Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07436


This item is only available as the following downloads:


Full Text
s
*
A MI O \X\li Ll 1I7
Por 5 inr-zes adiantadoi 4o*000.
Por 3 mezes vencido 4 ,$500.
01 ARTA FEIRA 16 DE JILIIO DE .85.
Por antro adiantado ISfOOO.
Porte franco para o subscriptor.
DIARIO DE
I. M.Aill.Kt, AliON DA Nl'P.v l'.ll'i. VI.' NO NORTK
Parahiba, o Sr. Cervario V. da Natividad* s, Natal, o Sr. Joa
quim I. Pereira Jnior; Aracaty. o Sr. A. de Lemos Braga
Ceari, o Sr. J. Jote di Olivein ; Maranbao, o 8r. Joaquim Mar-
quea Rodriguei; Piauhj, o Sr. Domingo! Hereulano Peoa
Curea*; Car, o Sr. JuitinianoJ. Bamoi,'Amazona!,sSr. Jero
i.vmo da roita.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Illin.li : i.,,- din.
1. >.lli-sli. I.mi.iim..... I'
a. \in... ii,..,,., u,
". I-..ir.-i...,. I>.-,| \||,
reir, I loro*, Vfite-Hella,
I...),... ||.,,M-t. SlYlllli
l'.i,.. :.l, ...,. \..,i ,,,
a- O c Bala horas dn ,li.i.
inhiba : xa gmu leitaa-fearaa.
.c.l ,i...iru, Mi,ni.....I.aranhan> : na lerra-l-ira.
... .V./.r.il,. I.un,,,-ir,,. Hr..|,,. |V,.,u.:ii i'. /n.M-
l'.o,.-\i.i.,.Oiiri,ii.; t.i : ... uuarla.-l.ira-
-a. nio-roraoM, uaa, hn-atroa, Air*Mi-Preu
i.-..- -l.-.r..-.
.......- '-tl-n-Wll
AUDIENCIAS DOS TIUHL'XAES DA CAPITAL
Tribunal do commercio quartai t tabbadoi.
Relacoo : tercai-feirai a labbadoi.
Fazenda : quartaa a labbadoa ai 10 horai.
Juizo do commercio : aegundaa ai 10 borai e quiulai ao meio-dia
Juizo da orphaoa .- legunda quinU ai 10 horaa.
Primeira Tarado civei leguoda leitai ao meio-dia.
Segunda rara do civel: quarua a aabbadoa ao meio-dia.
PABTI QFWCIAL
OOVERNO SA PHOVIVCIA.
Expedienta la 9 ate la.
OllicioAo Exm. cunselheiro presidente da re-
lar;3o, iolei'ando-n de haver o joiz municipal do
termo do Pao d'Alho participado, que mandara en-
trar loso em exerciciu do oflicto de primeira label-
hAo de olas, escriv.in de crlme, civel e residuos,
e privativo de orph is daquella termo, ao rulada..
Ignacio Gomes de Sooza, cojo requerimeulo (oi
l'avnravelmente deferido pela presidencia.
DitoAo marechal comroandinle dai armas, in-
teirando-o de baver autonsauu a thesouraria de fa
zenda a levar em coala a importancia do dficit em
que se acha o 9. batalhao de infamara para cora u
hospital regiroenlal.
DitoAo menino, remetiendo por copia o ofli-
cio do subdelegado do primeiro dislricto da fregue-
guia de Nazaretb, do qual consta o dia em que foi
preso o desertor do 9. batalhao de infanlariu Jos
Sabino de An Ira le.
DitoAo mesino, para ministrar a declaracao que
requisita o inspector da thesouraria de fazenda. uo
olcio que remelle, jcompaohado dos documentos
relativos ao pagamento das torragens de que deve
ser lodemnisado o capitao Francisco Antonio de Sou-
l Camisao.
DitoAo niesmo, dizendo ficar iDleirado de ha-
ver sido nomeado o capitilo Jns Angelo de Ma-
raes Reg, para rcnder lio cummando da fortaleza
'le Taraandar ao mejor Antonio AfTonsc Viauna,
que loi retirado de semelh.nile exercicioComino
uicou-se i thesouraria de fazenda.
DitoAo chefe de polica.O director do arse-
nal de guerra e inspector do de marinha represen-
taran! sobre os inconveniente de se couservar nos
referidos arsenaes a Africana livre de Dome Maria.
que por incorngivel loi mandada retirar do culle-
gio dos orphSos.
Cu upre que, senito houver alguma razao forte
em contrario, enlenda-se V. S. ero o director do
arsenal de guerra, e, depois de preenchidaa as for-
malidades legaes, a taca recolher casa de deten-
cao, onde ella poder ser empregada em lavar rou-
pa, ou em oulros trabalh.isadequad..e a seu iexu.
e donde resulte economa e vaiitagem para fazen-
da publica. Mediante o rgimen austero daquelle
estabelecimenlo, lalvez se possa cmi-esoir a corree-
cao da mencionada Africana, sobra a qual convem
haver a mais cuidadosa vigilancia.
DitoAo misen, inleiraiido-o de haver Irans-
Mullido a lliesourarl- provincial, para serem pagas,
eslandoooa termos legaes, as cuntas que 8. S. reinet-
leu das despena fulas nos mezes de abril a juulio
desle anuo, coro o ostento dos presos pobres da-
cadalas do Bonito e Cmaro.
DitoAo inspector da thesouraria de fa/.eoda,
corarauoicaudo que, segundo constou de parlicipa-
co da secrelaria do ministerio da juslica de lii de
juulio ultimo, se cour;edeu ao padre Dmaso de As-
samp(8o Pires, vicario collado da freguezia da Fa-
zenda Grande, um anno de licen;a com a respectiva
congrua para tratar de aun saude.Fizeram-se as
oecessarias commonieacoes.
DitoAo niesmo, recommendando a expedir^o
de suai orden*, para que na alfandega desta ddade
se consiata no despacho, isenlo de direilos, de :l'.l
harneas com cernen tu. vindasjno brigue trance/ Bel-
lem, pura as obras do mellioramenlo do porlo.--
Commuuicou-se ao iospeclor do arsenal de ma-
rinha.
DitoAo commandaule da estacio naval, decla-
raodo qua ja le cha conclu la desinfeccao e iiin-
jiez.a do brigue de guerra Ca/jianeUe y fwk
pode ser rec Ihida a elle a respectiva guaruico.
DitoAo mesmo, dizemlo ficar inteirado dos mo-
tivos porque deixon de ser recebido a bordo de um
dos navios ta e-taro sol seu cummando, o preso
Francisco dasClu^s Duarle de liveira, conhecnlo
por Chico-macho, e declarando que nada lem por
ora a aeretcentar, ao que ja eipoz verlulmeute a
S. S- acerca de quanlu occorreu a tal respeilu, c do
que de futuro cumpre faxer.
KiloAo mesmo, recommendando que mande
desembarcar com guia e apreseutar ao chefe de po-
lica, afim de ser posto em liberdade, no caso de
nao ler eommellido crimes, o recruU de marinha
Jorge Antonio de- Almeida.OQiciou-se neste sen-
tido ao referido chefe.
DitoAo director do arsenal de guerra, dizendo
ficar inteirado de haver Smc. contratado com o
me.ir do hiato nacional .lugeticd, a condaeco dos
nbjectos que existem uaquelle arsenal, com eslino
as provincias do Kio Grande do .Norte e Cear ; e
reroelletido os oftictos em que se solicita dus Eims.
(.resilientes das referidas provincias a expedicilu das
conveuieotes ordena, ptra serem pagus uellns'us fre-
tei correspondentes aos mencionados ubjectos.-Fi-
zeram-se os ofticiosde que se trata.
DitoAo cominandaule superior da guarda na-
, rional Jos municipios de Ulmda e Iguarass.__
Achaudo-se anida incompleto o quadrn dos olllciaes
la guarda nacional ilesse municipio, visto que uo
liraram mas patentes no devido lempo os indivi luos
cotislanles da relatan inclusa, assignada pelo secre-
tario da provincia, e devendo esta presidencia para
poder terminar i offtaoisaQao dos corpoi ler pleno
conhecimenlo dos .motivos porque laes individuus
delxaram de as solicitar dentro do prazo marcado
no arl. 77 do decreto n. 72 de 2"i de oulubro de
1850 ; compre, que V. S. informe com urgencia,
se laes fallas procedern) de causas indepeudeiilet
da vonlade dos nomeado*. Para islo recommeudo
que V. S.,ouvindooa respectivos commandanles, me
declare as razes que houver favor de cada oin
dos uieocionados individuos, cujos documentos e
allegares serio Irazidus ao meu conhecimeiilu, pa-
ra que, vista delles eu me resolva a conceder urna
prorogacSo razoavel do prazo aos que merecerem, e
a considerar sein effeito a Hornear,-io dos que por
uegtigeucia n.Vi liverem cumpridu o preceilo do ci-
tado decreto.
Oulro >im, convm que V. S. me remella com a
possivel brevidnde urna relacAo ilos ufllciaes sob seu
cummando superior, que ainda se nao apresentaram
lardados e promptos para o servico dentro do praz i
determinado no artigo 90 do decreto n. 1354 de ti
de abril de t85i, especificando os motivos ecircums-
tauciai que a semelhante respeilu occorreram, alim
de que o governo, aprecianto-as, possa deliberar co-
mo fr justo. Neste sentido ofliciou-se a lodos os
commaudanles superiores dj guarda uacional da pro-
KPIIEMERIDES DO JUEZ DE .11 1.11*1
2 La novaai7 horas. 11 minutos.4H segundosda manba.
10 Quarto crescente ai 7 horas 2 minutos e 48seguudoi da rn.
17 La cheia ai 2 horas, 12 minuioi t 48 legundoi da tarde.
14 Quartomiuguante aoi 42 minutse 48 segundo! da larde.
I'IIEWIAII HE MOJE.
I Primeira as 4 horas a 3 I minuloi da tarda.
Segunda as 4 horas e 34 minutos di manhaa.
DAS DA SEMANA.
14 Segunda. S. Hnmenlura b. r'ird. dout. serfico.
15 Terca. S. Caimito de Lelil fundador S. Henrique imperador.
16 Iguaria. Nossa Senhora do Carnio. Triumpho da S. Cruz.
17 Quinta S. Marinha v. S. Aleixo. : Ss. Victoriano. Lalancio.
18 Sesla. S Rutilo b. : Ss. Frederico. Materno, e Arnulfo Bb.
If Babbado. S. Vicente de Paula fundador das I. da C. enf.
20 Domingo. S. Jernimo Emiliano : S. Elias profeta.
Dito -- Ao commandaute do corpo de polica, n-
rumme- dando que fac apreseutar cora luda a hre-
vidade ao juiz municipal da primeira vara desle ter-
mo, urna praca daquelle corpo, afim de levar preca
lorias as uslicas da Escada e SafiaMeai. Com-
mnnicou-se ao relendu juiz.
Dito Ao mesmo, para mandar augmentar com
mais qoatro praca o destacamento da fresuezia dus
Afogados, e isso for cumpativel com o estado da-
quelle corpa. Commuucou-se ao chefe de po-
lica.
Dito Au mesmo, declarando haver transmilli-
do i iliesunraria provincial para ser paga, estando
nos termos legan, a folha que S. me. remellen da
despeta fela no mez de juuho ullirac com o susten-
to dos done calcetas empresados no servido da liru-
peta e asseio do quartel daquelle corpo.
Dito Ao meimo, recommendaudo a expedirn
de suas orden., para que as pracas do corpo seu
cumulando cnadjuvem aos fsraes quando por ells
forem chamadas para fazer, nSo sn obstar o escn-
dalo de banlinrem-se algumas pessoas margem do
rio em tocares pblicos, como tambem impedir as
ca reirs que se d3o a cavado pela ras da ciJade,
alropelando ou maltratando os individuos que por
ellas transitam.Cominunicou-se ao chefe de po-
lica.
Dito .yo director das obras publicas, para que,
com brevidade, faca proceder aos concerlos deque
precisan) as lorneiras do deposito d'agoa das prises
do casa de dele.....o. loleiruu-se ao chefe de po-
lica.
litio -- Ao mesmo, concedendo a aulorisaciio que
pedio para preeucher provisoriamente os lugares va-
go* ele conservadores de e-Irada-, hIc que seja ar-
rematada a conservado das mesmas. Commuoi-
cou-se thesouraria provincial.
Dito Ao Dr. Ignacio Firmo Xavier, declaran-
do que reconimendra i thesouraria de fazenda que,
vista da couta que S. roe. remellen, pague a quan-
tia de ln> ... que se de-pendeu com o ilacaal do
carro, que por oilo vezes cotuluzio a commissilo en-
carregada do exame do hospital regirocntal.
Dito -- Ao provedor da saide do porto, dizemlo
que, i vista do que ponderou o iuspector rio arse-
nal marinha, nao pude a reparlipto da saide ser
col locada uo torreando mesmo arsenal; cumprin-
do, entretanto, que S. me. cunlinuo a procurar lu-
nar apnrnpnailo para nelle e>tabelecer-se a men-
cionada reparticao, eutendeiido-se com o predilo ins-
pector, que lem rerommendacao para o auxiliar ues-
se einuenho. Olliciou-'e nesle senlido ao refe-
rido inspeclur.
Dito Ao presidente do conselho administrativo
do patrimonio dos orphaos. l'rndo eu aceitado
urna represenlaeao theatral que querem dar Koberl
e Deveaux em beneficio dus erphloe que fizera o
cholera, recomiiwndei aos mesmas Kobert e Deveaux
que entregassem os respectivos bilhetes a Vmc. para
dispor delles de moco que rendam u mais que for
possivel, enviando-o* i.s pessoas a quero conv.er, e
deixando o preco a sua generosidade.
Dito Ao tliesouren } das loteras da provincia,
recommendando que, depende lerem corrido as lo-
teras de que tratara os olTn.-a da presidencia da 1%
de abril, lie|7demaio, e IH de junho de.le anno,
laca extrahir urna parle das lolerias seguidles : ,\0s-
sa Senhora do Guadelupe, Ordem Tare-
m>, Senhor dos Mnrlvrios e San Mi
reros.
Dito Ao mesmo, remetiendo co.
pruvinciacs ns. :I90 e 393, promulgadas no
a.......alim deque, visla dellas e das ouir.
anieriorcs, nraaiise urna tabella das loteras da pro-
vincia na frrna indicada pelo ar|,iio i.- do reirula- ,
,:,...:. nr Ti dV^arrro-Jj 18.il, leudo ero considera- I
cao o-que se Ihe recommeiflou em oflicios de 'I4. 1
abril, lie 17 de maio, ISriefunlio, eo desla Uta."'
Dito A' Jns da Maia, aecusando recebiu*o o
ollicio em que S. me. declara qual o auxilio que de-
seja receber do goveruo com relacao as machinas
que houver de montar para descampar aleodito, e
declarando em resposta, que a faculdade concedida
ao jovtrno a respeilu de senielhaule idijeclo, uo pii-
de ex.-fdrr M con.lcoes determinadas nn.l, e
3 1I0 artigo .">8 da le do orcamenlo vigente.
Portara Demillindu a Manoel Caldas Brrelo
do lugar de administrador da obra da casa de de-
lenrilo.l'i/erain-se as necessarias rommunicacOrs.
Dita Concedendo ao arrematante do 18.- lnco
da eslra la da Victoria, Amaro Fernandes allr,
Ires mezes de prorogarao para a conclusao das obras
do seu contrato.Expediram-se as uecessarias cotn-
municai;6es.
Seituuda seccao. -- Circolir. Palacio do soverno
de Pernamhiicu, !l de julho de 1856. Cnmpre que
V. S. remeta regularmente a esta presidencia as 111-
lormaciie-, inappas e relaees a que se referem os 5
II, la e 13 do artigo I.- do decreto u. 1334 de da
abril de I8.i.
De s guarde V. S. Sr. commandanle
rior da guarda nacional domonicipio de...
_lllni. e Exm. Sr. Tenho a honra de remoller a
V. Eir. as inclusas demonslrarcs dos saldos exis-
tentes lias diflerentes raxas a cargo do Ihesoureiro
desla thesouraria 110dia IJ do correte.
Dos guarde a V. Exr. Thesouraria provincial de
Pernamhuco 11 de julho de I86.lllm. e Exm. Sr
cunselheiro Sergio Teixeira de Macedo, presdanle
desla provincia.O inspector, Jos' Pedro da tica
Deinoiistraccao do saldo existente na caixa especiai
de amorli-aeo do capital e juros das apolices, que
furem emillirias em 12 de julho de I86.
Saldo em 110 de juuho p. .
EXCARHECADOS DA SUBSCIUPCAO NO SEL.
Alagoai.o Sr. 1 laudmo Falcao Din Babia o Sr. u. Dupnl
Rio de Jmeiro.oSr. Joao Perein Mirlim.
EM PERXAMUICO.
O proprietario do tu A Rio Manoel Figoeiroa da Tiria, na sua
livrana, praca da Independencia ni. 8 a 8.
Receila de I a 12 do corr.
llespeza idera.....
Saldo. .
Em cubre......
Ein olas ... ...
IOGfK6
69000
h:828s00ll
6:0ii5(KK)
701000
(:8:ISHKI
6:8315000
Demoiislracao do saldo exislenle na caixa especial
da ponte do Kecife era 12 de jolho de 1856.
Saldu em :U> dejuuho p.
""""o......%OI7|M6
Receila de I a ,"> do corr. 5
Despoza idem.........
Saldo.........
Em cobre...... 1060986
" mas...... 7:6118000
9:0173986
t: 30051HX)
7:7175986
----------------7:I75986
Demonstracao do saldo exislenle na caixa especial
do calramento das ras desta cidade err) 12 de
julho de 1856.
Saldo em 30 de juuho p.
findo.......1:1865099
Receila de 1 a 12 do corr. 269120
Dcspeza dem ....
Saldo.........
Em cobre...... 190-5519
nulas......f:OaV4000
:2I2.>I!I
2:0005000
2:2I23>I!f
1:2155I9
Demonstracao do saldo exislenle na caixa de dep-
sitos em 12 de julho de 1856.
Saldo em 30 de junho p.
findo.
Receila de 1 a 12 do corr.
Despe/.a idem ....
Saldo. .
Em cobre.....
letras. % .
u aeces da companiis.
241:5089876
50:0005000
291:5083*76
50:0009000
2W:.j0t876
191:5089876
50:0005000
211:5085876
Demnnslracan do saldo existente na caixa do exerci-
cio de 1855 a 1836 em 12 de julho de 1856.
Saldo na 30 de juuho p.
lindo.......235:5239171
Receila de I a 12 do corr. 16:1255189
----------------281:6183163
Dcspeza idem.........115:2979116
Saldo.
Em cobre.
i nulas.
893217
. 136:2629000
136:3513247
136:3513217
Demonstracao do saldo existente na caixa do exerci-
cm de 1856 1857, em 12 de julho de 1855.
101:8979095
Receila do I' a 12 do crranle.
Despeza idem.
58:8835021
Saldo
Elll cohrc.
13:OI3>-|
13171
13:0129000
---------------- 43:0139.71
EITESO.
a cargo das potencias tiao representadas na presente
negoriacAo.
U delegado da Dinamarca declara que he perfei-
lameute entendido, que as potencias que adherirn)
as propostas qut Ibes foram feilas nao lento seuao
evenlualmenle responsaveis pela quota parle que
cahe a Garfa de cada urna dellas como isso he indi-
cado na repartirlo cima.
O deleitado de S. M. o imperador de todas as Rus-
sias rennva a adhesjo do gabinete imperial ja por
elle eipressa na conferencia de 2 de fevereiro, ao
priucipio de resgate e ao molo de repartiera pro-
posto paln governo dinamarquez. O delegado do
imperador declara ao mesmo lempo que o gabinete
imperial comente em contribuir para o resxale dos
direiios do Sniid.i com .1 (jimia parte que calle a car-
eo da Rossia. segundo a reparticao cima indicada,
com tanto que todas as potencias representadas na
presente negociacao coosiulam de sua parle em acei-
lar as mesmas comilones para o resgale dos direiloi
do Sunda.
0 delegado da Dinamarca aceila esta reserva, de-
clarando que ella se acha couforme aus designios de
seu proprio governo. .,
O delegado de S. M. o re da Soecia e Noruega
declara que seu governo aceila as proposlas do go-
verno dinaidarquez, lano a respeilo do principio do
resgale como a respeilo da summa da iiideiiiiudade
reclamada pela Dinamarca.
Os delegados da Kus*ia e Suecin fazem observar
que o modo de pagamento das diversas quillas parles
deve ser objeclo de uina negociacilo especial entre a
Dinamarca de urna parle e cada urna das potencias
contraanles da outra ; alies remeltem pois para urna
1 >01 venco psrticular a fixacao do modo e das pocas
de pagamento da quota parte que fica a cargo da
Rossia e da Sueci.i.
(1 delegado da Dinamarca da' a sua arihesAo a esta
observarlo.
Finalmente tendo feilo observar o ine*mo deleua-
dn.que a negociacao aclualarhava-se temporariamen-
te embarazada por urna divergencia de opiuian so
lirevui la entre o g. verno dinamarquez e o de S. M.
britnica ; que conseguinte-nente os trabalhos da
conferencia relativos aos direilos podem ticar sus-
pensos por om lempo longo, cuja durarn fie impos-
sivel determinar, o delegaduda Russia "declara que a
adhesilo do governo imperial as propostas dinaroar-
quezas, laes quaes foram determinadas cima, con-
servara' toda sua forra al que o gabinete de Cope-
nhague venha por si mesmo declarar que a nrgocia-
can esta' rola e que retira as propostas que fizera.
O delegado da Dinamarca, depois de ler expreso a
satisfarn com que toma nota desta declaraco, tendo
declarado o delegado da Sueeia e Noruesa que eslava
convencido de que seria autorisado a fazer urna de-
claraco iaual logo que (ivesse recebido as iuslruc-
coes que nao linham podido ser-lhe dadas de anle-
mn, puls que o calo nao for previsto, cnsenle em
que o prsenle protocolo liqoe aberlo para receber a
adhesilo eventual dos oulros governos que Iralam
com a Dinamarca para ler om regulamenlo definiti-
vo da queslAo do Sunda e dos Rells.
Feilo em Copenhague aus 9 de maio de 18511.
(Assignaoos) Bluhme, Tcnsoborski, l.auerhein.
Journal de> Dtliats.)
Ira, ,1 do Cano, lia de Irazer urna grande vexac.no; 1 leadores ; e lida a acia da anterior, foi approvado
eu mesmo n3o sei com laes vexames como ainda | o expediente.
pode haver nesla cidade casa de IOO3 ou 2005 ao O Si. 1. secretorio leu um olli.io do Sr. miiiislro
ez, porque a vexacao dos proprielarios Ir.iz neces-
al lmeme a vexacao dos iiiquiliuos.
do imperio remoliendo a'copia da acta da eieicSo
de dous senadores a que se procedeu na villa de Mi-
Anle-hontem li no Jornal urna postura da ama- as do Rio de Coillas, provincia da Baha, para pre-
ra municipal, approvada pelo governo Ella pos- enrlierem as vagas deixadas no senado pelos Srs.
lura creio que foi presentada ha oous annos, e esta senadores viscondes da Pedra Branca e de Caravel-
demora prava a resistencia e pouca vonlade do m-' las. A' secretaria.
verno, e he natural que lossem laes as solieilaces | Leu-se, e [al a imprimir 110 Jornal que publica as
que o uoverno nao pude deixar de a approvar. scsses do leado, o srguinle
Esla postura prohibe a edificacao de predios ou PARECER.
.1 repararao de frentes de casas sem que se aprsenle .. A commissao de f.i/en la, a quem foi remedida
urna plaa da obraqoe se vai fazer ; e nessa mes-I a copiado decreto de 20 de agosto dn anno passado,
na poslora se diz que isso he para saber se a obra pelo qual o governu imperial concedeu a pen..lo de
lem de ficar cuuforme com a. casas que ja esto fei-, 1-8005 viuva do fallecido conselhelro de eslado
tas segundo o padrAo da carnara. | visconde de Caravellas, considerando a importancia
Ora. Sr. presidente, jakexislem tantas exigencias da dos servicos prestados ao paiz peto referido Canselhet-
6,
cmara municipal, o que tero concorrido para a alia
dos alusueis, que eu uo sei como no Riu de Janei-
ro ainda ha casas para a pobreza. Ero um anno
quer-se calca.1. de cinco palmos, ero oulro quer-se
de seis, em uulro de oilo, en) oulros canos para des-
viar as aeuas das goleiras, e islo custa unmeusu di-
nlieiru aos proprietarios.
Se a cmara diz na postuia a que me refiro. que
nesta cidade ha casas edificadas secundo n seu pa-
ro, e atlendendo demais que ogovernono ttaia fei-
lo a dita viuva tal ra.....j em haver previamente
verificado que nao pode ella viver decentemente com
os recursos que lem, he de parecer que entre em dis-
cussn, e seja approvada secunde resolticao:
r A assemblca geral resolve :
a Arliuo onico. Fica approvada a peusAo de
1:81109 coucedida por decreto de 20 de agosto de
1855, a viscondessa de Caravellas, em remunerarlo,
arao, cnulurir.e a planta da mesma cmara, para que dos servisoos prestados por seu fallecido marido o
exige ella plaa ".' I>an seria melhor que eslahele- | conselheiro de eslado visroude do mesmo ululo; rc-
cesse as dirnensoes, 00 que cscolhesse entre essas ca- voRariaa para este lim as disposooes em contrario,
sas urna que servisse de padrJo ou planta I Esla ex- o Paro do senado, em 29 de maio de 1856.__V. de
igencia de una planta a lodo* os que quizerem eJi-
ficar, alem de morosidade, aao irara' urna despeza
que bem e pone dispensar!' Na sera isto abrir a
porta ao patrimonio ? (lu ralo lera o prnprielano de gastar IOO9 20O9 para poder obler essa planta, quan-1 throiio.
do ella nao agradar uu nao satisfizer as fantasas de i Nao havendo casa fienu adiada a discusaSo. O Sr.
ilaborabx.J. I-. Vianna.M. de branles, a
ORDEM DO DIA.
Conlinuou a uKima discussao adiada pela hura na
falla do
IITEaiQR.
supe-
fiido.
Receila de I a12docor.
1:7919988
10:(JOU90<)0
Despeza dem .
11:7915988
5
Saldo
11:7915988
Demouslraoao do saldo exislenle na caixa espe'ial
das apolices em ti de julho de 1856.
Saldo em 30 de junho p.
, 'i1"'0.......153::l0a300
Receila de I a 12 do corr. 5
.. ----------------153:3009000
Despeza dem....... -
Don
OS CASMENTOS de pars.
Poa Edmundo Abot.
QUARTO.
Gorgeon. .
II
Durante qualro mezes, Paulina nao recebeu noti-
cias do marido, u qual foi procurado ate no rio. O
publico lameniou-o ; seos papis foram distribuidos
a oulros. A roulher chorou-o siueerameule ; pois
nao cessira de ama-lo. Conservou sua porta fecha-
da a todos, reenviou com horror o bracelete do mar-
quez, e repellio todas as consolac,f>es dos homens.
Deteslava ua casquilharia, e dizia arrancando os ca-
bellos : Malei meu pobre Gorgeon.
Pelo lim de setembro espalhou-se o boato de que
(orgeon 11.10 moriera, e que fazia as delicias da
Russia. '
O palito estar vivo.' disse comsiao a viuva
inconsolavet. Se he verdade que passa bem, e que
faz-roe chorar sera razao, cerlamenle ha de pagar
iniuhas lagrimas.
Ella leniou nr ; porm a dor foi mais forte, e lu-
do acabou por um augmento de pranlo.
Oilo das depois, um amigo anonymn, que au era
nulro seno Mr. de Kerpr), enviou Ih o arligo se-
-umie corlado do Diario d San-PtUrtburgo,
" A 6|18 de selembro, em preseuo.i da corle, e
diante de bnlhanle reunia.r, o rival de Sainvillc o
de Alcde Tousez, o celebre tiorgeon, eslreou no
Ihealro Michel ua Sirurde Jocnue. Seu successo foi
completo, e o joven trnsfuga do Palai* Rival foi cu-
mulado de appl tusos, de ramalheles e de brindes de
toda a sorle. Com mais urna ou duas acquilicea se-
raelh.-inlet no>so Ihealru, ja l 1 ren, nao lera i.ual
na Europa, liorgcon est contratado a razAo de qoa-
tro mil rublos de prata dezeseis mil francos^ e uin
beneficio por anno. Sua mulla, que alias he insig-
nificante, sera paga pela caixa dos Ihealro- im-
periaes.
Paulina uo rhorou mais : a linda viuva enlrava
na categoria das mulheres abandonadas. Torio* em
Paral concordarain em l.iMirna-la, e era censurar o
marido, ir l.m anno depois do casamento deixar
C) Vida Diario o. 161.
Sa|do.....153:3003000
raunsliaoAo do saldo eSslenle na caixa especial
das.lotera em 1'-> de julho de 1856.
Saldo em 30 de juuho p.
"nuo.......6:7979331
urna mulher adoravel, que nunca Ihe dera motivo
de queixa abandona-la a si meima na idade de dez-
oilo anuos E sem razAo, sem pretexto, em um dia
decapricJjo! i)ae desculpa poilia allegar? O eiu-
m Pa/ulma era um modelo das mullieres ; atra-
**Mirg (odas as seduceftes sem perder urna peona
de suas azas braucas. w
Para accresrenlar o ultimo Iraro ao quadro nao
falloo quem dissesie que Gorseon abandonara a rou-
lher sem recursos : como se ella nio recebesse qui-
ndenios francos por mez no Palais Roval! O mari-
do deixra-lbe lodo o diuheiro que linha. e urna
bella mohilia, da qual ella vendeu una parle, quan-
do mudou-se para o quarto andar de urna casa da
ra da Fontaine Moliere.
Iniiindia viva compaixao a todos os homens, prin-
cipalmente a Mr. de kerpry e aos seus vizinhns da
orcheslra ; mas uo cousenlio que nenhum fos menla-la em seu domicilio. Viva so com orna pri-
ma de sua idade. que Ihe servia de cozinheira c de
camarista. Seu pai de pouco loe servia, porque era
amigo do copo. No seu retiro, ella consumta-se em
projectos inuteis e re-ulucnes contradictorias. Ora
quera vender ludn o que possuia, embarcar-se para
Sa|n Pelersburgo, e laucar-se nos bracos do marido;
ofa ochava mais justo e mais conjugal ir arrancar-
Ihe os olbos. Depois mudava de parecer, quera fi-
car em Pars, dac o exemplo de todas as virtudes, e
merecer o iiome de l'enelope do Palais Roval. Sua
imagioac,o aconselhou-lhe outras loucuras, porm
ella desprezou-as lo ..
Puuco lempo depois Gorgeon escreveu-lhe urna
caria cheia de ternura. Sua colera eslava applacada.
elle 11A0 linha mais vista seus rivaes, via as cousas
razoavelmente, perdoava e pedia perdAo, chamava a
mulher para a sua companhia, alranrara-lhe um lu-
gar em seu Ihealro. Por infelicidade essas paiavras
de pizehegaram em um n omento, em que Paulina
rodeada de Ires amigas aleava seu odio contra o ma-
rido. Eda queiumu a carta sem Ir la. Gorgeon, que
esperava resposla nlfen leu-se, e nao escreveu mais,
Em novembro o resentimento de Paulina inanlido
pelas amigas, eslava anda em toda a sua forra. I m
da, as onze huras, ella veslia-se para ir a orna re-
peticAo. Sua prima sahira deixando a porta aberla.
Paulina lirava o ultimo papelote, quaudo voltou-se
dando um grito de suslo. Vira no rspelho um ho-
roemzinho mu feio, envollo em urna pellica de ra-
posa.
-- Ouem he Vine.'.' que quer .' Relire-se! N'Ao
ha assim que se entra... Mana! ciiloo ella lu pre-
cipila lamenle, que suas paiavras cahiam timas so-
bre as unirs.
- NAo amo-a, \ me. uo me agrada, responden o
homemzioho visivelmeule emhararado.
Eeaamo-o: Rtitra-sa!
it*)!ocnlo da dispoii;o diuamarqueza para o resbale
tos'direilos do Sonda, a que adhenram os gover-
nos da Russia, da Saecia, e do gran ducado de
Oldemburgo.
Tendo o e verno de S. M. o imperador de todas
as Ku'sias e o de S. M. o rei da Sueeia e Noruega,
adherido S^ajajoposlas feilas pelo governo de S. M. o
rei da DinaniarSveUilivanicnle ao rescate, medan-
le iuileinnisacAo, doTMireitus do Sunda e dos Bells.
os deleitados dos ditos acibranos como tambem 11
delegado da Dinamarca para'a uegoc irao dos direi-
los, concordaran) em fazer uina declararAo pelo pr-
senle protocolo, indicando os riifTerenles pontos que
por essa negociacAo tem sido convenciouados. Bem
qui o uoverno de S. A. R. o gran duque de Oldem-
bumo lenha (ambem adherido as dilas proposlas, o
delegado de S. A. R. para a negociacao relativa aos
direilos au pude lomar parlo nesle acto por se
adiar ausente de Copenhague. O delegado de S.
M. diuamarqueza, recapitulando as proposlas que
lizera as conferencias de 1 de Janeiro e 2 de feve-
reiro do corrente auno, formula-as da maneira se-
gunde
A Dinamarca renuncia aos direilos do Sunda e dos
Bells medanle urna coiu.ensacAo de 35 milhoes de
n vale- 173,600,000 francos ) com asseguiules con-
dieces:
;A 0 ressale devera ser feto por todas as poten-
cias interessadas no commercio e navegacAo do Sun-
da e dos Belts. Para que a aholio.m dos riireitoiipo-M
tornar-se obligatoria, o resgale devera ser admiti-
do |>or todas as potencias representadas na presente
nesociarAo, reservando a Dinamarca para se tratar
separad-mente com as potencias nao representadas.
II A dita somraa de 33 millies de rixdales sera
considerada como urna compeusacAo dos direilos de
navegacAo e carga. Os direilos de navegacAo serao
regulados segundo o pavilbao : os direilos de caria
sera repartidos metade sobre as mercadorias im-
portadas e metade sobre as raercadoiias exportadas
palo Sunda uu pelos Bells.
A parto proporciunal que, segundo a taboa apre-
senlada na conferencia de 2 de fevereiro, cada po-
tencia representada devera pagar, sera garantida a
Dinamarca de modo que Ihe parera satisfactorio.
Na conferencia de 1 de Janeiro passado achavam-
se presentes os delegados da Austria, Blgica. Dina-
marca. Franca. Gr3a Bretanha, Hespanha, Hullaii-
da. Prussa, Russia. Sueeia e Noruega.
Na conferencia de 2 de fevereiro, iudependeute
RIO DE JANEIRO.
SENADO.
SESSA'O EM 28 DE MAIO DE 1856.
Presidencia do Sr. Manoel Ignacio Cacalcanti de
l.acerda.
A's II horas da manha, reunidos 29 Srs. sena-
dores, abri-se a sessAo, foi lida e approvada a acia
de 23, 21, 26 e 27 do corrente mez.
O Sr. !. Secretario deo conla do seguale expe-
diente:
Dulci do Sr. ministro do imperio, remllenlo
Ires aulographos sanecionados das resolucoes da as-
semblca geral de 19 do correule, que aloriiam o
governo a conceder caria de nalorausaco de cida-
dao brasileiro a varios estraugeiros.Fcou o sena-
do inteirado. e mandou-se participar cmara dos
depuladus.
Do Sr. |. secretario da cmara dos depuladus,
enviando urna propo-irau da mesma cmara que p-
prova o privilegio exclusivo coucedido por decreto
de 3 de I vereiru de 1855 a Francisco Antonio Pe-
reira Rocha, para eslabelecer no porto da capital da
provincia da Babia urna cale a'h*ler.--\ imprimir,
nAo o estando.
Do mesmo, acompanhando a seguinte proposicAo:
u A assembla saral legislativa resolve :
ir Arl. nnaCO. O goveruo he autorisaJo a mandar
psssar carta de oaturalisacAn de cidadAo brasileiro a
Joto Ebeling e Guilheime Ewans, residente na ca-
pital da provincia da Baha, a Pedro Guilherme
Mayer, residente nesla corte; a Luiz Francisco de
Carvalho, residente na cidade de Campoi, provincia
do Rio de Janeiro; a Joaquim Avilez, meslre do
vapor Reci/e; revogadas para este lim as disposices
eiu contrario.
Paro da cantara dos deputados, em 23 de maio
de 1M56. Viscoode de Baependy, presidente.
Francisco de Paula "Cundido, 1.-secretario.JoAo
Wilkens de Mallos, 2.- secretorio.
Do mesmo, participando que a cmara dos depu-
ladus adoplou 3 vai dirigir a sancrAo imperial a re-
solucAo enviada do senado, aolrisando o governo
por lempo de um anno a transferir de uos para ou-
lros corpos e armas do exercito os officiaes subalter-
nos. Ficou o senado interdo.
Do Sr. senador barAo de Muritiba, communicaiido
algum Miguel Angelo '!! alcui das dillicaldades da
lieeoca, eardaacjfo e outras cousas mais;
Sr. presidente, existe oulra postura a cerca do
Irahalho livre. O Sr. ministro da fazenda preten-
de propor o augmento da laxa sobre os escravus das I
presidente deu para ordem da da a mesma de hoje,
l.evau(ou-sc a sesso as 2'.j horas da larde.
27 dejuuho.
. Crculos eleiloraes. Consta-nos que os 12 circu-
cidades, medida rom que concordo, porque he urna us eleiloraes da corle e provincia do Rio de Jauei-
prnleccao que se da' agricultura, desviando das
cidades urna escravalura, cuja malar parle se desti-
na ao luxo das casa; mas a cmara municipal tem
se acham di\i lidns da maneira seguinte.
larra,
I. circulo,
urna postura iuversa a esse petisaineulo do governo. j Sania Rila, Paqnet, Ilh.i do Govemador, Sacra- delicia, quando chega maia"'
1 o esta postura os esclavos que Irabalham de alu- menlu, e Santo Antonio.
o Sr. Dr. F. Oclaviano .
o Sr. Dr. Joao de Almeida Pereira ;
/. o Sr. ranielheiro Pedreira ;
8. o Sr. Dr. Jeronymo Jos Teixeira ;
9. o Sr. Joaqnim Jos Teixeira l.eile ;
10. o Sr. Jos Joaquim de Limae Silva ;
11. oSr. conselheiro Salles Torres-Homem ;
12. 11 o Sr. Visconde de Baependv.
lornal do Commercio do Rio .
CORRUSPOXDEXCIA DO DIARIO DE
PERXAMBI CO.
PlAUHV.
\ a lenca 11 de fevereiro.
No dia 26 do passado escrevi-lhe, lallando-lhe
sobre as eleices provinciaes e geraes que lerAo lu-
gar este annoaquellas brevemente, e ai ultimas,
como sabe, nos fina do ultimo semestre;dando-lhe
as poacasie insulsas oceurrencias derradeiri,! depois
da mioha epstola de entrada de annoi,e apresen-
lando-lhe a cnapa dos deputados, provinciaes, con-
feccionada pelos saquaremas em Therezioa iob os
auspicios do chefe desse partido. Mas essa carta
nAo seguio para suas mAos; porque, quando, s 1
horas da larde, mandei-a para a recommeodavel a-
gencia, ja eslava fechada a mala, e o encarrega-
do della nAo se querendo dar aomui grande e pe-
noso trab.lho de a abrir, satisfez-se com vollar as
Carlas, dando ao portador um retalho de papel com
estas paiavras de sua prepria letra : Volla, por a
mala a estar fechada !
c Ora,|esle proceder lie tanto maiseulpavel.q'uanto he
erto que nAo existe regularidade na partida do es-
lafeta daqui para a capital, pois que smenle se diz
1/1 roce, que sAo os das II a 96 da cada mez os des-
tinados para as partidas, sendo que al em 14 e 29
ha elle part lo.--e que menos anda designou-ie a
hora em que deve a mala estar lechada, porque,
terminada esta Draguen) teria de es-rever para ler o
desgoslo de ficar com cartas iuuliliadai.
Tambem nAo sei que birra lem lomado a admiuis-
IracAo do correio em conservar na agencia do mesmo
nesla villa a esse Sr., homem mu velho c tremolo,
e quem lem sempre muito servico ero seu sitio, uo
qual com eleito, n encontraran,'sendo esla a razio
le, mulla vez, lardar a dislribuicao da correspon-
Prelo, Cebla-
uel nesla c-dade sAo obrigados a tjrar liceuca, e as
pessoas livres sao, alera da liceuca, ubrigadas a dar !
fiador. Ira' islo de accordo com o pensamenlo do
governo '.' e sera' islo proteger o Irahalho livre'.'
Existo oulra postura, Sr. presidente, que lamben)
vai de eocunlro ao procedimenlu do goveruo. O Sr.
ministro da juslica facililuu os passaportes aos es-
Irangeiros, creio mesmo que o eslrangeiro que enlra
no paiz sem pasiaporle he admiuid, salvu as inda- b\, Manca.
gaznes ; pois essa postura dispie que todo o eslran-
geiro que chegar a este municipio sera' Conduzido
pelo inspector de quarteirAo 11 auloridade policial
alim de apreseutar o seu pasiaporle; pouco mais ou
menos a disposirAo he esla, de que nAo eslou bem
lembrado.
Portanto, julgo que as posturas da cmara munici-
pal da corte devem ser revistas por urna commssAo
do.senado; e acho que a commissAo de legislaban
lalvez seja a mais propria para rever essas posturas,
e propor caa a reforma riaquellas que jnlgar con-
trarias a' cousliluicAo ou aos inleresses pblicos.
Nesle sentido maudarei um requerimeulo 011 in-
dicara (nao sei o que he, V. Ese. classificar.V cuuiu
for de juslica.
\eio a mesa e foi apoiada a scguinle 111 liOarJe;
Requeiro que a commissao de legislacAo reveja
as posturas da cmara municipal desla corle e pru-
poana a revogacao daquellasque, 00 forem eaalra-
rias i constiluicAn. uu aos inleresses publicoi.1>,
a II.--Paco do senado, 27 de maio de 185ti.--Daulas..
ORDEM DO DIA.
Conlinuou a 2.a discussAo adiada do projecto da
resposta falla do Ihrono.
A' I hora e um quarto da larde, veriticando-se nao
haver cas, firou a-discussao adiada.
OSr. Presidente dea para ordem do dia a mes-
ma de hoje, e levanlou a sessAo.
Nos das 26 e 27 nao houve sessao.
29
Presidencia do Sr. Manuel Iguacio Cavalcanli de
, (Lcenla.
-\s i0 ,lori's e 3|( d< manhai, eslando jiresenles
30 Srs. senadores, abrio-se a sesso, e lida a acia da
anterior foi approvada.
EXPEDIENTE.
loi remedido a comim.sao de legislarlo um re-
queriraenlo de Francisco de Carvalho. uascido em
lorlugal, iiedindo ser naluralisado eidadao brasi-
leiro.
Leu-se e ficou sobre a mesa o seguinle parecer :
te Candido Jua de Araujo Vianna, oflicial da se-
cretaria do senado, requer, por motivos de doenra,
comprovada com documento digno de f, a concs-
to de urna licenja para rclirar-se temporariamen-
te da-ala cidade. alim de poder tralar de sua saude.
A commissao da mesa, a' quem foi remedido
este requerimentu. considerando o fundadu em jus-
lica, be de parecer que se conceda a licenca pedida
pelo lempo da aaaaia actual.
E como seja 1 .ll-ci I o porleiro do paco do se-
nado, Rodrigo Antonio Soares Lima, propo'e a' me
sa por esta occasiao par o referido lugar de porlei-
ro, o continuo Jos Martina Vianna, que o lem exer-
Odo inlcrinainenle desde o anno de 18.52 ; assira co-
mo para o de continuo do salao o guarda Agoslnho
lercira da Cunha, que tem desde entao substituido
as respectivas funcees o continuo ora proposlu pa-
ra o lugar de porleiro.
Paco do senado, em 29 de maio de 1856. M.
2. circolo.
Candelaria, S. Jos. Gloria, Lsgaa, e Jacarcpagua
3. circulo.
Sania Anna. Engenlm Velho, lnhaiima, I raja,
Campo Grandd. luaraliba. Sania Cruz.
ProtiHcin.
4. circulo.
Nilharohy, S. Goaealo, laypu', Ilabanhy, Tam-
5. circulo.
Cabo-l-'rio, Saquarema. Araruaraa. Aldeia, Capi-
xary, Conenlezas, Rio Bonito, Boa Esperanca.
6. circulo.
Campos. Guarulhos, S. Goncalo, S. JoAo do Bar-
ra, Oiiissaman. S. Fideiis, Sania Rila, S. Sebas-
liAo.
7. circulu.
t'.anlagallo. Macah, Carapchus, Barra de S. Joao,
Neves. Sania Rila. S. Francisco de Paula, Carmo,
Santa Marii Magdalena, Aldeia de S. Pedro, Santo
Antonio de Padua, Friburgo. Paquequer.
8. circnlo.
Mag, Suruhv. Guapy.. Apparecida, Santo Anto-
nio de Su, Boa-Morle, Saula Anua, Estrella, Pilar,
Guia, Pelropolis.
'.1. airela.
Crea que fallo despulo de qnalquer resentimento
ou m vonlade, pois que ate nAo desgoito delle, a
quem respeit como anciAo.
Tencionei escrever-lhe exlensamente; porm, ha-
vendo adoecido ha 5 dias, e leudo ido peior,
apenas pude estender estas grossas linhas. em qua
dou as trilles noticias minhas e algamas novidndes
desle torrAn.
Ja sabe Vmc. que eslou doente.e esta nova ha
desagradavel para om amigo, quftl Vmc. de de mim;
nas enxugoe as lagrimas, e reviila-se desta paci-
encia, cojo madelo nos deu J. COristo do alto da San-
la Cruz.
E o qoe Ihe dirai desle Piauhy 1Encerrado nes-
la villa, nao tendo noticias, senAo mu lrdias, dos
mais pontos da provincia-e essas mesmas debaixo
qoilate,--vejo-roe circomscriplo a fallar-lbe lio a,i-
menle deite lugar, que esla sem navidades. Desde o
principio de Janeiro p. p. lemos lido muita chova,
as quaes segando sou informado, lijo sido geraes ua
provincia.
A salobridade publica timbea vai sem alterarlo
em lodos os pontos.
Os generosoomestiveis hao astado escassus e Ciros:
em Thereiina morm*nle, onde a qnarta de farinha
lera-se ven luto de 19800 a
>9 Nesla villa lem-se
vendido a quarta de arroz em casca a 39200 r ou
Vasanarai, Sacra Familia, Paly, Paraluha, Bio | 160 r. por cada prto : E.... etc., etc.
qoe por justa causa deixara' de comparecer por al-I'- Gavalcanli de l.acerda, presidente.J. da S.
guns das s sessies.Ficuu o senado inleiradu. Mafra. primeiro secrelano. M. S. M. Valasques,
Requerimeulo da contraria deNossa Senhora da
I i.onsoiaro e S. JoAo Baplsla da freguezia de Sania
mente e dos delegado, cima Horneados, ac'hava-seT, I disoeTsi8 **"" "^ S' P"U'' Pe,I''0
delegado do S. A. R. o gran duque de Oldemburgo.
O delegndo de S. M. diuamarqueza reitera a de-
cl'aracAo ja feila n< 1 elle na couferencia de 2 de fe-
vereiro. que teguui o as ordens precisas que recebera
de seu governo, a imma cima indicada he o mi-
ninum da indemnilade que a Dinamarca er tero
diretlo de pedir pe a abolirn dos direilos. ( Segu
una laboa que iod ca a quota parle qne cada poten-
cia a Hireme a prkppsta dever.i pagar.)
O excedente da pommadesaas quolas parles repre-
sentado por urna sbmina de 3,3117,221 rixdales, fica
Nao amo-a, senhora, Vmc. nao me...
Inslenlo : reiire-se, do contrario gritarei, lan-
car-me-hei pela janella I
O homem/.inhu erguen Irislcmeule as mAos, c res-
pondeu com voz sopplicaote :
Perdoe-me, eu nao queria ollende-la. Corri
cem lei-oas para propor-lhe urna' coosa ; diego de
San-I'elersburgo ; fallo mal o francez ; preparei o
qoe havia de dizer-lhe, mas Vmc. intimidnu-me de
lal maneira...
Assenlou-se, e passou um leovo de cambraia pela
fronte calva. Paulina aproveilou esse momento para
tomar um chale.
Senhora. lornou o homem, nao amo-a... dea-
culpe-me, e nao se enclense mais. Seu marido pre-
gou-me urna peca infame. Sou o principe Vasili-
kof, lenho um milhao de renda ; mas perlenco ape-
nas a deciraa-quarla classe da nobreza, porque nun-
ca serv.
Isso me he indilferente.
Bem o sei ; mas tiuha preparado o que havia
de dizer-lhe, e... permitla-me que continu. A se-
nhora sabe qoe nao sou bello, neni moco ; alctn dis-
to adianlando-me era idade contrahi ceos hbitos,
ou antes certas manas, pelas quaes mula gente pro-
cura ridicularisar-me. Isso 11A0 impedio me de amar
una moca mui linda, de boa familia e de pedi-la em
casamento. Os pais tinham-me aceitado por causa
da imuha riqueza, e Volga ellachama-se Volga, es-
lava prestes a con-entii, quaodo seu marido leve a
idea infernal de...
De casar com ella '.'
NAo. mas de fazer minha caricatura em scena,
recreaiidu I ida a cidade minha cusa. Meu casa-
mento baldnu-se. Uepois da primeira represenlaeao
foi despedido, depois da segunda Volga toi proml -
lida um curonel da Finlandia, que nein possue cem
libras de renda.
Que mais".'
Resolv vingarj-me de Gorgeon, e se a senhora
quizer ajudar-me, sea fortuna estar feila. N'Ao a-
mn-a. po'loque Vm*. seja mui linda ; nenhuma mu-
lher pode agradar-m a excepcao de Volga. As pro-
p islas que lenho de a/.er-lhe lo perfeilaineute hn-
ralas, e rogo Ihe qlie nao se admire de que sejam
um tanto extraordinarias. Ouer ir i San Pelersbur-
go emexcellenle seg( de posta .' Achara na praca do
Palacio Michel, a cei a passus do Ihealro, urna habi-
tadlo magnifica, que me perlence, e que Ihe dou.
Os lervos sau mougii bj meus, que Ihe ohedecero
cegamenle. 0 inordo no e o iuleudenle sao I-ranee-
re- ; Vmc. piule leva coinsigo urna camarista e urna
pe.-ni de couipanliia lera dllas i-.ii 111 agu- as su ,.
ordena. No Ihealro al iguei-lhe ura proscenio da pri-
meira ordem. Para as deipezai de sua casa, meu
intetideute Ihe dar lodoi os mezes a suuim.i que
das leis de amorlizarAo para adqnirtr em
baa movis ou immoveia al a quanlia de 200:0009.
A' cniiuii.-au de ligislacAo.
O Sr. Dantas : Sr. presidente, lenho de man-
dar i mesa um requerimentu ou indn-ac.1 ; V. Exc.
el i-siiicir.i como for de juslica.
Decerlo lempo para ca acamara municipal da
corle tem lomado laes medidas, tem feilo laes pos-
tores, que lem emperreado e lomado difticil a edifi-
carao nesta cidade; islo, em um lempo em qoe toi
necessario para a conslruccio da estrada de Ierro
derribar urna ra inleira, e lem-se de derribar ou-
Vmo. Ihe indicar emfim, na vespera dn dia. em que
Vmc. deixar Pars, entregare! ao seu notario um ca-
ptol Uo consideravel quanlu ihe aprouver. Nao fal-
lo de urna bagaiella de cincoenta ou sessenla mil
francos; porm de duzeutosnu Irezentos mil francos.
Paulina Uvera o lempo de serenar-se. Cruzou os
bracos, encarou seu siogular interlocutor, c dis-
se-lhe :
Meu charo, por qoem me loma sua senhoria?
Por orna mulher honesto e indignamente u-
bandonada, que tem mil razoes para vingar-se do
marido.
Ha alguma verdade no que o senhor diz ; mas,
se eu m vingasse de Gorgeon, fa-lo-hia houcsla-
meule, < nao tomara socio.
Senhora, permita que eu Ihe torne a dizer
com rscp de desagradar-lhe, que nao amo-a, porm
respeiloia muito, e lenho-a por pessoa honesta. Es-
1 ------------- r r~.~.~.. ..V..ES,D,
no lamliem o carcter de seu marido, posto que
elle me leoha tratado cruelmente. Se o jolgasse in-
diilerenle a sua honra, procurara outra vingaiioa.
Ki>-.qiii o que solicito de Vmc. em Iroca de urna
fortuna segura. NAo se assusle anteoipadamenle.
Vmc. nao me deve nem amor, ero araizade, nem
reronliecimeiiio. Promellerei pela minha honra nao
por os pl enj sua casa. Nunca sabirenins Ijuntos, e
\ me. lera plena liberdhde ; recebera a quem qoi-
zer, sem, exceptuar seu marido. S" o que Ihe peco
he um legar a seu lado no camarote era oito repr-
senlaroei. Gorgeon fez a curte rir minha costa ;
queru agora oe-forrar-rae.
Paulina contiena asss o humor altivo do marido
para saber que lal vinganoa seria cruel. Cuidou
as consequeucias lerriveis. que dahi poderam re-
sultar.
Vossa senhoria he louco, dsse ella ao princi-
pe ; nao lem tantos outros meios de puuir meu
marido? Ser-lhe-hia dillicil euvia-lo por dous ou
tres mezes i Siberia?
Difliciliinu. Aqui era Franca minia gente tem
preronceitos sobre a Siberia. Demais, apezar do meu
titulo e da minha riqueza, nAo sou persouagem de
zer-lhe sAo perfeilaineute hot- inlluenciB, pnrqoe nunca strvi.
. Paulina reileclio alguus minutos, e de|iois lornou :
Em duas paiavras, ei; o negocio que u se-
nhor me prope : a riqueza pelo preco de minha re-
putarlo '
NAO tenho nenhum interesie em difmala.
Vmc. lera o direilo de publicar em lodo o lempo
segundo secretario. Jos Marlins da Cruz Jo'bim,'
lerceiro secretario-----Jos Joaquim Feruandes Tor-
res, quarto secretario.
ORDEM DO DIA.
Conlinuou a ultima discussao, adiada na sessao an-
tecedente, do projecto de resposla a' ralla do Ihrono.
Dada a hura ficou a liada a discussao.
O Sr. presidente deu para ordem do dia a mesma
de hoje.
Levanton-se a sessao fa 2 t|2 horas da larde.
30
Presidencia do Sr. Manoel Iguacio Cavalcanli de
l.acerda.
As II horas da manhaa. depois de feila a chama-
da, abrio-se a essao, achando-se presentes 30 Srs.
deixolhe a libertada de dizer a todos : he urna co-
media.
A discussao proloogoo-se 'al a volta de Maria.
Paulina pedio lempo para deliberar, e o negocio foi
epacado por oilo dias. Nessa inlervallo as amigas
nconselhararo-lhe unnimemente que aceitasse o uf-
ferecimenlo do principe. Urnas rigosijavaro-se de
ve-la partir, outras tolgavaro de ve-la compmroelli-
da. Represenlararo-lhe as Tallas imperdoaves do ma-
rido, as delicias da vinganoa, a siugularidade de om
papel lAo novo, e o lucru que dahi resultara. Ella
ouvio com dislrarcao, c como quem cuidava em ou-
lra cousa. Explique quem quizer as extravagancias
do coracao hrninino Que pensaran) os leilores.
e eu Ibes dissesse que ella aceitou essas propostas
absurdas, e cousenlio nessa desgraoada viagem, por
que morria de desejo de turnar a ver o marido "
Valonea, lpiabas, Riu Bonito.
10. circulu.
Barra Mrnsa, Qaily, tnsario. Amparo, Espirito
Santo, lie/.01 lo. Campo Bello, Tocos, S. Vicente
Ferrer.
II. circulo.
Ilaguaht, Bsnanal, S. Pedro e S. Pauto. S. Joao
do Principe, Passa Tres, Iguassu', Marapicu' Jaco-
liga, Menlv, Kio Claro, Capivary.
12. circulu.
Angia, Ilha Grande, Mamburaba, Ribeira, Para-
ly, Maugaratiha, HacurUssu.

Circuios eleiloraes. Na publicacao que honlem
lizemus das freguezias da provincia do Rio de Ja-
neiro ha algumas lacinias que passamos a preeucher.
1." circulo vNil'ierohy.
S. Lourenco, Conceirao da Vargem, Curdeiro
creada por lei .
5. circulo Cabo Fri .
S. Vieenle de Panla.
N. B. A Aldeia he a Aldeia de S. Pedro.
6. circulo 'Campos).
Caranjola ;2. dislricto de Garulhos Birra Secca,
VallAo dus Veados.
N. B. A freguezia 'Al lea, he a da Pedra.
7.a circulo Canlagallo).
S. SebasliAo, ConceicAo de Macab.
N. II. A freguezia de Santa Rita, he a do Rio
Negro.
8." circolo Mag).
Santo Anlonio de Paqoequer T'heresopolis .
N. B. A i'reguez a de Guapv he a de Guapxme-
rim ; a Estrella he a Ireguezia'de Inbomerim.'
9." circulo S-.suur.i-.
Sanio Anlonio da Encruzilhada, Conceioao de
Bemposla, Sania Theresa, Santa Isabel do Rio
Preto.
10. circulo i'Barra Mansa.
S. Joaquim, Sanio Antonio da Vargem Grande,
Pirah>, Arrozal, Dores, S. Jos do Turvo, Santa
Cruz dos Mendes.
N. B. Quals he a Ireguezia do Rosario ; Tocoi a
00 Bom Jess do KibeirAu de Santa Anua.
11. circulo Tlaguahy).
S. Jus da Cacaria, Santo Antonio das Palmeiras.
N. U. A freguezia de Crpivary he a de Sanio Au-
Ionio de Capivarx ; em S. Joao" do Principe a fre-
guezia da mi la he S. Joao Marcos.
12. circolo Aggra .
Conceioao de Paraty-merim.
Candidatos.Diz-se qoe pela corla e provincia
do Rio de Janeiro se apresenlarao os seguintes can-
didalo* a depulacao geral :
I circulo o Sr. conselheiro Sergio Teixeira de Ma-
cedo.
2. i> o Sr. Dr. Joao Manoel Pereira da Silva ;
3. a o Sr. cunselheiro Silva Prannos ;
o Sr. Dr. Candido Borges Monleiro ;
Se eo melhorar breare, Ihe escrevere largamente,
Irataudo das eleiees provinciaes, do actual presi-
dente, d* a.si luida le e louvavel zelo do Dr. Jos
Lora da Silva Moora com qne desempenha seos de-
veres como promotor aclual desla comarca; a mais
colisas, que tora enfadonho ennunciar, mesmo cou-
cedido que eu quizesse terminar esla com um indico
das materias da segointe caria.No maii, adeos de
seu amigo.
C.
FEMAH10C0.
.
era meu soccorro Melleu no envoltorio urna Ho-
rraba secca que tora conservada entre dous folhelos
de seu Molierc|:era|uina v tela branca de Fonlaine-
bleau. Infelizmente o homem que enlregou essa
carta a Gorgeon tiuha libr do principe VastlikoL
O actor imaginoo quea mulher escrevia-lhe para
affruuta-lo, e qaeimou todos esses rogos sem
la-lea.
De noile s 7 horas Paulina deixou se vestir como
una defunla. Esperava vagamenle que o princi-
pe lera piedade della, e que Ihe poupana sua com-
panhia ; mas quando apeou-se da carruajera diaule
do vestbulo vio-o chegar sollicilo e alegre, aeguio-o
varillando al o camarote, qual licava ao nivel do
hlado, e lancou-se em urna poltrona sem ver que
lodos linham os olhos filos sobre ella. O Ihealro es-
lava cheio : os Russos celebravam a tosa do Natal.
O que prova .pie era desu.leressada he que regei- A direcoao permute a quem aluga um camarote
It lis. rp/,.|llll lllll IrillKrn.' A., SttaaJ>aa..>a1_. \'_':a >. .." ^- m*
ASSEMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL.
Discursos dn Sr. Metra llenriques pronunciados
na sessao de 10 de junho de 1856.
O Sr. Meira llenriques : Sr. presidente, a ca-
sa sabe qne por me adiar ausente, s hoje tire a
honra de lomar asiento nella e por conseqoencia
nao posso estar esclarecido a respeilo das bases desle
contraa, que aprecia agora em terceira discussao,
entre tanto lenho motivos para duvidar da sua con-
veniencia e de suas vanlagcns. Consta-roa qoe ha
na casa dous reqoenmenlos de um pretndeme em
appoiicAu ao cunlralo que se discute, e em um dei-
les raquerimeulos, hoje oOerecido considerar,,
desla assaembla o pretenden!* minuciorameule ex-
pe as razOes pelas quaes prova evidentemente a in-
conveniencia e desvanlagens do contrato de que nos
nc -up.mus. Parecia-me pois, que sendo o contrato
de irande monta, lendo a provincia de despender
urna quanlia avullada, nao havia motivo para esse
acodamenlo, islo he, a casa nAo devia volar seuao
depois de bem esclarecida, depois de examinar as
diversas prelenee-, submelte-las ao parecer de urna
commissao,..
f.'m Sr. Depulado : Essa prelencAo, he om ma-
chiavelismo.
O Sr. .Weira Henriques! Eu nao posso laber
se o requerimento he ou nao machiaveliimo ,- sei,
que ha dous reqoerimenlos na caa em oppoiir,3o ao
contrato, e o qoe posso concloir dahi, he qne el-
le lem um ou oulro lado por onde pode r ferido,
e para aprecia-lo devidameole, he conveniente,
que esses requerimenlos sejam submettidoi a conii-
deracu da cnmiiii.san respectiva, qoe ella emit-
a o seo parecer, e apreciando os reqoerimenlos de
cu nhinaoao com o projecto em discosiio. se pro-
nuncie em favor do contrato 011 coaira olle.
Pens qoe a casa, querer inslruir-se, auim como
eu o desejo, nao s examinando o contrato, como
apreciando as razSes comidas nesses reqoerimenlos
em iippiisiou a elle, a cojo Irabalho nao me
pude prestar por estar ausente da proviocia.
I'm Sr. Depulado : E quem lexe colpa que o
nulire depulado chegasae hoje ?
O Sr. Meira Henriques : Nincoem leve cul-
pa, nem eu a tive tambero, mai eslou 00 meu di-
reilo quando exponho os unitivos que me par
tou os Irezentos mil francos do principe Vasilikof.
Fui preciso rogar-llie para faze-la aceilar os vestua-
rios brilhantes que eram por assim dizer proprios de
seu papel. Ella parlio no |. de dezembro em sege
de posta, com sua prima Alaria, e chegou a 15 em
um trem magnifico que liuha as armas do principe.
Dous ilias depois oiuguem ignorava essa grande no-
ticia, uem os Russos, nem os Francezes, nem Gor-
geon.
Paulina arrependia-sc de sua aceao. O empe-
nho da curiosidade publica fez-lhe r'elleclir. lodos
os liamens qoe ella via na ra linham a estatura .te
seu marido : sao semellianles todos os liuineus em-
budados ein capole de pellica.
O principe concedeu-lhe qoinze dias para sere-
nar-se, e ella leve depois mais urna semana, por
que Gorgeon ola represeolava. Lia os aununcios
de Ihealro como os condemnados sob o dominio do
Terror liara as lilras do algas. Nao gozara dos ves-
tidos, nem da casa, nem do luxo prodigioso que a
rodeava. Seu salao passava por uina da- roaravilhas
dn San Pelersburgo, e Paulina apenas reparou nelle.
O cocinheiro, um illu-dre Proveor;al que Vasilikof
lomara de um principe atipo da Allemauha, esgnlou
de balde os recursos de sua imaginaban : Paulina
ralo linha mais tome. Todava era uro tanto gulosa
quando ceiava com ornan lo ua hospedara de Douiv
uu do llunioii. A K de Janeiro ella timbe peto sanan-
ci que Ihe foi Irazido flue Gorgeoo representara
essa noile no mer de Madeton. Pareceu-lhe que
recebia urna punhalada no coiarau. (Juiz escrever
cumular lanas pe-soas quaolas elle pode plusica-
menle conter. O hemieyelo eslava jlitleralmrntc al-
catifado de cahecas, todas soltadas para o camarote
de Visilikof. nuan lo le\aiilnu- -e o panno, Paulina
ficou dislumbrada vendo diaule de si um ahvsmo
cheio de fogo.'c apoiou-se na balaustrada para nao
rali ir.
Gorgeon armara-se de coragem e de indiltoreuca.
Occultara sua pallidez debaixo do arrebique ; mas
esquecera-se .le Ungir os beiros : elles tornaram-se
lvidos. Foi assaz senhor de si para conservar a me-
moria, e desempenhouseu papel aleo lim. A repre-
senlaeao fui lempesloosa. O publico do Ihealro Mi-
chel enmpe-se de dous elementos bem distinclos : a
alta sorieda le russa qoe sabe o francez, e a colunia
franceza. Ua mais de seis mil Francezes em San Pe-
torsborgo, e lodos qoalquer que seja sea ollicio ou
prulissao, prnfessures, mercadores, cabelleireiros
Depois desias duas horriveis noiles, Paulina as-
suslada pelo silencio do marido supplieou ao prin-
cipe, que Ihe poupasse o resto. Gorgeon nao eslava
pundu '.' Vasilikof nao eitava assaz vingado '.'
O principe era fcil de conciliar: perdooa a Gor-
geon metade da pena, e decidi qoe depois de qoar-
luu espectculo Paulina teria a Itberdade de empre-
gar seu lempo como quizesse.
Sajamos justos, diise elle. Gorgeoo ridiculan-
soo-me oilo dias no scenario; porm as noiles como
estas tem duplicado valur. Dipois da qaarta a hon-
ra estar salisl'eila.
llavia-se de represenlar doos dias sueceisivos ama
comedia de Mr-. Xavier e Vario, luCo/are de Achu-
les. Achilles Pangolin he um Sgnoarello moderno
que er achar por toda a parle as pravas de soa des-
grana imaginaria. Todo para elle he bjeclo de
deaconfianca, de-deio miar do gato at ai inlerjeices
do papagaio. Se acha orna bengala em casa, juina
que foi esquecida por um rival, e quehra-a antes de
reronhecer que he sua. Esqueca-se do chapeo na
aulo-cmara da mulher; volla, acha-o, pisa-a, e
procura era lodos usjeaotos odono ido maldito cha-
peo. No exce*so de seu deseespero decide-se a aca-
llar com a vida, e carrega urna pistola para ana lim;
mas um escrpulo o relem Ouer deslroir-tas, po-
rm 010 quer fazer nial a si mesmo: a mora o at-
trahe, a dor o assusla. Para conciliar sea horror da
vida e u amor de sua propria pessoa poa-se dianle
de um espelho, e suicida-se em effigie.
Iji colere de chille leve om saccesno estrondoso
no ihealro Michel. Iod.- as paiavras arerlavam
Duas horas ante- da represenlaeao Gorgeoo recusa-
ra receber a visitada sua mulher.
Ilepresenlou a raiva ao natural. Infelizmente a
pistola do Ihealro era nina r.liquia veneravel ai-
cozmheiros sao apaixouados pelo Ihealro. Os (us.s Iralnda do armazem dos areessorius: raeulio foo.
po as. au principe para pelir-lhe misericordia; a pritt
eniidicuesde naam negocio. De iniulii parle promello 1 fui de parecer que mello ir ,eri.i escrever ao marido
juslihra-la o melhor que poder ; .alisfeil.i minha Ella mviou a I.orgeon ama carta lerna r suiplicu-
vmH.inca, recobrara ua rrpiilaoao. Ja v que vai le, ua qual retoria fielmente, ludo .. que se p,.,r,
aumente representa, um papel. Contrate a para 01-. Ir Nao se, que sei a de ni.m, dira terminando eXo
lo represenlacues por um preco, qoe nenhum di- $.., sem apoio, e sem conselho. No dia do uosso ca-
reclor de Ihealru jamis ollereceu a urna adora, a I smenlo promellesle proteger-meeajudar-me sem
MUTCSDCT
I nh.im admirado a vinganca de Vasilikof. e aquelles
meimns que haviam applaudidu soa caricatura dous
mezes antes, haviam-se tolla lo para o seu lado. Os
Francezes idolalravam 1i Gorgeon, a cobnram no de
afiplausos. Os Kussos respondern) com applausos
irania) balando palmas a lorlu e a direilo. Depois
que de-ceu o ponoa lomara ni a ohama-lo lo nldin
lmanlo, que elle fui obriga.lo a vollar. Paulina
eslava mais mora do que siva.
Nu da seguinie dava-se l.e Misanihropt el V ni
i'crgnat. Gorgeon fui verdaderamente admiravel
uo papel de Marhavoine. Brasseur nunca repre-
seutou melhor. Os francezes linham levado coras.
O-Russos lanouram-llie comas ridiculas. Ifm ga-
lllofiio grilou-lhe. Militas reriiuiuieudac.iaa a se-
uboia. i. Elle ohoi.iva de raiva quando vullou pa-
ra seu domicilia. Ah aohoa unu eafftl >te Paulina
hmida de lagrimas, i.ai.-uu .,- p., rasgou-t
em mil pedacos, e lauoou-a uu lugo.

Depois da representaran, quaudu o director de>-
culpava-se, ttorgeon dase Ihe :
Nao he nada ; lenho una pistola em casa, hei-
de trato la amanhAa.
Veio na nolis seguinle com urna pistola da 2 ca-
nos, arma verdadeiramenle bella, e disse ao director.
Eis-aqui ; se o primeiro Uro falhar, lecho o
segundo.
Represenlou com um gaz que nunca Uvera. Na
ultima scena em vez de aponlar para o espelho Tol-
ln o cano para a mulher c matou-a, depois sairi-
dou-secom o segundo Uro. O espectculo foi in-
terrumpido. Essa aventura eautou grande eraocan
em S. Pelersburgo. Fui o principo Vasilikof quem
ronlou-m'a.
O senhor er que esse Gnrgruii r r-ssa Paulina se
lu. em j-ado r ,1 ,..... disse-.ue elle le miuju-
do, his-ahi como *iou> l'aiiiseuir-.
FUI.
.


mmenles e cuucememes ao fira, que lenho em vis-
ta,sem que ninsueni roe pos centellar.
Prtenlo me pareca, que a provincia nada per-
da com es-a demora, que he pequea, al que
a comiiii.'.lu respectiva emlllsse o seu parecer so-
bre um requerimeuto, que me consta ler algum fun-
damcnlo. De mais, o contrato passou henlem em
segunda discus.ao, e sendo um objeclo imporlanle,
lu hoje aprsemelo em lerceira discussao cum dis-
pensa do intersliclo...
Um Sr. Depulado : Porque a manira da cas,
se jolgou esclarecida.
O Sr. Metra Henriqut Mas ed nao n elluu.
c ninguem me pode conleslar o direilo que lenho
em procurar o*elarecer-me, limilando-nio por ora
a requerer, que teja adiada a discusslo, al que a
commissao respectiva emilla o seu parecer sobre o
roerecimenlo dessa petizo que, coulra o projeelo,
ro hoje olleretida consideraeao da cas, c utsle
sentido maurio a mesa mu requerimenlo.
Um Sr. Depulado : F.sse requerimenlo de ho-
je, he urna segunda edicau de oulro, e ic nos demo
rar-mos ainda vira' lerceiro.
O Sr. Meira Henriques : Scnliores, eu Idilio
as raelhoresinlenecs a este rcspeilo. o que quero
he que se faja um coulralo o mais conienlaneo pos-
sivel com os interesses da provincia ; e por esla ra-
zio pero apenas um pequeuo sacrificio, urna
dilarao mui breve com a qual n.i se ollendem
de modo al^um os iuleresses ilaguelles quo ja lem a
seu favor o contrato, e o.projecto que o approva.
O Sr. Metra Henriques :Sr. presidente, so
como autor do requeriroeulo, que se aeha em dis-
cusiao ped eu a palavra, e usarci della':
O nobre depulado, que acabou de fallar em favor
do projeelo parecen eom efleito extrnnliar o meu re-
querimenlo, islo he, que eu exigisse um pequeo
adiamenlo a lim de que podesse osclarecer-me na
materia em discuso e volar com cinheciinenlode
causa. Eu limitto-me a dizer ao nohre depulado,
que no o fiz com o inluilo de desrespeilar a casa e
muilo menos de faier brnquedos....
O Sr. Francisco Joao :Pelo amor de Dos, fa-
ca-nre mais Justina.
O Sr. Meira Henriques : O nobre depulado
merece muilo mais.e he por islo qoe eu apeuas es-
te* explicando o meu procedimenlo.
O uobre depulado sabe, que hoje lomo sssenlo
na casa, sabe como acabou de diier, que o prniec-
to he imporlanle, e de summa gravidade, e de -min-
ino ioleresse par a provincia, sabe por cnnseguinle
que por isso mesmo lano mais esclarecidos deve-
nios estampara dar um vol consciencioso e no esta-
do em que me achava e me acho, declaro ao nobre
depulado que nao pono dar esse vol, porque nem
ao menos li anda o contrato. Temos nao menos de
15 das de sessao.
O Sr. Reg Barro' :Dez.
O Sr. Metra Henriques :Ou dez ; o projeelo
ja passou em segunda discussao, resla sulliciente
lempo para que passe em lerceira, sem que entre-
tanto o meo requerimenlo posia ofTerecer receio de
que elle fique por volar em consequencia do pouco
lempo que pusa restar.
Ora, alin das rszes, que apresentei para justi-
ficar o meu requerimenlo. lenho mesmo de con-
frontar o coulralo com a'lei que o aulorisou, ou
em virlude da qual o prndenle o celebrou. O no-
bre depulado enlroa na qui-i.i de direilo, a' as-
semblea podia ou 1UI0 appreciar o cntralo.
O Sr. Francisco ./cao :Apena loquei oella.
O Sr. Metra Henriques :Eo lambem au que-
ro cnlrar nes nos precedentes da casa, e se esta assemblea, leu-
do dado aa(nrisa(oes ao governo para fazer contra-
tos de urna importancia roinima em relaru ao que
se ada em discussao, lem sido elies sujeilos ao seu
eiame e dependentes de seu apoio, porque razao
nm contrato desla ordem sobre objeclo de lana
nagnilude deve oererer mvl'vo para urna excep-
to na praxc que ale hoje lem sido adoptada por
esta assemblea ?
O Sr. Francisco Joao :He preciso allender a
natureza da aulorisacao.
O Sr. Meira Henriques :l'erdoe o nobre de-
pulado, eu ja Uve a honra de ser memoro desta
casa na legislatura passada, c aqu se discuti por
mais de urna vez essa competencia, sendo ama dal-
las por oce.viao da ibscussao do regulamenlo do ce-
miterio, e entretanto pasma a den da competencia;
e ficou eslabelecido o precedentelem favor das pre-
rogalivas desla as>emblea: e mais prece-rao que
esta queslAo, como prejudicial deven ter lido logar
logo na prneira discussao. purqoe se com efleito a
assemblea he incompetente para apreciar o contrato,
fica de neiibiim efleito e vigor o piojelo em dis-
cussao.
(Ha um a|iiirle.
Para que a discussao do projeelo, sem que se deci-
diste a questao principal, se a assemblea he ou u.lo
compleme para apreciar o contrato e discutir pela
lerceira vez o projeelo que o approva '.'
O Sr. Francisco Joao :Da' um aparte.
O Sr. Mtira Henriques :O nobre depulado
por si so linha turcas sullicienlcs pira dar razoea
em ordem a fuer prevalecer esta ieleia.
Mas diz o uobre depulado que, alem da queslau
prejudicial de direilo qao elle elahele.-eu....
O Sr. Francisco Joao :Que indiquei.
O Sr. Meira Henriques :.... o contrato dis-
|>ensava muilo bem qualquer discussao, {viste como
eslava inleiramenle de acord com a autorsat-ao oo
mndalo conferido pela assemblea ao govern: au
porcm digo que mesmo em referencia ao mndalo,
o contrato pode ser contestado, porque a le diz :
le)
Ora, senhores, nao he claro, quo esle mndalo
lem una condirjo que o govcrnu nao podia ollra-
pasaar...
t'm Sr. Depuiado :Sim illumiuar oana a gaz.
O Sr. Siinno:Nao se lembra do bil de indeai-
roinidade que se pde dar ao governo ?
O Sr. Metra Henriques : l.cmbro-me, mas
nao sei se c-lou tratando do hill, ou de eiaminar se
u gnverno ferio oo nao. a aolorisaro.
U Sr. Silceira :Loco o contrato pode prevale-
cer com es* allerarao.
OSr. Meira Henriques :>Isso he aulra ques-
ISo, se nos podemos ou nao approvar esse eiresso
que houve da parle do governo, eicesso em opposi-
>;ao a iiiim clausula slabelecida na lei ; e cu nao
direi por ora se elle foi bem ou mal cabido...
O Sr. Francisco Joiio : |>is cnlilu liquemus
OSr.'Meira Henriques:Quero urevsr ao uo-
bre depulado, que mc o presidente o ullrapassou...
lo reqiicrendo lodas as vezes que quizer, e nos em
o nusso repellindii-o Indas as vezes que elle requerer
fura das precisas conveniencias Apoiados..
Agora a queslao tic saber se a lepulsa he conve-
niente : eu enlendo que nao, porque as razOes apr-
semelas pelo peticionario, as vaiilagens qu oerece
sub Raraoliai sao digna* de algum merecimenlo.e he
esla a razio que me levuu a reqoerer o adiamenlo
para que a commissao respectiva desee o seu parecer
acerca desla pretencao, porque se esla peticft po-
deise fazer nlgum peso no espirito da coinmissilo,
ella propona as alleraces que enlendesse convenien-
tes ao projeelo em discurri, c se visse que llnelo
uenliuma mereria o repelliria. Me parece poli que
iieiiliuin inconveniente resultara disto, sendo como
he o coulralo imporlanle ; e leudo ja ouvido quali-
ua-lo pormaisde uiiiavez"de iminslruoso, espan-
toso, senao escaudoloso...
iCratm-M mullos apartes.;
O Sr. Meira llenri./uei :Desejava porlanln dar
o meu vol riepnis que 6 podesso rszcr corr loda a
madrela e relleto.
OSr. Francisco Joa" lie o que eu lmanlo,
lie falla do seu eiame.
O Sr. Metra Henriques : Se o nobre depula-
do lamenta islo, euto vote pelo meu reqoerimento,
san apenas 1 horas, inoi hecessarias para fazer um
esludu, que nao pude fazer aqu, porque os nnbres
depuladus sabem que ha pouco sllei do vapor,
em que vun de minha proviucit, e ainda eslou fa-
tigado e imlispu-io
tal despe/.a, idea enl
lida coma adopcjlo d
conlroverso na casa,
quando entenda e I



OURiO DE FtKkUlRBUCO QuARU flINI 16 DE JUHO II I8bb
'etanlo, que foi por ella re|>el-
i projeelo substitutivo a que ha
pouco me refer, peo amento que lem sido aanpra
e que o mesmo nobre depulado
boje administrador ca raa de delenrdlo ja repellio
slentava aqui que as despezas
ale com a constru ro das casas de detengo, e cor-
po de poncia deviam ser feilas pelos cofres aeraos.
E pois Sr. preside ile, qual sera o inconveniente
de reeit.ir sea i lea honsianada iioemenda'.' Per Ten-
tara lechar-.e-ha e'le etUbelecimenlO '.' Ktcaremos
privados dos benelicjios do melhor e.lalelecimenlo
de,la natureza que lia lalvez no imperio '.' Purcer-
lo que uAo.
O ex-adininistrad jr da provincia por um inciden-
te ineiperadn. foi o iriaado a transferir us presos da
cadei.i do llcrife pata a casa de dMeofao, o porcer-
lo nao poda faze-l< sem crear urna lei regultmeii-
lar para lal alabek cimeiilo,deu-llie pois um rego-
lameulo interno nm termos do S U do arl. IU do
esle regulameulu fui considera-
fc mun*lruoso, e por isso nao quiz
adn nem provoonarucnle ; pelo
e faro da sua approvacao au|pro-
e diirere do primeiro smente na
a esse regulamenlo, ainda que
aclo addicional, ma
lo pela casa Ilegal
que elle fosie appro
mcuns he o juizo qi
ieclu suhslitutivo.qi
parle daapproveao
provisoriamente.'
Alais), Sr. presidente, como dfcil, nern um in-
conveniente resolta de rdo ser approvada a emenda
a redaceno ; porque a c*a de ileleueao conlinuara a
existir mino al aqui, emquaulo a reforma do seu re-
Siilameiilo e que iJaoverno l'ii aulorisado fazer nao
rompa, e por mis competentemente appro-
i ; ao passo qui encontr gravea inconveni-nle-
para esse (rahalho. Porlanto,
crcio que o meu requerimenlo nao pode ofteuder B
de maneira alguma a dignidade da casa, como pare- i esliver p
ceu querer encara-hi o uobre depulado.
OSr. Francisco Joo: Soja benevolente se | nessa emenda, qal o de enverar-se como emenda
rVll m .. .. l" rodi",caouma idea nova na lei, contraria a oulra
U .s.. l/c,r HenriqHtt : Por estas razoes eu ; que pela ca-a fui ac jila, e a qual envnlve a .mpor-
pero o adiamenlo. tenJo qoe nitu he novo, que um | lanle cifra ile mais Je 'J:IJ0()3 dedespeza
projeelo en. lerceira d.scusso seja diadu pur mu- Cuncluoaqui, asifardando as considera'res dos no-
1Z '!"' T JUlS* vall0S0,s- crescendo que bres impugnadores do projeelo e autores' das emen-
m da iinpnrlaneiu e gravidade do assumplo, nao das, que se acham i obre a rresa, para responder-
la casa, que esta
llzerain avanrar a
dever que lenho de
ha argllela recouhecida cm que seja elle approva
do hoje ou a manliaa.
Finalmente, senhores, cousta-me, que nesla rasa
pedirn) informacoes a lliesouraria a respeilo da
caurao preslada, eeslas inforniares anda nao se
apreseularamaqui.
OSr. Francisco Joao :Voi a nica cousa a que
nao me leinlirou responder.
O Sr. Meira Henriques : E !ic a nica cousa Sabe a casa qur
que me ia esquecendo lembrar, e lie lamben) mais a dura posico en
una vezao para apoiar o meu adiamenlo. De-1 da di.cussao," qu.uu
pois que liz o meu requerimenlo soiibu. queja se um faci revelado
haviam pe H.lo esas inlormaroe' lliesouraria, eque
ellas anda nao lindan) viudo a ra-a..
t> Sr. Francisco Joo : Volei por ellas.
() Sr. Meira Henriques : Que pressa.que ac;o-
dameuto ha, para que prescindamos dessas tnlurma-
CAes V
( Cru/am-se diversos apartes
O Sr. Meira Henriques: Sao lanos os apailes
au mesmo lempo, que eu nao sei qual delles hei de
responder.
Dizem-me.que as iiformac,oesso sobre a caurao,
que eu julso um ponto imporUmlissimo do ciui-
lralo...
(I Sr. Sou:a (arcatlu) : Mas he sobre a exe-
cucao do coulralo.
O Sr. Meira Henriques:Mas nos devenios saber
se sederamas uaranlias uecessarias. Em concluso,
direi ao nobre depulado k a casa, que quando in-
felizmente nao passe o adiamento.e sejam assim in-
fruciireras as unservaces que cabo de fazer, ser-
virn ellas ao menos de un protesto solemne que
fac peranle a casa, de que oes o meu vol a esle
coulralo, que considero aata nocivo e gravoso aos
iuleresses desla provincia.
bes, se juli:ar nunenienle.
Discurso pronuii'iido peto Sr. Di. littrros de L-
cenla na
O Sr. Harros de
da que conMrangid
I!)
O Sr. Meira Henrtque<: Sr. presidente, ped a
palatra para Mijtentar urna emenda que mavidei a
mesa redil/indo b700) rs. o irdenad do crrorglfo da
cmara desla cidade, emenda que foi infelizmente
impugnada pelo nobre depulado o Sr. Dr. Ilrrtu ; e
para sustentar esta irapuguacao, o nobre depuldo
prevaieceu-se doa argumentos quo honlem eslabuleei
titila casa em favor de um funeeionario publico, cu-
jo angmeot de ordenado defendi. defendo o defeu-
derei ; o nobre ilepula lu foi mais aojante e euxer-
gou anda ii)cuh**reiicia nesse meu prucediinenlo,
quando pelo coulraro fot pela razan de coherencia
que eu a*rjfnje a emenda que se ada em discussau
e vuu deinnuslra-lo.
Sr. prndenle, observo que a cmara municipal
do Kecife propoz augmenlu de ordenado a diverso-
emprcaacto-, mas a nobre commis-au que confeccio-
-00 o projeelo nao amiuiu
asaaoo de ~2'.\ de junho.
l.acerda : Sr. presidente, an-
mente leuhn da tratar de nm in-
cidente que ha diasaqui se d?u acerca do collector
de leuaras-11
Antes de honlem na ra dn Hospicio um me-
nino correu sn cavalliadas duraule quasi uma hora,
em cima de um i-avallo em osso, e lio desproposita-
damente, que opovo o admirou, e lano corra, co-
mo dava no misero sendeiro, que ja desesperado pa-
reca querer pedir a prcleccan do Sr. inspector da
ra.
He hoje a fesla de Nossa Seuhora do Carmo
em sua iareja do convenio desla cidade : consta es-
tar preparada com umita ostentaclo. Obrador he
o ex-religioso cauielila Sr. padre Thiinaz, e do
Te-Deum I
imperial I
Seau
concellos, a
eu nao procure! de molu propiio
que me vejo enllocado : o calor
o orava uin nohre depulado, e
m a.-arle por oulro mernbro des-
junln a inim ueste momento, me
a'serrao que me impuz o tri-le
desempenhar.
1.Iiegaram a roen! poder as ioforraafdei pedidas a
lliesouraria, das i|a es consla que no'auno de 1853
a I8.> recilheii otolleclor, de que Iralo, iJi-IW;
no de 1K.. a 1835.1149 ; no de 1855 a 1856 nada ;
e em ollicio la | de abril desle uno dizia elle
Ibesouraria que naila recolhia porque nada liavia ar
recadado. '
6 o llvin. Sr. padre prcador da capella
. Lino du Mmile i ai un di.'.
honlem para o sul o Sr. Jos de Vas-
contralar artistas para o umso tbeatro ;
Dio* permita que consiga, p iquantu o negocio .lo
Sr. Lucci fempre lie negocio de-- visporas eo
publico nao ha de estar privado do nicoenlrelcni-
meulo que dieta a qoem lem seu cobrinho. O o-
l'-ranu. n arlisla, e o einpregado publico pobre, que
quer pas.ar algumas horas dislrahidas, nflo pode, por
que ero natta tena uu Ihealro com bilbetes cam-
biados, ou halles anslocralicos. Nao seria de.arra
suado, que os arnslas e operarios crcassem suas so-
ciedades de bailes, para que ao mcuos mensalmenle
tivessem essa dWracto.
Vm moco vnliaiidn para a sua casa ai duas horas
da iloitei foi enconlrado por um lioniem desconhecido
narua^ova, o qual pretendendo lalvez rouba-lo,
dlilio-se a elle, mas o moco que a nica arma que
Irazia era urna innocente bengallnha, esperou o des-
conhecidu, que vendo hrilhar o casillo, poz-se cor-
rer como um perdido ; irooaram-se as bolla- !
Um sonuambulo.Cerlo sujeito morador por
Iraz da ra \ el ha po em suslo os seus vizinhos, por
que leudo um sunho que o liuliam roubado, prinri-
piou em soiihos a gritar por soccorro, e sii depois
de bem gritar, foi que accorduu : pessimos so-
nhos.
Ainda anda de raslus por entre o povo o mise-
ro aleijado pedin lo e-molas.
Ouvimos dizer que o traanle que falsilicou o
hilhete de lotera cobrarlo na Baha, edeve entre
nos, c levou, segundo consta, comsiso um cm-
plice.
-- Honlem. por volla d II horas, sofiran, M-
hindu daula, no Hospicio, urna Iremeuda pedrada o
estudanls O. Pestaa, redactor da Hilrella dis Bel-
las, que eshandalhou-llie sobre os olhos os oculos,
escapando por lelicidadc de licar ceg.
lera hoje lugar o lerceiro espectculo da com-
panhla Koberl. Mr. Deveaux e o joven Pernambu-
cano inda s.lo us adores qae pur esta vez preinche-
rao o diverlimeiiio. >0vas e admiraveis lieeirezas
preparnu Mr. Deveaux para oilererer ao publico em
(guilde sua gratadlo pelo non aeolhimento que ha
recebido. O joven Pcrnamhucano, que lanos lou-
ros ha ganho nos doiis especlaculos dados, hoje pa-
lomeara -eus agraderimentos apresenlandn exerci-
cos de equillir-s iiiteiramenle maravilhosos. Ain-
i da uma vez chamarmos a alleiirlo do publica para o
- PERNAMBLCA.NO.
As-im, poi, he com
lora du mesmo Motile
nos a' esse dever dirig
do iheral dc^li do pr
de sustentar e defendo
us ,fos'rca?r!,^n,,edl,V',,,' ouro< dCU",e"- l'ma exccllen.e ca de .-lo arlilicill. unde
ev ni. ,Z de lguarassu, pelos quaes manificos lorveles se saboreara, foi aberta por Mr.
^10 de^^ 3SUa '1Sa "aA,err- Venheile
io.iu_, no ue iivjii a ikm, Nv3i.I1 ; e em (I de consol.
fevereiro desle aun,, islo he, aulcs do aeu ollicio de
i de abril, 1,9731551...
O Sr. Sitcino :-- () que he verdade, he que elle
anda lem deleza nesla parle.
O Sr. Barros de Ijicerda Depois mesmo desee
oHico de -J de abr I, em que diz que nada recolhe.
por nada (lavar rerebido !... Nada mais direi sobre
rsle poni, visto q le nao quero tornar mais amar-
gurada a sorte desle cnlleclor...
OSr. SirriHo :-4-Tanlu mais que elle pode ler
defeca.
O Sr. Barros di Lacerda : Pero ao nobre de-
Hospilal de caridade 15 de jolho7l> doenles.
Ate amanhaa.
COMARCA DE f.AKANHUNS.
7 de julho.
No dia j do crreme niez, foi brbaramente apu-
ntalado pelas costas, publicamente na occasiao da
fetra na povuacao de f.orrenles, nm individuo de no-
me Benlo, casado com uma sohrinha do subdelegado
supplenle em exeicca. da referida povoacao, Jlo
Lopes Lima, o qual reuni iromediatamente
noladi, ,,,,,. .."1/ e '.pes i.ima, o qual reuni irameiliatamenle muila
snavL4,. "-'O Provoque, ar.n. .le que coulra a gente armada em persegoiel do criminoso. Re-
suavouiade, e meso,., m.......,ao se lome mais ag- cea-se scenas de sangue em aquelle lugar a vic-
tT^."* ^e.-'a'V'e,t'MU- """uomP;' "ma, segundo consta, ainda nao exhalou o derr.dei-
que evite que eu cliiiliuue na posioo constraugi
emque me acho, i las que fui forrado a lomar, para
provar u que bavi|i avancadu, alias sem proposito
antecipado.
Incidentemente jlambem, Sr. presidente, eu disse,
na occasiao em que aprsenle) o meu requerimenlo,
que nao sabia pur mim esles fados, que alguvm
m os bavia revelado. Ora fura desta casa lem-se
entendido qu esste atgucui he oulro que nao o nn-
bre collega, que nji necasao eiu que fallava me des-
perluu laes fados i e eu devo declarar, alem do que
ja date, que esse hlguein nao he uma pessoa a quem
pela amizade quej llie can-agro, pelas allencoes que
Ihe devo, Dio quejro ver o seu nome mettido em um
negocio pura o qual n3o concarreu ; refiru-me ao
Sr. Manuel .loaqliim Caruciro da Cuuha. au fui
elle quem me reyelou cousa alguma ; pelo eonlra-
- a esla pioposta, lauto que
fez alleracOes nos angmentoi pedidos, os quaes sen-
do de -JOOb rei reduzo a KKl-i res, ao passo que ''" depois que av'ancei ua ca-a a iniuha proposicau,
aneiiienlon au crrnrgrlo, sem propoMa da cmara, i I"" '"do a'snli ca-a, disse o que bavia ocenrrido.
900$ reU. Para que, pois. baja i.-ualiiade no aug- co,n que elle inoslrou-se nao satisfelo ; pur ssu
menlu. eu proponho nlo que se dimiiiua o urdeua- ^uo "J0 be Bgradhvel paia nugueni lazer revelares
do do cirumian, masque se augmente apenas na desta ordem. Elajo que lenho a dizer, Sr. presid'eu-
razao de I00> res como se aui;meuloii o doa outros; i''' e "'1o quero ir adianle.
porque nao descubro razio especial para se augmen-
tar a esse einpregado na razio de -00a rcH, quando
o< uniros -io augmentados na razio de Klu re<.
Sr. presidente, a razau que lenhi para apresentar
a minha emenda heaque acabo de dizer enio oulra;
por qnanlo reconhec.. que ante empregado he iniel-
Rajnnle, probo, a muilo habilitado, sendo que nlo
ha entre nos divergencia alguma, por consequencia
a redcelo que proponho he s pelo motivo de con-
servar n coherencia na VoUele da ca-a em relar.i"
aos uniros, cojos ordenados se nugmeularam ; em
retarihi me-mo ao augmento pedido para o do
vicc-direcior do collcsio dus orpbaes ; a cujo res-
peilo nao ha analoga alguma ; porque este empre-
gado deixou de ter augmento em seu ordenado
quando livcrain lodos os seoscompacheiros de repar-
lii.ao, e eu defendi esse augmento sem lixar o
quantum : aquelle, purera, leve augmento superior
aos dos odIroa, apenas eu proponho a reduccdlo d'es-
se acrescimo.
Dttcurto pronunciado pelo Sr. Dr. Abilio, na ses-
sao de SI de junho.
O Sr. Abilio :Sr. presidente, nao tcnbo a pre-
tencao de com as observadles que porventnra le-
uda pioduzido na casa e-clarere-la, porm como
in.-lid ... da ruinmissao de redarcAocorre-mc a obri-
gacic de justificar o sen prucedimento na parle em
que pos-a ella ser aecusada par nao liaver incluido
uo prujerlo de redacca.j quola para mailiilencio do
pc-soal da ca-a de delencao, ; corre-me e-la obriga-
cao nena qualidade, e mais ainda na de membro
a ca-a, cujas deliberantes cumpro que sejam
r ------ -t----f---- ~-- ~- .^^-. vsiHtn* )'" '<|unl
P&r. francisco Joiio:E he nessa parle que o empre du mmlo que coslumim cnhcrenles, razoa-
ujeila a nossa approvacio. ve-, e fundadas no seu regiment interno e na rons-
OSr. Meira Henriques :Approvacio que o | liluir;lo pnlilira. Sabe V. E\c. c a casa que por
nobre I..puladn julgava conveniente dispensar...
O Sr. Florencio :Nao he essa.
OSr. Francisco Joao :Da' om aparte.
O Sr. Mtira Henriques :Sera' sobre c-la ap-
provacio sera mesmo sobre a legilimidade un
competencia, mas lalvez que eu nAo podesse bem
compreheniler io nobre depulado. Porlanto, o que
he cerlo he, qoe o governo deixuu de observar uma
eoudicio incluida na lei. que o autonsou a fazer
elc conlretu.n que he cerlo lie.que apparece um pe-
ticionario e diz : apresenlei-me peranle o gover-
no ofle.reri melhores i undiroes que qualquer
nutro coucorrenle e o governo "me repellio son tu-
tela pretextos--...
(Ha nm aparte,
y-o duvido!, nao digo que assim fosse. nem
quero aqu defender iuleresses de ninguem, mas
digo o que eslou vendo nos dous requenraenlos do
peticionario, c m um des qnaes, repito, elle dis :
apreseolei-me peranle o governo, ollereci maiores
vamagens, e melhores comlirocs do que oolros
contraladores e o governo rae repeino "b fuleis h.'JL'i "'-......-''
pretextos. Apresen.a-se pela segunda vez ',^1^ "'l'"^" "" ".do de ser esta alie.ada
Discurso do Sr. Castro Ceo, pronunciado 'uma
das sestiles de junlto de 18B.
OSr. (astro /.ao:Sr. presidente, principio por
declarar, que voto pela urgencia do parecer da com-
mis-ues reunidas de legislo, cuntas e despezas
pruviuciarssuhre a ojnestno du Sr. depulado Jos Pe-
dro, em rolaran ao inspector interino da lliesouraria
provincial; porque desejo ler occasiao opporluua
de responder a um arligo do Diario de Pernambuco,
hoje publicado, e a ouiro do Liberal. Quanlo ao do
reservo-me pajea quaudo liver lugar a discus-
io Idease parecer, e ao autor do artigo do Liberal,
declaro que as ^oramissOes esto em rnaioria na asst-
gualura do parecer, por laso, que eu soo membro de
uma c oulra cbmmisilo; e benias-im que o Sr. Jo-
s 1 edru, nao inlerveio em cousa alguma ueste pare-
cer, e eu mesmo era incapaz de acceitar a interfe-
rencia de quii quer que toase, nem para demura-lu,
e nem para d.-lu ueste, ou naquelle aenlido.
Se huuve drfmura, Sr. presdeme, nAo foi de mi-
nha parle, nolius qoe nao eu que carreguem com a
censura : um dos membros da oommitale levou lo-
dos os papis loara ca-a para esludar, e ah os con-
servnu por eldom lempo. Viudo o parecer para es-
ta casa vio Y.| Exc. que um membro requereu que
'.ase impresiono jornal para ser disentido, e quan-
do o Diario o publicoo, a commissAu reunida esle-
ve a espera, que V. Evc. o mellesse em discussao,
sendo que boje ha um requerimenlo de urgencia, e
eu aguardo o eu resollado para entrar em discu-aao :
por lano ja v V. El*., que de minha parle, e o
mesmo deveiio ver os amores dos arligos cima di-
tos, n|o houve demora e que por couseguinle eslou
Tora de-ta cejaran, que me querem fazer. E dentis .
as informacoes pedidas vleram larde, houve uma !no erf"'de rari.s.
reunilo em casa de um nohre membro da commissAu p,"lir' da. Cimba Moreira Alves.
ro alenlo, nem o cobarde semino fui inda preso ;
aquelle dislriclo de Correles, se pode dizer acepha-
lo quanlo a polica, porque por laja se nio coula
nein presla aquelies valiosos servidos que prestara
oulr ora, o presumo e enrgico subdegado, o des-
lindo capilo Candido, que foi demitlido sem se
saber quem seja o seu substituto ; quanlo aos sup-
plentes e-ies nao se prestara cora gosto, e preciso he
que se d um negocio de casa, par sabir a campo o
subdelegado Lima, alim de vingar a lei pelo atlen-
lado pralica.lo contra um seu prente.
Hoje pela manida um lerrivel cundido deu-se
na cadeia desla villa, uus presos contra os oolros,
a ponto do se despedaearem reciproramenle ; in-
lerfeno a forra publica, furam os presos casiigadus
de ordem do delegado de polica ; erafim confegoio-
se reslabelecer o soregu na cadeia.
O cstadu da salubridad? publica he regular em lo-
da a comarca.
A.icus.
JLUVDORECIFE.
10 de julho.
Presidencia do Sr. Dr. Mexandre Bernardinodos
Bets e Sitca.
Promotor publico, o Sr. Dr. Antonio Loiz Caval-
canti de All o q ii erque.
Escrivio, o Sr. Juaquira Francisco de Paula Esle-
ves Clemente.
Advogado, o Sr. Jlo Capislrauo Bandeen de Mel-
lo, eslu.laulc do quinto anuo Ua l'aculdade de Di-
reilo desla cidade.
Feila a chmala s 10 horas da manilla, acharsm-
se prsenles 39 senhores jurados.
Foram multados em mais :05 rs. os senhores |ju-
rados ja multados nos anteriores diasde sessao
Aberta a seasio pelo loque de campainha, foi con-
dazido barra do tribunal du jury, para serjulga-
do, o reo preso Pedro Alves dos Sanios, aecusado
por crime de homicidio, perpetrado na pessoa de
francisco Jus da Rocha, em priucipios do mez de
uovembrode 1839, e lambem aecusado por crime
de ferimentos graves, feilos na pessoa de guaci
Carneiro de Lacerda, no inesmu mez o anuo, tendo
o mesmo reo por seu defensor ao Sr. estudile cima
referido.
Foram sorteados para coinpor o comelho do jury
de -enlenca, os segunde- senhores:
Jenuino Jos Tavares.
Silveno Joio N'epumoceno Basliis.
Antonio (joncalves Pereira Lima.
Jos linncalve- da Silva Bulos.
Dr. Jos Joaqoini de Murar- Sarmeutu.
Antonio Manoel Pereira Viauna.
Joio Francisco Regil Qninlella.
Flix dn Cunha Teixeir..
Francisco Antunes Ferreira.
no de lio nobre associaclo. Hoje, porm, molivo
mais forte nos determina a realisar este desejo, e
ci nos ni imprensa, D ja para tributar os nossos
eucumius au fundadores de lAo ulil suciedade, que
sem dovuja sio credurbs dos mais allos elogio*, co-
mo para ,i--eiiur mais uma pedra nesse edificio de
caridade, que a inveja, acoimando de orgullioso e
egostico, procura arruinar de-farraudu-.e com as
gallas dos bou- desejof. e dos falsos senliraeulos de
generosidade.
inemhri da comini-sio direc-
l'in. que, nAo pudendo fnrlar-
no-uos hoje ao Sr. negociante
axnno paasado mez, eojn o fim
f e-la bella insliluirao em si,
em seus estatuios, e ia ulilidade de sea lm, nico
ponto que o mesmo Sr. negociante nio pode eon-
leslar, e em que mo-lramos estar cuucordes.
U Monle-I'i') Acadmico uasceu do meditar cal-
mo e relleclido de alguna mocos intelligenle- -ubre
a lula que se inlerpe eulre a 'suciedade c o latelo,
enlre a inalerialidade estpida que vegeta e >e abafa
us fofos colcbr.ei da riqueza, e o geni.., que men-
diga o pAo da mi-eria, e expira muilas vezes as
enchergas de nm liospiial como Cames, ou no pa-
vimento fri e loudacenln de uma aranhada mas-
morra corno d cantor da Jcrusaleme librtalaa
TaSM Foi do amor fanatismo s ledras, que sur-
gi a grande idea da fcmdac'n de uma sociedade que
i livesse por nico fim eaiendur a Uto ao lalenlo as
i horas ila agonia, e bradar Ihc como o Crucificado
sobre o sepulcliro de Lzaro : leraala-le '. Tilo bel-
i la fui essa idea, lio acariciada pelas inlelligencias
que a broUram, que uAo pule morrer siillocada no
afn das lulas ordinarias em que odia mpplantJ
muilas ve/es os pensamenios ^oborbos, qu a noite
faz dcsponlar no cerebru e-braseado do pensador so
litarlo. Kecebida enm applauos pela lotalidade dos
acadmicos, vimo-la inearnada no .i/o;i(e Po, que
coii-ervando a rlrimiliva rigen, donde emanara esse
bello peiisamenlu, passou a ser cxclnsivamenle aca-
dmico.
Bem ponen Icrno Hilo, e ainda assim a ulilida le
dessa iusliluicau val de sobra as palavias que abi
deixamos escripias. A sua organisario ahi esl, e
sem senao he ella, porque as obras da intelligeu-
cia leem o cunhn da reflexao, e se uma vez na
sahirem perfeilas p.iucas hlo de fallar ao ieu lim.
Criminar-iies porque, lunue de chamar para o
seio dessa sociedade a todos os brasileirus, quizemos
torna-la uma associaeao de acadmicos, he negar-
nos um dos acnliraenlns mais nobres e caracterstico
do cnracAo humanoo orgulhn. Se obra fol nos-
sa, porque iramos iiic.iiiimodar a eslranhos, que
lalvez nos nAo padessem comprehender, e com qnem
duv i ln- imenie deveri.imos contar'.' Porque nao con-
corresles, vos que dele-tan o egosmo, que deixai-
de ser phtlantropo para ser naridoso como manda
o Evangelliu, .-, lautos mancebos, que hoje estarao
consumindo a seiva de um tlenlo vigoroso nos tran-
ses de orna vi.ia de-conhecida, ni deva-sidao, na mi-
seria, e no opprobio S Se amis lano i patria, se
de-ejais ben-licia -la. o deveriea ler feilo; e ain la o
do podis, porque ahi esta o Monte Po para receber
as vossas olleras, para dar-vui um lestemonhu so-
lemne de sua gralulau e reconheciraenlo ; mas fura
debalde, que viu teulaiiei- abdicar o nosso maior
llorio de gluria ; porque a esae preco recuaariamus o
vosso donativo, embura fosse isso a vosao olhos um
desmarcado egosmo, uma accio indigna doi funda-
dores do Monte Pi. Nlo li por limite a carida-
de, mas he lirra-la das pompas de uma osleiitnrao
v3a, qae fara degenerar em v.iidadc. Oa benefi-
cios eslrundusos ou acauham os inlelixM, a quem sio
feilos, ou pe lem uma prompla injeranis-c.l.i a face
mesmo do- que o- presenciaran) ; e como lemos
n um alen ii de bellos pensamenlos a o que nos ale-
gra.quando esleml m a maoao necessilado, he me-
noi a ideada graldAu. que merecernos, do que da
bella accio, q je acabarnos de pralicar. n Houve ca-
ridade na funilac.lo do Monte Pi Acadmico, t ain-
da mais na sua orgausacAo, porque o que vos cha-
mis egosmo, nao he mais que o manto que euvol-
ve o myslerio de soa existencia, que vela as suai ac-
roes, para nA aerem rouhecidas desse mundo irri-
sorio, que lanas vezescospe o riJiculo e de-pede de
seua braecs quem Ihe snpplica um bolo para malar
a fome e a miseria, quem Ihe pede dejoelhos uma
esmola pelo amor dej Iteos.
Ha lodavia uma .den em vosso arrazoado, que
parecera demaiso oiu acela-lahe o appello para
u governo. Anda nao precisamos, que se o quizer-
mos, demais conlamos com a generosidade do nos-
so governo, lAo prorapto em abracar e animar todas
ai idias, que podem concorrrer para o engrandeci-
inenlo moral e material do paiz.
J* visles como uasceu o Monte Po. como se el-
le orgaiisou. e porqlue passon a aer exclusivamente
acadmico, e a utilidade que resulta da sua organi-
sacAo ; pois ser bom lembrar-vus, que "n nos
nAo occorreo ,i idea de recorrer a. "ihf.... .>..,pia
caridade dos brasileiros ejnrgeral, porque ainda el.
se pode sustentar da/soa propria seiva, e uAo eslanio
resolvldos, era de fiiliiro~.r,ivJ)irsas pofVar a -*
doaque quizerem subicreve-lu ; purque ainda Ih
lemos amor, e muilo orculho em nossa alma par
suslenta-lu ao abrigo dos chufas de qualquer hi-
Ihoslre, que rncheudo as bocliedia v apregando
pelaa pontea e holequiis:son subscriptor do Mon-
te Pi.
Conclumos agrndeccndo ao Illin. Sr. Dr. l.ou-
reiroa parle activa, que lem lomado nos trabjlbs
do Ment Pin Acadmico, e sentimos agota man a
nen pequeuhez para darmos i^nisillTlii tu lente
loda a somma de elogios, que rr.eio.-e pelo aeu zelo
e amor essa santa insiiluiro e pela urbanidade e
delicadeza com que sempTe'o vemos Iralar os seus
collegas de leltras, sem fazer evcepcAo. estando sem-
pre promplo para prestar-se a lodos que occupain
naa fuocces do seo magisterio : sAu litlos que o
lornam recninmendavel adran acao da posleridade,
e imilacio dos cnulemporaneos.
9 dejulho de 1856.
M. da Cunha e Fgueiredo.'
CAMBIOS.
Sobre Londres, 21 d. por lo.
o Paris, 360 rs. por f,
ti Lisboa, 100 por 100.
11 Ro de Janeiro, 1iJ a I por 0|o a 15 e 30 das.
Acces do Banco, 33 0|0 de premio.
Aecdes da companhia de Beberibe. ,')000
Acedes da cumpanlna Peruanibucana ao par.
a < L'lilidade Publica, :lo pur cento da premio.
i> Indeninisadura. 32 pur % de premio.
11 detrada de ferio .,0 p0r 0|o de premio
sobre s entrada.
Diseonto de lellras, de 7 a !t por Oiii.
MKTAfeS.
yuro.lineas hespanhulas. .
Moeda de fijlM) **IHs
u r> atrO novas
45000. .
Pral.Palaces brasileos. .
Pesos Columnaries.
2S5 a 289500
168000
16-000
9SO00
28000
28000
.............-*-JW
mexicatids....... IfMO
AI.FANUEI.A.
Rendimeuto do da I a'li. .
dem do dia 15. .
I7.'i:66is32">
18:517391..
provincis da hablitacio de cada nm dos cand.d.iw
emitlindu ana opiniio mbre o. qoe Ihe parecer, i
raaia apios a eiercer laes lugares.
Palacio do governo de Pernambuco 7 de junho de
1856.-Sergio Teixeira de Macado.
Cooforrue-Antonio Leile de Pioho.
A diretvao do extinelo iMnin d<-
Peinambuco, avisa aos Srs. accionistas
do mcsino Iwnco, que se acha autoi iad0
oSr. lliesonreiroila caM iili.il d0 ban-
co do lij-aail neta iircv/ncia, a pagai o
oitavo dividendo de 95'600 i-, por :.
f^o, vencido po 5 mezes de jaoeirn .1
mio ulliino- Kecile 3 de julho de I8.">(j.
Assignado.Joao Ignacio de Medeiros
Reg.
Detendo em cumplimento da or-
dem do tribunal do thesouro nacional, de
a de Janeiro do correntc anuo, sabir da
-------------Circuiacao as olas de 50JJ, de segunda es-
19:2122W, lampa, papel encarnado, que orilla exis-
jtem, sendo suUtituidas por notas dos
iiiesmos ou de menores valores, da caixa
dlial do Banco do Brasil, estabelecida
tiesta provincia olllm. Sr. iiispeclor da
lliesouraria de fazenda desU provincia,
manda convidar os possuidores das ditas
de Oliveirn, > vinda do Rio nni.,. A., -.ikiKI >
s Rovae.4 Companhia, ma- nota o0*000. para as apresentarem
na mesma tbesoi.raiia, alim de serem
! trocadas dentro do prazo de oito mezes,
j contar do I' de julho prximo vindoum ;
< ditas 8 levereii* do seguinte anno de 1857 ,
declarando ao [mesmo teiupo que, /in-^
do esse prawv. sollrerao o diseonto
de 10 por cento do seu valor em cada
me/, de demora na api-esentaro, na for-
ma da lei de 6 de outubro de 1835. ate
licarein sem valor algum. Secretaria da
lliesouraria de fa/.cnda de Petnambtiro,
"de junho de 1850. o ollicial-maior!
Emilio Xavier Sobreira de Mello.
Pela recebedoria de rendas internas ceraes se
u publico, que as pesauaa qoe e-lau a dever a c*u -
duccau dos cadveres cholencos ds freaoetias desla
cidade e dos Afogados, que foram.enlerrados no ce-
mileriu publico, devera vir |*agar a respectiva im-
portancia durante o correnle mez, lindo o nuil le-
rao de pagar a molla de Ir por eenlo ern f"vor do.
cobradures Recebedoria de Pernambuco 12 d. ju-
lho de 1856.O admiuialrador,
Manoel Carueiro de Sou/. Ricarda.
barri-
Dacarregam hoje |fi de julho.
liri.-.ii. inslezJo-luta Man/mercadorias.
Brigoe purlusuezl.aia //ceblas e btalas.
Ilruue pnrluuczConstanteidem.
Palachu brasileiroBom Jesslomo e barricas va
IMPORTACAO .
Barca nacional a Flnr "
de Janeiro, consignada
nifeslou o seguinle :
3 caixas sarope ; a J. Soum \- C.
I canio ule> de ricino ; a J. C. Sanios.
3 ditos cha ; Domiugos Alves Malheus.
2"i pipas e 131 barricas valias, Ii I volum
batidas, 150 barris e 120 caixas vinho, 10 '
cas putassa. 7 caivnes chapeus, I.OSi alqucires fri-
nba de mandioca. 103 saccas cafe, 105 laia fumo,
110 caitinhas e 25 volinnea cha ; a ordem.
Patacho nacional u Bom Jesus, viudo do Kio de
Janeiro, consignado a Barlhulomeii l.ourcnro, man-
festou o sesuinle :
1 barrica gamma, 190 rolos e 22 latas turan, 56
barricas potasaa, S eaixoes cha. sjOOsaeeru tarinna de
mandioca, 200 caivas sabio. 60 Irasqueiras genebra,
50 pipas vanas, .557 acras caf ; a oidem.
10 saccas canella ; a C. A. S. da Molla.
Paquete u Imperador, a vindo do norte', consigna-
do a agencia, inaiiifcstuu o senuinte :
1 encpalo Ignorase ; aFeidel Pinto & Compa-
uhia.
2 fardoi dito ; a Benedicto Bruno.
1 caixio uilo ; a Anl......i de Almeida linraes.
16 saceos unora-se ; a Elienne Cintre.
2 pelacasdito ; a Aranaga & Brvau.
I caixnte diln ; dem.
1 dilo e 3 barricas lito ; a D. (i. Maris, dos
Reis.
3 barricas ditu ; a Antonio A. de Sons Asmar.
I caixa dito; no Dr. Jos Amonio Figueiredo:
I caixio dilo ; a A. M. Roliin.
1 emhrulho dito ; ao Dr. Lobo Hoscoso.
2 raixinhas dilo; a Joio r'ernaudes Prenle
Vianna.
1 embrulho dilo ; a Francisco Kadi.
I sacco cun 1,102 pesos de prata ; a ordem.
CONSULADO i.tll.-M..
Reudimenlo do da 1 a 11 11:91)79579
dem do dia 15 .
12:1869352
i" IVK USAS
Rendimeiilu dn dia | ,.
dem do TJii, 15 .
PROVINCIAS.
II ... .
sim urreder, em visla
addiciunal
casa e diz :- quero fazer o contrato com melhores
vanlagens .nao exijindn einnisarao algnma...
O Sr. Florencio :Se a discussao conlinuar.araa-
niiaa faz de graca.
Um Sr. Depulado :E a casa deve-o repellir,
porque he um absurdo.
OSr. Meira Henriques :Nao digo qoe a pre-
tencao seja absurda, m.s o que digo he, que a gra-
vidade da malcra, a cifra que lem de ser diapeudi-
da com esle contrato, exigen) todo o peso, luda a
reliexau e manicio sobre qoalqoer circum nova, que se poasa dar j essa condicilo por exemplo
de nao eiisir indemnisarilo algum, he rima cir-
cumslancia nova, que ainda nao fui apresenlada a
consideraran da casa...
O Ar. francisco Joao :O que Ihe digo he que o
coulralo eshr feilo.
(Ua oolro aparte.)
OSr. Meira Henriques:Importa moilo, ajor-
qoe somos nos, porque lemos de spprova-lo delini-
livameoie...
Um Sr. Depulado :Para oude vai l moralidade
deala caaa '.'
O Sr. Meira Henriques : Nio solfre nada a
moralidade deala casa ern approvar ou deixar de
approvar um coulralo, quandu ella nlende que o
governo nio proceden segundo a antorisarao que
linha...
Cm Sr. Depulado :A pojado, esl no seu di-
reilo.
OSr. Meira Henriques :Dema is, em direilo se
diz contrato feilo. e contrato coii>onjado e perfeto ;
se esi.i feilo. nao esta consumado o perfeito, perrait-
la-se-me esla dislinccio.
O peticionario reclama, ollerer.c a consideracao
da casa razoes que me parecen) valiosos; diz me-
mo no sen requerimenlo. que oa coo lralador-s anda
nio sat.iliieram s mesraai conduea, estipuladas
n coulralo celebrado com o governo, que exige o
deposito de uma somma de .50:000-) ,;m dinheiro ; e
essa cauciu se lumia apenas aos simples recibos
ou conheeuneiilos, sem as formlas exigidas pelo
mesnio .-.ontralo e pelos estatuios da eo mpanlua Per-
iiambucaua. cujas disposicoes se acha m diamelral-
menie opposlas a e-sa caocio por semihanle modo.
illa diversos uparle-.
O Meira Henriques :Toco islo foi o qoe
deduz de uma vista rpida que passe a obre esle re-
quenmenln, em qne o peticinn.-irUi diz qoe n,1o ha
caurao, que ella he licticia, elc.e aUim menle coi- "",","' '"" ^P'l:< laonr pesaoal qualquer para
cine olTerendn-,e a fazer a illuminacao por m o ?""'"'"" J-^'S!1!!! '>'"** '' i1"" nl" poHO
menos e sem indemnisacao alean ,a dm""de r'-;'llar '"""" i,e lJea de nianler-
n c- fsi___ I se um pessual liu grande lau caro c l.ln disneiidio-n
OSr. Floreteo :-Amanha. ven, de. graca, fique | como -quelle que o aclual regulamenlo cre,! acasa
.lL-MSr',?VriPe* !^-E ""''o, que se: natureza ieraL Por oulro lado qual sera o efleito
S^^J.'I^TJl"'*^"- ""''* """nr-ma const:.u,cio, de IrarigTc-
%^%?^?cinTn^*JE '" conve- ,l"-sa""*"'" <. casa, adoplaado-anm^Stt
t&m!mmttmmettt a ^"le om projeelo a ido por ella na,, aceita de
esm-ias |,r"V|ncU na PIeciM d> I que deve licar cargu do cofre provincial
oecasdo de se discutir a redacrDo de um projeelo,
" he permiltidn reconsiderar-.e a materia sobre
que ella versa, quando abi ao descubre conlradirrao
incoherencia, 00absurdo com referencia ao vencido;
porlanto he visto, que aos nobres depulados auto-
res da emenda redarcao corre a ubrigaciu de de-
monstrar que a lei do modo porque se acia redigida
he contradictoria, absurdo, cu incoherente, para em
resallado otlVrerereni a emenda que fui lida.
xjual he o arligo do prujeclo em disrussio, Sr.
presidente, qne deixou de ser pela commi-ao con-
M-iiirntcmeiile redigidn com prejui/.u do pensamen-
lo que paslun na rasa J Cre) que ncnhuiu ; pur-
quanlo os defensores da emenda nio dcsmuiislraram
que a cummissao deixas.se d ^eI liel interprete dos
sentimcnlos da assemblea, quando deu a devida f.r-
ma a lei do nrcamento provincial; os impiunado-
res da redac^ao nao odeinunslraram como disse nem
meu ver o poderiu fazer jamis, visto que a Com-
misso de redarcio nio se esqtieceu de Consignar no
projeelo uma s das deliher-res da easa. Sendo
assim, roni" di-culir-se de novo o vencido, no aclo
sem pre-
viamente nrovar-ta que nella se da conlradicrio,
incoherencia ou absurdo manifest '.' De formaal-
guma. Ma- a que chegaremus final, ineus senho-
res. admilliuus oa vossos principies?
Chegamo- ao seguinle :que. por occasiao de ser
approvada a forma da lei dada pela coinmis-an com-
pelenle, as idea uma vez adjpladas pela casa, a
pretexlu de qne he eonlradictorta, 'incoherente ou
absurda, scmelhanlc forma cera allinencia ao ven-
cido, uuicas hxpolheses en) que pu.lenn- alterara
redaccio du projeelo, vamos nelle enchcrlar mal e
indevidamenle coulra a eonslituiriu e contra o re- s ,,.,. ,
gimeuto, orna idea que a ca-a exnressamenle re- prendido nile.qu.....o osTrenVrfflrJae! nre\^L
pe lio como succedeu a respeto da idea de correr vam um r, uenedestejo a KoltT&eS^Er?.~
pelos cofres provincias a despea feila c,n pes- I o 9." bal! So de infan ar e io de c c h r'
so.,1 da e. de delencao, que nao podia deixar de era numei.. de wiKeola, p,Vc7 T lup ic o ,".
art. 10 do acto mero de lebelde-, bavendo e-le
o sr. depulado i'orl-lla, onde assislunos. e descu-
limu-, e d abi era fcil de saber-se de minha opi-
nan, e dos demais membros das duas commis-es,
e se dona delles deixarain de as-iguir os Srs. depu-
lados Machado Pnrlella, e l.uiz l-'ilippe.-clles que
digna as raaViea que liveram. sendo que em miuha
opinuo ellas! deviam NT bem valiofa*, e dn minha
parle nio e-la u poder de aprecalas, Ora, se eu
sou meinbruj das duas commi-ses reunidas, islu he.
delegi-laciol c contase despezas provinriae-.e se co-
mo tica expandido, emill, minha opiuia,. nessa reu-
nio, o que lia de censoravel em meu procedimenlo
por se asnea, qual seria o parecer ?
Assim lenho feito minhas declararas, fallando-me
apenas di/.er, que nao fui o epirito de cnlleguismu,
que me levpu a redigh- o paiecer, que me lenho em
alguma raiis.Jerarao para nao asaignar qualquer pa-
pel com pr ailo de minha honra, e de minha poi-
" ) legislador, se bem que de uma inlelli-
i. que nio live condescendencia a menos
ie por aquillo que julguei de razao, e jus-
.irva de prolesto ao que disserara esses
lona janiaes, a que rae hei referido, prometiendo
nao discut- fura desla casa as opinioea que nella
einillir
can de jillt
gencia frac
que au f-
tica, e islo
emillir.
aiai
PGI^4 YULS
7~ ,,,,,j4,,leve eslar repleto de regosijo o 9. bala-
Ibao de ii,r,,nlar.a : boje fazem 10 annos. que elle
pralicou altea feiloa d'arraas na heroica villa de S
Jos do N re, na provincia de S. Pedro do Sul. Snr-
vada ; e a nica difl'erenra que linha este du projee-
lo primitivo, era repellir loda a idea da approvalo
ao regulamenlo existente, dando nicamente ao pre-
sidente eulorisaeSo para reforma-lu como acha-e
mais conveniente, e leudo sidu esle projeelo appru-
vadn depois do discurso de seu nobre aulur. que nie
foi eonlealado, no qual mi tachado esse regulameu-
tn de monslruosn e illegal, em lodas as suas parles
he minha epiniio, que easa approvando um lal i dos que aasisliram a tai. glorioso c ,ale Nlo
projeelo subs i.u.ivo, repellio al a idea de correrem Los deixar de dirigir um", deZuvuV a,' I a'
pelos c,fres da provincia as despezas cora a casa do | lall.nojjla nfanlaria em iiuine dupbieo, pelo an-"
niversario de orna accao, que iinmoriali-ara seu no-
detenca
Taivexie ditu, qne na allribuirao de dar rgimen
interno aseases de delencao frsleja romprehriulida a
oorigacao-demanteropeasnal des--;-casas, mas eu
enlendo qoe de mudo algn..
Sr. prcidenln,quando eu me pronuncio desle molo,
nio quero contestar oestado lisnngeiruemquese acha
esleeslabeleciir.nilo na., quero qoe de modo algnm
se enchergue em mim penalmente hostil ao admi-
nistrador da casa de delencao. snu informado que
be um hjm empregado. e mesmo mo recoarei anle
urna medida extraordinaria de necessiilade, que
compre me demonslrem, duscofresda provincia car-
----------------,.v .les-
trocado, I ,gio espavorido, deixando cen e oitenta
e um sepi liados dentro da pronria 'illa, alem de
o Homero de prisioneiros e feridos. S. M.
a Impera, or appreciaudo Ma indesivel bravura.t
decrelodi IH de julho de ISil coi.ce.1eu o uso ,la
medalna i a Ordem Imperial dn Cruzeiro, bordada
eulre dni *
exislisse a
- ^-...-.- i|,,iui un i.i i,, .-:r.'. nuruada
s palmas as suas bandeira-, emquanlo
gn otncial, oflicial inferior un soldado,
Dr. Antonio Jusc da Cusa Ribeiro.
Os quaes prestaran) ojorameulo em vuz alta so-
bre o livrn dos Santos Evangelhos, e lumaramassen-
lo nos seus respectivos logare-, separados do pu-
blico.
Depois de prestado dilo juramento, foi o reo in-
terrogado, e em seu interrogatorio disse, que ferira
a Ignacio Carne.ru de Lcenla e Francisco Jusc da
Rucha em sua defeza.
I-er-se a leiliira de lodo o processu, e depuis della,
o Sr. Dr. juiz de direilo deu a palavra ao Sr. pro-
motor publico para fazer a ecusacao, e este a fez,
duendo que o reo linli.i sido u autor da miarle de
Francisco Jos da Bocha, e do- ferimentos feilos na
pessoa de Ignacio Carneiru ; que o reo eslava inenr-
so naa penas dos arligos 193 e 205 do cdigo crimi-
nal, e pedio a condeinnai;,lu du me-nn, reo no grao
mximo dos dilos rls., pur terem sido os Crimea re-
vestid s dj-srircum-dancias aggravantes dus $$ I e i
do artigo ll> do mencionado cdigo, islo he, por ter
sido o crime commellido de noite, ter sido impellidu
o delnqueme por um motivo reprnvado ou frivolo.
I-inda a accusac.lo, o Sr. Dr. juij ,|. direilo deu a
palavrn aoSr. advogado para laxer a deleza do reo,
e este a deduzindo disse, que-e o ren tiuha feilo a
rourle en) Francisco Jos da Rocha e os ferimenlos
em Ignacio Carneiro fura por ler sido provocado e
espancado pelos meamos ; di-seque nao podia ser ap-
plicada au roa pena do grao niaximn em razao
d dade do mesmo reo -er moito evancada e ser um
hornera septuagenario, e concluio pedindo a con-
demnacau do reo no tino mnimo dos arligos |9:le
201 do cdigo criminal, ou mesmo no grao mnimo
do arligo 205 do mencionado cdigo.
Fitodos OS debates, depois de replica e (replica, o
Sr. Dr. juiz de direilo pergunlou au jurv de senlen-
ca se eslava siiflicienlcmenle esclarecido'para iulgar
a canta, e como -e decidisse pela allirmaliva, o mes-
mo Sr. juiz de direilo. depois de resumir a materia
da accosacio e da deleza. propoz ao jurx as queslnes
de meto, e sendo estas entregues com o processo ao
cnnselhii, foi elc co'.iduzdn sala secreta das con-
ferencias s 2 Jj horas da larde, donde vollou as 3
e um qu irlo coro suas resposlas, que furam lidas em
voz alia pelo presidenle do jurv desenlenca, em vala
de cuj deeisno, o Sr. Dr. juiz' de direilo,' presiden-
te do tribunal do jury, publieou sua senlenca, con-
demnandu o reo a pena de 19 annos e 3 metes de
prisSo, grao medio dos artigas 193 e 20.5 do cdigo
criminal, de combinaran com o arligo i'J do mesmo
cdigo, e na mulla correspondente a 2 auno*, 7 me-
zes e 15 dias da me-ma prisa e as rustas, e levan-
lou a sessao, adiando-apara odia seguinle as 10 ho-
ras da ni.inli.'ia.
REPABTICjAO DA POLICA
Secretaria da polica de l'ernamboco 15 de julho
de 1856.
Illiai. e Exrn. Sr.Levo ao coiihecimpuln de V.
Exc.,quc das diliereutes parliripaces hoje rerebidas
DESPACHOS DE EXPORTACAo Pti.A MESA
DO CONSLIaiio DESTA CIDADE NO DIA
15 DE JLLI10 DE 18.56.
Figueiralliale (Voador do Monriegu, Francisco
Severano Rabelln & Filho, 6 lah'oas de amarelio,
2 dilas de cedro, _^
BarcellonaPolaca hespanhola Lesnes, Palmeira
(Si Bellrau, 2,000 cucos com cs-ca.
GenovaPolaca sarda Mara Elizaii, Baslo Le-
mos, 2o,ooo nnhas ,ie bol.
Biienos-Ayres Barca porngueza Sania truz.i,
Isaac, Curio & Com-, Tina, 50 pipis agurdenle
cachaca, 100 barricas assucar hrauco.
Porto Brigoe por.uguez Trovador. Barroca S
faslrn. 57 cascos mel.
xnortacao .
dn Sul, hiale brasileiru Tigre, de
.,'couduziu u seguinle : I,los volu-
ar, 10barri de 5.n espirito.
.BEDOKIA DE RENDAS INTERNAS IE-
HAES DE PERNAMBUCO.
Rendimenlo do da 1 li _10.40lflj72
dem do da 1.5........ i:323531
I1-.72S-5I03
A directora fa publico <|ue tero, mar-
cado a ta\a de 7 por cento ao auno, para
o diseonto das letras que se apresentarem
ile segunda-eira 21 do corrente. Pet-
ambuco lidejulbo de I8____Anlo-
5789/ ,3 ni0 Marques de Amorim, secretario da
directora.
. ~ 9 dm""l''anr da mesa do consulado pro-
vincial, mnnda Iranscrever para conheclmeulo de
quem inleressar, a copia da norlaria do Exm. Sr
presdeme da provincia, de 3 du correnle, na qaal
o merao Eim. Sr. d instr ucci.es para a venda de
bilheles de loteras da corle, e de ootraa provincia,
mandada cumprir por norlaria de Sr. inspector da
lliesouraria provincial de i do currante.
Mesa do consulado provincial, U de iolha de
1850.
Amonio Carneiro Machado Res.
HOI;i57
6H5300
H09s757
%iubUtc$t% uptbov.
cerlo.
me nos ai naes da historia. Mu di,lindo por lano i
he aoje i lugar que oecopa a Sr. commandanle "e l'ePr";ao, consla que su deram as segrales
a frente re lau brioso batalhao, lauto ma quanlo I """"'""^
temos f q io u- bravos que n nunpc nunca desmen- ,, presos : plil l,e,e"',i'' do primeiro distric-
lirio o noi le, que guzaram durante a poca memo- 1l"rmo- "desertor do quarlo balalhio de arli-
raveldo liiuinpho da liberdadc conlra a desaire-1 ISH Ji'j CeeUan, o qual lu logo posto a
ada rel.el, ia
lia imasponcaa de nuiles, que ns unicosiiis-
pcrlnre,, ue rundan) na fregnezia da Doa-Villa si
us -enhnre Maya, os dous Lemos, Pedro e mais um
que pela i orne nao conhecernoa : ora,
e-ies deven descansar tambara,
las deven, lamhem Iracar o faim
da noite. Ir. subdelegado d
ra.
Bmfiante Amarinho cxsiiam ornas palhoras.
que servia n de coito ,lc negW fgidos, ecoii.lanies-
mo, que a alguna ladros ; dizem-nes que ellas ain-
da exislem c cum u mesmo
de
ana des-
nao era rr|
mesmo po
Culis
maro ha u
loa, i
0 Sr Meira H>nri,i i p,,'i' E" "*" *'"'n,'1"l-n "ulrn ,ionj de em lem- perlnl
o n^SKemSVnSjM-- t, T '*>.P*a p. oppctuno argumenl.r-e cura esse laclo, de ha- ro- ,,
o r,nel!,rnm., se quirernlOs elle e-t a seu direi-1 ,er > assemblea provisoriamente lomado a sen caigo I ment
di-pusicau do Exm. cnmuiun lanle das ;....
Pela subdelegada da deguezia dS. Jo das Pelruuilla Varia da Cunceicau, c linbclina Ma-
ris das Dures, pur desordeiras.
E pela subdelegada da freguezia da Bod-VNIa,
que ,*s coramodi"! j*S "^"a **$*Z* 8i?' "ur ''^obediencia.
. e gramai o iriu "* ao e % ^sc' ~ ,1""' e E,m-Sr-co"-
"selheiro Sergio leneira de Maceilo. presidente da
provinciaOchefe de pnljciainterino, Dr. PoWcar-
po Lopes de Leo.
com ."s-es meceos na i
pre-timu ; a ser evtelo
aftomttmntCa&o.
Kvm. Sr. Reinellemus a V. S. por copia o odi-
cio incluso para -ua inlelligencia e ciecucao, fican-
do cerlo que existe a urgencia de isenlar igoalmenle
a igreja perleiiceule ao eslabelecimenlo dos upontoa.
Dos guarde a V. S. Palacio da Soledade 11 de
jolho de 1836.Joao, hispo diocesano. Rvm. Sr.
cunego vigaru. da freguezia de Sanio Antonio.
Illm. e Rvm. S,. preaidenle da adminislracilo ge-
al dos esl..lii.|,-i imenlo- de caridade.Respotidendo
ao oflicio que V. S. illuslrissnna nos dirigi em dala
de 3 do correnle, aaaiguado igualmente pelo thesou-
reiro e esrrivao, como membros da administrarlo a
que V. S. ilhi-innn.i dignamente preside, havemos
por couvenienle isenlar da jiim-ih;,i.i parochial, e
snmenle sujeilar a nossa jorisdirao, o anligo edilicio,
denominado Hospital da Para'izo e sita respecti-
va igreja eroquanto ueste edificio existir o pi e pu-
blico eslabelecimenlo dos exposlos, licando o res, ec-
tivocapellao abrigado a lazer os aseantes de obiio e
liapii-adn-. no cnmpelenle livro que para este lira
Ihe deve ser pre-tdo.
Esla beaejb), porm, nao comprehende a admi-
nistracao du Sacramento do Malrimonio, que deve
ser contratado com licenca parochial. Solicitar a
isencao, que ura cunctderans, era modo ou meio ao
qual a administrac/iu geral dos eslabelrcirnenlos de
caridade Ihe cunvinha rernrrer, consollandu a mente
do prelado diocesano, sobre a isencau em lempo re-
mol, outorgada.
Dos guarde a V. S. illuslriisima. Palacio da So-
ledade II de jolho de 1856.Illm. e Rvm. Sr. l-rau-
ciaco Muniz lavares, monsenhor honorario da calhe-
dral e capella imperial do Rio de Janeiro, e do eun-
selho de S. M. o Imperador.Joiio, hispo de Per-
nambuco.
Esl conforme.O padre, Jas Antonio dot San-
tos Lessa, secretario particular de S. Exc. Rvm.
SONETOS
offerecidos an Illm. Sr. major Luiz
Jos Pereira de Carvalho, comman-
dante do 9- batalhao de infantaria
.# DIA .(i DE ,11IIIII.
anniversariu da victoria alcsncada pele bravo e T-
lenle batalhao 0 de infamarla, enlao 2 de ca-
Sadorc-, u ataque Ja villa de San-Jos do Nnrle,
pelo qual foram sua- bal, luirs con lecoradas com
a medalha ,1a Ordem Imperial do Cruzeiro. Dec.de
18 de julho de 1K11.
I'm grito ,le prazer. grave, eminente.
(bardo s.ille n-sle dia anguslo;
I; enlhusjasmo que arrebate, adualo
Eleve us peilos da goerreira senle.
Ilustres bravos, que o Uoiel palcnle
Immorlsllsa, no pendan venusto;
(.merreiros, nobres, que nao mancha o ansio
s\ vos meu canlo. pe,, feito Ingenie !
A aurora d'hoie vos memora uin feiln.
Heroico feilo !que vos deu ua Itisturia
A nome eterno singular direilu !
Salve, pois, este dia,o da victoria !
Sublime da que o valenle peilo
Do liel Brastleirn, enchc de gloria:...
li. c.
A gueirnla cohorte, que a divisa
He sopremo valor exorna a Ironle,
t/oe perins nao ha que nao alfronle.
E que feilo sublime immorlali-a.
Nesla aurora que surge e que inatisa
De formosas llurinha- o alio monte.
One um gialo auniversario v- apoi.lc
Deixai. guerreiros, a uma voz concisa.
Ardis infames, que almas vis peusaram,
(joulra snrprezn batalhao brioso,
Foi nesla dia que se diipsram.
Oh salve o dia, que surgi pomposo.
E os duros ferros que harmona parara
Aniquilando se lornoii famoso.
(i. ( .
ERRATA.
.\a correspondencia du Sr. (ermano, unde diz
sem do que Ihe ordenuula-scnem do que Ihe
ordenou. M
CONSULADO PROVINCIAL.
Reudimenlo do dia
dem do dia 15
I a li
33:ltlsli2
1:5901)396
3i:3Wt7iO
$Ct>i*MHW 5i> p0tt0.
'iacios sabidos no da 15.
LisboaBarca porlugueza ul.igeiran, capitn Ra-
phael (innc.lves de Barros, carga assucar e mel.
Kio de Janeiro e purlus inlermediusVapor brasi-
leiro iilmperalrizn, commandanle o I. lenle A.
C. de Britu. Pas.ageiros desla provincia, Dr. Ze-
ferinu de Almeida Pinto e 1 escravo, Joaquim das
\ irgens Lima, V.elucin Loiz Franco Candido,
sua -iMiii.il.:. | filha e 3 escravo-, Josc Vieira da
Silva, Francisco Xavier Marlins da Silva, Pedro
Muller. Jos Augusto de Araujo, J., S. Correia
de Mello, Jos Candido de Barros. 1 lilho e I cria-
do, Miguel Aflonsn Ferreira Capnbre e I criado,
Duraingoa Henriques, Manoel Lobo de Miranda
Henriques, Dr Manuel Rodrigues Leile eOiliei
ca. Jos de Vasconcellos, Antonio J is de Abreo
arias, Jos Uuedes Nogoeira, Ignacio Luiz de
Teixeira Machado, Miguel Ferreira,
dro dos S.-ini..-, padre Aulonio Jus Soares de
Meudonca e I criado, M.m.i-i Francisco Luiz da
Silva e 5 escravos, Juaquim Candido Monleiro a I
escrava, -2 criminoso) com -_> otacas de pulida, Dr.
Manoel Jos da Silva Neiva, 1 criado e I escravo,
padre Pedro Lins de Vasconcellos. Jos Joaquim
dcOliveira, Manoel Cavalcanli de Albuquerque
Jnior I escravo, Jos Rodrigue da Silva, Dr.
Sabino e sua lamiln, Francisco Juaquim Duarle,
Jus Joaquim de Parias, Francisco de Magalhaes
Bastos, 2 soldados, 13 recrulas p.ra o exercito.
@ditae.
Caixa filial.
3. Seceso.Palacio do governo de Pernambuco
3 dejolho de 1856.
O presidente da provincia querendn evilar as frau-
des que se podem dar e lem dado na venda de bi-
Ihttes de lolerias qae vem da corte e de ootraa pro-
vincias, ordena qoe laes bilhetes e suas fraccoes nlo
Sfjam aqu exposlna a venda sem eslarer rikrieao.
pelo administrador do consulado provincial e tbe-
soureiro das loteras desla provincia.
Para esle fim devem os bilhetes vir aeompanhado.
de uma lista assiguada pelo thesooreiro de lotera*
da corte, ou da rcspecliva provincia : e somenle do-
lila de coofronlados oa seu numeras com osa lista
serao convenientemente rubricados por aquellos dous
fonectonarios.
Sendo a venda dos bilhetes suieita a um impc-io
provmcial.nau poderSoser exposlos venda farad,
casas qu- o liverem pago.Serijo Teixeira de VI ,-
c-io.Unbime. Amonio Leile de Pinno.Cnn-
cia^ao'" 'ecr<,|a,i0- Amonio Ferreira da flrs i
O administrador do consulado provincial, nn
virlude do disposlo no arligo 3 e resnaUmenla de 3
de julho de 18.2, faz publico que se ith.in depo.t-
l-dos quatro cavallua apprrheudtrloa pela aundelea-
cia da Ireguezia do Afogados. es qoae sio eouside
radus liens de evunlo por se descoiilteeer sena dono,
e para que seja cumprido o qoe eonlem o sobredil,.
artigo, mandn publicar pela ininrensa, pan que
no prazo de qoinie dias comparece quera aos dito
cavados leuhn direilo, lindos os quaes se proceder
a arremalaco pela forma determinada no artia* 4
do citado regulamenlo.
E para que chegue a noticia de lodos, mandn
lazer o prsenle edite), aos 17 de jolho de I85B.
Anlono Carneiro Machado Res.
THE.* TRO
Santa Isabel.
C0MA4>ANHIA DE EXERCICI-S DE
EQUILIBRIOS DE FOB-CA.
BrloTaborda, Joa,. Teixeira Machado", Manoel a-.^^'?"'"^"*. T j.' 1f -
Antonio Pe- Q"arta-feira 16 de julho de 1856
> I ll**(l flllat -i i.'i.lm.d, li,. ------aS __ ,,
ao que as palrulh.s rondsuem al l.i,;
que. ora essa he boa...
a-nos que jonlo a fundicao de Santo
O MOME-PIO ACADMICO.
Ha innilu que deaejavamos Tallar snl.re o A/o(,lc-
. Pie Acadmico, sobre a ua urganisac,),, mi* >
JZ^';^:''"'^ "'" I "ns-telulo.. sobre o tira de lo u.i! CX
a.a por I.. |1P ,, .|,Ver lad.er. o ,eanham.l,,,ena.. falla do nHuNkuwI
cia para apresentarmos ao publico um Irabalho dig-
Di.mingos AUnso Nery Ferreira. commendador d
Impdial ordem da Ros; coronel e cominandauU
superk-r interino da guarda nacional do municipio
do Hcnii, e presidente do conselhode icvisla oa '
mesma guarda, por S. M. I. ele
Faco saber que na lerceira dominga do prescute
inez, (20 do crrenle se reunir o conselho de re-
vista da guarda nacional, comdetermina a segunda
parle do arl. 25 do o'-crelo 1130 de 12 de marco de
1853, na sala das sesses da cmara niuuiripal desla
cidade. as 10 horas da manilla, na ronformidade do
arl. i das inslrucces n. 7!2 de 25 de oulubru de
1850. -i ti id de lomar couheeimeulu dos recursos qoe
versarem sobre os casos no art. 33, e que lurero in-
lerpostos pela maneira determinada no art. 38 das
dilas inslrurces.
E para constar a quem convier madei publicar
pela impicnsa.
Qnartel do rommando superior interino 12 de io-
lli.i de 1856.
Domingos A/fonso Serg Ferreira^:
t:tt$M0t$*
wmtuuu
MUTLADtT
'.'HACA DO RECIFEI5DE:jLT.IIOAS3
HORAS DA TARDE.
CntafCes olllciaes.
Camino anbre l.mdrea27 a 60 d|v.
fr'drriro fnbUtlard, presidenle.
_______ '' Borges, secrelariu.
ILEGlVL
DIRECTORA DAS OBRAS PUBLICAS DA
PROVINCIA.
Lm cumprimenlo da ordem do Eim. Sr. prnden-
le da provincia, manda o Illm. Sr. director interi-
no das obras publicas, publicar para conherimenlu
dei quem possa interessar.o progiamma abaito tiant-
eripto, formulado pelo mesmo Exm. Sr.,para o con-
curso aos lugares de ajudante de engeuheiros desla
reparlirao, que deve ler lugar as 10 huras do dia 12
do prximo fuloro mez de julho.
Os concurrentes devero com al.licipacao de oito
dias, requer a ioaerlpcSo de seus noines no regis-
tro desta secretaria, alim de ser organisada a lisia
respectiva.
Secretaria da directora das obras pollinas, II de
junho de 18.56.
Osecrelaiiu,
Jnaquiui Francisco de Mello Sanlda.
O presidenle da provincia. coiifoimaiido-,e com a
proposla do director das ubras publicas, resolve que
d ora em diente, os lugares de andantes de enge-
nheiro- daquella reparlic.io sejam preenchidos |.r
meio deconcurjo, -alvo -e o pretndante tnerlilu-
l,ii acadmico de curso regular de mathemalicas an-
pltcadas.
Para esse concuiso se ailoplar.i o seguinle i.ro-
grainraa :
Os exames dos concurreules. aos lugares de aju-
dante de engeuheiros. serau anuuiiciado- pelo Dia-
rio de Pernamliucn quarenla das aulea e cunsla-
rau de duas parles.
A primeira ver-ara sobre a pralica de desenlio
linear c Ihopographicu. e 6em aasln a applicarao
dos inslrumeuloa mai> cummuns, laes como bu-ula
nivel, mira, trena, plnchela, barumelro. lermo-
melro, exercicio, de levanlauenlo de plantes nj-
velamenlueorganisac/iu de urramenlo.
.V segunda versar, subre Inda a ar.lhmetica, ,|-
gebra elementar, geometra al us solidos, Irignoine-
Ina reclilinea, elementos de archileclora e drscrip-
prle "'"ra,"e""'s '""donados na primera
Serao examinadores.o director das obras publicas,
que presidir oa ex.-i.nes, dous engenheiros Mana-
das pelo presidenle da provincia.
Depois de rnnhpcidos os runos, o din-cior das
"bras publicas far uma exposicJo ao presdeme da
Logo que a orcheslra tivr locado orna bella svm-
phunis Sbrir-se-ha a acea com a lerceira reeeti-
cao dus
Mvsterios
V
DO
I na hora de mgica e illus.es por Mr. Moveaex
pestidigiador de Pars.
PRIMEIRA PARTE.
1. As bulas de crxslal.
2. I ,n.i sorpreza.
3. As pecas volales.
i. Aa pilulas de peixe.
.5. Ocofr- de crxl.d.
t. O perito carador. ,
Terminar sata parle pe., de-app.recimcnlo de
das pessoas da sociedade.
SEGUNDA PAKTE.
Pelos muilo- pedidos de diversas
Irabalhar o
pessoa-., anda
O iiienino do i\ '
TERCEIRA PARTE.
^Exercjio, eilraordinarioa e novas inleiramenle
peIo--s
PRNMBUCANO.
QUARTA PARTE.
Pela primeira vez
AS VISTAS DISSOLITIYAS.
I ermiiiara o e-peclacules peloa.
CAMALEO ES ELCTRICOS
o- um efTeito pr .i-umbro-o
MRS. ROBERTO E DEVEAIX
pedein desculo*, ao publico por anda le-l vea awo
apresentarem a daosa de corda ; nao ,-.,.u,,!.. or.
molivo mal- do que a molestia repentina de marie-
; muiselle Ju-epluna ; ma. as-egura-lhe que eo |u
. cu a leriu. '
Cnasaenra as 8 horas.

WvqZ tittSrtsxi*.
Reai <'oij|>aiilna tes i:.^ii'ics i Vaipo,
*o du
21 oV.1,
t rotee
saumsj
le k i -
chanl Rivell, o qual drpoi da demora do cailume
i seguir par South.mpli.n, turando nm purlos ,1
San-Vicenle, TeneiiOe. Madura e l.i-l,,,., p#t
pauagem, ele, lrala- rom o agcnles Adam.
; llnwie o. '-. ru do Irapiche-.Nuvu n. |.
N. B.--Os embrulho qoe pielenderem mandar
| para Southamplun dexetan eslar na esencia sU.
horas anles de aa fecharem as mala,, e denoi- ,i.
hora nao se recebera volme algnm.
PABA 0CEARA'.
O pilad... ..Sania Crui recebe carta e raaa..
ro. a .rilar ''"m Cela.,,. Ivr..coda t\ mTT.i,T
do t orpo Sanio n. 25. '"



r*-------------- -*----------- i
Vende-se o patacho nacional Goh/i-
uricd, de lote do 107 tonelladas, construc-
co de Carvalho, e prdrhplo de m ludo
par navegar para qualquer parte: os
pretendentes o podem cvaminar, <|ue se
achft Tundeado em frente do trapiche do
algodao, e para tratar, com os consigna-
tarios Novaes & C, ra do Trapiche n.
34, primeiro andar.
Para,
ra direilura, o patribate Venus segu com bre-
vidade por "r parle da carga ; para o resto e passa-
Keiros, trata-se com Casiano Cyriaco da C. -M., ao
lado do Corpo Sanio n. 25.
O PATACHO NACIONAL ATIIr.NAS
precisa de marinhein naclooaes para a sua viagem
ao Haranhao.
Para Babia
se{jue em poucos dial por ter parte do
oarregamentoprompto, o veleiro e bem
oonhecido hiate nacional CASTRO : para
o resto trata-se com sen consignatario
Domingos Alves Matheus, na ra de Apol-
lo ri. 83,
Cuinp uiiiir Prapco-Aine-
ricau de vi poros Y.iit-
eeze
Espera-seno
da 23 do cor-
rente mez viu-
do do K Janeiro, o va-
por Cdiz, ca-
pillo Berin-
duague, que
segu para n
, Havre, com es-
cala por lente e Lisboa ; para frete e pass-ageiros
em casa de L. Lecomte I-'eron & C, ra da Cruz
Para*o Rio de
Janeiro
segu em poucoji dias por ter grande par-
te do carregamer-to prompto, a escuna
nacional 7.ELOSA, capitao Pinho : para
carga ou esclavos a fete, trata-se com
os consignatarios, no escriptorio da ra
da Cruz n. 49.
Cetra, M'irauhfii! e Para.
Segu no fim da presente semana n brigne escaa
Laura, anda pode admitlir alguma carga : bte-
te com o consignatario na ra do Vigario u. 23
MARANHA E PARA.
O pilhabole aVeuus segu com brevidade ; re-
cebe carga e passageiros : trata-se com Caelano Cv-
riaco da C. M., ao lado do Corpo Sanio n. 25.
""PARA LISBOA E PORTO
salara com brevidade o brigue Trovador: para
carga e passageiros. trata-se com Barroca t Caslru,
na ra da Cadeia do Recite n. 4, ou com o canillo
ua praea.
ao mo
de Janeiro.
Segu com toda a brevidade o brigue
nacional HERCULES I para carga, pas-
sageiros e escravos a rete, trata-se com o
consignatario Augusto Duarte de Moma,
na ra de Apollo n. (i, ou com o capitulo a
bordo.
RIO BE JANEI 0
Segu no da 20 do mz crreme o palaclio Va-
lente, capitao Joaquim Anlouio l'-oncatves Sanios ;
ainda recebe earga, passageiros e escravos a frele :
i Iralar com Caelano Cyriaco da C M., ao ladu do
Corpo Santo n. Si.
Para o iio de Janeiro
segu impreterivelmenle a bem couhecida escuna
brasileira .. Lindan no dia 20 do crrenle: para ora-
lo da carga e escravos a frele trala-se com o prnprie-
tario oa ra da Cadeia n. 66, on na ra do Vigario
d. 5.
mi** $a$0&
i Eu abaiio assignada rogo a cerlo procurador,
que se incumbir de embargar UBI quadros, que li-
nham de ir em prara. nn dia 17 do mez p. p., para
cujo tim evigira de mim pela primeira vez lio e 211.-
pela segunda, o que prefez a iomnia de i.};, aflir-
mainlo-me ser este dinheiro psra por em deposito
como Banca, aos mesmos quadros, e que quanlo ao
seu pagamento eu o li/esse quando concluirse o ne-
gocio e pelo que me couviesse dar a visla do seu Ira-
balho, ecomo agora me conste que na.la lizera o di-
to Sr. em meu favor, e nao me tenlia apparerido,
segundo dlsse, ruco, pnis, ao mesmu Sr. que se nlo
quizer ver seu nume declarado e o negocio mais es-
clarecido, venha quanlu antes cumprir sua palavra,
na ra Bella n.'., pota sendo S. S. pai de familia nlo
deve procurar eslorquir de quem lem lillios para
educar.Josepha Carnuda de Mello.
l'Elll.l NTA OLE NAO Ol-ENDE,
Desde 0 da primeiro do curenle que se acliam
vencidas asapolicesda primeira serie do empreslimo
provincial, e al boje nada de pagamento !! Quein
pagar. pector '.' 0 Curioso.
Precisa-.se de tuna lavadeira para
tomar roupa de urna grande familia, que
d fiador a sua conducta : na livraria jis
G e 8 da piara da Independencia.
Aviso.
Precisa-ce de uma mulher branca que
seja ja" idoa e de milito boa conduela,
para fazer companhia a urna SeVhora:
quem a tiver nestas circtimstancias an-
iiuncie por este jornal, ou dirija-se a ra
da Cadeia do ltecil'c n. 7, loja.
Dcsappareceu o prelo .le naijao, de nomc Jos
conliecido por Goianoa, cauoeirn lia mate de30 ali-
os nos porlos .le Olinda o Kecife, represeula 10
e lanos a .V) anuos de dado, bstanla alio, corpo
regular, pouco barbado, lem urna cicatriz em un
dos luariV. que parece ter (ida de fugo, mos e ps
curtas a vala da altura ; loppOe-se andar ganliando
as escondidas na m-sitia canda en que Imbalhava.
ou em oulra qualquer : quein o pegar leve-o a
roa da Aurora, u. 12, segundo andar, que rereber
203000.
--Na loja de calcado confronte ao oitlo do Curpo
Santo n. 2!l, precisase de ofliac- de sapaleiro pa-
ga-se bem.
I'recisa-se de urna ama para o servico interno
e externo de urna casa : quein pretender ,linja-sc
I prarja da Independencia n. ;4.
Precisa se de una ama 1-vre, parda ou prela,
loe saiba eugoiniiiar e fazer o servico domestico
de urna casa de familia ; a que se ichr habilitado
para isso, pode apparecer na ra du Apollo, arma-
zem n. 6 A, das 7 horas da manilla al asada
larde.
Pela subdelegada da freguezia da Vanea, se
faz publico, que furam apprehendides qualro cavat-
ina por suspeila de screm tunados, seudo doga ala-
zes, um russo pombo. e oulro pedrez : a pessoa
que se julsar com direiloa elles, comprela na roes-
ma subdelegada munido de seus documentos.
Subdelegada da freguezia da Vanea, 13 de jolln
de 1K6, o subdelegado de polica.l'raocisco S.
de I ignei eil.i Castro.
Francisco Jos. Auguslu l'erreira, leudo de ir
a Lisboa Iralar de sua saude. e nao podendo des-
pedir-se de seus amiges e conliecidus, pessoalmcnle,
serve-se dcste meiu para o fazer : ollerecendo Ibes
ao mesmo lempo seu diminutu presumo uaquella
cidade.
Prciisa-se de orna ama para casa de penca
familia, na ra Nova n. asegundo andar ; na mes-
ma se da 2ODSU0O a premio com pinliores : ou a fal-
lar no escriptorio do tabelilo S, na ra estrella do
Hos.il io n. !">.
Na loja de modas de madama Millochau Buessard
acham-se vestidos de hlond, mantas de dito, llurese
ludo mais necessario para casamentas, vestidos, en-
feiles, capellas, luvas, eolariohoa c manguitos para
Ihealro, por proco mullo em cunta.Madama Millo-
chou faz constantemente vestidos de casamealos,
bailes e theairos, enfellM de todas as/qualn!ades,
chapeos, ele, com goslo rocunhecidu e exaclidao.
Antonio Feij de Mello manda para Porlusal
seu hll.o menor Laurino Olimpio Feij de Mello.
Inga-so o suto do sobrado de ur-TTidarTs o
Olk&m 01 KalNMI OARTA FU Re) 16 01 JULH 01 I8S6
\
i
? t*ti
i
* PED AS PHtCIOSAS.
^^WWKnK ajm
5
I dian
SU ce i ra
Adeiecnldebrilhanlts,
ules e perolas, pul-
...... allinetes, brincos
* e rozt las, nntoee e aunis
de dii 'renles costos e de
_ diver as podras de valor.
*f Corrpram, vendem ou
9 Iroca n prala, ouru, bri-
i Ihant *s,diamantese p*ro-
* las, i outras quaesquer
, joias le valor, a dinheiro
ou pi r obras.
*?,>.i ..:: y.+,:;.?'?!.
de
I0RE1KA ODARTL
1,9.1 Dg Olilvte
Ra do Cabuga' n. 7.
lt rt'i'JUi J)(,: |}>-
'ittSO-' V: jll.Trsd;! ja-
rojif. isobi'itS lio uiais
i>nMeniti costo, fall-
i '.i. I'>:!ira coiiki
OUO EPRAT.%-
^ Aderecos completos de jj
Mro, meiosdilos, pnlcei- i
* ras. alfineles, brincos e ?
: rsalas, eordsea, trance- *
lilis, ineilalhas, crrenles .
e enleiles para relugio, e K
', oulros inultos objeclos de t
: ouro. t
Apparelhos cmplelos, *
'.' de prala, para cha. han- *
. dejas, salvas, caslicaes, *
* collieres de sopa c dech, *
J e muitos oulrus objeclos %
*, de prala.
' VA :;-:-+"3e''#
Lisboa, asquaes se vendem por
pr^o cotiimod eonio eostuiuain.
Loteria
i,i
Os
gos na r
ra du
18.'*.--1
leles rubricados por Ulivcira Jnior sao pa-
la do (.ollegio n. I5,e im seu escriptorio, na
ueimado u. 22. Kecife l de julhu de
H, I. Olivcira Jnior.
Kosario
A
de urna
itlussa adaman-
tina.
Fraut seo Pinto.Oznrio rliumba denles com a ver-
dadeira maesa adamantina e applica vcnloaaa (>cla
alracjai .10 ar : nde sor procurado confronte ao
de Santo Antonio n. 2.
uga-se urna escrava para o servico iuteruo
casa : nu l'aleu do Terco 11. D, l."andar.
Ji lio Cesar Pinto de Oliven taz scienle ao
respetli ,el publico, que uSr. Manoel da Silva llui-
dei\ou de ser sen eaixetro desde o .lia 1:1 de
os i|ue muiln Ihe agradece o seu bom com
nlo que leve na sua casa
para Ku-
maraes
julho, 1
porlam
Charles' Owel subdito francez v
ropa.
D lera-se em lempo que a casa que lem anda-
do em iraca pelo juiz de orphaos a requerimento
dos het teirus da mesma, nao he a da ra do Amo-
rim 11. Jo do bairro do R'cife, a anal he de um an-
dar, c im he a casa .la rua du Codornil 11. 10 de 2
andar que por engao se tem annunciadn.
Aljgam-se duas casas na povoac\u duMonteiro
com qi intal murado, e lem saluda para o rio.-boas
para pissar a fesla; na rua duTjueimado 11. 28, lo-
ja de fi rragens.
-- C secretario da irmlndada de S. Jos d' &go-
nia ert ela no convento do Carino, convida aos seus
irroaos para quinia-feira. 17 do curreule as : huras
"a lar< e comparecerein no consistorio da mesma ir-
mandde para reunidos em mesa geral, se proceder
io da nova mesa que tem dereger a irmanda-
856 a I8.Y7.
a eleic
de de
(. secretario da irmandade de S. Josc d' Ago-
na er
irmo
tela 110 convento do Carino, convida nos seus
para comparecerein 110 consistorio da mesma
irmanlade, no da 15 pelas 0 horas da larde, e no
da It
fina
lleuin
O agente Vieira da Silva faz leilao,
se\ta-feira 18 do corrate, as 10 horas
da manhaa, em seu armazem, na rua da
Madre de Dos n. .12, de diversas obras
de marcineiria novas e usadas, mohilias
novas e usadas, diversas miudexas ziltc-
rentes obras de otrrb e prata, e mis ob-
jectos cpiese acliam patentes uoarmazem,
e tttdo sera' vendido a contento dos re-
guezes.
Leudes.
OagenteOliveira tara' leilao, poro.dem
eem presenra do lllm. Sr. cnsul da Fran-
ca nesta cidade, do sumptuoso e elegante
predio novo edificado a' tnoJerna, perten-
cente a..., epata liquidac/to da massa do
tinado Gadault, sito no largo da Boa-Vista,
com frente para o mesino, e pelo oitao pa-
ra a( rua da Conceicao, com excellcntes
commodos. bello terraco, e em ludo apre-
ciavel para morada e estabelecimentode
jualquer negocio em ponto grande o
qual pode ser examinado com antecipa-
chopelos pretendentes, aipiem se convida
recorramao Si. proprieUrioda botica all
evistente, eem poder de quera existem as
chaves : sabbado 20 do corrente as 11 .
i a k- tendo lempo de despcdir-se de lodos os'seus amieos
horas da majihaa, no pr.meiro andar do pela rapidez de sua viagem. pede mil despulpas r
indicado predio. ^
na Iravessa da Concordia : quein u pretender, dir
ja-se a' rua dos Marlyrius n. :(i.
-- A pessoa que annunciou no Diario de lio
lem 15] precisar de um pequeo para loja de fa'zi
das, dinji-se a" Iravessa do Queimado n. I. qu<
chara' o qu precisa.
A pessoa qne Botou na c^ija da adiniuisli jciio
do crrelo urna caria sem sello par,. Qaudino L'tl-
cao Das, venha pagar o respectivo porte, a de
poder seguir seu destinu.
A pessoa que annunriou precisar de um rapaz
para caivciro, pode dirigir-se b' praea do Corp. San-
io n. ., e 7, que achara' um habilitado, e que da
fiador a sua conducta.
Precisa-se, para ama de casa de pouca fami-
lia, de urna mulher de hons coslumes e eicellcnle
cozmheira : a tratar na rua do Padre Florianno nu-
mero 1.1.
Na roa Velha n. lili, existe orna seuhora hones-
ta, que engomma com loda perlero, e lambem
manda lavar com lodo o estelo roupa de qualquer
genitor que se queira utilisar desle servico, prece-
deudo urna entrevista.
Aluga-se um encllenle sitio, com boa casa de
vivenda, bstanle terreno, militas amores de fructo,
por preco raznavel, o qual ser a qualquer hora
franco eos pretendentes: a Iralar na Estrada dos
Aflictos, na Malarlucira, confrunle au sitio da Sra.
ti. Marcolina.
Em eisade Henrv (ibson, Ponle de Ucltoa,
precisa-se de um felor, |irefire-se casado, assim co-
mo de Irabalhadores.
Precisa-se de urna 11105,1 honesto, que saiba
hem coser chao, para licar inorando na rua .Nova n.
3, casa da modisla brasileira.
O alfaiale Lucio faz scienle ao respeilavel pu-
blico, que de uovo abri seo esiabelecimenlo de al-
faiale na rua da Cadeia do Recife, adianto um pouco
do arco da Conceicao, casa o. 4!l, primeiro andar,
onde se acha habilitado para desempenhar as func-
coes de sua prolissao a lodo e qualquer senhor que
de seu presumo se quizer utilisar, e promeile servir
ponlualmenle em dia e hora lebaixo de modello e
goslo. O mesmo annunciaule precisa de officiaes .le
sua profissao. de lo la obra, que bem ilesempenltem,
para melhor servir -os eos freaoezes, os quaes serflo
reslnclamenle pagos como c.sluma.
Anda eoc praea para serem arremata los, liiulos
os das da le, e igualmente ser annunciado o dia
que tiver lugar a arrematarlo de dous sobrados sitos
na rua Augusta deata cidade, por execorA de An
Ionio Jnaquimde Souza Kilieiio contra Jos Hara
Platido de Magalhaes e sua mulher, pela primeira
vara civel, escrivio Sanios,
O Sr. que annunciou querer um caixeiro para
loja de fazendas, querendo um de 15 anuos, pode ir
Iratar na rua du Aragau n. 2").
A pessoa que deilou na cala da admioistracao
du correin ama caria sem sello para o Exm. Sr. tr.
Antonio Coellio de Sa Alhuqnerque. lenbapagaro
respectivo porte, afim de poder seguir o seu destino.
Precisa-se de urna ama que saiba rozinhar e
fazer lodo o mais servido de Casa : na roa Dircita n.
86, segundo andar.
-- O ahaixo assignado, leudo de seguir viagem
para o Rio de Janeiro no vapor Imperalrizi, e nlo
Sabbado, I!) do trrenle, ao meio-dia em pon-
to, o -gente Oliveira fara' leilAo. por nrdem do lllm.
Sr. cnsul de Franca, e no respectivo cunsuladi,
rua do Trapiche-Novo, do espolio da Tinada subdita
fraore/a Koze Antoiuetle lllanc, cnnsislindn em urna
caixa conlendo roupa, cliapeo para senhora, um
guarda-sol e um par de brincos.
O agenle Oliveira far leilao. por aulorisacao
do Em. Sr. Dr. joiz especial do commcrcio, exara-
da emreqoetimento dos depositarios com annoencia
dos curadores liscaes da massa fallida de Mara Flo-
rinda Scasso, das fatendas e ermarao da luja, a*im
como das dividas activas da dila massa na importan-
cia rs. I:2t">3020, c alguma mobilia : qu.irla-fei-
re, lli dornrrcnle, as i I horas da mai.baa em ponto,
na indicada loja, sita no alerro da Boa-Vista n. 29.
O agente Borja fara leilao em seu armazem na
rua do Collcgio n. 15, de urna oplima mobilia e di-
versos movis e utencilios de casa de urna familia,
que retira-se para fra da provincia, assim como de
ootrqs muitos objectos, como bem: grande quanti-
dade de obras de marcineria novas e usadas 2 ricos
pianos de jacarand rnoderiiissimos, varias obras de
uuro e prala, reloguu de diversas qualidades para
algibetra, ditos para cima de mesa e parede, varias
qiiniquilh.iri.is francezas, 1 caixa com O curies de
seda de lindos padrftes para vestido, 10 casacas fran-
cezas da ullima moda, 1 caixas com ptimas con-
servas de carne e de Truclas, e|r., ele, '* slgDM es-
cravos de ambos os sexos, inclusive urna uegnnha de
S annos de idade, um molequin|u> ,i,. _\ e ou(ro (|c
7 aonos. os quaes se arharao ao aslo dia em ponlu
110 reren.lo armazem : quinla-fein, 17 ,j0 trrenle.
I.EII-O'ES.
_0 igenle Vieira da Silva fara leilao quinta-feira
17 do corrente as 10 horas da inanbAa, era presenca
du lllm. Sr. cnsul da Dinamarca e aalorisarao 10
lllm. Sr. |uiz de orphaos, dos otjeclos abaixo'men-
ciunaJos de lornecimenlo de navios Shipi chandlers
da viova Fiseber na rua dos Tanociros n. 1., por
nao se ter concluido no primeiro leilao : armaran
com lodos os perlenres e fileiros, canSo, balr.lo e
barris, 2 barrica, 52 eajsaj de charutos vasias, ti
latas de fdhas, 3 garrames, 10 latas de lima vasias
2 ancorlas, 37 botijas de genebra de Molienda
chei, \ egpanadores e urna grande porrao de cai-
xHSs vastos.
I.EILO'Es.
O agente Vieira da Silva faz le,lao quarla-feira
i do crrenle ao meio dia em ponto da taberna de-
pelas '.I horas da inauli.ia, e as 3 di larde
e as-islirem as Nsperas, resta Rasuuia c Te-
1 de ti. S, do Carme, para cojos actos romos
convi ladus pelo Uvm. preladu do mesmo convenio:
igual omile laz para o dia 20 do corrente.
LOTERA DE N S. 1)0 CABMO.
Aulunio da Silva Ouimaraes vendeu na sua luja
no aterro da Boa-Vista n. .">>>, junio ao selleiro.osse-
goinlfespreuiios da 3.a parle da .,loteriade N.S.do
1..11111,1, os possuidores podem vir receber a'garautia
de 8 por cenlo.
I qulrto u. 3100 .
I meio 11. 21II ,
! qulirluu. 88 .
I biljiete inleiru 11. 2919
I hilhete dito 11. 3816 ,
I qnbrto n. 80 .
1-qusrlo n. lis .
I di B:386 ....
El Moa venda os Mneles da i. parle da l.a lote-
ra c o Carino, a qual corie no dia 19.
Preersa-e de nina ainn forra para o servir de
:a-a de um liomeni solteiro : a Iralar na rua d VI-
;ari 1 n. 13, segundo andar.
- Aluga-se n um liom-ui huueslo, ilando-se o
ltenlo iieeeswiie eludo em cunta, urna linda
ha cun varan,la de ferro c nlcova, ludo piulad
ovo : ua iravessa da Madre de Iteos 11. 10, pri-
uo andar.
Ira I
salu
de 1
mei
5:0008000
hOOUSOOO
ioxooo
1003000
1009INNI
.lOSOOO
2115000
208000
ando Ibes o favor de aceitar suas despedidas, e of-
ferece-lhes seu pequeo presumo naqoetle lujar.
Jos Candido Pertence n bilhete inteiru da quarta lilcriaa
beneficio de N. S. du Carino do Recife n. 3608 a
Joaquim Jcsc da Costa l.eile, de Ijoianna, e fica.
Os Srs. Marcollno Jus da Cosa c Antonio
Joaquim de rigueiredn tcem carias na rui do Cres
po n. lo, tudas do noria.
Precisa-se alugar um eterna que sirva para
serv.ro de u.na casa, nlo se exige que seja muco : na
praea da Independencia n. 37 e 39.
-- A pessoa que annunciou no Diarios de II
precisar de um caixeiro pa luja de fazendas, faca o
favor de se dirigir a rua do Collcgio. na botica' do
Sr. Cypriano I.uiz da Paz, que achara cun quem
fallar. *
.~" ,ua1"im Moreira da Cmara retira-sc para o
Rio de Janeiro.
O ah.iiv. assignado faz scienle ao respeilavel
publico, que deixou te ser -aixeiro do Sr. Henriques
da Silva Moreira desde o dir 15 de julho do corre-
le, e agradece ao mesmo senhor o bom Iratament..
durante o lempo que esteve em sua casa. Recife 15
de julho de I8.'iti.
Manoel Jos da Silva l'tmetilel.
Jos lialli v.ii a Europa.
-- Moje lli do correle, lida a audiencia do Sr.
Dr.jnil munieipal supplenle da segunda vara sera
arremalado p-r venda o sobrado 11. s da rua do
Crespo, de 3 andares, avahado em 7:0009, por exe-
cnrode Vulonio Jos Perira de Miran la conlra
Filippe Bello Maciel de Olinda e sua mulher ; he a
ultima prai.a.
Pedc-seao senhor que annunciou velas de car-
nauba refinada, nn paleo do Terco n. j, que n.io
Hada o publico, duendo que -s "ditas velas lem a
propriedade de dar luz igual ao espermacele, pois
fique saliendo, meu descobridor .te mel de pao, que
as suas velas nao su sao mal acabadas como crian
grande murrio, remellan, edad mi luz. Mo Ihe faz
ver o que firouEiifurquilhadu.
Troca-se uraa imagem do Senhor Bom Jess
dos Milagres, alado a columna, com cordAo e res-
plandor de ouro. \ dila imagem he muito bem fcila
e muilo perfeila : quem pretender dirija-se ,10 aler-
ro da Boa-Vista, loja de spalos n.li-
Roga-se aos Srs. Antonio Jo Francisco Jos de Agujar, o favor de se dirigirem ao
alerro da Boa-Vista, loja n. 14, afim de receberem
urnas cartas viudas de fra.
Litxoes de piano.
Leccioua-se piano por methodo muilo fcil e pre-
co i ni canto, havendo piano para esludar, quem o
uo liver : na rua do Vigario n. 22.
SOCIEDADE H00LGC&.
Ao podendo ter lugor a sessao ordiuaria domin-
proximn passadn, ficou transferida para quinla-
feii a 17 do crreme, is dez horas em punto.O pri-
me ro secretario, M. da Cunta e Figueiredo.
- I eodo a abaixo assignada annunciado us jor-
nal :s de Pernambuco, entre elles os de 8, 9, e 10 de
ag s|o de 18jt, um moho feilo em sua casa em IB
de junlio du dito annn, eonsislindo em vanas ubras
de prata, daqcwlle rouho a ahitio assignada veio re-
cel er, por occasiao de buscas datas pea delegada
diversas casas, elgnmas das obras annunciada,
m, fallando anda dez rolheres de sopa, novas,
ito aarfu ; estas obras cum a marca pela parle
detraz nos cabos FV., urna culher grande de li-
supa, urna dila de tirar arroz, urna dita de lirar
orar, urna culherzinha de espumar, urna dita de
1, seis pares de (velas grandes antigs, urna por-
1 de prala que fui de espadim, seis cabos de faccas
prala lavrada, cmais um dito de gomo*, todos
se 11 as fulhas, ir facas com cabos de prata psa-
lo 1 e bnrdadus, um marac rom selle cascaveis de
ila, um par de brincos de pedias compridos com
xa, um reoslo com eaisa de porta, um penle de
tai taruga grande e rendado, um Sanio Antonio com
aliur.i de um palme refurcadn, e oulrus objeclos de
mimos valor, pelo que 1 ahaixo assignada ratifica
aquelles seu. aunuucios, proleslando heve-Ios c pro-
ce ler runir* quem us liver em seu poder : rua dos
Pires n. 23,
Alaria Joaquina de Moura.
Precisa-se.de officiaes tamauqueiros:
ni raa larga do Rosario n. I .
Precisa-te de officiaes de sapateiro:
na rua larga do Kosario n. I r.
6"
Lote
b
na
Troca-se por dinheiro
do Seul'Or dos Passos,
--------"'"1'au meio uia empunto da taberna de- "" 'or (IOS KasSOS, e nao Se ollia a
^ZrRtit:t l^Z"^^ P^^fo'i'operfei.a e nao muitO
veira, com lodos m perlences ou -. dos eneros da I Pefi,,Pna : na prra ti 1 liulependeiici
maueira que melhor coovier aos compradores. | US. (i t- S, le dita' iiueiu tun-i .
0 convento i!e N nhora do Carino.
Aos 5:00Un e 2 000 000
Corre indtihilaveltneiite sabbado lilt-
julho de 1850.
Salustia.no de Aquino Ferreira
lina que venden ocstguintes premios la
trceira parle da primeira lotera a be-
1 eflcio do convento de Nossa Senhora do
(airmo, estrahida a 12 de julho.
1 quarto n. .ll'.lO 5:00().s(l()(l
I meio bilhete '" 2111 2:OO0.s'OU0
I <|ttarto SS iOO.sOIMI
8 titos ItiSt -200.SO0II
I dito .~2oS lOgOOO
I (lito ;:>! ."lO.stiot
I bilhete 2510 5O9OOO
I quarto 80 50i>000
lem espolio a venda seos muilo felices
hilhetes, meios e quartos da quarta
I arte da primeira lotera do convento lie
iossa Senl.ora do Carino, nas lojas s--
(;uintes: rua da Cddeia do Reeife n.
>, loja de miudezas de Jos Fortunato
los Santos Porto, na praea la linL'peii-
< enca ns. T e '>'.), loja de calcado de
Antonio Augusto lus Santos Porto, na
laesma praea loja de hilhetes n. 1, da
Mina Bastos, no alerro da Boa-Vistan.
" 2A, loja de bilhetesde Antonio Ma-
t'Oel Cardo/.o, e nas demais lojas ja" co-
1 heridas do respeitnvel publico.
Os dous premios grandes cima re-
I tridos nao estio sujeitos ao descont
t os 8 por cenlo do imposto geral.
Sseresponsahilisa a pagar OS 8 por
etilo nos dous premios acuna mencio-
1 aclos.
I ilhetes 5J600 recebe por inteiro 5:000jJ
Meios -2x88(1 .. 2:500j
( tiartos I440 l:350J
I ernambuco I." de julho il- is.'iti.Sa-
Insfiano de Atpiino l'erreira.
I>. Juliana Robilliard cum I lilha, e2 RlhtM ro
l. atn-Te para Inglaterra
[flatildatlu (lo S:llt|s,S,.|0
*arameilto, d i;i-
tiiz da io :>a.
Por ordem da mesa regedora convido
a todos os irmaos tiesta irmandade para
se leunnein em mesa geral, no domingo
20 de julhodo correte auno, pelas 9 ho-
ras da manhaa, afim de tratar-se de ne-
gocios de muita urgencia e interesse para
a irmandade, e por isso espera a mesa
regedora que os nossos irmaos nao dei\em
de comparecer.O escrivio, Jos Joa-
quim da Silva Guimaraes.
Quarta-feira lli de julho havera' um mnibus de
Apipncoa para o tbeatro. a partida as t huras c neta
e Volt* quando acabar o Ihealro: a> pesJOM que qui-
7erem bilheles v3o ao eseriplorfn do preprietarie na
rua da Cadeia de Sauto Aulunio n. 13, primeiro
andar.
Precisa-se llagar trelos rorros oo captivos,
para srvenles, trata-e com o ab.iixo assignado: na
rua do llrum fabrica de vcllas c sabao a vapor.
Gamillo Augusto Ferreira da Silva.
-- Precisa-se de urna ama para coiuhar c cn-
Rommar para peonen* familia : na rua da Gru
, >- II.
Ouem precisar da quanlia de ."1O.3 a juros sob
1 peuhures de ouro I n. 3, primeiro andar.
Antonia Carolina la Cuncen-o avisa as peanas
que tem penhores em sua man, bajain de vir lira-loe
deulro em Odias, c se assim na o fizerctn sera
vendidos os dilos penhores para seu pagamento. Ke-
cife 15 de julho de I81U.
Fugio 11 da -u ro rente urna esrrava crioula
de nome Ansehca. idade para mais de ll anuos, al-
tura regular, inalfeila du corpo, vestido de chila,
panno da Costa velho : quein a apprchender leve a
rua das Larangeiras a seu senhor Amonio Maia Cor-
les, que recompensar.
Precisase de um caixeiro para luja de a/en-
da-, de 12 a li aonos : quem estiver ueslas circums-
laucias aouuncie por esta fullia para ser procurado.
Precisa-se le nina ama forra un captiva para o
servico domestico : a tratar uo paleo do Carmo, so-
brado 11. 7. priuicir andar.
precisa-se de urna ama secc para casa de pun-
ca familia : na rua da l'raia 11. i1), primeiro andar.
~ Desappareceu no domine, i'.i do crrenle,
urna escrav* de nome Calharina, de nacau Angola,
de idade 3U anuos, estatura alia ; r.ii cscrava do le-
tienle-corouel Leal, saino a ven ler mis frangos em
um balaiodesses do Porto : qcem a apnrehendet,
leve a rua da Itoda 11. Vj.
! Na rua do Itangcl 11. 64, precisa-M de um pra-
' licante de pharmacia.
Ollerece-se ama ama para rasa de homem sol-
teiro, para tuilu e qualquer scrvirude purlas a den-
Iro : quem quiier dirqa-se a rua das Trincheiras
n. 1, que adiara' coinquin Iratar.
A pessoa que annunciou querer comprar nu ar-
reodar um sitio que lenho abundancia le capim iodo
0 auno, pude procurar na rua da Praia, serrarla .">3,
que icl.ar com quem tratar.
-- I!. Dedier, sucio gerente da casa di- B. Iledu-r
,\ '... vai a Franca, leixando Suuvage (kC., encar-
reg.di.s da procuracao la dila casa.
Precisa-se do ama ama para o servico iolernn
de urna cas., de pouca familia : a tratar'na rua do
fraguarte* n. 18.
-se .1 premio 1:6009000, quem quizer, di-
nja-ae 1 rua du Coliegio n. lO.segpiulo andar, que se
oir quem d. .
! "i'rdeu-se no dia II lo correnle, desde a rua
da florentina altaren da* Cruzas, urna rarteira
j ciiendo :l cuntas, 1 valle de :)j3 e 2 meios bilheles
j da olera de N. S. du Carmo, e algn* carines de
visilas : quem achou, querendo reslituii piirte levar
a rua da Cruz 11. il), mi annuncie para ser procura-
do. Adverle-se que o aceitante lo vale j esl avi-
sado, e aonde se comprou o bilhete lamber esta
. avisado.
I Aluga-se um peril mualo para criado de al-
Bumhomem solleiro ou casado, muito diligente e
I fiel : quem o pretender dirija-se a rua dos Prazeres
ido bairro da Boa-Vista, casa pintada de cimento,
que tem duus leoes no pcrIAo.
A pessoa que se julgar babililada para ensinar
i llaula, dirija-se a pra;a la Boa-Vista n. .">, segundo
andar, das 2 as (i lloras da tarde, que achara com
. quem tratar.
Jos Juaquim Alve, tendo arrematado as di-
vidas da casa lallid.i do Sr. Manuel Joaquim Alves
1 tlomba, convida aos senhores .levedores da mesma
a dingirem-se a rus jNova 11. 71, alini de amigavel-
iiieule saldar suas cotilas.
l)eeja-se urna amo secca para dlsporo servico
inlerno de urna ci-a de mui pequea familia : na
rua da .Madre de lieos por cima da agencia do le
la, primeiro andar.
Na roa da Madre de Ueos, no primeiro audar
du subrado que tica por rima da agencia de leilau,
dlu-se lices de iuusic vucal e iustrilmeiital, alii u
' em casas particulares.
ATERRO DA B04VBTV X. U.
i<>mtii-.theau(ema iiois-
ra de axisar ao publico, qua elle acaba de receber
11111 sorliincnlo de espingardas de caca de um e de
dous camos, por preco muilo cemmodo, e aproveila
esta occasian para prevenir as persuas que enlrega-
r.un ui.jeclus para concertar, de n- mandar buscar
no espaco de um mez, porque ella pude relirar-se
de um momento para oulro. Nesta mesma casa lia
grande orlimeiil de cachimbos, e objeclos para
giiaruiriies ie -arros, etc., etc.
Precisa-te de un criado moco, que saiba bole-
! ir : na rua du i.u.leui n. I.' andar.
Aliigam-sc carru;as para cun.luzir trastes ou
in* teriaca, por pre;o commudo : na rua da Alegra
da l!ua-\isla 11. 2.
FIACAO E TECIDO DE
ALGODAO.
LOTERA DA PROVINCIA.
lllm. Sr. thesoureiro manda fazer
publico, que eStSo e\postos a venda, na
lliesottraria das loteras, rua da Aurora
11. 2(i, das9 as Ti horas'da larde, l>[lio-
tes, meios e quartos da quarta darte da
primeira lotera to convento de Nossa
Senhora do Carmo desta cidade, cujas ro-
das andam impreterivelmenle no dia !!
do corrente, eque logo que sejam distri-
buidas as listas serao incontinente pagos os
pennos, exeeplo porem as duas sortes
grandes que sao pagas mesmo no saladla
extraccSo, logo que sejam publieados
seus respectivos premios. Thesouraria das
loteras I de julho de-I 856.O primei-
ro conlerenle servindo le escrivfto, Jos
Januaro Abes da .Maia.
AVISO.
scredres deKodrigo l'into .Moreira,
selleirocom loja na tuaNov n. 29,que
nao assgbaram a conveneao (eita no dia
2de abril do finiente auno com O dito,
devedor. soconvidados a comparecer no
prazo deoilo dias, na luja l: lerragens do
Sr. Sebastiao Jos da Silva,.na rua Nova.
para verificar-se s seus ttulos e serem
contemplados no bal,meo definitivo do
referido Pmto Moreira. Kecife 11 de ju-
lio de IS.i.
Aluga-se tuna excellente caso de inri
andar e slito, com commodos para nu-
merosa familia, com quintal, cacimba
cocheara : na rua to Se\c do bairro da
Boa-Vista, junto a casa em que mora o,
lllm. Sr. coronel Muniz ; para tratar na
ruada Cadeia do Iteeile n. ,">5, segundo
ailar.
Os Si s. devedores da casa fallida do
Sr. JoaoMoreira Lopes sao convidados a
drgrem-se a' loja de .Manoel Jos' Le-1
te, na rua do Queimado n. 10, alm de
ami ja velmeute saldarem seus dbitos.
0 Sr. Fredenco Jacques queira d-
rigir-sea livraria ns. (i e S da praea da
Independencia, a negocio de sen inte-'
resse.
OsSrf. Cjpriano I.uiz da Pas, na roa do Cl-
legiu, JoSo Ferreira da l.ui na aterro da Itoa-Visla,
na padaria do Sr. Bi-iri, diraO quem da a quanlia
de :00-, 1009, ">00> e M mil reis com hypothera
em casas lerre.is.
Pede-se por Favor .u lllm. Sr. coronel mora-
dor... Sr, de um engaito ;:c ires mil paes por anuo,
que deve uo jardini peblico l'Jjtli reis, desde abril'
de I8ji, de llores que rumpruu, mande pasar esta
safra a dita quanlia. Faz-se este aviso, porque nlo
se lem dignado responder a (i ou S carias, por ora
isto su sera bastante'.' veretn ...
No jardirc publico precisa-sc alugar ileaa pre-
lus que uan sirvam para serviros pesados, podem I
ser lurlos, ou aleijado* e velbos.
-s hilhetes com a rubrica do abaixo
assignado, sao pagos itieonlenente, na
praea da Independencia n. 10, at o
premio de 000.1000. Pol\carpo Jos!
Layne.
Precisa-M de una ama de leile, endu sem li-
llio nielbur : na.rua Bella n 30.
O anaixo assignado faz seiente ao res-
peilavel publico, que desla dala eludan-
te deixou de se envolver ern negocios de
hilhetes de loteras da provincia, c por
isso nao Ihe compete mais* o pagamento
dos hilhetes premiados das ii-sinas lote-
ras. Ilecile ."> de julho de 1850.An-
tonio Jos Rodrigues de Souza Jnior-
PrCjCisa-se de uina ama secca, que saiba bem
Iralar de' urna criau^a, prelerindo-se crioula ; na
rua da Cadeia do Ite.ie n. SI, segundo andar.
' Constando ao abaiio assignado que sen deve-
doi J,.s Antonio Ru.lriglles Cavalcanti, moradnr em
Campia Grande, provincia da Paralaba do ISorle,
he tallecido, sendo-llie levrdor de duas letras na
iinp.ii l.ii.ci i 'ii!}.V>0 rs. vencidas una em 6 de -c-
leuibru de 183.5, e nutra em 7 de Janeiro do Is'.il.
pruvenienle de fazendas que Ihe comprou. e cons-
tnndo-lhe mais que os bens deitados pero liuado lem
sido vendidos claiidesliiiamenle ; o aballo assi)iia
lo prole-i.i coulra qualquer venda que se lenlia fei-
[),H--iu cuino contra qualquer pessua que se ache de
psse de seinelbantes bens, sem previa brenca da pea-
sea que por le competir. Recites de iulho'de 1896.
Miguel Jus Barbosa Guimaraes.
ARRE.NUAMENTO.
A loja e armazem da casa n. i'da rua da Cadeia
po Kecife junio ao arco da Conceicao, acha-se desoc-
cupada. e arrenda-se para qualquer eslahelecimenlo
em poni grande, para o qual lem commodos sui-
cicnles : os pretendentes eutender-se-hilo com Joao
Nepomuceno Barroso, ^no .segundo andar da casa n.
", na mesma rua.
ao publico.
J. Iluiidcrcom luja de alfaiale na rua Nova n.
>2, recummeiida-se aos enhores qoc qui/.erem pos-
smr obras, como caifas, clleles, casacas, ele, teilas
com perfoiclo. .Nesle estabelerimenlu nSose enciui-
Irara ulna de fabrica, -.miente obra hita por encoin-
menda, de baivo de tuda a saraotia, com loda a per-
ferilo pos'ivel, e sempre du gnstu e da ultima moda
la Europa. Sera igualmente muilo reaventante e
recnminendavel aquellas pesso-s que uuuam n'algti-
ma distancia destu cidade, t- que qnerein suas obras
fetas com brevidade, e no prar.o mareado, 'lambem
eiicoulra-se ruiilinuadameiite 00 mesina esiabeleci-
menlo panno e l.ueu las para qualquer obra.
Aluga-se O armazem da rua da Cruz
n. 20 : a tratar por cima do mesmo do
primeiro antltir.
DEPOSITO Di; ASSC/lH RE-
(isacisi c u) kitt .
.Na rua eslreila do Kosario ti. 2!l, confronte a rua
das l.arangeiras encontraran os fregue/.es superior as-
quear retinado de todas as qualidades, o qual he pre-
tenvel aus oulros paren refina io rom leile ; oagra-
davel ebeiro c eflr o lorna reconmeadavel. Vambem
eiiconlrar.'iii na mesma casa cuias de chifre para
apreseular farinha em mesa, as quaes sao mui bem
feitas, e vendem-M pele haralissimo prero de ldHIO
enda um.i.
novas friura
DE OURO PARA RBLOGIOS.
-Na loja de Serepbbn iV Irmao, ua rua do Cabugi
n- II, chegarain as mais oaaaa crrenles rom pedras,
ricos sineles para as inesmas, ditos para filas, eou-
Iras inuilas obras de oslo.
S "",' *?''*"* "i"'^''"-' '^"'"" "^^'^!
>, Deposito de vinho de champag- %'
-'.''i ne Cliateau-Ayx, primeira qua- fl|
v2 lidade, tle propriedade do conde $
'j deMareuil.rttadaCruztloKecifen. |A
'3 20: este vinho, o melhor de toda a '^
;';- Champagne, vende-se a ."itJ.S cada H
:.'j iai\a ; achu-se nicamente em ca- ^J
*J sa de L. Lecontc Feroni C. H. S
^3 It As cii\as sao marcadas a lo- @
O goConde de Mareuile os rotti- t"-
^ los las garrafas sao azues. '.j
...::j^\.:.J}:,;-..r,.:-.r,.. ^j:^
Traspassa-se tuna h\ potheca da
quantia de mais de 20:000a* no engenho
Santo Kstcvao, la Ireijue/.ia tle Muriheca,
em lugar muito prximo por onde deve
pnssar a estrada de ferro, distante desta
cidade pouco mais ou menos qualro le-
guas, prximo a ponte dos Carvalhos, cu-
ja h\ polheca he especial, e tira o direito
ao senhor do dito predio de poder ven-
der, aforar e arrendar o mesmo engenho
sem lcenca do hvpothecaro: iiuem'riui-
zer esle negocio annuncie on dirija-se a
livraria ns. (i e 8 ta piara da Indepen-
dencia, que se dua' quera taz este ne-
gocio.
rNiio tendo por ditas vezes reunido-se
numero sulliciciite dos Si-s. et cdoresdo lal-
lido Malli'ias de Azevedo Villarouco, o
K\m. Sr. Dr. juiz to eommercio niarcou
nova reunido para ptarla-leira I (i do cor-
rente, a R "> horas da lartle, em cujo dia
espera que os mismos Srs. credores
comparecan, afim de poder ser dada on
negada a coiicur.lata apresenlada pelo
fallido, terminando assim o processo.
Terreh: pruie tln \n i mei
r, liftct'M do cojiventn
le -os- S<3iihoi* Carino.
O abaixo assignado vendeu os seguinles
premios, e' convida os possuidores tle di-
tos nmeros a virem receber o compe-
tente piemio, na praea da Independen-
cia n. 40, ate a quantia tle "OOsOOO rs.,
e os de maior valor em seu escriptorio,
no rua da Cadeia do Recife n. 50, pri-
meiro andar.
A'
Cltt rlti
TilOO 5:000.s000 em 2 quartos.
88 4008000 ii 1 dito.
1080 200$000 2 ditos.
2390 2009000 1 meio.
3258 1 OO.sOOO k 1 quarto.
V.V2 50.S000 1 dito
80 O.sOOO ., 1 tlitos.
p. .1. I.avne.
J. I1. Vugeley tem a honra de avisar ao respeila-
| vel publico, que 110 seu eslabeleciuienlo na roa No-
va'li. S. esquina da t'.ainboa du Carmo, eucnutran- ;
I se os mais ricos e melhores pianos que lem appare- -
I cido ueste mercado, de furnia de urinario, de supe- I
! riores votes, conslruccu solida, do goslo mais mo-
i rterno possivel, sendo elles lu.lus felos por encoui-I
menda. e nao viudos em .oiiiiiiis.ao, e assim apro-
I ptiados para esle clima, dos mais acreditados fabri-
cantes de Europa, os quaes elle vende garaatldos. i
O esiabelecimenlo esl aberlu ale as S horas la nui- !
te para a commodidade das familias que qui/.erem ,
ver e evperimcnlar os instrumentos.
.Jardi.11 publico e : er-
nambuco, sua da S?iole-
dadf! it. 70.

SOCIEDADE :.\I COMM.VNDITA.
j Firma social: Amorim, Paria, Guerra i\ C.
i O, sucios suhsiriplotes p.ra a fundaim da fa-
| linca de liar e lerer ilo.lau, urganisada por I-. Ma-
ra l'npral, sao convidados a re.disar de I.", do cor-
I rente al 15 de agosto prximo fulnro, na*eaisa da
I wciedade, provisoriamente no* escriptorio 1.. Sr
I Manoel Alves Guerra, na rua do trapiche n. IJ.
lodos i das uleis, das fu |,ras da manhaa as i da
lerae, a primeira preslaijjo de j por cenlo -ubre o
lis-','- ,\ul"icr,Pl11- l'ertiamliuc. li- de julho de
( iis.n,.--t)s socius arenles, .inioitio Manfues e
\AllionmyJ (tierra.
Arrendase a casa e sitio do lalledido Ignacio
Firmo Xavier, entre as duas pontea da Magdalene,
cum ciuiiinodos pira dua. familias, diados, escr.ivus,
cavaljos, ele. ; e lai-se lodo n negocio com o arren-
lalari.i, sja por aano, stja por menos lempo. Tam-
ben! se vende a mesma propriedade, e An-ae lodo
o negocio com .. romprailor, que vista do preco,
nao desconbecera' as vanlagdnsda le lal prediu lito
presiino a cidade, por oiuie ja nao reala nenhuin ter-
renu -vollo, e por isso aqaelle ira leropreem aug-1
ment depreco e estima com o andar do lempo, el
auxilenlo na riqnexa, e bom oslo do pai/, enao
mriiu- pela creacenle nee ssidade de recreio, e re- '
frigei io no verflo queja faiem Honras, edifli-l
res habilasAei fura da cidade no breve lempo da
resta.
^v l.iiupam--c e concerlam-se relugina com '-
_. luilaaperfeic.au, pando-se-lhes pecas que -''
;; puiveutura fallarem : na rua da Madre de
...- Heos, por cima da agen-ia de leiles, ao v,?
:'. primeiro andar. a
s.r... ... .?<3>-..--.,*...... -......:,.-...-'...--;.--.;,-
I'roeisa-M de pretas para venderem neile de
carrapaln as lardes, pagando-se a vrndacem : quem
os liver dirija-se a rua du llrum paseando o rhafa-
n/ primeira rasa que lem um sollo eiirarnadu pela
retaguarda, para se tratar du ajuste.
I Pili rua do Aragn n. .1, preciia 1 de urna pre-
i la para tender dore, e que nas huras ragas se orropa
en algum .eru.u domeeme trafica : a quem ron-
viei dirija sea mesma ca a, ou amiuiicie.
Nesle erando esiabelecimenlo ocluirlo ea'senho-
res amadores las llores OO qualidades de rosas e :MX)
de dalias de muilo bellas cures, ebegadas todo, os
annus de Franca e de uniros paizes ; assim lambem
Brande varic.lade le flores inleirameate novas nesta
provincia, e nutran plantas de fruclo, sendo 16 qua-
lidades le figos e 7 de uvas, e u>a espira ele. etc.;
aprumplam-seeiicommendas, lauto para dentro des-
ta provincia tomo tainhcm para as provincias lo sul
o norte al o far.
COMPANHIA DE BEBMIBE.
O esenpturario da tximpanliia de
Beberbe Mai-colno Jos Pope, encarre-
ga-se de comprar e \ *nder aerfics da ircs-
maeoinpanlna: as pessoas que t|ui/erem
comprar ou vender, dirijam-se ao escrip-
lorio da mesma, na rua Nova n 7, das
8horas as ta lartle.
>ds9a*98 &;.:.; s ssassa
.1. MI EMISTA.
continua araeldimaruiNovan. 19, rimai- S
^ ru andar. S,
.. w-.....,......-..;.. u- w-.;v.,'...'
0 Consultorio cenital liomeopatliico ~
%g do Dr. Sabino Olegario Ludj;e- ,\'
; ro Pinho, rua de Santo Amaro, 6
i];- (Mundo-Novo, n. 6. ;'
a^j Existe graada sorliniento de catteiras .-.
JtT com medicamentos liumcopalhicos, pelos 2
V precos j coiihecidos. \if
Prclts e tyixjs.
lista t\ pograpSa tem excedentes pro
los de Ierro para vender, seu proprie-
tari'ise encatrejja de arranjar pequeas
typographias pntmptas para ttabalbar,
por preco commodo.
O abaixo assignado enearregado
pela viuva de Joan Francisco Paes Brre-
lo para liquidar todas, as dividas do sen
casal, convida aos credores to mesmo ca-
sal, lenliam a bondade de, no prazo tle
ottodiasapresentarem em sita casa, rua
de San-Francisco, todas as suas contas
impetentemenle organis&das, afim tle
se poder realisar a relerida liquidaro.
Kecife lOdejtillio delStj.
. R. J. H.uaia de Almeda.
^4>wr3p*jiS.
t;umpram-se |K-s de eravo de denle, chamado
i a India : na livraria n. ti c da prara da ludepen-
I n- ti.
Compra-se toda e qualquer porrao
I de prata velha de le sem fetio: quem
1 liver para vender, lirija-se a rua do Col-
llego n. 15, agencia de Iril-es.
Comprain-se para nina nncuiniiieiida escravos
[ de ambos os lerna i i,. iua da Cadeia do Kecife,ar-
, uia/eiii n. 36, ou na rua do l.iueimado n. 'JS, se^u<
| do andar.
Compram-se enxaines de 22 a IJ
palmos, travs de."Oe a.ssoallio tlt- louro
em prancha de 25 a 50 palmos de
liiSt ;;:<:oa
i >. ^i c
l>-S:
MTlLSlXr
Esta compendile historia sagrada, que fui ap
provado para iiislrncro primaria, tn.|i-se vendi-
do ames da approva;io a lJ>fi(IO rs., passa a ser
vendido a 18000: na livraria ns. 6 e !s, da praea
.la Independencia.
Predea-se de um hortelao par um engenho
perlo da pra;a : na i ua da Cadeia n. li, escriptorio
de Jusc l'ereira da Cunta.
I.uiz Tbomi- lion/.iga Juaior val a Europa, e
eumo julgue liada dever a pessua ali-uma. ruga a
quem se julsar seu rredor, de a|iresenlar suas cuntas
OU lilulus ato o da 18 du crreme, ua rua Nova o.S.
ti secretario da veueravel ordem lerceira le
N. S. do Carmo convida e ruga aos irmaos da mesma '
ordem a comparecerem com seos habites na igreja
de noss.i ordem DOI dias 15, lli e O do correnle
sendo no da IS as li huras la 1 rde, no di 16 as 10
horas da manhia e as li la tarde, o no dia
horas da tarde, para o tim de issistir al vesperas
fesla, re-lleiim e proeiesao da Mal de l)e, do Car-
mu, isln em \irtude do convite du muiln reverendo
padre meslre provincial Ir. loja de \ sump ]o
Moura. -Joa-ioim Manoel i erreira de ouia .
prido : na livraria us. ti c8, da prara da
: Independencia.
Cempra-se mro d le, e |iaga-se melhor lo
qi" em oulra parle : na rua larga ,:o Rosario II. 17,
' junto ao piarlel.
Compra-se mu par de castigaos de prala sem I
leitio, de goslo moderno e em bom estado, nn -e
dim laudo dar mais alguma cou-a : na rua !\o- '
va a. 33.
Compra se eBec.livameiitc, la lao, brome e cubre
I velho : an deposito da. rundie,1n .la Aurora, na ru-
do llrum. lugu iiaenlr.nla n.'-JH,c na mesma ruiidi-
i-.io. em Santo Amato.
Cmprate cdigo uiiiver.ilano por Mr. Hin-
d : na rua do Cdlrgio n. i 1.-andar.
.Vi hurica de espiros de Jo.,- Juaquim Lima
llair.io, rua llireila n. |7. nimpra-se runslanli-menle
sarrafus e botijas >asas, sondo garrafas braneaa pie ;
nao servissem para olou a IIWIis. cada nina.
SfrtTi. .:-
\ cnile-se lili palmos le terreno proprin, na Su- '
le.lade. rua de Juan li-rii.iu.les Vieira, ou maior por-
f*0, segundo a ventalle ; ou a posse le um terreno
foreiro ao pe da punte de Santo Amaro, com 200 !
palmos ue frente sobre mais de Kl><> d, fundo : a
fallar na roa du Sol, toja n. B, com Lab da Cosa
l.eite.
Veadem-tM lindos e claros \idros de todos os
lamanhot para quadros e eepeibos. as-im como rica,
m.d-airas dourala- para o-- eamoa : n rua Nova u.
l.'i. Na mesma casa se alugarn trastes de diversos
costos, lante para catla parlicula.es cuno pan, bu,-
les, e e recel,?!,! em oaimendas derofliaadea para
cama:.
Vende-se manleiga ingleu muilo boa a iHII efil'i
a libra, dila frunce a MO e i60, e com able em
| bariis. du/ia dr -alineles a tu. rab finos para vi-
nho a :l? a riu/.a. vinho do I/orlo enRirralado sape-
| riiir a IjjMI. inusralel de Selub.d a I;, dilo haneei
i a 7211, e mais uina inliniiale de gneros qae eria
I enladonhu menciona-lns : no ile ro da Boa-Vista,
! taberna de Maia n. K.
Salitre retinado de |.rimeiia qualidade a leajiai
| a urnba : tende-se na botira de Barlholoaaeo Fran-
cisco le S"U/a.
Vende-se una rasa lertea sita na roa dos Mar-
lyrios, caaos preprioi, rom alas, l quarloa. etui-
nba fura, quintal r carimba : a Iralar oa roa Nova.
loja ii. Si, e s dar o. esii.irenmenlo. necessarios.
I.RAMtE l'Ki HINCHA
Camilas.
Grande so rucente, e por pre^o barslissioso a l.i>.
-Jll.~. -2-2 e Ji- a duzia, lilis de hubo a 1250110, metas
de alojadla cruas a du/ia :fe, ricos curte de esroce/,
leseda a I-'-, cassas piulada, linas a IJII o cuvado.
nulas rassas e chitas pretas. e outras multas Telendas
que se vendem por baiios precos : na loja a. 16 da
rua do Crespo, de Ailriano ,\ Castro.
-- Veiide~e urna das melhores casas terrea, da
rua Angosta: ua rua des i'ires junto a caita daajaa.
Farinha Vende-te superior farinha de raandio-
| ca de Santa Calharina : a bordo da barca
brasileira r'lor de Oliveira, tundeada em
frente do trapiche do algodao, o a tratar
com Novases* C, rua do Trapiche n. 5.
primeiro andar.
Veiu e-se.
Anda existe ubm porrao de caixas com
1 excellenlcs velas de carnauba pura de >
icSpor libra, cliegadas ltimamente dn
Vracatx, por precos commodos, assim co-
mo tambem se vende por prero commodo
urna pequea porrao de couros de cabra :
a tratar na rua da Cadeia do Retire n. 7,
loja tle miudezas de Antonio Lopes Perei-
ra de Mello & C.
Vende- esteit as grandes de Angola, a 1x28o'cada
una, e pallia de Angola a l.s'O(M) o eru-
to : {no aterro da Roa-Vista, taberna n. 80.
v--:::--:::-.:hS.::-:>-:.;-:;OsJ#S1
:.; \endem-e ^
Ricas pilarinas le fil e rambraia borda- aft
..". da |.ara hombros de senhora, radi ama pila- "
;>' ria lem um par de manguilosde nevo neo- r?
.Ap lo, a ICajHO cada ama. ..'-.
I'..llinh.i. .Ir rambraia da India bordada
Jg para si-nlioras e incnilias, a 19 e 900U ce- tt"
:;; da urna. -}*i
^i Saias bordadas com (res babados, le mu- fi*4
jV, rim rrancer, a :19.111o cada ama.
j<; Itomciras .le relr. de direnas cores, na- w
-.^: ra senhora. a aJDN cada urna.
.; Senas litas e de quadros e listraa, a 4;,
"' liiO is. rada rovado. ?-
-,-j liroi.ie naples lizo lurla-.ores. coa pn- -"'
;>j quena loque de mofo, a l?utlU cada covido. }'\
'7 Chale de seda de rore com as pona w
V. bordados. Hfje Iiinkmi cada um.
7j Lencos de sarja le sedada ludia, a 1(000 .
... rada um.
"; llu/ias de lencos de catnbr.ua de lindo, a W
ji 090UO, servvm para senhora c para hoeaeea. A
J seda, a MSI e 3 cada cavada.
\i Na roa lo Ciespo loja amarella a. t. <*/?
-- Vende-sc milho e ferinha por preco commo-
do : a fallar no trapiche do Pellnannho.
Vinlem-se bous chapeos brancas da Llanca de
Ijiiilherrne I cli 110 Hospicio.
VeOKte-ee uina casi terrea sila u rua Im-
perial 11. 2 111 : a Iralar na mesma raa n. I i.
Na raa da Praia, armarem n. 29 vende-te -
ro< com casca a .'.- 1 o alqneire.
Helogios.
Neudem-se relogos stiissos de todas as
finalidades, tanto de ouro como de prata.
ditos "-ab.inusados cfolcados : na rua da
Cadeia do Uerire n. 18, na mesma casa
ha tambem meios c11 tonmetros.
1-iO/a d ca icario.
Vende-se tuna loja de calcado na rua
'reir, lem poucos fundos e vende-se
rom artnarao : na mesma se trata.
Itlenco!
No deposito de pianos
da rua Nova a. 7,eeqa.
na da Camboa do Carmo
eiiconiram-so oa naals ri-
cus e melhores pianos
que tem appareridu ueste mercado.de (arma de ar-
maru, de vmes superiores, construccu solida, a de
gustos mais muilcrnos pns.iveis, os quaes se veo-
-iem por muilo e.u conla ; o propnelirio do eala-
brleciiuento lemlo de concertar p orgaotzar a casa
e de fazer urna viagem a Europa, assim nlo poden-
do conservir em casa os iuslrnmentos por mais
lempo. O eslabelerimento est abarlo al it 8 ho-
lusiUuuite, para a com.nudidade das familias que
qui/ei. n; ver e experimentar os mesmos : omet-
mo lem &luuus pianos em segando mi e por pre-
;o muilo em cunta.
YV LOJA DA BOA FA1A.
\eude-se baodejas'grandes e muito finas pelo ba-
1 alissimo ,,re;o de :feOUO, jOOO e 5300U reis, oeu-
los de armatso de sro de lodas as gradearle* a
Mi'1 res, lunetas cum armarSo dourada a I5UOU reis,
ditas com armaijao de tartaruga a tsOHO reis, ditas
com ermarao de bfalo a OO reis, ocelos com arma-
cao de melal braoco a MI res o par, bnelas com
armarlo de tartaruga com 2 vidros a 38000 reis, ri-
cos chicotes pai.1 cavall.-sde homem csenhora pelo
haralissimo preco de HIJO reis cada um, grvalas de
seda muilo bonitas a InhM) res, bonitos atacadores
I de cornalina para casaca pelo liar iiissimo preco de
, :MK) reis. suspeusurios linos de borracha a 100 reis,
i penLs inuilissimo linos para suissa a..*tsi reis.escovas
muilo linas para cabella liiO res, capachos pinta-
dos cuiupridus c redondos a 700 e laOOO reis, bo-
I Ies finissimos de madrrpernla para camisas a ISdOO
rs. a l'ii)/,i e I- 1 rs. aduia,ricas caetas para penna
de ico a l-i res, ricos porla-relogios a t900 reis,
caigas le melal muilo linas para rsp a OU o 600
reis, e-i osas finisaimaa para uubai a 3*0, .100 e 610
reis, escovaa para roupa c cabello o melhor que poda
haver a l.-jOOO, I?i00, l-JOO e > reis, pioceis fios
para barba a -UO reis, dallas de facas e garfos fios
a 33000 reis. dilas de cabo de balanco niullissima
linas a fotKJO a duna, tilas tTnissimas de cabo da
1 marfim o melliur que pode havef a ISgOOO reis a
' dia, camisas de mela muilo linas a tSOOO reis, ri-
Icasaboluadliras de madi-.-perula e melal para col-
! tete e palitos pelo barato nrerd de OO e 600 reis,
^ fmis.imas navalhas para barba em estojo, de urna o
dua. navalhas pelo haralissimo prero de 8000 o es -
1 loja, cundleiros oincricauos muilo bonilos proprios
. para esludantrs un mesmo para qualquer estabrle-
Iciinenln, pela hu tu/, que da a commodidade
: le se [Kidcr pendorar ou pdr-er- rmrima de qualquer
1 mesa, pelo barato preco le .VOOO res, pesias para
; guardar | apeis a K(K1 re-", espelhos para parede com
I armaijao dourada e sem ser deurada pelo baralissi-
I mo preijo de .">0O. 7(SI e 19U00 res, finissimas e ri-
cas caixas para rape a ->.'i00 e :l-OtlO reis, papel de
1 cores de fulh.s pequea* cm qoarln de resma pelo
1 norato pre;o de 7-JH reis, e entra* muilissimas cou-
I sas, que ludo se vende mais barato do que em outia
pialqui-r loja : na rua do Oueimado na bem conhe-
! rida Iota ile mu].I -.-.i- da boa fama n. :l:l.
i AO PIBLIC.
I Su armazem de fazendas baratas, rua do
Collejtia n. 2,
i vende-se um t-omplelo soriimenio de fa-
: sendas linas e grossas, por mais batato
; precos do que era otara qualquer parte,
I tanto em pon-ucs como a rcialho, affian-
cainlo-se aos compradores um s prajo
fiara lodos: esle esta I luc monto abrio-se
de conibii)arao com a maior |>arle das ca-
sas commerciacs inglezas, francezas, ali-
ntaos c suissas, para vender faiendas mais
em conla do que se tem vendido, e por isto
oticrecem elle maiores vanlagens do qne
oulro qualquer; o proprietario deste im-
portante esiabelecimeoto convida todos
os seus patricios, e ao publico em geral,
para que venham (a bem dos seus inie-
resses) comprar fazendas baraUs: no ar-
mazem da rua do Coliegio n. 2, deAn-
toaioLuu dos Sanios & Rolim.
I Wt^kWfe l*sft .
m
Vendem-sc sellins com pcriunces,
; nenio inglez eda melbor qualida-
le qua lem vindo a este mercado :
nn armazem de Adamson rWie


GRANDE FABRICA |
DE ^'
i?l'0 E iMHIB^O QU-T F l 6 Jl'LHO 6
S -BE S

CID

AR1
i GlAfflE SORTIHENTO
l)F.
i HOUPA FEITA,
;=s

menos preeo que era outra qualquer parte, sendo un s pceo para todos.
DATlOC I* Pil lItOMS Vende-se muitu boui milita a % ., tuca: ni
rUIAuuA L llAlt > lUlitlH. caes de alfaodeg, armazffm do Mello.
de jullio de
VeinU
se
No amigo e ja bem conhecido deposit da ra da.
Cadeia do Recife, escriptorio d. 12, ha para ven-. CI1UC
ler muito superior poussa da Russia, dita do Rio abito de superior qualidade fabricado mi
de Janeiro e cal virgem de Lisboa em pedra, ludo Rio de Janeiro, por commodo preeo, para
a prego* muito favoraveis, coro os quaes fcaro fechar conlas, aclia-se ullaudegado: a
dos comadores salisfeitos. (aliar com Antonio de Almeida (lomes, na
Veude-e orna prela criuala, de bonita Ggura,
com 2(1 anuos de idade, tendo sicomas habilidades :
quem a pretender dirija-se a ra do Kaetindes sobra-
do D. 18, que achara' com quem tratar.
Vende-se o bom e muito acreditado rape Joao
Paulo Cordeiro, da fabrica do Rio de Janeiro, rape
i >lt! bem aceito pela sua boa composicao, e asse-
melhar-se ao de Lisboa, pelo seu aroma agradavel ;
vende-se de 25 libras para cima do deposito da ra
da Cruz do liedle, casa n. 17 ; e em relalho as li-
bras, as lojas secundes : bsirrn rio Recife, ra da
Cruz, Fortunato Cantoso de fiouveia, ra da Cada,
Jos Gome* I.eal Jnior, Jos Fcrluuato da Silva
l'orlo, Thomaz Feruaudes ,la Cunha ; becco da Ca-
i'ibd. Amonio Ramos ; Sanio Antonio, ra doQuei-
iii uto, Manoel Joaquim Candido Teixeira ; ra lar-
ra do Trapiche n. 16, segundo andar.
m\ W> QUEHADO \. 38.
Pecas de brelauha liuissima de purolinho,
propna para camisa
Chitas francezas a 2II e
Alpaca preta mullo lina
Chales de merino,bardada! 2 poalaa
Ditos dito urna pona
VitKI
2ko
000
103000
8*100
Em frente do becco da Congrcgacuo junto a botica.
ReHiiHiia do Monteiro.
Sen/.ala-Ve-
relinado de
No
I ha n
deposito da rtta da
11 (i, vende-xeassucar
la do Rosario, Manoel Joi Lopes. Manoel (ioncal- superior (lllalidade, de arrolla para cima, Ido par
pateo do (.armo, Jo<" Joaquirt Ferrei JT -
___i L'___;...., s:__..... !m! w
ves Barros
ra de Souza, Joaquim Manoel Fereir de Sou/i
San Jos, ra Direita, Beinjamm Frankliin da Cu-
nha; Boa-Vista, aterro, Joaquim Josc' Uias Pereira.
-- Veuileiu-se czcellentes cavallos de sella e para
cabriolett, na cocheira do largo do Arsenal : as-
sim come na mesma se dir quem tem tres escravos
liara se veuder.
Vende-se urna eieellenle e-crava, parda, de \
idade de il aunos, com elegante ligara, em vicios
iiem achaques, propria para inocambae ennomma ; vestidos de 2 e3 babados a Ires mTrs. o corlea ditos
bem: quem a pretender, dirija-se a ra larga do de cassa pintada de lindos mistos com 7 varas a ciu-
Rosino n. i6. co patacas, ditos de (Salida de c.unbraia com barra a
dous mil rs., camisinliasde cambraia bordadas para
i\a loja das seis
portas
ulinua-Hi a vender manleiga inflen a 800
e ',M>0, enana la no ultimo navio de Inglaterra, e se
vende poi esle preeo por ser comprada ao mesmo
cnusig lalano ; assim com" goinnia de eimoiniuar a
roba, e em libra a 110, caf de carolo ,i 180:
na taberna da ra de Hurtas n. 1.
a bao preto.
Ja v -io n ubia prelo, o vende-se -.nienie na ar-
mazn de Joao Marlins de Barros.
Loja da boa f.
Veni e-se pauno prelo c azul, liuo, fazeuda muito
superii r, prava de limo, pelo bnrali-simu preeo de
33500 i cavado, alpaca prela moilo fina ,i (iO i- co-
vado, I lerino selim, hienda superior para paliloi a
1C600 < covado, canlau pelo iniiilo tino propno para
vestido* a Id o covado, selim pelo macao, fazenda
supero r a 3)600 o covado, grosdenaples preto muito
lino pa a vestido a 2c o covado, superior sarja prela
hespanhola a 29240 o covado, irinre/.i prela muito
lina a i 00 rs. o covado, corles de colleles de curcu-
ran de eda, fazenda iiiuil boa a 29. corles dp fus-
le- de bolillos padroes a tiiO, bnm trancado urlico
hubo a ij> e IcitO a vara, brius trancados
de can 1 de muito bolillos padiOes e de puro linho a
I .-i 1 > ; vara, dilos ditos lanibem de bolillos padroes
1 800 r .1 vara, dito Iranctidn pardo lambem de li- 1
Ein frente; do l>ivranient.o.
Corles de cambraia lisa cun 8 varas e meia para
Cliegaram no ultimo vapor do lio
de Janeiro, aljpinse\einplates dos Si-Cre-
dos ila Calligrapbia, pelo proessor ioglez
VVilliam Seullv, nico inventor da letra
corrida commercial, segunda edic3o aug-
mentada : vende-se por 6/JOOO, com lin-
ili.ssma eniadernaeo, em casa dos Srs.
Antonio Lope Pereira de Mello A C, ra
da Cadeia do Recife n. 7.
Loja da pobreza.
Na ra do Patela, loja 11. '.I. voudcm-se cortes de
calcas escuras e minio rncorpados l-IMH), ditos de
bnm de linho esculos a 800 rs.. ditos de briin branca
a 800 rs., cortes de colleles de tu-lao de cores a 700
rs.. ililos de cambraia branca ede cores a Ij-VM). di-
tos de cassa dula linos a 2;, chales branca* a 6i0.
ditos de laa eseda a 33500, chapeos de sol a I90OO a
-- Vende-se a/eilc dacacrapalo a 2>2tl a caada
p a carrafa ,1 DOra. : na ra do Itruin passando o
ehafariz piiiueira casa que tem loto emaruado pela
relaguard.i.
Para
ras qtit;
as
rosta 111 do
barato.
senho-
bom c
Re Socios
o
coberlose dcscobcrlos, pequeos e grandes, deouro
e prala. patente inglez, de um dos melhores fabri-
cantes de Liverpool, viudos pelo ultimo paqoete 111-
clez: em casa de Soothall Mellor Companhia, ra
do forras n. ;I8.
Vendcin-se ricos penles de tarlarug.i para alar ca-
bello a 4>.")Ut), meias ilc seda de cores muitis*imo lin-
das para cri.neas de um meza um anuo, pelo barato
preeo de lKOU o ur, lenc.inhos de relroz de todas as
cores para seuhoras e nieuinas a 1 ~. lencas 1 laa
para senhoras e meninas a <>00 rs., camisas de meia
para crianras alo a id,ade de um anuo a 300 rs.,
meias brancas de algodiio para senhora moilissirno
linas a jIMl r rlilaa brancas e prelas de seda o me-
Ihor que se pode encontrar a 2Se 25000 o par, ricas
hespa<
eorna-
Cobei tures de laa
nhes muito o
t'os t; grandes.
Vendeni-se na ra do Crespo,loja volia para a ra da Cadeia.
KOp
tuXf5m!?? IjT*' :t-,50(a 4?' SS2 6 :*\ ca'"' P" i"*"** a HOO rs. e 18, caitas mu.
rno .. I : --'. C"V">- i",Md,l aieU' l0 '">* c""' rep..li,ne,,|..snicamente proprh.s para
rosso a 220 o covado, ,. outras mullas fazer-* ~
pilo se pude mencionar por falla de lempo.
ovado, e outras muilas fazendas, que rojuras, pelo b'arali.simn prec.u de 2."kl0,- SfOOO a AlieilsloC. de
Iv'.iui t..,. ,... .1.- .._^....i_._ .. !._I _J_ ...
%
I
abo 11 00 rs. a vara, dito liso largo a 580, ganga*
Bom e barato.
Ao lado da igraja da Soledade, esquina de .lefio de
Barros, laberua, vendem-se. gneros muito bons e
baratos, como sejam : lingoieas do serto e do rei-
no, queijos os- mais novo*do mercado', manleiga in-
seuhora a cinco Insles, collariuhus de lindos goslos
para senhora a pataca : os presos cunvidam, e o
dono da loja quer troca-los por dinht-iru.
A VISTA FAZ FE'.
Vendem-se vel
alva possivel e moilo superior em qualidade por ler I
gleu de"640 a 1sl20, dita franceza 5110 rs. e iO. PrePr'edade de dar luz mual a esp-ermacele, e nao
banh. de porcoalva a 460, vinho de me., Lisboa a u"r n'urrAo no navio e uem fa/er remella, e por
560 e 640. dilo Cele a 560, Figueira a 6*0, l'orlo a '8, ''"'"'prelenvel a qualquer uulra, e pelo preeo
HOO rs. e SOOO, cha hvsson a ^00, 25500 e -J9UOO, 1 *e J l,bw! *!? e,n P*ca* se fara um igra-
.ii........' 1.-.....__.:. _____^TuXJTZZ. iT-i.... dihho : no paleo do Terco n. 4.
dito preto e herva malte, pastas, bolachioha ingleza
de ararula, doce, e hiscoitinhos, massas,espermace-
te, charutos finos a 35,29500 e 2 a caixa, bilheles
de lotera muito baratos, c muilos gaiteros bons por
barato preeo.
Caf inoido
pura a 2(11 a libra : uu deposito de assucar da ra
estrella do Rosario o. 23.
camisas de linho.
amarel a* lisas e de quadros, fazenda muito superior .
a 32" e .'ItiO o covado, ditas de cores escuras de qua-
dros e islras, de muito bonitos padroes para calcas e
palitos 1 litKI r. o covado, curtes de calcas de lunillas
caseini a de alodo, pelo barato preeo de 19120,
hrimziehos de quadres de puro I111I10 a 21o e cov, panno lie linho mnilo fino a 640 a vara, pcilos mul-
lo finad parV camisa brancos e de cores a 100 e 500
rs., camisas de meia muito finas a 1 e 19120, tova*
pretas de lorcal p.ra senhora, fazenda mulo supe-
rior a HOO rs., ililas de SiVa de todas as cores para
hninemle senhora. pelo baratissimo prec,o do 1?200 o
par, ditas de fio de Escocia para menino- e menina*
a 00 rs., lencinhos de filel muito bolillos a I?, ricas
grvalas de seda prelas e de cores % 1?. meios lencos
de carnauba refinada a mais I de,edaJ"ua ravf bons a Ir, pecas de cambraias de salpicos com 8 va-
ras e meia a :l;200, e 110 a vara, ditas adamascadas
muito boa para cortinados a 125. cambraia lisa mui-
lo'na com urna vara de largura, pelo baratissimo
preeo d 5b0 a vara, leudos de cambraia mullo linos
todos brancos e com bar.:- decores a :I00 is lencas
de dula francezes inulto bous a 400 r-, chale- de
algodao ile cures de bonitos padroes a 800 rs., nsca-
dinbus inuilo linos e de muilo bolillos padroes a lO
0 covado, fila de linho liso muito lino a 960 a vara,
{-""iiiii. irave-as de verdisdeiro bofalo para prender
Cabellos, pelo baralissnap preeo de I5, ditas de lar-
laruca a :i>500, ricos Icojues com plumas eespelhos e
pinturas linis-inia- a 5, paule* de bfalo muito linos
para tirar piolbos a ,>(H) rs., lesuuras finissimas e de
iodas as qualidaies, rini Irania* de seda de todas as
cores e larguras, ricas lilas de seda li-as e lavradas
d1? todas aslaruuras e cores, hicos de linho liuissimos
de lindos padroes e todas i> largura-, ricas franjas de
li'i.i nova ao pe do arco de Sanio Anlooio, alem de algodAu brancas e de cores propria* para cortinados,
iiiiiilsstroas e ooas fazendas baratas, vendem-se cor-' f nutras muilissiinas ruusas, que tu les de chita franceza de 10 cavado* a 3)000 rs. e em '* barato preci) que aos proprios compradores ser-
c.ovados a 2110 rs. muilo lara, muilo boa par co- 1 ylr' de admiracao : na ra do Queimado, na bem
bertas, coronados e vestido*, silo de cores claras, i conhecida loja de miudezas da boa faina 11. :i:l.
alivris c bonitas.
os de patente
inglezesdeouro, desabnele edevidro :
vendetr.-sea ptero a/.oavel, em casa de
Alneu, na ra da Cadeia
<|o Recite, iuma/.em n. 36.
11?
.Na ra da Cruzn. 26 primeiro an-
idar, vende-se cha' preto, Absinthe, espin-
'l gardas de dous canos,
preservar do citolera ;
commodo.
esnartilhos para Jilo de flore- lj80, meias prelas de seda para se-
tildo por prero "'n""' fazenda muito sapenor a 2? o par, .litas bran-
cas mudo linas a :lj o par, ditas brancas de olgodio'
IUSB RGO
A 16,000 rs o cont
O deposilo das bichas de Hamburgo. ra estrella
do Rosario 11. 11. loruou a receber nova remessa de
bichas de Hamburgo pelo vapo' inulez "Avonn, que
passou par o sul ; vendem-se a l!-> o cenlo, e lu-
gam-se a :I20 as grandes, e 200 rs. a menores.
Calcado muito
barato.
Lindeza para vestidos
Vende-se a rica fazenda lindeza, ehegada ullima-
inenlede I-rauca, pelo bbralissimo prco de 15000 o
covado. Esla fazenda be de pura l.i.i -ed.-, e os
seus padroes sao os mais bonitos qoe ale n prsenle
tem apparecido no mercado : na ra dol^ueimado,
nos qualro cautos, loja de fazendas da boa f 11. 22
Perfumaras de ?
bom gosto
Attenc
Kisrado escuro e muito largo, propriu para roop*
de escravos a I (MI o covado, calchas brancas aiam.is-
cadas de muilo bom gonlo a 55, aloalbado odamasea-
flo com 7 palmos de largura a I560 a vara, loalhas
dopo......de linho alcoioadas e lisas parroslo, as
mais superiores que lemvindo ao mercado, dilas
para me las lazendas por preta commodo vendem-se na ra
do Crespo, loja da esquina que volla para a ra da
Cadeia.
Vendem-se velas de carnauba bem; acabadas'
sapalcse esleirs, chegadosrecenlemeute do Araca-
IV por menos do que em outra qualquer parle : na
rua da Cruz n. :!l, primeiro andar.
\endem-se caiascom vidros panvidraeaa
idro-.ie bocea larga com rolhas do mesmo, o maior
-o I une.....pn-ivel : e:n casa de Harlholomeu Fran-
cisco de Souza, rua larga do Rosario n. 36.
v -ndeiu-se madapoloes linos c de oulros. com
pequeo loque de av.ma. jpor precos muitj bara-
tos: na roa daCadaia-Velha u.2i,'primeiro andar.
>a loja da boa fama enronlra-se
soriiiueiilo
sempre um rico I
Loja da pobreza
rua do I'asseio n. '.I, vendem-se para ac ibar, enilas
lindas, padres oscuros a Hile 160 o covado, Urina
de linho escuros a 200 rs., pannu lino aiul trosso a
S^ o covado.
\ ende-se na
ja ipie loi de Joaquim
portas
Vendem-se camisas com aberturas, pnuhns ecol-
lamillas de linho a :ii i- a duzia : v endem-se lambem
cobertores de algodao a bit): na rua do Crespo, loja
da esquiua que volla para a rua das Cruzes n. 16.
Veudem-se 8 escravos, sendo 2 ptimas negrir
nhas de boa conducta, 2 ditas de meia idade, 2 mo-
lecolesde idade de 18 a 20 anuos e 2 prclos de ludo
o servie.i :^ni rua Direita n. 3.
Vende-se a taberna da rua Direita n. 27, a
qoal esta multo afrcuuezada para u malo e para a
Ierra, e sendo que o comprador lh convenba nao
licar com todos os eneros, se Ihe tiraru ahjuiis. pois
agradando se faz todo o negocio ; na mesma se von- '
do doce de trotaba em caixoes de 12e II libras al
I.-JIK e 15, Uvas viudasria Ilha de S. Miguel a 560 'lo' '' "ie,d P'"ca, riscado monstro a dous lostScsu
.1 i-na, p-ix cliernus a 200 rs. a libra, manleiga covado, canas bordadas para Cortinados e babadoi a
ingleza a HOO rs.. dita a 610, Carian* em saccas gran- 1 Palca a vara, crines de cassa com defeito do cupim, volla Par ""> da Cadeia
des a 85, 78 e 69, alpisla a 200 rs e lambem se i 'endo 11 covados o corle por dez tusles. lencos de
veude um relugio patente suisso. Para peacoeo de senhoras e meninas a pataca cada
... .... ___ uln- lenco- bordados a novo r/aalo para mi de se- :
7-xVi^ ja? uffft^JSS'iin lSf1 a" M' abmt "" lasl0> um- m"a lioa' Pa" me- '
720 800 e 960. dita franceza a 1,10, qoe.|os do reino > llas a doe viiena. Est a loja abarla das (i bofas
muilo superiores a 19*300, azeite doce de Lisboa a da mauhaa al as 9 di no.te
60, loocinho dilo a 100 rs. : na rua larga du Ko-
muilo lina- a 240 e 320 o par, dilas brancas muilo Militao do Auiaral, todos os ol) eetos all
(iiias para meninos e meninas a 240 o par, e alto de existentes, eonslando de sa natos de varias
ludo isla outras moilissnnas fazendas, que a vista de 1- 1 j '
suas boasqualid.dese baratos prctos, he que o- se- <|UallUaaes, eotltode lustre, marroquira,
inores freguezes, amigos do bom e barato, colilleras bezerro, etc., ludo se vende barato por
rao o que he pechineha : na roa do (Jueirnado, no- I I..
qoatro cantas, na loja de fazendas da boa fn.22,
defronle a loja de miudezas da boa fama.
Momhos de vento
iitimenlo de perfumaras de Iodas as qualidades, combombas derepuiopara regar borlas 1
indo sen autor o melhorjqae ha em Parle, aiqaisai te. ceapim : na fundieSode D. w. Bow
,1 rua do Bruin ns. 6, b'e 10.
Oiitle Lisboa,
mos (rasco- .le extraos muilissimo finos, pelo baral
puco de 19200, I?.00. 5e 25500, jarros de porcel-
lana delicados u de modernos costos com banh* fran-
ceza muilo lina a 25. fraspos com esseencia de ros* a
320, paos de pomada Irapceza muilo boa a 100 rs.,
hVassos pequeos p. izrsnkles da verdadeira acua de
Colonia do l'iver a iSO e l#000, saboneles finos e de
e bai-
man,
IECH1HISM P1U Elti.
MHO.
! NA FLNDIQAO DE FERRO 1)0 ENGF
NHEIO DAVID W. ROWMAN kk
RUA DO BRUM, PASSANDO O VIIA
FARIZ,
ha sempre um grandesoriimenlo dos seguintes ob-
jectos de ineclianisn.o- proprios para enuenhos a sa-
ber : moendas e meias mocadas da mais moderna
coiislruceao ;a)aixas de ferro fundido e batido de
superior qualidade e de lodosos lmannos- rodas
dentadas para agua ou animaes, de todas as propor-
toes; crivose boceas de fornalhae registros debo-
eiro, aguilhes.hronzes,parausos eri\ilboes,nioi-
nhos de mandioca, etc. ele
NA MESMA FL'NDICA'O.
;ae execulam Iodas asenrcmmendas roan a superio
ridadej conhecida e com a devida pi eslea e com
modidade em preto.
Naval has a cctiitento.
Conlinua-se a vender a H5OOO o par(preco fuo) as
ja bem conhecidas navalbas de barba,reila's pelo h-
bil fabricante que ha sido premiado em diversas ex
posieoes: vendem-se com .1 cndilo de nao agra-
dando poder o comprador devolve-las al :M) dias
depois da compra, restitoindo-se a importancia :em
casa de Augusto C. de Abren, na rua da Cadeia do
lenle n. 36.
XAROPE
DO
BOSQUE
l-'oi transferido o deposito desle xarope para a bo-
tica de Jos da Cruz Santos, na rua Nova n. 53,
garrafas 55500, e meias 35000, sendo falso lodo
aquelle que nao for vendido nesle deposilo, pelo
que seUz o presente aviso.
IMPORTANTE PARA 0 PUBLICO.
Para ourade phlysica em lodososseus difleren-
ies graos, qner motivada por constipar-Oes, tosse,
aslhma.pleunz.escarros desanaue, dor de cos-
ladosepeito, palpilaraono coracan,coqueluche,
bronclnle, dorna gargaDla, e Iodas asmoleslias
dosorgaos pulmonares.
REMEDIO IMCOMPARAVEL
i Mfflmavnmi KHrapauw, sanoneies unosai
pudarao a que estao p> ocedendo OS ere-! diversas quali lades.ps para denteso melhor que p
Vende-se urna porrn de barris com cal de Lisboa,
r barato pre^o, e relalho a 38 o barril t i,a roa da
> lea do Kecife u. 50,
Na loja das seis rencos d cam-
braia de liitho
o 640
tn lente do LiVa-ameni .
Cassa escocezas a doM vinteus o covado, e pinta-
A 3i, 400, 500,
Cada um.
Vendcm-sa na rua do Crespo, loja da esquina que
doresdo dilo estttbeleimeolo.
| Lindo sot liinenlo de ehlas rxag para lu-
to, no aterro da Roa-Vista n. 10.
Vendem-sr rbiin rxas para luto, padroes de cas-
I sas, de cores li v., a I mi o covailo, ditas muilo finas
com um loque de mofo a 160 o covado, dilas de co-
res escuras a l-W, 160. 180 c200 r. o cavado, alpa- |>....|
eas de seda de lindos padroes a 720 e (iO o covado,:
chales prelos de 13a a 15, aarja de seda muito lina a
29 e I56OO o covado, c outras multas fazendas para
acabar.
de ha.er. e outras mullas perfumara*, que se veu-
dem muilo barato : na rua dol^ueimado, na bem co- '
nhecida leja de miudezas da boa fama d. Xi.
I
3$00
Vende-se o muito superior
Iba o de escama a 1-i.sOOO rs. po-
no caes da Alhiiidi-ira
iaca-
por bain--
m-ina/.em de
-ano, esquina
loineu.
defronte da botica do Sr. Ilarlho-
i\a loja das seis
portas
Em trente d.i L va ment
,\a loja das seis
portas.
Em frente do Livramenlo.
Fazer.as [)ov muno me-
nos d(f sen valor, na loja
(le -i portas na rua to
(ueimauo n. 10.
Nava* riscados francezes de lidos padroes a meia
pataca o covado, paupolioa de 13a liuissima a duas ,
Riscados francezes de quadros grandes com qualro l'a,acas o covado, las de quadros de oslo novo a | JjJJJ D
palmos de laruura a doze intenso covado, cambraia patacas o cavado, chita* escuras de tintas segu- ,'"l,s
lisa para vestidos a pataca a vara, cassa pintada a
meia palca u covado, e todas as mais fazendas por
preeo- menores do que em oolra qualquer loja ; e
para.isso est aberla das (i horas da ruanhaa at as!)
da noile.
Feijao mnlatinho e blan-
co de Lisboa.
Vende-se no armazem da Iravetta da Madre de
Dos n. 15.
o
9
andar.
n5?
Rua do Quei-
mado n. 19' 1
J loja de Santos Cuelho. |
J Tem para vender om completo e riquissi- ^^
x rao sortimento de chales de merino tanto ,J
i^ bordados como lizos, de todas as cores, com ;'.ri
AS rra"Ja ue reros, e muito mais baratos do '(;.
W que em outra qualquer parte, ditos com ri- fc.#
'; ca- eslampas e muilo moderna-, pelo preeo ^"-1
;;-. de 50000 cada om ; sedas de todas as cores -''
K o muilo bonitos padroes a IjOOO o covado ; jg
!> chitas franceza- de padroes miudinhos, pela ??
,%S baratissimo prero de 210 o covado; abertu- ';
.'* ri* de gaiao para camisas, a tSOOO a du- if?
W 'ia cortes de casemira de cor inuiln linas \f
SjJ e de l.onilos padres, a iji e 59000 cada ";
& corte : assim como um completo sortimen- s^
y lo de madapolao, que a dinheiru, se vende ? meninos
so? muilo barata.
j7,,.. ... .
ras a ineia pataca, e de dilTurenles cores a seis vin-
teus, lila prela para saias e mantos a dous lusles o
covado : vende-se b3ralo por querer acabar com
certas fazendas.
Superior farinha de mandioca era
saccas.
\ ende-ie qualquer pore,io de muilo boa farinha
de mandioca, ehegada ha punco de S. Malheus, a
preeo muilo commodo por cada sacca : no escriplo-
nu da rua da Cruz u. 19, primeiro andar, ou uo ar-
mazem do Sr. Pacheco uo caes do Kamos.
Vende-ae sal do Assu' a bordo do Irrigue Ne-
1 : a tralar na rua do Vigario u. 19,
de 13a liuissima a duas | A'Sodio de 20 jardas
Dilo bom americano
ordinarias, peca
Existen, nenia loja as fazeudas da loja da rua do
Crespo, que foram arretnsladas, e se veudem por
muilo menos do seu valor, comoseja :
Madapolao enlre-liuo, pcc,a 29800 e
Dito fino de jarda
Dito muilo lino com 35 varas
Esguiao le linho moilo lino com 10 ', varas
l'laiilha de linho superior de 25 varas
primeiro
la-
05000
tosoo
139000
130000
139000
15020
3-5000
,TO0()
6jOo.i
48500
.5,5000
AlgOiio trancado da
brica ta Baha.
Vende-se no escriplorio de Anlooio Luiz de flli-
veira Azevedo, rua da Cruz u. I.
i\a loja das seis
portas
frente do Livrainetito'
Ditas decores litas 5900 c
Cambraia tina
lilla muito superior
C'irles de calca de casemira de cures 33500 e
i i os de* dita prela 58500 e
Colleles de eeliro prelo maeo 29500 a
llrira linho, de quadrinhos, cov.do
Hilo de dita decores, trancado, vara
Panno prtlu e de cores, o covado 33000 e
Macos de meias cruas para tiomein
Ditas de ditas boas
Ditos de dilas superiores
Corles de vestido de se..a IrJQOUOe
Cbilaa de cores, sorlidas, covados
Chales de merino de cores lisos e cem baila
Corles de cassa chita
Hilos de chita larga freureza,
Cita franceza, larga, covado
Meias linas para senhora, duzia
Grvalas de coi es para hoinem
Altodao trancado azul, o covado
Dilo alistado, cavado
Lencos linos de cinta e sansa
E outras umitas fazendas por baratissimo pceo : sen
do com ilinheiro i vista.

ta

Vende-seca! de Lisboa iiltimamen lecliecad.i.as-
aimcomopotassadaltussiaverdadsira: naprara do
Corpo Santo n.11.
TAIXAS PARA EXGEMIO.
Na fundipao de ferro de D. W. Bowmann ua
rua do Brum, passando o ohafariz, contina ha-
ver um completo soriimenlo de taixes de ferro fun-
dido e batido de 3 a 8 palmos de bocea, as quaes
acham-se a venda, por preeo commodo a com
promptido: embarcam-se oucarregam-se emacr-
ig ezes de pa-
tente,
os melhores fabricados em Inglaterra: *m easade
tlenrv Cibson : roa da Cadeia do Reciten. 52.
LUYAS PARA HOMENS SE-
NHORAS.
Vendem-sepiaiioavertiqaes inaleies, de elesantes
modello-e eicellenles vozes, fabricados por um dos r0 sem ilespeza ao comprador.
| mais acreditados autores, preciado na etposicaode %
sirou Kooker A; Com-
Landre* : no armazem de Ko
lunilla, praea do Corpa Santo.
AGENCIA
Da fundico Low-Moor, rua daSenzala-No-
va ni 42.
Nesteestabelecimentocloniinia ahaver um com-
pleto soriimenlo da moendas e meias moendas
para engenho, machinas de vapor e Uixas de
ferro batido e coado de
dilo.
>'ende-se em casa de S. P. Johnston & C.,
rua da Senzala-.Nova n. 42, sellins inglezes, chi-
cotes de carro e de montara, candieires e casticaes
' bronzeados, relogios patenta inglez, barris de gra-
xa n. 97, vinho Cherry em barris, camas de ferro,
fio de vela, chumbo de munirjo, arreios para tar-
jo, lonas inglezas.
Veudem-se superiores I uva. de pellica muilo novas
para homem e senbera a IJ2S0 reis o par, ditas de
>ed muito boas e setn deleito algum amarellas. pre-1 (lel'0"' de aguada, arqueadas de bons arcos de fer-
Vende-se rmenlo muito novo rheRadn eml
nhn n.r> ^ m30 p" p' de II"ml'urgo, por prer.0 muilo em
a coma, vista da qualidade ; tanto em porfa como
. em barricas e linas : no armazem de maleriaei na
Yci'dcm-se tunis, pipas < ciuurto las ""dt Cadeia de Santo Anlouio n. 17.
para distilaeSo, a quaes foram le azeite de peive e '
Fio
as e brancas para hotuein e senhora a l-imh res
o par, dilas pretas-de toical muilo boas a mu reis o
par. ditas de lio de Escocia brancas e de cures para
homem e senhora a 100. 500 e (ilHI reis o par, dilas
22J2 dilas para meninos emeninas a 'HI reis o par, luvas
D8UO0 de veda ^ricas de todas as cores e bordadas, com
3-3000 g.jarnifAo, para senhora a 3-5 200. e nutras mais qualidades de luvas, indo na rua
040. do (Jueimado na bem conhecida loja de miudezas de
>3j00 i hoa fama n. 33.
13U2
Meias de laia pa-
ra padres.
\ endem-.-e superiores meias pretas de laia para
ro, proprias para deposilns, e itarapas de di-lilacln :
a tralar com Juaquim Lopes de Almeida, ou om
Antonio de Almeida (ioines, rua do Trapiche n. 16
segando andar.
I'in completo soriimenlo de bordados como se-
jam, Camisetas rom inannas, collarinhos, peitilhos,
toineiras, camiiis, coilinhas e pelerinas ; lambem
lem um cmplelo sorlnneiilu de ricas llores, enfeiles
para e.beej), filas e os verdadeiros e modernos bicos
de linho: na rua da Cadeia- Vclha n. 24, primeiro
'andar.
do algodo da Baha
Vende -_e em saceos de 50 e 100 libras, por com-
modo preeo : na rua da Croi, armazem de eouros e
sola n. 15.
a boa fama
"W
PIULAS HOLLOWAV.
Este inestimavelespecifico,composto iuleiramen
le alsoma oulra substancia deleclerea. Benign'io a
mais teura mfaucia, e a complejo mais delicada
be igualmente proroplo e seguro para desarraigar o
nial na compleicSo mais rubosla ; he inleiramenle
innocente ero suasoperacoese eO'eilos : pois buca
e reniove as doencas de qualquer especie e nao
pur mais aulisas e tenates que sejam.
Bada mudares de pessoas curadas com este re-
medio, muilas que ja eslavain as porlas da morle,
preservando em seu uso, conseguirn, recobrar a
mde e furias, depois de h.ver temado inutilintu-
(e lodos os i ii i rus remedios.
Asmis afilelas nio devem enOeoar-sea deses-
peracau ; facam um competente ensaio dos (flica-
zesetleilosdesla assombrosa medicine, e prestes
recuperaroo beneficio da saude.
Nao se perca lempo em tomar este remedio para
qualquer das seguales enfenuidades :
decdanles epilpticos. Febrelo da epecie
i.i
160
150
M
\
Kn
ti
m SAS BOAS QUALI-
iic muito barato.
aoes
Vcnde-se papel de peso e almVo o mellen que
\lniea ,in,i-. i., ____i.. l'de haver nesle geuero a 3, i, 5 o 69000 a resma,
ras^".;? ^Pt vis ^ivtz Ejipi?T mu"r,uo e 'ie "U"* *-*"
vado, cambraia de seda, superior qua'hdade e 4- '/"P"3"""^ ',ara se escrever por vapores para a
; los modernos a dez ,u.l6e' o covado, cav de ""* col,cq"e"cla de na" se P'"ar ?ril,"l<"'
quadros e liso, filo liso e bordado, lencos "
Vgndem-se tres estollas bordadas a
miro, bastante ricas, proprias para qual-
<|iier Sr. vigario de gosto : na rua Nova
n. -24.
Potassa e cal.
Vende-se potassa e ral da Russia c ame-
ricana, ehegada nestes dias c de superior
qualidade e cal de Lisboa da mais nova
que ha no mercado: no nico depotito da
rua de Apollo n. iB-
Vende-se
lio de vella e pnete, loalhas de liiiima-
raesde superior qualidade, li/.ascadamas-
cadas, para mesa: a ('llar com Antonio
de Almeida lomes, na rua do Trapichen.
I<>, segundo andar.
--.-- para
briocarem, com avana a vinlein o len-
co, um completo sortimento de I i/en.l,.- de to-
*as as qoalidades, em Deca e a relalho, que se
querem reduzr a sedulas, por menos prero do que
em oulra qualquer loja, sendo ilinheiro visla.
9 Na i na do Crespo loja atnarella
;] n. i. de Antonio Francisco Pe-
/i
^ ende-se
de
reir, vende-se
;.' Palitos de panno lino prelo, forrados de
X seda com sola de velludo, a 20eOO.
^.' Sobresacas de panno fino prelo, o mais
Q bem acabado pos-ivel. a :|U3000.
Casaras de panno fino prelo. a 309000.
-? Colleles de selim e gorgurto prelo c deco-
-...J res. a 6(000 cada um.
i'i l'alils de sarja prela de seda, a 243000.
;'. Ditos de seda d cures, a 12^000.
'-.- Ditos de bramame branco de linho, a
:. J S"00.
J. "!'0* Je c,il0* pardo de linho, a 59000.
22 Ditos de melim com lislras de cores, i
-,;. JOII.
.'j Doxia* de carnizas com peito de linho. a
jj isfooo.
iias de murim francez, a 228 e 301000. .l
portes de cartas, em resmas, meias resinas, quartus
de resma, ou mesmo em quadernusa 80 rs., papel de
linho verdaderamente almaeo e proprio para carto-
rio a ic> rs. a resma, verdadeiras peonas de aro de
bico de lanca conhecidas pelas melhores que ha a
19200 a raivinb.i com 12 duzias, dilas sem ser de bi-
co de lauca, mas lamben) muito boas a (O a caixi-
nln com I2du/.i;is, duzia de lepll muilissimo linos a
330, IKI e 500 rs., ditos para desenlio a S00 rs. a
duzia, ranivrles muito finse de todas as qualidades
*.v e preeo-, tinta ingleza muitu boa c barata : na rua
: \ du Oueimailo. loja de miudezas da boa fama u. 33.
rua do Queimado, na bem conhecida luja de miude-
zas da boa fama n. .1.;.
CARTAS FIIMSS1MAS PARA VOL-
TARETE.
Vendem-se superiores carias francezas paia volta-
rele pelo baratissimo preeo de 500 rs. o baralho ,
na rua du Queimado, na bem conhecida luja de miu-
dezas da boa fama n. 33.
Bonecas france-
zas. |
Vendem-se muilo bonitas bonecas francezas, pelo I
baralissiiojo precu de 13280 e 15800 : na rua do
Oiieun.id.i, ua bem cenhecida loja de miudezas da I
ba fama n. 'X\.
Dclronlc da pis-agem de Oliada, passando o
sillo em frente, vende-se o ailio chamado do Halo,
com boa casa de vivenda e commodos para grande
familia, estribara para II ravallos, cocheira pira car-
ro, ca-a para feilnr c pretosi curral de pedra e cal
coberto, para mais de 20 caberas de gado, eicellente
pasto para Jilo, immensu terreno de pantano para
plautaeao de rapio) e mais lavouras, bstanles arvo-
redos de utilnlade; os pretendeules dirijam-ie ao
mesmo sitio.
l'or menos do que em oulra qualquer parle
vondem-se na ruaeslreila do Rozarlo u. 11, u de-
psito de sanguesuga hamhurBiieza., os objectos .lelesa 120 cada urna, peules d
abaixo e nova.nenle chegados : '^r. alisar a 300 rs., pecas de
Bolachioha de soda jjOO IIts e lneia M Caiihas
Dita de Lisboa .-Cilkl ,. = .ai ,. ->rr.i... a. 1...1..
.f
s >retas p-r.i luto
Ditahambargueza, lata grande
Dita de ararula dita
tjiieijo londriuo a libra
l'resunio para fiambre
i'uuciuho inglez
Ameniloas eonfeildasefrancezas a libra
l'ecegos, l'eras, Damasco e (iioja lata
Biscoilo inslez, lata surtida
frascos com conserva dedillerentcs quali-
dades
P**ea* novas a libra
Anieivas a libra
Hlala a libra
Vinho cherez garrafa
' Dilo llordeaui linio garrafa
' Dito dito branco n
I Doce fino de goiaba caiiSo
\ "iidein-se ricos curtes de seda branca proprios Marmelada.lata de 3 libra
para vestidos de nonas, pelo baratissimo preeo de Uoies com doce da F.uiopa de dillerente-
tO-5 : na rua do Qaeimado, nos qualro cantos", loja | qualidades
de Tazendas da hoa fe 11. 22, defronle da loja de miu- ; Atolle doce francez frasco
pez** da boa fama. Vinagre 11 garrafa
Manleiga ingle/a superior > libra
VENDE MI.ITO BARATO, COMO TODOS
SABE.M.
Vendem-se libras de liuhas de boa qualidade n.
50, (Oe 70 a 13100, ditas muilo linas de 11. 100 e
120 a 13600, duzia de lesouras muilo boas para cos-
tura a 1>. .Illas muito finase grandes a l>200a du-
zia, pecinlu- de luco estrella a 5I>0, enviudas com
agulhas francezas muitu linas a KiO, caixinhas com
16 uovello- de liuhas de marca muilissimo finas a
280, braceletes encarnados muito bonitos para meni-
nas e senhoras a 200 rs., meias brancas muito linas
para senhoras a 210 e :)0 rs. o par, mea la...de |i_
nhas muilissimo finas para bordar a 100 e I60,| bo-
loes deuiadreperola mullo finos para cannsasatiOO rs.
a grosa, botoes muito linos de ac para caifas a -280|a
gran, livelas douradas muito lias para caicas e col-
balea mulla linos
e fila' de linho com 6
com colzeles frauce
p-M> /.es a (I r... carretela de Indias de 200 jardas de
83OOO muito boa qualidade e de lodos os nmeros a 80 rs.,
2.-UO0 magos com 40 grampas e de muito boa qualidade a
3720 JO rs., pares de suspensorios a 40 rs., torcidas par*
3^0 candieiros a 80 rs. a duzi,carteiras de marroquim
9480 para algibeira com molas douradas s 600 rs., caoe-
|3(i(l0 us p,,ra peonas de ac a 20 e 40 rs., meias brancas
90001 e cruas, fazenda muilo boa, para homem a 160 e 200
Para noivas.
3!r00
3500
3480
3210
23000
23OOO
19600
2-0110
23000
^0cr*tw0 fUgto0.
t I 'lanteigaingle/a superior libra
\ endem-se i.issas prelas muilo finas proprUs para! I .tfk I *b I I bf k" Idk vmbo de l.isboa o melhor que he pn-ivel
luto, pelo laralissuno prero de Sllf vara : na rua UVI .! lIMferl. t\5 B oulra muilas COOMI, que lorie nunca M
do Oueimado, nos qualiu calilos, luja de fazendas da fesso mencionar.

' Testa*) de
boa f n. 2, defroble da loja le mlodcui d.i boa Vende-sa chai) de quadros do bonitos pa-iros.,
f^nia. '.Hli rs. o mvjido, ditos lisos le bonitas cortt ~-2tt
chales de marino liaos com franjas tie retroi de bo-
11 i la-i cores a .">, ililos com Mslras de sei1a;i">: na
rua to ijueimado, nos qualro eantOf, liga de la/en-
lina lama.
ni ni -tt o,
Vende-sialgodSO rom qoasi 2 vara de largura,
propno pira leneoe- e. loalhas, pelo baratissim
preeo de I Kl rs. a vara : i\ "' i qualro canjlus, loja de fazendas da boa f n. 22.
Vene e-se urna porejo de madeira-, mao Ira-
qualidade, de it2 a .50 [lalmus

Diirjai de pellos de linhu para carnizas, a &a 7"" ';"!'' IM' u<,'"'io S*np*io, n
149000. 9Spden do Kpcile, luja de lerragens n.
a tralar
da Ca-
Cal^as de casemira bordada, ultima nio-
arpaca preta de superior qutilidado i>m L-i,,1'eSi"1"5" ulliino uavi de v"'- a O
peras, arefaotet do l'orlo. ludo por com- W K nutra, nraiUs lazendas de linho e sed.. 9
modos preros: a tallar rom Antonio de ".'.- l0|ias de gusto e por barato precu. lyjS
Almeida Gomes,,na rua do Trapiche n. Q~%%QQ:.\?Q:'} 9J %QOO:-'.r.'.;:.'.':
II), SejUlldo anol*. Vende-se urna escrava que cozinha e engom-
.- .. iiii na rua da l'raia n. I, >e dir' quem veude,
Continuam-se a venders mcllioros
".,.' Vell; de carnauba simples de S e 10 em li-
br, muir
Jo
e a vendan por menos do que os antigos
Vende-se um palanquim eum fileiro de tres la- vendedores deste genero ; para vetem al
dates encontrarlo as amostras em
toalliasde puro linio por pieCO ([lie agr- ees com 8 a 10 palmos de aliara, ludo em bom es- (lualidacj
da ao comprador: na rua do Crespo, oia I,ado.' Pr.cummo l'rC" \ quem quizer dirija-se a'
.,. v | rua larga do Hosano u. 37, loja de funileiro que
" ,u- i se dir' quem he. In. 14.

Mi.
boas: na rua da Vigariu n.
Antonio Moreira Dias <\ C.,
I'.,-
Para os na mora-
dos.
Vendem-*c bklhu de papel muilo bonilo, propria
/.em sriehlc nos setts Ireguc/.es, que ac- P1' currespoudencia de namorados, pelo barato
bamdfj ceber de Liverpool um sorli- |TOl'lc S0-l,i"-1S0 '"Y" : ."V""
. i ,, ,., na bem conhecida luja de iniudez
metilo d 3 plvora da mellior qualidad
ral tre superior.
Vende-se e muilo barato, na loja de ferragens da
rua du Oueimadu n. 33, em purees e a relalho.
Em casa le M. Calmoit & C, piara doi
rs. o par, Iraucinhas de laa de caraces e de Iodas as
cores a 100 rs. a pecinha, penles de chifre para ali-
sar, fazenda mullo boa a SOO rs. a duzia. crozas de
bolOe* de luuea piulados para camisas a 210, pecas
de lita decs de Iodas as larguras a 210 e .120. liuhas
brancas de carreteisrom 100 jardas du autor Alevan-
die a 10 rs. carretel. Indias preta* de lueadinias,
fazenda muitu boa a 20 rs. a meadinha, cartas de
I allinetes da melhor qualidade que ha e com "> pen-
les a 110, pentes aberlos de balea (tara alar cabella,
fazenda mullo boa a 23600 a duzia, meias de lio da
Escocia para meninos, brancas e de core a 210 e :120
41000 u par, grozas de fivelai para tpalo*'* 560, camnlias
3610 envcrnisadas com pililo* de fogo de veliuhasde ba
13(KKI qualidade a 120, dilas de pao com palilos de fogo de "* ,r,ticulos vnlumosos, com urna cicaliiz no peilu
15^20 boa qualidade a 20 rs., caitas com SO cainnhas da I oi>Io argaiita de um cautlico que levoo ha om
3700 phospboros propiiamenle para charutos a :120, 'nez. tanto que est com a marca prela e nuilo visi-
casliies muilo bonitos para bengala a 401*., sa- **'' l*ou chapeo preto e fino < roupa de sobresa-
palioho* de laa para enancas a :|(I0 rs. o par,! Ienle,julga->e ler sabido para fura da |>ra<;,em razilo
tranceln* prelos para relugios fazenda muilo rtc I"'1 lu-'e-dous mezes ler chegado de iima fgida
boa a 110. e-coviuhas muilo boas para denles
Alporcas.
Amputas.
Areias mal d' .
A -1 l.ni.i.
Clicas.
Cunvulsoes.
Ilebllidadf UU CXle-
III .ic u.
Debilidade ou falta de
forjas para qualquer
cousa.
esinteria.
Dor de garganta.
de barriga.
<( nos rins.
Dureza no vende.
Knti unidades no ligado.
>' venreas.
Eiuaqueca.
Ki -iiiea .
Febres biliosas.
intermitientes.
(jola.
Ilemorrhoidas.
Hydru|ii8ia.
Ictericia.
ludigestoes.
Illllall.mai.uls.
I i i- eg iilar i da d es da
, ini'ii-lruacae.
I.ombligas de toda es-
pecie.
Mal-de-pedra.
-Manchas ua culis.
Obslruc^o d* vende.
Pblisica nu consOmpcau
pulmonar.
IW'ln.ciio de oui ina. .
Kbeumatismo.
S> mplomas secundaiiii-i
'temores.
Tico doloroso.
Ulceras.
Venreo {mal..
Vendem-se estas plala* no eslabelecimeulo gera
de Londres, n. 244. Slrand, e na loja de lodos u*
boticarios, droguislase oulra- pessoas encarresa-
das de sua venda em toda a America do Sul, Ha-
vana e Hespanha.
Vende-se asbocelinhas a 800 ts. Cida urna della
contem umainslruccau em portuguei para explicar
o modo de se usar deslas pillas.
O deposito cer.il he em cas* do Sr. Sourn phar-
maceolico, na rua da Cruz n. 22, em l'eruam-
buco.
\endem-ajj|dous pianos fortes de Jacaranda,
consirucr^o verifta] e coro iodos o melhoramenios
mais modernos, tendo vindo no ultimo navio da
Hamburgo: na rua da Cadeia armazem n, 8.
Chegoa afina!??
Cortes de cassa franceza linas pretas,
pelo baratinimo preeo de I 800 cada
corte : na ruada Cadeia do Kecife n. i8.
Vende-se um moleque, peca, de idade 21 a 22
anona : a tratar na rua do Crespo, loja du Sr. Xisto
vieira (.uelho.
Ilrsappareceu no dia 10 do correle om escra-
vo, crioulo, de uome Lucio, com oflicio de sapaleiro,
muilo civilisadn. olhos grande*, rosto redondo, bem
barbado apesar de ler bonlem corlado com thesoura,
a do corpo, e bastante grosso, quebrado e com
acabar se
para
10(1 rs. Alem de todas estas miudezas vendem-se
outras muilissimas, que a vista de lias boas qua-
lidades e baratos precos tem causado admiraeao
ao- proprio* compradores : na rua do Dueinia-
para vendero ft,^. ST ""'""^ "e Maitut "" *"'
ARADOS DE FERRO.
pinito, a lea t rao e pixe da
u. 33.
Vende-se o lio com casa de sobrado do falle-
cido Geortie Kenvvorlbv. no lugar de S. Jos do Man-
guinhu, com arvoredos de fruclo e mais hemfeilorias
que oelle se acham, sendo as trras do referida sillo
iptorio, na ruadas Larangeiras I PruPris ""'f o pretender procure em rasa de Sa-
<> muel r. Juhnstou ,\ (.ompanhia, rua da .-vnzala >o-
12.
segunle :
Yaboado de
Suecia.
Alcatrao de carvao.
Lunas ele algodao.
Hilas de linho.
I mas em latas.
uado (loennado,] Esponjas de superior (iiialidade.
ezas da boa famaL, '' i n
Cilios de nono e de .ilumina,
ludo inuilocommodo.
de prilu .le-dous
que fe* em iiovembri. do anuo p." p estando em Se-
rinhaem no^eiiL-enho Santa Clara, jonlo ao engenho
Aranlansy, sendo proprietario daquelle (iuin.ar.ie- :
roga-se es autoridades ou qualquer pessoa que u vi-
ren) levem au seu senhnr omiugos Antones Villa-
(a, rua Nova n. 67, quesera bem recompensado.
I'ugio do engenho Mussorepe, Severino, cabra
com os signaes seuuiules : altura regular, puuea
!>a undifo de L. Starr & C, em Sanio I barba, baifodo, com o dedo indicador da mao es-
Amaro, acham-se para vender arados de ferro desu- 11"r perior qnadade.
Moendas superiores.
Na liindii-ao Kob L'Afierlcur, Vermfugo inglez, salsa de
Itristol, pillas vegelaes. salsa de ands : vendem-
se esles remedios verdadeiros em casa de Bartholo-
meu h'rauciscu de Souza, na rua larga do Rosario
o. 36,
lido urna fon.I,-, pernas finas e arqueadas, cabel-
los curapinhc', ro-lo redonda descarnado, levon
consiga um cavallo castanho escuru, o qual lem so-
bre o espiuhacn urna barroca proveniente de urna
eslocada, com marcas de peiloraes por ler sido de
roda ; roga-se por lano a todas as autoridades e ca-
li) Amaro, acha-se para vender moendas pilaMde campoqueopegaremolevema villa de Pao
de calina todas de Ierro, de um modeloe d''ub^' 'oseu """. ? cap,li1 Mnoel rhom ai de
Albniuerque Mamut.ao, que comproii difi>reri|.a
construccao milito superiores. |wl|,, do me.mo escravo aos herdeiros de Auna Ma-
VI.MKi DO l'IIHTO SI I'ERIOK CU \M|CO '"a Tavares de Lira, qos seAo teiierosamenle re-
_ --.%." romp usado*.
hm ranas de duas duzia e em barriada uilavo,
rerenlemenle chegado pelo brigue Trovador, |
vende-se nicamente no armazem de Barroca A.
Castro uarua di Cadeia do Kecife D.4.
PERN TVP. l)B ti. F. DB FRIa 1856.
MUTILADCT
ILEGIVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1XHP1H0X_MUC6DH INGEST_TIME 2013-04-24T19:57:51Z PACKAGE AA00011611_07436
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES