Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07236


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXVI
_


' rARTiDAs do* coannos
flolanna cParahlba, s segundas e citas feiraj.
RIc-raode-do-Norle, todas as quintas felras o
inrlo-dla,
Cabo, SerlnhAem, Rio-Formoso, Porto-Cairo e
Macelo, nol.'.a II e 21 de cada mci.
Garanhuns e bonito, a 8 e 23.
tJoa-Yita e Florea, a 13 e 28.
Victoria, s quintas felras.
Olihda, Udos os diu.
IMEMII1BU.
-Nora,
Creac. a n, as o n. e r/m. aa t.
Chela, a 19, as2h. e35m.d.im.
Mlng. a 25, s 6 h. H m. da t.
V ^'-M^wa
*
npUMAB DX BTOJE.
Prlmeira a l hora e 18 minutos da tarde.
Srgnnda a I hora e ii minutos da iiianha
de Dezembro de 1850.
.
N. L>84.
a 3, ai 2 e 56 in. do t.
a 11, as 6 h. e 17 m. da t.
jtkeoo na strBscairoAo.
Por tres mete* (adiantados) 4|000
Por aeia mc7.es 8/UOO
Por uui auno 15fuUu
mo m
PARTE C'FFIGUL
GOVERNO DA PrUJVlNClA.
EXPEDIENTE DO DA (0 DE DEZEMBRO.
Olllcio. ~ Ao comman lo das armas oon-
oedendo a autorisa^flo que pedio par* no-
mear mais dous segundos cirurgiflos dos
corpos para fazerem alternadamente o ser-
ico do hospital regimrntal, vencendbem
uanto irrogado, a gratificaran ,|a ,000
rs. menaaea, osla autns*c!io deve censar
logo qun desapparecam as circunstancias
que a reclaman). Scientificou-sa a pica-
doria militar. ^"
Dito. A thosou'aria da fazenda provin-
cial para mndar adianlar io commandante
do co'po de polica que assim o requisita
es toldos do ofllcial e inais pracas que com-
pon o drsiacamento da comarca de Gara-
nhuns, a contar do 1. de jaoeiro ao ultimo
de mareo de 1851. -- Comnunicou-ss ao
commandante do referido corpo.
Dito. A ornara municipal do Recite,
recommendando a expedicSo de suat or-
den* no sentido d* serem receidos no ce-
milerio, e sepultados do fugar por ora pa-
ra esa fim destinado, os cadveres dos ani-
dados da hnlia que paca isso forem all le-
vados, dundo o guanta ou pessoa, que ac-
ta Imenla ata incumhidn de vigiar aquelle
estabeleemento, a oonta do que se despen-
der, aa commandante do respectivo corpo,
que inimediatamente a latishra Intelli-
genciou-se ao commandante das armas.
Dito.- A Antonio da Silva GusmAn, con-
ceden lo a exonerarlo que pedio do Ingar
de thesoureiro da lotera do theatro de
Sania Sania Izab-I. Communirou-se a
toesouraria da fazenda provincial.
Circular Aos commandanles superio-
res da guarda nacional da provincia, ero
vista do danoslo no artigo 55 das inslruc-
coesque baixaram como decreto numero
722 de 25 de outuhro ultimo, ordenei desla
dala a thesourarta de fazenda, que (ornees
a \ m. os livros para a mairicula' dos guardas
uacionaes e para as acias do conselho ile
revista. bm como o papel e mais objectos
necesaarios para a escripiu-acllo. Logo que
Vo>c. recebar o ditos llares os mandara
necessario para asua silvacSo. Oque es-
crevia entilo, eecrevia vinte annos depois,
na paz da consciancia e do exilio Acrdl-
lei em 18S0, e anda boje o acredito mais
que nunea que se recusaise o throno, as
consequencias de revolucSo de julho seriam
semethantes s de fevereiro ; seriam peo-
res, pola com a anarchii teamos a guer-
ra. o rei Luiz Philippe aceitou pois a rea-
leza como um immeuso dever. que I lio im-
puoham as Ircumstanciaa. Crer quo po-
zara mso nossa rerolutJSo, que Ihe trouxer
o peso de tal corda, he fechar os oihos *
evidencia do contrario. Disse-se de s>u pal,
e com mais justica si potera dizer delle
que, se lnvia um partido d'Orlem, que qui-
zesM derril ar o throno do ramo miis ve-
Iho, nSo era ello desse pa tido. Masquan-
to Tora prudente, fiel a lel nos dois reina-
dos, tanto exagerava nos nltimos momen-
tos os escrpulos de sua leal la le ; e quin-
to, quando I lio foi revelada a grande naces-
si fade da salvacflo da patria, e que adqui-
ri com o concurso da representacjto na-
cional um carcter de legalida le sufllcienie
para o constranger, tanto se entregou com
lirmeza e deeisSo ao movimento poltico
que impedir a Franca. ISuuci homem al-
DIAS DA aTEatAM-A.
9 Seg. 8. Leocadia. And. do J. doi orf. c do m.
da I v.
10 Tere. S. Melquades. Aud. do J. da 2. v. do
civel.edo dos feitoida fatenda.
11 Quart. S. Damizo. Aud. do J. da?, v. do civet.
12 Qulnt. S. Justino. Aud. do J. dos orf. e do
ni. da t. v.
13 Sezt. S. Luzla.
14 i-ab tt, Augrllo. Aud. da Chae, e do J. da
2. r. do civi'i.
15 Udin. S. Eutebo Verieleose.
CAMBIO IM DE 13 DEZEMBRO.
Sobre Londres, 29 3|4 a fld. p.lJOOO rs. 60 das.
* Par, 320 por fr.
Lisboa. 85 a 90
Ouro.-Oocashespanhola...... 29/1100 a 29/500
Moedaa de bVlOO velhas. 16/000 a I6j200
. de 6/400 novas. 16/0110 a 161x00,
de4j000....... 9/uOO a 9/100
PraU.-Pataco* braalleiroa.... I(i I/JJ40
Peso columuarios..... 1/W0 a 1/940
Ditos mexicano........ 1/680 a 1/7W
1MBIC0.
h*rc9;&.v% -i mmj--jZ
asa*
Callarem deltaa melhor que cu, poucos ai con-
(inplarlain de mala parto na esphera serena e ros annos do exilio que separam o seu throno geis. A hatera monconida pelo Tmt$ bem
tranquilla, ain que aa pasas va asua accao. Pas
bem! protesto aqu outra vet que inspiradas
pelas seatlinenioa mais elementares do cora-
$3o humano, simples na iu nrigein, como lu-
o que he natural e verdadeiro, estas virtudes
partielpavam todava, na sua Intluencla exte-
rior, di grandesa do homem que as pralicava.
Este pal lio lerno, era cousrlheiro illustradn,
prudente a firme ; o mes rao homein qu,e poda
escrevsir a oarla que ha postete publleou nea-
SMTladloo, UalM de seos fllhos um plano admlravel, queem ver-
dule tornara mais fcil o uuster de mestre que
o.de alumno. A vida era dura a estes deseen
denles da amiga rafa de niaaos reis, outr'ora
que nada fatiam; e se a Infancia se Ihes passava
eui severas lice par o espirito, amocidade
se Ihepassava na guerra, ea idade madura dos
conselhoa, a vida toda pertencia a patria, o aeu
culto, dep'ds de Dos, era o da igualdadc san-
ia que aprciidlain nos colliglos da patria, cuja
linagem os segua aob as bandelras da honra
3ue para elles nao era una simples Iradlrcao
a nobreza ligada a urnas armas, mas o Insllnc-
t'i Ilustrado do coraeao, e eui tudo o julio ins-
pirado pela rasan.
Tal era a educacao que o rei quera para
seus rilhoa, liberal edouta; Iliteraria e pratica.
cuireinrada com eaprriencU pelo contacta com
nimiiamfemein se deve algum peaar nos du- I ssgenta sobre fundamentos igualmente frs-
do, tmulo, naofol este: -Agrndela di. Pai- | -0-,0 so!lJildoj spp,receu em Aliona
emolanlo relnou, e por isso nao poda lalnrn-lD,'?^,T, W no.estSo multo ma! informado,
tar-se de a haver perdido. Ningueni poder I"11 < domis longe di que Bsrlin oa
auspeitar que culdasse ignobilinente do psa-|1*novrn. Ella velo de l.iege, para on le as
do, nrin de que deasea consideradlo daraorle. Ipecas foram transportadas segn lo or-
na angustia do exilio e snffriraenlo, mais do
que comporta o espirito de um sabio na alma
le uoi chrisia. Cah>ndo do throno acnidou
rn^erev^c^a^Tse^^ra^rt^-'
gou no poder em circumslancias mais diT- P", ?Te?'' e ideP'ndf1nu I"' 'nl'lrafao
"ceis e imperiosas. Nunca homem al- ,ol'UrU do V**0; m*do \' co,""'a-
tum rnr..nin,. ..i ...".T".': d'nm. escrclto, asslsu.am a con.elho. sobera-
pr^sentar o promotor publico dessa co-
gum representou con tal extenaio, por si
so e por lodo o paiz, a oeceasidade ineviu-
vel. E porque essa realeza nflo (ora roco-
nheoida pelos corlalos, aclamada a repi-
ques de sinos, e saudaila pelos mor Jnos
la guarda roupa, esse rei que se s-icnfica-
va nao era mais qua um usurpador! Oh .' a
Franca saudamlo-o com a sua unnime
adheso tinha-lhe feito primeiro ro.i.t ius-
lical '
Dizem mais : se a politics o perda po?
impopular, porque nio mudava de polilic.'
Esta poltica nflo era delle, pesar do
que se diz; era a politics do. bom sensi.
aquella a que os interessas pblicos ohr-
gavam o guverno da revolucSo, decidida-
mente senlium do poder, e que precisav d
moderar-se porque Iriumphav. A poltica do
re era a de que M. tem usa nt escrevis em
1839. A revol iqo tinha excitado a msg-
naco.as psixoes. forca,fazeaJo-se em no-
marc, que designo para os abrir, numerar
rubricar e encerrar, diligenciando que com
prooiptidAo sejam levados a aeu destiu Neste sentido ofilciou-se aos promotores
pblicos. ^^^^^^^^
Com man ti o das armas.
Quarll do commando das armas na cidadt do
Hecifr, em 12 de dettmbrodt 1850.
OltllKM IK) DlA ,\ 20.
Para o (i u expresso no ail. 78 do regula-
metilo, que baixou com o decreto de 17 de
fevereiro de 1832, determino que os ItvJs
capelIQes ios corpos do incito e*iteiiti.
nesta capital fac-m alternativamente sema-
nas, ou das no los dial rrgimeiital, confor-
me parecer mais conveniente roSr. Dr. en-
carregado do mesmo hospital, para que os
enfermos militares redcbain opporluns-
mentu os devidos soccorros espiriluaes, e
sejam assistidos por um sacerdote nos lti-
mos paroxismos da vida. U referido Sr.
Doutor lera o maior cuidado que esta or-
dem se cumpr* sem discrepancia, e far
chegar so meu couhecimento qualuuer fal-
ta que porvenlura se der a resperto, alm e
se providenciar sin tempo.
ios* flcnit di Amtrim BiMrru
litn aWsMs 13.
OrlDfcUDOUiAN. 21.
O Ma. Sr. coronal cunaianOanla dea ar-
>, determina que nasaa a liear libado ao
contingente 'da artimaa eiislaole nesta
cspial u Sr. se.gunflu cirurgifu do corpo de
saudeUr. Manat Aduano da Silva Pontea,
que ser desanclad* oo primeiro batallilo
de cacaouras, vito Ur-ae apreseuUdo ueste
baiainao 0 itspeclivo Sr. segundo cirur-
giao do nirsmu corpo Dr. Zaferno Justino
da Silva MeiMIts.
Antonio Marta Rabetlo.
capilu ajudante de ordeni.
me da rasfio,api>iando-ae na justica.e ioau-
EXTERIOR.
0 Krl IUIZ PHILIPE.
( Cwlntno. )
,/IIs owj dizer : porque nao deixou ao
sep legitimo berdeiro esse th-ono levanta lo
sobre lanliia t-acoltios em das de molim ?
Pergunta hoja fcil, mas que ninguem
fazia ein 1830, no momento em que a rea-
leza de jelho vmha lio rorajosameoie
{rwtar-D ficov ,Mp-r pc:!gr,. ru, iiiu-
urm pergOniava eulflo se havia um peo-
samenlo reservado de ambicio nessa de-
dicco;qje salvara a Franca; nem dos
mancebo ardeotes que ae chamavamo
partido do porvir, nem dos liis da realeza
cabida que furnia va ni o patlido do passado.
lia na historia dos povoa instantes lucidos
e polticas se manifesta a lodos, e em que to-
das as pessoas de bem se acordflo. sem an-
tes .se coiivencionsrem : desde 1848 acna-
nio-nua em uu.a drssaa ciises. Aciamo-
nos Ismbem com especiahdsde em 1830
Como o panino do passado, sb o qual
urna uionarchia de 14 seculos acabava de
deseaosouar-se eui algumas hutas, esse par-
liuo, da que o rei Lata Wiilippe dista, cotn
llo eapressiva irona, que tinha urna g'aii-
deajuaettcia negativa rasa partido levanta-
ra toenuiHal fui ca o llireuo que acaba va de
caiiirP Facaiiiub-lhe mais justica, nao
pe tenda, u o rei Luis Philippe pode esere-
***, aeu nisso se adular, u imperador Ni-
colao- : a 0a meamos vencidos me julgaram
gurando o direit j Cump- ia pois escolher..
Uovia-se pois ou considerar a vevoluco
como Inita e cuidar na duracBo do risulta-
do, ou loma-la como principio e perpetuar
testado revolucionario, em urna palavra es-
tabelecer-se em suas conquistas ou conoun-
lar o que toUo eonktitia. .
Conquistar 0 qUt u a0 eoabaca .' mos-
trei que lodos os esforcoa da poltica real,
cuadjuvados pelas mais elevadas itlelli-
gencias, mais nobres coragens, mais raros
talemos do paiz, que todos estes esforco
tinham por objeto escapar ao impulso das
paixoes chimeneas e cegas da nossa poca.
Mudar de poltica I Mas no corsqaque o
arraslsva a revoluco de julho gritan lo :
anda .' S lioha a escolher ou cahir depois
de um longo reinado gasto pelas calumnias,
consumido pelas ngratidOes, mas depois de
haver dado alguna annos de felicidado a su*
ingrata patria, ou precipitando se do pri-
meiro impulso oo que senSo coiinecis a ar-
restando a Franca, como esses loucos que
doitam o ogo aos templos para adquiritem
no me !
O rei Luiz Philippe preferindo a boa po-
ltica ma, deixou pelo menos a sua pstria
oexemploea harinead boa. Quo faze-
mos hoje t Que faz a governo ? que faz a
assembla ? que fazem lo Jos os honens de
bem senfio luctar pelas conquistas serias da
revolucSo contra os furores chimo icos dos
revolucionarios ? E qual he a nossa frc.
nesssa lulas senfio ss tradicedes da resis-
tencia moderada, da coragam Arme, da vi-
gilancia e paciencia que nos iransmiiiiri o
ultimo reinado ? Quaes silo os nossoa re-
cursos, aenfio esse exercito habituado a dis-
ciplina tflo rigorosa, consorvsda por esae
pobre duque u'orlefies, e depois delle por
seus iraiflos em tfio gloriosa aclividade, es-
se exercito to heroico e tfio quieto, espada
de ordem, baluarte da patria? A ua po-
ltica triuiupbou no tmulo dizia do il-
lustm Pili um' de seus successores. Mas lie
do nosso re que S. 11. Peel dizia estas pala-
vras, que roigamos de oppr aos anatbe-
uias poslhuaaoseaiis inqualiOeaveis insul-
tos da impiens. Ingleza ; S l. Peel dizia
deile grande homem de bem. Se o rei Luiz
Philippe exeiceu Uo elevada influencia uo
destino do aeu paiz, nfio foi por seu monar
cha e pelos atiribuioe a realeza, como por-
que, gracas a reuuijlu du Uo graaae cora-
cuo, ue tfio rara energa, de tfio cxempiar
Ci^S!'!9!*,*|a ^pafirtr sHei4/>riaf 4icara 08
estima da pustaridade s iufeiior a apo
lefio.
Sendo mal conbecido na politica.-celum-
niado na vida publica, o re Luiz Philippe
refugiava-ae na familia. A bmitia era cuuiu
o sulo natal dos seus pensndolos e espiri-
to. Ahi acuaVa a serouidade e recobrav
frca. A cunosidade inquieta do paiz aln
o segua; e noto aqu um resto do pudor
publico : a calumuia nfio eulrava no limiar
da vida iutiuia, onde todava penetravain
OS olhos da Franca. Cuusa ealtauba i o re
tao mal conueciuo como houiein publico,
era cuuhecido de touos como particular, e
lodos o esliuiavaiH. Mullos ale se aei via'ai
da estima da nacfio para com o pi de fami-
lia, como argumento contra o chele do es-
lado. Uom pai, bom esposo lodos oa
partidos tslavam proniplos a eacrevor esle
elogio na sepultura sem pro aberla da reale-
za duietho, uma vez que Ihes deixaSsem
acresceular aatei mediocre, a ,
Vl |As irqueas da clemencia sao as dos orafrte
'""> pratica eisas virtudes da homem psr-|grtudi:s. Era o que Pimo du de Ccesar. Cle-
licular; ese alguns.se acharem em posicao de-l mente al ter de arrepender-se ueeneodpt-
aos; delxaram simples e nobremente o com-
mando ao primeiro slgnal, aleda equivoco, da
patria; aupporiaram o que anda he mais raro
em tao lenra Idade, a tnjustioa sem despello,
atlribuiram a paladea aplieinoras os rigorosos,
ah! mu duraveis da sua patria. Kstavain pre-
parados para a m fortuna, eslaoni para a boa.
Sao de rafa onde ba masa, ein das de desgr-
ca, para um professor du colleglo de lleiohe-
nau; ein das de favor publico, para um rei
de Franca.
Tal era a influencia do re, como pal de fa-
milia, noa fllhos. Vio-se na praiici. Minguein
obteve nunca com mais doces ineios e com ac-
cao que menos ae sentase a execucao de um
plano de comportamento mala constante ese-
vero. Tinha com specialldadeeste caracler na
familia, u i era nulo, milito antes de ser rei,
o jugo deste Sr. aiuavrl era leve, mas forte co-
mo o de Dos.
O rei era pal, e como principe, islo he, com
o sentiineoio e cuidados da sua elevada misso.
Mas aniavj a irm i i, a muiher como o ui.u.
simples e melhor dos homens. A raioha Ame-
lia com a sus doce altivez, nobre resignaeo.
subir ao throno como os degros do co. gran-
de de coraeao, humilde por pi-dade, pupuiar
pela beneficencia,*iutfrecera aboiuenitsjaa dn
mundo; mas a honra a a alegra da sua vida
mortal en a elteica .o marido.'
Cnaiiiarain sem motivo ao rei Luiz Philippe
um re ffitcguez e coiu isso queriam dizer
que tinha os iosiiiictos e gostos de um loglsta.
Ue uma especie de mofa e injuria, diz >luia-
uique, querer faier velar um homem por qua-
l*dadcs, que nao asseniaui bem na sua csihe-
loria, anda que alias Sejam louv.iveis, como
jiw.ir um re por ser bom pintor, ou boui ar-
chilect i, ou aluda bom arcabusriro, ou corre-
dor ile argolinha O re Luiz Philippe. inus-
irei-o ja cima, tinha, ein elevado grau e em
molo que espiuu com Ilustre iiupuoularidaile,
anquatidades da aua dignidad mas im-iii della
tluh. o charlatanismo olDcial, nem o lonco re
levo, nem a exageraco guindad i, nem as pico-
cupaedes mesquinbas c exclu>ivas.
A sua presrnca. que era inaguitica, nemaca-
ohava nem eaclula. Outr'ora a realesa occul-
lava-se ua.eilquela; com o rei Luiz Philippe
expandla-se. Serla ist> o que caraclerlsava o
re burguez? Seja, de-se-llie este titulo, mas
com esle couunenlario.
o rei linba uma qualidade, que, transforma-
da em defeito por toinbaria das facedrs, lalvez
deu ideia desse prejuixo mesquinho e burguez
que Ihe allribuiam. O re tinha o dom raro de
inleressar-se em tudo que tana, tanto as uiiu-
dejas de adtninistracao domestica, como nos
negocios de estado ; unto na ordem para cor-
tar um carvalho de um conselho a 200 legoas
de Paris, como ein urna nota diplomtica que
decidisse da paz do inundo. Kscrevia com o
mesmo cuidado material uma carta raioha
Amelia e um oflicio ao imperador Nicolao ; e
abe-ae que quiz eicrever, fulgadaincnle e sem
se spressar a assigaatura do seu acto de a lid-
ese, .io. Seria erro e fraqueza se este cuidado de
imudezas Ibe tomasse o lempo ou a atlenco
que gostava de dar aos interesses mais serios.
Mas, por mais que fossem as mludezas.
occupavain o exterior, para assim dizer, doaat-
tencao do re.
O sea espirito babilava em reguo mais ele-
vada, e bastara reparar aaquella nobre phv-
slonuiuia, naquelle olhar noce e penetrante,
naquelu) froute inclinada a idoaa em que bri-
Ihava o fogo Interior de jprnsaineulos sempre
acliroa e poderosos, naquella bocea benvola
e delicada, que so se abra para exprimir ideias
sans e sentimentos honestos; baslava, digo,
ver o rei, para coinprehender lugo que es.a.
attences familiares e domes'licas, em que pa-
reca absorvido. nada mais eraiu nelle que c-
cesaorio e distraccao de peiisaiuenlos iimis se-
rios e duraveis.
Termino aqui esle,esludo Incompleto.
Te niel levasMaralguns dos degros do pedes-
?has segulnles que exlrahio das recordaefies
mais fiis, ealC agora mais secretas da minha
nieinoi i i, e que cito ao terminar, porque toda
a grandeza e tambem todo o elogio esi nellas.
Peen tambem que, qualquer que Inr o lu-
gar da mlnha uiorte, o meu corpo seja Iraus
portado i capella de San Luis, ein Dreux. para
ahi ser leputadn no tmulo que fica perant* o
altar da Santa Vlrgem. Peco mal que, quando
approuver a Heos chamar sua presenca a mi-
nha uiiii querida r mu amada esposa, a rainha
Maria Amelia (e nisto est de accordo comiui-
goj o seu corpo seja tambem transportado i
mrsma capella de San Luiz, em Dreux, para
ser sepult ido a par du meo no tmulo duplo
que uiandrl fa/er para este bhjecto, querendo
|ueosnossos despojos morlaes flquem unido
lepols da inorie, como mistos coraedes anda-
rain afTectuosamente unidos na vida.......
Itecoinmendo o cuinprlmento deste vol
aos meus multo ainados timos e netos. Tenho
a esperanoa, quaesquer que sejam as conse-
qurneUs a. s aecontecimenlos que t!o dnlnrn-
samente nos afastaram da patria, de que nella
se nao lera apagado a Irinhranca da nossa de-
licacao, e que nao haver obstculo a que os
nossos restos morlaes rrpoutem em paz uo seu
selo. ..,.
;u elevara o iui-rc
gt-gla esta
grande celebridad histrica. Oulros Ibe po-
loa Miatua. Para isso he preciso espirito mais
livrc, coraeao meiius cumuiovido, e mata h-
bil, (juis tima s cuusa : indicar avia e mos-
trar o caiiiiuho que o tlenlo correr.
Mas ae me pedlssem que, antes de acabar,
rea.sun.me a origein de tanto juizos falso:,
de que o rei ao inorrer ap|i*llou para a ni.lo-
ria, procedein na nuuha upiuio de duas cau-
las: O rei austeiilava cun uiu firme o fieio
com que os puvus careueui de serem governa-
dus em lempos decrise. Os povus, iliz Ho*~
anet, teeiu uufuudo-do coraeao nu sel que de
uquleto, que se iuaiillcsii.se Ihe lir.in ufn-iu
uece.sano.. O rei Luiz Philippe llulia uo espi-
llo o principio dcata resistencia, que appilca-
va com liimasa tutlexivel; a ao mesiuu lempo
no fuudu do curacu urna manaido que ceda
na repre.sao. Sabia manejar melhor o freio
I ue cuutm, do que a arma que reprime. Ile-
aixiaal o ponto da resistencia tocar rin ubs-
linafio; era clemente al a clemencia tocar
as rali da flaqueza Honra a sua memoria
C. F.
,' J. den I), di 8 de erttmbra,)
(Do Peridico dos Potree no Porto.)
PHUSSfA.
ferlim, 23 fe Oulubro.
( Correspondencia particular. )
As cousas aquivfio-se tornando cada ve'
MsjIssm npl'cadas A Austria appoiada pela
Hussii recusa almeilir a proposla feits ne-
is Prtissia para as conferencias livres : Ra-
Iwitz ree-bnu uma resoosta evasiva pro-
posposta que Gzera a 17 de oulubro para o
isiahel -cmnto de urna commissto federal
encarregada de regular a quesillo existente
entre Sclileswig-llolslein e a Dinamarca, e
parece que nada ser snfllcient seno um
reconliernnenlo implcito da legalidade do
tundettao o conde -le Bramlehurgo e-cre-
veu qne, pesssoslmenle e como embaixa-
ilor do rei a sua recepco em Varsovia fd-
ra io brilhante quanto elle poda desojar,
uor n que no o omento em qu a conversa-
cios polticos a averso
ara com a I russia tornou-se pstentn.
i) imperador da llussia p>of-ssa sy npaihi-
sar com o re, poim, exeressa abertamen-
te a sua desapprovscilo a poltica seguida
pelo mesmo. Ilontem dizem que cnpgara
urna ola cnnfi'man'ln todas as anticina-
cei cuntidas nos despachos do conde. Um
soaaeJho d-s gabinete reunio-ae esta ma-
nhi na secetina da ra:>riir;3o dos negu-
cioseslangeiros no qml a nott fui lida.
l.ii-an o11 a ses-o, o ministro dos nego-
eiusestraugeiros.eominlst'o ilaguerra par-
i iran para post i.nn alini de conferenciaren)
corn o rei.
As commnnicacdcs estabelecidas entre o
ministro doseslrmigeiros eos constitucio-
naes psrecem uo ter anda cessado. 0
boato de que fora offerecido a luisn um
lugar no ministerio corre agora com mais
f ue i do que antes. A reuolfio das camsras
foi outra vez adiada, o da novamente mar-
cado be o 35.
Segundo uma gizeta da Allemanhs meri-
dional, Austria ea Baviera pretenden! oc-
cipir as Klaapen Strassen estradas milita-
res no sul da Allemanha, as quaes foram
aseguradas a ultima potencia por tratados
semethantes ao que f'a concluido entrea
Prussia e os dous principados de ll--s.se. Es-
sss estradas ficam principafhenle no gram
lucillo de Badn, ao que perlencem Aus-
tria vito de Bregenz o lm, va Friliur-
go, a Breliacb, de Ulm, co Heilbronn, a
M iiinheim, ca Donineschingen, a Itaslah,
pin Wur/burgo, a Fraokfort; as que ner-
leiicsm Baviera vfio pelo Odenwald a llei-
delherg, e por Msnnbeim i naviera Khe-
nana.
As folhas bavaras estilo furiosas contra a
Prussia. As pessoss da familia real da Prus-
sia sao i-cuelas com a maior animosidade;
nem a decencia, nem a v-rdade silo obser-
vadas. A energa com que o bnndeelag d >
Francfort obra nlo he aiuda sufllcienie pa-
ra agradar as gazetas de Munich, as quaes
leriam ha mullo, abismado s Eo'opa em
guerra abeita para o fim de mostrar sua
graiidao aPldaapcfs ooccorroelUcz que
em 1819 preslou o inrono bavaro na Baue
a Unen ma.
Nove dos 18 milhOes de thaleri concedidos
so .'averno pelas Cmaras em fevereiro
passado foram postos a disposioSi do mi-
nistro da guerra. Corre que seis mi
llioes anda n0o foram gastos A Ausiri*
propoz na comuiissAo sobre os impostosda
navegagUo do Elba que ella, a Prussia, a
iSaxomae Anhali cederiam suas exigencias
respectivas sem nenhuma iiidemnisacfio ;
porm, que Hanovre e Mecklemburgo tece-
beria u um compeiisaQao moderada.
A Deutsche Hefbrm publica uma contra-
Jiccilo olIlci.il da deelaraefio de que ofliciaes
e soldados prussluios lein sido enviados
em pleno uniforme aoassnuto dagueriaem
Schieswg-llolslem.
lem do governo provisorio. 0 Ttme$ pro-
vavelmnuto no contestar aos cidolSos de
chleswig o ll'.tstein o direito de compra-
da que pre-
csam.
Presentemente que o (onlinnlo est
cheio de rumores dn guerri, equoasrea-
cOes entra a Austria e a Prussia ao da tal'
natureza que um s passo dado adianto
or qualquer dessas potencias, deverft pre-
i'i ii.-i-las em hostilidades abertas, julgo in-
teresante dar-lhe uma ideia da grandeza e
omposcSo do oxenito prussiano. Km sua
i'iuiil organico o exrcto est dividido
em nove cornos, rada um com duas divi-
sos. O.^xercilo permanente com as reservan
no caso do guerra, compe-se de 200,000
nomens.
1. *5 regiment* de infamarla
36regimentos de linh, esda um com 3
balalnOes, o que il 108 batalhoes 9 regi-
nentos de reservas, cada um com 2 hata-
ih s, o queda 18 batalhoes ; total 131,000
homens. 8 batalhoes combinados de re-
erva.10 batalhoes de aliradoros, total 6,00
homens. .
2. Cavallaria em 38 regiment*.
10 regiment'is de couracejrns, 5 ditos de
IragOes, 13 ditos de hussarns, 10 ditos do
lncenos, cala um com 4 esqualrOAi, o
que d l52esquadroes, 30,000 homens.
3." Artilharia em 9 regimentns
9 regrvnentos, cada um com 3 hateras
montadas e 1-2 ap, o que d 135 bateras, t
lilvisflo >le artilharia de fort-lezas de reser-
va com 5 hateras, o com isnhias de artfi-
ces, total 20.000 homens.
4 Engtnheiroe em 9 divisSes.
9 divisfies de gastadores, cada um com 2
conipanhias, 2 companhias de gastadores
le reserva, total 5,000 homens.
5."
Catadores montados, ofliciaes avalaos,,
coiipnhias ile guardas, invlidos e poli-
ciaes, 5,000 homens.
TuUl do axercilu permanante 200,000 lin-
mens.
O exercito acha-se actualmente sobre o
n 'que deixo descripto, visto tArem sido
chamadas, lis piucas semanas, as reservas
le guerra, porm dentro de qiiinze dias po-
dar ser elevado a 360,000 homens pela
chamada do Laudvr -hr qu ho dividido em
duas especies. O lan wehr da uriuHra
chamada, como ella denominado, conten
180,000 homens
1." Infantera em 36 rqimrniot.
36 regimenlos, cada um com 3 hatalhOes,
nqu' da 108 brtalho. s, 8 batalhoes de land-
w-hr il res-T-.i, 116 001 im neos, atirado-
res do reserva, 4.000 liimnns
2 Cavallaria ein 36 regiment/.
36 regimentns de Isoceiros, cad< un com
3 e-qualrdes, o que da IOS nsqun lios, 8
osqua irfles de reservas. 20,000 homens.
3." Artilharia em 9 regiment*.
9 regimnntos com 116 co npanbisson ha-
teras, 15,000 homens.
4." Engenheiros em 9 dic'sfiei.
9 divisOes do engintieiros cnm|18 compi-
panhias, 5,000 homens.
Lan iwehr 1." loial 160,000 homens.
0 I ni w.'hr da segunda chama la con'nx
o m-si o numero de hotiens, e he dividido)
lo mesaio) i odo que o da pnmeira. Por-
lanto o exercito permanente com os lan 1-
wehr da primeira e segunda chamada conta
520,000 homens. sen lo 50,000 de cavallaria,
com 204% peQis de artilharia em hitan -s dn
8 pecase ida urna. TendoaPrussia l6,0H),00O
h ilutantes,a sua forca armada est portante
na rasfio de 3I|4 por rento de su popula-
cao. Em caso do guerra o exercito dever
ser elevado a 480,000 homens, isso sem o
lanlwenr da segunda chamada. File ser
composto da maueira seguinte :
360 batalhoes de infantana de linba,
36 i.OOO homens, 18 batalhoes deatiradores,
10,000 homens, 370 esquadrOes de ctvalla-
ria, 60.OJO homens, 9*8 bateras de artilha-
ria, 18 companhias de artfices, 40,000 ho-
mens, 26 companhias de gastadores, ect.,
10,000 homens Total 480,000 homens.
(/W /\Vu>j.)
FRANCA.
Soluco Dsiolufo.
Amigamente os e.ltidaule laboriosos nao
lerinioavain i seu curso de rhelurica sem ter
pi od.i/id.i pe.i menas urna tragedia em cinco
actos Depui, no lempo de Sleves, a paixio do-
u,a2nte c?z z urgauisaco de coustituicdes,
preseuieinenlc sao a aoluedes que esliio na or-
dem do dia, e cuiuu as temo de todos os gene-
ros, vamos passa-las em revista I
He igualmente falso que oa ltimos sejam
prvidos da um ce LiticaJo de licenc por
um auno, coui p-rmissfio de enlrarem no
ser vico desses ducados. Urna declara tfio
publicada no fias* de seita-feira passada
Fin primeiro lugar prop>-se-nos Hr. de
Chambord. berdeiro da munarchia drquator-
ze s, culos; em segundo lugar,o conde de Paris,
herdeiru da munarchia dos expediente; era,
t, rceiro lugar o imperio com Mr. Luiz i9ona-
parie, soiocao da aocledade Des dedetemtro c
|.,a rixadores de 1804 ; em quario lugar a pre-
sidencia por 10 annos, solueiia do Coasliluli'o-
nri; em quinto lugar a presidencia de Mr. de
Juinville, soluco de puru urleanisino ; em sex-
lu lugar a fuso dos duus ramos d- casa de
.un bou, por ineio da adopeo do conde de
Pars pelo conde de Chambord; em stimo lu-
Sar a adopeo do cunde de Paris por Mr. Luiz
onaparle, casando este com a duqueza de Or-
leau ein oltavo lugar hollnente u virato cumplido de Mr. Luiz alonaparte, o con-
de de P-ris e o conde de Chaiuburd ; lie com
elleito um sorlinienlo sss rico de aulucoes.
^!o iiivenlaoios nenhuma e se leuios algum
mcrlto he smente de t-las classificado se-
{nudo suas varias especies. K>piiito super-
ciaes talvet riam-se da noasa colleccio, noa


aa>
pilo contrario, damni-lhe a maior importan.
ca. He urna obra do mals alto rnii o. Com
cJTeitn se examinainos alternamente casas olio
sulu.-ors. vcremns que tres So impoasiveia e
claco redlculas. Claasiflcamos eltre as Impos-
aivrii a aolu(o bonap riiiln, a qual tem contta
si o orleaoiataa, o legilimlslas e oa rrpubli-
| canos; a tolueno orleanlsta a qual tein contra
si o bonnparliatas, os legiilinistas e tambem
os n-publcanos; c finalmente a solucSo leglti
niist.i. .i qual lem por adversarlos oa organis-
ta, os bnnapartistas, e ainda os republicanos
"..Uncimos entre as ridiculas a presidencia de
Mr. de Jolnville, a qual seria smente um re-
conheciinento da abrficaco das racas reaes, e
que conteguinteinente seria menos unta solu-
jo .lo que urna dissolitco; e finalmente as
diversas fusiles por casamento ou adoncao nao
sao para nos outra cousa sean confusao,
^_______
CAMAHA MUNICIPAL U HKC1FK.
SlSSa.0 EXTRAOBDINABU Da 9 DE UEZEMURO
DE 1850.
' 'residencia do Sr. Oliveira.
Prsenles os Srg. alameda, Vianna, Carnei-
ro Monleiro, Figueiredoe Pires Ferreira que
pouco di'puis relirou-se, declarando nao
Iha ser possivel comparecer as sessOes que
anda houverem no crrante anno ; fallan-
do os msisSrs tbrio-sea sessSo, e foi li-
lla eapp'ovada a acta da antecedente.
Foi lulo ii seguiute expediente :
Um i lucio do Exm. presidenta da provin-
cia, reenromendando que para exacucSo da
lei n 206 de 19 de setembro ultimo, eem
conroroiidade as respectivas nstrueces,
remeltessa esta cmara com urgencia aos
presidentes dos conselhos de quahlicacSo
logo que estejam nnmeados, copias authen-
ticas da qualifcacSo dos volantes de cada
uma das.paruchias deste municipio.Que
se aecusasse a recepeflo, e se olllciasse aus
juizes de paz mais votados dos primeiros
disliictos das freguezias de fra da cidade,
para com brevidade recolherem ao archivo
la ramara os hvros das qualificaQOe*, em
quanto dalles se exlraem as copias preci-
sas, visto ainda o nao lerem fito, como por
lei sSo obrigados
cintro do n.esmo Exm. presidente, dan-
do as rasOes, em que se fundsva, para man-
dar fazer por administrarlo, como propO*
o engenheiro, director das obras publicas
a obra da capella do cemiterio publico.--
Intairada.
Huiro do mesmo, duendo que nm vista
do que informou o inspector da thesou'a-
ria da fazenda, em data de 30 de novembro
ultimo, o arrematante do imposto de afe-
r ic;tii deste iniiiii -1 |i >. nSo p le ser pa-
go pela fazenda publica nacional .do im-
porto da afericBo das balanzas a pesos da
alf mloga a mesa do consulado geral, sem
ordem positiva do goveron imperial.In-
tei-ada, e no sentido do ollicio deferio-so a
peliqSo do arrematante.
Oulro do secretario interino da provin-
cia, rem- tiendo de ordem de S. Exc. o Sr
presidente exemplarcs da leis geraes do
corrente anno com falta de algumas folhas
do decreto n. 560, por nSo terem vindo da
corte.Que se aichivassem as leis, eseac-
cusasse a sua recepeflo.
Oulro do presidente do concelho de sa-
lubridade, solicitando ainda providencias
da parte desla enmara contra os que sem
as habililav,6>s legaes continuam a ejer-
cer a arte de curar, infragindo as posturas
munlcipaes. -- Que se respondesse com o
que a respello constar do archivo, remet-
tende-sa copias dos ofll'ios do procurador
e sdvogado sobre este objecto.
Onlros ruar e Brejo, acensando a recapcSo dos
desla, em qua llies ramelteu o jornal olH-
cial n. 222 do corrente anno.lnteirada.
Oulro do inspector do arsenal de mari-
iiha, respndanlo nSo lera pedra que esta
cmara llie pedio, ms que sendo agor-
frequenle a vinda della, em lastro de na-
vios que den an Ja ni u estepoil, a sendo
offerecida pelos respectivos capitSes a a-
quelle arsenal, nessa orcssiSo ceder a poi-
;5o que a can ara precisar, fazendo-se pre
riso que mesma cmara contrate o trans-
porta da pedra com algum dos que team
canoas empregadas no seivico dos navios
ancorados no mesmo porto, lendo disto
ciencia elle inspector, para indicar o na-
no Intairada, e (coa o Sr. vereador Ma-
mede incumbido de contratar a condcelo
da dita pedrada bordo para larra, na for-
ma declarada palo inspector.
Oulro do ch.fede polica interino, com-
municando haver expedido as necessarias
nrdens, afim de ser satisfeila a requiaieflo
dota cmara, quanto a si rem sepultados
no cemiterio publico os cadveres- da pes
soas pobres que forem encontrados pelas
ras desta cidde.luleirada.
Outro do procurador, communicande
ter se entendido com Jos Liberato Galvo
e que este Iha dissera que offereca a quan-
tia de 240,000 rs. pelorendimento annual
do mpi sto de 500 rs. arrecadado na fre-
guezia de S.-Loureuco-da-Malta, entrando
lodosos me/es com a qi.anlin de 20,000 rs.
Que se aceitasse o olfereciment, olllcian-
Ju-se ao dito CalvSo, e participndose ao
mesmo procurador a contador.
Oulro do mesmo procurador, ainda so-
bre a dtivida proi osla na sessflo preceden-
te, sobre a declarado da porcentagem de
10 por canto em favor dos encarregados da
airecadac&o do un oslo de aun rs.--yuo se
respondesse que sempre que se reculher
alguma quanlia provruiente do mesmo im-
posto, no res; eclivo lancamenlo deve-se
logo fazer declarncSo da porcentagem de-
duzlda.
Foi lido e approvado um parecer da eom-
inissao de edilicacSo, relativo a preteueflo
de I), liarla de Pmbo Borges, e no sentido
do mesmo parecer se manuou informar ao
Exm. presidente da provincia.
Mandou-se olllcial aosSra vereadores. Bar
rose Dr. Jloraes para cotnpaiecerem na pe-
seme sessSo ordinaiia.
Foi arrematado por Lourenco de Jess
sob banca de Victorino Francisco dos hli-
tos a obra da casa, ao lado do sul do portfio
do cemiterio publico por a quantia de rs
1;345,100, com a condicSo de taz-la no pra-
zo de 3 mezes, e*Tle leceber a importancia
da arreinaiajeo em 3 prestacoes, e a do la-
do do noite por Amaro Pereira da Cruz sob
lianca de Geraldo uo Amarante, e com as
mes., as cundieres, e mauuou-se "Cdiciar
ao governo da provincia, solicitando a com-
pleme eppiovc&o das airtiiialacOes pala
na lavrarem os termos da contrato.
Deapacitaiam-te as pelicOes de Antonio
Ricardo do Reg, Antonio de Locise Sil-
bas Amaro Antonio de Faria, Anto-
nio Jos Gomes, Anastacio Xavier de Cou-
to, Antonio Goncalves de Moraes, Fran-
cisco Soares Cordeiro, Francisca Brii-
la da Mello, Jos Francisco da Cruz, JoSo
Ferreira de Mello, Iznacio Manuel Veigas,
Vicente Ferreira da Costa, e levantou-se a
sessSo.
Eu, Manoal Ferreira Accioli, secretario
interino a ascrjvi.Olivtira, presidente,
Vinnna. Mamede. Carneiro Monleiro.
Figueiredo. ___

2i

COMINERCIO,
ALFANDEGA.
Ilcnilmontododia 13.....11:137,169
Dcscnrrcqam kofci3 de diztmbro.
Polaca Malhilde mercadorias.
Escuna Velo plvora.
Itrigue Henry Malheui mercadorias.
CONSULADO GERAL.
Kendimento do dia 13..
Diversa provincias .
2:484,345
186,034
9:670,399
EXPORTACAO.
Despacho tnaritimo no dia 13
Barcelona, brigue hejpanhsl Franeieco,
de 350 toneladas : conduz o seguinte : 1,308
saccas com 519 arrobas e 28 libras de al-
godSo.
RECEBEDORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Hendimonto do dia 13.....528,380
CONSULADO PROVINCIAL.
Kentlimentn dodia 13 .2321,756
Mviiiieiito do porto.
Navio* 'entrados no dia 13.
Rio Grande do Sul 95 dns, brigue nacio-
nal Castor, capitilo Tbomaz Ferreira Lo-
pes, eqtiipagem 13, carga carne secca ;
Amonto & IrmSos.
Faveisham 48 djas, escuna ingleza \ ubi,
cap tilo w. C. Rondell, equipagem 9, car-
ga 1,812 barris com plvora; a James
Crabtree & Companhia.
Buenos-Ayres *2 dias, barca americana
Orcuna, capito James Creen, equipagem
10, carga couros, lila e madeira ao mes-
mo capilSo. Fundeou no LameirSo,
veio refrescar e segu para Boston.
Navios sahidiis no mesmo dia.
Carabina Lancha nacional Tres rmJos,
mestre Jos Duarte de Snuza, carga varios
gneros. Passageiro, Antonio Rulino A-
ranha.
I'arabilia Hiate nacional Parahibano, mes-
tre Nicolao Fracisco da Costa, carga va-
rios gneros. Passageiro, Jos Jaciutbo
dos Res.
Observactio.
Anda sobre a vela o brigue-escuna da
guerra nacional Legatidade, vindo da corn-
il issSo.
EDITA ES.
O Dr. Joaquim Vilblla de Castro Tavares,
presidente da junta qualificadora da fra-
gueza de S.-Jos do Recifc, em virtude
da lei, etc.
Faco saber que em observancia do dis-
pnsto no art. 25da lei de 19 de agosto da
1846, tam da reunir se na lercaira domin-
ga de Janeiro a junta qualificadora desla
freguezia afjm de proceder-se 3 reuniflo da
'jualificacSo ; pelo que convoco para a for-l
'hbqIo da masma junta de conformidad*
rom o art. 4 da citada le o eleilores e nup-
plentes abaixo designados para que com-
paseara na igreja da Senliora do Terco
iuo serve de matriz pelas 9 huras da ma-
ntilla do referido dia : a tvertindo que, oa
que deUarem de comparecer sem i'npedi
ment ligilimo ficam sujeitos mulla coro-
munada no 5, n. 2 do art. 126 da mesma
lei.
ELF.lTOItF.S.
Os Srs --Jos Higyno de Souza Peixa, Joa-
quim Lucio Monleiro da Franca. Manoel
Ferreira Accioli, Jos Lucio Monleiro da
Franca. Francisco Baptisla de Al no-i la. lia-
noel Jos Teisaira Bastos, Amaro Benedic-
to da Souza, Francisco Martina dos Anjos
caula, Joaquim Cirnanle dos Santos, Ma-
noel Joaquim Ferreira Estevas, Joaquim
Pedro dos Santos Be7erra, JoSo Bsplista da
S, Gonzalo Lopes Lima, Antonio Francisco
Xavier, Joaquim Antonio do Csstro Nunes,
Torquato lien iques da Silva, Francisco
Carneiro da Silva, Manuel Flix Alvas da
Croz, JoSo de Bntto Correa, Jlo Francisco
Reges dos Aojos, Joo Ro irigues da Silva,
Antonio da Silva GusmSu, Jo.quim Francis-
co de Mello Santos
SUPPLENTES.
Francisco Jos Vianna, Manoel Fonseca de
Medeiros, JoSo Moreira de Men tonga. An-
tonio Moraira de Memlonca, Thomaz Pe-
reira P nto, Antonio Francisco Dias, Joa-
quim Jos dos Santos. Innocencio da Cunha
Goianna, Anasiacio Xavier de Cont, fran-
cisco de Oliveira o Mello, Miguel Jo da
Silva, Justino Pereira de Andrada, Manuel
de Almeida Lima, Luz Francisco Moreira
de Mendonca, Antonio Paufino da Silva,
Justiniauo Anioino AlvesSoarea, Jos Car-:
de Sou/a Lobo, Manoel da Silva Coulo,
Jos Goncalves Bastos, Claudino Jos Ra-
puzo, Juo Sarai va de Araujo CalvSo, padre
Manoel Adriano de Albuquerque e Mallo,
padre Francisco Joaquim Pertira, Francisco
Kphifanio de Souza
E para conatsr mandei pasairo prsenle
para ser [allixado nos lugares do coslume
e publico pela imprensa.
Freguezia de S -Jos do Recife, 13 de de-
zembio de 1850. Eu, Jos Goncalves de S.
esc i vio interino o escrevi. Dr. Joaquim
Villa de Castro Tararee
Jos Camello do Reg Barros, juiz de paz
presidente da junta qualiflcaiiora da fre-
guezia do Poco da Panella, termo da ci-
dade do Recife, etc
Faco saber quetaodode proceder-se oa
terceira dominga de Janeiro prximo futu-
ra, a reuniSo da junta qualificadora desla
freguez!a, em observancia do disposto no
|it. 25 da lei de 19 de agoalo de 1846, con-
voco, de coi.formidaile rom o art. 4 da ci-
tada laioos eleilores e supplentes abaixo
declarados, aflj de que pelas 9 horaa da
manhSa desse dia comparecam na raspee
uva Igreja matriz, sob aa penas da lei.
ELEITORES.
Antonio Lina Caldas, Francisco de Paula
Pela segunda seccHo da mesa do con-
sulado provincial se faz publico, que os 30
dias que a lei tara designado para o paga-
mento a bocea do cofre, da decima dos pre-
dios urbano* dos bairroa dest* c.idada, do
primairo semestre da 1850 a 1851, se prin-
cipia a contar dodia 3 de dezembro pr-
ximo, a qua findo este prazo incorram na
multa de 3 porcenlo sObo valor de seu de-
shilos todos os que deixarem de pagar.
Consulado Britannico. i
Avlsa-8e aos subditos brltannicos, e
igualmente aos ci ladflos francezes, que de-
sa-jam ter saus ttulos de residencia nesla
provincia, que podem dirigir-ae a compe-
tente aiilurnla le, Carlos que s to ouvidoa
e despachados com s alinelo e prompli-
dflo possivel. Wy Chrytloph*r$,
vlce-coosul britaanico.
mi, JoSo do Reg limos, Jos Ignacio Pe-
rnira da Rocha, Jos Francisc i Carneiro
Monleiro, Jos Thaodorio de S -ia, Floren-
cio los Carneiro Mnnteiro, Pedro Jos Car-
neiro Monleiro, JoSo l.eite Rodovalho, Jos
Francisco do llego Bsrroa.
SUPPLENTES.
Flix Ramos Lieuihier, JoSo Severiao do
Reg Barro*, Miguel Joaquim do Reg Bar-
ros, SahasliflO Jos do llego Brrelo, Jos
Lopes (uiinarSas, Joaquim Jos de Amo-
rlm, Joaquim Tavares Rodovalho, JoSo P-
rea Ferreira, Joaquim de Albuquerque Fer-
nandas Gama, Francisco Cazarlo de Mello,
Antonio Flix Macial, Manoal Joaquim do
Rogo Barros, Joaquim Jos Cavalcanii. Joa-
quim Tiburcio Ferreira, Jos Filiciano
Portel I a.
E para constar mandei publicar o pre-
sante, que ser afiliado nos lugares do eos-
tama.
E-j, Jeronymo do Reg Barros, escrivao o
e hro de 1850.Josa) Camello do Regt- Borne.
Manoel Francisco de Souza LeSo, juiz de
paz presidente da jonta de qualilicaoSo
da freguezia de maranguape, em virtde
da lei etc.
Faco saber qne, em virtude da leda 19
de agosto de 1846, convoco os cidados
abaixo declarados, eleilores e supplentes,
psra que na terceira dominga (t9 i do ruaz
de Janeiro vindouro, eomparecam na igreja
matriz desta fregiieiia de Maranguape. aflu
de se proceder a f irmacSo da junta de qua-
licogSo que tem de rever a lista gesal dos
votantes.
ELEITORES.
Os lenhores. Joaquim Cavalcante de Al-
buquerque, Joaquim Manoel Carneiro da
Cunha, Jos Lucio Teixoira Cavilcante, Dr
Manoel Joaquim Carneiro da Cunha, JoSo
da Cruz Fernandea Souza, Joaquim Pedro
Brrelo de Mallo Reg, Rayraundo Jos Pe-
reira Bello Jos Joaquim Jorge, Jos Vel-
lez de Guevara.
SUPPLENTES.
Os senhores. Antonio Rufino de Araujo
Cavalcante, Eduardo Daniel Cavalcante
Vellez Guevara, padre Manoel Jos do Nas-
cimento, Jos Xavier Cavalcante da Rocha
Vanderley, Antonio SebastiBo de Mello Re-
g, Alexandrino Ayras da PaixSo, Francis-
co Rufino de Araujo Cavalcante, JoSo Be-
zarra de Mello, Manoel Joaquim de Vasoon-
cellos, major Antonio de Souza Rolin.
Os quaes deverSo comparecer na dita ma-
triz no dia cima indicado pelas 9 horas da
nianlia, sendo applicadas as penas do art.
127 5, o. 9, aos que sem causas justas
faltaren) a presante a eonvocacBo. E para
constar mandei passaro presente por mim
assignado, que sari aOxado nos lugares
convenientes e publicado pela imprensa.
Primeiro districto da freguezia de Maran-
guape, 10 d dezembro de 1.850. Eu, JoSo
Baptista de Santa Anna Mallos, escrivSo
de paz a escrevi. ,Manoel Franelsco de Sou-
sm Letu, juiz de paz presidente^
Ditos, ditos, ditos de frente 6,000
Ditos de segunda ordem 6,000
Ditos, ditos, ditos de frente looo
Ditos de tercera dita 3.000
Ditos, ditos, ditos de frente *.00o
Platea 1,000
Avisos martimos.
espantosa mmoradado qfle tao
escafadalosamente ostenta ?
O Zoilo.
Roga-se ao Sr. JoSo Ferrara da Fonse-
ca, morador oa villa de SerinhSem, dse
dirigir no armezam do Sr. Goreia & Dias,
para negocio de sou interesas.
Offarece-se um sacerdote para oelebrar
as missasde (esta fra da prica : quon qui-
zar dirija-se ao lago do Terco n 93.
Desapparaceu no dia 6 docorrente, utn
menino de i tale de tO annns, cheio do cor-
po, pardo, cabellos crespos, cara bexlgosa,
Buone Andr; levou calca camisa, e bo-
Oec la raides.
Theatro de S.-Francisco.
QUARTA-FEIRA 18 DO CORRENTE.
Beneficio de Madminoisele Alina Mo-
res u.
Madmmoisele Alie Moreau, primeira bai-
larima do Iheatro de S. Pedro de Alcntara,
clcgada a pouco do Rio-da-Janeiro a esta
cidade, d'oode tem de seguir brevemente
para a Franca, determinou antes desna par-
t la dar duas representacOes em sau bene-
ficio, onde espera ter o mesmo acolhimen-
t honroso que teve naquella corta em vir-
tude de seu ptimo desecopenho, cojo ex-
pectaculo ser determinado pela maoeira
saguinte :
Depois que uma grande orchestra de ra-
baca tivar doaempenha lo a mais bellissima
ouverulra por Madmmoisele eacolhida, teii
lugar o seguinle :
1 PARTE.
Madmmoisele, far o primeiro passo qne
tena, por titulo a Cracovia na.
II. PARTE.
Diversas experiencias physicas muito en-
granadas, pelo director.
III PARTE.
Madmmoisele com mais pessoas, far o
difflcultoso, e rouito elegantepasso-no-
bre--de um salto.
IV. PARTE.
inversas axparieneias pbysicss de muito
applauso, pelo director.
V. PARTE.
A suspensdu Elhereense,a saber ;
Um ensaio clumico extraordinario lti-
mamente inventado em Paris, por Mr. Ro-
berto Hoodin, e exacutaJo com grande sue-
cessono theafo duPalais Royal. Sabido
he, que o Ether a o colorofornio, produ-
zem nSosn o tornar-se insensivel o indivi-
duo, se n3o tamben infraquecer-lhe cor-
poao ponto de suatentar-se algum lempo
em um pequeo apoio ; para esliflcar este
poder, Madmmoisele, adormecer uma
passoa a vista do respeitavel publico, col-
locando-a depois em posigOes que parecer
impossivais, entre as quaes be por sen du-
vida a mais extraordinaria conservar ho-
risonlalmente a pesaos apoiada simplea-
mente pelo colrelo em um pozinbo.
Terminara o dirertimealo, appareoendo
Madmmoisele em traje de bornean, e dan-
eer o muito applaudtdo passo de sua com-
posicio que tem por titulo
. O MAfllNHF.IRO.--
Os bilhates vender-se-hSo de hoja em di-
ante no Hotel Francisco pela beneficiada, e
no da do espectculo no mosmo tbeatro.
Pfeejot.
Para o Rio de Janeiro sahe,
com a maior brevidade possivel, o
brigue nacional Firma : quem no
mesmo quizer carregar, ir de pis-
sagem, ou embarcar escravos ifSfie na cabeca roga-se a quem dalla sou-
frete, dirija-se ao capitao a bordo,
ou a Novaes & C. na ra do
Trapiche n. 34.
V>n4a-se o brigue-escuna americano
Paulo T. Jone*, de loto de 174 toneladas,
forrado e cavilhido de cobre, prompto a se-
guir viagem para qualquar parte : os pre-
tenden tes dirijam-se a Matlieus Austin & C.
Fara a cidade do Porto sabe,
com muit-i brevidade, a veleira e
bein conhecida barca portugueza
S.-Crut: quem na mesma quier
carregar, ou ir de rtassagem, para
o que tem excedentes commodos,
dirija-se ao seu consignatario
Francisco AI ves da Cunha, na ra
do Vigario, o. 11, primeiro andar.
Para o Rio de Janeiro
sahe, por ests 4 ou 5 dias, o bri-
gue nacional Conceic&o, por ter
quasi toda carga prompta : quem
quizer carregar o resto, embar-
car escravos a frete, ou ir de pas-
sagem, falle com Manoel A Ivs
Guerra Jnior, na ra da Gru,
no Ifecife, n. 4o, ou com o capi-
tao, Manoel Francisco dos Beis.
Para o Rio de Janeiro sahe com brevi-
dade, por ter a maior parte de sua carga, o
brigue San Manoel Augusto, capilflo Jos da
Cunha Jnior: quem quizer carregar, em-
barcar escravos ou ir de passagem, trate
com Manoal Ignacio de Oliveira na praca. do
Commercio n. 6. ou com o capitao.
Gear Maranh&o e Para
sahe, com a maior brevidade pos-
sivel, por j ter a maior parte da
carga prompta, o betn conhecido
brigue escuna nacional Laura: pa-
ra o resto da carga e passageiroeJ
trata-se com o capillo a bordo, ou
com Nova es & C., na ra do Tra-
piche, n. 34-
Para o Cear.
Espera-se com toda a brevidade de Lis-
boa com destino ao Ceari, o brigue nacio-
nal Empresa, forrada encavilhido de co-
bre a do superior marcha; demorar-so-ha
aqui 13 dias, e recebar carga e passagei-
ros.- irata-se na ra da Cadea do' Recife n.
17, secundo andar.
BBMSSjSSJaWBa-B*
Leito.
do Reg Barros, Francisco Jos Airea G- Camarotes de primeira ordem 5,000
O engenheiro civil De Mcrnay far lei
lio, pi r iiiteiveucSo do correter Oliveira,
de mutas rabeis do melhov'JMIo inglez
da raca p ira, sendo todas, com Uma s ex-
c<*pc8o, cresulas, e por isso liares do risco
que corre o gado recem-chegado por causa
de mudanra de clima, do pasto, etc.; des-
necessarin he commentar mais obre a re-
conhecida hondada deate gado, j pela
abundancia do laite que da, ja pela sua
mansidSo a paiiicularidade da dar leite in-
denendente da bezerro, como pelo lado van-
tajoso da se poder conseguir a appropriada
mialuracom O gado da ti-rra, para produ-
/ir ptimo* bois de carro maiorea e mais
fortes. Tambero se vender orna earroca de
quatro rolaa.com huxaa patentas, da me-
Ihor cooslriicSo possivel e muito supe-
rior s que tam appareel 'O ou pnssam ap-
parecer, visto nSo se haver poupado despe-
za para que a sua construcr;So fosse leve e
combinada com a fortaleza carrega fcil-
mente o peso de quslrocentas arrobas; foi
feita na Inglaterra expressamcnle para a
Brasil, e he de grande apreso para o senhoi
de engenho que possua partidos em var-
gans, uu propriedades prximas a estradas:
nSo soffre compareci com ka obraa fran-
zinase com ferragena defeituosas, quaes se
construem em alguna engenhos, e to for
te he, que nSo pode desconcert*r-se ou inu-
tilisar-se, sem que por muitos anuos tenhs
prestado aturados servicos. Igualmente as
vaoderSo duss carrocas novas, de duas ro-
das, um cavallo, carrinhos de mfio, areios
para earroca, a muitos outros objuctos
uteis : terca-feira, 17 do crranle, s 10 ho-
ras da manhSa, no Giquii, dentro do aitio
da Estancia ; adverle-se que, em conse-
quencia do vendeJor estar prximo a se-
guir viagem, forepso Ibe ser* vender ludo
a dinheiro pagavel no aelo da entrega.
Avisos diversos.
her o leve no caminho noto da Soledades
seu pai Vicente Ferreira dos Santos, que
ser* recompensado.
-- Pergunta-se s um sanhor que mora
no Forte do Matos, se j nSo saaforrem fo-
ihas, esa anda nSo se passim ItTulos na po-
lica.
Quem for dono de um ptu .le verga
de navio, o qual foi encontrado na mar ca-
minliando para Olinda, as 7 nieles pouco
mala ou menos : dirija-se so porto daa ca-
os do Recife, ao preto espenha, que pa-
gando s despeza lbe ser entregue; alias
ser vendido para satlsfeelo de dita des-
peza.
"Preciss-se de uma ama secca, que sabj
cosinhar : na roa do Rangel n. 38 pr.metro
andar.
- O encarregado do reconheclmeoto, me-
digSo a domsroacto dos terrenos de mari-
nas, convida aos Srs. abaixo descriplos ou
aos sees procuradoras s comparecerem na
casa da sua residencia na ra Direita n. 78,
de manhaa das 7 horas as 9 e de tarde daa
2 as 4, para se Ibes marcar o dia em que
leem da asaistirem a medi;So de saus terre-
nos ; afim de serem remanidos os saus re-
querrnoslos a lliesouraria da fszenda geral
para serem passados oa respectivos ttulos
de a foramen tos ; assim como lembra to-
dos os senhores que pel edital da tbesoo-
raria foram nolifleados, para tirarem os t-
tulos de a tora mantos dos terrenos qua Ihes
foram concedidos, que o praso don SO dias
marcados (inla-sa no ultimo docorrente.
Manoel Gonaalvea Pareira Jos Luis-de
Souza Jos dos Santos Nunes de Oliveira,
herdeiros do follecido Antonio Teixeira Lo-
pes, Joaquim Maria de Cervalho, herdeiros
do fallecido Jos da Cunha Teixeira, e ad-
mioislracSo do patrimonio dos orphlos.
Aiuga-ae o sobrado da ra do Padre
Floriano : na ra da CaJeia de S. Francisco
defronte do theatro.
Roga-se ao Sr. inspector da roa de
Hospicio baja de endagar a qua nacSo per-
lance Joaquim Pinto Meirelles, que ae aclia
no seu districto ha quatorza annos, o qual
dizem nSo lar titulo algum, e n^m querer
procura-lo, isto lbe ruga o Antonio.
Fugio, ns noilede 11 psra 12 do cor-
renta, um mulatinho moco, da nome Agos-
linho, de 15 para 16 annos, de bonita finu-
ra, cabello liao, acabocolado; lem oa dedos
grandea doa ps muito grossos e metlidos
para dentro; fot doserlio a bs muilo fal-
lante : quem o pegar, leve-0 a seu senhor
Benlo Jos Teixeira, na ra da Cruz n. 90,
que sera generosamente recompensado.
Aluga-seum sitio muito perto da 'pra-
ca, a marge.n do rio, com caaa para peque-
a familia, e com bastantes cajueiros, que
agora aslflo dando : no armazem da ra No-
va n. 67, se dir o prego ; he mui.o em
conta. a^-
-- Precisa-se de uma ama forra oa cati-
va : na ra do Hospicio n. 7.
Precisa sa alugar um moleque, que sa-
ja fiel de 15 a 1* annos, para o aervico de
um liomem solteiro : quem livor, annuncie.
Sorvete.
No bilhar do Passeio baver sorvete de
domingo em dianta, todos os diaa das 6 ho-
ras da tarde em vante.
U Sr. Manoel Nunes de Mel-
lo, morador na cidade de Olinda,
queira vir ou mandar ra das
Cinco Pontas n. 63, pagar a sua
I o tira de 46.800, vencida desde 11
de nutulirndo crranle anno
Pergunta-se: se oestudan"
te que teve a impudencia de escre-
ver o mai infame e calumnioso
avulso contra um dos dignos len-
tes d'academia (o Dr.. Autran, cu-
ja moralidade e illustracSo sao bem
conliecidas em todo o Brasil) nao
prov toda a luz ser o mais des-
presivel, o mais inianie, o mais
corrupto de toda a fltocidade bra-
ileira ; ese este indigno estudun-
te, deshonra da academia, nao
mostra, sobre ser pedante, que, ae
nao mamou o leite da prostituido,
pelo menos fra educado em lu-
panares, onde s poda beber a
O esprolaculo aiiuunCUil para ll >|e lica
transferido para manliSa, 15 do corrente.
A il ver te nela.
O Sr. Francisco Jos do Rgo quaira ler a
hondada de ir tirar o traneelim a a croz oe
deixoa empenhado pela quantia de 18,000
rs. ns rus estrella do Rozario n. 43, en-
tro do prazo de tres dias da data deste; do
cantario aa vendar o mesnao traneelim e
cruz para pagamento da masma quaatia.
Recife, 13 de dezembro de 1850.
ODr. J. S.Santos Jnior, J
O medico homceopatha mora q
9 na rus No?a,n. 58, primei-
> ro andar.
tarea ; advarte-se que o menino hefllho da
praia de Lucena, muito bem educado e
aqui nesla cidade nSo lem prenle algum, a
excepcjlo de um lio, nflo tem conheclmea-
los e nem amizade com peasoe alguma.
--Madama Dalairac previne aos Srs.co-
lectores ou arrematantes das agoas-arden-
teade produccSo brasilaira, que nflo vende,
nem nunca veudau, no seu esUbelecimapto
da ra Nova n. 67, a dita produceflo.
precisa-se alugar um preto caolivo ou
forro, que seja fiel: no bilhar francez da
ra Nova.
Precisa-se alugar um preto pera ven-
der fazendss em um labnleiro : sa ras da
Cadala, n 25, defronte do Becco Largo.
Precisa-se da um amaseador e corta-
dor de massas : na ra do Rozario estrella,
padaria n. 13.
Frecisa-se de uma ama para casa da
nouca familia : na ra dnFogn. n. BV aasj
iertes, junto ao sobradiobo.


Tfovo eatabdeclnirnto de entela-
rla fina, rila Nova n. 36.
Jote Pradines.rutlleiro e rmeiro, partici-
pa o reapaitavel publico desta cidado, e
principaln-ente a seos freguezes, que mu-
dou o pslabelorimento que tinha na ra lar-
ga do Rozario para ra Nova n. 38, confron-
te igreja da Conceigo, aonde o acharSo
prnnipln a xccutar qualquer encomroende
dess arte com a maior perfelcSo possivel
e pelos precos mais baratoado que em ou-
tra parte. Oannonciante lendu ltimamen-
te receblo de Franca um grande sortimen-
to de objacios de sua arte acha que seria
fastidioso de osenurrerar npsta folha, po-
ro" elle mencionara oa seguintes: naTalhmi
superiores aa que tem vindo at agora, te-
souras para atraales, costureiras e cabel-
lereiro, um lindo aortimento de lesouras
lin 's para senhoraa, ferros de cirurgis, ditos
de dentista, caivetes de urna at seis fo-
lliss. lesouratjde hnrtelSo e facas de mesa.
Elle tem tambem todos oa preparos neces-
sarios os capadores, como sejain : espin-
gardas, aacatrapoa, polvarinhos, boleas de
cafa, espoletas, ou?idos de espingarda, etc.,
ele. etc. NSo te falla da qualidade desses
diversos objertos, que o annunciante efU-
anfi ser superior, elle tem um grande aor-
timento de fundas, e tem ac superior e fun-
dido de todas as grossnras. Todos esses ob-
jectos aerSo patentes aoa compradores e hilo
de-agradar pelos precos rasoaveis. O n-
unciante para acoalerar exeoue So rfaa an-
coni mendas que se Ihe fuer maodou vir um
offlcisl de Franca, oqual chegou no brigue
Casar, e se acha em exercicio no eatabele-
cimento cima. Amola-se sempre as ter-
cas-feiras, quintas a sabbados.
Roubo.
Jos Pereira Cezar faz publico que foi rou-
bado hontem 3 do correle das 9 horas da ma-
ntisa as 3 da (arde,na casa de sua morada na
na do Queimado 0. 33, primeiro andar :
levan to-lhe o ladrflo ou ladrees o seguinte:
urna lata de flandrea por pintar, fachada
com um cadeado, contendo aetecnlos e
q liaren tas tantos mil ris.om urna sedula de
200.000 rs. ; urna de tOO.OOO rs ; quatro de
50,000 rs. ; cinco de 90.000 rs.; e o ass
em diversas mi odas, e quatro moedas de pa-
taca em prata ; bem como una let-a aceitta
por Casimiro doa neis Gomes, de 14,000 rs.;
urna de Manool Das de Tole lo, de 18,000
re.; urna de Domingos Jos Gonsalves de
96S.340 re. ; urna de Clara Cavalcanlo de
Albiiqaerque, de 113,3(0 rs ; urna de An-
tonia Francisca Canaval Pinto, de 101,870
rs. ; unta da Hanoel Francisco da Rocha, de
66,712 rs.; urna de Paulo Caetano de Albu-
querqoe o Francisco Paes Brrelo, de rs.
413,15 orna de Jos Francisco Mouttelro,
de 231,90* rs. ; ulna de Antonio da Rocht
Accioli Manoel Ruarque de Mac Jo de Li-
ma, de 536,942 rs. : urna de JeHo Jos doa
Pasaos, de 551,931 r. ; urna ilej padre Jos
Athanasio de Jess, de 200,000 H.; urna de
Francisco Jos de S. de 40,000 rs. ; urna
de Luis Jos da Silva Burgos, de 1:438,500
rs.; duas de Repliaei remandes Porto e
Franciaeo Alvea de Moura, una de 11128.870
rs. eO*|tra de 1:138.000 rs. ; urna da Manuel
KernaSJUes Camata, de 631,935 rs, ; urna de
Manoel Jos Comee 110 000 rs ; urna de Ma-
nos! RuarquedeMacedol.ima, de 1:074,450
rs. ; urna de Tliomaz barbosa da Coala, de
70,430 re.; orna de Guilheruie Augusto iiu-
lngl(M,SeUe. de 400.000 rs. Levaran mais
u cus hergslinha de aloque, uui chapeo du
chili usa lo, um dito de castor braucu usado
com caixa verde francesa, deissram um
chapeo do chille velho e sujo.- 0 annun-
ciante roga ss autoridad* puliciaes o dea
cobrimenlo desle roubo, e prometle bus
recompensa e segredo a quem Ihe deseo-
brir, ou dr algunia noticia apesar de jase
Supeitsr quem fui o autor de se me I lian le
roubo.
Chapeos de sol. ^_
Ra doPasseio.n 5. >Sf
>egta fabrica ha presentemente um rico
sortimento destes objectog de todas as co-
res e qualidades, lanto de seda como de
paniuoho, por precoa com modos ; ditos pa-
ra senhora, de bom gosto: estes chapeos
sSo fritos pela ultima moda ; seda adaynas
cada com ricas franjas de relroz. Na mesma
casa se acha igual aortimento de sedas e
panninbo imitando sedes, para cobrir ar-
nmcOes servidas: todas estas fazendas ven-
dem-se em porefio e a reUlhn : lambem se
concert qualquer chapeo de sol, tanto de
basteas de ferro como de halis, assim como
umbelas de igrejaa: ludo por preco com-
luodo. Na mesma casa ha chapeos de sol,
daftiarca maior, de panno e de seda, pro-
prios para feilores du engenho, por serem
dos mais fortes que se pdein fabricar.
Precisa ae de una ama que silba co-
xinhar e eugommar, pera casa de hornea,
selteiro: em Fra de Portas, ra do Pilar,
ii 32.

i
a'aulo Galgnoux, dentista
iraMea. oiTereee tieii prest- 9
uto ao publico para todos os 9
S* miste res de sua proflssio : i
pode ser proeurado a qaal-
quer hora em sua casa, na
m ra lnt-gado lo/arlo. n. 36,
segundo andar.
Precise-se a lugar um molecote esperto
e de boa conducta para o servico interno de
urna easa ingleza : paga-ae bem quera ti-
ver, annuocie.
-- Dou.ingo a.4 do corrate,
-Mpkii-ke desde a Passagem da
fdalcna al rua do (jollegio
urna pulcelra de diamantes cufia-
da em perolas oa aljfar :
a tiver adiado e quizer reslilui-.a,
dirija-* rua da Cadeia do He-
cile, primeiro andar da casa n.
38, que era gratificado com a
qtiMtraque valer a mesma ataca.
Aluga-se pelo lempo dafesta ou an-
nuaJraenlea casa do duus andares, defron-
te de S. Sebaaiio em linda, com commo-
dosnara grande familia: a tratar pa mes-
da rua Direita n. 20, com commodo para
grande familia : na rua Direita n, 93, pri-
meiro andar.
Precisa-se de um homem que trabalhe
do enxadH, entenda de vaccas etire leile :
na Magdalena, estrada nova, primeiro por-
tad de ferro. No mesma lugsr tamben pre-
cisa-se de um bolieiro.
-T- Faz publico o aballo assignsdo, aoa
sena freguezes desta provincia e das cir-
cumvisinhas, que na sua loja ds rua Nova
dests cidade, n. 33, novamntee estabeleci-
da, existe um grande sortimento de fazen-
das inglezas, francezaa erjetod.g asmis
nacoes, por precos muito em corita ; epara
a mais prompla liquidarlo das fazendas
francezaa que se scbavam no dito estabele-
cimento, na occaaiSo da compra, ven lem-
se por menos de urna teres parle do primi-
tivo cusi as fazendas seguinte*: selin-
de variaa cores e lavrados, meiss de seda
para homem e senbora de todos os lma-
nnos, brancas e pretas, cortes de vestidos
de seda e de Isnzinhas, bicos de Blonda de
todas ss largaras e superior qualidade.caro-
brsiaa de cores finas, perfumaras luvasde
sedee de pellica, de lodosos gostos e lma-
nnos, meiss de algodSo e de fio da escocia
diloa, chapeos de sol para homem e senho-
ra, varias cores. Antonio Gomes Villar.
Aluga-se urna casa no Poco da Panel,
la com bons commodos para grande familia-
estribaria para quatro cavallos, boa agoa de
Ivlwr, jar.lia* fraila ; adtciln-so mais
que a dita casa he murada em roda e tem
um grande copiar tapado com frente e sa-
luda para o rio.- a tratar oa rua do Trapiche,
armazem o. 44.
JtO dia 17 do corrente, em praca do Sr.
juiz docivel daprimeir* vara, se ha de ar-
rematar, por ser a ultima praca, as fazen-
das e srmsc8o da loja, que foi do finado
Joaquim Rodrigues Costa, a requerimento
do respectivo testamenteiro Manoel Rodri-
gues Costa.
--L)o ah i io assignando fugio, emfide
dezembro do corrente anno, o seu escravo
crioulo de nome Antonio, de trinta annos
pouco mais ou menos, estatura regular,
corpo cheio, olhos amortecidos e falla des-
oancada : este escravo fof comprado a Mi-
noel Galdino VYanderley Lins, morador Do
engenho Brejo Novo, en SennhKem ; dizem
que fora quem o seduzio para fugir, eque
o tem tido e contina a ter em seu poder,
ora no dito engenho Brejo Novo, ora no de-
nominado Pao Sangue, lambem em Seri-
nhflem, de propriedade de um seu prente,
Moga, portento, o mesmo abaixd assignado
a apprehensfio do dito escravo, rogando-a
tambem a qualquer particular, a quem pro-
melte a gralificar;So de 50,000 rs. logo que
Ihe entregue o dito escravo, oa rua Direita
desta cidade, sobrado n. 121, ou no enge
ntio dos Pintos, freguezia de Sanio Amaro
de JaboatSo. Jm Fernanda ia Cmt.
Quem precisar para csixeiro de loja de
fazendas de um menino brasileiro com 14
annos e com alguna pratica deste negocio,
por ler sido caixeiro de urna loja nt cidade
da Parahiba, dirija-se rua Nova n. 49, lo-
ja de alfaiale ao p da ConceicSo dos Mila-
Abrem-se e imprimem-se bilhetes de
visita em qualquer carcter, rtulos e todos
os ohjectos que detnandam prceilos calli-
graphicos, retratos e quaesquer desenhos,
sinetes typos emblemticos, ornamentos
[itra capas de Itvros, e allnat todos OS ob-
IpcIos da arte de gravara em alto e baixo
relevo, ecom delicadesa. As pessoas que
oretenderem algumas destas cousas, diri-
jam-se A rua do llrum, defronte da fundi-
c8o ingleza, ou ns seguinles lojas de Ii-
vros : ns rua da Cruz n. 56, na praca da In-
dependencia ns. 6 e 8, e no palee do Colle-
gio n, 6, onde se for misier podero deixar
>eusuomes e morada para serem procu-
radas.
O O Medico do Povo O
jornal da propaganda homceopa-
O linca distribue-se gralit na loja de O
O fazendas do Sr. A. F. Pereira, oa rua O
O do Crespo, n. 4. O
Precisa-se de um caixeiro portuguez,
que tenha pratica de venda : na rua Direi-
ta, pailrian 26, se dir quem precisa.
Os Srs. Dr. Antonio Borgps Leal, l.uix
de Hollanda Cavalcanli de Albuquerque e
Joaquim Malaquias Pacheco, queiram man-
dar buscarcarUseurna encomaienda na rua
Nova n. 19, primeiro andar, ouanounciem
suas moradas.
--No dia 16 do corrente, as 11 horas da
mantilla, sera vendida quem mais der,
urna taverna que foi avaliada em 300 e tan-
tos mil rs. sil' na rua da Con Vista perlencente a herancado finado Joa-
quim Antonio Tbamoleo, em preseuca do
lllm. .Sr. Dr. juiz do civ-'l da segunda vara.
O escriplo se acha em m3o do porleiro do
juizo.
-- Preciss-se slugar urna preta forra ou
scrava, para o servico de urna casa de pou
V
lida em um olho ; lew.u camisa de algodSo-
zinho, calcas de brim e chapeo de pello, lu-
do velbo- quem o pegar leve-o a rua For-
mse, sobrado por cima do cartorio d es-
crivilo Cardozo.
Precisa-se de um homem para feitor
de um sitio perto da praca, devendo su-
jeiter-se a trabalhar de enxada, e que sei-
ba plantar arvoredos, flores e verduras :
agradando, paga-se com generosidade : a
fallar no primeiro ailio, na estrada dos
Afflictos, do lado direito.
li-se dlnheiro a premio em pequeas
quantias sb penhores de ouro : na rua do
Cahuir. loja n. I C, de Joaquim Jos da Cos-
ta Fajozes.
No dia 18 do corrente mez se ha de ar-
rematar em praca publicado Sr. Dr. juiz
de orphSos, a randa annual do trapiche de-
nominadoTrapiche do Ramos, na rua
nova da Praia, o qual compOe-se de um
grande armazem, qio lica nos fundos de
oulros que all exiatem, lando para dito ar-
mazem entrada independente dos oulros,
dous guindastes na frente do caes e da dita
entrada ; s avaliac8o he d* renda annual de
oi tcenlos mil ris, que val a praca a reque-
rimento do tutor dos orpbfios, filhos do fal-
lecido Jos Ramos de Oliveirs : he a ultima
praca.
Prerisa-so de urna ama secca para o
servio do urna casa de peuca familia: aa
rua Nova, loja de chapeos e. 46.
--Precisa-se alugar dOss pretos sadios
para trabalharem em um armazem de com-
pras e venias de assucsr: quem os tiver,
dirijs-serua da Cruz, no Recife, arma-
zens n. 5 ou 13, para tratar do ajuste
Precisa-se de urna ama de leile : na
Boa Vista, roa de Santa Cruz n 38.
Tendo sido eacarregado pelo Sr bernar-
do Jos da Cmara de dirigir oa Irabalhoa do
rscrlplorio da tvpograpbia nacional, e vend-
me agora forjado a deiaar a taris por me ser
impoasivel sujeilar-meao que de miin exigi o
nesmo Sr.; e coinprehendendo o lugar que eu
eiercia recebiinenlo de asignaturas, ele., etc.,
rogo ao senbor redactor a publica;o do docu-
mento junio, com o qoal pravo que npnhuin
alcance Uve com a casa, para arredar qualquer
uapeiu que possa motivar ainlnha retirada.
Jm Itaymundo 4a NaUmd*di Saldanka.
a Declaro que baveado initer que a peaaoa
enearregada desta Ivpographla aeja constante
nrlla desde manhaa aedo al a noite a hora
de ser entregue < a jornars aos deslrlbuidores,
e nao podendo o Sr. Saldanha, eoino disae, sub-
nrtter-ae a lwo, he o motivo porque p-asoii a
ser substituido por outra pesaos, nao tendo at
o prsenle deaooberto laica Ja parte do ineiino
aenhor. Recife 10 de detembro de 1850. ber-
nardo Joi aa Cmara. Eslava reconhecldo, a
Na rua da Conceicao da Boa Vista n.
II precisa-sede urna ama para comprare
cosinhsr, para urna casa de pouca familia.
Desappareceu no dia 10 do crrante
mez de dezembro, um preto por nome Julo
Mariano, representa ter 95 annos de idade,
estatura regultr, crioulo, reforjado, roslu
grande, tem urna marca de golpe de espada
no pescoco, e outrs no olho direito, no qual
tem urna belide.he bem filante, levou calca
branca e camisa asul, um bonet, urna trocha
atada em um lenco amarellu : quem o adiar
pode-o levar a rua Velhan. 61, ou na po-
voscflo do Monleiro.cass terrea junto ao so-
brado, que ser recompensado.
Aluga-se, pelo lempo ds festa, um sitio
pequeo na Capunga, com bstanlas srvo-
redoa detVucto, e casa para familia, com
eaeimba de boa agoa de beber tanque pa-
ra banbo, e muito perto do rio .* airas dos
Marlyrios, rua do Caldeireiro. n. 46.
Precisa-se de urna preta forra para todo
o servico interno e externo de urna casa de
homem solteiro : na rua estreita do Roza-
rio, loja de miudezas, n. 9 A.
Manoel Luiz Ferreira da Silva, mora-
dor no engenho Harmona, esocio no mes-
mo engenho, faz sciente a todas ss pessoas
que elle pretende deixar a sociedade, para
administrado de engenho, entrando elle
com 6 escravos seus : a pessoa que com elle
quizer fater negocio, dirija-se ao referido
engenho freguezia da escuda em casa de
sua residencia no mesmo eiig-nha.
Fabrica de asphalto, oni Fra de
l'ortas. em frente do chafurlz
da rua do llrum.
Para ladrilhar casaa terreas, terrscee pas
seios de ras, soleiras da jnllas qun lo
se acham rotas, pela m qualidade da pe-
dia, nSo ba eomposicfio molhor do que saja
a masss denominada asphalto, por ter ella
mesma consistencia de pedra, deveriam oa
Srs. proprielarios approveitar o lempo
de verSo por ser msis fcil a appllccAo da
referida massa, o preco be o mais commodo
possivel, por cuja rasflo ara boa occasiOu
para aperfeicoarem os paaseios dasrussda
bella venesa brasileira. ~-\
OITerece-se para caixeiro de qualiur.r
estabclecimento, a excepco de venda, um*'
pessoa com habilit Gompra-se um cordo que
tenha 6 palmos, e um ponteiro.
tudo de bom ouro, sem feitio, e
que tenha 25 oitavas pouco mais
ou menos ambia as cousas : na rua
das Larangeiras, n. 14, segundo
andar.
Compram-se duas rodss de carroca : na
rua do Hospicio, taverna do Iqjlo de ouro.
Gompram-se escravos de am-
bos os sexos: na rua da Gadeia do
Uecil'e, n. 51, primeiro andar.
Compra-seo 1. e 5. nmeros do pe-
ridico o Medica do Povo em Pernambuco :
aa praca da Independencia, ns 6 e 8.
Compra-se um preto que tenha 40 an-
nos, sem vicios nem achiques i na rua lar-
ga do Rozar io, n. 26, luja de miudezas.
-- Comprs-se um par de brincos de ouro
que seja molerno : na rua Novan. 16.
Vendas.
a>
#
?
*
*
>
->
*1
a

fftffff?:f*f:**ffVffO
Na loja do sobrado amareilo nos *
quatro cantos da rua do Queimado o. *
99, tem para vender um completo *
so tmenlo de cortes de vestidos de 2
seda, e brancos, fazenda superior em ^
gosto e qualidade; dito* decambraia ^s
de seda de 7,000 a 1-2,000 ris ; ditos S
de cimbris de cores, aborta, cassas
de cures, gestos novos; chita fran-
ceza, padrOes da cassa ; se la de fur-
ia cores, propria para mateleles e
capotinhos; lensos bordados de cam-
brais de linho, muito ricos, proprios
para noiva ; pao de linho adamas-
> cado escuro, com 9 palmos de largu- -og
'4f ra, fazenda inteiramente nova, pro- -og
* pria para cohrir mesas ; e outras *
* muitas fazendas finas de gosto e pre- 2
!? C muito commodo.
Veode-se urna parda de 16 annos, que
cose, engomma. cozinha, e bonita figura,
propria para mucama : na rua da Praia nu-
mero 3-z.
Vendem-seduas pretas de naco, sen-
do urna de meia idade, que lava bem de var-
rela e sabio, sem vicios nem achaques :
vend'-se para pagamento de urna divida :
na rua da Concordia, quem vem da ponic,
esquerila, segunda casa terrea, se dir
quem vende.
Veude-settm terreno ja pln-
talo, com 91 palmos de frente e 490 e tan-
tos de fundo, com aliceres para casa terrea
ou sob-a lo, ionio a frente j murada, em
chaos proprios, na Iravcssa da rua da Sole-
lade para roa Itial, ou estra la do Ihngui-
nho, entre, o sitio ds senhora I). Antonia
Fmncisca Cadaval Pinto e oom o sitio do
fallec lo li'iienl-! Antonio Marcellino de Mel-
n burro da Boa Vista : a tratar com o
lo, n
sngrail.ir e dentista Jos Anacleto, no lar-
gonos Qualro Cantos, junto a igreja do llo-
urio, hairro de Santo Antonio.
Pechincba para a reata.
Ven tem-se aapalOus de lustro a 9,500,
3.000, 3.500 e 4,000 rs : no Aterro da Boa
Vista, luja n. 58, junto a de seleiro.
-- Ven lem-se 60 pos de sanolis, plantados
em diferentes caix -s de faCI Con lucio, e
por isso ptimos para serem embarcados:
no becco do Kspinheiro, primeira casa, ao
entrar pela estrada de Jlo de barros.
As Srds do bom gosto.
Os bons borzeguins francezes
gaspeados e de fino duraque, pa-
ra senhora, dos ltimos que clie-
garam ao mercado, pelo diminuto
preco de quatro mil tis o par : na
loja de Uellarmino do- Santos Bol-
rao, na praca da Independencia
n. 33, e na rua Direita, loja com
armac3o invernizada n. 5o, de Jo-
s Basilio de Mendonca.
Ven le-se um bonits parda, de 14 a 16
annos, recnlhi la, que sabe vestir senhora,
tratar do assein de qualquer casa, he coslu-
reira. sahecozinhar, e rom principios de
engommado, nao tem vicio nem achaque
algum : a tratar na rua Bella n 6
Vende-se um bonito cahriolet desco-
berlo, de elegante molde, proprio para os
paaseios da fesla, por com nodo preco: na
rua do Collegio n. 16, primeiro andar.
Vende-se um camar usado, enverni-
eonducta : quem pretender, dirija-se I rua jsado de novo, por 19,000 rs. : na rua estrei-
Nuva n. 60, primeiro andar.
Desappareceu, no dia II do corente,
da rua larga do Rozario, m cavallo mela-
ca familia, com tanto que seiba cozinhar : do, grande, de cangalha, com crinas e cau-
ii rua Nova, no segundo andar do sobrado) da pretas, e castrado : quem o tiver em seu
poder haja de o mandar na rua do Queima-
do, n. 10,'ouno engenho Taquary, a Jos
Francisco da Silva, que pagar toda a des-
defroale da casa da cmara.
B. Casanova mudou
i.
na casa, bu na rua da Cadeia do Recife, le-
ja D. ou.
H-"J??m--"*e e U"*M lod* qoslida
de da ioopa com lodo asseio e muits promp-
tidflo, por preco mais eommoJo do que en "
Sf* ^l1u' P na rua de Agoas-Ver-
ue, o. s. vo
- --.- o s-ajuado andar do sobrado* Da
O facultativo J.
o seu consultorio homceopalhico da %
rua da Cadeia para a rua das Cruzes #
D. 28, segundo andar, pode contina %
a dar consultas 'odos os das. Os po- %
bresserao tratados gratuitamente. >*!* O Sr. Manoel Francisco Teixeira, mo-
rador nesta praca, queir ter a bondadede
dirigir-se es Cinco Ponas, sobrado n. 62
al s 8 horas da manhaa, ou ao depois de
3 horas da larde, em qualquer dia que se
Ihe deseja fallar.
--'Adwverte-se a quemeomprar aHaverna
quero n 80i gtt Dt rui do LYrimenlo,.que o pro-
prietar.lo precisa da loja.
Na padaria nova do Uanguinho preci-
sa-se de um bom forneiro: quem estiver
nesle cs'so, dinja-sea mesma padapa, que
achara com quem tratar.
- Precisa-se de urna ama de leile forra ou
captiva : oa roa da Aurora n. 44, segundo
andar.
O escravo Luiz que fugio no dia 18 do
prximo passedo navembro, ba noticias de
achar-ae nesla capital; tem 98 annos; he
crioula, de estatura ordinaria, feicOes re-
gulares ; he bastante barbado, com bons
denles, e flnalmeole um preto de boa pre-
senca, e ofiicial de pedreiro : quem o pegar
eve-o ao engenho Cal
Fugio, no da 6 do corrente, um escra-
de nome JoaA. da narRo Cabinda ; viudo
poucos dial du Alagas; tero ama be-
peza.

" Precisa-se arrendar anualmente um
sitio bem perto da praea, tendo planta de
capim para dona cavallos, ain-ta mesmo
principiando o arreadsmenloem Janeiro ou
fevereiro em diante: quem tiver annuncie
Fazem-se com muita perfeiclo doces
de todas as qualidades, lano de calda como
secco, por preco commodo: no Aterro-da-
Boa-Vista. n. 19, primeiro andar.
JoBo Joaquim de Souza retira-se para
Portugal a tratar de aoa saude.
Para a fe la.
Aluga-se, pelo lempo da fesla, urna boa
casa de pedra e cal, no lugsr da Torre, a
quai estar prompla na vespera de S. Tlio-
m, com 2 salas, A quartos, cozinha fra ; e
se o rendeiro tiver cavallo, dar-se-ba capim
durante o lempo do arreudamento, do que
tiver no sitio, conforme o trato : a tratar na
Turre, no sitio do Leal, ou no armazem de
lijlos da rua da Gadeia.
Compras.
Compra-ae aa meditacSes de
La Blartine em 4 volumes ; quem
tiver, annuncie.
Compra-se bico para duas toalha em
roda, sendo um Uno e oulro mais cheio : na
rua do Raogel n. 36, primeiro andar.
ta do Rozario n. 32, loja de marceneiro.
Vende-se urna ou duas vaccas em bom
estado, Iporcm presentemente dBo pouco
leile por falta de pasto : no sitio denomina-
do do Lobato, estrada de JoSo de Barros.
Vende-se a taverna sita na rus da Lin-
goeta n. 5, com os fundos de 400 a 500,000
rs. : a tratar na Boa Vista, rua do Carnario,
n. 7.
Vendem-se qoeijos do reino novos, a
1,190 rs. : na rua Direita, n. 14.
Vendem-se queijus londrinos, ditos de
prato, bocelas de marmelada de duas at
meia libra, lates com sardinhss, ditas com
ervilhas, ditas com superior chocolate de
Lisboa, seiras com superiores figos de olto
libras, calimbas com massas finas para
6>>e, garrafas com vinho musealel deSetu-
bal. duas de dito do Porto e Madeira, gises
com superior champagne, salame da Rafia,
superiores presuntos poituguezes, paios e
chouricas, latas com biscoutos inglezes,
seinenles de ortalice de todas as qualida-
des : ludo muito superior e mais barato do
queemoulra qualquer pule': na rua da
Cruz do Recife, defronte do Dr. Cosme, nu-
mero 46.
-- Vende-se, para fra da provincia, um
escravo acaboucolado, de 90 annos, por di-
minuto preco : quem o pretender, dirija-se
rua da Praia de Santa Hita n. 95, primei-
ro andar.
Casa de modas francesas de Bu-
esaard Al loche* ii. Aterro dn
Boa Vista ii. 1.
Recebeu-se pelo ultimo navio do Havre
um liodo sortimento de modas verdadera-
mente parisienses, consisti lo em cbapos
le seda, de palha o de montara para senho-
rs, vasiidos parra tulles e cssaisebta, man-
teletes e capotinhos, plumas e flores, oolle-
rinhos de bico verdadeiro, cortes de csssi
eesmbraia brancos e de cores, lenco de
mSo de cambraia de linho e de algodSo, esr
partilhos, bicos verdsdeiros e oulros, fitas
de todas as larguras e cores, transas, fran-
jas, luvas, c.ianos de palha para meninos
e meninas, vestidos para as ditas, filas,
cambraias, lencinhos degares e de seda,
veos e msntilhas para casamoto, e mais
outras fazendas que se venderfio muito em
conta.
-- Na loja de miudezas da roa dos Quar-
leis n. 94, vende-se rap meio grosso frn-
cez chegado ltimamente do Rio de Janei-
ro Na mesma loja lambem yenlem-se car-
tas francezas finas e ordinarias.
-.- ?en4e-se ura escravo crioulo de 90 an-
nos, de bonrta figura, que cozinha e nSo
tem vicios : na rua das Cruzes n. 37, segun-
do andar.
Vende-se um bom cavallo novo e sem
achaques, que serve tanto para s-ll* como
para cahriolet: na rua de S. Goncalo n. 99.
Vende-se urna taverns com poucos fun-
dos, ero Fra de Portas.^rua dos Guarara-
pes, n. 9 : a tratar na mesma, que todo ne-
gocio se fara.
-- Vendem-se ptimas vaccas paridas, ou-
tras apartadas, porm de muito boa quali-
dade e alguos vitellos : lado por preco com-
modo, por nSo haver lugar para as ter : na
estrada nova, adiaute da Magdalena, pri-
meira casa azul.
Ven le-se espirito de vinho a 1,000 rs.
a caada s no pateo do Paraizo n. 90, ta-
verna.
VenJe-se um piano hamburguez em
bom uso, por preco commodo, e muito pro-
prio para quem quizer aprender i na rua
Nova, no primeiro andar do sobrado n. 05,
confronte a casa da cmara.
Charntosde S. Felii, a 2,400 rs.
a caixinha de loo.
Vende-se esta bem conhecida qualidade
de charutos, na rua do Queimado n. 16, lo-
ja de Jos Dias simes.
Ao publico.
Em mui crescidn numero contavam os mdi-
cos at agora molestias incuraveis, contra as
quaes so era permitlido ao padrote resigaa-
(o para soffrer um mal de ciur j nao bavia
esperanzas de poder liberta-lo, e ao indico
philantrupico a dor de ver miiitos de seus se-
iiieihautes victimas de coTenuidades, contra as
quaea se declarava imptente, podendo apenas
lameotar a fraqueza da intelllgencia humana.
Mas, grafas aos prngressos da medicina, gra-
tas ao iflo Je humen* incaniaveis, que, nao
desesperando da perfectibilidade da seleacia,
se tem dedluado iovesligaco de remedios
que poasam alliviar a huiuanidade de alguna
males que a arBigrin, o numero das molest4s
reputadas Incuravris val de dia coi da diinl
mundo. Assim, achar depois de tungos trab*-
Ihos, de profunda iiiedimcao e reiteradas expe-
riencias, iiiedicaiiii'iilos que nos restituam o
uso dos doua uuis iinpurlantes sentidos de que
he dotado o homem, quando ratea j se acha-
vam no supposto estado de iocurabilidade e
intcirainenle perdidos, he por certo um dos
inaiorea servifos que se poda prestar huma-
nidade; eis o que rstava reservado a uiu ho-
uein pliil.-iiuropo da cidade de braga, em Por-
tugal, cuja sciencia, cujo amor de seua seme-
Ihantes se teein feito gerahueole cunhecer. Os
remedios que ora otferrcemos ao publico, nao
eiilram na clatse daqueltes que o vido e ousa-
du charlaianiaiuo inculca com ouc.is e des-
couipassadoa brados, c que o crdulo vulgo
por Ignorancia recebe na boa f e sem di.ccr-
nirneuto, ach.indo-ae de|ois iiludid; tem, po-
rm, de oceupar mui distincto lu^ar esatre oa
medicameatos quemaiores bcnelicms prrstain
ao liomeiii: con aa de estrados de pl intaa medicioaes, de vir-
tudes mui reconhecldas e verificadas O longo
uso, as continuadas e severas experiencias,
que pur lodaa parte teein elles sido submcui-
dos, sem que "una s vez liajaiit falnado eia
seus linos ilcitos, e desmentido as rsperaacae
que sobre riles havia fundado o seu iuvmtor,
Ihe leem graugeado coustanles e repetidos elo-
gios dos mais sabios e respeitavels mdicos,
assim ila Europa, como da America que unso-
nos abonaiu e proclaman! sua accao sempre
certa e brnigoa. Um desies licores he desti-
nado a coiitbaler as molestias de olhos, e teta
por principal virlude restituiraosorgosda vi*
sao mas funeces ; reaolmar e fazer reappare-
cer em sua natural perfeicao a vista, quando
eata estiver fracaouquasi exlincta ; comanlo,
pnrcni, que nao haja cegueira absoluta cum
lesorganisa^ao das paites; nao menos uiil e
enrgico he para deslaser as cataratas, destruir
as nevoasede promplo debellar qualquer i 11-
flamiuaco ou vermelhido dos olhos. Nao
causam dr nem estimulo na parte.
Oulro liquido reslilue a faculdade de ouvir
os sons ao ouvido tocado de surdez, aluda que
inveterada urna vez que o mal na seja de naa-
cenca, sem causar em lempo algum o menor
incoiuiuodo ao doenle, e sem priva-lo de cui-
dar em seus negocios.
INSTRUCCKSPAR4 O USO DOS REMEDIOS.
U dos olhot imprega-u do modo leguinte:
O doente pria inanlia, em jejum, urna hora
pouco mais ou menos depois que erguer-se do
Icim, tomar sobre a palma da uiau pequea
porfi daqurlla agoa ; e com ella molhar.
bem os olhos, fa/.endo que algumas gollaa
caiain sobre o glubo oceular : sem os liiupar,
os conservar mulhados at que naturalmente
enxugueui: ao deitar-se noite praticar o
mesmo : durante o lempo que uar do reme-
dio evitar o calor, aeco de fumaca e o vento;
far abstinencia de comidas salgadas, aiedaa e
adubadas com especiaras.
O remedio dos ouvijot eerd applieaio do modo sh
aafSlii
O doeute pela manhaa, urna hora pouco
mais ou meaos depoia de erguer-ae, alada em
jcjuoi, far derramar dentro dos ouvidos qua-
tro ou cuco gollas do liquido, tapando-o de-
pois com algodo em rama; noite ao deitar-
se repetir a mesma operaco. Durante o uso
do remedio evitar expor, os ouvidos princi-
palmente, acedo do calor e du vento, alim de
evitar grande transpirado, havendo cuidada
cm nao innlbar os ps em agoa fra; finalmen-
te eleve obster-se de comidas salgadas, azedaa e
adubadas.
hales remedios estao venda oa botica de
Bariholoioeu Francisco de Soma, aa rua larga
do Rosario, a. 36, nico deposito em Pernam-
buco, pelo preco de 2,240 rs. cada vidro.
KOI.111 MAS PARA 1851.
Na livrarla da praca da Inde-
pendencia, ns. 6 e 8, vendem-se
folnliihas de nlgibeira e porta pa-
ra o anno que vem.
Na rua Nova, n. 8, loja de Jos
Joaquina Moreira & C. ,
vendem-se famosos chapeos francezes para
homem, de formas mui liofla e modernaa,
a de oiitima pellucia.
No largo da Assembla, n. 10, tenda de
tanoeiro, de Aoloniu do Espirito-Santo Se-
na, vendem-se barns de mel novo, proprio
para embarque, por preco rasoavel.
Vendem-ie missaea novos e outras usa-
dos : ns rua di Cacimba, so aruiaioui par
baixo do sobrado do Sr. vigario Brralo,
^>


*
Vende-se cera de carnauba : na rtia da
Madre-de-neos, n. 3*
Vende-so exoite de andiroba muito su-
perior ao de coco, nao s por nfio ter aquel-
la mo rhiro, como porque d uma melhor
luz, asseio e dumcio, a 480 rs. a garrafa:
no paleo do Terco, taverna n. 7.
Vndese gangas trancadas, a 140 rs
lizas, a 100 rs.; chitas de coberl*. a 900 rs.
d vestido, a 160 rs. ; fustoes, 400 rs. e
240 rs. ; riscm-ctos de calcas, a 240 rs,; cas-
aaa de diversas qualidades ; 1 mesa de meio
de sala ; 1 cama de angico ; 1 lustro ; 1
commnde ; 1 secreta ; 12 cadeirs ; 1 loca-
dor : na ra das Laranjeirea n. 29
--Vende-so umsellim novo o com muito
pouco uso, para montara de merfina em
carneiro : na ru Direit, n. 10.
Na roa larga d rtoze'io, n. 22,
vende-se urna mulatinha de 12 anuos, mui-
to linda a recolhida, propria para se edu-
car, poia ja ten principios de costura ; urna
preta crioula, de 20 anuos, que engomma,
coae e cozinha ; e 3 pretoa ptimos traba-
jadores de enxada.
Vende-so uma escrsva moca, muito boa,
sem vicio algum, e muito propria para o
servipo de uma casa : narua Bella, n. 16
Na ra do Vigerin, n. 21, primeiro an-
dar, vendem-ae superiores vinhos engarra-
fados, chegados ltimamente, como sejam :
moscatel, carcavellos, etc. : tamhem se ven-
de marmelada muito hem acondicionada ;
retroz sonido de muito boa qualidade ;
mercurio doce em Ulinha* de duis libras.
Vendem-se bonitos niole-
eocs, ptimos par o trabalho de
armaxem de assucsr, por sercm
muito fortes ; 3 pretas de meia
idade, muito baratas ; e duas pre-
tas mocas : ludo em conta na ra
das Larangeiras, n. 14 segundo
andar.
Na ra das Crozas, n. 22, segundo an-
dar, vende-se uma escrava parda, que en-
gomma, cozinha, cose e lava ; uma negro-
ta crioula, de 14 uos, com principios de
habilidades; duas pretas de nacSo, de 20
a 21 annos, que cozmham, engommam liso
o lavam desabao ; uma dita do servicu de
campo ; dous pretos de naffio, ptimos ga-
nhedores de mi.
r # # #<
Cera em velas.
Vendem-se caixas com ce-
# ra em velas de 3 at 16 em
) libra, fabricada no Rio de
Janeiro, por pero mnis lia
ralo do que em outra qnal-
! quer parte : trata-se com
i
9
a quer parte
# Machado & Pmheiro, na ra
* do Vgario, n. 19, segundo
y anda.
##? 9 f> 999**99
Vende-se urna porcSode en-
eas hespanholas, vinho Cham-
pagne muito superior; dito Bor-
deanx em quartolas, dito Muscatel
em caixas de \8 garrafas, azule-
jos, cimento, oca, almagre, cal hy-
diulica, verde francs em p,
cabos de linlio : na ra do Trapi-
che n. 11.
Vende-se superior furiiilin
gallega, em meias barricas : no escriptorio
de lieane Toulr & C. ou em seus armtzens
do becco du Goncalves.
Uculos paia tbeatro.
ruios os melhores qus neste
genero tem apparecido, e que sao
muito necessartos para o bom tom
do theatro S.-Isbbel : vendm-se
muito em conta : no pateo rio Col-
leglo, n. 6, liviana de Joo da
Costa Dourado.
U bom e barato.
No Pssseo-Publieo, lojs n.9, de Albino
Jos Leite, veode-se um completo sortl-
mento de chTtas, a 120 rs. c covtdo ; cassa
para ha hados, a 240 rs. a vara; riscado ran-
cez largo, a 200 rs. ocovado ; cobei tures de
algodSo grosso para esciavcs, a 720 ra. ;
madapotao, a 100 rs. a vara ; riscados de
linbomiudnhos. a 320 rs. o covadu ; len-
cos de seda decores, a 1,000 rs. ; e outras
muitas fazenda* que no he possivel an-
uneiar para nao ocrupar lempo.
Vendem-se abneles higinicos, [o
mais superiores que teem vindo a este mer-
cado, assim como outra pe fumarias muito
finas : na ra da Cadeia Velba n. 24, pri-
meiro andar.
Cal e potassa.
Vende-se a mais nova e superior potassa
que ba no meicado, e cal vigem em pedra
chegada pelo ultimo navio de Lisboa, por
preco commodo : ra da Cadeia do Re-
cife, n. 58, a faltar com Cunta & Amorim ;
assim eorw n> restante de beiris da ines-
m eal, que ncou da safra passada, por ba-
rato preco.
Bombas de ferro.
. Veudem-se bombas de repoxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Bruiu, ns. 6, 8 e io,
fundilo de ferro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro
differenles modelos : na ra
Brum,ns. 6, 8 e io, fabrica
machinas e lurusicao de ferro.
Vende-se uma sextante nova feita
um dos melhores autores de Londres e lam
bi-m un orisonla artificial e um theodilele :
na rus d" TraDch armazemn. 44.
NAo he exugeracao.
Teodem-ae sapatOcs de cou>o de lustro,
obra muito boa, a 2,500, 3,000 e.3,500rs.:
na rus da Cadeia do Herir, luja n. 9.
Vende-s,u 6scrva oprima CGZnhel-
rs, sem vicios, por preco cumniodo : na ra
de Rangel, n. 57, sobrado.
de
do
de
por
Cobertores de tapete para
escravos.
J se vender os acreditados cobertores
'e tapete para escravos, a 720 rs. cada um ;
ior isso venham a elles sntes que se aca-
ben), ou passem para maia alto prec,o : na
na do Crespo, loja da esquina que vota
oara a cadeia.
Bap Paulo-Cordeiro.
Vende-se effeclivamente eate exoellente
rap, na ra da Cadeia do Recife, n. 50, le-
la de Cunta < Amorim.
A i ,6oo rs.
Vendem-se novos cortes de bnm tranca-
do escuro com dua varas e meia cada corte,
a 1,600; cassa franceza de bom goslo.a 2,600
rs. ; pecas de esguillo de algodSo coro 12
varas, c 2,400rs. a peca ; cobertores de al-
godSo de cores, s 720 rs. : na ra do Cres-
po, n. 6, loja ao p do lampelo.
Pecas de esguioa a,5oo rs.
Na loja da ra do Queimado, n. 17, ao p.
da botica, ainda tem para vender pelo ba-
rato preco de 2,500 t.; pecas de esguio de
algodfio, com 12 jarlas, muito proprio pa-
ra camisss de senhora, por ser mais largo
que o madapolSo.
Para acabar vendem-se,
na ra do Queimado, loja n. 17, eassas fran-
cesas de 18a abertas, e de padrOes muito
delicados, a 400 rs. o covado ; cambraias
ile cores modernas, a bCO rs. a vara ; Chitas
francezas do melhor gosto que tem vindOa
este mercado, a 320 e 360 o covado. DSo-se
as amostras.
Deposito le cal vligcm.
Na ra do Torres, n 12, ha muito supe-
rior cal nova em pedra, chegeda ltima-
mente de Lisboa no brigue Tanyo-Tercro.
Cabezadas Inglezas.
Vendem-se cahecadas inglexas roligas e
chitas, loros e silhas de 18 : na ra do Tra-
piche n. 10.
Superior velas de carnauba a pre-
co commodo:
vende-sena ra da Cadeia, n. 93.
Vende-se um escravo de elegante figu-
ra, excellcnlerarreiro, e ptimo para lodo
o servico, principalmente o do camio, por
preco mdico : na ra do Hospicio n. 9.
-- Vendem-se as decadas de Jolo de Bar-
roa e Coulo, o primeiro he melhor clasaico
da lingoa portuguesa em 27 volumea ; geo-
graphia de Caultier, 1 vol.; historia sagra-
da por Bernardino, 2 vol. ; poesiaa do Dr.
ioio de Barros : no atierro da Boa-Vista, lo-
ja do Sr. Eslima.
Vende-se superior e muito
nova farinha de mandioca, chga-
da agora do S.-Catharina pelo bri-
gne Soares, ancorado na volta do
Forte-do-Mattos : quem a quizer
comprar por menos do que em ou-
tra qualquer parle,dirija- se a bordo
do mesmo navio, ou ao escriptorio
deOliVeira, Paiva & C. na ra
da Alfandega-Vellia, n. 5.
- O gerente do contrato do rap de Lis-
boa contina a vender era sus loja este ra-
p, e desejando aanafazer aoa fregueses,
leui s-guioo por a ven la o mala moler no,
por julgar ser o mais fresco, a vista do que
declara que se no respuosabelisa por qual-
quer motivo que se queira allegar, alim de
que se receba o rap depois de vendido.
- Vende-se, para fura da provincia, uma
negrinha de 18 anuos, sadia e acoslumada
a fazeroservico de urna casa : na Koa-Vis-
ta, ra da Maugueira, n. 11.
Vendem-se bilhetes da lote-
ra de N S. do Livramento : no
pateo do Collegio, casa do livro
i ziil.
_Vende-se uma | casa terrea na rus da
Seuzalla-Nova, n. --, em chaos foreiros a
cmara d'oinda : no largo do Carmo, n. 14.
At que n certarani.
SapatOes de orelhae salto alto, feitos s
capricho no Aracaiy a imitacuo dos de cou-
ro de lustro : este calcado depois de abilus-
do a legitime graxa ingleza n. 97, imita
exactamente ao de pulimento: lamben che-
garam dosoulroslsem oreltias, que se ven-
dem a 800 rs.: na ra larga do Hozado, n.
35, loja doLody.
I ni preto bom cozinheiro.
Vende-se um preto de bonita figura, bom
cozinheiro e melhor comprador, cabellerei-
ro e barbeiro, e he de boa conducta : na
ra larga do Hozario, u. 48, primeiro andar,
se dir quem vende.
loo sarcos novos de estopa.
Vendem-se 100 saceos novos de estopa
algodSo, por atacado a 320 rs. cada um : na
ra larga do Rozarlo, o. 48, primeiro an
dar.
Boin negocio.
Vende-se ou troca-se por cssas terreas
um terreno em frente do qnariel do lim-
pian, o qual tem uma olana; leudo de
frente 107 palmos e de fundos desde a ra
da Aurora at a do Hospicio: este terreno
tem logar para se edificar 15 moradas de
casas com mais de 30 palmos de frente, e
200 de fundos ; faz-ae negocio com indo o
terreno ou com melado : na piac,a da Inde-
pendencia n. 17, para tratar.
Vende-se rap superior de Paulo Cor-
deiro: na ra da Cadeia do Recite loja de
Julio Jos de Carvalho Moraes, e igualmen-
te se vende na gieiroa luja penas de ouro
cdtn Jiicos de diamantes.
A ellas antes que se acabem.
Cbegaram oa procurados sapatoa de cou-
ro de lustro de orelbaa de 2,000 a 2,400 n.,
obra forte: na ra da Cadeis do Recife o.
9, loja.
SSSK.
Farinha nova da marca SSSF, Chegada
ltimamente : na ra do Auion-n n. 35, ar-
mazem de J. i Tasso Junios.
No vas cambraias.
Vendem-ae ricos corles de cambraia abar-
las com 6 varas e 3|4, d listas e rsmagem
de cor, fazenda muito fina da lindos gosto,
pelo barato preco de 4,000 rs. o corle, chi-
ta de cores mullo miudmhas, pannos mui
lo fiaos, cores fizas, a 900 rs. o covado
brinsde liuho amarrllo, cor de ganga, lista
a lado, fszestfS muito fina, pelo barsiissi-
ino preco de 2,i'0 is. o corla : na ra do
Crespn. 14, loja de Jos Francisco Din,
l'otassada Rusta.
Vende-se potassa da Russia, recentqrnen-
te chegada, e de muito superior qualidade :
na rus do Trapiche, n. 17.
AttencSo.
Vende-se una casa terrea mui-
to grande, com seis quartos, duas
salas e um quintal, com 3oo pal-
mos de fundo, chSo proprio, sita
na da Boa-Hora em Olinda : a tra-
tar mesmo em Oli.ida nos Quatro
Cantos con o Sr. Jo3o Luiz de
Almeida, oa no Becfe na ra do
Queimado loj de miudezas n. i5.
Sabonete grande a 8o rs.
Vendem-se saboneles gran Jes, a 80 rs. ;
froco, s 100 ra. a vara : no Aterro-da-Boa-
Vista, n. 48, loja. A elles qua ba pouca por-
eflo.
i Vandem-aa 14 esersvos, sendo u offl-
cisl de pedreiro, de bonita figura ; um di-
to csrreiro ; ubi molequa de 8 s 9 auno,
muito lindo ; 6 eseravas mofas, de bonitas
ligaras, entre as qaaes algumas com habi-
lidades ; 2 escravos do servico de campo : na
ra Direils, n. S.
Na cidade de Olinda, rna do Bom-Kim,
cssa da residencia da Manoel Nunas d Mal-
lo, vende-se doce bem feito da varias qua-
lidades ; bem cosoje-doce de osj aecco: lu-
do por preco commodo.
Lotera de N. S. do Livramento.
Ns prsot da Independencia, n. 4, loja de
miudezas, vendem-se os afortunados bi-
Inetes, meios, quartos, decimos e vigsimos
da lotera de N. 8. do Livramento. que cor-
re imprelerivelmente rio dia 94 do correte.
Bilhetes 11,000
" Meios 5,500
Quartos 2,600
Decimos 1,10*
Vigsimos *
Chapeos.
Ns loja n. 2 na ra Nova, vaadem-se :
chaiios francezee para homem, a 7,090 e
7.500 ris ; ditos de merino pravo com
molla a 6 000 res ; ditos dito brinco dito
dito f ,000 ris; ditos de castor branco finis-
simos 10,000 ris; ditos de palha fina ama-
relia a 4,000, 5.000 e 6,000 ris ditos de,
massa alvadia, para campanha, com aba lar-
ga e copa redonda a 3,000 ris: para se-
nhora, chapeos de palha com lecido de ca-
bellos 6,000 ris r ditos de renda braaea a
7,000 r-sj ditos de palha para meninas a
1,500 tis ; chapeos de seds para sol a 7000
e 8.000 ris; ditos psrs senhora 5,000 ris ;
ditos de pao de algodSo muito fiaos 3,000
ris ; dinheiro vista.
Vende-Se bichas pretas grandes de su-
perior quslidade porsmetade do preco qoe
os barbeiros alugam; na ra da Cadeis do
Recife n. 2.
Na loja n. 2, atrs da matriz, oa ra Nova,
vendem-se calcado francs barato.
Botins do duraque preto gaspeado de cou-
ro de lusto para homem 4,0000
Sapalos de msrroquim decores psra
senhora 1,440
Ditos pretos l.280
Ditos de cooro de lustro 2,ono
tutos de setim braoco 2.500
Ditos de dursqoa preto 2,2"0
Di ios de duraque de crea 800
Ditos de tanate para senhora 1.440
Dito para bomem 1,500
Ditos de marroquim 1,50o
Ditos da Dusaque de cores para mo-
llinas 70
lloims de duraque de cores gaspea-
dos para meninas 3,00o
Sapalos de couro de lustro com sola
francesa para homem 6,500
Nao se vendo fiado e sima dinheiro a Vista.
Ceblas a 8oo rs.
o cento : vende-se no armazem de Campel-
lo Filho, na ra da Cadeia do Recife n. 64.
Farelo a 4,ooo rs. -
a sacca com 96 libras : vende-se no arma-
zem de Campello r'ilho, na ra da Cadeia
jo Recife n. 64.
Cha nacional
em caixinhas de4 s 100 libras : vende-se no
armazem de Campello Filho, ras ds Cadeia
do Recife n. 64.
Charutos
de S. Flix, os melhores que se podem en-
contrar m aroma, sabor e perfeicao : no
armazem de Campello Filho, rus da Cadeia
do Recife n 64.
Vende-se muilo em conta palha pre-
parada para cadeiras, em porco e a reta-
Iho : na rus da Csdeis de Ssnlo Antonio nu-
mero 20
Vende-je uma preta criou-
la de 16 a 17 annos, sem vicios
nem achaques, de bonita figura,
com principios de costura, en-
gomma c cozinha : na ra da Ca-
deia do i'.eeife, n. 6, loja.
Chapeos de sol.
Vendem-te chapeos da sol de seda preta
e de cores, a 6,000 ss ; ditos de panninho
para hmeos, senborss e meninos, por pre-
co mais commodo do que em outra qual-
quer paite : na rila do l'asseio o. 5.
Frescos de agoa de Colonia
s 5oo rs.
Vendem-se frascos de agoa da Colonia, a
500,800, 1 ,U00 e 1,500 ra., do bao contie-
ndo autor L. T. Piver : aianca-se a sus au-
lerioridade: na ra do Queimado, n. 16,
loja de Jos DiasSimOes.
Charuto de San-Felix
a a,8oo rs. a caixa.
Vende-sa esta superior qualidade de cha-
rutos de San-Felix, ns roa do Qulmado,
n. 16, loja de Jote DiasSimOes.
Nieaa bengalas.
Na ruado (Jueimado, n. 16, loja de Jos
DiasSimOes, vondem-so bengalas de muito
superior quslidada, a com castOesde diver-
sos goatos, por oojco preco, que muito
convida rs so comprador.
Jo.-c Joaquim Moreira & C., com
loja na ra Nova, n. 8, U.^J
annunciam para vender por preco mdico
OS segumtes objeel^a : raheefies de fil de
liuho para fra Je vestidos, uuss de gos-1
toe inleiramente nova no mercado; ctmi-l
' i" map
sinhasoom suas gollinbas, o msisbem bor-
dsdo possivel; manguitos e melas manga-
de cambraia e lil de linho; gollinhas d<
fil liso guarnecidas de Ota cOr de rosa ; ta-
llios >le bico de seds. brsncos e pretos e ou
tros matizados de eflr de rosa ; pentea d-
tartaruga para prender cabello, que sen
exageracose pledizer serem os melhores
que aqui teem vindo.
Vendem-se oh verdadeiros e aprecia-
reis charutos de Havsna la Norma ; ns ra
da Cruz, n. 1.
Superiores vinhos.
Na ra da Cadeia, n. 1,
vendem-se excelentes vinhos do di
versas qualidades. tanlo engarra-
fado, como em barris, sendo dn
Porto, Figueirs, Rcelas, Wadeira,
Cracavelos, Colares, Moscatel de Setubsl.
etc.; assim como outros muitos gneros de
ptimas qualidades, e de que sampre esta
prevenido este estabelecimento.
-- Vendem-se 10spolices ds compsnhis
deBeberihe, com algum prejuizo : na rus
larga do Rozarlo, n. 46, loja.
Vendem-se as bem conbe-
cidas pillas de Morison : no es-
criptorio de A. S. Corbett, na
ra de Cadeia, n. 48-
Vende-se 1 negrinha de 15 snnoi pou-
co mais ou menos, hbil para qualqaer
cousa que a queiraai appllcar : na ra do
Queimado n. 38.
Vende-se superior vinho de
Champanha AY, o melhor que ha
no mercado, por preco commodo.'
em casa de P. Adour & C, na ra
da Cadeia do Recife, n. 52.
Vende-se um moleque de 10 a 12 an-
nos, ou troca-se por uma negra qua seja
Iboaquitandeira : na ra de liortas, n. 52.
Vende-se uma rica toalba de lavarinto,
e de muito boa fazenda : na ra do Cabugi,
loja n. 9.
Vende-se espingardas linas para caca :
na ra Nova, loja doferragens de Jos Lurz
Pereira.
Novo t re ni de rosinha-
Chaleiras, fregideiras, pauellas ecassaro-
las de fjrro forra.las de porcelana, facas
com cabos de marfim e tambera, da osso
muito finas, bules e cafeteiras de metal,
bacia dn rame para ps e banho, maquinas
para caf : arende-se na ra Nova loja da
ferragens n. 16 de Jos Luiz Pereira,
O Madame Tbeard roa Nova, n. 32.
2[ Madame Thearl avisa a todas as su- *
as freguesas e pessoasde bom gosto w
O que acaba de recebar um lindo sor- 9
O Omento de chapeos, vindo de franca O
de aeda de variadas cOres ern enfei-
r]> tes mais elegantes que aqui tem ap-
Q parecido no mercado.
eOOOOO0 OOOQQ&0
llebrard, rus do Trapiche, novo, n. 22,
tem um deposito de graxa americana em
caixinha, vende-se pelo preco de 600 rs,
uma duzia. e por 500 em poreflo.
Espirito de 3 i-os.
Vende-sa espirito de 38 graos a retalho a
t.OOO ra. a caada : na doslilaclo da traves-
aa da Concordia.
Cheguem ao barato.
Vende-se muito boa farinha da Santa Ca-
tharina : a bordo do brigue Lato, tundeado
ao p do trapiche do algodSo, a sele pata-
cas o alqueire, medida velha, e sondo por-
CSo d,a-se a 9.000 rs
Vendem-ae mappas para inspectores da
quarteirBo a 100 rs. : na praca da Indepen-
dencia n. 34.
Na loja de Jos Joaquim Moreira
& Companhia, na ra Novan. 8,
vendem-se
luvas ile torcal de superior qualidade para
senhora, a 1,000 rs. o par; bengallas de
caima da India com ricos castoes, tsnto
grossss como finas, a 2, 3 e 4,000 rs.
- Vende-se um bom carro de duas rodsi,
pintado e envernisado de novo, com-os seus
competentes srreios : ludo em bom estado
para se desfrutar, sem que se f alguma com elle. Tsmbem vende-se um
bom csvallo para o mesmo carro : oa casa
do sitio do Campo Verde.
Noy idade .
No Alerro-da-Boa-vista,
n. 53, vai-se abrir, uestes 8
dias, um deposito dos mais
variados, ricos e modernos
os tos em obras de alabas-
tro, mar more, pedra agacha ;
bem como um sortimento de
outras variadas e elegantes
obras em barro cozido e
enveiiiizado, representando
estatuas, lees, globos, va*
sos e cutios n>utos objec-
os para adornos de jardn,
salas e palacios, tudo do
mais apurado gosto e vin*
dos ltimamente da I (alta,
e que por j ter lido uma
grande aceitaco na? prac s
do Hio de Janeiro e Babia,
espera-.se que igualmente
nao deixar de a ter nesta
praca de Pemambuco : to-
das estas novi.iades se ven-
dem por prego commodo.
de ruado Pusseio-I'ublico, n. 19,
bs um rico sortimento de espedios de Fran-
ca com quadros doursdos de todos os l-
mannos ; camas frsncejas da moguo e do
do ultii
I JIHIU, II
Jacaranda Jo-ultimo gosto, cunulas, cor-
ilinados e mosqueteiros para osvna, tape-
'.es, colchas de damasco, pecas de cassa aila-
nscadas psra cortinados, guarnicO>*s com-
jletas para janellas, meias de algodSo para
lomom, ditas para senhora, luvas de re-
roz branco e preto, franjas e cordOes'de
Jifferentes cores.
Vendem-se 1 elogios de #n-
ro e prata, patente inglez : na ra
da Senzalla-Nova, n. 4a.
30OO
* Deposito geral do superior ra-O
sl p Areia-Preta da fabrica $
deGaotois FailhetSt C.
O
na Babia. O
Domingos A Ivs Halheus, agente da^
fabrica de rap superior Areia-Preta da w
Baha, tem aborto um depqsito na ruad
da Crus, no Itecife, o. 59, primeiro an-O
dar, onde se achara sempre daste ex-0
cellenlee maia acreditado rap-: ven-Q
de-se em boles da uma e sjWia libra,
por praco commodo.
&
Vendse um grande sitio no lugar do
Manguinho, que (ice defronte dos sitios dos
Or*. Carnal ios, com grande osas de vlven-
ds, de quatro agoas, grande senzalls, co-
cheira, estribarla, baixsdecaplm que sus-
tenta 8 a ? cavalloa, grande cacimba, com
bomba e tanque cubarlo para banho Iibs-
tsntes arvoredos do frueto : ns roa da Con-
cordia, primeiro sobrado novo de um andar.
Vendem-se colleecdes com
mais de seis lindas vistas, repre-
sentando a ponte do Itecife com a
alandega, a ponte da BoarVista,
a cidade de Olinda, a ponte do Ca-
cha ng, Foco-da-l'anella, e a ra
da Cruz como arco do Bom-Jess;
bem como duas grandes vistas de
Pernambuco: na ra da Cruz, n.
io. casa de Kalkmaos irnio.
Joao Kellcr S ( oiiipaiihlA, un
ra da Cruz, n. 55,
Vendem a procos commodosi vfnbb mus-
catel de Seluhal, em cana de uma du-
zia; dito muito bom de l.avradiu e Col-
lares, em barris de quinto ; dito de Chao.i'-
psaba, da mais acreditada marca; dito tin-
to de Corlaillod, de supeiior qualidade;
extracto de ahsynth kirsch ligtim da
Suiasa, em caixas de uma duzia ; verdadel-
ro cognac velho, e da melhor fabrica de
Franca, aiu barris de 80 garrafas pouco
mais ou menos : tamhem se vndem por
preco muilo rasoavel velas de slearina ,ero
caixas de 32 libras ; charutos da Babia de
muilo boa qualidade.
Agencia de Kdwin Maw.
Ra de Apollo, n. 6, armazem de Me. Cal*
mont & Companhia, fazetri ver aos Sra. da
engenho e aos seos eorrjespondentes tiesta
prac*, que no seu estabelecimento 8e *cn(
constantemente bom soitimMio de moen-
uas todas de ferro para animis, agoa, etc.;
meias ditas para armar em (naden* ; ma-
chinas par* vapor com forc de 4 cavallo* ;
uixsa de differeoles modeloa e de lodos os
tamanboa e grossurss, tanlo de ferro balido
como eoodo; espumadeiras, cocos, etc., d
ferro eatanbado ; safras para ferrairoa : tu*
do muito hom e oor barato preco.
Escravos fgidos
No dia 10 de seteit brade 1850. as 7 ho-
ras da noite, deaappsreceu uma mulata, in-
do fazer despejo n* praia, de nomo Jo-nna,
representa 25 a 30 annos, alta, cheia do cor-
po, olhos grandes, bucea regular, desden-
tada na frenir-i-FwSose ps grandes e gros-
sos, peitos cabidos eeheios ; levou vestido
de ehils verde ja velho, urnas rosetas fran-
cesas tambam velhaa: quem a pagar leve-a
i ra de Agoas-Verdes, n, 61, que serjo ge-
nero** menle recompensado.
No dia. 10 do crrente, desapparecen o
preto Ventura, de nacao, excessivamenta
bsixo a reforcado do corpo, ps um tamo
redondos; tem falta de dous denles ni
frente, sem bsiba, cabello aparado; levou
cales de algodfio de lislrea, camisa de ira-
da polSo com algumas marcas dn alcatrSo ;
e he bastante ladino : quem o pegar leve o
a ra do Vigario, n. 1, armawm de caNa,
de Braga & C. que gratificar* generosa-
mente.
Gratlflea-se bem.
Fugio no dia 94 do corrente mez de no-
vembro, o preto Antonio de naci Cabindl,
que representa ter 45 annos de idade, altu-
ra recular, cheiodo corpo, cara abocetada,
com baalsntes cabellos tiransos na caliera,
muilo cabelludo nos peitoa, levou cale* e
jaquela de ganga asul, he ofllcial de caldei-
reiro da fabrica da ra do Brum O. S;
desconOa-se que tenha ido para o malo por
ter ja estado fgido perlo de um anno em
algum engenho: roga-se pois a quem o
prehender leve-o aos Sra. do mesmo es-
crsvo Mes quila & Muir na dita fabrica ajue
serfio generosamente recompensados.
-- Fugio, no da SO da novembro proli-
mo pasas lo, uma preta crioula, de stoma
Florencia, de 40 e tantos annos, da altura e
corpo regulares, nariz chalo ; miando falla
treme com a cahec* ; tem o dfdo
da niSo direit encolliido que nlo o
bem; levou sai* da ohita cabeoBo
godtozinho ; he bem fallante : quem s pe*
w*r leve-a ao sitio dos Arcos na Casa-For-
te, ou na ra do Arsgfio, n. S, a sers re-
compensado.
Fugio, do engenho Santiago,no- dia 15
do crranle, molequa Antonio, de 14 an-
uos, corpo regular, rosto letondo, ulhoi
grandes e bastante hrancos, camisa ds algo-
dSo da trra, chai o de palha ja usado; lem
urna marca de farida uo hombro equardu,
limpo dos ps : quem o pegar levo-o i rui
da Apollo, n. 15.
-- Fogin, no dis 98 no novembro prxi-
mo passado, do engenho Guarara es, O es-
CiavoMalliia, pdrfer.csnte 8 D SefOflyn"
Sanuoo da Sirve Helio, de altura regalar,
rosto muito lustroso, cor um tanto ful.
bastante ladino, de 30 anona pouco mais ou
menos; e be carreiro : quem o pegar leve-o
ao dito engenho, a aua senhora, qua grati-
ficara. .***; -
brm, \'A'I V" DF. M. v
IUO lana
-.** 1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2L7UNIN1_AT66Z6 INGEST_TIME 2013-04-24T15:33:02Z PACKAGE AA00011611_07236
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES