Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07503


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXVI
Sabbado 6
MUTIOAI DOS OOBBZ1M,
Golnna e Parahiba, segundas esextai feira.
Hin-Orande-dn-Norte, quintal felrafjao meio-
r di*.
Cabo, SerinliSem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
e Idacei, no 1., a 11, e 2! de cada mez.
Garanbum e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vlitt e Flore, a 13 e 28.
Victoria, as quintal feira.
Oliuda, todoa oa diai.
HIng. a 2, al 3 h. e 38 m. da t.
Nora a9.ioi7m.dat.
Creic.al6,s4h.el2.u. dan.
Chela a 24, as 3 h. e 4 in. da m.
I-HEAMAB. DX BT.OJI.
Primelra at 2 e 6 minutos da tarde.
Segunda ai i e 30 minuto* da manbaa.
de Julho rfp I8&0.
wmiqtm da suasoRia-pAo.
Por tres i.iezes (urwHlaa'oi) 4/0001
Porselimezei 8/000 f
Pf u anno a____15/000]
da da iuajta
1 Srg. S. Theodorico. Aud. do J. doa orf. e m 1. v
2 Tere. Viailaco. deN. S. Aud. do chae, du
J. da 1. r. do cir. e do do feilos da faxenda.
3 Quart. S. Jacintlio. Aud. do J. da 2. v. do civel.
4 Qulnt. S. Isabel Aud. do J. dos orf. edom.
d. 1. i
5 Seat S. Alhanazio. And. do J. da l. v. do civ. e
dos feltoa da faseoda.
6 Sab. S. Domingas. Aud. da Chae, e do J. da
2. v. do crime. Laaaaal
7 Uom. S. Pulquera'
y. 149.
CAMBIOS KM 5 DI J01MO.
Sobre'Loodres. 26/, a 27 d. por 1/000 r. a 00 dlai.
Part, 346.
Lisboa, 105 por cento.
r. Oneai heipanhoes......... 29/TOO a 29/50*
Moeda* de 6J4O0velhai.. 16/500 a 16/700
de 6/400novas.. 16/101) a 16*200
. de i/000........... 9/100 a 9/200
/'rio.-Patao5ei braiilelroa...... flM a 2/000
Pesoicolumnarlos....... 1/880 a 2/000
Ditos mexicanos........ 1/820 a 1/840
iMBpawaaaasooi
PARTE 0FFICU1.
GVERNODA PROVINCIA.
LE N. 262.
Jos Ildefonso do Souza nmos, presi-
ente da provincia de Pernambuco. Fago
ber sos seus habitantes, que a assem-
la legislativa provincial decretou, e eu
necionei i le seguinle i
Artigo nico. F'ca approvado o compro-
isso da irmandado do Santissimo Sacra-
enlo erecta na matriz da freguezia de
niii AntSo na cidade da Victoria, con) as
Iteraees o inodlicages finias pelo prela-
o lioccesanoa fcllias 18 do mesmo coni-
romisso.
Ficam revogadas as disposicoes en con-
r0.
Mando, porlanto, a todas as autoridades
uero oconhecimento eexecuQo da referi-
a laLpajtteiin'' que a cumpram o facam
o inteiramonte como nella se
Sm!. ,0 secretario interino da provin-
ia a faca imprimir, publicar e correr. Ci-
ada do Itecife de Pernambuco, ao primei-
ro de julho de mil oitocentos e cincoenta,
vigesimo-iiono da independencia e do im-
erio.
L. S. Jos Ildefonso de Sorna Rainot.
Carta de lei pela qual V. Exc. manda aten-
tar o decreto da assembla legislativa provin-
cial, que sunecionou, apprcvando o compro-
mina da ir mandado do SS. Sacramento da
malrit da'freguezia dt Santo-Anido, na for-
ma (tima declarada.
Para V. Exc ver.
Manoel Jote M'rlins Ribeiro a fez.
Sellada e publicada nosta secretaria da
provincia de Pernambuco, aos 9 do julho
de 185.
Antonio Franelseo Pirtira de Carvalho.
Registrada a 0. do livro segundo dejis
provinciaes. Secretaria da provincia de
Pernambuco, S de julho de 1850.
Jodo Polycarpo dos Santos Campos.
LEIN. 26S.
Jos Ildefonso de Souza Ramos, presi-
dente da provincia ,dfi Pernamloieo. Paco
saber a todos os seus lialiil.nl.-s que a as-
scinbla legislativa provincial decretou, e
eu sanecionei a leiguiul.i :
Artigo I. Fie o ((residente da provincia,
autorisadoa despeeder pela renda do ex-
oxercicio do 1850 a 1851, com o pagamento
da divida pnsiva que consta das tabellas
presentadas pela thesouraria da fazenda
provincial, incluindo onze mil cento e dez
re*" que so deve a Joaquim Clemente de
l.emos Uarte, o duzontos o quarenta e
o oito mil oitocentos oitenta o oito ris
ao ex-*ecretario do lycu Jolo Facundo
da Silva Cuimarfies, seis contos duzentos
vintee quatro mil setecentos e cincoenta
rcis.
Art. %. A cont- da despeza sutorisada
por esta lei ser dada quando se der as do
exorcicio a quo ella pcrlcncer.
Art. S. Ficam revogadis as Iciiedispo-
sicOes ein contrario.
liando, porlanto, a loilisasiutorida les a
quem o conhecimento e execuco da refe-
rida lei pertencer que a cumpram e fa-
qaia cumprir Uo iiieiramente como nella
seconlm. O secretario interino da pro-
vincia a faca imprimir, publicar e correr.
Cidade do Itecife de Pernambuco, ao pri-
ineiro de julho de 1850, vig'usimo-nono da
indeptmdencis e do imperio.
L. S. Jos Ildefonso de Souta llamas
Carta de le pela qual V. Exc. naandu
extmlar o decreto da nssembUa legislativa
provincial, que resolveu sancetonar, uutori-
sando o presidente da prevnola a dttpender
ptla randa do exercicio de 1850 a 1851 seis
ionios ntenlos e vlnle e quatro mil eeleeintoi
e cincoenta ris, com o pagamento da divid
passiva que consta dus tabellas' presentadas
pela thesouraria.da (aseada provincial, sendo
dadas as contas desea despeta quando ofiem
us do exercicio a que ella pertenee.
Pan V. Exc. vor.
Domingos los Stares a fez.
Sellada publicada ueste secetrria da
irovineis de Pernambuco, aos 3 de julho de
850.
Antonio Francisco Pereira de Carvalho.
Registrada a ti. do livro segundo deleis
irovinciaes. Seeiciara do governo da oro-
vincia de i'eniauiiuco, o ue junio de 1580.
Jodo Polycarpo des Santos Campos.
EXPEDIENTE DO DIA 10 DE JU.NHO.
Oflicio.Ao Exm.-presidente da provin-
cia do MaranhBo, declarando que, segundo
oi informado pelo inspector da pagador
mililar.o cominamlaute do quinto batalhAo
de fuzileiroi nflo tero aqu lirado a cousig-
nacflo para ferdamenlo das praessdo mes-
mo batalhao, quo sa aohain en servico'
naquella provincia e na do l'iauliy
ilO.AoTonsul ila-repblica Iranceza -
ACCUSO recebidoo ollicin do V.S. com a data
de8 do correnle,emque V.S. reclama desla
I 'residencia a expodieflo do ordena ao juz
de orpnfls do termo desta cidade, paro que
mande pagar-lbe i custa da heranca deixa-
da pela finada Anais lledier a quaatia de
125,000ri, inipoi sela paga peio cunsu-
ldo fruncen i uVsaoa encarregada de guar-
dar os bcos da dila finada na uccasiao ero
que Ibes poz sellos na supposigao de per-
lenror-lhe soa arrecadacao e administra-
dlo ; e em respoata tenho de dizer a V. S.,
que to juiz deorphSoi.eom recurso para os
tribunaos superiores, deve V S. requerer o
dito pagamento, por nSo caber ns aleada
desla presidencia o ordenar actos que silo
de competencia do poder judicciario, inde-
pendente pela constituido do estado; sem
que psra a intervencao, por V. 8. solicita-
da, aproveitem os precedentes annntados
das decisOcs lomadas por esta presidencia
acerca da competencia do juiz de orphBos
tiara inventariar os bens do finido francez
Desenclos em ouUa occssiSo, e agora os da
(nada Anais Dedjer ; porqnanto esclafjcer
os juizes sobre o limites de sua jurisdic-
go as vistas de evitar conflictos, cuja de-
cisSo compete esta presidencia, he muito
diverso de pralicar actos coinmeltfdos ex-
oressamente pela legislai;ao do paiz a um
poder indopendenle, e, o que hemais anda,
>re'.rido ;! diligencias e foroialilad.
pela mesma exigidas para o caso Apenas
me cabe recommen lar em generalidade que
se observe fielmente a loi em ordem a se
rfazer s partes justica inteira, e assim o
pralico no prsenle caso, como ver V. S
da copia inclusa, com o que se convenori
'le queattendi do modo possivel i sua re-
clamacflo, deixando de avaliar as rasdes em
qua V. S. fondn o direilo ao exigido paga-
mento; porquo.como dito fici.nSo me com-
pete derisilo a respeilo.Remetteu-se copia
do oflicio cima ao juiz de orph5os do ter-
mo desta cidade.
Dito -.-Ao inspector da thesouraria da fa-
zenda provincial, para que mande pagar ao
engenhero chefe da terceira secc-lo das
obras|publicas,ll A., Milet a quantia de ris
I07,960em que importam as despezas por
elle feitas com a abertura do novo leilo do
riacho da Cachaga.--lnteirou-.se o enge-
genheiro director das obras publicas.
Hito.Ao mesmo, para mandar adsntir
io engenhero chefe da terceira seccJe das
obras publicas, II. A.Milet, a quantia daris
600,000, a (i ni de po.ir continuar a destruir
urna pedreira encontrada as escavaefles do
lecimo-sexto Ubco di estrada da Victoria
. Inlelligenciou-se o engenhero director
Jas obras publicas.
Dito.Ao juiz municipal do termo de Goi-
anna.--.\ duvida por|Vrac.proposta em oflicio
lo mez prximo passido-se lev reunir-se o
conceibo municipal, nao obstante nSo ter
havido recurso algum eslt resolvida afllr
iiiativaHbnte pelo governo imperial noi
avisos de 6 de rbril de 18*7 2, 3 e 10 de
maio de 18*9; e, portento, cumpre que Vmc.
convoque o dito concelho para a segunda
lominga deppis da recepeo deste : preve-
nindo-o de que o dito conselho se dover
co.iiervar .reunido durante todo o lempo
presclpto na lei.
DEM DO DIA t.
Oflicio. Ao commanlrante da armas, inlel-
rando-o de que pode mandar aisentar praca
como voluntarlo na coniponhia de artillen ao
paisano Cyrillo Goncalves Uibciro; cerlo deque
lein arbitrado ao mesmo paiano a gralilicacao
de 60,000 ra lendo 30,000 rs. pagos a vista, e o
resto em preslacdea inensaes de 10,000 rs.
Scicntilicou-ie o Inspector da pagadoria mi-
litar.
Dilo. Ao mesmo, declarando que pode
mandar asientar praca com > voluntario em um
dos corpos da guarnicSo delta cidade ao paisa-
no Nicolao Marques liispn.pelo que Ibe tem ar-
bitrado agratlficaco de 60,000 rs sendo 30,000
[i. pagoa a vina.e o reato em preitacdei me-
les de 10,000 rs. Communicou-ie ao inipec-
tor da pagadoria militar.
. Do. Ao inspector da thesouraria de fa-
Z'Mida, intelrando-o de ter concedido ao admi
platradordo crrelo delta cidade Antonio Jos
Gomes do Crrelo tres inezes de liceoca com
iodos os seus vencitnentos para tratar de sua
laude fra da provincia.
Dito. Aojua relator da junta de juslica,
frausmiitindo.para depois de visto ser apresen-
lado em seaiia da mrsma Juiitaao proceno ver-
pal feilo ao soldado da companbla Baa de ca-
vallaria desla provincia tuis de Franca Barbo-
sa. P mas
lito. Ao chefe de polica, communicando
3ue, segundo constOu de oflicio do coinman-
ante do patacho Plrapama, exilie a sen bordo
um preso que velo da ilha de Fernando dis-
posicao de S. iho. Sciehtincou-sa o iospec-
lur do arienal de marinha.
Dilo. A o inspector da pagadoria inllilar, -
ttespondendo ao oflicio de 8 do corrente em que
Viuc. Irata da remeisa de farinhae dinheiro
para a ilha de femando, tenbo a declarar Ihe
que deve observar a respeilo e pela maneira In-
dicada em o citado oflicio as ordens que Vni
abi se refere, e que Ihe foianienderecadaspelo
jnen antecesor ; ncando certo de que nena da-
te espedi ordein ao couimaodanle do patacho
Pirapam* aflu de partir para aquella Ilha no
da 15 do correnle eniendenilo-t* nrim*>-
ente com Vine, acerca do embarque doa 300
Iquelre de farinha que deixarain de ser co-
lados para alll.e do recebliuenio do 15:658,051
ra. que deve Vine, remetler por cautela para
pagamento da tropa de linha e daa praca sen-
tenciadas existenteiu'aquelle prasidio. Nesle
senli'lo officlou-se ao iuspector do arsenal de
anarinba e ao commandanle do patacho fira -
amo.
i Dito. Ao inspector do arsenal de marinha,
para que mande entregar ao commandanle do
brigue-eaeuna legeUded as pracas da corveta
Januarii, que licaram por doentes e se achain
em estado de prestar servico.-- IntelroH-se ao
comiiiaiidanle do referido brteup.
Dito. Ao juis municipal da prlineira vara,
para faier seguir no patacho /'tafease, que
tem de partir para a ilha de Fernando no dia
16 do corrente, os presos que atli dvem cum-
prir suas senlencai. Nesle sentido ofliciou-
tt ao juiz municipal da segunda vara.
\ Portara. Nomeando prlmeiro .upplentr
da aubdelegado da freguezia*de Tejucupapo *
amonio Ferreira de Agular. -flnnltlro
se ao chefe de pqllcia.
Commaiulo das armas.
Quarlel general na villa a"AgoaPrtla 8 de
maio de 1850.
OREDM DO DtA N. 33.
O mireohal decampo graduado Antonio
Correia Sera, commandle das armas desta
nrovincia, msn la publicar para que tenha
levida cxcuc3o o art. 7 do plano para a
organisscSo do corpo destde do exercito,
ipprovado pelo decreto n. 01 de t de
ahril do anno passado; e de termina que
dora avante os cirurgiocs-mores e oirur-
gides-ajudanles dos corpos de linha, sejam
nos mappas, relac^lea, e outros papis de-
nomina lof no sentido do referido srt. 7.
Os setuses cirurgifles-mores dos corpos
passarSo a denominar-se primeiros clrur-
sio, a oa cirurgies-ajudante, segundos
cirurglSes.
Ttmoled Peres de Albuquerque Haranhio,
alfrez sjudante deordons.
PE.< NAMBCO
i. as.a.1- ii lm ii.s,i..>-........,
CAtfAxtA "M0N1CIPA1 DOfiECIFE.
SSSSA0 KXTntoiDiNAau DI 22 DI JONMO
os 1850.
Presidencia doSr. Oliveira.
Presentes os Srs. Mamede, Carneiro Mon-
teiro, Moraes, Pires Ferreira e Henriques da
Silva, faltando com causs os msis Srs. abri-
se a sesso, o fui Ii Ja e approvsda a acta da
antecedente.
Foi lido o seguinle expediente:
Um oflicio do fiscal do bairro do Recita,
pedindo se msndasse satisfszer so rrur-
g5o Jos Antonio Marques a nnnri,-. de rs.
16,000 de cincoeorridss de sade, que oom
elle tlzers em novembro e do/eni hrn do an-
no passado, e em Janeiro do corrente.
Mandou-sepsgar.
Outro do contador, participando ter dei-
xsdo de averbar as folhas que Ihe foram a-
presentsdss, da despeza feits pelo fiscal do
bairro do Recife con a limpess dss rius do
mesmo bairro, pos mezes de Janeiro maio,
ns importancia de 181,120 rs. por mal che-
gar o restante da respecliva quota para esta
e a seguinle semana, eque issim houvesse
acamara de providenciar sobre isto, bem
como a respeilo d maneira porque dever
sustentar-se este servico nos tres meses
qae fallain pera ulilrnar-se o anno munici-
pal corrente Que averbssse dita despeza
sOb o restante da quots respectiva, elevando
oque faltar a de eventuaes, (cando sobres-
tada a limpeza de ras.
Requereodoo Sr. vareador Heoriques da
Silva se ohrigasse o sjudante do porteiro
Francisco Jos Alves Gama a comparecer,
ou do contrario se Ihe desse demissSo, visto
Juetem deixalo de comparecer ha quasi
ous mezes, sem partcipsco algum*. deli-
berou a cmara s Ihe ofllciasse, estranhan-
do semelhsnte procedimento, e determinsn-
do-lhe que compsreca.
A requerimento do Sr. vereador Carneiro
Monteiro, delermnou a cmara se recom-
mendasse aos Aseses desta cidade a del ob-
servancia do disposto no art. 6. til. 6 dss
posturas em vigor, nos das 23 e 24 do cor-
TJlBELEitt eoiii|iiti-ativn do renjliuu alo da alfiindeg de Per-
nambuco, no anno financeiro de 1S49 a 1850eom
o do* quatro 11:1110* ul timo*, desde qae foram elevados
o din itos qne actnnlinente *e. percebem pelo decreto
e refiilituientode Vk\r, agosto de 1844.
***
VI
Julho. ,
Agosto. .
Setembro.
Oulubro.
Novembro.
Dezcinbro.
Janeiro. .
Fevereiro.
Marco. .
Abril.
Haio. .
Junlio. .
Restiluides
Termo medio
do rendiuiento
uieinal .
laUS a 1U*
198:i80/5lft
32i:954/566
2*8:107/475
371.5.W220
311^63/39*
33l:8!l8/;7l
356:33*|78*
377:068/840
196:992/445
293:003/760
311:840/952
309:3^8/910
3:532:460 154
5 974.529
3:526 485/625
293:873/802
18*8 1849 1*47 184*
162:7678590
181:2001663
126:979/432
198:731/1)89
145:793/394
152:840^798
165:877/535
Il2:705i9l3
S67:973|l07
251:151/556
278:169(1178
210:251/723
2:254:44* 868
2:841/967
199.343/140
138.702/127
160:931/022
25I:2S*/U85
2O8,63l/T>0l
l86:338/:t6l
160:418/257
159:820/952
l74:69*'/004
98:189/806
234:477/848
102:255*417
2:075:05717283
2:403/534
2:251:6021-901 2:072:653/749
187:6331575
172:721/146
1846 a 18*7 1MB 1848
148:551616
167:715/934
211:998*562
150:211/122
193:533/568
207:403/233
272:889/853
209:709/79.".
168:040/228
193:389#I46
179.103/556
152.576/201
2:255:122/894
2:952/293
2:252170/601
187:680/883
144:383/854
148:446/616
88:7841327
19ft:703JrJ38
184.-479/961
149:926/743
227:690*129
100:447/406
187:414/542
233:168*833
173:220/081
132:416/181
1:957.082/311
2:095/347
1:954:988/964
162:915/580
2:132:853/553
1:393*32/072
Termo medio do rendimento annual nos ltimos quatro anuos. .
Diflereoca para mais comparado o rendimento como do termo me-
dio dos ltimosqualro anuo..........'.....
DIBerenea para mais couiparade o rendimento, com o do anno fi-
nanceiro aotecedenle...................... 1:274:882/724
Alfandrgade Pernambuco, 28 de juoho de 1850.
O inspector, O cscrivo,
Luis Anlenio te Sansaio Tianna. ututo los Fernanda Barros.
rente, bem como, que se ofllciasse ao dele-
gdo do primeiro districto deste termo, pa-
ra coadjuva-los nessas nnites com a poli-
ca militar, pondo a disposico de cada ubi,
oo mais prarjas do corpo de polica.
A requerimento do mesmo vereador, ten-
do a cmara pergunlado verbslmente aosee
procurador se tinhs entontado accSo em jui-
zo contra Gaspar Adolfo por ter infringido
as posturss na edilicacSo que est fszendo
ni ra Nova, respondeo quetinha do infrac-
tor recebido a multa que Ihe foi imposta
pelo respectivo fiscal; masque nSo linha
udicialmeotp proceldo contra elle.
O Sr. vereador fljnriques da Silva fez o se-
guinte requerimento que foi approvado.
Itequero que se pessa informac9o ao
advogado, ou aquem competir do numero
dascausis que tem esta cmara em jui/o,
contra quem, e o estado em que se acham
Htnriques da Slloa.t
Autorlsou-se ao procurador a contratar
com quem por menos fi/.er, a demolc3o do
urnas paredes em rescaldo,na travessa do Vi-
gario, que foram desspropriadas por esta
cmara i Felicia Mara Benedicta, e por
quem msis der, a venda dos materiaes ve-
Ihos, com a condiccSode serem estes logo
removidos.
Mandou-se remetter ao advogado o titulo
do terreno de marinhs que tem esta cma-
ra, existente no Tundo da igreja do Pilar, da
partede leste, onde tem edificado Joaquim
Ignacio de Carvalho Mendonc, sfim deque
pelos meios lega*!, trate de leivindlcacSo
do mesmo terreno.
O Sr. vereador presidentedeclarou que
lendo se entendido com o inspector do ar-
senal de marinha, este Ihe prometiera alar-
gar msis a ra entre o mesmo arsenal, e o
caes que est mandsndo construir, fazen-
docom que recue o caes msis dez palmos,
fleando por consequencia a insuma ra com
cincoenta.
Declarou mais que tendo hontem, em vr-
tude da ordem desta cmara iberto com os
demais chaviculsrios, o cofre da munlcipa-
lidade, nelleachsvs a quantia de 11:499,330
ra que guardara em seu poder em quanto
se Iranferia dito cofre; sen lo em notas rs.
4:820,000 e em lettras, inclusive um* de
205,000 rs. de Joaqoim Fernandes de Aze-
vedo, ja vencida e paga, 6:679,330 rs. e quo
tendo hoje entregue so procurador a referi-
da letlra vencida, a quantia de 500,000 rs.
para a obra do aqueduclo do paleo do Car-
oso, i a Jofto da Costa Lima Jnior, a de rs.
200,000 importancia do deposito que fuera
no mesmo cofre, que por mandado do juiz
competente fora levantado, ficava por con-
seguate om seu poder, al que se flzesse
oovu cadeado para o cofre, em subsliluicHo
ao que se quebrou ns conduceflo delle rs,
10:594,330, em nulas e em lettras.
Compareceu Octviano de Souza Franca e
prestou juramento do cargo de juiz de paz
do segundo districto de S.-Lourenco-da-
Matta, por proco rae" que apresentou de'
JoRo Dias Carvalho de Albuqnerque, e loran-
lou-s a sesslo.
Eu, Manotl Ferreira Accioli, secretario in-
terino a ascrevi.
Declaro em lempo que o Sr. veresdor pre-
sidente disse tambera que o inspector do
arsenal de marinha prometiera alargar mais
a travessa que conduz ao trapiche novo,
que tendo actualmente doze pemos, flesra
com quarenta. Oiiteira, presidente.Ma-
mede. Carneiro Monteiro. Moraes. Fe -
retra.
IlJl.YMti.JlMJ.YTO da mesa do consolado desVsV cidade nos anuos flnanceiroa de 1838 a 1839,
inri u*l ve at o de 18 49- a 1844, eompnrado com o de 1844 a,l84ft, lnelnsl-
ve at o de J849 a isr.o; sendo os ltimos sel* anuos sb a administraran do
actual adminixtrndor.
1838
1839
1840
1841
1842
1S43
DE
a 1839
a 1840
a 1841
a 1842
a 1843
a 1844
Reii
Rendimento
geral delta
.provincia.
53K:960f364
523:732435
46:235I747
307:140/031
489:6311952
488:782/054
932:482/583
Diziino
de diversas
provincias.
28:084/888
18:85#354
14:452/966
12712/560
17:378/482
15372/413
106.866/672
TOTAL.
567:045/292
542;5t/780
510:688/713
409.-852/600
507:010/434
502:154/467
3,039:343/255
SEMOMSTOAflo.
Desde 1838 a 1830 ate 1843 a 1844......
de 1844 a 1845 at 1849 a 1850......
Dille-renca a favor do* ltimos seis annoa .
sznoo :
No rendimento geral deita provincia .
No dizimo de diversas provincia*......
Somma .
3.030:3431255
3,705:846/196
668:5621941
641:065/801
25:437/340
666.502/941
DE
1844
1845
1846
1847
1848
1849
1845
1846
1847
1848
1849
1850
Rendimento
geral delta
provincia.
Ris
543:991/226
558:478*912
549:016*355
569:193/596
746:682/305
606:185/790
3,573:548/184
Ditlrao
dediversas
provincias.
12:985/521
16:717/062
14:926*5111
26:153*524
32:782/940
28:7321465
132:298/012
TOTAL.
556:976/747
575:195/964
563:942/865
595347/120
779:465|245
634:918/255
3,705:846/196
Mesa do consulado de Pernambuco, 1.* de jumo de 1850. .
O administrador
Jodo Xavier Carneiro da Cunha.
O Eacrfrio
Jaoem* Gerardo Mara LutnaehUf Melle.
Communicado.
VIVA A PROVINCfA DE PERHAHBUCO! ^
HONfeA AO Eturro DOPOVO 1
llcje ao meio-dia, o III. e Eim. Sr.
Franci*M do Hago BervesHMrlo da B6a-
Vists, a senador do imperio, tesa, de embar-
car para a corte no vapor Bahiaa.: S. Exc.
: :-----------9r
sahir da cass de sus residencia na ra da
Aurora ; e pois, convd*-se a todos os seos
amigos, a todos os seus alliados polticos,
ou em resumo, a todos os pernambucanos;
i orque lodos os pernambucanos so seos
auiigs, de o irm anompsnhar ateo lugar
do caes do Collegio onde tem de embarcar,
afim de daten-um completo lusimento a
pompa com que alguns amigos tem iode-
resMdo o embarque Je S. Bxc.
He o ultimo, e irrecusavel testemunho pu-
blico consagrado so peruambuesoo pbilsn-
tropo, illustrado e
buesno digno da ov.
Honra ao elelto do povo '
O pernsm-
sua patria.
Segu boje no vapor ffafcian para a corte do
Rlo-de-Jaoeiro o ooaso muito digno patricio o
Kiin. Sr. bario da liria-Villa, vai oceupar ana
cadeira no leado braiileiro o hroe pernatn-
bucano, vai representar na cmara vitalicia es-
ta provincia, onde elle pela vea primelra vlr
ralar a laz do lol; sim esta provincia a qua-
prestou o nobre bario os mais relevaste* ier-



vlc.01,; pila qual tem aacrlflcado em todoi os
periodos da sua existencia seo repnuso.sua forl
tuna, e sua vida. Agora que o novo pernam-
bucano rasgando a venda da llliiso, ciim que
o genio do mal por alguna annoa Ihe encobrio
a risonha imagem da verdade, pagou o tributo
de gratidan devldo de justica ao raro mereci-
inemo do uobre barao, delxa elle ana chara ea-
poaa, aeui tenros filho, aeui Hela amigos para
ir no centro da representacao nacional defen-
der tnais deperto o tlirono imperial, a integri-
dade do imperio. Tingar os ultrages feitos a
cnnitiuiicao, e promover os interesses da pro-
vincia, ondenasceu.
Nao he preciso rememorar um a um dos seua
servicos, elles alo todos contemporneos, e'n.o
po'dem ser contestados, senas pelo grito horr-
sono da inrrja, pela lingoa mordaz da calum-
nia, e pela penna prostituida de particulares e
mcqulnlios interesses. Mala alto do que nos
sjlsuj os Tactos. 0 palacio da presidencia, a
nllaodeg.i, o caes do Collegio, a ponte pensil do
CaSasrg, essasestradas que sedirigem para to-
dos os ngulos da provincia, o Iheatro de San-
ta-Isabel, o aqueducto do prata, esobretudo a
prosperldade do commeicin no trmpo de sua
adtiiinUtracao provincial, a paz e a tranquilti-
dade que reinaran) nesaes bellos dias eutre to-
dos os Pernambucauos, sao os (rmlssimos, In-
destructlveii allcercrs, sobre que o Kzin. Sr.
bario da Boa-Vista levantou o magnifico edifi-
cio de sua interinlnarel gloria.
Entretanto nosc circuinscreverain estes re-
levantisslinos servicos smente a esta provin-
cia, elles se estenderam a todo o Imperio. Quan-
d o volcao terrivel da revolta rebeotou em
1841 na provincia do Rio-Grande do sul, e lau-
cn suas inflaininadas lavas al as provincias
da Bshia, Maranho e Para, quando o throno
imperial se vio asslm abalado por quasi todo o
lit.isil, e algumas prorincias se conservavatn
mid's espectadoras desaas sernas de sangue, o
x'.iiii. Sr. barao da lla-Vista fiel ao governo Im-
perial, inteiramente votado ao monarcha bra-
sileiro, dedicado aobeiu de seu paiz nao pode
soflrer eom indiferenca o> males que alligiain
sua chara patria, coin a maior presteza fez par-
tir para ease pontos do Uia.il fortes pedi-
eres militares seguro de que apparecendo nos
campos de alarte aaphallanges pernambucanjs
certa era a victoria, seguro era o inais coui-
pleto triutnpbo, e os feliies successos reatlsa-
lam todas essas lizongeiras esperanzas. Koi en-
t.lii que iniseraveis aveutureiros, verdadeiros
saltinb.iiicos polticos ralados pela inveja de
tanta gloria do nosso hroe, bramindo de raiva
(ingratos!....) pretendern! obscurecer u liri-
llianlismo de to heroicos fados, mas vlratu
malogrados os seas per versos inteotos por urna
voz poderusa que se levantou no meio do seua -
do brasilelro, e fez ourir o seu echo forte e vi-
goroso at misino fura do Brasil: foi nesss po-
ca memorave! para osannaesde Pernambuco,
que urna das maiores capacidades braslleira, o
senador Bernardo Pereira de Vasconcellos, cu-
ja perda lamenta o Brasil, e lamentar sempre,
apreciando to patriticos servicos, fez ouvlr
estas consoladoras expresarles. A integridade
do imperio, a estabiUdade do throno imperial,
a paz das provincias, a felicidade do norte do
Brasil, ludo, tudo he devldo ao zelo incancavcl,
ao proverbial patriotismo do Ksm. Sr. barao
da Ba-Visia, tudo istu elle fes quando o cofre
das graeaa eram fechados, e o fez smente por
vrrdadelro patriotismo. Nada oais se pode
dizer.
Releva, porm, notar que aeleicao do nobre
bario da Boa-Vista Ihe he anda inulto mais
honrosa pelas suas cii cumstancias. Ouas vezes,
sabe-o a provincia, sabe-o todo o Brasil, duas
vesesopovo perumbucano fascinado pelas pa
lavras adocicadas de traficantes polticos, op-
primldo com o enorme peso de urna ferrenba
alomlnaco delsou esquecer, ou antes abafou o
sentimenlo de gratidao, esqueceu os servicos
do nobre barao, e seu verdadrlro patriotismo,
e o arredou das urnas eleiloraes: duas vezes a
providencia divina, que seuipre -velou e vela
pelos Frrnaiiibucanos, inspirou ao senado a re-
provaco de e letces feius sb a influencia do
terror, e da forca bruta. Dissiparam-se as nu-
vens pretasque obscureciain o ameno, risouhM
co pernambucauo, nova idade, Idade de ouro
uasce para o Brasil, e o povo livre no pleno ej-
ercicio de seus direitos nao hesita um so ins-
tante em dar os seus sull'ragios aquelle que
mais que nenhuin outro mereca. Cumpre an-
da advertir que na lula sxtupla, em que usu-
rara o iiome respeilavel do nobre barao da
Boa-Vista, nao se leam a seu lado os noines de
claco nullidades, leam-se sim os nomes de mais
cinco Pernambucanoi recomineudaveis por
sitas luzes c virtudes cvicas, e nuda mais rc-
coinmendavets por seus servicos prestados sem-
pre em prol da patria; medite o publico rus-
ta circunstancia, e conhecer quao acertada, e
de quanta importancia loi a escolha do monar-
cha.
S. Kc o Sr barao da Boa-Vista embarca u
ineio dia no caea do Collegio.
lde patriota verdadeiro, Pernambucano fiel,
ide desempenbar a importante utissao de que
vos encarregarain vosso* patricios,justos apre-
ciadores do voaso incontestavel inerecimento,
se oossas lagrimas boje carrea citadas pela
aaudade, ellas um dia correrao pelo praser de
vos abracarmos no vosso regresso: os ventos
vos sejain fivorareis, oa marra bonanzosos;
lde que nos iicamos fazendo votos a Providen-
cia Divina pela vossa sade, e apreciavel vida,
e pela prosperldade de f ossa nobre familia.
'ublicMijao a pedido.
Illm. V.xm. Sr.Diz JoSo da Costa Palma-
que a bem seu precisa queV. Exe. Ihe man'
de certificar pelo ofllcial competente, d mo-
tivo porque Tora preso erecolhidoa bordo
ila corveta Euitrp, o soldado do corpo de
polica Manoel Loureiico Cezar.I'ede V.
Exc. assim Ihe delira.E receber merc
Joio da Coila Palma.
Cerlifique-se. Palacio do governo de Per-
nambuco, 31 de mato de 1850. Sonsa
Rumos. '
Em cumprimento do despacho retro. Cer-
tifico que no dia 20 de dezembro do anno
lindo foi detnittiilo do corpo de polica e re-
mettido como recruta para bordo da corve-
ta Januaiia, Manoel l.ourcnfo Cezar de Mel-
lo, por ter o seu respectivo commandante
por oilicio daquelln dala representado an
Kxm Sr.' presidente da provincia, que a-
quelle individuo era de mi conducta e in-
i'i'tiso ao governo.
E para que o referido conste onde I he con-
vier, paasei a presente nests secretaria do
governo da provincia de Pernambuco, abs
10 dias do mez dejunho do 1850.
2
VaKIEaDK.
-'orrt'Bpoi. delicia.
Sr*. redactores. Penhorado pelo acto po-
licial, que vi o Illm. Sr Francisco Baptista
de Almeida desenvolver na qualidade de
multo digno supplente de subdelegado ds
freguezia de S.-Jos, que enlSo eslava em
exercieio, venho dar puhlicidade ao facto
acontecido para o publico conhecer de
quanto se faz credor aquelle eximio ci
dad 9o.
I'asssvs eu no dia 29 do mez prximo pss-
sado as 10 horas da noite pelo lugar das
Cinco-Ponas, e vi que um tal l.uiz Floren-
cio, i or sntonomszis Lutz da Casa-Forte,
spaucava desapiadadamente i Joaquim
Jos do Espirito Santo, e tendo sido este
acontecirnenlo levado ao conhecimento
ut^uvuv inuaim viuuuO, C udj l'epiUatlO
as mesmas horas sabir para exercer as
funccOcs inherentes seu cargo, elle rapi
do, e velozmente apparece, e enrontra o
criminoso ainds proseguindo no atteotadn,
da-ltie voz de prisSo, assim como ao seu
assecla, loau-llies os instrumentos, que
furia urna espada e ama faca, e reslitue fi
mmenle una infeliz fmils o seu hon-
rado chafe, o que por certo leris de ve-lo
Masillado, ge o Illm, Sr. Almeida nao sr
preslasse com a sua presurosa e curial pre-
setic-,
Receba portamos Illm. Sr. Baptista de
Almeida os seriosTO-Comios, e expressoe-
de grsti'IRo de quetn sabe devidamenle
apreciar o ment, eos Petnambucvnos pela
posse de urna 19o activa, quanto proba au-
thoridude. Praza a Dos que a aufhoridadi
a queco se ha subtnelttdo o respectivo pro-
cerno, d o peso ueoeseario afim de minore
o numero dos criminosos.
(ueiram, Srs. redatures, acolher estas
mal conxavada liubss, pelo que mullo
obrijari ao
Jtulittiro.
CARLAMBROGIO DE MONVEVECLIIiA.
Em o nosso Brasil slguma lilerstura, que ha,
lie toda franceza. Do proprio Idioma quasi
nada se^coubece a este respeito, e daqul vem o
ouvir-se dizer a mullos, alias presumidos de
vasto saber, que a lingoa portuguesa no lein
literatura, e isto s porque nao conta esse cn-
chUrro de romances novillas, que diaria-
mente sahem dos prelos da Franca, e se der-
raman! pelo mundo, como o diluvio universal :
; tal he a prevenco a este proposito, que
milita genle emende, que relativamente a ro-
mances tudo que nao arrebenta em catadupai
dos fertilisslinos cerebros, de Alexandre Du-
ina e d'Eugeulo Sue, he maravalha, he estr-
eo, he liso.
Eringe estou de pretender deprimir o crdito
de una lingoa, que sel em tornado universal, e
em que se acham escrlptss producedrs admira-
veis de todo o saber humano. Mas nao admiti
laiiibriu o principio deque fora do francez au
ha cousa que preste. A literatura italiana he
ilquissima, e nada tetn que iovejar a franceta.
U Sr. Cesare Canlu, nosso contemporneo, au-
tor da talvez mais vasta e mais acreditada his-
toria universal, que se conhece, bomem de
prodigioso saber, e de erudicao pasmosa pu
llcou varios opsculos para recrelo e instruc-
(Jo da mocidade ; e entre estes tem um lugar
dstlncloo que agora passo a traduzir sobo ti-
tulo de Carlambrogio de Monlevecchia.
(lurin ira Carlambrogio da Monttvecehia.
Na Eonibardia poucas peasoas ha, que dian-
te da filelra de montea, que a torneiam entre o
lscente e o norte nao saibaio distinguir Mon-
levecchia. Uc urna colina risonha por suas
vinhas, c cutas fructelras, por suas develas .
diques, cingida de alegres cazaes e dos feriis
campos da briania, que de longn se distingue
das outras por una Igrrjinha edificada sobre o
seu cume, e sombreada d'olmeiros, outr'Ora
iinmensos, mas que hoje em dia tamben! pela
idade e pelas intemperies das eslsfdes vam, co-
mo todas as cousas humanas, degenerando pa-
ra ceder lugar a outros que com o tetnpo e o
favor do eco all cresoeram. Debaixo daquel-
le arvoredo,nunca m'esquecerei, algum da as-
sentel-me com Carlambrogio a gozar por urna
parle do magestoso espectculo das montanhas,
poroulra da deleitosa vista da planicie soto-
posta, loda povoada de habtaedes, de aldeio-
t.i9, de cidades, que quasi se confundem nos
longes do horisonte.
Desd'eu meniuo Carlambrogio ia multas ve-
ves ao uicii paiz i j enlao era avelnantado ;
mas vigoroso, alegre e chelo de espirito, tanto
Sue com um robusto jumento andava venden-
o as suas mercaduras. Venda, regatrava.
coinprava ein diflerenles felras ; porm em-
quanto asslm curava de sen negocio-com dous
bous olbos e duas boss orelhas observava o que
poneos observan!, isto he ; os homeos, e seus
cosluines, os vicios e as vlrtndes : pelo que
com o sen pequeo trafico de retalho ajnntou
algum dinheiro, c com a observacao adquiri
minia experiencia.
Para nos era da de Testa aquelle, em que
Carlambrogio chrgava nossa trra. Corra-
mos todos a sauda-lo, e cinquanto punha de
forn os seus gneros e os mostrava, estavamos
boqul-aberloa a ouvlr-lbe slguma historia,
que noscuntava, ou algum parecer, que dava
aos fregueses, que nunca Ihe fallavain ; por-
que elle contentava-se d'um honesto ganho,
dlsendo, que aaeai avies wunm, buicamnii e
tambem diiia-um incm di menos;porm promp
lo. Ao depois sem dar mostras de ingerir-sr
nos negocios de oUlrem, Insplrsvi tal confian-
ca, que todos Ihe contavain aquellas pequeas.
ou grandes inagoas, que sao parlllha de iodos
os estados, de todas as idades ; nunca faltan-
do-lbe urna palavra de consolaco, ou um con-
celho de prudencia. Perguol>ndo-se-lhe urna
vez, como se poda adiar quietacao, respon-
deucom desejar pouco : qual era a verdadeira
pobreza -A ignorancia e o viciote Ihe deaagra-
daria a morte ? Costo o finas dorm o acordar.
Dizia outro sim, que as tamurias sao armas
dos Traeos, e de que o homem devera abster-
se, ao menos por orgulho. Aos mocos dizia
cada uar tem a velkiee, lude- AuS gololes-vrii passaes duas ms noilss ;
urna porque o estomago est muito cheio ; s outra,
porgue est oosio-Kos libertinos dizia: as pai-
tos! nio se salisfaism, "no casia dt/elicidue
Aos mercadores : no commercio mas vil ocre
dito, que todas os astucias ; t o ganho adquirido
i cuta do bom nome he urna grande perd& Aos de-
mandislas i arenmodai-vos; que entre dous liti-
gantes 0 lercciro de quem fosa.
Estes canecillos eiprimla-os elle frequente-
mente coin certos proverbios seus, de que ti-
nha sempre boa provIsSa, por'eiemplooatM
praser fot pioier recebe: quem no tem dinheiro,
no tenha vontades : boas patauras aecomuvSnm ni
mdos fsitos aseas um cabet* de video nio vi
batalho di psdrms : nio si pie traur s erut i can-
tar : Jspois do laclo lodo o mundo he sabio : o
principio he a miltdi di tudo: quem bem fecha
bem acha : quem quir bailantes amigos esperimen
le poucos : eabeca cada qual peni t>r asis osa rw
oulroi: a ci, que tambo cima, nio con/li fari-
nha : aseas dis o que qurr ours o qut nao u*er :
osas dipeiisa fallo, ds vagar uarrepende; todo o
abandonado he perdido ; moto hi quem he sio; ri-
co he quem nio Isas dir-iJm.
Destes proverbios alguna exprima em ver
sos: e por isso os bons caponezes da Brianza
diasBnn, que Carlambrogio era poeta, Eis aqui
urna amostraPorrear itdO lie hi urdir, i nio
ttcirQuim falla de ouvir espere o meulir--ii-
presea s bem rarai vises t/mDiligencia exced a
sciencia. E por nio parecer, que a todo pro-
posito escarrava sentencia, mullas vezes asal-
tribua a outros, por exemplo : sempre ouvi
dizer, que s tosco fot eim, ou a-coiinarir os
istaUagom di, que sempre a cassarola tisna ; e o
carniceiro; que nio ha carm arras olaoMiuha
av sempre uie repela, qui nao he prenso en-
tinar ao galo o eaviinho da dispensa. O cura d'oa-
nago, que prega lio claro, tio singelio e lio
apropoiito, di>se domingo no pulpTlo Milhor
he o qui Otos manda, que o qus o homtm dimanda.
O prior de Brivio enslua, os urna magra accoat-
mniloro ral sais, ose ssts forda >ilefs -. e na
sagrada cscrlptura se l--r^saaee. foro ou fe-
cho. > nunca o filho do justa andar mendigando,
Assim s'expremia Carlambrogio de Monle-
vecchia ; e nos aprendamos a appllcar os seus
dlctos, de manelra que d'enlao paraca quando
vejo alguein, que compra fiado, dlgo-Calam-
brogio repella, que vaga bem quem paga logo. E
se alguem botava lora o poncoJfvttoi fogui-
nhos fasim frondes fogos, dizia Carlambrogio.
Ou quando topo com algum moco multo asso-
mado, e briguento, logo profiro: Ca lambroglo
coatumava dizer, que do rixoso i co mordidos
ai I luisa pillt. Ao depoia quando se me apre-
tam desses siijeitos. queclamam oontra o lem-
po presente, dizendoamigamente nio suc-
cedla ou nio se faiia Isjo, ouaquilloeu res-
pondovelho era Carlambrogio, e affirma-me,
Sue semprt hout* sol e nuvtns. trigo i joyo. Para
ar os seus alvitres aproveitava elle todas a,a
occasldes ainda-as inals ordinarias. Se Ihe no-
tavamos o ser um tanto tardo era osrregar o
seu asno, responda : fajo de vagar, porque
trnho preca. Embarque de vagar quem qui-
zer faser boa viageni.
Se instavain com elle para que se demoras-
se, nio obstante fazer-se, tarde, respondair)
mcninoi i loucot imquanto As dia mi peiusm, que
tem de vir a noite. TJina vez topando com um
dos nossos moco que semeava trigo, dlsse-
IheQuando esliverdes nss circumstsncias de
fazer bem a outrem lenibrsi-vos, que he inia-
ler semear com a roo, e nao com o saeco. Se
Ihe diziamCopio est gordo o vosso J lmenlo I
respondaHe porque eu iiiesmo loe dou de
comer. Vendo desses sujeltos, que se embe-
bed.! m ao domingo de noite, que perdein a se-
gunda-feira, exclainava-JeJuario urna sema-
na-Quando ouvla a qualquer progurjar e ju-
rar ser verdade o, que diiia, abstraa com a
eabeca e proferiaosa jura he mntiroio. E
se deparava com dous boinens a questionar,
suppunha, que o que menos rasio liaba, era
aquelle, que mais grltava.
Um dia chpguei a cass mu caneado, por me
hater perdido, querendo abreviar camlnlin
por alalhos ; e dlsse me Carlambragiolde
sempre pela estrada real: talvez seja mais ton-
ga ; porm he mais segursOutro da em um
passeo dei una topada, cahl, e quebrei as
ventas i maso bom velho compadecido dlsie-
ineSempre que andardes, recordai-vos de at-
tentar para onde pondes os ps-Se alguem Ihe
pergunlava coin que artificio conseguir vi-
ver bem, e adquirir fortuna, respondas-
mente com a lieranca, que me dellou mea
pal, isto he ; honestldadr, conhecimento do
meu trafico, e vootade de trabalbar.
t Continuar-te- ha. )
0 Americut.
bar a quem convier, tjue, d'ordem de S.
F.xc. O Sr. presidente da provincia, fol sus-
peusa a aula de tachigraphiaait que o mes-
mo Exm. Sr. Ihe d novo regulamento. I.y-
ceu, 5 de iulho de 1856. Januario Alexan-
drino ia Silva Rabillo Cantea, professor de
desenho e secretario.
Pela segunda secg&o do consulado pro-
vincial se faz publico, que os 30 diss utei.-
par'a a cobranza, a bocea do cofre, da deci-
ma dos predios urbanos dos bairros desta
cidade, e freguezia dos Afogados, se finli-
zamnodia 13 de julho prximo vindouro.
Recife, 38 dejunho de 1850.
Gompanhia de Beberibe.
A adminitracao dacompatiliia de Ilebe-
ribe contrata por um anno, do primeiro de
aelembro de 1850 a 31 de agosto de 1851.8
arrecadaeflo da taxa nos chifarizes e liicas
do encamnenlo. As propostal, assignadas
pelos preteodentes e seus fiadores, aerSo
entregues al o dia 10 de julho, no esciip
torio da companhia.
Pela agencia dos paquetes -le vapor se
faz publico, que a sabida do vapor Haitiana,
para oi.portos do sul, lora lugar boje, 6 de
julho, pelss 5 horas da tarde.
COKIMERCIO.
ALFANDECA.
Rend ment do dia 5.. ... .10:182,399
Deiearreqam hoja t.
Barca oto mercadoriss.
Ungue Raimbow ferro bruto.
REND MENT DA ALFAINDEGA DE PER-
NAMBUCO NO ANNO FINANCEIRO DE 1849
A 1850.
1849.
Julho..............,
Agosto.............,
Setemhro............
Outubro.............
Novembro..........,
Dezembro..........,
1850.
Janeiro.............
Fevereiro............
Marco..............
Abril...............
Maio...............
Junho..............
Theatro de 8. Isabel.
OITAVA RECITA DA ASSIGNATIIRA.
Em consecuencia da repentina molestia
do actor Silvestre Francisco Melra, nSo po-
de effecluar-se hontem o espectculo an-
nunci ido, o que lera lugar sabbado, 6 do
correle, com o mesmo drama em 3 actos
A CARCALHADA.
Es comedia em um acto
O Judas em Sabbado de Alellula.
Comecara is 8 horas. ,
Os bllhetesscbam-se i venda no lugar do
costume.
1. semestre-
i. dito
Total. .
Restituido a ,
Liquido ....
Sojinii.

198:380,519
323:951,566
248:197.475
371:536,220
314:963,394
331:898,279
356:334,784
877:068,841
196:993,445
293.003,769
311:840,952
309.388.910
1.787:830,450
1744.629 701
3.539:460.154
5:974,539
3.526:485,625
Em dinheiro.. 1.507:308,494
Km sssignados. 2 019:177,131
Alfandega de Pernambuco, 28 dejunho
de 1850. 0 inspector, Luis Antonio de Sam-
oai'o Fianna. 0 escrivflo, Rento ioti Fer-
nanda Barros.
CONSULADO CERA!..
Rendimento dd dia 5..... 962,861
Diversas provincias...... 4,279
967,140
EXPORTACAO.
Despacho* martimos no ojia 5
Parabiba, patacho dinamarquez Apollo, de
192 toneladas : ronduz o saguinto : 90 lo?
neladas de lastro de areia.
Ilsrcelons, brigue hespsnhol Paquilede-
Terragona, de 336 toneladas : conduz o se-
guidle : 1.167 sarcas com 6,676 arrobas e 9
libras de slgodSo.
RECEBEDORIA DE RENDAS CERAES
INTERNAS.
Rendimento do dia 5......487,710
CONSULADO PROVINCIAL-
Rendimento do dja 5......2.076,489
Avisos martimos.
Pata Loanda sahira at meado de julho
o brigue brasilelro Echo, de que he capullo
Manoel Josquim dos Res : recebe smente
carga miuda e passageiros, trata-se com
Hallar & oliveira, na ra da Cadeia do Re-
cife, n. ta.
Para o Cesri pretende seguir visgerr
com muits brevidade a sumaca nacional
Carila, mestrea Jos Goncalves "Simas :
quem ns mesma quizer carregar, ou ir de
passagetn, pode eulender-se com l.uiz Jos
de S Araujo, na ra da Cruz, uo Recife,
n. 33.
-- Para o Rio-Grande do sul segu vis-
gem o patacho lioui-IrmUot sl 10 do cor
rente : recebe escravos a frete : quem pre-
tender, dirijs-se a ra de Apollo, n. 4.
A barca portugueza Santa-Cruz, for-
rada e encavilbada de cobre, e de primeira
marcha, sahe para o Porto com muita brevi-
dade, pois ja tem a bordo mais de dous ter-
cos do seu ca/regamenlo : quem na mesma
qaizer carregar ou ir de passagem, dirija-sr
ao seu consignatario, Francisco Alves da
Cunta, na ra do Vlgsrio, n. ll.jrimeiro
andar. ^^
Para a Rabia, sabe no dia 15 do corren-
te imprcterivelmente, o bem conhecidp
hiato S.-Joao : para o resto da caiga e pas-
sageiros, trata-se na ra do Aoiorim, o. 36,
com Antonio Jos Fernaddrs do Catvallio.
-- Para o Rio-de-Janeiro sabe, com a
maior brevidade possivel, o brigae-escuna
Aligria, forrado de cobre ede boa marcha
tocebe carga a fete e escravos : quem pie-
tender, enlenda-se com Leopoldo Jus da
Costa Araujo, eu com Novaos & C.
Para o Rio-de-Janeiro aabe com toda a
brevidade o veleiro patacho brasileiro fli-
Iheroij : para carga, passageiros e escravos os
pretndanles queiram dirigir-se ao escrip-
torio da Viuva Caudioo & Filho, pracinha
do Corpo-Santo, n- 66, ou ao capilao Aulero
Jos de Araujo, a bordo do dito patacho.
Para o Aracaty tem de sabir impreleri-
velmeule a 7 do presente o hiate Novo-OUn-
da, por ter o seu carregamento quasi com-
pleto : quem anda pretender carregar slgu-
ma cousa e Ir de passagem, falle com o mes-
tre do tnesmo, Antonio Jos Visos, ou na
ra da Cadeia-Velha, n. 17, segunda andar.
Para o Aracaly segu, no dia 20 do cor-
rente, o patacho '.-Crus, mostr Joaquim
Pereira : para carga e passageiros, trata-se
so lado do Corpo-Santo, 11. 25, toja de mas-
sames, ou com o mestre.
Avisos diversos.
Movimeino do .Porto.
/Vacio entrado nx da 5.
Ass17 dias, escuna nacional San-loi,
de 49 toneladas, mestre Jus Manoel Ro-
drigues, enniDeaem 6. car, sal: ao mes-
mo mestre. wy
Navios lahidot no mismo dia.
Barcelona Patacho hespauhol Prnidinti,
capililo Rafael Ros, carga algodto.
Liverpool por Macelo barca ihgleza ena-
more, capilo Tuomas tump, em lastro.
-- Alugam-se os segundo e tercelro anda*
res da casa do largo da Assembla, n. 8 : a
fallar com Joaquim Francisco de Allem, no
Forte-do-Maltos.
Manoel Martina deixou de ser caixeiro
do Sr. Antonio Joaqui m de Mello desde o dia
5 de julho, o mesmo Martina agradece ao
mesmoSr. Mello o boa iralatpenlo, duran-
te o lempo que esteve em sua ca>a.
Preciaa-se de um preto que tenha sl-
guma pralica de masseira, pagaodo-ae por
mez o quanto se convencime com o se-
nnor : na paJaila nova da ra do Cotovello,
na. 29 e 31.
Precisa-sede um menino portuguez,
de 12 a 18 anuos, para entregar com um
preto Uuze patacas de pilo, de manhSa e o
rosto do lempo tomar sentido na sala da
r*'Jr!; : r.; !'-=..joasi--;a,aioiia, au p
da poniegrande.
-- Domingos Msrtttis Pontes faz sciente ao
publico, que fleam de nenhum effeito os
annuucios inseridos nesle Diario 1 no C'om-
mircial, datados em 22 de abril prximo
passado, a respeito de um valle da quanli
de 300,000 ra., a que oa ditos annuncios se
referirs, o qual exista em inflo do Sr.
Antonio Francisco da Silva Carneo, o de-
clara que be sua convierto, que s um en-
gaito e dtuMnsilligencia deu causa a qur
Uouvesseentre elle e o Sr. Carneo tal equi-
vico, que as acha terminado smigaveloten-
le e de commuoi aceurdo.
Urna ssuhors casada que mora pracs
da Roa-Visti, sobrado n. 13, e que j h
muito rnsina, se acha habiltdade por esas
longa pralica, e pela feltcidadeque tem tido
comsuas alumnas, cotivitla aosSis. pata de
familia que de seu preslimo se quizerem
uiilissraconliarsm-lbeoeasino de suas fl-
llias, adnitUin,lqem sua aula, tanto alum-
nas externas cuino pensionistas e meia pen-
taiuitisl>s, certos de que com o maior esme-
.f roe cuidado ae Ibes eoslnsri ler, escrever,
- 0 Sr. director do Jyceu manda fazer u | coutsr, grsmmalica nacional, coser bordar,
EDITA L
Pela inspectora da alfandega engajam-
se marinheiros de classe superior, veucemio
18,000 rs. mensaes, primeiros marinheiros
14,000 rs. e grumetes 9,000 rs. para a es-
cuna Lindla : os que se quizerem contratar,
ilirijsm-so gutrstumona, ou a bordo da
mesma 'acuna, a prese otando titulo que
prove n5o ae acliarem impedidos.
Alfandega de Pernambuco, 5 de julho
de 1850. O insoestort Lnli Antonio di
Sampato Hanna.
Oeciaratjoes.
fazer lavarinto, doutrin e dansar aque|las
que seus pais quizerem : tudo por commo-
do presj.
Dflo-se 8*000,000 Je rs. a premio sobro
peebores de ouro e prsta, 011 liypolheco em
bens de rsiz ou boas firmas : ni rus es-
trellado Itoiario, n. 43, segundo sndar, se
dir quem d.
Joaquim Diis Martina faz'sciente ao pu-
blico que nao he mais ofllcisl do primeiro
districtoda freguzis de S.-Fr.Pedro-Gon-
calves doltecifo.
Jos Soarrs de Axevedo, professor de
lingos franceza no lyceu, tem aberloem
sua cass, rus das Trincheirai, n. 19, um
curso do philosophia e outro de lingoa fran-
ceza. As pessoas que dosejarem estudar
urnaeoutra destasdisciplinas podem diri-
gir-se indicada residencia, de mantilla al
ns9 lloras o meia,ede lardea quaquer hora.
AttetifBo.
Urna pessoa bastante habilitada para ti-
rar de processo, pela pralica que tem de*i2
annos de escrevente, se oferece a qual |uef
Sr. escrivfio, ou advogsdo que lenham pre-
ciso dos seus servidos: a tratar na ruadas
Cruzes, venda n. 20.
No segundo sobrado do caes do Ramos,
precisa-se de urna preta para o servico in-
terno e externo, pagando-se 11,000 rs.
mensses pelo aluguel da dita escrava.
0 procurador da cmara municipal des-
ta cidade achi-se autoriaado por portari*
da mesma cmara, para contratar com quem
por menos lizer a dimolifSo de urnas pre-
les em respaldo existentes na travessa do
Vigario, que foram pela mesma cmara
desapropriadas a Felicia Maris e Renedicts ;
e bem assim por quem nmisder vendados
materiaes resultantes da dita dimolicHo .- as
uessoas a quem isso convier se poderSo en-
cender com o mencionado procurador, na
ra Nova, paco da mesma cmara, das lo
horas da msjihSa a urna da tarde
I'recisa-se de um feilor para um r-nge-
nho na provincia das Alagaa, que lenha
bastante pratica doservigode campo, e 1I6
nifoimaQOes de sua conducta : a tratar na
ra do Hangol, n. II, primeiro an lar.
Precisa-se fallar ao Sr. Jos da Cosli
Albuquerquo : na ra do Vigario, 11. 15,
lerceiro andar.
Tendo fallecido Jos Pedro da Cunhs,
morador em Maripicu, comarca do l.imoei-
ro, e aendo esto devedor a Bernardo Jos
Carneiro Montetro de mais de 2:000,000 de
ris, previne-se que niuguem cumpre ou
faga transsci;lo cornos herdeiros do mes-
mo finado, 1 or isso que contra o fallecido
exisle seulenca passada e j julga.lu, pela
qual vSoos ditos herdeiios serem sjuizsdos.
0 Sr. JoSo Climaco Feroaodes Caval-
canti, queira dirigir-se a travessa da Madre-
de-Deos, armazem 11.9, a negocio de seu
mleresse.
-0 bacltsrel J. A. de 8. liellr.lo de Araujo
Pereira avisa ao publico que niuguem afore
o quintal da ordem lerccira do Carmo,
contando com O fundo que marca adminis-
traeflo, ou algem por ella, purquo o an-
nuucianletem dse inleirarno fu*ndo, dos
palmos que Ihe fallo rom oa frente do seu
terreno, que tem de fundo 126 palmos, fal-
la esta devida a di rece!, o que a cmara deu
a ra da Palma, alm de qu parle do ater-
ro do terreno do annunciante est, hoje no
que a ordem qoer indevidamenle aforrar.
A enliga luja de cera da praes da Boa-
Vista, n. 17, acha-se de novo aberta com
sortimento a vontade do comprador, e por
preco com modo.
-- Aluga-se urna grande casa com todas
as como, odidades, e sitio que vai ateo rio,
na povoaedo do Mouteiio a tratar na ra
da Cadeia do Recife, n. 55, com loio Jos
de Carvalho Moraes.
I'uitaram, de um sitio no Monteiro,
onde esteve o Dr. Alcanforado, urna bom-
ba de cobre, pregida na cacimba, desean
fia-se ser siguen desse lugsr: qunrji der
noticia, sera recompensado, e promele-se
guardar segredo : na ra da Cadeia do Re-
cife, n. 55, ou na ra de S.-Goncalo, n. 29.
-- Aluga-se um sitio em S.-Jos do Man-
guind, defronle da igreja, com muito ar-
voredo, balxa para capim, e muito terreno
para planlucOes, hs agoa, eessa para gran-
de familia : a fallar no mesmo lugar no si-
lio contiguo. ^_
Alugam-se duus bons escravos para
quslquer servicc-: a Iratar na ra do Viga-
rio, n. 7.
O Sr. Francisco Augusto de Aievedo e
Silva tem urna carta, vinda da Babia, na rus
do Vigario, n. 7.
No dia 8 do corrente, pelas 4 horas da
tsr Je, porta do Sr. doutor juiz de orphos,
na ra estrella do Rozano, se lia de arre-
matara taberna n 37. sita na ra larga do
Rozarlo, que licara do linado Francisco de
S Peixoto, a requerlmento da teslamenlei-
ra inventarente.
A testsmeulejrs e ioventariante dos
bens do finado Francisco de Sa Peixoto de-
clara que est procodendo ao inventario pe-
lo juizo de orphSos desta cidade, para quem
for credor juslilicar ana divida.
A viuva de Caetaoo Luix Ferreira par-
cicipa aoacredores de seu casal, qui pelo
juizo do orphus se procedeu a sequestro
em lodos oa seus bous, e para que os ere-
dores n8o sa cliamem a ignorancia para o
futuro, faz o presente ann,uuciu, afim de
que promovam a arrecadaco, de seus ere-
litoj, (Icando a aat.uncante isenta dotla
responaabilidade.
- Na eaa. alai aY.Ait.a 'r!"^4*" -*? *'" J" '
mi Beussard Millocliau, 110 Aleno-da-Boa-
Vista, n. I, vende-se um grande sorliiuoniu
de manteletes e capotinlios de suda, e cha-
peos do palha, mola liona deste anuo : to-
lo chegado pelo ultimo navio o Conti-Koger
Na mesma casa conservas esa lata*, hervi-
ihss e ssrdinhss, a 1,000 ra a lata.
A cidade de Taris.
Fabrica de chapeos de sol, ra do
Collegio, n. ,4\
J. Falque participa ap respeilavel publico
deata cidade, qut ella brio o seu novo es-
tabelecimento, onde se encontrar sempre
um grande e bonito sortimento destes ob-
jectos dos mais modernos e variados, como
sejam : cbsposdesol para liomens de se-
das chatpalotadxK e lizas, de cores e prelos,
Jilos de armacBo d'ago moHo fortes *o*
sedasde todas as cores, ditos para sonhoras
de sedas Isvradda e lisas, com franjas e sera
ellas, cOrcs muito bonitas, ditos ditos de
panno imitando sads, com franja esem el-
la, ditos de panninho para homem com ar-
maeflo rics e ordinaria, sortimento de ben-


tf
galas, de lo las as quldad.es, baloias par
vestidos, colletcs eespsrtilhos par,i senho-
r. N mesma casi concertase acobre-se
toda aqualidade de chapeo da sol e benga-
las, pifaos qtiaeslem bos sedal e pannos
em pecas: lodos eslcs objectos vendem-se
em pnrcfloea retalho, por menos preco do
queemoutrn qua'quer parte.
Jos Fernandes Povoas vai a Macei
tratar de sen negocio.
--Joham Heinrich Nieolaus Gehla retira-
se para a Allemanha.
O Bello Sexo
sabio a luz o segundo numero deste peri-
dico acha-sfl as livrarias ns. 6 e 8 da prac
da Independencia,dos Sjs. Dourado eMorel
No dia 4 do correnle, desappareceu
um menino hranro de 13 l 14 annos, ma-
gro, com calcas de brim, jaqueta preta e
chapn de sol, de panno, o qual desconfia-
se que fui seduiido por outro pequeo por-
tuguez, queae scha engajado-em urna das
barcas 'de viga: quem delle der noticia
na ra Direita, n. 55. ser gratificado.
Aviso aos Srs. de engenlio
O abaixo assignado faz sci/nte as pessoss
quelbeleni encummendado borrse quar-
tos, que por todo o presente mez devem
chegar alguns destes animaes, e por isso
essus pessoas queiram entender-se com o
annunciante, assim comoquaesquer outras
pessoas que pretenderen) comprar os mea-
mos animaes, dirijam-se a ra do Queima-
do, n. ti, loja de ferragens.
Jote Rodrigues Femira
Na ra eslreiu .lo Rozarlo, n. 28, se-
gundo andar, se dir quem di dinheiro a
premio.
Francisco /os da Silva Macieira faz
scienleao respeitavet publico e com espe-
cialidade ao commercio dtela praoa, que
comprou a taberna do Sr Joaquim Goncal-
ves ila Silva Ci.imar.tis, sita na ra do Co-
dorniz, n. 16, cujo importe rialisou com o
mesmo Sr. Guimar.les na occasiSo da com-
pra da mesma taberna.
Os ahaito aasignados convidam aos
credoresde Coulo Vlunna& Filho para vi-
remeni aeu eacriptorio no dia 8 ou 9 lio
correte mez de julbo, para receberem o
que Iheslocou no segn lo dividendo do li-
guido producto do que se ha aburado dos
tcns dos devedores communs.
Geo Kenuorthy & C.
francisco Fernaodes Viannae Aze-
vedn, herdeiro da finada Mara Filipp do
Kspirito-Santo, faz scicnte a todas as pes-
sos, que nSocontralem venda e compra
do escmvo Thomrz, parlo, ofllcial de alfaia-
te, de 25 anuos, conr seu irniBo Miguel Ar-
chanjo remandes Vlanna, era com outro
qualquer herdeiro, sem (cenca e consenti-
menlo do annunciante, na parte do* ditoes-
cravo que pertence so annuneianle, sem
que elle scj.i indeinnisailo da quantia que se
bciuver de ajustar com o comprador, e caso
apparcca alguma venda a tal respeito he
nulla, e nSo (era validade alguma, e o an-
nunciante protesta haver pelos meios le-
gaes diio escravo, ou valor e estima que
der ao ftiencionado escravo : o para que nSo
baja ignorancia em lempo algum, faz o pre-
senle annuncio.
Negocio interesa,ate.
Troca-se, ou vendesa um terreno com
frente na ra da Aurora e fundos na ra do
Hospicio, tendo do largura 107 palmos, faz
inulta cunta a quem possa empatar, porque
o lugar n3o pode ser melhor, e para o fulu
ro dsv dar muito dinheiio, e para quum
quizer levantar predios d 21 casas : na pra-
c* da Independencia, n. 17.
-- Jos Xavier Faustino Ramos, com au
la de piimeiras lellras, no Aterro-da-Boa-
Visla, n. 5, desojando dar au aeu estabe-
lecimento um augmento conveniente, e em
utilidadede seus alumnos, declara que tetn
resulvido addicionar a referida aula duas
outras de lalim e francez sdb a direceflo de
bons professors, mediante um mdico es-
tipendio.
--Desojase fallar com o Sr. Jo3o Fran-
cisco dos l'razeres, a negocio de seu interes-
se : na rus Direita, q. 03.
-- Deseja-se saber onde reside o Sr. An
ionio l'ereira da Cmara Urna.
-- O abaixo assignado avisa aos credores
do tinado Pedro Marciano, que no praso de'
8 das da puhlicaco deslo (6;, queiram
apresentnr suas contar para se proceder a
inventario. Jodci Baptuta Fragoso.
Na-casa que se vendem sor-
veles,ao entrar da roa, da Aurora,
contina a.tcr, Mediente caf to-
das as tarje, at a noite, e um botn
sortinuntode refrescos de toda
as qualidades, bolinhos c charutos
servindo-se com asseio e
tidao.
determina a segunda parte do artigo 17 dos
estatutos, e para cumprimento dos 5 do
rnesmo artigo,,convida aos Srs. accionistas
para reunilo ordinaria em assembla geral,
domingo, 7docorrente, pelas 10 oras do
dia.
A Marmota.
Sabe boje pelaa duaa horaa da Urde, a
Marmota n. '28, eati inclino de palale trai
encllenles artigos, um que falla do son, ou-
tro contendo a vlata analtica dos encantos das
mulherea; una correspondencia de um portu-
gjiez caaadu no Draiil com lindoi e requiaimoa
vercos um avino envrrcsante de uina menina
bonita obra prima nnle genero, novas e bellas
poesas, originas 11 \enrtc-se na Ha-VIs-
la, toja de mtudezas loa Srs, Estima tt Hamos ;
em Santo Antonio, na ra Nora, loja de louca
do Sr. Joio Ignacio n. 7 ; na roa estrella do
Itozario, dfnoaito do Sr. Cardial n. 43 ; na pra-j
(a da lnfteTTendencla loja de iniudetaa n.4 ; no
llecife, zuia da (adela, loja de iniudezas do I
Sr. A tenlo Jos Miircira l'onte n. 17 ; e na
ra da CKm, loja de cabrllerlro n. 43 do Sr.
Joaquim Autonto (.'arneiro de Souza A/.r vedo
Aluga-se uni sobrado recentemente
icabado, na roa da Uniflo, com os melhores
commodospara urna on duas familias, con-
sistentes em excellentes salas, alcovas, du-
as cosinhas, coxeir* grande, quintal dito :
os preteodentes dinjim-se a ra da Auro-
ra, n. 4.
Caumont, dourador, na ra Nova, n.
52, fabrica de candieiros, tanto de gaz como
de azeite, tom prompto um sorlimento
dos meamos de muito bom gosto mesmo
fabricante tambem dora, prteia e bron-1
zeia todos os metaes de diversas cores;
concerta e torna a por de novo todos os can-
dieiros, Unto de gaz como de azeite; tam-
bem pOe candieiros de azeite para gaz; e
alugam-se para bailes candieiros e lustros
de dez luzes, por preco comtnodo.
A o Publico.
NosColhos, n. 13, defronte do hospital
novo, acaba deabrir-se um estabelecinien-
to para a confeccto completa de carros de
totas as qualidades : os modelos slu sem-
ore do ultimo gosto, ou segundo vontade
los freguezes. Todas aquellas pessoas que
sa dignaren) honrar este estabelecimento
com a sua confianca, serlo servidas com
urnmitidSo e seguranca, tanto a respeito de
obra nova, como relativamente a qualquer
especie de concert ou troca ; guarnieres,
pintura, arreins Neste estabecimento a-
cham-se venia duas carruagena aovas.
I'recisa-se de um forneiro para una pa-
Jaria, para o que se dar um ordenado van-
lajoso : na ra da Cadeia, n. 3, sobrado con-
fronte o theatro do S.-Francisco.
-- Jos Martina da Cruz deixou de ser
caixeiro de Guimar.les & llenriques desde
o dia 2B do junbo.
Chapeos de sol.
--------------.....:* -
Compram-se caixas vasias que fdram
de sahn, a 12a rs. son lo da fabrica da
provincia, e de fra, a 80 rs., e em bom es-
tado : na ra da Madre-do lieos, n. 99, ar-
mazn).
Gompram-se, para fra da

provincia, escravas pardas ou pretas, de
bonitas figuras, e com algumas habilidades:
na ra Iirga do Rozario, n. 48, ptimeiro
andar.
Compam-seduasescraas mocas e e 3
I retos para engenho: na ra Direita, n. 3.
Compra-se um cordSo de ouro sem
feitio, com o peso do 6 a 8 oitatas : quem
tiver annuncie.
Vendas.
prouip-
Lotcria Ja matriz da Boa-
Vista.
O Ihesoureiro desta lotera annuncia ao
respeitavel publico, que muito H>reve tena
de marcar o itia do andamento das rolas
aspssoaa que leem bilheles apartados os
vSo busca rqoanto antes, do contrario se-
rflo vendidos. O restante dos mosmos a-
cham-se venda nos lugares j annuuria-
dos.
ISi.ikltflc ^
'^'- ... .IIIVIIIVO.
I. A. S. Jani, dentista tero a honra de
avisar ao respeilavel publico que contina
a prdentee artificiara de purceilana ; co-
mo brm tira as carias dos naluraes, que
tanto daMnillca os (lentes e coopera para
o mo alito da bocea, nffo sendo lir
la calca oa dentes Turados com ouro ou
pI",1l W*. "S e coulinua-
caodaeirfa, O annunciante assevera a lo'
das as pessoas qoeeamzerem milisar doa
sausservicos, que nSo exige paga alguma
nio (can lo o*denles tfio'bem postoa que
nflosapossam differenear do. proprios ua-
luraes, e pudendo mastigar com os mes
mos toda e qualquer comida sem sentir *
menor dore neiu recelo de os quebrar, e
por isso garantas todos quaotos de seu
prestimo se quizerem ulilisar, quebflo dr
licarsniiafeitos, a vista dus inultos azomplo
que tem dado as pessoas que o lem patro-
cinado, aiinunoianle mora na ra estreiu
do Uuzario, n. 16, priincito andar.
Theatro de Apollo.
A
Rna do Passeio, n. 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimeoto destes objectos de (odas as co-
res e qualidades, tanto de sedat corno de
panninho, por precos commodos ;* ditos pa-
ra senhora, de bom gosto : estes chapeos
sofeitns pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mesma
casa seacha igual sorlimento de seda e pan-
iiinhos imitando sedas, para cobrir ar-
ma^Oes servidas : todas estas fazendas ven-
lem-se em porfo ea retalho : tamben- se
concerta qualquer chapeo do sol, tanto de
hasteas de ferro como de baleia, assim co-
mo umbelas de igrejaa: tudo por preco
commodo Na merma casa ha chpeos de
sol de marea maior, de panno e de seda,
proprios para feitores de engenho porserem
dos o ais furtes que se pdem fabricar.
A pessoa que precisar de alguna obra
dourada, ou prateada com alguma perfei-
CSo, dirija-seas Cinco-Pontas, nos Bairros-
llaixos, sobrado de um andar, a toda hora
do dia.
Aforam-se encllenles terrenos no lu-
gar do sitio du Hospicio : quem qulzer afo-
rar, dirija-se*rua dos Pires, n. 19, que se
dir quem afora.
Fermiano Jos Rodrigues Ferreira, que-
rendo liquidar suas contas com a praca, ru-
ga a todos os seus devedores, tanto da pra-
ca como de fra, que, noprazo de60 das,
venham realisar seus dbitos, e quando o
nSo fa^am passara a'publicar seus nomes,
moradas e lempo de seus dbitos.
Jos Valenlim da Silva, bem conhecido
porensinar latim ha quasi 15 annos. lembra
i que.n convier, que a sua aula cha-se em
eiercicio, na ruada Alegra, h. 38 ( na Boa-
Vi*U ), onde recebe alumnos externos e
pensionistas. TKMfflWh ensina em horas re-
servadas aos auB/ilf; peder ro frequeotar
as horas da aula.
Anda est por se alugar o terceiro an-
dar do sobrado da ra da Senzal|a-Velha,
ii. 70, pintado dp novo, com comoiodoa pa-
ra familia : tratar no prioeiro andar do
uaesmo sobrado.
OfTerece-se urna mulher para ama de
csadehomem solteiro, ou de familia, a
qual eniende do disriode urna caaa, cose,
engomma, e be muito carinbosi para crian-
cas : na da matriz da Boa-Vista, n. 16, jun-
to ao sobrad.
Est contratada a compra do sobrado
de um andar, n. 24, sito no pateo do Car-
ino : quem se julgar com direito ao mesmo,
queira declarar por esta fulba no praxo de
tres das.
Convidase a una mulher parda ou cri-
oula de idade, que. s ja Capaz e desenni oa, para lazer companli.ia a urna senhora, a
vista das boas qualidades ser bem recom-
pensaba : no boliquim Cova-da-onca, ra
lo Itozario larga, ii 34.
mmmmmmememammmmmmmmmam
typo
Compras.
. -- Compra-se urna rotula em meio uso.
que tenlia 10 palmus de. comprada e 7 de
largura : quem tiver ununci, .0* dirija-se
ra do Hozarlo larga,' butiquias Cova-da-
Uuca. \o mestnoveude-** noibom .balcao
de aiiiarello, failo a anodcriia, envernisado,
com H palmos de comprido e 9o meiu de
largura, por preco cummodo.
Compraiu-ae3b>uitus cavados de es-
tribara, e 10 queraos novode campo : na
praca do Curpo-Sanlo, n. 2.
Cutnpra-se una nu ittias duziasde ou-
Hieres de piala para cha, sendo obra do Por-
to : na ni it.i r.iHjgi, loja do 4 portas.
ompra-se um carroca para um oa-
vajlo : quem ttver dirija-se a rus da Cruz,
n. 8
Vandem-se 3 ColleccOes da Marmota',
desde o primeiro numero at o numero pre"
sent : na ra do Itozario, a. 8.
Vendem-se ps de larangeiras de em-
bigo da China; ditos de sapoti ; ditos de
fructa-pSo ; ditos de lima o ; carros de mo;
duascarrocas para um cavallo, novas; nm
I garrote de bom tamanho, de raga ingleza :
'tudo por prefo muito commodo : na Pon-
te-do Uchoa, sitio de JoSo Carroll,
Vende-se urna morada de cass de pe-
dra e cal em um sitio no Ciqui : ni ruado
Hortas, n 88.
-- Vende-se um moleque de 10 annos, e
urna tipoja usada : na ra da Praia-do-Cal-
deiretro, n. 13.
Cdigo do cotnmercio do impe-
rio, e compendio de pratica do
' processo,
vende-se por 5,000 rs. na casa da residencia
dodoutor l.ourenco Trigo de Loureiro, na
ra da Saudade, defronte do Hospicio, e na
livraria da praca da Independencia, ns. 6 e
8j assim a segunda seriado ndice chrono-
logico da legislarlo bmsilelra de 1850, con-
tendo o cdigo de commercio do imperio
ltimamente saqccionado, como o novo
compendio de pratica do processo, obra in-
teressante por sua brevi latle e exactidSo a
quantos se propem o olicio de julgar, ad-
vofar, ou procurar no foro. Nos meamos lu-
gores continus-se a subscrever a 34,000 rs.
para o indica chronologico, explicativo e
remissivodalegislacao brasileira de 1822 a
1818, cujo terceiro volunta deve brevomen-
to sabir a luz.
Hua do Liv i amento. n.H
Vende-se calcado francoz, sendo brze-
guins de fazendas de cores com biqueira de
couro de lustro para meninos, e sapa tos de
duraque preto para senhora ; um par de
brincos com brlhantese umannellao com
diamante.
Vende-se um jogo de malas
de pregara por 10,000, em inuito
bom etado : a tralar nesta
grapbia.
Vende-se nm escravo d Costa, cuja
conducU se aflanca, de 90 a 22 annos, mui-
to corpolento e proprio para armazern de
assucar, ou outro qualquer tr-balito : na
ra da Cadeia do Hecife, n. 48, terceiro
andar.
-- Vniile-souma linda mocarra de 13 an-
nos, sem vicios neo achaques; 9 escravo-
bastante robustos, que entender de planta-
ces, de sitio, bons ortelOes, um dos quaes
sabe tirar le te a botar canoa ; 9 pretas boas
quitandeiras ; 9 ditas de servico de casa : no
pateo da matriz de Sauto-Antooio, aobra
do, n. 4, segundo andar, se dir quem
vende.
Na ra das Cruzes, n. 32, segundo an-
dar, vende-se urna escrava de Angola, dr
alegante figura, que engomma, cose chBo
cpzinha beme lava desabito ; una dita de
20 annos, com as niesmas habilidades ; urna
dita que cozinha, lava* venda na ra; urna
dita da Costa, ptima para o campo.
Vendem-se doua realejos contendo
um dellesloda msica de pancadaria e o
ootromais pequeo contendo 24 pecas de
msicas, por preco commodo : na ra Di-
reita, n. 3.
Goinma para eogommado.
Na ra do Rangel, armazern n. 36, ven-
dem-se saceos com superior gomma.
Milho novo.
Na ra do Rangel, armazern, n. 36, ver,
de-se milho novo por commodo preco.
Vende-se, na ra da Cadeia do Recifc,
loja n. 54, de Joaquim Ribeiro Pontea, dous
pares de adrsgonas muito ricas, sendo um
para capitflo e outro para tenante-coronel
para cia, do molde mais moderno do Rio-
de-Janeiro, dous chapeo* armados da cas-
tor, usa porcSo de cavernas de sicupira pa-
ra barcaca, e muilas outras taboas, salvadas
de urna barcaca, 40 pipas vasias, 2 lanchas
velhas : tudo por barato preco.
Vende a urna parelha de embonos de D-3-
crdro aindnovos para barcaca : na estan-
cia de JoSo Dolellio, em a ra da Praia.
Vende-se a taberna da travesea do Quei-
mado.n. 5,com poucos fundos, portn muito
afreguezaoa : a Iratar na mesma.
Diversas obras e" romances modernos.
O vapor chegado do Itio trouxeos seguin-
les livros, que se teudem 110 paleo do Col-
legio, casa do livro azul
Cuiselneiro fiel do povo, ou collecclo de
formulas para qualquer pessoa saber regu-
iar-ao eui acus negocios, cuuave iu,
reitos deveres civis.
Compendio de Iheolugia moral para
do seminariu de Olioda, pelo padre Manuel
do Monte.
Oadvogado do povo.
Mara, a filRa de um jornaleiro, romance
de 1848.
eainda resta urna porcSode pecas de casss
lisa fina, com 12 jardas, a 2,500 rs. por
lera dobra de fra algum sujo : no Atrro-
da-Boa-Vista, n- 18.
Vende-se urna escravs com alguma ha;
bilidade : na ra da Cadeia de S.-Antonio,
no segundo andar do sobrado da esquina
do Ouvidor, n. 14.
-- Vendem-se bons e bem sacos toros da
lenha, viudos da Paraiba, botando-se sonde
o freguez quizer : na ra da Praia, n. 43.
Cosinbeiro moderno.
Ou nova arte de ooslnha, onde se ensins
pelo methodo mais fcil e mais breve de se
prepararem varios manjares, ta 11 tqyle carne
como de pene, mariscos, Iegumes, ovos,
lacticinios, varias qualidades de massas
para pScs, empsdas, tortas, timbales, pas-
tis, bolos e outros pratos de entremeto;
varias receitas de caldas para difiranles
sopas; caldos para doentes, e um caldo por-
tativo par viagens longos e outras muilas
explicacoes para fructa, etc. : na loja de li-
vros, n. 6, do pateo do collegio do Dourado.
Arte ile coainhar, dividida em 4
'partes.
A primeire trata do modo de cosinhar va-
rioa guisados de todo o genero de carnes, e
conservas, tortas, empatias e pastis ; a se-
gunda de peixes, msriscos.fructas, hervas,
ovos, lacticinios, doces, conservas do mes-
mo genoro, terceira de preparar mezas,
etc., etc., quarta de fazerpudins e prepa-
rar massas : veude-se na loja de livros do
pateo do Collegio, n. 6 do Dourado.
Vendem-se riscados francezes, a 120
rs. o corado ; panoo preto, a 3,000 rs. ;
diales de laa abortos, a 1,600 rs,; corles de
vestidos de laozinha.a 3,200 rs. ; cortes de
caicas de brim trancado branco militar,
muito encorpado, a 1,800 rs.: n ra do
Queimado, n. 5, loja.
Vende-se barato
Para se acabar
Sapatosdo Aracaty
A oito ceios res o par.
Na roa da Cruz, n. 56, taberna de Mendes
& Braga, vendem superiores sapatos do
Aracaty,pelo diminuto preco de 800 rs. par;
cera de carnauba em porc^to e a retalho;
esleirs e chapeos de palha sola e courinhos
de cabra : tudo por menos preco do que em
outra qualquer parle.
Damasco de seda de todas as cores
vende-se por preco commodo, na ra do
Crespo, n. 12, loja de quatro portas.
Na loja de Fernandes da Luz
& lunao na ra do Livramento,
n. 10, vendem-se cortes de calca de brim
trancado branco muito fino a 1,120 reis,
ditos; de cor muito linos a 1,000 rls, chitas
francezas as mais finas que ha a 360 reis o
covado, e muitas fazendas por prego muito
commodo.
Livros religiosos
Sermes de Fr. Bento, olTerecidos ao
serenissimo principe D, JoSo, relicario an-
glico ; ensato sobre a indiferenca em ma-
teria de religiilo, traducida do francez em
vulgar pela condessa de Oeynhausen ; de-
voto em oracito meditando a Paixflo de Je-
ss Christo e oceupado dos interesses da
sua alma ; o verdadeiro modo de confesar-
se bem, obra pequea por Fr. Vicente Mara
doVicencia; religio catholca em trlum-
pho e as dilTerentes seilas refutadas; con-
cordia espiritual e devoces as sacratissi-
mas Chagas e PaixSo de Jess Christo. no-
va eJIefio ; Espirito consolador ou tratado
asctico, oncaminhado a guiar as almas a
perfeicto christa ; documentos christSos
para o verdadeiro arrepentimiento dus per-
cadores : no pateo do Collegio, n. 6 do Dou-
rado.
>.- Vendem-se 30 barris vasios que servi-
ramde azeite doce, vinagre e viudo : em
Fra-de-Portas, ra do Pilar, n. 56:
A 1,700 rs.
Vendem-se raizas com charutos da ver-
dadeira marca estrella, a.1,700 rs. a caixa,
para se acabar : nobeccodo Azeite-de Pei-
ic, o. 16.
4oo,ooo rs.
Vende se um preto de 23 a 2& annos, ro-
busto, bom ganhador e trabalhador perfeito
de enxada, pelo ultimo preco de 400,000 rs.:
na ra do Crespo, n. 9, se dir que vende.
-- Vende-se tapioo muito nova, chegada
da Babia; no armazern do Sr. Das Ferreira,
defronle dogindaste.
Vendem-se ricos capotinhos de blonde.
do mais lindo modelo que ha chegado l-
timamente de Franca ; bem como um sor-
limento de ricas toucas para baptizado, por
preco muito em cpnta : na ra do Cabug,
loja de 4 portas, do Duarte.
Vendem-se dous sobrados de um an-
dar, e urna casa terrea na cidadede Olinda,
urna dita ditana ra da Gloria, por preco
muito commodo : na praca da Boa-Vista,
tas para meninas, a 300 rs.; pequeos len-
cos com bico, a 500 rs.; ditos muito gran-
des para calmea, a 1,000 rs.; madapolSo de
vara de largura, muito lino e com 40 jardas,
a 8,500 rs. a peca ; algodao trancado de lis-
Iras, encorpado e americano, a 300 rs. o co-
vado ; dito azul superior fazenda america-
na, a 220 rs. o covado ; dito trancado bran-
do, a310rs. a jarda em pegas; m.dapolflo
fino, a 3,800, 4,000,4,800, 5,000 e 5,200 rs.;
meias americanas cruas e encorpadas, a
4,000 e 5,000 rs. a duzia ; riscadinhoa ge-
novezes, muito finse proprios para roupa
de meninos, a 390 rs. o covado ; lencos de
seda de excellentes padrOes e muilo finos,
a 9,400 rs., alm destas fazendas ha um sor-
tmenlo completo de fazendas de bom gos-
to quo se venderSo.por prego baratissimo ^
para se adiantar a venda das niusruais : na'
ra do Collegio, 11. 1, loja da estrella.
Vende-se urna bengala de abada com
casillo, ponteira eouvidos de ouro, por pre-
co commodo : na ra Augusta, sobrado jun-
to ao da fabrica de velas, a toda hora.
Vende-se
um carro de quatro rodas, americano, em
bom uso, para dous cavalios, proprio para
o matto por ser muito leve : atrs do Car-
ino, ra da Paz, n. 1, cocheira.
Vende-se panno verde e azul multo su-
periores, proprios para fardas : na ra do
Crespo, n. 9, loja amarella.
Farinha lavada de S.-Malheus :
vende-se em saccas, na ra da Cadeia do
Recife, n. 2.
*mx*nmmmmm mmm^tmmmm
3,000 |f
!>
1,800 'j
300
_, a 1,600.
2,000, 3,O0OjjyMUB.; panno preto lino, a
13,000, 3,800, 4,000, 5.W 6,000 e 8.000 rs.,
--Compram-se bandas eadragonas com leste he patalo o mais fino que m pode ima-
rranja usadaa : na praca 4a Independencia, Iginar e tem de largura 60 pollegadas : luvas
O Cavalheirode llarmentfI, por Alexan-
dre turnas, 4v., 1819.
A condessa de Mourion, por Frederico
Soulie, 3v. ,1819.
Thecls, portarlos Didier, 9 v.
Folhetoda loitura recreativa.
O Judeu Errante.
O Cozinheiro imperial.*.
Oh que pechincba !
Fazendas pretas por precos nunca vistos,
em attencao a ba quaiidade dellas.
Alpaca de cordato que parece barragana,
Vloila** cores, a 40 rs.; sarja de Illa de
las larguras, a 640 rs.; merinos,
Vende-se um moleque de nacSo, de 15
annos, muito fiel, nllo foge e nem tem vi-
cio algum ; he muito geitozo para qual-
quer servico, para o que da-se a contento
tambem se troca por urna negrinha da mes
ma idade poucomaisou menos: na ra de
Apollo, n. 34, se dir quem faz esta ne-
gocio.
Cha de San-Paulo.
Vende-se tico cha de San-Paulo, a 3,940
rs. a libra : no pateo do Colleein. ca* <>
Miiu azul.
Vende-se o sitio Agoazinha, no porto
usof da Madeira em Beberibe, muilo grande e
trras proprias, con bons pastos para cria-
eflo de gado, boas baixas para capim, bas-
tante, lenha que serve para olaria, onde po-
de ir canoa em rasfio dos arrombadoa se
abrir : vende-saa troco de lijlo grosso, te-
Iha, alvenaria batida, ladrilho, tapamenlo
e outras qualidades, ou eacravos : a tratar
com Manoel Antonio da Silva Molla, na ra
da Cruz, o. 39
Vende-se urna escrava crioula de 13
annos, que*engommae cozinha o diario de
uma casa : no Forte-do-Mallos, travessa
das Boias, primeiro sobrado a osquerde.
Vende-se um preto cozinheiro para
bordo da algair^barco, ou para o matto :
d-se a contento : na ra de S.-Francisco
casaapalacada.
Vende-ae um carro com boias os aa*
perleoces: no Giqui, quem vai do Recife,
primeira casa passando a ponte.
Fasendas baratas.
Na loja do sobrado ama re lo, nos a
quatro cantos da ra do Queimado, 7*
vendem-se '}'
Cortes de vestidos de Jcsssa de cores
fixas e de lindos padrea 2,000 :U
Ditos de cambraia com fio de
seda
Ditos de chita preta com flores
brancas e com 13 covados
Chitas frsncezss largas e de
cores fixas, o covado
Cassas de cores e de bonitos '
padrffes, a vara 400 e 480
Cortes decalcas de brim bran-
codelistrase de linho puro 1,800
Ditos de dito de cor amarella 1,410
Ditos de .collele de fustJo
branco 720
! Ditos de calcas de ISes escurss 1,600
E outras fazendas muito baratas.
mwmwm'Gwwmm mainvamw*
Vendem-se 4 moleces de bonitas fi-
guras ; dous pretos-para lodo o servioo ; 2
pretas mocas, que engommam e cozinham
bem ; orna dita por 350,000 rs. ; uina par-
da que corta e faz camisa de homem e ves-
tido de senhora: na ra das Larangeiras,
n. 14, sogundo andar.
De patente a f 0,000 rs.
Grande sorlimento de chapeos de sol, de
patente inglez, pelo barato preco de 10,000
rs cada um, com basteas de baleia e de ac;
ditos mais pequeos para meninos ; ditos
de seda preta, a 5,500 rs.; ditos de cores, a
8,000 rs.; ditos de panninho, a 2,800 rs. ;
chapeos brancas de castor, patente ingleZ,
e de aba larga, a 12,000 rs. ; ditos de aba
estrella, a 9,000 rs. ; ditos francezes, dos
melhores, prova d'agoa, a 8,000 rs.; ditos
modernos, a 7,000 ra.; chapeos do Chile,
pelo barato preco de 6,300, 7,500, 8,000 e
9,000 rs.; bem como um completo sorli-
mento de fazendas finas e grossas, por mui-
to barato preco : na ra do Queimado, n. 27,
armazern de fazendas, de Raymundo Car-
los Leite.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na ttahia
Vende-se em casa de.N.O. Bieber & C.
a rna di Cruz, n. 4, algodao trancado
(aquella fabrica, moito proprio para saceos
le assucar, roupa d; escravoa ello proprio
para redes de pescar, por preco muito com-
modo.
a> Vende-se alpaca de linlio puro, a 220-45
^.rs. o covada : na rna do Caespo, n. 11.4^
*******&
Aviso aos Srs. artistas sa-
pa teirs.
Horeira & Vellozo,
acabam de receber o mellior e mais bello
couro de lustro que a este mercado lm.
mais
este mercado ..
vindo ; porque o tamanho das pelles e qua-
iidade do couro he tal que muito deve agra-
dar aosSrs. mostrea sapateiros, para me-
Ihor servirem s seus freguezes ; o preco a
vista da qualidades se dir, mas afince-
se que ser commodo bem commodo : na
ra Nova, loja n. 8, onde se vende nica-
mente o dito couro.
Na loja de Maya fiamos & Com-
pania, na ra Nove, n. 6,
vendem-se as mais superiores navalhas in-
glezas, cabo da tnarlim ; caivetes finos pa-
ra peonas; es tojos completos para barba;
litos para costura,, com mus'ca : dii ;
uiaaiiiaiica ; ditos de limpar dentes; es-
covas para dentea, cabello e roupa; e outros
objectos por preco commodo.
- Vendem-se 8 lindos moieques de 8 a 16
nnos, leudo um delles principios de car-
pina ; 6 prelos de 20 a 25 annos, sendo um
bom cozinheiro, e outro ptimo sapateiro;
um pardo de 99 annos, perito cozinheiro.
bolieiro eempalhador ; 3 pardas de 18 a 95
annos, com habilidades; 6 pretas de 14 a
25 annos, com algumas habilidades, e que
-So proprias para todo o servioo 1 na ra
do Collegjo, n. 3.
Al te 11 cao
AGKNCIA
da fundicao Low-Moor,
BOA DA KNZALt.A-KOVA, M. 4*.
Neste estabelecimento conti-
n4a a haverum completo sorti-
mento de mocadas e meias moen-
das, para engenho; machinas de
vapor, c tachas de ferro batido e
toado, de todos O tamanho,
para dito.


.

AosSrs. de engenho.
vendem-so cobertores escuros do slgo-
do, proprios para escravos, por serem de
muita dura^So, pelo diminuto preco de K4<>
rs. cd un : ni ra do Crespo, esquina
que Tolti para t cadeia.
Deposito de Potassa.
Vendes* multo nova potassa
de boa qualidade, em barriszinho*
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como ja ha muito
tempo se n5 vend): nc Recife.
ra da Cadeia, artnazemn. 11.
-- Vende-se muito Superior firinhi em
meia barrios : na rea di Cadeia do Recife
escritorio de DeineYoule & C., em seus
vrmizens do becce dofioncalves.
As novas cassas sublimes
a ,240 rs. o corte.
Na loja de GuimirSes & llenriques, ni
ra do Crespo, n. 5, que faz esquina para a
ra do Collegio, vendeni-se novos cortos de
cassas linas denominadas sublimes, pela
sua' boa qualidade e barato preco.
Gaubrr oes a 1,800 rs.
Vendem-se os brtn acreditados cortes de
gambreOes, a 1,80 e 8,000 rs. o corle de
caifas : (ala fazenda torna-ie recomo enda-
vel, tmio por su* qualidade como por ser
de muita du relo e de bonitos padrOes : na
ra do Collegio, n. 1, loja.
Limas de agulha a 4o rs.
Vendem-se limas de agulha : ni rui da
Cadeia, loja de ferragens, de Antonio Joa-
qun) Vidal; assim como outris ferragens
para ourives. por preco commodo.
Cheginm nevamente a rua da Sen-
zalla-Nova, n. 42, relogios de ouro e prila
patente inglez, para homem e senhora.
Veodem-seaoiarns u tino: na ru
da Senzalla-Nova, n. 42.
Chitas trancezas finas a
320 rs. cada um covado.
Ni rua do Crespo, n. 5, confronte ao ar-
co de S -Antonio, vendem-se chitas france-
zas finas e de modernos pad roes lindi nSo
vistos nesle mercido, pelo barato preco de
320 rs. cida um rovido ; panno preto, pelo
birito preco de 1,600 rs. cidi um covado;
lencos de cambraia trancos e iberios pela
belra, a 2,800 rs. cida urna duiia.
Farfolla de mandioca de
S.-Calliarina.
Chejfou em direitura de S.-Citbarlna o
bnt ue meionil Minerva, com um carreca-
mento da superior firinha muito nova, e
acba-se Tundeado de fronte do caes do Ha-
mos, onde te vende a preco commodo, ou
emcasa de Manoel Ignacio de Oliveira, na
praca do Commercio, u. 6, primeiro indir
Cabos da Kussia.
Elisio a venda um completo sortimento
de cabos d linho da Itussia de 1 al 5 e
meia pnliegadas de grossun, por menos
preco noque em outn qualquer parle : ni
rua da.Cruz, no llecife, n. 1J.
Na rua Nova, n 6, loja de
Hamos & C.
A o barato.
Vendem-se (uvas de pellica, para meni-
nas, senlioris e homens, a 400 e 640 rs. o
par; jogos de vispora pan divertimenlo, a
1,000 rs.
Na loja de Maya Hamos & Gomw
panbia, na rua Nova, n. 6,
vendem-se espartilhos completos pira se-
niora, basteas mignelisadas para moles-
lia de estomago, e plidas cores; lovas de
pellica com enfeitrs modernos, a 8,000 rs. o
par ; ditas de dilTerenles qualidades pira
senhoraepara liooiem; si palos de msrro-
quim, de lustro e desetim brinco de lodos
os lmannos; e outras muitis fazendis por
preco commodc.
Garrafas vasias.
Na rui doAmorim, ns. 56 0,58, vendem-
se gigos com este genero, laceas com farel-
los por barato preco e dilas com familia de
maodioea oiuilo superior.
A 640 rs. o 'covado do al-
paca preta ina.
Loja ii. 5,
deCuimarSes& llenriques, que hi esquina
pan rui do Collegio, vende-se alpaca pre-
ti fina, pel diminuto preco d 640 r. o
covido, pre^o este por que nunca se vendeu
fazenda igual.
Vemdem-se, por menos do
que emoutra qualqncr parte, cha-
peos de palha de carnauba, e sa-
pates do Aracaty ; tambfcm se
vendem frtfsqueiras de superior
genebra de llollanda, por commo-
do preco : a fallar com Antouio
Joaqun) Vidal & C
Prelo a 5'.on#i'rS. a
Cal a 3,ooo rs. o barril.
Cunha A Amorim, para liquidaren), ven
dem um reatante de barris com cal vir-
uern de Lisboa, pelo diminuto preco de
3.000 rs. o barril : na rua da Cadeia do Re-
cife, n. 50.
Vendom-se, para liquidacSo, chapeos
de palha e est'iras ditas do Aracaty, por
preco commodo : na rua da Cadeia do Iic-
cife, n. 9.
Vendem-se sapatSes de cou-
ro de lustro, pelo baratissimo pre-
co de a,5ooe 3,ooo rs. suporio-
res, e de ponto fixo, a 3,6oo e
4,ooots. ; ditos de bezerro fran-
cez, a u,5oors. ; ditos brancos do
A racaty : na rua da Cadeia do lle-
cife, n. 9.
Panno pardo fino a 4,000
rs. cada um cova o.
Na loja da esquina da rua do Crespo, n 5,
vende-se panno fino pardo e cor de caf,
pelo barato preco de 4,000 rs o covado;
dilo preto e azul, a 3,000 rs. o corado, e de
nutras mullas cores e quilidadea, por dimi-
nuto preco.
A o barato preco de 140
rs. o covado.
Na loja n. 5, ueCuimsrfies & llenriques,
vendem.se cbitis escuras, pelo diminuto
preco de 110 rs. o covado, e de outras mul-
tas qualidades por diminuto preco.
Acaba de chegar
loja da rua db Crespo, n. G, um
novo sortimento de fazendas ba-
ratas,
como sejam : csssa-cbitss muito finas, de
cores fixas e cm palmos de largura, a
330 rs. o covado; cortes de dilas a 2,000 e
2,400 rs. ; rascado do linho, a 240 rs. o co-
vado; dito de algodSo americano para ea-
cravos, a 140 e 160 rs. o covado; dito mons-
tro com 4 palmos, a 200 rs.; zuarte azul, a
0 rs. o covado (dito furia c6res, a 200
chitas de copes lizas e de bonitos pa-
droes, al60e180ra. o covado; cortes de
fuslflo, a 600 rs.; chales de tarlatana, a
1,280 rs.; meios ditos, a 320 ra.; coberto-
res deafgodflo, a 640 rs. ; alpaca preta de
cordo e com sete palmos de largura, a
1,280 rs. o covado; e ou I ras muitas fazen-
diiseni conta.
Navalljas de patente.
Vcndem-sC navalhas finas jk
patente para fazer barba ; estojos
completos de todos os ferros para
cirurgia, obra muito ina, por pro-
co commodo : na rua da Cruz, no
Kecife, n. 43, loja de Joaquim
Antonio Carneiro de Souza Aze-
vedo. '*
Bichas de Hamburgo.
Vendem-se as verdadeiras bi-
chas de Hamburgo, aos ceios e ai
retalho : tambera se sngame v8o-
se applicar a quem precisar : nal
de P"-Irua da Cruz, no ftecife, n. 43, lo-
Vende-se urna preta moca, sem vicios
uom molestias, o que se afiance, a qual co-
mida o diario de urna casa, cuse soffrkvel
mente, engoman, e he boa ensaboadeira
defronte da ribeira do peixe, n. 3.
Quem admirar
venha ver e comprar.
Na rua do Crespo, esquina que
volt paras cadeia,
veodem-se pasmos pretos, a 3,000, 8,600 e>
5,500 rs. o condb; dito azul, a 3,000 rs.
dito cor de rasifimulto superior, a 4,000 rs.;
cortes de casemira prata, muito boa, a 3,200,
5,000 e 10,000 ra; ditos de letim de cores
pan colletos, 1,600 rs.; ditos de gorgu-
ro, a 1,280 rs,; ditos de brm branco de<|
linho para caifas, a 1,600 rs.; ditos de fus-
ilo para collele, a 600 rs.; ditos de cassa
para vestidos, de muito bom gosto, a 9,400
May;
. sacca,
o o melhor que tem vindo a este mercado ;
na rui da Midre-de-ffc-oi, irmizem de Vi-
cetit* Frrein da Costa.
[' Vendem-te rrtesde calcas de case-*
modernos, a*
do sobrado,.
Sin iras da Cores, padrees
4,000 ra. o rrte : na loja
.^rntrellodos qoatro-Cintos da wa do
s>Queimado, p. 39.
4****.*
Venderse cera do carnauba,
mil rs. a.arroba : oa tua Direita,
n, 36, primeiro andar.
Vende-se arroz branco superior, a 1.(00
rt. i arroba, 60rs. aliones 320rs. cuia;
(eijo inulilinlioe preto novo, a 320a cuia;
zeite decarnpito, a 240 rs. a garrafa : no
piteo do Carmo, n. 9, renda nova.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de dilTe-
renles modelos : na fabrica de machinas e
fundicSo de ferro, na rua do Brum
ns. 6, 8e10.
Para se acabar.
Vendem-se superiores pannos finos da
melhor qualidade que tem apparecido (pro-
va de limllo) cor d caf, a 4 e 5,000 rs. o
covado ; dito azul, a 3,500 e 5,000 rs. ; dito
prelo, a 5, 6, 6,500, 7. 7,500 e 8,0oO rs.
qualquer deltas qualidades he a melhor
possivel; cortes de casemira de cores mui-
to linas, a 4, 5, 5,500, 6 e 6,500 rs.; ditos de
meia rasemirasde 13a, de bonitos padrOes
a 1,600, 2. 3 e 3,500 rs. ; casimira encarna-
da n.uito fina, a 1,800 rs. o covado: cha-
peos de massa francezes, do ultimo gosto, a
6,500 e 7,(00 rs.; setim prelo maceo mui-
to fino, pan collele. a 2,800, 3 e 3,500 rs. o
covado ; camisas de meia muito linas,
1,280 rs.; alpaca preta fina, a 640, 800 e
1,000 rs. o covado; piinceza preta, a 800 rs.;
cbales de 1.1a de superior qualidade, a 1,60o
2,500 e 3,500 rs.; csssa de ramagem gran-
de e de vara de largura, superior fazend*
para cortinados, 700 e 800 rs. a vara .- to-
das estas, fazendas silo de superior qualidi-
des vendem-se por estes precos para se
acallaren) : na rui do Collegio, u. I, loja da
eslrrlia.
#*t 99
A TUHCA. %
Chegaram os muito procurados cr-ff
tes de tapete para spalos, tendo gran-*
variedede de gostos: vendem-se ns#
Coja do sobridOimirello, nos qualro-ir
cantos da rua de Quelmado, n.29. #
# O t*
Ra rtia Nova* n. ftv loja
de M-ya liamos & O,
vendem-se ricas bandejas de todos os l-
mannos, com guarnico de fina casquinhi;
ditas sem guirnices; grinaldaa para noi-
vas; flores brancaa, rosa, Jaranja e avellu-
dadas; trancas de de differentes cores e
larguras ; e nutras muilas fazendis para
enfeites de senhon : tudo muito em conti
Jogos de vispora a 1,000 rs.
N*i rua Nova, n. 6, loja de Maya
Hamos & i ompanhia,
vendem-se por este diminuto preco para
divertimenlo das noites de San Joflo e San
Pedro.
Vende-se um preto de bonita figura :
na rua larga do llozario, n. 21, fabrica de
cigarros.
Vende-se umi ciss terrea na roa das
Calcadas, n. 35, na esquina, e nSo he de
muiUi valor : a* rua de llortas, o. 142, se-
gundosodar.
Vende-se assido anlnWnrian
a Joo rs. a libra : na rua do Cabu-
g, loja do Duarle.
Vende-se aacca com arroz a 1,200 ra. i
arroba: no paleo do Paralio, u. 20.
Tecidos de algodo.tran-
cado da fabrica de To-
do8-bs-8aiftos.
x1 a rua da Gadeia, p. 5U,
eodem-se por ataesdo dusH qualidades,
ro linho, a 1,600 rs.; casis preta, a 140
covado ; ditas de cores muito bonitas, s 200
e 280 rs. ; alpaca preta de cordSo, com 7
pilaos de largura, a 1,980 rs. o covado,
sendo esla fazenda muito propria para cal-
Cas, sobre-casacas e vestidos, por ser muito
forte econmica em rasSo da largura; ris-
cado de linho azvlzinho, a 840 rs. o- cova-
po; lencos de seda pira grvala, a 1,280
rs. ; ditos para algibcira, a 1,280 rs. ; zuar-
te azul de vari dlarguri, i 300 rs. o cra-
lo ; dito furia cores, a 800 rs. ; riscido
monstro, a 300 rs.; picote muito encor-
pido, proprio para escrivos, i 840 e 180 rs.
o covado ; riscado'de algodSo americano, a
140 rs. o covado ; cortes de brim de listrsi
decores, a 1,000 rs.; ditos com. lislra so
do, a 1,380 rs. ; ditos escuros, s 1,280
rs.; peces de chila* iiiuito bonitas, a 5,500
r.s.; dilas escuras decores fitas pora casa ,
a ICO e 180 i, o covado ; chales de tarlata
na, a r,280 rs. ; melos ditos escuros, s 820
rs. ; lencos de cassa pare grvala, a 320 rs
meiis pira meninos, a 100 rs. o par; dilas
muito superiores para senhon, a 400 rs.
lencos pequeos de 13a com Ires ponlss pa-
ra escravos, a 140 ra.; cassa de xadrez para
vestido a 320 rs. o covado ; pecas de cam-
braia lisa com 8 varas e meia, a 2,700 rs;
dita muito lina, a 640 e720rs. avara .-cha-
peos de sol, de panninho com hasles desa-
lis, muito bons a 2,000 rs.; e outras mui-
tas fazendas baratas que a vista dos com-
pradores se farSo os precos.
Chsrutos.
Na rua da Senzalla-Nova, n. 42, vendem-
se charutos superiores da marca victoria.de
Havana ; ditos primores e regalos, por pre-
eo commodo.
Panno couro a l.OO e
1,300 rs.
Veadem-se crles da excedente fazenda
denominada pajino couro, i 1,200 e 1,300
rs. o corle de calcas : esti fizenda he mu|lo
encorpada, escura e de moita durc3o : na
rua da Collegio, n. 1, loja.
A.,()0()rs. o corte.
Na loja n. 5, quefaz esquina para a roa
do Collegio, veodsm-se cortes com 3 cova-
dose meia de brim de algodSo trincado de
lislnsedequadros, pelo binto paego da
1,000 n. cada um rrte.
Os antros riscados mons-
Ims a *2t\0 rs. o covado.
Ni loja de Cuimarars & Heuriques, ven-
dem-se os antigos riscados monstro, de 5
palmos de largura, e da padrVs novos,
Silva 'Lopes, vende-se farelo, a
3,oo0 rs. a sneca, e farinha de tri-
go franceza da marca Barto, por
preco comtatdo.
Com 8 palmos'dc largu-
ra o novo algodo mons*
ti o trancado califor\.
Na loja confronte so areo de S.-Anionio,
a 5, Vende-se o novo algodSo monstro tran-
cado, com 8 palmos de largura, pelo barato
prego da800 rs.avara.
M
Escravos Fgidos.
*
6,000
5,000
6,000
5,000
7,000
ja de Joaquim Antonio Carneiro'
de. So tiza Azevedo.
gW*ffWff f f t tf f VO
J> Na loja do sobrado amarello, nos aJc,o
? quatro cantos da rua do Quelmado,
F n. 29, vendem-se
S, Chapeos francezes de forma
0. moderna
H> Cortes de caleas de casemira
n> de padrops esenros
> Ditos de dito modernos
* Ditos de collele de gor^orSo
* de seda bordados
? Ditos de selim de edrea br-
J dedos
Alpaca mesclada propries
para gndolas e pililos, o
covsdo
Merino preto muito fino, o co-
vide
Dito verde e cor de caf, pro-
prio para veatido de monta-
ra, o covado
Lencos de soda de cores para
gravita
Crle de collele de varias fa-
zendas 800 e1,000
Eoutnsmuitis fazendas finas, co-
mo sejam: panno preto de 3,500 a
11,000 rs o covado; ditos de cOres ;
caaemira preta elstica ; selim pre-
to de Macao ; chales e mantas de se-
da; c"rtesde vestidos de seda de co-
res e brancos ; esguiSo finissimo ;
meitse luvas de sedi pin senhon
tudo por preco muito commodo.
Fugio, no dis 28, o preto Joaquim, de
nscSo,desoanos pouco ma'is ou menos,
de oorpo regular ; tem os denles todos per-
gurossos, e um signsl de quelmadura as
costas do tamanho de urna mflo, sem bar-
ba ; levou camisa e calcas dealgodlo i sea-
do azul: quem o pegar leva-o as Cinco-Pon-
tas, rua Imperial, n. 31, que ser gratifl-
720
3,800
3,500
800
*

a*
01
^roprias para saceos de assucsr e roopa da
Bscravow- **
Ovas do serjo,
muito fraseaes -. vendem-se na rua do Quei-
pado, u. 14, loja de ferragens.
Muendas superiores.
280 rs, o covado ; riseados california, de co-
res linas e muito encorpadoi, e tamben de
cores escuras, pelo barato preco de 900 rs.
o corado.
Fazendas baratas.
Noarmazemde fi?endis, de Haymundo
Carlos l.eite, na rua do Queimido, n. 37, ha
um bello sortimento de fazendas de todas
as qualidades, por os precos mala comino-
dos que se leem vendido, a ssber: pecas de
madapolflo da India, com 34 jardas, muito
fino, s 3,200 rs.; dito muito Uno o encorpa-
do-, com 4 palmos e meio de largura, muito
proprio para camisas de escravos por ser de
muita dursefio, i 3,600 rs ; alpaca de cor-
dSo, de lindos goitos, e de diversis cOces,
proprio para pililos, casacas e calcas, a 800
rs. o rovado ; dita preta muito fina, a 800
rs.; ptimo riscado Trance! de varias cores,
a280rs. o covade-; cortes de brim pardo-
para calcas, a 1,400 rs.; ditos de quadros
miudos, muito bonitos, a 1,000 rs.; risca-
do monstro, 910 rs. o covado ; corles de chi-
ta chineza, gosto esrolhido, a 3,500 rs. ;
atualhada entrsncido com 7 palmos e meio
de largura, a 800 rs. a vara.
Rita >ova, o. 34.
Madama liossHSrdy, modista brssileira,
acaba de receber de Franca lindos capoli-
nhos de fil prelQ para seuhora e meninas,
os quaes vende muito barato.
A 1,000 rs. o corte de
BalyM*
Vendem-se britis troncados de
istras ao lado, dos inais moder-
nos padroes, tendo tambem rftr
de ganga, a i ,ooo rs o corte de
calcas : na rua do- Queimado, n.
8, leja conlronte a botica.
Tcr.dc ; um ooniio molcque de 80
anuos, que rozinha o diario de urna casi,
telo preco de 370,000 rs. : lodos os dUa.de
meio-dli em diante: na rua larga do Roza-
rlo, n.48, primeiro andar.
Vendem-se 4 moleques, % de 14 an-
nos e 3 de 18, bons para todo o servio que
osqueirim applicar;.9 pretos ptimos pa-
ra servirem a urna casa, e ganhareui na ruai-
uma prela que cozinha, engomuia e lava
rOopa de sabio muito bem : ua rua do Col-
legio, n 31, primeiro andar,,se dir quem
vende.
Chapeos de sel.
Vendem-se chapos de sol, de sida preta
com barra latrada, a 6,000 rs.; ditos furti-
cres, a 6,500 rs.: avies cbaaees sSo mui-
to bou iCunutruidos, multo forte* e de boa
seda : na rua do l'aieeU), n. 5, fabrica de
chapeos de sol.
Ve.uiem-see aiugam-se as melhores bi-
OAAAik
-- Vende-se um sophi de Jacaranda, com
fgum uso, um jogode bancas de dilo, 13
cadeirss e urna meai de meio de sala de di-
to ; mobilias de oleo noval; e outros min-
ios Instes novos : na rua da Cadeia de S.-
Antonio, n. 18.
Aloalhado de linho de
California com 6 pal-
illos de hirgura.
Ni loja de Guiorarles & llenriques, ni rui
d Crespo, n. 5, vende-se o novo stoalhado
california de puro linho e com 6 palmos de
largura, pelo barato preco de 1,130 rt ; as-
sim como ha de 5 palmusdelirguri.a 1,000
rs. a vara.
Na loja de seis portas do
pateo do Livramento, vende-se
panno de coqueiro, a 3,aoo rs. a
peca, ea arjo rs. a vara.
Ra loja de Maya Hamos & Com-'
panhis, na rua Nova, n G,
vendem-secaixascom tintas para desenhos
de differentes qualidades; papel pautado
para musios ; palhetas para cJarinetase re
quintas : ludo por preco rasoavel.
Xa loja de seis portas
enfrente da tgreja de N. 9. do Livramento,
vendem-se chitas, s 180,140, 160, 180 e 200
rs. o covado, e moito finas, a 340 rs.; algo-
dSo monstro para tuallias e lenroeB, a 800
rs. ; chales de chita para meninas, a 200 rs.;
alpaca de algodSo para pililos, i 160 rs. o
covado ; fraoklim prelo, a 480rs.; sarja do
ISa com duaa larguras, a 800 rs. o covado ;
alpaca preta, a440rs.o covado) e todas as
oais fazendas por preco a convidar a trocar
cdulas para enroupar familia.
Peehincha
para os amadores da santa
economa.
Uros poroso de finas casia*, francezia de
4 piltros e meio de largura, de llslras aZues
e encarnadas, com flores de todas as cores,
gostos muito bonitos e modernos : estas
casis foram arrematadas em leilo, por is-
s'> se vendem pela melade de seu vslor, di-
nheiro s vista, a 240 rs. cada um covado :
oa rua do- Crespo, n. 14, loja de Jos Fran-
cisco Dias..
lio reir & Vellozo
vendem muito bom damasco de seda de
qualquer cor, poiS acabam de receber um
bello sortimento degsa fazenda, que tanto
he boa m qualidade como em preco com-
modo : na rua Nova. n. >"<
90QO0OQQQ*Q
j?Deposito gerai do superior ra-j
- pe A rea-1'reta da fabrica S
de Caotois l'ailhet 8r C. O
na Babia.
200^000.
Fugiram de bordo do brigue
Sem-Par, vindo do Bio-de-Janei-
ro, dous escravos, sendo um do
9
O
O
O
HomingoaAlvesMatheus, sgente da^
n nomingcnvAivesaiaiiieus, geme aa^;
fabrica d rap auperlor Areia-Preta daJ^
^Baliia, iem aberlo um deposito ni rus^
5*ds Crus, no llecife, o. 59, primeiro an-*3
Vdr, ondeaeaeaara empre dste ex->
<3cellenlemars acreditado rap: ven-*?
Ode-se em botes de urna e meia libra,O
O por preco eomaod. Q
nome Sabino, de cor parda, esla-
lura regular, de ao annos pooco
mais ou menos ; levou calcas e
camisa azues, e bonete encarnado:
o outro de nome Ktizebio, crion-
lo, de a4 anuos pouco mais ou
menos, estatura alia; levou calcas,
camisa -e bonete ames. Hoga-ae as
autoridades policiacs e capilSes de
campo, que os apprebendam e le-
vem-nos ruado Trapicbe, n. 34,
casa de Novaes &c Companbia, que
recompensar.
Fugio, no du 35 dejunho, o prelo An-
tonio, crioulo, de trinta e tintos snnos
pouco mais ou menos ; tem as pernas finas,
testa de cantos ; lem falla de um ou dous
denles ds frente do Isdo sucerior ; levou
calcas de casemira rrtr oe caf j usads, ca-
misi de algodSuazul e chapeo de pello pre-
^g lo : quem o pegar leve-o ao fteeife, no
- Forte-do-Mattos, tnvessa daMadre-de-Deos,
n. 1, que ser gratificado.
-- Fugjo, no dia 3 do corren te, o escrevo
Denlo, de nacSo Camuud, alto, cheio do
corpo, sem barba, ps grandes, anda um
tanto banzeiro ; tem no peito do paqner-
do e em cima do dedo grande do mesno p
urnas feridss ; levou smenle -calcas azues
muito sujas, mas tulvez tenha mudado do
roupa : quem opegarTeve-o i rua do Col-
legio, venda que foi de SebaaliSu Jos Go-
mes Penni, que ser gratificado.
Fugio, ha 9 para 10 mezes, o crioulo
Rapliael, de 35 annos, altura regular, quei-
xo redondo, pquea barba, olhOs muita vi-
vos ; lem nos ps um dedo corlado pela
junta; he serrador; muito retorico no
fallar; quaodo inda empina n nadegas pa-
ra tres Miguel, crioulo, meio fulo, cabello
pintando, de 46 a 50 annos, bs-ixef-com fal-
ta de cabellos que esta quisi calva, pouca
-barba, queixo lino, olhos vermelhOs-o arre-
galsdos, mnito ladino e conversador, cheio
do corpo as-paz, pernas finas, ps> peque-
nos ; e com o mesmo umi escrava de nome
Ron, crioula, bem prets, altura regular,
com marca de fogo no rosto do lado esquer-
do descendo ios hombros, p, e braco, em
partes que parece ago quente: quem oa
pegar leve-os ao engenho Ilh'a-dc-liello, ou
nesta praca a Antanio Alvel de Miranda Cui-
msrScs, na rua Direita, n. 69, que se re-
compensar com 30,000rs. porcada um.
5o,ooo rs. de gratitlcacSo -
a quem pegara prela Alaria Joaquina, de
30 a 40 annos, que fugio nO da 11 de abril,
de nacSo CongOj baixa, gorda, cOr retia,
hetigosa, olhos pequeos; tem em urna das
faces um signal de carne; lie bstanle ar-
dilosa, por jsso he capaz de Iludir qual-
quer pessoaquea nSo con beca ; sabe to-
das n povoicOes da provincia, por les su-
dado i vender miudezas pelo mallo com
urna crioula de nome Felicidide, de quem
fui escrava ; talvez sua fuga ande enrnl er-
ti com o negocio de vender miudezas, poia
jideoutra vez que fugio andav venden-
do-as, e assim miis cnslosi d ser pegsdi.
Iloga-se as autoridades policiies e capilSes
de campo, que a appreltendam o levem-na
S HiadosQuarteis, n. 22, ou na praca da
Independencia, n. 17.
5 de junhode i85o.
Fugio, da villa do Bonito, o eacravo I. ou-
reneo, erioulo, baixo e corpolento, de cOr
nem muito preta nem fula ; lem falta de
unlus em lodos os dedos dos ps, por cau-
sa de birlips que leve em pequeo,' caa
redonda, de 20 annos: quem o pegar ieve-o
JO vigario ds dita vilU, o padre Manoel de
lelloFalcSo M., ou ni roa da Cadeia do
Recife, n 34, loja de cambio da viuva Viei-
ra & l'ilho, que se gratificar.
Fugio. do engenho novo do Cabo, no
i 4* de iiinh/> r?'_- cr:cu vTc.-
fie Carpira, de tiome .ui dos Sanios, de 84
annos, alio, corpo regular, orelhas reque-
nss, ss mSos e i es batanles grandes, n&o
tem bsrba ; he bastante carrancudo : quem
o pegar feve-o ao dilo engenho,' que; ser
recompensado.
Fugio, do engenho novo do Cabo, bi
dous mezes pouco mais ou menos, ums
rea ciiouli, de nome Anna, de 18 anuos,
Its, msgr, com Os beieos groaros,-nariz
equflno, chalo e com as ventas irragaci-
s; foi vista para as bandas da Muribeca,
o engenho Penanduba e nesle llecife :
uem a pegar leve-a ao dito engenho, que
era recompensado.
- Fugio, do engenho novo do CabojM-
L 2 fu"^'Soxto 'c- tarrOt Companhi.f, 4h.a Hamburguezaa que ha, no mercado,
Am S.-Amaro, ,cham-se a venda moendaa tent em porcSo como a reullio : na rua
le carina, todas de festo; de um modelo e JasCrozes, d*40, taberna da Domiogw da
onstrueaflo muito saaenor, Isiiva Camnoa. "'ogos ua
Silva Campos.
A 6,5oo rs. dinbeiroa vista
i Vendem-se sapitoa de couro de lustro
rancezes, forma inglez, pelo diminuto
preco de 6,500 rs. o par ; chapeos de palha
e Manilos, muito finos ; cannas da India
erdadeira para fazer bengalas : ni roa No-
a, D. 2, atns da matriz
No armasem de Joaquim da J
fie Janeiro do crrante anno, o molequs Be-
edicto, crioulo, com principios de cirrei-
9, lio, nari chato, rom falti de
entes ni frente, ps grandes : quem Tr !e"= iiiio. uua sera re-
eompeasado.
engo&ho, que aera

ail. : N4TTP. DS M. F. DB F.R.U. 1850.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEGTMWOTP_0OY6TX INGEST_TIME 2013-04-26T21:44:52Z PACKAGE AA00011611_07503
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES