Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07282


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVil
Terca fera U
He Dezembro de 1851.
N. 278.
e*
DIARIO DE W PEMAMBltO.
Bt?0 >A sUBORirgAO.
PietKIHTO ADUHTlEO.
Par trimestre...........
Por semestre t..........
Por anno........-......
PlOO DINTSO DUTDIHUTRI.
Por qutrlel............
VOTICrAl DO 1MFIBIO
Pari.....'13 deNovbr.lMinas... iSdeelbr.
Maraubao I9de di lo S. Paulo. 3 de dito.
Cear... '2 de dito. 'R. de J.. 25 de Novbr.
Parabiba. 22 de Kobr." Hahi.i... I de Dezbr.
4/500
DIAHSA MINA
8 Seg. >ff>f< Concelcao
de N. Senhora.
9 Tere. S. Leocadia.
10 Ouart, S. Melquades
p. m. ;
1' Qulnt. S. Damazop;
13 Snt. S. Justino m. ;
13 Sab. S.. Lmla v. m.;
14 Doin. 3. do drenlo.
S. Angello.
audiemcIAm.
Juitorfe Orphaoi
2. e5. s 10 horas.
1. rara do civil.
3. e6. ao me i o-dia.
Fazenda.
3. eli. s 10 lloras.
2. vara do civel. #
4. esabados ao melo-d.
Relaeo.
Tercas e sitados.
mu.
Creicente i 30, as I horas e 55 minutes 4a ro
Chela a 8, a i hora e 8 minutos da t.
Mlngoantea 15, as 3 horas e (i minutos dam.
Nova 22, a 1 bora e 14 minutos da tarde.
PKIAMAB II BOJ!
Primeira 6 horas e e minutos da manha.
Segunda s 8 horas e 30 minutos da tarde.
PARTID*" DO COKIIIOI.
Goianna e Parahlba, as segundas e scitas-
feiras.
RIo-Crande-do-Nortc, todas as qulntai-feirat
aomelo dia.
Caranhunse Bonito, 8 e 23.
Boa-Vista, e Floras, 13 e 28.
Victoria, as quintas-reirs.
Olind.i, todos os dias.
NOTICIA ISTItANG
V
Portugal.
Bespanha.
Franca ...
Blgica...
Italia.. ..
Aiemanha-
Prussia ...
Dinamarca
Ruasla...
Turqua.
Austria.. 3deOutbr
Sulssa. .. 3 de dito.
Sueeia... I de dito
Inglaterra 9 de Outbr.
F..-Unidos 2* deSetbr.
Mxico.... 15 de dito.
California 30 de Agosto
Chlli. 2G de Abril.
buenos-A. ? de Setb.
Montevideo 6de dito.
CAMBIO! DE 6 SI SIUHBIO,
Sobre Londres, a 28 3;t e 29 d. p. 1/000 Firme
Paris, 333 por fr.
Lisboa, sem transacedes.
META.
Ouro.Oncashfspanholas.... a 28/600
Hoedas de 6/400 velhas. 10/000 a 16/200
. de (1400 novas. 16/000 a 18/200
> de 4/000....... 9/000 a 9/100
Prata.PaUcOes braslleiros.. 1/940 a l/9 Pesos columnarlos... 1/920 a 1/9J0
Di los mexicanos..... 1/7*0 a 1/7S0
PARTE OFFICIAL
GJYEKNDA provincia.
EXPEDIENTE DO DIA 3 DE DEZEMBRO DE
1851.
Olcio.- Ao lixm. bispo diocesano. NSo
podendo ter lugar hojea missa lolemnedo
Espirito Smto por occasiflo de proceder-se
a eleicflo dos deputados provinciacs, assim
ocommunlcoa V. Exc., para que so digne
de comparecer a manhfla s 9 horas da ma-
nhfla ni igreja matriz de Santo Antonio pa-
ra celebrar a missa solemne, na furnia do
art. 72 da lei de 19 de agosto do I84G, ou
providenciar a que no impodirhento de V.
Kxc, celebre a dignidade ecclesiastica
mait graduada.
Dito.Ao Exm. director do curso jurdi-
co de Olinda, inteirando-o de que conti-
nuara permanecer nsquella cidade o des-
tacamento de ptimeira inha all exislenle,
conforme S. Exc. requisita.
Dito. Ao commando das armas, para
prestar urna guarda de honra para assislir a
fesia, qua lem de celebrar-so no convento
do Carmo no dia 8 do crrante.
Dito.Ao mesmo, recommandando a ex-
podicflo de suasordens para que o comman-
danteda companhia lita de cava I la ra man-
do apreaenlar ao segundo substituto do juiz
municipal da segunda vara desta cidade un
soldado da meama companhia para levar
Os subdelegados desle termo os editaes de
DEM 1)0 DIA 4.
Offleio. AO commando das armas para
qu
Cuiz da Silva, visto terem sido jutgadosin-Inhos da MM de Daos do Rozario.
capazes do servico militar pela junta del igual desculpa mo don ao jantar offere
Mude. f.ommunicou-se ao desembarga-1cldo aos devotos fgrados, bem entendido,
dor chefede policia, a llm deque faca cons-lporque os miudos nSo metteram l dente,
tar as autoridades que os recrutou. lem hura entre os vapores dosaboroso es-
Dito. A thesouraria de fazenda commu-ltreito,-aquellessedissossem~populares--;)
nicando que o hachare! Jos Rodrigues do
l'asso, juiz municipal do termo do Hrej
reassumira desde o da 22 do novembro ul-
timo o exercicio de seu cargo.Respondeu-
se o niesmo juiz.
Dito. A mesmaautor IsanJo-a a mandar
abonar pagadoria militar,* vista do pedido
quedovolve, a qaiTti de 32:0O6/662rs,
consignada para as despezas militares do
corrente mez.
Dito.-- A mesma autorisando-a a mandar
adiantar, sob a responsabilidade da presi.
dencia, ao thesoureiro pagador das obras
publicas a quantia de 3:000,000 rs., quo o
respectivo director requisilou para a conti-
nuado das obras do palacio do governo.--
Inteirou-se ao mesmo director.
Dito.- A thesouraria da fazenda provin-
cial remllenlo copias do orea ment e
clausulas, que approvou para a pintura das
verandas da ponte da Boa-Vista llm de
que faca por esse trabalho em arremataeflo
conforme requesitou o director das obras
puhlcas Communicon-se ao referido di-
rector.
Dito. A mesmva inteirando-a de haver
porque em verdade nao merece desculpa
quem convida outrom para um papar, e
llie aprsenla zurrapa, eslreito, e outros
vinhos inimigos da garganta, que nunca
mereceram ser cantados em verso. D'aqui
nSo rnndua que l se apresentassem todos
aquelles drsticos ; mas que a minha com-'
pareeflo tom apenas de realidade a parte que
diz respeito ao speroestreito,e ao ne-
nhum gosto das amontoa las comidas.
Eu estimei grandemento, a beneficio da
minha garganta eestomago, nflo ser do nu-
cumularlo das gravidades alheias. do corrente para as e!cic,0es do senadorce
O phenomono existe, aos naturalistas depulalos.
pertence explica-lo; pois eu inuito facoemj O Orionlaes que a companharam Oribe
apresenta-lo em toda a sua maravilha. ,reuniram-so rom o fim do nomearem urna
Segu brevemente, segundo me disso o|commissflo de seis cidn lilos que, de accor-
pretinho Marcos, madame Carlota, o seu o-I do com igual numero elsito pelos defanso-
cudeiro, para a cidade do Ara a responde-! res da praca, formen urna lisia de candidi-
remaojury pelo horroroso assassinato do tos em que votarJo lodosos partidos,
tnlcliz D.\ Trajano. Sflo defensores, segun-
do o mesmo pretinho, de madame o l)r. Fi
linio de Almeida, e de seu escudeiro o l)r.
Antonio Manoel Pacheco de Aragflu e Mello.
Ambos aSo bons advogados, e podero fazer
oiaravilhas.
A c immissfl > dos companheiros de Oriho
eslava ja nomeada, e esto acontocime.ito
foi considerado por todos canto iimvpasso
imporsante para consolidara reconjABk)
dos Oriontans. BsuaEam.
As elcicOas geraes, mxime quando a le-
mero dos graudos-populares,-- que fosseljulgado de per si. Nflo hem tatica. O es-
Muito sinlonflo poder assistiraquella sos- gislatura tem de nomear o cliefe do p-
sito; porm vinto e oito legoas a po, a nflofder ejecutivo, ho sempre, e em toda a par-
ser em romaria, nflo fazem bom arranjo [ta, urna criso muito grave. No Eslodn
Dizem que cada um dos hroes quor sor i Oriental sar
convocaefio do jury. Communicou-se aojautorisado o director das obras publicas a
meslho substituto. I mandar fazer quanto antes de conformidade
l.lo ao mesmo, remetiendo por copia
os avisos do ministerio da guerra, conce-
dendo licenca ao capitao Manoel Jos da
Soledade eao alferes JoSo Anlonio LeitSo,
atilinte que mande fazer eflectivas as men-
cionadas licencas, visto terem ellos npre-
sentado na secretaria da presidencia os
conhecimenlos pelos quaes mostram haver
pago os emolumentos e sello que eram
ohrigados. Inteirou-se a pagaoria mi-
litar. "
Dito. Ao deaembargador chefe de poli-
cia, para que informe, se a respeito do pre-
to, que, segundo consta de seu oflicio do 1*
do corrente, morrera afogado, se procedeu
aos precisos examos o diligencias, afim de
se reconhecer so era livreou escravo, e se
tomados, como deviam ser, os signaes do
dito preto, deu-sa ao fado toda a publici-
dadepara chegar elle ao conhocimento das
pessoas quem posaa interessar.
Dito. A thesouiaria do fazenda, trans-
millindo os avisos de duas lettras no valor
de 2:719/300 rs. sacadas pela thesouraria da
provincia do Rio erando do Norte sobre a
desta e a favor de Canuto Ildefonso Eme-
renciaooe Francisco Jos Comea. Partici-
po n-SO ao Exm. presidencia daquella pro-
vincia.
Dito.A pagadoria militar, devolvendo a
conla em duplicjda dos medicamentos en-
viados para o presidio de Fernando, afim
de quo mande pagar a A. Caors, estando le-
gal, a quantia do 818/2*0 rs. ataque impor-
ta a mencionada coma.
Dito.Ao desembargador presidente do
tribunal do commercio, inleirando-o do ha-
ver concedido a Jolo Facundo da Silva Cui-
marSese Jos Fancisco do Reg llangel, es-
te amanuense o aquello escripturarioda-
qnelle tribunal, 30 dias improrogaveis para
apresentarem os ttulos do sua nooicacSo
para os referidos lugares.
Dito.Aodiroclordo arsenal de guerra,
remeneado copia do oflicio, em que o Exm.
presidenle do Cear solicita a promptifica-
co do nmas grades de ferro, cujas dimen-
sfles vilo tambem por copia, alim de que
mande fazer ditas grades, enviando a conla
para ser salisfeita por aquella provincia.
Communicou-se a pagadoria militar.
Dito.Aojuiz de direlto da comarca do
Florea, inleirando-o de baver em vista de
sua proposta, a de conformidade com o dis-
posto no art. 1 do regulamento n. 482 de 14
de novembro de 1846, designado proviso-
riamente o tabellifio de notas do termo de
Tacaral Francisco Jos da Roza para servir
o lugar de tabelliSo do registro geral das
liypolhecas daquella comarca.
Dito.Ao commandante do corpo do po-
lica, para mandar postar porta do tribu-
nal do jury durante a sessao que vai princi-
piar no da 5 do corrente, e a disposiclo do
respectivo presidente, a guarda que be de
rnsluroc dar o corpo sob seu manuo para tal
fim.Communicou-se ao presidente do re-
foridO tribunal.
Dito.A cmara municipal de Flores ap-
provando a nomesgo que fez do Manoel
Vital da Silva Brrelo para reger interina-
mente a oadeira de primeiras lettras da-
quella villa durante o impedimento do res-
pectivo professor.--Fizeram-so as necessa-
rias communicacOes.
Dito.Ao inspector do arsenal do mari-
nha. Recebi o oflicio da 20 de novembro.em
que Vmc, informando cerca de um re-
querimentode Joaquim da Silva MourBo,
a que acompanhou urna precaloria do juiz
do civel desta cidade, diz que em 24 de ou-
tubro ultimo Joaquim da Cunha Meirelles,
apresentando utn documento de cessSo do
contrato, que com esso reparticSo havia co-
lebrado Luis Jos de Brito, obrigou-s para
coma meama roparticSoa fazer eiTeclivss
todas as condicOes do mesmo contrato, co-
mo consta do lermo de obrigacBp e contra-
to assignado em 27 do citado mez, e que >
vista disso recebeu Vmc. das barcacas Abys-
mo e Pureza de Mara 77 prancbOes de ama-
relio, vindos das Alagoas, bem como outros
que ltimamente teem viudo da mesma pro-
vincia por conla de tal contrato, sendo que
j se acba paga parte dessa madeira. E em
resposta lenho a dizer-lhe, que approvo o
proced ment que leve Vmc. nflo devendo
porm effectuar mais pagamento alguiu ao
cessionario do primeiro contraante, aem
que o juiz,quo expedio o preca lorio,resol va
o que entender de justica sobre as quaotias,
que anda nflo estiverem pagas,
como orement, que reuietto por copia
os concertos do quo nocessita a ponte da
passagom da Magdalena. Neslo sentido
olliciou-.-e ao mesmo director.
Dito.- Aoengenheiro director dss obras
publica dizendo linar inteirado de se ler ef-
fectuado por 377,500 rs. a venda das ma-
deiras eoutios obejectos que pertenciam ao
palacio da ^residencia, e pelado 21,000 rs
a dealgumas ferrsgens e cabos voltios, que
existiam nos armazens d'aquella repnrliQflo,
e declarando que dove recolher a thesou-
raria de fazenda a primeira das menciodas
quantias e a thesouraria da fazenda provin-
cial a segunda.Naste sentido olliciou-so
aos inspectores das referidas thcsoursrias.
I" ri.nia. Ao agente da companhia das
barcas de vapor para mandar dar passagem
para a Baha por conta do iroverno a Fran-
cisco Antonio, que leve baixa do servido do
ese re i lo.
Commando das armas.
Quarlel general na cidade do Rteife, 22 de novem-
bro de l85l.
i HIIKM DO OA I, 33-
0 morochal do campo graduado comman-
dante das armas, em cumprimeuto de or-
den do governo imperial exprossa em avi-
so do miniltario da guerra de 7 do corren-
te, quo por copia ihe foi remeltido pela pre-
sidencia em data de hontcm, declara cas-
sada a licenca quo est frclndo o Sr. pri-
meiro cirurgiflo do corpo dosaudedo exer-
cito, Dr. Podro de Atliayde Lobo Moscozo, e
determina que desligado do quarlo bata-
Ihflo de artilharia a p, ao quol se acha ad-
dido, embarque amanb3a para a corte no
vapor Paraenis, que acaba de Chegar do
norte.
Antonio Correia Seara.
Quarlel general na cidade do llecift, 23 de no-
vembro de 1851.
oiuikm DO OU K. 3t.
obrigado, ao som do eslimulanto zabumba,
a fazer penitencia de cara alegre, e beber
saude dos meus amigos um copo que
minha prejudicasse. Pelo que me diz res-
peito regalei-me em urna casa tilo popular
que era de palha, com urna boa posta do
sal.irosa cavalla, afogada em o liquido de
moia duzia de cocos verdes
Agora saltar-mo-hflo ao pelo, dizendo
que estas minhas observares sao de sacri-
licador de Bacho. Sere o que quzerem;
mas nom por isso a comesaina da Penha,
apesar do popular zabumba e competente
bahiano da segunda mesa, olio fica por isso
correspondente ao que apregoiva o clarim
da fama.
Nada occorreu de novo depois de minha
ultima, e consta-me que os thuggs eslam
sent lissiinos pela vida do Judeu errante,
que r-Uim tendo seus principaes chefes por
causa das -providencias da administrarlo
equeemsessflo magna resolvern! hostili-
sa-la pelas folhas da opposicflo. Duvido
muito que ellas aceitem tacs corresponden-
tes, atienta a moralidadn que at boje
leein apresonlado ; pelo que julgo que os
taea senhores recorrerflo aosavulsosre-
fugio de quem nflo acha columnas dojor-
naes que queiram recebaras partos do urna
imaginacflo desvairada, ouos golpes de sua
Urina peiina.
Elles em parte teom rasflo de queixa con-
tra aadmin8trafSo, porque nada ha mais
ccdeiro lauca a culpa em sua dama e saho
absolvido; esta naquella, e o jury arrepen-
dido da primeira absolvifflo, que ontflo re
conhece injnsta, nflo quer fazer segunda in-
juslica, o absolve madama ; e assim do cul-
pa em culpa, de absolvic.flo em absolvilo,
nfloappareco ovelnaco, que. matou o gato
dr M ii [intio grbalo ; e pague a cmara as
cusas.
Tal tem de ser o resultado dosse crme
atroz, planejado com toda placidez de
urna perversida le encanecida, e exocutado
com todos os horrores de urna malvadez som
ejemplo. Contento-me com esto pouco
que levo dito ; mas quando houver de coin-
municar-lhe o resultado do julgamonto, so
nflo tivera felcidade do enganar-me ueste
meu jiii/.i, farei mais algutnas refiexOes, e
entflo direi quaoto peuso sobre o nosso sys-
toma penal, com Invnea dos Srs. douloros,
que nflo gostam muito que se Ihes entre en
suas jurislieciV's, anda que l'requeut.luien-
te entram na seara alheis, sem cavaco ao
dono.
Esquecia-ma notciar-lhe, quo estamos
ameacatlos do um diluvio de bailes, nada
menos de vnle e tantos, quo segundo as
probabilidades alcanQarflo at o fim do
mundo. Nasceram os projectos na Penha,
e se poderam traospr as barrocas do rami-
nti cortamente que quebraram-se as por-
tas de Jano pernal, nunca mais tercmos/inr-
niilieio, e ficarflo os dansantes ai itternum
encommodativo do que nflo ter ubi certo, jlivres do rheumatismo. Eu nada confio em
principalmente pelo invern que so ipro-j projectos concebidos sob os mos auspicios
xima. do jantar da Penha, o nflo podem deixar de
Consta quo o thugg-mr Arceno foi bus-1 er movitos. Nflo he possivel que ideas que
car quarleis de invern nessa provincia;. germinam sobas influencias de vinho nflo
o a policia faria umi obra meritoria se o generoso, passem alm do alquchramonlo
pozesso a bom recato. Tenho muito boas do corpo daquelles quo livcram a infelici-
nformaces do actual chefe de policia des- dad" do bebe-lo.
sa provincia, e por isso tenho meus pslpi- [ Alguns doa compromeltidos sflo muito ca-
tes de quo ello mais n'uma volta ou n'outra wc.wiiacumprir sua paluvra ; porm ou-
o pora sob coberta enchuta. Deososjude tros!... Pois nflo. Certas matas n"o criam
eemquanto tal se nflo consegue, quem por coelhos.
ah tiver a pello furavel ponha-se em cui-l As bellas oslam satisfeilissimas, e taes
dado, porque elle, Arceno, nflo he para oxislom, quo loem anconi mondadas sesson-
gragas. jtaduzas de vestidos de varrer, outras tan-
Dizem-me que pslo interior deiM provin- tas de manteletes, o capotinhos de armar,
ol anda ha muita gente quo gosta deterjo nflo menos de sapalinhos aptrladoi; mas
a seu servico um ou mais thuggs, bons pordem seus gastos, e estragam sousespar-
despachadores da vida presente, como nos lilhos.
outros gostamos de ter, com as dividas cau- Nflo me queiram mal por isso; porm
telias, urna linda onca malhada; nflo Ihes cream-me, deem odisconle do 200 por cn-
acho muito bom gosto, e por isso fico fa-, lo, que, anda abatendb a quarta parle, te-|go quo oslo, o t'lv z algum outro esseneial,
zendo preces pira que elle so nflo encon-i rSo o resultado provavel, mas dependente'esliver terminado, ostou corlo que serflo
tre por l com algum apaixonado do mu-'dat noticias de llavana, Sul, e seguranca do'publicados, como milito desejam lodosos
hoje dobradamonto intensa e
porigosa, gracas sitna^So cm quo deixou
aquello paiz a lula tenaz, a psixonada o
material o moralmento devastadora do
quo foi theatro duranto n ive longos an-
uos.
lio de osnerar, comtudo, quo a civilisacflo
pratiei, o bom sonso o o patriotismo do quo
deu preval o povo oriental no desenlace
da guerra e o apoio desintoressad", forte e
illustrado quo Iba tem prstalo o prestflo
seus adiados, dominem as dilliculdades da
siiuac.lo pol'tiea interna e concomm para
o satisfactorio esUbelecimento dos novos
poleres do Estado.
Para ludo quanlo ha que fazer no Rio da
l'r t,i, a presenca do Sr. Carneiro l.eflo he
urna garanta do succc prchenleram todos nsquclles paizes
O Jornal do Commercio publicou o seu im-
p.Tttaulissimo discurso no acto de opresenlar
sua credeucial, u a rosposta quo I lio deu o
presidenta Suarez. Recomondo-!h:a leitu-
ra destes documentos, que ao mes.no lem-
po que poem em tola a evidencia a elova-
efloda poltica do Rrazil, provam que esta
poltica, os servicos do mporo e sua im-
portancia sflo devidamente apreciados em
M-i- l-'vilen. .Sobre estes pontos li decisi-
vo o discurso do Sr. Suarez.
Em Montevideo, om un acto solemne, o
chefe do listado decltrou o muito que os
Orientaos devem ao Brazil o o quo dello es-
peram. Collocou o imperio na primeira
posico. S me falla ver agora quo Bra-
zileiroscontniom a fazor esforcos para pro-
varquo os Orientaes nos negam a posieflo
que nos compete, o os ervicoa valiosos que
tivemos a fortuna di prestar-lhes.
J Ihe disse quo navia tratado.' negocia-
dos,* como tora vi'.lo o;n algumas das fo-
lhas desta corlo qua delles se fez grande
mysleno, quo em Montevideo os nflo iiuc-
rom pulitinar para nflo incorrerem no desa-
grado do enera! l>qoiz, dir-lne-hei quo
liada disto he verdade verdadeira.
Na negociaeflo dest-s tratados nflo b.ouve
sonflo a reserva quo costuoia haver em to-
das as iicr; lea, diplomticas. A penas
ehegaram a Montevideo foram communica-
dos a general (jrquiza, pela parte que tom
na allianca existente, e posso assKgurar-lhe
que o general adhorio do coraeflo aos prin-
cipios esUbeleridos.
Quanto ratilicacflo, oceupavam-se do
trabadlo material quo requir esto acto, o lo-
mara municipal, de so apresentatem no ce-
miterio publico para terem sepultura gratis
cadveres do individuos, que ja mais pa-
lam gosar de tal favor.coniinunicou-se
ao desembargador chefe de policia.
IchristSas, nada tarlbo a dizer quanto a fes-Idedes 400,000 rs. annuaes, ou quando mu-, sos no transe supremo. Esta minha previ- cemiter'o de Catumby o senador Joaquim
Ita, sentindo apenas o nSo ter antes ficadolto 600,000 rs., lardeara, gastam a grande, eslo ha do confirmar-se. FraocodeS, eleilopelo Maranhlo, e de.
mandar por em berdade os recrutas Joa-Jna cidade, e ouvido s malinas a missa do em poucos annos apresontam sua venda,l No Estado Oriental continuavam os traba- sembargador na relapso dessa provincia-
quim Jos de Santa Anna Segundo, e JqSo|meu sonoro capello na igreja dos preli- loja ou armazem, fructo indubitavel da >c-{ lliosda organisaeflo, e designou-so o di 30 Poucas relacOes tinha eu com elle, mas ge-
ratmente tonho ouvido elogisr sua modera-
eflo, seu espirito atilad i e recto, e dizom-mo
que gozova da estima de seus proprios ad-
versarios.
11 '.:s permita quo o ministerio actual du-
re aiuda longos annos, mas que nao enter-
re mais senadores, pois j estamos habitua-
dos com os existentes.
Fadei-lhedeoperacflo, do cirurgia.o (ofo
isso me fez lembrar urna.....'nflo sei bem
so ho historia, romance) urna cousa que li
ha das.
frn sawn...
Espere, nSo ramos muito do pressa. Te-
nho muito medo de sabios; nflo sai a ra-
zflo, nflo sei explicar o ficto ; .mas he certo
que tenho medo dos sabios. E se o sabio
pertence a doutra faculdsde de molicies
isso entflo faz-mo tremer como o tenue ea-
nico a;outado pelo vento do norte (o quo os
nossos maiores exprimiam pola phrase mui-
to expressivatremer como varas verdea-).
iinii um mdico, a caheceira do doente,
pucha pela sabndoria, nflo tem mais nada,
he encommendar o caixflo e preparar o cn-
i 'Ti o ; a morte ho certa. E enlo, teimoaos..
teimosos!... as cousas estflo-lhes entrando
pelos odios, mas como os mestres nflo as
concideraram em suas sapientissimas theo-
rias, vflo por diaote, sem dar cavaco, e se
matara fio.un muito satlsfeilos, porque na-
taram lecundum arlem, isto be, s-gundo
Broussais, segundo Ciacomini, segundo Ra-
zori, e outros tantos hereges fazedores de
syslemas, que querem quo a naturoza hu-
mana se amolde a elles, e nflo elles natu-
roza humana.
E discutidores, argumentadores!... Para
ter urna amostra lea no Joma/|desta semana o
que tom dado de si a questflo da precodencia
entre o Dr. Jos Mauricio e o Dr.....nSo e O
couselheiro Torres llomem. E veja que com
essa qne.i.i i do hyssope foi iocommolado
o governo, que dove ver-sa embarazado na
decisflo: ha urna grande necessidade da
creacfln do um tribunal de bom sonso, para
o qual doviam ser remettidas essa e outras
questesda mesma natureza, dando-lbe o
poJer discricionsrio iie castigar o que in-
corresso em fallas contra o bom senso com
as penas que as escolas so infligem aos
meninos at mesmo a applica;flo da santa
c milagrosa frula.
Os velhos sflo assim : quiz dizer-lhe quo
tinha medodossabios para depois contar-lhe
a cousa que linna lidy, o escrevi tanto, quo
estou quasi cortan lo ludo... Corto?... Pois
nflo corto ; vai assim mesmo : estas caitas
sflo confidencias intimas de um amigo a ou-
t'O, eninguem dove roparar nessas expan-
sOos. Vamos cousa quo li.
I'm sabio, quo andou viajando ao chegar
Franca, communicou a acadamia das
Sceneias una observaeflo muito original,
lusse olio que vira na Meca em 1842 um es-
cravo negro ( por la anda nflo chegou a
voota le de lo-d l'alinerston/, o qual como
os macacos, tinha um verdadero rabo, o
para provada verdade aprcsenlou o desenlio
do tal negro.
Veio outro sabio o disso :o individuo
observado, longa da ser nico em seu ge-
nero, pertence a urna raga tola caracterisa-
da por esse prolongainento inferior da co-
lumna vertebral : ossa ro; i ha a dos Olila-
nes, habita na .li. i..-1 alm doSonnar, e for-
ma urna povoacflo de 30 ou 40,000 indivi-
duos, todos rabu los, tanto homens como
aludieres.
E quo Ihe parece? Ainda l vai mais;
nflo se admire antes de lempo.
Em urna poca pouca adiantada do dssen-
volvimento fetal, diz o seguudo sabio, tolos
os homens sem oxeepeflo lem o tal prolon-
gamento, c nica dlfferenva entre nos a a
ra;a dos Chilanes he que nos perdemos a
rabo, c ellos o conservara.
E que tal? Da sorteque ou, V.,o Castro
o 11 i mano, o l.evi, aquella ni ac porquera
V. beba os ares, todos nos lomos rabudos,
o ainda poderiamos s-los so a natureza nos
pregasse a pega de us deixar o rabo.
Ainda mais, contina o tal sabio, em
quanto somos assim rabudos, o nosso cere-
bro tom a formo do cerebro do peixe, de
reptil, o u de passaro ; o coraeflo, os intes-
tinos, etc nflo se parecen! com o coraeflo
ou com os intestinos do humera adulto, ou
do rocom-nascido, mas sim cora o de ani-
maos. S no torceiro mez he que desappare-
cem todas essis somelhaucas com os brutos.
Estes sabios sflo da pede!... Voja se lenho
ou nflorazflodo ter modo delles.
A reedilicacS Jo theatro de S. Pedro, que
j Iho annuncioi, contina em projecto ;
ainda est na massa dos possiveis; dizem
quese anda agoia indagando quem he o
proprietano do tarrono. He pona que an-
da o-i -ja nesse estado essa obra, porque o
defoilos capitaes que abundam na conslru-
cao do theatro provisorio, segundo me in-
forma pessoas entendida, fazem ardente-
mente desejar a reconslrucco do theatro
de S. Pedro, comanlo que se confie a al-
guem quo nflo seja meramente mestre de
abras. Nada emendo de archilectura, mas
nflo he isto preciso para conhecer-se pri-
meira vista que quem desenhou ou riacou
a planta do theatro provisorio ignora os
pnmoros rudimentos da archilectura edo
desenho.
O novo thealro surge da trra com urna
ropidez ospaotosa, he verdade; a actividade
e a perfeicflo da inflo de obra denolam, no
mestro nedreiro que adirige qualidades
apreciaveis; mas ser islo bastante? Se-
gundo ouvi pessoa a quem me refer, o
novo edificio est lawjado contra todas as
regras da archilectura tlieatral: he mesmo
urna blasphemia servir-se do termo archi-
teclura em referencia s paredes que l eslo
uo campo.
A csixa do theatro nSo tem bastante fun-
do; he igual ao tamanhodo salflo. A caixa
de um thealro nflo guarda proporeflo al-
guma com a sala; mas be sabido que a cai-
xa deve ter de fundo duas vezes a largura
da mesma caixa, e esta proporeflo nflo exis-
te no thealro provisorio.
a bocea da scena he muilo larga. Os rai.is
visuaes penetram por entro os bastidores.
Para remediar tilo grande defeito, sor pre-
ciso fazer um proscenio, o qua tem limito,-
inconvenientes para as exigencias da scena.
Qualquer que seja o scenario, represente
uina paizagera, una sala ou urna prisflo,
S'ir-vir-ihe-ha sempre de primeiro plano a
mesma montona moldura.
zeu do furas, ou algum capitflo-mr das Ihrono de Mogol, quo, como sabom, muilo
extinctas de gosto romano, que queira ter influem om nossos negocios.
seus gladiadores, porque note caso lo- Basta por hoje, pois nflo vai mal a inas-
grada est a pobre Justina, o as almas dos sada.
que desta para melhor elle lem dado! _________________
O marechal de campo graduado comman- precoce passagem contra a vontade divi-i
dante das armas, publica para conheciinen- nj e numana.
toda guarniQlo, e devida observancia os, Hoje amanheceu chovendo, e a alhemos-
visos qtte sogoem transcriptos oxpedidos pn8ra bastante carrogada. Croio que serflo
pelo ministerio daguorranas datas de 29 o os aa,nt courricur, do invern, que espe-
31 de outubro prximo lindo, que por co- rimosCdo e favoravol.
pi Ihe foram remettidos pela presidencia Estamos com o nosso porto muito slita
que nelles livcram parte.
Ainda que por qualquer accidenta nflo
lisscm publicados a iinmedialamenle,
cumpree-l ir habita.loas e Misas da trra
queus vio nascer, para que i*so possaser-
vir de tpico de ccusaQflo ao governo. Onde
se vio diplomacia nos peridicos.9 Onde
se publicam negociares pendentes, nflo
torminadas .'
Os opposicionisfas, quo no poder negflo
Admira-me, maravilha-me sempre ump-'as cmaras do sou paiz o conhecimento de
riodico diario. Como he quo ha cabecapa-inogocios pendentes, o quo depois oxigem
RIO DE JAREIBO
AO AMIGO AUZBNTE.
Corte, 15 de novembro de 1851
a 21 do correle: rio; porm anto-hootem entraram tres na-'ratania cousa! lia deseruma vida bem la-ldos adversarios que nflo faeflo a menor re-
Rio de Janeiro. Ministerio dos negocios da vj e acham-se carregando algodflo; mas boriosa a do pobre horoem que lodos os serva m diplomacia, que imprimara os du-
guerra.em 29 de outubro de 185.1. nero por jsso lem e|ie milhorado de preco dias deve servir ao appetite publico uns cumenlos do neguciacOes pendentes, para
Illm.e Exm. Sr;Constando quo alguns e julgo qua isso nasco da boa entrada que poucos de arligos quanla niaginaeflo, ique assim cheguem inopportunamenla
militares pertencentos aos corposdo exer- ivemos nontom deoitocentas saccas, pois quanla inveneflo nflo he preciso despender I ao conhacimonlo do inimigo do sen
cito tem aceitado, sem previa permissflo 0, oossos especuladores nflo gostam de fa-' para fazer cousa que presto Pobres pubii- paiz, cabera om urna contradiceflo .nquali-
desta secretaria de estado, empregos e com-
missOes alheias ao servico dos mesmos cor-
pos ; determina Sua Magostado o Imperador
que V. Exc. mande proceder contra os que
tiverem aceitado, ou para o futuro aceita-
rem, taes empregos ocommissOes som au-
loi i-ai;io do ministerio da guerra.
Heos guarde V. Bicl/anoil Feliiardo de
Sonsa e uello.Sr. nrraidentc da provincia de
zer subir es precos emquanto os gneros calas NSo sei se muila gente lera notado ficavel.
nflo estilo recolhidos aos seus armazens. las modificagOes e alteracOes profundas por So aquellos quo em oppusicflo ao governo
O assucar offerece muito mo preco, ou que nestes ltimos lempos tem passado a |escrevem hoja sobro os negocios do Rio da
por oulra, os especuladores offerecem mui- lingua portugueza : a principio chamavam-! Prata pudessem arrancar a venda com quo
t pequeo por aquello genero, que, cora seos escrevedores do poriodicos gazetei-'us cega apaixflo, quebrariam a penna quo,
uma sinceridade britnica, pois nogociauta ros, poriodiqueiros, passaram depois a instrumento dessa poixflo, atraicoa s.mi pa-
na o be animal visivcl, asseveram ter bai- ser jornalistas, escriptores pblicos; triolismo, sua illuslracflo e sua razflo.
xado no mercado estrangeiro, por causa agora, depois que se attribuiram urna espo-! Desagradavel ho este espectculo, e des-
idadesordem de liavanal!... ci de muas publico, a que chamam o vio dello os odios para nflo classilicar a ira-
r. presidente da provinci
n"delnpbernara^ Muit0 complicada rio a poltica, e grande minislerTo d~a palavra, ei-os chrisma'dos poiiiica das injurias que se dirigen) aos al-
Vietorde oiiveira relacflo tem com o commercio Eu vivlria em publicistas. Assim tom sidoa respeito liados do imperio, e a ignorancia supina da
Rio do Janeiro. Ministerio dos negocios da' tres idades de Malnusaleui sem poder com-; demuitas outras cousas ihisloriae do direito publico dos Estados
guerra, em 31 de outubro de 1851. i prohender essas relacOes, e suas causas;1 A reflexflo com que principioi estacarla Argentinos que vai d envolta nessas inju-
lllni. o Exm. Sr.__llavondo por bom Sua'mas lembrado da historia do matulo das vaio-me suave o naturalmente, ao lembrar-'rias.
Mageslade o Imperador por decreto de 29 cordas, que Ihe conlei, creio pamente! me quo tinha de cscrevel-a, e que a semana! Tenho que dar-lhe a alegre noticia de
do corrente, promover os tenentes-coroncis quanto me quzerem impingr os laes meus fra das mais eslereis em noticias do vulto, que o sonador Candido Baptista do Oliveira
graduados Innocencio Eustaquio Ferreira de senhores dodeve e hadihsvor. | Nada lenho que contar-lhe: nea, uma re- est completamente fra doporiso.
Araujo, do quarto batalliflo de artilharia a Ao menos neste anno parece que guerem voIueSo, nem urna rusga, nom uma crise
e llygioo Jos Coelho, do segundo a te- declarar logo o preco do assucar, deixandoj ministorial, nem u u bom incendio, desses
nenies coronis conmandaiiles eslo do o mao costume dos annos anteriores, nos que tambem um quarteirflo inteiro, nem ao
quarto, e aquello do torceiro da mesma ar- quaes sdeclararam depois de vendido o as- menos o conselheiro Honorio demitio em
ma, assim o communico V. Exc. para cu sucar na inglaterra, ou em outio qualquer | Montevideo o conde de Caxias, como aqui
conhecimento e execuQflo na parle que Ihe1 mercado da Europa. ospalhavam os noveleiros, dizendo quo a-
toca. Ignoro os motivos que o fizeram deixar, quello levara autonsafflo ampia para fa-
Deos guardo V. ExcHanoel Feliardo este seguro meio de transaccOes, que bom
de Sou-a e Mello.Sr. prasidento da provin- i >e poda chamar seguro de baixas ; mas sa-
cia de Pernambuco.Cumpra-sePalacio;jaqual fr estou convencido, que foi todo
do governo de Pernambuco, em 20 de no-
vembro de mal.Viciar de Giiveira.'
Antonio Correia Seara.
INTERIOR.
gricultura, de que elles sflo pais,
Umb n= mildl

a bem da
tes. Se elles pudessem tambem reformar
os pesos dos almazens! Quanto nflo lucrara
a agricultura! A proposito, d-se aqui um
pbenomeno, que lem dado a muito quo scis-
mar aos curiosos.
Manda um agricultor comprar nos arma-
Parahyba, 28 de novembro de 1851.
Oque pari o monte, quo alroava com zens de seu correspondente nesta cidade
seus gritos o cu, a Ierra e todo o firma- qualquer genero, repassa-o nos pesos de
ment? Um ridculo, e mal nutrido rati- sua casa de encaixamento, e quebra quasi
nho?... Assim, mu'.alii mutandis, sueca- -arroba em 10 arrobas; manda 10 arroba
deu Penha, que sendo um bem soffrivel de assucar, e quebrara 8e 10 libra !!! Diz
monto, tambem dou ah um bem ridiculo quera em ludo v maldade que ha dous ter-
ivii.'rt, ou ralinho de gaveta. Nflo valia a nos do pesos; mas eu julgo que sobre a
Circular.A lodos os subdelegados e vi-jpena de tantos preparos, tantos.oncotnmo- ponta do sanbao Um slguraa linln equino-
garios desta cidade recommendaudo todo odos, tanta vozoria, (antas despezas, tantos cial.ou cousa que o vaina, que transtorna
cuidado o escrpulo na concessflo das altes-(rosslnantes cadavricos, tantos cavalleiros aordem de gravitarlo dos solidos, da sorto
tacGes,deque trata o art. 25 2 do regula-; de triste figura, para assistirem om uma quo o corpo que do lado de cada 1 i tilia tem
ment de 17 do levereiro dosto anno, para i eminencia, que nflo he desagradavel, a uma um peso, do lado de l tem outro. Eu mas-
que se nflo deem os abusos e escndalos, jmissa chorada, com acompanbamonto de ino como que tenho notado essa dilTeren?a
contra que, cora toda a rasflo, reclama a ca-1 msica desaliada e roufanha, com uma de gravitaeflo em meu chapo,-quatido alra-
ante-siraphjnia, coinposicflo d'algum vesso a ponte. O que ha de mais admira-
renegado, uns fugeles sem resposla ; li val ainda ho quo a dlfferenca da gravitaeflo
iialnionto a umpequeo ralo de fesla. vai-so accumular no monle dos solidos do
Mas como a humildade, a neahuraa pom- caixeiro do armazem ; porque s assim po-
pa, seja urna viriude as solemnidades, der-se-ha explicar cobo ganhando cada um
zel-o. Se alguraa dessas cousas houvesse
acontecido, teria eu margen para cootar-
Iho os pormenores, comraental-os, enfoital-
os e publica-los com toda a aera-cereraooia.
NflO hS 0a !" olio ^nnlar-llo m:K o "n .i.-i .
xarei por isso de escrever-lhe, quando mo-
nos para dizer-lhe que ainda vivo de perfei-
ta saude, e cheio de saudades de um amigo
a quom tanto estimo. Da caminho direi
tambem algunas noticias que o hflo de cor-
tamente interessar, porque nessas Ierras on-
de est agora, at os annuncios dos nos-
sos peridicos Ihe serflo do agradavel lei-
tura.
A questflo do Rio da Prala continua a ser
a primeira da actualidade, mas as nolicias
que nos trouxe o Prime nada adianlaram
au que j sabamos ou esperavamos.
O general (jrquiza regressou a Enlre-Rios.
para onde licavam a sabir as duas divises
do seu exercito que estavam anda no ter-
ritorio oriental. Por este lado tom de de-
correr vinte uu trinla das antes de vermos
algum successo nolavel. Durante esta lem-
po preparar o combinar o goneral Urquiza
os elementos cora que ha de abrir sua c.ain-
panha definitiva contra o tigro que do dos-
peilo ruge em Palermo.
O tigre prepara-so tambera, como so pro-
parava Oribe; e como Oribe sa achara a
Como
sabe o illustre senador esteve balando s
portas da elernidade, e por pouco quo se
Iho nflo abrn .Vi. Parece que a principio sa
nflo conheceu a molestia, qua, dizem os
mdicos,, f >i urna hernia estrangulada: s-
raenlo depois da nove dias de enfermidade,
no dia 26 de outubro, que S. Ex. soffreu a
operaeflo da taxis, feita pelo nosso habilis-
sirao cirurgiflo o Dr. Antonio da Costa.
Uuaudose fez a operaeflo, j paite do in-
testino grnsso e o saco hemiario estavam
em verdadoiro estado de putrefaccam. O
Costa apanhou-se com os ferrinhos na inflo
e com um paciente para sofJTre-lo, e foi cor-
lando sem dn nem piedade. O cerlo he que
logo depois da operaeflo os symptomas ge-
raes, que se apresentavam de um carcter
ternvel, foram deixando de assustar, e o
doenlo foi gradualmente mnlhorando. Ain-
da se loceiava qua as secrecOes alvinas nflo
procurassem mais o seu caminho natural, e
que o artificial contlnuasse a funcoonar,
o que nSo ho das cousas mais agrada-
veis ; porm esse receto vai-so desvanecen-
do, porque desdo o dia 7 do corrento pnnei-
piuu S. Ex. n ter evacuaces naturalmente.
0 estado do doente he o melhor possivel; a
fonda da operaeflo est quasi cicatrizada.
Esto resultado maravilhoso, obtido depois
de uma operaeflo Iflo gravo por lanas com-
plicaces, he seguramente digno de figu-
rar nos annaes da cirurgia brazileira, c faz
a raaior honra ao distincto operador flumi-
nense o Dr. Anlonio da Costa.
Eslava porm escripto que no iotervallo
da sossflo de 1851 para a de 1852 devia fal-
lecer mais um senador, o jaz enterrado no
J ILEGVEL



mm
- ,

Se que o theatrode S. Pedro tinln o mes-
dio dereito; construir um aditicio noro
para copiar o$ erro* do intigo bt o que cua-
ti a comprelieoder. A bocea do um loea-
Irodeve saraquarta ou quinta parle di
largar* do edificio : adapta-se-lbe um abo-
bada artificial de la boas, o que favoreco
muito a ro e a acutica.
Santa Ierra he esta em que tudo so resol-
ve pelo absurdo, na phraae do visconde da
Peora Branca ? Faco fotos para que o JoSo
Caetano organise a sua companhia de ac-
cionistas e reediflque o theatro deS. Pedro.
Espero que oeste empenbo guia-lo-hSo vis-
tas artsticas; chame um arebiteelo que le-
cha visto os Ibea tros da Europa, o nSo ee
delxe dominar pelo desejo de acommodar
muita gente.
Occorre-me agora una lembranca : quem
sabe sentse ontrogou a edilicicfio do thea-
tro a um mestre de obras, se niio se admil-
tioorisco assim to defeiluoso, calculada-
iiic.il', com coiisequencia do pensamento
que fezeliOcar provisoriamente um theatro
em que se hSo de despender 100:000,000 r*.,
afora o mais ? lie o que ha do ser : se o
theatro fosse feito com todas as proporcOes,
se na architectura delle se guardassera to-
das as regrss, oais difllcultosa seria depois
suademolicfio; todos os seus defeitos se-
rio nutras tantas razfles para deita-lo abai-
xo, On los os tros annos, quo h9o de princi-
piar a contar-so do anno... inda nSo esta
aliado.
Vou eontar-lhe ama historia que, dizem
acontecen ha das, e vai pelo mesmo preco
por que ro*a itnpingiram ; nSo aflirmo neni
neg cousa alguma. .
O gerenta de urna loja de fazendas nesta
corto foi sorprendido ha 20 ou 30 dias pela
chegada da dona da casa, viuva ainila moca
e bem disposta, que so recolheu de urna
vilgem fcuiopa, onde deixou onterradoo
marido
Cortos boatos do quo o negocios da casa
nfio esta va m na inelhor ordoiu, induiiram
aviuvinhaa tomar dellus coohocimonto, c
linalmente assignaudo termo de invenla-
riantc entrou na posso da loja. Corria o ba-
taneo desta, qii'iiiin. comec^udo a eonli a
aprosentar-so com feio aspecto, resolveu o
gerente terminar a liquidando summana-
menle.
Urna nnnli.Vi em que sabia achar-se a
viuva sozinha em urna chcara, para all se
dirigi, e em voz de acompanliar-so de
amores, levou consigo trossujeitos quo re-
presenlavam os papis de escrivfio e olll-
iies dejus'a, os quaesapresenlaram a viu-
va um mandado de prisSo, que seria execu-
lado se ella nSo assigoisse urna quitac.3o
que Un- metliam cara. A cousa era para
assustar a qualquer de animo comioum
masa viuva, quo tom visto mundo o nSo
teme Afrontar perigos, cooservou-se inaba-
lavl; eslava resignada a tudo quanto exi-
giesen) della, menos tal assigualura. U
mulher sempre he cousa muilo forte!
Expedio para a cidade portador sobre
portador, para chamar o irmSo em seu soc-
corra. Os velhtcos, vendo que ella nSo
ceda, reliraram-se pouco anles de chegar
o irmfio, e o gerente sumio-se.
Se ocaso nflohe verdideiro, poJia muilo
bem se-Io; j so lom visto cousas iguaes, o
publica-lo he prevenir a muilos que podem
cabirem esparrelas da mesuia natureza.
Ofavloque ago~a vou rcferir-llio moslra
o quo s9o os nossos soldados do corpo do
permanentes.
Como sabe, ha no principio do caminho
novo de Botafogo uma*barreira, onde se pa-
ga um direito para indemnisaSo da com-
panhia que melhorou aquello caminho. No
estudanlo do tercoiro aneo, o quo timben) ,I)r. Francisco de P. Baptisla
acunt'ceu a outro do quatto DOS ltimos |)r. J. d'Aquino Fonsooa
dis da semana passida, eem que disso tos- Ilr. Jos Quintino do Castro Lefio
sernos sabedor, senSo agora, Em abono da l)r. Joaquim Villel de C. Tavires
vnrdadn somos forrados a dizer que, se nilo BarSo de Suissuna
fdra a tarefa, quo lomamos de registrar em j Dr. Jote Falippe de 5. Lefio
nosso rctrospeeto os faclos mais notaveis Dr. Manoel Jos da Silva Neivas
occorridos ni semana, o se por outro lado
nSo estivessjmos compenetrados di impor-
tancia qlie se deve dar nossi acidomia
jondea, cuja reputarlo talvez tenha soffri
do pela filia de conveniente publicldade
todos os factos quo nolla so tillo, nos nfio
nosoecupariamos, de certa, em dar ao pu-
blico Lu infaustas noticias e renovar dores,
que alias dosejaramos mitigar. Afora as
reprovacVs os-RR tem continuado i aoV
vertir aos onimisos, quo para o anno devom
ser mais applicados ao cumprimento dos
sousdev.'res esoholasticos; mas cntrotioto
ofio dcixaromos de consignar aqu urna ob-
servarlo, quo temos ouvido fazer alguei),
sobro qual o motivo por quo taes desastre!
tem siJo mais frcquontei nos annos adlan-
tados, do que nos do is primeiros, quesSo
propriimonta os annos d noviciado eda
ion-n;'i '. 'Sem prelondermos resolver a
difliruldado, por que para isso nfio temos os
dados n?ccssirios, diremos apenas que o
faci pode multo b?m ser explicado por di-
versas i .i/o menos todivia pola quu so
poderia dcJuzir do pequeo numero, pois
quo os cstudanles nesses dous annos so
tfio numerosos, ou quasi tanto, como nos
outros.
.No domingo, 30 do pissado, foram espan
cados uo lugar do Santo Amaro dous prelos,
escravos do Antonio Flix dos Santos, por
um tal Joaqun) cirpino, quo all se intitula
cabo de quartoirfio, entiJade policial quo
nos parece ser desconhecida pela lei; e nilo
satisfeitos com oslo acto da sua osdruxula
aulori lado, condii/.io o dito cabo com o sou
sequilo os dous prelos presenta do ros-
poclivo subdelegado, o qual os mandou en-
tregar ao scnlior para serom curados. Deo
molivo ao espaucamoiito o nfio soffrornm os
prelos que os porcos e cabras da criaefio do
ref.nido i'.i'iiiii podesseui continuamente
ostragar as plantacOes, que elles all tero.
As obrai do melhoranicnto do porto vio a-
preientando algum resultado, pois queja no
da |n i u,cii i, do correle leve a barc franceta
/'iini'.i'n..-. a fortuna de poder atracar ao trapi-
che da alfaudega, e elleituar ah a sua descarga
com siugular presteza, sem despender com
alvarengai, c correr o ritco de alguma avaria:
o que d'aqui por dame podero fazer, coui
grande vantagem para o tomtnerclo, mullos
navios. Este inelhorauenlo nolavel foi obtldo
pela barca de cicavacan, que coasegulo abrir
em freute do mencionado trapiche c cae da
alfaudega um canal com a exienso de 70 bra-
cas de complnenlo, 25 a 3o de largura, e pro-
lundidade media de 25 palmos as marea bai-
las, loformam-nos que lainbem jhouvc aug-
Dr. Ignacio Joaquim de Souzi Lelo
Dr. Francisco Garcia Chavos
Dr. Caetano Xavier Peroira de Britto
A. P. de Figuoir 'do
A. Carnero Mac iado Itios
Jos Pedro di Silva
I)-. A. Justinino di Silva GuimirSos
Dr. Flix Theotonio da Silva Guimfio
Dr. Cosli Comes
Dr. Jos Rodrigues dos Passos
Dr. i;-ii iiiini
Dr Seto
Dr. A. Joaquim da Manes e Silva
Rodolpho JoSo Barata de Almeida
Dr. Cosmo de .s.i Pereira
Dr. Rodrigo Castor de A Maranhgo
Dr. Joaquim Manool Vioira de Mello
Dr, Joaquim da S. Res
B\ Jos Francisco dePaiva
D". Angelo llonrqiii's da Silva
Silvestre de Uliveira Mello
Dr. Jos Raymundo da C. Menezes
Dr. Thom Fernandes Mideira
Padre VicenteFerroira deSiqaeira V.
I'a Ir i VoiniiL-i i llcnrique de Rezende
Antonio Valentim da Silva Barroca
Dr. Alfonso Peros
Dr. Joaquim Gongalves Lima
Dr. Chnstovao Xavier Lopes
Dr. Pedro Gaudiano de Ralis e Silva
Dr. Antonio Coelho de S o Albuquorque *~
72
72
7a
70
70
69
(i'.l
67
67
67
66
i
62
62
61
59
59
M
55
55
55
M
r,
t(
59
59
51
511
50
49
46
a
15
45
4t
43
13
mcnlu de profundidade uo lugar do porto de-
nominado franqua--, cin frente do arsenal
de mai inlia, assim como que as cordal de arcia
chainada do Passarinbo tem diminuido algu-
ma cousa, aendo ludo islo devido ao dique,
que se est concluindo ni liba do Noguelra.
O iniilivrs.il ni n il iln 'i'i do Manar din llraii-
Iclro foi aolcinuisado, na forma do coslume,
com parada, cortejo, etc., ele. Duaa repreien-
tacdei dramticas liveram lugar pan o uiesmo
liui, una no theatro de Apollo em a nolte da
vespera, c oulra no de Santa Isabel em a nolte
seguinte. He com ctTcito pouco tolcravel que
nao possa o pobre, que so tem dez lustoea, ou
o chele de familia menos abastado, queso tem
oito mil res, ir ao theatro em das de fcata na-
cional, e que esle diverlimcnlo em taes das id
srja reservado para a aristocracia d> l'argtnt,
pois que so ella pode vencer a condicao one-
rosa da compra de bilbetes para Irea recitas,
que le mpc a quem quer assislir a uina em
da festivo. Esta ganancia alin de ser un-
di. 3 Vorcscn a n se na barreira m lo-1 ""'"'"' l">r1uc Pe" Pv0 dos "PcucU.
oa u apresentin-se na oarreira uui iiu qUanIJo nclles se eapocaoi vlclori do pu-
mem c urna sennora a cavalto, quo nSose1
lembraram, quau lo projocturam o passeio
para quel/elado, que deviarn pagar bar-
reira. O recebedor reclama O pagamento,
o civalleiroconta-lho qu se esquecera do
trazar cobres e offerece-llie do penhor una
moeda de 20,000 rs., promettendo que ni
volts a resgataria pelos qualro vi ilisde-
vidos. ii recebedor, que he liomem que s
coubece oquo esta escripto no seu regula-
niento ou instrocfes, nao quiz saber de
historias, e concluio peremploriamenlo a-
poiado nos soldados de permanentes que ali
cstao de guarda : Ou qualro vintcns, ou
voltaria Foi enlfio que inlerreio um dos
soldados na quesillo; puchou polos cobros,
ontregou-os ao recebedor, dizendo-lno :
" Por qualro vintens no hade umasenho-
ra voltar para traz.
Aqu nSo ha suente para louvar a acallo
raticaJa, mas tambem o ponsamento de-
icado que a dirigi. U cavalleiro, que es-
lava em apuros, e quo se vio desembaraza -
do da birra do recebedor, n3o p Je deixar
de agradecer ao soldado, e disso-lhe : Ca-
ntarada, o seu procedimento lio de cavallei-
ro' : receba esta tnoeda de 20,000, como pro-
va de que sei aprccia-lo. > Est claro quo o
soldidorecusou, mas o cavalleiro atiroudhe
a moeda c l'oi-so. O sol lado como homom
de disciplina deu parto do occoriilo ao seu
commandante, c o l'alidoro ordcnou-lhe
que guardasse o dinhoiro que tfio bem tinha
merecido. Ao voltar as costas, dizem quo
o l'olidoro resmungira :
Sfio l.i_."n.'s iuiiiIi.i o vclhsco i' ni apro-
voilado. a
Se eu tivesse val ment, pedera ao Poli-
.loro que na primeira vaga promovesso o
soldado a cabo.
At domingo. f
tvmeacjo. O Sr. Joaquim de Almeila
Unto, hu di primeira nagadoria do thc-
souro nacional, foi nomcado thcsourero
di rcrubedoria do municipio.
Tribunal dos jurados.Na sessfio de 13 Jo
rente, sob a prrsidencii do Sr. r. Cas-
tro Menezes, foi sobmeltilo a julgemento o
reo Raphacl, escravo do Sr. Luiz Goiuaga
de Andrade Mmada, natural dosla corte,
accusalodetercommettiloo crime de mo-
ho punido pelo art. 269 do cdigo prual.
Consta do processo que o Sr. Mauocl Fran-
cisco da Silveira de Freitas, sabendoquese
pretenda roubar a sua casa da ra ds Alfan-
deg, tomou providencias para agarrar o
ladrito, o que conseguio em 27 de setembro
delS50. Declarou o reo Raphiel, cm sua
defesa, que fra impelilo em todo o seu
procedimento por um fulano Joao Barboza,
o que ignora fosse criminosa a intoar;Sodn
dito Barboxa. Concluidos os debates be o
iiiu reo absoivido, e ceuiuado as cas-
tas o cofre municipal.
Ni sesio de 14 foi conlirmada a sentenca
que condemna a gales perpetuas o reo Ber-
nardino Jos deJeius, qno matou sua mu-
lher na ra da Concedi, leudo primeiro
forido com um tiro de pistola do peito a An-
tonio Jos Rodrigues.Na conformidade da
lei, tem a rela;3o de tomar conbecimeuto
do processo.
PEBMAMBUCQ
RF.CIFE, 6 DE DEZEMBRO DE 1851.
as 6 roas da urde.
rrnospicro iihanal
No dia 30 do panado recebeu o grao de
doutor na academia de Cllinda o bacbarel
formado Caetano Alvos de Souza Filgueiras,
tendo por pidnnho o Dr. Joaquim Viliela
de Castro Tivares.
J quo fallimos na academia, devemos,
antes de pastar a outro assumpto, oommu-
nlear, aos no-sos leitores, que por all tem
continuado a poda na vinhi jurdica, aendo
reprovado do dia primeiro do corrate um
quandu nclles se espoc aos vlclors do p
bllco o emblema que I o rtgoiljo do da.
I cnloa-se o liymno patritico da uaco para cx-
' aliarosscnlinieiilos cvicos dos seus ilbos, be
dcmals a maia una surpreta.
So da 2 che^ou da Europa o Tuy trazendo
as noticias: do trliiinplio eleitoral dos progrea-
sisiasem Portugal, aos quacs prudentemente
se uni oSaldanha; da formacao do gabinete
de Lula Napoleo em Franca, o qual parece,
com oseu empenlio pela revogaco da lei de 31
de maio, ter jogado a penltima carta, s Ihe
restando agora o golpe de estado; c finalmen-
te das ovaedes reaes, com que foi recebido na
Ora-Uretanlia o hngaro Kossat, e do cocerra-
nenio da ezposico.
No dia 3 rcunto-ie collegio eleitoral desta
cidade, c formou-se a mesa com os eleitore
cujas nomes j forain publicicados por esta fa-
lla: celebrou-sc a milla do Eiplrlto Santo no
da seguinte, c depoli de bem Inspirados prin-
cipiramos votantes a depositar na urna dos
deslinos da proviucia os no.iici dos scui eico-
lliidos, viuda a terminar hoje a operacao dol
voloi, sem que aluda aaibamoa doieu resulta-
do. O numero de caudidaloi nos narcecu sum-
mameiitc crescido, c nao se pode prever ae a
escolha sera de maoiegura csau mas o ceno
he que a poslcridadc pernamliucaoa saber fa-
terjuitica inexoravel aos aeui aicendentei pe-
los bens ou males, que ellei Ibe acarretarem
culposamenle
O vapor inperatiu, que do sul cnlrou no dia
4 nao irouxe uovidade alguma de importancia,
c deixou todas as provincias em boa paz. O
cofre das graras diplomticas, de que j cm ou-
lra occasia'o fallamos, se desta vez nao licou ez-
gotado, bem pouco Ihe pode fallar.
No dia 5 i ni.'ii ojuiz presidente do jury des-
ta capital abrir a ultima essao deste anno,
mas de balde, puique repetiam-ae o ineimo
queda vez passada. Foram dcipeniadoi un,
multados oulroi, e fez-sc novo sorleio, do qual
s ihii.un os nninesdoa que deviam aubitilulr os
que faltaran!, c apelar de tudo islo ainda nao
pode trabalhar o tribunal no dia ti, segundo
uus consta, repetindo-se por consequenciaa
inclina scena, que se repilir sempre, e utque
ad coiiiumalionem tecali eiuquauto ujury faro
que he cnlre nos.
I;, n n a alfandega do primeiro a ti ris
r.'J/lb?. Enlraraui durante a semana 38
cmbarcacei, aendo entre e!las duai ingleai
com fazendas, 2 americanas com diversos g-
neros, I li iiiiliiir.ru. / i dem, I fraucea dem,
I brlga dem. 1 austraca com farinha de trigo,
I diiiamari|uezacouicarvo, i porlugueza com
diversos gneros, 1 bollandeza dem, 2 brasi-
Iciras com generoa do riaiz. Sahram 19.
Falleccram 47 pesseas, sendo 30 livres e sete
rscravas; entre aquellas 12 bonicos, 5 mulbe-
res, II meninos, e ruin ellas Irea liomem, tres
inulbcrcs c i prvulo.
COILKGIO DO RECIPE.
Cuuselhoiro A. P. Maciel Monleiro
Dr. I'. F. de Paula C. de Albuquerque
lioulorde Barros llarrrto
Dr.l'aes Brrelo
Dr. F. A. de Oliveira Maciel
llarfio de CaDibariho
Dr. J. P. M. Porlclla
Dr. Antonio Epaminondas de Mello
Francisco Jacintlio Pereira
Florencio Jos-Carnciro Monteiro
Desembargador J. M Figuoira de Mello
Dr. Jofio Jos l'errcira do Aguiar
Dr. Alvaro Barbalho Ucha Cavalcanti
Dr Domingos de S. Lefio
Antonio Marques de Amorim
A. i. de Oliveira
Commendador Malaquias
Escrivfio F. C. de Brillo
Dr. Brandfio
Frederioo Augusto de Oliveira
1'iiiln'liii ii.ue I.', de Mello
Dr.MiDoel Joaquim Carnero da Cunba
Jofio do Reg Barros Falcfio
Jofio V. Vllela
Padre Joaouim Pinto de Campos
Padre Jotfo Caprislano deMen lonca
Dr. Cyprimo Fenellon G- A.
Francisco Raphiel de Mello Reg
Dr. Francisco Jofio Carneiro da Cuuha
Dr. S.A.Mavignier
Dr, A. F. P. de Carvilho
Victoriano de S Albuquorque
Dr. Manoel Civalcanti de Albuquerque
Jos Pedro Vellozo da Silveira
i' i.ui.i.i Manoel Antonio Martina P.
Dr. Jos Cardozo de Queiroz Fonseci
Francisco Anlonio do Barros e Silva
Dr. D. Augusto Cavalcanti de A.
Dr. Joaquim Jos da Fonseca
Dr. M. Carneiro Linsdo Albuquerque
K-cri vfio Francisco de Barros Correa
Mr. Jos Mara Moscozo di Velga Pessoa
Dr. Manoel Firmino de Mello
Jos Pires Ferreira
Jos Joaquim do Reg Barros
Jos Iguacio Soares de Macodo
Dr. Jofio Francisco da Silva Braga
/. Ii'iiu.i di C iriiiu Bastos
Dr. Manool Mendes da CuDha AzeveJo
Dr. Caetano Estelita Cmlcinti P.
I-a Iro Nemezio de S. Jofio Gualberlo
Dr. Codecera
Dr. Monteiro de Andrade
Dr. F. Mena Calado da Fonsoca
lir. Lourenco Bezerra Carneiro da C.
Dr. JoSo Luis Cavalcanti de A.
Dr. Antonio Baptisla Gitirana
Dr. Jos Tnomaz Nabuco de Araojo
iiii.i ii;i Boa-Vista
Dr. Ilerculano Gon^alves da Rocha
i i.iriiH/ d'Aquino F. Jnior
Desembargador FirminoP Montoiro
r. Francisco de Souza Clrncs Lima
Salvador llenriques de Albuquerque
Vigario A. F. Gonr;alves Guimarfies
Dr. Francisca Alvos da Silva
Padre Francisco Rochaol
Dr. Pina
Coronel Jos Antonio Pessoa de Mello
F. da Silveira Civalcaoli de A.
Francisco Joaquim de Barros Correa
Jos Antonio Lopes
Dr. Jos Ignacio da Cunha Rabollo
Dr. Gorvazio Goocilves di Silva
Domingos Alfonso Nery Ferreira
Dr. TainariiiJos
JoSo Viconte da Silva Cosa
Dr. Jos Nicolao Rigueira Costa
Dr. M. Archanjo di silva Costa
Mmoel Carneiro do Souza Lacerda
Dr. Jos Miria de Albuquerque de M.
General Abreu eLima
Anlonio do M. V. deDrumond
Dr. Jos da Costa Dourido
r. A lolino
Manoel J. do ftfgo Albuquorquo
Dr. Gaspar de M. V. de Drumond
Dr. Jofio de Souza Res
Padre Jos Joaquim Camello de Andrade 10
Jos Francisco Lopes Lima
Padre M. do S. Lopes Gama
Dr. Augusto do Souza Lefio
Manoel Coelho Cintra
Antonio Joaquim de Mello
A. dos Santos de Siqueiri (",. Jnior
Monsenhor Muniz Tavires
Dr. lofioFnncisco Duarte
Padre L. A. de Mora
iDr. V. Jusliniano Bezerra Csvalciuli
'. Pedro Dornellas
.'. LourentoIAvolino
Dr. Vicente Pereira do Rejo
Dr. Francisco Gon?alves de Morsas
Dr. l ;u ii'i.i Firmo Xavior
Padre Joaquim Paphael da Silva
Dr. Joronymo Villela de Castro Tavares
Dr. Alexsn lio Bernardino dos Res o Silva 6
Dr. Jofio Francisco do Arrudt 6
Dr. Guilhermino C. M. Bacalho (
Dr. Francisco do Brederoles de Andrale 5
Dr. JosMamede Alies Ferroiri j
Dr. JosMiria llamos Gurjfio 5
Agoslinho Boierra 5
Dr. Affonso do Albuquerque Mello 5
Nfio oslfio laacados os quo liveram de i
votos emdianto.
42
42
42
40
39
36
33
31
36
35
31
31
30
30
29
38
28
27
27
25
24
24
24
24
24
29
21
21
19
ls
18
u
17
17
17
17
16
16
15
15
14
13
13
13
12
13
II
11
ll
II
II
II
II
10
10
: Dr. Angelo Henrlque da Silva
Antonio Jos de Oliveira
Dr. Manoel de Souza Garca
Birlo deSuissum
Dr. Gispar de Menezes de Drumond
O'. Joaquim Franoisco Civilcinte Llns
Tenente Coronel Fraooisoo de A. M. C.
Dr. JoSo Francisco da Silva Braga
Dr. Antonio Maril de Faria Noyes
Dr. JoSo Francisco de Arruda FalcSo
Dr. Jos Francisco da Costa Gomes
Dr. Jos Rodrigues dos Passos Jnior
Dr. Antonio EpaminoDdia de Mello
Vigario Nemezio de S. JoSo Gualberlo
Dr. Alfonso Peres de Albuq. MirmhSo
Dr. JoSo Frincisco Coelho Bitancourt
Antonia Valentim da Silva Barroca
r. Francisco de Paula Baptisla
Tliomaz de Aquino Fonseo Jnior
r. Antonio J. de Albuquerque Mello
Anlonio Mirques de Amorim
Coronel JoSo Joaquim da Cuoha Reg
Dr. Rodrigo Costa de Albuqr. Maranhfio
Padre Joaquim Pinto de Campos
Dr. Jos Francisco de Paiva
r. Manoel Clementino C. da Cunha
Coronel Jos Antonio Pessoa de Mello
Professor Silvador llenrique de A.
Dr. Ilemetorio Velloso da Silveira
Dr. Antonio Joaquim Moraes e Silva
Dr. Manool Carneiro Lins de Albuqr.
Dr. Nicolao Rigueira Costa
Dr. Joaquim Eduardo Pina
lt idolfo JoSo Barita de Almeida
Dr. Lourenco A. de Albuquerque Mello
Professor Antonio Pedro de Figueiredo
Dr. Vicente Pereira do Reg
Manoel Carneiro de Souza Ltcerda
Dr. J. I.ouren ;o Meira do Vascoocellos
Padre Luiz Carlos da Silva
Dr. Jos Quinlino de Castro Lofio
Jos Ignacio Soares de Macedo
r. Joaquim Goncalves Lima
Dr. J. Pacheco do Moraes de Albuqr M.
Francisco Antonio de Barros e Silva
Jos Pires Forreira
Manoel de Albuquerque Machado
r. Jos Cardoso do Queiroz Fonseca
Jofio Valentim Vitalia
Dr. Joaquim Mmoel Carneiro da Cunha
Toiicnta-coronol Jos Antonio Lopes
Dr. Frincisco Tivares de Mello Jnior
Dr. Antonio llerouhno de S. lian leira
r. Chrislovfio Xavier Lopes
D'. JoSo Francisco Duarte
Dr. Caetano Xavier Pereira do Brito
N. B. Foram mais volidos com um voto
43 ciddSos, viudo assim a se apreseotar
neste collegio 151 candidatos.
1,11o 1
18,000
100,000
200,000
8.9101
l,82u
21,610
21,000
21,210
!0,240
I JUIIY DO 11ECIFE.
6.a ISESSA ORDINARIA, EM 6 DE DE-
ZEMBRO DE 1851.
Presidencia do Sr. Dr. Neiva.
A'sdoz horas da manhfia, feiij chima-
da acham-se prsenlos 22 Srs. jurados e dos
26 que faltaram foram mullidos em 20/000
os que mi" apresentaram escusa ligitima.
Procedendo-se ao sortolo supplemeDtar
foram designidosos Srs. jurados seguales:
Manoel Francisco da Silva.
Antonio de Moraes Gomes Ferreira.
Francisco ROdrijaeiPinhoiro.
Jofio Cardozo AyTos.
Anlonio Joaqnim de Mello.
Jos.Alves Guerra.
Francisco Sergio de Mallos.
Manoel Alves Guerra Jnior.
Jos Pereira da Cunba,
Helor Manoel do Nascimento da Cosa Mon-
toiro.
Salvador da Rocha Oliveira.
Manool Pereira Lemos.
Jos Francisco Pinto GuimarSes.
Zeferino do Lima Cavalcanto.
Manool Ferreira Antones Vilaca.
Luis Uorges do Siqueira.
Miguel Archanjo Fernandes Vianna.
Major Felippe uaite Pereira.
Joaquim Jos Vieira.
Maiuiel Coelho Cintra.
Joaquim Jos do Abren.
r. Jofio Ferreira da Silva.
Os quaes foram mandados notificar para
comparocerem s nove e raeia horas da ma-
nhfia do da de hoje, ( do corronto) sob as
penas da lri
PubtcaQoes a pedido.
COLLEGIO DE COIVVN V.
Dr. Pedro Francisco do Piula C. 60
Dr. Joaquim de Souza Rcis flo
Domingos Malaquias de A. P. Ferreira 51
Dr. Francisco Carlos Brandfio
Dr. Caetano Estellila C. Pessoa
Tencnlc Coronel Jufio do Rogo B. F,
Jo Pedro da Silva
r. Jofio Jos Ferreira de Aguiar
Dr. Ignacio Joaquim de Souza Lefio
1 adre Leonardo Antunes Meira
"r, Victoriano de S e Albuquerauo
Desembargador J. M. F. de Mello
Coronel Francisco Jacinlho Pereira
Dr. Joaquim Pires Machado Porlella
Barfio de Capibaribe
Dr. Minoal Jos da Silva Neiva
Dr. Francisco Raphael de Mello Reg
Dr. Francisco do Reg Barros Brrelo
Dr. Joaquim Manoel Vieira de Mello
Jos Joaquim do Reg Barros
r.Francisco Xavier Paes Brrelo
Dr. Antonio Francisco Pereira de C.
Padre Viconte Ferreira de Siqueira V.
Dr.elphino Augusto C. de Albuquerque 3a
Padre Jos Joaquim Camello rtn 4.
Escrivfio Floriioo Corroa de Brito
Tenente Coronel A. C. Machado Itios
Dr.Jofio de Souza Reis
Dr. Joaquim Vilella de Castro lavares
Dr. Manoel Joaquim Carneiro da Cunhi
Dr. Domingos de Souza Lefio
r. Simplicio Antonio Mavignor
Dr. Jos Ignacio da Cunba Rabello
Dr. Antonio Perogrino Maciel Monteiro
Ij jibelino Guedes de Mello
Dr. Gervazio Goncalves da Silva
Tenente Coronel Francisco J. de B.C.
Dr. Joaquim de Aquino Fonseca
Dr. Francisco Jofio Carneiro da Cunha
Dr. Francisco de Assis Oliveira Maciel
82! Major Florencio Jos Carneiro Monteiro
82 Dr. Antonio Baptisla Gitirana
Dr. Maooel Francisco de Paulo C de A.
Dr. Guilhermio C. Marques Bacalho
Dr.Jofio l.ms Cavalcante de Albuquerque 20
Dr. Lourenco Francisco de A. Catinflo 20
Padre Venancio llenrique de Rozondc 20
Dr. Aprigio Justinino da S Iva G. 20
Dr. Augusto Frederlco de Oliveira 20
Tenente Coronel Jos Francisco L. L. 18
Dr. Cosme do Sa Pereira \$
Dr. Alvaro Birbalbo IJ.' Cavalcante 17
147
146
116
115
112
02
102
99
95
95
93
93
90
N
N
N
M
M
S
84
83
DEVE O CAIXA DA COMPANHIA DO BEBE-
RSE EM CONTA CBRENTE COM A MES-
M \, HA VER.
1851.
Maio I. Importancia do saldo em cal-
za como a coula corrente desia
dala
dem 31. dem da nona letra do sc-
gundo contracto
Jiuiii 1 30. dem da decima dita do
segundo dito.
Julh.i.'ll. dem da decima primeira
dita do segundo dito
Agosto 31. dem da decima segunda
leltra do segundo dito
Scleuibro 3a. dem da primeira dita
do terceiro contrato
Uutubro 31. Importancia da segun-
da letra do terceiro dito
dem 31. dem do saldo da calza ei-
pecial do sexto dividendo que pai-
sa a receia na conformidade do
arligo a dol estatutos
1:781,403
5:000,000
5:O00,Ou0
5:000,000
o:000,000
5:040,000
5" j iiiJuu
1-..1
Malo 2. Iindorlancia ao administra-
dor Souza,da feria aoi conservado-
res, em sele das
dem 3. dem dila ao mesmo, ven-
ciinenloi de abril
dem 5, dem dila a Rufino Jos Cr-
rela, como procurador da compa-
nhia, vencimentos de um anuo
dem 9. dem dila ao Dr. Alcanfora^
do, como advogado de companhia,
vencimentos de um anuo
IdemO. Idemditaao procuradorRu-
linn, d cusas
dem dila de ferragans a Uovrmam Se
C.
dem 9. dem dila de dilas aoa nfi-
mos cima
dem 10. dem dita aoadmlnlilrador
Souza da feria aoi couiervadorea e
srvenles
dem 17. dem dita ao mesmo da ae-
nana de 12 a 17
dem 31. dem dita ao mesmo da di-
la de 10 a 24
dem Si, Id 11 ni dila ao meaino da di-
ta de zo a 3l
Junho I. dem dila ao mesmo, ven-
cimentos do mez de maio p. p.
dem 2 dem dila com o eacriptorio
e eteripturaco, 110 mez de maio
prximo passado
dem 7. dem dita ao administrador
Souxa, da feria aoa conservadores e
aerventei de S a 7
dem 10. dem dila a Manoel Figuel-
rea de Farias de annuoclos e Dia-
rio em seis mexei
dem 11. dem dila a J. Soum de tin-
tas e leos, etc
dem ll. dem dita lo administrador
Souia, da feria aoa conservidorea
e aerventei de 9 a 14
dem 2i. dem dila ao mesmo, de
dita e plnturai
dem 2f>. dem dila ao mesuio, do
comerlos e limpeza da calxi d'a-
goa
dem 28. dem dila ao mesmo, da fe-
ria ios conaervadores e srvenles
de 35 a 28
Julbo I. dem dita 10 administrador
Sonza, vencmeulo de junho
dem 4. dem dilaao vigario do acu-
de, Jos Alvci Gama, do primeiro
de malo a 30 de Junho
dem5. Idciu dita ao administrador
1:687,600
33rn'oj
BfLaM
100,000
130,000
120,000
48,950
4,440
20,610
51,790
34,720
11,000
15,120
100,000
100,000
18,240
15,210
38,160
12,840
14,000
65,500
11,760
Soma, da ferias dos conservado-
res e srvenles, da 30 da Junho a 5
dito
dem 7. dem dita a Clorlado Ferrei-
ra Clao da aeis meses do arinizem
da ponte Velha
dem 11. Ilem dila o Cardoso Af res,
de objectos para o cscrlptorlo, cm
4 inezei
dem I'. dem ao administrador Sou-
za, para pintura e falla doa con-
ervadore
dem 12. dem dila a Arrud, pela
cncaderuacao de lirios de recibos
e de fallas para 01 D.
dem 17. dem dita delerrageni, aos
senhores Itowuiam n Me. 6'allum,
no mea de maio
dem 17. dem dita a Joaquim Jos
Je Paira, de laboas de pinho
Idtiii 19. dem dila ao administra-
dor Souia da feria aoa conservado-
res e aerventei
dem22. dem dita a Jui Luiz Pe-
reira, deferrageni
dem 36. dem dita ao administra-
dor Souza, da feria aoa conservado-
res e servente!
Agosto 1. dem dila ao dito, de ven-
cimento do inez de juttio p. dado
dem 2. dem dita de despezai docs-
criplorlo e escrlpturaco em Junho
e Julbo
dem 6. dem dita a Joaquim Lopes
de Almeida, de taboado para anda-
mes
Idem6. dem dila ao administrador
Souza, da feria aoi conservadores
e un liini-i is, etc.
dem 9 dem dita a Braga c C. de
preparos para as guaritai dos cba-
farizes
dem 9. dem dita ao administrador
Souza, da feria aos conservadorea
e serventes -
dem 16. dem dila ao dito de dita
aoa ditos
dem 23. dem dita ao dito de dito
aos ditos
dem 30. dem dita ao dilo de tito
aos ditos
Setembro 1. dem dila ao dito de
seus vencimentos do mez de agosto
p. p.
dem 2. dem dita de deipczas com
o eicriptorio e escrlpturaco uo
mes de agosto p. p.
dem G. dem dila ao administrador
Souza, da feria dos conservadores
c srvenles
dem 13. dem dila ao dilo de dila
dos dilos
dem 20. dem dita ao dito de dita
aos ditos
dem 27. dem dita ao dilo de dila
aos ditos
dem 27. dem dilaao calxa.de lellos
das letras do terceiro contracto e
carreloa de saceos de cobre
Outubro I, Importancia paga ao ad-
ministrador Souza de vencimentos
do mea de setembro p. p.
dem 2. dem dita a Jos Alves Ga-
ma, vigia do acude, veucimentos
de tres ineiea
dem 4. dem dila ao administrador
Soma, da feia aos conservadores
e serventes
dem II. dem dita ao dito de dita
aoa ditos
dem 18. dem dila ao dita de dita
ditos
dem 20. dem dita de despezai com
o eacriptorio e e eacrlpturacao cm
setembro
dem 24. dem dita a Manoel fjiguel-
roa de Farias, deaunuucios c seis
inezes de iarii
dem 26. dem dila ao administra-
dor Souza, da feria aos conserva-
dores e aerveutea
dem 31. dem dila ao dito de dita
aoi ditos
M-iii.'ii. dem dita ao dito veuci-
mentos deate mez corrente
dem .'li. dem dila de despeza com
o escriplorio c escripiuraco, nes-
le mei em 11-1,i
dem 31 ldeua dita de dividendos
atrazados
Iriii-n. dem dila que se leva em
coula an calza da companhia; 2
por cenlo sobre aquanlia de ris
24:124,902, applicados ao stimo
dividendo
ldem3l. dem destinado ao stimo
dividendo na raso de 2,600 rs. por
apolicc 26:840,000
dem 31. dem em caixa ne ultimo
de oulubro, que passa ao corrente
semeatre 900,401
. 1 onxa objaotos de ouro ; a D. wolfboDD
.'& Companhia.
14,060 1 x dilaa, 1 pacota 6 ombrulhos amostras
I 3 ditos, 1 caica imprassos; a Adimson llowi
mu nno & Companhia.
,w,uu"j Pataoho braallolro Bella Anoita, vindodo
[ Rio de Janeiro, consignado a Manoel Alvos
22,230 Guerra Jnior, manirestou o seguinte:
700caixas ssbfio, 20 siccas farinha, 8 ca.
' cha e 1530 barricas valias; a ordem.
18,160, BrlgueinglezAudes, vi mo de Liverpool
consignado a Russell Mellors & Companhia'
10 000 manifestou o seguinte : '
' i 15 tonolladas, 1 quintal, I arroba e!7|.
I bras ferro om barra, 7 tonolladas e 10 quin-
63,400 taes de dito em arcos; a Antonio Valentim
I da Silva Barroca.
'7.'70 8 ciixaa e 19 fardos diversos tecidos, 1 Mi-
|xa molas do algodfio, 408 barricas firinlia
18 240 da tr'8 50 barris ""nteigei a Me. Calmont
' |& Companhia.
44 caixas e 22 fardos diversos tecidos f8
caizas linhas de algodSo e 1 dita lencos do
sedi ; aos consignatarios.
26 fardos e 4 caixas tecidos de algodSo a
II. Gibsoo. '
50 barris manteiga e 2 caixas tecidos da
algodfio; a Johnston Paterot Companhia.
1 dita meias de algodSo; a Fox Brothers.
4 ditas e 5 fardos tecidos de algodfio a
Youle Deane & Companhia.
2 ditos o 4 caixas diversos tecidos: u j
Crabtree & Companhia.
42 800' i ditas d,''os de ,,i0 i G- Kenworthv
i2,oo & Companhia. '
1 dila joias; a ordem.
1 sacco amostras ; a diversos
CONSULADO CERAL.
Rendimonto do dia 1 a 5 .
dem do dia 6......
5:910,541
1751,300
7:661,905
DIVERSAS PROVINCIAS.
Reodimentodo dia 1 a 5. ,
dem do dia 6 .
100,000
100,000
16,340
2B.O80
23,880
23,480
95.000
100,000
30,000
21,610
18,800
21,0I0
100,000
29,600
16,240
14,00o
100,000
100,000
2:67,500
180,108
33:568,002
Pcruambuco uo eacriptorio da companhia
do Ucberibc, 18 de novembro de 1851.
Joao* Pinto de Lemos,
director,
Lleicao dos empregados que devem /estejar a
Nossa Sennora da Conceicai, erecta na sua
capelia do arco da ponte do Recife, no anno
de 1852.
mi. por eleicfio.
Salustiano do Aquino Ferreira.
JUIZ por dcvoe.io.
Antonio Botelho Pinto de Mesquiti.
Juiza por eleicSo.
Izili -I da Cunha MagalhSes.
Juiza pordevofSo.
Amalia Juzina do Oliveira.
EscrivSo por eleicfio
Jas Joaquim de Miranda.
Escrivfio por devoran.
Manoel da Silva Nogueira.
EscrivSa por eleicfio.
Felicia Lucilla Alvo. o Silva.
EscrivSa por devoQo.
Catharina Risso de. Miran la Curio.
Thsoureiro.
JoSo da Cunha Migalhfies Jnior.
Procurador geral.
Jos Vellozo Soares.
Procuradores,
llenrique Jos da Cunha.
Anlonio Comes Miranda Leal.
Jos Pedro das Nevcs.
Francisco Custodio de Sampiio.
Jos Gomes Leal Jonior.
Antonio Ramos.
Manoel Jos da Cunha M 1.; > 111.1 -
Jofio da 1: nu'.'ieio Bravo.
Antonio Jos deSiquoIra.
Anlonio Gomes da Cunha e Silva.
ALFANDEGA.
Itendimento do dia 6 ... 8616,272
Descarregam hoje 9 de dezemOro.
Barca nglezs -- inda -- morcsdors.
Brigue inglez Lalla Roock farinha e
ac.
Brigue inglez -- Aodes -- ferro.
Brigue inglez Queen bacalho.
Brigue austraco Porto Rico larinha.
Escuna hamburgueza Rerth bacalho e
genebra. -
Escuna hollandeza -- Albn mercadoriis.
Patacho brssileiro Euttrpe fumo e cola.
Iniporlmu.
Brigue americano James Grosby, vindo do
Boston, consignado a II. Forster dr. Compa-
nhia, manifestou o seguinte:
210,000 libras gelo, 200 bsrrilinhos e 1
barrica maefies, 12 laboas de madelra bran-
ca, I6pranxas defreixo, 2 voluntes peda-
eos do carvalbo, 1 caixa ponas, 15 indos,
3 volumes vidros, 1 ciixa grades de ferro, 2
voluntes papel, 3 laboas pin lavar, 2 du-
lcirs, 1 caixa com I carro n seuspertences,
1 machina para corlar espin, 3 rolos tape-
tos depalha, S caixas chapeos do palha, 8
ditas relogios, 2 ditas pillas, 1 dita dinhei-
100,0001 ro B jo tJiMi aos consignatarios.
Vapor ingle/. Tay, vindo dos portosda 00-
30,000.ropa, consignado a agencia, manifestou o
[ seguinte: I
T'-^f
344,722
68,227
412,919
I'.\|i:it:u::ui.
Canal, brigue inglez Titania, de 314 tonel-
Jadas, conduzo o seguinte: -4000siccos
com 20,000 arrobas de assucar.
Parahiba, hiate brasileiro Caprichoso de
38 tonclladas, conduzo o seguinte: -- 5 cai-
xas diversas mercadorias e ferragens, 4bar-
ricas genebra de Molanla, I espingarda 17
barris o 6 meios ditos mant-iiga, 3 canaslras
ceblas, 2 ditas alhos, 18 ciixss passis I
caixa velas de cera, 6 ancoretas aieiton'ig
16 libras onells, 20 laboas de pinho, 2 li-
bras pimonla 20 banicas vinho, 1 caixa
queijos, 36 birricas farinha de trigo, 2 ditas
arveja, 1 barrica alpista, 1 caixa chocolate,
I sacco erva doce, 4 arrobas do Qo, 10 res-
mas papel deembrulbo, 2 arrobas fio cala-
brote, 1 embrulho arcos, 50 caixas sibJo
14 barricas com 53 arrobas e 3 libras de bo-
lacha, 1 cunhete faedes, 1 fardo barbante I
embrulho diversas grosisdecolheresjlo for-
ro e latfio, 7 caixas garrafas de vinho mus-
catel, 1 sacco com 1 arroba de cravo, 3 bar-
ricas bolachinha, 4 barris figo, 1 caita el
embrulho canella, 7 pipas vinho, 10 resmas
papel, I gigolouca, I ombrulho broxas de
sapatelro e mais gneros, 1 dito cartilhas, I
barril linguicas, I caixa espermeceto, 1 cai-
xSo drogas, 1 caixa velas de carnaubs, 1
acco caf o 150 arrobas de carne secca.
Cear o brigue escuna brzilaeira Lauracon-
duzio o seguinte : 6 pipas, 12 mofas ditas,l2
barris vinho tinto, 200 barricas com familia
de trigo,IOOditss com bacalhau.1 caixicom
espingardas,10 massos de pspelfio, 8 caixss]
com fazendas,3 fardos com ditas, 3 pocotes
com ditas, 1 bah com ditas,6 barris com vi-
nho,500 soblas,! barril com chourfeas, 12
barrlquinhascom 46 arrobas28libras de as-
sucar, 4 caldeiras de forro, 5 laxos da cobre,
2 fundos de alambique, 6 rolos da fumo, I
sellim de moni un para senhora.
MaranbSo o brigue escuna braslleira Llu-
ra conduzio o seguinte : -- 348 barricas com
farinha de trigo, 2 caixas com csnelli, 2
barricas com ci, 5 ditas com alvaiade,8
fardos com amendoas,4ditoscom comiohos,
l.bahu, I caixa roupa, 5 ditas fazendis, 20
caixas viilros.lO cunhetoj ac, 1 caixSociu-
dieros, 1 embrulho fazendas, 1 dito arreios
e fita, 1 dito taxas de bomba de cobre, 1 di-
to cinzas azues, 1 vidro arseniaco de cobre,
490 barricas com 1,094 arroba 21 libra de
assucar branco, 1 caixinha com potasss, 25
formas do barro, 200 pedias de amolar, 70
rollos de fumo, 11 siccas com caf, 20 cai-
xas com bogiss do carnauba, 1 ciixSo, 17
caixotes doce de goiaba, 1 caixa com charu-
ost5 ditas rap,l purta, 1 aro de ferro.
Rio i.i mu do Sul com escala pelo Rio de
Janeiro conduzio o seguinte .- 1,520 barri-
cas de assucar branco o brigue brazileiro
Alafia masca vado com 10,662 arrobas II li-
bras.
Rio de Janeiro o patacho brasileiro Cle-
nientina, de 137 tonellidis, conduzio o se-
guinte : 23 caixas com vinho, 6 barricas en-
xa las 148 arrobas, i caixa luvas 45 duzias,
200 ditas sibSo 9.600 libras, 11 ditas fazen-
das, 440 barricas bacalbSo 440 quintaes, 8
far Jos fazendas, 4 saccas arroz, 4 paneiros
gomma, 790 meios de sola, 300 ciixas si-
bao 375 arrobas, 1 caixote doce 2 arrobas,
18 tahuas de amanillo, 585 siccas, 36 barri-
cas o 1 ciixo com 3,207 irrobis assucar, i
girrafSeaagoardeute, 40 saccas algodSo912
arrobas 17 libras.
Lisboa o brigue porluguai Concoirjo de
Maria de lote de 325 tonolladas conduzio 0
seguiste : 2, 171 s:ccaa, 152, barricas, o 5
caixas com 11,624 arrobas 22 libras assucar,
75 saccas algudfio,424 arrobas e 18 libras,
42 laboas e 6 pranxOes costadinho de ama-
relio, 60 feixes aduellas 18saceos e 50 pi-
noiros com 165 arrobas 31 libra tapioca, 1
caixotinlio doce, 1 dito espanadores.
Parahiba a barca franceza Josepnine de
lote de 174 tonelladas conduzo o se-
guinte : 198 caixOes do 12 garrafd.'s vi-
nho, 300 saccas com assucar branco, com
1,500 arrobas, 25 tonelladas de lastro de
arela.
HECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 6..... 856,730
CONSULADO PROVINCIAL.
Itendimento do da 6..... 787,97a
PIUCA DO RECIFE, 6 DE DEZEMBRO DE
!85, AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios- Fizeratn-se alguns laques an-
les da chegada do vapor do
liio de Janeiro a 29 Ijl d. por
J/'n. e depols a 39, porui a
eate preco nao ha quem quei-
ra sacar hoje.
Algodfio- Vleram ao mercado 1,005 lac-
eas, daa quaea fez-ie venaai
do de boa primeira orle de
Page a 4,600 ra. por arroba.
Assucar Uouveram vendas do branco
eoiaccado de tercelra aorle a
2,400 ra. por arroba, e da
quarta de 2,250 a 2,3u0 n. por
arroba,e do mascavado a IJ**a0
Batatas---------Venderam-sc a If rs. o glgo-
Bacalho------Fez-ae venda de urna parUda
a 7/500 e relslhou-ie de 7| a
8/ri. porbarrioa: ficaramein
ser 6,600 barricaa.
Oezerroi------V.nderam-se de 31/a36/rs. a
duzla dos envernliadoa c ai/
ra. doa outroa.
Carueiras dem de 18/a 20/rs. por du-
zla das rranccaai.
Carne secca dem de 3/ a 3|600 ra. por ar-
roba ; e licaram em deposito
24,000 arroba,
Far. de trigo- Fa-se venda de porco da
t-a-aw,


Fontana a 16/ n. por barrica;
01 precoi nio forain alterado!,
porm lo Cromos ein conie-
quencla de augmento du de-
poiito, que anda hoje por 10
mil barrica!.
Mantelfa- Vendeu-aa de 420 a 440 n. por
libra da Trance.
(>ueijos--------dem de 980 a 1/1 ro n. doi Da-
mengoa.
Velas ----- dem a 6t0 ri. por libra dai
iterlallnaa,
vjuoiiacao Einbarcaram-ae neita leinana
' 7,989 saceos e 1,809 barrloai
com 52,315 arroba! e 17 librai
de anucar. 300 couroi lalga-
doi, e 1,066 meloi de aola.
Dlicontot Ai letra coa venclmento pa-
ra marco e abril dlicoutaram-
ae a 1 e 1| por cento ao mei,
Ficaram .no porto 85 embarcacoe; aendo
8 americana!, 2auitriacai, I belga, 34 braallei-
ra!, dlnamiirquea, 7 francezai, 4 harabur-
guea, 1 heipanbola, t bollandea, 14 ioglezas,
oportugueta, 3iardai el suecas.
Pauta
Dos {traso corrate do atsucar, algodSo, e
mais gneros do pal*, que te despachao na
meta do Consulado de Pernambuco, na te-
mana de 9 a 13 de Dt*>mbrode 1851.
Assucar em c. bronco 1* qual. Arroba 2,000
2* 1,600
o < mase 1,300
a bar. e sao. branco 1.800
t maso. 1,400
refinado....... 3,040
AlgodSo om pluma de 1* qual. 4,600
Dito....... 2- 4,200
Dito.......3' 3,800
.Wardento caxica20 graos Pipa 34,000
Dita.........Canad 200
Ditadecanna...... 52,000
Dita.........Canad 300
Dita restilada.......Pipa 42,000
Dita.........Canad 240
Genebra.........Canad 420
Dita.........Botija 180
Licor..........Canad 420
Dito.........Garrafa 180
Arroi pilado 2 arrobas um Alqueire 4,400
Araras.........Urna 12,000
Panagaios ........Um
Bolachas.........Arroba
Biscoitos........
Cali- bom........ "
Dilo restolho....... a
Dito com casca......
Carne secca....... a
Coucosoom casca.....Ccnto
Charutos bons...... a
Ditos ordinarios......
Dilo relagia o primor ...
Cera de Carnauba.....Arroba
rii, capitao Antonio Forreira Borgel J-
nior, carga assuoar e algodSo.
Rio Grande Jo Sul pelo Rio do Janeirobrl-
gue brasileiro MatTra, capitSo Jos Joa-
quim Di dos l'rezeres, carga assuo r.
Conduz 1 escravo a entregar.
Canal pela Parahiba barca franceza Jose-
hina, capilo Fonrumu, carga assucare
istror Passageiro, F.-luard Burle.
Ancaty biate brasileiro Duridozo, meslre
Joflo Ilenrlques de Almeida, cirga varios
gneros. Passageiro, Jos llayroundo de
Carvalho.
liaviot entrados no da 8.
Acaracu -II das, hiate brasileiro Aguia
Brasileirs, do 58 tonelladas, mestreJose
da Silva Ratea, equipagem 6, carga vario
gneros ; a Manuel (,'ongalves da Silva.
Passageiros Jos Riymundo Forreira ,
com sua senhora e6escravos, Frederico
Francisco de Jezus, Antonio da Silva Fea-
do e Antonio Pereira Bispo.
Norma.
Terminar o espectculo com o ultimo
acto da opera.
Comecar s 8 borai.
Ui bilbete cbain-sc venda no lugar do
coalume. .
Theatrode Apollo.
RF.CITA EXTRAORDINARIA.
Sabbaio, 13 de dezembro de 1851.
Depois de um 1 nova e eacolhida ouverlu-
ra tocada em grande orcheslra, subir pela
Srimeira vez n scena nesta cidade, o magni-
co e pomposo mysterio, adorna lo de mu
zicae canto, om 5 actos, divididos em 7
qusdrose2 intermedios, da hbil penna do
eximio poeta francez Alexmdrc Dumas, in-
titulado :
D. JOAO DI-: MARAA,
OD
A Queda de um Aojo.
Peraonagens e adore.
D. Jlo de Maraa'-o Sr. GuimarSes.
New Castle 50 das, barca ingleza Crich-
ea^tSd^'gKr^^o ft {={- .Ufe"*1"
PaS^d^gue braaUeiro Pe- S
pratico e seguio para o Assu'.
Jersey -- 31 das, patacho inglez Navegator,
de 145 tonelladas, capitSoGeorge Jordn
Dorey, equipagem 8, carga btalas, vi-
nho, macfies e mais gneros ; a Me. Cal-
mont & Companhia.
Parahiba 24 horas, hiate brasileiro Exa-
Uc.li, de 37tonelladas, mestro Amonio
3,200
3,500
lrao, ae ai luiieuauas amn nnwniu nui|. r,.,lr, 1,.!...
Manoel AITonio, equipagem *, carga loros BW J *$
de mangue; a Jos da Silva Mendonca Vi- o Uom'Lo Sror Ir
anna.Passagolro.Lulz de Azevedo Campos. m,*"J0' Soror M,rt
de
anna
Obtervacao
Recolhau-sedacommissoo b.iguo caco-,
nade guerra brasileiro 01inda,commndan-'%8n >ra O. Carolmi.^
le o primoiro tenentc Bernardo Antonio
Loureiro ____________.
D. Medro -- o Sr. Jorge.
D. Ilenrique oSr, Figueiredo.
D. Tradique o Sr Caetano.
D. Snchez o Sr. Senna.
O Anjo Mao -- o Sr. Mello.
OcondedeMirana- N. N.
O Senescal --N. N.
Gmez -- o Sr. Santa Roza.
gem ~ o Sr. Euzebio.
las.
rtha a Sra. D. L30-
poldiua.
Tlierezina a Sra. D. Joanna.
DITAL.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fizenda provincial, emcutnp'imonto da or-
dorodo F.xm. Sr. prosilente da provincia
do4 do correnla, mana fazor"publico, quo
nos das 16,17 e 18 do mesmo, ir a praga
para ser arrematado parante o tribunal ad-
5,000lministrativo da mosma lliesouraria, a quem
Couros de Boi salgados Libra
Dito espixados......Um
Dito de onca
Doces de calda
Dito do goiaba
Dito secco .
Estopa nacional
Farioha de mandioca Alqueire 1,600
FeijSo......... 3,500
Fumo bom........Arroba 6,000
Dito restolho....... 4,00
Gomma.........Alqueire 2,000
Gengibre........Arroba 2,800
Libra

Arroba
4,400
3,600
4,800
2,880
i,000
1,600
700
4,000
5,800
117
14
14,000
400
240
500
1,200
Lenha de acbas......Ccnto
Dilo de toros....... o
Pranchasdeamar.de 2 oust. Um
1,600
9,000
22,000
8,500
por menos Fuer a pintura das varandas da
ponto da Bo9-Vista, a valiada em 337,700 rs.
ArromatacSo sera (eita na forma 24 e 27 da lei n, 286 de 17 do maio do cor-
rente anno.
As pessoas quo se propozerem a esta ar-
iciiiiitic.iu, comparecam na sala das sessOos
do mesmo tribunal, nos dias cima men-
cionados pelo meio da, competentemente
habilitadas
E para constarse mandou Misar o pro-
zonto e publicar polo Diario.
Secretan 1 da thezonrasia da fazenda pro
Victoria a Sra. D. Josephina.
Paquita a Sra. D. Sol-dado.
Carolina-- a Sra. D. Anna.
Joanna a Sra. I). Luiza.
Sozor rsula a Sra. I). Luiza.
Un AnjoN N.
Pageos, soldados, cavalleiros, etc., etc.
Uuadroprim.eiro.--0 Castollo dos Marans.
Segundo.Castollo do Vilia-Mar.
Primoiro intermedio.O Co.
Quadro tercoiro.-Uma eleganto pausada om
Madrid.
Segundo intermedio.--A trra.
Quadro quarto U ni igreja.
quinto.Um claustradosTrappistas.
a sexto --Urna sella no onvento do
Rozario.
stimo.Urn anligo caslello arrui-
nado aoluaff
s n lo todas estas decorare !s totalmente
novas.c preparadas com toda aquella magni-
ficencia, que exige o autor do Mysterio.
lUmaisdotrez metes que o empresario
do Apollo Iraballi.. em apromptar este dra-
ma, nfloesquec'iido a mais insignificante
exigencia ; o parecendo impossivel que urna
COLI.EGIO ESPIRITO-SANTO. .
Director,
FRANCISCO DE SALES ALBUQEIIQJJg.
O collegio Etpirilo Sanio, sito na roa do
Mondego.do bairro da Boa-Vala, n. 44, la-
van lo trabalhado com a Jesejivel regula-
rldule durante o present anno lectivo, tem
de encerrar os seui tralialhos no di 20 do
eorrenle msz, para de novo cometa-Ios em
7 de Janeiro do anno vinlouro de 1852. 0 Di-
rwtor nlo pde|doixar de aproveitar ete
ensjo para vender pblicos e verdaderos
agradecimentos aos pae de Tintilla, quo se
dignaram confiar-lhe seus (ilhos para serem
educidos no seu collegio, penhorando-o
desla arte pela prompta coadjuva(3o que
Uo benignamente preiliran 00 seu as vo-
to ostabeleci ment.
Pela sua prte, o director tem conscien-
cia ile haver feito ludo quinto esleve a seu
alcance para satisfaser a expectativa do res-
peilavel publico; pelo que espera'conlinuar
a gozar de sua indulgente protegi afian-
Cando-lhoque nSorccuar anto obstculos
algum para o mais completo desempenho
dos sagrados doveres, quo so ha compro-
mettido,
He li -in sabido, quSo dilllcil Ir montar
um estabelecimenlo de educar;So que cor-
responda porfeitamente o seu Om ; e mos-
mo no cora;3o da Europa civil isa la, todos
os dias se procuram novosmu'li idosmelho-
res sy-lenias, pela coiivcqSo deque o que
exislo, est ainda muito a quem do que fora
para desejar. Oque por tanto so devedizer
de nosso paii, on Je nada se tem feito debai-
xo dette ponto de vista, onde alguos es-
tabelecimentosdeste genero teem tido urna
durarlo ephemera, 011 lo innmeras sao as
cauzascom quo se tem do lula' S3o estas
sullicicntesconsiderai;(JespBradcsanimarem
o direcior 1I0 Collegio Espirito Santo .
Masporistomosmoquanadalia.parecoser pB|0 prozentoprotesta-se com todo rigor,
ja um precioso servirjo este do crear un. es-1 contra ,,ua|q,ler qi,. 0 Cl)aa9rvar em su po-
bilecimenlo do elucir;ilo com as vantagens' jer "''
qu* olTerece o collegio r Espirito-Santo. _L aespomlendo-se ao annuncio do Pipi-
So,000 rs.
D) 15 para IR de novembro de 1851 dc-
sappareceu do ongenlio Aguas Claras de
Uruc, da freuezia de Escada, o escravo
Venancio, de Angola, q le muito parece
eriolo, Idade 25 a 28 anuos, cor fulla, bo-
ti't 1 figura, altura regular, cheio do corpo,
pomas e bra;os gromos, rosto gordo, e ar-
redondado, testa grande, olhos grandes, e
amortec Jos, tem falla de muitos lentes na
frenle, do la lo superior, poucos cabellos no
bufo, e quoixo, tem marcis iie ciii >i as
costas, e do sorras as naditas, parece ser
serio, o muito humilde, (alia com nuita
mansidaoearrastilofaz.se; innocente, he
chegadoa furtos, ecostuma mudar de trage,
I1 por furto de roupa que faz { do mudir o
nome, dizer-so forro, outras vozes procu-
rando quem o apadrinhe, ou quem o com-
pre : levou camii de madapolSo, calca de
brim trancado de listra pardas, j desbota-
do, chapeo uzado de couro, obortor groco
de listrsa azuos escuras, e um fac3o quo to-
mou de um muleque carreiro, do engenho
Moclo. Esto escravo passou pelos enge-
nhos Aran l doSr. Minoel Flix, Amparo
e Moclo, liavon lo pedido aos senhores dos
ous ltimos engenlios carias que o paJri-
hasse, em quo foi sitisfrtito, o na obstan-
te fugirtondo seguido pira o engenho Mi-
tniiuc-, dadondi prezuma-so ter partido
paraoBrejo la Ma Irc do Daos,ondo foi es-
cravo do Sr. Cordeiro, conhecido por Abide,
a quem pode-se o favor, de se chegar a seu
Coulieclnienlo a sja estadi ali, fazor apre-
ender, remoller ou avisar a seu Sr., pondo-o
ueste cis.i n 1 cad.'ia, assim como roga a
qnalquerqueo pegar, do leva-lo ao dito
ongeiibo aosouSr. Antonio Carlos Pereira
de Burgos l'onco de Len, 01 na ra Dirdita
n.
tem folhas e tem pra vender lanto em por-
efiocomo a retalbo cartas de A. B- ('.,, ta-
bosdas, cartllbas, catecismos de diferentes
eJicOus, e prefoj, verdale sos meninos, Si-
nopsis, Fleury, Deveres dos homens, Apu-
dautas, ProcurafO.-s bastantes, Rtulos pa-
ra garrafas de vin'ios, e livros, letras, eo-
nheoimentos, follinhis de lembran^asH e
Diario do Pars, de porto, traslados, livros
embranco, etc
Continua a estar fgida a mulata Vic-
toria, com os signies seguintes : cara bas-
tante picada de bexiga, denles da frente po-
dres, tem um defeito om um dos hombros
por c 1 us 1 de um queda, luisa e pos pe-
queos, tem sido encontrada de timSo pai-
las bandasdaSolidado, quem a pegar levia
a sua senhora na ra de AgoaavVordes
23, quereceber 20,000 rs. de gratifica co.
Oabalxo assigmdo fallara a un de-
ver, ao qual denominsr de virtuoso e no-
lii'o, si doixasso de agradecer ao lllm. Sr.
Jos de Mello Cliristi d'Ouro, commandan-
to do brlgui escuna Canopo, e igualmente
aos Srs. ofiiciaes do mesmo, que da Babia
entraram hontem nesto porto, pelo bom
acolhimento qu Ihedra na viagem, nio
obstante sor o abaixo issignado preso de
justice ; acolbimcnlo este todo devido as
boas quali ludes que. ornam a suas possoas ;
assim pois receba o digno commandante e
o eterno reconhecimento. CadeU, 6 de
dezombro de 1851. O infeliz l'ernambuca-
110. Joaquiui onQaivosd* Silva.
_ Roga-se ao Sr. Francisco Xavier de
Caryal'io, morador na ilha do Itamarac,
queira ir ou mandar pagar aquantia de 13/
r. que devo a 3 anuos : na ra do Crespo
n. 13, pois em quanlo o 11S0 fuer, veri o
seu nome neste Diario.
O direcior compenetrado do quo dos princi-
pios que se beberr na primelra idade depen-
doa vida inlciradohomem.ha enviadotodos
let-Cabrioo, tob a epihraphealerto, pu-
blica lo na Imprento, n. 265 de 5 do corren-
te, fa-so sonliresse 111 / n.ivel e dosprosi-
Dilas de louro......
Coitado de amarello de 35 a
40 p. dec. o 2 i a 3 de I. 28,000
Dito dito usuaes..... 16,000'
Costadinho da dito..... 10,000,
Soalhodo dito.'..... 8,000
Forro de dito....... 1,500
Costado de louro..... j'*00,
Costadinho de dito.....1 o,200|
Soalbodedito....... 3,800
Forro de dito....... 2,500
Ditos de cedro.....
Toros de tatajnba ....
Varas de parreira ....
Ditas de aguilbadas
Ditas dequirls.....
Rodas de sicupira para carros
Eixos de dita para ditos .
Melempipas ......
quartolas.....
t barirs.......
Milho..........Alqueire 1,440
Pedras de amolar .....
Ditas de filtrar- ...'..
Pontai do boi......Ccnto
l'iassaba.........Mlbo
Sola..........Meio
Sarcaparilha.......Arroba 18,000
Tapioca......... 1,60o
nhisdoboi.-.-. -Cento 200
Couros de cabra..... 23,000
Aioite de cairapato.....Canad
vincial de Pernambuco, 6 do dezembro de emprosa 13o nascente podesse levar "a scena
861 O secretario 'compozico (fio dilllcil disp'rlou toda ad-
AntonioFerreira d Annuncic5o. mirasfiodas pessoas entendidas nosla nu-
Clauzulss especiaos de arremalacBo teria, porm ei-Io alum prompto, depois de
1." A pintura da ponte da Boa-Visla, ser vencidos inumerw obstculos, e grande
faite de conformidade com o orcimento despeza, que faria desanimar a outro que
aprezentado nesta data a approvacao do nSo desejasse nicamente agradar ao gene-
Exm. presidente da provincia, na importan- roz0so publico desta cidado, sem attender
ca de 337,700 rs. beneficio seu.
2.'S-r principala esla obra no praso sondo pois avultadissima a somma das
de 15dias,e concluida no de 60 das, con- despezasfeitas paroslo Mysterio o empre-
tando-se na forma dos arts. 31 e 32 da le sario v-se na rigoroza nocessidade denfio
provincial n. 286. s dobrar os prejos, como tambem vendor
3." A importancia desta obra ser paga os bilhetes para trez noites, sendo a prmei-
em urna so prestac^o quando o arrematan- ra Ila ao n 13, a segunda na do da 17, o a
te liver concluida tola a pintura. tercoira na do dia 20.
os seus debis esforgos para que o sou col-; ve|ailomino calumniador, autor do mes-
gio determine nos seus alumno urna dispu-lino annuncio, que desproso a mascara que
sicSo moralisadora o por isso, se por um j |i, cuure 0 roc,ni10, 0 Vora s 1 tem ou nlo a
alo ha procurado com disvello que os pro-!reS!K)sia quo merece um ente Mooblaeto
ressoresoosmethodosMiamosm.isadop. enl-Mt,nt,', norn) fempro h0 b,jm ^e,.
lados ao desonvolvimento da inte ligencia,!se.lh So CJst,,mc c.lumniar resso.s
por mitra part ha incessantomenlc e com qua ii.ecst.locima purtoloi os ttulos
vigilancia paternal procurado bem dirigir a gosindo a eslimaoconsideracSo do todos,
rontade dos meninos por meiodo urna acu- sol) pcna do |ovar algum pescocJo, ou lcar
radaducac5o moral o religiosa habitan- semdous delM pu|o meos-: Ovio ?-
do-os a orJein.aceio, regnlaridade do con- vique scieala ps4 nle visa O J. Da...
duela e respeito aos principios que servem (;.ltavU Jos do Reg embarca para o
de baze a vida social o individual Noste Rio de Janeiro, a sua escrava mulata, de no-
enipenlio, o director lem contraclado com ,|.jan8
uuircspeilavel sacerdote para ser o capeliao A|UBa.sBuma preta forra, ou captiva,
do collegio, afim de nao so celebrar nos das'!Bn)lne p,,rteitamento : a tratar na
de guarda o sacrificio da missa.como aplicar ^ do Trapicho n. 3.
aos allumnosos benolic.os cipinluaes ; a .. bras|9ro, vindo ha poucos
Roligiao clinstaa, om sua pureza, be, alem dias (la Pira,ib, uonde ,'le n.tur.i, so ofTo-
desua eterna yerdade, instrumento civil.sa- xeiro deru, trmtiem de.
dor por excellenc.a. O director vendo que SUMIf0U de vendl. de que ji lem pratica, a-
dos instrumentos do msica o goralmenlo d conducta"na ra da Praia, ar-
prefenlo lio o piano, c que nem todos osa- maiem n $
lumnos se poderiam spplicar ello pela dif-
liculdadee cusi de o pussuirem, procuroo,
apezar de grandes sacrificios, que no seu
Roga-se as autoridades policiaes e ca-
pitaes do campo, a apprehensao do escravo
de nome Jo3o Mariano, creoulo, grosso has-
collegio houvesse um ptimo o lorio pisnolan, coll um, biljde n0 0|bo dbrojlo cum
para aquellos deseus alumnos que quizes-|a|gumas cosluras no pescoc0( rosio largo,
leve-o na pada-
que ser bem 1-
paraaqueiiea uo seus luiiiims quo qunos- ,|gUmig cOttDrU no pese.
sem prenderna ios rnmento. para o que na8rjz e
haveraum mestre habilitado isto alen da riada3 cinco l'ontas n 40,
msica vocal e instrumental quo ja no curso POmnn,,dn
4.* Para todo o mais que nao estiver es-
pecificado as prezontes clauzulas seguir-
so-h o quo detnrmina a loi provincial n.
286 do 17 de maio de 1851.
Conforme.
O secretarlo.
Antonio I'erroi'a 'l'AnmineUcfco.
Declara$5es.
Prfos.
Geral. 6.000 rs. para as troz noites.
Cadei-as. 9,000 rs. *
Camarotes. 30,000 rs. a
Os Srs. assignantes porm nSa soffroran
altor'cao alguna nos procos do seus cama-
roles, ebillictcide cadoira.
Eutende-se por geral os assenlos que II-
cam por baiio da primeira ordo 11, o por.ct-
deirs, todo o centro da salla.
Come;ar aas 8 horas em ponto.
Os Srs. i 11 j 1 haviao encommondado ca-
S. Exc. o Sr. presidento da provincia,
3,200"anda annuciar que nesta secretaria exis-
Quintal 1,600 tem os requerimentos adianto menciona- marotes; que'iram novamento dirigir-sea
Duzia 1,280] dos, osquaes, sendo dirigidos Sua Magos- casa do emprezario ra do Apollo n. 27, se-
tade o Imperador, 11S0 podom serencami- gundo andar, ouaotheatro com anteceden-
nhados a seu destino, com nformacao de ca.
S. Exc sem que as parles inlorossadas os O bilhetes verdes, tanto de plala geral,
procurem nesti reparlicao, para pagar o como decadeira e camarote servirSo para a
sello docorreio, na forma das ordens em t.>noite; os azues, para segunda uoiiojo
vigor, o os restituam a secretaria alim de os amarellos, para a terceira noite.
serem remettidos com o expeliente.
Os requerimentos sJo os seguintes :
Dos Senhores:
1,2001 Bacbarel Antonio Anncs Jacorco Pires.
] Olio "'o Francisco Brolerodes de Almeida.
Dilo llemelerio Jos Velloso da Silveira,
Primeiro-sargento reformado Manoel Joa-
quim da Costa.
.Par
a
Urna
Canad
I liim
1,600
2,080
40,000
18,000
34,000
190
6,800
Avisos martimos.
3,200
180
2,200
Movimento do porto.
Navio taido no Ha 5.
Pari e portos intermedios paquete de va-
por brasileiro Imperatriz, commandante o
primeiro teonte Joaquim Salom Ramos
de Azevedo. Leva a seu bordo, Francisco
Fcrrcirs Sovaes, bacherel Amero Mnoe!
Medeiros Furlado, Dr. Allino Leus Muraos
Rogo Jnior, Joiquim Francisco Cruz ,
bacharel Marcos Antonio Rodrigues de
Souzn.com sua senhora e 1 escravo.
Navio entrado no dia 6.
Baha 12 dita, brigue escuna inglez Fan-
ny.do 124tonelladas, capiao Alexo l.'wn-
bard, equipagem 9, carga cal ; a Manoel
do Nascimento Pereira. .
Naviot takidot no mamo dia.
Maianhao pelo Cear briguo brasileiro
Laura capitSo Jo9o Leocadio Ribeiro,
carga assucar e mais gneros. Passagci-
ros, Jeronymo Macario Figueira de Mello
e 2 criados, Jos Pacheco do Medeiros,
com su familia, Francisco Jos Pacheco,
com sua filha e 3 escravos, Augusto Cezar
da Silva II. za, Filippe da Motta Correia
de Azevedo, Eustaquio Rodrigues Sami-
co e jofio Rodrigues saiuiou.
Canal brigue inglez Titania, capitao W.
Willians, carga assucar,
Em commisso escuna brasileira Lindoia,
commandante Joaquim Alves Moreira.
Naviot entradot no dia 7.
Cdiz 26 dias, barca ingleza Neptuno, de
287 tonelladas, capilo John Lefevre, e-
quipagem 13, carga sal; ao capitao.
Rio de Janeiro 27 dias, briguo brasileiro
Rio Ave, de 234 tonelladas, capitao Elias
Jos Alves, equipagem 13, carga caf, sa-
bio e mais gneros ; a Novses & C.'
Naviot tahilot no mesmo dia.
Parahiba hiate brasileiro Caprichoso ,
mestre llypolito Jos da Silva, carga va-
rios gneros. Passageiros, AmericoBra-
sileiro da Silva, Silverio Jo3o latheus e a5-nRJ.CLT* ?\ *SS '.P'V.Li.
Jas Btndeirs Quarlafeira, 10 de dezembro d1851.
Rio de Janeiro-patacho americano Bathurst, DePoi' a* "coo [* <" das molhores
capitao N.P.Daton, carg-. parte da quo uertur"P8'0orcl;e8"' rKU:
trouxe iba a interessante e muito applaudida opera
dem alacho brasileiro Clemenlin, CB. brueira em 3 ectos,
pilao Anlouio da Cruz Baplisla, carga va-' antas ma t raneo.
ros gneros. Conduz 9 escravos a en-: No intervalo do segundo ao terceiro acto
tregar. ,as senhoras Lauda e Camella Lucci, caula-
Lisboa -brigue portuguei Conceiflo de lia-) ro o bello duelo di opera
Para o Aracaty at o dia 5 do dezembro
o patacho Aracaty a tratar com Manoel
Dies na ra da Senzalla Velha n. 130.
Para o Hio de Janeiro, sahe
Primeiro-tenonie da terceira classedo oxer- m presente semana, I escuna na-
cilo Manol Ferreira do Almeida. .:..,i ;, l?;_:_ ...:>. Ts
Alferes Leandro Jos Cavalcanti. conal Mana l'irmina, capitSoJoao
Bernardo da Roza, por ter o seu
quasi completo :
carregamento
CapilSo Antonio Jos dos Passos.
Dito Sebasli3o Antonio do Reg Barros.
l'enente Bernardo Jos da Crac.
Primeiro cadete Francisco do Faria i.emos. quem na mesma quizer carregar o
Segundo-Tonente Jos do Barros Cavalcanti. restante, ir de passagem, ou em-
Joao Evangelista dos Res. o
Cipitao Jos Teixeira Campos. barcar escravo para o que tem
Cadete Francisco Victorino de Meira Lima, commodos sullicientes, pode eiiten-
Dito Feliz de Paula Meira Lima. .
Secrelaria do govemo de Pernambuco, aer-se Com O mesmo capitao OU
6 do dezembro de 1851.Honorio Pereira com 0 consignatario Luiz Jos de
de Azeredo Coutinho. ai s, j e< on
. ... ., aa Arauo, na ra da Gru n. 33.
Peran e o consono a lam nutrilo ,; u. ,. ,
Naval, tem do comprar-so par o uso da in- .."Jf?^9,"*' *"eJlTlelf0 '
formara urna caixa de ferros para amputa- Ja }? Pf r '' c"ga a bordo e seguo ate
1 ser- corrento, com o que houver: tr-
'i -'i 1 ni iCliMii > D n'hUIU V^>< luii uj a uui ., n >,
te, I dito pequeo, 3 f.cas, ldit.de en- feSf.^ l2k "" ""
c-cannas, 2 tosouras ensezivas, ou lana- vema u, i
s, 1 snca-balla 6 cscarpilos com cabos rara O 1'ortO, SShe Com a
COi's, contendo os seguintes ferros
rol
I ri-
zas.
chatos e lixos, i dito para" torcao, 12 agu- maior brevidjde possivcl, a galera
Ibas surtidas, I escarificador, e 1 tormque- n j 1
le nssim como os seguintes ferros avul- portuguezo Bracharense, da qual
sos :6 bistoris retos 3 ditos estreitos e cur- he capitao iUidrico Joaquina Cor-
vos, 3 ditos do botSo, 4 pustimeiras, 2 te- ... ,ii 1., ,,. i, ,.
souras tortas, i dita curva, 2 ditas retas, 2 rea, tem excellenles commodos pa-
trocates finos, i dito grosso, e i baralha ra passageiros : quem na mesma
para a ingenO do llydroceles; por tanto .ip nasia-
convida-so a quem convier f.zer dita ven- 1ulzer carregar ou ,r e passa
da, a comparecer s 12 horas do di 11 do gem, enlentla-sc com O capillo, na
eorrenle, nss sallas das sessOas do mesmo nrara rlnf'nuimerrin mi cnin Sn-
(cnsalho. cornos dito ohiortos e nrooos- PraVa 00 l ommerClO, ou COm LIO
vaes fk Companhia, na ruado 1ra-
conselho, com os ditos objectos e propos
las. Salla doconselho d'administrac3o Na-
val, 6 de dezemliro de 1851. t'.hrlstovUo
Sauliago de Ol., ira, secretario.
Pela 2.a sessio da meza do consulado
provincial so aonuncia, que no dia 1 .* de de-
zembro prximo vindouro, so principia a
contar os 30 dias para o pagamento a boca
do cofre da decima dos predios nrbannos
desla cidade, do primeiro semestre do anno
financeiro de 1851 i 1852. e que lindo este
prazo incorrem todos os que deixarem de
pagar.na mulla de 3 por 0|0 sob o valor de
seus dbitos, e serflo de prompto execu-
tados.
THEATRO DE SIZABEL.
in' "^ ... 1.
Para Lisboa pretende sahir com brevi-
dade o briguo portuguez Viajante por lera
maior parle de sua carga proinpti. Quem
no mesmoquizor carregir ou ir de passagem
dirija-so aos consignatarios Tlinmaz de A-
quino Fonseci Filho: na ra do Vigario n.
19,1-' andar ou ao capitao e propietario Ma-
noel dos Santos.n prac do commercio.
Para a Babia.
Segu onipretei i velmeiitouo diall do cor-
rente o hiate Ligeito ainda recebe algumas
miudezase pissagoiros : na ruado Vigario
n. 5.
Para o Porto, sogue com toda a brovi-
dade, a barca portugueza Espirito Sanio,ca-
pilo J0B0 CarlosTeixeira ; quem na mesma
quizer carregar ou ir de passagem dirija-se
ao escriptorio de Francisco Alves da Cunba
3c Companhia, na ra do Vigario
wmmamammmmmemam^mKmmmm
Avisos diversos.
Jos' Estoves do Nicimenlo embarca
pira o Rio do Janeiro, o seu Oicravo Pauli-
no, crioulo.
desto anno so ensinaram. A vista de I3e re-
conhecidas vantagens, o director espera
morecer a confianca dos Srs. paes do familia
residoutes fora da cidaJe, para os qua foi
em verdade principalment! estabelecilo o
collegioEspirito-Santo. Os repelidos an-
nuucios, palos quaos o director li% feito co-
nliecerao publico toda a utilidado o excel-
iencia do seu collegio, o dispensam de am la
se oceupar doste assuinpto sendo quo aquel-
le que melhor quizer sj informar podo pos-
soulmenle vcrilici-lo, indo a qualqucr hora
do dia ao mesmo collegio,certo de que tudo
Iho sera franqueado convenser-so-ha entflo
de quoodiieclor n3o lio animado polo de-
sejo do lucro, nom seu foito he imbair com
sonoras palavras e estirados annuncios a
credulidada do respeilavel publico. Apro-
veitando ainda o mis j >, o director dirige
suas despedidas por esto anuo aos seusal-
lumnos o a seus respiilaveis paes, fazendo
votos ao supremo arbitrio para quelites con-
ceda prolongados, e venturosos dias.
--Dosaopareo no dia 5 do corrento mez
do sobrado da ra das Cruzes 11. 22, urna
escrava crila de nome Luduvina, do ida Je
de 20 annos, cuja escrava tinha chegado da
fgida no dia 2 desto eorrenle mez, do en-
genho Cangac, lomollida pelo Sr. Jos Pi-
res ('.ampollo, com urna carta apadrinhan-
do-a, o que assim se cumprio, porm ao fim
do trez diastoroou a lugir sem razao, nem
motivoalgum.com os signaos seguintes:
alta, ereforcada do corpo, bem prcta, rosto
comprido, nariz grande, olhos papulos, bei-
Cos grocos, maose ps grandes, levou ves-
tido de chita de acento amarello desbotado,
1 quazi branco, foi em corpo, porm cons-
ta quo ella passou n\ ponte da Boa-Vista, c
nessa occa-io ja iovav. um pao pelo hom-
bro, e um balaio na ma, para julgar-sc
que nSo estav fgida, cuja escrava foi com-
prada ao Sr. Arruda que lem taverna no
pateo da Ribelra, e ant- s deste foi captiva
do Sr. capitao Mamullan, u da novamento so
roga aos Srs dos engenhos l'enedo, o Can-
gac o obsequio de no ciso que ella l tor-
ne apparecor de a mandaiem capturar; o
mesmo se pedo aos capiaes do campo e au-
loridadcs policiies, c s condusain a mesma epj-arcgam descontentas so terao a prefe-
csa a cima a entregar ao seu Sr. Jos Vieira Irencia aquellas pessoas que lomarem cima-
do Figuoirodo, quo ser3o generosamente rotes para o magnifico drama de grande
gratificados. Esta esciava j tem bilbetos machinismo0 Joao Jo Maraaqua sobe
11 casa de Joi Pinto da Costa, que re'e- ""
hora a gralilicacao mencinala; o lamben "esapparecou da rus largado Rosa-
rio, no du 6 do corrento, as 12 horas do
dia, umcavallo russo pedrez, com canga-
llia e 3 encorados, I cauro, o 2 pares de sac-
eos ; o o .val 1 tem os sigues seguintes :
ferrado con a letra Cem um lado doquei-
xo, os canins prelos, e entre >s pernas pin-
tado, tem mais um Trro no quarto dirsito,
he furta-passeiro, do idade de 9 i 10 an-
uos desapparocou .Litando ficar o cabra-
lo com quo eslava amarrado : quem o ti-
vor adiado, ou dor milicia, dirija-se a fre-
guesia .1 s Jos, na ra Augusta casa o.
51, ou ao subdelegado na mesma freguesis,
que ser gratificado.
PASSAPORTES.
-- Tiram-s 1 passaporles para dentro e
fura do imperio, despacham-sa escravos,
correm-se folhas. o liram-se ttulos de re-
sidencia : para este fim, procura-se na ma
da Cadeia do Hecife n. 55, lojide fazendaa
do Sr. Luiz de Olireira Lima, e em S. Anto-
nio, na ra do Qneimido n. 25, loja de mm-
dezss de Joaquim Houteiro da Cruz.
Pede-se 10 Sr. antigo negociante de
sebolase bitatis, dos outros, hoje empre-
sa lo, em doscobrir quem he Pepillet Ga-
brion, e os mais que escrevem vetativamen-
te aos theatros, quando declarar as deseo-
bertas que tiver feito, nao impute a outrem
o que Un.' nao pertence, senSo quizer pas-
sarporum vil intrigante e calumniador ;
isto Ihe pede aquello que parte aiguma tem
(ido nessas polmicas e S. S. quiz endispor
com pessoas a quem respejta. O offen-
dido.
Francisco de Paula Carnei-
ro Leao mudou a sua residencia da
ruad'Agoas Verdes, para o atter-
ro da Boa-Vista n. 7a.
-- Pede-se ao auclor do anuncio da im-
areusa 11 265, que nao involva em suas ba-
bozeiras pessoisque tivuramuina tal ouqual
' Lie ii'.r.o, e de urna conducta regular como
aquellos qoo s poda a fazer parellia com
o i-ipi.'.-t-1.1 hr.'.lo, ou estravagantc Joao ma-
luco ; quo muito bem se pode dizerpue he a
mesma obra em diiferenies volumes.logolhe
di/, o resto. O Cantor.
mam
compensado.
OSr. Caetano da Silva Piran los, quoi
ra ter a hondade de ir no escriptorio dn No-
ui's n 1:11111' ii'n ', na ra do Trapiche n.
31, ou annunciar sua morada para ser pro-
curado.
Roga-so ao Sr. Antonio Maxiaiiano da
Cosa, representante, do Apollo, queira ter a
bondade de ir, ou mandar pagar a quantia
do 2:.',nao rs., que devo do fazen las compra-
das, ha 4 para 5 111 ios em quanlo o nHo
fuer vera o seu nome ucsto diario : na ra
do Crespo n. 13.
Perantio Dr. j liz do cvol da primoira
vara, no dia 9 .lo eorrenle, na sal da audi-
encia, Lu 1 ser arre nalado, um moleque
penliorado Domingos Porei'a Mendinha.
Banco de Pernambuco.
A direccSo do Banco do l'croumbuco con-
tina a recober assignaluras para o 111 'smo,
as pessoas que quizeremassignar o devem
f izer quauto autes alim de o m1 r 11 da van-
tagem do enlrarem com o importe do suas
assignaluras ms prcstacOos que prescrevein
.osoalilulos, cortos Jeque cm principiando
o mesmo as suas operaces, dahi em 'liante
aquellos quo quizorom a--i.ii.ir, havendo
ainda lugar, s o podcr3o fazer, enlranlo
com o importo de suasacr;Oes em dinlioiro
a vista. Contina a estar patetto a assigna-
tura no escriptorio do Sr. Minocl ; Lineal ve-
da Silva : na ra da Cadeia n. 36, todos os
dias uteis al meio da. M. J. de Oliveira ,
secretario.
Ao publico.
O director emprezario do theatro do
Apollo tem a satisfago de fazor scicnto ao
respeilavel publico dosta cidade, que com
iiiui; 1 brevidade clioga a esla capital o nu-
me dasconi brasileira, Jo3o Cnotano dos
Santos, para lr.iluilh.ir no seu theatro. E
para que nilo baja alguem que duvide, cis
mais abaixo transcripta a ultima carta d'a-
qucllo grande actor. Igualmente o director
emprezario declara quo como j ha um
grande numero de pessoas que quorem assig
11 ir camarotes para as recitas em que deve
cifrar o ador J.iSo Caetano, o para que nao
omprossoi cspalhados, por muita partes no
malo ja da outra fgida quo fez, o cujos pu-
leiBo servia para esta fgida.
Pcter lleanc, subdito inglez, retira-se
para fra do imperio.
H arique Augusto Milet, sabe para f-
ra da provincia.
Macluph Beuscluw rotira-se para a
Bahia.
-Qarta-feira 10,la eorrenle, hea ulti-
ma pracj om grao da adjudicao da crsa de
sobrado meia-agoa, cita na travessi do en-
canamento, a qual ter lugar na sala das
audiencias, linda a audiencia do Sr. Dr. Jos
Itiymundo da Cos Monezes.
NapoleSo Gabriel Bez embirc para o|como ja communiquei a V. S.; o entSo ahf
scena sabbado 13 do correntc.
lllm. Sr. Cumiaras.
Pernimbuco.
Rio, 21 de novembro de 1851.
Remelto-lhoas partes das peis que pre-
tendo atti representar, o peco a V. S. o fa-
vor de as distiibuir como vilo nolai&s.
Apesar de mi adiar com as obras da reedi-
ficoslo do theatro de San Pedro do Alcn-
tara, como V. S. ver do projeclo junto,
todava isso no impedir a que se cum-
pram os meus desejos de ir provincia da
Kahia, no proxi no paquete de de dezem-
bro, e .Lili rartirei para essa provincia,
Rio de jauoirn, sua escrava Cathanna, par-
da,o Joaquim, crionlo.
No aterro da Boa-Vista n. 37,loja de
marcineiro, indica-se sondo vonde-se um
crioulo forte pora todo oservico.
Aluga-se um sala com 2 quinos : na
ra do Livrameolo n. 1.
--Precisa-sede urna ama forra ou ca-
tiva, para fazer o servir;.) de um cis de
pouca familia : em Fra de Portas, ra do
Pilar n 72, segundo andar.
N80 se lendo reunido numero legal
para lia ver ole cao da meza regedora de Y
.Sala Conceicao da Congregado para o anno
convidada para domingo 7 do correte. O
escrivfio torna a convidar os iranios pareo
dia 9 as 6 l|2 horas da larde advertindo que
se far a eleicao com o numero que se
raunir.
Preoiaa-ss de um caixeiro portuguez que
lenba aiguma pratica de venda : na ra do
Pilar em fra de portas n. 113.
Aluga-se u segundo o terceiro andar do
sobrado da ra do Queimado n 40.
--Avisa-so aoSr.F. \. C. G. J. que apparuea
na ra do Collegio n, 3, loja da miudeza.
Compras.
Compra-se umanegrinha de 12 a 14
annos de idade : na ra larga do Rosario n.
26, loj de utiudozas, que so dir quem
compra.
Pendas.
me lera a sua .nsposico como
AtTectuoso amigo e obrigado
Joto Caetano dos Santot.
Ronbaram hontem 6 do correte da
guarda da cadeia, ao alferes do nono bata-
Ihla de infantina Domingos Alves Branco
Mum7 Ramio, um relogio de prata, ori-
tontal aoisso, com mostrador de prata, e
tambem com o dilo relogio urna correte
de ouro. rom urna coralina no oenlro coro
arco azul, e oulra mais, da qual o aa-
11 une.1 .Le nSo tem lambraofa quem deste
rouLo sober, ou d'elle liver denuncia, po-
dara se dirigir ao annuncianle no quartel
da Solidada que ser recompeocado.
O padre Francisco Coelho de Lomos e
Silva fazscienleo respeilavel publico, que
tem mudado a su residencia, e ostaba-
lacimanto para a ra do Collegio n. 20 pri-
mero andar, onde continua a onoadernar,
e espera a mesma concideracao, e favor
que sompre tem recobido. Abi vende livros
lanto de direito, como de bellas letras, e
linguaa mximo a latina de qoo tem um emeoota portei indo para pagamento: na
completo surlunento, Iroca e compra todo ra da Cadeia obrado de um andar passan-
e qualquor l;vro com tinto qua n3o Ihe fal- a caaa da Guarda da Cadeia.
FOLHMAS PARA 1852.
Siluran a luz. as folhinhas im-
pressas nesla lypograpliia, sendo
de porta a iGors., e de algibeira
a 3-ao rs., contendo todas as de al-
gibeira alm do calendario, a de-
(inico dos corpos celestes, astro-
logia, cometas continuado da
cltronologia principiada, ha annos,
juizo das mttdancts de tempo pe-
los meteoros, tabela dos emolu-
mentos dos parochos em todas aa
funegoes religiosas, e urnas collc-
eces Je anecdotas,bons ditos,etc.,
outras a conissao do marujo e ou-
tras a linguagem das llores, rnctas
e jogos de finezas de llores; e breve
sahirao as de almanak, muito acres-
centado e corrigido : vendem-se
n* livraria da prafa da Indepen-
dencia n. 6 c8.
Espirita de 3S grSts.
Von le-se espirito de 38 graos a 1,000 rs.
caada, e a retalho ; na dislillacSo da
travessa da Concordia.
Gran Jes mappas do imperio do brazil,
com a planta das principies ri lados por
Conrado, coronel de engenheirus : no pa-
teo do Collegio casa do livro azul.
CASIMIRAS BARATAS.
Veode-se os mais m idernos cortes de ca-
so nirn que ha no mercado a 4,500 ra. cada
corto, briol moldado muito proprlo para
pililos ejajuetas a 320 rs, o covado, cortea
de cambraia de seda com 13 covados a 6,400
rs. o corlo, cortes de caca deoores a 2,000
is. un ..3 limitas azenas qus o ,prcc-
viconda : na ra do Queimado n. 19.
Vende-so um escrava mulata, com
idade da 19 a 20 annos com urna.cria da
tdidede I anno; lava, engmala, e cosi-
nhaodiirio de urna casa : na ra da Guia
n-9.
Frutas de Portugal.
Vende-se frascos grandes oom pessegoi,
damascos, cerejas e ginjis muito bem con-
servadas e pelo diminuto precode 1,000 o
frasco: na ra do Rozario larg n. 80
-- Vende-se um relogio da prata patente
suisso : na ra larga do Rosario n. 26. loja
de iniudozas,
Pichincha.
Vandom-se couros de lustro pelo barato
preco de 1,600 rs. a pello : ni ra larga do
Rosario n. 86, loja do mludezas.
Vende-se um escravo crioulo, idade 2
annos.vindo da cldds do lo, cujo escravo
cozinha sofrivelmente o diario de urna caaa,
nao lem vicios nem achaques, e vonda-ee


l'ECHINCBA.
Ainda existe urna pequea quan-
tia das superiores colxas de linlio,
do niclhor gosto que tem appare-
cido do mercado, pelo barato pre-
(0 de 10,000 rs. cada urna : na ra
do Queimado, 'loja n. 17.
Dinlieiio vista.
4
o-
Algodlo para saceos. 'Vendem-se as seguinles
Na loj* do sobrado emircllo, nos qmiro bras:- c;coc;raphia por t'hanchurd
nlos da rua do Queimado n. 29, vende-so *M a S
godso para saceos, pr preco multo com- e luniz, com rica cncaderna-
93o, a a mappas c 3oo estampas ;
al.
modo.
Vendem-so pelo custo selios inglezes.for-
rados da couro de porco, ditos de borranha,
ditoa desoa com estufo, si Huios para mon-
tarla de senhora, cabezadas rolicas, dilas
chatas de lustro, esporas finas de metal
branco, estribos de metal branco, ditos de
1(0 : na rui Niva n. 28, loja de seleiro.
Vende-sc, por preco com-
modo, fumo em folha, para cha-
rutos de primeira e segunda qua-
lidades, macolla cliegada ultima-
mente do Porto, e cal virgen) de
Lisboa tambem desembarcada
poucos dias : a tratar no armazem
de Dias Ferreira, no caes da al-
fandega, ou com Novaes & Com-
panhia, na ra do Trapiche 11. .'1 \.
V^BSafg^SfS^l P^i. ;ag-.^ Juventude
<>> gardo Mangoinho, que^llc. defronte
dos sitios dos Srs. Cameiros, com q
por A. de Lamartine, versao Por-
Chapcos de castor branco.
Vondern-se.na fabrica dechapeos de Chris-
lnoi & Iranio, na ra Nova n. 4*, os mais
modernos o superiores chapeos de castor
branco, chegados recenlemente da Inglater-
ra, pela galera Linda.
OOOOOOOOOOOOOOOOQO
O Vende-se um elegante c-i-
1,700 rs. o
Mimos da exposi(So. 4)
4 Na loja do sobrado amarello nos qua- j
ajj tro cantos da ra do Qucimado n. 29 (
% tom para vender a nova fazenda para
B vestidos do senhora, denominada mi-
# mosda exposicSo, fazenda de dilica- _
fdissimos gostos c coros muito fixas tt
pelo diminuto preco do 440 rs. oco- 4
##.#*>**;# +
Chita larga franceza, a aq.0 rs.
Vende-so clnlu franceza larga padrOes
modernos, escuro* e claros, o cores lizas,
pelo baratissimo preco de 240 rs. o covado,
tendo grande porreo para oscolhcr : na loja
do sobrado amarello, nos qua tro cantos da
ra do Quoimado n. 29.
Sedas furta cores, a
covado,
por lao diminuto preco, que mdci-
xar de ter um vestido de seda pa-
ra a festa ? na ra do Queimado n.
io, vendem-se as melliores e bo-
nitas sedas furia cores, para vesti-
dos de senhora, meninas c mante-
letes, a 1,700 rs. o covado ; dam-
se as amostras, ou mandam-se as
pecas em casa para melhor o com-
prador csccillier.
Vendem-se relogios de ou
ro eprata, patente inglcz : na ra
da Senzalla Nova n. .Ja.
-- No escriptorio de Novaes & Compa-
nbia, na ra do Trapiche n. 34, tem para
vender por preco commodo os soguintes ob-
jectos chegados ltimamente: chapos do
chile interlinos, tinta para escrever, graxa
cm potes para calcado, linliu deroris, macos
com palitos cnfeitados e panno do linlio:a
tratar no mesmo escriptorio.
rt> flores c perfumaras.
Vendcm-se ricos vasos do porcolana da
China de varios tamanlios para florse per-
fumarias, de todas asqualidado : na ra da
Cruz do Hccife defronlc do r.urpo Sanio loja
do barbeiro n. .
Toalhas e guardanapos.
Na loja do sobrailo amarolio, nos ijuulro
cantos da ra do Quoimado n. 21), tem para
vonder um grando sorlimonto de toalhas do
diferentes Umanhos, e em pora que so ven-
do oto varas ; sssim como um grande sor-
li ment de guardanapos do diversos tama-
unos e qualidados, equetudo se vendo por
preco de agradar ao comprador.
Cortes de chita e cassa.
Continua a haver grande sorlimonto de
cortes de vestido de chita, com 12 covados
em um s pedaco, a 2,000 rs.; ditos de cas-
sa de cores, fixas e bous padres, a 2,000 rs.:
na loja do sobrado amarello, na ra do
Quoimado n. 29.
POTASSA DA RUSSIA.
No armazem de Jos Teixeira
Ltasto, na ra do Trapiche n. 17,
ha para vender, nova e superior
potassa da liussia, chegada recen-
teniente.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com cambio de sicupira c bracos
da ferro : na fundico da ra do
Brum ns. fi,
e 10.
Deposito de cal virgen).
Cunda <- Amorim, vendem barriscom cal
cm pedra, chegada ltimamente do Lisboa,
q grande casa de vivenda, de qatro X
q agoas, grande sonzalla, cocheira, n\
estribara, baixa de capim que sus- X
S lenta 3 a cavallos, grande cacim- X
J.'' ba, com bomba e tanque coborto ,;.
Jj para banlio bastantes arvoredos de JS*
W fructo : na ra do Collegion. 16,se- JjJ
O gundo andar.
Vendem-se velas de espermacete, em
caixas.de superior qualidade : em casa de
J. Keller & Compauhia : na ra da Cruz nu-
mero SS.
Viulio de Champagne,
esuperior qualidade: vende-so no irai
em Kalkmanu Irmaos Ra da Cruz, n. 10
AGENCIA
da fundico Low-Moor.
ItUA DA SKNZALLA NOVA !. 42.
Neste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sorti-
mcnlo de moeudas o mcias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, c laixas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Agencia de Edwin Maw.
Na ra itc Apollo n, armazem de Me. Cal-
1.....ii '. Companlifa, acha-se conslanlemciilc
bous aortinieotos de laixa de ferro coado c
balido, lano rasa como fundas, moendas in-
eiras todas de ferro para anin.ies, agoa, ele
ditas para armar em niadcira de todos os ta-
manhos c madellos o mals moderno, machina
horisonlal para vapor, com forca de 4 caval-
los, coucos, passadeiras de ferro eslanhado
para casa de pulgar, por menoa preco que oz
de cobre, escovens para navios, ferro ingles
lauto cm barras como cm arcos folhas, c ludo
por barato preco.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova cm pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
-- Vendem-se cera cm velas ,
fabricadas em Lisboa c no Rio de
Janeiro, em caigas de 100 libras
sortidas, de 1 a 16 cm librare tam-
bem de um s tamanho, por me-
nos preco do que em outra qual-
quer parte : trata-se no escripto-
rio de Alachado & I'inheiro, na
ra do Vigario n. iy, segundo
andar.
Principios geraes de economa pu-
blica c industrial.
Vnnde-so esto compendio, approvado para
as aulas de primeiras letras, a 480rs. : na
praca da Independencia, livraria n. C es.
Casa de commissao de escravos.
Vcndera-sc escravos c recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para lora dclla, para
o que se olFerece muita.s garantas
a scus dorios na ra da Cacimba
n. 11, primeiro andar.
Talxaa pura enfeitlio.
Na fundicSo de ferro da ra do llrum,
acaba-so de recober um completo sorlimon-
to de lai&as do 3 a 8 palmos de bocea, as
quaos acham-so a venda por preco com-
modo, o com pi'omptidflo embaream-sc,ou
carregam-sc cm carros sem despozas eo
comprador.
Deposito de cal e potassa.
No armazem da ra da Cadcia
do Hccife n. 12, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, cm pedia, as-
sim como potassa chegada ltima-
mente, a precos muito rasoaveis.
Vende-se um carro de qa-
tro rodas, muito leve, para um ou
dous cavallos: na cocheira do flli-
guel Sougei no aterro da Boa
Vista.
Deposito la Cabrio le Todos os
sanio- na Unala.
Vendo-so, em casa dcN. O. Bieber&C. ,
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado da-
quclla rabrica, muito proprio para saceos do
liigueza; Tratado C'emmcrcial; ora- O briolet descube, to, muito le-
culo, ou o livro dos Destinos : na
ruada Cruz n, -to, primeiro andar.
Farinha fontana,
chegada ltimamente: em casa de J. J. Tas-
so Jnior, na ra do Amorim n. 35.
A bordo do patacho Marga-
rida, fondeado defronte do arsenal
de guerra, ainda ha a superior fa-
rinha de mandioca, chegada lti-
mamente de S Calharina, que se
vender por menos preco que em
outra qualquer parte, para acabar:
trata-sc a bordo, ou na ra da Cruz
n. 33, com S Araujo.
Na ra Nova, n. 61, vende-se urna
mohilia do Jacaranda, j usada, bemcoino
30 telhas de vidro, por preco commodo.
Vendem-se duas rotulas fortes, forra-
das de ferro, novas e de amarello, por pre-
co commodo : na ra do Passeio n. 5, loja
de fazendas.
Manteig sem sal.
NHose linha descoberto ate boje um meio
de conservarla manteiga do vacca sem sal.
Nos paizes consumidores, como a bordodos
navios, s so gastavo mantoigas preserva-
das a cusa de muilo sal. Pelo meio de urna
nova invenc3o,queja ba muito experimenta-
daadquirioa certeza da perfeiclo, pode-se
em toda a parlo do mundo gastar manloiga
pcrfeitanicnlo conservada fresca sem sal al-
gum. Cbjecto de primeira ncccssidadc para
a arto culinaria e para a meza, a manteiga
sem sai lie indisponsavol para osdoentose
convalcscontes, puis be formalmente pros-
cripta pela linlilrnp.il lua ; o ur.-lr llilllllil ca-
sa ella torna-sc tanto mais apreciavol quan-
to he pura do qualquer substancia que a
possa alterar nos scus benignos ofleitos. Fi-
nalmente podegaslar-se tal qual nos paizes
productores. Na llavana e as Autilhasfran-
cezas esta invencSo foi recebida com grati-
diio, pois era do ha muito lempo apetecida,
Em l'ernambuco, que nSo cede em bom
gosto a outro paz, nilo duvidamos que seja
reconhecido o seu merecimonto. Recomen-
da-se a manteiga sem sal as peasoasque gos*
.lo de passar bem : ba toda a ceileza de
quedepois que a tivereui provado n3o que-
rerSo mais saber de manteigas salgadas pa-
ra seus almocose para seus chas. Acba-se
a manteiga fresca sem sal por preco mdi-
co no botequim francez da ra nova, o na
venda do Puntes, & Irinfo : ruada Caileia do
Recife.
q ve e de ptima construyo q
O com o competente cavallo O
tambem muito superior: na
.*. cocheira do Lourencn, na
O ra da Guia. o
Vendem-se 26 pranchOea de louro, no
caesdn Ramos : a tratar na ra da Cruz do
Recife, armazem n. 62. No mesmo arma-
zem vendem-se suecas com arroz da trra,
tudo por commodo preco, para feixar contas
de venda.
Lotera de Nossa Senhora do l.i-
vramento.
Aos 5:000,000 de rs.
Na loja de miudezas da praca da Indepen-
dencia n. 4, vendem-se bilhetes inteiroso
meios, a beneficio de Nossa Senhora do Li-
vramento, que corre iofallivelmente nodia
23 do correte, e oSr. thesuureiro pagano
dia 24 do correte. Bilhetesintiiros 10,000
rs. e meios 5,000 rs.
Parajardins
M. D. Rodriges na ra do Trapiche n. 26,
recebeu urna completa collec;3o de adornos
para jardins, composta de vasos de louca,
brancos e piulados de todos os tamanhos
CIDADEDE PARS.
Moa vV,
una do Colleg:l0) n. 4.
Novo sorlimonto do chapeos de sol, para
homem e senhora, a saber : -chapeos de
sol de seda, armac.lo de balis, de 4,500 rs.
para cima; ditos ditos para senhora, de 4,000
rs. para cima ; ditos de panno lino, de ar-
mac.io de baleia e de ferro, de 1,600 3,900
rs.; ditos ditos de armacSo de junco, de
1,200 a 1,800 rs., todos limpos: grande sor-
limen to de |edas e pannos, em pecas para
cobrir os mesmos, baleias para vestidos e
espartilhos de senboras. Concertam-se to-
das as qualidades de chapeos de sol, tudo
com perfeicao e por menoa proco do que em
outra qualquer parle.
SALSA PAIUIILII:.
DE
As numerosas experiencias feitas com o
uso da salsa parrilha em todas aa enfermi-
88 anno, do .llora regular, aeeo do corDr
or fula, pouca barca com urna marca da n.
Co em um braco oernas algum' tini0
chadaa, meio gingador no andar, com um
marca ou relladura pequea na cabeca bpu
coatumo do carregar, leudo levado calca .
zul mosclada e corroa na cintura n.r
segurar, carniza branca, bonet de maruin >1
usado, das quaes rotipas talrez ji lonh. mi
dado.e bem assim nome. SuppOo-se ter a
guido para algum engenho desta capital n
para qualquer outro lugar onde esle. .cft,,
lado. Protesta-se contra o ditentor, e nnr
mdemnisacHo dos prejuios cauzados- a Z
ga-se a todas as autoridades e peasoa'jn.r"
ticulares, que o poderem mancar capiurar
que o mandom intregar na meama cid.de em
a ru. di Cruz n. 17 defronte do char.riz .
seusenhor .baixoassigoado quegraliflcarA
mu generoz.mente .os condotores.
Uanoel Jo.quim Nev
Desapp.recen no di. 3 do correnl rf.
ru. do Vigario n. 85 terceiroandar um mo
lato claro; cabellos caxi.dos, tem na fr.tB
lima ilnntae nn.l-m. 1... .___ ,lu"
doisdentes podres, e levou camisa do .leo"
Un
'oga.qu.l-
dfioznhode listra, e calca de brim trancado
pardo, j com ilgumas nooas, rosa a qu.l-
modellos. Figuras representando a'"'cst- ; An'on'o los Peixto'em sua clnica, eem
cOesdoanno, asparles do Globo e lodos os ,sua afamada casa de saudo na Gamboa, p-
quer pesso. que o peg.r lev.l-o na dit. casa
a seu senhor que serS generosamente ro
compensado.
-- No dia 23 do passado, des.pp.recou do
engenho Arornbi, freguezia delpojuc, um.
mulata, bem Iva, cabellos bem protos
malos oncolhidos, um tanto baixa e magra
com sardas pela cara, nariz afilado, porm
grosso, e presentemente teve um tumor no
d.des, originadas pe. impurez. do s.ngue, Zsmhr'iHovTA.ilIV?1* coro"* : "uem
e o bom osito obtido na corte polo Illm !-"' 'eaV,"nm.e*M,ho' 5UJ,,U
Sr. Dr. Sig.ud. presidente d. academia im- J f?m m r. n7? nrque deM.ce-
porial de medicina, polo lllustrado Sr. Dr. J>,E.ni.r.?f,I"'t 3. Deoses da fbula, que recommenda a quem
tiver bom gosto, e por presos muito rasoa-
veis.
Farinha para bolaxa.
Vende-se farinha americana chogada
u I luna mente de Inglaterra pelo preco de 6/
rs. a barrica, em casa do J. J. Tasso Jnior !
ra do Amorim n. 35. Nota.--Cada garrafa conlom duas libras
Vende-se ptimas canoas de amarello, de liquido, c a salsa parrilha de Bristol be
viii las do Sul os pretendentes dirijao-se a garantida, puramento vegetal sem mercu-
ru. do Livr.meflto n. 16, ou da concordia ;rio, iodo, potassium.
lo Illm. Sr. I)r. Saturnino do Oliveira, me-
dico do exercito o por varios outros mdi-
cos, permittem hoje de proclamar altamente
as virtudes clllca2es da
SALSA PARRILHA
DE
Vendem-se e alugam-se bichas, che-
O gadas ltimamente de llamburgo, por
Q preco commodo: na ra de S. Amaro
Maravilha !
Historia do Brasil a 1/000 !
Aiuda se vendo a historia do Brasil pelo
deminulo preco do 1,0001 cheguem antes
quo se acabe : na na do Crespo, loja n. 16.
otim
armazem do Sr. Pedro Teixeira Guima-
rScs.
Cheguem ao barato.
Ricos bonts de palha da Italia para ho-
mem, proprios da estacan presente, espe-
cialmente para os que passam a festa 00
campo, pelo huratissfmo preco de 3,000
rs. ; ozcellentes chapeos do castor branco
sem pello, bonitas formase boa qualidade,
pelo deminuto prego de 5,000 rs.; ditos de
castor branco com pello, boa fazenda e de-
sembarcados da barca Pern.aibuco, chega-
da ultim.mento, e pelo pfeco nunca vis-
todo 7,500 rs., a ellos : na ra Nova loja
n. 8.
Vende-se por 4:000,0000 de rs., um si-
tio com mais de mil palmos de fundo, com
v.rios pes de larangeiras, cafezeiros e um
bananeiral, casa com muitoscommodoa, co-
pia, estribarla ebOa cacimba d'agoa pota-
vel, com serventia franca para v no : quem
pretender, annuncie.
Vende-se, na ru. Dircila n. 38, urna
prela, com 36annosdoidade, que sabe co-
zinhar, engommar, lavar e comprar na ra,
o motivo da venda se dir ao comprador.
Nev.
Vende-se a 5/000 rs. o vidro na botica do
Sr. Jos Mara Gongalvcs Ramos : roa dos
Quarlois pegada ao qiiarlcl do polica.
Sobrado em Goiamia.
Vende-se, muito em conta,
mu bonito sobrado sito na ra
do Meio, n. 58, avaliado em
d
ros a p
eos de vi >ro com bocea larga de
diversos tamanhos, latas combo-
lacbinliasde Allemanha muito no-
vas, alvaiade muito lino cm bar-
ricas, zarcao e secante em barri-
cas, pedra hume em barricas, es-
sencias de canella, travo ezimbro,
sevadinha cm garraoes e sal de
l'psem muito alvo e.n barricas.
Faz-se todo o negocio.
Vende-seuma obrjgacSo, do passado por
ClaudimAios Santos Lopes Castello Branco,
mostr de primeiras letras na villa do Cabo,
da quanlia de 180,700 rs.; na ra da Cadea
do Recife 11. 8.
t'arellos de arroz !
Lsta ja 13o conhecida substancia alimen-
tari. para os cavallos prximamente chega-
dos, em sacas por prego commodo vende-se
no armazom do Sr. Antonio Anncs;no caes
da Alfandega.
Calcados a 800, a,5oo, 3,000,
4,ooo, c 6,000 rs., no aterro da
Boa-Vista, defronte da boneca,
assucar o roupa do escravos, por precocom- lia chegado reccnlemenlo os bem conheci-
' Idos S8Palocs do Aracaly, taulo para homem
-- um cnsa panlna, na ruada Cruz n. 55, acha-se a ven- 1,000 rs., ditos de lustro para ditos a 2.300
ra do Trapiche n. /ti panno de
algodao para saceos de assucar ,
muito superior c barato.
Vendem-se selns e silh5es
inglezes, de couro de porco, da
primeira qualidade: em casa de A-
damson Ilowie & Companhia, na
ra do Trapiche n. l\i.
Vendem-se chapeos de transa abortos
e com cabello, para senhora, pelo diminuto
pjeco de 4,500 rs. cada um : na ra do Col-
legio n. 3.
Vcnde-se urna escrava moca, que ser-
ve para todo serviso 1 na ra da Guia n. 12.
DEVERES DOS HOMENS,
a 5oo rs.
Vende-se este compendio aprovado para
as aulas, em meia encadernacao, a 500 rs.
cada um: na livraria 0. 6 e 8, da praca da
Independencia.
ser* bem recompensado; a mesma levou
roupas finas e unsvestidos decambraia, des-
confia-se que leulia seguido para Pao d'A-
Iho aonde tem prenles; por isso, roga-sea
todas as autoridades policiaca, e 1 qu.lquor
pessoadopovo e capiles decampo, de.
pegarem e levarem nos lugares ecima men-
cionados que serSo generosamente recom-
pensados.
Continua a estar fgido desde o da 13
do passado, o moleque de nome Mamada
cnoulo, de idade de 15 a 16 annos, bastante
esperto, secco do corpo, estatura regalar
pese mSos grandes ; levou camisa de ris-
cado azul, calc.de algodSoainho azul trin-
cado, e mais alguma roupa. Suppe-seter
tomado a direccSo do Bonito, onde mora o
seu antigo Sr. J080 P. Alves ex alfares de po-
lici., de quem ainda he escrava mSi do dito
moleque : rog.-se as autoridades hajam de
ppreende-lo, e lev.-lo esa de seu Sr o
major Antonio d. Silva CusroSo. na ra im-
perial n. 64. que ser generosamente recom-
pensado,
BOA GRATIFICACAO-.
Ausentou-se na noite de 1n rfe
outubro passado o mulato Cle-
mentino, de ao annos de idade
pouco mais ou menos, magro, al-
tura regular, tem muito pequeo
buco de barba e falla muito mansa,
quando anda parece que nao pisa
bem com os calcanhares, costuma
andar mirado e bem vestido, le-
vou urna trocha de sua roupa, in-
clusive calca ejaqueta de panno
fino azul, e alm do mais aigum
calcado, um par de borzeguins par-
dos, com botoes de madreperola
brancos, e consta que levara um
cavallo, que naquella occasiSo a-
600,000 libras, cada urna } idita jfc qual iem c* gnae. se-
vertical de forca de 4oo,ooo libras; fZTn'7 ', "'gUf '
3 grandes caldcas montadas, pa-1 ""|tfrCl88'g0rd.0 e tem un? ta"
ra o fabrico do sabao 5 q ditas pa-1'^ 5 "ma anCa''ie Pvavel que
ra derreter sebo; lodos os perten- que,ra Pa""por forro, he bohet-
ees necessorios para o fabrico do
stearina e sabio ; 9 eseravos en-
tendedores doservico geral do fa-
2:0003*000, emo qual tem pa rte
rsula Mara das Virgens e sua
irmaa Joaquina Alves de l'aiva na
importancia de io7,473 rs. quem
pretender dirija se a caza de Kal-
kmann limaos, ra da Cruz,
n. 10.
Vende-se no Mararihiio, a fabrica
de bugias stiarnas e sabdo.
Os administradores da liquida-
ra o de Theodoro Chavanes, ven-
dem a fabrica denominada Mara-
nhensc, na ra do Pioponto, des-
brica ; 1 terreno annexo a fabrica,
com 7 bracas de frente e i5 de
fundo ; 1 dito fronteiro a mesma
fabrica, com 18 bracas de Irente e
a8 de fundo : as pessoas quepre-
tenderem comprar, pdem nesta
pra?a dirigirem-se a J. Keller &
Companhia.
Espelho de pnrede
ro e escravo de Luiz Antonio S-
queira : quem o pegar leve-o a ra
da Cadeia do Hecife n. ai, que se-
r recompensado.
-- Vendo-so um bonito moleque creoulo, ,com r'eas moldurus : Vendem-se no arma-
\ 'I llllim- 11..... _____ > .,.. I .. I 1 I___ I m _
na barca Margarida, por menos preco do jda "xcellento e superior vin/io tic Bu- rs., ditos para homem os melhores
ruadaCa- ce"i< m barris do 5.*, he muito recom- tem viudo da llahia a 3,000 e 4,000 rs., o ho-
que em outra qualquer parte: na
dcia do ilecife n. 50.
Bonib&s de ierro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas c picota para cacimba :
na ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundico de ierro.
Farinha de mandioca.
A mais nova e mais barata farinha de
mandioca que ha no mercado, vende-se na
ra da Cruz do Recife, armazom n. 13, de
Jolu Carlos Augusto da Silva.
Azeite de carrapato da fabrica de
Araujo & Filhos, no Penedo.
--Este 8zeile pela perfeicSo cm que he
fabricado nSo s serve om lugar do azeile
doce o de coco, para qualquer qualidade de
candieiros por mais delicados que sejo,
como be muito prefirivel a qu.lquor oulrn
por dar urna luz mais brilhante, ser mais
dur.livo, e seu custo ser mais barato ; nSo
tem o cheiro desagr.d.vel que exala o azei-
te de carrapato commum, nem em nad.
delleseassemelha. Vende-se em barriz de
16 caadas 2,400 rs. a caada, no armaaem
de J. J. Tasso Jnior, ra do Amorim o. 35.
Moinhos de vento
com bombas de repuebo par. regar borlas
d baixas de capim : vendem-se na fundico
de Bowman & He. Callum, na ra do Brum
ns. 6.8 e 10.
Vendem-se amarras de ferro: na ra
da Senzalla nova n. 42.
Casimiras baratas.
Vendom.se os mais modernos cortes de
casimira, que lia no mercado, a 5,500 rs. I
cada corte, tendo grande sorlimcnto para o
quo
ni uarria uu a. ne muuo recom- lem viudo da llahia a 3,000 e 4,000 rs.,
mendavcl as casas estrangeiras, como ex-.tins a 0.000 rs.; assim como um novo e
escolenlo vmho para paslo. | completosortimonlo de calcados franoezei
Arados de ferro. Jdo todas as qualidades tanto para homem
Na fundico da Aurora, em S. Amaro,1 como ?ara S0,l0l'a. meninos c meninas,
vendem-se arados do ferro do diversos mo~Pelcs do marroquim corles de tpele a
dolos. *8U rs., e scDdo porcHo, d-se por menos,
Mmiidas superiores. ilud0 alim de se apurar dinheiro.
Na fundico de c. starrt Companhia,' Cal virgem em pedra,
em S.-Amaro, acham-so venda moendas chegada recenlemente do Lisboa, om anco-
do canna, todas de ferro, de um modoloo ras, muito bom acondicionadas, vende-se a
construcgSo muilo suuerior | preco muilo commodo : no armazem do Sil-
Cheguem freguezes antes que se va Barroca, na ra do Trapicho n. 19.
acabe.
No armazom ileMartins oc Irnio, na ra
Sal cm paneiros.
Vende-sc no Armazom do Sr. Antonio An-
da Cruz do Recito n. 62, cliogaram ultima- nes, no caes da Alfandega uu trala-sc com
monte os seguimos gneros de muito hoa;J. II. da Fonseca Jnior : na ra do Vigario
qualidade : queijos londrinos, prezuntos n. 23, 2. andar,
inglezes e do Porto, conservas inglezas e Fazendas para senhora, por bara-
francezas com dlTerentes frutas, latas de
salmSo, ditas de ervilhas o sardinhas de
es, ditas com bolachinlias ioglnzas ,
to preco.
Cambrtias de salpicas branco e do cor, a
mermelada de Lisboa, mostarda, o minina- 4,500 rs. com 8 112 varas, e 640 rs. a vara ;
creditadocba deS. Paulo, caix.scom muito ditas francezas do bom gosto, a .560 rs, a
superiores macas linas para sopa, gigos com i vara ; ditas co.n listras de cr a 3,000 rs., a
champanhe, vinho do Xerez, Madeira, Bu-jpeca com 8 varas; cassa preta a 100 rs.
celias c Poito, garrafas com oxlrait de ab- covado ; corles de cassas pinladas.a 2,000 o
sinthe e outros muitos genoros, tudo por corles do chita com 12 cova los, a 1,920 e
de 9 annos, propro para qualquer oflicio :
na ra larga do Rozario, loj. n. 35.
l'or 80,000 rs.
Vende-se um piano nglez, em muito bom
estado, por 80,000 rs. : na ra de S. Con-
calo n. 20.
Novidade,
Vendem-se frascos com mais do 6 libras
cada um, com cxcollenle doce deannao.es
em calda, foito no MaranhSo, chegado no
ultimo vapor do norte : na ra da Cadeia
do Recife, vonda n. 25, de Manoel Jos do
zem de Klkmann Irmitos, ra da Cruz n. 10
I mmwmBmm#:mmmmmmwm
Jtantois Pailhet& Companhia.
Continua-se a vender no deposito 9
g geral da ra da Cruz n. 52, o excel- m
Mulo e bem conceituado rap areia M
* prelada fabrica de Gantos Pailhot& ;;
* Companhia da Babia, em grandes e p
S pequetas porrees pelo preco cstabe- I
ajjglecido. a
,::;; ^v;. ..,,.,, :-,..,,, ^
Km casa de J. Keller &
go. e n. de n. 23, de Autonio da CoaU Fe- ^'ompanla. na ra da Cruz n. 55,
reir Estrella. ha para vender um piano forte
-iVdrs^x5l^s:;s.ich^do rtr-1 da Knropa
quer repartimento, ou estacada, por preco ie com Cxcellentes vozes : trata-se
muito commodo, por j terem servido, as-
sim como uns fiteiros, proprios para qual-
quer estabeleeimento : atrs do theatro, no
mdico preco.
Velas de carnauba em libras.
Vendem-se velas do carnauba imitando
espermacete : na loja de saleiro da ra da
Cadeia do Recife n. 36.
Prezuntos.
Vendcm-se prezuntos americanos, muito
superiores c por barato preco : no caes da
Allandoga, armazem defronto da arvore.
1,800 rs. ; lencos de finissima cambraia de
linho, a 480. 560o 640; ditos de cambraia
de algodao com bico, a 440 rs. ; liarlos de
cor muilo encorpados, a 200 rs. ; Jilo
a/i.os com 4 1|2 varas, a 200 rs. ; e algodSo
transado com listras, a 180 rs. : uaruado
Crespo n. 6.
Alt'.nco.
Acaba de chegar no vapor almperalrizi a
loj. de Souza Jnior n. ru. do Queimado
junto ao beco da CongregacSo n. 37 A os bi-
Attencao.
Vende-se, por 3:500,000 rs., o sobrado de"biihctes, e cautellas da lole'ria do theatro~S.
comprador cscolher; na rus do ueim.dn dous andares e soino, com tr.poira e loja re- lledro de Alentara cua lista vem no 1. v.-
loia do sobrado amarello n. 29. 'i partida, com lioa cacimba na chaguo eom por.o venlem-se pelo haralissimos procos
SaiiAtrwdp tanr-le chaos proprios, no Recife na ra do Apollo>baixo.
oapaios ue tapete. f n29. ni roesmi rua n 3i> ge dir4 em UllhBl(,9 22 000
Vendcm-se os bem conheeidos corles de; vende. > Meios Bilhetes II 000
tapete, para rpalos, a 500 rs. o par: ni Vende-se urna poico de madeira ao .-' Qu.rtos j'soO
rua do Queimado, loja do sobrado.marello marello, em pranchfio, a preco regular : n.|Oit.vos a.'sun
n.29. pr.f* do Commercio n. 6, primeiro andar.' Vigsimos 1,300
armazem de laboas de pinho.
-- Ricos ternos de bandejas, cachinhas
com 6 papis de agulnas muito superiores ,
colherea de metal do principe perfeila imita-
cao de prala,raccas com garfos muito finas,
chalenas, frigideiras, cassarollos o panellas
de ierro forradss de louca.fogareirosgrelhas
e mais pertences de cosinha : na ru. Nov.
loja de erragensde Jos Luiz Pereira.
J Deposito de lecidos da fabri- J
> ca de Todos os Santos,
na Bahia. *
Vende-se em casa de Domingos AI-
* ves Matheus, na rua da.Cruz do Re-
g ene n. 52, primeiro andar, algodSo *
T irans.dodaquellafabri'ca.muilopro- *
fT prio para saceos e roupa de escra- J
t. vos, assim como lio propro para re- 2
#. desdepese.r e p.vios par. veilas, 2
s> por preco muito commodo. ^
MA mk&t AAi
Tinta em oleo
branca everdo: vndese no armazem Ue
Kalkmann Irm.ilos, rua da Crnz n. 10.
MOB1LIAS DE FEIihO.
Vendem-se ricas mobilias de fer-
ro, como canaps, mesas, cadeiras
com braco c sem elle, e muitos ou-
tros objectos de ferro : no arma-
zem de Kalkmann Irmaos, na rua
da Cruz n. 10.
na casa dos mesmos.
Cadeiras.
Vendem-se cadeiras para meninas; noar-
Irmaos, na rua da
mazem de Kalkmann
Cruz n. 10.
Molduras douradas
de todas os larguras : vendem-so no arma-
zem de kallkmann Irmaos.ruada Cruz n' 10.
Em casa de J. Keller &
Companhia, na ruada Cruz n. 55,
vendem-se marroquins superiores,
vindos de Franca pelo ultimo
navio.
Charutos de Havana
De superior qualidade : vendem-se no ar-
mazem de Kalkmann Irmaos, na rua da
Cruz n. 10.
Escravos rugidos.
30,000 rs., de gratificaso
Desapp.receunodialade julho do cor-
P?,?nnnrt. ?5 ,,n,'l0(^u,' """'o de nome
Paulino de idade de 10.unos pouco m.is
ou menos.cor amarelada por tor vicio do co-
TLiw/nl,"'8 Ch"t0 e fei0 lavou camis de
Kosno 8"Ja Ic.deriscado.sem
nlnPJ.?nl f "Sm*^ Pr,enC8 ,0 Sf- *nt-
c 5"T?,W "au. ,-quemope-
g.r leve-o u rua da Cacimba n 11 o. .
ru. do L.vramento n. 26segundo indar que
recebera a gratil.cacJo a cima, o se protesta
contra quem o tiver oculto ""
--Acha-se fgido da cid.de do recife deade
o da adejulho do corrento ano do 1851. o
piolo Joao de n.cao QuiSam, com idado do
100,000 rs. de gratifJcacSo.
Roga-se as autoridades policiaes, que cap-
turem o escravo Manoel, pertencente a Se-
bastiSo Marques do Nascimento, fgido des-
de o dia 8 do mez de setembro. Foi
elle escravo do Sr. Gabriel Aflonso Riguei-
ra, i quem foi comprado ltimamente : lera
28 annos de idade pouco mais ou menos, cor
fula, com falta de dous dentes na frente, e
de cabellos do lado eaquerdo da cabeca, que
se torn. bem visivel por parecer urna co-
ra, tem olhos pequeos, beicos grossos,
sem barba, baixo, corpo regular, he olllcial
de funileiro. Trajava jaquel, de risedo
azul, calca branca, camisa de madapoln, e
levou urna trouxa, contendo calcas ejaque-
tas : quem o apprehender e levar i rua da
Aurora n. 62, recebera-. gratificado pro-
mettida. Suspeita-se que fosse seduzido, e
por isso desde j protesn-so contra quema
conservar em seu poder.
Desappareceu na tarde do dia 13do pas-
sado um escravo por nome Joaquim tem os
signaos soguintes : boa estatura, representa
ter 35 annos de idade, falla desembaracada,
pes grandes, tem todnn denles da f'en'e,
nariz chato, quando anda estala as juntas dos
joelbos, levou camisa de algodfiosiobo bran-
co, calca do dito azul, este escravo foi do
mato: quem o peg.r leve-o a typograpbi.
imparcial a fallar com a viuva Roma que se-
r recompensado.
Desapp.reeeu no di. domingo, 12 do
passado, um preto que representa ter 45 a
50 annos de idade, de nacSo cacange, baixo,
cheio do corpo, sem defeito algum no.corpa,
levou vestido, caiga de cssemira azul elara
de quadrosejvelha, coleto desetim preto
velho, jaqueta de brim pardo,camisa de ma-
dapoln, chapeo de sed. preto ; presume-ae
que anda pelos arrebaldes deata cidade, pois
apezar de ser do sertao nao sejulga que te-
nha voltado : roga-se portento as autorida-
des policiaes o capil&es decampo, a captura
do mesmo, levando-o a ra. do Vigario n. II,
lerceiro andar, que se recompensar.
Desappareceu na noite de 30 do mez
lindo, de bordo do brigue Feliz Uoio, um
escravo marinheiro, de nome Joaquim, de
naci Mocambique, de idade de 30 e tantos
anuos, baixo, grosso do corpo, cor fula a
sem barba, levou vestido calsa e camisa de
riscado: quem o pegar, leve-a bordo do
dito brigue, ou a es. de Amorim Irmaos,
na rua da Cadeia n 39, que ser bem recom-
pensado.
Desappareceu da fabrica de caldelreiro
da rua do llrum n. 28, nodia 17 do passado
mez de novembro o preto Antonio, de na-
cao chinda, qua representa ter 45 annos de
idade, altura regular, cheio do corpo, cara
abocetada, muito cabelludo nos peitoj e
com bstanles cabellos brancas na cabe?a,
e um pouco carrancudo; he olllcial decal-
deireiro, foi encontrado as Cinco Penta, o
seguio o caminho dos Afogados, e he nalu-
,' ral que seguisso mais adianto por ter levado
. tola a roupa que linha, a por j ler sido
pegado do outra vez n. freguezia da Kc-
d. : roga-se porlantu, a quem o pegar de
leva-lona dita fabrica cima, que ser re-
compensado.
v V'\Tvi' 'ir Mi' ii' F i'.i


Full Text

PAGE 1

Fontana a 16/ n. por barrica; 01 precoi nio forain alterado!, porm lo Cromos ein coniequencla de augmento du depoiito, que anda hoje por 10 mil barrica!. MantelfaVendeu-aa de 420 a 440 n. por libra da Trance. (>ueijos dem de 980 a 1/1 ¡ro n. doi Damengoa. Velas ----dem a 6t0 ri. por libra dai iterlallnaa, vjuoiiacao Einbarcaram-ae neita leinana 7,989 saceos e 1,809 barrloai com 52,315 arroba! e 17 librai de anucar. 300 couroi lalgadoi, e 1,066 meloi de aola. Dlicontot Ai letra coa venclmento para marco e abril dlicoutaramae a 1 e 1| por cento ao mei, Ficaram .no porto 85 embarcacoe; aendo 8 americana!, 2auitriacai, I belga, 34 braalleira!, dlnamiirquea, 7 francezai, 4 haraburguea, 1 heipanbola, t bollandea, 14 ioglezas, oportugueta, 3iardai el suec as. Pauta Dos {traso corrate do atsucar, algodSo, e mais gneros do pal*, que te despachao na meta do Consulado de Pernambuco, na temana de 9 a 13 de Dt*>mbrode 1851. Assucar em c. bronco 1* qual. Arroba 2,000 %  2* 1,600 o < mase • 1,300 a bar. e sao. branco • 1.800 t maso. • 1,400 refinado 3,040 AlgodSo om pluma de 1* qual. 4,600 Dito....... 2 4,200 Dito 3 3,800 .Wardento caxica20 graos Pipa 34,000 Dita C anad 200 Ditadecanna 52,000 Dita C anad 300 Dita restilada P ipa 42,000 Dita C anad 240 Genebra C anad 420 Dita B otija 180 Licor C anad 420 Dito G arrafa 180 Arroi pilado —2 arrobas um Alqueire 4,400 Araras U rna 12,000 Panagaios U m Bolachas A rroba Biscoitos • Calibom Dilo restolho a Dito com casca Carne secca a Coucosoom casca C cnto Charutos bons a Ditos ordinarios Dilo relagia o primor ... Cera de Carnauba A rroba rii, capitao Antonio Forreira Borgel Jnior, carga assuoar e algodSo. Rio Grande Jo Sul pelo Rio do Janeiro—brlgue brasileiro MatTra, capitSo Jos Joaquim Di dos l'rezeres, carga assuo r. Conduz 1 escravo a entregar. Canal pela Parahiba — barca franceza Jose hina, capilo Fonrumu, carga assucare istror Passageiro, F.-luard Burle. • Ancaty — biate brasileiro Duridozo, meslre Joflo Ilenrlques de Almeida, cirga varios gneros. Passageiro, Jos llayroundo de Carvalho. liaviot entrados no da 8. Acaracu -II das, hiate brasileiro Aguia Brasileirs, do 58 tonelladas, mestreJose da Silva Ratea, equipagem 6, carga vario gneros ; a Manuel (,'ongalves da Silva. Passageiros Jos Riymundo Forreira com sua senhora e6escravos, Frederico Francisco de Jezus, Antonio da Silva Feado e Antonio Pereira Bispo. Norma. Terminar o espectculo com o ultimo acto da opera. Comecar s 8 borai. Ui bilbete cbain-sc venda no lugar do coalume. Theatrode Apollo. RF.CITA EXTRAORDINARIA. Sabbaio, 13 de dezembro de 1851. Depois de um 1 nova e eacolhida ouverlura tocada em grande orcheslra, subir pela S rimeira vez n scena nesta cidade, o magnico e pomposo mysterio, adorna lo de mu • zicae canto, om 5 actos, divididos em 7 qusdrose2 intermedios, da hbil penna do eximio poeta francez Alexmdrc Dumas, intitulado : D. JOAO DI-: MARAA, OD A Queda de um Aojo. Peraonagens e adore. D. Jlo de Maraa'-o Sr. GuimarSes. New Castle — 50 das, barca ingleza Crichea^tSd^'gKr^^o ft {={•- %  .Ufe"* 1 PaS^d^gue braaUeiro Pe£S pratico e seguio para o Assu'. Jersey -31 das, patacho inglez Navegator, de 145 tonelladas, capitSoGeorge Jordn Dorey, equipagem 8, carga btalas, vinho, macfies e mais gneros ; a Me. Calmont & Companhia. Parahiba — 24 horas, hiate brasileiro ExaUc.li, de 37tonelladas, mestro Amonio 3,200 3,500 lrao, ae ai luiieuauas amn nnwniu n ui |. r ,¡.,lr, 1,. %  !... Manoel AITonio, equipagem *, carga loros B¡W¡ J !" £*$ de mangue; a Jos da Silva Mendonca Vio U om'Lo Sror Ir anna.Passagolro.Lulz de Azevedo Campos. „ m ,*" J0 Soror M,rt de anna Obtervacao Recolhau-sedacommissoo b.iguo caco-, nade guerra brasileiro 01inda,commndan-¡' % 8n ¡>ra O. Carolmi.^ le o primoiro tenentc Bernardo Antonio Loureiro D. Medro -o Sr. Jorge. D. Ilenrique — oSr, Figueiredo. D. Tradique — o Sr Caetano. D. Snchez — o Sr. Senna. O Anjo Mao -o Sr. Mello. OcondedeMiranaN. N. O Senescal --N. N. Gmez -o Sr. Santa Roza. gem ~ o Sr. Euzebio. las. rtha — a Sra. D. L30poldiua. Tlierezina — a Sra. D. Joanna. DITAL. — O lllm. Sr. inspector da thesouraria da fizenda provincial, emcutnp'imonto da ordorodo F.xm. Sr. prosilente da provincia do4 do correnla, mana fazor"publico, quo nos das 16,17 e 18 do mesmo, ir a praga para ser arrematado parante o tribunal ad5,000lministrativo da mosma lliesouraria, a quem Couros de Boi salgados • • Libra Dito espixados U m Dito de onca Doces de calda Dito do goiaba Dito secco Estopa nacional Farioha de mandioca • • Alqueire 1,600 FeijSo 3,500 Fumo bom A rroba 6,000 Dito restolho • 4,00 Gomma. A lqueire 2,000 Gengibre A rroba 2,800 Libra Arroba 4,400 3,600 4,800 2,880 i,000 1,600 700 4,000 5,800 117 14 14,000 400 240 500 1,200 Lenha de acbas C cnto Dilo de toros o Pranchasdeamar.de 2 oust. Um 1,600 9,000 22,000 8,500 por menos Fuer a pintura das varandas da ponto da Bo9-Vista, a valiada em 337,700 rs. ArromatacSo sera (eita na forma i • as costas, e do sorras as naditas, parece ser serio, o muito humilde, (alia com nuita mansidaoearrastilofaz.se; innocente, he chegadoa furtos, ecostuma mudar de trage, I 1 por furto de roupa que faz { do mudir o nome, dizer-so forro, outras vozes procurando quem o apadrinhe, ou quem o compre : levou camii de madapolSo, calca de brim trancado de listra pardas, j desbotado, chapeo uzado de couro, obortor groco de listrsa azuos escuras, e um fac3o quo tomou de um muleque carreiro, do engenho Moclo. Esto escravo passou pelos engenhos Aran l doSr. Minoel Flix, Amparo e Moclo, liavon lo pedido aos senhores dos %  ous ltimos engenlios carias que o paJrihasse, em quo foi sitisfrtito, o na obstante fugirtondo seguido pira o engenho Mitniiuc-, dadondi prezuma-so ter partido paraoBrejo la Ma Irc do Daos,ondo foi escravo do Sr. Cordeiro, conhecido por Abide, a quem pode-se o favor, de se chegar a seu Coulieclnienlo a sja estadi ali, fazor apreender, remoller ou avisar a seu Sr., pondo-o ueste cis.i n 1 cad.'ia, assim como roga a qnalquerqueo pegar, do leva-lo ao dito ongeiibo aosouSr. Antonio Carlos Pereira de Burgos l'onco de Len, 01 na ra Dirdita n. tem folhas e tem pra vender lanto em porefiocomo a retalbo cartas de A. B('.,, tabosdas, cartllbas, catecismos de diferentes eJicOus, e prefoj, verdale sos meninos, Sinopsis, Fleury, Deveres dos homens, Apudautas, ProcurafO.-s bastantes, Rtulos para garrafas de vin'ios, e livros, letras, eonheoimentos, follinhis de lembran^asH e Diario do Pars, de porto, traslados, livros embranco, etc — Continua a estar fgida a mulata Victoria, com os signies seguintes : cara bastante picada de bexiga, denles da frente podres, tem um defeito om um dos hombros por c 1 us 1 de um queda, luisa e pos pequeos, tem sido encontrada de timSo pailas bandasdaSolidado, quem a pegar levia a sua senhora na ra de AgoaavVordes %  • 23, quereceber 20,000 rs. de gratifica co. — Oabalxo assigmdo fallara a un dever, ao qual denominsr de virtuoso e nolii'o, si doixasso de agradecer ao lllm. Sr. Jos de Mello Cliristi d'Ouro, commandanto do brlgui escuna Canopo, e igualmente aos Srs. ofiiciaes do mesmo, que da Babia entraram hontem nesto porto, pelo bom acolhimento qu Ihedra na viagem, nio obstante sor o abaixo issignado preso de justice ; acolbimcnlo este todo devido as boas quali ludes que. ornam a suas possoas ; assim pois receba o digno commandante e onoite; os azues, para segunda uoiiojo vigor, o os restituam a secretaria alim de os amarellos, para a terceira noite. serem remettidos com o expeliente. Os requerimentos sJo os seguintes : Dos Senhores: 1,2001 Bacbarel Antonio Anncs Jacorco Pires. ] Olio "¡'o Francisco Brolerodes de Almeida. Dilo llemelerio Jos Velloso da Silveira, Primeiro-sargento reformado Manoel Joaquim da Costa. .Par a Urna Canad I liim 1,600 2,080 40,000 18,000 34,000 190 6,800 Avisos martimos. 3,200 180 2,200 Movimento do porto. Navio taido no Ha 5. Pari e portos intermedios — paquete de vapor brasileiro Imperatriz, commandante o primeiro teonte Joaquim Salom Ramos de Azevedo. Leva a seu bordo, Francisco Fcrrcirs Sovaes, bacherel Amero Mnoe! Medeiros Furlado, Dr. Allino Leus Muraos Rogo Jnior, Joiquim Francisco Cruz bacharel Marcos Antonio Rodrigues de Souzn.com sua senhora e 1 escravo. %  Navio entrado no dia 6. Baha — 12 dita, brigue escuna inglez Fanny.do 124tonelladas, capiao Alexo l.'wnbard, equipagem 9, carga cal ; a Manoel do Nascimento Pereira. Naviot takidot no mamo dia. Maianhao pelo Cear — briguo brasileiro Laura capitSo Jo9o Leocadio Ribeiro, carga assucar e mais gneros. Passagciros, Jeronymo Macario Figueira de Mello e 2 criados, Jos Pacheco do Medeiros, com su familia, Francisco Jos Pacheco, com sua filha e 3 escravos, Augusto Cezar da Silva II. za, Filippe da Motta Correia de Azevedo, Eustaquio Rodrigues Samico e jofio Rodrigues saiuiou. Canal— brigue inglez Titania, capitao W. Willians, carga assucar, Em commisso — escuna brasileira Lindoia, commandante Joaquim Alves Moreira. Naviot entradot no dia 7. Cdiz — 26 dias, barca ingleza Neptuno, de 287 tonelladas, capilo John Lefevre, equipagem 13, carga sal; ao capitao. Rio de Janeiro — 27 dias, briguo brasileiro Rio Ave, de 234 tonelladas, capitao Elias Jos Alves, equipagem 13, carga caf, sabio e mais gneros ; a Novses & C.' Naviot tahilot no mesmo dia. Parahiba — hiate brasileiro Caprichoso mestre llypolito Jos da Silva, carga varios gneros. Passageiros, AmericoBrasileiro da Silva, Silverio Jo3o latheus e a5 n „ R J. C LT* ?„\ SS '.P'V.Li. Jas Btndeirs Quarlafeira, 10 de dezembro d1851. Rio de Janeiro-patacho americano Bathurst, De P oi a c oo •[* <" das molhores capitao N.P.Daton, carg-. parte da quo u ertur "P 8 0 o rc l; e8 r K !" U !" : trouxe iba a interessante e muito applaudida opera dem alacho brasileiro Clemenlin, CB brueira em 3 ectos, pilao Anlouio da Cruz Baplisla, carga va-' •' antas ma t raneo. ros gneros. Conduz 9 escravos a en-: No intervalo do segundo ao terceiro acto tregar. ,as senhoras Lauda e Camella Lucci, caulaLisboa -brigue portuguei Conceiflo de lia-) ro o bello duelo di opera — Para o Aracaty at o dia 5 do dezembro o patacho Aracaty a tratar com Manoel Dies na ra da Senzalla Velha n. 130. — Para o Hio de Janeiro, sahe Primeiro-tenonie da terceira classedo oxerm presente semana, I escuna nacilo Manol Ferreira do Almeida. .:..,i „;, l?;_„:_ ..•.:•>. T„s„ Alferes Leandro Jos Cavalcanti. conal Mana l'irmina, capitSoJoao Bernardo da Roza, por ter o seu quasi completo : carregamento CapilSo Antonio Jos dos Passos. Dito Sebasli3o Antonio do Reg Barros. l'enente Bernardo Jos da Crac. Primeiro cadete Francisco do Faria i.emos. quem na mesma quizer carregar o Segundo-Tonente Jos do Barros Cavalcanti. res tante, ir de passagem, ou emJoao Evangelista dos Res. %  o • Cipitao Jos Teixeira Campos. barcar escravo para o que tem Cadete Francisco Victorino de Meira Lima, commodos sullicientes, pode eiitenDito Feliz de Paula Meira Lima. %  Secrelaria do govemo de Pernambuco, aer-se Com O mesmo capitao OU 6 do dezembro de 1851.— Honorio Pereira com 0 consignatario Luiz Jos de de Azeredo Coutinho. ai s, • J e< on ... ., aa Arauo, na ra da Gru n. 33. — Peran e o consono a lam nutrilo „ ,; u „,. Naval, tem do comprar-so par o uso da in.."Jf?^ 9 ,"*' *" e JlT lelf0 ¡' formara urna caixa de ferros para amputaJ a }? Pf r '' c "ga a bordo e seguo ate • 1 sercorrento, com o que houver: tr'i -'i 1 ni iCliMii > D n'hUIU V^>< luii UJ %  a uui — ., %  %  n >, te, I dito pequeo, 3 f.cas, ldit.de enfeSf.^ l2k "" "" c-cannas, 2 tosouras ensezivas, ou lanavema u, i s, 1 snca-balla 6 cscarpilos com cabos — rara O 1'ortO, SShe Com a COi's, contendo os seguintes ferros rol I rizas. chatos e lixos, i dito para" torcao, 12 agum aior brevidjde possivcl, a galera Ibas surtidas, I escarificador, e 1 tormquen j 1 le ¡ nssim como os seguintes ferros avulportuguezo Bracharense, da qual sos :6 bistoris retos 3 ditos estreitos e curhe capitao iUidrico Joaquina Corvos, 3 ditos do botSo, 4 pustimeiras, 2 te. ... ,„ii„ 1., ,„,„„.„ i„, ,.„ souras tortas, i dita curva, 2 ditas retas, 2 rea, tem excellenles commodos patrocates finos, i dito grosso, e i baralha ra passageiros : quem na mesma para a ingenO do llydroceles; por tanto • • .ip nasiaconvida-so a quem convier f.zer dita ven1 ulzer carre g ar ou ,r e passa da, a comparecer s 12 horas do di 11 do gem, enlentla-sc com O capillo, na eorrenle, nss sallas das sessOas do mesmo nrara rlnf'nuimerrin mi cnin ¡Sn(•cnsalho. cornos dito ohiortos e nrooosP ra V a 00 l ommerClO, ou COm LIO vaes fk Companhia, na ruado 1raconselho, com os ditos objectos e propos las. Salla doconselho d'administrac3o Naval, 6 de dezemliro de 1851. — t'.hrlstovUo Sauliago de Ol. ira, secretario. — Pela 2. a sessio da meza do consulado provincial so aonuncia, que no dia 1 .* de dezembro prximo vindouro, so principia a contar os 30 dias para o pagamento a boca do cofre da decima dos predios nrbannos desla cidade, do primeiro semestre do anno financeiro de 1851 i 1852. e que lindo este prazo incorrem todos os que deixarem de pagar.na mulla de 3 por 0|0 sob o valor de seus dbitos, e serflo de prompto executados. THEATRO DE SIZABEL. in' "^ ... 1. — Para Lisboa pretende sahir com brevidade o briguo portuguez Viajante por lera maior parle de sua carga proinpti. Quem no mesmoquizor carregir ou ir de passagem dirija-so aos consignatarios Tlinmaz de Aquino Fonseci Filho: na ra do Vigario n. 19,1-' andar ou ao capitao e propietario Manoel dos Santos.n prac do commercio. Para a Babia. Segu onipretei i velmeiitouo diall do corrente o hiate Ligeito ainda recebe algumas miudezase pissagoiros : na ruado Vigario n. 5. — Para o Porto, sogue com toda a brovidade, a barca portugueza Espirito Sanio,capilo J0B0 CarlosTeixeira ; quem na mesma quizer carregar ou ir de passagem dirija-se ao escriptorio de Francisco Alves da Cunba 3c Companhia, na ra do Vigario wmmamammmmmemam^mKmmmm Avisos diversos. — Jos' Estoves do Nicimenlo embarca pira o Rio do Janeiro, o seu Oicravo Paulino, crioulo. desto anno so ensinaram. A vista de I3e reconhecidas vantagens, o director espera morecer a confianca dos S r s. paes do familia residoutes fora da cidaJe, para os qua foi em verdade principalment! estabelecilo o collegio—Espirito-Santo. Os repelidos annuucios, palos quaos o director li% feito conliecerao publico toda a utilidado o exceliencia do seu collegio, o dispensam de am la se oceupar doste assuinpto sendo quo aquelle que melhor quizer sj informar podo possoulmenle vcrilici-lo, indo a qualqucr hora do dia ao mesmo collegio,certo de que tudo Iho sera franqueado ¡ convenser-so-ha entflo de quoodiieclor n3o lio animado polo desejo do lucro, nom seu foito he imbair com sonoras palavras e estirados annuncios a credulidada do respeilavel publico. Aproveitando ainda o mis j >, o director dirige suas despedidas por esto anuo aos seusallumnos o a seus respiilaveis paes, fazendo votos ao supremo arbitrio para quelites conceda prolongados, e venturosos dias. --Dosaopareo no dia 5 do corrento mez do sobrado da ra das Cruzes 11. 22, urna escrava crila de nome Luduvina, do ida Je de 20 annos, cuja escrava tinha chegado da fgida no dia 2 desto eorrenle mez, do engenho Cangac, lomollida pelo Sr. Jos Pires ('.ampollo, com urna carta apadrinhando-a, o que assim se cumprio, porm ao fim do trez diastoroou a lugir sem razao, nem motivoalgum.com os signaos seguintes: alta, ereforcada do corpo, bem prcta, rosto comprido, nariz grande, olhos papulos, beiCos grocos, maose ps grandes, levou vestido de chita de acento amarello desbotado, 1 quazi branco, foi em corpo, porm consta quo ella passou n\ ponte da Boa-Vista, c nessa occa-io ja iovav um pao pelo hombro, e um balaio na ma, para julgar-sc que nSo estav fgida, cuja escrava foi comprada ao Sr. Arruda que lem taverna no pateo da Ribelra, e ants deste foi captiva do Sr. capitao Mamullan, u da novamento so roga aos Srs dos engenhos l'enedo, o Cangac o obsequio de no ciso que ella l torne apparecor de a mandaiem capturar; o mesmo se pedo aos capiaes do campo e auloridadcs policiies, c s condusain a mesma epj-arcgam descontentas so terao a prefecsa a cima a entregar ao seu Sr. Jos Vieira Irencia aquellas pessoas que lomarem cimado Figuoirodo, quo ser3o generosamente rotes para o magnifico drama de grande gratificados. Esta esciava j tem bilbetos machinismo—0 Joao Jo Maraa—qua sobe 11 casa de Joi Pinto da Costa, que re'e" %  hora a gralilicacao mencinala; o lamben "esapparecou da rus largado Rosario, no du 6 do corrento, as 12 horas do dia, umcavallo russo pedrez, com cangallia e 3 encorados, I cauro, o 2 pares de saceos ; o o .val 1 tem os sigues seguintes : ferrado con a letra Cem um lado doqueixo, os canins prelos, e entre ¡>s pernas pintado, tem mais um Trro no quarto dirsito, he furta-passeiro, do idade de 9 i 10 anuos desapparocou .Litando ficar o cabralo com quo eslava amarrado : quem o tivor adiado, ou dor milicia, dirija-se a freguesia .1 %  s Jos, na ra Augusta casa o. 51, ou ao subdelegado na mesma freguesis, que ser gratificado. PASSAPORTES. -Tiram-s 1 passaporles para dentro e fura do imperio, despacham-sa escravos, correm-se folhas. o liram-se ttulos de residencia : para este fim, procura-se na ma da Cadeia do Hecife n. 55, lojide fazendaa do Sr. Luiz de Olireira Lima, e em S. Antonio, na ra do Qneimido n. 25, loja de mmdezss de Joaquim Houteiro da Cruz. — Pede-se 10 Sr. antigo negociante de sebolase bitatis, dos outros, hoje empresa lo, em doscobrir quem he Pepillet Gabrion, e os mais que escrevem vetativamente aos theatros, quando declarar as deseobertas que tiver feito, nao impute a outrem o que Un.' nao pertence, senSo quizer passarporum vil intrigante e calumniador ; isto Ihe pede aquello que parte aiguma tem (ido nessas polmicas e S. S. quiz endispor com pessoas a quem respejta. —O offendido. — Francisco de Paula Carneiro Leao mudou a sua residencia da ruad'Agoas Verdes, para o atterro da Boa-Vista n. 7a. -Pede-se ao auclor do anuncio da imareusa 11 265, que nao involva em suas babozeiras pessoisque tivuramuina tal ouqual %  Lie ii'.r.o, e de urna conducta regular como aquellos qoo s poda a fazer parellia com o i-ipi.'.-t -1. 1 hr.'.lo, ou estravagantc Joao maluco ; quo muito bem se pode dizerpue he a mesma obra em diiferenies volumes.logolhe di/, o resto. O Cantor. mam compensado. — OSr. Caetano da Silva Piran los, quoi ra ter a hondade de ir no escriptorio dn Noui's n 1:11111' ii'n ', na ra do Trapiche n. 31, ou annunciar sua morada para ser procurado. — Roga-so ao Sr. Antonio Maxiaiiano da Cosa, representante, do Apollo, queira ter a bondade de ir, ou mandar pagar a quantia do 2:.',nao rs., que devo do fazen las compradas, ha 4 para 5 111 ios em quanlo o nHo fuer vera o seu nome ucsto diario : na ra do Crespo n. 13. — Perantio Dr. j liz do cvol da primoira vara, no dia 9 .lo eorrenle, na sal da audiencia, Lu 1 ser arre nalado, um moleque penliorado Domingos Porei'a Mendinha. Banco de Pernambuco. A direccSo do Banco do l'croumbuco contina a recober assignaluras para o 111 'smo, as pessoas que quizeremassignar o devem f izer quauto autes alim de _• o M 1 r 11 da vantagem do enlrarem com o importe do suas assignaluras ms prcstacOos que prescrevein .osoalilulos, cortos Jeque cm principiando o mesmo as suas operaces, dahi em 'liante aquellos quo quizorom a--i.ii. ir, havendo ainda lugar, s o podcr3o fazer, enlranlo com o importo de suasacr;Oes em dinlioiro a vista. Contina a estar patetto a assignatura no escriptorio do Sr. Minocl ; Lineal veda Silva : na ra da Cadeia n. 36, todos os dias uteis al meio da. — M. J. de Oliveira secretario. Ao publico. O director emprezario do theatro do Apollo tem a satisfago de fazor scicnto ao respeilavel publico dosta cidade, que com iiiui; 1 brevidade clioga a esla capital o— nume dasconi brasileira, Jo3o Cnotano dos Santos, —para lr.iluilh.ir no seu theatro. E para que nilo baja alguem que duvide, cis mais abaixo transcripta a ultima carta d'aqucllo grande actor. Igualmente o director emprezario declara quo como j ha um grande numero de pessoas que quorem assig 11 ir camarotes para as recitas em que deve cifrar o ador J.iSo Caetano, o para que nao omprossoi cspalhados, por muita partes no malo ja da outra fgida quo fez, o cujos puleiBo servia para esta fgida. — Pcter lleanc, subdito inglez, retira-se para fra do imperio. — H ¡arique Augusto Milet, sabe para fra da provincia. — Macluph Beuscluw rotira-se para a Bahia. •-Qarta-feira 10,la eorrenle, hea ultima pracj om grao da adjudicao da crsa de sobrado meia-agoa, cita na travessi do encanamento, a qual ter lugar na sala das audiencias, linda a audiencia do Sr. Dr. Jos Itiymundo da Cos Monezes. — NapoleSo Gabriel Bez embirc para o|como ja communiquei a V. S.; o entSo ahf scena sabbado 13 do correntc. lllm. Sr. Cumiaras. Pernimbuco. Rio, 21 de novembro de 1851. Remelto-lhoas partes das peis que pretendo atti representar, o peco a V. S. o favor de as distiibuir como vilo nolai&s. Apesar de mi adiar com as obras da reedificoslo do theatro de San Pedro do Alcntara, como V. S. ver do projeclo junto, todava isso no impedir a que se cumpram os meus desejos de ir provincia da Kahia, no proxi no paquete de de dezembro, e .Lili rartirei para essa provincia, Rio de jauoirn, sua escrava Cathanna, parda,o Joaquim, crionlo. — No aterro da Boa-Vista n. 37,loja de marcineiro, indica-se sondo vonde-se um crioulo forte pora todo oservico. — Aluga-se um sala com 2 quinos : na ra do Livrameolo n. 1. --Precisa-sede urna ama forra ou cativa, para fazer o servir;.) de um cis de pouca familia : em Fra de Portas, ra do Pilar n 72, segundo andar. — N80 se lendo reunido numero legal para lia ver ole ¡cao da meza regedora de Y .Sala Conceicao da Congregado para o anno convidada para domingo 7 do correte. O escrivfio torna a convidar os iranios pareo dia 9 as 6 l|2 horas da larde advertindo que se far a eleicao com o numero que se raunir. Preoiaa-ss de um caixeiro portuguez que lenba aiguma pratica de venda : na ra do Pilar em fra de portas n. 113. — Aluga-se u segundo o terceiro andar do sobrado da ra do Queimado n 40. --Avisa-so aoSr.F. \. C. G. J. que apparuea na ra do Collegio n, 3, loja da miudeza. Compras. — Compra-se umanegrinha de 12 a 14 annos de idade : na ra larga do Rosario n. %  26, loj de utiudozas, que so dir quem compra. Pendas. me lera a sua .nsposico como AtTectuoso amigo e obrigado Joto Caetano dos Santot. — Ronbaram hontem 6 do correte da guarda da cadeia, ao alferes do nono bataIhla de infantina Domingos Alves Branco Mum7 Ramio, um relogio de prata, oritontal aoisso, com mostrador de prata, e tambem com o dilo relogio urna correte de ouro. rom urna coralina no oenlro coro arco azul, e oulra mais, da qual o aa11 u ne. 1 .Le nSo tem lambraofa ¡ quem deste rouLo sober, ou d'elle liver denuncia, podara se dirigir ao annuncianle no quartel da Solidada que ser recompeocado. — O padre Francisco Coelho de Lomos e Silva fazscienleo respeilavel publico, que tem mudado a su residencia, e ostabalacimanto para a ra do Collegio n. 20 primero andar, onde continua a onoadernar, e espera a mesma concideracao, e favor que sompre tem recobido. Abi vende livros lanto de direito, como de bellas letras, e — linguaa mximo a latina de qoo tem um emeoota portei indo para pagamento: na completo surlunento, Iroca e compra todo ra da Cadeia obrado de um andar passane qualquor l;vro com tinto qua n3o Ihe fal¡ a caaa da Guarda da Cadeia. FOLHMAS PARA 1852. Siluran a luz. as folhinhas impressas nesla lypograpliia, sendo de porta a iGors., e de algibeira a 3-AO rs., contendo todas as de algibeira alm do calendario, a de(inico dos corpos celestes, astrologia, cometas continuado da cltronologia principiada, ha annos, juizo das mttdancts de tempo pelos meteoros, tabela dos emolumentos dos parochos em todas aa funegoes religiosas, e urnas collceces Je anecdotas,bons ditos,etc., outras a conissao do marujo e outras a linguagem das llores, rnctas e jogos de finezas de llores; e breve sahirao as de almanak, muito acrescentado e corrigido : vendem-se n* livraria da prafa da Independencia n. 6 c8. Espirita de 3S grSts. Von le-se espirito de 38 graos a 1,000 rs. caada, e a retalho ; na dislillacSo da travessa da Concordia. — Gran Jes mappas do imperio do brazil, com a planta das principies ri lados por Conrado, coronel de engenheirus : no pateo do Collegio casa do livro azul. CASIMIRAS BARATAS. Veode-se os mais m idernos cortes de caso nirn que ha no mercado a 4,500 ra. cada corto, briol moldado muito proprlo para pililos ejajuetas a 320 rs, o covado, cortea de cambraia de seda com 13 covados a 6,400 rs. o corlo, cortes de caca deoores a 2,000 is. un ..3 limitas azenas qus o ,prccviconda : na ra do Queimado n. 19. — Vende-so um escrava mulata, com idade da 19 a 20 annos com urna.cria da tdidede I anno; lava, engmala, e cosinhaodiirio de urna casa : na ra da Guia n-9. Frutas de Portugal. Vende-se frascos grandes oom pessegoi, damascos, cerejas e ginjis muito bem conservadas e pelo diminuto precode 1,000 o frasco: na ra do Rozario larg n. 80 -Vende-se um relogio da prata patente suisso : na ra larga do Rosario n. 26. loja de iniudozas, Pichincha. Vandom-se couros de lustro pelo barato preco de 1,600 rs. a pello : ni ra larga do Rosario n. 86, loja do mludezas. Vende-se um escravo crioulo, idade 2 annos.vindo da cldds do lo, cujo escravo cozinha sofrivelmente o diario de urna caaa, nao lem vicios nem achaques, e vonda-ee


xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EV37TSORV_6WZW1W INGEST_TIME 2013-04-24T17:44:13Z PACKAGE AA00011611_07282
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES



PAGE 1

l'ECHINCBA. Ainda existe urna pequea quantia das superiores colxas de linlio, do niclhor gosto que tem apparecido DO mercado, pelo barato pre(0 de 10,000 rs. cada urna : na ra do Queimado, 'loja n. 17. Dinlieiio vista. 4 oAlgodlo para saceos. —'Vendem-se as seguinles Na loj* do sobrado emircllo, nos qmiro bras:-• c;coc;raphia por t'hanchurd nlos da rua do Queimado n. 29, vende-so *M a S godso para saceos, pr preco multo come • luniz, com rica cncaderna93o, a a mappas c 3oo estampas ; al. modo. Vendem-so pelo custo selios inglezes.forrados da couro de porco, ditos de borranha, ditoa desoa com estufo, si Huios para montarla de senhora, cabezadas rolicas, dilas chatas de lustro, esporas finas de metal branco, estribos de metal branco, ditos de 1(0 : na rui Niva n. 28, loja de seleiro. — Vende-sc, por preco commodo, fumo em folha, para charutos de primeira e segunda qualidades, macolla cliegada ultimamente do Porto, e cal virgen) de Lisboa tambem desembarcada poucos dias : a tratar no armazem de Dias Ferreira, no caes da alfandega, ou com Novaes & Companhia, na ra do Trapiche 11. .'1 \. V^BSafg^SfS^l %  P^ i ;ag¡-.^ Juventude <>> gardo Mangoinho, que^llc. defronte dos sitios dos Srs. Cameiros, com Q por A. de Lamartine, versao PorChapcos de castor branco. Vondern-se.na fabrica dechapeos de Chrislnoi & Iranio, na ra Nova n. 4*, os mais modernos o superiores chapeos de castor branco, chegados recenlemente da Inglaterra, pela galera Linda. OOOOOOOOOOOOOOOOQO O Vende-se um elegante c-i 1,700 rs. o Mimos da exposi(So. 4) 4 Na loja do sobrado amarello nos quaj ajj tro cantos da ra do Qucimado n. 29 (§ % tom para vender a nova fazenda para •B vestidos do senhora, denominada mi# mosda exposicSo, fazenda de dilica_ f dissimos gostos c coros muito fixas tt pelo diminuto preco do 440 rs. oco4 ##.#£*>**£;# + Chita larga franceza, a aq.0 rs. Vende-so clnlu franceza larga padrOes modernos, escuro* e claros, o cores lizas, pelo baratissimo preco de 240 rs. o covado, tendo grande porreo para oscolhcr : na loja do sobrado amarello, nos qua tro cantos da ra do Quoimado n. 29. Sedas furta cores, a covado, por lao diminuto preco, que mdcixar de ter um vestido de seda para a festa ? na ra do Queimado n. io, vendem-se as melliores e bonitas sedas furia cores, para vestidos de senhora, meninas c manteletes, a 1,700 rs. o covado ; damse as amostras, ou mandam-se as pecas em casa para melhor o comprador csccillier. — Vendem-se relogios de ou ro eprata, patente inglcz : na ra da Senzalla Nova n. .Ja. -No escriptorio de Novaes & Companbia, na ra do Trapiche n. 34, tem para vender por preco commodo os soguintes objectos chegados ltimamente: chapos do chile interlinos, tinta para escrever, graxa cm potes para calcado, linliu deroris, macos com palitos cnfeitados e panno do linlio:a tratar no mesmo escriptorio. rt> flores c perfumaras. Vendcm-se ricos vasos do porcolana da China de varios tamanlios para florse perfumarias, de todas asqualidado : na ra da Cruz do Hccife defronlc do r.urpo Sanio loja do barbeiro n. Toalhas e guardanapos. Na loja do sobrailo amarolio, nos ijuulro cantos da ra do Quoimado n. 21), tem para vonder um grando sorlimonto de toalhas do diferentes Umanhos, e em pora que so vendo oto varas ; sssim como um grande sorli ment de guardanapos do diversos tamaunos e qualidados, equetudo se vendo por preco de agradar ao comprador. Cortes de chita e cassa. Continua a haver grande sorlimonto de cortes de vestido de chita, com 12 covados em um s pedaco, a 2,000 rs.; ditos de cassa de cores, fixas e bous padres, a 2,000 rs.: na loja do sobrado amarello, na ra do Quoimado n. 29. POTASSA DA RUSSIA. No armazem de Jos Teixeira Ltasto, na ra do Trapiche n. 17, ha para vender, nova e superior potassa da liussia, chegada recenteniente. Arados de ferro. Vendem-se arados de diversos modelos, assim como americanos com cambio de sicupira c bracos da ferro : na fundico da ra do Brum ns. fi, e 10. Deposito de cal virgen). Cunda <•Amorim, vendem barriscom cal cm pedra, chegada ltimamente do Lisboa, Q grande casa de vivenda, de qatro X Q agoas, grande sonzalla, cocheira, n\ estribara, baixa de capim que susX S lenta 3 a cavallos, grande cacimX J.'' ba, com bomba e tanque coborto ; Jj para banlio bastantes arvoredos de JS* W fructo : na ra do Collegion. 16,seJjJ O gundo andar. — Vendem-se velas de espermacete, em caixas.de superior qualidade : em casa de J. Keller & Compauhia : na ra da Cruz numero SS. Viulio de Champagne, esuperior qualidade: vende-so no irai em Kalkmanu Irmaos Ra da Cruz, n. 10 AGENCIA da fundico Low-Moor. ItUA DA SKNZALLA NOVA !. 42. Neste estabeleeimento contina a haver um completo sortimcnlo de moeudas o mcias moendas para engenho, machinas de vapor, c laixas de ferro batido e coado, de todos os tamanhos, para dito. Agencia de Edwin Maw. Na ra itc Apollo n, armazem de Me. Cal1 ii '. Companlifa, acha-se conslanlemciilc bous aortinieotos de laixa de ferro coado c balido, lano rasa como fundas, moendas ineiras todas de ferro para anin.ies, agoa, ele ditas para armar em niadcira de todos os tamanhos c madellos o mals moderno, machina horisonlal para vapor, com forca de 4 cavallos, coucos, passadeiras de ferro eslanhado para casa de pulgar, por menoa preco que oz de cobre, escovens para navios, ferro ingles lauto cm barras como cm arcos folhas, c ludo por barato preco. Antigo deposito de cal virgem. Na ra do Trapiche, n. 17, ha muito superior cal nova cm pedra, chegada ltimamente de Lisboa -Vendem-se cera cm velas fabricadas em Lisboa c no Rio de Janeiro, em caigas de 100 libras sortidas, de 1 a 16 cm librare tambem de um s tamanho, por menos preco do que em outra qualquer parte : trata-se no escriptorio de Alachado & I'inheiro, na ra do Vigario n. iy, segundo andar. • Principios geraes de economa publica c industrial. Vnnde-so esto compendio, approvado para as aulas de primeiras letras, a 480rs. : na praca da Independencia, livraria n. C es. Casa de commissao de escravos. Vcndera-sc escravos c recebemse de commissao, tanto para a provincia como para lora dclla, para o que se olFerece muita.s garantas a scus dorios .• na ra da Cacimba n. 11, primeiro andar. Talxaa pura enfeitlio. Na fundicSo de ferro da ra do llrum, acaba-so de recober um completo sorlimonto de lai&as do 3 a 8 palmos de bocea, as quaos acham-so a venda por preco commodo, o com pi'omptidflo embaream-sc,ou carregam-sc cm carros sem despozas eo comprador. Deposito de cal e potassa. No armazem da ra da Cadcia do Hccife n. 12, ha muito superior cal de Lisboa, cm pedia, assim como potassa chegada ltimamente, a precos muito rasoaveis. — Vende-se um carro de qatro rodas, muito leve, para um ou dous cavallos: na cocheira do flliguel Sougei no aterro da Boa Vista. Deposito la Cabrio le Todos os saniona Unala. Vendo-so, em casa dcN. O. Bieber&C. na ra da Cruz n. 4, algodSo transado daquclla rabrica, muito proprio para saceos do liigueza; Tratado C'emmcrcial; oraO briolet descube, to, muito le£ culo, ou o livro dos Destinos : na ruada Cruz n, -to, primeiro andar. Farinha fontana, chegada ltimamente: em casa de J. J. Tasso Jnior, na ra do Amorim n. 35. — A bordo do patacho Margarida, fondeado defronte do arsenal de guerra, ainda ha a superior farinha de mandioca, chegada ltimamente de S Calharina, que se vender por menos preco que em outra qualquer parte, para acabar: trata-sc a bordo, ou na ra da Cruz n. 33, com S Araujo. — Na ra Nova, n. 61, vende-se urna mohilia do Jacaranda, j usada, bemcoino 30 telhas de vidro, por preco commodo. — Vendem-se duas rotulas fortes, forradas de ferro, novas e de amarello, por preco commodo : na ra do Passeio n. 5, loja de fazendas. Manteig sem sal. NHose linha descoberto ate boje um meio de conservarla manteiga do vacca sem sal. Nos paizes consumidores, como a bordodos navios, s so gastavo mantoigas preservadas a cusa de muilo sal. Pelo meio de urna nova invenc3o,queja ba muito experimentadaadquirioa certeza da perfeiclo, pode-se em toda a parlo do mundo gastar manloiga pcrfeitanicnlo conservada fresca sem sal algum. Cbjecto de primeira ncccssidadc para a arto culinaria e para a meza, a manteiga sem sai lie indisponsavol para osdoentose convalcscontes, puis be formalmente proscripta pela linlilrnp.il lua ; o ur.-lr llilllllil casa ella torna-sc tanto mais apreciavol quanto he pura do qualquer substancia que a possa alterar nos scus benignos ofleitos. Finalmente podegaslar-se tal qual nos paizes productores. Na llavana e as Autilhasfrancezas esta invencSo foi recebida com gratidiio, pois era do ha muito lempo apetecida, Em l'ernambuco, que nSo cede em bom gosto a outro paz, nilo duvidamos que seja reconhecido o seu merecimonto. Recomenda-se a manteiga sem sal as peasoasque gos* ¡.lo de passar bem : ba toda a ceileza de quedepois que a tivereui provado n3o quererSo mais saber de manteigas salgadas para seus almocose para seus chas. Acba-se a manteiga fresca sem sal por preco mdico no botequim francez da ra nova, o na venda do Puntes, & Irinfo : ruada Caileia do Recife. Q ve e de ptima construyo Q O com o competente cavallo O tambem muito superior: na § .*. cocheira do Lourencn, na O ra da Guia. o — Vendem-se 26 pranchOea de louro, no caesdn Ramos : a tratar na ra da Cruz do Recife, armazem n. 62. No mesmo armazem vendem-se suecas com arroz da trra, tudo por commodo preco, para feixar contas de venda. Lotera de Nossa Senhora do l.ivramento. Aos 5:000,000 de rs. Na loja de miudezas da praca da Independencia n. 4, vendem-se bilhetes inteiroso meios, a beneficio de Nossa Senhora do Livramento, que corre iofallivelmente nodia 23 do correte, e oSr. thesuureiro pagano dia 24 do correte. Bilhetesintiiros 10,000 rs. e meios 5,000 rs. Parajardins M. D. Rodriges na ra do Trapiche n. 26, recebeu urna completa collec;3o de adornos para jardins, composta de vasos de louca, brancos e piulados de todos os tamanhos CIDADEDE PARS. MOA VV, una do Colleg:l0) n. 4. Novo sorlimonto do chapeos de sol, para homem e senhora, a saber : -chapeos de sol de seda, armac.lo de balis, de 4,500 rs. para cima; ditos ditos para senhora, de 4,000 rs. para cima ; ditos de panno lino, de armac.io de baleia e de ferro, de 1,600 • 3,900 rs.; ditos ditos de armacSo de junco, de 1,200 a 1,800 rs., todos limpos : grande sorlimen to de |edas e pannos, em pecas para cobrir os mesmos, baleias para vestidos e espartilhos de senboras. Concertam-se todas as qualidades de chapeos de sol, tudo com perfeicao e por menoa proco do que em outra qualquer parle. SALSA PAIUIILII:. DE As numerosas experiencias feitas com o uso da salsa parrilha em todas aa enfermi88 anno, do .llora regular, aeeo do co rDr or fula, pouca barca com urna marca da n. Co em um braco oernas algum' ti n i 0 „ chadaa, meio gingador no andar, com um marca ou relladura pequea na cabeca BPU coatumo do carregar, leudo levado calca zul mosclada e corroa na cintura n.r segurar, carniza branca, bonet de maruin >1 usado, das quaes rotipas talrez ji lonh. mi dado.e bem assim nome. SuppOo-se ter A guido para algum engenho desta capital n para qualquer outro lugar onde esle. cft ,, lado. Protesta-se contra o ditentor, e nnr mdemnisacHo dos prejuios cauzadosA Z ga-se a todas as autoridades e peasoa'jn.r" ticulares, que o poderem mancar capiurar que o mandom intregar na meama cid.de em a ru. di Cruz n. 17 defronte do char.riz seusenhor .baixoassigoado quegraliflcarA mu generoz.mente .os condotores. Uanoel Jo.quim Nev — Desapp.recen no di. 3 do correnl rf. ru. do Vigario n. 85 terceiroandar um mo lato claro; cabellos caxi.dos, tem na fr.„ tB lima ilnntae nn.l-m. — 1... %  ,lu doisdentes podres, e levou camisa do .leo" Un 'oga.qu.ldfioznhode listra, e calca de brim trancado pardo, j com ilgumas nooas, rosa a qu.lmodellos. Figuras representando a'"'cst; An'on'o los Peixto 'em sua clnica, eem cOesdoanno, asparles do Globo e lodos os ,sua afamada casa de saudo na Gamboa, pquer pesso. que o peg.r lev.l-o na dit. casa a seu senhor que serS generosamente ro compensado. -No dia 23 do passado, des.pp.recou do engenho Arornbi, freguezia delpojuc, um. mulata, bem Iva, cabellos bem protos malos oncolhidos, um tanto baixa e magra com sardas pela cara, nariz afilado, porm grosso, e presentemente teve um tumor no d.des, originadas pe. impurez. do s.ngue, Zsmhr'iHovTA.ilIV? 1 coro %  : uem %  e o bom osito obtido na corte polo Illm „!„-"' e a V ," n M !" e ¡¡* M,ho 5 U J ,,U Sr. Dr. Sig.ud. presidente d. academia imJ f?m M r. n 7 ? n rque deM.ceporial de medicina, polo lllustrado Sr. Dr. !" J >, E. n i. r !" .?f I"'t "• 3 ro com bocea larga de diversos tamanhos, latas combolacbinliasde Allemanha muito novas, alvaiade muito lino cm barricas, zarcao e secante em barricas, pedra hume em barricas, essencias de canella, travo ezimbro, sevadinha cm garraoes e sal de l'psem muito alvo e.n barricas. Faz-se todo o negocio. Vende-seuma obrjgacSo, do passado por ClaudimAios Santos Lopes Castello Branco, mostr de primeiras letras na villa do Cabo, da quanlia de 180,700 rs.; na ra da Cadea do Recife 11. 8. t'arellos de arroz Lsta ja 13o conhecida substancia alimentari. para os cavallos prximamente chegados, em sacas por prego commodo vende-se no armazom do Sr. Antonio Anncs;no caes da Alfandega. Calcados a 800, a,5oo, 3,000, 4,ooo, c 6,000 rs., no aterro da Boa-Vista, defronte da boneca, assucar o roupa do escravos, por precocomlia chegado reccnlemenlo os bem conheci' I dos S8 Palocs do Aracaly, taulo para homem -um cnsa .,.. I .. I 1 I I ¡m na barca Margarida, por menos preco do j da "xcellento e superior vin/io tic Burs., ditos para homem os melhores ruadaCace "i< m barris do 5.*, he muito recomtem viudo da llahia a 3,000 e 4,000 rs., o hoque em outra qualquer parte: na dcia do ilecife n. 50. Bonib&s de ierro. Vendem-se bombas de repuxo, pndulas c picota para cacimba : na ra do Brum ns. 6, 8 e 10, fundico de ierro. Farinha de mandioca. A mais nova e mais barata farinha de mandioca que ha no mercado, vende-se na ra da Cruz do Recife, armazom n. 13, de Jolu Carlos Augusto da Silva. Azeite de carrapato da fabrica de Araujo & Filhos, no Penedo. --Este 8zeile pela perfeicSo cm que he fabricado nSo s serve om lugar do azeile doce o de coco, para qualquer qualidade de candieiros por mais delicados que sejo, como be muito prefirivel a qu.lquor oulrn por dar urna luz mais brilhante, ser mais dur.livo, e seu custo ser mais barato ; nSo tem o cheiro desagr.d.vel que exala o azeite de carrapato commum, nem em nad. delleseassemelha. Vende-se em barriz de 16 caadas • 2,400 rs. a caada, no armaaem de J. J. Tasso Jnior, ra do Amorim o. 35. Moinhos de vento com bombas de repuebo par. regar borlas d baixas de capim : vendem-se na fundico de Bowman & He. Callum, na ra do Brum ns. 6.8 e 10. — Vendem-se amarras de ferro: na ra da Senzalla nova n. 42. Casimiras baratas. Vendom.se os mais modernos cortes de casimira, que lia no mercado, a 5,500 rs. I cada corte, tendo grande sorlimcnto para o quo ni uarria uu a. ne muuo recomlem viudo da llahia a 3,000 e 4,000 rs., mendavcl as casas estrangeiras, como ex-.tins a 0.000 rs.; assim como um novo e escolenlo vmho para paslo. | completosortimonlo de calcados franoezei Arados de ferro. Jdo todas as qualidades tanto para homem Na fundico da Aurora, em S. Amaro, 1 como ? ara S0 ,l0l 'a. meninos c meninas, vendem-se arados do ferro do diversos mo~P elcs do marroquim corles de tpele a dolos. %  8U rs., e scDdo porcHo, d-se por menos, Mmiidas superiores. i lud0 alim d e se apurar dinheiro. Na fundico de c. starrt Companhia,' Cal virgem em pedra, em S.-Amaro, acham-so venda moendas chegada recenlemente do Lisboa, om ancodo canna, todas de ferro, de um modoloo ras, muito bom acondicionadas, vende-se a construcgSo muilo suuerior | preco muilo commodo : no armazem do SilCheguem freguezes antes que se va Barroca, na ra do Trapicho n. 19. acabe. No armazom ileMartins oc Irnio, na ra Sal cm paneiros. Vende-sc no Armazom do Sr. Antonio Anda Cruz do Recito n. 62, cliogaram ultimanes, no caes da Alfandega uu trala-sc com monte os seguimos gneros de muito hoa;J. II. da Fonseca Jnior : na ra do Vigario qualidade : %  queijos londrinos, prezuntos n. 23, 2. andar, inglezes e do Porto, conservas inglezas e Fazendas para senhora, por barafrancezas com dlTerentes frutas, latas de salmSo, ditas de ervilhas o sardinhas de es, ditas com bolachinlias ioglnzas to preco. Cambrtias de salpicas branco e do cor, a mermelada de Lisboa, mostarda, o minina4,500 rs. com 8 112 varas, e 640 rs. a vara ; creditadocba deS. Paulo, caix.scom muito ditas francezas do bom gosto, a .560 rs, a superiores macas linas para sopa, gigos com i vara ; ditas co.n listras de cr a 3,000 rs., a champanhe, vinho do Xerez, Madeira, Bu-jpeca com 8 varas; cassa preta a 100 rs. ¡ celias c Poito, garrafas com oxlrait de abcovado ; corles de cassas pinladas.a 2,000 o sinthe e outros muitos genoros, tudo por corles do chita com 12 cova los, a 1,920 e de 9 annos, propro para qualquer oflicio : na ra larga do Rozario, loj. n. 35. l'or 80,000 rs. Vende-se um piano ¡nglez, em muito bom estado, por 80,000 rs. : na ra de S. Concalo n. 20. Novidade, Vendem-se frascos com mais do 6 libras cada um, com cxcollenle doce deannao.es em calda, foito no MaranhSo, chegado no ultimo vapor do norte : na ra da Cadeia do Recife, vonda n. 25, de Manoel Jos do zem de Klkmann Irmitos, ra da Cruz n. 10 I mmwmBmm#:mmmmmmwm J§tantois Pailhet& Companhia. Continua-se a vender no deposito 9 g geral da ra da Cruz n. 52, o excelm • Mulo e bem conceituado rap areia M prelada fabrica de Gantos Pailhot& ;¡; Companhia da Babia, em grandes e p S pequetas porrees pelo preco cstabeI ajjglecido. a ,::—;; ^ v ; ..,, % %  .,, :-,..,,, ^ — Km casa de J. Keller & go. e n. de n. 23, de Autonio da CoaU Fe^' om pa nl a. na ra da Cruz n. 55, reir Estrella. ha para vender um piano forte -iVdrs^„x5 l ^s:;s. i ch ^ do %  ¡rtr -1 da Knropa quer repartimento, ou estacada, por preco i e com Cxcellentes vozes : trata-se muito commodo, por j terem servido, assim como uns fiteiros, proprios para qualquer estabeleeimento : atrs do theatro, no mdico preco. Velas de carnauba em libras. Vendem-se velas do carnauba imitando espermacete : na loja de saleiro da ra da Cadeia do Recife n. 36. Prezuntos. Vendcm-se prezuntos americanos, muito superiores c por barato preco : no caes da Allandoga, armazem defronto da arvore. 1,800 rs. ; lencos de finissima cambraia de linho, a 480. 560o 640; ditos de cambraia de algodao com bico, a 440 rs. ; liarlos de cor muilo encorpados, a 200 rs. ; Jilo a/i. os com 4 1|2 varas, a 200 rs. ; e algodSo transado com listras, a 180 rs. : uaruado Crespo n. 6. Alt'.nco. Acaba de chegar no vapor almperalrizi a loj. de Souza Jnior n. ru. do Queimado junto ao beco da CongregacSo n. 37 A os biAttencao. Vende-se, por 3:500,000 rs., o sobrado de"biihctes, e cautellas da lole'ria do theatro~S. comprador cscolher; na rus do ueim.dn ¡ dous andares e soino, com tr.poira e loja relledro de Alentara cua lista vem no 1. v .loia do sobrado amarello n. 29. 'i partida, com lioa cacimba na chaguo eom por.o venlem-se pelo haralissimos procos SaiiAtrwdp tanr-le chaos proprios, no Recife na ra do Apollo>baixo. oapaios ue tapete. f n29 ni roesmi rua n 3i> ge dir4 em UllhBl( 9 22 000 Vendcm-se os bem conheeidos corles de; vende. > Meios Bilhetes II 000 tapete, para rpalos, a 500 rs. o par: ni — Vende-se urna poico de madeira ao .-' Qu.rtos j'soO rua do Queimado, loja do sobrado.marello marello, em pranchfio, a preco regular : n.|Oit.vos a.'sun n.29. pr.f* do Commercio n. 6, primeiro andar.' Vigsimos 1,300 armazem de laboas de pinho. -Ricos ternos de bandejas, cachinhas com 6 papis de agulnas muito superiores colherea de metal do principe perfeila imitacao de prala,raccas com garfos muito finas, chalenas, frigideiras, cassarollos o panellas de ierro forradss de louca.fogareirosgrelhas e mais pertences de cosinha : na ru. Nov. loja de erragensde Jos Luiz Pereira. J Deposito de lecidos da fabriJ > ca de Todos os Santos, %  na Bahia. Vende-se em casa de Domingos AI%  ves Matheus, na rua da.Cruz do Re• g ene n. 52, primeiro andar, algodSo %  T irans.dodaquellafabri'ca.muilopro* fT prio para saceos e roupa de escraJ t vos, assim como lio propro para re2 #. desdepese.r e p.vios par. veilas, 2 s> por preco muito commodo. ^ MA mk&t AAi Tinta em oleo branca everdo: vndese no armazem Ue Kalkmann Irm.ilos, rua da Crnz n. 10. MOB1LIAS DE FEIihO. Vendem-se ricas mobilias de ferro, como canaps, mesas, cadeiras com braco c sem elle, e muitos outros objectos de ferro : no armazem de Kalkmann Irmaos, na rua da Cruz n. 10. na casa dos mesmos. Cadeiras. Vendem-se cadeiras para meninas; noarIrmaos, na rua da mazem de Kalkmann Cruz n. 10. Molduras douradas de todas os larguras : vendem-so no armazem de kallkmann Irmaos.ruada Cruz n' 10. — Em casa de J. Keller & Companhia, na ruada Cruz n. 55, vendem-se marroquins superiores, vindos de Franca pelo ultimo navio. Charutos de Havana De superior qualidade : vendem-se no armazem de Kalkmann Irmaos, na rua da Cruz n. 10. Escravos rugidos. 30,000 rs., de gratificaso Desapp.receunodialade julho do corP?,? n nn rt ?5 ,n, l0( ^ u, "¡""'o de nome Paulino de idade de 10.unos pouco m.is ou menos.cor amarelada por tor vicio do co•TLiw/nl,"' 8 Ch t0 e fei0 lavou camis de K osno 8 "J a • Ic.deriscado.sem nln P J.?nl f "SM*^ P r,enC8 ,0 Sf nt c „ 5 T ? ,W "au. ,-quemopeg.r leve-o u rua da Cacimba n 11 o. ru. do L.vramento n. 26segundo indar que recebera a gratil.cacJo a cima, o se protesta contra quem o tiver oculto %  ""• --Acha-se fgido da cid.de do recife deade o da adejulho do corrento a„no do 1851. o piolo Joao de n.cao Qui S am, com idado do 100,000 rs. de gratifJcacSo. Roga-se as autoridades policiaes, que capturem o escravo Manoel, pertencente a SebastiSo Marques do Nascimento, fgido desde o dia 8 do mez de setembro. Foi elle escravo do Sr. Gabriel Aflonso Rigueira, i quem foi comprado ltimamente : lera 28 annos de idade pouco mais ou menos, cor fula, com falta de dous dentes na frente, e de cabellos do lado eaquerdo da cabeca, que se torn. bem visivel por parecer urna cora, tem olhos pequeos, beicos grossos, sem barba, baixo, corpo regular, he olllcial de funileiro. Trajava jaquel, de risedo azul, calca branca, camisa de madapoln, e levou urna trouxa, contendo calcas ejaquetas : quem o apprehender e levar i rua da Aurora n. 62, recebera-. gratificado promettida. Suspeita-se que fosse seduzido, e por isso desde j protesn-so contra quema conservar em seu poder. — Desappareceu na tarde do dia 13do passado um escravo por nome Joaquim tem os signaos soguintes : boa estatura, representa ter 35 annos de idade, falla desembaracada, pes grandes, tem todnn denles da f'en'e, nariz chato, quando anda estala as juntas dos joelbos, levou camisa de algodfiosiobo branco, calca do dito azul, este escravo foi do mato: quem o peg.r leve-o a typograpbi. imparcial a fallar com a viuva Roma que ser recompensado. — Desapp.reeeu no di. domingo, 12 do passado, um preto que representa ter 45 a 50 annos de idade, de nacSo cacange, baixo, cheio do corpo, sem defeito algum no.corpa, levou vestido, caiga de cssemira azul elara de quadrosejvelha, coleto desetim preto velho, jaqueta de brim pardo,camisa de madapoln, chapeo de sed. preto ; presume-ae que anda pelos arrebaldes deata cidade, pois apezar de ser do sertao nao sejulga que tenha voltado : roga-se portento as autoridades policiaes o capil&es decampo, a captura do mesmo, levando-o a ra. do Vigario n. II, lerceiro andar, que se recompensar. — Desappareceu na noite de 30 do mez lindo, de bordo do brigue Feliz Uoio, um escravo marinheiro, de nome Joaquim, de naci Mocambique, de idade de 30 e tantos anuos, baixo, grosso do corpo, cor fula a sem barba, levou vestido calsa e camisa de riscado: quem o pegar, leve-a bordo do dito brigue, ou a es. de Amorim Irmaos, na rua da Cadeia n 39, que ser bem recompensado. — Desappareceu da fabrica de caldelreiro da rua do llrum n. 28, nodia 17 do passado mez de novembro o preto Antonio, de nacao chinda, qua representa ter 45 annos de idade, altura regular, cheio do corpo, cara abocetada, muito cabelludo nos peitoj e com bstanles cabellos brancas na cabe?a, e um pouco carrancudo; he olllcial decaldeireiro, foi encontrado as Cinco Penta, o seguio o caminho dos Afogados, e he nalu,' ral que seguisso mais adianto por ter levado tola a roupa que linha, a por j ler sido pegado do outra vez n. freguezia da Kcd. : roga-se porlantu, a quem o pegar de leva-lona dita fabrica cima, que ser recompensado. %  v V'\Tvi' 'ir Mi' ii' F i'.i



PAGE 1

Anno XX Vil Terca fe¡ra U He Dezembro de 1851. N. 278. %  e* DIARIO DE W PEMAMBltO. Bt?0 >A sUBORirgAO. PietKIHTO ADUHTlEO. Par trimestre Por semestre t Por anno PlOO DINTSO DUTDIHUTRI. Por qutrlel VOTICrAl DO 1MFIBIO Pari '13 deNovbr.lMinas... iSdeelbr. Maraubao I9de di lo S. Paulo. 3 de dito. Cear... '2 de dito. 'R. de J.. 25 de Novbr. Parabiba. 22 de Kobr." Hahi.i... I de Dezbr. 4/500 DIAHSA • %  MINA 8 Seg. >ff>f< Concelcao de N. Senhora. 9 Tere. S. Leocadia. 10 Ouart, S. Melquades p. m. ; 1' Qulnt. S. Damazop; 13 Snt. S. Justino m. ; 13 Sab. S.. Lmla v. m.; 14 Doin. 3. do drenlo. S. Angello. AUDIEMCIAM. Juitorfe Orphaoi 2. e5. s 10 horas. 1. rara do civil. 3. e6. ao me i o -dia. Fazenda. 3. eli. s 10 lloras. 2. vara do civel. # 4. esabados ao melo-d. Relaeo. Tercas e sitados. mu. Creicente i 30, as I horas e 55 minutes 4a ro Chela a 8, a i hora e 8 minutos da t. Mlngoantea 15, as 3 horas e (i minutos dam. Nova 22, a 1 bora e 14 minutos da tarde. PKIAMAB II BOJ! Primeira 6 horas e e minutos da manha. Segunda s 8 horas e 30 minutos da tarde. PARTID*" DO COKIIIOI. Goianna e Parahlba, as segundas e scitasfeiras. RIo-Crande-do-Nortc, todas as qulntai-feirat aomelo dia. Caranhunse Bonito, 8 e 23. Boa-Vista, e Floras, 13 e 28. Victoria, as quintas-reirs. Olind.i, todos os dias. NOTICIA ISTItANG V Portugal. Bespanha. Franca ... Blgica... Italia.. .. AiemanhaPrussia ... Dinamarca Ruasla... Turqua. Austria.. 3deOutbr Sulssa. .. 3 de dito. Sueeia... I de dito Inglaterra 9 de Outbr. F..-Unidos 2* deSetbr. Mxico.... 15 de dito. California 30 de Agosto Chlli. 2G de Abril. buenos-A. ? de Setb. Montevideo 6de dito. CAMBIO! DE 6 SI SIUHBIO, Sobre Londres, a 28 3;t e 29 d. p. 1/000 Firme Paris, 333 por fr. • Lisboa, sem transacedes. META. Ouro.—Oncashfspanholas.... a 28/600 Hoedas de 6/400 velhas. 10/000 a 16/200 de (¡1400 novas. 16/000 a 18/200 > de 4/000 9/000 a 9/100 Prata.—PaUcOes braslleiros.. 1/940 a l/9 dos companheiros de Oriho eslava ja nomeada, e esto acontocime.ito foi considerado por todos canto iimvpasso imporsante para consolidara reconjABk) dos Oriontans. •BsuaEam. As elcicOas geraes, mxime quando a lemero dos — graudos-populares,-que fosseljulgado de per si. Nflo hem tatica. O esMuito sinlonflo poder assistiraquella sosgislatura tem de nomear o cliefe do psito; porm vinto e oito legoas a po, a nflofder ejecutivo, ho sempre, e em toda a parser em romaria, nflo fazem bom arranjo [ta, urna criso muito grave. No Eslodn Dizem que cada um dos hroes quor sor i Oriental sar convocaefio do jury.— Communicou-se aojautorisado o director das obras publicas a meslho substituto. I mandar fazer quanto antes de conformidade l.lo — AO mesmo, remetiendo por copia os avisos do ministerio da guerra, concedendo licenca ao capitao Manoel Jos da Soledade eao alferes JoSo Anlonio LeitSo, atilinte que mande fazer eflectivas as mencionadas licencas, visto terem ellos npresentado na secretaria da presidencia os conhecimenlos pelos quaes mostram haver pago os emolumentos e sello que eram ohrigados. — Inteirou-se a pagaoria militar. Dito.— Ao deaembargador chefe de policia, para que informe, se a respeito do preto, que, segundo consta de seu oflicio do 1* do corrente, morrera afogado, se procedeu aos precisos examos o diligencias, afim de se reconhecer so era livreou escravo, e se tomados, como deviam ser, os signaes do dito preto, deu-sa ao fado toda a publicidadepara chegar elle ao conhocimento das pessoas quem posaa interessar. Dito. —A thesouiaria do fazenda, transmillindo os avisos de duas lettras no valor de 2:719/300 rs. sacadas pela thesouraria da provincia do Rio erando do Norte sobre a desta e a favor de Canuto Ildefonso Emerenciaooe Francisco Jos Comea. — Participo n-SO ao Exm. presidencia daquella provincia. Dito.—A pagadoria militar, devolvendo a conla em duplicjda dos medicamentos enviados para o presidio de Fernando, afim de quo mande pagar a A. Caors, estando legal, a quantia do 818/2*0 rs. ataque importa a mencionada coma. Dito.—Ao desembargador presidente do tribunal do commercio, inleirando-o do haver concedido a Jolo Facundo da Silva CuimarSese Jos Fancisco do Reg llangel, este amanuense o aquello escripturariodaqnelle tribunal, 30 dias improrogaveis para apresentarem os ttulos do sua nooicacSo para os referidos lugares. Dito.—Aodiroclordo arsenal de guerra, remeneado copia do oflicio, em que o Exm. presidenle do Cear solicita a promptificaco do nmas grades de ferro, cujas dimensfles vilo tambem por copia, alim de que mande fazer ditas grades, enviando a conla para ser salisfeita por aquella provincia.— Communicou-se a pagadoria militar. Dito.—Aojuiz de direlto da comarca do Florea, inleirando-o de baver em vista de sua proposta, a de conformidade com o disposto no art. 1 do regulamento n. 482 de 14 de novembro de 1846, designado provisoriamente o tabellifio de notas do termo de Tacaral Francisco Jos da Roza para servir o lugar de tabelliSo do registro geral das liypolhecas daquella comarca. Dito.—Ao commandante do corpo do polica, para mandar postar porta do tribunal do jury durante a sessao que vai principiar no da 5 do corrente, e a disposiclo do respectivo presidente, a guarda que be de rnsluroc dar o corpo sob seu manuo para tal fim.—Communicou-se ao presidente do reforidO tribunal. Dito.—A cmara municipal de Flores approvando a nomesgo que fez do Manoel Vital da Silva Brrelo para reger interinamente a oadeira de primeiras lettras daquella villa durante o impedimento do respectivo professor.--Fizeram-so as necessarias communicacOes. Dito.—Ao inspector do arsenal do marinha. Recebi o oflicio da 20 de novembro.em que Vmc, informando cerca de um requerimentode Joaquim da Silva MourBo, a que acompanhou urna precaloria do juiz do civel desta cidade, diz que em 24 de outubro ultimo Joaquim da Cunha Meirelles, apresentando utn documento de cessSo do contrato, que com esso reparticSo havia colebrado Luis Jos de Brito, obrigou-s para coma meama roparticSoa fazer eiTeclivss todas as condicOes do mesmo contrato, como consta do lermo de obrigacBp e contrato assignado em 27 do citado mez, e que > vista disso recebeu Vmc. das barcacas Abysmo e Pureza de Mara 77 prancbOes de amarelio, vindos das Alagoas, bem como outros que ltimamente teem viudo da mesma provincia por conla de tal contrato, sendo que j se acba paga parte dessa madeira. E em resposta lenho a dizer-lhe, que approvo o proced ment que leve Vmc. nflo devendo porm effectuar mais pagamento alguiu ao cessionario do primeiro contraante, aem que o juiz,quo expedio o preca lorio,resol va o que entender de justica sobre as quaotias, que anda nflo estiverem pagas, como orement, que reuietto por copia os concertos do quo nocessita a ponte da passagom da Magdalena.— Neslo sentido olliciou-.-e ao mesmo director. Dito.Aoengenheiro director dss obras publica dizendo linar inteirado de se ler effectuado por 377,500 rs. a venda das madeiras eoutios obejectos que pertenciam ao palacio da ^residencia, e pelado 21,000 rs a dealgumas ferrsgens e cabos voltios, que existiam nos armazens d'aquella repnrliQflo, e declarando que dove recolher a thesouraria de fazenda a primeira das menciodas quantias e a thesouraria da fazenda provincial a segunda.—Naste sentido olliciou-so aos inspectores das referidas thcsoursrias. I" %  ri.nia.— Ao agente da companhia das barcas de vapor para mandar dar passagem para a Baha por conta do iroverno a Francisco Antonio, que leve baixa do servido do ese re i lo. Commando das armas. Quarlel general na cidade do Rteife, 22 de novembro de l85l. i HIIKM DO OA I, 330 morochal do campo graduado commandante das armas, em cumprimeuto de orden do governo imperial exprossa em aviso do miniltario da guerra de 7 do corrente, quo por copia ihe foi remeltido pela presidencia em data de hontcm, declara cassada a licenca quo est frclndo o Sr. primeiro cirurgiflo do corpo dosaudedo exercito, Dr. Podro de Atliayde Lobo Moscozo, e determina que desligado do quarlo bataIhflo de artilharia a p, ao quol se acha addido, embarque amanb3a para a corte no vapor Paraenis, que acaba de Chegar do norte. Antonio Correia Seara. Quarlel general na cidade do llecift, 23 de novembro de 1851. OIUIKM DO OU K. 3t. obrigado, ao som do eslimulanto zabumba, a fazer penitencia de cara alegre, e beber saude dos meus amigos um copo que minha prejudicasse. Pelo que me diz respeito regalei-me em urna casa tilo popular que era de palha, com urna boa posta do sal. irosa cavalla, afogada em o liquido de moia duzia de cocos verdes Agora saltar-mo-hflo ao pelo, dizendo que estas minhas observares sao de sacrilicador de Bacho. Sere o que quzerem; mas nom por isso a comesaina da Penha, apesar do popular zabumba e competente bahiano da segunda mesa, olio fica por isso correspondente ao que apregoiva o clarim da fama. Nada occorreu de novo depois de minha ultima, e consta-me que os thuggs eslam sent lissiinos pela vida do Judeu errante, que r-Uim tendo seus principaes chefes por causa das -providencias da administrarlo equeemsessflo magna resolvern! hostilisa-la pelas folhas da opposicflo. Duvido muito que ellas aceitem tacs correspondentes, atienta a— moralidadn— que at boje leein apresonlado ; pelo que julgo que os taea senhores recorrerflo aos—avulsos—refugio de quem nflo acha columnas dojornaes que queiram recebaras partos do urna imaginacflo desvairada, ouos golpes de sua Urina peiina. Elles em parte teom rasflo de queixa contra aadmin8trafSo, porque nada ha mais ccdeiro lauca a culpa em sua dama e saho absolvido; esta naquella, e o jury arrependido da primeira absolvifflo, que ontflo re conhece injnsta, nflo quer fazer segunda injuslica, o absolve madama ; e assim do culpa em culpa, de absolvic.flo em absolvilo, nfloappareco ovelnaco, que. matou o gato dr M ii [intio grbalo ; e pague a cmara as cusas. Tal tem de ser o resultado dosse crme atroz, planejado com toda placidez de urna perversida le encanecida, e exocutado com todos os horrores de urna malvadez som ejemplo. Contento-me com esto pouco que levo dito ; mas quando houver de coinmunicar-lhe o resultado do julgamonto, so nflo tivera felcidade do enganar-me ueste meu JIII/.I, farei mais algutnas refiexOes, e entflo direi quaoto peuso sobre o nosso systoma penal, com Invnea dos Srs. douloros, que nflo gostam muito que se Ihes entre en suas jurislieciV's, anda que l'requeut. luiente entram na seara alheis, sem cavaco ao dono. Esquecia-ma notciar-lhe, quo estamos ameacatlos do um diluvio de bailes, nada menos de vnle e tantos, quo segundo as probabilidades alcanQarflo at o fim do mundo. Nasceram os projectos na Penha, e se poderam traospr as barrocas do raminti cortamente que quebraram-se as portas de Jano pernal, nunca mais tercmos/inrniilieio, e ficarflo os dansantes ai itternum encommodativo do que nflo ter ubi certo, jlivres do rheumatismo. Eu nada confio em principalmente pelo invern que so ipro-j projectos concebidos sob os mos auspicios xima. do jantar da Penha, o nflo podem deixar de Consta quo o thugg-mr Arceno foi bus-1 er movitos. Nflo he possivel que ideas que car quarleis de invern nessa provincia;. germinam sobas influencias de vinho nflo o a policia faria umi obra meritoria se o generoso, passem alm do alquchramonlo pozesso a bom recato. Tenho muito boas do corpo daquelles quo livcram a infelici¡nformaces do actual chefe de policia desdad" do bebe-lo. sa provincia, e por isso tenho meus pslpi[ Alguns doa compromeltidos sflo muito cates de quo ello mais n'uma volta ou n'outra wc.wiiacumprir sua paluvra ; porm ouo pora sob coberta enchuta. Deososjude tros!... Pois nflo. Certas matas n"o criam eemquanto tal se nflo consegue, quem por coelhos. ah tiver a pello furavel ponha-se em cui-l As bellas oslam satisfeilissimas, e taes dado, porque elle, Arceno, nflo he para oxislom, quo loem anconi mondadas sessongragas. jtaduzas de vestidos de varrer, outras tanDizem-me que pslo interior deiM provintas de manteletes, o capotinhos de armar, ol anda ha muita gente quo gosta deterjo nflo menos de sapalinhos aptrladoi ; mas a seu servico um ou mais thuggs, bons pordem seus gastos, e estragam sousespardespachadores da vida presente, como nos lilhos. outros gostamos de ter, com as dividas cau-¡ Nflo me queiram mal por isso; porm telias, urna linda onca malhada; nflo Ihes cream-me, deem odisconle do 200 por cnacho muito bom gosto, e por isso fico fa-, lo, que, anda abatendb a quarta parle, te-|go quo oslo, o t'lv z algum outro esseneial, zendo preces pira que elle so nflo encon-i rSo o resultado provavel, mas dependente 'esliver terminado, ostou corlo que serflo tre por l com algum apaixonado do mu-'dat noticias de llavana, Sul, e seguranca do'publicados, como milito desejam lodosos hoje dobradamonto intensa e porigosa, gracas sitna^So cm quo deixou aquello paiz a lula tenaz, a psixonada o material o moralmento devastadora do quo foi theatro duranto n ive longos anuos. lio de osnerar, comtudo, quo a civilisacflo pratiei, o bom sonso o o patriotismo do quo deu preval o povo oriental no desenlace da guerra e o apoio desintoressad", forte e illustrado quo Iba tem prstalo o prestflo seus adiados, dominem as dilliculdades da siiuac.lo pol'tiea interna e concomm para o satisfactorio esUbelecimento dos novos poleres do Estado. Para ludo quanlo ha que fazer no Rio da l'r t,i, a presenca do Sr. Carneiro l.eflo he urna garanta do succcqoiz, dir-lne-hei quo liada disto he verdade verdadeira. Na negociaeflo dest-s tratados nflo b.ouve sonflo a reserva quo costuoia haver em todas as iic r ; lea, %  • %  diplomticas. A penas ehegaram a Montevideo foram communicados a general (jrquiza, pela parte que tom na allianca existente, e posso assKgurar-lhe que o general adhorio do coraeflo aos principios esUbeleridos. Quanto ratilicacflo, oceupavam-se do trabadlo material quo requir esto acto, o lomara municipal, de so apresentatem no cemiterio publico para terem sepultura gratis cadveres do individuos, que ja mais pa%  lam gosar de tal favor.—coniinunicou-se ao desembargador chefe de policia. IchristSas, nada tarlbo a dizer quanto a fes-Idedes 400,000 rs. annuaes, ou quando mu-, sos no transe supremo. Esta minha previcemiter'o de Catumby o senador Joaquim Ita, sentindo apenas o nSo ter antes ficadolto 600,000 rs., lardeara, gastam a grande, eslo ha do confirmar-se. FraocodeS, eleilopelo Maranhlo, e de. mandar por em berdade os recrutas Joa-Jna cidade, e ouvido s malinas a missa do em poucos annos apresontam sua venda,l No Estado Oriental continuavam os trabasembargador na relapso dessa provinciaquim Jos de Santa Anna Segundo, e JqSo|meu sonoro capello na igreja dos preliloja ou armazem, fructo indubitavel da >c{ lliosda organisaeflo, e designou-so o di 30 Poucas relacOes tinha eu com elle, mas geratmente tonho ouvido elogisr sua moderaeflo, seu espirito atilad i e recto, e dizom-mo que gozova da estima de seus proprios adversarios. 11 '.:s permita quo o ministerio actual dure aiuda longos annos, mas que nao enterre mais senadores, pois j estamos habituados com os existentes. Fadei-lhedeoperacflo, do cirurgia.o (ofo isso me fez lembrar urna 'nflo sei bem so ho historia, romance) urna cousa que li ha das. frn sawn... Espere, nSo ramos muito do pressa. Tenho muito medo de sabios; nflo sai a razflo, nflo sei explicar o ficto ; .mas he certo que tenho medo dos sabios. E se o sabio pertence a doutra faculdsde de molicies — isso entflo faz-mo tremer como o tenue eanico a;outado pelo vento do norte (o quo os nossos maiores exprimiam pola phrase muito expressiva—tremer como varas verdea-). iinii um mdico, a caheceira do doente, pucha pela sabndoria, nflo tem mais nada, he encommendar o caixflo e preparar o cni 'Ti o ; a morte ho certa. E enlo, teimoaos.. teimosos!... as cousas estflo-lhes entrando pelos odios, mas como os mestres nflo as concideraram em suas sapientissimas theorias, vflo por diaote, sem dar cavaco, e se matara fio.un muito satlsfeilos, porque nataram lecundum arlem, isto be, s-gundo Broussais, segundo Ciacomini, segundo Razori, e outros tantos hereges fazedores de syslemas, que querem quo a naturoza humana se amolde a elles, e nflo elles naturoza humana. E discutidores, argumentadores!... Para ter urna amostra lea no Joma/|desta semana o que tom dado de si a questflo da precodencia entre o Dr. Jos Mauricio e o Dr n So e O couselheiro Torres llomem. E veja que com essa qne.i.i i do hyssope foi iocommolado o governo, que dove ver-sa embarazado na decisflo: ha urna grande necessidade da creacfln do um tribunal de bom sonso, para o qual doviam ser remettidas essa e outras questesda mesma natureza, dando-lbe o poJer discricionsrio iie castigar o que incorresso em fallas contra o bom senso com as penas que as escolas so infligem aos meninos —at mesmo a applica;flo da santa c milagrosa frula. Os velhos sflo assim : quiz dizer-lhe quo tinha medodossabios para depois contar-lhe a cousa que linna lidy, o escrevi tanto, quo estou quasi cortan lo ludo... Corto?... Pois nflo corto ; vai assim mesmo : estas caitas sflo confidencias intimas de um amigo a out'O, eninguem dove roparar nessas expansOos. Vamos cousa quo li. I'm sabio, quo andou viajando ao chegar Franca, communicou a acadamia das Sceneias una observaeflo muito original, lusse olio que vira na Meca em 1842 um escravo negro ( por la anda nflo chegou a voota le de lo-d l'alinerston/, o qual como os macacos, tinha um verdadero rabo, o para provada verdade aprcsenlou o desenlio do tal negro. Veio outro sabio o disso :—o individuo observado, longa da ser nico em seu genero, pertence a urna raga tola caracterisada por esse prolongainento inferior da columna vertebral : ossa ro; i ha a dos Olilanes, habita na .li. i.•.-1 alm doSonnar, e forma urna povoacflo de 30 ou 40,000 individuos, todos rabu los, tanto homens como aludieres. E quo Ihe parece? Ainda l vai mais; nflo se admire antes de lempo. Em urna poca pouca adiantada do dssenvolvimento fetal, diz o seguudo sabio, tolos os homens sem oxeepeflo lem o tal prolongamento, c nica dlfferen v a entre nos a a ra;a dos Chilanes he que nos perdemos a rabo, c ellos o conservara. E que tal? Da sorteque ou, V.,o Castro o 11 i mano, o l.evi, aquella ni ac porquera V. beba os ares, todos nos lomos rabudos, o ainda poderiamos s-los so a natureza nos pregasse a pega de us deixar o rabo. Ainda mais, contina o tal sabio, em quanto somos assim rabudos, o nosso cerebro tom a formo do cerebro do peixe, de reptil, o u de passaro ; o coraeflo, os intestinos, etc nflo se parecen! com o coraeflo ou com os intestinos do humera adulto, ou do rocom-nascido, mas sim cora o de animaos. S no torceiro mez he que desapparecem todas essis somelhaucas com os brutos. Estes sabios sflo da pede!... Voja se lenho ou nflorazflodo ter modo delles. A reedilicacS Jo theatro de S. Pedro, que j Iho annuncioi, contina em projecto ; ainda est na massa dos possiveis; dizem quese anda agoia indagando quem he o proprietano do tarrono. He pona que anda o-i -ja nesse estado essa obra, porque o defoilos capitaes que abundam na conslrucao do theatro provisorio, segundo me informa pessoas entendida, fazem ardentemente desejar a reconslrucco do theatro de S. Pedro, comanlo que se confie a alguem quo nflo seja meramente mestre de abras. Nada emendo de archilectura, mas nflo he isto preciso para conhecer-se primeira vista que quem desenhou ou riacou a planta do theatro provisorio ignora os pnmoros rudimentos da archilectura edo desenho. O novo thealro surge da trra com urna ropidez ospaotosa, he verdade; a actividade e a perfeicflo da inflo de obra denolam, no mestro nedreiro que adirige qualidades apreciaveis; mas ser islo bastante? Segundo ouvi pessoa a quem me refer, o novo edificio est lawjado contra todas as regras da archilectura tlieatral: he mesmo urna blasphemia servir-se do termo architeclura em referencia s paredes que l eslo uo campo. A csixa do theatro nSo tem bastante fundo; he igual ao tamanhodo salflo. A caixa de um thealro nflo guarda proporeflo alguma com a sala; mas be sabido que a caixa deve ter de fundo duas vezes a largura da mesma caixa, e esta proporeflo nflo existe no thealro provisorio. A bocea da scena he muilo larga. Os rai.is visuaes penetram por entro os bastidores. Para remediar tilo grande defeito, sor preciso fazer um proscenio, o qua tem limito,inconvenientes para as exigencias da scena. Qualquer que seja o scenario, represente uina paizagera, una sala ou urna prisflo, S'ir-vir-ihe-ha sempre de primeiro plano a mesma montona moldura. zeu do furas, ou algum capitflo-mr das Ihrono de Mogol, quo, como sabom, muilo extinctas de gosto romano, que queira ter influem om nossos negocios. seus gladiadores, porque note caso lo¡ Basta por hoje, pois nflo vai mal a inasgrada est a pobre Justina, o as almas dos sada. que desta para melhor elle lem dado! O marechal de campo graduado commanp recoce passagem contra a vontade divi-i dante das armas, publica para conheciinennj e numana toda guarniQlo, e devida observancia os, Hoje amanheceu chovendo, e a alhemosvisos qtte sogoem transcriptos oxpedidos p n8ra bastante carrogada. Croio que serflo pelo ministerio daguorranas datas de 29 o os aa ,nt courricur, do invern, que espe31 de outubro prximo lindo, que por corimosC do e favoravol. pi Ihe foram remettidos pela presidencia Estamos com o nosso porto muito slita que nelles livcram parte. Ainda que por qualquer accidenta nflo l£isscm publicados a iinmedialamenle, cumpree-l ir habita. loas e Misas da trra queus vio nascer, para que i*so possaservir de tpico de ccusaQflo ao governo. Onde se vio diplomacia nos peridicos. 9 Onde se publicam negociares pendentes, nflo torminadas .' Os opposicionisfas, quo no poder negflo Admira-me, maravilha-me sempre ump-' as cmaras do sou paiz o conhecimento de riodico diario. Como he quo ha cabecapa-inogocios pendentes, o quo depois oxigem RIO DE JAREIBO AO AMIGO AUZBNTE. Corte, 15 de novembro de 1851 a 21 do correle: r io; porm anto-hootem entraram tres na-'ratania cousa! lia deseruma vida bem laldos adversarios que nflo faeflo a menor reRio de Janeiro. Ministerio dos negocios da vj e acham-se carregando algodflo; mas boriosa a do pobre horoem que lodos os serva m diplomacia, que imprimara os duguerra.em 29 de outubro de 185.1. nero por jsso lem e |ie milhorado de preco dias deve servir ao appetite publico uns cumenlos do neguciacOes pendentes, para Illm.e Exm. Sr;—Constando quo alguns e julgo qua isso nasco da boa entrada que poucos de arligos ¡ quanla ¡niaginaeflo, ique assim cheguem inopportunamenla militares pertencentos aos corposdo exeri¡ vemos nontom deoitocentas saccas, pois quanla inveneflo nflo he preciso despender I ao conhacimonlo do inimigo do sen cito tem aceitado, sem previa permissflo 0 oossos especuladores nflo gostam de fa-' para fazer cousa que presto Pobres pubiipaiz, cabera om urna contradiceflo .nqualidesta secretaria de estado, empregos e commissOes alheias ao servico dos mesmos corpos ; determina Sua Magostado o Imperador que V. Exc. mande proceder contra os que tiverem aceitado, ou para o futuro aceitarem, taes empregos ocommissOes som auloi i-ai;io do ministerio da guerra. Heos guarde V. Bic—l/anoil Feliiardo de Sonsa e uello.Sr. nrraidentc da provincia de zer subir es precos emquanto os gneros calas ¡ NSo sei se muila gente lera notado ficavel. nflo estilo recolhidos aos seus armazens. las modificagOes e alteracOes profundas por So aquellos quo em oppusicflo ao governo O assucar offerece muito mo preco, ou que nestes ltimos lempos tem passado a |escrevem hoja sobro os negocios do Rio da por oulra, os especuladores offerecem muilingua portugueza : a principio chamavam-! Prata pudessem arrancar a venda com quo t pequeo por aquello genero, que, cora seos escrevedores do poriodicos — gazetei-'us cega apaixflo, quebrariam a penna quo, uma sinceridade britnica, pois nogociauta ros, poriodiqueiros, — passaram depois a instrumento dessa poixflo, atraicoa s. MI pana o be animal visivcl, asseveram ter baiser — jornalistas, escriptores pblicos;— triolismo, sua illuslracflo e sua razflo. xado no mercado estrangeiro, por causa agora, depois que se attribuiram urna espo-! Desagradavel ho este espectculo, e desida—desordem de liavanal!... ci de muas publico, a que chamam o vio dello os odios para nflo classilicar a irar. presidente da provinci n"de ln p b ernara^ Muit0 complicada rio a poltica, e grande minislerTo d~a palavra, ei-os chrisma'dos poiiiica das injurias que se dirigen) aos alVietorde oiiveira • relacflo tem com o commercio Eu vivlria em publicistas. Assim tom sidoa respeito liados do imperio, e a ignorancia supina da Rio do Janeiro. Ministerio dos negocios da' tres idades de Malnusaleui sem poder com-; demuitas outras cousas ihisloriae do direito publico dos Estados guerra, em 31 de outubro de 1851. i prohender essas relacOes, e suas causas; 1 A reflexflo com que principioi estacarla Argentinos que vai d envolta nessas injulllni. o Exm. Sr. llavondo por bom Sua'mas lembrado da historia do matulo das vaio-me suave o naturalmente, ao lembrar-'rias. Mageslade o Imperador por decreto de 29 cordas, que Ihe conlei, creio pamente! me quo tinha de cscrevel-a, e que a semana! Tenho que dar-lhe a alegre noticia de do corrente, promover os tenentes-coroncis quanto me quzerem impingr os laes meus fra das mais eslereis em noticias do vulto, ¡que o sonador Candido Baptista do Oliveira graduados Innocencio Eustaquio Ferreira de senhores do—deve e hadihsvor.— | Nada lenho que contar-lhe: nea, uma reest completamente fra doporiso. Araujo, do quarto batalliflo de artilharia a Ao menos neste anno parece que guerem voIueSo, nem urna rusga, nom uma crise e llygioo Jos Coelho, do segundo a tedeclarar logo o preco do assucar, deixandoj ministorial, nem u u bom incendio, desses nenies coronis conmandaiiles eslo do o mao costume dos annos anteriores, nos que tambem um quarteirflo inteiro, nem ao quarto, e aquello do torceiro da mesma arquaes sdeclararam depois de vendido o asmenos o conselheiro Honorio demitio em ma, assim o communico V. Exc. para cu sucar na inglaterra, ou em outio qualquer | Montevideo o conde de Caxias, como aqui conhecimento e execuQflo na parle que Ihe 1 mercado da Europa. ospalhavam os noveleiros, dizendo quo atoca. Ignoro os motivos que o fizeram deixar, quello levara autonsafflo ampia para faDeos guardo V. Exc— Hanoel Feli¡ardo este seguro meio de transaccOes, que bom de Sou-a e Mello.—Sr. prasidento da provini >e poda chamar seguro de baixas ; mas sacia de Pernambuco.—Cumpra-se—Palacio;jaqual fr estou convencido, que foi todo do governo de Pernambuco, em 20 de novembro de mal.—Viciar de Giiveira.' Antonio Correia Seara. INTERIOR. gricultura, de que elles sflo pais, UMB n= mildl a bem da tes. Se elles pudessem tambem reformar os pesos dos almazens! Quanto nflo lucrara a agricultura! A proposito, d-se aqui um pbenomeno, que lem dado a muito quo scismar aos curiosos. Manda um agricultor comprar nos armaParahyba, 28 de novembro de 1851. Oque pari o monte, quo alroava com zens de seu correspondente nesta cidade seus gritos o cu, a Ierra e todo o firmaqualquer genero, repassa-o nos pesos de ment? Um ridculo, e mal nutrido ratisua casa de encaixamento, e quebra quasi nho?. Assim, mu'.alii mutandis, sueca-arroba em 10 arrobas; manda 10 arroba deu Penha, que sendo um bem soffrivel de assucar, e quebrara 8e 10 libra !!! Diz monto, tambem dou ah um bem ridiculo quera em ludo v maldade que ha dous terivii.'rt, ou ralinho de gaveta. Nflo valia a nos do pesos; mas eu julgo que sobre a Circular.—A lodos os subdelegados e vi-jpena de tantos preparos, tantos.oncotnmoponta do sanbao Um slguraa linln equinogarios desta cidade recommendaudo todo odos, tanta vozoria, (antas despezas, tantos cial.ou cousa que o vaina, que transtorna cuidado o escrpulo na concessflo das altes-(rosslnantes cadavricos, tantos cavalleiros aordem de gravitarlo dos solidos, da sorto tacGes,deque trata o art. 25 § 2 do regula-; de triste figura, para assistirem om uma quo o corpo que do lado de cada 1 i tilia tem ment de 17 do levereiro dosto anno, para i eminencia, que nflo he desagradavel, a uma um peso, do lado de l tem outro. Eu masque se nflo deem os abusos e escndalos, jmissa chorada, com acompanbamonto de ino como que tenho notado essa dilTeren?a contra que, cora toda a rasflo, reclama a ca-1 msica desaliada e roufanha, com uma de gravitaeflo em meu chapo,-quatido alra—ante-siraphjnia, — coinposicflo d'algum vesso a ponte. O que ha de mais admirarenegado, uns fugeles sem resposla ; li val ainda ho quo a dlfferenca da gravitaeflo iialnionto a um— pequeo ralo de fesla. vai-so accumular no monle dos solidos do Mas como a humildade, a neahuraa pomcaixeiro do armazem ; porque s assim popa, seja urna viriude as solemnidades, der-se-ha explicar COBO ganhando cada um zel-o. Se alguraa dessas cousas houvesse acontecido, teria eu margen para cootarIho os pormenores, comraental-os, enfoitalos e publica-los com toda a aera-cereraooia. NflO hS 0 a !" olio ^nnlar-llo m:K o "n .i.-i xarei por isso de escrever-lhe, quando monos para dizer-lhe que ainda vivo de perfeita saude, e cheio de saudades de um amigo a quom tanto estimo. Da caminho direi tambem algunas noticias que o hflo de cortamente interessar, porque nessas Ierras onde est agora, at os annuncios dos nossos peridicos Ihe serflo do agradavel leitura. A questflo do Rio da Prala continua a ser a primeira da actualidade, mas as nolicias que nos trouxe o Prime nada adianlaram au que j sabamos ou esperavamos. O general (jrquiza regressou a Enlre-Rios. para onde licavam a sabir as duas divises do seu exercito que estavam anda no territorio oriental. Por este lado tom de decorrer vinte uu trinla das antes de vermos algum successo nolavel. Durante esta lempo preparar o combinar o goneral Urquiza os elementos cora que ha de abrir sua c.ainpanha definitiva contra o tigro que do dospeilo ruge em Palermo. O tigre prepara-so tambera, como so proparava Oribe; e como Oribe sa achara a Como sabe o illustre senador esteve balando s portas da elernidade, e por pouco quo se Iho nflo abrn .Vi. Parece que a principio sa nflo conheceu a molestia, qua, dizem os mdicos,, f >i urna hernia estrangulada: sraenlo depois da nove dias de enfermidade, no dia 26 de outubro, que S. Ex. soffreu a operaeflo da taxis, feita pelo nosso habilissirao cirurgiflo o Dr. Antonio da Costa. Uuaudose fez a operaeflo, j paite do intestino grnsso e o saco hemiario estavam em verdadoiro estado de putrefaccam. O Costa apanhou-se com os ferrinhos na inflo e com um paciente para sofJTre-lo, e foi corlando sem dn nem piedade. O cerlo he que logo depois da operaeflo os symptomas geraes, que se apresentavam de um carcter ternvel, foram deixando de assustar, e o doenlo foi gradualmente mnlhorando. Ainda se loceiava qua as secrecOes alvinas nflo procurassem mais o seu caminho natural, e que o artificial contlnuasse a funcoonar, o que nSo ho das cousas mais agradaveis ; porm esse receto vai-so desvanecendo, porque desdo o dia 7 do corrento pnneipiuu S. Ex. n ter evacuaces naturalmente. 0 estado do doente he o melhor possivel; a fonda da operaeflo est quasi cicatrizada. Esto resultado maravilhoso, obtido depois de uma operaeflo Iflo gravo por lanas complicaces, he seguramente digno de figurar nos annaes da cirurgia brazileira, c faz a raaior honra ao distincto operador fluminense o Dr. Anlonio da Costa. Eslava porm escripto que no iotervallo da sossflo de 1851 para a de 1852 devia fallecer mais um senador, o jaz enterrado no J ILEGVEL



PAGE 1

mm Se¡ que o theatrode S. Pedro tinln o mesDIO dereito; •• construir um aditicio noro para copiar o$ erro* do intigo bt o que cuati a comprelieoder. A bocea do um loeaIrodeve saraquarta ou quinta parle di largar* do edificio : adapta-se-lbe um abobada artificial de la boas, o que favoreco muito a ro e a acutica. Santa Ierra he esta em que tudo so resolve pelo absurdo, na phraae do visconde da Peora Branca ? Faco fotos para que o JoSo Caetano organise a sua companhia de accionistas e reediflque o theatro deS. Pedro. Espero que oeste empenbo guia-lo-hSo vistas artsticas; chame um arebiteelo que lecha visto os Ibea tros da Europa, o nSo ee delxe dominar pelo desejo de acommodar muita gente. Occorre-me agora una lembranca : quem sabe sentse ontrogou a edilicicfio do theatro a um mestre de obras, se niio se admiltioorisco assim to defeiluoso, calculadaiiic.il', com coiisequencia do pensamento que fezeliOcar provisoriamente um theatro em que se hSo de despender 100:000,000 r*., afora o mais ? lie o que ha do ser : se o theatro fosse feito com todas as proporcOes, se na architectura delle se guardassera todas as regrss, oais difllcultosa seria depois suademolicfio; todos os seus defeitos serio nutras tantas razfles para deita-lo abaixo, On los os tros annos, quo h9o de principiar a contar-so do anno... inda nSo esta aliado. Vou eontar-lhe ama historia que, dizem acontecen ha das, e vai pelo mesmo preco por que ro*a itnpingiram ; nSo aflirmo neni neg cousa alguma. O gerenta de urna loja de fazendas nesta corto foi sorprendido ha 20 ou 30 dias pela chegada da dona da casa, viuva ainila moca e bem disposta, que so recolheu de urna vilgem fcuiopa, onde deixou onterradoo marido Cortos boatos do quo o negocios da casa nfio esta va m na inelhor ordoiu, induiiram aviuvinhaa tomar dellus coohocimonto, c linalmente assignaudo termo de invenlariantc entrou na posso da loja. Corria o bataneo desta, qii iiiin. comec^udo a eonli a aprosentar-so com feio aspecto, resolveu o gerente terminar a liquidando summanamenle. Urna nnnli.Vi em que sabia achar-se a viuva sozinha em urna chcara, para all se dirigi, e em voz de acompanliar-so de amores, levou consigo trossujeitos quo represenlavam os papis de escrivfio e ollliies dejus'a, os quaesapresenlaram a viuva um mandado de prisSo, que seria execulado se ella nSo assigoisse urna quitac.3o que Unmetliam cara. A cousa era para assustar a qualquer de animo comioum masa viuva, quo tom visto mundo o nSo teme Afrontar perigos, cooservou-se inabalavl; eslava resignada a tudo quanto exigiesen) della, menos tal assigualura. U mulher sempre he cousa muilo forte! Expedio para a cidade portador sobre portador, para chamar o irmSo em seu soccorra. Os velhtcos, vendo que ella nSo ceda, reliraram-se pouco anles de chegar o irmfio, e o gerente sumio-se. Se ocaso nflohe verdideiro, poJia muilo bem se-Io; j so lom visto cousas iguaes, o publica-lo he prevenir a muilos que podem cabirem esparrelas da mesuia natureza. Ofavloque ago~a vou rcferir-llio moslra o quo s9o os nossos soldados do corpo do permanentes. Como sabe, ha no principio do caminho novo de Botafogo uma*barreira, onde se paga um direito para indemnisaSo da companhia que melhorou aquello caminho. No estudanlo do tercoiro aneo, o quo timben) ,I)r. Francisco de P. Baptisla acunt'ceu a outro do quatto DOS ltimos ¡|)r. J. d'Aquino Fonsooa dis da semana passida, eem que disso tosIlr. Jos Quintino do Castro Lefio sernos sabedor, senSo agora, Em abono da l)r. Joaquim Villel de C. Tavires vnrdadn somos forrados a dizer que, se nilo BarSo de Suissuna fdra a tarefa, quo lomamos de registrar em j Dr. Jote Falippe de 5. Lefio nosso rctrospeeto os faclos mais notaveis Dr. Manoel Jos da Silva Neivas occorridos ni semana, o se por outro lado nSo estivessjmos compenetrados di importancia qlie se deve dar nossi acidomia jondea, cuja reputarlo talvez tenha soffri do pela filia de conveniente publicldade todos os factos quo nolla so tillo, nos nfio nosoecupariamos, de certa, em dar ao publico Lu infaustas noticias e renovar dores, que alias dosejaramos mitigar. Afora as reprovacVs os-RR —tem continuado i aoV vertir aos onimisos, quo para o anno devom ser mais applicados ao cumprimento dos sousdev.'res esoholasticos; mas cntrotioto ofio dcixaromos de consignar aqu urna observarlo, quo temos ouvido fazer alguei), sobro qual o motivo por quo taes desastre! tem siJo mais frcquontei nos annos adlantados, do que nos do is primeiros, quesSo propriimonta os annos d noviciado eda ionn ;'i '. 'Sem prelondermos resolver a difliruldado, por que para isso nfio temos os dados n?ccssirios, diremos apenas que o faci pode multo b?m ser explicado por diversas i .i/o ••, menos todivia pola quu so poderia dcJuzir do pequeo numero, pois quo os cstudanles nesses dous annos so tfio numerosos, ou quasi tanto, como nos outros. .No domingo, 30 do pissado, foram espan cados uo lugar do Santo Amaro dous prelos, escravos do Antonio Flix dos Santos, por um tal Joaqun) cirpino, quo all se intitula cabo de quartoirfio, entiJade policial quo nos parece ser desconhecida pela lei; e nilo satisfeitos com oslo acto da sua osdruxula aulori lado, condii/.io o dito cabo com o sou sequilo os dous prelos presenta do rospoclivo subdelegado, o qual os mandou entregar ao scnlior para serom curados. Deo molivo ao espaucamoiito o nfio soffrornm os prelos que os porcos e cabras da criaefio do ref.nido I'.I'IIIII podesseui continuamente ostragar as plantacOes, que elles all tero. As obrai do melhoranicnto do porto vio apreientando algum resultado, pois queja no da |n i u,cii i, do correle leve a barc franceta /'iini'.i'n..-. a fortuna de poder atracar ao trapiche da alfaudega, e elleituar ah a sua descarga com siugular presteza, sem despender com alvarengai, c correr o ritco de alguma avaria: o que d'aqui por dame podero fazer, coui grande vantagem para o tomtnerclo, mullos navios. Este inelhorauenlo nolavel foi obtldo pela barca de cicavacan, que coasegulo abrir em freute do mencionado trapiche c cae da alfaudega um canal com a exienso de 70 bracas de complnenlo, 25 a 3o de largura, e prolundidade media de 25 palmos as marea bailas, loformam-nos que lainbem jhouvc augDr. Ignacio Joaquim de Souzi Lelo Dr. Francisco Garcia Chavos Dr. Caetano Xavier Peroira de Britto A. P. de Figuoir 'do A. Carnero Mac iado Itios Jos Pedro di Silva I) A. Justinino di Silva GuimirSos Dr. Flix Theotonio da Silva Guimfio Dr. Cosli Comes Dr. Jos Rodrigues dos Passos Dr. i;-ii iiiini Dr Seto Dr. A. Joaquim da Manes e Silva Rodolpho JoSo Barata de Almeida Dr. Cosmo de .s.i Pereira Dr. Rodrigo Castor de A Maranhgo Dr. Joaquim Manool Vioira de Mello Dr, Joaquim da S. Res B\ Jos Francisco dePaiva D". Angelo llonrqiii's da Silva Silvestre de Uliveira Mello Dr. Jos Raymundo da C. Menezes Dr. Thom Fernandes Mideira Padre VicenteFerroira deSiqaeira V. I'a Ir i VoiniiL-i i llcnrique de Rezende Antonio Valentim da Silva Barroca Dr. Alfonso Peros Dr. Joaquim Gongalves Lima Dr. Chnstovao Xavier Lopes Dr. Pedro Gaudiano de Ralis e Silva Dr. Antonio Coelho de S o Albuquorque *~ 72 72 7a 70 70 69 (i'.l 67 67 67 66 i 62 62 61 59 59 M 55 55 55 M r,¡ t( 59 59 51 511 50 49 46 •a 15 45 4t 43 13 mcnlu de profundidade uo lugar do porto denominado -• franqua--, cin frente do arsenal de mai inlia, assim como que as cordal de arcia chainada do Passarinbo tem diminuido alguma cousa, aendo ludo islo devido ao dique, que se est concluindo ni liba do Noguelra. O iniilivrs.il ni n il iln 'i'i do Manar din llraiiIclro foi aolcinuisado, na forma do coslume, com parada, cortejo, etc., ele. Duaa repreientacdei dramticas liveram lugar pan o uiesmo liui, una no theatro de Apollo em a nolte da vespera, c oulra no de Santa Isabel em a nolte seguinte. He com ctTcito pouco tolcravel que nao possa o pobre, que so tem dez lustoea, ou o chele de familia menos abastado, queso tem oito mil res, ir ao theatro em das de fcata nacional, e que esle diverlimcnlo em taes das id srja reservado para a aristocracia d> l'argtnt, pois que so ella pode vencer a condicao onerosa da compra de bilbetes para Irea recitas, que le mpc a quem quer assislir a uina em da festivo. Esta ganancia alin de ser undi. 3 Vorcscn a n se na barreira m lo1 ""'"'" %  l" >r 1 uc Pe" P v0 dos "Pcuc U oa u apresentin-se na oarreira uui iiu qU a nI Jo nclles se eapocaoi vlclori do pumem c urna sennora a cavalto, quo nSose 1 lembraram, quau lo projocturam o passeio para quel/elado, que deviarn pagar barreira. O recebedor reclama O pagamento, o civalleiroconta-lho qu se esquecera do trazar cobres e offerece-llie do penhor una moeda de 20,000 rs., promettendo que ni volts a resgataria pelos qualro vi ilisdevidos. ii recebedor, que he liomem que s coubece oquo esta escripto no seu regulaniento ou instrocfes, nao quiz saber de historias, e concluio peremploriamenlo apoiado nos soldados de permanentes que ali cstao de guarda : Ou qualro vintcns, ou voltaria Foi enlfio que inlerreio um dos soldados na quesillo; puchou polos cobros, ontregou-os ao recebedor, dizendo-lno : Por qualro vintens no hade umasenhora voltar para traz. Aqu nSo ha suente para louvar a acallo raticaJa, mas tambem o ponsamento deicado que a dirigi. U cavalleiro, que eslava em apuros, e quo se vio desembaraza do da birra do recebedor, n3o p Je deixar de agradecer ao soldado, e disso-lhe : Cantarada, o seu procedimento lio de cavalleiro' : receba esta tnoeda de 20,000, como prova de que sei aprccia-lo. > Est claro quo o soldidorecusou, mas o cavalleiro atiroudhe a moeda c l'oi-so. O sol lado como homom de disciplina deu parto do occoriilo ao seu commandante, c o l'alidoro ordcnou-lhe que guardasse o dinhoiro que tfio bem tinha merecido. Ao voltar as costas, dizem quo o l'olidoro resmungira : Sfio l.i_."n.'s IUIIIII.I o vclhsco i' ni aprovoilado. a Se eu tivesse val ment, pedera ao Poli.loro que na primeira vaga promovesso o soldado a cabo. At doming o. f ¡tvmeacjo. —O Sr. Joaquim de Almeila Unto, hu di primeira nagadoria do thcsouro nacional, foi nomcado thcsourero di rcrubedoria do municipio. Tribunal dos jurados. —Na sessfio de 13 Jo rente, sob a prrsidencii do Sr. r. Castro Menezes, foi sobmeltilo a julgemento o reo Raphacl, escravo do Sr. Luiz Goiuaga de Andrade Mmada, natural dosla corte, accusalodetercommettiloo crime de moho punido pelo art. 269 do cdigo prual. Consta do processo que o Sr. Mauocl Francisco da Silveira de Freitas, sabendoquese pretenda roubar a sua casa da ra ds Alfandeg, tomou providencias para agarrar o ladrito, o que conseguio em 27 de setembro delS50. Declarou o reo Raphiel, cm sua defesa, que fra impelilo em todo o seu procedimento por um fulano Joao Barboza, o que ignora fosse criminosa a intoar;Sodn dito Barboxa. Concluidos os debates be o •iiiu reo absoivido, e ceuiuado as castas o cofre municipal. Ni sesio de 14 foi conlirmada a sentenca que condemna a gales perpetuas o reo Bernardino Jos deJeius, qno matou sua mulher na ra da Concedi, leudo primeiro forido com um tiro de pistola DO peito a Antonio Jos Rodrigues.—Na conformidade da lei, tem a rela;3o de tomar conbecimeuto do processo. PEBMAMBUCQ RF.CIFE, 6 DE DEZEMBRO DE 1851. as 6 ROAS DA URDE. %  rrnospicro IIHANAL No dia 30 do panado recebeu o grao de doutor na academia de Cllinda o bacbarel formado Caetano Alvos de Souza Filgueiras, tendo por pidnnho o Dr. Joaquim Viliela de Castro Tivares. J quo fallimos na academia, devemos, antes de pastar a outro assumpto, oommunlear, aos no-sos leitores, que por all tem continuado a poda na vinhi jurdica, aendo reprovado DO dia primeiro do corrate um quandu nclles se espoc aos vlclors do p bllco o emblema que I o rtgoiljo do da. •• I cnloa-se o liymno patritico da uaco para cx' aliarosscnlinieiilos cvicos dos seus ilbos, be dcmals a maia una surpreta. So da 2 che^ou da Europa o Tuy trazendo as noticias: do trliiinplio eleitoral dos progreasisiasem Portugal, aos quacs prudentemente se uni oSaldanha; da formacao do gabinete de Lula Napoleo em Franca, o qual parece, com oseu empenlio pela revogaco da lei de 31 de maio, ter jogado a penltima carta, s Ihe restando agora o golpe de estado; c finalmente das ovaedes reaes, com que foi recebido na Ora-Uretanlia o hngaro Kossat, e do cocerra%  nenio da ezposico. No dia 3 rcunto-ie • collegio eleitoral desta cidade, c formou-se a mesa com os eleitore cujas nomes j forain publicicados por esta falla: celebrou-sc a milla do Eiplrlto Santo no da seguinte, c depoli de bem Inspirados principiramos votantes a depositar na urna dos deslinos da proviucia os no.iici dos scui eicolliidos, viuda a terminar hoje a operacao dol voloi, sem que aluda aaibamoa doieu resultado. O numero de caudidaloi nos narcecu summameiitc crescido, c nao se pode prever ae a escolha sera de maoiegura csau¡ mas o ceno he que a poslcridadc pernamliucaoa saber faterjuitica inexoravel aos aeui aicendentei pelos bens ou males, que ellei Ibe acarretarem culposamenle O vapor ¡inperatiu, que do sul cnlrou no dia 4 nao irouxe uovidade alguma de importancia, c deixou todas as provincias em boa paz. O cofre das graras diplomticas, de que j cm oulra occasia'o fallamos, se desta vez nao licou ezgotado, bem pouco Ihe pode fallar. No dia 5 i ni.'ii ojuiz presidente do jury desta capital abrir a ultima essao deste anno, mas de balde, puique repetiam-ae o ineimo queda vez passada. Foram dcipeniadoi un, multados oulroi, e fez-sc novo sorleio, do qual s ih ii. un os nninesdoa que deviam aubitilulr os que faltaran!, c apelar de tudo islo ainda nao pode trabalhar o tribunal no dia ti, segundo uus consta, repetindo-se por consequenciaa inclina scena, que se repilir sempre, e utque ad coiiiumalionem tecali eiuquauto ujury faro que he cnlre nos. I;, n n a alfandega do primeiro a ti ris r.'J/lb?. Enlraraui durante a semana 38 cmbarcacei, aendo entre e!las duai ingleai com fazendas, 2 americanas com diversos gneros, I li iiiiliiir.ru. / i dem, I fraucea dem, I brlga dem. 1 austraca com farinha de trigo, I diiiamari|uezacouicarvo, i porlugueza com diversos gneros, 1 bollandeza dem, 2 brasiIciras com generoa do riaiz. Sahram 19. Falleccram 47 pesseas, sendo 30 livres e sete rscravas; entre aquellas 12 bonicos, 5 mulberes, II meninos, e ruin ellas Irea liomem, tres inulbcrcs c i p rvulo. COILKGIO DO RECIPE. Cuuselhoiro A. P. Maciel Monleiro Dr. I'. F. de Paula C. de Albuquerque lioulorde Barros llarrrto Dr.l'aes Brrelo Dr. F. A. de Oliveira Maciel llarfio de CaDibariho Dr. J. P. M. Porlclla Dr. Antonio Epaminondas de Mello Francisco Jacintlio Pereira Florencio Jos-Carnciro Monteiro Desembargador J. M Figuoira de Mello Dr. Jofio Jos l'errcira do Aguiar Dr. Alvaro Barbalho Ucha Cavalcanti Dr Domingos de S. Lefio Antonio Marques de Amorim A. i. de Oliveira Commendador Malaquias Escrivfio F. C. de Brillo Dr. Brandfio Frederioo Augusto de Oliveira 1'iiiln'liii ii.ue I.', de Mello Dr.MiDoel Joaquim Carnero da Cunba Jofio do Reg Barros Falcfio Jofio V. Vllela Padre Joaouim Pinto de Campos Padre Jotfo Caprislano deMen lonca Dr. Cyprimo Fenellon GA. Francisco Raphiel de Mello Reg Dr. Francisco Jofio Carneiro da Cuuha Dr. S.A.Mavignier Dr, A. F. P. de Carvilho Victoriano de S Albuquorque Dr. Manoel Civalcanti de Albuquerque Jos Pedro Vellozo da Silveira i' i.ui.i.i Manoel Antonio Martina P. Dr. Jos Cardozo de Queiroz Fonseci Francisco Anlonio do Barros e Silva Dr. D. Augusto Cavalcanti de A. Dr. Joaquim Jos da Fonseca Dr. M. Carneiro Linsdo Albuquerque K-cri vfio Francisco de Barros Correa Mr. Jos Mara Moscozo di Velga Pessoa Dr. Manoel Firmino de Mello Jos Pires Ferreira Jos Joaquim do Reg Barros Jos Iguacio Soares de Macodo Dr. Jofio Francisco da Silva Braga /. •Ii'iiu.i di C i riiiu Bastos Dr. Manool Mendes da CuDha AzeveJo Dr. Caetano Estelita Cmlcinti P. I-a Iro Nemezio de S. Jofio Gualberlo Dr. Codecera Dr. Monteiro de Andrade Dr. F. Mena Calado da Fonsoca lir. Lourenco Bezerra Carneiro da C. Dr. JoSo Luis Cavalcanti de A. Dr. Antonio Baptisla Gitirana Dr. Jos Tnomaz Nabuco de Araojo iiii.i ii;i Boa-Vista Dr. Ilerculano Gon^alves da Rocha i i.iriiH/ d'Aquino F. Jnior Desembargador FirminoP Montoiro r. Francisco de Souza Clrncs Lima Salvador llenriques de Albuquerque Vigario A. F. Gonr;alves Guimarfies Dr. Francisca Alvos da Silva Padre Francisco Rochaol Dr. Pina Coronel Jos Antonio Pessoa de Mello F. da Silveira Civalcaoli de A. Francisco Joaquim de Barros Correa Jos Antonio Lopes Dr. Jos Ignacio da Cunha Rabollo Dr. Gorvazio Goocilves di Silva Domingos Alfonso Nery Ferreira Dr. TainariiiJos JoSo Viconte da Silva Cosa Dr. Jos Nicolao Rigueira Costa Dr. M. Archanjo di silva Costa Mmoel Carneiro do Souza Lacerda Dr. Jos Miria de Albuquerque de M. General Abreu eLima Anlonio do M. V. deDrumond Dr. Jos da Costa Dourido r. A lolino Manoel J. do ftfgo Albuquorquo Dr. Gaspar de M. V. de Drumond Dr. Jofio de Souza Res Padre Jos Joaquim Camello de Andrade 10 Jos Francisco Lopes Lima Padre M. do S. Lopes Gama Dr. Augusto do Souza Lefio Manoel Coelho Cintra Antonio Joaquim de Mello A. dos Santos de Siqueiri (",. Jnior Monsenhor Muniz Tavires Dr. lofioFnncisco Duarte Padre L. A. de Mora iDr. V. Jusliniano Bezerra Csvalciuli '. Pedro Dornellas .'. LourentoIAvolino Dr. Vicente Pereira do Rejo Dr. Francisco Gon?alves de Morsas Dr. l ;u ii'i.i Firmo Xavior Padre Joaquim Paphael da Silva Dr. Joronymo Villela de Castro Tavares Dr. Alexsn lio Bernardino dos Res o Silva 6 Dr. Jofio Francisco do Arrudt 6 Dr. Guilhermino C. M. Bacalho ( Dr. Francisco do Brederoles de Andrale 5 Dr. JosMamede Alies Ferroiri j Dr. JosMiria llamos Gurjfio 5 Agoslinho Boierra 5 Dr. Affonso do Albuquerque Mello 5 Nfio oslfio laacados os quo liveram de i votos emdianto. 42 42 42 40 39 36 33 31 36 35 31 31 30 30 29 38 28 27 27 25 24 24 24 24 24 29 21 21 19 ls 18 u 17 17 17 17 16 16 15 15 14 13 13 13 12 13 II 11 ll II II II II 10 10 : Dr. Angelo Henrlque da Silva Antonio Jos de Oliveira Dr. Manoel de Souza Garca Birlo deSuissum Dr. Gispar de Menezes de Drumond O'. Joaquim Franoisco Civilcinte Llns Tenente Coronel Fraooisoo de A. M. C. Dr. JoSo Francisco da Silva Braga Dr. Antonio Maril de Faria Noyes Dr. JoSo Francisco de Arruda FalcSo Dr. Jos Francisco da Costa Gomes Dr. Jos Rodrigues dos Passos Jnior Dr. Antonio EpaminoDdia de Mello Vigario Nemezio de S. JoSo Gualberlo Dr. Alfonso Peres de Albuq. MirmhSo Dr. JoSo Frincisco Coelho Bitancourt Antonia Valentim da Silva Barroca r. Francisco de Paula Baptisla Tliomaz de Aquino Fonseo Jnior r. Antonio J. de Albuquerque Mello Anlonio Mirques de Amorim Coronel JoSo Joaquim da Cuoha Reg Dr. Rodrigo Costa de Albuqr. Maranhfio Padre Joaquim Pinto de Campos Dr. Jos Francisco de Paiva r. Manoel Clementino C. da Cunha Coronel Jos Antonio Pessoa de Mello Professor Silvador llenrique de A. Dr. Ilemetorio Velloso da Silveira Dr. Antonio Joaquim Moraes e Silva Dr. Manool Carneiro Lins de Albuqr. Dr. Nicolao Rigueira Costa Dr. Joaquim Eduardo Pina lt idolfo JoSo Barita de Almeida Dr. Lourenco A. de Albuquerque Mello Professor Antonio Pedro de Figueiredo Dr. Vicente Pereira do Reg Manoel Carneiro de Souza Ltcerda Dr. J. I.ouren ;o Meira do Vascoocellos Padre Luiz Carlos da Silva Dr. Jos Quinlino de Castro Lofio Jos Ignacio Soares de Macedo r. Joaquim Goncalves Lima Dr. J. Pacheco do Moraes de Albuqr M. Francisco Antonio de Barros e Silva Jos Pires Forreira Manoel de Albuquerque Machado r. Jos Cardoso do Queiroz Fonseca Jofio Valentim Vitalia Dr. Joaquim Mmoel Carneiro da Cunha Toiicnta-coronol Jos Antonio Lopes Dr. Frincisco Tivares de Mello Jnior Dr. Antonio llerouhno de S. lian leira r. Chrislovfio Xavier Lopes D'. JoSo Francisco Duarte Dr. Caetano Xavier Pereira do Brito N. B. Foram mais volidos com um voto 43 ciddSos, viudo assim a se apreseotar neste collegio 151 candidatos. 1,11o 1 18,000 100,000 200,000 8.910 1 l,82u 21,610 21,000 21,210 !0,240 I JUIIY DO 11ECIFE. 6. a ISESSA" ORDINARIA, EM 6 DE DEZEMBRO DE 1851. Presidencia do Sr. Dr. Neiva. A'sdoz horas da manhfia, feiij chimada acham-se prsenlos 22 Srs. jurados e dos 26 que faltaram foram mullidos em 20/000 os que mi" apresentaram escusa ligitima. Procedendo-se ao sortolo supplemeDtar foram designidosos Srs. jurados seguales: Manoel Francisco da Silva. Antonio de Moraes Gomes Ferreira. Francisco ROdrijaeiPinhoiro. Jofio Cardozo AyTos. Anlonio Joaqnim de Mello. Jos.Alves Guerra. Francisco Sergio de Mallos. Manoel Alves Guerra Jnior. Jos Pereira da Cunba, Helor Manoel do Nascimento da Cosa Montoiro. Salvador da Rocha Oliveira. Manool Pereira Lemos. Jos Francisco Pinto GuimarSes. Zeferino do Lima Cavalcanto. Manool Ferreira Antones Vilaca. Luis Uorges do Siqueira. Miguel Archanjo Fernandes Vianna. Major Felippe uaite Pereira. Joaquim Jos Vieira. Maiuiel Coelho Cintra. Joaquim Jos do Abren. r. Jofio Ferreira da Silva. Os quaes foram mandados notificar para comparocerem s nove e raeia horas da manhfia do da de hoje, ( do corronto) sob as penas da lri PubtcaQoes a pedido. COLLEGIO DE COIVVN V. Dr. Pedro Francisco do Piula C. 60 Dr. Joaquim de Souza Rcis flo Domingos Malaquias de A. P. Ferreira 51 Dr. Francisco Carlos Brandfio Dr. Caetano Estellila C. Pessoa Tencnlc Coronel Jufio do Rogo B. F, Jo Pedro da Silva ¡r. Jofio Jos Ferreira de Aguiar Dr. Ignacio Joaquim de Souza Lefio 1 adre Leonardo Antunes Meira "r, Victoriano de S e Albuquerauo Desembargador J. M. F. de Mello Coronel Francisco Jacinlho Pereira Dr. Joaquim Pires Machado Porlella Barfio de Capibaribe Dr. Minoal Jos da Silva Neiva Dr. Francisco Raphael de Mello Reg Dr. Francisco do Reg Barros Brrelo Dr. Joaquim Manoel Vieira de Mello Jos Joaquim do Reg Barros r.Francisco Xavier Paes Brrelo Dr. Antonio Francisco Pereira de C. Padre Viconte Ferreira de Siqueira V. Dr.elphino Augusto C. de Albuquerque 3a Padre Jos Joaquim Camello rtn 4. Escrivfio Floriioo Corroa de Brito Tenente Coronel A. C. Machado Itios Dr.Jofio de Souza Reis Dr. Joaquim Vilella de Castro lavares Dr. Manoel Joaquim Carneiro da Cunhi Dr. Domingos de Souza Lefio r. Simplicio Antonio Mavignor Dr. Jos Ignacio da Cunba Rabello Dr. Antonio Perogrino Maciel Monteiro Ij jibelino Guedes de Mello Dr. Gervazio Goncalves da Silva Tenente Coronel Francisco J. de B.C. Dr. Joaquim de Aquino Fonseca Dr. Francisco Jofio Carneiro da Cunha Dr. Francisco de Assis Oliveira Maciel 82! Major Florencio Jos Carneiro Monteiro 82 Dr. Antonio Baptisla Gitirana Dr. Maooel Francisco de Paulo C de A. Dr. Guilhermio C. Marques Bacalho Dr.Jofio l.ms Cavalcante de Albuquerque 20 Dr. Lourenco Francisco de A. Catinflo 20 Padre Venancio llenrique de Rozondc 20 Dr. Aprigio Justinino da S Iva G. 20 Dr. Augusto Frederlco de Oliveira 20 Tenente Coronel Jos Francisco L. L. 18 Dr. Cosme do Sa Pereira \$ Dr. Alvaro Birbalbo IJ.' Cavalcante 17 147 146 116 115 112 02 102 99 95 95 93 93 90 N N N M M S 84 83 DEVE O CAIXA DA COMPANHIA DO BEBERSE EM CONTA C"BRENTE COM A MESM \, HA VER. 1851. Maio I. Importancia do saldo em calza como a coula corrente desia dala dem 31. dem da nona letra do scgundo contracto Jiuiii 1 30. dem da decima dita do segundo dito. Julh.i.'ll. dem da decima primeira dita do segundo dito Agosto 31. dem da decima segunda leltra do segundo dito Scleuibro 3a. dem da primeira dita do terceiro contrato Uutubro 31. Importancia da segunda letra do terceiro dito dem 31. dem do saldo da calza eipecial do sexto dividendo que paisa a receia na conformidade do arligo a dol estatutos 1:781,403 5:000,000 5:O00,Ou0 5:000,000 o:000,000 5:040,000 5" j iiiJuu 1-..1 Malo 2. Iindorlancia ao administrador Souza,da feria aoi conservadores, em sele das dem 3. dem dila ao mesmo, venciinenloi de abril dem 5, dem dila a Rufino Jos Crrela, como procurador da companhia, vencimentos de um anuo dem 9. dem dila ao Dr. Alcanfora^ do, como advogado de companhia, vencimentos de um anuo IdemO. Idemditaao procuradorRulinn, d cusas dem dila de ferragans a Uovrmam Se C. dem 9. dem dila de dilas aoa nfimos cima dem 10. dem dita aoadmlnlilrador Souza da feria aoi couiervadorea e srvenles dem 17. dem dita ao mesmo da ae%  nana de 12 a 17 dem 31. dem dita ao mesmo da dila de 10 a 24 dem Si, Id 11 ni dila ao meaino da dita de zo a 3l Junho I. dem dila ao mesmo, vencimentos do mez de maio p. p. dem 2 dem dila com o eacriptorio e eteripturaco, 110 mez de maio prximo passado dem 7. dem dita ao administrador Souxa, da feria aoa conservadores e aerventei de S a 7 dem 10. dem dila a Manoel Figuelrea de Farias de annuoclos e Diario em seis mexei dem 11 dem dila a J. Soum de tintas e leos, etc dem ll. dem dita lo administrador Souia, da feria aoa conservidorea e aerventei de 9 a 14 dem 2i. dem dila ao mesmo, de dita e plnturai dem 2f>. dem dila ao mesuio, do comerlos e limpeza da calxi d'agoa dem 28. dem dila ao mesmo, da feria ios conaervadores e srvenles de 35 a 28 Julbo I. dem dita 10 administrador Sonza, vencmeulo de junho dem 4. dem dilaao vigario do acude, Jos Alvci Gama, do primeiro de malo a 30 de Junho dem5. Idciu dita ao administrador 1:687,600 33rn'oj BfLaM 100,000 130,000 120,000 48,950 4,440 20,610 51,790 34,720 11,000 15,120 100,000 100,000 18,240 15,210 38,160 12,840 14,000 65,500 11,760 Soma, da ferias dos conservadores e srvenles, da 30 da Junho a 5 dito dem 7. dem dita a Clorlado Ferreira Clao da aeis meses do arinizem da ponte Velha dem 11. Ilem dila o Cardoso Af res, de objectos para o cscrlptorlo, cm %  4 inezei dem I'. dem ao administrador Souza, para pintura e falla doa con%  ervadore dem 12. dem dila a Arrud, pela cncaderuacao de lirios de recibos e de fallas para 01 D. dem 17. dem dita delerrageni, aos senhores Itowuiam n Me. 6'allum, no mea de maio dem 17. dem dita a Joaquim Jos Je Paira, de laboas de pinho Idtiii 19. dem dila ao administrador Souia da feria aoa conservadores e aerventei dem22. dem dita a Jui Luiz Pereira, deferrageni dem 36. dem dita ao administrador Souza, da feria aoa conservadores e servente! Agosto 1. dem dila ao dito, de vencimento do inez de juttio p. dado dem 2. dem dita de despezai docscriplorlo e escrlpturaco em Junho e Julbo dem 6. dem dita a Joaquim Lopes de Almeida, de taboado para andames Idem6. dem dila ao administrador Souza, da feria aoi conservadores e un liini-i is, etc. dem 9 dem dita a Braga c C. de preparos para as guaritai dos cbafarizes dem 9. dem dita ao administrador Souza, da feria aos conservadorea e serventes dem 16. dem dila ao dito de dita aoa ditos dem 23. dem dita ao dito de dito aos ditos dem 30. dem dita ao dilo de tito aos ditos Setembro 1. dem dila ao dito de seus vencimentos do mez de agosto p. p. dem 2. dem dita de deipczas com o eicriptorio e escrlpturaco uo mes de agosto p. p. dem G. dem dila ao administrador Souza, da feria dos conservadores c srvenles dem 13. dem dila ao dilo de dila dos dilos dem 20. dem dita ao dito de dita aos ditos dem 27. dem dita ao dilo de dila aos ditos dem 27. dem dilaao calxa.de lellos das letras do terceiro contracto e carreloa de saceos de cobre Outubro I, Importancia paga ao administrador Souza de vencimentos do mea de setembro p. p. dem 2. dem dita a Jos Alves Gama, vigia do acude, veucimentos de tres ineiea dem 4. dem dila ao administrador Soma, da feia aos conservadores e serventes dem II. dem dita ao dito de dita aoa ditos dem 18. dem dila ao dita de dita ditos dem 20. dem dita de despezai com o eacriptorio e e eacrlpturacao cm setembro dem 24. dem dita a Manoel fjiguelroa de Farias, deaunuucios c seis inezes de iarii dem 26. dem dila ao administrador Souza, da feria aos conservadores e aerveutea dem 31. dem dila ao dito de dita aoi ditos Mi ii.'ii. dem dita ao dito veucimentos deate mez corrente dem .'li. dem dila de despeza com o escriplorio c escripiuraco, nesle mei em 11-1,i dem 31 ldeua dita de dividendos atrazados Iriii-n. dem dila que se leva em coula an calza da companhia; 2 por cenlo sobre aquanlia de ris 24:124,902, applicados ao stimo dividendo ldem3l. dem destinado ao stimo dividendo na raso de 2,600 rs. por apolicc 26:840,000 dem 31. dem em caixa ne ultimo de oulubro, que passa ao corrente semeatre 900,401 1 onxa objaotos de ouro ; a D. wolfboDD .'& Companhia. 14,060 1 x dilaa, 1 pacota • 6 ombrulhos amostras I 3 ditos, 1 caica imprassos; a Adimson llowi mu nno & Companhia. ,w,uu "j Pataoho braallolro Bella Anoita, vindodo [ Rio de Janeiro, consignado a Manoel Alvos 22,230 Guerra Jnior, manirestou o seguinte: 700caixas ssbfio, 20 siccas farinha, 8 ca. cha e 1530 barricas valias; a ordem. 18,160, BrlgueinglezAudes, vi mo de Liverpool consignado a Russell Mellors & Companhia' 10 000 manifestou o seguinte : i 15 tonolladas, 1 quintal, I arroba e!7|¡. I bras ferro om barra, 7 tonolladas e 10 quin63,400 taes de dito em arcos; a Antonio Valentim I da Silva Barroca. '7.'70 8 ciixaa e 19 fardos diversos tecidos, 1 M i|xa molas do algodfio, 408 barricas firinlia 18 240 da tr '8 50 barris ""nteigei a Me. Calmont |& Companhia. 44 caixas e 22 fardos diversos tecidos f8 caizas linhas de algodSo e 1 dita lencos do sedi ; aos consignatarios. 26 fardos e 4 caixas tecidos de algodSo a II. Gibsoo. 50 barris manteiga e 2 caixas tecidos da algodfio; a Johnston Paterot Companhia. 1 dita meias de algodSo; a Fox Brothers. 4 ditas e 5 fardos tecidos de algodfio %  a Youle Deane & Companhia. 2 ditos o 4 caixas diversos tecidos: u j ¡Crabtree & Companhia. 42 800' i ditas d ,'' os de ,, i0 i %  GKenworthv i2,oo & Companhia. 1 dila joias; a ordem. 1 sacco amostras ; a diversos CONSULADO CERAL. Rendimonto do dia 1 a 5 dem do dia 6 5:910,541 1751,300 7:661,905 DIVERSAS PROVINCIAS. Reodimentodo dia 1 a 5. dem do dia 6 100,000 ¡ 100,000 16,340 •2B.O80 23,880 23,480 95.000 100,000 30,000 21,610 18,800 21,0I0 100,000 29,600 16,240 14,00o 100,000 100,000 2:67,500 180,108 33:568,002 Pcruambuco uo eacriptorio da companhia do Ucberibc, 18 de novembro de 1851. Joao* Pinto de Lemos, director, Lleicao dos empregados que devem /estejar a Nossa Sennora da Conceicai, erecta na sua capelia do arco da ponte do Recife, no anno de 1852. ¡mi. por eleicfio. Salustiano do Aquino Ferreira. JUIZ por dcvoe.io. Antonio Botelho Pinto de Mesquiti. Juiza por eleicSo. Izili -I da Cunha MagalhSes. Juiza pordevofSo. Amalia Juzina do Oliveira. • EscrivSo por eleicfio Jas Joaquim de Miranda. Escrivfio por devoran. Manoel da Silva Nogueira. EscrivSa por eleicfio. Felicia Lucilla Alvo o Silva. EscrivSa por devoQo. Catharina Risso de. Miran la Curio. Thsoureiro. JoSo da Cunha Migalhfies Jnior. Procurador geral. Jos Vellozo Soares. Procuradores, llenrique Jos da Cunha. Anlonio Comes Miranda Leal. Jos Pedro das Nevcs. Francisco Custodio de Sampiio. Jos Gomes Leal Jonior. Antonio Ramos. Manoel Jos da Cunha M 1.; > 1 11.1 Jofio da 1: nu'.'ieio Bravo. Antonio Jos deSiquoIra. Anlonio Gomes da Cunha e Silva. ALFANDEGA. Itendimento do dia 6 ... 8616,272 Descarregam hoje 9 de dezemOro. Barca ¡nglezs -inda -morcsdors. Brigue inglez — Lalla Roock — farinha e ac. Brigue inglez -Aodes -ferro. Brigue inglez — Queen — bacalho. Brigue austraco — Porto Rico — larinha. Escuna hamburgueza — Rerth — bacalho e genebra. Escuna hollandeza -Albn — mercadoriis. Patacho brssileiro — Euttrpe — fumo e cola. Iniporlmu. Brigue americano James Grosby, vindo do Boston, consignado a II. Forster dr. Companhia, manifestou o seguinte: 210,000 libras gelo, 200 bsrrilinhos e 1 barrica maefies, 12 laboas de madelra branca, I6pranxas defreixo, 2 voluntes pedaeos do carvalbo, 1 caixa ponas, 15 indos, 3 volumes vidros, 1 ciixa grades de ferro, 2 voluntes papel, 3 laboas pin lavar, 2 dulcirs, 1 caixa com I carro n seuspertences, 1 machina para corlar espin, 3 rolos tapetos depalha, S caixas chapeos do palha, 8 ditas relogios, 2 ditas pillas, 1 dita dinhei100,0001 ro B JO tJiMi • aos consignatarios. Vapor ingle/. Tay, vindo dos portosda 0030,000.ropa, consignado a agencia, manifestou o [ seguinte: I T'-^f • • 344,722 • • 68,227 412,919 I'.\|i:i¡t:u::ui. Canal, brigue inglez Titania, de 314 tonelJadas, conduzo o seguinte: -4000siccos com 20,000 arrobas de assucar. Parahiba, hiate brasileiro Caprichoso de 38 tonclladas, conduzo o seguinte: -5 caixas diversas mercadorias e ferragens, 4barricas genebra de Molanla, I espingarda 17 barris o 6 meios ditos mant-iiga, 3 canaslras ceblas, 2 ditas alhos, 18 ciixss passis I caixa velas de cera, 6 ancoretas aieiton'ig 16 libras onells, 20 laboas de pinho, 2 libras pimonla 20 banicas vinho, 1 caixa queijos, 36 birricas farinha de trigo, 2 ditas arveja, 1 barrica alpista, 1 caixa chocolate, I sacco erva doce, 4 arrobas do Qo, 10 resmas papel deembrulbo, 2 arrobas fio calabrote, 1 embrulho arcos, 50 caixas sibJo 14 barricas com 53 arrobas e 3 libras de bolacha, 1 cunhete faedes, 1 fardo barbante I embrulho diversas grosisdecolheresjlo forro e latfio, 7 caixas garrafas de vinho muscatel, 1 sacco com 1 arroba de cravo, 3 barricas bolachinha, 4 barris figo, 1 caita el embrulho canella, 7 pipas vinho, 10 resmas papel, I gigolouca, I ombrulho broxas de sapatelro e mais gneros, 1 dito cartilhas, I barril linguicas, I caixa espermeceto, 1 caixSo drogas, 1 caixa velas de carnaubs, 1 acco caf o 150 arrobas de carne secca. Cear o brigue escuna brzilaeira Lauraconduzio o seguinte : 6 pipas, 12 mofas ditas,l2 barris vinho tinto, 200 barricas com familia de trigo,IOOditss com bacalhau.1 caixicom espingardas,10 massos de pspelfio, 8 caixss] com fazendas,3 fardos com ditas, 3 pocotes com ditas, 1 bah com ditas,6 barris com vinho,500 soblas,! barril com chourfeas, 12 barrlquinhascom 46 arrobas28libras de assucar, 4 caldeiras de forro, 5 laxos da cobre, 2 fundos de alambique, 6 rolos da fumo, I sellim de moni un para senhora. MaranbSo o brigue escuna braslleira Llura conduzio o seguinte : -348 barricas com farinha de trigo, 2 caixas com csnelli, 2 barricas com ci, 5 ditas com alvaiade,8 fardos com amendoas,4ditoscom comiohos, l.bahu, I caixa roupa, 5 ditas fazendis, 20 caixas viilros.lO cunhetoj ac, 1 caixSociudieros, 1 embrulho fazendas, 1 dito arreios e fita, 1 dito taxas de bomba de cobre, 1 dito cinzas azues, 1 vidro arseniaco de cobre, 490 barricas com 1,094 arroba 21 libra de assucar branco, 1 caixinha com potasss, 25 formas do barro, 200 pedias de amolar, 70 rollos de fumo, 11 siccas com caf, 20 caixas com bogiss do carnauba, 1 ciixSo, 17 caixotes doce de goiaba, 1 caixa com charuost5 ditas rap,l purta, 1 aro de ferro. Rio i.i mu %  do Sul com escala pelo Rio de Janeiro conduzio o seguinte .1,520 barricas de assucar branco o brigue brazileiro Alafia masca vado com 10,662 arrobas II libras. Rio de Janeiro o patacho brasileiro Clenientina, de 137 tonellidis, conduzio o seguinte : 23 caixas com vinho, 6 barricas enxa las 148 arrobas, i caixa luvas 45 duzias, 200 ditas sibSo 9.600 libras, 11 ditas fazendas, 440 barricas bacalbSo 440 quintaes, 8 far Jos fazendas, 4 saccas arroz, 4 paneiros gomma, 790 meios de sola, 300 ciixas sibao 375 arrobas, 1 caixote doce 2 arrobas, 18 tahuas de amanillo, 585 siccas, 36 barricas o 1 ciixo com 3,207 irrobis assucar, i girrafSeaagoardeute, 40 saccas algodSo912 arrobas 17 libras. Lisboa o brigue porluguai Concoirjo de Maria de lote de 325 tonolladas conduzio 0 seguiste : 2, 171 s:ccaa, 152, barricas, o 5 caixas com 11,624 arrobas 22 libras assucar, 75 saccas algudfio,424 arrobas e 18 libras, 42 laboas e 6 pranxOes costadinho de amarelio, 60 feixes aduellas 18saceos e 50 pinoiros com 165 arrobas 31 libra tapioca, 1 caixotinlio doce, 1 dito espanadores. Parahiba a barca franceza Josepnine de lote de 174 tonelladas conduzo o seguinte : 198 caixOes do 12 garrafd.'s vinho, 300 saccas com assucar branco, com 1,500 arrobas, 25 tonelladas de lastro de arela. HECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GERAES DE PERNAMBUCO. Rendimento do dia 6 856,730 CONSULADO PROVINCIAL. Itendimento do da 6 787,97a PIUCA DO RECIFE, 6 DE DEZEMBRO DE !85, AS 3 HORAS DA TARDE. Revista semanal. CambiosFizeratn-se alguns laques anles da chegada do vapor do liio de Janeiro a 29 Ijl d. por J/'n. e depols a 39, porui a eate preco nao ha quem queira sacar hoje. AlgodfioVleram ao mercado 1,005 laceas, daa quaea fez-ie venaai do de boa primeira orle de Page a 4,600 ra. por arroba. Assucar Uouveram vendas do branco eoiaccado de tercelra aorle a 2,400 ra. por arroba, e da quarta de 2,250 a 2,3u0 n. por arroba,e do mascavado a IJ**a0 Batatas V enderam-sc a If rs. o glgoBacalho F ez-ae venda de urna parUda a 7/500 e relslhou-ie de 7| a 8/ri. porbarrioa: ficaramein ser 6,600 barricaa. Oezerroi V .nderam-se de 31/a36/rs. a duzla dos envernliadoa c ai/ ra. doa outroa. Carueiras dem de 18/a 20/rs. por duzla das rranccaai. Carne secca dem de 3/ a 3|600 ra. por arroba ; e licaram em deposito 24,000 arroba, Far. de trigoFa-se venda de porco da t-a-aw,