Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07244


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVI
Ter$a*feira 24
pamiDU SO* corbiios.
fjolanna e Parahlba, f segundas e sextas felras.
piu-firandc-do-Norte, todas as quintas felras ao
meio-dis,
Cabo, SerinhA>m. Rio-Formoio, Porto-Calvo e
Macelo, nol.'.a II e 21 de cada mea.
Garanbuos i Bonito, a 8 e 23.
Hoa-Viita.e Flores, a 13 e 28.
Victoria, i quintal letra.
Olinda, todos os das.
"
HBWIR1DH.
'Nova, a 3, as 2 e 56 m. da t.
Cresc. a II, as 6 b. e 17 m. da t.
Chela, a 19, as 2 h. e35m.dam.
Mlng. a 25, as 6 h. M m. da t.
MAMAU DE HOJB.
Priinelra as 0 horas e 18 minuto* da manha
Segnnda as 9 boras e 42 minutos da urde.
de Dezembro de 1850.
. N.292.
PBI?0 DA SUB3CHIPC.O.
Por tres metes (adlaaUados) 4I00O
Por seis mezes 8/000
Por um anno 15|000
das da semana,
23 Sg. 9. Servulo.
34 Tere. S. Gregorio.
25 Quart. ** Nascimcnto de Nosso Scnlior Je-
ss Cbristo.
26 Q>uint. i.* I." oitava 8. Estevao.
97 Sest. 2." oitava S. Joao ap.
28 Sab. >jf< 3."oitava Os Santos Innocentes.
29 Dora. S. Thomat.
cambio de 23 DE DZZZMBno.
Sobre Londres, 29 3|4 a 30 d. p. l/OOO rs. 60 das.
Paris, 320 por fr.
Lisboa, 85 a 90
Ouro.-Oncashespanholas.....29/000 a 29/500
MocdasdcOfoOvelhas. lfc/OOO a IrUMfi
. de 6/iOl) novas 16#O00 a l(i#20(>
de4{000....... 9-uO0 a 9/1IK)
Prata.-PatacSes braslleiros.... l/a20 a lW40
Pesos col u limarlos..... 1/920 a 1/940
Ditos mexicanos..... ... 1/680 a 1/700
BM&ifl8>:
ARIO
PAUTE OFF1CUL.
MINISTERIO DA GUERRA.
Illm. tim. Sr. 8. M. o Imperador, a
queo flr prsenle e reTttorio da inspecg.lo
que <> lercelro regiment de cavallaris
passou o general Jolio Frederico Caldwell,
ficou seiente do lastimoso estado a que che-
gou esa er#o .utos commsndcs interi-
no* do msjor Pedro Darla Xavier de Olivei-
rs Meirelle, edo '.enenle-coronel l>. Jos
Carlos da Cmara. E porque detse relato-
rio se evidencia : 1., que a eacripturagSo
econtsbilidade est invada deerros e irre-
gularidades, e alm disso em grande parte
praticada com m T, admittida toda a es-
pecie de vicio, e figurando nella dividas
imaginarias, documentos falsos, recibos de
individuos que, co.jqusnto nSo tivessem
feito transaccSo com ocorpo, os paasaram
para se legalisarem despezas; 2., que a dis-
ciplina era a cada passooTendida pelo cri-
minoso procedimento do referido tenenie-
coronel, que autorijra seos subordinados
i apresentsrere o general inspector quei-
iis sobre materias as mais graves, queixas
de que elle jamis pode juslificsr-se aat's-
factoriamente; 3., que a impunidade a
rnsis censufavel reinara a par de castigos
arbitrarios; 4.*, que o fardmenlo do cor-
po era de pessima qualidade, chegando o
rscandsloa serem muilas pragas encontra-
das em revista em vergonhoto estado de nu-
dez, quando commandado pelo roajor M.-i-
stlles; 5, que o mesmo lenente-eoronel
Cmara nSo zelava a fnstruccao dos seus
subordinados; 8.*, qoelendo sciencia esse
teen te-coronel do criminoso- proceder de
Builosdesausofflciaes, nunca se'houvera
convenientemente, permiltindo at que um
capitS do regiment fosse por contrato
fornecedor dello ; 7.*, que em nenhum tem-
po o mencionado tenenle-corouel tratou de
conbecer, prevenir e castigar as dilapida-
rles pralicadas no corpo, e emflm porque
se rieprehendo que o iiidifferetilismt) pelo
serviro era tradicional, que a incapacidade,
corrupgfio, immoralidade e prcvaricarSo
eram principios comesiuhos no regiment :
determina o mesmo augusto senhor que V.
tic. expeca ai suas oedens, quando anda
o nSo tenha feito, para que respondam a
se juizo datada da 18 de maio de 1849, nem
obtido no tempoquetem servido o desenvol-
vimento preciso para exe'cer seraelhante
nflirio, o exonerara, nomeando interina-
mente para servir o mesmo offlcio, bem co-
mo o de escrivio das execuefles criminaes a
Antonio l'inheiro da Palma, tabeliSo de no-
tas e escrivSo do judicial daquelle termo, e
inteirando-o de ter spprovado a dita no-
ma-rto.
Dito.-- thesourorla da fazenda pro-
vincial, para que vista do certificado pas-
udo pelo director das obras publicas, man-
de pagar a Manuel Francisco dos Santos Pi-
n (el arrematante do atierro e ponte dos
Itemedios, por ter feito entrega provisoria
da dita obra, a importancia da terceira pres-
tito, que elle tem direito; assim como
dos acrescimps de obras feitas por ordem
da presidencia.Communicou se ao mesmo
director.
Portara.Mandando dar transporte para
a crte, como passageiro do governo, no
primeiro vapor que seguir para o sul o se-
gundo' cadete furriel do segundo bstalhSo
le cacadores Jos Quinlino da Rocha Oli-
veira. lnleirou-se ao commando das
armas
Dita.Mandando por em libardade os ro-
-rutas Jos Ignacio da Silva, Cilherme
llaymundo e Jnaquim Lopes da Silva, por
lerem apresenlado isenoOes legaes. i
dem do da ao.
Orado. Ao commando das armas, remet-
iendo os processos folios aos reos militares,
constantes da relacao que remelle, para i|ue
faca cumprir as senteocas contri riles proferi-
das, e pedlndo Informacdel Acerca do reo Fer-
nando Jos dos Santos, que (endo respondido a
conselho de guerr* em 184*3 pelo crfme dedes-
ercao, nada consta a rrssteito na secretarla da
presidencia.
Rtlactt a qvt u ttfere o oficiotima.
primeiro bSts1lhao.de cacadores.
Soldado, Pedro Antonio Manoel.
Jos da Silva.
Agostiaho Jos Ferreira.
Angelo Gomes de Souza.
A dio Custodio.
Fernando Jos dos Santos.
Oitavo batalbo de cacadores.
Soldado, Amaro Ferreira.
Justinianno Lourenco da Silva.
Segundo balalhao de artilbaria a p.
Soldado, Joao dos Res Soares
Jos Rodrigues Koto.
Coinpaobia ftxa de cavallarla.
nha. Nite sentido olficiou-se ao mesmo ins-
pector.
Glfttffv
NO DA PKOVINCIA
EXPEDIENTE DO DA 19 DE DEZEMRRO.
Officio.Ao commando das armas, dizen-
do que pode levar a effeito a substiluicSo
aue propOc do segundo hatalhflo de arti-
lbaria a p, que a muitn se aeha fora da ca-
pital, por outro balalliflo, bem como a re-
duefio do corpo de batedores a um desta-
camento de pregas do batalho que para ali
marchar, o qual ae oceupar exclusivamen-
te das explorares das matas, visto que de
sementantes medidas resulta utilidade ao
servido.
Dito.Ao mesmo, intelrando-o de haver
concedido doua metes de llcenca com os
respectivos vencrmenlns ao primeiro cadete
do pi imeiro bslalhSo de catadores, Jos Luiz
de Souza.
Dito.Ao mesmo, scientiflcando-o de ter
concedido ao padre Joaquim da Cunha Ca-
valc*nti capetlAo nomeado para a sitia de
Fernando, tres mezes de ordenados som
gratilCicSo.
Dito.Ao juiz relactorda junta de justl-
g, trensmittindo para ser apresentado em
aessflo da junta de juslica o processo verbal
feito ao soldado do oitavo batallito de caca-
dures Justnisno Lournco da Silva.--Intrl-
ligenciou-se ao commandanto das armas.
Dito.A pagadura militar, para quecom
a possivel tirovidade mande desenlupir o
cano rio Hospicio, que d esgto as agoas
para a mar.- d armas.
I)ilo.--Ao director do arsenal de guerra,
para empregar no servido daquelle arsenal,
sendo tratado com toda a brauduraehuiiia-
nidade o Africano bucal de nome JoSo, que
llie sera mandado apreaenlar pelo chele de
polica.Neste sentido eSaiou-ae ao mes-
mo chefo de polica.
Dllo.Ao comandante do vapor Tketit,
dizendo que pode passar guia de desembar-
que ao grumete da guarnicSo do vapor sli
si u commando Caelano Alves, queso acba
inutilisado.
Dito Ao juiz de direito de Goiana re-
mettendo o requertmenlo em que Paulo
Francisca do Reg pede ser confirmado ot>
lugar de contador e distribuidor do juizo
dsqjella cidade, afim de que em cumpri-
n.ento ao aviso que enva por rpis, infor-
me se o lugar que requer o peticionario est
criado por le.
Hito.Ao juiz de direito da comarca do
Rio Formozo, acensando recebido o ufficio,
em que participa que por uo haver Angelo
de barros Ferreira Alegre apresentado al
gora titulo d* oflico de escrivSo privativo
do jury da referida comales), para o qual fu-
ra Jumeado iuieiriaasoDw pr porUria des-
Raymuudo Pereira da Crus.
Coinpanhia de artiees
Soldado, Domingos Antonio Simdes.
Dito. A Ihesourarla de fazenda, inlelran-
do-a de haver concedido dous mezes de licen-
ca com vencimenios ao juii municipal e de or-
coosellio de guerra os referidos tenente-
COronel Ciniara, o Olajor MairalUa, aaim SMdado, Mioel Martina,
como o capitSo JoSo Francisco dos Santos,
lente Venceslao Jos deOliveira, equaea-
quer outros flfflciaea que possam ter tido
criminosa paite na gerencia dos negocios
do regiment como membros doa conse-
Ihos deadtuinistratSo, ou por qualquer ou-
tro titulo, para o que devolvo-irV. Exc. o
mencionado relalorio e documentos que o
acomnanharam, para servirem de base ao
proceaso. Dos guarde eV. Exc. Palacio do
Ratade Janeiro, aro Wde novembro de 1850.
Manoel I tliardo de Souza e Helio. Sr-
presidente da provincia de S. Pedro do Rio
Grande.
EXTERIOR.
LONDRES, 29 DE OUTUBBO DE 1850.
Pouca duvlda pode haver de que o con-
gresao do rcis absoiiiin e ministros, que
teve lugar em Bregeolz, e que fez e asslg-
nou urna allianca para acabar com todo o
constitucionalismo na Alemanha, tarefa
que devia ser comecada pela invaso e sub-
jugacfto da Ilesse, contsvam para o successo
de seu projecto com a cooperario activa das
potencias que assignaram o protocolo de
Londres. Pensou-sequea Prussia ameat;ada
pela Russia na Silesia,p pela Franca obre o
Rheno, entretanto que a Inglaterra como
assignstaria do protocolo nSo poda deixar
de dar pelo menos algum grao de apoio
moral a esta nova Liga de Cambray, nSo
podera ousar fazer resistencia.
Todava a Prussia tem oussdo. Como quer
que as divisOes austracas e bavtras se apro-
xiuiassem de Cassel, as tropas prussianas,
marchando de Cobtentz e de Erfurt oceupa-
ram urna linha atravez do Eleitorado de
Cassel, Esta linha, correntio por Ilerzfeld
e Marburgo, be aquella que por tratado Ihe
fo assegurada para a passagem de suas
tropas. Com effeito, sendo nma por dominios prussianos se arado da oulra por
Cassel e Haiiovre, esta passagem militar he
indispensavel e Prussia. Ceilfi-la seria aban-
donar a seguranza militar da monarchia.
Um exercito prussiano oceupou portanto
esta linha com ordem do repetir por Torca
toda a avanzada dos Austracos ou Bavaros,
e como essa linha fica consideravelmente
ao sul da cidade de Cassel, nSu ha possihi-
lidade de que o desmiolado cleilor seja res-
taurado ao poder desptico que reclama
sem urna batalha, a qual, qualquer que seja
o seu resultado, abalar sem duvida a Alle-
manha at os scus proprios fundamentos.
Temos j explicado qur.ni completamen-
te a iiuestSo de Schleswig-ilolstein tem sido
empregada como instrumento na quesillo
germnica ; e como a Dinamarca apoiad
pela Russia, Austria e Franca, alo por amor
da Dinamarca, porm moramente afim de
forrar a Prussia a abandonar ua lentativa
de constitucionalismo germnico e de
uni.1oanti-ahsolulista. IstO he inleiramen-
te simples,quando a Prussia pode tratar com
a Dinamarca, esta enva negociadores so-
mente a Frankfort: quando a Franca amea-
ga invadir o Rheno, diz que he so no caso
Ehaos do termo de Garanhuns, coronel Joao|de que a dieta de Frankfort nln tenha forfs
ranclsco Duarte, para tratar de seu s negocios., bastante. A Russia que estremece coma
Neste sentido fi.eram-se as convenientes dea de um parlamento germnico, porque
communicacoes.
Di lo. -- A inesma, tranainitllndoa liajodo
corneta Domingos Jos de Sanl'Anna, que se
engajou para servir no primeiro batalha' > da
guarda nacional do municipio do Llinoeiro,
aflm de que Ihe mande abrir o necessario as-
sentamento de praca, Inlelligenciou- se ao
respectivo commandante superior.
Dito. Ao commendador Francisco Antonio
de Oliveira Recebi os dous ofncios de V. S ,
datados de 7 e 14 do crreme; o primeiro
acoinpanhado da conla documentada das di-
nbeiros perlencenles a subscripeo agenciada
na corte em benecio das viuvas e orphaos, dos
que pereceram nesla provincia combatendo
em pri.l da ordem e do tbrono, e dos que Aca-
rara inuliliados por seuielbante motivo ; e o
segundo cnbrlndo um recibo firmado por Joio
Pinto de Leinos Jnior da quantia de 8:080,000
rs.,que forain entregues a adminislracao dos
noel do Nasclmento, que !be ser mandado, entretanto, que nem lima palavra se diz
presentar pelo inspector do arsenal de mari-, dos recrutas estrangeiros que engrossam as
fileiras dinamarquezas.
Ora, vejamos como sflo compostos os dous
exercitos. A forga dinamarqtieza he de 40
mil homens ; destes pelo menos 5 mil sflo
da Suecia e Noruega, feabe-se bem que a
jnncQfii das duas porcOes do exercito dna-
majquez antes da batalha de Idstedt podia
ter sido fcilmente impedida pelo general
WHseo. s? o excrci lo sueco Bao tivcsse de
morado aua retirada, e prohibido assim
todos os ataques da parle das forjas de
Holstein. O exercito dos ducados he de 34
mil homens ; destes 10 mil sSn naturaes de
Schleswg, 20 mil de Holstein: nnomais
de 4 mil sfio alterones. Se VVillisen, que
enroman la em Rendshurgo, he prussiano.
Heglsen, que commanda em Frederchs-
tadt, os dinamsrquezes da Noruega. Se
Holstein tem recebido snecorrosda Allema-
nha, as tropas dinamarquezas tem sido
transportadas por navios russos, os quaes
lambe n tem sido empregados notranspor-
ta de munitOes e provisOes.
Os proprios fados apresentadados pelo
7Ymes moslram quam intenso he n senli-
mento dos AllemUes pela causa de Holstein
e Schleswg. NSo he um sentimento quo
procura arranc-'os da Dinamarca. Pouco
Ihes approveitaria a sua juncgSo com llano-
vre. O desejo he meramente que elles te-
nham seus direilos e nSo sejam oprimi-
dos. Todo o mundo sabe oque he o exer-
cito prutsiano, he um outro unme para de-
signar b popiilaco prussiana. Todo O man-
cebo, qualquer que seja a sua condieflo,
serve no exercito por espago de tres annos;
no finidos quaos elle dexa a vida militar
e recebe um uniforme anlig quando se
retira para sua casa. Esses soldados licen-
ciados; todos os homens educados, miji-
tos dos quaes posiuem bens da fortunr,
mo jiilgam proprio abandonar a vida mi-
litar sem servir urna campanha com sen-
irm.los de HoUlein. Elles marcham para
all por Hanovre e nenhum poder das auto-
ridades prussianas pode impe-l-los. O re
de II niuvre he seguramente um bom con-
servador c absolutista, e prefere a Austria
Prussia ; porm nSo pode impedir que seus
subditos corram a Holstein e Invem consi-
go al hateras de ,iegas. O facto he que
procurando restaurar o poder desuolico e
vingalivo do re de Dinamarca nos durados,
sem elle offerecer coiuligOes ou respeitar
os antigos direitos e leis dos mesmos, as
grandes potencias estilo empenhadas em
urna crusada niio contra os interesses, po-
rm contra os sentimentos dos Allemiles
do norte, e nesaa crusada todas as potencias
serrn mal surcedidas. Ellas n.ln respiram
senSo violencia, coercilo e invasSo; Experi-
mentem um pouco a jnslga, que logo ter-
minarno a lula. A Russia nfo tem disignio
e a Austria n.io pode achar nella o seu lo-
teresse, porm urna tal poltica seguramen-
te convm a um paiz tal como a Inglaterra,
oqtjil tendo-se apresentado como media-
dor, nSo deve sauccionar a tyrannia nem a
conquista. Expese,
nilo faz nenhuma objecgSo a urna dieta de
principes, em prega a mesma lingcsgem.
Portanto toda a allianca contra a Prussia,
na qual a Inglaterra fo alrahida por enga-
os, he nem mais nem menos do que um
projecto para lngaros pincipos da Alie -
maulla, os quaes permaoecriam emanci-
pados, no amigo e estpido absolutismo. He
como o genio as Noites rabes a revo-
Itigilo quebrou o vaso no qual o genio da Al -
lemanita eslava preso e selado. Fazer qne
o genio torno a entrar uo vasn, e seja outia
vez preso, lal he o que so procura realmen-
te com lodos esses protocolos e ameagus,
todas essas ntgociagOs e corpos armados.
Nossaa gazetas sflo cmplices ou vilimas
deste projecto. O imperador da Russia acha-
ra., que foram entregues a adminislracao dos i '. r nromnve rom n pii
eslabelecimentos de earidade, e (cando inteira- ** "ei'.'e. .'.?L.. ?TuJ!
do de haver V. S. da quantia de 15:350,000 rs.
que exista em seo poder, feito entrega de rs.
13:850,000 rs., Inclusive os 8:080,000 rs. mencio-
nados no citado recibo, de conformidade com
as ordens e despachos desta presidencia, Ihe
dou plena quitacao da referida quantia de
13:850,100 rs., ficaodn ainda era sua ino rls
1:500,000 rs., em que importara as distribui-
edes anda nao recebidas para que faca convi-
dar pelas folhas publicas as pessoas compre-
hendidas em taes distribuiccs para vireni re-
cebe-las quanio antes.
Dito. A pagadoria militar, inteirando-a de
haver concedido vinte das de llcenca com ven-
cimentos ao segundo cadete do segundo bata-
Ihao de artilbaria a p Alejandre Cosme Da-
mio. Coininunlcou-se ao commando das
armas.
Hito. A mesma, para que a vista do recibo
que remelle ein duplcala, mande pagar ao
commandante do segundo batalho de cacado-
res a quantia de 6,0.0 rs., em que importa a
neaprza feila com a inhumaco do cadver do
soldado do corpo flio do Piauhy Vctor Modesto.
lnleirou-se ao commandante das armas.
Df*o. A" <"*r*rrtnr Hn nrsenal Je iiiarnlia,
mandando que fique sem ellcito o contrato
celebrado por aquelle arsenal com Antonio lia
utos de Oliveira, visto nao poder o mesmo con
trato ser licitamente deseiupenbado pelaa ra
sdes espendid.s no olliclo que remelle por co-
pla do Eira. Sr. presidente daParahyba. Oi-
liciou-se neste sentido as dito presidente.'
Dito. A Ihesourarla da faienda provincial,
para que estando conforme, mande pagar a An-
tonio de Hollauda Cavalcanti de Audrade a
conla que remette, na importancia de 111,680
rs., que se dcapeudeu de 10 desetembro a 9 do
coi rente com o aastenio dos presos de juslica
da cadeia da cidade da Victoria. Coiuiuunl-
cou-se ao delegado daquelle termo.
Dito. A mesma. para mandar adiantar ao
procurador fiscal daquella ihesourarla, que
assim o requisita, a quantia de 300,000 rs para
occorrer as despejas do juio.deveudo ulterior-
mente prestar aa devidas coutas. lulelligen-
ciou-se ao dito procurador fiscal.
Portara. Mandando dar transporte para
corle como passageiro do governo no primeiro
vapor que seguir para o aul ao soldado do car-
po de fuzriru uavaes Jos Martina de Soitaa.
acieuliucou-se ao coinmaadante do Vapor
TasUf.
poder. Elle procura escravisir a Alleuia-
Dha, e mete-la em seus antigos lagos, aflm
de poder mais seguramente adiantar seus
projecloa sobro a Franca e a Europa occi-
dental.
O Times louva o czar por leso, elle louva a
sua indulgencia em nSo fazer conquistas
como se o agrilhoarj-ento de um grande
povo como o allemSo, e a sua collogSo as
mos de despolas militares, que Ihe devem
LONDRES 31 DE NOVEMBRO DE 1850.
Sabendo que urna pequea faisca aren-
le muilas vezes tima grande chama, temos
sempre jolgado que seria lemerdade em
nos pret'.zer com indevda confiatiga que
nSo havrria guerra na Allemanha. Desde
o principio, bem comosabem nossos le-
lores temos vin re iiiio que as hostilida-
des, nflo obstante o aspecto ameagador dos
negocios, scriaiii evitadas, e al o presen-
te os factos anda nos nSo desmenliram.
Ainda nao houve nenhuma collisiio entre as
potencias germnicas mais inmediatamen-
te envidias as desintelligencas aue rei-
na m entre os estados da confederagSo. He
alguma cousa podermos dizer isso, qual-
quer que possa ser o ultimo resultado, pois
quando, lia das, expresasmos nossa espe-
ranga se nSo nossa firme crenga, de que as
Se a Prtisi, ou a Austria possuirem nma
pancula de senso commuf, nflo haver
guerra. Se ellas liverem algoma attenglTo
aos seus proprios interesses, ahstcr-se-bao
mui religiosamente de hostilidades. "Da
parte da Austria especialmente, seria nSo
s urna imprudencia, porm um acto da
rematada loucura metier-se em urna guer-
ra com a Prussia. O primeiro tiro que fos-
se desparado, seria o signal para nma pro-
clamg8o do snniquilamento da Austria
como tima das gran les potenrias da Euro-
pa. Mesmo agora a Austria em um sentido
he urna das dependencias da Russia. Se
ella nr.o pdeesmagara insurreigSo hn-
gara sem o soccorro de ruint h milharea de
Cossacos, o que poderla fazer s por si con-
tra urna ISo grande potencia militar como
he a Prussia ? A Prussia, no conflicto sup-
posto, seria considerada pelo liberalismo
da Europa como a guarda dos principios
constitucionaes. Ella teri as sympaihlas
lo povo ir.glez, so nSo o seu direcln apoio.
Os me'hores desejos da nagilo franceza es-
taran) com ella, se os do governo estives-
sem de outr.i parte.
Mus lalvez nos digam, a Russia viria ou-
1 ra vez e D soccorro da Austria. Isto he tu-
rnar i or provado o que resta ser provado.
Nicolao pensara duas vnzes antes de ar-
riscar-se a dar um ISo perigoso pasan romo
esse de meller-se em urna guerra com a
Prussia. Elle precisa de seus soldados em
asa, e nilo he improvavel que antes de min-
io possa ter delles ainda maior necessida-
e, pois siena Russia o espi-ito do pro-
resso populai domina o progrele He opi-
uio de tolos os viajantes observadores
que receulemeule tem atravassado o do-
minios du czar que cinzas revolucionarias
existen, ainda qunteselo una grande par-
le da Russia runtial, e quequilquer da
pOleni rebeiiUr em uxa tremenda confla-
raelo,
Porm (suppondo mesmo que a Russia so
i leiiiili.|'i > t:lo estreitamenteom a Aus-
tria em un.a guerra com a Prussia que faga
marrhar cem mil de seus Co territorio prussiano, a proposiglo quo
enunciamos de que urna guerra com a Prus-
sia seria a deslruigito da Austria, seria ain-
ta assim tilo exacta como no nutro caso.
O autcrata nilo enviar suis tropas em soc-
coiro da Austria se n nleresse A Austria
devo pagar esto servigo. Ella leo ja 'Jo
alguma experiencia disso. Ella tem soffri-
lo um .s ..o que iiii.-i..: nuil no primeiro caso
pelo soccorro que recebeu d i Nicolao quan-
do supprimio a insurreigu na Hungra. O
niiprcsi uno qui! ella fui obrigada a con-
trahir para ajuslar contas cmn o czar, jau-
to as suas previas responsabilidades quasi
que a arruinan).
Um outro em presumo, anda que peque-
no, completara a obra j comegada.
Porm a ruina da Austria mo seria adia-
da senSo at que Niculao livesse comegado
a ajuslar contas com ella. O primeiro tiro
disparado entre a Austria e a Prussia preci-
pitar urna banca-rota no primeiro paiz.
Seu papel mor .la niio valer mais nada. El-
le tur .ar-se-mi liio despresivel como OS as-
signados da Frang no lempo da primeira
levulugo.
.N.io precisamos levar mais longea nossa
snalyse com a ruina pecuniaria da Austria,
com isto viria sua exiinccfio poltica. Ella
deixaria de ser urna das cinco grandes po-
tencias da Europa. Ella rali.na e:n peda-
gos. Se liouver por tanto a menor porgdo de
racionalJade na c/le de Vieana, ella sobre
todas as cousas, evitar urna guerra com a
Prussia.
( Momina Advertiser, )
INTERIOR.
suas coras, nflo fosse una conquista ISuIcalaiiidades da guerra seriam evtalas, o
Dita. Mandando dar passagem para a cor-
te no primeiro vapor que seguir para a sul, ao
grumete da guarnicSo da cdtve'U Euterpe, M-
Cutnpleta,comoa ambiguo pode requerer. O
Times confessa que esta mauifestag&o du
czar silo destructivas da liberdade, porm
sauda-as, nflo obstante isso, como assegu-
radoras da paz, como se a paz da tyia-
nia fosse a paz dos pbilanlropos ou dos
cbrislfios.
S ha urna potencia que pode resistir aos
implse loucos designios da Russia ; lou-
cos, porque conduzem aos douscrueis ex-
tremos de tyrannia mortal, e de revolucSo
frentica. ste poder he a Allemanha. S-
^ni nm zl*amQ randes nolcsc:--
da Europa, lem a bragado esta idea de Urna
Allemanha reconstruida ; est potencia he a
Prussia ; econtrTtla portanto toda a inve-
ja, egosmo e tyrannia da Europa. Euver-
gonbamo-nos de pensar que a Inglaletra
preslou o seu nome turna tal liga.
O pretexto allegado he que a Allemanha
tem semeado a divisSo as provincias do
re'de Dinamarca, porm infelizmente es-
tas divisOes sempre existirn); e estas di-
visOes existindo uas le, na successSo, nos
direilos, na raga nao impede o ret de Di-
namarca de permanecer re de todo o paiz
unido, com taulo que respeite os direitos
do mesmo, e i rometla governar constitu-
cional e justamente. Sua falla esta em nflo
fazer islo, e elle he intitula monte mais cul-
pado do que a Prussia uu Allemanha.
A Prussia retirou-su da consteslagfio em
obediencia ao desejo das potencias euro-
peas iuclusive a Inglaterra as quaes julga-
ram que as partes conleuJentes ua Dina-
marca Toisam llenadas a si mesmas, a dif-
farenga seria lugo decidida; porm agora
clama-se que. recrutas alleuiSes esiflo sem-
pre iodo oogrossar o exercito de Holstein,
Timen sahio-se com um de seus artigos ful
minantes, no qual proclamava com o seu
totn enrgico e infatuado que o dado esta-
va linrailn. Aquclles que sSo crdulos bas-
tante para crer o que o 7Ymes diz sobre as-
sumptos desta natureza, devem ter sido
iireparados para receber antes do li-.n do
da uoticia pelo telegrapho elctrico de al-
guma grande batalha entre os austracos e
os prussianos.
Alguns dias sfio j passados, e ainda nos-
sos ouvidos pfio ouviram o rihombo do ca
r.ho. Menhu(na s asningud; r^i inda
desfiarada. Nenhuma vida anida se perdeu
Nenhum sangue ful aiuda derramado Cum
quanto n3o longe um do outro o exercito
prussiano ainda nfio experimenlou o vigor
dos soldados austracos e bavaros, e se tifio
nos engallamos acerca do tom e llieor do
artigo do Times de honlem, o contempor-
neo adoptou a nossa conclusfio, isto he, que
niio he por iicntium meiu certo que nina
collisSo ter lugar. O limes espera que as
drmoiislragOes bellicas que ae eslfio pre-
sentemente fazenJo na Allemanha nilo sa-
ino levadas alm do ponto no qual p lem
ser embaragadss por negociagSo, pela io-
lluencia das potencias amigas-e pur um sen-
so do dever s ubrigages existentes e a
um paiz comnium Estimamos que o Ti-
mes tenha essa esperauga de que a paz se-
ra preservada, vialo que o contemporneo
assegurou-nos ltimamente em typos gran-
des que o dado eslava lancado. a
NSo sabemos o que poder acontecer no
estado complicado dos negocios conlinen-
tacs; porm d-nos satisfsgfio reflec-
lir que at boje o Timas tem estado em
erro,
RIODF.JA^EIHO.
CAMPOS.
Edital. A cmara municipal desta cidade
faz sabera lodosos scus habitantes que, aeh.in-
do-se anlorisa.il pela porlaria do governo (la
provincia, datada de 13 de marco .lo crreme
anno, e tendo em consideraco a necessidade
de providencias promptas no estado actual des-
te municipio pela invasao da epidemia da le-
re reinante, adoptou, approvou e manda que
interinamente se executera desde j as postu-
ras seguintes :
I. Ficam prohibidos os signaesqne se uostu-
mam a fascr nos sinos na occasiao da morte,
oude dar-se sepultura a qualquer pessoa me-
nor ou adulta. Os sineiros ou pessoas encarre-
gadas de dlrigirera taes signaes, e^ol que os fi-
lerrui serio, no caso de inlraccao, punidos coiu
as penas de 30,000 rs. e prisio por seis dias.
i. JJ.. ,h...,iiiienie proumiaos o*igu. ,.*-
i-.i .i s iluda do SanlUsimo Sacrameutortassiiar
como a cantoria fra da greja pelas pessoal
que o acompaaharem, excepto o repique na
sabida a entrada, e isto na fraguezia simiente.
Penas de 10,006 rs. e prlsao por tres dias na
forma da postura antecedente, e aos que fue-
rera as ditas cantonas
3. Picara prohibidas as missas de madrugada
uu quaesquer reuuides de imite as grejas,
tbeairos e casa de baile. Penas de prisao por
tres dias e 10,000 rs. de mulla em que incorre-
rem os directores das igrejas, ou ue taes reu-
rs.
4. Nao sao permltlldas as annaedes de eaaas,
tanto interior cono eiteriormente, por occa-
siao de cnterros, nem faierem-ae estes depola
das ave-marias. Penas de SO.OOO rs. de multa e
piiso porquatro dias, quesera imposta pea*
soa encarregada do funeral.
5. As casas em que fallecer algum da febre
reinante nao se podero fechar em signal de
iiDJo, du por qualquer outro motivo ; antea ae
cooserva ao abertas para serem ventiladas. Pe-
nas de multa de 30.000 rs e prisio at seis dias,
que ser imposta ao ebefe de lamilla, no caso
de lufraeco.
6. Os mdicos que trataren! de qualquer en-
fermo, no caso de fallecimcnlo, attestaro a
causa da morte, a hora em que sta ae lives



'JBWBC*^^-^
TP
MiMWIMMMMM
!1
-
1-ealiiado, e o lempo dentro do qual den- l*r
eptillado. Penas de3.00 rs. e prisao por sel
diss se recusare) pas>ar o dito intestado.
7. Lpgo que Tallecer <|ualquer pessoa. era
presentado ao 6jcal o attet,tado de que trata a
postura antecedente, em vina do qual marcar
o praso dentro do qual drver ser sepultado o
fallecido, sob pena de 30,000 rs. de inulta e
pnsiio por seit das ; c na Talla de apresenlaco
de alienado ao fiscal, ou de Tazcr-se o enterro
dentro do prazo marcado, ser InTractor desta
postura o chrQe de Taniilia ou pessoa eucacrega-
da do enterro.
8. O fiscal ter ... vigilancia sobre a
csana observancia di lts natura e da seccao
oitava das postura de ;l de junho de 1832;
qnalquer omissao piuvada de sua parte ser
punida com 10 a 30,000 rs., e prlso por uin a
seis das, conforme a qualldadc c gravidade da
omiisao.
E para que chegue ao coirhecimeuto de to-
doi, publica o prsenle
Campos de (lojrtaeazes, 7 de novembro de
1850. O presidente Interino, Joiquim finio
Mello dm Rei$. O secretario, Mamut Hodrig*ti
ros Sanloi.
A febre rrinanlr.
O edita! cima traoscripto, leudo por objec-
to atteuii ir a intensidade da epidemia, a par
daterror pnico de que o povo costuina apo-
derar-se poderia bem entre nos dar lugar a um
II i i lo inieiraurnte contrario.
As providencias all estabelecidas suppoeiu
ter a epidemia entre nos tocado niela, e por-
tanto ser desnecessario guardar a menor re-
serva. A nopulacao poderla at agora acreditar
que o mal nao era ainila lao fraude, pelo que
li n lia un vi. In referir ile uniros pontos oude gras-
sra; mas ficar d'ora avante capacitada do
contrario, quando tiver chegado ao sen confie
ciiiienio o arsenal de medidas repressivas que
vo ser postas em pralica.
No entaato, acha-e bem arerigoado ser a
febre que tein ltimamente invadido esta cida-
de una febre ainarella bem caracterizada ? Te-
mos a este respeito ouvido a varios praticos,
dos dous sj lemas de curar : suas oplnidet sao
lao desencoutradas que bem inostra o estado
vaeill me em que a ciencia anda labora re-
lativamente a este mal.
li'enire riles ha alguns que nao se capacitao
que estpjamos a bracos com oulrasfebres que
no lejaiu as intermitiente] e de carcter be-
nigno; acci ejecutando que se calos tem havi-
do funcstws, nao he Isto devido seno a cir-
cunstancial puramente individuaes,e allribui-
das acoinplicacdes com outras molestia ou a
vicios arraigados, de que os enfermos nao se
queriam desapegar.
Outros, para corroborarem suas conviertes
de que a febre reinante nao he a febre ainarel-
la, trnemleuibranca dillereotesvicliuiasque
teem succumbldo de ha ciuco inezes a esta par-
te ; nao haven.lo enUo quein capilulasse taes
*> febres como amarellas, embora mui violentas
.e acnmpanhadas do vomito prelo.
Fin lmeme, os que nenhuma duvida op-
pocn, eas reconbecem pelas genulnasamarel-
las, sao .iiinii, em presenca de Tactos multipli-
cados, Toreados a recunhecer que as taes febles
sao de un carcter lao benlguo que basta um
ou dous sudorfico* e um ou dous laxantes pa-
ra dar cabo do inlmigo.
Portanlo, se he liquido e nnegavel que a c-
dade de Campos soltre ha meses a invaso das
febres, nao he menos exacto que habis pro-
fessores iioeni em duvida seren ellas da natu-
rez que se possa quahficarumS epidemia mor-
tfera, i', quando a sciencia nao ousa aiuda re-
conhecc-la, ser prudente que de outra fonte
parta una serie de medidas que nada mais e
hada menos he que o recouheciinenlo de um
inal anda contestado?
Quanto a nos, acreditamos que, por ora cum-
pria smenle que as autoridades fiscaes e po-
lieiies liressein inulto em vista remover quan-
to fosse possivcl lodos ot grruiens de miasmas
queslrvain de mais infeceiouar a atinosphera,
Cumpria que cenas posturas da cmara relati-
vas aos meios pruphylaclicos para a publica
s Inbi i.lale nao Tosscm das ullimas inediJas a
pr-se em execucio. Tudo o mais parece-uoi
antes prevenco-s mais proprlaspara espalhar o
terror, para exagerar um mal que ainda nao
existe,duque para evitar mais graves appre-
hcQSdes.
*.
(Monitor Lampista.)
(Do jornal do Commereio.)
E
'"

CMARA MUNICIPAL 00 RECIFE.
3.' stss*0 ordinaria iir 1 1 ue dbzemdro
de 1850.
Presidencia do Sr. Oliveira.
Presentes os Sr. Mamede, Csrneiro Mon-
leiro, Vianna e Figueiredo, fallando com
causa os maisSrs., abrio-sea sessSo, e foi
lida e approvada a acta da antecedente.
Fni lulo o si'guiutc expediente :
Fui liiloum uflkin do.Ezm, presidente d
provincia, mandando que esta cmara pro-
vi 'ende fini de que sejam recebidos no ee-
miterio e sepultados no lugar, por ora, pa-
r esse lim destinado, os cadveres dos sol-
dalos de linha que para isso Torem all leva-
dns (presentando o guarda ou pessoa que
actual milite est incumbido de vigiar a-
quelle esUleciOiento a conta do que des*
pender ao coiuniandauto do respectivo cor
po, quo inmediatamente a satisfar. Qu
se ti s| londesse S. Exc. que nSo lio possi-
v 1 cmara cumprir sua ordena, porque
anda nao tem embregados no cemilerio
que possam incumbir-se do enlerramento
de cadveres, visto quedependem taes no-
n-e-cres do regulamento que S. Exc. hou-
ver de dar.
Fui nomeado o Sr. vereadnr Vianoa para
administrar a obra c.'a esped do cemilerio.
ftlndou-se pagar a Francisco Xavier de
l.ima, a quanla de 300.000 is. da obra que
fez do eano da Cruz de Alinas.
u Sr. veivauui aueuu iui nomesuo
tnembro da commssSo de lolicia no ni-
pedmiento rloSr. Pires Ferreira.
Mandou-se remetler comms&ao ila oJi-
fleaco o requerimeol de Victorino Jos
de Souza Travasso, sobre terrenos de ma -
rinha.
Dcspacharam-se as peticOes de Maris Ma-
noella da l'unficsc.lo Francisco Xavier de
l.ima, Manoel Figueiroa de Faria, Ignacio
Manuel Viegas, Jo3o Chrisosioino Fernandes
Vianna, Simplicio Cantoso Rego,e levmtou-
se a aaasSo.
En, Jo9o Jos Ferreira de Aguiar, secre-
tario a subscrevi. Oliveira, presidente.~
Vianna. Mamede Cameiro Menteiro..
Figueiredo.
BF.LsCAO DOS BAPTISAPOS DA FliF.GUE-
ZIA DE SANTO AMONIO DO HECIFE NO
MIZ DE SETbMIillO DE 1850.
Da i.Constancia, parda, nascida em 18
de dezembro de 1849, lillia de Alaria, escra-
va de Jua Fernandes Kistos.
dem. Guillurme, branco, nasci.lo em 2
de dezemliro de 184, lillio natural de Ca-
tharina Lui/a da Fuuceca.
I lem --Emilia, branca, nascida em 29 de
jtiulio de 1850, Ulna legitima de Antonio-
Telxeira dos Santos e Emilia Canlidados
Santos.
Idem.-Dilflna, crioula, escrav, nascid
em 2 de agosto de 1850, Tha de Benedicta,
escrava de Josquim Antonio da Silva
IJem.--Ann, branca, com 2 mezes e 9
dias, (il lia legitima do Antonio Luiz do Ama-
ral e Aii"a Joaquina da Annunciar;,1o
dem 5. Mari, parda, nascida em 1849,
lillia legitima de Jos Benlo Moreira.ja falle-
c. In e Renta Lconard do Espirito Santo.
IdemBl.uiza, parda, nascida em 1834,
(il lia legitimad-Antonio Manoel Pelonho e
Antonia Maria do Nascimento.
dem 7.Apolinariii, pirdo, nscravo, nas-
cido em 23 de julho de 1850, fllho do Felici-
dade, esersva de Antonio Goncalves Pereira.
dem.Isabel, branca, nascida em 4 de
julliode 1850, (lllia legitima de Theotonio
Flix de Mello e Francisca Luiza de Mello.
Mem.Emilia, branca, nascida em 4 de
maio de 1849, fi I lia natural de Anua Joa
quina Baptisla Marlins.
dem.Candida, parda, nascida em 14 de
agosto desto anuo, lilha legitima de Jo3o
Francisco Tsvares e Mananua Igaacia la-
vares.
I lem 8.Tliiago, crinlo escravo, tfascido
em 29 de jullio de 1850, lillio de Ignacia
sera va de Josefa Thereza de Jezus.
IJem.--Fortunata, crioula, escrava, nas-
cida em 24 do abril de 1850, lilha de Calila-
una, escrava de Kaymundo Itobertoda llo-
clla Reg.
IlemMaiia, parda, nascida em 20 de
fnveiro de 1847, lilha natural de Leonor Pe-
reira.
IJem.Apolinario, parJo, escravo, nasci-
lo em 9 de fevereiro do 1850, lilis de Ji-
cinla, escrava do Dr. Antonio Jos llen-
riques.
I.lem 14. Cassimiro, pardo, nascido coi
12 il s'te nliio do 1849, lillio legitimo de
Cassimiro dos Reis Gomes e Rozaliuda >
Sampaio Gomes e Silvs.
IJem 13.--Antonio, brinco, nascido em 1
de fevereiro dt-ste anno, litto legitimo de
Antonio Francisco Xavier ds Costa e Maria
Francisca do Espirito Santo.
IJem.--Florencia, branca, nascida em 8
de oiiluhio de 1819, lilha legitima de Ma-
noel Jos do Bomlim e Anna da Cruz-
|.lem.Olimpia, branca, nascida em 10 de
outubro de 1849, lilha legitima de Jos Ri-
cardo Coellio e Francisca Maria 'la Con-
cejero.
dem.Angela, crioula, escrava, niscida
ero. 21 de fevereiro dn 1850, (Illa de l.uiza,
escrava de llemeleno Maciel da Silva.
dem Amelia, parda, nascida em 8 de
outubro de 1849, ujna natural de Manoel
Francisco das Chagas e l.uiza Maria do
Espirito Santoo.
dem.Augusta, branca, nsseida em 29
do novembro de 1849. lilha legitima de Joa-
qun) de Azevedo Pereira Maia e Libinia
Constancia de Azevedo Maia.
I lem 16EmTra, parda, nascida s 2 me
zes, lilha natural de Maria Francisca do Ho-
rario.
dem 19.-Caetano, pardo, escravo.com
10 mezes, fllho de Luiza, escrava Jo vigatio
Antonio Joaquiu Soarcs.
dem 32 Amella, branca, nascida em lo
Je julho de 1948, lilha legitima de Jos F-
lix de linio Mace io e l.uciua Elizia de Mello,
I.lem.Joan, branco, nascido em 12 de
junho de'1850, fllho legilo de Jo iquim Fran-
cisco de Albuquerque Santiago e Ignez
Francisca de Santiago Vianpa.
dem.Jos, banco, nascido em 4 dn
maio de 1850, lilho legitimo de Antonio do'
llego Pacheco e Maria lUrcuUna do Itego.
dem.CIbucIiiio, branco, nascido em 7
de julho do 1850. fllho legitimo de Joaquim
Delinques da Silva e Auna Thereza de Jezus.
dem.Ernestina, branca, nasci I em 16
de fevereiro de 1845, lilha natural de Caro-
lina llerpidia da Silva.
Ilem.Odorico, pardo, nascido em 7 de
abril de 1844, lilho legitimo do Manuel Jos
Ferreira e Maria Ignacia UoJriguos Lima.
I lem l.u Unir ni i na, parda, nascida em
2 de Janeiro de 1849, lilha natural de Roza-
lina Maria da Annuncia<;3o.
IJem. Juvita, crioula, escrava, niscida
em 15 do fevereiro de 18*0, filha de Maria,
escrava do Dr. Antonio Alfonso Ferreira.
IJem.Poaciana, crioula, nascida em 13
de jolln deste anno, lilha de Anna, escrava
do Dr. Custodio da Silva CuimarSes.
Ilem -Cailos, branco. nascido em 4 de
julho de 1850. lilho legilimode Diogo llal-
lydi>ye Victoria Amalia ll.lly lay
I lem 23 Antonio, pardo, com 7 mezes,
lilho legitimo de Francisco Antonio Xavier
e Francisca Mana de Azevedo.
IJem 24.Lino, pardo, nascido en 23 do
dito mez e inno, lilha de Benedicta, escra-
va de Jos Joaquim Anastacio.
dem Agostinho, crioulo, nascido em 28
de agosto de 1850, lilho Je Mariana, escrava
Je Fortunato Pereira da Fonscca.
dem.Eduardo, branco, nascido em II
de lerniro deste auno, fllho l.-gi timo de Cus-
par AJolphu Bourjeuis e Catharina Isabel
Violante.
IJem 28.Manoel, preto, denav9o, com
12 unos, escravo de Antonio Teixeira de
Avila.
IJem 29.--Albino, branco, nascido em t
de marco deste anno, fllho legitimo de Jos
ouuies ue Alencar e Ciara Uaibina dos iTa
zares.
IJem l.nurinda, branca, com 9 mezes,
lilha legitima de Antonio Luiz do llego o
Maria Eerreira do Patrocinio.
Ao todo 42 baplisamentos.
Santo Antonio, 15 de outubro de 1850.
Padre uno \oti da Costa Ribelro,
coadjutor pro-parocho.
que mais afluencia decorhmereio apparece
e mesmo por causa dos transporta* de fami-
lias para o os mpo, em cuja occasillocostu-
iiam anparecer inuitos roubns por aquellas
immediacfies; e assim, constan Jo-me que j
vio apparecendo alguns fortes de cavallos
i nSo po Jen lo urna so patrullia de polica
cimoosla de tres homens, oercorrer um dis-
iricto tBo extenso, o sem ter urna acefio tflo
iminiJataComo a cavallaria ; vou de no-
vo instar 'por esta minha requisico
como lilha *a nececsidade, para manter a
orden publica, prevenir os delicio*, e fa-
Z'-rcomque a vi 1 e prooriedade dociJa-
ISo sjim garantidas San Jo asteo interos-
seque tomo pelos meusdistrictanos, espero
que V.S. conseguir do Exm. Sr. presidente
la provincia, o remedio que He hei depre-
cado.
Dos guarde s V. S. Subdelegada de San
Jos do Recife, 20 de dezembro de 1850.-
Illm. Sr. Dr. Francisco de Assiz de Oliveira
Maciel, delegado Jo primeiro districto do
termo desta ciJale. O"subdelegado sup-
nenle em exercicio, Franeiieo Loptista de
Almeida. ______
ro^WERCIO.
ALFASDE4,
ltndimentododia23.....9:490,712
Deicarregam hoje 24 de dezembro.
Brigue Water Wilth bacalhso.
Barca --Carila e Amelia pedras.
CONSULADO (ERAL.
Rendimonto do dia 23. ... 5:793,554
Diversas provincias ...... 237,865
6:031,419
EXPORTACAO.
Despacho martimo no dia 23
Marseille, brigue francez Gourageute Bu-
genie, de 243 toneladas : conduz o seguinte:
2,tino saceos c mi 13,000 arrobas de assucar.
KECEBEDORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rendmcnto do dia 23.....642,209
CONSULADO PROVINCIAL.
Ren.llmento Jodia 23 .3 889,779
Al o violento ilo porto.
AVii'io entrado no dia 23.
Terra-Nova 29 illas, brigue inglez Poer-
less, capitao iinnc ni Me. Lellan, equipa-
geni 13, carga bacalhao ; a Me. Calmont
& Companhia.
Navios saltillos no mesmo dia.
IlioGrande do Sul Brigue brasileiro San-
la Maria Roa Serle, capitn Joaquim Das
de AzeveJo, carga assucar.
Vsl-Paraizo pela California Barca per-
viina Olga, capilBo Edwards Wibde, car-
ga assucar.--Largou do LameirSo para
o seu destino.
Camaragiba Male nacional Novo Destino,
meslre Estevam Riheiro, carga varios g-
reros. Pass'gelros, JoSo Jos da flofta
Ferreira, JoBo Carlos Manoel de Saboia,
Vicente Ferreira e Marcellino Jos d
Mello.
IDITAjL
Hublicagao a pedido.
Illin.Sr.--Por meus officios de 8 deoutu
bro.e 20 de novembro do crreme anno pon-
derei ao delegado supplente deste termo a
necessidaile de urna patrulha de cavallaria
de hnlia.que rondasae nicamente o atierro
dos Afogados,desde as 10 horas da noite at
as 5 da madrugada do dia seguinte, a preve-
nir os enmes qne eslavam a apparecer por
aquello districto, coja distancia do centro
real desta freguezia, a povoecfio dos Afo-
liados, he de urna legoa, como V. S. no
ignora, mas essa decisflo nunca appareceu,e
smente a que junto offereco a V.S a qual
foi-ma dada, em aolucaoaomeu segundo
olicio. lievo, poiin, f^zer scatir a V.S. qin 1
O lllm. Sr Inspector da thesouraria da
f'zenda provincial, em ciimprimento da
ordein do EX'". Sr. presidente da provincia
de 12 do corrente, manda fazer publico
que nos (lias 21, 22 e 23 de Janeiro prximo
vindouro ir a praca perante o tribunal a I-
ministractivo da mesma thcsonrarii, para
ser arremata a quern por menos flzer a obra
do segundo lanpo da estrada do norte, ava-
llada em 8 633,966 ris, esob as clausulas
especiaes abaixo declaradas.
As p ssuas que se propozerem a esta ar-
reoialacao compareci na sala dss sessces
lo ini'Miio tribunal nos diss cima mencio-
nlos pelo raeio competentemente habili-
tados na forma do art. 24 do regulamento
do 7 de maio do corrente anno. E para
constar se mandou afilar o presente e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria ds thesoursria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 16 de dezembro de
1850. O secretario, ionio Ferreira da
.inniiiicinefla.
Clausulaes especiaes da arremalaelio.
l.-Os trsbalhus e obras deste Unco de
estrada serBo feitos pela forma, sob as con-
dicoes, e do modo indicado no orcamento,
planta e perflz, apresontados nesta data a
aoprovacSo do Exm. presidente pelo preco
de oilo contos sciscaolos e trnla e tres mil
nove centos e sesseota e seis muris (ris
8:633,966. )
< 2.' Em todos os pontos onde a estrada
nova coinc Je.on encontrar-se com o velho
caminho actual, dever* ser dirigido o ser-
vj^co de modo tal que hsjs sempre um tran-
zilo fcil.
3."As obras principiarSo no praso de
um mez, e (indar.lo no de oito mezes, am-
bos contados de conformidade com o art.
30 do regulamento de 7 de miio de 1850
4.--Para tudo mais que co est deter-
minado pela presente clausula, seguir-se-
ha ioteiramenlo o que dispOe o regulamen-
to das arrematacO 'S de 7 du.maio
Recife. 25 da novembro do 1850.O en-
ginheiro chefo da segunda secQH.i, Jodo Luis
Vctor l.ieulhier. ApprovsJo pela directo-
ra Jo conselno no dia 3 de dezembro de
1850.O director, Joie* Hanude Altes fer
reir.Florianno Delir Portier.Approvo.
Palacio do governo de Pernimbuco, II de
dezembro de 1850.Souza Ranos --Confor-
me.No impedimento do oflicial maiur, o
ullicial Domingos osSoares.
Conforme O secretario, Antonio Ferrei-
ra d'dnnunciuco.
Avisos martimos.
i icin-peiiro, iiiani'u, nascido em 19 de
maio de 1850, lilho legitimo do Dr. Jos Fe-1 essa palrullra tuuilo ae/z mistar e pnncl-
x de BrolIacodoeLuciua Elizia de Mello. I plmente pelo lempo da fesls, em occisiSo'
Para o Havre
pretende seguir #at o dia 10 de
j-iiieno prximo vindouro o muito
vileiro patacho francez Joseph
Prosper ; recebe aiguma carga e
passageiros, para o que tem bons
commoiios : os pretendentes diri-
jam-se aos consignatarios, J. R.
Lasserre & Gompanhia, ra do
Trapiche n. ti.
Para a cidade do Porto sahe,
com muita brevidade, a releira e
bem conhecida barca portuguesa
S.-Crtiz : quem na mesma quixer
cirregar, ouir de passagem, pra
o que tem excedentes commodos,
dirij-se ao seu consignatario
Francisco Alves da Cimba, na ra
do Vigario, n. ti, primeiro andar.
Sahir para Lisboa com brevidade por
ter parle da carga prompts, a barca portu-
gueza CarlotakAmelia, do prime! ra marcha,
frrala e encavilhada de cobro, da qual he
(pililo Caetano.Gaspar Pestaa: para carga
ou passageiros, para o que tem os melhores
commodos: trata-se com os seos consig-
natarios Frsncisco Severisno Rabello & Fi-
Iho, ou com o dito espitSo.
Pan. Babia sahe no fim da
presente semana o hiale Amelia :
para o resto da carga trata-se com
o tnestre a bordo, ou com Novaes
& Gompanhia, na ra do Trapi-
che n. 34*
Para o Rio de Janeiro sahe
com a maior brevidade possiye!,
por ter parte de seu carregamen-
to prompta, o brigue nacional
Leo : para o resto da carga e pas-
sageiros trata-se com o capitSo a
bordo, ou com Novaes & Gompa-
nhia, ra do Trapiche n. 34.
Para o Rio de Janeiro sitie s galeota
Smilsima Trindade, de saperior marcha,
forrada e encavilhada de cobre, por todo o
presente mez por ja ter grande parte da
carga contratada, quem na mesma quizer
carregar ou ir de passagem, dirija-Se ao
seu consignatario Francisco lves da Cu-
nta ra do Vigario n. II.
Vende-se o brigue denominado firali-
nim do lote de 904 toneladas, forrado de co-
bre, com lancha, bote, e todos os peitencea
despartido, promplo para fazer qualquer
viagem, quem o pretender pode ir ou man-
Ja-lo examinar no ancoradouro defronte
Ja escaJinlia do passeio publico aoode esta
Tundeado: para tratar na ra da Cadeia n.
39 com Amorim IrniSos
ii-n______l-. ==g=ggaa
Avisos diversos.
--Constando ao Dr. Jos Sezinando Avcli-
no Pinho que um Sr. empregado no cor-
reio publico, o procuca para eutregir-lbe
cartas vindas do sul, elle o convida a ir ter
ra do Trapiche n. 15, residencia do Sr.
Ilr. Sabino Olcga'io l.u Igero Pinho.
--Aluga-se o segundo snJar da casa n.
17 da ruado Collegio: a tratar na ra do
Vigario n. 7.
-- Kernardiiii) Gomes de Carvallio com-
prou, por conta do Antonio Moreira Vinha
do Ico, o meio bilhele da terceira lotera da
matriz deS. Jno Baptisla da l.agoa do Rio
do Janeiro n. 1674, o qual Oca em poder do
annuncante.
Abrem-se e impnmem-ae blhetea de
visita ern qualquer carcter, rtulos e to los
os otijectos que deiiandam preceitos Calli-
grapliicos, retratos equu;s|u;r deseuhos,
sinetes typos emblemticos, ornamentos
para capas de livros, e aflnal todos os ob-
jectos da arte de gravura em alto e baixo
relevo, le com delicadesa. As pessoss que
oretenderem slgum'is destas cousas, diri-
jam-se ra do Urum, defronle da fundi-
Cfio nglczi, ou as seguidles lojas de !
vros : na ra Js Cruz n. 56, na pra;a da In-
dependencia ns. 6 e 8, e no, patea do Colle-
gio p, 6, onde se for mister poder.lo deixar
seus nomes e morada para serem procu-
radas.
Roga-se encarecidamente s autorida-
des policiaes a probibicSo de presepes com
zabumba, pratos e outros instrumentos que
causam ncommodo, principalmente a quem
se acha doento.
Joo Ferreira de SI Letio issignar-
sa-ha de hoje em diente Jo3o Ferreira
l.etSo.
Precisa-se de um caxeiro que entenda
de venda e J Dador a sua conducta : na
ruada Glorian. 114, reflnacao.
-- Samuel Crablree relira-se para fra da
provincia.
Francisco Comes deOliveirs embarca
para o Rio de Janeiro o seu escravo, pardo,
de nome Luiz
O Sr. Francisco Branco deixou de aer
caixeiro do Trapiche do Hamos, desde o da
20 do correle.
JoSo dos Santos Tinoco de Souza de-
clara que ao Sr. capitSo Manoel de Albu-
qucrqiie Cavalcanli eco, do Ruique.perten-
ce metade do bilhele n. 3413 da lotera de
S. JoSo Baptisla da Lagoa. extrahida no Ro
Je Janeiro.
D-se dinhero s premio sob penhores
de ouro: no paleo de S. Pedro, sobrado nu-
mero 3.
q O Dr. J. S.Santos Jnior, g
O medico homosopatha mora $
5* na ra Nova,n. 58, primei- 9
S ro andar. ~
f>>t>OOO0OO>0>O0O00
Antonio Jos Horeira Pontea comprou
de socieJade com Joflo Antonio Callado
Dias.de Mamangnape, dous meios bilheles
da quaita e ultima parte da terceira nova
lotera a favor das obras da igreja deNossa
S. do Livramenloos. H23e 1125, e quatro
quartos da terceira lotera do Rio de Janei-
ro, a favor da freguezia da Lagoa, ns. 5763,
5755, 4851 e 4574.
-- l'recisa-se de urna ama de leite, esers-
va ou forra : na ra da Cadeia n. 18.
OSr. eaSra. Arlhiot dentistas chegs-
dos de Paris, previnem ao espetavel pu-
blico que elles acabam de abrir o aeu gabi-
nete na ra da Cruz, no segundo andar ao
p do consulado Argentino n. 43 ; os ditos
professores teem mu prodigiossimo es-
pecifico, novamento descoherto para curar
o mal de denles para sempre, nflo havendo
infUmniactlo, o no caso de liave-la, surte
o mesmo efleito depois de passar, teado um
grande sortimento de denles lucorrupti-
veis ; adverte-se que neste gabinete fiz-se
todas aa pecas arlilicues.msis em conta que
em quaiquer outra parte ; e Taz-so todas as
operacOes concernenle a esta arte ; acha-se
Umbem ao mesmo gabinete bous pos pira
limpar denles, elixir tnico, agua de botot,
etc. : os ditos proTessores rao ss casas
donde forero chamados.
-- PerJeu-se, no da 9a do corrente, des-
de a Passagem da Magdalena at os Afosa-
dos, uma carleira, contenJo dentro 58,760
rs., a salier : uma nota de 90,000, uma di-
ta de 5,000, duas ditas de 1,000, duas moe-
ilinhas de prata de 1,980 e ama dita haspa-
nhola no valor de 480, cinco leltraa di
(luantia de 14 mil e tantos rs. assignadas
por Joflo Daptista de Oliveira, meio bilhele
da lotera do Livramento n. 1051, que cor-
re no dia 24 do corrnte e varios papis que
donada podem servir: quem a-achou, que-
renJo restituir, dirija-se a ra do Catuc
dos Afogados, venda do JoSo Haspanhol,
que recompensar com 30,000 rs. no acto
da entrega.
A mulher que annunciou por este Dia-
rio de 19 do corrente queror ser am ecca
de uma casa e para todo o servico, dir ji -e
ao Manguinho, em uma descasas ao*vuar
para a Biixa Verde, junto a padaria nova,
que la achara com quem tratar.
Rogo encarecidamente aos seohores de
engentios, devedores ao casal do finado Jos
Antonio Alves da Silvs, hajam de vir ou
mandar pagar, na ra da Alegra n. 34,
a minha quarta parte que me coubeem par-
tiiha, do loiai das dividas que devem ao di-
to casal, pois nSo julgo os ditos Sis. em
circumstsncis de pagarem pelos meios ju-
delas* ; podendo tambera entandereni se
com o Sr. Dr. Luiz Goncalves da Silva, mo-
rador na cidade de Goanna.
Morcellino Jote lape*.
Antonio Machado Gomes'da Silva em-
barca paral fora da provincia o seu escravo
Venancio.
O Sr. Hermioo Ernesto d Lomos A.ma-
ril tem cartas na praca da Independa nume-
ro 6 e 8.
Na ra Nova n. 69, precisa-se de um
pretocoiinheiro, psgandn-se mensalmente.
Aluga-se na rus da IJafio um sobrado
com excellentes commoJos, o vista para a
barra: a fallar com MMmbI Alves Guerra,
ou com o bacharel ChriatovSo Xavier Lopes.
Aluga-se um armazem na ra d Moe-
da n 5, rom porto de embarque : a tratar
na ra da Cadeia do Recife n. 55.
ArrenJi-se uma casa no Caxinga, a
melhor que naqnelle lugar exista, por llcar
ao p da ponte e com binho no fundo do
quintal, lendo a mesma alguns arvoroJos,
seis quartos, duaa grandes salas, corre Jar
lavado, os pretendentes dirijam-seao tra-
piche do Barboza a fallar com Aulouio Mu-
niz Machado.
No becco do Consalves, armazem Jo
Araujo, e na ra da Cruz armazemn. 33 de
S Araujo vende-se superior Tarinha em
siccas, mais barato que en qualquer ou-
tra parte, bem como no ultimo armazem
vende-se tamboin sola, couros miudos, sa-
palos e lijlo para limpar metaes, etc.
Quem annunciou querer comprar uma
cadeirinhada Rahfs, dirija-se ao largo do
Carmo, sobrado novo n. 2.
Precisa-se alugardus pretos par tfa-
bslhsrem em armazem de assuoar: na ra
do Trapiche n. 94-
O cautelisla Salustiano de Aquno Fer-
reira Taz scienle ao reapeilavel publico, que
no dia 21 do corrente mez principia a pagir
as cutelas premiadas da lotera de N. S. do
l.ivranieilo, logo que a mesma lotera for
extrahida, na praca da Independencia n. 4,
Lija de miudezis.
Fiirlararn, no da 14 do corrente, do
cerculo do sitio da Piranga de JoSo Baptis-
la de Souza I emos, am rnvallo carrega lor
baixo, ruco, rudado, declina pret e pe-
queo ; lem da parte direita uma mancha
branca e abaixo doquadril marca de Trro :
quem o denunciar ser gratifica lo couvajez
mil rs.
. No da 18 do corrente desappareceu do
segundo andar da casa n. 6, di/ua do Tra-
piche, uma cuaca nova de pajjjko fseto,
uma calca tambem de panno preto e um
col lele de brim nsca Jo, contando dentro da
algibeira da casaca alguns papeis.de impos-
tanca, bem como algum dinhero em se-
dulss- Avisa-se, portanlo, as pessoas quem
for olTerecido este furto, apprehenda-lo,
ou quem souber aiguma cousa a este res-
peito, queiram dirigir-sea mesma caaa n.
6, para fazer scienle a.quem estes objectos
perlencerem, pelo que serSo recompen-
sadas.
Daseja-se fallsr ao senhor de engenho
Francisco de Paula Paes Brrelo, ou a seu
correspondente : na roa do Vigario n. 7.
-- l'recisa-ae de uma mulher que esteja
aeoslumada a andar com negocio do fazen-
das, assim como de urna preta, moca para
carregar o laboleiro Jas mes mas : aJverte-
se que ss pessoas cima referidas devem dar
flanea ss suas conductas: a traa/ na ra Jo
Trapiche Novo, armazem o 44.
Casa em Santo Amaro.
Aluga-se a casa de sobrado e solflo, qu
foi do linado Pedro Diss dos Santosfceom
commodos para uma grande familia, Rto a
vveiro perteucente a mesma casa: pira
ver, na mesma casa, apara tratar, na casa
n. 3, defronte da nbetra do peite, na roa
da Praia.
Quem precssr de uma criada portu-
gueza par qualquer servico de ante casi,
dirija-se a Ponte de Ucha, em casa de Tho-
~.. l>,,S.(o~_
Roga-se aos devedores da massa do fal-
lecido llenriques Gamillo Ferreira, de vir
quanto antes para sal Jar mus dbitos qoa
tem com o mesmo fallecido amigivelmenti
em casa de l. D. Wolfhoppo & 0. ra da
Cruz n. 16, do contrario ver sa-hlo obrigi-
dosa cobranza judicialmente.
Na ra do Cabug loja de 4 portas, de-
zeja-so fallar ao Sr. llenrque Pereira d
Silva, morador na Varzea. ,
Aluga-se uma sala para homem aoltei-
ro, ns ros do Livrameuto, n. I, primeiro
andar : nesla lypographia, se dir qoD
aluga. ^
offerece-se psrs caixeiro de quanuer
eatabelacimento, a rxcepcau de renda, uma
pessoa com habilitagOes, dando fiadora su
conducta : quem pretender, dirija-te rui
Nova n. 60, primeiro andar.
-- l'recisa-ae arrendar annuiltnent um
sitio bem perto da praca, tendo planta de
capul para dous cavados, ainJa mas'i'0
principiando o arrendainenloeni Janeiro ou
fevereiro em dante quem tiver annunca.
F.ogomma-se o lava-se toda a qualiJs-
le de roupa Com todo asseo muita promp-
liJflO, P">r preco OjaSieommolO do queea
outra qualquer porte : na ra de Agoas-Ver-
des, D. 96.



7
fio dia (7 do corren tu l'urtiram um
barril de manteig inglez di porta di al
fandegn, marca Jlt (!e tinta : quem delle
souber ou Ibe fe ofTcrecid*, queira resti-
tni-lo no armizem de Joaqun) Pilippe da
Costa, no beccodo Azelte de Paine.
O Sr.' Bernardo de Albuquerque Fer-
nandas Gma tem cartas,na livraria da praga
da Independencia ns (i e 8.
. .-Joaquim Forreira Mendes Guimariles
embarca para osportos do sul sua eicra-
va, croul, de nome Vieencia,
Trspssa-se o arrendamento de um
sitio em Apipuoos porseis mezes.com bs-
tanles ifrvoredos dando, a casa tem seis
quartos, dispensa, cotinha fra e estribarla
para doui rsvallos, tudo retflcado ; o sitio
lica defroote da caaa do Sr. Constantino :
quem quizer, dirija-se 6 Api pocos, casa do
Sr. Pedro lote, ou oa Cambua do ('.armo nu-
mero 14.
1$ Consultorio hoinceopathico, O
Srua doCollegio, n. 35,
Do Of.P- d A. lobo Motelo. O
OI)r. Mosco jo da consultas todos os &
diat. Os doentes pobres sfio tratados "
2 de grag. S serSo visitados em suas *
9 easas aquelles que nflo poderem vir
O ao consultorio, on que suas moles- O
O tas nflo possam dispensar presen-
0 ga do mtrico.
-- francisco Jos do paula propo-se fa-
zer qualquer escripturagao comtnercial, do
que tem bastante pratiea, isto mediante um
mdico estipendio, podendo quem quizer
titilisar-snde seu prestlmo, procura-lo na
ra do Aragffo, na Boa Visla, ou annunciar.
-*$> Chapeos de sol.
3M Kua do Passeio, n 5.
Negta fabrica ha presentemente um rico
sorl'menlo destes objectos de todas as co-
res e qualidades, lauto de seda como de
panninlio, por precos uomuiodos; 'ditos pa-
ra seuhora, da bom gosto: estes- chapeos
sSo feito pelaaiilima moda ; seda adamas
cada com ricas franjas de retro*. Na mesma
casa se acha igual sortimeiito de sedas e
panninho imitando sedas, para.cobrir ar-
mages frvidas i todas estas fazendas ven-
dem-se em porgflo e a retalho : lamben) ae
concerta qualquer chapeo deso, tanto de
basteas de ferro como do baleia, assim como
umbelas de igrejas: tudo por prego com-
modo. Na mesma casa ha chapeos de sol,
de marca maior, de panno e de seda, pro-
prios par fi-ilores de engenho, por serem
dos miia fortes que se pdem fabricar.
-- Domingo it\ do passado,
erdeu-se desle a Fassagem da
Ingaalena al" a ra do Collegio
urna pulceira de diamantea enlia-
da em peroles ou aljolar : quem
a tiver adiado e quizer reslitui-a,
dirija-se a ra da Cadei i do Be-
c"rfe, primeiro andar da casa n.
38, que ser gratificado com a
quantia que valer a mesma ataca.
-- Aluga-se pela lempo da festa ou au-
nuslmenlu pasa d* dou andaras, defron
te de 8. SehaStiflo em Olinda, com comiso-
dos para Brande familia : a tratar na mes-
ma cssa.-u na ra da Cadeia do Recite, lu-
ja n. so.
#t#a:^#:*##.-H
{ O facultativoJ. B. Casanova mudou &
af o seu consultorio hnmccopalhico da #
ra da Cadeia para a ra das Cruzes f
O n. 28, segundo andar, onde contina }
ay a dar consultas 'odos os das. Os po- :jf
gt bres serio tratados gratuitamente. ia)
--Aluga-se urna casa no l'ogo da Panel,
la eom- bgns commodos para grande famllia-
estribaja para quatio cavallos, boa agoa de
beber, e jardim na frente ; adverte-se inais
que a dita casa he murada em roda o tem
um grande copiar tapado- com frente e sa-
bida para o rio i a tratar na ra do Trapiche,
armazem o. 44.
l'anilo Galjrnoux,-dentista #
frnneez, offerece sen prest 9
mono pablleo para tollosos *
m taleros de sua proflssao : *
pude ser procurado a qual- 9
qner hora em sna casa, na td
iu larga do Kuznrio, n. 36, 9
segando andar. y
Aluga-se o segundo andar do sobrado
da roa Direila n. 90, com commodo para
grande familia : na ra Direila n 93, pri-
meiro andatr.

BOWMAN & le. CALI.UM, engenhei-
ros machinislas e fundidores de ferro mu
respeilosamente snnunciam aos Senhores
proprietanos de engenhos, faxendeiros, mi-
neiros, negociantes, fabricantes e so res-
de ferro asovido por machina de vapor con-
Una'em effeclivo ejercicio, e se acha com-
pletamente montado com apparelhos da pri-
mojra qaalidade para a perfeita confecgSo
das maiorea pegas m" machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer
obras da sua arte, Bowman & Me. Callum
desajam mais particularmente chamar a
altencSo publica para a sseguinles, por
teren delles grande sortimentoj prompta,
as quaes Construidas na sua fabrica pdem
competir com as ftincadas em paiz ea-
trangefro, Unto em prego como em qua-
lUade da materias primas e mSo d'obra,
ata bar:
Machinas de vapor da melhorcODStrucgSo.
Moendas de canna para engenhos de lo-
dos os tamanhos, movidas a vapor por agoa
oa animaes.
Rodas d'agos, moinbos de vento e serra-
MaBeJos independen tes para cavallos.
Rodas desliados.
AguilhOes, bronzes e chnmaceiras.
Cavillioes parafusos de todos oa tama-
-nhos.
Tsiss;, psres, cr
Iba.
Moinhos de mandioca, movidos a mo ou
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas de fogo e frnos de farinha.
Canos de ferro, torneiras de ferro e de
brome.
Bombas para cacimba e de repucho, mo-
vidas a mSo, por animaes ou vento.
Guindastes, guinchos e macacos.
Prensas hydraulica#e de parafuso.
Ferragens para navios, carros e obras pu-
blicas.
Columnas, vsrandas, grdese portos.
Prensas de copiar cartas e sellar.
Camas, carros do mSo e arados de ferros,
ele, etc.
Alm da saperioridade dss suas obras, j
geralmente recoohecida, Bowman & Me.
Callum garanten) a mais exacta conformi-
dade com os moldes e dezenhos remeltidos
pelos senhores que se dignaren) de fazer-
Ihes encommendas, anroveitandoa occasiSo
pars agradcerem aos seus numerosos ami-
gos e freguezes a preferencia com que leem
sido por elles honrados, e asseguram-lbea
que nSo pouparo esforgos e diligencia?
para continuaren) a merecer a sua confi-
an ga.__________________________________
Comp
ras.
m
i
Compra-se urna crrenle ou cordBo
grosso, e urna medalha deouro de le, sem
r to : na ra larga do Rozario n. 48, pri-
meiro andar.
Compram-seescravos de am-
ibos os sexos .* na ra da Cadeia do
Hecife, n. 5t, piimeiro an lar.
Compra-se um carro de qua-
tro rodas em meio uso : na r,a do
Crespn. 3, ao p do arco de S.
Antonio.
Compra-se urna correte, 1 cordSo, I
collar, 1 par de brincos pequeos, tudo de
ouru de le e sem feitio, I duzia de colhd-
res para cha e t sellim com algum uso: na
roa do Rozario estreita n. 18, primeiro an-
dar. .
-. Compra-se um caxorro de fila ou atra-
vossad, que seja novo e brabo : na ruado
l.ivramcnto n. 14.
Compram-se formas develas de car-
naha : no caes do Runos n. 2. ^____
Vendas.
Lotera deN. S. do Livramento.
Aos 5;ooo,ooo rs.
Iloje corre impreterivelmenle
as rodis de.sta loteria. O restan-
te das cautellas e meios bilhetes
s estarSo vend at s lo ho-
ras do dia, ni praca da Indepen-
dencia n. 4-
Na iravessa das Cruzes n. 8 vende-se
superior massa. etrellinha, sig, covadi-
nha e outros gneros, por prego mais com-
modo do que em outra qualquer parte.
Tinta de escrever.
Vende-se tinta preta de superior quali-
dade em frascos, em oorgSo ou a retalho,
por muito commodo prego : na ra da Ca-
deia do Recife n 31, primeiro t,nlar.
Cal Ylrgem em pedra
chegada de Lisboa na barca Carlota i Ame-
lia, vende-se a prego commodo : no arma-
zem de Silva Barroca, na ra do Brum, nu-
mero 28.
-- Vende-se um ptimo cabriolet novo
com cavallo j ensinado: os pretendentes
podem dirlgir-se ferrara do Francez L-
mar, no sitio do Campo Verde, no Corredor
de Bispo.
Vende-se um moleque crioulo, de 17 a
18 annos, com olllcio de carpina : na ra da
Senzall Nova n. 7, segundo andar.
As casas de commercio.
Um ricosortimentode livrosem
branco de 5o iolli>s at 400> Dem
paulados, rucados, de en:aderna-
co segura e por precos commo-
dos : no pateo do Collegio, casa do
l-ivro Azul.
-- Vendem-se pedras redondas para moi-
nhos : a tratar na ra da Cadeia do Recie,
n. 18.

-*
>
a>
a>




Na loja do sobrado amarello nos J
quatro cantos da ra do Queimadon. ^
29, tem para vender um completo .,
sortiaiento de cortes de vestidos do ^
seda, e brancos, fazenda superior em
gosto e qualidade; dilo-i de c imhraia ^
de seda de 7,000 a 12,000 res ; ditos
de cambraia decores,aberla, cassss *
de cores, goslos novos; ohta fran- j
ceza, padroeadacassa; seda de fur- *
ta cores, propria para mteteles e 2
capotinhos; tensos bordados de cam- ^
braia de linho, muito ricos, proprios ^
para noiva ; pao de linho adamas- i
cado escuro, com 9 palmos de rargu- 4!
ra, fazenda inleiraraeole nova, pro- J
pria para cobrir mesas; e oulras *
muiMsrazenda8naadegwM>epre- _jj
go muito commodo. ^
Na loja de miudezas da ra dos Quar-
teis n. 24, vende-se rap meio grosso fran-
cez, chegado ltimamente do Rio de Janei-
ro Na mesma loja lambem vendem-se car-
tas francezas linas e ordinarias.
Vende-se espirito devinho a 1,000 rs.
araada: no pateo do l'araizo n. SO, l-
veme.
Casa de modas francezas de Itu-
essard MtUocheau, Aterro da
Boa Vista n. I.
Recebeu-se pelo ultimo navio do Havr<
um lindo sortiaiento de modas verdadera-
mente parisienses, Consislindo em chapeo
de seda, de pallia o de montara para senho
ras, vestidos para balese casamentus, man
teleles e capotinbos, plumas e flores, colle-
rinhos de bico verdadeiro, corlea de cass
e cambraia brancos e de cOres, lengos dr,
mSo de cambraia de linho e de algodSo, es-.
psrllbos, bicos ver.dadeiro e outros, Ota,
ile todas as larguras acores, transas, fran-
jas, luvas.cnaneos de palha para menino:
- ditas, fitas
veos e msntllins p.'ri esn-n nlo, e mais
outrss fazendas que sft v :i icrflo muito sm
conta.
FeijSomul iiinhu coi saccas
de alqueire.
Vendem-se, por prego muito barato, sac-
cas com feijSo mulatioho, chegado ha pon-
eos dias, para fechar conlas : no caes da
Alfandega, armazem de DiasFerreira.'
Moendas snperlurcs.
NafundigSode C. Starr 4 Compinhia,
em S.-Amaro acham-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construcgSo muito Isuperior.
Globos de vldro.
Ainds resta cara vender-se alguns globos
de vidro proprios para oseada, corredores e
mesmo para illumirjegOes por serem muito
commodos em tamanho: n ra do Trapi-
che-Novo n. 10.
Ao pukllco.
Em inui creiclda numero contavam os inedi-
coa al agora molestias incuraveii, contra ai
quaea s era perinlido au paciente jeaigna-
f So para loflVer um mal de queja nao h.-ivia
u>peraii(as de por liberta-lo, e ao medico
phllantropico a dor de ver muitos de seua ae-
nii-lhaatcs victimas de enfermidades, contra aa
quaea se declarava impotente, podendo- apenas
lamentar a fraqueza 9a iotetligencia humana
Mas, grabas aos progressos da medicina, gra-
cas ao zelo de hoineus incansareir, que, nao
desesperando da perfectibilidad* da sciencla,
se tem dedicado investigacau de remedios
que possam alliviar a buuianidade de alguns
males que a alDigein, o numero das molestias
reputadas incuraveia vai de di em dia dimi-
nulndo. Assim, achardepois de longos traba-
Ihos, de profunda meditacao e reiteradas eipe-
rieucias, inedicaDicutos que nos restituain o
uso dos dous mais importantes sentldoa de que
he dotado o homem, quando este, j se acha-
vam no supposto estado de tncurabilidade e
inlciramente perdidos, he por cerlo um dos
inaiores aervicos que se poda prestar lioina-
nldade; cis o que eslava reservado a um ho-
mem philantropo da cidade de draga, em Por-
tugal, cuja sciencia, cujo amor de seus seme-
Ihantet ae teein feito geralmente conhcccr. Os
remedios que ora oll'ercceios ao publico, nao
eulrain naclassc daquelles que o vido e ousa-
do cbarlatanisino inculca com loucoa e des-
compassados brados, e que o crdulo vulgo
por ignorancia recebe na boa f e sem dlscer-
nimenlo, achando-se depois llurtidu ; tem, po-
icni. de oceupar mu dislincto logar entre oa
medicamentos que inaiores beneficios presta ni
ao homcn : constam ellea dadissolucao aquo-
aa de estractoa de plantas mediciuaes, de vir-
tudes mu reconhecldase verificadas. 0 longo
uso, as continuadas e severas experiencias,
que por toda a parte leem elles sido submctli-
doa, sem que una s vea hajam falhado em
seus bonaelleltos, e desmentido as esperancas
Sua sobre elles bavia fundado o seu inventor,
ic leem graugeado coustanles e repetidos elo-
gios dos inals aabioa e reapeilavrls mdicos,
assim da Europa, como da Amrica que unso-
nos abonan e proclaman! sua aeco aeinpre
certa e benigna. Um destes licores he desti-
nado a combate!- as molestias de olhos, e tem
por principal vi rinde restituir aoaorgaos da vl-
so suas funecurs reanimar e fairr rrappare-
cer em sua natural perfeicao a visla, quando
esta eativer fraea ou quasi eatincla comanlo,
pnrin, que nao baja crgueira absoluta coiu
(tesoiganisaco das partes; nao menos til e
enrgico he para desfazer as cataratas, destruir
as nevoasc de proinpto debellar qualquer in-
Qainmacao ou vermelhidao dos olhoa. Nao
causan) d6r nem esitinulo na parte.
Uiilro liquido reslitue a faculdade de nimi-
os sons ao ouvido tocado de surde'i, anda que
Inveterada urna vez que o mal nao seja de nas-
cenca, sem causar em lempo algum o menor
Incoiuinodo ao doente, e aeiu priva-lo de cui-
dar em seu; negocioa.
INSTRUCQOKSPARA O USO DOS REMF.DIO?
O dot olhos tmyrrya-it do modo leguinli:
O doente pela maiiliaa, em jejum, una hora
pouco mais ou menos depois que erguer-se do
leito, tomar sobre a palma da niiiu pequea
porfo daqaella agoa ; e com ella molhar
bem oa ollioa, fazendo que alguinas gottas
calam sobre o globo oceular : sem os limpar,
os conservar molhados al que naturalmente
enxuguem: ao deitar-se noite pralicar o
mesmo : durante o lempo que usar do reme-
dio evitar o calor, aceo de fuuiaca e o vento ;
far abstinencia de coinidaa salgadas, asedas e
adubadas com especiarlas.
O remedio dos ouviJos ser applieado domado ou-
ugut.
O doente pela manhaa, urna hora pouco
mal* ou menos depois de erguer-ae, anda em
jejum, far derramar dentro dos ouvidos qua-
tro ou cinco gottas do liquida, tapando-oa de-
pois com algodo em rama ; noiie ao deitar-
se repetir a mesma operaco. Durante o uso
do remedio evitar eapdr, os ouvidos princi-
palmente, accao do calor e do vento, alini de
evitar grande transpirajao, havendo cuidado
em nao motilar os pa em agoa fra; finalmen-
te deve obster-se de comidas salgadas, azedas e
adubadas.
tstes remedios esli venda na botica de
Barlboloineu Francisco de Soma, oa ra larga
do Rosario, n. 36, nico deposito em Pernain-
buco, pelo preco de 2,240 rs. cada vidro.
Novas cambraias.
Vendem-se ricos cortes de cambraia aber-
las com 6 varas e 3|4, de listas e ramagem
de cor, fazenda muito fina de lindos goslos,
pelo barato prego de 4,000 rs. o corte, chi-
la de cores muito miudinhas, pannos mui-
to finos, cores lisas, a 2n0 rs. o covado;
brins de linho smarello, cor de ganga, lista
ao lado, fazenda muito fina, pelo baratsi-
mo prego de 2,000 rs. o corle : na ra do
Crespo o. 14, loja de Jos Francisco Dias.
Bombas Je ferro.
4o,ooo rs a duzia.
Verdadeiro e legitimo champanhe A Yem
casa do Avrial & Ir mSos : rus da Cruz n. 2).
Agencia
da fund.caoLow-Moor.
SNZALIA-NOV*.", Jf. l\1.
I.: c;i':'.>eiecimento conti-
ni a ha ver um completo s^rti-
aento moenJad s meian moen-
lag, par*. en;a iho; mao'iinas de
vapor, e tacha j da ferro batido
:oado, de tolos os tamanhos,
jara dito.
IV i deposilo da ra da Moda, n. 15,
ha pira vender superiores! em pe-
dra, recontemente chegada de Lis-
boa, em o brlgue Conotico-de-Ma-
ria, por prego rasoavel : tambem ah
se venJem pesos do duas e de urna
arroln, por prego commodo; lia
tambem effectivamenle no mesmo
deposito barrisde mel para embar-
que.
AAAAAAAAAAAAAM&AAAty
Arados de ferro.
Na fun ligu la Aurora em S.-Amaro ,
/enlem-so ralos de ferro de diversos m-
telos
c men:-:
pera as
i
eambrslis, lenclnhos degtrga e de seda.I fasso Jnior.
Vendem-se bombas de- repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum, ns. G, S e io,
fundicao de ferro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de
differenles modelos : na ra do
Brum, ns. 6, 8 e io, fabrica de
machinas e lundicio de ferro.
At que a certa ruin.
SapatOes de orelbae sallo alto, fetos a
capricho no Aracaly a imitsgao dos de eou-
ro de lustro : este calgado depois de abitua-
do a legitima graxa ingleza n. 97, imita
exactamente ao de pulimento: tambem che
garam-dos outros [sem orelhis, que se ven-
ded a 800 rs.: na ra larga do Rozario, n.
35, loja do Lody.
Mlllio novo a 2$ooo rs.
cada saecsk..
Vende-se no armazem do Braguez, so p
do arco da Conceigao.
Cimento.
Vendem-se barricas com superior sianen-
to, chegado no ultimo navio de Hamburgo :
na rus (hs morim, n. 35, exmaTern, de J. J.
para curar da pulysica em todos os seu-
diflerenlcs graos ou motivada por conslie
paefles, tosse, aslhm, pleuriz, escarros dn
sangue, dorde costase peitos, palpitsgo
no corceo, coquelucho, bronchites dr
na garganta e todas as molestias dos orgSos
pulmonares.
De todas as molestias que por heranga fi-
camanenrpo humano, nenhuma ha que
mais deslruitiva lonba sido, ou qu- tenha
zombado dos esforgos dos hoinens mais
eminentes em medicina do que aquella
que he geralmente conhecda por moles-
lia no bofe. Em varias pocas do se-
culo passado, tendo-se offerecido ao publi-
co diflert'ntes remedios com attostados das
extraordinarias curas que elle tem feito ;
porcm quasi que em lodos os casos a ilusSo
tem sido ip 'uas passageira e o doente
torna a recanr em peor estado do que se
a cha va antes do applicar o remndio lo re-
commendado, oulro lauto n2o acontece
com este extraordinario
Xarope do bosque
Novaes & Companha, os nicos agentes
nesta cidade e provincia, nomeados pelos
Snrs. H. C. Yales & Cumpanhia, agentes
geraes no Itio-de-Janeiro mudaran) o de-
posito dpsle xarope para a bolica do Snr
Jos Mara G. Ramos, na ra dos Quarleis, n
IS, junto ao quartel de polica, onde sempre
achanto o nico e verdadeiro, a 5,500 rs.
cada garrafa.
Deposito de potassa e cal.
Ven Ii-sh inuti nov e superior potassa,
assim como cal virgein em pedra, recente-
meutecbegaila de Lisboa, por prego rasoa-
vel : na ra da C*deia do Hecife, n. 12, ar-
mazem.
l'ecldo de algodo trancado na
faOiiea de Todos os Santos.
Na i-tia da Cadeia n. 52.
rendem-sia por atacado duas quididades,
proprias para saceos de assucar o roupa de
tsoravos.
Itoga-sc aos fregnezes que tenliam
toda attengo para o novo sor-
tlment qno existe na loja da
rtia do Crespo, n. (>, ao p do
lampeao.
Vendem-se cassss pintadas de Cores litas,
a 260 e 280 rs. o covado; corles de brim
branco de linho puro, a 1,920 rs.; ditos d-
fusto muilo finos, a 560 e 640 rs. ; cassa
prela propria para luto alivia lo, a 120 rs. o
covado ; zuarle de cor, a 200 rs. ; riscado
de linho para casacas, a 210 rs. o covado, e
oulras muitas fazendas por prego commodo.
Taixas para engrenho. '
Na fundigSo de ferro da ra do Brum,
caba-so de rerebor um completo sortmen-
iode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
luaes acham-se a venda por prego com-
nodo e corr: protiptidSo embarcam-se,
ou earregam-seem carros sem despezas ao
comprador.
Ai!^^ deposite)' de ca!
virgem.
Na runda) Trapiche, u. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lio boa
no lirigue larujo 111.
tliicm admirar venha ver t com-
prar, na rna do Crespo, loja la
esquina que volta para a Ca-
delu.
Panno lino preto muito bom, a 3,000 e
3,600 rs. ; dito muito superior, a 4,500 e
5,000 rs. ; dilo azul muito fino, a 3,000 e
5,500 rs. ; ca sem ira prela, a 5,000 rs. o cor-;
te ; dita multo superior, a 10,000 rs. ; cor-'
les de fuslflo a 820 a 600 rs. ; ditns muito
bonitos, a 800 rs. ; ditos de setim de |cres,
a 1,600 rs. ; ditos de gnrgurn, a 1,280 rs. ;
cassas d cores lisas e ue bonitos padroes,
a 940 e 280 rs. e covado ; corles de cassa
prela, a 9,900 rs. dilas a 1*0 ra. o covado;
riicado de linho azul, a 940rs.; corte VJ
hrim de linho, a 1,600 ra. ; Olios muiiu
bous, a 1,800 e 9.0U0; ditos superiores, a
1,2*4) e l.fiuAr. a var- ; cago* de soda d*
cores, muito bonitos, a 1,000 rs.; ditos pa-
' ----'
ra gravita, a 1,000 e 1,280 rs. ; ditos dn
cassa com listras de" cores, a 240 e 320 rs.;
ditos com lislrasdeseda, a 500 rs.; algo-
do azul de vara de largura, a 200 rs. o^o-
vado; dito furta-coros, a 200 rs.; picote
muito encorpado, proprio para escravos, a
200 rs. ; riscado de algodSo americano, a
140 rs.; cortes de brim de listras, a "1,000
/s.; chitas de cores lisas e de bonitos pa-
droes, a 140, 160,180 e 200 rs. o covado;
rscados monstros, a 220 rs.; cambraias de
quadrus, a 2,720 rs. a pega j cortes de case-
mira de algodSo, a 1,600 rs. ; cassas fran-
cezas muito bonitas, a 320 rs. o covado ;
chapeos de sol, com asteas de baleia, a 1,800
rs. ; e oulras muitas fazendas por prego
commodo.
Na ra Nova, n. 8, loja de Jos
Joaquim Moreiro & C. ,
vendem-se famosolflnapos francezes para
homem, de formas mui lindas e modernas,
e deopli'iia pellucis.
i'ssriiiiio de aiicodfio a 2S5oo a
pega de Jo varas.
Vende-sj esguillo de algo 15o erraj 1 pal-
mos e meio de largura, a 2,500 rsTi esta
fazenda he muito propria para lengOes, ca-
misas, ele. : na ra do Crespo, loja da es-
quina que volta para a cadoia.
Ag;cncla de Kdwln Mnw.
Ra de Apollo, n. 6, armazem de Me. Cal-
mont Companhi, fazem ver aos Srs. do
ongenho e aos seus correspondentes nesta
raga, que uo seu cstabelecimento se acha
constantemente bom aoriimento de moen-
uas todas de ferro para animaes, agoa, etc.;
lucias ditas para armar em madeira ; ma-
chinas para vapor com forga de 4 cavallos ;
1 lixas de diflerentes modelos e de todos os
tamanhos e grossuras, tanto de ferro balido
como coado ; espumaderas, cocos, etc., do
ferro eslanhado ; safras para ferreiros : lu-
do muito bom e Dor barato preco.
Vendem-se colleeces com
mais de seis lindas vistas, repre
sentando a ponle do lecic com a
alfandega, a ponte da Uoa-Vista,
a cidade de Olinda, a ponte do Ca-
chdng, l'oco-da-l'anella, e a ra
da Cruz como arco do Bom-Jesus;
bem como duas grandes vistas de
Fernarobuco. na ra da Cruz, n.
10. casi 1: Kalkmanti.s linio.
Vende-s Manguinho, que lica defronte dos sitios dos
Srs. Carneiros, com grande casa de viven-
i!a, de quiltro aguas, grande senzalla, co-
cheira, estribara, baila de capim que sus-
tenta 3 a 4 cavallos, grande cacimba, com
bomba e tanque cuhcrlo para banho bas-
tantes arvoredos de fructo : na ra da Con-
cordia, primeiro sobrado novo de um andar.
Jos Joaquim ittoreira & C., com
loja na ra Nova, n. 8,
snnunciam para vender por prego mdico
os seguinles objectos: cabegOes de (li de
linho psra fra de vestidos, cuusa de gos-
to e mu 11 nnienle. nova no m-rcailo ; cami-
sinbascoin suas golliuhas, o mais bem bor-
dado possivel, manguitos e meias mangas
le cambraia e lil de linho; gollinhas de
fil liso guarnecidas de fita cor de rosa ; ta-
llius -le liu'o de seda, brancos e pelos e ou-
iros malizados do cor de rosa; puntea de
tartaruga para prender cabello, que sem
exageragSo se p le dizer serem os melhores
que aqu leem vio lo.
~ v iidn n-se queijos londrinos ultima-
mente chegados de Liverpool na galera Bo-
"ila, ,-is-im como conservas de carne e fru-
ta, e mais oulros g eros ltimamente che-
ados, por prego rasoavel : na ra da Ciuz
n. 7, armazem de Dawis & C.
2* Deposito geral do superior ra-^
^ p'Areia-l'reta da fabrica
"} deGantois l'ailhet& C. Q
O na Bahia.
Domingos AlvesMatheus, agente da^
Y fabrica de rap superior Areia-I'reta da"
''5II lina, le.ni abertn um deposito na ruaO
^da Cruz, no Recife, n. 52, primeiro an-O
,'dar, ini-li- su achara sempre desle ex-O
'3celle'ntee mais acreditado rap: ven-G>
de-se em botes de urna e meia libra,Q
f3por prego commodo. 4j}
i-!>Sia3Q90<3!5e!O3OOJ
- Vende-se cobre, melal amarello, e pre-
gos para forro do navios, por prego com-
modo : em casa de A. V. da Silva Barroca,
na ra da Cadeia do Recifo, n. 42,
Ns ruada Caleia-Velha, primeiro na-
dar da casa n. 24, de .Manuel Antonio da Sil-
va Antunes, vende-se um rico sortimento
de chapos de palha da Italia, aberlos para
senhoras, camisetas de cambraia, colari-
nhos, romeiras, manguitos, puuhos, tudo
excellentemente bordado, bicos fin asimos,
ricas fitas, capotinhos e manteletes de lil
e de seda prclos, e oulros objectos de gos-
to ; bem cumo um completo sortimento da
fazendas : tudo se vende por pregos muitos
rasoaveis.
^ MmflilH WMll
g C^- Aos 5:ooo,ooo rs. ^?
Vendem-se bilhetes e meios ditos
' da lotera a oenecio das obras da
1 igreja de (V. S. do Livramento, que
corre no dia 24 do corrente, vespera *
2 de fesla, e neste mesmo da compro- ff
melle seo thesoureiroa pagarospre-
tli inins que por sorle sabirem : s elles,
4 amigos, que restam poucos, e sem
clinheirii nao he possivel haver feste-
5 jes pelos dias santos da fesla. lUbili-
tt tem-se quanto ant-s, pois feliz da-
rj qnelleque sorte Ihe houver desti-
$ nado lal premio : n esquina da ra
doCabug, loja n. 11, junto a botica
* do Sr. Joao Moreira Marques. M
mmmmvmmsm ***********
Loteria do Bio-de-Janeirof-
Aos 3t:ooo,ooo de ris.
Na praga da Independencia loja n. 3, que
volt para as ras do Oueimado e Crespo,
vendem-se os muito afortunados bilhelos,
meios, quartos, oilavos e vigsimos dater-
ceira lolena a beneficio da igreja malrie
deS. Joiio Baptista da Lagos. Na mesma lo-
ja estilo patentes as listas da 25 do monta
po c lu." do SS. Sacramento do Rio de Ja-
neiro.
== VtsBdein-sesassrss ae ferro: ua ra
da Senzslla-Nova, n. M,

i. ,



* Vende-sc superior farinha
gallega, em meiis barricas : no escriptorio
de Desno Youle &' C., ou era seus. armazens
do berto do Concalvrs.
Vcndem-se sabooetes higinicos, fo
mais superiores que loem vindoieate mer-
cado, assim cerno nutras pe fumarias milito
Tinas : na ra da Cadeia Vclha n. 24, pri-
meiro andar.
Cal e potassa.
Vende-se a mais nova e superior potassa
qoe ba no mercado, e cal virgem em pedra
ebegada pelo ultimo navio de Lisboa, por
preco commodo : na ra da Cadeia do Re-
cite, n. 50, fallar com Cunha & Amorim ;
assim como um restante de barris da mes-
ma cal, que flcou da safra passada, por ba-
rato preco.
Nao lie exag;eracfto.
Vendem-se sapaloes de couro de lustro,
obra muiloboa, a-2,500, 3,000 e 3,500rs.:
na ra da Cadeia do llecife, loja n. 9.
Cobertores de tapete para
escravos.
Jeavendem os acreditados cobertores
de tapete para escravos, a 720 rs. cada um ;
por issovenhama elles antes que se aca-
ben, ou passem para mais alto pre$o : na
ra do Crespo, loja da esquina que volt*
para a cadeia.
I'ap Paulo-Cordeiro.
Vende-se efectivamente este escolente
rap, na ra da Cadeia do llecife, n. 50, lo-
ladc Cunta Amorim.
A i,6oo rs.
Vendem-se novos cortes de brim tranca-
do escuro com duas varas e meia cada corte,
a 1,600; cassa (rasceta de bnm goslo,a 2,600
rs.; pecas de esgniflo de algodSo com t2
varas, a 2,400 rs a peca ; cobertores de al-
godSo de cores, a 720 rs. : na ru* do Cres-
po, n. 6, loja ao pe do lampeBo.
Pecas de esguio a a,5oo rs.
Na loja da ra do Queimado, n. 17, ao p
da botica, anda tem para vender pelo ba-
rato prego de 3,500 rs.; pecas de esguiSo de
algodflo, con 12 jardas, muito proprio pa-
ra camisas de senhora, por ser mais largo
que o madapolfio.
Para acabar vendem-se,
na ra do Queimado, loja n. 17, cassas fran-
cezasde 19a bertas, o de padrOes muito
delicados, a 400 rs. o covado ; cambraias
le cores modernas, a 560 rs. a vara ; chitas
francezasdo melhor gostoque tcm vihdoa
este mercado, a 320 e 360 o covado. Iio-se
as amostras.
Deposito de cal virgem.
Na ra do Torres, n. 19, ha muito supe
riorcal nova em pedra, chegeda ltima-
mente de*Lishoa no brigue Tarujo-Terctiro.
Cabreadas inglezus.
Vendem-se cabecadas inglezas rolicas e
chatas, loros e silbas de 19 : na ra do Tra-
piche n. 10.
Vende-se superior e muito
nova farinha de mandioca, chaga-
da agora do S.-Cathatina pelo bri-
gne Soares, ancorado na volta do
Forle-do-Mallos: quem a quizer
comprar por menos do que em ou-
tni qualquer parle,dirija-se a bordo
domesmo navio, ou ao escriptorio
de Oliveira, Paiva 5c C., na ra
da Alfandcga-VelliA, n. 5.
loo sarcos novos de estopa.
Vendem-se 100 saceos novos de estopa e
algodflo, por atacado a 320 rs. cada um : na
ra larga do Rozarlo, n. 48, priuieiro an-
dar.
--Vende-se rafe superior de Paulo Cor-
deiro; na ma da Cadeia do llecife loja de
Jo3o Jos de Carvalho Moraes, e igualmen-
te se vende na mesma loja penas de ouro
com bicos de diamantes.
A ellas ante queseacabem.
Chegaram os procurados sapa tos de cou-
ro de lustro de orelhas de 2,000 a 2,400 rs ,
obra forte: na ra da Cadeia doRecifen.
9, loja.
S8SF.
Frinhaa nova da marca SSSF, chegaila
ltimamente : na ra do Amori-n n. 35, ar-
mazem de J. J 1'asso Junios.
I'otasxada Kussla.
Vende-ae potassa da llu-sia, recentemen-
te chegada, e de muito superior qualidade :
na roa do Trapiche, n. 17.
nliora, a 6,000 rs.: na loja de encadernaeflo
praca da Independencia n. 12.
>J adunia los flardy, modista
bratdlctra, na rna Nova, n. 34.
Madama Rosa llardy tem o prazer do avi-
sar a todas as senhoras de bom gosto, que,
alm das fazendas j annunciadas, recente-
mente se acha provida de um completo e
esplendido snrtimento de novas e linas fa-
zendas, consistindo em magnficos mante-
letes e capotinhos de furta-cores adamasca-
dos ; ditos de ditos de diversas e ricas co-
res, feitos em Franca ; ricos capotinhos de
muito superior fil delinho; lindos chapeos
de seda para senhora de moderno gosto, e
despachados ha poucos das ; novo e supe-
rior gros de Napolles preto e furta-cor ; no-
vas e delicadas franjas pretas, proprias para
manteletes; bonitas trancas, pretas e de co-
res ; fino chamalote preto, de muita consis-
tencia ; superior sarja preta ; luvas de pel-
lica branca, enfeitadas, com ricas flores e
requifes, proprias para casamento; bonitas
e superiores romeiras de fil, brancas ; di-
tas delinho bordadas ; peonas e novas ca-
pellas para casamentos e bailes ; um com-
pleto sortimento de flores para chapeos, das
mais finas que tem apparecidp ; lu los len-
cinhos de setim de cores para'senhora e me-
ninas; e outras muitas fazendas queserSo
tenles aos compradores
^'^Wl'W^^arMWHi^^lwf^B^W t*WSwTO^R"Ww^l"*" *
Na loja do sobrado amarello nos
quatro cantos da ra do Queimado n.
29, vende-se o seguinte :
Cortes de calca de casemirs,
padroes novos 4,000
Ditos de dita de brirr. tran-
cado decores, puro linho 3.000
Alpaca de cores; propria pa-
ra casaca e palito, covado 800
Chapeos de massa,francezes 6,000
Lencos de seda para grvala
800rise 1,030
Luvas finas de fio da Escocia
para homem 320
Cortes de tapete para sapa-
tos, goslo a Turca 800
Gravatiuhas de seda para se-
nhora 1,000
Chapeos de sol de seda para
senhora a 2,500 e 6,000
Pegas de chita com 38 covs. 5,000
Ditas de cassa de quadro
com 8 1|2 varas 1,280
Cortes de cassa de cores 2,000
Lencos de cambraia de seda
de franja, para senhora 800
Meios chales de seda 6,000
Lotera de N. S. do Livramento.
Na prac da Independencia, n. 4, loja de
miudezas, vendem-se os afortunados bi-
Ihetes, meios, quartos, decimos e vigsimos
da lotera de N. S. do Livramento, que cor-
re impreterivelmenle no dia 24 do correle.
Mr,os 6,000
Quartos 2,600
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeos de sol de seda preta
e de cores, a 6,000 rs ; ditos de panninbo
para homens, senhoras e meninos, por pre-
quer parte : na ra do Passeio n. t.
Superiores vinhos.
Na ra da Cadeia, n. I,
vendem-se eicellentes vinhos djdi-
| versas qualidades. tanto engarra-
fado, como em barris, sendo do
Porto, Figueirs, Hucelas, Madeira,
Cincvelos. Colares, Moscatel de Selubal,
ele, ; assim como outros muitos gneros de
ptimas qualidades, e de que sempre esta
prevenido este estabeleciment.
i oitcs de eaaemlra, a 3,5ooo
a 4,ooo rs.
Vendem-se corles de cu sumir de cures,
a 3.500 e 4,000 rs.; advertindo aos amantes
do bom e barato que esta fazenda he do
maerea gostos que tem vindo ao mercado,
por isso recoinmenda-se que venbam a ellas
lantes que so acabem : na ra do Crespo,
ioja da esquina que volta para 1 Cadeia.
Cigarrillo hesuanbes.
SSochegados os excelientes cigarrilhos
Iieapanboee ao deposito da ra da Cruz, do
Recifen. 48.
-. yepdeoi-B wie.ins hillietes da lotera de
N. S. do l.ivrarofDt? v.'lmenle no dia 24 do correnle as 8 horas
do dia 110 consistorio da igrejada msala Se-
wmmwmmmwmmmww-wwmi?. 9
Para a festa.
Na loja de funileiro da ra Nova n. 38, de-
fronte da ConceicSo, ha um completo sor-
lmenlo de machinas de fazer caf de todos
os tamaitos ; areia de moldar muito lina,
vioda de Lisboa ; vidros de lodos os tama-
itos ; verniz copal de superior qualidade,
a 1,000 rs. a libran assim como ha um va-
riado sortimento de obrss de folha de
Flandres.
Vendem-se duas lindas ne-
grinhas de 11 annos, que cosem,
fazem lavarinlos, marcam e fazem
rendas : na ra das Larangeiras
n. i'|, segundo andar.
3o.
Crsxa n. 30, a mais superior que al ho-
je tem viudo a este mercado, pelo esmero
que o seu autor tem ltimamente emprega-
do. Esta grasa he a mais prompta em dar o
mais brtlhante e aturado lustro, assim co-
mo a melhor para conservar o calcado : ven
de-se nos armazens de J. J. Tasso Jnior,
na ra do Amorim n. 35.
Mysteriosdo povo por Sue.
O vapor do Rio Irouxe os Misterios do
Povo por E. 6ue, em 6 volumes : ven.ie-se
por 6,000 tis, no paleo do Collegio casa do
iivro astil.
Lotera <'o l*io de Janeiro.
Aos 20:000,000 de rs.
Na ra estrella do Rozarlo travessa do
Queimado. loja de miudezas n. 2 A de J. F.
dos Santos Maia i vendem-se os muito
afortunados lnHieles, meios, quartos, oila-
vos e vigsimos da 3 lotera a beneficio da
igreja matriz de S. Juflo Baplista da l.agoa ;
na mesma loja ealSo patentes as listas da
25.a lotera do Monte Pi, e da l.'doS. S
.Sacramento da corte.
Ucculos para todas as idades.
Vendem-se oceulos para todas as idades,
pelo barato preQo de 800 rs. o par : na ra
larga do Rozario n. 26, Inja de miudezas de
Jo9o Francisco Maia.
Vendem-se chapeos de palha
americanos, finos e de superior
qualidade : na ra do Trapiche
numero 8..
Kua do Rozarlo larga 11. 22.
Vende-se um bonito molatinho, bom pa-
gem e de boa conducta, o que se afianca ao
comprador ; urna molalinha de 13 annos,
recolhida, muilo linda, propria para edu-
car-se, ou ar-se de mimo, e que j tem
Erincipos de costura ; 6 escravos, bous Ira-
alha.iores de enxada ; 4 negrinbas com
habilidades; eum moleque de 15 anoos,
muilo lindo.
As scnltoras do bom goslo.
Vendem-se os bons borzeguins francezes.
gaspeados o de lino duraque para senhora,
dos ltimos que chegaram ao mercado, pe-
lo diminuto uraco de quatro mil ris o par :
na loja de Bellarmioo dos Santos Bolcflo, na
praca da Independencia 11. 33, e na ra Di-
reila, loja com armado envernisada, n.
50, de Jos Basilio de Mendonca.
Vendem-se, na ra do Cabug, loja do
Duait", agulhas canlofas, aHOrs. o papel;
cormas de couro de lustio para calca, a
400 as ; fuzispara amolar facas em mesa ;
tesouras finas ; campanillas de nova inven-
CSo ; grvalas de setim pretas e de cores;
o copos de vidro de corea.
Vende-sc, na ra do Cabug, loja do
Huarte, um rico oratorio de bom goslo por
70,000 rs.
Vendem-se queijos londrinos, ditos de
prato, hcelas de nurmelada de duaa al
meia libra, lalas com sardinhas, dilata coai
nrvilhaa, ditas com superior chocolate de
Lisboa, seiras com superiores ligosde oilo
libras, caixinhas com musgas finas para
'4
a=
sopa, garrafas com vinho moscatel deSetu-
bal, ditas de dito do Porto e Madalra, Riges
com superior champagne, salame da Italia,
superiores presuntos po'tuguezes, paios e
chouricas, latas com biscoutos inglezes,
sementes de ortalice de todas as qualida-
des : todo muito superior e maia barato do
queemoulra qualquer parle: na ra da
Cruz do Recife, defronte do Dr. Cosme, nu-
mero 46.
Vende-se urna escrava muito bonita,
sadia e de habilidades; euma dita propria
"ara enxada. tendo com ludo algumas ha-
bilidades : na ra larga do Rozario, loja
numero 35.
-- Vende-se a casa terrea da ra do Amo-
rim n. 32 : a tratar em S. Goncalo n. 16, com
seu dono Jos Gomes lavares Jnior.
Vendem-se queijos londrinos, os mais
frescaes que ha 00 mercado, por terent che
gado recentemente na barca ingleza Boni-
ta, pelo diminuto preco de 640 rs. a libra,
assim como ptimas conservas de verduras,
laiascom delicioaas sardlnhaa, ditas com
ervilhas, mustarda ingleza e outroa muitos
objectos proprios para a festa : ludo da me-
lhor qualidade e preces que desafiara a von-
lade do comprador : na ra da Cruz n. 15
Bicos chapeos de menino e me-
nina para- a festa.
Chegaram loja de Maia Ramos & Com-
panliia. na ra Nova n. 6, vindos de Franca
pelo ultimo navio, os mais ricos chapeos
que al o presente l.m vindo, por ser o ul-
timo goslo de Pars, assim como em quali-
dade, tanto para menino como para me-
nina.
Na ra Nova n. 6, loja de Maia
* Hamos &c Compinhia,
vendem-se chapeos franceses de merino de
molla, assim como de pellucia, para ho-
mem ; ricaa grinaldas de or de laranja ;
luvas de differenles qualidades; e outros
mullos objectos para enfeites de senhora e
proprios para a festa : ludo por preco com-
modo.
Sao condecas.
He na roa rio Rozario estreita n. 13, enli-
ga padariaquefoi do Cunha, onde lia um
sortimento geral de condecas muito boni-
tas, a?.lates e peneiras l luJo chegado re-
centemente do Porto e por baratlisimo
preco.
venha ver e comprar, pois oganho de quem
vende flca cm mSos dos compradores, e sem-
pre ficam logrados aeus amos ou aeoho-
res. Vendo-se msnteiga ingleza da melhor,
a 720, 640, 480, 400 e 320; cha, a 1,920; ea-
permacele.a 720 e 640; carnauba, a 320 ;
letria, a 240; macarr9o e talharim, a 200
ris ; tapioca, a 120; farinha de araruta,
a 200; caf de caroco, a 200 ; chocolate de
Lisboa, a 400 ; toucioho, a 200 ; bolachinha
ingleza, a 280; cevada, a 100 rs.'; arroz pi-
lado, a 70 rs. ; cevadinha, a 300 : adverle-
se que os preeos cima ditos he porquanto
se vende cada libra dos ditos gneros; quei-
jos, a 1,600 ; azeitonaa novas, a 240 a garra-
fa e a 1,600 a ancoreta, tendo mais de cana-
da cada uma ; azeite-doce, a 640 a garrafa ;
o muito superior vinho feltoria do Alto Dou-
10. que d velho j est branco, a 640 a gar-
rafa, pois est approvado para rebater as
iodegeslOes dos. bellos petiseng da festa,
por ser muilo peitoral; milho alpista, a 960;
paisso, a 560 a cuia; e outras muitas cou-
sas que se dar o preco avista do compra-
dor : na ra Nova n. 71, venda da esquina,
aop da ponte, e no Aterro da Roa Vista,-
venda n. 54, ao p da loja do Sr. Eslinta.
-- Vende-se uma negrinha mucama de ca-
sa, de 13 a 14 annos, com principios de cos-
tura, n3o loui vicios nem achaques : vende-
se para se comprar um molequinho, ou
troca-se : na ra da Concordia, quem vem
da ponte, a esquerda, segunda casa terrea,
se dir quem vende.
~ Vende-se um bom cavallo gordo, bo-
nito e com todas as estradas : na ra do Ro-
zario estreita n. 18.
Vende-se uma casa terrea na ra da
Praia,'assim como uma batanea grande cora
os pesos de 2" arrobas at 8 libras : no pateo
do Paraizo, venda n. 30.
C'hegou
Canella da India, caf do Rio de primeira
qualidade a 160 rs a libra, nozes, amen-
doas, maeflas. figos, passas, doce degoiaba,
marmelada, lingoic'S, presuntos, conser-
vas de todas as qualidades, emfim, tudo
quanlo se precisa para a festa do natal: ven-
de-se ludo muito barato, na ra das Cruzrs
de Santo Antonio, primeira venda, pintada
de azul.
Vende-se a casa terrea n.
19, na ra de S. Miguel dos A To-
gados : a tratar na mesma
Na ra Nova, n. 8, loja de Jos
Joaquim Moreira & C. ,
vende-se um rico sortimento de
franjas pretas para manteletes e
capotinhos, por preco rasoavel.
i li multo de mmica.
Vende-sc no armazem de J. J. Tasso J-
nior, ra do Amorim, n. 35.
Mantelleies, capofinhox e cliu-
iiiis de aenliora.
Os mantelletcs e capotinhos, que mada-
ma Thard esperava, chegaram finalmente
quinla-feira sua loja, cada qual mais bo-
nito, sendo una na moda parisiense, oulros
na brasileira, outros bordados, quesSoos
que apparecem de mais rico e de melhor
gosto al agora, por ser de forma inleira-,
mente nova e de seda bastante encorpada,
e oulros fuita-cores mui bonitos e novos;
tambem tem chapos de seda e de escomi-
Iha bordados com passarinhos e plumas ri-
cas, chapeos de palha de muito bom gosto,
os mala engraca tos e bonitinhos chapeos de
meninos e meninas de todas as idades,
guarnieres j promptas para vestidos de
noivis e madrinhas, enfeites de bom gosto
para bailes o saraos, rendas de linho de to-
das as larguras, principalmente para baba-
dos de vestidos, transas de seda, franjas de
dita mullo lindas, de umdedo ate um pal-
mo de largura ; tamben) fazem-se ricos ves-
tidos para bailes a casamentos, de muiU
bom gosto e da ultima moda : na ra Nova
n. 32. .
A Itenco.
Na ra ireita n
cujas rodas andam no dia a4 do
corrente.
Vende-se urna escrava, que cose, en-
gomla e vendo na Gamboa do Carmo nu-
mero 15.
Vendem-ae 15 acedes da companhia de
Beberibe : na ra da Cruz n. 26.
Queijos loiidrliios.
Vendem-ae queijoajanndrinos muito fres-
cos, latas com biscoutos, presuntos, caiii-
nhss com maasas finas, latas com chocola-
te de canella fina, vintoa de cherry, selu-
bal, madeira secca e Porto, e outros muitos
gneros, que a vista do comprador se dir o
preco e ae mostrara a qualidade : na ra da
Cruz, armazem de Manoel Francisco Mar-
tina & IrmS n. 62.
V i 1111n superlbrea.
Vende-se excellente vinho de cham-
pagne, ditos do Porto, madeira edo
cherry.em pequeas porcOes at uma
duzia, afiancando-se a superior qua-
lidade de todos, oque se pode ver,
na ra do Trapiche Novo n. 18, em
casa de Edoardo H. Wvalt.
* lMA ****** t4*A**
Oabaixo asaignado, querendo acabar
com o resto da ago ardente que tem, se rc-
solve a vender urnas 30 011 40 caadas que
tem de arac, ao preco de 320 rs : em Fra
de Portas n. 92. -- Domingoi da Rosa.
Lotera do Livramento.
Aos 5:ooo,000 rs.
Na ra da Cadeia n. 46, loja de
miudezas, vendem-se bheles e
meios dilos da lotera do Livra-
mento, que corre iinpreterivel-
mente no dia 24 do corrente.
Bilheteg 11 000.
Meios 5,5oo
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Vende-se uma mulatinha de 19 para
13 annos por precisio : na ra.dos Tano-
eirns n. 5.
-N.l'omateau.cutilciroe amreirocom loja
no Atierro da Boa Vista,n, l6,recommenda a
sena amigos e freguezes os aeus objeetoa de
melhor gosto, entre os quaes tem bonitas
releas de fita ( seda vegetal ) do Para, es-
tojas para senhoras e homens em uma
grande escolha, eslojos para viagem con-
tendo culher, garfo, faca, sacarrolha, um
copo para beber, tudo isto formando o me-
nor volume posslvel; um lindo sortimento
de thesouras de todaa as qualidades; nava-
Ibas do melhor ac com os competentes a fia-
dores de couro de anta ; facas de algibei-
ra, ditas romanas para caca ; caivetes para
limpar nnhas : stojos para mdicos de um
novo gosto, ditos para limpar e tirar den-
les; seringas para tomar ajuda ; candieiros
de uma nova invengo ; espingardas, pisto-
las de algibeira ; chumbeiro polvarinho, e
baleira ; uma grande escolha de chicotes,
bridas, cabecadase loros para montara!
bridas, hridOes e chicotes para ra-ro ; ca-
limbos com fumo ; funjas de todas ais mo-
das ; pedrea muito finas para aliar navalhas;
esporas de crrela, de molla, de salto, de
tarraclta, e espoletas com muitos oulros
objectos de ulilidade, tudo pelos precoa
mais commodos.
Poema lyrleo
em quatro cantos, offerecido a signora Au-
gusta Candiani : vende-se nicamente na
typographia'deste jornal.
.Modlnha lirasllelra
expressamente composta e dedicada sig-
nora Augusta Candiani, com acompanha
ment para piano : vende-se nicamente na
typographia desta folha.
.- No armazem do barateiro Silva Lopes,
na porta da alfandega, ha um bom sorti-
mento psra a festa, a saber : caslanhas com
ouricos ou sem elles, nozes em saccas de
uma arroba a vontade do comprador, pas-
sas em caixas, meias e quartos, figos em
csixas, meias e quartos, batatas novas e
massas de todas as qualidades: tudo por
preces commodos.
A 260 rs.
Vendem-se fivellas douradas para calca r
colleto a 260 rs. cada uma : na ra do Quei-
mado n. 16, loja de Jos Dias Simes.
Charutos de S. Flix a 3,10 a
a ca.
Vendem-se charutos de S. Flix BrandSo
a 2,100 rs. a caixade 100 : na ra do Quei-
mado n. 16, loja de Jos Diaa SimOea.
Alinelo.
Vende-se uma linda crioula de 18 annos,
cpm principios de coatureira, perfeita en-
gommadeira, cozinheira e com mui bons
coslumes, propria para ama de qualquer
casa de familia por saber tudo com perfei-
C9o : na travesea da ra Bella n. 6.
Cdigos do eommercio.
Vendem-se cdigos do commer-
cio brasleiro, que devem entrar
em execuco em I de Janeiro de
1851 no pateo do Collegio, casa
J- :___ a ...1
Vende-se feijSo mulatinho ensaccado.
maia barato do que em oulra qualquer par-
le : 110 Forte do Mallo, venda de Joaquim
gelo, loda rodeada de blcco : na ra do Ro *
zario da Boa Vista n. 16.
Vendem-ae 14 escravos, sendo! oflicial
de pedroiro, de bonita figura; 1 dito oar-
reiro ; um moleque de 8 para 9 annos, mui-
to lindo ; 6escravas mocas, de bonitas figu-
ras, e entre ellas algumas com habilidades ;
e A escravos para o servido de campo : na
ra Direita n. 3.
Vende-se a taver.ia sita na
ra do Alecrim n. a, com poucos
fundos : a tratar na ra da Ma-
dre de Deosn. 2O.
?fffffffffffffff???
;Depositoda fabrica de
% Todos os Santos, na %
p. Baha. %
? Vende-se, emeasa de Domingos Al-*
jjves Matheus, na ra da Cruz, 52^.
Jprimeiro andar, algodflo trancado da-_*j
zquella fabrica, muito proprio para sac-2
^cos e roupa da escravosj tem comoj
^fio proprio para redea d*fescare pa-^
a>vios para velaa, por preco commodo.^
**********************
Na rna \ova, 11. 8, lJaBlc|.l- Joa-
quim Moreira & C..
vendem-se touquinhas de 13a frocdas pela
beira, a rail rs.; bonetes de palhinha do
modellos esquisitos, e o que tem appareei-
do de melhor e do mais apurado gosto; po-
rm s servem para meninos dea, S, 4, 5 e 8
anno's, por menos do que realmente elles
merecem ; palmatorias de casquinha flnis-
sima, proprias psra piano, e para quartos
de rapases solteiros, a 5,060 rs. cada uma;
e outras muitas fazendas de gosto e quali-
dade. que se venderlo conforme as cir-
cumstanclas do comprador.
Escravos fgidos.
Francisco de Alam.
7, ha para
vender um restinho de meios bi-
ihetea ca lotera do Livramento,
Vende-se doce de calda de todas as ij
qualidades de frutas, O mais bent fei- 4
ta to possivel, em libras e em barrili-
1> nlios, proprios psra embarque, por
4) praco commodo : na ra do Queima-
J do n. 2, esquina do becco do l'eixe-
% Frito. m
ff*ttflMM*M*fM
Lharulos de i>. I'elix, a a,400 rs.
a c&ixinha de loo.
Vende-se esU bem conhecida qualidade
de charutos, na ra do Queimado n. 16, lo-
ja de Jos Dias Simoes.
l'echiiicliu para a festa.
Veudem-se sapalOes de lustro a 8,500,
3fi00, 3,500 e 4,000 rs : no Aterro da Doa
Vista, loja o 58, junio a de seleiro.
Vende-ae Aovamente gelo pelo mesmo
preco do anligo: na ra da Sensalla Velha
n 112. Na mesma casa vndese rollo ham-
buryuez em h>i rafas, ou ua ra da Cadeia
n..15.
--Vende-seumatoalha delavariutosin-
5o,ooo rs. de gratificacao.
Fnglo, no dia 11 de abril do presente an-
no, a preta Mara Joaquina.de naci Congo
deSOa 40 annos, baila eeheia do corpo.cara
larga, cOr retinta, olhoa vivos e meios gran-
des, feiees grosseiras ; tem um pequeo
signal de carne sobre o beico snperior do
lado direito do nariz. -Esta prela ji foi es-
crava do engenho, e o anno passado era do
uma crioula de nome Felicidadecom quem
lita preta andava pelo mallo vendendo
miudezas, por cujo motivo ella sabia qua todas as povoacfles desta provincia; he
muito ardilosae capaz de Iludir a qualquer
pessoa quea nfio conheea, pode incobrira
sua fuga com o negocio de miudezas, pois
j outra vez que rugi foi pegada no nge-
nhe S.-Anna com um balaio de mindezas
que andava vendendo. Quem a pegar leve-a
a praca da Independencia, n. 17, que rece-
ber 50,000 ra. de gratificaeflo, e quem del-
a der noticia certa recebei 20,000 rs.
Fugio, no dia 10 do corrente, oescra-
vocrioulo, donme Jos, de40 annos, altu-
ra regular, cheio do corpo, olbos amarel-
los, rosto hexigoso, ps chatos e grossos ;
levou calca de ISa cacara : quem o pegar,
leve-o a seu senhor, no armazem de assu-
car, largo do Pelourioho, ns. 5 e [7, de Ito-
mfio Antonio ds Silva Alcntara.
Fugio do sitio da Taquara,
no Altinho, comarca de Caruar, no dia 4
de novembro deate anno, o escrlvo Silve-
rio, crioulo, representa ter 20 annos, bem
preto, baixo,secco.com uma sicatriz no ros-
to ; lem o lado de um dente da freoteque-
brado e he canhoto ; foi encontrado na po-
voac&o de Cravat.com deslino a esta praca;
he bem fallante: roga-se a todos os capi-
ISea de campo que o apprehendam e levem-
no a povoaeflo do Altinho ao reverendisst
mo Sr. Pedro Manoel da Sil Va, ou nesla pra-
ca, ouna ra do Queimado, segunda loja, n.
18, que se gratificar com generusidade.
-- Fugiram, nos dias 15a 17 do rrenU,
os escravos seguintes : Joaquim, da 20 an-
nos, de nacSo Uea, estatura regular, falla
muito mansa e sem chapeo; levou camisa
de algodflo algodflo americano e calca de
dito azul riscado ; e Nicolao, de naco Na-
g, representa ter 24 annos, cor retn!,
olhos grandes, alto, cheio do cera*, cabe-
ca raspada ; lamliem levou calca de algo-
dflo aul de riscado, camisa do mesmo, a-
merlcano : rege-se as autoridades desta ci-
dade e fra delta, que os apprehendam o
os leve no pateo de 8. Pedro, segundo an-
dar, por cima do marceneiro, junto ao so-
brado do cirurgiflo Leal, que se recompen-
sar.
Fugio no dia 12 de novembro orna pre-
ta de nacflo Congo, do idade de 50 anuos
pouco mais ou menos, de nome Benedicta,
estatura alia, grossa do corpo, cara com-
prida, beicos grossos, digdenlada nfrente,
ps e mflos grandes, a perna esquerda mais
grossa que a direita e com sicatrizes, e
unta fechada anda a pouco ; pede-se por-
tento aoa capitSea de campo, e a todaa as
autoridades policiaca, que ne caso deaae-
garem lenham a bondade lavar na ra do,
yueimado n. 65.
O mulatinho Agoslinho O
fgido.
Ns ?'? de f ar? 3 do
corrente ausentou-se o
cravo Agostinho, pardo
O
O
w
9
q caboclado, cabellos prelos e r>
0 lisos, ps grandes com os de- O
r dos grandes grossos e camba- P
dos para dentro ; he lllio do*
<> serto, muito fallador e fio-
& ta : roga-se as autoridades O
^ policiaes, capiles de Jim- g
q po, assim como a loda e m
qualquer pessoa que o en- &
^ contrar de prndelo e O
$ conduzi-lo a seu senhor len- ?
j, to Jos Taveira, na ra da ^
9 Cruzn. 10, que nao s paga- O
> r todas as lespezas, comr
1 offerece uma generosa re* 2
9 compensa a quem o trouxer. q
00-535GGOti>.

J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ET5ULU2RS_55CVSW INGEST_TIME 2013-04-24T17:50:03Z PACKAGE AA00011611_07244
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES