Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07228


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXIV.
PAKTIDAS VO OHBKKM.
Golaon a Parahlb, s segundas e (citas felras.
Illo-raqde-do-lloile, loda ai quinta* felras ao
me(o-Uiu
Cabo, Scrlolticio. llio-Forraoso, Porto-Calvo e
Macelo, nol.'.a II c 21 de cada uifi.
Garanhuns e Bonito, a e 53.
VotaDVIila e Florea, a 13 e 28.
Victoria, s quintas felras.
Dunda, todos os dlM.

Qninta-feira 5
ETHKMlaiDCS.
-Nova, a 3, aa 3 e S6 m. da t. ,
Creae.'a 11, as 6 b. e 17 ni. da (.
Chela, a 19, as2h. e35ra.dam.
Mlog. a 25, s 6 b. M m. da t.
nusua OJ.
Prlmelra ai 6 boras 8 minutos da manbia
Segnoda as 6 horas 30 minutos da urde.
de Dezembro de 1850.
N. 276.
wmmgo va strsMCBpoAo.
Por tres meses (adianladus) 4|000
Par seis metes 8/000
Por am anno > 15*000

PA* DA SEMANA.
2 Seg. s. Bibiana.
3 Tere. 8. Francisco Xavier. And. do I. da 2.
v. do civel, e do dos feitos da fasenda.
4 (Jnart. S. Ilarbara. Aud. do J. da?, v. do clrel.
5 Qulnt. Geraldo. Aud. do J. dos or. do
n. da 1. t.
8 SeiL S. Nicolao. Aud. do J. da 1 v. c. e do
dos Cellos da fazenda
7 ab. 8. Ambrollo. Aud. da Chae, e do J.
da 2. v. do civel.
8 Doin. Couceicao de Hossa Senhora.
CAMBIO H Sobre Londres, a 29 1|2 JO d. p. 1/000 rs, 60 dlaa
V Pars, 3S3 por Sr.
Lisboa, 100. por oento.
Ouro. Oncas hespanholas..... 20/500 a 80/0*0
Moedaa de 6/400 velhas. 16/200 a 101500
de 6/100 novas 16/000 a 161200
de4|000....... 9/000 a 9/20O
Prau.Patacoes brasilelroa___ l/!i60 a 1/980
Pesos coiumoarioj..... 1/960 a 1/980
Ditos mexicanos........ 1/700 a 1/780
ERRATA. i meatos mi* o hospital reg mental dests
Noartigo do 8r. Dr Sabino, ou* tem porli<'*oe,' V" te titulo .-lloaopaUll*Pur~puWioadoo^0^?u,^ioo^e?Di,*0 ?f" ,MM nm',^0B
IKarwdhoBlem7ni segunda patina, M-|8er Prentdo i equelles dos Srs. phar-
1 maceuticos, que aglteipadamente o quize-
rem consultar, nos das atis, e durante aa
DE PEM4MB1110.
+'
unda columna e segundo paragrapho, eei
Jogsr da pslavca morsldade leia-se
mordacidad.
"' I.
PAwti OFFICHL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
CIPAMENTE DO DlAMffi ltOVF.MBRO.
OUlcio.Ao commindo das armas, pom-
municando que segando constou de viso
do ministerio da guerra datado deste-mez,
se ooncedeu um mes de lieeoca com sold
aiSJtpUe par demorir-te aesta provincia a
Joto Carlos de Ledo e Al mida a I reres do
corpotfixo deeacadores do Caer.Intelll-
gawctou-s* a aogadoria mUlUr.
Dito.-Ao inapeetnr do arsenal de mari-
no*, remetiendo o coohecimenlo am duoll-
eata da carne fresca, que pelo almoiarifado
da ilhs de F*r*tadv f*i fornecida aguar-
ntfSo briguo-oacutu Canopu, a bem as-
aim a cbnta das despezss feius com varias
praeaa do mcsKo neigue-rscun, queesti-
eram em tn-timenlo no liospil! daquelis
silla durante osmezes de utobro e novem-
Itro deste anata-, MUWqaw mande indem-
nisar a pagadura .militar da importancia
dos referidos documentos.--Neste senlido
Dram-ie as convenientes communicscOes.
Dito.Ao tnetmo, Ncommendando que
mande comprar e entregar ao eommandm-
te do brigue Caltiope ol gneros menciona
doano mappa que remelle, os quses foram
lornecldos aos presos de jusliga, que con-
doli ltimamente para a ilha de Fernando,
visto aaoffrrteaeer essa despea a reparti-
eflo da marinha era a administracilo geral,
devendo remetiera competente conta para
er paga a sus lmporlancia pela thesoura-
ria da fazenda provincal.-lnteirou-se ao
oommandetUodo referida brigue.
Dilo.Ao sesmo, para m and ir proceder
B*av*l brevidade aos concertos de
brigue eseun
da ilba de Fernando
ria militar, enviando para
-o onhrcimento e ter-
dos gneros o objectos,
remettldosuttiiMaMMe para a ilha de Fer-
tiaudo no baigtie escuna CtMope.
. DJl0'TA *#' '*m'meiidando em vis-
ta da inJorruaello do iseto* d thesour.
ija de wzcniia, que sb a responsabilidade
staprraiitiaoaa, aos termos do decreto de 7
JfM.aiu de tstienando pagar pur eautells
a^Doaaacandaatedo oitavo bt|hflo de ca-
i quantia de iOS9.753 rts, que se
mencionado balalhffo de
a. periencenles ao ejercicio
al que o governo imperial
aai8 acertado Ihe parecer,
; quota paro esse pagamento,
lir .que por esta falta fiquem as
Sis do referida batslhoo preteridas dos
eut veiieiaiejatoa. Scienlilicou-se ao edm-
muuio das aratau.
Dito.A niesma, para que mande pagar
ao sargento do carpo de policia Roberto da
Costa V.sconcellos a quanlia de 8,000 ris a
que lem direito por bsver appreltendido o
dtserior do quinto balalliSo de fuzil.-iros
Matwel JosFizera cotnmuoicacoe*.
Dito. -Ao arsenal da guerra, coneedendo
aauloriaee5o que pedio para despender
quanlia de 330,000 r.s coa a compra dos
gneros necessarios paira a illuminscSo
daquelle arsenal no da 3 a mea vindouro,
e roraecimento de lazess fortalezas, guar-
des e qusrteisjes corpos da guarnico des-
la provinciucia em o dilo tuez.--Cummuni-
eau-8B a jiagadqrft militar.
Dito.Alhefuuraria da fazenda provin-
cial, Irsunniiiiindo copia do orcamento
que approvou da rameficaco do pri-
meiro lanco da estrada do sui para a Til-
la do Cabo, cuja obra tem de aer. fe i la por
adminjslracao. lntelligen*iott-e ao di-
rector das obras publicas.
Dilo.Ao primeirosuppleute do juiz mu-
nicipal da jirlmeira vara desta cidade, re-
meitendo para terem o conveniente deslino,
o auto de VC|kiria de Ideutidade de pessoa,
a que se proceden no cadver do sentencia-
do Marcolino Jos Antonio, fallecido na ilh
de reroaudo.beo como as guias de Antonio
Angelo de Oliveira e Manoel Balthuar Tor-
res, qu tendo compndo naquella ilba suas
stnlencas, vieram para aqui no brigue es-
cuna Canopo, oiiie se acham a sua disposi-
cao.iNeate sentido ofDciou-e oo com mi o-
u.ulc u ito/iuu migue escuna.
Portara. Normando paia o cargo da
subdelegado da freguezia de Cabrob a An-
tonio Ferreira Lustrosa. Cummunicou-se
to chefeflapoli
."tSrjEemitlindo do lugar de guarda
da alfaJBj a desta cidade a Jlo Pinto de
\eras "boleando para o mesmo lugar a
Autunio Cune* Ivs Ser vina. ~ luleirou-se a
ilicsouraria
boras do expedieule.
Qoartel do commaado das armas na ci-
dade do Recife, em 25 de novembro de 1850
Francisco Camello Ptttoa di Lacrela, ea-
pitSo secretario do commsndo das armas
gXTCTIOfl.
De NOVEMBRO.
tanto dilaoeraram a Mpanht, tinham por
objecto vender-lhe os slgodoes inglezes.
Enos...
(PerloOeoi Pokrtt no Porto.)
*m
rERNAMBUCO
PflRT04
O direilo internacional inglaza he mu
'ora do commum. Pouco antes de rebonlar 0*.._ri.
revoloQSo na llalla, andar viajando por
ella Lord Minio, sogro do actual primeiro
ministro. As conversas de Lord davam calor
e fazism conceber grandes espersne^s aos
revolucionarlos. Do arsenal real de logia
trra foram armas para os insurgentes da
Sicilia ; na Inglaterra fabricavam-se-lhes
vapores. Eslava prestes um navio da marl
nha real ingleza para ir buscar o duque de
Genova, que bavla de ser rei ds Sicilia. O
governo inglez tinha recouhecido o rei de
aples como rei. dasduas Sicilias, ejao
tratava como rei de aples. E ludo isto
se pratieava vivenda a Inglaterra em paz
osa o rei de iples, tendo este urnsm-
baixador em Londres, e a Inglaterra ootro
na aples. Ser dillicll encontrar na his-
toria outro exemplo de lo prfido proce-
d ment.
As cousss nffo corrersm como se auto-
Iba va ao ministerio inglez ; o rei de ap-
les pode suffocar a nsurreiQSo. F.ntSo Lord
Palmerston reclsmou indemnUicSo para as
perdis que os sbitos britannicos linbinj prisSo *
soffri lo esa consequencia da nsurreico,
que talver ajudinm a fomentar. Feliz di-
reito que fas lucrar os subditos de S. M.
brilannica vendendo aos insurgentes, e.re-
celtendo iademnisar;oes pelas perdas que
estes Ibes causaren) indemnisiQoes que
sao avalladas i Pacifico!
Campo, que As reclamacoes Toecana sao da igual
So bem notorias ss atrocidades pratici-
daa com aa reclamacoes feitas VCri-cia pelo
ministerio inglez. O niquo procedimento
do governo inglez para com a Grecia foi
solemnemente estigmatisado porS. R. Peel
poucos din antea da sua morte, e o ferrete
que Ihe imprimi este eminente estadista
oflo podar ar apagado pelo* aotoa de todo
na parlamentos do mundo ; quinto ruis se
venerar a memoria de S. R. Peel, mala se
detestan o procedimento bavido para com
a Grecia .'
Se Lord Palmerston viver multo lempo,
vaso ruim oto tem desvio.estamos que a- !
JURY DO RECIPE.
? .SBSSAO ORDINARIA DESTE ANNO.
Prndemela do Sr. Dr. Catiro eo.
Dia 25 de novembro de 183o.
t'nim hora da manfcSa, relia a eha-
acham-se prsenles 39 Srs. ju-
rados.
O Sr. Presidente abie a sessSo, multsndo
que deixaram de comparecer, sem
excuse legal.
Procede-se ao sorteio do conceibo, e ss-
hem escolhidosos seguintes Srs.: Manoel
Bezerra de Menezes, Frsncfsco de Paula Ma-
chado, Miguel Serafim d Castro Nunes,
Manoel Jos de Santa-Anua Arsujo, Domin-
gos llenrique Mafra, JosJeronymo Mon-
leiro. Jlo Pedro Maduro da Fonseca, JoSo
Athanszio Botelho, Antonio Egydio da Sil-
va, Antonio Epaminondas da Mello e Manoal
Luiz da Veiga.
Prosudo o juramento do eslylo.
O Sr. Presidente faz ao reo o seguinte
Interrogatorio.
luizComo se chama ?
Ito Pedro de Alcntara do Nascimento.
JuizOnde foi preso ?
otio Rio-Formoso.
JaisQusl foi o motivo de sua prisSo ?
ReoO motivo, foi que me mandaram fa-
zer urna couoUiac&o, porm prenderam-me
antes de eu sallar.
MiNunca Ihe disseram o motivo de sua
perfeicoara o seu direilo internacional, a
ReoDepois que fui preso e processado,
fot que me disseram ser por cousa de urnas
letlras, que eu levava.
Jui'sA' que lempo est preso ?
leo Fui preso i 15 di maio de 48-
luizConhcce a pessoa, que o incumbi
Je fazer essa concilucflo ?
Rio Manoel de Figueiredo.
O interrogado he ollicial d justica, e he
aecusado pelos crimes de tentativa de es-
tellionalo e falsidade : o primeiro por ha-
ver sublrahido urnas lettras na occasifio,
em que conduzia para o deposito geral um
espolio ; e o segundo por haver apresen-
lado depois de processado urna procuracBo
fala.
Lidas as pecas do processo, e godas u
allegacoes pr e contra
O Sr. Presidente fsz o relstorio da causa
entrega ao concelho os seguintes
QuetUm.
i.' Oreo obleve porarteflcio fraudulen-
to as letlras, que Ihe foram apprehenddas
-amando das araros.
EWTAL.
Kr. coronel Jos Vi cauta de A mo-
ta commandanie das aranss des-
de conformidade cose o oa
go 29 do regula tenlo qoe bai-
i arelo de 1T de fevereire de
^convidar os Sra. pharmaeeo-
licoa SMtoelecidos com boticas nesta cap,
lal, S oomparecereai ne secretaria militar,
I0tofm)iamiihflado*a5da
I8M
poni de que os subditos inglezes se|im n-
damniajados dos prejuizos quesoffrerein no
seu commercio pelas niees ondo residi-
rem ; a dicta de possoir um subdito de S.
M. B. bem o merece; e os principios sSo os
mesmos : os canhOes podem ter maia ampia
applicscflo. Um subdito inglez insultara
a nossa ssnla religiSo na nossa cidade de
Macau ; s auloridade portuguezt, usando
de um direito indisputavel, manda recolher
a pristo o insolsnle Dretflo. O comman-
danie da fores naval ingleza entra violen-
timente em Macau, mata um efere outros
da guarda da piisflo, e leva em triumpho
para bordo dos navios ingleses o insolente
inglez. Ers pitra ver a hypocri*'s com que
o Times filia vi deste acto d. rande valor,
desls facmiha que tsnto hs de condecorsr
os annaes martimos da Gr9 Bretsnha.
Dizem que a governo poiluguez pedir
ao inglez urna sslisfscBo deste insulto i
nio Sitiemos se isto he verdsde ; mss, seu-
ifo-o, he de presumir que s resposti de Lord
Palmerston fosse pouco miis ou menos do
teor seguinte.
Que um Psr ingle/, pode matar um ou
dous veados as cuutsdas do rei, urna vez
que loqueo cor; e que sa um Par infle*
lem tal privilegio, nflo he muito que oUlho
de um Par tentia o de matar um ou dous
porluguezes em Macau; que nfio ha cumpa-
racSo entre as coutadas do Rei de Inglaterra
e Macau. nem entre ub vesdo inglez e um
subdito portuguez.
Os crusadores inglezaf' taeeadiavaiti nos
portosdo Brasil, ea vista das suas fortale-
zas os navios brasileiros, quasi ao mesmo
lempo que o novq embsixsdor inglez esla-
va renovando peraule S. M. o Imperador do
Brasil os protestos de smisade da paite da
sua soberaos .'
O govemo inglez tem entranhss mater-
nas para com todos os revolucionarios, ao
mesmo lempo que be peior que madrasta
Para com os que se revolucionan! contra s
autoridadade brilannica. as autoridades
britarnicas, como j notou o Timti, fuzlt-
ram mais revolucionarios na pequea ilha
de Cephalonia do que os austracos em toda
a Hungra, e a populacBo da Hungra he
pelo menos vinle vezes msior que a do ilha.
Sabc-se o qoe (Izeram em Ceylao. E uto
he por bumanidade que protegem os revo-
lucionarios, he por seren iostruroeutos dq
seu poder. Por meio delles abatata as ns-
cOes, e obrigam-nas a subscroverem ao
que podem os interesses britannicos; por
meio daa guerras civis promovetn s exlrac-
cSo dos productos da sus indust'ia, aoni-
quillando-se a dos povos que aodam em
distensOes polticas. A Europa foi assoiada,
a pastar longo tempo primeiro que se res-
isbeleca dos damnus fue Ihe usaram as
recentes commocea polnicas; mas
mesmo tempo que se assolava a Eurdpa
no Rio-Formoso ?
9 o O reo tentou dolosamente obter as re-
feridas lettrss ?
3." O reo commelleu o crime impelido
por motivo reprovado.'
4.' O reo commelleu o crime com abuso
de con danta .'
S'O reo commelleu o crime com a cir-
cunstancia aggravante de ajuste com ou-
tros
6. O reo foi presoem flagrante?
7.a Existem circumsUncus attenuantes a
favor do roo ?
Segunda guesldo.
i.' Oio para se defender do crime de
estellionato, usou de apudacta falsa, co-
mo se fosse verdsdeirs, sabendo que o nlo
era f
9.* Deu-se a circomstsnea iggravtole
di fraude P
3. Existem circunstancias attenuantes .*
O jury voliando pouco depois, responde,
quanlo ao primeiro quesito; sim por 6 votos
e nSo por igual njimero; quinto ao segundo
sim por 7 votos ; ao lerceiro nSo por 7 vo-
tos f so quarlo nSo por 7 votos ; quinto ao
quiotoaim por 6 votos e nflo por igual nu-
mero ; quanto ao sexto nlo por 10 votos; e
quanto ao stimo nao por 10 votos.
- Segunda gmettio.
Qusnto ao primeiro simenSo por igual
numero de votos ; segundo- sim a nSo por
Igual uumero de votos ; lerceiro nlo por 10
votos
O Sr. Presidente profn a seguinte
Senltnca.
A vi.'ta da decisflo do Jury condemno o
reo no (rio minino do ai t. 961 4 combi-
nado com o aiL 34 e 49 do cdigo criminal
a 60 das de pristo simples e multa de um e
meio por sonto do valor daa lettrss e nat
cuslss.
JuuEntio que Ihe flieram etaas mulheres
suas contrarias ?
ffe_En sel?....
JvitTeve em seu poder urna escrava menor
de Miguel Archaojo Monteiro de Andrade ?
RNao senhor.
JuNJo teve em seu poder urna menor ?
Ae-Mao senhor.
JuiiTeve em seu poder a menor de neme
Helchlsdes?
KiNao senhor.
JtitComo se chama a menor que disse ser
sua sobrinha?
fli~Chamtva.se Melchlaitcs.
/misDe nuera era filba?
JMEra filha de urna mioba irma queja he
orla.
Juiz--Konde eiiste essa sua sobrinha t
M Eslem casa.
JaisNunca teve outra creanca em sua can?
MNao Sr.
JuiSabe escrever?
RiNa senhor.
Lldas as pecas do processo e Andas aa allega-
fdes pro e contra a re.
^'Vsr. Pttttdtntt faz o relatorio da causa e en-
trega ao conseibo os seguintes
QuiiUu.
I.* A r Hara Theresa de Jetus praticou o
faoto de que he aecusada de ter em seu poder a
escrava menor de Miguel Archaojo Monteiro
de Andrade ?
2. A r sbia que a escrava era fuada ?
3.* Eiiileui circuinslauclas attenuantes a fa-
vor da r ?
O jury vollando pouco depois. responde ne-
gativamente c por unaumidade a todos os aut-
illo! :
O Sr. Prttidente cooformando-se com a decl-
sao do jury absolre a r mandando pagar as
cultas pela munleipalidade.
Segundo gulgamento.
Reo alnaacadu Jos Luiz de Sonsa Gulma-
riei, ei-promotor publico Interino da comarca
do Rio-Formoso, aecusado pelo crime de falsi-
dode.
Sao sorteados para o cooselbo que tem de
julgar ao reo os seguintes senhores: Manoel
Joaquim Ferreira Esteves, Manoel Jos deSan-
l'Anua Araujo,Miguel Seralini de Castro Nones,
Joaquim Coelho Cintra, Victorino Joide Sou-
za Travasso, Jos da Roeha Paranhos, Francis-
co Eusebio de Farias, Manoel da Fonseca e Sil-
va, Domingos llenrique Mafra, Joao Marques
trrela e Domingos Antunes Villaca.
Prestado o juramento do eslylo,
O Sr. Presidente loterroga ao reo pela manel-
ra seguinte:
JuiiComo se chama ?
UroJos Luiz de Soma Guimaraes.
JaisSabe porque comparece ueste tribunal?
Rio Se, sim senhor, por ter respondido a
dou processos, com promotor publico inte-
rino na comarcado Rio-roriuoso.
JuisItecorda-ae do promoede* ?
RioSo sel que foi em maio ou junbo por-
que entao eu era promotor.
Jui sDe que anno ?
Jiro De 48.
JuitCoiicorrcu para que fosse dada pelo
juiz Francisco de Barros Wanderlcy a pronun-
cia que consta dos autos'.'
ReoNao sel dlsso.
Jki'ia promocao dada a folhas 47 dos autos
foi emsubstilulfio de alguina outra?
lienForam duas pronuncias quedei no mes-
mo dia, declarando-neain una impedido.
Juis Ulerou depo cesas prorao(des?
AJo-Nunca mais vi estas proiuojoes, scuo
na occaiiloda formaco da culpa.
Lidas as pecas do processo e depois de bre-
ves relie ues pro e contra o reo:
O Sr. I'rtiidenii fas o relatorio da causa e en-
trega ao conseibo os seguintes
Quttitos.
1.' O reo Jos l.uiz de Souza Guimaraei de
accordo com outros e como promotor publico
da comarca do Rio-Formoso, alterpu as pecas
dos autos do que o secusa o libello ?
2.' O reo ciniiiiieiiru o meocionsdo crime
com a circumstancia aggravante de ter prece-
dido ajuste entre este e outros 1
3 Esistein circunstancias attenuantes a fa-
vor do reo ?
O jury respondeu negativamente e por una-
nimidade a todos os quesitos; avista do que,
OSr. Presidente conformndose com a decl-
csso me communicareis, que eu requerere
a mesa aflm della por termo s este escn-
dalo, e se ella for sords, que nao espero,
s esto meu pedido, estou certo que nao o
ser, seeu requerer por aluguel dita casa,
para nella me estabelecer com loja de mo
dezas, de cujo negocio teoho grande prati-
ca, por ter sido oaixelro.de urna, em cuja
nccupacSo aprend o lantim este pouco que
se antes de entrar parea ordein, nSo obs-
tante ter sido minha entrada contra a le
provincial, i*>r sor estrangeiro. Aproveito
a occasifio "para vos dizer, que me acabam
de informar, de existir damnificada por
causa de imprestimo s charolla de N. S. da
Soladade, ese for exacto, lembro-voidere-
querares a mesa o cumprimento do termo
que impfie multa ao irmo que impresta as
alfaias de nossa ordena. He preciso que se-
jtis vigilante sobre os ornsmentos, e nlo
consintaes que eiies sshlsm da ordem, co-
mo j sahiram para o casamento de um
moco. Pela primeira vez tenho vos lem-
brsdo muitos objectos, e mss tinhs-vos a
dizer O Padre Commusario.
V .iRl&UAlJt.
sao absolve o reo.
Te

. Dezem-
bro prximo vindouro, em o qusl lera lu-
nISlHEstap0ublca dos i^o^|pu1vti*jJ,"e^T^^h7 7$ n
dem do dia de novtmbn de 1860.
A't II horas da manha, feita a chamada a-
cham-se presentes 40 senhores Jurados.
O Sr. Presidente abre a esso multando aoi
senhores que deixaram de comparecer sem ex-
cusa legal.
O Sr. Presidente: Val proceder-ae ao sor-
telo do conselho que tem de julgar a r pre-
sente. *
Sorteado o conselho, saliera eleitos os senho-
res segaintea : Pedro Ignacio Haptisla, Domin-
gos Henrique Mafra, Firmioo Joa de Oliveira.
Joaquim <,oefho Ciutra, Manoel da Silva Neves,
Manuel Joaqun, de Sanl'Anna Araujo, Viclori-
imiHiidiiMati Travasso, brtgadelro Alelxo
Jos de Otlvjira, Joao Pedro Madura da Fonse-
ca, JoBAdaUtocaa Paranhos, Domingos Antu-
nes Villija e Joao Bapiist. de Ataujo.
Prestado o iuramento do eslylo,
O Sr Presidente faz a r o seguinte
Com n un icado
Segunds-feirs, 9 do correte, vamos ter o
gosto de ver em seu beneficio eslrear nesta
rovincis o insigne selor Francisco de Sal-
es GumarSes e Cunha. Suas brilhaotes
qualidades dramticas o flzeram dislioguir
pelo grtnde JoAo Caelano, que no Rio de
Janeiro sempre Ihe dera as primetras par-
s ; e nSo foram malogradas aa esperanzas
desse genio brasileiro ; os desempeos do
Sr. Cuimares justificaram a sua escolhs, e
as folhas mais acreditadas do Rio, Baha e
Maceifeceram ao Sr. Sales os mais mere-
cidos encomios. Nos que em publico o In-
venios tantas vezes apreciado como subli-
mo aciu, c czr. par'.!c!y admirado como
A POESJA SERA' UM* INDUSTRIA ?
Os trlbnnaes francezes decidiram que nao.
No banco de polica correccional de Paria
em ura dos ltimos das de agosto eslava sen-
do um mancebo, representante da familia dos
nligos bardos dos lempos da cavallarla, a
havia a diflerenca deque, em vez de harpa e
da capa bespanhola, e do chapeo com plumas,
eslava de blusa e barrete.
Alm disso, se dos amigos trovadores nada
se sabe a respeito dos seus gostos gastronmi-
cos, e parece mesmo, pelo que dizem nos seus
Tersos que vlvlam s de amor e poesa ; o seu
actual lepreseotante tem urna particularissiiua
atleirao a carne de porco, preparada seja como
for, desde o touclnbo cru at as saltlcsas. Esta
Inclinaclo gastronmica beque levou o moder-
no bardo a ter que aiustar eonlas com apolicia.
O Juiz perguntou-lhe que profisso era asua.
Reo. Poeta.
Juiz. Poeta ?... mas isso be modo de vida?
Reo. Nos pases de ideiaa, bellezas e artes,
de certo.... nos tempo* de prosaica existencia
em que vivemos o genio nao vale nada.
Juiz.Nao he isso oque pergunto ; be, se
pelo vosso talento de poeta alcancafs meloi do
subsistencia .'
Reo. Nao subsisto.... nao.,., vivo, ae que-
rein que isto se chame viver,em llngo-agem ras-
teira. Rin urna repblica que nao he a das
lettras, que queris que succeda ?.... que ha
de fazer o poeta? Ras vivo, vegeto,... como
para nao morrer.
Juiz. Mas, por ultimo, como he que vivis,
de que cmela?
Reo. Como poeta, vivo a vida da intelli-
gencia, da arte, da imaginaclo,' como human,
vivo da poesa. Vou pelas aldeias oereceo-
do composicoes poticas, e em verso; canco.
cumpriinenlos, festas, genetbaiicios, epitala-
mio?, epicedios, baptisados e todas as uiais cou-
sas propilas do commercio das musas. Outraa
vezes tomo por rinpr'sa os vsrsoa de eutrudo,
pastelleiros, confelteiros.... tamban fajo can-
toes polticas, eu sou o autor da quadra patrio-
tica, que teve tanta voga, por occasio da unir-
le do general Hertrand, e que he conbecida eut
todos os ngulos do globo.
Le general Hertrand.
Le mime qui eut la conflance et l'estime de
Napolen le grand.
Aprcs tre uiorta Chateaurond, dit-aa, Vient
d'tre enterr aux invalides, ct de
Napolen.
Remettl-a a sua familia, mas nio Uve a hon-
ra de receber resposla.
Juis. Tudo isso ser assiro, mas a policia
prendeu-vos por andardes mendigando?
Reo. -- Nao be inulto exacto. --Eu nao ando
a nadar em ouro ou prata, mas, gracas a Dos,
a poesa nao mendiga; e en como poeta, nio
posso pedir esmola. O que eu lii, era cousa
imito diilerenle : eu gosto multo de carne de
porco; e eolo entre!em casa deum salxichei-
ro, equiz trocar algumas producedet uiinbas
por um pedaco de touclnho, elle nao quiz ; e
quando ia a sahir fui presa.
Juiz. Mas nao compraste! cousa alguma?
Reo. Nao, aenbor, porque, nao havendo
toucinho, nao podia comprar, por ser muito
oro um magnifico pastelillo de Igado.
Juiz. Mas entraste ainda depois disso em
outras loja ?
Ito. Era em casas de saliicheiros, porque
gostando eu multo de carne de porco, nalguei
que ofterecendo prodceles poticas domen
genio, poderla arranjar a minha vida; a poe-
sa be a minha industria, grande e sublime,
como nao ha outra. Por esta occasio suppli-
co ao tribunal que me mande por na ra, por-
que eiu Clichy la Garenne ba nesta seiuaaa
muitos calamentos, alguns baptisados, e ba
dous ou tres moribundos, e entao solfrerei
muito nos ineus interesses. se nao for aprovei-
tar esta occasio.
Apesar d lado, o tribunal condemnou o poe-
ta por mendigo a 10 dias de cadeia. declarando
que *.w.;f.itv. yvciicas ao erain genero,
que se otierecesse no mercado em troca de
grande poeta, nao podemos deixir, sem n-, -.
corrermos na nota de egpislaar de convidar c "W qa' etUoKerU "* Bm de.farceae
o puhljcq,conhecedor dileUpte desla ci- '"
.ti
eresciam prodigiosamente os rcndimeniosj JUPer catua d dnat
elnhas contrarias.
Jnterrogelerio.
data- Gomo se cbaw. ?
m Mario TMrota de Jesdt.
Jai*Sabe porque at prosa, e veta a este
mulheres que ta mi-
da de par comnosco gozar de algumas ho-
ras deliciosas, tributando ao talento devi-
dos louvores. E rogamos s Dos demore o
Sr. Cuimsraes por largo tempo nesta pro-
vincia, psra que Pernamhuco veja bnlhar
em seu palco, ba pouco t.1o mesquiuho e
desprendo, actores de merecimeuo o dig-
nos del le. O imparcial.
Publicaco pedido.
lllm. i Curtsimo Sr. lrm&e vigario da ordem
terceira do Carino.
Sendo do nosso dever pugnar pela digni-
atade de nossa ordem, vou por ineio desta
Tembrsr-vos para |ue uloeousintaes, que a
casa da fabrica aonde listea t alfsias de
nossa ordem, esleja servindo de oflicioa de
carploa, devendo existir em vosso poder s
chaye, e nao na do irmSo sacbrisUo. S
porm Vos nao tendes a devida coragem
para cumpnres o que vos lembro, nesse
(d Nicao.)
(Doferitdioo doe Pokretno Porto.)
OO JORNALOS DEHATESDE 18.
L-se oo Mming-Post de 7 do crreme :
9,994 embarcaceles periencenles ao Reino-
Unido medindo dous milhdes IS4.1S8 toneladas,
entraram nos porto da Gria-Hretanha aos set
mezes que acaoaram eiu A de agosto, e 10,000
outraa, lamben pertencentei t*> dito reino c
medindo 2,3S7,69S tonelada sa'blrain durante
este mesmo espaco de tempo. O numero total
da embarcaede pertencentei a toda a na-
toes do globo entradas nos portos ao Reino-
luido, durante o dilo periodo, foi de 17,400,
medindo 3,232,097 toneladas ; as que partirn
montaram a 18,917 medindo 3,300,009 tone-
ladas.
LS.*fcHC
ALFANDKCA.
RendimentcdodiaA.....7:7M,1)7
Deecarregmm ha 5 He detemaro.
PaUcho m. 1 taska msroadoriat.
afN



Ilute Dupldoso couros.
Escuna Ijiura vinho e caxinhas vasias
liares Bonita mercadoriis.
Brigue Coragtuie vinho e farinha.
lUrc -- Flor da Maia cebolla e magSes.
CONSULADO GERAL.
Hendimento do dit if;. 6:760,80
Diversas provincias...... 6*,1i9
2-
6:824,599
EXPORTACAO.
Despachos martimos no dia
Lisboa, brigue portuguez Conceicao de Ma-
ra, de 325 toneladas : conduz o seeuinte :
? caixas.l fecho,16* barricas, 2,589saceos
e 50 caras com 14,098 arrobas e 25 libraa dn
assucar, 20 saccas com 105 arrobas e 6 libras
de algodSo, 02 saceos arroz, 20 bu ricas e
1 caixa gomma, 1 barrica cif, 1 caixoleea
pilladores, II pnniOes de madeira, 230
meios de vaqueta e 134 barris com niel.
Rio Grande do Sul, brigue-escuna nacio-
nal S. iodo Vencedor, do 134 toneladas : con-
dux oseguiote : 775 barricas com 4,967 ar-
robas e 6 libraa de assucar.
RECEBEDORIA DE RENDAS f.ERAES
INTERNAS.
Itendimeoto dodia 4......299 820
CONSULADO PROVINCIAL.
Rend ment dodia 4......3 836,469
RENDIMENTO DO MIZ DE NOVEMBKO.
Furos de terrenos de tuarinha .
Laudemlos.........
Sisa dos bens de raz.....
Direlloa novos e vrlhos, e de chan-
cellara .........
Disima da dila.......
Leglllraacdea........
Sello lino, e proporcional .
.'reinio doa depsitos pblicos
Imposto de correlorrs ....
Kmoluinento de cerliddee .
Imposto sobre lojjs, casas de del-
contos.......; .
Dito sobre legei......
Dito sobre barcoi do interior .
Dito sobre movis, roupai etc., fa-
bricados ein paii estrangelro .
Tasa de eteravoa .....
Segunda declina das corporales de
uio mona........
Mulla de 3 por cento sobre os
iinpestos.........
Cartas de hachareis......
24*794
60/450
5:209/132
7S/872
197/iO
19/200
4:7lb>7(i0
230/307
400/000
4/400
1:496/200
674/800
172/800
48OJO00
520/00
1:304/070
24/848
40/000
16:251*283
O escrio.
Manat Antonio Simn do Amaral.
Movimento do porto.
Navio entrado no dia 4.
Kio de Janeiro -- 19 das, brigue nacional
/Jo, de 218 toneladas, mestro Joaquim
Goncalves Maya, equipagem 13, carga va-
rios gneros ; a Joaquim Ribeiro Tontea.
Passageiros, os Italianos Bartbolomeu
Defendinl, Kedolpho Riboni e I escravo a
entregar.
Navio sahidot no mesmo dia.
Parahiba Hiate nacional Exalacdo, mes
tre Vicente Ferreira Lopes, carga varios
gneros. Passageiro, o capilSo Antonio
Joaquim de Mello.
Rio de Janeiro com escala por Macei e Ra-
bia -.- Vapor nacional Affonso, comman-
dante o capillo de fragata Jesuioo Latne-
go Coata. Leva a seu bordo o coronel Cy-
priano Jos de Almeida com sua familia,
o capilSo Jos Ignacio Teixeira da Fon-
seca e varios ouirps passageiros, 74 pra-
vas de primeira linba, 41 recrutis pan o
exercilo e 12 para a marinos.
demBrigue de guerra nacional Caliop,
commandante o capilSo tenente Antonio
CailosFigueira de Figueiredo. Passagei
ros, Francisco Xavier Cavalca.nli de Al-
buquerque, madama Rozalia com dous
lilhos menores, M. Cliomon, Frederico
Augusto lllodiigues.
KD1JAKS.
Perante a cmara municipal dcsta ci-
dadeestar em praca publica nos das 6,
e9 do correte, para ser arrematado a quem
por menos flzer, a obra de duas casas ao la-
do do porlSo do cemiterio publico, cujo or-
namento ae aclia patente ua casa das sesses
da misma cmara, para ser consultado pe-
los interessados, os quaes podero compa-
recer nos di>s indicados, munidos de flan-
ga idnea para poderem Jangar. E para
constar ae manJou publicar o presente. Pa-
co da cmara municipal do Recife, em ses-
s30 de 4 de dezemhro de 1850. Francisco
Antonio di OHveira, presidente. Manat
Ferreira Accioli, secretario interino-
Ignacio os Pinti fiscal da regu lia da Bou
Villa e:n virtual da lei.
Faz publico para que, teuham o deyido
cuinprimento as di-.poic.ues dos artigus
abaixo transcriptos das posturas mnnici-
paes vigentes:
TITULO IV.
Art. 10. Os conductores deboiadas de-
vero entrar com ellas e recolb-las aos
curraes das Cinco Puntas da meia noite ale
as 6 horas da manhSa : oa infractores pa-
sarSo a multa de 4,000 res.
TITULO VI.
\ a Art. 4. As pessoas que derrubarem
matos nos lugares por on Je passam as agoas
correles, ou lapgarem pelas estradas arvo-
res, ramos ou espinbos, que incommodem
e privem o trsnzito publico, ou possatn era-
ba rae i u esees "'" H" '-' ds iS-vs,
ou conservarem as estradas doa aeus ai-
llos matoa ou arvorea que lancem ramos
para as estradas, e que posaam incom mo-
da r ao publico : serSo multados em 4,000
rea. m*. .
E para que nSo aleguem ignorancia val
publicado pela imprensa. Freguezia da
Boa Vista, 36 de novembro de 1850.-0 lis-
cal, Ignacio Jos Pinto.
Oeclurayes.
primeiro semestre de 1850 a 1851, se prin-
cipia a contar dodia 3 de rJezembro pro-
timo, e que (Indo eate praxo ncorrem na
mulla da 3 por cento sb o valor de aeus de-
hitos todos os que d'eixarem de pagar.
A admlnlitracao geral doa eilabeleclmcnloa
de caridade manda fur publico que nos das 5,
9 e 16 do correte Ir a praca pelo teinpo que
decorrer do primeiro de Janeiro do anno pro-
limo futuro a 31 de deserubro de 1853 a renda
das caas abano declaradas; oa prelendentes
dirijam-ae a sala das seases da meima admi-
ialracao noa das cima mencionados pelaa
quatro horas da tarde, munidos de leus fiado-
res, ou cartas destes.
Administrado geral dos estabeleciracntos
de caridade, 3 de deseinbro de i850.
O escrlvSo,
Antonio os domes do Comi.
Ra da Moeda o. 31
Dita dita n. 35
Dita do Azrite de Peiie u. 1
Dita do Pilar n. 73
Dita dita n. 70
Dita da Cadeia de Santo-Antonio n. 24
Dila do Queimado n. 15
Dila DireiU n. 8
Dita dila n. 33
Dita do Padre-Florlano n. 17
Dita dita u. 43
Dita dita n. 45
Dita dita n. 47
Dita dita n. 49
Dita diu n. 63
Dita dita n. G5
Becco da ( arva I ha n. 5
Ra do Fagundes n. 32
Hila dita n. 34
Travessa de San-Jos n. 5
Dita dita n. 7
Dita dos Pescadores n. II
Dila de Manoel-Coco n. 32
Dila dita o. 34
Dita dita n 36
Dila dita n 38
Dita das Clnco-Pontas n. 70
Dita dila u. 98
Dita dita n. 116
DiU da Yiracao n. 7
Hita de lionas n. 29
lina dita o. 94
Dita de Santa Thercsa n. 4
Diu dila n. 5
DiU dita n.7
Dila do Rosario larga n. 26
Dita da Roda o. 3
Dita dita n. 5
Diu diu n. 7
240,000
180,000
320.000
96 ooo
84.000
300.000
800,000
451,000
ilOI.OOO
9.W
72,00
96,000
96.000
100.000
108,010
30.000
96 000
84,000
84,000
96,000
96.00o
121.000
96.000
96.000
96,000
100,000
32,000
109 000
145,000
121,0 0
220,000
216,000
97,000
100.000
98.000
2:002.000
72.000
68,00
72,000
Diu diu (antiga casa doa expostos) n. 9 70"'*J
Diuatraz do Oalhabouca n. 2
DIU diu n. 18
Dita do (Jabug u. 3
Dita Nora n. 29
DiU dila n, 57
Diu dita n. 43
DiU dita n. 48
Aterro da Boa-Vista n. 08
Ra da Conceicao n 5
1 ravessa do Quiabo n. 8
Ruada Gloria n. 65
Dita da Alegra n. 5
96,000
156,000
871,000
300.UO,,
35l,000
' 501.OUn
(Ul 00.,
I68,00n
96.00X
96.0%
96.05
>2St
Thealro de Santa-Isabel.
34' RECITA DA ASSIGNATURA.
Sabbado, 7 de ietembro de 1850.
Debut de msdemoiselle Alina Moreao,
primeira bailarina do theatro de S. Pedro
de Alcntara.
Dopois daeiecucHoda ouvertura Oemma
de Vergi,* companbia nacional representa-
ra o bello drama em 5 actos, ornado de m-
sica
D CEZAR DE BAZAN.
No primeiro acto mademoiselle A. Mo-
reau dancara entre o grupo de Castelba-
nos os
Boleros di Cheres.
No tercero acto, durante o festejo no cas-
tello do marquez de Monleflore, dancar o
niui elegante
l'atso Noble.
Termnate o espectculo com a graciosa
farca
O Juiz de paz la roca.
Comessar s 8 horas.
Os bilhetes acbam-se venda do lugar do
costume.
THEATKU DE APOLLO
SEGU.NDA-FEIRA, 9 DO CBRENTE. .
Magnifico espectculo em beneficio do
actor Francisco deSalles Guimares e Cu-
nhs.
Dopois de ums brilhante ouvertura subi-
a scena o muito epplauddo drama
LUIZ DE CAMES.
A dislribtiicfio das psrles ser a mesma
j feia pelo Sr. Germano, tuzando o bene-
ficiado o papel de Camoes.
Nn intorvello do drama o Sr. Raymundo
Jos de Araujo Iflo aceito do publico, cama-
r a jocosa aria do
I'ETI-MAITRE A POLKA.
Findar o diverlimento com a bellissima
comedia
O Ingflez mnclilnista.
O beneficiado que pela primeira vez tem
a honra de apresentar seus Irabalhos ao I-
luslrsdo publico pernambucano, emprega-
ra lodo o seu mesquinho talento aflm de em
ludo merecer apoio e protecgfio.
Osbilhelesde galera e platea acham-se
venda na ra da Cadeia de Santo Antonio
n. 13, primeiro andar.
Thealro de S.-Francisco.
GALERA PTICA.
Hoje quinta-feira, 5 do correte, o direc-
tor tem a honra de a presentar ao rcspeila-
vel publico, urna brilhanlissima represen-
tarlo em phsntasmagoria, eomposia dis
majs engranadla figuras, cujo apparecimen-
iu iiiuiiirs US!" realhada geni o me-
mo director compraz-se dizer que tem en-
vidado todos os meios d'arte para que desta
vez mostr em sceoa as mais bellas vistas ;
sendo os inervados prrlienchidos por boa
orchestra, assegurando que nada haveri a
desejar, e que ser oo espectculo digno da
maior concurrencia.
Principiar as 8 horas, a chegada do Exm
presidente.
rf ff f f Vf fff ff ff Vf fi
( oiapunliia do Iseberibe. m
0 calxa da companhU arha se au- J
* toriaido a fazer o quinto dividendo : J
** oa Srs. accionistis podem minda-lo 2
receber, segundo
0, cida. Eacrptono
marcha estabele-
46
da compauhia, 28 .*
. de novembio de 1850.
I^AAf****** ***********
Pela segunda aec;8o da meaa do con-
sulado provincial ae fiz publico, que oa 30
tiiis que a lei tem designado para o paga-
ii cnlu a bocea do cofre, da decima doa pre-
glo* urbano* doibiirroa daata cidsde, do
Molhodoi facilimos.
Na casa n. 0, defronte do Trapiche Novo.
'Alisos maritimo8.
Para a cidade do l'ortosalie,
com muita brevidade, a veleira e
bem conhecida barca portugueza
S.-Cruz : quem na mesma quizer
carregar, ou r de passagem, para
o que tem excellentes commodos,
dirija-se ac seu consignatario
Francisco Alves daCunha, na ra
do Vigario, o. Ii, primeiro andar.
Para o Rio de Janeiro sahe com brevi-
dade, por ter a maior parte de sua carga, o
brigue San Manoel Augusto, capilSo Jos da
tunha Jnior: quem quizar earregar, em-
barcar escravos ou ir de passagem, trate
com Manoel Ignacio deOlivelra na praca do
Commercio n. 6, ou com o capilSo.
i'itrit i'uraliiba
saha por toda esta semana o biate nacional
Espadarte, por lera maior parte da carga :
para o restante trata-se com o mealre Vic-
torino Jos Pereira no trapiche doalgodfiu,
oa na ra da Cfdeia n. SS.
Para o Rio d Janeiro sabe oo dia 8 do
correte o patacho nacional Curioso, cipl-
19o Manonl Rodftguos Faneco, por ter o aeu
carregameoto qoasi completo : para o res-
tante e passageiros, traa-so com o consig-
na tirio l.uiz Jus de S Araujo, na ra da
Cruz n. 33.
Para o Para com escala pelo Cear pre-
tende sihir improterivelmente al 8 de de-
zembro a eacuna nacional Mara Firmina,
capitilo e prilico JoSo Reroardo di Rosa,
por ter o aeu carregameoto quasi comple-
to : para o restante para um e outro porto e
passageiros, trala-ae com o consignatario,
Luiz Jos de S Araujo, na ra da Cruz nu-
mero 33
Para a Rabia taha no da 9 do eorrente
o hiate Ligeiro : para o reato da carga e pas-
sageiros, trata-se lia ra do Vigario n. 5.
Para o Uio de Janeiro,
sahe, com brevidade o brigue na-
cional Conceicao, por ter parte da
carga prompta : quem no mesmo
quizer earregar. o restante, assim
como escravos a frete, ou ir de
passagem, dirija-se a Manoel Al-
ves Guerra Jnior, na ra da
Cruz, no Hecife, n. 4> primeiro
andar, oa ao ctpito, Manoel
Francisco dos Beis.
Cear MaranhSoe Par
sahe, com a maior brevidade pos-
sivel, por ja ter a maior parte da
carga prompta, o bem conhecido
brigue escuna nacional Laura : pa-
ra o reato da carga e passageiros,
trata-se com o capitaoa bordo, ou
con Novaes & C. na ra do Tra-
piche, n. 3',.
Para a Baha
sahe, com a maior brevidade pos-
sivel, por j ter prompta parte da
carga, o hiate nacional Amelia:
pira o resto da carga e passagei-
ros, trata-se com Novaes Si C. ,
na ra do Trapiche, n. 31.
~ Para o Rio de Janeiro sabii em poucos
das o brigue ero ; recebe carga a frete e
esenvos : quem quizer earregar trate com
Leopoldo J,i-c da Costa Araujo, ou com No-
vaes & Companbia.
A escuna MarU Firmina, capilSo e pri-
tico JoSo Bernardo da Roza, segu nestes
dias para o Para tocando no Cear, e pode
tocar no MarauhSo se houver passageiros,
para o que tem su lucientes commodos:
quem ennvier ir de passagem, p le enten-
derle com o consignatario da mesma escu-
na, Luiz Jos de Sa Araujo, na ra da Cruz
numero 33.
Pun o Cear.
Espera-se com toda a brevidade de Lis-
boa com destino au Cear, o brigue nacio-
nal Empresa, forrado e encavilhedo de co-
bre e tre superior marcha; demorar-se-ha
iiiui U dias, e receber 'carga e passagei-
roa : trata-se na ra da Cadeia do Iteoife n.
17, segundo andar.
Para I ishoi.
Sahe com a maior brevidade o velleiro
hrigueporluguexTam;'///, capilSo Fran-
cisco Antonio de Almeida : quem no mes-
mo quizer earregar ou ir de passagem, pa-
ra o que ofTerece os maia excellentes com
nodos, dirija-se ao mesmo capilSo, na pra-
ca, ou a aeu consignatario Manoel Joaquim
Ramos e Silva,' na ra da Cadeia do. Recife
ti. 38
Letles.
Avisos diversos.
Fublicaco Iliteraria.
Historia do Portugal, por Alexandre
Herculano, chegou o terceiro volume.
Dita do Cerco do Porto, doua volumes.
Contos do Serio, um dito.
Almanak popular.
tievisla militar, de ns. 1 a 19.
Jornal das Bellas arles.
Athcneo, jornal luterano, chegaram os
primeiros nuaneros atis.
Semana, jornal Iliterario, chegaram os
primeiros nmeros at 26.
Revista universal Lisboaensu.
Mellil opera.
crammiticas Francezaa.
O corrector OHveira, continan por
utorisaeSo do lllm. Sr juizde or hilos, ei
requerimento do tutor dos nrphflos fllhos
do finado Jos Ramos de Oliveiri.o leilSo da
mobilla, e mais objrctos da casa deste, con-
sislindo em mesa redonda, bancas de jogo,
sofs, cadeiras, ronsolos magulflcoa espe-
dios, um grande trem com ptimo eipedio
candi, iro dourado para cima de meas, jar
ros, com (lores artificiaos, mangas devidro,
um relogio do bronze com ligurasemblema-
ticas, um esplendido leito a franeeta de ja-
caranda e com cpula, esleira de forro de
salla, assim como um ptimo piano inglez,
duas cadeirinhas em pouco uso, e com cal-
xas corres;inndenlea e oulros mudos objec-
toa assaz necesaarios ; quinUT-fejra, 5 do
correte, is 10 boris da mmhSa em ponto:
no alterro da lloa-Vista Casi O. 15.
C. J- Astleyjtft C. farilo leilo por Inter-
vi-neiio do co.retor Miguel Carnelro, dt
grinde ortimento de fizendas inglezasi
l'ranc.'zas chegadaa ullimamente e aa anai-
propriaa deste mercado, sendo algumaa del-
tas para fecttar oonlas, como tamben ricas
fizan lis pin festa ; no dia & do correle no
seu armazem ua ra do Trapiche n. .3.
Precia-se de urna ama forra ou captiva
para o servico interno e externo de urna ca-
sa de pouca familia : no Aterro da Boa Vis-
ta, loja de miudezas, n. 72.
Alugam-ae, por preco commodo, os ar-
mazens da casa da ra nova do Drum, per-
lencentes a Francisco Alves da Cunha, pro-
nrios para armazem deasaucar, com caes :
na ra do Vigario, n. 11, primeiro andar.
Aluga-se o segundo andar e sotSocor-
rido do sobrado amarello da ra Augusta;
o sitio da estrada do Cordeiro, proprio para
peasoaque lenha Iratamento; um outro na
campia da Casa-Forte, com caaa nova, co-
oheir, cavallarice, e diversas casis pro-
priis para se paasar a festa : na ra do Amo*
rm, n. 15.
AmanhSa, 5 do correnle, porta do
Sr. Dr juiz de orphflos, se lia de arrematar
de renda a caaa terrea da ra de S. Jos n.
22, pertencente aos fllhos e herdeiros do
casal de Joaquim Jos da Costa Honorato.
Preoisa-se de urna ama para tratar de
um doentede bexigaa : no pateo de S. Pe-
dro n. 10, segundo andar.
Sr. redactor.--Lomos em vosso jornal
lie 30 prximo passado, um annuncio assig-
nado O MoraUtatm resposta ao que te-
mos dito do Sr M. P. i quizeramos deixar
sem resposta o aranzel insolente do Sr. M.
P.; mas como temos contrahldo para com
o publico o compromisso de deamaecarar
ase en le miseravel, damos nSo respaila a
estudada ipocreala do Sr. M. P.; mas pu-
blicidad!) a alguna fictos, pira que se ava-
ho de que he capaz um monstro que deven-
do carregsr a gal, se aprsenla como o no-
nem probo. Do passagem diremos nSo io Sr.
M. P., mas ao publico que nSo he com es-
tu Jada phrases que ha de destruir os factos
que temos aponlado, que perzistem intac-
tos. Aconselhamos, pedimos mesmo ao'Sr.
M. I1., que^ntro em urna discussSo dos fic-
tos ipuutidos, e os que se seguirem ; que
no nosso posto e proposito, bavemos levar
a conviecSo a todos quinto nos lerem ; pro-
vindo eshuberanlemente o que diaaermos :
estamos dispostos a tanto,para que o publi-
co senSo deixa Iludir pr quilquer banda-
Ibo; para que oa homens Iludidos por o
Sr. M. P. o expillam do centro de auas fa-
milias, o aponlem como um malvado : isto
havemos conseguir. Sr. M. P. negai os (ac-
tos seguinles se sois capaz. Conhecestes
urna moca de nome Clara, fllhs do falecidu
B., a qual viva honestamente na ra das
Agoai Verdu em companbia'de sua mfii com
hrilhantes promessas, a sedosisle, e arre-
messaate-a a prostituido; anda foste o
mesmo que sondo Oador da casa da ra da
Gloria onde depoia morou a infeliz, fizeste
penhoraros trastes queseacbsas anda em
deposito I A 5 mezea na Boa Vista, outra
infeliz, prostituida por vos deu a luz um
innocente frueto de vosso criroe; estas
victimas estSo entregues a mzeri, tinto
que o lidio anda nSo foi baplisado, e talvez
o nlo pnsaa por falla de recursos Sr. M.
P. que fazeta dos vossos mais de cem cootos
de ria ganhos em traflcanciaa 1 Sois um
impdico eljalvado. Ser crivel que tantos
crimes flquetn impones .' Esperamos que
estas revelacOss sujam golpes na carreira i
tinto seguida pelo Sr. M. I'., e que a polica
se digne tomar conheciment deatea faeloa,
e isto pedimos com todas as foress.
Urna paaaoa que eatudou perfeitamente
reducedes de modis, arbitrios de cambios,
escripluracBo por partidas dobradas e sim-
ples, se onerece a algumaa casis commer-
ciaes ou lojas para fazer-lhea suas escripta-
rifOes com lodo methodo, cuidado e asaeio,
mediante mdicas grallicacOes : quem de
seu presumo se quizer ulilissr, anouncie
para ser procurado.
Deseja arrumar-se em loje de faiendas
ou miudezaa um menino portuguez, de 19
annos, chegado ha pouco do Porto : quem
pretender, dirija-ae ao largo do Livramon-
lo n. 30, casa de Joaquim Correa de Rezen-
de Reg.
JoSo Manoel de Lima, tendo de regres-
aar para a provincia do MaranhSo, agradece
mu eordialmenteo benigno acolhfment e
attencOes que Ihe liberalisaram algumaa
pessoas desta bella capital, offerecendo-se-
Ihea para o que Ihes pnssa aer prestvel. Se
por ventura houver fallado com ovesitar a
despedir-se de algunas das pessoas que o
obsequiaran), o que so pule ser por olvi-
darlo, pede que lenlum a bondade de o
desculpar.
Jos Pereira Cezar, ten lo sido rouba-
do em sua casa no dia 2 do eorrente, como
ja annunciou por este Diario da 3, em adi-
tamento a esae annuncio declara, que Ihe
roubaram mais diversas pegas de roupa dos
seus caiteiros, um relogio de prata grande,
um chapeo de seda prela e mais oulros ob-
jeclos. O annunciante ofTerece todo o di-
nheiro e todos esses objeclos, eso pede a
resliluiceo das lellras e maia pipis que es-
Uva solutamente podem servir senSu ao mesmo
annunciante, podando para mais ficilidade
aerean esses papis lanzados por baixo da
porta de sua casa, ou da sua loja na ra-lo
Queimado n. 21, qu de outra qualquer for-
ma que Ibe possini vir mSo, promet-
iendo guardar gredu, e nSo proceder con-
tra, anda mesmo saboudo quem foi o rou-
bador.
Pedro taplujta de Santa Rosa, actor do
theatro de Santa Isabel, pede encarecida-
men'e as pessoas a quem por yni aiak
tem dado bilhetes de camarote e platea que
declarem por esta folha ae elle tem receb-
do algum lucro de ditos bilhetes, ou se tem
sempre sido pelo prego estipulado na casa,
visto que ba pessoas iSu infames, que jul-
gaodo o annuncieute por ai, lio a audacia
de u iiiraniareai rom nodoaa s dignasdellei;
e por isso lodo quede que se julgarpreju-
dicado, queira ir ao escritorio do director
do mesmo thealro, que, provando perante
eate, receber o prejuizo que tem scRVido,
pois que j ped so mesmo Sr. director esls
obsequio, viato que o meu ordenado pasas
por suaa niflus ; e quando nSo apparecam
estes iufnies vagabundos para o justificar,
aaiba o publico e o Sr, director, que acgOes
iflo baixas e vis nSo sflo cortamente diguas
do annunoiante.
No dia 9 do correnle desencaminhou-se
do porto da Liogoela um sicco com assucar
brinco, aem remeasa e com a marca l'F :
quem do mesmo aouber, far o obsequio de
dar parle ua ra da Cruz n. 6*.
-- Na ra do Sul n. 7 se dir quem (em
para dar dinheiro a premio sob peabores de
ouroou prata.
__ _______
Para tVsin.
Aluga-se pelo lempo de festa urna boa ca-
sa de pedra e cal, no lugar da Torre, a qual
estar prompta vespera det. Thom, com
duas salas, quatro quirtos ecozinha fra,
e se o rendeiro- tlver eevllo d-se capim
durante o lempo do arrndamento, confor-
me o cobre! a tratar na Torre, no sillo do
Lefio.
OSr. Manoel Joaquim Soare, que fo
ou be teslamenteiro do fallocido beiclnho,
queira annunciar sua residencia nr-sttei-
dade, e a bora em que se deve encrftmlo.
-- Aluga-se o segundo andar do sobrado
atrs da matriz da Boa Viata n. 26, com
commodoa para grande familia : a tratar ni
mesma ra n. 92.
No dia 3 do eorrente, s horas di Ur-
de, perdeu-se da ra da Cadeia do Recife
at a ra do Queimado as seguintes obras
de ouro : um tranceln) fino bastante usado,
dttaa voltea de eordfio grosso, urna imigem
da ConceicBo e um coricfio j velho : roga-
se a pessoa que achou que dirija-se casa
de Jus Goncalves Torres, t ra da Cadeia
do Recife, que ser bem recompensado.
Preciaa-se de um bom oltlcial da cha-
pelero : na roa nov n. S4.
Abrem-se e imprimem-ae bilhetes de
visita em qualquer carcter, rtulos e todos
osoDjeclos que demandam preceilos calli-
graphicos, retratos e quaesquer desenSaV,
siuetes typos emblemticos, ornamentos
para capas de livros, e afinal todos os ob-
jeclos da arte de gravura em alio e baixo
relavo, o oom delicada**. Aa pessoas que
pretenderen algumis destis cousas, din -
janr-se rus do Bruto, defronte da fundi-
efio inglcza, ou as seguiotea lejas de li-
vros : ni ra da Cruz n. 56, na praca da In-
dependencia ns. t 68, e no patea do Colle-
gio n, 6, onde sefor mister poderfio dixar
seusuomes e morada para seren procu-
radas.
Precisa-se de serventes : na
obra da igreja matriz de S.-Jos".
Domingos Antonio Comes
Guimares declara ao respeitavel
publico ter cassado a seu irmSo
JoSo Anto.iio Gomes Guitnaresos
poderes que Iheconcedeu por pro-
curado bastante, ficaodo em vir-
lude do presente enhibido de fa-
zer o dito Gnimaraes uso legal da
dita procuracSo. Recife, 3 de
dezembro de 185o.
Preciaa-se de urna ama pata, urna casa
de.pouca familia, a qual saiba cozmhar e
engommar: no Manguioho, em urna das
casas ao virar para a Baixa-Verde.
Roga-se a quem levou as amostras de
fftaa da loja da miudezaa da ra dos Quar-
teia, n. 91. o favor de as levar, pois sflo
muito precisas
Precisa-ae da um fait
pe lo da praca aa ra ,.
venda qua faz esquina na pcl
-- Preciaa-ae comprar um <
regular timanho, oom aa compe
tas: quem olivar anouncie.
Aluga-se, pelo lampo da testa, um sitio
pequeo na Capunga, com baatintos arvo-
redoa de frueto, casa para familia, cacimba
com boa agoa de beber, tanque para ba-
ldo, e mullo parlo do rio : atrn doa Mar-
tyrioa, ra do Caldererorn. U. aa
O bacharel Cypriano Fenelo liu#ais
Alcanforado, procurador liscal da UMaoara-
rii provincial e advogado upa, aleatorios
desta cidade, mulou o aeu- esofi| H P>ra
a casa em que ora reside oajalM % ti. 50,
primeiro andar, onde pleIS sacuradu
das 9 horas da manhfia at da tarde.
Jos Maris oncalvea, estabeleoido
nesla cidade, com venda defronte da matriz
da Boi Vala e ra da Aurora, vendo o an-
nuocio da retirada para fra do imperio do
seu nome, e como ae nfio enlemle com elle,
ejulgaodo baver outro de igual nome, da
boje em diante rauda 0 sou nome para Jos
Mara Goncalves VeiraGulmarfies.
Preciaa-se de um feitor portuguez, que
saiba iraUr da arvoredo, verdura e flores,
para um sitio pouco distante desta. praca :
quemealiver atestas circunstancias, appa-
reca ua ra doTrapiche Novo n. 1S, segun-
do andar, para tratar do ajuste.
Kfclojoeiro.
Na ra larga do Rozario, ao p da botica
de Jos Maria Concalves Ramos, concertam-
se relogios de todas as qualidades, por pre-
go commodo, e com promptidlo.
A quem convier ptalos; el um gran-
de armazem na ra do Vigario, dirija-se
oaaan. 6, da ra da S.-Ciuz, defronte da
ribeira.
-Francisca Ismael de Arru.la, tendo de
separir-se de seu marido Feliz Camello de
Moura, parlilhando-seos bens existente* no
caaal, por oBo eiialirem herdeiros necessa-
nos, assim o avisa aos crodores do mesmo
caaal, pata que no prszo de 90 dias, a con-
tar da dita deste, se apreeeiOam ou consli-
tuam aeus procuradores nesla cidade para
liquidigSo de suas contas com o mesmo ca-
sal. A annunoiante ae na reaponeetiiMii
por quaesquer divides urna vez que ae le-
nha efTeduado a partidla, como faz certo
desde j ; e pa ra que se nao cha mem a igno-
rancia faz o prsenle aviso. Cidade de Goi-
anna, 99 de ubvembro de 1850.
/x.f-- --i U.....-.I/ .! fnnha a
C ST. ua.t|uiiw w%mm-*mm .* o
Bernardo Antonio de Olivelra, que dizem
est ou esleve no eneenho Novo do Cibo,
queiram vr ou andar receber Carlaa do
sua familia de Portugal airas,do thealro,
srmazem d taboas de pinho.
Precisa-se alugar um pretqjajjlivo pa-
ra lodo o servigo, que aaiba ceajMRjr o dia-
rio do urna casa : quem tiver dirtja-se ra
do Rangel n. II. '
Aluga-se una prela ptima catinlieira
por prego commodo, e pelo lempo jue se
conveacionrr: quam a pretender, dirija-se
a ra da Gloria n. 18.
Um Jac.
No dia 29 do mez prximo pasudo iodo
um prelo com um pmcum de :kaJInhis
para o sitio da Torre levar um ca" de ja-
c*, diz elle ter voado um para daolro de
um sitio.e queno o pode pegar: adverle-8
a quem o pegou ou dalle der nolica oerl
na ra do Liiramento n. 14, re.eetW 5,000
rs. de gratlicagao, asaim como roga-se a
quem por ventura o lenha comprado, q"B"
renlo-o.resliluir, leva-loa meama rus s"'
na, que, aletn de se dar o
eternamente agradecido.
duplo, st'ear


_____ ____
Allu parloNllar.
A professors qu reside no primeiro an-
dar do sobrada nevo do pateo [do Carmo,
n 2, ji bem conhecida do respeitivel pu-
blico, faz scienteaoa dignos paia de cuas
aulumnas, qua di ferias no dia 7 do corren-
te, e que no da 7 de Janeiro de 1851, adiar-
se-liaaherta a su aula* aondi, continuar
a receber alumnas, e a enslnar com zelo
a ler, escrever, contar, grammatica portu
Soez, francez, doulrina chrislfla, coser, bor-
r de todas as quilidades marcar, fazer
lavarinto, e ludo o mais cincernente a edu-
cagflo de urna delicada menina : timbeen
receber pensionistas, e meiai pensionistas,
tanto internas como externas, por um es-
tipendio rasoavel.
-- Como em poucoe das deve fiear promp-
ta a primeira classe, que tem estado ap-
prendendo escIpturagSo mercantil por par-
tidas dobradas com o abaixo assignado, e
como elle se prope abrir logo om segui-
da ouira, nos meamos termos da primeira,
o faz publico, para que aquellas pessoas
que s quizerem frequentar, se sirvam logo
procura-lo, para escrever seas nomes, no
escriptorio dos Srs. C. Stsrr & Compinhia
ai ra da Aurora. cti da Haya.
Faz-se publico que o Sr. James Mellor
i Liverpool relirou-se da firma social de
sell Mellors & Companhia deslt praca,
o dia 31 de dezembro de 1849.
--Aluga-se urna casa terrea em Olinda,
nos Arrombados, com commodos sufficien-
t.'s pera umi familia, com quintal, cacimba
e portSo ao lado para um dos haceos i qum
a pretender, dirija-se i Fra de Portas, ra
do Pillar, n. 70.
O Sr. Jos Carlos de Mendomja Vascon-
celos, lavrador no engrnho Santo Elias,
Sueira por favor mandar pagar a quanlia
lo.OOO rs que deve a cnais do 5 aonos :
na ra da Prai, a l.uiz Marques da Silva
Mello conforme proram as suas carias, ini-
orle de carne secs que com tanta franqueza
he conllou,nuncapertusdindo-se estar hoje
no> desembolso, e queodo assim o nSo faga ,
pssaar pelo desgpsto de ver o se nome
muitas vezes ueste -'ian'o
Desde o di f#tte Miembro prximo
passado deixoude ser procurador de Nuno
Maris de Seixas, nos auditorios desta cida-
*, o 8r; Joto Pauto Javier de Salles, es-
tando pago al o dia 12 do dito mez, como
consta do seu recibo.
O Sr. l.uii Jos de Castro (em urna oV-
ta na ra Direila n. 131, botica de Torres &
Castro, dcfronle de N. S. do Terreo.
--Precisa-se de urna ama que saiba co-
sinJiar e engommar, para casa de bomem
solteiro : em Fra de Portas, ra do Pilar,
o. sa.
Roga-se ao Sr. Dr. Honorio F. S. Vas
Curado, que venha ou mande pagar a sus
lellrs onde n8o ignora ; do contrario lera
de ver sempre o seu nome nesta folha.
O Sr. Jos de Souza Moreira, que mo-
rou mu tos a unos em GriTati, ten lia a bon-
dadedediriglr-se ao Aterro da Boa Vista
n->4^fjMsferemir a sua lettra de 8fi,300
"'' Mg 27 de fevereiro de 1844.
fu sobrado na ra da UniQo,
<*>* vista, muito fresco, e com
os BIHMrmodos para urna ou duas
famHaff l^ri'lendentes dirljam-se a Ma-
noel Alves Guerra Jorlior, ou ao bacharel
ChristovBo' -- O Sr. Jos Alves Tenorio baja de se di-
lgir a praca da Boa-Vista, botica n. a
negocio que I he diz espeito.
-O bacharel A. R. de Torres fiandeira,
stituto de rhetorica e geographia no I y-
'1i c'dade, propOe-se s dsr ligoes das
loisciplinas, e bem sssim de philo-
ez : quem de seu prest i mo se
r, dirija-se a casa de su re-
i estrella do Rozario, n. 41,
-seo terceiro andar da casa do
_o da saembla n. 8, a fajlar com Joa-
aim Francisco de Alen, to Forte do
Mallos.
-Engomma-see lava-setoda a qua I ida-
de de roupa com lodo asseio e muita promp-
tidilo, por pre?o mais eommoJo do que em
outra qualquer parte : oa ra de Agoaa-Ver-
des. n. 2.
-- A1u|a-ac o segundo andar do sobrado
da ra Direila n. 90, com commodo para
grande familia: na ra Direila n. 93, pri-
meiro andar.
l'aulo Galgnoiix, dentista <9
francs, ffereee seu prest- 9
m mo ao publico par* todos oh
nilateres le ana proflssflo ; j
2 pode ner procurado a qual- f
9 qnor hora em na earn, na <
99 rna larga lo l.o/.aiio, n. 36, y
ramudo ahilar. t
-- Precisa-se alugar um molecote esperto
e de boa eonducta par o servico interno de
urna eaia inglez : pagase bem : quem ti-
ver, aonuncie.
Na roa do Sol junto ao porto das ca-
noas da ponte da Boa Vista n. 83, apromp-
Ism-se janlares rom muio asseio e perfei-
{8o, s contento dos fregezes, mandndo-
se levar a isa diquellas pessoas, que nSo
tiverem quem os venhs buscar : o dono pola
desta novo- estaheleriment eapera a erecer
a confianca do publico, attento o esforco
que lom empregado sempre par* agradar
os concurrentes.
Na ra da Prai n. 32, precisa-se follar
com os Sr Pompeo Romano de Carvalho,
Silvano Tlinm. rt Sum Mayn n nronrtty
que nfto ignorain, sendo este professor de
primeira leltras em Muribeca, e aquella
coromandeole do forte do Pio-Amarello.
-- Don.ingo a4 do correle,
per^H-se desde a Passagem da
Mtifl bna at" a ra do Ci
Roubo.
Jos Pereira Cezar faz publico que foi rou-
bado hontem 2 do corrente das 9 horas di m-
nha is 3 da Urdo,na casa de su morsda na
ra do Queimado n. 32, primeiro andar-:
levando-lhe o ladrSo ou ladroes oseguinte:
urna lsta de (landres por pintsr, feichada
com um cadeado, contendo setecentos e
qusrenta e tantos mil ris.om um sedul de
200,000 rs. ; ums de 100,000 rs ; quatro de
50,000 rs.; cinco de 20,000 rs.; e o mais
em diversas miudas, e quatro moedasde pa-
taca em prata ; bem como urna lepa aceitta
por Casimiro dos Itei* Comes, de 14,000 rs ;
urna de Manool Das de Toledo, de 18,000
rs.; um de Domingos Jos Consalves de
265.340 rs. ; urna de Clara Cavalcanto de
Albuquerque, de 113,210 rs ; urna de An-
tonia Francisca Cantval Pinto, de 101,870
rs. ; urna de Manoel Francisco da Rocha, de
66,742 rs.; urna de Paulo Caetano de Albu-
querque e Francisco Paes Brrelo, de.rs.
413 915 urna da Jos Franciaco Montteiro,
de 933,300 rs.; orna de Antonio da Rocba
Accioli e Manoel Buarque de Macelo de Li-
ma, de 536,242 rs. : urna de Joflo Jos dos
Pasaos, de 554,931 r. ; orna do padre Jos
Alhsnssio de Jess, de 200,000 rs.; urna de
Francisco Jos de S. de 40,000 rs. ; urna
de Luiz Jos da Silva Burgos, de 1:428,500
rs.; duas de Raphael Fernaodes Porto o
Franciaco Alves de Mours, urna de 11128,870
rs. e outra de 1:128,000 rs. ; ums de Manoel
Fernandes Camar, de 631,925 rs. ; urna de
Manoel Jos Comes 110.000 rs. ; urna de Ma-
noel Buarque deMacedOLIma.de 1:074,450
rs. ; urna d Thomaz Barbosa da Costa, de
70,620rs.; urna de CuUnerme Augusto Ro-
drigues Sette, de 600,000 rs. Levaran) mais
urna bengalinlia de esloque, um chspo do
chfli usado, um dito de castor branco usado
com caixa verde francesa, deixaram um
chapeo do chille veltio e sujo. O annuu-
ciante roga as autoridades puliciaes a des
cubrimento deste roubo, e promette boa
recompensa e segredo a^quem Ibe deseo*
brir, ou dr algunia notioi apesar de ji se
supeitsr quem foi o autor desemelhante
roubo.
O Sr. Joflo Cavaloantl de Albuquerque,
senliordo engenbo Canio-Escuro, tas Se
rinhSem, por ai, ou por seu correspon-
dente nesta cidade, queira dirigir-se 4 .ra
da Cadeia-Velha, n. 24, para se Ibe entre-
gar urna cartad* seu particular inleresse,
vindada villa do rombal.
* Consultas e remedios liomoeopathi- a>
^ eos degraoa|iara os pobres, no con- .*>
S sultoriorrfiaMpapalhico do faculta ti- i>
^aj vo J. B. CafMMa, ra da Cadeia de a>
Santo Antoiflba, 88. a>
f f f Wtf-f firf f f f ff #
O abaixo assignado roga sos Srs. qur
Ibe eslo dever dinheiro de curativos, te-
nham a bondade de quaoto antes mande-
rem satisfazer Ibe, pelo que Ibes ficari
muito agradecido, podendo ser procurado
oa ra do Hospicio n. 56.
Dr. Ptiro ie A t Hay de Lobo Hatceso.
JoSo Rodrigues Velloso rotira-se para
onde Ihe convier.l
Aluga-ae pelo lempo da fasta ou an-
nuilmente a casa de duus andares, defron
te de S. Sebssliilo em Olinda, com commo-
dos para grande familia : a tratar na mea-
tos casa, ou na ra da Cadeia do R :cife, to-
ja n. 50.
ulnteli-o S li-nio, eatabeleci-
des com fabrica de estampara na ra Nova
n. 63, tm a honra de annuuciar ao respel-
tavel publico, que acabain de receber de
seu corresponcenle Hestom eRinsburg, li-
tograplio da casa imperial, urna grande e
variada porfSo de resislos, sendo em maior
numero os de N.S. da Coticeic/lo, os quaes
sSo de differentes tamanhos, gosto e mje-
lo, tefllo as tarjas douradas, eoutros dou-
radog*rn rOxo, em fumo e coloridos. Tam-
ben) se incumben) de mandar vir, em pou-
co lempo, e mediante urna mdica porcen-
tagem, cartOes psra parlicipacSo de con
sordo, ditos para visitas e para cooviles de
sociedades, tarjas psra boticas, coulaa pa-
ra lojas e outra encomaaendas que se
Ibes peca, coiicernentes a iilograpbi* egra-
vur, cuja uperioridade deixa-se de spre-
goar, porque scom avista se poder
niullior apreciar.
J Operacdes de ealarata. &
O JoSo Viceute Martina, devendo reti-
Q rar-s desta cidade em Janeiro pro- q
q xinio futuro, previne que s sl ao
q dia 20 de dezembro poderi pralicar
3
das mos, csniU corlmla ; tem tambem
ferro d parte direila. mas s- nlo est cor-
to UeUa; foi furtad.i do sitio do Sr. Francis-
co das Chagas Cavalcanti l'ossoa, no Lucas:
quemo pegsr, ou llarla da Passagem da Magdalena, ser bem
recompensado.
mmmmmmmmm mas*>mmm9
Consultorio homoeopathioo.
Ra do Hospicio, n. 56.
O doutor Moscoso di consultas to-
dos os das.
Os pobres sSojjrstados gratuita-
C mee te.
nmviMwmmmw mmwmmmmtm
Precisa-se de urna ama de leite : na
roa das LaririgWraS, n. 10.
A Koseira,
romance muito Interessante, principalmen-
te aosflianinos, porser muito moral, e tor-
nar-s'reeommendavel
1
os Srs. chafes de,
pateo do Collegrdi
familias : na livraria do
n. 6, de JoSo da Costa Dourado.
Precisa-se de um pequeuo para caixei
-Quem precisar de nm feitor para silfo
annunee.
' Precisa-se de un feitor que
seja hortelao e jardineiro : no
primeiro sitio de pnrto de ferro,
na estrada dos Aillictus, paseando
o becco do Espinheiro. ou na roa
da Cruz, n. 46.
Aluga-se a css terrea u. 51, na ru
dos copiares, com commodos para familia
a tratar na ra da Aurora, n. 41.
De novo se roga ao Sr. Francisco Xa-
vier Carneiro da Cunta Campello de ao-
nunciar a su morada, ou dirigir-se a ra
de S.-Hita, n. 85, a negocio que Ihe inte-
resas.
O cirurgiSo Francisco Jos llodri- O
9 gues mndou sua residencia para de- 43
O fronte da matriz da Boa-Vista, casa Q
0 amarell, terceiro an lar, aonde pode O
Q ser proesieado alas i boraa da tarde. Q
____________________________________________________...........-
Tremocos.
Vendem-se sacess com muito superiores
treroocos: na ra da Cruz n. 57, por com-
modo preco.
-- Vende-se um escravo de elegante figu-
ra, excellonte carreiro, e ptimo para todo
o servico, principalmente o do campo, por
prego mdico : na ra do Hospicio n. 9.
Vendem-so as decadas de Joo de Bar-
roa e Couto, o primeiro he melhor classico
da lingoa portugueza em 27 volumes ; geo-
graphia de Caultier, 1 vol. ; historia sagra-
da por Bernardino," 2 vol. poesas do Dr.
loo de Barros : no atierro da Boa-Vista, to-
ja do Sr. Estima.
Vende-se superior e muito
nova farinha de mandioca, chaga-
da agora do Rio pelo brigne Soa-
ret, ancorado na volta do Forte-
do-.Maltos .- quem a quizer com-
prar por menos do que em outra
qualquer parte, dirija-se a bordo
^,rS^ftKSXV.r-i s**"- na;i0' > o eScrpor0
ue Oltveira, raiva oc ti., na
da Alfandega-Vellia, n. 5
ra
Compras.
-- Compra-sel diccionario portuguez
hespanhol, anda que estej em meio uso :
na ra da Cadeia do pcife, n. 40, primei-
ro andar, ou na ra do Cullegio, n. 21, pri-
meiro ildar.
Compra-se um preto bolieiro, que se-
je de bonita figura esadio: na ra da Ca-
deia do ffecffe n. 54. Na mesma casa tam-
bem compra-se um cavado, proprio pira
caminho, que seja gordo, manso e novo.
Na ruada Cruz do Kecife n. 64, com-
pram-ae taboas de pinho usadas de boa qua-
lidade.
Comprs-se um oratorio com quatro
palmos de altura pouco mal ou menos, e
um molecote pega, capaz de fazer os seri-
coa de urna casa : na ra da Cadeia do Re-
cite, foja n. 50.
Compram-se escravoi'de am-
bos os sex"s .* na ra da Cadeia do
ltecife, n. 5t, primeiro andar.
Compra-so um sellim ingle*, osado,
mas em bom estado : na ra da Cadeia do
ltecife, n. 50, loja.
Compra-se urna duzia de cadeiras e um
par de bancas em meio uso : na ra da Ca-
deia de Santo Antonio u. 18, ou troca-se por
novos.
Cpmpram-se saccas vasa* : na ra do
Collegio sobrado o. 8.
Compra-se urna crnica pfra cavallo
em bom uso .' quem liver annuncie.
-- Compram-se os Tldelos intitulados
E'co da Voz Portugueza por trras de Santa
Cruz quem liver annuncie.
Venc
as.
o
o
um 'frailee
jonegio
beira de diamantes enia-
da em perolas ou aljolsr : quem
a liver adiado e quizer reatilui-la,
dirij-se tyua da Cadeia do Re-
cile, primeiro andar da casa n.
38>jpU *trk gratificado com a
Mfiaque valer a mesma ataca.
bga-se ao Sr. Manoel Men Jes da Sil-
qM
Bg o flvor de vir a roa da Cadeia
(I8 Sallo- Antonio n. 13, para negocio que
n Pfscisa-se de um forneiro que sailia
lguinae operacOes de catarata, ou
7 outras que exijam as molestias de '
i? olhos. J*
Continua a destribuir remedios ho-
mceopathicos de greca aos pobres no O
9 consultorio da ra de Apollo n. 84, O
O lodos os das uteis at 1 hora da C
O tarJe. Q
Arrema(a(3o judicial.
No dia 6 do corrente, na sala das audi-
encias do Sr. doutor juiz do civel da pri-
meira vara, edepois desta, se ha de arre-
matar a parte de urna morada de casa de so-
brado de 3 andares, coa sollo e trepeir,
lana ra da Senzalla-Wlha, n. II?, com
23 palmos de frente, e 98 ae fundo, cozmlia
nos andares, quintal murado, portSo, ca-
cimba uieieira, e em chaos proprios, avalla-
da toda csaae) 8:000,000 de rs. sendo a
parle que lert de ser arrematada da quan-
i .;;o,7C3 ., tes cese" b"b tsrrsM
3ue fica alm do quintal da dita casa, parte
bqual eati aterrado o parte em alagado,
sendo foreiro, avahado em 250.000 rs. cu-
jos bens vSo a praca por exeouoRo de D. Ca-
tharina Francisca do Espirito Santo contra
Jos da Silva Braga, escrivSo Cunta.
- Precisa-se de um pequeo para caixei-
ro : na ra do Rozario, padaria n. 48.
--_Precisa-se alugar umsescrava para o
servico externo de urna casa do familia : na
ra larga do Rozario n. 48, segundo andar.
-- Peranle o juiz de orphflos, no dia 5 do
corrente, se ha de arrematar, pela ultima
vez, a casa terrea o. 38 da ra da Guia,
avahada em um cont e cem mil rs.
--Precisa-se de um feitor para um sillo
perto desta cidade : na ruado Livramento
n.3S.
Furtaram, no sabbado para domingo,
as quatro horas d madrugada, um cavailo
mellado com crinas pretas, capado, peque-
o, andador de pssso at meio, ferrado da
desempeiiharaa suu obrigaces, e de un parta esquerda com um carimbo redondo
caixauo, ambos paia padaria: na praca da baetante grande; tero os dentes ds parle
J.-Crus, debsixo do sobrado o. 106. inferior quebrados, ralados os dous joelbos
F O l^niMiA^PAKA 1851.
Na Hvrnrln da praca da Inde-
pendencia, lis. (es. Yt'lltlfitl-sr
foiIilulias de nla;ibelra e porta pa-
ra o auiiii que vi-ni.
Vende-se feijSo mulatinho, i 5,000 rs.
a sacca ; e rajado, a 4,000 rs. : no armazem
de Antonio Annes, juntos escadinha. -
Bom negocio.
Vende-se ou troca-se por casas terreas
um terreno em Trente do quarlel do Hos-
picio, o qual tem urna otaria ; tendo de
frente 107 palmos e de fundos desde a rus
da Aurora al a do Hospicio: este terreno
tem logar para se edificar 15 moradas de
esas com mais de 30 palmos de frente, e
800 de fundos; faz-se negocio com lodo o
terreno ou com melado : na praoa da Inde-
pendencia n. 17, para tratar.
-- Na ra Nova n. 4, loja dealfaiatede
Augusto Colombier, vendem-se palito de
linhode difirante padrOes, propnoa para
fest, s 5000 rs.
Vendem-se 60 saccas de gomma muito
boa e alva, tambem vende-se at urna sac-
es : na ra do Cabugt o. 9.
Vendem-se listas da lotera de N. S. do
Livramento .que acaba da correr, a 160 rs.
no piteo do Collegio, casa do livro azul.
Vende-se um sobrado de om andar na
ra da Calcad, acabados pouco da concer-
tarse: tratar oa ra das Larangeiras n. 18
Em Coianna,
Vendem-ae folninrras dealgibeira de por-
ta a para padres i no becco do PavSo loja de
Manoel Airea da Silva Cavalcanti.
*#
Vende-se por preco commodo urna
1* porfo de carvSo artificial, quem o'
% pretender: dirija-se ao escriptorio
i# de A. S. Corbeit, na ra da Cadeia %
SU do ltecife n. 48. %
-- Vende-se um preto da nac.lo, moco
muito bonita figura, da-se em coma por lia
ver precisfio ; urna dita, sil, boa quilau-
dair sean vicios nem achaques ; ums pre-
tintia com principios de costura na ra do
itangel n. 38, segundo andar se diri quem
venda.
Vende se urna taverna com poucos fun-
dos, na ra daSaozalla Velha n, 48 : quem
Satender dirija-se a mesma a tratar com
mingos Jos Moreira.
Boa carnauba.
Vende-se s retalho. na roa da Crm n. 57,
a melhor carnauba que ha no mercado, e
mais barato que esa outra parta.
Vende-se urna preta com urna cria de
.5 muios, muito linda: a preta engomma,
cozinha, cose e faz o mais servico de urna,
ciss do familia ; urna moleca de 11 a 12 an-
miis : na ra do Fogo, n. 23, ae diri quem
vende.
Lina- de pelica.
Vendem-se I uvas de pelics para senhora,
pelo preco de 2,000 ris e 1,280 ris ; ditas
de ponto inglez para horneo, o melhor pos-
sive!. a 1,800 ris preco qu i ninguem ven-
de : na ra do ijuei nado, ioja de miudezas
junto a de cera n. 33.
Ven le-se cha tiy ison de superior qus-
dade, e do melhor que tem vindo a este
mercado ; caitas com velas de espermace-
ti) americano; nieias barricas de farinha
gallega, a mais nova : na ra da Alfanlega-
Velha, n. 36.
Vende-se um preto com muita habili-
dor, ele., entende de sitio, ven le na ra,
cozinha o diario de urna casa, lera 20 an-
nos, de bonita figura, nSo beba e he muito
vcdaleiro, vende-se por s querer vir para
casa is 9 horas da noite, quando sahea ven-
der seu preQO he 700,000 rs. : os pr o ten-
dentes dirijm-se ra do Vigario, a fallar
com oSr. JoSoSimSo, ou na Capunga, ao
Sr. Antonio Jos de Oliveira Braga.
He baratissimo.
Vendem-se ricos chicotinhos, a 600 e 800
rs.; charuteiras finas douradas, a 1,800 rs ,
oentes com espelhos, proprios para suissas,
a320rs.; escovas linas com espelho para
cabello, a t.OOO rs. ; cariaras coas mollas
para guardar dinheiro, a 640 rs. ; superio-
res caicas para rap, a 8,000 rs. ; fivelinhas
ilo.ira.1as e prateadas para calcas e cohetes,
a 200 rs.; meias cruas para liomem, a 180
rs.; ditas decores, s 340 rs. : na ra do
Queimado, loja de miudezas, junto i de ce-
ra, n. 33.
0 gerente do contrato do rap de Lis-
boa contina s vender em sua loja este ra-
p, e Jesejando satisfazer aos fregezes,
tem s'guillo por a ven la o mais moterno,
por julgar ser o mais fresco, a vista do que
declara que se n3o respunsabehsa por qual-
quer motivo que se queira allegar, afim de
que se receba o-rao depois de vendido.
I uva* pretas de torca!.
Vendem-se luvas pretas de torcal as me-
Ihorei que se p le encontrar e porque pre-
CT de 1,000 ris e 800 ris: na rus do Quei-
mado, luja de miudezas junto a de cera n.
31, nos quatro cantos.
-- Vendem-se 3 vaccas, urna parida de
poucos das, e duas a parir, por comino
do preco : na ra Formosa, na quarta casa
terrea.
Cobre de forro para navios.
Vende-se cobre de forro para navios
de (superior qualidade, em porco e a re-
talho, pelo mais barato preco que tem vin-
do a este mercado : na fabrica de caldeirei-
ro, ra do Brum n. 28.
Na ra da Praia becco do Carioca jun-
to ao tanoeiro, vendem-se sacos com fari-
nha de Sania Calhariua a 2,000 ris, arroz
pilado muito em conta, assim como urna
porc3o deaicos de estopa vasios 'por preco
commodo. ,
Vende-se milho moidoem saccas de 4
arrobas, pelo diminuto preco de 2,560 rs.
sjsacca, muito proprio para cavallos, assim
como farinha de todas as qualidades : na
ra do Brum n. 28
Mein* de lnia para padres.
Veiideir-se meias delaia para padres, as
mais superiores que se podem encontrar,
pelo diminuto preco de 2,000 rs. : na ra
do Queimado, loja de miudezas, junto i de
cera, n. 33.
loo sarcos novos de estopa.
Vendem-se 100 saceos novos de estopa e
algo 13o, por atacado a 320 rs. cada um : na
ra larga do Rozario, n. 48, primeiro an-
dar.
Vende-se urna preta de bonita figura,
que cozinha, engomma perfeitamante e co-
se : o motivo por que se vende se diri ab
comprador: na ruada Aurora, n. 50.
Bom e barato.
Vendem-se sapatinhos para crancas;sus-
pensorios para meninos, a 80 rs.; carteiri-
nlias com agulliaa. a 320 ra.: caixinbas
com aguiuas irancezas, a 320 rs. ; ditas coro
brinquedos psra manios, i 480 rs. ; fran-
jas para cortinados de cama, por prego que
ninguea vende; flnissimas tesouras iugle-
zas, a 00 rs. ; superiores escovinhas para
denles, a 160 ra. ; q'uadroszinlios dourados
com estampas de sanios, a 120 rs.; linhas
de peso,,a 60 rs. a meiada ; agulbas caulo-
fjs, a 60 rs. o papel; pentes linos para ali
.sur, a Mt> rs. ; malas brancas para senho-
ra, a 3<0rs o par. ; bengalinhas de junco,
s aO0 rs.; maracas para meninos, a 300 rs.;
touquinbasde seda preta para criancas, a
50d rs. ; caivetes linos de aparar penas, a
200 rs. ; requifes para enfeites de vestidos,
a 200 rs. a vara ; aguiheiros de vidro, a 800
rs. ; e outras mullas cousas que pelo dimi-
nuto prego nSo deixarSo de agradas ao
compradores, e para que coiihecam que lu-
do islo be bom e barato, sa darao a amos-
tras : na ra do Queimado, n. 33, loja de
luiudezaa, junto a de cera.
Cartas para jogar.
Vendem-se flnissimas caria fraocssas
para voltarate, chegadas ltimamente de
Franca, por preco muito barato; ditas por-
tiiguez Queimado, n. 33, loja de miudezas, junto :i
je cera nos quatro-cantos.
Um preto bom cozinbeiro.
Vende-se um preto de bonita figura, bom
cozinheiro e melhor comprador, cabelerei-
ro e barbeiro, e lio de boa conducta : na
ra larga do Rozario, n. 48, primeiro andar,
se diri quem vende.
Grvalas de mola.
" Vendem-se ricas gravats de mola pre-
tas e de cores, pelo diminuto preco de 1,600
e 2,000 rs. : na ra do Queimado, n. 33, lo-
ja de miudezas, junto a de cera, nos qua-
tro-esntos.
, Carnauba de primeira sorte,
um escravo do bonita figura e muito pos-
sanie, sapatos do Aracaty para liomem e
meninos de 10 annos, sspatos de couro de
lustro em porgSo, esleirs, chapeos, couri-
nhos miudos, pennas de ema, caixas com
velas : ludo chegado no biate Duvidoto, a
vendem-se na ra da Cruz, n. 24.
Molas para gravats.
Vendem-se molas psra grvalas, por pre-
co que nSo deixari de agradar ao compra-
dor: na ra do Queimado, n. 33, loja de
miudezas, junto a de cera.
Caivete de machinas.
Vendem se superiores caivetes de ma-
cliinliss, para com muita facihdade se sppa-
rar peonas,a 800 rs pois nSo ha cousa me-
lhor para quem he Surto da vista : na ra
lo QueimaJo. n. 33, loja de miudezas, jun-
to a de cera.
-- Tndem-s 4 lindos moloquos de 8 a
18 annos ; 6 pretos, sendo dous ptimos sa-
oateiroseum. cozinheiro ; 4 pardos de 12a
30 annos, tendo um bons principios de cir-
pina ; duas parJas de 15 a 16 anno.i, com
habilidades; C pretas de 12 a 85 anuos, com
ifgumas habilidades, e que sSo proprias
para lodo o servigo; na ra do Collegio, n. 3
A sorte grande.
Bihiete.se cautelas da lotera de N. S. do
Livramento, cujas ro las andam Intahvel-
mentenodia 24 do corrente: venlem-se
uo pateo do Collegio, casa do livro azul,
I a/e mas baratan -em defeito.
ptimo brim trancado de pao de
linho pardo, corte 1,600
Novo brim lona branca para caiga,
vara 8,000
As melhoras cssemirss delistrs de
cores, corte 6,000
Lindos leos de casss finos proprios
para meninos, coo bonitas cerca-
duras, duzra 2,400
Algodo encorpado para sacos, pega
de 32 judas, com pequano toque
de avaria, jarda 170
ptimos cobertores de pasa, um 1,800
.Novos guarJanapos de panno de li-
nho com lista esul, um 800
Luvas de trogal para meninas, chapeo do
castor branco patente inglez com aba rao-
de e pequea, os melhores corte do fustSo
le moderno gosto, bem como um completo
sorti ment de fazendas finas e grossas por
barato prego : no armazem de fazendas de
lia y ni u nd.i Carlos Leite na roa do Queima-
do n. 27, quatro cantos casa encarnada.
Sapatocs de lustro.
Vendem-se sapatoes da couro de lustro
para liomem a 2,500, 3,000 e t.OOO rs. O par,
obra boa ; no Aterro da Boa Vista, loja de
sapatos n. 58, junto a de solleiro.
Grande deposito de carvao
saceos grandes a 5oo rs. ;
vende-se no antigo armazem de
capim, na ra do Sol n. i5.
Loteria de N. S. do Livramento.
Ns prag da Independencia, n. 4, loja de
miudezas, vendem-se os afortunados b-
Ibetes, meios, qusrtos, decimos e vigsimos
da loteria de IN. S. do Livramento. que cor-
re imprelerivelmeote no dia 34 do corrente.
Mil heles 11,000
Meios 5,500
Quartos 8,S00
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Grande deposito de cha.
No psteo do Collegio, casa do livro azul.
Chi hysson superior 2,400
Dito aljfar, brasiieiro 2,200
Dito paquequer 2,000
Hilos de outras qualidades 2,000
Vende-se cobre, metal amarello, e pre-
gos para forro de navios, por prego com-
modo : em casa da A. V da Silva Barroca,
na ra da Cadeia do Recife, n. 43.
Vende-se .um negm pega de idade de
21 annos, bstanlo posssnte, proprio para o
servigo do campo : na ra do Crespo loja
da esquina que volta para a cadeia.
Cigarrillos besoanlies.
Sao di. pidos os excedentes cigarrilbos
hespanhes ao deposito ds ra da Cruz, no
Recife,, n. 49.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Aos 3<>:ooo,ooo de ris.
Na ra estreita do Rozario, travessa do
Queimado, loja da miudezas n. 8 A, de Jotv-
quim I"' dos Santos Msya, vendem-se Os
muito afortunados bilheles, meios, quartos,
oitavos e vigsimos da decima loteria a be-
neficio da freguezia do SS. Sacramento da
corte : na mesma loja esti patente a lis-
ta da 12 loteria das casas de carida le, e
v?..*:?! r^ts w.dioioa ji(ciiiiauCS c*h
troca dos da loteria cima dita.
Vendem-ae 2 lindas negrinhas de 10 a
12 annos, com principios de babel idades, e
ptimas para dar qualquer menina,9 pre-
tas boas quitandeiras, e de todo o mais ser-
vigo, i preta de meia idade boa para cam-
po muito em conta, 1 pVda de exemplar
conducta, que engomma perfeitamente, co-
se e faz tolo oarranjo de urna easa e he
muito cariabosa para meninos, 4 pretos
muito mogos bons para campo ou ra, as-
sim como oulros uiuitus escravos : na ra
da Cadeia do Recife n. 51, primeiro andar.
.No sobrado da esquina, junio o trapi-
che do Ramos, vende-se doce muito bem
t'eito, tanto secco coaio de calda de todaa as
>iualidades, tanto em porgSo como i reta-
dlo, por prego commodo, e tambem seeu-
feilam bocetas a vonlade dos, Compradores.
Venoe-se urna preta de Angola, muito
moca e de bonita figura, que c .zinw o dia-
rio e lava de sabflo : em Fra de Portas, la-
do do mar, atris da igrej, n. 24.
Vendem-se superiores charutos do San
Flix a 9,500 rs. a caixa de 100 : Da roa do
Queimado, loja n. 10.
0


^
a Ira
II, oo
me&ma
-Vende-se excellente farinha
de S.-Calharina, a bordo da ga-
liota Santissima-Trindatle, fun-
deada defronte do caes do Colle-
gio, por preco commodo .-
tar na na do Vgario, n.
a bordo com o capilao da
gallota.
Cimento.
Vendem-se barrles com superior smen-
lo, clu-gado no ultimo mvlo de Hamburgo :
na ra do Amorim, n. 35, armazem de J. J.
Tasso Jnior.
Comida para animar*:
vende-se na ra da Crux, oo Recite, n. 13,
armazem.
Fogoes para cozinha.
muilo proprios para sitios e qoal-
qualquer lugar aonde nSo ha coii-
nba, por preco commodo : ven-
dem-se na ra da Crut, n. lo,
rasa de*Kalkmann lrmaos.

a>
>>
s>
N-i deposito da roa da Moda, n. 15,
ha para Tender superior cal em po-
dra, recenlemente ehegada de Lis-
boa, em o brigue Concetco-dV-lf a-
ria, por preco rasoavt-l : tambem ahi
so vendem pesos do duas e de urna
arroba, por preco commodo; ha
tambem elTectivamente no mesmo
deposito barris de niel para embar-
> que.
9Ak*A***+
Viaho de Bonfeaux:
vende-se na ra da Gru, n. io,
casa de Kalkroann limaos.
Fazenrta uova.
Vrndem-se gangas amarella e crdecin-
za, fazend* muilo fina, propria par* pali-
tos de meninos, e mesmo para roupes de
seuboras, pelo baratissimo preco de 200 rs.
o corado: no Aterro da Boa Vista, loja nu-
mero 18.
# 1*
SKetroz da fabrica do Siqucira.**
dj> no Porto
Novldadr.
ptimos cortes de chitas linas e se-
guras, de lindos padrees, com 12 co-
rados cada um, pelo diminuto prego
le 2,500 rs. por cataren) devididas em
tlguns rctalhos, um 9,500
Novas cambraias pialadas com bar-
ra, de novos padroos, proprlas para
dous vestidos, por terem mais de 10
varas e 4 palmos de largo, cores fitas
a peca a 4,000
ptimo francklim preto, lino sem
deleito o covado a 500
Grande* lencos de eda ou meios
chales, vindos da India, para hom-
bros, um 3,800
Norbs padrOes de lencos de seda
para mSo, finos tambem da India,
um 1,600
Nova lila franceza larga, prefer ve|
ao lapim, fiissima, covado 1,000
Assim coma todo o completo lortlmento
de fazendas finas e grossas, por barato preco
no armazem de fazendas de Raymundo Cars
loa l.eite, ra do Queimado u. 37, nos que
tro cantos, casa encarnada.
Na ra Nova, n. 8, loja de Jos
Joaquim Moreira& C. ,
vende-se um rico sortimento de
franjas pretas para manteletes
capotinlios, por preco rasoavel.
Vende-se vinho do Porto em barris de
quarto e em pipas, chegado ltimamente
peueiras de rame; cevada ; arcos para pi-
pas e barricas lio purrete ; pregos de to-
das as qualidades, por preco commodo : na
ruado Vigario, n. 11, armazem .de Francis-
co Alves da Cunta.
-- Vende-se chumbo em barra, sulpliato
de quina, e gomma arabia em partida malor
ou menor : na ra do Amorim, n. 15.
W Deposito geral do superior ra-
q p Areia-Preta da fabrica
O de Gaotois Pailhet & C.
na Babia.
O

C
?s
vende-se na ra do Vigario,
n. icj, segundo andar, es-
criptorio de Machado & l'i-
nheiro.
>***>
Chitas timpas auo rs. o covado.
Vendem-se chitas limpas rxas, a 4,400
rs. e a 130 rs. a relalho ; corte* de cam-
braias com 6 vara*, muilo larga, de bonitos
padrOese cores fizas, a 2,560 rs : na rus
larga do Rozarlo, n. 48, primeiro andar.
Charutos de Ha vana.
de superior qualidade : vendem-
se na ra da Cruz, n. io, casa de
Kalkmann lrmaos.
Milito novo a 2ooo rs.
cada sacra.
Vende-se no armazem do Braguez, ao p
do arco da ConceicSo.
INgnlo de algodo a 25oo a
pepa de Jo varan.
Vende-se esguiSo de algodfio com 4 pal-
mos e meio de largura, a 2,500 rs. : esta
fazend* he muilo propria para lenges, ca-
misas, ete. : na ra do Crespo, loja da es-
quina que rolla para a cadea.
Cbnmbo de iiumicao.
Vende-se no armatem de J. J. Tasso J-
nior, rus do Amorim, n. 35.
No becco do Coica I ves, ar-
mazem do Araujo, e na i na da
Gruz, atmazem de S Araujo,
vende-se superior farinha em sac-
eas, por preco mais commodo do
que em outra qualqner parte : bem
como lijlo de Lisboa para limpar
metaes ; sola, couros de cabra c
sapalos.
Vendem-se amarras ao ferro : na ra
4a Senzaila-Nora, n. 49.
Redes.
Vendem-se redes muito bonitas, de va-
rios gostos e preces, proprias para quem
for passar a festa descaucar ao fresco de-
ba ixo de arvoredos : na ra do Queimado,
n. 14.
-- Vende-se, ou aluga-se urna canoaaber
la de rarga de 600 a 700 lijlos de airea -
ria : na ruada Aurora, n. 46, tarerna.
-- Vende-se urna parda escura, liel e sa-
dia.rom algumas habilidades ; um mole-
quede 15 anuos: na ra do Fogo, o. 23, se
dir quem vende.
#
I'arn. p'agens.
Chapeos en remisa dos para pagens
O de fura.a moderna : rendem-se na ca-
tjt ss de si'gueiro, ra do Queimado nu-
mero 19.
#ff
A o bom goslo
Domingos Aires Natheus, agente da
^fabrica de rap superior Areia-Preta da"
Babia, tem aborto um deposito na ra
Ja Cruz, no Itecife, n. 59, primeiro au-G
dar, onde se achara sempre leste ex-
cellentee mais acreditado rap: ven-
Qde-se em botes de urna e meia libra,O
por preco commodo. Q
0Q0C0
Vendem-se ricas caixas pa-
ra costura, ou para guardar joias.
com fechaduras de ferro e chaves
de duas voltas, contendo cada urna
vinte frescos de perl urna ria, pe-
lo diminuto preco de 5,ooo rs ca-
da urna caixa : no pateo do Col-
iegio, casa do livro azul.
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeos de sold seda preta
e de cores, a 6,000 rs ; ditos de panninbo
para bomens, senhoras e meninos, por pre-
co mais commodo do que em outra qual-
qner parte : na ra do l'asseio u. 5.
Gouro de lustro a 3,ooo rs a pelle.
Vende-se couro de lustro a 3,000 n. a
pelle, e marroqum do melhor que ha no
mercado : no Aterro da Boa Vista, toja n.
58, junto de selleiro.
Calcado.
No Aterro-da-Boo-VIsta, de-
fronte da boneca,
he chegado, pelo ultimo navio francez, um
novo e completo sortimento de calcado de
todas as qualidades, tanto para horneas co-
mo para senhora o meninas de todas as ida-
des ; assim como os bem conhecidos sipa-
tOes do Aracaty, Unto para homem como
para meninos: ludo por preco mais com-
modo do que em outra qualquer parle.
Vende-se superior vinho de Charapa-
nha AV, o melhor que ha no mercado, por
preco commodo : em casa de J. P Adour &
C., na ra da Cadeia do Itecife, p. 52.
O bom e barato.
No Passeo-Publico, loja n. 9, de Albino
Jos l.eite, vende-se um completa sorti-
mento de chitas, a 120 rs. c covado ; cassa
nara babados, a 2)0 rs. a rara; riscado fran-
cez largo, a 200 rs. o corado ; cobertores do
algodSo grosso para esclavos, a 720 rs
madapolSo, a 100 rs. a rara ; riscados de
linho miudinhos, a 320 rs. o corado; len-
cos de seda de cores, a 1,000 rs ; e outras
inultas fazendas que nflo he possivel an-
nunciarpara nSo oceupar lempo.
-- Vende-se um sitio na ra do Pires
que faz esquina para o corredor do Rispo, o
qual tem boa casa, cnzinba Cora, rasa paia
..reos, estribaiia, coebeira, um bom parrei-
ral, e horta, e outras omitas ai Cores de
fructa, boa agoa, etn chSos proprios : quero
4
j
_

. Gal e potassa
Vende-se a mais ora e superior potassa
que brno mercado, e cal rirgem em podra,
chegada pelo ultimo narlo de Litos, jor.
prego commodo : na ra da Cadeia do R-
cife, n. 50, a fallar com Cooh* & Amorim ;
assim como um restante de barris da mes-
ma cal, que floou da safra plisada, (por ba-
rato prego.
'Vendem-se sabonetes higinicos, o
mais superiores que teera rindo*este mer-
cado, assim como outras perfumaras muito
finas : na ra da Cadeia Velba n. 94, pri-
meiro andar.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Bruin, na. 6, $
fundico de ferro.
Arados de ferro?
Vendem-se arado* de ferro
differentes modelos : na roa
e io
na
Brum,ns. 6, 8 e io, fabrica,
machinas e iundicSo de ferro.
Vende-se urna sextante ora feita por
um dos melhores autores de Londres e tam-
bem um orisontc artificial e um Ibeodilele :
na ra do Trapiche armazem n. 44.
Nao he exagerac&o.
Vendem-se sapalos de couro de lustro,
obra muilo boa, a 9,500. 3,000 e 9.500 rs.:
na ra da Cadeia do Itecife, loja n. 9.
Farinha de mandioca.
Vendem-se sacas com farinha de mandio-
ca muito alva.e bem torrada a melborque
ba no mercado por nlo ter cheiro de barco
e ler bom gosto e por prego commodo : na
ra do Queimado n, 14,
Cobertores de
para
tapete
escravos.
J se vendem o* acreditados cobertores
de tapete para escravos, a 720 rs. cada um ;
por issorenham a ellos ante* que se aca-
liem, ou passem para mais alto prego : na
ra do Crespo, loja da esquina que rolla
para a cadeia.
Kap Paulo-Cordeiro.
Vende-se elTectivamente esta excellente
rap, na ruada Cadeia do Recite, n. 50, Jo-
la de Cunha & Amorim.
Vendem-se, por preco com-
modo, taccas com farinha de man-
dioca ; potassa em barriquinhas ;
fumo em folha para capa e mi-
lo de charutos : nos armazens d
Gouveia & Das, no caes da Al-
JJUIU i ea;
'"'f rbTSr^i^b Roil!TnF*CPal
se dir quem rende.
A i,6oo rs.
Vendem-se novos cortes de brim tranca-
do escuro com duas raras e meia cada corte,
a 1,600; cassa franceza de bom gosto.a 9,600
rs.; pegas de esguiBo de algodSo com 19
varas, a 2,400 r*. a pega ; cobertores de al-
godSo de cores, a 790 rs. : na ra do Cres-
po, n. 6, loja ao p do lampeSo.
Vendem-se saccas de muito
superior farinha de S.-Catharina,
por preco commodo a fallar com
Manoel Alves Guerra Jnior, ou
na ra da Gadeia do Recife, n.
38, primeiro andar.
Vendem-se os apreciavei* charutos de
Harana la Norma : na roa da Cadera
n. 1.
Pecas de esguiSo a a,5oo rs.
Na loja da ra do Queimado, p. 17, ao p
da botica, ainda tem para render pelo ba-
rato prego de 9,500 rs.; pegas de esgui&o de
algodfio, com 12 jardas, muilo proprio pa-
ra camisas de senbor, por ser mais largo
que o madapolSo.
A 9,000 e a,4oo rs. a peca.
Na ra do Queimado, n. 17, rendem-*e
pegas de madapolSo entrefino, pelo dimi-
nuto prego de 2,000 e 9,400 re, por ter um
pequeo toqu de ararla' d agoa doce. A
ellas antes qua se acabem, poia sSo muito
poucas.
Para acabar vendem-se,
na ra do Queimado, loja n. 17, cassas fran-
cesas de 13a aberlas, e de padroes muito
delicados, a 400 rs. o corado ; cambraias
de cores modernas, a 560 rs. a rara ; chitas
francezas do melbor gosto que tem rindo*
este mercado, a 820 e 360 o covado. DSo-se
as amostras.
Fumo em Folha.
Vende-se fumo de primeira e segunda
sortes, por prego commodo, em porglo e
a relalho: na ra largado Rozarlo, n. 82,
fabrica de charutos.
Vaade-se cabra em folb* para forrar
nario, ferro inglez em barras, reos, chum-
bo de munlcSo aortido : em casa de Me
Calmont & C na praga do Coenmercio,
o. II.
Charutos de San-Flix
>e promette dar com a. maior pres-
teza possrfel: tud por preco
mais commodo do que em outra
qualquer parte.
- Vende-ae, para fra d pro-
de
do
de
vincia, um bonito
ivo,,.ofli-
cial de marcneiro : na ra Nova,
armazem de trastes, defronte da
ra de S.-Amaro.
Vendem-se saccas de gomma;
chapeos de palha e sapatos, por
preco commodo i na ra da Ga-
deia do Recife, n. 9, loja.
Papel roznantiao
bordado e colorido, de difiranles formatos
e d* superior qualidade, proprio nara car-
tnna de araisa.de ou versos de sympathia.
Este papal, ultimo goslo da Pars, ba sim-
ples e bonito ao mesmo tempo, tanto o co-
lorido como o dourado, rrindo ao met-
tempo par* desenbos que se collocam nis
folbas dos albuns das pessoas de bom gosto:
rende-se n* livrari* do pteo do Collegio
n. 6, de J0S0 d* Cpsta Pouiado.
Vend*m-se superiores lingoigas do ser-
illo Ceilas de carne de gado, assim comocar-
ne do serlSo: tudo cousa o melhorpqjjpkl
na ra Augusta, renda de Victorino"las
CorreiadeS.
-- Vendem-se 6 escravas, 3 engommaoi o
Icozinham, una lio perfeita engommadeira,
e que cose e cozlnba, reate u pcnuU wn
senhora, ss outras sSo boas quilandeiras;
urna mulatinhade 18 anuos, que cose, en-
gomla e faz o mais serrigo de urna cas* ; 1
preto que serr muilo bem a urna casa ega-
nbanarua 640 rs. pordia; um molequeda
5 annos, muilo lindo e esperw : na ra do
Collegio, n. 31, primeiro andar, se dir
quem ronde.
Anoz da casca a gomma.
Ni concitara da ra eslreita do Rozario,
n. 4J, vendem-sesiccas com superior ar-
roz, a 2,200 rs.; dita* com gomma, a ,00o.
Vendem-sa 30# pares de sapato* do
Aracaly : na rus de Encantamento, fabrica
de ba bus ao p da cacimba.
a*
Vendem-se baiainhoscom um cacho da
_... ,.; -.--- ..t;n>u -
t r*
linhos com um s cacho, obra mais delica-
da possivel, e muito proprio para infeites
de mesa* e consolos de urna sala : na ra
do Queimado, n. 18, loja de Jos ias Si-
mos.
Ricas luvas de pellica.
Vendem-se rifas luvas de pellica enfei-
tsdss para senhora ; ditas de lorcal com
palmas, com dedos e sem files, e de ou-
tra mais qualidades, por mdico prego : na
rus do Queimado, n. 18, loja de Jos Das
Srmes.
Charopanba Ck G.
Venda-sea verddeira cliampanlia desla
marca, rinda pelo ulnmo nario do Marro :
em casa de ale Calmont & C., na praga do
couiraercio, 11 It.Tem-se encontrado por
ahi champanh* ordinaria com esta bem co-
nhscida manta C & C falsificada,, os coro-
pradores de champanh* devem Ur cautela.
-- Tode-se urna mulatinha de 9 a 10 an-leseada e corredores, e rr.csmo'par IIIumi
nos, aeai vicio uem achaque : na ra Au-lnaeoes por serarp muito commodos em ta-J
gU*U Q. 86. manilo : na ia do Trapichen. 10.
o pretender, entrnda-se rom Jos Antonio
Correia Jnior, ou na la da Praia n. 32.
Vende-se a armagSo da venda da l.in-
goeta, 11. 3, faz-se todo o negocio com o
comprador.
A 3,/joo rs. a duzia.
Vendem-se a 2,400 rs. a duzia de meias
de algodSo cr o muilo encorpadas, pro-
priaa para lirrar a humidade dos pea 1
quem padece de molestias interiores : na
ra do Queimado. n. 16, loja de Jote Dial
SimOes. a _
Trancinhas de Ha a 60 rs. a pe(*.
Vendem-se trarinhas de ISa de Indas as
cores, pelo mdico prego de 60 rs. a pega,
muilo proprias para enfeiles de vestidos,
ou para outra qualquer cousa que se queira
applicar : na ra do Queimado, n. 16, loja
de Jos Dias Smiles.
Frascos de agoa de Colonia .
a 5oo rs.
Vendem-se Crascos de agoa de Colonia, a
500,800, 1,000 el, 500 rs., do bem conde-
cido autor L. T. Piver : afianga-se a sus su-
perioridade; na ra do Queimado, n. 16,
loja de Jos Dias SimOcs.
Vendem-se cincuenta ongas hespanbo-
las : na ra da Cruz n. 51, no escriptorio do
primeiro andar.
Globos de virti.
Vendem-se globos de vldro proprios para
landega, e de Das Ferreira, ou
a tratar com Novaes & G. na
ra do Trapiche, n. 34-
Loterio do Rio de Janeiro.
A os 20:000,000 de rs.
Na praga da Independencia, n. 8, confron-
te a ra do Crespo e Queimado, rendem-se
tiilhetes, meios, quartos, oitaros e vigsi-
mos da decima lotera a beneficio da Cre-
gueiia do SS. Sairuaiento do Rio da Janei-
ro, rindos no ultimo rapor. Na mesma toja
se mostram as listas das que ja correr ni.
k na do Itozaiio larga n. 21.
Vende-se urna molatinb* de 19 annos,
muito linda, propria para mucama, tem
principio de costura, he muito uroiMcede
bom genio, o motiro porque se rende he por
precelo.
Vende-se nma porgSo de caiioes de
folba paja latoeiro ; urna porgSo de paos
de sicupira, que foram de barcaga ; urnas
grades de po, que foram de escriptorio;
urnas junellss velhas, que ainda podem ser-
vir para alguma obra ; um* prensa de pao
para apertar tardos de fazendas; duss quar-
lolas vasias, que foram de azeite de peize ;
urna porgSo de ferros relhos, que foram de
navio ; una bulga muito bem feite, propria
para nario ou casa de familia, por levar
mais de des canecos d'agoa; e mais urna
porgSo de taboas de assoalbo e costadinh
de amarello : tudo por prego commodo :
na ra da Cadeia do Recife o. 54.
^a "**"JbW *" fIMfJiBW **" tJaar^iaw ^*WiJaWfJ))Hisjr^a*' "ajaT *
Vendom-se quatro bonitos moleco-
1 tes, sendo um driles bom coziohei-
i e outro com principios de sapateiro
3 negros de 22 annos, de bonitas fl-
" guras, de ptimas conducs, sendo
I um delles bom sapateiro, de corlar
% e fazer toda obra ; um preto de 25 a-
il oos, bonita figura,ptimo pedreiro; 9
9 pretos para todo o serrigo; um 1 ai
m do moleque de nove annos, ptimo
I psra aprender algum odelo, por ser
Sin 11 i lo habilidoso ; 4 negras mogas de
de bonitas figuras, com algumas ha-
bilidades de engommar,. coser e co-
zinhar ;? negras de 30 annos, muito
em conta. nma deltas cozinba muilo
bem: na ra uas Larangeiras, n. 14,
segundo sndar.
+* .* wmmmmmm^
Loteria do Rio de Janeiro.
Aos 20:000,000 de rs.
Nos qua tro-cantos da ra do Queimado,
loja de Cazendas,n. BO.rendem-se os muitoj
al'urtuiiados bilbetes, meios, quartos, oi-
craoienlo ; bem corno da 95.* lotera do
monte po, cujas lisias devem cliegar no pri-
meiro vapor. Na mesma loja se trocan bi-
Ihetcs premiados de qualquer lotera, e se
mostra s lista das ctaas da cridade.
Caixas de clcheles a 70 rs.
Vendem-se caixas de clchete*, a 70 ra.
cada urna : a ellas antes que se acabem : na
ra do Queimado, n. 16, loja de Jos Dias
SimOes.
A 2c o rs. o covado.
Vende-se madapolSo de cores, proprio
para camisas, pelo bafatissimo prego de 200
tt. o corado ; bem como ainda re ala m al-
gumas pagas de chila de lindo e algodSo,
com 40 covadoscada uina, a 5,600 rs. : no
Aterro-da-Uoa-Vists, n. 18, loja.
.Vende-se urna bonita mulata de 20 an-,
nos, que pode servir de ama de leile, por
estar criando urna *!!s dfi mezes; sun
^^^Qzjnheiro, de bo llgura, mogo e r-
a a,800 rs. a caixa.
Vende-se esta superior qualidade de cha-
rutos de San-Felix, na ra do Quintado,
o. 16, loja de Jos Dias SimOes.
Ricas Atas.
Vendem-se fitas tarrada* para cinteiro c
para enfeitea de chapaos de senhora ; ditas
lisas da todas as larguras e cores, por prego
msis commodo do que em outra qualquer
parte : na ra do Queimado, n.'lG, loja de
Jos Diss SimOes.
Deposito re cal virgem.
Na ra do Torres, n. 13, ha muito supe-
rior cal nova em pedra, chegeda ultima-
mente de Lisboa no brigue Tarujo-Tereriro.
liieas bengalas.
Na ra do Queimado, a. 16, loja de Jos
Das SimOes, vendem-so bengalas de muito
superior qualidade, e com castOes de diver-
sos gostoa. por mdico prego, que muito
convidar so comprador.
Vende-se um molnli novo, e outro em
meio uso, de moer caf ; e urna porgSo de
saceos vssios : na ra Dlreita, n. 69.
I,ii va* muito baratas.
Vendem-se I uvss decores, fio do escocia
sem deleito algum propnas para montara,
elo baratiasimo prego de 330 rs o par: na
ra do Queimado loja de miudezas. junto
a de cera n. 33 nos qustro cantos.
Na a miga venda que foi de Nicolau Ro-
drigues da Cunha na ra do Mundo Aovo n.
16, continua a vender-secal branca preta;
as pessoas que quizerem, dirijam-se a mes-
ma venda cima, que se vende por menos
do que em outra qualquer parte.
rentes de tartaruga para mar-
rafa.
Vendem-se excellentes pentes de tartaru-
ga para marraras, a 800 rs. o par; na ra do
Queimado loja de miudezas, junio s de cera
n. 33 '
Cabegadas Inglesas.
Vendem-se esbegadas oglezas roligas e
chstas, loros silbas de II : na ra do Tra-
piche o. 10.
Kap amerleauo.
Vende-se este rap, que ha de agradar as
pessoas que goslam da boa pitada : a rela-
lho, no Recife, em cas* dos Sra. Daris & C,
llaymotid & C. e Fonles & IrmSo ; em S.-
Antonio, em cssa do Sr. Lody, na ra larga
do Rozario, o. 35 ; 00 Aterro-da-Boa-Vista,
casa do Sr. Manoel Jos Cuedes MagalhSos;
e poratacado.no Recife, ra do Trapiche,
n. 14, seauodo andar.
Na rus ds Praia n. 32, vendem-se sac-
ras com alqueira de farinha de superior
qualidade, e por menos do que em outra
qualquer parte.
fr Sapi.los do Aracaly.
Vendem-se spalos do Aracaly, por me-
nos prego do que em ootra qualquer parte :
na ra da Cadeia, n. 93.
Superior velas de carnauba a pre-
co commodo:
rende-se na ra da Cadeia, n. 23.
Vinho do fibeno superior.
Vende se em cas* de Le Bretn Sdirarnm
& Companbia, ra do Trapiche n. 19.
__i'~-. ^aaaK..4... -- '-_
ram de Carinha do reuio,4odas an,encanas,
e por prego mais commodo do que se eslSo
rendendo nsspsdaries, iato por se querer
desoecupar a casa onde ellas etlSo, a va-
la das ditas se Cara todo o negocio : quem
aa pretender, dirija-se a ra Jas Tinohei-
ras n. 9.
A 3ft)5oo rs. o ecnto.
Vendem-se superiores charutos de S. F-
lix : na ra do Cabuga, loja do Duarle.
- Vendem-se rieas toucas para bsptisa-
do : na ra do Cabug, loja do Duarle.
Na loj.-i de alfaiate, na ra
35, de Jaciutho Soares
-
Escravos fgidos
Nova, n.
de Menezes, ha um grande e com-
pleto sortimento de obras feitas de
todas as qualidades : assim como
- a ajiwaoiia utiiut, 11*
se recebe toda e qualqner encom- coberto pequeo, quo n
ineuda, para o que tem boas fa- ,5o,ooors.
Desde o da 98 do mez prximo passa-
do que fugo o consta andar pelas ras des-
la cidade, um preto croulo, de nome Lino,
de 22 annos pouco mais ou menos ; levou
caigas preta, jaqueta de riscado e chapeo do
palha ; mas as rezes cosluma mudar de tra-
j's: quem o pegar lere-o a capitana do
porto, pue se pagar bem 0 trabalho.
-- Fugo, no da 25 do prximo pssssdo,
o escravo Leandro, crloulo, cor fula, de 2*
annn* pouco mais ou menos ; he bsixo, ros-
to bem redondo, denles limadosj andar
vendendo leite ; consta que saguio a estrada
de Coianna, e diriga-se p*a^g^|iana.
Roga-se as autoridades poli
de campo, qoe o apprehei
a seu senhor, Jos Herculali albo,
no Montoirn, sitio de Teixe
serio gratificados.
5o,000 rs. de gratificarlo.
Fugo, no dia II da abril da presento au-
no, a preta Mara Joaquins.de nagSo Congo,
de 30a 40 annos, bsixa e ebeia do eorpo.cara
larga, cor retia, olbos vivos a meios gran-
des, feigdes grosseiraa ; tem um pequeo
signal de carne sobre o beigo superior ala
lado direilo do nariz. Esta preta j foi as-
crava de engenho, e e anuo
um* crioula de nome Fel
dita preta andava pelo
miudezas, por cojo motiro
todas ss povoaces desl
muito ardilosa e capaz de illu.
pessoa que* nSo conhega, pd*
sus fuga com .0 negocio de miudezas, pes
j outra vez que fugo foi pegada 00 euge-
nha S.-Anna com um balaio da mittdzas
queandava rendando. Quem a pegar leve-a
a praga da Independen*, n. 17, que rec-
bela 50,000 rs. de gratificagSo a quem del-
ta der noticia certa recebar 20,0op rs..
50,000 rs. degralilicagaar
a quem appnliender am esciavo marinhei-
ro, de nome Filippe, de nagSo Moasarobi-
que; be bsixo, barbado, nariz chata,
36 annos, falla bem ; fugo da bordo'
brigue Carolina, no da 94 de ooremoro;
foi encontrado para as bandas de linds ;
lerou urna camisa branca a outra de ruca-
do azul e brauco por (ora; caigas de algo-
dSo azul coro botoi's brancos dos Isdoa, e
chapeo depa|lia, e levar ap eacriptorio da
viuva Caudlao & Filbo, ou a bordo do dito
brigue, fui.diado defronte do arsenal de
guerra.
- Cosme, oseravo da Manoel Veridiano
l'inho, morador na cidade do Penedo, fugio
de Cotinguba ( do porto grande, rio Japa-
ratuba) em fevereiro de 1850 : este escravo
lie pardo alvo, ou assa, de 91 24 annos,
baixo, ebeio do corno, sernas um pouco
tortas e grossas, cabellos om pouco duros e
ruirof; tem um talho em um doasobt'oibos,
outro ao pedos cabellos o alga)k* as cabe-
ca ; tem signses de corris as oadegas,
por fgidas que tem Cello ; naseeu DO ter-
mo da villa Nova, provincia de Sergipe ; foi
escravo do alfares J0S0 de Dos do Amparo,
senhor do engenho na ilh* dos Sois, termo
da dila villa, o sogro do dito Pioho t j foi
preso em rio Real, com oulro parcelro, por
terem d'abi sabido fugidosrro urna cano*,
e aqu a portado* ; he um pouco pachol*, e
sabealleciar uo nomeo) iivre, taz lodo u
serrigo de roe, pescara e aflecU de avar-
nheiro ( marujo ); n3o tem ofllcio, mas he
alguma roua* habilidoso, e por isso ter-se-
lia dailc a algum; elle tem urna
ra do dito Amparo, a qual lom
que elle disse em rio Rea) os "
go e a quem su tenia va ; nai
estar com passaportecomo Corro pana Ba-
ha ; tem na frente do queixo superior um
denle principiando apodreeer; esta, prin-
cipiando a barbar; be da suppflr jftflawib*
mudado de nome como, fez* no rio Real;
quero o pegar lere-o a seu sent
de do PenedO, ao Dr. Jos Sezioa
i 110 l'inho, ou a seu p*i, o Sr
l'inho, em alacei; ao r. Sa
l.udgeiio Pinho, em Pero
Trapiche-Novo, n. 15 ; ou a
iloieira Jnior, na Babia,
dida-
. busto, e que tambem he canoeir: urna I
I mulatinha de io ioo, oe lind* figura: Q* fzendas e habis olliciaes, por uao
, ai'.i-:
%


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EH8RAPVCD_6HDW9S INGEST_TIME 2013-04-24T20:07:57Z PACKAGE AA00011611_07228
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES