Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07500


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVI
Quara-feirta 5
FARTJAI DO COIUIM.
Goianna e Parahiba, segundas e sextas feI ra.
Rln-Grande-do-Norlc, quintal felra o melo-
da.
Cabo, Serinhfiem, Rlo-Formoso, Porto-Cairo
e Macelo, no I.*, a 11. e 81 de cada mez.
Garanbuns e Bonito, a 8 e 23.
Uoa-Vista e Florea, a 13 e 28.
Victoria, i quintal felra*.
Olinda, todoa oi dlat.
Pausas di tm.
Mlng. a 2, as3h.e38m.dat.
Nova a 9. oi 7 ui. da i.
Creic. a 16, s i h. e 12 na. da m.
Chela a 24, s 3 h. e 4 na. da m
niuai DE OJ.
Prlmeira ai 11 horas e 42 uioutoi da uaanbaa.
Segunda 12 ai horas e 6 minutos da tarde.
de Julho de iSiO.
n. i4e.
rK?ot da aussscmpciAo.
Por tres meze* (ad'omiaao) 4/5001
Por seis mezet a 8/3001
i Por uui anuo ___15P00J
DAS DA IIMA3TA.
Seg. S, Theodorlco. Aud. do J. dos orf. era 1. v
2 Tere. Viiilaco. deN. S. Aud. do chae, ilo
J. da 1. v. do cir. e do dos feitos da fazenda.
3 Quart. S. Jaointho. Aud. do J. da 2. v. do civel.
4 Quii. S. Iiabel Aud. do J. dos or. e do m.
da 1. v.
5 Seit. S. Alhanazio. And. do J. da 1. v. do cir. e
dos (ditos da faieoda.
G Sab. B. Domingas. Aud. da Chae, e do J, da
2. t. do crime.
7 oiu. S. Pulquera-________________________
OASUIOS i
a i
JOLHO.
1/000 r. a B0 dial.
Sobra Londres. 26a/, a 27 d. por
Paria, 346.
Lisboa, 105 por cento.
Ouro.Oncas bespanhoes......... 29/000 a
Moeda de 6/400 relhas.. 10/500 a 16
de 6/400 novas .. 16/100 a 167000
de 4/000........... 9/100 a 9/200
/Vau.-Patacfles brasilclros...... 1/980 a 2/100
Pesos columnarios....... l/*0 a 2/000
Ditos mexicano.---. lj20 a 1/840
^i^^^^ i -o
I4RI0 DE PEMiMBlJGO
PARTE OFF1CUL.
MlNkSTElUODA FAZENDA.
Joaquim Jos Rodrigues Torres, presiden-
te do tribunal do Ihesouro publico nacio-
nal, para melhorar o processo da impresso
e emissilo das Mira do Ihesouro, ordena
que a essa respeito se observe o seguinte :
Art. 1. As lettras do Ihesouro que se
emittirem do 1." de junho docorrenle an-
no de 1850 em riishleserao dos valores de
1, 2,5. 10 e 20 000,000 rs, que serflo im-
rressos ou estampados nellas e nos seus ta-
Ifles.
Art. 2. EsUs lettras serio encadernadsse
numeradas na oHicina das apolccs, as de
cada valor em volume dlsUuciu, leudo os
das lettras de lea contos, 340 lettras ; os
das de 5 e 10 contos, 120; o os dss de 20 con-
tos, 60.
Art. 3. A mimeracffo. das ledras e tal oes
ser impressa em machina de numerar, e
quando isso nflo aeja anda possrcl, ser
escripia por om empregado que o inspec-
tor geral do Ihesouro designar, o qual lavra-
r os termos de abertura e encerramonto
dos volumes, e o mesmo inspector geral ru-
bricar as lettras e lalOes, e ssignsr os di-
tos termos.
Art. 4 Preparados assim os vnlumes, o
director da ulucitia os entregar solhesnu-
reiro geral, aoqual serSo debladfs as let-
Iras pelo seu numero e valores em conta a-
berta com columnas para cada um, no litro
deDiversos valoresdebaixo do ttulo--
Estampas para lettras do Ihesouro, ecre-
ditadas s queem Cada da se emiltirem ou
iputilisarem.
Art. 5. Alm d* numerario de que trata
o art. 3. que he propria dcada volume, a
thesouraria geral laucar as lettras e la-
lOes de cada vslor, no centro da mrgem
superior, outra numeracSo propria da etnis-
sflo annual. que principiar em numero um
em cada anno flnanroiro, e continuar se-
guida e sem nlerrupcfio al o im dclle, ex-
cluidas da numeracSo as eslampas que por
qualquer accidente se nutilfsarem na llie-
souraria geral antes da emissilo. as quaes
scrSo cancelladas e golpeadas, e se Ihe lau-
car em Ifllra bastarda inulilisada, e ficir
ilentro do livro junta a seu lalSo que tsm-
bem ser canccllado e golpeado.
A't. 6. Numeradas, datadas e selladas as
leltras com n cunho das armas imperiaes
( que lera o di, mez e anno da emissflo J, e
rubricadas pelo empregado que servir de
escrivflo da thesouraria geral ( que tambem
rubricar o respectivo talSo ), serflo por ul-
timo assignadase emit idas pelolhesourei-
ro geral.
Art. 7. Acabado o expediente do dia em
que se tiverem emitlido lettras do Ihesou-
ro, o Ihesoureiro geial remetiera urna no-
ta dellis, por elle sssipnada e pelo escrivflo,
ao inspector geral, coutendo a somma emit-
lida de cada valor, e a sua respectiva nume
racSo annual, com urna declararlo das que
por ventura se hajam inutihsadu nesse
dia.
Art. 8. No da immediato ao da emissilo.
a contadura geral remetiera ao inspector
geral copia dala que liver nceblilo da
thesouraria geral para a escripturar,3o, e
achnndo-a o inspector geral'coiiforme re-
cebida da thesouraria, a rubricar e atpre-
seniara, ou enviar ao presidente do ihe-
souro, licando com a da thesouraria geral.
Art. 9. Os livros de talOes das leltras se-
rflo a prese ii i a dos, una vez ao menos em
cada semana, so inspector geral, e, as oc-
casies de balanco, ao tribunal do Ihesouro
para verificarem pelos lalOes e pela escrip-
tuiarflo a eiactiduo das emisses.
A't, to. Pelo que perlence s nutras for-
malidades a respeilo destas leltras, e do pa-
pel em que se dovem estampar, se seguir
na ofllcina da estampara e na thesouraria
geral o disposlo nu regulanientu de 23 de
marco de 1838.
Hio-de-Janeiro, em o 1.* de junlio de 1850.
--Joaqun Jote Rodrigue/ Torru.
EXTRACTO'DO EXPKDIENTE DO DIA 8 DE
HA 10.
Ao administridor do consulado, mandan-
do declarar illegaes e de nenhum effeitoo."
actos da nscionslisscflo o matricula da bar-
ca Herald, vendida em Paranagu a II* noel
Antonio GuimarSes, que a denomtnou Joa-
quina Guimuraet, porque nelles son Su cum-
priram as formalidades prescrl'-tas no de-
d'iv lie x* tic uuiuiro 06 18*6, pelo que
vilo ser responsabilsimos os ompregados
que nelles intervieram.
Ao presidente de S.-Paulo, que len-
Jo-se rcconheciJo a falla das formalidades
cima na venda da dita barca de proprie-
dade de Carlos P. Williams, feila pelo tues-
ie. Samuel Barlher, em Paranagu, se Ihe
remettem copias dos oocumentos respec-
I i vos para mandar fnzer etlecliva a respun-
jaabilidade do inspector da alfandega, que
"enlSo era, o'd esciivSo que Uvrou a escrip-
iira ; fazendo oulrosim declarar nullus e
i eQeilo os actos de nucioiialisacSo e ma-
cula.
DEM f)0 DIA U.
A'thesouraria do Rio-Graade do tul, res-
[ ponde-se ao omcio de 20 de marco, que os p-
' ruchos enconimeiiados e os empregados di
iioineacao temporaria, leudo pruvlioese no-
nieacrs, devem psgar o sello do art. 20 do re-
gulaiiirnto de 26 de abril de l844 poriu ae os
ttulos lorrin de inais de anno, esio omnr*-
lirndidos na literal dlsposleao do art. 13 do di-
to rrgiilainrulu cuino ja declarou em or-
den. de 6 de maio de 1846, 42 de inarco e 8 de
linio de 1849, dcvendo'os referidos fuucciuoa-
rios pagar os competentes uposlos, sempre
que obtenbam renovacao de tuas nouicacdet.
PE: NAMBUCO
assaissw su i ,.iii.....
ASSEMBLEA PROVING1AL.
SESSAf) ORDINARIA EM25 DEJf.NHO DE1850-
eaesiDNcu DO sa. raoao c*valcanti.
SnHMtalo. Aj>frt.vac anterior. Expediente Contos do primei-
ro secretario actual $ do que o preceder.
AdodcOo da ultima rtdacedo do proferta n.
82 ; a*o de ornamento provincial com tluas
emendas do Sr. Jos Pedro, e do municipal.
Nomeocdo da commissao para levar
sanecao vario* proicitoi.
As 11 1|2 horas da manhSa, feita a chama-
da, verifica-se esta rem presentes 26 Srs di-
putados, faltando os Kr*. Mannol Csyslsanti
Castro l.eJo, Souja Res, Castnr. Carneir
da Cunba, Reis e Silva, Drumond e Ca-
tando,
O Sr. Presidente abre a sesslo.
O Sr. 2. Secretario le a acta da sessSo
anterior; que he approvada.
O Sr. 1.' Secretario menciona o seguinte
EXPEDIENTE
Um ofllcio do Sr. secretario interino da
provincia, remetiendo as informapoes re-
quisitads pela assembla acerca do estado
em que se acha o trabalho topographico da
planta do municipio do Recife.A quem
fes a requisicSo.
Outro do mesmo, significando que fra
remedido cmara municipal, para ter
a devida execucilo, a copia do parecer da
commissao de posturas sobre a pelclo de
Francisco Jos de Paula Interada.
Outro do mesmo, transmillindo, psra ser
presento a assembla, o segundo addila-
mento relacSo da divida provincial.A'
eommissSo do fazenda e orcamento.
He lido e remedido commisslo de po-
lica um requerimento de Cinciaato Mavig-
nier, pedindo deferimento a pelicfl em
que olfereria, mediante a gratilicacio de
400,000 ris, um busto de 8. H. o Impera-
dor para a sala das sessdes da aasembla.
Silo approvados dous pareceres da com-
missflo de polica : o pnmeiro, validando
s coritas apresentadas pelo Sr. primeiro se-
cretario ; e o segundo, resolvendo que, vis-
to acharem-se exactas as comas dadas pelo
Dr. Joaqoim Vilella, so designo pesaos
que deva receber o saldo que se acba em
seu poder.
OSr: Presidente noma o Sr. Ralis e Silva
pira fcar encarregado da casa durante o
intervallo dases-ilo.
He lida e approvada a redaceflo do pro-
jeclu n. 22.
Entra em discussSo a redscfto do ores-
mento provincial.
O Sr. Jo Pedro propOe tres emendas :
A primeira, para que se sobstitua oarl.
40 pelo artigo additivo quepropozeraatuse
gunda discussSo, creando urra secco de
contas na thesouraria de fazeada provin-
cial.
A segunda, para supprmir-se no S do
art. 2 as palavrasa lodi a quantia.
A terceira, para dizer-se no 4 do art. 28,
em lugar de--cnm n agencias, etc.com aa
agencias da bebidas espirituosa, taltaro.
charutos, cigarros, fusnai sbilu, licando o
agente dos imposlos desles qustro ltimos
gneros venceudo dez por cento.
Encerrada a discussSo sobre a redteelo,
he approvada com a primeira e terceira
emendas ; sendo regeilada a segunda.
1'eudu a cuminissflo presentado em reso-
lucfia separada a disposicSo que isenta a
fabrica de sabo de Delfino ConcIves l'e-
icira Lima do imposto de consumo por 5
anuos, he igualmente approvada essa re-
dacclo.
V Sr. i.'Secretario menciona um olicio
do Sr. secretario interino da provincia coni-
municando que S. Exc. o Sr. presidente da
meama provincia recebera no di seguate
urna hora da tarde a depulacfto que tem
de apresentar saocc,9o varios projectos.--
Inteirsda.
Silo nomeaijos para essa commisslo os
Srs. Jos Ignacio, Uueiroz Fonseca e Olivei-
ra Mello.
He lida e approvada a redaceflo do orca-
mento municipal.
O r. /Ve..denle desigua a orde da dia,
e levanta a sesaSo.
(Eram S uoras da tarde.)
parecer, foi este epprovado, e no sentido
lelle se mandou olllciar ao governo da pro-
vincia.
Foi provisoriamente nomesdo membro
da referida commisslo em lugar do Sr. Ma-
mede, o vereador llenriques ds Silva.
Outro do secretario interino da provin-
cia, remetiendo de ordem do Exm presi-
dente, exemplares de decretos e docisOes do
governo perteaeentes ao anno prximo pas-
sado."Que se archivassem as leis, e se ac-
cusasse a racepcSo.
Outro do presidente do conselno de salu-
bribade, rogando- <|m cmara ordenasso
aos fiscaes de S.-Antonio e Ba-Visla, esti-
vessem, aquella no di* 18 do corrente, e
este no dia 21 as 10 horas da manhSa, na
casa desuas ssssOes, para ahi serem procu-
rfin polo* m*mt>rQs do mrsmo conselho,
que tem de proceder alguns exames sa-
nitarios.Que se expedase a conveniente
ordem aos fiscaes, e se respoudesse ao pre-
sidente do conselho.
Outro do subdelegado do bairro do Re-
cife, communicindo ter em seu poder
quaolia 60.000 ris, do duas multas dadas
aos vendelhOes Diogo Rodrigese Domin-
gos Jos da Conceicflo, por venderem agoas-
srdentes, pretos escraves, som bilhetes
de seus senhores, e que s cmara mandasse
receber ditas multas.--Que se determinssse
so procurador fosse recebo-las.
Outro de Jnfio tlanoel Carneir de Lacer-
ia, excusando-ge do cargo de juiz de paz do
arimeiro districto da freguezia deMuribe-
ca, e apresantando atestado de facultativo,
illinnando a sua molestiaQue se aceltaa-
se a excusa, e se chamasse o supplente para
prestar juramente.
Outro de Paulo Caetano de Albuquerque,
juiz de paz do primeiro districto, no mes-
mo sentido do anterior.A mesma delibe-
raclo.
Outro de procurador pedindo authorisa-
C^o para prover a secretaria desta cmara
de varios objectos.de que precisa,tacs como
mesas, escrivaninhas, cadeiras,regoas,etc-
Authorisou-se fornecer taes objectos.bem
como mandar enllocar urna grade de ferro
na sala das sessoes, que separe os circuns-
tante* da mesa dos trsbalhos, outras de
madeira na porta da entrada da sala do
porlero, em sala dos empregados, e un>
reposteiro na porta da entrada da sala dss
esiOes.
Outro do fiscal do Poccrf participando ser a
importancia das multa* dadas em dita fregue-
zia no mez de maio ultimo dc3,00 rs.Inte-
rada.
Foi lido, e mandou-se reinettcr a cominis-
aio de pellcoes para dar seu parecer com ur
gcncla, um oicio do inspector iulirino da tbe-
souraiia da lazenda provincial cobrindo ou-
Iro dn administrador intirino do consulado
provincial, ambos feitos ao governo da pro-
vincia ,-e por este mandados a cmara Infor-
mar, relativamente ao imposto de 20 por cen-
to de agoas rdanles de produccao brasileira.
Tendo o Sr. vereador presiden c proposlo,
que os Sra vereadores fizessem as vestimen-
ta* proprias dette* cargos para assistireiu aos
actos pblicos, ulo foi approrado.
Deliberou a samara que se couvidassem
dous supplente* de seus membro* para servi-
rein era lugar dos eflectivos que le achara im-
pedidos,
Despacbaram-se as peticoes de Antonio
GoocalveS de Moran, de ^utonio Percira do
Monte, de Francisco Maiimiano da Costa, de
D. Joaquina Mara Pereira Vianna, de Igna-
cio Chrispira Alvarenga, de Manoel Ellas dr
Moura.de tlanoel Jos dos Santos, de Vicente
Fvrreira da Costa, e levanlou-sc a sessao
Eu, Manoel lerreira Accioli, secretario in-
terino a escrevi. Oliveira, presidente.
Uamede.Henrique daSilva.-Carneir Uon-
leiru.Feireira.
Dficit em 30 de maio p. p.
Balanco a favor da receta em 30
de junho p. p.
Ris.
797,653
3:767,6U0
459,580
4227,200
Calcamento dos pateos do Carmo e S.-Pedro.
Balanco a favor da receita em 31
de maio antecedente 979,460
Dinheiro recebido em 22 de ju-
nho p.p. dito 500,000
Ris 1.479,460
Despezss feitssno mez de junho
ns. 85 8 97 872,410
Balanco a favor da receita em 30
do dito 607,050
Ris 1:479,460
Contadona da cmara municipal, 1.a de
julho de 1850.
O contador,
Manoel Gregorio da Silva.
HOUGEOPATHIA PURA.
PROPAGANDA.
avio ni.
Coniwso de un mi'Jieo alhpalha hoaceopathia*
BALANgO DA HECEITA i. DESPEZA DA C-
MARA MUNICIPAL DO RECIFE NO MEZ
DE JUNHO DE 1850.
CMARA MUNICIPAL DOBECIFE.
*ss> l"rfi*ni'.it n l~;c
d 1850.
Presidencia doSr. Oliveira.
Presentes os Srs. Mamede, Carneir Mon-
teiro, Vianna, llenriques da Silva e Pires
Kerreira, fallndoos mais senhores, abri-
te a sessao e foi lida e approvada a acta da
antecedente.
Foi lidu o seguinte expediente:
Um oflicio do Exm. presidente da provin-
cia, communicando ter concedido dispensa
dos cargos de4 0e6 supplentes de juizmu-
nicipsl da piimeira vara dcste termo, ios ha-
chareis Manoel Jos Domingues CoJiceira e
Jos dos Santos Sant is Nunes de Oliveira,
por assim o haverem requerido.Inteirsda,
e que se aecusasse a rcepcSo.
Outro do mesmo, remetiendo para que a
cmara informaste o requerimento docu-
mentado do cidadSo Francisco Mamede de
Alan ida,pedindo para ser r. levado da multa
que Ihe foi imposta por portara deSOde ou-
tubro do anno passsdo, e entrando este of-
fioio eui discussSo, o Sr. vereador Mamede
deu-se de sus; elo, e deliberou a cmara
que fosse remedido a coramisso de peli-
Ces para omidir a sua oeioi&o, e apresen*
lando immediatsmenlo a commissao seu
leceila.
Imposto de 2,000 rs. sobre mas-
cates e boceteiras, ns..105 a 109
CordeacOes e licencas, ns. 78a
86
Multas por infraccoes da fregue-
zia do Recife ns. 63 a 73
Dita por infraceflo da freguezia
de Santo Antonio ns. 131 a 161
Dita por infraceflo da freguezia
de S -Jos ns. 65 a 89
Dita por rifraccSo de posturas
da fregueziada Ba-Vis'.a ns. 50
N
iii iMie inrp.r^rin rj* freguezia
do Poco ns. 2 e 3
Dila por inTraceflo ds freguezia
dos Afogados ns. 14 a 28
Dita da subdelegada do Recifo
ns. 6 a 8
Casa da ra Imperial n. 1
Afenco n. S
Medidas da farinha n 3
Praca do meresdo de S.-Jos n, 3
Receita extraordinaria n. 1
10,000
31,700
6j,eoo
330,000
88,000
186.000
8,000
60,009
95,000
15,000
2:900,500
200,000
205,00o
30,000
Ris 4:227,200
Detpt-:
Ordenados e commissao do mez
de maio n. 10 793,081
Expediente n. 0 37,500
Jury, n. 9 14,060
Cusas criminaes n. i 25,754
Laipeza das ras, ns. 99 a 109 260.640
Evenluaes, ns. 9 7a 43 391,380
Extraordinaria, a saber:
A Jofio Manuel da Siqueira por
saldo da quantia de 197,880 rs. 47,880
Ledra paga a fazenda provincial,
vencida em 30 de junho Nodo 1:399,532
Ifoutor Sabino
Villa do Bonito, I.* de abril de 1850.
Pelos jornaes soube de sua chegada a esta
{provincia advogando de novo a doutrina do sa-
bio llabneinam. Estimo bastante essa sua vol-
ts a Pernainbuco, porque provavelniente me
fnrnecera occasiao de nos avistarrnos. depois
de urna auzencia de quasi cinco annos, Quan-
do sahi do Para em Janeiro de 1849 vinha nu-
(rindoa eaprranca de Ihe encontrar, pois tinha
bastante detejo de me instruir n* pratlca ho-
mo'.ipatlilca, cuja theoria me eneantava; po-
rm a sorte nos separou, pola que quando clie-
guei tinha Vmc. partido para oMaranhao e de-
pois para o Para; e no entanto quei eu exer-
cendo a vclha doutrina tiyppocratira mas
quando menos esperava, n'iim daquelles gran-
des apuros em que o hoinem por veze* se acha
nos grandes movimenlns soriaes, deparel cura
uina botica de substancia* puras, livros para
consultar e enfermos para soecurrer.... e isso
ludo quando me va quasi abandonado pela ve-
Iha medicina, cujas arinns tantas vezes v im-
potentes. Foi nos acampamentos e no campo
da peleja que t meus nrmeiros ensaios sobre
a bouio?opalhia, ful em circiiraslancias cstraor-
dinarias, na falta mesmo dos meios hygienicos
precisos para urna boa cura pela nova e velha
doutrina, que comecel a experimentar a forra
e veracidade da doutrina dos sementantes. A'
vista destas rasdes creio que Vine, advlnhar
com facilidade meus sentimentos a este pro-
posito : e me congratulo pela sua chegada.
Estiniarei que continu a gozar sade e feli-
cldade quanto para miin desejo.
Sou seu amigo amigo e collega,
Pedro Tilo Regs.
RF.SPOSTA.
- fautor Regs.
Foi eicessiva ininha satisfacao quando rece*
bi na preciosa carta datada do Bonito em o
primeiro de abril corrente nao so por ter occa-
siao de saber noticias suas, como alada mais
por me coupnunicarque tem tirado na cainpa-
nha ptimos resultados da medicina hoinoeo-
patbica.' Sim, meu charo collega, sempre que
os mdicos revestido* de tod* a boa t, e des-
pidos de prevences tem tentado fazer cons-
cienclosamcnle observares acerca do trata-
inent homceopatliico, tem aldo sempre o resul-
tado a cooverso delles verdadeira selencia de
curar, e o despreso dessa* Iheorias errneas
absurdas e ridiculas que aprendemos as aca-
demias, c que nossos raestres apezar de conhe-
cerein e confessareiu a falsidade de seus prin-
iplos se veein com ludo obrigados a ensinar-
nos, porque nao aprendern) outra cousa, e
porque se persuaden! que a medicina nao be
susceptivel de *er moa verdade pratica e uni-
versal;! Que engao fatal para a huraanidade !
Quem reflectir que desde o primeiro honiem
que adoeceu at nossos das tem ella atravessa-
do seclos, e secuto* no mel das trevas e con-
fuso, sem que ao menos por algura lempo des-
apparecesae a Ideia de sua existencia, nao dei-
xar de concluir que a medicina encerra una
grande verdade, unta verdade sublime; a qual
tem estado perdida no torbilho dos aystemas
produ/idos pelos desvarios do pensamiento bu-
inuno, sera urna (i base certa, mesmo sem cri-
terio nenhum. Esta assercao he subejamente
provad* por todos o* livros da medicina ami-
ga, dos quae* nao exlstem dous que coucor*
dein nos meamos principios e que sigain a mes-
ma pratica. Signal evidente de cl|no sao falsos, e conseguinteuiente sua cien
ca falsisshna.
Foi necessario que um genio superior viesse
ao mundo, e desterrare esse grande Ihesouro
que um da ba de regenerar a organisacao hu-
mana altamente coinpromettida pelos vicios e
pela antiga pratica da medicina. Ao immor-
tal Haliuemann eslava reservado a manifesta-
co da verdade medica a todo o orbe. Seu es-
pirito fnfaligavel deu deseorolviincnto a sua
descoberta. Os factos foram luetbodicamente
coordenados; e uina nava selencia ou ante* a
verdadeira selencia de curar foi fundada aobre
as ruina* dos antigos erro*. A hoinoeopalhia,
assim como todas a* deacobertas nova*, tem
olt'rido uina forte opposicao da parte dos ami-
go mdicos, mas essa guerra furiosa apenas
tem servido de incentivo aos mdicos hoinceo-
patha* para proiegulrem em *ua* iuvesliga-
ede* e extreiiiarein a verdade do erro.
Se o meu collega 1er com altcnco lodosos
livros de hoiuaeopalhia, ticar ioteiramenle
convencido deque ella be essa verdade medica,
que nu vo tinha aldo procurada antea de Ha-
llo mann (e que s a elle foi dado descobrlr);
porque le o nao foe, jmala iodos o* medie, s
hoina'opathas serijo concordes na adopcio dos
principios fundamenlaes da selencia, e asatin
como o* allopatbat, cada qual procurarla tor-
nar-se celebre pela euuuciacao de novo* prin-
cipio*, e palo detenvolviuienio de theoria* *e-
ductora que neceasariamente durariana s-
mente rinquanto eiistis*em seus autores. Po-
rm nao acontece assim, e nem jamis acon-
tecer, porque a hoinceopathia he urna verda-
de, e a verdade nao softreinodificacao.
Felieito-o, pois, por suaconversao a homao-
patilia, e Ihe rogo em nome da misera huma-
nidade que abra nessa villa um consultorio
gratuito para os pobres, afim de que esse* nos-
sos Irlhios acheni soccorros promptos a seu*
male* sem despendi de um so real. Assim
honrar V. a Dos, e gozar do inefavel prater
de ser bemdito por essa classe desvalida, para
quem a maiorla dos hoinens olba com indis-
treto despreso.
Pode v. contar cominigo em ludo que fr
til a homoiopalhia.e ao seu aervico particular,
pois soujeu amigo e collega affeetuoso,
Sabino (Injiri Ludgro Pnko.
Recife, 9 de abril de 1850.
A' ponen* dias que o Sr. Dr. Pedro Tito Re-
gis, meu antigo companheiro de estudo* na
academia de medicina da Babia, e actual cirur-
gio do terceiro batalho deartilheria, ebegou
a esta capital viudo do centro da provincia,
onde se acbava servlndo ao governo imperial,
e a huraanidade. O praier que sent ao avistar
o meu collega, s o pede bem apreciar aquello
que nos seus bellos dias deesludanle ti ver sa-
ludo adquirir as affeices dos cus condiscpu-
los, uoir-se com elle* era amizade, e dar ode-
vido valor a este doce sentlmento.
As relacoes escholatticas j roe tlnhatn apro-
ximado mullo do Sr. Dr. Itegis, e o esposamen-
to de ininha* crencas, de meu* peniaraeotos
mais charos estrellan! agora ainda inais os ta-
cos que nos unem.
Praza a Dos que o meu collega aborrecendo
essa raca vil de homceopathas bastardos, des-
preze esses traficantes sem conviccoes, e liga
em ludo o iminutavel principio do velbo alle-
uiao E eu Ibe affiruio debaixo do juramento
d'alina, que nunca se arrepender da haver
abracado a homceopalhia pura.
Recife, 28de junbo de 1850.
Dr. Sabino.
5j*^--j!,'*^-^g-^-^--j-i**ssMS*gg*B*sssaa**
l'ublicages a pedido.
.linda urna lagrima nobrr a *em
tullura rio meu renpeUarrl ami-
go, lllm. vr. Jone irn (le
I antro
SONETO.
tropos tem na inao fria e inirrada
A fouce, que o peecado Ihe aguasara:
Golpe novo e fatal, auda* prepara,...
Mal* uina vidavaiser inmolada!
Els a perda terrlvel consumada '
Kis Hlhos a carpir, e esposa chara,
Sibre a campa d'aquelle que finara
Vida christaa, honeata, proba, honrada.
Morreste, oh! Castro, oh '. Castro Puro amigo,
De leus grandes favores a lembranca
Desafia meu pranlo era leu jazigo.
T depozesle em Dos toda a esperanza,
Tua alma encontrou Nelle eterno abrigo,
O'Elle, asombra, noEuipyrio em pasdescanta.
______________Por Joto Baptista de Sd.
i ~ 'i .ii*v
Iteparticio da polica.
PARTE DO WAl.'DEJULHf).
Foram presos ordem do juiz municipal da
primeira vara, Theotonlo Joaquina da Costa ,
por crime de offensas phisicas; ordem do
delegado do primeiro districto deste termo, o
portuguez Jos* Pereira de Almefds, pelo mes-
no motivo, Joaquina Pereira Itarboza por des-
obediencia ; Miguel de Souza para correceo ;
Luiz dos Santos Brrelo por infraccao de pos-
tura municipal ; e Antonio escravo da viuva de
'lauocl de S. Thlago por crime de furto ; or-
dem do subdelegado da freguezia de San Fre
Pedro Gonealve* do Recife, o pardo jna Cus-
todio Atves para averiguantes pollciaes ; or-
dem do subdelegada da freguezia de San Jos,
i> preto Luiz Marcrllino do Espirito Santo, e
Inao Haptisia de Alraelda por crime de offen-
sas phisicas ; a ordena do subdelegado da fre-
guezia da Usa-Vista, a preta Josefa de tal, pa-
ra cirreccao ; Manoel eaeravo de Jos Luiz de
Soma ; e Antonio escravo de It'auoel Duarte
por uso de arma* ; Antonio Francisco da Ro-
cha por furto ; e Antonio escravo de Manoel
llonao por andar fgido : e a do subdelegado
da freguezia do Poco da Panella Joaquira Jos
de Santa Anna, por desobediencia.
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimentodo dia 2......15:162,570
Deiearrtaanx Koje 3.
^*"C- uimww ---- uauamau.
Itsrca B/i//.i mercaduras.
Brigue Raimbow ferro e tijollo.
CONSULADO GERAL.
Itendimeuto do da 2.....1:291,976
Diversas provincias...... 76,477
1:368,453
RECEBEDORIA DE RENDAS GERAES
INTEHNAS.
Iletidimento do dia 2......500,633
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendlmento do dia 2......3:726,191
**!* i i i aai mBk^tmmkW^m.
Vlovimenio do iorto.
A'asn'o entrado na dio 2.
Rio-de-Janelro 14 dias, paquete inglez
Casel, com mandante a ente Baker.
iVavo laAido no acento Ha.
Rio-Grande Patacho nacional Suterpe,
capitao Manoel Luiz dos Santos, carga
assocer. I^safeiros, os nacionaw, Ma-


' **'


.<>!
noel Jos remandes Jnior e Jo5o Caet-
uo Martina Vieira.
Trieste Urigue americano Brandy-Wine,
capito David Cornick, carga assucar.
J'ortos do norte Vapor nacional Ptrnam-
bucana, eotnmandante ltco. Alm dos
passageirosque trouxe do* portos do su I
par os do norte leva a seu bono : Fer-
nando Candido de Alviar, o mejor Jos da
Silva Cuitxiai lies e Samuel uno.
KDITAES.
O lllm. Sr. oflioial-maior, servindo da
inspector da thpsooraria da fazenda provin-
cial, em cumprimenlo da resolucHo do tri-
bunal administrativo .le 23 do correte,
manda fazer publico que, nos dias 2, e4
de jullio prximo futuro, irlio prc, pe-
rante o mesmo tiibonal, para serem arre-
matados, a quem raaisder, o imposto do di-
simo do gado cavallar nos muuicipios so-
guintes ;
Limoeiro, avaliado annualmenle
por 71,000
Bonito, por 126,000
Garanliuns, por 40,000
Brejo, por 61.000
Cimbres, por 122,000
Flores e Floresta, por 324,000
Boa-Vista e Ex, por 346,000
A arrematadlo ser feila por lempo de
tresannos, a contar .lo 1. de julbo de 1850
a 30 de junho da 1853.
O* licitante* que se propozerem a eslas
arrematac.Oes comparecen na sal das ses-
tOes do mesmo tribunal, nos dias cima In-
dicado*, pelo meio-dia, com seus (adores,
competentemente habilitados.
E para constar se msndou sfssr o prc
sent e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazendi pro-
vincial de Pernambuco, 35 de maio da 1850.
O secretario, Amonio Ferreira d'Annun-
ciato.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da fa-
zenda provincial, em cuiiiprlinenlo da orden.
do Exin. Sr. presidente da provincia de 27 de
junho prximo pascado, manda fazer publico
.|iie, nos das 22, 23 e 24 do correte Ir a pra-
ca perante o tribunal administrativo da n.es-
ina thesouraria, para ser arrematado a quem
por menos fizer, a obra do empedrainento de
300 bracas nos 3.", 4. e 5. laucos da estrada da
Victoria, avallada eni3:!3j,000 rs., e sob a
clausulas especlae* aballo transcriptas.
As pessoas que se propozerem a esta arrema*
tacan compareeain na sala das sessdes do so-
bredilo tribunal nos das cima mencionados,
pelo meio-dia, coinprteniemente habilitadas
na forma do artigo 24 do regulamento de 7 de
ni.i... do crreme anuo.
F. para constarse mandou aduar o presente
e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria dafazenda provin-
cial de Pernambuco, priinelru de julbo de
1850.
ras da manhSa, tendo recolhido i esta secre-
taria os seus requerimientos preparados, oi-
to lias antes do referido concurso. Secreta-
ririDyccb, 20 de junho de 1850. Janua-
rin Atexandrino da Silva Rabillo Caneca, pro-
fessor de desenlio e secretario.
Perante oconselho do idministracao
naval tem de contratar-se por arrematarlo,
para os navio* armados e hospital de men-
uda, por lempo de tres mezes, o forneci-
menlo dos gneros seguintes : arroz branco
pilado, azeite-doce de Lisboa, assucir bran-
co, hacalho, bolacha, caf moi.lo, carne
verde, dita secce, farinha de mandioca, fei-
jflo, lenha em achas, pilo, espermacele ame-
ricano em velas, toucinho de Santos, vina-
gre de Lisboa e carnauba em velas; pelo
iiue convida-se aos que interessem fazer .li-
to fornecimentn, para qne comparecem na
sala dassessOos do mesmo conselho, as 1S
horas da mantilla do dia 3 docorrenle niez,
munido de propostas em que declare se o
ultimo preco,e o nonie do fiador, que ser
pessoa habilitada.
~ O arsenal de guerra compra azeile de
carrapato e de coco, velas de carnauba, fio
JealgodSoe pavios : as pessois quo quize-
rem fornecer os referidos gneros, compa-
recen na sala da directora no di* 3 do cor-
rente, com sua proposta em carta fechada ~\
Pela segunda seceflo do consulado pro-
vincial se faz publico, que os 30 dias ulei.-.
para a eobranca, a bocea do cofre, da deci-
. a dos predios urbanos dos bairros desta
eidade, e freguezia dos Afogados, ae finali-
zan? oodia 13de julho prximo vinduuro.
Recife, 28 de junho de 1850.
Companhia de Beberibe.
A admiqistracao da companhia de liebe-
riiie tuni.i por um ar.no, do priuieiro de
setembro de 1850 a 31 de agosto de 1851.a
arrecadacSo da laxa nos chsfarizes e bicas
Joencanamento. As proposlas, asaignadas
pelos pretendentes e seus fiadores, serfio
entregues aleo da 10de julho, no esciip-
torio da companhia.
Caitas seguras, vindas no vapor Per-
nau.bucana em o 1." de julbo de 1850, para
os Srs. Jo3o da Cunda Magalhes, Joan
Francisco de Araujo Lima, JoSo Comes Jas
pelo : quem ainda pretender carregar Igu-
ma cousa e ir de passsgem, falle com o mos-
tr do mes-no, Antonio Jos Viaone, ou na
ra da Cadoia-Velha, n. 17, segundo andar.
-Fretam-se "barcacis, narua do Trepi-
clie, n. 8 : quem as tiver deve aproveitar a
occasifio. por n!io ser agora tempo do safra.
Le i loes.
llavera leilSo de barris de toucinho,
hoje, 3 do crrante, na porta do armazem
de Dias Ferreira, defronte do caes da Alfan-
dega.
Por ordem do cnsul da repblica fran
ceza, na presenta do delegado do mesmo
consulado, quinta-foira, 4 do correle, lia
porta da alfandega. safar leilSo de 33 bar-
ris de manlviga e 53 meios ditos, os quaes
se l>So de vender infallivnlmente por todo o
preco os lotes a vontade dos compradores :
principiar s 10 doras da mantilla.
Jos TavaresCordeiro far leilSo, por
Intervene.lo do corretor Oliveira, de cerca
.le 150 barns de bos maoteiga, em lote* i
vontade do* compradores: quarta-feira, 3
lo coi ron le, s 10 horas da nanhSa, no lar-
go om frente da porta da a'i'andega.
T
Avisos diversos.
O secretarlo,
.tn Ionio Ferreira il'Annuneiiitdo.
Claniuli etpteioei da ammalacBo:
1.a O empedramento de 300 braca* cr-
reme* de estrada nos 3.', 4.a e 5.a Uncos da
estrada da Victoria lar-te-ha de confonnidade
com o ..remenlo appr.ivado pela directora r.n
conselho e apresemado ao Exm. presidente
pelo preco de ri 3.13, 000 r.
(..'." o trabalhos principiaro no prazo de
uin uiez e sero acabados no de seis mezes, am-
bo* contados da entrega do termo daarreina-
Ue.ii..
3.* A prdra ser previamente examinada
pelo cngenliciro encarregado da obra.
4.a O arremtame nao poder por a segun-
da carnada de pedias antes que o engeubeiro
lei.ha examinado a priineira e adiado confor
me. do que ae lavrar o termo competente.
5.a O pagamento far-se-lia em tres presta-
res, sendo quatro decima* parte* drpois de
nabida a priineira carnada. Outias quatro de
pois da entrega proviaorla ; e o resto depois da
entrega definitiva.
6.a Paratudo oque nao est determinado
naa presentes clausulas srguir-se lia o que di-
pe o regulamento de 7 de malo do cu- rente
anuo.
Recife, 85 de junho de 1850.
a O engeubeiro chele da 3." sessao,
//. A. Milu.
Approvadas pela directora em conselho, em
sessao de 25 de junho de 1850. O director, Jo-
tf Manual Alve Ferreira. i. L. Vctor Leulier.
-H. A. Uilel.
O cliefe de polica interino da provin-
cia, attendendo a que ha apparecido um
grande numero de ttulos faltos de residen-
cia, pastados por algn* dosantigos em-
pregtdosde sua repartirlo, c querendo pro-
videnciar a respeito de semelhante abuso
l>.nto mais fatcil de se commelter quanto
muitas veies hediflieil de ser condecido
visla da maneira por que foi a principio es-
criturado o livro de apresentacSo deestran
geiros ; lem resolvido dando por (indo o
mesmo livro fazer recolher e substituir por
outros revestido* de certas caulellas que Ibe
parreeram necessarias todos os ttulos at
aqu expedidos ; ordenando por isso aos ea-
trangeiros residentes nesta cdade, que no
prazo de quairo mezes contados do 1.a de
jiinbo vindouro ae presentem ni secretaria
da polica enm os ttulos que liverem, para
haverem outros iguaes, que Ihe serilo dados
independenledeformalidade alguma, urna
vez quosepnssa reconhecer que silo verda-
deiroa alias serflo obrigadoa para os obterem
a ssti-fazer os requisitos que exige o regu-
lamento n. 120 de 31 de Janeiro de 1842, sen-
do que aquelles que tem justa causa dei-
xaretn de compaiecer no referido prazo pa-
ra o Um que lica indicado serilo considra-
las como se nSolivessem tirado titulo,
cono taes mudados na forma do regulameu
lo ; ii que ludo ser publicado pela im-
prensa para que posas edegar ao^conheci-
mento dos interessados. i j .
Secretaria da polica de Pernambuco, 28
de muio de 1850. Regueira Cotia.
m, Luiz Antonio de Siqueira, Jo
Fonseca, lir. Jos Concalvs
os Paulo
_ da Silva,
llanone.l Joaquifi Ramos e Silva, Viufa
Caudino & Fildo, Viuva Vieira & Filhos.
Theatro de S. Izabel.
OITAVA RECITA DA ASSICNATURA.
Quinta-feira, 4 de julho de 1850.
DIl UE SAMA IZaBEL.
Representar-se-ha o interessante drama
em 3 actos
A CARCALIIADA.
A actriz Joanna Januaria far a parle de
.Magdalena, e a Sra. Lagrange ser feila pela
Sr*. Mara Carolina.
Terminar o espectculo com a graciosa
comedia em um acto
O Jvda em Sabbado ds Aletluia,
Comecara s 8 horas.
Os bildetesacham-se venda no lugar do
costume.
Publiccica lilterar
.i.
Acham-se venda na luja de Carduzo Ay-
res n. 31, ra da Cadeia-\ellia, a 1,000 lis,
o exemplar :
MARA JOANNA
ou
a mulher do poto,
drama em 5 actos e 6 qusdrns, tradcelo do
Sr. Germano Francisco de Oliveira.
TIIKREZA,
Drama em 5 actoi.

Declaracots.
O Sr. director do lyceu manda fazer pu-
blico, quedo da 3docorrenle em diante
tei principio o exercicio d'aula de lacdy-
graphia teste lyceu, em todos os di*a Hleis
il*8 horas-al as 10 d* manbSi. Secretaria
.lo lyoau, 1." de julho de 1850. Januaro
Atexandrino 4 Silva Rabillo Cantea, pofes-
-ur do desenlio e secretario.
O Sr. director do lyceu manda fazer pu-
blico, que, tendo o Exm. Sr. presidente da
provincia removido o professor de primei-
rat leltras da freguezia de Papacaeta para
ra.leira de San-Jos de Uizerros, licou aquel-
la vaga, e que est outra vez posta a'concur-
so : portanto, oa cidadSos brasileiros que
quizerein oppOr-te a referida cadeira, dc-
> erlo comparecer da dala desle a 40 d -as, na
sala do palacio da presidencia, pelas 9 t>u-
emmm^mmmmammmemaem
Avisos maritiios.
-- Para o Aracaly segu com muila brevi-
lde o patacho Sania-Cntz. tem maior par-
te do carregamenlo promplo : para o resto
epassageiros, trata-se ao lado do Corpo-
Sanlo, Toja do massames, n. 25.
Para o Rio-de-Janeiro silie, rom a
maior brevidade possivel, o brigue-escuna
Alegra, forrado de cobre e de boa marcha :
recebe carga a felo e escravos : quem pre-
tender, enlenda-se com Leopoldo Jote da
Cosa Araujo, ou com Novaes & C,
Para Luanda sal ira al meado de julho
o brigue brasilero Echo, de que ho capitSo
Manoel Joaquim dos Res : recebe smente
carga miuda e pasaageiros, lrata-te com
Rallar & Oliveira, na ra da Cadea do Re-
cife, n. 13.
Para o Cear pretende seguir viagem
com muita brevidade a sumaca nacional
Callla, mestret Jos Goncslves Simas:
quem na mesma quizer carregar, ou ir de
passsgem, pode entender-so com Luiz Jote
le S Araujo, na ra da Cruz, no Recife,
n. 33.
Vende-se a escuna Honoveriana luro-
ra : quem pretender dlrlja-se aos seus con-
signatarios N. O. Bieber & C, na ra da
Cruz, n.'4-
A barca portugueza Sania-Crvs, for-
rada eencavilbada de cobre, e de primeira
mareda, sabe para o Porto cum muita brevi-
dade, pois j lem a bordo mais de dous ler-
dos do seu carregamenlo : quem na mesma
quizer carregar ou ir de passsgem, dirija-se
ao seu consignatario, Francisco Alvea da
Cunda, na ra do Vigario, n. II, pnnieiro
andar.
Para a Babia, aahe no da 15 do corren-
te imprcterivelmente, o bem conhecido
dale S.-Joao : para o resto da carga e pas-
sageiros, trala-se na ra do Aaiorini, u. 36,
com Antonio Jos Ferntddrs de Cirvuldo.
Para S.-Catharina
sabe, no da 3 do correnta, o brigue brasi-
lero Minerva : pode receber alguma carga e.
passageiios al o referido dia : trala-se na
prafa do Commercio, n. 6, primeiro andar.
-- Para o Riu-de-Janriro aahe com loda a
brevidade o veleiro patacho brasilero N-
ihtroy : para carga, psssageiroa e escravos os
prelendenles queiram dirigir-se aoescrip-
torio da Viuva Caudino & Fillio, pracinha
do Corpo-Santo, n. 66, ou ao capillo Antero
Jos de Araujo, a bordo do dito patacho.
Para o Aracaly lem de sabir impreleri-
velmenle a 7 do presente o hiate Atowe-O/aj.
da, por ter o seu carregamenlo quasi com-
O aballo assignado, oceupando o lugar
.le porteirn da platea geral do theatro de San-
ta Izabel; c, como o Sr. einprezario te quer
desculpar c desviar-seda critica que o publi-
co Ibe tem Icito, sobre a concorrencia de po-
vo na platea sem liaver asiento* sumclenle*
para todos, desculpa-ic em dlzer, que o por-
teiro tem enchido a platea de concurrentes
srm bilhetes por dinhelro, e que eu praticava
esta acedo-todas as noltes que havia espectcu-
lo, e dls maisque na recita de 22 do passado,
que para provada sua verdade que eu del en-
trada a todos os Srs. olHciaea do brigue Domo,
por grande lomma de dinhelro ; portanto, ro-
go a Si. Si. ea todo* oa encorreles de quem
eu lenho recebido dinhelro, hajain de se de-
clararen! por esta folhapara ser Justificado em
prrseuca das autoridades competentes.O ex-
portelro da platea geral, Kiernu Alejandrino
Ferreira de Soma.
A Marinla.
Sahe boje pela* dual hora* da larde, a
Marmota n. 27. contendo excellente* artigo*,
sobre sablndo entre estes, utn que concern a
rasao porque as mulhere* nao tem barba.
Helias e novas poesas, e vende-se na Ha-Vis-
la, luja de miudezas dos Srs, Estima it Ramos ;
em Santo Antonio, narua Nova, loja delouca
do Sr. Joao Ignacio n. 7 na ra estrella do
Rozarlo, deposito do Sr. Cardial n. 43; na pra-
va da Independencia loja de iniudea* n. 4 ; no
liedle, ra da ('adela, loja de.iniudrza* do
Sr. Antonio Jos More ira Ponte* n. 17 ; e na
ra da Crin, loja de cabrlleriro n. 43 doSr.
Joaquim Anlomo Carneiro de Souza Azevedo
Com bastante admiraco, II no Diario ( n.
145, ) u'n pedido ao Sr. Germano, inui digno
director do theatro de Santa Izabel, para levar
a sce.ia em dito theatro a* chullas itninoraes
pie no theatro de San Francisco, cantava o
Sr. Santa Roza I No juTgnei que anda bou-
vesse nesta provincia, quem simpaibizasse
com o sarro do cachimbo da capoeira gam-
boalica.O raaem de aljubarrota.
Itoga-se o Sr. Germano, de nao dar alten-
ao pedido feito uo Diario de honteui, de levar
em scena .as cantarelas immorae* que Ihe pe-
de o apologista ; que este pedido io poda ler
feito por algum peixe de barbalana* na cabe-
ra, mas nao por um verdadeiro apreciador de
ihratros que devem sempre serem escollas de
moral.A targalhada.
Vimos cun admlracao o pedido inserto no
Diario de Pemembuco n. 145 e na realldade la-
mentamos a m tina de certa gente para o pe*-
sisiimo, rogamos pois ao Sr. Germano Fran-
cisco de Oliveira nao comila eisaa charlata-
nee* em scena, cuja lealisaco poder mullo
depr contra o adianlimento e civlllsacao do
publico desta provincia, que all* sempre nu-
tri o boin gosto para a scena tbeatral, e boje
felizmente v realisados os tea* detejo* com a
chegada do Sr. Germano i esta ctdade.Pe-
dro Ce.
- Roga-se ao Sr. empresario do theatro de
Santa Iiabel que nao d attencSo alguma a um
pedido que se Ihe fas pelo Diario a. 145 para
S, S. por em scena o .Sr. S. Roza, a cantar as
arla* do msico charlalao. t da negra qmtandei-
00,000 rs. a viita e cem mil rs. a paga-
mentos : quem convier snnuneie.
Precisa-so comprar um porco de pa-
pel de lustro verde claro : quem liver an-
nuncie.
Omajor Josda Silva Gui-
marSes, retirando-se para a pro-
vincia do Cear, e aio Ihe tendo
sido possivel dirigir-se a todas as
pessoas com quem sempre entre-
teve relacoes, faz pelo presente a
suas despedidas, olTerecendo-lhes
aquella provincia o seu diminuto
prestiino.
JoBo Frereira ds Oliveira deixou de
ser caixeiro doSr. Antonio Joaquim Fran-
cisco de Souza desde .o dia 30 de junho.
A pessoa que precisar de algum obra
dourada, ou prateada com alguma perfei-
cio, dirija-teas Cinco-Pontas, nos Btlrros
Uaixoa, sobrado de um andar, a loda hora
do dia.
Quinta-feira, 4 do corrente, vSo a pra-
ta, por adjudicado, escasas da finada Isa-
bel Francisca de Jess, sitas no lugar do
Catuc da freguezia dot Afogados, na portt
la do lllm. Sr. Dr.juiz de orphflose ausen-
tes supplante, no pateo do l.ivratnenlo.
f f f t tf f f f f V ff V tf w?
On demande a Mr. le cnsul*
i>de la republique francaise a-*s
quand, et por^
^Pernambuco,
quel navire il a envoy en*
*>l''rance a la caase des depots*
et consignatiunt le reste de a^!
*>8UCcession de Mr. Jouannet-4
fe-
4>decede en cetle ville le 3
?vrier de 1850 chez Mr. Fradi-*
avnes. En repondant celte*
*____.;., i au;. u..,.n *
r* da Pihia ora Sr. ap.dngisla do Sr. S. Rota,
nao srja to charlalio Nao qurira empestar
o nusso thealro novo, com as sandlces e ra-
Imges ao theatro de San-Francisco !O Capti
va de Fet.
Os habitante* do Monleiro e Poco da Pa
nella recorrem a Illina. cmara municipal
desta eidade para quedando mal providen-
cias, no so prohiba a rcedicaco d'uma casa
que incompetentemente se est faiendo no
Poco, seno lambem desembarace a passsgem
da poroacao do Monleiro para o rio Capibari-
be, visto que os proprietaros do lado do rio
vedaram o transito com sitio* e muros, a pon-
i de nao serrn mais procuradas as casas do
lado nppusto para o passainenlo defesla, e su.
em grande delrlineuto dos ineiuios proprie-
taros.
A pessoa que aonunciou dar roupa para
lavar e engommar: dirija-se a ra da Prala,
liceo do Carioca, sobrado da quiua que acha-
r com quem tratar,
, A pessoa que annunclou por este Diaria
precisar de quem lave e engomme com asseio
a roupa de um botnein : dirija-se a tioa-Visla
no principio da ra do Hospicio, casa terrea
nova confronte ao sobrado.
-- Desappareceu, no dia SO dejunho pio-
ximo (Indo, a escrava Certrudes, crinla, de
24 annos, baixa, seio pequeo ; tem um de-
do da ino esquerda cortado pelo mel, o
que ella fazmuito para o occullar; he mui-
to ladina e condecida, principalmente 0*
ra Hirela : quem a apprehenderr leve-a
t m- ifiiciifl, II. Z*, UUo u is.i/iUuiiiiHi,
A pessoa que annuociou dar roupa pa-
ra se lavar e engommar com asseio, dirja-
se a ru* das Cruzes, n. 10.
Precisa-se de um forneiro para urna pa-
daria, para o que se dar um ordenado van-
tajoso: na ru* da Cadeia, o. 2, sobrado con-
fronte o'theatrode S.-Francisco.
Aluga-se urna ptima casa na Passs-
gem, junto a ponte grande, com boas salas,
cozinha fra, C quarlos em baixo, sulSo
com 2 quarlos, quintal, cacimba e bando
no fundo : a tratar na ra Direita, n. 3.
Jos da lloclla retira-se para o Aracaty,
e augmenta seu nonie para Jos da Rocha
Sin.O-.'S.
Antonio Alves da Coala vai fazer urna
viagem ao Aracaly.
A pessoa que anunciou querer com-
prar urna mesa de jantar, dirija-se aa Cin-
eo-Puntar, n. 91.
Pela primeira var* do civel, escrivSo
Sanios, se ha de arrematar um sitio no Ar-
raial, pur execu;.1o de Manoel Jos Fernan-
des Eiras contra os herdeiros do finado Mi-
guel Joaquim Gstevea Soulo.
Oeseja-se comprar om esersvo, cujo
valor n3o exceda a 1)00,000 rs. ,"*Jaiido-se
En repondant
^queslion il oblitera beaucoup.^
Um interess. *
s *********** kMi***
Precisa-se de urna ama de leite captiva
ou forra : quem tiver annuneie para ser pro-
curada, ou dirija-se i ra dos Marlynos, n.
18, para tratar.
Osabaixo assignadosdistolvertm ami-
gsvelmente asociedade que tiutiam na li-
vraria do paleo do Collegio, n. 2, denomi-
nada Casa do Livro Azul, cuja casa fica per
tencendo nicamente ao bacharel Adreu e
Lima, para quem passou todo o direilo e
obrigaefies inherentes as transieres ha vi -
dsa at hoje, desde o comeco da referida
sociedade. flecifo, 2 de julho de 1850. O
bacharel. Abren e Urna. Pedro de Alcnta-
ra Faria de Abreu e Lima.
Na ra da Roda, na cochia dos Srs. Me-
oar & Companhia, alugam-se carros com
bons cavalloa a coulenlo dos Srs. fregue-
zes.
Francisco Perelra da Costa Risio, aub-
dilo poriuguez, faz publico, que de boje em
dianle *e signara por Francisco Pereira
da Coala.
William Soulhall, subdito brilannico,
retirase para Inglaterra.
Altt nt^ao.
l>oga-se cncarfcidameiite aos Srs. abaixo
declarados, que leiiham a bondade de vi-
re ro ou mandarem pagar suas contas, na
ra Nova, loja de alfait, n. 18 : Caelano Jo-
s Coelho, ra do Rrum, 97,180 rs. de 1844
a 1845; Caelano Aureliano de Carvalho
Couto, empregado no consulado, 11,400 rs.,
de 1842 a 1848 ; Caelano Pereira GuimarSes
27,000 rt. de 1845; Joto Leite do Rodoval,
morador em Apipucos, 32,000 rs., de 1837 ;
llr. Antonio Joaquim de Figueiredo Seabrt,
promotor do Limoeiro, 82,480 rt. de 1844 ;
Manoel Joaquim de Figueiredo Seabra rs.
43,780, de 1844; padre Calisto Corris da
iNobregt, morador na l'arahiba, 305,380 rs. ,
de 1842 a 1814 ; Jo.- do* Sanios, moraiipr
no Limoeiro, 31,000 rs., de 1845;*benlo
Msrlins Concalves Lisboa, empregado no
arsenal de guerra, 21,500 rs. de 1814 ; Jo-
s Remoaldo Gomes dos Sanios, emprega-
do na pagadoria geral, 16,000 rs. de 1847 ;
Francisco Soires da Silva, morador no Ca-
bo, 13,000 rs., de 1843 ; alferes Reg Br-
relo, mais condecido por Carapinima, mo
rador no Para, 40.28Q rs., de 1812 ; lenle
Manoel Cavalcanto da Silveira Ventura, mo-
rador na i'aradida, 53,530ra., de 1842
Manoel Theodoro de Almeida e Albuquer-
que, morador na Parahiba, 13,000 rs. de
1842 ; Francisco lierenger de Almeida Cue-
les 10,000 rs., de 1845; Jos Joaquim de
Figueiredo, morador no MaranhSo, 31,000
rs., de 1842; Jos Rodrigues Pinheiro
20,640 rs.. de 1848 ; Manoel Rodrigues Pi-
nheiro 3,500 ra., ds 1844 ; Jos Tliomaz da
Silva 17,400 rs., de 1843; Manoel de Olivei
ra Cavalcante 3,000 r. de 1845; Jos Pe-
reira da Costa, engenho Mulinole, 8,000 rs.,
de 1843 ; Manoel Joaquim do Reg Barro*
12.000 rs., de 1845; Francisco de Albuquer-
que MaranhSo, morador na Parahiba, 18,000
rs., de 1845; Joaquim F.uzebio 7,600 rs. ,
do 18M. Serilo lembrados todos aquellas,
que estiverem comprehendidos do mesmo
tempo, e nSo liverem dado cumprimenlo de
suas contas.
O Sr. alferes L. J. C. tenha a bondade
de mandar pagar lO.ouo rs. quo ueve des-
de 1847, na ra Nova, n. 18, se o nflo lizer
veri o seu noine por extenso at que pa-
gue.
Manoel Luiz dos Ros retira-so para
Mossamedes.
-- Jos Rodrigues Sordos retira-se para
Mossamedes.
Precisa-se fallar toa Srs. Manoel da Sou-
za Pereira e Francisco Jos de Oliveira a ne-
gocio de seu* inlerestes : na ra do Sol,
ti. 9.
A eidade de Pars.
Fabrica de el ajios de sol, ra do
Collegio, n 4-
J. Falque participa ao respeitavel publico
desla eidade, quo elle abri o seu novo es
Ubelecimeato, onde se encontrar sempre
um grande e bonito sorlimento desle* ob-
jeclus dos mis modernos e vtriados, como
sejam : cbtpusde sol para dmeos dse,
das chamalotadas e lizas, de cores e pretos,
ditos d armaclo d'aro milito fortes con
sedas de todts at ceras, ditos pan teoborts
de tedas Itvradat e lisas, com franjas e sem
ellas, cores muilo bonitas, ditos ditos de
panno imitando cda, com franja esetn el-
la, ditoa de panninho para homem con ar-
maeflo riea a orJinaria, sortimenlo de ben-
galas de todas ts qualidades, baleias pira
vestidos, collotes eespartilhos par.i 9-nfio-
ra. Na mesma ciaa concerta se o cobre-se
toda a qualidade de chapeos de sol e benga-
la, para os quaes tem boas sedas e pannos
em pecas : lodos estes objectos vendem-se
em porcSo e a ratalho, por menos preco do
que em outra qua'quer parte.
Offerece-se um rapaz poriuguez dele
17 tonos para caixeiro de armazem de a-
sucar, ou de nadara, ou mesmo de ru, pa-
ra o que d mrica a sua con luda : quem
Jo seu prestimo se quizer utilitar annuneie
para ser procurado.
-- Tendo-se desemeaminhado urna lettra
d* quanlia da 260,850 rs vencer em 30
de novembro do corrente anno, sacada por
Franca tt Irmilo, e aceita por Antonio Pedro
Je Barro* Cavalcante, faz-seo presente an-
nuncio para que pessoa alguma faca transac-
;So com dita lettra, pois que fica de nen-
um effeito por se adiar prevenido, o acei-
tante.-
Quem precisar de urna ama para o ser-
vico de ama casa, a qual se acha habilitada
para esse fim, dirija-se a ra de Sanla-Cici-
lia, n. 12.
Pede-se a pessoa que, talvez por enga-
o, levassedo theatro de Apollo, na repre-
sentado de 28 de junho prximo passado,
um edapo deso de seda preto com ca.st.lu
de oaso brinco, de urna pessoa que se aeda-
va assontada do lado eiquerdo, as cadei-
ras que fleam por baixo da primeira gale-
ra, de o mandar entregar na ra do Quei-
maJo, n. 38.
O abaixo assignado ftz sciente ao pu-
blico, que lem vendido o esUbeleciment
de sua taberna na ra do Codorniz, n. i, ao
Sr. Manoel Domingos Pereira Ramos, flcaa-
Jo o mesmo Sr. retponsavel pelas dividas de
le (i tuencSo, e secundo as clausulas de
uossa concordit*. Antonio Luis da Silv.
Aluga-se par* homem solteiro o pri-
meiro andar da casa, n. 95 da ra da Ca-
deia de Santo-Antonio. Na ir.csma veo le-so
urna carleira para eacriptorio, com arma-
rios e bons repartimenlos.
Lotera da matriz da Boa-
. Vista.
O thesoureiro desla lotera annuncia ao'
respeitavel publico, qoe muito breve tem
de marcar o di* do andamento das rodas:
as pessoas que teem bilhetes apartados os
vilo buscar quanto antes, do contraro se-
rio vendidos. O restante dos mesmos a-
cham-se a venda nos lugares j annuuca-
dos.
Quem tiver urna padaria, que por al-
gum motivo se queira desfazer dol, an-
nuneie por esta folda, alim de ser procu-
rado. *
O Sr. Jacobina queira ir ra da Ca-
deia de Santo-Antonio, n. 13, a negocio que
nflo ignora.
Aluga-so o primeiro andar do sobrado
da ra Augusta,n. 27,com bastante commo-
do para uir.a familia : a tratar no seguutio
cisa alugar muleque, para compras e mais
servido externo da casa.
O.Sr. Francisco Xavier Brrelo queira
ir a ru* da Cidria de S.-Antonio, n. 13, a
negocio que tifio ignora.
-- Aluga-se ums prala para vender na
ru* : u* ra do AragSo. rt. 9.
Rouliaram da casa junio ao arco do 9.*
Anna as segninles pecas : urna casaca pre-
lt. urna caifa de cazemira asul clara, um
culete de setnn preto : quem destes objec-
tos der nolia lera urna grslilicsgSo, que
ser paga no armazem da ra de Apollo,
Je Candido & C.
-Aluga-se urna ama para casa de pouca
familia, de portas para dentro : no becco
do Padre, n. 5. *
Precisa-se alugar um preto, que seja
capaz : na ra Direita, 0. 78, relluacao.
Theatro de Apollo.
A commisaffo administrativa da compa-
nhia accionistas, em observancia do que
determina a segunda parle do artigo 17 dos
estatutos, e para cumprimenlo dos do
mesmo artigo, convida aosSrl. accionistas
para remidi ordinaria em assemhla geral,
domingo, 7 do corrento, pelas 10 uorat do
dia.
Aluga-se um sobrado recentemente
acabado, na ra da UniSo, cornos melhores
commodos para una on duas familias, con-
sistentes em excellentes salas, alcovas, du-
as cosuibis, coxeira grande, quintal dito :
ot preleudentes dirijam-se a ru da Auro-
ra, o. 4.
Precisa-se de om cont e duzenlos mil
ris a premo, com hypoleca em utn cilio na
Magdalena : a tratar na praca da Indepen-
dencia com Aprigio de Saboia, ou an-
nuneie.
-- Francisco Alves da Cunda pretende
fazer urna viagem a tratar de sua sa le,
deixando sua casa commercial giran lo da
meama lrma debaixo da adminigtr*c3o do
Sr. Manoel Luiz Vieira e Joaquim Alves da
Cunha.
-Joanna Kduarda Portos tem mudado
sua residencia de Fra-de-Portts para a
ruado MouJego, n. 43.
Ao Publico.
Nos Coelhos, n. 13, defronte do hospital
m.u, flu., c ctrr-^, ir. wtctlc!c-:.':.cr.-
10 para a confecfuo completa de carros de
todas as qualidades : os modelos sSo sem-
pre do ultimo gosto, ou segundo vontade
dos freguezes. Todas aquellas pessoas quo
se diguarem honrar este eslsbelecimento
com a sua confianza, serilo servidas com
promptidaoe segurane*, tanto a respeito de
obra nova, como relativamente a qualquer
eapecie de concert ou troca ; guarnieres,
pintura, arreios Neste eslabecimento *-
cham-se renda duas csrruagent novas.
Caumont, dourador, na ra Nova, n.
52, fabrica de candieiros, tanto de giz como
de azeile, tom promplo um torlimento
dos meamos de muito bom gosto O niesmo
fabricante tambetn dnura, praleia e brou-
zeia lodos os mettes de diverts cOres;
concerli e torna a por de novo lodos os can-
dieiros, tanto dogaz como de azeile'; lam-
bem pOe candieiros de azeile para gsz; e
alugtm-se par* bailes ciiidieiro e lustros
de dea luze, por preco cummodu.
Aforam-aa excellentes trrenos no lu-
gar do sitio do Hospicio : quem quizer afo-
rar, dirija-se ra dos Piros, n. 19, que *e
dir quem afora.



Preclsa-se de um caixeiro : ni mi l>-
reito, ii. 80.
--Fermlano Jos Rodrigues Ferreira, que-
rcri 1 ga a todos 01 seus llovedores, tanto da pra
g> como de fra, que, no niazo deHO das,
venhim realisar seus di'hiUn, e qusndo o
n.1o fagam pas.sar a publicar seus nomes,
moradas e lempo de seus dbitos.
A viuva do fallecido professor Jos Bar-
nardino de Sena roga ios credores do mes-
mo se dignen de a presentar sual contase
annuncianle, ni ra da Alegra, n. II, lilm
ilesercm conferida o pagas pelo producto
do poucos b'ns que Acarra por fallecimen-
todaseu prezado consorte.
Jos Valenlim da Silva, bem conhecido
por enSinir lilini lia quaai 15 innos. lembra
a qiWTi convjer, que asu* aula cha-se em
cxercicio, na ra da Alegra, n. 38 ( na Iloa-
Vista ), onde recebe alumnos externo e
pensionistas. Tamben) ensina em lloras re-
servadas os que n3o poderem frequenttr
Das hora da aula.
NOTICIA.
OsofJIciaes e equipagem que pertenciam
a naufragada barca americana Waihington,
que afundou rom agoa aberla cm 31 de miio
prximo passado, na sua viagem de New-
York pan California, na latitude 2* 30 ao
sul, longitude de 30 30 oeste, dedois de es-
tarnm tres das nos botes, e alcincando a
illia de Fernando-de-Noronha, aonde desem-
barca ram em estado de destituidos, e sendo
recebidos e tratados com toda a benevolen-
cia e benigna hospilalidada pelo Sr. coro-
nel Cypriano Jos de Almeida, governador
da mesma ilha, aproveitam por esto meioa
teslemunhar seus sempre reconbecido e
grato igradecimentos. respeitos e conside-
ra (Ao pelescu uobre proced ment comnos-
co. K 80 mesmo lempo eciaram na iiusoia
forma para com o Ilustre Sr commandan-
te e olllciaes do brigue-escuna nacional An-
dormha, pela benigna ltenlo, cortezia e
liom tr te i viagem da Ilha de Fernando este por-
to. Pernambuco, 30 de junlio de 1850.
Ceo: W. llrown, captSo. IK. // l/lmer, pri-
meiro piloto.
Ainda est por si alugar o terceiro an-
dar do sobrado da ra di Senzalla-Velha,
n. 70, pintado de novo, com commo los pi-
ra familia : a tratar no primeiro andar do
niesoio sobrado.
Negocio inlercssanlc.
Troca-se, ou vende-se un terreno com
frente a ruada Aurora, e fundos pira a ra
do Hospicio, tendo de largura 107 palmos,
faz muita cinta a quem posas empatar, por-
que o lugar nSo yode sor inelhor, e para o
futuro deve dar multo dinbeiro, e para
quoni quiz r levantar predios il Si casas:
a tratar na praca da Independencia, o. 17.
Kaphael, paginas da juyentude.
Esta exrellente obra de Mr. I.imirline,
chegada recentemente do Itio-de-Jsneiro,
vertida em hom portuguez, e precedida de
um iui< ressante prologo do traductor, acha-
se i venda, pelo mdico prego de 3,000 rs.,
cum encadernagHo ingleza, na ra da Cadeia
do Recife, n. 38, e na ra Nova, n. 11. O m-
rito da obra tie attestaiio pelo nomo do au-
tor: nella depara instrucgSoe deleite o phi-
losopho, o romancista,o poela e geralmentc
quem quer que queira apreciar um bello
escripto.
Precisa-se de um caixeiro que abone
sua capacidade, eque tenha alguma pratica
de padaria : na praga da Santa-Cruz, ni pa-
llara por baixo do sobrado, n. 106.
O Sr. Ignacio Francisco ....
de 1,renla, e Antonio Ferreira
de Mello, queiram annunciarsuas
moradas a negocio de interesse.
Quem precisar de comprar fachina,
annuncie para ser procurado ; tambem ven-
dem-se canoas de leobi bruta, e urna ca-
noa de cirreira.
Precisa-se de um homem estrangeiro
para trabalhsr em um sitio perto da praga,
e que t riba muita pritici de tirar leite, se-
ja diligente e fiel: quem estiver nestas
circumslancias, annuncie.
--Offereee-so urna mulher pira ama de
casa de homem solteiro, ou de familia, a
<|iml entende >'o >ikro de urna casa, cose,
engomma, e he muito carlnhosi para crian-
cus : na da matriz da Uoa-VIsta, n. 16, jun-
to ao, sobrado.
--Jos Xavier Fiuslimo Ramos, com au-
do primeiras leltras no Aterro-da-Boa-
Visti, iiesejandodario se'u cstabelecimen-
ln un augmento conveniente, e em ulilida-
de de seus alumnos, declara que tcm revol-
vido ddicionara referida aula duas oulras
delatimq francez sob a direcgflo de bons
proftssores, mediinte urii mdico estipen-
dio.
Prccisa-se alugar um prcto para o ser-
vico oidiuario de padiri, pagandn-se-lhe
12,000 rs mensies: oo pleo di S.-Cruz,
padaria n. 106.
Denles uilificiaes.
J. A. S. Jini, dentisti tem a honri de
avisar aorespeitavel publico qoe contina
a por denles artificiad de porcellana ; co-
mo brh lira a carias dos niturses, que
tanto damnifica os denles e coopera para
mi alito da bocea, nSo arado iirs-
i calca os denles turados com ouro ou
rata, para prevenir as dores a continua-
do da caria. O annuiiciante sssevera i to-
as as pessoas que se quizerem uimsar dos
h-us servicos, que nfiu exige paga alguma
[nao ligando os denles tflo bem pojtos que
'uilosepossam dilferencar dos proprios m-
luraes, e podendo mastigar com os mes
mosto Ja e qualquer comida sem sentir i
menor dor e uein recelo de os. quebrar, e
por isso garante a todos quintos de seu
presliaio se quizerem ulllisar, que bao de
licarsalisfeitos, a vista dos muitos.exemplos
que tem dado s pessoas que o tem ipatro-
cinado. O innunciante mora na rus estrella
dollozrio, n. 16. primeiro indar.
"Deseja-sc fallar negocio de seu inte-
resse com o Sr. Jos Alaria Porein : ea> ca-
sa de Ollveirs lrm3os & Comniuhii, na rui
da Cruz n.9.
-Na ra Nova, n. 58, hs loja, se dir
quem d a juros de 400,000 a 500,000 r.,
com hypotheca em casis terreas.
Chapeos de aol
Ra do Passee, n. 5.
Ntsta fabrica ha presentemente um rico
panninho, por pregos commodos; ditos pa-
ra seohora, de bom gosto : estes chapeos
sao feitos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mesma
casa se acha igual sortiment de seda e pan-
ninhos imitando sedas, para cobrir ar-
magfles servidas : todas estas1 fazendas ven-
dem-se em porr;3o e a retilho : timbeo* se
concerta quilquer chapeo de sol, tanto de
hasteas de ferro como de balis, sssim co-
mo umbelas de igrejas: ludo por preco
kommodo. Ns mesma casa ha chapeos de
sol de marca malor, de panno e de seds,
proprios para feitores de engenho por serem
ilos mais fortes quesepdem fabricar.
Hua do rasseio, n. 5 A.
JoSo Loubet participa pela segunda vez as
pessoss quo leem em seu poder chapeos de
sol para cobrir e concertar, que os venham
hulear no prazode oito das; do contrario
sarao vendido pelo importe do concert,
visto ja se ler advertido nos ns. 104, 105 e
106 deste O/arfe.
'T
Compras.
Comprs-se o resumo ds historio Uoi-
versil, em portuguez ou em Istim, por Je-
ronymo Soiros Birbozi: quem liver an-
nuncie.
Compra-se urna loneta de ouro com
trancelim de borracha ; urna crrante de
relogio, e um relogio ssbonete ludo sem
f.litio : quem livor annuncie.
Compram-se dous moleques de 18 s 30
annos, que nSo lenhsm vicios nem acha-
ques, e que sejsm de nagSo ; sssim como
urna prela, que arja mota, que cozmhe e
que entend de costura : istose quer para
urna encommenda pira o mito : ni ra do
uiuiiu, i 23
Comprim-so bandas eadragonas com
franja usadas : na praca da Independencia,
n. 19.
Coroprim-se ciixas valias que fram
de sabSo, a 120 rs. sendo da fabrica da
provincia, e de rr, i 80 rs., e em bom es-
tido : ns ra da Madre-de-Deos, n. 23, ar-
mszem.
Compram-se ps de larangein selec-
tas, de embigo e limio-doca : ni rus Di-
reiti, n. 121.
Na roa Imperial, n. 167,
compra-se titulo e resplandor de
onroa para imagem do Senlior na
tlruz ; bem como urna imagem da
Conceicio que exceda de palmo e
meio.
Compram-se, para fra da
provincia, 4 escravas pardas ou pretis, de
bonitis figuns, e com algumss hibili lides:
a ra larga do Hozarlo, n. 48, primeiro
apdar.
-- Compra-se urna mesa d jaotsrem bom
estado : quem liver annuncie.
Vendem-se qnatrn |.retos bom ganhado-
resderna de ?5 a 30 biiiiih, sem vicios; uifi
pardo muito bom alfaiale e ptimo parapa-
f.em, sem vicio; trea prctas de nacao de boni-
tas (lgur.li e mimo boas qultiudeiras eque co-
zinham, lavam e fatein o man a(ranjo de una
caaa ; duas ditas 11c mria idaile boas para todo
o servifo uina dita de nacao que co'ze multo
bi'in c eugomina; una parda de 25 annos per-
felia engoininadelra, costil reir e coilnha o
diario e lie mullo carlnhosa para meninos : na
ra da Cadeia do Recife, n. 5i primeiro andar.
Moreira & Vellozo, com loja na rus
Nova, n. 8, snaunciam para vende" pelo
haralissimo prego de 2,000 rs. chapeos de
maca cobertos de olalo proprios para a es-
taclo presente; tambem se vendem, na
mesmi loja, sipatos de cordavSo e france-
zes a 1,200 rs. o par ; dito de rouro de lus-
tros para senhora, a 3,000 n. ; espartilhos
de puro linho guarnecidos de balelas, nSo
esquecendo a larga do frento, pelo preco
nunca vlslo de 6,000 T$. cada um : galhe-
telros com 4 vidros, a 3,500 rs. chspeos de
palha ibertos para senhora, de varios pregos
de diferentes tamaitos; ditos de palinhs
lindamente enfeitados para meninos e me-
ninas ; franjas de varias cores muito pro-
prias para enfeitar vestidos, a 320 a vara ;
mantas de garga de muito boi qualididee
de bonitos gostos, a 5,000 rs.; is verda-
deras luvas de trocal com dedos 1 1,000fjtf
par, ditas de pelica para senhora e pira ho*
mea.; borzeguins, sapstos de lustro, ditos
de mirroquim, tudo para senhora; cha-
peos de maga francezes, chegados de prxi-
mo, bonitas formas e boa pelucia, a 7,000
rs. cada um ; penles de tartaruga de mar-
rafa ecc; lengos para grvalas ; capellas
de flores pira noivi; cortes de sedas bran-
cas e de cores; esobreludo um [bello sorti-
menlo de perfumaras e de outras fazendas
mais que se prolesta vender por pregos mui-
to rasosveis.
Vendas.
Veude-s panno verde o azul multo su-
periores, proprios para fardas : ns rus do
Crespo, n. 9, loja imirelli.
--Vende-se un bom moleque de 18an-
uos, bonito de cara, bem felo tle corpo, sec-
co e hom alfaiate, s nSo corta casaca ; he
muito diligente : da-se a contento : ni ra
do Oueimido, loja de ferragens, n. 14, se di-
r quem vendo.
Vende-se um mulatinho de muito bo-
nita figura, proprio para pagem : na ra do
l.ivramento, n. 38.
Vende-se urna casa na roa deSin-Con-
galo, n. 37: os pretendentes dirijim se i
ruada Cadeia-Velha, loja demiudtzas, nu- jgun.semvico em"icbaqu
flDero *Z- v. 1 o .. ~ Venle-se o araazem
Fannha lavada de S -Mstheus:
vende-se em siccis, os rus da Cadeia do
Recife, n. 3.
Vende-se um prajo de Angola, de 85
annos puco mais ou menos, hbil pan to-
do e qualquer servigo: o motivo por quo
se vende so dir 10 comprador: na prag
do Commercio, n. 2.
Vendem-se duas pretis de bonitis fi-
guns, umi de 25 anuos, boa engoa.madei-
ri, cozinheiri, e que cose liso e livi de ss- tea, Uto boa como 1 firinhi deSorubL
bSo; eaoulra de meii idide, proprii pin o mo goslo que idquiri esta 1 bord
sitio, porsiber bem vender fructas e lavar
desabSo, por prego commodo : na Boa-Vis-
ta, ruada Manguein, n. 9.
Vende-se a fabrica de destilarlo na po-
vosc.flo de Apipucos, com todos os seus
perlences, ou quilquer ohjeclo em sepra-
lo, como sejsm : alambiques de Ocrosas,
tanques para deposito de mel que levam 50
pipas, diversas cavas que levam 8 e 10 pi-
pas", tudo de amarello, e outros de duas
pipas, um moinhocotn bomba de ferro que
uuxa 20 30 pipas d'igoa a altura de 45
pi Irnos, e outros o ojeaos: tudo por prego
commodo : a fallir com Claudio Oubcux,
na ra das Larangeiris, n. 18.
-- Vendem-se 4 molecOes de bonitss fi-
guras ; dous pretos pan todo o servigo; 2
pretas mogas, que engommim e cozinham
bem ; urna dita por 350,000 rs. ; urna par-
Ja que cortie fiz camisa de homem e ves-
tido de senhora: na ra das Larangeiras,
n. 14, sogundo andar.
-- Vendem-se 8 lindos moleques de 8 a 16
annos, tendo um delta principios de cir-
pini; 6 pretos de 80 a 85 annos, sendo um
oum uu um pardo de 33 innos, perito cozinheiro,
boheiro e em pal Mador ; 3 pardas de 18 1 25
anuos, com habilidades; 6 pretas de 14 a
25 anuos, com algumas babili ladea, e que
s9o proprias para todo o servigo: na ra
do Collegio, 11. 3.
lie boa em qualidads como a01 prego com-
modo : ai ra Nova, n. 8, loja.
Vende-se omi taberna na ra da Praia,
n. 43, com poucos fundos: tratar na mes-
ma tabcrr.a.
-- Vendem-se duas msrquezss de sma-
rello, feitas a moderna, a urna banca, tudo
com pouco uso ; na ra da l'riis-do-Cal-
dersiro, n. 11, se dir quem vende.
-- Na ra da Cadeis-do-Recife, n. 51,
"cndem-se dous lidos moleques de bouit*
figura, 16 rotBMtutto idade, muito bous
eosinhelros, e um dos quiea engoman
sorUmento destes objectos de todss is c-lmurto bems>mvs, 'sjb de boa conducs,
[res qualidades, lauto de seda como dts ticiis aaem molesiii.
mic-so, paia tCT* d. nrnvneia ou
para engenho, urna prela ciioula, de 34 an-
nos, de bonita figura, multo sadia, perfeita
engomtnadeira ecoiinbcira, tanto de forno
como de fogSo, faz doces de todas as qua-
lidades, bolos, refina assucar, lava e cose,
por prego commodo: na ra da Praia, n. 30.
~ Vende-se urna rica arma de 2 canos ;
a obra Recreagflo philosopbica pelo pa.in
vendem muito bom damasco de seda de Theodoro de Alincida ; Confidencias de La-
qualquer cor, pois acabsni de recebar um jmaitine, 3 v. em francez : na ra Nova,
bello sortimenlo deasa fazendi, que linio |n- 16, loja.
Aloreira <& Vellozo
Attenco
Vendem-se chitas Anas, a 160, 180 e 200
rs. o covado ; riscados largos em cssss, 1
240 rs ; meiaspara sennora, a 160 rs. ; di-
tas para meninas, a 300 rs.; pequeos len-
gos com bien,a 500 rs. ; ditos muito gran-
des para cabega, a 1,000 rs.; madapolSo de
vara de largura, muito fino e com 40 jardas.
1 8,500 rs. a pega ; algodilo trancado de lis-
tris, encorpado e ameiicano, a 200 rs. o co-
vado ; dito azul superior fazenda america-
ni, 1 220 rs. o covado; dito trangado br n-
co, aSIOrs. a jarda em pegas; madapoln
uno, a 3,800, 4,000, 4,803, 5.000 e 5,200 rs. ;
nielas americanas cruas e encorpadas, a
4,000 e 5.00J rs. a duzia ; riscalinhos ge-
novezes, muito finse proprios para roup*
de meninos, a 320 rs. o covado ; lengos de
soda de excellentes padrOes e muito fiaos,
s 2,400 rs., alm deslas fazendas ha um sor
tmenlo completo de fazendas de bom gos-
to quo se vendero por prego baratissimo
para se adiantar a venda das mesmas : na
ra do Collegio, n. 1, loja da estrella.
Vende-se urna escrava crioula e mossa,
que sabe cozinhar. lavar, engommar e fa-
zer doce : no Aterro-da Boa-Vista, o. 67.
Vende-se ou permuta-se um sitio no
lugar di Magdalena, 10 entrar pira a Torre,
que foi do finado Uchi: 1 tratar no mesmo
sitio com JoSo Ribeiro Pessoa de I.cerda
Jnior, ou na ra da Alegra com Antonio
Borges Ucha, leudo o mesmo sitio baix
pira cpim e arvoredos de fruto.
Vende-se urna venda na ra da Cruz do
Recife, n. 28. com os fundos ou sem eiles :
a tratar na mesma.
Vende-se um sitio no lugar do Salgsdi-
nho com casa nova e de bastantes elimin-
los, grande terreno para planlagSo e pasto
para oito vaccas deleite, e mu.tas arvor^s
de fruto : que* o pretnder, dirija-se ra
da Senzalli-Wov, n 13. Na mesma casa
tambem se vende um esenvo de bonita II-
e.
de molhados da
prtrinhi do CoiS^Ento, n. 66, com os
fundos que convier ao comprador, a di-
nbeiro, ou a prazo com firmis 1 contento :
a tritir ni mesms pracinha, esetiptorio de
Viuva C.audino & Filho, n. 66.
Vende-se urna armagfiode loja de miu-
dezas : a fallar na ra do Cabuga, loja de
Josquim Jos da Costa Faj/es.
Vendem-se saccas dealqueire raso de
medida velna de ptima farinha de Muribe-
e sem
gosto que adquir esta abordo: na
ra di Aurora, n. 42, primeiro andar.
Vende-se enchams de sedro de 20 a
30 palmos de comprido e 6 pollegadss em
quadro, proprios para obris decisa : ns ru
do Vigano, n. 5.
Tinta para escrever
muito superior: vende-se ni ra larg do
Rozrio, n. 36.
Vende-se urna porgfio de birris qoe
fram de oleo de linhag: na botica de Bar-
thol omeu Francisco de Souza.
Quatorze vintens
K a tres tustdes,
Chitas francesas
De lindos padroes.
He o que p Je ser de barato / um ovado
de chita franceza da largura quasi de vara,
coro modernos desenhos, e cores ii xas, por
300 e 280 rs.: na ra do Crespo, n, 11.
Vendem-se terrenos ja aterrados, em
chaos proprios, e tambem coro viveiros di
pene promptos : a tratar com JJanoel l.uu
da Veiga, 110 caes da Alfandega, n. 5.
Potassa da Russia.
Vende-se superior polsssa da Hussii, da
mais e iva que ha no mercado, por prsgo
commudo : na ra do Trapiche, n. 17.
aGISNCIA
da fuidico Low-loor,
BOi DA 8IN7.AI.T.A-KOVA., >. l\1.
Neste estabelecimeiito conti-
nua a havertim completo sorti-
ment de moendas e meias moen-
i para engenho; machinas .-Je
vapor, e tachas d* ferro batido t
COdo, de todos os tamaitos,
para dito.
rarios de ferro.
Ni fundigSo' da Aurora em s.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Farelo novo a 5,500 rs
Vendem-se ssccas grandes com 3 arro-
bos de farelo, chegsdss no ultimo navio
de llamhurgo : na ra do Amoriin, n. 35,
csa de J. J. Tssso Jnior.
Moends superiores.
Na fundigSo de C. Starr & Companhisf,
in S.-Amaro, scham-se venda moendas
le caima, todas de ferro, de um modelo'e
construcgSo muito 'superior.
Tai xas para eng-enho.
Na fundigSo de ferro da roa do Brum,
tcabs-so de receber um completo sorlimen-
ode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
(oaes acliam-se a venda por prego com-
nodo com promptidSo embarcam-se,
ou carregam-seem carro sem despezasao
ompradnr.
Vende-se o prmoiro sitio da Torre,
com 600 palmos de frente e 1,200 ditos de
fundo, a beira do rio, com miis de 100 ps
de coque iros ja dando fructo, grinde baixa
para capim, ou viveiros, emfim com com-
modidades para tudo e por barato prego.
Ven Je-se doce lino de guiaba, muito
hemfeito, em caisinhas de quatro libras,
pelo prego de 1,(00 rs. cada urna caixinha :
na ra das Cinco Puntas, n. 82, taberna.
>?? *?V ff t*'*t f V f f f f f O
Na loja do sobrado smarello, nos ^
quatro cantos Ja ra do Queimado, *
n. 29, vendem-se
Chapeos francezes de forma 2
molerna 6,000
Corte de caigas de casemira
de padrOes esenros 5,000
Ditos de dito modernos 6,000
Ditos de rollete de gorgurSo
de seda bordados 5,000
Ditos de setim de cOres bor-
dados 7,000
Alpaca mescladi propriis
pin gndolas e palitos, o
covado
Merino preto muito fino, o co-
vado ,
* Dito verde e cor de caf, pro-
:. prio para vestido de monta-
lia, o covado 3,500
Lengo* de seda do cores para
grvala 800
Corles de collete de varias fa-
zendas 800 e 1,000
F. outras muita fazenda finas, co-
mo sejsm: psnno preto de 3,500 a
11,000 rs o covado ; ditos de cores ;
casemira prela elstica ; setim pre-
as> Ho de Macio ; chale e mantas de se-
>
*
>
>
->

!*
S>
>
*
*
>
a>
*
*
720 <-.

3,200
*
di; corteada vestidos de seds de co-
res e brincos ; esguiSo linissimo ;
meias e luvs de suda pira senhora
tudo por prego muito commodo.
No armazem de Joaquim da
Silva Lopes, vende-se farelo^a
3,ooo rs. a sacca, e farinha de tri-
go franceza da marca Bario, por
preco commodo.
Bichas de Hamburgo.
Vendem-se as verdadeiras bi-
chas de Ilamburgo, aos centos e a
retalho : tambem se alugame vo-
se applcar a quem precisar .* na
ruadd Cruz, no Recife, n. 4" '"
ja de Joaquim Antonio Garneiro
de Souza Azevedo.
A ciilade de Pars.
Vende-se chapeos de sol, de sds, pre-
tos, s 4,500, 5,000 e 5,500 rs. cada um, ar-
magaO de baleia muito fortes; bengali-
nhas de junco, a 2,500 e 3,500 rs. a duzia;
retroz preto muito forte, em porgao e a
retalho : na ra do Collegio, o. 4.
AosSrs. de engenho.
vendem-se cobertores escuras dealgo-
dSo, proprios para escravos, por serem de
muita duragflo, pelo diminuto prego de 640
rs. cada um : na ra do Crespo, esquina
que volts para a cadeia.
Navalhas de patente.
Ycndem-se navalhas finas de
patente para fa/er barba ; estojos
completos de todos os ferros para
cirurgia, obra muiio fina, por pre-
co commodo : na ra da Cruz, no
Kecife, n. 43* 'ja de Joaquim
Antonio Carneiro de Souza Aze-
vedo.
Ovas do serla,
muito frescies: vendem-se na rus doQuei-
O.ldo, n. 14, loja de ferragens.
Attenco.
Vende-se cers de carnauba em saceos de
5arrobas para cima; spalos do Aracatv,
muito superiores; sola ; pelles de cabra.-
tudo viudo ltimamente do Aracaty ao
biate lUtttidoio. e por meaos prego do que
em outrs qualquer parte : na ra dos Ta-
noeiros, n. 5, armazem de Domingos Rodri-
gues ee Andrade.
Vende-se, por preco commo-
do, polassa em barriquinhas ; fu-
mo para milo e capa de charutos :
nos armazens do fallecido fira-
guez e Dias Ferreira, no caes da
Alfandega, a tratar nos mesmos,
ou com iovaes & C'ompanhia, na
ra do Trapiche, n. 34.
- Vende-se umi prela que cozinha o dia-
rio de urna casa, lava, vende na ra, n2o
tem vicios nem achaques, e cunta 25 annos
de idade : o motivo por que se vende se di-
r ao comprador: om Fra-de-Portas, a. 25.
As melhores
Novo trem de cozinha.
Vendem-se cbsleiras, caisirolas, fregi-
deiras, e panellasde ferro forradas de por-
cellana ; machinas para caf; bules o ca-
feteiras de metal : na ra Nova, u. 16, loja
de ferrigens, de Jos Luiz l'ereira.
Vendem-se espadas prateada para of-
fic:aes da guarda nacional; urna barreti-
na com chorflo para oflicial de cavalUria ;
urna banda e urna frdela anda ofio servi-
da s : na ra Nova, 0. 16, loja.
Vende-se um relogio palete suisso ; 1
melhodo para piano ; um violSo de Jaca-
randa ; algumas msicas aovas para violo
a para piano: na ra Nov, n. 16, loja.
A 8oo e 1,000 rs. o covado
de seda escozessa, de todas as cores, e de
muito bom gosto para vestidos de sonho-
ras : na ra do Crespo, n. II.
Na loja de Maya Hamos & Com-
panbia, ns ra Nova, n 6,
vendem-se ciixis com tintas para desenhos
de differenles qualidades; papel piulado
para musir ; palhelas para clarinetes e re-
quintas : tudo por prego rasoavel.
Com 8 palmos de largu-
ra o novo aIgodo mons-
ti o trancado california.
Ni loja confronte ao arco de S.-Antonio,
n 5, vsnde-se o novo algodSo monstro trau-
cado, com 8 palmos de largura, pelo barato
prego de 800 rs. a vara.
Atoalhado de linho de
California com 6 pal-
mos de largura.
Ni loja de Guimarfles & Henriques, na ra
lo Crespo, n.5, vende-seo novo atoalhado
california de puro linho e com 6 palmos de
rgura. pelo barato prego de 1,120 rs ; as-
... Cu.u ,; Je ; pl.i.u. c iai yura, a i ,uo
rs. a vara.
A 8,000 rs. cada um.
Chalos de seda grandes
e de bom gosto.
Na loja de GuimirSes & Henriques, na
ra do Crespo, n. 5, vendem-se chile de
seda, grandes, de bom goslo e de bouitos
padrOes, i 8,000 rs. cadi um ; corles de ca-
semira de cores, de muito superiores pa-
diOes modernas, pelo barato prego de 6,000
rs. cada corte; merino preto lino francez. a
2,500rs. o covado; dito Inglez, a 1,440 rs.
o covado. _
( hcgiiem ao barato.
Vendem-se lencos de para seda, pelo di-
mlnu'o prego de 1,280 rs.; luvas de pellica
prela e de ponto inglez, a 1,280 is.; linas
casemira pretas e de cores, a 5,000 rs.; gu-
linhase pescuciohos para senhora; e ou-
traa muilas fizendas baratas: na roa do
Queimado, n. a. Dfio-se as amoetras com o
competente penhor.
cassas francesas a 48o rs. a vara.
Veadem-se as mais modernas cassas fran-
cezas, de bonitos padrOes e cores muito
liadas, para vestidos de sention, pelo ba-
ratissimo prego de 480 rs. a vara; chale
grandes de gorgurSo de algod.lo e bonitos,
a 2,000 rs. cada um : na ra do Queimado,
n. 8, loja confronta a botica.
Ven le-se urna prelada Costa, de 1 ti a
18annos, proprio para todo o servigo, e que
he boa quitandeira : na ra de S.-Amaro,
n. 16.
Anfigo deposito de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
Vende-se esperncete de segunda sor-
te, a 480 rs. a libra: 00 pateo do Paraizo,
n. 20.
vvfvfffmvvfvvtwvfe
aV Vende-se alpaca de linho puro, a 2204
*rs. o covado-: na ra do Caespo, n. 11.
c*A**AA***
--Abordo do brigue Aguia-do-Prata, veo-
de-se firinhi de mindiocs, por prego com-
modo.
Aviso aos Srs. artistas sa*
pateiros.
Aloreira & Vellozo,
acabam de receber o melhor e mais bello
couro de lustro que a este mercado tem
viudo ; porque o tamaito das pelles e qua-
lidade do couro he tal que muito deve agra-
dar aos Srs. mestres sapsieiros, para me-
lhor servirem a seus freeuezes ; o preco a
vista da qualidades se din, mas afince-
se que sera commodo e bem commodo : na
ra Nova, loja n. 8, onda se vende nica-
mente o dito couro.
Vende-se o retrado do fina-
do desembargador Nuoea Macha-
do, ltimamente chegado, e de
formato grande : na ra do Hn-
gel, n. 57, &obrado.
Na loja de Maya Ramos & Com-
panhia, na ra Nova, n. 6,
vendem-se as mais superiores navalhas in-
glezas, cabo de marlim ; ranvetes linos pa-
ra pennas; estojo* completos para barba ;
ditos para costura, com raus-ca; ditos de
mathematica ; ditos de limpar denles; es-
covas para denles, cabello e roupa; e outros
objectos por prego commodo.
Vcndem-se presuntos ame-
ricanos, proprios para fiambre,
por barato preco : no caes da Al-
fandega, rmaiem de Dias Fer-
reira,


-5
BBHP.
Deposito de Potassa.
< Vende-se muito nova potassa
de boa qualidade, em barriszinhor
pequeo* de quatro arrobas, por
preco barato, como ja ba muito
tempo se nao vende: nc ftecife.
na da Cadeia, armazem n. l%.
Vende-se muito superior farinha em
meias barr :as : nt ra da Cadeia do Recite.
scriptoriu de Deare Youle & C., em seus
ormazensdo becco do Contal ves.
As novas cansas sublimes
a *i,S40 rs. o corte.
Na loja de Guimartes & llenriques, na
ra do Crespo, n. 5, que Taz esquina para a
ra do Collegio, vendem-se novos corles de
cassss finas denominadas sublimes, pela
sua boa qualidade e barato preco.
t.amortos a 1.800 rs.
1,800
Vendem-se os bem acreditados cortes de
gambreoes, a 1,800 e 3,000 rs. o corte de
calcas: cata fazenda toroa-se reoommenda-
vel, tinto por sua qualidade como por ser
de moita durarlo e de bonitos padrOes : na
rut do Collegio, n. 1, loja.
Limas de sgulha a 4o rs.
Vendem-se limss de agulha : na ra da
Cadeia, taja de ferragens, de Antonio Joa-
quim Vidal ; a su ni como cutras ferragens
para ourives, por preco commodo.
Chegaram novamente ra da Sen-
zalla-Nova, n. 42, relogios de ouro e pnta
patente inclez, para homem e senhora.
Vendem-se amarras ub >arro: na na
da Senzalla-Novs, n. 49.
Chitas francezas finas a
3!t0 rs. cada iim covado.
Na ra do Crespo, n. 5, confronte ao ar-
co de S -Antonio, vendem-se chitas france-
sas linas e de modernos padiocs anda1 nfio
vistos nesle mercado, pelo barato preco de
380 rs. cada um rovado ; panno prelo, pelo
barato preco de 1,600rs. cada um covado;
lencos de cambra la brancos e abertos pela
bebe, a 2,800 rs. cada umaduzia.
I arinhade mandioca de
S.-Catharina.
Chegou em dire.tura de S.-Catharlna o
brigue nacional Minina, coro um esrreea-
mento da superior farinha muito nova e
acha-se Tundeado defronte do caes do lia-
mos, onde se vende a preco commodo, ou
emeasa de Manoel Ignacio de Oliveira na
praca do Commercio, n. 6, primeiro andar
Vende-se aaccas com arrot a 1,200 ra a
arroba: uo pateo do Paraizo, n. 20.
Casemira preta.
Vende-ae casemira prela. muilo boa. pe-
lo diminuto preco de 1,400 rs. o covado :
no Alerro-da-Boa-Vista, n. 18.
Hua larga do Hozario, n. 22.
Vendem-se nm muleque de naci, bom
cozmlieiro, ede boa conducta o que se am-
anea, urna muala com urna cria, sabe en-
gommar e co/inhar, urna negrinlia de 14
annos, urna dila de meia idade que sabe co-
zinhar e he muito activa para o serv de
casa, urna mulata de20annos, muito linda
figura e sabe bem engommar e coser, dou
mulatinlios de 9 a 11 anuos, muilo esper-
tos, 3 molecoles bonitos para o trabalbo de
campo.
Ka ra Nova, n. 0, loja de
Maya Rumos & C.
A barato.
Vendem-se luvas de pellica, para meni-
nas, senhorss e hmens, a 400 e 640 rs. o
pr; jogos de vispora para diverlimento, a
1,000 rs.
Na loja de Maya Hamos & Com-
panbia, na ra Nova, n. fi,
vendem-se esparlilhos completos para se-
nhora, basteas magnaiissdas para moles-
tia de estomago, e plidas cores; luvas de
pellica com enfeites modernos, a i 000 rs. o
par ditas de difireme qualidades pira
senhora e para liomem ; sapatos de marro-
quim, de lustro e desetim branco de lodos
os taannos ; e oalris muilis fszendas por
preto commodo.
Garrafas vasias.
Na ra do Amorim, ns. 56 e 58, vendem-
se gigoscom este genero, sacess com faiel-
los por barato preco edilas com farinha de
mandioca muito superior.
A 640 rs. o covado de al-
paca pveta fina,
lioja n. 5,
deCuimarlesA Henriques, que faz esquina
para ra do Collegio, vende-se alpaca pre-
ta fin, pelo diminuto preco de 610 rs. o
covado, preco este por que nunca se vendeu
fazenda igual.
Vemdem-M, por menos do
que emoutra qualquer parte, cha-
peos de palha de carnauba, e sa-
palfs do Aracaly ; tambero se
vendem rasqoeiras de
Vendem-se sapat5es de cou-
ro de lustro, pelo baratissimo pre
50 de a,5oo e 3,000 rs. suporio-
res, e de ponto fixo, a 3,600 c
$,ooo rs. ; ditos de bezerro fran-
cez, a 2,5oo rs. ; ditos brancos do
<
Na
____. 4- t-ll----
Aracaty : na ra da Cadeia do le-
eife, n.<).
Vende-se orna casa no ater-
ro do Gequi, feita de tijolo e co-
berta de telba : a tratar as Cin-
co-Pontas, n. gr.
SI anleletes.
Vende-se, na ra do Crespo, loja de qua-
tro portas, n. 12, manteletes de seda furta-
cOres, de multo bom Rosto e de superior
qualidade, chegados ltimamente de Fren-
os quaes se vendem por menos preto do
que em nutra rjualquer parte.
Petas de madapolfio com 20 varas, com
algum mofo, a 2,500 rs. e a 140 rs vare-
jado, proprio para forro e roupa de prelos ;
esloupa limpa a 160 rs. e com alguma aviria
* 80 e 120 rs. : a ra larga do Itozario, n.
48, primeiro andar.' u>
Panno pardo fino a 4,000?,
rs. cada umcova o.
Na loja da esquina da ra do crespo, n 5,
vende-se panno fino pardo e cor de afc,
pelo barato preto de 4,000 rs o covado;
dito preto e azul, a 3,000 rs. o covado, e di
outras muilas cures e qualidades, por dimi-
nuto preto.
Ao barato preco de 1/.0
rs. o covado.
Na loja n. 5, deCuimarles & llenriques,
vendem-se chitas escuras, pelo diminuto
preto de 140 rs. o covado, e de outras mul-
las qualidades por diminuto preto.
Arle de nadar,
gjque rde sustentar un homem na su-
wpe fice d'agoa o lempo que quizer sem
<3o menor esforjo : na ra do Crespo,
n. II. '
ococ>oco
Acaba de chegar
loja da ra do Crespo, n. C, um
novo soi tmenlo de lamidas ba-
ratas,
como sejaro : cassa-chitas muilo finas, de
cOres fizas e c<>m 4 palmos de largura, a
326 rs. o covado ; cortes de ditas a- 2,000 e
2,400 rs. ; riscado ti< linho, a 240rs. o co-
vado ; dito de algodo americano para es-
cravos, a 140 e 160 r. o covado; dito mons-
tro com 4 palmos, a 200 rs.; zuarte azul, a
200 rs. o covado ; dito furia cores, a 200
rs. ; chitisde cores fizase de bonitos pa-
dres, a160e 180 rs. o covado; crlei de
fusliio, a 600 rs. ; chales de larlatana, r.
1,280 rs. ; meioa ditos, a S20 rs.; coberto-
res de algodlio, a 640 rs.; alpaca prela de'
rorno e com aete palmos de largura, 1
1,280 rs. o covado; e oulras umitas fszen-
das em conta.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de dille-
rentes modelos : na fabiica de machinas e
funditSo de ferro, u ra do Brum
ns 8 10.
Para se acabar.
Vendem-se superiores pannos finos da
melhor qualidade que lem apparecido (pro-
va de liu.no) cor de caf, a 4 e 5,000 rs. o
covsdo ; dito azul, a 3,500 e 5,000 rs. ; dito
preto, a 5, 6, 6,500, 7, 7,500 e 8,0o0 rs.,
qualquer destas qualidades he a melhor
possivel; corles de casemira de cores mui-
lo finas, a 4, 5, 5,500, 6 e 6,500 r.; ditos de
meia casemiasde lia, de bonilos padroos,
a l.COO, 2.3e3,500 rs. ; casimira encarna-
da muilo fina, a 1,800 rs. o covado; cha-
peos de massa francezes, do ultimo goslo, a
6,500 e 7,1.00 ra.; selim prelo macan mui-
lo lino, para collete, a 2,s00, 3 e 3,500 rs. o
covado; camisas de meia muito linas, a
1,280 rs.; alpaca preta fina, a 640, 800
1,000 rs. o covado; piioceza prela, a 800 rs.
chsles de 1.11 de superior qualidade, a 1,600
2,500 e 3,500 rs.; casss de ramagem gran-
de e de vara de largura, superior fazend*
para cortinados, a 700 e800 rs. a vara 1 to-
das eslas fszendas sSo de superior qualida-
de vendem-se por estes pretos para se
acabaren] : na rus do Collegio, a. 1, loja da
estrella.
fia roa ISova, n. 6, loja
de M ya Hamos & C-,
vendem-se ricas bandejas de lodos os ta-
maiihns, com guarnidlo de lina casquinha ;
ditas sem guamitoes; grinsldas para noi-
vas; flores brancas, rosa, laranja e avellu-
dadas; trantas de de differenles cores e
larguras ; e outras muitas fszendas para
en frites de senhora : tudo muito em conta.
Vende-se um esciavo He nato, mui-
lo bom : n prta da Boa-Vista, n. 13, |.
berna.
Vende-se urna preta de nato, que en-
goman, c.zinh, faz doces, e com urna
cria ; um preta da Costa, propria para se
[educada, por iio ser de ra, e be de boni-
superior u figura ; urna dita que cozmha o diario de
Quem admirar
venba ver e comprar,
ra do Crespo, esquina que
volta para a cadeia,
vendem-se pannos pretos, a 3,000, 3,600 e
5,500 rs. o covado ; dito azul, a 3,000 rs. ;
dito cor de rap, multo 6uperlor, a 4,000 rs.;
cortes de casemira prala, muito boa, a 3,200,
5,000 o 10,000 rs. ; ditos de selim de cores
para colletes, a 1,600 rs. ; ditos de gorgu-
rao, a 1,280 rs.; ditos de brim brinco de
linho para caltas, a 1,600 rs.; ditos de fus-
llo para rolletes, a 600 rs.; ditos de csssi
para vestidos, de muito bom gosto, a 9,400
e 2.500 rs. cortes de brim amarello de pu-
ro linho, a 1,60Oj-s.; cassa preta, a 140 rs. o
covsdo ; ditas de cores muito bonitas, 200
e 280 rs. ; alpaca preta de cordSo, com 7
paltros de largura, a 1,280 rs. o Corado,
sendo esta fazenda muito propria pira -cal-
cas, sobrc-cisacas e vestidos, por ser muito
forte econmica em rasfio da largura; ris-
cado de linho a/u'zinho, a240 rs. o cova-
po; lentos de seda para grvala, a 1,280
rs. ; ditos para algibeira, a 1,280 rs. ; zusr-
te azul de vara de largura, a 200 rs. o cova-
do; dito furia cores, a 200 rs. ; riscado
monslro, a 200 rs.; picote muito encor-
ado, proprio para escravos, a 240 e 180 rs.
covsdo ; riscado de algodo americano, a
140 rs. o covsdo ; corles de brim de listras
decores, a 1,000 rs.; ditos com listra ao
lado, a 1,280 ib. ; ditos escuro!, a 1,280
rs.; petas de chitas muito bonitas, a 5,500
r.s.; ditas escuras de cores fizas pora casa ,
a 160 e 180 rs. o covado ; chales de larlata-
na, a r,280 rs. ; meios ditos escuras, a 320
rs. ; lentos de csssa para grvala, a 320 rs.;
meias para meninos, a 100 rs. o par; ditas
nimio superiores psra senhors, a 400 rs.;
lentos pequeos de 1.1a com tres ponas pa-
ra escravos, a 140 rs ; casia de xadrez para
vestido a 320 rs. o covado ; pecas de cam-
braia lisa enm 8 varas e meia, a 2,700 rs;
dita muito fina, a 640 e 720 rs. a vara ; cha-
peos de sol, de psnninho com bastes de ba-
lis, muito I nos a 2,000 rs.; e outras mui-
tas fazendas baratas que a vista dos com-
pradores se farflo os pretos.
Chsrjtos.
Na roa da Se malla-Nova, n. 42, vendem-
se charutos superiores ds marca victoria,de
llavana ; ditos primores e regalos, por pre-
to commodo.
Panno couro a 1,200 e
1,300 rs.
Vendem-se corles da excedente fazenda
denominada puniro couro, a 1,200 e 1,300
rs. o corle de calcas : esta fazenda he mullo
encorpada, escura e de muita duratlo: na
ra do Collegio, n. 1, loja.
Venderr.-se chitas pardas com flores
encarnadas, cores muito lisas, a 160 ra. o
covado, e em petas s 5,800 rs.; ditas mo-
ldadas dechuva, a 120 rs. s relalho : nu ra
larga do Hozarlo, n. 48, primeiro andar.
A 1,000 rs. o corte.
Na loja n. 5, que faz esquina para a roa
do Collegio, vendem-se cortes com S cova-
dose meia de brim de algodo trancado de
listras edequadros, pelo barato pacto de
1,000 rs. cada um corte.
ate*
1
llanteletes e capotinhos.
Na loja do sobrado amarello, nos
quatro cantos da rus do Queimado,
n. 29, vendem-se manteletes e capo-
tinhos de cbamalote preto de seds e
guarnecidos cum franja de seda, pe-
lo diminuto preto de 20,000 rs.
34.
Roa y ova, n.
Madama Rosa Hardy, modista braiileira,
acaba de receber de Frange lindos capoti-
nhos de (li preto para senhora e meninas,
os quaes vende multo barato.
A 1,000 ra. o corte de
calcas.
Vendem-se brina trancados de
listraa ao lado, dos mais moder-
nos padroes, tendo tambem cor
de ganga, a l,ooo ra. o corte de
calcas s na ra do Queimado, n.
8,lojaconlronte a botica.
Jogos de vispora a 1,000 rs.
Na ra Nova, n. 6, loja de Al aya
Ramos & Companbia,
vendem-se por este diminuto prego para
diverlimento das noites de San Jofio e San
Pedro.
Vcndem-ae 4 moleques, 2 de 14 sn-
nos e 2 de 18, boos para todo o servico que
osqueiram applicar; 2 pretos ptimos pa-
ra servirem a urna casa, e ganhsrem na ra;
urna preta que cozinha, engomma e lava
roupa de sabio muito bem : na ra do Col-
legio, n. 21, primeiro andar, se dir quein
vende.
Cbepe*os de so!.
Vendem-se chapeos de sol, de seda prela
com barra lavrada, a 6,000 rs.; ditoa furia-
cores, a 6,500 rs.: estes chapeos sin mui-
lo bom construidos, muito fortes e de boa
seda : na ra do Passeio, n. 5, fabrica de
chapeos de sol.
Um piano.
Vcnde-se um plano de mogno, cxcellantc
para se principiar a aprender, por mdico
prego na ra do Collegio, n. 21, segundo
andar.
-i- Vende-se um sobrado de um andar
com bastante terreno psra quintal, em
chlos proprios, e com porto de embarque :
no eses da Alfandega, armazem n. 5, se di-
r quem vende.
Vende-se superior rap Psolo-Cordei-
ro, tanto em libras como em meias ditas :
rus do Encantamento, armazem n, II,
i
et
Os amigos r iscados nions-
tros a 2.80 rs. o covado.
Na loja de Cuimarlrs & Henriques, ven-
dem-se os anligos liscailos monstros, de 5
palmos de largura, e de padrOes novos,
280 rs. o covsdo ; riscados california, de co-
res finas e muito encornados, e tambem de
cores escurss, pelo barato prego de 900 rs.
o covado.
A 4,000 rs. o par.
No Aterro-da-Boi-Vists, n. 58, loja de
cilcado, vendem-se spalos de couro de
lustro para senhora, a 9,000 rs. par ; ditos
psra homem, a 4,500 e 5,000rs.
A .V20 rs.
Vendem-se toneles pars meninos, a 320
rs cada um: no Aterro-da-Boa-Vista, n. 58,
loja decalcado.
Fazendas baratas.
No armazem de fazendas, de Raymundo
Carlos l.eile, na ra do Queimado, n. 97, ha
um bello sortimento de fazendas de todas
as qualidades, por os piegos mais comino-
dos que se teem vendido, a saber: petas de
midapolflo da India, com 24 jardas, muilo
fino, a 3,200 rs.; dito muito fino e encorpa-
do, com 4 palmos e meio e largura, muito
proprio para camisas de escravos por ser de
muila duraclo, a 3,600 rs ; alpaca de cor-
dio, de lindos goslos, e de diversas cores,
proprio psra palitos, casacas e caltas, a 800
19. o covado ; dita prela muilo lina, a 800
rs.; ptimo riscado fiancez de varias cores,
a 280 rs o covado ; cortes de brim
n
-- Vende-se um cavado ruto, capado,
bom passeiro, e que tambem esquipa: a
fallar com o Sr. Manoel Joaquim Ctrneiro
Leal, na ra Nova, fabrica de caldeireiro.
Para quem tem bom
gosto.
Na ra do Queimado, n. 9, existe um no-
vo sortimento de msnteletes e capotlhos de
seda, gorgurlo e cbamalote preto e de co-
res, os quaes se ven lem pelo diminuto pre-
to de vinte e dous mil rs. l)Io-se amostras
com peohores.
$ &
s Toilhado de algodo e de linho. Q
a. Na loja do sobrado amarello, nos q
m quslro cantos ds ra do Queimado,
jl n. 29, vende-se atoalhado com tres
r palmos e meio de largura, a 320 rs. a
J^ vaia ; dito com 9 ditos, a 1,800 rs.; w
SJ dilo de puro linho, com 9 palmos de
O largura, a 3,000 rs. s vara; guarda- &
O apos de puro linho e adamascados, O
9 s 10,000 rs. i duzia.
tSOOGOftf&t&J O OG&
Na loja de seis portas do
pateo do Livraniento, vende-se
panno de coqueiro, a 3,aoo rs. a
peca, ea i4 r*> a vara.
Vende-se um prelo proprio para en-
genho ; aramia, a 240 ra.; farinha do Ma-
ralo, a 160 rs ;!ch paulists superior, a
9,000 rs. : na rus Direjp, n. 14.
Na ra Nova, venda n. 3,
de Antonio Ferreira Lima & Coin-
panbia, vendem-se charutos a 3 e
5,ooo rs. a caixa : responde-se
pela qualidade.
I'arelo a 5,000 rs. a
------!''^>a
a 1,500rs.; pescocinhosde fll de linho ,
2,000 rs.; sspatosde dursque, a 800 rs'
bolitas bengalas pira* rspsziada de bom
gosto 'ditas para velhos ; encerado j.rs
mesas de jantar, com 4, 5 e 6 palmos de lar
Hura jarros com bacas de porcellana pite
lavatorios, vende-se a dinheiro a vista, na.
da de fiado.
Vendem-se, para liquidsglo, chapeos
de palha e esleirs ditas do Aracatv, pr
preto commodo: na rus da Cadeia do ne
el fe, n. 9.,
Para guarnicoes de salas.
Vendem-se, na ra Nova, n. 2, airas di
matriz, ricos candieiros de cora ; ditos de
corda ; ditos de bomba ; ricas lanterns de
casquioha inglezs ; ditas de pe de vidio.
ricos jsrros de porcellana dourada para lio!
res naturaes ; mangas para casticaesj'ian-
ternssdep de casquioha, pelo diminu
preco de 10,000 r*. o par.
Vende-se urna blanca com o seu oorn-
ptente braco ero muito bom estado : na
ra da Cadeia, n. 9, confronte so thetro de
S.-Francisco.
Xa loja de seis portas
enfrente ds igreja de N; S. do l.ivramento
vendem-se chitas, a 130,140,160, tto e so
rs. o covado, e muito linas, a 240 rs.; algo-
dio monstro para toalhas e lencoes, a 800
rs. ; chales de chita para meninas, a 900 rs
alpaca de algodo para palitos, a 160 rs.
covado ; franklim prelo, a 480 rs.; sarja da
lia com duas larguras, a 800 rs. o covsdo
alpaca prela, i 640 rs. o covado ; e lodaa >s
mais fazendas porprefo a convidara trocar
cdulas para enroupar familia.
$
a Turca.
Chegaram gs muilo procurados cor-
tes de tspete para sapatos, tendo eran-"*
variedade. de goslos: vendem-se na
loja do sobrado amarello, nos qualro-,
cantos da ra do Queimado, n. 29
O 9+ftt*
Pechincha
para os amadores da sania
economa.
Urna porclo de finas cassss, francezas de
4 palmse meio de largura, de listras azuet
e encarnadas, com flores de todas.as cores,
gostos muilo bonitos e modernos : estas
cassas foram arrematadas em leillo, por is-
s'i se vendem pela metade de seu valor, di-
nheiro a vists, a 940 rs. es Ja usa covado:
na ra do Crespo, n. 14, loja de Jos Fran-
cisco Dias.
Vende-se a taberna da travessa do
Queimado. n. 5, com pouCc-s fundos, e quo
he muitoafreguezada: a tratar na mesn
taberna.
Vcndem-se 6 cadeiras da Jacaranda, a
moderna, urna escada da mesma madeira,
para subir em cama ; duas mesas de janlar,
usadas: na ra da Cadeia do llecife, n. 23.
Vendem-se 4 apolicos do thealro de
Apollo, por preto commodo : na ra di
Cadeia do llecife, ns. 12 e 14.
CUbcs da Kussia.
Exisle a venda um completo sortimento
ile cabos de linho da Kussia de 1 at 5
meia pollegadas de grossura, por menos
preto do que em nutra qualquer parte : na
ra da Cruz, no llecife, n. 13.
i
Escravos Fugidos.
sacca,
e o melhor que tem vindo a este mercado .-
na ra da Madre-de-Dos, armazem de Vi-
cente Ferreira da Costa.
fff Vendem-se cortes de caltas decase'J
Jmiras de cores, padroes modernos, a2
^4,000 ;s. o corte: na loja do sobrado?
^amarello dos quatro-Cantos da ra do^
jkQueimado, n. 29 m
eAAks
-- Vende-se um bonito molt quo peca, de
18 anuos ; urna bonita eacrava de 90 anuos,
com habilidades: na ra do Itange I,
ii. 57.
Vende-se um bonito moleque de 20
anuos, que cozinha o diario de urna rass,
pelo preto de 370,000 rs. : lodos os dias de
meio-da em diante: na ra larga do Roza-
rlo, n. 48, primeiro andar.
Fugio, no dia 28, o preto Joaquim, de
nato, do 20 anuos pouco mais ou menos,
de corpo regular ; tem os denles todos pe -
gurossos, e um signal de queiuiadura as
rostas do tamaito de urna mo, sem bar-
ba ; levou camisa e caltas de algodo risca-
do azul: quem o pegar leve-o-as Cinco-pun-
tas, ra Imperial, n. 31, que ser gratifi-
cado.
^ .,..... %.*. ....i.uu., JIUI (.IIHIIIIO-
do preco a fallar com Anlouio
Joaquim Vidal & C.
Vendem-se 162 oilavas de prala e 7 di-
tas de ouro de lei: tudo em obras velhas :
na ra da Cadeia do llecife, loja de nuu-
dezas, n. 5.
--Vende-se sal de pedrs, a 1,600 rs. o
algoei/e da medida velha : na ra Imperial,
n. 220. Sal de salgar eouros, a 1,000 rs. ;
diiodapedra.a 1,600ra. : na ra do Mon-
dego, o 19.
Conliaua-se a vender bos manleiga, a
400 rs.; che, a 2,000 rs. ; toucinho do San-
toa. 100 rs. ; dito le Lisboa, a 940 rs. re-
vada, a 80 rs. ; caf moido, a 200 rs ; velas
de espermacete de 6 em libra, a 720 ra.; di-
tas de carnauba de 6 c 8 em libra, a 390 rs.;
arroz do MaranhSo, a 70 rs. a libra ; cai-
xOes de doce <1e geiaba, a 600 e 1,000 rs
I uH-iii u so venue psra lora d_
na ra do Rango), n 38, segundo
capital
andar.
Xa ra Nova, n. 2, atrs
da nial i i/..
receheir-se um sortimento de encerados pin-
tados, proprios para mesas de janlar, por
serem de 4, 5 e 6 palmos de Isrgura ; man-
gas par* caslicaes; chapeos do seda para
homem ; ditos de Manilha caima da India
verdadeira, que urna faz duas bengalas;
lentos de cambraia de linho; candieiros pa-
ra sais ; ditos de cords ; lentos de seds, a
1,000, 2,000 e9,400 rs. ; frasees de agua de
Colonia, a 2, 4 e 6,000 rs.; agoa para lin
gir Cabellos; rspelhos pequeos, a 2.000
is.; chapeos de palha par, senhora ; sapu-
les de couro de lustro, a 6,700 rs.; sapa-
lusde uiarroquiti, a 1,500 rs. ; ditos .le
lustro, 2,000 l*.; botina gaspeados paia.
. pardo
Pira caltis, a 1,400 rs.; ditos de qusdros
miudus, muilo booitus, a I.Ooo rs.; rlsca-l ln| & Irm&O. na
do monstro, 210 rs. o covado; ciies de chi-
. ,.,..i, Bu9u scoiiiiu, a 3,500 rs. ;
atualhida entrantado com 7 palmos e meio
de largura, a 800 rs. a vara.
Vende-se oleo de linhata, em botijas e
em librss : no pateo do Terto, n. 7, ta-
berna.
Nao pode haver mais barato.
Vende-se supeiior chocolate, recente-
mente chegado de LisbOa ; cevada muito
nova ; cha propriamente de 8. P hysson,
perola, aljfar e uehim : tudo por preco
commodo: no armazem da esquina, de-
fronte do guindaste, de Francisco Das Fer-
reira.
- Vende-se um prete ds Costa, de boni-
ta figura, muilo boa quitsnlielra e compra-
deira ; sem vicios nem achaques: o moti-
vo porque si vende Se dir ao comprador :
na ruadcllort.s, n. fio.
qut-ijos, a 1,500 rs. fejio mulatioho novo, (senhora, 5,000 rs.; ditos de cOres para
a 400 rs. acuia; dito preto, a 390 ra.: no I meninas, a 4,000 re. ; pelles de couro de
piteo do Carmo, n. 9, venda nova. Ilustro francez.
~ Vertde-e urna prt moca, sem vicios l
nem molestias, o que se allanta, a qual co- I
vinha o diario de urna casa, cose soflrivel- I
mente, engomma, e he boa enaaboadeira
defronte da ribeira do puixe, o. 3.
> a loja de Fe nanties da
ra do
i.ivimenlo, n. ni,
vendem-se chitas finas, s 160 r. o covado;
ditas prctaa de lustro,Ja 180 rs. ; petas de
algodo com 20 varas, a 2,700 rs. ; ditas de
niadapollo, a 3, 3,400 e 4,000 rs. ; brim de
cor para calcas, a 260 rs o covado ; alpaca
decOr moilo lina, a 260 rs. o covado; sl-
godlo azul para roupa de prelos, a 200 rs. o
covado Cliiu roza de cOr fiza, a 160 rs ;
panno de linho muito lino, a 360 rs. a vara;
riscado monslro muito largo, 240 rs. :
curtes d cassa-chila, fazenda muito fina, a
2,600 rs. ; ditos da cambraia, a 4,000 rs. ;
briui trancado branco muilo lino, a 280 rs.
u covado ; e oulras mullas fszendas por
preto muito commodo.
Vendem-se duas esersvas da Costa, de
bonitas figuras, eunm deltas tem urna cria
de ma is de um anuo : na Tiavessa do Veras,
u. 15, ua Boa-Viats.
A. totombier, na ra
jNova, n. J,
Vendem-se lencos de seda, a1,006 n.; ditos
OO^OOO.
Fugiram de bordo do brigue
Sem-Par, vindo do Kio-de-Janei-
ro, dous escravos, sendo um de
nome Sabino, de cor parda, esta-
tura regular, de ao nnnoa pouco
mais ou menos ; levou calcas e
camisa azues, e bonete encarnado:
o outro de nome Kuzebio, criou-
lo, de a4 Alies poucc mais ou
menos, estatura alia; levou cairas,
camisa e bonete azues. Koga-se as
autoridades policiaes ecapilesde
campo, que os apprebendam e le-
vem-nos ruado Trapiche, n. 34
casa de Novaes & Companhia, que
recompnsala.
Futcio, no da 25 dejunho, o preto An-
tonio, C'ioulo, de trinta e tantos anuos
pouco mais ou. menos tem as pernea finas,
testa de cantos ; tem fulla de um ou dous
denles ds frente do lado anterior ; levou
ca|Cas de casemira cor a caf ja usada, ca-
misa de algodo azul e chapeo de pello pre-
lo : quem pegar leve-o ao itecife, no
Forte-do-Mallos, travessa daMadre-de-Oeos,
1, quesera gratificado.
Fugio, do engenho novo do Cabo, no
da 07 di ionhr um nr.'l.i ..a;.! nfllMi I
de carpina', de nome i.uii dos Santos, de 21
anno, alto, corpo regular, orelhas peque-
as, as mos e ps bastantes grandes, ni
tem barba ; he bastante carrancudo : quem
o pegar leve-o ao dilo engenho, que ser
recompensado.
-- Fugio, do engenho novo do Cabo, h
dous mezes pouco mais ou menos, una
prela crioula, donme Anca, de 18 annos,
alia, magra, com os beitos grossos, nsriz
pequeo, chato e com ss venias erregaca-
Jss; foi vista para as bandaa da Muribeca,
no engenho l'eiiauduba e ueste Itecife:
quema pegar leve-a ao dito engenho, que
aera recompensado.
Fugio, do engenho novo do Cabo, des-
de Janeiro do correle anau, o moleque Be-
nedicto, croulo,cuui principios de carrei-
ro, alio, nariz bistaittc chalo, com falta dn
diit,^ na frente, ps grandes : quemo pa-
gar leve-i)ao dilo engolillo, que ser re-
comoajartarto.
I
?
'san.: ha ro. n *. r. ai f.bu 1860.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ES7N4ME2A_ZUGSNS INGEST_TIME 2013-04-24T17:10:36Z PACKAGE AA00011611_07500
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES