Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07292


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXVII
Sabbado 20
de l)ezin,>r<> de 1851.
N. 288.
MARIO DE 9 MRMlBfflL
11 IWII'I I' 'II
PBZQO U SOBCBIOlO.
PiOAMINto ABIINTIDO.
Por trimettre............ 4/000
Por lemeilre............. 8/000
Por nao............... 15/000
Piao d.ntio DimiHITII.
Por qatrtel ...........i/T'OO
OTICIAl PO 1HPBBIO.
Pura..... 2 deDezbr
Maraohao 7 de dito
Cear... 10 de dito.
I'.uahlBi. 1S de dito
Mioai... iSdeNovbr.
S.Paulo. 10 dedilo.
R. de J.. 25 de dito.
Babia... I de Dezbr,
di-d irniNi
AUDieiClAs.
15 Seg. 9. Euieblo Ver- Julio di Orfhoi
cense b. m.
16 Tere. 8. Albina.
17 Ou.irt. S. Barlholo-
meu a. Gemlnlano.
I Qulnt N. S. do 0\
19 Srxt. S. Fauna.
20 Sab. S. Dominios.
21 Doro. A.' do drenlo.
S. Tbom.
2.e5. s lObom.
1. varadocirtl.
3. e6. lo melo-dla.
Fazenda.
3. e6.il 10 borai.
2. vara do civil.
i. e tabadoa ao melo-
Rtlar/io.
Tercas e sbados.
BID.
Crescente 30, a I horae 55 minutes da ni
Chela a 8, a I hora e 8 minutos da t.
Mingoante IS, as 3 hora e 6 minuto da m.
Nora 22, a 1 hora e 14 minuto da tarde.
nuil! SI atOJX
Primeira s 2 hora e 54 lautos da tarde.
Segunda s 3 horas e |8 minutos da manba.
rAHTIDAl DOS OOBBEIOB.
Goianna e Parahiba, is legund*. e icitaa-
feir.i.
aio-Crande-do-Rorte, toda ai quintai-felrai
ao mel da. ,
Oaraubuns e Bonito, i 8 e 23.
Boa-Vista, e Flores, 13 e 28.
VJcioria, ai qulntas-fciras.
Ollnda, todos o dial.
NOTICIAS ESTnANOEIBA*.
Portugal.
Hespanba
Franca .
Blgica...
Italia....
Alemanha
Pruia ..
Dinamarca
Russia...
Turqua.
IS de Novbi
8 de dito
8 de dito
4 de dito
31 deOutbr
4 dcNivbr
, 4 de dito.
29deOulbr
28 de dito
18 de dito
Austria.. 2 de Novbr
Suissa. .. 2 de dito.
Sun i.i... 28 deOutbr
Inglaterra 8 de Noabr.
E.-Unldo 26 deOutbr.
Mxico... 15 de dito,
California 12 de dito
Cbili. 8 de dito
Rueo-A. 8deNovbr
Montevideo 21 de Ouibr
--
CAMBIOS DE 19 DB DIIMBBO.
Sobre l.oodrei. a 29 d. p. I #000 Firme
n Parii, 333 por fr.
Lisboa, sem traniaccSei.
METAEI.
Ouro.Oocas hespanholai.... a
lioeda de 6/100 velhas. 16/000 a
. de 6M0O noval. 16/000 a
de 4/000....... 9/00(1 a
Prata.Pata(Seibrasileiroi.. 1/940 a
Pesos irulu ni liarlos.. 1/920 a
Ditos uiriicanoi..... 1/740 a
28/600
16/200
16/300
9/100
1/940
1/970
1/750
PARTE OFFICIAL.
GOVEHNOD* PROVINCIA
EXPEDIENTE D0 DA 1 ,DE DEZEMBR0 DE| ^^T7blT^.'SS''o,
do resume da despezi. que te n feito com I Miranda VarejSo e Joflo Arsetiio Barboz.
o Mugue! da cas que serve dequirtel e pr-' Paasaram do Sr. desembargador Luna
sSo nsquella villa. Freir ao Sr. deserobirg.dor Telles as se-
Uito.--A" cmara municipal do Bonito, guiles ppellicOes em que So:
dizendo que, com quinto tenham de ser Appell.ote, Minoel Jos Soares de Avellar:
appellada, Manoela Francisca Monteiro
_, ,j ,-. mentos e cootisque vieram com o seuoffi- Hegadn.
Officio.-Ao Exm prndente do Rio Cran- dfl no^mbro uliimo cumpr8 t0- Apeonante, a preti Hmoela ; appellado.Ma-
de do norte, dizendo ncir n eir.do d* ha-1 d ia explique como a cr. d. irreci- noel Francisco Rebello.
verem sido preosno diilncto doiPitu do,dcfl,,%rfeolv,Muo ,nn0 municipal Dudo Pass.r.m do Sr. desembrgador Telles .0
municipio do Apudy f m,'f'd M,',r!',"-|correspandou jusl.mente qu.nli. o.rjada Sr. desembargador Pereira Monteiro as se-,
dejos f.cinorosos Jos Bnlhmte > *'"- gem h,,el. differenca ilguma, devendo ou- guintes appellacOes em que o : J
cirem.lsoitodeseussequasej. Uroiim declirar a rasflo porque est orea- Appellante, o juno appellado, Antonio
Dito. -Ao commaodo das armisi, par. da en, menos, receit. do .onovindouro. Jos de Andr.de.
mandar postar em frente do convento des jilo--A' iunta qualiflcsdora di guirdi Appellante, Hermenegildo Eduardo do Bego
Antonio no dia 21 do oorreoto pels 3 horas nlcionii ua freguezi de Papacac, accu- Monteiro; appellado, Antonio Jos Alves
da tardeumbatalhaodoprimoir lmhaalini8an(Jo recehdo_0 oujCio em que communi-| do Atnorim.
de acompanhar a prootasae do Divino Espi- BC|iarem-se eoncluidos ostrabilhos da Passar.m do Sr. desembrgador Gomas
rito-Sanio, que tem do sahir do mesmo con-( a||ucao da guard, njcion,| diquella Ribeiro ao Sr. desembarga lur Villares
pirochia, e ordenindo quo declare se foi ou seguintes appollaqoes em que sao :
nao exactamente cumprido o artigo ii das Appellante, o juizo ; appellido, Francisco
mstruccOas do 25 de outubro de 1850, visto | JosMendes.
assim o nao ler feito. ; Appellanto, Manoel Alves Guerra ; appolla-
________________dos, Jos Niculao Rigueira Cosa e sua
TIUBUN&L DA HELAG&O'. | muiher.
eirssii na ir iif nF'/FMBRO ai 1851 APPe|lnle, Jos Francisco di Silva Aroiral,
ftffifi Sp? KSs^i*. .PPolUdos, Jo5o Baptista Vieir. 4, Com-
As 10 lioris da manhi, estando presentes p*u,'": .. _. .
mm._ d^embargadore.' Un*' Brttoe, ^^^JSTitSSSJlSTlJZ
rento pir. a igreja de Nossi Senbora da
Coneeicflo dos Militaros.
Dito.Ao mesmo, inleirando-o deluver
n l t ni. presidente do HiranbSo requisitido
a guia do segundo tenente do qunrlo bala-
lb3o de artilhari. a p Jos Nunes Mirques,
qu all se .cha empregido, e prevenindo o
deque deve remetter. dita guia, ou dizer
o que se Ihe offeiecer a tal respeito.
Dito. Ao brigadeiro Manoel de Souza
Pinto de MigalhSes.A' vista do olUcio que
V. Exc. me dirigi em data de hontem Uco
sciente, nfios da communiocao quo me
faz V. Eic. de haver remettidj ao general
comm.ndante das armas pira ser trazidoao
meu eonhecimento o relatorio da inspec-
c3o do quarlo hatillio dearlilhria a p,
como d haver terminado com esse relato-
rio os trabalhos da inspec;3o dos corpos de
primeira linha desta provincia, cumprindo-
ine por esta occasiSo signilicara V. Ele,
que observei sempre com satisfcelo o zelo
que V. Esc. desenvolveu no desempenho da
importante commissSo, de que foi encarre-
gado.
Dito.A' theiourarla da fazendi, autori-
sando-a, em vista de sua informac3o, a man-
dar supprir o arsenal de miriuha, sob a res-
ponsabilidade da presidencia, com a quao-
ti. de 158,393 rs., que requisita o inspec-
tor do mesmo arsenal para occorror as dcs-
pezas da rubrica. Pharol no corrente
exercicio, por ser insulllciente a quota mar-
cada par. esse flin.--Commonicou-se ao di-
to inspector.
Dito.Ao inspector da thesour.ria d. fa-
/.jnd.i provincial, Inteirando-a de haver
mandado quedo destacamento de Caruai
vilo estioionar em Bezerros 6 pravas sob o
rommindo de um inferior e a disposicao
do respectivosuhlelegado,conformo requi-
sitou o desembargador chefe de polica,
quem aulorisou para alugir urna casa, que
na mesma freguezia sirva dn quaitel ao di-
to desi.e.mento. este sentido expedi-
ram-se as convenientes ordens.
Dito.A' mestn, par.toan !ar piir em
pr.r;. O empedramento Jas 560 brecas que
constituem oprimeiro lanco da e.>lrada dn
Escadi, de conformidade com o ornamento,
que remelte por copia, servm lo purcui de
base o abatimo >to j offerocido pcl<> licitan-
te, que pretendia arrematar o empedra-
mento da 650 bribas, de quo tratava o pri-
oieiro orcaroento.--Cnriimunicou-se ao di-
rector das obras publicas.
DitoAo inspector do arsenal do mari-
nlia, dizeudo licar scienlo de luver Smc. ap-
prebendido e mandado recolher quelle ar-
senal 17 prancbOese 5 canoas, ludo de ama-
relio, viodos do Passo de Csmaragibe as
barcacas S.-Rita-Viajanle e Coiannense, per-
tencenles, esta a Jos Joaquim de Si Pegado
e aquella a D. Mana Anglica FulcBo, visto
nSo terem os respectivos mestres apresgn-
tido licen?i do governo imperial.
Dito.Ao director do arsenal de guerra,
communicando que deofllcio do Exm. pre-
sidente do MaranhSo consta leion sido en-
tregue osicaixOes quelne foramenviaJos
em 21 de novembro ultimo, conlendo va-
rios objectos para as companhias .depoJes-
tros d.quella provincia.
Dito.-Ao major eucarrogado das obras
militares, declarando que pode adoplar-se
Le3o, Souza, Rebello, Luna Freir, Telles,
Pereira Moutciro, Vallo e Gomes Ribeiro :
o Sr, presidente declara aberla a scssSo.
JULO AMENTOS.
Aggravode lliniz Antonio de Miraose Sil-
va ; agrava ios, Manoel Pires Ferreira e
mullier e outros ; appellados, Pedro Lucas
Correia, sua muiher o outros.
niSTRIDUICKS.
AoSr. desembargador Villares as seguin-
los appellafOes em que s3o i
Appellante, a justirja; appellado, Jos de
aiviiju Lima.
Kfu* Jl?"?.l' JSSSLi ..;.? I mingosAntouio Comes CuioiirSe*. .
Reis.Negaram provimento aoaggravo. !
Aggravo de D. Mara Filismina do llego Go-
mes ; aggravado, Joaquim Aurelio Perei-
ra de Carvalho. Deram provimento ao
aggravo.
AppeUafOei crimes.
Appellante, Jos Pereia de Castro; ippella-
do, o juizo. M.odaram a novo jurv.
Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Al-
vos da Silva Oliveira.Mandar.m a novo
jury.
Appellaces eivils.
Appellante, Maria Tlieodora da Conceir;3o ;
appellado, Aleixo Jjs de Oliveira.Re-
l irni.ii- mi a senteofa.
Appellanles, Estev3o Jos Paes Barrlo o
sua mulli.T appellados, Francisco I'aes
Brrelo e outros. CorjOrbiaram aseti-
tenga.
Appellante, o juizo; appellados, Manoel Pi -
res Ferreira eoutro. Conrlrmaram a sen-
tenca.
Appellante, o juizo; appollado, Ignacio Cor-
reia de Mello.Confirmaran) a sentenca.
Appcllaiites, os indios do Arionches ; appel-
lados, osliordoims de JoSo da Costa Alba-
no. Conliriiisrain a mmiI m.-a
Appellautes, o appellados, Manoel Antonio
Dias e Jos Veuaocio Pimeuti de Caiva-
Ibi). Jul.:a.am nudo o processo.
Appelianles, Amaro Goncalves dos Santos e
outros ; appellados, Marcelino Antonio
Peroira e outros.Despiezaran) os em-
bargos.
Appellante, Joaquim Ferreira ; appellado,
Jeronymo Joaquim Ferreira de Oliveira.
Desprezarain os embargos.
Appellante, Mauoel Alves Guerra ; appella-
do, Gaspar do Monezes Vasconcellus de
Druinont.Desprez.rarn os ombargos.
Appellante, D. Candida Agustinho de Bar-
ros; appellado, Jos Candido de Carvalho
Medeiros. Desprezarrm os embargos.
diligencias.
No processo do rosponsabilidado do juiz
de direilo interino da clJ.de d. Fortaleza,
mandaran) repetir a ordem para responder
a denuncia.Mandaran) ouviroSr. desem-
bergador procurador da coroa ua appella;3o
civel.
Appellante, Jos Jeronymo Monteiro como
prucuiator; appellado, o juizo.
oioaiGOii.
Appellante, Manoel Joaquim dos Santos;
ppellado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Bastos as seguin-
tas appellac,Ses om quo s9o:
Appellante, o juizo; appellado, JoSo Josd.
Silva.
Ao Sr. desembargador LcJo as seguioteg
ppell.fOes em quesSo:
Appolliute, Aon. Josepha ; appellado, o
juizo.
Appellante, Ignacio Jos da Silva ; appella-
do, Igo.cio Manoel Viegis.
Ao Sr. desembargador Rebello as segua-
les appellifOes emquesBo :
Appellante, o juizo; appellado, Manoel do
Mascimento Pontes.
Ao Sr. desembargador Valle as seguintes
appellafOes em que sao :
Appollanle, Maria Brasilina de Oliveira;
appelladus, Carlos Bdnlo e outros.
Ao Sr. desembargador Gomes Ribeiro oa
seguintes iggravos em que s3o :
Appellaule, o juizo; appallado, Manoel Ro-
drigues Ferreira de Mello,
l,evantou-so a sossSo as 2 horas.
"pralicV; por Smc. ieriibrada, de se Ihe en- Apellante> Mmoel Gamillo Pires ;appolla-
uanlia dos, Josu Pires \ i nina o sua muiher.
fregar no principio de cada moz a q
necessarii para pigamento das despezase
fazer-se com as obras a seu cargo, devendo
para isso enviir o orcamento das quantias
precisas parase expedir ordem a pagadura
militar, i quil devere Smc. prestar contas
no fim de c.da moz anles de receber a pres-
tado para o seguinte.
Dito.Ao juiz municipal do Honito, para
que mande proceder a um resum lo orca-
niuiiiii dus coneertos, quo se tcm de fazer
na cadeia daquella villa, e o tiaga ao co-
nhecimetilo da presidencia, declarando logo
se havera quem se proponha a fazer dita
obra por arrematafao.
Dito.Ao delegado do termo do Ouricu-
ry, dizeudo que, com a nrormar;So, que
remelle por copia, do ofucial-maior d the-
sour.ria da fazenda provincial, responde ao
oflicio, em que Smc. ieclmao pag
rOLIIETIM.
ou
RIEmORiAS DE UM MARIDO.O
POB SUOBMIO SUE.)
XII.
O desespero que as comequcnciai de ininh.
odiosa indiscrcae para com Andr Levasseur
linha causado em nilm, fez-rae cahir gravemen-
te doente; atacado de uina febre cerebral, es-
tive quasl um mes de cama.
Mas tarde soube, e retiro aqu coin todas as
auas particularidades, o defecbo da prlso de
madama Rayinundo e de seu innao Jaques Go-
dotredo, preso duas horas depois da conversa-
co de Levasseur com o to.
Jaques Godofredo, coodemnado mort por
contumacia por um tribunal prebostal.leve sua
aentenca conflrinada.
Elle devia ser esecutado na praca de Greve.
Eis-aqui o que se passou nesse da, segundo a
Darraco de um dos actores que lomaram parte
nesse accontecfinento.
A exeeucao de Godofredo eslava risada para
as nove horas da inanhaa.
A's oilo e nicia a carreta que levava o con-
('I f* o;Dario 287.
MVISES.
Passaram do Sr. desembargador Villares
ao Sr. desembargador Bastos as seguintes
appellacOes em que s&o : -
Appellanto, lazend. ; appellado, Manoel
Jos de Araujo Costa.
Appollanle, a fazenda; appeliados, Carvalho
.\ Mu i
Appellante, Jos Antonio da Costa ; appella-
do, Francisco Manoel de Carvalho Costa.
Passaram do Sr. desembargador Bastos
ao Sr. desembargador Leao as seguintes ap-
pellaces em quesSo :
Appelianles, Francisco Pereira Pinto Caval-
canti e outro ; appellada. a fazeuda.
Passaram do Sr. desembargador Rebello
ao Sr. desembargador Luna Freir es se-
guintes H|i|n:ll ii.li 'i em que s3o :
amento I Appellautes, e appellados, Bazilio Alvos de
demoado ao supplicio devia partir da cadeia.
Logo cedo urna centena de artista e de mer-
cadoics do balrro de ianlo Antonio, partindo
isoladamente de suas casas, chegaram de ditt'e-
rcnlea lados ao caes das Flores.
Alguns curiosos estavam j ueste lugar per-
feilainenle escolbido para ver paisar o con-
demuado :
Os suburbanoi misluiando-se pouco a pon i
oa multldo que alllula J, collocaiara-se de
modo a formar na occasio da passageu) do si-
niitro cortejo, dua nltiras a dous ou tres de
fundo, as quaei guarneciain ile cada lado a es-
quina da ponte na lugar em que a carreta e sua
escolla .le vi.11 n entrar deilandoocaes.
Oscbefcs destes grupos erun ns bomens po-
bremente vestidos que eu tlnna visto em casa
de madama Baymundo, e dos quaesJoome
dissera : Sao os amigos de mluha mi. .. com
laes amigos, pde-se au'rontar a peior fortuna.
Estes uiysteriosos preparativos de llvramento
organisavam-ie sobre o caes, debati da dlrec-
cae de um bomein de alta estatura, vestido de
urna bluss. e uotavel por longos blgodes e es-
peisas suissas vermelhai que Ihe passavam por
bailo da barba ; este bomein nao era outro que
i.li.ui" imer, o antlgo soldado de booet de po-
lica verde e encarnado, que gracas tintura
applicada i sua barba e a seus cabellos, tmlia
lombado das persegnlcdea da polica que anda>
vaein cata dclle, seguudo as Informacdei da-
das por luiiu a Andt Levasseur.
Depois de urna ultima recommendafao feila
aos ebefes que parcciaui dirigir os hoinens que
formavama rlllelra na esquina da ponte, Char-
pentier approimou-ie de doui vigorosos coin-
panheiroi que parcelan! guardar dous deises
tonneis de bracoaaus quaes sejungem os ago-
delroi.
- Attenco ordem, dissc-lbe t.harpenlier
em melavoz ao paitar por junto delles.
EXTERIOR.
LISBOA 7 DE NOVEMBRO.
Os cam coas nffici.es d. crusada anti-
carlista, desorientan) usivelraontede diapa-
ra dia. Ninguem triumpha menos vencen-
do tanto.
Oslourosmurcliaram coma victoria.Tor-
rivel agouro.
Ouaudu hiam langiir mo delles para
enramar a fronte altiva dos seus hroes,
desflzeram-se, Cairam-lhe os pos em p
despresivel. Para os reduzir a nada, bas-
tou tocal-os o hlito dos voncedores.
Nilo i es pirara o el les senSo destrui-
cao>
Podo ser.
O certo he, que os proprios tangedores
da cavalgada revolucionaria denunciam,
que o lemor de algum desastro atormenta
os da caravana. Para a vinganr;a da Dos,
oque vale,a pioteccBodoshomens?
Mas o que he que perturba os famosos gi-
noles ? O que poder recear a phalange al-
Mi.i'11, se tem a sua frente nemideus?s,
a quem prestam rendido culto os exercitos
de lodos os campos ?
He cousa que mal podemos comprc-
hender.
Caminbo do capitolio, .inda se n.lu viram
passos mais incerlos e irresolutos.
Modestia nfio he por certo que lhes so-
brou desafogo para entoarem cantOes trium-
plxes; como lhes sobejsram na capital,
pon dis assemblas eleitor.es, menestreis
que recitassem com omphase de agitadores
poesias, adoptadas ao santo fim de ar-
mar a mullidao de punhal patritico, pi-
ra viogar a sociedade dos corruptos, e itn-
moraes.
Nem mndestii, por tanto, nem grandeza
de alma he essa frieza de indifferenga, de-
pois do enlhusiasmo phreneiico applaudin-
do povo, o governo, em xtasis de jubiloso
patriotismo.
Quem sabe, porem, seo plano dos esta-
distas falhou, como, e por que ? Iiia mais
longe, doque porvenlura qu.Ti.m, o favor
prestado osalliados? Excedeu o resulta-
do a expectacto do cbIcuIo trai;oeiro ? Fo-
Se tranquillo, respondeuos doua trocando
com elle uin slgnal de intelllgencla, estamos
alerta.
Charpentier dirlgio-se ento para a eitremi-
dade de uina da pequea ruis da Cit que
deseinboccavam no caes das Flores.
Uina carruagem eslava ahi estacionada.
O coebeiro, noincn de clncocuiaannoi, pou-
co mais ou menos, de semblante resoluto, e
como rosto maicado por uina profunda cicalrii,
linha descldo de ?eu assento.
Charpentier disse-lbe em voz baixa.
Nosia gente all eit..... Tudo val bem.
Ellas prumplo?
Slm, velho.
Teus cavallos.... esli frescos I
Como rosas; comeram duas raedes. Pre-
fer Ir a p esta noite l erabaixo para nao o
fatigar,
Visteo meitre cabouquelro?
Vi-o, ludo eit arraojado.... elle virao
nono encontr.... mas que leus, Charpentier?
M.iran. .. leiiliu incdii !
Tu.... niedo?
Slm, temo por Godofredo... por sua
Irinaa ...
Mi penses niiso..... Vamos, nada de fra-
queza, Charpentier.... Lembra-te!.... dnos-
las cargas nos dragdes da repblica, quando
corlavamol os ligados deCoblentz; ali! ralo de
lieos, digamos boje como nesse lempo... avan-
te! nossa ente nao se amuar.... bem sabes
que por amor de Godofredo, de madama Ray-
uiundo e de seu lbo, elles se deiiariam fazer
pedacos.'
Ah Morand, oque eu temo he justamen-
te a coragem n arrojo de nossa gente, Temo
I que elles esquecam o principal pelo accesso-
rlo.... Comprebendes?
Pcrfeitamentei mas ah: o acceisorio lie
ram talvez mais doslros di quo suppunbam
os amigos de hontem, os quaes prernriram
os amigos de longos annos ? Impressinna-
ram-osas scenas dodiadois? Bonfionta-
dis com as noticias dos diversos pontos do
reino, rasgar-lhe-hiam o veu quo ns venda-
ra Estar hoje menos obscurecido o in.
lendimento rebelde, que se negiv. reflec
tir nos .restos, que ahi abundavam para
regular com segoranca as probabilidades
que Ihe inculcivam ?
Nao sabemos. N3o he impossivel.
Mas por que nSo ser anles a rasan con-
traria de tudo isto ? S3o 13o odenlos SSo
taovingativos!
Talvez que lhes pare? pouco aind, o
mal que (izeram aos adversarios mal que
um dia ha-de pesar-lhes ?
(,i.i Ta n talvez melhor aproveita lo o au-
xilio que derama inimigos? Perlendiam
que o incendio geral nSo poupasso urna s
guarida, em que se salvosso o testamento
que forcejan) por anniquilar, para n3o to-
rom coherdeiros ?
Se nos perguntam para qual das hypolho-
ses nos incluamos, nSo temos duvida om
acceilar esta. Expca-so con ella muito
melhor o quo ahi se v com pasmo de todos.
lio o u nossi opiniSo o que se revela i ela
lingungem venenosa, de quo usam para
combater adversarios que lemem.
So assim n3o fosse, para quo haviam de
cngr.ndecor urna victoria quo ihes n3o per-
lence i' Para que haviam faltar a cxaclidilo
dos fados; et negal-os iinnudentoinen-
te, s porque favorecen) o juizo com quo os
prevenimos?
Baslava qne procolesscm com imparcia-
lidade, e n3o dinamos o mesmo. A con-
flwSo dos erros era just'licar;ao dis inlen-
cOes. Perdoar-lh'os-hiamos que be pa-
ra tanto a generosidade de um partido gran-
de, o qual tem izelaro conceilo que sou-
be adquirir por um passado todo hon-
roso.
Asavessas. O empeuho em nos disputar
a pilma do martirio he o desengao, de
que foram elles os authoros dos tormentos
Diversos bracos operaran) em alguma parte,
mas a ac?3o mostrou-so combinada. Es
lo encontr raro, don uncia a unid.de
communicada todos por um mesmo .-
genio.
Os instrumentos eram iguaes ; e iguaes
s3o Un be in os esforcos para esconder do
publico a vergonh. do sou proceder. Co-
mo pois havemos de concluir? Por qual
das hypothescs devemos optar ?
E nao he s o que deixanios ponderado.
II. mais.
NSo so l nos jorn.es do gorerno urna de-
fesa grave, urna contrariodado riiodesta, que
se Insinu pela rnoderacSo ; quo aprsenle
o mail leve indicio do os terem impresiona-
do dcsagradavelinente os escndalos do tu-
da, parte.
Em vez d'isso, ludo Ibes parece anda
pouco. Por muito que nos vissom llageilu-
dos, mais crescoi ia o cscarueo.
A medido do seu ranenr nSo so cnche
com facilidado. O veneno tnsborda-llio por
todos os poros. N8o suam sangue, como o
Salvador no Harto; mas de>tila.n umi subs-
tancia pestfera, que nos doia fim, se tHo
llie evitassemos o conticto.
At a nossa paciencia os Irrita. (!) ortu-
ra-osa (irmesa com quo os aguardamos no
nosso poslo al exlremidsde. Queriam
ver-nos rendidos o prostrados diate dos
dolos do seu culto sacrilego. E se podes-
sem, negar-nos-hiam a f, qua uflo s3o ca-
pazos de nos enfraquecer; a espera nca, qua
nunca po forSo Tazer-nus perJer.
Assim mesmo morde-nos a fortaleza que
os espanta ; e l inculcan) por furor e impa-
ciencia, o que nao passa dn um roflexo do
nojo que inspiran) initjigos, como os quo
nos venceram.
Melhor fr. que estudassem antes em dos-
colirir algum maio de atlenuar o seu pro-
cedimento. Fazerem do sambenito gala,
rebaixa-os a tol ponto na escala da dogra-
da;3o, que os pflo fra do comuiorcio dos
bomens honestos.
Digam enib.ira que blaspnemamoi, ptague-
Jamos e exlrabuxam'is ; navemus de fazer
sentir toda a vilesa com que nos injurium
vencidos, e vencidos pola trai(3o, pela frau-
de, polas violencias, e por lodos os de mais
recursus, do que hecoslume laorjarem nio
os despotas, e os tyrannos.
A servnjaria com que procederam exclue
toda a iiiodenii) qua desejassomos usar.
Covardes Une nem coragem tem para res-
ponder pelos crimes de que nao so envor-
gonharam, quando .elles recorronm para
nos e&magar!
Injuriaram-nos, e querem que os affaguc-
mos.
Apontaram-nos, ao peilo' os punhaes, o
nao havemos de trita-los como 9icanos .'
Djsmeiitem-nos grosseiramonte, contra
a verdade, que jamis costuniamos sicnli-
oar : e n.lo lolcram que I to eslampemos no
Tinha-me deitado, sogundo meu Imiva
vel rn-tii no, s 8 e i/2 horas da noite do
dia 12 do corrente, e em breve Morpheu
alou-me com seus dous lacos, quero dizer,
dorma profundamente. EntBo o Sr. Mor-
pheu, ou outro quslquer velhsco, entendeu
do divertir-so minha cusa por algumas
horas, fazondo, tilvez por desencirgo de
conseienris, com que eu timbem me di-
verlisse um pouco a custa da misera liiiuiu
nidado.
Pareceu-nie quo se segua por urna lind.
campia sem destino certo, e, quindo
mais miravilhsdo me nchav Unto poli bel-
leza do lugir todo tai'uado de vicosas o
fragrants flores, como pela suavidado, e
nSo sej que do oxtra-nalural, do ar quo
respirava, via um Iropego e alquebrdo ve-
lho, quo ean vflo procurara fugir da umai
monstruosa o repulsiva cobra, quo quss
o lacava com sua mortfera bicca. Laucar
inSo do urna pesada pedra, inemer;i-la
caboca da vennos, serpe, foi para mim
obra de um momento. O roptil ferldo em
pirte nobro. como diriam os mdicos, em
v3o traballiou por fugir, mas de todos os
suus exforrjis apenas resultou dsr mil vol-
las sobre a esmsgod. ebepa com volubi-
li.lado da lingua do maldzonta. Negro sin-
gue sabia da frnturada cabeca, e entro ss
voltis que dnv.i esciou-se-lhc vidi.
O pobre velno tornan lo a si do susto, que
Ihe tmlia ombutaito .ifnculd.de. inlellec-
tu es, com os olhos clioios da reconheci-
mento me diste : Muito vos agradeco o lo-
es salvado osles poucos moni intoa do vida
que mo restam, e om reconhecimento ao
BSigntlado beneficio, que to generosa-
moulo me fizestais, j que em compar.rjao
a mim sois muito mojo, quoio adinil.r lu
experinnria em urna breve licjSo muito
ali'in do que uma auledoluviana idade po-
dra fazer.
O inciso tinba um ar de respeito, um
semblante 13o nobro, que por um momento
s nao duvidei do que elle me iria descobrir
os arcanos das sciencias, os sign.es caba-
lsticos do Salomao, ou qt.ando rnenoi .
pedra philosophal, ou a quadr.tura do cir-
culo, com quanto para i.im esse ultimo
seria o menos importante favor quo me ellu
podara fazer.
Accendeu-so em meu paito ess .guilhoj
auto ciiii.i.M la le, que s um curaca-i liini
niuo pode comprehender, e pouco faltou
que me n3o lancassu aos ps do velhinbo
em reconhecimouto desua ignota promes-
sa; mas felizmente salvou-me a recordigao
da gualdade constitucional do nossos di-
reilos civis o polticos, que, com liceiiQa
CORIIUSPONDESCIA DO DIARIO DE PER- dos potentados, nao cousoiita que um cida-
rosto o ferrete da ignominia I
Escarneceram-nos dopois de fligdid.o, o
querem que repitamos o Paler /noico illis I
NSo forim banies declamado*, com que
Ihe contestamos i victoria aioral. Foram
fictos, individuados com todu precisan.
Porque os n3o conlrararem.
Vin ii.ii Por toda impugnacSo uma
negativa estupida apenas!
lie ceilo quo nSo poden). Mae ou confes-
sem o mal, e moslrarSo assim reprova-lo,
ou guardem silencio, em vez do irritar pa-
ciencia dos vencidos.
Em todo o caso, porm. nSo confundim
o recentimento q ie se lhes mostr, com a
le-es; o ac>> que nosattribuim. Enganam-
se quando julgam que podein acobardar-
nos iriuinphos, alcanzados polos meios que
empregBramcomprados pelo vil preco do
urna aposlasia infame, de urna torpesa inar
dita; de escndalos como ain la foram vistos
por paito da auihondado publica.
Dizomo-I.) sem reeeio de que nos contra-
digan) com juslica.
Te nos visto no nosso paiz muito excesso;
multo delirio; muitos manejos, mais ou
monos reprehensiveis. Mis minen a autho-
ndade intervoio pur modo tSo indecente na
lucia eltiloral. Nunca a perfidia foi levada
. lainanlu gr.'U. .Nunca a liypucrisia cam-
peou to iirroaiili> e o.gulhosa, no campo
da aclividado Jos partidos, como so nios-
irou agora na iadlffereao. ministerial, na
decantada nSo interferencia.
Os abusos do buje nao lo do un partido,
ou d'al^uns enl!iu-i i-l is d'ell'. SSo do go-
verno, quosc abaixou a aiueagar os seus
dependentes; que aulhorisou os seus em-
preados a praticaieiu tudo quanto fosse
uecessario, licito ou illicito, pa darom a
victoria ao partido domocralico.
NSo foram fados plateados a distancia
da capital, que o governo nao podosse pre-
venir. Foram abusos ; foram crimes prati-
caJos sua vista.
E nao so rnoveu Nem sequer os slygma-
lisou.'JPassaram como so nao livessem exis-
tido!
Oh! Envergonham-so osquo n3o duvi-
daraui enloar-llio nymnos de victoria ; cn-
ticos do louvor! Corrupto similh.nto lev.
o descrdito ate medula do corpo s icial;
acaba com todo o prestigio da autooridade.
Eis lodo o favor quj om ultimo analyse
Ihe devemos.
(Eslandarlc.)
INTERIOR.
I'aruliyba,
NAMDUCO.
15 de Jczeinbra de 1851.
dio sa prostre s ps de nutro Felizmen-
te foi esta minha s.lvaco, anda que bem
Tudo marcha em boa ordem, o a segu-1 Da0 ubia qu.l a forma governaliva do paiz
ranrji nlividuil vai-so coiisolidnmln, ainda'4,,0 0:ilj haliiuva ; mas ulguoi-mo Can
mesmo nos lugares de mais horrorosa no- loros britnicos, que imjialerrisam o lorr3o
meada. As febres, que em minhn ultima Hra quo seichi um subdito protestante, o
Ihe notirioi parecer haverem nos viiitadus m udoachei mal com este juizo.
n3o tea, tilo augmento o nom sai >o o, r.llexes, se ho que tal nomo
casos apparec.dos -cr3o do verdade a aera-! '^ ** '* ,rtm c>", rai i jcz do elec-
reila,, .ind. quo mimos issim os julgu .. Jg^*JS 0 velho to.nava .ssonto
No da 13, vespora da milagros. Santa ~'."" -........... m .n.
I.uzia, priucipiou com forr;,i a chiva, que
taiiibein tentador! Espauear os soluauos Ue
LuisXVlll!
E se nossa gente ceder a esta tentaco, Go-
dofredo est perdido. Perdido! elle.... elleque
he nossa nica espciauca !! ...
bravo Godofredo! coraco de ouro e cabe-
ca de ferro I Nao, nao, um tal boceado nao he
ieito para a guilholina dos tiurocs. Calma,
Cbarpaulier, calina. .. Nos o salvaremos.
Cbarpanller lirou o relogio e dlsse :
Faltiin cinco minutos.... mas dize-ine.
podes deiaar teus cavados sos?
Para lser o que ?
He melhor que estejas com noico prouip-
to par. o que sabes.,..
_ Tena raao. All ba um armazem de v-
nhoi, vou pedir ao cilaeiro que vige lobre
meui cavallos.
Um instante depois, Morand e Charpentier
alravessarain o caes das Flores, j completa-
mente invadido pela mullidao, elles chegiram
ambos piimeira llleira dos espectadores i mil-
turaiain-sc entre os homeos de que temos fal-
lado ', e que formando a fileira ueste lugar pa-
recala simples curiosos ; dous d'entre eltei
trocaram alguinas palavras com Charpentier,
quando uiu murmurio surdo e loogo se fes ou-
vlr ao longe.
Ncste instante deram oito horas e meia no re-
logio da casa das audiencias.
__ Sobre tudo nao vos mesis antes que eu
tenha gritado a vos, dlsse baiainbo Cbarpau-
lier aoahoinens collocados a seus lados, prin-
cipalmente uo vos entretenhaes com os solda-
dos, do contrario ludo est perdido....
Em um instante o conejo appareceu.
lilis piquete de viole bomens de cavaltarl.
commandadus por um ofo.ci.1 abra a marcha.
Ao depois vinha uina cairuagem com os al-
' gozei.
Ao depois a carreta, escoltad por um legun-
i
coutiuuou too di. 13, com bstanlo des
gostodos plantidores do algodSo, que vem
sua safra perdi la, o nSo sei se pra7or dos
cultores da caima, quo repulam futura
eguruinji, salvanjo sampre o juizo de
Daos.
Temos estilo estes tres dias bastante
apathiem, julgo quo os espiritos repon- un
ilispondo-so para os divert muios do natil,
se as chuvas nSo passarem man lado de pri-
sto contra os passeantes amigos do vista de
hosquo, oj do gusto pastoril, como diz
Juein sab^. Espero breve sabir desle csta-
o de vegetacSo, e dar um passeio al a
Jacuc, lugar de meu nascimento, para
fruir os innocentes prazores do campo, e ar
livre, deixando de acompanhar uns amigos
e C'impaahoiros dos papars da alagoa, quo
pretenden) fazer um tresena Bacli i la para
u Mandaciri, porque mu na i dei bem no
nno passado, no qual os laes com,ianhei-
ros inspiraram-so da mais, e no excesso d.,
onthusiasmo, ou xtasis, pozeram-so a A-
d3o, quero dizor, cu no ello um momonto
depois que cnupou o vedado pomo. N3o
goslo do estado natural, o por isso l i)3o
vou. anda que ovigario me pe<;a.
Em falta do noticias, lenho teniarjes do
contar-lhe ponto por ponto um sonho, que
tive vespera de Santa Luzia; mas lenho
receios de que mo nSo tome por tolo, ou
quando menos por visionario..... Eu estou
nojecom muita disposi^So para escrever,
poneos an igos tenno que me merecaoi Uin.
longa carta, com que, em falta do noticia
entrelerei este lempo aborrecido
NSo sci Finalmente lenho tomado mi-
nha resolucao; o se Ihe nSo conviar dar
uma tremen lissima massada aos seus Ieito
res, risquo com um Iraco de ponn. quan-
to passo a duer-lue, com o que mo nSo of-
rende. ^^____^__=__t^_
do piquete de cavallana da incaiua forca que o
primciro.
Jaques Godofredo, coi mangas de camisa, ten-
do as inos aladas para ira, em p na carreta,
tinba a ironie alta e radiante de enlbusiasino ;
sua longa barbaruiva, seus grande, i.iim, a/uc.
altivos e brilhanlcs, o ligeiro colorido de sua
faces, o sorriso de sereuidade orgulhosa que
errava sobre seus labios davam a suas feicocs
um carcter chelo de energa, de calma c de
grandeza,
De tempos cni lempos elle se diriga ao povo
com iioi.i voz relumbadora, dizeudo :
'leus amigo..... meus irmos.... morro
lem Hiedo e sem reproche. lenho couibalido
por nossa liberdade.... Animo... eaperan;a e
unio U estrangelro Irousc-nos oulra ves es-
le Huibes, avergonba.a enecracao da Fran-
ca! Ellea hao de cahir debalso do despreso c
do odio da Franca... como cabio Bonai.arte, o
renegado! o lyranno ... llonaparte o assassi-
no da repblica, sua mi!... mas ella ha de re-
nascer brevemente de suai clnzas I Viva a re-
publica 1
Cumpre que nos remontemos pela Icmbran-
ca aos dias sanguinolentos da reaeco de 1810.
para comprehendermos a audaciosa energa
destas palavras. t
A mullidao admirava coragem le Goilorre-
do, mu lluba, por assim dizer inedo de oujlr
.1 vehementes provocafOes do condeinuido,
esse indomavel inimigo da realcsa.
Um prnluiiilii -lleneni de eslupor, de adnii-
racio comida, e de espanto reinava pois sobre
a passagein do Godofre do.
Quando a corneta c'iegaodo ao ngulo da
ponte, acbou-se assim. na altura da dupla ll-
leira dos suburbauos, urna secna violenta ac
passou.
debaixo de urna copada arvore, o me con-
vilava a fazer o roesmo. N3o esaerei por
segundo convito, o arrumei-mo da melhor
forma que pude, ou que julguei convenien-
te inercia deste curuiuho, que com quin-
to realmente n'aquelle momento eslivesse
na melhor posicao conhBcida, e reconbeci-
la al pelos rrades, veidadeiras e legitimas
lUtori la les n. materia, com ludo no meu
sonbo e.-tava de p, e uin pouco encooioio-
Jado. Cous inexplicavel !
EtitSo o velhinbo lomando a palavr. ( di-
go tomando porque a mim corlo n3o pe-
dio) principiou, se bem mo record, da
sorfuinte maueir. :
.. Har.v1lb.do estars, mou .migo, do
quinto vs; mas quiz la boa sina, quo,
o n sallares o como, viessos eslo paiz,
onde vivo ha O" mil anuos espera do fim
lesse munlo onio habitas, osle paiz a
quo muitos d-sejar3o vir, mas que poucos
podero chgar, para aprenderos em pouco
t<*mpo na minha experiencia de Irinta secu-
os a eoaheoer os h imons qu co.n ligo vi-
vem nesso miseravel torrSo, qua vs-ou-
tros chamis emuhaticamente globo, mando,
uaiverio, e maisquantos nomes no iccesso
lo vossas loucuris improvisis em honra
do vosso dolo; sin, digo a contraer os
bomens, qua com ligo vivem, porque ver-
ladeiramente vistos e reconhecidos esses,
conheci los c vistos ficam todos ; mis antes
que entro nessa licSo, para mim muito do-
lorosa por ver a degeiierigao^progrcssiva
do iiieus Boiiieiiiaiil-i, quero repc.... w c*
agrad 'Cimantos por ma naveres livr.do d a-
quellahjdra, nica praga deste paiz aben-
coado, e ja era lempo de llvrar-me della,
que aqu representa o mesmo que o maldi-
Z'nteehypoc itadoteu mundo..... Eol3o
mu n3o puda conter, eeiclamei: ah! aqu
vos tinneisapenas uma hydra que vus per-
s 'giiia, e la quintas n5o leinos, que nos on-
Carpenticrgrtou com uina vos looor :
A vrts!....
I mu. d, o menle os homeus quetinhaui dei-
xado o piquete da vanguarda passar-c uielter-
se na poole, laucaraui se sobre a carruagem
dos algozes que segua o piquete, vlrai.in-n.
entrada da ponte, a|uniaram-lhe, vlr.udo-os
ieualinente, o dous tonnei. de aguadeiro de
que lenho fallado, c fonnaraui assim urna es-
i'ecie de barricada que por um inomeiilo iin-
'pedio a p.ssagem ao. soldadoi da r"*"^
o quae licaram cuU iauaao* aa -arre
'nireUnto que urna parte dos homens de
farpenlicr inanobravam assim.os outroi obran-
do simultneamente preclpilarain-se em mas-
a sobre o piquete de retaguarda, laucaraiu-sc
js redeas dos cavallos ; agarrarain-se com a
pernas dos soldados e esmontaram asum a
mullos surprezos por esle ataque.
Em cousequencia desle tumulto terrlvel c
desla lula, carrela ficou sem cicolia durante
um ou dous minutos. Cbarpenlier e Morand, o
coebeiro, o qual linha deisado seu ampio car-
nke seu chapeo encerado, lancando-se a car-
reta, corlaran, as corda, de Godofredo; este,
uin momento eitupefacto deste .occorro ines:
.erado, po,s cria firmemente que marchar. .
morte. rcobr.ndo logo seu sangue: irio e sua
energa habituaes, saltn fura da carreta,
-"pae o carrlk e o chapeo de Morand. disie-
Ihe Carpculier, .cgue-o.... elle te dlra ludo.,..
A<,"ob"g*do, Carpentlcr, respoodeu-lbc sim-
pleimcnte Godofredo apertando-lhe a in.o.
'km um Instante elle veitio o carriU, e pozo
chapeo do cocheiro, o qual vellido de uina io-
b.ecasaca, lirou da.lglbeii. um bonel, po-lo
na caneca c dando o br.co ao condeinnado. I-
vou-o rapidaineoie pa.a a cariuagcui, dUendo-
Ibe nocaininbo: Sr, Godofredo, Vine, ira na
LHWXM


mm




chem de su venenosa espuma, que s no
jnf ciinuam ciim seu lulilu postlenlo!
Coin una pedra livm-vos dusta. 6 14, sup-
pondu un podra para deis, fallariam pe-
drss > quem quizease osmaga-Us lodas !
He cerlo, retorquio-me o volhlnho, po
rcm ja que uelles to 1180 1 des llvrar, como
o Ateste* com eata serpente infornal, lie
bom conheco-las ao longe, visto que andan)
disfamadas, e por isso dase-Ihe, que com a
miuha experiencia ia enainar-te a connecer
oseas h\ilrns, que por urna anthitese cha-
mis homens, quando deverieis chamar
serpas.
Com ofTcito, devo confessa-lo, eu que
no primeiro discurso do velhioho nSo lloa-
ra muilo satisfeito, por veraboitar os co-
nhecimentoa esperados de uro Jos Balsa-
mo,-ou as descobertaa que teem dado vol-
ta ao miollo de mais de um simi-doudo
conhecido pelo nomo goral de-mathema-
i icos,com esle segn 10 arrasoido do meu
perceptor, flquei alais resignado na espo-
ranca deconhecer por fra essa sucia de tru-
ncantes, que fazem votos perpetuos na con-
fraria dosjudas sem cordel;oque nSo
he das peioies cousas.
O velho vendo-me disposto a sujeitar-me
s suas licOes, lovantou-sc com urna pres-
teza, deque o nao julgava capaz, disse-
me : quero levar-te a outra'qualquer parte
do globo, que nSo habitas, e l principiar
mmli s lices, e para isso mister he que te
segures com toda a foreja na ponta dcsle
meu bordilo.
Fiz o que me ele disia, o immedata-
raeiite arremessanlo-si ao ar corpecou a
subir com a ligeireza de urna sella despe-
dida por ptenlo arco curvo sob alhiel c
mSo.
Eseusado lio dizerquo eu segua agarrado
ponta do bestao co.n quanta Torca poda
auein se vi tm tal via-eni aeria sem ter on-
pousasse os pos.' Quem nosvisso assim
romontando-nos as estrellas supporia que
um novo cometa escuro sa apresentava no
hemispheru, e uflo ouso aflirmar so algum
astrlogo com suas lentes so dignou chris-
rnar-nos.e medir nossi rolacilo.
NSo dircl o que vi om uitnlia viagom
porque o temor tapou- me os olhos, c uem
o negocio era para menos ; s sim sei que
depon de um subir de quasi meia hora pou-
samos em cima de una longa campia do
um afugueado brilhanlo, que me disse o
meu guia sor um dos plauelas, vistos la
d'osse mundo, e que costumam chamar Ves-
per, ou cousa que o valha, nomo que as ve-
llos nSo adoptaram pela sua natural catur-
rice, continuando achama-lo-papa-ceia.
Collucados a aquelle ponto, o velho lo-
cou-me nos olhos, quo me dooram extraor-
dinariamente, o deixaram cabir duas esca-
mas. Inmediatamente meus olhos alean
isiamd'uquella extiaordinaria altura quan-
lo se passava neslo mundo, que at entilo
me pareca um pequeo ponto opaco per i-
do na aihmosphera, e alcancaram com tal
igU'lez, que eu seria capaz de ler as letras
mycroscopicasdnqualquer nma de nossas
sedulas, anda dentro da burra do mais
acaucelado suvinaj: porque minha vista pe-
netrava os mais compactos corpos com a
mesma felicidadccom quo penetrarla ornis
diaphano vidro.
Ilizero pictoresco panorama quase de-
senrolou anti meus olhos he impossivcl,
qualquer o apreciara por si, so se achasso
om minha posicSo ; s sim posso dizer que
omeua.tsombro cnnservou me em silencio!
por duas estiradas horas, durante asquaesj
o meu guia deixou-mc gozar o iudisivel
prazer, que meextiuiva.
Quando elle vio quo era lempo mais que
alucenle para gosa-lo, apontou com scu
mgico baslio p ira um Jos pontos do mun-
do, o disse-me sabes urna sciencia chamada
g' ographia ? Muito pouco Ido respond cu,
o anda que a suubesse, pouco adidntiri
no ir.appa monslru, que teniio ante os olnos,
He verdade, relorquio-ine elie, e iicm mu
locurdava, que esses map.ias que la por
baixo .-i'-ai.i'iij iin tem tanta similhan-
ca com o original, como o cilo com o galo,
mas cu vosdirei os nouics do que forinos
vendo.
Agora uso ou da lber lade dos folhitinci-
ros e com um conlinuar-ie-ha digo-lhe
a dos at breve.
'I J 1 gaiaj
PERNAMBUC9
Directoral do banco.
Os Srs
Manuel Concalves da Silva
Fernando Bieber
Francisco Antonio de Oliveira
Elias llaptista da Silva
Luiz Gomes Ferreira
UarSo deSaassuna
Manuel Ignacio de Oliveira
Supplentes.
Os Srs.
I.uiz Antonio Vieira
Jos Antonio Bastos
Antonio Valentim da Silva Barroca
Jou Pinto da Lemos
Antonio Marques de Amorim
Jusiino Pereira de Farias
Tnomaz d'Aquino Fonseca Jnior
Sainsii.no d'Aquino Ferreira
Frederlco Youle
Jos Pereira Vianna
Hembras da commissSo de examt.
Os Srs.
Manuel Pereira llosas
Jo- JuSo de Amorim
Joo Ignacio do Medoiros neg
Supplentei.
Os Srs. votos.
Jos Jeronymo Monteiro 98
Jos Pires Ferreira
J080 Pinto de Lemos Jnior
Jos Pereira \ iaimu
Fredorico Youle
M 1 noel Joiquim llamos o Silva
Jos Candido de Barros
votos.
217
211
230
203
180
171
131
votos.
121
8*
78
58
1
12
10
4
3
2
volos.
111
III
107
52
M
U
35
32
10
Antonio Marques do Amorim 10
Antonio de Moraes Comes Ferreira 4
I.uiz Antonio Vieira S
Manuel Ignacio de Oliveira 2
Tbomai d'Aquino Fonseea Jnior 3
Presdeme da aisembka gira!.
O Sr. votos.
Dt. Ped o F. d P. C. de Albuquerque 833
Primeiro secretario.
OSr. voto.
Cervazio Concalves da Silva 219
Segundo secretario.
O Sr. votos.
Jos Bernardo CoIvSo Alcoforado 303
Supplentes.
Os Srs. rotos.
J080 Ignacio de Medeiros Bego 10
Fredcrico Youle 10
Jos Jeronymo Monteiro 10
JoSo Piulo de Lemos Jnior 4
Siluatiano d'Aquiuo Ferreira 3
Antonio Marques de Amorim 3
TliuJaz d'Aquino Fonseca Jnior_________2
VARIEDADE
LAlil \ DO . PlITAU A SU* E8POSA A BAROHEZA
DO UESMO TILULO.
I.
Sonhei a oolte passada,
Miuha querida boroa,
Urna coma multo boa .
Sabe a prima o que eu sonhei.
Qttt eu eslava Jeito re!
II.
Ora esta he tal e qual
L'o digo, prima adorada ;
Ful uuia testa coroada !
IV um Uiinihi mere|>impei,
I. decreto* promulgue!I
III.
.Ma* .'iu fui re de tltcatro,
Ou por outra re de copas,
Tive esquadras tvc tropas,
Ti ve um Ct'nsclho de estado,
Uin miuisterio formado,
IV.
Eu vi, primiuha, a meus pi
Seis miies de bous vassalos
lodos ducales dos calos.
1 'hj 11-m grute que morria.
Pela nimba dvuastia.
V.
Fabrique I sem me seutir
Quarenta mil promojes.
be&seota mil onolcs!
Dragonas oiseula mil,
Por um engento subtil.
VI.
Espirrei, mIhuhi logo
Trinta vlscondes smenle!
Arrote., e de repente
Sahlram trinta barnes
Com caras de ligurAes.
Vil.
Dei o foro de lidalgo
Que he um foro menos mu
Au arroz, e ao bac.iluo,
Distribui petas tendas
Setc arrobas de comineadas.
Mil.
Mas quam depressa acabou
Este meu sonho real !
Um pequeuito animal.
1 ni.t pulga deu-me um coicc,
Acorde! o tbrono fci-se.
IX.
Tudu senbora, assim be,
Peste niumili em queassistimos.
Felices, quando dormiuos ;
Porm lempre desgracados
Quando cst-uuos acordados.
X.
Kol feli LuizPhilipppc,
Quando no throno dorma
-Mas acurdou certo da ;
Vio-se sem throno, fuglo :
Por milagre se evadi.
XI.
Assim eu, senbora miuha,
Fui s re quando sonhe
Porm logo que acordei,
Me vi feio um baroHilo,
I- por sigual peqnenilo.
XII.
Destes bares, que se facm
Por quatro contos de ics.
iVao em notas, cm papis.
Mas un em metal sonante,
Que he tuocda m^is briihautc .
XIU.
^'uinpreconfessar, senhora,
Que a balda dos baronatos
INos tem feito caricatos.
E do povo portuguez
Urna naco de entreinez
XIV.
Os nossos antepassadofi,
Os nossos grandes vares
Morreram sem ser bardes,
t'oram lusos, nada mais,
Porm lusos hniiinrla.es.
XV,
No vos mundos descobrirain ;
Novas trras conquistaran^
E as sacras quinas cravaraui
Sobre as muralhas d'Ormuz
Soldados da f, da Cruz.
XVI.
E os novos bares d'agora
Vendein mechas ; trocain olas l
Seus pais concertaram bolas !
Seus rilhos sao hoja gente
Porque tem a bolea quente.
XVII.
lato assim, gentil "aroa
Nao leva geito ucnbuin.
Eu c por miinEgo sud,
Tenlio avs ao norte e sul
Mas todos de saugue azul.
XVIH.
Eu tenho os meus pcrgaiuiobos.
Conservo o grande tiliz
Do lempo de U. Uiniz,
Sou por tanto personagem
De mui anllgalinhagem.
XIX.
A'cerca do viscondado,
O n<*r;oro niio v*> mal
Arraj.'l cerlo canal ;
Posso dizer com rasao ;
Tenho o decreto na inao.
XXI.
Se ea entraste na bernarda,
Arranjava Isso barato!
Fui um tolol um Garrapato .
Flquei de cabrea torta
Com carinha de gnea d'Horla.
XXII.
Qualquer da temos entra ;
Seja deu ou d'oulra cor
Seja a bernarda qual for .'
Tres das depoisdo grito,
Berrarei como um cabrito.
XXIII.
llel de ser hroe por forcal
E salvador da oaco I
Minguein me excede em pulmo 1
Tenho bolles, e a gritar,
A ningucm cedo o lugar.
XXIV?
Salo conde, e par do reino,
Istosporeita ves.
Na outra sai o marques.
E gricruz he! de sahlr
Na outra que se argir.
XXV.
Talves a Prima sebenia
Deste meu palavrlado!
E lamente o meu estado.
Julgandoque seu marido
Esta um doudo varrldo I
XXVI.
?ual doudo, nciii tnelo doudo !
eobo julzo de mais.
Vejo os horneas taes e quaes I
Vou com elle*, sigo a moda,
Que oos prende, e nos encada.
XXVII.
Suem boje, Prima, quer ser
m lgurao no pas.
Viver vida feliz,
Ter importancia, pular,
as beruardas deve entrar.
XXVUI.
Oauhada, vem logo o premio!
Naufragando, isso que tem /
Passem pur l muio bem !
O poder moderador
Estende o veo proleclor.
XXIX.
Desde hoje, meu caro bein :
Eu em todas hei de entrar.
Com ellas negociar.
Itrilbar como os outros hrilham !
Pilbar como os outros pilham.
XXX.
Juro-lhe, esposa d'uin anjo,
Que nenhuma j me escapa
Desde boje vou pr-me capa.
Ella na ra a gritar,
E eu coin ella at mudar.
XXXI.
Se nessas aguas envoltas
Eu poderabotoar-uie.
Queira a prima perdoar-me,
Hei de eocber o meu saquinbo,
E fazer o ineupapioho
Bruz Tisana.)
2
SHenrque da Silva, Joaqulm Antonio.de Cas-
tro iNunes, Manoel Flix Alves da Criif, Jolo
,de Brito .Correa, Jo3o Francisco Regodos
Anjoa. J. fo llodrigoesda Silva,Antonio da
Silva CuamSo, Juaquim Francisco de Mello
SantosSuplentes ossenhores Francisco
Jos Vianoa, Hanoel Fonseca deMedeircs,
JoSo Moreira de Mendonoo, Antonio Moreira
de Mpiidonca.ThomnZ Pereira Pinto, Anto-
nio Francisco Uias/Jttaquini JosdosSan-
los, Innocencie da Cujllia Coianna, Auasta-
co Xavier de (auto, Francisco de Oliveira
Mello Silva. Migue'l Joto da Silva, Justino Pe-
reira de Andrade, Maiioel de AlmeidaLima ,
Luis Francisco Moreira de Mendonca, Anto-
nio l'uulinoda Silva, Juslinianno Antonio
Alves Soares, Jos Carlos de Souza Lobo,
Manuel da Silva Couto, Jos Coocalves da
Silva llaslos, Claudinn Jos Rapozo, JoSo
Saiaiva de Araujo Calvo, Padre Hanoel A-
driano de Albuquerque Mello, Padre Fran-
cisco Joaquiui Pereira, Francisco Epifanio
de Souza. Os quaes, todos deverfio compa-
recar no lugar designado no dia e lioiaa-
iirazado, sob pena de licarem sujoitos a
multa de 40,000 a 60,000 rs. comminada no
u. 3, do 5. do arl. 136 da referida le caso
deizando de comparecer sem motivo justili
cado. E para constar mandei passaro pre-
sente edital publicado pela imprenca e afl-
xado nos lugares pblicos. Dado e passado
sos 18 dedezembrode 1851. EuJosGon-
salo de S escrivBo de Paz o escrivi. Dr.
Juaquim Vilella de Castro Tirares.
0 tenente-coronel Antonio Carneiro Ma-
chado Ros, juiz de paz do primeiro dis-
tricto d. rrrguezia do Saotissinio Sacra-
mento do burro da Boa-Vista, termo da
cidadedo itucife de pernambuco em vir-
tude da lei etc.
Faco saber que em conformidade do art.
28, capitulo segundo da lei regulamentar
das eleicOes, numero 377 de 19 de agosto
de 1846, o ordeo da presidencia, que me
ticios, que dererSo entrar as respectivas
arrocadaceadepois de examinados, assim
pelos facultativos de saude, que estarlo pre-
sentes em tal conjanotara, como pelos lis-
caes dos meamos bstalhes. 3.' No caso
do serem os gneros reputados de ai qua-
lidade pelds facultativos, serio repudiados
o substituidos por outros de boa qualidade,
sendo o fornecodor irromissivi lnonle des-
pedido na raiocidencia de falta eemelbante ;
quando poim os gneros forem julgados
nocivos a saude dos soldados, por estarem
corruptos, ou falsificados, alm de pagar
immediatamente o premio convencionado
de 800,000 rs. pera a eiixa do rancho, e ser
despedido, dar-se-ha logo parte o quartel-
general, alim de proseguir-se contra o for-
nece das posturas municipaes de 30 de junho de
1849, para o que os gneros llcardo a bom
recado. 3.' As entradas dos gneros para
as arrecadscOfSse fardo duas veces em ca-
da mez pela maneira seguiute : o haliiliSo
4.* d'Artilhai ia ap nos dias 28 e 13, o ha-
talhoO.'deinfauUria 29 e 14, e o 10.da
mesina ar.i.a a 30 e a 15 : esta disposiedo
lera principio uo correte mez para que
nao haja falta de supprimento nos dias que
bouverem de decorrer do l. a 15 do prxi-
mo vindouro Janeiro. 4 Os foroecedores
prestarlo previamenie flanea idooea. As
pessoas pdis, que se quizerem prestar ao
fornecimeoto dos referidos genero*, e me-
diante as conJiccOes ja. eslabelecldas, sSo
convidadas a comparecer no qurt-l do Hos-
picio nos das 22, 23, e 24do corrente um/,
com suas proposlas, das 9 Horas da manlia
em diante, para o lim de eftetuar-se o cou-
tracto.
REAL COMPANHIA DE PAQUETES KNGLEZES
A VAPOK.
Uo dia 22 deste moz espera-
se o vapor 7 Chapmau dus poitos do sul, e
depois da demora do costume
i .o am transmetlidas pela cmara municipal seguir para Europa : para passageiros diri-
.'iii olllcio do primeiro do coi rente, couvo-j ja-se em casa da agencia o. 42, no trapiche
co os eleitores, e supplentes de eieitores
dnsta freguesia, para que na terceira do-
minga do moz de Janeiro futuro comparo-
Vii ni no corno da igruja matriz, afim de pro-
ceder-sea furmacSo da junta qualifleadora,
que tem de rever a lista geral dos cidadSos
quelemdireit ode votar na eleicflo de jui-
zes de paz,venadores e eleitores. Os Srs.br
Antonio Pdregrino Maciel Monteiro, Bailo
de Capibaribe, Antonio Carlos de Pinho
M.i
TUfiATRO ESIZIBEL.
RECITA
COMMERCIO.
ALFAMDEGA.
Reodimento do dia 19. 7:326,183
CONSULADO GERAL.
Itmidiinontodo dia 1 a 18 .25:712,379
dem do da 19........5:186,313
30:898,692
DA ASSIG NATURA,
E
Ultima neste eorrente anno.
Tondo o administrador empresario de
feixar o thoatro em consequencia de se a-
charem muitos dos senhores asignantes, c
Burgas, Jos Marques da Costa Soares, Au-| a maior parlado publico, fura da cidade,
gusto Frederico d'Cliveira, Amaro de Bar tem determinado dar um ultimo e variado
rus Corroa, Francisco Ignacio d'Athahy-l espectculo de encerramento no dia
de, Vicente Anlo nodo Espirito-Santo, Luiz' Sabbado 20 de dezembro de 1851.
Antonio Rodrigues d'Almeida, desembarga- Depois de urna das melhores ouverlurss,
dor Jernimo Martiniano Figueira de Mello, subir a acea o interessante drama turco,
tenente-cornnel JoSo do Reg Barros Falco, em 2 actos.
Jos Antonio dos Santos e Silva, Caetano Zulniia.
Mcndes da Cunba Azevedo, Padre Albino. (|
de Carvalho Lessa, Francisco de Barros Cor- .. v,
reia .Marcelino Jos Lopes, Jos Marinhoi U moael) de tiOnstaacia.
Pereira dos Santos, Simplicio Jos de Mel- Personagens,
lo, Francisco Antonio Cavalcanti Cousseiro, Herzaide, sulto. Germano,
padre Francisco Alves d'Abranles, Jos Gon-
Um enviado mouro J. j. Bezerra.
Um ermiUo A. J. D. Coimbra.
Personagens mudas.
Goncalo Mondes da Maya, o Lidador. Gon
calo Dias, o Cid, D. Fu.s Rupinho alcaide
de Coimbra, Egas Fafe-Soeiro Veigas, ricos
homens, infa(0es, prelados, pagens, caval-
leiroi, soldados purtuguezes e soldados
garenos.
Primeiro coro bymno de guerra; segun-
do coro a oracao; ter cairo coro bymno ln
zitano.
Seguir-se-ha a linda comedia em3irim
QUEM PORFA MATA CASSA.
No flm da comedia o Sr, Silvestre cantar
por obsequio urna nova ra, poesa doSr
Reis, muzica do maestro Pedro Csrcia inii
tutsda :
Oh que aperto.
Emsguimonto, ir a scena a pldido dn
maltas pessoas o qusrto acto do drama
CRAC* DE DOS.
.4p8r.- Raymundo lambem por obaequio
cantar! urna ana cmica composiedo doSr
luis, e muzica do Sr*Tneoduro Orales in'
titulada: '
O maluco em grande gala.
Terminara ooxpectaculo com a oomedia
original brasileira, do Sr. F. c. Conceicao.
A febre ama re la no Rio de
Janeiro.
Personagens e actores.
Pedro de Rates S. F. Meira.
Thomaz creado da Mpedana L. A. Mon.
teiro.
Jonhloglez da C>lifornii--Riymuodo.
Um pedesIre-A. J. Alves.
Um preto -- J. J. Pete ira.
Carlota, duna da hospedarla D. Rita
Engracia, sua prima D. Julia.
Um eiiireg-ulor dejornaes.
A icco passa-se no Rio, no anuo de 183o
O resto dos bilhetes acbam se a venda nu
escnpioriu do mesmo tbeatro.
Principiar as 8 horas.
DIVERSAS PROVINCIAS
Reodimento do dia 1 a 18.
dem do dia 19.....
salves da Silva, liento dos Santos Ramos,
Joaquim Jos Ferreira da Penha, Joaqulm
Rodrigues Pinheiro, Jos Mariauo d'AJbu-
''"'g'""iquerque, Dr. Jos Quiutioo de Castro LeSo,
_____|Jos Joaquim Antunes, Jos Miria Freir
.033 907 [Gameiro, Antonio Jos d'Uliveira Miranda,
_'___.!. (RulinoJosC irrea d_,\l imilla, Auacleto Jo-
Exportaco.
Havre, barca franceza Pernambuco.de 351
tonelladas, conduzio seguinte : 1500 sac-
eos com 7500 arrobas de assucar, 664 s c-
cascom 3655arrobase 19 lihras de slgodSo,
218 couros com 6128 libras, 468 arrobas e
24 libras detatajuba, 1 caixinha com mo-i*"?" ,8naC01 Js d'Assumpco An-
tonio Pereira de Souza, Migurl Ribeiro
de Amaral, Benlo de Barros FalcSo de La
das de ou'O o prala no valor de 403,120 rs.
RECEBEDOH1A DE RENDAS INTERNAS CE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimenlo do dia 19..... 556,624
consulado provincial.
Reodimento do da 19.....2:313,866
Z'ilmira. 11. Manoela.
Tirmene, seu amante.Silvestre.
Osman velho conlidente do sullSo. Rois.
Zelim oscravo preto.Raymundo.
Muley. Coimbra.
Mufl.Pereira.
Esoravos, soldados ele.
No flm do drama as Senhoras Landa e Car-
mela, cantarSoo excedente o muitoapplau-
didodueto da Opera
Norma.
Depois do qualrepresentar-se-liao l.'acto
do drama
D. Cezar de Bazan.
ornado de muzica.
Em seguida a Sr* Landa, executar a linda
cerda, JoSo Poic.rpo doa Santos Campos,' cavatina da opera
s de Mendonca, Pe Iro Jos Cardozo, Maxi
muo Francisco Duarto, Theotouio Tibur-
tino Couro d'Antas, J >rge Vctor Ferreira
Lopes, JoSo Pinto de Lemos Jnior.
supplentes Dr. Alexandrino Bernardino
dos R'ls e Silva, Bernardo Jos Martins
P.
Muvimenlodo porlo.
Navios entrados no dia 19.
Glasgow --33 dias, barca ingleza Energy, de
221 tunelladas, capilo John Me. Nab, e-
quipagem 10, carga carvSo ; a ordem.
Terra Nova --43dias, briguc inglez Baik-
In-ll, do 175 tunelladas, capitSo F. Collins,
equipagem II, carga bacalbo a ordem.
Navio sahido no mejmo dia.
Parahiba hiate brasilf iro Espadarte, mes-
Ire Manoel Suphio da Penha, carga baca-
lbo e mais generos-
Obiervafao.
No dia 18, noentiou, nom sahio embar-
cado.
KDITAE&.
XX.
Oiga ao Moiuo que se avie,
Oue me mande o lal faqueiro ;
ISo olhe, prima, a dlnlieiro ;
Se ii.h) o liver de mala,
Venda at us casli^aes.
0 Dr. Joaquim Vilella de Castro lavares olli-
cial da imperial ordem da Rosa, lente
substituto da academia jurdica de Olin-
da, deputado a assembla geral, e juiz de
paz prezidi'nte da junta de quahlic.cno
da freguezia de S. Jos do Reoife etc.
Em conformidade do artigo 4 da le de
19 de agosto de 1846, convoco os eleito-
res e suplentes abaixo Herniados para
que no dia 18 ( terceira dominga) de
Janeiro prximo futuro compareco no cor-
poda igreja da Sra. do Tergo pelas 9 horas
da muiiiia, e assim teuha lugaraurganisa-
cilii da junta de qualiflcafao de que falla o
artigo 1. da citada lei.Eleitores os Srs.Jo-
s llygino de Souza Peixe, tenente coronel
Joaquim ucio LMonteiro da Franca, Manoel
Ferreira Accioli, Jos Luccio Monteiro da
Franca, Francisco Baptista de Almeida, Ma-
noel Jos Texeira Bastos, Amaro Benedicto
de Souza, Francisco Martins dos Anjos Pau-
la, .ln ,|ii.:i. Pedro dos Santos Bizerra, JoSo
Baptista de S, Joaquim Clemente dos San-
tos, Manoel Joaquim Ferreira Esteves Goa-
calo Lopes Lima, Antonio Francisco Xaxier,
Francisco Cirneiro da Silva Toiquato
Francisco Jorgo do Souza, Pedro Allbiiso
Regueira, Antonio Germano d'Albuquerque,
Antonio Lopes Cumiarnos, Mathias Jos da
Lapa, Manoel Caelano Barboza, Francisco
de Lemos Duarle, Francisco Lopes Vianna,
Jos Paulino da Silva. Jos de Barros Cor-
reia Selle, Antonio Pires GilvSo, Alexandre
dos Santos Barros, Aleixo Soares Pereira,
Joaquim Jos de Sauta-Anna, JoS o Francis-
co da Lapa, Antonio Bernardino dos It -is,
Joaquim Mileti Nariz, Jos Tnomaz di Sil-
va, Zachanas dos Santos barros, .1 ..!-. Mi-
guel Teixeira Lima, Jos Xavier Faustiuo
Hamos, Luiz da Vt-iga Pessoa, Themotheo
Pinto I. al Jnior, Antonio Augusto da (Ja-
mara Rodrigues Selle, Thomaz Antonio Ma-
ciel Monteiro, Guilhermino d'Albuquerque
Maitins Pereira, Jos Ignacio Soares de Ma-
bolra, eu dentro da aerroagein.,,. Corra a luda
a preaa para a barreira do Inferno. Logo qtw
uhi-garmoa fura de Pars, pare; cu Ihe dircl o
resto.
U que foi dito fui feito.
Em [mucos segundos Godolreda chegou jun-
to da carruagem, aubio a bolea, r.....1 ,t,; ...,.
Morand ac uiettia na carruagem, a qual, gra-
sas a doua cavalloa frescos, ganliuu raiilda-
inruic a barreira du Inferno.
fudo laso ae pasaou taoprompiamentequ-
uarruagein eaUva ja looge, quando oa soldada
do piquete da vanguarda cogaeguirain com
mullo cuito remover a carruagem dos algozes
e oa doua toanei. de agoaoeiroa, que embara-
Vaudo-lhcs apaaaagem, Uuham-nos empedido
de Irein em soecurro da piquete da rctaguardj
que via.n estar sendo atacado. Esta eaeolia ful
d. 11. us abandonada como por encanto, quan-
do Charpentler depois de ter seguido com os
olhos Godofredo e Moraod al a entrada da
ra onde a carruagem eslava eatacionada, y|-o
partir, e exclainou com una vos sonora .'
A CJininliu .' :
A aggreaus linba lido lugar com tanta regu-
larldade, s livramento de Godofredo tinbi-se
completado Uo proiuplauente que com o lavor
do tumulto mieparavel de um tal acconiec-
int'uto, oa suburbanos mettendo-se atravez de
uiua luullidao compacta, escaparam-ae de dif-
ferentes lados, vollando isoladamente, una pa-
ra auaa ofBclnai, outros para suas casas i dous
ou trea doa autores deste feito ousado, feridos
pelas eapadas dos soldados, forain os nicos
que cahiram em suaa ruaos, cfoiarn condem-
nados a alguna anno. de prisao.
A carruagem dirigida por Godofredo, che-
gando barreira do Inferno, pasaou alm.
Morand, aeoudo dentro dela indicou aoco-
c heiro Improvisado a estrada que devia seguir; queiro:
e uo flm de me ia hora de marcha ella eulrou / Pa
em urna vereda que la dar em urna casa i
da, situada na punile de Mantrange, c vial-
uba de urna profuuda pedreira que eslava sen-
do explorada.
O meatre cabouqueiro sentado, ha inuilu
lempo, sua porta fumava tranquillainente
seu cachimbo; desde que avistou de longe a
carruagem que vinba aproimando-se, sahio
ao seu encontr e fe sign.il ao cocheiro que pa-
rasse diante de um inuulo de varias pedras
enormes recentcuieiile extraliidas da pedreira!
a carruagem parou; emquanto Godofredo ds-
ela da bolea, o mestre cabouqueiro levantou
uina taboa occulla por cascalbos, a qual tapa-
va o oriliciu de urna especie de poco.
Mr.Godofiedo, disse o cabouqueiro, dei-
xe-se escorregar por eata abertura, nao ha mais
que aeis pea de altura ; depois o Sr. marchar
em direitura abaiando-te ; a la de uina lam.
pada o guiar; oSr. achara vestidos e Mres-
eos nesia caverna. A' noite irei vc-lo por um
outro poco. Entre depressa.. Eu avisto la ao
longe carroceiros ; nao conviu que ae observe
que a carruagem esteve aqu parada muito
lempo.
Godofredo desembaracou-se do carrik e do
chapeo de Morand, apertou-lhe a mo e desap-
pareceu pelo orificio do poco.
- Tu, meu velho, dase o cabouqueiro a Mo-
raod, sube depressa a bolea eiuqiunto eu vou
occullar a entrada do poco.... reapondopor lu-
do.... Faie saber o mais cedo pouivel a mada-
ma Aayinundo e a aeu lilho que podein ficar
tranquillos a respeitu de Mr. Godofredo. Aqui
cutre nos, lie ecapon de boa....
Felizmente os amigos ah esto, respon-
deu Morand, pondo o carrik prensa : ao de-
pois subiodo a bolea, elle disse ao cabou-
ra mais precauco vou faier um rodeio
e entrar pela barreira dos ons homens, ser
mais seguro.... Adeos, velho.
Al ouua vez, Moiand, respondeu o ca-
bouqueiro. o qual tratou de desfarcar cuidado-
samente a entrada do poco, cobrlndo-a com
pedacos de pedra.
Quando cu soube de toda, as partlcularida-
dea dolivrainenlo de udofredo, flquei profun-
damente imprrssiuoado dasimplicidade amiga
com que estes homens resolutos, estes irm-js
ligados por urna f coinmura, se dedicaran!
uns aos oulros sem cnphaae, sem phrases, co-
mo prova esta palavra de um laconismo heroi-
co, esta palavra de Godofredo a seu salvador, o
qualajudado de seus cuinpanbelros o arreme-
cara a urna mor le certa.
Obrigado Charpentler.
Assim o que lodos faaiain porcada mu, cada
um o ici ia feito por lodos, com a mesma slm-
plicidade de dedleacao.
comprcueud entao todo o alcance das pata-
rra, de Joao Raymuudo, quando vendo minha
lorpreza quasi desdenbosa ao aspecto dos hu-
mildes amigos de sua anal, om disse orgul lio-
samente que taes amigos er.m raros.
Jaquea Godofredo passando prudentemente
quasi um mea no eacondryjo do mestre cabou-
queiro, illudio os galgos da polica, e conseguio
passar tiualuiente a Inglaterra.
Madama Raymundo prexa ao mesmo lempo
que seu lrino, foi condeinoada a muitos an-
uos de [ir.sao, por ter em casa emblemas revo-
lucionarlos e por complicidad, de excitaco
destruicao do governo estabellecido; aentenca
absurda, iolqua em todo, os pomos ; mas
magistratura da Restsuraco pouco se Ihe dava
da raxao e da justlca.
So da immediato ai do livramenlo de Jaques
Godofredo, Lharpentier munido de uina carta
de madama Raymundo ful buscar Joao aoan-
Ernaai.
A comDanhia nacional representar, de-
pois, o 3. acto do drama.
A Gracarle eos.
E noste acto que Mara e Pedrinlio canto
edancSo o
Dote da Siloia.
Logo que termine, a Sr. Landa execular
unas lindas variacOes, em seguids a Sr.'
Carmela cantar a cavatina da opera
Columela.
Terminar o ospectaculo com a graciosa
comedia om msica em 1 acto
U lieijo
0 administrador emprezaro julga teror-
ganizadoum espectculo que muilo agrada,
cejo, Caelano Aureliano de Carvalho Couto,: lan' pela varieJade. comu pela sua acerta-
e Antonio Machado Pereira Vianoa, os quaes' Ja esculha. O publico, a quem o adminis-
deverSo comparecer as 9 horas da Mobil, tf'dor emprezaro se cunfi'ssa assaz reco-
licando os que denarem de comparecer sem I nhecido pela constante proteceno que Ihe ha
escuza legal sujeuos a mulla cumminada I prodigalizado, no deixara por cerlo de coli-
no art. 127 quinto 11. 12 da citada lei, e: correr mris estn vez ao theatro de Santa Iza-
para constar mandei fazer o presente que: JW. tanlo mais que nesta noite termina as
ser alixado nos lugares pblicos desta Iro- fadiga thoatraes do anno de 1851.
guosia, e publicado pela Imprensa, pri- Comecar s 8 horas,
meiro dislricto da freguesia da Boa-Vista Os bilhetes acbam-se venda no lugar do
1 casiuiue.
RECITA EXTRAUlil.NARlA LIVRE DA AS-
SIGNATURA.
Segunda (eir, 22 de dezembro de 1851.1
Depois de urna escoliada symphonia su-
bir a scena pela pnmeira vez nesta cidade
o quadro histrico em um acto, ornado de
Oconselho da administraban do tu." muzica :
batall.aode infantaria, precisa contractar A Apparicaodc Ghristo em campo
para orancho do mesmo batalnno os gene- rr .. .
ros de que se elle comiOe, a sbbor : carne, "e Urique.
verde, carne secca, bacalbo, feijSo, fari-i ComposicSodo pnr-( pnrliignnT; Atlguafn
nha,touciiihu,arroz,sal,caf,as8ucar branco, I Emilio Zaluar.
paesde6|0,manteiga,lenha,emachas,azeite- Personagens e actores,
doce, e vinagre : e porque estes gneros de-, O. Alfonso Hiinrique 1. re de Portugal
vem ser da melhorqualidade possivel, co- J. S. Res.
moest recommendado em ordem do dia | EgasMuniz, aio deD. Affonso-- A. J. Pinto,
do quaitel general de 18 do corrente, o I Garcia MenJes, altores real silvestre
mesmo conselho julga conveniente publi- Meira.
car as seguintos condieces consignadas' Lourenco Viegas, o espadoiro- A. J. Alves.
em dita ordem : 1." Os fornecedores apre-; Marlim Muniz NN.
sentarao nos batalhO^s os generus alimen- MemNuniz --NN.
9 de dezembro de 1851. Eu Francisco de
Barros Corris, esenvao o escrovi, Anto-
nio Carneiro Hachado Rios.
Declaragoes.
la barbara, o qual elle deixou para sempre. ralidade cxemplar, goaavam de urna modesta
Eu achava-me ento no periodo o mais pe- abastanca. Ellea cederam uin dos quartos de
rlgoao de minha doenca ; por isso nao tornei a j ,UB caslnba a JoSo Raymundo : desde cnio es-
ver Raymuudo antes de sua sahida docolleglo : | le f' cada dia escola das Artes e Odelos pa-
soube smente depois por ineio de Jaciutbn, ra ahi seguir os cursos pblicos ; no domingo
Theatro de Apollo.
Como porrircumstancias imprevistas nao
pode subir a scena no dia designado, o dra-
ma de grande macbinismo D. JoSo de lla-
rana. O director emprezaro transfere a
sua representarlo rara o da sabbado, 20 do
corrente, impreterivelmonte. Declara mais
que em satisfacBo aos seus protectores os
bilhetes se vender3o para urna noule, alte-
rando-se os precos da maneira seguinte :
Camarotes deprimeira e segunda ordem
a 10,000 rs. '
Platea geral, cadeiras e galera de tercei-
ra ordem, a 2,000 rs.
Ossenhores queja haviam tomado bilhe-
tes de platea para as 3 noutes, se quizerem
pdem dirigir-se ao escriptorio do theatro,
para que os dous das.duas ultimas sejam
substiluido8 por oulros, para a primeira
hoje aonunciada, e aquellos que compraran!
de cadeiras a 3,000 rs. por noute, pdem
vir receber a dilTerenca, que de prompto
Ihesser restituida no mesmo escriptorio ;
ficando de nenhum effeito o programma an-
teriormente aposentado nos joroaes desta
cidade relativamente ao preco e qualiQca-
c9oda platea geral; comprehendeodo est
agora tolo o centro da sala easseotospor
baixo da primeira galena.
l'ulilicarao Iliteraria.
Historia universal resumida.
Para uso das escolas dos Estados-Unidos da
America do Norte, por Pedro Porley, tradu-
zida para uso das escolas do Imperio do Bra-
sil pelo desembargadorconselheiro Jos Ri-
beiro. Este excellenle resumo acha-se nos
prelosda capital do imperio, e brevemente
salina a luz: subscreve-sn nesia cidadedo
Recife na livraria n. 6 e 8 da praca da Inde-
pendencia a 5,000 rs. porcada exemplaren-
oa dentada.
ELEMENTOS
DE
Homceopathia.
Sahio a luz a segunda parte desta obra
composta pelo professor homceopatha Cos-
set Bimont. Recebem-se assignaturas para
a obra iuteira a 5,000 rs., no consultorio
homceopathicoda ra das Cruzas n. 38. De-
pois da publicarlo da terceira parte, o pre-
vi ser elevado a 8,000 rs. para aquellas
que uo tiverem assignado. No mesmo con-
sultorio, acha-se a venda ludo quanto he
n-xessario para o estufo e a pratica da ho-
mceopathia, como seja : livros impressos
para historias de doenies, regimens apro-
priadus para a provincia de Pernambuco, e
encarrega-se de mandar fornecer qualquer
encommenda de medicamentos bomceopa-
thicos, tanto avulsos como em caixas, em
giobulo8comoem tinturas.
No prelo : Pathogemsia dos medicamen-
tos brasileiros.
Elo/ienos de anatoma e phisiologia com es-
tampas, para os curiosos em bomceopalbia.
Roga-se aos seohores assignsotes o ob-
sequio de mandar receber seus exempla-
res no consultorio homceopalbico da ra
das Cruzes n. 28.
TRATA Al iNTU HOMEO-
I'ATUICO.
OAS MOLESTIAS VKNERXaS,
e conscllios aos doentes para se curareni a
si mesmo, sem precisarem de medico;
pelo professor homceopatha
Gosset-llimont.
Sahio a luz e aOba-se a venda uu coaou-
torio homceopathico da roa das Cruzes o.
28, pelo preco de 1,000 rs.
quando eslava convalesceudo,quc Joao Ihe dis-
sera deixaudo-o:
Perdo a Fernando.... Se eu o Uvera cri-
do capax de ler denunciado uiinha mi e meu
iln por malvarte?*, te-lo-hia dcixado lancar-sc
pelajanella, ou te-lo-hia eu proprio lancado
por ella ; porquanto sua Irauico lena sido* mil
vexes mais Infame que a delacau deLcvasseur ;
este em lim, fana seuofncio de eapio. Fernan-
do, como sempre, obrou mal por fraquexa, por
levlaodade. Elle nao me inspirava seno uina
piedade despreaadora.
Tu deves perdoar Ihe, e lastiina-lo, diase-
Ihe o bom e terno Jacinlho. Tu nao podes fazer
uina idela do que elle soQYe depois desic
fatal da : no delirio da febre, elle le chaina, e
le pede perdo elle te supplica, elle se acen-
sa, elle se reconhece indigno .... Em flm, a
preoccupaeao continua de seu pobre espirito
desvalrado he ter-te involuntariamente (r-
bido.
Ento, respondeu Raymundo coinmovido
pela lembranca de nossa afieico, dirs a Fer-
nando que o lastimo e perdo-lhe ; Gracas a
Dos, meu lio est salvo. Quanto inlnha po-
bre mi, conheco aua coragein, a priao nao a
abatiera... eapero poder passar algumas horas
com ella cada semana.
Com eflicllo Joao Raymundo cumprio estepie-
doso dever ; sahindo do Santa Barbara, elle foi
inorar,segundo o desejo de sua mal.eui casa de
Charpentler, homem Incubo,, man de um co-
racao excellente e de um carcter heroico.
Elle trabalhava de selleiro, sua mulher ven.
dia fructas 110 tlalrro de S. Antonio. Gratas a
estas duas Industrias e a urna vida de urna ino-.
ia passaro da na priso junto de sua mi, cu-
ja lirmea serena nao se desminti uin s ins-
ume durante seu longo capveiro.
Fui aisiin que Joo llsyinundo einpregou os
uliioioi annoa de tu. adolescencia, ludo lodos
os domingos priso onde eslava aua mi e
dcquein nulo nos oulros dias os cursas das Ar-
les e (Juicios, que coinpletava por numerosos
estudos. No flm do da, elle voilava para o hu-
milde lar do artista, de cuja mesa frugal partl-
cipava ; depois inultas vexes noite assisila a
reunioes secretas, compostai dos patriotas do
bairro deS. Antonio, simples, probus, laborio-
sas, que llnbam permanecido liis sua f re-
publicana, sem embargo dos funestos desluin-
bramenlos do Imperio e da cruel reaoco 1110-
narchica de iM.
Muitos desles homens tlnhain conh.cldo
pal de Raymundo, linham marchado cdln elle
a fronteira, e applaudido sua vos patritica na
Couvenco, onde se sentara ao lodo de acu cu-
nhado Jaques Godofredo, no cume da Monta-
nha ; todos concordaram ein dlier que uestes
douscuobados que se amavam teruamente .
professavam a mesma opima.,, nunca mais in-
domavel coragein foi unida a urna alma mais
generosa. Multas veies por sua eloquencia ca-
lorosa c penetrante riles tlnbam obstado terri-
vels represalias contra os Inimlgos implacavei
da revoluco.
Proscrito com Godofredo a de (bcrmldor, o
convencional llayinundo, bem como todos os
homens austeros que crlam ver depois de or-
las borrascas, levantar-so a aurora d. uina re-
generaeo universal, vollou a Parla com ana
mulber, debaixo do consulado, J os planos
Avisos martimos.
Har o Porto, sabe imprete-
rivelmente, no dia i\ do corren-
te, a galera portugueza Bracharen-
ambiciosos de Honaparte assuslavam ou revol-
tavain os republicanos sinceros; entre estes
achava-ae .lien. Este novo Bruto quera, se-
gundo dlsein, apunhalar o novo Cesar ; se o
criine foi concebido, nohouve coineco de exe-
eni.in. todava lonaparte leve a fra barbarida-
de de dcixar execuiar a senlenca d mor te que
a 30 de Janeiro de 1802 ( declinoannOda rep-
blica ) ferio nao sd rana, mas ainda seus pre-
tendidos complloe., Cerachi, Tapinalt~ Orun De-
mirvitle e Diana ; assim cahlrain catas cinco ca-
becas que uina palavra de clemencia de Booa-
parte leria podido salvar.
Una sexta cabeca cahio mais larde, foi a do
convencional Raymundo ; o nico crlme desia
nova victima, foi seu rdanle republicanismo c
suas llga9des coin Arena ; mas looge de o ini-
prilir ao assaaalnalo de lionparie, lluymundo
usava pelo conirrlo de toda a influencia que
linha sobre o amigo para tratar de desvia-lo
deste assassinato, mostrando-lhe um lal acto
come una nodua para o partido republicano.
Por desgraca do amigo convencional, suas
frequenles entrevistas com Arena forain plora-
das ; depois da execuco desle ultimo, aeba-
ram-se numerosas carta, de Raymundo. Acata
csrrespondencla, elle exbalava aua dor, aua In-
di|;nav.io de ver a Franca Ir ao encontr do
despotismo avlltador de bonaparte, o qual J
nem mesmo dis.imulava mais seu projeclos
llberiecldos; nio foi preolso mais para faier
considerar o amigo convencional como cum-
pllce do criine de Arena, de cuja aort. mais
larde parllclpou.
Aaiiin a condemnaco morte de Jaques
bodolredo, a priso de madama Raymundo,
taes forain as consequemiias de uilnba indiscrt-
cio de colleglo. Primeira e triste pagina de
minha adolescencia,
(C

"
, da qual lie capitSo Rodrigo
Joaquim Corris, anda recebe al-
guma carga a frete e passageiros ,
para os quae> tem encllenles com-
niodos: quem na mesma quizar
carregar, ou ir de passagem, en-
tenda-se com o referido capitfio, na
praca do ('ommercio, oucorn No-
vaos & Companhia, na ra do Tra-
piche n 34; assim como at o dia
aa apreaentarao no mesmo es-
criptorio as contas do referido
navio.
-- Freta-so para qualquer porlo doMedi-
t.-naneo o brigue ingles Salla-Roolh,.capi-
ISo JoSo Maciaravich : trata-se em casa Ce
Manoel do Nascimento Pereira, ra do Tra-
Eiche o. 13, ou com o capilSo na pra? ou a
ordo.
Para o Acaracu' segu viagem al o dia
20 do correlo, o hiale.nacional hgula llru-
litttra, a quem no mesmo quizar carregar
oo hir de passagem, dirija-ie ao escriptorio
de Manoel Gonfalves da Silva, ou a bordo:
a tratar com o capullo no trapiche do al-
godlo. *
Para o Rio de Janeiro e Monte-
video.
Sahe com multa brevidade o veleiro pata-
cho brasileiro Bella Aila, por j ter metade
da carga prompia para Montevideo quem
no raeamo quizer carregar para qualquer
iliis portos, ir de passagem ou embarcar es-
cravos para o Rio de Janeiro, drija-se a ra
da Cruz n. 40: tratar com Hanoel Alves
Guerra Jnior, ou com o capitSo Hanoel Jo-
s de Sena Martina ua praca do commercio
Para a Bahia sahe por estes 8 dias o
hiale Caprichoso, de 40 tonelladas, bem
construido e mullo velleiro, com bonscom-
modos para passageiros; quem no mesmo
quizer carregar ou ir do passagem, dinja-se
a pra^a do Corpo Sanio n. 2, prlmeiro an-
dar, ou a ra da Madre de Dos, armazem
de Vicente Ferreira da Costa.
Para o Ass segu viagem no dia 24 do
correnle a galeota SS. Tnndado quem na
meama quizer carregar ou ir de passagem,
dirlja-se ao escri|itorio de Francisco Alves
da Cunha & companhia : na ra do Vi-
gario.
Para o Rio de Janeiro pertende seguir
viagem com multa brevidade, o patacho
nacional Uargarida, cap tilo Florencio Fran-
cisco Mirque-. : quem no mesmo quizer
carregar, ou hir de passagem e embarcar
ascravos, pode enlender-se com o consig-
natario Luiz Jos de Sa Araujo, na ra da
Cruz n 33.
Para o Porto, segu com toda a brevi-
dade, a barca portugueza Espirito Sanio,ca-
pilSo JoSo CarlosTeixeira ; quem na mesma
quizer carregar ou'ir de passagem dirija-se
aoescriplorio de Francisco Alves da Cunha
& Companhia, na ra do Vigario
PARA O RIO DE JANEIRO.
Sahe com a maior brevidade pos-
sivel por tor parte de seu carrega-
mento prompto, o veleiro brigue
nacional Rio Ave : quem no mes-
mo quizer carregar, ir de passa-
gem, para o que tem bons comino
dos, ou embarcar escravos a frete
entenda-se com o capitfio do mes-
mo brigue, Elias Jos Alves, na
praca do l'ommercio, ou com os
consignatarios Novoes 8c Compa-
nhia, na ra do Trapiche n. 3-1
- Para o Havre sahe com muita brevida-
de a galera franceza Edilh, capilflo Poulct,
por ter a maior parte do seu carregamenlo
prompto quem na mesma quizer carregar
o restante, ou ir de passagem, pode enten-
der-secomo mesmo capilfio ou com os con-
signatarios Schafheitlin & Tobler, na ra
da Cruz n. 38.
Para a Babia pretende seguir com mui-
ta brevidade o hiate brasileiro Exltelo,
meslre, Antonio .Manuel Alfonso : quem no
mesmo quizer carregar ou ir de passagem,
pode eotender-ae com o mesmo mestre, no
trapiche do algodSo, ou com S Araujo, na
ra da Cruz n. 33.
Preclaa-ae alugar urna preta para o sois a quem ellas tem curado de phtisica,
servico interno e externo de urna casa de influencia, catarros, indigesloes, dispepcia,
pequea familia : na ra Nova n. 8. dores de cueca, dores ou pezo na nuca,
D. Simona libada de Faria, sub.lita que geralmente silo simptomas de apoples-
hespaiihola retira-se para o Rio de Janeiro, ,cia. ictericia, febras intermitentes, b
precisa-se de um cosinheiro forro ou -'
3
captivo : na ra da UniSo, na casa de Ber-
nardo de Oliveira Mello : a tratar com o
mesmo.
O 9.' batalhfio da infantaria necessita
contratar o forneci ment de lodos os gene-
ros de que se deve com por o rancho de auaa
pracaa, no semestre decorr r de Janeiro
junho do anno entrante : quem quizer lies
gneros fornecer poder-ae-ha apresenlar
escarlatinas, febro amarella, e toda a rlasae
da febres, asma, gota, rheumaliamo, enor-
midades nervozas, dores oo ligado, pleure-
sa, debilidade interior, ab ti ment de es-
pirito, roturas, inflamjpacoes, inchacOes
dosolhos, accidentes', parlisis, hidropesa,
bexiga, sarampo, onfermMAdes dos meni-
nos : toase de toda a oissXe, clicas, cole-
ra-morbua, dor de paira, lombrigas, desia-
teria, s ir le, vagados de cabt/. erisipela,
no dia 33 do correnle, na respectiva aecreU- ulceras algulas de SO aapa, oancroa, tumo-
res, inchacOes nos pos e partas, alnjorrei-
mas, er'UpfSo Oo pello, sonhos hurrivois,
pezadollos, tolas as qualidade* de drese
molestias de mulherea, como abstrucrjOes,
relacliacOesetc, lie um medicamento inlei-
ramente inofensivo pudendo applicr-se
at ascreancaa recemnaaidas ; ltimamen-
te se tem sppllcado, a urna enferwiJade de
molestias julgadaa encuraveis, de cuja ap-
pltjelof* tem tirado t3o felizes resulta-
dos que pareca cada vez mais rezolvido o
problema de um remedio universal, veu-
dem-se com o seu receituario, na ra da
Cadea-Vclha D. 61, botica de Vicente
ot de Drtlo.
Preciaa-se de urna ama para o sorviQO
de casa e de 2 pessoas que entendfio de fazer
vellas de caroauba;na ra do Codorniz venda
n. 25, se dir quem quer.
No da 20 do crrante Ir prac.a um
terreno com bem le tonase urna casa ter-
rea, e outra meia-agoa na travessa da ra
Auifusla, por exrcucSo de Mathous Austin
iv Companhia, contra os herdeiroa do M i-
noel Francisco GuimarSas. parante o Sr. I)r.
juiz municipal da segunda vara, he a ul-
tima praca.
Peda-se ao auctor do annuncio publi-
cado em o Diario de sexta-feira 12 do
correnle. em que diz f'a appreheodido em
o lugar denominado Pedra Tapada, um es-
cravo creoulo, e robusto que baja de de-
clarar a que freguesia, ou comarca pertcn-
ce o dito lugar Pedra Tapada.
Hanoel da Silva Santos, exporta para
o Rio de Janeiro, a aua escrava Anastacia ,
cabra.
Est para se alugar a casa terrea da
ladeira di Misericordia em Olinda, promp-
ta e pintada denovo.lrata-se na ra do Mun-
do-Novo n. SO, ou mesmo em Olinda ra
de Manas Ferreira n. 28, onde se acham as
chaves para ver.
Atiene, 3c.
N. O. Bieber & Companhia, consignata-
rios dos navios abaixo mencionados, tedero
as pessoas qne receberam a orden), os vo-
lumes seguinles de declararem seus nomes
para se poder rec 'ber os fretes dos ditos vo-
luntes : pelo brigue hamburguax Olinda,
vindo de Hambugo, um volume marca Ke
M n 823, conteudo agulhas, carregadores
Schl'uter & Maia K, e pela barca belga
Luuiza, vinda de Antoerpia marca D & C ns.
5,7, 15,15 1|2, 16 l|2-0-00, carregadorea
Sieins & erard, 26 barricas, contendo pre-
gos.
O thesoureiro da rmandade
do Divino Espirito Santo, pede a
Lcilao.
O corrector Miguel Carneiro, far o ul-
timo lelllo eate auno no seu armazem na
ra do Trapiche n. 40, lerc.a-feira 23 do cor-
rente aa 9 1|2 horas ta manhSa, de diversos
Irastes oovos e usados, pianos, mesas com
ricas pedraa, urna cadeira alaatica com es
lano para ler, selins e silhoes lustres, can-
dieiros, quadroa com estampas, louca, v-
dios, relogioa, espingardas, eoutros muitos
objeclos, que se se entregara por qualquer
preco que lr oOerecido: e adveile-se as
pessoasquetlvercm objectos com limites,
de na virem'tirar antes u dia do leilao.
Avisos diversos.
0 abaixo assignado nSo deixa a digna
arena da discussBo para se metter no charco
ptrido das injurias. Se o Sr. anonymo quer
que loe moatre segunda vez que osta em er-
ro, tire a viscira de boticario, e se apresen-
te com dignidado de medico e de homem, outro modo, tionro-me muilo com ser ven-
cido, e fico j e j reconhecondo a S. S., co-
mo um mogo muilo sabio, muito civil e
muitissimu valenle.
lir. Corolino F. de Lima Santos.
Quemprecisar dedinheiro no Rio Cran-
. i ii. *HBnr>n |U O 1 1 UIU t", U U 1 >2.< 1 O lilil I'"
de do MI.IU a qu.nti. de 475,000ra que- ,lrt ,', ,dcqu.d.
rendodaloaqu.,dir,ja-searualargadoRo-|R orUulo m^, ^ura
na aa 10 horas da manilla, trazendo suas
propostas em carta feictiada e expeciflc.n-
lo logo o ultimo prego Os generoa sao,
piles de 6 oncaa, caf, aasucar branco, nun-
teiga, carnes verde e secca, bacalho, fei-
jlo, farinha, toucinho, sal, lenha, azeile-
doae, vinagre e arroz. Previne-so desde j
que todos estes gneros arlo "de excellen-
tequalidadea, e quepassailo porum escru-
puloso exame ao serem recolhldos ao quar-
lel, para onde irSo noa dias 14 e 29 de cada
mei, am face do calculo, ou vale, que se
Ihes apresenlar, enneitando-se aquelles que
nSo aatiaflzerem as condiccOes do contrac-
to, que aera formal. Os car retos serSo pa-
gos expensas dos fornecedores.
Quew precisir do um padre para dizer
as missas de natal nenia prar;a, ou fra pou-
co distante della : dinja-se a ra de Santa
Rita n. 97, que se dir quem he.
-- Aluga-sa urna casa terrea na povoacSo
doMonteiro, para ae paasar a feala, com
banho i ej lo. com 2 quarlos, 2 salas e quin-
tal soffrivel : quem a pretender, dirija-so
ao paleo da Riheira n. 3.
A meaa regndora da irmsndade do
Clorioso Patriarcha S.Jos de Agonia, ac-
cusando a recepc,3o de um olllcio da c-man-
dada do Divino Espirito Santo, no qual nos
convida para acompanhar a procissSo do
mesmo Divino Senhor, que tem da ser tras-
ladado do convento de S. Antonio para a
igreja de.N. S. da ConceicSo dos Militare i,
na tarde de 21 do correnle; cum gran le ju-
bilo, previne aos seus amados irmlos, para
que no mesmo dia as 2 horas da larde ae
reunam em o nosso consistorio para o mes-
mo fim cima menciooado.
-- Fugio da casa da ra do Trapicho n.
34, na nuute de 18 do crrente, um galo
maltez, grande, com o cabo e orellus cor-
tadas, sendo urna dellas mais rento que a
outra, foi visto ir pan a ra da Cruz : a
quem o entregar na referida casa roceber
de gratilicafSo 10.0000 rs.
O advogado Slanoel Jos Pereira de Mel-
lo, passou seu escriptorio para o sobrado n.
21, da ra Nova, segundo andar.
O Sr. Domingos Corris, ou seu mano
Bernardino Corroa, tem cartas de sua fa-
milia : na ra do Trapiche o. 26, casa de M.
Duarte Rodriguea.
-- Deseja-se fallar com o Sr. Francisco Pe-
reira da Silva, sobre negocio de seu interes-
se : na ra da Madre de Dos, loja n. 34.
Portugal.
BOfcETIM MKNSAL.
Supplemento a Reviita Popular.
Vai aaliir luz e aera renetiido no prxi-
mo paquete de Janeiro de 1852, um Boletim, ,
esneci.lmeutedeaiinado para o Urasd, que todos os irm5os, que n5o poderem
contera urna noticia resumida, maa exacia, acompanhar a procisso da trasla-
dos fCtosolUciaes do governo, das sesses j... -i mpsiua irmandade e ti-
das cmaras, edas principies novidades de oatao aa mesina irmanaaat, e u-
i.i.-i.ni e provincia do Reino, al data da j verem capas em seu poder, de fa-
puhiicaQSo. zerem o obsequio de as mandar en-
Salnra regularmente um numero na ves- *^T~* e i
pora da partida do paquete inglez para o Iregar ao inicie andador, sem lal-
Ursi|- ta nenhujia : assim como, toga as
Preco da asaignatura por 19 nmeros *, "
1,000 rs., muda crrente. pessoas que ti verem de mandar me-
O porto da cada folba pelo paqueto he de nios, para ireiu na dita procis-
50rs., moda forte om LisbOa, oaqui bode _,.;
io rs. sao d os mandarempara ocousis-
Quem quizer receber pelo paquete deve torio da irmandade, no convento
mandar pagar, com a assignatura, a impor- o i.'-anriipo nn dominfo 31
tanciaprovavel do porto NBo se Hxa a quan- ue c'- l rancisco, no uumuigo ai
ta, porque o volumo do Boletim depende do correnle, pelas 10 oras da nia-
do numero e importancia das noticias h- fim j veslirem.
Quem nSo quizer abonar, com o valor da .;:,.
assiguatura, a importancia do porle, rece- ?<'"->?> ""> "Paz Para caixo ro,
bera a folh. pelos navios de vela, DI mal. uer-se lu e d, .gente : na ra da Cade.,
docorreio. ue S. Antonio n. 13.
A empresa da Revista Popular garante a Madame Houtier. modista france-
publicai;3o ilo Boletim por um anno. h se M _
lr protegido proseguir sem limite. *> "3 >"ua ova n. >8,
As assignaluras recebem-se, no Recife Novamente acaba de recabar pelo Casar, ul-
Inja n. 40, da ra da Cadeia, e na casa n. 6 timo navio vindo do Havre, um lindo sorti-
defronte do Trapiche Novo, e no bairro de ment de fazendas francez S. Antonio, na ra do Crespo, loja n. 23. de mais moderno em Pars ; chapeos de se-
Na ra Direita Casa n. 63, confronte da de tudas as cores, ditos de palha do IUlia
a huma lenda de funileiro, pracisa se de bu- aberto, muito bonitos.chapeosinhos de seda
roa ama seca. redondos para meninos a meninas, lil de
irmandade do Divino Espirito blonda branco bordado, dito preto de lindos
' padifles, escomilha de todas as cores, bico
Oanto. de blonda os mais ricos, para babadoseor-
A trasladado da irmandade do Divino Es- amemos de vestidos, dito da linho preto
pirito Santo do convenio dos religiosos de de todas as larguras, um lindo sortimento
Santo Antonio para a igreja de N. s. da Con- de ti anea e franja, tanto pretos como de co-
cei(So dos militares vai elfecluar-se pela res, capellas de llores muito ricas e modor-
maoeira seguinte -. No domingo, 21 do cor- as, um grande sortimento de fitas de todas
rente as 8 horas da m mia celebrar-se-ha as qualidades, muito lindos manteletes de
urna missa cantada m igreja de N. S. da lil preto, chales, mantas, manteletes e ca-
Concei(3o para estabelecer all o S. Sacra- potinhos de seda do melnor gosto, chama-
monto, conforme foi permittido por S. Exc. ota preto, llores finas, manguitos da bico
levm. As 3 horas da larde do referidodia para sonhora do mais moderno gosto.si-tim,
ser trasladado o emblema do Divino Espiri- tafel de todas as cores, collariohos da (ilo
to Santo em procissSo solemne, quasaliinJo e bico bordados para senhora, plumas do
do convento em direccSo ao largo do Collo- corea e brancaa para enfeite, manguinhas
gio, e da i i pela ra do Queimado, praca da da bico para senhora os mais modernos gos-
lodependencia, ras do Cabog e Nova, se tos, atacadores para botina de senhora, ri-
recolherft rne'rjcionfids isrej -le tfoss^ Se- cas luya* de pelica psra senhora e
nhora, onde tiesta occasiao lora lugar um bicos de linho verdadeiro, ricas romelras
solemne Te-Deum-Laudamus com ora;3o bordadas, ricos laucados de senhora para
recitada pelo Rvm. padre meslre progador bailes ou lliealro, luvas de linbo verdadeiro
imperial JoSo Capistrano de Mendonca. No para bonem. Na mesma loja fazem-se ves-
dia 22 pelas 6 horas da tarde serlo iraala- tido de casamento, de baptiaado, toucas de
dados com toda a decencia os restos mor- magino a de senhora, capotinhos de todas
taes dos innlos fallecidos, e ao recolherem- as qualidades, com perfeiclo e prefo enro-
so a referida igreja de N. Senhora se cantar modo; recebem-se todas os mezes Bgurinos
um memento, e o mesmo Rvm. padre mes- modernos, quo empresta a seOs freguozes.
Mobilias de alugul.
Alugam-se mobilias completas, ou qual-
quer traste separado, lambem te alugam
oadeiras em grande porco para bailes, ou
oflleins ; na ra Nava armazem de Irastes
do Pinto defronle da m i de S. Amaro.
Pede-so ao Sr Jos Carlos de Mendon-
ca Vi-sconcellos, morador oo Sul dests pro-
vincia, que ae u3o tem jurado nlo pagara
quem deve, pague a herdeira da fallecida D.
Mariana Rodrigues do Jess, a quantia d
seis centoa e secaota e tantos mil ris, prin-
cipal e juros de sua divida, conlrahida, ha
tantos annos, e aasevera-se-lhe que ae o nlo
flxer promplamenle saber quo o.-euassu-
carpassar por algumdasgosto nesta pr.r;a,
e que o seu nome conlina a ornar aa pagi-
nas de-t i jornal.
li meo de Fernambuco.
A direcelo do Banco do Pernambuco con-
tinua a receber assignaluras para o nvsmo,
aa pessoas que quizeiamassignar o devem
fazer quantoantes afim de gozarem da van-
tagem do enlrarem com o importe do suas
asaignaturasnas prestarles que preterevem
os estatutos, cerlos deque em principiando
o mesmo as suas operaces, dahi em dianle
aquelles que quizerem assignar, havendo
inda lugar, s o poderlo fazer, entrando
com o importe de suas acedes em dinhoiro
a vis'a. Contina a estar patente a assigna-
tura no escriptorio do Sr. Manoel Concalves
da Silva: na ra da Cadeia n. 36, lodosos
dias uteis al meio da. -- M. J. de Oliveira ,
secretario.
Caligrafa
Na Ra do Aragao, n. i2, se-
gundo andar, copia-se com perfei-
cao qualquer papel em muito boa
letra e por preco commodo.
AttencSo! altenco!
Na loja demiudozas da ra larga do Ro
zarion. 38 do Cardeal, troca-se por 1,000
rs. bellos o engranados lencos de seda para
grvala, fazenda modernsima, e de lio
esquisito gosio, que ninguem deixara de os
comprar. Na mesma loja vende-se igual-
mente por muito pouco dinhoiro as mus
perreitasp|lindiaaimas lo-es francozes para
enfeite de chapeos e vestidos de senhora,
pentesde tartaruga para coco, e um admi-
ravel apparelho para fazer cafe em 5 mi-
nutos.
-- Aluga-se por 4, ou 5 anuos, ( a quem
comprar pelo seu justo valor, 3 excellentes
cava los, e2 boas vaccas de leite ) um sitio
no lugar denominado-- Parnameirim
prximo a Sania Anna, murado na frente, e
cercado pelos lados o fundos, com casa pa-
ra numerosa familia, 1,000 asdu larangei-
ras, Limeiras.Limoeiros doces, alguns40i)
ps de Mangueiras jaqueiras coqueiros,
rnangabeiras tamarineiras sapoliseiros ,
fratapao &. &. boa baixa pora capim que
sustenta annualmciito 4 cavallos, e 2 vac-
cas de leite, capoeira, queda lenha para o
gasto da cosinha, e 4 escravos para o ama-
iibo, e tratamenlo do mesmo sitio : quem o
pretender enlenda-se com Joaquim Jos de
Amor lar.
-- Preciza-so de um portuguez que seja
perito em plantaces de sitio, e saiba ti-
rar formigas, quem estivcr nestas circuns-
tanciase quizar liabalhar no sitio ua traves-
sa do Remedio n. 21 eotenda-s e com sen
proprietano, o Porteiro da Alfandega desla
cidade, na mesma repartirlo q iea vista da
prova que dar desabero que cima se desa-
ta, e da aua boa conducta 4i.de. tralar-so-he
do .Hule.
-- Na ra larga do Rozario n. 35, loj, se
recebem escravos e escravas para vender
por commisslo tanto para a prar;a. mato,
como para fra da provincia, tendo bom tra-
ta monto o segranos precisa.
-- Fernando Jos da Rocha Pinto, oxporla
para o Rio de Janeiro, os seus escravos Ze-
Icriuo a Hanoel, creoulos.
Campo alegro amiga Capunga.
Aluga-so urna casa muilo fresca e nova ,
no melhor lugar de gosto para so passar a
fesla, contigua ao sitio da senhora Viuva
Lassarre, pelo preco de 250,000 rs. por an-
uo : a tratar com a mesma senhora, ou nai
ra da Cadeia do Recife n. 54; advcrle-sc'dea de S. Antonio n. Q.
queso se contrata at odia 20 do crrente __ l>fecsa_8e de uma ama: na
Osr. Jlo Vinssimo, meslre de alfaiatol v j ar
que morou na ra do Vigario,queira annun- ra das AgOS Verdes n. 80, Segun-
Noberto Joaquim Jos Cuedes, remelle
para o Ri de Janeiro, a sua escrava parda,
de nome Bernarda, idado de 20 anno., pou-
co mais, ou menos.
-- Offaioce-se uro frenrez, que sabe co-
zitil ar perfeitamente para eozinbar em
qualquer casa particular : na livrarian. 6e
8, da praca da Independencia.
a casa de modas francezas, de
Buessard Millochati, no aterro
da Boa-Vista n. i.
acaba-so de receber pelo Perntmbuco ulti-
mo navio vindo doMIavre, um lindo sorti-
mento de modas de Paria; como sejam ricos
chapeos de seda e de palha para senhoraa,
chapeos de montara,dito de palha para me-
ninos emeninas, manlelhetes e capotilhos
de seda de cores e pretos, mantas e lencos
de seda de retroz, e de cores um lindo esco-
Ihimenlo do bordados, cabeces, roroeiros,
camisinliisa capotinhos da bico bordados,
ricas litas para cinto e chapeos, flores finas
paracaaameotoeonfeitesde vestidos da bai-
1 --, I o tas de pelica para senhora, entalles pa-
ra as ditas,pulceira de filas,trancas e franjas
para vestido, e manlelheles, eaparlilhos fi-
nos, bicos e galops de seda de cores, tunea-
dos ricos para bailes o theatfos, luvas de
se la muilo finas, e multas unirs fazendas
de gosto, que su venderlo muito em coula.
2 barris com liquido da marca S.
A ppu rocera m e-las 2 liar ns no i inora, In-
dos por engao em um dos navios que se-
guios esse porlo : quem se julgar com di-
reito aos mesmos dirija-se ao lado do Cor-
po Sanio loja do Massames n. 25, qui ah
achara yessoa que diga quom toroou conta
Precisa -se do utna ama deleite, forra
ou captiva : quem estiver nestas circums-
lancias, dirija-se a ra do Hospicio n. 31.
Roga-se ao Sr. Cuilherme Jorge da Mul-
ta, que antes de rolu-ar-so, queira ir a ra
do Raugel n. 36, a negocio de sea interesso.
Quem tiver e quizer vender urna ti-
poia, quer nova, ou usada : queira aunun-
ciar por esta Tulha.
- Precisa-seda um moleque de 16 a 18
annos, para o -en ico de uma casa de pou-
ca familia : na ra Nova n. 36, casa docu-
tileiro.
--Offerece-se um bom mol-quo para ser-
vico de uma casa : na ra Velha n. 77.
Na ra do Vigano n. 33, precisa-se de
n 'i caixeiro, que lenha pratica de venda; a
na mesma casa ven lum-se redes do Mara-
nno de cores e gustos elegantes, por preco
cumulado.
Aisocafflo C.ommercial de fernambuco.
A ilirecco a re^ueriaieutos de mais da
dous tercos dos socios elfectivos, convoca
assembla geral para o da 8 do Janeiro da
1852, pelas 12 horas do dia, para reforme
de estatutos.
Madama Kidoux, modista france-
za, itdi-iu Nov i n. 69, primeiro
andar.
Tem a honra de annanciar ao respeitavel
publico, que se achara seinpre aa casa del-
la um sortimento mirto rico de chapeos de
seda .....' 'ii, turbantes, grinaldas, capel-
las, flores, plumas de todas aa cores, e ou-
tros quaesquer envites de cabera para baile
e tbealro, o lambem se achara cliapeos e flo-
res promptos para luto, tudo pelo preco
mais commodo.
cra'ilic.ieao.
llavera pouco mais ou meno9 dous mezes
quesa entregou um pelo para levar em
cesa do Sr. Vignes, qun vendo pianos na ra
larg do Rozarlo, am livro velho sem capa,
contend) varias e ;,is de canloria em Italia-
na e Ingle/, livro foi embrulhauo num
Diario velhu. a pi-ssoa a quem foi entregue
por engao, quoiendo restituir, dinja-se a
casa do Sr. Giuardo II. Wy.tt : ra do Tra-
piche novo n. 18,que ser muito bem romu-
nerado.
-- Precisasode uma criada, smente pa-
ra o servico do cozinha e compras, para
uma casa de muilo pouca familia : na ra
do Rozarlo da Boa-Vista, sobrado o. 32.
Alaga-M a loja n i5, darua
do Crespo, e garante-se o arren-
damiento pelo lempo que convier
a quem comprar a armacSo da mes-
ma loja : a tratir na ra di Ga-
ci.r sua morada ou dinjir-sa a liviana n.
6 e 8 di praea da independencia.
Para quem quizer saudc.
Aluga-se uma casa nnsaudavul Cachan-
do andar.
Hanoel de Almeida Lopes, com casa
de consignado para comprar e vender es-
cravos, tanto para esta provincia, como pa-
ga, coin bastantes quarlos, cocheira eostri-| ra fora della, mudou a sua residencia da
baria : na ra Nova n. 63. ra da Cadeia do Recife, n.5!, para a ra
- Precisa se alugar um preto. da Cacimba, n. 11, aonde morou o finado
1 D Exm. vigario. Brrelo,onde continua, olle-
que saiba cozmnar o ordinario e reCendo-se toda a segunmea precisa para os
fazer o mais servico da urna casa mesmos e bom tratamenlo.
de rapazes solteiros : quem tiver I Precisa-se alugar uma escra-
anouncie. Iva (lue seja uoa cosinheira e com-
-- Precisase de um caixeiro, de 12 a 14 pradeira, : quem a tiver dirija-se
annos, que lenha alguma pratica da venda,'a rua Ja Assumpcao OU muro da
Madama liosa ilardy, modista
brozileia na rua Nova n. 34.
Previne-se aos lreguez.es que recebeo pe-
lo navio Pernambuco, um bello sorlimcnio
ao acto.
....Ka porlanlo a mesa regedura a lodus os
zario n. 20,pr.meiro andar.ou a rua do, (.res-1 limauJ g8 comparecer a lodos
Pon. 11, queachar com quem faca trans.c-,esleg gclos> convBllIa aos aereados cleri-
8,?r*' iu ._. j. gos, que queiram acompanhar a dita pro-
- Olferooe-so uma mulher para ama de cjssa0, COmP,recer as horas com pe ten lea da chrpos de seda franzida.e ligas de pe-
casa, a qual sabe multo bem cosinhar, e en- |na ., 00g re|gioso, ue SlI)l0 Antonio, nacho e flores ; para senhoraa e mocinhas
gommar, ludo com muita perfeigao : na rua j AJer,e.se m,is i0,iosos fiPis devotos que do 6 at 12 annos, lir.dissimos chapos do
as Laranjeiras n. 9. o emblema do Divino Espirito Santo ficara grosdo aple fraasidos a moda, de flores
-- O novo batalnaode inlanlana, em <*-( eXi(0Si0 |10 corpo da igreja a veneracSo dos ou penachos, de abas grandes para menino
dilamenlo o-nnoncto de hontem, faz sen :mesalus 05pB1;o deSdi.s.e so aisoibui- da 1 .lo.niio, ricos capotilhos prelo e
lira qualquer poss a que queira fornecer r0 meil lodos que forem vesita-Io, de cores, modelos novos, o multo enfeita-
us pai a o rancho, que logo que es- conger?iI1do ae para isso a igreja a
iji.lg.dospelos mdicos, nocivos a ag 9 nor dt noJl9
r estarem corruptos ou fals ficados, ^ No dji ,7 do oorrenle deg,
berta al
os gneros pai
les sejam j
saode por esiarem corrupios 011 laqueamos, ^ fi
licaro sujeilos a urna mulla de 200.000 rs.; d ^,, da 8o|ed para o que assim que firmarem o contracto, Je muilo m>llg0 cam fi,la ^
preslarao .anca idnea 5e unll8 Dog dcdog tB d0 eorrent, de
-- Vicente Novella retira-se para fora do ferro no pe queiIlo;ch*,r e quizer restituir
imperto. > rg recompeusado, pois he bem coabecido
Avizo a rapaziada. al pelo fallar.
O propietario da CODfeilaria da ruaos-, -- i>o dia 20 do correnle se hado arrematar
liii la do" Rozario faz vera rapaziaie, que embasta publica do Or.jniz municipalda ss-
deixou de abrir a sua luja na capunga 00 dia gunda vara uma porcSo do prala e ouro em
14 do cnenle como i.avia annunciad 1 por obra, um escravo e mais bens coiislantedo
motivos de molestia, mais agora novamente escriplo onsteute ero nulo do porteiro por
aununcia para 21 empretorivelmenle, dasll esecucSo de luso dos Santos Souza Luis
horas do da as 10 da ooile, afim de satis- -- Precisa-se alagar dous moleques, paga-
lazer os apetites de mullo pessua apaixom- ao bem ; oa rua da MocJa n. 21, primeiro
dos do abacaxi (andar.
Precisa-so de um caixeiro que lenha' AV1Z0 SATISFACTORIO,
pratica deloja de Miudazas paga-se bom or- O abaixo assignado ageotedo Dr. Brao-
ilenado : quem estiver nestas circunstancias dreth, faz sciente ao respeitavel publico
iiirija-se travessa da Rua do Rozario loja que pelo btigue americano James Crosby,
de miudezas n. 18,que se dir quem precisa, de Boslon entrado no oorrenle mez, rece-
Ptccisa-se de um caixeiro de 11 a 14 bou novo provimaolode pilulas vegetaes de
annos de idade, que d Dador a sua coadyo- seu proprio author; eslaa celebres pilulas,
1 noattrroda Boa-Tista n. 73, aorecommendadas por milbarcs de pes-
dos ; ricos cliapo8 de palha para senhora
enfeitadose sem enfeites, chapeosinhos de
palha para meninos e meninas, ricos cor-
ies de soda bronca lavrada para nuivaa, veos
e capellas; gros de aples furia-coras
para vestidos e capotilhos, franjas e transas
da meama cor, para os enfeitar: na mesma
loja tem um completo sorlimento de fazen-
das ao uso ilas senhoras, ja annunciadas, e
laz-sedeencommenda vealidoa, capotinho,
e vesiidinho de baptiaado por preco com-
modo.
-- Joaquim Munleiro Cruz, embarca para
o Rio de Janeiro, a sua escrava, de nome
Luiza, creoula.
Acha-se farinha nova de SSSF, (de ra-
minha) para vendar, nos rmaseos de Dea-
ne Foule & Cumpanhia, no beccodeGon-
calves.
-- Precisa-se de uma ama forra ou ca
preferindo-se dos chegados ullimamoole :
na rua do Pilar n. 131.
-- D. da Silva GuimarSos, embarca para
o Rio da Janeiro, a sua escrava creoula, por
nomeTheroza.
i-iillil .'iil^ iliiiA, (ICUtiatii
fruiii-<-/.. offerece en prest-
mono publico para tollosos
^| iii- iris rte sua protlsso: *
? pode ser pi-ocm-ado a qual- a>
0 quer hora em sua casa
& rua larga do Rozarlo, 11.
fr> segundo andar.
Penha n. 16.
O Sr.Bernardo de Albuquer-
que FernandesGama, queira man-
dar pagara subscrico deste Diario.
Precisa-se alugar uma preta escrava,
para servico de muito pouca familia: na
'Ponti Velha n. 14. _________
Compras.
tiva, para fazer o servirjo da uma casa de de pouca familia : na rua Imperial n. 13.
pouca familia : em Fra de Portas, rua do Precisa-se de um homem que trabalho
Pilarn. 72, segando andar. [em um sitio, perto desla prafa : na rua do
A seuDOra D. Izabe! Mara da Encama-1 Passeio, loja a. 13.
co, annuncieasua morada para ser procu- -- Precisa-se de um bom aniassador: na
rada a negocio de seu interesso. rua Imperial n. 37.
n a .a)
O ^ --Compra-se na rua das t neos n. 22, se-
<> gundo andar, 3 escravas de 16 a 20 anuos ,
Ja) Mt2''Vi'fcaj|i*i*l1*a<* creoulas, ou pardas, de bonitas figuras, pa-
M 1 I 1 mucambas, sabendo rerfeitamento on-
llotet no :Uoiileno. I gommar, cozerchSa, eozinbar o lavar, agra-
Domingo, 16 do passado, abrio-se este
cstabelecimento com as seguintes pro-
porcijes:
llilhare sorvete, aos domingos e dias san-
os a tarde.
Sala mobiliada e indepemlente, para as
familias, que indo a paaseio quizerem des-
cansar.
Quarlos preparados para dormida.
!.;,."v-s.i o bbm ,.,., di sala .' r.".'i'[,
com capacidade de servir a 40 pessoas.
Soiti para recreo e passaio.
Estribara e arrafl|os para cavalio.
Coolida mensal e avulso, preparam-se jan-
tares e pro/untos, aluga-se lour;a, vidros ,
bandejas, eto. elo.
Tudo por preco" muito rasoavel, e acon-
tentes.
Em a primeira audiencia do lllm. Sr.
Dr. juiz dos faitos, se arrematarSo por ven
da, por execucSo da fazenda provincial, 9
sobrados de 2 a 11 lares 11. 30, sitos no pateo
Jo hospital do Paraso; avallados caja um
em 7:000,000 rs : por exeeucSo que niove
a mesma fazenda, contra o coronel Jos Pe-
dro Veloso da Stlveira trala panellas de
10115a branca do uao de botica, avaliadaa
por 30,000 ra. ; por execucSo que more a
mesma fazenda, contra Leticia Mara da
C--Cprec?s...e de ama am. par um. cas, i18 com o'd^ "<-e c pro-
dando paga-se bem.
Compram-seeBcravos e vendem-sede
cii'.-.miss.i.i, para dentro e fra da provin-
cia : na rua da Cacimba, sobrado u. 11, on-
de morou o Sr. vigario do Recife.
t^y Compram-se escravos de
ambos os sexos, de 6 a 3o annos,
para fra da provincia paga-se
bem tendo bonitas figuras: na roa
das Larangeiras n. 14, no segundo
andar, a qualquer hora do da.
Compram-sa trastes usados de todas as
qualidades,e tambero se trocam por novos:
na rua Nova armazem de trastes do Pinto,
defroVta da rua de S. Amaro.
.. Compra-se uma oorrenle de ouro, pa-
ra relogio -. aa rua larga do Rozario n. 26.
Vendas.
F0LU1RHAS PARA i85a.
Vendetn-se Iblhinhas de porta ,
.le padre, e de algibeira de tres dif-
lerentes qualidades,sendo uma del-
vincta: vendem-se nicamente na
praea da independencia n. 6 e 8.
Bom gosto.
Ricas caxinlias onfeitadas oom lagos de,..,
lilas e llores, choias deamendoas comfoita- c.deraacflo n, 8.
das, ptimas para se darem de fastas, pelo
bartlissimo preco do 2,500, 4,000, e 4,500
ra.: oa rua do Queimado loja de miudezas
junto a do cora, n 33
Sao muito lindos.
Jarros de porcelana dourados proprio
para flores, pelo diminuto preco de ,009
e 3,500 rs. o par, figuras dito de dito a S,#
rs o par, lindos pozos para por sobre pa-
pis a 1,500, 2,000. 2,500 rs. : na rua do
Queimado loja do miudezas junto a de cera,
o. 33.
Lavas para homem e senhora.
Vendem-se luvas de seda de cores que
muito imitSo as de pelica, o melhor que ha
luvas pelo baratissimo preco de 1,800 rs,,
ditaa de pelica para homem e senhora que
se allane, ser da melhor qualidade qua po-
do I 11 r, pelo colimo lo preco de 1,000 rs.:
estas luvas vendem-se por este preco, por
se ter comprado porco grande; ditas 1I1-
tisile ditas prelaa fechadas com dedos pa-
ra senbora e homem a 500 rs. o par ; ditas
do torcal sem dedoa a 240 rs. o par : na rua
do Queimado loja de miudezas junio a de
cera, n.33
Aneis de cornalina para homem.
Vendem-se os muito dez jados aneis de
cornalina para humeas pelo baratissimo pro
(o de 610 rs. : na rua do Queimado loja do
miudezas junto a de cera. n. 33.
Papel para namorados.
Vende se muito lindo papel e capas mui-
to proprios para os Srs. namoradoa, e por
que proco .'so, 120, 160 e 200 rs. a follia,
1 iinlieui lia resmas eun 20 quadernos de
papel de muilo bonitas cores que ae ven-
dein p o sin) rs., preco quo faz admirar: na
rua do Queimado loja de miudezas junto a
de cera, n 33.
Bom e barato.
Vende-so arroz da casca muito superior
a 2,400 rs. o alqueire da medida velha : aa
rua do Itangel n 63.
Casticaes dourados a i,5oo rs. o
psr.
Veudcm-se na rua estreita do Rozario,
travessa do Qaei nado, loja de miudezas n.
2 A, junto ao deposito de pSo.
Vendem-se ua rua do Queimado n. 19,
cortes de vestidos com barra a 4,000 rs.; ve-
nhain ver a fazenda antes que se acabe, que
l'az admirar fazenda por osle prefo.
Vende-se a padaria nova do Manguinho
com todos os sens pertencos : quem a pre-
tednder dinja-saa mesma.
Na rua Nova n. 5o, venden -
se os seguintes gneros ultima-
mente chegados queijos suissos
muilo frescos a 56o rs.j dito fran-
cei aiors. ; londrino a 720 rs.;
queijos llamengos muito novos e
outros muitos gneros ltimamen-
te recebidos ; assim como licor de
marrasquino muito superior.
Contina a vender-so manteiga fran-
ceza, nova, a 560 rs.; dita ingleza, a 640 rs. ;
bauha de porco, a 400 rs.; caf a 140 rs.;
cha, a 1,600,1,920 e 2,400 rs. ; bolactiinba
ingleza, a 200 rs.; dila quadrada, a 240 rs. ;
sevadinha, a 160 rs ; sevada, a 100 ra. ; fa-
rinha do M.ii-.niiiao, aSO rs. ; passas a 280
rs.; figos, a -200 rs. ; chocolate, a 320 rs. ;
carnauba de 6 e 9 em libra, a 280 rs.; esper-
la ce te di 6 e 5m libra, a 720 rs,; toucinho
de Lisboa, a 280 rs.; arroz do MaranhSo, 80
rs.; Ilnguleat, a4l)0 rs. ; paios, a 240 rs. ;
saiveja, a 4,500 rs. a duzia, o queijos novos
trncales, a 1,000 rs. i no paleo do Carmo,
venda nova o. a.
Pecliincha.
VenJem-se superiores batatas, a 500 rs. a
canastra, com o p -so de uma arroba o tanto
de batatas, e em libras, a 20 rs. : oa rua
Direit i, venia n. 76 e 78.
Salsa ,
muito nova e superior, vinda no S.Salvador;
chumbo de munido; massos de papel&o da
lodos os nmeros e em qualquor porc.3u: na
rua do Trapiche n. 26, casa de M. Duarte
Rodrigues.
Vende-se uma cabrinha, de 12 aonos da
idade, sem vicio e muito sadia : a tralar em
Olinda, em casa de JoSo Bernardo Braga ,
na rua do Amparo defroote do sobrado do
ponto.
Gom dinheiro vista.
Vende-se orno atterro da Boa-Vista o. 43,
o seguinte; manteiga ingleza da melhor 800
rs., dita franceza 640 rs.,chado melhor
2,000 rs.,d ilo 1,920 dito preto do melhor quo
ha neste mercado a 1920 a libra, tem 3 om-
brulhos|chinezes,o ombrulho por 640 rs,es-
permacete 640 rs,carnauba 280 rs., sevadi-
nha 160 rs.,ervilh.s a 120,letria 160 rs,arroz
pilado 80 rs. tapioca 80 rs. farinha de araru-
ta 120 rs Chocolata 323 rs,assucar refinado
pelo diminuto preco de 80 rs. a libra, e a 100
rs. milho 120 rs., arroz de casca 120 rs.,
feijSo molatinho 320 rs iipista 960 rs.,pala-
zo 560 rs., azeite doce 480 rs. vinagre booa
80 rs., dito de Lisboa 140 rs.,queijos 800 rs.,
carne do sertSo 200 rs., linguic.as do mesmo
200 rs., bolacinha ingleza 160 rs., call de
enroco 140 rs., azeitonos 240 rs. a garrafa,
e tudo mais por diminuto pceo, de ludo se
d amostras.
Sao francezes-
Vendem-se na rua estreita do Rozario,tra-
vessa para o Queimado n. 39. A superiores
bolinhas francezas de diverjas qualidades
chegadas estes dias de Pars, tambera se
vende latas da aramia, biscoutiaho latas .
o mais ii .li,i- qualidades, tudo por preco
commodo, oaununciante pede ao respeila-
Vel publico, aiteneSo.
Na rua fiova lo\a/ranela n 10.,
tem um novo sortimento de fazendas de
bom gosto, muito proprias'para o tempo de
fasta, como sejam : cassa franceza muilo fi-
na, chapos de seda ede palha abarlos e fe-
chados, manlelhetes o capotinhos pretos o
furta-cores, e de lil branco e preto, sedas
furia-cores para vestidos, transase franjas
do todas as cores e larguras, bicos de blon-
do, de linho, de seda, brancos e pretos, li-
tas e floras de todas as qualidades, fil do
i ule i o mi- iij'iniu mam,', preio, cor Ua
rosa ; luvas do pelica edesada de todas as
coi es, meias de seda e calcados de todas as
qualidades ; na meama loja tem lalsgarca,
seda frouxa para bordar de qualidade supe-
rior, um graude sorlimento da tolas as co-
res mais limas, assim como lila tambera
para bordar; venle-sa tambero encerados
largos e estretos multo superiores, cacos
para viagem, e mais outras omitas fazen-
das todas por preco mais meconta do quo
em outra qualquer parle.
Aviso.
Tem toda a qualidade de plvora, a qual
se vende muito barata: a tralar no aterro di
Boa-Vista, na loja do abaixe assignado.
Manoel Jos HagalbSes Batios.
Descripcao do Brasil.
Vende-se a JiscnpcSo histrica do Brasil
Colombia e Gueyanas pelo celebre esenptor
l'r. Diniz traduzidoem portuguez,2 volumes
com ricas estampas representando as pnn-
cipaes cidades.usos e coslumesdos primai-
ros povos do Brasil;vende-se por muilo com-
modo pra;o : na rua do Collegio loja de en-


"Vnho de Champagne,
atuperior qualidade : vendo-so no irraa-
em Kalkmanu IrmSos Rut <1a Crur, o. 10
Q Vende-se un grande sitio no lu- O
Q gardo Manguinho, que lica defronte Q
n dos sitios dos Srs. Carneiros,com q
n grande casa de vivenda, dequatro q
t agoas, grande senzalla, cocheira, n
2 estribara, baixadecapim que sus- J
zf lenta 3 a cavallus, grande cacim- X
*J* ba, cum bomba e tanque coberto *:
jjj para bariho bastantes arvoredos do Jjr
9 fructo : na ra do Col legin. 16, so- J
O gundo andar. 9
ooooooc ooooooooo
Moinhos de vento
uoin bombas de repuebo para rogar borlas
d baixas decapim : vendem-se na fundiglo
de Howinan & Me. Callum, na ra do llruiii
na. 6,8 e 10.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. I-, ha
muito superior ca nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
Tnlxu.s pun engcillio.
Na fundiglo de Trro da ra do Itrum,
acaba-se de roceborum completo sortlmon-
to de taixas de 3 a 8 palmos de bocea, as
quaes achnm-se a venda por prego com-
modo, e com proniptido embarcam-se, ou
carregam-so em carrossem despezas ao
comprador.
-- Vendem-se cera em velas ,
fabricadas em Lisboa c no Iliode
Janeiro, em caixas de ioo libras
sortidas, de i a 16 em libra, etam-
beni de un s tamanho, por me-
nos preco do que em outra qual-
quer parte : trata-se no escripto-
rio de Machado & l'inheiro, na
ra do Vigario n. 19, segundo
andar.
POTASSA DA RUSSIA.
ho armazem de Jos Teixeira
liasto, na ro do Trapiche n. 17,
Farinha de mandioca.
A maia nova e mail barata farinha de
mandioca que ha no mrcalo, vende-se Da
ra da Cruz do Recito, armazem n. 13, de
J0S0 Carlos Augusto da Silva.
Deposito ln fabrica de Turtos os
Santos 11a lialila.
Vende-se, em cata de N. O. Bieber&C.,
na ra da Cruz n. 4, algodo transado da-
quella fabrica, muito proprio para saceos de
aasucar e roupa de escravos, por prego rom,
modo.
Vendem-se selins e silhdes
inglezes, de como de porco, da
primara qualidade: em casa de A-
damson liovvie & C'ompanhia, na
ra do Trapiche u. Ja.
Vende-se superior farinha
de mandioca de Santa Catharina,
chegada ltimamente a bordo do
patacho Euterpe, fundeado de-
fronte do caes do Ramos : trata-se
a bordo do mesmo ou na ra do
Apollo armazem n. i/j, r na ra
da Cruz armazem n. 33, com S
Ara ojo.
Armazem de louca vidrada.
Comosejam : panel las, cagarolas, lijellas,
assadores, fregideiras, papeiros, alguida-
res, talhas paradoc;, vasos para llores, jar-
ros, quartmhas, garrafas, copos, morin-
gues, resfriadeiras ; ludo lino pararesfriar
agoa, balaios para meuinas andarem, ditos
para costura e compras, baldes de piuho,
condegas de todos os Unannos : na ra da
Cadcia do Recife 11. 8.
Mocndas saperiorea.
Na fundiglo de C. Starr l Companhia,
em S.-Amaro, acbam-sea venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construcgSo muilo superior
Presan toaa
Vendem-se prezunlos americanos, muito
superiores e por barato prego : no caes da
Alian le.'.1, armazem defronto da srvore.
Vende-se no armazem da ra
da Cruz n. 48, os seguinteo gne-
ros a precos commodos : fras-
Vende-se, traspassa-se, ou
faz-se qualquer outra trauaaccSo ,
com a loja, que foi do fallecido Jo-
s Pinto da Fonseca e Silva, anti-
ga loja de Guerra Silva & Compa-
nhia, na ra Nova n. 11, a fallar
com J. Keller & Companhia, ra
ra da Cruz n. 55.
Q Vende-so na loja l'ernambucana da Q
O ra do Crespo n. 11, superiores cha- 0
<> pos italianos, ricamente enfeila- -,
3 dos para meninos de ambos os sesos, n
1,ande so lmenlo de lilis, longos, lu-
yas, iils, transs e franjas para luto : no
aterro da Boa-Vista loja n. 1.
-Na ruadasCruzes n. 22, segundo an-
dar, vende-se um escravo pardo, de linda
figura, de 28 annos, proprio para o campo, o
um lido ereoulo de 22 annos, ptimo ca-
noeiro, e trea pretas de meia idade qne co-
sinham, e lavam do sabao, e sSo ptimas
quitandeiras.
Vendo-se champagne da marca antiga
e bem couliecida, Comet, em casa de Deaue
Yule iv companhia na ra da Cadeia.
-- Vende-se urna bonita creoula, que co-
ze, engomma e faz lavarinto, cosinba e tem
encllente conducta, herecolhida e apren-
den na escola o que sabe de costura, tem 18
annos deidad, ppropria para mucamba de
casa ; tambero se vende um muleque ereou-
lo de 10 annos do idade, proprio para qual-
quer oOicio : na ra larga do Itozario n. 35,
loja. *
Vendem-se amarras Ue ferro: na ra
da Senzalla nova n. 42.
Vende-se um piano com muito boas
vozes, e por prego muilo em eonla : na ra
larga rio Itozarioon.28 armazem dolougase
dir quem vende,na mesms loja se dir quem
d 200,000 rs. a premio sobre penbor de
ouro.
Obras llespanholas.
A llliisliae.nl e outias diversas e interes-
santes publicagOes da biblioteca universal
de Madrid muito baratas ccriptas em
lio ni typo, escolenle papel, e com muitas
superiores gravuras : vendem-se na casa n.
6, defronte do Trapiche novo, e loja de en-
cadernagSo n 8, da ruado Collegio
Obras porluguezas.
4
Leite sem agoa,
A 200 /. a garrafa.
Vende-se todos os das dis 6 ip
horas as 7 da manlia t, na ra da
Guia, junto ao acougue do Sr l'i-
lippe, e na ra da Cruz no liecife,
prximo do armazein de J0S0 Car-
los Augusto da Silva.
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos ao 000,000 e lo:ooo,oooders
O caufelista Salustino de Aqui-
no Perreira, avisa ao respeitavel
publico que no dia 19 a ao do
correte mez, deve chegar do Sul
o vapor da companhia brasileira ,
e no dia aa o vapor inglez Tay, con-
ductores das listas da segunda lo-
tera do Hospicio de Pedro Segun-
do, e da 19. lotera do Theatro de
S. Pedro de Alcntara, que cor-
reu no dia 4 deste mez, e paga un-
mediatamente logo que receber as j\%3e!s8uma obra de Tito Livio, Ira-
duzida em francez, propria paraprofesso-
Vendern-se bolinhos franoe-
loja de zes, chegado de prximo do Ha-
Attenc3o
Na ra do Collegio n.
miudesas. vre de Grace no brigue CetaV
Vender-se as seguales estampa em co- amito nronrios nara rh n.l. '
Ieccoes completas ; Mathilde irmo de R- J'wp para cna, pela Sua
cardo, rei de Inglaterra, Fernando Coitez excellente qualidade fi genuino na-
no Megico, o Filho Prodigo, o. Igoez de Cas- ladar : na ra da Cruz dn n_
tro, Fgaro, o Conde Paladial e Mazeppa, r amo..m j iJ KeC|-
Masamelloou a HovoIt4dos Napolitanos. Ie armazem de moldados o. 6a
eomotamhem de muilos santos a saber: S. de Mariocl Francisco Marlin. '
Ignacio, S. Lourengo, S Heonorino, 8, Fe- irm3 "lartins &
ln,8. Vicente, 8.Etev8o, S. Izidorio, S. rmd-
Andr, S. Caetano, S. ItomAo, Sr. da Graqa, I Bom petisCO' pura a testa
S. Victor,S.Reque,S. Eugenio, S.Anasta-I Vendem-se leitOes multo gordos' -.
co, S. Esco asteo, S. Agustinho, 8. Fi hp- nrios oara as cnmnr am u.T,i Pr-
Pe.>. Apolonia, S.'c.audio, S. MaHa, S.M- ^Xt^" .Tndl,.?dcA)?"0 "'
Isto he o diabo !
noel S. Luis, S. Crespim e S. Crespinian.o,
S. Joaquim, S, Jos, S. Jeronymo, S. Mau-
ricio, S. Bartholomeu.
Wl Arte de nadar. r
tjf Vende-se ossa utii invengSo pelo di* tp

ff Pernanbucana, da ra do Crespo, t imexc amava lato he o diabo- pornm
S n. 11. ""I PrnoviJeDC,i ?ue J o. nZZ
Wkia^WWWiiiWWNa P"ejes>inconveDlentea,poiaj chegou p,
Pentes de tartaruga para prender cabello, a '* ."''ra Dom papel de pezo pautado pro-
4,500 rs. Pfo Para ct.s j vende-se n. ra do Coito-
Vendem-se na roa do Quelmado n. 1, lo- giJ0l'1"encaderoagao n. 8.
Assimdizia urna pessoa que Droeiimn 1
escevr urna car,, ."toda a WJt^Z".
(Jo ach.do a pauta tinha escripto sem ell,
pasaabdo pelo desgoslo de ver que as lih "
estavflo tao direitas como a ra Dinita
11 hn n .1: .L -
1 f ./'eos de vi iro Com bocea larca de" Revista universal Lisboense, jornal de Ul-
na para vender, nova e superior ,. leratura, historia de Portugal pelo distinelo
potassa da Hussia, chegada recen- d'^rsos tamanhos, latas com bo- ..ptoral.xandr. Hercu1.no, bMorlado
lacninhas de AIImanli \ multo no- consulado e do Imperio de ^apolsao, revista
teniente. altruismo min fnn ,., Inr militar o Jornal do pharmacia eseieneia as-
-- Vendem-se velas deespernucete, em "as> muuo uno c.111 uar Icessorias : vendo-sena casa 11. 6 defronte do
caixas, de superior qualidade : em casa de ricas, zarcao e secante em barri-, Trapiche novo, e na ruado Collegio, loja
mflreo&C0mp,nl,',: ru,dCru"-,'cai, pedra hume em barricas, es- da nedernacao n. 8
mero 55. Jr Vende-so cabos de hnho e de manilha
Principios geraes de economia pu-, sei,ctas de canella, cravo czimbro, de tolas as grossuras, e superior qualidade,
blica e industrial. sevadinha cm garrafes e sal de
Vnnde-se este compendio, approvado para ''psem muito alvo em barricas,
as aulas de primeiras letras, a 480rs.: na1 Farinha fontana
praga da Independencia, liviana 11. t; e s.. .i,_,.j. .m.._>. ,, .' .
- 1 chegada ltimamente: om casa rio J, J. Tas-
Casa ue commissao de escravos. so Jnior, na ra do imorim n. 35.
Vendem-se escravos e recebem- Pazendas para senhora, por bara-
je de commissao, tanto paro a pro- 11 preco.
vilicia Como para fm della, para Cambraias de sal jicos brancose decr.a
o que se ollerece mui.as garantas Jff ^oT. % ^'Xr^'i
a seus donos ; na ra da Cacimba vara; ditas co.ii listrusdecra 3,ooors.,a
n. Ii, primeiro andar.
Deposito (ie cal e potassa.
No armazem da ra da Cadeia
doltecile n. ia, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa chegada ultima- transado com listras, a 180 rs.
mente, a precos muilo rasoaveis. CresPn- 6-
Deposto'de cal virgem. ~ Vende-se em esa de A-
Cuoba & Amorim, vendem harria com cal damson liovvie & Companhia, na
cm pedra, chegada ltimamente de Lisboa, ra do irapicllC n. ] >. panno de
U barca Margarida, por menos prego do a|0Ja0 Iiara sarrn, Hp assiirar
que em outra qualquer parle: na ra da Ca- J,60Ud I'ar.a saceos ae assucar ,
pega com 8 varas; casta pela a 100 is.
cova lo ; corles de cassas pinladas.a 2,000 o
cortes de chita com 12 cova los, a 1,920 o
1,800 rs. ; lencos do finsima camhraia de
linlio, a 480. 560o 40; ditos de cambraia
do algodao com bico, a 440 rs. ; iuartes de
cor muilo cncorpados, a 200 rs. ; dito
azi.es cum 4 l|2 vaias, a 200 rs. ; e algodSo
na ra do
inglez
de ou-
na ra
dcia do Kecife n. 50.
AGEiNCIA
da fundicao Low-31oor.
UUA DA sl.\/..M.I..\ NOVA N. 42.
Dicste estabeleeimento conti-
na a liaver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, ue todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Agencia de Edwin Maw.
Na ra (le Apollo n. 6, arinaiem de Me. Cal-
mom.v Companhia, acha-se coutlanlemeolc
bous aorlimcntos de uixa de ferro coado e
balido, tauto rasa como., fundas, moendas in-
eiras todas de ferro rrr':i~aQmaes, agoa, ele,
ditas para armar em madeira de lodos os ta-
manhos e inadellos o mais moderno, machina
horlsonlal para vapor, com forca de 4 caval-
los, coucoa, passadeiras de frro estanhado
para casa de pulgar, por menos preco que oz
de cobre, cscoveus para navios, ferro ingles
tanto em barras como cm arcos folbas, e tudo
por barato prcro.
Vendem-se
ro eprata, patente
da Senzalla Nova n. .'1.
Arados de Ierro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com cambo de sicupira e bracos
da ferro .* na fundicao da ra do
lia-11111 ns. 6, 8 e 10.
Bombas de ierro.
Vendem-se bombas de repuso,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum ns. C, 8 e 10,
liimJico de ierro.
PECIUNCUA.
Anda existe urna pequea quan-
tia das superiores colxas de lioho,
do melhor gosto que tem appare-
cido no mercado, pelo barato pre-
co de io.ooo rs. cada urna : na ra
do (Jucimado, loja n. 17.
Arados de ferro.
Ni fundicao di Aurora, em s. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
muito superior e bjrato.
Velas de carnauba em libras.
Vendem-se velas de carnauba imitando
espermacele : na loja do s den n da ra da
Cadeia doltecifo n. 36.
Para jardns.
M. Rodrigos na ra do Trapicho n. 26,
recebeu urna completa collecgSo de adornos
para jardins, cumposta do vasos de louga,
brancos e pintados de todos os tamanhos e
modellos. Figuras representando as csta-
gOcs do anno, as partes do Globo e todos os
eoses da fbula, que recommenda a quem
liver bom gosto, e porpregos muilo rasoa-
veis.
DEVEUES DOS UOMfiNS,
a 5oo rs.
Vonde-se este compendio aprovado para
as aulas, em meia encadernagSo, a 500 rs ,
oda um: na livraria n. 6 e8, da praga da
Independencia.
- Vendem-so barris de oitavo com vinho
tinto da companhia dos vinhos do Alto Dou-
ro : a fallar com Antonio Francisco do Mo-
raes, agente daquclia companhia, ou no
Recifo na travessa da Madre do Dos, arma-
zem do Sr. Jos Joaquim Das Fernandes.
No mes no armazem tambem tem pipas,
meias dilas, o barris de quarto com vinho
da un:-mi companhia; a lallar com os moj-
"02 2C!!7:2.
(hilas linas a 1G0 rs. o covado.
VenJem-se chitas linas de cores fixas de
bonitos padrfles a meia pataca o covado,
cortes do vestidos de cambraia lisa a 2,560
rs. cada um : na ra do Queimado n. 8, loja
defrootc da bolica.
chumbo em barra, sacas com I u din muito
novo por ter vindo pelo ultimo navio do Ha-
vre, champgne muilo superior, serveja em
cestos de duza, caixas de cem latas com
sardinhas om azeite, e pennas d'ago muito
boas 1 tudo por commodos pregos : na ra
do Trapicha novo n. 11. escritorio de J. li.
Lisserre c Companhia.
\ende-scoleo de linhaca cm
botijas : a tratar com Manoel da
Silua Santos, no caes da Alfande-
do Anes.
listas, sem descont algum todos
e quaesquer premios que sahirem
nos lu lie tes, meios, quartos, oita-
vos e vigsimos, vendidos na pra-
9a da Independencia ns. i3 c i5,
loja decalcado do Arantes, e na
ra da Cadeia do Kecife n. 46, lo-
ja de miudezas. Os apaixonados
deste tao licito jogo devem habili-
tar-se quanto antes, ou tentarem
a sua sorte em virtude da fesla esi
tar porta.
-Mimos bilhetCS
Quartos
Dita vos
Vigsimos
O Na ra do Crespo n. a3, O
C Vendem-se cortes de casemiras, che- jg
O gados pelo ultimo navio vindo de V
9 I'i.inei, padrOes da ultima moda, &
O proprios para a Testa, a 5,000 rs.. .'.;>
9 M'nteTteseoapotinhoaT
0 mais modernos manteletes, 4-
9 potlnhos e palitos pretos e de cores 2
m que ha 00 mercado vendem-se na loja *
do sobrado amarollo nos quatro can-
tos da ruadoQieimodon. 39.
- Urna molatinha de 15 annos,"bonita'l'
gura costureira eengotnmadeira.propna ni
ra *e apphcar ao sarvigo de qualquer farni-
11,000
5,5oo
2,8oO
i.3oo
res 1 na praga da Independencia n. 17.
l.u vas de pe ica para senhora, a 1,000 rs. 1
Vendem-se na ra doQueimadi n. 16, lo-
ja de miudezas. .
Luvas de pelica para liomom, a 1,000 rs.
Vendem-se na ra do Queimado n. 16,
loja de|miudezas.
Bonitas luvas de trogal, a 800 rs.
Vendem-se na ra do Queimado o. 16, lo- '".P0' r muito domestlot; no armazem
ja de miudezas. ra Nova n 67. 8m("
Bengalas de baleia, a 1,700 rs. ^^^^Jr^^^^^^f^amBsMslBi^^^Ba
Vendem-se na ra do Queimado n. 16, lo- HiSCraVOS hipidos,
ja de miudezas. j
Chicotinhos, a 600 rs. BOA GRAT1FICACAO' ""
Vendem-se bonitos chicolinhos,a 600 rs.: ; i,.,..,,,, '
na ra do Queimado n. 16. Ausentou-se na noite de 2-j de
I.uvas de fio da escocia, a 200 rs. outubro passado O mulato Ce
dVSSSZ?***"1""0*-"'10- "<>. ao annos dedade ,
Koncts do panno lino, a .soo rs. [ pouco mais ou menos, magro, al-
rs.yrrdoQOunet.tr,Tfln0,8(,0 regular, tem muito pequeo
00<3000GO^QOOOOOO Luvas de seda para senhora, a 1,800 rs.
Vondem-se luvas de seda de mu lindas
cores, a 1,800 rs. o par, na ra do Queima-
do n. 16, loja de miudezas.
Camisas de meia, a 1,100 rs.
Vendem-se na ra do Queimada n. 16, lo-
ga, armazem
l'asseo publico n 9.
Vendem-ss 18 ciixilhos onvidragados
o promptos para qualquer obra, por ter si-
do de urna loja francoza ; na m sin loja
vendem-se 30o varas de bicose rendas da
Ierra, por prego muito commodo.
Vende-se cil virgem em pedra,
Chegada recentemento do Lisboa, em anco-
ras muito bem acondecionadas e por prego
muilo commodo : 110 nrmizim do Silva Bar-
roca, na ra do Trapiche Novo n, 19.
Km casa de J. Keller & Com-
panhia, acha-se a venda vinagre
l.idiico, superior de Nantes, em
barris de .'(i medidas.
Srs. pharmaceutiros.
Ilontem pelo vapor S. Salvador recebou-
se urna pequea porgSo de salsa de supe-
rior qualidade, que se vender a commo lo
prego : trata-se na ra do Vigario n. 23, se-
guodo andar.
Calcados a 750 rs. o par, quem
deixar de comprar, isto he para
acabar: no aterro da Boa-Vis-
ta defronte da boneca.
lia chegado recentemente urna grande
quantidado dos melhores sapates braocos
que tem vindo do Aracaty, tanto para ho-
nieni como para menino, que por se deso-
jar acabar com dinheiro vista, da-sca750
rs. o par, ditos de lustro a 2,500, rs. e da
Babia a 3,000 rs., e botins brane.os, ditos de
lustro para liornem, alem disio um novo e nhora e nomem bellos lengos de s
completo sortimento de calgados france-1 coros para grVatas, litas de1 chami.,
es de todas II quahdades, tanto para hu- j todas as cores para sintos o cbapeos.cliapeos
Palitos de fogo om caixas de po, a 20 rs.
Veudem-se na ra do Queimado n, 16, lo-
ja de miudezas.
Na ra Nova n. 8.
Vendem-se chapeos de castor branco pelo
baratsimo prego de 7,500 rs ditos sem
pelo por 5,000 rs., bonets de palha da Italia
para liomom por 2,500 rs., ricas msolinhaa
de nobreza, proprias para senhorase meni-
nas 1 4,000 rs lindos capolinhos e mante-
letes degros denapole pretostde furta-cores,
chegados pelo ultimo navio; luvas de peli-
ca de seda de ludas as qualidades para se-
solim de
lu: de
mem como para Sra.. meninos e meninas,
cortes do tapete a 180 rs..; tudo por prego
muito commodo nlim de se appurar di-
nboiro,
Vende-se plvora ngleza em
latas e barris, e tambem finissima,
propiia para espoleta : a tratar na
travessa da Madre de Dos n. 5.
Gomma.
Vendem-se saccas grandes com gomma
muito alva para engommar: na ra do Quei-
mado n. 14.
Para liquidacao.
Cera de carnauba muito boa a 5,500 rs e'n
cebo de llollanda a 7,500 rs. a arroba : na
ra dos Tanoeiros, armazem n. 5.
A 2,5oo rs. o frasco.
Doce de annanaz, superior qua-
lidade, proprio para presente no
lempo da festa : vende-se na ra
--Vende-se um violo com o niel bo lu m da Cadeia do Recife n. ?3 e a5.
portugez, para aprender; urna rabecca e, Nova fabrica de chocolate.
lUrr.ceopathico na ra das Trinchoiras
urna clirincta apparelhada deprata, tudo
em bom estado, o por prego commodo, por
precioSo: na ra larga do Rozario n, 35,
loja.
Para casamentos.
n. 8, se onconlra mais o seguinte : o cho-
colate I..... ipailncu approvado c aplicado
pelos Srs. Drs. da homocopalhia, o grande
chocolate espanhol lino, amargo para rega-
Capellas e caichos de flores para noivis, lo,,dito entre-lino temperado tambem para
luvas de pelica, o enfeiles para as ditas, regallo, iden dilo para o diario, caf mui-
grande sorlimonto do filas brancas, ditas do puro, dito de cevada, caf em carogo,
muito largas para cioleiro, transas de s 'dB, evada cm gro, farinha de Maranhflo, dita
meias, dilas lizase bordadas, veos de blon- 1e mandioca, ch da India, dito preto, e
de. flores brancas, espartilhos, bicos de charutos : tudo de superior qualidade o
blondo etc. : na loja de modas franeezas de commado prego; na mesma se diz quem
inadaiiia.MilluehiHi.no aterro da Boa-Vis- compra urna reQnagSo cora os seus utenci-
l> n.l. lios, e ua mesma fabrica, se vendo assucar
Para cubrir mesas. ronn',w'n^.eflcnlioi:ode,l^a!iqru'hd,d?-
., 1 j j i -- corretor Oliveira tendo de fechar al-
Venile-se Oleado pintado de su- gumas contas, vende em particular, difJe-
perior qualidade e lindos padroes, renle9 obJ,'a.s de mirceneiro, consistindo em
' '. snfaz, cadeiras, ditas do balango, banqui-
ue qnalro a Olio palmos (le largura nhas, mezas re Ion las, dita para sof, con-
pr preco mais barato do que em solos' conmoda, toucador, carteira etc.,
.1 tanto do .......;,.!,! como u .n......iii. i
outra qualquer parte : na pirca da piano, lanternasde bom goslo, candieiros
Independencia ns. a,a6, a8e3o, de globo, vasos para llores, lindos estojos
Mli r"i para costura do Sra, e carleiras do lliro
^"'"V"10* para buhles de visitas, visto nHo serem
Vendem-se suporiores charutos regala, sullicientes para um loiliio : no seu escrip-
de unta das melhores fabricas da Bahis, cm torio, ra da Cadeia do Rcifu.
caixas de 100 charutos a 2,500 rs. cada urna; Vende-se urna escrava robusta e*de
Vende-se vinho de champa-laaocnegadaa de prximo: na ra do Tra- bonita ligura.d-se mais om conta com lan-
nhe legitimo C de superior quali- ?! N*?.n- a.8- toque saja para fra da provincia, ouen-
m Vendem-se e alugam-se bichas, che-
0) gadas ultiuiamenle de Hamburgo, por
Qy prego commodo: na rui de S. Amaro
aja n. 28.
" Vende-seos bem conhecidos queijos
doCear, mu frescaes, no largo doLIvra-
mento n 20.
Vende-se um carro de qua-
tro rodas, muito leve, para um ou
doos cavados: na cocheira do -Mi-
guel Soogei no aterro da Boa
Vista.
dade : cm casa de J. Keller &
Companhia, na ra da Cruz n. 55.
Vendem-se superiores batatas ingle-
zas, reconlemenle cliegadas a 600 rs. a arro-
ba : no caes da alfandega, armazem de Fran-
cisco Dias Fcrreira.
Vende-se a bordo do brigue Rufina ,
fundeado defronto do caes do Collegio, boa
farinha de Santa Catharina, em purgues:
trata-se a bordo, ou na ra da Cadeia n. 39,
com Amorim IrmSos.
Batatas do Porto, a 3ao rs. a
arroba.
Vendem-se batatas muito boas, a 320 rs.
a arroba : no armazem n. 19, da travessa da
Madre de Dos. ,
Na ra larga do Hozario n. 2a,
segundo andar,
Vendo-se urna mulatinha de 16 annos, linda
figura, e coze muito bem, urna negra do 16
annos, tambem com principios de costura,
duas dilas de 25 a 30 annos com habilida-
des, dous muleques de 14 annos, um mula-
tinliii de 15, um mulecole de t5 annos.linda
figura, dous negros bons trsbalhadores de
euchada, um negro velho muito robusto,
proprio para sitio, e um mulato de 30 an-
nos, linda figura, proprio para feilor por
ter boa conducta, e por eslar para isso ha-
bilitado.
Vende-se saccas com superior colla,das
fabricas do Rio erando do Sul, e a prego achaques : na ra da Concordia quem vem
como odo, no armazem, do Das l'ei leira I da ponte a eaquerda segunda casa terrea, se
ao pe da alfandega. dir quem vende.
Garlos llardv, ourives ra Nova genho longo: a Iratar na ra de Santa Rita
n 34 D- 85-
. "* Vendem-se canarios de imperio, mui-
ivlil a seus freguezes que acaba recobr de lo bons contadores, chegados ltimamente
lili- um (tiln 1 1 1 ,1. 1 1 i,. ,1,,... 1 ....__ > ^. u_.
Pars un lindo sortimcnlo e obras de ouro
de le de bom gosto, consistindo em adore-
gos pilleen as, alfineles e brincos soltos para
senhora o meninas, bolOes de camisa, aueis
para senhora o tem um sorlimento doo-
bras ditas da torra, vende-so eslas obras por
prego commodo : na mesma loja lem para
vender aos ourives esmalte azul e prelo.boa
qualidade, ca lillas francezas sortidas, ferro
iealimpersolda,artnagao,scroie, torno de to robusta e de bonita figura, sendo do mu-
mo e massaricos, e pedra de desunir, t0 boa condigao : a tratar na ra do Fogo
.- DoiCe 8eCC0* a I "'_>. _P Vende-se um elegante
No passeio publico, na casa n. 2 que faz KS^MSgfr' bem construido cabriole!
quina com o trapiche do Ramos, faz-sedo- J^ESJWfWl com um cavallo, e tara-
ce secco de todas as qualidades, sendo o de bem troca-se por algum escravo, ouro. ou
caj muito claro, enfeitam-se bocetas a causa de idntico valor: na cocheira do ou-
vontade dos compradores, assim como doce rengo ra da Guia
de calda de todas as qualidades por commo- .. Vende-se superior manleiga ingleza a
do preco. ... 560 rs. a libra : em Olinda, padara do Va-
Cera de carnauba e barricas va-ias. radouro.
do Porlo pela barca Nossa Senhora da Boa
Viagem no pateo da Santa Cruz n. 6.
Diamantes para vidraceiro.
Chegou urna pequea porgo de superior
qualidade : vende-se na ra do Trapiche No-
vo n. 16.
-- Vendo-se ou troca-ae por outra, que
entenda mais do cozinha, urna escrava mui-
Vendo-se cera de carnauba, chogada pelo
ultimo navio de Aracaty, por prego commo-
do, no armazem n. 4 da ra do Trapiche No-
vo, confronte ao mosmo trapiche; o barri-
cas asas prompta a encher-se de assucar,
assim como um completo sorlimento de
miudezas, tudo no mesmo armazem.
Aobom e barato.
Na ra Nova loja de alfaiato da quina que
volta para a ra das Trincheiras n. 1, ven-
den-so palitos de mirin a 15,000 rs., ditos
de casineta de coros muito proprios para
francezes para bomom ultima moda a 7,000
rs., e oulras muitas fazeodas, que na mesma
loja se vendom por pregos nunca vistos.
-- Vende-se urna prela moga, ptima la-
vadeira e cosinheira, de bonita figura, bas-
tante robusta o excellenie para todo o ser-
vigo : aira/, da matriz de Santo Antonio, no
segundo andar do sobrado n. 18 por cima da
1 vetida.
Aos senliorcs de engenho e casas
particulares.
No armazem do Sr. Antonio Annos no caes
ida iliandega, vende-se bacalhao de Noruc-
[gaem tinas o melhor que tem vindoaesle
mercado, superior inglez por ser corado
com melhor sal, vende-se por 6,000 rs. a
lina.
Quem n5o comprar.
Sapatos novos de coo.ro de lustro para se-
nhora a 1,500 o par, brozoguins para as
tnesmas a 12 patacas o par, oalojos grandes
e pequeos para costura, ditos muito finos
para barba, proprios para se levar om via-
gem, urna rica carteira para homem, lanter-
nas mgicas, lindissimas calzas para guar-
dar joias, urna rica e importante caixa de
costura digna do se fazer dola presente a
urna senhora de gosto, Illas de veludo, Uve-
las de cinteiro, finissimos extractos para os
lengos das bellas, e oulros muilos objectos
de gosto para bonicos e souhoras, chegados
de Franga pelo ultimo navio : Da ra da Ca-
deia do Recife 11,19.
m Ven le-se na loja l'ernambucana da t
ra do Crespo 11. 11, pura seda de a*
W lindos padrOes a 800 rs. o covado ; 3
taf a.un como sedas escocesas a 500rs.. W
mmmmmmummmwwtttwwmtwm
Vendem-se escravos bara-
tos, moros e de bonitas figuras ,
molecotes, negros mocos, negras
muito bonitas e mocas, duas ne-
grinhas de 7 annos, muito lindas,
um ptimo sapateiro de a5 annos ,
de cortdr e fazer qualquer obra :
na ra das Larangeiras n. i4, ae-
gundo andar.
Ba da Gruz n. 4o, primeiro
andar.
Vende-se superior fumo em fardos e mui-
to barato.
Lindas caixas de amendoas confeitadas.
Na ra do Queimado n. 16, loja de miu-
dezas, vendem-se mu lindas caixas com a-
mendoas confeitadas, por menos prego do
quoem outra qualquer parte.
Bonets francezes.
Vendem-se bonets do panno fino, france-
zes, de muito bom gosto, proprios para a
fesla 1 na ra larga 00 Rozario n. 20.
Luvas brancas do torca!.
Vendem-se luvas branca de lorcal, mui-
to linas, chegadas ltimamente do Lisboa :
na ra larga do Rozario n. 20.
Chapelinhas para meninas.
Vendem-se chapelinhas de palba da Ita-
lia, finas, para meninas : na ra larga do
Rozario n. 20.
Bebique.
Vendem-se papis de rebique, multo fino
a 140 rs.; dito enterQuo, a 80 rs.: na ra lar-
ga do Rozario n. 20.
Franjas para manteletes.
Vendem-se ricas franjas para manteletes,
por muito commodo prego: na ra larga do
Koiario n 20.
Attencao.
Na loja de miudezas 11. 5, no principio do
aterro da Boa Vista, defronte do runileiro,
montana a 11,000 rs e caigas, colletes e veudom-se magos de fes qualidaJoi o
launa bU Hp InHua'ni n,\i lldariaa .,. ~ Ni___.:_.______-" Husimajuj
- Vende-se urna parda escura do 20 a 24 J1uel'9 ,'le todas as qualidades, assim co- baratinhos pregos
anuos de idad, pouco mais ou menos, en- mo I1'}05 ue Drim: luJo por prego muito '
gomma, cozee cosinha, notem vicios nem CODl010('0'
por
Luvas de pelica.
Vndese luvas de pelica de cores proprias
111.11. 1 para montana, pelo commoJo prego do 800
Vondcm-o dados de trarfim, muito fl- rs.: na ra do Coljegio n. 1, loja de miu-
\a : 11. mi lama ,1,, I'... -..,.. .. on I j___ v "'u
Dados de ma
-so dados de tw
nos: na ra larga do Rozario n.'ao.
buco de barba e falla muito mansa,
quando anda parece que nSo pisa
bem com os calcanhares, costuma
andar calcado e bem vestido, le-
vou urna trocha de sua roupa, in-
clusive calca e aqueta de panno
fino azul, e alem do mais algum
calcado, um par de borzegains par-
dos, com botoes de madreperola
brancos, e consta, que levara um
cavallo, qne naquella occasiao a-
lugra, o qual tem os signaes se-
guales : castanjio, barrigudo,
dinas pretas, gordo e tem um ta-
Iho em urna anca; he provavel que
queira passar por forro, he boliei-
ro e escravo de Luiz Antonio Si-
queira : quem o pegar leve-o a ra
da Cadeia do Recife n. ai, quese-
ra recompensado.
Desappareceu na tarde do dia !3do pas-
sado um escravo por nome Joaquim tem os
signaos seguidles: boa estatura, representa
ter 35 annos de idade, falla desembarazada,
pos grandes, lem todos os dentes da frente,
nariz cbato, quando anda esta la as juntas dos
joelhos, levou camisa de algodosiobo bran-
co, caiga do dito azul, esle escravo foi do
mato: quem o pegar leve-o a typograpbia
imparcial a fallar com a viuva Roma que se-
r recompensado.
5o,ooo rs.
De 15 para 16 de novembro de 1851 de-
sappareceu do engenho Aguas Claras de
Uruc> da freguezia de Escada, o escravo
Venancio, de Angola, que muito parece
crilo, Idade 25 28 annos, cor fulla, bo-
nita figura, altura regular, ebeio do corpo,
pernas e bragos grogos, rosto gordo, e ar-
redondado, testa grande, olhos grandes, e
amortecidos, lem falla de muitos dentes na
frente, do lado superior, poucos cabellos no
lingo, equeixo, tem marcas de chicote as
costas, e de surras as- nadigas, parece ser
serio, e muito humilde, falla com multa
maosidoe arrstalo faz-se; Innocente, lio
chegado a furtos, e costuma mudar de trago,
(por furto de roupa que faz) de mudar o
nome, dizer-ae forro, oulras vozes procu-
rando quemo apadrinhe, ou quem o com-
pre : levou camisa de madapolo, calca de
brim trangado de lislra pardas, j desbota-
do, chapeo uzado de cou-o, cobertor grogo
de listras azues escuras, e um faci que to-
mn de um muleque carreiro, do engenho
Moclo. Este escravo passou pelos enge-
nhos Arando doSr. Minool Flix, Amparo
e Moclo, ha vendo pedido aos senhores dos
dous ltimos engenhos cartas que o padri-
nhasse, em que foi sstisfeito, e nao obstan-
te fugir leudo seguido para o engenbo Mi-
nhocas, da donde prezuma-se ter partido
para o Brejo da Madre de Dos, onda foi es-
cravo do Sr. Cordeiro, conhecido por Abado,
a quem pode-se o favor, de se chegar a sou
coiiheclmeoto a sua estada ali, fazer apro-
ender, remoller ou avisar a seu Sr., poodo-o
neste caso na cadeia, assim como roga a
qnalquerquoo pegar, de leva-lo ao dito
engenho ao seu Sr. Antonio Carlos Pereira
de Burgos Ponce de Len, ou na ra Direita
n. 14 caaa de Jos Pinto da Costa, que rece-
bera a gratillcaco mencionada; e tambem
pelo prozenteprotesta-se com todo rigor,
contra qualquer que o conservar em seu po-
der.
Desappareceu no dia 10 do correte da
povoigode Bebiribe urna prela por nome
Joaquina a qual julga-so que tonha vindo
para o Recife e ande,por fura de portas a qual
tem ossignaesseguintesibaixa,olhos papudos
que parece eslar bebada.liuicos encarnadas,
faltadedenlesna frente, bragosepernasgro-
go, levou vestido de riscadoroioesahiO sem
pa 1111,1 pessoa que a pegar leve na esquina do
lieco largo sobrado n.24,que ser recompen-
sado.
Fugio desde o dia 8 do correle urna
prela escrava, creoula, do nome Tnereza,es-
ta tura regular, corpo ebeio, nadegas gran-
des, pescogo groiso, padece de cravos nos
ps, e lem urna marca preta ao lado do na-
riz, levou vestido de riscado azul,sem pan-
no, porm talve tenha mudado de roupa :
quem a pegar e levar no caos da alfandega,
armazem n. 5, ou no aterro da Boa-Vistan.
19 que sera bem recompensado.
30,000 rs., ae gralilicago-
Desappareceu no da 15 de julho do cor-
rente anno um muleque crioulo de nome
Paulino de idade de 10 annos pouco mais
ou menos,cor amarelada por ter vicio de co-
mer Ierra,naris chato e feio levou camisa do
algodaosinho suja e caiga da riscado, sem
chapen, esle escravo pertence ao Sr. Anto-
nio Jacinto da Silveira de Una ; quem o pe-
gar 1 ve-n a ra da Cacimba n. 11 ou a
ra do Livramento n. 26 segundo andar que
receber a gralilicago a cima, eso protesta
cnnt'a quom o liver oculto.

V. va rvi- di: M I >r t v.


Full Text

PAGE 1

mm chem de su venenosa espuma, que s no jnf ciinuam ciim seu lulilu postlenlo! Coin una pedra livm-vos dusta. 6 14, suppondu un podra para deis, fallariam pedrss > quem quizease osmaga-Us lodas • He cerlo, retorquio-me o volhlnho, po rcm ja que uelles to 1180 1 des llvrar, como o Ateste* com eata serpente infornal, lie bom conheco-las ao longe, visto que andan) disfamadas, e por isso dase-Ihe, que com a miuha experiencia ia enainar-te a connecer oseas h\ilrns, que por urna anthitese chamis homens, quando deverieis chamar —serpas. Com ofTcito, devo confessa-lo, eu que no primeiro discurso do velhioho nSo lloara muilo satisfeito, por veraboitar os conhecimentoa esperados de uro— Jos Balsamo,—-ou as descobertaa que teem dado volta ao miollo de mais de um simi-doudo conhecido pelo nomo goral de-mathemai icos,—com esle segn 10 arrasoido do meu perceptor, flquei alais resignado na esporanca deconhecer por fra essa sucia de truncantes, que fazem votos perpetuos na confraria dos—judas sem cordel;—oque nSo he das peioies cousas. O velho vendo-me disposto a sujeitar-me s suas licOes, lovantou-sc com urna presteza, deque o nao julgava capaz, disseme : quero levar-te a outra'qualquer parte do globo, que nSo habitas, e l principiar mmli s lices, e para isso mister he que te segures com toda a foreja na ponta dcsle meu bordilo. Fiz o que me ele disia, o immedataraeiite arremessanlo-si ao ar corpecou a subir com a ligeireza de urna sella despedida por ptenlo arco curvo sob alhiel c mSo. Eseusado lio dizerquo eu segua agarrado ponta do bestao co.n quanta Torca poda a uein se vi tm tal via-eni aeria sem ter on%  pousasse os pos.' Quem nosvisso assim romontando-nos as estrellas supporia que um novo cometa escuro sa apresentava no hemispheru, e uflo ouso aflirmar so algum astrlogo com suas lentes so dignou chrisrnar-nos.e medir nossi rolacilo. NSo dircl o que vi om uitnlia viagom porque o temor tapoume os olhos, c uem o negocio era para menos ; s sim sei que depon de um subir de quasi meia hora pousamos em cima de una longa campia do um afugueado brilhanlo, que me disse o meu guia sor um dos plauelas, vistos la d'osse mundo, e que costumam chamar Vesper, ou cousa que o valha, nomo que as vellos nSo adoptaram pela sua natural caturrice, continuando achama-lo-papa-ceia. Collucados a aquelle ponto, o velho locou-me nos olhos, quo me dooram extraordinariamente, o deixaram cabir duas escamas. Inmediatamente meus olhos alean isiamd'uquella extiaordinaria altura quanlo se passava neslo mundo, que at entilo me pareca um pequeo ponto opaco per ¡ido na aihmosphera, e alcancaram com tal igU'lez, que eu seria capaz de ler as letras mycroscopicasdnqualquer nma de nossas sedulas, anda dentro da burra do mais acaucelado suvinaj: porque minha vista penetrava os mais compactos corpos com a mesma felicidadccom quo penetrarla ornis diaphano vidro. Ilizero pictoresco panorama quase desenrolou anti meus olhos he impossivcl, qualquer o apreciara por si, so se achasso om minha posicSo ; s sim posso dizer que omeua.tsombro cnnservou me em silencio! por duas estiradas horas, durante asquaesj o meu guia deixou-mc gozar o iudisivel prazer, que meextiuiva. Quando elle vio quo era lempo mais que alucenle para gosa-lo, apontou com scu mgico baslio p ira um Jos pontos do mundo, o disse-me sabes urna sciencia chamada g' ographia ? Muito pouco Ido respond cu, o anda que a suubesse, pouco adidntiri no ir.appa monslru, que teniio ante os olnos, He verdade, relorquio-ine elie, e iicm mu locurdava, que esses map.ias que la por baixo .-i'-ai.i'iij iin tem tanta similhanca com o original, como o cilo com o galo, mas cu vosdirei os nouics do que forinos vendo. Agora uso ou da lber lade dos folhitinciros e com um— conlinuar-ie-ha —digo-lhe a dos at breve. %  %  I J 1 %  %  —gaiaj PERNAMBUC9 Directoral do banco. Os Srs Manuel Concalves da Silva Fernando Bieber Francisco Antonio de Oliveira Elias llaptista da Silva Luiz Gomes Ferreira UarSo deSaassuna Manuel Ignacio de Oliveira Supplentes. Os Srs. I.uiz Antonio Vieira Jos Antonio Bastos Antonio Valentim da Silva Barroca Jou Pinto da Lemos Antonio Marques de Amorim Jusiino Pereira de Farias Tnomaz d'Aquino Fonseca Jnior Sainsii.no d'Aquino Ferreira Frederlco Youle Jos Pereira Vianna Hembras da commissSo de examt. Os Srs. Manuel Pereira llosas Jo- JuSo de Amorim Joo Ignacio do Medoiros neg Supplentei. Os Srs. votos. Jos Jeronymo Monteiro 98 Jos Pires Ferreira J080 Pinto de Lemos Jnior Jos Pereira \ iaimu Fredorico Youle M 1 noel Joiquim llamos o Silva Jos Candido de Barros votos. 217 211 230 203 180 171 131 votos. 121 8* 78 58 1 12 10 4 3 2 volos. 111 III 107 52 M U 35 32 10 Antonio Marques do Amorim 10 Antonio de Moraes Comes Ferreira 4 I.uiz Antonio Vieira S Manuel Ignacio de Oliveira 2 Tbomai d'Aquino Fonseea Jnior 3 Presdeme da aisembka gira!. O Sr. votos. DT. Ped O F. d P. C. de Albuquerque 833 Primeiro secretario. OSr. voto. Cervazio Concalves da Silva 219 Segundo secretario. O Sr. votos. Jos Bernardo CoIvSo Alcoforado 303 %  Supplentes. Os Srs. rotos. J080 Ignacio de Medeiros Bego 10 Fredcrico Youle 10 Jos Jeronymo Monteiro 10 JoSo Piulo de Lemos Jnior 4 Siluatiano d'Aquiuo Ferreira 3 Antonio Marques de Amorim 3 TliuJaz d'Aquino Fonseca Jnior 2 VARIEDADE LAlil \ DO .impei, I. decreto* promulgue!I III. .Ma* .'iu fui re de tltcatro, Ou por outra re de copas, Tive esquadras tvc tropas, Ti ve um Ct'nsclho de estado, Uin miuisterio formado, IV. Eu vi, primiuha, a meus pi Seis miies de bous vassalos lodos ducales dos calos. 1 'HJ 11-m grute que morria. Pela nimba dvuastia. V. Fabrique I sem me seutir Quarenta mil promojes. be&seota mil onolcs! Dragonas oiseula mil, Por um engento subtil. VI. Espirrei, MIHUHI logo Trinta vlscondes smenle! Arrote., e de repente Sahlram trinta barnes Com caras de ligurAes. Vil. Dei o foro de lidalgo Que he um foro menos mu ¡ Au arroz, e ao bac.iluo, Distribui petas tendas Setc arrobas de comineadas. Mil. Mas quam depressa acabou Este meu sonho real Um pequeuito animal. 1 ni.t pulga deu-me um coicc, Acorde! o tbrono fci-se. IX. Tudu senbora, assim be, Peste niumili em queassistimos. Felices, quando dormiuos ; Porm lempre desgracados Quando cst-uuos acordados. X. Kol feli LuizPhilipppc, Quando no throno dorma -Mas acurdou certo da ; Vio-se sem throno, fuglo : Por milagre se evadi. XI. Assim eu, senbora miuha, Fui s re quando sonhe ¡ Porm logo que acordei, Me vi feio um baroHilo, Ipor sigual peqnenilo. XII. Destes bares, que se facm Por quatro contos de ics. iVao em notas, cm papis. Mas % %  un em metal sonante, Que he tuocda m^is briihautc XIU. ^'uinpreconfessar, senhora, Que a balda dos baronatos INos tem feito caricatos. E do povo portuguez Urna naco de entreinez XIV. Os nossos antepassadofi, Os nossos grandes vares Morreram sem ser bardes, t'oram lusos, nada mais, Porm lusos hniiinrla.es. XV, No vos mundos descobrirain ; Novas trras conquistaran^ E as sacras quinas cravaraui Sobre as muralhas d'Ormuz Soldados da f, da Cruz. XVI. E os novos bares d'agora Vendein mechas ; trocain olas l Seus pais concertaram bolas Seus rilhos sao hoja gente Porque tem a bolea quente. XVII. lato assim, gentil "aroa Nao leva geito ucnbuin. Eu c por miin—Ego SUD, Tenlio avs ao norte e sul Mas todos de saugue azul. XVIH. Eu tenho os meus pcrgaiuiobos. Conservo o grande tiliz Do lempo de U. Uiniz, Sou por tanto personagem De mui anllgalinhagem. XIX. A'cerca do viscondado, O n<*r;or¡o niio v*> mal ¡ Arraj.'l cerlo canal ; Posso dizer com rasao ; Tenho o decreto na inao. XXI. Se ea entraste na bernarda, Arranjava Isso barato! Fui um tolol um Garrapato Flquei de cabrea torta Com carinha de gnea d'Horla. XXII. Qualquer da temos entra ; Seja deu ou d'oulra cor Seja a bernarda qual for .' Tres das depoisdo grito, Berrarei como um cabrito. XXIII. llel de ser hroe por forcal E salvador da oaco I Minguein me excede em pulmo 1 Tenho bolles, e a gritar, A ningucm cedo o lugar. XXIV? Salo conde, e par do reino, Istosporeita ves. Na outra sai o marques. E gricruz he! de sahlr Na outra que se argir. XXV. Talves a Prima sebenia Deste meu palavrlado! E lamente o meu estado. Julgandoque seu marido Esta um doudo varrldo I XXVI. ? ual doudo, nciii tnelo doudo eobo julzo de mais. Vejo os horneas taes e quaes I Vou com elle*, sigo a moda, Que oos prende, e nos encada. XXVII. S uem boje, Prima, quer ser m lgurao no pas. Viver vida feliz, Ter importancia, pular, as beruardas deve entrar. XXVUI. Oauhada, vem logo o premio! Naufragando, isso que tem / Passem pur l muio bem O poder moderador Estende o veo proleclor. XXIX. Desde hoje, meu caro bein : Eu em todas hei de entrar. Com ellas negociar. Itrilbar como os outros hrilham Pilbar como os outros pilham. XXX. Juro-lhe, esposa d'uin anjo, Que nenhuma j me escapa Desde boje vou pr-me capa. Ella na ra a gritar, E eu coin ella at mudar. XXXI. Se nessas aguas envoltas Eu poderabotoar-uie. Queira a prima perdoar-me, Hei de eocber o meu saquinbo, E fazer o ineupapioho Bruz Tisana.) 2 S Henrque da Silva, Joaqulm Antonio.de Castro iNunes, Manoel Flix Alves da Criif, Jolo ,de Brito .Correa, Jo3o Francisco Regodos Anjoa. J. fo llodrigoesda Silva,Antonio da ¡ Silva CuamSo, Juaquim Francisco de Mello Santos—Suplentes ossenhores — Francisco Jos Vianoa, Hanoel Fonseca deMedeircs, JoSo Moreira de Mendonoo, Antonio Moreira de Mpiidonca.ThomnZ Pereira Pinto, Antonio Francisco Uias/Jttaquini JosdosSanlos, Innocencie da Cujllia Coianna, Auastaco Xavier de (auto, Francisco de Oliveira Mello Silva. Migue'l Joto da Silva, Justino Pereira de Andrade, Maiioel de AlmeidaLima Luis Francisco Moreira de Mendonca, Antonio l'uulinoda Silva, Juslinianno Antonio Alves Soares, Jos Carlos de Souza Lobo, Manuel da Silva Couto, Jos Coocalves da Silva llaslos, Claudinn Jos Rapozo, JoSo Saiaiva de Araujo Calvo, Padre Hanoel Adriano de Albuquerque Mello, Padre Francisco Joaquiui Pereira, Francisco Epifanio de Souza. Os quaes, todos deverfio comparecar no lugar designado no dia e lioiaaiirazado, sob pena de licarem sujoitos a multa de 40,000 a 60,000 rs. comminada no u. 3, do § 5. do arl. 136 da referida le caso deizando de comparecer sem motivo justili cado. E para constar mandei passaro presente edital publicado pela imprenca e aflxado nos lugares pblicos. Dado e passado sos 18 dedezembrode 1851. EuJosGonsalo de S escrivBo de Paz o escrivi. — Dr. Juaquim Vilella de Castro Tirares. 0 tenente-coronel Antonio Carneiro Machado Ros, juiz de paz do primeiro districto d. rrrguezia do Saotissinio Sacramento do burro da Boa-Vista, termo da cidadedo itucife de pernambuco em virtude da lei etc. Faco saber que em conformidade do art. 28, capitulo segundo da lei regulamentar das eleicOes, numero 377 de 19 de agosto de 1846, o ordeo da presidencia, que me ticios, que dererSo entrar as respectivas arrocadaceadepois de examinados, assim pelos facultativos de saude, que estarlo presentes em tal conjanotara, como pelos liscaes dos meamos bstalhes. 3.' No caso do serem os gneros reputados de ai qualidade pelds facultativos, serio repudiados o substituidos por outros de boa qualidade, sendo o fornecodor irromissivi lnonle despedido na raiocidencia de falta eemelbante ; quando poim os gneros forem julgados nocivos a saude dos soldados, por estarem corruptos, ou falsificados, alm de pagar immediatamente o premio convencionado de 800,000 rs. pera a eiixa do rancho, e ser despedido, dar-se-ha logo parte o quartelgeneral, alim de proseguir-se contra o fornecelifornii--Riymuodo. Um pedesIre-A. J. Alves. Um preto -J. J. Pete ira. Carlota, duna da hospedarla D. Rita Engracia, sua prima D. Julia. Um eiiireg-ulor dejornaes. A icco passa-se no Rio, no anuo de 183o O resto dos bilhetes acbam se a venda nu escnpioriu do mesmo tbeatro. Principiar as 8 horas. DIVERSAS PROVINCIAS Reodimento do dia 1 a 18. dem do dia 19 salves da Silva, liento dos Santos Ramos, Joaquim Jos Ferreira da Penha, Joaqulm Rodrigues Pinheiro, Jos Mariauo d'AJbu''"'g'""iquerque, Dr. Jos Quiutioo de Castro LeSo, „„_|Jos Joaquim Antunes, Jos Miria Freir .033 907 [Gameiro, Antonio Jos d'Uliveira Miranda, _'_ .!„. (RulinoJosC irrea d_,\l imilla, Auacleto JoExportaco. Havre, barca franceza Pernambuco.de 351 tonelladas, conduzio seguinte : — 1500 saceos com 7500 arrobas de assucar, 664 s ¡ccascom 3655arrobase 19 lihras de slgodSo, 218 couros com 6128 libras, 468 arrobas e 24 libras detatajuba, 1 caixinha com mo-i•*"?" %  • 8 naC¡0 1 J s d'Assumpco Antonio Pereira de Souza, Migurl Ribeiro de Amaral, Benlo de Barros FalcSo de La das de ou'O o prala no valor de 403,120 rs. RECEBEDOH1A DE RENDAS INTERNAS CERAES DE PERNAMBUCO. Rendimenlo do dia 19 556,624 CONSULADO PROVINCIAL. Reodimento do da 19 2 :313,866 Z'ilmira. —11. Manoela. Tirmene, seu amante.—Silvestre. Osman velho conlidente do sullSo. Rois. Zelim oscravo preto.—Raymundo. Muley. —Coimbra. Mufl.—Pereira. Esoravos, soldados ele. No flm do drama as Senhoras Landa e Carmela, cantarSoo excedente o muitoapplaudidodueto da Opera Norma. Depois do qualrepresentar-se-liao l.'acto do drama D. Cezar de Bazan. ornado de muzica. Em seguida a Sr* Landa, executar a linda cerda, JoSo Poic.rpo doa Santos Campos, cavatina da opera s de Mendonca, Pe Iro Jos Cardozo, Maxi muo Francisco Duarto, Theotouio Tiburtino Couro d'Antas, J >rge Vctor Ferreira Lopes, JoSo Pinto de Lemos Jnior. — supplentes Dr. Alexandrino Bernardino dos R'ls e Silva, Bernardo Jos Martins P. Muvimenlodo porlo. Navios entrados no dia 19. Glasgow --33 dias, barca ingleza Energy, de 221 tunelladas, capilo John Me. Nab, equipagem 10, carga carvSo ; a ordem. Terra Nova --43dias, briguc inglez BaikIn-ll, do 175 tunelladas, capitSo F. Collins, equipagem II, carga bacalbo ¡ a ordem. Navio sahido no mejmo dia. Parahiba hiate brasilf iro Espadarte, mesIre Manoel Suphio da Penha, carga bacalbo e mais generosObiervafao. No dia 18, noentiou, nom sahio embarcado. KDITAE&. XX. Oiga ao Moiuo que se avie, Oue me mande o lal faqueiro ; ISo olhe, prima, a dlnlieiro ; Se II.H) o liver de mala, Venda at us casli^aes. 0 Dr. Joaquim Vilella de Castro lavares ollicial da imperial ordem da Rosa, lente substituto da academia jurdica de Olinda, deputado a assembla geral, e juiz de paz prezidi'nte da junta de quahlic.cno da freguezia de S. Jos do Reoife etc. Em conformidade do artigo 4 da le de 19 de agosto de 1846, convoco os eleitores e suplentes abaixo Herniados para que no dia 18 ( terceira dominga) de Janeiro prximo futuro compareco no corpoda igreja da Sra. do Tergo pelas 9 horas da muiiiia, e assim teuha lugaraurganisacilii da junta de qualiflcafao de que falla o artigo 1. da citada lei.—Eleitores os Srs.Jos llygino de Souza Peixe, tenente coronel Joaquim ucio LMonteiro da Franca, Manoel Ferreira Accioli, Jos Luccio Monteiro da Franca, Francisco Baptista de Almeida, Manoel Jos Texeira Bastos, Amaro Benedicto de Souza, Francisco Martins dos Anjos Paula, .ln ,|ii.:i. Pedro dos Santos Bizerra, JoSo Baptista de S, Joaquim Clemente dos Santos, Manoel Joaquim Ferreira Esteves Goacalo Lopes Lima, Antonio Francisco Xaxier, Francisco Cirneiro da Silva Toiquato Francisco Jorgo do Souza, Pedro Allbiiso Regueira, Antonio Germano d'Albuquerque, Antonio Lopes Cumiarnos, Mathias Jos da Lapa, Manoel Caelano Barboza, Francisco de Lemos Duarle, Francisco Lopes Vianna, Jos Paulino da Silva. Jos de Barros Correia Selle, Antonio Pires GilvSo, Alexandre dos Santos Barros, Aleixo Soares Pereira, Joaquim Jos de Sauta-Anna, JoS o Francisco da Lapa, Antonio Bernardino dos It -is, Joaquim Mileti Nariz, Jos Tnomaz di Silva, Zachanas dos Santos barros, .1 ..!-. Miguel Teixeira Lima, Jos Xavier Faustiuo Hamos, Luiz da Vt-iga Pessoa, Themotheo Pinto I. al Jnior, Antonio Augusto da (Jamara Rodrigues Selle, Thomaz Antonio Maciel Monteiro, Guilhermino d'Albuquerque Maitins Pereira, Jos Ignacio Soares de Mabolra, eu dentro da aerroagein.,,. Corra a luda a preaa para a barreira do Inferno. Logo qtw uhi-garmoa fura de Pars, pare; cu Ihe dircl o resto. U que foi dito fui feito. Em [mucos segundos Godolreda chegou junto da carruagem, aubio a bolea, r 1 ,„t,; ...,. Morand ac uiettia na carruagem, a qual, grasas a doua cavalloa frescos, ganliuu raiildainruic a barreira du Inferno. fudo laso ae pasaou taoprompiamentequuarruagein eaUva ja looge, quando oa soldada do piquete da vanguarda cogaeguirain com mullo cuito remover a carruagem dos algozes e oa doua toanei. de agoaoeiroa, que embaraVaudo-lhcs apaaaagem, Uuham-nos empedido de Irein em soecurro d a piquete da rctaguardj que via.n estar sendo atacado. Esta eaeolia ful d. 11. us abandonada como por encanto, quando Charpentler depois de ter seguido com os olhos Godofredo e Moraod al a entrada da ra onde a carruagem eslava eatacionada, y|-o partir, e exclainou com una vos sonora .•' — A CJininliu .' : A aggreaus linba lido lugar com tanta regularldade, s livramento de Godofredo tinbi-se completado Uo proiuplauente que com o lavor do tumulto mieparavel de um tal acconiecint'uto, oa suburbanos mettendo-se atravez de uiua luullidao compacta, escaparam-ae de differentes lados, vollando isoladamente, una para auaa ofBclnai, outros para suas casas i dous ou trea doa autores deste feito ousado, feridos pelas eapadas dos soldados, forain os nicos que cahiram em suaa ruaos, cfoiarn condemnados a alguna anno. de prisao. A carruagem dirigida por Godofredo, chegando barreira do Inferno, pasaou alm. Morand, aeoudo dentro dela indicou aococ heiro Improvisado a estrada que devia seguir; queiro: e uo flm de me ia hora de marcha ella eulrou / — Pa em urna vereda que la dar em urna casa i da, situada na punile de Mantrange, c vialuba de urna profuuda pedreira que eslava sendo explorada. O meatre cabouqueiro sentado, ha inuilu lempo, sua porta fumava tranquillainente seu cachimbo; desde que avistou de longe a carruagem que vinba aproimando-se, sahio ao seu encontr e fe sign.il ao cocheiro que parasse diante de um inuulo de varias pedras enormes recentcuieiile extraliidas da pedreira! a carruagem parou; emquanto Godofredo dsela da bolea, o mestre cabouqueiro levantou uina taboa occulla por cascalbos, a qual tapava o oriliciu de urna especie de poco. — Mr.Godofiedo, disse o cabouqueiro, deixe-se escorregar por eata abertura, nao ha mais que aeis pea de altura ; depois o Sr. marchar em direitura abaiando-te ; a la de uina lam. pada o guiar; oSr. achara vestidos e Mreseos nesia caverna. A' noite irei vc-lo por um outro poco. Entre depressa.. Eu avisto la ao longe carroceiros ; nao conviu que ae observe que a carruagem esteve aqu parada muito lempo. Godofredo desembaracou-se do carrik e do chapeo de Morand, apertou-lhe a mo e desappareceu pelo orificio do poco. — Tu, meu velho, dase o cabouqueiro a Moraod, sube depressa a bolea eiuqiunto eu vou occullar a entrada do poco.... reapondopor ludo.... Faie saber o mais cedo pouivel a madama Aayinundo e a aeu lilho que podein ficar tranquillos a respeitu de Mr. Godofredo. Aqui cutre nos, lie ecapon de boa.... — Felizmente os amigos ah esto, respondeu Morand, pondo o carrik prensa : ao depois subiodo a bolea, elle disse ao caboura mais precauco vou faier um rodeio e entrar pela barreira dos ons homens, ser mais seguro.... Adeos, velho. — Al ouua vez, Moiand, respondeu o cabouqueiro. o qual tratou de desfarcar cuidadosamente a entrada do poco, cobrlndo-a com pedacos de pedra. Quando cu soube de toda, as partlcularidadea dolivrainenlo de udofredo, flquei profundamente imprrssiuoado dasimplicidade amiga com que estes homens resolutos, estes irm-js ligados por urna f coinmura, se dedicaran! uns aos oulros sem cnphaae, sem phrases, como prova esta palavra de um laconismo heroico, esta palavra de Godofredo a seu salvador, o qualajudado de seus cuinpanbelros o arremecara a urna mor le certa. — Obrigado Charpentler. Assim o que lodos faaiain porcada mu, cada um o ICI ia feito por lodos, com a mesma slmplicidade de dedleacao. comprcueud entao todo o alcance das patarra, de Joao Raymuudo, quando vendo minha lorpreza quasi desdenbosa ao aspecto dos humildes amigos de sua anal, OM disse orgul liosamente que taes amigos er.m raros. Jaquea Godofredo passando prudentemente quasi um mea no eacondryjo do mestre cabouqueiro, illudio os galgos da polica, e conseguio passar tiualuiente a Inglaterra. Madama Raymundo prexa ao mesmo lempo que seu lrino, foi condeinoada a muitos anuos de [ir.sao, por ter em casa emblemas revolucionarlos e por complicidad, de excitaco destruicao do governo estabellecido; aentenca absurda, iolqua em todo, os pomos ; mas magistratura da Restsuraco pouco se Ihe dava da raxao e da justlca. So da immediato ai do livramenlo de Jaques Godofredo, Lharpentier munido de uina carta de madama Raymundo ful buscar Joao aoanErnaai. A comDanhia nacional representar, depois, o 3. acto do drama. A Gracarle eos. E noste acto que Mara e Pedrinlio canto edancSo o Dote da Siloia. Logo que termine, a Sr. Landa execular unas lindas variacOes, em seguids a Sr.' Carmela cantar a cavatina da opera Columela. Terminar o ospectaculo com a graciosa comedia om msica em 1 acto U lieijo 0 administrador emprezaro julga terorganizadoum espectculo que muilo agrada, cejo, Caelano Aureliano de Carvalho Couto,: lan pela varieJade. comu pela sua acertae Antonio Machado Pereira Vianoa, os quaes' Ja esculha. O publico, a quem o adminisdeverSo comparecer as 9 horas da %  Mobil, tf'dor emprezaro se cunfi'ssa assaz recolicando os que denarem de comparecer sem I nhecido pela constante proteceno que Ihe ha escuza legal sujeuos a mulla cumminada I prodigalizado, no deixara por cerlo de colino art. 127 § quinto 11. 12 da citada lei, e : correr mris estn vez ao theatro de Santa Izapara constar mandei fazer o presente que: JW. tanlo mais que nesta noite termina as ser alixado nos lugares pblicos desta Irofadiga thoatraes do anno de 1851. guosia, e publicado pela Imprensa, priComecar s 8 horas, meiro dislricto da freguesia da Boa-Vista Os bilhetes acbam-se venda no lugar do 1 casiuiue. RECITA EXTRAUlil.NARlA LIVRE DA ASSIGNATURA. Segunda (eir, 22 de dezembro de 1851.1 Depois de urna escoliada symphonia subir a scena pela pnmeira vez nesta cidade o quadro histrico em um acto, ornado de — Oconselho da administraban do tu." muzica : batall.aode infantaria, precisa contractar A Apparicaodc Ghristo em campo para orancho do mesmo batalnno os generr .. ros de que se elle comiOe, a sbbor : carne, e Urique. verde, carne secca, bacalbo, feijSo, fari-i ComposicSodo pnr-( pnrliignnT; Atlguafn nha,touciiihu,arroz,sal,caf,as8ucar branco, I Emilio Zaluar. paesde6|0,manteiga,lenha,emachas,azeite-¡ Personagens e actores, doce, e vinagre : e porque estes gneros de-, O. Alfonso Hiinrique 1. re de Portugal — vem ser da melhorqualidade possivel, coJ. S. Res. moest recommendado em ordem do dia | EgasMuniz, aio deD. Affonso-A. J. Pinto, do quaitel general de 18 do corrente, o I Garcia MenJes, altores real — silvestre mesmo conselho julga conveniente publiMeira. car as seguintos condieces consignadas' Lourenco Viegas, o espadoiro-• A. J. Alves. em dita ordem : 1." Os fornecedores apre-; Marlim Muniz — NN. sentarao nos batalhO^s os generus alimenMemNuniz --NN. 9 de dezembro de 1851. Eu Francisco de Barros Corris, esenvao o escrovi, — Antonio Carneiro Hachado Rios. Declaragoes. la barbara, o qual elle deixou para sempre. ralidade cxemplar, goaavam de urna modesta Eu achava-me ento no periodo o mais peabastanca. Ellea cederam uin dos quartos de rlgoao de minha doenca ; por isso nao tornei a j ,UB caslnba a JoSo Raymundo : desde cnio esver Raymuudo antes de sua sahida docolleglo : | le f' cada dia escola das Artes e Odelos pasoube smente depois por ineio de Jaciutbn, ra ahi seguir os cursos pblicos ; no domingo Theatro de Apollo. Como porrircumstancias imprevistas nao pode subir a scena no dia designado, o drama de grande macbinismo — D. JoSo de llarana. — O director emprezaro transfere a sua representarlo rara o da sabbado, 20 do corrente, impreterivelmonte. Declara mais que em satisfacBo aos seus protectores os bilhetes se vender3o para urna noule, alterando-se os precos da maneira seguinte : Camarotes deprimeira e segunda ordem a 10,000 rs. Platea geral, cadeiras e galera de terceira ordem, a 2,000 rs. Ossenhores queja haviam tomado bilhetes de platea para as 3 noutes, se quizerem pdem dirigir-se ao escriptorio do theatro, para que os dous das.duas ultimas sejam substiluido8 por oulros, para a primeira hoje aonunciada, e aquellos que compraran! de cadeiras a 3,000 rs. por noute, pdem vir receber a dilTerenca, que de prompto Ihesser restituida no mesmo escriptorio ; ficando de nenhum effeito o programma anteriormente aposentado nos joroaes desta cidade relativamente ao preco e qualiQcac9oda platea geral; comprehendeodo est agora tolo o centro da sala easseotospor baixo da primeira galena. l'ulilicarao Iliteraria. Historia universal resumida. Para uso das escolas dos Estados-Unidos da America do Norte, por Pedro Porley, traduzida para uso das escolas do Imperio do Brasil pelo desembargadorconselheiro Jos Ribeiro. Este excellenle resumo acha-se nos prelosda capital do imperio, e brevemente salina a luz: subscreve-sn nesia cidadedo Recife na livraria n. 6 e 8 da praca da Independencia a 5,000 rs. porcada exemplarenoa dentada. ELEMENTOS DE Homceopathia. Sahio a luz a segunda parte desta obra composta pelo professor homceopatha Cosset Bimont. Recebem-se assignaturas para a obra iuteira a 5,000 rs., no consultorio homceopathicoda ra das Cruzas n. 38. Depois da publicarlo da terceira parte, o previ ser elevado a 8,000 rs. para aquellas que uo tiverem assignado. No mesmo consultorio, acha-se a venda ludo quanto he n-xessario para o estufo e a pratica da homceopathia, como seja : livros impressos para historias de doenies, regimens apropriadus para a provincia de Pernambuco, e encarrega-se de mandar fornecer qualquer encommenda de medicamentos bomceopathicos, tanto avulsos como em caixas, em giobulo8comoem tinturas. No prelo : — Pathogemsia dos medicamentos brasileiros. Elo/ienos de anatoma e phisiologia com estampas, para os curiosos em bomceopalbia. Roga-se aos seohores assignsotes o obsequio de mandar receber seus exemplares no consultorio homceopalbico da ra das Cruzes n. 28. TRATA Al iNTU HOMEOI'ATUICO. OAS MOLESTIAS VKNERXaS, e conscllios aos doentes para se curareni a si mesmo, sem precisarem de medico; pelo professor homceopatha Gosset-llimont. Sahio a luz e aOba-se a venda uu coaou¡torio homceopathico da roa das Cruzes o. 28, pelo preco de 1,000 rs. quando eslava convalesceudo,quc Joao Ihe dissera deixaudo-o: — Perdo a Fernando.... Se eu o Uvera crido capax de ler denunciado uiinha mi e meu iln por malvarte?*, te-lo-hia dcixado lancar-sc pelajanella, ou te-lo-hia eu proprio lancado por ella ; porquanto sua Irauico lena sido* mil vexes mais Infame que a delacau deLcvasseur ; este em lim, fana seuofncio de eapio. Fernando, como sempre, obrou mal por fraquexa, por levlaodade. Elle nao me inspirava seno uina piedade despreaadora. — Tu deves perdoar Ihe, e lastiina-lo, diaseIhe o bom e terno Jacinlho. Tu nao podes fazer uina idela do que elle soQYe depois desic fatal da : no delirio da febre, elle le chaina, e le pede perdo elle te supplica, elle se acensa, elle se reconhece indigno .... Em flm, a preoccupaeao continua de seu pobre espirito desvalrado he ter-te involuntariamente (rbido. — Ento, respondeu Raymundo coinmovido pela lembranca de nossa afieico, dirs a Fernando que o lastimo e perdo-lhe ; Gracas a Dos, meu lio est salvo. Quanto inlnha pobre mi, conheco aua coragein, a priao nao a abatiera... eapero poder passar algumas horas com ella cada semana. Com eflicllo Joao Raymundo cumprio estepiedoso dever ; sahindo do Santa Barbara, elle foi inorar,segundo o desejo de sua mal.eui casa de Charpentler, homem Incubo,, man de um coracao excellente e de um carcter heroico. Elle trabalhava de selleiro, sua mulher ven. dia fructas 110 tlalrro de S. Antonio. Gratas a estas duas Industrias e a urna vida de urna ino-. ia passaro da na priso junto de sua mi, cuja lirmea serena nao se desminti uin s insume durante seu longo capveiro. Fui aisiin que Joo llsyinundo einpregou os uliioioi annoa de tu. adolescencia, ludo lodos os domingos priso onde eslava aua mi e dcquein nulo nos oulros dias os cursas das Arles e (Juicios, que coinpletava por numerosos estudos. No flm do da, elle voilava para o humilde lar do artista, de cuja mesa frugal partlcipava ; depois inultas vexes noite assisila a reunioes secretas, compostai dos patriotas do bairro deS. Antonio, simples, probus, laboriosas, que llnbam permanecido liis sua f republicana, sem embargo dos funestos desluinbramenlos do Imperio e da cruel reaoco 1110narchica de iM. Muitos desles homens tlnhain conh.cldo pal de Raymundo, linham marchado cdln elle a fronteira, e applaudido sua vos patritica na Couvenco, onde se sentara ao lodo de acu cunhado Jaques Godofredo, no cume da Montanha ; todos concordaram ein dlier que uestes douscuobados que se amavam teruamente professavam a mesma opima.,, nunca mais indomavel coragein foi unida a urna alma mais generosa. Multas veies por sua eloquencia calorosa c penetrante riles tlnbam obstado terrivels represalias contra os Inimlgos implacavei da revoluco. Proscrito com Godofredo a de (bcrmldor, o convencional llayinundo, bem como todos os homens austeros que crlam ver depois de orlas borrascas, levantar-so a aurora d. uina regeneraeo universal, vollou a Parla com ana mulber, debaixo do consulado, J os planos Avisos martimos. — Har o Porto, sabe impreterivelmente, no dia i\ do corrente, a galera portugueza Bracharenambiciosos de Honaparte assuslavam ou revoltavain os republicanos sinceros; entre estes achava-ae .lien. Este novo Bruto quera, segundo dlsein, apunhalar o novo Cesar ; se o criine foi concebido, nohouve coineco de exeeni.in. todava lonaparte leve a fra barbaridade de dcixar execuiar a senlenca d mor te que a 30 de Janeiro de 1802 ( declinoannOda repblica ) ferio nao sd rana, mas ainda seus pretendidos complloe., Cerachi, Tapinalt~ Orun Demirvitle e Diana ; assim cahlrain catas cinco cabecas que uina palavra de clemencia de Booaparte leria podido salvar. Una sexta cabeca cahio mais larde, foi a do convencional Raymundo ; o nico crlme desia nova victima, foi seu rdanle republicanismo c suas llga9des coin Arena ; mas looge de o iniprilir ao assaaalnalo de lionparie, lluymundo usava pelo conirrlo de toda a influencia que linha sobre o amigo para tratar de desvia-lo deste assassinato, mostrando-lhe um lal acto come una nodua para o partido republicano. Por desgraca do amigo convencional, suas frequenles entrevistas com Arena forain ploradas ; depois da execuco desle ultimo, aebaram-se numerosas carta, de Raymundo. Acata csrrespondencla, elle exbalava aua dor, aua Indi|;na v .io de ver a Franca Ir ao encontr do despotismo avlltador de bonaparte, o qual J nem mesmo dis.imulava mais seu projeclos llberiecldos; nio foi preolso mais para faier considerar o amigo convencional como cumpllce do criine de Arena, de cuja aort. mais larde parllclpou. Aaiiin a condemnaco morte de Jaques bodolredo, a priso de madama Raymundo, taes forain as consequemiias de uilnba indiscrtcio de colleglo. Primeira e triste pagina de minha adolescencia, (C


PAGE 1

Anuo XXVII Sabbado 20 de l)ezi¡n >r<> de 1851. N. 288. MARIO DE 9 MRMlBfflL 11— IWII'I— I' 'II PBZQO U SOBCBIOlO. PiOAMINto ABIINTIDO. Por trimettre 4/000 Por lemeilre 8/000 Por nao 15/000 Piao D.NTIO DimiHITII. Por qatrtel %  i/T'OO %  OTICIAl PO 1HPBBIO. Pura 2 deDezbr Maraohao 7 de dito Cear... 10 de dito. I'.uahlBi. 1S de dito Mioai... iSdeNovbr. S.Paulo. 10 dedilo. R. de J.. 25 de dito. Babia... I de Dezbr, DI-D irniNi AUDieiClAs. 15 Seg. 9. Euieblo VerJulio di Orfhoi cense b. m. 16 Tere. 8. Albina. 17 Ou.irt. S. Barlholomeu a. Gemlnlano. I Qulnt N. S. do 0\ 19 Srxt. S. Fauna. 20 Sab. S. Dominios. 21 Doro. A.' do drenlo. S. Tbom. •2.e5. s lObom. 1. varadocirtl. 3. e6. lo melo-dla. Fazenda. 3. e6.il 10 borai. 2. vara do civil. i. e tabadoa ao meloRtlar/io. Tercas e sbados. BID. Crescente 30, a I horae 55 minutes da ni Chela a 8, a I hora e 8 minutos da t. Mingoante IS, as 3 hora e 6 minuto da m. Nora 22, a 1 hora e 14 minuto da tarde. nuil! SI atOJX Primeira s 2 hora e 54 lautos da tarde. Segunda s 3 horas e |8 minutos da manba. rAHTIDAl DOS OOBBEIOB. Goianna e Parahiba, is legund*. e icitaafeir.i. aio-Crande-do-Rorte, toda ai quintai-felrai ao mel da. Oaraubuns e Bonito, i 8 e 23. Boa-Vista, e Flores, 13 e 28. VJcioria, ai qulntas-fciras. Ollnda, todos o dial. NOTICIAS ESTnANOEIBA*. Portugal. Hespanba Franca %  Blgica... Italia.... Alemanha Pruia .. Dinamarca Russia... Turqua. IS de Novbi 8 de dito 8 de dito 4 de dito 31 deOutbr 4 dcNivbr 4 de dito. 29deOulbr 28 de dito 18 de dito Austria.. 2 de Novbr Suissa. .. 2 de dito. Sun i.i... 28 deOutbr Inglaterra 8 de Noabr. E.-Unldo 26 deOutbr. Mxico... 15 de dito, California 12 de dito Cbili. 8 de dito Rueo-A. 8deNovbr Montevideo 21 de Ouibr -CAMBIOS DE 19 DB DIIMBBO. Sobre l.oodrei. a 29 d. p. I #000 Firme n Parii, 333 por fr. • Lisboa, sem traniaccSei. METAEI. Ouro.—Oocas hespanholai.... a lioeda de 6/100 velhas. 16/000 a de 6M0O noval. 16/000 a de 4/000 9/00(1 a Prata.—Pata(Seibrasileiroi.. 1/940 a Pesos irulu ni liarlos.. 1/920 a Ditos uiriicanoi 1/740 a 28/600 16/200 16/300 9/100 1/940 1/970 1/750 PARTE OFFICIAL. GOVEHNOD* PROVINCIA EXPEDIENTE D 0 DA 1 ,DE DEZEMBR0 D E | ^^T7blT^.'SS''o, £ do resume da despezi. que te n feito com I Miranda VarejSo e Joflo Arsetiio Barboz. o Mugue! da cas que serve dequirtel e pr¡-' Paasaram do Sr. desembargador Luna sSo nsquella villa. Freir ao Sr. deserobirg.dor Telles as seUito.--A" cmara municipal do Bonito, guiles ppellicOes em que So: dizendo que, com quinto tenham de ser Appell.ote, Minoel Jos Soares de Avellar: appellada, Manoela Francisca Monteiro _, %  ,j ,„•-. mentos e cootisque vieram com o seuoffiHegadn. Officio.-Ao Exm prndente do Rio Cran-¡ ¡ dfl no ^ mbro uliimo cumpr8 t0 Apeonante, a preti Hmoela ; appellado.Made do norte, dizendo ncir ¡n eir.do d* ha-1 d ia explique como a cr. d. irreci-¡ noel Francisco Rebello. verem sido preosno diilncto do iPitu do, d cfl ,,%r feol ¡ v M uo nn0 municipal Dudo Pass.r.m do Sr. desembrgador Telles .0 municipio do Apudy f m, 'f' d M, ', r !' "-|correspandou jusl.mente qu.nli. o.rjada Sr. desembargador Pereira Monteiro as se-, dejos f.cinorosos Jos Bnlhmte •> *'"gem h ,, el differenca ilguma, devendo ouguintes appellacOes em que o : J cirem.lsoitodeseussequasej. Uroiim declirar a rasflo porque est oreaAppellante, o juno ¡ appellado, Antonio Dito. -Ao commaodo das armisi, par. da en menos, receit. do .onovindouro. Jos de Andr.de. mandar postar em frente do convento des ¡jilo--A' iunta qualiflcsdora di guirdi Appellante, Hermenegildo Eduardo do Bego Antonio no dia 21 do oorreoto pels 3 horas nlcioni i ua freguezi de Papacac, accuMonteiro; appellado, Antonio Jos Alves da tardeumbatalhaodoprimoir lmhaalini¡ 8an(Jo receh ¡ do 0 ou j C io em que communi-| do Atnorim. de acompanhar a prootasae do Divino EspiBC |iarem-se eoncluidos ostrabilhos da Passar.m do Sr. desembrgador Gomas rito-Sanio, que tem do sahir do mesmo con( a||ucao da guard njcion ,| diquella Ribeiro ao Sr. desembarga lur Villares % %  pirochia, e ordenindo quo declare se foi ou seguintes appollaqoes em que sao : nao exactamente cumprido o artigo ii das Appellante, o juizo ; appellido, Francisco mstruccOas do 25 de outubro de 1850, visto | JosMendes. assim o nao ler feito. ; Appellanto, Manoel Alves Guerra ; appollados, Jos Niculao Rigueira Cosa e sua TIUBUN&L DA HELAG&O'. | muiher. eirssii na ir IIF nF'/FMBRO ai 1851 A PP e| lnle, Jos Francisco di Silva Aroiral, ftffifi SP? KSs^i*. ¡ .PPolUdos, Jo5o Baptista Vieir. 4, ComAs 10 lioris da manhi, estando presentes p u ,'": „ „ .. _„„. „„. mm._ d^embargadore.' UN*' Brttoe, ^^^JSTitSSSJlSTlJZ rento pir. a igreja de Nossi Senbora da Coneeicflo dos Militaros. Dito.—Ao mesmo, inleirando-o deluver n l t ni. presidente do HiranbSo requisitido a guia do segundo tenente do qunrlo balalb3o de artilhari. a p Jos Nunes Mirques, qu all se .cha empregido, e prevenindo o deque deve remetter. dita guia, ou dizer o que se Ihe offeiecer a tal respeito. Dito. — Ao brigadeiro Manoel de Souza Pinto de MigalhSes.—A' vista do olUcio que V. Exc. me dirigi em data de hontem Uco sciente, nfios da communiocao quo me faz V. Eic. de haver remettidj ao general comm.ndante das armas pira ser trazidoao meu eonhecimento o relatorio da inspecc3o do quarlo hatillio dearlilhria a p, como d haver terminado com esse relatorio os trabalhos da inspec;3o dos corpos de primeira linha desta provincia, cumprindoine por esta occasiSo signilicara V. Ele, que observei sempre com satisfcelo o zelo que V. Esc. desenvolveu no desempenho da importante commissSo, de que foi encarregado. Dito.—A' theiourarla da fazendi, autorisando-a, em vista de sua informac3o, a mandar supprir o arsenal de miriuha, sob a responsabilidade da presidencia, com a quaoti. de 158,393 rs., que requisita o inspector do mesmo arsenal para occorror as dcspezas da rubrica. — Pharol — no corrente exercicio, por ser insulllciente a quota marcada par. esse flin.--Commonicou-se ao dito inspector. Dito.—Ao inspector da thesour.ria d. fa/.jnd.i provincial, Inteirando-a de haver mandado quedo destacamento de Caruai vilo estioionar em Bezerros 6 pravas sob o rommindo de um inferior e a disposicao do respectivosuhlelegado,conformo requisitou o desembargador chefe de polica, quem aulorisou para alugir urna casa, que na mesma freguezia sirva dn quaitel ao dito desi.e.mento. — este sentido expediram-se as convenientes ordens. Dito.—A' mestn, par.toan !ar piir em pr.r;. O empedramento Jas 560 brecas que constituem oprimeiro lanco da e.>lrada dn Escadi, de conformidade com o ornamento, que remelte por copia, servm lo purcui de base o abatimo >to j offerocido pcl<> licitante, que pretendia arrematar o empedramento da 650 bribas, de quo tratava o prioieiro orcaroento.--Cnriimunicou-se ao director das obras publicas. Dito—Ao inspector do arsenal do marinlia, dizeudo licar scienlo de luver Smc. apprebendido e mandado recolher quelle arsenal 17 prancbOese 5 canoas, ludo de amarelio, viodos do Passo de Csmaragibe as barcacas S.-Rita-Viajanle e Coiannense, pertencenles, esta a Jos Joaquim de Si Pegado e aquella a D. Mana Anglica FulcBo, visto nSo terem os respectivos mestres apresgntido licen?i do governo imperial. Dito.—Ao director do arsenal de guerra, communicando que deofllcio do Exm. presidente do MaranhSo consta leion sido entregue osicaixOes quelne foramenviaJos em 21 de novembro ultimo, conlendo varios objectos para as companhias .depoJestros d.quella provincia. Dito.-Ao major eucarrogado das obras militares, declarando que pode adoplar-se Le3o, Souza, Rebello, Luna Freir, Telles, Pereira Moutciro, Vallo e Gomes Ribeiro : o Sr, presidente declara aberla a scssSo. JULO AMENTOS. Aggravode lliniz Antonio de Miraose Silva ; agrava ios, Manoel Pires Ferreira e mullier e outros ; appellados, Pedro Lucas Correia, sua muiher o outros. niSTRIDUIC"KS. AoSr. desembargador Villares as seguinlos appellafOes em que s3o i Appellante, a justirja; appellado, Jos de AIVIIJU Lima. Kfu* Jl?„"?.l' JSSSLi ..;.? I mingosAntouio Comes CuioiirSe*. Reis.—Negaram provimento aoaggravo. Aggravo de D. Mara Filismina do llego Gomes ; aggravado, Joaquim Aurelio Pereira de Carvalho. — Deram provimento ao aggravo. AppeUafOei crimes. Appellante, Jos Pereia de Castro; ippellado, o juizo.— M.odaram a novo jurv. Appellante, o juizo ; appellado, Antonio Alvos da Silva Oliveira.—Mandar.m a novo jury. Appellaces eivils. Appellante, Maria Tlieodora da Conceir;3o ; appellado, Aleixo JJS de Oliveira.—Rel irni.iimi a senteofa. Appellanles, Estev3o Jos Paes Barrlo o sua mulli.T ¡ appellados, Francisco I'aes Brrelo e outros. — CorjOrbiaram asetitenga. Appellante, o juizo; appellados, Manoel Pi res Ferreira eoutro. — Conrlrmaram a sentenca. Appellante, o juizo; appollado, Ignacio Correia de Mello.—Confirmaran) a sentenca. Appcllaiites, os indios do Arionches ; appellados, osliordoims de JoSo da Costa Albano.— Conliriiisrain a MMII % %  m.-a Appellautes, o appellados, Manoel Antonio Dias e Jos Veuaocio Pimeuti de CaivaIbi). Jul.:a.am nudo o processo. Appelianles, Amaro Goncalves dos Santos e outros ; appellados, Marcelino Antonio Peroira e outros.—Despiezaran) os embargos. Appellante, Joaquim Ferreira ; appellado, Jeronymo Joaquim Ferreira de Oliveira. — Desprezarain os embargos. Appellante, Mauoel Alves Guerra ; appellado, Gaspar do Monezes Vasconcellus de Druinont.—Desprez.rarn os ombargos. Appellante, D. Candida Agustinho de Barros; appellado, Jos Candido de Carvalho Medeiros. Desprezarrm os embargos. DILIGENCIAS. No processo do rosponsabilidado do juiz de direilo interino da clJ.de d. Fortaleza, mandaran) repetir a ordem para responder a denuncia.—Mandaran) ouviroSr. desembergador procurador da coroa ua appella;3o civel. Appellante, Jos Jeronymo Monteiro como prucuiator; appellado, o juizo. oioaiGOii. Appellante, Manoel Joaquim dos Santos; ppellado, o juizo. Ao Sr. desembargador Bastos as seguintas appellac,Ses om quo s9o: Appellante, o juizo; appellado, JoSo Josd. Silva. Ao Sr. desembargador LcJo as seguioteg ppell.fOes em quesSo: Appolliute, Aon. Josepha ; appellado, o juizo. Appellante, Ignacio Jos da Silva ; appellado, Igo.cio Manoel Viegis. Ao Sr. desembargador Rebello as seguales appellifOes emquesBo : Appellante, o juizo; appellado, Manoel do Mascimento Pontes. Ao Sr. desembargador Valle as seguintes appellafOes em que sao : Appollanle, Maria Brasilina de Oliveira; appelladus, Carlos Bdnlo e outros. Ao Sr. desembargador Gomes Ribeiro oa seguintes iggravos em que s3o : Appellaule, o juizo; appallado, Manoel Rodrigues Ferreira de Mello, l,evantou-so a sossSo as 2 horas. ¡"pralicV; por Smc. ieriibrada, de se Ihe enApellante> Mmoel Gamillo Pires ;appollauanlia dos, Josu Pires \ i nina o sua muiher. fregar no principio de cada moz a q necessarii para pigamento das despezase fazer-se com as obras a seu cargo, devendo para isso enviir o orcamento das quantias precisas parase expedir ordem a pagadura militar, i quil devere Smc. prestar contas no fim de c.da moz anles de receber a prestado para o seguinte. Dito.—Ao juiz municipal do Honito, para que mande proceder a um resum lo orcaniuiiiii dus coneertos, quo se tcm de fazer na cadeia daquella villa, e o tiaga ao conheci metilo da presidencia, declarando logo se havera quem se proponha a fazer dita obra por arrematafao. Dito.—Ao delegado do termo do Ouricury, dizeudo que, com a ¡nrormar;So, que remelle por copia, do ofucial-maior d thesour.ria da fazenda provincial, responde ao oflicio, em que Sm c. ieclmao pag rOLIIETIM. ou RIEmORiAS DE UM MARIDO.O POB SUOBMIO SUE.) XII. O desespero que as comequcnciai de ininh. odiosa indiscrcae para com Andr Levasseur linha causado em nilm, fez-rae cahir gravemente doente; atacado de uina febre cerebral, estive quasl um mes de cama. Mas tarde soube, e retiro aqu coin todas as auas particularidades, o defecbo da prlso de madama Rayinundo e de seu innao Jaques Godotredo, preso duas horas depois da conversaco de Levasseur com o to. Jaques Godofredo, coodemnado mort por contumacia por um tribunal prebostal.leve sua aentenca conflrinada. Elle devia ser esecutado na praca de Greve. Eis-aqui o que se passou nesse da, segundo a Darraco de um dos actores que lomaram parte nesse accontecfinento. A exeeucao de Godofredo eslava risada para as nove horas da inanhaa. A's oilo e nicia a carreta que levava o con('I f* o;Dario 287. MVISES. Passaram do Sr. desembargador Villares ao Sr. desembargador Bastos as seguintes appellacOes em que s&o : Appellanto, lazend. ; appellado, Manoel Jos de Araujo Costa. Appollanle, a fazenda; appeliados, Carvalho .\ Mu i Appellante, Jos Antonio da Costa ; appellado, Francisco Manoel de Carvalho Costa. Passaram do Sr. desembargador Bastos ao Sr. desembargador Leao as seguintes appellaces em quesSo : Appelianles, Francisco Pereira Pinto Cavalcanti e outro ; appellada. a fazeuda. Passaram do Sr. desembargador Rebello ao Sr. desembargador Luna Freir es seguintes H|i|n:ll ii.li 'i em que s3o : amento I Appellautes, e appellados, Bazilio Alvos de demoado ao supplicio devia partir da cadeia. Logo cedo urna centena de artista e de mercadoics do balrro de ianlo Antonio, partindo isoladamente de suas casas, chegaram de ditt'ercnlea lados ao caes das Flores. Alguns curiosos estavam j ueste lugar perfeilainenle escolbido para ver paisar o condemuado : Os suburbanoi misluiando-se pouco a pon i oa multldo que alllula J, collocaiara-se de modo a formar na occasio da passageu) do siniitro cortejo, dua nltiras a dous ou tres de fundo, as quaei guarneciain ile cada lado a esquina da ponte na lugar em que a carreta e sua escolla .le vi.11 n entrar deilandoocaes. Oscbefcs destes grupos erun ns bomens pobremente vestidos que eu tlnna visto em casa de madama Baymundo, e dos quaesJoome dissera : Sao os amigos de mluha mi. .. com laes amigos, pde-se au'rontar a peior fortuna. Estes uiysteriosos preparativos de llvramento organisavam-ie sobre o caes, debati da dlreccae de um bomein de alta estatura, vestido de urna bluss. e uotavel por longos blgodes e espeisas suissas vermelhai que Ihe passavam por bailo da barba ; este bomein nao era outro que i.li.ui" imer, o antlgo soldado de booet de polica verde e encarnado, que gracas tintura applicada i sua barba e a seus cabellos, tmlia lombado das persegnlcdea da polica que anda> vaein cata dclle, seguudo as Informacdei dadas por luiiu a Andt Levasseur. Depois de urna ultima recommendafao feila aos ebefes que parcciaui dirigir os hoinens que formavama rlllelra na esquina da ponte, Charpentier approimou-ie de doui vigorosos coinpanheiroi que parcelan! guardar dous deises tonneis de bracoaaus quaes sejungem os agodelroi. %  Attenco ordem, dissc-lbe t.harpenlier em melavoz ao paitar por junto delles. EXTERIOR. LISBOA 7 DE NOVEMBRO. Os cam coas nffici.es d. crusada anticarlista, desorientan) usivelraontede diapara dia. Ninguem triumpha menos vencendo tanto. Oslourosmurcliaram coma victoria.Torrivel agouro. — Ouaudu hiam langiir mo delles para enramar a fronte altiva dos seus hroes, desflzeram-se, Cairam-lhe os pos em p despresivel. Para os reduzir a nada, bastou tocal-os o hlito dos voncedores. — Nilo i es pirara o el les senSo destruicao¡> Podo ser. O certo he, que os proprios tangedores da cavalgada revolucionaria denunciam, que o lemor de algum desastro atormenta os da caravana. Para a vinganr;a da Dos, oque vale,a pioteccBodoshomens? Mas o que he que perturba os famosos ginoles ? O que poder recear a phalange alMi.i'11, se tem a sua frente nemideus?s, a quem prestam rendido culto os exercitos de lodos os campos ? He cousa que mal podemos comprchender. Caminbo do capitolio, .inda se n.lu viram passos mais incerlos e irresolutos. Modestia nfio he por certo — que lhes sobrou desafogo para entoarem cantOes triumplxes; como lhes sobejsram na capital, pon dis assemblas eleitor.es, menestreis que recitassem com omphase de agitadores poesias, adoptadas ao santo fim — de armar a mullidao de punhal patritico, pira viogar a sociedade dos corruptos, e itnmoraes. Nem mndestii, por tanto, nem grandeza de alma he essa frieza de indifferenga, depois do enlhusiasmo phreneiico applaudindo povo, o governo, em xtasis de jubiloso patriotismo. Quem sabe, porem, seo plano dos estadistas falhou, como, e por que ? Iiia mais longe, doque porvenlura qu.Ti.m, o favor prestado osalliados? Excedeu o resultado a expectacto do CBICUIO trai;oeiro ? Fo— Se tranquillo, respondeuos doua trocando com elle uin slgnal de intelllgencla, estamos alerta. Charpentier dirlgio-se ento para a eitremidade de uina da pequea ruis da Cit que deseinboccavam no caes das Flores. Uina carruagem eslava ahi estacionada. O coebeiro, noincn de clncocuiaannoi, pouco mais ou menos, de semblante resoluto, e como rosto maicado por uina profunda cicalrii, linha descldo de ?eu assento. Charpentier disse-lbe em voz baixa. — Nosia gente all eit Tudo val bem. Ellas prumplo? — Slm, velho. — Teus cavallos.... esli frescos I — Como rosas; comeram duas raedes. Prefer Ir a p esta noite l erabaixo para nao o fatigar, — Visteo meitre cabouquelro? — Vi-o, ludo eit arraojado.... elle virao nono encontr.... mas que leus, Charpentier? — M. iran. .. leiiliu incdii — Tu.... niedo? — Slm, —temo por Godofredo... por sua Irinaa ... — Mi penses niiso Vamos, nada de fraqueza, Charpentier.... Lembra-te!.... dnoslas cargas nos dragdes da repblica, quando corlavamol os ligados deCoblentz; ali! ralo de lieos, digamos boje como nesse lempo... avante! nossa ente nao se amuar.... bem sabes que por amor de Godofredo, de madama Rayuiundo e de seu lbo, elles se deiiariam fazer pedacos.' — Ah Morand, oque eu temo he justamente a coragem n arrojo de nossa gente, Temo I que elles esquecam o principal pelo accessorlo.... Comprebendes? — Pcrfeitamentei mas ah: o acceisorio lie ram talvez mais doslros di quo suppunbam os amigos de hontem, os quaes prernriram •os amigos de longos annos ? Impressinnaram-osas scenas dodiadois? Bonfiontadis com as noticias dos diversos pontos do reino, rasgar-lhe-hiam o veu quo ns vendara Estar hoje menos obscurecido o in. lendimento rebelde, que se negiv. reflec tir nos .restos, que ahi abundavam para regular com segoranca as probabilidades que Ihe inculcivam ? Nao sabemos. N3o he impossivel. Mas por que nSo ser anles a rasan contraria de tudo isto ? S3o 13o odenlos SSo taovingativos! — Talvez que lhes pare? pouco aind, o mal que (izeram aos adversarios — mal que um dia ha-de pesar-lhes ? ( ,I.I Ta n talvez melhor aproveita lo o auxilio que derama inimigos? Perlendiam que o incendio geral nSo poupasso urna s guarida, em que se salvosso o testamento que forcejan) por anniquilar, para n3o torom coherdeiros ? Se nos perguntam para qual das hypolhoses nos incluamos, nSo temos duvida om acceilar esta. Expca-so con ella muito melhor o quo ahi se v com pasmo de todos. lio o u nossi opiniSo o que se revela i ela lingungem venenosa, de quo usam para combater adversarios que lemem. So assim n3o fosse, para quo haviam de cngr.ndecor urna victoria quo ihes n3o perlence i' Para que haviam faltar a cxaclidilo dos fados; et negal-os iinnudentoinente, s porque favorecen) o juizo com quo os prevenimos? Baslava qne procolesscm com imparcialidade, e n3o dinamos o mesmo. A conflwSo dos erros era just'licar;ao dis inlencOes. Perdoar-lh'os-hiamos — que be para tanto a generosidade de um partido grande, o qual tem izelaro conceilo que soube adquirir por um passado todo honroso. Asavessas. O empeuho em nos disputar a pilma do martirio he o desengao, de que foram elles os authoros dos tormentos Diversos bracos operaran) em alguma parte, mas a ac?3o mostrou-so combinada. Es lo encontr raro, don uncia a unid.de communicada todos por um mesmo .genio. Os instrumentos eram iguaes ; e iguaes s3o Un be in os esforcos para esconder do publico a vergonh. do sou proceder. Como pois havemos de concluir? Por qual das hypothescs devemos optar ? E nao he s o que deixanios ponderado. II. mais. NSo so l nos jorn.es do gorerno urna defesa grave, urna contrariodado riiodesta, que se Insinu pela rnoderacSo ; quo aprsenle o mail leve indicio do os terem impresionado dcsagradavelinente os escndalos do tuda, parte. Em vez d'isso, ludo Ibes parece anda pouco. Por muito que nos vissom llageiludos, mais crescoi ia o cscarueo. — A medido do seu ranenr nSo so cnche com facilidado. O veneno tnsborda-llio por todos os poros. N8o suam sangue, como o Salvador no Harto; mas de>tila.n umi substancia pestfera, que nos doia fim, se t¡Ho llie evitassemos o conticto. At a nossa paciencia os Irrita. (!) ¡ortura-osa (irmesa com quo os aguardamos no nosso poslo al exlremidsde. Queriam ver-nos rendidos o prostrados diate dos dolos do seu culto sacrilego. E se podessem, negar-nos-hiam a f, qua uflo s3o capazos de nos enfraquecer; a espera nca, qua nunca po forSo Tazer-nus perJer. Assim mesmo morde-nos a fortaleza que os espanta ; e l inculcan) por furor e impaciencia, o que nao passa dn um roflexo do nojo que inspiran) initjigos, como os quo nos venceram. Melhor fr. que estudassem antes em doscolirir algum maio de atlenuar o seu procedimento. Fazerem do sambenito gala, rebaixa-os a tol ponto na escala da dograda;3o, que os pflo fra do comuiorcio dos bomens honestos. Digam enib.ira que blaspnemamoi, ptagueJamos e exlrabuxam'is ; navemus de fazer sentir toda a vilesa com que nos injurium vencidos, e vencidos pola trai(3o, pela fraude, polas violencias, e por lodos os de mais recursus, do que hecoslume laorjarem nio os despotas, e os tyrannos. A servnjaria com que procederam exclue toda a iiiodenii) qua desejassomos usar. Covardes Une nem coragem tem para responder pelos crimes de que nao so envorgonharam, quando .elles recorronm para nos e&magar! Injuriaram-nos, e querem que os affagucmos. Apontaram-nos, ao peilo' os punhaes, o nao havemos de trita-los como 9icanos .' Djsmeiitem-nos grosseiramonte, contra a verdade, que jamis costuniamos sicnlioar : e n.lo lolcram que I to eslampemos no Tinha-me deitado, sogundo meu Imiva vel rn-tii no, s 8 e i/2 horas da noite do dia 12 do corrente, e em breve Morpheu alou-me com seus dous lacos, quero dizer, dorma profundamente. EntBo o Sr. Morpheu, ou outro quslquer velhsco, entendeu do divertir-so minha cusa por algumas horas, fazondo, tilvez por desencirgo de conseienris, com que eu timbem me diverlisse um pouco a custa da misera liiiuiu nidado. Pareceu-nie quo se segua por urna lind. campia sem destino certo, e, quindo mais miravilhsdo me nchav Unto poli belleza do lugir todo tai'uado de vicosas o fragrants flores, como pela suavidado, e nSo sej que do oxtra-nalural, do ar quo respirava, via um Iropego e alquebrdo velho, quo ean vflo procurara fugir da umai monstruosa o repulsiva cobra, quo quss o lacava com sua mortfera bicca. Laucar inSo do urna pesada pedra, inemer;i-la caboca da vennos, serpe, foi para mim obra de um momento. O roptil ferldo em pirte nobro. como diriam os mdicos, em v3o traballiou por fugir, mas de todos os suus exforrjis apenas resultou dsr mil vollas sobre a esmsgod. ebepa com • volubili.lado da lingua do mald¡zonta. Negro singue sabia da frnturada cabeca, e entro ss voltis que dnv.i esciou-se-lhc vidi. O pobre velno tornan lo a si do susto, que Ihe tmlia ombutaito .ifnculd.de. inlellec%  tu es, com os olhos clioios da reconhecimento me diste : Muito vos agradeco o loes salvado osles poucos moni intoa do vida que mo restam, e om reconhecimento ao BSigntlado beneficio, que to generosamoulo me fizestais, j que em compar.rjao a mim sois muito mojo, quoio adinil.r lu experinnria em urna breve licjSo muito ali'in do que uma auledoluviana idade podra fazer. O inciso tinba um ar de respeito, um semblante 13o nobro, que por um momento s nao duvidei do que elle me iria descobrir os arcanos das sciencias, os sign.es cabalsticos do Salomao, ou qt.ando rnenoi pedra philosophal, ou a quadr.tura do circulo, com quanto para i.im esse ultimo seria o menos importante favor quo me ellu podara fazer. Accendeu-so em meu paito ess .guilhoj auto ciiii.i.M la le, que s um curaca-i liini niuo pode comprehender, e pouco faltou que me n3o lancassu aos ps do velhinbo em reconhecimouto desua ignota promessa; mas felizmente salvou-me a recordigao da ¡gualdade constitucional do nossos direilos civis o polticos, que, com liceiiQa CORIIUSPONDESCIA DO DIARIO DE PERdos potentados, nao cousoiita que um cidarosto o ferrete da ignominia I Escarneceram-nos dopois de fligdid.o, o querem que repitamos o Paler ¡¡/noico illis I NSo forim banies declamado*, com que Ihe contestamos i victoria aioral. Foram fictos, individuados com todu precisan. Porque os n3o conlrararem. Vin II.II Por toda impugnacSo uma negativa estupida apenas! lie ceilo quo nSo poden). Mae ou confessem o mal, e moslrarSo assim reprova-lo, ou guardem silencio, em vez do irritar paciencia dos vencidos. Em todo o caso, porm. nSo confundim o recentimento q ie se lhes mostr, com a le-es; o ac>> que nosattribuim. Enganamse quando julgam que podein acobardarnos iriuinphos, alcanzados polos meios que empregBram—comprados pelo vil preco do urna aposlasia infame, de urna torpesa inar dita; de escndalos como ain la foram vistos por paito da auihondado publica. Dizomo-I.) sem reeeio de que nos contradigan) com juslica. Te nos visto no nosso paiz muito excesso; multo delirio; muitos manejos, mais ou monos reprehensiveis. Mis minen a authondade intervoio pur modo tSo indecente na lucia eltiloral. Nunca a perfidia foi levada lainanlu gr.'U. .Nunca a liypucrisia campeou to iirroaiili> e o.gulhosa, no campo da aclividado Jos partidos, como so niosirou agora na iadlffereao. ministerial, na decantada nSo interferencia. Os abusos do buje nao lo do un partido, ou d'al^uns enl!iu-i i-l is d'ell '. SSo do governo, quosc abaixou a aiueagar os seus dependentes; que aulhorisou os seus empreados a praticaieiu tudo quanto fosse uecessario, licito ou illicito, pa darom a victoria ao partido domocralico. NSo foram fados plateados a distancia da capital, que o governo nao podosse prevenir. Foram abusos ; foram crimes praticaJos sua vista. E nao so rnoveu Nem sequer os slygmalisou.'JPassaram como so nao livessem existido! Oh! Envergonham-so osquo n3o duvidaraui enloar-llio nymnos de victoria ; cnticos do louvor! Corrupto similh.nto lev. o descrdito ate medula do corpo s icial; acaba com todo o prestigio da autooridade. Eis lodo o favor quj om ultimo analyse Ihe devemos. ( Eslandarlc.) INTERIOR. I'aruliyba, NAMDUCO. 15 de Jczeinbra de 1851. dio sa prostre s ps de nutro Felizmente foi esta minha s.lvaco, anda que bem Tudo marcha em boa ordem, o a segu-1 D a 0 ubia qu.l a forma governaliva do paiz ranrji ¡nlividuil vai-so coiisolidnmln, ainda' 4 ,, 0 0:il j„ haliiuva ; mas ¡ulguoi-mo Can mesmo nos lugares de mais horrorosa noloros britnicos, que imjialerrisam o lorr3o meada. As febres, que em minhn ultima H ra quo seichi um subdito protestante, o Ihe notirioi parecer haverem nos viiitadus m udoachei mal com este juizo. n3o tea, tilo augmento o nom sai >o o, r.llexes, se ho que tal nomo casos apparec.dos -cr3o do verdade a aera-! '^ ** '* rtm c¡> "„, rai i jcz do elecreila,, .ind. quo mimos issim os julgu %  .. ¡Jg^*JS 0 velho to.nava .ssonto No da 13, vespora da milagros. Santa !" ~'."" -.„.. %  m .n. I.uzia, priucipiou com forr;,i a chiva, que taiiibein tentador! Espauear os soluauos Ue LuisXVlll! — E se nossa gente ceder a esta tentaco, Godofredo est perdido. Perdido! elle.... elleque he nossa nica espciauca !! ... — bravo Godofredo! coraco de ouro e cabeca de ferro I Nao, nao, um tal boceado nao he ieito para a guilholina dos tiurocs. Calma, Cbarpaulier, calina. .. Nos o salvaremos. Cbarpanller lirou o relogio e dlsse : — Faltiin cinco minutos.... mas dize-ine. podes deiaar teus cavados sos? — Para lser o que ? — He melhor que estejas com noico prouipto par. o que sabes.,.. Tena raao. All ba um armazem de vnhoi, vou pedir ao cilaeiro que vige lobre meui cavallos. Um instante depois, Morand e Charpentier alravessarain o caes das Flores, j completamente invadido pela mullidao, elles chegiram ambos piimeira llleira dos espectadores i milturaiain-sc entre os homeos de que temos fallado ', e que formando a fileira ueste lugar parecala simples curiosos ; dous d'entre eltei trocaram alguinas palavras com Charpentier, quando uiu murmurio surdo e loogo se fes ouvlr ao longe. Ncste instante deram oito horas e meia no relogio da casa das audiencias. Sobre tudo nao vos mesis antes que eu tenha gritado a vos, dlsse baiainbo Cbarpaulier aoahoinens collocados a seus lados, principalmente uo vos entretenhaes com os soldados, do contrario ludo est perdido.... Em um instante o conejo appareceu. lilis piquete de viole bomens de cavaltarl. commandadus por um ofo.ci.1 abra a marcha. Ao depois vinha uina cairuagem com os al' gozei. Ao depois a carreta, escoltad por um leguni coutiuuou too di. 13, com bstanlo des gostodos plantidores do algodSo, que vem sua safra perdi la, o nSo sei se pra7or dos cultores da caima, quo repulam futura %  eguruinji, salvanjo sampre o juizo de Daos. Temos estilo estes tres dias bastante apathiem, julgo quo os espiritos reponun ilispondo-so para os divert muios do natil, se as chuvas nSo passarem man lado de pristo contra os passeantes amigos do vista de hosquo, OJ do gusto pastoril, como diz J uein sab^. Espero breve sabir desle cstao de vegetacSo, e dar um passeio al a Jacuc, lugar de meu nascimento, para fruir os innocentes prazores do campo, e ar livre, deixando de acompanhar uns amigos e C'impaahoiros dos papars da alagoa, quo pretenden) fazer um tresena • Bacli i la para u Mandaciri, porque mu na i dei bem no %  nno passado, no qual os laes com,ianheiros inspiraram-so da mais, e no excesso d., onthusiasmo, ou xtasis, pozeram-so a Ad3o, quero dizor, cu no ello um momonto depois que cnupou o vedado pomo. N3o goslo do estado natural, o por isso l i)3o vou. anda que ovigario me pe<;a. Em falta do noticias, lenho teniarjes do contar-lhe ponto por ponto um sonho, que tive vespera de Santa Luzia; mas lenho receios de que mo nSo tome por tolo, ou quando menos por visionario Eu estou nojecom muita disposi^So para escrever, poneos an igos tenno que me merecaoi Uin. longa carta, com que, em falta do noticia entrelerei este lempo aborrecido NSo sci Finalmente lenho tomado minha resolucao; o se Ihe nSo conviar dar uma tremen lissima massada aos seus Ieito res, risquo com um Iraco de ponn. quanto passo a duer-lue, com o que mo nSo ofrende. ^^____^__ = __ t ^_ do piquete de cavallana da incaiua forca que o primciro. Jaques Godofredo, coi mangas de camisa, tendo as inos aladas para ira, em p na carreta, tinba a ironie alta e radiante de enlbusiasino ; sua longa barbaruiva, seus grande, i.iim, a/uc. altivos e brilhanlcs, o ligeiro colorido de sua faces, o sorriso de sereuidade orgulhosa que errava sobre seus labios davam a suas feicocs um carcter chelo de energa, de calma c de grandeza, De tempos cni lempos elle se diriga ao povo com iioi.i voz relumbadora, dizeudo : 'leus amigo meus irmos.... morro lem Hiedo e sem reproche. lenho couibalido por nossa liberdade.... Animo... eaperan;a e unio U estrangelro Irousc-nos oulra ves esle Huibes, avergonba.a enecracao da Franca! Ellea hao de cahir debalso do despreso c do odio da Franca... como cabio Bonai.arte, o renegado! o lyranno ... llonaparte o assassino da repblica, sua mi!... mas ella ha de renascer brevemente de suai clnzas I Viva a republica 1 %  Cumpre que nos remontemos pela Icmbranca aos dias sanguinolentos da reaeco de 1810. para comprehendermos a audaciosa energa destas palavras. t A mullidao admirava coragem le Goilorredo, mu lluba, por assim dizer inedo de oujlr .1 vehementes provocafOes do condeinuido, esse indomavel inimigo da realcsa. Um prnluiiilii -llenen i de eslupor, de adniiracio comida, e de espanto reinava pois sobre a passagein do Godofre do. Quando a corneta c'iegaodo ao ngulo da ponte, acbou-se assim. na altura da dupla llleira dos suburbauos, urna secna violenta ac passou. debaixo de urna copada arvore, o me convilava a fazer o roesmo. N3o esaerei por segundo convito, o arrumei-mo da melhor forma que pude, ou que julguei conveniente inercia deste curuiuho, que com quinto realmente n'aquelle momento eslivesse na melhor posicao conhBcida, e reconbecila al pelos rrades, veidadeiras e legitimas lUtori la les n. materia, com ludo no meu sonbo e.-tava de p, e uin POUCO encooioioJado. Cous inexplicavel EtitSo o velhinbo lomando a palavr. ( digo tomando porque a mim corlo n3o pedio) principiou, se bem mo record, da sorfuinte maueir. : .. Har.v1lb.do estars, mou .migo, do quinto vs; mas quiz la boa sina, quo, •o n sallares o como, viessos eslo paiz, onde vivo ha O" mil anuos espera do fim lesse munlo onio habitas, osle paiz a quo muitos d-sejar3o vir, mas que poucos podero chgar, para aprenderos em pouco t<*mpo na minha experiencia de Irinta secuos a eoaheoer os h imons qu co.n ligo vivem nesso miseravel torrSo, qua vs-outros chamis emuhaticamente globo, mando, uaiverio, e maisquantos nomes no iccesso lo vossas loucuris improvisis em honra do vosso ¡dolo; sin, digo a contraer os bomens, qua com ligo vivem, porque verladeiramente vistos e reconhecidos esses, conheci los c vistos ficam todos ; mis antes que entro nessa licSo, para mim muito dolorosa por ver a degeiierigao^progrcssiva do iiieus Boiiieiiiaiil-i, quero repc.... w c* agrad 'Cimantos por ma naveres livr.do d aquellahjdra, nica praga deste paiz abencoado, e ja era lempo de llvrar-me della, que aqu representa o mesmo que o maldiZ'nteehypoc itadoteu mundo Eol3o mu n3o puda conter, eeiclamei: ah! aqu vos tinneisa penas uma hydra que vus pers 'giiia, e la quintas n5o leinos, que nos onCarpenticrgrtou com uina vos looor : — A vrts!.... I MU. d, o menle os homeus quetinhaui deixado o piquete da vanguarda passar-c uielterse na poole, laucaraui se sobre a carruagem dos algozes que segua o piquete, vlrai.in-n. entrada da ponte, a|uniaram-lhe, vlr.udo-os ieualinente, o dous tonnei. de aguadeiro de que lenho fallado, c fonnaraui assim urna esi'ecie de barricada que por um inomeiilo iin'pedio a p.ssagem ao. soldadoi da r"*"^ o quae licaram cuU iauaao* aa -arre 'nireUnto que urna parte dos homens de farpenlicr inanobravam assim.os outroi obrando simultneamente preclpilarain-se em masa sobre o piquete de retaguarda, laucaraiu-sc js redeas dos cavallos ; agarrarain-se com a pernas dos soldados e esmontaram asum a mullos surprezos por esle ataque. Em cousequencia desle tumulto terrlvel c desla lula, carrela ficou sem cicolia durante um ou dous minutos. Cbarpenlier e Morand, o coebeiro, o qual linha deisado seu ampio carnke seu chapeo encerado, lancando-se a carreta, corlaran, as corda, de Godofredo; este, uin momento eitupefacto deste .occorro ines : .erado, po,s cria firmemente que marchar. morte. rcobr.ndo logo seu sangue: irio e sua energa habituaes, saltn fura da carreta, -"pae o carrlk e o chapeo de Morand. disieIhe Carpculier, .cgue-o.... elle te dlra ludo.,.. A<, "ob"g*do, Carpentlcr, respoodeu-lbc simpleimcnte Godofredo apertando-lhe a in.o. 'km um Instante elle veitio o carriU, e pozo chapeo do cocheiro, o qual vellido de uina iob.ecasaca, lirou da.lglbeii. um bonel, po-lo na caneca c dando o br.co ao condeinnado. Ivou-o rapidaineoie pa.a a cariuagcui, dUendoIbe nocaininbo: Sr, Godofredo, Vine, ira na LH W X M



PAGE 1

"Vnho de Champagne, atuperior qualidade : vendo-so no irraaem Kalkmanu IrmSos Rut <1a Crur, o. 10 Q — Vende-se un grande sitio no luO Q gardo Manguinho, que lica defronte Q n dos sitios dos Srs. Carneiros,com Q n grande casa de vivenda, dequatro Q ¡•t agoas, grande senzalla, cocheira, n 2 estribara, baixadecapim que susJ zf lenta 3 a cavallus, grande cacimX *J* ba, cum bomba e tanque coberto *: jjj para bariho bastantes arvoredos do Jjr 9 fructo : na ra do Col legin. 16, so£J O gundo andar. 9 ooooooc ooooooooo Moinhos de vento uoin bombas de repuebo para rogar borlas d baixas decapim : vendem-se na fundiglo de Howinan & Me. Callum, na ra do llruiii na. 6,8 e 10. Antigo deposito de cal virgem. Na ra do Trapiche, n. I-, ha muito superior ca nova em pedra, chegada ltimamente de Lisboa Tnlxu.s pun engcillio. Na fundiglo de Trro da ra do Itrum, acaba-se de roceborum completo sortlmonto de taixas de 3 a 8 palmos de bocea, as quaes achnm-se a venda por prego commodo, e com proniptido embarcam-se, ou carregam-so em carrossem despezas ao comprador. -Vendem-se cera em velas fabricadas em Lisboa c no Iliode Janeiro, em caixas de ioo libras sortidas, de i a 16 em libra, etambeni de un s tamanho, por menos preco do que em outra qualquer parte : trata-se no escriptorio de Machado & l'inheiro, na ra do Vigario n. 19, segundo andar. POTASSA DA RUSSIA. ho armazem de Jos Teixeira liasto, na ro do Trapiche n. 17, Farinha de mandioca. A maia nova e mail barata farinha de mandioca que ha no mrcalo, vende-se Da ra da Cruz do Recito, armazem n. 13, de J0S0 Carlos Augusto da Silva. Deposito ln fabrica de Turtos os Santos 11a lialila. Vende-se, em cata de N. O. Bieber&C., na ra da Cruz n. 4, algodo transado daquella fabrica, muito proprio para saceos de aasucar e roupa de escravos, por prego rom, modo. — Vendem-se selins e silhdes inglezes, de como de porco, da primara qualidade: em casa de Adamson liovvie & C'ompanhia, na ra do Trapiche u. Ja. — Vende-se superior farinha de mandioca de Santa Catharina, chegada ltimamente a bordo do patacho Euterpe, fundeado defronte do caes do Ramos : trata-se a bordo do mesmo ou na ra do Apollo armazem n. i/j, r na ra da Cruz armazem n. 33, com S Ara ojo. Armazem de louca vidrada. Comosejam : panel las, cagarolas, lijellas, assadores, fregideiras, papeiros, alguidares, talhas paradoc;, vasos para llores, jarros, quartmhas, garrafas, copos, moringues, resfriadeiras ; ludo lino pararesfriar agoa, balaios para meuinas andarem, ditos para costura e compras, baldes de piuho, condegas de todos os Unannos : na ra da Cadcia do Recife 11. 8. Mocndas saperiorea. Na fundiglo de C. Starr l Companhia, em S.-Amaro, acbam-sea venda moendas de canna, todas de ferro, de um modelo e construcgSo muilo superior Presan toa a Vendem-se prezunlos americanos, muito superiores e por barato prego : no caes da Alian le.'.1, armazem defronto da srvore. — Vende-se no armazem da ra da Cruz n. 48, os seguinteo gneros a precos commodos : — fras— Vende-se, traspassa-se, ou faz-se qualquer outra trauaaccSo com a loja, que foi do fallecido Jos Pinto da Fonseca e Silva, antiga loja de Guerra Silva & Companhia, na ra Nova n. 11, a fallar com J. Keller & Companhia, ra ra da Cruz n. 55. Q Vende-so na loja l'ernambucana da Q O ra do Crespo n. 11, superiores cha0 <¡> pos italianos, ricamente enfeila-, •3 dos para meninos de ambos os sesos, n — 1, %  ande so lmenlo de lilis, longos, luyas, iils, transs e franjas para luto : no aterro da Boa-Vista loja n. 1. -•Na ruadasCruzes n. 22, segundo andar, vende-se um escravo pardo, de linda figura, de 28 annos, proprio para o campo, o um lido ereoulo de 22 annos, ptimo canoeiro, e trea pretas de meia idade qne cosinham, e lavam do sabao, e sSo ptimas quitandeiras. — Vendo-se champagne da marca antiga e bem couliecida, Comet, em casa de Deaue Yule iv companhia ¡ na ra da Cadeia. -Vende-se urna bonita creoula, que coze, engomma e faz lavarinto, cosinba e tem encllente conducta, herecolhida e aprenden na escola o que sabe de costura, tem 18 annos deidad, ppropria para mucamba de casa ; tambero se vende um muleque ereoulo de 10 annos do idade, proprio para qualquer oOicio : na ra larga do Itozario n. 35, loja. — Vendem-se amarras Ue ferro: na ra da Senzalla nova n. 42. — Vende-se um piano com muito boas vozes, e por prego muilo em eonla : na ra larga rio Itozarioon.28 armazem dolougase dir quem vende, na mesms loja se dir quem d 200,000 rs. a premio sobre penbor de ouro. Obras llespanholas. A llliisliae.nl e outias diversas e interessantes publicagOes da biblioteca universal de Madrid — muito baratas ccriptas em lio ni typo, escolenle papel, e com muitas superiores gravuras : vendem-se na casa n. 6, defronte do Trapiche novo, e loja de encadernagSo n 8, da ruado Collegio Obras porluguezas. 4 Leite sem agoa, A 200 /. a garrafa. Vende-se todos os das dis 6 ip horas as 7 da manlia t, na ra da Guia, junto ao acougue do Sr l'ilippe, e na ra da Cruz no liecife, prximo do armazein de J0S0 Carlos Augusto da Silva. Lotera do Rio de Janeiro. Aos ao 000,000 e lo:ooo,oooders O caufelista Salustino de Aquino Perreira, avisa ao respeitavel publico que no dia 19 a ao do correte mez, deve chegar do Sul o vapor da companhia brasileira e no dia aa o vapor inglez Tay, conductores das listas da segunda lotera do Hospicio de Pedro Segundo, e da 19. lotera do Theatro de S. Pedro de Alcntara, que correu no dia 4 deste mez, e paga unmediatamente logo que receber as j \%3e!s 8 uma obra de Tito Livio, Iraduzida em francez, propria paraprofesso¡ Vendern-se bolinhos franoeloja de zes, chegado de prximo do HaAttenc3o Na ra do Collegio n. miudesas. vre de Grace no brigue CetaV Vender-se as seguales estampa em coamito nronrios nara rh n.l. Ieccoes completas ; Mathilde irmo de R¡• J'wp para cna, pela Sua cardo, rei de Inglaterra, Fernando Coitez excellente qualidade fi genuino nano Megico, o Filho Prodigo, o. Igoez de Casladar : na ra da Cruz dn n_ • tro, Fgaro, o Conde Paladial e Mazeppa, r a „ mo .. m j iJ KeC| Masamelloou a HovoIt4dos Napolitanos. Ie armazem de moldados o. 6a eomotamhem de muilos santos a saber: S. de Mariocl Francisco Marlin. Ignacio, S. Lourengo, S Heonorino, 8, Fei rm3 „ "lartins & ln,8. Vicente, 8.Etev8o, S. Izidorio, S. ¡ rmd Andr, S. Caetano, S. ItomAo, Sr. da Graqa, I Bom petisCO' pura a testa S. Victor,S.Reque,S. Eugenio, S.Anasta-I Vendem-se leitOes multo gordos' -. co, S. Esco asteo, S. Agustinho, 8. Fi hpnrios oara as cnmnr am u.T,i„ • P r P e.>. Apolonia, S.'c.audio, S. MaHa, S.M^¡Xt^ .Tndl,.?dc A)?" 0 ¡ "' Isto he o diabo noel S. Luis, S. Crespim e S. Crespinian.o, S. Joaquim, S, Jos, S. Jeronymo, S. Mauricio, S. Bartholomeu. Wl Arte de nadar. r tjf Vende-se ossa utii invengSo pelo di* tp ff Pernanbucana, da ra do Crespo, t imexc amava — lato he o diabopornm S n. 11. ""I P r n oviJeDC i ? ue J •o. nZZ Wkia^WWWiiiWWNa P"ejes>inconveDlentea,poiaj chegou p, Pentes de tartaruga para prender cabello, a '* ."•''ra Dom papel de pezo pautado pro4,500 rs. Pfo Para c„t.s j vende-se n. ra do CoitoVendem-se na roa do Quelmado n. 1, logiJ 0 l' 1 "encaderoagao n. 8. Assimdizia urna pessoa que Droeiimn 1 escevr urna car,, ."toda a WJt^Z". (Jo ach.do a pauta tinha escripto sem ell, „ pasaabdo pelo desgoslo de ver que as li„h estavflo tao direitas como a ra Dinita ¡ 11 hn n .1: .L 1 f ./'eos de vi iro Com bocea larca de" Revista universal Lisboense, jornal de Ulna para vender, nova e superior ,. %  leratura, historia de Portugal pelo distinelo potassa da Hussia, chegada recend'^rsos tamanhos, latas com bo..¡ptoral.xandr. Hercu1.no, bMorlado lacninhas de A II %  •man li \ multo noconsulado e do Imperio de ^apolsao, revista teniente. altruismo m „¡in fnn ,.„, Inr militar o Jornal do pharmacia eseieneia as-Vendem-se velas deespernucete, em as > %  %  %  muuo uno c.111 uar Icessorias : vendo-sena casa 11. 6 defronte do caixas, de superior qualidade : em casa de ricas, zarcao e secante em barri-, Trapiche novo, e na ruado Collegio, loja mflr e o &C0mp,nl, ,: ru,d Cru "-,'cai, pedra hume em barricas, esda nedernacao n. 8 mero 55. Jr — Vende-so cabos de hnho e de manilha Principios geraes de economia pu-, sei, ct a s de canella, cravo czimbro, de tolas as grossuras, e superior qualidade, blica e industrial. sevadinha cm garrafes e sal de Vnnde-se este compendio, approvado para ''psem muito alvo em barricas, as aulas de primeiras letras, a 480rs.: na 1 Farinha fontana praga da Independencia, liviana 11. t; e s.. .I,_,.J. .m—.—._>. „„,„„, .'„ %  •. • • 1 chegada ltimamente: om casa rio J, J. TasCasa ue commissao de escravos. so Jnior, na ra do imorim n. 35. Vendem-se escravos e recebemPazendas para senhora, por baraje de commissao, tanto paro a pro1 1 preco. vilicia Como para fm della, para Cambraias de sal JICOS brancose decr.a o que se ollerece mui.as garantas Jff ^oT. % ¡^'Xr^'i a seus donos ; na ra da Cacimba vara; ditas co.ii listrusdecra 3,ooors.,a n. Ii, primeiro andar. Deposito (ie cal e potassa. No armazem da ra da Cadeia doltecile n. ia, ha muito superior cal de Lisboa, em pedra, assim como potassa chegada ultimatransado com listras, a 180 rs. mente, a precos muilo rasoaveis. Cres P n 6 Deposto'de cal virgem. ~ Vende-se em esa de ACuoba & Amorim, vendem harria com cal damson liovvie & Companhia, na cm pedra, chegada ltimamente de Lisboa, ra do irapicllC n. ] %  >. panno de U barca Margarida, por menos prego do a |„ 0 Ja 0 Iiara sarrn HP assiirar que em outra qualquer parle: na ra da CaJ, 6 0Ud I' ar .a saceos ae assucar pega com 8 varas; casta pela a 100 is. cova lo ; corles de cassas pinladas.a 2,000 o cortes de chita com 12 cova los, a 1,920 o 1,800 rs. ; lencos do finsima camhraia de linlio, a 480. 560o 40; ditos de cambraia do algodao com bico, a 440 rs. ; iuartes de cor muilo cncorpados, a 200 rs. ; dito azi.es cum 4 l|2 vaias, a 200 rs. ; e algodSo na ra do inglez de ouna ra dcia do Kecife n. 50. AGEiNCIA da fundicao Low-31oor. UUA DA sl.\/..M.I..\ NOVA N. 42. Dicste estabeleeimento contina a liaver um completo sortimento de moendas o meias moendas para engenho, machinas de vapor, e taixas de ferro batido e coado, ue todos os tamanhos, para dito. Agencia de Edwin Maw. Na ra (le Apollo n. 6, arinaiem de Me. Calmom.v Companhia, acha-se coutlanlemeolc bous aorlimcntos de uixa de ferro coado e balido, tauto rasa como., fundas, moendas ineiras todas de ferro rr£r':i~aQ¡maes, agoa, ele, ditas para armar em madeira de lodos os tamanhos e inadellos o mais moderno, machina horlsonlal para vapor, com forca de 4 cavallos, coucoa, passadeiras de frro estanhado para casa de pulgar, por menos preco que oz de cobre, cscoveus para navios, ferro ingles tanto em barras como cm arcos folbas, e tudo por barato prcro. — Vendem-se ro eprata, patente da Senzalla Nova n. .'¡1. Arados de Ierro. Vendem-se arados de diversos modelos, assim como americanos com cambo de sicupira e bracos da ferro .* na fundicao da ra do lia-11111 ns. 6, 8 e 10. Bombas de ierro. Vendem-se bombas de repuso, pndulas e picota para cacimba : na ra do Brum ns. C, 8 e 10, liimJico de ierro. PECIUNCUA. Anda existe urna pequea quantia das superiores colxas de lioho, do melhor gosto que tem apparecido no mercado, pelo barato preco de IO.OOO rs. cada urna : na ra do (Jucimado, loja n. 17. Arados de ferro. Ni fundicao di Aurora, em s. Amaro, vendem-se arados de ferro de diversos modelos. muito superior e bjrato. Velas de carnauba em libras. Vendem-se velas de carnauba imitando espermacele : na loja do s den n da ra da Cadeia doltecifo n. 36. Para jardns. M. Rodrigos na ra do Trapicho n. 26, recebeu urna completa collecgSo de adornos para jardins, cumposta do vasos de louga, brancos e pintados de todos os tamanhos e modellos. Figuras representando as cstagOcs do anno, as partes do Globo e todos os eoses da fbula, que recommenda a quem liver bom gosto, e porpregos muilo rasoaveis. DEVEUES DOS UOMfiNS, a 5oo rs. Vonde-se este compendio aprovado para as aulas, em meia encadernagSo, a 500 rs oda um: na livraria n. 6 e8, da praga da Independencia. Vendem-so barris de oitavo com vinho tinto da companhia dos vinhos do Alto Douro : a fallar com Antonio Francisco do Moraes, agente daquclia companhia, ou no Recifo na travessa da Madre do Dos, armazem do Sr. Jos Joaquim Das Fernandes. No mes no armazem tambem tem pipas, meias dilas, o barris de quarto com vinho da un:-mi companhia; a lallar com os moj%  "02 2C!!7:2. (hilas linas a 1G0 rs. o covado. VenJem-se chitas linas de cores fixas de bonitos padrfles a meia pataca o covado, cortes do vestidos de cambraia lisa a 2,560 rs. cada um : na ra do Queimado n. 8, loja defrootc da bolica. chumbo em barra, sacas com I u %  din muito novo por ter vindo pelo ultimo navio do Havre, champgne muilo superior, serveja em cestos de duza, caixas de cem latas com sardinhas om azeite, e pennas d'ago muito boas 1 tudo por commodos pregos : na ra do Trapicha novo n. 11. escritorio de J. li. Lisserre c Companhia. — \ende-scoleo de linhaca cm botijas : a tratar com Manoel da Silua Santos, no caes da Alfandedo Anes. listas, sem descont algum todos e quaesquer premios que sahirem nos lu lie tes, meios, quartos, oitavos e vigsimos, vendidos na pra9a da Independencia ns. i3 c i5, loja decalcado do Arantes, e na ra da Cadeia do Kecife n. 46, loja de miudezas. Os apaixonados deste tao licito jogo devem habilitar-se quanto antes, ou tentarem a sua sorte em virtude da fesla esi tar porta. -MIMOS bilhetCS Quartos Dita vos Vigsimos O Na ra do Crespo n. a3, O C Vendem-se cortes de casemiras, chejg O gados pelo ultimo navio vindo de V 9 I'i.inei, padrOes da ultima moda, & O proprios para a Testa, a 5,000 rs.. .'.;> 9 M'nteTteseoapotinhoaT • 0 mais modernos manteletes, 4 •9 potlnhos e palitos pretos e de cores 2 m que ha 00 mercado vendem-se na loja do sobrado amarollo nos quatro can• tos da ruadoQieimodon. 39. Urna molatinha de 15 annos,"bonita'l' gura costureira eengotnmadeira.propna ni ra *e apphcar ao sarvigo de qualquer farni11,000 5,5oo 2,8oO i.3oo res 1 na praga da Independencia n. 17. l.u vas de pe ica para senhora, a 1,000 rs. 1 Vendem-se na ra doQueimadi n. 16, loja de miudezas. Luvas de pelica para liomom, a 1,000 rs. Vendem-se na ra do Queimado n. 16, loja de|miudezas. Bonitas luvas de trogal, a 800 rs. Vendem-se na ra do Queimado o. 16, lo'".P 0 r muito domestlot; no armazem ja de miudezas. ra Nova n 67. 8m( Bengalas de baleia, a 1,700 rs. ^^^^Jr^^^^^^f^amBsMslBi^^^Ba Vendem-se na ra do Queimado n. 16, loHiSCraVOS hipidos, ja de miudezas. j !" Chicotinhos, a 600 rs. BOA GRAT1FICACAO' "" Vendem-se bonitos chicolinhos,a 600 rs.: ; i,.,..,,,, %  na ra do Queimado n. 16. Ausentou-se na noite de 2-j de I.uvas de fio da escocia, a 200 rs. outubro passado O mulato Ce dVSSSZ? !" ***" 1 "" 0 *-"' 10 "<>. ao annos dedade Koncts do panno lino, a .soo rs. [ pouco mais ou menos, magro, alrs.yrrdoQ O u n et.tr,T f ln0 • %  • 8(,0 %  • regular, tem muito pequeo 00<3000GO^QOOOOOO n.l. lios, e ua mesma fabrica, se vendo assucar Para cubrir mesas. ronn ',w'n^. e fl c n l i oi:ode l ^ a i q r u 'h d,d ?., 1 j • j i -corretor Oliveira tendo de fechar alVenile-se Oleado pintado de sugumas contas, vende em particular, difJeperior qualidade e lindos padroes, renle9 ob J ,' a s de mirceneiro, consistindo em '. snfaz, cadeiras, ditas do balango, banquiue qnalro a Olio palmos (le largura nhas, mezas re Ion las, dita para sof, conpr preco mais barato do que em solos conmoda, toucador, carteira etc., .1 tanto do ¡.......;,.!,! como u .n iii. i outra qualquer parte : na pirca da piano, lanternasde bom goslo, candieiros Independencia ns. a,a6, a8e3o, de globo, vasos para llores, lindos estojos Mli r"i para costura do Sra, e carleiras do lliro ^"'"V" 10 para buhles de visitas, visto nHo serem Vendem-se suporiores charutos regala, sullicientes para um loiliio : no seu escripde unta das melhores fabricas da Bahis, cm torio, ra da Cadeia do Rcifu. caixas de 100 charutos a 2,500 rs. cada urna; —Vende-se urna escrava robusta e*de — Vende-se vinho de champa-laaocnegadaa de prximo: na ra do Trabonita ligura.d-se mais om conta com lannhe legitimo C de superior quali?! N *?. n a 8 toque saja para fra da provincia, ouenm Vendem-se e alugam-se bichas, che0) gadas ultiuiamenle de Hamburgo, por Qy prego commodo: na rui de S. Amaro aja n. 28. "— Vende-seos bem conhecidos queijos doCear, mu frescaes, no largo doLIvramento n 20. — Vende-se um carro de quatro rodas, muito leve, para um ou doos cavados: na cocheira do -Miguel Soogei no aterro da Boa Vista. dade : cm casa de J. Keller & Companhia, na ra da Cruz n. 55. — Vendem-se superiores batatas inglezas, reconlemenle cliegadas a 600 rs. a arroba : no caes da alfandega, armazem de Francisco Dias Fcrreira. — Vende-se a bordo do brigue Rufina fundeado defronto do caes do Collegio, boa farinha de Santa Catharina, em purgues: trata-se a bordo, ou na ra da Cadeia n. 39, com Amorim IrmSos. Batatas do Porto, a 3ao rs. a arroba. Vendem-se batatas muito boas, a 320 rs. a arroba : no armazem n. 19, da travessa da Madre de Dos. Na ra larga do Hozario n. 2a, segundo andar, Vendo-se urna mulatinha de 16 annos, linda figura, e coze muito bem, urna negra do 16 annos, tambem com principios de costura, duas dilas de 25 a 30 annos com habilidades, dous muleques de 14 annos, um mulati nliii de 15, um mulecole de t5 annos.linda figura, dous negros bons trsbalhadores de euchada, um negro velho muito robusto, proprio para sitio, e um mulato de 30 annos, linda figura, proprio para feilor por ter boa conducta, e por eslar para isso habilitado. — Vende-se saccas com superior colla,das fabricas do Rio erando do Sul, e a prego achaques : na ra da Concordia quem vem como odo, no armazem, do Das l'ei leira I da ponte a eaquerda segunda casa terrea, se ao pe da alfandega. dir quem vende. Garlos llardv, ourives ra Nova genho longo: a Iratar na ra de Santa Rita n 34 D 85 "•*• — Vendem-se canarios de imperio, muiivlil a seus freguezes que acaba recobr de lo bons contadores, chegados ltimamente lilium (•tiln 1 1 1 ,1. 1 1 i,. ,1,,... 1 ....__ %  > %  ^. u Pars un lindo sortimcnlo e obras de ouro de le de bom gosto, consistindo em adoregos pilleen as, alfineles e brincos soltos para senhora o meninas, bolOes de camisa, aueis para senhora o tem um sorlimento doobras ditas da torra, vende-so eslas obras por prego commodo : na mesma loja lem para vender aos ourives esmalte azul e prelo.boa qualidade, ca lillas francezas sortidas, ferro iealimpersolda,artnagao,scroie, torno de to robusta e de bonita figura, sendo do mumo e massaricos, e pedra de desunir, t0 boa condigao : a tratar na ra do Fogo .„• Do i Ce 8eCC0 a I '_ %  >.• P Vende-se um elegante No passeio publico, na casa n. 2 que faz KS^MSgfr' bem construido cabriole! quina com o trapiche do Ramos, faz-sedoJ ^E S JWfWl com um cavallo, e tarace secco de todas as qualidades, sendo o de bem troca-se por algum escravo, ouro. ou caj muito claro, enfeitam-se bocetas a causa de idntico valor: na cocheira do ouvontade dos compradores, assim como doce rengo ra da Guia de calda de todas as qualidades por commo.. Vende-se superior manleiga ingleza a do preco. ... 560 rs. a libra : em Olinda, padara do VaCera de carnauba e barricas va-ias. radouro. do Porlo pela barca Nossa Senhora da Boa Viagem %  no pateo da Santa Cruz n. 6. Diamantes para vidraceiro. Chegou urna pequea porgo de superior qualidade : vende-se na ra do Trapiche Novo n. 16. -Vendo-se ou troca-ae por outra, que entenda mais do cozinha, urna escrava muiVendo-se cera de carnauba, chogada pelo ultimo navio de Aracaty, por prego commodo, no armazem n. 4 da ra do Trapiche Novo, confronte ao mosmo trapiche; o barricas asas prompta a encher-se de assucar, assim como um completo sorlimento de miudezas, tudo no mesmo armazem. Aobom e barato. Na ra Nova loja de alfaiato da quina que volta para a ra das Trincheiras n. 1, venden-so palitos de mirin a 15,000 rs., ditos de casineta de coros muito proprios para francezes para bomom ultima moda a 7,000 rs., e oulras muitas fazeodas, que na mesma loja se vendom por pregos nunca vistos. -Vende-se urna prela moga, ptima lavadeira e cosinheira, de bonita figura, bastante robusta o excellenie para todo o servigo : aira/, da matriz de Santo Antonio, no segundo andar do sobrado n. 18 por cima da 1 vetida. Aos senliorcs de engenho e casas particulares. No armazem do Sr. Antonio Annos no caes ida iliandega, vende-se bacalhao de Noruc[gaem tinas o melhor que tem vindoaesle mercado, superior inglez por ser corado com melhor sal, vende-se por 6,000 rs. a lina. Quem n5o comprar. Sapatos novos de coo.ro de lustro para senhora a 1,500 o par, brozoguins para as tnesmas a 12 patacas o par, oalojos grandes e pequeos para costura, ditos muito finos para barba, proprios para se levar om viagem, urna rica carteira para homem, lanternas mgicas, lindissimas calzas para guardar joias, urna rica e importante caixa de costura digna do se fazer dola presente a urna senhora de gosto, Illas de veludo, Uvelas de cinteiro, finissimos extractos para os lengos das bellas, e oulros muilos objectos de gosto para bonicos e souhoras, chegados de Franga pelo ultimo navio : Da ra da Cadeia do Recife 11,19. m Ven le-se na loja l'ernambucana da t§ ra do Crespo 11. 11, pura seda de a* W lindos padrOes a 800 rs. o covado ; 3 taf a.un como sedas escocesas a 500rs.. W mmmmmmummmwwtttwwmtwm — Vendem-se escravos baratos, moros e de bonitas figuras molecotes, negros mocos, negras muito bonitas e mocas, duas negrinhas de 7 annos, muito lindas, um ptimo sapateiro de a5 annos de cortdr e fazer qualquer obra : na ra das Larangeiras n. i4, aegundo andar. Ba da Gruz n. 4o, primeiro andar. Vende-se superior fumo em fardos e muito barato. Lindas caixas de amendoas confeitadas. Na ra do Queimado n. 16, loja de miudezas, vendem-se mu lindas caixas com amendoas confeitadas, por menos prego do quoem outra qualquer parte. Bonets francezes. Vendem-se bonets do panno fino, francezes, de muito bom gosto, proprios para a fesla 1 na ra larga 00 Rozario n. 20. Luvas brancas do torca!. Vendem-se luvas branca de lorcal, muito linas, chegadas ltimamente do Lisboa : na ra larga do Rozario n. 20. Chapelinhas para meninas. Vendem-se chapelinhas de palba da Italia, finas, para meninas : na ra larga do Rozario n. 20. Bebique. Vendem-se papis de rebique, multo fino a 140 rs.; dito enterQuo, a 80 rs.: na ra larga do Rozario n. 20. Franjas para manteletes. Vendem-se ricas franjas para manteletes, por muito commodo prego: na ra larga do Koiario n 20. Attencao. Na loja de miudezas 11. 5, no principio do aterro da Boa Vista, defronte do runileiro, montana a 11,000 rs e caigas, colletes e veudom-se magos de fes qualidaJoi o launa bU Hp InHua'ni n,\i lldariaa .,. ~ Ni .:_. -" Husimajuj -• Vende-se urna parda escura do 20 a 24 J1 uel 9 ,' le todas ¡as qualidades, assim co-¡ baratinhos pregos anuos de idad, pouco mais ou menos, enmo I !" 1 '} 05 ue Drim: luJ o por prego muito gomma, cozee cosinha, notem vicios nem CODl010( 0 por Luvas de pelica. Vndese luvas de pelica de cores proprias 111.11. 1 para montana, pelo commoJo prego do 800 Vondcm-o dados de trarfim, muito flrs.: na ra do Coljegio n. 1, loja de miu\a : 11. mi lama ,1,, I'... -..,.. .. on I j_ • v "•' u Dados de ma -so dados de tw nos: na ra larga do Rozario n.'ao. buco de barba e falla muito mansa, quando anda parece que nSo pisa bem com os calcanhares, costuma andar calcado e bem vestido, levou urna trocha de sua roupa, inclusive calca e ¡aqueta de panno fino azul, e alem do mais algum calcado, um par de borzegains pardos, com botoes de madreperola brancos, e consta, que levara um cavallo, qne naquella occasiao alugra, o qual tem os signaes seguales : — castanjio, barrigudo, dinas pretas, gordo e tem um taIho em urna anca; he provavel que queira passar por forro, he bolieiro e escravo de Luiz Antonio Siqueira : quem o pegar leve-o a ra da Cadeia do Recife n. ai, quesera recompensado. — Desappareceu na tarde do dia !3do passado um escravo por nome Joaquim tem os signaos seguidles: boa estatura, representa ter 35 annos de idade, falla desembarazada, pos grandes, lem todos os dentes da frente, nariz cbato, quando anda esta la as juntas dos joelhos, levou camisa de algodosiobo branco, caiga do dito azul, esle escravo foi do mato: quem o pegar leve-o a typograpbia imparcial a fallar com a viuva Roma que ser recompensado. 5o,ooo rs. De 15 para 16 de novembro de 1851 desappareceu do engenho Aguas Claras de Uruc> da freguezia de Escada, o escravo Venancio, de Angola, que muito parece crilo, Idade 25 28 annos, cor fulla, bonita figura, altura regular, ebeio do corpo, pernas e bragos grogos, rosto gordo, e arredondado, testa grande, olhos grandes, e amortecidos, lem falla de muitos dentes na frente, do lado superior, poucos cabellos no lingo, equeixo, tem marcas de chicote as costas, e de surras asnadigas, parece ser serio, e muito humilde, falla com multa maosidoe arrstalo faz-se; Innocente, lio chegado a furtos, e costuma mudar de trago, ( por furto de roupa que faz) de mudar o nome, dizer-ae forro, oulras vozes procurando quemo apadrinhe, ou quem o compre : levou camisa de madapolo, calca de brim trangado de lislra pardas, j desbotado, chapeo uzado de cou-o, cobertor grogo de listras azues escuras, e um faci que tomn de um muleque carreiro, do engenho Moclo. Este escravo passou pelos engenhos Arando doSr. Minool Flix, Amparo e Moclo, ha vendo pedido aos senhores dos dous ltimos engenhos cartas que o padrinhasse, em que foi sstisfeito, e nao obstante fugir leudo seguido para o engenbo Minhocas, da donde prezuma-se ter partido para o Brejo da Madre de Dos, onda foi escravo do Sr. Cordeiro, conhecido por Abado, a quem pode-se o favor, de se chegar a sou coiiheclmeoto a sua estada ali, fazer aproender, remoller ou avisar a seu Sr., poodo-o neste caso na cadeia, assim como roga a qnalquerquoo pegar, de leva-lo ao dito engenho ao seu Sr. Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponce de Len, ou na ra Direita n. 14 caaa de Jos Pinto da Costa, que recebera a gratillcaco mencionada; e tambem pelo prozenteprotesta-se com todo rigor, contra qualquer que o conservar em seu poder. — Desappareceu no dia 10 do correte da povoigode Bebiribe urna prela por nome Joaquina a qual julga-so que tonha vindo para o Recife e ande,por fura de portas a qual tem ossignaesseguintesibaixa,olhos papudos que parece eslar bebada.liuicos encarnadas, faltadedenlesna frente, bragosepernasgrogo, levou vestido de riscadoroioesahiO sem pa 1111,1 pessoa que a pegar leve na esquina do lieco largo sobrado n.24,que ser recompensado. — Fugio desde o dia 8 do correle urna prela escrava, creoula, do nome Tnereza,esta tura regular, corpo ebeio, nadegas grandes, pescogo groiso, padece de cravos nos ps, e lem urna marca preta ao lado do nariz, levou vestido de riscado azul,sem panno, porm talve tenha mudado de roupa : quem a pegar e levar no caos da alfandega, armazem n. 5, ou no aterro da Boa-Vistan. 19 que sera bem recompensado. 30,000 rs., ae gralilicagoDesappareceu no da 15 de julho do corrente anno um muleque crioulo de nome Paulino de idade de 10 annos pouco mais ou menos,cor amarelada por ter vicio de comer Ierra,naris chato e feio levou camisa do algodaosinho suja e caiga da riscado, sem chapen, esle escravo pertence ao Sr. Antonio Jacinto da Silveira de Una ; quem o pegar 1 ve-n a ra da Cacimba n. 11 ou a ra do Livramento n. 26 segundo andar que receber a gralilicago a cima, eso protesta cnnt'a quom o liver oculto. %  V. VA rviDI: M I >r t v.



PAGE 1

" da qual lie capitSo Rodrigo Joaquim Corris, anda recebe alguma carga a frete e passageiros para os quae> tem encllenles comniodos: quem na mesma quizar carregar, ou ir de passagem, entenda-se com o referido capitfio, na praca do ('ommercio, oucorn Novaos & Companhia, na ra do Trapiche n 34; assim como at o dia aa apreaentarao no mesmo escriptorio as contas do referido navio. -Freta-so para qualquer porlo doMedit.-naneo o brigue ingles Salla-Roolh,.capiISo JoSo Maciaravich : trata-se em casa Ce Manoel do Nascimento Pereira, ra do TraE iche o. 13, ou com o capilSo na pra? ou a ordo. — Para o Acaracu' segu viagem al o dia 20 do correlo, o hiale.nacional hgula llrulitttra, a quem no mesmo quizar carregar oo hir de passagem, dirija-ie ao escriptorio de Manoel Gonfalves da Silva, ou a bordo: a tratar com o capullo no trapiche do algodlo. Para o Rio de Janeiro e Montevideo. Sahe com multa brevidade o veleiro patacho brasileiro Bella Aila, por j ter metade da carga prompia para Montevideo %  quem no raeamo quizer carregar para qualquer iliis portos, ir de passagem ou embarcar escravos para o Rio de Janeiro, drija-se a ra da Cruz n. 40: • tratar com Hanoel Alves Guerra Jnior, ou com o capitSo Hanoel Jos de Sena Martina ua praca do commercio — Para a Bahia sahe por estes 8 dias o hiale Caprichoso, de 40 tonelladas, bem construido e mullo velleiro, com bonscommodos para passageiros; quem no mesmo quizer carregar ou ir do passagem, dinja-se a pra^a do Corpo Sanio n. 2, prlmeiro andar, ou a ra da Madre de Dos, armazem de Vicente Ferreira da Costa. Para o Ass segu viagem no dia 24 do correnle a galeota SS. Tnndado quem na meama quizer carregar ou ir de passagem, dirlja-se ao escri|itorio de Francisco Alves da Cunha & companhia : na ra do Vigario. — Para o Rio de Janeiro pertende seguir viagem com multa brevidade, o patacho nacional Uargarida, cap tilo Florencio Francisco Mirque-. : quem no mesmo quizer carregar, ou hir de passagem e embarcar ascravos, pode enlender-se com o consignatario Luiz Jos de Sa Araujo, na ra da Cruz n 33. — Para o Porto, segu com toda a brevidade, a barca portugueza Espirito Sanio, capilSo JoSo Carlos Teixeira ; quem na mesma quizer carregar ou'ir de passagem dirija-se aoescriplorio de Francisco Alves da Cunha & Companhia, na ra do Vigario PARA O RIO DE JANEIRO. Sahe com a maior brevidade possivel por tor parte de seu carregamento prompto, o veleiro brigue nacional Rio Ave : quem no mesmo quizer carregar, ir de passagem, para o que tem bons comino dos, ou embarcar escravos a frete entenda-se com o capitfio do mesmo brigue, Elias Jos Alves, na praca do l'ommercio, ou com os consignatarios Novoes 8c Companhia, na ra do Trapiche n. 3-1 -• Para o Havre sahe com muita brevidade a galera franceza Edilh, capilflo Poulct, por ter a maior parte do seu carregamenlo prompto ¡quem na mesma quizer carregar o restante, ou ir de passagem, pode entender-secomo mesmo capilfio ou com os consignatarios Schafheitlin & Tobler, na ra da Cruz n. 38. — Para a Babia pretende seguir com muita brevidade o hiate brasileiro Exltelo, meslre, Antonio .Manuel Alfonso : quem no mesmo quizer carregar ou ir de passagem, pode eotender-ae com o mesmo mestre, no trapiche do algodSo, ou com S Araujo, na ra da Cruz n. 33. Preclaa-ae alugar urna preta para o sois a quem ellas tem curado de phtisica, servico interno e externo de urna casa de influencia, catarros, indigesloes, dispepcia, pequea familia : na ra Nova n. 8. dores de cueca, dores ou pezo na nuca, — D. Simona libada de Faria, sub.lita que geralmente silo simptomas de apopleshespaiihola retira-se para o Rio de Janeiro, ,cia. ictericia, febras intermitentes, b — precisa-se de um cosinheiro forro ou -' 3 captivo : na ra da UniSo, na casa de Bernardo de Oliveira Mello : a tratar com o mesmo. — O 9.' batalhfio da infantaria necessita contratar o forneci ment de lodos os generos de que se deve com por o rancho de auaa pracaa, no semestre decorr r de Janeiro junho do anno entrante : quem quizer lies gneros fornecer poder-ae-ha apresenlar escarlatinas, febro amarella, e toda a rlasae da febres, asma, gota, rheumaliamo, enormidades nervozas, dores oo ligado, pleuresa, debilidade interior, ab ti ment de espirito, roturas, inflamjpacoes, inchacOes dosolhos, accidentes', parlisis, hidropesa, bexiga, sarampo, onfermMAdes dos meninos : toase de toda a oissXe, clicas, colera-morbua, dor de paira, lombrigas, desiateria, s ir le, vagados de cab % %  t¡/¡. erisipela, no dia 33 do correnle, na respectiva aecreUulceras algulas de SO aapa, oancroa, tumores, inchacOes nos pos e partas, alnjorreimas, er'UpfSo Oo pello, sonhos hurrivois, pezadollos, tolas as qualidade* de drese molestias de mulherea, como abstrucrjOes, relacliacOesetc, lie um medicamento inleiramente inofensivo pudendo applicr-se at ascreancaa recemnaaidas ; ltimamente se tem sppllcado, a urna enferwiJade de molestias julgadaa encuraveis, de cuja appltjelof* tem tirado t3o felizes resultados que pareca cada vez mais rezolvido o problema de um remedio universal, veudem-se com o seu receituario, na ra da Cadea-Vclha D. 61, botica de — Vicente ¡ot de Drtlo. — Preciaa-se de urna ama para o sorviQO de casa e de 2 pessoas que entendfio de fazer vellas de caroauba;na ra do Codorniz venda n. 25, se dir quem quer. — No da 20 do crrante Ir prac.a um terreno com bem le tonase urna casa terrea, e outra meia-agoa na travessa da ra Auifusla, por exrcucSo de Mathous Austin iv Companhia, contra os herdeiroa do M inoel Francisco GuimarSas. parante o Sr. I)r. juiz municipal da segunda vara, he a ultima praca. — Peda-se ao auctor do annuncio publicado em o Diario de sexta-feira 12 do correnle. em que diz f'a appreheodido em o lugar denominado Pedra Tapada, um escravo creoulo, e robusto ¡ que baja de declarar a que freguesia, ou comarca pertcnce o dito lugar Pedra Tapada. — Hanoel da Silva Santos, exporta para o Rio de Janeiro, a aua escrava Anastacia cabra. — Est para se alugar a casa terrea da ladeira di Misericordia em Olinda, prompta e pintada denovo.lrata-se na ra do Mundo-Novo n. SO, ou mesmo em Olinda ra de Manas Ferreira n. 28, onde se acham as chaves para ver. Atiene, 3c. N. O. Bieber & Companhia, consignatarios dos navios abaixo mencionados, tedero as pessoas qne receberam a orden), os volumes seguinles de declararem seus nomes para se poder rec 'ber os fretes dos ditos voluntes : pelo brigue hamburguax Olinda, vindo de Hambugo, um volume marca Ke M n 823, conteudo agulhas, carregadores Schl'uter & Maia K, e pela barca belga Luuiza, vinda de Antoerpia marca D & C ns. 5,7, 15,15 1|2, 16 l|2-0-00, carregadorea Sieins & erard, 26 barricas, contendo pregos. — O thesoureiro da ¡rmandade do Divino Espirito Santo, pede a Lcilao. — O corrector Miguel Carneiro, far o ultimo lelllo eate auno no seu armazem na ra do Trapiche n. 40, lerc.a-feira 23 do corrente aa 9 1|2 horas ta manhSa, de diversos Irastes oovos e usados, pianos, mesas com ricas pedraa, urna cadeira alaatica com es lano para ler, selins e silhoes lustres, candieiros, quadroa com estampas, louca, v¡dios, relogioa, espingardas, eoutros muitos objeclos, que se se entregara por qualquer preco que lr oOerecido: e adveile-se as pessoas quetlvercm objectos com limites, de na virem'tirar antes u di a do lei lao. Avisos diversos. — 0 abaixo assignado nSo deixa a digna arena da discussBo para se metter no charco ptrido das injurias. Se o Sr. anonymo quer que loe moatre segunda vez que osta em erro, tire a viscira de boticario, e se apresente com dignidado de medico e de homem,n |U O 1 1 UIU t", U U 1 > 2 .< 1 O lilil I'" de do MI.IU a qu.nti. de 475,000ra que, l§rt „,'„, d cqu.d. rendodaloaqu.,dir,ja-searualargadoRo|R orUulo m ^, ^ ura ¡ na aa 10 horas da manilla, trazendo suas propostas em carta feictiada e expeciflc.nlo logo o ultimo prego Os generoa sao, piles de 6 oncaa, caf, aasucar branco, nunteiga, carnes verde e secca, bacalho, feijlo, farinha, toucinho, sal, lenha, azeiledoae, vinagre e arroz. Previne-so desde j que todos estes gneros arlo "de excellentequalidadea, e quepassailo porum escrupuloso exame ao serem recolhldos ao quarlel, para onde irSo noa dias 14 e 29 de cada mei, am face do calculo, ou vale, que se Ihes apresenlar, enneitando-se aquelles que nSo aatiaflzerem as condiccOes do contracto, que aera formal. Os car retos serSo pagos expensas dos fornecedores. — Quew precisir do um padre para dizer as missas de natal nenia prar;a, ou fra pouco distante della : dinja-se a ra de Santa Rita n. 97, que se dir quem he. -Aluga-sa urna casa terrea na povoacSo doMonteiro, para ae paasar a feala, com banho i e J lo. com 2 quarlos, 2 salas e quintal soffrivel : quem a pretender, dirija-so ao paleo da Riheira n. 3. — A meaa regndora da irmsndade do Clorioso Patriarcha S.Jos de Agonia, accusando a recepc,3o de um olllcio da c -mandada do Divino Espirito Santo, no qual nos convida para acompanhar a procissSo do mesmo Divino Senhor, que tem da ser trasladado do convento de S. Antonio para a igreja de.N. S. da ConceicSo dos Militare i, na tarde de 21 do correnle; cum gran le jubilo, previne aos seus amados irmlos, para que no mesmo dia as 2 horas da larde ae reunam em o nosso consistorio para o mesmo fim cima menciooado. -Fugio da casa da ra do Trapicho n. 34, na nuute de 18 do crrente, um galo maltez, grande, com o cabo e orellus cortadas, sendo urna dellas mais rento que a outra, foi visto ir pan a ra da Cruz : a quem o entregar na referida casa roceber de gratilicafSo 10.0000 rs. — O advogado Slanoel Jos Pereira de Mello, passou seu escriptorio para o sobrado n. 21, da ra Nova, segundo andar. — O Sr. Domingos Corris, ou seu mano Bernardino Corroa, tem cartas de sua familia : na ra do Trapiche o. 26, casa de M. Duarte Rodriguea. -Deseja-se fallar com o Sr. Francisco Pereira da Silva, sobre negocio de seu interesse : na ra da Madre de Dos, loja n. 34. Portugal. BOfcETIM MKNSAL. Supplemento a Reviita Popular. Vai aaliir luz e aera renetiido no prximo paquete de Janeiro de 1852, um Boletim, esneci.lmeutedeaiinado para o Urasd, que todos os irm5os, que n5o poderem contera urna noticia resumida, maa exacia, acompanhar a procisso da traslados fCtosolUciaes do governo, das sesses J... -i mpsiua irmandade e tidas cmaras, edas principies novidades de oatao aa mesina irmanaaat, e ui.i.-i.ni e provincia do Reino, al data da j verem capas em seu poder, de fapuhiicaQSo. „„.„„„ „„. zerem o obsequio de as mandar enSalnra regularmente um numero na ves• *^T~* e i pora da partida do paquete inglez para o Iregar ao inicie andador, sem lalUr si| ta nenhujia : assim como, toga as Preco da asaignatura por 19 nmeros —, *, 1,000 rs., muda crrente. pessoas que ti verem de mandar meO porto da cada folba pelo paqueto he de nios, para ireiu na dita procis50rs., moda forte om LisbOa, oaqui bode „„_,„„„.„;„ io rs. sao d os mandarempara ocousisQuem quizer receber pelo paquete deve torio da irmandade, no convento mandar pagar, com a assignatura, a impor, o i.'-anriipo nn dominfo 31 tanciaprovavel do porto NBo se Hxa a quanue c 'l rancisco, no uumuigo ai ta, porque o volumo do Boletim depende do correnle, pelas 10 oras da niado numero e importancia das noticias h fim j vesl irem. Quem nSo quizer abonar, com o valor da „„.;„„:,.„ assiguatura, a importancia do porle, rece" ?<• %  '"->?> ""> "P az Para caixo ro, bera a folh. pelos navios de vela, DI mal. ¡uer-se lu e d, .gente : na ra da Cade., docorreio. ue S. Antonio n. 13. A empresa da Revista Popular garante a Madame Houtier. modista francepublicai;3o ilo Boletim por um anno. h se M lr protegido proseguir sem limite. *> "3 >"ua ova n. >8, As assignaluras recebem-se, no Recife Novamente acaba de recabar pelo Casar, ulInja n. 40, da ra da Cadeia, e na casa n. 6 timo navio vindo do Havre, um lindo sortidefronte do Trapiche Novo, e no bairro de ment de fazendas francez fec ¡ sa 8e d e uma ama: na — Osr. Jlo Vinssimo, meslre de alfaiatol v j a r que morou na ra do Vigario,queira annunra das AgOS Verdes n. 80, Segun— Noberto Joaquim Jos Cuedes, remelle para o Ri de Janeiro, a sua escrava parda, de nome Bernarda, idado de 20 anno., pouco mais, ou menos. -Offaioce-se uro frenrez, que sabe cozitil ar perfeitamente para eozinbar em qualquer casa particular : na livrarian. 6e 8, da praca da Independencia. a casa de modas francezas, de Buessard Millochati, no aterro da Boa-Vista n. i. acaba-so de receber pelo Perntmbuco ultimo navio vindo doMIavre, um lindo sortimento de modas de Paria; como sejam ricos chapeos de seda e de palha para senhoraa, chapeos de montara,dito de palha para meninos emeninas, manlelhetes e capotilhos de seda de cores e pretos, mantas e lencos de seda de retroz, e de cores um lindo escoIhimenlo do bordados, cabeces, roroeiros, camisinliisa capotinhos da bico bordados, ricas litas para cinto e chapeos, flores finas paracaaameotoeonfeitesde vestidos da bai1 %  -, I o tas de pelica para senhora, entalles para as ditas,pulceira de filas,trancas e franjas para vestido, e manlelheles, eaparlilhos finos, bicos e galops de seda de cores, tuneados ricos para bailes o theatfos, luvas de se la muilo finas, e multas unirs fazendas de gosto, que su venderlo muito em coula. 2 barris com liquido da marca S. A ppu rocera m e-las 2 liar ns no i inora, Indos por engao em um dos navios que seguios esse porlo : quem se julgar com direito aos mesmos dirija-se ao lado do Corpo Sanio loja do Massames n. 25, qui ah achara yessoa que diga quom toroou conta — Precisa -se do utna ama deleite, forra ou captiva : quem estiver nestas circumslancias, dirija-se a ra do Hospicio n. 31. — Roga-se ao Sr. Cuilherme Jorge da Multa, que antes de rolu-ar-so, queira ir a ra do Raugel n. 36, a negocio de sea interesso. — Quem tiver e quizer vender urna tipoia, quer nova, ou usada : queira aununciar por esta Tulha. -• Precisa-seda um moleque de 16 a 18 annos, para o -en ico de uma casa de pouca familia : na ra Nova n. 36, casa docutileiro. --Offerece-se um bom mol-quo para servico de uma casa : na ra Velha n. 77. — Na ra do Vigano n. 33, precisa-se de n 'i caixeiro, que lenha pratica de venda; a na mesma casa ven lum-se redes do Maranno de cores e gustos elegantes, por preco cumulado. Aisocafflo C.ommercial de fernambuco. A ilirecco a re^ueriaieutos de mais da dous tercos dos socios elfectivos, convoca assembla geral para o da 8 do Janeiro da 1852, pelas 12 horas do dia, para reforme de estatutos. Madama Kidoux, modista franceza, itdi-iu ¡Nov i n. 69, primeiro andar. Tem a honra de annanciar ao respeitavel publico, que se achara seinpre aa casa della um sortimento mirto rico de chapeos de seda 'ii, turbantes, grinaldas, capellas, flores, plumas de todas aa cores, e outros quaesquer envites de cabera para baile e tbealro, o lambem se achara cliapeos e flores promptos para luto, tudo pelo preco mais commodo. cra'ilic.ieao. llavera pouco mais ou meno9 dous mezes quesa entregou um pelo para levar em cesa do Sr. Vignes, qun vendo pianos na ra larg do Rozarlo, am livro velho sem capa, contend) varias e ;,is de canloria em Italiana e Ingle/, livro foi embrulhauo num Diario velhu. a pi-ssoa a quem foi entregue por engao, quoiendo restituir, dinja-se a casa do Sr. Giuardo II. Wy.tt : ra do Trapiche novo n. 18,que ser muito bem romunerado. -Precisasode uma criada, smente para o servico do cozinha e compras, para uma casa de muilo pouca familia : na ra do Rozarlo da Boa-Vista, sobrado o. 32. — Alaga-M a loja n i5, darua do Crespo, e garante-se o arrendamiento pelo lempo que convier a quem comprar a armacSo da mesma loja : a tratir na ra di Gaci.r sua morada ou dinjir-sa a liviana n. 6 e 8 di praea da independencia. Para quem quizer saudc. Aluga-se uma casa nnsaudavul Cachando andar. — Hanoel de Almeida Lopes, com casa de consignado para comprar e vender escravos, tanto para esta provincia, como paga, coin bastantes quarlos, cocheira eostri-| ra fora della, mudou a sua residencia da baria : na ra Nova n. 63. ra da Cadeia do Recife, n.5!, para a ra —Precisa se alugar um preto. da Cacimba, n. 11, aonde morou o finado • 1 D •• • Exm. vigario. Brrelo,onde continua, olleque saiba cozmnar o ordinario e reC endo-se toda a segunmea precisa para os fazer o mais servico da urna casa mesmos e bom tratamenlo. de rapazes solteiros : quem tiver I — Precisa-se alugar uma escraanouncie. I va ( l ue se j a uoa cosinheira e com-Precisase de um caixeiro, de 12 a 14 pradeira, : quem a tiver dirija-se annos, que lenha alguma pratica da venda,' a rua Ja Assumpcao OU muro da Madama liosa ilardy, modista brozileia na rua Nova n. 34. Previne-se aos lreguez.es que recebeo pelo navio Pernambuco, um bello sorlimcnio ao acto. ....Ka porlanlo a mesa regedura a lodus os zario n. 20,pr.meiro andar.ou a rua do, (.res-1 limauJ g8 „. comparecer a lodos Pon. 11, queachar com quem faca trans.c-, esleg gclos> conv B llIa aos aereados cleri8 ,? r *' iu ._. J. gos, que queiram acompanhar a dita proOlferooe-so uma mulher para ama de cjssa0 CO m P ,recer as horas com pe ten lea da chrpos de seda franzida.e ligas de pecasa, a qual sabe multo bem cosinhar, e en| na ¡ ., 00g re |¡ g i oso ue SlI)l0 Antonio, nacho e flores ; para senhoraa e mocinhas gommar, ludo com muita perfeigao : na rua j AJer e se m is i 0 ,i osos fi P is devotos que do 6 at 12 annos, lir.dissimos chapos do as Laranjeiras n. 9. o emblema do Divino Espirito Santo ficara grosdo aple fraasidos a moda, de flores -O novo batalnaode inlanlana, em %  <*-( eXi(0S i 0 | 10 corpo da igreja a veneracSo dos ou penachos, de abas grandes para menino dilamenlo o-nnoncto de hontem, faz sen : mesalus „, 05 p B1 ;o deSdi.s.e so aisoibuida 1 .lo.niio, ricos capotilhos prelo e lira qualquer poss a que queira fornecer r¡0 me¡il „ lodos que forem ve sita-Io, de cores, modelos novos, o multo enfeitaus pai a o rancho, que logo que escon g er?iI1 do ae para isso a igreja a iji.lg.dospelos mdicos, nocivos a ag „, 9 nor „ dt noJl9 r estarem corruptos ou fals ficados, ^ No dji 7 do oorrenle deg berta al os gneros pai les sejam j saode por esiarem corrupios 011 laqueamos, ^ „„ „„ „ fi licaro sujeilos a urna mulla de 200.000 rs.; d ^,, „_ „ „, da 8o | edllg0 cam fi la ^ preslarao .anca idnea 5 e unll8 Dog dcdog tB d0 eorrent de -Vicente Novella retira-se para fora do ferro no pe queiIlo ; ch *, r e quizer restituir imperto. > rg re compeusado, pois he bem coabecido Avizo a rapaziada. al pelo fallar. O propietario da CODfeilaria da ruaos-, -i>o dia 20 do correnle se hado arrematar liii la do" Rozario faz vera rapaziaie, que embasta publica do Or.jniz municipalda ssdeixou de abrir a sua luja na capunga 00 dia gunda vara uma porcSo do prala e ouro em 14 do cnenle como i.avia annunciad 1 por obra, um escravo e mais bens coiislantedo motivos de molestia, mais agora novamente escriplo onsteute ero nulo do porteiro por aununcia para 21 empretorivelmenle, dasll esecucSo de luso dos Santos Souza Luis horas do da as 10 da ooile, afim de satis-Precisa-se alagar dous moleques, pagalazer os apetites de mullo pessua apaixomao bem ; oa rua da MocJa n. 21, primeiro dos do abacaxi (andar. — Precisa-so de um caixeiro que lenha' AV1Z0 SATISFACTORIO, pratica deloja de Miudazas paga-se bom orO abaixo assignado ageotedo Dr. Braoilenado : quem estiver nestas circunstancias dreth, faz sciente ao respeitavel publico iiirija-se travessa da Rua do Rozario loja que pelo btigue americano James Crosby, de miudezas n. 18,que se dir quem precisa, de Boslon entrado no oorrenle mez, rece— Ptccisa-se de um caixeiro de 11 a 14 bou novo provimaolode pilulas vegetaes de annos de idade, que d Dador a sua coadyoseu proprio author; eslaa celebres pilulas, 1 •• noattrroda Boa-Tista n. 73, aorecommendadas por milbarcs de pesdos ; ricos cliapo8 de palha para senhora enfeitadose sem enfeites, chapeosinhos de palha para meninos e meninas, ricos cories de soda bronca lavrada para nuivaa, veos e capellas; gros de aples furia-coras para vestidos e capotilhos, franjas e transas da meama cor, para os enfeitar: na mesma loja tem um completo sorlimento de fazendas ao uso ilas senhoras, ja annunciadas, e laz-sedeencommenda vealidoa, capotinho, e vesiidinho de baptiaado por preco commodo. -Joaquim Munleiro Cruz, embarca para o Rio de Janeiro, a sua escrava, de nome Luiza, creoula. — Acha-se farinha nova de SSSF, (de raminha) para vendar, nos rmaseos de Deane Foule & Cumpanhia, no beccodeGoncalves. -Precisa-se de uma ama forra ou ca preferindo-se dos chegados ullimamoole : na rua do Pilar n. 131. -D. da Silva GuimarSos, embarca para o Rio da Janeiro, a sua escrava creoula, por nomeTheroza. i-iillil .'iil^ iliiiA, (ICUtiatii %  fruiii-<-/.. offerece en prest• • mono publico para tollosos • ^| III- iris rte sua protlsso: •* &f pode ser pi-ocm-ado a quala> 0 quer hora em sua casa & rua larga do Rozarlo, 11. fr> segundo andar. Penha n. 16. — O Sr.Bernardo de Albuquerque FernandesGama, queira man¡dar pagara subscrico deste Diario. — Precisa-se alugar uma preta escrava, para servico de muito pouca familia: na 'Ponti Velha n. 14. Compras. tiva, para fazer o servirjo da uma casa de de pouca familia : na rua Imperial n. 13. pouca familia : em Fra de Portas, rua do ¡ — Precisa-se de um homem que trabalho Pilarn. 72, segando andar. [em um sitio, perto desla prafa : na rua do — A seuDOra D. Izabe! Mara da Encama-1 Passeio, loja a. 13. co, annuncieasua morada para ser procu-Precisa-se de um bom aniassador: na rada a negocio de seu interesso. rua Imperial n. 37. n a .a) —— O ^ --Compra-se na rua das t neos n. 22, se<> gundo andar, 3 escravas de 16 a 20 anuos Ja) Mt2 ''Vi'fcaj|i*i*l1*a<* • creoulas, ou pardas, de bonitas figuras, paM 1 I 1 „ !" mucambas, sabendo rerfeitamento onllotet no :Uoiileno. I gommar, cozerchSa, eozinbar o lavar, agraDomingo, 16 do passado, abrio-se este cstabelecimento com as seguintes proporcijes: llilhare sorvete, aos domingos e dias sanos a tarde. Sala mobiliada e indepemlente, para as familias, que indo a paaseio quizerem descansar. Quarlos preparados para dormida. !.;,." v-s.i o bbm ,.,., di sala .' %  • ¡r.".'i '[, com capacidade de servir a 40 pessoas. Soiti para recreo e passaio. Estribara e arrafl|os para cavalio. Coolida mensal e avulso, preparam-se jantares e pro/untos, aluga-se lour;a, vidros bandejas, eto. elo. Tudo por preco" muito rasoavel, e acontentes. — Em a primeira audiencia do lllm. Sr. Dr. juiz dos faitos, se arrematarSo por ven da, por execucSo da fazenda provincial, 9 sobrados de 2 a 11 lares 11. 30, sitos no pateo Jo hospital do Paraso; avallados caja um em 7:000,000 rs : por exeeucSo que niove a mesma fazenda, contra o coronel Jos Pedro Veloso da Stlveira ¡trala panellas de 10115a branca do uao de botica, avaliadaa por 30,000 ra. ; por execucSo que more a mesma fazenda, contra Leticia Mara da C -C pr e c?s...e de ama am. par um. cas, i 1 8 com o'd !" ^ "<-e c prodando paga-se bem. — Compram-seeBcravos e vendem-sede cii'.-.miss.i.i, para dentro e fra da provincia : na rua da Cacimba, sobrado u. 11, onde morou o Sr. vigario do Recife. t^y Compram-se escravos de ambos os sexos, de 6 a 3o annos, para fra da provincia paga-se bem tendo bonitas figuras: na roa das Larangeiras n. 14, no segundo andar, a qualquer hora do da. — Compram-sa trastes usados de todas as qualidades,e tambero se trocam por novos: na rua Nova armazem de trastes do Pinto, defroVta da rua de S. Amaro. .. Compra-se uma oorrenle de ouro, para relogio -. aa rua larga do Rozario n. 26. Vendas. F0LU1RHAS PARA i85a. Vendetn-se Iblhinhas de porta .le padre, e de algibeira de tres diflerentes qualidades, sendo uma delvincta: vendem-se nicamente na praea da independencia n. 6 e 8. Bom gosto. Ricas caxinlias onfeitadas oom lagos de,.., lilas e llores, choias deamendoas comfoitac.deraacflo n, 8. das, ptimas para se darem de fastas, pelo bartlissimo preco do 2,500, 4,000, e 4,500 ra.: oa rua do Queimado loja de miudezas junto a do cora, n 33 Sao muito lindos. Jarros de porcelana dourados proprio para flores, pelo diminuto preco de ,009 e 3,500 rs. o par, figuras dito de dito a S,# rs o par, lindos pozos para por sobre papis a 1,500, 2,000. 2,500 rs. : na rua do Queimado loja do miudezas junto a de cera, o. 33. Lavas para homem e senhora. Vendem-se luvas de seda de cores que muito imitSo as de pelica, o melhor que ha luvas pelo baratissimo preco de 1,800 rs,, ditaa de pelica para homem e senhora que se allane, ser da melhor qualidade qua podo I 11 r, pelo colimo lo preco de 1,000 rs.: estas luvas vendem-se por este preco, por se ter comprado porco grande; ditas 1I1tisile ditas prelaa fechadas com dedos para senbora e homem a 500 rs. o par ; ditas do torcal sem dedoa a 240 rs. o par : na rua do Queimado loja de miudezas junio a de cera, n.33 Aneis de cornalina para homem. Vendem-se os muito dez jados aneis de cornalina para humeas pelo baratissimo pro (o de 610 rs. : na rua do Queimado loja do miudezas junto a de cera. n. 33. Papel para namorados. Vende se muito lindo papel e capas muito proprios para os Srs. namoradoa, e por que proco .'so, 120, 160 e 200 rs. a follia, 1 iinlieui lia resmas eun 20 quadernos de papel de muilo bonitas cores que ae vendein p o sin) rs., preco quo faz admirar: na rua do Queimado loja de miudezas junto a de cera, n 33. Bom e barato. Vende-so arroz da casca muito superior a 2,400 rs. o alqueire da medida velha : aa rua do Itangel n 63. Casticaes dourados a i,5oo rs. o psr. Veudcm-se na rua estreita do Rozario, travessa do Qaei nado, loja de miudezas n. 2 A, junto ao deposito de pSo. — Vendem-se ua rua do Queimado n. 19, cortes de vestidos com barra a 4,000 rs.; venhain ver a fazenda antes que se acabe, que l'az admirar fazenda por osle prefo. — Vende-se a padaria nova do Manguinho com todos os sens pertencos : quem a pretednder dinja-saa mesma. — Na rua Nova n. 5o, venden se os seguintes gneros ultimamente chegados queijos suissos muilo frescos a 56o rs.j dito francei aiors. ; londrino a 720 rs.; queijos llamengos muito novos e outros muitos gneros ltimamente recebidos ; assim como licor de marrasquino muito superior. — Contina a vender-so manteiga franceza, nova, a 560 rs.; dita ingleza, a 640 rs. ; bauha de porco, a 400 rs.; caf a 140 rs.; cha, a 1,600,1,920 e 2,400 rs. ; bolactiinba ingleza, a 200 rs.; dila quadrada, a 240 rs. ; sevadinha, a 160 rs ; sevada, a 100 ra. ; farinha do M.ii-.niiiao, aSO rs. ; passas a 280 rs.; figos, a -200 rs. ; chocolate, a 320 rs. ; carnauba de 6 e 9 em libra, a 280 rs.; esperla ce te di 6 e 5m libra, a 720 rs,; toucinho de Lisboa, a 280 rs.; arroz do MaranhSo, 80 rs.; Ilnguleat, a4l)0 rs. ; paios, a 240 rs. ; saiveja, a 4,500 rs. a duzia, o queijos novos trncales, a 1,000 rs. i no paleo do Carmo, venda nova o. a. Pecliincha. VenJem-se superiores batatas, a 500 rs. a canastra, com o p -so de uma arroba o tanto de batatas, e em libras, a 20 rs. : oa rua Direit i, venia n. 76 e 78. Salsa muito nova e superior, vinda no S.Salvador; chumbo de munido; massos de papel&o da lodos os nmeros e em qualquor porc.3u: na rua do Trapiche n. 26, casa de M. Duarte Rodrigues. —Vende-se uma cabrinha, de 12 aonos da idade, sem vicio e muito sadia : a tralar em Olinda, em casa de JoSo Bernardo Braga na rua do Amparo defroote do sobrado do ponto. Gom dinheiro vista. Vende-se orno atterro da Boa-Vista o. 43, o seguinte; manteiga ingleza da melhor 800 rs., dita franceza 640 rs.,chado melhor 2,000 rs.,d ilo 1,920 dito preto do melhor quo ha neste mercado a 1920 a libra, tem 3 ombrulhos|chinezes,o ombrulho por 640 rs,espermacete 640 rs,carnauba 280 rs., sevadinha 160 rs.,ervilh.s a 120,letria 160 rs, arroz pilado 80 rs. tapioca 80 rs. farinha de araruta 120 rs Chocolata 323 rs,assucar refinado pelo diminuto preco de 80 rs. a libra, e a 100 rs. milho 120 rs., arroz de casca 120 rs., feijSo molatinho 320 rs ii pista 960 rs.,palazo 560 rs., azeite doce 480 rs. vinagre booa 80 rs., dito de Lisboa 140 rs.,queijos 800 rs., carne do sertSo 200 rs., linguic.as do mesmo 200 rs., bolacinha ingleza 160 rs., call de enroco 140 rs., azeitonos 240 rs. a garrafa, e tudo mais por diminuto pceo, de ludo se d amostras. Sao francezesVendem-se na rua estreita do Rozario, travessa para o Queimado n. 39. A superiores bolinhas francezas de diverjas qualidades chegadas estes dias de Pars, tambera se vende latas da aramia, biscoutiaho latas o mais ii .li, iqualidades, tudo por preco commodo, oaununciante pede ao respeilaVel publico, aiteneSo. Na rua fiova lo\a/ranela n 10., tem um novo sortimento de fazendas de bom gosto, muito proprias'para o tempo de fasta, como sejam : cassa franceza muilo fina, chapos de seda ede palha abarlos e fechados, manlelhetes o capotinhos pretos o furta-cores, e de lil branco e preto, sedas furia-cores para vestidos, transase franjas do todas as cores e larguras, bicos de blondo, de linho, de seda, brancos e pretos, litas e floras de todas as qualidades, fil do ¡i ule i o MIiij'iniu mam,', preio, cor Ua rosa ; luvas do pelica edesada de todas as coi es, meias de seda e calcados de todas as qualidades ; na meama loja tem lalsgarca, seda frouxa para bordar de qualidade superior, um graude sorlimento da tolas as cores mais limas, assim como lila tambera para bordar; venle-sa tambero encerados largos e estretos multo superiores, cacos para viagem, e mais outras omitas fazendas todas por preco mais meconta do quo em outra qualquer parle. Aviso. Tem toda a qualidade de plvora, a qual se vende muito barata: a tralar no aterro di Boa-Vista, na loja do abaixe assignado. Manoel Jos HagalbSes Batios. Descripcao do Brasil. Vende-se a JiscnpcSo histrica do Brasil Colombia e Gueyanas pelo celebre esenptor l'r. Diniz traduzidoem portuguez,2 volumes com ricas estampas representando as pnncipaes cidades.usos e coslumesdos primairos povos do Brasil;vende-se por muilo commodo pra;o : na rua do Collegio loja de en


xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHL8UR769_ZUZAAF INGEST_TIME 2013-04-24T20:03:06Z PACKAGE AA00011611_07292
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES