Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07285


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVII
Sexta-feira 12
m
de Dezetnbro de 185i.
N. 281.
PEMAMBIGO.
meoo A suBonij-gio.
Pxqimknto Adixhtado.
Por trimestre...........
por semestre -t a.........
Por nao.....-...-.....
PAOO DENT10 DUTItHBSTIl.
Por quartel............
aVOTICIAS DO IMPERIO
Par,-.<- 15 deNovbr.iMInai... iSdeNovbr.
Maraobo 19 de dito S.Paulo. 10 de dito.
Ccuri... 25dedito. IR. de J.. 25 de dito.
Parahlbi. 5 de Dezbr (Babia... 1 de Dezbr.
4/000
8/000
15/000
4/500
uta* da iiflim ADDiDrolAa.
8 Seg. 4<>5< oncelco
de N. Senhora.
9 Tere. S. Leocadia.
10 Quart. S. Melqulade
5. m. ;
uint S. Daroazop
1J Srit.S. Juitlno m. .
13 Sab. S. I.iw.ii v. ni.;
14 Dom. 3. do adrento
S. Aogello.
Jaso OroMt
2. 5. s lOhorai.
1. tara do eivel.
3. o (i; ao meo-dia.
Fttunia.
i 3. e6. i 10 boraa.
2. tura do civel.
4. e sbados ao melo-d.
Hfltlriic.
Tercas e sibados.
VaaaiaaUlBU.
Creioenle i 30, a I boraa e 55 minutos da m
Chela a 8, a i hora c 8 minuto* da t.
Mingoante i 15, as 3 horas e (i minuto da m.
Nova i 82, a 1 bora a 14 ujinulau da larde.
IBI1M1I O HOJ
Prlmelra s 8 boras e30 minutos da manhaa.
Segunda s 8 horas e !>4 minutos da tarde.
rtBTIDll DOS COBBEIOS.
Ooianna e Parabiba, s segundas e sextas-
feiras.
Rio-Crande-do-Horte, todas ai quintas-feiras
ao mrio dia.
Garanbuns e Bonito, 8 e 23.
Boa-Vista, e Flores, 13 e 28.
Victoria, s qulntas-fclraa.
Olinrl.i, todos os dial.
MOTICIAS STRKGEIBAi.
Portugal. 14de Novbil Austria.. 2 de Novbr
Hespanba. 8 de dito Sulssa___ 2 de dito.
Franca ... 8 de dito Suecla... 28 de Outbr
Blgica... i de dito 'Inglaterra 8deNoabr.
Italia.... 31 de Outbr E.-Unidos 2U deOutbr.
Alenunha. t deNovbr
Prussia ... de dito.
Dinamarca 29 de JP.'JV
Russla... 28 de dito
Turqua. 18 de dito
Mxico... 15 de dito,
California 12 de dito
Chili. 8 de dito
Kuenos-A. 8 de Novbr
Montevideo 21 de Outbr
cambios ar: n di dieimbho.
Sobre Londres, a 29 d. p. 1|000 Firme
Paria, 333 por f>.
Lisboa, sera traniaccoea.
HETAEJ.
Ouro.Oncas hcspanliol.is.... a 38/BOi
Uoedaa de 6/400 velhai. 18/000 a 16/200
. de 6J400 novas. 16/000 a 16/200
. de4/DC0....... 9/000 a 9/IOff-
Prata.-Patacoes brasilelros.. l/90 a }fi>0
Pesos columnarlos... 1/920 a I/W0
Dltoa meiicanos..... 1/740 a 1/750
.i qg lu.
PARTE OFFICIAL
timo entrira no exercito doseu cargo
Respondeu-se ao referido juiz.
Dito.-- A mesma communlcando qua por
decretos de 17 de novembro ultimo, segun-
do constou de participa?5o da repartirlo
GOVEKN DA PROVINCIA
-XPKIIFNTit nr ni* s np nF7RiiRin np da jostica datada de 20 do mesmo mez, Ib-
biltllsniE Do DIA 5 DE DEZEMBRO DE fam nulB9aj0S 0 joir de direito Francisco
' l851' Joaquim Gomes Itibeiro, desembargador da
lucio. Ao Eira, presidenta do Para: relacSo de Pernarhbucj, e o juii direito da
remetiendo um requerlmento doteneote do commarca deGoianna, Antonio Joaquim do
nono batalbSo de infantaria, Matliias Vieira Albuquerquo Mello, desembargador di rela-
d'Aguiar,',bem como copias dos ofticios, com SaodoMaranhuo.~ Nesto santiJo (izaram-
; "o
se as convenientes commonicacaes.
Dito.-- A mesma intairando-a de haver
sido nomeado por decreto a 20 do novem-
bro ultimo, segundo coestou de participa-
queo commandante das armas, o inspector
da pagadoria militare o coinniaadaotefdo
referido batalhao informara ji a cerca de se-
mentante pretoncSo, a flu do que expeca
S. Ex. suas ordens no sonti Jo de ser envia- j0 daVaprticIo da juslica datada* de 2*'do
da mesma pagadoria urna guia ou docu-'imosmo meXf 0 bacharel Jos Mwia Hoscoso
melo, esclarecendo o ongano, que se diz. ,|, Vega l'esso oara olugar de'juiz muni-
tor havido no descont da quantia de 250Jrs, ,'cpa| ,,' j9 orphSok do termo do 'o d'Alho
qua se adiai.tou ao mencionado tenante
Dito. Ao Exm. presidente das Alagoas
aecusando recebida a guia do lenlo Ma-
noel Joaquim do Barro*, que tave passagem
para o primeiro batalhSo de infantaria.
Ilemetteu-se a guia a cima ao caminando
das armas.
Dito.-- Ao commindo das armas trans-
mittiiido, por copia, o aviso da reparticSo
da guerra da 19 de novembro ultimo, em o
qual se determina que na primeiri occasiSo
de transporte faca seguir para o Para, Qm
do seren all empregados om servco de
guamicSo, qualro c*pit3ese quatro subal-
ternos, escoihidos d'entro os offlciaes da
terceira ciaste existeules nosla proviocia.
Dito. Ao mesmo enviando copia do avi-
so da repartirlo da guerra de 25 de novom-
bro prximo Ando, determinando, que viga
para a corto por motivo desrtico o doutor
Miguel Joaquim de Castro Uascarenhas, que
serve em commissSo de segundo cirurgiSo
do corpo de saudedoexercito nesta provin-
cia.-- Iguaes copias foram romettidas aos
inspectores da thesouraria de fazenda e da
pagadoiia militar.
Dito.-- Ao mesmo remetiendo por copia
o aviso do ministerio da guerra da 2t do no-
vembro ultimo, em o qual si declara, que
se expedir ordem ao xm. presidenta do
MaranliSo para mandar inspeccionar o se-
gundo lente Jos Nunes Marques que pur
infermo se no recolhera ao quarlo batalbao
d'arliiharia a p, que pertence, depois Je
liada a licenca com que eslava n'aiuella
provincia
Eizerain-sa neste sentido as necessarias
comraunicacOes.
Dito A pagadoria militar enviando por
copia o aviso da reparliQSO da guerra de 21
de novembro ultimo era o qual foi declara-
do, que se expedir ordem ao director do
arsenal do guerra da corte para remetter
para esta provincia cem arrobas de plvora
grossa, 50 ditas Qua e 20 ditas superfina.
Communicou-se ao director do arsenal de
guerra desta provincia.
Dito. A mesma dovolvenlo os papis
das dividas, de qua pedem pagamento Joa-
quim Ignacio da Silva, o Belmiro Jos dos
Santos, quo tiveram baixa do sume, i do
exercito, a Qm de que mani pagar a cada
um delles, de conformidade com a sua n-
formaco, a quanlia de 3.963 rs. du farda-
mento relativo ao exercicio de 1850 a 1851,
e remella thesouraria de fazeoda par* su-
rera processadas, na forma das ordens em
vigor, a9 conlas viduos se llca devendo perteac-ntes a exer-
CiCOS lili.Ins.
Dito. Ao cousul de portugal dizendo
que, segundo iaformou o provedor da sau-
de, j s > acba desempedida a barca porlu-
goeza N. S. da Boa Viagem vinda do Porto,
visto asseverar S. S., que alli nenlturn caso
appareco que denote o contagio di i -I re a-
mt relia.
Dito. Ao juiz de direito da comarca do
Limueiro envan lo a portarla quo lite foi
expedida pelo presi lonte do supremo tribu-
nal de Justina, a oxigindo que transmilla a
!sua resposta secretaria da presidencia.
No mesmo sentido ao juiz de direito do Bo-
nito.
Dita. A thesouraria da fazenda provin-
cial inleiranJo-a do haver aulorisado ao en-
genheiro director das obras publicas para.
dele primeiro sargento dosogundo batalhSo
deartilbaria ap, Julio Cesar Pessoa de Sa-
bis.-- Igual copia remetteu-so ao inspec-
tor da pagodoria militar
Dito.Ao.deaemhargad.or phefo d.i poli^ia
para fazer desembarcarde bordo do brigue Legalid fe diz ui'li ; ie oArn acopia,quo re-
dispo-i- etli". i!xati!JjciH4;i; aon}Jiar^ado.i:ct)efe de
escuna Canopo orecolber cadeia a
efi.i do'juiz municipal da primoira vara, seis
presos sentenciados, quo vieran da Bahia
com destino ao presidio de Fernando.Mes-
te sentido o(Iiciou-se ao commandinte do
referido brigue.
Dito. Ao mesmo dizendo quo ludo quan-
to S. S. pondera cerca dos menores Joo
u Bernardo ou Bene tito, segundo o seu oDi-
cio de 30 de outubro ultimo, no pode a-
i-:iiselhnr i revocar;.Toda ordo n da presiden-
cia, j pela rasSo da falta de vagas na com-
paa do aprendizes do arsenal de guerra,
como se v da copia que remelle, j pola
e co.ifurinidade com o orcamento que re-
tnemetle por copia mandar procede! alim-
pu/.a d iu necossitao os esteios da ponle
da Boa-VisU.
Hito.Ao coinuiiuilaiiM ilu brigue o.cun
Bolici i/ c>BHdo .Jim <|uc Sinc. declara
ser doscrlor da guamic,uo'd'ai|uelle hriguo
escuna, Antonio Frrncisco da Silva, qua se
acha recolhido a cadeia dosla cidado.
Portara. Nomoan lo, de conformidade
com a proposto do coaimissario vaccinadot
provincial, o professor publico Silvano Tho
maz do Souza Magalhcs para comiaisario
vaccinador da freguezia de Munbeca.
Comin'iuieoii-si ao referido commissario
provincial.
(jonimando das anuas.
necesst lede da consoivarem-sa os lugares QmrM ,,era, a ,,,,,,.,, ,,,r., i ,lf ititm.
pira os menores, que se rstSo educando no'
collegio dos orph3os, eque para alli entra-
ra m com urna previa jusiilich;.hi das condi-
cors legaes da admissilo, nSo sondo por
corto justo que se vissom ellos pretoridos
por meninos, que sj dizcm oncontuidos em
abandono, e as circunstancias dos quacs
nSo fallariam muitos outros qce poderiam
i r sendo a presentados por todos os subdele-
gados ; e prevenindo-o de que do novo vai
dar sciencia ao director do mencionado ar-
dro di iSi.
oideh do da i. 38-
Para quo os Srs. capituo Manool Jos da
Soledade, e alfares JoSo Antonio LeilSo do
dcimo balalliilo do infantaria, possam fruir
as licengas quo obliveram do governo Im-
perial por avisos du 30 do abril c 31 de ju-
Iho do correte anno, ordeua o Sr. mare-
chal do campo graduado coiomaudanlo das
armas, quo "os ditos senbores so recolham
a esta capital, devendo o Sr. capilSo.Grego-
senal da rcsolucoda presidencia, (irado r0 Antonio da Silveira, que se acha desla-
que entreguo os ditos meninos ao subJelc-;cadoem p,ai0nteiras lomar ocommandoda
gado da Boa-Vista.,- olllciou-so nesto senti-
do ao supradito director.
Dito. A thesouraria do fazenda intei-
rando-a do haver o juiz municipal o d'or-
phSos do termo du Garuar bacharel Lou-
renso Francisco de Almoida Calauho parti-
cipado que desde o dia 22 do novembro nl-
i> 11; i oxistenlo ora Agoa-Piola, que Iho so-
r devolvido pelo Sr. capituo Soledade, que
lue passar tolas as ordcus_o nstrucc,Oes, e
polas quaos so tege, bem como lho presta-
r os esclarecmentos quo forem de uiysler
ao li.nu dcso.iiponlio do servigo.
Ordona oulro sini o mesmo Sr. marechal
FOLHETIRI.
OU
MEMORIAS DE UM MARIDO. (*)
POB EUGENIO SE.)
VIII.
Sentados i mesa,lodos se poseraui logo acon-
versar. Kntre nutras cousas fallou-se do Gasa-
uiento de Fgaro, que ha pouco se tinba repre-
sentado no theatro francs. F.ra a priuieira
vez queeu ouvla fallar desta peca..,, ver-se ha
mala tarde parque insisto sobre este,incidente.
Confesso, dlsse ininha avfi, que nada le-
uho visto siiaia bello, inals encantador que ina-
damesclla Marte no papel de Susana, be linpos*
aivel unir inaia sraca a inals malicia c garri-
dicc.
E madainesella Clotilde no papel de Cbe-
l-ubiin, senhora ; dlsse urna outra peasoa ; nao
lie tambcn encantadora em seu trage de pa-
gcinzlnho ?
Ella he deliciosa, respondeu madama de
Prancbeville; nao se pode ver urna cara inaia
velhaca.
O que] principalmente me impressionou
noasnodo-de representar de madameselta Clo-
tilde, dlsse Mr. de la Bussicrc, foi a cor de me-
lancola lerna que lancou aquie alli sobre o
carcter do pageinzinho; elle nao he mais um
menino, mas lainbem nao he uinda um ho-
iiirin ; he um mancebo atormentado de scus
quinze annos, como diz a cansao, e j secreta-
mente amoroso de sua bella madrioha.
Kn escutava com avidez estas palavras. Ellas
nao terlain certasnentc attrahldo minha atten-
cao antes da entrevista que Uve com a mal de
Joao llavmundo, e di proposia feita por Mr.
de la Bussicrc de sentar praca nos pagens do
re; esie cuerubim, secretamente enamorado
de sus bella inadrinha me fez sonhar, sonbar
tanto que me enteressei menos na contiuuacao
() VUt o Diario 279.
decampo, que o quarto bitaUjo de arti-
Iharia a pe, faga marchar amanhSa para a
villa de Nazareth Um destacamento, com-
posto de um soballeroo, um ioferior, dous
cabos, um tamboreas sida los, afim de
renlero do dcimo batalbUo de infantina
que alli se acha actualmente.
Candido Ital Fsrm'ra,
Ajudante de ordens encarregado do detalbe,
Quartel gerural na citlade do Recifi, 5 di de-
sembr de 1851,
oaoEM oo DI* 36.
Tendo-se apresentado neste quartel-gane-
ral o Sr. tenente-coronel llygiuo Jos Coe-
Iho, nomeado co.iiinandanto para o quar-
to batalbSo de artilharia, como ae fez pu-
blico em ordem do dia n. 3 do 23 de no-
vembro prximo (indo, dotormina o maro-
chai do campo graduido commandaiiladas
armas, que o dito Sr. tenento-coronel to-
rneo commaniodo batalhao, quo Ihe sor
devolvido com as formalidades do eitylo
peloSr. tenante-coronel commsndanle in-
terino looocencio F.ustsquio Ferreira de
Araujo.
Datcrmina outro si ni o mesmo marechal
que o Sr. tente Maneel Joaquim de Barros,
que acaba da chegar da provincia das Ala-
goas, sa aprsenle ao Sr. tenento-coronel
commandante do dcimo ha'talh3o da in-
fantaria ao qual licou pertencenio pela cas-
sificaeo geral dos olllcixes do exercito.
Antonio Crrela Sera.
EXTERIOR.
ALLOCL'CAO DU PAPA PID IX NO CONSIS-
TORIO SiXKETDG 5 DE SETEMBROP.
PASSADO.
Toda a Ierra conhece e vos conheceis me-
lltorquo uinguem, veneraveis irmius, as
perturbarlos eas calamidades consequen-
cia funesta das revolutas deploraveis, qua
agitaram. ha muitos annos, a illuslre nacSo
baspaoholl tSo dedicada igrej otholica
eSinta S. Tambiim sabis que males
resuilaram dostas revolueOei para as igrejas
paraos* bispados, para os captulos o para
aos mosleiios, para todo o cloro e para
tolo o povo iiel desse vasto reino qua per-
seguidlo sa desenvolvoi contra religiao
calholica, contra os sigrados pastores e
contra os outros ecclesiaslicos, e que vio-
lunciasse cxercorain conlra os direitos os
maiss agrados, contra os bens, contra as li-
berdades da igreja, cootca a dignidade e au-
tordade da S apostlica. Nao ignoraos
to pouco com quo sollicituJo, cora quo zu-
lo nosso predecessor Gregorio XVI do santa
memoria, e-1'.n eou so por suaa reclamasOos
porsuasqueixas, por suas supplicas e por
todos oj meios quo estavara era seu poder,
emsoccorr^r a religiao naqucllo paz e re-
parar suas ruinas. Elevado, apezar de nos-
m luaiguiado, e por um aucielo Juizo do
Deosi posicao que uecJiava nosso prede-
cessor, os primeiros pensamientos de nossa
alma c oosos primeiros cudalos foram
dados quolla naci 13o cbara, aHra do
reatibelecer nella os negocios eccleiiasti-
cos, tinto quanto isso fosse possivel, de um
modocouToruieregra dos sagrados cno-
nes, u de curar as feridas feitas a osla igreja.
lie por isso que de,os de nos ter assegu-
rado de qua certas condicioes e garantas
importantes e principies, propostss ao
principio por nos, tiuhSo sido adoptadas
com promessa do serera observadas con-
doscoodendo alegre com as instancias de
no-vi milito .iiin.l i lillia em Jozus Christo,
iliiii Izabel, enviamos como sabis, muni-
do dos po lores e Jas nslrusOesnecessanss,
o nosso veneravel irmKo Joflo, arccblspo
do Tbessalonics, alim de exorcor junto de
S. MagesladeCitholicaas funccOes, primei-
i-.. ni -ni'! do delegado apostlico, a nuil tor-
ito o denuncio desta Santa S, a (i ai de
tratar com o maior unid ido a do concluir
os negocios ecclesiasticos daquelle reino.
llaveis do estar lembrados, vonoraveis,
11 -nio.-, quo tullamos sobro ludo a peito,
prover de pastores legtimos as igrejas da-
quelle reino 13o miseravelm^nte viuvas b-
tanlos annos, de bis. os dignos de rege -las,
o que por urna prolocSo parliculir do Heos
o pelos cuidados do nossa muilo amada it-
Ilia ora Jezu-Cnristo tivumos o prazur do
uttingiroste iai tao desejado. Hoja poje-
mos iul'onr.ar-vos do que os esforfos q"8
lizemos para regular os outros negocios ec-
clasiasticos o sagrado* daquelle reino nao
Os convivas un..... com cuello cessado de
oceupar-sc de Ghcruim para fallar de inada-
meseiia Marte em um oulro papel; o nouic da
celebreartista levou a conversaco para alguns
disturbios rpcentemenic causados na pl!1* da
Comedia Frauceza, por causa dos rainilhetcs
de violetas que inadameselle Marte trazia, ha
algum lempo; rainilhetes enlo considerados
como emblemas sediciosos. Uestes disturbios
de theatro passou-se logo a fallar de disturbios
mala serios, que tiobain, ha pouco, rebentado
no Mel din da Franca. A este proposito urna
conversaco se Iravou entre Mr. de la Busslcre
e um tai Mr. Descombes, procurador do rci em
Paria. O rosto bilioso, as grossas sobrancelhas
pretas, oar quast sinlstro acsle magistrado i-
carain-me at boje presentes ao espirito.
A' noticia destes disturbios annuuciada por
Mr. Descombes, Mr. de la llusslrc respondeu:
- Felizmente no Meiodianossosbravos ami-
gos catholicosc realistas e|to ein grande 111,110-
n.i; elles debellaram fcilmente o puohado
de ilonapartistas que se agitou ein sua-lmpo-
tencla
Se nao bouvcsseaeno Booapartistas, res-
pondeu Mr. Descombes, o negocio seria menos
grave 1 mas os protestantes se remexein, exis-
u-iii sempic nesta maldita raca um velbo fer-
mento revolucionario ; por isso vou espantar-
vos dizendo-vos que em Uzus viram-se bonets
verineibos, e que ahi, cousa enorme, inaudita!
al se gritou 1 Viva a repblica.'
Sao un..fia veis a quem se deve dar pri-
meramente bauhos, depois chicote, respondeu
rindo-sc Mr. de l.ussicre, se esle remedio nao
os curar, enlo se Ibes admlnlstraro algumas
oncas de chumbo no inlollo. Ura jacobino
(pois smenie um jacobino pode boje gritar:
Viva a repblica! ) he um animal furioso ou
damnado. Repito, chumbo ou banhos.
Upponho-inc com todas as minbas l'orcaa
ao expediente do chumbo, porque nao quero a
mor le do peccadur, dlsse minha av ; mas ein
rigor volara pelos banhos.
_ Euto, senhora, banhos de azeite ferven-
do..,. disse um engranado que fez rir inulto a
companhla.
_ Pela minha parle, disse outro, um jacobl-
00 produi sempre sobre iniu o efltlo de um
inouslro uascldo dcuiu tigre c de utna loba....
-- Porque nao de nina jacobina, accrescen-
lou alguein, poli tcm havido dcssasborrlvcis
uiulhcrel.
' Eulo chamciuo-Us.. fnicas republica-
nas, se Isso vos agrad-i, diste outro conviva, mal
pelo amor de Dcos nao blaaphemeis o uome de
inuiticr, dando-o a tao abomlnavcis crealuras...
I.anfaudo por accaso ncsle momento os olhos
sobre Ravmuiido; elle pareceu-mc inui palu-
do ; elle mili 1 os olhos baixos, uao coima, e o
que Ihe liaba sido servido, eslava intacto sobre
seu prato. Eu nao del importancia a esla ob-
servaco, peusei que Joo se achava lalves ciu-
baraeadorte vi-se em tobnlhaute coiupanlua.
A conversa9o conlinuou pordiante.
Asseguru-lhe, Sr., respondeu gravemen-
te Mr. tiescombes.ique o que le digo be serio,
mu serio. Esle abomlnavel partido revolucio-
nario, que lodos criam allogndo 110 sangue que
dciramou, toma hoje a mascara do ^bonapar-
iismo para desviar e sublevar as populacdes.
Alguns desses tigres sdenlos de malricas, le-
vjiii a audacia al ao pouto de arvorar franca-
mente seu terrivet estandarte, bem comu ac-
conteceu eip tlzs, oude se atreverain a gritar:
Viva a repblica I Felizmente, como dlsse este
charo Mr. de la Uussiere, uossos amigos l
esto.
Sem coutar, accresccotou oulro conviva,
com as bravas Iropas de nossos charos afilados,
que acabarain com os salteadorca de la Loire,
n,n obstante seren inulto mais dilticeis de aba-
ter que um puohado de jacobinos.
Sem duvida, respondeu Mr. Descombes,
temos forca bstanle; mas coovin que uo
adorinecamos, pota uossos ciemos inimigoi vcl-
loiii; um ceno Godofi'edo, rcpublicauo fu
rioso....
A este nomc, vi Joo Itayinun Jo sobre o qual
laucei novamenlc os olhos, inquieto por sua
pallldcz, vl-odlgo corar extremamente.
Godolrcdol pcrgunlou um dos couvivas
Godofredo, o amigo convenclouallstal* o lua-
me hypocrila que aH'eclava lana mansido .'
Cuinpre confessar, arriscou-ie a dizer um
dos convivas, cumpre coufeasar que incsino
debaixo do reiuado do Terror clUram-scadiui*
raveis rasgos de clciueucia e de geuerosidac
do couveucionalista Godoficdo e de seu cunha-
do, u....
-- lufainc hypocrisla: cxclamou Mr. Dos-
combes iutcrroiupCndo o conviva com azedu-
ine; o chacal se mascarava cm cordelro para
inellior apauhara preza.
Deixe-se d3So, meu charo Mr. Descombes,
dlsse minha ovo ; creamos no bem scui Ihe
procurannos segundas lencoes: be lo fcil e
lo aggradavel crcr no bem....
\ 11'. senbora, respondeu o magistrado,
n
tem sido esteris, e quo devemos isto prin- o bem da religiilo, nao so 101 ajustado, que
Cipalmenlo benevolencia do nossa muito toda le, ordenanca. decreto contrario a
amada filhaem Jezu-Cnristo o ao dezej > presente convencito serta retirado ou abro-
qito ella tara do promover o bem da rel- gado, sonSo muda foi estipulado quo em
giSo. opois de longas negociarles entre ludo o que pertencasso aos nogocios opos-
nsea rainha cilbolica. urna convuncao foi Isoas ecclosiastcos do quo so nJo laz men-
assigna la polos plenipotenciarios das duas -lo nesta convoncSo, so devora conformar
gna la pelos plonipolenc
partes; era nosso noma, por nosso vonera-
vel irmto o arcebispo de Tessalonica ; ora
nomi da rainha, polo seu ministro dos 110-
gocios estrangeiros, nosso querido limo, o
noli," Ero. B 'sUan do Lys. Ksta conven^ao
ratifica la pela rainha, o fui por nos depois
de tormos ouiido os nossos veneraveis ir-
mlos os carduaes da congregarlo para os
negocios ecclpsiasticoj extraordinarios,
Ordonaoms que ella vos soja communicada
Com a corta apostlica pela qual a confir-
mamos, afim do qie toabais pleno o claro
conhocimento do todo o negocio.
0 grande obj^clo de vossas procuracoos
he assegurar a intogridadu do nossa sintis-
sima roligio, o prover s necossidades es-
pirituaes da igreja.
Ora vos veris que na convenci suoraci-
tada toniuii -e por base esle principio que
a religin com todos os direitos de quo goza
em viriudedesua inslituicio divina o das
regrw estabelecidas pelos sagrados cao-
nes, devacomo oulr'ora, ser exclusivamen-
te dominante naquelle reino, da tal sorle
3ue toJo ootro culto ser bmido e prohib-
o alli. Est por conseguinle estaboilecido
3iu o molo da educar e de instruir a moci-
ade cm lodi a universidadu, collegio ou se-
minario, ora toda a encola publica uu par-
ticular, ser plenamente conforme com a
doctrina da religiao calholica
Os bispos e os cheles das diocezrs que em
virtude da seu cargo, silo obrigados a pro-
teger apureza do ensino calholico, a propa-
garlo, a vallar para que a mocidado recoba
urna educarn chrisU, n3o acli uno uenhum
obstculo no comprimeuto destes devores;
elles podero, sera encontrar o menor om-
pediraento, exercor a vigilancia a mais al-
lenciosa sobro as escolas mesmo publicas,
e preliencnerlivromenle sai misso do ptl-
toros.
Trabalbamos com a mosraa sollic.lulu,
era assegurar a digni lado e a liberJade do
poler ecclesiastico. Concordou-so om que
nao smente os sgralos pastores gozsriam
da plenilule de seu polor no exoicicio da
jurisdiQaoopiscoial alira do proieger elli-
cazmentea fcatholici ea disciplina occla-
siastica, de consjrvar no povo c'iiistao a
pureza dos noslumes, do procurar aos Din-
cobos, priiicipalinonlo aquollosquo sao cha-
mados para sor a partilha do Suulior, umi
inleiraraento com o que determinara os sa-
grados cationes o a disciplina bojo om vigor
naigroja.
N.lo nos decui lamos dos inturesses tmpo-
ra es da igreja, pelo contrario emproguamos
toda nossa solcitudo ora manlor enorgica-
menta seu direito j era adquirir, j am
possuir bens a randas do to la nat jr.'zs, d-
reilos quo allustam, que proclaraam, qua
demonstran! os actos iuumeravois los con-
cilla, os preceitoa e as aCQOea dos santos
padres cas conliluicOJS de nossos predi-
cessors. 0\al quizesse Dos quo por toda
a parte o semp.'e os bens consagrados a
Dos o a sua igreja fossem conservados in-
volavcis o qua os homans rons-rvassom pa-
ra elles o respailo que lhos bu devi lo No
loriamos du lamentar tantos males o cali-
mi.lades dto,loogenero,asqu ignora que lan;ara:ii sobro a propria socie-
dale civil essas iniquas o' s.icrilo liarjes das cousas c dos bens ecclesiisticos
as quaes abrirsm caininlio aos funestos er-
ros do socialismo e do eommunismo, Vos
acharis por tanto cstabuleci loo conlirma-
do na nova convenci o direito da igreja
para adquirir novas possesses ; est alera
disto estipulado que a respeito dos bens do
quo ella goza OU que ella po lera adquirir
daqui era diantu ,a ignyi conservara para
seinpro a propriedado ioleira e iuviolavel,
u quanto aos bens quo nao foram anida ven-
didos, que Ibes aoro restituidos sem demo-
ra. Todava, sabendo nos por toslemuuhas
graves o dignas de f, qua alguns dos bous
oiud no alienados cahiram ora um Uo
miservel estado, oe.n ama lo 011'rosa ad-
ministrarlo que Tora vanlajolo para a igieja
consentir era que MjBo alienados e trocar
o valor c 1111 ron las sobro o estado, |ulgamos
dover Oonsentir neill permuta mas cora es-
ta i- ni I;,_ i-.i do que as reodas dadas em ro-
tiiliuiso uo p iderio jamis ser emprega-
disein nenliu 11 oulro uso, o uslu coii.seiiii-
nento nao o temos da lo suuo para os bous
cuja restituidlo igreja foi olToctuada.
Tomos domis disto cmpregaJo lo los os
muilo querido (llho em Jesu-GhHtrto, Leo-
poHo II, grSo duque de Toscsni e duquo
de Locca, levado pela piedade que o des-
tingue, deseja quo as leis em vigor em Tos-
cniB osti'jain em harmona com as luis ec-
clesiasticas. Elle nos podio, portanto, que
nosoecupassemos com esta objecto. Este
principe tSo religioso, lendo resolvido con-
cluir para o futuro com a Santa S apost-
lica urna convengo ampia, destinada a re-
gular nos estados quo lho silo sujeitos o go-
vorno e a ad nini-li-acoo dos negocios eccle-
sia'licos, coiiliimos q e nosso "muito que-
rido (libo cm J-su-Christo se apressar em
concluir, com clTuito, conformo nossos de-
sejos, urna conven^So sorftclbante. Foi
uor isto que, por cunseltio da nossos vene-
raveis iriiiSoa os carle.aea da agrada con-
greg->(3o para os negocios ocelesiasticos
extraordinarios, ulgunsartigos foram redo-
gidos e adaptados puloscardeaes desla cou-
grugacS 1 1' ralilir.idos depois por nos c pelo
linio duquo. Csiipulou-se nos ditos artigos
entre oulras cous diz respeilo ao exorcicio da seu ministerio,
gozarao de urna plena e ioleira llberdade;
que lerSo o direito do consura sobre os es-
cnptos e sobre os livrof que tratarem de re-
ligiao ; quo exerceiSo livremenle sua pro-
pria juna lelo episcopal alim da alistar dos
i-is toda leitura pengosa ou para a f ou
para os costuines; que cada um poder
livromento coumunicar com este cadeira
centro da verdale catholica e da uniiade,
e qua todas as causas espirituaes e ecle-
sisticas serSo nica o exclusivamente sub
incluios, essim como queremos sintos ca-
linos, ao juizo do 1 I -i- sagrado.
Tambera sentimos um grande conlonta-
menln ao receber de nosso muito querido
fllhu cm Jesu-Christo a promessa e a ss.i-
ura-ici de qoo dar tola sua solicitud", "
quo empregara tolo seu poder em defender
nossa sanlissima religild, em proteger o
culto divino, ora oromovar a pureza dos
costuraos e era garantir com seu poderoso
apo'o aos sagrados pastores a liberdada a
mais comploi no exercicio de sua auton-
dade ci>iscopal. Couliaraos quo, co n o au-
xilio divino as cousas qoo temos ohtiJo
h5o do ser uteis igreja, consid:r.indo
principilraenlo qoo aquellas que al ao
prusoulo eitorvuvam sua liberdada toom si-
do completamente destruidas.
Conclu mis dizendo-vos quo nos temos
meios para quo os bispos, os captulos, as app||c.lJo em re^bde-cur os negocios da
p.-incliiis e M seminarios gozein -e^rendis rc 1 sgt1 o calholica em um paiz longinquo,
o quo temos timbera grande esperanza de
concluir all umi convenci, a qual con-
formo nossos c vossos desujos, sera propria
para g.ranlir as piorogativas o para asse-
OOOvenientea c seguras. Estas rendas, as-
sgindas igreja co'.n titulo perpetuo, se-
rio duixidas a sin livio alministrafao.
Todo islocerlainente nao so polo comparar
boa eJucaglo, docoraprir ora urna talavra, : coln a antiga riquezi do clero bcspaiihol, gl|rar a prosiierUado da igreja. D^sejaria-
todos os devores do sou ministerio ; senilo 19 par fiauia j, ,ii|]culdado dos lempos, ,nos a^j^Htoracnle que um tal examplo fos-
ainda convencionou-se que as autoridades 1 ellas sao muito inferiores s que tiveramos se muijjo ora lodos os paizcs reinlos, cu-
eivisdeverSo ora toda a occasin emponliar-1 desejado. Porra sabemos qual lio a roli- ,.l ,,unularijci ornamos teamente no Se-
so era fazer tributar a autoadado ecolcsias- IgiSo o a piedade do clero da llespanha -. lio n(,or' (,, ,( .,,. n.u os miles tilo gravos
lio a honra, a obediencia o lospeilo qnot p,r ),. ,|U0 n-, uuvulaoxos bsolulamenle ei.-tl ,uIijm|cos qua ein alguns destes
ihe sao devdos. Accruscentoraos quo a H que, iesiguaodo-so com a ventada lo Dos pal/eS',"rincipalmoiile, allligeni e opprimem
lustra rainha osou govurno oromettera sus- !0 trab.lhando cada vez mais alim du enri-jf .. imniaculada do Cnrislo.
entarco n seu podor, e defender os bispos,
quandoo seu dever osobrigara reprimir
maidado ea oppor-se audacia dessos ho-
mensque procuram perverter os espirites
dos liis ou corromper seus coslumes, ou
quando elles devoreu lomar medidas alira
de apartar de Jseus rebinhose extirpar del-
les a peste dos maos livros.
Una nova circomscrp?o doocesamsdo
reiuo de Hespauha eia considerada como
polendo sera fouto de ura maior bem es-
piritual para os liis; foi por isso quo cora
nos, 1 autoridade o com o consentimenlo da
rainha, emprehondemos trara la, o publica-
romos a este respeilo cartas apostlicos,
quanuo tudo o quo Um referencia ao com-
prmanlo desto trabalha, estiver discutido o
concluido.
011 mo s comnodidades religiosas luj
uteis igreja o ao Est ido quando So man-
illas 11a disciplina du dever o regula monto
govornados, no doixtmos, tanto quanto
nos foi possivel, do poras Ordens regulares
em Miooco 1 ; 'i --ni conservad is, rosli-
belecidas o multiplicadas. .Na vor.l).lo a
liodade tradicional da raiulii, nossa quaii
da IMI1.1 em Jesu-Chiisto, e o mar pira com
a religino que he o carador destiuclivo da
na^ilo nuspanbola, nos d.lo a consolarlo du
esperar que as Ordens religiosas loiuarao
a adquirir entro csso povo, a cousileracu
de quo gozuvaiii oulr'ora o olcniQarao sou
anligo esplendor.
Assim pois duque nada podesse prejudicir
quecer-so de to las as virtudes, ello nao ap-
pliqua todas as suas (breas era cultivar com
umi industria acora uji ardor mais vivo,
Lboriosarauuls o cora ronsciencu a vinliu
doSiulijr, tanto m.iis quanto om virlulo
dilibordido garantida igreja pela nova
convenci, ello esta folizmeute livro dos
obsticulos que o.nbaraijavam d'autos o mi-
uistorio sagrado; o quo lho he por consc-
guinte mais fcil despertar e conciliar a
obediencia, o amor e a vencracilo dos po-
vos. Finalmente calando estipulado o ga-
rant lo o direito pleno o inleiro do adqui-
rir, as igrejas hespanoolaa team una es-
trada abulta para chugar pose do rendas
Daisconsideravols oque Ibes forne^am o
111 -mi de prover com mais decencia ao cuito
divino e assegurar aos mombros o Cloro
ura trotainento mais conveniente. Conta-
mos tambera para lompos molhores, com
a munilicencia real do OOMI mullo quori la
billa om Jcsu-Christ 1, co.n os cuidados do
s.'U govoruo, o com o amor a a vcnerafo
que consagra a reiigiSo a no liospanlio-
la. Por tudo isto qua vos dimos a conlie-
cer rpidamente, coraprebm ioois, caros
irmJos, c.;ni quo cuidado nos tomos oppli-
cido a restabelecer os tigocios ecclesiasli-
cosdalluspanii, oquil lio uossa esperau-
ja de ver uosse bollo reino, cora o auxilio
de 11 ios, a igreja calholica e sua doutrina
salutar cresoer, augmentar o florusc:r cida
ilia pir um maravilDOSO progivsso.
Agua vos Taremos BOOllOCer quo nosso
podemos adoptar um tal optiinisnio, principal- abtlba uicstra do duque de Olraulo ; pois de-
mele a respeilo desse Godofredo. Vine, vai baixo do imperio o Sr. duque scrvio-se lo aJ-
ver porque. uiiravclincnle desle misteriosos meios, em
Vejamos, meu charo Mr. Descombes, dis- duas ou lies cire.nnstincias que no Ultimo mo-
le minha avd, explique-nos lllo, pois declaro- ; ment revel.indo-sc ,is pessois preaas por quem
ihe que lembro- do quanto se passou ha quinte anuos. execuladas sem querer dar crcdilo a esta rev-
rsenos tristes lempos da revolufo eu ouvl laca j, lauto ella Ibes pareca absurda, impos-
dizeroinaior bem desle coovencioualista Go- sivel!
dofredo. Urna mulher que se diriga a elle cm 1 Mas, Sr., saiba que pelo menos he muilo
nonie deum irmo, dciiui lillio ou de umes- espauloio isso que Vine, diz, rctpondeu uina
poso, era sempre esculada. Iinulhari agente acaba.ia por nao crer-se sc-
Repito Ihe, senhora, hypocrisia, pura hy. guia ncm mesmo no nielo de scus amigos,
pocrisia. EsteCodofrcdo escapara fugiudo de- Ter ob.ervadu.es entre seus amigos tnti-
pois de D de Ibermidor ao supplicio que espe- .11101, respondeu Mr. Descombes, be a menor
rava os sceleratos leus collegas; elle esleve re-;das cousas. 8. ESO. O ministro da polica, re-
fugiado muitos annos nos Estado! Unidos; mas pilo-llics, senhoras, le 01 meius mullo mais en-
ufi'im meme desembarcando em Brdeos, di- geuhosos do que cales! por isso Iranquilli-
rigio-sc ao Meio dia, onde linhl oulr'ora nu- zem-se, cedo ou Urde todos os iniseraveis de
lucrosas relacoes revolucionarias c alli excllou que fallamos cabiro debaixo da espada da jul-
os protestantes e os Ilonapartistas, ecrcndoo tica.
momento opporluno, tenlou um inovimenlo -- Ah: mcus amigos, respondeu trisleraen-
rcpublicano.felltmentelogosull'ocado ; depois lo minha avo, sempre prises. sempre con-
dissueiie Godofredo foi preso e condeiunado.i demnacocs! sempre discordias civis! enlrc-
morle por um de nonos iribunaesprebostacs lano cu esperava Unto ver reuasccr a pai, a
Vto-sc nunca um bandido mais audaz alegra, a velna alacndadc franceza com a volta
esclamou uina voz. Me nossos bons reis. Quando enlo cessaro
Oque he allictivo, disse Mr Descombes, estas tristes prisdes 7
he que esto miseravel Godofredo consegulo es- Ellas cessaro, senbora, quando o ulti-
capar-se da prisao ; cr4-se que anda vagabun- 1110 revolucionario liver subido ao cadafalso,
do pelas inontanhas do Vivarais freule de un disse Mr. Descombes bebendo leutiineuic um
puiiii.nlo de salteadores ; mas nao poder csca- copo de vinho velbo.
par, espero em Dcos, suili^encias que se fa- A conversaco foi repentinamente nterroin-
zem para o prender, porquanlo he um liomciu pida por lunilla tia que collocada cm frente de
dos mais ncrioosos or sua audacia, por sua sua lillia Julia, cxclamou assustada :
energa c por sua inlelligencia. Jess I.... Julia.,., quo leus, miaba lidia, uua pergunta. Tu me desculparas com luaavo,
tispero que se le conseguir agarrar este que te vejojtoda lacrimosa?.... dizeiido-lhe que vergonhoso do miubailouca
scelerato, nao se usar com elle de geucrosida- Perdoi, miziiiha... a culpa nao bu n,- iiidisp-i^ao, nao ouiei tornar a apparecer dian-
de mal a proposito. nha, respondeu inlulia priminlia Julia cuxu- le do sua souiedadc,... Afleos.
-Ubi oh! Ilquc u anquillo, senhora, disse gando os olhos e aponlando para J0.10 Kay- -- Como! queres ir-le.,. nao <;'"''''n,**---
Mr. Descombes sorrindo, a palavra clemencia mundo seuudo jumo dclla, c que mui paludo 'fcspcro o carro As novo horas para levar-nos ao
est feliziucute rlscada do dicciouario dos Iri- lioha a cabee balxa: eu grossas lagrimis .Sania, barbara.
bunaesprebostacs; gracas a Dos, nao nos fat- caliircm dos olhos desle Sr. sobre o prato;....] Obrigado, remando, picnro ir me a pe ,
Um liiformacoes, demais a Providencia nos enlo, nao sei porque.... mas vcudo chorar ojlsto me fara bem....
tem dolado deum ministro da polica que nao amigo de lia) inundo.... Uve tambera volitado I Enlo vou Umi'em com ligo.
lem igual no mundo a respeilo das invcncOes. de chorar. I Hlo, eiite eupplico. _. _.^.-----
As senhoras ticariam pasmadla se soubessein To ios os olhos sovollaram enlo para Julia! Uigo qiievou-mc comligo. ua-mc tmen-
os esforcos de sua cxcclleucia.... eu deveria di- e para JoJo Rayinundo Mullo loqulaio, levan-1 le o lempo de ir despedir me Uc miiina avo/
zcr seus prodigios ; ,ij senhoras nao me ere- cei-me de meu lugar c corr para meu amigo, I lgo-lc, l'ei naudo, que uesejo irme so,
rlaui te eu Ihcsdlisesse os melos inaravilhoso, entretanto que miiibi av dlria a Joo com jrcspoudcu Joao com pxui 10111 fle lot uo reso-
inaudilos que poe em obra para obter cenas cinoco : luto que nao insist mais. tile apreseulou-mc
lofuruiacoes.... delicadas, mui delicadas... Oh; Meu pobre lilho, que lem.' porque raiaoja mao airectuosamenta c sahio com prccipl-
scnborai se soubessem que Initrumeutos elle choras assim ? Jtaco.
faz obrar: inslrumcolos at aqu desgrasada- Nao he nada, tenhora, balbuciou Joao;l
menlc'inui despresados, excepto todava pcli peco-lhe que me perdoc. ..; mas... Icnho uina,
po.
Ador quo i>or isto seniiuios lie grande
porra nao podemos axiaiir-nos o prazer
ilu felicilarmos o de |uuvarmos nossos ve-
neraveis irmfiOS, os quaes collocados em
urna siluaco lo deploravel, n 1 defen-
dem menos cora lodo o ardor e com toda a
lirnieza do zelo pastoral, a ciusa da igreja,
sustonlaudo s.-us direilos intrpidamente,
o vellando com soliciludo na salvasSo do
seu rebanho.
Taessdo, venuravuis ir.uis, asialavras
quo julgaraos dover diriir-vos boje. Toda
va uo descincemos jamis, era do dia
nc.n de noito, cora ura coraba i humilde,
com uina le sincera, u 1111 espera 115a certa
a uma candada rdeme, em fazer clemen-
cia do pai da* mi- incordias continuas sup-
plicis, alira daqui sua mo omnipotento
que man la aos vuiitos o aos maros, tiro sua
santa igreja do seio das tempesta ios, e fava
brilhar sobre ello o da de um novo trium-
pho.
; Journal dos Defins.)
PERNAMBUCO
ELEigES l'ilOVI.NCIAES.
Eleiflo do calle'jio da Olinda.
O srs. votos.
Dr.JosQdinliuo do Castro LeSo 32
lir. J.is Cardozo de Queiruz l'onseca 3J
Dr. Manuel Joaquim Garneiro da Cunbj 3
l)r. Jos Itodrigues do Passo Jnior 10
dor do cibecu lio graudc, una dor lo viva....
que nao puue delsar de chorar,..,
- femando, disse-uic ininha av, leva teu
amigo para lomar um pouco de 11 fresco, que
eu irei ter comligo sem demora.
.vi.o da sala de jniiii- com Joao, e levei-o pa-
ra o jirdim. Apeuas elle ah chegou, apertou
a .- .0 i entre a duas mos c cxclamou:
Oh! quauto lenbo BofTrido.... Meu Dos I
I u 111 lu IrnOn soUVidol...
Eu o creio, disse-lhc eu cada vez mais pe-
saroso. Eu o creio, Joo.. porque lucho ral*
le.... mas nao era la dor de cabeca que te ,11 -
raiieava lagrimas, conheco que l duro para o
sulli-imcuto, pnanlo nocrcio nlsso; peco-lc
pois que me digas o quo leus.
J'o .nli.nl para inim com uma exprcsso de
surpreza amarga.
- o i|iie teniio : cxclamou elle; tu m'o per-
guulai'.'
Sun, diiic-lbc cu com toda a ainceridade.
Itayiniiudo cousiderou-me silencioso por um
uioineulo, e depois eslendendo-me a mo e dil-
se-ine:
He verdade.... lu nao podes aaber.... tu
nao podeste comprebeoder quanto me alHIgia
o que eu eslava ouviudo I
-1 Oqueeilavii ouviudo? disse-lhc eu pro-
curando recordar-mc da conversaco do jamar;
e nao-vendo nella nada que podesse motivar a
dolorosa luipressao de Joo accreicentei: Eo
que l'ui que se disse ao jaular que podesse cau-
sar- t tanta alllicco?
-- Fernando, toruemos a entrar, o ar me
lem allivitdo, disse Joo sem responder a mi-
lyinfinaar-x-lui.,
MUTILADO
ILEGVEL


I I
l'rofossor S Manriques de Albuquerque 9
Dr. Jlo Francisco di Silva Braga 17
Cunselbeiro A. I'. Maciel Monloiro 15
Dr. M. Carneiro Lina do Albuquerque 85
Dr. F. A. de Oliveira Maciel 5
CapilSo Hanoel Antonio Martins P. B4
Dr. Joaquim Villcla de'C. Tavares 23
Dr. I. P. M. Portella B3
Dr. Lourenco Bezerra Carnelro da C. 83
Dr. Minoel Jos da Silva Meiva -'-
Dr. Antonio Epamitiondat de Mello 9i
Dr. Marcos C. da Cmara Tamarindo 21
Dr. JoBo Lina Cavalcantt de A. 31
Dr. A. J. de Figoeredo Seabra 80
Dr. P. F. de Paul C. de Albuquerque 80
Dr. Joaquim ConoalVet Uai >
Dr. M. j. de Miranda Lobo 80
Dr. JoaFelippedeS. LeSo 19
Deeembargador J. M. Figueira de Mello 19
Augusto Frederico de oliveira 19
Francisco Kaphael de Mello Reg 18
Jos Pedro da Silva 17
Dr. Francisco JoBo Carneiro da Cuune 17
Dr. JOSO Jos Ferrelra de Aguiar 16
Dr. Cyprieno Fenellon C A. 16
Dr. A. Juslioiano da Silva Guiarles 15
Major A. J. de Oliveira 15
Dr. Francisco Rodrigues Sete 1*
Dr. Francisco Xavier Paes Brrelo 1*
r, M. de A. Machado 14
Dr. Ignacio Joaquim de Souza Lefio 14
Dr. Pedro Gaudiano de Ralis e Silva 13
UmbelmoCuodes de Mello 13
Padre Vioente Forreira de Siqoeira V. 13
Dr Jos Mara Moscozoda Velga l'ossoa 13
Dr. Joaquim Hanoel Vioira de Mello 13
Dr. JoSo PdUlo UeMiranda 13
Dr. Alvaro Uarbalho Ucha Cavalcanti 18
Dr. Manoel Firmino de Mello 12
Dr. Francisco de I*. Baplista 18
Padre.Joaquim Pinto de Campos
Dr. Jos Francisco da Costa Comes
Dr. Lourengo Avelino de A.
Dr. L. V. de A. Catanho
EscrivSo F. C. de Brillo
Dr. Francisco do llego Barros Brrelo
r. M. K. de Paul C. de A.
Bernardo Jos da Cmara 10
Dr. Jernimo Vilelu de Castro Tavare 10
Antonio dos Santos S C. Jnior 10
Coronel B-nlo Jos Lcmenha 1.1 ns 10
Dr. Joaquim J. Nunes da Cunha Machado 10
Dr. Jlo Francisco da Silva Braga 10
Dr. Joa Francisco da Costa Gome 10
Dr. Cosme de S Partir 10
Domingos Malaquias de A. P. Ferreira 10
Dr. Angelo Henrique da Silva 9
BarSo de Capibanbc 9
Dr. Aiil mo Epaminondaa de Mello 8
Dr. Maooel Mendos da Cunta Azevedo 6
Dr. Umbelino Ferrelra Caito 5
Dr. Pedro Gaudiano de Ratea e Silva 4
l'rofessor Salvador Henrique de A. 4
Vigario Nemezio de S. JoBo Gualberto 4
Dr. Filippe Carneiro -",'^linda Campello 3
Dr. JoSo Francisco ...ruda 3
Antonio Maria O'Conell Jersey 3
Antonio Jos de Oliveira a
Dr. Anselmo Francisco Pirete 9
Major JoSo Valenlim Vilella 9
Dr. Jos Raymundo da Costa Meaezei 9
Padre Joaquim Pinto de Campos 3
Jos Joaquim Reg Barros
Jos Pacheco de Moraes A. MaranhSo
JURY DO KECIFE.
' SESSA ORDINARIA, EM 10 DE DE
ZEMBRO DE 1851.
Presidencia do Sr. Dr. Neiva.
Prometer, o Sr. Dr. Abilio Jos Tavares da
Silva.
Xdvogado, o Sr. Dr. Joaquim Elvira de
Moraes Carvalho.
I en 1 a chamada acham se presentes 40
Srs. jurados.
O Sr. ['residente abro i scssSo.
Procede-seto sorleio doconsjlhoquelem
12 |dejulgarao io Antonio Pereira do Monte,
13 aecus 1 lo pelo criioe de offeusas physicas :
13 isaliomsort'odososSrs. : Ladislao Jos Fer-
13 reir, Jos FelippeNery da Silva, Joaquim
II Jos Vieira, Jos Pereira da Cunha, JoSo A
II | Cesar do An irade, Dr. JoSo Pedro Maduro
da Fonaec
aempre harmona entre as duas corpora-
COoa, oumprindo cada qual oaeu dever, e
obsequian lose mutuamente, apenas algum
guardifio no cometo de la administradlo
vacilava aobre a encommendacSo gratuita
daquellas irmfias, que, ou por seren don-
zelias, ou por leus prenles o quererem.vi-
nham em babitos da freirs Franciscanas;
ma i vista de rasOea alegada! pela irman-
dade, e quando multo por decisBo do reve-
rendo provincial, ou aou delegado.solviain-
se fcil ment essas du vidas.
Infelizmente, porm, de cerlo lempo es-
ta parte perdeu o convento toda a aua or-
dem o disciplina: relaxaram-se as regras
franciscanas ; aoabou-ae o refeitorio ; des-
appareceu o carcere ; e cada religioso ficou
desligado da obediencia regular, e na plena
liberdade de obrar como ihe aprouvesse.
Essb mltiplo incidente comecoua Influir
perniciosamente sobre os interesses da ir-
mandade do Divino Espirito Santo; e dahi
dalam as desiotelligeociae, que infelizmen-
te tem bavido entre ella e oa religiosos.
as vesperaa da resta deste anno, deola-
rou oreverendo guardiBo que nSo obstante
a obrigacfloem que eslava de fazsr a festa
pela esmola estipulada de 84/, elle a nSo
faria senlo por urna paga muito superior,
por laso que nSo lbe estando os religioso
2
nome Miguel Comea do Sacramento por un
siuescravo de nome Caelano, no sitio la-
goa di Canto lugar da imbrribeira, pola
simples desconliance de ter esse desgrar;i-
do ferido ou morto un boi que destrua
suas lavouras.' Quera foi Sr. Diniz o mora-
dor da lunra, quo a pesso de co raudou-
sa di noule para odil doengenho Matapa-
gipe, por motivos que a prudencia mnda-
me calar? A quem complela paternidade,
de lio illuatres faltos Sr. Diniz ? NBo sabe.'
poia eu Ihe digo quem he o tai hroe. He
um homem grande, de cabellos, semelhsn-
les a biqueiras de casa de palba velha, que
metido n'uma carJbeira. e de bonet afas-
hionable, inVolvido nuin sacco preto, que
o cobre at o joelhos, eoom r (fio garbo-
zo que parece ao entrar por eata cidade um
sultfio entrando em seu harem, vagando
certoa das pelas ruaa do Recife.
Agora Sr. Diniz, que Ihe dei a conhecer
o tal sugeito, faco-llio urna ultima pergun-
ta: poder um bomem, que sos vida nSo tem
sido senSo um complexo de actos, e accOes
laes desafiar, a quem tem urna vida toda
pura de Crimea! Oh, qua nlo; mil vezes nlo
Tenho concluido. Os documentos, qne of-
ferejo sbaixo transcriptos a toda luz con-
vencen!, que nflo tivea inleiativa, e noni
concorri directa ou inderectamenle, para
Clmeles especlaes de arrematado
1." A pintura da ponte da Boa-Vista se
lita de Oonformldade com o orcimen
Antonio Ferrei-a d'AnnunecS n.
Oeclaraces.
sujeitos por obediencia, a funcclonarlam acto, que o 8r. Diniz qualiflea, de per-
se a paga Ihes agradasse. seguicBo, pelo contrario veom todos, que o
Tendo a ir,mudado feito j os seus prepa-| mou procedimento, nestecaao, he todo ma-
r u vos, e convites, vio-se na alternativa de j nante do emprego que oceupo, eatdetar-
sujeilar-se as exigencias do reverendo guar- minado por ordem e que me tfabeaobri-
II Ua Fonaeo, Eduarte da (osla Oliveira, An-
Tenente-coronel JoSo do,iRego B. FalcSo II Ionio do Moraes Comes Forreira, Luiz de Pi-
Dr. Itolrigo Castor de A. MaranhSo loinho Borges, Manoel Paulo Quinlella, Jos
Teoenie-coronel A. Carneiro Machado R. 10 Marques da Costa Soares, Claudino do llego
diSo, ou de passarpelo dissabor de nfiofa-
zor festa : entrou-se pois em ajusto, e
por muito fivor contentou-se o meamo re-
verondo cun o duplo da esmola que Ihe era
devida. Esta escandalosa falta a um con-
trato solemne, revestido de todas as forma-
lidades logaes ; e o ter-se o reverendo guar-
diSo reservado para fazor aquella declara-
gacSo de cumprir. Cuuhecu Srs. redacto-
res, odesarranjo destas linhas; mas mes-
mo assim dignon-so dar-lhes puplicidade,
quo so nSo agradarem, pelo estilo, conven-
cern pelas verdades que" encerram. Affo-
gados4 de dezerpbro de i8bi. loayuim
Jos Bello.
-- llaver.do a eamara ^condecido, que
(So as vesperas da festa, eram j motivos Diniz Antonio de Moraes, estreitou a anliga
sullicicules para a irmandade rolirar-ae de passagem do rio Tigipi, com um paredSo
Dr. Antonio BaptistaCitirana
Jos Ignacio Soares de Macedo
Dr. JoSo llercano A. Maciel
Dr. Guilhermino C. M. Bacalho
Dr. Caetano Estelila Cavalcanti P.
Dr. J. C. A. V.deCuivara
Dr. J. d'AquIno Fouseca
Dr. V. Jusiiniano B. Cavalcanti
Dr. AUonso Peros de A. MaranhSo
Tenante-coronel Francisco Lope Lima
A-Idos S. deS. C.
Dr. C. Xavier Pereira de Brillo
Dr. Cosme de S Pereira
BarBo de Capibaribe
Dr. Joaquim de Souza liis
Dr. M. Archanjo da Silva Coala
Major JoSo V. Villela
Tooente-coronel Pacifico L. deS.
Manoel Carneiro de Souza Ltceida
Dr. JoSo de S. Res
Visconde doGoianna
Dr. Victoriano do S Albuquerque
Dr. a. F. P. de Carvalho
r. Francisco de S. Cirne
Vigario A. F. Gonfalves Cuimaraes
Dr. Domingos de S. I.eSo
Dr. Tliome F. M. de Castro
Coronel Francisco Jaciutho Pereira
Major Florencio Jos Carneiro Monteiro
Coronel F. Amonio de Barrse Silva
Dr. Florencio da S. C. do A.
Dr. Delfino Augusto C. d; A.
Dr. JoSo Francisco de Arruda FalcSo
Padre Joaqui.n F. Camello de Andrado
i)r. A. de V. M de Drumood
Commendador ll. Malaquias de A. P. F.
r. Jiuno Ayquo c Avullos Aoue li. 1.
r. Manoel de Souza Carcia
Dr. 1. Eduar .o Piua
J'adre JoSo Ca rislano do M 11 Jonja
l'rofessor A. P. ue Figueiredo
r. V. Jeronymo Wanlerley
Dr. Francisco Carlos BrandSo
r. F. de Salles Alvos Maciel
Padre M. do S. Lopes Cama
CapilSo do fragata C. A. de S. Filgueira
Manoel Coelho Cintra
Dr. ChristovSo Xavier Lopes
DeSo F. J. das Chagas
Dr. JoSo Vicente da Silva Costa
Dr. Anelo llenriques da Silva
Dr. Josc Raymunuo da C. Menezes
Dr. J. p Monteiro de Andrade
Major J. de C. A. Cavalcanti
Dr. A. J. Tavares da Silva
Jos Joaquim do Reg Barros
Dr. A. H. de Souza Bandeira
EscrivSo Francisco de Barros Correa
Dr. S. A. Mavignier
Dr. Hemeterio Jos V. da Silveira
E todos os niais senhoies oblivera
vol
10
10
10
10
10
10
10
10
9

9
8
8
8
8
7
6
6
6
6
5
5
!
5
4
4

4
4
4

4
4
3
3
3
j
3
3
2
2
9
2
.'
3
1
Lima.
Prestado o juramonlo do estylo,
O Sr. Vresidnti faz ao reo o seguinle
INTERROGATORIO.
Jatz: Como se cbama ?
Ho : Antonio Pereira do Monte.
luia: Porque se acha processado ?
leo : NSo sei porque.
Jhiz : Assislio a formscSo da culpa ?
Jtee A-.-i-.ti, slm senhor.
Jmis: Quem o processou ?
leo : NBo seidizer a V. S.
Jhi'x : Em casa de que autoridade com-
pareceu na formacSo da culpa ?
lien ; y, ire,-ue/.m de S. Jos, em casa
doSr. Ahlenla.
Jui'a: Fot entilo elle quem o processou?
Reo : Foi, siin, senhor.
Jvli: NBo disse, nem voce perguntou o
motivo porque o processavam ?
Reo : NSo, senhor.
Jui': Na noite de 16 de junho esteve
na ra das Agoas Verdes .'
Reo : Estive, sini senhor.
Jmis : Conhece a Jos Francisco i'ci-
xeira ?
Reo Conlicco, sim senhor.
Jm/z : i.ne.r ir,iii-n nessa noite na rus
das Agoas Verdes?
Reo : NSo, senhor.
Juis : Porque deu-lhe nessa noite?
Reo : NSo fui eu que Ihe dei, nao se-
nhor.
Suii: Soubo que elle apanhou ?
Rea : Ou vi izer, sim senhor.
Jefa : lamban) Ihe disseram quem Ihe
Jera I*
Re
urna casa, em que a ordem eslava substi-
tuida pela desordem, a armona pela desin-
tolligencia ; mas a irmandade escrupulosa
em sua conducta, abafou o reclamo do pro-
pno direito; pagou, o calou-se. Depois des-
se facto entendeu anda o reverendo guar-
cliSo que de sua parle poJia tambero deso-
bedecer ao capitulo, e fallar aos ajustes por
elle celebrados ; o, pois nSo so se recusou a
encommondar os irmSos pobres, como at
fez queseguisse para o cemiterio um cada-
ver sen encommendafSo, apezar du o res-1
pectivo testamenteirs a ler. ajustado por
20/000 rs.
quo sobre o mcsuio oz, obrando assim con-
tra o disposto no art, 41, da le do primeiro
de oulubro de 1828, e infringindo adisposi-
?So do art. 7.' titulo 7. das posturas em vi-
gor, cumpre que Vmc. proceda contra o
mesmo infractor, alim de queseja aquel-
la servidSo publica restituida aoseu antigo
eslado. Pafo da Cmara municipal do Re-
cife, 3 de oulubro de 1851. Francisco An-
tonio de Oliveira, presideuto. JoBo Jos
Ferreira de Aguiar, secretario. 8r. fiscal,
Joaquim Jos Bello.
Illms. Srs. presidentes e vareadores da
cmara municipalDizem o bacharel Pedro
7 ditas di versea mereadoriai; a Jos An-
tonio Bistoa. 1. a pniiur ua pona ua Boa-Vista ser
15 barridas carnes salgadas, 108 cixinhas feita de oonformldade com o orjirenlu
ameias e 8 barricas nozas; a LuizJos da aprezentido nestl data a approvacJo do
Costa A mor ti. Exm..presidenU da provincia, na importan
acaixotei Impressoa a Miguel Jos Al- ca de 357,700 ra. "'
ves. I 9.' Sarja principiada esta obra no pr,,n
3 ditos chapese 1 oaxote doce a Anto- de 13 das, e concluida no de '69 das, con
nio l'ereira B>rge9 Pestaa. tando-se na forma dos arts. 31 e 32 da le
31 caixa equeijos, 100 barricas cal, lo provincial n. 286.
barrls'izflite de Oliveira, 5 pipas 10 meias 3.' A importancia desta obra ser pac.
vinagre, 100 canastra batatas, 500 mol los em umt s preslacSo quando o arrematan
ceblas; a Novaes Compaohia. lo livor concluida lo 11 a pintura.
10 gamelas cora branc.a I dita dita ama- 4" Para tudo o mais que nSo estivere*
rea t Jos Pereira da Conha. Ipecificado as prezentes clauzulas seguir
2 calas, 3fardos, 3 barricas, drogas di- se-hoque determina a le provincial n
versas; a Jos Siporlte. 286 de 17 do maio de 1851. '
1 caixa oleo d'alfaaema, 10 ditas lijollos I Conforme,
d'arearja Polycarpo Jos Layne. Osecretario.
1,500molhos ceblas; a Joaquim Pinto
Alvea.
90 barris carnes salgadas, 1 caixa doce;
a Francisco Confalves GulmarSes.
5 barricas ameodoas; a Joaquim Joa de
ArDorim.
400 molhos ceblas; ao CapilSo.
33bsrris carnes salgadas; a Manoel Ig-
nacio d'Oliveira.
icaxote, I peira aepulchral; a Francia
co de Paula Pires Ramos..
3 caixas drogas diversas; a Vianna Cu-
nba & Companbia.
101) barris cal; a J'oSo Henriquos da Silva.
48 ditos carnes salgadas, 31 barrica al-
piste ; a Maximiano vk Pinheiro.
2 caixoles diversas raercadorias; ao Dr.
JoSo Pedro Maduro da Fonseca.
50 barris cal; a Manoel Goncalvos da
Silva.
5 ditos azeite d'Oliveira, 8 ditos earnos
salgadas;a Albuquerque & Irmflo.
9ditosvinho;a Lino Jos de Castro A-
raujo.
1 caixolo chapeos, 1 dito cartilhas e pen-
les de marlim ; a Monloiro & IrmSo.
4 barris vinho, 5 ditos azeite ; a Carvalho
& Ir.1 .i".
lcaixolegraxa para calcado, 1 dito miu-
desas;a Bnulo Joaquim Cordeiro Lima.
1 dito conservas; a JoSo Maria Cardeiro
Lima.
SIL
0 vapor brasileiro S. Salva-
dor, commandante o primeiro
lente Antonio Carlos de Aie-
vedo Coutiubo, deve cheiar
dos portos do norle at 16 do crranle
seguir para Macelo, Baha e Rio de Janeiro
no da seguinte.
Pela 9." sessio da meza do consulado
provincial se annuncia, que no dia I.* de de-
zombro prximo vindouro, se principia a
contar os 30 dias para o pagamento a boca
do cofre da dcima dos predios orbanno
desta cidado, do primeiro semestre do anno
financeirodel85l 1853. e que lindo esta
prazo 1 n cor re ni tojos os que deixarem de
pagar.na inulta do 3 por 0(0 sob o valor de
seus dbitos, e serSo de prompto oxecu-
tados.
NSosonhor.
Juiz : Tuvealguma ilesavensa em outra
ccasiSo com esso Teix
teira ?
occasi
lli-'o : NSo senhor.
/te : FniTo eram sempre amigos P
Reo : Sim, senhor.
Ju;5 : Djpois quo elle npanlion, conti-
nuou a ter com elle relaces ?
Hco : Slm, senhor.
Juij : Conhece a JoSo Sicolo ?
Reo : Cnnheco, sim senhor.
Jui's: F.steve com ello essa noilo na
ra dasAgoas Verdes?
Reo : Estivo depois do harulho.
lufa : De que barulho falla ?
Reo : NSo sei dijer.
Ju; : EntSo JoSo NicolSo 0S0 Ihe con-
tou como fora esse barulho.
Reo : O povo he que fallava.
SSolidisas peQasdo processo e lindas as
allegacOespr c contra,
O ir. ['residente taz o rclalorio da causa e
Balotada por este procedimento a pacan-, Cauiiaoo de Ralis o Silva, D. Anna Joaquina
ciada irmandade, que prodiga para com os | "lo Nascimeoto Francisco Cavalcanti de
reverendos religiosos em toda sorte de at- Albuquerque, Miguel Rodrigues da Silva
lencoes, recebia por esse modo a mais inea- Cabral e Antonio Alvos Ferreira, proprieta-
perada retribuicSo, resolteu a mesa regodo- ros e rendeiros dos sitios denominados-
ra olhciar ao roverendo guardiSo, pedindo- AllemSo e Estivaque, havendo Diniz An-
ille houvesse de declarar se julgavaou nBo1 'onio do Moraes e Silva, proprielario do
em vigor o supradito contrato celebrado emeogonho Pago da Ibura, construido no rio
1838, e se eslava disposto a cumprir os de-! Tigipi dous paredOes de pedra ocal, em
veres contrados polo definitorio capilu- ] forma de comporta, para vanlagem parti-
lar; quando porm a mesa esporava urna cular do dito seu engenho, a qual obra,
resposla satisfactoria, ficou maravllenla por, obslruindo o rio, embaraca o transito das
ver que o reverendo guardiBo, quebrando canoas, principalmente das de cerlo porte
toda a fe de nossas relacea declarou que que sSo empregadasem conducSo de leona
nao cumpria as obnga0esdo contrato, e Para este mercado, de que os supplicantes
ale negou a existencia das mesmasemquan- fzem sua honesta subsistencia; veom os
lo a eucommendacOes! I Convocou-se en- supplicantos representar a esta lllm cama-
jao urna mesa conjunta, e perante el- ra quo semelhante comporta ou parndes
la compareceu o reverendo guardiSo deca- nSo podem nem devem alli permanecer,
raudo novamente que tai contrato nSo exis- porque, sendo o rio de navegacSo publica
lia ; sondo-lhe porm mostrado o proprio nSo pode ser esta embaraca la, ou dilllcul-
ongiiialcomasassignilurasdetoJososre- tada por conveniencias particulares, sondo
verendos padres capitulares, declarou for- que o primeiro dos supplicantes poucus
malinenio quo jamis o cumpriria. dias acabou de solTror o prejuizo de estar
A vista disto e da impossibilidade de for- demorada dous dias urna canoa sua que
mular-se novo contrato, visto como no te- vinha cheia de lenha para este mercado por
m 1
3 entrega ao conselho ossegulntes
COLLEGIO DO BREJO.
33 EUitorcs.
Dr. Antonio Baplista Gitirana
Dr. Bento Jos da Silva
Joro Pedro da Silva
Coronel Leonardo B. S Cavalcanle
Dr. Jos Rodrigues dos Passcs Jnior
r. Tlionu- Fernandes Madeira
r. Miguel Aichanjo da Silva Costa
Dr. JoSo Vicento da Silva Costa
Dr. JoSo Francisco Coelho Bitaucourt
Dr. Joaquim do Aquino Fondera
T. Coronel Jos Cutino de Medeiros
Dr. Caelano Xavier Pereira de Brito
iir, Antonio Francisco P. de Carvaiuo
Dr. Pedro Francisco de Paula C.
Dr. Aprigio J-istiniano da Silva G.
Antonio de Siqueira Cavalcanle J
'lenle Coronel JoSo do Rogo II. F.
Dr. Marcos Crrela da (amara T. 18
Dr. Simplicio Antonio Mavignier 18
Padre Miguel do Sacramento I. Cama 18
Dr. Florencio da Silveira Cavalcanle 17
Vigario geral Leonardo Antunes Meira 17
Desembsrgador J. M. F. de Mello 17
Dr. Rodrigo Castor de Albuqr. MaranhSo 16
Dr. Francisco Rodrigues Selle 16
Dr. JoSo llircanio Maci.-I 16
Manoel Coelho Cintra |g
Dr. Franciaeo de A-sis Oliveira Maciel 16
Dr.Vicente Jusiiniano Bizerra Cavalcanle 15
QUESITOS.
1." u ro Antonio Pereira do Monte pra-
ticou o facto de ter feito na pessoa de Jos
FranciscoTeixeira,as offeosaspbysicas men-
cionadas no libelloasfl. 39?
2." O ro praticou noiteoreferido factoi
3. Precedeu ajuste entre oreo e mitro
liudividuo para o tiro de prepetrsr-seo men-
1 cionado facto?
4 o llouvo da parte do ro superioiidade
em armas, de tnaneira qu o offendido uo
'pode defander-se com probabilidade do re-
pellir a offensa ?
5." Existem circuinalancias attenuantes
a favor do leo?
O jury respondeu quanlo ao 1.* e 2." sim,
por 7 votos; ao 3." nSo, por7 votos; e
quanlo eo 4. e 5 no por S votos.
O Sr. i'rcsulent: a vista da decisSo do jury
conlemnou o reo a 1 anno de firisSo sim-
ples e multa correspondente a melada do
lempo, grao mximo do art. 201 do dodigo
' criminal.
I.cvantuu-ss sessSo as 5 horas da tarde.
gravamos a que po lena ser compellida por senSo depois de dcscarregada qua'si toJa'
'^"^"".'^^""Wtouieriii l'oriauto, havendo desta maueira osuppli-
violoncias ao dire.lo da irmandade, se tras- cido contravindo as posturas municipaes,
ladassc o seu Divino padroeiro para a igreja requerom a Va. 8s. que se dignem mandar
doNossaSenhorada ConceisBo dos Milita- que sejam demolidos1 ditos paredOes e des-
res, quo coma melhor vontade se prestaram obstruido orto, condemnado osupplicado
a receoa-io. ] as panas quoem taesr/asoisBo merecidas.
Eis a resolu{So tomada pola mesa geral, ""'' a Vs- Ss- "es deliram como reque-
que dar sem duvida as vistas do publico ; rido leem- K K. M.Pedro Gaudiano de
mas devo ainda observar que mediando 30 I1''1* eSilv, Anna Joaquina do Naselmen-
diasentreainterpellacSoque a mesa fez ao lo Francisco Cavalcauti de Albuqnerque,
reverendo guardiSo, e e sessSo da mesa ge- Antonio Alves Ferreira.Miguel Rodrigues da
ral, lempo sulliciente paia darlugar al- '"l Csbral.
^sffld%^sdqaUUSp.a=JdaS ir^uZI .SW^S.^RSi SflLS
pelas suas Mohecidas virtudes evitara en- Vianna.- Barros Mamado P
volver-se nos negocios do convenio ; eou- Monteiro.-Ferreira. M8medo-Csn"!lro
iros carecem do necessario criterio para Informando. Illms Srr,-, k~_ .
comprebonder o proprio interesa ; enlen- ci.ao desp.cijo de V> S, lexTrido noS
deua.mandadeque deviasaluratodocus. rimento d" L^vT^^Z'ZC
2 barris carnes salgadas, 1 dilo vinagre;
a Ellas Baplista da Silva.
1 caixa merca lorias diverses; a Joaquim
Lopes da Costa Maia.
33 volumes mobilia usada o mais merca-
dorias, 1 canastra louga de cosinba ; ao r.
Jos Joiquim de Moraos Sarment.
1 caixa livros ; a JoSo Pinto de Lomos.
1 dita diversas mercaduras; a Moroira&
Fragoso.
1 caixa ferragens, 9 Jilas, 4 barricas, 4
fardos drogas diversas, 1 caixa prince; a
Vicente Jos do Brito.
Fra do manifest.
6 barricas amendois ; a Manoel Joaquim
llamse Silva.
50 barris cal; a Joaquim Pinto Alves.
2 aurrela vinagro, 1 chapeleira, 1 l'ras-
gueira, Scaixinhas, 2 saquinbos; a D. Leo-
nor Jorge.
1 lata encapada; a Joaquim Antonio dos
Santos Andrade.
Isaquinho igjiora-se ; a Manoel Igoac io
d|lveira.
1 dito dito ; a Elias Baplista da Silva.
1 volume de foiha dito ; a D. Mara Gomes
do Rosario.
1 caixa dilo; a Isidoro Freir de Jezus.
1 dita dito ;a Auroliano de Almeila Ro-
drigues.
1 dita dito; a Moreira & Fragftzo-
1 volume alfazema; a Albuquerque &
Irado.
Claudio Ayres de
to da falsa posic&o em que a collocaram.
Recife, 8 de detemkfo de 1851.
Joto Athanaiio Bolelho.
Correspondencia.
lis e Silva e oulros, fui ao logar da Ibura.
em que os peticionarios denunciam a exis-
tencia de urna obra no rio Tigipi, e nelle
encontre enfronte do engenho de Diniz An-
lOBlo de Moraes e Silva, dous islhmos por
_____elle follos da trra, que parteo das mar-
Senhores redactores. Agredido aleivesa-1 SL^SH'Li mesmo rioem frele
men pelo Sr. Deniz AntoSiodeMor. s,. ^w\t&^-!P,Mo """
va.emsuacorrespondencia.com visos to\MUtffi0rSaiWUtX*J, no
bomilia, inserta no Diario n. 263, de20 do K'-.ii.. ..m.an.*oam* comporta de II a
p. p. mez, acho-me na rigoros
de defeoder-mo das gratuitas
1 caixa frutas seccas;
Souza.
30 moodas daaauru e 461 patacOes; a Joa-
quiin J"-r de Amcimii.
130 ditos; aClaudir.oyJOB^a/iiiiieira. |
170 moodas de ouror a Antonio-Ignacio
do Reg Medeiros.
94 ditas dito ; a A litante Augusto da Fon-
seca.
1 calilo palitos ; a Decio de Aquino Fon-
seca.
6 vaccas, e 7 crias; a JoBo Coolho de Oli-
veira Cintra.
11 saccassemeas, e 2 molhos de capim
para as mesmas vaccas.
2 casaos de gansos; ao Administrador do
Correio.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 1 a 10 9:262,946
dem do dia II........1:793,529
THUTR0DRS-IZ.4BEL.
Beneficio da artiptn
MAMOELA C4ETAPH LUCCI.
Sabbado, 13 di dezembro de 1851.
Depois de urna escolhida ouvertur, subi-
ra scena pela primeira vez o novo e muito
interessanle drama em 4 actos, intitulado
So 11 lio ou o teirivel fio do
Usurpador.
Pursonagcns.
Eduardo, conde do dentme, o Sr. Ger-
mano.
Alfedro, sobr inho do conde, o Sr. Bezerra.
Lord Slerson, o Sr. Coimbra.
Itodolpho, capilSo das guardas, o Sr. Binto.
I'oly, lilha de RoJolpho, a Sra. D. Manoela.
Ricardo, valido do conde, o Sr. Reis.
Times, sargentodas guardas, o Sr. Cabral.
Iledoizes e Joas soldados, o Sr. Monteiro e
Raymunlo.
lacques, pescador, o Sr. Alves.
Soldados, povo, etc.
No lim do drama as Sras. Landa e Carmela
Lucci, cantarSo o muito applaudido duelo
da opera
Anna fiolena.
Terminar! o espectculo com a muito
graciosa comedia em 1 acto, composic^o do
Sr. Penna
O caixeiro da taberna
A beneficiada pela primeira vez espera
morecer a proteccSo do Ilustrado publico
desta capital.
Os bilheles acham-seem casa da benefi-
ciada na ra da Cadoia n. 7, e no dia do es-
pectculo 00 escriptono do theatro.
11:056,475
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimento do dia 1 a 10. .
dem do dia 11. ...
463,579
90J887
554,466
;. rigoros. brig.cso l&TJ I.V^SSfSSS^ qU6p0r
imniiUrAnc I g P0"6"! Passar se nSo canoas
iinpuiscots, pequeas, assim como aun nm rtn. ri.i,.
fc-.ffir.&.r/aa S5SS....
, assim como que um dos referidos
, sulapaio pela corrente das a-
esla desmoronado, e conslando-me
mostrar a falsidade do mais que inv ve,n,!80"' ."pronado, e conslando-me
correspondencia, coa ludo cedoana Ure- q. 5 """Z' pretesto de rePrerr
fa a quem quer que disto se Osll-TBo UTiSStoMStA WSk S" ""V
Communicado.
Dr. JoSo Jos Ferreira de Aguiar 15
Dr. Joaquim Manoel Vieira de Mello 15
Dr.Francisco XaviT Paes Brrelo 15
Dr. Francisco JoSo Carneiro da Cunha 15
Jos Antonio Lopes 15
Coronel Jos Pedro Velloso da Silveira 14
Dr. Jos Theodoro Cordeiro 13
Silvestre Antonio de Oliveira Mello 13
Dr. Francisco do Reg Rarros Barrete 13
Dr. Francisco Raphael de Mello Reg 13
Dr. Manoel Joiquim Carneiro da Cunba 13
BarSo deSuassuna 13
CapilSo Manoel Antonio M. Pereira 13
Dr. Guilbermioo C. Marques Bacalho 13
Dr. Alvaro Barbalho Ucha Cavalcanle 13
l'mbelino Cuedes de Mello 13
Dr. Francisco Alves da Silva 12
Tenente Coronel A. C. Macbado Ros 12
Tcnente Coronel F. J. de H. Correia 12
Padre JoBo Capistrano de Mendonca 12
r. Francisco do Paula Baptista 12
r. (.hi isinv.ii) Xavier Lopea 12
r. Joaquim de Souza Heis 12
'ir. Domingos de Souza LeSo 12
Hr. Victoriano deS e Albuquerque 19
Dr. 1 'iiiri'nro Francisco da A. Catioho 12
Major Jos de Carvalho e A. C. 10
Padre Francisco llochael P. de B. de M. 10
Jos Uygino de Miranda 10
r. Vicente Ferr. ira Comes 10
EncarregaJo pela confrana do Divino Es-
pirito Santo de adinimstrar os seua nego-
cios, vou emir 1 iiiiir um dever levando ao
conhecimento do publico a historia dos inci-
dentes, cujo desfecho 1ie a remocho da ir-
mandade para a reja do Nossa Senhora da
CouceicSodos Militares.
No anno de 1838, quemado a irmandade
do Divino Espirito Santo edificar as suas ca-
tacumbas, e consistorio com garantas, que
de alguma forma I lio assegurassem a sua es-
tabelidade na igreja dos religiosos de Santo
Anlonio, celebrou com o Definitorio Capi-
tular da Babia um contrato, pelo qual entre
outras obrigacei contrataran) os mesmos
religiosos* deencomroendarom gratuita, e
solemnemente os irmBos pobres, e a de fa-
zerem a festa do Divino Espirito Santo, me-
diante a contribuido de 64/ exclusive a
esmola dos sermOas, e recebendo cada re-
ligioso a competente cera, com que assistis-
se ao Te-Deum.
Em 1843 organisou a irmandade o seu
compromisso, no qual, approvado pelo mea-
mo definitorio capitular, se garanti aos ir-
mSos a encommenda^So solemne pela com-
muuidade, com a condi;So de virem elles
amortalhados em hbitos de qualquer das
tres ordoos franciscanas, salvo sendo sacer-
dotes secularoi, ou profesaos om alguma
das ordena militares, porque estes pode-
riam vir com os seus respectivos hbitos, e
os prvulos e donzollas com quaesquar ves-
timentas e ornatos.
Posto o contrato em exccu(3o, e de parte
ditos inconsiderados de algum religioso
meos sisudo contra a irmandade, reinou
M v por i te 11 (i.
As,u'. hiate brasileiro Anglica, de 82 to-
nelladas, conduzio o seguinte : 1 pacole
fazendas e 3 canoas do lastro de areia.
KECEBEDOKIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PEIINAMBUCO.
Rendimento-do dia 11..... 566,43*
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da II.....1:945,660
Movimento do porto.
do a servidBo publica do 140 Tygiplo onde
para melhoramenlode sua propriedade, fez
erguer um pareJSn, cis por esse facto o Sr.
Diniz acoiaiando-me de seu inimgo gra-
tuito delegado com aquellesqueo perse-
guem etc. ote Ora haver nada mais revol-
lante, mais desarasoado.do que ser cu tra-
a lo como inimigo gratuito do Sr. Diniz
pelo simples facto de ter cumprido com um
dever quo me corria como fiscal daquelle
lugar Haver nada mais irrisorio do que
o Sr. Diniz dizer, que eu o processei por vi-
ver ligado com aquellos que o perseguem ?
etc.. Ora Sr. Diniz v contar destas histo-
rias l para a Siberia onde nSo o conhecem,
e nSo sabem que o nico perseguidor da-
quelle infeliz lugar he o Sr.; e se nSo res-
ponda-me Quem foi que com gente ar-
mada, e posta a desposicSo de um tal Fran-
cisco Rodrigues Cardozo, impedio o porlo
de embarque do sitio denominado AllemSo,
eque s mandou deapersar o gropo depois
da presenfao instancias do respectivo sub-
delegado? Quem foi o perseguidor do Sr.
Dlnii que fe/.'urna estacada tapando a ser-
vidSo publica da camboa do sitio Boquei-
rSo, que foi do Sr. Francisco Serfico de
assis Carvalho. Quem foi que leve o teme-
rario, e louco arrojo de querer impelir a
abertura do porto Unir, desde a mais re-
mola antiguidade pertenceote ao sitio de-
nominado Estiva, propriedade da Sra. D.
Anna Joaquina do Nacimento casa victima
de um se-n numero de demandas injustas,
o por ellas reduzda a pobreza ? Quem fui
Sr. DlBis essa vclima de urna atroz perse-
guirlo, que mandou {segundo he voz pu-
blica, e o Sr. Diniz beui sabe que voxpopu-
li, vox i, assassuiar um pobie homem de
passavsm aiileriormonte canoas grandes pa-
ra recebaren, citixas no trapixe do Uchoa, e
que hoje como as grandes nSo podem pas-
sar pelo dilo rio em rasSo da referida com-
porta ; lie o quanlo lenno i informar a
Ss. Vv.
Dos guarde a Vv. Ss. Afogados 28 de
setempro de 1851. Illms. Srs. presidenta e
vereadores da cmara municipal desla cida-
de. O fiscal, Joaquim Jos Relio.
COMMERCiO.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia II. 26.933,667
Descarreoam hoje 12 de dezembro.
Barca portugueza -- Boa Viagem merca-
donas.
Iirigue porluguez Novo Venador--ceblas,
cal e batatas.
Brigue inglez -- Navegator mercadorias.
Brigue americano Brand V/ine idem.
Patacho hamburguez.-,- Berlh alcatrJo.
lniportacad.
Brigue porluguez Novo Vencodor, vtndo
de Lisboi consignado a Thomaz d'Aquino
Fonseca & Fho, tnaoifestou o seguinte:
10 pipas vinagre, 1 caixote calcado; a
Thomaz de Faria.
45 pipas vinagre, n ditas vinho, 8 bar-
ricas cera em grume, 2 caixoles imagens,
I dito doce, 2 cisaes de ponbos, 57 molos
de sal; aos Consignatarios.
10 volum mostarda,8 caixaa macees; a Viriato de
Freitas Tavares.
18 caixotes cera em relias, 8 ctlxas dita;
a Oliveira IrmSos & Companhia.
Navios entrados no dia 11.
S. Malheus13 dias, lancha brasileira Con-
ei'ii, 1 i, de 39 lullOlladaa, uiiimi e aiaiiuci
Ferrelra Moraes, eajuipagAm 7, carga feri-
aba de mandioca ; a Caetano da Costa
Moreira.
Duniee--40 dias, brigue inglez Runo, de
209 tonelladas, cipitSo R. Cuthbert, equi-
pagem 10 carga csrvSo ; ao capilSo.
Seguio para os portos do Siil.
Rio de Janeiro -- 21 dias brigue portuguez
General Reg, de 300 tonelladas, capitBo
Manoel Jos da Silva Reis, equipagem 12,
carga carne secca ; a Amorim & IrmSos ,
e a carga a Viuva de Gaudino &F1II10S,
4000 quintaes de carne.
Navios sabidos no mesmo dia.
Assu' hiate brasileiro Anglica, mustie Jo-
s Joaquim Alves da Silva, em lastro.
Cotioguiba hiate brasileiro Flor do Bra-
sil, meslro Henrique de Souza MaOVa, car-
ga bacalho e mais gneros. Conduz 7
passagiros brasilcirns com 2 escravos.
ED1TES.
*
MUTILADO
- O lllm. Sr. inspector da Ihesouraria da
fazenda provincial, em cumprimento da or-
den do Exm. Sr. presidente da provineia
de 4 do crreme, manda fazer publico, que
nos dias 16,17 e 18 do mesmo, ir a pra;a
para ser arrematado perante o tribunal ad-
ministrativo da mesma Ihesouraria, a quem
por menos fizer a pintura das varandaa da
pun da Boa-Vista, a vaiiada em 337,700 rs.
ArremataeBo sera feita na forma dos arts.
24 e 27 da lei n, 286 de 17 de maio do cor-
rele OIIIIO.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
roraatacSo, comparerjam na sala das sessOes
do mesmo tribunal, nos dias cima men-
cionados pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constarse mandou afixar o pre
zente e publicar pelo tiario.
Secretaria da Ihezonrasia da fazenda pro
Theatro de Apollo.
RECITA EXTRAORDINARIA.
Sabbado, 13 da dezembro de 1851.
Depois de urna nova o escolhida ouvertu-
ra locada em grande orcbeslra, subir pala
primeira vez scena nesla cidade, o magni-
fico e pomposo mystorio, adornado demu-
zica e canto, em 5 actos divididos em 7
quadros e2 intormedios, da hi.lnl penna do
eximio poeta francez Alexandre Dumis, in-
titulado :
D. JOA DE MARAA,
ou
A Queda de um Anjo.
Fernouagen e actoren.
D. JoSo de MaranS -- o Sr. Cuimarfies.
D. Jos de MaranS o Sr. Amodo.
D. Mono/. o Sr. Miranda.
D. Christoval o Sr. Tellea.
D. M .un, i o Sr. Conrado.
D. Sandoval d'ojedo o Sr. Gyrillo.
D. Pedro -- o Sr. Jorge.
D. Henrique -- oSr, FigueireJo.
D. Tradique o Sr Caelano.
D. Snchez o Sr. Senna.
O Anjo Mao -- o Sr. Mello.
O conde de MaranB -- N. N.
O Senescal -N. N.
Gmez o Sr. Santa Roza.
Ilusseiii, criado, pagem o Sr. Euzebio.
Um Anjo o Sr. Dornelles.
O luiii Anjo, Sror Martha a Sra. D. Leo-
poldiua.
Therezina a Sra. D. Joanna.
Igoez a Sra. D. Carolina.
Victoria a Sra. I). Josephina.
Paquita -- a Sra. D. Soledade.
Carolina--a Sra. D. Anna.
Joanna --a Sra. D. Lulza.
Sozor rsula a Sra. I). Luiza.
Uro Anjo-- N N.
Pagens, soidados, cavaeiros, ule, ele.
Quadro primeiro.O Caslollo dos MarauSs.
a Segundo.Castello do Villa-Mar.
Primeiro intermedioO Co.
Quadro terceiro.-Uma elegante pausada em
Madrid.
Segundo intermedio.-.A trra.
Quadro quarto Urna igreja.
quinlo.Um clauslrodosTrappislas.
sexto.--Urna sella no convento do
Rozario.
a stimo.Um antigo castello arrui-
nado ao lu ir.
Sendo todas eslaa decorar,0?s totalmente
novas, e preparadas com toda aquella magni-
ficencia, que exige o autor do Mysterio.
Ha mais do Irez meses que o empresario
do Apollo Ira bal lia em apromptar este dra-
ma, nSo esqueceudo a mais insignificante
exigencia; e parecendo imposivel que urna
empresa 13o nascente podesse levar a scena
compozicSo lio difllcil disp.-rtou toda ad-
miracSo das pessoas entendidas nesta ma-
teria, porm ei-lo alfim prompto, depois de
vencidos inuin- r s obstculos, e grande
despeza, que faria desanimar a outro que
nflo desi-jas.se nicamente agradar ao gene-
rezoso publico desta cidado, sem attender
" beneficio seu.
Sendo pois avultadlssima a somma das
despezas feilas para este Mysterio o empre-
sario v-se na rigoroza necessidade de nflo
s dobrar os precos, como lambem vender
os liilliet .-. para Irez nuiles, sendo a primei-
ra na do dia 13, a segunda na do dia 17, a a
terceira na do dia 20.
Precos.
Geral. 6,000 rs. para as trez noiles.
Cadeiras. 9,000 rs. *
Camarotes. 30,000 rs. a
Os Srs. sssignanles porm nfio soffreram
allerafSo alguma nos precos de sena cama-
rote.-:, e Inlhcioi de cadeira.
Enlonde-se por geral os assenlos que fi-
vinciat dePernamnuco, 6 de dezembro de I caro por baiio da primeira ordem, e por.ca-
1861. Osecrotario Ideirs, lodo o centro da salla.
Antonio Ferreira d'AonunciasBo. | Comear ata horas em ponto.


OSrs. qu j havllo enosmmsndsdoca- I morador na villa de Iguarasau' oespecialfa-.pitaes decampo, apreheoilo do escravo de
rotes; queinm novementa dirigir-se a I vor de vir ou mandar pigar a importancia | nome JoSo Mariano creoulo, bstanle robus-
ta do emprezario ra do Apollo n. 27, se- dos gneros que comprou nt ra da Cruz to, com uma biliJia no olho direito, con
3
marot
casa
eunJoandar. ouao theatro com anteceden- In. 82, para fasta do S. Cosmes eu setem- algumas costu;a
*" Ibro doanno passado, rorto do-qoeseo nao nariz cbato : que
Oj bllhetes verdes, tanto de platea gdral,
comodecadeira e camarote servirSo1 para a
i noite ; os azues, para segunda noilo; e
05 imtrellos, para a tercelra noite.
I'ublicacao litteraria.
Historia universal resumida.
Para uso das escolas dos Estados-Unidos da
America do Norte, por l'edro Porloy, tradu-
cida jara uso das escolas do Imperio do Bra-
sil pelo desembargador consolheiro Jos Ri-
beiro. Esle oicellenle resumo acha-se nos
prelos d capital do Imperio, e brevemente
sahiraluz: aubsoreve-se nesla cidade do
Recite na livraria n. 6 e 8 da praca di Inde-
pendencia a 5,000 rs. por cada exemplarcn-
cadernada. ___________
Avisos martimos.
Para a Parahiba,
.saliat o m desta semina o hiato brazi-
lairo Parabibaoo ; quem no mesmo quizer
carregar, ou hir de passagemdirija.se ao
mestre Victorino Jos Pereira, ou a ra do
Vigario n, 6.
Har o Rio de Janeiro salie
impreterivelmente no dia i5 do
corrate, a escuna nacional Maria
Hrmina, capitSo JoSo Bernardo
da llosa, por ter o seu carrega-
mento completo, pode receber al-
guna passageiros e escravos a Ire-
te, para os quaes tem commodos
sufficientes : a tralar-se com o
mesmo capitSo ou com o consigna-
tario Lui Jos de S Araujo, na
ra da Cruz n. 33.
Para o Porto, sahe com a
maior brevidade possivel, a galera
' portugueza Bracharense, da qual
he capitao Nodrigo Joaquim Cor-
ris, tem exccllentes commodos pa-
ra passageiros : quem na mesma
quizer carregar ou ir de passa-
gem, entenda-se com o capilo, na
praca do Commercio, ou com No-
vaes & C'ompanhia, na ra do Tra-
piche u 34*
s no pesccco, rosto largo,
quem o pegar levo na padarla
das Cinco l'ontas n. .40, que ser bein re-
compensado.
Precisa-se alugar um cosinhelro forro
ou captivo, para urna cisa particular no si-
tio do Cajueiro : a fallar com o preprietario
do me .mu sitio.
-- O Dr. Miguel Joaquim de Castro Mas-
carenhas, relirand i-se para o sul, e nSo po-
dendo pessoalmente despeJir-se do seus a-
migos por causa da pressa, por sao roga-
Ihes disculpa desta falta involuntaria.
Precisa-se de 300,000 rs. a juros de 2
por cont ao mez, sobre penhoros de ouro :
quem tiver dirija-se a ra do Rangel n. 63.
Deseja-se saber quem sSo os possuido-
res, berdeiros, administradores dos lien.
que pertenciam a diversas cirporaeOes reli-
giosas, sobre um sitio no lugar das Corcu-
ranas de sima ou que se acba de posse como
procurador in nomine Ignacio Jos de Bar-
ros desde o anno de 1817 ; e como se queira
fazer negocio sobre o mesmo sitio, roga-se
aos interessados bajan de declarar por esta
folha para melhor se tratar deste negocio,
ou dingir-seao Passeio publico, loja a. 21.
Gouvoia & Leite, embarcam para o Rio
de Janeiro os seus escravos Bernardo pardo,
e Jo3o preto, creoulo.
Alugi-se por 4, ou 5 anuos, ( a quem
d "'comprar pelo seu justo valor, 3 exoellentes
,," cavallos, o boas vaccis de leite J um sitio
ninado -- Parnamelrim
lizer nSo se deixar do publicar seu nomo
petos jornaes.
- J. J. Merkeretira-ee desta provincia pa-
ra a da Baha.
Facosclenteao rcspnitavel publico, eu
JoSoCoelho deOlivoira Cintra qu chogTjei
no dia 10 do correntede Lisboa com S vacas
de leite e todas con boas crias, assim "me
interesso de vendor as mesmas, e quem as
pretender dirija-se a oochelra do Sr. Pedro
em lu.i do Portas, e aprovaite a occasiSo,
pois para melhor nada se podo oncontrar. e
emquanto nfio vender quem quizer servir-
se do boa leite tirado avista do portador,
dirija-se a mesma, pois pela sua qualidade
pode serapplieada tanto para conservar a
saude como mesmo para remedio de qual-
quer quo padec ha lempos do iotrior,
pois o leito fazendo-se uso delle na occa-
sito em que he tirado s vaoas,nada se pode
comparar com a sua bondade, sendo cada
garrafa pelo preqo de 240 rs.
AltencSo.
Deseja-se urna casa no bairro da Boa-Vis-
ta o em bom lugar, para mui pequea fa-
milia, preferindo-se com quintal: quem ti-
ver dirija-so ra do Collegio, loj nica
de fazendas.
-- Precisa-se alugar urna sala para es-,
oriptorio as seguimos ras.: do bairro d
Recife, Cedis, Cruz ViatriO. ou forres ., donominallo .. parnamelrim -
quemativer e quizer aluger, dir.ja-se ,," aS,u AQna murado na frente, e
ruado Rangel n 9. n... ,0 cercado pelos lados e fundos, com casa pa-
-- En .esposta ao .^''^'r. numerosa familia, 1,000 ps do lar.ngei-
nodia5docorre.il, nel SvrJ.^"'',.5, Limoiras.Uimoairos doces, alguns 405
Corre. teoho pela uItima vez de deca a j.queir.s coqueiros,
Ihe que ludo quanto al se diz, be urna Cal- V bej Uln,rnVras sapotiseiros ,
sidado cm relacao a prova da supposla so-; B J ', jm
cied.de, que o mesmo Sr. todo c.ti.,,',,,, am.ualmento 4 cavallos, e 2 ve-
da Para por cls de laile' CP<""' l'ue da lonha Para
annuucio doSdo correte, com o quo pu- ^morim. ATENCA)
O mysterio que subir a scena sabbarlo 13
dade
uiaior
no
dirija-se aos consig
quino Fonseca& Filho: na ra do Vigario n.
19,1-*andar ou ao capitSo o propietario Mi-
uoel dos Santos.ns pra?a do commercio.
Para o Porto, segu com toda a brevi-
dade, a birca portugueza Eapirilo Sanlo.ca-
pilo JoSo CarlosTeixeira ; quem na mesma
quizer carregar ou ir de p.ssagem dirija-se
aoescriptorio de Francisco Alves da Cunta
& Companbla, na ra do Vigario
-- Para o Rio Crande do Sul, seguir em
poucos dias, por ter a maior parle do seu
carrogamenlo prompto, o briiruj nacional
..ente e dessrrasoado. Lauriano Pinto de
Paiva.
O abaixo assignado declara,
que tendo de ser arrematado um
seu escravo,de nome Francisco,de
naco, e isso por cxccuco de Joa-
quim l'crreira, contra Domingos
l'creira de Mendanha, setn que o
mesmo abaixo assignado seja res-
e
Carlos, capllSo Jos Joaquim Soares: quem !ponsaye| p0i. m, tal divida
no mesmo quizer carregar ou tur de pas- r ,
sagem, pari oque teu mu cxcelientos sem que fossm atendido* seus em
uummodua: d(rij-ij iuiir &. olivoira, '|ir!os de terceirv, declatra que os
"rJt^X^EZZSSiZ seurembargosdependem amda de
julgimcnto.sem suprior tribunal
ra qualquer porlo,sendo para o Sul at o Rio
de S. Francisco e pa.a o Norte at o Assu.
lista bircassa foi ltimamente construida,
est nmito segura, he boa de vela, e pega
no peso de 40 caixas com assjcar : para tra-
tar com o mestre da mesma no Forte do
Mato,onde ella est ancorada, ou na ra do
Itangel n. 50.
PARA O 1110 DE JANEIRO.
Sahe com a maior brevidade pos-
sivel por ter parte de seu carrega-
ii.culo prompto, o veleiro brigue
nacional Rio Ave : quem no mes-
mo quizer carregar, ir de passa-
gem, para o que tem bons commo-
dos, ou embarcar escravos a frete
entenda-se com o capitSo do mes-
mo brigue, Elias Jos Alves, na
praca do Commercio, ou com os
consignatarios Novacs & Compa-
nhia, na ra do Trapiche n. 34.
Para o ll-.vre sabe com muita brevida-
de a galera franceza Edith, capillo Poulet,
por ter a maior parte do seu carregamento
prompto quem na mes mi quizer carregar n< rutNova a?63
eque se forem aceolhidos e julgd-
dos procedentes ter o arrein-tan-
te do escravo de restitui-lo ao abu-
so assignado, como be de lei,faz-se
essa declaraco a quem puJer in-
teressar.
Joaquim Dias Pernandes.
Ikc.ciii para quem estiver doentc.
Aluga-separa passar a festa, urna excal-
lente casa nova de podra e cal, con bons
commodos para familia, no melhor lugar
do Caxang, junto do appreciavel rio Cnpi-
baribe, por preco cotnmodo : no aterro da
Boa Vista n. 50.
- Precisa-se de urna ama para casa de
um homem solteiro, para cozinhar e com-
prar, na ra da Praia armazem n. 2.
LuizAntoniodaCunha, remelle o seu
escravo Raymundo para o Rio de Janeiro.
- O coronel Francisco Mamede de Alinoi-
da, embarca para o Rio de Janeiro o seu es-
cravo Manoel de nic.1o.
Para quem quersale.
Aluga-se urna casa no saudavel Caxang
com bastantes quartos, copiar o estribara :
o restante, ou ir do passagem, pode enten-
der-se com o mesmo capiao ou com os con-
signatarios Schai*heitlin & Tobler, na ra
da Cruz n. 38.
Para a Rabia,
Segusabbado, 13 do correte, o hialeLi-
geiro,08Srs. pussageiros que trataran po-
deui apparecer iioja^ 12 do correnlo, na ra
do Vigario n. 5.
Para a Babia pretende seguir com mui-
ta brevidade o hiate brasileiro Exalacfo,
uieslre, Antonio Manoel Alfonso : quem no
mesmo quizer carregar ou ir de passagem,
pJeeniender-se com o mesmo mestre, no
trapiche do algodao, ou coa S Araujo, na
ra da Cruz n. 33.
Leiloes.
- O correior Oveim, far lellSo de
grande por;8o de mohilia nova, e com pou-
i'o uso, e de um excellenle piano, oulr'ora
pertencente a Manoel Loe l'onpou : sexta-
feira, 12 do corrente, s 10 horas da ma-
iiliii.i, no primeiro indar da sua casa, r ua
da Cadeia.
O corretor MiguM Carneiro far lei
iao no dia sabbado, 13 do correnlo,as 11 to
ras da manhBa, no sou armazem da ra do
Trapiche n. 40, de diversos trastes novo se
usados ; pianos muito baratos, lou;a, vi-
dros, oandieiros, eoulros mullos objectos,
por qualquer pre(0 que for ofTerecIdo, que
val apena especular.
-- Jos Rodrigues Pereira faz leilBo ana-
uiiiia as 10 horas no ces da alfandega, do
140 gigos com batatas, e 20 caixas com
queijus, tudo recentemenle chegado, a vou-
lade dua compradores. ^^^
Avisos diversos.
M
Na cidade Nova do Algrelo, oulr'ora
Capunga, na ra da Primavera; no sitio jun-
to tu desiacamanto, ha urna cochera para
se tratar dos cavallos dos Srs passadores da
festa, do que seallianca o bom iratamento e
grande accio, por pretjo razoivel por ter
emito boa commuuidade.
Multo se deseja saber te nesta oidade
ouseu contorno existe Francisco Nunes di
Silva Soare, natural da villa da Feir.i, em
Portugal, para negocio do seu interesse.
-- Rogi-se ao Sr. Baiilio Comes Pereira,
I lllllllll I" i!'1 .1 II I I v'l i l l i '"n Jo F44 ,
blicou em 28 do p. o. mez, de cuja cnn-l
frontacSo resulta amis palpitante contra- ^'l! quosuuua "' "'''
ilcoao O Sr. Corris foi sempre o nico "lo crrante em o theatro do Apollo.he mag-
douo da taberna em questao, em s*u nome:nlfico de n" Jiehinismo ; pergunta-
soochafeila a collecta, e o papel de venda (90 poromaopoeta.actor gigante o emproza-
quo diz existir em seu poder, passido tim-,"V? "T' lhe"ro- !e ,p" *enJer 8
be n mim he um vord.deiro ardil quo nao' ^eles do 'I?10' "^XVFm'ZE
pode colher; sendo quo so socio eu livora P"g"mi que todos os das sol no /Jiarn,
sido do Sr. trrela, por certoquo nao tivo- use."? preciso fazer pubicar annuncios ar-
r. consentido no bm procedimenlo do Sr. >J, tamben com Unto mach.n.smo
Correi. que sempre dis?OZ da taberna como c0,no o queso l no .arlo de 3.'fera que
l.em llie pareca, leen me dar a menorsatis- ruvela, pouco acata maulo em que ten. o
tacao, e se socio eu era, como se desiolveu n"PUw> poblioo,de quem p.roceqoer es-
cita suppostasociedade? Comose fez a li-icarl'BCer-, Um Zoilo.
quidacSo della'! Em vordade, nao ser por i C7* Sorvctes da ExposicSo de
este moio que o Sr. Correia deixar dopa-[ inndrp'
a da ra es-
respeitavel
moradores dabe
do corrente
abortura do sua casa,para os belos sorvetes
das II lloras do dia as 10 da noite afim da
rapaziada satisfazer os seus desejos sendo
collocada a casa defronte da vanda grande
do Sr.Lapa.com maior promptidSo.e aceio
sendo ocalix 240'
Est parase alugar a casa terrea da
ladeira da Misericordia em Oiinda, proinp-
ta o pintada denovo,lrata-se na ra do Mun-
do-Novo n. 30, ou mesmo em linda ra
de Maiias Ferreira n 29, o nd i so achain as
chaves para ver.
-- PeJe-so s p '-sdo, quo acliou ou com-
prou urna livell.i de ouro, de Padre,pordida
no dia 8 do corrento do manlia om S. Pe-
dro novo de Ulinda.ou talvoz dalli para a S,
'luciendo restituir ao seu dono |dirija-S3
a mesma ra na venda da esquina para o
Carmo, onde so dir quem lie seu ligiti.no
dono osor bam gratilicado.
Napolen Gabriel Bez om,bari;;1 Para
llio do Janoiro os seus oscravos Juliao.criou-
lo, e Iviici' nei, 111 criouli.
Aluga-se pelo lempo da fes-
la, uma casa no lugar de Api pu-
cos, bastante grande e do lado do
rio: quem a quizer dirija-se a
ra das Larangeiras n. 26.
O Sr. Jos Carlos de Faria,
queira dirigir-se a ra do Trapi-
che n. 5, para receber urnas car
tas viudas do llio de Janeiro.
Precisa-se alugar una escrav, que
sa 1 lia engommar o cozinhar o diario de uma
casa, responsabilisando-se o seo senhor :
na ra estreita do Rozorio n. 12, loja de
111.11 cine 1111 se dir quem precisa.
Precisa-se de uma am para casa de
um eslrangeiro solteiro : a fallar na ra do
Trapiche n. 40.
Aluga-se um preto para uma padar a,
o qual he mestre de macoira 1 na ra da
Cruz, venda 11.32.
Deseja-se fallar aossenhores Antonio
Francisco de Souza Magalh3os Jnior, Ma-
noel Teixeira Barcellar, Tnomaz da Cunha
Cantil ir 10, Joao Rodrigues da Silva e Jos
da Costa Albuquerque, para negocios de
seus interesses ni ra Nova n. 16.
Na ra do Collegio n. 21, sogunJo an-
dar, precisa-so do uma ama de leite.
-. Precisa-so de um preto, que Iraha'.lio
de mareira, :' i->.e hnrn : nt padnria da roa
dos Cooihos n. 13, do bairro da Boa Vistt,
ou na ra Nova n. 50.
-- O coronel Joaquim Canuto de Figuoi-
redo, einhiic 1 para o Rio de Janeiro, o seu
escravo creoulo Nabo.
--Precisa-se de uma mulhor, de dade, pa-
ra ama de casa de homem soiteiro, que co-
zinhe o engomme 1 na padaria dos Coelhos
n. 13, no bairro da Itoa Vista.
Precisa-se alugar um preto e tamben
cumpra-so, sendo fiel, que nao tenha acha-
ques enem vicios, para servico de casa : na
ra do Amorio n. 25.
-- Aluga-se um sitio, com boa casa de vi-
venda terrea o um sobradinbo, na estrada
deParnameirim, sostente pela festa, alu-
gand,o-ses as casis, ou com o sitio, como
melhor convier aos pretendemos: a tratar
oom Victorino Jos do Souza Travasso, na
travesea do Veras n. 16.
Precisa-se de um caixeir'o, que tenha
pratica de venda, de 10 a 15 annos de idade,
eque dliador a sua conducta : as Cinco
Pontasn. 21.
Deseja-se fallar com o Sr. Manoel Joa-
quim s.lares natural do lugar de Aoho-
bom, freguezia de Fonte Arcada : na ra do
Crespo, loja o. 16.
A mesa regedon da Irmaodade de N.
S. do Ampiro da cidade de Oiinda deo prln
cipioas obras da mesma igreja.como 8eja 1
da cubera e de oulras que se tornBo indis-
pensaveis, e tem de mandar seus IrmSos a
lirur esmolas, polos fies devotos da mesma
senlioTa, e roga antes, que se presten paro
um li n tao justo.
Justino Gomes Villar, avisa a Si*. Hen-
riquela Maria Rita haja no prazo do 8 dias
contados desta data hir pigar ao mesmo se-
nhor a cima a quantin de 11,720 rs. que li-
nio a dever do alugueis, do contrario serao
vendidos os ditos trastes para seu pagamen-
to,o que sellie avisa paran3o se chamara ig-
norancia.
Na ra Dimita, podara n. 24, precisa-
se de um ciixeiro.
Avisa-so ao Sr. F. A. C. G. J. que appa-
reca na ra do Cullegio n. 3, loja de miu-
dezaa.
lloje, ta do corrente ao
meio dia, na sala de auJiencia,
perante o Sr. Dr. jniz do civel da
primeira vara, tem de ser arrema-
tado um muleque de nome Fran-
cisco naci de angola, penhorado
a Domingos Pereira de Mendanha.
Pergunta-sc ao Sr. Carolino F. do Li-
ma Santos, que diz ter esludado medicina e
cirurgia em Franca;
1.* em quo escola foi doutorado ?
2"Seaupp09 quo o Brasil he umi das
ilhasmarquezas, e seus mdicos 13o igno-
rantes quanto os curandeiros do sertao J>
3.'Se em Paris oxistem melhoros fabri-
cantes de instrumentos do cirurgia do qua
Charrire, Sirhenry oSamso'n, para queS.
s tenha instrumentos melhores do que
existemaquip Eso Ihe pe le:
1.' Que explique o que qnerem dizer suas
phrases:Relativamente a certas molestias
internas, e seus meios curativosnossas
ideas existen na scieucia, das quaes o an-
nuuciantej fizera monsBo na Baha, ees-
pera aqu ler occasi3o dedar-lhes publici-
dade. I.'ma dellas he a diabetsourioas do-
ces molestias.que os palhologistas tinham
errneamente classilicado, mas que a phy-
siolugia doseculo veio po-la lora de duvi-
da por quanto estao 13o obscuras por
sua sublimidade, que nao poden ser enten-
didas, sobre tudo de pessoas Lio ignorantes
quanlo as que habitam esta trra, refugio
do charlatanismo
2. Que aprsente esses seus altestidos,
que diz ohtidos na escola pratica de Paris,
quo muito o honram.
3." Que declare em qnem em Paiis appli-
cou esses novos instrumentos, que nenhum
medico ou cirurgiao aqu tom, ou sabe ma-
nobrar.
No dia 7 do corrente foi apanhado no
lugar Pedra Tapada um pretJ creoulo, bas-
tante robusto, que n3o disse seu nome neo
quem era seu senhor: quem fr sou dono
app.'.rec.a com seus documentos no dito
lugar.
Roga-se as autoridades policiaes e ca-
Thomaz Mara, embarca para o Rio de
Janeiro, a sua escrava crroula, de neme Be
iludida, de 14 inni.s de idade.
Em a primeira audiencia do lllm. Sr.
Dr. juiz dos feitos, se arrematarlo por von-
das, por execucSo da fazonda provincial, 2
sobrados de 2 anlares 11. 30, sitos no pateo
do hospital do Paraizo ; avaliadoscada um
em 7:000,000 rs : por execuflo que move
a mesma fazenda, contra o coronel Jos Pe-
dro Ve; is 1 da Silveira trinta panellas de
louea li aue 1 do uso do botica, avaliadas
por 30,000 rs. por execjr.3o que movo a
mesma fazenda, contra Leticia Maria da
ConcicSo.
Precisa-se de uma prola captiva, que
antomlaalgumacousadocozinha : no ater-
ro da Boa-Vista loja o. 1.
Na casi de modas francesas, de
Duessard Millochaii, no aterro
da Boa-Vista n. 1.
scaba-se do receber pelo Vernimbuco, ul ti-
mo nivio vindo do Havre, um lindo mu t-
menlo de modas de Paris; como seja ni ricos
chapos de seda o do palha para sonhoras,
chapos de montaris,dito do palha para me-
ninos e meninas, mantclhetes e capolilhos
de seda de cores e prelos, mantas o lomos
desela do retroz, e do cores um lindo eaco-
iliiin :/ do bordados, 1 1! eni -s, romeros,
caniisiuhasocapolinhosdo bico bordados,
ricas Utas pira cinto c chapos, times Tinas
paracasamentononfeitosdo vestidosdo bai-
les,luvas do pelica parasenhora, enfeites pa-
ra as dilasjpulceira de fitas.tmifas e franjas
para vestido,e mantellieles, esparlilhus ti-
nos, bicos o gnlij -s de seda de cores, touca-
dos ricos para biilcs o theatros, lovas de
se Ja inulto linas, o muitas uutrjs fazendas
do gosto, que se vonder3j muito oin conta.
No dia 13 do crrante depois da audien-
cia do Sr. juiz do civel da sugunda vara, na
salla da mes na hado ser arrematado um ter-
reno com bc.ifoitorias e uma casa ter. o 1 e
outra lucia .1 'ni, que davide con a traves-
ea di ra Augusta que tudo se ver mclhur
no 1 |iio que so acha em m3u do port dro
penhorado aos herdeiros do Manoel francis-
co Cuimsres por execucSo do MUhuus
A11 in t Companhia escriv3o Cunha.
-- Javier Alvares que teve a honra de di-
rigir uma c c 1 lar au commercio dasta pra-
ca, ora o faz de novo por meio do presente
para certilicar que trasla lou do liuco pa-
ra a cidade de Montevideo sua casa de con'
meicio e de consignares, o onde olferece
seus servicos a todos quantos o queirSo
honrar com suas 01 I ns, promulondo lodo
o zello, e diligencia no desompenuo do
quanto se llio possa oncarregar.
' Traspasta-se pelo espaf o de 3 anuos e
meio o arrendamento do sitio quo foi do
Dr. liernandu em Ulinla com boa casa
de vivenda, banhefro, diversos arvoredos
do fruio e terreno para plantacOes; quem
a elle pretende,- dirlja-se a ruada Praia 11.
29, que achara com quem tratir ou mes-
mo cidade no pateo de S. Pedro sobrado de-
fronte da igreja.
Precisa-sede uma ama, que saiba eo-
sinhare fazer aa compras necesarias para
casa de homem solteiro : na ra Direita
n.53.
Lava-so emgomma-se com muita per-
feeiii, tanto de varrella como de sab3o 120
rs. a 1 ce 1 defroute da a bobada da r. 11 lia
D. 41.
Aluga-se o quarlo andar da cesa da
na larga do Rosario n. 36, procuro na bo-
tica da n.1 -ni 1 casa.
Aluga-se as tojas do sobrado na ra dos
Quarteis u. 16, pruprio para qualquer esta-
belec.monto por seren gianies o com mui-
l"-f .j.iiine.l 1..: a tratar na roa du Queiiuado
o. 41.
-- Prcciaa-so do uma ama pava lama casa
da i'ouc familia, o do portas u dentro : na
travessa do Corpo-Sautu 11. i9.
Attencio.
Dasappareceu liontem 8 do crrante, um
cacliurriulio ratoiro do raQi iugleza, 111 uito
noto, d polo nome de .Mahmbo, Ion.I o os
signaosseguintes : cor | rala, poitobranco,
ps e Inciiilu car do rap, cun una marca
branca no pesooco, uma das ui.i ,- um lauto
loria : quem o levar a ra do trapicho No-
vo 11. 10, sor gratifica lo aloj do quo so
(cara muitu obrigailo.
nms*-mMz\:w;v -: s <"-',,
"'.1 l'i eci .,i-s 1 de ui.l aun, un t mil 1
iitt muito bom leite, sendo forra, o que Hl
ata* auQa de 2 mezes, paga-se beo: quem 3j
ti seachar nesta circumstaucia, dirija- ~
li so a ra da Matriz da Boa-Vista n. 3
^.fl 16,011 annuncieasua morada, para H
ser procurada. (
- Compra-so uma escrava que seja mu ;
ci, o questiba cozer : na ra larga do Ro-
zario, botica n. 36, se dir quem quer com-'
prar.
-- Comprase uma negriuhi de 12 14
anuos de idade : na ra larga do Rosariu n.
26, loj do miudezas, que se dir quem;
compra.
Compra-so nmi negra, ou muala mo
Cu, que seja recolhida o boa coftu.eira : .1
ra Nuva n. 34, cas da modista brasileira .
Compram-se escravos e vendem-sede '
ocicini-si", para dentro o fura du rovin-
cia : na ra da Cacimba, sobrado n. II, on-
de 111- .1 mi o Sr. vigai o do Recife.
Compra-se urna canoa que pegue 1,000
lijlos e que estoja ein bom use : ba la
Imperial 11. IU7.
-- Compr.im-se os ns. I, 108, 109, 110,
o til da Inlli,1 intituladaAmigo dos H-
meos : na ra du QuoluiaJo n. 33, pagi-se
bem.
-- Compra-se urna machina do copiar:
na piac 1 do Gorpo Santo u. 2.
.sy Compratn-se escravos de
ambos os sexos, de G a 3o annos,
para fon da provincia paga-se
bem tendo bonitas figuras) na ra
das Larangeiras n. 14, no segundo
andar, a qualquer hora do da.
Acomiiiissao dos veronlores Franca o
Mamede, ene irrogada da diiei\fiu da obra
do matadouru publico, co.upra p ireao de
tijolo de el .en -i ni, ni sendo ''o barro, ex-
hibido de lugores salmos, o auiassado coa
salgada : os interesados po lem npre-
soulur as ainuslras em casa do vor. ador .Ma-
mede, defroulo da igroja do Corpu Santo,
sondo os prec-01 0111 c uta fechada.
Compram-se uus brev.aiios pequeuos:
quem tiver annunce.
Compra-se um cavallo de cabriolet:
na 1111 uslroila do Ruiario 11. 22.
^fSn**P5
Ut- .
Vendas.
FIIUIHIllSIIKUHWlh
PARA 1852-A 320 H".
Sal 1 rain a luz asblliinlnsde al-
gibeira contendo o olmanak, ad-
ministrativo, mercantil, e indus-
trial da cidade do Itecifc e pro-
vincia de l'rr i.mili ico, augmen-
tado com 48 paginas, corregido e
addicionado de novas reparticoes ,
&c. Esta folhinha be sem duvida a
mais u til e a mais barata porque
conten .336 paginas as qnaes es-
tf.'i inscriptas, alem do kalenda-
rio a Augustissima Caza Imperial,
governo da proi-incia, cazas titu-
lares, representacao provincial,
todasas reparticoes publicas, com-
panhias, advogados, solicitadores,
mdicos, negociantes, mercmlorcs,
artistas, lubricas, e cmim todos
-- Alugau-S'i as soguinle casas:ol.e
i.' andar do sobrado n. 4, do aterro da B01-
Vista, muito fresco, e com muilos commo-
dos paia grande familia, o o 1.* andar do
sobrado n. 24 da ra da Aurora, lanibom
com bons commodos para grando familia,
e muilo fresco : a tratar na ra da Aurora
.1. 26, escriplorio de Francisco A. deOli-
voira.
-- O annunciante, tendo estudado na
Frmc,a, medicina e Cirurgia, deo-se com
especialdado arte de p 11 tojar, e tamben
a certas operacOcs relativas as molestias
das vas ou.icarias como estretaiiieirtos,
podras na hexiga, tumores ole.; lea com-
sigo os 111 Inores in-ti.iiiioiilns para partos
e lithotricia, dos quaos algunj, nSo cree
que entro nos lenlian sido, nem feralmen-
te coohecidos, nem conveninntninniite ma-
nobrados. Relativamente a corlas moles-
tias intornas, e seus meios curativos no-
vas ideas oxislom na sciencia, das quaes o
aiiuunaanle j fizera menc,3o na Baha, e
espora aqu ler occasi3o do dar-lhes publi-
cidade. Uiiia dellas ha a diabelis ouri-
nas doces molestia, quaos pathologislas
11 nliaiii errneamente classilicado, masque
a pliysiolugia do sculo veio p-la lora de
toda a duvida.
De resto : o annunciante so espera da be-
nevolencia do publico, occasiSO, om que
com fados possa mostrar o resultado de
suas fadigas, por tantu tempu e 13o assidua-
inenle exercidas, na escola pratica de Pa-
iis, onde obteve atteslados que muito llio
honran. E o que esteja a seu alcance para
soccorrer a pobreza elle o far, j gra-
tuitamente dando consullas em sua casa,
que seiiiu'iaaT as Bollicia horas Ja "'-
nli,la;ja mesmo visitando gratis aos po-
bres que por ventura n3o possam l ir ler :
no aterro da Boa-Visla, casa n. 34. Dr.
Carolino F. de l.ima Santos.
O bacbarel JoSo Vicente da Silva, Cos-
ta, avisa aos seus prenles e amigos que
pulemprocura-lo no bairro da Boa-Vista,
ra da S. Cruz n. 66.
Roga-se ao Sr. Ilazilio Comes Pereira,
morador om Iguarassu', de apparecer na
ra da Ciuz, luja de couro, para ultimar
aquello negocio, que Smc. nSo ignora, do
contrario se publicar.
O abaixo assignado, avisa a quem con-
vier, i|uo tem folio nogocio do compra, com
uma casa lirrea, sita ua ra da Guia 11. 23,
com o Sr. Joaquim Jos Correia : quem na
mesma tiver algn diroito a roclamar, [ou
queseache com diraito a mesma, reclame
no preso de 3 dias contados de hoje. Re-
cife, 5 de dezembro do 1851. Joso Mara
1; me 11 ves Vieira GuimarSes.
Napolen Gabriel Bez, embarca para o
Rio do Janeiro, os seus escravos, No e Ci-
os estabelecimentos de porta aber-
tu&c.&c. Vende86 nicamente
na praca da Independencia livra-
ria n. Ge 3 do editor proprietario
a .'i >o rs. cada uma.
Vende-se por preco bastan-
te commodo um grande sitio de
boas torras de planlacao com cata
de tapa nova e bem construida,
arvoredos de fructo, br.ixa espa-
COSB e muito fresca, por isso que
pelo meio della corre um riacho
de excellenle agoa d 'ce, tem no
fondo urna capoeira da qual se
pode extrahir muitu lenha, e po-
de servir tambein para vacas de
leite, pois tem abundante pasto e
nao fica muito longc da praca. As
pessoas que o quizerem ver, diri-
jm-se ao Arraial, estrada que
vai para o Brejo, casa do Sr. Cos-
ta, epjra tratar a fabrica de cal-
deiraria de Andradc e Leal no At-
ierro dos A logados.
HEQ
DAURORA
Li. Starr & Jompanhia,
Rospeitosamcnte annuncim que no seu ex-
ton(o ostabclccimento em Santo Amaro,
1' mtinii i a fabrioar, co.11 a ,11 n perfcic3o
o promplilAo, t 'da quali lulo do macliiiiis-
nio para u uso da agricullura, navognco e
manufactura, oque par maior comiiolo
de seus numerosos freguetns o do publico
em geral, tem aberlo em un dos grandes
armazens doSr. Mesquila na ra do Krum,
atraz do arsenal de marinlm, um
Deposito de machinas,
construidas nn dito seu eslbeleciniento.
All acir.i in os 1 'iin r 1 |. re., um comple-
to sortimento deniieiil-. do caima, com
todos os melhoramentos (Iguns delles no-
vos e originaos; de que a experiencia de
muilos anuos i"iu iost'a lo u-. ,,;l,l .
Machinas de vapor do b-ixa e alta pres-
s.in, tichaa de toJo tamanno, tanto batidas,
como fundidas, carros d- m3o, e ditos para
conduzir formas deassuc.r, machinas para
moer mandioca, prensas ira dito, fornos
de ferro batido parafarinha, arados do fer-
ro da mais approvad coiislruc(3o, fundos
para alambiques, crivus o portis para fur-
nalhas, e uma infinidade de obras de ferro,
quo ser infadonho enu aerar.
No mesmo deposito exisie uma pessua in-
lelligento e habilitada para receber todas as
encommendas, etc. etc., que os aniiuncian-
tos, contando con a capacidade do suas nf-
rmas o machinismo, e pericia de sous ufli-
ciaes, se compromettem a fazer exceular,
com a maior presteza, perfeicSo, e oxacta
cint.irmiJado com os mojlos, ou dese-
nlies, e instrucedes quo Ihe forem forne-
cidas.
Vende-se m silhSo de seuhora novo
por 25,000 rs. : na ra Formosa na quarta
casa terrea.
X.arope do Bosque.
O nico deposito contina a ser na botica
de los Mana i.oncalves Ramos, na ra dos
Quarteis 11. 13, ao p do quartl de polica,
onde so vondem as garrafas a 5,500 ts. o
meias falso o que se vendo em mitres boticas.
IMPORTANTE PARA O PUBLICO.
Para cura do phlisica em todos os sous
diiTeroiites graos, quer motivada porconsli-
pacSos, toise, aslhma, pleuris, escarrosde
sangue, lAr de costados e peitos, palpitacSu
iio.ccragAo, coqueluche, bronctlite, dr ua
garganta o todas as molestias dos orgSos
pulmonares.
Phtisica hronchial.
Ksta varieda le da phtislca he geralmeule
a consoquencia de urna cunatipavBo despre-
sida. A principio os symptomas asseme-
Iham-so aus d um delluxu commum, ou ca-
1I111 ral ; a cspeclora(fio he viscosa, expesas
o opaca, mas nito ,1 mu 1 liada, contendo par-
tculas einzentas, quo se desfazem em agua.
A pi .1,1111 en 1 que a molestia progrido, a tos-
so augmenta e o muco viscoso phlegma val-
se misturando cada voz mais com um Hui-
do ain n I; ido quo asse.nelha ao pus ou ma-
teria e algumas vezes com pequeuos raios
du sangue. leu muitus casos, a expectora-
cao tem urna aparencia esbranquigada ,
ne.-e s.em !!,., ao leite, u algumas vezes
uma cor amarella esverdeadi, que breve-
mente se deslaz em ugui. A principio, o
pulso toiiu-so umponco ,'Ce I 'railo e tenso
para a tardo, e o calor da superficie do cor-
po viria 110 decurso do dia estando algumas
Mvaes aoi 111a e oulras abaixo da temperatura
natural. Durante a noute ha suores par
ciaes ua caboca e no peito. eralmenle lia
mltasele, se urina he muito cirregada
deposita um copioso sedimento avermeltu-
do : quasi sempre ha uma sensato doloro-
sa no pello e puntadas passageiras ; mas be
raro que se si na tuna dr lixa no peito. A
tosse ur ine I menlo pela mandila ao levan-
tar da cama, sendo enlSo a resprac.go mais
ou menos sibilante o acompanbada de op-
piesso no peito. Sa a molestia u5o nea-
tilhada, a expectorado lorna-se purulenta
e extremamente copiosa. A debilidade e
magreza augmentan rpidamente; adifli-
culda lo do respirar u o poso eoppressSo no
peito tornam-so cada vez maiores. O pulso
lio geraliiionle muilu frequeule, dando ra-
ras vozes menos de cento e violo pulsacos
por minuto. Pela manlia, o rosto est or-
dinariamente paludo; purm para a tardo
observa-sc qaaai sempro urna vermettiidSo
carregada n'unia, ou em anidas as faces. A
ingua le limpa o um muilos casos assume
uuia apparouna ossusladora tornando-so
iiiais vcrmellia do(|ue uu estado desade.
II < .". um, n'.' suores copiosos o fatigantos,
durante a nout >, n'esle periodo avanzado da
uiolesln, c,h ni'nos que ella seja alalhada,
sobrevem a infiamacilj dos tornozalos, di-
arrha e Ooilmsota a morte.
Como remedio para esta tcrrivcl eufermi-
dade da membrana bronchial, quo zomba
quasi seo pro da pericia dos mdicos, re-
Bommuadaei os proprietarios o uso deste
xaropo. He por meio das suas qualidades
alternativas e expectora otes que a cura se
eifectua. Ijma pe soa que soiTra desta espe-
cie do phli ica, logo quo lomar o xarope co-
ndecora una 1-.UU11C.1 ua ex,.i-.ctoragSo o
uus demais symp'itum.is, o perseverando no
..en DSO, f-i'ii nido se pelas in lrucc,0es, ver
que a expectorado se torna aiiuudaute.chc-
gaudu algumas vozes a ponto doassuslar o
enfermo ; purm seu carador ho salular, e
a cura brevemente so opera.
--Vcnde-SD un novillio bastante gordo
com raga do turnio, na estrada de Joo de
II11.o- no silio que fica em frente ao do
fallecido guarda-mur da Alfandega, isto he
i'iio da Suiedada u priaioiro sitio.depois do
dito guarda um., que callar com quem
talar.
~ Veudera-se; na loja 11. -2, da ra Nova
atraz da matriz, a dinheiro visla, sapatOes
de couro do lustro irancezes para homem.
sapalosdo marroquim para seudora, ditos
do lustro, dilos deduraque, e botina dedu-
raquo gaspiados do couro de lustro, chine-
las do marroquim para homem, ditas de
13a, ditas de dilas para sonhori, ditis do
marroquim, ditas roxas proprias para irem
ao bando, san los abotinados de marro-
quim paro un ira, Sa;mlinlios de panno
com pona de lustro para m minos, e sapa-
tos deduraque para meninas a 500 rs, 1 par.
Armazem de louca vidrada.
Como sejam : panellas, o 1; trolas, tijellas,
assadoros, fregldeiras, papeiros. alguida-
res, laidas p ira doc i, vas is pira ores, jar-
ros, quartllllls, garrafas, COpO, muiiii-
i nes, rwfriadeiras ; ludo lino pira resfriar
agoa, balaios para meninas andarn, ditos
para costura e compras, baldes de pinbo,
condenas de (odos os laiuauhus na ra da
Cadeia do Recifo 11. 8.
-- Vende-se um lindo silio junto ao ou-
genho Fragoso, can urna escolenlo varzei,
con rio mirgom, baslaules arvores de
fruelas diversas, alguns coqueiros o ps de
caf, excelleates mangueiras, jiquelras,la-
rangeiras liguoiras, ote, tem proporfio
para se ler un boa baixa Je caplm, excel-
entes trra do rossa, o caimas, um bom -
rancho para se arraucharem os viajantes,
com casa de viveuda, e loadas solllcientes
para uso do musmosilio: tambensequilar
plantar canna, tem trras para 800 a 1000
pues, e quasi tu lo vargeus lrescas,sendo es-
tas de massap : os pretendemos dirijam-so
ra da Cruz n. 8, ou aS. Amaro d'Agoi-
Fria a Jos Francico Ribeiro de Souza, que
lia adiarlo com quem tratir.
Vende-se os bam condecidos queijos
doSear, mui frescaes, no largo doLivra-
ment n 20.
Vende-se no armazem de Dias Fernn-
desdel'ronle da rampa da alfaodega,sicasde
porfeilo nulho a 3,400 rs.; ditos de feijio a
2,000 ra.
-- No caes da Alfandega, armazem do An -
nes, vendem-se cinasiras com bilUis,
das ebegadas ultimameole, de mui boa
qualidade, a 1,000 rs. cada urna.
Vendem-se chapeos do coi- 1
le pequeos a 4.000 rs. : na
m ra do Crespo n. 33.
Vendem-se romoiras de fil de lindo,
proprias para mooinas, ditas para seudora;
ua loja n. i da ra .Nova.
1!
mcutino, pardoj; Euzebla, BeneJicla eilio-, zom n. 7, de Cimpollu F1II10, vondom-se
maz.creoulos. ancoretos com azeitonas a 700 rs. cada um 1
Na travessa da Madro do Daos, orm- j_ Vendem-se edapeos da pilhi amtrtlla,
copa biixae aba larjd a 3,000 rs.: na loja
o. 2 da ra .Nova.



II. I
l'i;CUINGHA.
Ainda existe orna pequea quan-
lia das superiores colxas de linho,
do melhor goslo que tein appare-
cido no mercado, pelo barato pre-
- i;o de io.oqqts. cada una : na ru
do Quelmado, loja n;,i7..
Vende-se, por preco com-
nodo, fumo em folha, para Ata-
rulos de primeira e segunda qua-
lidades, macella chegada ltima-
mente do'Porto, c calvirgem de
.Lisboa tambetn desembocada
poucos das : a tratar no armazem
de Das Ferreira, no caes da al-
andega, ou com Novaes & Com-
panhia, na ra do Trapiche u. 34-
Chita larga franceza, a ? '\ <> rs.
Vende-se chila franceza larga, padrOcs
modernos, escaros e claros, c cores (xas,
P"l.i baratissimo preco de 240 rs. o covado,
tendo grande porclo para escolher: na loja
do sobrado amarello, nos qua tro cantos da
rua do Qucimado n. 29.
Sedas furta cores, a 1,700 rs, o
covado,
por lao diminuto preco, que mdei-
xar de ter um vestido de seda pa-
ra a lesta ? na ra do Qucimado n.
lo, vendem-se as nielhorrs e bo-
nitas sedas furia cores, para vesti-
dos de senhora, meninas e mante-
letes, a 1,700 rs. o covado; dat-
se as amostras, ou mandam-so as
pecas em casa para mellior o com-
prador escolher.
Vendcm-se relogios de ou-
10 cprata, patente inglez : na ra
da Senzalia Nova n. !\-i.
'- No escriploriu do Novaes gina, nu ra do Trapiche n. 31, lam para
vender por preco commodo os segu .tes ob-
jectoa chegados ltimamente: chapeos do
chilo iuternos, tinta para cscrever, graxa
em potes para calcado, linha deroris, macos
Basto, na ra do Trapiche n. 17,
ha para vender, nova e superior
potassa da Hussia, chegada recetir
(emente.
Principios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vi'iide-sn este compendio, approvado para
as aulas do primeiras letras, a 480 rs. : na
praca da Indjepeudoncia, livraria n. 6 e8.
Lasa de commissao de cscravos,
Vender-se cscravos e recebem-
se de commissao, lauto para a pro-
vincia como para fra della, para
o que se offerece multas garantas
a seusdonos -narua da Cacimba
11. Ii, primeiro andar.
Deposito de cal e jtotussa.
No armazem da ra da Cadcia
do ltccife n. 12, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa chegada ltima-
mente, a precos uiuilo rasoaveis.
Vcndc-sc um cano de qua-
tro rodas, muito leve, para um 011
dous cavallos: na cocheira do M-
aterro da Boa
guel
jougci ,
Vista.
Deposito (tu fabrica te Todos os
Sanios na Huilla.
Vcnde-sc.um casa doN. O. Kieber&C.
ua ra da Cruz n. 4, algodao transado da-
quolla rabrica, muito proprio para saceos do
assucar e roupa do escravos, por preco com
modo.
Voiidc-se por melado do que custou um
pequeo sitio perto da praca a margem do
Capibaribe, com casa de pedra e cal o mui-
tos commodos, liem plantado do fruteiras e
jaidim : a tallar com ocorrolor Miguel.Car-
uciro.
Arados de ferro.
Na fundigo da Aurora, em S. Amaro,
vendcm-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Mocadas superlorc.
cTmrptoa"enfoid"o.'epanno de ilnho': a! mN '"icio de c. starr* Companl...
miar immSmlf.s-Amaro, ocham-se a vonda moenda
'de caima, todas do ferro, de um modeloe
DRV ERES DOS HCplENS,
a 5oo rs.
POTASSA DA llUSSLA. Farinha fontana,
JNo armaiem de Jos Teixcira c"e1e,aV1,l'm-menl*: emeasa de'j. j.Tas-'
so tumor,... ra do Amonm n. 35. Vemle_8e sta compeoui(J rovido .
razendas para senhora, por bara- as aula, em mei. encademaCao, asoora.,
t) preco. cada um : na livraria ... Se 8, da praca da
j Independencia.
Vi ndn-so um bonito molcque creoulo,
19 anuos, proprio para qualquer
1 ra larga do (lozano, loja ... 33.
4,500 ra. com 8 112 varas, e 640 rs. a vara : 1 ""
ditas francezas de bom gosto, a 560rs deanuos, proprio para qualquer ofllcio
vara ; ditas co,n listras de cor a 3,000 rs., a D" ru" ltr& do"".r'0' J
peca com 8 varas; cissa preta a 100 rs. ; Novidade ,
covado ; corles de cassas pintadas,a 2,000 o! Vendem-se frascos com oais de 6 libras,
corles de chita com 12 covaJos, a 1,920 o( cada um, com excelletlte doce de annaoaes;
t,800rs. ; lencos de flnissima cambraia doicm calda, feilo no Meranhao, chegado no
lindo, a 480. 560c 640; ditos do cambraia | ultimo vapor do norte : na ra daCadeia
do algodlio com bico, a440rs.; zuartes do do Recite, venda n. 25, do Manoel Jos do
cor muito cncorpados, a 200 ra. ; dito i Nascimento e Silva, defronte do becco Lar-
azaoscom 4 l|2 varas, a 200 rs. ; e lgodilo go, e na de n. 23, de Antonio da Costa Fer-
trausado com listras, a 180 rs. : na ra do | reir Estrella.
Crespo n. 6. | Vende-se um escravo velho proprio
Atlenco. jpar tratar de algum sitio, por entender I
Acaba de chocar no ann'r lmnnriri,. '.de Pl,nl,os' o lambem para tratar de ca-1 lotera
i, de Souz Jnior Km W.h^do f,'fefJ0.r.ttr muita Pratic.: n. roa do ftuei- AloanUr... cuja lista deve vir n
Lotera do dio de Janeiro.
Aos 20:000,000, (0:000,000, 4:000,000
2:000,000 e 1:000,000 de ra.
Na ra da Cadeia do Recite n. 24, loja da
Viuva Vieira' Filhos, existe os mui afor-
tuna
tratar no mesmo escriplorio
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com catnbao de sicupira e bracos
da ferro : na fundico da ra do
JJrum ns. 8 e 10.
- Deposito de cal virgen).
Cunlia & Ainn iin, venden, barris com cal
em pedra, chega la ultimamcnlo de Lisboa,
na barca Margaridn, por menos proco do
que i ni outra qualquer parle: na ra da Cu-
tela do Recite ii. 50.
iiombas de ierro.
Vendem-se bombas de rcpuxo,
Dendulaa e picola para cacimba :
na ra do Brum ns. 0, 8 co,
fundicao tic Ierro.
Farinha de mandioci.
A m.la nova c mais barata familia de
mandioca que ha no mrcalo, ventc-se na
i ua da Cruz do Recife, armazem n. 18, le
Joffo Carlos Augusto dii Silva.
Moinhos de ve tilo
com bombas de repttcbo par. rugar borlas
d baixas do c.pim : veudom-sona undii;no
de llov/man & Me. Catlum, D. ra do Uruin
ns. 6,Se(0.
--Vendem-se amarras de ferro: na ra
da Senzalia nova n. 42.
0 VenJe-s< um grande sitio no.lu- ";
0 (jardo Manguind, que tica defronte 0
,vj dos sitios dos Srs. Carneiros, com fy
':, grandScaaa de vivenda, de quiltro q
n agoas, grande senzalia, cocheira, m
\ cstribaria, baixadccapim que sus- q
S lenta 3 a 4 cavallos, grando cacim- X
loj
junto ao beco da CongregacSo n. 37 A os bi-
bilhctes, e caulellas da loleria do theatro S.
Hedi de Alcntara cua lista vem no I.* v-
por.e vendem-se pelos baratissimos precos
ahaixo
Rilholes 22,000
Meios liilhetes nooo
Qu.rloa
Oitavos
Vigsimos
Lotera de Nossa Senhora doLi-:para fra do torra na n
vramento.
Aos 5:000,030 de rs.
Na loja de miudezas da praca da Indepen-
dencia n. 4, vendcm-se bilhetes inteirose
meios, a beneficio do Nossa Senhora do Li-
vramento, que corre infallivelmenle nodia
23 do corrente, e o Sr. thesouroiro pagano
da 24 do crrente. Bilhetesinteiros (0,000
rs. c ...eios 5,000 rs.
Para jardn
M. D. Rodrigos na ra do Trapiche n. 26,! cesa v'end'em-se ricas litas d seda lavrada
recebeu urna completa colleccSo de adornos, para clupelina : na ra Isrga do Rosario n.
para jardins, composta do vasos de louca,! 26, loja de miudezas.
brancos e pintados de todos os tamanhos ej Oculos para todas as dados a800rs
modelIns. Figuras representando as esta-1 o par.
cOes do anno, as partes do Clobo e todos os I Vendem-se oculos para todas as idades, a
Oeoses da Tabula, que recommonda a quem sOOrs.o par: narua larga do Rozario n.
liver bom goslo, o por precos muito rasoa- 26, loja de miudezas.
madon. 14.
Vende-se urna toalha toda aborta, do
mais rica lavarintn que so pote fazer, e .in-
da sem bico, por ter sido a pouco acabada ;
assim como 2 ditas sSmento com lavarinto,
e bico as ponas; na ra do.Queimado
oja n. (4.
i Vende-so urna preta com 22 annos de
'"i'tmri 'd, ^'?: 'engomma, lava muito bein, e cosinha o
j I? (diario de urna casa, e preforc-se venler
para fra do torra : n
Fra de Portas n. 104.
-- Vendem-se tres negrotas de idade de
20 annos, que engommam, o cosinham; I
i.'nlah de 18 a 20 aunos, de bonita figura,
com algumas habilidades; 1 preta e 1
molataJ. mcia idade; e um cazal do os-
cravos :na ra Uireita n. 3.
Ricos suspensorios de seda a 800 rs.
o par.
Vendem-se suspensorios dn seda pelo ba-
rato preco de 800 rs. o par ; e na mesm
?
ba, com bomba e tanque coberto
para banlio bastantes arvoredos de
O
- 9
9 liuclo : na rus do Collcgion. 16, se-
3 gundo andar. "
Vendem-se velas do esperncete, em
c.ixas, de superior qsalid.de : cm eaaa de
J. Kcller & Companliia: na ra da Cruz nu-
mero 35.
Viuho do Champagne,'
c superior qaalid le feade-ao uo anr.a-
eui Kalkmanu IrmSos Ra da Cruz, n. 10
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
RA DA SENZALLA NOVA N. 42.
Ncste estabeleeimento conti-
na a ha
ment d
das para engenho, machinas de
..... ..:.. a~ i------- UiU. .
CiOUl* V IUI.IU ...li 11. i < %*
coado, de lodos os tamaitos, pa-
ra dito.
Agencia de Edwin Maw.
IVa ra (te Apollo n. ti, ar.na/.cui de Me. Cal-
iuout& Companliia, acha-se cousljnteineutc
b.om .lortimenios de taixa de ferro coado e
batido,"Lauto rasa como fundas, moendas iu-
.dras tois de ferro para animacs, agoa, etc ,
fitas para armar em inadeira de todos os ta-
manhos c inodcllos o mais moderno, machina
horisontal para vapor, com forca de 4 caval-
los, coucos, passadeiras de ferro estanhado
para cata de pulgar, por menos preco que oz
de cobre, escoveus para navios, ferro ingles
tanto em barras como cm arcos folhas, e ludo
jior barato preco.
Anligo deposito de cal
Farinha para bolaxa.
Vende-so farinha americana chegada
ltimamente dologlalerra pelo preco de 6/
rs. a barrica, em casa de J. i. Tasso Jnior
ra do A mor i m n. 35.
Vende-se cm casa de A-
damso.i llowe k Companhia, na
ra do Trapiche n, l\i panno de
algodao para saceos de assucar ,
muito superior e birato.
MacSes ecastanhas.
Vendem-se mafSes o castanhas chegadas
do I'orto : na ra da Cadeia do Keciffe n. 61.
Vende-se acusado sobrado n. 8, da
praca da Roa-Vista : quoui pretender on-
li'iid.i-.-, c un Joai|umr daHHva Castro, na
ra do Crespo,
Vende-so com alquoiros de sal por com-
modo preco na ra da Cruz do Hesite
n. 2t.
Vndese palbas de coquoiro cm porcSo
ea ictallio ua ra Direita eaefdo Jos Joa-J
quim de Abieu n 70.
--Na ra do Livramenlo sobrado n. 10,1
se dir quem vende um adereco, 2 voltas, 3 i
alliniles, 1 tranceln,4 auclOes, 2 pnlceirasl
I bandoirade menino Dos, 5
coa, 1 relogio pulvnle i
de prala.
icos 5DJesPdaCb^i-'S0,nirnl|uel'a,'o mentio *'500 rs- caua
nlTez e24 comeres.Cl,r,f-,. brim "'ociado muito proprio para
nbiez, e 2* comeres /1>|lUlj flja,|uolas 32l) rs> 0 cov,j0( cort,s
, de cambraia do soda com 13 covados a 6.400
' I rs. o corle, cortes de caga decores i 2,000
Venile-se nataverna
lephante, na rita do Hospicio, bir-|rs-uatias muitis fazenda. que o preco
licascom bolacllinha ingleza, das!vicond..-n._ru. do Qaeim.d.i n.
19.
Coostrucco muito superior
Velas de carnauba em libras.
Vendem-se velas de carnauba imitando
espermaceti) : na loja de sjleiio da ra da
Cadcia do Recife n. 36.
Prczuntos
Vendem-se prozuntos americanos, muito
superiores e por barato prego : no caes da
Allcindc-ju, armazem delronte da arvore.
Altencao.
Vend-se, por 3:500,000 rs., o sobrado de
dous andares c solSo, com trapcira e loja re-
partid., com boa cacimba na chaguo e em
chos proprios, no Recife na ra do Apollo
ii. 29 : na mesma ra n. 3i se dir quem
vendo.
Vende-H urna porc3o de madeira ue a-
marello, cm prauchao, a preco regular : na
praca do Commercio n. 6, primeiro andar.
Chapeos de castor bronco.
Vendem-se na fabrici dechapeos de Chris-
tiani & lr:r.So, na ra Nova n. 41, os mais
modernos o superiores chapos de castor
liranco, chegados reconlomentc da Inglater-
ra, pela'galera Linda.
Manteiga scmtal.
Nao so linha dcscoborto ate lioje um mcio
de coiiservaifa nianlciga de vacca sem sal.
.Nos p.izoa conaomidores, como a bordodos
navios, mi te gastavfio inanleigaspreserva-
das a custa de muito sal. I'elo mcio do unta
nova invencSo,que ja lia muito experimenta-
da adquiri a certeza da perfeico, pode-se
em toda a parlo do mundo gaslar msntciga
perfeitameute conservada fresca sen. sal al-
gum. Cbjeclo de primeira neccssidade para
a arto culinaria e para a meza, a manteiga
sem sai be indispcnsavcl para os doentes c
convalesccntes, pois lie formalmente pres-
cripl pela liomeopalliia ; e neslc ultimo ca-
sa ella lorna-sc Unlo mais aprcoiavcl quan-
lo lio pura do qoalquer substancia que a
possa alterar nos scus benignos elidios. Fi-
nalmciile pode gastar-so tal qual nos paizcs| Checucm frcffliezcs a npthinrln
productores. Na llavana o as Anlilliasfran-, ^ irtguezes a pctlunciia ,
cezos esta invencao foi reeebida com grali- antes que Se acabe.
do, pois era de ha muilo lempo apetecida.1
Em Pernainbuco, que n.lo cede cm bom no n
gosto a outro paz, nao duvidamos que seja rua tl0 ^Ollegio n. O, C lia praca .la linha.
rcconhecidoosoumcrecimcnio. Recomen- Independencia n. I\, ha para ven- Na rua da c.deiado Recite n 49 vn-
da-soaroanteigascinsala-pessossquogos. j i ,-, l U(Jrn-Se muito bous sapatos do Aracaiy,
Uo de paaaar bem : ha toda certeza de -oni uuai.uuras (le nnr-1che dos ullimaltl0IllCi 'c lnais 2 C5CravV
qucdepois que a tivereni provado uno que- nielada, minio fresca e superior,'
rero mais saber de manteigaa salgadas p- Yn(|a de l.iS|jQa nela barca I m
raseusalmocoso para seus chas Acba-so J-'lsoa pea uarta L,lgei-
a niauteiga fresca sem sal por preco modi- ''0, QSStm como frascos de doC3 Cm
cono boteq.ii.r. fr.ncez da roa nova c na ja|as t\c mamullo COtn seis libras
venda de Fonles, & Irmao : ruada Cadeia do i """>
Recite. ca(Ja titn; pecego e guija, tudo po-
ali-
~ Vende-se urna preta de cos", bonita
figura, sem achaque nenlium, boa qnitan-
der, a lambem propna pira servido do
campo : na rua de S. Thereza n. 2, achara
com quem tratar.
Capachos a 500 ra.
VenJam-se capachos a 500 rs. : na rua
larga do Rosario n. 26, loja de miudezas.
Vendem-se queijos londrinos, ditos
chinas, dem do Alentejo dem suiaso, pre-
suntos inglazes para fiambre, lingoas In-
glezis, manteiga fresca em latas e Irascos,
concervas inglezas, ditas francezas de de-
ferentes qualidades ; latas com biscoito
ioglez. mostarda franceza e ingleza ; latas
com sdpa, violtos as seguintes qualida-
des : porto particular, madeiras, sherry,
moscatel, setubal, colares, lavradio, bucel-
las, csrcavellos branco o tinto ; latas de
iiiaiin dada, rains com figos, lalts COU
ameiclias, ludo de supeiior quslidade : na
rua da Cadeia do Recife n. 2, taberna de
Foule & Irmo.
Grandes mappas Jo imperio do brazil,
com a planta das principaes cidades por
Conrado, coronel de engenheirus : no pa-
teo do Cullegio casa do livro azul.
CASEMIRAS BARATAS. numerosas experiencias feitas conu
Ven le-so os mais modernos cortes. dcca-[uso da salsa parrilha em todas as enfermi-
dades, originadas pela impureza dosanpuc,
e o bom xito obtido na corte pelo lllm.
Sr. I)r. Sigaud, presidente da academia im-
perial du medicina, pelo illuslrado Sr. Dr.
BOA OfiATIFICAijAO'.
Ausentou-se nanoite de 2? de
outubro^ passado o mulato C|e-
mentino, de ao annos de idade
pouco mais on menos, magro, a
tura -regula'r, tem muito pequeo
bu?o de barba e falla muito mansa
quando anda parece que n8o p8
bem com os calcanhares, costuma
andar calcado e bem vestido, |e.
vou urna trocha de sua roupa, in-
clusive calca e aqueta de panno
fino ozul, e alm do mais algum
calcado, um par de borzegnins par.
dos bilhetes, meios e caulellas da o. dos, eom botr.es de tftadrenernli.
Pedro de brancos> e cn8ta que lev'ra J
cavado, que naquella occasiio a-
lugra, o qual tem os sgnaes se-
guintes ; castanho, barrigudo,
dinas pretas, gordo e tem um ta-
Iho em urna anca; he provavel que
queira passarpor forro, he boliei-
ro e escravo de Luiz Antonio Si-
queira : quem o pegar leve-o a rua
da Cadeia do Recife n, ai, que se-
r recompensado.
Nodia 23 do passado, desapparepeu do
engenho Arembi, froguezia de Ipojucs, uroi
mulata, tiem alva, cabellos bem pretose
meios encolhidos, um tanto bsixa o magr
com sardas pela cara, nariz afilado, porn,
grosso, e presentemente teve um tumor oo
meio da cabetja que est coroada : quem
descobrir leve-a ao dito engenho, ou nesli
praca em casa de Manoel Buarque de Mace-
do Urna, na rua do Livramento n. 26, que
ser bem recompensado; a mesma levou
ro upas finas e uns vestidos de cambraia, des-
confia-ae que tenha seguido para Pao d'A-
lho ao.nde tem prenles; por Uso, roga-sea
todas as autoridades policiaes, e a qualquer
pessoa do poro e capitaes decampo, do i
pegarem e levarem nos lugares cima men-
ponados queserSo generosamente recoo-
vapor e estar patente na mesma loja.
- Vende-se 2.000 couros salgados em Ma-
celo, a tratar com Jos Goncalref Torres :
rua daddeia Velha n. I.
A (oo rs a arroba.
Vendem-se batatas novas da
melhor qualidade inglezas: no Re-
cife armazem de Joaquim Pnhei-
ro Jacome, na travessa da Madre
de Dos n. 9.
Vende-se urna parda, de 20 annos, pou-
co mais ou menos, cozinha, engonima e co-
se algumacousa, nlo tem vicios, nem a-
chaques: narua da Concordia, quemvm
d pontea esq.ierda, segunda casa terrea se
dir. quom vende.
-Vende-se urna cscrava do gento de An-
gola, que sabe cozinbar solTrivolmente, en-
saboar e hequintandeica : na rua de Har-
ina n. 110. que achar com quem tratar, das
8 horas da marfhSa at as 4 da tarde.
Na loja amarella da praca da Indepen-
dencia n. (, vendem-se palitos de brins mes-
ciados, bem fetos e muito proprios p.ra
montar a cavado, e para quem passa a fes-
la, a 3,000 rs. cada um, el les antes que se
acabem.
Queijos londrinos.
os mais superiores possiveis por virem om
latas, chegados ltimamente por preco
commodo, na venda da rua da cadeia do
Recifa n. 2J, delronte do becco Largo.
Vende-so um sitio, junto ao Campo-
Grande, confronte a S. Amaro com mullas
mangueiras, cajueiros, pitombeiras, e ou-
tras frucleiras, agoa doce, e boa baixa
para cipim.e com desembarque, por preco
commodo : na rua da Madrede Ueosn. 7 .
Vende-se una morada do cisa terr ea a-
traz do San Jos na esquina n. 2, quem qui-
zer comprar dirija-so a mesma casa que a-
char com quem tratar.
*- Vende-se a Historia do Brazil a 1,000
rs. embroxura, e a 1,800 encadernada : na
pra;a da Independencia n. 12.
-- Vende-se una casa terrea na rua Im-
perial : quem a quizar dirija-se a rua do
Arag3o n. 15.
SALSA PARRILIIA
DE
wmmwm*
As numerosas experiencias feitaa cnTi
>
Frutas de Portugal.
Vende-so frascos grandes com pessegos,
damascos,cerejas e guijas muito bem con-
servadas c pelo diminuto proco de 1,000 o
frasco.- na rua do Rozario larga n. 20
- Vende-se um relogio de prata patente
suisso : na rua larga do Rosario n. 26. loja
de miude/.3s.
Pechincha.
Vendum-se couros de lustro polo barato
preco de 1,600 rs. a palle : na rua larga do
Rosario n. 26, loja de miudezas.
Vondo-se um escravo cioulo, idado 24
annos,vin lo da cidade do leo, cujo escravo
cozinha sofrivelmento o diario do urna casa,
no tem vicios nem achaque*, e vende-se
em conta por ler vindo para pagamonlo: na
rua da Cadeia sobrado de um andar passan-
a casa da Guarda da Cadeia.
Veudc-se um- porco grande, cxcfssi-
Narin larga do Roznrion.22, na vomoto gordo, ptimo para um ircsento :
>. ,1VIU.;;___5 noArrombado sobrado defroute da capa-
m.its novas que ha no mercado, a
2,400 rs. a barrica, c a retalho a
laors. a libra.
A i,aoo rs.
Vendem-se peles demdrroquim
de todas as cores, pelo baratissimo
preco de 1,200 rs. cada urna, c sen-
do cm porcao d-sc mais barato :
na rua Nova, loja de ferragens n.
20, de Joao Fernandos l'arente
Vianna, defrontj da noneca.
aver um completo sor-\*9$*?99'*"i"?-'-"1''?f:9:&>?& lo diminuto t.rero de 420 rs.
lal W"M";-'U *"" \(f Vcndem-so caiiigam-se bichas, che- i.ri. ,, .. ,' ^
e maelldaSO metas mOen|fl gadasultin.anuntodnllamburgo.por f^ "ra.a c"e "oguczio, pois se
virgem.
ha
Na rua do Trapiche, n. 17
muito superior ca nova cm pedra,
chegada ltimamente de*Lisboa
Taixas para eligen lio.
Na fui:di;no de ferro da rua.do Brum,
acaba-se do receber um conjp'elo sortlmen-
to de taixas le 3 a 8 palmos de bocea, as
quaas acham-se a venda por procp com-
modo, e com promptido cmbarcam-se.ou
erregam-se om carros sem despezas ab
comprador.
-. Vcudem-se cera cm velas ,
iabricaas em Lisboa c 110 Rio de
Janeiro, em caixas de 100 libras
sortidas, de 1 t\ 16 cm libra, e tum-
ben! de um s tamaito,- por.me-r
nos preco do que cm otilra qual-
que
rio
se esta
> preco commodo: na rua de S. Amaro 4 final isundo.
.I virgem em pedra, Nova n. 20, dcfrnntoda boneca.de J0J0 Fer-
chegoda rccenleiuenle de Lisboa, cm anco- nandes l'arente Vianna, as muito apreciadas
ras, muito bem acondicionadas, vende-se a jarras o bacas Chinezas, obra muito recom-
preco muito commodo: no armazem de Sil- mendavel, pela tai duracSo, e Uiliculdada
va Barroca, na rua do Trapicho n. 19. em quebrar-se.esta s circunstancia anuuu-
r az-SC todo O negocio. ca ao fregu za sua utilidade ; na mesma lo-
Vende-seuma obrigacllo, de passado por J" lla UmbBm P"* vender grelhas de torrar
Claudino'dos,Santos Lopes Caslello Branco, fao '"ul, r.m conU-
mestro de primeiras lelras na villa do Cabo, -limcavallo murrcllo, novo, som adia-
da quanlia de 180,700 rs.; na rua da Cadeia quoalgum,_cgcgado* pouco do centro, an-
do Recife n. 8 u* Dem ""*. e muilo melhor em cima,na
f'Alrarlrm t nn r.nn X nnn la da l'enha loja de sapalcira n. 3.
a 800, 2,bOO, ,000, vendo so um quarlao.edu'ls egoas oro-
Vendem-se selins e sillines
inglezcs, de couto de porco, da
primeira qualidade: em casa de A-
damson llowe & Companhia, na
rua do Trapiche n. bi.
Ricos temos do bandejas, cacbinhas
com 6 pap'-is do agulnas muito superiores ,
colheres de metal do principe perfeita imita-
C0ode prala,r.ieciis com garlos muilo linas,
chaleiras. friaideiras, eassarnlln n :in,.iu<
de ferro forradss do louca,fogareiros grelhas
e mais pert"iices de cosinha : na rua Nova
loja de ferragens de Jos Luiz Peraira.
OUantois Patlhetck Companhia.L
Conlinua-se a vender no deposilo
a geral da rua da Cruz n. 52, o excel- V
lintee bem conceituado rap areia St
preta da fabrica de Ganlois l'ailhct &
Companhia da Baha, om grandes e
pequetas porces pelo precoeslabe- a
lueeido.
"* -..:- ; :-..::::- : '
Vende-se superior farinha
cinssdos.
100,000 ra. de gratificaclo.
Roga-se aa autoridades policiaes, que cap-
turan o escravo Manuel, pertencenle Se-
bastio Marques do Naacimento, fgido des-
d o dia 8 do mez de setembro. Fo
elle escravo do Sr. Gabriel Alfonso Riguei-
ra, i quem foi comprado ullimamenle : ten.
28 annos de idade pouco mais ou menos, cor
fula, com falta de dous dentes na frente,e
de cabellos do lado esquerdo da cabeca, que
se torna bem visivel por paree.-r urna co-
r.'i, tem olhos pequeos, beifos grossos,
sem barba, baixo, corpo regular, he ofliciai
de funileiro. Trajava jaqueti de riscado
azul, calca beanca, camisa de madapolSo, e
levou urna trouxa, contendo calcase jaque-
tas : quem o apprehender e levar rua di
Aurora n. 62, receberi-a r.itilk-i.-.i,, (,-,,.
iin'liida. Suspeila-se que fosse seduzido, e
por issodesde j protesta-secontra quema
conservar em seu poder.
-- Desappareceu na tarde do dia t3do pas-
sado um escravo por nome Joaquim tem os
signaos seguintes: boa estatura, representi
ter 35 annos de idade, falla desecaba ra; i la,
ps grandes, tem lodosos dente, da frente,
nariz chato, quando anda estala as jiini .s dos
joelhos, levou camisa de algodSosioho bran-
co, calca do dito azul, este escravo foi do
malo: quem o pegar leve-o a tvpograpbia
imparcial a fallar com a viuva' Roma que se-
Antonio Jos Peixotoiem sita rlinici, eom
suaafamaJa casadesaude na Gamboa, pe-'r recompensado.
lo lllm. Sr. I)r. Saturnino do Oliveira, me-1 Dosappareceu no dia domingo, 12 do
dico do exercito e.por varios outros medi-i passado, um preto que representa ter 45 a
eos, permitiera boje de proclamar altsmentc 150 annos de idade, de naco cacange, baixo,
as virtudes elllcaaes da cheio do corpo, sem depilo algum no corpa,
SALSAPARRIIjUA levou vestido, calca de casemira azul olara
de quadrose ja velha, coleto de selim preto
I velho, jaq uela de brim pardo,camisa de ma-
dapolSo, chapeo de seda preto; presuma-se
ota. cada garraa contem duas libras!que anda pelos arrebaldes desta cidade, pois
apezardeser do serto nSo sejulga que te-
DF.
de liquido, o asalsa parriha do Bristolh1
garantida, puramente vegetal sem mercu-
rio, iodo, potassium.
Vende-se a 5^000 rs. o vidro na botica do
Sr. Jos Maria Goncalvcs Ramos : rua dos
Quarlois pegada ao quarlelde policia.
MUBILIAS DE rEUHO.
Vendem-se ricas mobilias de fer-
ro, como cinaps, mesas, cadeiras
com braco c sem elle, emuitos ou-
tros objectos de ferro : no arma-
zem de kalkmanu I maos, na rua
da Cruz n. 10.
Escravos fgidos.
Ilesappareceu no dia 2 deste correte
mez do dozembro do engenho Espirito-San-
to na commarca do cabo, um escravo criou-
lo do nome Alexandre de idade 25 annos,
com os signaes seguinles.allura regular, re-
forcado do corpo cor fula vista agradavel.sem llruc, da freguezia de Escada, o cscrao
nhavolt.ido: roga-se prtanla as autoriJi
des policiaes e capitaes de campo, a captura
do mesmo, levando-o rua do Vigario n. II,
terceiro andar, que se recompensara.
- Desappareceu da fabrica de caldelreiro
da rua do Brum n. 28, nodia I7dopassalo
mez de novembro o preto Antonio, de na-
ca cabinda, que representa ter 45 annos da
idade, altura regular, cheio do corpo, cara
abocetada, muito cabollodo nos pellos o
com bastantea cabellos brancas na cabec.
o um pouco carrancudo; he ofliciai decal-
deireiro, foi encontrado as Cineo Penlas, t
seguio o caminho dos Afogados, e ha natu-
ral quo seguisse mais adianleporter levado
toda a roupa que linha, e por ja ler sido
pegado do outra vez na freguezia da Esca-
da : roga-sa portanto, a quem o pegat do
leva-lo na dita fabrica cima, que ser re-
compensado.
5ii,ooo rs.
De 15 para 16 de novembro de 1831 de-
sappareceu do engenho Aguas Claras do
rs
rua do
andar.
., ditos para homcm os melhures que *3, continua liaver sorvete todos os das'a bordo do mesmo ou na rua do
temvindo da Rabia a 3,000 e *,000 rs., c bo- dBS hura' dodiaas3 da lardee das 6 as 9 a|| ,,..._ ,
tins a, 6.000 rs.; auim como um novo c d" """le allm de applacar os calores da rapa-, '*P\10 armazem n. Ij, e na rua
completosortimento de calcados, frncozes 2lada'uzida. 'da Cruz armazem u. 33, com S
detodas as qualidades tanto para homem Batatas francezas novas 'Aratijo.
como para senhora, meninos e m.eninas, Vendemsegigos com superiore btales i v i l ...
peles demarroquim e corles de tapete, francezas chegados ultimamenlo pela barca I '~ Vc"dc-se um cabra de lda-
480 rs e leodo porcSo. dti-se por menos, rranceza Pernimbuco, viuda do Havre, na de 3o annos, muito fiel, sem vicio
ludo abo. de se apurar dinheiro. .. travessa da Madre de Dos u, I9,armaz-in de a|llm ra, ,'
Vcnde-se no armazem da rua JoMumz do Barros. "'". la/lodo c qu.ilquer servi-
da Cruz n. A8, os secuinteo cene- Vcnde-80 um,ncitt cinmoJa do an- na fu do Qucimado numero
1 ? o, gico, feitea moderna, qi.'isi nova: na ruada lo. loia
ros a precos commodos ; fras- Senzaila-Velha n.vo > V ,
--Vende-seuoiacabrabiElio.com umi' Vcndem-se quatro estolhs
cria, queda bastante leite: na rua d< C uz da .c>res principaes, branca. Oli-
do Recife n. 29. ^o^.,nJo i i
- sao chega tos a loja da rua .Nova n. ao, carnad0. f->cha e preta, bordadas
do Juiio Fernn lea Pranlo Vianna, os ri- a Olll'O, proprias para vitzaiios e
eos o muito bonitos aparelhosde metal fi- nrpm.ln,... .,' i /. i ,
ticas, larco c secante cm Larri- no para cha e caf, obrado delicado goslo, i, P,10,*- na '"a Ja Oauea do
r'parte: lrta-se nocscrpto- c'ps; pera hume cm barricas, es- ? PLe'- emd*s B5i ac- ectfc, loja de Jos Gomes Leal.
.' i o n- i '.'', ,f -.",-' cabem. Na rua do l.ivr.mei.lo n, II, vendem-
de Machado Venle-su espirito da 38 griiiMta (,000 rs. estender on. una sala o s;rvir do cama para
a caada, e a retalho : na distiliacSo da 4 Ou 5 pesioas; assi .. como
barba, nariz afilado, tem o dedo ndex
mo direita quasi alejado de umsuc-
cesso que ficou com o dodo torto ja foi
surrado, toma tabaco, tem os olhos cs-
branquicados he miia rochiidn, e bem
Venancio, de Angola, que muito pareen
crilo, idade 25 a 28 anuos, cor fulli, ba-
nita figura, altura regular, cheio do corpo,
pernas e bracos grocos, rosto gordo, e ar-
redondado, testa grande, nios grandes.'
escorrido de canellas, e ps. Quemo pegar amortecidos, tom falla de muitos denles o
frente, do lado superior, poucos cabellos no
ou delle liver noticia dirija-se ao dito en-
genho ou nesta praca a venda de Jo.lo Jos
do Monte as Cinco Pontas n. 92, que sor
bem reco-npensado.
Fugo da cidade da Farahiba
uo dia 24 de outubro prximo pas-
sado, urna escrava crioula de no-
me Joanna, alta, cor fulla, repre-
senta ter a8 anuos de idade pouco
mais ou menos, olhos vermelhos,
quando falla gagueija, principal-
mente quando seteima com ella,
levou vestido roto, e urna coberta
de algodao de carossinho : qual-
quer pessoa que della liver noti-
cia, a queira apprehender e leva-
la n rua dn ('a I,.,', u:- j j paraoBrejoda Madrede Dos, onde foi es-
la a rua to Labiigd loja de intude- cravodoSr.Cordeiro.conhecido por Abade,
buco, equeixo, tem marcas de chicote as
costas, e de surras as riadigas, parece ser
serio, e muito humilde, falla com mu la
mansidSoearrastado faz-se; innocente, he
chegado a furtos, e costuma mudar de trago,
1 por furto de roupa que faz) de mudar o
nome, dizer-se forro, outras vozea procu-
rando quem o apadrinhn, ou quem o com-
pre : levou camisa de madapolSo, calca da
brim trancado de liatra pardas, j desbota-
do, chapeo uzado de como, cobertor groco
de listras azues eacuraa, e um fcil o que to-
mou de um muleque carreiro, do engenho
Moclo. Este eacravo passou pelos enge-
nhos Arand doSr. Hinoel Feliz, Amparo
e Moclo, lia vendo pedido aos seohoresdos
dous ltimos engenhos cartas que o p.Jri-
nhasse, em que foi salisfeito, e nSo obstan-
te fugir tendo seguido para o engenho .Mi-
nhocag, da donde prezuma-sa ler partido
eos de vidro com bocea' larga de
diversos tamanhos, latas com bo-
lachinhasde Allemanha muilo no-
alvaiadc muilo lino cm bar-
vas
Vigario
u.
i<), segundo.nevadinh' cm garralSes e'.sil'de
' psem muito alvo en barricas.
travessa da Concordia.
raque preto, para senhon, a 900
zas, a entreg.r a Jos Alves
Silva Gumaries, 011 na Parahibi a
Jos Maria Pestaa, que ser ge-
nerosamente recompensado.
-- Continua fgido a contar aa noute de
30 do mez do novembro passido de bordo
do bnguo Feliz Unio o escravo marinheiro
de nome Joaquim, do naci Moc representa de idade triuta e tantos annos,
b.ixo, grosso ate corpo, cor fulla.sem barba
levou calcas e camisa de riscado, o mosmo
ho capadocio, e ontend. alguuia couza do i-
dioma inglez sendo natural se intitule por
livre. Roga-sea lodas as autoridad(s sua
captura, como lambem os capitaes de cam-
po, corto de quo roconhecido pelo proprio
qumn o trouxor rua da Cadoia 11. 39, rezi-
denciadoAmorim&lrmaos correspondentes
daquelle briguo.-.^'Mo Sr. Propriel.rio do
mesmo oscravo, -/epebera de. gratificacao
sapatos de dj- 80,000 rs. o que S(r$nanlo pelo prezentean-
900 rs. o par. nuncio.
da a quem pode-se o favor, de se chegar a seu
conheclmento a sua estada ali, fazer apre-
ender, remoller ou avisar a seu Sr., poudo-o
neste caso na cadeia, assim como loga a
qnslquorqueo pegar, de leva-lo ao dito
engenho ao seu Sr. Antonio Carlos l'erelra
de Rurgos Ponce de Len, ou na rua Direita
n. 14 casa do Jos Pinto da Costa, querece-
beri a gratilIcacSo mencionada; e (ambeni
pelo prezente protesta-so com todo rigor,
contra qualquer quo o conservar em seu po-
der.
Continua a estar fgida a mulata Vic-
toria, cora os signaes seguintes : cara bs-
tanlo picada de bexiga, denles da frente po-
dros, tem um defeito cm um dos hombro*
por cauai de urna <|ueda, baixa e ps pe-
queos, tem sido encontrada do timao pe-
las bandas da Solidado, quem a pegar lei
a sua senhora na rua do Agoaa-Vordes n.
23, quo recebar 20,0U0 rs. de gratifica^>


Full Text

PAGE 1

I % %  I — l'rofossor S Manriques de Albuquerque 9 Dr. Jlo Francisco di Silva Braga 17 Cunselbeiro A. I'. Maciel Monloiro 15 Dr. M. Carneiro Lina do Albuquerque 85 Dr. F. A. de Oliveira Maciel 5 CapilSo Hanoel Antonio Martins P. B4 Dr. Joaquim Villcla de'C. Tavares 23 Dr. I. P. M. Portella B3 Dr. Lourenco Bezerra Carnelro da C. 83 Dr. Minoel Jos da Silva Meiva -'Dr. Antonio Epamitiondat de Mello 9i Dr. Marcos C. da Cmara Tamarindo 21 Dr. JoBo Lina Cavalcantt de A. 31 Dr. A. J. de Figoeredo Seabra 80 Dr. P. F. de Paul C. de Albuquerque 80 Dr. Joaquim ConoalVet Uai > Dr. M. j. de Miranda Lobo 80 Dr. JoaFelippedeS. LeSo 19 Deeembargador J. M. Figueira de Mello 19 Augusto Frederico de oliveira 19 Francisco Kaphael de Mello Reg 18 Jos Pedro da Silva 17 Dr. Francisco JoBo Carneiro da Cuune 17 Dr. JOSO Jos Ferrelra de Aguiar 16 Dr. Cyprieno Fenellon C A. 16 Dr. A. Juslioiano da Silva Guiarles 15 Major A. J. de Oliveira 15 Dr. Francisco Rodrigues Sete 1* Dr. Francisco Xavier Paes Brrelo 1* r, M. de A. Machado 14 Dr. Ignacio Joaquim de Souza Lefio 14 Dr. Pedro Gaudiano de Ralis e Silva 13 UmbelmoCuodes de Mello 13 Padre Vioente Forreira de Siqoeira V. 13 Dr Jos Mara Moscozoda Velga l'ossoa 13 Dr. Joaquim Hanoel Vioira de Mello 13 Dr. JoSo PdUlo UeMiranda 13 Dr. Alvaro Uarbalho Ucha Cavalcanti 18 Dr. Manoel Firmino de Mello 12 Dr. Francisco de I*. Baplista 18 Padre.Joaquim Pinto de Campos Dr. Jos Francisco da Costa Comes Dr. Lourengo Avelino de A. Dr. L. V. de A. Catanho EscrivSo F. C. de Brillo Dr. Francisco do llego Barros Brrelo r. M. K. de Paul C. de A. Bernardo Jos da Cmara 10 Dr. Jernimo Vilelu de Castro Tavare 10 Antonio dos Santos S C. Jnior 10 Coronel B-nlo Jos Lcmenha 1.1 ns 10 Dr. Joaquim J. Nunes da Cunha Machado 10 Dr. Jlo Francisco da Silva Braga 10 Dr. Joa Francisco da Costa Gome 10 Dr. Cosme de S Partir 10 Domingos Malaquias de A. P. Ferreira 10 Dr. Angelo Henrique da Silva 9 BarSo de Capibanbc 9 Dr. Aiil mo Epaminondaa de Mello 8 Dr. Maooel Mendos da Cunta Azevedo 6 Dr. Umbelino Ferrelra Caito 5 Dr. Pedro Gaudiano de Ratea e Silva 4 l'rofessor Salvador Henrique de A. 4 Vigario Nemezio de S. JoBo Gualberto 4 Dr. Filippe Carneiro -",'^linda Campello 3 Dr. JoSo Francisco £ ...ruda 3 Antonio Maria O'Conell Jersey 3 Antonio Jos de Oliveira a Dr. Anselmo Francisco Pirete 9 Major JoSo Valenlim Vilella 9 Dr. Jos Raymundo da Costa Meaezei 9 Padre Joaquim Pinto de Campos 3 Jos Joaquim Reg Barros ¡ Jos Pacheco de Moraes A. MaranhSo JURY DO KECIFE. SESSA ORDINARIA, EM 10 DE DE ZEMBRO DE 1851. Presidencia do Sr. Dr. Neiva. Prometer, o Sr. Dr. Abilio Jos Tavares da Silva. Xdvogado, o Sr. Dr. Joaquim Elvira de Moraes Carvalho. I en 1 a chamada acham se presentes 40 Srs. jurados. O Sr. ['residente abro i scssSo. Procede-seto sorleio doconsjlhoquelem 12 |dejulgarao IO Antonio Pereira do Monte, 13 aecus 1 lo pelo criioe de offeusas physicas : 13 isaliomsort'odososSrs. : Ladislao Jos Fer13 reir, Jos FelippeNery da Silva, Joaquim II ¡Jos Vieira, Jos Pereira da Cunha, JoSo A II | Cesar do An irade, Dr. JoSo Pedro Maduro da Fonaec aempre harmona entre as duas corporaCOoa, oumprindo cada qual oaeu dever, e obsequian lose mutuamente, apenas algum guardifio no cometo de la administradlo vacilava aobre a encommendacSo gratuita daquellas irmfias, que, ou por seren donzelias, ou por leus prenles o quererem.vinham em babitos da freirs Franciscanas; ma i vista de rasOea alegada! pela irmandade, e quando multo por decisBo do reverendo provincial, ou aou delegado.solviainse fcil ment essas du vidas. Infelizmente, porm, de cerlo lempo esta parte perdeu o convento toda a aua ordem o disciplina: relaxaram-se as regras franciscanas ; aoabou-ae o refeitorio ; desappareceu o carcere ; e cada religioso ficou desligado da obediencia regular, e na plena liberdade de obrar como ihe aprouvesse. ESSB mltiplo incidente comecoua Influir perniciosamente sobre os interesses da irmandade do Divino Espirito Santo ; e dahi dalam as desiotelligeociae, que infelizmente tem bavido entre ella e oa religiosos. as vesperaa da resta deste anno, deolarou oreverendo guardiBo que nSo obstante a obrigacfloem que eslava de fazsr a festa pela esmola estipulada de 84/, elle a nSo faria senlo por urna paga muito superior, por laso que nSo lbe estando os religioso 2 nome Miguel Comea do Sacramento por un siuescravo de nome Caelano, no sitio lagoa di Canto lugar da imbrribeira, pola simples desconliance de ter esse desgrar;ido ferido ou morto un boi que destrua suas lavouras.' Quera foi Sr. Diniz o morador da lunra, quo a pesso de co raudousa di noule para odil doengenho Matapagipe, por motivos que a prudencia mndame calar? A quem complela paternidade, de lio illuatres faltos Sr. Diniz ? NBo sabe.' poia eu Ihe digo quem he o tai hroe. He um homem grande, de cabellos, semelhsnles a biqueiras de casa de palba velha, que metido n'uma carJbeira. e de bonet afashionable, inVolvido nuin sacco preto, que o cobre at o joelhos, eoom r (fio garbozo que parece ao entrar por eata cidade um sultfio entrando em seu harem, vagando certoa das pelas ruaa do Recife. Agora Sr. Diniz, que Ihe dei a conhecer o tal sugeito, faco-llio urna ultima pergunta: poder um bomem, que sos vida nSo tem sido senSo um complexo de actos, e accOes laes desafiar, a quem tem urna vida toda pura de Crimea! Oh, qua nlo; mil vezes nlo Tenho concluido. Os documentos, qne offerejo sbaixo transcriptos a toda luz convencen!, que nflo tivea inleiativa, e noni concorri directa ou inderectamenle, para Clmeles especlaes de arrematado 1." A pintura da ponte da Boa-Vista se lita de Oonformldade com o orcimen Antonio Ferrei-a d'Annune cS n. Oeclaraces. sujeitos por obediencia, a funcclonarlam •• acto, que o 8r. Diniz qualiflea, de perse a paga Ihes agradasse. seguicBo, pelo contrario veom todos, que o Tendo a ir,mudado feito j os seus prepa-| mou procedimento, nestecaao, he todo mar u vos, e convites, vio-se na alternativa de j nante do emprego que oceupo, eatdetarsujeilar-se as exigencias do reverendo guarminado por ordem e que me tfabeaobriII ¡Ua Fonaeo, Eduarte da (¡osla Oliveira, AnTenente-coronel JoSo do,iRego B. FalcSo II ¡Ionio do Moraes Comes Forreira, Luiz de PiDr. Itolrigo Castor de A. MaranhSo loinho Borges, Manoel Paulo Quinlella, Jos Teoenie-coronel A. Carneiro Machado R. 10 Marques da Costa Soares, Claudino do llego diSo, ou de passarpelo dissabor de nfiofazor festa : entrou-se pois em ajusto, e por muito fivor contentou-se o meamo reverondo cun o duplo da esmola que Ihe era devida. Esta escandalosa falta a um contrato solemne, revestido de todas as formalidades logaes ; e o ter-se o reverendo guardiSo reservado para fazor aquella declaragacSo de cumprir. Cuuhecu Srs. redactores, odesarranjo destas linhas; mas mesmo assim dignon-so dar-lhes puplicidade, quo so nSo agradarem, pelo estilo, convencern pelas verdades que" encerram. Affogados4 de dezerpbro de i8bi. — loayuim Jos Bello. -llaver.do a eamara ^condecido, que (So as vesperas da festa, eram j motivos Diniz Antonio de Moraes, estreitou a anliga sullicicules para a irmandade rolirar-ae de passagem do rio Tigipi, com um paredSo Dr. Antonio BaptistaCitirana Jos Ignacio Soares de Macedo Dr. JoSo llercano A. Maciel Dr. Guilhermino C. M. Bacalho Dr. Caetano Estelila Cavalcanti P. Dr. J. C. A. V.deCuivara Dr. J. d'AquIno Fouseca Dr. V. Jusiiniano B. Cavalcanti Dr. AUonso Peros de A. MaranhSo Tenante-coronel Francisco Lope Lima A-Idos S. deS. C. Dr. C. Xavier Pereira de Brillo Dr. Cosme de S Pereira BarBo de Capibaribe Dr. Joaquim de Souza liis Dr. M. Archanjo da Silva Coala Major JoSo V. Villela Tooente-coronel Pacifico L. deS. Manoel Carneiro de Souza Ltceida Dr. JoSo de S. Res Visconde doGoianna Dr. Victoriano do S Albuquerque Dr. A. F. P. de Carvalho r. Francisco de S. Cirne Vigario A. F. Gonfalves Cuimaraes Dr. Domingos de S. I.eSo Dr. Tliome F. M. de Castro Coronel Francisco Jaciutho Pereira Major Florencio Jos Carneiro Monteiro Coronel F. Amonio de Barrse Silva Dr. Florencio da S. C. do A. Dr. Delfino Augusto C. d; A. Dr. JoSo Francisco de Arruda FalcSo Padre Joaqui.n F. Camello de Andrado i)r. A. de V. M de Drumood Commendador ll. Malaquias de A. P. F. r. Jiuno Ayquo c Avullos Aoue li. 1. r. Manoel de Souza Carcia Dr. 1. Eduar .o Piua J'adre JoSo Ca rislano do M 11 Jonja l'rofessor A. P. ue Figueiredo r. V. Jeronymo Wanlerley Dr. Francisco Carlos BrandSo r. F. de Salles Alvos Maciel Padre M. do S. Lopes Cama CapilSo do fragata C. A. de S. Filgueira Manoel Coelho Cintra Dr. ChristovSo Xavier Lopes DeSo F. J. das Chagas Dr. JoSo Vicente da Silva Costa Dr. Anelo llenriques da Silva Dr. Josc Raymunuo da C. Menezes Dr. J. p Monteiro de Andrade Major J. de C. A. Cavalcanti Dr. A. J. Tavares da Silva Jos Joaquim do Reg Barros Dr. A. H. de Souza Bandeira EscrivSo Francisco de Barros Correa Dr. S. A. Mavignier Dr. Hemeterio Jos V. da Silveira E todos os niais sen hoies oblivera vol 10 10 10 10 10 10 10 10 9 9 8 8 8 8 7 6 6 6 6 5 5 5 4 4 4 4 4 4 4 3 3 3 %  J 3 3 2 2 9 2 .' 3 1 Lima. Prestado o juramonlo do estylo, O Sr. Vresidnti faz ao reo o seguinle INTERROGATORIO. Jatz: — Como se cbama ? Ho : — Antonio Pereira do Monte. luia: — Porque se acha processado ? ¡leo : — NSo sei porque. JHIZ : — Assislio a formscSo da culpa ? Jtee ¡ — A-.-i-.ti, slm senhor. JMIS: — Quem o processou ? leo : NBo seidizer a V. S. JHI'X : — Em casa de que autoridade compareceu na formacSo da culpa ? lien ; — y, ire,-ue/.m de S. Jos, em casa doSr. Ahlenla. Jui'a: — Fot entilo elle quem o processou? Reo : — Foi, siin, senhor. Jvli: — NBo disse, nem voce perguntou o motivo porque o processavam ? Reo : — NSo, senhor. Jui': — Na noite de 16 de junho esteve na ra das Agoas Verdes .' Reo : — Estive, sini senhor. JMIS : — Conhece a Jos Francisco i'cixeira ? Reo % %  — Conlicco, sim senhor. JM/Z : — i.ne.r ir,iii-n nessa noite na rus das Agoas Verdes? Reo : — NSo, senhor. Juis : —Porque deu-lhe nessa noite? Reo : — NSo fui eu que Ihe dei, nao senhor. Suii: — Soubo que elle apanhou ? Rea : — Ou vi izer, sim senhor. Jefa : — lamban) Ihe disseram quem Ihe Jera I* Re urna casa, em que a ordem eslava substituida pela desordem, a armona pela desintolligencia ; mas a irmandade escrupulosa em sua conducta, abafou o reclamo do propno direito; pagou, o calou-se. Depois desse facto entendeu anda o reverendo guarcliSo que de sua parle poJia tambero desobedecer ao capitulo, e fallar aos ajustes por elle celebrados ; o, pois nSo so se recusou a encommondar os irmSos pobres, como at fez queseguisse para o cemiterio um cadaver sen encommendafSo, apezar du o res-1 pectivo testamenteirs a ler. ajustado por 20/000 rs. quo sobre o mcsuio oz, obrando assim contra o disposto no art, 41, da le do primeiro de oulubro de 1828, e infringindo adisposi?So do art. 7.' titulo 7. das posturas em vigor, cumpre que Vmc. proceda contra o mesmo infractor, alim de queseja aquella servidSo publica restituida aoseu antigo eslado. Pafo da Cmara municipal do Recife, 3 de oulubro de 1851. — Francisco Antonio de Oliveira, presideuto. — JoBo Jos Ferreira de Aguiar, secretario. — 8r. fiscal, Joaquim Jos Bello. Illms. Srs. presidentes e vareadores da cmara municipal—Dizem o bacharel Pedro 7 ditas di versea mereadoriai; a Jos Antonio Bistoa. 1. A pniiur ua pona ua Boa-Vista ser 15 barridas carnes salgadas, 108 cixinhas feita de oonformldade com o orjirenlu ameias e 8 barricas nozas; a LuizJos da aprezentido nestl data a approvacJo do Costa A mor ti. Exm..presidenU da provincia, na importan acaixotei Impressoa ¡ a Miguel Jos Alca de 357,700 ra. "' ves. I 9.' Sarja principiada esta obra no p r ,, n 3 ditos chapese 1 oaxote doce ¡a Antode 13 das, e concluida no de '69 das, con nio l'ereira B>rge9 Pestaa. tando-se na forma dos arts. 31 e 32 da le 31 caixa equeijos, 100 barricas cal, lo provincial n. 286. barrls'izflite de Oliveira, 5 pipas 10 meias 3.' A importancia desta obra ser pac. vinagre, 100 canastra batatas, 500 mol los em umt s preslacSo quando o arrematan ceblas; a Novaes Compaohia. lo livor concluida lo 11 a pintura. 10 gamelas cora branc.a I dita dita ama4" Para tudo o mais que nSo estivere* rea ¡ t Jos Pereira da Conha. Ipecificado as prezentes clauzulas seguir 2 calas, 3fardos, 3 barricas, drogas dise-hoque determina a le provincial n versas; a Jos Siporlte. 286 de 17 do maio de 1851. • 1 caixa oleo d'alfaaema, 10 ditas lijollos I Conforme, d'arearja Polycarpo Jos Layne. Osecretario. 1,500molhos ceblas; a Joaquim Pinto Alvea. 90 barris carnes salgadas, 1 caixa doce; a Francisco Confalves GulmarSes. 5 barricas ameodoas; a Joaquim Joa de ArDorim. 400 molhos ceblas; ao CapilSo. 33bsrris carnes salgadas; a Manoel Ignacio d'Oliveira. icaxote, I peira aepulchral; a Francia co de Paula Pires Ramos.. 3 caixas drogas diversas; a Vianna Cunba & Companbia. 101) barris cal; a J'oSo Henriquos da Silva. 48 ditos carnes salgadas, 31 barrica alpiste ; a Maximiano vk Pinheiro. 2 caixoles diversas raercadorias; ao Dr. JoSo Pedro Maduro da Fonseca. 50 barris cal; a Manoel Goncalvos da Silva. 5 ditos azeite d'Oliveira, 8 ditos earnos salgadas;a Albuquerque & Irmflo. 9ditosvinho;a Lino Jos de Castro Araujo. 1 caixolo chapeos, 1 dito cartilhas e penles de marlim ; a Monloiro & IrmSo. 4 barris vinho, 5 ditos azeite ; a Carvalho & Ir.1 .i". lcaixolegraxa para calcado, 1 dito miudesas;a Bnulo Joaquim Cordeiro Lima. 1 dito conservas; a JoSo Maria Cardeiro Lima. SIL 0 vapor brasileiro S. Salvador, commandante o primeiro lente Antonio Carlos de Aievedo Coutiubo, deve cheiar dos portos do norle at 16 do crranle „ seguir para Macelo, Baha e Rio de Janeiro no da seguinte. — Pela 9." sessio da meza do consulado provincial se annuncia, que no dia I.* de dezombro prximo vindouro, se principia a contar os 30 dias para o pagamento a boca do cofre da dcima dos predios orbanno desta cidado, do primeiro semestre do anno financeirodel85l 1853. e que lindo esta prazo 1 n cor re ni tojos os que deixarem de pagar.na inulta do 3 por 0(0 sob o valor de seus dbitos, e serSo de prompto oxecutados. — NSosonhor. Juiz :— Tuvealguma ilesavensa em outra ccasiSo com esso Teix teira ? occasi lli-'o : — NSo senhor. /te : — FniTo eram sempre amigos P Reo : —Sim, senhor. Ju ; 5 : — Djpois quo elle npanlion, continuou a ter com elle relaces ? Hco : —Slm, senhor. Juij : — Conhece a JoSo Sicolo ? Reo : — Cnnheco, sim senhor. Jui's: — F.steve com ello essa noilo na ra dasAgoas Verdes? Reo : — Estivo depois do harulho. lufa : — De que barulho falla ? Reo : — NSo sei dijer. Ju; : — EntSo JoSo NicolSo 0S0 Ihe contou como fora esse barulho. Reo : — O povo he que fallava. SSolidisas peQasdo processo e lindas as allegacOespr c contra, O ir. ['residente taz o rclalorio da causa e Balotada por este procedimento a pacan-, Cauiiaoo de Ralis o Silva, D. Anna Joaquina ciada irmandade, que prodiga para com os | "lo Nascimeoto Francisco Cavalcanti de reverendos religiosos em toda sorte de atAlbuquerque, Miguel Rodrigues da Silva lencoes, recebia por esse modo a mais inea-¡ Cabral e Antonio Alvos Ferreira, proprietaperada retribuicSo, resolteu a mesa regodoros e rendeiros dos sitios denominadosra olhciar ao roverendo guardiSo, pedindo-¡ AllemSo e Estiva—que, havendo Diniz Anille houvesse de declarar se julgavaou nBo 1 'onio do Moraes e Silva, proprielario do em vigor o supradito contrato celebrado emeogonho Pago da Ibura, construido no rio 1838, e se eslava disposto a cumprir os de-! Tigipi dous paredOes de pedra ocal, em veres contrados polo definitorio capilu] forma de comporta, para vanlagem partilar; quando porm a mesa esporava urna cular do dito seu engenho, a qual obra, resposla satisfactoria, ficou maravllenla por, obslruindo o rio, embaraca o transito das ver que o reverendo guardiBo, quebrando canoas, principalmente das de cerlo porte toda a fe de nossas relacea declarou que que sSo empregadasem conducSo de leona nao cumpria as obnga0esdo contrato, e Para este mercado, de que os supplicantes ale negou a existencia das mesmasemquanfzem sua honesta subsistencia; veom os lo a eucommendacOes! I Convocou-se ensupplicantos representar a esta lllm • camajao urna mesa conjunta, e perante elra quo semelhante comporta ou parndes la compareceu o reverendo guardiSo decanSo podem nem devem alli permanecer, raudo novamente que tai contrato nSo exisporque, sendo o rio de navegacSo publica lia ; sondo-lhe porm mostrado o proprio nSo pode ser esta embaraca la, ou dilllculongiiialcomasassignilurasdetoJososretada por conveniencias particulares, sondo verendos padres capitulares, declarou forque o primeiro dos supplicantes poucus malinenio quo jamis o cumpriria. dias acabou de solTror o prejuizo de estar A vista disto e da impossibilidade de fordemorada dous dias urna canoa sua que mular-se novo contrato, visto como no tevinha cheia de lenha para este mercado por m 1 3 entrega ao conselho ossegulntes COLLEGIO DO BREJO. 33 EUitorcs. Dr. Antonio Baplista Gitirana Dr. Bento Jos da Silva Joro Pedro da Silva Coronel Leonardo B. S Cavalcanle Dr. Jos Rodrigues dos Passcs Jnior r. TlionuFernandes Madeira r. Miguel Aichanjo da Silva Costa Dr. JoSo Vicento da Silva Costa Dr. JoSo Francisco Coelho Bitaucourt Dr. Joaquim do Aquino Fondera T. Coronel Jos Cutino de Medeiros Dr. Caelano Xavier Pereira de Brito iir, Antonio Francisco P. de Carvaiuo Dr. Pedro Francisco de Paula C. Dr. Aprigio J-istiniano da Silva G. Antonio de Siqueira Cavalcanle J 'lenle Coronel JoSo do Rogo II. F. Dr. Marcos Crrela da (amara T. 18 Dr. Simplicio Antonio Mavignier 18 Padre Miguel do Sacramento I. Cama 18 Dr. Florencio da Silveira Cavalcanle 17 Vigario geral Leonardo Antunes Meira 17 Desembsrgador J. M. F. de Mello 17 Dr. Rodrigo Castor de Albuqr. MaranhSo 16 Dr. Francisco Rodrigues Selle 16 Dr. JoSo llircanio Maci.-I 16 Manoel Coelho Cintra |g Dr. Franciaeo de A-sis Oliveira Maciel 16 Dr.Vicente Jusiiniano Bizerra Cavalcanle 15 QUESITOS. 1." u ro Antonio Pereira do Monte praticou o facto de ter feito na pessoa de Jos FranciscoTeixeira,as offeosaspbysicas mencionadas no libelloasfl. 39? 2." O ro praticou noiteoreferido factoi 3. Precedeu ajuste entre oreo e mitro liudividuo para o tiro de prepetrsr-seo men1 cionado facto? 4 o llouvo da parte do ro superioiidade em armas, de tnaneira qu %  o offendido uo 'pode defander-se com probabilidade do repellir a offensa ? 5." Existem circuinalancias attenuantes a favor do leo? O jury respondeu quanlo ao 1.* e 2." sim, por 7 votos; ao 3." nSo, por7 votos; e quanlo eo 4. e 5 no por S votos. O Sr. i'rcsulent: a vista da decisSo do jury conlemnou o reo a 1 anno de firisSo simples e multa correspondente a melada do ¡ lempo, grao mximo do art. 201 do dodigo criminal. I.cvantuu-ss sessSo as 5 horas da tarde. gravamos a que po lena ser compellida por senSo depois de dcscarregada qua'si toJa' '^" %  ^ %  "".'^•^""• %  Wtouieriii l'oriauto, havendo desta maueira osupplivioloncias ao dire.lo da irmandade, se trascido contravindo as posturas municipaes, ladassc o seu Divino padroeiro para a igreja requerom a Va. 8s. que se dignem mandar doNossaSenhorada ConceisBo dos Militaque sejam demolidos1 ditos paredOes e desres, quo coma melhor vontade se prestaram obstruido orto, condemnado osupplicado a receoa-io. ] as panas quoem taesr/asoisBo merecidas. Eis a resolu{So tomada pola mesa geral, ""''• a Vs Ss "es deliram como requeque dar sem duvida as vistas do publico ; rido leem K K. M.—Pedro Gaudiano de mas devo ainda observar que mediando 30 I 1 '' 1 eSilv, Anna Joaquina do NaselmendiasentreainterpellacSoque a mesa fez ao lo Francisco Cavalcauti de Albuqnerque, reverendo guardiSo, e e sessSo da mesa geAntonio Alves Ferreira.Miguel Rodrigues da ral, lempo sulliciente paia darlugar al'" l !" Csbral. ^s ffl d%^sd q a U U S p.a= J da S ir^uZI .SW^S.^RSi SflLS pelas suas Mohecidas virtudes evitara enVianna.Barros Mamado P volver-se nos negocios do convenio ; eouMonteiro.-Ferreira. M8medo Csn !lro iros carecem do necessario criterio para Informando. — Illms Sr—r,!" k~_ comprebonder o proprio interesa ; enlenci.ao desp.cijo de V> S, lexTrido noS£ deua.mandadeque deviasaluratodocus. rimento d" L^vT^^Z'ZC 2 barris carnes salgadas, 1 dilo vinagre; a Ellas Baplista da Silva. 1 caixa merca lorias diverses; a Joaquim Lopes da Costa Maia. 33 volumes mobilia usada o mais mercadorias, 1 canastra louga de cosinba ; ao r. Jos Joiquim de Moraos Sarment. 1 caixa livros ; a JoSo Pinto de Lomos. 1 dita diversas mercaduras; a Moroira& Fragoso. 1 caixa ferragens, 9 Jilas, 4 barricas, 4 fardos drogas diversas, 1 caixa prince; a Vicente Jos do Brito. Fra do manifest. 6 barricas amendois ; a Manoel Joaquim llamse Silva. 50 barris cal; a Joaquim Pinto Alves. 2 aurrela vinagro, 1 chapeleira, 1 l'rasgueira, Scaixinhas, 2 saquinbos; a D. Leonor Jorge. 1 lata encapada; a Joaquim Antonio dos Santos Andrade. Isaquinho igjiora-se ; a Manoel Igoac io d|lveira. 1 dito dito ; a Elias Baplista da Silva. 1 volume de foiha dito ; a D. Mara Gomes do Rosario. 1 caixa dilo; a Isidoro Freir de Jezus. 1 dita dito ;a Auroliano de Almeila Rodrigues. 1 dita dito; a Moreira & Fragftzo1 volume alfazema; a Albuquerque & Irado. Claudio Ayres de to da falsa posic&o em que a collocaram. Recife, 8 de detemkfo de 1851. Joto Athanaiio Bolelho. Correspondencia. lis e Silva e oulros, fui ao logar da Ibura. em que os peticionarios denunciam a existencia de urna obra no rio Tigipi, e nelle encontre enfronte do engenho de Diniz AnlOBlo de Moraes e Silva, dous islhmos por elle follos da trra, que parteo das marSenhores redactores. Agredido aleivesa1 SL^SH'Li mesmo rioem frele men pelo Sr. Deniz AntoSiodeMor. s,. ^w\ !" t&^ !P, Mo """ va.emsuacorrespondencia.com visos to\MU¡tffi 0 rSai£WUtX*J, no bomilia, inserta no Diario n. 263, de20 do K'-.ii.. .. m an .* oam comporta de II a p. p. mez, acho-me na rigoros de defeoder-mo das gratuitas 1 caixa frutas seccas; Souza. 30 moodas daaauru e 461 patacOes; a Joaquiin J"-r de Amcimii. 130 ditos; aClaudir.oyJOB^a/iiiiieira. | 170 moodas de ouror a AntonioI gnacio do Reg Medeiros. 94 ditas dito ; a A litante Augusto da Fonseca. 1 calilo palitos ; a Decio de Aquino Fonseca. 6 vaccas, e 7 crias; a JoBo Coolho de Oliveira Cintra. 11 saccassemeas, e 2 molhos de capim para as mesmas vaccas. 2 casaos de gansos; ao Administrador do Correio. CONSULADO GERAL. Rendimento do dia 1 a 10 9:262,946 dem do dia II 1 :793,529 THUTR0DRS-IZ.4BEL. Beneficio da artiptn MAMOELA C4ETAPH LUCCI. Sabbado, 13 di dezembro de 1851. Depois de urna escolhida ouvertur, subira scena pela primeira vez o novo e muito interessanle drama em 4 actos, intitulado So 11 lio ou o teirivel fio do Usurpador. Pursonagcns. Eduardo, conde do dentme, o Sr. Germano. Alfedro, sobr inho do conde, o Sr. Bezerra. Lord Slerson, o Sr. Coimbra. Itodolpho, capilSo das guardas, o Sr. Binto. I'oly, lilha de RoJolpho, a Sra. D. Manoela. Ricardo, valido do conde, o Sr. Reis. Times, sargentodas guardas, o Sr. Cabral. Iledoizes e Joas soldados, o Sr. Monteiro e Raymunlo. lacques, pescador, o Sr. Alves. Soldados, povo, etc. No lim do drama as Sras. Landa e Carmela Lucci, cantarSo o muito applaudido duelo da opera Anna fiolena. Terminar! o espectculo com a muito graciosa comedia em 1 acto, composic^o do Sr. Penna O caixeiro da taberna A beneficiada pela primeira vez espera morecer a proteccSo do ¡Ilustrado publico desta capital. Os bilheles acham-seem casa da beneficiada na ra da Cadoia n. 7, e no dia do espectculo 00 escriptono do theatro. 11:056,475 DIVERSAS PROVINCIAS. Rendimento do dia 1 a 10. dem do dia 11. ... 463,579 90J887 554,466 ;. rigoros. brig.cso l&TJ I.V^SSfSSS^ qU6p0r imniiUrAnc I g P 0 6 "! Passar se nSo canoas iinpuiscots, pequeas, assim como aun nm rtn. !" r„i.i,. fc-.ffir.&.r/aa S5SS.... assim como que um dos referidos sulapaio pela corrente das aesla desmoronado, e conslando-me mostrar a falsidade do mais que inv ve,n,! 8 0 "' .•"pronado, e conslando-me correspondencia, coa ludo cedoana Ureq !" 5 """ Z pretesto de re P rer r fa a quem quer que disto se Osll -T B o UTiSStoMStA WSk S" ""V Communicado. Dr. JoSo Jos Ferreira de Aguiar 15 Dr. Joaquim Manoel Vieira de Mello 15 Dr.Francisco XaviT Paes Brrelo 15 Dr. Francisco JoSo Carneiro da Cunha 15 Jos Antonio Lopes 15 Coronel Jos Pedro Velloso da Silveira 14 Dr. Jos Theodoro Cordeiro 13 Silvestre Antonio de Oliveira Mello 13 Dr. Francisco do Reg Rarros Barrete 13 Dr. Francisco Raphael de Mello Reg 13 Dr. Manoel Joiquim Carneiro da Cunba 13 BarSo deSuassuna 13 CapilSo Manoel Antonio M. Pereira 13 Dr. Guilbermioo C. Marques Bacalho 13 Dr. Alvaro Barbalho Ucha Cavalcanle 13 l'mbelino Cuedes de Mello 13 Dr. Francisco Alves da Silva 12 Tenente Coronel A. C. Macbado Ros 12 Tcnente Coronel F. J. de H. Correia 12 Padre JoBo Capistrano de Mendonca 12 r. Francisco do Paula Baptista 12 r. (.hi isinv.ii) Xavier Lopea 12 r. Joaquim de Souza Heis 12 'ir. Domingos de Souza LeSo 12 Hr. Victoriano deS e Albuquerque 19 Dr. 1 'iiiri'nro Francisco da A. Catioho 12 Major Jos de Carvalho e A. C. 10 Padre Francisco llochael P. de B. de M. 10 Jos Uygino de Miranda 10 r. Vicente Ferr. ira Comes 10 EncarregaJo pela confrana do Divino Espirito Santo de adinimstrar os seua negocios, vou emir 1 iiiiir um dever levando ao conhecimento do publico a historia dos incidentes, cujo desfecho 1ie a remocho da irmandade para a ¡reja do Nossa Senhora da CouceicSodos Militares. No anno de 1838, quemado a irmandade do Divino Espirito Santo edificar as suas catacumbas, e consistorio com garantas, que de alguma forma I lio assegurassem a sua estabelidade na igreja dos religiosos de Santo Anlonio, celebrou com o Definitorio Capitular da Babia um contrato, pelo qual entre outras obrigacei contrataran) os mesmos religiosos* deencomroendarom gratuita, e solemnemente os irmBos pobres, e a de fazerem a festa do Divino Espirito Santo, mediante a contribuido de 64/ exclusive a esmola dos sermOas, e recebendo cada religioso a competente cera, com que assistisse ao Te-Deum. Em 1843 organisou a irmandade o seu compromisso, no qual, approvado pelo meamo definitorio capitular, se garanti aos irmSos a encommenda^So solemne pela commuuidade, com a condi;So de virem elles amortalhados em hbitos de qualquer das tres ordoos franciscanas, salvo sendo sacerdotes secularoi, ou profesaos om alguma das ordena militares, porque estes poderiam vir com os seus respectivos hbitos, e os prvulos e donzollas com quaesquar vestimentas e ornatos. Posto o contrato em exccu(3o, e de parte ditos inconsiderados de algum religioso meos sisudo contra a irmandade, reinou M v por i ¡te 11 (i. As,u'. hiate brasileiro Anglica, de 82 tonelladas, conduzio o seguinte : — 1 pacole fazendas e 3 canoas do lastro de areia. KECEBEDOKIA DE RENDAS INTERNAS GERAES DE PEIINAMBUCO. Rendimento-do dia 11 566,43* CONSULADO PROVINCIAL. Rendimento do da II 1 :945,660 Movimento do porto. do a servidBo publica do 140 Tygiplo onde para melhoramenlode sua propriedade, fez erguer um pareJSn, cis por esse facto o Sr. Diniz acoiaiando-me de seu inim¡go gratuito delegado com aquellesqueo perseguem etc. ote Ora haver nada mais revollante, mais desarasoado.do que ser cu traa lo como inimigo gratuito do Sr. Diniz pelo simples facto de ter cumprido com um dever quo me corria como fiscal daquelle lugar Haver nada mais irrisorio do que o Sr. Diniz dizer, que eu o processei por viver ligado com aquellos que o perseguem ? etc.. Ora Sr. Diniz v contar destas historias l para a Siberia onde nSo o conhecem, e nSo sabem que o nico perseguidor daquelle infeliz lugar he o Sr.; e se nSo responda-me — Quem foi que com gente armada, e posta a desposicSo de um tal Francisco Rodrigues Cardozo, impedio o porlo de embarque do sitio denominado AllemSo, eque s mandou deapersar o gropo depois da presenfao instancias do respectivo subdelegado? Quem foi o perseguidor do Sr. Dlnii que fe/.'urna estacada tapando a servidSo publica da camboa do sitio BoqueirSo, que foi do Sr. Francisco Serfico de ASSIS Carvalho. Quem foi que leve o temerario, e louco arrojo de querer impelir a abertura do porto Unir, desde a mais remola antiguidade pertenceote ao sitio denominado Estiva, propriedade da Sra. D. Anna Joaquina do Nacimento casa victima de um se-n numero de demandas injustas, o por ellas reduzda a pobreza ? Quem fui Sr. DlBis essa v¡clima de urna atroz perseguirlo, que mandou {segundo he voz publica, e o Sr. Diniz beui sabe que voxpopuli, vox i, assassuiar um pobie homem de passavsm aiileriormonte canoas grandes para recebaren, citixas no trapixe do Uchoa, e que hoje como as grandes nSo podem passar pelo dilo rio em rasSo da referida comporta ; lie o quanlo lenno i informar a Ss. Vv. Dos guarde a Vv. Ss. — Afogados 28 de setempro de 1851. — Illms. Srs. presidenta e vereadores da cmara municipal desla cidade. O fiscal, Joaquim Jos Relio. COMMERCiO. ALFANDEGA. Rendimento do dia II. 26.933,667 Descarreoam hoje 12 de dezembro. Barca portugueza -Boa Viagem — mercadonas. Iirigue porluguez — Novo Venador-ceblas, cal e batatas. Brigue inglez -Navegator — mercadorias. Brigue americano — Brand V/ine — idem. Patacho hamburguez.-,Berlh— alcatrJo. lniportacad. Brigue porluguez Novo Vencodor, vtndo de Lisboi consignado a Thomaz d'Aquino Fonseca & Fho, tnaoifestou o seguinte: 10 pipas vinagre, 1 caixote calcado; a Thomaz de Faria. 45 pipas vinagre, n ditas vinho, 8 barricas cera em grume, 2 caixoles imagens, I dito doce, 2 cisaes de ponbos, 57 molos de sal; aos Consignatarios. 10 volum


PAGE 1

Anno XXVII Sexta-feira 12 m de Dezetnbro de 185i. N. 281. PEMAMBIGO. MEOO A suBonij-gio. PXQIMKNTO ADIXHTADO. Por trimestre por semestre t a Por nao ...-..... PAOO DENT10 DUTItHBSTIl. Por quartel aVOTICIAS DO IMPERIO Par,-.<15 deNovbr.iMInai... iSdeNovbr. Maraobo 19 de dito S.Paulo. 10 de dito. Ccuri... 25dedito. IR. de J.. 25 de dito. Parahlbi. 5 de Dezbr (Babia... 1 de Dezbr. 4/000 8/000 15/000 4/500 uta* DA iiflim ADDiDrolAa. 8 Seg. 4<>5< oncelco de N. Senhora. 9 Tere. S. Leocadia. 10 Quart. S. Melqulade 5 m. ; uint S. Daroazop 1J Srit.S. Juitlno m. 13 Sab. S. I.iw.ii v. ni.; 14 Dom. 3. do adrento S. Aogello. Jaso OroMt 2. 5. s lOhorai. 1. tara do eivel. %  3. o (i; ao meo-dia. Fttunia. i 3. e6. i 10 boraa. 2. tura do civel. 4. e sbados ao melo-d. Hfltlriic. Tercas e sibados. %  VaaaiaaUlBU. Creioenle i 30, a I boraa e 55 minutos da m Chela a 8, a i hora c 8 minuto* da t. Mingoante i 15, as 3 horas e (i minuto da m. Nova i 82, a 1 bora a 14 ujinulau da larde. IBI1M1I O HOJ Prlmelra s 8 boras e30 minutos da manhaa. Segunda s 8 horas e !>4 minutos da tarde. rtBTIDll DOS COBBEIOS. Ooianna e Parabiba, s segundas e sextasfeiras. Rio-Crande-do-Horte, todas ai quintas-feiras ao mrio dia. Garanbuns e Bonito, 8 e 23. Boa-Vista, e Flores, 13 e 28. Victoria, s qulntas-fclraa. Olinrl.i, todos os dial. MOTICIAS STRKGEIBAi. Portugal. 14de Novbil Austria.. 2 de Novbr Hespanba. 8 de dito Sulssa 2 de dito. Franca ... 8 de dito Suecla... 28 de Outbr Blgica... i de dito 'Inglaterra 8deNoabr. Italia.... 31 de Outbr E.-Unidos 2U deOutbr. Alenunha. t deNovbr Prussia ... de dito. Dinamarca 29 de •JP.'JV Russla... 28 de dito Turqua. 18 de dito Mxico... 15 de dito, California 12 de dito Chili. 8 de dito Kuenos-A. 8 de Novbr Montevideo 21 de Outbr CAMBIOS ar: n DI DIEIMBHO. Sobre Londres, a 29 d. p. 1|000 Firme Paria, 333 por f>. • Lisboa, sera traniaccoea. HETAEJ. Ouro.—Oncas hcspanliol.is.. .. a 38/BOi Uoedaa de 6/400 velhai. 18/000 a 16/200 de 6J400 novas. 16/000 a 16/200 de4/DC0 9/000 a 9/IOffPrata.-Patacoes brasilelros.. l/90 a }fi>0 Pesos columnarlos... 1/920 a I/W0 Dltoa meiicanos 1/740 a 1/750 %  .i qg —lu. !" PARTE OFFICIAL timo entrira no exercito doseu cargo — Respondeu-se ao referido juiz. Dito.-A mesma communlcando qua por decretos de 17 de novembro ultimo, segundo constou de participa?5o da repartirlo GOVEKN DA PROVINCIA -XPKIIFNTIT nr ni* s np nF7RiiRin np da jostica datada de 20 do mesmo mez, IbbiltllsniE Do DIA 5 DE DEZEMBRO DE fam nulB9a j 0S 0 joir de direito Francisco l851 Joaquim Gomes Itibeiro, desembargador da lucio.— Ao Eira, presidenta do Para: relacSo de Pernarhbucj, e o juii direito da remetiendo um requerlmento doteneote do commarca deGoianna, Antonio Joaquim do nono batalbSo de infantaria, Matliias Vieira Albuquerquo Mello, desembargador di relad'Aguiar,',bem como copias dos ofticios, com S aodoMaranhuo.~ Nesto santiJo (izaram; "o se as convenientes commonicacaes. Dito.-A mesma intairando-a de haver sido nomeado por decreto a 20 do novembro ultimo, segundo coestou de participaqueo commandante das armas, o inspector da pagadoria militare o coinniaadaotefdo referido batalhao informara JI a cerca de sementante pretoncSo, a flu do que expeca S. Ex. suas ordens no sonti Jo de ser enviaj 0 daVaprticIo da juslica datada* de 2*'do da mesma pagadoria urna guia ou docu-'i mosmo meXf 0 bacharel Jos Mwia Hoscoso melo, esclarecendo o ongano, que se diz. ,|, Vega l'esso oara olugar de'juiz munitor havido no descont da quantia de 250Jrs, ,' c ¡p a | ,,' j 9 orphSok do termo do 'o d'Alho qua se adiai.tou ao mencionado tenante Dito. — Ao Exm. presidente das Alagoas aecusando recebida a guia do lenlo Manoel Joaquim do Barro*, que tave passagem para o primeiro batalhSo de infantaria.— Ilemetteu-se a guia a cima ao caminando das armas. Dito.-Ao commindo das armas transmittiiido, por copia, o aviso da reparticSo da guerra da 19 de novembro ultimo, em o qual se determina que na primeiri occasiSo de transporte faca seguir para o Para, Qm do seren all empregados om servco de guamicSo, qualro c*pit3ese quatro subalternos, escoihidos d'entro os offlciaes da terceira ciaste existeules nosla proviocia. Dito.— Ao mesmo enviando copia do aviso da repartirlo da guerra de 25 de novombro prximo Ando, determinando, que viga para a corto por motivo desrtico o doutor Miguel Joaquim de Castro Uascarenhas, que serve em commissSo de segundo cirurgiSo do corpo de saudedoexercito nesta provincia.-Iguaes copias foram romettidas aos inspectores da thesouraria de fazenda e da pagadoiia militar. %  Dito.-Ao mesmo remetiendo por copia o aviso do ministerio da guerra da 2t do novembro ultimo, em o qual si declara, que se expedir ordem ao xm. presidenta do MaranliSo para mandar inspeccionar o segundo lente Jos Nunes Marques que pur infermo se no recolhera ao quarlo batalbao d'arliiharia a p, que pertence, depois Je liada a licenca com que eslava n'aiuella provincia —Eizerain-sa neste sentido as necessarias comraunicacOes. Dito— A pagadoria militar enviando por copia o aviso da reparliQSO da guerra de 21 de novembro ultimo era o qual foi declarado, que se expedir ordem ao director do arsenal do guerra da corte para remetter para esta provincia cem arrobas de plvora grossa, 50 ditas Qua e 20 ditas superfina.— Communicou-se ao director do arsenal de guerra desta provincia. Dito.— A mesma dovolvenlo os papis das dividas, de qua pedem pagamento Joaquim Ignacio da Silva, o Belmiro Jos dos Santos, quo tiveram baixa do sume, i do exercito, a Qm de que mani pagar a cada um delles, de conformidade com a sua ¡nformaco, a quanlia de 3.963 rs. du fardamento relativo ao exercicio de 1850 a 1851, e remella thesouraria de fazeoda par* surera processadas, na forma das ordens em vigor, a9 conlas acba desempedida a barca porlugoeza N. S. da Boa Viagem vinda do Porto, visto asseverar S. S., que alli nenlturn caso appareco que denote o contagio di i -I re amt relia. Dito.— Ao juiz de direito da comarca do Limueiro envan lo a portarla quo lite foi expedida pelo presi lonte do supremo tribunal de Justina, a oxigindo que transmilla a !sua resposta secretaria da presidencia.— No mesmo sentido ao juiz de direito do Bonito. Dita.— A thesouraria da fazenda provincial inleiranJo-a do haver aulorisado ao engenheiro director das obras publicas para. dele primeiro sargento dosogundo batalhSo deartilbaria ap, Julio Cesar Pessoa de Sabis.-Igual copia remetteu-so ao inspector da pagodoria militar Dito.— Ao.deaemhargad.or phefo d.i poli^ia para fazer desembarcarde bordo do brigue Legalid fe diz ui'li ; ie oArn acopia,quo redispo-ietli". i!xati!JjciH¡4;i; aon}Jiar^ado.i:ct)efe de escuna Canopo orecolber cadeia a efi.i do'juiz municipal da primoira vara, seis presos sentenciados, quo vieran da Bahia com destino ao presidio de Fernando.—Meste sentido o(Iiciou-se ao commandinte do referido brigue. Dito.— Ao mesmo dizendo quo ludo quanto S. S. pondera cerca dos menores Joo u Bernardo ou Bene tito, segundo o seu oDicio de 30 de outubro ultimo, no pode ai-:iiselhnr ¡i revocar; .Toda ordo n da presidencia, j pela rasSo da falta de vagas na compaa do aprendizes do arsenal de guerra, como se v da copia que remelle, j pola e co.ifurinidade com o orcamento que retnemetle por copia mandar procede! alimpu/.a d %  i¡u %  necossitao os esteios da ponle da Boa-VisU. Hito.—Ao coinuiiuilaiiM ilu brigue o.cun Bolici i/ ¡c>BHdo .Jim <|uc Sinc. declara ser doscrlor da guamic,uo'd'ai|uelle hriguo escuna, Antonio Frrncisco da Silva, qua se acha recolhido a cadeia dosla cidado. Portara.— Nomoan lo, de conformidade com a proposto do coaimissario vaccinadot provincial, o professor publico Silvano Tho maz do Souza Magalhcs para comiaisario vaccinador da freguezia de Munbeca. — Comin'iuieoii-si ao referido commissario provincial. (jonimando das anuas. necesst lede da consoivarem-sa os lugares • QmrM ,,„ era „ a ,, %  ,„,,,.,,„ „,,,r., i lf ititm pira os menores, que se rstSo educando no' collegio dos orph3os, eque para alli entrara m com urna previa jusiilic H;.HI das condicors legaes da admissilo, nSo sondo por corto justo que se vissom ellos pretoridos por meninos, que SJ dizcm oncontuidos em abandono, e as circunstancias dos quacs nSo fallariam muitos outros qce poderiam i r sendo a presentados por todos os subdelegados ; e prevenindo-o de que do novo vai dar sciencia ao director do mencionado ardro di iSi. OIDEH DO DA I. 38Para quo os Srs. capituo Manool Jos da Soledade, e alfares JoSo Antonio LeilSo do dcimo balalliilo do infantaria, possam fruir as licengas quo obliveram do governo Imperial por avisos du 30 do abril c 31 de juIho do correte anno, ordeua o Sr. marechal do campo graduado coiomaudanlo das armas, quo "os ditos senbores so recolham a esta capital, devendo o Sr. capilSo.Gregosenal da rcsolucoda presidencia, (irado r ¡ 0 Antonio da Silveira, que se acha deslaque entreguo os ditos meninos ao subJelc-; ca d oem p,ai 0 nteiras lomar ocommandoda gado da Boa-Vista.,olllciou-so nesto sentido ao supradito director. Dito.— A thesouraria do fazenda inteirando-a do haver o juiz municipal o d'orphSos do termo du Garuar bacharel Lourenso Francisco de Almoida Calauho participado que desde o dia 22 do novembro nli> %  11; i oxistenlo ora Agoa-Piola, que Iho sor devolvido pelo Sr. capituo Soledade, que lue passar tolas as ordcus_o ¡nstrucc,Oes, e polas quaos so tege, bem como lho prestar os esclarecmentos quo forem de uiysler ao li.nu dcso.iiponlio do servigo. Ordona oulro sini o mesmo Sr. marechal FOLHETIRI. OU MEMORIAS DE UM MARIDO. (*) POB EUGENIO SE.) VIII. Sentados i mesa,lodos se poseraui logo aconversar. Kntre nutras cousas fallou-se do Gasauiento de Fgaro, que ha pouco se tinba representado no theatro francs. F.ra a priuieira vez queeu ouvla fallar desta peca..,, ver-se ha mala tarde parque insisto sobre este,incidente. — Confesso, dlsse ininha avfi, que nada leuho visto siiaia bello, inals encantador que inadamesclla Marte no papel de Susana, be linpos* aivel unir inaia sraca a inals malicia c garridicc. — E madainesella Clotilde no papel de Cbel-ubiin, senhora ; dlsse urna outra peasoa ; nao lie tambcn encantadora em seu trage de pagcinzlnho ? — Ella he deliciosa, respondeu madama de Prancbeville; nao se pode ver urna cara inaia velhaca. — O que] principalmente me impressionou noasnodo-de representar de madameselta Clotilde, dlsse Mr. de la Bussicrc, foi a cor de melancola lerna que lancou aquie alli sobre o carcter do pageinzinho; elle nao he mais um menino, mas lainbem nao he uinda um hoiiirin ; he um mancebo atormentado de scus quinze annos, como diz a cansao, e j secretamente amoroso de sua bella madrioha. Kn escutava com avidez estas palavras. Ellas nao terlain certasnentc attrahldo minha attencao antes da entrevista que Uve com a mal de Joao llavmundo, e di proposia feita por Mr. de la Bussicrc de sentar praca nos pagens do re; esie cuerubim, secretamente enamorado de sus bella inadrinha me fez sonhar, sonbar tanto que me enteressei menos na contiuuacao tem sido esteris, e quo devemos isto prino bem da religiilo, nao so 101 ajustado, que Cipalmenlo benevolencia do nossa muito toda le, ordenanca. decreto contrario a amada filhaem Jezu-Cnristo o ao dezej > presente convencito serta retirado ou abroqito ella tara do promover o bem da relgado, sonSo muda foi estipulado quo em giSo. opois de longas negociarles entre ludo o que pertencasso aos nogocios oposnsea rainha cilbolica. urna convuncao foi Isoas ecclosiastcos do quo so nJo laz menassigna la polos plenipotenciarios das duas -lo nesta convoncSo, so devora conformar gna la pelos plonipolenc partes; era nosso noma, por nosso voneravel irmto o arcebispo de Tessalonica ; ora nomi da rainha, polo seu ministro dos 110gocios estrangeiros, nosso querido limo, o noli," Ero. B 'sUan do Lys. Ksta conven^ao ratifica la pela rainha, o fui por nos depois de tormos ouiido os nossos veneraveis irmlos os carduaes da congregarlo para os negocios ecclpsiasticoj extraordinarios, Ordonaoms que ella vos soja communicada Com a corta apostlica pela qual a confirmamos, afim do qie toabais pleno o claro conhocimento do todo o negocio. 0 grande obj^clo de vossas procuracoos he assegurar a intogridadu do nossa sintissima roligio, o prover s necossidades espirituaes da igreja. Ora vos veris que na convenci suoracitada toniuii -e por base esle principio que a religin com todos os direitos de quo goza em viriudedesua inslituicio divina o das regrw estabelecidas pelos sagrados caones, devacomo oulr'ora, ser exclusivamente dominante naquelle reino, da tal sorle 3ue toJo ootro culto ser bmido e prohibo alli. Est por conseguinle estaboilecido 3iu o molo da educar e de instruir a mociade cm lodi a universidadu, collegio ou seminario, ora toda a encola publica uu particular, ser plenamente conforme com a doctrina da religiao calholica Os bispos e os cheles das diocezrs que em virtude da seu cargo, silo obrigados a proteger apureza do ensino calholico, a propagarlo, a vallar para que a mocidado recoba urna educarn chrisU, n3o acli uno uenhum obstculo no comprimeuto destes devores; elles podero, sera encontrar o menor ompediraento, exercor a vigilancia a mais allenciosa sobro as escolas mesmo publicas, e preliencnerlivromenle sai misso do ptltoros. Trabalbamos com a mosraa sollic.lulu, era assegurar a digni lado e a liberJade do poler ecclesiastico. Concordou-so om que nao smente os sgralos pastores gozsriam da plenilule de seu polor no exoicicio da jurisdiQaoopiscoial alira do proieger ellicazmentea fcatholici ea disciplina occlasiastica, de consjrvar no povo c'iiistao a pureza dos noslumes, do procurar aos Dincobos, priiicipalinonlo aquollosquo sao chamados para sor a partilha do Suulior, umi inleiraraento com o que determinara os sagrados cationes o a disciplina bojo om vigor naigroja. N.lo nos decui lamos dos inturesses tmpora es da igreja, pelo contrario emproguamos toda nossa solcitudo ora manlor enorgicamenta seu direito j era adquirir, j am possuir bens a randas do to la nat jr.'zs, d¡reilos quo allustam, que proclaraam, qua demonstran! os actos iuumeravois los concilla, os preceitoa e as aCQOea dos santos padres cas conliluicOJS de nossos predicessors. 0\al quizesse Dos quo por toda a parte o semp.'e os bens consagrados a Dos o a sua igreja fossem conservados involavcis o qua os homans rons-rvassom para elles o respailo que lhos bu devi lo No loriamos du lamentar tantos males o calimi.lades dto,loogenero,asqu(3o para os negocios ocelesiasticos extraordinarios, ulgunsartigos foram redogidos e adaptados puloscardeaes desla cougrugacS 1 1' ral ilir.idos depois por nos c pelo linio duquo. Csiipulou-se nos ditos artigos entre oulras cousiscopal. Couliaraos quo, co n o auxilio divino as cousas qoo temos ohtiJo h5o do ser uteis igreja, consid:r.indo principilraenlo qoo aquellas que al ao prusoulo eitorvuvam sua liberdada toom sido completamente destruidas. Conclu mis dizendo-vos quo nos temos meios para quo os bispos, os captulos, as ap p| |c lJo em re^bde-cur os negocios da p.-incliiis e M seminarios gozein -e^rendis rc 1 sgt1 o calholica em um paiz longinquo, o quo temos timbera grande esperanza de concluir all umi convenci, a qual conformo nossos c vossos desujos, sera propria para g.ranlir as piorogativas o para asseOOOvenientea c seguras. Estas rendas, assgindas igreja co'.n titulo perpetuo, serio duixidas a sin livio alministrafao. Todo islocerlainente nao so polo comparar boa eJucaglo, docoraprir ora urna t alavra, : coln a antiga riquezi do clero bcspaiihol, gl|rar a prosiierUado da igreja. D^sejariatodos os devores do sou ministerio ; senilo 1 9 p ar fiau¡ia j, ,ii|]¡culdado dos lempos, nos a^j^Htoracnle que um tal examplo fosainda convencionou-se que as autoridades 1 ellas sao muito inferiores s que tiveramos se muijjo ora lodos os paizcs reinlos, cueivisdeverSo ora toda a occasin emponliar-1 desejado. Porra sabemos qual lio a roli,. l ,, u nular¡ijci ornamos teamente no Seso era fazer tributar a autoadado ecolcsiasIgiSo o a piedade do clero da llespanha -. lio n (, or „(•,,„ ,(„ .,„,. n. u os miles tilo gravos lio a honra, a obediencia o lospeilo qnot p, r ), %  .„ ,| U0 n -„, uu vulaoxos bsolulamenle ei .tl ,UIIJM|COS qua ein alguns destes ihe sao devdos. Accruscentoraos quo a H que, iesiguaodo-so com a ventada ¡lo Dos p al/ e S ',"rincipalmoiile, allligeni e opprimem lustra rainha osou govurno oromettera sus! 0 trab.lhando cada vez mais alim du enri-jf •„„.. imniaculada do Cnrislo. entarco n seu podor, e defender os bispos, quandoo seu dever osobrigara reprimir maidado ea oppor-se audacia dessos homensque procuram perverter os espirites dos liis ou corromper seus coslumes, ou quando elles devoreu lomar medidas alira de apartar de Jseus rebinhose extirpar delles a peste dos maos livros. Una nova circomscrp?o doocesamsdo reiuo de Hespauha eia considerada como polendo sera fouto de ura maior bem espiritual para os liis; foi por isso quo cora nos, 1 autoridade o com o consentimenlo da rainha, emprehondemos trar¡a la, o publicaromos a este respeilo cartas apostlicos, quanuo tudo o quo Um referencia ao comprmanlo desto trabalha, estiver discutido o concluido. 011 mo s comnodidades religiosas luj uteis igreja o ao Est ido quando So manillas 11a disciplina du dever o regula monto govornados, no doixtmos, tanto quanto nos foi possivel, do poras Ordens regulares em Miooco 1 ; %  '• 'i --ni conservad is, roslibelecidas o multiplicadas. .Na vor.l).lo a liodade tradicional da raiulii, nossa quaii da IMI1.1 em Jesu-Chiisto, e o mar pira com a religino que he o carador destiuclivo da na^ilo nuspanbola, nos d.lo a consolarlo du esperar que as Ordens religiosas loiuarao a adquirir entro csso povo, a cousileracu de quo gozuvaiii oulr'ora o olcniQarao sou anligo esplendor. Assim pois duque nada podesse prejudicir quecer-so de to las as virtudes, ello nao appliqua todas as suas (breas era cultivar com umi industria acora uji ardor mais vivo, Lboriosarauuls o cora ronsciencu a vinliu doSiulijr, tanto m.iis quanto om virlulo dilibordido garantida igreja pela nova convenci, ello esta folizmeute livro dos obsticulos que o.nbaraijavam d'autos o miuistorio sagrado; o quo lho he por conscguinte mais fcil despertar e conciliar a obediencia, o amor e a vencracilo dos povos. Finalmente calando estipulado o garant lo o direito pleno o inleiro do adquirir, as igrejas hespanoolaa team una estrada abulta para chugar pose do rendas Daisconsideravols oque Ibes forne^am o 111 -MI de prover com mais decencia ao cuito divino e assegurar aos mombros o Cloro ura trotainento mais conveniente. Contamos tambera para lompos molhores, com a munilicencia real do OOMI mullo quori la billa om Jcsu-Christ 1, co.n os cuidados do s.'U govoruo, o com o amor a a vcnerafo que consagra a reiigiSo a no liospanliola. Por tudo isto qua vos dimos a conliecer rpidamente, coraprebm IOOIS, caros irmJos, c.;ni quo cuidado nos tomos opplicido a restabelecer os tigocios ecclesiaslicosdalluspanii, oquil lio uossa esperauja de ver uosse bollo reino, cora o auxilio de 11 ios, a igreja calholica e sua doutrina salutar cresoer, augmentar o florusc:r cida ilia pir um maravilDOSO progivsso. Agua vos Taremos BOOllOCer quo nosso podemos adoptar um tal optiinisnio, principalabtlba uicstra do duque de Olraulo ; pois demele a respeilo desse Godofredo. Vine, vai baixo do imperio o Sr. duque scrvio-se lo aJver porque. uiiravclincnle desle misteriosos meios, em — Vejamos, meu charo Mr. Descombes, disduas ou lies cire.nnstincias que no Ultimo mole minha avd, explique-nos lllo, pois declaro; ment revel.indo-sc ,is pessois preaas por quem ihe que lembro-or isto seniiuios lie grande porra nao podemos axiaiir-nos o prazer ilu felicilarmos o de | u uvarmos nossos veneraveis irmfiOS, os quaes collocados em urna siluaco lo deploravel, n 1 defendem menos cora lodo o ardor e com toda a lirnieza do zelo pastoral, a ciusa da igreja, sustonlaudo s.-us direilos intrpidamente, o vellando com soliciludo na salvasSo do seu rebanho. Taessdo, venuravuis ir.uis, asialavras quo julgaraos dover diriir-vos boje. Toda va uo descincemos jamis, era do dia nc.n de noito, cora ura coraba i humilde, com uina le sincera, u 1111 espera 115a certa a uma candada rdeme, em fazer clemencia do pai da* miincordias continuas supplicis, alira daqui sua mo omnipotento que man la aos vuiitos o aos maros, tiro sua santa igreja do seio das tempesta ios, e fav¡a brilhar sobre ello o da de um novo triumpho. ; Journal dos Def ins. ) PERNAMBUCO ELEigES l'ilOVI.NCIAES. Eleiflo do calle'jio da Olinda. O srs. VOTOS. Dr.JosQdinliuo do Castro LeSo 32 lir. J.is Cardozo de Queiruz l'onseca 3J Dr. Manuel Joaquim Garneiro da Cunbj 3 l)r. Jos Itodrigues do Passo Jnior 10 dor do cibecu lio graudc, una dor lo viva.... que nao puue delsar de chorar,.., •femando, disse-uic ininha av, leva teu amigo para lomar um pouco de 11 fresco, que eu irei ter comligo sem demora. .vi.o da sala de jniiiicom Joao, e levei-o para o jirdim. Apeuas elle ah chegou, apertou a ..0 i entre a duas mos c cxclamou: — Oh! quauto lenbo BofTrido.... Meu Dos I I u 111 lu IrnOn soUVidol... — Eu o creio, disse-lhc eu cada vez mais pesaroso. Eu o creio, Joo.. porque lucho ral* le.... mas nao era la dor de cabeca que te ,11 raiieava lagrimas, conheco que l duro para o sulli-imcuto, pnanlo nocrcio nlsso; peco-lc pois que me digas o quo leus. J'o .nli.nl para inim com uma exprcsso de surpreza amarga. o i|iie teniio : cxclamou elle; tu m'o perguulai '.' — Sun, diiic-lbc cu com toda a ainceridade. Itayiniiudo cousiderou-me silencioso por um uioineulo, e depois eslendendo-me a mo e dilse-ine: — He verdade.... lu nao podes aaber.... tu nao podeste comprebeoder quanto me alHIgia o que eu eslava ouviudo I -1 Oqueeilavii ouviudo? disse-lhc eu procurando recordar-mc da conversaco do jamar; e nao-vendo nella nada que podesse motivar a dolorosa luipressao de Joo accreicentei: Eo que l'ui que se disse ao jaular que podesse causart tanta alllicco? -Fernando, toruemos a entrar, o ar me lem allivitdo, disse Joo sem responder a milyinfinaar-x-lui., MUTILADO ILEGVEL


xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEMSDZARO_QNTU5S INGEST_TIME 2013-04-24T16:13:10Z PACKAGE AA00011611_07285
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES



PAGE 1

II. I l'i;CUINGHA. Ainda existe orna pequea quanlia das superiores colxas de linho, do melhor goslo que tein apparecido no mercado, pelo barato prei;o de IO.OQQTS. cada una : na ru do Quelmado, loja n;,i7.. — Vende-se, por preco comnodo, fumo em folha, para Atarulos de primeira e segunda qualidades, macella chegada ltimamente do'Porto, c calvirgem de .Lisboa tambetn desembocada poucos das : a tratar no armazem de Das Ferreira, no caes da alandega, ou com Novaes & Companhia, na ra do Trapiche u. 34Chita larga franceza, a ? '\ <> rs. Vende-se chila franceza larga, padrOcs modernos, escaros e claros, c cores (¡xas, P"l.i baratissimo preco de 240 rs. o covado, tendo grande porclo para escolher: na loja do sobrado amarello, nos qua tro cantos da rua do Qucimado n. 29. —Sedas furta cores, a 1,700 rs, o covado, por lao diminuto preco, que mdeixar de ter um vestido de seda para a lesta ? na ra do Qucimado n. lo, vendem-se as nielhorrs e bonitas sedas furia cores, para vestidos de senhora, meninas e manteletes, a 1,700 rs. o covado; datse as amostras, ou mandam-so as pecas em casa para mellior o comprador escolher. — Vendcm-se relogios de ou10 cprata, patente inglez : na ra da Senzalia Nova n. !\-i. '-• No escriploriu do Novaes -Amaro, ocham-se a vonda moenda 'de caima, todas do ferro, de um modeloe DRV ERES DOS HCplENS, a 5oo rs. %  POTASSA DA llUSSLA. Farinha fontana, JNo armaiem de Jos Teixcira ¡ c e 1 e aV 1,l m menl : emeasa de'j. j.Tas-' so tumor,... ra do Amonm n. 35. ¡ Vemle 8e „ sta compeoui(J rovido razendas para senhora, por baraas aula, em mei. encadema C ao, asoora., t) preco. cada um : na livraria ... Se 8, da praca da j Independencia. — Vi ndn-so um bonito molcque creoulo, 19 anuos, proprio para qualquer 1 ra larga do (lozano, loja ... 33. 4,500 ra. com 8 112 varas, e 640 rs. a vara : 1 "" ditas francezas de bom gosto, a 560rs ¡deanuos, proprio para qualquer ofllcio vara ; ditas co,n listras de cor a 3,000 rs., a D ru ltr & do ". r 0 J peca com 8 varas; cissa preta a 100 rs. ; Novidade covado ; corles de cassas pintadas,a 2,000 o! Vendem-se frascos com oais de 6 libras, corles de chita com 12 covaJos, a 1,920 o ( cada um, com excelletlte doce de annaoaes; t,800rs. ; lencos de flnissima cambraia doicm calda, feilo no Meranhao, chegado no lindo, a 480. 560c 640; ditos do cambraia | ultimo vapor do norte : na ra daCadeia do algodlio com bico, a440rs.; zuartes do ¡do Recite, venda n. 25, do Manoel Jos do cor muito cncorpados, a 200 ra. ; dito i Nascimento e Silva, defronte do becco Larazaoscom 4 l|2 varas, a 200 rs. ; e lgodilo go, e na de n. 23, de Antonio da Costa Fertrausado com listras, a 180 rs. : na ra do | reir Estrella. Crespo n. 6. | — Vende-se um escravo velho proprio Atlenco. jpar tratar de algum sitio, por entender I Acaba de chocar no ann'r lmnnriri,. '. de P l,nl, os o lambem para tratar de ca-1 lotera i, de Souz Jnior Km W.h^do f, 'fefJ 0 r ttr muita Pratic.: n. roa do ftueiAloanUr... cuja lista deve vir n Lotera do dio de Janeiro. Aos 20:000,000, (0:000,000, 4:000,000 2:000,000 e 1:000,000 de ra. Na ra da Cadeia do Recite n. 24, loja da Viuva Vieira' Filhos, existe os mui afortuna tratar no mesmo escriplorio Arados de ferro. Vendem-se arados de diversos modelos, assim como americanos com catnbao de sicupira e bracos da ferro : na fundico da ra do JJrum ns. 8 e 10. Deposito de cal virgen). Cunlia & Ainn iin, venden, barris com cal em pedra, chega la ultimamcnlo de Lisboa, na barca Margaridn, por menos proco do que i ni outra qualquer parle: na ra da Cutela do Recite II. 50. iiombas de ierro. Vendem-se bombas de rcpuxo, Dendulaa e picola para cacimba : na ra do Brum ns. 0, 8 co, fundicao tic Ierro. Farinha de mandioci. A m.la nova c mais barata familia de mandioca que ha no mrcalo, ventc-se na i ua da Cruz do Recife, armazem n. 18, le Joffo Carlos Augusto dii Silva. Moinhos de ve tilo com bombas de repttcbo par. rugar borlas d baixas do c.pim : veudom-sona undii;no de llov/man & Me. Catlum, D. ra do Uruin ns. 6,Se(0. --Vendem-se amarras de ferro: na ra da Senzalia nova n. 42. 0 — VenJe-s< um grande sitio no.lu"; 0 (jardo Manguind, que tica defronte 0 ,vj dos sitios dos Srs. Carneiros, com fy %  ':•, grandScaaa de vivenda, de quiltro Q n agoas, grande senzalia, cocheira, m \ cstribaria, baixadccapim que susQ S lenta 3 a 4 cavallos, grando cacimX loj junto ao beco da CongregacSo n. 37 A os bibilhctes, e caulellas da loleria do theatro S. Hedi de Alcntara cua lista vem no I.* vpor.e vendem-se pelos baratissimos precos ahaixo Rilholes 22,000 Meios liilhetes nooo Qu.rloa Oitavos Vigsimos Lotera de Nossa Senhora doLi: p ara fra do torra ¡ na n vramento. Aos 5:000,030 de rs. Na loja de miudezas da praca da Independencia n. 4, vendcm-se bilhetes inteirose meios, a beneficio do Nossa Senhora do Livramento, que corre infallivelmenle nodia 23 do corrente, e o Sr. thesouroiro pagano da 24 do crrente. Bilhetesinteiros (0,000 rs. c ...eios 5,000 rs. Para jardn M. D. Rodrigos na ra do Trapiche n. 26,! cesa v'end'em-se ricas litas d seda lavrada recebeu urna completa colleccSo de adornos, para clupelina : na ra Isrga do Rosario n. para jardins, composta do vasos de louca,! 26, loja de miudezas. brancos e pintados de todos os tamanhos ej Oculos para todas as ¡dados a800rs modelIns. Figuras representando as esta-1 o par. cOes do anno, as partes do Clobo e todos os I Vendem-se oculos para todas as idades, a Oeoses da Tabula, que recommonda a quem sOOrs.o par: narua larga do Rozario n. liver bom goslo, o por precos muito rasoa26, loja de miudezas. madon. 14. — Vende-se urna toalha toda aborta, do mais rica lavarintn que so pote fazer, e .inda sem bico, por ter sido a pouco acabada ; assim como 2 ditas sSmento com lavarinto, e bico as ponas; na ra do.Queimado oja n. (4. i — Vende-so urna preta com 22 annos de '"i'tmri d, |lUlj fl j a |uolas 32l) rs> 0 cov ,j 0( cort s de cambraia do soda com 13 covados a 6.400 '• I rs. o corle, cortes de caga decores i 2,000 — Venile-se nataverna lephante, na rita do Hospicio, bir-| rs u atias muitis fazenda. que o preco licascom bolacllinha ingleza, das !vicond..-n._ru. do Qaeim.d.i n. • 19. Coostrucco muito superior Velas de carnauba em libras. Vendem-se velas de carnauba imitando espermaceti) : na loja de sjleiio da ra da Cadcia do Recife n. 36. Prczuntos Vendem-se prozuntos americanos, muito superiores e por barato prego : no caes da Allcindc-ju, armazem delronte da arvore. Altencao. Vend-se, por 3:500,000 rs., o sobrado de dous andares c solSo, com trapcira e loja repartid., com boa cacimba na chaguo e em chos proprios, no Recife na ra do Apollo II. 29 : na mesma ra n. 3i„ se dir quem vendo. — Vende-H urna porc3o de madeira ue amarello, cm prauchao, a preco regular : na praca do Commercio n. 6, primeiro andar. — Chapeos de castor bronco. Vendem-se na fabrici dechapeos de Christiani & lr:r.So, na ra Nova n. 41, os mais modernos o superiores chapos de castor liranco, chegados reconlomentc da Inglaterra, pela'galera Linda. Manteiga scmtal. Nao so linha dcscoborto ate lioje um mcio de coiiservaifa nianlciga de vacca sem sal. .Nos p.izoa conaomidores, como a bordodos navios, MI te gastavfio inanleigaspreservadas a custa de muito sal. I'elo mcio do unta nova invencSo,que ja lia muito experimentada adquiri a certeza da perfeico, pode-se em toda a parlo do mundo gaslar msntciga perfeitameute conservada fresca sen. sal algum. Cbjeclo de primeira neccssidade para a arto culinaria e para a meza, a manteiga sem sai be indispcnsavcl para os doentes c convalesccntes, pois lie formalmente prescripl pela liomeopalliia ; e neslc ultimo casa ella lorna-sc Unlo mais aprcoiavcl quanlo lio pura do qoalquer substancia que a possa alterar nos scus benignos elidios. Finalmciile pode gastar-so tal qual nos paizcs| Checucm frcffliezcs a npthinrln productores. Na llavana o as Anlilliasfran-, ^ irtguezes a pctlunciia cezos esta invencao foi reeebida com graliantes que Se acabe. do, pois era de ha muilo lempo apetecida. 1 Em Pernainbuco, que n.lo cede cm bom ¡ no n gosto a outro paz, nao duvidamos que seja rua tl0 ^Ollegio n. O, C lia praca .la linha. rcconhecidoosoumcrecimcnio. RecomenIndependencia n. I\, ha para ven-¡ -• Na rua da c.deiado Recite n 49 vnda-soaroanteigascinsala-pessossquogos. j i ,-, l U(J rnS e muito bous sapatos do Aracaiy, Uo de paaaar bem : ha toda %  certeza de -oni uuai.uuras (le nnr-1 che dos ullimaltl0IllCi c lnais 2 C5Crav „V qucdepois que a tivereni provado uno quenielada, minio fresca e superior,' rero mais saber de manteigaa salgadas pY ¡ n( | a d e l.i S |j Q a nela barca I ¡M raseusalmocoso para seus chas Acba-so J -' lsoa pea uarta L,lgeia niauteiga fresca sem sal por preco modi''0, QSStm como frascos de doC3 Cm cono boteq.ii.r. fr.ncez da roa nova c na j a |¡ as t \ c mamullo COtn seis libras venda de Fonles, & Irmao : ruada Cadeia do i "" %  %  > Recite. ca(J a titn; pecego e guija, tudo poali~ Vende-se urna preta de cos", bonita figura, sem achaque nenlium, boa qnitander, a lambem propna pira servido do campo : na rua de S. Thereza n. 2, achara com quem tratar. Capachos a 500 ra. VenJam-se capachos a 500 rs. : na rua larga do Rosario n. 26, loja de miudezas. — Vendem-se queijos londrinos, ditos chinas, dem do Alentejo dem suiaso, presuntos inglazes para fiambre, lingoas Inglezis, manteiga fresca em latas e Irascos, concervas inglezas, ditas francezas de deferentes qualidades ; latas com biscoito ioglez. mostarda franceza e ingleza ; latas com sdpa, violtos as seguintes qualidades : porto particular, madeiras, sherry, moscatel, setubal, colares, lavradio, bucellas, csrcavellos branco o tinto ; latas de iiiaiin dada, rains com figos, lalts COU ameiclias, ludo de supeiior quslidade : na rua da Cadeia do Recife n. 2, taberna de Foule & Irmo. — Grandes mappas Jo imperio do brazil, com a planta das principaes cidades por Conrado, coronel de engenheirus : no pateo do Cullegio casa do livro azul. CASEMIRAS BARATAS. numerosas experiencias feitas conu Ven le-so os mais modernos cortes. dcca-[uso da salsa parrilha em todas as enfermidades, originadas pela impureza dosanpuc, e o bom xito obtido na corte pelo lllm. Sr. I)r. Sigaud, presidente da academia imperial du medicina, pelo illuslrado Sr. Dr. BOA OfiATIFICAijAO'. Ausentou-se nanoite de 2? de outubro^ passado o mulato C| e mentino, de ao annos de idade pouco mais on menos, magro, a tura -regula'r, tem muito pequeo bu?o de barba e falla muito mansa quando anda parece que n8o p¡ 8 bem com os calcanhares, costuma andar calcado e bem vestido, | e vou urna trocha de sua roupa, inclusive calca e ¡aqueta de panno fino ozul, e alm do mais algum calcado, um par de borzegnins par. dos bilhetes, meios e caulellas da o. dos, eom botr.es de tftadrenernli. Pedro de brancos> e c „ n8ta que lev ra ¡J cavado, que naquella occasiio alugra, o qual tem os sgnaes seguintes ; — castanho, barrigudo, dinas pretas, gordo e tem um taIho em urna anca; he provavel que queira passarpor forro, he bolieiro e escravo de Luiz Antonio Siqueira : quem o pegar leve-o a rua da Cadeia do Recife n, ai, que ser recompensado. — Nodia 23 do passado, desapparepeu do engenho Arembi, froguezia de Ipojucs, uroi mulata, tiem alva, cabellos bem pretose meios encolhidos, um tanto bsixa o magr com sardas pela cara, nariz afilado, porn, grosso, e presentemente teve um tumor oo meio da cabetja que est coroada : quem descobrir leve-a ao dito engenho, ou nesli praca em casa de Manoel Buarque de Macedo Urna, na rua do Livramento n. 26, que ser bem recompensado; a mesma levou ro upas finas e uns vestidos de cambraia, desconfia-ae que tenha seguido para Pao d'Alho ao.nde tem prenles; por Uso, roga-sea todas as autoridades policiaes, e a qualquer pessoa do poro e capitaes decampo, do i pegarem e levarem nos lugares cima menponados queserSo generosamente recoovapor e estar patente na mesma loja. •Vende-se 2.000 couros salgados em Macelo, a tratar com Jos Goncalref Torres : rua daddeia Velha n. I. A (¡oo rs a arroba. Vendem-se batatas novas da melhor qualidade inglezas: no Recife armazem de Joaquim Pnheiro Jacome, na travessa da Madre de Dos n. 9. — Vende-se urna parda, de 20 annos, pouco mais ou menos, cozinha, engonima e cose algumacousa, nlo tem vicios, nem achaques: narua da Concordia, quemvm d pontea esq.ierda, segunda casa terrea se dir. quom vende. -Vende-se urna cscrava do gento de Angola, que sabe cozinbar solTrivolmente, ensaboar e hequintandeica : na rua de Harina n. 110. que achar com quem tratar, das 8 horas da marfhSa at as 4 da tarde. — Na loja amarella da praca da Independencia n. (, vendem-se palitos de brins mesciados, bem fetos e muito proprios p.ra montar a cavado, e para quem passa a fesla, a 3,000 rs. cada um, el les antes que se acabem. Queijos londrinos. os mais superiores possiveis por virem om latas, chegados ltimamente por preco commodo, na venda da rua da cadeia do Recifa n. 2J, delronte do becco Largo. — Vende-so um sitio, junto ao CampoGrande, confronte a S. Amaro com mullas mangueiras, cajueiros, pitombeiras, e outras frucleiras, agoa doce, e boa baixa para cipim.e com desembarque, por preco commodo : na rua da Madrede Ueosn. 7 — Vende-se una morada do cisa terr ea atraz do San Jos na esquina n. 2, quem quizer comprar dirija-so a mesma casa que achar com quem tratar. %  •*Vende-se a Historia do Brazil a 1,000 rs. embroxura, e a 1,800 encadernada : na pra;a da Independencia n. 12. -Vende-se una casa terrea na rua Imperial : quem a quizar dirija-se a rua do Arag3o n. 15. SALSA PARRILIIA DE wmmwm* As numerosas experiencias feitaa cnTi > Frutas de Portugal. Vende-so frascos grandes com pessegos, damascos,cerejas e guijas muito bem conservadas c pelo diminuto proco de 1,000 o frasco.na rua do Rozario larga n. 20 Vende-se um relogio de prata patente suisso : na rua larga do Rosario n. 26. loja de miude/.3s. Pechincha. Vendum-se couros de lustro polo barato preco de 1,600 rs. a palle : na rua larga do Rosario n. 26, loja de miudezas. Vondo-se um escravo cioulo, idado 24 annos, vin lo da cidade do leo, cujo escravo cozinha sofrivelmento o diario do urna casa, no tem vicios nem achaque*, e vende-se em conta por ler vindo para pagamonlo: na rua da Cadeia sobrado de um andar passana casa da Guarda da Cadeia. — Veudc-se umporco grande, cxcfssi¡Narin larga do Roznrion.22, na vom oto gordo, ptimo para um ircsento : >. ,1„VIU.;; 5 ¡noArrombado sobrado defroute da capam.its novas que ha no mercado, a 2,400 rs. a barrica, c a retalho a laors. a libra. A i,aoo rs. Vendem-se peles demdrroquim de todas as cores, pelo baratissimo preco de 1,200 rs. cada urna, c sendo cm porcao d-sc mais barato : na rua Nova, loja de ferragens n. 20, de Joao Fernandos l'arente Vianna, defrontj da noneca. aver um completo sor-\* 9 $*? 99 '*" i ? -'-" 1 ''?f:9:&§>?& lo diminuto t.rero de 420 rs. lal W "M";-' U *"" \(f¡ Vcndem-so caiiigam-se bichas, che i. ri ,, „.. ,' • ^ e maelldaSO metas mOen|fl gadasultin.anuntodnllamburgo.por f^ ra a c e "oguczio, pois se virgem. ha Na rua do Trapiche, n. 17 muito superior ca nova cm pedra, chegada ltimamente de*Lisboa Taixas para eligen lio. Na fui:d¡i;no de ferro da rua.do Brum, acaba-se do receber um conjp'elo sortlmento de taixas le 3 a 8 palmos de bocea, as quaas acham-se a venda por procp commodo, e com promptido cmbarcam-se.ou erregam-se om carros sem despezas ab comprador. -. Vcudem-se cera cm velas iabricaas em Lisboa c 110 Rio de Janeiro, em caixas de 100 libras sortidas, de 1 t\ 16 cm libra, e tumben! de um s tamaito,por.me-r nos preco do que cm otilra qualque rio se esta > preco commodo: na rua de S. Amaro 4 final isundo. .I virgem em pedra, Nova n. 20, dcfrnntoda boneca.de J0J0 Ferchegoda rccenleiuenle de Lisboa, cm anconandes l'arente Vianna, as muito apreciadas ras, muito bem acondicionadas, vende-se a jarras o bacas Chinezas, obra muito recompreco muito commodo: no armazem de Silmendavel, pela tai duracSo, e Uiliculdada va Barroca, na rua do Trapicho n. 19. em quebrar-se.esta s circunstancia anuuur az-SC todo O negocio. ca ao fregu za sua utilidade ; na mesma loVende-seuma obrigacllo, de passado por J" lla UmbBm P"* vender grelhas de torrar Claudino'dos,Santos Lopes Caslello Branco, f ao '" ul, r m conU mestro de primeiras lelras na villa do Cabo, -limcavallo murrcllo, novo, som adiada quanlia de 180,700 rs.; na rua da Cadeia quoalgum,_cgcgado* pouco do centro, ando Recife n. 8 u Dem ""*. e muilo melhor em cima, na f'Alrarlrm T nn r. nn X nnn la da l'enha loja de sapalcira n. 3. a 800, 2,bOO, ,000, vendo so um quarlao.edu'ls egoas oro• Vendem-se selins e sillines inglezcs, de couto de porco, da primeira qualidade: em casa de Adamson llowe & Companhia, na rua do Trapiche n. bi. — Ricos temos do bandejas, cacbinhas com 6 pap'-is do agulnas muito superiores colheres de metal do principe perfeita imitaC0ode prala,r.ieciis com garlos muilo linas, chaleiras. friaideiras, eassarnlln n ¡ :in,.iu< de ferro forradss do louca,fogareiros grelhas e mais pert"iices de cosinha : na rua Nova loja de ferragens de Jos Luiz Peraira. OUantois Patlhetck Companhia.L Conlinua-se a vender no deposilo a geral da rua da Cruz n. 52, o excelV lintee bem conceituado rap areia St preta da fabrica de Ganlois l'ailhct & Companhia da Baha, om grandes e £ pequetas porces pelo precoeslabea lueeido. "* %  -..:; :-..:::: %  %  %  % % % %  : %  %  — Vende-se superior farinha cinssdos. 100,000 ra. de gratificaclo. Roga-se aa autoridades policiaes, que capturan o escravo Manuel, pertencenle %  Sebastio Marques do Naacimento, fgido desd o dia 8 do mez de setembro. Fo¡ elle escravo do Sr. Gabriel Alfonso Rigueira, i quem foi comprado ullimamenle : ten. 28 annos de idade pouco mais ou menos, cor fula, com falta de dous dentes na frente,e de cabellos do lado esquerdo da cabeca, que se torna bem visivel por paree.-r urna cor.'i, tem olhos pequeos, beifos grossos, sem barba, baixo, corpo regular, he ofliciai de funileiro. Trajava jaqueti de riscado azul, calca beanca, camisa de madapolSo, e levou urna trouxa, contendo calcase jaquetas : quem o apprehender e levar rua di Aurora n. 62, receberi-a r.itilki.-.i,, ( -,,. iin'liida. Suspeila-se que fosse seduzido, e por issodesde j protesta-secontra quema conservar em seu poder. -Desappareceu na tarde do dia t3do passado um escravo por nome Joaquim tem os signaos seguintes: boa estatura, representi ter 35 annos de idade, falla desecaba ra; i la, ps grandes, tem lodosos dente, da frente, nariz chato, quando anda estala as jiini .s dos joelhos, levou camisa de algodSosioho branco, calca do dito azul, este escravo foi do malo: quem o pegar leve-o a tvpograpbia imparcial a fallar com a viuva' Roma que seAntonio Jos Peixotoiem sita rlinici, eom suaafamaJa casadesaude na Gamboa, pe-'r recompensado. lo lllm. Sr. I)r. Saturnino do Oliveira, me-1 — Dosappareceu no dia domingo, 12 do dico do exercito e.por varios outros medi-i passado, um preto que representa ter 45 a eos, permitiera boje de proclamar altsmentc 150 annos de idade, de naco cacange, baixo, as virtudes elllcaaes da cheio do corpo, sem depilo algum no corpa, SALSAPARRIIJUA levou vestido, calca de casemira azul olara de quadrose ja velha, coleto de selim preto I velho, jaq uela de brim pardo,camisa de madapolSo, chapeo de seda preto; presuma-se ota. cada garraa contem duas libras!que anda pelos arrebaldes desta cidade, pois apezardeser do serto nSo sejulga que teDF. de liquido, o asalsa parriha do Bristolh 1 garantida, puramente vegetal sem mercurio, iodo, potassium. Vende-se a 5^000 rs. o vidro na botica do Sr. Jos Maria Goncalvcs Ramos : rua dos Quarlois pegada ao quarlelde policia. MUBILIAS DE rEUHO. Vendem-se ricas mobilias de ferro, como cinaps, mesas, cadeiras com braco c sem elle, emuitos outros objectos de ferro : no armazem de kalkmanu I maos, na rua da Cruz n. 10. Escravos fgidos. — Ilesappareceu no dia 2 deste correte mez do dozembro do engenho Espirito-Santo na commarca do cabo, um escravo crioulo do nome Alexandre de idade 25 annos, com os signaes seguinles.allura regular, reforcado do corpo cor fula vista agradavel.sem llruc, da freguezia de Escada, o cscrao nhavolt.ido: roga-se prtanla as autoriJi des policiaes e capitaes de campo, a captura do mesmo, levando-o rua do Vigario n. II, terceiro andar, que se recompensara. Desappareceu da fabrica de caldelreiro da rua do Brum n. 28, nodia I7dopassalo mez de novembro o preto Antonio, de naca cabinda, que representa ter 45 annos da idade, altura regular, cheio do corpo, cara abocetada, muito cabollodo nos pellos o com bastantea cabellos brancas na cabec. o um pouco carrancudo; he ofliciai decaldeireiro, foi encontrado as Cineo Penlas, t seguio o caminho dos Afogados, e ha natural quo seguisse mais adianleporter levado toda a roupa que linha, e por ja ler sido pegado do outra vez na freguezia da Escada : roga-sa portanto, a quem o pegat do leva-lo na dita fabrica cima, que ser recompensado. 5ii,ooo rs. De 15 para 16 de novembro de 1831 desappareceu do engenho Aguas Claras do rs rua do andar. ., ditos para homcm os melhures que "• *3, continua liaver sorvete todos os das'a bordo do mesmo ou na rua do temvindo da Rabia a 3,000 e *,000 rs., c bodBS hura dodiaas3 da lardee das 6 as 9 A„„||„ „„„,,..._ tins a, 6.000 rs.; auim como um novo c d """le allm de applacar os calores da rapa-, '*P\ 10 armazem n. Ij, e na rua completosortimento de calcados, frncozes 2lada uzida. 'da Cruz armazem u. 33, com S detodas as qualidades tanto para homem Batatas francezas novas 'Aratijo. como para senhora, meninos e m.eninas, Vendemsegigos com superiore btales i v i L ... peles demarroquim e corles de tapete, francezas chegados ultimamenlo pela barca I '~ Vc "dc-se um cabra de lda480 rs e leodo porcSo. dti-se por menos, rranceza Pernimbuco, viuda do Havre, na de 3o annos, muito fiel, sem vicio ludo abo. de se apurar dinheiro. .. travessa da Madre de Dos u, I9,armaz-in de a |„ llm r a ,' .„ „ „„„! „„ — Vcnde-se no armazem da rua JoMumz do Barros. „"'". la/lodo c qu.ilquer servida Cruz n. A8, os secuinteo cene" Vcnde 80 um ncitt cinmoJa do an •' na fu do Qucimado numero 1 ? o, gico, feitea moderna, qi.'isi nova: na ruada lo. loia ros a precos commodos ; — frasSenzaila-Velha n.vo > V --Vende-seuoiacabrabiElio.com umi' — Vcndem-se quatro estolhs cria, queda bastante leite: na rua d< C uz da .c>res principaes, branca. Olido Recife n. 29. ^o^.,nJo i i • • sao chega tos a loja da rua .Nova n. ao, carnad0 f->cha e preta, bordadas do Juiio Fernn lea Pranlo Vianna, os ria Olll'O, proprias para vitzaiios e eos o muito bonitos aparelhosde metal finrpm.ln,... „, .,' i /. i • ticas, larco c secante cm Larrino para cha e caf, obrado delicado goslo, i, P, 1 0 na '"a Ja Oauea do r'parte: lrta-se nocscrptoc'ps; pera hume cm barricas, es? P¡L e 'e !" m d *s • •• %  • B 5i acectfc, loja de Jos Gomes Leal. .' %  • i .• o ni • • '.'• %  ', ,f -.",-•' cabem. — Na rua do l.ivr.mei.lo n, II, vendemde Machado



PAGE 1

OSrs. qu j havllo enosmmsndsdocaI morador na villa de Iguarasau' oespecialfa-.pitaes decampo, apreheoilo do escravo de •rotes; queinm novementa dirigir-se a I vor de vir ou mandar pigar a importancia | nome JoSo Mariano creoulo, bstanle robusta do emprezario ra do Apollo n. 27, se¡dos gneros que comprou nt ra da Cruz to, com uma biliJia no olho direito, con 3 marot casa eunJoandar. ouao theatro com antecedenIn. 82, para • fasta do S. Cosmes eu setemalgumas costu;a *¡" Ibro doanno passado, rorto do-qoeseo nao nariz cbato : que OJ bllhetes verdes, tanto de platea gdral, comodecadeira e camarote servirSo 1 para a i • noite ; os azues, para segunda noilo; e 05 imtrellos, para a tercelra noite. I'ublicacao litteraria. Historia universal resumida. Para uso das escolas dos Estados-Unidos da America do Norte, por l'edro Porloy, traducida jara uso das escolas do Imperio do Brasil pelo desembargador consolheiro Jos Ribeiro. Esle oicellenle resumo acha-se nos prelos d capital do Imperio, e brevemente sahiraluz: aubsoreve-se nesla cidade do Recite na livraria n. 6 e 8 da praca di Independencia a 5,000 rs. por cada exemplarcncadernada. Avisos martimos. Para a Parahiba, .saliat o m desta semina o hiato brazilairo Parabibaoo ; quem no mesmo quizer carregar, ou hir de passagemdirija.se ao mestre Victorino Jos Pereira, ou a ra do Vigario n, 6. — Har o Rio de Janeiro salie impreterivelmente no dia i5 do corrate, a escuna nacional Maria Hrmina, capitSo JoSo Bernardo da llosa, por ter o seu carregamento completo, pode receber alguna passageiros e escravos a Irete, para os quaes tem commodos sufficientes : a tralar-se com o mesmo capitSo ou com o consignatario Lui Jos de S Araujo, na ra da Cruz n. 33. — Para o Porto, sahe com a maior brevidade possivel, a galera portugueza Bracharense, da qual he capitao Nodrigo Joaquim Corris, tem exccllentes commodos para passageiros : quem na mesma quizer carregar ou ir de passagem, entenda-se com o capilo, na praca do Commercio, ou com Novaes & C'ompanhia, na ra do Trapiche u 34* s no pesccco, rosto largo, quem o pegar levo na padarla das Cinco l'ontas n. .40, que ser bein recompensado. — Precisa-se alugar um cosinhelro forro ou captivo, para urna cisa particular no sitio do Cajueiro : a fallar com o preprietario do me .mu sitio. -O Dr. Miguel Joaquim de Castro Mascarenhas, relirand i-se para o sul, e nSo podendo pessoalmente despeJir-se do seus amigos por causa da pressa, por ¡sao rogaIhes disculpa desta falta involuntaria. — Precisa-se de 300,000 rs. a juros de 2 por cont ao mez, sobre penhoros de ouro : quem tiver dirija-se a ra do Rangel n. 63. — Deseja-se saber quem sSo os possuidores, berdeiros, administradores dos lien. que pertenciam a diversas c¡irporaeOes religiosas, sobre um sitio no lugar das Corcuranas de sima ou que se acba de posse como procurador in nomine Ignacio Jos de Barros desde o anno de 1817 ; e como se queira fazer negocio sobre o mesmo sitio, roga-se aos interessados bajan de declarar por esta folha para melhor se tratar deste negocio, ou dingir-seao Passeio publico, loja a. 21. — Gouvoia & Leite, embarcam para o Rio de Janeiro os seus escravos Bernardo pardo, e Jo3o preto, creoulo. — Alugi-se por 4, ou 5 anuos, ( a quem d "'comprar pelo seu justo valor, 3 exoellentes ,," cavallos, o boas vaccis de leite J um sitio ninado -Parnamelrim — lizer nSo se deixar do publicar seu nomo petos jornaes. -• J. J. Merkeretira-ee desta provincia para a da Baha. — Facosclenteao rcspnitavel publico, eu JoSoCoelho deOlivoira Cintra qu chogTjei no dia 10 do correntede Lisboa com S vacas de leite e todas con boas crias, assim "me interesso de vendor as mesmas, e quem as pretender dirija-se a oochelra do Sr. Pedro em lu. i do Portas, e aprovaite a occasiSo, pois para melhor nada se podo oncontrar. e emquanto nfio vender quem quizer servirse do boa leite tirado avista do portador, dirija-se a mesma, pois pela sua qualidade pode serapplieada tanto para conservar a saude como mesmo para remedio de qualquer quo padec ha lempos do iotrior, pois o leito fazendo-se uso delle na occasito em que he tirado s vaoas,nada se pode comparar com a sua bondade, sendo cada garrafa pelo preqo de 240 rs. AltencSo. Deseja-se urna casa no bairro da Boa-Vista o em bom lugar, para mui pequea familia, preferindo-se com quintal: quem tiver dirija-so • ra do Collegio, loj nica de fazendas. -Precisa-se alugar urna sala para es-, oriptorio as seguimos ras.: do bairro d Recife, Cedis, Cruz ViatriO. ou forres ., donominallo .. parnamelrim quemativer e quizer aluger, dir.ja-se • ,,"„ aS ,„ u AQna mura do na frente, e ruado Rangel n 9. n 0 cercado pelos lados e fundos, com casa pa-En .esposta ao ¡ .^''^'r. numerosa familia, 1,000 ps do lar.ngeinodia5docorre.il, n el S v r J.^"'' !" ¡,. 5 Limoiras.Uimoairos doces, alguns 405 Corre. teoho pela u Itima vez de deca a „ j.queir.s coqueiros, Ihe que ludo quanto al se diz, be urna CalV bej Uln r ¡nVras sapotiseiros sidado cm relacao a prova da supposla so-; *• B J ', jm cied.de, que o mesmo Sr. todo c.ti %  £.,,',,,, am .ualmento 4 cavallos, e 2 veda Para por cls de laile C P<""' l' ue da lonha P ara annuucio doSdo correte, com o quo pu^morim. ATENCA) O mysterio que subir a scena sabbarlo 13 dade uiaior no dirija-se aos consig quino Fonseca& Filho: na ra do Vigario n. 19,1-*andar ou ao capitSo o propietario Miuoel dos Santos.ns pra?a do commercio. — Para o Porto, segu com toda a brevidade, a birca portugueza Eapirilo Sanlo.capilo JoSo CarlosTeixeira ; quem na mesma quizer carregar ou ir de p.ssagem dirija-se aoescriptorio de Francisco Alves da Cunta & Companbla, na ra do Vigario -Para o Rio Crande do Sul, seguir em poucos dias, por ter a maior parle do seu carrogamenlo prompto, o briiruj nacional ..ente e dessrrasoado. — Lauriano Pinto de Paiva. — O abaixo assignado declara, que tendo de ser arrematado um seu escravo,de nome Francisco,de naco, e isso por cxccuco de Joaquim l'crreira, contra Domingos l'creira de Mendanha, setn que o mesmo abaixo assignado seja rese Carlos, capllSo Jos Joaquim Soares: quem ponsaye | p0i m tal divida no mesmo quizer carregar ou tur de pas¡ r sagem, pari oque teu mu cxcelientos sem que fossm atendido* seus em uummodua: d(rij-ij iuiir &. olivoira, '|ir!os de terceirv, declatra que os "rJt^X^EZZSSiZ seurembargosdependem amda de julgimcnto.sem suprior tribunal ra qualquer porlo,sendo para o Sul at o Rio de S. Francisco e pa.a o Norte at o Assu. lista bircassa foi ltimamente construida, est nmito segura, he boa de vela, e pega no peso de 40 caixas com assjcar : para tratar com o mestre da mesma no Forte do Mato,onde ella est ancorada, ou na ra do Itangel n. 50. PARA O 1110 DE JANEIRO. Sahe com a maior brevidade possivel por ter parte de seu carregaii.culo prompto, o veleiro brigue nacional Rio Ave : quem no mesmo quizer carregar, ir de passagem, para o que tem bons commodos, ou embarcar escravos a frete entenda-se com o capitSo do mesmo brigue, Elias Jos Alves, na praca do Commercio, ou com os consignatarios ¡Novacs & Companhia, na ra do Trapiche n. 34. — Para o ll-.vre sabe com muita brevidade a galera franceza Edith, capillo Poulet, por ter a maior parte do seu carregamento prompto ¡quem na mes mi quizer carregar n< rutNova a ? 63 eque se forem aceolhidos e julgddos procedentes ter o arrein-tante do escravo de restitui-lo ao abuso assignado, como be de lei,faz-se essa declaraco a quem puJer interessar. Joaquim Dias Pernandes. Ikc.ciii para quem estiver doentc. Aluga-separa passar a festa, urna excallente casa nova de podra e cal, con bons commodos para familia, no melhor lugar do Caxang, junto do appreciavel rio Cnpibaribe, por preco cotnmodo : no aterro da Boa Vista n. 50. Precisa-se de urna ama para casa de um homem solteiro, para cozinhar e comprar, na ra da Praia armazem n. 2. — LuizAntoniodaCunha, remelle o seu escravo Raymundo para o Rio de Janeiro. O coronel Francisco Mamede de Alinoida, embarca para o Rio de Janeiro o seu escravo Manoel de n¡ic.1o. Para quem quersale. Aluga-se urna casa no saudavel Caxang com bastantes quartos, copiar o estribara : o restante, ou ir do passagem, pode entender-se com o mesmo capiao ou com os consignatarios Schai*heitlin & Tobler, na ra da Cruz n. 38. Para a Rabia, Segusabbado, 13 do correte, o hialeLigeiro,08Srs. pussageiros que trataran podeui apparecer iioja^ 12 do correnlo, na ra do Vigario n. 5. — Para a Babia pretende seguir com muita brevidade o hiate brasileiro Exalacfo, uieslre, Antonio Manoel Alfonso : quem no mesmo quizer carregar ou ir de passagem, pJeeniender-se com o mesmo mestre, no trapiche do algodao, ou coa S Araujo, na ra da Cruz n. 33. Leiloes. O correior Oveim, far lellSo de grande por;8o de mohilia nova, e com poui'o uso, e de um excellenle piano, oulr'ora pertencente a Manoel Loe l'onpou : sextafeira, 12 do corrente, s 10 horas da maiiliii.i, no primeiro indar da sua casa, r ua da Cadeia. — O corretor MiguM Carneiro far lei iao no dia sabbado, 13 do correnlo,as 11 to ras da manhBa, no sou armazem da ra do Trapiche n. 40, de diversos trastes novo se usados ; pianos muito baratos, lou;a, vidros, oandieiros, eoulros mullos objectos, por qualquer pre(0 que for ofTerecIdo, que val apena especular. -Jos Rodrigues Pereira faz leilBo anauiiiia as 10 horas no ces da alfandega, do 140 gigos com batatas, e 20 caixas com queijus, tudo recentemenle chegado, a voulade dua compradores. ^^^ Avisos diversos. M Na cidade Nova do Algrelo, oulr'ora Capunga, na ra da Primavera; no sitio junto tu desiacamanto, ha urna cochera para se tratar dos cavallos dos Srs passadores da festa, do que seallianca o bom iratamento e grande accio, por pretjo razoivel por ter emito boa commuuidade. — Multo se deseja saber te nesta oidade ouseu contorno existe Francisco Nunes di Silva Soare, natural da villa da Feir.i, em Portugal, para negocio do seu interesse. -Rogi-se ao Sr. Baiilio Comes Pereira, •I lllllllll I" i!' 1 .1 II I I v'l i %  l l i '"n Jo F 44 blicou em 28 do p. o. mez, de cuja cnn-l frontacSo resulta amis palpitante contra. ^' l !" quosuuua !" %  ''' ilcoao O Sr. Corris foi sempre o nico "lo crrante em o theatro do Apollo.he magdouo da taberna em questao, em s*u nome: nlfico de !" n" Jiehinismo ; perguntasoochafeila a collecta, e o papel de venda ( 90 poromaopoeta.actor gigante o emprozaquo diz existir em seu poder, passido tim, "V? "T' lhe r o e p enJer 8 be n mim he um vord.deiro ardil quo nao' ^ eles do 'I? 1 !" 0 "^XVFm'ZE pode colher; sendo quo so socio eu livora P"g"mi que todos os das sol no /Jiarn, sido do Sr. trrela, por certoquo nao tivouse ."? preciso fazer pubicar annuncios arr. consentido no bm procedimenlo do Sr. >J, tamben com Unto mach.n.smo Correi. que sempre dis?OZ da taberna como c0,no o queso l no .arlo de 3.'fera que l.em llie pareca, leen me dar a menorsatisruvela • pouco acata maulo em que ten. o tacao, e se socio eu era, como se desiolveu n"PUw> poblioo,de quem p.roceqoer escita suppostasociedade? Comose fez a lii carl BCer -, Um Zoilo. quidacSo della'! Em vordade, nao ser por i C7* Sorvctes da ExposicSo de este moio que o Sr. Correia deixar dopa-[ inndrp' a da ra esrespeitavel moradores dabe do corrente abortura do sua casa,para os belos sorvetes das II lloras do dia as 10 da noite afim da rapaziada satisfazer os seus desejos sendo collocada a casa defronte da vanda grande do Sr.Lapa.com maior promptidSo.e aceio sendo ocalix 240' — Est parase alugar a casa terrea da ladeira da Misericordia em Oiinda, proinpta o pintada denovo,lrata-se na ra do Mundo-Novo n. 30, ou mesmo em linda ra de Maiias Ferreira n 29, o nd i so achain as chaves para ver. -PeJe-so s p '-SDO, quo acliou ou comprou urna livell.i de ouro, de Padre,pordida no dia 8 do corrento do manlia om S. Pedro novo de Ulinda.ou talvoz dalli para a S, 'luciendo restituir ao seu dono |dirija-S3 a mesma ra na venda da esquina para o Carmo, onde so dir quem lie seu ligiti.no dono osor bam gratilicado. — Napolen Gabriel Bez om,ba ri;;1 P ara llio do Janoiro os seus oscravos Juliao.crioulo, e Iviici' % %  nei, 111 criouli. — Aluga-se pelo lempo da fesla, uma casa no lugar de Api pucos, bastante grande e do lado do rio: quem a quizer dirija-se a ra das Larangeiras n. 26. — O Sr. Jos Carlos de Faria, queira dirigir-se a ra do Trapiche n. 5, para receber urnas car tas viudas do llio de Janeiro. — Precisa-se alugar una escrav, que sa 1 lia engommar o cozinhar o diario de uma casa, responsabilisando-se o seo senhor : na ra estreita do Rozorio n. 12, loja de 111.11 cine 1111 se dir quem precisa. — Precisa-se de uma am para casa de um eslrangeiro solteiro : a fallar na ra do Trapiche n. 40. — Aluga-se um preto para uma padar a, o qual he mestre de macoira 1 na ra da Cruz, venda 11.32. — Deseja-se fallar aossenhores Antonio Francisco de Souza Magalh3os Jnior, Manoel Teixeira Barcellar, Tnomaz da Cunha Cantil ir 10, Joao Rodrigues da Silva e Jos da Costa Albuquerque, para negocios de seus interesses ¡ ni ra Nova n. 16. — Na ra do Collegio n. 21, sogunJo andar, precisa-so do uma ama de leite. -. Precisa-so de um preto, que Iraha'.lio de mareira, %  %  :' i->.e hnrn : nt padnria da roa dos Cooihos n. 13, do bairro da Boa Vistt, ou na ra Nova n. 50. -O coronel Joaquim Canuto de Figuoiredo, einh IIC 1 para o Rio de Janeiro, o seu escravo creoulo Nabo. --Precisa-se de uma mulhor, de ¡dade, para ama de casa de homem soiteiro, que cozinhe o engomme 1 na padaria dos Coelhos n. 13, no bairro da Itoa Vista. — Precisa-se alugar um preto e tamben cumpra-so, sendo fiel, que nao tenha achaques enem vicios, para servico de casa : na ra do Amorio n. 25. -Aluga-se um sitio, com boa casa de vivenda terrea o um sobradinbo, na estrada deParnameirim, sostente pela festa, alugand,o-ses as casis, ou com o sitio, como melhor convier aos pretendemos: a tratar oom Victorino Jos do Souza Travasso, na travesea do Veras n. 16. — Precisa-se de um caixeir'o, que tenha pratica de venda, de 10 a 15 annos de idade, eque dliador a sua conducta : as Cinco Pontasn. 21. — Deseja-se fallar com o Sr. Manoel Joaquim s.lares natural do lugar de Aohobom, freguezia de Fonte Arcada : na ra do Crespo, loja o. 16. — A mesa regedon da Irmaodade de N. S. do Ampiro da cidade de Oiinda deo prln cipioas obras da mesma igreja.como 8eja 1 da cubera e de oulras que se tornBo indispensaveis, e tem de mandar seus IrmSos a lirur esmolas, polos fies devotos da mesma senlioTa, e roga antes, que se presten paro um li n tao justo. — Justino Gomes Villar, avisa a Si*. Henriquela Maria Rita haja no prazo do 8 dias contados desta data hir pigar ao mesmo senhor a cima a quantin de 11,720 rs. que linio a dever do alugueis, do contrario serao vendidos os ditos trastes para seu pagamento,o que sellie avisa paran3o se chamara ignorancia. — Na ra Dimita, podara n. 24, precisase de um ciixeiro. — Avisa-so ao Sr. F. A. C. G. J. que appareca na ra do Cullegio n. 3, loja de miudezaa. — lloje, ta do corrente ao meio dia, na sala de auJiencia, perante o Sr. Dr. jniz do civel da primeira vara, tem de ser arrematado um muleque de nome Francisco naci de angola, penhorado a Domingos Pereira de Mendanha. — Pergunta-sc ao Sr. Carolino F. do Lima Santos, que diz ter esludado medicina e cirurgia em Franca; 1.* em quo escola foi doutorado ? 2"Seaupp09 quo o Brasil he umi das ilhasmarquezas, e seus mdicos 13o ignorantes quanto os curandeiros do sertao J> 3.'Se em Paris oxistem melhoros fabricantes de instrumentos do cirurgia do qua Charrire, Sirhenry oSamso'n, para queS. s tenha instrumentos melhores do que existemaquip Eso Ihe pe le: 1.' Que explique o que qnerem dizer suas phrases:—Relativamente a certas molestias internas, e seus meios curativos—nossas ideas existen na scieucia, das quaes o annuuciantej fizera monsBo na Baha, eespera aqu ler occasi3o dedar-lhes publicidade. I.'ma dellas he a diabets—ourioas doces— molestias.que os palhologistas tinham errneamente classilicado, mas que a physiolugia doseculo veio po-la lora de duvida—¡ por quanto estao 13o obscuras por sua sublimidade, que nao poden ser entendidas, sobre tudo de pessoas Lio ignorantes quanlo as que habitam esta trra, refugio do charlatanismo 2. Que aprsente esses seus altestidos, que diz ohtidos na escola pratica de Paris, quo muito o honram. • 3." Que declare em qnem em Paiis applicou esses novos instrumentos, que nenhum medico ou cirurgiao aqu tom, ou sabe manobrar. — No dia 7 do corrente foi apanhado no lugar Pedra Tapada um pretJ creoulo, bastante robusto, que n3o disse seu nome neo quem era seu senhor: quem fr sou dono app.'.rec.a com seus documentos no dito lugar. — Roga-se as autoridades policiaes e ca— Thomaz Mara, embarca para o Rio de Janeiro, a sua escrava crroula, de neme Be iludida, de 14 inni.s de idade. — Em a primeira audiencia do lllm. Sr. Dr. juiz dos feitos, se arrematarlo por vondas, por execucSo da fazonda provincial, 2 sobrados de 2 anlares 11. 30, sitos no pateo do hospital do Paraizo ; avaliadoscada um em 7:000,000 rs : por execuflo que move a mesma fazenda, contra o coronel Jos Pedro Ve; is 1 da Silveira ¡trinta panellas de louea li aue 1 do uso do botica, avaliadas por 30,000 rs. ¡por execjr.3o que movo a mesma fazenda, contra Leticia Maria da ConcicSo. — Precisa-se de uma prola captiva, que antomlaalgumacousadocozinha : no aterro da Boa-Vista loja o. 1. Na casi de modas francesas, de Duessard Millochaii, no aterro da Boa-Vista n. 1. scaba-se do receber pelo Vernimbuco, ul timo nivio vindo do Havre, um lindo MU tmenlo de modas de Paris; como seja ni ricos chapos de seda o do palha para sonhoras, chapos de montaris,dito do palha para meninos e meninas, mantclhetes e capolilhos de seda de cores e prelos, mantas o lomos desela do retroz, e do cores um lindo eacoilii in %  :/ do bordados, 1 1! eni -s, romeros, caniisiuhasocapolinhosdo bico bordados, ricas Utas pira cinto c chapos, times Tinas paracasamentononfeitosdo vestidosdo bailes,luvas do pelica parasenhora, enfeites para as dilasjpulceira de fitas.tmifas e franjas para vestido,e mantellieles, esparlilhus tinos, bicos o gnlij -s de seda de cores, toucados ricos para biilcs o theatros, lovas de se Ja inulto linas, o muitas uutrjs fazendas do gosto, que se vonder3j muito oin conta. — No dia 13 do crrante depois da audiencia do Sr. juiz do civel da sugunda vara, na salla da mes na hado ser arrematado um terreno com bc.ifoitorias e uma casa ter. o 1 e outra lucia .1 'ni, que davide con a travesea di ra Augusta que tudo se ver mclhur no 1 |iio que so acha em m3u do port dro penhorado aos herdeiros do Manoel francisco Cuimsres por execucSo do MUhuus A11 in t Companhia escriv3o Cunha. -Javier Alvares que teve a honra de dirigir uma c c 1 lar au commercio dasta praca, ora o faz de novo por meio do presente para certilicar que trasla lou do liuco para a cidade de Montevideo sua casa de con' meicio e de consignares, o onde olferece seus servicos a todos quantos o queirSo honrar com suas 01 I ns, promulondo lodo o zello, e diligencia no desompenuo do quanto se llio possa oncarregar. — Traspasta-se pelo espaf o de 3 anuos e meio o arrendamento do sitio quo foi do Dr. liernandu em Ulinla com boa casa de vivenda, banhefro, diversos arvoredos do fruio e terreno para plantacOes; quem a elle pretende,dirlja-se a ruada Praia 11. 29, que achara com quem tratir ou mesmo cidade no pateo de S. Pedro sobrado defronte da igreja. — Precisa-sede uma ama, que saiba eosinhare fazer aa compras necesarias para casa de homem solteiro : na ra Direita n.53. — Lava-so emgomma-se com muita perfeeiii, tanto de varrella como de sab3o 120 rs. a 1 ce 1 defroute da a bobada da r. 11 lia D. 41. — Aluga-se o quarlo andar da cesa da na larga do Rosario n. 36, procuro na botica da n.1 -ni 1 casa. — Aluga-se as tojas do sobrado na ra dos Quarteis u. 16, pruprio para qualquer estabelec.monto por seren gianies o com muil"-f .j.iiin e.l 1..: a tratar na roa du Queiiuado o. 41. -Prcciaa-so do uma ama pava lama casa da i'ouc familia, o do portas u dentro : na travessa do Corpo-Sautu 11. i9. Attencio. Dasappareceu liontem 8 do crrante, um cacliurriulio ratoiro do raQi iugleza, 111 uito noto, d polo nome de .Mahmbo, Ion.I o os signaosseguintes : cor | rala, poitobranco, ps e Inciiilu car do rap, cun una marca branca no pesooco, uma das ui.i ,-¡ um lauto loria : quem o levar a ra do trapicho Novo 11. 10, sor gratifica lo aloj do quo so (¡cara muitu obrigailo. nms*-mMz\:w;v %  : s < % %  -' %  %  "'.1 l'i eci .,i-s 1 de ui.l aun, un %  t mil 1 %  iitt muito bom leite, sendo forra, o que H¡l o rs. cada uma. — Vende-se por preco bastante commodo um grande sitio de boas torras de planlacao com cata de tapa nova e bem construida, arvoredos de fructo, br.ixa espaCOSB e muito fresca, por isso que pelo meio della corre um riacho de excellenle agoa d 'ce, tem no fondo urna capoeira da qual se pode extrahir muitu lenha, e pode servir tambein para vacas de leite, pois tem abundante pasto e nao fica muito longc da praca. As pessoas que o quizerem ver, dirijm-se ao Arraial, estrada que vai para o Brejo, casa do Sr. Costa, epjra tratar a fabrica de caldeiraria de Andradc e Leal no Atierro dos A logados. HEQ DAURORA Li. Starr & Jompanhia, Rospeitosamcnte annuncim que no seu exton(¡o ostabclccimento em Santo Amaro, 1' mtinii i a fabrioar, co.11 a ,11 n perfcic3o o promplilAo, t 'da quali lulo do macliiiiisnio para u uso da agricullura, navognco e manufactura, oque par maior comiiolo de seus numerosos freguetns o do publico em geral, tem aberlo em un dos grandes armazens doSr. Mesquila na ra do Krum, atraz do arsenal de marinlm, um Deposito de machinas, construidas nn dito seu eslbeleciniento. All acir.i in os 1 'iin r 1 |. re., um completo sortimento deniieiil-. do caima, com todos os melhoramentos (Iguns delles novos e originaos; de que a experiencia de muilos anuos i"iu iost'a lo u-. ,,;l„,l Machinas de vapor do b-ixa e alta press.in, tichaa de toJo tamanno, tanto batidas, como fundidas, carros dm3o, e ditos para conduzir formas deassuc.r, machinas para moer mandioca, prensas ira dito, fornos de ferro batido parafarinha, arados do ferro da mais approvad coiislruc(3o, fundos para alambiques, crivus o portis para furnalhas, e uma infinidade de obras de ferro, quo ser infadonho enu aerar. No mesmo deposito exisie uma pessua inlelligento e habilitada para receber todas as encommendas, etc. etc., que os aniiunciantos, contando con a capacidade do suas nfrmas o machinismo, e pericia de sous ufliciaes, se compromettem a fazer exceular, com a maior presteza, perfeicSo, e oxacta cint.irmiJado com os mojlos, ou desenlies, e instrucedes quo Ihe forem fornecidas. — Vende-se m silhSo de seuhora novo por 25,000 rs. : na ra Formosa na quarta casa terrea. X.arope do Bosque. O nico deposito contina a ser na botica de los Mana i.oncalves Ramos, na ra dos Quarteis 11. 13, ao p do quartl de polica, onde so vondem as garrafas a 5,500 ts. o meias , n'esle periodo avanzado da uiolesln, C,H ni'nos que ella seja alalhada, sobrevem a infiamacilj dos tornozalos, diarrha e Ooilmsota a morte. Como remedio para esta tcrrivcl eufermidade da membrana bronchial, quo zomba quasi seo pro da pericia dos mdicos, reBommuadaei os proprietarios o uso deste xaropo. He por meio das suas qualidades alternativas e expectora otes que a cura se eifectua. Ijma pe soa que soiTra desta especie do phli ica, logo quo lomar o xarope condecora una 1-.UU11C.1 ua ex,.i-.ctoragSo o uus demais symp'itum.is, o perseverando no ..en DSO, f-i'ii nido se pelas in lrucc,0es, ver que a expectorado se torna aiiuudaute.chcgaudu algumas vozes a ponto doassuslar o enfermo ; purm seu carador ho salular, e a cura brevemente so opera. --Vcnde-SD un novillio bastante gordo com raga do turnio, na estrada de Joo de II 11.ono silio que fica em frente ao do fallecido guarda-mur da Alfandega, isto he i'iio da Suiedada u priaioiro sitio.depois do dito guarda um., que callar com quem talar. ~ Veudera-se; na loja 11. -2, da ra Nova atraz da matriz, a dinheiro visla, sapatOes de couro do lustro irancezes para homem. sapalosdo marroquim para seudora, ditos do lustro, dilos deduraque, e botina deduraquo gaspiados do couro de lustro, chinelas do marroquim para homem, ditas de 13a, ditas de dilas para sonhori, ditis do marroquim, ditas roxas proprias para irem ao bando, san los abotinados de marroquim paro un ira, Sa;mlinlios de panno com pona de lustro para m minos, e sapatos deduraque para meninas a 500 rs, 1 par. Armazem de louca vidrada. Como sejam : panellas, o 1; trolas, tijellas, assadoros, fregldeiras, papeiros. alguidares, laidas p ira doc i, vas is pira ores, jarros, quartllllls, garrafas, COpO, muiiiii nes, rwfriadeiras ; ludo lino pira resfriar agoa, balaios para meninas andarn, ditos para costura e compras, baldes de pinbo, condenas de (odos os laiuauhus na ra da Cadeia do Recifo 11. 8. -Vende-se um lindo silio junto ao ougenho Fragoso, can urna escolenlo varzei, con rio mirgom, baslaules arvores de fruelas diversas, alguns coqueiros o ps de caf, excelleates mangueiras, jiquelras,larangeiras liguoiras, ote, tem proporfio para se ler un boa baixa Je caplm, excelentes trra do rossa, o caimas, um bom rancho para se arraucharem os viajantes, com casa de viveuda, e loadas solllcientes para uso do musmosilio: tambensequilar plantar canna, tem trras para 800 a 1000 pues, e quasi tu lo vargeus lrescas,sendo estas de massap : os pretendemos dirijam-so ra da Cruz n. 8, ou aS. Amaro d'AgoiFria a Jos Francico Ribeiro de Souza, que lia adiarlo com quem tratir. — Vende-se os ¡bam condecidos queijos doSear, mui frescaes, no largo doLivrament n 20. —Vende-se no armazem de Dias Fernndesdel'ronle da rampa da alfaodega,sicasde porfeilo nulho a 3,400 rs.; ditos de feijio a 2,000 ra. -No caes da Alfandega, armazem do An nes, vendem-se cinasiras com bilUis, das ebegadas ultimameole, de mui boa qualidade, a 1,000 rs. cada urna. Vendem-se chapeos do coi1 le pequeos a 4.000 rs. : na m ra do Crespo n. 33. — Vendem-se romoiras de fil de lindo, proprias para mooinas, ditas para seudora; ua loja n. i da ra .Nova. 1! mcutino, pardoj; Euzebla, BeneJicla eilio-, zom n. 7, de Cimpollu F1II10, vondom-se maz.creoulos. ancoretos com azeitonas a 700 rs. cada um 1 — Na travessa da Madro do Daos, ormj_ — Vendem-se edapeos da pilhi amtrtlla, copa biixae aba lar¡jd a 3,000 rs.: na loja o. 2 da ra .Nova.