Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07364


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XXXIV N.
IS.
V
Poro mezes adiantados 4$ )00.
Por 3 mczes vencidos 5$( 00.
\
V
(DABA FEIRV 20 DE JANEIRO DE 1858.
Por auno adiantado 15$000.
Porte franco para o subscriptor:
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCA'O DO NORTE.
Parahiba, o Sr. JoSo Rodolpho Gamel; Natal, o Sr. Joaquim
Ignacio Pereira Jnior ; Aracaty, o Sr. A. de Lemu Braga ;
Cura, o Sr. J. Jos de Oliveira ; Maranho, o Sr. Jos Teixeira
de Mello ; Piauhj, o Sr. Jos Joaquim Avellino ; Para, o Sr.
Justino 1. Ramos ; Amasonas, o Sr. Jeronviuo da Coila.
PARTE OPglCIAL
GOVERNO DA FBOV1NC1A.
Por porUrii de 16 do correnle foi nomeado
snb lelegaJo de polica da fregaezia no Limoeiro o
Sr. lenenle Joi Cuaegaudei da Sil- endo exo-
nerado deiss cargo o Sr. leuente Jos Anlooio Pes-
taa.
Por portara de 18 do correle foi concedida
i exonerarlo, qae pedio o Sr. bacharel Francisco do
Rejo BiiroseJe Laceria, do cargo de ubdelegado
da fras;uezia de Munbeca, ando nomeado para o
meimo cargo o Sr. Jos tirios Teiieira.
Despachol do da I ti.
Requerimealo de Tliom Gomes Vielra Lima
airares do 9 balalhAo de infantina, dizendo que em
aeu ajuste de cotilas con a thesouraria, aita somante
Ihe quer pagar o olio como oflicial, de Junio o que
o supplicaole recebeu como praca de prat ; pe-
dindo que ae Ihe mande pagar a etapa correipnn-
deute a seu posto, descontndose a que recebeu
quando urgente.
Mafaldl Augusta Pereira, pede licenra para
abrir esrola de n.truclo primaria,A informar ao
director gerat da inslrucr.o publico.
_ Antonio Candido da Silva pedindose Ihe man-
da otregar o menor Cimillo Caudido da Silva qoe
fol preso pelo iuiz muuicipil 'le Olinda e remullido
para icomp-inhia deaprendizei marinheirni.Nao se
mo-tra que o lopplicanle lenlia patrio poder sobre
o menor remellidu pelo juii municipal de Olinda.
Padre Joi Procopio Pereira, pedindo qua se
Ihe manda pagar a gralilicac.ao correspondente n
lempo em que substituio do capellAo do collegio dos
orph9os.A informar ao conselho administrativo do
respectivo pitrimouio.
JoUo Evangelista Ferreira Paz, alfere da pri-
meira companhia do batalhAo de fuzleiroi da guar-
da nacional de Olinda, pedindo paisagem para a ibc-
cAo de reserva por lersido noraesdo escrivo do cr-
inecivel e lubelliAo de notas d'aquelle termo.Passe
portara dispensando o suplicante do ierric.0 acti-
vo ate a prosiroi reuoiAo docoosellio de qaalifiei-
cao a quem deva requerer o sea direilo.
Jeaquim Carlos dos Santos, tenenle promovido
para o 3. batalhao da infamara, replcenlo sobre o
despacho da'presidencia qoe lira negou o abono de
3 mezei de sold.Nao pode ser attendido.
Bichare! Jos Tavares ea Cunha Mello, pro-
motor publico da comarca da Roa-Vista, pedindo
prurogar.Ao por dous mezes da urna licencia cujo pra-
zo tem de findar-ie em 19 do corrale ; e allegando
para iisn diversos motivos.Nao tem lugar.
Officio do brigsdeiro commandanle das armas,
apresentaodn para ler an lamento o officio que Ihe
dirigi o delegado do cirurgiAo-mr do exercilo cura
ama requis c.Ao em duplcala de 20 pecas de raada-
polao para a botica do hospital regimenlal.A in-
formar a' Iheeooraria de tazando.
Dito do presidente do conselho admnislralivu
do arsenal da guerra apresenlanJo a coala em du-
plcala dadivarlos objectos comprados, presidencia, para o presidio de Fernanlo, a Matinal
Joaquim de Mirandi e Souzi, na inportaucia de
77j370 rs.Remetldo ao Sr. inspector da thesou-
raria de fazeu 11 para ordenar o pagamento, estan-
do no< termos I igaes a cunta junta em daplicata.
Dito do director interino da colonia militar rie
Pimenteiras, propondo a Flix Feliciano Barboza pa-
ra ascrivao da mesmi colonia.A informar ao ac-
tual director, major Seliaalnlo .tuloaio do Rogo Bar-
ros.
Pedido do batalhAo n. 10 de inf .ntaria pira
fornecimento de daas caldeiras de ferro fuudldo pa-
la cam prar.ii cada orna.Fornera-ie.
PARTIDA DOSCOBREOS.
Olinda tirio* lias, !> < mpta hora do dia.
I njn', GoiatM b l'..riiiilia, as Mgudhi Mstet-rlns.
S. Aatio, BnerrotS l''mij. frrHtV, Altindo c '..irjnlniti- : na trrfa-ffirji
S. Lnurvnfn. Pin d'jilbo, .NauriMti, i,,.....iro. lu -*. Pea |MJrm, IirihI
ra, Flote*, VlIte-ltelU, 1 toa-Vista, Oarkarj a L\u", iu- nn.irti--[.-ir,i-
Cabo, Ipojuc, S->iit Ii.ii'm, Ra Furrauio, L'na, BnrM> AgU-PTet*
Himcnlcira r Anl t Tuilua u$ correioa pirtcm aj 10 hora* da ninh'a,
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES l)A CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quinta:;.
Relacao tercas feiras c sabbados.
Fazeuda : quartas e sabbados as 10 horas.-
Juizo do commercio : segundas as 10 horas e quintas ao rucio dia.
Dito deorpbios: segundas c quintas as 10 horas.
Primcira vara do civel: segundas e senas ao mcio dia.
Segunda vara do civel : quartas e sabbados ao mcio dia.
EPHEMERIDESDOMEZ DE JANEIRO.
0 Quarto minguanle as 10 horas e 27 minutos da tarde.
15 La nova as 3 horas e 13 minutos da manha.
22 Quarto crescenteas2 horas e 37 minutos da tarde.
29 La cheia as 6 horas e 82 minutos da manhaa.
PREAMAH DE IIi ni .
Primcira as 9 horas e 18 minutos da manhoa.
Segunda as 9 horas e 42 minutos da larde.
DAS DA SEMANA.
18 Segunda. S. Prista v. m. : S. Liberata v.: S. Leobardo b.
19 Terca. 8. Canuto re m. ; Ss. Audifax e Abbacur irs. mu.
20 (.luana. S. Fabiao p. ai. ; S. Sebastioo m.
21 Quinta. 8. Ignez v. m. ; 8. Palmelo m. ; S. Epiphanio b.
22 Seita. Ss. Vicente diac. e Anaslacio mm.
23 Sabbado. S. Ildefonso are. ; S. Emerenciana v.
24 Domingo. Nossa Senhora da Paz ; S. Timotheo b. m.
ENCARREGADOS DA SIBSCR1PCAO DO SL'L.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Diai: Babia, o Sr. D. Duprid.
Rio de Janeiro, o Sr. Joao Pereira Marlins.
EM PERNAMBUCO.
O Proprietariodo DIARIO Manoel Figneiroa de Firia,na sui
livraria, praca da Independencia ns. 6 e 8.
do-malo presidenta da cmara municipal da villa do
Bonito Manoel Francisco Vzevedo Lyra, qae nao he
Vmo, lorem sim Manoel Aulonin Ferreira, juiz de
Vmc. do meitre pedrairo Gustavo Augusto de Aguiar O nosso governo eomprehende quanlo he critica a
Expediente, do da !., da Janeiro da 1858.
OHiso ao Esm. presilenTe das Alagoas.Coru-
manicaudo ler eipedi.lo ordem para sercui da los
aos msicos de que Irati a nota a..ne\a ao ollicio
de S. Ese. de 8 do crrante os lugarea para pasia-
geiros 'le estado que por ventura e-tiveiem vacos
nos vapores Cruzeiro do Sul a l'ersinaugm.Ei-
peiiram-ie ardani.
Dito ao eniainandante das armas para informar
sobre o olli-i i junto em que o inspector da thesou-
raria da fazenda pede seja dispensado do aquirte-
liicenloo olcial do 3- bilalhao da guarda nacional
J miiano Constancio Monteiro de Andrade escriptu-
rario d'aqjella repartalo,
Dito ao mesmo.Nao podando continuar a re-
mana para a corle das practique devein completar
o contingente exigido desta provincia, sem que h numero safficienie de recratas para preenchera fal-
ta que ja axitta na caarmcjlo da provincia ; isto
mesmo declaro a V. Exc. a parlacipo ao governo
imperial.
.Dito o juii aspeeisl do commercio.Dizendo f-
rir scienta da ter S. S. nomeado a Manoel Maris
". > ir'.gue* do Ncaeimento para exercer o lugar vago
do eicrv3'i do juizo especial do commercio desta ci-
dade, a man lado nesta data affixar o* aditaai do es-
lylo pondo em concurso o referido officio.
Dito ao mesmo.Pelo sea ollicio de 12 do cor-
rente liquei inleirado de se haver concluido o in-
ventario do cari rio do finado ascrivao Maxiiniaoo
Fraucisco Duarte, a nao se terem verificado as fal-
las da autos a documentos qae .lua darem-se uetse
cartorio, visto como somenle deixou-sa da deeco-
brir o destino da ons aulos do nolificir;ao cominato-
ria de J. C. Raba contra Oliveira & Inn.'i i, q A.
Alves Barboza, e reconhecen-se a falla de -X follias
no processo de fluencia da Jos Rrodrigues da Silva
Bocha, polendo acontecer qae oatras fallas ponco
iiupirlautes tenhain escipidoe veuhain a desco-
brir-e.
Dilo ao cemman ianlc superior de Olinda.Em
vista do que V. S. pondera em sen offieio de 13,
auloriso-o a mandar entrar em exercicio do com-
punjo do hatalho n. 10 da suarda naciunal o te-
denle coronel Ilemelerio Jos Velloso da Sdveira,
devendo este no prazo da 4 mezas aprseentir a sua
patente com a spostila da transferencia que leve do
halalhao n. II, a qual em dnvida se torna necessa-
ria. como bem entendeu o coronel chele do estado
maior.
Dio ao romm.ml.ini superior interino do Bre-
jn.Em visla do qae V. S. exp6e no sea ulficio de
12 de dezembro ultimo, resolv nao l mandar pas-
aar patentes aos oflioiaes d,i guarda nacional sob seu
cominindo inperior, meacmiiados na relicto junla,
mis liini-in nomear pira alferes porla-bmdeira do
hitaihai n. 3ti da infintaria a Fumino de Oliveira
Mello, qus fui in lie-ro para eise poilo na proposla
datada de 26 de jonho de 18>6. n que se refere o
rilado nfncio.Qaantoporemaosda mais cidad<1o templados am dita proposta tenho declarar-lhe que
poror nao conven que ascompanhias lenham dous
alteres,a nesta r.nnformidade deve V.S.ordsnar ao co-
mandante d'aqmlle halalhao que organise nova pro-
posta para o praenchi ment dos postoi vagos, ob-
servando a ordem gradoal do accesso, nos termos da
piimeira parle do arl. 48 da lei n. 2 de 19 de se-
leoibro de 1850.
Re je.io a qoe se refere o ollicio sapra.
Eslado-maior.
Alteres secretario.Francisco Cordeiro deCirvalh?.
2." companhia.
Tenenle.Francisco Joaquim de Oliveira, Caval-
canli.
Alferei.Manoel de Hollanda Cavalcanli.
3." companhia.
Alfcrei.Francisco Manoel de Puntes.
ti." rompanhin.
CapilSo.F'ranciseo Brzerra Wanderlav.
I tuquie.Francisco Can iido Valenca.
Sec^ao de reserva n. 8.
1.' companhia.
lenle.Claudino Bezerra Civaleanli.
Dito l' thesooraria de fazenda. Visto que Dio
veio anda a ordem do tribunal do Iheiouru publico
n.irjonal ulorisando ai despezas por conla do aug-
mento do credilo dislribuido a asa provincia pelo
ministerio do imperio no correnle px-rcicio para a
rubrica:olonias rnililares,Tica V. S. auiornado a
mandar abonar ao director interino da colonia de
l'imeiileiras, sob roinlu responsahili lade, denlro dos
limile.do referido crdito, a qoaolia de 1:0009, de
que tratou n meu ofllcio de honlem ; li'an lo assiin
r.'-i' ni'li lo u de V. S. da mesina diia sol n. 22.
Dito ao mesmo.Ao oflicio da V. S. de 13 do
correla soh n. 18 respondo quo a presidencia da
provincia fu autorisadi pelo Enverno imperial
chamar a sarvice i guarda nacional para precncher
filia it for'M d | .a linln, e nesla conf irini lade
deve ser p.isa o de-peza rom o destacamento da vil-
la da Pao d'Alho e de onlros lagares.
paz in lis volado, o competente para presidir a qua-
llfcar o da fregaezia de Grvala', o que ao dilo jniz
ja se (irigira a cmara n unicipal, como convnha,
ra

Ymc. informe qual a razio porque com seu officio
da II) da dezembro prximo udo se dirigi a pre-
siden! ia da provincia como o juiz competente a pe-
dir a as providencias que nao erara necessarias.
Di'i M juiz de urphSos do termo do Recife.
Coran unicando ler delirii o o requermento em que
Jos \m mi i Marques a .losephina Cavalcanli Mar-
ques, pediraui a entrega de saa ahlhada Ursnla Ma-
ra di Monte, educan la do collegio das orphas.
Di o ao inspector do arenal de marinha.Dizen-
do f :ar inleirado de ler sido capturado o Africano
IV Ir ao servido d'aquelle arsenal.Commanieoa-
se ai chela de polica.
Di o ao arsenal de guerra.Reeommendanln qae
apresse a remessa dos or iras da fordamenlo que se
man Ion epromplar para o me>araTlr*o da "f'ara-
eiilen loii'lo-se para isso com o agetern*quel-
la p ovincia Jos Joaquim de Lima.
I) lo ao mesmo.Determinan lo qae mande fazer
por :onla do ministerio da euerra a despeza com
agu lo/, e limpeza da rasa da guarda do palacio da
presidencia, da inesma sirle porque he feilo sema-
Ihaala fornecimento as suardas na prac,a.Con mu-
uicou-so no commandaule das armas.
Djitu ao commandanle de polica.Para mandar
aprpseotsr ao diraclor interino ds colonia de Pimeu-
teirlas, Sebiistiao Antonio do Reg Barros, am solda-
do ine devera' acompanha-lo e legresiar immediala-
nle.
tilo ao bacharel Herrmgenes Scrates da Silva
ares e Vasconcellos.Dizendo licar inleirado de
Smc.hontem entrado uo exercicio de delegado
t.* disinclo deste termo.
)ilo ao director interino das obras publicas.Di-
jido estar inteiraJo de ncharem-se concluidos os
re laros do andar terreo da casa da auliga cadeia,
de diuado para a sala das audiencias.
borlara.Concedendn a demisso qne pedia o
pi ifessor publico de S. liento de Garanhuns, Luiz
Pi u'iii i de II ill ni ii Valenra.Fizeram-ie as com-
m inicares precisas.
Dita ao gerente da companhia Pernambaca.Para
ndar transportar para Rio Formozo, no vapor
IPersinuuga, os criminosos Jo3o Chrisoslomo de
0 iveira, Jos da Costa Silurmno, Claudina Maria
di Conceirao, .Msr a load das Dores, D. Rosa Maria
\\ anderley e o preto Luiciescravo de Manoel Jos
G uir-aives Braga, e bem assim as pravas qae os vio
encellando.CommOnicou-se ao chele da polica.
Dita ao agente dos paqueles brasairos.Para
ntiii Jar d.ir transporte pira a corte pof conla do go-
- rno, ao capiao ilo eslaJo-mainr de primeira clas-
Franci-co Raphael de Mello Reg.
Dita ao mesmo.Para dar as passagens de estado
p ra as Alaaoas no vapo- o Cruzeiro do bul a seis
rrlusicos qae se coulratirim para servir no corpo de
p dieia d'gquella provine a.
Dita ao itrenle da companhia Pernambucam.
l'ara mandar dar Iranspo-te p.ira as Alagoas no va-
por PersinoiiKa a quatio msicos coniralados para
sirvir no corpo da policii daquella provincia.
16
Ollicio ao Eim. corimandante das arma.
presentando como recrulas do exercilo o paisanos
rancisco Aulonio Cordeiro, Jacob Jos de Araujo,
1 nlonio Loareoeo e Prarteolliao Jos dos Chagai.
(jommumcoa-se ao chefe de policia.
Ditoao mesmo.Pan mandar pr em liberdade
recrula Jos Alexancre, qu cin inspecr;o de
shiide foi julgado incapaz do servioo.luleiroa-se
o chefe de policia.
Dilo ao Eim. coinmaii lante superior da casrda
Racional do Recife.Coramanieando haver manda-
o pr em ltenla te. vislo ler sido jalgado uieanaz
o servido, o guarda nicional Jos Antonio Luna,
S. Exc. rametleu 'como recruls do escr-
ito.
Dilo ao chefe de policia.Communicando qua od>
emule Joic Cunesundes da Silva segu para a sil-
la do Liinoeiro, a lomar o enramando do reepaclivo
leslacamenlo, era subsdtuieao ao leuente Jos Anlo-
iio Pestana, que lera da rccollier-se u esta ca-
lilo I
pilal.
Dilo ao mesmo.Em "tsposta ao oflicio de V. S.
da 8 do correule, a quo acompanhuu por copia o
administrador da casa de lelenc,o, acerca das dia-
rias mareadas aos presos pobres, lenho a declarar a
V. S., qae no aclo da tresideucia de 28 de dezem-
bro s" pro,i leu.-iou qau hs diarias fossem rrauli-
ias pala quanlia ahi ar lilrada, desdo o 1.* de ni-
veinbro, e para execugao desla delermina^ao, visto
ia ae ler recoliudo repailicJo competente, segundo
a :is:ripiurae.'io das caderaelas, o que reslava dos sa-
larios dos presos, dedozid a diaria arbitrada anle-
riormenle, pule o admmidrador receber a dilTeren-
;a dessa diaria para a axada ullimamenle, pela
parle dos saiarios dos preos que nao sa Ufe anida
reeolhido.
Dito ao impeclor da tln souraria de fazenda.Re-
mellen lo por copia o inventario dos objectos do sei-
vic,o e dacoras.lo do pala ;io da presidencia, comas
specilicaees indicadas no modelo qua veio annexo
ao aviso do miiiislerio do imperio de 6 da dezembro
4e 1853.
Dilo ao connandanle da eslie.lo naval.Dizendo
qna pude fazer seguir para a barra de Mossoru i-
fcrigue eierjua de guerra Xinnu', alira de collocar
alli as boias de que Irila o aviso d.i reparlicAo da
raariuha de 3!) de iiovrriibro olluno, licando S. S.
na certeza de que se auknsou o inspector da Iheiou-
riria de fazenda a mandar entregaran dispeuseiro
do referido brigae escaua, os trezeulos mil rcis que
S. P. requisitna.Oflicioa-se nesle sentido ao refe-
rido inspector.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.N.lo
podendo a croz do potra i ter oulro desuno que nao
seja o de servir a'navegajao, e sendo um ponto has-
laute conhecido pelos ni veanles que se airigem ao
porin desla ci.la.le, ininde Vine, reconstruir a base
da raesraa cruz e segurar-dhe os alicorees por rucio
de urna estacada enUbcada, como propoz o euge-
nliciro das o oras do porlu uo oflicio que por copia
acompanhou o de Vmc. de 17 de dezembro.
Dilo ao superiuieude ile da estrada de ferro.O
presidente da provincia a:cusa o roceliiuienlo da car-
ia que Ihe diriga era Jala de honlem o Sr. Jamas
I em del un Wool, superinlondenle da estrada de
ferro do Kecifeao Rio de S. Francisco, a respeilo do
nrnjecto de nina eslraja Je ferro da ponte dos Afo-
gados ue-la cidada a' da Victoria,chamando a alin-
elo do goveruo para a 2.' conJiqao do docrclo n.
1030 de 7 de susto de l*j>2, e declara o Sr. Wood,
que este ohjerlo ser lumadu opporlanamente na
devida ronsidera;ao.
Do ao director inleriro da colonia militar de Pi-
raenleiras.Previno a Vmc. que, segando informna
a thesouraria o lenenle Joaquim Jos dos Sintos
Araujo,sjudanle do director di colonia militar,ajunou
silos conlas na mesma raiiarlijao at o ultimo de ou-
lubro do anno passado e recebeu a quanlia da ris
92B336I, pora as despezas que correm pelo minis-
terio do imperio, e sa lindan) de fazer nos mezes de
noverabro e dezembro ull mus, restando a remessa
dos piis desses mezes para serera satisfeiloj,
Dilo ao mesmo.Proponha Vmc. os ranos mais
econmicos de levar-ss i elTeilo a eonslrucc.1o da
ponte sobro o rio Fervelor, informaudu-ine do que
existe feilo e das msdeirai liradas ou promplas para
a obra. Proponba Vmc. igualmente as obras que he
necenerio fazer na povoatao, e envie-me o seu or-
raraenio advertiudo que se devem fazer oslas obras
com a maior economa e r ue as e.asas para a habita-
dlo dos colonos devem ler mailo singelos e de pou-
co valor.
o auloriso-o a eugajar igualmente um ferreiro para
a colonia.
Dilo ou mesmo.Remella Vmc. so inspector do
arsenal de marinhi, afim de lerem admillidos a'
companhia de aprendir.es marinheiros, os menores
desvalidos de idade de 10 a 17 annos, que forem bra-
sileiros e de conslrurr;,ln robusta e propiia para a
vida domar, providenciando-se assim a bem desle
menores, a respeilo^los quaes Vmc. represeoloo-me.
Dilo ao engenheiro Francisco Raphael de Mello
Reg.Dizendo que para subslitoi-lo na repart-
jao das obras publicas, visto ler Smc. de seguir pa- I
ra a curie, designa o engenheiro Pedro de Alcntara
dos Gunnarn.es Peixolo.Conimuiiicou-se a the-
souraria provincial.
Dilo Ao joiz de direilo interino da comarcado
I.imoeiro.Dizendo que pelo eommissario tecina
dor provincial sera' remeltido ao subdelegado de po-
licia daquella villa o necesiario poz vaccinieo para
ser convenientemente empregado, previoindo-se des-
la sorle a conlinnarao e d'senvolvimenlo da peste
das bexigas, porque he flagallada a mesma villa, se-
s"do Smc. participa Ollicion-ie ueste sentido ao
releridu ommlMH0 vrfrrinador.
Dilo ao inesoureiro ,,a, lotera*.Visto o qoe
Vmc. expoz em seu ollicio de honlem,p i,n oxrtar i
venda consecutivamente os bilhetes das tres parles de
loteras que ja se acham impreisos, devendo a sua
extraccao ler lugar no prazo de Ires semanas desla
dala.
Dilo a' directo da AssociarjSo de ColonlsuSo.
Accusu a recepeno do ollicio que em data de 11 do
correnle dingio-me a direccao ; da Asiociac,3o de
(. 'loiusario acerca do assumplo do i.ficio do cnsul
de Portugal, que acompanhou o meu de 7 a' mes-
ma direccao, e torasrein|a consideradlo devida.
Dilo ao delegado supplenle do termo do Bonito.
Satisfazendo ao que Vmc. s liciion em sea oflicio de
3 do correnle, remetto-lhe a copia inclusa coutendo
a relie.i i circomslanciada das tcenlas, que desde
1855 al boj* leemsido concedidas para o cortee
con lucilo de madeiras de conslroc^ao naval.
Portara.Exonerando de conformidade com a
proposla do Dr. chefe de policia n lente Jos An-
tonio Pestaa do cargo de subdelegado da fregaezia
do I.imoeiro, e nomcandn para o substituir no
mesmo cargo o tenenle Jos Conegundes da Silva.
Comranuicoa-se ao chefe de policia.
Dilaao agenle da companhia dos paquetes a vapor.
Mandando dar passasera para a provincia do Pa-
ra', uo vapor qae sa espera do sul, a' familia do ca-
piao Vicente de Paula Ros de Oliveira, composla
de mulher e seis tilhos de idade de 1 a 15 annos.
DilaMandando aJmillir ao servijo do exercilo
como voluntario por lempo de seis annos o paisano
Antonio Bezerra da Silva, que percebera', alm dos
vencimenlos que por lei Ihe compelirem o premio de
3009.Igual icerca do paisano Antonio Francisco
Rodrigues, e fiteram-se as necfssarias'communica-
coes.
18
Requerimenlo de Jos r"r ncisco de S LeilSo
pedindo que se mande fazer na arsenal de guerra
urna prensa para o sinete de qoe u o a secretaria de
policia do Rio Grande do Norie.Remellido no Sr.
director do arsenal de goerra para salisfazer ao sup-
plieante na forma requerida.
fiuiraara-s .\ Onvcira. pedindo pagamento da
importancia de papel e mais objeetoi que vendeu
para o expediente da secretaria do governo. Re-
meltido ao Sr. iuspeclor da thesouraria provincial
para mandar pagar.
Os iiiiim a, pedindo pasamento de urna eam-
painha que vendeu para uso do palacio do governo.
Remeltido ho Sr. inspector da lliesouraria de fa-
zenda para mandar pagar por conla do credilo para
movis desle palacio.
Clemente Irancilio Tavares, 2 lente ajo-
danle do i batalhao de ertilharia a p, pedindo que
se Ihe mande abonar a quanlia necessaria para com-
pra de eavallo.itemeltiJo ao inspector da thesou-
raria de fazenda para ordenar o pagameulo a que
lera direilo o supphcanle.
Clara Joaquina de Oliveira Monra pedindo
malricula gradilla para seu Bino no Gvmnasio.
Seja admiltido matrcula gratuita o menor de que
se trola.
Clan lino dos Sontas Lopes Caslello Branco,
recorrendo da decalo pela qual o consellio director
da inslraccao publica o suspender. Cnmpra-se a
decis.lo do conselho director da instruc;3o publica.
-- Padre Antonio Gonralves ,la Silva, professor
publico de insirureio elementar do I" grao de Tra-
cuiihaera. apresenlando alteslado de moleslia exigi-
do pela preiidencia em sea despacho laucado em
om requerimenlo em que o supplicanle pedia mais
um mez de licenc,a com ordenado. A informar ao
director inlerinn da msirucc.au publica.
Anlonio lienriques de Miranda, arremalanle
da obra do empedramenlo do Giquia, pedindo mais
3 mezes de proro2.ar.an para conclusao daquella obra.
A informar ao director interino das obras publicas.
Tres pedidos de diversos objecloi para a forta-
leza de Tamandar.Forneri-se.
Dous pedidos para os forle do Gaib e Naza-
relh.Forneca-se.
sua siluacolo. Vivo prevenido e obrara' aeguudo Ihe
acuris .lli.ir. ni os circumstancias.
Ndn terminam aqoi porcm as noticias assuiladoras
que ros vAo chegando por canees fidedignos.
O Sr. Paranhos, durante a soa residencia no Pa-
ran tem estado em ctimmouicarao direela e con-
tinua com os ministros de 1 ranea e dos Eslados-L-
nidos, roiiimunirar.io que tem infundido serias sus-
peilai a todos qnantos lomam algum interesse pelas
cousis do Paraguav.
Sa lemos tambem que no Paran' se eslSo reanin-
do visos de guerra brasileiros, e que o Sr. Paranhos,
para dirigir-se a esla capital, asaarda somenle a
clieE! da aquelle porlo do resto da esquadra brasileira.
Tolo o carvo de pedra aggloraerado pelos Brasi-
Jeiroi era Monlevidn ha de deposilar-se no Paran'
e a maior parle em Corrientes.
De lodo isto se deduz qoe Paranhos vero com o
proposilo firme de inlimar o sen ultimtum ao nosso
governo.
Entretanto a imprensa brasileira continua era
aeu inveterado proposito de insultar a repblica e
o sec governo ; e nessa cobarde larefa se mostrara
onarimes lodos os peridicos brasileiros, e alguns (.e
Bunios-.' \ re, mercenarios do Brasil, segando o s
a-sc iiuin,,
A ero a ,,, lavamos dilo ha oulras notieiai que
concordara con. *, ,c, .nlliiai comquanlo ve-
nlia n do Rio de Janeiro. .
D si que o Sr. marechal de enmpa I ranrisrn F-
lix esla' nomeado commamlaule da divlsao das ope-
racoea que se ai organisar na provincia do Rio
Grande, e qoe para o coni.-.iindn de infantaria des-
sa divisao f.ira designado o Sr. brigadeiro visconde
de Camnmu'.
A cavallaiia de linha lem por chefe o Sr. brisa-
deiro Joao Propicio e a guarda nacional o Sr. com-
man Jante superior Canabarro.
Sibe-se pelas folhas do Brasil qae o Sr. ministro
da guerra assislio ha mezes ao embarque dos contin-
gentes de arlilliaria e de infanlaiiaque scguir.im pa-
ra Molo dni.-o.
Efectuado o embarque, foi o ministro visitara fa-
brici de armas da Conceirao e o qoarlel de Bragan-
ra,o ule -c demorn bstanle tempo examinando mi-
nuciosamente os Irabalhos das diferentes officinas.
I) ai aniel linha assislido tambera o ministro ao
embarque dos arlifices e operarios que v3o para
Mal i-Grosso, e visitado o arsenal de guerra, paga-
tropas e conladoria da gnerra.
(Semanario.)
[Jornal do Commcrao do Rio.';
o Arl. 3. Os chafes nomeados serao considerados sirao de urna bella fragata construida em Inglaler-
respectivas sec;oes com o carcter de com-i ra, e baplissda como nomo de aMaria Isabeln.
mandanles geraes. O governo de Bolivia dirigi urna reclamarlo ao
o Arl. 4.a Pelo ministerio complente se darAo ; do Chile contra actos de soberana exercidoi por esle
as in-lrcces necessariai aui nomeados para seo go- I no lugar da costa denominada Mujillones, coja pro-
vento, priedade parece disputa la, e cuja situarlo geogra-
Arl. ." Communique-se, etc. Pereira.Car- phica forma o limite de ambos os Eilados. O gover-
los de San Vrente. i no do Chtli, para fortalecer o sea direilo e o seu do-
l segundo decreto, qoe tero em villa reprimir os; minio, expeli um decreto habilitando o dilo por-
abusos eos excessos da Liberdade da imprensa, diz lo. Esta qaestao nao he nova. Ja anteriormente M<>-
assim : julones foi governa Jo por Bolivia *, e bem qne n.lo
a .Ministerio do governo. Montevideo 21 de de-
zembro de 1857.
Levantado o estandarte da rebellio contra o
governo conslilucional da repblica por aqocllei qae
rejeilando o programan de imiao e de paz, que for-
ma a base da poltica do governo, se empenham em
revivar o odios do pascado, levando o paiaa novos
nos recordemos dos fuu menlos dos seas allegados
direilos, nao deixa de ser visvel que esse poni of-
farece a' Bolivia maiore vantagens qoe o de Colle-
ja, onico que possae para o commercio exterior,
lano pela seguranza, como pela suppressilo de ca-
minho e de difliculdades no trafico do interior.
A questAo actual pode com lado lr.17.er erabararos
ir,in.tornos a calamidades, nao pode consentir-se, o complicarles desacrodaveis, nao s enire os estados
sem prejuizo da moral, da jnsti^a e do direilo da cau- limilrophes, mas lambem cora os agentes das polen-
dorii di
Dito an memo.Previno a Vmc. que com o ar-
chivo da eufona deve receber do ex-ajudanle, lenen-
le Joaquim Jos dos S mos Arrojo osoflicios que a
esle dirig, entre os quaes se achara os de 28, 29 de
dezembro, e oiln datados de 3(1 do diado
quies Vmc. lera' em visla.
Dilo ao me-mo.Remello a Vmc. por copia a
conla juota presentada pelo tenbnle Joaquim Jos
dos Sinlos renlo, ex-aiodoute do director, o ante-
cessor de \ me, afleo de rcgiilar-se \ me. na conla
que deve tomar do que a :ar^o ilelle esliver, infor-
man 1 in? cumpl Lmenlo de qua-do occorrer.
Dito ao mes n i.Examinando Vmc. a parle junta
(ior rupia do relalonu aprosenlado pelo tenenle aju-
danle do director da r don a, Ju.qilira Jos dos San-
Ios Araujo, ao majal II 'mar lo Luiz Ferreira Cesar
1, l.noreirn rin ."> il dazenhro oliimo, informe oes-
COMMANDO DAS ARMAS.
Vaarto) general do eommando dea armas do
Peraarabnco na oldade do Beclfe, ene 19 de
Janeiro de 1858.
ORDEM DO DIA N. 8.
O brigadeiro commandanle das armas interino de-
clara, para sciencia da guaanira que honlem se
apreseiitoa vindo do M ii.iuii .', e limo reunido ao
halalhao 10. de infantaria a que pe.-lence, o Sr. al-
teres Luiz de Oueiroz Couliuho, e que seguiraro.
para a corle o Sr. tenante Joaqairo Gardoso dos Sao-
tos, e para a Baha o Sr. aderes Jos Virgilio de
Lanos, esle a reuuir-se ao batalhao 2.-, e aquel e
ao 3.*, ambos da mesma arma. Delara oulro sim,
que hoje se apresentaram, vinJns da corle, o Sn.
segundo tenenle Filippe Marques dos Santos, e al-
teras Alexandre Francisco de Seixas Machado, que
f iran mandados para os seos respeclivos bilalliuei,
i.- de anillara apa, e 8.- ile nfanlaria.
(Anigoado.i Joao Joso da Cosa Piraenlel.
Conforme. Horacio de Gusmao Cocino, alferes
ajudante de ordeui.
lato das obras e edificios nue ah e mencionara e o
Dilo ao joiz de direilo da comarcada Boa-Tinta. s'" valor' 0l1 a Jeil'a qui com illa ie lem ou pode
Dlteado-se que o joii municipal do termo de iio.i- ser feilo.
visla calida ni paesageni do JoaMiro, nesia dala Ihe I Dito ao mesmoMande Vmr. aprpsenlar ao bri-.
declare que deve elle resi lir nj villa da Boa-viila, e ao teiro eonrmendanla dai armas cinco individuos '"'' na devia reumr-se j era Corriente* para nlo
Ihe ordeno qu da villa nao saia eaaao por molivo dessa colonia a lira de deprem como leslemunbna chamar a altenrao do governo paragoayo, mas que
de servic.0 ; o qae cummanico a Vmc, qua velara no conselho de investigarlo a que lem de responder' cnesado o roomeulo oppurluno, Corrientes sira' o
PARAGUAY.
Assumprao, I i de nncembro de 18")7.
O S r. Paranhos.
Com esle Ululo cnnsagrou o jornal a olmprensa
um artigo relativo a visita que o Sr. Paranlms fez ao
general lirquizn na sua residencia de S. Jos.
Segundo diz o me-mo jornal, o ministro brasileiro
mereceu do Sr. I.'rqoiza as milis dislinclas altencei.
Parece que se oll'ereccrain banquetes ao enviado im-
perial, e que nelle se lizeram brindas eloqaeules e
de signilicac.lo poltica e transcendental.
Doui deilcs brinde* foraro o que mais chamaran!
a altenrao, n.lo lano pelo pensamentu qoe rcvela-
vam como pela posirao e carcter publico das Des-
loas que os lizeram.
O primeiro mauifeslava o ardenle deeejo de ver
realisada a mais eslreita nnlae enlre o imperio e a
confederarao, o segundopara que a gloria de Ca-
sero! nao fosse a nica adquirida em commoro pelo
Brasil e pela naran arge-iium.
De feilo, esle ultimo brinde cobre com um veo
transparente a realidade do peusainenln que se pre-
lende occullar. Este desejo nao pode deixar de inspi-
rar serias suspeilas ao Paraguay.
Depois desle festejos qae liga'ram em ntima ami-
zade o Sr. Paranhos e o general Urquia, parlL .
enviado brasileiro para o Paran, onde ora se acha
lesempenhando sua importante missAo.
Nao descortecemos a importancia dessa rnisSn.
mez, os M labaraos e ja publicamos que o Sr. Paranhos nao
perdiu o seu lempo em Montevideo, e he isso um
precedente satisfaclorio para que liinlum o n.io per-
ca na eonfederaco, e corda a obra quelraz meditada.
Tambem j em unir uccssi.lo revelamos os lins
que lera em visla a minan Paranhos, mai esperara
ve-li brevemente na Assumprao, e o resollado des-
mentira' ou roulirmara' o no-so jaizn.
Hoja queremos somenle di/.cr aos no jue lemos noticias repel Jas de haverera subido sele
vasos de guerra brasileiros ao porlo do Paran.
Cerla pessoa aasgada de C menles nos assegurou
qoe no lita cidade se dizia que ja estavam feilos os
ajustes enlre o imperio do Brasil e o goveruo da cou-
(ederatAo ; que se eilava preparando em En I re-
dos ura delermin-do iiomcro de forja destina.la a
marchar conlra a Repblica do Paraguav ; que esta
para que nao se d scmelhanle abuso, informando
emitanlo a presinela do que a esse respeifo occor-
rer, o obearvando pela infl paria resiricianieiile o
qne o sein.iili inle repello ja se ihe delermiuou.
o ex-ajudanle do director, lenle Joaquim Jos dos
Santoi Araujo
Dito ao inmo.Infnrrie Vine, o que exilie em
an i l ic.io nessa colunia, e se corresponde os des- I sil conlra o Paraguay.
Estamos, com/ de cosame, na expectativa
ponto de reunio.
Finalmente asseBoraram-nns que exisle em Cor-
rientes uolavel il rpsicJJo le harmonisar cora o Bra-
Olliciou-ie ao iiieuciuna lo juiz no sentido cima de- pe/.as (atlas, declaran lo ein casn de desfalque e pre-
clasado. ijolzo, quem por isio seja nspomavel.
Dilo a JoJoCapisIraao lorre Galindo.Declaran-1 Dilo ao meimo,Appro'oo engajamenlo feilo por
caso de necessinade nao serao os Paraguayos qoe
fugirao do perigo qae por toda a parle os am*ac,a. O
sa publica, sem meuoscabo da autoriJade, e sem of
fensa do nobre e leal procedimenlo dos cidadaos que
irroilram os males e os periaos da siluarAo, coope-
rando Com o governo para sulfurar a auarchia, e dar
eslabilidade a paz e a ordem, que cerlos peridicos
da capilal fac.am publicaees auarchicas em apoio da
rebediAo, ou com tendencias a excitar os rancores
dos amigos partidos ; o poder execolivo em couselho
de miuislrns lem rVsolvido e decreta.
AM. 1. lodo a publicacio da na.ure/.a indicada
no pie inl, ulo deste decreto leuonal.flcada e julga-
da como pariiclpa(io c computad na rebellio,
ou como concilH..,,,,,, desorde a auarchia, proce-
dendo-se eonseguinlemenie conlra n mpiestor ou e-
dilor e contra o redactor com a severidade qae o ca-
so exige.
Arl. 2. Pela reparlicao da polica se notificara'
esle decreto aos impressores, ou eJilore e redacto-
res.
o Arl. 3, Commuoiqae-se, elePereira.Joa-
quim Requena.Carlos de San Vicente.Fredenco
iri Reyes.
As elei^es de membros das jimias econmicas ad-
ministrativas celebrarain-se na mais perfeila paz.
Nestas, assim como as de representantes, ia trium-
phando o governo ero quasi lodos os departamentos,
segundo as commuuicaces nflieiaes qae chegavam a
capital.
O piqueleCamillan fundeou em Montevideo na
larde do dia 19 do passado, e foi posto em observa-
rlo.
As autoridades sanitarias daquelle porlo resolvi-
rara sujeilar a quarenlena de seis das as embarca-
Ces procedentes do Rio da Jaueiro, islo puiqoo o
Sr. cnsul oriental laora as cartas da provedona da
laude dula curie, alias timpas, a ola de que se da'
um ou oulro caso de febre aruarella !
Concluiremos as nolicias de MonlevHo chamando
a allencao dos leilores psra o arligo lobre a queslo
do Brasil cora o Paraguay, publicado no oCoramer-
eio del Plata,o que Iranscrevemos na parle eslenor.
lie (io claro, lao palpavel o nosso direilo em se-
mentante questao, que essa folba o rnconhece e con-
fessa, apezar de toda a m muale que ullimamen-
le lem manifestado contra o imperio.
Ai nolicias de Buenos-Avres carecem de inte-
resse.
Organison-se alli ima sociedade para o fim de es-
labclecer exposires agrcolas, leudo em visla mi-
Ihorar a acncullura e a criarao do gado.
As exposiees ler.lo lugar do 1- a l."> de marro, e
os premios enlo distribuidos em sessao solemne.
A prxima colheila do trigo e milito apreseulav?-
se abundante.
O goveruador de Ruenos-Ayns, Dr. Valenlim
Alsina, duba chegado a' capital de volta de sua vi-
sita s fronloir.ii do centro e do sul da repablirs.
Referindo-se a' conferencia que se dizia ter lulo
lusar entro esle Kuvernador e o general L'rquiza,
relativamente a' projectada janecAo do estado de
Buenos-Ayrcs com os da conederar;flo, exprime-se
assim urna das folhas de Buenos-Avres:
_ u Havendo-se fallado tanto da conferencia qoe de-
via ler lunar entre o givernador do eslado o o gene-
ral Lrqui/.a, diremos o que ha nicamente de exic-
lo a esse respeilo. observando qae ao faze-lo nao
violamoi segredo algum, nem nos servimos de dados
ufliciaes.
He ccrlo que o ministro inglez Chrislie propz
ao nnuislro Rieilra una conferencia enlre o gover-
nador do eslado e o general L'rquiza, tendente a' ne-
gociarlo sobre a nacionalidade.
o He cerlo que por intermedio de um agenle do
general lirquiza se fez directamente esla proposi-
to ao governador do eitado.
He cerlo que o Sr. governador respondea ao
Sr. Govvland com as seguinles lerniinanies pala-
vras : inm se os inleresses pblicos o exigiam, a
sua pessoa nao seria em caso algara im obstculo a
que a conffrencia livesse locar, sempre que fosse
previamente autorisado para isso.
a islo he ludo, absolutamente todo qdanlo ha so-
bre conferencias, e ninguara. podar provar o con-
trario. Em todo o cato invoca-ie o leslimanho do
RO DE JANEIRO
3 de Janeiro.
O vapor 'Imperatrizu, entrado honlem dos porlos
do sul, Iraz dalas de Monlevidn al 21 do panudo.
A despeno da adunde firme e enrgica do gover-
no, e da manifest e decid-la anlipalhia que na inaio-
ria ca popularlo do Esiado-Uneni.il enconiram ac-
lualraeule as idai revolucionarias, be lal a cguena
das paixes polticas e das inesqumliss ambires in-
dividuaes, que os tentativas anareniras nao deixam
d a aparecer, sempre que julgam azada a occasiAo.
Ti'in sido, he verdade, halladas essas tenlalivas :
a forra da auloridade, o bom senso do i ovo, as re-
pelle e as inudlisa ; mas os espritus pacficos asros-
lem-ie, n commercio fica paralvudo, a iuduslna es-
morece, e conscguiatemenle o paiz debuha. e v em-
pecido e retardado o seu desenvolvimeuto e pro-
gresto.
Dias anles da sabida do paqaetn oCamillan de
Monlevidn para esla porlo, no da 5 do me/, fimlo,
leve o governo da repblica denuncia de urna nova
con'-iirarao, capiaiieada por ofliciaes do corpo de
ard lana.
Inimedialameme fornm presos alguns dos indicia-
dos, conseguindo oalros evadir-ee ; e delerminou o
gove-no que a lodos se insinurasse o processo militar.
Fruslrado desl'arle inaisesse esforz dos turbulen-
tos, t qu.in.lo 11 nao se presuma amearjadi a ordem
publica, recebe o governo na noile de 15 commu-
nicaioes do chefe polilico do deparlnmento de Mi-
nas, dando coma da rebelliAo promovida naquelle
depi -lam-nlo pelo coronel Ilrigido Sdveira, o pro-
pno jae pouco tempo antes eslivera na capital, c
havis pesso.lmenle feilo ao presdeme da repblica
os mais solemuei pioleitoi do seu respeilo a inlori-
d3de, e do seu amor ordem e i initiluirfies !
Anda desla vez nao lardn o governo em tomar
as ni li.las neceisariai para mauler a Iranquillidade
publ ca. Conscio de que o referido movimenlo tinha
a eut verdadeira origem na capital,onda so achavam
os chafes principaes, tratou de o fazer prender, sem
perd de lampo, adoptando alam disso oulras provir
denc aa que o caso requera.
Foram pois presos no dia 17, e deportados para
Ruenos-Ayres. a bordo do vapor Conslituiclo, os
uiilil ires Cabot, Santiago l.abiu lera, Juan Chrimsto-
mo Vzquez, Anlonio Bob, e os paisanos Heraclio ~
C. Fajardo, Reynaud, Manoel Pagla, Bautista, N. Sr. Gowland e do $r. Chriilir.
Ellis, Mauricio /.avalla, o proprietario do oComercio
del Pialan I). Juan Nepomnccno Madero, e o editor
dooCiacional D. Juan Manuel de la Sierra.
O jenoral I). Cesar Dias, ero virlude de ordem do
governo, segoio lambem no mesmo vapor para Bue-
nos- lyre cjm o outros deportados.
A guarda nacional da capilal e luburbios foi cha-
mad i a servico activo, e parle delta e da forr;a po-
IiIic licoa aqaartelada de preven^Ao em diversos
pon os.
Si ppunha-se qae i sedirAo de Minas seria promp-
l.iiin ule ludocada, nAo so por effeilo de.tas medidas
enrgicas, como porque eunslava nAo ler encontrado
echo nos dimais departamentos da repblica.
Nc dia 18 appareceu publicada nos jornaes da ca-
pilal a seguinte proclamac.no do presidenta :
a I ilutantes da capital e do Eslado !
a ( presidente da repblica foi liosamente col-
locado nn dever impreicindivel de empiegar meios
extraordinarios para salvar a paz.
i) coronel Silveira, fallando aos protestos e se-
guranza de l-atila le qae liavia dado ao enveran,
que Ihe haviam sido aceilos com benevolencia, arvo-
rou a !i ni Je ir i da anarchia no deparlamenlode Mi-
nas, io mesmo lempo que era Montevideo n desco-
bria um plano de roiupirarAo sangrenta.
' \s medidas de represslo esiao lomadas, e as 30-
loridsdes da repoblica, fiis ao sea emblema de or-
dem ) de paz, preencheram com honra o teas de-
veres, como o presidale di repblica compre e
cumprira' com os seui.
Elle vos oOereceu al o sacrificio de saa peiioi
para i conservarlo da ordem e de paz, e com o con-
curso dos numerosos amigos da aninJJe uses bins
iiiesdmaveis licaram .disnea lo'.
As Torcas da guarnirlo da capital, e as doi de-
parla neiitu- com os seui dignos cheles, conslitoem
uma orle columoa da ordem, que alguns priiendem
acrilicar a exigencias pessoaes, ou a mesquinlios
interimee de partido.
O presidenle da repblica promellea-vos per-
severiora na luslenlarao do paz, e ha de camprir a
sua poinessa, que he o que uuieamenie pode pro-
move-a (ehcilale da patria. Acompanhal-o pois
em to nobre e cloriosa larefa.
Mo ilevidco, 17 de dezembro de 1837.Garriel
A. l'reir.
As mlicias que do interior am chegando a capi-
lal conlirn iveui a npinioo de que a revolla do de-
partamento de Minas nao seria secunpada em nen-
liam pouloda repblica. Era dala de 11 do passa-
do cicrevia ao prndenle o coronel D. Diogo Limn
commandanle em chefe doi departamentos da ler-
ceire seceso, o lecninle :
< s chelas e oliciaes do exercilo ia declaram
resolv dos a sustenlar o governo e se tem posto a-
roiubas ordens. Aprove;(arei os seus serviros e
cbegoiem a ser nicessnrlos. Ja oceupsi o commans
danle S in Jes.
A atlilude firme e decidida qne (omou o gover-
no be um esculho insdperavel para os demagogos e
suas conspirarles.
Entra as medidas de energia a que cima nos re-
ferimos loraadjs pelo governo, noUiu-se os doui de-
creto- quj era seguida Irauscrevemos.
O pnineiro, que divide era seceesos departarnen-
tos da republira, he concebido nos sesumles lemos :
Minislerin da coe-ra o u.diioha Muntivi .o,
16 de lezeinbio de 1857,
o Sendo do conhecida conveniencia asiignolar aos
deparlimenlos d., cainpanha um eenlru de aotorida
de imnieoiata, alim de que o servico publico se fa{a
com tola a regalarldada, oflerecen lo aos povoi una
garanda mu- ,i conserva^Aodoiscusintereiseso pre-
sidente da repblica resolve e decreta :
AH. I.' Os departamentos da republira se or^'a-
ni-ar.u cni qualro lecees, que con>lai.i i .
1." Montevideo, Canelones, Florida, Colonia, e S.
Jos.
a 2.' Paysand, Soriano, e Durasnn.
o 3." Sollo, Tacuaremb e Cerro Largo.
(i i.; Maldnindo, e Minas.
i Arl. 2. Estas iirrViei -er.lo commandadas : a
!. pelo liniiadeiro general l>. Adelo Medina, e a
coronel major D. Jos A. Coila, como sea secundo ;
2.a pelo coronel maior D. Manoel Freir : a 3." pelo
coronel D. Diego Lamas, e a i.", pelo coronel D.
Jos Vinagran.
Appareceu luz em Buenos-Avres um folbeto in-
litnl i loNavegicao dos ros affluenles do Prala,
escriplo com mu nolavel clareza, eslvlo brllhanle e
vigor de raciocinio. O anlor he Porteuho, mas falla
do Brasil com manfesla ivmpathia, e com conhe-
cimenlo nAo vulgar das nnssas quesles cora o Pa-
ragnay.
Apezar da croesda que a m f e > especolae,Ao
lev ni.iram ullimsmenle em lluanos-Av res conlra o
Brasil, anda alli ha quem reconhera "u direilo qae
assisle ao imperio, e quem faro a divida justira a
lealdade, i moderarAo e .i benevolencia do seu pro-
ce lmenlo para com as repblicas vizinhai. E nAo
he sn o opsculo de que acabamos de fazer in-nca >.
A aOrdeu e os eDebale, fnlbas peridicas de Boe-
nos-Ayres, em urna sene de bem meditados ard-
uos teem exposto cora clareza e lucidez a ansia qu -
lAo pendente com o Parasuay, demonstrando evi-
dentemente que a razo e o direilo e-lAo do lado do
llrasil.
Console-nos isso da revollnnte e calculada falsi-
dade com que alguns insaeiaveis demagogos forjara
arduos como o qne lambem poblieamoi boje na par-
le exterior, exlraliido do Nacional de Buenos
Ayrii.
Da Confederarlo Argentina nada lia de impor-
table. A gteeUo do imperin com o Paraguay con-
linuova a ser alli o ohjeclo das allences di im-
prensa. Os ltimos nmeros do Nai tonal Argen-
tino eoniin arligoi de alio inleresse sobre essa
queslAo.
Por esses arlgos. e pelos qae se tem publicado em
cias estrangeiras, em consiqueneia dos fados que
ltimamente tem tido lugar e qae se resumem no se-
guinle :
O intendente da provincia chilena de Alacamaden
conla ao seu governo da qua as autoridades bolivia-
nas consenliam na exploraco de minas no lerrilorio
chileno de Mejillones, e que al se dirigiaro esm a
mesma autorisaQAn navios eslran-eiros para carre-
los.
F;ra virlade desla mmmunicar.io o governo do
Chili.envioa urna crvela, e o respectivo comman-
danle intimoii aos exploradores de minis qae lolici-
las-era da auloridade da Alacama licenra para esse
Irabalhos, ou deixaisem ai minss. Por esle motivo as
autoridades bolivianas trocaran) nolai com o dito
commaudanle e lizeram o seu protesto.
Achava-se carrejando melaes um navio norle a-
mericano, que foi mandado salir diquelle poni
pira o porto immediato de Caldera. O capitAo Mh.in-
donou-o para fundamentar em seguida as suas re-
clamaces.
Em consequencia destes fados, o governo da Bo-
livia foi autorisado pelo cougresso para exigir repa-
rado, e reivindicar a honra nacional ultrajada.
Os agentes de Franca e dos Estados-Lnidos tinham
lambsm interpoitoreclamir;Ao formal pelos p'ejuizos
qae loffreram o seus concidadAos por effeito desse
aclo exercdo pelo goveruo do Chili.
Ai cmaras chilenas conlinuavam reunidas dando
saa approvarAo aos projectos do governo. Haviam
sido voladas varias sommas para estradas; cando orna
de 200,090 pesos para auxiliar a empreza do cami-
nho de ferro do sul na couliouasAo doi leus Ira-
balhos.
Foi lambem approvado pelo serrado o projeclo que
ni indava levantar um empreslimo no eslrangeirn de
sele millioes de pesos para conlinoar os trahalhoido
caminlio de Valparaso e do sul ; est pois o dilo
prnieelo convertido em lei da repblica.
Irata-se agora deque o governo compro as acrcs
dos particulares na va frrea al Ouillols, afim de
fazer de toda esla linha orna empreza nacional. Pa-
rece provavel que se chegue a am accordo nesle
sentido.
i invam pendentes da enluci das cmaras duas
qoeiloei importantes, n primeira he o projeclo do se-
nado que reforma lei da eleirf.es, projeclo modifi-
cado pola cmara dos depotndos, reslringindo as saas
disposires. Tendo o senado insistido os suas ideas
prirailivas, sri poder. a cam>ra oppor-se a' sancr^Ao
pela roaioriade dous lerdos de seas membros. Sup-
pe-se qoe seraelhanle maoria nAo ia formara', e
que por lano triumphari' o penaamento do senado.
A seunnda queslAo he a que diz respeilo quanlia
de 311,0'tO pesos pedida pelo goveruo para auxiliar
comlrucjAo de seminarios conciliares, e especial-
mente a do snmpiiioso edificio que para essa fim se
levanta em Sanliaco.
Esla quanlia, volada polo senado, foi recusada
pela cmara dos depulados, que lambem nAo reuni-
r maoria de duai Ierras parles para fizer prevale-
cer a saa docile.
N i primeira deilai qoeslii a opiniAo publica ma-
nifeslava-se pelo senado, na segunda pela cmara
dos depulados.
Promulgou-se j, como lei da repablica, a qae
permtlle que se imporle uo paiz, livre de dneilos, o
ferro em barra.
A revoluc.lo de Bolivia lerminoo coro o triumpho
completo do Dr. Linares. O general CorJoba fugio
para o Peni, depois de urna batalha em que foram
balidos o restos de ion formal pelo general Prez.
Amargas prova;Ses e cruentos sacrificio! cuita
aquella repblica esla mudanri de sua iilaa(Ao po-
ltica !
O Dr. Linares foi nomeado presidenle provisorio,
e ser convocado om canzresso consliluinte pan daj
urna caria liberal repblica.
As ultimas dalas do Peni dexavam no mesmo es-
(ado a limaran de Arequipa. O general Casulla
circa a cidade com assoas (ropas, cortando as com-
municardes com o porlu de Islay. Aquella porem re
ssle e parere deridida a defender-se a lodo transe.
O general Castilla nao se atreve .otaca-la, e jajgaj.ee
que n.lo o tare, porque lem, com razAo, urna der-
rota.
Sem embargo desta opiniAo geral, o Diario o de
Valparaso i ultima hora d a noticia de que o ge-
neral C islilla havia empiehencdo o laque da cida-
de. ignorando-se anda o resultado.
O Equadur e Nova Granada eoniinuivam em paz.
-Vi California fsziam-ie as eleiries de depolados.
A cidade vizinha de Sarah havia sido presa dai
chaminas, e bairos inteiros linham deiapparecido,
-ollrendo a povoarAo innmeras desgranas.
O paque a Imperalnz o Irouxe datai do Rio Gran-
de al 27 e de Porlo-Alegre ele 24 do passado.
O Sr. conselheiro Ferraz. presidenle da provincia,
aclivava a nrgamsarao do exercilo de observarlo, e
no dia 2*i pardo da eapilal para a campanha.
Das folln de Porlo-Alegie lizemos os seguidle*
exlraclos :
a i,i iinta-f.iii pssssda um joven, natural de S.
Leopoldo, de nomc Fernando JoAo Jacob, abjuroa
o erros do lulheranismo em que havia sido criado.
o i illi i de pas ailemAes, seguir na la mor la-
J; u culto que liuha-llie sido inspirado na infancia ;
pircm hornera feilo, a verdade deivendou-ie-lhe a'
visla, e veio procurar no gremio da lana igreja ro-
mana a luz de salvarlo que o ha de levar a' eterni-
dcide.
' S. Exc. Ilvm ., lento anlorisado compeleole-
lemanle o Rvm. vigario do Rosario para rereber a
relrarlacAo do recem-concurso, admiuilrando-lhe o
liiplismu o sub con tilione, no dia mencionado leve
lagar esse acto cora a maior solemnidade, na igreja
da sania casa da Misericordia, anislindo como pa-
tos, eommissario chefe do exercilo de observado, a
varios mdicos e pbarmaeeoticos dos qae chegirim
ante-hoolem coro o Sr. Reg Macedo.
Uaaiilo a eile, parece qae seguir)' terca-feiri
prxima (uturi coro o reslo dos meJi:os militare*
qae o acompauliaram ptra montar a repartidlo de
saude do exercilo de observarlo.,
Tivemos hoalero carias da Caclioeira de 12 do
corrale.
0 O Sr. Iimnle-coronel Valenca. licha completa-
do a renio ce guarda!nacionaes daqueltemunicipio,
licando promplo a marchar no seo eslado completo
o corpo provisorio cujo eommando (ra-lhe confiado.
a Nessa lorri nlo vai am s homerr violentado :
nao houve urna prisAo para reoni-la ; nao se cita
contra o qae a reuoiram a mais insignificante tro-
pela.
a Convocados para urna reviita extraordinaria, ahi
foram diiigaadoi o guardas que deviam destacar
para a froaleira. porem desles moilos oOeraciram -le
espoolaneameote pira acompanhar nAo l o seo bi-
zarro e anligo commandanle como iea bravo com-
mandanle de brigada o Sr. eoronal Portinho, e a
briosa ullicialiJado que tinlas vezei tem marchado a
seu lado.
a Feita a escolba, e dado o dia para a reunio dos
delalliados, nada mais foi preciso; os guardas obede-
rara a voz do seu dever desde qoe ella Ihes foi trans-
roiltida em toda sua pureza, e sem a ebominavel cor-
tejo de eoaccoes, que de oulias vezei e n'oulroi lo-
gires tiro havido.
< He que sempre a nossa provincia ser a mesma:
he que sempre a nona campanha le mover' como
um i hornera, quando virem que a patria reclama
o ieui serviros, e que o patriotismo se poe a' frente
dola para a conduzr a' gloria, a
O Diario do Rio Grande diz :
" Seguein hoje para JagunAo a bordo do vapnr
Rio Grandense os hrs. coronel Viciorio Soare de
Andrai, o 1- lente da armada JoAo Soare Pinto,
que oaqualidade de membros da commissAo de li-
mites vao alli ie juntar com os ciernis Sn. otfleiae*
qoe ja marcharam adiauti, para leguirem para a
fronteira de Qoaraim. n
S. Exc. o Sr. presidenle da provincia le p
em marcha para a campanha na madrogada de 2o do
correnle seaoindo al Rio Pardo a bordo do vapor
Rio Pardenseo. s. Esc. foi no proposito de tambero
visitar a clin le de Algrele e villas de S. Borja a
1 rugoayana : por consequencia s estar' de volla
nesta cidade para meados do mez di fevereiro.
ii Abertura da 8." legislarAo provincial foi adiada
por S. Exc. para o dia 1 de novembro de 1858. a
aCirtai de 9 do correnle dizim-noi qoe o corpo
de guarda nacional de S. Gabriel, qae deve marchar
paraS. Borja, achava-se ja*reunid> com mais de 400
pravas.
a Nossos correspondentes fazera-nos o elogio da
qoalidade da genle, e sobretodo di ordem com qua
se lem procedido para reuni-li, apetar dai difScol-
dadei que semeltionle commiisAo tinha comiigo. n
A eleic.lo provincial nos diitrictoi de Cacapava a
Algrele dera o segointe resultado :
Carapava.
Dr. Ahrahao Sanios eSa'
Dr. Borgis Forles
'ilippe Belhez de Oliveira Nery
Dr. Felisberlo Pereira da Silva
Dr. Joaquim Joi da Cruz Secco
Sopplentes.
Tenante Manoel Antonio da C. Brilhaole
Anlonio l'inio da l'ontoiira Brrelo.
Joaquim Anlonio de Borba
(Algrete (59 leilores.,1
Dr. Pinhe.ro Maihndo
Cipiia.i Feliciano Ribeiro de Almeida.
Malhias Teixeira de Almeida
Dr. Lab Alves Lene de Oliveira Bello
lenle-coronel Manoel Lopes Teixeira
Jnior
Recebemos honlem Tulla! do Paragaay al 14 de
noyamhro. O Semanario da ultima dala Iras om
artigo editorial com a rubrica O Sr. Paranhoi, qae
publicamos na parle exterior e para o qual chamamos
a ati.'uc,i i dos leilores.
Mullo a-so.todo deve estar o Sr. presidenle Lpez,
para ler medo al de urna visita que o Sr. conaelhei-
ro Coelho, ministro da guerra, jolgou dever fazer a
pagadoria das tropas e i fortaleza da Conceic,Ao I
Buenos-Avres e Montevideo, ve-se que a opinio | drinho do joven I ornan 1 > o Sr. JoAo Monteiro da
publica no Rio da Prata se pronuncia digna e h-
bilmente em favor do nossas justas rerlainac.ies con-
lra o egosmo, raalquerenres e inesquinho sysleroa
polilico do Sr. I.opez.
OSr. conselheiro Paranhos linha terminado a sua
missAo no Paran. Segundo consta, o ministro do
Brasil chegnu ao mus perfeilo occordo eom o gover-
uo argentino tobre as garandas de que deve gozar a
iiavegac.io fluvial, para qua seja livrn e enramara,
como a lera declarado os Ires ribeiiinhoi princi-
pies, o Brasil,'a ConfedeacAo e o Estado Orien-
tal.
Aisegram-nos que alero desse importantissimo
Irabalho, de que apenas o publico po-.ue ama idea
geral, o ministro do Brasil celebran outros ajustes
que eslavam pendentes, e que eram ursenlemenle
reclamadoi pela viziuhanr-i e intimas relacei dos
dous paizes.
Sob i.lo lisongeiros auspicios nAo sera' porlanlo
impossivil qae a missAo brasileira consiga evitar ao
l'rasil, ao Paraguay, e a lodos os vizinbos, a fr-
menla que o Mr. Lpez lera provocado, e que anda
nAo se ple dizer dissipadi.
O Sr. conselheiro Pdranlios no dia 2 de dezembro,
aniiiversino natalu-m de S. M. o Imperador, deu
um esplendido baile no Paran'. Esliveram prsen-
les o vice-presidanle da eonfederarao, os ministros,
o corpo diplomtico, a uflicialilade do vapor oPara-
guassu, e minios ppssoas rie diilincrio. O baile
terramou s 5 horas da ma rugada.
O Sr. conselheiru Paranhos linha fixadn o dia 21
do passado para proseguir em sua vilgem a' As-
sompcAo a bordo do vapor Paraguasu\..
Do Paraguay alo ha noliciai posteriores s qae'
libamos.
Silva, o
< Panageiros vindos honlem na a Jacohy, i> do
Rio Pardo, d.io noticia de haverem encontrado em
marcha para S. Gabriel os continenles" da bizarra
guarda nacional de Bag, qoe marchara ao eom-
mando do Sr. lenenle-cornnel Manoel Lacas de
Lima, para crear um dos corpos provisorios que de-
vem fazer parle do exercilo de observarlo que se
reooe em S. Borja.
'O corno provisorio de guardas nacionaes desta-
cados, dos municipios do Rio Pardo e Encruzhada,
raarcliou daquella cidade aulcs de honlem a larde
com i.Vi pravas.
o Dizem-nos carias qae livemos, ler (oda essa for-
ja romposla da II..r dos corpos daquellei dous mu-
nicipios, de genle bizarra e bem diiposta em todos
os sentidos,o
oO Rio Pardo passou no dia 17 deste por mais
de om sobresali.
" Chegara desla nm ronlingonle de cinto e lanas
prarai di infantaria, e alguns ebrios coroeraram a
Pranear desordeni, aecorametteiiriu alguns vende-
Iiom ainbuianles primeiro, e depoisaos que qoeriam
coula-los no seus deveres,
a I ni ollicial da guarda nacional inlerveio o pren-
deu om ou dous dos aroodnadores. Isto, porm, nAo
acabou com os raolins de todo, nudo alma driles
nm inferior qua linha perleucido ao 13 Animado!
por elle, alguns soldados agsrediram baiouelas em
punlio aoi da guarda nacional de cevallaria, dando
lugar a mais de um ferimeuto de ambas as parles.
o A final aincaciram forrar a cadeia para tirar os
pre-os; mas o Sr. coronel Andrade Neves, a' denle
le I-.unas praras de cavollaria rioiniuou o lomulto,
t.i'.eiiilo desarmar para logo os lurnulenlos, pren-
Icu-os e os levou presos na forja, que sob seu iiu-
50 votos.
49
45 >
34
30
.'W
33
26
46
44
43
41
30
S. PEDRO DO SUL.
Rio Grande 13 de dezembro de 1K7.
O die 2 de dezembro, anniveriario natalicio de S.
M. o imperador o Sr. D. Pedro II, foi nesle logar
solemnemente festejado. O batalhao da guarda na-
cional, qae ba mais de qualro annos nAo apparecia,
e apresenlou em parada com todo o luzmeulo, ten-
do a' sua frente o icu lenenle-coronel Jos Joaqun?
Cindido de .Macedo, a cuios esforjos mailo se deva
o eslado bullanle em que se acha, e pono aflirmar,
sem receio de errar, qoe da comarca he o nico ba-
lalhlo que eali' organindo.
Os aoldidoi de policia qae linham desertado na
fronteira de Chuy icharo-ie todos presos e entregues
a's nossas autoridades.
Rendimento da alfandega desta cidida
no mez de novembro......72:3853052
Dilo da alfandega do norte .... 57:487&972
129:873-'.! O
8:570jk370
17:071^130
Sao iroporlanles as noticias que liavia em Monle-
s video das repblicas do Pacifico. Alcanjavim as da- raeJialn'enoimaudo, inarchuu aule-buiilem.
- lasa 12 de novembro. a Slo feli/.incnle dio raros enlra i.os esles aronle-
As provincias do sul do Chili acliovam-s* om cruel eimenloe, e lio cxempi.ir lera si lo lempre a subor-
siluaro por causa da peda do culbeita de cereaes. I diniieoo da nos-a Irupa que apezar da sua pequea
As classes I abalhador-s proletarias eslavam redu-
i Jas a' miseria, a cuiitavaro
verem morrijo do luine alg
Collecloria desla cirlane. .
Mesa de renda provinciaei
Anle-honlem cliecou o vapor uPeriiveran^eo, qna
vem ser empregado na pralicagem da barra para re-
bocar navios.
O Camacuan > esla' ha moli ncciuilado de na-
vas caldeiras, nAo podendo por isso prestar-se ao ler-
viro pincso de rebocador, allriboindo-ie, como le-
nho ouvido dizer, a perdado brigoe aBoliviara a' sna
nenbuma forra.
O Recife coirn honlem ; sui chegada en an-
riosamente esperada por haver nolieiai Irazida pelo
IVrseveranrm de grande prorao;o no eximio no
dia 2 ; porem a monlanha deu a luz umcamoadon-
guinho.
<) Exm. presidenle deu no dia 2 om esplendido
baile em palacio pelo natalicio de S. M. o impera-
dor. Foram convidados, alem de cerlai nolibilida-
dei, todos os chefei dai repa-lices publicas, offi-
ciaei da guarda nacional e de linha al majore, a
todas as sutilidades policiaes, civil e criminis.
Algomas xirqaeada da margem de S. Goncaln ja
esto Irobalb indo ; porem todas em pequea escala,
devido ao alio prern porque o eslaocieiros peder
pelo gado ; nAo ia lem comprado ama i re por me-
nos de in.-s, e pequeas Iropis eieolhidas ia tem
vendido pelo preco de 489. Mullos arqueadores
eslavam ja desacorocoados pela exorbitaneie do pro-
co ; porm as noliciai recibidle ltimamente da
Europa e Eitadoi-L'oidoi pelos vaporas ehegidoa
Desle dous dias 01 puzerim ero cmplate desani-
madlo, nAo i pela baila dos couroi mquelles mer-
cados, como meimo pelo grande prejuizo do sarqaa
nos mercados do norte do imperio, que ie tem ven-
dido a .; a a'roba, quando elle vai daqui pelo valor
de 53. Pelo que, e lafra que agora comee,! apr-
senla moi auspicio!, lano em quanddade de ma-
langa, como mesmo pelo alto prico do gado por que
ja foi comprado.
O faci he a grande perda qne diversas casal ei-
portadorai daqui aeabam de soflrer pela baia do*
couros naquelles porlos, e a parausarlo completa-
mente da compre de cooros, exiidndo ainde da sa-
fra do anno qoe finalisa para mais de 30,000 aro de-
posito, e que eilavam 1 eipara de mell.or prec,o, qua
agora lera de cerlo de baixar, occaiionaado urna
perda de mais di 180:0ndj.
A exportaran de cotiros pelas fronleiras, rom ei-
pecialtdade pela de lime, para o Eslado (inenial,
lem sido espantosa, celcala-ie para cima da 1no.ii
que alli lem cnlrado, e esla grande quanddade qoe
para alli lem abluido he devil ao bi m preco que
se obtem no mercado de Montevideo, onde, alm da
menor despeza da conduerAo, se aleones mais 2s
por couro do qoe le fossem vendidos aqm.
O galo na provincia rootimii cm progreHO ; a
sua pioducrAo lem sido excessiva, e a prova estae
compra de campos que se procura pelo interior, vis-
to que multas estancia! ja nAo p dem coro o gado
qoe nellas Icro. He de presumir qoe vista dai Ma-
lee noticias recelo as dos mercados da Earopa a ran*
pello dos preros dos retiros, 01 estmrieiroi lenha'a
de reduzir o prcr.u, a bem dizer fabnloio, qoe re-
dero pareada re/
18 de dezembro.
U 'Rio Grandense- de honlem eonlnsla a vetan-
dada dos servijoi prestados pelo mnilo digno e ill0
olalariea eslavam redu- miporlancia, esle laceeisol assuslaram inuito o Rio irada inspector da alTandega, as providencias toina-
-seja exemplos de lia-! I'irlo, c foram iiccasio 1 de coitiinenlaiios insta, 1 das par 1 acaulelar 01 prejuizos urca. 01 idos mL
Sun; desgranados. Em I es le qu... chegnu abarr. Pedemos asseverar po- incidente imprevi-lo do de-inoroniraenlo do ar'n-
versues toras exagera la-, leedol /em da esdva, Kgnnd/rareri ni minha caria nebd-
laca hora', e sem deixar laivoi caja no sen oJornal de I do correnle ; dizendo
conseqaancia de.ln estilo de coasas comerava a po-
[inl.ic ,u a emigrar.
Infelizmente o vapor "Conitar.ion. helado pata
levar vivare* 101 pobres, naufragou entrada de
Maule.
A escuna oSarab Anm., que labia de Valparaso
rarregada para um dos arclnpelacos do Parifico, au- eie cito
fragou as cosas de urna ilia habitada por selva-| S.lo quasi todos veteranos dos lidalhes V,
geos. A IripolatJo, qoe cooieguira lalvar-se 101 fo-| 8'e 9., muitos dellei lindo ja' feilo aqui oulrai; minio' do publieo. Tendo dessb.d.
roresdo mar, nao pode escapar a' voractJaJe dos | guerras, e em geral In ceole bizarra e bem apa*-1 dia 3 de novembro, 110 secunile, lanto o antropopbagoi. isoada. como o "Commercial.. derm em soos v*m lias 01
A u.aiiulu do Cbili loi eariqaecid com a acqui-1 Com cllea seguio o Sr. Elias Joaquim de Mil- < devidoi encomio] 11 digna iuspeclor r*1 provi-
n in, que loda
: iid 1 cc.iliado era jioa
derepeUcaonoicoiilogentes.e I que nAo devo merecer credilo por queimar neen
" Sguiraro de feilo honlem il-sla cipilal os Ve-1 podre, etc. Si o redador do Rio Grandense. nao
por** "Jacuhyi e nCorreio conduzindo dozcnlii e ; viveise qnaii sempre em lomno perpeluo dominad.
lautas proras de infantaria para diversos corpos do por aleura ipirilo maligno, qoe tianelnr'na -us |r,-
cidas idea., por cerlo nAo negara a verdide de irn
fado que, logo .lepoii de sea iuccro, firou u.
MUTII ADO


*Ki'&*tXX \
JWiO m MHWAMBtCO QT'ATtTA PFI1H 20 HF, JANETIin 1,1. tftafl,
ileuri.ii lomadas ein iilvav o que lima litado, visto
que oa rnuitos volumes roo vidroa que existan) de-
ban das sua* ruinas, ujo aahiriam senilo em fras-
nautoi, se por ventara as medidas tomadas, e um
Irabalho melhndico nao preudsiem a sua direcrflo.
Oque mais admira Ivequeo Rio Granjese nlo
contestan aos seus collegas do Commireial e Dia-
rios, d'onde collii a noticia para Ihe referir, viesie
agora, depois da i. das decorridos, provocar qoes-
lOes comigo !
Aprovailo a ocraiiSo para aisegurar ao redactor
do Hio Grandense, que felizmente nao eslnu so-
jeito aulondade do inspector, e qae as nossas rala-
toes su ae limitam ein cumprimenloa que a civili-
dade e a educaeSo eiigem, qaando o acaso permute
qae nos eucoulremos, e qae s poderia chamar in-
cens podre quandu o panes v rio nao he dictado
pela consciencia, e sim pelo ooro, como tem aconte-
cido com certo sujeito qae o Rio tirandenaCD liem
eonhece, que qaeimava multo incens a certas presi-
dencias, s porque a polica lomava orna quantidade
de aisignaluras...
Chegaram hoje da capital os vapores uCommsrrio,
Amelia e Perseveran^ ; dia de moitos e semanas
de nade. O Eim. presidente havie-ae dirigido ao
commercio da capital aflu de promover ama sohs-
cripQ.lu, eujo prodocto deve ser applicado as f.imi-
lias que tudo perderam com a grande inundarlo do
Cehy, e bem aisim a diversos capitalistas pedindo a
coadjuvacjlo para edifleacao do caea no litoral da
mesma capital, parlindo do aisenal de marioha Fm, D. Libania Esleve'i Alves rom urna lilha e urna
praca do Panizo, e dahi em toda a euensflo do Ca- criada, Silvano Thomaz de Souia MsgalhSe, soa se-
roinho Novo, nliora, tres Filhos e ama e iada, Jos Antonio
b. Eic. logo qoe eonclua a correspondencia que Teiieira Pinto, Jos (ionralve Freir, eua flllia
deve Irazer o cilmperatrii, percorrera' a provincia, e qualro escravos, Joaqaim Goiicalvee da Silva Ko-
tahindo pelo Km Pardo, Cachoeira, San Gabriel, Ba- cha, Cesario Lanotte, Antoni > Jos de Oliveira,
tj, Piraliny, JaguarSo, Pelotas aqu ; devendo ai-' Manoel Antonio do Kego. Venancio Jos dos San-
iistir a marcha da diviso que ae promptiflea em S. los, Raimundo Nonato Pereira, Manoel Martina
abnel; devendo ir lamben) ver as obras do Vac-, de Agoar, Joaqaim Mariulio Bjrges, Manoel Go-
Ctn i?' I me* de A,m'<' Leile, dous desertores e um ex-
U btm. presidente, (endo conhaclmento do qae praca.
ie pasea ae faz naa obns militares desta eidade, Segueta para o norte : Dr. Jr s Thomaz da Silva
lemillio o director della o major de eogenheiros Vi- Oiiinlanilhs e san seuhftra, l>r. Ilennqae Jos da
ente Antonio de Oliveira, e o aponlador Porto Boc- Silva Qaintanilha, I) Delmira i Jlympia Borget, O.
-Negra ; sendo o-primeiro sabslitaido pelo cap- Genoveva Maria da C inceicin. capitao Jos Maria
lio Nabar, e oeegoudo por Jos Gooc,alvei de Oli- Ferreira da Assumpcao e 3 lilhos, alferes Joaquim
reir Guimaraee. Altes da Confia, Ur. Joao Carlos Ibiapna, Jos
A assembla provincial havia encerrado as suas Joaquim leuoai no dia 15, legendo ama lei de ornamento que ra, Jos Martina Corris, Joaqo ni de Lima Castro,
idmira ; phantasioo orna receila qae eicede a maii Jos Anlonio Vaz do Espirito Santo, sua seoliora e
de 1,200 cornos, quando a sua cifra provatel poaco dous eicravoi.
eicedera' de 900. Seguem desta provincia : Jos Antonio Fer-
Quando lodos os productos do gado, em qae aval- nandes, Joaqaim Ezequiet Barbeta, JoSj Maria Cor-
la a principal receila, ja estao tendo ama bana con- deiro de Lima, Antonio Pereira Vinagre, Francisco
ideravel,pelas noticias ltimamente recebidas, he Antonio Fernandos. Anlonio l.eite Machado, Manoel
jae a assembla ealcnloa um accrescimo de receila Isidro da Silva, o eapilao Vicente de Paula Rius e
le 15 por cenlo lie ama esperanza toda sem base | soa familia, Jos Meodes, Goncalo Gomes de Souza,
sem calculo, que s deixa ensergar embararos com Francisco F'ernandes I/roa Jnior, J. Luiz Pereira
Pena de S. Praneiiaodi Paula. Baile e
deienvolveodo os festejns dos arraiaes. Prepara-se
com grande solemiiiilade a fesla le S. Francisco de
Paula em sua captlla no Cachang, domingo Si da
frrente, precedendo na vespera o arvoraroento do
estandarte com as formalidades do eslylo, sendo con-
ducido por senhoras, e no dia da fesla a tarde a cor-
rida de cav.libada. Ser mu dia bem aprazivel, e
nlo llenara sem duviJa de ser lao coucorrido, como
espera, por quanto o grande gesto qoe se ha desen-
volvido por esses festejos, fara <:oid que se iuio per-
ca de la ir anda mesmo a cusa de alguin sacri-
ficio.
O vapor brasileiro cParaiia'e viodo do Rio de
Janeiro e portos intermedios, Iroaie a sea bordo o
seguiutes pastageiroi : o canijo Virialo de Me-
deiros, o lente Filippe Marques dos Santos, alferes
Jos M. Belerra Silva Cosa e sua irmila, o alferes
Alcxaudre Francisco Saias e um escravo, Bernardo
Din da Coila Sobriuho e 1 escravo, Manoel Lopes
deAmorim, Frauciico Carvalho Fisaeira de Mello,
Joao F'ernandei Chivea Jnior, Antonio Jos da
Costa Janior, 1). Maria Elisa da Silva, t. Conslan-
c.a Perpetua da Silva, I). Ante na Joaquina do Es-
pirito Santo. Balbino Antonio de Moraes, JoSo Ne-
porauceno Valeo;a e :! filhos, Laiz Correia do Mc-
nezes fllho, Manoel Bibeiro Uirreto de Me ezes,
Paulina Maria de Jess e urna ilha, l.uiz Marianno
de Souza, padre Manoel Ferreira AsiumpcSo, Ig-
nacio de Barros l.eite, Jos Alves Paes do I! ira
que, porliaverem menores, labnohoi da lalltcid,
que concorrerara a iucees<,Vi da l.cranca. com seus
tos, irmaos da mesma, procedeu logo a inventario e
pariilhas da dita lieranca, cuniileraiiilo-os herdeiros
sem a necessaria c iodlipeaeavel liabilitajao. Esle
erro he grave e a reproJuccjo de oulros de igual
natorezs commellidos pelos dentis juizesdeste ter-
mo : e para que nao continu, mando que d'ora em
diaute seja literalmente ejecutado o reculainento
citado de 27 de junlio de 1815, licaudo cerlos os jui
loa monicipaes e de rpalos e seus supplentes, de
que o arl. II do regulameulo de 9 de mam de 1812
se acha revogado pelo arl. _1 de outro de 27 de ju-
nho de 1845, na parle que e'iceptuava os coilateraes
notoriamenter.onhecidos.e que portantodeve-se pe
de inetade das accOes da companliia de Daveg icio i
vapor eulre a capital Laguna, S. Franciico e llajaln
achavam-te sulisrripu?.
Hootevido e Buenos-Avres.
As ultimas dalas alcanram a 21 do passado.
O vapor Iniuilinlioiiha. que devia lia/.er o resul-
tado das negociares ultimadas no Paran, era espe-
rado a cada Rumenlo em Montevideo. Apenas all
clipsusse p.irliria iu conlinenli o iAmazonas,i- a con-
duzr as noticias para a corte. Ligo que o Jequi-
tinhonlia sahisse do Paran', o Sr. Paranlios segui-
ra para a AssumpsSo.
A repblica oriental achava-se sb a press.Vi, de
ha muito desvanecida, de orna uova ameaca de lula
civil. A energa, porm, do governo auhio a altura
I.islmall'iue porlucuez nMontelro I, Jos Fer- 63 Jost) Antonio a AraujO
juizode orphSos fazer a arrecadacSo da heranca, em-1 da situarlo e a nova tentativa contra a ordem nu-
l.,iri n f-.l laxi.l., Haisi.^ i-__.-. .___._______. 1.1..._______'. t ...
loe sem dovida lotar a presidencia, por n.i i lia-
rer um real para applicar a muitas e diversas ver-
.)ai de despesa;
A lypographia do sCorreio do Sal foi vendida
lela qaanlia de 6:0008 ao partido da lisa, qae vai
lar luz o sen jornal no principio de 1858, dano-
ninindo-ie o uLiberal.
2i de dezembro,
A galera Linda da Beirizs eo brigae oOurense,
nmbos procedentes do Porto, manifestaran), aqaille
10, eile 20 pipas com agurdente ; mal no acto
la dticirg, e pelo eiarne a que le proceden, veri-
licoa-se eetirem cheiai de agua em estado de com-
pleta putrefacto ; pelo qoe. tendo a galera conclui-
do a sua descarga, foi multada na quantia de 2:6.6;;
i he de aappor qae o brigue receba o dobro da ad-
i e, attendendo-ee ao maior numere de pipas.
O ex-eicriv8e da descarga no sabbado lancou so-
bre o Porto-Alegre, em um a pedido publicado no
l'ovoii todas ai invectiva! biliosas, em represa-
lia a' noticia qoe Ihe dei a respeito das desintelli-
I encas eulre elle o arrematante da condocgSo dos.
i latinees para ai triacheiras, dando ao Porto-Ale-
i re a pateruidade das miohas missivas.
Senbo-se da coincidencia queapresentei, rara n3o
lbedenem Ihipeza a conscienciado que faz
f do que continua a fazer.
Os coronis Manoel Gomes Porlinho, eomman-
cante superior de Csrapava, e Ismael Soares, com-
r laudante superior de Bag, deram parle de doenle,
e bem assim o leuenle-coronel Cielauo Guncalves
da Silva.
Ha am grande ressnlimento contra o governo pe-
lo poaco apreso com qae se porlou para com mu
dislincloi cidadjos qae de moilo bom grido se pres-
tirao em 1851 na guerra contra Kosas, e qae em
IS.iS ainda marcharam na divisflo auiiliadora para
t Estado-Oriental. O abandooo espontaneo que fize-
lam de suas familias, de seas lares e de seus bens, ao
som precursor do clarim que os chamava a' guerra,
< ninguem negara' que a brava milicia cvica rio-
v ir.mi1 ense se apresentoa em numero de mais de
10,000, que a' porfa correram a engrossar as li-
* leiras do eiercito para desthronar o ero argen-
tino, nao foi devidameote apreciado pelo go-
"erno.
Muilos se retiraram sement e com os trophos da
victoria, nica remunerarlo de tantos sacnlicios '.
__ M grecas honorficas, que deviam ornar os peiloi
< e tantos bravos qae pagaram o seu trbulo de san-
fue pela patria, reduziram-se a' modal lia da cam-
I auna que tambem ie estendiu ao olalobor e ao
acometa e que le deu a gente que la' nao
f '
joji leve lugar em audiencia do delegado de po-
I ca a inquiridlo de leilemunhas no proceso que
lio .reo o Hvra. vigario desta freguezia Jos Mana
i'iHMzio de Matos, pelo crime de haver espancado
io domingo nm pardo, escravo de Saveriana Rosa
i os Santos,
26 dedezembro,
Chegou aqnihoje o Calas da capital, est pro-
ado qae nao pode fazer a sua viagem de sol a sol
na Itrca-feira sahio daqai pelas i horas da manhla
chegou Porto-Alegre peas ' lita desta eiperieneia, est conheeido que o2o pode
ir a capital em menos de 19 horas.
O Eim. presidente, em data de 19 do correle,
idieu a reuniAo da primeira susSoda 8.a legislatu-
ra da asisambla provincial para o 1. de oovembro
ioaouo futuro. S. Ese. devia sahir da capital pa-
ta aua digressao no interior da provincia na madru-
|ada de hontem.
Algumas forras de guardas nacionaes ja se achara
i m marcha para S. Gabriel, por ser o ponte de re-
idlo de todas as torcas que teem de fazer parle da
ivis.io que se esta organisando, e qae breve tem
e marchar para a fronleira de S. Borja.
Alguna soldados de infamara nolia 17 fizeram
i islurbios em Rio Pardo, por se aeha'em ebrios,
liaveodo alguna ferimtnlos, O coronel coraman-
lente superior Jos Joaqaim de Andrade Neves, a
reate de alsans guardas, abafoo o barolho, desar-
uando os turbulentos, prendendo-os e levando-os
presos na forra, que sob seu commando, marchou
no dia 18 para S.Gabriel.
Corre como certo qae o Esm. presidente se
ichi unido ao partido da liga, qae lem por ebefe o
aarlo de Quaraim ; porm eo ainda entro em da-
i'ida, por ter certeza de que elle disse qae oo
pertenceria a neuliama parcialidad* poltica da
provincia.
(Carta particular.)
(Jornal do Commercio do Hio.)
PERJSABBCQ.
Jnior, 3 escravoi a entregar, e 1 desertor.
Hospital de Caridad: Eiistiam no da 18
do correte 20 homens e 26 mulheres trata-
dos pela caridade, 9 homens e 11 mulheres qoe
pagara a casa, e 11 praras do corpo de polica. l'u-
lal 70 doentes.
Aforfalidade.Rela;3o da) pessoas qoe foram
sepultadas no cemiterlo publico, do dia 18 do cor-
rele mez :
Angela Mara d'Annunciac.io, parda, casada, 45 an-
nos ; phthisiea.
Raquel, parda, escrava ; elephantiaiis.
Antonio Francisco da'.Rocha, soldado, pardo, sol'-
ro W annos ; anemia.
Juvin.i Maria da Concti;lo, paida, solteira, 15 an-
nos ; phthisiea.
Tertolian, evposta, parda, 1 annos ; inllam-
ma^Oes.
Ernesto deCarneiro da Cunha, ludio, ltlannos ; con-
geslo cerebral.
F.siolaiio, pardo, escravo, 10 anuos ; abeesso.
Urcurino, tranco, 3 annos bexiga.
Maria, prela, 8 meies ; coquelube.
Total9.
Maiadouro pullico.Malou-se no dia 18 para
consumo do dia 19 do crranle, a saber :
Corapanhia das carnes verdes.
Ricardo Romualdo da Silva
Uuarte......: .
Lua de Qaeiroz......
Total.
Alimanhaa.
66 bois.
, 6 B
2
i 3 o
Ti bois.
PAGINA AVULSA*
O atrarettadorci em geral. Nlo podemos
eieosarmo-nos de tratar de um objecto que tanto
nos ha flagellado, como teja o- atravessadores em
geral. Nao se dir por certo que em urna quadra,
romo a aetoal, a em qae as cousas lem levado a sua
mareha regular, isto he, em que nao temos experi-
mentado desses contratempos que de ordinario in-
fluera sobre a oareiiia dos gneros, sejamos Toreados a
comer carne de 30 patacas, como socceden no dia 17
do corrente nesta eidade ; e tudo porque 7 Porque
eertos e determinados individuos enlenderam que
deviam alravessar todo o gado para de ro5o em man
chegar aqu por tilo subido prero, qae rilo he possi-
vel ser vendida a carne por menor prero do qoe a
comemos, e infelizmente de que qualidade ? Sem-
pra lio o que al repugna ; mas o qoe f izer-se.
para qualquer lado que volvermos a vala encontr-'
rnos um especulador, iim alravessador V Fura qoasi
qae intil tratar de semelhanla especie, porque issa
he o mesmo qae clmennos no deserto, porquanlo
ninsuem trata senlo dos seus interesses, iilo he, a-
quelles que smenle aiaodo dess* modo de especu-
larlo nao se lhes d j que o povo loflra ama vez que
Eor esse modo vo amontoaodo os seas cabedaes.
stabelecida por tanto a careslia nasse genero de
primeira necessidade, claro est que lado mais deve
seguir a mesma marcht, e eolito o que dizer'.' Cal-
lar e Ir soffrendo at que Providencia se lembre
de nos.
O reniimento da al/aniega.A alfandega vai
decrescendo em sea rendimento, tanto que ale o da
16 do corrente apenas se rootava cen'o a sessenla e
sele cou'.os quinhentos e sessenla e nove mil Irezen-
tos e triula e otto ris (167:5699338 rs.), e segando
o clcalo, se he qae u.lo falla, nao deve a sua renda
no corrente mez ser maior de 312 a 320 eontos,
quando noi mezes anteriores regulara 700 e tantos
eontos de ris. Geralmente he sabido que a causa
deso decrescimento lie o estado crtico em que se
acha o commercio com as ultimas noticias viudal da
Europa, e a falla das quaes presentemente, lodos se
receian) ero entrar em transaejao, e pelo que lem o
rnraraercio paral)sado, e sem duvida alguma multo
se resentir a nossa liluacAo. lieos queira que se
paisc essa tempesb.de, e que inclhor porvir se nos
agoarde.
COMARCA DO BONITO.
Cidade de Caruaru' 15 de Janeiro de 1858.
I
Caminlia em meio o prmeir mez do anno de
1858, qae deve ter recebido bem boas elogios de lo-
dos quantos leera prelenres a "ida folgaja e re-
galada, que, durante a existeucia do antecessor, po-
deram gozar; entretanto que oulros nada de m.l di-
zem do passado, porque lodo anno, qoe nao lia bis-
sexto, tem trezeotos e sessenla e cinco das, o as se-
manis de sele cada urna principian pelo domingo
com a missa do dia e acabam no sabbado, com lena.
sendo que esle ultimo dia be o peior, porque os co-
bres aahem da canastra, para asalgibeiraa do vende-
dor da carne, da familia, do feij.io a do das rapa-
duras.
Do novo anno su quero que me permita gozar
saode, ter dnheiro, socego de espirito ; pois o mail
lie coosequeocia dos tres desejos.
Esquecia-me : quero que esta torra e sua boa gen-
is se vej.im livres dos alops el smiles lalrones.
Foram julgados na esso do jary deila cidade
oito reos, sendo quo houveram Ires nppeilaces do
juiz presidente do Inbunal ; duan por tereni sido oa
reos condemnados, am a pena ultima,e outro a sales
pcrpeluas.e urna por sera obsolvi vas dosauos.Admira qoe o Sr. Di. Christovlo Xavier
Lope, appellasse da senlenca que abiolveu a Isabel
Muuiz de Mello e o Jo venal, autires dos fen mritos
feilos com fogo em Juliana Maria do Espinio-San-
Lo, na mez de fevereiro do anno passado, quanto a
Javinal, e nlo quanto a Isabel ; pois se houve mo-
tivo para o Sr. r. Chnslovao appellar, a appella-
;o devia comprehender a Isabel e a J avenal, por
serem ai prova eonlra aquella ir ais robustas. c-
corna, porera, ama circomstancia ; Isabel havia
pago a Joquim de S Cavalcanti Machado de Al-
baquerque, para ser aeu advogido no correr do
processo, qoe foi instaurado pelo l)r. Christovao,
que he amigo intimo de Machado, com quem con-
vive ; sendo qoe admira,que um juiz que tem pro-
curado solapar a repulaclo de aiguns luneciooarios
pblicos, que Ihe sao desaliados, proteja lio escan-
dalosamente a esse seuamigo, qu, por furto de ca-
vallos, foi forrado a oceupar un lugar na cadeia
da villa do Bouito, onde foi processado, a tambem
forra lo a dir um patiseio a ilha de Femado, p r
causa de ama morle feita l para as bandas de
Goianoa, tendo all aprendido a imitar as liroiss de
negociantes,...
O escndalo nao aproviilou ; >iij hoave appella-
{3o do promotor interino, o que Jesaponlou ao men
homem, que lie bom como bom dia.
l)eram-se mais, du.is condemaaces por crime de
farlo de animaes, e ama por ferimentos.
I'.Ik gnu-noi ai mioi o n. 161 do Jornal do Com-
mercii, publicado ah a 22dedezemhro do aono
lindo,inile depare com urna miisiva.que he obra do
homem do meu pcito ; nao s porque elle be sempre
o meimo, como anda o mismo be sempre elle.
Nesia missiva se procara desron:eitar ao leienle-
coronel Joao Vieira de Mello e Silva, digno delega-
do desta cidade, dizendo-se que dito tenante-coro-
nel apias sala capar bodis e apanhar bizer-
ros.
Eu qoizera qae me foise pera.illido interrogar ao
lal Sr. communicaute ou missivisla, para poJer co-
uhecer-lhe a intenjao que leve quando procarou por
modo lio ridiculo marear a firmada reputaras do
tenenle-coronel Jlo Vieira '! Mas nao o poiso fazer
porque semelhanla homem he .le tal qualidade qoe
repellio a um ministro do llorn-m-Deos, que se Ihe
apresentou oom urna de soas victimas para perdoar-
tenenle-coronel Jo.lo Vieira he um homem di
consideraran, que goza da syopathia de todo este
bom poro, a cuja frente se ha ipresentado mais de
urna vez, pugnando por seus din nos, e para possair
o que possue e ter a poiic.au cue tem, ainda nao
pralicou o que ha praticado orlo gravatinha nue
com trocadilho de palavras se fe,; senhor de eugeuho
e esl dissipando todo seu possuido em predios nessa
cidade, lem ter parlilhado com seas filhos a legiti-
lura o fallecido deizasse Irmaos oa oulros prenles
saecessiveis, sendo coilateraes, sob pena de responsa-
hilidade. lionito, 18 de aetembro de 1857.Manoel
Cortea Lima.
'lercero provimenlo.
Villos em rorreirao. lie curioso ver o modo a-
breviado e summarismo porqae o actual jais muni-
cipal e de orphaos, barbare! Manoel Henrique Car-
din, arrecadou, invenlariou e arremalou o espolio
do finado padre Francisco Jos Rosa Lagoa Ei-lo.
Principia esle procasso por um termo de juramento
e de declarar lo de Jos Baplista Rodrigues Pinhei-
ro, na qualidade de ioveutarianle m que fosse no-
meado, nem para isto notificado; lavrado aos 26 de
maio do corrente anno, no qual declara o inventa-
rame, que esse sacerdote moriera em 1839, iem as-
cendentes e nem desrendenle, deixando nm sitio de
Ierras, denominadoAlagoa de Gatos, com urna
casa assobradada, grande, sita no mesmo slio, que
tiolia algamas fruleiras etc. No dia legoinle loova-
ram-se o colleclor e nvenlariante em louvados,
qoe ueste mesmo dia (27) avaliam o espolio em qui-
nheatos mil ris, eilandu todos na dita Alagoa de
Galos, e nesse mesmo dia o dito joiz por seu dei-
pacho nos antis, dilado nesta villa, nove leguas
distante daquelle lugar, mandn que se passasse
edlaes de pra^a para arrematarlo do espolio, qoe
no da 30 de junlio foi arrematado por quinhentos e
vinte mil ris.
He, porm, mais carioso ver-ie qae este peque-
nino processo ra-lou a grandiosa lomma de cento e
setenta e sete mil novecentos e vinte um ris, a sa-
ber : cento e cincoenta mil e duzeotos e am ris,
cusas de inventario ; vme sete mil e setecantos e
vinle ris de irrem itarflo, ficando apenas liquida a
quanlia de trezentos e quareula e doas mil c selec-
ta e nm ris, a qoal nao se sabe que destino teve.
porque ola esta' junio a estes autos o respectivo co-
nhecimento. E como nao avultar em Unto as cus-
tas, se o juiz conloa para si, por nleiro, as castas
da arrematarlo e dous das de estada para elle, rs-
crivao e loovadns, nlo s contra a axpressa prohibi-
Cao do arl. 32 do reg. de 3 de marro de 1853 ; se
nao lambern contra todas as appsrenc'ias da verda-
de'.' Porque nem he crivel qoe om dia inteiro i,2G
de maio) se gastaise somente no termo do juramen-
to e declararan do inv cnl.iri.mli;.*' que eulro (X]
fosse nccessnrio para avaliac* desse espolio, como
de certo nlo foi ; pois que consta dos autos qae o
dilo juiz coniou Jtfoito mil ris de caminho, ou
nove lesuae, r flu~^do a avalladlo feita nesse lu-
sar no di -'< "<= "Hmo dia, ja aqui nesta villa,
por o"i despacho mandava elle que so passaisera
,/(aes de praja, como se fosse possivel, que traba-
lliando la'ato o sol posto, caso em que somente se
ganlia estada da um dia (arl. 26 do reg.) podesse el-
le percorrer essas nove lesuss, e aqu chegar nesse
mesmo dia, despachar os autos, ainda mesmo jup-
posla a bondadede sua cavalgadura, para a qual
conloa elle de/, mil ris !
E dado mesmo o caso que isso fosse possivel, ja-
mis poderia elle contar dous das de oslada para o-
avaliadores ; pois estes su Irabalharam um dia, se
nao algumas horas ou minutos. E paiaque nao fi
caise incompleta a sua generosidade, deduzio elle
logo a porcentagem, tirando para o escrivao ara e
meio por cento, e dous por cento para o colleclor.
Im inore,lmenlo lal revea a tendencia que tem
o dilo jui para infringir e desprezar todas as leii
em seu proveito, e he por isio digno de responsa-
bilidade; porque slo bem expressas e terminantes
as disposicOes do reg. de 9 de maio de 1812, de 27
de junho de 18i>. de 18 de novembro de 181S, e da
ord. I. 1 til. 90, em virludo das quaes, na livpo-
Ihese dada, devera o dilo juiz arrecadar o dito es-
polio ; islo he, sequestra-lo e nomear-lhe um cu-
rador, que devera prestar fianza idnea, sob pena
de responsabilidade, av.de 17 demarco de 1813 e
de 21 de outubro de 181(1 ; proceder loso a inven-
tario desse espolio, com audiencia do colleclor,
mandar affixar editaes, e visto ser o espolio con-
sistente em bens de raz, s poderia ter sido arre-
matado, antes de passados os seis mezas, se da de-
mora se podesse seguir ruina do mesmo, segundo o
jnizo dos peritos; cil. reg. de 18 de novembro de
1848, e nunca o bel-prazer do juiz, como foi.
Devia mais o mesmo juiz ter mandado recolherao
cofre o producto dessa arrematarlo, no recebe-lo
e logo deduzir as cuslai ; porqu o arrematante laz
o pagamento a bocea do cofre, de qae aprsenla co-
nhecimeuto. sem o qual se Ihe n.ln entregan) os
bens ; irt. 31 do cil. reg. de 9 de maio de I82, co-
brando-ie depois dnto as cuitas do colleclor, que he
quem as paga, a vista da precaloria do juizo, como
se deduz desle art., he a pratica nos juizos oude
reina a boa ordem. Portento mando que d'ora em
diante se observem cumpridamenti e.ses regs., qae
assim como as demais leis, devem ser lidas e slu-
dadas pelo dilo juiz, seas substitutos e successores,
e qae cesse a absurda pratica por elle introduzda :
sob
inendane o ?egundo vapor.
A esruna bollan leza II nrielle esleve
pferder-se nos liaixios da barra, mas, fihzrae
stou-se do pengo, e acba-se ij ancor!
porto.
10b pena de responsabilidade. Bonito, 5 de outubro
le 1857.Manoel Correa Lima.
Os geueros alimenticios aiuda conlinoam a con-
servar o prejo elevado do anno passado.
^____________ (Cartaipar/ct/far.)
Sinti m ^ttmmbuso.
mi iinierm.
A psito bem merec la do lenrnla-coronel Jlo
Vieira, o colloca superior a esias miserias, so pro-
prias daquelle qae para consegu ser respeitado, pro-
cura a lodo cusi arrancar as reputarais alheiai.
Prometli que procurara conseguir copia de i-
gaos pr minemos pablicsdos ni correirjo da villa
do Bonito, o quo agora fajo, irincipiando pelo se-
guale :
Primeiro provimenlo.
Vistos em correicao.Ve-se lestes autos a II. que,
a requenmenlo dosco-herdeiros maiores que tinham
parle na escrava Thereza, ouvido o curador dos
orphaos, que dea o sea consent nenio, foi admillido
pelo juiz municipal sopplente l.iage, que se passasse
carta de airorna a dila escrava, recebida a qaanlia
que no valor della tinham os i.millos : esle proce-
,iun.o.11 foi injusto e attentatorio do direito de pro-
priedade, nao obstante a pralici e precedentes desie
foro, porque nao podando alfirriar-se nm escravo
havendo opposicao de om na -nais con-senhores, e
importando o meimo que opposir.lo .-i impossibilid'a-
de que lem o menor de reclama -"e a de transigir por
ella seu curador uu lolor, como o diz o aviso de 21
de dezembro de 1855, he claro que o conseniimento
do curador dato contra o art. 6 da disposiro pro-
visoria, he nullo, como lal incapaz de pro-iuzir
elTeito algom legal, e que, n.lo nbslanle elle, essa al-
loma se deve considerar feita c titira a vonlade des-
ses orpbAoi. Portaoto nlo dev> continuara pratica
ale aqu segoida, e mando ao juiz de orphaos que
deixe de mandar ouvir os (alores e curadores nos
casos ein que e"
Temos vista jamaos do sul do imperio, de que
foi portador o Parao. chegando as datas : do Rio
a II, da Baha a 16, de Sergipe a 7 c de Macei a 18
do correute.
Rio de Janeiro.
O fado qae mais preudia a allenjao publica era o
seguinle avulso distribuido pelos juruaei diarios qae
all se publican) :
Lma eollig.ie.ao dos compositores das d.versas
folhas diarias obriga-nos a suspender momentnea-
mente a puulicacao do -Jornal do Commercio.
O sacrificios pecuniarios que nos temos imposto
para acompanhar o progresso da impreusa no im-
perio ni* nos permttlem acceder a iiiiposjrao dos
colligados.
Ha alsum lempo nao devidimos, attendendo as
circunstancias especiis da careslia qae flagellava
esla eidade, acquietccr a um augmento reclamado
por oses empregaJoi, embora montaste a dezenai
de contoi. Entao esse augmauto caba as forras
da nossa empreza.
n l'oje nao militan) as raesrais circunstancias.
o Nlo pooparemos esbirros parn qae srjj de pon-
ed durarlo a su.pens.lo da nossa falla. Nlo falla
onde recorramos para vencer lodos os clculos da
na vonlade.
Coutamoi com a indulgencia dos nossos assig-
nautes, cojoi tolareise em lodo cato nao serio pre-
judicados.
Nos das 10 e 11 rnmrr.iram os mesmos a sahir
em meiai folhas de papel, declarando que eoolinua-
vam lirmei no proposito de nao ceder aos Ivpogra-
phos, e assegaraudo qoe, em breve, apnareceriatn
como il'anles.
O Sr. ministro da fazenda e o rhefe de polica au-
xiliaran) eflicazmente aos proprietarios .lat Ivpogra-
plnas, o primeiro mandando para algumas llicmas
os compasilorea da lypographta nacional, eo se-
gundo garanliudo a seguranra doi qae, arrependidos
do patio, se apresentaram pira continuar a tra-
balhar.
Foram publicados os decretos seguintes :
N. 2,060, que eleva os vencimentos dos emprega-
doi da secretaria da polica da provincia do Espirito
Sanio.
N. 2,069, que entorila o credilo supplementar da
quanlia de 138:1339131 para occorrer as despezas no
exercicio de 18561857 com as verbas mencionadas
na tabella competente.
N. 2,065, que eleva os vencimenlos dos empre-
S idos da secretaria da polica da provincia do Ma-
ranhao.
N. 2,067, que eleva os vencimenlos dos erapre-
gados da secretaria da polica da provincia da
Baha.
N. 2,0(19, que eleva os vencimenlos des empega-
dos da lecrelana da polica da provincia do Rio de
Janeiro.
blica pareca verdaderamente abortada.
Os derrotados as leices de novembro nao se des-
engaaran) com a falla de appoio que encontraran)
para loas tentativas de entao. Acalmados os espiri-
los depois desses srcenos, tramara o coronel Bris-
do Silveira, es-chefe poltico do departamento de
Minas, nma revilta que foi ha lempo descoberia.
Era virtud* disso chamara-o o governo a' capital e
ahi eitava preso, tendo a cidade por homenagem.
Depois dos maiores protestos de sua adhesAo ao govir-
no obteve licenva para ir ao seo departamento re-
gclarisar seus negocios particulares.
Para maior garanta publica o governo, 'alm das
medidas militares, fez prender e dulerrar a diversos
individuos suspeitos, entre os qnais o general Cesar
Uias, e o propriilario do jornal uCommercio del
Plata.
Le-se no oCorreio Mercanlil :
O Camilla, qae enlrou honlem, Irooxe dalas
de llaenos-Ayres al 2 e de Montevideo at 3 do
torrente.
a Em .Montevideo a revolla de D. Brigido Silvei-
ri lomara novas forras e apresentava urna allilude
mais seria. O revolloios commandados por D. Bri-
gido, achavam-ie no Cerrilo, muito perlo da capital
e haviam amearado invadi-la. O governo tinha to-
mado todas as medidas de defezi, as quaes enlrou
o contingente [ restarlo pelas estnces aitrangeiras
que saltaram i Ierra para prolegerein os seas respec-
tivos compatriotas.
o Calcolava-se as forras dos revoltosos em cerca
de 300 homrns.
Uizia se que alies esperavam reforQrts de Bue-
nos-Avres, mas esla noticia nao pareca ter fanda-
menio.
He Boeoos-Ayres nada havia de importante.
i U Sr. Paraiihoi havia seguido para Assumpclo.
Sergipe.
No dia 16 do passado reuniram-se o accionistas
da corapanhia de vapores de reboque, e deliberaran)
qae se euiitlissa maior numero de actes o encom-
-nendane o jegundo vapor
qoasi a
zraenle, li-
acorada no
lorlo.
Corril que a pre-i lencia. a pedido de muitos de-
patanns, m addiar a abertura da assembla.
O Exm. Sr. Ur. Brolero continua a gozar da es-
tima publica ; teus actos sao sempre revestidos de
.'Mira e imparcialidade.
Baha.
Comicsrarn no dia l as eleijSes doi eleilores qne
tem de oomear o senador para pracnchar avaga dei-
xada pelo conselheiro Mello Mattos.
l>izia-se que iam ser espedidas as ordens neces-
sarias para a eiecurao da lenlenja de morle, pro-
ferida pelo jury do Caelel eonlra o reo Clemente,
escravo de Joaqaim de Souza Marques, que malou
com tres facadas a Francisco Pereira de Souza sea
felor e nelo de sea senhor.
Le-se do Diario da Bahas :
llouieiii pelas 8 horas da noile, estando a con-
versar no adro de S. Pedro com algous amigos os
guarda da alfandega Leoncio Zezon de Castro, apro-
xiraou-se delles um remador de saveiro, ao lempo
eut que dina o mesmo Leoncio^aque am voto dado
ao Eroesliuho era prefenvel a um dado ao patrio.
Iteiorquio esse dito de urna m ineir.i desabrida, o
remador icrescentandu qoe de ha rauilo procarava
ao guarda Leoncio. Disto passou vas de faci o
remador, alirando cara do guarda nm pralo, ao
que respondeu-lhe o mesmo Leoncio com urna bo-
fetada.
Puchar por nma faca, dar no guarda da alfan-
dega urna facada no braco, e logo depois urna ou-
tra uas coslellas foi obra d'nm momeulo. F'oi picso
iinmediatamenle o reinador, mas ao chegar co-
cheira do Sr. Lemos, os boleeiros te opposeram a
que coiitinuasse elle preso, e derara-lhe escpula (II)
oi porm de novo agarrado mais abaixo e remelli-
do para a ribeira, ao entrar de cuja porta evadio-ie
por entre o povo. Procedeu-sei corpo de delicio no
olTendido em casa do Sr. Malla i ra nova de S.
liento, oude comparecern) os Srs. delegado do pri-
meiro dlslric.o, subdelegado e facultativos. O oflen-
dioo acha-se, na opioi.lo dos mdicos, em perigo de
vida pelo golpe recebido uascoslellas, que lilvez te-
lilla penelrauo alguma das cavidade.
Leopoldi Mermes da Parificarlo Saldanha, au-
tor dos ferimentns graves, feilos anle-hootem a noi-
do
. lendo
sido preso ein llagraule conseguio evadii-se : e hon-
lem pela madrugada foi preso no Bomfim por om
asente de polica secreta, a quem o Sr. chefe de po-
'icia encarregou a prislo desse criminoso, u
No dislriclo da Lage do termo de Caelel, o in-
dividuo Cernido Josu Salusliano assassiooo com doas
u_ros e seis facadas a Manoel de Jess : e Joanna
Evangelista, apresenlando-se com qualro pessoas
armadas de davinas, faces e pistolas, quebrara a
cabera de sen marido Jos DiaiMartini. Para a cap-
tura doi criminosos, que conseguiram evadir-se, fo-
ram expedidas ai necessarias providencias.
Mace i.
A paz e a Iranqollidade continan) a ler o ca-
rcter distioclivo detta provincia. A lalubridade
publica por si nao he das melhores, vislo como al-
guns catos de febre amarella se lem dado, dos quaes
doas foram falaes. Os folgares da fesla absorviam
todas ai af.ciirOes.
n iodos Ferreira, li'tl saceos assucar.
LisboaBrigue pnrtugueta Resolvido, Bailar S;
tliveira, int saceos assucar.
GibrallarBrigne francez Charles e llerlhen, N.
U. Bielier c\ (;., filil saceos assucar.
GibrallarPatacho inslez Express, Saundirs B'o-
thers Ov I... 300 saceos assucar
GenovaItarca sarda l'aolo, Whalely Fonler &
C, .'iii> courua salgadas.
LiverptolBarra insleza Nelherlon, Jos Anto-
nio Moreira Das & ('.., 870 tatcos assucar.
LiverpoolBarca ingleza Anua Melhasli, James
Rvder & C. 200 saccoi assucar.
RECEBtDDRIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimenlo dodial a 18. 11:1058891
dem do dia 19....... 1:1519525
12:6179416
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimenlo do da la 18.
Idam do dia 19.
41:3605196
3.-it;t/>vs
7:4439681
Sltatrtagtm.? $0 pottv.
Navios entrados no dia 19.
'.ir de Janeiro e portos intermedios 7 diM e 22
horas, vapor brasileiro Paran... commtuidanle
PraneitcQ F'erreira Bordes.
Ierra Nova31 das, barca ingleta rrOberon. de
T79 toneladas, capilao II. Pearce, equipa em 15,
rarsa 3,110 barricas com bacalhao ; a J dinas Cra-
I,Irte ^ C. Perlence a Liverpool.
Navios sahidos no mesmo dia.
Porlos do NorteVapor brasileiro Paran., com-
mandante Francisco Ferreira Rorges.
Rio Grande do SulBrigue naciouil Mafrao, ca-
pillo Jos Joaquim Dias dos Prazeres, carga as-
snrar.
Parahiballiale brasileiro ConceirAo Flor das Vir-
tudes, mettre .ajlexandrinn da Cosa e Silva, car-
ga fazendns. Passaseiro, Miguel Guerreiro.
&t#*0*lt;9.
65 Antonio Gontjalves Poreira Lima
67 Herdeiros de Manoel Carneiro
l.insde Albuquernue-
71 Francisco Aulonio de Oliveira
73 los da Silva Saraiva
75 Josc Antonio de Araujo
77 dem
77 A dem
79 dem
81 Joanna Maria dos Prazeres
83 Herdeiros de Joaquina Gandid
de Miranda
85 Domingos Antunes Villaca
87 Francisca Candida de Miranda
89 Viuva e herdeiros de Jos da Sil-
va Coimbra e V. Pereirt do
Reg
91 Antonio da Silva Gusmo J-
nior
97 A Domingos Jos dos Santos
97 B dem
99 Manoel Joaquim da Silva
101 JoSo Paulo de Souza
103 l.uiz da Costa l.eite
107 Jos Pedro Baptista
109 Francisco do Reg Barros
11I Thereza Francisca da Costa
113 Joao Leile de Azcredo Maia
115 dem
117 Maria das Neves l.eite
119 Joiio de Medeiros Raposo
125 Lourenco Martins das Neves
129 Joo Rodrigues Bandeira
131 Iderrj
133 Jo3o Rodrigues de Miranda
135 Frederico de Souza Gomes
137 Francisco Lopes da Silva
139 Serafina do Rozario
111 Caetano Tiossom de Assis Cam-
pos e Candida liessom de Assis
Campos
I 3 Vicente Thomaz dos Santos
143 A dem
145 Antonio l.uiz de Frailas
117 dem
119 Irmandadc de Santa Rila
151 Antonio l.uiz Pereira Bastos
153 Ponciano Lourenco da Silva
48.000
82,500
75,000
18,001)
21,600
45.000
5,000
18,000
60,000
10,000
10,400
10,000
41,100
21,6(10
18,000
10,800
10,800
9,001)
9,000
Alii ii o !< i 'Iu H1.1.
O abaixo assiguado, arrematante da aien-
Qao do municipio de Olinda scient (ca a
quem interessar, que dora principio acs seus
trabalbos ; as pessoas interessada;- poderSo
comparecer na ra do Varadouro n. 90, bem
como transcreveo novo regulamenlo Jcafe-
ni-.u), approvado pela assembla provincial
em MSsSe do anno prximo passado
Art. I." havera em cada taberna tantos
temos Je medidas de folha quantos fnrem
os lquidos que nella se vendar, um terno
de medidas de pao para seceos, e um terno
de pesos.
Art. 2. rada terno de medidas do folhas
constara de 7 medidas na forma do padrSo
desta cmara, a excepc.fio do terno de vinho
que tora 6 medidas, tea Jo de menos a med
da mais pequea.
Art. 3. os temos de medidas de pao serS
de alqueire para baixo, e os ternes de pe-
sos constarSo de 9, seudo de arre! 1 a meta
quarta.
Art. i.o alem dos pesos e medidas mencio-
'nnn nadosn os artigos antecedentes, lera
Olllm. Sr. inspector da thesiuraria
provincial, em cumprimento das ordens do
F.\m. Sr. presidente da provincia manda,
convidar aos proprietarios abaixo mencio-
nados, a entregar na mesma thesonraria no 155 Elias Baratista da silva-
prazo de 30 dias a contar do diada primoi- *57 dem
ra publtcaco do presente, a importancia da
quota com que devem entrar para o calca-
mente* d nas Imperial, do Mondego, Real,
edaPassagem at a ponte grande, confor-
me o disposto na lei provincial n. 350.
Adverlindo que a falta da entrega volun-
taria ser punida com o duplo daa referidas
quotas na conformidade do art. 6.- do regu-
lamento de 22 de dezembro de 1854.
Na.
Ra Imperial.
.... ......uc..il.3 ,a,c3, ir.,.. ,1 u ic-ll O O I t 111 a 11
te em frenle da matriz de S. Pedro, na pessoa
guarda d'alfandega Leoncio Zenon de Castro, tei
NOTICIAS COMMERCIAES.
lili) DE JANEIRO.
Cambios.- Londres 21 d. a 90 d.
Deicoulos.13 a 11 por cento.
Ooro.11 e 12 por cento de premio, a esperava-
e qoe sobisse ainda muito mais.
Chesaram orocedenles desta porto : a 8, a barca
nAdelioa, a 9, o bngoe Sagitario, e a 10, o bri-
gue .. I.eau.i ; a primeira com 8 dias a os oulros dous
com 9.
Achavara-se a' carga : os brigoes oMaria l.uzia.
Hercules, Firma e Feliz Destino e o palbabole
Piedade.
O vapor inglez devia partir 11, 4< s horas da
manliaa.
Babia.
Ooro. -Moedas : de 20a a 2IS; de lft| a lOjon
de l(5 a 173 ; rli Sj a 9350" ; onras a 319; libras
eslerlinas a OafiOO; >apnlies a 79500 ; dolan a 2.
Chegaram, sabidos deste porto: a ti, acrvela
. I na..-, eom 3 1|2 dias ; a 9, a sumaca srllorten-
cia e o brsue porluguez "Encantador ambos com
tres dias, e ti escuna Zello.ai> que arribou por falla
de Euautimenlo.
Sahiram para esle porto : a a polaca Marinho,
e a 9 a escora u/elloza.
Achava-se a' carga a sumaca Ilorttncla.
da
(>vsmi$t>M.
CAMBIOS
Sobra Londres, 21 d por I; a 00 d.
< Paris, 310 a 350 ra, por Ir. 60 d.
Lisboa, 120 a 135 por % de premio.
Descont de leltras, 12 a 15 por canto.
OlUOOnjashespaubolas. .
Dilai metie mas.......
Pesas.......i8?lon
Moeda de '.IjOUO 9300
Ditas de 203 ... .
RAA.I'atacei braaileiros. 2*080
Hilos eolumnarias. '2C080
Ditos meiicanoi .
:il.HK)0
:tn-tt:n
185200
93500
2I3OO0
2100
23100
13880
ALFANDEGA.
tendlmentn do dia 1 a 18. .
dem do dia 19......
20I:0.VIS986
10:45*9209
lteclamarau.Avaliando bemqaanlo he possi-
vel a perpetrarlo do asiassuiato, do roubo. e mesmo
do contrabando no cae. do Capibarib pox'.%", i '*"" "n qUe e"eS "*" P"dem lr""R'r i eilaa
mu, aol.lano, muito espreialmenlea ooiteTn "se-A qUe|n*2''Cm ,em,'r9 "' "l'olo nesles e
muito fnr. de proposito qu. redmame' d q ,'em I TTZTl'oZ Zi l^aTat' U*n"C-
rompelir, alim de eslabelecer nma palrulha norlur-! ,,' !" a C e c0"-
, ,u. ronde aquello lugar, para por.,se modo L\T&!ZSS&!^j&
veoir-se algum dessea crimes que lemos apou-
tado.
Curanderoj,-Cada il avai apparecendo en-
tre uns novot enrandeiros, e cada qual prometiendo
li reultarlos de snas curas, nao passando
bro de 1857.Manoel Correa Lma.
Segundo provirreuto.
Viltos em rorrefeao.Consta deles aolos nue len-
fallecidu Francisca Maria da Conceirilo sem ies-
00
todos elles de iinpi>tu,re,e.cliarlaiaes. Ullimaraenle | tamenlo, ascendentei nem descenlente em eslado
a ppare r cabaclo curador de opblalmias c ca- : de solteira. em vez de proceder-se
vitral '
o seu aire-1 23 de novembro de 1853 e de Si de Janeiro de 1855
N. 2,078, que eleva os vencimenlos dos empresa-
do* do llu 1,Mu n do Sul.
Fallecen no dia 9 o brigadeiro Jos Manoel Car-
Itft de (,usmao, genlillmmem da cmara imperial, e
commaodaute interino da guarda de archeiros.
Lii-se no Correio Mercantil n :
Por imperial resoliirao da23 dedezembro lindo,
lomada sobre consulta do eonielho supremo militar,
delerniinnii-ieque os ufliciaes do corpo do fazenda di
armada de 1 e 2 rlas-cs (capitaes-lenenles, 1 e 2
lenles, lenliam patentes como as dos nlliciats da
armada.
0 S. M. Catholica houve por bem noraear caval-
leirot de groja da inclvla ordem militar de S. Joao
de Jerusalem os Srs. u. Antonio de Aranaea, vice-
cnsul de Despatilla nesta corle, e D. Francisco de
Arattgo, em allencilo a serviros por ambos preilados
ao governo de S. Mageilade.
a O Sr. Dr. Francisco de Paula Candido foi agra-
ciado por s. M. Catholica com a commenda da Keal
Ordem Ameneana de Iiabel a Catholica. em recom-
pensa dos cuidados prestados aos marinheiros hesiia-
iilmes no hospital martimo de Sania Isabel.
1 Por servidos prestados a marinha de guerra hes-
pauhula foi o Sr. los Ferreira Campos Horneado ca-
valleiro da ordem de Isabel a Catholica.
Foi nomeada promotor publico de Itaboraliv, o
Dr. Augusto de Castro.
Rio Grande do Sul.
Ja se achavam era marcha para a fronleira os cor-
pos de cavallana da guarda nacional de Piralinin.Ca-
clioeira, C-rapav, e S. Gabriel. Deviam seguir com
toda a 1-revidade os do llio Pardo e Algrete.
Na madrugada do dia 21 do passado, o Exm. Sr.
conselheiro lerraz parti para a Carapanha afim de
inspeccionar por si mesmo as tropas e julgar das ne-
. e-- Jales mais palpitantes.
A abertura da oitava legislatura da assembla pro-
vincial lu addiada para 1 de novembro do correnlc
anuo.
""aula Cjlharina.
do um brigue haniliuigoii: Irazrndo
216:5083278
Deicarregam boje 20 de Janeiro.
Barca maleaCruzadormercadoriai.
Barca ingle.taElisa Ilandidem.
Brigue iugl.11Claudiobacalhao.
Brigue suecoAquillalaboado.
Barca porlugueza Sympalhia ceblas, btalas,
e arcos.
Brigue bras leiro llama 1fumo.
Brigue inglezJauet Pelbladoubjcrlos para o gaz
MOVLMEMO DA ALFANDEGA.
Voluntes entrados eom fazendaa
> com gneros
Volomoss.it.idoi cnmfazendas
* com gneros
Total
Tolal
CONSULADO GERAL.
Itendiraen!) do da 1 a 18. .
dem do dia 19.......
163
113
27(i
157
85
22
6(i:80:i-.'t
5:772*026
72:5753267
DIVERSAS
Itendimenlc do da I a
dem do dia 19. ,
PROVINCIAS.
18. .
2:7059328
1719512
3:1761740
o co.tr.rt. ptatie. pelo ,u ,uPpleD,9 ^ 81 Irabal.dores P."r.Z^u. frou...: M.i'
DESPACHOS DE EXPOflTACXO PELA MESA
DO CONSULADO DESTA CIDADE NO DIA
19 DE JANElKO DE 1858.
MontevideoPatacho hespanhol uErmesinda >, Viu-
va Amoriin i\ Fillios, 3t) pipas cachara.
Ilha de S. MiguelPatacho porluguez Lima, J.ao
Mana Coriteiro Lima, 3 barrica assurar.
Porto -Patacho porluguez Duque do Porto, Do-
mingos Alves Malheus, 500 saceos e 5 harnea!
assurar.
PortoBricue porluguez "Trovadoru, diversos car-
regadoros, titl sarcos assucar.
K'em Barca poitugneza Santa Cruz, diversos
carregadi res, 00 cascos mel, 800 saceo assucar.
Lisboa Barca porlogoeza Maria Jos, diversos
catr-aJat-.-, 27 cascos mel, 100 saceos unucar.
60 Herdeiros de Josc Maria de Jess
Muniz
6 Antonio da Silva Guimaraes
66 dem idem
68 Miguel Joaquim de Souza Vianna
70 O menor Joaquim
72 Dr. Francisco Goncalves de Mo-
raes
7* Jos Jernimo da Silva
76 Rosa Maria Monteiro Paiva
76 A. Joao liaptista de Oliveira
76 B Antonio Fernandes Vellozo
78 Francisco dos Iteis Nunes Cam-
pello
80 Francisco Ribeiro Pavflo
82 Padre Albiuo de Carvalho Lessa
8 l.uiz GomesSilverio
86 Auna Francisca de Azevedo Coe-
lho
86 A Antonio Jos Maciel
86 I) dem
86 I! F.stevflo Casado l.ima
88 dem 1
90 Josepha ThereVa de Jess PavSo
94 Filhos de Candida Maria da Con-
ceico
96 Tiborcio Valeriano Baptista
98 Vicente Lictnio da Costa Cam-
pello
100 Antonio l.uiz de l'reitas
102 Herdeiros de JoSo Jos da Cruz
104 Herdeiros de Ignacio dos Reis
Nuiics Campello
110 Francisco das Chagas
HOa Justino Marques dos Santos
110 B Joaquina Maria do Espirito
Santo
110 C Joaquina Marques
I10D dem
112 Joio Medeiros Rapozo
112 a Herdeiros de Delphino f.on-
rjalvcs Pereira Lina
114 Candida Maria da Santa Cruz
114 A dem
116 dem
118 Joanna do Rosario dosGuima-
r3es Machado
120 dem
120 A Francisco Jos da Costa Cam-
pello
12013 Francisco Jos Muniz
Costa
120 c dem
120 D dem
120 E dem
122 dem
122 A Jofo Baplista de Araujo
122 B Jo.1o Jos Pacheco
122C IJem
124 Francisco da Cunha Gomes
130 Paulino Jos Concalves
134 Maria Roberta da Ctjnceicao
134 A Amaro Jos Gomes
13 B Jos Francisco Pereira
136 Manoel PalrSo do Nascimenlo
138 Joo Josc de Barros
140 dem
142 dem
114 dem
146 dem
16A Viuva de Simcao da Rotha
Gulerro
148 dem
150 Vicente Thomaz dos Santos
152 dem
154 dem
156 dem
158 dem
160 dem
162 dem
16 I lem
166 Jos Joaquim de Lima Jnior
168 Victorino Francisco dos Santos
17 I lem
176 Jactntho Gomes da Silva
180 Manoel Jos Ferreira Gusmao
184 II Antonio Moreira Reis
186 Paschoa Maria do Rosario
188 1 elicidatle Perpertua, e Maria
da conceir3o
190 dem idem
198 Antonio Maciel de Campos
202 Viuva e herdeiros de Silvestre
Ribeiro de Abren
204 Viuva de Francisco Xavier das
Chagas
206 dem
208 Antonio Joaquim Vinhas
210 Herdeiros de Anna Rita da Con-
ccicao
210 A Antonio Manoel da ConceicSo
212 Viuva de Manoel Joaquim Pin-
to Machado GuimarSes
2l4Jotnna Francisca Mendos
216 Jernimo de Abreu c seu fiho
JoSo
218 Antonio Lourenco do Espirito
Santo
220 Joanna Francisca Mendes
220 A Viuva de Francisco Xavier das
Chagas
220 B Francisco do Reg Barros
220 C dem
222 Antonio Manool da Paixao
2*4 dem
224 A dem
226 Amaro Antonio de Faria
228 Manoel Alves
l Manoel Antonio da Silva Moreira
13 Francisco Jos de Campos
15 Manoel da Silva Santos
47 Herdeiros de Bernardo Duarte
BAodSo
9 Detambargador Caetano Jos da
Silva Santiago
51 Joao Jos Fernandes de Carvalho
53 Joaquim Jos LeitSo
55 Manuel Jos Carneiro v
57 Anua Maria de Alleluia
59 JoSo Josc Feruandes de Carvalho
bi viuva c li. de Joaquim Jos> Fer-
nandes du Alineida e Silva
9,000
9,000
|0,8IK)
{0,800
9.000
9,000
10.800
jO.SUO
9.(100
9,001)
9 OtO
7,.ti 0
I1..00
7,200
Ii,*00
7,200
9,000
25,200
18,000
18,000
2I.6U0
18,000
18,000
16,800
18,000
25,000
25,200
67,500
10,800
82,500
25,200
18,000
14,400
25,200
25,200
25,200
14,400
25,000
22,500
28,800
10,800
18.000
14,100
15,000
9,000
9,0OH
9.000
1 .400
18,000
16,200
14,400
28,800
14,400
10,800
10,800
6,200
10,800
9,000
9,000
189,000
35,000
20,000
20,000
35,000
>2,500
23,506
:!2,500
10,800
9.000
9,000
9,000
14,400
10,860
12,600
12,600
10,800
10,800
18,000
7,206
s.ooo
10,800
5,400
5,400
5,400
5 100
9000
14 400
14.400
5,400
5,400
5,400
5,400
5, OII
5, 00
5,100
5,40i|
10,800
7,200
18,000
5,400
7,:ioo
14,400
7,200
14,400
9,000
10,600
10,800
3,00
3. CO
5,400
10,800
9,000
9,000
10,800
1 i,400
10,800
10,80(
5,401!
5,400
3,600
3,600
3.600
7,200
4 500
21.600
28,800
21,600
60,000 I
I
37,500
21,600
18,000
18,000
18 00(1
18,000
18,000
161 Jo3o Dionizio Barbosa
163 Antonio l.uiz de Freitas
165 dem
167 Llias Baptista Oliveira
169 Dr. Anlonio Joaquim Moraes e
Silva
171 Gabriel Antonio
173 Narciso Jos da Costa
175 Joaquim Luiz dos Santos Villa-
Verde
177 Claudina Martins do Sacramento
179 Joanna Militana de Jess
181 Claudina Martins do Sacramento
183 Joanna Militana de Jess
185 Joanna do Rozario Guimaraes
Machado
187 Herdeiros de AdriSo Jos dos
Santos
189 Mara Josc de Moraes
191 Joaquim Antonio da Silva S-
nior
193 Dionizio Hilario Lopes
195 Josc Monica da Silva
197 Josc Marques Vianna
199 dem
201 Idctn
203 dem
205 dem
2u7 Francisco Ildefonso Martins
200 Josc Monica da Silva
2il Antonio Jos de Oliveira.
213 dem
213 A. dem
213 11 Claudio Dubeux
^1 Francisca Anglica
2i Francisco Antonio de Oliveira
SiS Malinas da Cosa Oliveira
227 Sanoel Jos de Souza
22'j Francisco Alves Aleiso
231 Manoel Gomes de Moraes
235 llerdeiro de Jos Maria de Jess
Muniz
Ra do Mondego.
Ns.
66 Feliciano Augusto de Vascon-
celos
68 Irmaiidade da Conceicao de De-
ben be
70 JoSo .lose Fernandos de Carvalho
72 Gabriel Anlonio
74 Francisco SimAesCordeiro
76 Padre Francisco Jos lavares da
Gama
78 I lem
80 Francisco Antonio GaiSo
82 Herdeiros de Caetano Carneiro
Raposo
145 Rosa Maria Diniz e Filhos
149 Marcelino Jos Lopes
19 Viuva e herdeiros de Lulz Go-
mes Ferreira
153 Henritiueta Frederico Meurou
- Rna Real.
Na.
i Manuel Jos da Silva Braja
4 Herdeiroi de Jote Ferreira da Millc
6 Manoel Pereira l'eiseira
8 Anlonio Ferreira da Costa Braga
10 Jugo Martins de Barros
12 Francisco Accioli de Gonvea Lins
li l.uiz Jos da Costa Amorim
t Anua Barbota Correa Mello
3 Clara Clementina Cirlota
5 Filhos de Jos Itodi isoei dos Sanios
7 Ur. Jos dos Sautos N unes de Oliveira
9 Mauoel Correa do Nascimenlo
11 Jofo amasceno Burees
II A dem
13 Jos Jernimo Monleiro
15 dem
21 Jos Baplista Ribeiro Firia
25 Manoel Pereira Teiteira
21 dem
29 dem
II dem
33 Herdeiros do padre Joi Goo;alu
33 A Manoel Ji 35 Lula Jos da Costa Amorim
35 Mara da Lo/. Teiseira da Cosa
35 A Sebasliao Lopes Guimaraes
35 B Maria da Conceicao
37 Albino Josc F'crreira da Cunha
39 dem
i I Manoel e l.acinda, lilhos de Manoel Jos
Marques
41 A Albino Jos Firretra da Conha
11 Bldem
13 dem
15 dem
19 Joao Anlonio Carpinteiro
51 dem
51 A dem
5 A meuor Ignacio
55 Thereca de Jess Miria
57 Herdeiros de Canudo Jos de Sales
59 lunario Jos Oliveira
61 JoSo Anlonio Carpinteiro
I'assagem.
Nf.
2 Jcsepliina Sebaslians Cavalcanti da Alba
querque
i Jos Joaqobn de Oliveira
i A dem
6 dem
(i A dem
(I II dem
1(1 Thereza Goncalves de JesnsAzevido
12 A Aolomu Joaquim Ferreira da Souza
li dem
14 A dem
Hi I ranciara das Chagas Oliveira
., '2i) l.iii/.a Mana da Conceicao Cedrim
.. 22 Herdeiros de Ijnacio Firmo Xavier
24 Antonio Joaquim de Mello
26 A Maria Francisca Marques Amorim
2H dem
28 Thereza Goncalves Jesos Azavedo
.'tu I lem
32 dem
34 dem
36 dem
18 Viuva e herdeiros de Manoel Joaquim
Ferreira
1 Ur. Unlum Andullo de Almeida
3 Manoel Aulonio da silva Ros
5 dem
5 dem
5 C dem
5 A I lem
7 Herdeiros de J.inuario A. da Silu
Caneca
7 A Thereza Gnncalves Jetos Atevedo
9 Francisco de Paula Das Fernandes
15 Manoel Antonio da Silva Bios
17 Franri-co Ribeiro de Brillo
17 A Sebasliao Jos da Silva
17 B Francisco Kibeiro de Brillo
7 C dem
17 1) I lem
19 Herdeiros de Jo3o Jos da Croz
21 J0.I0 Anlinio Pereira da Rocha
25 Joie Antonio de Carvalho
27 Manoel Aulonio i'.l Ja-e da Fonseca Silva
39 lhereza Goncalves de Jess Azevedo
E pan rnn-tar se maodcu afiliar o prese
bllc.r pelo a Ulano.
Secretaria da thetouraria provincial de l'eriiam-
co li de Janeiro de 1658.O secretario,
A. 1. d'AuuuD.ciac,de.
67,500
30,000
18,001)
18,000
18,000
18.000
18,000
14,400
45,000
18,000
9.0U0
18,000
18.000
14,400
10,800
9,000
9,000
9,000
10,800
10,800
45,000
9,000
9,000
9,000
45,000
9,000
9.000
9.000
14,400
12,600
1 ,00
14,100
21,600
18,000
18 000
14,400
18,000
60,000
60,000
90,000
45,000
82,51.0
150,000
150,000
180 000
120,000
37,500
7:1,000
60.000
\\2.rm
120,000
90,011(1
25,200
30.000
16,200
15.000
18,000
30,000
30.000
15,000
15,000
82.500
30.000
18,000
18,000
18,000
2.1.200
60.000
l.im
22,500
10,800
11.400
21.GUI
18,000
12.600
i.l"!
10.800
11,400
10.800
18,000
30,000
21,600
9,000
,nui
30,000
10.800
16,200
cada taberna 2 medidas de pao para sal, tu-
do na forma do padrSo desta cmara.
Ari. 5 pela iferir;ao de cada tt-node me-
didas de folha e de pao pagarSo os que por
elle tiverem de vender I;000, e pela revisSo
500 rs.
Art. 6 pela afericSo de cada terno de pe-
sos 31, e pela revisSo IjOOO.
Art. 7.- de vara e covado as pessoas que
delles usarem pagarSo 500 rs porcada um,
e pela revisSo 25o rs.
Arl. 8.- pela afericSo das medidas de sal
pagarSo 200 rs. de cada urna, e prla revisVi
100 rs., os mesmos wsarao peias medidas
de vender leitee mel. que sero 2 meJidas
de meia garrafa e contra.
Art. 9/ pela aferisSe de ancoras pagarSo
por cada par 400 rs., e revi.-to 200 rs
Art. 10 os acougues sSo obngados a alerir
de arroLa ate urna libra, e pagarlo o qae es-
ta marcado no art. 6 -
Art. 11 as casas de balencas aferirJo os
pesos de que usaram e pagarSo pelos maio-
res que aerpseerem ao terno designado no
art. 6.- de ateric^o 20a rs. por cada um.
Art. 12 pela afericSo de -ada marro de
bronze 400 rs., e pela reviso 200 rs.
Art. 13 pela aferlcao das grandes batanea*
ern que se pesero gneros, os objectos de
mais de arroba, pagarSo por cada urna son
rs., e pela revisSo 400 rs. : pela arericSo das
balancas das tabernas pagarSo 400 rs., e de
revisSo 200 rs. ; pelas balancas de marco de
bronze pagarSo pela aferitjSo 200 rs., e revi-
sSo 100 rs.
Art. 14 fica inleiraraente prohibida a afe-
ricSo dos pesos com argolas solas ou pen-
duradas nos aros dos mesmos, sendo o afe-
ridor obrigado a completar os ditos pesos
com chumbo derretido e laucado nos tos
que costumam ter a parte inferior. Olinda
19 de Janeiro de 1858.
Francisco Pedro Asvincula-
Pela subdelegada da freguezia da
Varzca se faz publico, qoe se arha rm de-
posito urn cavallo russo, grande, castrado,
ainda novo ; o qual lora apprehendido por
furtado a um individuo que com elle se-
gua .- quem for seu dono, provaedo, lbe
ser entregue.
:10.00o
120.000
'.0,000
011.000
611,1)
18,000
21,600
18.(100
7,2il
18.0U)
tl.'KX)
10,800
75 (>ii
27,000
t.i.mwi
60,000
36 ooii
75400
36,000
l>" IMHI
6,000
Pela secretaria da directora geral da
instruccSo publica provincial faz-se constar
que o lllm. Sr. r. Joaquim Pires Machado
Portella reassumio hoje o exercicio do cargo
de director geral. Secretaria da instruccSn
publica 16 de Janeiro de 1858--O secretario,
Francisco Pereira Freir.
O conselho de administrarlo do farda-
mento do corpo de polica faz publico que
precisa comprar para as preces de prel 300
pares de sapatos de sola e vira, fritos na ter-
ra as pessoas que se prnpozerem vender,
deverSo comparecer na sala da secretarla do
mesmo corpo, no dia 21 do corrente mez,
pelas II horas da manhSa, com suas propos-
las em carta fechada, acomoanhando as res-
pectivas amostras. Quartel do corpo de po-
lica 19 de Janeiro de 1858 Epiphanio Bor-
ges de Meneze Doria, lente secretario.
Companhia de aprendizes marinheiros
Acbando-se creada nesta provincia, por
decreto n 2003 de 24 de outnbro alumo.
urna companhia de aprendizes marinbeiros,
sob as mesmas condices daa do Rio de Ja-
neiro e Baha, pelo que deve ser formada de
menores de 10 a 17 annos, convida o inspec-
tor do arsenal de marinha as pessoas que
queiram apresentar seus lilhos, bem como
prenles na qualidade de nicos ascendentes
ou tutores, para a mesma companhia, o i>
zerem com brevidade. cerlos de immedia-
tamenle entregar-se-lhes, caso exijam. a
gra tiliracSo de 1009 por cada am, autorisada
no decreto o. 1591 de 14 de abril de 1855.
sendo que a apresentacSo dos mencionado
em segundo lugar deve preceder a compe-
tente lictnca do juizc dos orphaos.
InspeccSo do arsenal de minnha de Per-
nambuco em 26 de dezembro de 1857. O
inspector, Eliziario Antonio dos Santo*.
CONSELHO ADMINISTRATIVO.
O conselho administrativo tem de comprar
O seguinle :
Para o meio batalhSo do Cear.
Bonetes 13 ; casemira verde, corados6 |ag
dita amarella, covados 3 1|16.
Armazens do a mota rifado.
lilos de petii marfim 4 ; pos prelo, ar-
robas 2; seccante, arrobaa 1 ; azeile de
coco, caadas 47 ; pavios, duzias 9 ; velas
estearinas, libras 100 ; boles de metal ama
relio 6000.
Quera quizer vender, aprsente a* suas
propostas em carta lechada na secretaria do
conselho, as 10 horas do dia 20 do corrate
mez.
Sala dassesses do conseltaoadministrati
vo para fornecimento do arsenal de guerra,
13 de Janeiro de 1858Rento Jos Lame-
nba Lins, coronel presidente Bernardo
Pereira do Carmo, vogal e secretario.
INSPECCAO' DO ARSENAL DE MARIMI v
Tendo de effectuar-se a compra no dia 21
do corrente, as II horas da manliaa, dea-
gulhasde palomba, colheres de Trro, cera
em archole, delacs de resueno, fio de vela,
lona ingleza, livros embrancodc 50, loo ai
200folhas, lapis, papel almaco ordinario,
remos de lais, e de torcidas irancezas para
o pharol, convida o lllm. Sr. inspector aos
pretendenles a venda a comparecerrm no
dito da cora snas propostasem carta fecha-
da, acompanhadas de amostras at a refe-
rida bora.
InspeccSo do arsenal de marinha da Per-
nambuco em 14 de Janeiro de 1858.-Ose-
cretario. Alcxandre Rodrigues dos Anjos.
Pela aaministracSo da mesa do con-
salado provincial se faz publico, que os 3*)
dias uteis paro a cobranca a bocea do cufre,
dos tmpostos de 4/ sobre diversos etlabele-
cimenlos, de 40; sobre casas de modas, e de
20; sobre casas de [Ogo de Inlhar, do anno
(inanceiro de |I857 a 1858 t-c principian! a
contar do dia 18 do corrente mez. Mesa do
consulado provincial 1 i de jim-iro .] |858.
Antonio Carneiro Mai:hado la*.
I!.
De ordem do lila. Sr. inspe-clor da
thesourana de fazetua se faz publico, que a
mesma thesouraria esta autorisada, por
dem do tribunal do t tieso uro nacional, para
empregar em compra de apolice da divida
- nlihca a quana de 3;4H l -lt,n, peje- muta dn
patrimonio do Seminario L,i.sropal qurm
pois quizer vender as dllaa apolicrs. ratcn-
45,0fKi! da-se com o mesmo lllm. Sr iavaaactor.
30,000 Secretara da thesourar.a ala l.zi-nda ala
30,000 Pernambuco 15 de Janeiro de 1858. o ofti-
15.0061 cial maior,
Emilio Xavier Sobreira de Mello.
Pela subdelepacin da fregue/ia da
Varzea se faz publico, que se arha recolbi-
7,500 do a casa de detencSo a preto veIho de no-
J';|!! me lloberto, o qual declarou andar fu.
n'nm|*wr ecravo de Manoel Netio. st-nhor *o
75I0OO enSenbo Monte: quem lor seu dono, pro-
:kmiO
:10,00o
15.UKI
30,000
22 500
30,000
van do, Ihe sera entregue.
Foram apsrehcnJidos pala dclocana
do segundo dislricto do termo do Recle u
um mez, pouco mais ou menos, un ravallo
;.2,"iii e un menino por nome Manoe,, di' idado de
52.500J 10 a 12 anuos, orphao de pai < mai, natural
W.OOO do Allinlio, que diz fra illudido por um su-
37.000 peito conheeido por alciinha Padre : ouosa
nleeno- Sl" JulSar rn'n dirnto a r>ie me uno e ao ra-
vallo. appareca munido de proraa para Um
ser entregue. Delcgacia do 9 diM.-iclo do
termo do Itecile 1 de janeiro de 1858.
Joao Francisco Xavier l'ae* Barreto.
MUTII ARO


.V
i.i.MiHi >i 'j \\\m\ t) O Wl \ PWM "' i"' JANEIRO ni. tAna.
>
I
Tara a Baha.
O veleiro e bem conhecido palhabote Dous
An igos, pretende seguir com muita.brevi-
dade, tem a borJo duus terc,os de seu car-
re; amento prompto: trata-se com o seu
consignatario Antonio Luiz de Oliveira Aze-
veiiu, ra da Cruz n. 1.
Haeeio
>
Segu nestes dias a barca Cecilia, capitao
Gaspar Leite de Farias, recebe carga : a tra-
tar com Caetano Cyriaco da Costa Morcira,
na ra da Cadea do Recife 11. 2.
Para Lisboa seguc com toda a brevi-
dareonovoe veleiro brigue portuguez Ve-
nus, por lera maior parte do seu carrega-
mento prompto: para o resto e r-assageisos
tratar-se com os consignatarios Thomaz de
Aijuino Fonseca & Pililos na ra do Vigario
n. 19, primeiro andar. dverte-se aos ,Srs.
ca regadores que o frete hede 140 rs. por
anoba de assucar.
PARA O ARACATY PEt.O ASSL"'.
alie impicterivelmente no dia 22 do cor-
renfe o hiate nacioual Duvidoso, ainda re-
cete carga : trata-se com Martids & Irmaos,
ru. da Madre de Dos n. 2.
Para o Rio de Janeiro,
(i bom conbecido patacho nacional Valen-
te pretende seguir com muila brevidade ;
ten parte de seu carregamenlo engajado :
para o reato, trata-se cora o seu consigna-
tario Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, ra
da Cruzn. 1.
Lisboa.
Segu com brevidade o brigue portu-
guez Monteiro I, tem parte da carga
pioinpth, para o resto que llie ialta tra-
ta -se com os consignatarios Novaes & C.,
ra do Trapiche n. 3i, ou com o capitao
na praca.
PARA (I RIO
DE
O veleiro brigue nacional Veloz pretende
seguir com muita brevidade ; tem prompto
metade de seu carregamenlo : para o resto,
escravos a frete e passageiros, trata-se com
o seu consignatario Antonio Luiz de livei-
r; Azevedo. ra da Cruz n. 1.
Para o Porto.
abir at o dia 3 .do correuteo brigne
T'ovador ; para o resto da carga e passagel-
rcstrata-se cornos consignatarios Barroca
& Castro, na ra da Cadeia do Recife n. 4.
liroclltiras e enCader- f V; Nu>posto junto aol.ccco do Rosario
n. 11, tem sorvete todos os das, do ma-
nhaa e a noile, assim como o bom petisco
Je hambre.
uaco.:s.
Na Kvraria ns. t e 8 da praca da In-
dependencia da-se traballio efl'ectivo de
encada naco e Itrochuras, as pessoas
particulares que forem afiancadat.
- Conduzido por Jos Mara, e Manoel
Ribciro, mandado pelo ab so assignado
apadrinhado, e por isso sollo o escravo Jos,
preto, crioulo, altura regular, cara redon-
da, algum tanto corpulento, carreiro, o re-
presenta t-i i" a 45 annus iii iilade pouco
mais 011 menos, gago, entrega-lo a seu
dono o Dr. Jos Ignacio da Cunha Itabcllo,
illudio os portadores, e fugo ; e como te-
nha Iludido juntamente os empenhos do
abaixo assignado para o prender, quem tal
o fizere entrega-lo ao referido Dr. Jos Ig-
nacio em sencngenhoTracunhaem. ou nes-
te engenho Agua aznl do abaixo assignado
recebura do mesmo 100?, assim como perce-
ber a mesma quantia, o mais at, quem no
mesmo angenho Agua azul trouxer o escravo
Joan, fgido em principios do novembro de
1856, pirdo, idade do supradito Jos, testa c
oltios pequeos, apertando-os quande ri-sc,
nariz al lado, beicos grossos, cabellos um
tanto desembarazados, corpo e altura re-
gula, pomas finas, ps mal feitos, mostra
s:r cambado por bichos ou cravos, tem a
iunta do meio deum dos bracos defeiluosa,
eoutr'ota quebrou a cuma do pulso de am-
bos os braros, e que lalvez mu da mostr,
eiplica se mal, e as vezes gagur-ja, he tam-
bem carreiro, o ptimo trabalhador de en-
chada e fouce. Km poder do abaixo assig-
nado continua a estar igualmente o cavallo
apparecido em seu| engenbo, e annunciado
em abril do anno prximo passado a respei-
to do qual ha razoes para crer-se que per-
lence a alguem do lado da Capunga no Re-
cife. Agua azul, na comarct da .Nazareth,
4 de dezombro do 1857.Antonio Luiz Pe-
reira Palma.
Collegio de Santo Andr,
Este estabelecimonto est expnsto a exa-
mede quem quizer, sbreos commodos de
que presentemente goza, com o ter-se mu-
dado do predio da ra do Hospicio para o da
ra da clona n. 59. O director querendo
meltiorar em tudo a sorte do collenial, tem
feito duas mudanzas at que alinal desco-
brio o que de nielhor se podia encontrar
para bem considerar montad') um estabele-
cimento, que lm da utilidaJe, tem por tim
preencher o gosto natural de seu fundador.
Andr Alvos da Funseca Jnior.
Precisa-se de urna muihor
de urna casa de familia
n. 41.
para ama
na ra Imperial
Paca'
sito
IIVJA.... IIA.1A.... HAJA !
Rapazes, temos o nctar !
Nasta quadra chammejanlo
Todo o moco que se prezs,
Refresca o peilo anhelante.
O sorvete quantum satis,
Opinam bous professores,
He rcagento infallivel
Contra mrbidos calores.
A ello, rapazeada I
De pitanga ou auanaz :
O Soaies junto ao Rosario
Para agradar ludo faz.
O salio he dos primeiros
Em candelabros, crystaes,
Roas fructas, sazonadas,
No mercado sem rivaes.
Mas a bolsa v sortida,
Ninguein se faca engranado ;
Que O Ferreira nao supaorla,
Tem nojo do tal liado.
- Prccisa-sc de um caixeiro para depo-
de massa ; na ra Direila n. 93.
He chegado a loja de Lecontc, aterro
da Roa-/isla n. 7, excellente leite virginal
de rosa branca, para refrescara pello, tirar
pannos, sardas e espinhas, igualmente o a-
famadnolco babosa para limpar o fazer cres-
cer os cabellos ; assim como p imperial de
lyrio de Florenca para hrotoejas e asperida-
des da ocllc, conserva a frescura e o avellu-
dado da primorosa da vida.
Segu no dia 25 do mez corrente o palha-
b >te Venus, recebo passageiros a tratar
com Caotano Cyriaco da C. M., na ra da
Cadeia do Recife n. 2.
MaranhSo.
Segu com brevidade o patacho Santa
Cruz, recebe carga e passageiros; a tratar
i om Caetano Cyriaco da C. M., na ra da Ca-
deia do Recife n. 2.
Par o liso de Janeiro
Vai seguir com brevidade o bem conhe-
i ido brigue nacional Almirante, ainda rece-
be carga e passageiros : a tratar com Fer-
nandos Filhos, ra da Cadea do Recife.
Para o Porto segu impreterivelmente
I barca portugueza Santa Cruz no dia 27 do
corrente Para o resto da carga e passasei-
ios, tiata-se com os consignatarios Tbomaz
tle Aquino Fonseca & Finho, na ra do Vi-
cario d. 19, primeiro andar.
companhia
de paquetes inglezes
a vapor.
No dia 0 dele mu .sp.ra-se do ol o vapor
Avon, commantlaate Rivelt, o qual dapois da de-
mora do cottume eguir pira Soulhamplnn, taran-
do n )- portu S. Viconlt, Tenerife, Madeira e Lis-
boa ; para D4* Adamson Howie roa do Trapiche Novo n. 42.
N. B. Embrulhos so se recbelo al 2 lioraa ans
de se (echarem ai malas e depoii mail 1 hora pa-
gando mais um palicao alem do frele.
-- Vndese ou troca-sepor algum predio
um terreno na ra Imperial, com 220 palmos
de frente e os fundos al a estrada de ferro,
e dalii at a do matalouro publico: na ra
Novan 7, segundo andar.
Quem quizer comprar las arithmeli-
caspor Besout, e urna selecta franceza, va a
ruados Marlyrios n. i, que achara com
quem iratar.
Precisa-se alugar umi escrava para
comprar e coziuhar : no Dateo do Cirmo
n. 18.
Fugio-me urna escrava naco Angola
de nome Thereza, estatura ordinaria, secca
do corpo, um tauto velna, porem muito la-
dina, o quanlo falla com alguma pessoa he
muito alegro e pacifica, lera a cor fula, tem
uns pequeos boloes no ro lo, ventas ar-
regazadas ; sahio com vestido de ganga a-
zul e panno da costa, levando um taboleiro
pequeo, com urna toalaa, u consta-me que
ella nao ten. sido pegada, porque dizque
anda vendeudu ; foi esen va de Joaquim
Vieira.e taivez que tambera losse do Dr. Cou-
ceiro, e um seu irmao, cujos senhorios .es-
ta escrava ainda moram na ra do Sr. Ilom
Jess das Cridlas : quem a pogar ser bem
recompensado, levando a verdadeira senho-
rauaciJae de Olinda, na ra do Amparo.
Olinda ISdejsneiro de l5t. uilonia Ma-
ra do Espiriio Santo.
Da-so sobre una preta captiva de mcia
idade, que saiba cozinliar. a quantia que
se convencionar para com seus servicos a-
,-ji s.Kunilo ajusto que se lizer, e tamben)
troca-so uaia preta moga pcroulra de meia
idade, ou preto : quem quizer este negocio,
procure no Recife no Forte Jo Malos, ra da
Moeda n. 32.
Desappareceu da casi do abaixo as-
signada, no dia 16 do corrento, urna negra
com os signaes seguintes idade 22 anuos,
pouco iiiais o i meuos, cor fula, estatura re-
gular, levou vestido de cassa com pialas
encamada e panno pelo ja usado com
barra de velludo : quem a pegar, leve-a a
ra Nova n, 5, que ser bem recompensado,
-liento da Silva Rosas.
Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo tem para ven
der ein seu eacriptorio,
da Cruz n. 1
Porto om csixa.s do urna e duas
Folliinhas de
almanak.
Acliam-se a venda na livraiia ns. 6c8
ila praca da Independencia as lolliinlia
comoalmaiak administrativo, mercan-
til e industrial para o anuo de 1838 a
(iVOrs. cada uina.Tcndo o pceo do tra-
liallio typogtaphico subido mais de por cento do que se paga va no anno
passado, nao loi possivcl ao editor con-
terrar o pceo antigo como desejava e
mesmoo acc 'escimo nao esta' em relac&o
ao pirro que elle paga aos operarios.
SEGURO CONTRA 0 FOGO.
COMPAM11A
COlSLIfORlO nv
DO

I
COMPANHIA
Pernambucana.
O vapor nacional Paronnnga, commandanle o
(enf ule Moreira, silnr para ns porlos do tul de soa
esrala no dia 22 do crrante as 5 horas da iinnh ia,
recebe carea par* us dilos parios al o da 20, a qual
era depositada no armazem da companhia, acoii-
paohsda dos competentes despachos eonhecimen-
los.os quaes serSo entregues assiguados no dia 21 no
escriplono da xereneia, cujo espedieute se fechar
ai 4 horas da larde do mesrno dia.
PARA OLEARA'.
Segu na presente semana o bem conhe-
cido hiate Capibaribe, para o resto da car-
ga e passageiros, trata-se na ra do Vigario
n. 5.
Para e Rio Grande do Norte a barcaca I ni.lo
do Norte, meslrt Manoel Ignacio Rodrigues, anda
recebe alguma carga : trjtar na ra da Cadeia do
Recife n. 50, primeiro andar.
8ttU>?&
N. O. Bichero. C, taranleilo,por
intervenro do agente Oliveira, de um
completo sortiment de fazendas iogle-
zas, francesase allemaas, de seda, la, li-
nnoe de algodao, todas proprias do mer-
cado e para a prxima quaresma : quar-
ta-fin20do corrente as 10 horas da
manhaa no seu arina/.em ra da Cruz.
*fi>*> SaD^tfti.
ra
Vinbo do
duzias.
Algodio da Iahia.
Charutos supenorer.
Camas de ferio para soIteirDe casado.
Cn pra-se um quarta para cabriolet :
na ra do Collegio, taberna n. 25.
Precisa-se de um Portuguez para tra-
balhar em um sitio; prefere-sc llheo : na
ra do Collegio, taberna n 25.
Precisa se de um cixeiro de li a 16
annos: na ra do Range o. 13, e que tc-
nha bom talho de leltra.
Precisa-se de 3 amassadores : na pa-
daria da ra dos Pescadores.
100*000 de grai caQSo.
No dia 5do Janeiro do correcta anno fu-
gio da fazenda do Tab cm escravo de no-
me Luiz, crioulo, idade 25 annos, pouco
mais ou menos, altura mediana, bonito,
grosso do corpo, cor bem preta, bem bar-
bado, cara abocetada, dentes limados, tem
urnas cicatrizes as cosa; deacoutes. bem
fallante, ps pequeos o bem leitos ; vai
montado em um guarto ruco, grande, ca-
pado, sellado com sellirn de vaqueiro, e
enfreiado ; vai em trr.jos il*s roupa de couro ;
leva nm tnatolao de carneiro, urna rede,
urna coberta de chita, tamisa de algodio
azul, e mais rouoas brancas de diflu entes
qualidades : toda a pesso que o apprehen-
Uer, dirijn-sc ao Sr. An.onio de Azevedo
Villaroco. ra do (.lueimado n. 5, ou a seu
Sr. Manoel Rodrigues do:; Santos, morador
na fazenda do Tah, comarca do I.imoeiio,
que sera recompensado com a quanlia de
lUOjjrs.
Era I ora de Portas n. 05 recebe peise
dos curraes do no. le ; a isim todas as pes-
soas que quizerero comprar, dinjam-se a
mesma casa. As mares sao agora de inanha,
e quano for de larde, :ie dir aos poru-
dores.
Esta ainda fgido desde 1851 o escra-
vo pardo, Salomao, ollcial de aHaiate, idade
:iS anuos, baixo, grosso, ledos do pe cur-
tos, anda calcado, lem falta do p esquerdo
e anda em perna de pao, elle diz ser forro :
quem di;lle liver noticia, e o trouxer ao Re-
cife, ra da Soleuade n. 70, da-se-llie nie-
la Je do seu valor.
Vende-se na ra estrella do Rosario
o. 31, armazem de trastes de Jos Uoreira
da Silva, vidros de espellios de lodos os U-
manhos, ^ara toilettes a locadores, assim
como cadeiras americanas de to las as quoli-
dades, e pedras marmrea de lodos us lama-
nhos, tudo meis em con'.a do que em outra
qualquer parlo.
Os abaixo asslgnados avisam aopublico
que estao recebendo continuadamente grru-
des sortimentos de obras de curo as raaisem
moda, tanto para senhoras, como para ho-
rnens e meninos, a precos muitorazoaveis;
passam-se cocas com responsabilidade, es-
pecificando a qualidade do ouro de 14 ou 18
quilates, lcando assim sujeitos os mesmos
por qualquer duvida Da ra do Cabug
n. 11, loja de ourives.
Seraphim &. Irm.lo.
OSr. .Ioa<|iiim Antonio de Moracs
({lie morn ou mora na ra do Caldeirei-
rodesla cidade, queiradirigr-sea esta ty-
pographia a negocio que sahe.
Temos por vezes levado ao conhe-
ciment do publico que um 'unecionario
(mili.cu teudo ahusado da conlianca um homem de quem se dizia amigo,
comprme! teu-o em quantia nao pe-
quea, e leudo alcancado tudo quanto
amhicionava, nao tem dado cumprimen-
to a seus tratos ;e pelo contrario vai en-
tretendo-o com promessas \aas, sem ([ue
trate de acabar com este desgracado ne-
gocio, isto lia mais de 7 anuos!! Quem
tal dia! 1 Basta de tanto solliimento
Sr......Se dentro de 5 dias nao
esti ver este negocio acabado, levantara'o
veo que cobre esta perfidia.
COLLEGIO DE SANTA THEREZA.
A abaixo asignada, professea parti-
cular, e directora do colegio de Santa The-
reza. participa aos pais das suas alum-
nas, e as pessoas a quem inleressar, que ja
prtncipiou oexercicio das .lill'erentes dis-
ciplinas de seu collegio, e quo lambem con-
tinua a recebar pensionistas, meio pensio-
nistas, e externan, na praca da Boa-Vista n.
32, segundo andar.
Thereza Cuilhermina de Carvalho.
Alega-se o armazem da ra do Trapi-
che Novo n. 6, proprio para deposito : a
tratar no primeiro aiidar dq mesmo.
Da-se iliutieiro a ju-os razoaveis sob
penhores : na ra da Piaia, segundo andar
n. 43
- Os abaixo assignados scienlificam ao
respeitavel publico, que clles amigavelmeD-
te dissolveram a sociedade que tinbam na
botica da ra do Cabug n II, sob a firma
deJoaquim Martinbo da Cruz Crrela & C,
fies mo o socio Augusto Jos Fragoio com
a botica, e o activo e passivo da mesma so-
ciedade. itecife 18 dsJaneiro de 1858.Joa-
quim Mariinho da Cruz Correia.Augusto
Jos Era gozo.
O abaixo assignado previne aosdeve-
dores de mais de anno, que se dentlo
prazo do 30 dias a contar da dala do pre-
sente, nao vierem remir seus dbitos, far
pubiiear seus nomes por extenso, e as quan-
tias que estilo a dever. Pemamhuco 18 de
Janeiro de 18i8.Jos Joaquim Moreira.
J Falque avisa ao publico, que Anto-
nio Jos Lene Hastos dcixou de ser seu cai-
xeiro desde 16 de Janeiro de 1858.
- Joo Eernan es Prenles Vianna, faz
seiente ao coaimercio desta pra<;a, queem
31 de dezembro do anno passado, vendeu
sua loja de f Trageos sita na ra Nova n. 20,
ao seu ex-caixeiro e iuUressado o Sr. An-
tonio l>uarte Carneiro Vianna, que dora em
diante vai continuar com dita loja por sua
propria conta.
~- Antonio Duarte Carneiro Jnior par-
ticipa ao publico, que desde 31 dadezetn-
bro do anno passado, [>as."ou a assignar-se
por Antonio Duarte Carneiro Vianna.
l'recisa-se de um caixeiro, na padaria
do Porte do Matos, que tenha alguma pra-
tica da mesma ; e tambam precisa-so de um
furneiro.
Na ra da Cadeia do Recife n. 54, de-
s-ja-se Miar cot os senhores abaixo decla-
rados, a negocio de seu interesse : Ignacio
Francisco Caetano, Manoel Pereira Rrand.lo,
Antonio Nunes de Mello, Francisco Luiz Vi-
riles, aos herdeiros do fallecido Luiz l'auli-
no Cavtlcanti Vellez de Cuivara, Jos Eus-
taquio MacteP Monteiro, Vicento Ferreira
ftarros; estes senhores moram em Olinda :
o mais aosseguiotes : Jos Francisco Relem
Jnior, Ronifacio Jos Comes de Mattos,
Victorino Ferreira de Azevedo, e estes do
Recife. Nao se para al cansar.
Precisa-se de nina Erna s para encom-
mar e coser para duas pessoas ; no pateo do
Terco n. 40, se dir quem precisa.
--- .\luga-se urna boa casa no Pco, con-
fronte, o sitio do Sr. Joio Mutleos: a irstar
na ra do Caqug, loja de ciliado n. 9.
Perdeu-se uma carteira com urna
letra, dous vales e20.$ at ">t),s em dinhei-

i!
Estabelecida era Londres,
era marco de 1824.
CAriTAL
CINCO NILHO'ES DE LIBRAS ES-
TERLINAS.
Saunders, lirothers & C. tema honra de
informar aos senhores negociantes, propie-
tarios de casas, e a quem mais convier, que
estiio plenamente autorisados pela dita com-
panhia para effecluar seguros sobre edifi-
cios de tijolo e pedra, cobertos detelha.e
igualmente obre os objectoj que cunlive-
rem os mesmos edificios, quer consista em
mohilia, ou e.m fazendas de qualquer qua-
lidade.
O hachar d A. R. de Torres Bandeira
niu.lou a snii residencia para a ra larga do
Rosario n. 23, segundo andar.
-.:'-.;:,:,,:..::.:..
C:
O Dr. Ignacio Firmo Xavier es- ;.;
tabelereuem seu sitio da Passagem 9
da lagdalena, que lica ao norle ^
da estrada entre a ponte gran
ea pequea do Chora-Menino, ex-
cellentet acommodacSes para re-
ceoer todas as pessoas enfermas
que se quizerem utilisar de seus
servicos mdicos, os quaes serio
prestados com o maior esmero.
O mesmo Dr., para o lim supra- $5
indicado e para excrcer qualquer O
outro aoto de sua profissao den- fi
tro ou Fra desta cidade podera' V.:
Ser proc lirado a qualquer hora do j>
dia e da noite, no rei'erido sitio, S(
a excepcao dos dias uteis, das 9 @
^ horas da manhaa a's 4 da tarde,
S? quesera'encontrado no primeiro @
@ andar do sobrado n. 9, do jiateo @
V.; do Carmo. el'.
O abaixo assignado participa ao res-
peitavel publico e mxime aos Srs. pas de
seas alamr.os, que pretende dar principi
ao exercicio de seu magisterio no dia 11 do
corrente, admitlindo em sua aula alumnos
internos etxternos para serem leccionadns
em primeiras lettras, latini e francez : quem
do seu presumo se quizer utilisar. dinja-se
ao tereciro andar do sobrado da rua .Nova
n. 58. Jos Maria Machado de Figueiredo.
REA DA CADEA, DEFRONTE DA ORliLM TERCEIRA PE S. FRANCISCO.
Onde seacham sempre os mais acreditados medicamentos tanto em tinturas como
m glbulos,* preparados com o maior escrpulo o por presos bastante commodos.
PRECOS F1XOS
Botica de tubos grandes. 10/ono
Dita de 24 155000
Dita do 36 205000
Dita de 48 c n 2 ..-oi.o
Dita de 60 a 30s00
Tubos avulsos a....... 19000
Frascos do tinturrsdemeii ones. 29000
Manual da medicina homeopathica do Dr. Jabr com o dic-
cionario dos termos de medicina : SOJOOa
Medicina doiieslica do Dr. Henry......, 10#00#
rratamento do cholera morbus....... 2/000
Repertorio o Dr. Mello Moraes........ Cf 00

O
O-
o
*
G3

O
O
. ri:i)R \s riiEc.HisAS.
Adtrecosde hrilhanl*,
diamanln e perolan, pul- *
nir.is. aifintlen, briuros 'VJ
a ruzelas, holfies nnneis S
do diirerenlrt golos e de .
ilivers.-is perirai de lalur. 1
Rya
Lr.'i. ti mim
do Cabug' n. 7.
a ecehem por to
dos os vapores da Eti
*" Compran), vendem ou
J trocum prala. miro, bri-
* llianles.diainanlr.e paro. IO|);1 :sohl-i lf IIImk^ prai paTacha",' bandeja".", >%
a outra, nones;lu,r v "F" <**OF>. ,lSOO lUrilte Calvas"Ca,liSae., eolh.ra. ?
2 Joias de valor, a dii.heiro *
* .>
* OL'ROE PB_\T.\.
_ .?
Arterero, eomplctns <1 .
m ouro, mios dos, puUei-
* ra. alfueten, brincoi e H
B rojetas, cordoes, tranrol-
' !in, medalhas, correntes y
i c enfeite p.nra reoslo, e ';
"' oulroa muito objectosde *
uro.
Aparelhoi completo de 1
2moderno eosto, tau-i 1de,,ec"
_^ ~ :r ton outroi obi
to outroi objectos de
?
: ^ ? +. *.? -^ :?. :* v-: .*:::?*
ou por obras.
MHSBaK8g ,;to d Franga corao,
de Lisboa, as quaes vendem por
pre$o commodocomo costumam.
Seguro contra
fogo.
COMPANHIA NOKTBEN, CSTAELC-
Cll)\ Eli LONDtES.
Premios diminuidos
AGENTES
C.I.Astlev &'Co' Dinhia.
.
No dia 3dojar.eiro de 1858 furtaram
do cercido da fazenda do Balsamo, do abai-
xo assignado, do termo de Cimbras), um c
vallo com os signaes seguintes : castanho
pequeo, com -2 rederaonbos no encontr
da pa, sendo um na direila e outro na es-
querda, uma pinta preta na pa esquerda e
outra no qtiarto do mesmo lado, ao p do
mesmo quailo com urnas platas, rauda
comprida, caberla um pouco feia. idade de 7
a Saniios, baixeiro e bom meeiro, quaodn
anda no meio pega bastante na brida, no
baiio abre um tanto as pernas, c lem um
ferro no quarlo direito o abatan assignado
roga a todos que por acaso virem tal cavallo
em mao de alguem, de o tomar e manda-Io
trazer na villa de l'i-squeira, ou na dita fa-
zenda, queseao bem recompensados.
J. Ignacio de S. Cavalcanti.
O pratico-mor achaodo-sc autorizado
para contratar a factura dos c-oncertos de
que necessila uma lancha da pratiragem.
convida a algum dos senhores ineslres car-
pititeiros, ou mesmo primeiro oflicial deaae
ollleio a tomar por empreilada essa obra,
podendo para isso examinar a lancha ou
se acba encalhada junto ao harracSo da pra-
ticagem.
Prccisa-sc de uma muIhfTportugucia
e .I boDS costumes para dirigir uma casa n
cuidar de alguns meninos : quem a islose
quizer sujeilar, annuncie por este jornal
para ser procurado, ou dirija-se a rua da
Santa Cruz q. -18, para tratar do ajuste, das
6 as 8 l|2 horas da manhSa. e das 3 da tarde
em dianle.
Lotera
DA
provincia.
O abaixo assignado avisa ao publco|<|ue
dehojeem vante se obriga a pagar a sor-
te grande ea immerliata no da da e\-
tracc^o em seu escriptorio na rua do
Collegio n. 21 primeiro andar. Vende
em porcSo de 10D.V para cima dinlieiro a
vista bilhetes e meios garantidos dos 8
por cento pelos seguintes precos:
Bilbetet 4#500 Heioi 2.s-0
o bilhetes da loteria recolliida saorece-
bidosem troca deoutros.
P. J. Layme,
Companhia
ALJGIJEL
Anda enntinuam a andar fgidos os
seguintes escravos: l.miruido, pardo, re-
presenta 16 anuos de idade, ror um pouco
clara, cabellos crespos, fui escravo do Sr.
Manoel Marlins Veras, morador no ri-cho
dos Porcos, provincia do Rio Grande do Nor-
te ; Carrillo, com 18 annos pouco mais ou
menos, cor de guagiru', cabellos crespos,
altura regular, tem em uma das pernis uma
ferida, he flho da provincia do Maranhao :
roga-se as autoridades policiaes e capitjes
de campo, que apprehendam estes escravos,
e f.icam o favor le leva-Ios a rua do Collegio
n.2, oua rua Direila n. 20, que se recom-
pensara bem.
Precisa-se do uma pssoa que tenha
noefies do desenlio, c qoeira dedicar-se a
arle de gravura, que se le.e cnsinar gratui-
tamente e comecara (fanhar logo oue seus
trabalhos poderem utilisar: no sobrado da
esquina, confronte a matriz nova de San-
Jos.
Precisa-se de uma ama sena, de
bons costumes : no aterro da Boa-Vista so-
bradoamarellodefrot'te da matriz.
O abaive assignado esta' autorisado
a fazer seiente as innandedes do Divino
Kspirilo Santo do Collegio, S- Josed'Ago-
nia, Passos do Recife e a outras que se
ignoram, qoeno dia II do corrente fal-
lecee o irmao deltas Francisco l.udgero
Rodrigues Cancilla, residente na cidade
de Macelo, pelo pese dignem fazer os
suOraejios emais obseq tios que llie sao
ilevidos.
Fose Pmto fiase a qimntia de 20s rs. m nsaes
plo aluguel de um bom escravo : no sobra-
do da esquina confronte a matriz nova de
San-Jos.
ro e alguns oulros papis : quem quizer
restituir podeficar como dinheir e diri-
pode
ja-sea ruada Cruz n. 11, casa de J. Prae-
'GABINETE PORTUGUEZ
DE
Na lirraria da prar;a da Independencia
ns. 6 e8 precisa-se fallar ao Sr. Luiz Perei-
ra Vianna.
Precisa-se de nma ama para casa de
duas pessoas, para comprar, cozinliar e en-
gommar ; na rna do Rosario da Boa-Vista,
loja n 26.
COLLEGIO ATHENEO PALLISTANO.
Estabelecido na imperial cidade de S. Paulo,
do que h*. director o proprictario Julio Ma-
riano Ca!v3o de Moura Lacerds.
() absixo assignado participa aos senho-
res pais de familia desta provincia, que es-
tabeleccu na imperial cidade de S. Paulo,
capital da provincia do mesmo noaie, o col-
legio denominado Atheneo Paulistano, com
autorsacSo expressa, e nelle recebe mogos
de todas 8^ idades, prestan !o-lhes a instruc-
q3o nccessiria, casa, sustento, roupa lavada
e engomnada. Neste collegio ensina-se:
prireeiras eltras, grammatica nacional, la-
tim, francez, inglez, rhelorica e potica, a-
rithmetica e geometra, philosophia, histo-
ria egeogr^phia, etanibem msica instru-
mental e canto. Euncionam diariamente
13 aulas regidas "or 10 prof-issorcs csculhi-
dos das pessoas mais habilitadas.
O director com sua familia residente no
eslabelccimcnto, fazem com que o servido,
feito por''dadores, criados e escravos ne-
cessarios, sija sempro regular lluito ra-
zoaveis e extensas sao as coir.lic/is que
se lera estabalecido para esse collegio, que
conta um grade numero de collcgiaes in-
ternos, meio pensionistas, e externos, dos
quaes EiC lem sido approvados pea acade-
mia desciencias jurdicasdaquelia cidade,
sendo :
\pprovad:>s em francez......i,
I lem em ingle/.........26
I lem em latim.........21
I lem em .irilhmetica e geometra. 16
dem em rhetorica........11
'dem em philosophia.......10
dem em I isloria e geographia. ... 8
Total. 139
Entro rs condices eslabelecidas, e que
constara graphia, So multo favoraveis, nao dormi-
rem os ccllegiaes fora do collegio, tratarem-
se no eollegio todasas enfermidadcs (mi nos
as contagiosas) agudas ou chrooicas, com
lauto desvelo, que varios cnllegises se lera
restabelecido com deliculdado oe molestias
gravissimas, nao poupHiido-se o collegio a
todas as I idigas e incommoJo.
Alera disso o director esta prompto a ser
correspoi lente de tollas os pas de familia
desta previncia, diriginio as despexa le
seos Gibes de modo, que nao liajarn faltas
uem dispsrdicios, comprimi religiosimen-
le ascar.as do ordens que lite forem trans*
mitlidas. O abaixo assignado acaba de cons-
truir un grande edificio do proposito para
um colle,;io, em que muito lem empregado,
Leitm

SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
DO
DMIPILftl] @ iiaiOL
Estabelecida no 3io
de Janeiro.
CAPITAL .(.000.000:000
Agencia, rua da Cruz. n. 45.Escripto-
rio de viuva AmorimcV Filho.
Nesta agencia aceitam-se seguros tanto
martimos como terrestres aos presos mais
mdicos possiveis.
POBUCfcCAO' JURDICA.
Chegou de Lisboa Manoel do Nascimen-
t Pereira, rua de Apollo n. 16, segundo an-
dar, a obra cm 8 voluntes Theoria do Direito
Penal pelo conselheiro Silva Ferr3o, bem
como o cdigo da Prussia, traduccSo do
mesmo senhor ; aquella para ser entregue
aos Srs. subscriptores, pelo prec.0 de H'cOOO,
e para os que nao sSo pelo de 1*9, pagos no
acto da entrega ; e este, para se vender pe-
lo de 19800, na mesma couformidade.
O abaixo assignado, tendo resolrido
(izar a sua residencia em o seu sitio na Ca-
punga, margem do Rio, pretende regular-
mente ah permanecer di,.s6da tarde as 7 da
manbaa afora dessas horas a cha-se na
mesma casa em que desde muito habita, na
rua do Livramento. As pessoas desta cidade
e de su clientella, que precisarera de sua
presenta naquellas oras, sero prompta-
meiite servidas, mandando-lhe all aviso, e
quando nao queiram ter esse incommolo,
podem dlrigir-se ao Sr. Dr. Pereira 03 Car-
mo, que se prestar a substilui-lo. Par* os
casos urgentes acha-se munido em seu sitio
de uma ambulancia provida das substancias
que podem ser precisas tiessas occssiOes.
Com quanto continuo a dar-so ao exercicio
de todos os ramos de sua arte, applica-se
particularmente as operacAes cirurgicas,
inclusive as dos partos, e trata especu Inten-
te das 8necc.es dos org3os respiratorios e
circulatorios, cuja pratica Iho he geralmen
to reconhecida. Recife 1.- do Janeiro de
1858.Dr. Jo3o Ferreira da Silva.
0 BIBLIOPIIILO
PUBLICA^AO PERIDICA
M3ME
Dn. CFiLGUEIRAS.
OBlRLlni'IIILO he uma puDlica^no
mensal e sahira a luz no ultimo de cada
mez, forman lo dous voluntes por auno.
Constara cada numero de 32 a 40 paginas ou
* a 5 folhas de ImpressSo ntida, em ptimo
pa ella. Os cscriptos n3o serao inlerrooipi ios
e terSn paginaco especial, (.ara que possam
licar divididos, sem offender aui.idadoda
publicacSo, a qual s sera conservada as
capas mensars e no frontispicio, ndice e
e acha-se munido de. to los os recursos pre- capas do lim do semestre, poca cm e|ue co-
No se tendo reunido numero so Dctente
de senhores conselbeiros para a sessio do
15 do corrente, sao novamente convocados
OS mesmos senhores p.ira sessSo ordinaria
rio dia 20 do corrente, as 6 i|2horas da tar-
de, ni sala d?s sessfles do mesmo cooselho.
Secretaria do ceuselho deliberativo 16 de
Janeiro de tS.">3.--0 secretario,
Rodrigues Pereira.
OSr. Antonio Comes Rbeiro tem uma
carta viada de Macelo no e.-c iptoriodo Sr
Manoel da Silva Santos, na rua da Cadeia do
Recife n. 62.
- OfTereee-se urna mulher para criar um
menino de leite em sua casa : quem pre-
cisar dirijt-se a rua do Rosario n. 58, de-
fronte da rua do Aragao.
A fabrica do sabo da rua Imperial,
admillc srvenles escravos para o servido
intu no da mesma fabrica ; Dagase bem.
RETRATOS
celo novo systema elcclrotypo, rua Nova n.
23. galera de Arsenio CaJault, primeiro
andar.
Pr.risa-se de um caixeiro de 14 a IG
anuos de i lade, para taberna, e de liadnr a
sua conducta ; a tralar na rua larga do Ro-
sario n. 5.
cisos parn na forma do seu programla faz r
a BSsUteucia aos filtios naquellas pessoas
que nelle quizerem depositar sua confiance.
as pessoas que quizerem remellar seus li-
Ihos devera mandar uma carta ao director
abaixo'assignado, cm que determinen, as
sssislencias, e por ellas seresponsablisem.
O collegio recebe. 100$ rs. por trimestrede
cada collegial; sendo porem dous irmSos
pagarflo someute 90/rs.e sendo tres ou
mais irmaos, pagarSo sonicnlo S05 rs. por
trimestn .
A aula de msica paga-86 separadamente
lloje, quo ra.ii.olii ciJadC le S Paulo, os
gneros de primeira necessidade, casas, e
tudo o mais, se acha por um preco tSo ele-
vado, quo 609 rs. <.".) insuficientes para me-
sada de um moi;o para alli estudar, offefecn
este eslabelecmeiilo toda a vantagem pelo
lado pecuniario, porque
mecari 0 segundo vulume. Quando ern al-
mtu icez a materia exigir augmento ou di-
iniiiiiie.'io das p; iinas detertiina 'as, o mez
seguinte compensara o anterior. Nao se vn-
denlo nmeros avulsos: s os assgnantes
receherao o ISibliophilo, sendo a assignalura
do 107000 adianlados e recoeltidos com
resposta ao prospecto o convite do redactor,
o qual se responsabilisa pela prompla resti-
tuirlo no caso de sobrevir qualquer trans-
torno que impossibilitc ou suspenda a pu-
blicacSo, sendo que nesta ultima hypolhese
se dcduzr da assignalura a importancia
correspondente s despozas j feitas. Toda
a correspondencia deve ser dirigida ao es-
criptorio do redactor, rua de S. Pedrc n. 85,
ou typographia do Sr Paula Rrlto, praca
da ConstiluiQao ti. 64. Para lora da corle ha-
veri o augmento do sello respectivo. Subs-
ereve-se em Pernambuco
Aluga-se unta preta forra ou captiva para
fazer o servico interno c externo de unta
casa do pouca familia ; paga-so bem : no
pateo do Carteo n. 9, primeiro andar.
Precisa-se de tomar a premio a 6 con-
tos de reis a um por cento, dando-se por se-
guranza um predio de grande valor quem
quizer fazer seinelliante negocio annuucie
qara ser procurado.
Na undicao da Aurora precisa-se
de serventes forros ou escravos, para
servico dcbaixo de coberta.
JOHN CAT1S,
corretor gcral
E AGESTE DE LEILO'ES COM1IERC1AES,
n. 20. rua do Torres,
PRIMEIRO INDAR,
praga do Corpo Sanio
Oefronte da ordem tercei
ra de 8. Francisco
CONSULTORIO 110MEOPATHICO
no
'DR.P. A. LOBO HOSCOSO
Medico partei.o e operador.
O Dr. Lobo Moscoso, d consultas todos os
Jias e pratica qualquer operaqSo de cirurgia,
assim cor.o.acrodo com toda a prompttdSo,
as pessoas que precisarem do seu prestimo
para o servido de partos, platicando as o-
peraces manuaes ou nslrumentaes, quan-
to n3o possa couseguir resultado ror meio
da homeopatbia, que tantas vezes tem ven-
cido dilheuldades, que parcciam insupe-
raveis.
Precisa-se de uma anta forra ou cap-
tiva, para o servido e uma casa de pouca
familia; na praga do Corpo Santo n. 17.
PENTES DE CVOITCHOLC E\D-
KECIDO, DE FAUVLLLE-DELEBARR
DE PARS.
Quatro annos de experiencia tem assegu-
rado aos pentes de caoulchouc a voga que
huje tem, n3o s em Ei anca como no inun-
de inleiro ; s3o sem contradiccao os mais
agradaveis de todos os pentes, mais brandos
que os de tartaruga, sao os nicos que nao
fazem cahir o cabello, por causa da eleclri-
cidade que contm.accrcscendo a estas van-
tsgens a de n3o serem mais caros do que ba
de bfalo. A esta admiraovel invenc;3o de
exposi^So universal de 1855.
D\r.lERRE0T\P0
A galera e ollcina do aterro da Roa-Vista
n. 4, terceiro andar, acaba de receber de
Franca pela barca Tampico um rico sortt-
mento de caixintias c oulros objectos para a
coIIocsqSo dos retratos. Existe na mesma
casa uma bella COlleccSo du cllinets e cas-
soletas de ouro para retratos. Os precos dos
retratos continuam a ser veriavelmente de
' a 1:2? em euixin s, de 7 a 183 em moltu-
ras pretas ou douradas. do 12 a t6/ em cas-
soletas de ouro, e de 18 a 255 em allineles
lambem de ouro.
Precisa-se de uma pessoa para o servi-
co interno do uma casa estrangeira que cozi-
nhe eengomn-e: na rua fcova n. 17, se dir
quem precisa.
'$#.::: ..: ,::;..
DENTiSTi FMHCEZ. $
j^ Paulo Gaignoa\ dentil,r uaNova n.41 i ^
W na moma cata lera anua e pt mirifica. C;.-
&%%%%%&& &%Q*im
Lous Lucien Poulan, socio gerente
da casa coaimercial desta praca sob a fir-
ma de I.eteclier & C, tendo de fazer uma
viagem Europa deisa encarregaao dos ne-
gocios da mr-sma casa, com procurarlo bs-
tanle, a Jos de Albuquerque S. do Amaral,
c Euiz Poulain.
J.uiz Antonio Pereira pede a seus de-
vedorese aos do casi I de seu tinado sogro
Eranciscoda Silva, bajara de vir saldar seus
dbitos at ao lim do prximo mez de feve-
reiro, lindo o qual tora de proceder judicial-
mente a sua cobranza ; os mesmos devedo-
res o poderSo procurar na sua rc> leis,
ruada Aurora, casa da esquina do Aterro n.
62, ou na rua do Queimado n. 18, loja.
ChrisirtH em Oliuda.
No dia .'l docorrentj mez, polas horas
da tarde, S. Exea. Rvra. administra o santo
chrisnta na igreja do Seminario.
c-;:::::::..:. : ::-.':;
Chegou a loja ao
|| p do arco de Santo
l Antonio, estamenha
para hbitos dos ir=
mos da ordem ter-
ceira de .
O
I
; :
%
i
i
O
PROVINCIA.
O Sr. Ihesotireiro das loteras manda
fazer publicoqae se acham venda no
pavimento terreo da canda ruada Auro-
ra n. II), dos 9 horas da aannisia ss 3
ila larde bilhetes o meios da le celia
parle da primeira lotera do rccolhi-
iiienlo andarn no da >' do crrante mex. Ad-
verte-se aos Srs. jorjadores que a sorte
grande ea immediata sao papas logo que
sejam publicada na extraecto.
Tnesouraria das loteras, 1( dejaiseiro
de 1858.O escrivao, Jos Maria da
Cruz.
Lotera
DA
Provincia.
Qoarta parte da terceira loteria do hos-
pital Pedro II.
Foram vendidas as seguintes sni t
felizes billielesrubricados pelo abaixo as-
r;nado :
Hs.2060 t:0a0f Billicte.
7,01,2 1 :000>) 2meio.
186 200f Bilhete.
1002 2O0| Dito.
283 100S Dito.
:.-->\ IOOjj Sbbh
I8M I00| 2 ditos.
I8r>n loiM 1 dito.
'.).">:. 50| -2dito.
isr.ti iO.s- 1 dte
.156;. 50J 1 dito.
_)7. aQf B'.Ihelc.
'2708 oO.S 2 ir.
V-im como alguns premios de 2iJ c
1 OsOOO.
Os premios cima notados siio pago*
no escriptorio da rua do Collegio n. 21.
* f Laym-.
Lotera
DA
'
ffiiV _i
'.- -^ ... ..
Consultorio


CENTRAL HQ^EOPA-
TH1C0.
1I A DE SANTO AMARO,
Hundo Novo n. 6]
o !ir. Sabino Olegario l.udzcro Piano

pre-
iii.'i pai mandando
jseu filho pa o collegio, gasta metade do [8 da prca da Independencia.
I que fast." ria seo mandasse para morar fora. I v j i
alcmda grande economa de mapa, caie^' ~ ^h'" b.rC' dar,"a d.1 Bru-,n 28, ,
dos etc. Os senhores pas do familias que *T.^}V^^' serra,hel-
quizerem depositar sua conOanca no abaixo
assignado, podem diiigir-se-lne directa-
mente por carta, ou renictterseus filhos na
certeza lie que encontrarlo franqueza e ver-
dade.
Este cstabeleciment foi visitado pele
te ui to digno Sr. Dr. chele do pulida desta
provincia, Agoslinho Luiz da (.ama, de
quem poderSo os pais oe familias obter os
esclarec montos que precisarem.
Colleg o Atheneo I'-uili-lauo nesta impe-
l'recisa-se de uma ama para o servi-
do interno de urna casa de pouca familia :
na rua do Encantamento n. 77, taberna.
Precsa-se alugar um escravo pf ra ser-
vico de urna padaria ; e juntamente de uma
ama para servido de casa e compras, sendo
para duas pessoas de familia ; passando a
fundicSo na desoa padaria.
Iii-se 1:0OOr00U a premio sobre hypo-
nal cidade de S. Paulo 12de novembro 1857, thect ern bens de raz: quem quizer,
Odirector, Julio Mariano Galviio de Mou- nuncieou dirija se a rua de S. Jos, cas u.
ra Lcenla. 126, que se dir quem da.
Provincia.
Terceira parte da primei-
ra loteria do recolhi-
mento da CoocecAo de
Olinda.
Aos 4.000,9 t; 1:000.
0 absfxo assignado tem expusio a venda
ns lejas d i costuras ns saos lnlhetcs intei-
res e meios da lotera acuna, n descont
dos oito por crotfl ser linmedatamenta
pago na rua da Ca4eia do Reciten. es-
quina da Va !rc do Dos.
PorSalustiano de kquino Ferreira,
* Jos Fortunato dos Sanios I orto.
l'recisa-se alugar uma preta forra ou
captiva para o -idrfami-
t_' lia de 3 pessoas: a tral ,i em Beberibe,eaaa
do professorpablico de rimeiru lettras.
.Vanorl '.'lino tle Alhiqaer-
quo milou a sua i para a rua do
| Livramento n, _'-, primeiro andar.
(N herdeiros do finado Franchm4a
. Sil vi decl iram ter constituido procurador
-; : bastante a seu conhado Luiz Vntonio l'crei-
a cobranea do quo dvem
sseu finado pai e '. lii o osemeffeito
um qualquer procura rabstabelea
Qipobressa. medicado, gratui- "'"":."": : !ito?e!0**?.* "
rua Imperial
iiii-n'iiii.i.i (.i i i *.'T i'. O mOfi
500^000 t!
leudo sido furtado .,
, 35 annos, altura n ri ic.ionda, com
dos depsitos, alvarenga etc., etc., per- ,, s w|,entes, bocci g'ando. denles li-
tencentesao empreteiro da estrada de ter- mados, tendo do to uaaigstalda
ro G. Furness, este pelo presente pro- golpedefboc.....' o pulso do mesmo
metteoOO* deeratilicraoa quemlhe der l,rar"lMa cicatriz provenieotedeqBwiaaa-
__ du'a, he rendido de urna veril ha uuem o
notiaacomprovadepessoasquetivereni pr;i|KM1., r> ,,,,.., da fcbhc. qu "
furtado ditos matenaes ou le compra- dar 50S0O0 de g-atificac2o.
do,n s de t es objectos, promette guardar .._ ,,r(,ns!1.SB dc lim, ,raa forra toda intormacoem seg i y^ ,,,. sa,tia dizinhar e later as compras
-Antonio Jos da Costa Cabrslvai a Earo- para casa de pouca familia: na rua do yuei-
pa a tratar de seus negocios deixando por seus mado n. 2.
procuradores os Srs. Valla A IrmSo, em pri-1 Niruadotabug4ii.il, precisa-sede
raeiro lugar, e em segundo lugar .Manoel um ollcial que suba bem trabslhsr em
Caelano JJorges da Silva. I j.harmacia, Da-se bom ordenado.

.;-
..".; d eoMalla* todo ai
rP horas da rnaabia ai O.convi- '*
^ te pura virila deverao spr iliriuido por
-. C-.Tipto.
'*-" lamente.
nli i -o. Hecifo l.i de Janeiro de Is58.
anvramns"^ ^0^:J:.,... 5@J IH teta
... ausentou-se no du m'iro pmximo
I". I i li'HCtO. passs lo o escravo crioulo de nome Jos Boi,
diversos materiaei 'endoosseguit a: coi preta. idade
MUTILADO


i
OTARIO DF. T>CTXAMmT.O QUARTA TETRA 20 DE JANETRO DE 1S5S.
/
Altcncaa.
Urna pessos temi mobilias, sendo 2 de
Jacaranda, obra milito boa, e de gosto domi-
nante, com os consolos e mesa redonda de
asscntos de pedra ; e daas de amarello, linio
novo, indispensavelmente deve dcsfazer-sc
de alguma dolas, por isso qoe vende por
muito mdico preto. Tambem pode ceder
candelabros com pcs de brnnze, ou todo de
vidro, lan ternas, ricos jarros de porcelana
dourados, tapetas, enfeites de porcelana para
cima de mesa, jarros de pedra marmore,
etc., etc. Estes objectos podem. ou acompa-
nhar as mobilias ou seren vendidos em se-
parado ; para ver-se e tratar, na ra da Cip-
ria n. 59.
Agencia de passaporte e folha corrida.
Claudino do Reg I.ima tira passaporte pa-
ra dentro e fra do Imperio, por com ai o; o
prego e presteza? na ra da Praia, primeiro
andar n. 43.
Sacca-se sobre a praga do Porto a
quantia de um a dous contos de reis, divi-
dindo-se raesmo em quanlias pequeas : na
rna do Queimado n. i i.
Urna pessoa que entcnde do servico de
cozinha, offerece-se ou yira cozinhar ou
Minenlo para compras : quem se quizer
utilisar dos seus servigos, pJe dirigir-se a
ra da Aurora n. 18, que adiar com quem
se informar.
&8HMrr'-$
Compra-se um diccionario hespanhol
portuguez, ou hespanhol-francez, ainda que
seja usado: no pateo do Terco, taberna
n, 12.
Compra-se effectivamente na ra das
Flores n. 37, primeiro andar, apolices da di-
vida publica e provincial, acces das compa-
nhias, eda-sedinheiro a juros em grandes e
pequeas quanlias sobre penbores
Compra-se electivamente bronze, lao
t5o e cobre velbo : no deposito da fundig-
da Aurora, na ra do Brum, logo na entra-
da n. 28, e na mesma fundigao, em Santo
Amaro.
Compra-se qualqner porgSo de prata
em qualquer estaao. sem feitio; paga-se
bem : na ra da Cadeia do Recife n. 17.
Letellier & C, ra da Cadeia do Reci-
fe n. H, confronte a loja do Bourgard, com-
pra m moeda de ouro de 209 a 213000.
m*nu*.
REMEDIO 1MCOMPAUAYEL.
UNGENTO IIOLLOWAV.
Milhares de individuos de todas as nacocs
podem testemunbar as virtudes deste reme-
dio mcomparavel, e provar em caso nccesse-
no, quo, pelo usoquo.ielle lizeram, tem seu
corno o membrosinle ramcntesaos, depois
de ha ver empregado i t utilmente outros tr-
tamelos. Cada pesso. poder-se-ha conven-
cer tlessas curas mar ivilhosas pela leilura
dos peridicos que Ih'as relatara todos os
aias na muitos anuos e a maior parle deis
lasado tiio sorprendentes que admiram os
mdicos maia celebres, guantas pessoas re-
cohraram com este solierauo remedio o uso
ue seus bracos c peri as, depois de ter per-
manecido longo tempe nos hospitaes, onde
aeviamsotfrer a ampulagao! Helias lia mul-
tas, que havendo deixado esses asylos de pa-
uecimento, para se nao submetterem a essa
operado dolorosa, foram curadas completa-
mente, mediante o uso desse precioso re-
medio. Algumas das taes pessoas, na efusao
de seu reconhecimento.declararam esles re
sultados benelicos dame do lord correge-
dor.eoutros magistrados, alim de mais au-
tenticare sua aflirmativa.
Niiigueiu desesperara do estado de su-
saude se tivesse bastante conlianca para en-
saiar este remedio coi stantemenle, segiun-
do algum tempo o traiamento que necessi-
tasse a naturezado mai, cujo resultado seria
provar inconlestavelmonte: Quetudo cura.
O ungento he til, as particularmente
nos seguales casos.
froie.hii.as
para o anno de 1858.
Acham-sea' venda as bem conheodas
folhinhas impressas nesta typographia,
para o anno que vem, das seguintes dua-
lidades :
Eolhinha de variedade, contendo, alem
dos mezes, militas noticias scientilicas,
modo de plantar e colher a nova caima
de assucar, noticia sobre omilho e al-
godao, e uma serie de conhecimentor.
das artes, etc., etc., cada uma. ~>"20
Dita religiosa, a qual, alem dos mezes,
se reuni a continuarlo da bibliotlieca
do christo brasileiro, contendo os se-
guintes officios : do Menino Jess, San-
tissimo Sacramento, Senhor dos Allli-
tos, Paivao, Nossa Senhora do Carmo,
San-Jos, Santa Auna, Anjo da Guar-
da, San-Francisco de Assis. Santa Hita,
Santa Barbara, Almas, Corarao de Je-
ss ; assim como outras oracOes, etc.,
etc..........320
Dita ecclesiastica ou de padre, elaborada
pelo Rvra. conego penitenciario da Se
de Olinda, segundo a rubrica, a qual
'oi. revista pelo E\m. Sr. bispo, que a
iulgou certa, como de sua carta exis-
tente nesta typographia. 400
Dita de porta, na forma usada at ago-
ra...........100
Vendem-se nicamente na livrarians.
6 e 8 da praca da Independencia.
N. 32- IL\ L4RGI DO ROSARIO N< 51
Dep osito
Charutos
BiZIB PERNAMBDCaHO.
Tem para vender um vanado sortimento
de cigarros he&panhoes e de charutos, fumo
francez para cachimbo, pbosphoros de cera
e de madeira, e fumo em folha o melhor que
pode haver no mercado, vendendo-se pelo
preco que se pode vender nos armazens,
tanto a prazo como a dinheiro, fazetrdo-sc
tambem negocio a troco de chaautos, sendo
os ditos de boas qualidades: a quem lhe con-
vier tal negocio, apparega antes que se aca-
be a pechincha.
Vendern- se dous escravos, sendo um
ptimo moleque de idade de 16 aunes, de
boa conducta, e um escravo carreiro, do 25
annos, bom trabalhador de cachada : na ra
Direita n. 3.
P
Alporcas.
Caimbras.
Callos.
Canceres.
Cortaduras.
Dores de cabega.
das costas.
dos membros.
Enfermidades da cu-
lis em geral.
Enfermidades doanus
Erupces escorbticas
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falta de
calor as extremi-
dades.
Frieiras.
Gengivasescaldadas.
Inchagoes.
inflammacaodofigado
da bexiea.
nriammagao da ma-
triz.
Lepra.
Males das per as.
dos peilos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosqui-
tos.
PulmOes.
Queimadelas.v
Sarna.
Supurages ptridas.
Tinha, em qualquer
parte que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
- do ligado.
das articulaces.
Veas torcidas ou no
*

%
ROA 00 C JUMADO
NT.AS ^i
SEDA.li i sni.ivjj]
ALGOBAfl :
ttenco.
A
NOVA LOJA DE QUATRO PORTAS
Joaqun) Rodrigues lavares de Mello aca-
ba de ihrir uma nova loja na ra do Quei-
mado n. 37, passando o beccoda Congrega-
gao, o ah se encontrara o mais rico sorti-
mento de vestidos de seda com babados e
sem ellos, pelo menos prego do quo em ou-
tra qualquer parte, assim como um comple-
to sor .intento de palitos e sobtecasacas, cal-
gas de casemira e colleles de gorgurao, tudo
Deposito
DE
Cera de carnauba c velas.
Sebo reunido e em rama.
Fio de alpodfio da Baha.
Sola e pelles do cabra.
i.Minina do Aracaty.
liarriscom brea.
IXo largo da Assembla confronte aporta
da inspocgSo n. .aonde se vende por menos
dadas as pernas.
Vende-se este|unguc nto no eslabelecimen-
to geral de Londres n.244, uStrand, e na
loja de todos os boticarios, droguistas e ou-
tras pessoas encarregadas desua venda em
toda a America do Sul, Havana e Hespanha.
Vende-se a 800 rs. cada bocetnha,conten
uma instrucgiio em portuguez para explicar
o modo de fazer uso deste ungento.
O deposito geral he em casa doSr. Soum,
pharmaceulico, na ra da Cruz a.-2, cm
Pernambuco.
KOIi l.AI-1 ECTELK-
O nico autorisadopor lecisodo conselho real,
decreto imperial.
Os mdicos dos hospitaes recommendam o
arrobe de Laffecteur, como sendo o tnico
autorisado pelo governo c pela real socieda-
de de medicina. Este medicamento de um
gosto agradavel e fcil a tomar em secreto,
est em uso na marinl a real desde mais de
60 anuos ; cura radica mente em pouco tem-
po com pouca despeza, sem mercurio, as af.
feegoes da pelle, impingeos, as consequen-
cias das sarnas, ulceras e ns accidentes dos
partos, da idade critica e da acrimonia he-
reditaria dos hnniores ; convem aos ralar-
rhos, a bexiga, as conlracges e a fraqueza
dos orgSos, procedida do abuso das injec-
gOes ou de sondas. Como anli-sypbilitieos
o arrobe cura era pouio tempo os'ilusos re-
centes ou rebeldes, que volvem incessantas
em consequencia do emprego dacopahibe,
dajcubeba ou das injicges que representem
o virussem neutralisa-lo. O arrobe Laffec:
mercurio e ao iodorelo de potassio.Lisbua-
Vende-sena botica de tiarral e de Antonio
Feliciano Alvcs de Azevedo, praga de I). Pe-
dro n. 88, onde acaba de chegar urna gran-
de porgiio de garrafas grandes e pequeas
vindas di ectamentedj Pars, de casadodito
Boyveau-Laceteur l,rua liichelicu Paris
Os formularios dao-se gratis em casa do a
gente Silva, na praga de D.Pedro n. 8.
Porto, Joaquim Araujo ; Ilahia, Lima Ir-
maos; Pernambuco, Soum ; Rio de Janeiro,
Rocha & Filhos; e Moreira, loja de drogas ;
Villa Nova, Joao Percira de Magales Leito ,
Rio Grande, Franciso de Paula Couto& C.
SYSTEMA MEDICO DE UOLLOWVA
Grande e novo
sortimento de fazendas de
todas as qualidades, viu-
das pelos ltimos navios
da Europa.
Xovidadede Paris, Dunda A* seda com ra-
- ni e li-ir,, matisada para veslidui de
enliura,rnuilo proprio para attlacao, co-
vario............19200
Belleza de Bengala, 1,1/on h Inda de eda
(ransparenle com li*lras matizadas ,
_ propria para baile, cuvado.....If600
Cambraia e seda de Bengala com lislras ma-
lizadas,co\ado.........ljtOO
l'jre^e de seda com quadros c lislras asieli-
Mdii, cevado........- 1cO00
Grosdenaplesprelo e decores, muilo su-
perior, covado.........2c000
Dilo dilo de iiilo muilo largo, proprio para
f'rr,is de obras, covado......
Sedas de quadrinhos, covado.....
Idilio de seda asselinado......
Mussulina branca e de cores, covado. .
Cassas francezas de cores las, covado. .
Chilas francezas, o covado......
Velbulina de cores, covado......
.Manas de blond prelas c brancas, proprias
para casamentas, covado......
Panno lino nrelo e deri.res, para todoa oa
presos ............
Chapeos de palliuha, torrados, proprios pa-
ra a eiai\lo..........
Chales de seda de cores, snperiores .
Hilos de merino bordados i velludo .
Dilos de dilo de dilo a seda......
Hilos de dilo bordados an9 pona. .
Hilos Je dilo com lislra de seda ....
Dilos de dilo lisos com franjas de seda
Dilos de dilo com franjas de la ....
Dilosdel.1aadamascados,prelos e decores.
Grvalas de seda com ponas corapridas a
regencie ,..........
Hilas de ilii 1 com ditas a principe de Gal-
les ............. I
Dilas de ditas a'americana...... I-0110
Corles de eollete de velludo de novos
padrf.es s.......lOcOOO
Ditos de selim braDco bordados, proprios
para calamento......... 3
Hilos de gorgurao de teda de novos pa-
drees ............ 35000
Dilos de caira de casemira de lodas as qua-
lidades............ 3
Chapeos de sold seda soperiores 7^300
Chapeos de massa francezes.....7^300
Lencos de cambraia bordados, linos, para
mao.............l;000
Luvas de seda de lodas as qualidades, para
. Iiomenf, senhoras e meninas..... 3
Cortes de veslrdo de seda de cores e brancos
1 Pekim o mais superior e moderno que
ha no mercado......... 3
Palitos de argenliua de cores escuras l-ooo
Hilos alpaca de de cores lina.....5j3u0
Hilos de dila prela........V-ono
Hilos de fusMo asstlinado ...... 59000
Hilos de ganga de cores......49500
Hilos de hrim dequadiinhos.....39000
Hilos de lirun pardo fino......l-ooo
Hilo-de brelanha de linho brancos. ;50
Ciindohiile alpaca prela e de core;.. 59000
Em frente do hecco da Cougre^Beao, passando
Una de ferragens, a segunda de a.-.endjs n. 40.
9600
950
950
:io
>-2li"
32H0
800
39500
9
179000
99000
ISTMIO
7;OU0
690OO
59OOO
3OU0
do melhor gosto c modernismo, ricos cha- Preo que em outra qualquer parte,
peos de senhora de diversas qualidades, um
nxcelle.nte sortimonto de luvas e meias, Rros-
denaple preto, o covado I38OO, "ir, 2;V00 e
2j6O0 sarja lavrada preta, o covado S9S0O,
".6CO e 2;800, dita lisa hespahhola, covado
'iWO cassas multo linas, vara iOO, 500, 560
e 640, chitas francezas linas, covado 2/800 e
V, ditas inglezas muito fiuas a 200 rs. o co-
vado, tudo de bonitos padrdes, diamantinas
de godos inteiramenle novos, covado 800
rs.. indianas de seda, covado 1;200, flancHa
de todas as cores, covado 900 rs., velbulina,
covado 750, grosdenaple de cor 23, fil de li-
nho lt.vrado, vara 1-1O0, assim como muitas
mais azendas que nao he possivel aqui fa-
zer mengao dellas todas, por haver grande
sorti ciento.
Na cocheira do Guedes, ra do Canno,
vende-se um bom carro com parelba ou sem
ella, por commodo prego.
Na ra do Quein-.ado n. 37, loja de *
portas, ha cortes de colletos de velludo mui-
to bonspor 11jOOO, velbulina surtida a 750
reiso covado. chitas francezas muilo linasa
280reis, riscadosescocezes aJ80rs., mus-
sulinisa 320 rs., ditas amatizadas muilo ti-
nas a 340 rs., chapeos de sol de seda, para
divertos precos.
Agencia
da fundic&o Low-Mot,
ra da Vnzala fova
n. 42.
Nestcostabolecimentncontina'a haver
um completo sortimento de moendas e
meias moondaspara engenbo, machi as de
vapore taixasdeferro batido e coado de
todosos tamanhos para dito.
VIMIOS FINOS DO PORTO 8
Ns loja
das seis portas
Em frente do Livramento
Para acabar com um pequeo resto.
Pegas de cambraias brancas adamascadas
a 1:600, com 6 varas, ditas com 8 varas, de
salpico, fazenda muito lina a 2?jOO, chales
oscuros de algodSo a 500 rs., ditos brancos
decassaa 480, sedas de cores para forro a
200 rs. o covado, riscados francezes oscuros
a 160 o covado, cortes de colleles de case-
mira bordados a tjtOO, luvas do seda prelas
e de cores a 500 rs. o par, peilos para cami-
sa a 400 rs.
PILULAS IIOLLOWAV.
'ara as
festas dos
baldes.
arra-
Este inestimavel especilico, compostoni-
teiramentedebervas medicinaes, ii5o con-
ten mercurio, nem alguma outra substancia
delecterea. Benigno mais tenra inianria,
i
8
i
1
DENOMINADOS
--- Vendem-se travejamentos de louro de
vario; tamanhos : na praia de Santa Bita
restilagSo.
Vende-se superior agurdente de
Fianra, tanto em barriscme cm caixas,
licor ;s e absynthe, cliegado recentemen-
te, pelo ultimo navio : em casa deJ. Kel-
ler C., ra da Cruz n. 53.
SAPATOS DO ARACATY,
dos nelhores que lemvndo aestemerca-
do, rarabomens e meninos, de palla e de
prell as : em casa de Caminha A Filhos, ra
oa Cadeia do Recife n. 60, primeiro andar.
Vendem-se bandos ou alraofadas de
dina para augmentaros penteados das se-
nhor.is ; na ra da Cadeia do Recife n. 2,
prim ;iro andar, casa de Manoel Antonio da
Silva Antunes.
POTASSA DA RSSIA E CAL
VIRGEN.
No deposito da ra da Cadeia do Recite,
armazem n 12, ha muito superior potassa
da Russia dila di fabrica do Rio de Janeiro,
e cal de Lisboa eca pedra, tudo rhegado ha
poucos dias, o a vender-se por menos prego
do que em outra qnalquer parte,
iomma do Ar;icatv.
Em porgues e a retalho: vende-se na ra
da Cadeia n. 57, escriptorio de Prenle Vi-
anm
Vende-se superior farinha de man-
diocicm saceos grandes: na lanoaria
delr jntedo trapiche do Cunha.
Vendem-se latas de marmelada com
duas libras a 800 rs. cada uma, arroz de cas-
ca, saceos grandes, feijS i raja Jo a 7 o sac-
co ; no armazem do Sr. Annes, defionte da
porta da alfandega.
ozy^oo:sw.o .:::::.:::>
::
o
Hoque do Porto.
Imperatriz l'.ugenia.
Leopoldo I.
I). Pedro V.
Engarrafados e enfeitados como o
de Champagne : vende-se cm por-
gdes voutado do comprador, na
ra do Trapiche n 40, escriptorio
de Thomaz de Faria.
i
i
soltss, muito novas,
na ra da Madre de
:"?.
Farinha de
mandioea
Vende-se superior Tarinha de San-
tl Catharina agranel, a bordo do bri-
zne Valle : a tratar no largo do Cor-
to Santo escriptorio o. 6, ou com o
capilSo a bordo.
?G@
o
y?
P
Vendem-se na loja da ra do Queimado n.
8, chapeos do castor brancos, bonita forma,
e muito finos, dilos pretos de nova moJa e
ultimo gosto de Paris, fabricados pelo in-
signe artista Peneau, e palitos de merino da
India, de cores iliUVenles, leitos no piiz,
tudo por commodo preco.
Vendem-se castanhas vindas ultima-
mente do Porto a 160 a libra, e ameixas
muito novas a 200 rs. no pateo do Carmo,
esquina da ra de llortas n. 2.
Vendem-se dous escravos, um crioulo,
de idade do 20 annos, bonita figura e sem
vicios nem achaques, outro de idade de 48
a 50 annos, com olficio de canoeiro, bastan-
te robusto : quem os pretender, dirija-se ao
aterro da Boa-Vista n. 2, segundo andar, que
achara com quem tratar.
HECAIISMO PAR ES8B
corles de cassa chita a 2j, chales pretos de
merino a 2S800 e f, casemira preta a IjOOO,
ea compleigao mais delicada, he igualmen' "S ,1500' T3' 2!"2" L8*800 cov,do'
te promptoc seguro para dcaarreigar o rna!res 1- "> asiOO, para senhora.
na compleicao mais robusta; b e in"c>a- I Tid"P"lo? d? '2,?0 f1",5'500 da pega,
mente innocente em suas operagocs e efTei- h,,'f* T'a* 5"Us, tanto pegas como co-
tos; pois busca e remove as doencasde \?A'aa dc,du" Xa,rSTS P,?ra. vest,do.a
quaiquer especie e grao, por mais antigs e I KA.C,v,dS' "SfS d,C- "' 5par "
tenazesquesejam. b I' '"a a75, ditasde laa a 400 e al-i-
Entre militares de pessoas curadas com
este remedio, muitas que ja estavam as por-
\o canto que es-
t torrando
O Pontes da loja da roa da Cadeia do Re-
cife n. 54, faz sciente que pelos ltimos va-
pores vindos da Europa tem recebido um
lindo e ptimo sottimento do fezendas de
born goslo, e por pregos dos inglezes, disto
ainda n3o appareceu, e para oque venbam
ver, lindas e ptimas sabidas de baile a "24?,
casaveques de eambraia com bico a 10;, di-
tos de casemira 12 240, dita fina a 260, 280 e 300 rs mussuli-
nas de cores a 300, 320 e 360, dilas brancas
a 280 e 300 rs., chales de merino bordados
de velludo a 14, ditos bordados de retroz a
103500, linios cortes de seda com barra, di-
tos de merino lisos *5800, romeiras de fil
de linho 2j500 e 3500, ditas finas de cam-
braia a 45, grosdenapies a ls020 o cevado,
curtes de seda de boa qualidede a 359, cova-
dos de dita, bonita, de quadros a 158U0, dita
de dita muito lina a 23200 o covado, crloj
de casemira de cores a 45200, i;500, 5000,
5*500, Co e 7?, ililas finas de douior 10s, lon-
gos de cambraia, a duzia a 1/, 1^300, 13500,
~ o 23800, ditos todos brancos, a duzia a
33200, grandes, grvalas Je cassa, a duzii
13500, grvalas de mola, uma 13, e 1500
mullo finas, alpaca preta, o covado a 600.
700, 800, 900 e 13, pannos finos pretos de
29400, 3>, 33500, 4-, 4/500 e 53, e muito fino
3 ', 79500 e 8/, cortes de eollete de casemira
preta, de varios pregos, cortea de velludo de com trangas do muito gusto, ricos vestidos
73 e 7?j00, e muilo fino 123, pegas de chita [ ^.e feda le cor com babados os mais supe-
escura com toque de mofo a 5#500, mussu-
lina de uma so cor, o covado 360, manguitos
com collarinbos para senhora a 85 e 10?-,
Iftjfe
m casadeRabeSchmettau Companhia,
roa ca Cadeia n. 37, veudem-seelegante
pianos do afamadofabricante Traumann
le Hf mburco.
Fazendas de
bom gosto.
I indos casaveques de fustSo hranco bor-
dados, e enfeitados com as modernas fran-
relogios de pa-
tente
inglezcsdeouio, desabnete e de vidro:
vendem-se a preco razoavel, em casa de
Augusto Cesar de Abrett, na ra da Ca-
deia do Recife, armazem n. Z(.
COM PEQUERO TOQUE DE
ATARA.
Pegas de algodSode sacco, ditas dealgo-
do trancado proprio para toalhase roupas
de escravos; vende-se na ra do Crespo,
loja da esquina quevolta para a roa da Ca-
deia.
Ao Preguica
QUE ESTA QUEMANDO
ooas fazendas por pouco
dinheiro.
O JPregufya da
rna do Queimado ccntinu'a a ornecer ao
publico, em seu cstabelecimenlo na esqui-
na do hecco do Prixe Frito n. 2, o mais bel-
lo e variado sortimeritu de fazendas, odas
de excellente qu?lidade,e pregos muito m-
dicos. Nao s queima as fazendas j por
vezes annunciadas, a saber :
Olindinas para vestidos de senhora,
covado...............
Targelinas dem ideni,corte com 12
covados ..............
Organdys idem dem, covado .
Cambraias estampadas, vara .
Ditas ditas mais finas, vara.....
Chitas francezas, largis, escurase
claras, covado...........
Ditas ditas, largas,escuras e claras,
covado...............
Ditas ditas, largas.escuras e clatas,
covado ..............
Rretanhasderolocom 10 varas, paga
Riscados monstros, lindos padroes,
covado...............
Lengos de cassa com cercaduras de
cor, um..............
Mas alem destas, ofl'ercce mais aos seus
freguezes as seguintes fazendas ltimamen-
te chegadas: mussulma branca linissima a
320e 360 o covado, dita matizada, fina, e do
melhor gosto possivel 320 e 360 o covado,
I3azinhas muito linas, escuras e claras, to-
das de desenhos inteiramente novos 400
rs. o covaao, carnielina, (azcoda ainda n3o
vista, trangada e com padres de ISazinha,
pelo b rato prego de 280 o covado, cortes de
riscado francez, bonitos padres e cores fi-
xas a :1320o cade, um, cambraia lisa transpa-
rente, muito lina, con 8 varas cada pega a
73500, dita tapada tarr bem muito fina, com
10 varas cada pega a 43800 e 63600, chales
de Uazinba muito finos a 2/200, ditos de
CER0LAS.
Vendem-se ceblas
por prego commodo;
Dos n. 28, armazem.
Com pequeo toque de
a varia.
Completo sortimento de madapoles o al-
godes, liso c de sacco, por diversos prego;
vende-se na ra do crespo, loja da esquina
que volta para a ra da Cadeia.
AOS AGRICULTORES
Vende-se milho de uma qualidade supe-
rior, e mais productivo do quo o que temos
neste paiz ; e por isso proprio para semen-
te : no arma/e>n de Tasso Irmaos, ao pe da
ponte nova do Recife.
Na ra do Crespo, loja de Campos &
Lima, ha para vender o mais superior rap
de urna das melho es fabricas de Paris; os
apreciadores da boa pitada devein animara
prooipta venda para continuar haver sem-
pre deposito, visto o que maiidam de Lisboa
ser depessima qualidade.
He muito barato
Recebeu-se do Porto finissimas toalhis de
labyrinlho, de panno de linho. e com bico
largo as pontas tambem de linho por 53 M
s ha no daposito n. 6 da roa de S. Fran-
cisco.
Relogios
cobertos e dcscobertos, pequeos e gran-
des, do ouro patente inglez, pira hornera
esenhora, de um dos melhores fabricantes
de Liverpool, vindos pelo ultimo paquete
'"glez : em casa de Soutball Mellor A C.
ra po Torres n. 38.
DO PORTO SIPERIOR.
t>uque-
900
125000
260
480
600
260
2S0
300
23000
220
120
jas do botSo, basquines de cambraia branca, merino lisos bordados, de mui lindas co-
bordiidos c enfeitados com 'enda, taimas de res, casemiras enfeitadas, mescladas, mui
fusta acolchoado, bordadas v. enlejiadas proprias t ara palitos n2/200 o covado, brim
trancado de poro linho e padrees novos a
15440 a vara, dilos pretos de muito bom
ores que tem viudo a esta praga, superio- goslo, e ate proprios para loto a 1/600 a va-
res cortes de cambraia brancos, bordados, 1 ra. cortes de eollete de selim bordados a
tiras bordadas, panno de entre-meios, man- I 3/500, dilos de casemiras para calcas, finas
gitos bordados, gollinhts bordadas, eou-e de bonitas cores a 59500 e 630)0, gravatas
iras muitas fazendas de bom gosto ; na loja > pretas de seda a 15, dibs de mola a 1/600,
do sobrado amarello na ruado Queimado alpacas de cores com listras de seda a 560
11. 29.
las morle, preservar do em seu uso ; con-
seguirn! recobrar a saudee torgas, depois
de haver tentado intilmente todos os ou-
tros remedios.
As mais alllictas i:f o devem entregar-se a
desespeiago; fagam um competente rnaio
dosellicazes effeitos dcstaassombrosa medi-
cina, e prestes recuperarlo o beneficio da
saude.
N3o se perca lempo
dio para qualquer da.;
des:
em tomar este rcme-
seguintes enfermida-
HHO.
Accidentes epilpticos
Alporcas.
NAFUNDIQAO DE FERRO DO ENGE-
NHEIRO DAVID W. BOWMAN, ,nA
RA DO BRUM, PASSANDO O oIIA-
FARIZ,
ha sempre um grande sortimento dos se-
guintes objectos de mecanismos proprios
para engenhos, a saber : moendas e meias
moendas da mais moderna coustrucgfio ; ta-
chas de ferro fundido e batido, de superior
qualidadeie do [todos os tamanhos ; rodas
dentadas para agua ou animaos, de todas as
proporges; crivos e bocea de l'ornalha e
registros de boeiro, aguilboes, bromes, pa-
rafusos e cavilbOcs, zioinhos de mandiuca,
etc. etc.
NA MESMA FUNDICA'O,
s exocutam todas as encommemlas coa a
superioridade ja conhecida com a devida
presteza e com odidado em prego.
Na ra do lirum ti. 22, armazem de
l.uiz Jos de S Araujo, anda existem 0 va-
sos proprios parajardim, osquaei se ven-
dern muilo em conta p*ra liquidacao de
rentas, e uma batanea com sous pert'ences,
propria para padaria, ou armazem de as-
sucar.
Vende-sa o resto de madeira que so-
brou do urna obra, e tambem uma varanda
de 18 palmos, de ferro, 2 sacadas com 18
palmos, uma pouca de ara de fingir, e 300
a 400 lijlos grossos e bstanles lijlos
partidos que podem servir para principio de
obra, que tudo se vende por barato pura
desoecupar lugar na ra do llangel n.21, a
qualquer hora do dia.
Ampolas
Areiasimal de;.
Astlima.
Clicas.
Convulsoes.
Debilidad- OU exte-
nuagiio.
Dcbilidadcoufalta di
forgas para qual-
quer cousa.
Dysinteria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ven! re.
Enfermidades 110 ven-
tre
Eufermidadesjno lipa-
do.
"ila> venreas.
Enxaqueca.
Herjsipi la.
Pebres biliosas.
Fcbres intermitiente.
Febreto da especie.
Colla.
Ilemorrhoidas.
Ilydropisia.
Ictericia.
IndigestOes.
nflaramagoes.
Irregu la ri da des da
menstruagao.
Lomlirigas de toda es-
pecio.
Mal de pedra.
Minchas na cutis.
ObslruccSo do ventre
Phtisica ou consump-
eao pulmonar.
Releng.'io de ourina.
Rheumatismo.
Symplomas serunda-
rios.
Tumores.
1 ico doloroso.
1 U eras.
Venreo (mal .
Vendem-se estas pillas no eslabeleimen-
to geraide Londres n. 244. Strand, u ra
loja de lodos o> boticarios, droguistas e 00-
tras pessoasencarregadas desua venda em i
toJa a America do Sul. Iluvana ellespanha. I
Vendem-se as boettinhas aSOOrs. cada I
urna dellas conten ui ta InstrucgSoem pi r-
tuguez paraexplicar j mododesse usar des-1
las pilulas.
O deposito geral he em casa do Sr. .Soum
pharmaceuticu, na rna da Cruz O. i, em
Pernambuco.
Vendcm-so tancas de ac para um'.o
dous lados : na loja d; miudezas da ra lar-
gado Rosario u. 35, a 1:000 cada uma.
dflo 33, chapeos do Chili de muites qualida-
des, ditos de mola a 55200, alpaca lavrada
imitando seda a 600 rs. o covado, ditas de
cores, camisas de moia de pura la, cortes
de seda de phentasia para casamento, muito
ricos, algodao de sacco, em porgao, jarda
210, e multas mais fazendas que deixain-.se
de enumerar, eque s avista do comprador
se poder ver na mesma loja ; d-se fazen-
das com penhores, e leva-se cm casa de fa-
milias.
S. STIEllEL i\ C, banqueirosene-
gociantes, ertabelecidos ha muitos unnos
em Londres, leem a saliffacrao de par-
ticipara seus correspondentes e ao publi-
co, que acabam de laudar casas iliaes
nos principaes porlos e distritos manu-
factureirosde Franca, Alemanha, Blgi-
ca c Ilollanda, conservando alem ilisso
suas proprias casas anteriormente estabe-
lecidas as cidades mais importantes, e
portosmais commerciaesdaGr-Bretanha,
e estao em posieSode ofFerecer grandes
vantajens as pessoas tjuepossam necesitar,
assimem Londres como em outro qual-
quer [ionio da Europa, de uma casa para
compra ou vi nda de artigos, bem como
para os negocios de transaccSo de crdito
3 banco de qualquer genero.
As pessoas quenuOforemconhecidasdoi
annunciantesdeveroacompanharsuasor-
dens com os fundos necessarios para sua
eveucrao ; licando entendidas que os an-
nunciantes nao teem difliculdade em adi-
antar 75 0| sobre os gneros reeebidos
antes de sua venda.
Tasso Irma'os
Avisam eos seus freguezes, que em con-
covado, chitas escuras e claras, padroes
miudinhos e graudos, de muitos e variados
goslos, cores fixas o excellentes pannos a
160, 180, 200, 220 e 240 o covado, pegas de
madapoln com 20 viras a 259O0, .13600, 45,
45500, 43800, 53 o j>600, e muito fino a
sequencia de novos sortimentos, que ac- 65*00,cobertores dealgodSo proprios para
bam de receber de Richmond, tem reduzido escravos a 700 rs. cada um, luvas de diver-
a 253000.
os pregos das farinhas a venda
mazens aos seguintes
Calega .
Haxall .
Dunlop. .
Macanee.
Colombia
Continuam a
man as primeira qualidade e
SSSF.
em seus ar-
'\- a 24:000.
ter farinhas de Trieste das
Na ru do Tra-
piche n. 54, escriptorio
de Novaes C.
V:nde-se superior vinlio do Porlo en-
gatillado em caixas .le I t 2 duzias de
garrafas, bem como embarris de 4- e 8.
a pt 'co commodo.
Atteneao.
Cu?ijos dosertSo os mais frescaes possi-
VOIS : na ra do Uueimado n. 14.
- Vende-se um carro inglez de 4 rodas
e4assentos, para 1 ou 2 cavailos. com co-
berta.e com oscompctcutcsarreios; etam-
bem nm cabriolelinKlez com os arreios:
na ra do Trapicho \o\o n. 10, ou na lloa-
Vistacm casa do Sr. l'oitier
Vende-sena ruada Madre de Dos
n. 12, armazemde Novaes & ('.., barris
de ferro ou cubos hydraulicos, para de-
Os piceos cocientes e mais infonnac,oes positDsde Lv.es, a preco commodo.
commerciaes, que (orem pedidas, serao
sas qualidades para senboras, gangas mes-
claaas de todas as ce res a 540 o covado. De
todas estas fazendas, e de ou xas muitas
aqui nSo mencionadas, se daro amostras
sob penbores.
O
5*3
O
3
O
10 e Manilha. -;.;
Lonas da Ruisia, Lrins e brin- tk
zoes. ^
Cobre e metal para forro com '-
pregos. .;:'
Oleo de linhaca c Velas steaii- A
as. Q
Estanho em barrinlias, Bar- Q
lillia. .;'-.
Vinhos linos de Moselle e Joan- 5
-;;j nisberg espumoso, c de Bordeux
:n quartolas.
O C. J. ASTLEV & C.
>@@
i.':
&C.
rna
enviadas gratuitamente, salvo o porte do
correio, podendodirigir-se aosannunci-
antes.
Vcnlem-se dous hbitos de estame-
n'ia para algum irmao tereiro Franciscano,
por prego commodo : na casa do sachristao
da mesma nr lem lerccira.
Vende-se salitie refinado, chumbo de
mnnigao, cnxofre e pixe, tudo da melhor
qualidade e prego commodo: no armazem
de Jos Antonio Moreira Dias v\ C. ra da
Moeda 11. 23.
-- cndc-semniloem conta um piano cm
meio uso, do celebro autor Rroadwood, he
de ni'.no e quadrado, c cu- ou quando no-
vo mus de 1:0003 : na ra do Trapiche No-
vo n. 10.
Vende-se um bote de "25 palmos, muito
bem construido : na ra da Cadeia do Reci-
fe n :*. primeiro andar.
V ndt-se um preto mnilo fiel, bom rcinheiro
e perfeilo cirieim. Vendo-se lamliem unta prela
bMCOiinbeilt, la?adira e muilo fiel : quemo.
prelenler diiija-se a ra 1I0 Cabrita, sobrado n. U,
leicer i audar, das aove lisias cu diaale.
Lmcasa de .lleni-y Brum
da Cruz n. 10 vende-se :
Cemento romano.
Cognac em caixas de 1 duzia.
Cadeiras de vime.
Lu grandesortimentode locadores.
Relales a oleo para sala de jantar.
Espelhocom moldura.
Pianos dos memores fabricados em Ham-
burgo.
PASTAS DE NAF
S3o chegadas pilo ultimo vapor as pello-
nes pastas de nafu : no deposito 11. 6 da ra
de S. francisco.
Vende-se farinha de mandioca cm
saceos de superior qualidade e por preco
commodo: a tratar no escriptorio de
Francisco Severino Rubello & Fillio, no
lai go da Assetnblea ou na travessa da Ma-
dre de Dos armazem ns. e (i.
Vende-se superior milho ; no arma-
zem di Compaubia Pernambucana, no Forte
do Matto.
Milho.
1815.
Em canas de uma e duas duzias de gar-
rafas. *
ChaiTiro.
Em barris de oitvo, vende-se a preco
commdo em casa de ullrora -
ra da Cadeia do Recife n. 4.
& Castro,
Vendem-se saceos ae milho chegados lti-
mamente dos Estados Unidos, de muito su-
perior qualidade, malhor ao que vem de
Fernando a 6#cala sacco. Advertc se que
tambem vieram alguos saceos de uma qua-
lidade especial para sement, que se vende
a 83 : no armazem de Tasso IrmSos ao p da
ponte nova.
A loj da es-
trella.
Na ra do Queimado n.7, loja da estrella,
vendem-se as seguintes fazendas, mais bsra-
to do queem outra qualquer parte, a saber:
Palitots de panno francez, finos a 201000
Ditos de dito ditos 28300
Chceos finos para senhora lfi/000
Ditos ditos para dita 203000
Crosdcnaples preto e de cores 9
Panno preto fino para todos os pregos.
Chapeos francezes Tamberlik, para
bomem 73500
Collarinhos c manguitos inglezes, de
um novo gosto, eda melhor quali-
dade quo neste genero tem appare-
cido al hoja 13000
e outras muitas fazendas quesevendema
dinheiro a vista, por menos do que em ou-
tra loja.
Sal do Assih
Abordo do patacho An-
ua, oti vom Tasso I mulos.
Kclogos.
Os melhores relogios de ouro, patentein
glez, vendem-se por pregos razoaveis, no
escriptorio do agente Oliveira.rua da Ca-
deia do Recife n. 62.primeiro andar.
Sellins e reteios.
SEI.I.INS e RELOGIOS .le paitle
Inplez : a venda no armazem da
Roslron Kooker & Companhia, e-
qoina do largo do Corpo Sanio Da-
mero 48.
Fecbaduras para casa dr purgar.
Vendem-se fecbaduras proprias para casas
de purgar, por prego commodo : na loja de
terragens de Vidal J Bastos, ra da Cadeia
do Recife n.56 A.
... :'\ f.'. ;".;7* .-i / @%>SoOS

9
Carros.

..-.
...

selIiDs
patente inglez.
Sao ehrgado* e atham-ie 1 venda o verdideirj
liem conhecidutsellins inclere patente: na ra
do Trapiche-Novo n. 42, armazem de fareada da
Adainsun 4 C. Howie.
IVovidade.
Castanhas mui superiores, desembarcadas
sabbado, 16 do corrente. de bordo da barca
Sympathta, chegada do Porto com 33 das
de viagem, em canastrinbas de 24 libras. 1
arroba e 1 | diu : vendem-se nicamente
no armazem de Ferreira & .Martina, travessa
da Madre de Dos n. 16, por tal prego que
ninguem deixira de comprar.
PATEO DE S. PEDRO.
Sorvete.
Dos raios do sol o fogo que abraza
Na quadra em que estamos nSo custa soffrer.
Se um copo de nev ao menos tomarmns
K tarde, depois que o sol se esconder
Que noite, que somno,
Freguezes, nSo tens
N'um bello sorvele
Pordoze vintens.
No engenho Tres Bragas da freguezia
da Escada.em poder do Sr. JoSo Pe reir da
Silva Lima, se acbam dous escravos para se
vender. sendo um delles bom carreiro:
quem os quizer comprar, poder dirigir-
ao dito engenho para os ver e examinar ; a
tratar do negocio com o seu senhor nos Aro-
gados, ra de S. Miguel n. 74, sobrado.
- Vende-se uma morada de cas terrea,
de pedra e cal, sita na ra delronle de S.
Francisco, em Olinda, n. 9 : quem quizer,
dinj-se a mesma cidde, atraz do Amparo
n. 11, que achara com quem tratar.
avso aos feste-
ros de igrejas
Vendem-se na ra Nova n. 2, linternas de
papel de cores para illuminagSo dos frontis-
picios das mesmas, por prego commodo.
No caes da alfandega, armazem do Mel-
lo, existem ainda alguns saceos de arroz de
vapor, chegados do MaranhSo, que se ven-
dern pelo diminuto prego de 36nO, para li-
quidar.
Na ra das Aguas-Verdes n. 6, ven-
dem-se 4 bonitas escravas recolhidas, de 16
a 20 annos, perfeilas engommadeiras, e com
mais habilidades, 1 botuto moleque de 12
annos, 1 escravo pedreiro, 1 escrava de
o.ca idade, e todos esles escravos vendem-
se a conter to.
Vende-se urna armarao demadrua
envernizada e de vidraca : no aterro da.
Boa-Vista n. .~>8.
AVISO.
Na ra da Cruz n. 51, primeiro andar, sa-
la de barbeiro, vendem-se bichas de ilam-
burgo, tanto aos ceios como a retalho, o
aluga-se mis barato do que em outra parle,
advertindo-se que sao as mais modernas do
mercado.
Nova agua de malabar.
Vende-se esta agua a melhor que t-m ap-
psrecido para tingir o cabello e suissas de
preto : na livraria universal ra do Collegiu
n. 20, d-se junto um impresso gratis ensi-
nando a forma de applicar.
jj Vendem-ie bon carros novoi com ar- ta
eg, reio vindo ha pnuco de Franca, feilo pe- 3?
^ lo melhnret fabricantes de Paria e quereu- y?
'Si do com boas parelhas da cavalloi. Ven- f
;JJi dem-se tambem bon arreios para carro e a
t^v cabriole!, como muilo preparo para dito, *
tambem galAo, couros da lustra, vaquetas 6@
grande para coberlas. eolleiras enverni>a- J5
da<. lanleros, velas para dilas, molas, eiioa ?
patente mulla oulra qualidade de ter- @
ragen, ludo por prejo commodo : na roa S&
Nova n. 61. .'*.*
^0>a.viO9f ftW&fr*
S5
!^@>Sw>
No escriptorio de Francisco Seve-
rino Rabelio i Fillio, no largo da As-
eembla, vendem-se harnea com farinha
le Triste c de lialtimoie, de snperior
(|ualidade e por preco commodo.
Vende-se superior linha de slgodSo
brancas e do cores, em novello, para costu-
ra : em casa de Southall, Mellor & C, ra
do Torres n. 38:
Vende-se uma bonita escrava crioula,
de 17 a 19 annos de ilade, a qual sabe cozi-
nhar o diario de uma casa, lava e engomma
soflrivelmente, e n3o tem vicios nem acha-
ques. D-se to la a preferencia a venda para
o mato ou para fra da provincia, e ao com-
prador se dir o motivo da venda : na rus de
S. Francisco (Mundo Novo), csa terrea n. 15.
Attencao.
Farinha de mandioca, milho e feijo o
mais barato do que em outra qualquer par-
te ; na ra do Queimado, loja de ferragens
ti. 14.
TACHAS PARA ENGENHO
Da fundicao de Ierro del). W. Bowman
na ra do Bium, passando o chala-
riz, continua a haver um completo sorti- do corpo, com os denles da frentr-
ment de tachas de Ierro fundido e l.ati- <."'Pe"r- 'it'" '<"h"r
Mirauda Cuimaiacs, iu ra Direita n. 69'
g palmos debita, as quaesse que ser gratificado.
do, de
ncliam a venda por preeocommodoe com
piomptidao, embarcam-sc ou earregam-
se em carro sem despezas ao comprador
Vendem-se duas casas terreas,sendo
uma no melhor local da ra Uella n.
4.1, com grandes commodos para nume-
rosa familia, quintal, cacimba ctc-,e ou-
tra na ra do llemlica n. i 'passajjem da
Magdalena) com muitos bons commodos
grande quintal, alguns arvoredos. ca-
cimba com boa agua, e um formidavel
caes a margem do rio Capibaribe, e axis-
tinelo presentemente nesta propriedade
urna taberna, muito convia' a ijucm
quizer continuar ueste genero de com-
mercio:para tratar e mais iniormacei
na travessa da Madre de Ueos n. 9.

Fugiram do engenho Agua-ria, fre-
guezia de S. Loorengo da Matla, os escravos
Miguel, alto, secco, quando anda he muito
inclinado para a frente, pooca barba, e fot
escravo de loao Blito do Reg Barros, mo-
rador na freguezia da Escada, para onde sup
p6e-se ter lugido. Severino, cabra, baixo,
grossura regular, tem um defeito em um
dos dedos da mJi, reprsenla a idade de 26
para 28 snnos, e lem pouca barba; quer
um quer outro fugiram no mesmo oa
quem os apprehender, leve ao engenbo ci-
ma dito, que ser generosamente recom-
pensado.
Fugio bonlem 12 do correnle o preto
Antonio, crioulo de idade 60 annos, pouco
mais ou menos, veio para esta praga ha 6
mezes deCariri deFora, levou camisa de
algodao azul e caiga de cor, he chcio do
corpo, rosto redondo, olhos pequeos e p^s
tambem, tem as pernas duas cicatrtzes an-
tigs : roga-se portauto a alguma pesaoa,
ou capitn decampo, e as autoridades po-
liciaes, que o peguera e o manden) levar ao
seu senhor, no pateo da Santa cruz, pada-
na n. 6, qus serao recompensados genero-
samente.
Ha po jcos dias fugio do engenho Cssr-
cabi o esen vn Joaquim, crioulo, uc aar fula,
parecendo cabra, diz que tem 18 a 19 annos
de idade, tem os pes mal feitos, um etc-
Iriz de chicote sobre o lombo e outra sobre
o peito, levou um quarto castanho gotdo.fni
escravo do Sr. Jernimo Cirneiro de Albu-
querque MaranliSo. vendido nesta praga pelo
Sr. Antonio Congalves Ferreira Cascan :
quem o apprehender conduza-o sodito en-
genho, ou nesla praga na ru da Cui n. 64,
segundo andar, que sera generosamente re-
compensado, e protesla-se contra quem o a-
coutar.
- Fugio na noite do dia 6 do corrente,
!de um sitio de Debenbe, um escrava c ula-
ta, de idade de '22 annos, alta, cor scahorl-
da, cabellos corridos c amarrados, n furgada
podres ;
A. A do
No dia IS dome/ p p., fugio d I
do do lirigur 'Sagitario," um ciiainili
nome Joaquim, pardo e?err>, de 2"2 a
24annosd< idade, estatu < ;;"'" ,**cj
docoipo, s tem barba ro <|iiiv". ca-
bellos rarapinhos ejatem muiti ? h
eos, he bem conbeeido por ter as n
muito calejaJas, rjuando fugio uataB o ca-
bello a nazareno, tem os pi i m w apaJ -
lados, e falla muito manso : qui ni < | i -
gar e o entrega* aoaesi stamor Mamil
Francisco da Silva Carneo, na ra Jo ( i 1-
legio n- I"', terceiro andar, sera' Um
gratificado.
PLR.N. IYP. DEM. F. DF. FAIlU. XHH-
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKH59HQ9F_ASMC0O INGEST_TIME 2013-04-24T19:57:15Z PACKAGE AA00011611_07364
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES