Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07290


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AnnoXXVlI
Quinta-fcira 18
de I)ez(i!i*)rode 1351.
N. 286.
DIARIO DE 9 PERMMBim
bioo da soncniPijio.
Pagamento Amantado.
Por trimestre...........
por icmeitre t a.........
Tor anno ............
PAGO IIKNI lio BI/TK1NE8TBI.
Poi quartel '.......
0TICI4S DO lsercmo
Para..'..- 2 de Dezbr.MInas... iSdeNovbr.
Maranbo 7 de dito S.Paulo. lOdedito.
Ceari... -lOdedito. a. de J.. 25 de dito.
Parahiba. 15 "lo dito Babia... I de'Dexbr.
4/000
8/000
1S/J90
4/500
Da--da SEmanra.
15 Seg. 3. Euscbio Ver-
aelenie b. in.
ni Tere. 8. Albina.
17 Quart. S. flarlholo-
meu 9. Geuilolano.
18 Qulnt N. S. do O'.
19 Srxt. S. Fausta.
20 Sab. S.Doinin os.
21 Dom. 4. doadreoto.
S. Thomc.
' AUDIENCIA...
Julio de Orphaol
l.e5.is lOhorai.
1. varado civil.
3. e6. ao melo-dia.
_ Famia.
3. eB. i 10 horai.
2. vara do civil.
4. e aabadoa ao inelo-d.
Hilacho.
IV. v as c sbados.
iimitlDii,
Creiceote i 30, aa I horai e 55 minulos da ni
Chela a 8, a i hora e 8 mlnatoa da t.
Hingoante AIS, as 3 horas e (i minuto* da m.
Nova 22, a 1 hora e 14 minutos da tarde.
ruuuBsiaon
Primeira 1 hora e ll minutos da tarde.
Segunda i hora c 4? minulos da inanha.
VAxvriDAa .SOS OOBBCIOI.
Ooianna c Parahiba, s segundas e seitaa-
lelras.
Rio-Crande-do-Norte, todas as qulntas-feiras
ao mrio dia.
Garanhuna e Bonito, i 8 e 23.
Boa-Vista, e Flores, 13 e 28.
Vicloria, s qulnlaa-fciras.
piimli, todos os dias.
KOTJCIAI UTnANCEIBAI.
Portugal. l.i
Hespaoba. 8
Franja ... 8
Blgica...
Italia.... 31
Alemanba- *
Prussia ... *
Dinamarca 29
Russla... 28
Turqua. IX
dr >ovl)r
de dito
de dito
de dito |
deOutbr
dcN"rbr
de dito
de Oulbr
de dito
de tillo
Austria.. -' ile Novio
Suissa. .. 2 de dito.
Surcia... 28 de Outbr
Inglaterra 8 de Noabr.
"Unidos 2(i deOutbr.
Mxico... 15 de dito,
UAlifornia 12 de dito
Chlli. 8 de dllo
Kuenos-A. KtieNovbr
Montevideo 21 de Outbr
CAMBIOS 9B 7 DI DEZFWBHO.
Sobre Londres, a 29 d. p. lfOOO Firme
Paris, 331 por fr.
Lisboa, sem i. anaaccoes.
tWsi,
Ouro.Oncas bespanholaa.... a 28/H00
Uoedas de 6/400 vclhas. 16/D00 a 16/200
. de HJsOO novas. 16/000 a 16/200
* de4/DC0....... a/nona 9/I0O
Prata.Patacoes brasilelros.. 1/940 a 1/9>
Pesos columnarios... 1/920 a 1/970
Ditos mnicano...... 1/7*0 a 1/740

PERHAMBUCO
EI.EICAO PROVINCIAL.
Ilelacau don cidadfos votados para deputaios
provincias ptlocollegio eleiloral io munici-
pio do Hio Formoso.
O srs. voto.
Desembargador J. M. Figuoira de Mellb *3
l)r Francisco Rodrigues Sete *3
r. I.ouronco Avelino de A. *
Dr. Pedro Gaudiano de Ratis e Silva W
D\ Manoel Firmino dn Mello 38
Coronel Jos Pedro Vellozo da Silveira 36
Coronel Jos Antonio Pessoa do Mello 35
J .A. Lopes 35
Dr. Francisco Alies da Silva 35
Conselheiro A. P. Maciel Monteiro 33
Dr. J. d'Aquino Fonseca 31
Major JoSo V. Villela 31
Dr. Herculano Goocjlves ta Rocha 28
Dr. Caetino Estelila Cavalcanti P. W
Dr. V. Justiniano B. Cavalcsntl 20
Padre Viceale Ferreira deSiqoeira V. 25
Dr. P. F. de Paula C. de Albuquerquo 25
Padre Joaquim Pinto de Campos 25
Silvestre A. do Oliveira Mello 2*
CapilSo Manoel Antonio Marlins P. 21
Dr. Antonio Epaminondas de Mello 33
Tenente-cof9nel JoSo do Reg B. FalcSo 22
Dr. Cosme de S Perelra 22
JoSo Baplista C daCunha 22
F. Lins de Caldas 22
Dr.M. de Albuquerquc Machado 22
Dr. Rodrigo Castor de A. MaranliSo 22
Tenenle-coronel A. Carneiro Hachado l(. 21
TenetUe-eoronol F. C. de A. Maraiiliuo 20
Comiuandanle superior Z. da C. Bastos 20
Dr. A. F. P. de Carvalho 20
Dr. Joaquim Villela de C. Tavares 2o
Jos Pedro da Silva 2o
l'adro M. do S. Lopes Cama 20
Dr. Francisco de P. Baplisla 20
Dr. A. de V. H. do Drumond 19
Francisco do Reg Barros Brrelo 19
Dr. Jos Carduzo de Queiroz Fonseca 18
Tenenle-coronel R. JoSo Barata de A. 18
Dr. Antonio Baptista Gitirana 18
Dr. L. F. de A. Calando 18
Dr. Manoel de Souza Garca 18
Dr. Flix Theolonio da Silva CusmSo 18
Vigsrio Nemezo de S. Jo3o Guilberlo 18
Dr. Ilemelerio Jos V. da Silveira 17
Dr. Joo de S. Reis 1"
Dr. Jos Francisco de Paiva 16
Dr. Jos Raymundo da C. Menozet) 16
Dr. Cbrislovo Xavier Lopes 15
Dr. Jos Quiutino de Castro Lcflo 15
Major A. J de Oliveira 15
Dr. Joaquim Goncalves Lisia !?
Comtnendador D. Malaquias do A. P. F. 14
r. F. C. da Rocha 1*
Dr. Cypriano Feoellon C-A. 1*
Dr. F. A. de Oliveira Maciel 13
Francisco Kaphaal de Mello Reg 13
Dr. Dellino Augusto C. il A. 13
Dr. Francisco Carlos BrandSo 13
Vigario ge'al L. A. Meira llonriquc 12
Dr. Domingos de 5. Lc3o t|
Dr. Francisco Xavier I'ocs Brrelo 12
Dr. D. I.ouronco Vascurado ll
Carlos Jos Cavalcanti lo
Dr. Alvaro Barbalho Ucha Cavalcanti lo
Manoel Manrique Wmderley lo
Dr. Jos Francisco da Cosa Comes 10
Dr. A. Joaquim de Horaes e Silva lo
Dr. Angelo llenriques da Silva lo
Dr. Jos Joaquim de Barros Rogo lo
Dr. JoSo Francisco Doarte Jnior lo
UmbeliuoGuedes de Mello lo
Dr. Lourenco Caelano Pinlo 9
Jos Ignacio Soares de Macedo 9
EscrivSo Francisco de Barros Correa
Francisco J. de Barros Correa
Padre JoSo Capristano de Hen lonra
Vigario A. F. Goncalves Cui maraes
Dr. J. P. Monteiro de Andrade
Dr. Joaqun) do Souza Res
Dr. Joaquim Manoel Vioira de Mello
Escrivo F. C. de Brillo
Padre A. Jacome de Araujo
Bario de Suassuna
Coronel Francisco Jacintlio Poreira
Dr. Jos Rodrigues do Passo Jnior
Dr. C. Manoel da Silva GuimarSes
Dr. Alfonso Peros do A. MaranliSo
Dr. Jos Mara Miscozo di Veiga Pessoa
Dr. JoSo Lins Cavalcanli de A.
Dr. Victoriano do S Albuquerque
Dr. Francisco JtiSo Carriorro da Cotiha
Dr. ThomF. M. de Cslro
Vigario Venancio llenriquedeRezcndo
Dr. J. M. do Albuquerquo
Dr. A. Justiniano da Silva GuiroarScs
A.dosS. doS C.
Baro da Boa-Visla
Dr. Gaspar do M. V. do Drumond
Jo3o Manoel de I'. Wandorley Lins
Antonio Joaquim de Mello
Pedro Cavalcanti Wan lerley
Dr. Florencio do llritto e Mello
Bar3o do Capibaribe
Tenento-coroncl Franoisco Lopes Litnaf
Augusto Frederico do liveira
Dr. V. Joronymo Wanderloy
Dr. M. Cavalcanti do Albuquerquo
Dr. Francisco Joaquim Vitsl
Dr. Sergio Diniz de Souza Mallos
Antonio Marques de Amorim
Dr. JooHeftano A. Maciel
Padre Francisco Mtiniz Tavares
Dr. J. Eduarlo Pina
Dr. M. C. C. da Cunda
Desembargador F. P. Monteiro
Dr. J. P. M. Portella
Major Florencio Jos Carnciro Monteiro
Jos Maria Ramos Gurj3o
Coronel F. do Barros llego
J. M. C. da Cunda
Dr. I.J. de Souza Leflo
M. Jos do Almeida Pornambuco
Dr. Manoel Jos da Silva Naiva
D". C. Xavier Poreira do llritto
Dr. Jos Felippo doS. Le.1o
Dr. JoSo Francisco de Arruda FalcSo
Dr. JoSo Francisco da Silva Braga
Joaquim Francisco Diniz
CdristoviTo do Barros Lima
Coroinl F. \. C. Camboim
A. V. da S. Barroca
Dr, JoSo Jos Ferreira d Aguiar
D.'sembargador C. J. da S. S >nliar;<>
l'r. Antonio de Rouges l/ial
Dr. Marcos C. da Cmara Tamarin lo
Dr. Duarlo Coellio dn S o A.
I>r. Candido G. da Rocha
General Antonio C >rrei S ifcra
Dr. J. Thomaz Nabuco do Araujo
FOLHETIM.
ou
mEHIORAS DE Ufll MARIDO.o
POn EUGENIO 8UE.)
X.
Depois deminha conversacao com AndrcLc-
vasseur, liz com que me inettessein ua prisao,
c ocsla solidao devorei o prlmeiro voluincde
F...... Eslaleilura incendiaria introdusioa per-
lurbacao e o fogo em mcu saoguc assiin foi
o iluv .i para sempre desseccada em scu
germen por una precoxc c funesta cbullico
dosseulidos esta fresca fiordo primelro amor
que deve uin dia desabrochar em nosso cora-
co. Eti'nao devla conhecer esse senlimenlo
chelo de delicadeza, de pudor e de inystcrio
que nao se desenvolve seno uas almas inno-
centes.
Dcpots da leitura de F.....as yagas c candidas
n.iocfles despertadas em iiiiin vista de mada-
ma Itayinundo, tradiuirau-sc ein appetilcs
grosselros. Desde entao sent que um abysmo
linda sidoabertu entre miin e Joo ; um atirac-
iivo fatal me approximava pelo contrario de
A mil i- I.l'v.is-oui. Junto desta nit.nr/1 tao pre-
inaiuramcnle viciada, eume senta mais .. von-
tade c achava nellc um confidente, quaal Ulo
cumplicc de mcus meus peDsamentos.
Sahi da prisiio, c na primeira entrevista que
Uve com Joo ftayinuiido l'ui fri e constrangi-
do. Mu penetrante e aflectuoso, Haymundo
apercebeu-sc desta iiiudan;a que o fe sofl'rer
mimo; elle continuou a enganar-sc sobre a
causa deminha reserva.
Fernando, disse-me Joao Iriatcmentf, bem
vejo que nao meperdoas ininha falla de conli-
aaca.... Tua aQ'eisao n.-i he mais a luesma;
nao ecusuro tuaauceptibilidade; comprehen-
do-a, inasdesgra(adaineote naoposso satisfacer
sua exigencia. Ku julgava que roe conhecias
beiu e cspercl que licarias sallsfejto dizendo-te:
Possilo um segredo que o.io he meu a viva
necessidade de meu coraco seria nao ter nada
de m eolio para ti; mas urna dlscrlcio absoluta
me lie imposta ; slnto tanto issoqanto tu piu-
lo io. Tem conipanao de mim e la alleica
me consol la Mas assiin nio accontece ; tu le
apartas de luim, cu me resigno ... Adeos-... Ao
primciroappellodc tua amisade me tornars a
adiar como no pastado....
A anticuo de JoSo me peualisou, entretanto
senti-mesatisfeito de v-lo llludir-se asslm so-
bre a causa de meu rcsfrlainento deixei-o coi
seucrro, porquanto elic.poupava-nie o e'mba-
raco que inspira toda a posteo falsa, e esperci
com impaciencia o momento de lomar a a. liar-
me com Levasseur.
lCnlo, disse-inc este logo que inc avis-
lou, qiie hefeilo do F.....?
Tenho-o guardado, devorei-o todo, tu me
emprestars a continuacilo, nio he? Um dia de
prisio para ler cada volunte, nio he milito......
Bravo, Fernando, eis-aquicomo te amo....
e a marqueta de ti... que .ii/<- .lilla .'
Cl Tiit oDiario n. 281.
rrrr.m~:>> T
Correspondencia.
Srs. Rolaclores.Para qti no arrel'eQe
o ompenho que muilas pesaots lm, de vor
creada nosta provincia utna socindadn de
aggrirullura, e ontro laoto naja urna dase
para descorrer no meldor moio do sua crea-
q3o, digne-se publicar esso projeclo do es-
tatutos, com o que muito odrigar a seu
constante leilor o amigo.
Pilippa Mcnna Callado da Fonsecr.
>.io or falles nisso, cslou louco.
Em vez de ser lonco por urna personagem
imaginaria, o que nao rende nada, mcu pobre
Fernando, he meldor ser louco por Ulna pes-
soa real. .. o que nos rende alguiua cousa.
Que queres diicr, Andrc ?
Tu o sabes bem, visto que coras.
l'u '.... asseguro-te.... que....
i: scnli-me i.io perturbado que nao pude aca-
bar.
Vejamos, Fernando, somos amigos, dize
sim ou nao]
'I .-os conlianca em mim ?
Sim....
(fueres ser franco?
Sim,
Depois de um momento de silcuco, Andr
comunin :
__ Queres ter tambem tua marqueza de B...7
Ests escarnecendo de mim.... nio sei o
que emendes por ifso.
Oh! lu me coinprehendcs bem.. A pro-
vahe que esls ainda a corar. Oda, meu po-
bre Fernando, tenho d(i de ll.... lu quizeras
ler por marqueza de 11. .. ai... a madama Hay-
mundo, nao he ?
Andrc : calla-te. rxclamci eu quasi com
espanto..., oh! calla-lc!....
Ests amoroso de madama Bayinundo '
Andr.... supplico.te...
E lens rasao de estar amoroso dclla, poi
no meu ver, leus probabilidade de ser bem
succcdldo.
-- Que ests dizendo?
-- O que sei.
O que sabes, Andrc ?
Por ti mesino.
Por vcntuiadlssc-lc?
Muilas i oin.is iciu nada auipciiar, mcu
charo Fernando ; nao ests vendo, tenho mais
experiencia que tu ; ora pelo que me lens con-
tado de tua visita ein casa da mal de loo, pelo
inleresse que ella le leslciuuuhdu, pelos con-
selhos que te deu....
Como amigo de scu lildo....
-- i-.-i t loi.'i.i.', rcspoudeu Levasseur cotn
um sorrisu sordonico, cerlamcnie.... isso co-
mecaaempre assiin : ao principio turaam ares
malernaes, imam a gente como menino, o que
autorisa todas as sortea de familiaridades, cao
depois em uui bc'lo dia.... Coinprchendes nao
IWOiiel; te anda corar.... Kecorda-ie das
iiiaoeiras a principio lo malernaes damarque-
z'acom F..... e dize-mc a que isso os levou a
ambos?... A'felieldade,
Andr, tu alas louco.... Jamis em nimba
vida nao tere! urna tal felicidade. Tu nao co-
,phecea a madama Hayumudo.... tu le enga-
a*....
Obi quem madera estar oceulto em al-
gum canto para ludo ver, para ludo ouvir du-
rante essa refeico em casa de madama li '>
muudo cuto cusaberia se me engao ou nao
comquantoeslejacerto que me nu engao.
ijii.iuto a l.izcr-te assislir a notsa couver-
(aco, disse eu simplesuientc a Levasseur, na-
da be mais fcil; Icmbro-me das duas horas
que passei em casa da mi de Joo co suas me
ores particularidades, posso ludo contar-te...
ludo absolutamente.
Excedente idela, Fernando; eu verei con
leus odos, uuvirci com tcua ouvidos. Vamos,
dizc depressa.
Mas de que serve isso, Audr?
Gomo ?
Por ventura sei se quer se toruarei a ver
jamis a mi de Joao .'
PROJECTO DE ESTATUTOS PARA A SOCIE-
DADE DE ACGIUCULTURA DE PERNAM-
BUGU.
Cap. 1." A-l. !..
Objccto da sociedade.
Fundar urna escola theorica e pralioa de
aggricullura nesla provincia ; a escola timo-
nea, requerendo a sua crearo a assombla
geral o ao governo ; a escola practica esta-,
bellecendo-a a expensas dos socios e proteo
lores particulares. |
2. A escola practica ser fundada oca,
solo comprado pela aoci oUiie, onde se cul- t
tivarlo los productos vegetaes da America,
e os que lorem convenientes das outras par-
tes do mundo.
3. Na escola prallca lodos os trabaldos ]
rutes serSo executados segundo os proces-
sos mais modernos, abreviados o facis, em-
pregando ferramentas o miquinas, quo ali-
geirem o servico sogundo os melhodos
mais sperfoicoadosde outrns paizes. .
4. Na escola pratica so criarSo e propa- ,
garSo todos os animaos que poilcrem con-
vire enriquecer o paiz, quer paia moldo-,
rar as ragas exislcntos, quer para fazer a
acquisif 3o do novas.
i 5. Na escol. pralica existir um deposi-
to do maquinas e inslrutr.entos nggriculas
para servir de modellos eos agricultores
da provincia, o a quem o pretender.
6. Tambem na escola practica so procu -
rai incorporar o Jardim Botnico, que por
loi sanecionada deve ser criado.
7. O director o vico director da escola
pracl ca, so'So os mctres dessa escola.
Esta creara.) por tanto servir para so for-
ni ir.'in individuos suflicientcmento instru-1
dos nassciencias precisas para quo aaggri-'
cultura da provincia leuda o desenvolvi-
menlo, quo fr posaivel, o he do esperar;
sorvira tambara para instruir desdo logos
aggricultores actuaes.
CAPITULO a.
Orynni'jrico e instalar-i'o da sociedade.
8. Ccmpor-se-ha a sociedade, do t.nm. i
presidente da provincia, como prosidonte
nato da sociedade, creador o protector.
; 9. De todos os grandes aggricultores
desta provincia, considerados socios corres-
pondentes; do lodos os aggricultores de
segunda ordem que so inscreverom; o de lo-
dosos particulares,que se prestarem a esle
grende servico publico; os socios residentes
ua cidade, serSo socios elTectivos.
;. 10. Em quanlo se disculircm prc-
sonles. Esralutos, al sua dcfiniliva redac-
c3o o aprova(3o. ser a sociedade presidida
polo Exm. prosidonlo dola, ou polo seu
substituto, oprimoiro vico presidonte da
mesma sociedade.
Sil. Des leja se depositara o n lu .;ar i;n-
nnnea.l.i o a livro, quo ser considerado
matricula dos socios, e ontlc todos os quo
estiveroin no caso de concorrer so assigna- I
ram, o logo que o n. dellea cnegar a cem, o ,
Exm. presideuto da provincia convocar o
socio) signatarios para lugar o hora doler-|
minados.
S 12. Reunidos os socios signatarios, pro-'|
pora o bxm. presidilo a maioria devotos,'
oprimeiro, segundo, e lerceiro vices-presi-
dcnt.'s, o priinciro o segundo secretarios, e|
o thezourciro geral. Momeados esles o pri-
meiro secrclsrio lavrar a acta da sosso do
inaugura;ao e elletf.lo da sociedade, cm
folda volete, para ser langad i no livro com-
plenlo, terminando a acta com a designa-:
q3o do dia em que dove> ter lugar a soguinto
sessSo.
13. A instaladlo da sociedide so annun-!
ciar nos peridicos da proiincia continu-
ando as sess's at a completa aprovat;3o i
Porque raso esle temor?
Estou fri com Joo; elle be lodo mystc- .
rio, ha dias a esta parle, o que me tem penati-
aado mullo ; elle apercebeu-sc disso, c disse-
me que liaba um segredo que nao poda con-:
fiar-ine, eallllge-sc de vir-mc oll'endido de sua ,
reserva. i
Fernando qual he este segredo? A propo-
sito de que he este mysierio?
Ah l meu Dos, proposito de muilas cou- :
sas, rcspoudi eu (fazendo mentalmente alluso ;
apparico do hoincni de barba ionga, oceulto
sem duvlda na casa de madama Raymundo):
mas oque ha de ceno he que Joo, quando llie
i il la i ei de meu deaejo toruar. casa de sua mi,
parcccu-mc enibaracado, e d*se-me que nao
sabia quando poderla levar-me oulra vez la.
Esls vendo, Fernando, elle sabe de ludo.
Salic.... O que ?
Joao lajvcz pcrccbcssc que sua mai te
olliava com bous olhos, c se vexasse por isso
nao quer mais levar-te sua casa.
l'arecia-ine extraordinario que Joo tives-
sc estas suspellas ; todava pode ser... mas nao,
uo, elle he muito franco, c icr-iuc-liia dito o
que icm nocoraco.
Rcllecle que se trata de sua mal emen-
des, de sua mi, c nao se falla dessas cousas sc-
no na ultima exireiiml.i le ....
- Pddc ser que lenhas raso, Andr; mas
neslc caso nao me restara a meuor esperanca i
se Joo suspeila algtiina cousa, nao querer
por nada no mundo que cu torne sua casa.
E's ainda bem crlanea, incu pobre Feman-
do, se smenle isso le embaraca, t tranquil-
lo.... proiuello-lc achar rnelo de lazer-tc ver
madama Haymundo lanas vetes quantas qui-
zeres.
Tu?
Sim i mas antes de lud, e coiuquanto a
conducta de Joao a lodos os respeitos eja sig-
nificativa, importa que cu conheca at as mais
pequeas particularidades de IO entrevista
com madama Itaymuudo; isso lixar meu jui-
zo. Euto c como cslou cada ve/, mais persua-
dido, madama Raymundo quizer tratarle 00-
ino a madrluha de CSerobtro.... qnerU tratar
este gentil pagem, s Irauquillo, respondo por
la felicidad, seseguiresmeus couselhos; mas
importa que eu saiba ludo....
Com mullo goslo le coutarei ludo; oada
he maia fcil.
-- Equando digo absolutamente ludo, rer-
nando, coinprchcude-nie bem, fallo das mais
pequeas circunstancias de tua entrevista com
madama Raymundo, de sua maneira de vlvcr,
de sua familia, das pessoas que liveres podido
ver em casa della.... Ha causas que aot olhos
de um novico como tu, nada siguitlcain, eque
para mim, significaran! mullo. ra vamos,
Fernando, recorda bem las iembrancas, nada
esquecas, lu me repetirs al as particularida-
des que segundo creio, j me dcsles sobre tua
primeira visita casa de Joo.
Eiu minba estupida cegucira, conlel a Andre
esta visita, evocando miutias menores lembrau-
ca, nu ometlindo uem o Irophco composto de
ti tu feie de liclor coroado de um bonel phry-
gio, iieni o retrato, nem o sinsiro quadro que
eucerrava urna cainia cusaogueulada ; l'iii.n
tambera uo exaltaco de madama Raymundo a
respeito dos voluntaron da repblica; nao
i ouull alguiuas palavras trocadas eulre Joo c
I o liomeui de boncl de polica e de figura cnerg
'(ca, cuja phyionomia me linda lao vivameuie
jiinprcssionado, callei-me sOmenle sobre a sjp-
j parijao do hoinein de birbe Ionga; nao ecl
dos estatutos, que regularSo definitivamen-
te o n. de sesses mensaos.
CAPITULO 3.
Itrjimen da sociedade.
S14. Crear-se-ha urna comnvssSo do ro-
S 28. Ao primeiro secretario perlence to.-
il i a e-er:[t i; e.m .11 sociolade, a CXcaB^I
c*o da escriplurar;3o do contaliilidade, e
correspondonria extorna.
S 20. O segundo secretario substituir o
gimonlo, denominado directora geral oserA primeiro secretario nos scus impedimentos
composta do primeiro vicepresidente como om sissJo : incumb3-ldo a excripturac.no
dirctor geral, do primeiro e segundo secre- .externa o a do comptabilidale.
lariosj elloilose do Ihosoureiro geral, e S 30- Ihesoureiro goral be o nico res
pluralidade de votos dos soios protectores I ponsavel pelo cofre, eompeltirlde-lia exi-
se ellegerBoquatro vogaes, e todos esles gir as oase monsalidarlos dos socios, ar-
completarSo acommissSo. O director go-, recadar os donativos feitoi socioda.io,
ral lora o vol dequalidado. Todos os no-1 lano pelos socios protectores, como pelos
gocios da sociedade serSo rosolvidos por es-|bemfoilorcsoxtranlios, ministrando as cora-!
tacommissSo, acxcepcSodo que adianto ptenlos quitacOes.
cstabollece S 31- Servir de pagador geral scaiprc|
13. A directora geral cumpro raunir-so^que a ordem de paga-nento for autorisada,
ama vez por semana em casa propria para i pela directora geral.
ostefim, deaoisdo comnlriamonlo organi-j S :l-'- Alemdos livroereaiarioii para na*]
sada. Nesla primeira sessSo ordenar a im.,i operaees lera um livro subsua guarda ondej
O de 2009 ou mala cxomplares dos E-J!"*0. inf*.lodo5<" '""to' felospela di-1
preMlo
ttlutot para sorom.deslrbudospolosoc >s
S 16. Da todas as raunioes lavrara a com-
petente acta ein livro para isso destinado e
nclia quanlo sn tratar o rosolvor.
S 17. A directora cumpro fazir a oscolda
e compra do tirrono para a escola priclica
e Jardim llotanico ; contracto este, quo exi-
ge sor aprarova lo pelo Exm. presidenlo da
sociolade.
18. Nomear a directora o direrlor o
vico director da escola practica, nomcac,lo
tjmliemdopcndento diapprovac3> do Exm.
presidonlc da sociedade, designando-ld^s
os ordenados o gretilicaces.
^ 10. Mandara cont'actir na Europ, nSo
encontrando no paiz, dois liomons suflic!-
ontcmentc instruidos no uio o manejo dos
ultousisc maquinas de lavoura modernos.
S 20. .Mandara vir fcrramenlis, nslru-
mentosaratorios, e maquinas piraos di-
versos trabaldos c usos da aggricullura, uo
s para o servicio da osela, como para o de-
posito do modellos : assim como mandar
vir plantas exoticis e somentes.
!. 21. Mandar vir mais os animis uteis,
quo n3o possuimus, o rafas meldorcs dos
quo temos actualmente.
22. Aisignir lodos os periolicos de co-
nhecimentos ulcis, quo se publcam na Eu-
rppr- o na Corlo do Imperio ; recoldendo-os
anu gallineto da leitura, conten lo este so-
mente as obras, que tivorem rclaco com
aggricullura, para ser frequentado pelos
soetso.
23. Radigir, ou fara r.-digir um perio-
reeloria geral.
tj .'l.'l. Os socios vogaes lero noj negocios da
directora voto igual nos domis cinpregados,
auiillatao lodos os trabaldos, e proirrovero
pelos melol no scu alcance o expleudor c proa-
perldade da sociedade.
S ai. 0 segunda lerceiro vlce-prealdentei
scio considerados vogaes o como tacs decla-
rados.
S 3j. O Amanuense, ou amanuenses sao in-
mediatamente subordinados ao primeiro e se-
gundo secretarios o ao tdcsoiiieiro geral, c ile-
seiupenharo es encargos de escripia c outros
quaesquer de que forem encirregados.
CAPITULO V.
Da afs'cmbtea S .Hi. A auembla geral, istu be. o maior nu-
mero posslvel de socios, se leunir a primeira
ves seis mezes depois da instillico da socieda-
de, c ser presidida pelo Exm. presidente del-
la, estando prsenle a direeloria geral c o di-
rector e vice-directorda escola pratica.
S 37. Depois de abcrla a sesso passara o di-
rector geral otio primeiro secretario a ler o
relalorio dos trabadlos feltol at eolio, pro-
Jectosc mclhorainentos a realiaa, e ahi tam-
bem expor as dilfieuldadcs que se lionver en-
contrado, para que a aiscmbla geral de ludo
loiucconlicciineiilo approvc, discuta c provi-
dencie.
S 38. Findo o expendido apreseular.i o di-
rcclorgeral nina pctlcio para aer enviada as-
seinblca geral da uaco, reclamando 3 crcayao
de um curso de agricultura nesla provincia ;
c sendo approvada ser logo aasignada por lo-
dos os socios presentes : ficando a cargo da ili-
rcceogcrala sua remessa.
S'30. Qualqucr socio, em assenibla geral
pder.i pedir informacocs c esclarcci.ncnlos a
directora geral e ao director da escola pratica
ilico mcnsal em quo se publicarlo os tra-|apresciuar memorias, ou produ/.ir ideias, que
baldos da sociedale, o os tncldoraincnlos, sejam de utilidade.
sc^redose Inventos modernos sobro indus-
tria em geral.
tt. Regularisar a forma dos rocebi-
mentos do dinbeiros pcrlonccntcs socie-
dade, o do suas despezas em livros dis-
linctos.
$85. Nomear um ou dois amanuenses
para auxiliarcm a escripturac^lo da dircilo-
tia, inareaiido-llios ordona los.
26. Tomara cintas ao director da escol-
la practica, e informara 's sobro o pessoal
c niaturinl dola, nos prasosquo fororj es-
tipulados.
CAPITULO 4.
Obriyaccs dos tmpreyaios.
S27. Ao director geral pertonco a almi-
iiistriigiio o liscalisar;3o em edefo da sorieda
do; propor, como qtialquer socio, as me-
didas convenientes, votar, providenciar em
S 40. O Etin. presideuto em asscmblea gc-
rai publicar os nomos de lodos os protectores
da sociedade, donativos cm especie c quanlias,
que liverem oll'ertado. alm daquellas, que
prestarem eoino simples socios ; da mesma
surte publicar os nomes dos bemleilores da
sociedade c scus donativos.
ear-tc assemblea geral mi vet por nnno, cujo
dia devora sei* d. signado nesla primeira se.s-
sSo- lie tres ein tres aonos ologera nova Uirec-
loria geral, podeudo nao obstante ser os cni-
pregauos recleilos, no todo, ou ein parte; con-
Ibrmceouvir a assemblea.
CAPI1UI.0 VI.
Do director c vice-diredor da UCla pralic'-
S 41 O diiector da escola pratica deve ao
mcsnio lempo aer entendido em lodos os ramos
le agrieultura, e ter elemento! de historia na-
cional, para poder cnsignar o fazer cxcculii'
debaixo de suas vistas as deinooslraces preet-
imui aos escollares que Ihc fjrcni rcmctlidos do
todos os casos, exigir a observancia do, es-. curso Jo ri(.,lltlllr1.
tstutos, e fazer respeilar a socio lade. br^ra i o ,(_ Devoii ainda ter a necessaria cipacida-
subslituido nos seus impedimentos |^<>[dede administrar todos o< trabalhoa da escola
sogundo vice-presidonto se esto polo ter- pratica prosperldade : organlaar o jardim bo-
das. aa ofiicinaa do estabeleciment c dirigirs
o i! I! i' .enes precisas.
44. Debaixo de suadireceo,em livro pro-
lo'io, ir i liorir toda a recelta c despeza do
ertabelecmenle, cotendendo-se rccelta oa
dinheiros ministrados pela directora geral, e
os rendiinentos apurados da propriedade; I;
despezatoda aquella, que se fiser com aa
obras, ferias aos operararios, e aos empregados
da propriedade; assim como as demais despe-
zas evenluacs.
S 45. Tcr msis dona livros ; o primeiro
coinprehendcr.i o inventario de todos os ulen-
sis, maquinas, ferramentas. animaes, inobilia,
etc, do cstabelecimento ; o segundo para se re-
gislarem nellc as -matriculas dos escollares, c
altestaccs, que afina! Ihes forem conferidas.
Ao director da escola pratica incumbe orgaol-
s i. a polica do cstabelecimento.
S 40. O vice-director be o ajudanle do di-
rector da escola e ten subalterno, executa aa
suas ordens, e substitue-o, no seu impedimen-
to, mas deve ter conheclmentos ao meos pra-
licos dos encargos do director.
17. O director da escola, logo depoia de ser
cieno organisar o regulamento interno do cs-
labcleciiuento, e approvado esle pela direceo
gerai ohrlgar os subalternos, que aceitaron
occtipaco no cstabelecimento.
S 48. O director accumular o ofilcio de di-
color ilo jardim botnico, e o beuelcio corres-
pondente.
j 49. No primeiro dia do anno o Exm. presi-
dente da provincia c da sociedade, a directora
geral e os socios, que quiserein, visilaro a es-
cola pratica ; onde sob iufbrmaco do director
premiar S. Exc. em noiuc da sociedade os em -
pri gados, feiloies e operario!, que durante o
anno melbor se liverem distinguido. O direc-
tor a expensas da sociedade dar um janlar a
S. E*e. direcfo, socios c visitante).
J.
ceiro vice-presidente,
esta contisso sobre incita
tnico, os hortus, os pomares, os viveiros, to-
quasi trmula a com uiuaexprcsso lo estu-
que iustiucto releve
la
esla
ire
ce
perlencia, pois que cu o tinba surp.v..^..,,------- --,-- -
e Joo nao m'o unlia nem confiado nem dado a ; meut.i, anda di pressa, anda .
guardar, odiosos sophismas imic a gente invoca Mas, disse eu a Andr, olhando-o oom cs-
quandn solfre urna lentacaoindigna. panto c com um. inquietaeao crcscciiii, que
Andr Levasseur esculou-mc mui atienta- inlcressc tens tu em saber ludo uto
mente; multas vexes cu o vi estremecer de -Como? exclaman Levasseur com i mar
urprezae de alegra, senlimenlo que elle ex- lo sincero que me con vence u, como, que -
pri.nia exclamando segundo os diversos inci-.teresse?.... o leu. Nao ves, pobre < '
VARIEDADES.
CMITA DE BRAZ T1ZANA, l'.OTICARIO
DE LISBOA, AO BAltBEJRO.
Oulubro 18.
Jfon cherAcaba de suicidar-sc com aci-
do prussico o Sr. Inglez lludge, nogocianlo
de London / parece que o homem tiuha sof-
ii i lo alguma quobra com as acajes do M-
xico. Male-nos Dos que noscrion, diz a
minda Gertrudes, a vegetalista I o Sr. Fre-
an), que venda especiaras em Londres
tambem sotfreu alguna embaracos no scu
commcrcio! o quo fez o Sr. Fretam;' foi -
so a tres lildos quo linda, ecortou-lhcs o
pescoc.0, o depois suiciJou-se!? Sao gos-
tos cu nu Ido aedo graca nenhuma : an-
tes ser doputado ministerial.
No dia 30 dosotemliro douve urna rcu-
niao em Londres concorrida polos adeptos
do vestuario Bloomcr, no local da Insti-
luicSu Britnica. A Sra. Dosier tinlia-so
feil) anuunciar como oradora do um bello
discurso a favor do coilamc Bloomer. A
concurrencia foi extraordinaria, porm
oradora Dcxter nSo apparocou, do que re-
sullou grande lomullo 1 ate as mulheres so
lanc.ar.uti ao cniprcaiio Taylor para apre-
sentir a orador, uu rcilituir o dindeiro;
a cousa esteve d u- a, c inlervcio a polica '.
Mr. o Hdame Deitcr sSo aecusados da te-
rom logrado o meu amigo Jodn llull, quo
a respeito d i esparrelas cali ncllas como
os outros. En toda a parto appareccm os
liomcns de botas do cortica.
O mcu correspondento particular de New-
Voik me esereve, dizondo que o Sr. Jodi
Carr dol'rinee Steel morreo envcueuado,
o tod i a sua familia, quo se compuolia dn
13 pessoas, inclusive as do bello sexo! .'
lie o caso. A casa um quo dubilava a fami-
lia Carr era grandonenle povoada do-ralos,
que eram tantos como ein Portugal os cscri-
T0OJ do fazenla; c que f'z o Sr. Carr i'
denles de ihinba narracao.
Mullo bem.... Eu eslava cerlo disso.
lie excedente de saber, Eu bem l'o dala,
-u l'erleilamenlc.... noha que duvidar.
Precioso ensillo '. '. Esta mnlliei a o lie.
Andr nao se linda explicado inais.alim, dis-
ae-mc elle, de nao me dislraliir de ininha uar-
rsco,
t huo lo ella foi terminada, elle disse;
madama Raymundo tem um amante oceulto
em casa c que luo sabes... tu le tornas scnbor
dclla, gracas a este segredo.
Este calculo pareccu-nie lo afame que. re-
vollado das palavras de Levasseur, cu Ihc
disse,' ,
Este pensamento he horroroso, ollia, cs-
lou ui ropeu Irlo de le ler confiado o que eu
Ueriadevido guardar para mim.
--" Vejam"o"que be o amor, elle fe. de ti um Andr Levasseur rccobroii seu sanguc Irlo e
observador que val o que pesa; mas como s disse-me sorrindo c levantando os bu bro
novico. UUM iuva (oven e cuc.niadora que vi- Pobre Fernando Mi^Ufrha aullojrecl
ves, einuio quaneiro rcliado, qu. Habita so volla. sempre ato *'" ""SImiJ,,!
uuiacasiuha quasi mystcriosa, na qual nao se tua aru c scus aiuigos^applaudcn no lucatro.
he introduzidoseuo depois da ler sido exainl-i (Jue queres duer. /mi-l,!n da
nado por um postigo, nao mora assim sen mo- Ne.ta peta o conde Aln aviva "'''n da
llvos1 bella amante ilc Clieruhlm) de de sua parte
auspeilas tu Andr ? araoroao de imana, criada de sua mullier; ella
- E que motivos ... suspeitas tu Andr > i amoroso ue ouzaua. ori.u. --.. ---" ; "--
- Oh: tua madama Haymundo vivendo as- 'prope-lhe um. conlereuciaipara a noi te, su
sim reinada quer poder rapKiauUr a marque- ana aceeita, ...as d.. parte dissei si a^a na. r.s
.a.lell....a,uavo,.tade; una mullier bonita la val a conferencia em lugar de Suzana A
como estas p
olhus.... Responde, o que tens.'
Od I mcu Dos! Audic: eres que entre
estes bonicos que vi l, mada.ni Itaymuiida...
__Tiuha um'amante? A f que issorno me
admirarla. Enlo tanto pcior para elle, pois
faros que stja breve despedido.... meu charo,
sou eu que le digo isso.
Depois que d F...., nada era menos puro que
mcu amor por madama Raymundo; cutre tan-
to vergouhosa e absurda si.pposico de Le-
vasseur, senti apungentc angustia doCluinc;
urna mistura de dore de raiva inedilaccrou o
coraco; o depois una ideia sbita me aira-
vessou o espirito. Lembrei-me dessa mystc-
riosa apparico do iumiem de barba lona oc-
eulto cm casa de madama Raymundo; vi uisto
um inystcrio amoroso; meus escrpulos se
desvanecern! e conlra ininha vontade excla-
me! ;
o ha mais duvdal ... esle homem que
scoccullava.... Oh! meu Dos I
- Um homem oceulto! exclamou Levasseur
cora una ardenlc curiosidade que lerildevido
esejareccr-me.
-- Onde scoceultava esse homem I
Eq.eraiidocom Joo no jardim de ua mi,
vi por i.ni insume na Iropcira dejum celleiro,
um homem de Ionga barbe rolva ... Ligo que
elle us avistou a mim e a Joo, relirou-se a-
uressadmeute, como se leuicsse ser visto!
Fernando.' exclamou Andr com urna vos
jucia de U...... acuau dlrc ludo a Joo.
ilas iranquilii-sa-ie, 1 nao lera; neoesaldad
de ameafar a madama Rayinu.ido, segundo o
que dclla inc leus contado... lica certo que ella
lar para lias tres quartas parles do caminho,
se nao flicr mais.... Lina mullier que ucculla
ein casa un homem moco.... pois tu me disscs-
tc crcio, que ellecra moco...
Nao iuteiramenie um; ..... Elle pareceu-
me ter de triutae cinco a quareula anuos....
Pode conccbcr-sc um tal goalo Urna mu-
Iher lo Ijouita ler um amante desta idade..
de maia a mus no.. mui feio talvet;
-- Ah I nao, Audr, elle nao he feio-; scu
rosto be al bastante bello ... smente sua
fronte he um pouco desguarnecida de cabellos
L'm hoiiicm calvo I..., apag !.... que hor
rol I ... E mal vestido, sem duvida i
Nem bem nem mal ; se bem me lembro,
elle irajava urna casaca ousobrecasaca escura. .
e colele braoco.
E he um rival dciles que te assuslararia,
meu pobre Fernando?... a ti... com teut desa-
sis annos.....e.....
De repente Levasseur Intcrrompeii-se. suas
feicoes exprimiran! ao principo a surprcia,
depois a anciedado, liualuicule nina vivador;
elle den um grilo agudo levan do ambas as
inua ao pcitu
Espantado dcste pantomimo, c.clanwl ;
Andr !,.. que he que tens ?
Oh quanlo solfeo....
'Ca soll'rcs... Onde ?
Aqu... no pcilo.....he horrivcl!.....sei n
que he.... urna dor de estomago.... Sou aujeito
a isso.....J por duas vcies tenho escapado de
inorrer.... Ai! Jess !... murmurou Levasseur
deixando-sc cahir sobre um banco, no qual
eslorceu-so com a appareucia da mais airo/
dor. Al 1 Jcaus accrescenlou elle genicndo,
parece que me rasgamos cntranhas....
E Andr poz-sc a fazer tacs lamentacoes .que
mimos de nossos cainaradas aecudiram c o
ccrcaram.
Ai! que morro! gritava Andr Pelo
ainirdc lieos levem-sc para a enfermara.....
Tcnham d de mim !...
!Im f.rofcssor chegmi e iiif.irmou-sc do que
linda acontecido. Eu Ihc disse que Levasseur
eslava atacado de urna horrivcl dor de estoma-
go. Os grilos de Andr lornavatn-jc cada vea
mais agudos ; o professor, muito inquieto, lc
logo transportar o docnte para a enfermarla :
eu o acouipaiihei. elle n.io cesaava de gemer,
di:cndo ao profesa ir com urna vox lamcu-
lavel.
__ r. professor,soSVo lano que parece-mc
ser chegada ininha uliima hora. Supplico-lhc
que maudedar parte a mcu cl.aro lio aliui de
que elle venha ver-inc j c j.
Meu amigo, disse o professor, urna dor de
estomago faz soll'rcr, porm nao he de nenliu-
ma sortc pcrlgosa ; mo se morre disso..... Me
Intil liquidar o scnbor seu lio por to pouce
.MIS. ,
Senhnr, por piedade, disse Audrc ajuu-
tando as ni.ios e chorando, conceda-me esta
graca.....Que mal faz Isso?..... Eu sei bem o
que soll'io. Pnrecc-nie que sollreria menos
vendo meu bnm lio.....Ai! Jess Ai Jeaus !
accresaentou Andr com gritos agudos e estor-
cendo-se na cama. Que dores I..... Aceudam-
iiic !..... Tenham piedade de mim I Morrcr!
inorrer lalvezacinlcrvi=to meu lio, mcu uuico
prente I
Sucrgue meu amigo, respondeu o proles-
sor ; cobre animo. Nao ha nenhum Inconve-
niente cm advertir o senlior scu lio do acci
Unte que a-ab'!'enniecer-lhe, dclxo estar
que se val escrcver-lhc.....o ellcjutgir por ai
tuesino do seu estado
Oh l scnbor, rogo-lhe que Ihc escreva aera
demora '.
l'romcllo-lhc que o farei.
Ah i nao; Vine, diz isso smenle pata
tranqnlllisar-me.
Escrevctei em sua presenca, dare ordem
para que ac leve a caria..... Nao poaso fa7er
mais, porm pelo amor de Dos, nao se ator-
mente assim ; repito-lhe que esla crisc nao
lera tieubutaa consequencia seria.
Veja eu a meu lio, respondeu Andrc gc-
mendo, e Hcarei mala tranquillo.
Aqu est a carta cserlpt, disac o prolea-
sor lcvanlando-sc de uina mesa junto a qual
ae llnba sentado; vou manda-la ja casa Uo sc-
nbor acu lio, dentro de urna hora ae or encon-
trado, elle etlr aqu ; portanlo lenba pacten-
ca
Ah raeu pobre Fernando, dlase-me Lc-
vasseur soltando lnguidamente a cabeca para
onde eu eslava, tem d de mim.....pois pare-
ccmcquc nao lerei forja bstanle para soffrer
tantas dores _,
i.omo quer que locajjc a campa, tul obriga-
do aldeitar a enfermarla acni ter lido lempa
de ir saber noticias de Jaclnlhd, que eslava
docnte, ha alguna diai. (Coadnuar-s-ha.)
-*-il
BBAs.'



fez uma mistura do tiriobi o de arsnico
pora dar cabo dts raltzanai jicla boca; i
criada, porrn, que o giiorava o progrum-
ina doSr. Carr foi coro eslt iiiinlia um
pudding, o o dcu a comer familia; tan
tu rata, como os convidados morroram vo-
mitando as tripas 1
Demolio-se em Ntwctstle, Inglaterra, i
casa em que habitou o celebre navegante
(.'cok; i cmara municipal, porrn, qull
conservar o quarto om que ello dorma, c
que estiva nrnado do figuras geomtricas.
O quarto foi M o qual mudado pira asno-
ras casas, os ioglezcs tem urna granja v-
noracHo assuas anliguida les, nos destrui-
mos as nossas! I Nos somos muilo osper-
tos! Este celebre Cook lio um oxemplo do
que podem o trahslho, a porsevertnca o o
bom comportimcnto; criado pola cari la le
do ni.s pescadores a vista do mar o nlla-
ma, ocllochega as maiores honras do scu
paiz.
Morrn na Succia o arccbisio do Upsnl
primaz do reino rlumava-se Thom /. Win-
gard : o iinha 71 aunes. Este arcobispo
era grande oonslilueional. Ta nbem mor-
ii'ii un Su -i-1.1 o rico capitalista Honoilicl :
derxou 18 milhOes. No primoiro do cor-
rento h.iiive horrorosa tempestado nocmsl
do Inglaterra ; a qual durou 48 horas, mais
de 100 navios forn n arojidns costa, os
desastres foram muilo, l,incnu-se o mar
em Brislol um vapor gigantesco para a
carreira das Indias (Tri ntnes. O Demorara
toui 276 pos do longiludo ua quiln; largu-
ra 10 ps.
Fallece* no dia 19 do setembro o proles-
sor JoJo Podro l.uiz llumliert da academia
de Genova, e do instituto le Frene,!. Acab
deappareccr o teloniaco do Fcnelon tradu-
zidoeni hebraico por llenoil Cohn, rabino
do Uinsftna l.iiliuanci. O imperador Nico-
lao autuiisou a Importarlo Ilimitada de
oxcmplrcs liv.es do direilos. -Publicou-se
liualineuloo decroto que inslitua o conse-
llio ultramarino silo seto us eon-ellioro-. "
cada mu chucha de ordena lo 1:600,000.'! o
secretario esso 'chucha a 1:000,000.' 1)0
p3o do nosso compadro grande falia ao nos-
so aliiliado. Apezar da dcspez-i Bte couse-
iho era necessario, assim elle producios
cll'eilos precisos.
Tudo so prepara para a grande halalln
oloitor.il, cojo dia nao ha la dos malhorosl
Cheira a cousis de delinilos, o h; o anni-
vertt rio do grand ) .terremoto os exercitos
beligerantes ja lem revistas em orden de
manila o governo por um lato, e parou-
tro os progressislas, eos cabraes cntran na
'uta COm coragem, a os scus sida los estilo,
sagitado te diz, mimadas rio melhorespiri-
lol Cada exercito tem o son coinmissaria-
Uo, qu Hus lomee i ntrigasmentiras
calumniasambi(0aaa miserias, quoso
o muuicio de-las tropas olciloraos, Com tu-
do, no moio disto, que alias he da etiqueta
eleil ral, Dott>ae vida dos partidos, e J isto
lio a favor do movimuuto do 21 do liril.
t)s nossoa vistnhos ibariooi conseguirn)
lanzar o galano om Vetulio aos celebres
bandidos os Srs I). Cri-toval ItoJigues Her-
a commercio, mas somonte para obzequiar
os seus amigosc concluo dizondo quo tem
porquinbos grandes o pequeos do sua la
vra lodo o anuo ao queelle chama urna s.n-
gularidado ; e na verdado que ninguom
deixar do chamar singular ao tal rilado
dosporquinhos grandes o talvez nico no
seu genero.
Os legitimislas vfo ter o |eu alma na k.
Se a mola pega, toromos^m aJuiau k tia-
ra cada partido. Dizom que o padre Bato-
ta esl fazendo o calendarlo do partido1 l's-
tanda'tista. A mantia* ha-do ter lugar a
abertura do lliettro deS. Carlos, com a Lu-
cia om quo entra a Arrigolj, o Manousi, n
Musich, o liruni, a Saint Martn, e o Ctdesli-
nn. Temos mais dual frisas no theHro.
Us empresarios declaran) quo resirvam pa
ra si o diroilo de levantar os presos as
imite-, em quo Rosinha Stoltz cantar. Pt-
reco incrivel, mais he certo. Veja, mostr,
a quo ponto sohein as 11 usos de certa
gente.
- Us redactores nosjoniics polilicus, e Ili-
terarios da Coi le i cechera ni carlOos de con-
vite, qualbe foram dirigidos pola o imni'S-
sSo directora da oxposic,fio om favor dos
azylos ii'iiiiniiiai ii. SSo eslos cirlOes que
se v -m para a entrada anlcse durante a ox-
["i-ie'i i. A cooimisso quiz, por esto mo-
do, agradecer s rodacc,os, a pubcac.8)
de repetidos annuucios.
Niiovejo grande aclivilndo nos Irabalhos
para aExposicSo agrcola. S o Ayros
de Sa se e.i ;ie i e procura, por lodos os mo-
dos, rcalisar urna cxposicSo, que ser de
certo ulilissim aos mistos agricultores, e
i.esmo ios fabrican tes do instrumentse
machinas agrarias.
Acommiesfio da Ajuda impoz programma
IC1 cleiloros, para quo clles oimponhain
aos candidatos. Lea o aluiiro.
O que me d mais no gto lio a condic
(SO do artigo segundo ; echo roalmentoad-
miravel que um nonioin do tul uto, como
hoollerculntio, paste a vida a pastear pola
la.
Consegu so em liui o resdlta lo para quo
temos trubaih ido, instando pelas prulissOo
do lo. Ja umitas vilo a camlnho para as
provincias; mas os caiiljd-.tos, rocesos
siuiere da censura, nao do aos suus csciip-
tos a uocessiria publicilade. Ahi lho ro-
mettoa prollssao .o Julio Piuionlel, lonlc
da Polylechina.
Sou era nomo da nar^So o da rainlia
saudc, pticos Seu amigo
c fraternidade. Le Citoyen
Oras Titana
= Q2
niolher rocolieu ramalhetos e coras innu-
meraveis. Os apixonados de mdame Ugal-
de diiem quo ella excedo i sua madrinha
madimo Bordeze, o que faz esqucer i Di-
moroju-Cinti, o a uie.srri Sontig! Tem
urna travessura original: a Alboni acaba a
su.-i cscrielura na grando opera de Pars no
dia 31. Ercoompensacilo dar-se-ha um no-
vo bailo om que entra i bailarina made-
moiselle Priora, que goza do grande repu-
tarlo.
A snciedado philarmonica debaixo da di-
recfSo do celebro ilorlioz j comefou os
seus colicortos na sala Birthelemy, o pi ,.
rainma compretlendo is obras de Mr' La-
combo, o i.'iimiieulo pianista, e dos Srs.
li.iiio], o Ilorlioz. Em Bruxellas foi ouvido
com cntliusiasmo na Lucia o tenor Luguesi.
A prima- lo-ia Mademoiselle Radalo ( co. '.; i.- o -, o i ii noli o-.l debulou com
grande xito na opera franco na parte do1
llertha no Prophota. Esta joven ora j co-
nhecida por ter oblido este anno o primeiro Baha patacho brasileiro Aracaty, i
premio no conservatorio de Pars. Execu-I tre Antonio Frincisco Ribeiro Pad
ronel commandanlo do tercelro de arti-
Iharii, Innocenolo Eustaquio Kerreira de
Aran jo o sua familia, Dr. Francisco Xa-
vier Pies Barrlo, Americo Souza Gomes,
Jos Eugenio Costa Paiva, Domingos Al-
vea Mathrus e sua senhora, JosA Egidio do
Oliveira Mendos, Antonio Tilles Silva Lo-
bo, Jos Joaquina Landulfo Rocha Medra-
do, Lan.lulfo da Rocha Medrado, Antonio
Joaquim Rodrigues. LuiGunlre, Antonio
Rodrigues Leite Cijuiba, Dr. F. Gonzaga
Souza, Macluph Beselem Joaquim Tei-
xeira Oliveira Jnior, Ildefonso Simos
Lopes, Dr. Braz Pereira Nunes, Antonio
Jos Moraea Jnior, Pancracio Frederico
C. Ribeiro, Jos Pedro W. Ribeiro, Ale-
xandre Jaclntho de MendonQi, Casimiro
P. de Caslro, -Jollo Alvos Pitonisa Jnior,
Manool Thomaz Piolo Paca, Gustavo Ju-
lio Pinto Para Jnior, Luiz llarhoza Madu-
reirade Azovedo, S ex-soldsdos, 19 re
crulas e 9 escravos a enjregar.
mes
ilh
carga azaile de carrapito e mais gneros.
ElTAL.
mudos Zamarra, ou Zannriiliia, c I). Dio.
I'alomoquo Palomo, Allirma-so quo sdo
ilous grandes Iratanl-s. Acabo do veras
barbaa do grande Luiz Kossulli, quo hu
loni nos appareceu no Tejo a bordo do pa-
iiuelc ingle Midrid. O commandanlo do
registro licou atornillado, e julgou quo li-
iilia do Tejo uina hileia moristro. O Hnga-
ro nnndou pedir licenr;a ao governo para
desooibarcar, c grabas ao lio Rodrigo, a II-
renca foi pronipta, o o conde do Soliral, go-
verna i.ir civil, foi comprimeotir o nomo
dogovcino, o lieie da lluugria, quo vai de
Viagem para os IMidos-U n.los.
llojoaslt horas da mauliSa foi o nicu
Platicante cominimuiita-lo ao hotel o Bra-
ganea na companhia da rapasiid, quese
reuni no largo da Abeogarii. Desla vez
dcu Portugal uai quinao no governo do SO-
CARTA DE BRAZ TIZANA, BOTICARIO
DE LISBOA, AOBARHEIRO.
Outubro 38.
Moucher Iteunir-se-ha a nova cmara
electiva ? o rounlndo-ae, peder funecio-
nar ? e funceionar em paz ou leromos sce-
nan .-..- ii t.ii o nesie caso, quo lio
inuito do reccar, o governo dissolver a
cunan i1 ou d'ixar-sc-ha callir com as
mflos debaixo do lirado? Eis aqu Meslro,
as varias porgunlas quo honloni se fa/.ian
na botica, o us quaes nioguem soubo res-
pon.'er! oque lio certo lio quo os cabra-
listas, progroisiitaa, saldanhiataa, o rodr-
guistas traballiain som doscango uavinba do
Senhor ; n isto, quo piimeira vista parece
um un he um bura. He signal de lerom vi-
d i coostituciouaj, Eu c por mim goslo
dislo, u.csnv) porque eslou vendo os louros
de palanqi-c.
O msu vellio froguoz do gannlo conla com
uma cmara mixta; com una especio de
Babel parlamoiUr, na qual a naiori i sera
um piubi 'iiia,l|.i-dc. cr uma nova exposijSo
da iu lust'ia, co ii obras primasdlS nossas
fabricas Falla-nos o palacio de cristal,
mas r''Oio liamos com S. Rento da saudo,
qm nilo lie tilo iiiuo como isso. O ex-mi-
nistro. Avi la lem esporan^a de sabir do-
pillado, poisconti com urna alta proteceSo,
lo i-o pela primoira vez no theatro de Var-
zovia o Roberto do Diabu, em italiano :
dos cantantes sera italiano o Mansin.
O theatro de Scala em MilSo abri final--------- -
mente as suas poitas com o Poliuto do j- O lllm. Sr. inspector da thesourarla da
nizzelti, .-i'-inooii o priucipil triumpho a fazenda provincial, em cumprimento da or-
piima-iona Gazzaniga, o o tenor Negrini. dom do Exm. Sr. prosidente da provincia
O governo do Floren; prohibi o drama de* do correnti, mana fizar publico, que
intituladollypolito de Besucarmeo as- nos das 16, 17 o 18 do inesmo, ir a praca
sumpto ora o caso ltimamente succedido para ser arrematado perante o tribunal ad-
ua Blgica, as represonlaQOas do Mademoi | mini9lrativo da mosma thesouraria, a quero
brindo doli. Diz o pail que ss -rata do; o Lopes de Uendonca tainbcm estasolTii-
fretar vapores pan aeompaiibar o Kossuih
amanhBi a lo-, do Tojo. Fossem la fazer
de?las, aqu ha seis mezes, sobogovemo
a'crnal do conde de Thomar. Andavaiu
em papoo de arauba o Ferrugento e o Del-
ira.
v respeito iloconsclho ultramarino anda
uilo app receram as nomear0?s do pessoal,
quo com poqucua diH"oren(;a deve compor-
se do vise indo do Sa como presidenteo
dosvoaes viscondes de LineadaAlraci-
ve i mente ipadnnbsdo.
C Silva Cabral morro do raiva so nSosa-
h.i depulido por e>si cidade un lo os seus
amigos acbam ilifflcnldados pira faz.'r pas-
saroieu nomo, que prnpozoram por Villa
llol mas S. Exc. nilo lie com isso Satis-
l'oilo. Quer mostrar Europa que tem n
npimilo publica da segunda capital do roino.
Digam delleoque quizerem : ao menos he
homoni do enragem, o d quefizor! Pena
foi quo os rogueteando produzis'em o pia-
da GarreltD. Manuel do Portugal o Caslro, niSldo l ffeito, ali. s a carta soria reformada
vedor da casi Ral =Joffo Jl.iria do Fontesjo-n nomo da ordonaca do r.-ino, n da inde-
l'oreira do Mello -Postan, mini-tro bono-, pendencia nacional. Em (im baja o que
r.-.rio-e creio quo um tal Amaial quo lem bouvo', Badajoz he por ns,c o general Con-
servido varios cargos no Ultramar, lia
tambcni conselhei'os extraordinariosda
quo duus silo o Adri3o Acacio da Silveiri
l'inlo, actualmente enverna lor de Angola-
8 um tal Arouca, que ja exerceu caraos no
L'ullraiuar. Para secretario ouvi fallar ni
'iustodiu Manool Comes,-quo quantoa mim
DBj aceita. Algumas das nomcagucs n.l i
iuo parecem mas a respeito de oulras
acho-as extravagantes. No tei porque li-
cou de fra o Izidoro i.uimai. s, eo Valle
que aclualmrnlo governa Hocambique, [e
que sempro tOm servido cum intelligencil e
houradoz este c outros cm; rogos no Ultia-
mar. Ha illi urna ou dnas noniecoos lil us
do grande patronato, alias nao apparece-
riain alisanem licariam no esquecimantu
lioiuens muilo dignos, o quo por devore
uccessidade all nao podiam deixar do li-
gurur.
Nao he a falla de codselhos que este
loe Poituga! deixa de mu reliar bom. Te-
mos conctlheiros de estado co.. Ii i
do supremo tribunal do justiga Conse-
llieiros do tribunal conimercial cont-
llieiros do thesouro COBSelhi iros do con-
selho ullianurino : o que ludo relundi-
lella lilil d om Mi o oblivoram um xito
e\ti-aoi- iim-i.i. Pagaram-se seis libras aus-
tracas por uma cntrida, o oulras seis por
um asseuto. Cada lira equivale a uma pe-
seta hespanhola.
O ineu corr spondento particular de New-
Yoik modiz quo nosabbaio, 11, a mulli-
dlo stagrupava na prar;a d'aquella cidade
pira recolier em triumpho a Miss Githarina
llaves, que chogou aos Estados-Unidos. O
pavo a acompaiihou hospedara com en-
thusiasmo, e lho deu nessa noilo uma ex-
pl;nJila soronuti scguiia do fogos d'ail-
(icio. Miss c.iiii ii ni,i dou o seu primeiro
colicorto em 23; a concorrencia foi de qua-
tro mil espectadores! '
O mou gallego recobou carta da Ierra na
qual llie dizoai que o somnmbulo do Lugo
continua a fazer pasmar os habitantes da
utiliza. O somnmbulo cura toda aqutlida-
do do molestias. Elle n3o procisa fazer per-
gunlus, basla-llio o laclo d'umt parte da
roupa do doeoto. Um irmSo do mou galle-
go, lem um pequeo surdo o mudo cm con-
sequeucii d'uma molostia d'ouvidos, remet-
toii-llio urna faxa, que o somnmbulo I lio
recanibou, pois de nada servil por ter ser-
vi Jo a outra pessoa parida, que j tinha
morrido, ou breve monorial ocaso era ver-
dadeiro, a faxa era lo.la d'uma camisa da
cunhad do mou callogo, quo morrra de
parlo, e com ideas de plhysica I
A cantira Montenegro rcuperou o teu
c o.|: .] artstico na Norma em Madrid : foi
coborla de tppltusos, o recebeu corts e
ramos! A celebro Lolla Montes, favorita
doox-rei doliiviora foi be,- recebidt no
theatro doAmbers. Falla-so em que a ce-
lebro Mara Jos vai sor nonienla juizade
una das enxovias do l.imoeiro Tarabea)
se diz quo ho despachado desembargador de
Goa uib dos llhos d'uma ds nossas notabi-
lidades politicis As nossas possessOcs silo
oulras tantas Californias para certa gente I
O farad dai UangcrkSe tenciona dar urna
noito destas uma gramo func^So, para a
qual mandou vir do Algarve sois arrobas de
doce !
Aoha-Sfl venda uma infinidade do pol-
kas. Temos polka mashurka, rcgciicrasao
polka para pianito, a reforma polki pjra
trompa, e o Crole polka para uerimtiau,
o cavaquinho; ludo por preces moderados.
Dizo.'ii quo o digno par Ferriio Jizcra paite
rounilo Ja ra dos Mouros.
Aqu s abas do Lisboa um tirurgiV
rapaz e lilho da escola dcsta capital coi le-
lava, ha poucos mozos, uma menina que
liulia quarenta contos do rcis do dote.
Aniavam-se ambos, e ella linha-lho dado
por cscriptoosncco-sirios pude-es para elle
lira-la por justir;a no caso do seus pas lli'a
ne^aroin quando olio Ih'a po.liase, o quo
dovia sor om brevo. Sabido isto polos pais
da menina, o nilo leudo elles nada a dizo.
cent-a as boas qualidales do rapaz, arran-
jaam um bacharel, hi pouco sabido da uni-
versidade, e, com o auxilio de duas velhas
o do uma mcia velht, meltoram Daoibaca
da futura noiva quo ia degradar-se unindo-
so a um simples cirurgiilo quo nenhuma
graduadlo tnln, quindo clles all lho pro-
por menos (izer a pintura das varandas di
ponte da Boa-Vista, a valiada em 337,700 rs.
Arrematar,flo sera foila na forma dos arts.
ale 27 da le n, 286 de 17 de mao do cor-
rete anno.
As pessoas quo se propozerem a esta ar-
remalar;ao, comparcsam.ua sala dassessOes
do mesmn tribunal, nos diis cima men-
cionados pelo meio-dia, compotcntemenle
habilitadas.
E para constar se mandou afixar o prc
zento e publicar pelo tiario.
Secretaria da thezonrasia da fazenda prn
vinciil dePernimbuco, 6 de dezembro de
1861. Osecrotirio
Antonio Ferreira d'Annunciagao.
Chuzulas especiaos do arremalasSo
1.' A pintora da ponto da Boa-Vista, sei
feita do c, iu i ni un i,-lio com o orrji ment
aprezentado ncsla data a approvacSo do
Exm. presidente da provincia, na importan-
cia de 337,700 rs.
2." S:r principiada osla obra no praso
de 15 das, e concluida no do '69 dias, con-
tando-so na forma dos ai ts. 31 o 32 da lei
provincial n. 286.
3.a A importancia desta obra ser paga
em urna s prestarlo quando o arrematan-
te livor concluida toda a pintura.
i.' Para tudo o mais que n3o estiver es-
pecificado as prezentes clauzulas seguir-
sc-hoque determina a lei provincial n.
286 de 17 do maio de 1851.
Conforme.
O secretario.
Antonio Ferrci'a d'Aununci aeflo.
sB-smmKSsmssssmsssssssssams
O Beijo
O adiiinitlrador omprcziriojulgi ter or-
ganizidoum espectculo que milito igrada,
tanto pela variodade. como pela sua tcerti-
dt escolhi. O putilioo, a queni o idmii is-
trador empreztrio si confusa aisiz reco-
nhecido pelt consttplo proteccilo que lho ha
prodgiliztdo, nSO doixart por certo de con-
correr mr-is estajes io thotlro do Santa Izi-
hol, tanto mais que nesta noilo termina as
fadigas theatraes do aneo de 1851.
Cuinccar ai 8boraa.
O billictes icham-se venda no lugar do
coitume.
nacional Rio Ave : quem no me-
mo qker carregar, ir de passa-
gem, para o quo tem bona commo-
dos, ou embarcar escravos a fretc
entenda-se com o capitSo do mes-
mo brigue, Elias Jos Alves, na
prca do Commercio, ou com os
consignatarios Novnes ek Compa-
nhia, na ra do Trapiche n. 3i
Pino Htvresahe com muita brevida'
de a galera francez Edith, .capiUlo Poulnt
por l>r a maior ptrte do teu ctrregament
prompto quem ua mosma quizor carreear
o restante, ou ir de ptssagom, pode enten.
der-se com o metmo capio ou com os con-
Fuhlicaco litteraria.
Historia universal resumida.
Pin USO das e- e,ilns dos Esta lis I oinlos da
America do Norte, por Pedro Porley, tradu- fgnsiro ScVamellim'&''fo"ber',' a0?!"
zidapara uso das escolas do Imperio do Bra- da Cruz n. 38.
sil pelo desembargador coosolheiro Jos Ri- -- Para o Rio Grande do Sol. seguir um
heiro. Este exoellenle resumo acha-se nos'poucos dias, por ter a maior pirle do sp
preloa di capital do imperio, e brevemente ctrrogamonlo prompto, o biigua oaeiumi
sahira a luz i subscreve-se nesta cidade do "Carlos, capllSo Jos Joaqnim Sotres num
llecife na livnrii n. 6 e 8 da pracn di lude- no mesmo quizer carregtr ou bir do n
pendencit a 5,000 rs. por ctda oxemplar en- stgem, para o quo tem mu excollenes
comnoolus : dirlja-sa a Billar & Oliveira
na ra da Cadeia do Recife, armizem n. 12'
-- Para a Bahia pretendo seguir com oj-
ia brevdade o hiato brasileiro Exslic30
mestre, Antonio Manool Alfonso: quem n
oes.
JDecaracoes.
Pel recebe loria do rendas internas
geraes, se faz publico que lio este u moz,
em que lio devido o pagamento a bocea do
cofre dos soguintcs impostos do corrente
anno (inanceiro de 1851 a 1852, lindo o
qual ser a cobranza promovida polos co-
bradores com o augmento de 3 por rento.
Decima addlcional do mno mora (primoiro
"ni '1 tro imposto sobro Jojas o casis de
descont ole,dito sobre as casas do movis,
roupas etc., fabricados em paiz estraugoiro,
dilo sobro seges, dito sobro barcos do inte-
rior, indias dos eteravot.
REAL COMPAMHA DE PAQUETES I.NCLEZES
A VAPOR.
NO dia 22 deslo ikcz espera-1
so 0 varor Zjj, commandanlo
ELEMENTOS
DI
Ilomaopathia.
Sabio a luz a segunda parle destt obra
composta pelo professor homocopatha Gos- mesmo quizer carregar ou irdepissagem
sel Bimont. R'cobem-se assignaturas para Pude euicnder-so com o mesmo mestre in
a obra inteira 1 5,000 rs., no consultorio trapicho do slgodo, ou com S Araujo' na
homoeopathicoda ra das Cruzes n. 28. De- ra da Cruz 11. 33.
pois da publicado da torceira parte, o pre- "**"m&*9B*BmB*
coser elevado a 8,000 rs. para aquellos jLeilo
que nilo tivorom asigntdo. No mesmo con-
sultorio, icha-sea venda tudo quanto he
nrcossario para o cstudoea pratica da ho-
iiiirop tina, como seja : livros impressos
para historias de doenlcs, regimens apro-
priades para a provincia do Pernambuco, e
encarrega-so de mandar furnecer qualquer
encommonda do medicamentos homceopa-
thicos, lauto avulsos como em caixas, om
glbulos como em tinturas.
No pelo : Pal/iogcneiia dos medicamen-
tos brasileiros.
Elementos de anatoma e phiiioloijia com es-
tampas, para os curiosos om homoeopaluia.
Roga-se aos seohores assignantes o ob-
sequio de un n lar receber seus exempla-
res no consultorio bomceopalhico da. ra
das Cruzes n, 28.
Til ATA MENT HOMEO-
I'ATllICO.
OAS MOLESTIAS \ KM mus,
e con.'cllios tos doentes para "se cura rom a
si mesmo, sem precisaron de medico;
polo professor homceopatha
Gossel-Bimont.
Saino 1 luz e8Cha-ioa venda no consul-
torio hoinceopalhico da ra dss Cruzos n.
28, pelo prcto do 1,000 rs.
Avisos Dinritimos.
-O corrotor Miguel Carneiro, fir o ulti-
mo leillo esle anno no seu armizem ni rm
do Trapiche 11. 40, quinta-feiralsilocorren-
te as 9 1|2 horas da nianhaa de diversos tms-
tes novos, e uzados, pianos, mozas com ri-
cas pedras, urna cadeira elstica com estante
para ler, sclins, e silhoes, lustres, candi,.
ros, quadros com estauipas,lour;a,vidros,rc-
iogios, espingardas, e outros muitos obec-
tos, que se entregar por quolquer precs
que for ufferecido ; o adverle-se as pessoao
que tivercm objectos com limites, do os vi-
rom lirar antes do dia do leilia>
Francisco Severiano Rabello & Filho
traosferiium, por causa da ebuva, o seu ei-
ISo de cerca 20 pipas de vinagre, o qual ser
enectuado sexta-feira, 19 do crreme, as 10
horas da manliaa, no largo da alfamiega.
Avisos diversos.
n
Frita-so para dentro ou fra do impe-
rio o brigue brasileiro Principo D. Alfonso
do loto de 216 tonelladas, prompto n soguir
para qualquer parte: a Iralar com Manoel
Concalves da Silva.
Para a cidade do Porto, se-
gu viagem com umita brevidade,
a barca portngiicza Flor da Maia ,
capitSo Jos de Azevcdo Canario,
ain;la pode recebar alguma carga
e passageiros, para os quaes tem
excellentes commodos :
mesma quizer carregar,
passagem, dlrija-se ao cnpitSo, ou
1 seu consignatario Manoel Joa-
quim Hamos & Silva.
seguir para Europi\. par^.geitd,' '"**"' ^ n,CSr" 0UM' carr<"""
quem n*
ou ir de
eha nilo nos desampara.
lili -se que Mra fcilo baro de Pipizio o[P"rc'0|'?vam um doulor da iiuiversidde,
Bernardo Josd de Abieu, commandanlo da I"8 ,aza oulra ligura no mundo. A rapa-
sexta divisOo militar I Diz o conde da Tai- "ga deixou-se levar tiestas alicantinas, os-
ua que os ttulos agora silo c.tcim/ias '. l)is- lucceti todas as promossas, deslisou do ca-
sc-mc um inglez ant'is dnjanlar quo o nu- racter proproprio do uma sonhora, o casou
ni lorio biilanniCO soffria uma pequea e" o bacharol, quo nada mais sabo do qoo
nodilicacilo, que sabia o Grey por falta do' bacharolar, deixando a olhar ao sigoal o
ttule, e eiilrnva Lord Clarcndon, vice-rei *'
da Irlanda Tambum mo diste um creado
do Mr. do Pietro que o Santssimo padro Ho-
rneara uma commissSo para reformar os ar-
ls'as tanto por lora cono por dontro isto
lio no material, o no espiritual.
A clemencia imperial c apostlica do Vien-
iia commulou cm dou< a 10 anuos de prisSo
cm f nlalczis a pena do nioilc Imposta a 38
le 1 1 : los Jo ultimo parlamento hunga-o! .. ,. '
Sin mngesladena sua ultima viagem a lia- ,i0,l"i|"""lo do da 17. 4.152,588
lia fez 89 gratas a 89 111 lividuoa ueste nu- Oescarrega koje 18 de dezembro.
mero enliam dous xaro, es. Duvila-soI'"lgue Puguez --Novo Vencedor cal*
muito que siia doputido o Herculano 1 fa- setiollas.
zrm-llie guirra, porqua esle eseriplor pu-j- ,. COMOtAOO GERAL.
blco nSo se ebega copvcnlencia .' A qua- "mdimento do da I a 16 19:607,241
ilrn(ijro:a uo vai boa paraos exccnlri- 'dcmdodia 17........2:118,103
eos! O partida Cabrslisia quer provin-
cirurgiao, alias moQo do morit
Sou, cm nomo da na^o o da rtinha
saudc, patacos Seu amigo
e fraternidade, Lo Citoyen
Braz Tisana.
COMMERCBOT"
do em pouc>s pslavras, qoer dizisr laniotjoisteiial quer dnales.
iiinhos quautos foram precisos erar pira
accunmiodar os amigos prenles ele.
I venios fogo inonslro. Tambera tp-
parecen um actor inonslro que, segu) lo
diz a t-1111 .rusa do D. Fernando, pesa 15 ar-
robas, imagino o Meslro que tal he o bruto;
cu i 01 1111111 uo osuslentav nem a pallia.
C1010 que nilo era raau ServICO fechar o
theatro do D. Fernando, que ara nada ser-
vo : para ver um hornera gordo escusado
lio bir l.
Temos urna noticia imporlaiilc que mui-
ches! o progressisla quer guardiics o mi-
Nl c.pilil da Pruss'a vilo cstabelecor-so
rrlogios elctricos. Aqoi a electricidade
obrou prodigios na assemblc 1 da ra dos
Mouros! Falla-se cm nova fornada de pa-
ros o quo abunda nilo projudica. O meu
|o .'Ii'- .uto anda a sismar por duas cousas,
das quaos o rapf/. queria saber o motivo
primeira porque rasiloa nova cmara he 0-
ieita no inivertario do grando l.-rromolo,
e 110 dia dos fiis d Ionios, a segnnda por-
que molivo os o ,br. i-o.as 11 / -1.1111 a sua
1 "im i 1 a favor da carta o da rainba 110 dia
10 o ha-de alegrar meslro regosigc-so por dos anuos do Sr. I) Miguel de Rraganga. A
tres das, o (10 ferias aos seus aprendizcs \ respes!* ha-de vir no futuro
mando publicar por um bando que a fra-
gata do registro j lem charanga a burdo
feliz genero, dilosa genio.
Suicidou-se o Aln.uxarile do pa'acio do
Ouoluz, Jos Mana dos Anj is o dosgraca-
do iloixou basianlu tamilia, o em mas cir-
cunstancias : parece que a causa foi o mao
o.indo de cotilas o do finanzas. Euforcuu-
se no dia II. Lia administrador docou-
selho. ,
ispcita ha-de vir no futuro Almanak d
lomhrnr,as do Caslilho.
.Nogiando theatro de Marselha acabado
lor lugar um successo oscandtloso! o ro-
pugiieiil>! Na noilc do 2 ropresentou-so
i Favorita por canlintes francezes: as hos-
tilidades mu: o:.mi lodos os arlislas fo-
ram assobiados um por um, ecobertosde
insultos! quando um dclles quiz fallar a
tormenta dos grit is, o assobios foi espan-
tosa A companhia lyrica do Saint Pelrcs-
I'oi nomoado para secretario do governo burgo compOo-.>o esto anno das seguidles
civil de Reja o lilho do Jaciulho Jos Diaa del nolabilidadc : Grissi, e Pcrsiani, Mario,
Curvalbo.Douso illuniinooo icoiiipauho Timberlik, Ronconi, Timborinl, La Rlachc,
i-mpie pin que ello laca Im is cousas. o Formes. No baile est a parelha Giissi
O vapor Porto viudo dessa cidade soffreu I e Parrot.
quarentens de 8 diasesta conhocido quo I Temos actualmente nove crises minislc-
n fab.-o a.n trolla s lio contagiosa por mar raos ua Europa. Na Franca por causa da
pois que por larra neuhuui perigo lia em se {lei de 31 de miio na Austria pela entrada
i utnmuuicir. A forluua ma levo se ou en-' das provincias iio allemes na confedera-
lendo os tire seuliorel di stude. Icio, Em llespinhi por causa dos negocios
OcididiloStlcbcheiro com loj na pra- de Cuba. Ni Dinamtici pela successlo ao
r,a de 1). Pedron. 66previne os seus ami- llirono. Em Turim por motivo da questSo
gos por um annuncia pnblicto na diatrn- ccclesiastica. Falla-se
91(735,344
DIVERSAS PROVINCIAS
Kendimonlodo dia 1 a 16. .1:519,074
Motil dodia 17....... 85,558
1:614,932
BxporttM&o.
Rahii, patacho brasileiro Aracaty, do 40
tonelladas, comiuzio oseguinle :--41 cai-
xas e 16 fardos fazendas, 1 caixSo aljofros,
40 Diniltras hlalas, 12 barricas rarlnha de
trigo, 40 cunhotos cnxofre II pipas, 2j
barril o 16 quartolis azeite de carrapnto, 48
Clisas volas do carnauba, 266 molhos o 2969
p-ks de catira, 36 canudos salsa parrilha.
KE-;EBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES HE PERNAMBUCO.
Rendimenlo do dia 17..... 313,193
consulado provincial.
Rcndimonto do da 17.....2:866,717
ja-se om casa da agencia n. 42, no trapiche
novo.
Consulado de Portugal cm Pernambuco.
Para conhecimento da naveglo c com-
mercio so faz publico quo lendo cessado os
motivos quo deraru lugar publicado do
Edital do conselho da saude publica do Rei-
no de Portugal, do 5 do setembro ultimo,
transcriptos nos Diarios do Pernambuco de
4 6 e 7 do Outubro passado, pelo quo no
era permittida a admissilo nos portos do
Roino dos navios procodentes do Brazil sem
quo primoiro verilicasso a sou oslado sanita-
rio na ostacSo de saudo om Beicm.foi o mes-
mo edital derrogado, continuando cm vi-
gor as medidas anteriores. Consulado do
portugal em Pernambuco aos 12 dezembro
de 1851.Joaquim Baplista Moreira, cnsul.
TBKATRO DE S fZABGL.
No podando ler lugar a reeila annuncia-
da, para honlem 17 do corrente, om conse-
quencit do lempo, previne-se aorespeila-
vol publico, do quo licou transferida para
segunda feira. 22, impretorivelmonte, e ro-
ga-se as pessoas que aeccitaram billietes o
camarotes, o obsequio de nilo divolve-los.
Movimento do porto.
Navios entrados nndiail.
Terra Nova 28 dias, brigue inglez Runny-
mede, de 200 tonelladas, capitn Samuel
Provrse, equipagem 12, carga bacalho ;
ao capitSo.
dem --25 dias, brigue inglez Balclutha, do
241 tonelladas, capitUo Goorge Harte, c-
quipsgem 14, carga bacalho; a James
Crtblrce & Compinhia.
Navios sahidos no memo dia.
Rio do Janeiro escuna brisileira Mirii
Firmina, ctpitaoJoo Bernardo da Roza,
carga assucar o mais gneros. Conduz 28
escravos a entregar
26.' RECITA DA ASSICNATURA
E
Vllim neste eirrente anno.
Tcndo o administrador empresario de
feixar o theatro en cnniequeneia do sa 3-
charem muitos dos senhores assignantes, c
a maior parto do publico, for da cidade,
tom determinado dar um ultimo o variado
espectculo de cncerramento no dia
Sat/bado SO Depoisde uma das melhores ouverturas,
subir a scena o interessanto drama turco,
em 2 actos.
Zulmira.
O
O modelo de Constancia.
Personagens,
llerzaido, sultlo.Germano.
Zulmiia.I). M lmela.
Tirmene, sou amante.Silvestre.
Osman volito conlidento do sulto.- Rcis.
Zeliin cscravo preto.Raymundo.
Muley.Cotmbra.
Slufti*.Pereira.
Escravos, soldados ale.
No lim do drama as Sonhoras Linda e Car-
mela, ('.minino o excclleiile.c muttoap^liu-
dido dueto da Opera
Norma.
Depoisdo qutlropresentar-se-hao I."acto
dodrama
D. Cesar de Hazan.
ornado de muzica.
Em seguida a Sr1 Landa, executar a linda
cavatina da opera
Ernani.
A compinhia nacional reprosenlar, du-
pois, o 3." teto dodrama.
A Graca de eos.
E neste teto que Mara e Pedrioho canto
edelo o
Dote da Saloia.
Logo que termine, a Sr.' Lauda executar
unas lindts variares, em seguida a Sr."
quom no mesmo quizer carregar
ou bir do passagom, dirijl-ta ao cscriptoriu
deMinoolGoncalvesda Silva, ou a bordo :
1 tratar com o capitSo no trapicho do sl-
godlo.
- Para o Ceari sabe o hiato N. Olinda ;
deixou de sabir na segunda-feira por incon-
venientes, osahir improlcrirelmeule sab-
ido; recebe ainla tlguma carga ateo 'lia
trata-so com Manoel Dias na Senzalla
Volha n. 138.
Para o Kio de Janeiro e Monte-
video.
Sabe com mulla breviJado o velciro pata-
cho brasileiro Bella Aila, por j tr melado
da carga prompta para Montevideo : quem
no mesmo quizer carregar pira qualquer
dos portos, ir do passagem ou ombarcar es-
cravos para o Rio do Janeiro, d rija-se a ra
da Cruz n 40: a tratar com Manoel Alves
Guerra Jnior, ou com o capitSo Manoel Jo-
s de Sena Martins na praca do commercio
-- Para a Hiihia sahe por ostes 8 dias o
hiale Cipricboso, do 40 lonolladas, bem
construido o muilo volleiro, com bons com-
modos rara passageiros; quem no mesmo
quizer carregar 011 ir do passagom, dirija-so
a praja do Corpo Santo n. 2, primoiro an-
dar, ou a ra da Madro do oos, armuzem
do Vicente Ferreira da Costa.
Para o Porto, sabe impretc-
rivelmente, no dia a4 do corren-
te, a galera poitiigueza liracharen
se da qual he capitSo Hodrigo
Joaquim Correia,aindj recebe al-
guma carga a frete e passageiros ,
para os quaes tem exccllenles com-
modos : quem na mesma quizer
enrregar, ou ir de passagem, en-
tenda-sc com o referido capitSo, na
praca do Commercio, oucom No-
vaos & Companhia, na ra do Tra-
piche n 34; assim como at o dia
aa aprsentarao no mesmo es-
criptono as contas do referido
navio.
Para o Rio de Janeiro pertende seguir
viagomcom muita brevidade, o patach
nacional Mnrgarida, capitSo Florencio Frau-
cisco Mrques: quem" no mesmo quizer
carregar, cu bir de passagom eembircir
ascrayos, p lo enlendcr-se com o consig-
Luiz Jos de Sa Araujo, na ra da
- Prccisa-se alugar dous moleques, paga-
se bem : na ra da Roda n. 21.
Precisa-so do uma ama para uma casi
do pouca familia : na ra Imperial n. 13.
Prccst-se de quom Inca milheiros de
lijlos e lelli.is, dindo-so barro prompto
ofaria o lenha : quem estiver ncsla circuns-
tancia dirija-so a ra do Collegio 11. 16, lor-
ceiro andar.
-- O abaixo assignado lendo seguido para
a Rabia deixou por seus procuradores e en-
carregados da gerencia de sua casa aos
Srs. Manoel Joaquim Ramos e Silva e Manoel
Alves i.u.'.-iJnior.
Domingos Alves Matheut.
Fugio desdo o dit 8 do correnle urna
prola escrava, creoula, do nomo Thereza.es-
tatura regular, corpo cheio, nadegas grau-
des, pc.-coeo grosso, Dadoce de cravos nos
ps, o lem uma marca preta ao lido do na-
riz, levou voslido do riscidoazul,sem pia-
no, porm talvcz tenhi mudado do roupi :
quom a pegar c levar no ctos da alfandogt,
iiriiiuzcn 11. 5, ou no atorro dt Boa-Vista n.
19 que seta bom recompensado.
O thesouroiro da i-mandado dn Senhor
Bom Jess dos passos, tcndo do collocari
mesa regodora, convida 1 todos os irmSos
mesarios para comparecer no consistori 1 do
Corpo Santo no dia 21 do corrente pelas 9
horas da manhSa, bem assim convida u lo-
dos os irmSos que so aeliem reunidos no
inosmo logar rs 2 horas da tarde para aro n-
: mil, 1 a procissSo da tralasdar;So do Divino
Espirito Santo que tem do siltir do convento
de Santo Antonio para a igreja deN.S. di
ConcoiSo dos militares, assim como lodos
quclles quo (iverom cipas e nao quizerem
1 -1 j 111;> i'.li ir a procissSo, queiratu ai min-
ear entregar logo do uiuilifl 1.
d -- Jos Pedro Wernerk Ribeiro de Aguilir,
ratirando-so para a corle do Rio de Janeiro,
c no podendo despedir-so do todas as pes-
soas com quem levo relacOes do amzade, o
faz por este meio asseverando que te relira
saudoso e summamente grato ; e ofTercce
a todos os seus amigos o limitadsimo pres-
umo que por ventura possa ler naquello lu-
gar.
-- OSr. J0S0 Marlins Pomares, vendedor
do fazondas o miudozas, na freguezia da Es-
cad, queira quanto antes pagar o quo deve:
na ra das Cinco Ponas n. 112.
Precisa-se de 11 m homem que Irtbtllie
om utn sitio, perto destt praca : na ra do
Passoio, loja n. 13.
A senhora I). Izabel Mara da Encarna-
e.'i 1, ano 11 iii-io n sua morada pan ser procu-
ra da a negocio de seu interesse.
Para quem quizer saude.
Aluga-se urna casa nosaudavol Cichin-
g, com bastantes quartos, cocheira e estri-
bara : na ra Nova n. 63.
- Precisa se alugar um preto,
que sailia cozinhar o ordinario e
fazer o mais servico d : uma casa
de rapazes solteiros : quem tiver ,
annuncie.
-- Precisare de umeaixeiro, de 12 a 14
cm inodilicjcoe.s
na da Inca do Duarte bello, quo abriu um na Inglaterra, Relgici, Prussia o Portugal. dem e portos intermodios paquete de va-' <-,rmel cantara a ctvitina da opera
novu ettabelecimenlo aondo lomchourigos Escreve'B do Priz que Madamo Lgaldol por brasileiroS. Salvador, comiiianduilat Columcia.
de sangue feilo com algum aceioque nSo est alli fazendo furor na Figlia di rgimen-
foi por ambicio que novamnnlo seda a es-, lo A L'gtldeheqaisi hespanhola. A mu-
natario
Cruz n 33.
Para Lisboa 1 rol en de sabir com brevi-
dado o brigue portuguez Viajante por tora
maior fiarlo de sua carga prompta. Quem
no mesmoquizor carregar ou ir de passagem
dirija-se aoi consignatarios Thomaz do A-
quino FousecaoV Filho: na ra do Vigario o,
19,1 andar ou ao capitSo o propriotario Mar
noel dos Santos,na praca do commercio.
Para o Porto, segu com toda a brevi-
dade, a barca portugueza Espirito Santo.ca-
pilSo JoSo CarlosTetxeira ; quem na mosma
quizer carregar ou ir do passagem dnja-sa
ao escriplorio de Francisco Alves da Cunhi
& Companhia, na ra do Vigtrto.
PARA O RIO DE JANEIRO.
Sahe com a maior brevidade pos-
o primeiro lenle Antonio C. do Azere-| Terminar o especticulo com a grociost !' Jr^ga*
do Coutinho. Passsgeiros, o tcnonlo co-comeda om msica em 1 aclo ment promplo, o veleiro brigue
um catxetro,
anuos, que lenha alguma pratica de venda,
preferindo-se dos chegados ullimatnonle :
na ra do Pilar n. 131.
Precist-so do um 1111150, que lenha pra-
tica de venda c que lenha alguns fundos ,
ao qual so dar seciedado na mosma : ni
ra do Pilar n. 120, na refinacSo se dir
[quem he.
-- D. da Silva GuimarSes, embarca para
o Rio de Janeiro, a sua cscrava creoula, por
nomo Thercza.
-- Fernando Jos da Rocha Pinto, exporla
para o Rio de Jan iro, os seus escravos '.-
feruo e Manool, creoulo;.
-- Joaquim Monlciro Cruz, embarca para
Rio de Janeiro, sua cscrtvt, de uoiii
Luiza, creoula.
Campo alegro anlig.i Capunga.
Aluga-so 11 ma casa muito fresca e nova ,
no nielhor lugtr do goslo para so pastar a
fest, contigua ao sitio di senhora Viuva
Lassarre, pelo preco de250,000 rs. poran-
110 : a tratar com a mesma senhora, ou na
ra da Cadeia do Redro n. 54; adverte-so
que f secontrntt He odia 28 do corrento
Senhores Redactores : Tcndo sido bts-
lanle calumniado como coniveute nos attu-
clozos embustes, e calumnias lovautidas
( por quem o linpo, descubrir ) contra as
pessoas dos Srs. Manoel Francisco Azevedo
Lira, o o alfares Antonio Claudino Montei-
ro, declaro ca tempo 'iuo contra Brazilciro
algum inda nSo je i uma s passida que os
ulloiideise ; o qqe ou portuguez nesli fre-
guezia tenho sido sempre garantido mesmo
quando 1 familia do mesmo Sr. Lira ter-
ciara entregos polictes.
Tenho de rogar aos senhores redactores
queiram enseiir eslas tostis liabas em o
scu beta conceituado Diario, que milito tem
de agradocor o seu constante lelor.
Bezorros, 8 de dezombro do 1851.
francisco iuni: Vontes


1PP
"Ja^"BBal
Senhores Redactores. No dosompenho de Al*a-se a loja n 15, (la ra
rmV-V-KS^^'i'-W S? do Ciear, garan,e-se carrea-
nn Francisoo d'Oliveirs, guando o ouvi ero damento pelo tempo 'que convier
>zes gritar: orSr. fa ? ialbe i a m coroprar a armacao da mes-
ai tas vozes .
o vi que neeessanameute fallava comnugo,
tanto mal qundo outn pessoa nao passa- na I01B : a tratar^ na
va n'essa occasiao ; pergotel-lhe ao a mim v\t e g. Antonio n.
na ra di Ca-
so diriga respondeo-mo que sim, o con- _
vidou-mo a subir. Sendo recobido na os- .
9-
csa n* ra
Nova, pro-
oria nara vouder sorveles : ajuero qui?er,
c.d.soubequea.Sto d.v. lugar, pi,1. Iica- g, P^ rua largaV,lo ^o ^8, foja
'" domiud.-zas, quo achareom quom tratar
rao de uns versos inca; tos no
bueano, o. 31. O mais que so pussou deixo
ao-aleanced'aquelles que, de perto, conde-
cora o genio fogoso e arrebatado d'esse Sr.,
accressotando de minba parte que fui
ameacaJo para o primeiro encontr que na
ra livessemos !... Ao publico teuho
Prcoisa-se alugar um prcto forro, ou
captivo, que saiba bero cozinbar: na ra da
Cadoiado Recife u. 14.
Aluga-se o armazein de car-
ne n. 27, por baixo do iheatro da
penas quo dar a salisfacSo deja mais ler-me ., .-
envolvido n'essa, ou cutra qualquer pu- rua aa l rai8 1,vre e aesemoara
blicacfio tondente aos Iheatroa, e que lem cado de qualquer onus, ou divida
fetoaordaadodia n'estes ltimos lem- deimnostos: a fallar com Guilher-
nos ; emprazmdo aos Srs. heladores dos "!"'"
differentes peridicos ojornses, d'estaciJa- me Sette, no aterro da Boa vista
doama desmenlirem. Com a publicado ,,_ I0
d'estaa linhas muito obrigaro ao sou cons- d!,,:,,,,,!,,,., nn enmurar urna rs
- M,to franelas CHa^. ^^1^:^'^^" hH.Vo.
1 rua do Trapicho u. 40, armazem do M. Car-
O Sr. Manosl Biptista da
rregado na secretaria do governo, queira
ler a bondade de hirao primeiro andar do
sobrado contiguo ao od que morou na rua
do Rangel, a negocio que no ignora.
No da 30 do crrente ir a praca um
terreno oom bemfeitoiias e ama casa ter-
roa, e outra meia-agoa na travossa da rua
Augusta, por execucflo de Malheus Austin
Madama Bosa Hardy, modista
li-ffiileira na rua Nova n. 34.
Previne-se aos troguezcs que roceboo pe-
lo navio Pernarobuco, um bello sorlimenio
declinos de seda franzida, o ligas de pe-
nacho o flores; para senboras a mocinhas
do 6 al U annoi, lindiaaimos chapeos de
groado aple frsnsidos a moda, de flores
ou penachos, de abas grandes para menino
del at5anno, rico capotilhos pretos e
decores, modelos novos, o muilo entalla-
dos ; ricos chapeos de palha para senhora
enfoitadosesom cnfeites, chapcosinhos de
palha para meninos e meninas, ricos cor-
tea de so ia bronca lavrada para nuivas, veos
a ca ollas; gros de napolea furta-cores
para vestidos e capotilhos.-franjas o transs
da mesma cor, para os enfaltar : na mesma
loja lem um completo sortimento de fazen-
dasao uso das senhoras, ja anuunciadas, e
faz-sedeencommenda vealido, capotinho,
e veslidinhodebaptisado por preco com-
modo.
- Anda em prcgflo por Ires pracas, a ulti-
ma das quaos ter lugar no dia quinta-feira
(18 do correte), para ser arrematada
Juem mais der, peranto o juizo d'orfaos
'esta cidade. urna casa terrea pertencenle
ao casal do finado JoBo BaplUta Herbster,
sita no aterro da Boa-Vista n, 27, que se
acha em armazoin, tndo grande quinlal
murado, com um grande lelheiro, que ser-
ve de ollkina de marcenaria, com cacimba
moieira, eum sobra Jiuho com soto e co-
3
neiro.
- Precisa-se de urna ama de meia idade,
para urna casa de pouca familia : a tratar no
aterro da Boa Vista n. 8.
-- Precisa-se do um caixeiro, quo nSo ex-
ceda do 10 a 15 annos de idade, para venda,
com pratica, ou som ella, e que d conheci- sinlia Tora, no fundo do quintal, com frente
. monto do sua conducta: as Cinco Pon- para o rio Cupibaribe.pertcnceodo i pro-
& Companhla, contra oa herdeiros do la- ( prledade e alagado, que faz na frente do
noel Francisco GuunarSos. peranto o Sr. Ilr.. V,tn dito suhradinho; avahado ludo om doze
juiz monicipal da segunda vara, lio a ul-, runo. conloa de rs. : cuja arremntacaofoi reque-
me Prace. ... '-;Ji,'{alamrr.^TJLn^lZ: rida pelosherdeirosd'aqoelle fallecido1 Os
-- Pode-se ao auctor do annuncio publ- rento do sitio da Taijiirineira. .n**'*** i licitantes podum comparecer Di casa da re-
cado em o Diarfe de soxla-f.ira 12 do dos afilelos um rclogio com crrete ludo lgiJencia do Sr. Dr" juizd'orphaos, na rua
crreme, o* que dz tora appr hendido em de ouro, cujos signaos silo ossoguintes : o das I-Iorcs, no ndicaJo tlia 18, pelas 4 horas
o lugar donominado Pedra Tapada, um es- relogio ho saboneto horizontal auisso e Ira- j" ,"j' '
cravo crooulo, e robusto ; que baja do de- balha sobre quatro robn;, a caixa aborta a n.
clarar a quo fregueaia, ou coraarca perin-
eo o dito lugar Pedra Tapada.
Ocollegioque sob a invocado de S.
Vicente de Paula, se acliava ostabollecido
no segundo andar da casa n. 17 da rua do
Queimado. dirigido por D. Mara de Naza-
reth Augustado Miranda o sua irman I). Ma-
ra Jos Amalia de Miranda, as quaes do
KxmSr. presidente desta provinci, obti-
.'=x iss ra,=i s|^:^xr: tan
da, esiao gravados com esmallo branco, o ,ro' "''"" '' .___,,,i ir,,in
nome do fabricante, a ciJade em que foi fei-, Sr' Joi1 v,n",m.0' m0sl; ^ '
to.essqualidadesdorelogio. A torrente lem 3iuorm"rou na.rua do VSu}0VuMZ?n
grandes lavrados, ou ??? monl' ?u1d'rlJ,r-s0 8 1,vraru n"
veram licenca para continuar no exircicioipo centro dous ellos gr..uoo v., v- ..ifiicia
doseu magisterio, por see resnoit.vel des- levantadas; todos os mais silo pequeos e ,_ Pg ^X" so ne\u cidade
pacho de30 de agosto do corrente anno, Iquadrado, e junto ao gancho estilo presos '^ ,'' ira ..ciscoNunes da.
mudou-se para aasa n. 23 da rua da Ca- urna chave de ouro e um .pito de corla com- j^vTsoa "< nVu^
doia de bairro deS. Antonio, daqual pou- PpslCBode ouro o prala que se asscmelha a ''*' ^jr"*' '7, "^,q d" ,eu inl0 esse.
co s.hio a llhnlsra. D. Candida. Ncslo col- platina. Quem destes objectos livor, o quizer [Po' 3j ^^K,,,",! *p
legio recehe-so i ensionistas, meias pensio- dar nulicia dirija-se ao moncionado silio, ou I
Distas ediscipulas exteruas o Srs. quo rua da Cruz n. 55, quo ser generosamen-
te recompensado.
quizerem fazer a honra de a elle mandar
suas lilhas, queiraro dirlgir-sc i casa a cima
mencionada, onde se Ihe darflo lodos os es-
clarecimentos.
-- Todas as pessoas quo se achao a dover
na venda de Joaquim Jos Correia, na rua
da Aurora, queirfio vir at domingo prxi-
mo, salisfazor seus dbitos, a sua mulher:
ua rua do Rozario da Roa-Vista n. 44, onde
so acha morando a mesma; do contrario
passarBo pelo dnssabor do ver seus no-nos, o
dbitos publicados nesta foHia ; o quo nOo
dezeja.
Do porto do Zougu em Apipucos dcsi-
pareceu, ou furtaram ero das destemez u-
nio bombado ferro, quo no 1.* inventario do
fallecido tenente-coronel Francisco datocha
Paes Brrelo foi dada om parlida a legalaria
Mara Candida Magalhes; quem soubcron-
do se acha a dita bomba, ou quem foi que a
tirou daquelle lugar, o quisrr descohrir,
lirija-aea rua do Arsgo, sobrado n. t2,l.
andar, pois quo ser gratefido, e so lhe pro-
melle guardarsegredo.
-- ioSo Das dos Santos, cidadlo brasiloi-
ro, r-Lira-so para Portugnl levando om sua
companhla sua irmSa Brmeiinda Hosa dos
Santos.
Precisa-se tallar ao Sr. Jos Rodrigues
do l'asso a negocio que Iho diz respoilo:
na rua do Queimado loja da estrella n. 7.
Precisa-se alugar urna muUla ou prcta
liol o de boa conducta, para servico de urna
familia eslrangeira; dirija-so a rua da Ca-
ricia n. 60, escriplorio.
No dia 28 de novomhro prximo pas-
sado desapparoccu uma negra de nome Ru-
AMOciacao Coiimero/ A direccao a roiuerimontos do mais do
dous tercos dos socios ell'ectivos, convoca
da
& Glhos, do Penedo inser Jos.o primeiro no
Mercantil da Baha de23do novembro do
85I, e o ultimo no Constitucional do Ma-
ce i de 15 de outubro; os quaes talvez
ferio bastantes para responder ao que
Infames calumniadores lem ousado propa-
sar pira menoscibar o crdito daquella
casa :
l'on'in pareco quo nilo deixando aquelles
Srs, passardosapercebidas taes insinuar;Oos,
a confusflo e o rernorco seri o fructo colhi-
do por esses dectratores do crdito alhcio.
Recife, 4 de dezembro do 1851.
if f
C2?* A casa commercial estabelecda no
Um de S. Francisco, na cidade do Penedo,
sobro a firma de Araujo & Filbos, i-.-.n moti-
vos para fazer publico que nada deve a pra-
C,a da Baha, por virtude de transaedes ha-
Ka CM de modas francezas, de' "-- Vende-aa ou troc-ee por outra, qu
eotenda mais de cozmha, uma escrava mul-
ta robusta e de bonita figura, aendo de mu
Buessard Milloclian, no aterro
da Boa-Vista n. i.
acaba-se de receber pelo Pernamliuco ulti-
mo uavlo vindo do Havre, um lindo sorli-
menio de modas do Pars; como sejam ricos
chapeos do soda e de palha para senhoras,
chapeos de monfaria,dito de palha para me-
ninos emeninas, manlelhetes e capotilhos
de seda de* cores o pretos, mantas o lencos
do so li de rclroz, o de cores um lindo esco-
Ibmento do bordados, cabecoes, romeros,
cniisiiihase cipulinhos do bien bordados,
ricas Illas par ointo o chapeos, floros finas
para casa monto ecnteiles de vestidos de bai-
lesjuvas depelica para san hora, enfoiteapa
raasd!tas,pulceira do lilas,trancas o franjas
para vestido, e mantclhetos, esparlilhos l-
vidas com asnliga casa ile commercio quo, os, bicos o galo-s do seda de cores, touca-
pormuilos annos girou sobre a firma do j0s ricos para bailes o theatros, luvas do
Jos A'.tonio de Araujo, chefe da aclual casa 8cda muilo linas, o minias oulras fazendas
dos annunciantes ; assim como esla nova <\0 gosto, que se vender.) muilo curconta.
(Irma, acha-se nessa mesma cidade tilo so- f$^r\&^&Ct0M&&'i!$'til9l$wWl&
menleobrigada ao pagamento do uma lolra j precisa-so de um ama, quo tenha *
da quantia pinico mais do 2:7008000 rs., a; ^ muito bom leite, sendo Torra e que S
vencer cm dezembro do correle anno, Ug seja Umpa para amamentaruma cri- 3
e tri-s letras de pouco mais de 800,000 rs-, a y angj de 2 mezes, paga-se bem : quem m
vencer cm mao de 1852, 1853 e 1854, rs-' aja) se achar nosta circumstancia, dirija-
taudoassim saldadas lodas as mais transac-j (qj S|. a rua ua Matriz da Boa-Vista n.
Oes que ten ali lido, por conta de livro, lo-l ^ ie, ou aununcio a sua morada, para
tras, o crditos ; e se alguem se julgar ero-1 ^ ser procurada. W
dor dos annunciantes, que nSo poder ser,' &;f%3%,&&&;.;3:OlliS:
seno por quantia intoiramente insignfi- -.' pc.ja.6o ao Sr, Jos (Jarlos de Meudon-
cantoo pela n5o ter reclimado, queira ri-| -a Vasconcollos, morador no Sul desta pro-
zo-lo saber quo ser immeliatamonte pago. | vjncai qUe S9 nili tem jurado nao pagar a
Oulro simdeclaram mais que suas fabricas,! qucm deve, pague a herJeira da fallecida D.
propiedades, esclavos e outros b.'ns quolM)riaIlll uolrigues de Jess, a quantia de
possuem se aeham livres do quaesquerj 80js COntos o secoula o t-inlos mil mis, prin-
onus, ouliypothera. Cidado do PouedoBOl cpa| ejuros de sua divida, conlrahida, ha
de outubro de 285I. Araujo & l-'ilhos. 'tantos anuos, easscvera-se-lho quese onflo
Attenco! altencao I lizer promplnmentc saber quo o sou assu-
Nl loja de miudezas da ru'a larga do llo-| car passar poralgum dosgoslo nesta praca,
zarion. 38 do Cardeal, troca-se por 1,0O0 o quo oseu nomo continua a ornar as pagi-
rs. bellos e engracados loncos de sedi para uas desti jornal.
- I'reisa-as alugarr uma escrava para o Pa"'mbl1 f"1. 2" uia8 ^"Xmo
sorvicodocollegiodasorphaas: os prcton- *.??." borasdo da, para reforme
denles dirijam-se ao mesino collcgio, a fal-
lar com a directora.
do estatutos.
A mesa rosedora da
Irmandadc do N.
w_...Wr.. S. do Amparo da cidade do Olindadeo prin-
rrenisa-sc UC urna ama na cipions obras da mesma igreja.como seja a
rua das A SOS Verdes n. 86, segn- jda coborta e de ootras que se tornSo indi'
i- j. pensaveis, e tom de mandar seus Irmos a
uo aiiuur. tirar esmolas, pelos fies devotos da mesma
Oscredorcsda massa fallida do Ignacio senhora, o roga antes, que se prestem para
l.uizde Brito Taborda, so convidados para um nm tao justo
comparecerem na casa do Sr. juiz de direi- .. Aluga-se a casa n. 9, da rua larga do
toda primeira vara do r.ummercionarua da .Rozari(l, a lralar na rua oreta, casa nu-
Concordia, no da 18 do correula as 11 ho- m. |3t,
ras dodia.alim de se verilicarem os creli- M-j. i>;,i.,lv mr..lsta fi-nnrp-
tos, o dehberar-se acerca da concrdala, | adama Uufoux, mo lista liance-
ou do contracto da uniSo.o escnvSo, za, naruaLHovin. 6q, primeiro
Joaquim Jos Pcreira dos Sintos
-- Precisa-ee da um caixeiro de 12 a 14
annos que tonha pratica de venda : uo pa-
teo do e ir,n i, venda nova n. 2.
andar.
Tem a honra do annunciar ao re;peitivcl
publico, quo so achara souipre na casa -tel-
,la um sorlimenio muito.lico do chapos de
.Hdame lloutier. modista frailee- seda esptim, turbantes, grinaldas, cipel-
. ni pin Nnri n ri8 'fl5r flore*, plumas de todas as cores, oou-
zana rila ovan, a, ,ros _u,MI,uer cnfeites do cab0a paro bailo
\ i v.i tn .-o i acaba da recober ?elo (.osar, ul I
timo navio vindo do Havre, um lindo sorli-
menio de fazen-las dance/ s e ludo que ha
do mais moderno em Paria ; chapeos de se-
da do tudas as cores, ditos do palha do Italia
aberlo, rnuito bonilos.chapeosinhos de seda
redondos para meninos o meninas, lil de
blondo branco borda lo, dilo preto do lindos
padrOos, escomilha do tolas as coros, bico
do blonda os mais ricos, para babados e or-
namentos de vestidos, dito do linho preto
de todas as larguras, um lindo sorlimenio
do tranca o franja, tanto pretos como do co-
ila, coa os signaes seguinles;altura bai- res> capellas de llores muito ricase moder-
ia, secca do corpo, cor preta, cabello cor-
lado rente, rosto comprido, qucixo lino,
denles poJrcs do lado de cima, mSos gros-
Bas, pus compridos, com marcas de vento-
sas as costas, com vestido do cassa do qua-
dro cor de rosa, panno da costa com lisia
a/ul e branca j usado, levou taboleiro en-
vernisado de encarnado com fes pretos:
quem della tiver noticia ou a pegar, dirija-
sai rua Nova n. 52, quo ser recompensado,
Alobilias de aluguel.
Alugani-se mobilias completas, ou qual-
quer traste separado, tambem se alugam
cadeiras em grande porcao para bailos, ou
nllicios; na rua Nova annazem do Iraslis
do Pinto defronte da rua de S. Amaro.
Pretende-so comprar uma casa lorrea
na travessa dos Marlyrios n. 1, aos hordei-
ros da fallecida 1 h. reza do Jess Ramos;
quem se achar com diroilo a mesma, queira
declarar por este Diario no praso de 6 dias.
- i'erdeu-sa na noute de sab-
bado, i3 do corrente, das 6 e meia
as 7 lioras da noute, desde a rua
do Brum at ao principio da rua
do Vigario, indo-se pela roa da
Cruz, o segundo volume da Mar-
queza de Bella Flor, embrulbado
etn um papel : quem o tiver acba-
d i e o quizer restituir, dirija-se a
la do Brum, aunazem de Anto-
nio Martins Carvalho que ser
gratificado.
4luga-so uma casa de pe Ira o cal, para
passar a festa, acabada de ser construida, no
lugar da Capunga Nova, sitio do Dr. Jacobi-
na, seguirtdo para o rio do lado direito : a
lralar no pateo da Santa Cruz n. 6.
Quem precisar de um caixoiro poitu-
guoz, o qual lem bastante pratica de venda,
ou mesmo lomar conta por halanco : diri-
ji-sa a rua Dircita, venda D. 93, que achara
com quem tratar.
Precisa se alugar uma ama, que seja dj,
10 anuos de idade, sendo parda, ou creoula,
que seja forra, para o servico do una casa
de muito pequea familia, que faca to.foaer-
vico externo de uma casa : quom eslivar
imstM crcumstancias, dirija-se a (Jambn
do Carino, sobrado de dous andares n. 10,
segundo andar.
Precisa-se de una ntullier idosa, que
saiba cozinbar eengnmmar, para dous ho-
mens sollciros : no aterro da Boa Vista nu-
mero 70. -
N. O. Bieber &c Compaubia,
luzcm leilao : quinta feira, 18 do
as, um grande sortimento do litas de todas
as qbalidaden, muito lindos manteletes de
lil preto, chales, manas, manteletes o ca-
polinhosdn seda do melhor gosto, chama-
ole preto, flores finas, manguitos do bico
para senhora do mus moderno gosto,setim,
o tlioalru, o la ni bem so achara chapaos e llo-
res promptos para lulo, ludo pelo prego
mais commndu.
Na rua larga do Rozario n. 35, loja, se
recebem oscravos e oscravas para vendor
por commissilo tanto para a praca, malo,
romo para fura da provincia, tondo bom tra-
lainento e soguraiiQa precisa
i Acha-se farlnha nova do SSSF, (dera-
iminho) para vender, nos armazoin do Dea
no Koule &Comi-anliia, no beccodoCon-
Calvos.
Precisa-so de uma ama forra ou ca
liva, para fazer o seryieo de uma casa de
pouca familia : em Fura do Portas, rua do
Pilar n 72, sagunJo andar.
Roga-seao Sr. Bazilio Comes Percira,
morador na villa do Iguarassu' o especial fa-
vor de vir ou mandar pagar a importancia
dos gneros quo comprou na rua da Cruz
grvala, fazenda modernissima, e do 13o
esquisito goslo, quo ninguoui deixara do os
comprar. Na mesma loja vonle-so igual-
menlo por muilo pouco dinheiro as mais
pcifcit8S e liiidlssiinas llores francozas para
cnfeilo de chapeos e vestidos do sonhora,
pentosdo tartiruga para coco, o um ednri-
rnv.-l apparelho para fazer cafo om 5 mi
utos.
O Di. Sarment nao tendo
podido descobrir a residencia das
senboras 1)1). francisca Victoria
da Custa Avies, Hara da t'oncei-
<;ao Nazar, Alaria Anua Joaquina
da Silva e do Sr. Alanoel Francis-
co Alirqucs : roga-lbcs queirun,
para negocio de seus intetesses,
comparecerem, ou manda em a sua
casa, na rua do Queimado n. 4G ,
ou no sitio que oceupa na l'onte
dj Ucha, dcl'rontc do Sr. Fran-
cisco Antonio de Olive ra.
No ca dos arcos.
Junto ao tlieatro velho havoii soivelo das
6 l|2 horas da lardo do hoja e n diantc, ser
so .i, re das uiilliorcsfructas, o saio servi-
dos com asseio e piompli lilo.
A casa commercial de Araujo U l'ilhos
estab.-lecida nosla cidado do Penedo, pro-
vincia da Alagoas, tem motivos para fazer
publico, que nenh-.iin titulo de crdito, pro-
veniente das trnsacc,Ocs de sua casa, c pe-
las aienicatos assignadcs t-m deixado do
Attenc%.
O arrematante dos imp stosdas
afencOes, das liceucaa dos mscalos o boce-
leiras, inudoii-se para a la das Agoas Ver-
des ii. 25.
Manoel de Aducida Lopes, om casa
deconsignacHo par comprar c vender os-
cravos, t uto para osla provincia, como pa-
ra fura d lia, ihu.Iuj a sua residencia da
ruad-iCidcia do Recife, 0.51, para a rua
da Cacimba, n. II, anide morou o finado
Exm. vigario. Brralo,ondo oontioua, offe-
receudo-so toda a seguram;a precisa para os
inesinos o bom trata monto.
I'recisa-sc alugar uma escra-
va, que sej i boa cosinbeira c com-
iradeira, : quem a tiver dirija-se
aiua da Assumpcao ou muro da
l'cnh n. 16.
Compras.
--Compra-se na rua das Cruzes n. 22, se-
gundo andar, 3escravas de 16 a 20 annos ,
creoulas, ou pardas, de bonitas figuras, pa-
ra mucamhas, sabendo perfeitamento eu-
gommar, cozor chila, cozinbar o lavar, agra-
dando paga-se bem.
-- Compra-so uma marqueza cm meio
uzo : quem livor, annuncio.
-- C.ompram-se cscravos e vendem-sede
commisiSo, para dentro o fra da provin-
cia : na rua da Cacimba, sobrado n. II, on-
do moraju o Sr. vigario do Kccife.
- Compra-so uma toalha de lavarinto
cum pouco uso, c um escravo do \0 annos
sor ooutulmenlo pago nos sous vencimen-'; pouco mais ou menos, quo seja barato : na
Ipg' IruadiiSin/alla Vetha n. 88, padaria.
lOi'tro sim d claram qu.e sua fabrica, pro-
priodades, eserato, o outros bans que pos-
i'orrentc, as i o horas da mauha,
do (Jo cuixas ijjoin bacalho, cliega-
do ltimamente, no armatem do
caes da Alfandega n. 5.
JuliUo Jos do Araujo, rctira-so para o
Hio de Janeiro.
- Jos Duartc das Noves, onibarca para
o hio de Janeiro, o seu moleque Facundo ,
eoulo.de 18 annos.
trela de todas as coros, collarinhos do filo n 6 r-esU do j Cosmes 6m setem-
ebico bordados para senhora, plumas do Dro707nntfpi(Mi0 nto deque 180 Dio
cores e brancas para enrede, ma:igumhaa |1o se ^iwi 'd< |iubiica.-aeu noma
ile bico para sonhora os mais modernos gos- _e|M ornaos
los, atacadores para botinaida senhora, ri- r _. AJ|uga.se'uma prcla forr. 0u captiva,
cas luvas de pel.ca para senhora c homom engommo perleiUmento : a lralar na
bicos de linho verdadei-o, ricas romeiras J ft, "J 3
bordadas, ricos loucados do sonhora para | .. K .' J, ,
bailes ou llieatro, luvas do linho verdadeiro I Banco de f ernamLUCO.
para bomem. Na mesma loja fazom-so ves- A dirccc.Ho do Banco de Peroambuco co-
udo do casamento, de baplisado, toucas do lina a receber assignaluras para o ranino,
menino e do senhora, capolinhos do todas as pessoas quo quizeiemassignar o devem
as q u-i 11-la ios, com pcrfeico o preco com- fazer quanto antes afim de gozarem da van-
modo; recebem-se todas os mezes ligurinoa tagem do enlrarom com o importe do suas
modernos, que empresta a seus freguezes. assignaluras as prestarles que prescrevem
Aluga-se uma canoa de carga do 600
lijlos de alvenaria na rua da Concordia : a
tratar com Manoel Firmino Ferrcira.
- Precisase do um trabalhador do mas-
scira : na rua Direita dos Afogados n. 66.
Procisa-se alugar uma preta escrava,
para servico de muito pouca familia: na
Ponte Vclha n. 1<\
- A pessoa que recebou por engao no idias uteisat meio da. M. J. do Oliveira ,
dia 9 do corrente uma Inlma o mais nlguns ;secretario,
objectos embrulhado em um lenco do seda PASSAPORTES.
oncarna lo podo dirigir-so a rua do Quciiiia- -- Tiram-so passaportes para dentro o
do n, 16, que se dar os signaos certoa,e |fra do imperio, despacham-se cscravos,
os estatutos, cerlos deque em principiando
o mesmo as suas operados, dahi em liante
aquelles que quizorem assi mar, havendo
ainda lugar, s o poderflo fazor, entrando
com o importe de suasac;Oes em dinboiro
a vis'a. Contina a estar patento a assigna-
tura no escriplorio do Sr. Manoel Goncalves
da Silva : na rua da Cadeia n. 36, lodosos
recobcr uma gralilicaco.
Aluga-se o tercoiio andar soto da
corrom-se folhas. c liram-se ttulos de re-
sidencia : para este lim, procura-se na la
casa da rua da moeda n, 7, a tratar no se- ida Cadoia do Itecife n. 55, loja de fazendas
gundo andar da in09ma, das duas ast da 'doSr. Luiz do Oliveira Lima.oem S. Anto-
nio, na rua do Qneimado n. 25, loja de miu-
dezas de Joaquim Monteiro da Cruz.
--Precisa-so do uma mulhor, para cozinhe
e la-s i algum oulro servico de casa do uma
familia iugleza, morando na Magdalona :
quem esliver nostas circunstancias, dirija-
so a casa n. 43, na rua da Cruz, das 11 llo-
ras da niiiii i.la at as 3 da larde.
- Precisa-se do uma ama para casa do
larde.
-- Precisa-sede uma cosinheira para u -n
familia pequea estrangeira i na rua do
Trapiche novo.n. 18,a fallar com Sr. Eluado
II. Wyatl.
CratiOcacSo.
llavera pouco mais ou menos dous mezes
quo se enlregou um pieto para levar cm
casa do Sr. Vignes, que vendo pianos na rua
larg i do Hozar in, um livro velho sem cipa,
contendo varias pegas de canloria em Italia-
na e Inglez. O livro foi einbrulhaiin num
Diario velho. a pessoa a quem fui entregue
por euga.no, querendo restituir, dinja-so a
casa doSr. Eduardo II. Wyatl : rua do Tra-
picli" novo n. 18,que seri muilo bem romu-
iierado.
OSr.Bernardo.de Albuquer-
qe reniunJes G:iin.i, queira :n,ui-
rjar pagara subscricaodeste Diario.
Deseja-so saber quem s3o os possuldo-
res, herdeiros, administradores dos bens
que pert'nciam a diversas corporales reli-
giosas, sobre um sitio no lugar das Corcu-
ranas de sima ou quo so acha do posse como
procurador in nomine Ignacio Jos de Bar-
ros desdo o anno de-1817; e como se queira
fazer negocio sobre o mesmo sitio, roga-so
aos interesados hajam de declarar por esta
folha para melhor se tratar deslu negocio,
ou dingir-so ao Passeio publico, loja n. 21.
Precisa-se alugar um preto o tambem
compra-se, sendp fiel, que nao lenha acha-
ques enem vicios, para servico do casa : na
ruado Amorim n. 25.
US homom sclteiro, para cozinhar e com-
prar, ua rua da Praia armszom n. 2.
Na Ba do Aragao, n. i2, se-
gundo andar, copia-sc com perfei-
(;ao qu ilqucr papel em muito boa
letra e por preco commodo.
No cal Ir anee*.
Da rua nova ha ver sorvete das 6 l|2 ho-
ras da tarde do hojo em diante, os concur-
rentes serflo servidos com asseio promptidflo
e em lugar a vontade,assim como o sorvete
ser sempre das melhores fi netas,bom como
hoje do abacaxi; tambem tem polpa do ta-
marindos, refinada em Iotas de libre.
Pceclsi-se de um trabalhador de mas-
sucm so aeham livres, c desembargados de
quaesquer onus ou hypothcca. Penedo 7
de outubro de 1851.
Aluga-se por *, ou 5 anuos, ( n quem
comprar pelo sou justo valor, 3 oxcellenlos
cavados, o2 boas VBccasdeleite J um sitio
no lugar denominado-- Parnameirim --
prximo a Santa Anno, murado na frente, e
cercado pelos lados o fundos, com casa pa-
ra numerosa familia, 1,000 padelarangei-
ras, l.imciras.Limooiros doces, alguna 400
ps do Mangueiras jiquciras coqueiros,
mangabeiras tamarineiras sapolisoiros ,*
fratap.10 &. &. boa baixa para capiui, que
sustenta annualmcnto 4 cavallos, c 2 vac-
casde Icite, capoeira, quo da lenha para o
gasto da cosinha, o 4 oscravos para o oma-
nbo, o Iratamenlo do sesmo sitio : quem o
pretender entenda-se com Joaquim Jos de
Amorim.
-- Preciza-so do um portugus que seja
perito -cm plantados de sitio, o saiba ti-
rar formigas, quem esliver nostas circuns-
tancias e quizor trabalhar no sitio na traves-
sa do Remedio n. 21 ontenda-se com seu
proprietano, o Porteiro da Alfandega dosli
cidade, na mesma reparticilo quo a vista da
prova que der desabor o quo cima so dcsa-
ja, e da sua boa conducta ci. &. tratar-so-he
##!! 33 .*3*<9!3<*
Paulo .Hlgnoux, deiHlsla J
francez, offereee seu ii-cstl-
mo uo publico para todos os *
* misteres do sim proflss&oi
W pode ser procurado a pial-
9 qner llora cm sua casa, mv :.i
< rua larga do ito/.arlo, u. :*< *
segundo andar.
Precisa-sede uma criada, smenle pa-
ra o servico do cozinlia e compras, para
urna casa de muito pouca familia : na rua
do Rozario da Boa-Vista, sobrado n. 32.
Hotel no Monteiro.
Domingo, 16 do passado, abrio-sc esto
eslabeleciinonto com as seguintes pro-
,io CO -S
Bilhar o sorvete, aos domingos e dias san-
os a tarde.
Sala mobiiiada e independente, para as
familias, quo indo a paiiseio quizorem es-
i-auc-ir.
Quartos proparados para dormida.
Espacosa o bem arejada sila de jantar.',
com capacidade de servir i 40 pessoas.
Soili para recreio e passoio.
Estribara e arranjos para cavallo.
Co-uta mensal e avulso, preparam-se jan-
taros o prezunlos, sluga-so louca, vidros
bandejas, etc. etc.
Tudo por preco muilo rasoavcl, o acn-
tenlos.
Em primeira audiencia do lllm. Sr.
Dr. juiz dos feitos, se arrematarlo por ven-
das, por esccucSo da lazenda provincial, 2
sobrados do 2 andares n. 30, silos no pateo
do hospital do Paraizo ; avaliados cada um
om 7:000,000 rs : por execucao que meve
i mesma fazenda, contra o coronel Jos Pe-
S^- Compram-se escravos de
ambos os s< xos, de C a 3o annos,
para fon da provincia paga-se
bem temi bonitas figuras:*na roa
dasLarangeirasn. i4, no segundo
andar, \ qualquer hora do da.
Compram-se i mralas do casas tor-
reas ou sobrados do um andar, em bom es-
tado, e cm boas res : qucm os quizer ven-
der dirija-se a rua 'S AgOS Verdea n. 48,
(averna, que dir o prcti-udenle.
-- Compram-so trastes usados do todas as
qualidades, e tambem se trocam por nov.is i
na rua Nova armazoin do trastes do Pinto,
defronti da rua deS. Amaro.
Vendas.
to boa condico : a tratar na roa do Pogo
n. 15.
I.ivros cm branco.
Vende-se cm casa de Kalkmanu Irmlos ,
na rua da Cruz u, 10, livros em branco che-
gados pelo ultimo navio.
Veudc-se um elegante o
bem construido cabriolel,
com um cavallo, e tam-
bem troca-se por algum escravo, ouro, ou
causa de idntico valor: na co li.cira do Lou-
i e:i,;o, rua da Guia.
-- Na rua das Cruzes o. 22, segundo an-
dar, vende-se um escravo pardo, de linda
figura, de 28 annos, proprio para o campo ,
e um lindo crooula de 22 annos, ptimo ca-
nooiro, e tres prolas do meia idade, que co-
zinham e lavam de sabSo. eslo ptimas
quiUndeiras.
Vende-se urna obra de Tito Livio, tra-
duzida em francez, propria para professo-
res ; na praca da Independencia n. 17.
I ii vas do pelica para s nhorn, a 1,000 rs.
Non lom-se na rua doQueimadi n. 16, lo-
ja de n.ii lozas.
Luvas de pelica para homem, a 1,000 rs.
Vendem-so na rua do Queimado o. 16 ,
luja doV.nu le/, is.
Bonitas lu is de trogal, a 800 rs.
Vendem-so na rua do Queimado o. 16, lo-
ja de miudezas.
Bengalas do baloia, a 1,700 rs.
Veudem-sena rua do Queimado o. 16, lo-
ja do miudezas.
Chicotinho9, a 600 rs.
Vondem-se bonitos chicolinhos,a 600 rs.:
na rua do Queimado n. 16.
f.uvas do fio da escocia, a 200 rs.
Voudein so na ruado Queimado n. I, lo-
ja do miudezas.
Iionets de panno fino, a 1,800 rs.
Vcndom-se bonels de panno flno, a 1,800
rs,, na rui do Queimado n. 16.
Lavas de seda para senhora, a 1,800 rs.
Venlem-so luvas de seda de mui lindas
coros, u 1,800 rs. o par, na rua do Queima-
do u. 16, loja do miudezas.
Camisas do meia, a 1,100 rs.
Vunde-n-so na rua do Quoiioada n. 16, lo-
ja do miudezas.
Pontos do tartaruga para prender cabello, a
4,500 rs.
Vondem-si na ruado Queimado n. 16, lo-
ja do miudezas.
Palitos do fogo om caixas de pao, a 20 rs.
Veudoin-so na rua do Queimado n 16, lo-
ja do miu lozas.
Altencao !!
Na rua do Collegio n. i loja de
miudcsas.
Vendoni-se assoguintes eslampas cm co-
lectos completas ; Malhilde irmJo do Iti-
cardo, rei do Inglatorra, Fernando Cortez
no Megico, o Filbo Prodigo, Ignoz do Cas-
tro, Fgaro, o i.mu" Paladial e Mazeppa,
Masamelloou a Kevolta dos Napolitanos,
como tambem de muitos santos a saber l S.
Ignacio, S. i. ni ri- :u.". S Heooorino, S. F-
lix, S. Vicenlo, S. Estevo, S. Izidorio, S.
Au I '-, S. Ui.'l.iii'i, S Komo, Sr. daCraca,
S. Viclor, S. Itoqoc, S. Eugenio, S. Anasta-
cio, S Esciilestico, S. Agustinho, S. Filip-
pe, S. Apolunia.S. Claudio, 8. Maria.S. Ma-
noel S. Lua, S. Crespim e S. Crespiniauo,
S, Joiquim. S, Jos, S. Jeronymo, S. Mau-
ricio, S. Bartholomeu.
Luvas de pelica.
Ven lo-seluvas de pelica decorespropnas
para montara, pelo comino lo prec'i do 800
rs.: na rua do Coljegio n. 1, loj do miu-
desas.
Aobom e barato.
Na rua i\ova loja donlfanlo da quina que
volla para a rua das Trincheiras n. 1, yen-
dc-n-s" palitos do mu um a 15,000 rs., ditos
de casineta do cores muito proprios para
montana a 11,000 rs o calcas, colleles e
jaquelas de todas |as qualidades, assim co-
mo palitos do In un: ludo por preco muito
commodo.
Srs. pharmaceuticos.
Ilnntein telo vapor S.Salvador recebeu-
se uma pequea porco de salsa de supe-
rior qualid do, que se vendor a commodo
preco l r. 11 -se ua roa do Vigario n. 23, se-
gundo andar.
Aviso.
Tem tola a q-aali lade de plvora, a qual
se vende muilo barata : a tratar uo aterro da
Boa-Vista, na loja do abaixc assigoado.
Manoel Jos MagalbSes Bastes.
Na ruacslroita do Kozario n. 43, pro-
cisa-sc do um pequeo para caixoiro, dando
fiador a sua conducta : a lralar na mesma.
Na rua Nova n. 8.
. Vondem-se chapeos de castor branco pelo
baralissimo pr.'co de 7,500 rs ditos sera
F0LI1LM1AS l'AR\ i85a.
Vcndein se folhinhss de porta ,
de padre, e de algibeira de tres dil-
l'crcnlcs qualidades,sendo uma dol-
as com O almanak do cidade e pro-1 pelo por S.OO r*s", bonels do palha da Italia
viucia: vendem-se nicamente na|para hoaioopor2,500 rs.,ricas mantinhas
, 1 1 i __/:_ o de nobreza, uroprias paraseuhorase meoi-
praca da Independencia n. O e 8. nasa 4>0oors, lindos capoiuhos emanie-
Jhllietes do Rio de Janeiro.
Aos 20:000,000 de rs.
leles degros denapole preto edo furta-cores,
chegados polo ultimo navio; luvas de peli-
ca de seda de todas ss qualidades para sc-
ConceicS.
Precisa-se de uma prola captiva, quo
entenda alguma cousa do cozinha : no ator-
ro da Boa-Vista loja n. 1.
- Precisa-se de um moleque que saiba
,. cozinhar o diario de uma caz. de pouca 1Ta-
se! r. : na nadarla da rua Direita dosAfoga- ma, quem tiver para allugar dinja-so a
,,n, o rua dos Quarteis loja u. 24,
Precisa-so do uma ama para o somco
droVeloso da Silveira ;tr,nta p.nellas de reamis Unas, aaiiai como u^umbeo
loue branca do uso de botica, avahadas Pra bordar;. vond.-ae t'"^m ^e
por 30,000 rs. ; por execuco que move largos eostreitos multo superiores, caceos
mesma fazenda, contra Leticia alaria da para v.agem. o maia nutras mu.las fazen-
das todas poi
Xa loja de miudezas da praca da nhora e homem, bellos lencos de sotim do
cores para gravatas, lilas de chamaloto do
to las as cores para sintos o chaj)oos,ehpeos
francozes para homej ullinla moda a 7,000
rs., o oulras umitas razondas, quo 11a mesma
loja se vondem por procos nunca vistos.
Vendo-se uma preta moca, ptima la-
valoira o cosinheira, de bonita figura, bas-
tante robusta o oxcellento para todo o ser-
vico : atraz da malriz de Santo Antonio, no
segundo andar do sobrado 11. 18 por cima da
venda.
Aos senhores de engenho e casas
particulares.
No armazem do Sr. Antonio Annos no caes
da nlfandega, vondj-se bacalho de Norue-
ga orn tinas o melhor quo tem vindo a este
mercado superior inglez por ser corado
com melhor sal, vende-se pur 6,000 ra. a
lina.'
Xa loja nova da rua do llangel,
Vendom-sa sapalos francezes do couro do
lustro para senhora, pelo baralissimo preco
de 1,600 rs. o par. _._.,.
^mmmmwmmawmmwmmmmm
i Ven lose na toja l'crnarnbucana da 3
*B rua do Crespo n. II, pura sedado DR
-i lindos pa IrOJS a 800 rs. o covado ; -i a-1 m como sedas escocesas a 500 rs.. W
Quem nao comprara.
Sapalos novos de cauro de lustro para se-
nhora a t,500 o par, brozoguins para as
mesmas a 12 patacas o par, oslojos grandes
o pequeos para coslura, ditos muito linos
para barba, proprios para se levar em via-
gc,n, uma rica cartoira para homem, linter-
nas mgicas, lindissimas ciixas para guar-
dar jolas, urna rica o importante caixa do
costura digna de se Tazer dola presento
uma sonhora de gosto, filas de velado, Uve-
las de cinteiro, uissimos extractos para oa
lon;os das bellas, e outros mullos objectos
do gosto para homous e senhoras, ebegados
de Franca pelo ultimo navio : na roa da Ca-
deia do Kecifoa. 19.
Independencia n 4? vendem-se bi-
Ibetes inteiros, meios, quartos, oi-
tavos e vigsimos, a beneficio da
in. lotera do tlieatro de S. l'edro
de Alcntara, que corre no dia 4
do corrente, espera-sc a lista no
primeiro vapor.
Para casaincntos.
Capellas e ciicbos de flores pira noivis,
luvas da p lica, o enfoiles para as ditas,
grando sorli nenio do filas brancas, ditas
muito largas para cinteiro, transas do s ida,
mcias, ditas lizas e bordadas, veos de blon-
de. flores brancas, esparlilhos, bicos de
blonde ele. na loja de modas francezas de
madaaiaMillochau.no aterro da Boa-Vis-
ta 11.1.
Na rua Nora lo\a frncela n 10.,
tem um novo sortimoto de razondas de
bo:n (:oslo, muito proprias para o lempo do
fosta, como sejam : cassa francaza muito li-
na, chapos de seda ede palha abortos o le-
chados, manloi'ucU-s o capoiiulius proloie
furia-cores, e de 1116 branco e preto, sedas
furia-cores para vestidos, transase franjas
do todas as cores e I .rguras, bicos de blon-
de, do linho.de seda, brancos o pretos, li-
tas o flores de todas as qualidades, filo de
linho edo malino branco, preto, c cor de
rosa luvas depelica ede soda de todas as
cores, meias de seda o calcados do todas as
qualidades ; na mesma loja tem lalagarca,
soda frouxa para bordar de qualidade supe-
rior, um grande sortimento de todas as co-
por preco maia meconta do que
em outra qualquer parte.
. Vende-se superior manteiga'ngleza, a
560 rs. a libra : em Olioda, padaria do Va-
radouro. ^
Vondc-se um violo com o motliodo em
portugez, para aprender; urna rabecca e
urna clarinota apparelbada de piala, tudo
em bem oslado, e por preco commodo, por
1 dous annuncios da casa dos Srs, Araujo Velha n. 14. 1
quio
os
Charutos de Uavana
Da superior qualidade : vendem-ie no ar-
mazom de Kalkmanu IrmSos, -
Cruz 11.10.
na ru da
j^
ism


Vendcm-sc relogios de ou-
ro eprata, patente inglcz : na ra
da Senzalla Nova n. 42.
Arados de ferro.
Vcndem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com cambSo de siciipira e bracos
da ferro .- na fundicSo da na do
Bru ns. 6, 8 e ni.
Deposito de col virgem.
Cunh cVAmorim, venilem barris com cal
coi pedra, chegada ullimamonte do Lisboa,
na barca Margarida, por menos proco do
que ein oulra qualquer part": na ra da Ca-
deia do Reciten. 50.
Bombas de ierro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas c picola para cacimba :
na ra do lirum ns. (i, 8 e 10,
fundicao#de (erro.
Vinho de Champagne,
o superior qualidade : vende-so no arma-
em Kalkmanu lrmSos Ra da Cruz, n. 10
Moinbos de vento
oom bomba de repudio para regar borla
d baixas de capim : vendem-se na fundido
de Bowman & Me. Callum, na ra do Brum
ns. 6,8o10.
O Vende-se um grando sitio no lu- Q
$) gar Jo Manguinho, que lica defrontP Q
dos sillos dos Srs. Carneiros.com q
ra grandecasa de vivenda, de qtiatro j
O agoas, grande senzalla, cocheira, q
Farinha de mandioca.
A mais nota o mnis barata farinlia de
mandioca queda no merca lo, vendo-so na
ra da Cruz do Itecife, armazem n.13, de
J.ifin Carlos Xegusto da Silva.
Deposito da l.iinicu Santos na Knliin.
Vende-se.em casi dcN. o. iiiohor*; c. ,
na ra da Cruz n. 4, algedfio transado quella fabrica, muilo proprio para saceos do
assucar eroupa de oscravos, por precornm-
modo.
Moemlus suinerioves.
Na fundicSo de C. Stafr & Companhra,
om S.-Amaro^wham-se tenda moendas
de 1 .iiun, lodns'do ferro, de um modelo e
conslrucQo muilo suberior
Prezuntos,
Vendem-se prezuntos americanos, muilo
superiores e por baratp preco : no caes da
Miando.-a, armazem defronle da arvore.
Vende-sc no armazem da ra
da Cruz n. 4^1 os scguintei gne-
ros a precos commodos : fras-
cos de virjro com bocea larga de
diversos tamaitos, latas combo-
lacbinliasde A llcnintili 1 nutito no-
vas, alvaiade muilo fino em bar-
ricas, zarcao e secante em barri-
cas, pedra hume em barricas, es-
sencias de canella, cravo czimbro,
sevadiulia em gnnalocs esnl de
Fpsem muito alvo en barricas.
Farinha fontana,
chegada iilllmameDle: em casa ilc J J. Tas-
so Jnior, na iui lo Aniorim 11. 35.
cllega
Vendem-se velas de osiierinacete, em
caixas.de superior qualidade : em casa de
J. Koller & Companhis: na ra da Cruz nu-
mero 55.
acel\cia
da fundicSo Low-Woor.
RA DA SENZALLA NOVA S. 2.
Reste estabeleeimento conli-
nta a baver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para cngenlto, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de lodos os tamaitos, pa-
ra dito.
Agencia de Edwin Maw.
\i ra de Apollo n. ti, armazem de Me. Cal-
iiiniUK- Companhia, ,i(lii-5i' coniiautemenlc
li'wis aortimentos de Uixa de ferro coado e
batido, lano rasa como fuudas, moendas lu-
cirs todas de ferro para aniuaes, agoa, etc ,
ditas para armar em niadeira de todos os ta-
maitos c uiddellos o mals moderno, machina
RAPE'
PALLO COBDEIRO
ul mn mente a
loja de fprragous da ni;i
daCmleiado R'rcifen,'4^.
Vendem-se superiores batatas ingle-
zas, rocenlemenle chegadas a 600 rs. a arro-
ba : no eos da lfandega, armazem de Fran-
cisco Dias Ferr ira.
Vende-se rjp do Lisboa em frascos,
chegadn na barca l.igeira, a 4,000 rs., os se-
nliores freguezes que estilo acoatumados a
lomar a boa pilad, n.to doixarflo de mandar
buscar ao largo da Assombla n. 4.
Na ra do l.ivramei.to n. II, vendem-
se esleirs muilo grandes, ptimas para se
estendor om una sala c servir de cama para
* ou 5 pessoas ; assim como sapaloi do el.1-
raque preto, para senhort, a 900 rs. o par.
Vende-se a bordo do hrigue Rufina,
fndenlo defronle do caes do Collegio, boa
lunilla de Santa Catbarin, em porces:
trata-so a bordo, ou na ra da Cadeia n. 39,
com Amorim IrmSos.
Batatas do Porto, a 3io rs. a
arroba
Vendem-so baldas muilo boas, a 320 rs
a arroba : no armazem n, 19, da travessa da
Madre do Doos.
Na ra larga do Kozario n.
seguirlo andar,
Vendc-sc urna inulalinha de 16 anuos, linda
figura, o coze muilo bom, urna negra dolo
anuos, lamben! com principios de cestura,
iluas ditas 25 a 30 annos cim habilita-
dos, dous mulciuos de 14 annos, um mula-
linlio do 15, um niulccolede 15 annos,linda
figura, dous negros bous traballiadores de
onchnda, um negro velho muito robusto,
proprio para cilio, c um mulato do 30 an-
uos, linda figura, proprio para feitor por
ter boa conducta, o por eslar para isso ha-
bilitado.
Vcndc-so champagne da marca anliga
o bom conhecidn, Comet, em casa de D'ane
Yule o; i. |i hia : na ra da Cideia.
-- Vende-se urna bonita creoula, quoc-
A
Eslampas.
Na ra larga do Rozsrio n. ao, vende-se
Eotcria do Hio de-Janeiro.
Aos 20:000,000, 10000,000, 4:000,000 ,
U.0(10,000 e 1.-000,000 de rs.
Na ra da Cadeia do Recite n. 24, loja da
Viuva Vieira & Filos, existe os mu afor-
tunados bilhelea, meios e cautcllas da 19.
lotoria beneficio do theatro do S Pedro'de
Alcntara, cuja lista deve vir no primeiro
vapor e estar* patente na mosma loja.
Para cubrir mesas.
2o,
Srs. Pharmarcuticos. >
M. D Rodrigues, na ra do Tiapiche n. 86 j
rccdhcu no vapor l'eruambuoana iiltlt peque-.urna oll'icao de ostiimpag represonUnd
na po cfo do salea de superior qualidade. os aconlccimentoa mais notaveig da hjstori
Na rut da Cnizea n 2a, segundo an- de Portugal desda a regeneia do condn i'
dar, vonde-sn um escravo pardo, de linda Bolonha al o reinado da I). Sancho II em
ligura, de 28.anuos, proprio paia o campo, juma dallas se v t grando e raemorave h?
um lido creoulo do 22 anuos, ptimo ca-j-lalba do campo de Ourique milagrosaniont
noeiro, e tres pretft-do mala idaJe qne co-[gapha pelo immortal I). Alfonso Hanrinur
sinham, o lavam de sabflo, a sSo ptimas augusto fuidador da.nionarchia porto'
|iiitnideira
Nova fabrica de chocolate,
llamoaopathico na ra das Trinchcirss
o. 8, so eiicoutra .nais o seguinte : o cho-
colate hoaiopa tilico approvado e aplicado
polos Srs. Drs. da homoeopalliia, o grande
chocolata espanhol fino, amargo para rega-
lo,,dito entre-lino temperado tambera para
regallo, don dilo para o diario, caf mui-
do puro, dito de cevada, caf em caroco,
evada em grSo, familia de ilaraulifio, dita
lo mandioca, cha da India, dito preto, e
charutos : ludo de superior qualidade o
gueza.
0 dos para menuios de ambos o "sexos, 2
no
aterro da Boa-Vista loja p. 1.
Molduras dotiradas
de todas oa larguras : vendem-se no arma
mentada nesles servicos
n. 23, se dir quem vende.
algodao para saceos deassucar
muito superior e biralo.
Velas de carnauba em libras.
Vendem-so volas do carnauba imitando
espermaceti : na loja do salciro da ra da
Cadeia do Recito n. 36.
l'ara jardins
Al. D. Rodrigea na ra do Tr.ipiclie n. 26,
rocebeu uma completa colleccao do a lomos
ja u ni tu lumiiiiiu, ni ni iiiii,i j i i
horlsonUl para vapor, com forca de i caval- P"a jardn.-, BOmpOitl de vas )s de louca.
los, coucos, passadeiras de ferro estanbado brancos '|'in!.idos de lo los os t munidos o
para casa de pulgar, por menos preco queoz modclln.s. Figuras representando es esta-
lle cobre, csi-o.-ciis para navios, ierro ingles cOesdoaoDO, as partos do (lobo o lodus os
tanto em barras como em arcos (ollias, c ludo Iioosos da fbula, que recommoda. a quem
por baraio preco. (ver bom gosto, o por presos muito rasoa-
ritijo deposito de cal "is-
" AtlcncSo. -
Virgem. SSocbegadu a loja doferragons di ra
Na ra do Trapiclie, n. 17, lia Nova o. 20, defronle da boneci,deJofio Fer-
.iln .n;. ,.=1 vn nm ..n.im n"ndes '-"cntiViam.a, as muilo apreciadas
jarras o bacas Cbinezas, obra muito recom-
diflculdtde
pe?a com H varal; cansa prcla 11 100 rs. ;
cova lo cortes de CiSSM pintadas,a 2,000 o
corles de chita com la cova los, a 1,920 e
1,800 rs. ; lencos de (inissimn cambraia de
lindo, a 480. 560c640; dito, de cambraia.
deIgOdao OOmbioo, 440r. zuaites de^"1 r"som>/zlvrinlo.cosiulia o lem
cor muilo rneorpidos, a 200 rs ; djl0 "cell'le conducta, lio rocolliid, c aiiren-
azuesc ,m 4 1,2 va as, a 200 rs. ; e algodao ''}' TC\ qU" S de %**" T 8
transado com lislras a 180 rs. na ra do "",* P"ro"" P'ra "* ''"
Crcsion 6 casa ; tojnbem so vend um mnlejuecrcou-
'' '., [lodo tennos do idade, proprio pora qual-
\cnde-se, cm casi _de A- quorolcio: na ra larga do Hozario n, 35,
damson llowic 6W Companbia, na loja.
ra do Trapiche n. ^ panno te^Zl^T *" f6rr: n" ["
3 negrotas crioulas de idade18a 20an-
muito superior cal nova em podra,
ch"gada ltimamente de Lisboa
Tal xas pai ciil'ciiIio.
,\.i fundicAO de Ierro da ra do llrum,
aealia-.so de reechor mn completo sorllmeo-
to de taixas do d n s pemos de boceo, as
quaas acham-se n venda por preco com-
modo, e com promptidilo enibarcam->c,ou
narregatn-sc om carros sem despezas to
comprador.
-- Vendem-se cera cm velas,1
fabricadas em Lisboa e no Puode
Jancitii, cm caixas de ion libras
ortidas, de 1 a 16 em libra, ctam-j
bem de um so tamanlio, por me-!
nos preco i\o (jtie em oulra qual-
quer parle : Irala-se no escrijito-
rio de Machado ck l'inbeiro, na
ra do Vigario n.
andar.
POTASSA DA KUSS1A.
nieudavel, pela sua duragtto,
cm quebrur-so.estaso circunstancia siiuuii-
cia ao fregu /1 sua iitilidadc ; na mesma lo-
ja ha taniboo: para vender grcllias delorrar
p.ao muito em conla,
-- SOO chegados loja da ra Nova 11. 20,
d Juo Foinan los P..iunto Vi nina, os ri-
cos o muilo bonitos atarilhosdo metal li-
no para cha ccaf, obrado delicado gosto,
c 1 1 1,0 commudo ; a ellos antes que se a-
cabcin.
l'inlieiro,
9
DEVERES DOS HOMENS,
a 5oo rs.
Vende-se este compendio nprovado pera
as aulas, cm nieia oncadcrnar;3o, a 500 rs ,
cada um: na livraria n. 6 e8, da praca da
Independencia.
A Goo rs a arroba.
Vendem-sc batatos novas da
segundo melhor qualidade inglezas: no Ke-
cife armazem de Joaquim 'inhei-
10 Jacome, na Ir ivessa da Madre
No armazem de Jcs Teixeira de Dos n. 9.
Uasto, na ra do Trapiche n. 17,1 Vendem-se selins c silliocs
ha para vender, nova e superior nglezes, de couro de porco, da
potassa da Hussia, chegada recen-! primeira qualidade: em casa de A-
lemente. damson llowie & Companhia, na
Principios geraes de economa pu- nn (j0 Trapiche n. 4a.
blica c industrial. Vcnde-se superior farinha
praca da Indepen icncia, livraria n. 608. 'chegada ltimamente a bordo do
Gata de commissao de escravus. patacho Euterpe, fundeado dc-
Vendem-sc cscravos e recebem- fronte do ces lo llamos : trala-se
se de commissao, tanto para a pro-1 a hor-.lo do mesmo 011 na rita do
vincia como para lora della, para'Apollo armazem n. 14, c na ra
o que se offerece muilas garantas'd 1 Cruz armazem 11. 33, com S
a seusdonos : na ra da Cacimba Araujo.
nos, engomam ccosinhain bom, urna dol
cosa c faz lavariulo 2 mulatas do idade 22
annos engomam e co,inham, um escravo de
naogo, de servico de campo : nt ra Direila
n. 3.
-- Venle-seum piano com muito boas
vozes, e por preco muilo om coala : na ra
larga do llozarioon 28armaZ'-m d louca se
dir quem vcnde.na mesma loja so dir quem
du 000,000 rs. a premio sobro penhor de
ouro.
Obras llcspanholas.
A llluslracOo o outias diversas o interes-
sanles imblicacOes da hibli ilcci universal
do iladrid muilo baratas ose iplas cm
bom typo, cxCellentc papel, c com muilas
superiores gravitas : vondeni-se na casa n.
6, defronto do Trapiche novo, c loja do en-
cadcrnaeao n 8, da roa do Collegio.
Obras portuguezas.
Revista universal Lisbonso.jornal dc lit-
tcralura.hislona de Portogal polo ilistinclo
escsiplor aU'xandrp Uorculano, lli^tOIlao
consulado e do Imporio do Napulcllo, re vala
militare Jornal do pliarmacia c seiencias os-
cessoriaa : vond :-sc 111 casa n. 6 defronte do
Trapiche novo, o na ruado C illogio, loja
do encadoinacllo n. 8.
Vonde-so cabos do linho c do manilha
do todas s grossuras, e superior qualidade,
chumbo cm barra, secas com farello milito
novo por ter viudo pelo ultimo navio do Ha-
vre, Olwmpgne muilo superior, servep em
cestos do duzl, caixas uo cen latas com
sardinlias cm azeito, o pennas d'ato muilo
boas : ludo por couimo los precos : na ra
do Trapicha novo n. ti. o-critoriodoJ. I).
Lasscrre & Companhia.
\ ende-se oleo de linhnca cm
botijas : a tratar com Manoel da
Silua Santos, no caes da Allnele
ga, armazem do Anes.
Passtio publico n 9.
Vendem-si 18 ciixilhos envi Irapalos
Vnde-sc oleado pintado de su-
perior qualidade e lindos padrSes,
de qnalro a oilo palmos de largura
por preco mais barato do que em
oulra qualquer parte : m prrea da
Independencia ns. 24,16, a8 e 3o,
AltencSo.
Vendem-se superiores charulna rogaa,
de urna das molhores fabricas da Dihia, em
caixas de 100 charutos a 2,500 r. cada urna;
silo ehegadas do prximo : na ra do Tra-
piche Novo n. 26.
~ Vendem-so 2 cavallos chegados prxi-
mamente do srriao.biatantrs gordos e com
todos os andaros : na ra das Cinco Ponas
n. 63.
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 20 000,000e lo:ooo,ooodcrs,
O cautclisla Salustino dc A qui-
no le reir, avisa ao respeitavel
publico*, que no dia 19 a ao do
correte mez, deve chegar do Sul
o vapor da companhia hrasileira ,
e no dia aa o vapor inglezTay, con-
ductores das listas da segunda lo-
leria do Hospicio de Pedro Segn- t Companhia da Baha,
do, c da 19 lotera do Theatro de | K,en"s poros pel
S. Pedro de Alcntara, que cor-
reti no dia 4 deste mez, e pag im-
mediatamente logo que receber as
listas, sem descont algtim todos
e quaesquer premios que sabir em
nos billietes, meios, quartos oila-
vos c vigsimos, vendidos na pra-
ca da Independencia ns. i3 c i5,
loja decalcado do Arantes, c na
ra da Cadeia do Iiccife n. 4<3, lo-
ja detniudezas. Os apnixonados
deste lao licito jogo devem habili-
tar-sequanto antes, ou tcntarem
a sua sorte em virtude da fesla es-
tar porta.
11,000
>,5oo
a,800
i.3oo
eliminado |no;o; na mesma se diz quem|zem de Killkmann Irm3os,ruada Cmiz n |0
compra urna reflnacllo com os saus ulenci- a)JiJk^^^^^^^^Baaa^SiiaV!^ilJlJl^
lio, e ua mesma fabrica, se vondeassucar i F,?rravn<* fuoiToo^^^^
refinado, e de carocode toda a qualidade: ^' "a luKl(is'
timbem se compra urna taberna. .. nessppareceu aabbado, 13 do corfenta
- Vende-se urna escrava de bonita Ugu- de de Moreira 4 Du.rte', na ra do ?,
ra, boa coz.nho.ra e propr.a para vender na buga n. 7/ 0 MU ,,scraro Je Franis^
ru.edu boa conducta, por j estar espiri- da8gchag.s de id,da d m^u^
ra aorogo nos: ste escravo foi comnrailn ,...
nos; ste eacravo foi comprado com outr
el
-^rSWtodo d. fechar., ?,'; {^.^"bo^Ho Sft.
iMcios bilhelcs
Quarlos *
()ilavos
Vigsimos
OOQO(SJOOOGi}i?(JO
O Na ra do Crespo n. a3, I
de globo, vasos para lloros, lindos eslojos
paraeolura de Sra, o" carteiras do HarSo r DUX Z ir HjAljiAU .
para billiMes de visitas, visto nSo serem Auseiitou-se na noitc de 2l de
auffleientea para um leilo ; no seu ejerip- nll|ll|>rn lntiaii 1 Ai
toTio. ra di cadeia do rteifo. .outubro passado o mulato Cle-
Vende-se urna escrava robusta e de mentino, de ao annos de dade
bonita ligura,d-se mais em conti com tan- pouco raas ou menos mas-ro ,\'
loquos'ja para fora da provincia, ou en- f p-"^"", 01-
genho longo: a tratar na ra de Sania Hita tura regular, tem muito pequeo
" 8S- (buco de barba e filia muito mansa
',; -;- (. ..'i quando amia parece que nao ni,;
Canlois l'aiihetck Companhia.$*2.monm M i j^ a
Conlinu.-se a vender no deposito bem COm S "*" enat"m"
^ geral da ra da Cruz n. 52, o excel-
ente e bem conceituado rap arela
preta da fabrica deC.ntois l'ailhet &
em grandes e
preco osla be- j)
_ lecido.
^mmmmmmmim^wmnwmmmmm
No sitio da Trempe n. I, que tem venda
(em bom capim de planta para vender por
com modo proco.
Frutas de Portugal.
Vende-se frascos grandes com posse-
gos, damascos, gmjas, e cevejas muilo bem
conservadas e pelo diminuto preco de 1,000
rs. oda um : na ra larga do Itozario n. 20.
Estojos para Geometra'
Na ra larga do Rozarlo n. 20, ha para
vender ricos eslojos excelentemente apare-
ntados para qualquer pessoa que se propo-
niia ao estudo do geometra dezenho e
nutica.
Na ra estreita do Hozario 11. 43, vendem-
se latas com bolaclunl.as de araruta dn Rio
de Janeiro, pelo diminuto prego de 1,600.
Vende-so um cavallo de cabriolet, gor-
do, manso o muito vlenle i n. coxi. de
Agoslinho, defronte da casa do fallecido J, P0S.Brandes, lem lodosos denles da frente,
J deMcSQuita. i nariz chato, quando anda oslalaas juntas dos
nuil h'n: I111..11 .ni 01 1. .. An ..I .....z.i... ,. I. .. !.-
es, costuma
andar calfado e bem vestido, le-
vou urna trocha de sua ronpa, in-
clusive calca ejaqueta de panno
fino azul, e alm do mais algum
calcado, um par de borzeguins par-
dos, com botdes de madreperola
brancos, e consta que levara um
cavallo, que naquelli occasio a-
lugra, o qual tem os sgnaes se-
gtiintes ; castanho, barrigudo,
dinas pretas, gordo e tem um ta-
Iho em urna anca; he provavel que
queira passarpor forro, he boliei-
ro e escravo de Luiz Antonio Si-
queira : quem o pegar leve-o a ra
da Cadeia do Recifi n. ai, que se-
r recompensado.
Dasappareceu na larde do dia 13 do pas-
sado um eacravo por nome Joaquim tem os
signaesseguintes: boa estatura, representa
ter 35 annos de idade, falla desembarazada,
Denosito de charutos de Indns ns" Joelhos'levuu c,mis de algodSosioho bran-
1.110 ut l 11,unto., ae loaa, S.Co, calca do dito azul, este osera vo foi do
qualidades, na ra do Uangclipiato: ijoem o pegar leve-o typograpbia
a3.
imparcinla fallar com 1
Ir recompensado.
viuva Roma quese-
deixar dc comprar, isto he pira
acabar ; no aterro da IJoa-Vis-
ta defroate ta bineca.
Ha chogado rccenlomenlo urna grande
quantiiado dos molhores sapalOes brancos
que tem vin lodo Aracaly, lauto para I10-
mom como para menino, que por se deso-
jar acabar com dinheiro vista, da-so a 750
rs. o par, ditos de lustro a 2,500, rs. e da
Babia n 3,000 rs., c botins breneajs, ditos de
lustro para honiom, alm dislo um nevo o
completo sorliment de calcados franee-
Vende-se plvora nglezfi em
Gomma.
Vendem-se siccas grandes com gomma '
n. Ii, primeiro andar.
Deposito de cal c pot-issi.
No armazem da ra da Cadeia
do Hecife n. ia, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como pot,is-a chegada ltima-
mente, a precos muilo rasoaveis.
PECHINCHA.
Anda existe urna pequea qinn-
tia das superiores colxas de linho,
do melhor gosto que tem appare-
cido no mercado, pelo barato pre-
co de 10.000 rs. cada urna : na ra
do Ondinaio, loja 11. 17.
Arados de ferro.
Na fundicSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
O Vendem-se o alugam-se bichas, chc-
fr gadas ltimamente de llamburgo, por
(l preco commodo : na ra de S. Amaro $
t n. 28. (9
Vende-se os bem eonhecidos queijos
do Ceari, mui frescaes, no largo do Livra -
menlo n 20.
Vende-sc um carro de qua-
tro rodas, muito leve, para um ou
dous cavallos: na cocheira do Mi-
uel Sougei no aterro da Boa
i.sta.
f
Armazem de louca vidrada.
Como sejiim : panellas, cacerolas, lijellaa,
assadores, frogideiras, papeiros, algaida-
res, laidas pirj doc, vas s para florea, jar-
ro, ijuartinh-js, garrir*. co|ios, morio-
(rues, resfri'ilciins ; ludo lino para iciluur
agoa, balaios jia'.i meninas andarem, ditos
para costara e compras, baldes de pinhi,
condegas de I los os tamanhos : na ra da
Cadeia do Rccife n.8.
O Uarmola.
Retratos do Prospero lniz, redactor da
Marmota a too rs. cada um: 110 palco do Col-
legio. casa do livrn azu!.
CUEGUEM A PECaiNCHA.
No l'asseio Publico, luja de fa-
zendas n. i5, vendem-se saccas
com ahjueire de milho novo pe-
lo mdico preco de a,000 rs. asac-
as ; assim comosacco com farinha
do mesmo tamanho, a 3,000 rs.
- Vcndem-se barris dc oitavo com vinho
tinto da companhia dos vinhos do Alto Dou-
ro : a fallar com Antonio Francisco da .Mu-
raos, agente daquella companhia, ou no
Recifo na travessa da Madre de Daos, arma-
zem do Sr. Jos Joaquim Dias Fern.ndes
No mesmo armazem tambem tem pipas,
meias ditas, o barris de quarto com vinho
da mesma companhia; a tallar com os mes
o promjitos para qualquer obra, por ter si- |zcs de todas ta qualidades, lano para du-
do de urna loja ir.ii.r v., ; na mesma loja mom como para Sra.. meninos o meninas,
vendem-sc 3Cu varas de lieos e rendas da cortes do lapete a 180 rs,; ludo por preco
Ierra, por preco muito commodo. I muito commodo alim de si appurar di-
Vende-se una cadeira de icbuco na nheiro,
nn doSlondego n. 99, ou na rui Vellu n.
115.
Vende-so ou troca-se por
rea, um f/rande sitio do ten
haixa e casa para familia, no
ribe de baixo, muito perto
ser n uliinio nulos do c'icgar a mesma : na
ra doSlondego n. 99
Vende-sc cal
Ch
ras
iriii,,u.ui,ii,i,i, mu niiiiv-ni uti .iiirt iiar-
roca, na ruado Trapiche Novo n |o commodo no armazem, dn Hias Kcrrelra
- Vende-se um relogio do oiko de-cubo.-- !? P" '" '**.
lo, por proco commodo: na ra da Praia (jarlos Jlardy, ourives rita Nova
l);;o'^iour,,m^s^^!:,; a 0nM rhi reTr d^
gunia cnusa o co?o cosiera de pretoa, .Ulan S lli d2 ,n 'r / "S d .Ur
ca-sc que nao tem deleito* non, aeh ojues : L'0 tR "n J -c "".'"'lo em adere-
na ra do Colisin. 6. S?i r "llin-,,es ? br "co< so,l3 P"
- Vende-so umeacavo do Angola moco, VSSTllSS^^ n""".' ?*
de bonita figura, mullo poaaanlo, bom or' "" jif,"Xr" rB"">> joitimenio d .0-
teinoe propr.0 nara lo o sorvicV. ,10 si- JJ"^lerrN veode-seeatas obras por
ira qualquer parle. Idapoiab, "chapeo de sed. preto pres
-- vendem-so canarios do imperio, mu- que anda pelos arrebaldea desta cidade, pois
lohonscontadores, edegados ltimamente
do Porto pela barca Noss. Sonhora da Roa
Viagem 110 1 ateo da Santa Cruz n, 6, .
A a,5oors. o frasco.
Doce de nnanaz, superior qua-
lidade, proprio para presente no
lempo da fesla : vende-se na ra
da ;)adeia do Llecife n.
apezardeser do serian nSosejulga que te-
nh. voltado : roga-ae portanto as autorida-
des policiaes e capitSes de campo, a captura
do mesmo, levando-o a rus do Vigario n. II,
terceiro andar, que se recompensa!a.
Vende-sc cal virgem em pedra, muito alva para engommar: na ra do Quei-
Idegada rocentemcnlo do Lisboa, cm anco- n""io"' !1'
as muito bem aeondeclonadaa o por pr-ci', ."" ven'"-ss"ccas com superior colla.das
nuito commodo: no armaz'mdc Silva ;ar- r'bT'cls.ll0 l!l" erando do Sul, o a preco
se 111 agoa
' secco.
na casa n. 2 que faz
o motilo da venda : confronte ao hoap)tal Doce
de mirinhi n 1*5. Na mesma alugn-s? urna No pssseio publico
sala cun quaito, proprio para qualquer quina com o trapiche do Hamos, faz-so
dn-
.-aceco de tolas as qialidales, sendo o de i;
('.1:1 '1 lili olaiEB __, >! __ 1 Pfl
Em casa dc J. Kellerck Com- C*JU/ mulQ clar". enieitam-se hcelas .
i-i 1 vontade dos com ii adores, assim como dona
panlua, acha-se a venda vinagre do calda do todas as qualidades porTo
branco, superior de Nantcs, cm do preco.
3mmo
barris de 36 medidas.
PIANOS.
Cera de carnauba e barricas vacias.
Vendo-secera de carnauba, chogada pelo
mo navio de Aracaly, por prego commo-
Vendem-se cm casa de Kalk- monn I.,.,- m.n .... .ir' vo, confronte ao mesmo tr ipiche e barri-
mann Irmaos, na ra da Cruz n.'casv.sias prompta encder'se do assucar,
10, ricos panos de Jacaranda, com asim como um completo sorlimento de
excellentes vozes chegados ha miud"as-'"^ no mesmo armazem.
b I ara liquidacao.
pouco lempo. | Cera do carnauba muito boa a 5,50O rs e
Venic-se, lraspassa-.e, ou cebo de llollanda a 7,500 rs. a arroba : na
faz-se qualquer oulra transaceo tJ* dv^L'nero?' trm'iem ,
-'- yendcm-ao2quartaos : no sitio da ra
,. i C' J CU "I I ;-v,-ou i|u.iniiga I IIU 3IUO
com Sloja, que loi 00 tallecido Jo- dos Pires como porllio oa fenlo da
" s Pinlo da Eonsecs e Silva, anti- ^""'110-
i 1/1 'l c ,, vende-se um porco sevado em c
- ga loja de Guerra Silva & ( ornpi- ro i na ra da Gala 19.
mos cima
Vende-se vinho de champa- gi mja ue<>uerra oiiva cmi ornpi
nhe legitimo e de superior quali-: nhi1, na ra Novan. 11, a fallar
dade: em casa de J. Keller &,'com J. Kellcr & Companhia,
Gompanhis, narua da Cruz n, 55. ra da Cruz n 55.
na
5o,000 rs.
D 15 para 16 de novembro de 1851 de-
sapparci-eu do engenho Aguas Claras de
llruc, da freguezia de Escada, o escravo
-- Vendem-se queijos do serlilo de 1,120 Venancio, de Angola, que muilo pirco
1, lo i., milito tioiis: na ra Direila, ven-'crilo, Idade 25 a 28 annos, cor fulla, h 1-
daazul n. 2. ir ti figura, altura regular, cheiodo corpo,
Selins inclezes 1 pernas e bracos grocos, rosto gordo, e ar-
,-. ., ,? .. redondedo, testa grande, odos grandes, o
US multo acreditado* sellos da amortecidos, tem falta de muilos denles 111
casa do Sr. Johnslon : acha se frente, do lalo superior, poucos cabellos no
buco, equolxo, tem marcas de edieota as
costas, e do sorras as nadigas, parece sor
serio, e muilo humille, falla com muita
mansidSoe.matado faz-se; innocente, ha
chegado a furtos, e coslum. mudar de trage,
' por furto de roupa que fiz) de mudar o
nome, dizor-se forro, nutras vozes procu-
rando quem o apadrinhe, ou quem o con-
pre : levou camisa de madapolSo, calca de
liiiui trancado de lislra pardas, ja desbota-
do, chapeo uzado de couro, cobertor. gro;o
de lislras azues escuras, e um faci qua to-
mou de um muleque carreiro, do engenho
Moclo. Este escravo passou pelos enge-
11 los Arando do Sr. Minool l'olil, Amparo
e .Moclo, davendo pedido aos senliorcs dos
dous ltimos engenhos cartas que o palri-
nhasse, em que foi s iisfeito, o nfio obstan-
lo fugirlcndo seguido para o engenho Mi-
ndocas, da donde prezuma-sa tor paitido
para o Rrejo da Madre de Dos, onda foi es-
cravo do Sr. Curdo 1 ro, condecido por Abade,
a quem pede-se o favor, de se chegar a seu
conhocimento a sua estada ali, fazer apre-
ender, remelter ou avisar a seu Sr., pondo-o
neste caso na cadeia, assim como roga a
qnalquerquoo pegar, do leva-lo ao dito
engenho ao seu Sr. Antonio Carlos Pereira
de Burgos Ponce de Len, ou na ra Direila
n. It casa de Jos Pinto da Costa, que rebe-
ber a gratilicacSo mencionada; o tambem
pelo prezente prutests-so com todo rigor,
contra qualquer que o conservar 0111 seu po-
der.
-- Desappareceu no dia 10 do crrante da
povoacSo de Bebiribe urna preta por nomo
Joaquina a qual jolga-se que tenha viudo
para o Recite e ando, por fora de portas a qual
tem es signaesseguintos:baiia,olhos papudos
que pareceestar bebada.beicos enoarnadas,
lalladedentosna frente, bramse pernasgro-
co >, le vou vestidode riscado roxo e sal iO se m
Eano.a pessoa que a pegar leve na esquina do
eco largo sobrado n.2l,que ser recompen-
sado.
30,000 re., do gratilicaclo
Desappareceu 110 dia 15 de julho do cor-
rento anno um muleque crioulo de nome
Paulino de idade de 10 annos pouco mais
ou menos,cor amaiclada por ter vicio de co-
mer trra,naris chato e feio levou camisa do
algodaosiodo soja o calca de riscado, sem
chapeu, esle escravn pertence ao Sr. Anto-
nio Jacinto da Silveira de Una ; quem o pe-
gar liive-o a ra da Cacimba n. II ou a
1 1 1 !." 1 s d'' roros fixas Jo ruado Livramenton. 26 segundo andar que
idrOas a moia pataca o covado, receber a gratilicacSo a cima, e ae protesta
Le te
A 200 rs. a garrafa
Vende-sc todos os das d is 6 lia
horas as 7 dn man ha 1, na ra da
Guia, junto ao acougue do Sr Fi-
lippe, e na ra da Cruz no Uecife,
prximo do armazem de Joao Car-
los Augusto da Silva.
-- as Cinco Ponas, vende-jc por barato
preco urna RrmacSo nova do venda, ou alu-
ga-se : a t atar na ni 1 dos Mirlyrios n. II.
-- Vende-se urna casa terroa, sita na ra
do S. Thereza : a tratar no atorro da Boa
Vista n.86.
Vndese a livorna da ra das Cruzcs
n. 28, ou smentc a armacSo della : a tratar
na mesma.
1 Arte de nadar.
~l Vende-se essa ulil invouc3o pelo di- ajj)
8 minuto prego do 6,000 rs. : na loja ($
l'ein inlii.i- na, da ra do Crespo. MI
II. II.
(,-
v-i;.- HMwwawitaj mmmmmm
Vendo-so urna parda escura de 20 a 21
annos de idade, pouco mais ou menos, en-
gomma, coze e cosinha, nSo tem vicios ncm
achaques : na ra da Concordia quem vom
da ponte a esquera seguoda casa lerrea.se
dir quem vende. .
Na ra da Cadeia n. k,,
Vende-se o verdadeiro rap Paulo Cordel-
en, cujo titulo do a malor garanta quo ae
;ode dar aos amantes da boa partida ; nSo
do necessario lecer-lho elogio porque o
grande consummo que doje tem este race,
o oconceito quo morecj dos dignos tomas-
les, de devido sua excellento qoalidado.
Diamantes para vidraceiro.
Cdegou urna pequea porcSo de superior
ra da. qualidade : ven lo-se na ra do Trapiche No-
!|VO n. tu.
chique! Chitas f,n:,s a 1G0 rs. o covado.
^-?SS?miWiX^to^
ido 500rs. a lata.
1 def'onl'j da boiiea.
rpv va rvi'.in:


Full Text

PAGE 1

— Vendcm-sc relogios de ouro eprata, patente inglcz : na ra da Senzalla Nova n. 42. Arados de ferro. Vcndem-se arados de diversos modelos, assim como americanos com cambSo de siciipira e bracos da ferro .na fundicSo da na do Bru ns. 6, 8 e ni. Deposito de col virgem. Cunh cVAmorim, venilem barris com cal coi pedra, chegada ullimamonte do Lisboa, na barca Margarida, por menos proco do que ein oulra qualquer part": na ra da Cadeia do Reciten. 50. Bombas de ierro. Vendem-se bombas de repuxo, pndulas c picola para cacimba : na ra do lirum ns. (i, 8 e 10, fundicao # de (erro. Vinho de Champagne, o superior qualidade : vende-so no armaem Kalkmanu lrmSos Ra da Cruz, n. 10 Moinbos de vento oom bomba de repudio para regar borla d baixas de capim : vendem-se na fundido de Bowman & Me. Callum, na ra do Brum ns. 6,8o10. O — Vende-se um grando sitio no luQ $) gar Jo Manguinho, que lica defrontP Q dos sillos dos Srs. Carneiros.com Q ra grandecasa de vivenda, de qtiatro j O agoas, grande senzalla, cocheira, Q Farinha de mandioca. A mais nota o mnis barata farinlia de mandioca queda no merca lo, vendo-so na ra da Cruz do Itecife, armazem n.13, de J.ifin Carlos Xegusto da Silva. Deposito da l.iinicu M. D Rodrigues, na ra do Tiapiche n. 86 j rccdhcu no vapor l'eruambuoana iiltlt peque-.urna oll'icao de ostiimpag represonUnd na po c¡fo do salea de superior qualidade. os aconlccimentoa mais notaveig da hjstori — Na rut da Cnizea n 2a, segundo ande Portugal desda a regeneia do condn i' dar, vonde-sn um escravo pardo, de linda Bolonha al o reinado da I). Sancho II em ligura, de 28.anuos, proprio paia o campo, juma dallas se v t grando e raemorave h? um lido creoulo do 22 anuos, ptimo ca-j-lalba do campo de Ourique milagrosaniont noeiro, e tres pretft-do mala idaJe qne co-[gapha pelo immortal I). Alfonso Hanrinur sinham, o lavam de sabflo, a sSo ptimas augusto fuidador da.nionarchia porto' |iiitnideira Nova fabrica de chocolate, llamoaopathico na ra das Trinchcirss o. 8, so eiicoutra .nais o seguinte : o chocolate hoaiopa tilico approvado e aplicado polos Srs. Drs. da homoeopalliia, o grande chocolata espanhol fino, amargo para regalo,,dito entre-lino temperado tambera para regallo, ¡don dilo para o diario, caf muido puro, dito de cevada, caf em caroco, evada em grSo, familia de ilaraulifio, dita lo mandioca, cha da India, dito preto, e charutos : ludo de superior qualidade o gueza. 0 dos para menuios de ambos o "sexos, 2 no aterro da Boa-Vista loja p. 1. Molduras dotiradas de todas oa larguras : vendem-se no arma mentada nesles servicos n. 23, se dir quem vende. algodao para saceos deassucar muito superior e biralo. Velas de carnauba em libras. Vendem-so volas do carnauba imitando espermaceti : na loja do salciro da ra da Cadeia do Recito n. 36. l'ara jardins Al. D. Rodrigea na ra do Tr.ipiclie n. 26, rocebeu uma completa colleccao do a lomos ja u ni tu lumiiiiiu, ni ni IIIII,I j i i horlsonUl para vapor, com forca de i cavalP"a jardn.-, BOmpOitl de vas )s de louca. los, coucos, passadeiras de ferro estanbado brancos %  '|'in!.idos de lo los os t munidos o para casa de pulgar, por menos preco queoz modclln.s. Figuras representando es estalle cobre, csi-o.-ciis para navios, ierro ingles cOesdoaoDO, as partos do (¡lobo o lodus os tanto em barras como em arcos (ollias, c ludo Iioosos da fbula, que recommoda. a quem por baraio preco. (¡ver bom gosto, o por presos muito rasoaritijo deposito de cal is •' AtlcncSo. Virgem. SSocbegadu a loja doferragons di ra Na ra do Trapiclie, n. 17, lia Nova o. 20, defronle da boneci,deJofio Fer.iln .n;. ,.=1 „v n nm ..n.im n ndes ¡'-"•cntiViam.a, as muilo apreciadas jarras o bacas Cbinezas, obra muito recomdiflculdtde pe?a com H varal; cansa prcla 11 100 rs. ; cova lo ¡ cortes de CiSSM pintadas,a 2,000 o corles de chita com la cova los, a 1,920 e 1,800 rs. ; lencos de (inissimn cambraia de lindo, a 480. 560c640; dito, de cambraia. deIgOdao OOmbioo, 440r.¡ zuaites de^" 1 r som >/zlvrinlo.cosiulia o lem cor muilo rneorpidos, a 200 rs ; djl0 "cell'„le conducta, lio rocolliid, c aiirenazuesc ,m 4 1,2 va as, a 200 rs. ; e algodao '}' T C \ qU S de %**"• T 8 transado com lislras a 180 rs. na ra do "",*• *£¡ P" ro ¡"" P' ra !" "* ''" Crcsion 6 casa ; tojnbem so vend um mnlejuecrcou' '., [lodo tennos do idade, proprio pora qual— \cnde-se, cm casi _de Aquorolcio: na ra larga do Hozario n, 35, damson llowic 6W Companbia, na loja. ra do Trapiche n. ^ panno te^Zl^T !" *" f6rr : n [" — 3 negrotas crioulas de idade18a 20anmuito superior cal nova em podra, ch"gada ltimamente de Lisboa Tal XAS pai CIIL'CIIIIO. ,\.i fundicAO de Ierro da ra do llrum, aealia-.so de reechor mn completo sorllmeoto de taixas do d n s pemos de boceo, as quaas acham-se n venda por preco commodo, e com promptidilo enibarcam->c,ou narregatn-sc om carros sem despezas to comprador. -Vendem-se cera cm velas, 1 fabricadas em Lisboa e no Puode Jancitii, cm caixas de ion libras ortidas, de 1 a 16 em libra, ctam-j bem de um so tamanlio, por me-! nos preco i\o (jtie em oulra qualquer parle : Irala-se no escrijitorio de Machado ck l'inbeiro, na ra do Vigario n. andar. POTASSA DA KUSS1A. nieudavel, pela sua duragtto, cm quebrur-so.estaso circunstancia siiuuiicia ao fregu /1 sua iitilidadc ; na mesma loja ha taniboo: para vender grcllias delorrar p.ao muito em conla, -SOO chegados • loja da ra Nova 11. 20, d Juo Foinan los P..iunto Vi nina, os ricos o muilo bonitos atarilhosdo metal lino para cha ccaf, obrado delicado gosto, c 1 1 1,0 commudo ; a ellos antes que se acabcin. l'inlieiro, •9 DEVERES DOS HOMENS, a 5oo rs. Vende-se este compendio nprovado pera as aulas, cm nieia oncadcrnar;3o, a 500 rs cada um: na livraria n. 6 e8, da praca da Independencia. A Goo rs a arroba. Vendem-sc batatos novas da segundo melhor qualidade inglezas: no Kecife armazem de Joaquim 'inhei10 Jacome, na Ir ivessa da Madre No armazem de Jcs Teixeira de Dos n. 9. Uasto, na ra do Trapiche n. 17,1 Vendem-se selins c silliocs ha para vender, nova e superior ¡nglezes, de couro de porco, da potassa da Hussia, chegada recen-! primeira qualidade: em casa de Alemente. ¡damson llowie & Companhia, na Principios geraes de economa pu¡ nn (j 0 Trapiche n. 4a. blica c industrial. Vcnde-se superior farinha praca da Indepen icncia, livraria n. 608. 'chegada ltimamente a bordo do Gata de commissao de escravus. patacho Euterpe, fundeado dcVendem-sc cscravos e recebemfronte do ces lo llamos : trala-se se de commissao, tanto para a pro-1 a hor-.lo do mesmo 011 na rita do vincia como para lora della, para'Apollo armazem n. 14, c na ra o que se offerece muilas garantas'd 1 Cruz armazem 11. 33, com S a seusdonos : na ra da Cacimba Araujo. nos, engomam ccosinhain bom, urna dol cosa c faz lavariulo 2 mulatas do idade 22 annos engomam e co,inham, um escravo de naogo, de servico de campo : nt ra Direila n. 3. -Venle-seum piano com muito boas vozes, e por preco muilo om coala : na ra larga do llozarioon 28armaZ'-m d louca se dir quem vcnde.na mesma loja so dir quem du 000,000 rs. a premio sobro penhor de ouro. Obras llcspanholas. A llluslracOo o outias diversas o interessanles imblicacOes da hibli ilcci universal do iladrid —muilo baratas ose iplas cm bom typo, cxCellentc papel, c com muilas superiores gravitas : vondeni-se na casa n. 6, defronto do Trapiche novo, c loja do encadcrnaeao n 8, da roa do Collegio. Obras portuguezas. Revista universal Lisbonso.jornal dc littcralura.hislona de Portogal polo ilistinclo escsiplor aU'xandrp Uorculano, lli^tOIlao consulado e do Imporio do Napulcllo, re vala militare Jornal do pliarmacia c seiencias oscessoriaa : vond :-sc 111 casa n. 6 defronte do Trapiche novo, o na ruado C illogio, loja do encadoinacllo n. 8. — Vonde-so cabos do linho c do manilha do todas s grossuras, e superior qualidade, chumbo cm barra, secas com farello milito novo por ter viudo pelo ultimo navio do Havre, Olwmpgne muilo superior, servep em cestos do duzl, caixas uo cen latas com sardinlias cm azeito, o pennas d'ato muilo boas : ludo por couimo los precos : na ra do Trapicha novo n. ti. o-critoriodoJ. I). Lasscrre & Companhia. — \ ende-se oleo de linhnca cm botijas : a tratar com Manoel da Silua Santos, no caes da Allnele— ga, armazem do Anes. Passtio publico n 9. — Vendem-si 18 ciixilhos envi Irapalos Vnde-sc oleado pintado de superior qualidade e lindos padrSes, de qnalro a oilo palmos de largura por preco mais barato do que em oulra qualquer parte : m prrea da Independencia ns. 24,16, a8 e 3o, AltencSo. Vendem-se superiores charulna rogaa, de urna das molhores fabricas da Dihia, em caixas de 100 charutos a 2,500 r. cada urna; silo ehegadas do prximo : na ra do Trapiche Novo n. 26. ~ Vendem-so 2 cavallos chegados prximamente do srriao.biatantrs gordos e com todos os andaros : na ra das Cinco Ponas n. 63. Lotera do Rio de Janeiro. Aos 20 000,000e lo:ooo,ooodcrs, O cautclisla Salustino dc A quino le reir, avisa ao respeitavel publico*, que no dia 19 a ao do correte mez, deve chegar do Sul o vapor da companhia hrasileira e no dia aa o vapor inglezTay, conductores das listas da segunda loleria do Hospicio de Pedro Segnt Companhia da Baha, do, c da 19 lotera do Theatro de | K, e n s por os pel S. Pedro de Alcntara, que correti no dia 4 deste mez, e pag immediatamente logo que receber as listas, sem descont algtim todos e quaesquer premios que sabir em nos billietes, meios, quartos oilavos c vigsimos, vendidos na praca da Independencia ns. i3 c i5, loja decalcado do Arantes, c na ra da Cadeia do Iiccife n. 4<3, loja detniudezas. Os apnixonados deste lao licito jogo devem habilitar-sequanto antes, ou tcntarem a sua sorte em virtude da fesla estar porta. 11,000 >,5oo a,800 i.3oo eliminado |no;o; na mesma se diz quem|zem de Killkmann Irm3os,ruada CMIZ n | 0 compra urna reflnacllo com os saus ulencia)J %  i %  Jk^^^^^^^^B %  %  a % % %  a %  a^SiiaV!^i %  lJlJl^ % % %  lio, e ua mesma fabrica, se vondeassucar i F,?rravn<* fuoiToo^^^^ refinado, e de carocode toda a qualidade: ^' a lu K l(i s timbem se compra urna taberna. .. nessppareceu aabbado, 13 do corfenta Vende-se urna escrava de bonita Ugude „„ de Moreira 4 Du.rte', na ra do ?, ra, boa coz.nho.ra e propr.a para vender na buga n 7/ 0 MU ,, scraro Je F ranis^ ru.edu boa conducta, por j estar espirida8 g chag s de id da d „ M^U^ !" ra aorogo nos: ste escravo foi comnrailn ,„.„.. nos; ste eacravo foi comprado com outr el -^rSWtodo d. fechar., ?,'; {^.^"bo^Ho Sft. iMcios bilhelcs Quarlos ()ilavos Vigsimos OOQO(SJOOOGi}i?(¡JO O Na ra do Crespo n. a3, I de globo, vasos para lloros, lindos eslojos paraeolura de Sra, o" carteiras do HarSo r DUX Z ir HjAljiAU para billiMes de visitas, visto nSo serem Auseiitou-se na noitc de 2l de auffleientea para um leilo ; no seu ejeripnll | ll | >rn lnt iaii„ 1 Ai toTio. ra di cadeia do rteifo. .outubro passado o mulato Cle— Vende-se urna escrava robusta e de mentino, de ao annos de ¡dade bonita ligura,d-se mais em conti com tanpouco raa ¡ s ou menos mas ro ¡,\' loquos'ja para fora da provincia, ou enf p-"^"", 01genho longo: a tratar na ra de Sania Hita tura regular, tem muito pequeo "• 8S (buco de barba e filia muito mansa %  • ',; -•;( ..'i quando amia parece que nao ni,; ¡Canlois l'aiihetck Companhia.$*2. monm M i„ j„^ a Conlinu.-se a vender no deposito %  bem COm S "*"• %  enat m ^ geral da ra da Cruz n. 52, o excelente e bem conceituado rap arela preta da fabrica deC.ntois l'ailhet & em grandes e preco osla bej¡) lecido. ^mmmmmmmim^wmnwmmmmm — No sitio da Trempe n. I, que tem venda (em bom capim de planta para vender por com modo proco. Frutas de Portugal. — Vende-se frascos grandes com possegos, damascos, gmjas, e cevejas muilo bem conservadas e pelo diminuto preco de 1,000 rs. oda um : na ra larga do Itozario n. 20. Estojos para Geometra' — Na ra larga do Rozarlo n. 20, ha para vender ricos eslojos excelentemente aparentados para qualquer pessoa que se proponiia ao estudo do geometra dezenho e nutica. > joitimenio d .0teinoe propr.0 nara lo !„ o sorvicV. ,10 siJJ"^lerr N veode-seeatas obras por ira qualquer parle. Idapoiab, "chapeo de sed. preto ¡ pres -vendem-so canarios do imperio, muque anda pelos arrebaldea desta cidade, pois lohonscontadores, edegados ltimamente do Porto pela barca Noss. Sonhora da Roa Viagem • 110 1 ateo da Santa Cruz n, 6, A a,5oors. o frasco. Doce de nnanaz, superior qualidade, proprio para presente no lempo da fesla : vende-se na ra da ;)adeia do Llecife n. apezardeser do serian nSosejulga que tenh. voltado : roga-ae portanto as autoridades policiaes e capitSes de campo, a captura do mesmo, levando-o a rus do Vigario n. II, terceiro andar, que se recompensa! a. Vende-sc cal virgem em pedra, muito alva para engommar: na ra do QueiIdegada rocentemcnlo do Lisboa, cm ancon "" io „"' 1 as muito bem aeondeclonadaa o por pr-ci', .""• ven '"s s"ccas com superior colla.das nuito commodo: no armaz'mdc Silva ;arr bT cls ll0 l!l erando do Sul, o a preco se 111 agoa secco. na casa n. 2 que faz o motilo da venda : confronte ao hoap)tal Doce de mirinhi n 1*5. Na mesma alugn-s? urna No pssseio publico sala cun quaito, proprio para qualquer quina com o trapiche do Hamos, faz-so dn.%  aceco de tolas as qialidales, sendo o de ¡i; ('.1:1 '1 lili olaiEB •>•! %  1 Pfl — Em casa dc J. Kellerck ComC *J U / mu lQ clar ". enieitam-se hcelas i-i 1 %  vontade dos com II adores, assim como dona panlua, acha-se a venda vinagre do calda do todas as qualidades porTo branco, superior de Nantcs, cm do preco. 3mmo barris de 36 medidas. PIANOS. Cera de carnauba e barricas vacias. Vendo-secera de carnauba, chogada pelo mo navio de Aracaly, por prego commoVendem-se cm casa de Kalkuerra oiiva CMI ornpi nhe legitimo e de superior quali-: nhi 1 na ra Novan. 11, a fallar dade: em casa de J. Keller &, 'com J. Kellcr & Companhia, Gompanhis, narua da Cruz n, 55. ra da Cruz n 55. na 5o,000 rs. D 15 para 16 de novembro de 1851 desapparci-eu do engenho Aguas Claras de llruc, da freguezia de Escada, o escravo -Vendem-se queijos do serlilo de 1,120 Venancio, de Angola, que muilo pirco 1, lo I., milito tioiis: na ra Direila, ven-'crilo, Idade 25 a 28 annos, cor fulla, h 1daazul n. 2. ir ti figura, altura regular, cheiodo corpo, Selins inclezes 1 pernas e bracos grocos, rosto gordo, e ar,-. ., ,? .. redondedo, testa grande, odos grandes, o US multo acreditado* sellos da amortecidos, tem falta de muilos denles 111 casa do Sr. Johnslon : acha se frente, do lalo superior, poucos cabellos no buco, equolxo, tem marcas de edieota as costas, e do sorras as nadigas, parece sor serio, e muilo humille, falla com muita mansidSoe.matado faz-se; innocente, ha chegado a furtos, e coslum. mudar de trage, por furto de roupa que fiz) de mudar o nome, dizor-se forro, nutras vozes procurando quem o apadrinhe, ou quem o conpre : levou camisa de madapolSo, calca de liiiui trancado de lislra pardas, ja desbotado, chapeo uzado de couro, cobertor. gro;o de lislras azues escuras, e um faci qua tomou de um muleque carreiro, do engenho Moclo. Este escravo passou pelos enge11 los Arando do Sr. Minool l'olil, Amparo e .Moclo, davendo pedido aos senliorcs dos dous ltimos engenhos cartas que o palrinhasse, em que foi s • iisfeito, o nfio obstanlo fugirlcndo seguido para o engenho Mindocas, da donde prezuma-sa tor paitido para o Rrejo da Madre de Dos, onda foi escravo do Sr. Curdo 1 ro, condecido por Abade, a quem pede-se o favor, de se chegar a seu conhocimento a sua estada ali, fazer apreender, remelter ou avisar a seu Sr., pondo-o neste caso na cadeia, assim como roga a qnalquerquoo pegar, do leva-lo ao dito engenho ao seu Sr. Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponce de Len, ou na ra Direila n. It casa de Jos Pinto da Costa, que rebeber a gratilicacSo mencionada; o tambem pelo prezente prutests-so com todo rigor, contra qualquer que o conservar 0111 seu poder. -Desappareceu no dia 10 do crrante da povoacSo de Bebiribe urna preta por nomo Joaquina a qual jolga-se que tenha viudo para o Recite e ando, por fora de portas a qual tem es signaesseguintos:baiia,olhos papudos que pareceestar bebada.beicos enoarnadas, lalladedentosna frente, bramse pernasgroco >, le vou vestidode riscado roxo e sal iO se m E ano.a pessoa que a pegar leve na esquina do eco largo sobrado n.2l,que ser recompensado. 30,000 re., do gratilicaclo Desappareceu 110 dia 15 de julho do corrento anno um muleque crioulo de nome Paulino de idade de 10 annos pouco mais ou menos,cor amaiclada por ter vicio de comer trra,naris chato e feio levou camisa do algodaosiodo soja o calca de riscado, sem chapeu, esle escravn pertence ao Sr. Antonio Jacinto da Silveira de Una ; quem o pegar liive-o a ra da Cacimba n. II ou a 1 1 1 !." 1 s d '' roros fixas Jo ruado Livramenton. 26 segundo andar que idrOas a moia pataca o covado, ¡receber a gratilicacSo a cima, e ae protesta Le ¡te A 200 rs. a garrafa Vende-sc todos os das d is 6 lia horas as 7 dn man ha 1, na ra da Guia, junto ao acougue do Sr Filippe, e na ra da Cruz no Uecife, prximo do armazem de Joao Carlos Augusto da Silva. -as Cinco Ponas, vende-jc por barato preco urna RrmacSo nova do venda, ou aluga-se : a t atar na ni 1 dos Mirlyrios n. II. -Vende-se urna casa terroa, sita na ra do S. Thereza : a tratar no atorro da Boa Vista n.86. — Vndese a livorna da ra das Cruzcs n. 28, ou smentc a armacSo della : a tratar na mesma. 1 Arte de nadar. %  ~l Vende-se essa ulil invouc3o pelo diajj) 8 minuto prego do 6,000 rs. : na loja ($ l'ein inlii.ina, da ra do Crespo. MI II. II. (,%  %  v-i ; .HMwwawitaj mmmmmm — Vendo-so urna parda escura de 20 a 21 annos de idade, pouco mais ou menos, engomma, coze e cosinha, nSo tem vicios ncm achaques : na ra da Concordia quem vom da ponte a esquera seguoda casa lerrea.se dir quem vende. Na ra da Cadeia n. K,, Vende-se o verdadeiro rap Paulo Cordelen, cujo titulo do a malor garanta quo ae ;ode dar aos amantes da boa partida ; nSo do necessario lecer-lho elogio porque o grande consummo que doje tem este race, o oconceito quo morecj dos dignos tomasles, de devido sua excellento qoalidado. Diamantes para vidraceiro. Cdegou urna pequea porcSo de superior ra da. qualidade : ven lo-se na ra do Trapiche No!|VO n. tu. chique! %  Chitas f,n:,s a 1G0 rs. o covado.


PAGE 1

fez uma mistura do tiriobi o de arsnico pora dar cabo dts raltzanai jicla boca; i criada, porrn, que o ¡giiorava o progrumina doSr. Carr foi coro eslt iiiinlia um pudding, o o dcu a comer familia; tan tu rata, como os convidados morroram vomitando as tripas 1 Demolio-se em Ntwctstle, Inglaterra, i casa em que habitou o celebre navegante (.'cok; i cmara municipal, porrn, qull conservar o quarto om que ello dorma, c que estiva nrnado do figuras geomtricas. O quarto foi M o qual mudado pira asnoras casas, os ioglezcs tem urna granja vnoracHo assuas anliguida les, nos destruimos as nossas! I Nos somos muilo ospertos! Este celebre Cook lio um oxemplo do que podem o trahslho, a porsevertnca o o bom comportimcnto; criado pola cari la le do ni.s pescadores a vista do mar o ¡nllama, ocllochega as maiores honras do scu paiz. Morrn na Succia o arccbisio do Upsnl primaz do reino ¡ rlumava-se Thom /. Wingard : o iinha 71 aunes. Este arcobispo era grande oonslilueional. Ta nbem morii'ii un Su -i1.1 o rico capitalista Honoilicl : derxou 18 milhOes. No primoiro do corrento h.iiive horrorosa tempestado nocmsl do Inglaterra ; a qual durou 48 horas, mais de 100 navios forn n arojidns costa, os desastres fo r am muilo, l,incnu-se o mar em Brislol um vapor gigantesco para a carreira das Indias (Tri ntnes. O Demorara toui 276 pos do longiludo ua quiln; largura 10 ps. Fallece* no dia 19 do setembro o prolessor JoJo Podro l.uiz llumliert da academia de Genova, e do instituto le Frene,!. Acab deappareccr o teloniaco do Fcnelon traduzidoeni hebraico por llenoil Cohn, rabino do Uinsftna l.iiliuanci. O imperador Nicolao autuiisou a Importarlo ¡Ilimitada de oxcmplrcs liv.es do direilos. -Publicou-se liualineuloo decroto que inslitua o consellio ultramarino silo seto us eon-elli o ro-. cada mu chucha de ordena lo 1:600,000.'! o secretario esso 'chucha a 1:000,000.' 1)0 p3o do nosso compadro grande falia ao nosso aliiliado. Apezar da dcspez-i Bte couseiho era necessario, assim elle producios cll'eilos precisos. Tudo so prepara para a grande halalln oloitor.il, cojo dia nao ha la dos malhorosl Cheira a cousis de delinilos, o h; o annivertt rio do grand ) .terremoto %  os exercitos beligerantes ja lem revistas em orden de manila o governo por um lato, e paroutro os progressislas, eos cabraes cntran na uta COm coragem, a os scus sida los estilo, sagitado te diz, mimadas rio melhorespirilol Cada exercito tem o son coinmissariaUo, qu Hus lomee i ¡ntrigas—mentiras — calumnias—ambi(0aa—a miserias, quoso o muuicio de-las tropas olciloraos, Com tudo, no moio disto, que alias he da etiqueta eleil ral, Dott>ae vida DOS partidos, e J isto lio a favor do movimuuto do 21 do liril. t)s nossoa vistnhos ibariooi conseguirn) lanzar o galano om Vetulio aos celebres bandidos os Srs I). Cri-toval ItoJigues Hera commercio, mas somonte para obzequiar os seus amigos—c concluo dizondo quo tem porquinbos grandes o pequeos do sua la vra lodo o anuo ao queelle chama urna s.ngularidado ; e na verdado que ninguom deixar do chamar singular ao tal rilado dosporquinhos grandes o talvez nico no seu genero. Os legitimislas vfo ter o |eu alma na k. Se a mola pega, toromos^m aJuiau k tiara cada partido. Dizom que o padre Batota esl fazendo o calendarlo do partido 1 l'standa'tista. A mantia* ha-do ter lugar a abertura do lliettro deS. Carlos, com a Lucia om quo entra a Arrigolj, o Manousi, n Musich, o liruni, a Saint Martn, e o Ctdeslinn. Temos mais dual frisas no theHro. Us empresarios declaran) quo resirvam pa ra si o diroilo de levantar os presos as imite-, em quo Rosinha Stoltz cantar. Ptreco incrivel, mais he certo. Veja, mostr, a quo ponto sohein as 11 ¡usos de certa gente. Us redactores nosjoniics polilicus, e Iliterarios da Coi le i cechera ni carlOos de convite, qualbe foram dirigidos pola o imni'SsSo directora da oxposic,fio om favor dos azylos ii'iiiiniiiai ii. SSo eslos cirlOes que se v -m para a entrada anlcse durante a ox["i-ie'i i. A cooimisso quiz, por esto modo, agradecer s rodacc,os, a pubcac.8) de repetidos annuucios. Niiovejo grande aclivilndo nos Irabalhos para a—ExposicSo agrcola.— S o Ayros de Sa se e.i ;ie i e procura, por lodos os modos, rcalisar urna cxposicSo, que ser de certo ulilissim aos mistos agricultores, e •i.esmo ios fabrican tes do instrumentse machinas agrarias. Acommiesfio da Ajuda impoz programma IC1 cleiloros, para quo clles oimponhain aos candidatos. Lea o aluiiro. O que me d mais no gto lio a condic (SO do artigo segundo ; echo roalmentoadmiravel que um nonioin do tul uto, como hoollerculntio, paste a vida a pastear pola la. Consegu so em liui o resdlta lo para quo temos trubaih ido, instando pelas prulissOo do lo. Ja umitas vilo a camlnho para as provincias; mas os caiiljd-.tos, rocesos siuiere da censura, nao do aos suus csciiptos a uocessiria publicilade. Ahi lho romettoa prollssao .¡o Julio Piuionlel, lonlc da Polylechina. Sou era nomo da nar^So o da rainlia saudc, pticos Seu amigo c fraternidade. Le Citoyen Oras Titana = Q 2 niolher rocolieu ramalhetos e coras innumeraveis. Os apixonados de mdame Ugalde diiem quo ella excedo i sua madrinha madimo Bordeze, o que faz esqucer i Dimoroju-Cinti, o a uie.srri Sontig! Tem urna travessura original: a Alboni acaba a su.-i cscrielura na g r ando opera de Pars no dia 31. Ercoompensacilo dar-se-ha um novo bailo om que entra i bailarina mademoiselle Priora, que goza do grande reputarlo. A snciedado philarmonica debaixo da direcfSo do celebro ilorlioz j comefou os seus colicortos na sala Birthelemy, o pi ,. %  rainma compretlendo is obras de Mr' Lacombo, o i.'iimiieulo pianista, e dos Srs. li.iiio], o Ilorlioz. Em Bruxellas foi ouvido com cntliusiasmo na Lucia o tenor Luguesi. A primalo-ia Mademoiselle Radalo (<¡i fiasco. '.; %  i.o -, o i ii noli o-.l debulou com grande xito na opera franco na parte do 1 llertha no Prophota. Esta joven ora j co¡ nhecida por ter oblido este anno o primeiro Baha — patacho brasileiro Aracaty, i premio no conservatorio de Pars. Execu-I tre Antonio Frincisco Ribeiro Pad ronel commandanlo do tercelro de artiIharii, Innocenolo Eustaquio Kerreira de Aran jo o sua familia, Dr. Francisco Xavier Pies Barrlo, Americo Souza Gomes, Jos Eugenio Costa Paiva, Domingos Alvea Mathrus e sua senhora, JosA Egidio do Oliveira Mendos, Antonio Tilles Silva Lobo, Jos Joaquina Landulfo Rocha Medrado, Lan.lulfo da Rocha Medrado, Antonio Joaquim Rodrigues. LuiGunlre, Antonio Rodrigues Leite Cijuiba, Dr. F. Gonzaga Souza, Macluph Beselem Joaquim Teixeira Oliveira Jnior, Ildefonso Simos Lopes, Dr. Braz Pereira Nunes, Antonio Jos Moraea Jnior, Pancracio Frederico C. Ribeiro, Jos Pedro W. Ribeiro, Alexandre Jaclntho de MendonQi, Casimiro P. de Caslro, -Jollo Alvos Pitonisa Jnior, Manool Thomaz Piolo Paca, Gustavo Julio Pinto Para Jnior, Luiz llarhoza Madureirade Azovedo, S ex-soldsdos, 19 re crulas e 9 escravos a enjregar. mes ilh carga aza ile de carrapito e mais gneros. ElTAL. mudos Zamarra, ou Zannriiliia, c I). Dio. I'alomoquo Palomo, Allirma-so quo sdo ilous grandes Iratanl-s. Acabo do veras barbaa do grande Luiz Kossulli, quo hu loni nos appareceu no Tejo a bordo do paiiuelc ingle Midrid. O commandanlo do registro licou atornillado, e julgou quo liiilia DO Tejo uina hileia moristro. O Hngaro nnndou pedir licenr;a ao governo para desooibarcar, c grabas ao lio Rodrigo, a IIrenca foi pronipta, o o conde do Soliral, governa i.ir civil, foi comprimeotir o nomo dogovcino, o lieie da lluugria, quo vai de Viagem para os IMidos-U n.los. llojoaslt horas da mauliSa foi o nicu Platicante cominimuiita-lo ao hotel o Braganea na companhia da rapasiid, quese reuni no largo da Abeogarii. Desla vez dcu Portugal uai quinao no governo do SOCARTA DE BRAZ TIZANA, BOTICARIO DE LISBOA, AOBARHEIRO. Outubro 38. Moucher — Iteunir-se-ha a nova cmara electiva ? o rounlndo-ae, peder funecionar ? e funceionar em paz ou leromos scenan %  .-..ii t.i i o nesie caso, quo lio inuito do reccar, o governo dissolver a cunan i 1 ou d'ixar-sc-ha callir com as mflos debaixo do lirado? Eis aqu Meslro, as varias porgunlas quo honloni se fa/.ian na botica, o us quaes nioguem soubo respon.'er! oque lio certo lio quo os cabralistas, progroisiitaa, saldanhiataa, o rodrguistas traballiain som doscango uavinba do Senhor ; n isto, quo piimeira vista parece um un he um bura. He signal de lerom vid i coostituciouaj, Eu c por mim goslo dislo, u.csnv) porque eslou vendo os louros de palanqi-c. O msu vellio froguoz do gannlo conla com uma cmara mixta; com una especio de Babel parlamoiUr, na qual a naiori i sera um piubi 'iiia,l|.i-dc. cr uma nova exposijSo da iu lust'ia, co II obras primasdlS nossas fabricas Falla-nos o palacio de cristal, mas r''Oio liamos com S. Rento da saudo, qm nilo lie tilo IIIUO como isso. O ex-ministro. Avi la lem esporan^a de sabir do¡ pillado, poisconti com urna alta proteceSo, lo i-o pela primoira vez no theatro de Varzovia o Roberto do Diabu, em italiano : dos cantantes sera italiano o Mansin. O theatro de Scala em MilSo abri finalmente as suas poitas com o Poliuto do J! O lllm. Sr. inspector da thesourarla da nizzelti, .-i'-inooii o priucipil triumpho a fazenda provincial, em cumprimento da orpiima-iona Gazzaniga, o o tenor Negrini. dom do Exm. Sr. prosidente da provincia O governo do Floren; prohibi o drama de* do correnti, mana fizar publico, que intitulado—llypolito de Besucarme—o asnos das 16, 17 o 18 do inesmo, ir a praca sumpto ora o caso ltimamente succedido para ser arrematado perante o tribunal adua Blgica, AS represonlaQOas do Mademoi | mini9lrativo da mosma thesouraria, a quero brindo doli. Diz o pail que ss -rata do; o Lopes de Uendonca tainbcm estasolTiifretar vapores pan aeompaiibar o Kossuih amanhBi a lo do Tojo. Fossem la fazer de?las, aqu ha seis mezes, sobogovemo %  a'crnal do conde de Thomar. Andavaiu em papoo de arauba o Ferrugento e o Delira. v respeito iloconsclho ultramarino anda uilo app receram as nomear¡0?s do pessoal, quo com poqucua diH"oren(;a deve comporse do vise indo do Sa como presidente—o dosvoaes viscondes de Lineada—Alracive i mente ipadnnbsdo. C Silva Cabral morro do raiva so nSosah.i depulido por e>si cidade un lo os seus amigos acbam ilifflcnldados pira faz.'r passaroieu nomo, que prnpozoram por Villa llol mas S. Exc. nilo lie com isso Satisl'oilo. Quer mostrar Europa que tem n npimilo publica da segunda capital do roino. Digam delleoque quizerem : ao menos he homoni do enragem, o d quefizor! Pena foi quo os rogueteando produzis'em o piada Garrelt—D. Manuel do Portugal o Caslro, niSldo l ffeito, ali. s a carta soria reformada vedor da casi Ral =Joffo Jl.iria do Fontesjo-n nomo da ordonaca do r.-ino, n da indel'oreira do Mello -Postan, mini-tro bono-, pendencia nacional. Em (im baja o que r.-.rio-e creio quo um tal Amaial quo lem bouvo', Badajoz he por ns,c o general Conservido varios cargos no Ultramar, lia tambcni conselhei'os extraordinarios—da quo duus silo o Adri3o Acacio da Silveiri l'inlo, actualmente enverna lor de Angola8 um tal Arouca, que ja exerceu caraos no L'ullraiuar. — Para secretario ouvi fallar ni 'iustodiu Manool Comes,-quo quantoa mim DBj aceita. Algumas das nomcagucs n.l i IUO parecem mas — a respeito de oulras acho-as extravagantes.— No tei porque licou de fra o Izidoro i.uimai. s, eo Valle que aclualmrnlo governa Hocambique, [e que sempro tOm servido cum intelligencil e houradoz este c outros cm; rogos no Ultiamar. Ha illi urna ou dnas noniecoos lil us do grande patronato, alias nao appareceriain alisa—nem licariam no esquecimantu lioiuens muilo dignos, o quo por devore uccessidade all nao podiam deixar do ligurur. Nao he a falla de codselhos que este loe Poituga! deixa de mu reliar bom. Temos conctlheiros de estado — co.. Ii i do supremo tribunal do justiga — Consellieiros do tribunal conimercial — contllieiros do thesouro — COBSelhi iros do conselho ullianurino : — o que ludo relundilella lilil d om Mi o oblivoram um xito e\ti-aoiiim-i.i. Pagaram-se seis libras austracas por uma cntrida, o oulras seis por um asseuto. Cada lira equivale a uma peseta hespanhola. O ineu corr spondento particular de NewYoik modiz quo nosabbaio, 11, a mullidlo stagrupava na prar;a d'aquella cidade pira recolier em triumpho a Miss Githarina llaves, que chogou aos Estados-Unidos. O pavo a acompaiihou hospedara com enthusiasmo, e lho deu nessa noilo uma expl;nJila soronuti scguiia do fogos d'ail(icio. Miss c.iiii ii ni,i dou o seu primeiro colicorto em 23 ; a concorrencia foi de quatro mil espectadores! •' O mou gallego recobou carta da Ierra na qual llie dizoai que o somnmbulo do Lugo continua a fazer pasmar os habitantes da utiliza. O somnmbulo cura toda aqutlidado do molestias. Elle n3o procisa fazer pergunlus, basla-llio o laclo d'umt parte da roupa do doeoto. Um irmSo do mou gallego, lem um pequeo surdo o mudo cm consequeucii d'uma molostia d'ouvidos, remettoii-llio urna faxa, que o somnmbulo I lio recanibou, pois de nada servil por ter servi Jo a outra pessoa parida, que j tinha morrido, ou breve monorial ocaso era verdadeiro, a faxa era lo.la d'uma camisa da cunhad do mou callogo, quo morrra de parlo, e com ideas de plhysica I A cantira Montenegro rcuperou o teu c o.|: .] artstico na Norma em Madrid : foi coborla de tppltusos, o recebeu corts e ramos! A celebro Lolla Montes, favorita doox-rei doliiviora foi be, recebidt no theatro doAmbers. Falla-so em que a celebro Mara Jos vai sor nonienla juizade una das enxovias do l.imoeiro Tarabea) se diz quo ho despachado desembargador de Goa u IB dos llhos d'uma ds nossas notabilidades politicis As nossas possessOcs silo oulras tantas Californias para certa gente I O farad dai UangcrkSe tenciona dar urna noito destas uma gramo func^So, para a qual mandou vir do Algarve sois arrobas de doce Aoha-Sfl venda uma infinidade do polkas. Temos polka mashurka, rcgciicrasao polka para pianito, a reforma polki pjra trompa, e o Crole polka para uerimtiau, o cavaquinho; ludo por preces moderados. Dizo.'ii quo o digno par Ferriio Jizcra paite rounilo Ja ra dos Mouros. Aqu s abas do Lisboa um tirurgiV rapaz e lilho da escola dcsta capital coi lelava, ha poucos mozos, uma menina que liulia quarenta contos do rcis do dote. Aniavam-se ambos, e ella linha-lho dado por cscriptoosncco-sirios pude-es para elle lira-la por justir;a no caso do seus pas lli'a ne^aroin quando olio Ih'a po.liase, o quo dovia sor om brevo. Sabido isto polos pais da menina, o nilo leudo elles nada a dizo. cent-a as boas qualidales do rapaz, arranjaam um bacharel, hi pouco sabido da universidade, e, com o auxilio de duas velhas o do uma mcia velht, meltoram Daoibaca da futura noiva quo ia degradar-se unindoso a um simples cirurgiilo quo nenhuma graduadlo tnln, quindo clles all lho propor menos (izer a pintura das varandas di ponte da Boa-Vista, a valiada em 337,700 rs. Arrematar,flo sera foila na forma dos arts. ale 27 da le n, 286 de 17 de mao do correte anno. As pessoas quo se propozerem a esta arremalar;ao, comparcsam.ua sala dassessOes do mesmn tribunal, nos diis cima mencionados pelo meio-dia, compotcntemenle habilitadas. E para constar se mandou afixar o prc zento e publicar pelo tiario. Secretaria da thezonrasia da fazenda prn vinciil dePernimbuco, 6 de dezembro de 1861. Osecrotirio Antonio Ferreira d'Annunciagao. Chuzulas especiaos do arremalasSo 1.' A pintora da ponto da Boa-Vista, sei feita do c, iu i ni un i, -lio com o orrji ment aprezentado ncsla data a approvacSo do Exm. presidente da provincia, na importancia de 337,700 rs. 2." S:r principiada osla obra no praso de 15 das, e concluida no do '69 dias, contando-so na forma dos ai ts. 31 o 32 da lei provincial n. 286. 3. a A importancia desta obra ser paga em urna s prestarlo quando o arrematante livor concluida toda a pintura. i.' Para tudo o mais que n3o estiver especificado as prezentes clauzulas seguirsc-hoque determina a lei provincial n. 286 de 17 do maio de 1851. Conforme. O secretario. Antonio Ferrci'a d'Aununci aeflo. sB-smmKSsmssssmsssssssssams O Beijo O adiiinitlrador omprcziriojulgi ter organizidoum espectculo que milito igrada, tanto pela variodade. como pela sua tcertidt escolhi. O putilioo, a queni o idmii istrador empreztrio si confusa aisiz reconhecido pelt consttplo proteccilo que lho ha prodgiliztdo, nSO doixart por certo de concorrer mr-is estajes IO thotlro do Santa Izihol, tanto mais que nesta noilo termina as fadigas theatraes do aneo de 1851. Cuinccar ai 8boraa. O billictes icham-se venda no lugar do coitume. nacional Rio Ave : quem no memo qker carregar, ir de passagem, para o quo tem bona commodos, ou embarcar escravos a fretc entenda-se com o capitSo do mesmo brigue, Elias Jos Alves, na prca do Commercio, ou com os consignatarios Novnes ek Companhia, na ra do Trapiche n. 3i — Pino Htvresahe com muita brevida' de a galera francez Edith, .capiUlo Poulnt por l>r a maior ptrte do teu ctrregament prompto ¡ quem ua mosma quizor carreear o restante, ou ir de ptssagom, pode enten. der-se com o metmo capio ou com os conFuhlicaco litteraria. Historia universal resumida. Pin USO das ee, ilns dos Esta lis I oinlos da America do Norte, por Pedro Porley, tradu¡fgnsiro ScVamellim'&''fo"ber' a 0 ?!" zidapara uso das escolas do Imperio do Bra¡da Cruz n. 38. sil pelo desembargador coosolheiro Jos Ri-Para o Rio Grande do Sol. seguir um heiro. Este exoellenle resumo acha-se nos'poucos dias, por ter a maior pirle do SP preloa di capital do imperio, e brevemente ctrrogamonlo prompto, o biigua oaeiumi sahira a luz i subscreve-se nesta cidade do "Carlos, capllSo Jos Joaqnim Sotres • num llecife na livnrii n. 6 e 8 da pracn di ludeno mesmo quizer carregtr ou bir do n pendencit a 5,000 rs. por ctda oxemplar enstgem, para o quo tem mu excollenes comnoolus : dirlja-sa a Billar & Oliveira na ra da Cadeia do Recife, armizem n. 12' -Para a Bahia pretendo seguir com ojia brevdade o hiato brasileiro Exslic3 0 mestre, Antonio Manool Alfonso: quem n oes. JDecaracoes. — Pel recebe loria do rendas internas geraes, se faz publico que lio este u moz, em que lio devido o pagamento a bocea do cofre dos soguintcs impostos do corrente anno (inanceiro de 1851 a 1852, lindo o qual ser a cobranza promovida polos cobradores com o augmento de 3 por rento. Decima addlcional do mno mora (primoiro %  "•ni '1 tro imposto sobro Jojas o casis de descont ole,dito sobre as casas do movis, roupas etc., fabricados em paiz estraugoiro, dilo sobro seges, dito sobro barcos do interior, indias dos eteravot. REAL COMPAMHA DE PAQUETES I.NCLEZES A VAPOR. NO dia 22 deslo IKCZ espera-1 so 0 varor ZJJ, commandanlo ELEMENTOS DI Ilomaopathia. Sabio a luz a segunda parle destt obra composta pelo professor homocopatha Gos' mesmo quizer carregar ou irdepissagem sel Bimont. R'cobem-se assignaturas para Pude euicnder-so com o mesmo mestre in¡ a obra inteira 1 5,000 rs., no consultorio trapicho do slgodo, ou com S Araujo' na homoeopathicoda ra das Cruzes n. 28. Dera da Cruz 11. 33. pois da publicado da torceira parte, o pre"**" m &*9B*BmB* — coser elevado a 8,000 rs. para aquellos jLeilo que nilo tivorom asigntdo. No mesmo consultorio, icha-sea venda tudo quanto he nrcossario para o cstudoea pratica da hoiiiirop tina, como seja : livros impressos para historias de doenlcs, regimens apropriades para a provincia do Pernambuco, e encarrega-so de mandar furnecer qualquer encommonda do medicamentos homceopathicos, lauto avulsos como em caixas, om glbulos como em tinturas. No pelo : — Pal/iogcneiia dos medicamentos brasileiros. Elementos de anatoma e phiiioloijia com estampas, para os curiosos om homoeopaluia. Roga-se aos seohores assignantes o obsequio de un n lar receber seus exemplares no consultorio bomceopalhico da. ra das Cruzes n, 28. Til ATA MENT" HOMEOI'ATllICO. OAS MOLESTIAS \ KM mus, e con.'cllios tos doentes para "se cura rom a si mesmo, sem precisaron de medico; polo professor homceopatha Gossel-Bimont. Saino 1 luz e8Cha-ioa venda no consultorio hoinceopalhico da ra dss Cruzos n. 28, pelo prcto do 1,000 rs. Avisos Dinritimos. •-O corrotor Miguel Carneiro, fir o ultimo leillo esle anno no seu armizem ni rm do Trapiche 11. 40, quinta-feiralsilocorrente as 9 1|2 horas da nianhaa de diversos tmstes novos, e uzados, pianos, mozas com ricas pedras, urna cadeira elstica com estante para ler, sclins, e silhoes, lustres, candi,. ros, quadros com estauipas,lour;a,vidros,rciogios, espingardas, e outros muitos obectos, que se entregar por quolquer precs que for ufferecido ; o adverle-se as pessoao que tivercm objectos com limites, do os virom lirar antes do dia do leilia> — Francisco Severiano Rabello & Filho traosferiium, por causa da ebuva, o seu ¡eiISo de cerca 20 pipas de vinagre, o qual ser enectuado sexta-feira, 19 do crreme, as 10 horas da manliaa, no largo da alfamiega. Avisos diversos. n — Frita-so para dentro ou fra do imperio o brigue brasileiro Principo D. Alfonso do loto de 216 tonelladas, prompto n soguir para qualquer parte: a Iralar com Manoel Concalves da Silva. — Para a cidade do Porto, segu viagem com umita brevidade, a barca portngiicza Flor da Maia capitSo Jos de Azevcdo Canario, ain;la pode recebar alguma carga e passageiros, para os quaes tem excellentes commodos : mesma quizer carregar, passagem, dlrija-se ao cnpitSo, ou •1 seu consignatario Manoel Joaquim Hamos & Silva. seguir para Europi \. par^.geitd, !" '"**"' ^ n,CSr 0UM carr< """ quem n* ou ir de eha nilo nos desampara. lili -se que Mra fcilo baro de Pipizio o[P" rc '0 | '?vam um doulor da iiuiversidde, Bernardo Josd de Abieu, commandanlo da I" 8 ,az ¡a oulra ligura no mundo. A rapasexta divisOo militar I Diz o conde da Tai"ga deixou-se levar tiestas alicantinas, osua que os ttulos agora silo c.tcim/ias '. l)is-¡ lucceti todas as promossas, deslisou do casc-mc um inglez ant'is dnjanlar quo o nuracter proproprio do uma sonhora, o casou ni lorio biilanniCO soffria uma pequea e" o bacharol, quo nada mais sabo do qoo %  nodilicacilo, que sabia o Grey por falta do' bacharolar, deixando a olhar ao sigoal o ttule, e eiilrnva Lord Clarcndon, vice-rei *' da Irlanda Tambum mo diste um creado do Mr. do Pietro que o Santssimo padro Horneara uma commissSo para reformar os arls'as tanto por lora cono por dontro isto lio no material, o no espiritual. A clemencia imperial c apostlica do Vieniia commulou cm dou< a 10 anuos de prisSo cm f nlalczis a pena do nioilc Imposta a 38 le 1 1 : los Jo ultimo parlamento hunga-o! „ .. ,. Sin mngesladena sua ultima viagem a lia,i0,l "i | """lo do da 17. 4.152,588 lia fez 89 gratas a 89 111 lividuoa ¡ ueste nu„ Oescarrega koje 18 de dezembro. mero enliam dous xaro, es. Duvila-soI'" lgue Puguez --Novo Vencedor— cal* muito que siia doputido o Herculano 1 fa-¡ setiollas. zrm-llie guirra, porqua esle eseriplor pu-j,. COMOtAOO GERAL. blco nSo se ebega copvcnlencia .' A qua! "mdimento do da I a 16 19:607,241 ilrn(ijro:a uo vai boa paraos exccnlri'dcmdodia 17 2 :118,103 eos! O partida Cabrslisia quer provincirurgiao, alias moQo do morit Sou, cm nomo da na^o o da rtinha saudc, patacos Seu amigo e fraternidade, Lo Citoyen Braz Tisana. COMMERCBOT" do • em pouc>s pslavras, qoer dizisr laniotjoisteiial quer dnales. iiinhos quautos foram precisos erar pira accunmiodar os amigos — prenles ele. I ¡venios fogo inonslro. — Tambera tpparecen um actor inonslro que, segu) lo diz a t-1111 .rusa do D. Fernando, pesa 15 arrobas, imagino o Meslro que tal he o bruto; cu i 01 1111111 uo osuslentav nem a pallia. — C1010 que nilo era raau ServICO fechar o theatro do D. Fernando, que ¡ara nada servo : para ver um hornera gordo escusado lio bir l. Temos urna noticia imporlaiilc que muiches! o progressisla quer guardiics o miNl c.pilil da Pruss'a vilo cstabelecor-so rrlogios elctricos. Aqoi a electricidade obrou prodigios na assemblc 1 da ra dos Mouros! Falla-se cm nova fornada de paros o quo abunda nilo projudica. O meu |o .'Ii'.uto anda a sismar por duas cousas, das quaos o rapf/. queria saber o motivo— primeira porque rasiloa nova cmara he 0ieita no inivertario do grando l.-rromolo, e 110 dia dos fiis d Ionios, a segnnda porque molivo os o ,br i-o.as 11 / -1.1111 a sua 1 "im i 1 a favor da carta o da rainba 110 dia 10 o ha-de alegrar meslro regosigc-so por dos anuos do Sr. I) Miguel de Rraganga. A tres das, o (10 ferias aos seus aprendizcs— \ respes!* ha-de vir no futuro mando publicar por um bando que a fragata do registro j lem charanga a burdo feliz genero, dilosa genio. Suicidou-se o Aln.uxarile do pa'acio do Ouoluz, Jos Mana dos Anj is— o dosgracado iloixou basianlu tamilia, o em mas circunstancias : parece que a causa foi o mao o.indo de cotilas o do finanzas. Euforcuuse no dia II.— Lia administrador docouselho. ispcita ha-de vir no futuro Almanak d lomhrnr,as do Caslilho. .Nogiando theatro de Marselha acabado lor lugar um successo oscandtloso! o ropugiieiil>! Na noilc do 2 ropresentou-so i Favorita por canlintes francezes: as hostilidades mu: o:.mi lodos os arlislas foram assobiados um por um, ecobertosde insultos! quando um dclles quiz fallar a tormenta dos grit is, o assobios foi espantosa A companhia lyrica do Saint PelrcsI'oi nomoado para secretario do governo burgo compOo-.>o esto anno das seguidles civil de Reja o lilho do Jaciulho Jos Diaa del nolabilidadc : Grissi, e Pcrsiani, Mario, Curvalbo.—Douso illuniinooo icoiiipauho Timberlik, Ronconi, Timborinl, La Rlachc, i mpie pin que ello laca Im is cousas. o Formes. No baile est a parelha Giissi O vapor Porto viudo dessa cidade soffreu I e Parrot. quarentens de 8 dias—esta conhocido quo I Temos actualmente nove crises minislcn fab.-o a.n trolla s lio contagiosa por mar raos ua Europa. ¡Na Franca por causa da pois que por larra neuhuui perigo lia em se { lei de 31 de miio — na Austria pela entrada i utnmuuicir. A forluua ma levo se ou en-' das provincias iio allemes na confederalendo os tire seuliorel di stude. Icio, Em llespinhi por causa dos negocios OcididiloStlcbcheiro com loj na prade Cuba. Ni Dinamtici pela successlo ao r,a de 1). Pedron. 66—previne os seus amillirono. Em Turim por motivo da questSo gos por um annuncia pnblicto na diatrnccclesiastica. Falla-se 91(735,344 DIVERSAS PROVINCIAS Kendimonlodo dia 1 a 16. .1:519,074 Motil dodia 17 85,558 1:614,932 BxporttM&o. Rahii, patacho brasileiro Aracaty, do 40 tonelladas, comiuzio oseguinle :--41 caixas e 16 fardos fazendas, 1 caixSo aljofros, 40 Diniltras hlalas, 12 barricas rarlnha de trigo, 40 cunhotos cnxofre II pipas, 2j barril o 16 quartolis azeite de carrapnto, 48 Clisas volas do carnauba, 266 molhos o 2969 p-ks de catira, 36 canudos salsa parrilha. KE-;EBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GERAES HE PERNAMBUCO. Rendimenlo do dia 17 313,193 CONSULADO PROVINCIAL. Rcndimonto do da 17 2 :866,717 ja-se om casa da agencia n. 42, no trapiche novo. Consulado de Portugal cm Pernambuco. Para conhecimento da naveglo c commercio so faz publico quo lendo cessado os motivos quo deraru lugar publicado do Edital do conselho da saude publica do Reino de Portugal, do 5 do setembro ultimo, transcriptos nos Diarios do Pernambuco de 4 6 e 7 do Outubro passado, pelo quo no era permittida a admissilo nos portos do Roino dos navios procodentes do Brazil sem quo primoiro verilicasso a sou oslado sanitario na ostacSo de saudo om Beicm.foi o mesmo edital derrogado, continuando cm vigor as medidas anteriores. Consulado do portugal em Pernambuco aos 12 dezembro de 1851.—Joaquim Baplista Moreira, cnsul. TBKATRO DE S fZABGL. No podando ler lugar a reeila annunciada, para honlem 17 do corrente, om consequencit do lempo, previne-se aorespeilavol publico, do quo licou transferida para segunda feira. 22, impretorivelmonte, e roga-se as pessoas que aeccitaram billietes o camarotes, o obsequio de nilo divolve-los. Movimento do porto. Navios entrados nndiail. Terra Nova 28 dias, brigue inglez Runnymede, de 200 tonelladas, capitn Samuel Provrse, equipagem 12, carga bacalho ; ao capitSo. dem --25 dias, brigue inglez Balclutha, do 241 tonelladas, capitUo Goorge Harte, cquipsgem 14, carga bacalho; a James Crtblrce & Compinhia. Navios sahidos no memo dia. Rio do Janeiro — escuna brisileira Mirii Firmina, ctpitaoJoo Bernardo da Roza, carga assucar o mais gneros. Conduz 28 escravos a entregar 26.' RECITA DA ASSICNATURA E Vllim neste eirrente anno. Tcndo o administrador empresario de feixar o theatro en cnniequeneia do sa 3charem muitos dos senhores assignantes, c a maior parto do publico, for da cidade, tom determinado dar um ultimo o variado espectculo de cncerramento no dia Sat/bado SO i'.li ir a procissSo, queiratu ai minear entregar logo do uiuilifl 1. d -Jos Pedro Wernerk Ribeiro de Aguilir, ratirando-so para a corle do Rio de Janeiro, c no podendo despedir-so do todas as pessoas com quem levo relacOes do amzade, o faz por este meio asseverando que te relira saudoso e summamente grato ; e ofTercce a todos os seus amigos o limitadsimo presumo que por ventura possa ler naquello lugar. -OSr. J0S0 Marlins Pomares, vendedor do fazondas o miudozas, na freguezia da Escad, queira quanto antes pagar o quo deve: na ra das Cinco Ponas n. 112. — Precisa -se de 11 m homem que Irtbtllie om utn sitio, perto destt praca : na ra do Passoio, loja n. 13. — A senhora I). Izabel Mara da Encarnae.'i 1, ano 11 iii-io n sua morada pan ser procura da a negocio de seu interesse. Para quem quizer saude. Aluga-se urna casa nosaudavol Ciching, com bastantes quartos, cocheira e estribara : na ra Nova n. 63. —Precisa se alugar um preto, que sailia cozinhar o ordinario e fazer o mais servico d : uma casa de rapazes solteiros : quem tiver annuncie. -Precisare de umeaixeiro, de 12 a 14 cm inodilicjcoe.s na da Inca do Duarte bello, quo abriu um na Inglaterra, Relgici, Prussia o Portugal. dem e portos intermodios paquete de va-' < ,rmel cantara a ctvitina da opera novu ettabelecimenlo aondo lomchourigos Escreve'B do Priz que Madamo Lgaldol por brasileiroS. Salvador, comiiianduilat Columcia. de sangue feilo com algum aceio—que nSo est alli fazendo furor na Figlia di rgimenfoi por ambicio que novamnnlo seda a es-, lo A L'gtldeheqaisi hespanhola. A munatario Cruz n 33. — Para Lisboa 1 rol en de sabir com brevidado o brigue portuguez Viajante por tora maior fiarlo de sua carga prompta. Quem no mesmoquizor carregar ou ir de passagem dirija-se aoi consignatarios Thomaz do Aquino FousecaoV Filho: na ra do Vigario o, 19,1•• andar ou ao capitSo o propriotario Mar noel dos Santos,na praca do commercio. — Para o Porto, segu com toda a brevidade, a barca portugueza Espirito Santo.capilSo JoSo CarlosTetxeira ; quem na mosma quizer carregar ou ir do passagem dnja-sa ao escriplorio de Francisco Alves da Cunhi & Companhia, na ra do Vigtrto. PARA O RIO DE JANEIRO. Sahe com a maior brevidade poso primeiro lenle Antonio C. do Azere-| Terminar o especticulo com a grociost • !' J r ^g a do Coutinho. Passsgeiros, o tcnonlo co-¡comeda om msica em 1 aclo ment promplo, o veleiro brigue um catxetro, anuos, que lenha alguma pratica de venda, preferindo-se dos chegados ullimatnonle : na ra do Pilar n. 131. — Precist-so do um 1111150, que lenha pratica de venda c que lenha alguns fundos ao qual so dar seciedado na mosma : ni ra do Pilar n. 120, na refinacSo se dir [quem he. -D. da Silva GuimarSes, embarca para o Rio de Janeiro, a sua cscrava creoula, por nomo Thercza. -Fernando Jos da Rocha Pinto, exporla para o Rio de Jan iro, os seus escravos '.feruo e Manool, creoulo;. -Joaquim Monlciro Cruz, embarca para Rio de Janeiro, %  sua cscrtvt, de UOIII Luiza, creoula. Campo alegro anlig.i Capunga. Aluga-so 11 ma casa muito fresca e nova no nielhor lugtr do goslo para so pastar a fest, contigua ao sitio di senhora Viuva Lassarre, pelo preco de250,000 rs. poran110 : a tratar com a mesma senhora, ou na ra da Cadeia do Redro n. 54; adverte-so que f secontrntt He odia 28 do corrento Senhores Redactores :— Tcndo sido btslanle calumniado como coniveute nos attuclozos embustes, e calumnias lovautidas ( por quem o linpo, descubrir ) contra as pessoas dos Srs. Manoel Francisco Azevedo Lira, o o alfares Antonio Claudino Monteiro, declaro ca tempo 'iuo contra Brazilciro algum inda nSo je i uma s passida que os ulloiideise ; o qqe ou portuguez nesli freguezia tenho sido sempre garantido mesmo quando 1 familia do mesmo Sr. Lira terciara entregos polictes. Tenho de rogar aos senhores redactores queiram enseiir eslas tostis liabas em o scu beta conceituado Diario, que milito tem de agradocor o seu constante lelor. Bezorros, 8 de dezombro do 1851. francisco ¡iuni: Vontes


xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECGUSKC0B_AAF86M INGEST_TIME 2013-04-24T17:26:58Z PACKAGE AA00011611_07290
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES



PAGE 1

AnnoXXVlI Quinta-fcira 18 de I)ez(i!i*)rode 1351. N. 286. DIARIO DE 9 PERMMBim BIOO DA soncniPijio. PAGAMENTO AMANTADO. Por trimestre por icmeitre t a Tor anno ............ PAGO IIKNI lio BI/TK1NE8TBI. Poi quartel • •' • • %  0TICI4S DO lsercmo Para..'..2 de Dezbr.MInas... iSdeNovbr. Maranbo 7 de dito S.Paulo. lOdedito. Ceari... -lOdedito. ¡a. de J.. 25 de dito. Parahiba. 15 "lo dito ¡Babia... I de'Dexbr. 4/000 8/000 1S/J90 4/500 Da-DA SEmanra. 15 Seg. 3. Euscbio Veraelenie b. in. ni Tere. 8. Albina. 17 Quart. S. flarlholomeu 9. Geuilolano. 18 Qulnt N. S. do O'. 19 Srxt. S. Fausta. 20 Sab. S.Doinin os. 21 Dom. 4. doadreoto. S. Thomc. AUDIENCIA... Julio de Orphaol l.e5.is lOhorai. 1. varado civil. 3. e6. ao melo-dia. _¡ Famia. 3. eB. i 10 horai. 2. vara do civil. 4. e aabadoa ao inelo-d. Hilacho. IV. v as c sbados. iimitlDii, Creiceote i 30, aa I horai e 55 minulos da ni Chela a 8, a i hora e 8 mlnatoa da t. Hingoante AIS, as 3 horas e (i minuto* da m. Nova 22, a 1 hora e 14 minutos da tarde. ruuuBsiaon Primeira 1 hora e ll minutos da tarde. Segunda i hora c 4? minulos da inanha. VAxvriDAa .SOS OOBBCIOI. Ooianna c Parahiba, s segundas e seitaalelras. Rio-Crande-do-Norte, todas as qulntas-feiras ao mrio dia. Garanhuna e Bonito, i 8 e 23. Boa-Vista, e Flores, 13 e 28. Vicloria, s qulnlaa-fciras. piimli, todos os dias. KOTJCIAI UTnANCEIBAI. Portugal. l.i Hespaoba. 8 Franja ... 8 Blgica... Italia.... 31 Alemanba* Prussia ... Dinamarca 29 Russla... 28 Turqua. IX dr >ovl)r de dito de dito de dito | deOutbr dcN"rbr de dito de Oulbr de dito de tillo Austria.. -' ile Novio Suissa. .. 2 de dito. Surcia... 28 de Outbr Inglaterra 8 de Noabr. ¡ "Unidos 2(i deOutbr. Mxico... 15 de dito, UAlifornia 12 de dito Chlli. 8 de dllo Kuenos-A. KtieNovbr Montevideo 21 de Outbr CAMBIOS 9B 7 DI DEZFWBHO. Sobre Londres, a 29 d. p. lfOOO Firme Paris, 331 por fr. • Lisboa, sem i. anaaccoes. %  tWsi, Ouro.—Oncas bespanholaa.... a 28/H00 Uoedas de 6/400 vclhas. 16/D00 a 16/200 de HJsOO novas. 16/000 a 16/200 de4/DC0 a/nona 9/I0O Prata.—Patacoes brasilelros.. 1/940 a 1/9¡> Pesos columnarios... 1/920 a 1/970 Ditos mnicano 1/7*0 a 1/740 — %  PERHAMBUCO EI.EICAO PROVINCIAL. Ilelacau don cidadfos votados para deputaios provincias ptlocollegio eleiloral io municipio do Hio Formoso. O srs. • VOTO. Desembargador J. M. Figuoira de Mellb *3 l)r Francisco Rodrigues Sete *3 r. I.ouronco Avelino de A. Dr. Pedro Gaudiano de Ratis e Silva W D\ Manoel Firmino dn Mello 38 Coronel Jos Pedro Vellozo da Silveira 36 Coronel Jos Antonio Pessoa do Mello 35 J .A. Lopes 35 Dr. Francisco Alies da Silva 35 Conselheiro A. P. Maciel Monteiro 33 Dr. J. d'Aquino Fonseca 31 Major JoSo V. Villela 31 Dr. Herculano Goocjlves ta Rocha 28 Dr. Caetino Estelila Cavalcanti P. W Dr. V. Justiniano B. Cavalcsntl 20 Padre Viceale Ferreira deSiqoeira V. 25 Dr. P. F. de Paula C. de Albuquerquo 25 Padre Joaquim Pinto de Campos 25 Silvestre A. do Oliveira Mello 2* CapilSo Manoel Antonio Marlins P. 21 Dr. Antonio Epaminondas de Mello 33 Tenente-cof9nel JoSo do Reg B. FalcSo 22 Dr. Cosme de S Perelra 22 JoSo Baplista C daCunha 22 F. Lins de Caldas 22 Dr.M. de Albuquerquc Machado 22 Dr. Rodrigo Castor de A. MaranliSo 22 Tenenle-coronel A. Carneiro Hachado l(. 21 TenetUe-eoronol F. C. de A. Maraiiliuo 20 Comiuandanle superior Z. da C. Bastos 20 Dr. A. F. P. de Carvalho 20 Dr. Joaquim Villela de C. Tavares 2o Jos Pedro da Silva 2o l'adro M. do S. Lopes Cama 20 Dr. Francisco de P. Baplisla 20 Dr. A. de V. H. do Drumond 19 Francisco do Reg Barros Brrelo 19 Dr. Jos Carduzo de Queiroz Fonseca 18 Tenenle-coronel R. JoSo Barata de A. 18 Dr. Antonio Baptista Gitirana 18 Dr. L. F. de A. Calando 18 Dr. Manoel de Souza Garca 18 Dr. Flix Theolonio da Silva CusmSo 18 Vigsrio Nemezo de S. Jo3o Guilberlo 18 Dr. Ilemelerio Jos V. da Silveira 17 Dr. Joo de S. Reis 1" Dr. Jos Francisco de Paiva 16 Dr. Jos Raymundo da C. Menozet) 16 Dr. Cbrislovo Xavier Lopes 15 Dr. Jos Quiutino de Castro Lcflo 15 Major A. J de Oliveira 15 Dr. Joaquim Goncalves Lisia &f Comtnendador D. Malaquias do A. P. F. 14 r. F. C. da Rocha 1* Dr. Cypriano Feoellon C-A. 1* Dr. F. A. de Oliveira Maciel 13 Francisco Kaphaal de Mello Reg 13 Dr. Dellino Augusto C. il %  A. 13 Dr. Francisco Carlos BrandSo 13 Vigario ge'al L. A. Meira llonriquc 12 Dr. Domingos de 5. Lc3o t| Dr. Francisco Xavier I'ocs Brrelo 12 Dr. D. I.ouronco Vascurado ll Carlos Jos Cavalcanti lo Dr. Alvaro Barbalho Ucha Cavalcanti lo Manoel Manrique Wmderley lo Dr. Jos Francisco da Cosa Comes 10 Dr. A. Joaquim de Horaes e Silva lo Dr. Angelo llenriques da Silva lo Dr. Jos Joaquim de Barros Rogo lo Dr. JoSo Francisco Doarte Jnior lo UmbeliuoGuedes de Mello lo Dr. Lourenco Caelano Pinlo 9 Jos Ignacio Soares de Macedo 9 EscrivSo Francisco de Barros Correa Francisco J. de Barros Correa Padre JoSo Capristano de Hen lonr¡a Vigario A. F. Goncalves Cui maraes Dr. J. P. Monteiro de Andrade Dr. Joaqun) do Souza Res Dr. Joaquim Manoel Vioira de Mello Escrivo F. C. de Brillo Padre A. Jacome de Araujo Bario de Suassuna Coronel Francisco Jacintlio Poreira Dr. Jos Rodrigues do Passo Jnior Dr. C. Manoel da Silva GuimarSes Dr. Alfonso Peros do A. MaranliSo Dr. Jos Mara Miscozo di Veiga Pessoa Dr. JoSo Lins Cavalcanli de A. Dr. Victoriano do S Albuquerque Dr. Francisco JtiSo Carriorro da Cotiha Dr. ThomF. M. de Cslro Vigario Venancio llenriquedeRezcndo Dr. J. M. do Albuquerquo Dr. A. Justiniano da Silva GuiroarScs A.dosS. doS C. Baro da Boa-Visla Dr. Gaspar do M. V. do Drumond Jo3o Manoel de I'. Wandorley Lins Antonio Joaquim de Mello Pedro Cavalcanti Wan lerley Dr. Florencio do llritto e Mello Bar3o do Capibaribe Tenento-coroncl Franoisco Lopes Litnaf Augusto Frederico do liveira Dr. V. Joronymo Wanderloy Dr. M. Cavalcanti do Albuquerquo Dr. Francisco Joaquim Vitsl Dr. Sergio Diniz de Souza Mallos Antonio Marques de Amorim Dr. JooHeftano A. Maciel Padre Francisco Mtiniz Tavares Dr. J. Eduarlo Pina Dr. M. C. C. da Cunda Desembargador F. P. Monteiro Dr. J. P. M. Portella Major Florencio Jos Carnciro Monteiro Jos Maria Ramos Gurj3o %  Coronel F. do Barros llego J. M. C. da Cunda Dr. I.J. de Souza Leflo M. Jos do Almeida Pornambuco Dr. Manoel Jos da Silva Naiva D". C. Xavier Poreira do llritto Dr. Jos Felippo doS. Le.1o Dr. JoSo Francisco de Arruda FalcSo Dr. JoSo Francisco da Silva Braga Joaquim Francisco Diniz CdristoviTo do Barros Lima Coroinl F. \. C. Camboim A. V. da S. Barroca Dr, JoSo Jos Ferreira d Aguiar D.'sembargador C. J. da S. S >nliar;<> l'r. Antonio de Rouges l/ial Dr. Marcos C. da Cmara Tamarin lo Dr. Duarlo Coellio dn S o A. I>r. Candido G. da Rocha General Antonio C >rrei S ifcra Dr. J. Thomaz Nabuco do Araujo FOLHETIM. ou mEHIORAS DE Ufll MARIDO. o ¡POn EUGENIO 8UE.) X. Depois deminha conversacao com AndrcLcvasseur, liz com que me inettessein ua prisao, c ocsla solidao devorei o prlmeiro voluincde F Eslaleilura incendiaria introdusioa perlurbacao e o fogo em mcu saoguc assiin foi %  o iluv .i para sempre desseccada em scu germen por una precoxc c funesta cbullico dosseulidos esta fresca fiordo primelro amor que deve uin dia desabrochar em nosso coraco. Eti'nao devla conhecer esse senlimenlo chelo de delicadeza, de pudor e de inystcrio que nao se desenvolve seno uas almas innocentes. Dcpots da leitura de F as yagas c candidas n.iocfles despertadas em iiiiin vista de madama Itayinundo, tradiuirau-sc ein appetilcs grosselros. Desde entao sent que um abysmo linda sidoabertu entre miin e Joo ; um atiraciivo fatal me approximava pelo contrario de A mil iI.L'V.IS-OUI. Junto desta nit.nr/ 1 tao preinaiuramcnle viciada, eume senta mais .. vontade c achava nellc um confidente, quaal Ulo cumplicc de mcus meus peDsamentos. Sahi da prisiio, c na primeira entrevista que Uve com Joo ftayinuiido l'ui fri e constrangido. Mu penetrante e aflectuoso, Haymundo apercebeu-sc desta iiiudan;a que o fe sofl'rer mimo; elle continuou a enganar-sc sobre a causa deminha reserva. — Fernando, disse-me Joao Iriatcmentf, bem vejo que nao meperdoas ininha falla de conliaaca.... Tua aQ'eisao n.-i he mais a luesma; nao ecusuro tuaauceptibilidade; comprehendo-a, inasdesgra(adaineote naoposso satisfacer sua exigencia. Ku julgava que roe conhecias beiu e cspercl que licarias sallsfejto dizendo-te: Possilo um segredo que o.io he meu a viva necessidade de meu coraco seria nao ter nada de m eolio para ti; mas urna dlscrlcio absoluta me lie imposta ; slnto tanto issoqanto tu piulo io. Tem conipanao de mim e la alleica me consol la Mas assiin nio accontece ; tu le apartas de luim, cu me resigno ... Adeos-... Ao primciroappellodc tua amisade me tornars a adiar como no pastado.... A anticuo de JoSo me peualisou, entretanto senti-mesatisfeito de v-lo llludir-se asslm sobre a causa de meu rcsfrlainento ¡ deixei-o coi seucrro, porquanto elic.poupava-nie o e'mbaraco que inspira toda a posteo falsa, e esperci com impaciencia o momento de lomar a a. liarme com Levasseur. — lCnlo, disse-inc este logo que inc avislou, qiie hefeilo do F ? — Tenho-o guardado, devorei-o todo, tu me emprestars a continuacilo, nio he? Um dia de prisio para ler cada volunte, nio he milito — Bravo, Fernando, eis-aquicomo te amo.... e a marqueta de ti... que .ii/<.lilla .' Cl Tiit oDiario n. 281. rrrr.m~:>> T— Correspondencia. Srs. Rolaclores.—Para qti no arrel'eQe o ompenho que muilas pesaots lm, de vor creada nosta provincia utna socindadn de aggrirullura, e ontro laoto naja urna dase para descorrer no meldor moio do sua creaQ3O, digne-se publicar esso projeclo do estatutos, com o que muito odrigar a seu constante leilor o amigo. Pilippa Mcnna Callado da Fonsecr. — >.io or falles nisso, cslou louco. — Em vez de ser lonco por urna personagem imaginaria, o que nao rende nada, mcu pobre Fernando, he meldor ser louco por Ulna pessoa real. .. o que nos rende alguiua cousa. — Que queres diicr, Andrc ? — Tu o sabes bem, visto que coras. — l'u '.... asseguro-te.... que.... i: scnli-me i.io perturbado que nao pude acabar. — Vejamos, Fernando, somos amigos, dize sim ou nao] 'I .-os conlianca em mim ? — Sim.... — (fueres ser franco? — Sim, Depois de um momento de silcuco, Andr comunin : __ Queres ter tambem tua marqueza de B...7 — Ests escarnecendo de mim.... nio sei o que emendes por ifso. — Oh! lu me coinprehendcs bem.. A provahe que esls ainda a corar. Oda, meu pobre Fernando, tenho d(i de ll.... lu quizeras ler por marqueza de 11. .. ai... a madama Haymundo, nao he ? — Andrc : calla-te. rxclamci eu quasi com espanto..., oh! calla-lc!.... — Ests amoroso de madama Bayinundo — Andr.... supplico.te... — E lens rasao de estar amoroso dclla, poi no meu ver, leus probabilidade de ser bem succcdldo. -Que ests dizendo? -O que sei. — O que sabes, Andrc ? — Por ti mesino. — Por vcntuiadlssc-lc? — Muilas i oin.is iciu nada auipciiar, mcu charo Fernando ; nao ests vendo, tenho mais experiencia que tu ; ora pelo que me lens contado de tua visita ein casa da mal de loo, pelo inleresse que ella le leslciuuuhdu, pelos conselhos que te deu.... — Como amigo de scu lildo.... -i-.-i t loi.'i.i.', rcspoudeu Levasseur cotn um sorrisu sordonico, cerlamcnie.... isso comecaaempre assiin : ao principio turaam ares malernaes, imam a gente como menino, o que autorisa todas as sortea de familiaridades, cao depois em uui bc'lo dia.... Coinprchendes nao IWOiiel; te anda corar.... Kecorda-ie das iiiaoeiras a principio lo malernaes damarquez'acom F e dize-mc a que isso os levou a ambos?... A'felieldade, — Andr, tu alas louco.... Jamis em nimba vida nao tere! urna tal felicidade. Tu nao co,phecea a madama Hayumudo.... tu le engaa*.... — Obi quem madera estar oceulto em algum canto para ludo ver, para ludo ouvir durante essa refeico em casa de madama li '> muudo cuto cusaberia se me engao ou nao comquantoeslejacerto que me nu engao. — ijii.iuto a l.izcr-te assislir a notsa couver(aco, disse eu simplesuientc a Levasseur, nada be mais fcil ; Icmbro-me das duas horas que passei em casa da mi de Joo co suas me ores particularidades, posso ludo contar-te... ludo absolutamente. — Excedente idela, Fernando; eu verei con leus odos, uuvirci com tcua ouvidos. Vamos, dizc depressa. — Mas de que serve isso, Audr? — Gomo ? — Por ventura sei se quer se toruarei a ver jamis a mi de Joao .' PROJECTO DE ESTATUTOS PARA A SOCIEDADE DE ACGIUCULTURA DE PERNAMBUGU. Cap. 1." A-l. !.•§.• Objccto da sociedade. Fundar urna escola theorica e pralioa de aggricullura nesla provincia ; a escola timonea, requerendo a sua crearo a assombla geral o ao governo ; a escola practica esta-, bellecendo-a a expensas dos socios e proteo lores particulares. | §2. A escola practica ser fundada oca, solo comprado pela aoci oUiie, onde se cult tivarlo los productos vegetaes da America, e os que lorem convenientes das outras partes do mundo. § 3. Na escola prallca lodos os trabaldos ] rutes serSo executados segundo os processos mais modernos, abreviados o facis, empregando ferramentas o miquinas, quo aligeirem o servico sogundo os melhodos mais sperfoicoadosde outrns paizes. § 4. Na escola pratica so criarSo e propa, garSo todos os animaos que poilcrem convire enriquecer o paiz, quer paia moldo-, rar as ragas exislcntos, quer para fazer a acquisif 3o do novas. i 5. Na escol. pralica existir um deposito do maquinas e inslrutr.entos nggriculas para servir de modellos eos agricultores da provincia, o a quem o pretender. § 6. Tambem na escola practica so procu rai incorporar o Jardim Botnico, que por loi sanecionada deve ser criado. § 7. O director o vico director da escola pracl ca, so'So os mctres dessa escola. Esta creara.) por tanto servir para so forni ir.'in individuos suflicientcmento instru1 dos nassciencias precisas para quo aaggri-' cultura da provincia leuda o desenvolvimenlo, quo fr posaivel, o he do esperar; sorvira tambara para instruir desdo logos aggricultores actuaes. CAPITULO a. Orynni'jrico e instalar-i'o da sociedade. § 8. Ccmpor-se-ha a sociedade, do t.nm. i presidente da provincia, como prosidonte nato da sociedade, creador o protector. %  ; 9. De todos os grandes aggricultores desta provincia, considerados socios correspondentes; do lodos os aggricultores de segunda ordem que so inscreverom; o de lodosos particulares,que se prestarem a esle grende servico publico; os socios residentes ua cidade, serSo socios elTectivos. ;. 10. Em quanlo se disculircm prcsonles. Esralutos, al sua dcfiniliva redacc3o o aprova(3o. ser a sociedade presidida polo Exm. prosidonlo dola, ou polo seu substituto, oprimoiro vico presidonte da mesma sociedade. Sil. Des leja se depositara o n lu .;ar i;nnnnea.l.i o a livro, quo ser considerado matricula dos socios, e ontlc todos os quo estiveroin no caso de concorrer so assignaI ram, o logo que o n. dellea cnegar a cem, o Exm. presideuto da provincia convocar o socio) signatarios para lugar o hora doler-| minados. S 12. Reunidos os socios signatarios, pro-'| pora o bxm. presidilo a maioria devotos,' oprimeiro, segundo, e lerceiro vices-presi- dcnt.'s, o priinciro o segundo secretarios, e| o thezourciro geral. Momeados esles o primeiro secrclsrio lavrar a acta da sosso do inaugura;ao e elletf.lo da sociedade, cm folda volete, para ser langad i no livro com¡ plenlo, terminando a acta com a designa-: Q3O do dia em que dove> ter lugar a soguinto sessSo. § 13. A instaladlo da sociedide so annun-! ciar nos peridicos da proiincia continuando as sess's at a completa aprovat;3o i — Porque raso esle temor? — Estou fri com Joo; elle be lodo mystc. rio, ha dias a esta parle, o que me tem penati¡ aado mullo ; elle apercebeu-sc disso, c disseme que liaba um segredo que nao poda con-: fiar-ine, eallllge-sc de vir-mc oll'endido de sua reserva. i — Fernando qual he este segredo? A proposito de que he este mysierio? — Ah l meu Dos, proposito de muilas cou: sas, rcspoudi eu (fazendo mentalmente alluso ; apparico do hoincni de barba ionga, oceulto sem duvlda na casa de madama Raymundo): mas oque ha de ceno he que Joo, quando llie i il la i ei de meu deaejo toruar. casa de sua mi, parcccu-mc enibaracado, e d¡*se-me que nao sabia quando poderla levar-me oulra vez la. — Esls vendo, Fernando, elle sabe de ludo. — Salic.... O que ? — Joao lajvcz pcrccbcssc que sua mai te olliava com bous olhos, c se vexasse ¡ por isso nao quer mais levar-te sua casa. — l'arecia-ine extraordinario que Joo tivessc estas suspellas ; todava pode ser... mas nao, uo, elle he muito franco, c icr-iuc-liia dito o que icm nocoraco. — Rcllecle que se trata de sua mal emendes, de sua mi, c nao se falla dessas cousas scno na ultima exireiiml.i le .... •Pddc ser que lenhas raso, Andr; mas neslc caso nao me restara a meuor esperanca i se Joo suspeila algtiina cousa, nao querer por nada no mundo que cu torne sua casa. — E's ainda bem crlanea, incu pobre Femando, se smenle isso le embaraca, t tranquillo.... proiuello-lc achar rnelo de lazer-tc ver madama Haymundo lanas vetes quantas quizeres. — Tu? — Sim i mas antes de lud, e coiuquanto a conducta de Joao a lodos os respeitos eja significativa, importa que cu conheca at as mais pequeas particularidades de IO entrevista com madama Itaymuudo; isso lixar meu juizo. Euto c como cslou cada ve/, mais persuadido, madama Raymundo quizer tratarle 00ino a madrluha de CSerobtro.... qnerU tratar este gentil pagem, s Irauquillo, respondo por la felicidad, seseguiresmeus couselhos; mas importa que eu saiba ludo.... — Com mullo goslo le coutarei ludo; oada he maia fcil. -Equando digo absolutamente ludo, rernando, coinprchcude-nie bem, fallo das mais pequeas circunstancias de tua entrevista com madama Raymundo, de sua maneira de vlvcr, de sua familia, das pessoas que liveres podido ver em casa della.... Ha causas que aot olhos de um novico como tu, nada siguitlcain, eque para mim, significaran! mullo. ra vamos, Fernando, recorda bem las iembrancas, nada esquecas, lu me repetirs al as particularidades que segundo creio, j me dcsles sobre tua primeira visita casa de Joo. Eiu minba estupida cegucira, conlel a Andre esta visita, evocando miutias menores lembrauca, nu ometlindo uem o Irophco composto de ti tu feie de liclor coroado de um bonel phrygio, iieni o retrato, nem o sinsiro quadro que eucerrava urna cainia cusaogueulada ; l'iii.n tambera uo exaltaco de madama Raymundo a respeito dos voluntaron da repblica; nao i ouull alguiuas palavras trocadas eulre Joo c I o liomeui de boncl de polica e de figura cnerg • ( ca, cuja phyionomia me linda lao vivameuie jiinprcssionado, callei-me sOmenle sobre a sjpj parijao do hoinein de birbe Ionga; nao ecl dos estatutos, que regularSo definitivamente o n. de sesses mensaos. CAPITULO 3. ¡Itrjimen da sociedade. S14. Crear-se-ha urna comnvssSo do roS 28. Ao primeiro secretario perlence to.il i a e-er:[t i; e.m .11 sociolade, a CXcaB^I c*o da escriplurar;3o do contaliilidade, e correspondonria extorna. S 20. O segundo secretario substituir o gimonlo, denominado directora geral oserA primeiro secretario nos scus impedimentos composta do primeiro vicepresidente como om sissJo : incumb3-ldo a excripturac.no dirctor geral, do primeiro e segundo secre.externa o a do comptabilidale. lariosj elloilose do Ihosoureiro geral, e S 30 Ihesoureiro goral be o nico res pluralidade de votos dos soios protectores I ponsavel pelo cofre, eompeltirlde-lia exise ellegerBoquatro vogaes, e todos esles ¡ gir as ¡oase monsalidarlos dos socios, arcompletarSo acommissSo. O director go-, recadar os donativos feitoi socioda.io, ral lora o vol dequalidado. Todos os no-1 lano pelos socios protectores, como pelos gocios da sociedade serSo rosolvidos por es-|bemfoilorcsoxtranlios, ministrando as cora-! tacommissSo, acxcepcSodo que adianto %  •! ptenlos quitacOes. cstabollece S 31Servir de pagador geral scaiprc| §13. A directora geral cumpro raunir-so^que a ordem de paga-nento for autorisada, ama vez por semana em casa propria para i pela directora geral. ostefim, deaoisdo comnlriamonlo organi-j S :l -'Alemdos livroereaiarioii para na*] sada. Nesla primeira sessSo ordenar a im. ,i operaees lera um livro subsua guarda ondej O de 2009 ou mala cxomplares dos E-J!"* 0 i n f*. lodo5< !" '"" to felospela di-1 preMlo ttlutot para sorom.deslr¡bu¡dospolosoc¡ >s S 16. Da todas as raunioes lavrara a competente acta ein livro para isso destinado e nclia quanlo sn tratar o rosolvor. S 17. A directora cumpro fazir a oscolda e compra do tirrono para a escola priclica e Jardim llotanico ; contracto este, quo exige sor aprarova lo pelo Exm. presidenlo da sociolade. § 18. Nomear a directora o direrlor o vico director da escola practica, nomcac,lo tjmliemdopcndento diapprovac3> do Exm. presidonlc da sociedade, designando-ld^s os ordenados o gretilicaces. ^ 10. Mandara cont'actir na Europ, nSo encontrando no paiz, dois liomons suflic!ontcmentc instruidos no uio o manejo dos ultousisc maquinas de lavoura modernos. S 20. .Mandara vir fcrramenlis, nslrumentosaratorios, e maquinas piraos diversos trabaldos c usos da aggricullura, uo s para o servicio da osela, como para o deposito do modellos : assim como mandar vir plantas exoticis e somentes. !. 21. Mandar vir mais os animis uteis, quo n3o possuimus, o rafas meldorcs dos quo temos actualmente. § 22. Aisignir lodos os periolicos de conhecimentos ulcis, quo se publcam na Eurppro na Corlo do Imperio ; recoldendo-os anu gallineto da leitura, conten lo este somente as obras, que tivorem rclaco com • aggricullura, para ser frequentado pelos soetso. 23. Radigir, ou fara r.-digir um perioreeloria geral. tj .'l.'l. Os socios vogaes lero noj negocios da directora voto igual nos domis cinpregados, auiillatao lodos os trabaldos, e proirrovero pelos melol no scu alcance o expleudor c proaperldade da sociedade. S ai. 0 segunda • lerceiro vlce-prealdentei scio considerados vogaes o como tacs declarados. S 3j. O Amanuense, ou amanuenses sao ¡inmediatamente subordinados ao primeiro e segundo secretarios o ao tdcsoiiieiro geral, c ileseiupenharo es encargos de escripia c outros quaesquer de que forem encirregados. CAPITULO V. Da afs'cmbtea [dede administrar todos o< trabalhoa da escola sogundo vice-presidonto se esto polo terpratica • prosperldade : organlaar o jardim bodas. aa ofiicinaa do estabeleciment c dirigirs o i! I! i' .enes precisas. § 44. Debaixo de suadireceo,em livro prolo'io, ir i liorir toda a recelta c despeza do ertabelecmenle, cotendendo-se —rccelta— oa dinheiros ministrados pela directora geral, e os rendiinentos apurados da propriedade; I; —despeza—toda aquella, que se fiser com aa obras, ferias aos operararios, e aos empregados da propriedade; assim como as demais despezas evenluacs. S 45. Tcr msis dona livros ; o primeiro coinprehendcr.i o inventario de todos os ulensis, maquinas, ferramentas. animaes, inobilia, etc, do cstabelecimento ; o segundo para se regislarem nellc as -matriculas dos escollares, c altestaccs, que afina! Ihes forem conferidas. Ao director da escola pratica incumbe orgaols i. a polica do cstabelecimento. S 40. O vice-director be o ajudanle do director da escola e ten subalterno, executa aa suas ordens, e substitue-o, no seu impedimento, mas deve ter conheclmentos ao meos pralicos dos encargos do director. § 17. O director da escola, logo depoia de ser cieno organisar o regulamento interno do cslabcleciiuento, e approvado esle pela direceo gerai ohrlgar os subalternos, que aceitaron occtipaco no cstabelecimento. S 48. O director accumular o ofilcio de dicolor ilo jardim botnico, e o beuelcio correspondente. j 49. No primeiro dia do anno o Exm. presidente da provincia c da sociedade, a directora geral e os socios, que quiserein, visilaro a escola pratica ; onde sob iufbrmaco do director premiar S. Exc. em noiuc da sociedade os em pri gados, feiloies e operario!, que durante o anno melbor se liverem distinguido. O director a expensas da sociedade dar um janlar a S. E*e. direcfo, socios c visitante). J. ceiro vice-presidente, esta contisso sobre incita tnico, os hortus, os pomares, os vivei ros, toquasi trmula a com uiuaexprcsso lo estuque iustiucto releve la esla ire ce perlencia, pois que cu o tinba surp.v..^..—,, ••—--,-e Joo nao m'o unlia nem confiado nem dado a ; meut.i, anda di pressa, anda guardar, odiosos sophismas IMIC a gente invoca Mas, disse eu a Andr, olhando-o oom csquandn solfre urna lentacaoindigna. ¡panto c com um. inquietaeao crcscciiii, que Andr Levasseur esculou-mc mui atientainlcressc tens tu em saber ludo uto mente; multas vexes cu o vi estremecer de -Como? exclaman Levasseur com i mar urprezae de alegra, senlimenlo que elle exlo sincero que me con vence u, como, que pri.nia exclamando segundo os diversos inci-.teresse?.... o leu. Nao ves, pobre %  < VARIEDADES. CMITA DE BRAZ T1ZANA, l'.OTICARIO DE LISBOA, AO BAltBEJRO. Oulubro 18. Jfon cher— Acaba de suicidar-sc com acido prussico o Sr. Inglez lludge, nogocianlo de London / parece que o homem tiuha sofii i lo alguma quobra com as acajes do Mxico. Male-nos Dos que noscrion, diz a minda Gertrudes, a vegetalista I o Sr. Frean), que venda especiaras em Londres tambem sotfreu alguna embaracos no scu commcrcio! o quo fez o Sr. Fretam;' foi so a tres lildos quo linda, ecortou-lhcs o pescoc.0, o depois suiciJou-se!? Sao gostos cu nu Ido aedo graca nenhuma : antes ser doputado ministerial. No dia 30 dosotemliro douve urna rcuniao em Londres concorrida polos adeptos do vestuario Bloomcr, no local da InstiluicSu Britnica. A Sra. Dosier tinlia-so feil) anuunciar como oradora do um bello discurso a favor do coilamc Bloomer. A concurrencia foi extraordinaria, porm oradora Dcxter nSo apparocou, do que resullou grande lomullo 1 ate as mulheres so lanc.ar.uti ao cniprcaiio Taylor para apresentir a orador, uu rcilituir o dindeiro; a cousa esteve d ua, c inlervcio a polica '. Mr. o Hdame Deitcr sSo aecusados da terom logrado o meu amigo Jodn llull, quo a respeito d i esparrelas cali ncllas como os outros. En toda a parto appareccm os liomcns de botas do cortica. O mcu correspondento particular de NewVoik me esereve, dizondo que o Sr. Jodi Carr dol'rinee Steel morreo envcueuado, o tod i a sua familia, quo se compuolia dn 13 pessoas, inclusive as do bello sexo! .' lie o caso. A casa um quo dubilava a familia Carr era grandonenle povoada do-ralos, que eram tantos como ein Portugal os cscriT0OJ do fazenla; c que f'z o Sr. Carr i' denles de ihinba narracao. — Mullo bem.... Eu eslava cerlo disso. — lie excedente de saber, Eu bem l'o dala, -u l'erleilamenlc.... noha que duvidar. — Precioso ensillo '. '. Esta mnlliei a o lie. Andr nao se linda explicado inais.alim, disae-mc elle, de nao me dislraliir de ininha uarrsco, t huo lo ella foi terminada, elle disse; madama Raymundo tem um amante oceulto em casa c que luo sabes... tu le tornas scnbor dclla, gracas a este segredo. Este calculo pareccu-nie lo ¡afame que. revollado das palavras de Levasseur, cu Ihc disse,' — Este pensamento he horroroso, ollia, cslou ui ropeu Irlo de le ler confiado o que eu Ueriadevido guardar para mim. --" Vejam"o"que be o amor, elle fe. de ti um Andr Levasseur rccobroii seu sanguc Irlo e observador que val o que pesa; mas como s disse-me sorrindo c levantando os bu bro novico. UUM iuva (oven e cuc.niadora que viPobre Fernando Mi^Ufrha aullojrecl ves, einuio quaneiro rcliado, qu. Habita so volla. sempre ato •*'" ""SIMIJ,,! uuiacasiuha quasi mystcriosa, na qual nao se tua aru c scus aiuigos^applaudcn no lucatro. he introduzidoseuo depois da ler sido exainl-i (Jue queres duer. / m i-l,!n da nado por um postigo, nao mora assim sen moNe.ta pe t a o conde Aln aviva "''•' n da llvos 1 bella amante ilc Clieruhlm) de de sua parte auspeilas tu Andr ? ¡araoroao de imana, criada de sua mullier; ella E que motivos ... suspeitas tu Andr > i amoroso ue ouzaua. ori.u. --.. --%  ; "-Oh: tua madama Haymundo vivendo as'prope-lhe um. conlereucia ipara a noi te, su sim reinada quer poder rapKiauUr a marque' ana aceeita, ...as d.. parte dissei si a^a na. r.s .a.lell....a,uavo,.tade; una mullier bonita la val a conferencia em lugar de Suzana A como estas p olhus.... Responde, o que tens.' — Od I mcu Dos! Audic: eres que entre estes bonicos que vi l, mada.ni Itaymuiida... Tiuha um'amante? A f que issorno me admirarla. Enlo tanto pcior para elle, pois faros que stja breve despedido.... meu charo, sou eu que le digo isso. Depois que d F...., nada era menos puro que mcu amor por madama Raymundo; cutre tanto vergouhosa e absurda si.pposico de Levasseur, senti apungentc angustia doCluinc; urna mistura de dore de raiva inedilaccrou o coraco; o depois una ideia sbita me airavessou o espirito. Lembrei-me dessa mystcriosa apparico do iumiem de barba lona oceulto cm casa de madama Raymundo; vi uisto um inystcrio amoroso; meus escrpulos se desvanecern! e conlra ininha vontade exclame! ; — o ha mais duvdal ... esle homem que scoccullava.... Oh! meu Dos I Um homem oceulto! exclamou Levasseur cora una ardenlc curiosidade que lerildevido esejareccr-me. -Onde scoceultava esse homem I — Eq.eraiidocom Joo no jardim de ua mi, vi por i.ni insume na Iropcira dejum celleiro, um homem de Ionga barbe rolva ... Ligo que elle us avistou a mim e a Joo, relirou-se auressadmeute, como se leuicsse ser visto! — Fernando.' exclamou Andr com urna vos jucia de U acuau dlrc ludo a Joo. ilas iranquilii-sa-ie, 1 nao lera; neoesaldad de ameafar a madama Rayinu.ido, segundo o que dclla inc leus contado... lica certo que ella lar para lias tres quartas parles do caminho, se nao flicr mais.... Lina mullier que ucculla ein casa un homem moco.... pois tu me disscstc crcio, que ellecra moco... — Nao iuteiramenie um; ..... Elle pareceume ter de triutae cinco a quareula anuos.... — Pode conccbcr-sc um tal goalo Urna muIher lo Ijouita ler um amante desta idade.. de maia a mus no.. mui feio talvet; -Ah I nao, Audr, elle nao he feio-; scu rosto be al bastante bello ... smente sua fronte he um pouco desguarnecida de cabellos — L'm hoiiicm calvo I..., apag !.... que hor rol I ... E mal vestido, sem duvida i — Nem bem nem mal ; se bem me lembro, elle irajava urna casaca ousobrecasaca escura. e colele braoco. — E he um rival dciles que te assuslararia, meu pobre Fernando?... a ti... com teut desasis annos e De repente Levasseur Intcrrompeii-se. suas feicoes exprimiran! ao principo a surprcia, depois a anciedado, liualuicule nina vivador; elle den um grilo agudo levan do ambas as inua ao pcitu Espantado dcste pantomimo, c.clanwl ; — Andr !,.. que he que tens ? — Oh quanlo solfeo.... — 'CA soll'rcs... Onde ? — Aqu... no pcilo h e horrivcl! s ei n que he.... urna dor de estomago.... Sou aujeito a isso J por duas vcies tenho escapado de inorrer.... Ai! Jess !... murmurou Levasseur deixando-sc cahir sobre um banco, no qual eslorceu-so com a appareucia da mais airo/ dor. Al 1 Jcaus accrescenlou elle genicndo, parece que me rasgamos cntranhas.... E Andr poz-sc a fazer tacs lamentacoes .que mimos de nossos cainaradas aecudiram c o ccrcaram. — Ai! que morro! gritava Andr Pelo ainirdc lieos levem-sc para a enfermara Tcnham d de mim !... !Im f.rofcssor chegmi e iiif.irmou-sc do que linda acontecido. Eu Ihc disse que Levasseur eslava atacado de urna horrivcl dor de estomago. Os grilos de Andr lornavatn-jc cada vea mais agudos ; o professor, muito inquieto, lc£ logo transportar o docnte para a enfermarla : eu o acouipaiihei. elle n.io cesaava de gemer, di:cndo ao profesa ir com urna vox lamculavel. r. professor,soSVo lano que parece-mc ser chegada ininha uliima hora. Supplico-lhc que maudedar parte a mcu cl.aro lio aliui de que elle venha ver-inc j c j. — Meu amigo, disse o professor, urna dor de estomago faz soll'rcr, porm nao he de nenliuma sortc pcrlgosa ; mo se morre disso Me Intil ¡liquidar o scnbor seu lio por to pouce .MIS. — Senhnr, por piedade, disse Audrc ajuutando as ni.ios e chorando, conceda-me esta graca Q ue mal faz Isso? Eu sei bem o que soll'io. Pnrecc-nie que sollreria menos vendo meu bnm lio A i! Jess Ai Jeaus accresaentou Andr com gritos agudos e estorcendo-se na cama. Que dores I Aceudamiiic Tenham piedade de mim I Morrcr! inorrer lalvezacinlcrvi=to meu lio, mcu uuico prente I — Sucrgue meu amigo, respondeu o prolessor ; cobre animo. Nao ha nenhum Inconveniente cm advertir o senlior scu lio do acci %  Unte que a-ab'•!'enniecer-lhe, dclxo estar que se val escrcver-lhc o ellcjutgir por ai tuesino do seu estado — Oh l scnbor, rogo-lhe que Ihc escreva aera demora '. — l'romcllo-lhc que o farei. — Ah i nao; Vine, diz isso smenle pata tranqnlllisar-me. — Escrevctei em sua presenca, dare ordem para que ac leve a caria Nao poaso fa7er mais, porm pelo amor de Dos, nao se atormente assim ; repito-lhe que esla crisc nao lera tieubutaa consequencia seria. — Veja eu a meu lio, respondeu Andrc gcmendo, e Hcarei mala tranquillo. — Aqu est a carta cserlpt, disac o proleasor lcvanlando-sc de uina mesa junto a qual ae llnba sentado; vou manda-la ja casa Uo scnbor acu lio, dentro de urna hora ae or encontrado, elle etlr aqu ; portanlo lenba pactenca — Ah raeu pobre Fernando, dlase-me Lcvasseur soltando lnguidamente a cabeca para onde eu eslava, tem d de mim p ois pareccmcquc nao lerei forja bstanle para soffrer tantas dores _, i.omo quer que locajjc a campa, tul obrigado aldeitar a enfermarla acni ter lido lempa de ir saber noticias de Jaclnlhd, que eslava docnte, ha alguna diai. (Coadnuar-s-ha.) -*-il B BAS.



PAGE 1

%  1PP %  "Ja^"BBal Senhores Redactores. — No dosompenho de — Al£*a-se a loja n 15, (la ra rmV-V-KS^^'i'-W S !" ? do Ciear, garan,e-se carreann Francisoo d'Oliveirs, guando o ouvi ero damento pelo tempo 'que convier >zes gritar: or S r. fa ? ialbe i a m coroprar a armacao da mesai tas vozes o vi que neeessanameute fallava comnugo, tanto mal qundo outn pessoa nao passana I01B : a tratar^ na va n'essa occasiao ; pergotel-lhe ao a mim v \ t e g. Antonio n. na ra di Caso diriga respondeo-mo que sim, o con_ vidou-mo a subir. — Sendo recobido na os 9csa n* ra Nova, prooria nara vouder sorveles : ajuero qui?er, c.d.soubequea.Sto d.v. lugar %  pi,1. Iicag, P^ rua larga V lo ^¡o „. ^ 8 foja '" domiud.-zas, quo achareom quom tratar rao de uns versos inca; tos no bueano, o. 31. O mais que so pussou deixo ao-aleanced'aquelles que, de perto, condecora o genio fogoso e arrebatado d'esse Sr., accress¡otando de minba parte que fui ameacaJo para o primeiro encontr que na ra livessemos !... Ao publico teuho — Prcoisa-se alugar um prcto forro, ou captivo, que saiba bero cozinbar: na ra da Cadoiado Recife u. 14. — Aluga-se o armazein de carne n. 27, por baixo do iheatro da penas quo dar a salisfacSo deja mais ler-me ., -• .. %  envolvido n'essa, ou cutra qualquer purua aa l rai8 1,vre e aesemoara blicacfio tondente aos Iheatroa, e que lem cado de qualquer onus, ou divida fetoaordaadodia n'estes ltimos lemdeimnostos: a fallar com Guilhernos ; emprazmdo aos Srs. heladores dos •"!"'•"• differentes peridicos ojornses, d'estaciJame Sette, no aterro da Boa vista doama desmenlirem. Com a publicado ,,_ I0 d'estaa linhas muito obrigaro ao sou consD!,,:,,,,,!,,,., nn enmurar urna rs M ,to franelas CHa^. ^^1^:^'^^" hH.Vo. 1 rua do Trapicho u. 40, armazem do M. Car— O Sr. Manosl Biptista da rregado na secretaria do governo, queira ler a bondade de hirao primeiro andar do sobrado contiguo ao OD que morou na rua do Rangel, a negocio que no ignora. — No da 30 do crrente ir a praca um terreno oom bemfeitoiias e ama casa terroa, e outra meia-agoa na travossa da rua Augusta, por execucflo de Malheus Austin Madama Bosa Hardy, modista li-ffiileira na rua Nova n. 34. Previne-se aos troguezcs que roceboo pelo navio Pernarobuco, um bello sorlimenio declinos de seda franzida, o ligas de penacho o flores; para senboras a mocinhas do 6 al U annoi, lindiaaimos chapeos de groado aple frsnsidos a moda, de flores ou penachos, de abas grandes para menino del at5anno, rico capotilhos pretos e decores, modelos novos, o muilo entallados ; ricos chapeos de palha para senhora enfoitadosesom cnfeites, chapcosinhos de palha para meninos e meninas, ricos cortea de so ia bronca lavrada para nuivas, veos a ca ollas; gros de napolea furta-cores para vestidos e capotilhos.-franjas o transs da mesma cor, para os enfaltar : na mesma loja lem um completo sortimento de fazendasao uso das senhoras, ja anuunciadas, e faz-sedeencommenda vealido, capotinho, e veslidinhodebaptisado por preco commodo. Anda em prcgflo por Ires pracas, a ultima das quaos ter lugar no dia quinta-feira (18 do correte), para ser arrematada J uem mais der, peranto o juizo d'orfaos 'esta cidade. urna casa terrea pertencenle ao casal do finado JoBo BaplUta Herbster, sita no aterro da Boa-Vista n, 27, que se acha em armazoin, tndo grande quinlal murado, com um grande lelheiro, que serve de ollkina de marcenaria, com cacimba moieira, eum sobra Jiuho com soto e co3 neiro. Precisa-se de urna ama de meia idade, para urna casa de pouca familia : a tratar no aterro da Boa Vista n. 8. -Precisa-se do um caixeiro, quo nSo exceda do 10 a 15 annos de idade, para venda, com pratica, ou som ella, e que d conheci, sinlia Tora, no fundo do quintal, com frente monto do sua conducta: as Cinco Ponpara o rio Cupibaribe.pertcnceodo i pro& Companhla, contra oa herdeiros do la( prledade e alagado, que faz na frente do noel Francisco GuunarSos. peranto o Sr. Ilr.. V„,t n dito suhradinho; avahado ludo om doze juiz monicipal da segunda vara, lio a ul-, runo. conloa de rs. : cuja arremntacaofoi requeme Prace. ... %  ;Ji {a l am r r .^TJLn^ l Z: rida pelosherdeirosd'aqoelle fallecido 1 Os -Pode-se ao auctor do annuncio publrento do sitio da Taijiirineira. .n**'*** i licitantes podum comparecer Di casa da recado em o Diarfe de soxla-f.ira 12 do dos afilelos um rclogio com crrete ludo l giJencia d o Sr. Dr" juizd'orphaos, na rua crreme, o* que d¡z tora appr hendido em de ouro, cujos signaos silo os¡soguintes : o das I-Iorcs, no ¡ndicaJo tlia 18, pelas 4 horas o lugar donominado Pedra Tapada, um esrelogio ho saboneto horizontal auisso e Iraj" ,"j' cravo crooulo, e robusto ; que baja do de-¡ balha sobre quatro robn;, a caixa aborta a n clarar a quo fregueaia, ou coraarca perineo o dito lugar Pedra Tapada. — Ocollegioque sob a invocado de S. Vicente de Paula, se acliava ostabollecido no segundo andar da casa n. 17 da rua do Queimado. dirigido por D. Mara de Nazareth Augustado Miranda o sua irman I). Mara Jos Amalia de Miranda, as quaes do KxmSr. presidente desta provinci, obti.'=x iss ra,=i s|^:^x¡r: tan da, esiao gravados com esmallo branco, o ro "' '"" '' „,,„,i ir,¡,in nome do fabricante, a ciJade em que foi fei-, Sr Joi1 v,n ,m 0 m0sl ; ^ to.essqualidadesdorelogio. A torrente lem 3 i uo r m rou na rua do VSu} 0 VuM¡Z?n grandes lavrados, ou ? %  •?? mon l ? u 1 d rl J ,r s0 8 1,vraru n veram licenca para continuar no exircicioipo centro dous ellos gr..uoo %  %  ••v., v• ..ifiicia doseu magisterio, por see resnoit.vel deslevantadas; todos os mais silo pequeos e ,•_• Pg ^X" so ne\u cidade pacho de30 de agosto do corrente anno, Iquadrado, e junto ao gancho estilo presos '^ ,'' ira ..ciscoNunes da. mudou-se para aasa n. 23 da rua da Caurna chave de ouro e um .pito de corla comj^vTsoa "< nVu^ doia de bairro deS. Antonio, daqual pouPpsl C Bode ouro o prala que se asscmelha a ''*' ^jr"*' '7, "^,Q d eu i nl0 esse. co s.hio a llhnlsra. D. Candida. Ncslo colplatina. Quem destes objectos livor, o quizer [ Po 3j ^^K,,,",! *p„ legio recehe-so i ensionistas, meias pensiodar nulicia dirija-se ao moncionado silio, ou I Distas ediscipulas exteruas O Srs. quo rua da Cruz n. 55, quo ser generosamente recompensado. quizerem fazer a honra de a elle mandar suas lilhas, queiraro dirlgir-sc i casa a cima mencionada, onde se Ihe darflo lodos os esclarecimentos. -Todas as pessoas quo se achao a dover na venda de Joaquim Jos Correia, na rua da Aurora, queirfio vir at domingo prximo, salisfazor seus dbitos, a sua mulher: ua rua do Rozario da Roa-Vista n. 44, onde so acha morando a mesma; do contrario passarBo pelo dnssabor do ver seus no-nos, o dbitos publicados nesta foHia ; o quo nOo dezeja. — Do porto do Zougu em Apipucos dcsipareceu, ou furtaram ero das destemez unio bombado ferro, quo no 1.* inventario do fallecido tenente-coronel Francisco datocha Paes Brrelo foi dada om parlida a legalaria Mara Candida Magalhes; quem soubcrondo se acha a dita bomba, ou quem foi que a tirou daquelle lugar, o quisrr descohrir, %  lirija-aea rua do Arsgo, sobrado n. t2,l. andar, pois quo ser gratefido, e so lhe promelle guardarsegredo. -ioSo Das dos Santos, cidadlo brasiloiro, r -Lira-so para Portugnl levando om sua companhla sua irmSa Brmeiinda Hosa dos Santos. — Precisa-se tallar ao Sr. Jos Rodrigues do l'asso a negocio que Iho diz respoilo: na rua do Queimado loja da estrella n. 7. — Precisa-se alugar urna muUla ou prcta liol o de boa conducta, para servico de urna familia eslrangeira; dirija-so a rua da Caricia n. 60, escriplorio. — No dia 28 de novomhro prximo passado desapparoccu uma negra de nome RuAMOciacao Coiimero/;,i., lv mr ..l¡ s ta fi-nnrptos, o dehberar-se acerca da concrdala, | adama Uufoux, mo lista lianceou do contracto da uniSo.—o escnvSo, za, naruaLHovin. 6Q, primeiro Joaquim Jos Pcreira dos Sintos -Precisa-ee da um caixeiro de 12 a 14 annos que tonha pratica de venda : uo pateo do e ir,n i, venda nova n. 2. andar. Tem a honra do annunciar ao re;peitivcl publico, quo so achara souipre na casa -tel,la um sorlimenio muito.lico do chapos de .Hdame lloutier. modista fraileeseda esptim, turbantes, grinaldas, cipel. %  ni pin Nnri n r i8 fl5 r flore*, plumas de todas as cores, oouzana rila ovan, a, ros u MI uer cnfeites do cab 0 a paro bailo \ i v.i T n .-o i •• acaba da recober ?elo (.osar, ul I timo navio vindo do Havre, um lindo sorlimenio de fazen-las dance/ s e ludo que ha do mais moderno em Paria ; chapeos de seda do tudas as cores, ditos do palha do Italia aberlo, rnuito bonilos.chapeosinhos de seda redondos para meninos o meninas, lil de blondo branco borda lo, dilo preto do lindos padrOos, escomilha do tolas as coros, bico do blonda os mais ricos, para babados e ornamentos de vestidos, dito do linho preto de todas as larguras, um lindo sorlimenio do tranca o franja, tanto pretos como do coila, coa os signaes seguinles;—altura baires> capellas de llores muito ricase moderia, secca do corpo, cor preta, cabello corlado rente, rosto comprido, qucixo lino, denles poJrcs do lado de cima, mSos grosBas, pus compridos, com marcas de ventosas as costas, com vestido do cassa do quadro cor de rosa, panno da costa com lisia a/ul e branca j usado, levou taboleiro envernisado de encarnado com fes pretos: quem della tiver noticia ou a pegar, dirijasai rua Nova n. 52, quo ser recompensado, Alobilias de aluguel. Alugani-se mobilias completas, ou qualquer traste separado, tambem se alugam cadeiras em grande porcao para bailos, ou nllicios; na rua Nova annazem do Iraslis do Pinto defronte da rua de S. Amaro. — Pretende-so comprar uma casa lorrea na travessa dos Marlyrios n. 1, aos hordeiros da fallecida 1 h. reza do Jess Ramos; quem se achar com diroilo a mesma, queira declarar por este Diario no praso de 6 dias. i'erdeu-sa na noute de sabbado, i3 do corrente, das 6 e meia as 7 lioras da noute, desde a rua do Brum at ao principio da rua do Vigario, indo-se pela roa da Cruz, o segundo volume da Marqueza de Bella Flor, embrulbado etn um papel : quem o tiver acbad i e o quizer restituir, dirija-se a la do Brum, aunazem de Antonio Martins Carvalho que ser gratificado. — 4luga-so uma casa de pe Ira o cal, para passar a festa, acabada de ser construida, no lugar da Capunga Nova, sitio do Dr. Jacobina, seguirtdo para o rio do lado direito : a lralar no pateo da Santa Cruz n. 6. — Quem precisar de um caixoiro poituguoz, o qual lem bastante pratica de venda, ou mesmo lomar conta por halanco : diriji-sa a rua Dircita, venda D. 93, que achara com quem tratar. — Precisa se alugar uma ama, que seja dj, 10 anuos de idade, sendo parda, ou creoula, que seja forra, para o servico do una casa de muito pequea familia, que faca to.foaervico externo de uma casa : quom eslivar imstM crcumstancias, dirija-se a (Jambn do Carino, sobrado de dous andares n. 10, segundo andar. — Precisa-se de una ntullier idosa, que saiba cozinbar eengnmmar, para dous homens sollciros : no aterro da Boa Vista numero 70. — N. O. Bieber &c Compaubia, luzcm leilao : quinta feira, 18 do as, um grande sortimento do litas de todas as qbalidaden, muito lindos manteletes de lil preto, chales, manas, manteletes o capolinhosdn seda do melhor gosto, chamaole preto, flores finas, manguitos do bico para senhora do mus moderno gosto,setim, o tlioalru, o la ni bem so achara chapaos e llores promptos para lulo, ludo pelo prego mais commndu. — Na rua larga do Rozario n. 35, loja, se recebem oscravos e oscravas para vendor por commissilo tanto para a praca, malo, romo para fura da provincia, tondo bom tralainento e soguraiiQa precisa i — Acha-se farlnha nova do SSSF, (deraiminho) para vender, nos armazoin do Dea ¡no Koule &Comi-anliia, no beccodoConCalvos. — Precisa-so de uma ama forra ou ca liva, para fazer o seryieo de uma casa de pouca familia : em Fura do Portas, rua do Pilar n 72, sagunJo andar. — Roga-seao Sr. Bazilio Comes Percira, morador na villa do Iguarassu' o especial favor de vir ou mandar pagar a importancia dos gneros quo comprou na rua da Cruz grvala, fazenda modernissima, e do 13o esquisito goslo, quo ninguoui deixara do os comprar. Na mesma loja vonle-so igualmenlo por muilo pouco dinheiro as mais pcifcit8S e liiidlssiinas llores francozas para cnfeilo de chapeos e vestidos do sonhora, pentosdo tartiruga para coco, o um ednrirnv.-l apparelho para fazer cafo om 5 mi utos. — O Di. Sarment nao tendo podido descobrir a residencia das senboras 1)1). francisca Victoria da Custa Avies, Hara da t'oncei<;ao Nazar, Alaria Anua Joaquina da Silva e do Sr. Alanoel Francisco Alirqucs : roga-lbcs queirun, para negocio de seus intetesses, comparecerem, ou manda em a sua casa, na rua do Queimado n. 4G ou no sitio que oceupa na l'onte dj Ucha, dcl'rontc do Sr. Francisco Antonio de Olive ra. No ca dos arcos. Junto ao tlieatro velho havoii soivelo das 6 l|2 horas da lardo do hoja e n diantc, ser so .i, re das uiilliorcsfructas, o saio servidos com asseio e piompli lilo. — A casa commercial de Araujo U l'ilhos estab.-lecida nosla cidado do Penedo, provincia da Alagoas, tem motivos para fazer publico, que nenh-.iin titulo de crdito, proveniente das trnsacc,Ocs de sua casa, c pelas aienicatos assignadcs t-m deixado do Attenc % O arrematante dos imp stosdas afencOes, das liceucaa dos mscalos o boceleiras, inudoii-se para a la das Agoas Verdes ii. 25. — Manoel de Aducida Lopes, om casa deconsignacHo par comprar c vender oscravos, t uto para osla provincia, como para fura d lia, IHU.IUJ a sua residencia da ruad-iCidcia do Recife, 0.51, para a rua da Cacimba, n. II, anide morou o finado Exm. vigario. Brralo,ondo oontioua, offereceudo-so toda a seguram;a precisa para os inesinos o bom trata monto. — I'recisa-sc alugar uma escrava, que sej i boa cosinbeira c com¡iradeira, : quem a tiver dirija-se aiua da Assumpcao ou muro da l'cnh n. 16. Compras. --Compra-se na rua das Cruzes n. 22, segundo andar, 3escravas de 16 a 20 annos creoulas, ou pardas, de bonitas figuras, para mucamhas, sabendo perfeitamento eugommar, cozor chila, cozinbar o lavar, agradando paga-se bem. -Compra-so uma marqueza cm meio uzo : quem livor, annuncio. -C.ompram-se cscravos e vendem-sede commisiSo, para dentro o fra da provincia : na rua da Cacimba, sobrado n. II, ondo moraju o Sr. vigario do Kccife. Compra-so uma toalha de lavarinto cum pouco uso, c um escravo do \0 annos sor ooutulmenlo pago nos sous vencimen-'; pouco mais ou menos, quo seja barato : na Ipg' IruadiiSin/alla Vetha n. 88, padaria. lOi'tro sim d claram qu.e sua fabrica, propriodades, eserato, o outros bans que posi'orrentc, as i o horas da mauha, do (Jo cuixas ijjoin bacalho, cliegado ltimamente, no armatem do caes da Alfandega n. 5. — JuliUo Jos do Araujo, rctira-so para o Hio de Janeiro. Jos Duartc das Noves, onibarca para o hio de Janeiro, o seu moleque Facundo eoulo.de 18 annos. trela de todas as coros, collarinhos do filo n 6 ¡ „ r esU do ¡j Cosmes 6 m setemebico bordados para senhora, plumas do Dro 7 0 7 nn tf pi(M i 0 nto deque 180 Dio cores e brancas para enrede, ma:igumhaa ,¡ |1o se ^ iwi¡ d<¡ |iu biica.-aeu noma ile bico para sonhora os mais modernos gos¡_ e | M ¡ornaos los, atacadores para botinaida senhora, rir _. A J | uga se uma prcla forr 0 u captiva, cas luvas de pel.ca para senhora c homom engommo perleiUmento : a lralar na bicos de linho verdadei-o, ricas romeiras J ft, "J 3 bordadas, ricos loucados do sonhora para | .. K .' J, bailes ou llieatro, luvas do linho verdadeiro I Banco de f ernamLUCO. para bomem. Na mesma loja fazom-so vesA dirccc.Ho do Banco de Peroambuco coudo do casamento, de baplisado, toucas do lina a receber assignaluras para o ranino, menino e do senhora, capolinhos do todas ¡as pessoas quo quizeiemassignar o devem as q u-i 11 -la ios, com pcrfeico o preco comfazer quanto antes afim de gozarem da vanmodo; recebem-se todas os mezes ligurinoa tagem do enlrarom com o importe do suas modernos, que empresta a seus freguezes. assignaluras as prestarles que prescrevem — Aluga-se uma canoa de carga do 600 lijlos de alvenaria na rua da Concordia : a tratar com Manoel Firmino Ferrcira. Precisase do um trabalhador do masscira : na rua Direita dos Afogados n. 66. — Procisa-se alugar uma preta escrava, para servico de muito pouca familia: na Ponte Vclha n. 1<\ A pessoa que recebou por engao no idias uteisat meio da. — M. J. do Oliveira dia 9 do corrente uma Inlma o mais nlguns ;secretario, objectos embrulhado em um lenco do seda PASSAPORTES. oncarna lo podo dirigir-so a rua do Quciiiia¡ -Tiram-so passaportes para dentro o do n, 16, que se dar os signaos certoa,e |fra do imperio, despacham-se cscravos, os estatutos, cerlos deque em principiando o mesmo as suas operados, dahi em liante aquelles que quizorem assi mar, havendo ainda lugar, s o poderflo fazor, entrando com o importe de suasac;Oes em dinboiro a vis'a. Contina a estar patento a assignatura no escriplorio do Sr. Manoel Goncalves da Silva : na rua da Cadeia n. 36, lodosos recobcr uma gralilicaco. — Aluga-se o tercoiio andar soto da corrom-se folhas. c liram-se ttulos de residencia : para este lim, procura-se na la casa da rua da moeda n, 7, a tratar no seida Cadoia do Itecife n. 55, loja de fazendas gundo andar da in09ma, das duas ast da 'doSr. Luiz do Oliveira Lima.oem S. Antonio, na rua do Qneimado n. 25, loja de miudezas de Joaquim Monteiro da Cruz. --Precisa-so do uma mulhor, para cozinhe e la-s i algum oulro servico de casa do uma familia iugleza, morando na Magdalona : quem esliver nostas circunstancias, dirijaso a casa n. 43, na rua da Cruz, das 11 lloras da niiiii i.la at as 3 da larde. Precisa-se do uma ama para casa do larde. -Precisa-sede uma cosinheira para u -n familia pequea estrangeira i na rua do Trapiche novo.n. 18,a fallar com Sr. Eluado II. Wyatl. CratiOcacSo. llavera pouco mais ou menos dous mezes quo se enlregou um pieto para levar cm casa do Sr. Vignes, que vendo pianos na rua larg i do Hozar in, um livro velho sem cipa, contendo varias pegas de canloria em Italiana e Inglez. O livro foi einbrulhaiin num Diario velho. a pessoa a quem fui entregue por euga.no, querendo restituir, dinja-so a casa doSr. Eduardo II. Wyatl : rua do Trapicli" novo n. 18,que seri muilo bem romuiierado. — OSr.Bernardo.de Albuquerqe reniunJes G:iin.i, queira :n,uirjar pagara subscricaodeste Diario. — Deseja-so saber quem s3o os possuldores, herdeiros, administradores dos bens que pert'nciam a diversas corporales religiosas, sobre um sitio no lugar das Corcuranas de sima ou quo so acha do posse como procurador in nomine Ignacio Jos de Barros desdo o anno de-1817; e como se queira fazer negocio sobre o mesmo sitio, roga-so aos interesados hajam de declarar por esta folha para melhor se tratar deslu negocio, ou dingir-so ao Passeio publico, loja n. 21. — Precisa-se alugar um preto o tambem compra-se, sendp fiel, que nao lenha achaques enem vicios, para servico do casa : na ruado Amorim n. 25. US homom sclteiro, para cozinhar e comprar, ua rua da Praia armszom n. 2. Na Ba do Aragao, n. i2, segundo andar, copia-sc com perfei(;ao qu ilqucr papel em muito boa letra e por preco commodo. No cal Ir anee*. Da rua nova ha ver sorvete das 6 l|2 horas da tarde do hojo em diante, os concurrentes serflo servidos com asseio promptidflo e em lugar a vontade,assim como o sorvete ser sempre das melhores fi netas,bom como hoje do abacaxi; tambem tem polpa do tamarindos, refinada em Iotas de libre. — Pceclsi-se de um trabalhador de massucm so aeham livres, c desembargados de quaesquer onus ou hypothcca. Penedo 7 de outubro de 1851. — Aluga-se por *, ou 5 anuos, ( n quem comprar pelo sou justo valor, 3 oxcellenlos cavados, o2 boas VBccas deleite J um sitio no lugar denominado-Parnameirim -prximo a Santa Anno, murado na frente, e cercado pelos lados o fundos, com casa para numerosa familia, 1,000 padelarangeiras, l.imciras.Limooiros doces, alguna 400 ps do Mangueiras jiquciras coqueiros, mangabeiras tamarineiras sapolisoiros ,* fratap.10 &. &. boa baixa para capiui, que sustenta annualmcnto 4 cavallos, c 2 vaccasde Icite, capoeira, quo da lenha para o gasto da cosinha, o 4 oscravos para o omanbo, o Iratamenlo do sesmo sitio : quem o pretender entenda-se com Joaquim Jos de Amorim. -Preciza-so do um portugus que seja perito -cm plantados de sitio, o saiba tirar formigas, quem esliver nostas circunstancias e quizor trabalhar no sitio na travessa do Remedio n. 21 ontenda-se com seu proprietano, o Porteiro da Alfandega dosli cidade, na mesma reparticilo quo a vista da prova que der desabor o quo cima so dcsaja, e da sua boa conducta ci. &. tratar-so-he ##•!!£ 33 .*3*<9!3<* • Paulo .Hlgnoux, deiHlsla J • francez, offereee seu ii-cstl • mo uo publico para todos os misteres do sim proflss&oi W pode ser procurado a pial 9 qner llora cm sua casa, mv :.i < rua larga do ito/.arlo, u. :*< %  segundo andar. — Precisa-sede uma criada, smenle para o servico do cozinlia e compras, para urna casa de muito pouca familia : na rua do Rozario da Boa-Vista, sobrado n. 32. Hotel no Monteiro. Domingo, 16 do passado, abrio-sc esto eslabeleciinonto com as seguintes pro,io¡ CO -S %  Bilhar o sorvete, aos domingos e dias sanos a tarde. Sala mobiiiada e independente, para as familias, quo indo a paiiseio quizorem esi-auc-ir. Quartos proparados para dormida. Espacosa o bem arejada sila de jantar.', com capacidade de servir i 40 pessoas. Soili para recreio e passoio. Estribara e arranjos para cavallo. Co -uta mensal e avulso, preparam-se jantaros o prezunlos, sluga-so louca, vidros bandejas, etc. etc. Tudo por preco muilo rasoavcl, o acntenlos. — Em primeira audiencia do lllm. Sr. Dr. juiz dos feitos, se arrematarlo por vendas, por esccucSo da lazenda provincial, 2 sobrados do 2 andares n. 30, silos no pateo do hospital do Paraizo ; avaliados cada um om 7:000,000 rs : por execucao que meve % %  i mesma fazenda, contra o coronel Jos PeS^Compram-se escravos de ambos os s< xos, de C a 3o annos, para fon da provincia paga-se bem temi bonitas figuras:*na roa dasLarangeirasn. i4, no segundo andar, \ qualquer hora do da. — Compram-se i mralas do casas torreas ou sobrados do um andar, em bom estado, e cm boas res : qucm os quizer vender dirija-se a rua 'S AgOS Verdea n. 48, (averna, que dir o prcti-udenle. -Compram-so trastes usados do todas as qualidades, e tambem se trocam por nov.is i na rua Nova armazoin do trastes do Pinto, defronti da rua deS. Amaro. Vendas. to boa condico : a tratar na roa do Pogo n. 15. I.ivros cm branco. Vende-se cm casa de Kalkmanu Irmlos na rua da Cruz u, 10, livros em branco chegados pelo ultimo navio. Veudc-se um elegante o bem construido cabriolel, com um cavallo, e tambem troca-se por algum escravo, ouro, ou causa de idntico valor: na co li.cira do Loui e:i,;o, rua da Guia. -Na rua das Cruzes o. 22, segundo andar, vende-se um escravo pardo, de linda figura, de 28 annos, proprio para o campo e um lindo crooula de 22 annos, ptimo canooiro, e tres prolas do meia idade, que cozinham e lavam de sabSo. eslo ptimas quiUndeiras. — Vende-se urna obra de Tito Livio, traduzida em francez, propria para professores ; na praca da Independencia n. 17. I ii vas do pelica para s nhorn, a 1,000 rs. Non lom-se na rua doQueimadi n. 16, loja de n.ii lozas. Luvas de pelica para homem, a 1,000 rs. Vendem-so na rua do Queimado o. 16 luja doV.nu le/, is. Bonitas lu is de trogal, a 800 rs. Vendem-so na rua do Queimado o. 16, loja de miudezas. Bengalas do baloia, a 1,700 rs. Veudem-sena rua do Queimado o. 16, loja do miudezas. • Chicotinho9, a 600 rs. Vondem-se bonitos chicolinhos,a 600 rs.: na rua do Queimado n. 16. f.uvas do fio da escocia, a 200 rs. Voudein so na ruado Queimado n. I, loja do miudezas. Iionets de panno fino, a 1,800 rs. Vcndom-se bonels de panno flno, a 1,800 rs,, na rui do Queimado n. 16. Lavas de seda para senhora, a 1,800 rs. Venlem-so luvas de seda de mui lindas coros, u 1,800 rs. o par, na rua do Queimado u. 16, loja do miudezas. Camisas do meia, a 1,100 rs. Vunde-n-so na rua do Quoiioada n. 16, loja do miudezas. Pontos do tartaruga para prender cabello, a 4,500 rs. Vondem-si na ruado Queimado n. 16, loja do miudezas. Palitos do fogo om caixas de pao, a 20 rs. Veudoin-so na rua do Queimado n 16, loja do miu lozas. Altencao !! Na rua do Collegio n. i loja de miudcsas. Vendoni-se assoguintes eslampas cm colectos completas ; Malhilde irmJo do Iticardo, rei do Inglatorra, Fernando Cortez no Megico, o Filbo Prodigo, Ignoz do Castro, Fgaro, o i.mu" Paladial e Mazeppa, Masamelloou a Kevolta dos Napolitanos, como tambem de muitos santos a saber l S. Ignacio, S. i. ni ri:u.". S Heooorino, S. Flix, S. Vicenlo, S. Estevo, S. Izidorio, S. Au I '-, S. Ui.'l.iii'i, S Komo, Sr. daCraca, S. Viclor, S. Itoqoc, S. Eugenio, S. Anastacio, S Esciilestico, S. Agustinho, S. Filippe, S. Apolunia.S. Claudio, 8. Maria.S. Manoel S. Lua, S. Crespim e S. Crespiniauo, S, Joiquim. S, Jos, S. Jeronymo, S. Mauricio, S. Bartholomeu. Luvas de pelica. Ven lo-seluvas de pelica decorespropnas para montara, pelo comino lo prec'i do 800 rs.: na rua do Coljegio n. 1, loj do miudesas. Aobom e barato. Na rua i\ova loja donlfanlo da quina que volla para a rua das Trincheiras n. 1, yendc-n-s" palitos do mu um a 15,000 rs., ditos de casineta do cores muito proprios para montana a 11,000 rs o calcas, colleles e jaquelas de todas |as qualidades, assim como palitos do In un: ludo por preco muito commodo. Srs. pharmaceuticos. Ilnntein telo vapor S.Salvador recebeuse uma pequea porco de salsa de superior qualid do, que se vendor a commodo preco l r. 11 -se ua roa do Vigario n. 23, segundo andar. Aviso. Tem tola a q-aali lade de plvora, a qual se vende muilo barata : a tratar uo aterro da Boa-Vista, na loja do abaixc assigoado. Manoel Jos MagalbSes Bastes. — Na ruacslroita do Kozario n. 43, procisa-sc do um pequeo para caixoiro, dando fiador a sua conducta : a lralar na mesma. Na rua ¡Nova n. 8. Vondem-se chapeos de castor branco pelo baralissimo pr.'co de 7,500 rs ditos sera F0LI1LM1AS l'AR\ i85a. Vcndein se folhinhss de porta de padre, e de algibeira de tres dill'crcnlcs qualidades,sendo uma dolas com O almanak do cidade e pro-1 pelo por S.OO" r*s", bonels do palha da Italia viucia: vendem-se nicamente na|para hoaioopor2,500 rs.,ricas mantinhas 1 1 i _•„_/:_ o de nobreza, uroprias paraseuhorase meoipraca da Independencia n. O e 8. nasa 4>0 oors, lindos capoiuhos emanieJhllietes do Rio de Janeiro. Aos 20:000,000 de rs. leles degros denapole preto edo furta-cores, chegados polo ultimo navio; luvas de peli•ca de seda de todas ss qualidades para scConceicS. — Precisa-se de uma prola captiva, quo entenda alguma cousa do cozinha : no atorro da Boa-Vista loja n. 1. Precisa-se de um moleque que saiba „ „,„. cozinhar o diario de uma caz. de pouca 1Tase! r. : na nadarla da rua Direita dosAfogama, quem tiver para allugar dinja-so a ,, n „ o rua dos Quarteis loja u. 24, — Precisa-so do uma ama para o somco droVeloso da Silveira ;tr,nta p.nellas de reamis Unas, aaiiai como u^umbeo loue branca do uso de botica, avahadas Pra bordar;. vond.-ae t'"^ m ^e !" por 30,000 rs. ; por execuco que move largos eostreitos multo superiores, caceos mesma fazenda, contra Leticia alaria da para v.agem. o maia nutras mu.las fazendas todas poi Xa loja de miudezas da praca da nhora e homem, bellos lencos de sotim do cores para gravatas, lilas de chamaloto do to las as cores para sintos o chaj)oos,ehpeos francozes para homej ullinla moda a 7,000 rs., o oulras umitas razondas, quo 11a mesma loja se vondem por procos nunca vistos. — Vendo-se uma preta moca, ptima lavaloira o cosinheira, de bonita figura, bastante robusta o oxcellento para todo o servico : atraz da malriz de Santo Antonio, no segundo andar do sobrado 11. 18 por cima da venda. Aos senhores de engenho e casas particulares. No armazem do Sr. Antonio Annos no caes da nlfandega, vondj-se bacalho de Noruega orn tinas o melhor quo tem vindo a este mercado superior inglez por ser corado com melhor sal, vende-se pur 6,000 ra. a lina.' Xa loja nova da rua do llangel, Vendom-sa sapalos francezes do couro do lustro para senhora, pelo baralissimo preco de 1,600 rs. o par. „_._„.,. ^mmmmwmmawmmwmmmmm i Ven lose na toja l'crnarnbucana da 3 *B rua do Crespo n. II, pura sedado DR -i lindos pa IrOJS a 800 rs. o covado ;