Sr. c elle para
mo tu Trago diuheiro, lito deve bastar. ter un. lilh) de mais, niio seria eertamente ao
0 criado I, lai.iuu ..... reposteiroe no mes-'sr. que da.ia a preferencia,
mo liislaulc gargalnadas de riso ebegaram aos Quem he o Sr. ? disse llourr.ii li, u a d'lgor-
uuvidos do baro; depois houvc um moiueiito nay com u.na altives que nao careca de urna
de silencio durante o qual d'Igoruay ouvio o corla polldci.
criado annuuela-lo e outra voz dlscr que o Meu- nome nada Importa para o i.egoa.i
lizesse esperar, o criado communtcou-lhe esla resposta e fol dar-sc sua oceupaco omina- J me lluh.iii dilo isso, e foi por esla ra-
ria, convidando o visitante a armarse de pac- ,0 que ordenel ao meu criado que o convidas-
eocla. O baro senlou-se sobre u.n banqutnho, ': a liear na antecmara. Porque pois nao le
e a couvcrsavo toruou a co.necar na sala que cunformou o Sr. co.n este convite ?
Ibc lleva .o lado. | Knlral, Sr., porque ouvi que se caluinnla-
UeUarei aluda pauar viulc e quatro lio- ya aqu uml.o.ne.u honrado...
r.i, disse urna yoz de boineiu, e se nao recebe | nao disseuios seno a verdade, interrom-
-------------------_-. |. ., u ,,,i. .i.tiiri (IIIIK III .
iiucsco conde de Ueatiresard vos rirvr..,- ii. I ,c,"e "J0 ?'"'
Ja dez vezes outro tanto, vinte vezes inesmo "our"cni"> tocou a campanilla para urden ir
.pa. de paga.-vo-lo "cabemos' l "" "il0 'lue'rou,t'"e "cclr
so, pi. n'o Va por m.uoitau. A6U"' ?" v", 'a'" ES2?" t0,u"
* bou, ,c eiuendo n m he ',t'"-'",,,cs 'rclb0Sl "T,",?" d'Ior,,a*- -
.m, nao nc Kccibos para dividas de jogn Istu uao
rrachon. prepa- se la, jamis exclaiiiaram us lies jugadores.
elle seria capaz de paga.-vo-lo
a^ora com isso
vi.u a eslaca
Vamos, Srs., disse
rom suas coala.; o Sr., contiuuou rllc'ai ...
lando para d Igornay. parccc-mc que campar
lill.aa.mpaciencia que temos de separar-nos
delle.
Sr. Iligolicrto Bravaeho, Vine, esquecc
que o ho.i.cui bom educado deve ser polido pa-
ra com ai pessoas quo recebe cm sua casa ; per-
...ilta-inc pois que Ihe diga que coocluo daqui
que sua edui ., foi lucilos cleganlc do que
seu aposcnlo podrrla fazer cier.
Havla na atti'.ude de d'lgornay, em quanto
pronuneiava estas palavras, uina Uiguidadc que
nao teria deisado de impresslonar a qualqucr
I,,., .i dotada de u.na alma elevada ; mas bour-
rachon nao julgava os horneas Mulo pelo en-
voltorio, c como o do baro nao tinha nosse
ni o, oe n in, nada de resprliavel, bourrachon res-
poudeu-Ihe insole me ment.
Eu nao o recebl, Sr., ncm mesmo o dei-
sci entrar ; o Sr. for(ou-ine a pona, e smen-
te us amigos ou os mendigos he que luu.au.
dcstas liberdades.
Pac. de ciiiii i. mancebo, que sou u.u
mendigo, disse o baro tevautaiido-se t,a pouta
dos ps. Antes quero isso do que ter entrado
: qul como seu amigo.
Sua comas suas cautas, mcus scuhu-
res, exelamou Dourrachon. Isso torna-se In-
s.ippu. tavel,
Dez mil francos.
"no mil flancos
Seto mil Laucos.
b'lgornay ebegou-sc para junlu de tima me-
sa sobre a qual depos aos piuihados o ouro que
tinha as alglbeiras : as lealeuiunh.is desta ce-
na eonieiii|tliv iiu-nn cm um pasmo que le
aproilmava do estupor.
Aqu esta lmenle niciade da lonuna,
Polo uieiios, entre fidalgos, accrescculou
'ourrachou poinlo-sc em umaallitudc que pu
dia puaar por impudencia.
O Sr....o Sr.... l que esqueci o uoinc.
falla maravilliosaiueiilc : estas cousas uo se ia-
icui jamis entre lidalgos ; mas, bem n.c
entende, nao he ? he por isso uiesino que ua
peco.
A saeeola chegou. D'lgorn iv contou separa-
damente o ouro ca prata para assegur.r-ae
SII. a suu.u.a eslava completa, depois JiaSC dcs-
enlin- ion ule ;
Ajustem-se, no n- seoli ,', pois creio
quesao asiociadus : os vate c cinco mil francos
aqu esto ; mis lie preciso que ...e passciu re-
cibo, do contrario nu ns cntregarel.
Livrc.n-rac de sua presenca, disse Duui-
r.iolion ; passeiii-lhe os recibos que pede, que
uo o quero ver mais aqui.
Os recibos foram passados, o diuheiro fu.
contado quaudo o ultimo moni,: Je escudos
toruou acabir i.brc a mesa, d'lgornay disse :
Agora, senborcs, he-vo interdicto pro-
nunciar urna pal ii i (jue poasa ollcndcr a
houra do conde de Ueauregard, pois seonzer-
dea fra de mlnha presenta, podereis otilar
que obaro Cesar d'lgoiuay, aulg olclai
do regimeuto Mirabcau e lo bo.n tidal co-
mo nenhum, vos lera pur infimcs, por ca-
lumniadores. Estes quinte dia, ctarel anda
en. Pars c moro na ra de t.ba.llot... 1.
ll'lgornay laucou os ollioa sobre os quatro
mancebo, 'estupefacto,, c aMMdMM
uliiim eslava dispnsto a req.ouder a seu Uesa-
f.o por cutio, dlrlgio-se para .. repoilelro, vol-
tou-sr, aluda ouira vezantes de o levantar, e
desappareceu. (CoMi*:*..
MUTILADO


7
m
m
tro di ustiga pin que desse conts di prio-
ceza rugid* oo encintada ( ritamos no lem-
po das (ada ): e como o ministro duvidsssa
do o poder fazer, trespon leu o principo /-
gnrtao que elle tenha todo Odireilo, porque
princesa era sui mullier, e sus escrav,
pois i havia comprado em Edeni E sil! ?Eo
duvido.porque nflo possolicreditir qno Lord
Palmerslon, que tSo philamtropo somoslrs
pan com 01 pretos d'Africa, e que lio zulo-
so se mostra em icibar como commetcio
d'Africsnos, ealej iHm impassivel pin
com o commercio de escravos brincos la as
aun proprias barbas. Se pois conto-te esti
historia, be par le dizer ludo, mas nSo
para que tu a vies contar a alguem, porque
podo haver em tudo isto seu miis e seu me-
nos.
.O AMIGO AUSENTE.
Corle, 6 dt teitmbro de 1851.
Amanhaa he primelro da dos fastos bra-
silelros. A festa de 7 de leteinbro. o noivcr-
sario do heroico grito que soou nai margena
do Ypiranga, he a prlmclra daa fugabas do
imperio americano' O enihusiasmo deate cresce com o correr dos lempos, com as sau-
dadeados princlpaea autores desse famoso ac-
to, que marcou a era da Independencia dapa- _
tria ; a prlmeira geracao da noasa liberdade|,j .
val de da em dia eiiinguindo-se, mas tainbcm amphytrijes da festa sabem Inspirar nasocic
com a morte eilingucui-se os odios, a paga-se
a memoria dos erros e fraquexas dos homeni :
tica e se pcriua a tradlco dos fritos brllban-
tes dos priinciros patriotas, Hoje, mais um
motivo ae une s recoidacoes saudosas dos pa-
trlarcbaa da Independencia para aquecer e
inllaminar o cnlhuiiasnio que despena nos
Bratllelros o sol do dia 7 de setembro ; esse
motivo, nao he preciso que eu o diga, porque
lodos o aentem ; que Braiilciro ha ahi cujn co-
racao se niio cominova, neste grande anniver-
sarlo nacional, pelos perigos que correm nos
-a
ea, e nlnguem se eiponha merecida serle rado e esttmavcl brigadelro Vicente Antonia
delcaro. iBuvi. .
Que os bailes san utllllsalmos lodusttla,| Aqu facp ponto linal, rfcomnirndando-ine
disem-o e o provam com o aeus borradores os | que alo deiie de ler o discurso que o Sr. de-
fcudatarloa do mundo elegante : mas ellcs pulado Carvalho Morclra rcoltou perauto. M,
tambem pulam os cosf.um.ei, c prepiram, pello Imperador, cauto oi^o da cmara a que
eiemplo, a elcvaco das elasses detherdadas, I perteocc, oo menwravcl dia 1 de setembro. lie
coocorrendo tala para a civilisseto popular, ao raramo tempe a eiprcssa" de uui poeta c de
como eu a cntendo. Ha iiiesino quem prelen- um phllosophoi opensamento poltico essi-
daquea educaclo das mulncros nao se pode Mel do subdito, e o patriotismo do Hrasllrlro
operar sem os bailes ; que as raulheres crlam-1 apparecem ah com cores novas, com a uiaia
se no sallo, como o general no campo da bata- elegante form e delicada prsalo.
Iha, como o bomcm de sclencla no gabinete, I Fallecerain:
-' Eu 30 de agosto 20 pessoas.
como o homem de estado noa escriptorios de
jornal e as dlscussoes da tribuna.
O progratmua dansante da semana fol real-
mente pomposo. Srgunda-frira, sarao em ca-
sa do 3r, deputado Pcrelra da Silva ; honlem,
em casa de outro parlamentar, o Sr. Jusiinia-
no Jos da Rocha hoje, em Andaralu Grande,
daquia duas leguas, o baile do Sr. Jos Mai-
well i afora as reunles de que nao teuho no-
ticia, outras que nao menciono por serern
multo clrcumscrlpta, c algumas por que sao
peridicas c se aiinunciam pelos jornaes.
O sarao de que primeiro falle! fol urna da9
reunldes mais divertidas e de masgosto que
mu testemunhado o Ric de Janeiro. Neste
genero de direrlimcntos nao be sd a graudrz.a
e a profusao que se apreciam. A arte e a de-
licadeza que a ellea preside, o hrilhanlismo
concorrcntcs, a alegra c a animacao que os
31 18
I de sct. 22
2 -21
3 * 23
4 J5
23
i sendo urna de febre
amarella.
sendo urna de dita.
t________
Correspondencias.
dadeque reunirao em torno de si, sao as con
diedes indispensaveis que podem tudo por si e
sem as quaes a comedia do jalao toroa-se fra
n montona.
Costo, brilhautismo. attractivos de mais de
um genero, fervor c agrado n.lo faltaran! luis
hospedes e nos cunvidados da rcuuiao da ra
Direila, O bello seso apresentou-sc fascinan-
te, misturando com suas gracas naturaes as
mal) peregrinas galas, e com seus risos o doce
aroma de delicados c lindos raaiallieles. A
dansa c o camo, c as curtos inlervallos o pas-
aos innaos as campias do Estado Orintale seio c o dialogo, li/cram que as horas passas-
pelo denodo e rrliglao com que cssea bravos tcm como imiantes.
se volao i delcia da patria? Se he sempre o Sr. Pcreira da Silva com sua respcilavel
um da ile eniocSes este o mais santo do nusso enhora sahcni no paquete deste mes para a
calendario poltico, no momento actual em Europa, onde se pretenden! demorar ale al-
ies do annu prolimo E' Ulna viagem
ccao e de saude mas, nao obstante,
parlamentar e o illusirado cseripti
ha de achar occasiao de ser ulil ao seu pai/
de augmentar o cabcdal de scus conlicclmcii
tas.
Osaro de segunda-feira fui dado pelo esli
mavi'l Ilumnense em despedida aos seus ami
que o pavilhao auri-verde trmula alem de guns ....
nossas fronleiras para vingar aa ollensas da de distr
patria e sustentar seus direitos, essas einocors talentos
devcni ser e sao de certo mais gratas c pai-
xonadas,
Tambem a ceremonio uova que este auno
apparece nesta festa nacional nao poda ser
ni'in mais locaute, nrm mais ri>ionlia, ucm
condiier melhor com o grande lini do brado gos c collegas. Esta circunstancia derla mu
S l|U
c a lertillidailc
do Ypiranga a felicidade dos Jira/ilci
Amanhaa, a urna hora da larde, quando roui-
perem as salvas nacionaes, ter lugar a Inau-
gurarlo popular do vasto encauamenlo de Ma-
i n ni.it >'essc momento os cryslallinos e a-
huudanles mananciaes da 7'ijtica, por una re-
de de numerosos conductos, tirio ollcreclr-sc
em todos os pontos da cidade a popularan Ilu-
mnense, c com sua frescura c riqueza syutm-
llsar a pareas dos senlimenti
nesse da a lodos os Brislleiroi,
deate oasis ainericauo,
A poderosa Inglaterra, cujn governo lanas
ciprobraedrs nos lem arrancado, em nobre,
justo, e rcflcclldo resciiliinento contra seus in-
sultos c alternados, a poderosa Inglaterra ain
da nao lem na sua capital, na cidade do llyd-
Park um aprovisionanieuio ilc agoa como ac-
tualmente possue a cidade do Rio de Janeiro.
Anda em malo desle anuo apresentava o mi-
nistro air Jorge Ore* um prujeetu tendente a
acabarcom os privilegios de varias coinpanhi-
as cncarrrgadas desse servido, conliando-o a
urna su empresa, sob directa e activa Inspecclo
do governo. E momo depois desse mclhora-
to concorrer para o extremoso proliar em al
fecto c alegra que distingui a sua bella reu
Olio, Como se o nosso compatriota se quites
se tecordar da poesil nacional c das iiuagens
seductoras do nosso solo, leve o Sr, Amala
complacencia de cantar ao violan algumas das
couiposicoes pastoris do nosso distincto vate o
Sr. Dr. Antonio Uonealves Dias, as quaps fo-
ram omidas com aquellc encanto c ternura
que inspiram a msica c a paella brasilciri.
t) grumete, ruiquanto descama, desla cslo-
pa; he anexiui que aprendi outro dia na func-
cao do Imperial marinanrt, 0 meu mais prs-
tame argos, apenas terminou a penosa tarefa
do dia, largou-me honlem uus apuntaiuentos
que su hoje pude decllrar, e foi-sc para osc-
gundo sarao de que ja liz uieucao. Eu a es-
crever e elle a colhcr, cslamos no caso do gru-
mele, e mcrccenios disculpa quando fraquear-
inos. .Mas as dcsculpas que ora pero nao sao
para esta semana, que muguen! ha ahi mais
informado do que eu sobre todos os seus suc-
cessos curiosos c iuiporlautcs ; c escrevo de ro-
lina como se visse.
. Parte de fEXSft&XS?VZ iaml
bem brilhanie, c crcio que mais numeroso
porque o novo e bello edificio aullo o pedia!
tina rcuuiao em casa de um poltico loo extre-
mado c extremoso, cm casa de un homem que
tomou a si a ardua larcra de defender pela iui
prensa as convlcfdei do seu partido, c de rcnel
lir os !-
era de esperar i
Sr. II, ,1-in i,.Se todo o homem em aoele;
dade he obrigado a dar conta de seus acioa
mesma socledade, parece que anda mais obri-
gac.io corre ao empregado publico no cuinpri-
menlo deste dever.
Professando este principio, eu me apresso
cm esclarecer o publico acerca do que se l
noRetrospecto semanal publicado no Diario
de hoje, quanlo visita que S. Exc. litera
inspeeco do algod.io, no dia l do crreme,
alim de arredar de sobre mim qualquer juUo
dcsfavoravcl.
Ha lies anuos que luneciono como quallfi-
cador do algodao, porque o regulamenlo do
consulado geral determina que o archiador
funecione tambem como fcitor-confereme,
( sem com tudo perceber inior vautagem que
as de archiador J cjulgo que sem prrjuiso do
servijo publico temo descinpcnhailo os mcus
deveres, pois <|iic anda nao incurr cm cen-
suras nein do publico, nein de meu chefe,
sendo a pritueira a que ora eselareco, por
inexacta c injusta, quaudo dll que S Exc
nao achara as cousas no seu estado normal.
tnoisenSo om o nenas ment desti etnproaa
histou ser enunciado para excitir o entliu-
siasmo de todoa os homem erainentei deste
paiz. Nada se pediu 10 orcameut, ncm io
estado. Fizerain-so reuniOes ; calculo-ie
e que custaria um eililloio inmenso, digno
da empreza para comtruil o, appellou-so
l todia as intullig 'iicias, o quando fol mis
ler achir os recursos necassirios, o baen
d'lnglaterra ibriu os seus corros, com i
ciinilicilo unici de que se Ihe dariim garau-
l ias pelos idiantimentos. I.ogo os nomes
mais Ilustres concorrerim e sollaram com a
garanta de sua riquoza a gran do obra nacio-
nal. Mancionam-se lords que ofl'ereram all
anear i empreza por 32 conloa, 80 contos,
o lr,o conloa,. Um simples particular assig-
nou por 192 contos.' Eis o que ho a fe, o
crdito ?
Ao mesmo lempo que este testimunho
significativo de connancieri dido i opu-
lencia di Inglaterra, os subscriptores ios
buhles dspochi ijuntivam a sui garai-
ln dos cididos generosos, quoaciDavam
de por em pratica com tamiuhi rosoluco,
aquello pensimenlo grandioso, originario
da Franca, tilo estril pira n-, como outros
minios. 10' liojo quasi corlo qu a opjra-
eflo produzir lucros u.io s para a Ingli-
terr, mis il pira os propriosempro7ariof.
Mr. Pazton, o engenhoso auctor do pala-
cio de cristal, caminhava ha poucos iliasa
frente do cortejo real O principe Alberto
quizera que so prestassse esta honra publi-
ca ao architecto, que acabara de crear urna
in.ii anlhi para rocolher tantas maravillias.
Assim, de.iois do ler levado a feliz termo o
prujecto da F.xposico Universal, a Ingla-
terra soube honrar dignamente seus sudo-
res. Que coisa mais popular do que a cir-
cunstancia de um modesto architocto, sim-
plesmente constructor de estufas de jardins
caminhar frente da comitiva real da rai-
nlii d'inglaterra, em t,1o solemne dia!
Niiiiri ser assas louvada a perfeila or-
S. Exc. c'irgouall pelas V horas da inauhaa
ceoai 9 ci|4, porque a esta hora j baria I deio das ilistribuitoes internas da Exposi
archiado duus navios, o que fu por prliicIpiar'fSo. As nacdes eslSo Collocadas segundo
ordinariamente aqualiScacio do algodao pc-|a importancia dosuas industrias, e disiin-
las 10 horas da mauliaa. S Esc. eslrauhou que|gueln.se quer por umi inscrjpcSo a SKU<
cu me apresenlassc um quarto depois da hora ,.,., ........__________i..^ i___i
legil, mas em visia do que llic expu/, e que
chele
parcecu satis-
invejar a sorle do gig
OSr. coronel Fras,
egui-
nlc amcricanc
le leve a fortuna de li-
garseu nomc a esle monumento de uilidailc
publica, cxcciilando com pericia c afn as vs-
tase os patriticos desejos do governo Impe-
rial, o digno ex inspector das obras publicas
dcixou-nos assentadas 33 bicas em varios pon-
tos das ras de Malacavallus. dos Sganos, do
Cano, do Hospicio, da Alfandega, do Sabio, c
Direila, Seu illu,Irado c tiloso successor, o
Sr. coronel Amonio Joaquim de SoutA, auxi-
liado pelo Sr. Io tcnenlc de engenheiros Amo-
nio Pedro de alontciro Driiminond, pri
rain com igual lervor uesaa grande obra
lisaram oanlirlo do nobre ministra do imperio
e do publico, dando promplos para a fesla de
amanhaa os dous novas chafantes dos largos
do Valdrtario eda r.ipa, c espalhando mais ;i
bicas pela ra Nova do Conde, largo da provi-
dencia, ras das I-lores, do Sacco, do Areal, do
Senado, do Hospicio, do Cano, da Assemble.i,
da Misericordia, de O. Manoel, edos Pescado-
re. O chafart do lugo de Moura, que su
possuia duas bicas, alioienladas pelo aqueduc-
lo da Canoca, foi dotado com mais um par, c
todas qualro sao agora abaiiccidcs pciocnca-
iainento geral de Uiracana.i.
A cidade do Rio de Janeiro ja se pode hoje
chamara cidade das uaiades, e mais direila
lera a cssa hceao nijiliologica quand
solo_ e asseio frcm lidos coi mclhur conser.
vacao, c por isso fajo votos para que a empre-
sa dos cngcnhelros Itivicre c llonini. ou qna|.
lucr oiura do moma genero, seja levada a cf-
nomos, quer polas suas respectivas bandei
iras. 0 accesso a lodos os mostradores he
fcil, sondo por toda a parlo a circula(o
|livreecoinmola. Os producios cstao ex-
, postos por elasses, estando em geral reuni-
das as :na lunas, os trens do canuageus, os
ilecidos da niosiua especio.
Cada nscSo obteve a faculdade do orga
msirasia moJaas vidneas eannarios on-
d cstTo os seus producios : do que resulta
certa diversidade que nflo lemenos inters
cado o oecorrido, c conscio da minha conloe- sanie do que os nioprios productos c que
foi continuado pelo nicu
fcilo do meu proceder.
Se, pois, alguiu defeito existe na Inipeccio,
qu mo a capatazla, responda por elle o capa-
tai cacu respectivo chele, o administrador
do consuladu provincial, i quem compete pro-
ver que o numero dos serventes seja sullicieu-
te, c que oio ciiuliiiucm como les Ires es-
cravos, o que alcm de contrario s orden do
governo, pouco servieo preslam por ebrios.
o esta simples expotlcio julgo ter expl
Jeito
O anniversari
i da nossa cmancipacao polili
ca aera hoje festejado, nao s com o sclotlllar
das baionetas, o estampido dos cauhoe
accordoi marciaes, nao s com a pompa militar
c as galas da coi te, mas ainda com a alegra c
as bencos da pobrrza por to assigoalado lie-
neUcio, Silunl, pnpuio foi a legenda que o lin-
niorlil lundador do imperio mandou inscrc-
ver na Tachada do chlfarii de Maiacavallos:
siirnli ptpulo foio philanlhr..pico pensaiucmo
que oSr. Pedro II fci realisar no anuo em
que vamos ; lUlmU poputa lie a bella ioscrip-
fiio que em todos os olvergues se Iradutir a-
in.mhaa na linguagcm propria do coracio de
um povo bom c amigo do seu soberano.
Louvorcs ao governo imperial, louvores aos
scus diligentes c habis einprrgados pelo bem
que hiranla popular:,,, umuenie, preser-
vando-a do Jlagtllodaseeca, dindo-'llic hoje
um espectculo lo ulil c devenido.
Expliquen! como quitercm os nossos phv-
aiologos soclaes, he nina verdade fundada em
Jacios iiiDumeraveis, conlirmada por urna -e-
rie immcnsade circmnslancias que a popu-
lafo ilumnense esl atacada de una lebre
que Ihe il.i para aborrecer as eternas e banacsl
discussdcs polticas, para viver disirahida c1
contente, locando, cantando c dansando. V-I
daa actividade que val pelos eslabelecimento '
de bom loiu, a dobadoura cm que andam, sem
ter maos a medir, lodosos artistas da iudus-
li la bailarina, o j mptomas de um sol, mien-
to moral c romntico que aprrsento as bel-1
las. o dirello daa dandys e as preorupares dos '
janotas. hitamos cm urna poca, verdadeira- '
------------ ...,, .,,,,, t uiit-uuiT pea it
sa as convlccdei do seu partido, c de repi
s ataques fcltoa a lodos os seus adrertarii
le esperar livcssc urna s< cor poltica, ees
lamuiio carrejada. Assim nao acconteccu
grafas a lolci ancia que vai appareceudo, seuat
em lodo o llrasil, ao menos no Rio de Janeiro
E porque confundir os individuos com os prin
Jipos, e como ac repllelo estes, odiar aquel
les? l-.ssecslado nao he brbaro c fatal I Ira-
icnidadc dos lliasilelros.' Essa lotoleraoell
nao prora que os nossos partidos nao se distin-
guen! pela divergencia dos principios que apre
goain, mas pelos odios individuacs, pelas am-
OifOi-spcssiacsdeaeus uienibrus.'. .. Alas vol-
temos a apraiivcl reuolio do Sr. Ur. Rocha.
I Fol ella consagrada a deputacao de Alinas
Ccraes, que Id ae achou em peso e de ponto
em branca. A casa, rccciilemeute couslruida,
com parcimonia cgoslo, decorada com a mes-
illa aiuiphcidadc e arle, mostrando por seus
quadros c por algumas de suas disposicoes que
o seu propietario he um liuincm de IctI
que sabe concillar seu reconhecido amor aos
luios com ai distraccocs c gotos do iiiund
o seu material, a novidade c bello .ispelo do edilicio
dan miiiciiso realce c vida rcuuiao \i em si
aniinadissioia c lutida. Talvci seja o primeiro
halle qu, se da em ;-.tuuibj depois que ahi se
eslabeleceram os Campas lihj>i,ii. Havia um
nao sci que de vago e catrauhu nessa alegra
delirante, nesse niovimcmo agitado dos vivos
juulo a liabiticao dos morios, que dava-lhe
urna llusio loda nova c particular, e poucas
tinaginaees denariain de soll'rcr a sua Infl-
la appello para o publico de qualquer impu
lacio que se me preteuda latcr, e o laco mul-
lo conliado no eonlieeimenlo que tcm o mes-
mo publico da miaba vida, quer publica, quc
[anicular.
Recife, 22 de setembro de i8il.
O archiador,
Joii'/Kim lunado de Pairos Lima.
Scnlwru redactara. Em seu retrospecto se-
manal i, iilin com goito liilo suas observacocs
relativas as carnes verdes que fcliimciitcesta-
mos sendo suppridos a preces mais convenicu-
Ics, gratas a ucm lareja e saluiar medida do
Kxiu. Sr, Sousa Ramos que nos quit legar essa
prova do seu telo ua presidencia delta provin-
cia. Sendo eu, um dos apologistas da medida,
e rcconlieccndo a ulilidadc que o poro tcm
-fruido nclla, nao dcna de rccouhcccr al-
gUOl dos embarafos que na pratica l
recido, c leudo indagado ascausas
lodos iiscumnre t
l'P
lltlc
U Sr. Dr. Rocha au era iionlcm o cscriptor
tremolo de una psrcialidade politica, era
cavalheiro igual c risonbo para com o po-
o c indillercnie, para com o amigo c o ad-
versario, para com lodos que o obsequiaran! c
luraini por elle obsequiados concorreudo a sua
rcuuiao, que alias nao fui inspirada por um
scnliniciilo de todo extreme das allelcocs pol-
ticas. v '
A empresa de um theatro provisorio parece
que oio nascru dcbaixo de boa estrella. De-
pois de mil projectoi c coinbinaccs, assentou-
e no plauo de associafaoque foi publicada ; e
quaudaseesperava que ludo dah por dianlc
corresse suave c naiuraliiienle, porque o anhe-
lo por um novo theatro era geral, para se dar
una coudigna rccepfao aos artistas ltaliauos
que sao esperados a lodo o momento; quando
pareca que eslava passado o Rubicou, sobic-
rein o desgosio e a dlrergeocla,
.Muilos cstao promplos a conenrrer para um
novo Ihcalro, mas rcciiain por causa do local.
Este ve no campo da Accllinacio, que he o
pomo cscolhido, a causa da decadencia da cin
presa, pela diitaucia cin que tica da parle da
populjrao que mais frequenlava o thealm de
aan l'cdro de ,\loaotara; csie accrcsccuia a es-
ta rasao o presagio assuslador das recordafcs
que eslao ligadas aquella pra;a. E por estas e
inenic excepcional; nao se alla.'naosVensa 'll'oi"*1,'',''! "5 fnl Pivt' realisar
nao se sonha, na'o ,c tr.balha se. "o c,, talle!' "1 ? '"CUJc da !lu' fue, de 10.1/
As orcupatoe, acria, da v/dai ^oVo'"^ .' de u Talro 3^''''" "* ""'**
he porque seguem o seu movimenlo natural uc u""nealroProv''-'.
jiorque sem ellas o dia ae loroaria insupporla- Cou,la 'ine o prnpnelario da typograpliia c
vcl, porque servem para esperar sem grande Pcrludico Urant cedeu, i oppositu do pro-
torineulo a volla da noile e dos praieres da H"lnl1" 1uc loi ''a dias publicado nesla lulha
vespera. a propriedade do sobredito peridico, e qm
i Quando he o baile de fulano.' a que reu- ,slc appirecera para a semana com o Ululo de
nio val hoje.' he a pcrgunla de todos e de "'f"rma, c investido do carcter de orgo dos
indas as horas ; lubstituio a est'oulra Iulcrjei- P'opugnadorcs do novo progra......a. I>it->e
o muilo aedif a e aborrecida : t>uc novilla- "icsmo que os principacs redactores do futuro
orgao opposicionista scro ossenhores S. T. e
r. .
Correu nestes ullimos diasque ossenhores
I i i re i Penna, arcebispo da Uahia e J, A de
Miranda se apresenlaraiu como candidatos i
i le ..ei de senador pela provincia do Alta Ama-
des ha ? Ouli'ora um baile era quas
ro coma achar-se una moca com vrllridadci
hoje o maior embarafo he esco-
"~\X*. '''"* ".lc""a uollc, ou
varios outros pas-
Iherrulrc os s
cnncilia-los entre si'e com
satempos diurnos c nocturnos
Lnalremcm pela reaefio horrlvel que ja se zonas.
Ihcs anlollia, que Uocara esta boje rlsonha c Oa mdicos assistenlcs do miado Paula Sou-
.tlervcscente cidade em profunda inercia e ", os senhorea doulores Costa e Jos Mauricio,
tnstria. ulros tcmem os excessos do romn- enireipciio memoria do illustre Brasilclro.
tisma, una reroliicno nos coslumca ea ruina e em alienfo a sua reapeitavel familia, recu-
ele mullos. Eu tenho por panicoi os temores sarain a reiuunerafo de MOf ra. que por seus
de une c outros. assiduoa cuidados lhes ollcreceraa viuva, Os
A febre dansante ha de remiltir, parque-sao mdicos que assisliram a diveraas conferen-
occasionaes as causas que a produtiram e man- cias, os senbores Valladao. tleirelles, Jaciaiho
tcm de alguns_ meies a esla parle, alaa o Rio c Jos liento, tiveram igual procedimento. O
de Janeiro nao ha de rrtrogradar para esses Sr. Esequiel tambem nao quit paga dos med-
lempos somnolcntos em que ae passara a noite camentos que forneccra, na importancia de
aJ5r a bisca, oo a laier crutes na bocaou- mais de 200/ra. A Irmandade da ordem lercci-
vmiiii historias da caroucliiuha. Por mim ao ra de San Francisco de Paula moslrouse igual-
menos, nao recelo ene ataque de estupor, mente generosa, recusando indeuinisato da
ni qu nuil o iiiinut ivei e inipagavel Campea- parle das despesas do enterro que Hieran aua
tre tlver poi ainphllri.les o prndenle Sr. des- cusa.
cinhargador Miranda e o caprichoso Sr. Fia- Da Irmandade de Sao Francisco de Paula nao
"'" be este o primeiro acto de caridade que a rc-
Tainbem nao enxergo esse perlgo no lervor coinmenda; ella assim como a santa casa da
loa bailes, oemsob o pomo de vista linauceiro, Misericordia, lem do iiieamo modo procedido
nem ein relacao ana cosluinrs, uina vet que com outras familias, Aluda outro dia esta ul-
es pastores cuideni de suas ovelhas, a liberda- timacorporafao deu jango gratuito no Campo
ac dos salcs nao iranscenda dos limites acta- Saulo do hospicio de Pedro II ao coipo do bon-
porqu
cunipre ter guardas vigilantes sobre
um ponto que diariamente atcela nossas al
gibeiras, o resultado he ter viudo ao conheci
mcnlo que os contratadores,honra llic seja fci
la, de sua parle, tcm felio todo o possivel pan
bem servir o povo c satisfaacr suas obrigatdcs
conlraladas i porin leudo de linar comeres,
sido numero Oc descrnenles que cslavan chu
liando o sauguc do povo, cressidu he lamhcui
o numero de embarafos que precisara remo-
ver; cm luda os contratadores tceui achadn
embaraces e descomentes, campia que mi
ta. o passadors que o condu/., o coilador no
Ifougue, o cobiador, o marchame, c atra-
vessadores, todos estes eoiijuuclanientc cons-
ptrioi contra o contracto, porque a lodos fe-
rio mais ou menos cm scus illigilimns interes-
ses -- d ahi provem cssa m diltribulcio da
tarnenos afougues ao povo, porque o carnr-
i ceiro sem ordem, c a seu caprino serve bem a
um o nial a oulro, ouiros lem amigos e fra-
geles que a troco de alguma pcxincha ou
gorgeta sao bem servidos a cusa de outros
que rao mil .
ser removido
desejes dos coulratadorcs,
rem j dcspidido alguos corlador
Ihaiitc iiiulivo c oulrosque laes.
Ag ira consta que se traa de formar una
guernllia para Ollliroio caruc gorda c vende-
reni a cscolhida por maior proco oprovcilau-
do-sc da mulla de 8/rs. por cada boi, imposta
aosque nao Beodo crcadoies quitercm matar:
a esle respeilo concordo uo seu mudo de pen-
e ir relativo a esta mulla ou pena, isio he que
o atravessador apeui de pagar os 8/ rs. nao
pude sender a carne por maiur prcf.n que o
estipula lo de ll/JOll c 2/100 rs ; porque do
contratadores licanao comr.Uo burlado ebem
leuibrada medida, nulla, porque os proprios
contadores se forcni de m i podeui-se apro-
veitar, e sb nouic suposio malar a carne gor-
da para vender por 3/840 rs., e a magra por
ser toda reservada para o consuma con-
tratado : e quaulo aos alravessadores que
s.io os que eslao justamente serviudu-se des-
sa faculdade procuran! siiienlc comprar
boilgraodes de arrobatao de IA.i IHVrrobas
quando o geral d'arrobicio do gado he de 8
a 10itrobis de forini que pagio mulla consi-
derada por un bol, quandovendem a carne da
rrobaciode bola, sendo por conseguinte a
molla smeme luctade, da que loi estipulada, c
por isso aproveitao-se para burlar o beneficio
do contrato, c laier cstcadioio apezar das van-
tlgeos certas, que o povo tcm tirado de haver
baixado o preto do genero d i sua pruneira ne-
cessidade : queir por tanto Sr. Iledactoi ac-
ccilar esle meu voto de ajradecimeutn, c de
rogar-lhe queira coniinuar com suas adver-
teucia* alim de que possamos gozar do bene-
ficio que o governo teve cm vista a favor deste
municipio. Cnoiiniur.-i com mais Icnibraneas
a eslcrcspeito se me facultar eaulinlio no seu
jornal. Sou. ____________O Hrficimt.
!\o Retrospecto semanal publicado no Diario
de honlem, Icmos um irecho que, innum in-
do o hule acadmico, ditia (|ue s scnaiii ad-
millidas as pessoas que trajasseiu sedas. Ein
abono da verdade c para desterrar qualquer
ideia de exclusivismo, devenios declarar que
os acadmicos nunca tiveram tal pensamenlo,
que longc de iinporein cundites, deixam
ames ao bom scuso das familias a escalha
dos vestidos, com que se hoiivercm de apre-
aentar no baile, podendo ellas decidir-sc II-
vremente pelo goslo do luxo ou da siuipli-
cldade.
representa com origiualidade o carcter de
lods as nacOea chamadas ao concurso.
A Inglaterra, que dlspOs do metade do
campo geral da Kxposicflo, linha do prover
os tneios do assegurara circulacSo, ede fa-
ier us formuseainenlos que deviam tornar
o monumento dignn do seu deslino, Kste
resultado alcan;ou-se do modo mais feliz
pela distribuidlo que se fez, em meio da
nave principal, de todas as grandes pecas
do rundirn ou decsculplura enviadas pela
l'i ussi.i, a l'iiriini o a Uelgica, sobrntudo po-
la p- me i.i. Do distancia a distancia nim-
ios repuxos doagus, um dclles magnilico
do cristal derramara frescura o animaco
noste vasto recinto, onde relumbam as vo-
zes de Ires orgilos, aleados do modo mais
original o picloiesco- Finalmente, algu-
mas arvores seculires, conservadas como
urna esjecie deoscala ou |ctip por ondo
se podo iferir a altura do ediliciu, accres-
cemam aquello lodo magesioso eengiitjsdo
o altraclivo do sua robusta vegetacao.
Tal he na sua grandiosi simplici lado o
aspecto geral da Bxposiclo. No dia da inau-
guraQflo conlavam-se all para mais de 23
milpessois, eoetlilicio pareca deserto as
cxlrdmdades. O sussurro desses militares
lo vozes inai toouvia, e reulm-ntc sumia-se
naquelle Oaijicl atrio, onde subre os espec-
tadores pan,i va unta ciaridadu azulada co-
mo o liriuamento, de elfoito o mais singu-
lar e imprevisto. Nada excita a aJinita-
Qflo como o burborinhu de Untas lingua-
g-ns diversas, e o Irajos, cm inulta parto
extravagantes, desses eslrangeiros.
Cada povo oceupa na Exposiciio Univer-
sal umospacoadesigual, o cumprc por Justi-
na rcconliecer que minias nagOjs, como-
huadus. mas isto nao pude,caudo pela noss', eslao all representadas
lade apeiar dos bous do um niodomui imperfeitu. Evidentemente
le me consta te-'os ainciie.inos da liu.lo do norlc nilociivia-
<;
rail,
VAREDADE.
EXPOSigAo LViVEflSAI.DE LONDRES.
0 distincto cscriptor M. (llanqui, ineiii
bro do liisiiini i de Franca, oscrevede Loo
dres algumas c irlas, do que tomamos M n-
gilinles extractos. Em 5 do correte Maio
dizia ello : A E(posi;8o Univo sal pro
segu na sua carreira de triumpho, hoje
completoc decisivo. O efloitogeral foi im-
menso, universal, incotitestivol, e ainda
Sucsc sinlam algumas ausencias neste gran-
e concurso dos Irabalhadores do mundo in-
toiri), nenlium peisonagcm faltar*, assim
que tiver chegado a Russn, e Franca con-
cluir i ostentacilo de seus producios.
Conven para nossa inslrurjflo nSo des-
picsircoisi alguma esssncial neste campo
de eattulo inexgotavcl. Tudo he Ua diffe-
renlo de nossos hbitos, e tudo leve lio bom
xito, que muilo acharemos do que tomar
lico, se por momentos demos tregua io
oosso orgullio nacional. Pin nflo fallar-
ram acslegrand iconcursu seniio algumas
fazendas de pacutilha, odeveram cderaos
eX|iositets m jxnnos uina parle do espado
que cscusavsiii. Algumas charras, algu-
mas canoas, algumas mi01 cartas geogra-
plncas, numeio bastante limitado de malo-
ras primarias, til he ofundoactual da sxpo-
sicao amcticana do norte ; e a quem conlic
co o valor inlusttial e a energa laboiios
de lio gran le povo, lie impossivcl admitir
que o seu poder productor seja representa-
do por tai Iracas e diminutas amostras.
A llespanha so remellou materias prima-
rias, poucas I3s, puucas sedas, quasi no
Qhuns toci los. A Caliluntia que he nussi
pai/. o ultimo refugio dos proteccionistas
at'Slcvo-sn de couipareccr. Iteccia, nao
sem motivo, ser esrnagtda pela eomparaco
dos seus detestaveis etHofos de slgodio, com
us de lodo o mundo, o ler que dar coma ao
povo liispanliol do tributo quo delle cubra,
quasi sem proveito proprio. lias a experi-
encia na i -era menos decisiva, o por deixa-
rom ir a causa a revelia, os proteccionistas
vergunhosos mo deiiarOo de ser coudetn-
nados, uns por sui impotencia cuuio um
II s,.auna, outros por da sua superioiidado
por clles mesnios negada c da sua cubica,
como om Frang, Mu so da uut passo uesii
exposicilo sem que a verdade de logo ua
vista.
Ubsorvaia culelaria ingloza do Shelield :
quo admiravcl vaiiedaie.' que riqueza/
que baratea WMalc/icupncsil como clles
dizein com or^ulho e fundamento. E mis
tamos rasa) de uizer : Quando os nos-
sus lab icantes tiverem ferro e ac por pu-
cos mais rasos veis, fabrictrflo do mesmo
modo, a Mas os nossos mostrea de l'oija
na i o inteiiilem assim. Vedo a arle das
cairuag ns mglezas, Uo elegantes, 1,1o ri-
cas, tSu variadas : .Mas esta arlo esl prohi-
bida em Franca, e a Frang est privaJa dos
meios da enm aiae ;. i da imitacio, que
aprovuiliriam aos labncinles. E ussnn em
uno o ni H-. liRinoiislraromos ala ultima
evidencia que nada fallar superiondsde
da nossi industria desde que, exc npta dos
tributos que Ihe laicim sob apparencia do
prolecciiu, fur exercilada na plemluje de
sui liberdade, sem supportar nem impor
jugo dd i i-i i alguma.
faci ho sobro lulo nolalvcl examinan-
do-se a exposicio suissa. Esla nactlo oceu-
pa na Exposicilo de Londres uro logar mo-
desto o restricto : lie um paiz de livre per-
mutac/lo, inuutaiihoso e decommuncic.oi
dilliceis, e todava conquislou jerarquj dis-
liucla na industria europei. Faz inanvi-
iBir, ver a elegancia e biratess de suas fi-
lis da Uazilea e de Zurich, de suas csssas
bordadas, de seus tifots, e de sous voludos
dignos da radila lyonense, donde indubi-
livelmeote tinm sua origom. A Austria,
que deixa muilo a desejir, pelo que respei-
ta a bom gusto, inosioo nos seus vidros de
Bohemia, e nos leus movis idmirivelmen-
te lavrados, posto que desenlalos som arte
merece logar honroso a par do /oliveroin
e da Prussn, que mosiram mais vids e mo-
vimtnlo b
Ein lude Maio cscrevia o mesmo auc-
tor:A Exposicilo completi-so de dia
para dia. Ol retardatarios vem cheganlo,
II pntclc.iras ecaixilhos cnchem se : lodos
os productos om breve eslsrSo nos faus lo-
gares, o serid'or* avante fcil compiral-os,
sem reccio do osqueeimento importante.
Os grandes resultados econmicos comecsm
i desenbir-se claramente ante os oihos dos
homens peritos, e dentro em potieo serio
lunii paln tos ..toda lenle. O man pas-
moso he que ni realidade lucia nflo existe,
neste momento, sendo entre a Frang e
Inglaterra, mas dentro ea poneos anuos se
tornar importante com toda i Europa, so-
bre tudo com o continente ilomio, premu-
nido de scus ciminhos do forro, e dos pro-
cesos artsticos, quo diariamente con-
quista.
Quinto mais se estuda no palacio de cris-
tal, a parte dislimdi industria ingleza,
tanto msisso conheci quo os ioglezes nao
ommiliram colza alguma para apparecerem
com tolas as suas vanligens neste mu.no-
nvol torneio ; ippresentarim-so em oslado
completo, irmados com lodas ss pcgis.
S ellos, talvez, entre todos os concorren-
t.'s, usiao em circunstancias do serem julga-
doslem appelagfln, porque lizeram valor
todos os sjus recursos, sem reserva Os mi-
is declarados proteccionistas, que mais co n-
baierim a ida da Exposigio, umi vez de-
cidida esta, u3o traliram senlo de figurar
uella nobrementc.
la lemos.il i ein q ie os inglezes tomim me-
tade do campo do toda i exposigo, e quo
se collocaram melhodicamente numa ordem
admiravel. Todas is suas miquiois func-
cionam hojo n'uma serie de corredores on-
de o vapor ebega por baixo do cbfio pan as
por em movimeoto. ()u por medida de u-
conomiiou pira evilar a bul ha espantosa
de tamas maquinas a trabilhar, cada urna
s recebe o vapor por intervalhos, todava
mu proximus, Ue modo quo urna parte dus
ipparclhos descamen! quinto i nutra
funeciom. Os conlramestres dio aopubli-
co a explicado dos p ocessos : all se
lia, tece, borda, su fazein meias, lil, litas,
cslofos: he uina verdadeira encyclopedia
ni luslrial em na,;"lo O vapor lano che^a
s maquinas da lurga de viute cavillos co-
mo a pcqueuos mdelos do tamauho de uina
meza de jogo. NSo passeis dcsatlonto por
desale desses iaumeraveis rnstrumontos de
pr luerio ; u.io ha um s que uo appre-
gente alguin novo melboramonto, ou algum
aperfeigoamento as miudezas de sua com-
posigio.
\ 'iniiiini nagio europea, mesmo as que
sobrosabem na coostrucgilo das maquinas
olTerece uina ciolecgilo ido bnlhante e li
completa como a Inglaterra. Em verdade
os uglezcs nesto ponto esto no suu terreno'
natural : as SUI1 prensas hydraulicis, as
suas locomotivas, as suas maquims de v
por a la pa,las a naveglgaO, exee loin todas
as proporgOcs conhecidas. Expozeram raih
balidos do ca mullios de ferro, de 30 melros
ila cumplido e inteirigos; varas de ferro
forjado de redougas para miquinas de forga
deSOOcivallos ; islo lie, instrumentos gi-
gantes de movimenlo e do prodcelo : os
sjus guindastes, bombas d'esgotamenlo ,
carros-wigons, mjelos de pontes etc. silo
de um irrojo adimrivel. Nio ho menos
para admirar a perfuigio de sous inslrumen.
tos aralonos, lio variados e Lio diversos
dos nossos : falta do outro estudo, bastaria
o dcsles iustrumonlos para provar quanto a
sua agricullr.ra esl idiantada o he digna
da sus industria. A sua superioridado ma-
nifesti-sc de um modo ainda mais saliente
em todas as obras defundigilo ede culela-
ria. E ferro o a fundigao, com o carvio do
pedra silo os elementos da opulencia da
nagio britannica. Eutrae na miis peque-
a aldci ; cm ludo o que us usamos de
madeira; os inglozes emprogam fundigio
ou ferro : as caucellas com que l'dcham os
gados nos campos sSo miudas grados de fer
ro. As escadas as ollicinas, os encana-
meniiis il'agua, o ,lc gaz, os anteparos das
chamins, os gra Jmenlos dos jardins, as
canas das jancllas, os coiiimss e as ba-
laustradas do loda a casta, os ledos, as
priucip.os pegas do carpinteril, as dimiso-
rias, tudo he de ferro tas suis diversas pre-
pirscOes.
O obsetvador illuslrado que petcorre a
oxposigao ola principslmcnle a perfeigio
admiravol das ferrimeutas diquelle povo
desdo o machado ato a plama, desde os ios
trunientos do turar it is limas miis deli
cadas. As suas obras de serraloeria, por-
feitamento graduadas,adaplim-sea lodoso,
sillos e isseuUm boai segn io ss diversis
bitolas. As facas, as lozouras, as navalhas
de barbear, os caivetes, instrumentos in-
dispensavois no uso da vida, cuja iinpor-
feigflo nos causa em Franca diariamente tan-
tos enfados, silo all de urna solidez a toda
a prova, e de prego extremamente modera-
do. A obra grossa do forreiro, as quin-
quilleras tambem rovelam o prego da ma-
t 'lia pi i umi ni, o a vautagom do l'eitio.
A nossa superioridade comegt logo que
so trata de goslo e de objeelos d'arte, c essa
superioridade, inicuamente franceza, bri-
Iha nao s em nossa lucta com os inglozes,
as tambem com todas as outras nagos.
A forma, a elegancia, a graga, o nflu sei que,
oque da vida e alma a materia, irona as
llores, colon lo aos objeelos, cis o apsoagio
inconttoverso do genio francez. Sob esla
rojagao, all'oulo-ine i diz.-lo despido d
I
lem
lem reiitiido, a loperioridide deflniu
dos estofos frincaxes. E nesle caso '
Uo de pregus nio escita duvid 2Uo-
trabalha melhor o mais banto' l',n
oo fnneo e SO cntimos (oo res) n L 0'
(temlo pilaos) lecidos pra cortir. Io
armigito, ou antes verdad-iras masas d.
sis, de lilazbs, de cimelliis, que nuei!,'0'
nos ares, sobre fondos de toia d,.iei."n
teeldos que Mr. Jean Dolfus ainda iCul '
Mr. Dolfus lem rasio : he om frin-
hbil fabricante que perteilamente cooiJ
bendeu ser a baraten o grande negocie, i
lempo prsenle, e que peloj pelo triurn,in
dos verdideiros priocipios. Que diz i
que quer?.. Urna cousa bem simples
Pois que somos os prlmeiros esUmoinC
res de estofos, nio temos que deseiar k^"
que os f.bricaotes de calic (paono br.
co d'algodSol nos fornagam mitaria ,
mirla das oossis chitas pelo mais h,
prego possivel A nossa vaotagem coi0
estampadores so hs atenuada pel nV,,
iDfenoridide camo tecelies : ests vend"
por prego alto os pannos porque os 11.a
ros sio protegidos pelo syslema prohhu
vo. Supprimamos a prohibigSo qUe U6 ,V'
sords e molesta, e veremos triplicar i f"
vez ser maior dez vezesa industria*da
lampsrii. Compnremos o estofo branco S"
tnslhor mercido e o revenderemos afornin,.'
ido com iiilimdade de cores.
ilepois de algumas consideragOes gnhr
ests oplniio continu Mr. Blinqui.
i llellcctindo-so no que filia a cada
?So neste visto bazar da Exposigio um,,!'
sal, he fcil ver que lie sobretodo a libara,"
ds o obter mediante o que lite nao faita ()"
Esttdos-Unidos eipoem materias priBarus
variadas em gronde numero, e objeelos mi1
nufacturados pouco abundantes e assaz m"
diocros : o seu interesse he veoder-oos !"
sis materias primarias e comprar os nrmo!
productos
da
N'um bosquojo rpido dos fictos gera(
i Exposigio cumpre apontar o iiiUr.,.
inleressi
que se liga aos paizos, hoje atrazidoj, o ou
trora prsperos, do anligo mundo civilisa
do. Os productos da Indis e da China re
presentam ainda o estado da inJurtria til
como l estsva lia dois mil anuos, quando
Fringa e i Inglaterra cslavam coberlis il.
mallas bravias.
Os di Milasia actual podem ser contorn-
poraoeos da fundsgflo das pyramides do
Egypto. Por tanto a Exposigio de Londres
nio appresenta somonte as difTerenlos io-
dusiriss dis nagOes, mas Umbem as dos
s 'culos ; e nflo he um espectculo deslilui-
do de interesse vista dos despojos de ani-
maos que provienm de lodas as parles do
mundo, ties como dos tigres de Uengila
dos koes d'Africa, dos ursos da llusau,
dos castores da America, e at pellos de ca-
villos mirinhos pcrfeitameoto curlidise i
prova de bala.
(lteviila I niversal Lisuonenu.l
commercio;'
ti
rala- vasias
tartos.
Brigue francs AspiranO, rindo de Cede con
signada a 1. II Lasaerre dt Companbia, maul-
le-i mi osegulntt:
i8o pipas, 30 inelas ditas, 100 barris vinho
preoecupaga-o patriolic, a oossa .xVosic.o|,e?.,ci,nS^ ""'" P'P" V'""
no de olfuscar ludo, poslo qua incoiiiplela
ALFANDEGA.
flendimento do dia 23. ia;885,l||
Descarrcgam hoje at de tetembro.
Patacho francez -- Aupitanti viohn, %
izeile.
Escuna hamburguoza Norma mera-
donas.
liuporiagn6.
Ilrigue escuna hamburgus A'orma, viudo de
liamburgo, consignado i Kalkmaou Irmaos
mamfcatou o seguate :
H calas armas defogo, 1 dita pertenecspa-
ra chapeos ; a N. O, lliebcr ti Companhla.
7 ditas lecidos diveraos, 5 fardoa ditos, 10cal-
as armas, 2 cmbrulhos aiuostras i a C. J. Ait-
ley & Companhla.
I dito roupa feita, a II. Prowig.
.'lo callas vidros, 2 ditas teeldos diversos, I
dita armas, \ ditas oleados, 22 ditas mcrcado-
i i-i- diversas, i ditas miudezas e teeldos, 3 di-
tas e .pelln-, l dita gomina lacea, lOditas phos-
phoros, d ditas livroa, 2 ditas papel, 4 laido,
papelao i a ordem.
I caia balancas, I dita espoletas ; a llrcudcr
a Krandis.
7 ditaa lecidos diversos, 2 fardos ditos, 2 era-
brulhos amostras; a J. Keller St Companhla,
1 cala briuquedo para crian jas ; ao Kjiu,
o ir.io da loa Viala.
i dita pertences para chapeos, 3 fardos pape-
l.io ; a A. 1. Sbaalda.
2 calas sangueaugas ; a J. Tcgetmcyer.
i ilua lecldoade algodao : a Crocco i Coui-
panhia,
1 dita, e-I glgos ganafai vaaiaa ; a J. Soum.
0 calas mercadorias diversas, 1 dita conser-
vas, I din livroa; I embrulho amostras ; a Ce-
sar Kruger.
i caia espirilos aromticos ; i Manoel Joi-
qiuin Ramos e Silva.
a fardos lecidos de lii, 1 clin miudcias, I
dita cobertores de palba, i embrulho iiiioi-
iraa a F. F. Tlnim.
1 dito ditas, 4 calas phosphoros, o ditas cou-
ros de lustro, u ditas movis, 1 dita monumen-
to, 3 ditas llares artlliciaes, 1 diia_ch ipem
bonets, i ditaa vidros. 2 fardos dftdesas, 97
calas ditas aos consignatarios.
" calas teeldos diveraos, 1 dita balanrai,
cadeiras, 1 caia vinho, i barril bebida espiri-
tuosa, 5 barrica! cerveja, 1 caia plantas, I di- I
'" livroa, 80 barricas clmeolo, SOgigos gar-
1000 garrafes ; aos consigna-
A questode prego, a queslode trabalho,
de economa politica, vira mais tarde e nos
oiscutiremos com e contra todos ; mas a
quostao de arle e de goslo, essa grande de-
manda quo se podia pordar, est gaoha sem
appellsgao.pelo lestemutiliu de todos os nos
sos rivaos.
V6de osaustriacos, os bjlgas, os hospa-
nlioes mesmo e os inglezes, no Irabilho ir-
tistico da madeira, nossa avullada e bella
inJustria, a marcenara ; por certo oxpose-
ram clles obras consiJenveis, mezas, cana-
ps, poltronas, estantes, mas que carencia
degusto, que talento e babilidadeperdidos,
por falta de desenlio, d'irte, de sentimenio
do bello !
Que comparaguo p le supporlar aquel-
la pezada livraria aloman, alias dasempenlu-
da com dusembarago, i vista di oulri mir-
chetada, exposla pelos operarios da asso-
cugio dos oiissmblidorcs francezes Quo
(rislo poda caplivar a attengio a par do bo-
fe! de Kneger, de outro deFourdiuier, e
los eiic.iitaiu.es embutidos coloiiJos de
Krctner!
" 0 mesmo scuntece quinto i ob.-as em
brouzo o de ourives, posto que falhissem
ni exposigao MM. ouiers e I Imnire, re-
pousando a sombra de seos louros : nao
lizeram bem. MM. Viltuz, ,Mirnyt Oirbu-
l,i,lio c outros muilus, que depois citare-
mos, representaraui dignamente aquclle im-
portante rimo de industrii. Inglezes, prus-
siiuos, sixonios, au.-tnac js, todos so cur-
vam orante as obras dos nossos fundidores
da biouzes. *
Em toda a parte achamos essa chama
immorlil do genio friocoz, que para nos.he
o qoe sio pira os iuglezes as minas de ferro
e ue carvao, o de mais a mais um capital
inesgotavel
CONSULADO GERAL.
Kendimento do I i 22. .
Idom do dia 23........
DIVERSAS PROVINCIAS
Kendimento do dii I a 22 .
dem do dia 23.....
13:261,179
368,588
13:652,761
1:080,711
61,031
t;U2,797
Exportnco.
O hiato brasileiro /Vovo Olinia de 85 tonel-
ladis, doqual he mes tro Custodio Jos
Vianua, e proprietarfb Maooal Diis, con-
dus pira a llahia o soguinlo :
299 barras do chumbo com 40 srrobrs,
120 barris com chumbo de munigio 120 li-
bras, 10 caixss com 479 libras de cha,
430 ciixas com 470 libras de bicilliso, *
caixas com diversas miudezas o fasendss,3
barricas com iouga para chi, 3 gigos con
loug pan caf, 3 caixis com ;i arrollas Jo
mina, 33 caixas com diversas fazendase
miudezas, 3 pipis e 1 birris com 1273 me-
didas do szeile de cirnpito, 2 pipis e 34
birris com szeile de mamom, 1 caixi com
150 peles de pennas de guaran, 13 caixas
com 614 libras do velss de cirniuba.
Barca franceza Havre de 255 tonelladis,
conduz pira llivre o seguinte:
12I8SICCIS com issuoir brinco, 6115 ar-
robas ; 1045 saccas de dito msscavido, 5225
arrullas; 100 saccas de algodSo, 585 arrobas,
26 libras; 300saccas de cafe, 1500. arrobas!
!835couro8 silgados seceos, 56171 libras;
222 ditos espichados, 3749 libra; I ciixa
com chapeos depilha e ca xinbas de ma-
deira, 5 saccas 20 arrobas de cirnaulm, 4
-. pos de jangada, 1 calxi, 820 libras de cu-
tis fabricantes do Mulhouselbre velbo; I ciixs livros, I alambiiuoel
ipenisappresonlaramas sois chilate ou-1 calxa pertences do mesmo que vai ser con-
tris obras de estampiria, as suas porsianis.lcertido.
s suas cassas do lia e outras, ganhsramf Resumo ds csrgs do pitadlo SanlaCru'to
logo vmlons. Ide veras mesmas r no dslricto inglez, nosustnico, belga,.- 92 caixss lazendis amiudens, 21 Ufos
xomo, suisso, ou prussiino; em IdBi pl-1 hiendas o emolas, 27 pipis vinho e vioa-
te recgnliecereis, com os progressos que A i gre, 269 bsrricis firinfti e sorvejs, 2 irr"
Mu Ano


^o jo birria vnho, 5-taris breo e .-! O recrutamento n'A Ideia.
chumbo, w cauo de' linho, 1 fstoixa, 9 Noquil o Sr. Monte.ro, representa o papel
*"' .'! eoebra, 80 caiaa bacelho, 6 de ..sargento hembra*, e con is senboras
'"V.chimpigne, a barrloaa prego. 51 Amalii Monteiro, e Manoell Lucci, dinco
?:g.,ras bolaclnocliis, 5 s.iccas ervadooe f em tereelo ,.,.
?rV o? n.str.S albos. 8 birria man te | () L,j SD,J> DAMA RROA'.
6 fresunto.. 5 ["^tolE vilo' .ommoss.r 8 hora,
jl'ri.ino, 3 Mtu lito, ^^'"/.'m 1 Os bhetcs acham-se venda no lugar do
fisrs. do^o,ro. Wra.vjss.;-*.
bTa1s'te livros, 6erabrulnos pos de1
?.'i barril lingoicas, t dito banha de
' ,, > 4 caixas passas, 1 dita aletru.
I0"0' CONSULADO PROVINCIAI.
3
eodimentododia 23 ... 5*7,770
BECEBEDOBIA DE RENDAS GEP.AF.8
INTERNAS.
pandimentododU 83..... 897,936
Movimento do porto.
Naviot sahidos no dia 23.
KrB commisso -- escuua nacional Lindla
comm-npinte Joaqelm Alves Moreira.
, .- barca franceza Havre, capiUo Bo-
lla vre
TlIEATttU DE A PULLO.
Recita extraordinaria cm beneficio
do actor francisco de salle*
GUIMARAES E CUNHA.
Quinta-feirn, 25 di Miembro di 1851.
Uepola de una brilhantc ouvertura tocada
ein grande orebestra, subir a acea o belllaai-
ino c apparatoso drama em quatro actoa c um
prologo
O SINE1R0 DE S. PAULO
Ptrsonagent. Actores
PROLOGO.
BNIIOVKS.
i Penetrado de reconhcclmemo pelas manciras branco,e perto de 100,000 rs. om dinheiro de
faiicncioaaa, affavels c omclosas coin que ful cobre, e sedulas, e por sao o abaixo [assig-
tratado pelos Ilhns. Sra coronel Jos Roberto nado pede ao respeitavol publico a que al-
I de Moran e Silva, capillo Joo Carneiro Ro- gurudos ditos objeclos forem olferecido-
tdrlguea Campenn. Dr. Ollndal Campello. Jos aprendam, e de parlo ao abaixo :as
Ilighio de Miranda.e Dr. Lula Duarte Perelra c ai'do na fUa casa n, rua da Praia n. 80,
sins familias, c Kncnte-coronel Jos Caelano "' ".'"".;-.. ,.noninnsiri
de Medrlroi. l)r, EilevSo Mello Monle Negro, W 69Mtowmmt0EZ"h
Antonio Hara Oconel Jercey, emquanto pro-
curava abrigo contra a atroz persegulcio des-
envolvida contra mlin pelos agentei do poder
e iiieus inimieoa particulares, e tendo de par-; **"" a* ,ke Al.!. Ba
tlr amanh. para o selo de .ninha familia c |a.' gneros, niater.aes, mi trastes, ""J-"
gar de mluha residencia, de que tenho vivido rua da Calen do Hocde n. t, ou ao nuiei
separado a mala de dous annos, por Invol-' coinmercio.
ver-ine nos moviinentos polticos que tiverain Itoga-so a pessoa a quem fr OlTorecidO
iugar-ao sul deita provincia cm 1849: cu nao uma paCa macho com mallas brancas, de a
me julgo exonerado da divida sagrada que con-' tomare manda-la lovar no aterro da Uoa-
Jos Penetra Coelho
Conduccao.
Qucm p/ecisar de carrosas paraconduzir
Irahl para coin calas retpeltavcls peasoas, 11-
icndo hoje como se v, uma publica conficio
Lord nicbmond
Jhon
Yoriok
WllllamSmith
Clary
Sara
Scbaatlao.
Guimaracs.
Jorge.
Costa.
AS SEKIIORAS.
D. Leopoldina.
I). Solcdade.
DRAMA.
Carlos II.....,
Lord lledfort ....
Lor Wcston.....
Lord llenrlque llcdfort .
Albinus......
Ludlovr.......
Lord llroghill ....
O Sineiro......
Ricardo......
Samuel. .-.,,.
Lady Redfort ,
Mara
OS hl .ll'U i ,.
Sebastian.
Costa.
Flgucircdo.
Mello.
Tellcs. ,
Jorge.
Caetano.
Guimaracs.
Canuto.
Conrado.
AS SENHOMS.
D. Lcapoldina.
II. I'. Ii,inni i-
niir carga, algodSo e assucar
iiihla'-liiatebrasileiro Aovo Ollnda, mes
ira Custodio Jos Vianna, carga, bacalho
efazendas. PaaMgeiro AntonioJoaquim
de Re/ende
EP1TAST
_. O lllm- Sr. ofticlal-malor servindo de Ina-
nector da theaouraria da fatenda provincial,
cm cumprlmento da reaolucao do tribunal ad-
ininist'allvo, manda faier publico, que no da
M,. outubro proilino vlndouro, val novamen-
ic a praca para ser arrematado perante o> ines-
mo tribunal, a quera mals der, seis moradas de
ca que couberara fazenda provincial em
nieaincnto do sello de bcranca no Inventarlo
je Joaquim Lula de Mello Carioca, e que na
conformldadc da le furam adju.llcadas a inea-
rna fazenda, sendo i na povoacao dos Afogados
ns. 24,28, 28 e 30, avalladas em ftvO.000 rs., c
duas na rua dos Pocos na. 15 e 17, avalladas em
231,000 re. ,
Os concorrentes comparecam no ala cima
indicado pelo mel dia na sala do meaino tri-
bunal.
K par constar se niaudou aduar o presente
c publicar pelo Diario.
Secretaria da tbesouraria da lazenda provin-
cial de Pernambuco, 22 de seteinbro de 1851.
* """ t> secretarlo,
Antonio fVrrn'ra dMnnunciafo.
0 cidadSo Miguel Jos Teixelra espitam da
extinta 2. linha doexorcito, Msjor refor-
mado da guarda nacional do Municipio
de Clin la, e subdelegado supplentc em
ox'Tcicio da freguezia da S da mesma
cidade por S. M. I. C, que Dos g-uar-
do &
F^o sab'r sos moradores da freguezia da
Sede Olinda.que om virtudo de ordens supe-
riores, Iransmellidas a esta subdelegacia,
em oDIcio de 18 do correnle pela delegacia
do Termo ; Ihes he inteiramente prohib lo
deixarem do recebar as sedulas de 1/00O e
2/000 mil rs. a pretexto de se acharem um
tanto deleoriadas, sendo lgaos visto como
apesar do sen mo estado sSo ollas trocadas _. |,ara ijaDoa segu com brevidade o bri-
de prompto na tbesouraria da lasen Ja. Os DOriUoUel Conceic&o d Mario, para cir-
...... .Annll... flntln n.unqt n ama D D .... ___.. -i-........ ..'.
Senhorcs do corle, soldados e dous mdicos.
No intcrvallo do prologo ao drama o Sr.
Francilino, director daorebeatra, cm obsequio
ao beneficiado tocar unas
VA1UACOES
ui rabeca de auacompoaico sobre o motivo do
drama lyrico LUCRECIA VOHIA.
ASra. U. Carolina da Slva lainbemem obse-
quio ao beneRclado cantar o modinha brasi-
leira, que tanta accilaco tem merecido do pu-
blico
ADOilEl UMA ALMA.IMPURA.
O Sincr de S. Pnuli.drama que tanta revolu-
fao causou nos lliealros da Europa, por causa
nao so do scu complicado c bem desenvolvido
enredo, como tambem pela parte do Slnriro.que
endo de appresentar-se ceg, obrigaao actor
eucarrrgadu dclla a urna diflicilitna posicao
dos ni los, sena, dolorosa ; be pois o drama
que o beneficiado icm a honra de apresentar
em seu beneficio, certo de que sua cscollia to-
do applauso merecer do publico generoso dcs-
ta cidade, de quem capera proleccao.
Comecar as 8hoias.
Avisos martimos.
iiueasrogeittrem lelo incursos as punas
de desobediencia. E para que n5o posslo
om caso algum allegar ignoraucia, mandei
fasor o presente, que ser publicado pela
imprensa e anisado nos lugares inais pbli-
cos da fregueiia.
Subdelegacia da l'olirii da Treguazia da
Sem Olinda20desetembro do 1851. l'.u
Silvano dos Ssntos Lopes Caslello llranco
cscrivam o esciiv.
Miguel Joe Teixeira
Declaraoes.
- Deordemdo lllm. Sr. director gcral da
instrucfo publica, lugo saber a quem con-
vier, quo por deliberjcSo do S. xc. o Sr.
presidente da provincia o praso do concurso
i cadeira da primeias letras do lugar de
Correte fui espadado parao dia 15 do pr-
ximo outubro.
l)ire Tramanuense archivista,
Candido Eustaquio Cesar de Mello.
- Pela secretaria da polica ss faz publi-
co, para conhecimento do quom perlenccr,
quo no quarlel do corpo de polica acha-se
recolbido um creoulo menor, do nome Jo-
vino, que lora encontrado vagando pelas
mas dota cidale, segundo consta da com-
municaeflo feila ao Exm. Sr. presidente da
provincia pelo comraandanle goral do refe-
rido corpo de polica, em cilicio de 18 do
correnle, que por copia lo i transmiltidoa
esla pepaiticSo.
Secretaria da poliaia de Pernambuco, 30
do selombrode I85t.Primeiro amanuense
-ln/o;iio Jos de I rutas.
VSo novamente- praca os concertos, de
que precisa a lalrina do collegio dos or-
l'hos em linda :os licitantes deverSo com-
parecer na salla das sessCes da administra-
(3o nos dias S5 do correnle, e 2 de Outubro
pelas quatto e mcia horas da tarde ; poden-
do eniender-se antes com o cobrador, JoSo
Francisco Teixeira, respailo do orcamento
da obra.
SccrsUria ds admiaistrasSo do Pali mu-
tuo dos OrphSos 19 deselembro de 1851.
Antonio loi de Oliveira.
O III. Sr. Director das obras publicas,
em virtude da ordem do Exm. Sr. presi Jen-
te da provincia de 33 do correnle, mande
lser publico que no da 2 de outubro pr-
ximo vindouro ao meio dia tem de si con-
tratar a construccSo dos bancos de honra
para as aulas do ioalruccto publica muflir-
me o modelo existente. u> concorrentes
compareccrSo no dia e ora designado na sa-
la da reparticSo da,s obras publicas.
Directora das obras publicas23 do siem-
bro de 1851. 0 secretario, Joaquim Fran-
cisco de Mello Santos,
Vistan. 17, que so recompensara
Precisa-se de uma ama para casa do la-
berta, de 4 agrias, estribara para 6 caval-
lo8 :quem a pertender dirija-sa a travessa
do Veras n. 15, e na mesma casa aluga-se
tambem uma casa terrea na povoacflo do
Monteiro, com grandes sallas o 4 quarlos,
cozinhafora, cacimba, estribarla pira 3 ca-
vallos, e 3 quintaes murados com porto
com sabida para o Rio.
INDICADOR DOS ACCOUDljS
PARA ^v
7IOLA
Tdrna-se esle metiioio, tanto mais reco-
mendavel, quanto elle he til, pois que foi
publicado om proveito daquellas pessoas
que desejSo saber s rogras de acompanha-
que o iin'ii destino me prepara.
Ileclfc, 2 de aetembro de 1851.
Sernardo Luis t'trreir* Cesar Loureiro.
-- No dia 38 do correte, despois da au-
diencia do lllm. Sr. Dr. juiz dos Fcitos da fa-
zenda, se li5o de arrematar por cxecucSo da
fazonda provincial os soguintes objectos :
um sobrado da dous andares n. 71, na
do Padro Klorianno, avallado da renda
nual om 150,000, por cxpcucflo que move a
mesma fazen la, conlra Carila Joaquina
Iftinil Tavares, um dilo de um andar, n. 5
na rua do Cordoniz do bairro do ReOlfe, com
ousinha fora, quintil murado, o cacimba
meeira.svaliado por venda om 700# porexe-
c.acSo que move a mes'na fazenJa, contra
a viuva de Felippo Uandeira de Az-ivodo, um
dito do dito, n. 28 na rua de lionas, avaha-
do de renda annual cm 150,000, por cxj-
cur;So da mosma fazenda contra Jos Rodri-
gues dos Passos, uma casa terrea, n. 53 na
rua dosCuararapes, avaliada por venda em
800,000, por exocu(5o quo movo a mosma
fazenda, contra Joo Athanasio Dias, uma
dita 1I111, n. 8 na rua de S. Miguel do bairro
dos Affogados, avaliada de renda annual em
36,01)0, por exei'ticu que movo a mesma fa-
zenda, contra os herdeiros de Antonio Xa-
vier da Silva, uma dita dita, na mesma rua
cima, e no mesmo b>irro n. I0,avaliada de
renda annual em 36,000, por execuco da
mesma fazenda conlra os mesmos ariir.a,
uma casa em respaldo, na rua do Moloco-
lomlni do bairro dos Affogados, avahada
..uu ume v... -v, _...-,-..........vr __ p sa.se de urna ama para casa 11
de se us aenerosos ininortantea favores: nao ... ,,,"".;,. .... ,-
permUtindo-mc porn. relacao que actual- """' = n Jo Hosp.co, casi n. 17,
mente ciiste entre as suas eircu.mtanclas e as Ofterece-se um rapaz portuguoz para
minlias, encarnar cm factosielributivos a mi- caixeiro de armazem, venda, ou oulioquil- ^
nha gratidao: nadaacreacentarel a esta aolcm- quor estaboleciment, para lomir conla por ment sem que lenham o Irabalhn do aprnn-
ne manlfeataeao de meus aenllmentos e inten- balanco ou sim ello, para o que tem lias- der a musir: vende-se na ruado Livra-
eflea, se nao pdr aminha inutilidade qualquer queseja o futuro qUzer ntilisar, dirija-so a pracinha n. 10,1 jm ja ja> em
das 10 horas ila manha as 3 da tarde.
Precisa-sede um cozinheiro, que seja
oscravo : na rua do Uucimado, loja 11.18.
- Perante o lllm. Sr. Dr. juiz do civel
da primoira vara, se ha de arrematar em
_ hasta publica os bens muyeis do Gabriel Al- v
nla luiisolligueira, | enhorado por exccuQao de a Jar licrOcs por casas particulares do 1er.
_ Joo da Silva Louroiro, dcpois dos das da esCfevcr e C0Iltar correctamente, de lingoa
'' c a nacional c franceza,ludo coin zeloc desvelo.
- Dasejaso saber ondo mora o Sr Auto- A |I1(,jmi ss0B Umblim se propo jurante
1110 Montoiro de Mou-a. tildante ta1 ac- a csl no calmo1,_ a dar es rf0ridas UccOcs
Istrucffto-
l'ma pessoa quo sobre ter o corso com-
pleto de preparatorios possuo uma con.lula
civil e moral iieoptl de mes'la, propOo-se
dcinia : na rua da Cruz do Recite n. 61
-- Dam-so 10,000 rs. dealviijaras u quam
descobrir na rua do Coll -gio n. 13, primei-
ro andar, Onde te actiam, o quem vendeu
duas coi rentes do ferro de a 6 brai;is de
compndo cada uma, folladas na nono d: 19
a 20 do correnle. Na mesmu casa su precisa
de um felor para s.ilio, e trabalbadorosdo
unchada.
Na madrugada de 21 a 32 do correntc,
aco
pelos suburbios dosla cidade. Quem de seu
prestidlo quizor ulilisar-aj annuncio para
ser procurado, ou dirija-se ao Atierro da
Moa-Vista, sobrado n. 5, que ah so Ibc dir
quemseja cssa pessoa
Compras.
Compra-se nina esclava moca de boni-
,\. Lasne, cidado liancc/., rctira-sc para
lora da proviocia.
ij'ii'in precisar de uma mullier capa/,
para lodo sorvir;o inleriio de urna casa com
I o leu;.ni, dirija-se a rua da Koda n 18.
I'recisa-so do uma mullier para 0 ser-
vico interno de urna casa de pouca familia :
sen com tenlo torno de 2 arrobasa l|t:
quem a liver dinja-so a rua de liomingos
Pires n. 28.
Vendas.
por r. nda "cni'aoo'ioo,'" por'execno' que lral' estruda de Santo Ama.o, em casa
move a mesma fazenda, conlra Hanoel Con- ('ll Jua-il.auciu (.. da silva. ___ ___ _^
Qalves Servina, um sobrado do dous andaras
iiicos csprlltos.
Vende-se em casa de Avrlal Prere ^ Com-
pariliia, na rua da Cruz n. 20, espcllios de
Aluga-so o segundo andar coin sotan vidro fraocezes, com ricas molduras doura-
Theatro de S. habel.
I.1 RECITA DA ASSICNATUTA-
Kxpcciacula variado dramtico, canto c
danca.
Quarla-feira 24 de selembro de 1851.
Depois que a orcheslra tiver execulado a
brilhaole ouvertura Simiramytles a com-
panhia nacional representar o muito ap-
plaudido drama em 3 actos
0 NEGOCIANTE liUNRADO.
Lcgo'que lermiue o drama a seuliora Car-
mela Lucci, executara a bella cavatina da
opera l'arasina maestro Donizelte.
Lm seguida a senhora Landa, e o Sr. Vas-
co, cantirSo o excellenta duelo -- il t'oscari
de pois do que a companhia nacional dar
a primtira representaeflo da graciosa Co-
media en 1 acto, ornado de musici
Ketly
ou
A vulta Suissa.
I'ersonagens.
Pranz, velho militar ruymundo.
Ketly, sua lilha D. Ha noel la.
Werner, rica estalajadeira D Amalia M.
Rullly, sen lilho Monteiro.
Senneville, joven ofllcal Bizerra.
Henrique, creado Santa Rosa.
CORO DE ALDEAES&
No fim da comedia a senbora Landa, exe-
eu.tra uma nova aria, segoiado-se pelos se-
nhores Finarte eTrabatoni, no lindo
PASSO A DOUS.
Temloara o espectculo, com 1 grclosi
aria.
ga e passageiros trala-se com Thomaz d'A-
quino Fonseca e filho, : na rua do Vigario n.
19 primeiro andar ou com o capito, no pra-
ca do commercio.
Gear, Maranh3o e Para
O novo brigue escuna Brasileira Gracioso,
di'siin i-se a aquellos portos, quem no mes-
mo quzor carregar, ou ir de passagem, di-
riji-se ao consignalario Jos Daptista da
Fonseca Jnior : rua do Vigario n. 23 segun-
do andar, ou ao capilo na praca
Para o Ceara pretendo seguir com bre-j
vidadea sumaca nacional Carlota, mestrol
Antonio Jos Vianna, quem na niosini qui-
zer carregar ou ir de passage.pde entender-
ge com o mosmo meslre no trapiche do al-
godSo ou com Luiz Jos de Sa Araujo : na
rua da Cruz 11 33.
Para a Babia pretende seguir com mui-
ta brevidade por ler parte ila carga pro Ti-
pia a sumaca brasileira fiordo Angclm,for*
rada e pregada do cobre, meslio lleruardo
de Souza : quem na mesma quizer carregar
ou ir de passagem, pode entenJer-so com
o mesuio meslre, ou com Luiz Jos de Sa
Araujo, na rua da CVuz n. 33.
Para o Rio de Janeiro, seguo no prin-
cipio da semana a mu veleira escuna ame-
ricana l'leot, om excellentes commodos
para passigeiros; as pessoas que nella qui-
zerem ir de passagem, dirijam-ss a casa
dos consignatarios Deane Youle Compa-
nhia, na rua da Cadea do Recite.
Para a Parahyba.
Ero poucos dias pretende sabir o biatc
brasilciro Espadarte, por ja ter parte da car-
ga prompla, para o resto traU-se com A. da
C. Ferreira Estrella : na rua da Cadcia do
Recife n. 23, ou com o meslre Victorino Jos
Pereira, 00 Trapicho do Algodo.
Para a Baha seguir com umita breviJa-
de a bom conbecida escuna Calante Mara
por ter ja grande parlada carga engajada, I
para o restante e passageiros, trala-se com ;
Silva & Crilo, na rua do Vigario 11. 4.
Freta-se para Havre ou qualquer nutro:
porlo da Europa a barca franceza Ldith. ca-
pito Poniel de iule 258 lonchas, em casa de
Schspbillin & Tublcr, ua rua da Cruz n. 38
60,000, por execuca quo movo a mesma fa |coul 'lucm U1\
zenda, conlra a irmandatle de Nossa Senl.o- Appareccu no engenho 1 ragoso
ra do Amparo, uma otaria n. 23, na rna dos l, pequeo: quem 10, seu dono dirija-
Coelhos do bairro da lloa-Visla, avaliadal8* "*> mesmo engolillo, que. dan lo os sig-
por venda em 1:500/, por exccuco quo na, Ihe sera enlreguu ; nSO SJ responsa-
Dftvea mesma fazenda, contra a viuva de b.lisanJii o proprioiano do engenho. pela
Antonio Jos do Ahneida, O primeiro an lar luga ou lurto do dito anima .
do sobrado n. 29, na rua do Bemlica na Pal-1 > "> d "tembro dcsappareceu de
Avisos diversos.
sageuda Ma'daiena, avallado de renda a,,. Santo Amaro, uma canoa aborta com uma
nualem 250,000, por execuco que move a traveco no meio da proa: qucm esta p
mosma fa/.euda, contra os herdeiros do
lleruardo l.asserre, um sitio denominado
Ciqui na freguezia da Varzea, com casa de
vivenda c arvoros de fructos, avahado por
nn la cm 400.000, por ex a mesma fazenda coutra Jos Duarte Ran-
gel, urna casa torrea na rua do M itocolom-
i do bairro dos Allegados, n. 43, avaliada
por venia 0111 100,000 por cxecu<;-'qui>
move a mesma fazonda, conlra Anua Joa-
quina doSacranionlo, uma dila dita, u.;
na rua Imperial avahada por renda animal
em 72,000. por execuc > que movo a mes-
ma fazenda, conlra Jos da Cosa Pinto.
O Solicitador da fazenda provincial,
faz publico que pelo Juizo de orpbos des-
ta cidade, se hilo de arrematar om o dia 29
rio corrento, pelas 4 horas da tarde, na por-
ta do juiz dos mesmos os seguintcs : um si-
lio de Ierras proprias, no lugar que vai para
as duas cruz'S d'almas, com cas ido viven-
da, avahado em o:U0i),000, o qoal sitio foi
aquinlioailo a mosma la/en la 110 inventario
do Hitado Francisco Carlos tyxeiro ; un
dito no lugar da ponte de Lcha, com casi
de vivenda, coclioira, estribara, seuzallla,
e diOereutei Iruclciras, avahado c 11 6:00ii/,
uma casa torrea juntoao uito sitio, coin
quintal c alguns arvoredos, avahado em
2.000,000, uma dita dita na rua da ponto ve-
llia do I' mu ila Boa-Vista 11. 16 avaliada
em 2:000,000, uma dila dila em S. Amaro
do tnetmo bairro, avaliada cm 1:000,000,
cujos bous foram aquinhoadosa mesma fa-
zen la para pagamento do sello du berane.i
110 inventario do lina Jo Jos Hamos de Oli-
veira e sua mulher.
I'reciza-se do um rapaz do 12 a li annos
de dade para caixeiro de um deposito do
padaria na rua da Senzalla velha n- 100.
Aos gauderios do theatro.
- Roga-sc aos s inhore telioeirea que al- ,d 1U2? r?0.;
de ditas borda las, e com requintes a ,000
rs., ditas de dila prelas para hooiem a 1.1 lo
rs.,o par, ineias de hubo a 3,500 rs., a du-
zia, bailados do panno de liiibu com palmo
de largura a 180 is., tinta ingloza 120 rs ,0
baiu, linhas carritul brancas 100 jardas 320
rs a du/ia. ditas de dilo 200 jardas a 880 rs.,
do melbor aulor; novcllos de linhas de co-
res 1,280 rs., a Ib. ; ditas do dila brancada
varios ns muito barato; bicos de varias
lia anuos fabrica a acreditada bdacliinch
de loile, desua invenco, participa aos.seus
freguazes que em altoncio a preferencia que
Ihe lem dado, uo obstante terem appare-
cldo outraaa imitacUo dallas, ten baixido
o preco da mesma para 4,i80 rs a arroba ;
o iiualmeule aiinuncia ao publico que de
presento SO fabrica 111 dila padaria pu do
|iiovenca, o redondo, bolae.na. bolaciiiulia
doce, biscoito, e latas, ludo da inellior
qualiJadc, c com o inaior asseio, c para re-
gallo das pessoas do bom goslo, tora pao
qnentcat as 7 lloras Ja manlia.
-- Alugo-so duas casas pilo preco o
mais cn1111111.il 1 possivel, no lugar S. Auna
de dentro, bom proprias para se gozar sau-
de, conforme dizam 00 me Jicos, pudendo
li^ar para o loinpo do passa lsta por ja es-
tar prximo : na rua da Cruz n, 26 primei-
ro andar.
--Precisa-se alogar um molequo ou mo-
lecole, liel, ladino, para servico do urna
casa estrangeha : duija-se a rua da Cadcia
n. 60 cscriplono.
Arreuda-se um sitio, com muilo boa
casa da viven la, o varios,arvorodos de fruc
lo, o urna grade planta do melancias, e ver-
duras do ludas as quahdades, na estrada do
Juo de Barros, defronledo becCO do Eipi-
nheiro, quom pretender dlrija-ae ao uiosuio
sillo, ou 110 sierro da Boa-Visla, padaria
n. 6.
-- Aluga-so urna olaria que sej a mar-
gem do no Capibaribe, que lenlia narro pa-
ra Le ha e lijollo, sen lo quo agrade lambein
so compra na Senzalla Velha n. IU0, se di-
ao pe do arco
Os Srs. asignantes deste Diario, qu
esto cm debito da subscripco, queiramj
mandar satisfazer ou deixar ordem em suas r
aasas para o pagamento, parano solfrcrem
trai'itoruo na entrega.
Tcndo de partir amanhaa para o lugar do j
meu domicilio por me haver S. M. o Impera-
dor feitoa graca de amnistiar-me, terminando
assim a perseguic9 olticial organiaada contra
inim pelos meas Inimigos polticos, c que me
obrigra a viver dellc ausente, cpcnborado
pelo tratamento urbano c obsequioso que re-
cebi do Kim. Sr. Dr. Viclor de Oliveira, presi-
dente desta provincia, edo lllm. Sr. desembar-
gador Tellea, e sua Lxma. esposa (inlnha presa-
da mal adoptiva,) sem Infracco de scus deve
rea como funccionarlos pblicos: eu faltarla ao
cumprlmento de uma obrigacao, se antes de
sabir deata cidade nao inanifeslassc publica-
inenlea,minliagratidao,aaaim como a resolcao
que nutro de empregar emseu aervico ;as ni-
olas escaasas torcas, logo que a lioeatimaveis,
quanto reapeltavels pessoas aprouver dcllas
utilizar-se.
t)i.iandn nenhum favor me tivesscmfelto casas
duas autoridades, bastara a ndole e tenden-
cias de sua aeco para que cu me julgaase obr-
Sado a dedicar-Ibes um senilmente de afilelo.
o estado de irnla{ao e cicltamento e as cir-
cunstancias dilHccia e delicadaa em que se
lem adiado esta provincia depois da revolucao
de novembro de i818,a poltica de Intolerancia
e exclualvlamo nao era por certo a mala pro-
Eria para unir as vontades da familia pernam-
ucana, faiei lodos irabalbarem para o bem
de todos, e promover a prosperldadc deata im-
portante provincia. S. Kxe. comprehendeu la-
to e api escotan-se aqu, collocou-sc no cen-
tro dos partidos, c acccnou-lbes com o ramo de
oliveira, em vea de toroar-se patrono e Inilru-
tnento de umdelles; e por sua adminlstracao
esclarecida, prudente e acertada, inostra es-
tar resolvido a realiaar o programla de juatl-
(1, conciliacao c patriotismo, para que o thro-
no j provocou oa esforcos de todos os Uratilci-
ro.
Assini pois a opinlo de hoincm polllico eu
rouno boje os seotimentoa que o favor cria, e
ppr esla dupla raso devem o Esm. Sr. Dr. Vic-
iar de Oliveira e o lllm. Sr, deaembargador
Tellea, cnxergaretn em inim um amigo inulto
pouco til.- mas inulto devotado.
llecife de Pernambuco. 2i de aetembro 1851.
Portugal, ou annuncioni
para negocio de seus luto-
so so eiicommodos o cinpnlilicas, como u- .,
raoolucrodoSr.Cermano.que veein o llioa- mnrad-i*
Iro de grassa deixaudo camarotes vasios rosses
- O Sr. Antonio Ferreira Braga da Mola __ ', dj pro 0 UloaU.0
francisco Alvos Ve.ga.nlonio Joso Perora P^ d ,*,, ulcnc|.
de Mondones JoSo da Silva Le e, tom carUM d ||o M
v.nclas do Porto na praca, loja do Arantos ^ h, |Q0 a m^n ,.. ., jufM dc 2
n" ,3, porcentoao mez, sob ponhoivs do ouroou
piati : no pateo do Carino, loja 11. 3, so di-
.Itirnciiu.
Declara o abaixo assignado quo nunca -
l'revinc-sc a qucm quena
a Lopes Reis, o faz essa de- ,'comprar o sitio to Montlcgo, per-
sin desojar o Sr. Lopes Res. .. ._
neiradeOiweitaUaciel. (tencenteao casa! do linado Uaeta-
Vrrnirrlo Luis t'irriira Casar oMrriro.
leve ucm tem partialguma da estribara na
travessa da rua bolla n. 2. pertenconto ao |
Sr. Jos Forreira
claraco porass
los. .............__.......
-- Aluga-so por mozes para quem quizer n0 dc ('arvallio ltapozo, qe O di-
passar a fesla um sitio 110 melbor local da nenilorad0 por ex-
Capcmga pegado o rio, bem coilivado do ,u sluu sa at"J >-'""" 1
vorduras do varias qualidades, e com boa < ecitco dos herdeiros de tjOiiralo
Ja1fdd)0mrr*jB;^uej,perlan,ler,linja"sci,:Josc Alfonso, contra aqucllc ca-
'ig
Precisa-se do uma ama, para coznbir Si
e comprar, em umacisa de pouca familia :
quam osliver nestas circumslancias, dirija-
so a rua do Cedoniz n. 10.
-- Jos da Costa Jorge, vai fazer uma via-
gem ao sul tratar do sou negocio.
~ l'rccisa-se da uma oscrava que saba
comprar e cozinhar, para' uma casa com
duas pessoas: na rua Nova n. 6.
Precisa-se de uma ama nara o servico
interno de uma casa de familia a as com-
pras na rua : ni rua Bella n. 26.
IiOtlbo.
O abaixo assignado foi roubado na noile
do dia 19 para 20 deste mez, os objectos so-
guintes: 2 jaquelas brancas, 1 dita preta
de alpaca, uma das brancas linha um lenco
ii lia -o roupa a lavar, com lano que 4
f) sotorne a entregar na mosma sema- i
na. Annuucie por esla folha para ser <
49 procurado. *
/i AliAga-su um cozinheiro quo soja bom,
para uma casa do pouca familia : quem os
quizer ongajar, procure na rua Nova, casa
o. 46, segundo andar.
-- Aluga-se para servido quer externo-
r|uer interno, de uma casa de pouca fam.
ha um escravo: quem o lver e quizersiui,
ga-lo, pode dirigir-so ao aterro da Boa-Vis-
ta n. 26, segundo andar.
-. Precisa-se alugar urna preta para todo
cores IDO rs. a vara botoes calca 200 rs. a
grosa ; caixas agulbas francesas a 280 rs
a papel 60 rs, o nutras mais iniudezas, mais
barato do que om outra parte, pois lio para
acaba1
Vendern-so 2 lindos molequcs de 13 e
15 annos de houil'S liguras 2 lindos mula-
li 11 los ile s,i 12 anuos bous para cilicio 2 lu
las mulatiuhas uelfi e!8 minos que cose en
gome urna das quaos grvida de 6 meses
uma dila perfuila cosinbeira e engomadeira
eque lem I iiiulatiulia de 3 aunse I rnula-
linli 1 de 4 anuos, 3 prelas perfeilas quilau-
deiras oque lasein todo oservic,) de casa 2
pretas de uieia idade quo cozuibo e lavo
perfeitaunilu 8 diario 2 ditas que ozinho
bem, 2 pi otos para todo o servico na rua da
cadei 1 do Recite n. 51 Laudar.
Verulem-se 3. rirrocas novas de sicu-
pira para Boi, 2 ditas para cavallo, uma por-
c,o e eaibros. 2 jogos dc bancas de amar-
lo uma rama dito, ludo novo ua rua da Ca-
ilcia deSauto Antonio 11. 15, arinasom.
Vende-se 11111 sitio grande |ua estrada
do F.spiiheiro com bastante arvorcJo o Ier-
ras para plantaco: quem o quiser comprar
no mes iinsn 1,1 achara coin quem tratar.
Hicas imagens vindasde Lisboa.
Vendemso na rua do (Jucitrado, loja de
niiudezis do baraleiro, junto a loja do cera
11. 33, as scguinles imagens : Santo Anto-
nio, 5. Sebastio, S. Benedicto, S. Joo Ba'p-
lsta, S. JoSo Evangelista, S. Hanoel da Pa-
ciencia, Salvador do Mundo, S. Jos orando,
S. Luiz re de Franca, S. Francisco de Asis,
ou da (nagas, S. Paulo, Santa Barbara, -S .ri-
la Apolonia, Santa Luz.i, Santa Hita, iSossa
Senbora orando, -Nossa Senhora da Soloda-
uliora da Saudo ; estas imagens so de bar-
ro e de tamaulios muito regulares, porm
sao as mais perfeilas que de Lisboa tem
viudo, o os procos 1.....mu-so admiraveis
purseroiii muilo baratas.
Sao muito interesyantes.
Vondcm-se na rua doQucimado, loja do
miudezas do barateiro, junio a loja de cora
o. 33, luidas li guras ven leudo fi tictas a iini-
lago das saloias em Portugal, estas figuras
so muito interessanles por serem osquisi-
las, c emquanlo ao preco no ha cousa mais
barata, tamben) ha um completo sorlimonto
lo calungas nuudos, proprios para briuquo-
dos do meninos, c mesmo para prezepios,
o o proco lio do admirar.
tticas caixas de vidro para guardar
joias.
Vendcm-se ricas caixas de vidro com bo-
nitas estampas e de guatos dillrentos, pro-
prios para guardar joias, pelo diminuto pre-
co de 800, 1,000, 1,400, ,000 e 3,000 is. : ua
rua do Uueiin%do, luja de nuil liuas do bara-
teiro, junio a loja de cera 11. 33.
Ultima moda viuda de Pars.
Vendem-se ricos sintos achamatolados
com livelas, pelo diminuto preco de 2,000
rs. cada um, tambem ha um complotosor-
timcnlo do litis do veludo largas e de lodas
as cores, livelas e passadores, ludo proprio
para pescoco e sintos de senhoras, tudo por
prego muilo com modo : na rua do Queima-
do, loja do iniudezas do barateiro, junto a
loja do cera 11. 33.
Micas franjas pretas para man-
braoco no bolc,o, 1 par do caigas 'le brim (servico de uma casa : quema tiver dirija-se
a marcho com I istia ao lado, t colle de fus-i rua de S. Francisco, sobrado em frente
to cor de chumbo, 2 camisas brancas mar-!rua da Florentina,
cadas T. F. C, urna desias linha um bolSo Alluga-so um bom sitio passando a
de ouro com as iniciaos I. P. B., 1 chapeo
dochiio grande, quasi novo, 1 relogiode
ouro pequeo com uma filinha preta na
chave, 1 guitarra envernisada com o lampo
poni do l'chda no lugar do Parnameiriin
com uma grande casi, e um sobradinho
por cima da cocheira, muito fresco, Um
grande cacimba, e dois tanques com co-
encontrar, pelo baratiasimo preco de 2,00
ti.: na rua do Queimado, loja de miudezas
do barateiro, junto a loja de cera n. 33.
Cartas finas para voltrete.
Vendem-se Onissimas cartas para volte-
reta por proco muilo commodo : na rua do
Queimado, loja de miudoza, junto a loja
de cara n. 33.
.Muas pretas para padres.
Vendem-se superiores meias de ISa pelo
diminuto preco de 2,000 rs., ditas de algo-
do muilo finas e locorpadas a 7,00 rs. 1 na
rua do Queimado, loja de miudezas do ba-
raleiro, junto a loja de cora n. 33.
Camisas de meia.
Vendcm-se iinisimas camisas de meia,
pelo baratissitno preco de 2,000 ra., ditas
entrefinas a 1,300 rs., ditas de corea a 1,000
rs. : ua run do Queimado, loja do miudezas,
junto a loja de cera n. 33.
Hitas franjas para cortinados.
Vendem-se franjas para cortinados, oa
padroes mais lindos que tem apparecido, e
por prego que ninguem vende: na rua do
Queimado, loja de miudezas do barateiro,
junto a loja de cera n. 33.
Capachos baratos.
Vendem-se capachos muito aoperiores,
pelo diminuto prego de 800 rs.: na rua do
Queimado, loja do miudezas do barateiro,
junto a loja de cera o. 33.
Tudo muilo bom e barato.
Vendem-se lindos pentes de tartaruga pa-
ra prender cabello pelo baratiasimo preco
de 4,500 rs., toucadores de Jacaranda com
columnas e muito bom espelho a 3,500 rs.,
ditos com armaco de madeira branca a
1,200 rs., bicos linos largos, proprios para
talho do vesliio a roquete do padre a 1,000
rs. a vara, ricas titas largas dos mais boni-
tos padrOes que tem apparecido a 1,000 rs.
a vara, ligas de seda com borrsxa, fazenda
muito superior a 1,200 rs ditas ontreflnas
muito ieslicas a 200 rs., luvasdo peliea pa-
ra meninas a mollinos a 1,000 rs., ditas pre-
las de trocal sem dedos lauto para menina,
como para menino a 200 rs. o par, ditas pre-
las com paLnas 1I0 cores a500rs., ditas de
seda prela com deJos para senhora a 600 rs.
iiiis-imas muas brancas para senhora a 500
rs., ditas para menina a 240, 280 e 330 rs.,
pentes abertos de baloia para coco a 300 rs.
11I1 n .mas com salimiento de agulbas
Irancezas proprias para loda a quatidadede
costuras a ano rs., caixiubas com 6 papis
le agulbas francozas surtidas a 240 rs., pa-
eis de agulbas cantutas a 4o rs., tranciuha
le laa de lod is as cores proprias para guar-
QiCfiO .le palito, de meninos a 60 rs. a peci-
uba, lindos agulhoirus de vidro a 200 rs.,
caixmlias coin colxetas francozes a 60 rs.,
lliezuuiinhas muilo linas para costuras a
loo, 600 e 800 rs., ti 11 lunillas de seda prela
para enancas a 320 rs., miadas de Robadas
libas a 80 rs., ditas da peso a 60 rs., nin
diulias de linlias de 200 jardas a60 rs.o car-
retel, troco de lodas as cores a 160 rs. a va-
, lindas caixinlias do metal com grampis
a 120 rs. que sri a caixinha val o dinheiro,
lindos frasiiuiuhos do vidro vasios, a 400,
500, e i." 1 rs., e uuuas umitas cousas que sa
veudein mais barato do que em outra qual-
quer parto: na rua do Queimado, loja de
miudezas do baraleiro,junloa loja de cera
11. 33.
II? preco desgracado.
Vendam-se luvas de seda preta muito su-
perior sem defoito algum para homem a
600 rs. o par, ditas de algodo da cores pro-
prias para montana a 30o rs., suspensorios
titos de seda a 600 rs., molas para grvalas
a 500 rs., superiores meias cruas a 240 rs,
livelas douradas para calcas o coletes a 160
rs booots fraocezes do panno lino e de ca-
bello a 1,800 rs., ditos de veludo para meni-
no a 800 is., caixas com tintas mullo Anas
para dezeulio a 3,000 e 4,000 rs estas cai-
xas tem lo los os uecossanos pasa dezenbo,
bengallas superiores u 500e 1,000 rs., ricas
abutuaduras para coleles, vindas da expo-
-11; 10 a 2,500 rs., Lo i.i- carteirinhas com
chave pura guardar dmheiro.a 2/, ditasda
niarroquiiu sem chavea 500 rs., superiores
oculos de annacJo debilea de todas as gra-
Joci.es a 1,200 rs., lonetas de 1 e j vi Iros
a 4oo e 1,000 rs., superiores grvalas de mo-
la prelas e de coios a 1,600 e 2.000 rs., lu-
vas ainaiellas de algojoproprias para a ca-
vallana a 300 rs., e oulras multas cousas
que sa vendem.uiuilo baratas; na rua do
Queimado, loja d" miudezas do barateiro,
junio a io|,i de cora n. 33.
Lotcria do RO de Janeiro-
Aos 20:oooioo rs.
Vendem-so na rua J0 Quoimado, lojan.
18, bilhetos, mcos fluario8, oitavos, e vi-
gsimos da segund.loteru do hospital de
santa Catharina, cuJ* ""ta deve chegar al
o da 25 do corrent'' no vapor da carreira.
Aos fabricantes.
No aterro da Boa-Visa n 73.
Vende-so um pequeo resto do cera de
carnauba, primeira sorte, pelo barattssimo
preco de 5,600 rs. a arroba.
Pechiiicha a 160 rs.
Na rua do Crespo n. 14, loja de
Jos Francisco Dias.
Vendem-se linissimss chitos pretas de
lustro a 160 rs. o covado, dilas francezas
largas do novos padres, imitando cassas a
2to rs. o covado, ditos superiores, pannos
cor do vinlio o de caf de miudinhos pa-
drees, lindos desonhos a 200 rs. o covado,
cortes de cambraia pntalos de cores com
6varasemoia a 2,210 rs. o corte, cassas
prelas a 210 rs. o covado, riquissimos cortes
devesliJos de barra com riquissimos pe-
dio i a 5,50 rs. o corte, brim trancado edr
de ganga o escuro com urna lisia miulinha
a 1,000 rs. o corto, superiores lencos de se-
ta de cores de ricos gostos a 2,000, brim de
linho amarcllo muito me upado que parece
lona com listas miuJas a 1,800 rs. o corte,
assim como mitras muitas fazen Jas polo ba-
rato preco de agradarem aos Srs. compra-
dores.
0Geae9v99vvv&4Mav^99 w
l'racada Independencia .17. 0
Vende-so galo de ouro e prata de e>
superior qudidade tanto para devisas 0 como para bonete o chapeos de pa-
8 gom na mesma loja so vende toda a aaj
f* qualidade de uniformes militares :tu- A
em outra parle. *ej
*?***????*>
Acho-so a venda no novo armazem ds
madoiras junto a secretaria da polica, tra-
vs da 25, 30, 34, 36, 40 palmos, enxames
de 20, 25, 30, 36, c 40 ditos mos traves-
sasde 30, e eaibros a precos muilo baratos,
precisa-se do um homom de boa conducta
para tomar conla do um negocio.
Por 800^000
Vende-se um terreno com 53 palmos
do frento, e fundos desde a rua d'Aurora
ale rua do Hospicio; na praca da Indepen-
dencia, n. 17.
Vende-se cha preto om caixas, e em
teletes.
Vendem-se ricas franjas pretaa para man-1 libra-7e'do"em"embrbos chineies d 3 em
filetes pelo diminuto preco de 1,000 rs. ai libra: no armazem do cas da Alfandega.de-
vara : oa rua do Queimado, loja de miude-1 fronte da eacadinba do desembarque.
zas do baraloiro, junto a loja de cera n. 33,1 Por 300 (tfOUO
Finissimas uavalhas cabo de f & ,.,. .
,- Vende-se um bom escravo robusto, aiu-
marlim. j, u,OCOj gen, vicios ; na rua larga do Roz a
Vendem-se estojos com uma so navalha no, padaria u. 48, so dir cora quem sedare-,
de cabo do aiaiiim, a mais lina quo se pode' \tvr.


* -
AnU'go deposito de cal
virgen).
Na ra dos Torres, armazem n.
i a, ha muito superior cal nova em
pedras chegada, ltimamente de
Lisboa.
Vende-se a mor parte de un grande
predio de tres andares, e sotflocom trapel-
ras, com duas Frentes guarnecidas de varan-
das de ferro novas, e edificado a moderna
com toda a solidez e pcrfeicflo, cito na me-
ilior ra do bairro de S. Antonio desta cida-
Ve, e cojos reudimenlos produsem avullado
juro : os prelendentesdirijam-se ao Corre-
tor Olivei ta.
Vende-se no MaranhSo, a fabrica
de bugias stiarinas e sabSo.
Os administradores da liquida-
dlo de Theodoro Chavanes, ven-
dem a fabrica denominada fllara-
uheuse, na ra do Piopontao, des-
ta cidade ( porlo dos remedios)
a saber : casa em que est mon-
tad a fabrica, com ao bracas de
frente e i5 de fundo; a prensas
hidrulicas, orisontaes de (brea de
600,000 libras, cada una ; 1 dita
vertical de forca de 400,000 libras;
3 grandes caldeiras montadas, pa-
ra o fabrico do saLo ; 4 ditas pa-
ra derreter sebo; todos osperten-
ces necessarios para o fabrico do
stearina e sabio ; 9 eseravos en-
tendedores doservico geral da fa-
brica ; 1 terreno annexo a fabrica,
com 7 bracas de frente e i5 de
fundo ; 1 dito fronteiro a mesma
fabrica, com 18 bracas de trente e
38 de fundo : as pessoas que prc-
tenderem comprar, pdem nesta
praca dirigirem-se a J. Keller &
Companhia.
Deposito de cal e polassa.
Cunta A Amorim, vendem barris com cal j
rin pedra, chegada pelo ultimo navio de
Lisboa ; ditos com potassa de boa qualida-
4

!
Chapeos do Chile.
Vendem-se chapeos dochi
le pequeos a 4>ooc rs-, e
tarnbein ha muito finos a 6, c
8,000 ra. : na ra do Cres-
po n. a3.
Lotera de N. S. do Livramento.
No aterro da Uoa Vista, loja de calsado o.
.'i.s, e na ra Direil, loja de burives n. 124,
vendem-se os muilos afortunados buhles,
meios, quartos, quintos, decimos e vigsi-
mos, da lotera de N. S. do Livramento,
cujas rodas andam no dia 31 do correte in-
fallivelmente : os amadores da lotera mu-
nam-se de buhles at o da O, pois lia urna
pessoa que fica com o reslo para vender
com gaubo, por sua corita.
Vendeoi-se vinhus, muscatel de Setubal,
ede outraa qualidades rocentemenle chega-
dos, de Lisboa, e assim Flanella de superior
qualidade cara lorio de salim na ra do
Vigario piimeiro andar do sobrado o. 19
A llen(o.
Vende-se urna machina completa, nova e
botica, vendem-se corles de casomiras es- o par, sapatOes do aracali para meninos a do serrino decampo, dous mulatos de honi-
curas de suparior qualidade a 4 a 5,000 rs., i 800 rs. o par, sapa tes de marroquim para tas figuras, urna calirinha de i Jarte 15 a 16
casemiras decores meacladas proprias parasenhora, feilo nopaizobra bem foita, assim auno, tres escravas de todo servico : na
paul a 1,000 r* ocovado, panno fino azul, como de lustro, e marroquim para meninaaj'rua l>i>eita n. 3,
de superior qualidade a 3,500 e *,000 rs., 0 j at 10 tunos, c luai suiliuu-iilo d> calcado'' -- Vendem-se dous roeios appaielhos para
verde a 4,500 rs. o covado; assim como uro. por preco commodo. cha do porcelana fin e de apurado gosto,
completo su lmenlo de (atiendas de todas) Vende-se i assim como urna porcSo de calungas da mes-
as qualidades por prego mais barato do que Super ,i,ude am blrrici de 4 ,rrobM: j m. louca tudo por preco muito commoda.
em outra qualquer parte. ,* do Tf c Vende-se ama escrava de bonita figura,
Pechincha para os a Huales quc| -
- Vendem-se sapatas de curo dolos-!com '"'"* bilidade, ua.8 neyrinha de
eanbar dnheiro, e tro, feito na trra a 3,200 e 3,500 rs., sapa- r nno ''uco """> "menos: na ra do
de canreir de lustro a 1.900 rs.: na .' "; TC^S?, TOS0,
pessoas particulares, que gostam ^d. c.de,.6^ &T
do bom e barato. Vendem-6e
Vendem-se na ra do Crespo, loja da es- Amarras de ferro, e ancoras de diversos ta-
DfiVEHEb DOS HOMEiVS,
a fiiii rs.
quina que volta para a Cadoia, pannos linos
de todas as cores da melhor qualidade pos-
aivel, e muito baratos por terem un peque-
no toque doavaria.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
KL'A UA SENZALLA NOVA N. 43.
iNeste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sort-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
e
Vende-se este compendio aprovado para
as aulas, em meia encadcrnaco, a 500 rs.p
cada um : na livraria n. 6 es, da praca n,
Independencia.
Vendc-se hum escravo ptimo para qual-
quer servico da praca, ou do cimpo: na ra
muito superior, da forca de quairo cavados, < vapor, e laixas de ferro batido
alta pressSo, com a sua competente moen-1 ', lmannos na-
da de assucar, por preco baralo. Adveite-so coao> ue ,0U0!' os lmannos, pa-
que vende-se a machina junto ou sem ara dito.
moenda: dirija-se em casa de Admsou lio-' Vpndeni-sp rolnvioa de miro
wie& Companhia : no trapiche novo no He- Y cnuein-se ruoBios ae o uro,
cife n. 42. patente ingle/, de muito acrcdita-
DepoStO No armazem da ra da Cadeia lo em conta : na ra da Cadeia do
do Itecife n. ia, lia muito supe- Rccife n. 6o.
nor cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa chegada ltima-
mente, a precos muito rasoaveis.
Vondem-sc os seguintes gneros de su-
perior qualidade minio em conta, queijos
londrinos frescaos ditos do prato pnzun-
tos para fiambra, ditos tiamuurguezcs, di-
tos porluguees melgaso para pauella. latas
com bolacha de Lisboa, ditas com chocolate
do Canella de Lisboa, frascos com conservas ra, superior.
-.!.... \. .., i r> I 111I1.1.' ni i -. i i i .... i -i I i _.
Veode-se
Fio de diversas cores,
pateiro.
Lindas brancas e de
cores.
Tinta- de oleo de varias cores.
Cha preto e verde, de lnglater-
para sa-
d i versas
nglezus,hcela ecaixmhas muilo asseadas
com niassas linas para sopa, garrafas de vi-
nlio musca!' I,dii situbal, ditas com dito rol-
lona do porto, ditas com dito do i-.ii !.!'. i-l-
los branco.ditas com dilo de colares: na la
da Cruz numero 46 defronte do Sr. I)r. Cos-
me de Sa IVrcira.
Para as escolas.
cen outra qual-1 ma, ltimamente adoptada pelo Kxm. presi- ca de muito boa qnalidadc,
lea do Itecifo n. i lente da provincia como compendio da Iti- ,..,_, i1B|a J. <,
ro oiUodaloi tura e historia do Urasil lias escolas prima- CCIltementC chegada de Saill
0 que se olt'erecc militas garsaBS
a seus Joos na rua da Cadeia do
1 i re en. SI, piimeiro andar.
Deposito Santos na Kallia.
Vendo-so, em casa deN. U. Uieber&C.,
na rua da Urux n. 4, algodSo transado da-
quella rabrica, muilo pruprio para saceos de
assucar c roupa do cscravos, por precocom-
mojo.
Veidc-se cola do itio Gran-
de, em barricas e por preco com- Companhia, na rua da Cruz n. a.
modo : na rua do Vigario n. 19,1 Vendem-se relogios de 011-
seguudo andar, cscriplorio de 31a- ro e piala, de vidro e sabonete ,
Vende-se no paleo do Collogio, loja do
de; e sem eageraiao declaran), que ven-1 livr<) ;ul asynopsis do general Abicui
dem por menos prer;o do que
quer parle: na rua da Cad
50, ou 00 becco do Monleiro, oil.io da Ion
dos mesnios u. 2.
Fazadmiraiao vender fazendaspor
t5o barato preco.
Cortes decassa chitas com SvsrasportbOO
rs., ditos com 6 varas por 2,000 rs-, pecas de
chita com 38 covados por 3,0110, 5,500,
6,000,6,400 rs., lencos de cambraia de li-
ndo para mo de senhora e bolso d" homem
por 360,400, e 480 ios, ditos de caui'
braia de algodao com letrero muito engran-
- Jo por 280 rs. cada um, e muitas mais fa-
eodas por preco commodo : nafloja da rua
do Crespo n. 6.
Anligo deposito de cal
virgeni.
Na rua do Trapiche, n. I7, lia
muito superior cal nova em pedia,
chegada ltimamente de Lisboa
na barca Ligeira.
Vende-se saccas com leijo
molatinho, de superior qualidades
e prximamente chegado do ltio
de Janeiro : no caes da Alfande-
ga, armazem grande del'ronlc da
rampa.
Veode-se
Arroz de casca,
Farello novo,
Cha preto,
Chumbo de muiiii au,
Cimento,
vendc-se ludo por precos comniodos : no
armazem de J. J. Tassu Jnior, na rua do
Ainorim n. 35.
Agencia de Edwin Maw.
^a rua de Apollo D, 6, armazem de le. Cal-
nionlSt Companhia, acha-se coiislanleinente
bous aorliinculos de uixa de ftrro coado e
balido lauto rasa como fundas, uiucndas iu-
,-iras (odasde ferro para animae9, agoa, tic,
ditas para armar em inadeira de lodos o* ta-
uiauhos c inodellos o irais moderno, machina
horisoutal para vapor, com forca de i caval-
lus, coucoa, passadeiras de ferro estanliado
para caaa de pu l|ar, por inenoa prefo que oz
de cobre, eacoveus para navios, ferro ingles
tanto em barras como cm arcos folhas, c tudo
por o.o .o i preco.
Lunilla de mandioca. I
Velas de csperinacele.
Panno de algodao, para saceos.
Tudo da mcllior qualidade e
muilo cm conta : em casa de A-
(li ii i.ii.i llowic & Companhia, na
rua do Trapiche Novo n. l\i.
Vendc-se farioha do mandio-
e re-
a Ca-
nas da provincia. (harina nopataclio Nova Luz: Ira-
BaaST*"1 f*Z a-^e a bordo do me.no e Casa decomroissKo de escravi-s. do caes do Ramos, ou na rua do
Vendem-se escravose receben;- liapiche n. j.
se de commissao, lanto para a pru- *^ *&&*
> 1 I ^ VCIidem-Se boticas liomicopatliicas,
iiiii como para lora della, para a grandes epequonas,com os seus com- )
manhos: na rua do Trapiche Novo n. 10.
Deposito de cal virgem.
No armazem de is Fc-reira, no caes da
alfandega, vendem- s i barris com cal vir-
gom, por precocommodo, vindosdo Lisboa
no lingui! Conceifo ileUiria, entrado em Be"a umero 16
12 do correle : tiata-se no mestni arma- No rmazem da rua da Mooda n 15. ven-
zem, ou com Novaes & Companhia, na rua' |8-ae conlinuidameut superior cal da Lia-
do Trapiche n. 34. | boa nova da melhor possivel e por menos
- No aterro da lioa-VUa, loja n. 18, de- P,6S .US om qulquor parte,
frouledo tribunal doCommercio, vendem-! "' Veude-ae urna taberna, coi) poucs
so ricos cortes de cassa a 2,000 rs., ditos de I fundos, o b*m afregue/ada : na rua de llor-
casomira a 4,000 rs casinetas mescladas,!,,s n.52ou no pateo do Carmo n. 13.
a) ptenles livros: m rua do Crespo, ,t*
i> loja aman lia n. 4. ^
4>9SfV9*'t # #4>a>
Vende-se supeiior panno de
algodao, para saceos: em casa de
Kenwoithy ck Companhia, na rua
da Cruz n. a.
Vendem-se selins nglezes,
elsticos^ e ditos com borraneas :
etn casa de Geo kcnworlhy tk
CM.wln fk l'inheiro.
patente inglez : em casa de Geo
ptima fazenda para palitores a 500 rs. ,e
um grande e variado soitimento de fazen-
das Inglezas e l'raiicezas que so venderSo bi-
ratissiuias.
*'?H> 'WVW'Wf ffff VffW ft
^ Deposito de tecidos da fabri- ^
e> ca de Todos os Santos,
% na Bahia. 1
i> Vende-se em casa de Domingos Al- <3
a*- ves Malheus, na rua da Cruz do He- *'
cifen. 52, primeiro andar, algodSo J
*" transadodaquellafabrica,muitopro- *
* prio para saceos e roupa de escra- 2
ff vos, assim como lio pruprio para re- ^
:" des do pescar e pavios para vellas, ^
^ por pi reo muito commodo. M| | Si f: s"; A AA % I fc^ ^ 4ft*
Vende-se urna escrava creoula, de i,ia-
dn 28 anuos, pouco mais ou menos ; bonito
figura, sabe ensaboar, engommar, Ciizinhar
fa/er renda; tunibeui com a mesma negra
se vemlc urna cria com seis mazes de idade,
na la llireita n. 139.
Veudc-se urna parda de 18 stinos de
idade, ptima cozinheira, eengommadeira:
na rua do Livramento n. 35. Na mesma casa
lamliem se venda ou aluga-se urna canoa
uxccllentc para conduccSode capnn-
Vuideni-se rolhas para grrula em
barricas de 2500 cada urna, por precocom-
modo : na armazem de Antonio Aunes, no
caes da alfandega.
~ Vende se um cabriole! novo e muilo
leve, com um exctenle cavallo, ou sem
elle, tudo por 5110,000 rs.: na praca do
commercio n 2, primeiro andar.
Vend-se una taberna na rua ostreita
do Kozario n. 38, com poucos fundos, bem
afreguoza la para a Ierra, vende 12 a 15,000
rs. diarios, vende-so por lero dono de reli-
rar-se pura o mulo por causa de molestia,
Vende-se oleo para curar glan lulas :
ni Uoa-Vn-ti, rua do Sebo, c Vendcin-secaihros usados : na roa do
II itigcl, a fallir com o mcslte pedreiro, Ig-
nacio Francisco dos Santos.
- Vendem-se barris com breu
em lolcs ii vontide do comprador ;
na rua do Trapiche n. 3C, cm ca-
sa de Jiatheus Austin &c Compa-
nhia.
CbrtScs de visitas.
Vendem-se carlocs de visi'as
com o notiie do comprador cm le-
tras braacaa em alio relevo pelo
ultimo gosto de l'artz, a i ,000 rs.
a iln/i 1 : no pateo do Colleio,
Vendem-se as obras comple- Kenworthy & Coiripanhia, na ruajcasa ^ l'Vl" B2Ui-
las de Ittirabeau em 8 voluntes de da Cruz n. 2.
rica encadernacao,e por preco com- Cha preto, superior,
modo na livraria da rua do Col- j Erva mate, muito nova,
legiu n. 9. Vende-se na travessa da Madre
Vendom-so velas de espermscele, cm Jg Dcus 11. j.
caixas, de soporior qualidade : em casa de
J. heller ,-. Companhia : na rua da Cruz nu-
Vende-se graxa do Rio Crande do Sul,
propria para velas a 5,200 rs. por arroba: na
1111 da Praia, armazem n. 4.
Vendu-se una boa escrava preti, pos-
santo, sadia, lava, cose, rozinha, e lem prin-
cipio de engommado, e n3o lie rara ; outra
dita de meia idade, com boa conducta, e a-
dia. e com as mes ras habilidades, monos
engommar por 270,000 rs. : na rua larga
1 lo/nrio, loja n. 35, o sepi-tos do Anca-
1 y, chegados de novo.
Vende-se una taberna, sita na rua do
Pillar n.88, bem aTioguezada, tanto para a
trra, como para o mato : 1 i-.iia-.su na mes-
ma taberna, eso dir o molivo por que se
vende ao comprador.
\ asoo
-- Na rua doQueimado do'ronta do beco
do l'cixe frito, loja n. 3 vendem-se clin, eos
de massa francezes linos pelo baialissimo
preto de 2#500 res cada um, sao lucoui-
mendaveis nilos por serem abertos a la-
cre como por seren do forma ngradavel.
Vende-se oleo em botijas*.
chegado prximo da Ilollanda da
pura linbaca : alraz do theatro,
parelho para pouebo, frutearas
rasegarr-faafinaa. CJ>Pote.
- J^^m-s colieeS6e8 Com
mais de seis lindas vistas, repr
sentando a ponte do Uecife coa*
alfandega, a ponte da BoaAis^"
a cidade de 01inda,a ponte do Q
changa, Poco-da-l'anella, e tut
da Cruz com o arco do Bom-Jesn.
bem como duas grandes valas rl
Pernambuco: na rua da Cruz n
10, casj 1: Kalkmano Irmos,
Livros em blanco
vendcin-se no armazem de Kalkoianu I
mos, rua da Cruz, n. 10 lr"
Lotera de N. S. do Livramento
eos 5.000,000
Na loja de miudezis da praca da ni
pendencia n. 4 rendaan-ae hilhetes eivrsan"
meio, quartos, quintos, deoimos oeiritii
mos a beneficio da Igrej de N. S.n dovla
ment que corre 110 Om do mez.
Iiiliict- s inleiros 10.000
meios 5,000
qual tos 2,600
quintos 2,10o
decimos 1,100
vigsimos 600
-- Vende-* um grande altio no lugar do
Manguinhe, que lica defronte dos sitios laa
Srs. Carneiros.com grande casa de viver
da.dequatroagoas, grande sonzalla. ce.
cheira, estribara, baixadecapimquosus
lenta 3 a 4 cavallos, grande cacimba, cum
bomba e lanquo coborlo para banho b!
tantea arvoredos de fructo: na rua do Col
legin. 16, segundo andar.
armazem d taboas de
sim como botijas com
pinito ; as
cimento e
tambem se vende as linas.
- Vendem-se coi tes de tapete
de laa e algodao para sopatos a
oo rs., peles de marroquiui pre-
to a kiiiii rs., ditas de cor a 1,600
rs. : na lojt decalcado do Aran-
tes.
mero jj.
Vendem-se cera cm velas ,
labricadas cm Lisboa c no IViu de
Janeiro, em caixas de 100 libras
Illa k Tea.
Ul a superior qualily is sod al
n. 5, travessa da Madre de Deus.
Pcchincha.
Vendem-se no aniiazcm gran le defronto
Surtidas, de t a l6 em libra, Ctaill- 'lucscadiuha da alfaiidoga deliovciao.D
d. muilo elegantes baldos ou linas do pao pi
e Ulll so tamanuo, por me- u,do deaiUle verde com sua competente
nos preco do que em outra qual- zadefuno, muito f01 les o leves, propiia,
quer parle : trata-se 110 escripto- p
rio de Machado & Pinliciro, na
rua do Vigario n. ly, segundo
andar.
Tecido de algodao trangadona fa-
brica de Todos os Santos.
vendem-se por atacado duas
A mais nova o mais barata farinlia dejl'roprias para saceos de assucar roupa de
mandioca que ha 110 merca lo, vende-se na escravos.
rua da Cruz do Itecife, armazem n. 13, del ~ Km Keller & C0111-
J080 Carlos Auttusto da Silva. I panhia, na ruada Cruz n. 55, acha-so a ven-
Principios geraes de economa pu-,1^' o excellcutoe superior r/i/ ,1c Un-
1 .." 1 Icfilla*, om barris de 5. he muilo recom-
uIlCii e industrial. jmendavel as casas eslrangeiras, como cx-
Vi'ii'lo-so esto compendio, approvado para collente vinho para pasto.
Arados de Ierro.
Vendem-se arados de diversos
as aulas de primeiras letras, a 480 rs.: na
praca da Independencia, livraria 11. 608.
tg .-U;roliio liara MOCOS. /modelos, assim como americanos 'e casacas a 6,000 rs ..obra muito
Sj> Vendc-se muilo bom algodao para % iiiaruadoCrespon.il).
SJ saceos de assucar, por preco comino- t> COm camuao de SICIipira e bracos Vcndem-se diales do soda a t,500
% do:em casa de llicardo Itoyle, na a> ,]c ferro : na liindico da rua do J.OOO e 6,000 rs., e muito bous a 8,000 rs ; a
para ae carregar i>u baldear agoa de qual-
quer lugar para outro, particularmente em
cochcia. e a bordo de navios, pelo barato
preto do iluas patacas cada una, e sendo
de qualro naia cima, a 500 rs. ; aprovci-
tcm-se, ue se eslao acobando.
A meudoas confeitadas.
Vendem-se atnondoas confeitadas coi
Xiulias para as mcsinas : na rua do Collegio
qualidades u. 1, luja de miudezas.
Caixinhas de vidro.
Vendem-se caixinhas de vidro muilo bo-
nitas c baratas: na rua do Culiegiu n I, lo-
ja do miudezas.
Trancinha de cores.
Veode-se trancinha do laa o seda, pro-
pria para enl'eile de vestipo o polit da me-
nino : na rua do i.;.' :.o n. I, loja de ouu-
: de/as.
Vendem-se muilos palitos, a 5,000 rs.,
bem foiU :
vende-se na rua do Queimado, loja n.rseUIlJ
18, liria poelica em 5 vdlumes por preco
coininodo ; assim como obras completas de
Lafoiitaine en) 1-ranccz.
Vcnde-sc utn bonito mole-
que crioulo, com 18 anuos de ida-
de, c perl'eito cozinheiro : na rua
do Crespo loja n, 16 esquina da
rua das Cruzes.
f rua da Cadeia n. 37. >
(!S#lS?!:***it4# Brum ns" )8 e
rarinha de mandioca.
No armazem do Antonio Aunes Jacome
Pires, no caes da Alfandcxa vende-se fari-
nlia de maodioca em sueca?, sendo de pti-
ma qualidade e por preco o mais commodo
do mercado.
Vendem-se relogios de ou-
Vendem-so amarras do ferro: na rua
da Senzalla nova n. 42.
Monillos de vento
com bombas do repudio para rogar horlas
d baixas do capim : vendem-se na fundido
de Uowman c Me. Callum, na rua do lruiu
ns. 6.8 e 10.
Vende-te aesso em barricas, viudo no
ro e prala, patente inglez: na rua uUimo llavj c|ega0 ue KranC8) lendo ca-
da oenzalla ISova n. (2. da bairica 20arrobas pouco mais ou mc-
Mociulas sujieiioies. I nos : na rua da Cruz n. 55, caa de J. Kel-
Na fundiqo de C. Starr Si Companhia, j,er4t Companhia.
om S.-Amaro, acham-se venda moendas I Bombas de ierro,
do canoa, lodas de ferro, de um modelo e
rniistMici; o muilo superior
Tnixasi pa.ra>engenk0,
Na fuudicilo de ferro da rua do llrum,
acaba-se de recebor um completo sortlmen-
to de laixas de 3 a 8 palmos de bocea, as
quaas acham-se a veuda por pre^o com-
modo, c com promptido embarcam-se, ou,
carregam-se em carrossem despezas ao!"' 55> cas* de'. ^e"et & Companhia.
comprador. Cal virgem cm pedra
Arados de ferro. i Chegada recenlemente da Lisboa, em anco-
Nafundic,So da Aurora, cm S. Amaro, ras muilo bem accondicioiiadas, e por (reco
vendem-se arados de ferro de diversos uio-' commodo ; no arma/om do Silva narroca,
dlos. na rua do Trapiche n. 19.
MimIa ntui iicfliiiirlin. V i II lio] (le Cilampa!TIC,
nC!^S^S^G^JVUSbS? desuatrlof qu.lid.de i vende-se no arma-
S'^3^fi&!yZ!?&\ Kalkmanu Irmaos Ku. da Cruz, n. .0
caifa ; dilo escuro, ai,600rs. dilodelis-i A 4,000 rs. O COrte.
tras, a 2,000 rs. : na rua do Crespo n. 6. Ni rua do (jueimado n 17, loja f o p da
siles autos que se ucabcm : na rua do Cres-
po n. 10.
i -- Vende-se urna cazinha, na rui da Man-
guoira da uoa Vista u. 30, por 350,000 rs., e
urna negra : a tratar na rua Direita n 14.
Vende-se una negra propria para o ser-
vico do quarquer caza do familia por saber
i'i'in e i/.nii .i na rua do Agas Verdes n. Si
.-o iina iu, ni vendo.
Para pugens. &
Vcndem-se chapeus cnvernisidos, ^
H gales de ouioo prals. e bulos de _
(i uiclal inane i o amarcllo, tudo da a)
4 uielhor qualidade : na loju de sir- a
{ m gueira, no paleo da matnzdo Santo *
Vendem-se bombas de repuxo, ^, Antonio. *
pndulas e picota para cacimba : I ******i***.s>.a>*
._ i, c r. -- Yeiideui-ae chumbo em paira, cabos
na rua do lirum ns. O, 8 e 10, d3 icn|10> e demanillia de lodas as grossu-
I iludirn de Ierro. ras, ede excellrnie qualidade, e gigos com
Vende-se superior cognac velho, em superior champangne, em casa de J. R. Los-
barna de 12 a 24 cauadas : na rua da Cruz 1 <"""e Companhia, na rua do Trapiche
n. 11.
Vcnde-sc farioha de Santa
Catharina a sete p,tacas cada urna
.saeea : no armazem de Antonio
AnneS) no caes da alfandega.
SapatOes de lustro a a,5oo, 3,ooo
e .>. H'O, o par.
No atierro da li.)a-Visla loj d caifa o n.
8, junio ao seleiro vende-sn s patOei de
lustro obra boa por 2.500, 3,000, rs. o 3,500
Bd'a,tas novas liancczas.
Vcndem-se Rigos com 16 a 18 libras de
batatas novas o de superior qualidade a
610 rs.: no caes da alfan lega, defronte das
escadiuhas, armazem deCuvcia < llias
Vendc-se, ou arrenila-sc um grande si-
tio, com nina grande casa, cochcira, estri-
baos, o bstanles aivoredcs de diversos
fiuclos : na estrada do Monleiro, na rua do
Cabuga n. 11, botica de Mor-irac; Fragoso,
Vendem-so seis parodias do cavallos do
carro, muilo bous, o mancos, um cavallo
de cabriol, grande, bolillo, manco, un
carro mui;o commodo para familia, o mui-
lo forte : na roa Nova n. 61.
Na rua do Queimalo, loja n 19, ven-
lem-se lencos de le la de lindos padres pi-
ra hombros do senhora a 1/280 rs dilos
para meni.o a 500 rs.
Esta iberia a loja da rua do Crespo n. 13,
o vendem-se as seguintes fazendas baratas :
Icncus de soda o.garca a 800 rs di'os de
sed c lila a 240 rs ditos de mullira com
bicua320 rs., ditos de cassi a 200 rs., ditos
azucs para tabaco a 140 rs., suspensorios a
100 rs. o par, bicos linos a 120 rs. a vara,
chales de lila lino a 1,280, 1,000, e 800 rs.
ditos de lila e seda a 3,000 rs., culotes de ve-
ludo a 640 rs., fustao a 320 rs chpeos de
sol de pannintio para homem a 1,200 rs., di-
tos |iara nicnina a 720 rs., c nutras muitas
fazendas por muilo diminuto pieco.
Vcndem-se na loja de Jos Joa-
qiiim Moreirac Companhia na
rua nova n. 8.
Micos sintiros do gu'gurfio para Sra. e
(ainbem livellas douradas para08 meamos,
luvas de pelira muilo frescas para menina.;,
lindas pulceiras d Illa com seus borlados
as ponas, qu serveui para srs. e meniuas,
requissimos bicoi han:os de lilonde, pro-
prios para tilhns do vestido de noiva ; ludo
por preco o mais em conta possivel.
-- Na rua das l.aranjeiras n. II, no segun-
do andar, semere ha uiuitos bous cscravus
para se vendern por preco mais barato do
que om outra parle, como sjm negras
miic-s com habilidades, negrotas, nogros
mofus, ptimos para qualquer traballio, e
nebros de meia idade, 6 rmilequesdn 8 a 14
anuos de idadi), todos mmtos lidos, e uu-
tos escravos.
VenJomae ricos lurbanlos, loucados e
vestidos de cassa, em c lochau, no atorro da Uoi-Vsla n. t.
Vendem-se 2 (landres com os compe-
tentes temos de medidas para vender-se
azeite, assim cojio uina meia pipa para de-
posiio do inesmo, como lampa e chave.ludo
por'prefo muilo commodo: ni rua Velha
n. 63.
Loteras do Rio.
Hilhetes das Ijtorias do Rio de Ja Miro
no palco do Collegio, casa do livro azul.
Vendem-se 10escravos, sendo um mu
leque crioulo, de idade 12 anuos, tres es
cravas mocas te bonitas figuras, entcnJom
Aso 2J:O00,0OO 10:000.000 4:006,000 2:00o
1:000,000 rs.
Ni loja da viuva Vieira FHtlOS, na rua
da Cadeia do Itecife n. 24. receberam pelo
vapoi inglez 7'eeivr, entrado na tardo de 21
do correle a lista da segn la loteria a be-
ueflcio do hospital da santa casa da miseri-
cordia da cidade de S. Jo3o de el-rei, c pelo
inesmo vapor vioram o acham-se a venda
os niui afortunados hilhetes e cllelas da
olera a beneficio da reconstruc-
clo do n no hospital de caudada da provin-
cia de Sania Calliarina, o da igrejj matriz
da villa do S. Jos, da qual loleria vem a
lista no primeiro vapor, e trocam-se por lii-
llietcs premiados das lolerias do Itio de Ja-
neiro e desla provincia.
-- Vende-so una negra moca, de linda
figura, com muito bom loilc, e com urna
criado 2 inezos muilo nutrida: na rua do
llozano, bija n. 22, segundo andar.
Cadeiras.
Vendem-se cadei-as para meninas no ar-
mazem do Kill, naiiii Irmios, na rui da
Cruz n. 10.
Tinta em oleo
brinca o wrde vndese no armnzom de
Kalkmano irmaos, rua da Crnzti. 10
EspeJIo de prede
com ricas molduras : venlcm-se no arma-
zem de Klknann I m.los,'rua da Cruz n. 10

min ilo Collegio ii. 1.
Novo sortimento di chapeos de sol, para
homem e senhora, asador :chapeos de
sol do seia, armai;ao de luleia, do 4,500 rs.
para cima; dilos ditos para senhora, de 4,000
rs. para cima ; ditos do panno lino, de ar-
mario de balcia e do ferro, de 1,600 a 3,200
rs. ; ditos ditos de armacSo de junco, de
1,200 a 1,800 rs., loloslimpos : grande sor-
timento de sedas e pannos, om pecas para
cob-ir os mesmos, baldas para vestidos e
espartilhos de salidoras. Concorlam-so to-
I :s_: s i|uali l.olcs de chapeos deso, tudo
com perfeico o por menos preco do que om
outra qualquer parte.
Chai utos de Uavana
i).) superior qualidade : vendem-so no ar-
mazem do Kilkmauu limaos, na rua da
Cruz n. 10.
Instrumentos de msica
Vendem-se em caza, de Kal-
kamanii Irmaos, rua da Cruz, n. i
os seguintes instrumentos de msi-
cas. Baixos de Harmonio, Trombo-
nos, Ciaras de chaves, ditos lizos.
Cornetas de chavc.t, ditas lizas,
Clarinetas, llantas, Pfanos, Za-
Lunibas, Caixas de guerra, Arcos
de Campainhas, Pralos, Viol5es fi-
nos e ordinarios.
Molduras douradas
de todas os larguras : ven Icm-s no arma-
zem do Kalll,rniinii irmjs, ruada Cruz, n. O
Vendo-so no armazem de Kilkinaund:
h mao-, na rua da Cruz n. 10, um grande
mu tmenlo de copos e calis de lodas as qua.
li Jadea, apparelhos completos do vi Jio, ap-
Escravos fgidos.
uesapparecou do engenho Caralnj a
taimo de Iguarassu o escravo cabra de Bu.
me Manuel, i|to, seco, lem urna ferida nu".
ma perna e he oflleial do sapateiro : roga-sa
pois aaauthori lado*, capitfles de campoe&
iue o pegarem de o remetieren! para aqoa|.
n engenho a seu Sr. ChristovSo Vieira ,l'c
MpIIo que tohciu o vende ae Ihe doom
por elle 650/000 rs o cscavo lio conhecido
pelo Sr. Dr. Manuel Clementino, pois loi di
casa de seu av, e se o mes-no ssiihor ou a|-
guomde sua la mili delle tiver nolicia, rogj.
se- Ihe o favor de avisar o seu s Mihor
Fugio no dia 8 do crreme do ungen lio
ion ando lia, o mulequ-. .Maun -I, crioulo, ds
idade 19 annns com os seguintns -un,,.,
altura inedia, cor bem pela, sobranceltias
vistas, o tambem prelas, assim como u bus.
SO apuntando, pOUCO cheio do Corpo, | trms
lortas para dent-o os pos Chatus, e os Jedos
giaudcs, bem abertos, o andar eahido par
dianie, ves i lo com camisa do riscado, e
ceroulas compridaa, e de nlgodSo : quera o
pegar ser bem re-.-o npensado levando
rua direita casa n. 71.
GrollicagSo di 20,000 rs.
Qimm pe^ar o muleque Manuel, escravo
de SobastiSo Marques do Nascime.nto, tendo
sido captivo de Cabriel Afl'onso llegueira,
a quem fui comprado, s-ndoodito escraro
oflleial do funileiro, de nacflo angola.de
idade pouco mais ou monos 28 annos, Um
os sigilaos seguinlts : cor fula, dousdonlsj
de incims na frente da parle de cima do la-
do osquordo, falto de uahlloa do lado os-
querdo, olhos pequenos, beifos grossos,
sem haiba, grosso do corpo, claro, levou
vestido camisa de madapolilo, jaqu-la de
riscado azul, cale i branca, levou urna trou-
Si de roupa com calcas e uina jaquela, ten-
do lugar a fuga no dia 8 di) corrente mez,
julga-se lersido seduzido ; portanio. desda
ja so protosta contra quem a liver em sea
poder : quem o pegar leva-o rua da Au-
ror i, loja de funileiro n 62.
-- Luiz, alto,. eci-o, cara com marcas de
betiga, barba poa bailo do qu.-ixo, olhos
um lauto espantados, levou vestido calca
branca, jaqueta pret, e chapeo de seda da
mesma cor. Este escravo lem citagiriadas
pernas signal de concille, desapparceu da
Sapucais, no dia 10 docorrent-, e tem sida
visto aqu no Itecife e em Olinda: quem o
pegar leve-o a Jacinlho Alfonso Uotelho era
seu sitio da Agoa-Fria que ser generosa-
mente recompensado.
Quarla-feirs, 17 do crrante, desspf i-
roceu do Beberibe, c tomou o deslino para
a cidade de Olinda pela estrada do forno di
cal, um preto marujn do nome Antonio, da
n.ir.Vi, de d,ul pouco mais ou menos de 10
annos, picado de bexigaa, he bem faraute,
segundo os tormos marujaes, levou camisi
e r ilga do algodSosinho americano azul, e
um chapeo oleado de copa baixa, o abas um
tanto largas, l'.-d --se aos Srs. da pobcii o
pessoas eurarrrogadas de matricula de na-
vios tola a vigilancia alim de nSo serem Ilu-
didos para a sua captura, assim como algu-
ma pessoa do povo ou capitfles de campo,
que senio generosamenle recompensados
do seu trabalho: na rua da Senzalla Velo,
terceiro andar da casa n. 119.
Da-se 5o.ooo.
A quem trouxer na praca da Indepadeocia
n. 17, a prcli Marta Joaquina, de idade de
30 a 40 anuos, de narilu congo, baixa, gor-
da, cor retinta, bexigosa, seio grande, lem
um signal de carne sobre o bico superior,
e he bastante ardilosa ; j fui escrava de
engenho. e ltimamente era quitandeira da
miudezas, desconlia-se que ande para >s
parles do sul, por estar acoslumada a andar
I o la vendendo, comuma crioula de noaio
l-Vlicuiade, de quem fui escrava, e consta
ter sida vista, na im .'oarflo de S. Amaro Ja-
huatfli : esta preta fugiano dii II de abril
de 1850.
Gratificarlo de 20,000 rs.
Quem pegar o muleque Manoel, escrayo
de s l>i-iiao Marques do Nnscimento, tenlo
sido captivo de Gabriel Alfonso llegueira, a
quem fui comprado, e sendo o dito escravo
oflleial de funleiro de nacflo Angola, de
idade 28 annos, pouco mais ou metios,o ten)
os signaes seguintes: cor fd'a, dous dente
de menos na frente, fallo de cabillos do la-
do esquerdo, olhos pequeos, beicos gros-
sos, st-m barba, grosso do corpo eb.ixo;
levou ostido jaqueta de riscalo azul, caira
branca, camisa de Madapolo, levou "''''-
trouxa de roupa com calcas e urna aqucti,
tendo lugar a fuga no dia 8 do correule
mez, cjulga-ao ter sido seduzido : portante
desde ja so protesta contra quem o liver etn
s.-u poder : quem o pogar leve-o rua da
Aurora, loja de fumloiro e. 62.
-- Esl fgido desde 26 de Agosto p.P
muleque Domingos, bolieiro, e sapateir",
crioulo, i lado 22 a 21 annos, pouca barba,
falla iirinso,111 .sea fumo, quando aula pare-
ce puchar por urna perna, o gusta de tocar
viola, lie liltiu do lugarUgoa-tortada
Villa do Limo airo, e foi do finado Vicente
Kerreira de Arru la a indi aiuda tem a ma '
he pruvavel que por la ande por quo foi vil-
la 110 Pan do Albo logo no segundo dii, o
estila inesmo por aquitrabalbaudo escondi-
do nalguma tonda Jo sapateiro, ou por si-
guen cillugi de negros, por ser muito de pa-
liiicadas. Roga-se a todas as ai.thoridades
e a qualquer pessoa quo delle soubor.a viseo)
aoabaixoassignado que recorapensjra beni:
noaltrro da B ja-Vista n.10 ou uos AIToga-
dos cilio p.-gado igrej de S. Miguel.
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGJ6ZBMFD_UVSODL INGEST_TIME 2013-04-26T23:30:00Z PACKAGE AA00011611_07591
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES