Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07501


This item is only available as the following downloads:


Full Text
w
.
Anno XXVJ
.
Qtiinta-fei'ra 4
MBTIBAI DOS Cl >BB1 10*.
Golanna c Parahlba, segundi'teie '" felras.
Rio-Grande-do-Nortc, quinta* "
da. v
Cabo, Serinhem, Ro-Forraos, i, Po. *to-Car*o
e Macelo, do I., a II, e 21 <1 e cad a mez.
fiaranhuns c Bonito, a 8 e 23.
Ilo.i-Vi.iia e Flore, a 13 e 28.
Victoria, as quintal feiras.
OUnda, todos os das.
mi ni.....nfc
PtliSIS Di LOl,
/Ming.aS, aa3h.e38in.dat.
I Nora a 9. os 7m. d t.
} Creac, a 16, s 4 h.elSm. da m.
(Chela a 24, s3 h.e4 m.di ra
'MAMAS DI HOJZ.
Prlmelra aos 30 minutos da tarde.
Segunda os 54 ininutot da manhia.
rl Julho H* 1880.
, l

N. 147.
" ba inui.
Seg. S. Tbeodorlco. Aud. do J. dos orf. e m 1. vi
Tere Visitaco. deN. S. Aud. do chae, do '&.
meos da UBaoai*r/Ao. .
iPortretmezesfadioiirsoio.) 4/000
[Porselsmezei 8/0001
I Por 0X1 auno 15tiJO0]
-m -.
I
2 Ti
J. di 1. r. do'civ. e do dot feltos da fazeiida.
3 Quart. S. Jaciatho. Aud. do J. da 2. v. docirel.
4 QuinL S. Isabel. Aud. do J. dos orf. e do m.
da I, V.
5 Sen. S. Atbaoazlo. Aud. doJ. da 1. r. do civ. c
dos lei tos da fazenda.
6 Sab. S. Domingas. Aud. da Chae, e do J. da
2. v. do crinie.
7 Uoin. S. Pulquera-___
Oa\SIOS W3 K IDMO.
bre Londres, 26>/, a27 d. por 1/000 ra. a 60 diai
Paris, 340.
Lisboa, 105 por canto.
Ouro.Oncas haspanhoes......... 29/000 a 29/T*
Moedat de 6*400 velhas.. 16/500 a 16/700
de 6/400 novas.. 16/100 a ltipOii
de4*JO0........... 9/100 a 9/200
Pratm.PatacSes brasilelroi...... 1/980 a 2/iH>0
Pesos columnarios....... 1/980 a 2/000
Ditos roexlcanot........... 1/820 a 1/810
fca*r*>w-......~
-.^^5
PARTE OFFICIAL.
GOVERNODA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA l." BE JUNHO.
Oflicio. Ao coinmandante das armas decla-
rando qiie pode mandar asscnlar praca como
voluntario, ao paisano Francisco de Assiz Mon-
VBro. certn deque Ihc ten arbitrado a gratili-
caco de 60,000 rs, sendo trinla pagos vista,
c o resto em presUces meuian le: 16,000 rs j
nao succedendo porin o inesmo com Joan
Francisco de Oliveira, por nao ler sido favo-
ravel o parecer da junta de saude, queoint-
peccionou. Scleniincou-sc
pagadorla militar.'
Dito. Aojuiz relator da junta de justica ,
remetiendo para depols de vistos seren apre-
senlados em sessao da inesma Junta oa pro-
ceisos dos soldados do oMarto botalhode ar-
fiharia a ,.,' slaUquL. Lc.ue raga, e Antonio
Fauatino de Azevedo Participou-se ao com-
uiandante das armas.
Dito. -- Ao chefe de polica, para que man-
de receber a bordo do patacho FntVnK, o par-
do escravo --Rodrigo Ignacio aflu de ser en
trege seu senbor Antonio Finigdio Ribelro,
logo que este, pague naquella repartirlo a
i|iianlia di- 57,200 rs. em que importam a pas-
sagem do dito escravo, e as deapezas coin lie
fe I u a na casa de correi-co da coi te.Iji.ei-
rou-se ao coiiiiiiandante do dito patacho.
Dito. Ao inspector da hesr.uraria da fa-
ienda provincial, para mandar adlaotar ao en-
genlielrn director das obras publicas, a quan-
a de 2:000.000 rs^ para continuacao da obro
'casa de drtencio, visto char-se qnasl eago-
tado o ultimo ada..lamento que se Ihe man-
dn faz a* para o inesmo fin. --Intelligcnciuu-
se ao inesmo engenheiro.
Dito. Ao inspector do arsenal, de mari-
nha, inteirando-o de ter S. M.' o I. segund.
consioii de aviso do ministerio da inarlnha de
27de fevereiro ultimo', concedido ao doulor
Tlioind Fernandez lladeira de CasUo secreta-
rlo da capitana do porto, e da inspeccSo do
inesmo arsenal, trei inezes de llcenca com os
respectivos vencimentos para tratar de sus
saude Inlelligeuciou-se ao contador de Ma-
ri nha
Dito. Ao niesmo, ordenando que mande
receber do commaiidante do patacho F-
lente, e os conserve naqiiclle arsenal a
t que se oflereca occasio de serrn trans-
portados psra a tilia de Fernando dous frica-
nos llvre ofliciaet de cavoqueiroi, que vierain
da orte coiu a inesma ilhas Inteirou-se ao
coinmandante do referido patacho.
Dlto.--Ao engenheiro director das obras pu-
blicas, selenlieando-o de ter approvado a
proposU. por sua I-nic fulla, dos individuos
queteiu de aervireiu de detenh Islas na repar
tipio scu cargo.
Regulaniento. O presldeute da provincia,
tica .-nitur isadn pelo artigo 12 da Ici provinefal
n. 123 de 17 de agosto de 1848.- resolve :
Artigo, 1. --A commisio encarregada de
dar bataneo a enluca thesourarla das rendas
provinciaes, ser composta de tres ineinbros
Art. 2. A coinmissao ter por objeclo o
etame de todos os livros, quer de recelta
quer de desprza da referida thesourria, e dos
respectivos documentos, e por flu conhecer o
verdadeiro saldo drlla, para o que deprecar
do inspector da iHesourarida fazrnda provin-
cial lodos os livros, e documentos da eitincla
thetouraria senda aquelies inserrados pela
coinmissao a medida, que forem sendo exa-
minados.
Arl. 8 A coinmissao depoia do rame dos
documentos de r.ceila e draprza, far o dos
batneos annuaes da exlincia thesourarla que
existeui impressos com excepcao do lo cicrci-
cio de 1847 48 para de sua confronlaco com
o calza ou livro da receita e despega se conhe-
cer se cita e aquella, bein como os saldos
corresponden) aa cifras representadas nos
inrsmns balancos.
Ari. 4. Como o inaior alcance da eitlncta
Hiesomaria, piovm de extravos das letras
dos contralor, he para este ponto que deve
convergir a inaior altenco da coinmissao
q*e, ou na falla de escrintirracao regular ou na
ausencia della, a devera organlsar aflu de ba-
lancearespecialmente a cunta de letras para o
one, alein dos livros de receita dcapeza, re-
forrera aos termos ou contratos dos diversos
iuiposins arrematados. '
Arl. 5..- Ao lospeclor da thesourarla da fa-
zeuda provincial, quem fica subordinada a
coinmissao, incumbe lis.-atisar a exacta obser-
vancia deite regulainenlu. e o desempenho
das obrigaedrt da couiinissao, cujo Uabalho
diario aei ao menos de 4 horas.
Art^.A presidencia arbitrara aos inembros
da commlsio uina gratificado ineusal, que
podera ser augmentada em vista do Irahalhu
do priuielrn mez, que'a coiuinissao apresenur
para ser levado ao conhecimrnlo do tribunal
administrativo, acerca da qual dar o inspec-
tor ma inrormaeao por escripia, apreciando o
seu merocimrnlo. Para o recrbimeniu mensai
da gratilicacSo exhibir a eoinmlssSo o ponto
assignado pelo inspector.
Jos Raymundo da Costa Mene-
zes
3 Joaquim Pires Machado Portella
l.*_ Joaquina Jos da Fonseca
6 Ignacio Joaqulin de Souza Leao
6 Manoel de Souza Garcia
F Izrain-se as convenientes comuinni
9fles .
Dli 'A.--Romeando anontador das pessoas em-
preg.- idas nos irabalhos graphlcA da estrada
do sn I a Francisco Marques Perelra, adaobr
do dii, iie do pantano rl'Olinda a Christnvo Pe-
j;eira -Pinto. Kxpediram-se as convenientes
coinini loicacdei.
armas.
de
(oininaii.il) das
Quarttl flneral na villa VAgoaPrcta 8
ai'o de 1850.
OREDM DI) DA N. 80.
Atienden.do o Esc. Sr. cense)herr de estado
presidente desla provincia aos servicos pres
indos pelo | irimeiro sargento do oitavo bata-
IMo de cae adores do exercito Joao Baptlsta
dos Passos, loi servido por portarla de 25 de
abril proxlm o lindo, noinea lo alferes de coin-
missao, para servir no inesmo batalho. O
mareehal de campo graduado, coinmandante
das armas, d; indo publlcfdade a este acto de
S. Exc, que Ihe fol coinmunlcado em oflicio
da inesma dala, publica Umbem para conhe-
cimento dos Sis. oIBciaes do estado nesta pro-
vincia em servico, que tendo occorrldo militas
duvidas na pa gadoria militar acerca do alu-
guer de casa para allojaniento dos ditos of-
Oclaes, e havendo o mermo Exm. Sr. Presi-
dente em consldeiaeao. ao qu por parle da
referida ngado,ra Ihe fra representado para
regularldadeda escripturaciio, resolver pro-
visoriaincntfi por nflicio de 27 do citado mez
de *brll, enderezado ao Inspector daquella re-
partico, que enaqnanto o governo imperial
nao mandar o contrario, ot olhciaes que na
fnna das lels. regulamentos e ordens a res-
peito, teem direito a allojamentos, fossrm
pagos da quantia que nesta provincia aeacha
marcada par. alugurr de casas, segundo
os seus postos, exercicios e comniaodos. me-
dlante a apresentsjao naquella pagadura, de
un attestado do commando das armas pelo
qual mostreiu o direltp que leein ao allola-
mento em fallas de quafteis, medida esta nnc
S. Exc. fez estenesva a aquelies oIBciaes que
tendo o direito a seinelhaotes allojamentos
por circunstancia n3o baviam sido pagoi al
aquella dala.
Antonio Correa Sera.
EXTERIOR.
TRIBUNAL D.x HELACAO'.
SESSAO D 2 DE JULIIO DE 1850.
raBSioaricr do ixm, senuor cok-
SKI.UKIHO AZlVROO.
A'i horas do costume, achando-se presen*
tes oa Srs. desembargadores Ramos, Villares
Leo, Souza, Rebello, e Telle fallando coni
causa os Srs. desembargadores Ponce, Hasios e
Luna Freir, e o Sr. presidente declara aberla
a sessao.
J0LG.MK.1TOS.
Agarato.
Aggravanle, os herdeiro* de Francisco da Sil-
va ,- aggravadns, Jos Joaquliu Heierra Ca-
valcanti.
Fol assignado o priineiro da til para o jul
gainenio dassegiiintes appellaces em que sao:
Appellanlc, Alejandre Jos Gomes ; appellado.
Jote Antonio Gouies Jnior por si e como tu-
tor de eus filhos.
IV1I01!.
Passou do Sr. desenibargador Ramos ao Sr
desembargado!- Villares a segulnte appellacao
em que sao:
Appellante, Machado Pinheiro; appellado,
Francisco'Martlns de Lemos.
Paisaram do Sr. desenibargador I.eo ao Sr.
desenibargador Souza as seguiutes appellaces
em que sao:
Appellante, Cosme Francisco de Oliveira ; ap-
pellado, o juizo.
Appellante, Jos Paulino de Messias; appella-
do, o juizo.
Appellante, Joao de Carvallio Raposo ; appel-
lado, o juizo.
Appellante, bernardo Duarte Brandar) ,- appel-
lado, Manoel Joaquin Habsllo.
Appellante, I). Barbora Xavier de Mello e Ma-
tos ; appellados, Antonio Lint Caldas e Maris
Candida de Magalhes;
Passaram do Sr. desenibargador Telles aoSr.
ilrsembargador Ramos aa seguioles apppella-
eflea riu que alo :
Appellante, tulz Severlno Marques Bacalho
appellado, Antonio Jos Marques Bacalho
ror seu curador.
Appellante, JoaquinGoncalves Vielra Culina-
appellada, a administraco dos
raeseoulro
eslabcleciiiieulosde caridade desla cidade!
o came de cada anuo a.coin-l Appellante, Joaquin Lopes da Silva ; annalla
missao apresrntara urn relatorlo. em que cla-l do. L"'s Custodio Pereira.
a e nicciiit.mente demonstre o *\-........- ...I ^^5
uuramo or. ao Sr. deseinbargador Vllla-
^.,;n.. .-~.il..;:.. ...____.?
|inesoureiro, ou o desvio das rendas, que por
ventura encontrar, coiiiesprcincafao du quaa-
toein olas e em letras, emillindo alm dijto
*o exame linal o seu juizo a respelio do estado
la escrlpturaeo, c sua regularldade.Remel-
eu-se coplas do rrgulainenlo cima ao inspec
or da tliesouraria da fazeuda provincial e i
Knuiisao encarregada do exame da extincti
nesourarla.
, Portarla.-Nomeando supplenles dos julscs
lumclpae. da pri.neira e segunda vara Ueste
ermq os clUaUios abaixo declarados.
PIUMKIRA VARA.
1. Bacharel Francisco de Assis de Oliveira
2.* Aulouio de Vasconccllo jj.
zes de Dru-inond
Angelo Ilenriques da Silva
Manoel Jos uomlngues Code-
ceira
Antonio Rangel de Torre* llan-
deira
Jos dos Santos Nunes de Oli-
veira
SEGUNDA VARA.
."Bacbaral Joao Floripes Dial Brrelo
res a seguinte appellado em que sao :
Appellaute. Manoel PerelraMunizeo guardeo
do convento de San-Francisco desla cidade.
uisraisuIcES.
Ao Sr. desenibargador amte aeguinte aa-
gravo ein que sao : *
.*. ggravanies. Jones Paln & C. aggravada D
Francisca Thomazia da Concelcu Cunha.'
Ao Sr. deaembargador Telles a segulnte an-
pellacio em que sao :
3.
*
6*
6.
Appellante, Gabriel Matheus Evangelista ; ap-
pellado, ojuiso.
Ao Sr. desenibargador Vlllaret os seguales
aggravo e appellacao em que sao:
Aggravanle, Henrlque Uibson; aggravada, D.
Fraucisca Thoinaiia da Coucricao Cunha.
Ajipellinte. Manoel da Silva Lupes; appellados,
oourador herauca jaccnle de Fre CaeUno
de Santa Engracia, o curador geral c o pro-
curador flsc.il,
Ao Sr. desenibargador Telles a segulnte ap-
pellacao em que sao:
Appellante, o Juizo; appellado, Manoel Jote
remandes.
Levaulou-e a sessao depols de meio-dia.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE
PERNAMBUCO.
Parra, 3 de maio de 1850.
Deviamot (como na minha ultima Ihe dase
proceder aqui urna novaelcico. e os partidos
linhain empregado ludo para ganha-la. Al! A
vantagem cnube anda aos hnmrns dadesor-
dem/ O candidato demaggico foi elelto por
ina maioria de 8,000 votos sobre 260,000 vo-
tantes,
O candidato he o Sr. Eugenio Sue, autor de
romances obscenos. Calumniador perpetuo
da sociedade, esse homem, ao passo que finge
compadecer-se das miserias do povo, vive no
luxo e na devassldo; e. para nutrir seus caes
e cavallos. gasta dinhelro que chegaria riara
alimentar a tn f::-!-:: pobic.. Ei como sao
os pretendidos defensores dos dheitos popula-
res. Ilonieni entrrgurs a todos os vicios, e que
ein nada crein !
Semelhante eleicao assuslou Pars : aspes-
soat honradas! eslreinecem ao vrem-se mer-
ce de individuos em f e sem lei, que aspiram
iranstornar a sociedade. Verdsde he que a or-
dem material nao est alterada, e que a enr-
gica allilude do governo impde socego aos ban-
didos das ras. Mas o futuro inquieta : nosia
nica salvaguarda he o eercito, queathnje
est excellente ; mai o* anarchislas o assaltam
por lodosos lados. Se esta frca nos fallar, a
Franca ser dilacerada por lerriveis guerras ci-
vis; pnis nao he crivel que ella se entregue
ein r-elluctancla ao jugo de homens sanguina-
rios* ladrdes. "
Releva advertir que todos estar dispostoa a
sacudirein seinelhante jugo, caso tenhamos a
infelicidadc de o seutirmns. Temos urna con<-
tlluicao to mal elaborada que <" largas anar-
chla; mas devenios respeita-la, aliui que nao
concorramos para que os imbeceis se reunam
aos velh.icos para.alacarem e destriiireui o go-
verno. Entretanto, sem violarmns a le funda-
inental, pedemos tomar medidas enrgicas r
efficazes para consolidarinos a seguranca pu-
blica. '
O governo est reolvido a toma-las. A mais
importante de todas lie a reforma da lei eleito-
ral, qual deve de ser eilcitiiada de modo que,
nao obstante o suiTragio universal, nao poisam
tomar parte na eleif o os bomens de sacco e
corda, que pululam na nossas grandes cida-
des. O ministro de policia acaba de nomear
urna coinmissao composta dos mais amigos e
conspicuos inembros da assembla para elabo-
rar um projecto de lei a respeito. Kssa coin-
missjo esta trabalhando e parece-uie que con-
seguir excluir da lista dos volante! a lercriri
parte Vos inos, se inipoierao eleilures aobri-
gaco de pruvarem com docuinemo authenllco
o residirein ha dout annos los lugares em que
quierem volar. Esta medida fra de grande
alcance; mas a assembla se lein mostrado al
agora to Traca e medrosa, quc.recrio que ella
nao ouse dar lei o carcter decisivo que ac
bo de indicar.
Alm deque, os anarchislas ensaiaraili todos
os meios imagioayeis, inclusive os da lusurrei-
5S0, para Impedircni una reforma que lenda a
diziiuar o seu exercito. Os respectivos chefes
reco.....lendaram s soclrdides secretas, que
apparentastem amor aordeui e ao socego ; fin-
geni que nada querem tentar pela violencis
gntain al que mediante o sullragio universal,'
teem certeza de queobtero ludo pelas vias le-
gaes. Duvido rnuito.que este plano vigore al
o flm porquaulo os homens turbulentos nao
podein eslar in activos por muito lempo, mes-
1110 por calculo poltico. Mas, se o governoe
a assembla tomarein o pariido decisivo, por
miiii Indicado, e reforman 01 radicalmente a
lei eleitoral, errio firmeineute que eases ban-
didos teularo algum golpe desesperado, e se
derramarlo armados pelas ras,- o que lalvez
fra par. desrjar, pois o exercito cairla ubre
elles, c os aniquilarla.
Eu j dlsse a Vmc. que a assembla nao ten,
a energa que as circunstancias exigei. Pois
bem; ella acaba de prova lo. Tiuha-lhe o go-
verno apresentado um projecto que lixava o
sitio ein que os condemnados a desterro cuni-
pririam a senlenca, e etsc sitio era una das
ilhas Marquezas. A assembla adoptou o pro-
jecto ; mas, por um arligo especial decidi
contra os desejos do governo, que a lei nao er
applicavel aos Individuos condemnados antes
da sua promulgarlo ; de torle que a medida
perde toda sua erncacia, visto que ot verdadei-
ros chefes do partido demaggico, os que a jus.
lica cundemiioii, fleain deudos no territorio
francez e do fundo de tua prisao iiiacbinaiu
conlra o governo.
Mas, se a assembla se inoslra fraca e indeci-
sa, o presldeute da repblica est resolvido a
nao dar cralas ao ioiinigo. A nica esperan-
ca de salvacao esta nelle. Toda a gente Honra-
da assiiu o emende. A assembla, avatsalada
pelot amigos partidos, he a nica que o nao
quer reconheccr. Jase comeca acomprehen-
der em Franca, que releva dar-'se ao poder exc-
eutivo mais estabilidade e duracao. Fas pro-
grestot rpidos na opinio publica a ideia de
te prolongar a dez anuos o mandato do presi-
dente, e dentro em breve ser discutida na lu-
,..^.... d snuuua. Toda a iic-uioaueesla
em discubrir-te mel de adopta-la tein ferir a
constilulfo.
Os Irabalhos parlamcnlarioa da iluiniena li-
milain-se discusso do budget, a (,u,| 0 i.
leressa a Vine. A maioria leve de lutar passo
a passo com a MonidnAa. a qualqurr tornar im-|
possivel lodo o governo : mata volacao Uesba-
ralou-as.
sua Santidade, afllxando e derramando pelas
ras nos diat 10 e 11 proclamarles enceudia-
rla. Seus esforcos, fram porin, baldados.
Na rhlnliaa do di 1 12, Roma apresentava as-
pecto vestivo; as ras estar juncadas, e as
casas, adornadas de grinaldas immenio po-
vo se encontrava nai ruai e praca, coin
a alegra debuxada nos temblantes: Indos es-
ta vam reconciliados com sigo inesmos, pois o
papa Ihet perdoava, evlnha viver com elles.
As quatro horas e um quarto lebombou a
irtilli-iria : o papa entrava em Roma, escolta-
do pelo exercito franoez e pelo seu general
ein chefe. Enlo innuineraveis vozes grita-
ra m Vivt o notso papa I Viva a rtligio Santo
padr deilai-noi a noria ornean I
Pi IX alji-ncoou o povo ajoelhado, e apeiou-
se ante a baslica de San Joao de Latran, onde
o aguardava todo o clero romano e >s autori-
dades da cidide com o corpo diplomtico. De-
noll rl atas dsrtS c.,i,,i.,nia religiosa, o papa
drmorou-sr alguna instantes nos alientos do
palacio, do'nde parti em rica carroagem para
o palaaio papal, escollado pela guarda nobre,
cominandada pelo principe Altieri, irmao do
cardial.
Al deinonstraciies populares se tornaran!
mais vivas, e seguiraui o papa at a pra^a de
San-Pedro, onde o pontfice abenepou segun-
da vez todo o povo antes de relirar-se.
A' noite houvc lluminacn geral a qual du-
rou Ires nolies. Os Romanos nlo se cancam
de fetat. Possa este enthuilaimo ser longo,
e possain os Romanos ler conflanca as inten-
frts do soberano pontiee, o qual desrja feli-
citar seu povo. e consegui-lu-ha se este o aiu-
dar. '
Desde a sua entrada, o papa trata aos Fran-
cezes com siimma urbanidade eaflecto. Elle
visitn as nossas feridas. e depols de honrosa
recepeoaos nossos ofllciaes, abeo(oouiolem-
neniente o noise exercito, o qual receben sua
aliencao rrspeitoso e ajoelhado ojque muito o
comoveii, c cuchen de admiacao.
AlUmanka\ nica noticia importante,
vinda da Allemaiiha. he a da prorngaco do
parlamento d'F.rfurlh, o qual, islo nao obs-
tante, lera ephemea durar;ao' O preparati-
vos bellicos da Ituisia assustam cada vez mais
aos ealados allemes.
Inglaterra 1 tiricia.Tiremos aqu urna es-
peranza f-lsa acerca do arranjn do negocios
da tirecia. O ministro ingles, o Sr Wjse. nao
pode concordar com o Sr. Gns, mediador fran-
cs. Elles convieram em esperar novas instruc-
coes ; mas lord Palmerston soflrer provavel-
menle a pena da sua pertinacia ; visto que a
opinio pnblica em Inglaterra se declara cada
vez mais contra ellet e o Tliimes de novo o ata-
ca ruin suinua violencia.
Ileipanha.El-rei D. Francisco doccatlao a
L.H ...PrT. Ti"6 V'-fACrcditado e.(a capital ?!...'!
qual ja tein feilo a Heipanha o Sr. Franci.eo Joao: Eu ? ? pob
que fillem delle anda una vez
seus despropsitos diirarn poueo
mal a Narvaez.
inmensos servifos
sar-lhe uniros maiores. Ignora se a causa "des-
lis mas dlsposicoes, que o padre Fulgencio
confeasor do principe faz naicer e alimenta!
Elle tornou aqueixar-ie la augusta esposa,
1 1 n nli 1 Isabel, declarando que se o gabinete
jhao fosse dissolvido, reiirar-se-hia para Aran
ues. A rainha, aborrecida desta losistencia-
que au quer satisfazer, queixou-se amarga-
mente a rainha mi e ao proprio Narvaez. A
rainha Christina leve urna longa conferencia
com seu genro, ao qual nao deixou de dar al-
guina rasao. 0perou-se a reconciliaco, e os
dous reae esposos passeiaram juntos as ras
de Madrid ein calera descoberta; demonstran-
do dcst'arlc que reina a paz ein palacio, lias,
para que ella se torne mais duravel, dar-se-se-
ha ao p ulre Fulgencio a primeira igreja epis-
copal que vagar.
ti"
arraslada para a discussSo!); e porlanlo
lulgou ser um muio proprio para exprohrar-
me, efazer-ma recolher ao silencio, como
quem diz a negocio semellianle j le tocou
por casi, cala-tn por prudencia.
O Sr. Francitca Joao:Foi um simples
eiemplu que recorrdei a casa.
O Sr. Menetei de Drumond :Para que se
quer desculpsr o nobre deputadn ? Meta a
nulo-na consciencia, e diga com franqueza,
se outro foi osen intuito. Mas anda nies-
mo, que o honrado membro, s,i fizesse car-
go de demonstrar nilo s a identidade dos
dous casos, siMio tambein, que esta isseni-
bla se deslisira dos ditames da jiistc, na
apreciacSo do primeiro, nilo seria ras.lo suf-
lieietite, para proseguir nesta pritici fatal,
" S.ti 6 eslava aiisrictO a s11llnc.1i' os im-
pulsos da minha consciencia, o a anleprir
ao interesse publico, cunsiderscOns parti-
culares, assim como n:l a responssbilidade dos hos de oulrem.
Se o nobre de; ulado pensa de oufro ma-
eira, permilta-me de dizer-Hi urna doulritii errnea, e at barbara.
[Apoiaiot)
O Sr. Francisco Joao : Mas lito be fra da
questo.
O Sr. Mmeiei de Drumond : Talvez assim
Ihe pareca, assim como me pareceu, quando o
nobre deputapo tocou em militas cousas a-
Iheias da discusso.
Deinals, o nobre deputado, referindo aquel-
la conceiso, pro'vou com exuberancia a sua
incoherencia; pois, on elle opinou cuntra a
lucarna, .1 despeilo do contrario haver proruel.
tido, c afnneado. e boje pronuncia-se ein prul '
desla que-lo a seu ver idntica, ou se favore-
cer aquella pretenco ; agora se retracta, re-
prova, e arrepende-sc do seu pr.prlo facto.
( Crutam-te diterioi aparlri. que nao out-imos.)
O Sr. Uennei de Drumond. Pretendem os
nobres depulados interromper-me com apar-
tes alternados e simultneos, para me desvia-
rem do lio rio discurso, na supposirari de ser
e-tiidado ? mas eiiganam-se perfeilamenle ;
.niijiii- hei dedizer .quilo, que me occorrer,
respondendo aquelies apartes que me parece-
reiu dignos.
Diste o nobre deputado ) o Sr. Francisco
Joao ), que tratel da queslo, ora agitada nesta
cata, coin resaibot de jurisprudencia e laivot
de praxe forense, com eflVilo, maravilha sup-
pr o nobre deputado, que eu, calouro ein di-
reito, pois apenas no auno passadu deixei os
bancos da academia de Olinda, livesse a lauca
ousadia de pretender hoje bouibiear-menestag
maleria- um Achules de tamaita caladura.
- .. ,---. M..1 rt*.,,,,.l.. Mt ,.(l.,llll.l i.Mi.HHll 1
leiizmenteIcornoS. S., jurisconsulto lao amigo, distiocto e
Hontein entraraui ainda em discusso os ne-
gocios de Roma. O goveruo pedia crditos
para fazer face s despezar de notsa oceupa-
tao. Os montanhetci renovaraui tuas algaiar-
rs ; mas o crditos frasa concedidos or
inmensa maioria.'
Entrada o papa on saj,--Eu J refer 1
Yuic., na minha ultima carta que um despa-
cho telegraphico nosannuuclra o regreito do
papa a sua capital. Chegarin agora as noti-
cia! clrcumitanciada -desla folemnidade, m
quaet von eommunicar-Ihc, visto que ioiercs-
sa aos calhotlcos ludo quanto diz respeilo ao
pal coimuum dos neis. Sua Santidadi foi re-
cebido com indisivel eniiiuslasmo em Terra, i-
na c Frotlnone prquenat cidadet dot citados
romanos, as quaes se drinorou algumas ho-
' fi'" _'?.de D.'1!.U,'V'',. eUe "'r em Ho-
ma. Ot. aros partidistas de Mauiui, que an-
da se acharam nacidade eterna, nio se esque-
ccram de procurar indiipr a populacao contra
PE NAIMBUC)
ASSEMBLA PROVI1NCIAL
DISCURSO PROFERIDO PELO SR. IIF.SEZES
DE DRUMOND EM A SESSAfJ DE 15 DE JU-
NIIOJOE 1850.
O Sr. Mene;e$ dt Drumond :~N3o podendo
inda lfvanlr-me pelo encotnmodo que so-
fro em um p, de novo peco 1 V. Ele, que
hija de permeltir-me fallar sentado.
O Sr. Prtttdenlt:So o Sr, deputado nao
m pode levantar pelo encommodo quesof-
fre, consulto no que pede.
O Sr. Venetttde Orvmond:-Sr. presidente,
o nobre deputado, que acaba de Miar, pa-
rece que vem dispostoa provocar-me, a vis-
ta da sua acrimoniosa phrascolcgia ; e nem
podn caber-me a dita de entrar na rustri-
te excepcao, dos bmavcuturadus desta
casa, que teem escapado das suasbostili-
dadoi.
O Sr. francisco Joto:Muito obrigado
pelo ciracler histrico, que me quer dtr.
U Sr. Menet d$ Drumond :Mas, Sr. pre-
sidente, sinto profundamente, que o nobre
deputado desta sorte menosprezasse toda a
consi leraco, e syrnpathia, que lenho con-
"Z"iz i :-2 pc^., dc.ire que lomos col-
legts, o que alias Ihe perdo de lodo o meu
corarjilo ; porque os seus hbitos reprova-
doa, e as tusa maneiras pouco generosas
ueste recinto asss o qualilicam.
O Sr. Francisco Joao :Virei aprender com
o nobre deputado ss regras de civilidade.
Sr. ilenezei di Drumond :Nflu Ihe as po-
detei ensillar, mas lambetn preletido aeguir
os seus exemplos.
O Sr. PrtiiUtntt: Eu rogo 10 Sr. deputa-
do, que entre na quesslio,
O Sr..Uenttetd Drumond:Comecou o
obre defiutsdo a sua mercurial, rcpelindo
o que houtem dase em un aparte, islo he,
Tez maligna allusao da ara abate, conco.li-
ila por osla assembla, 10 Sr. Jos Pedro
Velloso da Silveira, quo entilo era arrema-
tante de cerlo imposto provincial.
O Sr. francisco J040 :-At sou camarade
delle.
OSr.Mtntus dt Drumond :-NJo obstt,
Wurque o nobre diputado bem sabe, que
se alale fia concedido em urna arroma-
11980 posU-riorniaiile sublorada pessda
ao 1------
disli
re matulo.
Agora he que o
nobre deputado prefeiio resirar-sc desla car-
reira, que lano abrilhantava ( apoiados) ; eu-
tretanto, he para iiiiui um triumpho ver, que
essa mesin.s Iracas considerares uiiiihas nao
fram destruidas por to Ilustre coinpeo a-
poiadot).
Entrando na questo, repito. Sr. presidente,
que os arrematantes obraro com m f, op-
pondo-se a subsiiiuicao das letras, que haviam
acceilado ; pois sabiam perfeitamente, nao s
que as primeiras tinham sido roubadas da
thesourria, seno lambem, que sendo a pre-
dita estacan a verdadeira proprietarit dellas, a
qual Ibes mandou intimar, para nao pagarem
.1 quaesquer outros apresentantes, ou detento-
res, flearam para com os inesmos detonerados,
e sd responsaveis para comaquelle sen legiti!
inocredor, a vista do Ululo valioso de divida
existente ; isto he, o termo da arremataco.
que asignarn, segundo o que se acha disposl
to na legislifo de lodoi 01 paizei civilisados,
que hontem cite, e ainda vem em apoio desta
minha assercao o art. 388 do novissimo cdigo
coinmercial brasileiro ; em minina, todos os
das se annuncia o furto, ou perda de letras, e
proiesia-se contra o pagamento dellas, quem
nao fr teu ligitimo dono, e aquelies que as
passaram, nao se recusain em boa f. dar no-
vas, e sullicientes ao credor ; logo be evidente
que eita repulsa dos an enlatantes revela ma-
licia.
Accretce, que csiet individuos cmelos esla-
va m, de que os detento, es nao linlllm mais do
que papis invlidos, pois as referidasietlras,
forain indossadas e emiliidas viciosamente na
circulacao, nAo s em opposico a lei de 31 de
otubro de 1831. decreto de 7 de malo de 1842
e le provincial 11.67 de 13 de abril de 1839 irtl-
go 4 dai ordens exprettamenle prohibitivas
dos ex-presidenlei Marcelliuo dehrltto e Chi-
chorro da Gama, como nao coustava que desde
IS4< apparecesie as lels do orcamento (as
quaes to publicamente discutidas, c.rrem im-
pressas nos peridicos, e eucerrain disposices
interessanles loda ai clanet da nossa socie-
dade) verba alguma para Indeinnisicao deie-
melbantes rebates ou clandestinas Iransacces;
porque, se tal negociada fotte legal, sallara aot
ilhot de lodos, que entao por editaei se convi-
dara psra um dia prensado os concurrentes,
que, por menor juro -t;;r~ ; -w, vUJe_
quinte, se taes lelras s conlinbaiu eodossos
falsos, e erain reputados ttulos nullos, que i.o
iiansferiam o dominio, nos termos da le de 18
de agosto de 1768 r artigo 363 do notso cdigo
con.merclal, o que te harnsonlsa coin os de to-
das as naedea cultas que houtem enumere!, el-
les nao tinham, ipiofactu, responsabilidad!- al-
;un.a para coin os apresentantes dettes papeit
rritos. Isto posto, nao Ihes podendo aprovei-
tar, ein nenhuin caso, a ignorancia de direito,
conclue-se que simulado, fra o seu reccio de
astignarein noval lettras.
O Sr Francisco Jodo: Mas a falsidade doi
ind ssos nio eslava jarlgada.
U Sr. Meneici is Drumond : Nio ignora o
Ilustre deputado que nao era miiler esse jul-
gamenlo, bein como para sor reconbecido por
falto um mndalo nao he necestaria esta ao
I mnidade; e quando o fra, eit a leiilenda que
ai julga nullat e Invalidas (l.)
Sr presidente, nao sessarri dedizer queso
por frivolot-e reprovado motivo aquelies arre-
mtame* tepodiamsubtrabir aiubMituico de
norat lettrat, como dcvidamente exlgia a fa-
zeuda provincial, porque ainda quando fossena
accionado! pelos detentares tinham legitima
defeza e Ibei corria a obrigacio de depositar e
minha familia (a qual aempre o soube T""^"0 T."d,df'r? c'loT thesourarla, a
inauie a ., .. K MI vlsla do valioso titulo do contrato, no qual se
SCaoo da tu. afe.hm. ,U "^ Pr ,SM | ''>' '"""vio artigo 1239 do c"
escaoou di tua atrabihs, e de ser por elle |digo civil francez, ePotbier ir.ado daiobri-


Racdc* n. 405 : logo se por elles se mostraren!
reluctantes, e pieterimn I rescisilo, solTrerno
alguin transime (o que nrgo) queixem-se di
mus clculos.
OSr Helio Reg : Esl he a questao.
O Sr. tltfuiii de Drumond: 5im, he a que
i .'ni porque o nobre deputdo, que interrumpe
nffe com o seu aparle, no quer auribuir cssi
f.u'tii a quem fui n primordeal cauta, que
quera o nobre segundo lecrclarlo, que a fa-
zenda publica tolerasse se melhan te escndalo,
aem propdr oj inrius preventivos para nao aer
de ni, vo losada! Nao sabe, que a fraude nao po-
de aproveitar alguem ?
O Sr, Jos Pidro : A potado.
O Sr. Hieses dt Drumond ; Se esta as-
sembla pelosartigos 10 11 9do acto addicional he o poder compe-
tente para velar na guarda das leis, e fixnr
ai rendas provinciaes, segue-sc, que pode
alterare nullicar qualqucr medida, que se
possa oppr esse fim, inrmente, quando
se trata de salvara moralidade,' e ae atien-
de ao hern publico, que lie a lei suprema, a
qual se no pode subordinar a inleresses
part'culsre.1'. ( Apoiados!) Ora, deu-se um
facto extraordinario, o inaudito, o escanda-
loso mulio dessas letirns, e a fazenda pro-
vincial para poder acautelar e garantir o
producto dos seus irrtpostos, e evitar novo e
grave prejuiro dos seus legtimos interes-
ses, s restava o meio de rescindir esses con-.
trillos ( apoiados ) i vista da inqualificavel
pfMintcia, quedemnnstraram aquellrs ar-
rematantes para nSo substituir os ttulos
fraudulentos por oulroa, que valiosos fos-
sem logo ella fez eflectivo um direito pro-
priu, o este pensamento, meu ver, foi mui-
to ajustado, e procuo em tilo criticas cir-
co instancias ( A potados. ) Em 18(1 ou 18(5
depois de arrematado o mesmo imposto de
2,500 rs. sobro o gado vaceum consumido
na provincia decretou esta assembla, que
fosse daquella dala em diante cobrado pe-
los collectores, e assim cumprio-se.
A lei do ornamento de 18(7 dispoz, que
os sitios, cujas catas pagavam decimas fos-
sem dispensadas no disimo dos cocos e ca-
pim de planta. Os arrematantes da bebi-
da* espirituosas' estavam no gozo do seu
contrato, quando a lei ntandou, que este
imposto fosse cobrado por um agente, o
quoeflectuou-se, sem causiressa exlranhe-
s* e escarceo, que mostram alguns Srs. de-
pulados pela rescisilo do contrato em ques-
13o, mo militando alus 18o ponderosas ra-
ses. tinl ni sim, a portara de 17 de dezem-
l>ro de 1838 declarou, que, considera falli-
do, o devedor da fazenda, e vencidas todas
as ruis lettris por que sejt responsavel, se
tifio paga urna no seu vencimenlo, o que
equivale urna reschfio do contrato, e esta
dmitrinr coincide com os artigos(37 e 4(8
do cdigo commercal francez, artigo 1183
e i138 do piiituguez. K se he inteiramente
conhedido, e prova-so pelo protesto, que se
tirou das le tiras da thesouraria, que osai-
rematantes no as pagaram no lempo mar-
cado, e nfio currpriram este contrato, que
involvia una obt igacfio reciproca, tambem
no devia esperar, que a oulia parle iar-
liianle. a fazen la, cumprisse -- Crrela Tel-
les Doutrina das accOet, nota ao $ 301,
mxime i|uaodorram considerados fallidos,
nenhuma eonfinca nspiravam mai, eja
haviam alterado o contrato em sua substsu-
: logo ellos por seus proprios Tactos pro-
_
_

SESSAOORDINAniAEIia6I)EJlI.\llODEt850
Plasmaseis no s, domingos mai-AQUiaS.
'ummaiio. Appn.vacd' da acia da sessto
anterior. Expediente Adopcjfp da emen-
da oferecida pelo Sr. Franaco Jodo ao
prdjtatan 7, ida ultima redacedo diste.
As 11 horas da mantilla, feila a chama
ln, verifica-se untaren*, presonles 39 Srs di-
putado faltando os Srs. PeJro Cuvalcanti,
ilanoel Cavalcanli, Castro Lefio, Souza Re-
s, Gestor, Manoel Joaquim, Drumond, Sil -
VestreeS Pereira.
O Sr. Presidente abre asessfio.
O Sr. 2." Secretario l a acta da sessfio
anterior; que heapprovada.
O Sr. i. Secretario menciona o. seguinie
EXPEDIENTE
Um ofllcio do Sr. secretario interino
da provincia, acensando remessa de ou-
iro do lixm. hispo dioccesano, no qual
leclara que em lempo conveniente dar a*
informatoes pedidas cerca da pretenclo
los habitantes da extincta freguezia de N
S. da Luz.Inteirada.
Entra em discussfio a emenda do Sr. Fran-
cisco Jofio, olTerecida em terceira discussfio
io p'ojecto n. 7, relativo s sentos conce-
didas pela lei que crenu o cemiterio.
Snbmellida vota-o, he approvadi, bnm
cmo em seguiJa a icUecio desse projeclo.
Sus;n-!i.l -.-! a Si --.ao al 1 hua da tarde.
lie nomeado o Sr Almeida para substi-
tuir falla ilo Sf. Silvestre na commissfio
<|ue lem de levar os projectos a sancefio da
presidencia.
Tendo dado I hora, contina a sess&u.
A cominissSo sheda sala.
Volta pouco depois, e declara, por seu
relator o Sr. Queiroz Fouleci, que desea**
penhtra a sua missflo.
A casi floa nteirada.
O Sr a.* Secntario 16 a acta da presente
sesslo que he approvada.
O Sr. Presidente declara concluidos os
trabalhot da sessSo ordinaria de 1850 e le-
vanta a sesslo
(Eram 2 horas da tarde.)
CMARA MUNICIPAL DO RECITE.
SISSAO KXTlUOnDINARM DE 20 DE J0NIO
DE 1850.
Presidencia doSr. Oliveira.
Presentes os Srs. Mamede, Carneiro Mon-
teiro, llenriques da Silva e Pires Eerreira,
fallndoos mais senhores, abrio-se a sea-
sao e foi lida e approvada a acia da antece-
dente, menos na parte em que trata sobre
collocar-se urna grade de madeira na porta
da entrada da ssla do porleiro, por ser esta
dispensavel.
Foi lidoo seguinie expediente :
Um oflicio do Extn. presidentedt provin-
cia, remetiendo para ler a dt vida execuc,.lo,
copia do parecer da commissfio de posturas
Pelo ospacoso templo !
Nem mai aqurllesnumerosos brincos.
Onde aun alma, candid., singella,
Me ilcrrainava toda 1
Foi como a aurora sua doce vida;
Apenas no boriiontc fulgurara,
Para logo apagou-s* ;
Ou como brisa entre rosaes floridos,
Un cuino olas de celeste choro
fjue pouco, ou nada duram .'
Ou como a linagein de un douriido sonho,
Que embala a phantasia, masque deia
Melga saudade n'alma!
Tudo flnoii-sc ; u rito de seus labios
Aquella luz de seus formosos ollios.
Que tao bem nos fallavain '.
Do temo coraco nem nula nm baque ,
Solcinc he tudo como a voz do fado,
Cruel, indeclinavel /
Toda a familia ioconsulavel chora
Tu morir preoce,-Irmiio dest'alina,
Vida .le miiilia vida !
F. como foste arrebatado a vida?...
Chelo de vico, de calor, de tetra,
Que a existencia fecunda !
O anjoda norte impetuoso, irado,
Not olhos te tocou co' a fra dextra, .
E tu flcasleiinmovrll
N'iiin breve instante te perdemos todos ;
Quando leus ureos dias mala fluiam,
Deasecou-os a inurte !
Um vacuo sinto no uiagoadopeito ;
l'alta-iiu* ah a iinage'm inais querida ,
Que afagava eslremoso !
Ah que 11*0410390 inais eonter o pranto,
Adormals crua me Hagella, e mata,
Com agudas tormentas I
Se da elherea uiansiio tu me contemplas,
Aceita bandadnso, irmiio detl'alma,
Meigas saudades tuas!
as tristes horas dos cumpridos dias.
Ha de ten nouic andar entre ineus labios,
I ii, piedosas preces,
Francisco Caldas TJns-
COv1*IE!tlU.
moveram, e se lizcam dignos dessa nsci-
silo, sobretudo ninstrando-so dolosos na
negativa de assignar novas) lettras ao seu le-
gitimo credor, qusndo tinham loda a cer-
teza, que aa primetras fraui roubadas.
Nem se diga, que alguma equidade mili-
ta em favor desses arrema Untes, por ser a
arrematac'o feila, em seguida rescisilo,
por menor preso, porquanto isso foi s devi-
do scircumslatciasexcejcionaes da revol-
la que liouve, como mui bem disse o nobre
inspector da Iheourari no seu relatorio, e
cmfactos ulteriores podem ter retro acli-
vidade, sertm subordinados, ou ii.fluirem
sobre oulros anteriores, e inteiramente di-
versos. E nSo ser sufliciente psra essesar
rematantes o lempo que releem em suas es-
peculic,0esa avultada quuntia de cerca 10
contos, que em rigor devem thesouraria
provincial, e j fram condemnados a pa-
gar-lhe pela juttissima srnlenca, que hon
temlif
O Sr. Francisco Jodo : Essa sentenca
ninda pode ser reformada por tribunal su-
perior.
O Sr. Mtntzes de Dtvmond : N8o ha du-
vida algusna, mas tendo apenas urna hypo-
these- o que figura o nobre deputdo, s a-
praz-tne bazear nesse julgado o direilo, que
existe contra os ditos arrematantes, porque
signa opinio de Adolpho Chaveau, que ie-
pula ot aresios, e as leis como as pedrts
preciosas das sciescias jurdicas.
OSr. Francisco Jodo d um aparte,, que
n.lo onvimos.
O .Sr. Meneies de Drumond : Nem todos
I ndi m ter a srieucia infusa do nobre depu-
tdo, ou ser fclicet em pentar cooi tanto a-
ce. to.
Com elTeito, Sr. presidente, lie o maior
menoscabo da nosfa paciencia a pretenclo
di sses arremalantef, islo he, que se passe a
esponja naque-lia rrescida soturna de 6u coti-
los, e se Ihcs mimosee com mata 37 con-
loa 1! 1 Este pioceJimento he .'obre manei
a revolttnie, e faz bradar aoscos! At-
lenda bem esta taaembla, que pastando ca-
le lerrivcI precedente cria embaracot, por-
que no se podara mais contar com o cum-
primenlo e reliffiosidadn d um o'himm.
to feito com a fazenda, sendo lo fcil soli-
eilar, e obter a diapenta do que fi devido
a lazenda, alm da concessio de um s aba-
te. E nos, que somos os encarregados d
manun'eiicSodos interesset provinciaes df-
vemos concorrer para esse inaudito escn-
dalo;' Km urna poca, em que se ostenta
lauta economa e restriegues, em que se aca-
ba de augmentar o grvame dos imposlos
sobre o msero povo, devemos concn er,
para que se esbanjaui oa dinheiros pblicos,
i!uoem grande purlen* o suor dos pobies.
cuOs aqueMca, que | lem gyiar em ricas
berliiiilas, e dar opparos banquetesP Cea
sem esses favores (lauma vn, cumpra-ae re
Ugioaaiiienle a lei, pera na a qual n.lo l.a
dujlincgOes, e a existe a maia perfeili.
igualdadc, para nSo iocorrermes no sligma
da yupulac;"o. ( poiadot.)
Volu, puta, com loda a frca da minht
roiisciencnl contra semelhauo concessflo,
puis icpulo ser uui pao-de-l da 37 coutos,
que se prepara paraaquelles predilectos ar
i tinataiite. ( Apoiados e no apoiaot.)
negocios das cmaras da assembla legis-
aliva desta provincia, approvado pela mes-
ma assembla, a respeilo do rcquerjoienlo
que tambem viulia incluso, de Francisco
Jos de Paula.Inleirada, e deferio-.se con-
venientemente dito requerimento.
Outro da cmara de Olinda, aecusando a
recepc,8o do desta, em que lite communicou
a poste do actual Extn. presidente da pro-
vincia.
Oulro do vereador Viann, participando
n.'o poder comparecer presente sctsSo or-
dinaiia at o lim desta semana, por se achar
.lenle, e ler Je entraren) uso de remedios.
Oulro do procurador, ponderando sei
conveniente proceder-so. a um exame no
coire municipal, e tomar-se por termo o
que nelle se tchtr, pura depois ser tiansf-
lido da thesouraria geral para a caaa das
sessOes desta cmara, e pedindo se desig-
naste o lugar, em que deve dito cofre te
coMocado Foram aceilas as n flexiles do
procurador, e designou-se o quarto em que
actualmente estSb os lampeOes, e urnas
i>ara nelle ser guardado o cufie ; assim co-
mo mand.iu-se expedir orden) aot clavicu
Itrios, para procedertm a manhSa o oxame
indicado.
Foi Horneado urna commlssSo dos Srs
Mamede o Carneiro Monteiro, para se en-
tender com o inspector do arsenal de mari-
nha i respeilo da largura com que deve li-
cararua enlre o mesmo arsenal, a a cata
de Francisco Antonio de Oliveira, visto es-
tar o dito inspector mandando conslruir o
alicerce, que deve fechar o arsenal.
A requcrimenlo do'vereador Carneiro
Monteiro. del i berou acamara queseextra-
nliasse o fiscal de S.-Jos, o consentir que
os balcOes ou tsrihiliss dos acougues da
tibeira, permanecam durante a noite fra
dos mismos agougues, contra urna delibe-
rsco da iiiesma cmara.
0 mesmo vareador fez o soguinte reque-
rimento, que foi approvado :
Hequeiro que esta cmara determine ao
seu procurador, que ui. pague despeza al-
guma, euibora ten lia auloriaai,'8u para faze-
lo, sem que oa repectivos docunienlos se
jam pieviamente submetlidoaa comuiissSo
le polica, e por ella rubricados.
Itequeiro mais.que esta cmara se dirija
ao delegado deste terrino, pediudq lance
suas vistas sobre oa mendigos que costu-
mam aposentar-tena ribeira do mercado de
S.-Jos, aliui de os afojentar dahi para ou-
lroa lugares ; bem como vigi sobre o mer-
cado de familia da meanrt ribeira, aflm de
fSrUae no lintiAt isssar ah an iirAlieam n*lf,M
stravessadores.
Sala das sessOes, em 20 da junho de
1850.Carneiro Monnleito
Despeen a ram-se as petir,6es|deDesno Yule,
de Francisco Jos de Paula, de Jos llodn-
gues doNascimento, de Joaqun) Antonio
de Castro Mues, de Manoel (.aciano Soarcs
Carneiro Monteiro, de Manuel Ferreira Fia-
Iho. de Paulo Caetanu de Albuquerque, e le
vantou-se a aeasBo.
Eu, Manoel Ferreira Accloli, secretario in-
terino a escrevi. Oliveira, presidente.--
Mamede.Maraes.Carnelrd Monteiro.Fu -
reir.
Publicarlo a pedido.
A mui Mt'iitiila. e choruda luortc
ilo lueu tiut-iitlo c (i tsmlo initiio
1 iunc< Uno < aldiiH J_.ins.
ALFANDECA.
ftendimentodo dia 3.....: 1.-379.264
Desc'irregam Koie (.'
Rrigue Currutao vinho e azeite-
Rtrca Balillu nho, fariotia, cal, uvas
e alcatrSo.
Rrigue Itaimbow carvSo.
CONSULADO GERAL.
Rendionento do dia 3.....1:866,582
Diversas provincias...... 92,907
1:959,(89
ODE.
Porque titile, 6 fado inemhoratet,
Com Ituictuenlni golpes separar-nos I
(Machado Postilla. )
Que triste terna .' que funreo quadro !
Sain ot cantos fnebres a esta bora
EXP0RTACAO.
Despachos martimos no dia 1
Santa-Calharina, brigue brasileiro Miner-
va : conduz o seguinie : 120 barricas rom
975 arrobase 26 libras de assucar, 22 duzias
cocos de beber agoa, 2,300 ditos com casca.
ltio-da-Jneiro, pttacho nacional Varante,
de 130 toneladas : conduz o seguinie : 9 cai-
tts, (86 barricas e 173 saceos cOm (,9(7ar-
robas e 10 libras de assucar, 380 duiias de
cocos de beber agoa, 2,350 melos de sola, (
caixes e 3 barris doce, 100 caixas velas, 1
Jila e i fardo fazendas.
Paranagu pelo Ass, brigue nacional
Aguid-do-Prata, de 203 toneladas : conduz
0 seguinie : lastro de aroia e 2,500* cocos
com casca.
Parahiba, biale nicionsl Espadarle, de 27
tonoladat: .con.luz osegwinte: 50 barricas
farinna de trigo, 6 barra el pipa vinho, a
gigos ha talas, 12 canastras albos, 2,000 ce-
liolas, ( fardos pnnula, cravo e erva-doco,
1 volu mos miudesas, 6 ditos drogas, 8 ditas
ferrageus, 1 barril cerveja, (ditos mantel
2a, 2 halas papel, 2 bams bren,. 1 calxa fa-
zendas, 5 ditas velas, 1 gigolouc', 3 caixas
cha, duas duzias de couros de lustro', um
fardos Tumo, 100 ai robas carne secra, 20
caixas sahilo, 4 suecas arroz, 77 duzias COH-
cos, 1 pipa e 1 barril vinagre, 10 taceos bo-
lacha, 8 caixM com (I libras ds doce, 20
caixinhas charutos, 16 barricas com 390 gar-
rafas de licor.
dem do dia 3.
Barcelona, patacho hetitnhol Presidente :
conduz o seguinie : 610 aaccat cora 3,314 ar-
roba; e 19 libraa dealgodfio.
RECEBEDOHIA DE RENDAS CF.RAES
IMEIINAS.
Rendimento do dia 3..... 784,925
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 3......2:658,201
loreae Floresta, por 324,000
oa-Vista e Ex, por 2(6,000
A arremalaco ser feila por lempo de
traannos, a contar do l.'dejulho de18S0
a SO de junho da 1853.
Os licitantes que ge propozerem a estas
arremataces comparecain na sala das sel-'
*0fS do mesmo tribunal, nos dias cima in-
dicados, pelo meio-dia, com scut -adores,
competentemente habilitados.
E para constar se maujiou afilxar o pre:
tente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da faxenda pro-
vincial de Pcrnambuco, 25 de maio da 1850.
- O secrelariu, Antonio Ferreira tPAnnnn-
ciacto.-
mwmmmmkmwmmmmm
Deca raides.
OSr. Dr.juiz de direilo chefe de poli-
ca da provincia, manda fazer publico' para
conhecimeniodos internssados, que na c-
dala desta cidadft existeui recolhidoa sem
que at agora tenham sido reclamados os
escravoa JoOo ou Claudino, Francisco,
Raphaul, e Mara Joaquina, dosquaes, diz o
prinieiro'pertencer a Francisco Jote mora-
dor em Sanio-Antlo, e ter fgido do enge-
nho Ubaquinha de Manoel Alexandre; o
segundo a Francisco da Costa morador em
em S.-Miguel da provincio das Alagas: n
terceiro a SebasliSo de tal, o o quarto no
declara quem he sed senhor.
Secretaria de polica de Pernornbuco, 2
dt, julho do 1850.
Pela segunda seccSo do consulado pro-
vincial se faz publico, que os 30' dias uleis
para a cohranca, a bocea do cofre, da dci-
ma dos predios urbanos dos bairros desta
cidado, e freguezia dot Afogados, se fluli-
zamnodia 13de julho prximo vindouro
!lecife,28dejuDbode 1850.
Com pan I lia de Beber.be.
A administrar-So da companhia de Rebe-
rihe contrata por um auno, do prlmeirode
tetembro de 1830 a 31 de agosto de 1851, a
arrecadagflo da laxa nos chafarizea e bicas
.lo encana ment. As propostas, assignadas
pelos prelendentes e aeus dadores, serio
entregues ateo dia 10 de julho, no esciip-
torio da companhia.
.tJovHiuenio do *orlo.
Navio entrado na da 3.
Parahiba 3 dias, hiate nacional Parahiba
no, mestre Nicolao Francisco da Costa,
carga loros de mangue; ao mesmo mes-
tre Passageiro, Primo Pacheco Borges,
Portuguez.
Navios sahidos no mesmo dia.
Paranagu com escala pelo Ass Brigue
nacional Agmia-do-Prata, capitSo Jos
Cuncalves de Almeida Primo, em lastro
de rala.
Santa-Cailiarina Riigue nacional AfiHer-
vo, capitilo l.uiz Martina da Costa, eaigi.
assucar a lastro de area.
Parahiba Hiate tjafionnl Espadarle, capi-
lo Victorino JnsM'ereira, carga differen-
tn* aanetty* p.M-nairn l.inH H'a'Mlal
Queiroz, Porluguez.
Rio-de-ianeiro Patacho uvcionnl Valente,
capltio Francisco Nicolao de Araujo, car-
ga assucar e-mala gneros. Pai-stgeiros,
iNapoleo (,aln el Besse com suasenhora,
D. Certrudes Cuedes Lipa com 3 etenvot.
D. Joaepha Marianna Barcellot e I otera-
vo a enlrogir.
Theatro de S. Izalx I,
OITAVA RECITA f)A ASSICNATURA.
Hete, ldcjuiha.de 1850.
OU HE SAMA IZAtKL.
Representar-se-ha.o intarettante drama
em 3 actos
A CARCALHADA.
A aclriz Joanna Januaria far a parte de
Magdalena, e a Sra. Lagrange ser feila pela
Sra. Mara Carolina.
Terminar o espectculo coa a graciosa
comedia em um acto
O Judas em Sabbado dt Alelluia.
Comecar s 8 hora*.
Os bllhcles acham-se venda no lugar do
cosime ^_^^a^a^K?
sfjai^pajasaa
'' -si. '-'
KWITAL
-- O lllm Sr olficitl-maior, tervindo d
inspector da thesouraria da fazenda provin
cial, eso cuoipriment da resolu(8o do ln
Imnal aduiinislrativo de 23 do corrciile.
manda fazer publico que, not dias 2, 3el
de julho prximo futuro, irflo i praca, pe
Ante o mes i o lubunal, para terem arre-
matados, a quem maisder, o imposto do di-
simo do gado cavallar not municipios se-
guintes :
Limoeiro, avahado animalmente
por 71,000
ilonito, por 126,001
Caranliuns, por (0,0t(
Brejo. por 1,00b
Cimbres, por 122,000
Avisos martimos.
Para o Aracaty segu cojn muila brevi-
dade o patacho Sanla-Ctus, lem maior par-
te do carrcgameulo promplo: para o resto
epassageifos. trata-se ao lado do Corpo-
Santo, loja do massames, n. 25.
' Para Loanda sahir al metdo de julho
o brigue bratileiro Echo, de que lio capilBo
Manoel Joaquim dos Res : recebe smente
carga miuda e passageiros, trata-se con
Bailar & Oliveira, na ra da Cadeiadulte-
cife, n. 18.
Para o Cear pretende seguir viagem
com muila brevidade a sumaca nacional
Carlota, mestree Joto Gonoalvea Simaa:
quem na mesma quizer carregar, ou ir de
passagem, pode entender-se com l.uiz Jote
de S Araujo, na roa da Cruz, to Itecifo,
n. 33.
V>nde-se a escuna Honoveriaoa auro-
ra : quem pretender dirlja-se aos teut con-
signatarios N. O. Bieber V C, na .ra da
Cruz, n. 4-
A barca portugueza Santa-Crus, for-
rada e encavilhada de cobre, e de primeir
marcha, sabe para o Porto cm mujita brevi-
dade, pois j tem a bordo mais de dous ter-
cos do seu csrregamento : quem na mesnm
qui/er carregaj ou ir de passagem, dirija-se
ao seu consignataro, Francisco Alves da
Cunha, na rus do Vigar'o, n. II, primeim
andar.
-- Para a Rahia, aahe no dia 15 d corren-
te imprcterivelmente, o bem en oliendo
biate S.-Jodo : para o reato da carga e pas-
sageiros, trata-se na ra do Arnnrim, n. 86,
com Antonio Jos Fernaddes de Carvalho
Para o Rio-de-Janeiro sihe, com a
toaior brevidade possivel, o hngue-eteuna
Alegra, forrado de cobre e de boa marcha :
recebe carga a frete e escravos : quem pie-
tender, enlenda-se com Leopoldo Jos da
Cusa Araujo, ou com Novaes *i C.
Para o Hio-de-Jant irn sabe com toda a
brevidale o velen o patacho brasileiro A'i-
Ihtroy : para caiga, paastgeiros e escravos os
prelendentes queiram dirigir-se ao efcrio
torio da Viuva Gaudino dt Filbo, pracinh
dn-t'Orno-^Hiiln. A U ni / eanian Inl.rn
Jos de Araujo, a bordo do dito patacho.
Para o Aiaeaty tem de sabir impreleri-
velmrnte a 7 do presente o hule Novo-OUn
da, por ter o seu carregamento quaai com-
pleto : quem anda pretender carregar algu-
ma cousa e ir de passagem, falle com o mes-
ire do mrsa.o, Antonio Jo-c Vianna, ou oa
ra da Cadeia-Velha, n. 17, aegundo andar.
-- Fretam-se barcscs, na ra do Trapi-
che, ii. 8: quem aa tiverdeve aproveitar a
occasilo. por no ser agora tempu do safra
<- V n*a
lengo.
Leilo
Por ordem do cnsul da repblica fran
caza, na pretenca do delegado do mearnt,
consulado, quinla-feira, 4 do corrente, m
porta da alfandega, se f^rt hiio de 33 bar-
ris de tnanUiga 53 meioa ditos, os quaes
se bflu de vender infaiiiveimenie por todo o
preco os luies u rontade dos comprador*s:
principiar s 10 horas da manlifia.
n
Avisos diversos.
--Jos Soares de Azevedo, profesaorde
lingoa francez no lyceu, tem aberlo em
sua casa, rus das Trinchoiraj, n. 19, nm
curso do' phllosophla c outro de lingoa fran.
ceza, As pessoas que do'ejrem ostu iar
urna e outra destas disciplinas podem diri-
gtr-sa indicada residencia, de manhfla i>-
>is9horas o meia,ede lardea quaquer hora.
0 bacliaral J. A. de S. Bellr.lo de Araujo
Peroira avisa ao publico que nlnguem afore
n quinte! da ordem tercciri do Carmo,
contando oom o fundo que marca ailminis-
tr;ir;flo, ou alguem por ella, porque o no-
nti ncianle tem dse inteirarnn fun lo, dos
palmos que I he fallara m na fronte do seu
terreno,'que tem .le fundo palmos, fal-
la esta devid a direcQflo que a camsra dqu
a ra da Pilma, alm de que parte do ater-
ro do terreno do innunciante est boje no
|ue a ordem quer indevida mente a forme.
A antiga loja de cera da .praca da lloa-
Vist, ti. 17,-acha-se de novo a hera com
sortimenlo a vontade do comprador, e por
preco commo lo.
--Aloga-souma grande casa com todas
capia odiddes,e sitio que vai aleo no
na.povoacflodo Monteiro: a tratar na ra
cadela do lieclfe, n. 55, com Jolo los
de Carvalho Moraes.
--Restituir o alheio be nm deverda cons-
ciencia: he isto o que faqo a respeito da
assignstura do soneto publicado ero o nu-
mero 146 deste Diario. Jos RaplistajBf
S, e tifio o abaixo assignado, he o autor
leasa peqnena demonstrado de amizada ;
memorando nicamente alagse estima do
siu finado amigo. Joo Baplitla de S.
--Furtaram, de um sillo no Monteiro,
onde estove o Dr. Alcanforado, urna bom-
ba de cobre, pregida na cacimba, descon-
fla-ee ser alguem dessa lugar: quam der
noticia, aera recompensado, n promete-so
guardar segredo :*a ros da Cadeia do Re-
cife, n.55, ou ni rae de S.-Goncalo, n. 2.
-- Aluga-se um sitio ero S.-Jos do Man-
guinho, defronlodaigreja, cotn muito ar-
voredo, bafxa para capim, e muito terreno
para plantacoes,. boa agoa, ecaaa para gran-
de ramilla : a Tallar no mesmo lugar no si-
tio contiguo. A
Jo Su de Aguiar Caldeira do Menezes,
tam cartas na ra doTraplx*, n. 19.
_ -- Alugam-se [dous bons escravos para
qualquer servido : a tratar na ra do Viga-
rio, u. 7".
Precisa-sede urna ama para urna casa
de familia decente, para cozinhar e i
mar: na ra da Cadela de S. -Antn
23, primiro andar.
O rapaz portuguez que so olTeftee pa-
ra caixeirode armazcm oo psdarii, dirija-
se ra do Cabug, loja do Duarte, que se
dir queso precisa.
0 Sr. Francisco Augusto de Azeveda e
Silva lem umi carta, vinda da Bahii, na ra
do Vicario, n. 7.
Aluga-se o terceiro andar e soto da
casa n. ((da ra do Trapiche : a tratir na
roa do Vigario, n. 7.
0 Sur. Antonio de Albuquerque Mara-
nlio, queira dirigir-se ra da Cadela de
S.-Antonio, n. 13, a negocio que no ignora.
No dia 8 dn crreme, pelas 4 bota* da
tarde, porla do Sr. dontor juiz de orphfios,
na ra estreita do Rozarlo, se hl de arre-
malar a taberna n. 37, sita na ra larga do
Rozario, que Acara do finado Francisco de
S Peixoto, a requerimento da Wstamentei-
ra inventarenle.
A tesUmeiileira e inventariaule doa
bens do finado Francisco de S Peixoto de-
clara que est proredcuido ao inventario pe-
lo juizo de orphSos desta cidade, para quena
for credor justificar sna divida.
A viuva de Caetano Luiz Ferreira pr-
cicipa aos'credores de seu casal, qu-i pelo
juizo de orphfios se proredeu a sequeairo
em lodos os seus bens, e psrs que os era-
dores nSo s chamem a ignorancia para o
futuro, faz o presente annunciu, aflm de
que piomovam a irrecadacfio de teut cr-
ditos, ficando a annunciaute i&eota de toda
responsabilidade.
Precsa-ae fallar com os, Srs. Ferreira
& BeirSo psra se lhes entregar urna tarta,
vinda da Baha : na ra da Senzalla-Velha,
n. 124. primiro andar.
Na casa da modas fraocezas de Mada-
ma Iteuisard MillochtU, no Aterro-da-l!o-
Vsla, n. I, vende-se um grande sortimenlo
dn rtiantcleles e capotinhos de seda, e cha-
peos de palha, moda nova desto anuo : tu-
llo chegado pelo ultimo uavio o Comi-Roger
Na mesma cata conservas em latas, hervi-
dlas e. airdinhas, a 1,000 rs i Uta.
0 vapor que veio do rio trono as si-
guiles msicas modernas para piano e aa
vendern no pateo do Collegio, casa do livro
tzul :
Asrivaes, colleccSo do 12 viltas escolta-
das e urna gillopida.
. A nova lyra brasileir-, ou colleccSo de U
modiuhas escolhiilas, seguidas do hymno
'da independencia, da marcha'fnebre do
duque de Bragarca, e do hymno brasileiro.
A polka da California.
Atolka du Palais-royal, com esquisilsl
eslt rapas. tfettV-
Outilrilhit republicanas, cm JUKipas.
Jnham lleinrirl) Nicolaos CeMe retira-
se para a Allemanha.
Jos Martina d| Cruz deixou de wr
caixeiro.de GuimarSaa 4 llenriques desde
odiis de junho.
Ollerece se um raptz pottugiioz de 16
a 17 annos para caixeiro do armazem de s-
ne.r nu de nadara, ou mesmo da rus, pa-
ra o queda banca a sua conducta : quem
do seu preslimo se quizer utilissr annuncie
para ser procurado.
Ten lo-so d'semcaminhado tima leltri
la quanliadali0,850 rs. vencer em 30
le novembro do correnle anuo, sacada por
Fraucai Irmfln, e aceita por Antonio Pedro
de Barros Cevalcanle, faz-se o prevenid au-
ii unci para que pesaos alguma faca transic-
c*o com dita Irttra. puis quo lica de ti'en-
ura elTfito por aeschr prevenido e acei-
tante.
Quem precisar de urna ama pira 0 ser-
vico de urna cisa, a qual so acha habilitad
para esse fin, dirija-se a i ua de Santa-Cici-
lit, n. 12.
Lotera da malrz da Boa-
Vista.
(l the-otireiro delta lotera annunci
livel publico, que muito brete tein
de marear o da do andamento das rodal:
as pessoas que leem bilhetes apartados ot
vfio buscar quanlo antas, do contraro se-
rfio vendidos. 0 restante dos meamos a-
cham-se*T*ndi nos lugares j annunc*
dos.


Y
**wm
**?
^

.,
--Jos di Rocn retir-se par o Aracaly,
augmenta scu nomo par Jos da Rocha
SimOns.
-- Antonio Alves da Costa vai faZer urna
viagem o Aractty.
Manoel Luiz" dos Res relira-so par
Mossamedes.
Jos Rodrigues Sordos retira-se para
M.ISM|i|lcdps
Francisco l'ereira da Costa Bastos, sub-
dito porluguez, faz publico, que de hoja em
diante seassignar por Francisco Pereira
da Coala.
--WiUiamSoulbell, subdito brihrWnico,
retira-se para Inglaterra.
I'icoisa-se de un forneiro pira urna p.
dara, para o que ae dar um ordenado van-
laipao : na ra da Cadeia, n. 3, sobrado con-
'Tnte o Ihealrode S.-Francisco. "\
Aluga-so urna ptima casa na Passs-
jem, junto a ponte grande, com boas salas,
cozinha fra, C qurlos em baixo, sot3o
com S qutrtos, quintal, cacimba e banho
m> fundo : a tratar na ra Direita, n. 3.
-- Desappareceu. no dia 30 de junho pro-
simo lindo, a escrava Certrudes, crioula, de
4 auno, haixa, acio pequeo; teai um de-
do da man esquerda cortado pelo meio, o
que ella faz multo para o occultar ; he mili-
to ladina e conheclda, principalmente ni
ra Direita : quem a apprehender, leve-a i
ra Direita, n. 34, que se recompensar.
Pela primeira vara do civel, eacrivSo
Santos, se ha de arrematar um sitio no A
rial. por execucAo de Manoel Jos Fernan-
dea Eiras contra os herdeirosdo finado Mi-
guel Joaquim Esleves Souto.
A pessoa quo precisar de alguma obra
doura'rta, ou prateada com alguma perfei-
flo. dirija-seas Cinco-Puntas, nos Balrrna-
Baixos, sobrado de um andar, a toda hora
do dia.
Precisa-sede urna amTde leite captiva
ou forra : quem tiver annunoie para ser pro-
curada, ou dirija-se a ra dos Martyrioi, n.
18, para tratar.
Na ra da Roda, na coehia dos Srs. Me-
nor* Companhia, alugam-se carros com
bous cavallos a contento dos Srs. fregue-
zes.
--Oabaixo assignado fez icicnte ao pu-
blico, que lem vendido o estabeleciment
de ana taberna na ra do Codorniz, n. I, ao
Sr. Manoel Domingos Pereira Ramos, ufan-
do o mesmo Sr. responsavel pelas dividas de
que flz menglo, e secundo as clausulas de
nossa concordata. Antonio lilis da Silva.
--Alugawsai para hornero solteir o pri-
meiro andar da casa, n. 25 da ra da Ca-
deia de Sent-Antonio. Na mesma vende-so
urna earteira pira escriptorio, com arma-
rios ^ bons repartimentos.
6 Sr. Jacobina q'uelra ir rila da Ca-
deia de Santo-Antonio, n. 13, a negocio que
do ignora.
OSr. Francisao Xavier Barrlo queiri
ir a ra da Cldcia de S.-Antonio. n. 13,a
negocio que no ignora,
Afega-s urna preta para vender na
roa : na ra do AragSo, n. 9.
-Aluga-ge urna amo para casa de pouca
familia, de portas para dentro : no becco
do Padre, n. 5.
Theatro daApolloj
A commissflo dmiiiisu..un da compa-
nhia accionistas, em observancia do que
determina a negunda parte do artigo 17 dos
estatuios; e para cumprimento dos S do
mesmo artigo, convida aos Srs. accionistas
paja reunido ord loara em assembta geral,
domingo, 7 do correte, pelas 10 oras do
dia.
Aluga-se um sobrado recentemente
scabado, na ra da UniSo, coVn os melhores
conrmodoa pira urna oh duas familias, con-
sistentes em encllenles safas, alcovas, du-
as cosinhas, coxeira grande, quintal dito :
os prelendentes" dinj im-sea ra da Auro-
ra, n. 4.
Francisco Alves da Cunha pretende
fizer urna viagem a tratar de sua sade,
dex%Bdo sua Asa commercial girando da
roe,smst forma dehalxo d adminislracSo do
Sr. Manoel Luis Vieira e Joaquim Alves da
Cunha.
Caumont, dourador, na ra Nova, n.
59, fabrica de camlieiros, tanto de gaz como
de azeite, .lem prompto um lorlimento
dos meamos de muitn bom goslo Q mesmo
fahrioante tambeni dnura, prateia e hrou-
zeia todos os metaes de diversss cores
cancei t e toma a por de novo lodos os can-
dimos, tanto de gaz como de azeite; Um
bempoecandieiros de azeite para gaz; e
a4M*m-se para bailes candioiros e lustros
doblez luzes, por preco comeaodo.
Aforam-se excellentes Jrrenos no lu-
Kdo sitio do Hospicio : quero quizer afo-
, dirija-se ra dos Piros, n. 19, que se
dir quem afora.
--rVrmianqJose Rodrigue Ferreira, que-
rendo liquidar suag cuntas com a praca, ra-
ga a todos os seus devedores, tanto da pre
Ca como de fon, que, no prazo de60 dias,
venhanvrealisar seus dbitos, e quando o
n3o faajMipsssar a publicar seus- nomes,
iorsdls e tempndeseus dbitos.
A VifVe do fallecido profesor Jos Ber-
ardiuo de Sena ruga aos credorea do mes-
Osndignem de aposentar suas cotilas
nunciante, na ruada Alegra, n. II, aflm
esercnajjpoi.fcridss apagas pelo producto
os puucos br ns queflcaram por fallecimen-
o de seu prezado consorte.
-- Joa Valentim da Silva, bem eniih<>M
Iior ensinar latim haquasi 15 annos. lemb a
quem convler, que a sua aula rha-ae em
xercicio, na ra da Alegra, n. 38 ( na Boa-
'ista ), onde recebe alumnos exlornes e
ensionislas. Tambem ensina em horas re-
orvadasaos qne n.lo poderecn frequenlai
^HhJMhi por se alugar o terceird an-
rTRaiiMlo d, ruada Senzalla.Vcfha,
70, pintado de novo, com commodos pa-
a ramilla : a tr,isr $ primeiro andar do
Hpesmo sobrado.
Negocio interessante.
Troca-se, ou vende-se um terreno com
frente na ra da Aurora, e fundos para a ra
do Hospicio, tendo de largura 107 palmos
faz irroila cunta a quem possa empatar, por-
que o lugar nSo | de ser n elhor, e ara i.
futuro deve dar muito dinheiro.^aoMia
qiio.n quiz r levantar predios d 9TO
a tratar na praca da Independencia, taf
- Jos Xavier Fanstimo Ramos, cot^^H
a de primeiras letrras no Alerro-da-Boa-
?ista, desojando dar so seu eslabelecimrn-
to um augmenio.feoiiveni-nle, e em utilida-1
de de seus alumnos, declara que
vido addicionara referida aula
de latim e francei sb a'direecSo de bons
professores, mediante um mdico estipen-
dio. *
O Sr. Ignacio Francisco ....'
de Lcccrda, e Antooio Ferreira
de Mello, queiram annunciarsuas
moradas a negocio de interesse.
Quem precisar de comprjr fachina,
annuncie para aer procurado ; tambem ven-
dem-se canoas de lenha bruta, e orna ca-
noa de carreira.
-- Precisa-se de um hnmem estrangeiro
para trabalhar em um sitio perto da prag,
eque tenha muita pratlca de tirar leite, so-
ja diligente e Del: quem estiver nestas
circumstancias, annuncie.
--J)fferece-sn urna .mulher para ama de
Os de homem solteiro, ou de familia, a
qunl enlende do diario de urna casa, cose,
flngomma, e he muitn carlnhost para enan-
cas : na da matriz da Boa-Vista, n. 16, jun-
to ao sobrado.
Est contratada a compra do sobrado
de um andar, n. 24, sito no pateo do Car-
ino : quem sejulgar com direitoao mesmo,
queira declarar por esta folha no prazo de
tres dias.
Antonio Bernardo Vaz, subdito porlu-
guez, por ter achado nutro de Igual nome
assigua-se Antonio Bernardo Vaz de Car-
valho.
Convida-se s una mulher parda ou cri*
oula de idade, que s-ja capaz e desempedi-
da, para fazer companhia a urna seuhora, a
-- Na leja de Pemandes da Lu
& limo na ma d. Livramento,
n. 10, vendem-sa corles .le caiga de brim
trancado branco muilo lino 1,120 ris,
ditos| de cor muito tinosa 1 000 rls, chitas
francazas as mais finas que ha a 260 ris o
covado, e muitas fazendas por preco muito
commodo. '
Livros religiosos
SermOes de Fr. Rento, oflerecidos ao
serenissimo principe D. Jo.ln, relicario an-
glico ; ensain sobre indiferenca em ma-
teria da rcligio, traduiida do francez em
vulgar pela condessa de Oeynhausen ; de-
voto em orarlo meditando a PaixSo de Je-
ss Chrislo e oceupado dos interesaos da
sua alma ; o verdadeirp modo de confessar-
fe bem, obj pequea por\Fr. Vicente Mara
doVicencia; religio catholica em trlum-
pho e as differentesMitas refutadaa ; con-
cordia espiritual e devoces as saeratissi-
mas Chagas ePaixSo de Jess Christo, no-
va edicnc ; Espirito consolador ou tratado
asctico, onc iminliado a guiar as almas a
perfeicfln christia ; documentos christflos
para o verdadeiro arrependimento dos pec-
cadores : no pateo do Collegio, n. 6 do Uou-
rado.
Vende-se ums cirro; e dois bois en-
signsdos e gordos, por precn commodo : na
ra do Hospicio, sitio do Sr. Thomaz de
Aquino Fonseca.
- Vendem-se3<)bsrrii vasios que servi-
m ram de szeite doce, vinagre e vinho : em
vista das boas qualidades ser bem Tecom-|Forl"',e"Port,"> ru* do Pilar, n. 56.
MiJho novo.
Na roa do Rangel, armazem, n. 36, ven-
de-se millio novo por commodo preco, e pa-
iha de carnauba a 360 rs. o miho.
Gomma para ngommado.
pensada : no botiquim Cova-da-Oonca, sua
do Rozarlo larga, n 34.
Quem tiver urna padaria, que por al-
guin motivo ae queirs dc;f.;:cr di!, an-
nuncie por esta folha, allm de ser procu-
rado. If
iin.iia.i ... i
Compras.

Compraw urna rotula ero meio us.
que tenha 10 palmos de comprido o 7 de
largura : quero tiver annuncie, ou dirija-se
* ra do Buzario larga, botiquim Cova-da-
Onc,a. No mesmo vende-se nm bom baldo
de amarello, feito a moderna,' cnvernisailo,
com 14 palmos de comprido e 9 e meio de
largura, por prego commodo.
--Compram-seS bonitos cavallos de es-
tribara, e lOquartos novos do campo : na
praca do Corpo-Santn, n. 2.
Compra-so uasa ou duas duzias de co-
Iheres de prala para cha, sen lo obra do Por-
to : na ra do Cabug, loji de 4 portas.
--Compra-se urna carrosa para um ca-
vallo : quem tiver diriia-se a roa da Cruz,
n. 8.
Compra-se o resumo d historio Uni-
versal, em portugpezjju, em latim, por Je-
ronymo Soaros BarKo : quem liver an-
nuncie. ^
Compram-se dous molequeyS de 18 a 20
annos, que nlo tenham vicios nem acha-
ques, eque sejam de nagao; assim como
urna preta, que soja moca, que cosinhe e
que enlenda de costura : istose quer para
urna encummeuda para o malo : na ra do
Amorim, n- 3-
-- Compram-se bandas e adragonas com
franja usadas: na praca da Independencia,
n. 19.
-- Compram-se cixas vasiss que fdram
de sab.lo, a ISO rs. sendo da fabrica "da
provincia, o de fra, a 80 rs., e em bom es-
tado : na ra da Madre-de-Deos, n. 89, ar-
n.azem. -
~ Na ra Imperial1, n. 167,
compra-se Ululo e resplandor de
ouro, para imagem do Senlior na
Cruz ; bem coma urna imagem da
Conceicao que exceda de palmo e
meio.
- Comprtm-se, para fra da
provincia, 4 escravas pardas ou pretss, de
bonitss liguras, ecoui algumas habilidades:
na ra larga do Rozario, 11. 48, pi i meiro
andar.
Vendas.
Vende-^e urna escrava rom alguma ha-
bilidades na ra da Cadeia de S.-Antonio,
no segundo andar do sobrado da esquina
do Ouvidor, Q. 14.
-- Vundem-se bons e bem secos toros da
lenha, viudos da Paraiba, botndose aonde
o freguez qu|zer: na ra da Praia, n. 43.
Cocinlieiro moderno.
Ou nova arte de coslnlia, onde se ensina
pelo meiliodo mais fcil e mais breve de 1
prepararen! varios manjares, lauto de carne
como de peixe, mariscos, legumes, ovos,
lacticinios, varias qualidades de masas
para>pfles, empadas, lorias, timbales, pag
teis, bolos e outros pratos de enlremeiu;
varias raceitas de caldas para diil'er. otes
sopas; caldos para doenles, o um caldo por
tativo para viagens longe oulras muilas
explicaces paia fructa, ele. : na toja de li-
vros, n.6, do pateo do collegio do Uourado.
Arte de cosiahar, dividida em 4
partes.
A primeire trata do modo de cosinhsr va-
rios BUiSadoa de lOdn O rnrn .I- ;;:-;; ;
conservas, tortas, empadas e pssteis ; ase-
gunda d peixes, mariscos,fructas, hervas,
ovos, lacticinios, doces, conservas do mes-
mo geiioro, terceira de preparar mezaa,
ele, etc., quaita de fazerpudins eprepa-
rjr uassaa : vende se na loja de livros do
pateo do Collegio, o. 6 do Uourado.
V. noem-se riscados francezes, a 120
rs.o covado ; panno prelo, a 3,000 is. ;
chales delflaabertos.a 1,600 rs.; corles de
ventos de Isuzinha, a 3,900 rs. ; cuites de
calcas de brim trancado branco militar,
muito encorpado, a 1,800 rs.: na ra du
Queimad, n 5, loja.
Vende-se baralo
Para se acabar
Sapatoa do Aracaly
A oilo cantos ris o par.
Na ra da Cruz, n. 5, taberna de Mondes
Braga, vendeui superiores sapatos do
Aracaty.pelo diminuto preco de 800'rs. par;
cora de carnauba em porcao o a relalho ;
eMeirs e chapeos de pslha sola o courinhu
do cabra : ludo f,or menos preco du que em
o-tra qualquer parte.
pamaaco de aeda de todas as edres :
irefol-1 vende-se por preco commodo, na la do
Ulras I Crespo, n. 19, foja de quslro portas.
Na ra dojlangel, armazem n. 36, ven-
dem-se saceos com superior gomma, por
commodo prego.
A 1,700 rs.
Vendem-se raixas com charutos da ver-
dadera marca estrella, a 1,700 rs a caixa,
para se acabar : no becco do Azei te-de Pei-
xe, n. 16.
4oo,ooo rs.
Vende-se um prelo de 22 s 25 annos, ro
buslo, bom ganhador e trabalhador perfeito
deenxada, pelo ultimo preco de 400,000 rs.:
na ra do Crespo, n. 9, se dir que vende.
Vende-se tapioc muito nova, chegada
ila Baha : no armazem do Sr. Dias Ferreira,
defronte do gindasle.
iioin e barato.
Vende-se chamalote de seda lavrsda, bas-
tante encorpado, propria psrs vestidos e
para manteletes, a 2,000 rs. o covado : na
ra do Queimad, n. 29, loja do sobrado
amarello'
Vendem se ricos espotinhos de blonde.
do mais lindo modelo que ha chegado l-
timamente de Franca ; bem como um sor-
timento de ricas loucas para baptizado, por
preco muito em cont : na ra do Cabug,
loja de 4 portas, do Duarte.
Vendem-se dous sobrados de um an-
dar, e urna casa terrea na ridadede Olio la
urna dita ditana rua-da Cloria, por proco
muito commodo : na praca da Boa-Vista
D. 2.
Vende-se um molequede naf.to, de 15
annos, muito fiel, nao fge e nem lem vi
ci alguoi ; he muit, geitozo para qual-
quer servico, para o quo. davse a contento ;
tambem se trocs por urna negrinha da mes-
ma idade pouco mais ou menos: na ra de
Apollo, n. 34, so dir quem faz este ne-
gocio.
Gh de San-Paulo.
Vende-se rico cha de San-Paulo, a 2,940
rs. a libra : no pateo do Collegio, casa di>
livro azul.
Ven'de-se o sitio Agoazinha, no porto
da Madeira em Beberibe, muito grande e
Ierras proprias, com bous pastos para cria-
cSode gado, boas baixa* para capim, bus
lanln lenha que serve para olaria, onde po-
de ir canoa em rasSo dos arrombados ae
abrir : vende-se a troco dar tijolo grosso, te-
lo*, alvenaria batida, ladrillo), lapamento
e outras qualidades, ou escravos : a Iratai
com Manoel Antonio da Silva Molla, o1 ra
da Cruz, n. 32.
Vende-se urna
r, cozinhelra, e que cosa liso e lava de sa-
liilo ; eaoutra da meii idade, propria para
litio, porsaber bem vender fructas e lavar
le ssbSo, por preco commodo : na Boa-Vis-
ta, ra da Mangoeira, n. 9.
Vendo-serf fabrica do destilado na po-
voaco d Apipucos, com todos os seus
nerlenr.es, ou qualquer objucto em sepra-
lo, como sejam : alambiques de Derosoe,
tasques para deposito de mel que levan 50
pipas, diversas covas que levam 8 e 10 pi-
nas ludo de amarello, e outros de duas
pipas, um moinho corn bomba de ferro que
iiuxa 90 a 30 pipas d'agoa a altura de 45
palmos, e outros objectos : ludo por prego
commodo : s fallar com Claudio Dubeux,
na ra das Lsrsngeiras, n. 18.
-- Vendem-se 4 molecoes de bonitas fi-
guras /dous pretoi para todo o servico ; 2
uretss mocas, queengommsm e cozinham
iiero ; urna dita por 350,000 rs.'; uina par-
la que corta e faz camisa de homem e ves-
tido de senhora: na ra das Larangeiras,
11.14, segn lo andar.
Fasendas baratas.
Na loja do sobrsdo amarello, nos
quatro cantos da ra do Queimad,
vendem-se
Cortes de vestidos de Vassa dp'cores
fixas e de lindos padroes
Ditos de cambraia com fio de
seda
Ditos de chita preta com flores
brancas e com 11 covados
Chitas francezas largas e de
cores fixss, o covado
2,000
3,000
1,800
300
Csssas de cores c de bonitos
pa I roes, a vara 400 e 480 1
Cortes decaigas de brim brsn- .
codelistrase de linho puro 1,800 9
Ditos de dito de cor amarelia 1,440
Dito* de collelo de fustSo
branco 720
Ditos de caigas de ISes escuras 1,600
E outras fazendas muito baratas.
ttmmw^mmemmmm mmmwmnm
Vende-se a botica do pateo do Carmo,
n. 3, que ter de fundo, pouco mais ou me-
nos, um corito de ris, e que pelo seu bom
local offerece vantagem a qualquer princi-l
piante pharmareulico: vende-se em con-| commodo
sequencia do dono ter de retirar-se para
na mesma botica se far todo o
Portugal
negocio
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Baha
Vende-se em casa de N. O. Bieber & c.
aa ra da Cruz, n. 4, algodSo trangado
(aquella lbi i.'a, muito proprio para saceos
teasaucar, roupa de escravos e Bo proprio
uara redes de pescar, por prego muito com-
modo.'
a.: na
f
ostjrsva crioula do 13
anuos, que engomma o cozinha o diario de
urna casa : no Forte-o-Mattos, Iravesss
dss Boias, primeira sobrado a esquerda.
-- Vende-se um preti cozinlieiro para
bordo da algum barco, ou para o mallo
da-sea contento: na ra do S.-Francisco
casa apalagada.
Vendem-se 12 escravos, sendo : 3 re-
los de bonitas figuras ; 9 molecot-s ; 2 par-
dos de 10 a 22 annos; urna linda mulatinha
de 14 annos, reculhida, que cose bem, cozi-
nha e engomma liso ; 4escravas mogas, ah
bonitas ligaras, sendo urna dellas boa en-
gommadeira : n,i ra Direita, n. S.
Vende-se um crro com boise os mais
perlences: no Ciqui, quem vai do Recife,
primeira casa pas-ando a ponte.
Vende-se umi bengala de abada com
casti'iu, pon, ira e ouvidos de ouro, por pre-
go commodo : na ra Augusta, sobrado jun-
to ao da fabrica de velas, a' tola hora.
Vender
um carro de quatro rodas, americano, em
hnm naft# n.r. rfnn. ca-,llna_ nrniiriii nar.
omattoporser muito leve : atrs do Car-
mo, ra da Paz, p. 1, cocheira.
Vende-se panno verde e azul multo su-
periores, proprios para fardas: na ra di
Crespo, n 9, loja amarelia.
Vende-se uaa-bom molegue de 18 an-
nos, bonito do cara, bem l'eito de corpo, sec
coe bomalfaiate, so nSo corta casaca ; he
muito diligente : d-se a contento : na iua
do Queimad, loja de ferragens, n. 14, se di-
r quem vende.
Vende-se um mulatinlio de muito bo-
nita figura, proprio para pagem : na 1 ua do
Livramento, 11. 38.
Vende-se una casa na roa de San-Con
galo, n. 97: os pretendentes dirijam-se a
ra da Cadeia-Velha, loja de miudtzes, nu-
mero 17.
Farinha lavada de S -Malheus :
Vende-se am saccas, na ra da Cadeia di
ttecife, 11, i.
Vende-se um prelo de Angola, de 95
anuos pouco mais ou menos, hbil para to-
do e qualquer servigo: o motivo por que
se vende se dir ao comprador : na praga
do Coaimercio, n. 9.
-- Vendem-se duas pretas de bonitas fi-
guras, urna de 95 annos, boa engon.madei-
fVVffVVfVfVVfVfVVftf*
>> Vende-se alpaca de linho puro, a 22041
>rs. o covado : na ra do Caespo, n. 11 .^
tAAA^Aai.AAAAAAAAC
De patente a f 0,000 rs.
Crande sortimento de chapeos da sol, de
patente inglez, pelo barato prego de 10,000
rs. cada 11 m, com basteas de baleia e de ago;
ditus mais pequeos para meninos ; ditos
de seda preta, a 5,300 rs.; ditos de cores, a
8.000 rs.; ditos de panninho, a 9,800 rs. ;
chapeos brancas de castor, patente inglez,
ede aba larga, a 12,000 rs. ; ditos de aba
estreila, a 9,000 rs. ; ditos francez*, dos
melhores, prova d'agoa, a 8,000 rs.; ditos
modernos, a 7,000 rs.; chapeos do Chile,
pelo baralo prego de 6,500, 7,500, 8,000 e
9,000 rs.; bem como um completo sorti-
mento do fazendas finas e grossas, por mui-
to barato prego : na ra do Queimad, n. 97,
armazem de fazendas, de Raymundo Car-
los Leite.
Aviso aos Srs. artistas sa-
pa teiros.
Moreira &.VelIozo,
Vemle-sa urna venda na rus da Cruz do
Recife, 11. 28, cora os fundos ou sedl He :
a tratar na mesma.
Vende-se um sitio 00 lugar do Salgadi-
ntio com casa nova e de bastantes commo-
los, grande terreno para plantag.lo e pasto
oara oito vaccas deleite, e multas arvores
de fruto : quem o pretender, dirija-se ra
la Senzalla-Nova, n. 13. Ni mesma casa
tambem ss vende um escravo de bonita fi-
gura, sem vicio nem schaque.
Vende-se urna armagSo de loja de raiu-
dezas : a fallar na ra do Cabug, loja de
Joaquim Jos da Costa Fajozes.
Vendem-se saccas dealqueire raso de
medida velna de ptima farinha de Muribc-
ca, tilo boa como a farinha deSoruhi, e sem
omaogostoque adquir esta abordo: na
ruada Aurora, n. 42, primeiro andar:
Vende-se enchams de sedro de 20 a
30 palmos de comprido e 6 pollngadas em
quadro, proprios para obras de casa : na ra
do Vigario, n. 3. *
Ti na para escrever
muito superior : vende-se na ra larga do
Rozario, n. 36.
Vende-se urna porgo de barris quo
fOram de oleo de linhaga : na bottoa de Bar-
tholomeu Francisco de Souza.
Quatorze vintens
E a tres tuslfcs,
Chitas francezas
De lindos padroes.
He o que pJe ser de barato .' Um ovado
de chita franceza da largura quaai de vara,
coro modernos desenhos, e cores iixas, por
300 e 280 rs : na ra do Crespo, n. II.
. Novo trem de cozinha.
Vendem-se chaleiras, cassarolas, fregi-
deiras, e panellas de {erro forradas de por-
cellana; machinas para caf; bules o ca-
feteirasde metal : na ra Nova, n. 16, loja
de ferragens, de Jos Luiz Per-ira.
Veudem-se espidas prateadas para of-
ficiaes de guarda nacional; urna barreti-
na com eliorSo para official de cavallaria ;
urna banda e urna frdela anda nSo servi-
da s : na ra Nova, n. 16, loja.
Potass da Russia.
Vende-se superior potassa da Russia, da
mais p-iva que ha no mercado, por prego
na ra do Trapiche, n. 17.
AtiUNCA
d*
acabam derecebero melhor e mais bello
couro de lustro que a este mercado tero
vindo ; porque o tamaito das pelles e qua-
liilade do couro he tal quo muilo deve agra-
dar aos Srs. mestres sapaleiros, para me-
lhor seivirem a seus freguezes ; o prego a
vista da qualidades se dir, mas afianga-
seque ser commodo a bem commodo : na
ra Nova, loja n. 8, onde se vende nica-
mente o dito couro.
Na loja de Maya Ramos & Com-
panhia, na ra Nova, n.. 6,
vendem-se as mais superiores navalbas in-
glezas, cabo de marlim ; caivetes finos pa-
ra pennas ; es tojos completos para barba ;
ditos para costura, com mus'ca ; ditos de
mathematica ; ditos de limpar denles; es-
covas para denles, cabello e roupa; e outros
ob/ertospor pregocommodo.
Vendem-ee 8 lindos moleques de 8 a 16
annos, tendo um delles principios de car-
pina ; 6 prelo de 90 a 25 annos, sendo um
bom cnzinheiro, e outro ptimo sapaleiro;
um pardo de 22 annos, perito cozinheiro,
bolieiro eempalhador ; 3 pardas de 18 s 95
annos, com habilidades; 6 pretas de 14 a
Sannos, com algumas habilidades, e que
jihu proprias para todo o servigo : na rus
do Collegio, n. 3.-
Vende-se urna taberna na ra da Praia,
n. 49, rom poucos fundos : a tratar na mes-
ma lalien.a.
Vendm-se duas ir.arquezas de ama-
rello, feitss a moderna, o urna banca, ludo
com pouco uso : na ra da Praia-do-Cal-
dereiro, o. II, sedira quem vende.
-- Na ra da Cadria-do-Recife, n. 51,
vendem-se dous lindos moloques de bonita
figura, 16 a 20 aonos de idade, muilo bons
cosinheiros, e um dos quars engomma
muito bem e lava, e silo de boa conducta,
sem vicios e nem molestia.
' Vendrm-ae qualro pretoa baa ganhado-
rea de ra de 6 a 30 annoa, aem vicios; um
pardo mullo bom o I tala te opilmo parapa-
nem, sem vicio; trea pte la a de naci de bolil-
las Bguras e multo buaa qullandeiraa e que co
zlnhaoi, iavain e faietn o niaia arranjo de una
cata ; duas dilti oe ,.! Idadq boaa pata tudu
oiervlco, umadia de naci que cote mulle
bem e engomma ; urna parda de 25 annoa per-
lina engomuiadelra, coaiurrira e coxinha u
diario e lie muilo caiinboaa para meninos: na
ra da Cadeia do Recife, n. 5l primeiro andar.
Vende-se urna escrava crioula e moasa,
que sabe colindar, lavar, engommar e fa-
zer doce .- no Aterro-da Boa-Vista, n. 67.
fundi^o Low-HIoor,
IBl DA. SKNZATXA-KOVA,^!. 4a.
Neste estabelecimento conti-
na a haverum completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido
:o-.ido, de todos os taraanhos,
para dito.
\ rados de ferro.
Na fundigSo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Farelo novo a 5,500 rs.
Vendem-se saccaa grandes com 3 arro-
bas de farelo, chegadas no ultimo navio
de llaniburgu : na ra do Amorim, n. 35,
casa de J. J. Tasso Jnior.
Tai xas para eng-enho.
Na fundigo de ferro da ra do Brum,
icaba-se de receber um completo sorlimen-
tode taisas de 4 a palmos de bocea as
juaes acham-se a venda por prego com-
Bodo e com promptidSo embaresm-se,
ou carregam-seem carros sem despezas ao
asmprador,
A 8,000 rs. cada um.
Chales de seda grandes
c de bom gosto.
Na loja de GuimarSe & llenriques, na
ra do Crespo, n. 5, vendem-se chales de
seda, grandes, de bom gosto e de bonitos
padrOes, a 8,000 rs. cada um ; cortes.de ca-
sero ira de cores, de muito superiores pa-
drOes modernas, pelo barato preco de 6,000
rs. cada corle; merino preto fino francez, a
9,500 rs. o covado; dito inglez, a 1,440 rs.
o covado.
Cheguem ao barato.
-Vendem-se lengos de pura seds, pelo di-
minuto prego de 1,980 rs.; luvas de pellica
preta e de ponto inglez, a 1,980 rs.; finas
casemiras pretas e de cores, a 5J00 rs.; go-
linhas e pescociohos para senhora; e ou-
tras muitas fazendas baratas: na ra do
Queimad, n. t. DSo-se as amostras com o
competente penhor.
Antigo deposito de cal
virgen..
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por prec.i muilo rommodo.
Vende-se espermacele de segunda sor-
I* .IMn lik-. -- ----- .- n.:__
--,- -- --------. r.uu ... ......w,
n. 90.
Attencao.
Vende-se cera de carnauba em saceos de
5arrobas para cima; sapatos do Aracaly,
muito superiores; sola ; pelles de cabra.-
ludo viiijo ltimamente do Aracaly no
late l>uvidoto, e por menos prego do que
em outra qualquer parte : na ra dos Ta-
noeiro, n. 5, armazem de Domingos Rodri-
gues ec Andrade.
Vende-se, por preco commo-
do, polassa em barriquinhas ; fu-
mo para milo e capa de charutos:
nos armaren., do fallecido fira-
guez e Dias Ferreira, no caes da
Alfondega, a tratar bno meamos,
011 com najases & ( ompania, na
ra do Trapiche, n. 34.
A 800 e 1,000 rs. o covado
de seda escozessay do todas aa corea, do
muito bom gosto para vestidos de senho-
ras : na ra do Crespo, n. 11.


T7
T^
**

Cabos da Russia.
Existe i veada nm completo sortimento
do cabos de linho da Russia de 1 al 5 <
meia pollegadas de grossura, por menos
preco doqueem outra qualquer parle : na
ra da Cruz, no Recife, n. 13.
Vendem-se 6 cadeiras de Jacaranda, a
moderna, urna escada da mesma madeirn,
para subir em cma ; duas mesas de janlar,
usadas : na ra da Cadeia do Recife, n. 23.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potaasa
de boa qualidade, em barriszinhof.
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como ja ha muito
tempo se nao vende : no Recife.
ra da Cadeia, armazem n. l%
~Vende-se muito surcrlor farinha em
meiaa barricas : na rna da Cadeia do Recife
scriptorlo de DeaneYoule & C., em seus
a rmazens do becco do Concalves.
As novas cassas sublimes]
a !t,240rs. o corle.-
Naloja de GuimarSes & Henriques, na
ra do Crespo, n. 5, que faz esquina para a
ra do Collegio, vendem-se novo* rrtos de
cassas finas denominadas sublimes, pela
sua boa qualidade e barato preco.
Gambrccsa 1,800 rs.
Vendem-se os bem acreditados cortes de
gambrees, a 1,800 e 2,000 rs. o forte de
calcas : sta fazenda torna-se recommenda-
vel, tanto por sua qualidade como por ser
de muita duracSo e ra do Collegio, n. J, luja.
Limas de agulha 4o rs.
Venderri-se limas de agulha : na ra da
Cadeia. loja de ferragens, de Antonio Joa-
qun) Vidal; assim como < utras ferragens
para ourive, por preco commodo.
Chegaram novamente ra da Sen-
zalla-Nova, n. 2, relogiosde ouro e praia
patente inglez, para homem e senhora. -
Vendem-se amarras uo arro: na ra
a Senzalla-Nova. n. 48.
Chitas francezas finas a
?!0 rs. cada um covado.
Na ra do Crespo, n. 5, confronte so ar-
co de S -Antonio, vendem-se chitas france-
zas finas e de modernos pad/Oes aioda nao
vislos nrste mercado, pelo barato preco de
320 rs. cada um covado ; panno preto, pelo
barato preco de 1,600 rs. cada um covado:
lencos de cambraia brancos e abertos pela
belia, a 2,800rs. cada umaduzia.
Farinbade mandioca de
S.-Catharina.
Chegou ero direitura de S.-Catharina o
brigue nacional Minerva, com um carreca-
mento da superior farmlia muito nova e
acba-se Tundeado defronle do caes do Ra-
mos, onde se vende a preco commodo. ou
m casa de Nanoel Ignacio de Oliveira. na
praca do Commcrcio,. 6, primerio andar
- Vendem-se apolices do Ihealro de
Apollo, por preco commodo: na ra da
Cadeia do Recife, ns. 12 e 14.
Casemira preta.
Vndese casemira prea, muito boa, pe-
lo diminuto preco de 1,400 rs. o covado
no Aterro-da-Boa-Vista, n. 18.
Ka ra Nova, n. 6, loja de
Maya Ramos & t\
A o barato.
Vendem-se luvas de rellica, para meni-
naa, aeuhoras e born ns, a 400 e 640 rs. o
par; jogos de vispora para diverlimento. a
1,000 rs.
Na loja d Maya liamos & Cdm-
panliia, na ra Nova, n. 6,
vendem-se esrarlilhos completos para se-
nhora, basteas magneliaadas para moles-
tia de estomago, e plidas cOres ; luvas de
pellica com enfeites modernos, a 2.000 rs. o
par ditas de diferentes qualidades para
senboraepara bomem; sapatoa de marro-
quim.de lustro e desetim branco de todos
os lamanho*; e outras muilas fazendas por
preco commodo.
. Carrafas vasias.
Na ra do Amorim, ns. 56 e 58, vndan-
se gl|bi com esle genero, sancas com farel-
Vendem-se sapatdes de cou-
ro de lastro, pel baratissimo pre-
90 de a,5ooe 3,000 rs. suporta-
res, e de ponto fin* a 3,6o 1 e
.ooors. ; ditos de bezerro fran-
cex, a a,ooo ra. ; ditos brancas do
Aracaty : na ruada Cadeia do He-
ife, n.g.
Vende-se urna casa no afer-
r do Gequi, feita de tijolo co-
berta de telha : a tratar as Cin-
co-Pontas, n. 91.
Panno pardo fino a 4,000
rs. cada um cova o.
Na loja da esquina da ra do Crespo, n 5,
vende-se panno fino pardo e cor de cafe,
pelo barato preco de 4,000 rs o covado ;
dito preto e azul, a 3,000 rs. o covado, e dr
outras muilas cores e qualidades, por dimi-
nuto preco.
Ao barato preco de AO
rs. o covado.
.Na loja n. 5, "de CuimirSea & Henriques,
yendem-se chitas escuras, pelo diminuto
preco de 140 rs. o covado, e de outras mul-
tas qualidades por diminuto preco.
O Arle de nadar, O
Oque pode sustentar um bomem na su--
Vperfiee d'agoa o tempo que quizer semQ
vo menor esforco : na ra do Crespo,*
O<2S>Q<3OiaG0t&
Acaba de chegar
loja da ra do Crespo, n. 6, urh
novo sorlimento de fazendas ba-
ratas,
como sejam : cassa-ebitas muito finas, de
cores (izas e coro 4 palmos de largura, a
330 rs. o covado,- cortes de ditas a 9,000
4>
Vende-se urna preta mo(a, sem vicios
nem molestias, o que se a llanca, a qual co
7inha o diario de urna casa, cosa sofTrivfS
mente, engomma, e he boa ensaboadeira :
defronto ila ribeira do peixe, n. 3.
venha ver e comprar.
Na ra do Crespo, esquina que
volt a para a cadeia,
veodem-se pannos pretos, a 3,000, 3,600 e
5,500 rs. o cotado; dito azul, a 3,000 rs. ;
dito cor de rap, multo superior, a 4,000 rs.;
cortes de casimira prata, muito boa, a 3,200,
5,000 e 10,000 rs.; ditos de setim de cores
para coiletes, a 1,(100 rs.; ditos de gorgu-
rao, a 1,280 rs.; dito de bnm branco de
linho para calcas, a 1,600 rs.; ditos de fus-
to para coiletes, a 600 ra.; dffios de cana
para vestidos, de muito bom gqsto, a 2,400
e 2.500 rs.; corles de brim amarello de pu-
ro linho, a 1,600 rs. ; cassa preta, a 140 rs. o
covado ; ditas de cores muito bonitas, a 200
e 280 rs.; alpaca preta de cordSo, com 7
2,400 rs. ; riscado do linho, a 240 rs. o co-
vado ; dito de algodSo americano para t
cravos, a 140 e 160 rs. o cova.lo; dito mons-
tro com 4 palmos, a 200 rs.; zuarte azul, a
200 rs. o covado ; dito furta cores, a 206
rs. ; chitas de cores fizase de bonitos pe*
drfles, a 160 e 180 rs. o covado ; cortes de
fustSo, a 600 rs. ; chales de tarlatana, a
1,280 rs. ; meios ditos, a 320 rs.; coberto-
res de algodSo, a 640 rs. ; alpaca preta de
cordo e com sete palmos de largura, a,
1,280 rs.o covado; e outras muilas fazen-
das em conta.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de dife-
rentes modelos : na fabrica de machinas e
fundicSo de ferro, na ra do Brum
ns. 6, 8 co.
Para se acabar.
Vendem-se superiores pannos finos da
melhor qualidade que tem fppareeidu (pro-
va de lin.n) cor de caf, a 4 e 5,000 rs. o
covado ; dito azul, a 3,600 e 6,000 rs. ; dito
Trelo, a 5, 6, 6,500, 7, 7,500 e 8,0o0 rs.
qualquer deslas qualidades he a melhor
possivel; corles de casemira de cores mul-
lo linas, a 4, 5, 5,500. 6 e 6,500 rs. ; ditos de
mela casemiasde 13a, de bonitos padroes,
a 1,600, 2. 3e3,500rs. casimira encarna-
da n.uilo fina, a 1,800 rs. o covado; cha-
peos de missa francezes, do ultimo goslo, a
6,500 e 7,100 rs. ; setim prelo maco mui-
to lino, para rllele, a 2.S00, 3 e 3,500 rs o
covado ; camisas de meia muitf) linas, a
1,280 rs. ; alpaca preta fina, a 640, 800 a
1,000 rs. o covado; piinceza preta, a 800 rs.;
chales de 19a de superior qualidade, a 1,600
2,500e 3,5*0 rs.; cassa de ramagem gran-
de e de vara de largura, superior fazendi
para cortinados, a 700 e 80o rs. a vara : to-
das estas fazendas silo de superior qualida-
de a vendem-se por estes precos para se!
acabarem : na ra do Collegio, u. 1, loja da'
eslrelia.
palmos de largura, a 1,280 rs. o covado,
sendo esta fazenda multo propria para cal-
cas, sobre-casacas e veslidds, por ser muito
forte econmica em rasSo da largura; ris-
cado de linho azu'/inho, a 240 rs. o cova-
po; lencos de seda para grvala, a 1,280
rs. ; ditos para algibeira, a 1,280 rs. ; zuar-
te azul de vara de largura, a 200 rs. o cova-
do ; dito furta cores, a 200 rs ; riscado
monstro, a 200 rs.; picote muilo encor-
dado, proprio para escravos, a 240 e 180 rs.
o covado ; riscado de algodSo americano, a
140 rs. o covado ; corles de brim de listras
decores, a 1,000 rs.; ditos com lislra ao
lado, a 1,280 rs. ; ditos escuro*, a 1,280
rs.; pecas de chita* i.iuito bonitas, a 5,500
rs.; duas escuras decores lizas pora casa,
a 160 e 180 rs. o covado ; diales de tarlalir-
na, a r,280 rs. ; meios ditos escaros, a 320
rs. ; lencos de cassa para Bravata, a 320 ra.;
meias para meninos, a 100 ra. o par; dita
muito superiores para senhora, a 400 rs.;
lencos peqnenosde 13a com ires pontas pa-
ra escravos, a 140 rs. cassa de zadrez pan
vestido, a 320 rs. o covado ;. pecas d cam-
bra a lisa com 8 varas e meia, a 2,700 rs;
dita muito fina, a 640 e 720 rs. a vara ; cha-
peos de sol, de panoinho com bastes de ba-
lis, muito bons a 3,000 rs.; e outras mui-
las fa/emins h ralas que a vista dos com-
pradores se farJo os precos.
'baratos.
Na ra da Senzalla-Nova, n. 42, vendem-
se charutos superiores da marra victoria,de
llavana ; ditos primores o regalos, por pre-
co commodo.
Panno couro a 1,200 c
1,300 rs.
Vendem-se cortes da excellente fazenda
deoominada panno couro, a 1,200 e 1,300
rs. o corte de calcas : esta fazenda he multo
encorpada, escura e de muita duracSo : na
ra do Collegio, n. 1, loja.
A 1,000 rs. o corte.
Na loja n. 5, que faz esquina para a ra
do Collegio, vendem-se cortes com 3 cova-
dnse meia de brim de algodSo trancado de
listras e dequadros, pelo barato paeco de"
1,000 rs. cada um corte.
##*## 99 **.*? 6
*
9 Manteletes e capolinhos. #
* Na loja. do sobrado amarello, nos t}
? quatro cantos da roa do Queimado, #
n. 29, venJem-se manteletes e capo- 9
) linhos de cbamalote prelo de seda e
? Koiirnecidus com franja de seda, pe- 0t
9 lo diminuto preco de 20,000 rs. <*
fggmsBBm
--Vendem-se"^ moloques, 9 de 14 an-
uos e 2 de 18, bons para todo o servico que
usqueiram appllcer ; 2 pretos ptimos pa-
ra servirem a urna casa, e ganharem na ra;
urna preta que cozlnha. engomma o lava
roupa de sabio muito bem : na ra do Col-
legio, n. 21, primeiro andar, se dir quem
ven Je.
Chopcoa de sol.
Vendem-se chapeos de sol, de seda preta
com barra lavrada, a 6,000 rs. ; ditos furta-
cres, a 6,500 rs.: estes chapeos sSo mui-
to bom construidos, muito fortes e de boa
seda : na ra do l'assero, n. 5, fabrica de
chapeos de sol.
Para quem tem bom
goslo.
Na rna do Queimado, n. 9, existe um no-
vo sorlimento de manteletes e capotilhos de
seda, gorgurfloe chamelote preto e de co-
ros, os^uaes se ven lem pelo diminuto pre-
co de vinte e dous-mil rs. l)3o-se amostras
com penliores.
O0OO0O0OQ0QOOOOQ
h Toalhado de algodSo e de linho. /j
q Na loja do sobrado amarello, nos q
-. quatro cantos da ra do Queimado, J?
J? n. 29, vende-se aloalhado com tres i
r palmos emeio de largura, a 320 rs. a J
}Sj vara ; dito com 9 ditos, 1 1,800 rs. ; j
2 dito de puro linho, com 9 palmos de O
O largura, a 3,000 rs. a vara ,- guarda- 9
O apos de puro linho e adamascados, O
O a 10,000 rs. duzia. Q
o o
Na loja de seis portas do
pateo do Livramento, vende-se
panno de coqueiro, a 3,aoo ra. a
peca, ea t^o rs. a vara.
Vende-se um preto proprio para en-
genlio ; araruta, a 240 rs.; farinha do Ma-
ranhSo, a 160 rs fcha paulista superior, a
2,000 rs. : na roa liireita, n. 14.
Na cus Nova, venda n. 3,
de Antonio Ferreira Lima & Cotn-
panlna, vendem-se charutos a 3 e
5,ooo rs. a caixa : responde-
pela qualidade.
Farelo a 5,000 rs. a
scca,
a o melhor que tem vindo a este mercado. J
na ra da .\ladre-de-leos, armazem de Vi-
cente Ferreira da Costa.
fffWffffffffffff*t#
t Vendem-se cortes de calcas de case-*
miras de cores, padroes modernos, a2
,4,000 ra. o corle : na loja do sobrado?
^amarello dos qualro-cantos da ra do^
^?Queiinado, n. 29. 4g
9AAA*A*AaMAaU*A*A
Vende-se um bonito moleque peca, de
18 anuos ; urna bonita esrrafi de 20 annos,
com habilidades: na ra do Itange I,
n. 57.
A a loja de Fe: iiaodes da
Luz & Irmo, na ra do
Livramento, n. 10,
- Vende-se sacca; com arroi a 1,200 rs..
arroba: uo pateo do Paraizo, n. 20.
Salva vidas. i
rNa ra do Crespo, n. 11, ha esta ex-(r
"lente inventSo que se faz to neces-1
9saria como til a lodos os capitSes de
navios, ou pssoas que embarcam, para
ffseguranca de sua existencia : na ra do
(Crespo, n. 11. ^
Vende-se a armacSo, ulencilios o o
maia que existe na casa de bebidas da rui
do Trapiche, n. 28: a tratar no primeiro
andar da mesma casa.
Vende-se urna escrava de 18
a 2Q annos, que cozinba, cose e engommi
bem : na ra Formse, aparta casa terrea.
das 6 as 9 horas da mandas, e das 3 s 6 di
tarde.
Tecidos de algodao tran-
cado da fabrica de To-
dos-ns-Santos.
Va rna da Cadeia, n. 55,
endem-se por atacado duas qualidades
propras para saceos de asaucar e roupa de
iscravns.
Cal a .3,ooo rs. o barril.
Cunha & Amorim, para liquidaren), ven-
dem um restante de barris com aal vir-
em de LisbOa, pelo dlminqt preco de
3,000 rs. o barril: na rus da Cadeia do fla-
eife, n. 50..
9mmmmmmmmm%mmm%
Amazona de boi racha fe
Spara capas, aOits c cssacs de inver-g
no: narua dVCrespo, n. II. S
6mmm *<* rwr ,
luaj
Escravos rugidos!
los por barato preco e dilaa com farinha de
mandioca mult superior.
A 640 rs. o covado do al-
paca preta fina.
Loja ii. 5,
deCirnarSes& Henriques, que faz esquina
para ra do Collegio, vende-se alpaca pre-
ta fina, pelo diminuto preco de 640 rs. o
covado, praco este por que nunca se vendeu
fazenda igual.
Vcmdem-se, por menos do
que em outra qualquer parte, cha-
peos de palba de carnauba, e sa-
A TURCA. ff
0 Chegaram os muilo procurados cr-C
lles de tapete para sapatos, tendogran-t
9 v.-iriedade de goslos : vendem-se na1P
#loja do sobrado amarello, nos quatro-t
cantos da ra do Queimado, n. 29 Q
t ** (Ot ##
i\a ra !Kova( n. 6, loja
de M ya llamos & C,
vendem-se ricas bandejas de todos os ta-
maitos, com guarnicilo de fina cisquinba ;
ditas sem guaruicOes ; grinaldas para noi-
vas; llores brancas, rosa, larknja e avellu-
dadas; trancas de
larguraa ; e nutras
enfeites de senhora
pal oes do Aracaly tambem s
venden Irasqueira de superior
genebra de Hollanda, por commo-
do preco : a fallar com Antonio
Joaqun Vidal & C
- Vendem-ae 162 oilavas de prata e 7 di-
ta* de ouro de lei: ludo em obras velhaa :
narua da Cadeia do Recife, loja de miu-
de#a#,n,.5.
-t- Vanraea,l de pedra, a 1,600 rs. o
alqueire da medjda vtlha : na ra Imperial,
n, 320. Sal de salgar cobros, a 1,00o rs. ;
diio.de pedra, a 1,600 rs. : na ra do Non-
dego,n. 19.
Centinua-ae a vender boa manteuja, a
'400 rs. ; chi, a 2,000 rs.; loucinho de San-
tos. 200 rs. ; dito da Lisboa, a 840 ra. ; ce-
va4*. a 86 rs. ; caf moido, a 24* ra ; Te)a>
'de espermacete de 6 em libra, a 790 ra.; di-
tas de carnauba d*Se8m libra. 320 rs.;,
arroz do Maranhflo, a 70 rs. a libra; cai-
xoes de doce de guiaba, a 600 e 1*000 ra.;
queijot, a 1,500 rs. fejflu mulalinho novo,
a 400 rs acuia; dilo preto, a 320 rs,: no
pateo do Carmo, n. 9, vend nova.
de. diITerentes cores
muilas fazendas para
ludo minio em conta
Xa ra Nova, n. i, alias
da matriz,
receheu-se um soriiuiui lo de encerados pio-
lados, propios para mesaa de janlar, por
seren de 4, 5 e 6 palmos de largura; man-
gas para caslicaes; chapeos do seda para
homem ; ditos de Manilha ; canna da India
verdadeira, que urna faz duas bengalas;
lencos ue camnraia ue iinuo ; candielios pa-
ra sala ; dilos de corda ; lenco* de seda, a
1,000, 2,000 e2,400 rs.; frasees de agua de
Colonia, a 2,4 e 6,000 rs. ; agoa para Un
gircabellos; espelhos pequeos, a 9 000
'8.; chapeos de palba par, senhora ; sapa-
tOes de couro de lustro, a 6,700 rs.; sapa-
tos de merroquim, a 1,500 r. ; ditos de
lustro, a 2,000 rs.; botins gaspeados para
senhora, a 5,(100 rs. ; ditos de cores para
meninas, a 4,000 rs.; pelles de couro de
lustro francez.
Jogos de visporaa 1,000 ra.
Na ra Nova, n. 6, loja de Maya
Ramos rk l.onipanhia,
vendem-se por este diminuto preco para
iliverlimeiito das noiles de San Jo8o e San
Pedio.
Vende-se um* balanca coi o seu com-
petente l>i i ua da Cadeia, n. 2, confronte ao Ihealro de
S.-KraucisCo.
Vende-se a taberna da travissa dof
Queimado, n. 5, com poucos fundos, e quei
he muito afreguezada : a tratar ua mesma'
taberna.
*6 #f 99 9999 999S9
Os antigos riscadosmons-
Iros a !H0 rs. o covado.
Na loja de GuimarSes & Henriques, ven-
dem-se os antigos liscados monslros, de 5
palmos de largura, e de padrfies novns, a
280 rs. o Covado ; riscados california, de co-
res finas e muito encordados, e tambem de
cOres escura*, pelo barato preco de 200 rs.
o covado
Fazendas li. No armazem de fazendas, de Raymundo
Carlos l.eite, na ra do Queimado, n 27, ha
um bello sortiu-ent.i de fazendas de todas
as qualrdaJes, por os precbs mais rommo-
dos que se teein vendido, a saber : pecas de
mfdapollo da Indi, com 94 jardas, muilo
fino, a 3,200 rs.; dilo muito fino e encorps-
ilo, com 4 palmos e meio de largura, muito
propiio para camisas de escravos por ser de
muita duraeflo, a 3,600 ra. ; alpaca de Cor-
dSo, de lindos goslos, e de diversas cores,
proprio para palitos, casacas e caifas, a 800
rs. o covado ; dita preta muilo fina, a 800,
rs. ; ptimo riscado francez de variase ores,
a 280 rs. o covado ; corles- de brim pardo
para chIcis, a 1,400 rs. ; ditos de qna.lros
muidos, multo bonitos, a I.OOO rs ,- risca-
do monstro, 910 rs. o covado ; cortos de chi-
ta chineza, goslo scolhido, a 3,600 ra.;
atualhada eulranca Jo com 7 palmos e meio
de largura, a 800 rs. a vara.
Nao pode haver mais barato.
Vende-se superior chocolate, recente-
mente chepudo de l.isbOa ; cevada muilo
nov : cha prnpriamentede S P hysson.
perola, aljolar e uclnm : ludo por prefo
commodo:' no armazem da esquina, de-
fronle do guindaste, de Krancisco~Diis Fer-
rt ira.
Ra > ova, n. 34.
Madama llosa llardy, modista hraiileira,
acaba de receher de Franca lindos capoli-
nhos de fil prelo para senhora e meninas,
os qoaes vende muito barato.
A 1,000 18. o corle de
cal*,ft s.
Vendem-se brins trancados de
listras ao lado, dos mais moder-
nos padioes, tendo tambem cor
de ganga, a 1,000 rs o i;rte de
calcas : na ra do Queimado, n.
8, lojaconlronte a botica.
Vende-se um bonito moleque de 90
anuos,que cozinha o diario du urna rasa,
pelo preco de 370,000 re. : lodo* os di** de
vendem-se chitas finas, 160 rs. o covado ;
lilas pretas de lustro, a 180 rs ; pecas de
algodiio com 20 varas, a 2,700 ra. ; dilas de
madapoiao, a 3, 3,400 e 4,000 rs. ; brim de
cor para caifas, a 260 rs o covado ; alpaca
de cor muito fina, a 280 rs. o covado ; al-
godiio azul para roupa de prelos, a 200
covado ; chita roxa de cor lixa, a 160
panno de linho muilo fino, a 360 rs. a vara;
riscado monstro muilo largo, i lio rs. :
cortes de cassa-chila, fazenda muito fina, a
2,660 rs.; ditos de cambraia, a 4,000 ra. ;
brim trancado branco muilo fino, a 280 rs.
o covado ; e outras mullas fazendas por
preco muito commodo.
Vendem-se duas escravas da Costa, de
bonitas figuras, eunu dellus lem urna cria
de ma is de um anho : na Travessa do Veris,
n. 15, na Boa-Vista.
A. ( oloiuber, na ra
Noy, n. %
vendem-se lencos de seda, a 1,000 rs.; ditos
a 1,500 rs. ; pe.-cocinhosde fil de linho, a
.,000 rs. ; aapalos de duraque, t 800 i*. ;
bonitas bengalas para a rapaziada de bom
gosto; ditas para velhps ; encerado para
mesas de janlar, com 4, 5e6 palmos de lar-
gura jarros com bacias de porcellana para
lavatorios, vende-se a dinheiro a vista, ns-
da de liado.
-- Vendem-ee, para liquidado, chapos
depalha e esleira ditas do Aracaty, por
preco commodo: na ra da Cadeia do Re-
cife, n. 9.
Para guarnicoes de salas.
Vendem-se, na ra Nova, n. 2, Iris da
matriz, ricos cendieiro* de coroa ; ditos de
corda; ditos de bomba ; ricas lanternaa de
casquibha iugleza ; ditas de |6 de vidro;
rico jarrea de porcellana dourada par* Qo-
e* na turan ; mangas para caslicaes; lan-
lernasdep de caequ'iiiha, pelo diminuto
|*icyu uc fU.UUU IS. O pl.
x\a loja de seispottas
enfrente da igreja de N. S. ^|. Uvramento,
vendem-se chitas, a 190,140, 160, 186 e 200
ra. o covado, e muito linas, a 240 rs aleo-
dflo monstro para Joalhas o lence*' 800
ra.; diales de can* para meninas, a 200 rs
alpaca di algodSo para palito,, a 160 r.
covado ; franklim (.reto, a 480 rs.; sarja do
13a com duas larguras, a 800 ra. o covado
alpaca preta/* 640 rs. o covado ; e lodas as
u,*.sfazejd*a porpre<;o a convidar, trocar
cdulas (flfeuroupar familia.
-Fugio, no da 38 de jiinho, o preto l.ou-
renco, pescador; levou calaas e jaquela de
panno azul; representa 10 annos, de esta-
tura regular, espadando, bem barbado:
quem o pegar leve-o* iui do Aragfto, n. lo.
~ Fugio, no dia l*de marco, o prelo Be-
nedicto, crioulo, que representa ler 24 an-
nos, de altura regular, sem barba, rata re-
donda, nllios carrancudos ; lem os pe* um
tanto torios e urna dss peritas : este escra-
vo veiodoMaranhSo para aqu aer vendi-
do por conta do Sr. Dr. Francisco de Helio
Coulinho Vilbena: quem o pegaron der no-
ticia na ra da adea do Recife, n. 51, pri.
meiro andar, ser gratificado.
Fujfio, h 9 para 10 mezes, o crloulo
rtaphaef, de 35 annos, altura regular, quei-
xo redondo, pouca barba, olbos muilo vi-
vo ; lem nos ps. um dedo cortado pela
junta ; he serrador; muito rheloneo no
fallar ; quando anda empina as nadegas pa-
r tris Miguel, orioulo, aieio fulo, abeHo
piulando, de 46 a 50 annos, baizo, com (al-
ta de cabellos que esta quasl calvo, pouca
barba, queizo lino, ofnosvermelho* e rre-
galados, mnllo ladino e conversador, ebeio
do corpo ifi1 frf; pHflas finas, ps peque-
nos ; e com o mesmo ums eserava de oome
Rosa, crioula, bem preta, tura regular,
com marca de fogo no rosto do lado esquer-
do desceadoaos hombros, p, o braco, em
partes que parece agoa quente ; ouevn os
pegar leve-os ao ertgenho llha-rte-Uello. ou
ne.-la praca a AnUnlo Alvas de Miraoda lui-
marilcs, na ra Direita, n. 69, que se pe-
compensara com 80,000 rs. por cada Um.
5o,ooo ra. de gratificacSo .
a quem pegar a-prela Itlaiia Joaquina, de
' '"d?0 Mnos> 1u fugio no da 11 de abril
ra. onde nacSo Congo, baiza, gorda, cor retia,
r ; bexifroaa, ollios pequonoa; lem em urna das
laces um signal de carne ; he bastante ar-
dilosa, por isso ha capaz de illuir qual
quer pessoaquea nfio ronbrca ; sabe to-
das as povoacOea da provincia, por ler an
dado a vender miudezas pelo mallo com
urna crioula de uome Fellcidade. de q-iern
ui escrava ; talvez sua fuga ande encuber-
ta com o negocio de vender miudezas, poii
ja de nutra vez que fugio andava venden-
do-as, e assim mais cnalosa de aer pegada.
Iloga-se as autoridades policiae* e capilSes
de campo, que a apprehendam e levem-ui
a ruadosQuaiteis, n. 22, ou na praca da
Independencia, n. 17.
-- Desappsrejceu, no di* 25 de junho da
1850, o preto lUymundo. crioulo, de 2Sli-
nos, alio, secn do corpo ; tem o* dedos
grandes dos ps um tanto arreganhadoe, *
uo pescoco a marca de um tilho por j *B
ter querido degolar : tem os segundo e f-
ceiro dedos da mSo direita estirados, o
olhos um pouco avermelliadu* e a vista co-
mo espantada: quemo pegar leve-o a seu
ienhor, Uaooel Coelho Pinheiro, na pada-
ria da ra dos Gusrarape*. -
5 de junho de i85o.
Fugio, da vilU do Bonito, o escrav Lou-
renco, crioulo, haixo e corpoleob, de eflr
nem muito preta nem fula ; lem ralla de/
unhas em todos os dedos dos ps, por cau-i
sa de bichos que leve em pequeo, can
redonda, de 20 annos: quem o pegar leve-o
ao vigarioda dita villa, o padie t.noel d
Mello PalcJo M ou na ra da Cadeia d<
Recife, o 24, lojg de cambio da Viuva Viei
ra & Filho, queae gratificar*.
- up.w, vw sigamnu iiu.u uo Laoii. nO,
da 27 de junho, um preto crioulo, offlcil|
do carpina, de nenie lua do* Santos, de S41
annos, alto, corpo regular, orelhas tequc-l
as, as mOos e ps bastantrs grandes, nS<
tem bsrba : he bastante carrancuilo : amni3
'cchincha
para oa amadores da santa
economa.
Urna poreflo de finas cassas, franceza* de
<1
r
4
i
I
r
i
r
"
U
la
si
'1
a
ni
,.ii
.i
I
j,i
i,
co
aa
di
pl
al|
no
ex
pa
dr
>1i
|n a
l.
|JU1
101
I
I!
(i.i
*
prela crioula, de nomo Anna.de 18 annos,
alia, magra, com os beicoa groasos, nsrijj
pequeo, chalo e com as venias arresaca-:
Jas ; foi vista para as bandas da lluribera, j
no engenho Ivuanduba e neate Recife:
quem a pegar leve-a ao dito engenho, que I
sera recompensado.
- Fugio, do engenho novo dd Cabo, des-1
de Janeiro do crranle anuo, o moleque Uo-
* na frrn'le, ps grandes : quemo pe-
gar leve-o ao dilo engonlio, que sei re-1
com,ensado.
|rlo, n. 48, primeiro andar,
eencaimdas, com fioies de lodas as cores
goslos muito bonitos e modernos estas'
cassas foratn arrematadas em leil&o, por is-
s'i te veiidem pela melade de aeu valor di-
nheiro a viala, a 240 rs. cada um covado
meio-di* emdianle: na ra larga do Roza- loa ra do Crespo, n. 14, l0, e Jns K ',
'cisco Di**. rao-
Perm. fW
o
lina
Uab
|pra
lien
jac
tea
2KS
re 11
de
P-
Ira
TT?. DIH. F. DBPaRU. 1850.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJ73UWUVW_DMLZ2Q INGEST_TIME 2013-04-26T21:43:06Z PACKAGE AA00011611_07501
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES