Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07278


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^
Anno XXVII
(Juai ta fe ira' 3
DIARIO DE
de Dezfim!ro de 185!.
N. 274.
PEMAMBIIGO.
purgo da UBcmrglo.
Pmiminto Adunudo.
pir trimestre............
Por eraetre .............
Por inoo *....
PlOO DBNTPO BUTBIMSTBI.
Poi quartel.............
T0TI0I AS DO IMPERIO .
DI As DA SCMAK1. AUDIZWOIAS.
4/0 00
8/000
le/vOo
4/500
Para '> deNovbr.
Maranhao 19 de dito
Cer..: S d dito.
Parahib. 22 de Nobr."
Minas... Sdcoetbr.
S.Paulo. 3 de dito.
R.de J., i. de Novbr.
Baha... 17 de dito
1 Seg. S. Eloy b.
S Tere. S. Adrlo e P.
5 Ouart. S. Frrnclsco
X vieran, daa Indias
* Qulnt S. Osiuundo.
t> bul. S.Ueraldo are.
6 Sab. S. Mcolio b.,
91. Cronista e Dativa
7 Ooni. 2.* do advento
S. Ambrollo.
luitodc Orphftoi
i.ei.is 10 horas,
i. ira do eivel.
3. cb\ ao meio-dia.
Fasenia.
3. e 6. i 10 hora.
2. vara do civil.
4. e sbados ao inelo-d
Rtlacio.
Tercas e sabidos.
iramoElDM.
Crescente i 30, a I horas e 5.') minutes da ni
Cbeia a 8, a 1 hora e 8 minutos da t.
Mingoante 15, as 3 horas o (> minutos da m.
Nova 22, a 1 hora e 14 minutos da larde.
PRC Aat ab BOJI
Primcira a 1 hora e 18 minutos da tarde.
Segunda I hora e 42 minutos da manha.
PARTIDAS DOI CORElOf.
Goianna e Parahiba, is segundas e scitas-
feiras.
R-io-Crande-do-Norte, todas as quintas-felras
aomelo da.
Garanhunse Bonito, i 8 e 23.
Boa-Vista, e Flores, a 1.1 e!8.
Victoria, s quintas-felras.
Olinda, todos os das.
NOTICIAS 8TRAKGEIRA.
Portugal. 14 de OntbijAustria..
Hespanba. 8 de dito Sulssa. ..
Franja... 8 de dito Succla...
Blgica... & de dito (Inglaterra
Italia.. .. 3de Outbr F..-Unidos
Alemania. 5 de dito Mxico...
I'russia... 3 de dito. California
Dinamarca 3 de dito Chili.
Russfa... I de dito huenos-A.
Turqua. 21 de SetbrjMontevIde
3 de Outbr
3 de dito.
I de dito
9 de Outbr.
24deSetbr.
15 de dito,
30 deAgosto
26 de Abril.
J e Cetb.
o 6 de dito.
CAMBIOS SE 2 DI DIIIMBIO,
Sobre Londres, a 28 3; e 29 d. p. lfOOO
Pars, 333 por Ir.
Lisboa, sera tranaacedes.
METAES.
Ouro.Oncashespanholas.... a
Hoedaa de 6/400 velhaa. 16/000 a
de 6*400 novas. 16/000
de4/rjC0....... 9/000 a
Prata. Patacdes brasilriros.. 1/040 a
Pesos columnarlos... 1/920 a
Ditos meiicanos..... 1/7*0 a
Firme
ueoo
16/200
16/200
9/100
1/910
1/810
1/7S0
Xt/3X34M.'?WIUl+,ll)MRI> IH1IIHH
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Lisboa, 31 de outubro.
Nao hs ejemplo, em Portugal, de um Ira
fego eleitorsl semelhiiilc ao que actual-
mente estamos presenciando Desta voz
paroce-no que nSo Tora neaessirio a cre-
(3o de tantas commisses, como as que se
leem instalado em cada conselho, em cada
freguezii, e n'alguns bairov em cada ra,
para havero uiuvi ment e fervor quede to-
dos leapossou desta vez.
O proprio ministerio, que pela nova lei se
devia abslerde tola a intervengo eleiloral
expediu a todos os governadores civis una
circular areservaja,que fui iu liscrelamen-
le publica la por um jarnalldo Porto,na qual
recommendava que a elei^So recaisse em
deputados moderados, monarchistas, e q' s
houvessemdereformarosarlizos da Garla q'
pelo governo fossem propost >s e conclua
pedindo urna especie deinquerilo sobro as
pessoas dos dilTerentas districtos quo reu-
niam estas conliccOes, e sympathias publi-
os que Ihe grangeassom os votos na prxi-
ma eleicllo. Como he de ver, esta circular,
t3o inhbilmente formulada, c j de si sus-
peita por sor confldeneial reservada ou oc-
culta, como Iba quizerem chamar, provo-
cou as censuras da imprenss, tanta progres-
sistacomo cabralislas, por tcmerotn ambos
as influencas minisleriaes que sSo sempre
as mais poderosas, em os ministro nllo ob-
servando a le. Esta circular foi escripia e
assignada pelo ministro do Reino. Rodrigo
da Fonseca. Cs oulro ministros (iecram-
se ilheios a este acto. O partido progros-
No Porto, por onde o governo conta fazer
eleger os seus deputados, lio que parece qui
ha discordancia com os progresistas. O
Jornal do Pon o, que era defensor e creatura
de Silva Cabral, passou para o governo O
oovovisconde de Castro e Silva, um dos
agentes commerciaes do Iriumpho que a
regenerarlo leve no Porto, fui o operador
deste milagre.
Tivemosaqui urna visita imprtame fui o
ex-governador da Hungra Louiz Kossuth,
vindo no paquete de 17. O governo nSo pz
nenhuma duvida ao seu desembarque, pelo
contrario, o governador civil conJe de So-
bral foi buscs-lo an dosembarque, e o acom-
panhou ao hotel de Ilrnganca. No dia ae-
guinte foi hi compriraentado por muitaa
pessoas, qua se reuninm aos jornalistas
progressistas, quo ihe foram fazor os seus
compriatentos. Lopes de Sindonos leu ao
emigrado hngaro urna breveallocuc3o em
francez, a que olla respondeu tambem em
francez, de um modo decoroso, brevo e mo-
deradamente. Durante o dia foi procura-
do pelos principaesdo partido democrtico,
que Ihe Ikcram varios discursos. A' noiteo
conde das Antas tinln-o convidado pora o
su camarote nolheatro de I). Mara II, mas
elle sibenJo que llio istava preparada tima
ovacSo popular, absteve-se de alli appare-
cer. No domingo 19, quando parti para o
paquete que o havia de ccutuzir a Inglater-
ra, foi acoinpanhado por milito povo, indo
um vapor, frealo pelos progressilas, a-
companha-loat fra da barra, tendo-ihe
despe lida recitado um discurso em francez,
o engenheiro Lobo de Avili, collaborador
do paiz.
O governo acab de pralicir um acto da
mais justa reparaco, eslinguindo a classe
dos olliciaes, ditos amnistiados do Evora-
qSo livre, se m ter ha.i lo lista do governo,
distribuida lias reparticOes e pelos corpos,
deu este inesperado resultado, lie de adver-
tir porm, que islo nVi indica a torca do
partido progressita ou democrtico, porque
jnelo com elle volaram todas as ffaccOes
Porto nSo foi bem recohido a csnditura que tomar a assemlla, porque niti basta a
o governo alli Ihe propoz, por elle ter ac-. vonla lo ilo presidente, lio preciso um voto
ceilaloo titulo de Visconde. Diz-se quo .da lisembll para abrogar a lei. Em quinze
sara par do reino.
OPaiz suspendau a su i publicarlo. Um
artigo que alli foi publicado, contra o prin-
que silo igualmente adversas ao prodominio jerpio monarchici, sem que o redactor orin
cabra lista. O que islo nSo somonte indica, [cipa I fossesetentedeu causa a que A. llercu-
mas prova exuberantemente, he a ioiBOpu-llano quizesse declarar quo deixava de fazer
lar Jarlo do conde deThomar, e muito. maisi parte da redicho. Para evitar este desar,
linda de seu irmSn Jos Bernardo, los mais redactores combinaram em termi-
Na segunda-feira concluiu-seoprocesaoloar antes esta publicarlo. Tractam de an-
eleiloral, fleando apenas os cabralislas com garinhar os mesmus, out'o jornal para a a-
6eleitoros, lodosos mais progressistas is- bortura descorts.
to na capital, onde principalmente resido al Agora mesmn chegam nsjornaesdo Porto,
illustrac.lo, os capitalistas, o grande com-dizendo quo cliegata alli um emisssrio do
mercio, elr. Ilouve porm tolerancia abao-igoverno, a>ara empregar lodosos esforcos
lula, o al os mais contrarios estiveram jaflm de quesj eleja o maior numero possi-
nessetliamu Iratavois. Por exemplo, na vol dodeputsdos puramente casliila: Isto
sista sobresallouse ao principio, porque
mo tem f nenhuma etn Rudrigo, mas o Monte, e todos os que liaviatn sido separa-
duqae de Saldanha, assegtirou ao conde I dos do exercilo por motivos polilicis, orde-
dss Antas, que a tolo o risco havia do man- pando quo fossem reformados os que se
lera libardade daselcigios. |julgassem inespazes do servir, os mais en-
Conj isto acabou-se a polmica nos jor-' trassem om servico activo, com os vonci-
nses, e tranquilisaram-so os patriotas. i melos, que Ihe compelissom. Esta medida,
Mas poucos dias depois honvo sogundo promulgada em vespora de cloir;t3es nSoha
rbale, que ia complicando seriamente
situscSo.eas seguranzas do marechal.
O E$tandarte gabou-se de ter rogeitado
com dignidade duas propostas que o gover-
no havia feito para se unir ao centro eleito-
ral presid lo pelo duque da Torccira, Ca-
bra! e Tercara. O Diario do Governo negou
que t:ie.-' propostas se tivessem feito.
dedeixar do ser conveniente as vistas do
ministerio.
Tambem foi creado, cu antes restab'ole-
cido o consellio ultramarino, para so occj-
par oxelusivameute do melhoramenlo das
nossas colonias. PresiJente, o- visconde
de S da Bandeira; vice-presidente, I). Ma-
noel de Portugal vogaes, Jos Forreira
No da seguinte, 22 do corrcnle o Estn-) Pestaa, JoSo de Kontos I'ereira do Mello
dartr, transcrevia a acta da sess5o do cen- t pai do ininisl o da man ln visconde
tro eleiloral do primero do m-z, donde da Laucada, visconde do Aluieida-Cirrelt,
constava qnc achandovse presentes os ve- '' o Dr. Jos Joaqtiim da Silva Guardado,
gaesda commissSo central, os Srs. viscon- Vogaes extraordinaiios, o brigadeiro Arou-
do de Algs, marquez de Fronteiraa Silva. Cabral, I). Carlos Mascarenln, Uebello Ci- governador de Timur, Jos Maria Maiques,
liral, Agostmho Albano, Rebollo da Silva o governador do Angola, AdriSo Acacio
ele, expozera o Sr. Silva Cibral quo no do-j da Silvcira Pinto: secretario o depulado
mingo 29 Se selcmb o, no palacio do Sr. Pla ludia, Custodio Manncl Comes. I).
duque da Terceira, em Pedroicas, se apre- Maiioel de Portugal n3o aceitou, neo o se-
sontaia o cx-deputaJo Augusto Xavier da cretario, sendo Hornelo para este lugar
Silva,declarando quo tinha sido procurado Joilo do Roborla, ollicial da sacretaria do
pelo brigadeiro Augusto Xavier Palmeirim, reiao, que servir do socretirio do governo
o qual eslava incumbido de segunda pro- de Angola.
posta dos ministros do reino e da guerra,] Para dar urna ideia da quinto ao presen-
londente a promover urna unio eleiloral; le om muitas cabcQ.s fermootam as ideias
entre a commissSo central do prrtid) con-ultra-liberaes, bastara di ter qu tem todas
servador o ogovorno. Queoeaissario co-
mocava por dizar que era especialmente en-
carregsdo de repollir quslquor suspeita de
connivencia que podesso altribuir-se ao
ministerio com o partido progressista, e
em prova disso oflerecia urna cart do po-
lillo do ministro do reino, em que o negava.
A esposla do centro foi, dada pelo rons.
Silva Cabral que para se poder verificar
lionrossmenle urna uniSoentreo poverno
e o cenlrocartista, era necessario que o mi-
nisterio te reconstruisse.ss'iido logo revoga-
dos os decretos eleiloraes de 25 de maio, 20
dejunlioe26do jullio : que sem isto todas
as propostas soriam rejoitaJas sem so Ihe
admittirdisfii-s.'in
A esla positiva narrado acodio Palmei-
rim, coj urna carta na qual doclorou as
proprias columnas do EilundYirfc, que nS.i
recebera dos ministros, ncm dera a Xavier
da Silva a autorisafSo de que so trata as
actas do centro eleiloral; que aponas em
conversarlo com o ministro do reino, lh
looibrara a possibilidade c conveniencia do
formar um ncleo eleiloral que n.lo fosse
iu-ni cabralisla nem setemhrista, mas que a
isso difflcullava a saber-se que elle ministro
tinba diiigido aos governadores civis urna
circular hostil ao prevalecimenlo das i in-
moderadas. E conclua dizendo que o mi-
nistro pareceu annuir a esta lembran;i,
dizendO que a circular nllo ora lal advorsa
0partido moderado, e para provi. que el-
le Ih'a mandaria, para a vista Jolla, Pal -
merim, fazer as diligencias a que se p:opo-
nha. No lim desta coiresponuencia, publi-
cava Palmerim a carta do ministro, que se
reduz a remessa da circular.
A' vista delta exposc>, o Estandarte fez
apenas urna leve insistencia, o o citado Xa-
vier da Silva niio appareceu a depor em
contrario pelo que licamos sabendo que Itr-
doaquillo fra urna conversa, promovida
por |Xayier Palmeirim, ou encommondada
por Saldanha, ou de seu molo proprio,
visto elle ser muito curioso o metedico, pa-
ra o lim de tirar alguna cavalheiros s com-
missdes cabralislas, e fazer com isso uai
servido muito do agrado do governo', o que
llio grangearia una cadeira de ileputado,
poisalaqui ningucm tinba fallado n'ella.
Ilouvo no (lis 26 urna grande reuniau
uu cuuiu cailiatu, presiJida polo dyj'jc da
Tarceira, no palacio da tua dos Mouros,
perloncente oo editor do Estandarte. NSo
foi tBo numerosa como se esperava; con-
correrinm pouco mais de seiscenlas pes-
soas. Oduquelou um manifest, e Silva
Cabral proferio um discurso em forma de
programla, c com muitas instancias para
que os conservadores nao ileixassem de ir
urna. Viu-se por esta reunlo que posto
bija em Lisboa muitos cabralislas, tem cou-
tudo pejo do professar epublicares liio desacreditouii.
O partido progressista n3o far reunilo
goral, porque estando boje a elle anoexas
as probabililades de vir a ser cleito dopu-
tado pelo circulo de Alemjuer, um joven
pequeo propiiolario, por nomo Jos Flix
lloiiriqiios Nogueira, quo de uioguom era
at agora condecido. iNHo quoro diter quo
esto individuo nao poss ia lulas as quali-
dades do perfcilo cavallolro, o mesmo um
bello i ilenin Mas a consiJcraco princi-
pal que recommenda a sua can lidatura, lie
o ter ello publicnto ltimamente urna obrila
intitulada I -m I- subi a reforma em
Portugal na qual propala os principios
mais democralicos e at socialistas, o pro-
pe o inculca as innovicO -s mais radicaes
om poltica o iiilniiM-l n.an. Os |,rogres-
sislas do Porto e os de Lisboa estilo empe-
nlia los na elei(3o deAlexandre llerciilano
para depulado, e lem feito lodos os esfor-
cos para o resolver a aceitar um lugar no
parlamento. Al agoro tem resistido, na-
turalmente porque um lal passo o obrigaria
a renunciar o empreo do bibliothecario
do rei, pelo qual recebe 600/000 ris ( pagos
emdia ) o lem morada gratuita. Entretan-
to pnil ser quo ceda s urgentes instancias
de seus amigos e admiradores.
Logo quo ;i |ui se souho a nolicia do fal-
lecinienlo do hispo do Coimbra l aconteci-
do nesse i nperio na cidade do Maranhilo,
como ahi deve constar J houve grande relio-
leonas altas rcjios, acerca da noinos(3o
do sucessor. Dopois de muitas propostaB*
o respostas, parece lor-M assontalo dofi-
nitivameulo on aprosenlar para o rgimen
u'aquella diocose o aclual vigatio geral des-
te patiiarchado, o arcebispo de Mitylene,
a quom em outra poca s havia promelli-
do a coii.ljntoi iu e futura suc -e-sao do mes-
mo bispado. Falla-se em opposi;:lo prova-
vel por parlo da Santa S, funda la om quo
o arobispo pertencera maconatia. Po-
rm hojeditom j no perlonce... o Roma
lem-so d8o poucas vetes mostrado condes-
cendento em casos lemalhintei, contin-
tan lo-so cm exigir pronessa formal do sin-
cera converso.
Dizemcs'ar j as mos do intrnuncio
; s1 I .-.i a nova bulla da Cruzada, e quo
so publicar no prximo advento, ou o
mais tardar, na quaiesma do anno que
vem.
Por era n0o hacousa alguma olciil so-
bre rs'.easmimpto.
/rfed, 14 de novembro de 1851.
Pelejou-se j a primcira balilha eleiloral,
a das a-s 'inl.|i"s primarias, c o resultado a
favor do partido progressista excodeu as pro-
prias esperances do partido, oinuilomais
ainda a oxpecla^va publica.
No dia 2, oaprasado para a votac^lo dos
eleilores de deputados, aqu na capital ( e
sotibemos depois quo om lodo o reino ) logo
pela manhaa os volantos accorroram as as-
somblas para disputarem a forroaco das
mesas, que, csso raro I .N miIioiii i foi instal-
freguezia de Santa Calharioa era presidento
da mesa o redactor do Patriota, Leonel Ta-
vares, eescutinadores Suva Cabral, redac-
tor do Estandarte e Silva Tultiio, redactor do
l'aiz. Por esta coincidencia, oporse sup-
por que Silva Cal-ral faria algum protesto
estrondoso, concorreu aquella assembla
( na igreja dos Paultslas ', pelo lim da larde,
grandissimo numero de pessoas ( mais de
tres mil ), e quando saino Silva Cabral,hou-
ve um grande rumor de escarneo logo na
igreja, mas porta, e no transito at casa,
lizeram-lhe urna surriada estrepitosa, che-
gando at varios a querer tentar contra el-
le, por algumas palavras que o lillio soltou
contra o povo, o que de cerlo aconleccria
se nao eslivesse presente o governador ci-
vel, conde do Sobral, que desde a igreja on-
de hivia ido, por Ihe constar dtquello gran-
de ajunlamenlo, tinha acompanludo Silva
Cabral. Foi esto o nico incidente quo per-
tui bou a paz e ordem com que as eleic.>s se
lizoram. Nesta fregnoza, de Santa Citliari-
na, onda resido Silva Cabral, e se tinha
proposlo cloilor, usando para angariar vo-
tos, de mullos tncios do suborno, segundo
goraloienlcsedizis, tenJo olle obtido apa-
as 47 votos e o radaclor da Rcvotuco smi-
p iio 108 ; justo era quo os progrossistas I --
lejassem esle singular Iriumpno, como li-
zeratn, lanzando muitos fogu tos ai ar :
mas a assuada foi reprovada pela impreosi
sensata, e posto niio livesso consequoncias,
logo, i noite uns soldados que ostav.nn
guardando a casa de Silva Cabral, fdriram
um h......o quo tinlia sollado algumas pa-
lavras contra ello, e qua dizem fora um dos
quo loe liuliam i lo doilar foguotes defronle
da sua casa do Poip Novo. Na freguezia das
Marees, onde era candidato Joilo Rabello da
Costa Cabral, e portencia masa, leudo el-
lo liento mui men,ir em votos aos seus
competidores progressistas ; estes tambem
aiii saida Ihe don .rain fugeles, e o acom-
p iiilrn i m com apupos.
Das provincias, as noticiaa ate agora rece-
bi las, d&o lodos os circuios com grande
rnaioria a favor dos progressistas o do go-
verno, i \ lo cm villa Real, Elvas o Cas-
tello-lirancn, quesuiram favoraveis aos Ca-
brali-tis No Porto lio quo houve divergen-
cia oulro os can Hiatos apresonlados polo
gov'mador civil e os do Jos l'assos, polos
progreililtil. Mas sabe-so que o marcc'ial
eslranhou isto ao sobrinho (I). Pedro da Cos-
ta, governador civelj, o que deu orlem para
qua i el.'io.io fosso agora dn accord i com
Jos Passos, u.'io obstante o que o ministerio
pro.netle por ali as candidaturas aos sus
amigos. Urna deltas lie para Carlos Bonto,
redactor da Reforma, outra para Salvador
Franca, o que levantou o grito nos quarleis
de Santo Ovidio a fivor do Saldanlia. o ou-
tra para seu sobrinho 1). Antonio do Mace lo,
actual secretario do governo civil daLeiria,
bacbarel, c m ,-n d granlo iiistruC(3o, bom
auelor d'amalico, ojota di casa dos condes
do .Mesquitella.
Men les Leal Jnior, redactor da Lei, e Ito-
bello da Silva, tambem se propozoratn elei-
tiires en LishOa, pelo centro cibralista, mas
livoram poucos votos. O primero esla pro-
posto doputaJo por villa Real o Castollo-
Brauco, o segundo niio lem-achado sympa-
thias, pela proverbial e oscindalosa vglubi-
lidia -le. Nenhum dos mambros pois do can-
Iro eleiloral Carlista ou Cabralista pode al-
canzar u na candidatura do elaitor em Lis-
bi I Ncm o duque da Terceira, nem o mar-
quot de Kronlein, nom D. Carlos de Masca-
renlias, lutiliura '
Os oleiloros do LisbOaj tem tido duifl
me parece que fara mesmo mal s candi-
daturas minisleriaes, e produzir o resulta-
do immodiato a n3o oleicSo dos dous mi-
nistros pelo collogio de Lisboa.
Segunda-feira 10 do correle falleceu
quasi repentinamente o consolheiro Bernai -
do Miguel de Oliveira Borges tiulia ido a
--.-.-io da junta do crelilo publico, do quo
era membro e depois praca, o antes di
notle ja n3o exista Tinha sabido eleilur
polo partido cab alista. Era liomem de bem
e muito amido do tolos. Ao seu fue.al
concorreram mais de duzoutas pessoas, in-
do em sequilo de conloe tantas car. lameos
e seges, sem que para isso tivessa convite,
como elle recjintnan lou quo os niio lizes-
sem.
dem 15 ris 6 horas da manltia.
Como o vapor ciiegou bouloin muito lar-
de, e s agora he que leclia a mala, aprovei-
to esta diUcen para Ihe atiunnciar, que
hontem alta noil-, o segundo circulo do
collegio eleiloral de Lisboa, fet u>n apura-
monto previo dos deputados que ha deele-
gor no domingo, como ja tinna foito pela
lardo o primero circulo. Eis-aquioquc
resultou desta apuramcnlo.
Ji da Silva l'assos Ex-miuislro do es-
tado Autonio liodrigies S.impaio reJaclor
da RevolU(3o, Jos EslevSo Coillio do
Magalhaesidom, Alejandre llerculano
liistoriador=Leonel Taviras Cabralredac-
tor do > Patriota, Jos Caelano do Cam-
posjuiz da relauSo, F. de Paula Aquino
Otoliniidem, Jos Mu ia do Casal Riboi-
ro-capitalista, Antonio do l'onles Corroa
de Millo -ministro da mariulia, juiz da A -
tliongia.e ministro dos estrangeiros.
So n. i i-ecou-nl -r.irein daqui at domin-
go, vii-se i|umi -ni fozimpreuSonocollegio
uo Lisboa as noticias do Porlo, nom el ;g^u
dias, saberemos o qje ha do haver, porque
as feriis parlamentares eslarflo terminadas,
eminlia caria de 7 da novembro Illa dir
oque ha. Entretanto a imprensa l'gitimis-
ta o ni le- mi-t i solta gritos de colera, o Luit
llinimi le i a.- n.i i so move fcilmente, l-a-
balha om constitiir u.n novo gabinete.
Esto tralnlho n,lo esta feito, o ollercce
grandes dilliculda les. Ha para o presiden-
te duas ni. i-T.i- do determina-lo. Ple
lomar s ius mini-tros na esquerda e conci-
liar assim a benevolencia dos republiei-
nos ; pile tonar seus ministros na dtreita
e diminuir asaltn as colaran, e os lerrores
doshomeuS monarchicos : julgo quo o es-
pirito sensito de LlliZ Bonaparte o levara
para esta ultima hieii, ain ta que al ao
presente, elle s te o Udo conferencias con
os hom mis da esquerda, e esla nos'.e rao-
motilo a pirlamenlar com um dos mili
habis dentro elle, Mr. Ilillaut. I.uiz Bo-
naparte uo polo cntetiiier-se com minis-
tros republicanos, porque, poni da parte
a lei de 31 de maio, elle quer ludo o que os
republicanos nSo querem, e no quer nada
do que ellos querem. Os republxmns oo
podereilgirilin, n.l i so a abrojia^a i di le
di 31 do m no, mil ainda a abrogarlo 'las
Icis contra a imprenta, contra os clubs,
contra as IMocilfOae, contra as revollas,
etc., todas as me lilas qu> o p'li lente
esta mui dece lido a cutis rvar, porquo qu T
lirm "nenio a odem. Da OUtro lado I.uiz
l. ni i a 11 quer s ir roeleito, aposir i > cons-
tituido, e os republicanos niio so i tei-
ra nenio desta opiniBo; a-sim eilou con-
vHiciJn qua ii presotita icabar por egco-
Iher para ministros liomens d i ordem, mas
OU menog Conhaci 104, poten dedicados a
sua poltica.
O ruido feito pelos perio lies ciusou por
um momento alarma a coninns-ao le per-
manencia que repiesanla n aasembll du-
rante as ferias. Ella reunio-sc de repente,
o pouco faltn quo n3o utasso do seus po
dores, convocindo immoliutimenta a as-
limbli. Era esla ao principio a npiniSo
do quasi lodos s us inembros que liugiam
cslir mui atcmo-isidos. felizmente a do-
li'ierae.'i i coii.inuou no dia soguinlo, c leu-
do tolos lempo do refleclir, decilio-sa
nesta segunda soss3o qua se nao atemori-
sassa o paiz por urna convocado precipi-
tad!
exigem ama mui gnnde aptidSo eipeciel,
o u -o mu i prefeilo pode comprometter gra-
vemente asseguranrjs publica.
Inglaterra. O-perio lieos de LndreUBO-
cu;am-se ainda muito do Kossuth que *M
destinado a substituir i exposicS) na curio-
si lado publica, e a tornar-so o leSo da esta-
c3o, sotibi'-sc or urna carta mi que ti-
nha chegado a Cibraltar no Uissisiipe, e quo
-o prepara va a vi r a Southampton 'oNe che
garia a 22 ou 23 deste mez. Tem-se feito
em Southsmpton e atem Londres os inaio-
res preparativos para dar a sua tcpqSo todo
o rspl -olor imaginavel. Os pilotos de Sou-
tliiimptou receberam ordem de fezer conhe-
cer por um signil a chegada do lamoso hn-
garo, para que o maire e son conaelba> jm-
dessem ir cumprimeuts-lo no vapor que do-
via con lo/ir da Gibrallar. Todos os ho-
niens de bom senso protestam contra osta
predil -ceo redicula que pin a-n honras
quasi reaos a um homem que ompregou em
Marsslhea detestivel linguagnm de um de-
magogo furioso. O limes fez-se orgSo co-
queule e enrgico destas protesta(Oos da ra-
l9o publica, e doaenlimento monarchico t3o
poderoso em Inglaterra ; mas todas as boas
rasOes do Times nSo mudaram a datermina-
(Ho do povo inglei. Esta resolveu festejar
Ko-siith, e dar o especlacnln incrivel do una
ovacrlo quasi real feta na monarchica Ingla-
terra a um dos mais ar lentes promotores da
repblica universal!
I) cilio-se da ootiinum necordo entro os
cov Tilos la RuMia, Auslr ia o I'russia, que
os cmliaixa lores destis tiez potencias dei-
xariam Londres lob o protexto de viajar
para so diverlirem, durante todo o lempo
queKossulti li.ihu.i--e mquelia capital. Ha
tima medida ao mesmo lempo digna e pru-
dente porque os gran les gabinetes da Eu-
ro >a nao desojam romper com a Inglaterra,
o nao querem que seus representantes se-
jatn oxpustos a oucontrarem-secom o pros-
crito hngaro nos sales de Lord Palmers-
lon.
A ceremonia do cneorrmonto di oxpn-
-ii;;in levo lu^ai em 15de outubro sem ap-
parato. A rainha n3o assislio a ella ; um
dos membres da commissSo real, o viscon-
de Cinolng, pronunciou um discurso; e
proclamou os princit>aus recompensas cun-
cadiJas pelo jury. Ilouve 170 modalhas do
primcira classe, eh imadas me lalhas do con-
sebo, c 2,918 medalbas de segunda cliise:
deo-se ilm disto um gnnde numero de
. c que se espeasse. memorias honrosas. O numero total dos
Soria com liTeilo para deplorar qua a as- expositores elavava-sa a 17 mil, sendo a ter-
sembli cutr.ssi abertamente em guerra ca parle dolas expositores inglezes. Muito
OOm O presidente, porque uunc a face3o s lem gritado, muito reclamado; princi-
0 represente da classo operara como tiuliii n demaggica levantou miis audazmenta a palme lia em Inglaterra pelo modo porquo
promotlido! Crcio, p-irm, que hoja mesmo cabera, o tcstomunliou disposnOs mais as recompensas foram dastribuidas. Os
sa lia de trabalhar muilo para tirar os votos I amoai;adoras. Durante esla quincena em peridicos de Londres tem sahido desde 15
aos dous ministros, e di-los a Jos Viclori- dous ueparlirocntos sitalos a 60 leguas da de outubro cheios de caitas de industriosos
no liama-tio, uiacbiaista do Porto, ou a al- \ capital liuuve duas revollas; ellas Torain que i reicnd -ni ter sido sacrilicados e nllo
Ruin dos duus o erarios do Lisboa de quo ja logo Comprimidas, lio ver.l ide, mas rovel un ter sido jnlgados segundo seus mritos. De
1 i i.iile ai-iin i. jl exflleneii de abomioivois disposfedesoo- oulro lodo om Franca, queixam-se tambem
Alexandrc llerculano, declarou hoja qu i tro nossos cioipoii"Zes. Todo O campo Um com urna vivaci lado qio ju.''o Injusta por
nSoaceilava a elotcSo que lelle quaril li- I sido perc irrido ,e|. propagan ia demsgogi- que a Franga, l-tilo apenas "fornecido do-
zer o collegio, pronunciando um luun'o dis-'ca ; grande nn ero dj nossos eamponezes enno dos expositores, obteve o terco das
curso peraule os eleitoros, qua todava niio lem sido arregiinoutados en sociedades se- -
Ino accitaram a rosignaijSo Veremos o que cretas, qui recobem a senil i dos anareliis-
tas de Pars o eslo promplos a levanlareai-
so ao primero lignal. l'.omtttein-lliris a
pilliagem dos cidadlos ricos, a a pirtilha
igual da propri rilados, he esla o fundamen-
to da duulrina socialista ; nossos eampone-
zes s3o cubiceos, o invejosos, e bem pou-
cos d'onlro ellos reiislom a osles criminosos
engodos.
Fclismenlo as duas rcvoltas do qic Ihe
ftllei mallograram-ae antea do lempo : os
ello l'ara. Jos Estovo tambem falln hoja
eloquentemcnle a favor da can lidatura dos
operarios. A sess3o eslavo tempestuosa,
tenJo o preside ile de so cubrir outra gran-
de tumnlto, e addiar a discussuo para liojo
ao tnctodia.
Por/5, 2D de outubro de 1831.
Ao cscrever-lhoesla achamo-nosom criso
ministerial. O gabinelo deu a sua demis-
sSoao presi lente o qual aceitou. Eis emjhomans honaslos esl3i provenidos dos pe-
que circumstaucias appareceu esta romp- jrigos que cirro a soeiodule e plem cuidar
ment entro I.uiz Bonaparte c os ministros. |em reineJiar isto. Espero quo finio o que
Ha algumas semanas, o Constitucional, ||0 preciso pan llsegurar a IUI silvaelo, e
folha quo dizem recebe as conlidencas do principalmente qua pcr.iianecarSo lime-
presi lenta alaciva com exlre ni violencia menta unidos.
a lei de 31 de uiaio. E-,la le de quo llio fal- j Foi nos dous departamentos de Al ier, o
lei tantas votos, quando se discuti, tem doClier qua nscimpon-zas, felitrionto em
por lim ruduzir o numero dos eleilores, oxi- pequeo numero, revollarain-se contra a
ginJo para o exercicio do sufTragio Coito- autori lado Em ambos estos lugares a in-
i.il a t-nii li.;.io .ie um domicilio do tres an- su roiclo lev mi mesmo pretexto. Os Cam-
ilos Ella tevo bom exilo, porquo as listas ponezes reuiiram-sa armados, o mirO.ll-
que se tem foito om execug3o dosis lei nSo tm tiara a Cidade visim i, atinuticiin lo e.ii
olio nem selemilliOes da eloito.es para lo- altas vozes quo qtieriam soltir seus carna-
da a Franca ; as listas follas c informo a an- ridas, que a justnja retinha presos por do-
llgalei davam u u total do dez millides da |ctos polticos. Em coinmoalry, em Allier
eleilores. 'esles individuos a quom quaria) soltar
- Estas ataques do Consttucionels contra erain fogosos demagogos quo tinham sido
-abielde 31 ue maio irrilavam muiloos mi- presos por ter lutado com forfi contri os
UK'dalhas da pi neira classe, o 5 parle
das ineelasda segunda classe. Estas lecla-
maeOei coutral.tonas provain quo o jury
julgoa imparcialmeiite :cllopoderia enga-
nar-se som duvila, mas n.lo sa enganou
Voluntariamente.
I id i a revelia como u'antes se coslumava ;
todas foram mixtas, islo he, melada de ca-
Fs l'rsccOcs' de outros partidos, tambem ajda um dos partidos oppostoa. N3 i houve
roncorrencia nSo seria muita. -porm nenhuma pcrt-arbac^o neste acto,
Em vez disso anda pelo seguro, fazendo quo sb passou m boa paz. Comecou-ie o
conferencias e reumOes parciaes, publican-1 escrutinio em quasi todas as essamblas
do manife.-tos e allocucOes, aqui e as pro- urna hora da tarde, o em poucis se deixou
viuciis incjnsavelnimte. Parece-nos q'nlo ,de concluir nesse dia. Quando foi ao por do
precisavs trabalhar tanto para ter maioria sol, eque os ira balboa se suspendern), j
as eleicfles, visto que o governo uos niio os progressistas linham 183 eluitores seus, e
os huslillsi, mas dl-lhes auxilio. As auto- os cabralislas apenas 4 Parece, isto ineri-iquem sairs, tantoss3o os pretndanles,
ndades da regeneracSo sao todas dsquelle vcl, combinado com as voli(as dos annosi Domingo se decidir, e enlio veremos o
priido, com poucas cxcepces. 'antecedentes, mas o ficto he quo i elei-1 quosignilici a futura eaniara. Carrettno
reunios, mas por oa nada tem resolvido. pialros, que suBjpuuham n;1o S3m motivo, gendarmes no exercicio da suas funecvs.
que o presidente n;lo era estranlio a esla po- Em l'rocy, em Choros camponazosquite-
lomici. Ora, os principaes membros do rain por nm lber la le in li vi luos qua eram
gabnotoapotavamcoin todas asforcasa loi acousa los la organisadaros das sociedades
do 31 do mato, e isto se concebe: M. Boro- sccrelas.
che praparon, o aprosontou esla le a assam- Por lo la a parto tam lido reprimidas cs-
bia, M, Len Faiicner defendeu-i oo no tu tentativas oriminoiaa i mis a ordem foi
relator. Estes o sous coliegas oilavnn gravemente perturbida, o a mais profunda
muito convencidos que o presidente sa do- inquleticrioss lem aporrado dos lio neos
savena inteiramenlo cjm a maioria parla- honestos. Foi precisa urna grande oalenta-
tiieuiar.se poJisse a abrogacao desta le (3o da furcia para acbar cjm a in-urrei-
Naatas circumstaucias lornava-so ecos- C3o,qrjo pnncipalmculaemC ertma t-ima-
uria uina explicado, o a quasUo foi a.ire- do proporfOei considoiavois, porque DlVll
sentada emuui conselho do gabineloon II qui.mentos ou seiscenlos ce npunezes ar-
deste moz. Sendo requer lo por um dus mi- malos. Devi roceiar-se quando si ciuside-
nislros.q'tizessoconliocor sua opiniao sobre rl queseo mesmo movimanto tivessa sp-
os arligus do Constitucional,* o presiJeule parecido ao mesino lempo em cinco ou sois
doclaruu expressaueuto que aprovava estes parts, seria Irnpouivel acliar-sc bstanlo
artigos, o que sua opiniao era que couviulia tro,.a dispjuivel para acabar c un ella.
poJir a assamblaaabiogacSo da lei de 31 Gracasa Daos, o mal limitou-sea insurrei-
di maip. Sbreosla declaraco, lodosos C -s roslnclis, e aprumptidilu das med las
ministros deram sua demissao ao orest den- loma las empedio o incotuio da propagar-
te: estalevou Ires dias para rell ctir om se, a o ineimotempo quo a elergia dn
sua detertninacao, mas seu partido oslava presago jiidiciatia t:iu alemonsiio os
Oi deputados por Lisboa sai epenas 10, e ha
32 candidatos, uns con seus programmas j
publicados, outros com influoncias clandes-
tinas que sSo as peores, e as que mais val-
gamente nos. Ogovarnoquor quo saiim
por i. -I"'' i S iiiiiii- u- a ni o ni ;.i Fuulc-s,
o o dus estrangeiros Je-vis, lia porm gnnde
repugnancia nos eleilores em acedera este
pedido. Na rauniSo do hontem 13, o eleitor
e candi lato a depulado, oadvogado lluitre-
man, propos a discuss3o do collegio oloito-
r.il, m; s divia aee-llar a- e ni li latinas dos
dous ministros, o do um d-putalo pela clas-
se operari i, Tomou a palavra Jos eslovo,
o del o leu calorosamonle as caudidaturas
mini.-toriaes, principalmente a do ministro
Fnnl-'s. Em replica rosponleu-lba Uollrc-
maii, Tazando urna tremenda objurgaloria
ao ni ni-ie iii.n que promoveu graudes repra
salias da parle dos ministeriaus, principal-
metilo de Joaquina Antonio de Aguiar, quo
chegou a proferir algumas palavras que es-
candalisaram o audictirio. EnlSo para tran-
quilizar os nimos, Alexandro llerculino
propoz que nao se discutissom candidaturas,
mas si mi ule os priucipios dos quo a quem o
collegto confera os seus votos, e se traclas-
se do modo do procedora urna volacSo dis-
creta o conscenciosa, tem soffrido gnnde
discussSo esta proposli, e lie.iu pira se re-
solver boje depois do meio dia.
Nao se sabe ain la qua -s sarao os deputa-
dos que esta tempestuoso collegio elegera
profelisi-se... porm que soirao os seguin-
te- : Jos da Silva Passos, Antonio Rodri-
gues de Sampaio, redactor da Revotucio.
Leonel Tavarcs, redactor do Patriota ; Fon-
tes de Mello, ministro da msrinhi A ller-
culanoA de Oliveira Marreca, antigo bi-
bliothecario do Bibliotheca Nacional; Jos
Alaria Chives, pelos operarios, com ofllcina
serralheiro, ou JoSo Dintz Collares, com olll -
cia de funileiro ; Jos Maria Latino Coe-
Iho, redactor da Revolucode Setembroe da
Siman; Aguiar Ololmc, juiz da rel.n,-ao de
Lisboa; JosMana do Cazal Itibeiro etc..
Das provincias n3o lia poder acertar rom
O concurso era taogranJeno ultimo da
da exposicSo quo o velho duque de Wel-
Inini m que quiz gozar ain la urna vez des-
ta grande espectculo, e sa mistura na mul-
Hd.lo qnasi ha sullocido. Felizmente dois
vigorosos con lastaveja von-lo o perigo qui
carria tomaram-no,* C14U um por un bra-
co, p. couduziram no assin\.at a porta.
Alientan; A palicia da Iterlin acaba.de
fazer numarosas prisdes por causa poltica.
Associeiades socrlis n:1o tem castado um
mimouto do existir n'Alleiuauba e princi-
palmoiilena prussia Foi em seu seio quo
so tramott a ca;ijurac3o de alta trainero que
acaba de sor descoberla, e quo pareca mui
seria.
O imporalor d'Austria esforc-so por
conciliar pela clemencia seus subditos des-
varados da l.nriiti i li i e daCallicia; om
sui ullitni viageui a MilSo ella coicedeti
gra;a ulen o iuleira a tolos os coudemoa-
dos polticos da Italia, cuja peni n.lo exce-
do a um auno deprisa o. I una medida se-
meihaute esta proparada para os Poloaosos
da Galiicia, e o governo austraco pedio a
rolacSo dos c itiJennados pblicos, allm de
d -terminar as bases da urna uudida seme-
lliant".
En seguida i guorri do llolstein com a
qual o eulretive lomgamonle o anno pas-
do, reslava decidir urna quest3o grave fo-
ra a verifndeira Canas .lesa narra, a nnes-
lio da lueOMtflO du tlirono de Dinamarca.
Oiei actuil nao tem li ihos, o dous ranos
principaes d'AII tmanha, o ramo de Augus-
lombourge os da Clucliobourg disoutavam
o dimito herolitario a cuida ; depois de
urna laboriosa u'gociaco qua teva logar
em Berlin, o rei da Dinamarca designou
por seu berdoiro o duque de Glucksbourg.
' o mi mi s preparativos militares so fa-
zem neslo uiomeul i, em lodos os estados
di i- ni erara i germnica a vi-u dos suc-
cessos.que po lem s.liir da crisa de 1852.
N31 lia contra a Frauda, e seu governo ac-
tual quo oslas medidas s.lo adoptadas, lio
contra a revoiuc.l i demaggica do que a
r0" j Alleinanli i si quer garantir lo Ijo cusi.
P,ue| furquia.Urna grava dosiutelligencja so
irreyogavelinentelomado.esenJoocoiiseliio lenamsiio leutados seguir o exemplo] |eVani'ou entra o iulWo e sau vass,
do uovo reunido no dia leca-feira 14,o pre- dos revollados. Tem-so Icilo numerosas yice-rei do Egypto, Abbas-Pacna. Esto
sidentedeclarou que scaitava as eiinssas. pris;s, o furia destacamentos de tropas!acai,a Ueconoedar a u.aa OOODSaoU i,,g0.
Lis, eai poucas palavras, as razes das ach3o-sc estacionados nos lugares que tem'ZB a coostrucv'So de um caminlio de ferro
repugnancias do presidente pela lei da 31 servido do lli -airo a insuiroico ; acalma e 1 entre o Ciro e o Suez. Esla empreza que
do maio, roluzindo o numoro dos eleilores, a coragem so apossilo dos cilad3os hones-1 val ain Ja cncurtar a distancia onlro asln-
eata le maca o (Ovo, o qual votou em 1818 tos, o os maos esto gelados de terror ; po-j jas oriantaes e a Inglaterra, he cutiside-
paia presideucia ue Luiz Bonaparle. Ue tres rn lio preciso urna medida mais decisiva'rada com prazar em Londres, mas os mi-
mi nOt-s de eleilores que a le excluo, dous pira acabir de desconcarlar os conspirado- nistros do sullo u3o reconhecem no vice-
milnes pelo menos volaram, e votiriam ras, o espera-so ver logo om estado da sitio rej 0 direilo de introduzir no territorio ot-
ainda por elle. Ilavona pois do sua parte os'departauontos, em que appireceram es- tomano, com o soccorro de leus ungenliei-
ingratid3o, e mao calculo en couseryar a tas graves desordens. iros, e de seus capitalistas, urna potencia
le. beinarsem 18o0, quendo a le foi vo- Em quanto a agitacSo reina em nossos'(lo iuvasora como a inglaza.
lada, os partidos inunaicliicos que a tuiham departamentos, Paris est pcrf-itatiiente olas mu vivas tea siJo trocadas entro
exigido, pruineltiam seu concurso ao pro- tranquillo, o presideute ha aqui mu pupu- o priineiro ministro do sua aitesa e o mi-
sidente; ora, estes part Jos Ins -,,o hoja lar, mesmo entre os obreiros. lio preciso .nisiro do vice-rei. O commercio inglez
mu hoslis, e he certo quo prelondem ser- qua ella estoja muito seguro da sua popula 't-m-se agitado'com este conducto, e um
vir-se da loi de 31 de maio para mallograr ridadepara ter-sa decidido a aceitar urna Imooting ao calebroe em Londres, no qual
sua candidatura. E i lim os demagogos demissflo muito mus importante que a dos jse adoplaram resolur;0as ali ai de empandar
h/f ^" ".m,'it9m f??01?*0 F*ra. ex~ minisll0f' douilssSo de M. Carlier, prefei- lord Palmerston a apoiar o governo egyiicio,
Turqua codesse
citar aguerra civil om 185i, haateideSt todepollcis. N3o sosabo bom porqnirasao, e a fazer com quo
de malo, que viola, dizem ellos, a coosli- M. Carlier se julgou obrigado a retirar-se'rasilo.
luicSo, porquo mulla o sulLagiu universal, com u gabinete; os bous cldadaos lamentain O ministro v-sa bstanlo embaraado
O presideute quer tirar-lboi este pietexto isso, porquo eu liomam mu oxpoiimcila-: porquo est neste momento nos lueHrores
abrogando a le do. mu luUHignle, e mu hbil. tormos com a Po la, e ciuv n poupa-lu
laes s5o as rases do presidente, e sin A esculla do suu successorlie-mtii delici- (d'oulro lado he preciso qui satisluca ao
mu graves. Reiti saber-se que partid > do, porque is funcesdo prefoilo da policia intaresse commercial da inglitorra. Julgo.


que gracas i sli StrifforJ Canning, seu 'pedir que assomblea passasse immediata-1 Dito dito dito zea 32 .
OB.Laixador om Conslanlinoph. o ne|00io-nianto a nomcar urna ocmmissSo que fossol odlto do Mranhaod
se arr. niara, e que so obter do gOTernoencarregada de fazer un relalorio sobra r ro i?i *
turco a rtifiCes"o do tratado concedo conducta do govorno e sobro a situacS PO- Dito do Maranhao
pela comi'aohia ingleza com o vico-reP lllica. Era uma verdadeira e formal deca- Gomina copal
dem, 7 de noveinbrode 1831. ;rac3o de guerra contra o presidente, esei|j,,cicuanh
A crise ministerial de que Ihe fallei na de mui boa origen que o acto de Mr.Rarryer Oleo de copabiba
ultima carta que iba escrev terminou no i fra deliberado naquella mesme manhSa en-
da 26deoutubro. O presi lenta parlamen-j tre os chfes da ni noria ; mais a maioria
lou multo lempo com iiomens do todos os i neasa occasiSo decisiva teve o bom senso de
credos, mas eslava firmemente resolvido a no soguir sous cliefes, Mr. Berryorcom-
u3o tomar por ministros senBo homensdei prehaudeo quo ia ser abandonado, e dol-
or lem, por isso Mr. Uillault fi apartado,1 xou prudentemente cahir sua proposla, lo.
bem que na illusSu de sua vaidade se ti- davia o nao humor dos partidos tinha nec-
cassidada de uma pequea salisfacflo, e a
-o
9!
91
340
i8
20
102
I O1-'
too
200
2
vesse lisoDgeado um instante de que Luis
Bonaparle se laucar ia em seus bracos. L'is-
aqui qual he a composic3o do gabinete no-
vo o bem aasim algumas palavras sobre ca-
da um dos bomens que nelle tem assunto.
Minist-rlu da justiga Mr. Daviel, procura-
dor geral em RuSo ; fie oa antigo advoga-
do que teve alguma c-Hebridado no foro,
bem que nSo tivesse jamis tido assento as
assemblas parlamentares. Elle subslituio
a outro procurador geral, Mr. Carbin, que
uflo quiz aceitar a pasta.
Negocios cstrangeiros Mr. de Turgot, ex-
par de Franca, homam mui considerado e
mu rico, o qual he lenenle-coroncl da pri-
meira legiao da guarda nacional de Pars.
lnslrucSo publica oculto Mr Carlos Gi-
ran I, iiviiiliro.li instituto o do conselho
superior da inslruccao publica, homem mui
hbil e mui honrado, o qual ja fez parte do
ministerio provisorio formado no moz de
Janeiro dsstoanno.
Interior Mr. de Thorigny, ex-advogado
geral junto do tribudal do ap.ieliac5o de Pa-
rie.-tlr. de Thorigny que al aqu no se
tem oceupado le poltica,ha dolado em mui
alto grao do dom da palavra, ello ser o ora-
dor do gabinete.
Agricultura o commcrcio Mr. f.asabianca,
representante do povo ; elle passa por ter
um cario ment e tim-sc BSSlgn ilado prin-
cipalmente" por sua dedlOicSo a Luiz liona-
parle, dedicasSo que lie compartilha la poi
lodos seus compatriotas. Mr. Casilnanca be
originario da ilha ea. que vio a luz o gran-
de Napoleilo; elle he corso.
Obras publicas Mr, l.acronc, ex-vice-prc-
sidonte da essembla legislativa. Mr. Lacro-
ne he um homem excedente ; bem que mao
orador, he amado e estimado de todos s.-us
collegas. Elle j exerc-'u as funrees de mi-
nistro das obras publicas em 1819.
Marinha e Collonias Mr. Tortoul, repre-
sentante do povo; he um homem mui pou-
co proprio para suas funeces, pois que he
simplesmenteprofessor de bellas letras,n3o
be como Mr. Cssacibisnca, inleiramont
dedicado ao presidente-
Guerra o general de divisad I.erny de
Saiut Arnand, militar excellente,o qual aca-
bale l'azer naJAIgeria contra os rabes uma
pequen
maioria recusou dar ao ministerio a decla-
recSo do urgencia quo elle pedia. Est vo-
to tera em resultado impedir que a le se-
ja volada em uma s deliberaba, e submet-
le-la a prova de uma triplica discussSo. He
uma pobre vuiganr-a, que nSo ter outro
resultado mais que o de prolongar a agi-
tadlo.
Dopoisdeste voto a assembla passou a
nomracSo da meza, ella reelegeu seu pre-
sidente, c excluio das funeces de secreta-
rio um candidato que passa por mui deli-
cado a Luiz Bonaparte. S9o provocares
bstanlo mesquinhas; mas eis aqui uma
mais significativa : os tres quostores da as-
semblca acaba 'n deaprosenlar uma propos-
ta que tem por llm aulorisar o presidente da
assemblca a requerirs tropas qu1 julgar
necessarias para a defeza do parlamento o a
designar scu chefo. S3o vordadeiras amea-
eas, de guerra, mas veiomos se se attreve
r.1o a lova-las ataos actos.
Os peridicos de Aliejianlia annunciaram-
nos a morle da senhora duqueza de Angou-
leme, fllha do destacado rei Luiz XVI que
morreo sobro o cadafalso, ora do roi Car-
los X, e miilher do duque de AngoulCme,
que os legitimistas champa n Luiz XIX, am-
bos morios sobre o odaialso. Sua alteza
real morreo a 19 de oulubro em Erosdnorff
na Austria, depois de Irez dias de docnca
Ella tinha 73 annos o dez mezas de i lado ;
sua vida nilo foi senSo um longo infortunio,
e esta augusta muiher nascida sobro os de-
ros do throno, passou trez annos na pri-
sco e 0 no exilio. Era ii na pnne va boa;
mansa, piedosa, caritativa e que nSo tinha
merecido de n nhuma mancira por sua con-
ducta as ii Iversi lados que a foriram; ella
dcixa a seu sobrinlio o onde do Chambord
toda sua fortuna que eleva-se somonte a
um millifio do florius. >eundo suas ul-
timas vontades expressas om seu testamen-
to, sju cjrpo fui depositado cm Corita na
i-11 rila (los Franciscanos, junto dos restos
mortaes de seu sogro e de seu esposo. O
conde dn Chambord dirigir o funeral asis-
tido de dous archiduques de Austria e do
infante I) Carlos de llespanha.
Ja Ihe fallei das revoltas dos Campone-
arrnb. 1..U0 1,400
ti.'' 24,00 2,000
lib. 200 316
arrob. 14,600 I..500
O.aiO
7,000
1,4.10
1,450
1,400
1,100
,. 1,100
mil 70,000 80.000
10,000 14,000
brilhanle caro: anha de 80 dias, na qual deu jzes que tiveram lugar em alguns de nossos
mais de vinte combates. O presideuteesco-j departamento vizmtiosdePariz para acabar
lhe-o entre todos os generaes como homem t comas sociedades secretas que tem susci-
de acc.So e de execucilo- liado esses disturbios, o govarno acaba de
Fazenda Mr. Ulonlel, ompregado superiory tomar uma medida enrgica a qual toda a
dessa repartidlo como inspector geral, llu-gente hunoslo tem applaudido; elle decla-
mara especial que dizom sor mui hbil, mas" ou os dous departamentos mais comprme-
que nao poz jamis o p na poltica. Ilein i tidos, (her e Nicvro, em estado de sitio. He
como Vmc. ve, esse ministeiio nlo brilha [agora a aulorida le militar que governa es-
pelo esplendor das celebrilades parlamen-1 t-s departamentos e he a jusliija militar que
tares. Seus me -libros s3o tolos os bomons Holgara ali os ciimes eos dolidos polticos,
iiovos em poltica, ou de segunda O'dem, Ja e tnlo vigoros i dos gneros que com
mas tal qual he, basta para o lim quo Luiz
Ouruc
Satia parrllba superior
Dita dita mediana ,,
lina ditas iufehor ,,
Captivos de direitos.
AisucardePern. branco arrob.
Dito do Rio de Janeiro
Dito da Babia
liiio de Santoa F. .,
lulo das Alagoas
Dito do Para bruto ,,
Dito inascavado .,
i! 111-1 -. do Brasil grandes
linos ditos pequeos
Vaquelas de Pera, c Cear urna
Diu do Rio
Dita do Maranho
Eiiptchuioi.
Ail
Arroi carolioo Q.
Dito de Santos ,.
Dito do Marauhao e Par ord. ,.
Diiodiio melbor >>
Dito dito superior 1,
Dita dito tu i ii lo ,,
Dito do Itio de Janeiro ,,
Familia de pao do Hrasll arrob.
i.oniiii i alcatlra I." sorte lib.
Diadliaseguudadila ,.
Tapioca arrob.
Preco corrcnU dot asneros de Portugal.
Ca'plivos dedireito.
Auiendoa em milo doce de
Algarve acrob. 3,300
Dita dita da Helia >>
Una dita amarga da dita
Dita em casca couca
Hita dita mollar
Diladtta duratias
Cera nacional branca
Dita dita ainarella
Figos do Algrave, comadre arrob.
Ditos dito branca
Presuntos
bes-pac Atufos.
Alpista alq.
Bacalhio nacional seceo Q
Dito dito fresco ii
Feijo das i I has alq.
Uilo dito do Porto c I'igucira
Dito rajado >
Dito fradinho
Cro de bico h
I'assas da terra arrob.
Sarro de vinlio tinto is
Dito dito branco i*
\ iiilm moscatel de Sclubal caia
A burdo.
Ago'ardentc de30g. encase, pipa lOo.oOO
10,50
8,000
1.800
l.SiiO
1,600
1,450
1.3"'
600 1.200
6,400 6,600
Nao ha.
5,600 5.800
6,000 0.200
6,400 6,600
3,800 4,000
4.400 ,800
600 700 f.
1,400 i.oo
alq. 1,160
lib.
300
J7
50a
103
700
4,400
3,200
540
54d
360
380
50
1,400
1,400
4,0-10
5,760
3.400
-~t.
1,200
f.
f.
3i
478
600
500
2,500
820
4,600
3,600
640
709
Q. 8,!
Ilonaparle se. propOe, e que conmista em le-
var suas palavaas a assemblca, e sacrificar-
se por elle.
A nov administraco foi complcli pe-
la nonn-acSo de Mr. de Mauras, o qual sulis-
tito i a Mr. Garlier na prefaituri do polici >.
l'sta escolna oSn aalisfez romidolamonle
nandutn o Nievro c O Cher lem pezado so-
bre os iniseraveis fautores da desurdem;
buscas tem sido da las em todos os pontos,
resultando dellas acliar-so omcasa do mul-
tas d -anagogos escritos que os compromet-
i n bastante,armas, plvora etc; muitos
iloiitre ellos lem sido presos c os cslabele-
ci melos cm que os anar.hisias loliam rcu
Ateitc alin. 2,700
Llmao cala 8,400
Sal grosso m.* 1.250
Dito redondo >> !,100
Dito lino para consumo 1.400
Dito trigueiro u 1,25
Cortica n i de tres tamanhos
de grosaura para rolhaa
Dita n. de tres tamanhos
Dita n. 3 dita
Dita ii. i para pescara
Vinbo superior
Dito ordinario
Vinagre
Trigo do Reino alq.
Dito dito multe
Dito das llhas
Cevadado Reino ,,
Dila das Illiaa
Milho do Reino .,
Dito das llhas ,,
Ccnlcio do Reino ,,
ESTADO 1)0 MERCADO.
2,8o0
1.300
1,200
l,son
1,300
,20
8000
;; 4,2oo
1,000
pipa48,000 S4.I.O0
.. 40.000 48,000
46,000 48,000
2,400
400
44
41
240
250
330
250
3z
480
5200
4700
2>
360
3l0
330
ao mercado. Os algodonadoF.grptoilotam-
li-ni procurados a precos finnes,porom Ini
jos, nssim como os de Surrate. Ilepetlmos
novamente, a sorte do mercado depende
muilo dos avisos da America, como do as-
pecto da colhota que esti getada com pro-
babilidade da aafra aer nicamente confir-
mada em 3:500,000 aaccia ter utr effoito
decidido sobre nos em uma dirceclio a cima,
c n quanto o tempo for bom, e a evidencia
da abundancia, permiltir que o noss mer-
cado permanoca aocegado. As noticias de
Manchester nao sfio desanionadoral- As co-
tac6es|do Imiii. permanecem inaltoravel,
nominalmente, Uplands 5 d, Mobile 5, d, e
nrleans 5 1 (4 d. As noticias recebidas esta
nianhAa pelo vapor Atlntico, lili un de um
gelo mortfero no dostricto do algodo; es-
peramos, cum tudo verso he exatoo ques'
diz por noticias mais modernas. Fram to-
madas para expeculsgo 4,000 uceas da A-
merica, 800 de Surrate, e 90 do Egyplo e pa
ra exportar;.lo 9,330 da America, 2,600 di
Surrate, e20da Babia.
As vendas da semana, orcavam em 58,820
saccas. As vendas al hoje constavao de
1:672,060 saccas. A importar;"o al a iin-sm i
poca forilu de 1:562,197 siccas. O depozi-
to al esta mesma dacta esta calculado em
416,880 saccas. O consumo al hoje orgava
em 1.333,710 saccas. A exportacSo at osle
da osla eslimada 226,810 saccas. Os algo-
dOes do Brasil aioda conservavam os procos
segintes. Os de Pernambuco e Parahyba
5 7(8a 6 1|-j .1, os do Aracaty e CearA 5 7|8 a
6 d, os da Bahia e Macei, 5 5|8 a 6 l|2 d, o
do Maranho 7|8 a 7 112 d, p., Ib.
Movimento do porto.
Natioi i/.'./ -.< no da l
Parahiba hiate brasileiro Exhala;3o, mes-
Iro Antonio Mauoel Alfonso, carga farinha
de trigo e mais gneros. Passageros, Jos
Jacinihodos Res, Francisco da Costa Ga-
delha e Joao Jos da Rocha Leite.
Rio ii.- I nioiio e poitos intermedios-- pa-
quete de vapor brasileiro Pernambucano,
coinmandaute JoSo llenrique Otlen Leva
a seu bordo, Joo de Almeida Monleiro,
br. Manoel Sobral Pinto, Manoel Garca
Gil Pimental e 1 escravo, Jos Pereira da
Silva Moraes el escravo,GaldinoJos Pe-
reira Borges e l escravo, Francisco Xa-
vier Pinto da Silva e l escravo, Francisco
Blanchete com sua senhera, Manoel t:ar-
rullo da Cosa o 1 escravo; Carlos Pedro
1.1...... *.i.,..;. Inn Jn....... I /-!
- -
declaracao de fs 9 a fs foita polo commer- OsSrs. assignantea porm no ioiTreram
ciante Jos Dias da Silva e do reqnerimento alteracBo alguma nos precos de seus cinu-
a fs 28 do credor Samuel Porver Johuston es- rotes, e bllhetei de esdei ra.
iii provadn que o dito commercianle cesstra Entende-se por geral os assentos que fj-
os seus oagamentos.por esta raiSo o iulgo cam por baiao da prlmeira ordena, e por.ci-
fallido e declaro abe> la a sua falencia desde deiras, todo o centro da salla,
o da 31 do passado outubro.qua flxocomo Comecara ais 8 horas em ponto,
termo legal a ma existencia,pelo que orde- Os Srs. queja haviSo encommeodadoca-
noquo se ponham sellos em lodosos bens,li- marotes; queiram novamenta dirigir-sea
vros,o papis do fallido,devendo para istofa- casa do omprezario roa do Apollo n. 27, gg.
xer-se pariin'pagSo ao respectivo juiz de paz, gundo andar, ou ao theatro com anteceden-
e servindo de curador fiscal o credor Rotn Bi- Oia.
doulaoaquem nomeio para esse cargo de ,r. ~ r.~----- .
que prestar juramente ecustts. Itecife 20 de l ubltcacoes Iliteraria.
novembro de 1851,-Jos Rnymundo da Cos- ELEMENTOS
ta Menezrs.-Em cumprimento do que to- os
dos os credores presentes do referido fallido Ilomaopathia.
comparerjam em caza do minha rezidencia Sabio a luz a segunda parte detta obra
na ra da madre de Doos do bairro do Recife composta pelo professor homceopUis Cos.
n. 1,1.* andar no dia 3 de dozembro do cor- set llimont. Recebem-se assignaturas plrj
rente anno pelas 10 horas da manhAa, afim a obra inteira a 5,000 rs., no consultorio
de procederem a nomeac.lo de depositario ou (bomceopathico da ra das Cruzes n. 28. De
dopositariosquehao de recebare administrar pois da publicar;3o da terceira parte, o pre-
provisoriamente a cata falida. E para que osera elevado a 8,000 rs. para aquelles
chaguea noticia a todosmandelpassar o pre- que nao tiverem astignado. No mesmo con-
sont-i que sera publioado pela imprenta sultono, acha-sea venda tudo quanto he
estilados nos lugares designados noart, n-cessario para o estudoea pratica da ho-
129 do reg. n. 738 de 25 de novembro de mceopathia, como seja : livros impresos
1850.Dado e passado nesta cidada do Re- para historias da doenles. regiraens apro-
cife e proviucia de pernambuco aos 29 do priadua para a provincia do Pernambuco n
Novembro de 1851. -Eu Manoel Jos da Mol- ancarrega-se de mandar fornecer qualquiT
'encommenda de medicamontus.bomceopa-
thicos, tanto avulsos como em caixas, em
glbulos como em tinturas.
No prelo : 'ni/moeneia dos medicamen-
tos brasileiros.
Elementos de anatoma e phiiiologia com es-
tampas, para os curiosos em homceopathia.
Roga-se aos seohores assignanles o ob-
sequio de mandar receber seus exempla-
res no consultorio homojjpattiico da ra
das Cruzes n. 28. _______
TRATAMIENTO HOMEO-
iATHlGO.
DAS MOLESTIAS VKSbkbJS,
e conselhos aos doenles para sa curarom a
si mesmo, sem precisarem de medico;
pelo professor bomceopatha
Gossct-/limn!.
Saino a luz e acha-se a venda no consul-
torio hoinooopatlnco da ra das Cruzes n.
28, pelo preco de 1,000 ra.
mmmmm' j__l
ta esenvao osubscrivi.
Jos Raymundo da Costa Menezos.
a
Declarages.
O arsenal de guerra rompa azeitede
carrapato e de coco, velas de carnauba, fio
de algodflo e pavios i quom ditos gonoros
quizar forneor comprela no ala 3 da cr-
lenle mez, trazando sua proposta.
Pola recebedoria de rendas internas ge-
raes, se faz publico quo he este o mez em
quo he devido o pagamento bocea do co-
fre dos siguintes nipos do crrente anno
unan ii i de 1851 a 1852, lindo o qual ser
a cobranza promovida pelos cobradores
com o augmento de 3 por cento.
Dcima addicional de mSo mora ( primei
ro sumestre)
Imposto sobre lujas e casas de descon-
t etc.
Dito sobro as casas de movis, roupas
etc., fabricados em paiz esirangeiro.
Dito sobre seges.
Dito sobre barcos do intorior.
Taxas dos escravos.
Iliboiro, Antonio Jos do Amaral, Cleo- Pela 2." sessio da meza do consulado
phano Pitagaury de Araujo e 1 escravo, provincial seannuncia, que no da I,' do de-
Jos Francisco Thomaz do Nascimento |Zmbro prximo vindouro, so principia a
Jofio dos Santos Sarahiba, A. Cicero Car-1 contar os 30 das para o pagamento a boca
cia, JoSo Res Souza Dantas e 2 escravos, |do cofre da decima dos predios orbannos
Joaquina Mello Rocha Severino Alves desU cidado, do primeiro semestre do anno
Carvalho Jnior, A. Brazelio Pacheco financeiro de 1851 1852. e que lindo este
Jo3o Mondes de Alm ida e 1 escravo, i re
crula para a marinha e 1 ex-soldado.
Itavioi entrados no dia 2.
Camaragibe 7 das, biate brasileiro Novo
Destino, de 21 tooelladas, mestre EslevSo
prazo incorrem tolos os que deixarom de
pagar,na multada 3 por 0|0 sob o valor de
seus dbitos, e serao de promplo execu-
lados.
-- De orden) do lllm. Sr. director geral da
Itibeiro, oquipagem 3, carga assucsr e InstruccSo publiea.Jaco saber a quemeon-
madeira ; a Jos Manuel
Avisos martimos.
I--BS
opiniSo; porquanto Mr. Uaupas no j iven 'mr-si 1'irani desapietadamnnlo (echad
passa por multo ignorante e nuilo estou- '" 'slu ti excolleulo, p>r,iuo assim coa-
vndn. I "' 'i 'uso dous lilis, o de Iraiiquillsar a
Os peridicos legilimist.is o orleanialaa
tem grit do muilo contra O novo ministe-
rio polen riles cs'av un di'Cidilosa adiar
m todas as combiuacoes qac o prc-idente
escolhesse, e seu mao humor ata tSo pre-
visto que todas suas diatrlbea uo lem pro-
duzdu iienlimu elfeito sobre o publico,
Com estes minisuos ou com "utros, o
conflicto nao era menos iinin-nte entro o
presidente o a assemblca ; por isso todo o
mundo esperava com a mais viva impacien-
cia o com una inquietadlo no menos viva
o momento em que a asjemblcaentraiia ou-
tra vez em sessao.
Foi a quatro deste mez que isso lave lu
gar, e nesse mesma' dia o presidente en-
viou-lhe sua menaagem annual, a qual foi
lida pelo novo ministro do interior. Este
documento be feito sob c o modelo das
meosagens americanas, ello contm uma
exposic3o circumslanciada da situarlo, tan-
to no interior como no exterior; mas desta
vez o interesse n3o eslava as minuciosi-
dades que formam a parle substancial da
mensagem ; toda a altencSo do publico e
da assembla dirigase para a lingoagem
que o presidente fallara a respailo da de-
inissSu do ultimo ministe'io e da lei de 31
de ninia.
A munsagom sobre este ponto foi 13o cla-
ra, tilo precisa, to franca quanlo era pos-
1V.I. presidente declara que poslo lives-
se por seus ministros urna alta eslima, foi
todava forjado a privar-se de seus servi-
dos, porquanto nSo pode cuucordar com el-
le* sobro a le de 31 maio, da qual dc-eja e
pede expresamente a revogai;3o. Toila a ul-
tima parte da mensagem tem por lim indi-
caras rases pelas quaes elle sa v Toreado
a pedir a revogacSo de uma lei que nao tem
seaSo descito mezes de existencia, que fara
a presentada por seus ministros e por ello
proprio seccionada.
Resumire cm pouca palavras eslas ra-
sas que s3o mui g aves. O presidente af-
lirtna que a lei, cujos effeilos nimguem ao
priucipio podia apreciar,tem tido na prati-
ca conaeqoeucias desastrosas e inleiramen-
le imprevistas; ella suprimi mais de tres
inillioes de eleitores, cujo maior numero
porlence classe dos pacficos culsivadores
du ampo, he esse um mal da lei que cum-
pre remediar.
Demais a lei lie um perigo permanente e
immenso, por que lodo o mundo sabe em
Franca que os demagogos esluo determina-
dos a dar batalha as prximas eleicOes
geraes sobre o terreno do sufragio univer-
sal inscripto na constituicilo, e violado, ao
seu ver, pela lei de 31 de maio. Issso nSo
he anda tudo ; esta le tem outro eiTeito ;
olla falsifica constitmcilo, pois torna qua-
si impossivel a eleir;3o directa do presiden-
te, e abandona indirectamente esta eleic3o
* eteollia arbitraria da assembla. Final-
mente o ultimo defleilo da lei de 31 de maio
he tornar revisio da constituic.3u quasi
impossivel, porque muitos representantes!
se recusam afolar por uma revisSo que de-
veria ser feita por uma assembla emanada
do sufragio restricto.
Estes motivos sQo mui graves e proprios
a l'azer a mais viva impressSo sobre o pu-
blico. Ilouveoutro motivo maisgraveam-
da e que o presidente n3o poda dar, he
que uinu tal le he inaxecutavel desde o
instante que he cumdemnada pelo poder
executivo eucarreitado de a Tazar execular.
A maioria da assembla, que coosidera a
lei da 31 de maio como sua arca santa, ou-
vio con eslremecimentos de colera a men-
sageot do presidente, qual eslava unto
um projecto de le eleitoral que revoga a lei
de 31 de maio.
Logo qua o ministro do interior acabou
sii j altura, chefo da direita legilimista, Mr.
Ijerryer, dirigio-se para a tribuna, uliui de
gente de bom o o de espantar os maus.
Estou lii lilemente convencido de que se a
Franca podo ser salva dos pongos que a a-
uujsc3.i, lie o i-xe i'it i que a salva a, gracas
s ia disciplina o a energa inteligente dos
ctirfes que o cuminandam. Ilchaixo dosis
ponto ile vista o uovo ministro da guerra
esta oteirafflente naalluiadn sua mM8o
rile acalni 1I0 dirigir aooxerciloe aosoffi-
ciaes gsneracs que comman lain as divises
militares duas pruclainatOis clicias do mais
vigoroso espritu, e que tem producido urna
profunda sensac3o.
Antes do deixiir o terreno dos negocios
francezis, devu chamar sua atteoolo sobre
um pargrafo da mensagam que so rofeie
indirectamente ao Brasil, Eis aqu em qu
termos o presidente se exprim a resptito
dos negocios do Prata. Os notos aconle-
citucnlosque tem litio luyar as margens
do Prata le 11 grandemente modificado a si-
tuado respectiva dos estados empenliados
na lula. Kilos obrigam-nos a suspender os
arranjamenlos que lindamos proparado para
uma pacificarlo. A consaquencia que se
dar tirar desta declararlo he que os trata-
dos concluidos pelo almirante Le Predour
est3o bem e devidamentc intiressados, s >l-
vo de llosas vencer seus inimigos, o que mo
paleen inleirainento impossivel oepois que
o Brosll dcclaioo-se contra ello.
OlCirj DI DIZtMB.IO DE 1831.
Pelo vaper Inglez Tay chegado hoja de
Soulhamplon va Lisboa,'Madeira, S. Vicen-
ta o Teiicnf ropohnn.rt. ^r,ri;K dn nnn
correspon lentes do Lisboa c Paris q ue licam
transcriplas om oulro lugar deste Diario, o
bem assun varias gazatas inglezas, frailen-
zas, c liespanholas, quealcancam, as pri-
meirasesegundas ado novembro p.p.,
a as ultimas a 9; mas por falta de lempo
n3o nos ha possivel nada referir do que nel-
las encontramos, limitando-nos a penas a
dizor que em Londres os consolidados lica-
assucar. As vendas lecm-so limitado
ao consumo do paiz, exportando-so apenas
em todo o mez de outubro 35 barricas e 665
saceos.
AlgodSo. Roaliaaram-ao algumas ven-
das, porm poucas.
Cafo.Ilouve diversas vendas para con-
sumo o exportado, o lem sustontado o
preQO.
Couros. EITectuaram-so algumas ven-
das dos das Minas, Bahia e Ma auli3o.
i. -nuil copal. Continua a ser procura-
da a de tina qualidade. da que lia falta.
Ipicacuanha. N3o ha.
Ourucu'. Poucas vendas.
Salsa parrilha. Tambem se cITacluaram
poucas vendas.
Cacao. -- II livor, i m algumas vendas para
consumo e reexporta(3o.
[Navios a carga.
I'araollio de Janeiro, o patacho sueco
Delphim, capitao A. M. Timan.
dem, a barca portugueza flor do Panqu
capito Vicente Anastacio llodrigues.
Para Pernambuco, o brigue portuguez
Laia, cupit3o Jos de Abreu.
Para o Ido de Janeiro, a galera ingleza
Gipsey, capitn G. Melchel, consignatario
Miranda & Filhos.
dem, o brigue suoco Ernesl, capitSoT.
T. Newkircb.
dem, a barca sueca Adelaide, capitn
Sundsman.
dem, o brigue russiano Preciosa, capitHo
G, JA. Wufiman.
dem, a galera bremeza Leontldre, capi-
13o Ariams.
dem, a barca ingleza Lulecka, capitao T.
WilliamSoa.
dem, o brigue portuguez Joven Nicolao,
capitao Fernando Jos de Almeida.
Para a Uania, o brigue suoco Daphne, ca-
pitao S. W. Pitmson.
Para o Para a barca portugueza Olivcira,
capilSo epraticoJos Miguel itibeiro.
Para Pernambuco, o brigue purtuguez
Tarujo I, capll3o Manoel de Oliveira Ka-
noci.
Navios viudo do Bra sil.
Oitulii i 15, biigue por tuguezl.ai.i, cipi-
IBo M. I. Anlunes de, de Pernambuco em 46
dias, com assucar,
dem 17, patacho portuguez Destino, ca-
pitao i J M squiia, da Baha em 50 dias cum
assucar e mais gneros.
I la-su barca portugueza Oliveira Feliz, cs-
pitSo I. C. da Fonseca, do Rio pe Janeiro em
Martina. Passa-
geros, Joaquim de Souza e Silva, e Anto-
nio Jorge llolrigues.
Parahiba --24 lloras, hiate brasileiro Para-
li i ha no, de 37 tonelladas, mestre Victori-
no Jos Pereira, equipagem 5, carga toros
de mangue; ao mestre.
Antuerpia 40 das, barca belga l.ouise,
de 250 tonelladas, capitao F. Maulen-
brock, oquipagem 14, carga fazendas e
mais ginaros, a Brandar a Brandls
Companhia.
Troon 29 das, brigue austraco Pirast,
de 301 tonelladas, capitSo M. Serovich, e-
quipagem II, caiga carvflo ; a orden).
Porto 29 das, barca portugueza Nossa S
da Boa Viagem, de 352 tonelladas, capi-
tao Antonio Ferreira Leite Jnior, equi-
pagem 29, carga vinho e mais genoros ; a
Francisco Alves da Cunha. Traz 69 passa-
geros. Ficou dequarentena por 10dias.
Copenhague-49 dias, brigue dinamarquez
Cora, de 152 tonelladas, capitao John P.
I'iunii, equipagem 10, carga carvSo; a
Itoth Bidoulac.
Southampton e portos intermedios 22dias,
vapor inglez Tay commandante Chap-
man.
vincia
Para o Kio de Janeiro seguir* em pou-
cosdias o veleiro brigue Mafra, o qual so-
monte recebe alguns escravos e passageros
para o que tem bons commodos ; quera pre-
tender pode enten ler-se com o capitao, ou
com Amorim & limaos,na ra da Cadeiado
Itecife n. 39.
Pai a o Rio Grande do Sul pretende sa-
bir brevo o brigue al'eln UniSo por ter urna
parte do seu carregamento promplo, indi
recebe carga a frele. Quem no mesmo qui-
zar carregar pode entender-so com os con-
signatarios Amorim & IrraSos ra daCadeit
n. 39
Para o Aracaty at o dia 5 de deze mbro
ram, de 97 7|8 a 98; os fundos brasileiros, os 6, jja,, com !3UCir e ,,;, gneroa.
riovos, a 86 1|2; m de Bu.-nos-Ayres, de 411 ijem ._ brigue brazilero Flor do Norte,
V a,t j "L^ltroP',rc di 3J 1|2 a 33 a|8 ; es tros por cento h;spa- I Sucar.
nhoes, de 39 a 39 1|4 ; os dous o mel por | Novembro 8, vapor inglez Sovern, sapillo
cento hollandezes, a 58 l|2,e os quatro e w. Vincent, do Rio de Janeiro em 23dias,
meio por cento belgas a 90.
COMMERCIO.
120
Noticias Commcrciaes.
LISBOA I 1 1H-. Vi\l iliimi ni-; iKi.
Preco* correnles dot yrecot do Brasil.
Por baldeaca'o.
Por l-r.-f o.
Als/odau de Pernambuco lib. 130
Dito do Cear
I Dito do Maranho 12S
Dico dito de machina 1 lis
Dito dito da Mahia 110
Di lo dito do Para 110
Dito dito de machinas ,,
Porraxa ,, -
Cacao Arrob. 1,450 I.&00
Cafe'do Rio I.'lorie. 2,3(10 2,400
Dito dito segunda dita
Dito dito terceira dita ,
Dito dito (Mulla boa ,
Dito dilo inferior
Dito da Dahia ,, 1,10o
Dito do Par
Couros ice. cm cbelo 28a 32 lib. 107
Ditos ditoa 24 a 27 r7
Ditos ditos 18 a 23 127
Ditos ditos espichados ,.
Ditos ditos dellioas ,, 120
Oiiossaig. Bahtel*a,r28a3 82
Dito dito ditolGa 20 ;. 82
DltoPernamb eCearlsain "J
da Bahia, em 18, e de Pernambuco era 17,
em qualidale de paquete, em lastro.
I :eni8, brigue portuguez Mondego, capi-
tSo I. P, Dias, da Bahia em 39 dias, com as-
i sucar, tabaco e couros.
dem 8, galt-ra portugueza Constancia, ca-
| pitan L. P. de A /.evo lo,du Rio de Janeiro em
66 dias, com caf, assucar e arroz,
i dem 9, brlge brasileiro Allante, capi-
tao A ,Caetano do Rio de Janeiro em 64 das,
~ om lastro.
Liverpool 8 de novembro de 1851.
Algoda'o. Parece-nos lar expirado o la-
mle em extremo no nosso baixo pre;o, pe-
lo menos por agora. A procura ordinaria
para o negocio e exporlacSo, favore-
cido nicamente por urna compra Ii-
untad i en espiculacSo sobrevol no nos-
so depozto nimiamente redusido. a-
Didier, Antonio Ferreira Lima
forro Calisto Jos Ferreira.
Trieste 52 dias, polaca austraca Portare,
de 189 tonelladas,capitao Gacomo Ikraus,
equipagem 9 carga farinha ; a Deane
Youlle & i mu,i iiiii.i.
Parahiba 24 horas, biata brasileiro Espa-
darte, do27 l|-'tun,diadas, mestra Manoel
Sola da Penha, equipagem 5, cirga tiros
de mangue; a Antonio da Costa Ferreira
Estrella.
Navio 'ahido no mesmo dia.
Rio de Janeirobrigue escuna brasileiro
Olinda, capt3D Manoel Marciano Ferreira,
carga tracalliao e mais gneros Passagei-
ro, Goncalo Paes de Azevedo a 19 escravos
a entregar.
tlTAES.
vier, qua por deliberado aprovada de S.
Exc. o Sr. presdeme da provincia fra desta
cidade, a da de Olinda os exames de ins- o patacho Aracaty a Iritsr com Mauoel
truccao elementar sor3o feitos em cada es- Das na ra da Senzalla Velha n. 130.
cola pelo respectivo Sr. professor, e junta-] |ara O BO de Janeiro, sabe
menlo com alguma pessoa idnea da con- .______
fianSa do Sr. inspector do respectivo circu- "a presente semana, a escuna na-
lo, que tem obrigacSo de presidir a lodos cional Mara Firmina, capitao Joao
"'uernTindividuos, que tem escolas par- Bernardo da Roza, por ter o seu
tieularos, querde instruccao primaria,quer carregamento quasi completo :
secundaria.at o ultimo do prximo maz de e na mesma quizer carregar o
dozembro podem roquerer suas licenQas ; vlutl" "" H" b
mas de Janeiro vindouro em diaiite ninguem restante, ir de passagem, ou cm-
sem cenca podera ter escola sob as penas barcar escravos para O que tem
impostas no regulamento de 12 de maio des- n? \. ti
te Bnno. commodos sulhcientes, pode enten-
Diroctoria geral, 25 de nove mbro de 185. der-se com O mesmo capitao OU
Candido Eustaquio Cesar do Mello, aiiiunu- ... a.-. i' j,
enso archivista. com consignatario Luiz Jos de
____________ S Arauio, na ra da Cruz n, 33.
I i) patacho Clementioa segu empre-
terivelmente no dia 4 do crrente pira o
Rio de Janeiro quem quiser embarcar escra-
vos a frote dirija-se a Jo3o Franciscoda Cruz
rna da Cruz n. 7.
A barca portugueza L'igeira,
salie para Lisboa no dia io do cr-
tente mez de dezembro, para o res-
Tlieatro de Apollo.
RECITA EXTRAORDINARIA.
Sabbaio, 13 de dezembro de 1851.
Depois de umi nova e escolhid ouverlu-
Traz a seu bordo : para esta pro-ra tocada em grande orchestra, subir pela
, Dr. Jos Joaquim de Moraes Sar-lprimeira voz scana nesla cida le, o magni-
ment e sua familia, Frederico Coulon,[Ticoe pomposo mysterio, adrnalo de mu
:.. ii e o preto "'"
zicae canto, om 5 actos divididos em 7 j ,__ trn_cp rna\ na rnn-
quadros e2 intermedios, da hbil penna do l? aa carga, trata-se com 08 con
eximio poeta francez Alexandre Dumas, in- signatarios Francisco Severiano
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em enmbrimento da or-
d.'in do Exm. Sr. presidenlo da provincia de
15 docorrente, manda fazer publico, que
nos dias 1, 3 o 4 de dezembro prximo vin-
douro, ir a pnii; i para ser arrematado pe-
ranta o tribunal administrativo da mesma
thesouraria, fl quem por menos fier n obra
dos concertos supplementarios da ponte,
sobre o rio Sirinhaom.avaliados em 642,400.1 paqi7l'ta" -- a Sra'"i>."JeTa'ie."
A arrematacBo sera feita na forma dos Carolina--a Sra. D. Auna.
arts.24e27 da loi n. 286 do 17 demiio do j0anna--aSra. Luiza.
corronto anno.
As pessoas que se propozerom a esta ar
titulado
D. JOAO DE MARAA,
ou
A Queda de um Aojo.
I'erstonageitt e actores.
D. Jo3o de .Maraa o Sr. GuimarSes.
D. Jos de Maraa o Sr. Amo lo.
D. Muri: o Sr. Miranda.
D. Christoval o Sr. Talles.
D. -M ii'i.-i o Sr. Conrado.
D Sandovald'Ojedo oSr. Gyrillo.
D. Pedro -- o Sr. Jorge.
D. llenrique o Sr, Figueiredo.
D. Tradique o Sr Caetano.
D. Snchez o Sr. Senna.
O .Mijo Mao o Sr. Mello.
O conde de Maraa M. N.
O Senescal N. N.
Gmez -- o Sr. Santa Roza.
Ilusseiu, criado, pagem o Sr. Euzebio.
Um Anjo -- o Sr. Dornellas,
O bom Anjo, Sror Marlha a Sra. D. Leo-
poldina.
Therezina a Sra. D. Joanna.
Ignez oa. t. Carolini.
Kablio & Pilho.
Para Lisboa sane impreterivelmenle
no dia 7 de dezembro o brigue portuguez
Cuiicciojii de Mara. Anda recebe alguma
carga e passagoiros para o que tem exce-
lentes comino los, trata-se com seus consig-
natarios Thomaz de Aquino Fonseci & Ki-
llio : na ra do Vigario n. 19 primeiro an-
dar ou com o capitao na praca
| Para o Rio Grande do Sul, seguir em
poucos das, por tera maior parte do sea
carregamento promplo, o brigue nacional
Deus le Guarde cipitao Launano Jacinlho
de Carvalho, e anda recebe alguma carga a
frele : a (ralarcom Bailar & Oliveira, na ra
da Cadoia do.ltccil'o, armazem n. 12.
I Para o Cear, hiale brasileiro Olinda,
j tem porcao de carga a bordo, e segu ale
o dia 8 do crrante, com o que houver: lra>-
ta-se com Manoel Das, na ra da Senzalla
Vellu n. t34.
'9
Victoria a Sra. D. Josephina.
Leiloes.
Sozor i r-ma a Sra. I). Luiza.
Cm Anjo-- N. N.
remalacao, comparejam na sala das sessOes pagens, soldados, cavalleiros, etc., etc.
do mesmo tribunal, nos das aci na moncio- Qua Iro primeiro.-O Castalio dos Marans.
nados polo meio dia, competentemente ha-
bilitados,
E para constar so man lou afllxar o pre-
sente, e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesourariada fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 19 de novembro de
1851.O secretario,
Antonio Ferreira da Aninniciaco.
Clausulas especiaos da arrematagSo.
I.' As obras dependentes desta arrema-
tag.lj, serlo feitas de confbrmidade com o
orsamenlo apresentado ao Exm. Sr.'presi-
dente da provincia, pelo prego de 642,400.
3.' O arrematante comogar a ubra no
praso de um mez conlado da data da part -
cipacaoquo Ihe fr feita da approvacdo da
arrematscao pelo governo, o os concluir
no praso de quatro mezes, ambos contados
da mesma parlicipagao.
3.a A importancia da arrematacSo ser
paga em duas proslagos iguaes; a primei-
ra depois de ter feito melado da obra, e a
segunda dapois de lavrar o termo do reca-
bimento dillnitivo.
4.* Para lulo mais qua u. > est determi-
nado pelas presentes clausulas, seguir-se-
George Kenworthy & Companhia ferio
leil3n,por intervengo do corrector Oliveira,
de um cum leto sortimentode fazendas n-
glczas,tudas pronriasdii mercado: quarli fei-
ra, 1 de dezembro, as 10 horas da mauliaa,
no seu armazem, ra da Cruz.
C. J. Aslley S Companhia, far3o IsilSo
por intarvengao do corretor Miguel Carnei-
ro quinta-feira, 4 do crrenle, ao meio
dia em ponto, no seu armazem, na ra da
(juadro terceiro.-Uina elegante pausada em CruI n. 17, ,ie diversos vinhos em calzas de
Madrid. ,12 garatas, sendo do Porlo, obery, chateau
Segundo intermedio.-A trra. I )a roS(1 cognan escura, e clara, bem econdi-
Quadroquarto Uma igreja. |(
i u i ii l o.i', o clauslrodosTrappistas.
(i sexto.--Urna sella no conveuto do
Segundo.Castalio de Villa-Mar.
Primeiro intermedioO Cco.
anuidos, o muilo enconla.
S.SOOJiaO"" "epoi ni ui.meiiio i.uus.ou. a- fl inlejra,nentB 0 que dispO orogula-
2,000 2,050 cti0"^ sulliciente n3o sosente rucoper.r \ menl0. Conforme.-O secretario,
1,000 im anida mais alguma baixa como tambem dar! Antonio Ferreira da AnnunciacSo
f. uma leve mudanca cm o itra dncccio. As v
2,25o quahdades medianas, communs a ordinarias O r- Jos Raimundo da Costa Menezesjuiz
-1. dos algodO is da America,doa quaes teremos! municipal supplenle da 2.a vara o do com-
I'! urna impoilicSo mui limitada durante 3 ou \ mcrcio desta cidade do Recife de pernam-
'n? mezes, vi.ndonros. As qualidades boas el buco por S. M. I. e C ele.
' J es mais altas, das quaes a importac3o cons- Eaco saber aos que o presente edital vire.n
.7 tara largamente durante o masmo periodo, que a requerimontode Jos Diasda Silva por
2 p -r inauocom inalierav.-is, desojando os pos- seu bastante procurador JoSo Jos de Moraes
92 suidoros afastal-os antes quo os considera- se aclia por este juizo abarla a sua falencia Cadeiras.
io2 veis supprimontos da sifra nova choguem pele sentenca do llioorseguintoAvista da |Camarotes.
Rozario.
stimo.Um antigo castalio arrui-
nado ao luar.
Sendo todas eslas docbraco '8 totalmente
novas,e preparadas com to la aquella magni-
ncencia, que exige o autor do Mysterio.
lia mais do trez mates que o empresario
do Apollo trabilli. em apromptar este dra-
ma, n3oesqueceudo a mais insignificante
exigencia; e pirecendo mp*bssivel que uma
omprosa lao nascente podesse levar a scana
o iiiipo/icao t.ui ditlicii dispirlou toda ad-
miragSo das posaoas eiitendidas nesta ma-
teria, porm ei-lo aldm prumpto, depois de
vencidos iuumurjs obstculos, e grande
daspeza, qua faria desanimar a outro que
nao dasejasse nicamente agradar ao gene-
r.i/usu publico desla cidado, sem atlender
a benaiicio seu.
Sendo pois avultadlssima a somma das
daspezas feilas para asle Mysteno o empre-
sario v-se na rigoroza uecessidada de nSo
s (Librar os precos, como lambem vender
os biliiai s para Irez noiles, sendo a priinei-
i a na do dii 13, a aagunda na do dia 17, e a
tercoira na do dia ao.
I'recos.
Geral. 6,000 rs. para as troz noiles.
9,000 rs.
30,000 rs.
Avisos diversos.
-
No da 5 Ju Hrrente fiada a audiencia
do llllm. Sr. Dr. juiz do civel, ao meio da
se li.lo de arrematar a maior parte do sobra-
do da ra do Livramento n. 19 em qua tem
loja de fazendas Andrade & |rm3us sendo o
sobrado todo avallado em 3:500,000 e a par-
te que se arremata em 1 :27,490, he a ultima
pinga por uxecuc.lu de Jos da Me leiros la-
varos contra Joo Francisco Ferreira e sna
muiher. EscrivSo.Sanlos.
9>t1ftHf>tmttM*f
# O Medico Almeida, formado e pre- S
e} miado pela academia do Porlo em 9
9 todos os annos da sua frequencia po- #
do ser procurado a toda a hora do da 9
? no largo do Corpo Sanio n. 13 pn- 9
+, me ro andar da casa do Sr. coronel '/
4 Mamade Prasta-se a oporar e recei-
tar gratis para oa pobres.
'I cabo Jse l'imenta.
Com este titulo,sahio 'a luz sbbado 29 do
passado, um peridico thestral, noticioso,
crtico e divertido, e a acha-se e venda na
ra do Crespo loja do Sr. Antn in Domingos
Ferreira, n. u, cusiendo epens40rs. cade
um.


C0LLEG10 ESPIRITO-SANTO,
niftclor, francisco i Saln d'lbuqu rqve :
Cont o collegio Espirito-Sinlo, si o
roi do Mondego, do bairro d Boat-
*ril n. U, um anno da existencia, a o sbu
I rector e coropraz de biver real sido a sa-
liifacSo de urna das mais urgentes necessi-
dides da paiz, qual seja a de um eitibjleci-
mentobem dirigidoe regularlsado, ondea
moddide recaba conveniente educagSo.
Sm desanimido concebe.i o director do
follogio Espirito-Santo, um tal projec-
lo porque a lodos os respeitos o considera
superior as ,u,s forc" ; mas confiado por
nutra parte do poder de sua vonttde, nos
deaejosdeseu coracSo, enos conselbos de
amigos prudentes, no duvidara de o por
m ortica; e boje suas esperances se
icham stecerto ponto realisadas, porque no
pequeo espaco de um onno ha o seu colle-
gio colhido excallentes resultados, sendo
que nenhum recelo tem de ouVecer a re-
comaien lar9o das pessoas que silo capazes
despreciar trabilhos desta ordem. Ja por
diversos annuocios ha o director frito pu-
blico, quanto inteiessa saber cerca da
economa interna do collegio, e ordem das
materias que nelle se ensiuam, com a indi-
cgso de respectivos professores, e da clas-
sificacSo dos alumnos, e tal lio a oonliano.i
que tem em si e em seu estabelecimento que
constantemente ha convidado as pessoas
que o quizerem verificar faze-lo por ins-
pecco pessoal, visitando o estabelecimento
iqualquer hora do da. Unjo sobretudo o
diriclor se dirige aos pas de familias mora-
dores tora da cidado, para quen: muilo es-
pecialmente foi o seu estabelecimento pro-
jectado. He ventado incootestavel, que um
dos embaalos com que luta a educacSo da
rneio da cabeca que est coroada : quem a
descobrir love-a ao dito ongenho, ou nesta
praga em casa de Manoel Buarque de Mace-
lo Lima, na ra do l.ivramenlo n. 36, que
ser bem recompensado; a mesma levou
roupas finas e unsvestidos lecambraia, des-
confia-se que lenlia seguido para Pi d'A-
Iho aondelom prenles; por Uso, roga-sea
todas as autoridades policiaes, o a qualquor
penaos do povo e capitiles decampo, dea
pegarem o levaren) nos lugares cima men-
cionados que serSo generosimento recom-
pensados.
Agencia de pissaportes o ttulos do re-
sidencia.
Claudino do Reg Lima, morador na ra
da Praia n. 43, tira passaportes para dentro
e for.i do imperio, e ttulos de residencia,
por commodo prego.
-- OITerece-se para ama de casa de pouea
familia, urna creoula, que sabe cozinhare
engommar com perfeicBo: na ra das Agoss
Verdes n. 64, segundo andar.
Ketratos photogenicos.
O artista nSo podendo partir, como teu-
cionava, no vapor Peroambucana para
o sul, participa a quem teucionar retratar-
se que pode procura-lo al o da 12 do cr-
ranle, na ra Nova n. i, segondo an lar
-- Furtaram do balco da loja de alfaiate
n. 30, da ra Nova, urna thesoura grande
propria para cortar obras, a qual nllo p le
servir porque s se pode usar com a mo
esquerda, roga-se a quem delta souber,
que do noticia na mesma loja que se gra-
tificar.
-- Precisa se de um preto cosinlieiro, para
casa dn um homem silteiro: quem MVM
annuncle, ou dinja-se i ra do Queimado
n. 38.
Procisa-so do um capelSo para a po-
mocidede nesta provincia, he a falta de urna
cisa de ensino, para onde sejam devlda- VOacSo das" Varas, distante* dcsta'cidade se-
ment enviados os filhos das pessoas que te,, leguas, pela estrada do Paje de Flo-
habitam fra da cidade. A m direccAo dos res. Nessa povoagflo no ha mestro de
esludos primarios, a herda da moralidade prmeiras lolras, c lio fcil o Rvd, Sr. sa-
com'que sao educados no lar paterno, a fal- cardte ter muitos meninos a ensinar :
quem pretender dirija-se a livraria n. 6 e 8,
da piaca da Independencia.
Ciovan Picani o Agoslino Tagareli,
retiram-si para Macei.
-- Precisa-se do urna ama do Icito forra ou
na ra Nova n. 14,
la dos disvellos que sSo indispensaveis n
primeira infancia, o descuido acerca da sa-
de dos meninos, sSo obstculos que desa-
leatamos pas de familia na i !< i dse arar-
tareni deseus filhos, em urna Idade om quo
as prmeiras impressOes se perpetuam, e captiva, paga-so bem
deiiam consequencias que acompanham a segundo andar.
existencia at a mais adianlada idade. He Antonio Jos Itibeiro bastos, embarca
sobretudo na remofodesses embarazos que1 para o Rio .le Janeiro, o son escravo pardo
ha pensado o director do collegio Espin- de nomo Antonio, de 15 annos.
to-Santo. Um metbodo fcil adaptado a .. Leonardo Pretz, avisa pelo presento,
intelligencia, dos meninos, o respeito mais que ninguem faga negocio com o actual do-
inviolavel aos principios da religiSo, e da no do sitio allemao, om S. Floronz perloda
moral, urna regularidade do conducta n3o cidade de Olioda, sendo a dita propriedade
prejudicada pela falta do refocillamento ne- bipolliacada por letras ao annuncianlo.
cessario as debis torgas da infancia, illimi- Na ra do Mondego n. 42,tem para ven-
tado disvello quanto a saudo o tratamento der craveiros de todas as quaidades.ja mus-
dos meninos, urna locnlid.iilo que prehen- trando o que sao por presos commodo*.
cha todas as condices hygienicas, provi- ~ Perdou-se da estrada do Chora Menino
dencias acertadas e prudentes respeito do alea ra do Mondego um alfinelo do Pcito!t!in)bem declara. (lite toda
alimento, dormida e mals-funccOes pliysio- de senbora : quem o adiar e quizer entro- .
lgicas nessa idade tSo impressionavel, eis gar na mesma ra n. 42, receberoquo o.quer pessoa na mesma capital e na
aaa
succedeu que o civallo se espaatasse e des-
so com olio no chai: um prolo de>calco
com camisa o calca de algodo riscado.apo-
derando-se do Cavallo montou o seguio pela
ra Nova em direcSo so Recife, o cavallo la
selado com culi --i; nas brancas, re lea falca
de retro encarnado.estribos do ierro, selha
de sola trancada, manta de panno azul bor-
dada de retroz amarello, os aignaes do ca-
vallo sSo os seguinles:melado claro, di-
nas pretas com urna riso preta desde o cabo
at o espinhaco, em boas carne, faca, ca-
bega pequea,mos calcadas de preto: quem
dello der noticia, dirija-se a ra do Livra-
mento, loja n. 16, que ser recompensado.
JoSo Cavalcanli de Albuquerque Wan
derlei abaixo assignado e morador nesta ci-
dade declara, que o molequo Luiz, crioulo,
que viudo para esta mesma cidade foi pre-
so e recolhido a cadeia a ordem do Sr. Sub-
delegado dos Allegados lhe pertence'parte;
por quanto tendo lateado sua a- no
termo de Serinhaem. e representando
o abaixo assignado, ontSo menor o
mais dous irados, a seu finado pai
Antonio Ferreira da Cruz, teve de tocar a
viles tres, de heranc,a a escrava crioule de
nome Maria; porem seu lio Manoel Ferreira
da Cruz boje morador na tragueis da Esca-
da, que foi o inventatiante dos bens, apos-
sondo-seda dita escrava nunca a enlregou,e
em seu poder leve ella dos filhos Cosme, e
este Luiz ; e constando agora ao abaixo as-
signado quando seu lio trata de vender es-
tes escravo*, o abaixo assignado roga as au-
t in 11 ula.le a quem competir nSo entreguen)
o dito escravo preso a seu lio, e ne'n a oulra
3
- Prceisa-se allugar urna preta escrava,
para tratar de una enanca, e cuidar de sua
roupa.quem a tiver annuiieie para ser pro-
curado, ou o leu la-so com o porleiro da
Alfandega nesta cidado na mesma reparti-
lo das 8 horas da manha aa 4 da tarde. '
--l'nciza-se de un] portuguez que seja
perito om plantarles de sitio, e saiba li-
tar formigas, quem estiver nestas circuns-
tanciase quizer trabalhar no sitio na traves-
sa du Remedio n. 21 entend.i-se com seu
proprielano, o Porleiro da Alfandega desta
cidade, na mesma repartigo que a vista da
prova quo der dosabero que cima se desa*
ja, e da sua boa conducta c. &. tratar-so-he
do a inste.
-- Precisa-se de um negro para o servico
de padaria uo aterro da Boa Vista, casa nu-
mero 33.
Paulo Uiitgnoiix, dentista *
J frnncez, offerece seu prest-
mono piiltlico para lodosos
misteres de sua nroflssao : 3
* pnilr ser procurado a qnal- 9
quer hora em sua casa, na *
ra largado Rozarlo, n. 3t tf
91 segundo andar.
l-**s | MM9M9aMatVM
Aluga-se um bom sitio no lugar do
Cordeiro, a margem do Capibaribo, com boa
casa, estribara para 3 cavallos, casas para
pretos e foitor. pomai ojardini; assim cuino
baixa, com capnn e muita ortalce : a tra-
traiai na na doQueimalon. 30, segundo
andar.
-- Precisa-sede urna criada, smenlo pt-
alguma pessoa, at quo o abaixo assigna lo|ra 0 servico de cozinha e compras, para
rcduaira sou dire.it> pelos meios compe- umil c,8, lle IIIUito i>nuca familia: na ra
lentes. Joto Cavalcantc de Albuquerque do n0ar0 da Boa-Vista, sbralo n. 32.
Wanderlei.
fe I. b. Vollmaier afinador do pianos f
99 faz scionte ao respeitavol publico dos- S
fe sa cidade,que se acha prompto a qual- <|
C' quor hora do da para exercer o seu
olllcio tanto na cidado,como nos seus
0 arrebaldes. pregos muilo favoravois, -
a> P le ser procurado na roa da Cruz
w. n. 38.
@#^<$'S% U abaixo assignaiio, ratifi-
cando seus annuncios pelos jor-
naes da capital em 1847 e t^g ,
pelo presente declara, que conti-
na a nao assignar e saccar lettras
de pessoa alguma,porque naodeve
e nem tem transares a fazer, por
cujo molivo ser e he falso qnal-
quer papel assignado pelo annnn-
ciante dessa natureza ; assim como
e qual-
os pontos sobre que o directo tem appiica- dito valer.
do todo o seu estudo e fuidado ; ejulgar Melquades Antonio do Almeida Cou-1 annllnriol. naJa tem n'n
pelos resultados que ha colhido, ello so ani- tjnho, ombaica para o Kio do Janeiro.oseu annu luou> "?ua lc,u Mu
ma adancar aos pas do familias, que lhe moleque, da nome f.eraldo, do idade de 10 a
quizerem confiar a educacSo de seus flhos, n annos.
que o collegio Espirito-Santo, he pro- _. QUem precisar do um fornero, o qual.
cidade do Rio Formoso, como ja
e procu-
rar do annunciante, por qualquer
divida que em seu nome se faca
prio para remover as duvidas que por ven- sabe bem desempenbar seu lugar o i fia- por pequea que seja. IMigenliO
tura conserven) aquellos respeitos. O di- dor a sua conducta : dirija-se a roa larga Gindahi dafreguezia deSerinliaem
to de novenibrode i8t. -Joao
-- Aluga-se urna casa na povoacSo do j& l'!',"' dt ,Q0 003 r a ,,
intairu, propria para paitar a festa, com '''I^ ^ '""J03 "' 1"
,u.o., quintal,. iMoDrive I quem. \ P mto to
rector espera por tanto, que seus esforcos do Rozario n 21. venda da esquina quuva
n3o serO depreciados, e que o seu collegio para o quartel. ,em 10 tle noveniUroue 1
ser honrado com a coaifunca daquellas .. Prucisa-so da urna ama, para urna casa. Mauricio < e Barros Wanderley.
pessoas que sabem quanto vale urna educa- de pouca familia do portas a dcnlro: na tra-
clio acurada, e que no progresso e desonvol- vessa do Corpo Santo n. 29.
violento da geracSo nascente, veem o ver- -- Precisa-se de urna ama forra, quosai-
dadeiro germen do nosso engrandecimeoto, ba cozinhar e engommar, para c isa de fa-
ede nossa futura prosperidade. milia, sendo capaz: no Passcio Publico, lo-
-- A pessoa que quizer consultar ou tra- ja n. 11.
tar-sedemolastiasagudasouchronicas.pdo .. Napolen Gabriel Rez, embarca para o
dirigir- 4 rita larga do Rosario n. 30, aou- n0 de Janeiro, o sou escravo crouulo, ile
deesl rezdiudo o CirugiSo Bernardo Pe- nome Luiz, de20annos de idade.
reir do Carmo, que est prompto e oxercer -. Precisa-se da urna ama, para casa de
sua faculdadoem qualquer hora. Para com pouca familia : na ra dos Quartais loja
as pessoas pobres se prestara g ral es, a pes- n. 24.
soa que o queira consultar por escripto do Quem quizer allugar um citio em Uelii-
qualquer uso a que perlones, dever om ter- rjbe para passar a festa, com excellente ha-
mos claros e precisos declararas seguintes niio cscolher: dirija-se a ra da Santa Cruz
principaes circumstancias. -- Primeiro sua n. 66, defrontoda nbeira.
iri-de, temperamento, conslituicSo, dbil ou .. j03o Jos dos liis, exporta para o Rio
valetudinaria,se vigorosa ou sadia, hbitos, de Janeiro, a sua escrava Mara, creoula.
occupacSo, accrescendo, se frde sexo fe- Precisa-se de umeaixeiro portuguez,
minino, a declaradlo do estado de suas re- que lonha pralica de venda: na ra do Pilar
gras, numero de filhos que tiver tido, se Ihos em Fura de Poitas n 143.
itera de mamar; incommodos mais nota- o abaixo assignado faz sciente ao res-
veis noisaui partos; se grvida, de quau- peitavel publico quo muguem contrete no-
llotel no Monteiro.
Domingo, 16 do coi-rente, abre-se este
leslanelocunenlo com as seguintes pro-
purc.il s:
Sala mobiilada o independente, para as
fan.ilias, quo indo a paiiseio quizerem des-
cancar.
i.'uai t 1. preparados para dormida.
Espagosa o bem arejada sala de jantar ,
com capacidade do servir 10 pessoas.
Soili para recreio e plselo.
Estribarji o arranpis para civallo.
Co ii la mensal eavulso, preparam-sejan-
tares o pre/untos, aluga-se lou^a, vidros '
bandejas, ele (te.
Tudu por preco muilo rasoavel, o acon-
tento dos prctendontes.
- Pede-seaoSr Jos 'arlos de Mondon-
ga Vasconcollos, moradoi uo Sul deSta pro-
vincia, que so nao tem jurado 11.V1 pagara
quom deve, pague a herdeira da fallecida D
Mariana Rodrigues do Jess, a quantia d
sois centus o scenla c tantos mil rli, prin-
cipal c juros de sua divida, conlrahila, ha
tantos annos, e assevera-se-lhe que se o nSo
lizer promplamente saber que o seu assu-
car passar por ligan desgosto nesta pra^a
e que o :cu nomo contina a ornar as pagi-
nas dest! jornal.
Ai en la s e lambem se vende urna
grande casa e sitio, no lugar do Monteiro, a
margem do rio Capibaribo, leudo a mesma
6 salas e8grauds quirlos, toila circulada
de pateo e varandas la ferro, com alegretes
para llores, grande quintal murado, com ca-
sa pura pretos, granae estribara, milito boa
baixa do cap 111 o mais comino li ladea i 1
tratar com Antonio Jos Teixcira bastos,
eaixeiro dos senhores Jo2o Piulo de Lomos
Camas, carros de mffo e arados de ferros,
etc., etc.
a ti'-in di superioridade das sual obras, j
geralmente reconhecida, Howman & tic,
Callum garantem a mais exacta conformi-
dado com os moldes e dezenhos remeltidos
pelos senhores quo se dignaren) defazero
lies encommendas, aproveitandoa occasiSe
para agradecerem aos seus numerosos ami-
gos e freguezos a preferencia com que "
sido por elles honrados, e asseguram
que nilo poupariio esforcos e diligencia
para rnntiniiarem a merecer sua eonfi inca.
autor desta e rieoutris ricas nvenefios, nSo
[duvilou mandar e.-te bello appirclho para
aexposicfio de Londres : o publico que o
quizer possuir, dirija-se rua.largl do Ro-
zario, loja de miudezas n. 39, *do Cirdial,
I com 5,000 rs. pelo menos.
Flores.
Na ra larga do Rozario n 38, loja de miu-
?'" dezas do Csrdial, vendem-se as mais perfei-
\hf 'l8S "nre3 f'sncezas, que se tivessem oheiro
1 ninguom deixaria de acreditar que eram
Compras.
-- Compram-sn algumasapolices da Co'n-
panhia de Beberbe : na ra Direita n. 89 ,
segundo sbralo.
Conpra-seuma estante com capacida-
de sulliciente para arrumar 800 a 1000 li-
vros: i|ueni tivo annuncia para sor pro-
curado.
Compram-sc os suspiros poticos do
I ir MagalhSes, no e nina a prego : na ra
larga do llozano, loj de miudezas do Car-
dial.
Compram-seescravos e vendem-se de
commissSn, para dentro e fra da provin-
cia : na ra da Cacimba, sobrado 11.11, on-
de morn o Sr. vicario do Recife.
-- Compra-so urna pr. la, que saiba b>m
cozinhar e engommar, agradando paga-se
he 11 : 11 1 nii'i.i Aminini n 25.
Vendas.
protender dirija-so defronle da praca da fa-
rioha n. 3.
Aluga-se para festa 011 annualm
nina casa na ra do Cabrel da cnla lo de
Olinda, com bons commodos; elribaria,
casa para escravos; murada na frenie.o com
o fundo para a margem do rio, com um pe-
queo sitio, o qual tem excellente baixa
para capim, o faz face com a nova estrada,
m cont a juros
re penhores de
prata : quem pretender dirija-se a
, ra larga do llu/ario, loja de miu luas 11.
,,ie' 26 que se dir quem da, e quem tem duas
rolas desicupira do moer manJiuca por
20,001) rs., ou mcsino por menos alguma
cousa.
Frevencao.
Pcrdeu-sc urna letra sacada c a novo nbro
p. p., por Manoel Toixoin Pinto, a favor do
da sorto quo vem a ter duas frentes ambas joio Tavaios Cordeiro da quantia de 675
muito frequentadas: na livraria n. 6 e 8 da mil o tantos ris, poi tanto pede-se a quem
praca da Independencia. !for apresentada, quo nilo l'n;a transaccilo
Precisa-se de um feitnr para tratar de alguma sobro u dita letra por eslar j dada
um silio.a tratar no Hospicio sitio da Si* viu-| todas as providencias, para nSo ser paga
va Cunha Cuimaraes;ahi tambom sb preciza seuflo a JoSo Tavares Corceiro : roga-s a
do um ou dous pretos para trabalhar no Ruerno tiver adiado, o favor d entregar
mesmo. I na travessa da Madre de Dos n. 9.
Acha-se justa e contratada a compra da I .\odia4do correte depois da audien-
casa da ra de Moras numero 122 : quem Icio do juizu municipal do termo da.Cidade
so julgarcom algum direito ou hypolheca, do OI1111I.1, na respectiva sala, tem de se ar-
tos mezes, qual o padecimonto ou mal que gocio algum com Gabriel AfTonso Rigueira, mais a affligia por semelhanto motivo. Se- empregado publico nesta cidade,que dando
gundo o lugar do sua habitacSo, se hmido, seus bons movis a penhora vaio com em-
scceo.areado ou ventoso, sujeito a febres ou bargos 3., dizendo quo nSo sao seus, e para
nutra uluimidade. -- Terceiro se na familia que o publico ajuize peste inao empregado,
lem apparecido casos de molestias por des- por isso faco o presente annuncio.
posigSo hereditaria ou adquenda. Quarlo JoSo da Silva Loureiro
sedoente desyphilis pela primeira, sogun- ___(j Bbaixo assignado, morador
da ou mais vezes, em que lempo o foi pela 9 rv
primeira vez, o tompo ou intervallo que mo- na loja do sobrado, da ra utreita
diou no soffrimento de urna s oulras,
quses os principaes symplomas que eutSo
experimentara, rcmodios &. de que usu,
ATTENCA.
n. 5o, protesta erante o publico
e as autoridades criminaes desta
da Bolla 11. 4 avahada em 350,000 rs.,o ou-
tra na ra do Cabra! n. 21 avaliada em
Ucailtelista Salustianode Aqu- 200,000 rs. por execucam de D. Camarina
.-, .. i Francisca do Espirito Santo contra Jos da
nol'erreira, avisa ao respeitavel silvaUraga esua muiiier
publico, que os seus bilhetes e can- Vo sitio da Trampa n. 1, que tem venda
lelas das loteras do Hiode Janci ^^J, d0 pla"1' Pr nder por
ro, se vendem nicamente aa pra-J ^mC Lacazc
c 1 da Independencia ns. i3 e ID lemahonra de levar ao conhecimento d
a loia de calcado do Arantes; e na respeitavei publico, qu
-!'# iht ic 1. novo eilao'lecimoiit'i effoitos do irritacao ou incommodo do uso cidade, que nao tendo inimigos co-_,' j, r-,jp;a An Romfe n f In. nov, .
a....... -..-.. ~...i~.. ....ai. .P Irua da cadeia do neciie n. qo, 10- roda boa-Vista n. ll, aonle se ai ha prom-
acaba de abrir um
de mercurio, ou outro qualquer remedio,
alm da inquilina do
se vende-
li'ii 1 i.\ n. ^nt0 em ro|0g|oj j olgjbeira como de me
sae hiirmle.
uu iiiorcuriu, ou ouiro uuaiuuer remoiiiu, ,___. .
dequeaelembrelhe fra subministrado, e nhecidos a emiM inquiuna ja de miudezas, e nunca se
emque dose. Quiuto se o mal de que pre- mesmo sobrado, Sinhorinba de tal, .,,,- a, inrlononri
cedentemente sa trata, fr precedido, acom- iotenlOU ha tiouco i '. ? P, 1? ,
dpanbidoou seguido de algum oulro acci- contra quem intentou, napouco,.^^ je mlu(|eZas de l'ortunato
venta ouenfermidade, quer d origem di- umaac?aode queixa perantea sub-jpererB Ja Fonseca Bastos. Os bi-
-ena, quer precedente da mesma syphilis. ,|,.|,.,,,ria re S Antonio, todo 11 ,, 1 :__
-Seituemfim.quaes os symptom.s quer uelegacla e 5. .intonio, "> l|ieieSemciOs, vao lodos ponuim
neeffectivopadeeimeolode mal venreo ou mal que l|ie possa sourevir a e"a;fi,.mafjos em brevCj com a assit-na-
outro qualquer dfsappareceram, modlica- ser imputado; visto como consta!. Rerreir inntn s do thc-
ram-se ou existem sem ilteracoapreciavel, ii .___ llura ue I entira, junio as uo un.
eque nada menos importa quo a declara- a annunciante, que ella procura sourcros Jo3o |>c(Jro a Veig 1 e
1 molesa, sua especie ou vingar-se delle por lodos os meios' .:. .,:... ,, ,,;.., ';,.U1 1,1- ^^^+**
al o memento da cnsul- B Simnlirio .1, Silva Barboza '\ntom* Alves da ivd l ,nl BOWMAN &
obre viudas o meios da Simplicio di Silva Barboza. nio(. Q cautelista n5o pile de ros machinistas
to para faier quaesquer conecto* mesmo os
ir.ais difliccis que so pode>3 aproseular,
?3o do lempo da
qualidade e curso
ta, complica^Oos so
de que so tem feilo uso.
MC. CALLUM, enircnhei
pOile lie.ros machinistas e fundidores de ferro mui
comprada a casa di j- 1 resnoitnsamente
ru do Padre Flori.no n. 68 : quem se jul- forma alguma impedir que olguns' J itUnna ,, PnRenj10S> raaendeiroa, mi-
##>4#>*#** gar com algum direilo, ou hypotneca, an- especuladores compren, os seus bl-',ieiros, negociantes, fabricantes e ao res-
J| COKSOLiono crntbai. HOMCDOP4THIC0 %) nuncie por estes 4 dias. IIipIpb o rmlel i< nnra os tnrnar al peilavel publico, quo o seu oslabelocimento
I dk pebN*mbucn. m Precsa-se de um moco, quo tonha as '"es e c.uicias, para os luiirai a. ^^ movido ,,or rnac,,ina do vaporcon-
# Dthgiao pelo Dr. Sabino Olegario I.uil- gero Pinho. W gar de eaixeiro, em urna casa de negocio om res|)etave| publico de nao i pletamente montadocom apparelhos da pri-
* RuadoTrapicheNovon.15. # Maminguapo : quem pret' nder, dirija-se 1 1 1 mein qualidade para a porfeila confeccao
*j Todos os dias uteisse daro consultas (# nestts 15 a ra do Vigario n. 33. Ule OS comprarem. Idas maiores pecas do machinismo.
VV e remedios de graca aos pobres.desde Na ra da Cadeia de Santo Antonio n. .. |>recisa-se de urna prota captiva, para Habilitados para emprehender quaesquer
pela manha, at as duas horas da tar- 14. segundo andar, borda-sede matiz e seda o servico de urna casa ffancoa : na ra doobras da 8ua arte> Bowman & Me. Callum
V-de. as correspondencias e iniforma- # por preco commodo, e lambem Taz-so ion- atierro da Boa Vista, loja n. 1. desejim mais particularmente chamara
(} coos poderao ser dirigidas verbal-ag eos do retroz com perteico- Aluga-se urna casa terrea com solBo, ,attencflo publica para a sseguintes, por
*9 mente, ou por escripto, devendo o (a. Precisa-se de um caxeiro para a pa- no sitio do Cordeiro, margem do rio Capi-orenl dellas grande sortimentoj prompta,
fe? doente indicar primeiro: o nome, fe) daiia da ra larga do Rozara n. 48; a tra- baribe, com commodos para grande familia, as quaes construidas na sua fabrica pdem
- idade, eslado, profissfio, e constitu-# tar na mesma. cosinha fra.cocheira, estribara para 6 ou competir com as fabricadas em paiz es-
'.. 1 1 i/i.ini a il~ k. I.... 1 .. i 1 avivo ao % .. 1 _.._.* __ _; J. .1 ~ r .
FLIHMIiS PARA 1852
Saluraiii a lu aa lolliinias nn-
pressas nesla lypographia, sendo
de porta a 1G0 rs c de algibeira
o 3ao rs., routendo todas as de al-
gibeira a!cm do calendario, a de-
(iuic3o dos corpos celestes, aslro-
lagia, cometas continuacao da
cbronologia pi incipiail.i, ba annos,
juizo das limitneas de tempo pe-
los meteoros, tabela dos emolu-
mentos dos parocbos em todas as
uncces religiosas, e urnas colle-
ccoes de ancdotas,bons ditos,etc.,
outras a conlissao do marojo c mi-
tras alinguagem das llores, fructas
e jogos de finezas de llores c breve
sabirao s de almanak, muito acres-
centado e corrigido : vendem-se
nt livraria da praca da Indepen-
dencia n. 6 e 8.
Vndese, 1 dinli ro a vista, lencos
de seda que serven) para hombros de senbo-
ra, a 1,440rs.; ditos dito, dito, 1,000 rs;
ditos de seda branca com bonitas barras de
cores, a 2,000 rs.: ditos para meninas, de
varios procos; na loja n. 2 ds ra Nova.
-- Vende-so um rologio decaixa de|prata,
fabrica ingleza, sem precisar de concortu
algum: na ra larg do Rozario, venda
n. 39.
Maravilba !
Historia do Brasil a 1^000 !! !
Amia so vende a historia do brasil pelo
deminuto preco do 1,01)01 cheguein IDtei
quo sa acabo : na 1 na do Crespo, loja n. 16.
Na ra .Nova, n. 61, vende-S urna
moliilia do Jacaranda, ja usada, lun couio
30 lelhas do vldro, por preco commodo.
Vende-so um gallo uo Clmpini bom
cjnta lor, um cuiio.o um cabocolinlio, am-
bas bons Cinta'doiea : na ra da Praia 11. 70,
armazem de carnes.
* a* si-*."* v a *<><*-*.* >*
15 Vendoiii-ss encera los do cores de
^ madeira pira cobrir pianos, mesas do
jantar : na ra Nova n. i. *
Kolim.
Na rila do Vigario n. 23,sogunlo andar ha
para vender muito superior rolim para tecer
cadoirasa pre^o commodo.
Sal em paneiros.
Vende-se no Armazem doSr. Antonio An-
nos, no caeS da Alfandega ou trata-sc com
J. B. da Funseca Jnior : na ra do Vigaiio
n. 23,2. andar.
Deposito de tecidos da fabri- J
ca de Todos os Santos,
na Babia.
Vendo-se em casa de Domingos Al- ves Matheus, na ra da Cruz do Re- "w
cifen. 52, primeiro andar, algodSo *
i lan-a.ln. lu piella latinea, muilopro- ^
prio para saceos e roupa de escra- ^
vos, assim como lio proprio para re- ^g
des de pescar e pavios para veilas, ,43
por proco muito commo lo. <*
h A ft ft A, 36 ^ 'i % A !> & ft % fe fi & S ft fe A
Vendem-se e alugam-s bichas, che- B
4) gaitas ulti.i.ament do llamburgo, or j
prego commodo: na ra do S. Amaro a|
_ II. 28. 4
,-.*>+* *** <*** :> SS4-S++
(i! virgem em pcilra,
chrgada reciMitanionlode Lisboa, om anco-
ras, muitu bem acondicionadas, vende-se a
prego muilo cominndo : no armazem de Sil-
va barroca, na ra do Trapiche n. 19.
Vende-se no armazem da ra
da Cruz n. 48, os seguintc gne-
ros a precos commodos : fras-
cos de vi.iro com bocea larga de
diversos tamanhos, latas com bo-
lacbinbasde Allemanba muito no-
alvaiade muito lino em bar-
e secante em barri-
al
W (fio ; tegundo: as molestias, quo tem
V tido, e os remedios tomados ; fcrcci- g
te ro -. a poca do apparecimento da mo- 9
t- lestia actual, edescripgfio minuciosa, 4
9 dos aignaes ou symplomas que soffier fe
tar ua i.icou.a. ousiiiiiB tura, cuuuoiro, nn....... i"i" "u competir Com a
J0O0 Vicente da Silva Costa avisa as h cavallos, e quaito para criado ; urna dita trangeiro, tanto t
pessoas a quem iiui.a communicauC, que se mais pequeua uu iiiesui ato, taniusn. co iidade da materi
mudava para a ra do Livramento, qae del- comniodos para familia, cosinha fra, e es
xa de o fazer, tendo j se desonerado total- tribaria para 4 cavallos : para ver no mes-
mente da casa para com a pessoa locadora ; mo sitio, e para tratar com Gabriel Antonio,
pelo que ple ser anda procurado e 111 casa no pateo do Carmo n. 17.
de sen sogro na ra da Santa Crnz n. 66. Attenco
'Z^ZadTaAuP?or?.Cn?28d.8h" \;^^r\X:=^ O arrematante dos",.^ slosdas
126,27 e 28do passado mez,hcam transferida aferigOes, das licengasdos mascates e boen-
Precisa-se alugar urna preta, para ven- pari prmoira audiencia. teiras, mudou-se para a ruadas Agoas Ver-
Frecisa-se alusar urna escra- des n. 25.
k v. 1 ~ ~ -- Manoel de Almeida Lopes, com cisa
va, que seja boacosinueira c com- jconsi|{(,aq3o para comprar o vender es-
pradeira, : quem a tiver dirija-se era vos, tanto para esta provincia, como pa-
a ra da A.,sumpcao ou muro da "
Fenha a. 16.
der na rua ; quem tiver, dirija-se a ra da
Conceiffio da Boa Vista, casa n. 5.
Dam-se 200,000 rs. a juros, de 2 por
cento ao mez, sobre poohores de ouro, ou
l'rala : no pateo do Carmo, loja n. 3, se dir
'luom di.
Perante o Dr. juiz do civel di primei-
ra vira, no dia 5 do correte, na sala di iu-
itiencii, lem de ser arremata Jo, um mole-
que, penhordo a Domingos Pereira Men-
danha.
No dia 23 do pissado, desippireceu do
engenho Arembi, freguezia de Ipojuca, urna
mulata, bem alv, cabellos bem pretose
meios encolhldos, um Unto biixa e magra,
com sardas pela cara, nariz afilado, porm
erosso, e presentemente teve um tumor no
em prego como em qua-
as primas e mao d'obra
a saber:
Machinas de vapor da melhorconstrucgfio.
Moenda's de canna para engenhos de lo-
dos os tamanhos, movidas a vapor por igoa
ou animaes.
Rodas d'agoa,moinbos de vento eserraas.
Manejos independentes para cavallos.
Rodas dentadas.
AguilhOes, bronzesechumaceiras.
CavilhOes e parafusos de todos os tama-
nhos.
Taixas.pares.crivose boceas de fornalha.
Moinhos do mandioca, movidos a mfio ou
rua da
da Cae
Adverte-se ao Sr. Bernardo de|Albu- Kxm.
ira dalla, mudou a sua residencia da muiuuou..v., ..---------
ia Cadeia do Recife, n.5l, para a rua por animaes, e prensas para a dita.
acimba, n. II, aonde inurou o finado! Chapas de fogSo e frnos do farinha.
.vigario. Brrelo, onde continua, offe- I Canos de ferro, torneiras de Ierro 1
ado-se toda a segurauca precisa para os bronze.
po"'d;e"nesTa praga.nao tem pago I suba- mesmos e bom tr.t.mento. ?,0m,b"VP"nL^nime,eoue,ent'^ m
criucio do Diirio. -No dia 3 do crrante na sala das audien- vidas 1 mfio, por animaes 011 vento.
-- Borda-se com perfaigao de muito bom cias. floJa que sej a do Dr. juiz municipal Cuindasles gu.nc" "o-
oslo reposte.ros e baudeiras, o mais obras, da sogundi vara ter lugar a arrematagfio Prensas hydriulicas e do pararuso.
Na mesma casa paga-se 480 rs. por caada de diversos movis de pouco valor piohora- | Ferragons para navios, carroso Obras pu-
de, azeite na rua estrella do Rozario n. 37. dos ao Padre Jos Xavier Mendes Corjo Micas.
."no da sexla-feira 28 do p. p. pelas 7 por execugao de Manoel Itibeiro da Cunba Columnas, virandas, grades e portOes.
bons di noite, vindo um menino a cmllo Olivera, escrivllo Siatos. I Prensas de copiar crias e sellar.
nguom
naturios ; i ellas que o prego convida e a
festa he a 25 do coi rento
Pentes de tartaruga.
Na roa larga do Rozario n. 38, loja de miu-
dezas do Cardial, vendem-se, por tflo dimi-
nuto prego, pentes de tartaruga para cuc,
que ninguem deixar de es comprar, sa
delles tiver necessidade.
Carelios de arroz !
1'-ta ja tfio conhecida substancia alimen-
taria para os cavallos prximamente ebega-
dos, em sacas por prego commodo vende-sa
no armazem do Sr. Antonio Anuesjno oaea
da Alfandega.
Calcados a 800, a,5oo, 3,000,
4,ooo, c 6,000 rs., no aterro da
Boa-Vista, defronle dar boneca,
II1 chegulo reccnlemento os bem conheci-
dos sapatOes do Aractly, tanto para homem
como para menino a 800 rs., de orelha a
1,000 rs., ditos de lustro para ditos 1 2,500
rs, ditos para homem os melhores que
tem viudo di llahia a 3,000 e 4,000 rs., e bo-
tina a 6.000 rs.; nssira como um novo o
completo sorlimonlo do cagalos francezes
do todas as quMidades tanto pira homem
c.imi para senbora, meninos e menims,
peles do niarrnqiiim o cortes de tapete a
480 rs, t seu lo p ircJo, d-se por menos,
tudo afim de se apurar dinheiro.
-- Vendem-se o,itimas canoas de tolos os
tmennos, rindas do Pilar, provincia das
Ala ..a-, pur pregos coui.nodos : a tratar na
rua do l.ivraaiento n. 16.
Bilhetes do Rio de Janeiro.
aos 20:000,000 de rs.
Na luja de miudezas da praca da
Independencia n. 4 ? vendem-se
billictcs inteiros, meios, quartos,
oitavosc vigsimos, a beneficio da
segunda lotera do Hospicio de l'e-
dro II que icou para correr no
dii a5 ou i" de novembro,
Bilhetes do Rio de Janeiro.
Aos 30:000,000 de rs.
O caulelista Salustiano de Aqui-
no Ferreira, avisa ao respeitavei
publico, que no dia 4 ou 5 deste
mez, deve chegar do Sul o vapor
da compmia brasileira, conduc-
tor da lista da stima lotera do
tbeatro de Nictheroy, e paga sem
ganancia algum. todos e quaesquer
premios que sabirem nos bilhetes ,
meios, quartos e cautelajs, vendi-
dos na praca da Independencia ns.
13 c 15, loja de calcado do Aban-
tes, c na rua da Cadeia do llecife
n. 4G '"ja de miudezas, e tam-
ben laz sciente ao respeitavei pu-
blico, se por acaso vier o resumo
da extrarao di segunda lotera do
Hospicio de l'edro II noJornal do
(Jommercio por elle responsibe-
lsa-se a pagar em continente sem
descont algum lodos c quaesquer
premios da referida lotera
lugares cima mencionados,
les queestam no resto.
, nos
A el-
Meios bilhetes n,noo
Quartos 5,5oo
(Jila vos 2,800
Vigsimos 1,300
SALSA PARRILUA
E
Aireos*
As nu 1 orosas cxueriencias feitas como
uso di salsa parrilha em todas as enferml-
dades, originadas p-la impureza do singue,
e o bom xito obli lo na corto pelo lllm.
Sr. I)r. Sigau I, presidente da academia im-
perial do medicina, 1 co lllustrado Sr. Dr.
Antonio Jos Peixoto em sua clnica, eem
sua afamada casadosaudc na 1; mlioa, pe-
lo lllm. Sr. Dr. Saturnino do Oliveira, me-
dico do exercilo o por varios outros mdi-
cos, permitiem hoje de proclamar altamente
as virtu los effJcaies da
SALSA PARRILHA
DE
Nota. Cada garrafa conlem duas libras
de liquido, e salsa an ilna do Krislnl he
garantida, piiranicnlo vegetal som mercu-
rio, iodo, pi-tasium.
Vcudc-so a 5/000 rs. o vidro na botica do
Sr. Jo-o Maria Congalvcs Ramos : rua dos
Quarteis pogada ao qu niel do polica.
vas,
cas, pedra hume em barricas, es-
sencias de canella, cravo e zimbro,
sevadinba em gacrafties e sil de
I'
in
muito alvo e,:i barricas.
- Vende se urna preta creoula, bonita
ligura, sem vicios e nem achaques : as
Cinco Ponas n 71.
Vende-se uina porgSo do madeira de a-
marello, em prancho, a prego regular : na
praga do Commercio n. 6, primeiro andar.
nos do idade, de excellente coaducta, dir-
se-hi o motivo: na roa da Praia, n. 43, pri-
meiro miar.
Vendem-so duas rotulas fortes, forra-
das de ferro, novas e do ama ello, por pre-
go commodo 1 na rua do Passeio n. 5, loja
de fazendas.
Gordas do Iripi pin viollo, 1 40 rs. ci-
di urna.
Vende-so na rua estreila do Rozario, tra-
vessa do Queimado, loja de miudezas n. 2
A, junio ao deposite de pSo ; a ellas intes
que se acibem
(raudo novillaje.
Vende-so o mais perfeito alambique com o
seu competente fu-ai, para espirito de vi-
nho, quo em 5 minutos aprompta o mais
'claro elimpo caf, que se pdetomir; o
Fende-se no Maranhio, a fabrica
de bugias stiarinas e sabo.
Os administradores da liquida-
cao de Tbeodoro Chavanes, ven-
dem a fabrica denominada Mara-
nhense, na rua do Pioponto, del-
ta cidade ( porto dos remedios) ,
a saber : casa em que est mon-
tada a fabrica, com ao bracas de
frente e 15 de fundo ; 1 prensas
hidrulicas, orisontaes de torga de
600,000 libras, cada urna ; 1 dita
vertical de forca de 400,000 libras;
3 grandes caldeiras montadas, pa-
ra o fabrico do sabaoj-/fritas pa-
ra derreter sebo; todos osperten-
ces necessarios para o fabrico do
stearina e sabao ; 9 eseravos en-
tendedores do servico geral da fa-
brica j 1 terreno annexo a fabrica,
com 7 bracas de frente e i5 de
fundo ; 1 dito fronteiro a mesma
fabrica, com 18 brasas de I rente e
a8 de fundo : as pessoas quepre-
tenderem comprar, pdem nesta
praca dirigirem-se a .1, rveller ek
Companhia.


FKCHINCHA.
Anda existe urna pequena quan-
(a das superiores colxas de liulio,
do nielhor gosto que tein appare-
cido do mercado, pelo barato pre-
90 de 10,000 rs. cada urna : na ra
do yueimado, loja n. 17
Vendem-se cabos de linlio e'
de manilha: ein casa deGeo Rea-;
wo ithy 8c Companbia, na ra da!
Cruz n. a.
AGENCIA Attencao aos habjtantesda ornar-
da fundidlo Low-Moor. cadeGoianna
RA DA SLN/ALLA.NOVA N. 42. -- Vndese polo barato preso de 1:000,000
Neste estabeleeimento conli- outroci-se por esclavos um <1i melhorea
Diuhciio vista.
Vendem-se pelo custo selins inglezes,for-
rados do couro de porco, ditos de borranha,
ditos desoa com estufo, sillones para mon-
tara de senhora, cabezadas rolicas, ditas
chatas de lustro, esporas (loas de metal
brinco, estrilos de metal branco, ditos de
(o : na ra Njva n. 88, loja deseleiro.
Figuras e vasos para jardim.
Cbegaram do Porto as melhores (guras e
vasos para jardim, de louca fabricada na-
quelle pv ra quoni quizar comprar : na na da Cadcia
do Recife o. 38, ou na ra do Trapiche n.
40, segundo andar.
Vendem-se verdadeiros cha-
rutos de Havana, os mais superio-
res que teto vindo a esta praca :
prezuntos de Westphalia, lingnas
seccas de Buenos Ayres e lentilliao
em garra tes, tudo ebegado recen-
tcmente: noarmazem de VV.Baucli
na ruada Cruz n. |5.
Vende-se por preso commodo urna com
moda em bom uso: na tua do Apollo, ar-
masen) n. 34.
CIH'BRAZILEIRO.
Vende-se cha brasileiro em latas de libra,
a 2,000 rs. cada urna; quem, considerando
iue o cha da lodia he preparado com o ail,
esecco dentro de rasillas de cobre, o por
consequencia impregnado do materias vene-
nosas, que aflectam a saude, n3o preferir
de certo o cha brasileiro, quo lio preparado
de um modo muito simples, c seceo sobre
laminas de ferro,tornando-se porisso inesmo
muito mais saudavel : no pateo do Collegio,
rasa do livro azul.
Ven'Je-sc, por preco com-
modo, fumo em olha, para cha-
rutos de priuicira e segunda qua-
lidades, macella chegada ultima-
mente do Porto, e cal virgem de
Lisboa tambem desembarcada
poneos das : a tratar no armazcm
de Das Ferreira, no caes da al-
l'andega, ou com Novaes Ct Com-
paahia, na mu do Trapiche n. IJ.
.. moradas do caa de p.edra c cal da cidade de
Vendem-se silbes de couro nua a naver um completo sortt- Goianna. citas na ra do mel 0.23, com
r! nnrro liara nmnliria ae porco, para montana ae se lino- ,_..:. "" V. i de detraz, cotinha puchada for, cacimba
de boa agua, e quintal grande : quem pre-
Vende-se superior panno de
algodao para saceos de assucar :
em casa de Geo Renworlhy &
Companbia, na ra da Cruz n. a.
LsposicSo de riquissimos vasos pa-
rt flores e perfumaras.
ra, bem como cabecadas de couro da8 Para engenho, machinas de _
hraneo- em casa de Geo Kenwor- vaPor e taixas de ierro batido e tender dirija-se a cidade do Recife, ra do
oranco em casa ae ueo ivenwor ,nmanl. Vigario, sobrado n. 20, primeiro andar, a
lhy& Companbia, na ra da Cruz C0"J ae loaos os lmannos, pa-tr,rcomo,eu propio.
n. a. radito. Muzicas para piano
Agencia de Edwin Maw. Vendem-se varios pedacos de muzic, ti-
Na ra de Apollo n. 6, armazem de He. Cal-
moni Si Companhia, acha-ae couatantemeole
bous aortimentos de tbia de ferro coado e
batido, tanto rasa como fundas, moendas lu-
cirs todas de ferro para aiiimaes, agoa, ato,
ditas para armar em madeira de todos os ta-
maubos e modellos o mais moderno, machina
horiaontal para vapor, com for;a de 4 caval-
los, coucoa, passadeiras de ferro estancado
Veil.lom-se ricos vasos do porcelana, da par, caa de pulgar, por menos preco que o
(.luna de varios tamanhos para llrese per- de cobre, eacovena para navios, ferro ingles
fumarias, de todas as qualidado : na ra da lauloem barras como em arcos fo Illas, e ludoI
Cruz do Recife defronle do Corpo Santo luja por baralo preco.
Antigo deposito de cal
ALGODAO' PARA SAIXOS.
* vende-se muito bom algodao parasa-
fj eos de assucar, por proQO commodo:
43
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
rados das melhorea operas e dss mais mo-
dernas para piano s, e juntamente canto
com acompanhamento : na rui Nova, loja
n. 8.
-- Vende-se um preto escravo, perfeito
cozirfheiro e canoeiro, bonita figura, sadio
e sem vicios, aos pretendentes se dir o mo
tivo porque se vende : r.a ra larga do Ro-
zario, loja n. 35.
A elles rapazioda, que a esta est
prxima e recebe-se dinheiro
fresco para os pasis.
Na loja de miudezas n. 3, ao p da ponte
da Roa Vista, vendem-se os afortunados bi-
Ihetes, meios o caulellas da lotera de Nossa
Senhora do L ivramento.
Kuado Fasseio Publico n. S.
Vendem-se 18 caixilbo envidracados e
promptos para qualquer obra, por prego
muito commodo.
Em casa de J. Keller &
em casa de Ricardo Royle, na ra da muito superior ca nova em pedra,
\&****9999m*99t)9 f|,eGada ""'mmente de Lisboa
Vnilc-soum pequeo sili), com casa eposlto ln rubrlea de lodos os
depedra o cal o vivoiro dep'ixe, planta de I Simios 11a Itallln.
capim, coqueirosomuito maisarvoredos de | Vende-se, em casa deN. O. Biabar & G.,
frucla do jveraasqua' "
e amulado de urna ba
modo, por seu dono so retirar
sua saude : nos ATogados na ra
tsverna do J0S0 HMpiobol, a tratar
m"Sm0' Havano uros Companhia, na ra da Cruz 11. 55, navi-
Na rui da Cdela do Rocife n. 50, charu- | "a nara ve"dcr m P,an<> forte I Vende., por jW)0,000 rs., o sobrado de
tos de Havana puros a lOgOOOrs, a caixa. ^llegado ltimamente da I'mropa dous andares esotfio, com trapoin elojire-
POTASSA DA UUSSIA. !e com excellentes vozes : trata--C|Prlill>. com '" cacimba na chagSoeero
No armazem de Joi Teixeira na casa dos mesmos.
jlidadei, bem cercado na ru" da Cruz n. 4, algodao transado ila-i^i ,. r .. j-rr
jrida, por preso com- quellarabrica, muito propno para saceos de, jompaniia, narua da Uruz n. 33,
tratar de, assucar e roupa de escravos, por preco com- vendem-se marroquins superiores,
rarS ""- Em casn de J. Keller & V"doS de *"* Pe, U"m
IMmoidatxposicio. 4
SNa loja do sobrado amarello nos iiua-T(
tro cantos da ra do Queimado n. 29 4
9> tem para vender u nova fazenda para 4
tf vestidos do senhora, denominada mi- -5
41 mosda expsito, fazenda de dilica- 4
R dissimos gostos e cores muito lixas <$
4} pelo diminuto prejo de 440 rs. o co- 4
a>.) vado. 4
MjfiMMi^tifSa^. a^.^.^.^. ^ a1 f1-*#'?
(.'hita larga Iranceza, a a4ors.
Voude-se chita franceza larga padrees
modernos, escuros e claros, e cores lizas,
pelo baratlssimo preco de 240 rs. o covaduj
tendo grande purc3o para esculhcr: na loja
do sobrado amarello, nos quatro cantos ua
ra do Queimado n. 29.
Sedas lurta cores, a 1,70) rs. o
ovado,
por lao diminuto preco, que mdei
xar deler um vestido de seda pi-
ra a esta ? na ra do Queimado n.
10, vendem se as melliones e bo-
nitas sedas furia cores, para vesti-
dos de senhora, meninas e mante-
letes, a 1,700 rs. o covado ; dam-
se as amostras, ou mandam-se as
pecas em.casa para mellior o com-
prador escolher.
Vendem-se portos, porlas e sacadas
de podra com soleiras de granito, deposita-
das defronle da fundiccSo doStarr,em Santo
Amaro :a tratar na ra da Cruz do Recife
D.5I.
-- Vende-se a grande casa terria, sita na
ra do tlondcgo, n. 56, pertencenlo a Rita
Mana da l'aixiio, He urna das rr sis melho-
res construidas nesta cidade, tendo grandes
Hasto, na rui do Trapiche n. 17,
ha para vender, nova e superior
potass.i da liussia, chegada recen
teniente.
Toalhas e guanlanapos.
Na loja do sobrado amarello, nos quatro
cantos da ra do Queimado 11. -'9, tem para
vender um grande sortinienlo de tuallias de
diferentes lmannos, c om pe(a que se ven-
de em varas; assim como um glande sor-
timento de guirdanapns de diversos lma-
nnos e quididades, cquetudo se vende por
prego do agradar ao comprador.
Corles de cb ta e cassa.
Continua a liavcr graudo sortimento de
cortes de vestido do chita, com la covadus
om um so pedaco, a 2,000 rs.; ditos de cas-
sa de cores, filas e bous psros, a 2,000 rs.:
na loja do sobrado amarello, na ra do
Queimado n.2.
Arados de ferro,
Vendem-sc arados de diversos
modelos, assim como americanos
com cambSo de sicupira e bracos
da ferro ; na fundicSo da ra do
Brum ns, 6, 8 e 10.
Vendem-se velas de espermacele, om
caixas.de superior qualidade : em casa de
I. keller & Companhia: na ra da Cruz nu-
mero 55.
Deposito de cal virgem.
1 111.1; A me ni, vendem barris com cal
em pedra, rbegada ltimamente de Lisboa,
na barca a alargarida, por menos preso do
queem outra qualquer parte: na ra da Ca-
deia do Itecifen. 50.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum ns. C, 8 e 10,
(undicao de ferro.
Farinha de mandioca.
A mais nova e mais barata farinha do
mandioca que ha no mercado, vende-se na
ra da Cruz do Recife, armazcm n.13, de
J080 Carlos Augusto da Silva.
Azeite de carrapato da fabrica de
Arauj:>& Filhos, no Fenedo.
Kste azeilo pela perfeicdlo cm que he
fabricado nao s serc em lugar do azeite
doce c de coco, para qualquer qualidado de
Principios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vende-se este compendio, approvado para
as aulas de primeirai letras, a 480 rs.: na
prasa da Independencia, livraria n. 6 e8.
- Vendem-se cera em velas ,
fabricadas em Lisboa e no Bio de
Janeiro, em caisaa de 100 libras
sortidas, de 1 a 16 em libra, etum-
bem de um s tatuando, por me-
nos preco do que em outra qual-
quer parte : trata-se no escripto-
rio de Machado & Pinbeiro, na
ra do Vigario n. 19, segundo
andar.
Gasa uc commissSo de escravos.
Vendem-se ccravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para fra delta, para
o que se ollerece nimias garantas
a seusu'onos na ra da Cacimba
n. Ii, primeiro andar.
Talxaa para eiigrcnlio.
Na fundisflo de ferro da ra do Rrum, I
acaba-se de receber um completo sortimen-l
lo de laixas de 3 a 8 palmos de bocea, as'
quaas acliam-se a veml
chilos proprios, no Recife na rua do Apollo
n.29: na mesma rua 11. 31, se dir quem
vende.
Vendem-se as seguinles o
liras: geographia por C'hanchard
eA.Aluutz, com rica encaderna-
(_ Ti 22 mappas e 3oo estampas ;
Kaphael, l'aginas di Juventude ,
por A. de Lamartine, versSo For-
tuguezi; Tratado Commcrci ilj ora-
culo, ou o livro do> Destinos : na
ruada Cruilt. io, primeiro andar.
Vende-se um mulequo crcoulo de bo-
nita (gura e muito boa conducta, s se ven-
de para a provincia ; ua rua da Cadeia de
Santo Antonio n. 14, s gnu o andar.
Vende-se milhu novo em saccas de al-
queiic raso, a 2,500 rs.: na coxeira do For-
te do Mallos.
Vende-se urna negra mosa, propria pa-
ra o serviso de campo 1 a tratar ua rua da
Cruz 11. 8, lerceiro andar.
Vende-se um selim em bom estado,
com todos seu9 pertences : na rua do Ran-
gcl n. 38, segundo andar.
Cambraia de sedi.
Vendem-se os mais lindos cortes de cam-
braia de seda com 13 covados cada corle a
6,400 rs. cada um, ditos de cassa de cores a
2,000 rs. ocrtn : na rua doQueimpdo n 19.
Casemiras baratas
Vendcm-so os mais motemos corles de
Abordo do patacho Margar
rida, tundeado defronte do arsenal
de guerra, anda ha a superior fa-
rinha de mandioca, chegada lti-
mamente, de S. Catharina, que se
vender por menos preco que em
outra qualquer parte, para acabar
trala-se a bordo, ou na rua da Cruz
11. 33, com Si Araujo.
Vende se orna por(So de barri*, qua
foram de oleo de linhisa: na rua larga do
Roiario, botica n. 36.
Vendem-se 26 pranches de louro, no
caes do Ramos: a tratar ni rua da Cruz do
Recife, armazem n. 63. No inesmo arma-
zem vendem-se saccas com arroz da trra,
tudo por commodo pre(o, para foiiar cuntas
de venda.
Vende-se superior doce de caj scoco,
em bucetas pequeas, por preso mais com-
modo, que em outra qualquer parte: na rua
da Madre de Dos, veoda n. 36.
Capellas e ramos de flor do Liranja.
Vende-se capellas de flor do laraoja muito
linas com os campetentcs ramos para por
no peito do vestido e por preso mais com-
modo do que em outra qualquer parte, na
loja de miudezas da rua Collegio n. I.
Loncos de seda.
Vende-se tensos do seda de urna s cor
pelo ba>at ditos para pseos de homem : na loja de
miudezas da rua do Collegio n. 1.
Ralansas romanas.
Vende-se balances romanas p'ara pezar
32 titira.", ditas para 25, e ditas por 16, aem
se precizar de pozos: na loja de miudezas da
rua do Collegio o 1.
Manteiga semaal.
NSose tinha descoberto ate boje um meio
de conservara manteiga de vacca sem sal.
Nos p n/o- consumidores, como a bordo dos
navios, s se gagtav3o manteigas preserva-
das a cusa de muito sal. Pelo meio de urna
Na.
Gratifica-se com l8o,ff
Va.noile do dia 22 do pasaado ror.ftf ,,
semcaminhaJos, 3 escravos, sendo nm. ""
ta crlouia, de nome Florinda, orenh.Pr,e'
dada que representa 24 aonoB, tendn.
naes seguintes : denles limados altiir g"
gular.tem o ar desrarcado.a qual'foi J,r re"
cez Joo Lobato fabricante de chapeos t"',
da ruido Passeio.e o molaloBazi|0d Io1
de que represente 19 ennos, espinado .M'"
busso ; levou vestido caiga e camisa de
n-
cadinho azul, a chapeo de couro. lm .
ral do Ico, Antonio mulato de dada d.?-"
annos pouco mais ou menos levou r.i
a de ganga amarella de quadros, |eri*''
do tambem outra caifa de ganga azul 1
os denles limados : pede-se ag autoridad?
uohciaes, ou quem os apprehendr d
levar a rua do Collegio n. 4, que logo L.
ber a quantia cima mencionada
-- Continua a estar fgido desde odian
do passado, o moleque de nome Mimad
cnou o, de idade de 15 a 16 annos, blMaat.
esperto, aecco do corno, estatura reu,,r
pjemllos grandes: ievou camisa de rui!
cado azul, calca de afgodSosinho azul tran
cado.emais alguma roupa. Suppa-aeler
tomado a direcso do Bonito, onda mora
seu antigo Sr. JoSo P. Alves ex airaras da po.
licrarde quem ainda he escrava a mili do rtiln
molequo : roga-se as autoridades lujan, j
appreende-lo, e leva-loa casa de seu Sr o
major Antonio da Silva GusmSo, ni rui iin
pernl n. 64. que ser generosamente recom-
pensado,
BOA GRATIFICACAO'.
Ausentou-se na noite* de 27 de
oulubro passado o mulato Clc-
mentino, de ao annos de idade
pouco mais ou menos, magro, al-
tura regular, tem muito pequeo
111190 de barba e falla muito mansa
quando anda parece que nao p8l
novainvenstlo.quiija ha muito experimenta-1l)cm com OS calcanhares, costuma
daadquirio a certea da perreisSo, pode-se jandar calcado e bem vestido le
em toda a parle do mundo gastar manleiga inil i, ,,e"
perfeitamente conservada fresca sem sal al- .uma irocna (le sua roupa, in-
modo, e com pron1pl1dao'emb?rm-sC00,ou' fa8e,m'ra!l q,Ue ??. "" merCido a *'5 r.8;!
carregam-se cm carrossem despezas' ao 8 Kra"lle 80rl mnl. Par,a cmPrd'
comprador. "u;escolher :na rua do Queimadon. 19.
Vende-se um cario rfe qua-
accommdasOes, feita com muita seguran- caodieiros por mais dclicudos que sejBo,
como he muito prefirivel a qualquar outro
por dar uma luz nnis brilhante, ser mais
durstivn, e seu custo srr mais baralo ; nfi
tem o ebeiro desagradavel que exall o azei-
te delleseassemelha. Ven le-seeni barriz do
16 caadas a 2,100 rs. a caada, no armasen)
de J. J. Tasao Jnior, rua do Amorim n. 35.
Moinhos de vento
com bombas de repudio para regar hortas
d baixas de capim : vendem-se na londie.ui
do llowman Me. Callum, na rua do Rrum
ns. 6.8 n 10.
-- Vondcm-se amarras de ferro: na rua
da Scnzalla nova n. 42.
No aterro da Boa Vista, lojan. 18,
defionte do Tribunal do Com-
mercio.
Continua-sc a vender riscados
escuros, muito fortes, ptima fa-
zenda para roupa de escravos, c pe-
to diminuto preco de 100 rs. o co-
vado, e oulras muiias fazendas ba-
ratissimas.
Jajiatos de tapete.
Vendem-se os bem conhocid.is corles de
taple, paru sapatos, a 500 rs o par: na
rua do Queimadj, loja do sobrai.o amarello
n. 29.
Algodao para saceos.
N !oj do schrairo amarello, a-; quatro
cantos da rua do Que>mailo n. 29, vende-se
al godflo para saceos, por preso multo com-
modo.
Q> ~ Vende-s um grande sitio no lu- 0 gardo Manguinho, que lica defronte Q
0 dos sitios dos Srs. Carneiros, com q
q grandecasa de vivenda, de quatro r
q agoas, grande sen/alia, coeticira, q
q estribara, baixa de capim que sus- X
-. lenta 3 a 4 cavallos, grande cacim- J
X ba, com bomba e tanque coberto }?
J para banho bastantes arvoredos de J^
V fructo : na rua do Collegion. 16,e- JjJ
O gundo andar. v
Q&OQQQt? 0Q00QOO9O90
Jasimiras baratas.
Vendem-se os mais modernos cortes de
casimira, quo ha no mercado, a 5,500 rs.
cada corle, tendo grande sortimento para o
comprador cscolhcr: na rua do Queimado,
luja do sobrado amarello n. 29.
Vinlio de Champagne,
su orioi- qualidado : vende-so no arma-
ba acaio e de gosto molerno. Tem cin-
co janellas de fenle, com grande pixtSo de
ferro ao lado, quatro snlas, Uez qiiurtos,
grande cozinba, com nodos para creados
escravos, estribarla e grande quintal mu-
rado. Acha-se hypothecada aos Srs. Jos
Antonio basto, e Ueane Youle & Companhia
sendo que vonde-si para pagamento destas
hypolbecaDe com o eousonlimeulo dos mes-
mos ore loros hypolheca ios. As pessoas
quo a preteuderem, queiro dlrlgir-ae a
Sr. Jos Antonio Basto, na rua di. Cadeia
do Recife n. 34, qual so acha competenle-
menle aulorisada para o ajuste,
Vende-se o eogenho Lagi Redonda,
nodistricto de porto Calvo, un.a legua cm
distancia dessa villa, do superiores ( -r .-,
tanto de canna, como de mandioca e tudo o
mais; bo composto de grandes varseas.c do
mellior cercado possivcl; acham-sc desmoro
nados os seus edilicios, por isso que tem es-
tado uns poucos de annos de fugo morlo,
melhorando assim cada vez mais es Ierras
para sua produce,,,, vemlo-se a dinheiro,
ou a prazo, o mesmo em prtrmurta de es-
cravos etc. : a tratar nesla cidade com Lino
Jos de Castro Araujo, ua prasa corpo Sanio
n.2, ou com Jos de Barros l'imentel do Re-
g Falco, junto ao passo de Camaragibe,
no seu engenho varsea de Souza.
Vendem-se relogios de oti-
lo cprala, patente inglez : na rua
da Senzalla Nova n. \i.
Vendem-sc ancoras e amar-
ras de ferro para navios : cm casa
de GeoK.enworthy & Companhia,
na rua daCiuz n. a.
No escriptorio de Novaes & Compa-
nbia, na rua do Trapiche n. 34, tem para
vender por preso commodo o seguintes ob-
jeclos enejados ltimamente : chapeos do
chile interinos, linlapara escrever, graxa
om potes para calsado, hnha de roris,.....tus
com palitos enfeitadose panno de linho : a
tratar no mesmo eacrjptorio.
Vendem-se retobos de ou-
ro e prata, de saboncte c de vidro,
Katente inglez .- em casa de Geo
.cnworthy & Companhia, na rua
da Cruz n. a.
Vendem-se ni reos para ca-
vallos de carro e cabriole!, chega-
dos agora : cm casa de Geo Kcu-
worthy k Companhia, na rua da
Cruz n. 2.
tro rodas, muito leve, para um ou
dous cavallos: na cocheira do Mi-
guel Sougei no aterro da Boa
Vista.
Rui casa de J. Keller &. Com-
panhia, na ruada Cruz n. 55,acha-se a ven-
da o excelleulo c superior riliho tic Uu-
cclhii, em barris de 5.', ho muito recom-
mendavel as casas estranpeiras, como ex-
excellenle vinbo para pasto.
Arados de ferro.
Nn fundiso da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
'loemili- superiores.
Na fundiso de C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de canna, todas do ferro, de um modelo e
construcso muito superior
Deposito de cal e potussa.
No armazem da rua da Cadeia
doHecife n. 12, ha muito supe-
rior cal de Lisboa, em pedra, as-
sim como potassa chegada ultima-
mente, a precos muito rasouveis.
FAlUNUA OEMANl)lC\.
A mellior farinha de mandioca
que ha no mercado, vende-se a bor-
do da sumaca S. Antonio, entrada
de S. Catharina m dia 20 de no-
veinbro,fundeada confronte a e.sca-
dinha do Collegio: trata-se a bor-
do da mesma sumaca, ou na rua do
Vigirio n. 19, segundo andar, es-
criptorio de Machado tk Finheiro.
Cheguem freguezes entes que-fl'e
acabe.
Noarmazem de Martins & Irmilo, na rua
da Cruz do Recifo n. 62, cbegaram ultima-
mente os seguintes gneros uo muito boa
qualidado: queijos londrinos, pre/.untos
inglezes e do Porto, conservas inglesas e
francesas com diiferi nl.'S frutas, lulas de
salinSo, (lilis do ervilhas a surdinhas de
Nantes, (lilas com bolacliinbas itiglezas ,
n 1 ni"l;iila de Lisboa, mnslarda, o muito a-
creditadoct' UeS. Paulo, ciixascom muilo
superiores masas linas para sopa, gigos com
cbampanhe, vinbo de Xerez, Madeira, Bu-
collas el'oit, garrafas com exlrait de ab.
stnthe e outros muilos gneros, ludo poi
mdico preso.
Velas de carnauba em libras.
Vendom-ss velas de carnauba imitando
espermacete : na loja de saleiro da rua da
Cadeia do Recife n. 36.
MOB1LIAS D FElittO.
Vendem-se ricas mobilias de fer-
ro, como canaps, mesas, cadoiras
com braco c sem elle, e muilos ou-
tros objeclos de ferro : no arma-
zem de Kalkmann Irmaos, na rua
da Cruz n. 10.
Frezuntos
Vendcm-ae prezuntos imericanns, muito
superiores o por barato preso : no caes da
Alindola, armazem defronle da arvore.
Vende-se um churo para nllicia de
cavallaria. um relogio patente suisio e umi
Vendem-sn no armazem da rua da Ma-
dre de Dos n. 31, peneiras de rame, pro-
prias para padaria e rilinac.oi, azcilonas,
milho, leijTi ., ceblas o btalas, ludo por
preso commodo.
S. Flix.
Chegou uma nova porsilo dos bem acre-
ditados eli-n iitus, e se vendem nu rui do
Queimado n. 9, por 3,000 rs. a caixa.
Vende-se uma preta sadia, vendedeia,
cozinheira, lava hem e faz o mais arranjo de
casa, por 320,000 rs : na rua larga do Roza-
rio, loja n.35.
Vende-se um escravo pardo, de 15 an-
nos de idade, ptimo para pagem, sem vicio
alguc o que se alianea : em Fra de Portas,
casa n.86.
Vcnham ver.
gum. Cbjecto de primeira neccssidade para
a arte culinaria e para a meza, a manteiga
sem sil he indispensavel pira osduentete
eonvalesrentes, puis he formslmente pres-
cripta pela homoopilliia ; e neste ultimo ca-
si ella turna-so tanto mais Ipreciavel quan-
lo he pura de qualquer substancia que a
possa alterar nos seus ben'gnos effeilos. Fi-
nalmente podegastar-se tal quil nos paizes
productores. Na Havana e as Anlilhas fran-
cezas esta iiivoiioflu foi recebida com grali-
d", pois era de ha muito lempo apetecida.
Em l'ei n iiiilnii'o, que 11 "lo cede em bom
gosto a outro paiz, uo duvidamos que seja
reconhecido o seu merecimento. Recomen-
di-se 1 manteiga sem sal as pessoasque gos-
19o de pas.s.,i- bem : ha toda a certeza de
quedepois que a tiverem provado no que-
rerSo mais saber de manteigas salgadas pa-
r seus almocos e pira seus chas. Acha-so
a manteiga fresca sem sal por preso mdi-
co no botequim francez da rua nova, e na
venda de Fontes, & Irnio : rua di Cadeia do
Recife.
Vendem-se 7 saccas de milho, a 2,000
rs cada uma, e tambem aluga-so no mes-
mo segundo andar, uma sala e uma alcova,
tudo pintado de novo, e por preso commo-
do : om Fra de Portas, confronto o hospi-
tal de 0111 mi,.1 n. 145.
-- Vende-se rap de Lisboa em frascos,
ehegado agora na barca Ligeira, os genito-
res freguezes, que estSo arn.turnados a to-
mar a boa pilada, uo deixarSo de o man-
dar hincar : ao largo da assembla n. 4.
Venda-se urna Inverna, na rua Direita
n. 21, em um dos melhores lugares, por ser
na esquina, que volla para a l'enha, com os
fundos a vonlade do comprador : a tratar
na dita taverna, ou na rua de Santa Rita nu-
mero 97.
Fech india,
Vcndcm-se batatas cm canastras, com t
arroba e tanto, a 610 rs., eem libras a 20
rs. : na rua Direita, venda n. 76.
-- Vendem-se 3 nscravas mosas, crcou-
las, de idade do 18 a 20annos, cozinbam e
engommam liso; 1 casal de escravos de mi-ia
idade; 1 mulata mosa, do bonita llgura, co-
s" e engomma lis; uma dita de meia idade;
2 escravas de meia idade, e i escravo de
campo : na rua Direita n. 3.
Attencao.
Vende-se um excellenle cabriolet com
bom c 1 va I lo tortador:na cocheira da traves-
sa da iua Bella n. 9, tambem na mesma co-
por preso
clusive calca ejaqueta de panno
fino azul, e alm do mais algum
calcado, um par de borzeguins par-
dos, com botSes de madreperola
brancos, e consta que levara um
cavallo, que -naquella occasiSo a-
lugra, o qual tem os signaes se-
guintes : caslanho, barrigudo,
cimas pretss, gordo e tem um ia-
Iho em uma anca; he provavel que
queira passarpor forro, he boliei-
ro e escravo de Luiz Antonio Si-
queira : quem da Cadeia do llecife n.ai, quese-
ra recompensado.
100,000 rs. de gratificacSo.
Roga-se as autoridades policiaes, que cap-
turen), o escravo Manoel, pertencante a So-
iiasi 11I11 Marques do Nascimento, fgido des-
de o dia 8 do mez de sotembro. Foi
elle escravo do Sr. Gabriel Affonso Itiguei-
ra, i quem foi comprado ltimamente : tem
28 annos de idade pouco maisou menos, cor
fula, com falta de dous dentes na frente, e
de cabellos do lado esquerdo da cabesa, que
se torna bem visivel por parecer uma co-
rda, tem olhos pequeos, beifos grossos,
sem barba, baixo, corpo regular, be oflicial
do funileiro. Trajava jaqueta de riscadu
azul, caifa branca, camisa de madapoln, c
levou uma trouxa, contendo calsasejaque-
tas : quem o apprehender levar rua di
Aurora n. 62, recebera-a gratilic ieo pro-
mol na. Suspeita-se que fosse seduzido, e
por isso desde j protesu-sacontra quemo
conservar em seu podor.
Desappareceu na lardado dia 13do pas-
sado um escravo por nome Joaquim ten es
signaes seguintes: boa estatura, representi
tor 35annos de idade, fall desemlmracadi,
pos grandes, tem lodosos dentes da frentl,
nariz chato, quando anda osla la as juntas dos
joelhos, levou camisa de algodSosinho bran-
co, caifa do dito azul, este escravo foi do
malo; quem o pegar leve-o a typograpbia
imparcial a fallar com a viuva Roma que se-
r recompensado.
Desappareceu no dia domingo, 12 do
passado, um preto que representa tor 43 a
50 annos de idade, de nacSo esfinge, biixo,
cheio do corpo, sem defeilo algum no corpa,
levou vestido, caifa de cisemira azul clin
de quadrose j velha, coleta desetim preto
Vendem-se na rua do Queimado, loja n,
17, chapeos ,| sol do seda cor de caf su- ^"iT^'o tmTSSu*
periores a 5,500 rs corles de casemiras de cmodo
cores escuras a 3,810 r., chitas francezis Na'|0ia .1-.ir,,|n i,.av. j. rn,n
llar TS Cr,;S mo;!flrilasa cale, dos de todas, as q Saudades, Unte"par iOipolao. chapeo de sed. preto; presume-sa
l?flJLL?] S S" declmi,r,n "." """' Sr'. coro para homens, meninos e meni- | que anda pelos arrebaldes desta cidade, po.s
'drl^^A n89,SS,D COm Dt Vende todosLKzar.deser do sertilo nflo sejuig. que le-
razen las por preso muilo barato. Dam-ae
as amostras com penhores.
Um sobrado de dous andares
Vende-se um sobrado do 2 andares e so-
llo com bom quintil morado.D. 21, na rua
os pertences para os ditos, tudo avontade
dos compradores, por rommodos presos.
A'elles freguezes antes quo se icabem.
Meios botina de bezorro a 2,500 .uo ha
couza mais barata : na travessa do Corpo
Santo loja de calsado n. 29.
nha voltado : roga-se portanto as autorida-
des policiaes e capitSes de campo, a captura
do mesmo, le va mi 0-0 a rui do Vigario n. II,
lerceiro andar, que se recompensar.
Desapareceu no dia 8 do passado, da
villa do Cabo, o escravo cabra de nome Mi-
estrenado Rozrio : a fallar coiii Jos Maria '-** *^"* **f>***$ffS5 Suel' rePr*senU ter 80 a 35 annos pouca
p'acid"- Charutos de Havana, puro*
Vende se em casa de Kalk- flirn0) dc uma nova |abrica |
mann Irmaos, na rua da Cruz n. i denominada Fanetola, em 9
10, um ptimo piaa dejacarand caixas ricamente orna-tas,
com exrcllenles vozes, ehegado ul- propria- para se fazer mimos:
limamente. 1 a loja da rua Nova n. 2. {
Vende-se em casa de Adam- av***.*****.****!****.*-*''
maisou menos, com os signaes seguintes
pouca barba, rosto comprido, beifos gru-
aos, bocea regular, bastante gago, estator
ordinaria, um pouco cheio do corpo, e ca-
bellos encarapinhados : quem o appreender
e levara casado Dr. juiz municipal do mes-
mo lugar ac ma, ou a do Sr. Antonio Joa-
!quim Huarquem ruado I.ivramento n. 27,
sera generosamente gratificado.
[ -- Desappareceu na noite de 30 do mez
lindo, de bordo do brigue Feliz UaiJo, um
do Traniche n Ai' hann de al VenJe-seuma obrigafflo, ,Te passado por |"X'n"nKelr0'ade?0me,,0aqU!n',d
uu iiapiciie n. qi, panno ae al- ciaudinoVIos Santos LoesCastello Brinco. inacSo 'nibique, de iJide de 30 o Uintos
godao para saceos de assucar mestro de primeiraa letras na villa do Cabo. an". "J"". g'osso do corpo, cor fula e
muito superior e barato dl <>""lU e 0,700 rs.; na rua da Cadeia |8?m b.arb"levo" vestido cala ecamisada
superior e oaraio. do Recifo n. 8 Insoado: quem o pegar, leve-o a bordo do
Vendem-se selins e sillioes Ven ie-se urna carroa nm hnm A.i,in idlto figuo, ou a casa deAmorim Irmflos,
na rua da Cadeia n 30, quo ser bem recom-
pensado.
son Howie & Companhia, na rua
Faz-se todo o negocio.
silliucs
inglezes de cnuro de porco, da pri-
meira qualidide : em casa de A-
damson llowio ck Companhia, na
rua do Trapiche n. 42
DFVEKI5 DOS HOMENS,
a 5nn rs.
di qianlia de 180,700 rs.; na ru
do Recifo 11. 8
Ven Ie-se uma carrosa cm bom estado :
m rin Nova, luja de chapel iro de Guilhor-
ine Weliau-pn n. 46.
sai Kilkmjuu Innflos Rua da Cruz, n. 10 cama do a/aiasflo : na rua Nova n. IC.
Escravos fgidos.
No dia 23 de novembro'do meio di*
para a larde, fugio da povoaslo do Affogado
da casa d coronel Jos Vende-so este compendio aprov.do par. SW* VZtT^T^r ** ^ d
as aulas, em meia eocadernaclo. a 500 rs {? l'g .f"'10"',J.a. ?""."' 8''. bistan-
cada um: na livraria n a. nr.c rt t0Prel0> "ltura regular, pes muilo bem fe-
InoDendenci" P "' tos' flMm u P^hender leve-o na casa el-
il i i m" doannunciante, ou na do seu procura-
He baratissimo, com a vista se po- dor no pateo do Carino n. 16, que ser gra-
de conhecer, na rua da Cadeia, l'ncado-
loia de niiiirler-ii n m -Desappareceu no da 29de novembrodo
v-nJ,r. nVUC,e"8 n-..,7; correle anno uma prata por nome Luzia,
uiiiiom se iuvas de pelica brancas o de de nasSo casange,representa ter 36 a 88 an-
cor, para senhora, a 640 rs. ; ditas de soda nos pouco maisou menos com os signaes
brancas o pretil, a 500 rs. ; ditas de lio da seguintes, baixa secca do corpo, ps e milos
Escocia^ a 400 rs.; ditas da mesma qualida- pequeos, e uma das orelhis rasgadas le-
psr- vou vestida uma saia de nscadinlio encarna-
e e.ilioi.o, e pao da costa quem a
- Desappareceu da fabrica decaldelreiro
da rua do Brum n. 28, no dia 17 do passado
me?, do novembro o preto Antonio, de na-
1,'o cabinda, que representa ler 45 annos de
i lade, ilturi regular, cheio do corpo, cari
abocotada, muito cabelludo nos peitos e
iii Lisiantes cabellos brincos na cabes,
e um pouco carrancudo; he odlcial decal-
deireiro, foi encontrado as Cinco Penlas, e
seguio o camlnho dos Afogadoi, e he natu-
ral que seguase mais adianto por tor levado
toda a roupa que tinbi, a por j ter sido
pegido do oulra vez na freguezia da Esci-
da : rogi-se portaoto, a quem o pegar de
leva-lo na dita fabrica cima, que ser re-
compensado.
AttencSo.
de, a 200 rs. cada
lie baratissimo, com a vista se p- d',
de conhecer, na rua da Cadeia, dTq
loia de miudezas n. in. "do.
loja de miudezas n. 17.
Vendem-se luvas de pelica paa homem. a -Desappareceu no dia 29 de novembro
800 n.; ditas destdi de cdr. a 610 rs dis P-M preta Mana de Angolla, baisi, fulla, e
de flo da Escocia, a 400 rs.; dilas da mesma r.ePr,esenla '8r da 20 3 nnos, tem os den-
qualida. c coai mofo, a 2U0 rs- JUas bran- "enle ahrlos. urna cicatriz no meio da
cas do algodao, a 240 rs., e dita's de cor com .' Com ,l*u,l.s cocos ; levou vestido de
mofo, a 100 rs. cada par c,llt' ,0!t" "Vinliada e panuda costa, o uma
Farinha Fonlan gamella para fzT as compras : quom a pe-
h.H. ,.n ontana, g,r |UVC.a na ril, Mtroi d, ozarjo vendl
Sn JuniSr m "'i""* 8'"C,M 'le *7' ,0 f0,tar ''l""' *: rni,quo ser bem
soJumor, na rua do Amonm n. 35. recompensado.
Desappareceu do engenbo Jussar da fre-
guezia deSerinlioem uma escrava por nome
- pe-Mana Tliereza, de 48annos de idade, esla-
levona rua do mondego n. 48, ou na rua tura rogular, cor fulla.olhos grandus e abo-
Queimido n. 2, qua sera recompen- luidos, falta de cabellos no alto da cabesa,
aleijada do dedo minim da m.lo esquerda,
e ps apapagaiados: intituli-se' forn, e ne-
gocia com peixe tendo sido vista pela ri-
beira.c pelas imediafCes do viveiro do mu-
uiz onde est acoilida, e diiom qua aman-
cebada com um soldado de artilbaria : gra-
tilica-se bem a que n a levar ao segundo an-
dar do sobrado u. 2! por traz do llieitro
velbo.
TviMir ''l.F.nr F\:
PUa BflpU


Full Text

PAGE 1

FKCHINCHA. Anda existe urna pequena quan(¡a das superiores colxas de liulio, do nielhor gosto que tein apparecido DO mercado, pelo barato pre90 de 10,000 rs. cada urna : na ra do yueimado, loja n. 17 — Vendem-se cabos de linlio e' de manilha: ein casa deGeo Rea-; wo ithy 8c Companbia, na ra da! Cruz n. a. AGENCIA Attencao aos habjtantesda ornarda fundidlo Low-Moor. cadeGoianna RA DA SLN/ALLA .NOVA N. 42. -Vndese polo barato preso de 1:000,000 Neste estabeleeimento conlioutroci-se por esclavos um <1i melhorea Diuhciio vista. Vendem-se pelo custo selins inglezes,forrados do couro de porco, ditos de borranha, ditos desoa com estufo, sillones para montara de senhora, cabezadas rolicas, ditas chatas de lustro, esporas (loas de metal brinco, estrilos de metal branco, ditos de (o : na ra Njva n. 88, loja deseleiro. Figuras e vasos para jardim. Cbegaram do Porto as melhores (¡guras e vasos para jardim, de louca fabricada naquelle pv< z ; aa amostras estam patentes para quoni quizar comprar : na na da Cadcia do Recife o. 38, ou na ra do Trapiche n. 40, segundo andar. — Vendem-se verdadeiros charutos de Havana, os mais superiores que teto vindo a esta praca : prezuntos de Westphalia, lingnas seccas de Buenos Ayres e lentilliao em garra tes, tudo ebegado recentcmente: noarmazem de VV.Baucli na ruada Cruz n. |5. — Vende-se por preso commodo urna com moda em bom uso: na tua do Apollo, armasen) n. 34. CIH'BRAZILEIRO. Vende-se cha brasileiro em latas de libra, a 2,000 rs. cada urna; quem, considerando iue o cha da lodia he preparado com o ail, esecco dentro de rasillas de cobre, o por consequencia impregnado do materias venenosas, que aflectam a saude, n3o preferir de certo o cha brasileiro, quo lio preparado de um modo muito simples, c seceo sobre laminas de ferro,tornando-se porisso inesmo muito mais saudavel : no pateo do Collegio, rasa do livro azul. — Ven'Je-sc, por preco commodo, fumo em olha, para charutos de priuicira e segunda qualidades, macella chegada ultimamente do Porto, e cal virgem de Lisboa tambem desembarcada poneos das : a tratar no armazcm de Das Ferreira, no caes da all'andega, ou com Novaes Ct Compaahia, na mu do Trapiche n. IJ. .. moradas do caa de p.edra c cal da cidade de — Vendem-se silbes de couro nua a naver um completo sorttGoianna. citas na ra do mel 0.23, com r! nnrro liara nmnliria forte I Vende ., por j ¡W )0,000 rs., o sobrado de tos de Havana puros a lOgOOOrs, a caixa. ^llegado ltimamente da I'mropa dous andares esotfio, com trapoin elojirePOTASSA DA UUSSIA. !e com excellentes vozes : trata-C |P rlill> com '" cacimba na chagSoeero No armazem de Joi Teixeira na casa dos mesmos. jlidadei, bem cercado na r u" da Cruz n. 4, algodao transado ila-i^i ,. • r .. „ j-rr jrida, por preso comquellarabrica, muito propno para saceos de, jompaniia, narua da Uruz n. 33, tratar de, assucar e roupa de escravos, por preco comvendem-se marroquins superiores, rarS ""Em casn de J. Keller & V doS de *"* P e, U m IMmoidatxposicio. 4 S Na loja do sobrado amarello nos iiua-T(§ tro cantos da ra do Queimado n. 29 4 9> tem para vender u nova fazenda para 4 tf vestidos do senhora, denominada mi-5 41 mosda expsito, fazenda de dilica4 %  R dissimos gostos e cores muito lixas <$ 4} pelo diminuto prejo de 440 rs. o co4 a>.) vado. 4 %  MjfiMMi^tifSa^. a^.^.^.^. ^ a 1 f 1 -* %  #' &f (.'hita larga Iranceza, a a4ors. Voude-se chita franceza larga padrees modernos, escuros e claros, e cores lizas, pelo baratlssimo preco de 240 rs. o covaduj tendo grande purc3o para esculhcr: na loja do sobrado amarello, nos quatro cantos ua ra do Queimado n. 29. Sedas lurta cores, a 1,70) rs. o ovado, por lao diminuto preco, que mdei xar deler um vestido de seda pira a esta ? na ra do Queimado n. 10, vendem se as melliones e bonitas sedas furia cores, para vestidos de senhora, meninas e manteletes, a 1,700 rs. o covado ; damse as amostras, ou mandam-se as pecas em.casa para mellior o comprador escolher. — Vendem-se portos, porlas e sacadas de podra com soleiras de granito, depositadas defronle da fundiccSo doStarr,em Santo Amaro :a tratar na ra da Cruz do Recife D.5I. -Vende-se a grande casa terria, sita na ra do tlondcgo, n. 56, pertencenlo a Rita Mana da l'aixiio, He urna das rr sis melhores construidas nesta cidade, tendo grandes Hasto, na rui do Trapiche n. 17, ha para vender, nova e superior potass.i da liussia, chegada recen %  teniente. Toalhas e guanlanapos. Na loja do sobrado amarello, nos quatro cantos da ra do Queimado 11. -'9, tem para vender um grande sortinienlo de tuallias de diferentes lmannos, c om pe(a que se vende em varas; assim como um glande sortimento de guirdanapns de diversos lmannos e quididades, cquetudo se vende por prego do agradar ao comprador. Corles de cb ta e cassa. Continua a liavcr graudo sortimento de cortes de vestido do chita, com la covadus om um so pedaco, a 2,000 rs.; ditos de cassa de cores, filas e bous psros, a 2,000 rs.: na loja do sobrado amarello, na ra do Queimado n.2. Arados de ferro, Vendem-sc arados de diversos modelos, assim como americanos com cambSo de sicupira e bracos da ferro ; na fundicSo da ra do Brum ns, 6, 8 e 10. — Vendem-se velas de espermacele, om caixas.de superior qualidade : em casa de I. keller & Companhia: na ra da Cruz numero 55. Deposito de cal virgem. 1 111.1; ¡ A me ¡ni, vendem barris com cal em pedra, rbegada ltimamente de Lisboa, na barca a alargarida, por menos preso do queem outra qualquer parte: na ra da Cadeia do Itecifen. 50. Bombas de ferro. Vendem-se bombas de repuxo, pndulas e picota para cacimba : na ra do Brum ns. C, 8 e 10, (undicao de ferro. Farinha de mandioca. A mais nova e mais barata farinha do mandioca que ha no mercado, vende-se na ra da Cruz do Recife, armazcm n.13, de J080 Carlos Augusto da Silva. Azeite de carrapato da fabrica de Arauj:>& Filhos, no Fenedo. — Kste azeilo pela perfeicdlo cm que he fabricado nao s serc em lugar do azeite doce c de coco, para qualquer qualidado de Principios geraes de economa publica e industrial. Vende-se este compendio, approvado para as aulas de primeirai letras, a 480 rs.: na prasa da Independencia, livraria n. 6 e8. %  Vendem-se cera em velas fabricadas em Lisboa e no Bio de Janeiro, em caisaa de 100 libras sortidas, de 1 a 16 em libra, etumbem de um s tatuando, por menos preco do que em outra qualquer parte : trata-se no escriptorio de Machado & Pinbeiro, na ra do Vigario n. 19, segundo andar. Gasa uc commissSo de escravos. Vendem-se ccravos e recebemse de commissao, tanto para a provincia como para fra delta, para o que se ollerece nimias garantas a seusu'onos .• na ra da Cacimba n. Ii, primeiro andar. Talxaa para eiigrcnlio. Na fundisflo de ferro da ra do Rrum, I acaba-se de receber um completo sortimen-l lo de laixas de 3 a 8 palmos de bocea, as' quaas acliam-se a veml chilos proprios, no Recife na rua do Apollo n.29: na mesma rua 11. 31, se dir quem vende. — Vendem-se as seguinles o liras: —geographia por C'hanchard eA.Aluutz, com rica encaderna(_ Ti %  •. 22 mappas e 3oo estampas ; Kaphael, l'aginas di Juventude por A. de Lamartine, versSo Fortuguezi; Tratado Commcrci ilj oraculo, ou o livro do> Destinos : na ruada Cruilt. io, primeiro andar. — Vende-se um mulequo crcoulo de bonita (¡gura e muito boa conducta, s se vende para a provincia ; ua rua da Cadeia de Santo Antonio n. 14, s •gnu ¡o andar. — Vende-se milhu novo em saccas de alqueiic raso, a 2,500 rs.: na coxeira do Forte do Mallos. — Vende-se urna negra mosa, propria para o serviso de campo 1 a tratar ua rua da Cruz 11. 8, lerceiro andar. — Vende-se um selim em bom estado, com todos seu9 pertences : na rua do Rangcl n. 38, segundo andar. Cambraia de sedi. Vendem-se os mais lindos cortes de cambraia de seda com 13 covados cada corle a 6,400 rs. cada um, ditos de cassa de cores a 2,000 rs. ocrtn : na rua doQueimpdo n 19. Casemiras baratas Vendcm-so os mais motemos corles de — Abordo do patacho Margar rida, tundeado defronte do arsenal de guerra, anda ha a superior farinha de mandioca, chegada ltimamente, de S. Catharina, que se vender por menos preco que em outra qualquer parte, para acabar trala-se a bordo, ou na rua da Cruz 11. 33, com Si Araujo. — Vende se orna por(So de barri*, qua foram de oleo de linhisa : na rua larga do Roiario, botica n. 36. — Vendem-se 26 pranches de louro, no caes do Ramos: a tratar ni rua da Cruz do Recife, armazem n. 63. No inesmo armazem vendem-se saccas com arroz da trra, tudo por commodo pre(o, para foiiar cuntas de venda. — Vende-se superior doce de caj scoco, em bucetas pequeas, por preso mais commodo, que em outra qualquer parte: na rua da Madre de Dos, veoda n. 36. Capellas e ramos de flor do Liranja. Vende-se capellas de flor do laraoja muito linas com os campetentcs ramos para por no peito do vestido e por preso mais commodo do que em outra qualquer parte, na loja de miudezas da rua Collegio n. I. Loncos de seda. Vende-se tensos do seda de urna s cor pelo ba>at¡mailo n. 29, vende-se al godflo para saceos, por preso multo commodo. Q> ~ Vende-s um grande sitio no lu***$ff§S5 S uel re P r *senU ter 80 a 35 annos pouca p acid Charutos de Havana, puro* — Vende se em casa de Kalk• f lirn0) dc uma nova |abrica | mann Irmaos, na rua da Cruz n. i denominada Fanetola, em 9 10, um ptimo piaa dejacarand caixas ricamente orna-tas, • com exrcllenles vozes, ehegado ul• propriapara se fazer mimos: • limamente. 1 „a loja da rua Nova n. 2. { — Vende-se em casa de Adam•av***.*****.****!****.*-*'' maisou menos, com os signaes seguintes pouca barba, rosto comprido, beifos gruaos, bocea regular, bastante gago, estator ordinaria, um pouco cheio do corpo, e cabellos encarapinhados : quem o appreender e levara casado Dr. juiz municipal do mesmo lugar ac ma, ou a do Sr. Antonio Joa!quim Huarquem ruado I. ivramento n. 27, sera generosamente gratificado. [ -Desappareceu na noite de 30 do mez lindo, de bordo do brigue Feliz UaiJo, um do Traniche n Ai' hann de al VenJe-seuma obrigafflo, ,Te passado por |"X' n n K elr0 'a de ? 0me ,0 a „ qU n ', d uu iiapiciie n. qi, panno ae alciaudinoVIos Santos LoesCastello Brinco. i nacSo 'nibique, de iJide de 30 o Uintos godao para saceos de assucar mestro de primeiraa letras na villa do Cabo. ¡ an ". "J"". g'osso do corpo, cor fula e muito superior e barato dl <>"" lU e 0,700 rs.; na rua da Cadeia | 8 ? m b arb l evo vestido cala ecamisada superior e oaraio. do Recifo n. 8 Insoado: quem o pegar, leve-o a bordo do Vendem-se selins e sillioes Ven ie-se urna carroa nm hnm A.i,in %  i dlto figuo, ou a casa deAmorim Irmflos, na rua da Cadeia n 30, quo ser bem recompensado. son Howie & Companhia, na rua Faz-se todo o negocio. silliucs inglezes de cnuro de porco, da primeira qualidide : em casa de Adamson llowio ck Companhia, na rua do Trapiche n. 42 DFVEKI5 DOS HOMENS, a 5nn rs. di qianlia de 180,700 rs.; na ru do Recifo 11. 8 — Ven Ie-se uma carrosa cm bom estado : m rin Nova, luja de chapel iro de Guilhorine Weliau-pn n. 46. • sai Kilkmjuu Innflos Rua da Cruz, n. 10 cama do a/aiasflo : na rua Nova n. IC. Escravos fgidos. — No dia 23 de novembro'do meio di* para a larde, fugio da povoaslo do Affogado da casa d coronel Jos ltura regular, pes muilo bem feInoDendenci" P "' tos fl Mm u P^hender leve-o na casa elil i • %  • i m doannunciante, ou na do seu procuraHe baratissimo, com a vista se podor no pateo do Carino n. 16, que ser grade conhecer, na rua da Cadeia, l ncado loia de niiiirler-ii n m -Desappareceu no da 29de novembrodo v-n J ,r. !" n V UC,e 8 n -.. 7; correle anno uma prata por nome Luzia, uiiiiom se iuvas de pelica brancas o de de nasSo casange,representa ter 36 a 88 ancor, para senhora, a 640 rs. ; ditas de soda nos pouco maisou menos com os signaes brancas o pretil, a 500 rs. ; ditas de lio da seguintes, baixa secca do corpo, ps e milos %  Escocia^ a 400 rs.; ditas da mesma qualidapequeos, e uma das orelhis rasgadas lepsrvou vestida uma saia de nscadinlio encarnae e.ilioi.o, e pao da costa quem a Desappareceu da fabrica decaldelreiro da rua do Brum n. 28, no dia 17 do passado me?, do novembro o preto Antonio, de na1,'o cabinda, que representa ler 45 annos de i lade, ilturi regular, cheio do corpo, cari abocotada, muito cabelludo nos peitos e • iii ¡Lisiantes cabellos brincos na cabes, e um pouco carrancudo; he odlcial decaldeireiro, foi encontrado as Cinco Penlas, e seguio o camlnho dos Afogadoi, e he natural que seguase mais adianto por tor levado toda a roupa que tinbi, a por j ter sido pegido do oulra vez na freguezia da Escida : rogi-se portaoto, a quem o pegar de leva-lo na dita fabrica cima, que ser recompensado. AttencSo. de, a 200 rs. cada lie baratissimo, com a vista se pd ',¡ de conhecer, na rua da Cadeia, dTq loia de miudezas n. in. • • %  "do. loja de miudezas n. 17. Vendem-se luvas de pelica paa homem. a „ -Desappareceu no dia 29 de novembro 800 n.; ditas destdi de cdr. a 610 rs • dis P-M preta Mana de Angolla, baisi, fulla, e de flo da Escocia, a 400 rs.; dilas da mesma r e P r esenla 8r da 20 %  3 nnos, tem os denqualida. c coai mofo, a 2U0 rsJUas bran, enle ah rlos. urna cicatriz no meio da cas do algodao, a 240 rs., e dita's de cor com .' Com ,l u,l s c ocos ; levou vestido de mofo, a 100 rs. cada par c,llt ,0!t "Vinliada e panuda costa, o uma Farinha Fonlan gamella para fzT as compras : quom a peh.H. ,.n¡ !" ontana, g r | UVC a na ril Mtroi „ d „ ozarjo vendl Sn JuniSr m "'i""* 8 '" %  C,M 'l e '• %  !" "• 7 ,0 f0,tar '' l ""' : rni,quo ser bem soJumor, na rua do Amonm n. 35. recompensado. Desappareceu do engenbo Jussar da freguezia deSerinlioem uma escrava por nome pe-¡Mana Tliereza, de 48annos de idade, eslalevona rua do mondego n. 48, ou na rua tura rogular, cor fulla.olhos grandus e aboQueimido n. 2, qua sera recompenluidos, falta de cabellos no alto da cabesa, aleijada do dedo minim da m.lo esquerda, e ps apapagaiados: intituli-se' forn, e negocia com peixe tendo sido vista pela ribeira.c pelas imediafCes do viveiro do muuiz onde est acoilida, e diiom qua amancebada com um soldado de artilbaria : gratilica-se bem a que n a levar ao segundo andar do sobrado u. 2! por traz do llieitro velbo. TviMir ''l.F.nr F\: PUa BflpU



PAGE 1

—^ Anno XXVII (Juai ta fe ira' 3 DIARIO DE de Dezfim!ro de 185! N. 274. PEMAMBIIGO. purgo DA UBcmrglo. PMIMINTO ADUNUDO. pir trimestre Por eraetre Por inoo ••••• %  • • .••... PlOO DBNTPO BUTBIMSTBI. Poi quartel %  T0TI0I AS DO IMPERIO DI As DA SCMAK1. AUDIZWOIAS. 4/0 00 8/000 le/vOo 4/500 Para • %  •• %  > deNovbr. Maranhao 19 de dito Cer..: S d dito. Parahib. 22 de Nobr." Minas... ¡Sdcoetbr. S.Paulo. 3 de dito. R.de J., i. de Novbr. Baha... 17 de dito 1 Seg. S. Eloy b. S Tere. S. Adrlo e P. 5 Ouart. S. Frrnclsco X vieran, daa Indias Qulnt S. Osiuundo. t> bul. S.Ueraldo are. 6 Sab. S. Mcolio b., 91. Cronista e Dativa 7 Ooni. 2.* do advento S. Ambrollo. luitodc Orphftoi i.ei.is 10 horas, i. ira do eivel. 3. cb\ ao meio-dia. Fasenia. 3. e 6. i 10 hora. 2. vara do civil. 4. e sbados ao inelo-d Rtlacio. Tercas e sabidos. iramoElDM. Crescente i 30, a I horas e 5.') minutes da ni Cbeia a 8, a 1 hora e 8 minutos da t. Mingoante 15, as 3 horas o (> minutos da m. Nova 22, a 1 hora e 14 minutos da larde. PRC Aat AB %  BOJI Primcira a 1 hora e 18 minutos da tarde. Segunda I hora e 42 minutos da manha. PARTIDAS DOI CORElOf. Goianna e Parahiba, is segundas e scitasfeiras. R-io-Crande-do-Norte, todas as quintas-felras aomelo da. Garanhunse Bonito, i 8 e 23. Boa-Vista, e Flores, a 1.1 e!8. Victoria, s quintas-felras. Olinda, todos os das. NOTICIAS 8TRAKGEIRA. Portugal. 14 de OntbijAustria.. Hespanba. 8 de dito Sulssa. .. Franja... 8 de dito Succla... Blgica... & de dito (Inglaterra Italia.. .. 3de Outbr F..-Unidos Alemania. 5 de dito Mxico... I'russia... 3 de dito. California Dinamarca 3 de dito Chili. Russfa... I de dito huenos-A. Turqua. 21 de SetbrjMontevIde 3 de Outbr 3 de dito. I de dito 9 de Outbr. 24deSetbr. 15 de dito, 30 deAgosto 26 de Abril. J e Cetb. o 6 de dito. CAMBIOS SE 2 DI DIIIMBIO, Sobre Londres, a 28 3; e 29 d. p. lfOOO Pars, 333 por Ir. %  Lisboa, sera tranaacedes. METAES. Ouro.—Oncashespanholas.... a Hoedaa de 6/400 velhaa. 16/000 a • de 6*400 novas. 16/000 • de4/rjC0 9/000 a Prata. — Patacdes brasilr iros.. 1/040 a Pesos columnarlos... 1/920 a Ditos meiicanos 1/7*0 a Firme ueoo 16/200 16/200 9/100 1/910 1/810 1/7S0 Xt/3X34M.'?WIUl+,ll)MRI> IH1IIHH EXTERIOR. CORRESPONDENCIA DO DIARIO ¡DE PERNAMBUCO. Lisboa, 31 de outubro. Nao hs ejemplo, em Portugal, de um Ira fego eleitorsl semelhiiilc ao que actualmente estamos presenciando Desta voz paroce-no que nSo Tora neaessirio a cre(3o de tantas commisses, como as que se leem instalado em cada conselho, em cada freguezii, e n'alguns bairov em cada ra, para havero uiuvi ment e fervor quede todos leapossou desta vez. O proprio ministerio, que pela nova lei se devia abslerde tola a intervengo eleiloral expediu a todos os governadores civis una circular areservaja,que fui iu liscrelamenle publica la por um jarnalldo Porto,na qual recommendava que a elei^So recaisse em deputados moderados, monarchistas, e q' s houvessemdereformarosarlizos da Garla q' pelo governo fossem propost >s e conclua pedindo urna especie deinquerilo sobro as pessoas dos dilTerentas districtos quo reuniam estas conliccOes, e sympathias publios que Ihe grangeassom os votos na prxima eleicllo. Como he de ver, esta circular, t3o inhbilmente formulada, c j de si suspeita por sor confldeneial reservada ou occulta, como Iba quizerem chamar, provocou as censuras da imprenss, tanta progressistacomo cabralislas, por tcmerotn ambos as influencas minisleriaes que sSo sempre as mais poderosas, em os ministro nllo observando a le. Esta circular foi escripia e assignada pelo ministro do Reino. Rodrigo da Fonseca. Cs oulro ministros (iecramse ilheios a este acto. O partido progrosNo Porto, por onde o governo conta fazer eleger os seus deputados, lio que parece qui ha discordancia com os progresistas. O Jornal do Pon o, que era defensor e creatura de Silva Cabral, passou para o governo O oovovisconde de Castro e Silva, um dos agentes commerciaes do Iriumpho que a regenerarlo leve no Porto, fui o operador deste milagre. Tivemosaqui urna visita imprtame fui o ex-governador da Hungra Louiz Kossuth, vindo no paquete de 17. O governo nSo pz nenhuma duvida ao seu desembarque, pelo contrario, o governador civil conJe de Sobral foi buscs-lo an dosembarque, e o acompanhou ao hotel de Ilrnganca. No dia aeguinte foi hi compriraentado por muitaa pessoas, qua se reuninm aos jornalistas progressistas, quo ihe foram fazor os seus compriatentos. Lopes de Sindonos leu ao emigrado hngaro urna breveallocuc3o em francez, a que olla respondeu tambem em francez, de um modo decoroso, brevo e moderadamente. Durante o dia foi procurado pelos principaesdo partido democrtico, que Ihe Ikcram varios discursos. A' noiteo conde das Antas tinln-o convidado pora o su camarote nolheatro de I). Mara II, mas elle sibenJo que llio istava preparada tima ovacSo popular, absteve-se de alli apparecer. No domingo 19, quando parti para o paquete que o havia de ccutuzir a Inglaterra, foi acoinpanhado por milito povo, indo um vapor, frealo pelos progressilas, acompanha-loat fra da barra, tendo-ihe despe lida recitado um discurso em francez, o engenheiro Lobo de Avili, collaborador do paiz. O governo acab de pralicir um acto da mais justa reparaco, eslinguindo a classe dos olliciaes, ditos amnistiados do EvoraQSO livre, se m ter ha. i lo lista do governo, distribuida lias reparticOes e pelos corpos, deu este inesperado resultado, lie de advertir porm, que islo nVi indica a torca do partido progressita ou democrtico, porque jnelo com elle volaram todas as ffaccOes Porto nSo foi bem recohido a csnditura que tomar a ¡assemlla, porque niti basta a o governo alli Ihe propoz, por elle ter ac-. vonla lo ilo presidente, lio preciso um voto ceilaloo titulo de Visconde. Diz-se quo .da lisembll para abrogar a lei. Em quinze sara par do reino. OPaiz suspendau a su i publicarlo. Um artigo que alli foi publicado, contra o prinque silo igualmente adversas ao prodominio jerpio monarchici, sem que o redactor orin cabra lista. O que islo nSo somonte indica, [cipa I fossesetentedeu causa a que A. llercumas prova exuberantemente, he a ioiBOpu-llano quizesse declarar quo deixava de fazer lar Jarlo do conde deThomar, e muito. maisi parte da redicho. Para evitar este desar, linda de seu irmSn Jos Bernardo, los mais redactores combinaram em termiNa segunda-feira concluiu-seoprocesaoloar antes esta publicarlo. Tractam de aneleiloral, fleando apenas os cabralislas com garinhar os mesmus, out'o jornal para a a6eleitoros, lodosos mais progressistas isbortura descorts. to na capital, onde principalmente resido al Agora mesmn chegam nsjornaesdo Porto, illustrac.lo, os capitalistas, o grande com-¡dizendo quo cliegata alli um emisssrio do mercio, elr. Ilouve porm tolerancia abao-igoverno, a>ara empregar lodosos esforcos lula, o al os mais contrarios estiveram jaflm de quesj eleja o maior numero possinessetliamu Iratavois. Por exemplo, na vol dodeputsdos puramente casliila: Isto sista sobresallouse ao principio, porque mo tem f nenhuma etn Rudrigo, mas o ¡Monte, e todos os que liaviatn sido separaduqae de Saldanha, assegtirou ao conde I dos do exercilo por motivos polilicis, ordedss Antas, que a tolo o risco havia do manpando quo fossem reformados os que se lera libardade daselcigios. |julgassem inespazes do servir, os mais enConj isto acabou-se a polmica nos jor-' trassem om servico activo, com os voncinses, e tranquilisaram-so os patriotas. i melos, que Ihe compelissom. Esta medida, Mas poucos dias depois honvo sogundo promulgada em vespora de cloir;t3es nSoha rbale, que ia complicando seriamente situscSo.eas seguranzas do marechal. O E$tandarte gabou-se de ter rogeitado com dignidade duas propostas que o governo havia feito para se unir ao centro eleitoral presid lo pelo duque da Torccira, Cabra! e Tercara. O Diario do Governo negou que t:ie.-' propostas se tivessem feito. dedeixar do ser conveniente as vistas do ministerio. Tambem foi creado, cu antes restab'olecido o consellio ultramarino, para so OCCJpar oxelusivameute do melhoramenlo das nossas colonias. PresiJente, ovisconde de S da Bandeira; vice-presidente, I). Manoel de Portugal ¡ vogaes, Jos Forreira No da seguinte, 22 do corrcnle o Estn-) Pestaa, JoSo de Kontos I'ereira do Mello dartr, transcrevia a acta da sess5o do cent pai do ininisl o da man ln visconde tro eleiloral do primero do m-z, donde da Laucada, visconde do Aluieida-Cirrelt, constava qnc achandovse presentes os ve'' o Dr. Jos Joaqtiim da Silva Guardado, gaesda commissSo central, os Srs. viscon-¡ Vogaes extraordinaiios, o brigadeiro Aroudo de Algs, marquez de Fronteira a Silva. <¡i o ouvilor do Maco, Cosa Anaral, o Cabral, I). Carlos Mascarenln, Uebello Cigovernador de Timur, Jos Maria Maiques, liral, Agostmho Albano, Rebollo da Silva o governador do Angola, AdriSo Acacio ele, expozera o Sr. Silva Cibral quo no do-j da Silvcira Pinto: secretario o depulado mingo 29 Se selcmb o, no palacio do Sr. Pla ludia, Custodio Manncl Comes. I). duque da Terceira, em Pedroicas, se apreMaiioel de Portugal n3o aceitou, neo o sesontaia o cx-deputaJo Augusto Xavier da cretario, sendo Hornelo para este lugar Silva,declarando quo tinha sido procurado Joilo do Roborla, ollicial da sacretaria do pelo brigadeiro Augusto Xavier Palmeirim, reiao, que servir do socretirio do governo o qual eslava incumbido de segunda prode Angola. posta dos ministros do reino e da guerra,] Para dar urna ideia da quinto ao presenlondente a promover urna unio eleiloral; le om muitas cabcQ.s fermootam as ideias entre a commissSo central do prrtid) con¡ultraliberaes, bastara di ter qu .¡ tem todas servador o ogovorno. Queoeaissario comocava por dizar que era especialmente encarregsdo de repollir quslquor suspeita de connivencia que podesso altribuir-se ao ministerio com o partido progressista, e em prova disso oflerecia urna cart do polillo do ministro do reino, em que o negava. A esposla do centro foi, dada pelo rons. Silva Cabral — que para se poder verificar lionrossmenle urna uniSoentreo poverno e o cenlrocartista, era necessario que o ministerio te reconstruisse.ss'iido logo revogados os decretos eleiloraes de 25 de maio, 20 dejunlioe26do jullio : que sem isto todas as propostas soriam rejoitaJas sem so Ihe admittirdisfii-s.'in A esla positiva narrado acodio Palmeirim, coj urna carta na qual doclorou as proprias columnas do EilundYirfc, que nS.i recebera dos ministros, ncm dera a Xavier da Silva a autorisafSo de que so trata as actas do centro eleiloral; que aponas em conversarlo com o ministro do reino, lh looibrara a possibilidade c conveniencia do formar um ncleo eleiloral que n.lo fosse iu-ni cabralisla nem setemhrista, mas que a isso difflcullava a saber-se que elle ministro tinba diiigido aos governadores civis urna circular hostil ao prevalecimenlo das i inmoderadas. E conclua dizendo que o ministro pareceu annuir a esta lembran;i, dizendO que a circular nllo ora lal advorsa %  0partido moderado, e para provi. que elle Ih'a mandaria, para a vista Jolla, Pal merim, fazer as diligencias a que se p:oponha. No lim desta coiresponuencia, publicava Palmerim a carta do ministro, que se reduz a remessa da circular. A' vista delta expos¡c>, o Estandarte fez apenas urna leve insistencia, o o citado Xavier da Silva niio appareceu a depor em contrario pelo que licamos sabendo que Itrdoaquillo fra urna conversa, promovida por |Xayier Palmeirim, ou encommondada por Saldanha, ou de seu molo proprio, visto elle ser muito curioso o metedico, para o lim de tirar alguna cavalheiros s commissdes cabralislas, e fazer com isso uai servido muito do agrado do governo', o que llio grangearia una cadeira de ileputado, poisalaqui ningucm tinba fallado n'ella. — Ilouvo no (lis 26 urna grande reuniau uu cuuiu cailiatu, presiJida polo dyj'jc da Tarceira, no palacio da tua dos Mouros, perloncente oo editor do Estandarte. NSo foi tBo numerosa como se esperava; concorrerinm pouco mais de seiscenlas pessoas. Oduquelou um manifest, e Silva Cabral proferio um discurso em forma de programla, c com muitas instancias para que os conservadores nao ileixassem de ir urna. Viu-se por esta reunlo que posto bija em Lisboa muitos cabralislas, tem coutudo pejo do professar epublicaress se lizoram. Nesta fregnoza, de Santa Citliarina, onda resido Silva Cabral, e se tinha proposlo cloilor, usando para angariar votos, de mullos tncios do suborno, segundo goraloienlcsedizis, tenJo olle obtido apaas 47 votos e o radaclor da Rcvotuco smip iio 108 ; justo era quo os progrossistas I %  -lejassem esle singular Iriumpno, como lizeratn, lanzando muitos fogu tos ai ar : mas a assuada foi reprovada pela impreosi sensata, e posto niio livesso consequoncias, logo, i noite uns soldados que ostav.nn guardando a casa de Silva Cabral, fdriram um h o quo tinlia sollado algumas palavras contra ello, e qua dizem fora um dos quo loe liuliam i lo doilar foguotes defronle da sua casa do Poip Novo. Na freguezia das Marees, onde era candidato Joilo Rabello da Costa Cabral, e portencia masa, leudo ello liento mui men,ir em votos aos seus competidores progressistas ; estes tambem aiii saida Ihe don .rain fugeles, e o acomp iiilrn i M com apupos. Das provincias, as noticiaa ate agora recebi las, d&o lodos os circuios com grande rnaioria a favor dos progressistas o do governo, i \ %  • lo cm villa Real, Elvas o Castello-lirancn, quesuiram favoraveis aos Cabrali-tis No Porto lio quo houve divergencia oulro os can Hiatos apresonlados polo gov'mador civil e os do Jos l'assos, polos progreililtil. Mas sabe-so que o marcc'ial eslranhou isto ao sobrinho (I). Pedro da Costa, governador civelj, o que deu orlem para qua i el.'io.io fosso agora dn accord i com Jos Passos, u.'io obstante o que o ministerio pro.netle por ali as candidaturas aos sus amigos. Urna deltas lie para Carlos Bonto, redactor da Reforma, outra para Salvador Franca, o que levantou o grito nos quarleis de Santo Ovidio a fivor do Saldanlia. o outra para seu sobrinho 1). Antonio do Mace lo, actual secretario do governo civil daLeiria, bacbarel, c m ,-n d %  granlo iiistruC(3o, bom auelor d'amalico, ojota di casa dos condes do .Mesquitella. Men les Leal Jnior, redactor da Lei, e Itobello da Silva, tambem se propozoratn eleitiires en LishOa, pelo centro cibralista, mas livoram poucos votos. O primero esla proposto doputaJo por villa Real o CastolloBrauco, o segundo niio lem-achado sympathias, pela proverbial e oscindalosa vglubilidia -le. Nenhum dos mambros pois do canIro eleiloral Carlista ou Cabralista pode alcanzar u na candidatura do elaitor em Lisbi I Ncm o duque da Terceira, nem o marquot de Kronlein, nom D. Carlos de Mascarenlias, lutiliura Os oleiloros do LisbOaj tem tido duifl me parece que fara mesmo mal s candidaturas minisleriaes, e produzir o resultado immodiato a n3o oleicSo dos dous ministros pelo collogio de Lisboa. Segunda-feira 10 do correle falleceu quasi repentinamente o consolheiro Bernai do Miguel de Oliveira Borges tiulia ido a --.-.-io da junta do crelilo publico, do quo era membro e depois praca, o antes di notle ja n3o exista Tinha sabido eleilur polo partido cab alista. Era liomem de bem e muito amido do tolos. Ao seu fue.al concorreram mais de duzoutas pessoas, indo em sequilo de conloe tantas car. lameos e seges, sem que para isso tivessa convite, como elle recjintnan lou quo os niio lizessem. dem 15 ris 6 horas da manltia. Como o vapor ciiegou bouloin muito larde, e s agora he que leclia a mala, aproveito esta diUcen para Ihe atiunnciar, que hontem alta noil-, o segundo circulo do collegio eleiloral de Lisboa, fet u>n apuramonto previo dos deputados que ha deelegor no domingo, como ja tinna foito pela lardo o primero circulo. Eis-aquioquc resultou desta apuramcnlo. Ji da Silva l'assos —Ex-miuislro do estado Autonio liodrigies S.impaio — reJaclor da RevolU(3o, Jos EslevSo Coillio do Magalhaes—idom, Alejandre llerculano — liistoriador=Leonel Taviras Cabral—redactor do > Patriota, — Jos Caelano do Campos— juiz da relauSo, F. de Paula Aquino Otolini—idem, Jos Mu ia do Casal Riboiro-capitalista, Antonio do l'onles Corroa de Millo -ministro da mariulia, juiz da A tliongia.e ministro dos estrangeiros. So n. i i -ecou-nl -r.irein daqui at domingo, vii-se I|UMI -ni fozimpreuSonocollegio uo Lisboa as noticias do Porlo, nom el ;g^u dias, saberemos o qje ha do haver, porque as feriis parlamentares eslarflo terminadas, eminlia caria de 7 da novembro Illa dir oque ha. Entretanto a imprensa l'gitimista o ni lemi-t i solta gritos de colera, o Luit llini mi le %  i %  a.n.i i so move fcilmente, l-abalha om constitiir u.n novo gabinete. Esto tralnlho n,lo esta feito, o ollercce grandes dilliculda les. Ha para o presidente duas ni. i-T.ido determina-lo. Ple lomar s IUS mini-tros na esquerda e conciliar assim a benevolencia dos republieinos ; pile tonar seus ministros na dtreita e diminuir asaltn as colaran, e os lerrores doshomeuS monarchicos : julgo quo o espirito sensito de LlliZ Bonaparte o levara para esta ultima hieii, ain ta que al ao presente, elle s te o Udo conferencias con os hom MIS da esquerda, e esla nos'.e raomotilo a pirlamenlar com um dos mili habis dentro elle, Mr. Ilillaut. I.uiz Bonaparte uo polo cntetiiier-se com ministros republicanos, porque, poni da parte a lei de 31 de maio, elle quer ludo o que os republicanos nSo querem, e no quer nada do que ellos querem. Os republxmns oo podereilgirilin, n.l i so a abrojia^a i di le di 31 do m no, mil ainda a abrogarlo 'las Icis contra a imprenta, contra os clubs, contra as IMocilfOae, contra as revollas, etc., todas as me lilas qu> o p'li lente esta mui dece lido a cutis rvar, porquo qu T lirm "nenio a odem. Da OUtro lado I.uiz l. ni i a 11 % %  quer s ir roeleito, aposir i > constituido, e os republicanos niio so i teira nenio desta opiniBo; a-sim eilou convHiciJn qua ii presotita icabar por egcoIher para ministros liomens d i ordem, mas OU menog Conhaci 104, poten dedicados a sua poltica. O ruido feito pelos perio lies ciusou por um momento alarma a coninns-ao le permanencia que repiesanla n aasembll durante as ferias. Ella reunio-sc de repente, o pouco faltn quo n3o utasso do seus po dores, convocindo immoliutimenta a aslimbli. Era esla ao principio a npiniSo do quasi lodos s us inembros que liugiam cslir mui atcmo-isidos. felizmente a doli'ierae.'i i coii.inuou no dia soguinlo, c leudo tolos lempo do refleclir, decilio-sa nesta segunda soss3o qua se nao atemorisassa o paiz por urna convocado precipitad! exigem ama mui gnnde aptidSo eipeciel, o u -o mu i prefeilo pode comprometter gravemente asseguranrjs publica. Inglaterra. O-perio lieos de L"ndreUBOcu;am-se ainda muito do Kossuth que *M destinado a substituir i exposicS) na curiosi lado publica, e a tornar-so o leSo da estac3o, sotibi'-sc or urna carta mi que tinha chegado a Cibraltar no Uissisiipe, e quo -o prepara va a vi r a Southampton 'oNe che garia a 22 ou 23 deste mez. Tem-se feito em Southsmpton e atem Londres os inaiores preparativos para dar a sua TCPQSO todo o rspl -olor imaginavel. Os pilotos de Soutliiimptou receberam ordem de fezer conhecer por um signil a chegada do lamoso hngaro, para que o maire e son conaelba> jmdessem ir cumprimeuts-lo no vapor que dovia con lo/ir da Gibrallar. Todos os honiens de bom senso protestam contra osta predil -ceo redicula que pin a-n honras quasi reaos a um homem que ompregou em Marsslhea detestivel linguagnm de um demagogo furioso. O limes fez-se orgSo coqueule e enrgico destas protesta(Oos da ral9o publica, e doaenlimento monarchico t3o poderoso em Inglaterra ; mas todas as boas rasOes do Times nSo mudaram a datermina(¡Ho do povo inglei. Esta resolveu festejar Ko-siith, e dar o especlacnln incrivel do una ovacrlo quasi real feta na monarchica Inglaterra a um dos mais ar lentes promotores da repblica universal! I) cilio-se da ootiinum necordo entro os cov Tilos la RuMia, Auslr ia o I'russia, que os cmliaixa lores destis tiez potencias deixariam Londres lob o protexto de viajar para so diverlirem, durante todo o lempo queKossulti li.ihu.i--e mquelia capital. Ha tima medida ao mesmo lempo digna e prudente porque os gran les gabinetes da Euro >a nao desojam romper com a Inglaterra, o nao querem que seus representantes sejatn oxpustos a oucontrarem-secom o proscrito hngaro nos sales de Lord Palmerslon. A ceremonia do cneorrmonto di oxpn-ii;;in levo lu^ai em 15de outubro sem apparato. A rainha n3o assislio a ella ; um dos membres da commissSo real, o visconde Cinolng, pronunciou um discurso; e proclamou os princit>aus recompensas cuncadiJas pelo jury. Ilouve 170 modalhas do primcira classe, eh imadas me lalhas do consebo, c 2,918 medalbas de segunda cliise: deo-se ilm disto um gnnde numero de c que se espeasse. memorias honrosas. O numero total dos Soria com liTeilo para deplorar qua a asexpositores elavava-sa a 17 mil, sendo a tersembli cutr.ssi abertamente em guerra ca parle dolas expositores inglezes. Muito OOm O presidente, porque uunc a face3o S lem gritado, muito reclamado; princi0 represente da classo operara como tiuliii n demaggica levantou miis audazmenta a palme lia em Inglaterra pelo modo porquo promotlido! Crcio, p-irm, que hoja mesmo cabera, o tcstomunliou disposnOs mais as recompensas foram dastribuidas. Os sa lia de trabalhar muilo para tirar os votos I amoai;adoras. Durante esla quincena em peridicos de Londres tem sahido desde 15 aos dous ministros, e di-los a Jos Viclori• dous ueparlirocntos sitalos a 60 leguas da de outubro cheios de caitas de industriosos no liama-tio, uiacbiaista do Porto, ou a al\ capital liuuve duas revollas; ellas Torain que i reicnd -ni ter sido sacrilicados e nllo Ruin dos duus o ¡erarios do Lisboa de quo ja logo Comprimidas, lio ver.l ide, mas rovel un ter sido jnlgados segundo seus mritos. De 1 i %  i.iile ai-iin i. jl exflleneii de abomioivois disposfedesoooulro lodo om Franca, queixam-se tambem Alexandrc llerculano, declarou hoja qu i tro nossos cioipoii"Zes. Todo O campo Um com urna vivaci lado qio ju.'„'o Injusta por nSoaceilava a elotcSo que lelle quaril liI sido perc irrido ,e|. propagan ia demsgogique a Franga, l-tilo apenas "fornecido dozer o collegio, pronunciando um luu n 'o dis' ca ; grande nn ero dj nossos eamponezes enno dos expositores, obteve o terco das curso peraule os eleitoros, qua todava niio lem sido arregiinoutados en sociedades seIno accitaram a rosignaijSo Veremos o que cretas, qui recobem a senil i dos anareliistas de Pars o eslo promplos a levanlareaiso ao primero lignal. l'.omtttein-lliris a pilliagem dos cidadlos ricos, a a pirtilha igual da propri rilados, he esla o fundamento da duulrina socialista ; nossos eamponezes s3o cubiceos, o invejosos, e bem poucos d'onlro ellos reiislom a osles criminosos engodos. Fclismenlo as duas rcvoltas do qic Ihe ftllei mallograram-ae antea do lempo : os ello l'ara. Jos Estovo tambem falln hoja eloquentemcnle a favor da can lidatura dos operarios. A sess3o eslavo tempestuosa, tenJo o preside ile de so cubrir outra grande tumnlto, e addiar a discussuo para liojo ao tnctodia. Por/5, 2D de outubro de 1831. Ao cscrever-lhoesla achamo-nosom criso ministerial. O gabinelo deu a sua demissSoao presi lente o qual aceitou. Eis emjhomans honaslos esl3i provenidos dos peque circumstaucias appareceu esta rompjrigos que cirro a soeiodule e plem cuidar ment entro I.uiz Bonaparte c os ministros. |em reineJiar isto. Espero quo finio o que Ha algumas semanas, o Constitucional, || 0 preciso pan llsegurar a IUI silvaelo, e folha quo dizem recebe as conlidencas do principalmente qua pcr.iianecarSo limepresi lenta alaciva com exlre ni violencia menta unidos. a lei de 31 de uiaio. E-,la le de quo llio falj Foi nos dous departamentos de Al ier, o lei tantas votos, quando se discuti, tem doClier qua nscimpon-zas, felitrionto em por lim ruduzir o numero dos eleilores, oxipequeo numero, revollarain-se contra a ginJo para o exercicio do sufTragio Coitoautori lado Em ambos estos lugares a ini.il a t-nii li.;.io .ie um domicilio do tres ansu roiclo lev MI mesmo pretexto. Os Camilos Ella tevo bom exilo, porquo as listas ponezes reuiiram-sa armados, o mirO.llque se tem foito om execug3o dosis lei nSo t m tiara a Cidade visim i, atinuticiin lo e.ii olio nem selemilliOes da eloito.es para loaltas vozes quo qtieriam soltir seus carnada a Franca ; as listas follas c informo a anridas, que a justnja retinha presos por dollgalei davam u u total do dez millides da |¡ctos polticos. Em coinmoalry, em Allier eleilores. 'esles individuos a quom quaria) soltar Estas ataques do Consttucionels contra erain fogosos demagogos quo tinham sido -abielde 31 ue maio irrilavam muiloos mipresos por ter lutado com forfi contri os UK'dalhas da pi neira classe, o %  5 parle das ineelasda segunda classe. Estas leclamaeOei coutral. tonas provain quo o jury julgoa imparcialmeiite :cllopoderia enganar-se som duvila, mas n.lo sa enganou Voluntariamente. I id i a revelia como u'antes se coslumava ; todas foram mixtas, islo he, melada de caFs l'rsccOcs' de outros partidos, tambem ajda um dos partidos oppostoa. N3 i houve roncorrencia nSo seria muita. -porm nenhuma pcrt-arbac^o neste acto, Em vez disso anda pelo seguro, fazendo quo sb passou m boa paz. Comecou-ie o conferencias e reumOes parciaes, publican-1 escrutinio em quasi todas as essamblas do manife.-tos e allocucOes, aqui e as prourna hora da tarde, o em poucis se deixou viuciis incjnsavelni mte. Parece-nos q'nlo ,de concluir nesse dia. Quando foi ao por do precisavs trabalhar tanto para ter maioria sol, eque os ira balboa se suspendern), j as eleicfles, visto que o governo uos niio os progressistas linham 183 eluitores seus, e os huslillsi, mas dl-lhes auxilio. As autoos cabralislas apenas 4 Parece, isto ineri-iquem sairs, tantoss3o os pretndanles, ndades da regeneracSo sao todas dsquelle vcl, combinado com as voli(as dos annosi Domingo se decidir, e enlio veremos o priido, com poucas cxcepces. 'antecedentes, mas o ficto he quo i elei-1 quosignilici a futura ea niara. Carrettno reunios, mas por oa nada tem resolvido. pialros, que suBjpuuham n;1o S3m motivo, gendarmes no exercicio da suas funecvs. que o presidente n;lo era estranlio a esla poEm l'rocy, em Choros camponazosquitelomici. Ora, os principaes membros do rain por nm lber la le in li vi luos qua eram gabnotoapotavamcoin todas asforcasa loi acousa los la organisadaros das sociedades do 31 do mato, e isto se concebe: M. Borosccrelas. che praparon, o aprosontou esla le a assamPor lo la a parto tam lido reprimidas csbia, M, Len Faiicner defendeu-i oo no tu tentativas oriminoiaa i mis a ordem foi relator. Estes o sous coliegas oilavnn gravemente perturbida, o a mais profunda muito convencidos que o presidente sa doinquleticrioss lem aporrado dos lio neos savena inteiramenlo cjm a maioria parlahonestos. Foi precisa urna grande oalentatiieuiar.se poJisse a abrogacao desta le (¡3o da furcia para acbar cjm a in-urreiNaatas circumstaucias lornava-so ecosC 3o,qrjo pnncipalmculaemC ¡ertma t-imauria uina explicado, o a quasUo foi a.iredo proporfOei considoiavois, porque DlVll sentada emuui conselho do gabineloon II qui.mentos ou seiscenlos ce npunezes ardeste moz. Sendo requer lo por um dus mimalos. Devi roceiar-se quando si ciusidenislros.q'tizessoconliocor sua opiniao sobre rl queseo mesmo movimanto tivessa spos arligus do Constitucional,* o presiJeule parecido ao mesino lempo em cinco ou sois doclaruu expressaueuto que aprovava estes parts, seria Irnpouivel acliar-sc bstanlo artigos, o que sua opiniao era que couviulia tro,.a dispjuivel para acabar c un ella. poJir a assamblaaabiogacSo da lei de 31 Gracasa Daos, o mal limitou-sea insurreidi maip. Sbreosla declaraco, lodosos C -s roslnclis, e aprumptidilu das med las ministros deram sua demissao ao orest denloma las empedio o incotuio da propagarte: estalevou Ires dias para rell ctir om se, a o ineimotempo quo a elergia dn sua detertninacao, mas seu partido oslava presago jiidiciatia t:iu alemonsiio os Oi deputados por Lisboa sai epenas 10, e ha 32 candidatos, uns con seus programmas j publicados, outros com influoncias clandestinas que sSo as peores, e as que mais valgamente nos. Ogovarnoquor quo saiim por i. -I"'' I S IIIIIII- Ua ni o ni ;.i Fuulc-s, o o dus estrangeiros Je-vis, lia porm gnnde repugnancia nos eleilores em acedera este pedido. Na rauniSo do hontem 13, o eleitor e candi lato a depulado, oadvogado lluitreman, propos a discuss3o do collegio oloitor.il, M; s • divia aee-llar ae ni li latinas dos dous ministros, o do um d-putalo pela classe operari i, Tomou a palavra Jos eslovo, o del o leu calorosamonle as caudidaturas mini.-toriaes, principalmente a do ministro Fnnl-'s. Em replica rosponleu-lba Uollrcmaii, Tazando urna tremenda objurgaloria ao ni ni-ie iii.n que promoveu graudes repra salias da parle dos ministeriaus, principalmetilo de Joaquina Antonio de Aguiar, quo chegou a proferir algumas palavras que escandalisaram o audictirio. EnlSo para tranquilizar os nimos, Alexandro llerculino propoz que nao se discutissom candidaturas, mas si mi ule os priucipios dos quo a quem o collegto confera os seus votos, e se traclasse do modo do procedora urna volacSo discreta o conscenciosa, tem soffrido gnnde discussSo esta proposli, e lie.iu pira se resolver boje depois do meio dia. Nao se sabe ain la qua -s sarao os deputados que esta tempestuoso collegio elegera — profelisi-se... porm que soirao os seguinte: — Jos da Silva Passos, Antonio Rodrigues de Sampaio, redactor da Revotucio. — Leonel Tavarcs, redactor do Patriota ; Fontes de Mello, ministro da msrinhi — A llerculano—A de Oliveira Marreca, antigo bibliothecario do Bibliotheca Nacional; Jos Alaria Chives, pelos operarios, com ofllcina serralheiro, ou JoSo Dintz Collares, com olll cia de funileiro ; Jos Maria Latino CoeIho, redactor da Revolucode Setembroe da Siman; Aguiar Ololmc, juiz da rel.n,-ao de Lisboa; JosMana do Cazal Itibeiro etc.. Das provincias n3o lia poder acertar rom O concurso era taogranJeno ultimo da da exposicSo quo o velho duque de WelInini m que quiz gozar ain la urna vez desta grande espectculo, e sa mistura na mulHd.lo qnasi ha sullocido. Felizmente dois vigorosos con lastaveja von-lo o perigo qui carria tomaram-no,* C14U um por un braco, P. couduziram no assin\.at a porta. Alientan; A palicia da Iterlin acaba.de fazer numarosas prisdes por causa poltica. Associeiades socrlis n:1o tem castado um mimouto do existir n'Alleiuauba e principalmoiilena prussia Foi em seu seio quo so tramott a ca;ijurac3o de alta trainero que acaba de sor descoberla, e quo pareca mui seria. O imporalor d'Austria esforc-so por conciliar pela clemencia seus subditos desvarados da l.nriiti i li i e daCallicia; om sui ullitni viageui a MilSo ella coicedeti gra;a ulen o iuleira a tolos os coudemoados polticos da Italia, cuja peni n.lo excedo a um auno deprisa o. I una medida semeihaute esta proparada para os Poloaosos da Galiicia, e o governo austraco pedio a rolacSo dos c itiJennados pblicos, allm de d -terminar as bases da urna uudida semelliant". En seguida i guorri do llolstein com a qual o eulretive lomgamonle o anno pasdo, reslava decidir urna quest3o grave fora a verifndeira Canas .lesa narra, a nneslio da lueOMtflO du tlirono de Dinamarca. Oiei actuil nao tem li ihos, o dous ranos principaes d'AII tmanha, o ramo de Auguslombourge os da Clucliobourg disoutavam o dimito herolitario a cuida ; depois de urna laboriosa u'gociaco qua teva logar em Berlin, o rei da Dinamarca designou por seu berdoiro o duque de Glucksbourg. o mi mi s preparativos militares so fazem neslo uiomeul i, em lodos os estados di ini ¡erara i germnica a vi-u dos successos.que po lem s.liir da crisa de 1852. N31 lia contra a Frauda, e seu governo actual quo oslas medidas s.lo adoptadas, lio contra a revoiuc.l i demaggica do que a r0 j Alleinanli i si quer garantir lo IJO cusi. P,ue| furquia.— Urna grava dosiutelligencja so irreyogavelinentelomado.esenJoocoiiseliio lenamsiio leutados • seguir o exemplo] | eV ani'ou entra o iulWo e sau vass, do uovo reunido no dia leca-feira 14,o predos revollados. Tem-so Icilo numerosas ¡ yice-rei do Egypto, Abbas-Pacna. Esto sidentedeclarou que scaitava as eiinssas. pris;s, o furia destacamentos de tropas! aca i, a Ueconoedar a u.aa OOODSaoU i,,g¡ 0 Lis, eai poucas palavras, as razes das ach3o-sc estacionados nos lugares que tem ZB a coostrucv'So de um caminlio de ferro repugnancias do presidente pela lei da 31 servido do lli -airo a insuiroico ; acalma e 1 entre o Ciro e o Suez. Esla empreza que do maio, roluzindo o numoro dos eleilores, a coragem so apossilo dos cilad3os hones1 val ain Ja cncurtar a distancia onlro aslneata le maca o (Ovo, o qual votou em 1818 tos, o os maos esto gelados de terror ; po-j j¡ as oriantaes e a Inglaterra, he cutisidepaia presideucia ue Luiz Bonaparle. Ue tres rn lio preciso urna medida mais decisiva'rada com prazar em Londres, mas os mimi nOt-s de eleilores que a le excluo, dous pira acabir de desconcarlar os conspiradonistros do sullo u3o reconhecem no vicemilnes pelo menos volaram, e votiriam ras, o espera-so ver logo om estado da sitio re j 0 direilo de introduzir no territorio otainda por elle. Ilavona pois do sua parte os'departauontos, em que appireceram estomano, com o soccorro de leus ungenlieiingratid3o, e mao calculo en couseryar a tas graves desordens. iros, e de seus capitalistas, urna potencia le. beinarsem 18o0, quendo a le foi voEm quanto a agitacSo reina em nossos'(¡lo iuvasora como a inglaza. lada, os partidos inunaicliicos que a tuiham departamentos, Paris est pcrf-itatiiente olas mu vivas tea siJo trocadas entro exigido, pruineltiam seu concurso ao protranquillo, o presideute ha aqui mu pupuo priineiro ministro do sua aitesa e o misidente; ora, estes part Jos Ins -,,o hoja lar, mesmo entre os obreiros. lio preciso .nisiro do vice-rei. O commercio inglez mu hoslis, e he certo quo prelondem serqua ella estoja muito seguro da sua popula 't-m-se agitado'com este conducto, e um vir-se da loi de 31 de maio para mallograr ridadepara ter-sa decidido a aceitar urna Imooting ao calebroe em Londres, no qual sua candidatura. E i lim os demagogos demissflo muito mus importante que a dos jse adoplaram resolur;0as ali ai de empandar h !" /f ^ !" ". m 'i t9 m f?? 01 ?* 0 F* ra ex ~ minisll0 f' douilssSo de M. Carlier, prefei¡lord Palmerston a apoiar o governo egyiicio, Turqua codesse citar aguerra civil om 185i, haateideSt todepollcis. N3o sosabo bom porqnirasao, e a fazer com quo de malo, que viola, dizem ellos, a coosliM. Carlier se julgou obrigado a retirar-se'rasilo. luicSo, porquo mulla o sulLagiu universal, com u gabinete; os bous cldadaos lamentain ¡ O ministro v-sa bstanlo embaraado O presideute quer tirar-lboi este pietexto isso, porquo eu liomam mu oxpoiimcila-: porquo est neste momento nos lueHrores abrogando a le do. mu luUHignle, e mu hbil. tormos com a Po la, e ciuv n poupa-lu %  laes s5o as rases do presidente, e sin A esculla do suu successorlie-mtii delici(d'oulro lado he preciso qui satisluca ao mu graves. Reiti saber-se que partid > do, porque is funcesdo prefoilo da policia intaresse commercial da inglitorra. Julgo.


xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJ8DW1M01_ZX3T72 INGEST_TIME 2013-04-24T19:31:19Z PACKAGE AA00011611_07278
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES



PAGE 1

C0LLEG10 ESPIRITO-SANTO, niftclor, francisco i Saln d'lbuqu rqve : Cont o collegio — Espirito-Sinlo, — si o r oi do Mondego, do bairro d Boat* ril n U, um anno da existencia, a o SBU I rector e coropraz de biver real ¡sido a saliifacSo de urna das mais urgentes necessidides da paiz, qual seja a de um eitibjlecimentobem dirigidoe regularlsado, ondea moddide recaba conveniente educagSo. S m desanimido concebe.i o director do follogio — Espirito-Santo, — um tal projeclo porque a lodos os respeitos o considera superior as ,u,s f o rc ; mas confiado por nutra parte DO poder de sua vonttde, nos deaejosdeseu coracSo, enos conselbos de amigos prudentes, no duvidara de o por m ortica; e boje suas esperances se icham stecerto ponto realisadas, porque no pequeo espaco de um onno ha o seu collegio colhido excallentes resultados, sendo que nenhum recelo tem de ouVecer a recomaien lar9o das pessoas que silo capazes despreciar trabilhos desta ordem. Ja por diversos annuocios ha o director frito publico, quanto inteiessa saber cerca da economa interna do collegio, e ordem das materias que nelle se ensiuam, com a indicgso de respectivos professores, e da classificacSo dos alumnos, e tal lio a oonliano.i que tem em si e em seu estabelecimento que constantemente ha convidado as pessoas que o quizerem verificar faze-lo por inspecco pessoal, visitando o estabelecimento iqualquer hora do da. Unjo sobretudo o diriclor se dirige aos pas de familias moradores tora da cidado, para quen: muilo especialmente foi o seu estabelecimento projectado. He ventado incootestavel, que um dos embaalos com que luta a educacSo da rneio da cabeca que est coroada : quem a descobrir love-a ao dito ongenho, ou nesta praga em casa de Manoel Buarque de Macelo Lima, na ra do l.ivramenlo n. 36, que ser bem recompensado; a mesma levou roupas finas e unsvestidos lecambraia, desconfia-se que lenlia seguido para Pi d'AIho aondelom prenles; por Uso, roga-sea todas as autoridades policiaes, o a qualquor penaos do povo e capitiles decampo, dea pegarem o levaren) nos lugares cima mencionados que serSo generosimento recompensados. Agencia de pissaportes o ttulos do residencia. Claudino do Reg Lima, morador na ra da Praia n. 43, tira passaportes para dentro e for.i do imperio, e ttulos de residencia, por commodo prego. -OITerece-se para ama de casa de pouea familia, urna creoula, que sabe cozinhare engommar com perfeicBo: na ra das Agoss Verdes n. 64, segundo andar. Ketratos photogenicos. O artista nSo podendo partir, como teucionava, no vapor Peroambucana para o sul, participa a quem teucionar retratarse que pode procura-lo al o da 12 do crranle, na ra Nova n. i, segondo an lar -Furtaram do balco da loja de alfaiate n. 30, da ra Nova, urna thesoura grande propria para cortar obras, a qual nllo p le servir porque s se pode usar com a mo esquerda, roga-se a quem delta souber, que do noticia na mesma loja que se gratificar. -Precisa se de um preto cosinlieiro, para casa dn um homem silteiro: quem MVM annuncle, ou dinja-se i ra do Queimado n. 38. Procisa-so do um capelSo para a pomocidede nesta provincia, he a falta de urna cisa de ensino, para onde sejam devlda-¡ VO acSo das" Varas, distante* dcsta'cidade sement enviados os filhos das pessoas que te,, leguas, pela estrada do Paje de Flohabitam fra da cidade. A m direccAo dos res. Nessa povoagflo no ha mestro de esludos primarios, a herda da moralidade prmeiras lolras, c lio fcil o Rvd, Sr. sacom'que sao educados no lar paterno, a falcardte ter muitos meninos a ensinar : quem pretender dirija-se a livraria n. 6 e 8, da piaca da Independencia. — Ciovan Picani o Agoslino Tagareli, retiram-si para Macei. -Precisa-se do urna ama do Icito forra ou na ra Nova n. 14, la dos disvellos que sSo indispensaveis n primeira infancia, o descuido acerca da sade dos meninos, sSo obstculos que desaleatamos pas de familia na i %  !<• i dse arartareni deseus filhos, em urna Idade om quo as prmeiras impressOes se perpetuam, e¡ captiva, paga-so bem deiiam consequencias que acompanham a segundo andar. existencia at a mais adianlada idade. He — Antonio Jos Itibeiro bastos, embarca sobretudo na remofodesses embarazos que 1 para o Rio .le Janeiro, o son escravo pardo ha pensado o director do collegio — Espinde nomo Antonio, de 15 annos. to-Santo. — Um metbodo fcil adaptado a .. Leonardo Pretz, avisa pelo presento, intelligencia, dos meninos, o respeito mais que ninguem faga negocio com o actual doinviolavel aos principios da religiSo, e da no do sitio allemao, om S. Floronz perloda moral, urna regularidade do conducta n3o cidade de Olioda, sendo a dita propriedade prejudicada pela falta do refocillamento nebipolliacada por letras ao annuncianlo. cessario as debis torgas da infancia, illimi— Na ra do Mondego n. 42,tem para ventado disvello quanto a saudo o tratamento der craveiros de todas as quaidades.ja musdos meninos, urna locnlid.iilo que prehentrando o que sao por presos commodo*. cha todas as condices hygienicas, provi~ Perdou-se da estrada do Chora Menino dencias acertadas e prudentes respeito do alea ra do Mondego um alfinelo do P cito !t!in)bem declara. (lite toda alimento, dormida e mals-funccOes pliysiode senbora : quem o adiar e quizer entro' lgicas nessa idade tSo impressionavel, eis gar na mesma ra n. 42, receberoquo o.quer pessoa na mesma capital e na aaa succedeu que o civallo se espaatasse e desso com olio no chai: um prolo de>calco com camisa o calca de algodo riscado.apoderando-se do Cavallo montou o seguio pela ra Nova em direcSo so Recife, o cavallo la selado com culi --i; nas brancas, re lea falca de retro encarnado.estribos do ierro, selha de sola trancada, manta de panno azul bordada de retroz amarello, os aignaes do cavallo sSo os seguinles:—melado claro, dinas pretas com urna riso preta desde o cabo at o espinhaco, em boas carne, faca, cabega pequea,mos calcadas de preto: quem dello der noticia, dirija-se a ra do Livramento, loja n. 16, que ser recompensado. — JoSo Cavalcanli de Albuquerque Wan derlei abaixo assignado e morador nesta cidade declara, que o molequo Luiz, crioulo, que viudo para esta mesma cidade foi preso e recolhido a cadeia a ordem do Sr. Subdelegado dos Allegados lhe pertence'parte; por quanto tendo lateado sua a- no termo de Serinhaem. e representando o abaixo assignado, ontSo menor o mais dous irados, a seu finado pai Antonio Ferreira da Cruz, teve de tocar a viles tres, de heranc,a a escrava crioule de nome Maria; porem seu lio Manoel Ferreira da Cruz boje morador na tragueis da Escada, que foi o inventatiante dos bens, apossondo-seda dita escrava nunca a enlregou,e em seu poder leve ella dos filhos Cosme, e este Luiz ; e constando agora ao abaixo assignado quando seu lio trata de vender estes escravo*, o abaixo assignado roga as aut in 11 ula.le a quem competir nSo entreguen) o dito escravo preso a seu lio, e ne'n a oulra 3 -• Prceisa-se allugar urna preta escrava, para tratar de una enanca, e cuidar de sua roupa.quem a tiver annuiieie para ser procurado, ou o ¡leu la-so com o porleiro da Alfandega nesta cidado na mesma repartilo das 8 horas da manha aa 4 da tarde. -l 'nciza-se de un] portuguez que seja perito om plantarles de sitio, e saiba litar formigas, quem estiver nestas circunstanciase quizer trabalhar no sitio na travessa du Remedio n. 21 entend.i-se com seu proprielano, o Porleiro da Alfandega desta cidade, na mesma repartigo que a vista da prova quo der dosabero que cima se desa* ja, e da sua boa conducta c. &. tratar-so-he do a inste. -Precisa-se de um negro para o servico de padaria uo aterro da Boa Vista, casa numero 33. • Paulo Uiitgnoiix, dentista J frnncez, offerece seu prest• • mono piiltlico para lodosos • %  misteres de sua nroflssao : 3 pnilr ser procurado a qnal9 • quer hora em sua casa, na • ra largado Rozarlo, n. 3t tf 91 segundo andar. • l-**s | MM9M9aMatVM — Aluga-se um bom sitio no lugar do Cordeiro, a margem do Capibaribo, com boa casa, estribara para 3 cavallos, casas para pretos e foitor. pomai ojardini; assim cuino baixa, com capnn e muita ortalce : a tratraiai na na doQueimalon. 30, segundo andar. -Precisa-sede urna criada, smenlo ptalguma pessoa, at quo o abaixo assigna lo| ra 0 servico de cozinha e compras, para rcduaira sou dire.it> pelos meios compeumil c 8 lle IIIU ito i>nuca familia: na ra lentes. ••Joto Cavalcantc de Albuquerque do n 0 ar ¡ 0 da Boa-Vista, sbralo n. 32. Wanderlei. fe I. b. Vollmaier afinador do pianos f 99 faz scionte ao respeitavol publico dosS fe sa cidade,que se acha prompto a qual<| C' quor hora do da para exercer o seu olllcio tanto na cidado,como nos seus 0 arrebaldes. pregos muilo favoravois, a> P le ser procurado na roa da Cruz w. n. 38. @#^<$'S% "? ua lc,u M u ma adancar aos pas do familias, que lhe moleque, da nome f.eraldo, do idade de 10 a quizerem confiar a educacSo de seus flhos, n annos. que o collegio — Espirito-Santo, — he pro_. Q Uem precisar do um fornero, o qual. cidade do Rio Formoso, como ja e procurar do annunciante, por qualquer divida que em seu nome se faca prio para remover as duvidas que por vensabe bem desempenbar seu lugar o i fiapor pequea que seja. IMigenliO tura conserven) aquellos respeitos. O didor a sua conducta : dirija-se a roa larga Gindahi dafreguezia deSerinliaem to de novenibrode i8t. -Joao -Aluga-se urna casa na povoacSo do j & l'!',"' dt Q0 003 r a „,, intairu, propria para paitar a festa, com '''I^ ^ ""J 03 "' ¡1" ,u.„o., quintal, iMoDrive I quem. \ P mto !" !" to rector espera por tanto, que seus esforcos do Rozario n 21. venda da esquina quuva n3o serO depreciados, e que o seu collegio para o quartel. ,em 10 tle noveniUroue 1 ser honrado com a coaifunca daquellas .. Prucisa-so da urna ama, para urna casa. Mauricio < e Barros Wanderley. pessoas que sabem quanto vale urna educade pouca familia do portas a dcnlro: na traclio acurada, e que no progresso e desonvolvessa do Corpo Santo n. 29. violento da geracSo nascente, veem o ver-Precisa-se de urna ama forra, quosaidadeiro germen do nosso engrandecimeoto, ba cozinhar e engommar, para c isa de faede nossa futura prosperidade. milia, sendo capaz: no Passcio Publico, lo-A pessoa que quizer consultar ou traj a n. 11. tar-sedemolastiasagudasouchronicas.pdo .. Napolen Gabriel Rez, embarca para o dirigir- 4 rita larga do Rosario n. 30, aoun¡ 0 de Janeiro, o sou escravo crouulo, ile deesl rezdiudo o CirugiSo Bernardo Penome Luiz, de20annos de idade. reir do Carmo, que est prompto e oxercer -. Precisa-se da urna ama, para casa de sua faculdadoem qualquer hora. Para com pouca familia : na ra dos Quartais loja as pessoas pobres se prestara g ral es, a pesn. 24. soa que o queira consultar por escripto do — Quem quizer allugar um citio em Ueliiqualquer uso a que perlones, dever om terr jbe para passar a festa, com excellente hamos claros e precisos declararas seguintes niio cscolher: dirija-se a ra da Santa Cruz principaes circumstancias. -Primeiro sua n. 66, defrontoda nbeira. iri-de, temperamento, conslituicSo, dbil ou .. j 0 3o Jos dos liis, exporta para o Rio valetudinaria,se vigorosa ou sadia, hbitos, de Janeiro, a sua escrava Mara, creoula. occupacSo, accrescendo, se frde sexo fe— Precisa-se de umeaixeiro portuguez, minino, a declaradlo do estado de suas reque lonha pralica de venda: na ra do Pilar gras, numero de filhos que tiver tido, se Ihos em Fura de Poitas n 143. itera de mamar; incommodos mais nota— o abaixo assignado faz sciente ao resveis noisaui partos; se grvida, de quaupeitavel publico quo muguem contrete nollotel no Monteiro. Domingo, 16 do coi-rente, abre-se este leslanelocunenlo com as seguintes propurc.il s: Sala mobiilada o independente, para as fan.ilias, quo indo a paiiseio quizerem descancar. i.'uai t 1. preparados para dormida. Espagosa o bem arejada sala de jantar com capacidade do servir 10 pessoas. Soili para recreio e plselo. Estribarji o arranpis para civallo. Co ii la mensal eavulso, preparam-sejantares o pre/untos, aluga-se lou^a, vidros bandejas, ele (te. Tudu por preco muilo rasoavel, o acontento dos prctendontes. Pede-seaoSr Jos 'arlos de Mondonga Vasconcollos, moradoi uo Sul deSta provincia, que so nao tem jurado 11.V1 pagara quom deve, pague a herdeira da fallecida D Mariana Rodrigues do Jess, a quantia d sois centus o scenla c tantos mil rli, principal c juros de sua divida, conlrahila, ha tantos annos, e assevera-se-lhe que se o nSo lizer promplamente saber que o seu assucar passar por ligan desgosto nesta pra^a e que o :cu nomo contina a ornar as paginas dest! jornal. — Ai en la s %  e lambem se vende urna grande casa e sitio, no lugar do Monteiro, a margem do rio Capibaribo, leudo a mesma 6 salas e8grauds quirlos, toila circulada de pateo e varandas ¡la ferro, com alegretes para llores, grande quintal murado, com casa pura pretos, granae estribara, milito boa baixa do cap 111 o mais comino li ladea i 1 tratar com Antonio Jos Teixcira bastos, eaixeiro dos senhores Jo2o Piulo de Lomos Camas, carros de mffo e arados de ferros, etc., etc. A ti'-in di superioridade das sual obras, j geralmente reconhecida, Howman & tic, Callum garantem a mais exacta conformidado com os moldes e dezenhos remeltidos pelos senhores quo se dignaren) defazero ¡lies encommendas, aproveitandoa occasiSe para agradecerem aos seus numerosos amigos e freguezos a preferencia com que sido por elles honrados, e asseguram que nilo poupariio esforcos e diligencia para rnntiniiarem a merecer sua eonfi inca. autor desta e rieoutris ricas ¡nvenefios, nSo [duvilou mandar e.-te bello appirclho para aexposicfio de Londres : o publico que o quizer possuir, dirija-se • rua.largl do Rozario, loja de miudezas n. 39, *do Cirdial, I com 5,000 rs. pelo menos. Flores. Na ra larga do Rozario n 38, loja de miu? !" ¡'" dezas do Csrdial, vendem-se as mais perfei\hf l 8S nre3 f'sncezas, que se tivessem oheiro 1 ninguom deixaria de acreditar que eram Compras. -Compram-sn algumasapolices da Co'npanhia de Beberbe : na ra Direita n. 89 segundo sbralo. — Conpra-seuma estante com capacidade sulliciente para arrumar 800 a 1000 livros: i|ueni tivo annuncia para sor procurado. — Compram-sc os suspiros poticos do I ir MagalhSes, no %  e nina a prego : na ra larga do llozano, loj de miudezas do Cardial. — Compram-seescravos e vendem-se de commissSn, para dentro e fra da provincia : na ra da Cacimba, sobrado 11.11, onde morn o Sr. vicario do Recife. -Compra-so urna pr. la, que saiba b>m cozinhar e engommar, agradando paga-se he 11 : 11 1 nii'i.i Aminini n 25. Vendas. protender dirija-so defronle da praca da farioha n. 3. — Aluga-se para festa 011 annualm nina casa na ra do Cabrel da cnla lo de Olinda, com bons commodos; elribaria, casa para escravos; murada na frenie.o com o fundo para a margem do rio, com um pequeo sitio, o qual tem excellente baixa para capim, o faz face com a nova estrada, m cont a juros re penhores de prata : quem pretender dirija-se a ra larga do llu/ario, loja de miu luas 11. ,,„i e 26 que se dir quem da, e quem tem duas rolas desicupira do moer manJiuca por 20,001) rs., ou mcsino por menos alguma cousa. Frevencao. Pcrdeu-sc urna letra sacada c a novo nbro p. p., por Manoel Toixoin Pinto, a favor do da sorto quo vem a ter duas frentes ambas joio Tavaios Cordeiro da quantia de 675 muito frequentadas: na livraria n. 6 e 8 da mil o tantos ris, poi tanto pede-se a quem praca da Independencia. !for apresentada, quo nilo l'n;a transaccilo — Precisa-se de um feitnr para tratar de alguma sobro u dita letra por eslar j dada um silio.a tratar no Hospicio sitio da Si* viu-| todas as providencias, para nSo ser paga va Cunha Cuimaraes;ahi tambom SB preciza seuflo a JoSo Tavares Corceiro : roga-s a do um ou dous pretos para trabalhar no Ruerno tiver adiado, o favor d entregar mesmo. I na travessa da Madre de Dos n. 9. Acha-se justa e contratada a compra da I — .\odia4do correte depois da audiencasa da ra de Moras numero 122 : quem Icio do juizu municipal do termo da.Cidade so julgarcom algum direito ou hypolheca, do OI1111I.1, na respectiva sala, tem de se artos mezes, qual o padecimonto ou mal que gocio algum com Gabriel AfTonso Rigueira, < aniiunci0 [10r e9ta fullia nestes quatro dias. irematarem duas casas terrreas nina no Jopo mais a affligia por semelhanto motivo. — Seempregado publico nesta cidade,que dando gundo o lugar do sua habitacSo, se hmido, seus bons movis a penhora vaio com emscceo.areado ou ventoso, sujeito a febres ou bargos 3., dizendo quo nSo sao seus, e para nutra ¡uluimidade. -Terceiro se na familia que o publico ajuize peste inao empregado, lem apparecido casos de molestias por despor isso faco o presente annuncio. posigSo hereditaria ou adquenda. — Quarlo JoSo da Silva Loureiro sedoente desyphilis pela primeira, sogun( j B baixo assignado, morador da ou mais vezes, em que lempo o foi pela 9 rv • primeira vez, o tompo ou intervallo que mona loja do sobrado, da ra utreita diou no soffrimento de urna s oulras, quses os principaes symplomas que eutSo experimentara, rcmodios &. de que usu, ATTENCA". n. 5o, protesta ¡erante o publico e as autoridades criminaes desta da Bolla 11. 4 avahada em 350,000 rs.,o outra na ra do Cabra! n. 21 avaliada em Ucailtelista Salustianode Aqu200,000 rs. por execucam de D. Camarina .-, .. i ¡ Francisca do Espirito Santo contra Jos da nol'erreira, avisa ao respeitavel silvaUraga esua muiiier publico, que os seus bilhetes e can— ¡Vo sitio da Trampa n. 1, que tem venda lelas das loteras do Hiode Janci • ^^J, !" !" d0 pla 1 P r nder por ro, se vendem nicamente aa pra-J ^m C L aca zc c 1 da Independencia ns. i3 e ID lemahonra de levar ao conhecimento d a loia de calcado do Arantes; e na respeitavei publico, qu -! %  %  # • • IHT ic 1. novo eilao'lecimoiit'i
  • l| ie ie S emciOs, vao lodos ponuim neeffectivopadeeimeolode mal venreo ou mal que l|ie possa sourevir a e a ;fi,. maf j os em b revCj com a assit-naoutro qualquer dfsappareceram, modlicaser imputado; visto como consta!. Rerreir inntn s do thcram-se ou existem sem ilteracoapreciavel, „ .„ „II llura ue I entira, junio as uo un. eque nada menos importa quo a declaraa annunciante, que ella procura sourc ¡ ros J o3o |> c( J ro a Veig 1 e 1 molesa, sua especie ou vingar-se delle por lodos os meios' „.„„:. .,:..„. ,¡, ,,;.., ¡';,. U1 1,1^^^+** al o memento da cnsulB Simnlirio .1, Silva Barboza '\ ntom Alves da !" ivd l ,nl •" BOWMAN & ¡obre viudas o meios da Simplicio di Silva Barboza. nio( Q cautelista n5o pile de ros machinistas to para faier quaesquer conecto* mesmo os ir.ais difliccis que so pode>3 aproseular, ?3o do lempo da qualidade e curso ta, complica^Oos so de que so tem feilo uso. MC. CALLUM, enircnhei pOile lie.ros machinistas e fundidores de ferro mui comprada a casa di j1 resnoitnsamente ru do Padre Flori.no n. 68 : quem se julforma alguma impedir que olguns' J itUnna ,,„ PnRen j 10S> raaendeiroa, mi##>4#>*#** gar com algum direilo, ou hypotneca, anespeculadores compren, os seus bl-', ie iros, negociantes, fabricantes e ao resJ| COKSOLiono CRNTBAI. HOMCDOP4THIC0 %) nuncie por estes 4 dias. IIIPIPB o rmlel i<¡ nnra os tnrnar al peilavel publico, quo o seu oslabelocimento I DK PEB N *MBUCN. m Precsa-se de um moco, quo tonha as '"es e c.uicias, para os luiirai a. ^^ movido ,, or rnac ,, ina do vaporcon# Dthgiao pelo Dr. Sabino Olegario I.uilrecisa-se de urna prota captiva, para Habilitados para emprehender quaesquer pela manha, at as duas horas da tar 14. segundo andar, borda-sede matiz e seda o servico de urna casa ffancoa : na ra do¡ obras da 8ua arte> Bowman & Me. Callum Vd e. AS correspondencias e iniforma# por preco commodo, e lambem Taz-so ionatierro da Boa Vista, loja n. 1. desejim mais particularmente chamara (} coos poderao ser dirigidas verbal-ag eos do retroz com perteico— Aluga-se urna casa terrea com solBo, a tt en cflo publica para a sseguintes, por *9 mente, ou por escripto, devendo o (a. — Precisa-se de um caxeiro para a pano sitio do Cordeiro, margem do rio Capi-¡ orenl dellas grande sortimentoj prompta, fe? doente indicar primeiro: o nome, • fe) daiia da ra larga do Rozara n. 48; a trabaribe, com commodos para grande familia, as quaes construidas na sua fabrica pdem idade, eslado, profissfio, e constitu-# tar na mesma. cosinha fra.cocheira, estribara para 6 ou competir com as fabricadas em paiz es• • • '.. • 1 1 i/i.ini A il~ k. I.... 1 .. i 1 avivo ao •% .. — %  1 _.._.*— _•_• _; — J. .• _• .1 -• ~ r FLIHMIiS PARA 1852 Saluraiii a lu aa lolliinias nnpressas nesla lypographia, sendo de porta a 1G0 rs c de algibeira o 3ao rs., routendo todas as de algibeira a!cm do calendario, a de(iuic3o dos corpos celestes, aslrolagia, cometas continuacao da cbronologia pi incipiail.i, ba annos, juizo das limitneas de tempo pelos meteoros, tabela dos emolumentos dos parocbos em todas as uncces religiosas, e urnas colleccoes de ancdotas,bons ditos,etc., outras a conlissao do marojo c mitras alinguagem das llores, fructas e jogos de finezas de llores c breve sabirao s de almanak, muito acrescentado e corrigido : vendem-se nt livraria da praca da Independencia n. 6 e 8. — Vndese, 1 dinli ¡ro a vista, lencos de seda que serven) para hombros de senbora, a 1,440rs.; ditos dito, dito, 1,000 rs; ditos de seda branca com bonitas barras de cores, a 2,000 rs.: ditos para meninas, de varios procos; na loja n. 2 ds ra Nova. -Vende-so um rologio decaixa de|prata, fabrica ingleza, sem precisar de concortu algum: na ra larg do Rozario, venda n. 39. Maravilba Historia do Brasil a 1^000 !! Amia so vende a historia do brasil pelo deminuto preco do 1,01)01 cheguein IDtei quo sa acabo : na 1 na do Crespo, loja n. 16. — Na ra .Nova, n. 61, vende-S urna moliilia do Jacaranda, ja usada, lun couio 30 lelhas do vldro, por preco commodo. — Vende-so um gallo uo Clmpini bom cjnta lor, um cuiio.o um cabocolinlio, ambas bons Cinta'doiea : na ra da Praia 11. 70, armazem de carnes. a* si-*.••"* v a *<><*-*.* >* 15 Vendoiii-ss encera los do cores de ^ madeira pira cobrir pianos, mesas do jantar : na ra Nova n. i. Kolim. Na rila do Vigario n. 23,sogunlo andar ha para vender muito superior rolim para tecer cadoirasa pre^o commodo. Sal em paneiros. Vende-se no Armazem doSr. Antonio Annos, no caeS da Alfandega ou trata-sc com J. B. da Funseca Jnior : na ra do Vigaiio n. 23,2. andar. Deposito de tecidos da fabriJ ca de Todos os Santos, na Babia. Vendo-se em casa de Domingos Al & ft % fe fi & S ft fe A Vendem-se e alugam-s bichas, cheB 4) gaitas ulti.i.ament do llamburgo, or j prego commodo: na ra do S. Amaro a| II. 28. 4 ,-.*>+* %  %  ** %  <•*** :> SS4-S++ (i! virgem em pcilra, chrgada reciMitanionlode Lisboa, om ancoras, muitu bem acondicionadas, vende-se a prego muilo cominndo : no armazem de Silva barroca, na ra do Trapiche n. 19. — Vende-se no armazem da ra da Cruz n. 48, os seguintc gneros a precos commodos : — frascos de vi.iro com bocea larga de diversos tamanhos, latas com bolacbinbasde Allemanba muito noalvaiade muito lino em bare secante em barrial W (fio ; tegundo: as molestias, quo tem V tido, e os remedios tomados ; fcrccig te ro -. a poca do apparecimento da mo9 tlestia actual, edescripgfio minuciosa, 4 9 dos aignaes ou symplomas que soffier fe tar ua i.icou.a. ousiiiiiB tura, cuuuoiro, nn %  i"i" "u competir Com a — J0O0 Vicente da Silva Costa avisa as H cavallos, e quaito para criado ; urna dita trangeiro, tanto t pessoas a quem iiui.a communicauC, que se mais pequeua uu iiiesui ato, taniusn. CO iidade da materi mudava para a ra do Livramento, qae delcomniodos para familia, cosinha fra, e es xa de o fazer, tendo j se desonerado totaltribaria para 4 cavallos : para ver no mesmente da casa para com a pessoa locadora ; mo sitio, e para tratar com Gabriel Antonio, pelo que ple ser anda procurado e 111 casa no pateo do Carmo n. 17. de sen sogro na ra da Santa Crnz n. 66. Attenco 'Z^Z a dT a Au P ?o r ?. C n?28 d 8h \;^^r\X:=^ O arrematante dos",.^ slosdas 126,27 e 28do passado mez,hcam transferida aferigOes, das licengasdos mascates e boen— Precisa-se alugar urna preta, para venpari pr ¡ m oira audiencia. teiras, mudou-se para a ruadas Agoas Ver— Frecisa-se alusar urna escrades n. 25. • k v. %  1 • ~ —~ -Manoel de Almeida Lopes, com cisa va, que seja boacosinueira c comj consi|{( ,aq3o para comprar o vender espradeira, : quem a tiver dirija-se era vos, tanto para esta provincia, como paa ra da A.,sumpcao ou muro da Fenha a. 16. der na rua ; quem tiver, dirija-se a ra da Conceiffio da Boa Vista, casa n. 5. — Dam-se 200,000 rs. a juros, de 2 por cento ao mez, sobre poohores de ouro, ou l' r ala : no pateo do Carmo, loja n. 3, se dir 'luom di. — Perante o Dr. juiz do civel di primeira vira, no dia 5 do correte, na sala di iuitiencii, lem de ser arremata Jo, um moleque, penhordo a Domingos Pereira Mendanha. — No dia 23 do pissado, desippireceu do engenho Arembi, freguezia de Ipojuca, urna mulata, bem alv, cabellos bem pretose meios encolhldos, um Unto biixa e magra, com sardas pela cara, nariz afilado, porm erosso, e presentemente teve um tumor no em prego como em quaas primas e mao d'obra a saber: Machinas de vapor da melhorconstrucgfio. Moenda's de canna para engenhos de lodos os tamanhos, movidas a vapor por igoa ou animaes. Rodas d'agoa,moinbos de vento eserraas. Manejos independentes para cavallos. Rodas dentadas. AguilhOes, bronzesechumaceiras. CavilhOes e parafusos de todos os tamanhos. Taixas.pares.crivose boceas de fornalha. Moinhos do mandioca, movidos a mfio ou rua da da Cae — Adverte-se ao Sr. Bernardo de|AlbuKxm. ira dalla, mudou a sua residencia da muiuu !" ou. !" .v., „„..-„ ia Cadeia do Recife, n.5l, para a rua por animaes, e prensas para a dita. acimba, n. II, aonde inurou o finado! Chapas de fogSo e frnos do farinha. .vigario. Brrelo, onde continua, offeI Canos de ferro, torneiras de Ierro 1 ado-se toda a segurauca precisa para os bronze. po"'d;e"nesTa praga.nao tem pago I subamesmos e bom tr.t.mento. ?, 0 „ m b "V P "nL^nime, e ou e ,ent'^ m criucio do Diirio. -No dia 3 do crrante na sala das audienvidas 1 mfio, por animaes 011 vento. -Borda-se com perfaigao de muito bom cias. floJa que sej a do Dr. juiz municipal Cuindasles gu.nc" "ooslo reposte.ros e baudeiras, o mais obras, da sogundi vara ter lugar a arrematagfio Prensas hydriulicas e do pararuso. Na mesma casa paga-se 480 rs. por caada de diversos movis de pouco valor piohora| Ferragons para navios, carroso Obras pude, azeite na rua estrella do Rozario n. 37. dos ao Padre Jos Xavier Mendes Corjo Micas. ."NO da sexla-feira 28 do p. p. pelas 7 por execugao de Manoel Itibeiro da Cunba Columnas, virandas, grades e portOes. bons di noite, vindo um menino a cmllo Olivera, escrivllo Siatos. I Prensas de copiar crias e sellar. nguom naturios ; i ellas que o prego convida e a festa he a 25 do coi rento Pentes de tartaruga. Na roa larga do Rozario n. 38, loja de miudezas do Cardial, vendem-se, por tflo diminuto prego, pentes de tartaruga para cuc, que ninguem deixar de es comprar, sa delles tiver necessidade. Carelios de arroz 1 '-ta ja tfio conhecida substancia alimentaria para os cavallos prximamente ebegados, em sacas por prego commodo vende-sa no armazem do Sr. Antonio Anuesjno oaea da Alfandega. Calcados a 800, a,5oo, 3,000, 4,ooo, c 6,000 rs., no aterro da Boa-Vista, defronle dar boneca, II 1 chegulo reccnlemento os bem conhecidos sapatOes do Aractly, tanto para homem como para menino a 800 rs., de orelha a 1,000 rs., ditos de lustro para ditos 1 2,500 rs, ditos para homem os melhores que tem viudo di llahia a 3,000 e 4,000 rs., e botina a 6.000 rs.; nssira como um novo o completo sorlimonlo do cagalos francezes do todas as quMidades tanto pira homem c.imi para senbora, meninos e menims, peles do niarrnqiiim o cortes de tapete a 480 rs, t seu lo p ircJo, d-se por menos, tudo afim de se apurar dinheiro. -Vendem-se o,itimas canoas de tolos os tmennos, rindas do Pilar, provincia das Ala ..a-, pur pregos coui.nodos : a tratar na rua do l.ivraaiento n. 16. Bilhetes do Rio de Janeiro. AOS 20:000,000 de rs. Na luja de miudezas da praca da Independencia n. 4 ? vendem-se billictcs inteiros, meios, quartos, oitavosc vigsimos, a beneficio da segunda lotera do Hospicio de l'edro II que icou para correr no dii a5 ou i"¡ de novembro, Bilhetes do Rio de Janeiro. Aos 30:000,000 de rs. O caulelista Salustiano de Aquino Ferreira, avisa ao respeitavei publico, que no dia 4 ou 5 deste mez, deve chegar do Sul o vapor da compmia brasileira, conductor da lista da stima lotera do tbeatro de Nictheroy, e paga sem ganancia algum. todos e quaesquer premios que sabirem nos bilhetes meios, quartos e cautelajs, vendidos na praca da Independencia ns. 13 c 15, loja de calcado do Abantes, c na rua da Cadeia do llecife n. 4G '"ja de miudezas, e tamben laz sciente ao respeitavei publico, se por acaso vier o resumo da extrarao di segunda lotera do Hospicio de l'edro II noJornal do (Jommercio por elle responsibelsa-se a pagar em continente sem descont algum lodos c quaesquer premios da referida lotera lugares cima mencionados, les queestam no resto. nos A elMeios bilhetes n,noo Quartos 5,5oo (Jila vos 2,800 Vigsimos 1,300 SALSA PARRILUA E Aireos* As nu 1 orosas cxueriencias feitas como uso di salsa parrilha em todas as enfermldades, originadas p-la impureza do singue, e o bom xito obli lo na corto pelo lllm. Sr. I)r. Sigau I, presidente da academia imperial do medicina, 1 co lllustrado Sr. Dr. Antonio Jos Peixoto em sua clnica, eem sua afamada casadosaudc na 1; %  mlioa, pelo lllm. Sr. Dr. Saturnino do Oliveira, medico do exercilo o por varios outros mdicos, permitiem hoje de proclamar altamente as virtu los effJcaies da SALSA PARRILHA DE Nota. — Cada garrafa conlem duas libras de liquido, e salsa an ilna do Krislnl he garantida, piiranicnlo vegetal som mercurio, iodo, pi-tasium. Vcudc-so a 5/000 rs. o vidro na botica do Sr. Jo-o Maria Congalvcs Ramos : rua dos Quarteis pogada ao qu niel do polica. vas, cas, pedra hume em barricas, essencias de canella, cravo e zimbro, sevadinba em gacrafties e sil de •I' in muito alvo e,:i barricas. •Vende se urna preta creoula, bonita ligura, sem vicios e nem achaques : as Cinco Ponas n 71. — Vende-se uina porgSo do madeira de amarello, em prancho, a prego regular : na praga do Commercio n. 6, primeiro andar. <—Veodo-se um bonito escravo de 25 annos do idade, de excellente coaducta, dirse-hi o motivo: na roa da Praia, n. 43, primeiro miar. — Vendem-so duas rotulas fortes, forradas de ferro, novas e do ama ello, por prego commodo 1 na rua do Passeio n. 5, loja de fazendas. Gordas do Iripi pin viollo, 1 40 rs. cidi urna. Vende-so na rua estreila do Rozario, travessa do Queimado, loja de miudezas n. 2 A, junio ao deposite de pSo ; a ellas intes que se acibem (raudo novillaje. Vende-so o mais perfeito alambique com o seu competente fu-ai, para espirito de vinho, quo em 5 minutos aprompta o mais 'claro elimpo caf, que se pdetomir; o Fende-se no Maranhio, a fabrica de bugias stiarinas e sabo. Os administradores da liquidacao de Tbeodoro Chavanes, vendem a fabrica denominada Maranhense, na rua do Pioponto, delta cidade ( porto dos remedios) a saber : — casa em que est montada a fabrica, com ao bracas de frente e 15 de fundo ; 1 prensas hidrulicas, orisontaes de torga de 600,000 libras, cada urna ; 1 dita vertical de forca de 400,000 libras; 3 grandes caldeiras montadas, para o fabrico do sabaoj-/fritas para derreter sebo; todos ospertences necessarios para o fabrico do stearina e sabao ; 9 eseravos entendedores do servico geral da fabrica j 1 terreno annexo a fabrica, com 7 bracas de frente e i5 de fundo ; 1 dito fronteiro a mesma fabrica, com 18 brasas de I rente e a8 de fundo : as pessoas quepretenderem comprar, pdem nesta praca dirigirem-se a .1, rveller ek Companhia. —



    PAGE 1

    que gracas i sli StrifforJ Canning, seu 'pedir que %  assomblea passasse immediata-1 Dito dito dito zea 32 OB.Laixador om Conslanlinoph. o ne|00io-nianto a nomcar urna ocmmissSo que fossol odlto do Mranhaod se arr. niara, e que so obter do gOTernoencarregada de fazer un relalorio sobra r r „o i?„i %  turco a rtifiCes"o do tratado concedo conducta do govorno e sobro a situacS PODito do Maranhao pela comi'aohia ingleza com o vico-reP %  lllica. Era uma verdadeira e formal decaGomina copal dem, 7 de noveinbrode 1831. ;rac3o de guerra contra o presidente, esei|j,,¡ cicuan h A crise ministerial de que Ihe fallei na de mui boa origen que o acto de Mr.Rarryer Oleo de copabiba ultima carta que iba escrev terminou no i fra deliberado naquella mesme manhSa enda 26deoutubro. O presi lenta parlamen-j tre os chfes da ni noria ; mais a maioria lou multo lempo com iiomens do todos os i neasa occasiSo decisiva teve o bom senso de credos, mas eslava firmemente resolvido a no soguir sous cliefes, Mr. Berryorcomu3o tomar por ministros senBo homensdei prehaudeo quo ia ser abandonado, e dolor lem, por isso Mr. Uillault fi apartado, 1 xou prudentemente cahir sua proposla, lo. bem que na illusSu de sua vaidade se tidavia o nao humor dos partidos tinha neccassidada de uma pequea salisfacflo, e a -o 9! 91 340 i8 20 102 I O 1 -' too 200 2 vesse lisoDgeado um instante de que Luis Bonaparle se laucar ia em seus bracos. L'isaqui qual he a composic3o do gabinete novo o bem aasim algumas palavras sobre cada um dos bomens que nelle tem assunto. Minist-rlu da justiga Mr. Daviel, procurador geral em RuSo ; fie oa antigo advogado que teve alguma c-Hebridado no foro, bem que nSo tivesse jamis tido assento as assemblas parlamentares. Elle subslituio a outro procurador geral, Mr. Carbin, que uflo quiz aceitar a pasta. Negocios cstrangeiros Mr. de Turgot, expar de Franca, homam mui considerado e mu rico, o qual he lenenle-coroncl da primeira legiao da guarda nacional de Pars. lnslrucSo publica oculto Mr Carlos Giran I, iiviiiliro.li instituto o do conselho superior da inslruccao publica, homem mui hbil e mui honrado, o qual ja fez parte do ministerio provisorio formado no moz de Janeiro dsstoanno. Interior Mr. de Thorigny, ex-advogado geral junto do tribudal do ap.ieliac5o de Parie.-tlr. de Thorigny que al aqu no se tem oceupado ¡le poltica,ha dolado em mui alto grao do dom da palavra, ello ser o orador do gabinete. Agricultura o commcrcio Mr. f.asabianca, representante do povo ; elle passa por ter um cario ment e tim-sc BSSlgn ilado principalmente" por sua dedlOicSo a Luiz lionaparle, dedicasSo que lie compartilha la poi lodos seus compatriotas. Mr. Casilnanca be originario da ilha ea. que vio a luz o grande Napoleilo; elle he corso. Obras publicas Mr, l.acronc, ex-vice-prcsidonte da essembla legislativa. Mr. Lacrone he um homem excedente ; bem que mao orador, he amado e estimado de todos s.-us collegas. Elle j exerc-'u as funrees de ministro das obras publicas em 1819. Marinha e Collonias Mr. Tortoul, representante do povo; he um homem mui pouco proprio para suas funeces, pois que he simplesmenteprofessor de bellas letras,n3o be como Mr. Cssacibisnca, inleiramont dedicado ao presidenteGuerra o general de divisad I.erny de Saiut Arnand, militar excellente,o qual acabale l'azer naJAIgeria contra os rabes uma pequen maioria recusou dar ao ministerio a declarecSo do urgencia quo elle pedia. Est voto tera em resultado impedir que a le seja volada em uma s deliberaba, e submetle-la a prova de uma triplica discussSo. He uma pobre vuiganr-a, que nSo ter outro resultado mais que o de prolongar a agitadlo. Dopoisdeste voto a assembla passou a nomracSo da meza, ella reelegeu seu presidente, c excluio das funeces de secretario um candidato que passa por mui delicado a Luiz Bonaparte. S9o provocares bstanlo mesquinhas; mas eis aqui uma mais significativa : os tres quostores da assemblca acaba 'n deaprosenlar uma proposta que tem por llm aulorisar o presidente da assemblca a requerirs tropas qu 1 julgar necessarias para a defeza do parlamento o a designar scu chefo. S3o vordadeiras ameaeas, de guerra, mas veiomos se se attreve r.1o a lova-las ataos actos. Os peridicos de Alie jianlia annunciaramnos a morle da senhora duqueza de Angouleme, fllha do destacado rei Luiz XVI que morreo sobro o cadafalso, ora do roi Carlos X, e miilher do duque de AngoulCme, que os legitimistas champa n Luiz XIX, ambos morios sobre o odaialso. Sua alteza real morreo a 19 de oulubro em Erosdnorff na Austria, depois de Irez dias de docnca Ella tinha 73 annos o dez mezas de i lado ; sua vida nilo foi senSo um longo infortunio, e esta augusta muiher nascida sobro os deros do throno, passou trez annos na prisco e 0 no exilio. Era II na pnne va boa; mansa, piedosa, caritativa e que nSo tinha merecido de n nhuma mancira por sua conducta as ii Iversi lados que a foriram; ella dcixa a seu sobrinlio o onde do Chambord toda sua fortuna que eleva-se somonte a um millifio do florius. >eundo suas ultimas vontades expressas om seu testamento, SJU cjrpo fui depositado cm Corita na i-11 rila (los Franciscanos, junto dos restos mortaes de seu sogro e de seu esposo. O conde dn Chambord dirigir o funeral asistido de dous archiduques de Austria e do infante I) Carlos de llespanha. Ja Ihe fallei das revoltas dos Camponearrnb. 1..U0 1,400 ti.'' 24,00 2,000 lib. 200 316 arrob. 14,600 I..500 O.aiO 7,000 1,4.10 1,450 1,400 „ 1,100 ,. 1,100 mil 70,000 80.000 „ 10,000 14,000 brilhanle caro: anha de 80 dias, na qual deu jzes que tiveram lugar em alguns de nossos mais de vinte combates. O presideuteesco-j departamento vizmtiosdePariz para acabar lhe-o entre todos os generaes como homem t comas sociedades secretas que tem suscide acc.So e de execuciloliado esses disturbios, o govarno acaba de Fazenda Mr. Ulonlel, ompregado superiory tomar uma medida enrgica a qual toda a dessa repartidlo como inspector geral, llu¡ gente hunoslo tem applaudido; elle declamara especial que dizom sor mui hbil, mas" ou os dous departamentos mais comprmeque nao poz jamis o p na poltica. Ilein i tidos, (¡her e Nicvro, em estado de sitio. He como Vmc. ve, esse ministeiio nlo brilha [agora a aulorida le militar que governa espelo esplendor das celebrilades parlamen-1 t-s departamentos e he a jusliija militar que tares. Seus me -libros s3o tolos os bomons Holgara ali os ciimes eos dolidos polticos, iiovos em poltica, ou de segunda O'dem, Ja e tnlo vigoros i dos gneros que com mas tal qual he, basta para o lim quo Luiz Ouruc Satia parrllba superior Dita dita mediana ,, lina ditas iufehor ,, Captivos de direitos. AisucardePern. branco arrob. Dito do Rio de Janeiro „ Dito da Babia „ liiio de Santoa F. ., lulo das Alagoas „ Dito do Para bruto ,, Dito inascavado ., %  i! 111-1 -. do Brasil grandes linos ditos pequeos „ Vaquelas de Pera, c Cear urna Diu do Rio „ Dita do Maranho „ Eiiptchuioi. Ail Arroi carolioo Q. Dito de Santos ,. Dito do Marauhao e Par ord. ,. Diiodiio melbor >> Dito dito superior 1, Dita dito tu i ii lo ,, Dito do Itio de Janeiro ,, Familia de pao do Hrasll arrob. i.oniiii i alcatlra I." sorte lib. Diadliaseguudadila ,. Tapioca arrob. Preco corrcnU dot asneros de Portugal. Ca'plivos dedireito. Auiendoa em milo doce de Algarve acrob. 3,300 Dita dita da Helia >> Una dita amarga da dita Dita em casca couca Hita dita mollar Diladtta duratias Cera nacional branca Dita dita ainarella Figos do Algrave, comadre arrob. Ditos dito branca %  • Presuntos bes-pac Atufos. Alpista alq. Bacalhio nacional seceo Q Dito dito fresco II Feijo das i I has alq. Uilo dito do Porto c I'igucira „ Dito rajado >• Dito fradinho % %  Cro de bico H I'assas da terra arrob. Sarro de vinlio tinto is Dito dito branco i* \ iiilm moscatel de Sclubal caia A burdo. Ago'ardentc de30g. encase, pipa lOo.oOO 10,50 8,000 1.800 l.SiiO 1,600 1,450 1.3"' 600 1.200 6,400 6,600 Nao ha. 5,600 5.800 6,000 0.200 6,400 6,600 3,800 4,000 4.400 ,800 600 700 —f. 1,400 i.oo alq. 1,160 lib. 300 J7 50a 103 700 4,400 3,200 540 54d 360 380 50 1,400 1,400 4,0-10 5,760 3.400 -~t. 1,200 —f. —f. 3i 478 600 500 2,500 820 4,600 3,600 640 709 Q. 8,! Ilonaparle se. propOe, e que conmista em levar suas palavaas a assemblca, e sacrificarse por elle. A nov administraco foi complcli pela nonn-acSo de Mr. de Mauras, o qual sulistito i a Mr. Garlier na prefaituri do polici >. l'sta escolna oSn aalisfez romidolamonle nandutn o Nievro c O Cher lem pezado sobre os iniseraveis fautores da desurdem; buscas tem sido da las em todos os pontos, resultando dellas acliar-so omcasa do multas d -anagogos escritos que os comprometi n bastante,armas, plvora etc; muitos iloiitre ellos lem sido presos c os cslabeleci melos cm que os anar.hisias loliam rcu Ateitc alin. 2,700 Llmao cala 8,400 Sal grosso m.* 1.250 Dito redondo >> !,100 Dito lino para consumo „ 1.400 Dito trigueiro u 1,25 Cortica n i de tres tamanhos de grosaura para rolhaa Dita n. de tres tamanhos Dita n. 3 dita Dita II. i para pescara Vinbo superior Dito ordinario Vinagre Trigo do Reino alq. Dito dito multe % %  Dito das llhas % %  Cevadado Reino ,, Dila das Illiaa „ Milho do Reino ., Dito das llhas ,, Ccnlcio do Reino ,, ESTADO 1)0 MERCADO. 2,8o0 1.300 1,200 l,son 1,300 ,20 8000 ;; 4,2oo „ 1,000 pipa48,000 S4.I.O0 .. 40.000 48,000 46,000 48,000 2,400 400 44 41 240 250 330 250 3z 480 5200 4700 2>— 360 3l0 330 ao mercado. Os algodonadoF.grptoilotamli-ni procurados a precos finnes,porom Ini jos, nssim como os de Surrate. Ilepetlmos novamente, a sorte do mercado depende muilo dos avisos da America, como do aspecto da colhota que esti getada com probabilidade da aafra aer nicamente confirmada em 3:500,000 aaccia ter utr effoito decidido sobre nos em uma dirceclio a cima, c n quanto o tempo for bom, e a evidencia da abundancia, permiltir que o noss mercado permanoca aocegado. As noticias de Manchester nao sfio desanionadoralAs cotac6es|do Imiii. permanecem inaltoravel, nominalmente, Uplands 5 d, Mobile 5, d, e nrleans 5 1 (4 d. As noticias recebidas esta nianhAa pelo vapor Atlntico, lili un de um gelo mortfero no dostricto do algodo; esperamos, cum tudo verso he exatoo ques' diz por noticias mais modernas. Fram tomadas para expeculsgo 4,000 uceas da America, 800 de Surrate, e 90 do Egyplo e pa ra exportar;.lo 9,330 da America, 2,600 di Surrate, e20da Babia. As vendas da semana, orcavam em 58,820 saccas. As vendas al hoje constavao de 1:672,060 saccas. A importar;"¡o al a iin-sm i poca forilu de 1:562,197 siccas. O depozito al esta mesma dacta esta calculado em 416,880 saccas. O consumo al hoje orgava em 1.333,710 saccas. A exportacSo at osle da osla eslimada 226,810 saccas. Os algodOes do Brasil aioda conservavam os procos segintes. Os de Pernambuco e Parahyba 5 7(8a 6 1|-J .1, os do Aracaty e CearA 5 7|8 a 6 d, os da Bahia e Macei, 5 5|8 a 6 l|2 d, o do Maranho 7|8 a 7 112 d, p., Ib. Movimento do porto. Natioi i/.'./ %  -.< no da l Parahiba —hiate brasileiro Exhala;3o, mesIro Antonio Mauoel Alfonso, carga farinha de trigo e mais gneros. Passageros, Jos Jacinihodos Res, Francisco da Costa Gadelha e Joao Jos da Rocha Leite. Rio ii.I nioii o e poitos intermedios-paquete de vapor brasileiro Pernambucano, coinmandaute JoSo llenrique Otlen Leva a seu bordo, Joo de Almeida Monleiro, br. Manoel Sobral Pinto, Manoel Garca Gil Pimental e 1 escravo, Jos Pereira da Silva Moraes el escravo,GaldinoJos Pereira Borges e l escravo, Francisco Xavier Pinto da Silva e l escravo, Francisco Blanchete com sua senhera, Manoel t:arrullo da Cosa o 1 escravo; Carlos Pedro 1.1...... *.i.,..;. I nn J n I /-! declaracao de fs 9 a fs foita polo commerOsSrs. assignantea porm no ioiTreram ciante Jos Dias da Silva e do reqnerimento alteracBo alguma nos precos de seus cinua fs 28 do credor Samuel Porver Johuston esrotes, e bllhetei de esdei ra. iii provadn que o dito commercianle cesstra Entende-se por geral os assentos que fjos seus oagamentos.por esta raiSo o iulgo cam por baiao da prlmeira ordena, e por.cifallido e declaro abe> la a sua falencia desde deiras, todo o centro da salla, o da 31 do passado outubro.qua flxocomo Comecara ais 8 horas em ponto, termo legal a ma existencia,pelo que orde-¡ Os Srs. queja haviSo encommeodadocanoquo se ponham sellos em lodosos bens,limarotes; queiram novamenta dirigir-sea vros,o papis do fallido, devendo para istofacasa do omprezario roa do Apollo n. 27, gg. xer-se pariin'pagSo ao respectivo juiz de paz, gundo andar, ou ao theatro com antecedene servindo de curador fiscal o credor Rotn BiOia. doulaoaquem nomeio para esse cargo de „ ,r. ~ r.~ que prestar juramente ecustts. Itecife 20 de l ubltcacoes Iliteraria. novembro de 1851,-Jos Rnymundo da CosELEMENTOS ta Menezrs.-Em cumprimento do que toos dos os credores presentes do referido fallido Ilomaopathia. comparerjam em caza do minha rezidencia Sabio a luz a segunda parte detta obra na ra da madre de Doos do bairro do Recife composta pelo professor homceopUis Cos. n. 1,1.* andar no dia 3 de dozembro do corset llimont. Recebem-se assignaturas p lr j rente anno pelas 10 horas da manhAa, afim a obra inteira a 5,000 rs., no consultorio de procederem a nomeac.lo de depositario ou ( bomceopathico da ra das Cruzes n. 28. De dopositariosquehao de recebare administrar pois da publicar;3o da terceira parte, o preprovisoriamente a cata falida. E para que osera elevado a 8,000 rs. para aquelles chaguea noticia a todosmandelpassar o preque nao tiverem astignado. No mesmo consont-i que sera publioado pela imprenta sultono, acha-sea venda tudo quanto he estilados nos lugares designados noart, n-cessario para o estudoea pratica da ho129 do reg. n. 738 de 25 de novembro de mceopathia, como seja : livros impresos 1850.—Dado e passado nesta cidada do Repara historias da doenles. regiraens aprocife e proviucia de pernambuco aos 29 do priadua para a provincia do Pernambuco n Novembro de 1851. -Eu Manoel Jos da Molancarrega-se de mandar fornecer qualquiT 'encommenda de medicamontus.bomceopathicos, tanto avulsos como em caixas, em glbulos como em tinturas. No prelo : — 'ni/moeneia dos medicamentos brasileiros. Elementos de anatoma e phiiiologia com estampas, para os curiosos em homceopathia. Roga-se aos seohores assignanles o obsequio de mandar receber seus exemplares no consultorio homojjpattiico da ra das Cruzes n. 28. TRATAMIENTO HOMEOiATHlGO. DAS MOLESTIAS VKSBKBJS, e conselhos aos doenles para sa curarom a si mesmo, sem precisarem de medico; pelo professor bomceopatha Gossct-/limn!. Saino a luz e acha-se a venda no consultorio hoinooopatlnco da ra das Cruzes n. 28, pelo preco de 1,000 ra. mmmmm' j L ta esenvao osubscrivi. Jos Ra ymundo da Costa M enezos. a Declarages. — O arsenal de guerra rompa azeitede carrapato e de coco, velas de carnauba, fio de algodflo e pavios i quom ditos gonoros quizar forneor comprela no ala 3 da crlenle mez, trazando sua proposta. — Pola recebedoria de rendas internas geraes, se faz publico quo he este o mez em quo he devido o pagamento bocea do cofre dos siguintes ¡nipos do crrente anno unan %  ii i de 1851 a 1852, lindo o qual ser a cobranza promovida pelos cobradores com o augmento de 3 por cento. Dcima addicional de mSo mora ( primei ro sumestre) Imposto sobre lujas e casas de descont etc. Dito sobro as casas de movis, roupas etc., fabricados em paiz esirangeiro. Dito sobre seges. Dito sobre barcos do intorior. Taxas dos escravos. Iliboiro, Antonio Jos do Amaral, Cleo—Pela 2." sessio da meza do consulado phano Pitagaury de Araujo e 1 escravo, provincial seannuncia, que no da I,' do deJos Francisco Thomaz do Nascimento |Zmbro prximo vindouro, so principia a Jofio dos Santos Sarahiba, A. Cicero Car-1 contar os 30 das para o pagamento a boca cia, JoSo Res Souza Dantas e 2 escravos, | do cofre da decima dos predios orbannos Joaquina Mello Rocha Severino Alves desU cidado, do primeiro semestre do anno Carvalho Jnior, A. Brazelio Pacheco financeiro de 1851 1852. e que lindo este Jo3o Mondes de Alm ida e 1 escravo, i re crula para a marinha e 1 ex-soldado. Itavioi entrados no dia 2. Camaragibe — 7 das, biate brasileiro Novo Destino, de 21 tooelladas, mestre EslevSo prazo incorrem tolos os que deixarom de pagar,na multada 3 por 0|0 sob o valor de seus dbitos, e serao de promplo execulados. -De orden) do lllm. Sr. director geral da Itibeiro, oquipagem 3, carga assucsr e InstruccSo publiea.Jaco saber a quemeonmadeira ; a Jos Manuel Avisos martimos. I--B S opiniSo; porquanto Mr. Uaupas no j iven 'mr-si 1'irani desapietadamnnlo (echad ••passa por multo ignorante e nuilo estou'" 'slu ti % %  excolleulo, p>r,iuo assim coavndn. I "•' 'i •'uso dous lilis, o de Iraiiquillsar a Os peridicos legilimist.is o orleanialaa tem grit do muilo contra O novo ministerio ¡ polen riles cs'av un di'Cidilosa adiar m todas as combiuacoes qac o prc-idente escolhesse, e seu mao humor ata tSo previsto que todas suas diatrlbea uo lem produzdu iienlimu elfeito sobre o publico, Com estes minisuos ou com "utros, o conflicto nao era menos iinin-nte entro o presidente o a assemblca ; por isso todo o mundo esperava com a mais viva impaciencia o com una inquietadlo no menos viva o momento em que a asjemblcaentraiia outra vez em sessao. Foi a quatro deste mez que isso lave lu gar, e nesse mesma' dia o presidente enviou-lhe sua menaagem annual, a qual foi lida pelo novo ministro do interior. Este documento be feito sob c o modelo das meosagens americanas, ello contm uma exposic3o circumslanciada da situarlo, tanto no interior como no exterior; mas desta vez o interesse n3o eslava as minuciosidades que formam a parle substancial da mensagem ; toda a altencSo do publico e da assembla dirigase para a lingoagem que o presidente fallara a respailo da deinissSu do ultimo ministe'io e da lei de 31 de ninia. A munsagom sobre este ponto foi 13o clara, tilo precisa, to franca quanlo era pos%  1V.I. presidente declara que poslo livesse por seus ministros urna alta eslima, foi todava forjado a privar-se de seus servidos, porquanto nSo pode cuucordar com elle* sobro a le de 31 maio, da qual dc-eja e pede expresamente a revogai;3o. Toila a ultima parte da mensagem tem por lim indicaras rases pelas quaes elle sa v Toreado a pedir a revogacSo de uma lei que nao tem seaSo descito mezes de existencia, que fara a presentada por seus ministros e por ello proprio seccionada. Resumire cm pouca palavras eslas rasas que s3o mui g aves. O presidente aflirtna que a lei, cujos effeilos nimguem ao priucipio podia apreciar,tem tido na pratica conaeqoeucias desastrosas e inleiramenle imprevistas; ella suprimi mais de tres inillioes de eleitores, cujo maior numero porlence classe dos pacficos culsivadores du ¡ampo, he esse um mal da lei que cumpre remediar. Demais a lei lie um ¡perigo permanente e immenso, por que lodo o mundo sabe em Franca que os demagogos esluo determinados a dar batalha as prximas eleicOes geraes sobre o terreno do sufragio universal inscripto na constituicilo, e violado, ao seu ver, pela lei de 31 de maio. Issso nSo he anda tudo ; esta le tem outro eiTeito ; olla falsifica %  constitmcilo, pois torna quasi impossivel a eleir;3o directa do presidente, e abandona indirectamente esta eleic3o eteollia arbitraria da assembla. Finalmente o ultimo defleilo da lei de 31 de maio he tornar • revisio da constituic.3u quasi impossivel, porque muitos representantes! se recusam afolar por uma revisSo que deveria ser feita por uma assembla emanada do sufragio restricto. Estes motivos sQo mui graves e proprios a l'azer a mais viva impressSo sobre o publico. Ilouveoutro motivo maisgraveamda e que o presidente n3o poda dar, he que uinu tal le he inaxecutavel desde o instante que he cumdemnada pelo poder executivo eucarreitado de a Tazar execular. A maioria da assembla, que coosidera a lei da 31 de maio como sua arca santa, ouvio con eslremecimentos de colera a mensageot do presidente, qual eslava ¡unto um projecto de le eleitoral que revoga a lei de 31 de maio. Logo qua o ministro do interior acabou sii J ¡altura, chefo da direita legilimista, Mr. Ijerryer, dirigio-se para a tribuna, uliui de gente de bom o o de espantar os maus. Estou lii lilemente convencido de que se a Franca podo ser salva dos pongos que a auujsc3.i, lie o i-xe i'it i que a salva a, gracas s ia disciplina o a energa inteligente dos ctirfes que o cuminandam. Ilchaixo dosis ponto ile vista o uovo ministro da guerra esta ¡oteirafflente naalluiadn sua mM8o¡ rile acalni 1I0 dirigir aooxerciloe aosofficiaes gsneracs que comman lain as divises militares duas pruclainatOis clicias do mais vigoroso espritu, e que tem producido urna profunda sensac3o. Antes do deixiir o terreno dos negocios francezis, devu chamar sua atteoolo sobre um pargrafo da mensagam que so rofeie indirectamente ao Brasil, Eis aqu em qu termos o presidente se exprim a resptito dos negocios do Prata. Os notos aconlecitucnlosque tem litio luyar as margens do Prata le 11 grandemente modificado a situado respectiva dos estados empenliados na lula. Kilos obrigam-nos a suspender os arranjamenlos que lindamos proparado para uma pacificarlo. A consaquencia que se dar tirar desta declararlo he que os tratados concluidos pelo almirante Le Predour est3o bem e devidamentc intiressados, s >lvo de llosas vencer seus inimigos, o que mo paleen inleirainento impossivel oepois que o Brosll dcclaioo-se contra ello. OlCirj DI DIZtMB.IO DE 1831. Pelo vaper Inglez Tay chegado hoja de Soulhamplon va Lisboa,'Madeira, S. Vicenta o Teiicnf ropohnn.rt. ^r,ri;K dn nnn correspon lentes do Lisboa c Paris q ue licam transcriplas om oulro lugar deste Diario, o bem assun varias gazatas inglezas, frailenzas, c liespanholas, quealcancam, as primeirasesegundas ado novembro p.p., a as ultimas a 9; mas por falta de lempo n3o nos ha possivel nada referir do que nellas encontramos, limitando-nos a penas a dizor que em Londres os consolidados licaassucar. — As vendas lecm-so limitado ao consumo do paiz, exportando-so apenas em todo o mez de outubro 35 barricas e 665 saceos. AlgodSo. — %  Roaliaaram-ao algumas vendas, porm poucas. Cafo.—Ilouve diversas vendas para consumo o exportado, o lem sustontado o preQO. Couros. — EITectuaram-so algumas vendas dos das Minas, Bahia e Ma auli3o. i. -nuil copal. — Continua a ser procurada a de tina qualidade. da que lia falta. Ipicacuanha. — N3o ha. Ourucu'. — Poucas vendas. Salsa parrilha. — Tambem se cITacluaram poucas vendas. Cacao. -II livor, i m algumas vendas para consumo e reexporta(3o. [Navios a carga. I'araollio de Janeiro, o patacho sueco Delphim, capitao A. M. Timan. dem, a barca portugueza flor do Panqu capito Vicente Anastacio llodrigues. Para Pernambuco, o brigue portuguez Laia, cupit3o Jos de Abreu. Para o Ido de Janeiro, a galera ingleza Gipsey, capitn G. Melchel, consignatario Miranda & Filhos. dem, o brigue suoco Ernesl, capitSoT. T. Newkircb. dem, a barca sueca Adelaide, capitn Sundsman. dem, o brigue russiano Preciosa, capitHo G, JA. Wufiman. dem, a galera bremeza Leontldre, capi13o Ariams. dem, a barca ingleza Lulecka, capitao T. WilliamSoa. dem, o brigue portuguez Joven Nicolao, capitao Fernando Jos de Almeida. Para a Uania, o brigue suoco Daphne, capitao S. W. Pitmson. Para o Para a barca portugueza Olivcira, capilSo epraticoJos Miguel itibeiro. Para Pernambuco, o brigue purtuguez Tarujo I, capll3o Manoel de Oliveira Kanoci. Navios viudo do Bra sil. Oitulii i 15, biigue por tuguezl.ai.i, cipiIBo M. I. Anlunes de, de Pernambuco em 46 dias, com assucar, dem 17, patacho portuguez Destino, capitao i J M squiia, da Baha em 50 dias cum assucar e mais gneros. I lasu barca portugueza Oliveira Feliz, cspitSo I. C. da Fonseca, do Rio pe Janeiro em Martina. Passageros, Joaquim de Souza e Silva, e Antonio Jorge llolrigues. Parahiba --24 lloras, hiate brasileiro Parali i ha no, de 37 tonelladas, mestre Victorino Jos Pereira, equipagem 5, carga toros de mangue; ao mestre. Antuerpia —40 das, barca belga l.ouise, de 250 tonelladas, capitao F. Maulenbrock, oquipagem 14, carga fazendas e mais ginaros, a Brandar a Brandls Companhia. Troon — 29 das, brigue austraco Pirast, de 301 tonelladas, capitSo M. Serovich, equipagem II, caiga carvflo ; a orden). Porto — 29 das, barca portugueza Nossa S da Boa Viagem, de 352 tonelladas, capitao Antonio Ferreira Leite Jnior, equipagem 29, carga vinho e mais genoros ; a Francisco Alves da Cunha. Traz 69 passageros. Ficou dequarentena por 10dias. Copenhague-49 dias, brigue dinamarquez Cora, de 152 tonelladas, capitao John P. I'iunii, equipagem 10, carga carvSo; a Itoth Bidoulac. Southampton e portos intermedios 22dias, vapor inglez Tay commandante Chapman. vincia — Para o Kio de Janeiro seguir* em poucosdias o veleiro brigue Mafra, o qual somonte recebe alguns escravos e passageros para o que tem bons commodos ; quera pretender pode enten ler-se com o capitao, ou com Amorim & limaos,na ra da Cadeiado Itecife n. 39. — Pai a o Rio Grande do Sul pretende sabir brevo o brigue al'eln UniSo por ter urna parte do seu carregamento promplo, indi recebe carga a frele. Quem no mesmo quizar carregar pode entender-so com os consignatarios Amorim & IrraSos ra daCadeit n. 39 Para o Aracaty at o dia 5 de deze mbro ram, de 97 7|8 a 98; os fundos brasileiros, os ¡ 6 jja,, com !3UCir e „,,;, g „neroa. riovos, a 86 1|2; m de Bu.-nos-Ayres, de 411 ij em ._ brigue brazilero Flor do Norte, V „ a ,t j "L^l tro P ,rc."JeTa'ie." A arrematacBo sera feita na forma dos Carolina--a Sra. D. Auna. arts.24e27 da loi n. 286 do 17 demiio do j 0 anna--aSra. Luiza. corronto anno. As pessoas que se propozerom a esta ar titulado D. JOAO DE MARAA, ou A Queda de um Aojo. I'erstonageitt e actores. D. Jo3o de .Maraa -• o Sr. GuimarSes. D. Jos de Maraa — o Sr. Amo lo. D. Muri: — o Sr. Miranda. D. Christoval o Sr. Talles. D. -M %  ii'i.-i — o Sr. Conrado. D Sandovald'Ojedo oSr. Gyrillo. D. Pedro -o Sr. Jorge. D. llenrique — o Sr, Figueiredo. D. Tradique — o Sr Caetano. D. Snchez — o Sr. Senna. O .Mijo Mao — o Sr. Mello. O conde de Maraa -• M. N. O Senescal N. N. Gmez -o Sr. Santa Roza. Ilusseiu, criado, pagem —o Sr. Euzebio. Um Anjo -o Sr. Dornellas, O bom Anjo, Sror Marlha — a Sra. D. Leopoldina. Therezina — a Sra. D. Joanna. Ignez — oa. t. Carolini. Kablio & Pilho. — Para Lisboa sane impreterivelmenle no dia 7 de dezembro o brigue portuguez Cuiicciojii de Mara. Anda recebe alguma carga e passagoiros para o que tem excelentes comino los, trata-se com seus consignatarios Thomaz de Aquino Fonseci & Killio : na ra do Vigario n. 19 primeiro andar ou com o capitao na praca | — Para o Rio Grande do Sul, seguir em poucos das, por tera maior parte do sea carregamento promplo, o brigue nacional Deus le Guarde cipitao Launano Jacinlho de Carvalho, e anda recebe alguma carga a frele : a (ralarcom Bailar & Oliveira, na ra da Cadoia do.ltccil'o, armazem n. 12. I — Para o Cear, hiale brasileiro Olinda, j tem porcao de carga a bordo, e segu ale o dia 8 do crrante, com o que houver: lra>ta-se com Manoel Das, na ra da Senzalla Vellu n. t34. '9 Victoria — a Sra. D. Josephina. Leiloes. Sozor i r -ma — a Sra. I). Luiza. Cm Anjo-N. N. remalacao, comparejam na sala das sessOes p a gens, soldados, cavalleiros, etc., etc. do mesmo tribunal, nos das aci na moncioQua Iro primeiro.-O Castalio dos Marans. nados polo meio dia, competentemente habilitados, E para constar so man lou afllxar o presente, e publicar pelo Diario. Secretaria da thesourariada fazenda provincial de Pernambuco, 19 de novembro de 1851.—O secretario, Antonio Ferreira da Aninniciaco. Clausulas especiaos da arrematagSo. I.' As obras dependentes desta arrematag.lj, serlo feitas de confbrmidade com o orsamenlo apresentado ao Exm. Sr.'presidente da provincia, pelo prego de 642,400. 3.' O arrematante comogar a ubra no praso de um mez conlado da data da part cipacaoquo Ihe fr feita da approvacdo da arrematscao pelo governo, o os concluir no praso de quatro mezes, ambos contados da mesma parlicipagao. 3. a A importancia da arrematacSo ser paga em duas proslagos iguaes; a primeira depois de ter feito melado da obra, e a segunda dapois de lavrar o termo do recabimento dillnitivo. 4.* Para lulo mais qua u.¡ > est determinado pelas presentes clausulas, seguir-se— George Kenworthy & Companhia ferio leil3n,por intervengo do corrector Oliveira, de um cum leto sortimentode fazendas ¡nglczas, tudas pronriasdii mercado: quarli feira, 1 de dezembro, as 10 horas da mauliaa, no seu armazem, ra da Cruz. — C. J. Aslley S Companhia, far3o IsilSo por intarvengao do corretor Miguel Carneiro quinta-feira, 4 do crrenle, ao meio dia em ponto, no seu armazem, na ra da (juadro terceiro.-Uina elegante pausada em CruI n 17 ,ie diversos vinhos em calzas de Madrid. ,12 garatas, sendo do Porlo, obery, chateau Segundo intermedio.-A trra. I )a roS(1 cognan escura, e clara, bem econdiQuadroquarto— Uma igreja. | ( • i u i ii l o. —i', o clauslrodosTrappistas. (i sexto.--Urna sella no conveuto do Segundo.—Castalio de Villa-Mar. Primeiro intermedio—O Cco. anuidos, o muilo enconla. S.SOOJiaO"" "epoi ni ui.meiiio i.uus.ou. A, fl inle j ra nentB 0 que dispO orogula2,000 2,050 cti0 "^ sulliciente n3o sosente rucoper.r \ menl0 Conforme.-O secretario, 1,000 im anida mais alguma baixa como tambem dar! Antonio Ferreira da AnnunciacSo —f. uma leve mudanca cm o itra dncccio. As v 2,25o quahdades medianas, communs a ordinarias O r Jos Raimundo da Costa Menezesjuiz 1. dos algodO is da America,doa quaes teremos! municipal supplenle da 2. a vara o do comI'! urna impoilicSo mui limitada durante 3 ou \ mcrcio desta cidade do Recife de pernam'n? mezes, vi.ndonros. As qualidades boas el buco por S. M. I. e C ele. J es mais altas, das quaes a importac3o consEaco saber aos que o presente edital vire.n .7 tara largamente durante o masmo periodo, que a requerimontode Jos Diasda Silva por „2 p -r inauocom inalierav.-is, desojando os posseu bastante procurador JoSo Jos de Moraes 92 suidoros afastal-os antes quo os considerase aclia por este juizo abarla a sua falencia Cadeiras. io2 veis supprimontos da sifra nova choguem pele sentenca do llioorseguinto—Avista da |Camarotes. Rozario. stimo.—Um antigo castalio arruinado ao luar. Sendo todas eslas docbraco '8 totalmente novas,e preparadas com to la aquella magnincencia, que exige o autor do Mysterio. lia mais do trez mates que o empresario do Apollo trabilli. em apromptar este drama, n3oesqueceudo a mais insignificante exigencia; e pirecendo ¡mp*bssivel que uma omprosa lao nascente podesse levar a scana o iiiipo/icao t.ui ditlicii dispirlou toda admiragSo das posaoas eiitendidas nesta materia, porm ei-lo aldm prumpto, depois de vencidos iuumurjs obstculos, e grande daspeza, qua faria desanimar a outro que nao dasejasse nicamente agradar ao gener.i/usu publico desla cidado, sem atlender a benaiicio seu. Sendo pois avultadlssima a somma das daspezas feilas para asle Mysteno o empresario v-se na rigoroza uecessidada de nSo s (Librar os precos, como lambem vender os biliiai s para Irez noiles, sendo a priineii a na do dii 13, a aagunda na do dia 17, e a tercoira na do dia ao. I'recos. Geral. 6,000 rs. para as troz noiles. 9,000 rs. 30,000 rs. Avisos diversos. —— — No da 5 Ju Hrrente fiada a audiencia do llllm. Sr. Dr. juiz do civel, ao meio da se li.lo de arrematar a maior parte do sobrado da ra do Livramento n. 19 em qua tem loja de fazendas Andrade & |rm3us sendo o sobrado todo avallado em 3:500,000 e a parte que se arremata em 1 :27,490, he a ultima pinga por uxecuc.lu de Jos da Me leiros lavaros contra Joo Francisco Ferreira e sna muiher. EscrivSo.Sanlos. 9>t1ftHf>tm t tM*f # O Medico Almeida, formado e preS e} miado pela academia do Porlo em 9 9 todos os annos da sua frequencia po# do ser procurado a toda a hora do da 9 &f no largo do Corpo Sanio n. 13 pn9 +, me ro andar da casa do Sr. coronel '/ 4 Mamade Prasta-se a oporar e receitar gratis para oa pobres. 'I cabo Jse l'imenta. Com este titulo, sahio 'a luz sbbado 29 do passado, um peridico thestral, noticioso, crtico e divertido, e a acha-se e venda na ra do Crespo loja do Sr. Antn in Domingos Ferreira, n. u, cusiendo epens40rs. cade um.