Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07239


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.*-
Antfo XXVI
Qurla4eira i8
PARTID POS OOBBlIOa.
Gelaona e Parafiba, i segundas e icxUa felras,
Rlg^Vaade-do-Norte, todas as quintas felras ao
Cabo, SetuihSem, RIo-Formoio, Porto-Cairo e
Macei, ool.'.a II e 21 de cada iucs.
Garanhuns c lio uno, a 8 c 23.
Uba-Vista e Flor*., 13 e 28.
Victoria, ai quintas felras.
Ollnda, todos os das.
ZPHCMlnlZtJES.
Nora, a S, ai 2 e 86 ra. da t.
Creic. a 11, as 8 h.e!7m. da t.
Chela, a 19, ai 2 h. e&m.da.
Ming, a 25, s 6 b. M in. da t.
pmEAWAR DE HOJB.
Prlmeira ai 4 hori e 30 minutos da tarde.
Segunda as 4 horas e 54 minuto* da manha
de Dezembro de 1850.
N.287.
A *
FHKJO DA IIJICRlP9Ao.
Por tres meses (adlaatados) 40O0
Por seis meze H/0O0
Por um a ano > 15f000
DAS DA IIMAK1.
18 Seg. S. Ananias. Aud. do J. dos orf. c do m.
da I v.
17 Tere. S. Hartholomeu, Aud. do J. da 2. v. do
clvel, e do dos feitoi da fasenda.
18 Quart. S. Noua SenhoradoO'. Aud. do i. da?.
l'J Quine S. Fausta. Aud. do J. doi orf. e do
ni. da |. r.
90 Seit. S. Domingos. Aud. do J. da 1 v. e do c.
dos feltos da hienda.
21 Sal >J. 8. Thome.
22 Dom. S. Honorato,
ti ii, i i.. ~tm
cambio iMDin Diiisao
Sobre Landres, 29 3|4 A 30 d. p. \/0M> rs. 60 das.
.Paria, 320 por fr.
> tliboi, 85 a 90 ,_
Ouro. -Onca hespsnholai.....20*100 a 2M500
Mocdas de 6*400 vellias. 16/000 a 16j2flll
de 6/1011 novas 16/000 a lbW
dedfOOO....... 9/Wa /100
Peata.Patacdei brasileiroi.... 1/920 a 1/940
Pesos columnarios..... 1/920 a 1/94
Ditos mexicanos....... 1/680 a 1/700
MftTttFFICIILi
GOVERPiO DA. PHOVINGU
EXPKDIF.NTr; DO DA 19 DK DKZKMRftn.
Ofllcio. Ao commanilo da* armls intet-
ndo-o ehaver deferido revsvelmente
requerisnente im que o segando sargento
do (serondo bate I han de rf trtisri o Jos
Aleaoerioo Coa** pede bx 16 serrino.
iba eompenhia Jet "Mirlt Das, que Js Oi-
1 i so ii o Ma lempa de ser vico
Dito. Ao mestno, transmtttindo eopls
da tabella que approvoo otra regular o
agalor ds tape da tropa de primeira hnha
Mata provincia, em o prtmeiro semeilre d
antro prjimo vindouro. Iguil remessi
sefesa pagadoria mMtar.
hilo.A Ibesouraria de fazend, sclenlt-
Jteando-e deter concedido dona mezes de
ilavhea com enei ment de ordenada psra
tratar da sua saude, iojuz municipal e de
orplifloe do termo do Brote bachirel Jos
Rodrigues do PaSso.FizeroVse as conve-
neiiiaa coatnuioicacOas.
Dito.-- A pagadoria as Hitar para oue,
Vea da tonta que ramette em duplcala
meada pagar a Antonio Simplicio de Barros
a qoerrtta de7,005 rs. em que importa a de
deza Mea eom o tratamento dos soldados
do corpa iio do Piauliy Vctor Modesto, e
alo qartnto baUlhfio de fuzileros Francisco
Ferreira dos Santos, que estiveram recolhi
doa eoferoiaria de marinha. ~ Communi-
eou-aa ao inspector (arsenal de marlnha
f Da*. Ao commandanle de vapor Theti$,
rzaMdo que pode desembarcar o grumete
da guaruicfio do litigue CmlUope, Francisco
Caelano, visto icnir-ae incapaz do servico
per molestia.
- Dito.Ao inspector da jtoesooraria da Ci-
scada provincial, transmittindo cosa do
orcamenlo que approveu -doa reparos, de
que iiecsssita a poete da Paaaagem da Mag-
dalena. IntelligeucioB-ae ae director das
obras publico.
Dilo.Ao commandanle do corpo de po-
lica, para que no da 15 do crrente as 9 ho-
ipi an nanea >* naalnuada urna guarda
de honra en fraute da Igreja da Congrega-
elo, elimdeaasislir a festa d Sen honda
ConceicBo e a Te-Deura qde lera de cele-
brar-ae all.
Por taya. Mandando pAr-em lber Jad o
recrutr Joa Triaos* da OMreira, por aar ia-
espaz do servico em oonsequencia da me-
loatia que soffre.
TRIBUNAL A KKt.CO'.
SKSSAO'DE 14 DS DEZEMBRO DE |8M.
tuiDiecriao xss samaos coalturitao
azivano.
A's 10 horas da inauhia. achando-te presen-
tes os aenhore deiembargadores Villares, Kas-
*h, Lcao,.taza, Itebrllo, Luna Freir, eTelles,
oSr. presidente declara aberta a sesso.
JULOtltEHTOS.
//(a-forpu.
De Tbeodoro Marques Vie|ra.Mandaram que
o paciente Toase aprese nudo novainente na
seaso de 14 do crrente, e 6 chele de polica
que desae novo eiclarcdmento at essa data.
ppilltcii crivui.
Appellante, Jos Francisco Xavier; appella-
do, o julio. Julgarain procedente a appel-
4a(lo para appllcar a penoa do grao medio
do artigo 192 do cdigo criminal.
Appellaute, o Juio ; apprllado, Joao Francis-
co Tarares. Mandaram a novo jury.
JapaUatofi citmi. |
Appellante, Jos da Silva lsnelro Guimaraes-
Appllaate, Francisco Jos Perclrs; appellado,
Martlhho de llorges.
Appellante, Maooal Marta Ferrelra da Cunha ;
ppelladsa, Antonio Galdlno Alvea da Sirva
e outros. u
Appellante, Jos Antonio da CosU appellado,
Antonio Jos de MedeirosBilancourt.
Appellaate. Manoel Joaqulm da Silva ; appel-
lado. o Julio.
Appellante, Jos Pella do Eipirlto Santo ; ap-
pellado, o Julio..
fto acaasp ar. a Sr; donatoleader nabel"
to a segnlnte appetlaefo em que alo:
Appellante.. N. O. Bleber C.; appeNada, o*
administradores do patrimonio doa orpbSos
deata cldade.
Paaaoa do Sr. daaombargado. tabello ao Sr.
deaembargadnr Luna freir a segulnte appel-
lacao emqueaao:
Appellaate, Kranciaco Cavalcaate de Mallo; ap-
pellado,.Jos Francisco Goncalvea.
Appellante, Joaqulm Carneiro de Souza Lacer-
da; appelladoi, Francisca Mara dos Santoi
e outfb,
Appellantcs, o Indios de Arronches; appella-
doi a vluva e herdelroi de Joo da Co>ta Al-
bino:
Appellante, o julio; appelladoi, Joao Jos lo-
naeencio Pogge e outros.
Passou do Sr. deseinbargador Luna Freir ao
Sr. desembargador Tellea a seguale appella-
coeuiquesao: ...
Appellante, Francisca XhoiaaiU da Concel(ao
Cunha; appellados. Joao Keller & C.
Paasaram do Sr, tleaeinoarjador Telles ao Sr.
desembargador Villares aa aeguintea appella-
eoes em que ago : ,. ...
Appellante, D. Mara Fellsmlna do Reg Gomes;
appellados, Joaqnlin Aurelio Pereira de 6'ar-
valho a sua mulner.
Appeliaotes, Eitevao Cavalcante de Albuquer-
3ue e sua mulner; apellado, Jeronymo
e Albuquerque.e Oliveira esua mulher.
Appellaate, o Julio ; appellada, Aguida da Sil-
va Maya.
Appellante, o julio ; ppllado, Antonio Jos
da Rosa.
Appellante, a admiolltraco do patrltfionlo dos
orpbos drata cldade; appellado, o Eam. his-
po de Maranba.
vppellante, ejulzo; appellado, Aleandre da
Silva Wourao.
Appellante, u jalao; appellado, Apolinarlo Fer-
relra da Coila.
Da de apparecer em que .lio.'
Appellantel, Joaqulm Jote de Fria; appella-
do, James Crabtree & '-'.
Appellante, De Ulna Ron da Fenieca e outros ;
appellados, Jos Moreira da Silva.
Ao ai. ucaembargador miaM aa wlrxri
appellacds ein qa> ao :
Appellante, Joao BaplisU Pereira Lobo, appel-
lado, o julio j
Apprilante, Joaqulm Lobato Ferrelra ; appel-
lado, Manoel de Aimelda Loprs.
AoSr. desembargador Luna Freir a seguln-
te appellacao em que lio
Appellante, D. Rachel CaeUna Alexandrina
de Mello; appelladoi, Joaqulm Pedro do Re-
g ma mulher.
Ab 8r. desembargador Tellea a leguloteap-
pellacao em que ao:
Appellantel, Herculano Alve da Silva eiua
mulher ; appellado, Vicente Jos de tirito.
Ao Sr. desembargador Villares a teguinte
appellacao em que ao :
Appellante, Antonio Keicrra; appellado, o
ntou-ie a sesso a ora e niela da larde.
julio.
LevanI
aaa
EXTERIOR.
Lonire, 24 aV (minero ate 1850.
O gabinete, o qual nao devia reunlr-ie senao
a 6 de novembro proilmo futuro, reunio-ie
hontem para trawr de orna queitao de coml-
deravel urgencia. A conducta vergonbosa da
Prussla, a qual leiu contribuido par a proloo-
gafao da guerra em Schleswig-Holstelo oio
appellado, Leopoldo Cayo de Mello Guara;]sifnie a despeito do tratado de paz celebra-
reina. Reformaram a ienten{. doc.nn a Dinamarca, senao tambein debalso
Appellante, Manoel Antonio Gome Ribelro
appellado, Querino Antonio. Julgarain
aullo o processo.
Appellaoje, Luiz Bruguier e outros ; appella-
do, Avrlal & Irmos e outros. Despresa-
ratn o embargoa.
Apttellantejrappelladoi, D. Isabel Barbosa Ro
drlgudb Machado Freir e Franclico Macha-
do Teiaelra Cavalcante. ~ Conflrmaram a
sen tenca eom deca relo.
Appellaate, Manoel Jos Soare de A reliar; ap-
pellado, Domingos Joi Marques. Foram
recebldos os embargos.
Appellante, Fraociro Antonio Fernn des; -ap-
pellada, Jos Antonio de Magalhaei Untos.
Despresiraiai 01 embargos.
, BILIOIKCIII.
ppellaote, Francisco do. Prado ; appellado,
Joao Anaiiaclu da Cuaba Mandaram que
fossein eludas ai partes.
Api-rilaste, Jot' Das da Silva; ajtrtelladct. Joa-
qulm da Silva Moura. Mandaram dejeer
os autos aa Julio a quo paia Ser avallada a
causa, e aaeraado o imposta.
Appellaate, Mogo Josa Pinto e oatroi; appel-
lados, Joaqulm LjnUdoe SaatoalSt C. Man-
darana com vina ao curador geral.
Appellaate, Gaspar de Meneies Wascoocelloi
deDruannd, appellado, Manoel Nonato,Gon
carrea Guerra. Mandaram avallar a eacra-
va sobre qu ae lellga e Sverhar o imposto
aubstltutlro, c vollaHer a revisan.
aataaoatv
Pasea ram do.J
Sr, deieina-r
la(de|
Appel _
Appellanle,
desamsisjfgsdaa Villares ao
. Has tos as aeguintea ppel-
tea; appelUdo, F. Pouvler.
Coelbe Cintra; appellado,
"iBIlra.
. Agattinho
Arfellantertif Antonio Bastos; appellado,
Vicente Jad! de rilo.
Appallaiiie, Ana Eliiafce Adelle Poerion; an-
ado, AApnao S. Martin
lantc. Aleaaodre Jna Qoinei; appella-
doa. Jos Antonio Gomes Jnior e outros.
aVppeilaote,atarla do tropero, curadora do leo
IBh; appellado, Vicente Gudei-Gondlm.
Appellante, o Juran,- appellada, Germano dos
Saatos ajvaacaaiav
PasusaM do Sr. deeembarsjador LeioaaSf
deseahargador Soasa as seguales ppl^e
Cas apavjvavt
da proteccao dcsie mesmo tratado e por mel
delle, teVe ultlmanlnte uuia consequencia
inoi oafural, para nao diierquasi legitima. Os
governos da Russia e Franca pcopoierain cou-
junctainente ao governo desle paiz que ai tres
potencias eslglisein pereinptoriamente da Prus-
sla o cumprimento do empenho que recen te-
niente contrahlra para com a Dinamarca, fea
retirada do apolo que aluda continua a dar do
ejercito de Schleswig-llolstein. No caso de que
a Prussla hesite em condessender con essa ra-
soavel csigencia, a Russia e-a Franca eilao pre-
paradas para suitenta-la, nao por urna marcha
iiuproficua ao tenitorio disputado, porin de
um modo mais conforme ao guato das meamaa.
Isto he, pelalnvasRo das provincias silesianas e
fhenaaasferterlcentes Prussla. Todava on
priuirlro case ellaipedein a cooperafo da In-
glaterra ba represenlaco que derin faier a
Prussla, e aem esta coopera,o nao estao dis-
postai a mover-se preientemente. A reipoita
agflvcrae Ingle* pode talvtz ser anlecipada.
lie recusa tomar paria com a Ruuia e a Frau-
taem urna repreaintacio tal como a_ que.te-
to descrlplo, porin prope qde todas tre
potencias representen! separadamente A Prui-
fia lobrfe ma preaote falta de f para com o
governo dinamarqus. Se essa trplice repre-
leotacio lera nielbor reiuludo do que ludo
Cnanto a diplomacia teut feto alhoje aobre
cite negocio, he iiaeatio sobre a qual nao aven-
turaremos dar urna oplniao.
0 intereise da justia e da ordem requer que
a Prussia aeja obrlgada s desistir de urna llnba
de conducta perigosa f dqs tratado e a pal
do mundo, e nao he provavel que ui goverqo
fraco dominado pela Influencia popular, esco-
le uina mera represenlaco verbal. He bern,
nosslvel que a corle de erlim leoha alin.l que
IttBrer a indignidad de ama aineaca. e he cer-
(o que neuhuma poteucla reapellavel aineaca,
qaando nao eit tambem proinnta pasa e'ecu_
lar suas ameacas; porin a adiniulalracao da
iustica e da ordem deve ser lientt anda inej-
mq da suspel la de motivos pessoaei, se se
oue tenha alguui peso moral, ou insmo o inis
moderado successo. Reprimir o de.igblos da
Prussla. promovendo os designios da Ruaaia e
Sllesia.com a queltao da Sehleswlg-'Hohteln-
j suficientemente complicada sobre sen pn,
prio incrila ? O motivo he.^astinte iutelligivel.
Tanto.*. Russia como a Franca leein eslado l-
timamente a' faier o papel de um eavallelro er-
rante do mal desagradavef carcter, e he mu
tetara! qaeellaa cometjem a considerar a Eu-
ropa como ua devedora. Aa duaa provincias,
3ue temo mencionado, aasiam mu apropria-
as recompenaas para noaaotjjoiii grandei vl-
sinhos coaaervadores em San Petrraburgu e P.i
ra. HrmroOein m nwtnic debalso da
cnsules. Se elle desejam ser reelritos, ou ter
oouie na historia, devem asslgoalar a sua adini-
oislraflo por alguina festa gloriosa, ou alguina
acquislcao valiosa. Se Luii Ifapoleao come-
uinc faier oceupar por tropa francezas asci-
ades de Colonha e t'oblentz, poderla pelo
menos contar com outros qoAtro annosdego
verno, e ficaria habilitado para despernar a me-
tde da guaralcio de Pars ; perm n*o he tan
fcil duer-se qaando e onde o negocio termi-
nara, c se a mulilacao judicial da Pruisia em
ambas a suas extremidades aeria o ultimo acto
do drama. A AJIemauha provavelmente eicu
la,ria mal as reclamacAes da ivinpatbia nacio-
nal do que asdajustica publica, e a propria
Austria, nao obstante suas tremendas obriga-
efies, nSo poderla resistir a urna appellacao pa-
ra a patria coinmum. Que etn tai otferecimen-
to pode ser feito ao governo lagleieque resul-
tados taes como os que temos descrito, podeiu
ser possiveis, he quinto basta para mostrar o
mil serio carcter do papel que a Prussia est
agora representando. A inultidao de lodos os
paiies invarlavelmente mede os actos de urna
naci lmente pelo sen Has, e se esse fim he
conforme com o gosto do meimos conslderam
aa meios como aalEclentemcate sagrados. Por-
taalo um Hm lio glorilo oosao a liberiacao de
Sohleswiu-Holstein da jugo dinamarqus, jus-
tificar a inlervencao de toda a Allemaoha nes-
a questo ,- mas le a nscioaalidade he um Tac-
to e a Independencia urna fldelldade, a f he
algama cousa mais do que ludo Isso, pois he
um dever. Houve uiu armisticio, o qual foi
concluido por uro tratado de par entre a Prus*
laca Dinamarca. Logo que ene tratado fol
asilgoado, a Prussia dispensou do servico mi-
litar um grande numero de oIBciaes e solda-
dos, osquaes desejavam servir uo exercito de
Scbleswig-Holstein. Com cBcilo a guerra he
presentemente sustentada por Prusslanos, c se
o general Willisen be mais brllhantc era papel
do que no campo, nao he por falta das melbo-
res intences da parte de seu soberano, o qual
prefererfa multo urna conquista a nm tratado,
lia linpoislvrl que a Europa contine perpetua-
mente a ver um pava pequeo, posto que va-
lente, destruida sem neceisittsole EojJ'p'p'b'de-
roso'i^mi'in'eivrifao trr'VrTnaliuente lugar,
se a Prussla nao quiaer ouvir conselhos. Com-
effelto urna intervencao de um carcter bem
pouco JuslMtcavel acaba de srr proposta. Ao
governo ingle, o qual desapprovou essa sug-
geslo toca agora faier oulra. Tudo depende
da naluresa da repreaeotaco que dever ser
dirigida corle da Prussia ; essa represenlaco
ao uosso ver.deve ter a devlda attenco digni-
dade de urna grande potencia militar, porin
deve tambem nao deixar neuhuma duvida de
|ue a Prussia nao deve smeme ter em vista a
ua propria dignldade, senao tambem asuaf
para com a Dinamarca.
(rasis.)
bre os estados divididos da Allemanhs. oss
conselhos do impersdor Nicolsu nSo se in-|
clinarl para s causa da liberdsde, nem
sstisl'ario SS exigencias populares ds Alle-
Tisnhs, b seria shsurdo esperar delle tses
aous'S. Mis apessi de no ser fsvprsvel
berdade, temosa firme previao- de que os
4nus esfnrqos tendero conservsQo ds paz,
AMERICA Vv
Ntv-York, 9 di oulairo. Depois da nos-
sa ultima revista, na qoif fallamos da sglta-
CSo causada na New-York pelo bil de escra-
vos fugitivos, a medida a nue alludimos
foi diversamente julgada nos Estados-Uni-
dos, principalmente no norte, onde os espi-
los violentos proceraram oppnr-se le.
Litboa, 10 de Nbvemlro di 1850.
I.e-ae no 7>mei, de26de outubro :
a Parece quo lord Pvlmerston esl decidi-
do a roanter a esecaclo rigorosa de um
tratado que he o resaltado de longas neg-
clscoes e qoe esl revestido ds assignsturs
de um plenipotenciario inglez ; a honra da
Inglaledra soha-se inleressada em fazer res-
pailar este tratado, pois quo de outra ma-
neira a medisifio esteva acabada, e as po-
tencias continentses seriam provavelmente
n a defensa das relacOes inlernacionsea e fias felizmente nullograram-se as sim
terrilor iaes eslabeleci las na i.uroaa. A pv>-
-iC.lo do imperador Kieolau em frente dss
poiencis cstrangeiras he certsmente bells:
lie proclajmenle a posicSo'que um ministe-
rio inglez molerado e previsor poderia
proencher, depois ds concluslo de 1818,
com mais honra para o seu pair, emais
vantsgam para a Europa. Mis depois qoe o
iniiiersilor da Russia ezerc esta influencia
sobre urna parte consideravel do continente
ds Europs, onde a voz da Inglaterra nao
S^t compara ti va ment somos obriga fos a
roconhecer que elle nflo deve esla influen-
cia a forca dos seus eiercitos, aoseu poder
bsoluto, mas siui i moderscSo cot quo o
eneres, e s boa f com a qusl recentemetite
secollocou tos l nil''s das obrig<(6es in-
teroacidnaes o dos direitos pblicos, e n5o
luv. Unios une hoja O principal objecto di
poltica da llussia he fazer cessar o disssn-
limonto los governos alIemSes, por um ter-
mo guerra da Dinamarca e conservar a
paz na Europa.
O Horntng-Post, peridico sam-oflicisl do
ministerio de negocios eslraogeiros de In-
glaterra desmonte a noticia dada pelo Ti-
me, sobre propostss que se diz ter feito o
gabinete britnico ao governo russo para
concluir a guerra do Schleswig. Mas ao
mesmo tempo que desmeute as asseredes
do 7Ysms diz Vie Franca e a Russia, obri-
gadns pelos tratsdos a conservsr o Schles
wig a coma da Dinamarca,nfio po lem ser es-
pecladoras psssivss da guerra que o
Schleswig-llolstein ustenta contra aquel-
la potencia porque se chegass a mudar s
s ii t" da guerra cutise^uiriain os habitanles
ex.iulstr os dinamarquezes do Schleswig,
Nsle caso, accreseenla o Norning-I'oit,
me.liava on nflo oterlure or ( non ); a Fran-
ca e a llussia se venam in Jubila velinente
obrigsdas a lanzar as suas espsilas ni bslan-
fa a favor da Dinamarca, e se entilo a Prus-
sia lomasseo pirlidu a favor doScbleswig-
lV,,n,a-,ranli,,aRlMA/'a n\. tlilW'rai.e
para qucxsr-se de que um ezercllo frao
caz penetrasse hss provincias rlmnsnas i
de iiu i tropas russas se eslabelecessem
naSilesis.*
(Do Eitaniarle)
mu a.
1.6'-se em um jornal italiano o seguinte:
As correspondencias auslriscis e piemoii-
te^isoccupam-se com preferencia dos inte-
resses mercantis daquellesdous paizos, que
depois de lerem disputado as balalhss a
posse da Lombardia e de Vetieza, lutam a-
gora em um terreno pacifico pela prepon-
derancia commercisl no norteda Italia, e
anda mesmons Allemanhs.
A Austria, com as suas influencias nos
estados italianos, e com os seus portos no
Asdrialico, trsts de fazer em Venezs e Tri-
este os focos de um commercio gigantesco.
< O l'iemonle esforc.a-se por augmentar a
importancia commercjil de Genova, que
poreslas eslnnlias coincidencias conlinu
sendo rival eterna de Veneza, e procura na
manca da Inglaterra os recursos para as-
segurar aquelle porto as vantagens do com-
mercio do Oriente, na llaln e na Confeders-
forcadasa obrar segundo suas vistas.
A decisSo que adoptan a corte de lier-K-ao germsnics.
lin, depois de recebar a rcpresentico das| Annuncia-se queja se acna sssignado em
tres potencias, he urna decisao de lealdadei Londres o Iralado de sllisnca comraercial
oude ms f, da paz ou de guerra. Anda entre a Gifl-Rretanha e o Piemonte. Por
que esta represenUfao n3o deve ser feiU I este tratado, segando declaramos jornaes
coma osrecter de amesc, he evidente que|austracos, defensores niluraes dos i
da franca nao ha appiar justija, p.orm auos-
ilUlir umaclu de InjuWlea pr oul
isaaiaAN
_ aia_o prctaata par* d^iiauttca-
propolta" Que tem af provincial
depois da agilacBo actual da Allemanha e
das medidas activas adoptadas pela Prussia
e pelo llinover, para augmentar os recur-
sos da iiisurrebjao, devem-se empregar os
meios para que cesse este estado de cousas;
porque produziri nos ducados resultados
que- as paites signitarias do protocolo Je
Londres eslo decididas a nfio aceitar. L-
alos com satisfacoa noticia da declnelo
do orgSo ordinario do secretario de estado
los i.egocios.eitrangei ros que a Inglaterra
fio poda consentir no desmembramento
des esUJos da Dinamarca que collocaria a
navegago do Bltico i merre de urna ou de
outra das grandes potencias ; e anda que a
lingoageao da Russia he mata reservada a
este respeilo, donue a da Franca, devenios
acreditar que ella tem en vira o termo
pouco affaalado. alm do qual no consen-
tir na continuaefio das hostilidades pe
presen? doa voluntarios alleo Sea sobre o
solo do Sch las wig..
c O momento actual be grava e de alta
importancia para a surte da Allemanha. As
tecentes entrevistas dos mioisAtos austra-
cos, a dos soberanos do sul uT'Alleaianlia
em Bregenz, a conferencia dus impera lores
da Russia eda Austria em Varsovia a dis-
soluco da L'nlSoprussiana de 26 de majo
a prxima couvocatao das cmaras prussia-
as, o projeclo da conduzr as desinlelh-
gencias entro a Prussia e a Austria a um re-
sultado pela dealruicfio do part Jo consli-
tuicional ds llesse, a retirada das tropas
jrussianas do Uade, a probahiltdalle deque
s guerra entre a Dinamarca e os ducados
Continuara coin os recursos atlomftes. o
urna nova opposicao da parto das ouirs po-
tencias, Ues sSo as circumlafiCias que tor-
uam hojea posic'Bb actual dos negocios da
Allemanha iuiportantissima. decSOo da
msior partMestas grandes q^Stoes pe-
-
JWTapar^*rofe^erae dejl3 gr>njeg qftWes F
CSjSrs.W.1 tdncft .b nerano que reina^ Vars 6v
rS^vtciuIncSaSi c p.!!l!c Sft*u fe grande ?flo
resses de Trieste e Venez, lord Palmerstop.
faz de Ccnovs uro porto franco inglez, pa-
ra deposito e mercodo dos productos in-
"le/.es, nfio so na pennsula italiana como
em ti la a Allemanhs. Em prova, citam os
ditos peridicos os trabslhos de sir Stepher
son, mudos priroeiroseogenheiros da Grfi-
Ureanhs, que j ba alguns mezes viaja
pela Soiss, estudaodo os meios de comaiu-
nicar os ciminhos do .ferro da Alleminha
meridional ,com o que Se v a eiecutar|
desle Genova al ao Lago Maior, passaildo
por Novi, AleMdri. Bortira, Arons, ele,
Sir Stopheraon declarou so couselho fe-
deral de Berna,que nfio he difcil atravessar
os Alpes por uieio de tres iiiaae/s, um de le-
aos e meia de longitude em Domosso1, ou-
Fro de duas iegoa ei Cicel, o u tciCcuu
90 de ireia legos, em Bronig.
Vencidos os Alpes soissos, a Ingraterre
era virtudedoau tratado com o Piemon-
te, poder* exportar livrementeas suasmer-
cadorias para toda a Allemanha.
a A Austria, pela ua parte, segundo as
correspondencias de Torin, nfio permane-
ce inactiva vista de projectos 0410 o seu go-
verno conhece perfeilaajente, e j* se asslg-
nou um tratado de llnilo de alfiridgas
com os ducados de Parma e de Modena. a
Toscaua e os estados romanos. Alm Hiato
sujeita o Piemonte pelo tratado de de de-
zembro de 1834, que Ihe d* direitos pouco
ordinarios entre estados Independentes,
pois que ha piucos atetes se oppoz, em ylr-
tude do dito tratado, ao eslsbeleeimento
de uma compatible, iildo-auslraliana que se
Tormava em Genova para explorar os algo-
ddes de Suri-ate e as lis de Austnlu. He
verdade que este tratado pJe aer aonula-
do em 1851, aempre que uma das duas par-
les contratantes oavwe tre mezas antas, e
asciui&ras piemontezss proponbam ao go-
veruo a sua derrogacio.
pHfOaaaWi
Alguna abolicionista*, ou nsgrophilos
procurara* na New-Vork Philarr*ipliia, Bos-
ton, etc.,sublevar a populacfio. Celebraram-
se mettingltw* quses se proiumci ram dis-
cursos inoediarios incitando os povos re-
volt*, mas as medidas enrgica qui adop-
tou o governo transtofnaram todos os pla-
nos, e apesir de termos que laitwlitir nlgu-
mis desgranadas circumstsncias, a medida
io congresso tem j forf* de le nos esta-
dos do sul contra os escravos fugitivos.
Alem desta questo ha outra de alta im-
portancia pin o futuro do muso paiz ; vm
a ser a divso, .qio se nperou na conven-
Cao de syracust entre os deputa los whigs
e um novo psrldoqut se dooomna par/i-
do organit'idor do lrabal/10, qui ss separou
dos outros e arvorou orna bandeira nde-
pendeute. Este partido que tem p>r divisa:
-- liberdade dotlo, Ub-rdatle do trabalht/,
esl separado de toda a iJeia poltica^
Os can li latos demcratas ou wgim nfio
pdem de ora cm diante contar como con-
curso dos jornaleiros, que formam um acis-
ini na repblica, que tem a lutar com
uma especie de socialismo como o de Fian -
os. Comtudo.na America, todsa opinioes
sfio livres ; e sobre esto objecto no ha quo
temer na America o.socialismo theorco co-
mo se prega na Krinr;a; porque a livre ds-
cussfiu e o mtis profundo ridiculo Ine te-
riam dado o seu justo valor.
Tuiha n cliegadu ultimam"nU a New-
1 01 k, prnc i lentes da California, tres bar-
bjs a vapor, o Chervkee, o Kmpire-City e o
G orgia.
O dous primeiros dcitei btreos trouxeram
a seu bordo um grande itumero de passageiros
e mais de um niilhao de ouro em p, e o ulti-
mos joruaei e ai correspondencias do Eldo-
rado.
No momento da partida deile navio, anda
nao eslava completamente estibeleciila a tran-
quil lidade no Sacramento, mas coin a energa
MHiM) lifnjaur Wd reprfiAYdSI faeaor-
deas.
O Squatlen (individuos estabelecidoi inbre
um terreno de quanosao legaluiente propie-
tarios) lomaram a fuga, viendo a resistencia
que experimentaran!, e alguns dos priucipaes
ebefei presos no conllicto lam ler proceisados.
As noticias das minas sao favoravels. A ani-
inosidade contra os rstrangeiros nos dlstricto.t
do sul linliam cessado, e em San Joaqulm ti-
nham-se estibelecido miiilos chileno. Em
Mariposa rmpregava-se o vapor para quebrar
a pederneira das minas, e Clperam-se resulta-
dos favoruveis. Em Stockton Ae spintvall, as
minas produiem quanlidades considerareis de
ouro e em Yaba un Individuo acHou um pe-
dazo de ouro puro pesando 40 libras. Em urna
palavra as noticias das minas sao as maisfavo-
raveis, e ebegaram i|uelles lugares inultos
emigrados a tentar fortuna.
Desde abril at ao I. de setembro, linhaiu
partido de San Franci-co mais de 10,000 passa-
geiros e o ouro tambem transportado eslava
avaliado em 440,550 dollars.
(JVsio York Herald.)
(Do memo.) ______
INtERIOR.
ItK) DE JANEII.O.
Enlrou hontem (23 de novembro^ dos por-
tos do sul o piquete de vapor Impwatnz.
Traz datas de Porto-Alegre at 12, do R10-
Grando at 15, o de Ssnta-Cathanna ate 19
do crreme.
As noticias da campanha davam em so-
oego toda a fronlei a do Rio-Grande. No
dia 11 regr dsdedo Rio Grande o'Sr. brigadeiro Fer-
nindes, deixando destacada tuda a guarda
nacional daquelle districto.
.No dia 7 houve na asserobla provincial
uma manifeslac^fio mui solemne dos seoli-
mentos da popo4a{So rio-grandense. O pre-
sidente da assemble, o Sr. desembarga-
dor Pedro Rodrigues Fernsftdes Chavea,
referindo-se a guerra exterua que amosca
o Imperto, propz so dirigisss orna mensa-
gem ao throno, offereceodo aa fortunas, os
bracos eos esforco de lodosos Rio-Gran-
denses em defensa da patria e em sustenta-
Clo da dignidade do imperio e da gloria do
SOt -oislo monarcha.
Estproposta foi approva la unanimemea-
le nessa mesma sessfio. O Mercahlil de Por-
to-Alegre d conta dessa occurrencia nos
soguintes termos :
Con indizival satiafaotto poblicamds a-
qui o discurso o o voto da adhesfio prenun-
ciado hontem na asaeroWa provincial, pe-
lo muito dislneto HioGrandeose o Elm.
, desembargador Podro Jtodrigoes Fer-
uandes Chaves. O enlhusasmooom que
foi uuviilo e vtetonado no recinto da aasem-
lilao Exoj.r. Fernandas Ghaves.i o hon-
roso o patritico alarma que suas palavras
produziram tas galeras ; e o interesa com
que centenares da pesaos, quo nao pode-
ram ouvir S. Esc noahato pedido a Untu-
ra do seu discurso, sfio sem couleatacfio o
mais irrofragavel penhor dos nobres aan-
timentos que animara e caraclerieaoi os
Itio-Grandensao, sfio o assewtiaieuto aesa
quebr de loes as verdades aounciadas
noniem na assembla pelo Ezm. Sr. des-
embargador Pedio Rodrigues Fernandos
Chaves,tbuito digno ofgfio do bro e pen-
se ment ionato doa filnos desu WVIcU pro-
vincia.


I le1
(llamamos, pois, a altencflo do lelter
para a parte que se segu da sessSo de
hontern.
O Sr. Presidente .'Convido o Sr. vice-
presidente a occupar a cadeira presiden-
cial.
OSr. Correa da Cmara dirige-se i me-
sa e toma assento na cadeira da presiden-
cia, e o Sr. Fernandes Chaves vai asscntar-
so entre os Srs. diputados.
O Sr. Fernandes Chaves: Peco a pa-
lavra.
O Sr. Fice-Presidente :Pode Tallar.
O Sr. Fernandes Chaves (profundo silencio,
movitncnto de atlenco ): -- Pedi a palavra,
Sr. presidente, para apresentarum rque-
rimento que lerei no lim da enunciado
das rasOes com que pretendo fundamen-
ta-lo.
No he novidade, senhores, dixer que o
nosso governo est desavindo com o de
Ruenos-Ajtres, que Rosas mandou retirar
de junto ao eabinet* imperial o ministro
que tinha all acreditado ; mas talvez nem
todoa saibam a maneira pela qual nos te-
mos ltimamente sido tratados pelo gover-
no de Buenos-Ayres, talvez rnuitos igno-
ren) a insolencia com que all lem sido
desatacado o nomo augusto do nosso rro-
narcba ( muitos apoiados ), a petulancia des-
aforada com que em Buenos-Ayres lem si-
do menoscabados os no>sos lirios de a-
fio, o nosso orguHiu nacional. ( Numerosos
apoiados.) Bu tenho um desses jornaes, que
meesqneceu de trazer, publicado lias mar-
ceos do l'rata, que descreve essas scen s
deopprobrio e vituperio que Rosas manda
representar por seus escravos nesse lugar a
que elle ciame sala do representantes
( Mutlos afswkdos.) Eu nflo leria mesmo es-
se jornal, se aqui o tivesse agora, porque
estou certo que a sua teitur-i deveria provo-
car os movimentos da nossa justa indigna-
do { muitos apoiados); todava nBo poss
soblrshir-me a i.ecassidade defazer ver
ssembla a opiniBoem que Rosase seus
agentes tem o nosso patriotismo. Um dos
seus escravos disse nessa imitulada sala dos
representantes que devra-se quanlo antas
declarar a guerra contra o Brasil, e promo-
ver a desmembrarlo desla provincia. Coa-
la este escravo, e contagiosas com o con-
curso de alguns Rio-Grandenses para essa
desminbracio l
O Sr. Murante : Deve desenganar-se
completamente. ( Numerosos apoiados.)
O Sr. Fernandes Chaves : Seuhores, en-
tre todas essas infamias que Rosas manda
' escrcver oaadzer por seus escravos, ne-
nhuma hoiive que mais me irrilassedo que
essa injuria que elle fez ao nosso patriotis-
mo, ao dever a que estamos ligados de man-
ter a honra nacional, de sustentar Ileso o
territorio sagrado da patria ( Agolados ge-
raes) Hilo ha, senhores, um Brasileiro, e
menos anda am Hio-Grandeiise, aue seja
capaz de arregmentar-se as fileiras do
iHimigo para coinbater a sua patria ( apoia-
dos geraes : he injuria que nao Taco nem
mesmo ao mais frentico "imiRO do par-
tido a que pertencu. \fluwertsos apoiados. )
Estou cerlo que na hora do perigo todos os
brasileiros deporBo seus odios e resenli-
mentos, e unidos se encontrara para de-
fender a patria. ( Numerosos apoiados) fe-
IJM)e BiP-SSJ* CJ0S-S .h 'J5S18 X01K KS7.f "i?1
clier-me de orgullio e de prazer, a dissen-
C in intestina, a guerra civil que uos tlfli-
giu por lanos ailuos, coaa-au-iio momelo
un que se d'eixo entrevar a proximidad
de una guerra eslrangeira, e a necessidade
de concerrerem lodos os brasileiros para a
de lesa commum. ( Numerosos apoiados. ) O
futuro hade desengaar Rosas; mas em-
quanto este futuro nos chega, comquanlo
a dolorosa experiencia dos tactos n3o
o vem tirar da ereJulidaie em que es-
t ou finge estar, enlendo que he do nosso
rigoroso dever uiaolfeeaar-lhe de um modo
explcito noasos sealimentos ; fazer um
protesto solemne contra essa insinuar-Bu
odiosa que elle fez aos bros dosriogran-
denscs; e ao mesmo lempo jultjo que na
crise que se prepara, e cujo destecho sera
naturalmente a guerra, devetno-nos diri-
gir ao throno imperial para o liin de Ihe
m||'i rcennos nossa inlelliguncia e nessos
Liados envtlefesa da patria, em SuslenlacSo
da dignidade do imperio, e da gloria do
in sso angust) monarclia, que he o penhor
sagrado de ordem e estbilida'de no Brasil
( apoiados geraes.) Foi, senhores, neste es-
pirito que me animei a redigir o voto de
adhesBo que peco cenca para ler:
a Senhor. --A ssembla legislativa da
proviucia de S.-I'e Jro do Rio-Graode do sul,
infurmada das nisnifostacOes hoalis do go-
verno de Buenos-Ayres contra o imperio,
e da maneira deshonrosa para qualquer
povo um pouco civilisado, porque ellas
tem sido cxpressadss ; tendo alm disso em
consieracBo o estado das relacfles entre o
Brasil e aquelle goven.o, julga doseu ri-
goroso dever ai resenlar-se ante o augusto
Uirono de V. M. Imperial. Ella nSo vem,
imperial senhor, recordar as violentas in-
justicas que a provincia de S.-Pedro tem
sohVdo do governo de Buenos-Ayres e do
general Oribe; qSo vem recordar as gra-
ves offeusas que o imperio tem recebido
m m 18o pouco pedir i Ilustrado e pa-
triotismo do governo de V. II. Imperial
providencias com que conta. Nfio, impe-
rial srntior: vem sim significar a V. M. Im-
perial que seus peiios, sua fortuna, seus
esforcos, assim como o de todos os rio-
grendenses, estBo promptos para o servico
de V, M. Imperial e do imperio, em qual-
quer lula a que o estrangeiro nos provo-
que; e sobretudo vem pedir a V. M. Impe-
rial que honre com a sua augusta confian-
za patriotismo, o valor, e a completa de-
dicarlo dos seus briosos subditos rio-
grandeosee; elles rivalisarlo com saos
irmSos das dentis provincias em defender
as f ron tenas e o territorio sagrado da pa-
tria, cosso a honra, os biios nacionaes, e a
gloria de seu excelso monarrha exigem,
como hornera que deaprezam os perigos, e
allroDlarSo amorte (ara bem servir esees
ctoaios dolos, que sSo sua prirueira vida,
sua existencia moral.
liiguo-se v M. Imperial acolher benig-
na esta ei*>ressSo sincera da lealdade e dc-
dicscBo que a V. M- Imperial tributa a s-
sembla legislativa ea provincia de S.-Pe-
dro do sol, cujoe inleressea ella se ufana de
representar. "ar
A providencia conserve e guarde os
juiciosos das de V. M. Imperial fino lano
os hemyster para a felicidade grandeza
do imperio.
Paco da ssembla legislativa da pro-J
vincia de S.-Pedro do sul, 7 de novembro
do 1850..
Creio, Sr. presidente, que esta manifes-
..580 he bastante precisa as eircurastan-
cias em que est o paiz ; ella servir de ani-
mar o governo no desenvolvimenlo da sua
poltica, e ao mesmo lempo se nSo nos fi-
zar temidos dos nossos in'migos, ao me-
nos nos tornar estimados dos estrangeiros,
porque o ciume de urna reputacBo de le-
aldade e patriotismo he cousa que foi sem-
pre respeitada entre todos os homens. (Mui-
tos apoiados )
Vou mandar mesa o voto de adhesBo
que acabeide ler, com este requerimento :
a Requeiro que Be dirija ao governo o se-
Kuinte voto de adhesBo, ou outro redigido
em igual sentido.*
Muitos Senhores : Milito bm, muilo
bem.
Este requerimento he apoiado, e posto em
discussBo julga-se sufflcientemente disculi-
do s'm debate.
PnceJe-se votacSo por partes he ap-
provada unnimemente a primeira parte
at palavra--adhesSo-, considerando-se
prejudicada a ultima parle.
OSr. Captstrano:- Pedia a V. Ex. ,Sr. pre-
sidente, que houvesse de mandar mencionar
na acta a circunstancia de que este requeri-
nenlojoi unnimemente approvado.
O Sr. Fernandes Chaves oceupa de novo a
cadeira da presidencia^
O Mercantil do da ti diz:
O Exai. S*. presidente autorisora com-
pra dos hiates Trindade e Desempenho, o que
i se effectuou; para serem armados em
guerra, tomandp o primeiro o nomo de ca-
nhoneira Bujuru.e o segundo odeS. Uo~
pol'lo, deveudo ter cada urna destas um ro-
dizio de 3-2 e duascaronadas de 13. Consta-
nos qne esl autorisada a compra de mais
dous hiates.
(Do Jornal do Coaiaimio.)
mnmwmmmeBaemammtgamsssmam
COMIHERCKT.
ALFAMUECA.
Rendimento do dia II.:..'". 6:932.997
Dtsearregam hojti de dttemhro.
Brigue Novo Vencedor mercadorlas.
Patacho Isabela bacalho.
Brigue Empresa mercadorlas.
Brigue -- mi/ia gneros do paiz.
CONSULADO CEItAL.
Kendimento do da 17.....2:032,7*7
Diversas provincias...... 4,205
9:036,952
EXPORTACAO.
Despachos martimos no dia 17
Porto, brigue porluguez S. Manoel I
conduz o seguinta: 831 saceos e 761 barri-
cas com 9,987 arrobas o 31 libras de assu-
car, 2 barricas e 5 saceos arroz, 52 saccas
com 272 arrobas e 25 libras de algolflo, 2
latas farinha de ararula, 1 barrica dila de
mandioca, 31 quintaos de talajuba, 163 cou-
ros espichados e 2 cai.xas livros.
Rio de Janeiro, brigue nacional Carolina,
>le 226 toneladas : conduz o ssguinte: 75
barricas e 2,000 saceos com 10,532 arrobas
e 18 lihrasdeasscar, 1,3*0 meios de va-
queta e 4 caixas com 3 arrobas e 21 libras
'KtfCEBEnORrA DE RENBAS CERAES
INTERNAS.
Uendinienlo dodia 17. 415,406
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendlmente dodia 17. 1:427,031
TaT. 1
Movimento do porto.
Navios entrados no dia 17.
Terra Nova 32 das, brigue inglez Kosa-
lie, cj ilBo Thomas While, equipagem
12, carna bacalho ; a Me. Calmout de C.
Mein 45 das, patacho inglez Izabella, ca-
pilflo Ceorge Perreit, equipagem 9, car-
ga bacalho ; a James Crablrre & <:.
Mtcei--48 horas, barca ingleza IFi7/iam
Runell, capitBo James Shelfo-d, equipa-
gem 17, carga algodSo o assucar; a llus-
sell Mellors* C. Veio receber cartas e
ordens, e segu para Liverpool.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio de Janeiro Brigue nacional Carolina,
capitBo Francisco Antonio Simas, carga
assucar. Passageiros, o Porluguez Jos
Lazaryeo Brasileiro JoBo Rodrigues de
Oliveira.
Porto Brigue portuguet S. Manoel I, ca-
pitBo Jos Francisco Carneiro] carga as-
sucar ealgodBo.
Liverpool Calara ingleza Empress, capi-
tBo W. Mardon, carga assucar e algodBo.
Boston Palachoamericano Itatk, capitBo
Oeorge J. Parritt, carga assucar.
Buenos Ayres Rrigue hespanhol Alfredo,
capilBo Jos Ferrer, carga assucar. Pas-
sageiros, L. Francisco Kmosse e Rafael
Sababo.
Parahiba Lancha nacional Nova Santa
Cruz, meslre Antonio Manoel Alfonso,
carga varios gneros. Passageiros, os Bra-
sileiros Francisco de Almeida Lima, Joa-
quim Justiniano da Silva, Manoel Flix
do Nascimento, o Porluguez Antonio de
Souta eSilva e a preta Torra Catharina
Mara do Rozara.
Obtirvacdo.
Segu o para os por los do sul o vapor F.sk,
ei.minandaiitf W Valer.
msmmn
Deca rayts.
O cheftt de polica desla provincia d
audiencia nis segundas e quintas feiras de
cada semana ao meio dia, na casa para esse
fim destinada.
-- Pela recebedoria de rendas internas ge
raes se faz publico que o praso concedido
para o pagamento dos impostos absixo
especificados perlenceiites ao exercicio de
1849 a 1850, termina no ultimo do corrente
mez, (indo o qual ha de ser executivamenle
promovida a cbranos dos meamos, os
quaes sSo : impostos sobr.t tojas e casas de
desconlos etc., dito sobre as casas de mo-
vis, roupas ele. fabricados em paizes es-
trangeiros, dito sobre seges, dito sobre
barcos.do interior, taxa de escravos decima
addicionsl das corporales de mSo mora.
Recebeiioria, 16 de dezeembro.de 1850.
O administrador, Manoel Carneiro de Sous*
Laoerda.
O capitBo do porto desta provincia,
competentemente autonsado, eogaja cinco
marinheiros a cinco grumetes, para a escu-
lla Lindoga que se acha oipregais no ar-
vico da alfandega ; assim como marinhei-
ros paraos navios de guerra ; snao 0 n-
gajamento feito pelo lempo que se conven-
c onar, e devendo os pretendeotes apreso 1-
taro:r-se com a maior brevidade possivol.
Peranle o conselho da administrarlo
naval lem de contratar-se por arremitarjBo
o fornecimento dos seguintes gneros para
os navios armados e hospital de marinha,
por tempo do tres mezes, a cantar de i de
Janeiro e a (indar em 31 de marco do anno
vindouro, a saber : arroz branco pilado,
azeite doce de Lisboa, assucar branco, bo
laxa, bacalho, caf moido, carne verde,
carne secca, pSo, sal, touclnho de Sanios,
vinagre de Lisboa, sparmaceto americano e
carnauba em vallas ; igualmente contrata-
se a compra de mil a mil equlnhentas va-
ras de brini inglez ; portanto sSo convida-
dos os que interessarem em dito forneci-
mento e venda de bnm a cornparecerem aa
12 horas da manhfla do da 90 do corrente
na sala das sessoes do mesmo conselho com
suas amostras propostas, declarando o ul-
timo preco-e quem os Dadores qu serBo pa-
ra esse fim habilita Jos.
Consulado da Confederarlo Suis-
sa em Pernambuco
Tendo fallecido o relojoeirb Suisso Ulysse
Droz,o cnsul de sua naco, roga a todas
as pessoas que tivercm conlas com elle,
ou iinham relogios na mBo do dito para
oonceitar, queiram dirigir-se quapto antes
ao consulado na ra da Orui o. 51, para en-
tendar-so com o eoosul a esso respeite.
Pels administracBo docorrei > se faz
pblico o regulauento abaixo, de 25 de no-
vembro ultimo.
Correio de Pernambuco, 16 de detembro
de 1850. O administrador, Antonio los
Gomss do Correio.
Kegulamenlo para por ensaio fazer-se
sem ser reclamada a rernessa da corres-
pondencia que fer entregue no correio
depois da hora marcada para a ana recep-
cSo, a que se refere o aviso desta data.
Art. 1. Nos dias de sahidas de correios,
depois de recolhidas as cartas que tem de
ser rcmeltidas,reaccionadas para qualquer
ponto do imperio, continuar a receber-se
toda a mais correspondencia para o que lla-
vera urna caixa propria.
Art. 2. Oannuncio feito em virlude da
disposicBo do art.110 do regula ment de 91
de dezembro de 1844 declarar a hora at a
qual ser recebida a correspondencia que
tem de ser relacionada, e bem assim qual a
caixa em que lem de ser recebida a corres-
pondencia, que depois houvor de ser lauca-
da no correio, e que seguir sem ser rea
cionada.
Art. 3. Para evitar a confusfio nBo lla-
vera no correio mais de dus caixa* : urna
em quesera lanzada toda a corresponden-
cia que tiverdeser remedida, relacionada,
e quesera denominadacaixa geral,ou-
tra em qne sei laucada a correspondencia
que for ao correio depois da hora Osada, e
ser denominadacaixa especial
Art. 4. Na hors em que liverem de ser
entregues as malas, tirar-su-lia da caixa es-
pecial a correspondencia nella existente, e
sendo apenas contada, ser fechada em ma-
las, que serBo entregues ao conductor res-
pectivo, indo dentro urna factura ou guia,
em que se declare o numero de carias que
.'inises uo, e que. v asaigoada pelo chafe
A11.(5. NBo ha ver mais na agencia dos
paquetes, nem em qual outro lugar fura do
cor re, iai xas ou malas em que aojAm. I
ca Jas as cartas que ten liara de Mr retaelli-
das |iar/quali)uor punto do lilipeTi* ; e nem
os commandaulw tos paquetes ou de ou-
tras quaesquer embarcacOes, poderSo con-
duzir malas ou sacos de cartas; poden Jo
apenas levar as ue seus consignatarios, sb
as penas do art. 179 do reguLoienlo de 21
de dezembro do 1844. E uem sb aa mes-
mas penas, consenlirfio que a seu bordo
qualquer paasageiro ou pesaos de tripola-
lacBo leve malas ou sacos de cartas.
Art. 6. Os portes continuarfio a ser os
inesmos, singlos al a primeira hora, du-
plo depois.
Ari. 7. PoderSo ser mandadas rlaa
nBo relacionadas dos correios do Rio'Gran-
de do sul, Santos, Rio de Janeiro, Babia,
Pernambuco, Maraada e Para.
a Art. 8. As cartas que do Rio dajanero
houverem de aer mandada* sem relacBo
para os porlos do sul, serlo incluidas eu
malas diferentes para Sautoa, Santa Ca-
iharina, Rio (Jrsnd, e Porto Alegre. Den-
tro de cada urna dessas malas ir a cor-
respondencia para at agencias ou luga-
res para onde eoatuma ir por aquellos cor-
reios.
Art. 9. As sartas que do Rio Grande
vierem, serfio divididas em tres malas
urna para Santa Catharina; oulra para o Riof
de J.neiro, contendo aa cartas" para cala
cortee provincia, S.Paulo, Minas Geraes,
Espirito Santo, Coyaz e Mallo Grossoj e
outra para os porlos do norte.
Art. 10. Asearlas que vierem de Santa
Catharina serlo divididas em doaa malas :
urna para a corle e outra par os porlos do
norte. Na mala da corto ser incluiJa a
correspondencia-a que se retare o art. an-
tecedente, a
Art. 11. As artas que de Sanios forem
mandadas para o correio da corle, serlo
distribuidas err' tres malas : urna para a
corle, e confeccionada como e determina
BSSft. trs ps.-S CS portM dn nnr ;
e outra para os portos do sul.
Art 19. A mala que da corte partir psra
Santos, levar toda a correspondencia da
provincia do S. Paula.
a Art. 13. As provincias do*norte trocarSo
entre si a sua correspondencia em malas,
pela maneira que abaixo se delesmioa.
a Art. 14. As provincias do norte manda-
rSo sua correspondencia para a corte em
urna mala, viudo incluida a que tem de se-
guir para as proviuciaa declaradas no art. 9,
e em onlra a correspondencia para o sul.
Art. 15. Recebida no correio da cortea
mala das cartas nBo relsccionsdas do sul
para o norte, ser aberta e contada, para
depois seguir conjunctamente com a da
corle.
Art. 16. A correspondencia das provin-
cias do norte pera a curie ser reoolhlda em
urna mala, toda a que for dirigida para as
provincias de que fas rneucBo o art. 9, e ero
outra, a que tiver de seguir para o sul, com
a qual se proceder do mesmo modo que
tica determinado no art. 15.
Arl. 17. As malas que segulrem ds corte
para o norte serBo coafeccionadas da ma-
irs seguate vt s"*1* d" ****** lavar a
corresfondeacia da Babia, AJagoas, Sergipe
~ Piauliy ; a mala de Pernambuco, levar a
correspondencia dVPernambuco, Parahiba
Rio Grande do norte; a mala do Cear,
Bvar correspondencia do Cear, Mara-
nhfio e Para
Art. 18. Estas malas serBo a bertas as
administnefiesa que forem dirigidas, para
ahi se fazer a distribuicBo pelas mais a
quam tocar.
a Art. 19. Quando o commandante de um
navio qualquer se spresentar no coreio a
receber malas, immeJialamenteser reco-
Ihida a correspondencia ds caita especial,
e se preceder de modo que seja elle logo
desembaracado, sendo applicados para esse
fim os empregados necessarios, que entre-
tanto deixarBo qualquer outro servico.
Art. 20. A proporcBo que as cartas fo-
rem sendo contadas, irBo os sellos sendo
Inutilisados, pondo-se-ltis o carimbo do
costume.
Art. 21. A correspondencia que urna
vex entrar no correio para aeguir nBp re-
lacionada, seguir sempredo mesmo modo
at seu ultimo destino.
Art. 22. Xa caixa especial nSo serBo
lancados peridicos, ou quaesquer outros
papis nBo sujeKos a porte, menos que
po seja correspondencia Quicial. ,
Os peridicos ou pipis nSo sujeitos a
porte echados na mala especial 0B0 segui-
rlo a aeu destino.
a Secretaria de estado dos negocios do
icapero, om 25 de ogvembro de 1850. /e
di Paiv Magathdes Calcet..
Conforme los Dias da Cnu lima.
Thealro de Santa-Isabel.
COMPANHIA I)RAMTIt:A E DE CANTO.
sabbido, 21 na ostEMBao Di 1850.
/laciia extraordinaria em be*ef\eio da cantora
An-tustA Can-liitnl-
l'rimeira part.
Depois de executar-se urna escolhida
symphonia, aeguir-se-ha a grande scena,
cavatina, e alegro da opera
NORMA,
do maestro Bellini, executada pela bene-
ficiada.
Segunda part.
A corapanhia nacional em obsequio a be-
neficiada representar a comedia
FALLAR VERDADE A MENTIR.
Tirctira part.
Grande aria da opera
VESTAL,
do maestro Ciannini, expressameate com-
posta e dedicada a .beneficiada, a por ella
executada.
Ana da opera Somnmbula, do maestro
Bellioi, executada pelo Sr. Cayo Eckerlin
Pela beneficiada a modinha brasileira
Adorel am lma impura.
Pelo Sr. Eckerlin a aria do Parta, do
maestro Donizzilti.
Ornarla part.
Pela companhia nacional larca
0 JIHH8 EM SAbBADO DE ALLELUIA.
Finahsara o espectculo om a cavatina e
alegro da opera
Torquato 1 .so,
do maestro onizzetti, executads pels be-
neficiad.
He esle o espectculo que a beneficiada
tem a honra de olferecer ao Ilustrado pu-
blico desla cidade. do qual espera toda a in
.lu*.**. proiaccao.
Os bilhetesacham-sea dispoaicfio dores-
peitavel publico na casa da beneficiada II-
nim do lote de 201 toneladas, forradttfla co-
bre, com lanoha, bote, o todos os pertences
deaparelho, prompto para azer qualquer
viagem, quem o pretender pode ir ou man-
da-lo examinar no ancoradocro' def|fjite
da escadinlia do passaio publico aondWsli
fondeado : para tratar na ra da Cadeia n.
39 com Amorim IrmBos.
Para o Kio de Janeiro sahrfT
com a maior brevidade noasivel, o
brigue nacional Firma : qum no
mesmo quier oarregar, ir de pas-
sagem, ou embarcar escravos a"
frete, dirtja-se ao capitao a bordo,
ou a Novaes & G. na na do
Trapiche, n..34 _
-Vende-ae o brigua-escuna amerca,aTB>
Pauto T. Jones, de Iota de 174 loneladaa.
forrado e caviihado da agbre, prompto a m%
guir viagem para qualq-pr parla : oa pre-
tndanle dirijam-M a Malheua Austio &C.
Par a Cear.
Sahir impreterivelmente a 80 do corrento
o brigue naoional slmpresa, da P"aipa
marcha ; alm da carga que j tem a bordo
para aquelle porto, receber nasle a qua
mais seolterecer, s frele conwnodo, sssliji
como passageiros : os pretndanlos diri-
jam-se a tratar na ra da Cadeia velos n.
17, segundo andar. ..
para a Babia arge- m pouaaa das por
ter alguma carga engajada o hiele Flor da
Curuript: quem pretender carregar ou ir
de passagem, dirija-ae a ra do Vigario nu-
mero 5. .
,- Para o Rio de Janeiro sane com braal-f^
dado, por ter a maior parto de sua cara, o
brigue .San Afano/ Augusto, capitBo JOa da
Cunha Jnior: quam quixar cs/nagar, qaj
barcar escravos ou ir de paaaagaa, Uaja
com Manoel Ignacio deOlivelra aa >rafa 4o
Commercio n. 6. ou com o oapitlo.
Aviaos
diverso*.
Aluga-aa urna aas* no GaUBg, aaaa
excel lentes romiito-rM para puaar a (a*
a traUr na ra da Pas n. 42.
aloja n. 8, aopdo quarla* da foll-
eia, ooncertam-se candieiros do a*aJjja. ajta-
boa e hmpeOes de relogios; asalta aoMeo-
vernizam-sae bronzeam-a das au-ua'aj'ao
qolcsrem.
Antonio Fernandes da Silva fas .-
don. 21. a*S rr-Miaaui -arana cSo d
que forana do tinado Jaaquina Hodrlguoa
Coala, a requerimento de respectivo leal a-
UlFrancisco, a ou da do *ia^aai>cuWsnTasaetetro.
lugar do costume.
Theatro de S.-Prancisco.
IIOJR 18 DO CORRENTE.
Beneficio de Madmmoisele Alie Mo-
reau.
Madmmoisele Alie Moreau, primeira bai-
larina do Uieatro de 8. Pedro de Alcntara,
chegada aladeo do Rio-de-Jeneiro a esta
cidade, d'onde tem de seguir brevemente
para a Franca, determinou antes oesna par-
t la dar duaa representacOes em seu bene-
ficio, onde espera ter o mesmo acolhimen-
to honroso que te*e naquella corle em vir-
lude da seu ptimo desempenho, cujo ex-
pectaculo ser determinado pela maneira
seguinte :
Depois que urna grande orclifstra de ra-
bee tiver desempeoha lo a mais bellissima
ou verutra por Madmmoisele escolhida, le
lugar o seguala:.
I PARTE.
Madmmoisele, far o primeiro paseo que
tem por titulo a Cracoviana.
II. PARTE.
Diversas experiencias physicas milito en-
granadas, pelo director.
III PARTE.
Madmmoisele com roaia pessoae, faro
difllculloao, e multo elegantepaaso-uo-
bre--de um salto.
IV, PARTE.
Diveraas experiencias pbysicss da muito
applauso, pelo director.
V. PARTE.
A svspenst Ethartense, a sobar :
Um ensato ehiroico extraordinario lti-
mamente inventado em Pars, por Mr. Ro-
berto Hondin, e executado com grande suc-
cessorio theatro du Palais Roysl. Sabido
hW, que o Ether e o coldrorbrnio^ brodu-
zem nBo s o totnar-se insensivel o indivi-
duo, te nfio tambero infraquecer-lha cor-
po ao ponto de sottentar-se alenra tempo
em um aequeno apoio ; para eatificar este
poder, Medaimoi-rete, adormecer uma
pessoa a vista do respeitavel publleo, col-
Ioean impossivais, entre ssquaes be por sen du-
vda a mais extraordinaria conservar ho-
risontaiinente a pessoa apoiada aimples-
mente pelo cotovalo em um poztnbo.
Terminar o dlverlimento, apparecendo
Madmmoisele em traje de homem, e dan-
i;ar o muilo applaudido patso de sua com-
posicflo que lem por titulo
O MARISHElRO.--
Os bilhetes vender-se-hSo de boje em di-
anle no Hotel Francisco pela heneliciada, e
no dia do espectculo no mesmo theatro.
Pneos.
Camarotes da primeira ordem 5,000
Ditos, ditos, ditos de frente i 6,000
Ditos de segunde ordi>m 6,060
Ditos, ditos, ditos de frente 10,000
Ditos de lercflira diU 1.000
Ditoa, ditos, ditos de frente 4,000
Platea 1,000
Avisos martimos.
........ i. i* i ii i
te ao respeitavel publico, que per I
tro de igual nome, da boje em diai
signar por Antonio fernandes da
Beirit.
Aluga-aa uma casa eom peqaena eiao-
com bastantes commodos para grande la-,
milla, no lugar do Poco da Panella, dafron-
tedeigreja, pela esUou anoualmeote: aa
ra-da Cadeia de Santo Antonio, a fallar
com Domiagoa Affonso Nery Ferreira.
Francisco Jos de Paula propOe-se a fa-
zer qualquer eecnpturacfla cnminercial, do
que tem bastante pratica, iato mediante um
mdico estipendio, podando quam quizar
ulilisar-se de seu arsaatimo, arocura-lo na
ra do AragSo' na tjtoa Vista, ou annuneiar.
-- Nodia t do corrento, a 10 horas da
manbBa, peranUoSr.br. juis do cvei, se
ha da arrematar, na luja da ra Bmiii-
OSr. Manoel Silvestre atetado, au os
saos herdetros, queira dirigir-se ra
da Oros n 49, para negocio de sau inieresse.
-Os Srs. Manoel Ferreira Ciniz e as
Joaquim Ferreira Kab-llo tem crias na pra-
ea do Commercio n. 2,1.* andar. .;
I'recisa-se de um caiieiro nacional oa
eslrangeiro, que leuha bastante, ptica da
vender fazeoda. oque queira ir para o Rio
Formoso : quem eetiver oas circutsataocias
e que d conlieciinenlo da sua aaoJucta,
appareca na rus da Cadeia do Recife, loja
de miudezas n. 7. a fallar com Autooio Lo-
pes Perera do Moli. w
Pehorada como estou daf Boas ma-
nelras que durante tres mezes que estivo
em casada Sra. D. Mafia Magdalena da Sil-
va Castro, nBo posso deixar por maneira
algnma da mtnifestai-lhe oa roous agra-
decimentos, e juntamente s seo Cilio o
Sr. Miguel Serafim de Castro Mues que fez
os meus negocios livres e desembaracadoa,
valendo-me como bom paJ, fazenlo-me
mil beneficios, sem querer d mim um real,
receba pois Sr. Srrafim, o -acju sincero
agradeciroento, e corKiuua a prestar seus
bous olUcios, moriiiente s uma orpbfla hos-
pitaleira uesta Ierra, e sem i renles, car-
regada de uma tenra filha, a a uem q-aesl
(o jacar gordo) pOe padiudo Mmollas,
no obslente trSzer dentro da algibeira
uma iroageui do Nosso ReJeaplor, asta
mosma he lestemunba dastuaefaUaacQOes,
trilhe Sr.Seralim o caminho da virlude^iue
dos homens sensalos ser estimado, a re*
cebera mil banoawio co. M. 4. A. T.
Sexla-feira, 5 do crranle mea, na
igreja de Sania Hila desta eidade, ha para
sedizer missas em sufragio, com a esmola
de 800 ris.
Troca-se um Santuario novo, ebegda
estes dias do Porto, obra muilo superior,
tanto por ser de bom gosto, comojj-oijjue
as imagens aBo muilo ricas; na raa do
Crespo n. 19, ae dir quem vende, u fetar
ao asr-icip sitio uBlssa Sr. Arscno.
Da-se 350,000 risa premio sob rwnho-
resdeouro, ou com boas firmal; na ra
estrella do llozaxio Iravessa do Queimtdo,
loja de miudexn n. 2 A, te 'lira quam da.
O Consultorio liotno^patbico
0 Do r. P. da A.Uba kUscit, O
9 ODr. Motcoto d consultas (rodeas V
frj diat. Os doealas pobres alo tralaos %
C de graca- So serBo visitados earaauas q
" rasas atjuellet que nlo pederem vir -
O ao consultorio, 00 que suas moles- jr
" ^dS^dicT^^T* 0
Vande-aa o brigue deaomlnado Pirmu- \ uao lajanra.
- 0 abaixo aisfgntdo fas sclente ao Sr.
arrematante das ag*oas ardeutesdeprejuc-
cd brasileira, que des le o dial da jasSiro
de 1831 deixa de vaudr tac gneros na
sua taberna sifa na ra da Madra de Dos
u.18. Antonio Hartins di Como KiarteajT
Roga se ao 8>. Augusto, dono d-Aao-
chairaa-n'Fra da Portas, o favor de Ir ao
bilhar francs da ra Nova, a negocio que


.. -
B*lth Custodia de Oliveira I)liz,
viuvi de Minoel Ferreiri Oiniz faz Miente
io leapeitivel publico e rom especialidade
" pOftl aao amorato Jos de Oliveira Fgeredo
oto bMnM procurador, por isso quil-
quer negocio pur ello feito nSo ser* vt-
Jioso.
Qs Srs. que .ancommendiram roergu-
Ihos flepirreinnt ruido Rozado dt Boi
Vista n. 2, pdem vir busca-Ios, por j esta
rem capaies de serem mudados.
Ni ra larga do Rozarlo loja de miu-
dezas n. 14, preciet-se de um caixeiro com
prMica do mesrao negocio.
Precisa-se de' una ama qoe tenha
bom leite : ni ra Direlta n. 8, segundo
andar.
Aluga-se orna tala para homem soltei-
ro, na ra do Livnmento, n. 1, primeiro-
anoar : netta typographii, m dir quem
"*
^5 da 13 do egtfente tendo se dsdo a
doos pretos da Cosflft'uroi laboa de ama-
relio para oonduzir para a Ca punga, nSo
foi ella entregue oeste lugar, e por isso ro-
i-te a-atern touber o destino qoe teve, de
irigir-ee a ra do Livramento a, 33, que
te recompensan.
Precisa-te de urna ama de leite:
ra do Livnmento n. 83.
* Preciti-te de urna ama para casa de
ponca familia i na ra do Fogo, n. 25, cata
trras, juuto ao aobridinho. .>
Mor v e tea.
Na ra o vi n 6, com entrada pela rus
do Sol, confronte ao cbafariz,. esta casi
icht-se preparada com aceio e salas prepi-
jadit parata fiuiiliaiquequezerem tomar
aPOatiroot torratee de fructit, das 6e rneit
horas em diante, is metmis boraa limbem
o htvera no hotel commercio.
* Precisa-se de um moco portuguez para
cerxeiro de engenho ni freguezia de N. S.
di Encada : na ra da Cideii do Recife, lo-
ja k. 60.
Preetta-ae de urna ama para casa de ho-
mem soltatro, que atiba eetinhir e en-
Smmar, aue teja capaz de tonar conta
uaat MS-W Linoeire: quaoi quizor
prnri na me Faaaaaae a 4, Mta terrea.
O eaearrefBde reeoohecimenlo, rae-
dicta 4ottrotoo dae terrenos de mtri-
Bha, cotrvid toa Srs. abaiiodeteriplot ou
aee seut procuradores a compireceren ni
catt desua residencia ni rui Direlta n. 78,
da enanhSi das 7 horas as 9 e de tarde das
2 ai*, pira se Ibes marcir o dia om que
lete dstr>lrem t medidlo de teus terre-
nos ; afiaa de seren remeliidos ot teot re-
querimenlos i tbesoursrii dt fazenda geral
pera serem paitados os respectivos ttulos
de afbrameatot; tssim como lembrt i to-
dos ot senhoret, que pelo edital dt tbesou-
rarie fotam notificados, para tirarem ot ti-
tulo* de ifori melos dot terrenos qoe Ibes
fonm concedidos, que o praso dos 60 dias
nircadoe findi-se no ultimo do correte
Maaoei Connives Pereiri, Jos l.uiz de
Souza, Jos doi Santos Nunes de Oliveira,
herdeirot doinllecido Antonio Teixeira Lo-
pes, Joaqun Mara de Carvilho, herdeiros
do fallecido Jos di Cunha Teixeiri, e td-
minittricfio do patrimonio dos orphSot.
I'reciti-se de um tprendiz de sapiteiro,
(erro ou esertvo.- na ra da Lingoela n. 9.
-- Aluai-so urna casa no Poco da Panel,
la Cu ai J_ki coanmoduipifi gruid! finittii-
estribaHBpira quaUo carillos, boa igoa de
beber, e jardn) na Trente ; idverte-ae sitis
que t dita casa he murada em roda e ten
un grande copiar tapado cora frente e sa-
bida para o ro ; a tratar na ra do Trapiche,
arntztn n. 44.
*** 9f
m O facultativo J. B. Casanova aiudou tj
a> o seo consultorio unmaeoptlhico da 9
Srua di Cadeu para a ra das Cruzea fj
n. 28, teguado tndar, onde contina Sj)
fj) a dtr cuotultaa 'odos os dias. Os po- f)
tjf bret serlo tratado! gratuitamente, a
*#':#*
- Precisa-te de um bomca) rtra feitor
de um sitio perto da pnci. devendo su-
jeittr-io a Irabalbar de enMda, e que ati-
ba plantar irvoredos, llores e verduras:
agndtndo, paga-te cora generosidade a
fallar no primeiro ailio, ni estrada dos
AfOletos, oo lado direito.
Desippireceu no dil 10 do correte
nei da aezenbro,.um preto por nome Jofiu
Mariano, represente ter 9,5 annos de idade,
estatura regular, crloulo, reforjado, roalo
gnnde, ten urna marca de golpe de espada
no pescoeo, e outra no olbo direito, oquil
tem un blide.he bem filite, levou cl?a
brinca e camin isul, um bonet, urna trocha
atidi en un lenco imirello : quem o adiar
pode-o levar a ra VeMia n. 61, ou ni po-
voicSo #o Monteiro.c'asa terrea Junto ao so-
brado, qua ser reiompensado.
Knbrtea de aspliiilto, om Fra de
i'orlns. em frente .lo ehnfurlz
da na do lii'uiu.
Para lidrilhir casis terrets, trricos pis.
tos de ruta, soleins de jineHis quando
se ichim rotas, pela mf quilidide di pe-
dn, nSo hi composicflo molhor do que tej
i nassi denomioadi atphilio, por ter ella
metroi coniisienoii de pedra, deveriin ot
Srt. proprialarloi approveilar o lempo
de verti por ter miis'ricil t ipplicacflo di
referid massa, o preco be o miis commodo
posa)tal, por cuja neSo en boa occisiSo
Kra perteicoarem ot piiseios dts ruis da
lia vanesa hraitteira.
..oir*M?-* n.n ciiteiro de auilquor
ettibeleelmento.i exeepclo de venda, urna
peatot com habilit*cOes, dando fiador i tut
conducta : quem pretender, diriji-se t rui
Novio. 0, primeiro indir.
I'recita-ae trreadtr tnouilaietilt u
sitio bem perto di prtet, tendo planta de
ctpim para jaut ctulloa, anda rnesmo
irinciauado o arrendamenloem Janeiro ou
svereM en diante : qaen livor annuncie
rvocti-te de umt ama que saiba co-
zinliaremgommir, para casi de homem
solteiro r a fon de forttt, ro do Pilar,
n 32.
desta cldade, n. 23, novamntee estabeleci-
di, existe um grande sortnanto de fizen-
ds inglezas, fraocezis edetodis as msls
oacdes, por precos milito em conta ; e para
a mais prompla KquidacSo dts fizendas
frincezas que seicbtvim no dito cstahele-
cimento, nt occtsiSo da cpmprt, ven.lem-
se por menos de umt terct ptrte do primi-
tivo costo as fazendat seguintea: setin
de vtriis cores e livndos, meiit de sed*
pin bomem e senhort, de todos os lama
nhos, 'brincas e pretit, cortes de vellidos
de tedt ede linzinhis, bicos de Blonda de
todas ss Itrguris e suptrior quilidide.cim-
hriis de cores fins, pqrfumiriit luvtt de
sedt e de pellica, de todos os gottot a ttmt-
nhos, meits de ilgodSo e de o dt etooeit
ditos, chpeos de sol pin homem e seobo
n, viriaa cores. Antonio Gomu Yitiar.
Precisi-se ilugtr um molecota uparlo
e de boa conducta para o servido intWao dn
umt cita ingleza : paga-ae bem : qaan li-
vor, innuncie.
- Um ripazportuguaade 15 para 16 to-
nos, t'bflevece pin aataeiro de qualquer
loj de fizendi, do quatotn baila ule prill-
ci, ou nomo pan arrlnaan aw aatacar, o
qutldi flidoriaui rondaett; ayien preci-
tar, taaeJoara aarette jornal.
Pretal para alugar.
Pwaiat^a na raa da Tnpixe n. t arna-
zendaanaear. pata *u bem
- JoSo Vicente .Martiat relirt-so desU
iMaaV awjiai aattattlia -repor Jm
SaJeader. Agudeoe k taaaa at aeataaa ame
o hoararan oom me oooflaaca e anizade,
oa nuMaa abaaquiot qoe receben dellaa, e
Ibes Ovfavcae o eeu fraeq prstino, nquel 11
corta aoa'aotra qualquer pirte toada se
acbar epartuoimele.
Afericio
O arranatante dea ifericrtns deste muni-
cipio sotentiflrt pela terceira vez, que acha-
se quisi agotado o lempo marcado para
aferirem, a iquelles que nos innos iDUrio-
resj* lffl aferido.
PreciM-se de un tmt forn ou cati-
ra : na ra do Hospicio n. 7.
Offerece-se um sacerdote para celebrar
at mistas de /esta fra da praca : quem qui-
zer dirija-se ao lago do Terco n. 29.
Aluga-se pelo lempo da festa ou an-
imalmente a casa de dous andires, defron
te de S. SebistiSo em Olinde, com comino-
dos pin grande familia : a tratar na mes-
raa casa, ou na ra da Ciden do U- cife, lo*
ja n. 50.
Eogommi-se e lava-te toda a quilidi-
de de roupt com todo taaeio e nuitt promp
tidSo, por preco miis commodo do que en
nutr quilquer ptrte : na rut da Agois-Var-
des, a. 26.
-- Alugi-se o segundo indar do sobrado
da ra Direiti n. 90, con commodo pan
grande flvnilia : na ra Oireita n, 93, pri-
meiro andar.
Precisa-se de un homem que trabalhe
de eoxada, entend de vaccas e tire leite :
ni Migdilena, estrada nova, primeiro por-
tfio de ferro. No mesmo lugar lamben pre-
cisa-te 4e un bolieiro.
Domingo 24 do correle,
perdeu-se desde a Passagam da
Magdalena al a ra do Gollegio
urna pulceira de diamantes enfa-
da em peroles ou aljfar : on?ro
a (ver adiado e quier restilui-a,
dirija-se a ra da Cadeia do He-
cile, primeiro andar da casa n
38, qu ser gratificado eat a
quantia que valer a mesma atac
- No bilbar francez da ra Non htverSo
sorvet,es todos os diis, dit < boras da larde
em diente.
"" 5 ---
Lotera d > fto -^e .l.mciro.
Aos 10:000,0 o rs.
Na loja de mindaias da praca da
Independencia n. vondem-se
billietes, meios, quai tos, oitavos
Co
m
pras.
Uulgnoili, dentista
s,offereee sen pretil-
'*
1110 ao publico paru todos ot
nalsteres de *nu proflssao :
SMdeacr procurado a qual-
ajner boro em u* cuso, ua
111a larga do l .aegnndo lar.
+***>9*f9
Fiz pubao o abiixo ilaignado, aoa
teut fregaezat aaata, proviacu e da* oir-
canalabis, que na tut loja da raa Nava
t'ompra-seasincdilacoes de
La ftlartine em 4 volun.es ; quem
tiver, aoouncie.
Compran-te sellias velheiou com al-
gn uso : na ra larga do Rozario, loja de
miudezas n 26.
Compra-te urna crranle ou cordo
grosso, e urna medalba deouro de le, sem
feilio :na ra larga do Roxtro o. 48, pri-
meiro indar.
Compn-se umiduzi de cideini de
pilhioht com elgun uto : na ra do Que-
madon.l.
Compra-ae um cordio que
tenha G palmoc, e um ponteiro
ludo de bom ouro, sem feitio, e
que tenha 25 oitavas pouco mais
ou menos ambis as cousas : na na
das Larangciras, n. \!\, segundo
andar.
Compram-se escravos de am
bos os setos; na ra da Cadeia do
Recife, n. 5i, primeiro andar.
Compr-se um oratorio que lenba de
comprmanlo quitro palmos pouco mtisou
meno, e um sellim inglez usido en bom
etltdo: nt ra di Ctdeit do Recife Iojt
numero SQ.
--Coovprtm-se pin encomendi.umi prel
cssir.^irse SB5as!??''l'ir; na molecote
proprio ptrt oservico deun cisi, eduis
negrotit bois figuras e sadiat: na ra da
Cadeia do Recife n. 50.
Conpn-se um sellim usado : quem
tiver dirija-se a ra da Codeia de S. Antonio
n. 25, segundo andar.
Compra-se um carrlnbo de nfio : ni
rut do l.ivrtmento n. 38.
Vendas.
Vende-se a taver.ia sita na
ra do Alecrim n. a, com poneos
fundos : a tratar na ra da Ma-
dre de Dos n. aO.
Vende-te um cerro de quitro rodtt pa-
ra un 00 dout civillcs, o quil foi lodo pre-
parado ha pouco : na cocheira do Fraucois,
boceo do Capin, na Boa Vista.
Vende-te umt prelt noc, orloula,
qaal sibe perfeitimente engommir, cozi-
nbar, lavara coser oh9o : ao comprador te
dir o madvo da venda : nt raa da 'Cadeia
Velba n. 24, prineiro andar.
e vigsimos da terceira lotera a
beneficio da igreja matrix de S.
JooBaptista da Lagoa. Hece-
bem-se bilb'etes de todas as lote-
riai em troca dos que tem a venda.
Na mesma loja foram vendidos os
seguintes premios : da a5. lotera
4o mont pio,n. 4696-20:000,000
e a707-4oo,ooo ; da lo lotera, do
Santissimo Sacramento, n. 583o
:000,00o e I987 400.000 rs.
Vende-se cera de carniba : na ra da
da Senzalre Velbi n. 100.
Vende-se oovamenteaelo pelo mesmo
preco doiotigo : ni ra da Senzilla Velha
a. 118 Na mesma cata veode so rolo him-
burguecem girrifts, ou m ra di Cideii
0.15,
Vende-se umi toilhi de Itvtrinto sin-
glo, toda ro leidi de bleco : na ra do Ro-
zario da Boa Vista o. 16.
Sihimn luz no RloxbJ Janeiro, v te
acham i venda no pateo do Collegio, casi
do Livro Azul, at teguintes
roltalnbaa para 1851,
orntdts, entreoutrtsgravurat, de um fl-
nissimo retrito di Impentriz, viuvt do Bri-
sH, D. Amelia, econtendo :
0 mno novo, 1 clironici opcional de 1849
e 1850, a chrouologia de 1811 1814, a au-
gostissima cisi imperial, oeactissimo ka-
lendtrio com lodos os seus perlences, dias
de galla, ludlenciis, taboas dosul e la, so-
nadores, depultdos, corpos diplomtico e
consular, febre amarella, eoutns muitas
couias de importancia.
Titulse conte los espedas das diffe-
rentes folhinhis, que tolis conten no prin-
cipio ii materias cima ttpeciflcadts, t
stber :
1. h'olhtnha popultr, contendo instruc-
fOes populares sobre variados objectos de
sciencii, industrii e conhecimentos uteis,
iproveitaveis para todas isclitses do povo.
2.a Folkinha dei namorado*. conleodo o
dicciomrio e lingoigem dis flores, dts co-
res e dit pedns preciosas, com lisia tl-
phibelica dit suti sigiiificioOei, a lotera,
o jogo dis Qnezis, o onculo dis flores,
lotera e o telegripho de -amor, e varas
poesas obre o mesmo issumpto pelos me-
llioret poetas modernos
3. I'olhinha critica e divertidt dos nomes
das ttmStrai, contando o espelho das mes-
mis, qua belmente mostra suts virtudes,
quildidet e defeilos em quidris rimidis.
4.a Folkiukatdi Mria da Fon te, conten-
do o retrato e 1 cbronici cerlt e moito ver-
didein de Mara di Fonte,escripia por mm
que tou seu lio o mestre da Fonle, sipitei-
ro no peto di Regui, didt a luz por um ci-
ddSo domittido, que tem (eonpo pan ludo.
5.* Folkinhat de novellas, contendo eoli-
tos, oovellis e romances esculhiJos entre
ismelhore ooposiqoet jos autores ro-
mnticoi modernui.
I. FolhinJia Ihtalral, contendo os prover-
bio! em um icto NSo ha mil queso nSo
cure A opposicao sysleuiatica pro-
prios pin theitrinhos.
"7." Flhinkt$ de pileriai, contendo umt
reunido 'de pilberits, ratices, anee Iotas,
^cisot a bons ditos, capazes de ftzerem sol-
tar barrigtdts de riso 101 mais serios.
8.* Foihinhai da hiilorim-natural, com no-
cOes dos trea reinse 20 estampas de mi-
nies.
Alinelo.
No Aterro di Boa Vistt, loja de miudezas
n. 5t, vendem-sa dous rices cortes de se-
de bordidt para vestidos, sendo um brinco
e o outro preto, mu proprios para noivs-
dos, ou mesmo para a quaresma : a vista di
boa qttaUdide se dir o preco, pois lie o
maseWimoto potsivel.
-- vendem-se superiorep bolicbinbis de
anrula e regala, blseoutos linos, bollos
frincezes, coqueis : ludo de diversis qua-
lidades, e por preco maiteommodo do que
em outra qnilquer pirte : no piteo do Ter-
co n. 10.
Borzeguins a 3,5oo rs.
No Aterro di Bot Vista, defronle di bo-
neci, troca-se por 3,500 rt. borzeguins frtu-
cezet ptra homem.
Calcado.
No Aterro da B01 Vista, defronte da bo-
neci, be chegido, pelo ultimo mvio frto-
cez, um novo e completo lortimento de
calcado de lodit 11 qualldades, tanto para
homem, como para sonbori, meninos e me-
ninas de todat at idtdet; issm como ot
bem conbecidos sapitOet do Artctty, tin-
to ptrt homens cono ptra meninos: tudo
por preco miis commodo do que em outra
quilquer parle.
Ni roa di Cruz de Recife o. [52, pri-
meiro tndir, bi pin vender um lindo os-
era vo, serrador, por preco con modo.
Para a festa.
Na loja de funileiro di ra Nova n. 38, de-
fronte da Conceic.*io, ha um completo lor-
timento de machinas de fizer caf de todos
os liminhn;; .rala de moldir muilo fss,
viodi diLisboi; vidros de lodos os Umi-
nbot; verniz coptl de superior quilidide,
1 I.OOOrt. 1 libn iisjm cono ht un vi-
rlado aortmento de obras de folhi de
Flandret.
Vendem-se duas lindas ne-
grinhas de 11 annos, qua cosem,
fazem lavarintos, marcam e fazem
rendas : na ra das Larangeiras
n. i4> segundo andar.
Venden-te teit lindos moloques de 8 a
18 innot; teit pretos de 201 SO aonos, toa-
do um ptimo cozinheiro, dout peritos st-
piteiros e um oleiro ; dous pirdos de 90 1
1 95 tnnos, tendo un principios de cirpi-
at ; duas pirdis da 15 117 tanot con ba-
bidades ; urna dita deoitoinnos ; teis pre-
tal de 12 a 2 annos, algumaa com lubili-
dade, proprias ptra todo o servico-. na ra
do Collegio n. S.
Na rut du Cruxes n. 29, aegundo an-
dar, vende-ae urna parda de 21 naos com
eicelleatee habilidades; tret atat, sendo
duit pan o campo a una da Costa, aa ele-
gante figura equitandein ; e urna esersva
da Costa, de24annos, nutopossinte, pro-
pria pan todo o servico.
Vende-se um bom ctvtllo, que serve
tanto para sella como para cabriolet: na
ra de S. Goncalo n. 29.
Vende-se umt esersva de bonita (gu-
ra, que enzinha, cose e lava, e tamben en-
tende de vonder na ra : no sobrado junto
* cadeia, por clzia di cocheira, no segundo
andtr.
3o.
Grtzi n. 30, amis superior que tt bo-
je tem viodo a esle nerca lo, pelo esmero
3ue o seu autor te.n ltimamente emprega-
o. Ksla grasa he a mais prompta em dar o
mais brilhante e atundo lustro, issim co-
mo t methor pira conservar o calca do : ven-
de-se nos irmaiens de J. J. Tisso Jnior,
ni ra do Atnorim n. 35.
Vendem-se meios bilhetes
da lotera de N. S. do Livramen-
to a 5,5oo rs. contendo cada um
os maiores premios : no paleo do
Gollegio, casado Livro&zul.
Vinhode colires.
No trmizem do cios di Alfandeg, de
Fnnciseo Diis Ferrein, n. 7, e ni vend di
ra da Cruz n. 57, vendem-se barris do moi-
to superior vinlio de colares,) por commodo
preco.
Misttos do poro por E. Sue.
Ovipor do Rio trouxo os Misterios do
Povo por E Sue, em 6 volumes : venle-se
por 6,000 ris, no pateo do Collegio cisa do
livro asul.
Lotera do Kio de Janeiro.
Aos ao:000,000 de rs.
Na rus estreita do Rozrio Invest do
Queimido, loja de miu lezts n. 2 A de J. F.
dos Santos Maia : vendem-se os nuto
afortunados bilhetes*, meios, q*uartes, oita
vos' e vigsimos da 3. lotera a beneficiosa
igreja matriz de S. Jo.lo Biptista da Lagoa
na mesma loja estilo ptenles as lisias da
25.a lotera do Monte. Po, e da 1." do S. S.
Sacnment da corte.
Occulos para todas as idades.
Vendem-se oceulos para todas as i Jadea,
pelo barato preco de 800 rs. o par : na ra
larga do Rozario 11. 26, loja de miudezas de
Jo5o Fnnciseo Maia.
MeittfiniSdelinho:
vendem-se ni rui do Queimaio, lojt n. 19.
Na ruida Fraian. 3a, ven-
dem-se saccai com alqueire de fa-
rinha, medida velba, a a,2oo rs.,
sendo em porcao se far alguma
differenca, e sendo sem sacca a
1,900 rs
Ven lem-se queijos do reino oovos, t
1,120 rs. : nt rut Oireita, n. II.
i\Tovdade.
No Aterro-da-Boa-vista,
n. 53, vai-se abrir, nestes 8
das-, um deposito dos mais
variados, ricos e modernos
ostos em obras de alabas
tro, mar more, pedra agatha ;
bem como um Bortimento de
oulras variadas e elegantes
obras em barro cozido e
envernizado, representando
estatuas, lees, globos, va*
os e outros muitos objec-
tos para adornos de jardins,
salas e palacios, tudo do
mais apurado gosto e vin-
dos ltimamente da Italia,
e que por j ter tido urna
raudeaceilaco as praets
do Rio de Janeiro e Babia,
espera-se que igualmente
nao deixar de a ter nesla
praca de Pemambuco : to-
das estas novitJades se ven-
dem por preco commodo.
F|LH1M1AS PAUA 1851.
Na llvraria da praca la Inde-
pendencia, ns. 6 e 8, vendem-se
rolhinhus de algibeira e porta pa-
ra o anno que vem.
s>
*
*
a>

a>
s>
*>

*

aV

Ni loja do tohrtdo imtrello nos ^
quitro cantos dt rui do Quenado n. 2
tem para vender um completo J
tortimenlo de cortes de vestidos de 2
tedt, e brincos, fazenda superior em g
Sosto e qualidade; ditos de cambraia ^.
eseda do7,000 a 12,000 ris ; Jilos -eS
de cambraia decores,iberia, cassis 49
de cores, gostos novos; chita frau- 49
ceza, pidrOes djcassa ; se la de fur- **
la cores, propriaj>ara maUletes e 2
capotinhos; lensos bordados de can- 2
braii de linbo, muito ricos, proprios para noiva ; pino de Imito adamas- -at,
3> cado escuro, com 9 palmos de Urgu 49
* ra, fazenda nleirameote nova, pro-
* pria pira cobrir mesas ; e oatras *
^ muilas fazendas fins de gosto e pre- *
^ 50 muito commodo. S
0***M* JifrAII'AMMM *t>
Vende-se um eteravo crioulo, dltan-
nos, com priocipios de ferreiro, o quil en-
tende bem de cocheira < do Iratir cava los;
sabe botar canoa, remar en lancha e botes ;
tem a i I idade pan todo o servico e he
de bonita figura : vende-se por precisSo
3uem quizer, prorire no grande hospital
ecaridide
*.; una.*
c^r Aos 5:000,000 rs. js> I
Vendem-se bilhetes e meios ditos I
di lotera beneficio dtt obrts da 1
igreja de N. S. do Livrimento, que "
corre no da 21 do correte, vesperi
de festa, e neste mesmo dii compro-
meti se o thesoureiro 1 pigar os pre-
mios que por sortesihirem : a elles,
amigos, que restara poucos, e sen
dinheiro nSo he possivel hiver feste-
jos pelos das stntos da festa. Hibili-
lem se quanto int s, pois feliz dt-
quellequea sorte Ihe houver desti-
nado tal premio : na esquina da roa
do Calinga, loja n. 11. junto a botica
do Sr. Jnio Moreira Marques.
w*a*vwtH wmmmwwm
Vende-se um esertvo denicSo, pti-
mo lerrtdor el dito de 15 taos com prin-
cipios de sapateiro : na ra do Livramento
o. t, te dir quem vende.
Vende -se um civilln ruco, de sella, do
muito bois marchas, castrido, gordo, mui-
to ardigo, e ao mesmo lempo manso, pelo
baratissimo preco Je 80,000 n., en virtu-
de do malulo querer retirar-so : nis Cinco
Pontts n. 62.
Vende-se por 32,000 rs. urna rict nesi
redonda de meio de sala, de nuito bon gos-
to e mui fornida ;ns Cinco Pontas n. 62.
.- Vende-te um rico porta-licor, novo,
com 12 clices e qultro garrafas, tudo lapi-
dado, por 12,000 rs e de multo bom gos-
to : quem quizer, annuncie.
Vende-se por 600,000 rs. umi etcrtvt
de nae.lo Nag com cria, perfeiti engom-
madeira e de bonita figura: trala-se no
hotel Francisco.
Vendem-se 100 viquetas de lustro pi-
ra cubera de cirro e umi burra de ferro :
na ra da Senzalli Nova o. 42.
!
Vendem-se duas pretas de oicSo, sen-
do umi de meit idade, que lava bem de var-"
rea e sabSo, sem vicios nem achiques : porm quasi que em lodos os casos a ilusflo
vende-se para pagamento de urna divida:'tem sido apenas passageira e o doente
pan curar da phtysica em todos os seut
differentcs grios ,iu motivada por consii-
paees, tosse, asthmi, pleuriz, escirros da
singue, drde costis e poitos, palpitacfio
no coracSo, coqueluche, bronchites dr
na garganta e todas as molestias dos orgilos
pulmonares.
De todas is molestias que porhertnca fi-
cim tn corpo humano, nenhumi lia que
mais destru ti va tenha sido, ou quo tenha
zombado dos esforcos dos homens miis
eminentes em medicint, do que aquella
que be geralmente conhecida por moles-
tia no bofe. Em varias pocas do se-
cuto passado, tendu-se offerecido ao publi-
co differentes remedios com attestados das
'extraordinarias curas que elle tem feito;
llntto
ni rut da Concordi, quem vem di ponto,
1 esquerda, segunde ettt terre, se din
quem vende.
Veude-se um terreno ja plan-
tado, com 91 palmos de frente e420 e tan-
tos de fundo, con alicoree para casa terrea
00 sobrado, lendo a frente ja' monda, en
chflos proprios, na trivessa da ra da Sole-
dide ptn iu Siatu estrada do Mangui-
nho, entre o sitio di senhort I). Antonia
Franciaei Cidtvil Pinto e com o sitio do
fallecido lente Antonio Uarcellino de Mel-
lo, no biirro di Boa Vista : trtttr com o
stngrtdor e dentista Jos Andelo, no lar-
go dos Quitro Cintos, junto igrejt do Ro-
irio, burro de Smto Antonio.
I'cchineha para a festa.
Vendem-ae tapitOes de lustro t 2,500,
3,000, 3,500 e 4,000 ra.: no Aterro di Boi
Vistt, loja n. 58, junio 1 de seleiro.
Vendem-se 60 psdettpolis, planudos
em differentes ciisOes de fcil conducSo, e
por isso ptimos pin serem embtrcidot:
no becco do Espinheirov prinein cisi, 10
entrtr pela estrada de Joto de barros.
-- Vende-se un bon ctvtllo novo e tem
chiques, que xerve tinto pin sella como
para cabriolet: 1 ra de S. Concalo n. 29.
Vende-se urna tivern com poneos fun-
dos, em Fon de Portes, rui dot Guinn-
pes, n. 8'. a tritar na meima, que todo ne-
gocio se Tari.
Vende-ia cera de ctrntbi de muito
superior qualidade : ni venda atrs do Cor-
po Santo n. 57a
torna 1 recabir em peor estado do que se
ach vi mtes do applicar o remedio tito re-
commendido outro tanto nSo acontece
com es te extraordinario
Xarope do bosque
Novaes & Compinhia, os nicos 1 gen tes
nestt cidide e provincit, nonetdos pelos
Snrs. R. C. Vates r.imp;nhi. agentes
genes no Rio-de-Janeiro nudann o de-
pasito deste xarope para a botica do Snr*
Jos Marta C. Rimos, na ra dos Qutrteit, n.
12, junto ao quartel de polica, onde sempre
achirlo o nico e verdadeiro, a 5,500 rs.
cada garrafa.
Vendem-se 14 etcrtvoa, tendo t ofllci'
de pedroiro, de bonili figura; 1 dito cir-
reirn ; um moleque de 8 pin 9 innoa, mui-
lo lindo ; 6 esenvts mocas, d bonitas figu-
ras, eentre ellat ilgumit com hibililides ;
e 5 etcrtvoa pira o servico de cimpo : na
rui Oireita 11 3.
Vende-se um moleque crioulo, ptima
figure, proprio pin copeiro ou liciio, par
dessis occupacOes ter nuila pratica : na ra
do Amorim n. 15.
Franjas para mantelletes.
Nt laja de Jofio Fnnciseo Miii, na raa
Urg do Rozrion. 20, veadem-te fraajis
para minlelletes, pelo binto preco de 560
rs. a vira.
Ceblas
1 640 rs.'fl'eento : vende-se no trmizem de
Cimpellq Filho. rut dt Ctdeit 4o Mcife
u.64. %
*/



K
Na ra larga do Rozar o, n.U,
vende-se uma mulatinha de 19 annos, mui-
to linda e recolhida, propria pifa se edu-
cir, pois j* tcm principios de costura ; urna
preta crioula, de'20 annos, que engomma,
coso e cozinlia ; o 3 pretos ptimos trsba-
Ihadores de enxsda.
Na ra do Vigrio, n. 21, primniro an-
dar, vendem-se superiores vinlios engarra-
fado*, chipados ltimamente, como sejam :
moscatel, carcavellos, etc.: tambem se ven-
do marmelada muito bem acondicionada ;
retrnx sortido de muito boa qualidade ;
mercurio doce em latinhas de duas libras.
Vendem-se bonitos mole-
coes, ptimos para o trabalho de
armazem de aaaucar, por seren
muito fortes ; 3 pretas de meia
idade, muito baratas e duas pre-
tas mocas : ludo em conta : na ra
das Larangeiras, n. i/j, segundo
andar.
\ tnilc-le superior fuiinliu
gallega, em meias barricas : no eseriptorio
do lieanu Yuulo & C. ou em seus armazeus
do becco do (oncilves.
-- Vndem-se saboneles higinicos, 'o
mais superiores que teem viudo este mer-
cado, assim como outras pe fu mar ias muito
finas ; na roa da adeia Vclha n. ', prl-
iiu'iro andar-
Cal e polassa.
Vende-se a mais nova e superior potassa
i|ue ta no mercado, e cal vigem em pedra
cliegada pelo ultimo navio de Lisboa, por
prego commodo : na ra da Cadeia do Re-
cite, n. S, a fallar com Cunta & Amorim ;
assim carino um restante de barris da mes-
macal, que flcou da safra passada, por ba-
rato preco.
Venile-se urna sextante nova feita por
um dos melhor es autores de Londres e tam-
ben) um O'risoole artificial e um thep lilele :
na ra do,Trapiche armazem n. ti.
\ao e exaeaiao.
Vendem-se SipalOos de como de lustro,
obra muito boa, a 2,500, 3,000 e 3,500 rs. :
na ru da Cadeia do Itecife, loja n. 9.
Cobertores de tpete para
es-cravos.
Ja sa vendem os acreditados cobertores
de tapete para eseravos, 790 rs. cada um ;
por isso ven ti m a elles antea que se aca-
ben), ou passem para mala alto preco : na
ra do Crespo, loja da esquina que Tolla
para a cadeia.
Ilap Pau|d-Cordeiro.
Vende-se efectivamente este excellenle
rap,na ruada Cadeia doftecife, n. 50, lu-
la Je Cunta Al Aiiiurim.
A i,6oo rs.
Vendem-sa novos cortes de brim tranca-
do escuro com duas varas e meia cada corte,
a 1,600; cassa franceza de bom gusto,a 2,600
rs.; pecas dn esguAo de *igo cum 12
varas, a 2,400 rs. a peca ; cobei lores de al-
godo de cores, a 720 rs. ; na ra do Cres-
po, n. 6, loja ao pe do lam eS.
Pecas de esguiSo a a,5oo rs.
Na loja da ra do Queimado, n. 17, ao p
da botica, anda lem para vender pelo ba-
rato pre^o de 2,500 rs. ; pecas de esguiSu de
algodflo, com 13 jardas, muito proprio pa-
ra camisas de seubora, |or ser mais largo,
que o madapolSo.
Para acabar vendem-se,
na ra dol)ueimado, loja n. 17, cassas fran-
cezasde ISa abortas, e de padrOes muito
delicados, a 400 rs. O covado ; cambraias
de cores modernas, a 560 is. a yara ; chitas
franceza do melhor gusto que lem vindoa
este mercado, a 320 e 360 o covado. Do-se
as amostras.
Depsito de cyl virgem.
Na la do Torres, o. 12, ha muito supe-
rior cal nova em pedra, chegeda ltima-
mente de Lisboa no brigue Tarujo-'lcrceiro.
Cabecndas inglezas.
Vendem-e cabecadas inglezas rolicas e
chatas, loros e silbas de 19 : na ra do Tra-
piche n. 10
Vende-se superior e muito
nova farinha de mandioca, cliega-
da agora do S.-Calharina pelo Ori-
ne Soares, ancorado na volta do
oile-do-Maltos :
ltimamente : na ra do Afeorlm n. S5, ar-
nazem de Tesso Junios.
I'otasiftda Knssirt.
Vende-se potassa da flussia, recentemen-
le cliegada, o do muito superior qualidade
na ra do Trapiche, n. 17.
Nnbonete gxniitle n Sor*.
Vendem-s sabonetes grandes, a 80 rs.
froco, a lOOra.a vara: no Aterro-da-Bo-
Vista, n, 48, loja. A ollesquehe pouca por-
cao.
Lotera de N. S. do Livramento.
Na pract da Independencia, n. 4, loja de
miudezas, vende*m-se os afortunados bi-
thetes, meios, quartos, decimos e vigsimos
la lotera de N. S. do Livramento. que cor-
re imprelerivelmente no dia 24 do crranle.
Billietes 11,000
r,500
qnem a quizer
comprar por menos do que em o
tra qualqer parle,dirija se a bordo
doirfesmo navio, ou ao eseriptorio
de Oliveir,', l'siva & C., na ra
da Aliandcga-Vellii, n. 5.
Vndem-se bilbelcs da Iole-
ria de N S. do Livrsmepto : no
pateo d>> Coliegio, casa do livro
tZIll.
Um preto bom cozinlieiro.
Vende-se um preto dp bonita figura, bort
cozinheiro e melhor comprador, cabe[lerei-
ro ebarbeirrj, e he de boa conduela : na
ra larga do Rozario, n. 48, primeiro andar,
se dir auent vende,
'oft sarcos novos de e-topa.
Veqdem-e 100 aece novus de estopa e
algodSo, por atacado a 320 rs. cada um : na
ra larga do Rozario, n. 48, primeiro in-
dar.
Bou negocio. tf
Vende-se ou Iroca-se.por casas terreas ,
uojaAerrcno sai fronte do quarlel do Hos-
picio, o qul tam uma otarla leudo de
frente 107 palmos e de fundos desdes ra
da Aurora al a do flospicio: est terreno
tem logar pan se edificar 15 moradas de
caasfcom mfs de 30 palmos "de frente, .
200 de Ntidos: fz-se negocio rom lodo o
terreno ou com melado : na prac da lurte-
pendencia n. 17, para tratar. '
Vende-se raj superior de Paulo Cor-
detrft; na rus da Cadeia do Recife loja de
JoSo Jos de Carvalrb Moraes, e igualmen-
te t rend na mfesnia U.j-t penas de ouro
com bieos de ojiapiantes.
A ellas antes que se acabem.
Chegtrrerfi os procurados patos de cou-
ro de lustro di brrih'W de 2,000 a 2,400 rs ,
obrafbrie: Os ra. di Cadeia do Recife n.
sssf--.
rtHflftl nova di mir SSSF, cliegada
es-
na
Meios
Quartos 2,600
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Vende-se bichas pretal grandes de su-
perior qualidade porametade do preco que
os birbeiros alugam; na ra da Cadeia do
Recie n. 2.
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeos de sol de seda preta
e de cores, a 6,000 rs ; ditos de panbinho
para homens, senhoras meninos, por pre-
co mais commodo do que em outra qusl-
quer parte : na ra do l'asseio n 5.
Vende-se superior vinbo de
C.liampariba A Y, o melhor que ha
no mercado, por preco commodo.'
em casa de l\ Adour & C, na ra
da Cadeia do Recife, n. 52.
Vendem-se as verdadeiros e eprecii-
veis charutos de Ha vana la Norma : ni ra
da Cruz, n. 1.
Superiores vinhos
Na ra da Cadeia, n. t,
vendem-se excellentes vinhos de.di
versas qualidades. tanto engarra-
fado, como em barris, sendo do
Porto, Figueira, Rcelas, Madeira,
Cracavelos, Colares, Moscatel de Setuhal,
etc.; assim como outros mallos gneros de
ptimas qualidades, e de que aempre esta
prevenido este estabelecimento.
Vendem-se as bem contie-
ndas pilulas de Morison no
criptorio de A. S. Corbelt
ru ai Cadeia, n. '|o.
Vende-se espingardas Anas para cafa':
na ra Nova, loja de ferngens de Jos Luiz
I'ereira.
Novo ti-m de coslnha.
Chaleiras, frngideiras, i mellas ecassaro-
las de ferro forradas de porcelana, facas
com cabos de marllm e tau.bem de os muito finas, bules e cafeleiras de metal,
hacia de rame para ps e banho, maquinas
para caf ; vi iile-se na rus .Nova loja de
ferngens n. 16 de Jos I.un 1'ereiia.
I Spii ilii de 38 gt-os.
Vende-so espirito de 38 graos a retal lio a
1,000 rs. a caada : na destilafSo da Iraves-
sa da Concordia.
Cheguem ao barato.
Vende-se muito boa farinha do Santa t*-
thariua : a bordo do brigue Uo, fundeado
ao | do trapiche do algodlo, a sele pata-
cas oalqueire, medida vellia, sondo poi-
eSu ila-Mi a 2,000 rs
fortes de rusemlm, a 3,5ooo
n 4,ii(i rs.
Vendem-se cortes de ieasemira de cns,
a 3.500 e 4,000 rs.; adveniu lo aos amantes
do bom e barato que est fazeuda he dos
uielheres gobios que tem vindo ao mercado,
por isso recouimenda-se que veiiham a ellas
lantes que se acaliem : na ra do Crespo,
oja da esquina que volta para a Cadeia.
Cigsrrilhos liesosnbes.
SSochegados os excellentes cigarrillios
hespanhes ao deposito da ru da Cruz, no
Itecife,, n. 49.
Bom c barato
Vende-s a bordo do brigue U3o, fundil-
lo junto aoTrrpiche do algodSo, mui(o boi
farinha de S -Catharin, a precb de s>t* pa
tacas o alqueira da medida yeltia, vende-se
por menos preco ptfcSo gradde, por jt ter
parte della vendida.
He liaratiSsimo.
Vendem-sn ricos cbicolinlios, a 600 b 800
rs. ; charuteina domadas, fuyenda milito
[Superior, a 1,800 rs. ; pcrtles com espellm,
proprips para suissas, a 320 rs. ; escovas fi-
nas com espelho, para clice a 1,000 rs.:
carteirs com mola par guardar diuho, i
6i0 rs. : livi'liuhas douradas e pratealas
para coHbte calcas, a 2O0 rs. : na ra do
Queimado, n, 33, loja de miudezas, juntos
Na loja do sobrado amarclln nos
quatro Cantos da ra do Queimado n.
2>, vende-se o scguinl- :
Cortes de calca de casemira,
padrOes novo*
Ditos de dita dbrirr. trah-
. cado de cores, puro linho
Alpaca de cores, propria pa-
ra eaaeeae pabl, covado
(.peos de ma-sa,i"rancezes
Lencos de seda para grvala
SOOrise
l.uvns finas de lio da F.scocia
para bomem
Corles de tapete para sapa-
tos, gosto t Tarea
Cravalnbas de seda para so-
nhera
Chapeos de sol de seda para
sernSora a 2,500 e
Pecas de chita com 38 covs.
Ditas de cassa de quadro
com 8 1|2 varas
Certa* de cassa de cores
Lencos de cambraia de sed*
de franja, para senhora
Meios chale* de seda
4,000
S.OfO
80*
6,fi
1,000
120
800
1,000
6,000
5,000
t,280
2,000
800
6,000
Cartas lini.s.siinas para jogar.
Vendem-se cartas francesas e portugue-
ias, o mais fino que se ple encontrar, e
por preco* que nflo deixarlo d,8 agradar Sos
compradores : na ra dofjuelmado, n. 3,
loja de miudezas, junto a de ceia.
Bum e barato.
Vendm-se cartiriuhas com aglhas fra*-
cezas, a 380 rs.; ditas em eiixlnhas, a 390
rs.; caixinhas com brlnquedoj par* meni-
nos, a 480 rs;; ricas franjas proprias pira
cortinados de camas, por preco que nin-
Suem vende; tesourinha* inglezas muito
as, a 500 rs.; superiores escovinhss pa-
ra dentes, a 1*0 rs. fquadrozinhos dOUrs-
dos com estampas de santos,,,.120rs.; li-
nha de peso, a 60 rs. a meiada; agulbas can-
tofis, a 60 rs. o papel; pentes finos de ali-
sar, a 360 rs.; bengalinhas de junco, a 900
rs.; agollieiriohus de vidro, a 200 rs. : ba-
bados abertos do linho,'*'120 rs a vara;
meias brancas para senhora, 320 rs.; e
outras militas cnusas que pelo diminuto
preco n3o deixarHo de agradar aos compra-
dores .- na ra do Ouelmado, n. 33, loja de
miudezas, junto a de cera, oos quatro-
cantos.
Vende-se um lindo pardo
escuro, de ao snhos, bom forhei-
ro, e qe abe faxer pld Se todas
as qualidades e bolinhos : ni ra
das Larangeiras, n. 14, segundo
andar.
lucas grvalas de mola
Vendem-se ricas grvalas dn mola pretis
edHcic, pelo diminuto preco 1,600 e
2,008 rs. : na ra do Queimado, n. 33, loja
^miudezas, junio a de cera.
Mola para gra?atas.
Vendem-se molas para grvalas, por pre-
co que nSo deixari de agradar aos compra-
dores: ni ra do Queiumdo, n. 33, loja de
miudezas, junto de cera, nos quatro-
cantos.
Pentes de tartaruga.
Vendem-se superiores pentes de tartaru-
ga para marrafas, pelo diminuto preco de
800 rs. o par: na ra do Queimado, n. 33,
oja de miudezas, junto* de cera.
Vendem-se ricos apparelbos
para jantar, de muito boa louca,
mitando a porcellana ; na ra da
Cadeia, n. 48, eseriptorio de A. S.
Corbelt. fl,
No eseriptorio de A. S. Cor-
belt, ha ra di Cadeia, n. 48
vende-se chumbo inglez d mdni-
co, muito bem sortido, ciii por-
roes de cen quintaes para cima,
por preco muito commodo.
Vendem-se 8 escravos. sendo i linda
mulatinha recolhida de 18 anuos, perfeila
eiigoiumadeira, costureira efa.z in r-
ranjo d* urna casa, muito diligente ; 1 dita
de 30 annos que en gomia* e cese a be boa
regedeira de uma cas*, eembas de exem-
plar conducta, que se alianca ; 1 moleque de
10 anuos muilo esperlOe de bonita figura;
5 pretos muito mocos, bons para todo o
servico: n* ra da adeia do Recife, n. 51,
primeiro andar.
Caivetes de machina.
Vendem se superiores caivetes de ma-
chn de apparar pennas, ptimos pan
qnom fflreorio da vlst, peto bantlsfmo
preco de 800 rs cada um : na roa do Quei-
mado, n. 33, loja de miudezas, junto a de
cera, nos quatro-cantos.
He muito barato.
Vendem-se bonetes france.zes de panno
fino par bomem, ptimos para quem passa
a fesls, a 2,000 rs. ; ditos de velludo e pao-
no fino para meninos, a800 rs.: na ra .do
Queimado, n. 33, loja de miudezas, junto a
de cera, nos quatro-cantos.
Vende-se, por preco com-
modo, ma porcao de carvao arti-
ficial : na ra da Cadeia, n. 48
eseriptorio de A. S. Corbelt.
Vendem-se charutos de bos
qualidade, em caixas de ca|0, os
melbores que teem viudo da Ba-
bia : na ruada Cadeia, n. 48, es-
eriptorio de A. S. .Corbelt.
Unja tkda b6a coslnheir.
Vendem-rta1 ^onlta parda de 20 annos
boa cozinlieira e engommadBira, de boa
londutao que se afiapca j e um preto bom
trabalhadordeenxada, muito robusto: na
ra larga do llozario n. 48 primeiro andar.
Chitas roxas para luto a lao rs.
Vendendem-se chitas roxas limpas, pan
lucto aliviado 190 ris o covado, peca
a4,50Oris[ cortes de cambraia, boa la-
zenda por ser d cores flxas a 2,600 ri* : na
roa larga do flotado n. 48. primeiro andsr
Vendem-se peslnhos de rozeiras de di-
versas qualidades, e craviros tambem de
mellas qualidade; qaet* pretender so-
nando.
-Vendem-se um par de brincos de ma-
gra, obri mnito bom feita, assim como es-
patos de doraque preto para senhora : na
ra do Llvramonto n. II.
Vendem-sa jramra nls traotada a
120 ris, lisas a 100 ris ; chitas decoberta
a tOO ris, de vestido 160; fmrtfles 400
e 940 ris; risesdos d c*lsj 940 ris ;
meias de linho means 900 ris, Jaqoetas
pequeas a 400 ri; suspencorios finos de
meias 80 ris, challes de cass a 400 40
ris, meias de senhor|a 490, 400 890 ris,
baeta a 560 ris, CMl* do odas as qualida-
des ; uto* rama' de eglco, 1 mes* de meio
do sal*, 1 arappa geograptiiooobm a cuitas
emFrncM: na ro* dasLaraogeiragn.99.
Vendennee camv de torra t m rba di
Trp/xa n. 9,*rmarem deasuoar.
Vndem-se meios bilheles da leteri de
N. S. do Livramento que corre impreteri-
velniente no da 24 do crrante ss 8 horas
do dia no eoni*torlo daigrejadamesma Se-
nhora, 6,000rs.: na loj* de enefdernacBo
praca da Independencia n. 12.
Na ra do Crespo n. II, loja de miude-
zas, vendem-se gargantilhas francezas de
cores muito limlas proprios pra adornos de
aenhoras que tenhsm de assistir a mlti do
gallo, sendo o cusi de cala nma a qutntia
de 400 ris moda a vista.
Vendem-se queijos londriuos ullima-
mente chegados de Liverpool na galera Bo
nito, aseim como conservas de carne e fru-
ta, e mw outros gneros ltimamente che.
gadog^for preco rasoaval : na ra da Cruz
n. 7, armizem de Dawis & C.
-- Vendem-se uma porclode wadeira j
preparada para uma ou duas casas, a qual
heescolbiia e de boa qualidade: quem a
quizer examinar pode dirigir-sea Ciapunga
Do sitio do fallecido Lasserra, que achar
com qnem tratar.
Vende-se uma linda sabli da malta,
que seu cntico entrelem a quem tem bom
gosto, tambem veniic-se o eompanheiro,
que be o mais rico conclis, que no seo can-
tico arremeda a todos os bichos eboU fo-
gueles ; tambem se luga uma preta para
cozlniar, a qual "ntende de vender qui-
tanda : paga-se adiantado o mez : as Cin-
co Ponas, ultimo sobrado do Isdo esquer-
do, quem vem do Terco.
Mndainu, Kosn llunly. modista
lirasileira, na mu Nova. n. 34.
Madama Itos* llardy ten o prazer de avi-
sar a todss as senhoras de.bom gosto, que,
lm din hiendas j annunciadas, recente-
mente se ach* provida de um completo *
esplendido sortimenlo de novas e finas fa-
zendas, conslstindo em magnficos manto-
leiesie capolinhos de furia-cores adamasca-
dos ; (II9 dqililos de diversas e ricas co-
res; fitos em Franca ; ricos capotinho de
muito superior Ot de linho; lindos chapeos
uara si
W.
fl*"-
r ib*, i.w. .o
ento; benitas
brancas; di-
de'sed* para senhora de' moderno gosto, e
despachados ha poucos das ; novo e supe-
rior pru* de Nipolles preto o furta-cor ; no-
vas e delicadas fi unjas preta, proprias para
manteletes ; bonitas trancas pretas e de.c-
res ; lino chamalol preto, de muita cons
lencia ; superior sarja preta ; luvasjia pel-
lica branca, eufeitada, com ricas llores e
req"oifes, ffopnas para csame
e superiores romeiris de fil, bra
tas de linho bordadas ; pennas e novas ca-
pel las para cassmentos e bailes ; um com-
pleto sortimenlo de flores para chapos, da
mais (loas que tem apparecido ; tin los len-
cinhos de selim de cores para senhora e me-
ninas; e outn muitis fazendas queserfio
tenles aos compradores
9 Deposito ge ral do superior ra-G
fabrica S
&C.
9 na Babia.
Domingos Alves Uattieus, agente da
^fabrica de rap superior Areia-I'reta da
Wllahia, tom aborto um deposito na ra
VJt Cruz, no Recife, o. 99, primeiro an-w
Q Jar, onde se chara sempro deste ex"-0
Ocellenlee mais acreditado rap: ven-1
Ode-se em notes de uma e meia libra,1
Qpor preco commodo. O
"r lepusuu gcrai uo suj
^ p Areia-I'rela da
O de Gautois l'ailliet
ACID\DEDEP\RIS.
' 'ti .r?E. S'l
luu do <'oIIokIo U. 4.
Nes'te novo Ulielecimenlo e acha sem-
pre um grande e rico sortimenlo de cha-
pos de sol, dos mais modernos e variados,
para bomens e senhoras, tanto de seda co-
mo depanninho; lindo sortimenlo de ar-
mtcoes de baleia com cabo de marfim, <
outra par* se cobrirem de seda, que bSd
de agradar aos compradores ; chapeo* de
sol, para bomem, de chamelote decrese
pretos ; ditos de seda de cores, pretos, la-
vrados e lisos, de 4,(00 rs. para cima ; ditos
cooiarmacAudeaco, mullo fortes, de aeda
e de rhamajole ; ricos, chapeos de sol, pan
sanhura, de lindaa iMti e franjas, todos
frralo* pos dentro e corn cabos de mr-
fim, os mais bonitos,que se pdem desrjar,
o proprios para prsenles de fesla ; ditos
mais simples de seda com franjas e singel-
lo, de 4,000rs pra Cima; ditos de pn-
ninhn imitando sed, com franjis e sem el-
las, de 2,000 t 3,500 rs proprios para rhe-
n1na andarem na escola ; chitos d sol,
de panno psra borneo, de toda as cor* e
Vende-se 1 lindo moleque de 18 anno,
cosinheiro e copeiro, proprio pira pagem;
2 pretas engommandeiras o cosinbeiras; 9
ditas de servico de campo; 1 pardo carrei-
ro ; 1 preto de 20 annos, tanoelro ; 1 dito,
le servico de campo no pateo da matriz
de Santo Antonio, sobred 4, se dir
quem vende.
Luvasde pellica.
Vendem-se muito suporiores luvas de
pellica de poni inglez para bomem, a 1,800
rs : ni ra do Queimado, n. 33, loja de
miudezas, junto a de cera, nos quatro-
cantos.
Luvas de lor$al para senhora.
Vendem-se as mal s.'Wfes luvas de
torcal qu se pode encontrar, a 1,000 rs o
pir : na ra' de Queimado> n. 33, loja de
miudezas, junio a de cera, nos qualrd-
danlos.
Meias de laia para padre.
Vnr1.>fti.ep so peere meias de laia par
padres, pelo harltiasimo preco de a,000 rs. :
na ra doQu :iniadb, n. 33, loja de miude-
zas, junto a de eera, nosqua.t.re-caiUAa.
I,uvas de (oresde fio da Esrocia.
Vendem-se luvasde fio da F.acoci, sem
deleito algum, proprias para montara, pe-
lo barato preco de 120 rs. o par : na ra d
Queimado, o. 33, loja do miudezas, junto a
de Cera.
Carapiicaa de seda preta.
Vendem-se canchees Be leda preta para
homen.. 640 r., preca este que fz ad-
mirar: n ra do Queimado, o. 33, loja de
miudezas, junto 1 de cera.
Toucas de seda pretas para
crianca.
Vendem-se toncas de sed pret par
crianc, pelo diminuto preco de 500 rs.
na iuadu Queimado, B. 33, loja d miodc-
zs, jahtna deeert.
Lustro para ipiti.
Vende-o graxa em latas, superior a Oli-
tra qualqer que appareea no mercado,
pelo diminuto pre de 1,396 ri* a duzia, e dualidades, -Unto de armaQlo d ee Como I
a !> ris a laia : oa rae DiteHa lid teja aja kh*., W idv i 3,OSS i iios c\
de miudezas.
cabo d latSo e do madeira, proprio
aenliorea e faitora deengenho; gran'-
ldsorlfmentodeedase pannos m pecas
de todas aa core e qualidades, pra cobrir
armaaflas servidas ; variado Sortimenlo du
cabos de marfim dos mais rico*, a de outras
omitas qualidades para chapo de sol, de
homem ; gifal sortimenlo de bengaits
oliicote. Tambem aeconcertam e cobrara?
se todas as qualidades deHapos de sol 0
Bengalas. Todosesteaobjeeia se vendem
em porcSo e a retlho, por menos preco do
queem outra qualqer parte.
(Na ra Nova,' n. 8* oja de Jps
Joaquim Moreira k C. ,
vende-se um rico sortimento de
franjas pretas para manteletes e
capotinhos, por prec,o rasoavel.
Jos joaquim Moreira & C^ora
loja na roa lova, n. A,
annonciam para veWrW>pr Preco mdico
m oajlriteS bjeeto : cabecees de fil de
linho para fra de vertidos, feousijfc Cos-
to intiraeieht nots no rfterealiTWmi-
sinhascom sus gollinhas, o fnaisbem bor-
dado possivel, msoguitos e meias mangas
de cmbrai e lil de linho; gollinhas de
fil liso guarnecidas de fita cor de rota ta-
inos de bico do teda; brarcos o pretos e ou-
tros matizados de cor de-rosa; pentes de
tartaruga para prender cabello, que sem
exigeracSo ae pl aTer aerear oa methores
iiue aqu teem vindo.
Na ruada Cadeia-Velha, primeiro an-
dar da casa n. 24, de lanoe! Antonio, di/*''
va Uniones, fiMMtun rico<|(
de chapos de plna da Italia, abertoa pira
Senhoras, Camiseta* de cambraia, 'clari-
oSo, romeir, rhnROlto*,punhos, ludo
eteellentllhvenle Tiorila t, breo finissimos,
rica* fitss, capotinhos e manteletes! fil
n de eda pretos, o outros objectoa ae gos-
to ; bem como um completo sortimento de
rizenda : ludo se vende por preco* muito
rsovel.
Vendem-se relogios de ou-
ro e prata, patente ingles .* na ra
da SeizHa-Nv, n. 4a, .. ^,,
yende-se cobre, metal ama relio, e pre-
gos para forro de navios, por pfeajp com-
modo : emciti de A. V da Silva Barroca,
na ra da Ce de ia}. do Recife. w. 49. -;IJ
HUtiLjJ.,_,LJ-lian II ... J.1 -^ajaT
I
soravos
*l". JH
lucidos.
--------------,lln ,' y.
as Baanna, oe a>(vuw d,v*v i ui,g; c{
panno trancado, muito graiuM ferie*,l
50,000 rs. de graliflcaco
quem spprehender um rscravo marirvhei-
ro, de nome Filippe, de oacflo Uoosambi-
que; hebaixo, barbado, .nariz chato, de
36 annos, Mis bem ; fuftio de bordo de
brigue Carolina, no da 24 da novembro ;
fui encontrado para as bandas de Olioda ;
levou uma camisa "branca e outra de ruca-
do azul e braceo por- fon ; calcas de algo-
dSo azul enn botes bra neos dos lados,
chapeo de palh, e levar ao escriplorio di
viuva Giudieo di l'ilho, ou a bordo do dito
brigue, fundiado defronte do arsenal da
guerra.
-- Fugio, no di* 3 dq correte, o prelo
los, crioulo, ofiici! de ourcenejro. de SO
minos poueo mai* ou menos ; be alto, de
rorpo rerer^ido, beico grandea, ctia-
lo: quem o pegar leve-o a ra ds 4>uz, no
Itecife, n. 19, cass de JoSo l.eite Pita Orti-
gue! ra.
Fugio, na noile de II para 19 do cr-
reme, um mulatinha-moco, donme Agos-
tinho, de 15 para 16'annos, de bonita figu-
ra, cabello liso, acabocolado ; lem os dedos
grandes dos res muito grossoa e metlidos
para dentro) foi do s rilo .* he muito fal-
lante : quem o pegar, leve-o seu senhor
liento Jos Tveieira, na-ra da Cruz n. 90,
que ser generosamente recompensado.
5o,ooo rs. de gralificcao.
Fugio, no dia 11 de abril do presente au-
no, a preta Mari Joaquina,denacflo Congo
de30a 40 annos, baixa e cheia docprpo.eara
larga, cor retina, othos vivos* HN gno-
des, fHcdes grosseiras ; lem u "pequeo
signal de carne sobre o fecifo snperiOr do
lado direilo do nariz. Esta preta j foi e-
crava dn engenho, e o anno passado era ds
uma crioula de nome Felicidade com quem
dita preta andava pelo mallo vendendo
miudrzas por rujo mollvcella sabia quesi
todas a povoacoes desta. provincia j lie
muitoardilosae capaz de Iludir qualqer
psso qu a n9o conhec, |de incobrrra
u fuga CBm o uegoeid de miudezas, pols
joulra vez que fugio fW pegad oo enge-
nli*8-Anna codi um Dalalo de ailudeza
queaudava endendb. Quem a pfgar leve-a
a praeadavlndepeldenria, n. 17", que rece-
ben 50,000 is.de gralilicacso. e quem del-
la der noticia certa recbele 0,0(0 rs.
FuglO, no di 10 do correte, oOKra-
vo crioulo, d noo>* Jos, de 40 annos, altu-
ra regular, eheio do corpo, olhos amarel-
lo, rosto liexigoso, ps chalo* e grossos ;
levou cale de IS'eicura : quem 0 p*gr,
leve-o i eu senhor, no armazem de sau-
car, lrgo do peWbr+nhoT na.'S o 7, de H.o-
mo Antonio da Sllv Alcntara.
No dia 13 do crtente fogk o errvo
Fnricisro. de nXf Mufamblque, rgoda
um olho, levou calf camisa de algidlo
da trra ; hebaixo echeiodo corpo, art-
plnh rrearida e barbado : quem o pegar,
ieP-o i roa di Crox do Itecife n. H, em c-
a de Joto l.eite fita Ortigueir.
Fugio no di 10 de dezembro o firelo
da Costa, aem marca enhuma d* signal d
u* Ierra, da Mihe Manuel, Idade M a 30
annos, alto, magro, com pouess suissas, le-
vando oIsa Branca toda rasgada, camia
de rearado asul eom um remend as cot-
ias de algodBo da terr, crraajo de palb j
velho ; paga-se Com generosida.le a qual-
qer testo* ou gentea de-poliefa, Ou nP"
t.ics de campo, quem O pegar levalloa
Fora de Portas cara n. 57, a falrar com
viuvdeJos FernndedSilvslfota J-
nior ; desconfia-se que o dito "pfnib eWej
acuulido em casa dealg-um patente forro.
--l'ieciai-se de um ama para comprar
ecoi'tilrar: ha ni d Cnceiglo d Bu*
Vista n II. *
-- Fugio no dia 15 do rorrent um B">"
leque de na ello da Coila, Idade 18 a U "
nos, de non>e Jos, leudo djm& **
guiute* : rosto bastante tarhawa, olhoi
pardos, un brelha com um pedacb de uie-
nos, falla embancados rga-se a quero o
pegar de 0 levar vHIa do (Abo a >M s*
idior. Franobt de Vaea Bar reto.
.....- --"'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E35MP0ED8_3A3PAJ INGEST_TIME 2013-04-24T20:01:03Z PACKAGE AA00011611_07239
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES