Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07223


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AnnoJOV.
Sexta-feira
Stres.
rAIlTIDA BOC COH
olaaoa e Parahlba, l iliunda e sextas felras.
"jo-Grande-do-Norte, toda a quinta felrai ao
'abo, Serlnhem, Rfo-Formoo, Porto-Calvo e
' Macei.nol.'.all.e 21 de cadente*,
aranbuna e bonito, a 8 e 23.
loa-Vina e Flore, a 13 28.
icloria, a quinta) feirai.
Miada. todM o din.
munuM.
Nora, a 4, aoa 20 in. da m.
_ iCruc. a II, aa 8 h. e55m. da t,
Phaim b Ma.jchei. a 19, aa2 h. e 15 ro. dat
\Mlng. a 29, as 10 h. 13 da m.
rsiAMn sisn.
Priineira a, 1 bora 18 minuto da Urde.
Segunda al hora 42 minutoi da manbia
de Notembro de 1850.
N.27I.
MECO a tmcrjtvAo.
Por tre meses (ad(|pado) 4*00
Por seta mezes
Por tua auno
8/000
l.'ijUOO
DAS DA SIMAN A.
25 Seg. S. Calharlna. Aud. do J. dosorf. e do m.
ti Tere. 8. Pedro Alejandrino. Aud. do J. da 2.
v. do lvel.e do dos feltoada faxenda.
27 Quart. Margarida de Saboia. Aud. do J. da
9. v. do clvel.
28 Qulnt. Gregorio III. Aud. do J. do or. e
do m. da 1- v.
29 Set. S. Saturnino. Aud. do i. da li.ee do
dos feltos da fazenda
30 Sab. S. Andr.
1 Iknii. S. Kloy.
CAMBIO KM 28 OK MOTIMBHO.
Sobre Londre, a 28 112 d. por 1/000 rs. a 60 das
Par, 333 por Sr.
Lisboa, 1011. por cento. _,.
Ouro. -Oaca bespanhnlas.....aO/TiOO a 30/000
MoedasdeViOOvelhas. lli/viOO a Ib&OO
. de 6*400 nova l/000 a 1W2I10
deOO....... WW a 9/200
Prata.-Patacoe braileiro.... 1/<60 a 1/WO
Pesos columnarios..... 1/wO a /"o
Dito raexioanoi........ 1/700 a 1/780
MARIO DE
PARTE OFFICIAL.
MINISTERIO DA MAK1IU1A.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO Di A 22
DE AGOSTO.
Ao presidente da provincia de Santa ba-
ilarina, declarando, era confnrmdule do
rer (fo-cnnaalheirn prnonrador di cor,
Dberania fazenda nacional, solirc o oTIeio
o meimo pretidente n. 28 de 16 de majo
Itimo, ocrca da dnvida em que cha a
espeito do recratametito do elrangerro
biatrcuUdo na ceoitinla do porto, que
impliecflo feila pelo aviso da 7 de novem-
bro da 1848, par* que lejtm contemplado
ds estrangerris ai matricula egtabelrcida
em o ri. 64 de rffulimenlo n. 447 de 19 de
maio de 18*8, nfio he cortamente funda -
ment legitimo para que elle por esse im-
ples Cacto liquem privados das itnmunida-
dese iiencOes que Ihes compitam pelos dic-
ames dodireitodas gentes epeloi tratados
Bue hajim de existir; e que nem d letra
uart. 68 do dito regulimento se pode de-
uzir que os proprios niciooaes emprega-
o na vida do mar sejam sojeitos ao re-
crulamento pelo mero titulo de matricula-
do, ma segundo us circumsUncies, co-
>o esli declarado nai ptlsvris finaes do
tsrnoigo.
est dcel
imo*
'i
inicio, a
CflBpNODA I'HOVINCIA.
EXI'PB ME DO DA 95 BE NOVEMBRO.
OflrCoTJi ao Exn. bispo diocesano in-
teirando-o da disposicSo do avilado mi-
isterio da justc datado de 8 do corrente,
ommuniesudo qu, em attonefio ao que re-
resenlou o pdre Usnoel Lopes Rodrigues
e Barros, vigario da freguezie de N- 8. da
'enha da Sorra Talhad,comarca de Flores,
e llie concedeu seis.uiezes de licenca para
esidir fra da meoa freguezia como ven-
i ment da respectiva congrua, Nesta
sentido iizeremse ss convenientes com-
niunec,0o*.
Dito. Ao enmmindo da armas scienli-
lcando-o da: disposto no aviso do ministe-
rio da guerra datado da 8 do corrente, em
que secommunicaqu'por imperial resolu-
efio de 14de rtembro ultimo, tomada so-
bre consulta do concelho supremo militar,
ie tnandou pascar para terceira ciarse dos
iniciaos do exeroite por estar enmprehen
lido as dispoicoes do rt. 9. 3 n. I."
da lei n. 260 do l. de dezemhro de 1841, o
lente do 6 batalhlo de fnzileiros Ber-
nardo Jos da Grata, que la acba nesta
proviocis. Intelligenciou-se a pagadoria
militar.
Dito -- Ao mesmo, intenndo-o da inte-
gra do aviso de 8 do corrente, em que o
Exm. Sr. ministro e secretario de estsdo dos
negocios da guerra communica haver orde-
nado ao Exm. presidente da Babia a re-
messa para aqu do desertor do segundo
liatslhilo de artilharia a p Manoel Francis-
co doc Scntos que como recntta fra pare all
enviado da provincia daa Alagoas.
Hita. -- o mesmo, comtnunicando que,
segundo constnu de aviso do ministerio da
gaer ditado de 13 do crranle, conoedeu-
le prorogaefio por tres mezes da licenca de
favor, coi queseaclia na corte ao alfares do
oitavo balelbfio de cacadores, Rodrigo Lo-
pes da Cunta Nenezes. Intelligenciou-se
a pegadori militar.
Dito. Ao mesmo, srientiOcendo-o de
ter deferido fsvoravelmenle o requerimen-
lo, emqueo segundo sargento do terceiro
balalhao da artilharia a pe addido ao oita-
vo de cacadores pedia tres mezes de licenca
de favor para ir a corte.
Dito. Ao mesmo, intelligenciatido-o de
haver fallecido no di 7 do corrente, se-
gundo fui declarado m aviso do ministe-
rio da guerra de ti do mesmo mez, o capi-
cumpre que a ponha em arrenitccflo, fl-
cando sem effeito ordem de 7 do crrante
para mandar ioutilissr.
Dito.Aojulz relator de junta dejuitly,
transmitlindo para serem apresentsdos em
essflo da mesma junta os processos verbees
fejtos ios soldados do primeiro bttilhfio de
caladores Agostinho Joc Ferreirs e Angelo
Gomes de Souza,loteirou-se ao comman-
dante das arma.s.
Dito.--A psgsdoris militar, pare msnoar
indemnisar ao segundo batalhlo de cca-
dojre da quanti de 6,640 ri, em que se-
gundo a aoaU oue remate en duplican,
importam is despezas feitas com o interra-
menlo do cadver do soldado do quinto ba-
talhflo da mesma arma, Antonio Barbos.--
Prevetiio-se ao commando das armas.
Dilo.--A mesma, inleirando-o de haver
O coronel commaodante das armas partici-
pado que nomera para o lugar de ajudsute
da fortaleza de llamarse,o leneute do esta-
do mior da segunda clssge Jos Ignacio de
Medeiros Reg Montciro.om substiluicao ao
alferes Francisco Jos Gomes, que foi ser-
vir na proviocis do Rio Grande do norte.
Communioou-se so mesmo commsndinte
Jai armas.
Dito.A mesma, pire que mande indem-
oiair o oitava batalliJo de cccadore de
quintil de 6,840 ris, em (fue legundo i
cont que remelle, em duplcete, imporlou
i iuuumacSo do cadver do soldado do mes-
mo belelbSo Frencisco Gomes.--Scienlifl-
cou-se ao commando des armas.
Dito.Ao arsenal de marinhc, recom-
meudando em cumprimenlo eo aviso do
ministerio da marinhc datado de 14 do
crrenle, que remette ao inspector do ar-
senal de merinhe da Behie ne primeira oc-
casiSo opporluaa, um dos maslros grandes
da Nove Zelendia, que em 1847 forem com-
prados, em consecuencia de ordem do go
verno imperiel, slim de servir no brigue
que se esta construindo no arsenal de mar i -
nbe dequelle provincle.
Dito.Ao arsenal de guerra, para qu fa-
ca entregar ao comtnandeote do corpo de
polica os 3960 certuxoscom bales do adar-
ma 17, que estando a cargo delle forem
msodados recolher quelle ersenel.Neste
sentido ofllciou-se ao referido commaii-
Jante.
I'orliria. -- OrdenanJo ao commendente
do.bngue-escuna Calliope, que fa;a apromp-
ur o navio eoboseu commando, elim de
seguir .para a corte em cuiiipriineiilo do vi-
so do ministerio da marinha da 13 do cor-
rente, requisitando ao arsenal de marinha
as r(es que Ihe forem necesseries psra
esse viegem.--Exuediram-se neste sentido
aa couvenieutes ordens.
Commando das armas.
Quarlel do commando das armas na ciJait do
feoife, em 22 de nnvembro i* 1850.
ORDEM DO DA N. 6.
Pera der solemnidsde, e icompinher i
DrociisHo de Corpus Ckriiti, que no dia 24
deve sabir da greja mu tris da freguezia de
Santo Antonio, tem o Exm. Sr. presidente
desta provincia, resolvido que a guarde na-
cional do municipio do Recife, e os corpos
do eterelto existentes nesta capital, forme
emparede; conseguintemente e forc cima
designad! formere devitUo sb meu com-
mando; composta de dues brigadas, e pri-
meira dos corpos ds guerde nacional, com-
mandeda pelo'Sr. coronel chefe de legiSo
que competir; a segunde do primeiro. se-
gundo e oitavo blalh9o de caladores do
exercito, que ser commendede peloSr. te-
nente-coionel Antonio Maria de Souza,
A divjsSo tomar posicSo em liuhe peles
i horas de lerda do indicado dia, no lu-
gar da refer Ja matriz, e nell se andar a
13o do'oitsvo balaikflo de cacadores Jftfl lireite da primein divisjp, formando mar-
de Almeida, Finio l'roenca, que se ich*a lailo aa ru Cabuglpcom direceflo a
addido ao deposito de recrutei da corte.racr da Independencie, prolongando-se s
Coromumcou-se a pagadoria militar Ihna at altura da ra das Cruces, onde
Dito.-i asi mesmo, dizendo que pode
mandar dar haiii eo soldado da compauhie
lixa de cevartaTicH^rcncisco Jos de Souza,
visto olferecer-lhe elle em seu lugar, no
requer rneiitoajsie devolve, o cabo da mes-
ma compenhie JoSo Pereira de Areujo, que
ja II n* 11 sou o seu lempo de serviqo', e pre-
venindo-o de que deve-se fazar declra-
teles neceisiria dos assenlamentos do re-
{crido cabo, que tica obrigado servir o
empo, que ainde resta ao diln soldado.
"Dito. Au jej|j|o communieando que,
em aiu cpam|p.:; iccr^u.i. c:z'.zt
doi negocios de guerra com date de 8 do
corroerte, w autorisou a presidencia a em-
preger.Beata provici no que cunvier eo
fervico, o alferee do estedo mitor de pri-
ineira classe do exercito Francisco Repliael
de Mello llego. Scienlilicou-se apagado
re militar.
Dito. Ao mesa^awjateirsndo-o de hiver
o Exm. Sr. minisUcj^l secretario, de estedo
dos negocio d* guerra parplpado em
vio de 19 do corrate,que ce expedir or-
dem eo Exm. presideuta do Meranlio para
fezer seguir psra esle provincia a incorpo-
ra r-ae eo primeiro batalhlo de cacadore, a
que pertenca, o alferee Menool Joequiai
bello, que all se aelte com licencaInlel-
ligdociou-ee e pegedore militar.
DKo. -- A tbeeovirarii de fezend, Irene-
roittiudo o aviso de urna letra na importaa-
cie da 180,000 r. secada pela ihesourarle
do Rio Grande do norte sobre e desta e fa-
vor de Jlo Francisco Al ves. Participou-
se ao Exm. presidente dequelle provincia.
Hito -Ao commanlo de illie de Fernan-
do, dizendo que visto poder ser eproveilede
pare alstenlo de animeea a frinhe srruiua-
da eaaiaole no paiol desuelle presiiv.
tambem formar mirtellO em direc;9o
ra de S- Francisco.
Acompanhia de cavellaria fornecer um
piquete de honra, eommendedo por um su-
balterno, pare eeompinber e imigem de S.
Jorge.
Os Srs. eommindintea de brigadas no-
meerSe os reipectivos majore ajudante
de meeasss entre os olliciees de forc sb
sens commando.
Ordeno que oSr. tenente d terceira clas-
se dos olliciees do exercito l'ompco Reme-
so Z >aaihn. rinalmenle serve de
sjudente interino do forte do Pao Ainerelin,
essuma o commando temporario do mesmo
forte, em substiluicao so Sr. mejor Sergio
Terlulieno Ceatello-Brenco, que deve qun-
to entee ir tomer o commendo da fortaleza
Je Cabedellu na provincia de Perahiba do
fs. e eo Sr. alferes do esledo-meior de
ndc clesse JoSo de Amurim Bezarre,
pesse e servir interinamente o emprago
de ajudante da mesmo forte.
Jet fiemu di Amortm Besara.
dem, do da 23.
ORDEM DO DA N. 7.
O nim. Sr. coronel commendente des er-
maa, mande coovider eos Srs. olliciees ds
quatro clesses do exercilo, pira que oom-
parecam ne igreja matriz de freguezie de S.
Antonio es duee horca de tardo do die 24
do correte, efitn do sconjpeuheiem e pro-
ciSsSo de Corpus Chrtti, j^. I
Antonio Hara Rabillo,
capltao ajudante de orden.
Idm do dia 96.
ORDEM DO DA N. 8
C Js. 5. orvse! Jos V!f-t6 4 x-
Tim Bezerre commcnJente das arme, em
virtude de communicicoec pfliciees, que
ns dala de henlem Ihe fra feitas pelo
Exm. Sr. presidente deste prfviiici manda
icentiricar e guerhicSo o sega inte :
i." Que S. M. O Imperador, houve por
bem por imojedlele resoluc*"le 14 de se-
tembro ultimo, tomada sobra consults do
conselho supremo militar, mindir psr
pira a terceira classe dos ofllciaes do exer-
cito, por eslir coiiprchenJido n. disposi-
cOe do ertigo S, $$,a. i de le n. 260de 1
de dezembro de 1841, o Sr. tenente do sex-
to btlelbSo de fuzileiros Bcaanio Jos de
Crece, que se schs nesta provincU, segun-
do foi declarado em aviso do ministerio da
guerra de 8 do corrente mez.
9 Que o meemo augusto Senhor, foi
servido em aviso expedido pelo dito minis-
terio na data de 13 do corrente novembro,
prorogar por treeeieee licenea de fevor,
com que se sebe ne cOrte o Sr. alferes do
oitsvo belalhSo de cacadores Rodrigo Lo-
pes ds Costa Menezes.
3." Finalmente, que por avisa de 15 lem-
bem de novembro, se declarou ter fallecido
na corle no die 7 do dilo mezoSf. ceiitSo
do referido batalhSo otevo Jos de Almei-
de Pinto Proence, que eli se achava addido
ao deposito dereerutas
O mesmo Sr. coronel commendente des
armas, mande iguslmente declarar, que
preenchidas es formalidades do ert 4 do
regulemento de8 de maio de 1843, nomeou
o Sr. tenente do estado maior de segunda
classe Jos Ignacio de Medeiros Reg Mon-
leiro, pera servir interinamente o emprego
de cjudente de loralo? de liemareca, em
substiluicSo eo Sr. al Teres Francisco Jos
Comes que por ordem do governo impe-
rial foi mandado servir na provincia da Pa-
rahibe do norte,e conseguintemente seguir
ao seu destino, ficando desligado da com-
panhia lixa de cavellaris, onde servie ne
queliJade de eddido.
Antonio Maria Rabello.
EXTERIOR.
O BRASIL E ROSAS.
Seiiti dot dial 2 3 J< oalMOro.
iiiTrco lll.
Montevideo, 18 de outubro de 1850.
Outro incidente notavel, ligado e essas
sessOes, e consequencie dellis, sSo os does-
to dirigidos especialmente a urna pesan
irresponsarel. Mas nesse procedimento
inaudito nSo ha s maldad, lia tambem es-
tupidez. Nos systemss absolutos, onde a
voz nacional nSo se deixs ouvir, e onde nao
resoa senao s voz imperativa e pessoal do
despote, podem, e com resSo, spplicar-se a
sleas classificacoes a quedSo luger sle-
los, boas ou mos, do seu governo, por-
qusnlo em tses systemss o despnti e o seu
governo r.onstituem ume s e indivisvel en-
tidide. Nfio icontece, porm, issim nos
sysiemas regulires e responsiveis. A tnn-
nirchii brasileiri he completamente)cons-
titucional ; e pelo que vemos, ignora 6 in-
culto llosas que as monarchiis conitilu
cioniee o monerclu nSo he o governo, nem
o poder reil be poder ministerial : ignora
que i responssbilidsde meterial e moral,
interne ,e externe, recibe exclusivamente
sobre o ministerio. Se o nao gnorasse, nao
incorreria na torpeza de issannar-se contra
e pessos irrespon;avel, e de ctlrahir essim
sobre si s severa reprovicBo de todos os go-
vernos constiluciunaes e de todos os ho-
rneo sensatos. Se elle, porem, nao ignore
este diatinecio, entilo o ultraje he lento
oais criminoso, quanto mais premeditado
e intencional foi: ento'saris evidente que
he systemalico no dictador do Rio de Prala
esse empenho selvsgem de oppr-e e todes
ss ideies, e todes es praticea, e todis ss con-
veniencias que c civilisacao tem conse-
grado.
Este procedimento admittir lodss s ex-
plicares que Ihequeiram dar, mas nSo ad-
mlteseguramenteede queaeja concillivel
com {su babilidaJe poltica que 13o gn-
tuitsoientese tem querido altribuir a Ro-
ses.
TCm corroborec.ao do que levamos dito,
notaremos a conducta que tSo as cleras e
com (3o pouco discemiiiiento fez seguir,
durante nove mezes, i esss sala dos seus re-
presentantes, composte na maior perte de
empregedoe e prenles seus.
Pretenden! eses desgracsdoB que lm
ama a;i5c r.r.^:'. *linerla, a que! cem-
ce no primeiro de jeneiro e termine em 30
deWil, celos que Roces, pera causar illu-
sJo no exterior, decora pomposamente con
todas ss exterioridades que os acompa-
nham nos peizes constitueioneea. E edvir-
t-se previamente que esses homens, que
tema insolencia dechamarem-serepresen-
tantes do pavo, legisladores do povo, etc. ,
nfio tratem de nenhum sssumpto especial,
nenhume medida iniciam, sobre nade le-
gislando eso porque, pela sos le, perju-
ra traidora, de 7 de margo de 1885 ( eram
oc mesmos individuos de boje, a excepcSo
dos que morreram), cederam absolula-
mente todos os seus direitos e poderes em
fevor de um dictador Dimitido ; aacim co-
mo por oulri lei de 24 de abril do mesmo
suno declsrarsm que s se reuniriam qusn-
do Roses o permittlMe, esee occupiriim
doc eesunspto que elle Ibes adioesse. Coa-
seguiutsmente fcil he ver que os suppos-
los representsutes nade lm e fezer durante
os quiro mezes da chemede eeudo leoitla-
tiva ; e resnenle, e nfio ser sigua negocio
sobre o quel convnh c Hoss que gritem,
nade cbsaluteacente fazem nequaite perio-
do senfio ouvir o responder meosegem de
Rosss a apparenter qne exeminem as con-
tas nominaes que esle aprsenla, pera dar-
Ihessempre urna approvecfio Itudetorie e
unarime.
Ao alirir-se este anno a sessSo, mandn
Ih's Rosas a sua costumada mensigem, ni
quil detilhou extensamente e com azedu-
me todas es sus reclamacfles, quejxss e
orotestoseonira o Brasil. Que melhor oc-
casilo pare oceuparem-se deste assump'o ?
Pois nem um s pelsvra profiriram. Os
commissanos de Rosss reberem e meosa-
Kem com e maior indifference ; nfio Ihe reg-
Donderam, e nem ao menos procureram fin-
gir um pretexto que colorase o seu silen-
cio, ji que -nfio podiam fazer valer o di fal-
l de tempo, pois que para hqmens que s
isso tem a fezer, quatro mezes he lempo de
sobrs.
O que he certo he que pssserem esses
quetro mezee, e queentfio se sabio Rosas,
nela primeira vez, com a invenefio de man-
da r-lhes ume celebrrima e pedantesca
rnensagnm de encerremento. .Nesta, segun-
do dissemos em 23 de maio, quiz Rosss imi-
lar o ello eatylo regio usado em laet casos,
igradecendo eos seus eutomatoe, o apoio
efllcaz que com suas luzes e trabalhos ( ri-
iuiii leneai) 1 li tinliain prestado. Aconte-
ceu. porm, ao grotesco estadista o que suc-
ced c eo burro ds Tabule ; mostrou s pon-
a de ene oielhe selvsgem, pois se sabio
com o ridculo disparate deque .o encerra-
cnenlo des sessAes de um corpo legislativo
ere um successo eminentemente fausto !
NSoaedeu, porm, por entendido de que
.1 sus menssgein insugursl eslava anda sem
respoita, eos seus dignos representsntes
tambem disso se nao lombrarem em todo o
i6mpo decorrido de msio al hoje A nin-
guem pode restar a menor duvide de que
estes procedam sssm, nfio porvontadeou
resoluco sua, e sim por ordens terminen-
tes do seu representado.
Rosas nfio quera entilo que os seos re-
presentantes se oceupassem dessa materia.
Espereve o desenlace final das dscussos
diplomslicas entabolades no Rio de Jeneiro,
afun de que e resposta se revestsse das co-
res dos acontecimenlos, eallm de aprovei-
ter, dedo o ceso, e occesifio de proclamar
pelo orgflo biilicoso doi seus pregoeiros
seus seres sentimentos de viganca e suas
resoluces bostis.
Assim hequeaoenas reputou nfaltivol o
desenlace que livenm as neRncia<;Oes, deu
corda ao sius tteres, e comeqarain elles a
mover-s>e a agiter-snem horriveiscontor-
sOes. Nao podem reunir-se extraordinaria-
mente s 'ni licenc superior, e isso nfio obs-
tante reunem-se. Em nove mezes de ocio-
sida le esqueceram a lal mensagem, e re-
cordam-se dola subitsmente no die 2 de ou-
tubro !
En todos estes setos sppsrece ns maior
evidencia e vontada nica que os prescre-
ve. Sfio um novo lestemunho de uns ver-
dede que j eslava enraizada na consclen-
cie de todos, mss que deve ser incansavel- J
mente repetida, isto he, que neste, como
em tolas asoccasies, nfio foram esses ho-
mens sala seuSo para proferirem as pala-
vras que o dictador Ihes ordenou proferis-
sem; pslavras que nfio sfio s expressfio da
opinlo publica, nem mesmo a axpressfio da
opiniSo individual desses chamados repre-
sentantes,
lie isto o que necessariemente deduzirfio
todos aquellas que observarem essa serie de
actos ; he isto o que o hbil Rosss obriga
lodosa acreditar. Houve-secom tanta inep-
cia, que nem he susceptivel de disferco o
squ manejo.
Entretanto ah estfio sentidos na sala o8
re presen tan tes de D. JoSo Manuel de Rosas-
Lancemos agora urna viste sobre o pensa-
mento fundamental que em religioso cum-
primenlo ds sua commissfio emitiram esses
elcunhados represntenles, com esse uni-
formidade prodigiosa que no longo epaco
de quinze annos e meio ume s vez nfio foi
desmenlide.
UMA CARTA DO GENERAL I'RQUIZA.
Reinetteram-nos de llueoo-Ayrea um perio-
dico de taire Ros, de junbo prximo pasiado,
no qual e Inaerlo un documento notavel, e
que nos era desconhecido.
He uina carta que o governador Urquiza ei-
creveu em abril, cin San-Jos, a um amigo, ein
resposta a outra que tlesle recebera.
Helia dia o quanto deaeja qne dos novos pas-
. q'J tm dar-se resullas. ^ juste con
h Franca, porm estavel, mutuamente honroso,
e que aalve os principios de digoidade e inde-
pendencia drstas regie -sem os quae viriaio
a flear redundas a mais huinilhante condicao
de ouvir aulmiisaas, acatar e obedecer cega-
iiu'iite vontade do poder europeo, j injuslar
Jf arbitraria, e quanlaa vetea lh a quucrem iin-
por..
Da que darla para que Uto se ohtivesse a sua
fortuna, e at um bra(o,e contina : Mas se-
nao ha assiin, se por falalidade oa esplritos
turbulento, a quem deveinos a parte iu,ai
principal das desgracas que o nossopals tem
aoB'rido, se obstlnaasein e se empenhaaaem em
prolonga-las, creando oulrai novas, eacarre-
lando-nos oa rompimento ; se por coaseguiu-
le nos collocain no caso de aceita-lo, enos
obrigaui a empunhar outra ve la armas para
efrudermo noasos Ireitos, e se nao houves-
se j outro partido que adoptar senao o de coiu-
bater; se as vistas do governo frauces fosseui
ambiciosas e de conquista, prepare elle ev
enviando seus francos e seus homens, persua-
dido de que a lula be de ser terrivel, porque
os Argentinos e Oricolae bao de palmo a pal-
mo diaputar-lhe o Ierren* com um vigor da
que aioda oso lera coiibecimeolo. Neste caso,
crea Vine, que iiiuiM me sorpreli'-iidtMi que o
governo braailelro, como me aiseguraiu, dsse
0idmeseu eaearregado de negocias aetta
cidade (*) para averigoar e poderla contar
com a minha neut-alldade.
Dii mal que o governo Imperial, ao epri-
mir-se isslm, quaesquer que ejam os olivos
por que o fuesse, o oflende gravemente, e e
offende a si proprio. pois ao julgar lo desfavo-
ravelinentc das acedes de mitro governo da oc-
casio a presumir-se que aa uaa na.> sfio boas:
que deve estar cerlo de que com 14.000 ou
16,000 valente Entrerlano eCorrentino que
tem as suas ordens aaber tornar apelejar.no
cato indicado, petos direltos da sua patria e sa-
crificar a sua pessoa. intcresies efama : que
como govern.id.ir de Kiilre-Rius e general em
chefe do eaerclto de operacoes da repblica,
se vlsseesla ejnpenluda einuuia guerra, ven-
tilando'por sse mel cruel qursioe para
ella de vida ou de morte tao vitaes su.i esis-
lencia e soberana, nao perinancceria fri e
iinpassive! espectador, nem o governo impe-
rial o poderla imaginar, de urna comenda em
que se julgasse nada meaos do que da sortc da
nossa nacionalidade ou suas prerogatlvas.
Julgainos que esta carta deve ter desagrada-
do profundamente a Rosas.
He escripia em to'n decente e moderado, e
nao no cslylo furibundo e groaseiro que Rosas
empr. ga, e que desrja todos einprrguein as
expresses ctlramjeiroi telvagent, --eoutros
desiliuos, uno se eiicoiilram nessa carta.
Ili/.eiinis. pois, que visla do seu cslylo foi
.ella escripia sem previa aulorisacao de Rosaa,
sem que esle fnsse consultad > ; dedumn-lo
tambem do fado nobilisslino de nao a ter Ru-
sas publicado ou reproduiido, como no caso
contrario lerla feiln para chegar aos Iik,quaes-
quer que sejam, que com ella se tlvcsse pro-
pollo.
Do facto de ter sido produzida e publicada
aquella carta sem ser consultado o dictador,
deduiimos, como lodos deduiiriam, o profun-
do desagrado deste.
Ao dictador nao agrada, nem poda agradar,
que nenhum governador, principalmente o de
Knlre-ltios, de quaartanto cime tem, e o qual
aldm disso, no sen carcter de general em che-
fe, he seu subordinado, nao agrada, dizemos,
que iucorra na alia ousadia de ter opioics
proprias, deciullas pela Imprensa, e sobre
ludo de adoptar por si s resoluces eiu mate-
ria tao grave.
Kesolucoes, disemos, porque se se medita-
re m pausadamente todos os conceltos e clausu-
las que deiamos copiadas e extractadas, ver-
sc-lia.-um tida a clareza que o general Urqui-
za lem realmente urna resalufa, que ella he
bem seria e transcendente, e lao Qrine que nao
trepida em publica-la.
O general disse o que nao podia nem devia
delxar de dizer, o que pelo seu carcter de ge-
neral, de governador e de Argentino Ihe cuin-
pria dizer.
Neiiiiiiin Argentino deixarde associar-sc a
sua declarado de principios.
Se .as vistas da I- ranea ou de qualquer outro
governo do mundo rossetn efleclivamenle aas-
biciouu i de conqitiita; se se chegasse a Jogar
nada menos que a sarte ds nona nacionili'lade;
se se forcasse injustamente a repblica argen-
tina a ventilar pela guerra quetln'ei pira ella de
vida ou ile morte, qmtto'ee vilaei para a tai ube-
rinia e existencia ; se se inlentasse loucamenle
reduzi-la liiiinllante condicao de ouvir aub-
mlssa, acatar e obdece* cegamente i rootade
do poder europeu ; e se emnin nao se deixas-
se repblica outro partido a adoptar senao o
decouibater, clarissimo he que ueste caso, que
he o caio indicado, o general Urquiza e todos os
Argentinos, longe de adoptaren! a neutralida-
de, de serem serios e impassiveis espectadores
le sem, ih a ule guerra, lerao robrigacao rigo-
rosa e sagrada, que indubitaveluiente saberao
todos cumprir com ardor, de defenderem pal-
mo a palmo o seu pais, de pleltearem ate salva-
re objeetns tao caros, ou de sacriflcareui na
lula vidas, fortuna e fama.
He isso era substancia o que o general Ur-
quixa declara que far no caso indicado, e pode
estar to certu de que suas vistas obterao urna
approvaco universal, como de que a esse res-
pe! in nao ha nem bouve nunca entre os Argen-
tinos a menor desconformidade de sentimentos.
Has, pela mesma raaao, clarissimo he lam-
beta que o general declara ipio fasto que se nao
se der o rasa indicado, o caso especifico, con-
creto, a que repetidamente se refere, ento jui-
gara elle do sen dever e do Interesse da rep-
blica nao pelejai; aera neutral em qualquer
oulra guerra que por motivos ouioteresses di-
versos daquclles possa alear-se.
Ou este be o sentido recio e genuino das sua
palavras, ou ellas uo tem a menor significa-
5S0.
Mas esse caso indicado he puramente ima-
ginario e hypothelico; nunca seden, nunca
se dar ; nein a Franca, nem a Inglaterra, nem.
o Brasil, nem incfui algiiraa do mundo sonhou
nunca em semelhantes loucuras, semelhantes
monstruosidades, seinelhanles lmpossiveis.
Nao nos deteremos sobre Um ponto tao obvio e
notorio, pois nao fallamos ante Idiotas ; dire-
mos smente a respeilo da Franca (que hea
mica naco de quera em lodo ocaso poderla
hoje suspeilar-se elses loucos designios), que
para lirar'todas as duvldas basta observar, en-
tre outro fados e teslemunho, a anxiedade
com que, sera dlslarce, procura desembaraf ar-
se da questao do Prala, e as preteoedes nada
--"instadoras uue se conlm nos difireme
proj'ectos de ajuste que leu apresentad 1 desde
a m'ssao do Sr. Hood.
Verd.ule be que Rosas lem fallado aempre
em conquistas, mas isso sSo ardis, vulgarida-
des que s servem para estpidos, para rapazes,
para poros como ase que Rota tornou idiota
por meio do terror. Podem soilar-se algumas
vezes utilmente nal ras para extraviar ai
ideias da canalhl,, mas nao deveiu nunca ter
accesso em gabinetes clrcumspeclos, nem in-
fluir rras revoluv-es dos homens de saber e de
criterio.
He um caso imaginario, repitiinoi, e he por
isso mesmo que Rosas, que o sabe ineibor que
ninguem, ha de irritarse de que o general Ur-
quiza proclame publicamente que s nesse ca-
so tornar a empeuhar aa armas, pois he Uso
proclamar implcitamente a resolucao de nao
a empunhar em todos os mais casos. E lodo
os mais casos sao os nicos pussivels, o ni-
cos que hoje eiistein, 09 unios que' causaran
o lompiuieolo das revoluces com o Hrasil, e
que mui provavelmeole treceo outro rompi-
mento cora a Franca.
Aioda mal. Occorre um caso, une questao
(*) Do contexto da certa nao podemos dedu-
zir qual a cidade a que le refere o general Ur-
quiza.


u roinpimeulo.' Quem julgar entao, quem
decidir* esse caso be ou nao o previsto pelo
, general? Ha de ser precisamente o mermo ge-
neral, pois se tratara entao de tomar ou nao
tomar a detrrininican de combater,. de saber
le a pessoa ou pesaoas que truuierain a res-
posta une caso te |>ortarain bem ou mal, se o
trouxerama uina guerra por interesa reaes e
brci'sos do pai/., ou smrnte por inhabitidade
por mus conveniencias particulares; tratar-
se-bla nalmenle de saber set apezar do que
rtissessem aquellas pesioas, bavia lnda meioi
facis e decorosos de evitar a guerra, ou se
relmente as injusticas e ambices ealrangei-
ras nao deiiavam repblica senao o alvitre
de combater. Seria, pois, ao governador de
Fnlre-Rios a quem competera, no quedit res-
pelto sua provincia. Julgar e decidir sobre
todos esses pontos, para proceder de confor-
inldade.
F.ase direito de eiaminar e de proceder por
ai s, que o gover >ador de Entre-Klos cslabe-
lece, aein reserva, tere de frente as prclences
dominadoras de Rosas. Nao consenle elle que
as provincias ex*rcam um direito que eviden-
temente Ibes pertence. t orno vulgarmente se
diz, levantou-se com o santo e a esmotas, e a
pretestnde encarregado. de mandatario espe-
cial das provincias, Iraiisf.riiiou-se ousadamen-
te em seu senbor. He elle s quem, sem au-
lorisafSo c sem consulta de neuhuma dessas
provincial, adopta as declsfles inais graves, as
que inais inlluein .sobre a sua torte, aquellas
que s nacao compele adoptar, Depois de
tomadas, -quando j nao tein remedio, quaudo
j est comproinettida a repblica, d paite
aos governaJores, e estes, Isolados e inlmisa-
doj entre si, gracas s Intrigas de Rosas, en
quem ci la um delles se apoia, a ludo diiem
amen.
He Rosas o unico que repelle projectos ou
proposlcfles de pal. quem prope oiHroi.quem
ajusta tratados, quem ni ratilica, sem ter para
isso a menor autorisaco. Antea de tomar urna
resolucao acerca dos projectos de ajuste apre-
sentados desde que velo a tuissao lio ni, con-
ulton elle por ventura ao governador de En-
tre-Ros ou a outroqualquer? Pedio Ibes au-
toilsacao para ratificar os tratados Mackau e
Southern, como pedio sala provincial de Hue-
nos-Ayres, engaando grosseiramenteao mi
do. apresentando-a como nacional ? Cnnsulti
nsou pedio-lhrs instrucedes para ajustar a-
quelles tratados, nem para celebrar depois os
tratados Le Predour ?
E pois llosas, que esl do posse dessa
usurparlo, c que necessita vitalmente di
continuac/io desse abuso, ha deolliar ira-
cundo e vingativo para essa doutrioa do
governador de Entre-llos E como nSo llu-
via de ser assim, se levou essa usurpacSo
escandalosa a um ponto que parece incri-
vel, e do qual nlo pode j retroceder sem
perder-se P NSo sendo anlouin simples
mandatario das provincial, inlitulou-se a
si mesmo seu governador ycral, seu chefe
suprimo, e obra em ludo como tal. Neste
carcter usurpado, pretende e exerce a fa-
culdade de ser elle s quem julgue o deci-
da si urna iiar/So teni ou nflo vistas ambi-
ciosas e de conquista, se ataca a indepen-
dencia, se atienta nacionalidad*-, se em-
flin nSo resta repblica oulro meio se-
niio o do combate. Se elle diz que sim, nSo
tolera qunninguem tufando. Ogoverna
dor que a tanto se atrever ser por elle de-
clarado traidor e rebelde ser diz lado co-
mo foram os governadores Culleo, Avella-
nada e Cubas. Ainda mais, exi^e que os
governadores nSo s repitam tudo o que
elle diz, senoque oapoiem e stisteiitom,
que arruinen sitas provincias, que saiam a
campo, que pelejem, e se preciso fr mor-
ram por elle.
Por sem luvi la que a resolucSo de com-
bater que tomou o gaera! Urquiza, mas
qual pz tantas conJic.es, tantos set, e a
sua publicado, hSo de ser encaradas p"lo
usurpador como um principio de reheliiSo
e traitjSo. l'or agora morder-se-ba, dissi-
mulara, ai>parenUr talvez o contrario,
mas ardentes e terriveis nao de ser os sen-
timentos qu agitem seu coraefio ; o lempo
o dir. Aquella resoluto estabelece excei-
cO-s i regra absoluta e i ni."-ruis da obe-
diencia total e passiva ; eslabelece casos
em que o general nAo Tara o que llosas qui-
zer, se nSo o julgar necesssrio ejuslo; o
ella fielmente executsda pora um obstculo
poderoso as demasas de urna ambicio des-
rnfreada, e prstata um servido immen-
so a todos os povos do Pista. Com quan-
ta rasSo o dspota astuto a subtrahio
cuidadosamente ao couhecimento desses
paizes !
( Extracto do Commercio del Piala.)
lito Jornal do Commercio.)
RNAMBUi-
JURY DO KEC1FE.
4.a SESSAO ORDINARIA OESTE AN.NO.
Presidencia do Sr. Dr. Catiro LeUo.
Dia 26 de novembro de 185o.
A's onze horas da manilla, feila a chi-
mada, acham-se prsenles 41 Srs. ju-
rados.
O Sr. Presidente sbie s sesillo, multando
os Srs. que deixaram de comparecer, sem
excusa legal.
Procede-so ao sorteio do concelho, e si-
hern escolhidos os seguintes Srs.: Manocl
Joaquim Rodrigues de Souza, Victorino
Francisco dos Santos, Antonio Egydio da
Silva, Rritlo Micedo, Domingos Henriquc
afra, Manoel da Silva Ncves, J*>9o Dimz e
Silva, Jos Alves de Souza Kangel, Jos
FiaiiCISCO Correa, Joflo Alhunazio llolellin,
Luiz Ue ruino uurges e francisco fcuzewo
de Farias.
Prestado o juramento do eslylo.
O r. Presidente faz a r t segn.te
Interrogatorio.
JwtsComo se chama 1
/Maria Francisca. JutaSabe o motivo parque vem a sle
tribunal? *
fe--Saber V. S. que sei, he pelo crime
que me imputam.
JiiE qual he o crime que Ihe impu-
tam?
fieUm crime de raorte, que dizem que
en fiz, mis juro por Dos, por Mara San-
tisslms, pelo Santissimo Sacramento e pela
Hostia Consagrada, que nSo fui eu e to li
vre estivesse das penas do inferno ..
JusQuem dizem que voc malou ?
- jtsA Gertrudes Mana do Espirito-Santo.
MVoc cpnhttCeu essa tnulher T
R Conheci, era muilo minha amiga,
muito carnerada ; tive urna disconcordi
com ella mas j linhi f.-ito um atino ja ti-
uh" dado linio por acabado,
JsicSabe quem matou a esi mulher T
JW--Ssber V. 8. que ea nfio digesenSo
o que Tejo, e como nSo vi nSo digo nada.
iuizA que lempo esU presa?
Rk' dous nnnos e dous mezes.
JaisSabe escrever P
/yNSo, Sr.
A r interrogad ha parda, alti o magra,
representa ter 45 snnos; he accu3ada por
haver mortode parceria com outrasa Ger-
trudes Maria do Esoirito-Sanlo.
Lidas as pe<;as do processo, e flnJisas
llegaces pro e contra a r
O Sr. Presidente Ui o rtlalorlo da causa
a entrega ao conciilh os seguintes
Queritot.
1.* A r Maria Francisca praticouo facto
de que he aecusads de ter felto olTensas
physicas em Gerlrude* Maria do Espirito-
Santo, das quaes Ihe rnsultou a morte ?
2 A r praticou esse ficto com a cir-
cunstancia ai/gravante de ter procedido a-
juste entre a r e outras para o flm de com-
metter-seocrirne?
3.* Ar commelteuo crime com a cir-
cunstancia aggravante de superioridide
em armas ?
4.* Existem clrcumstanciissttenusntess
favor dar?
O conceibo voltando pouco depois, res-
ponde, quaiito ao primeiro questto no por
10 votos equantoaosmiis tambem nega-
tivamente.
O Sr. Presidan! nonformanJo-se com a
decisSo do jury absolve a r, mandando
pigar as custss pela municipalidade. (Eram
3 horas da larde )
No da 27 naohouvesessao por falta de
numero.
Publicagoes pedido.
ricino Paul T. Jone; de 1T4 toneladas,
cspiluo Jimes Tiylor, equipagero 7, ear-
ga 1,988 barricas com farinha ebolaclii-
nhas; a Matheui Auslin k Companhia.
Rnenos-Ayres 31 dias, patacho hespa-
nhol Tramito, de 125 toneladas, mestre
J. Astus, equipagem lt, cargs carne sec-
ca ; a JoSo Pintosjpl-emoi & Filho.
Navios sahidei no mesmo iia.
Parahiba Lancha nacioml 7r#s Irmtos,,
mestre Jos Dusrte de Souza, carga varios
i;.Micros. Passigeiro, Jo&o Correii da
Silva.
Camaragiba lliste nacional Santo Antonio
Flr do Rio, tiii'str.1 Andr liezerra de Sou-
za, em lastro. Passageiros, Ambrozio
Carvalho da Cunba Cavalcanti, Dr. Ma-
noel Celar Bezerra de Goe, Manoel Ca-
valcanti de Albuquerque Jnior, Herme-
lindo Accioli de Barros Wanderlsy.
Ilahia Barca ingleza Goldon h'tuci, capi-
tSo James Palethorpe, em laatro.
EDITAL
lllm. Sr. Passo aa mBos de V. S. o in-
cluso termo de apprehensSo que hojifizde-
um pelo africano, novo de nacUo Nig6 ,
que diz chamir-se Luiz, o qual fdra encon-
trado na ra de S. Jos na eucrusilhada da
de Sania Cicilia sem destino, e nem decla-
raco alguma a quem partencia, e nem
quem olrouxepara ests provincia, sendo
que dito preto depois que o mandei exami-
nar por um outro da mesma nac9o, nada
declarou que se podesse concluir qual fosse
a pessoa que o importara : pelo que julguei
a appreheucao que flz como legal, e o mm-
ilei recolher cadeia dests cilla le dispo-
sico de V. S. para Ihe dar o deslino conve-
niente e legal nos tormos di le.
Pao guirJe a V.S Subdelogacia de S. Jo-
s do Recife, 28 de novembro de 1850lllm.
Sr. Dr. Jos Nicolao Regueira Costa, juiz
le direito e chefe de polica interino da pro-
vincia. O sub lelegado supplenl em exer-
cicio, Francisco flaptieta de Atmiida.
TERMO DE APPHEIIE.NC \'0
Aos 28 dias do tnez de tiovembro de
(850, nesla freguezia do S. Jos do Recife,
em casa de residencia do subdelegado sup-
plente em exercicio, o cdsdSo Francisco
liiplisla de Almeida, onde eu escrivSo de
seu cargo vim ahi, e pela inspector de quar-
leirBo Manoel de Jess Silva fo appresen-
h lo um preto africano novo de nacSo Nag
encontrado ni ra Je S Jos na encrusilha-
ila da de Santa Cicilia, sem destino e nem
leclarsfSo alguma a quem pertencia, e nem
quem o trouxe para esta cidide, e mandan-
do examinar por oulro negro da mesma
na^lo conao elle se chamava, declarou
chamar-se l.uiz, sendo que a esse icio da
apprehensSo esliveram presentes os solda-
dos do corpo de polica, Manoel Elias de
Si e Francisco Antonio dos Santos, em con-
s-quencia do que, e por julgar o subdelga-
lo que o referido preto era Africano novo,
jmporlado Ilcitamente nesla provincia, o
iiiiovn por apprehendido para se llie dar o
Jestino conveniente determimdo pela le.
E para constar, mandou o subdelegado la-
vrar este termo de apprehonv3o em que
assignou com o subreilito inspector e os sol
dados mencionados. Eu, JoSo Soares da
Konaeca Velloso, escrivSo o escrevi -- Al-
meida. Manoel de Jesusa Silva. A rogo
de Manoel Elias do S. -- Manoel Flix Alves
da Cruz Francisco Antonio dos Santos.
Ignacio los fin i fitcat da frsomeiia da Boa
Vista em virtis dt> le.
Faz publico pira que tenham o devido
eumprimento is dispoiQOs dos artigos
baiio transcriptos da posturas mnnici-
paes vigentes .-
TITULO IV.
Art. 10. Os conductores deboiadas de-
verso entrar eon ellas e recolhd-Us aos
curraes das Cinco Ponas ds tneia noite at
as 6 horas ds msnhi: os nfrsetorea pa-
gi'JSo a mulla de 4,00 I res.
a TITULO VI.
< Art. 4. As pessois que derrubsrem
mitos nos lugsrea por onde passam ss agoas
correles, ou lancarem pelas estradas arvo-
res, ramos ou aapinhos, que incommodam
e privem olranzito publico, ou possam em-
haracir o escoamento das agoas ds chuva,
ou consi-rvarein as estradas dos seus si-
tios matos ou arvores que lancem ramos
para as estradas, e que possam inconimo-
il.ir ao publico: serio multados em 4,000
ris.
E para que nSo aleguem ignorancia val
publicado pela imprensa. Freguezia da
Boa Vista, 26 de novembro de 1850.-0 Bi-
cal, Ignacio Jos Pinto.
Declarayoes.
!,o.*'Hti/s;iiu
ALFANDEGA.
Itendimentododia 28.....20:820,487
Oeiearrefam koje 29 de novembro.
Brigue -- Taruio /// lagedo.
Brigue -- S. Helene ferro e carvSo.
Brigue Bmelie laboado.
Barca -- William Rutsell mercadoras.
Patacho loseph l'roiper -- dem.
Barca. Cont Roaer dem.
Brigue l.uie smenlo e polaca.
Brigue-- Carolina- bacilho.
CONSULADO GERAL.
Ilf.iiilinu-iito do ilii 28. .
Diversas provincias....
- 0 lllm Sr. director do arsenal de guer-
ra contrata officims de semlheiros, es-
ningarderos, coronheiros psra rem traba-
Ihir no arsenal de guerra da corte, pelo
lempo que se eonvencionar, sendo osj.ir-
naes nos dias em que trabalharem de 9,000
rs.; para os primeiros oDQciaes, e de 1,600
1800 rs. para os segundos ditos ; tudo
conforme o iviso circular do ministerio di
guerra de 31 de oulubro ultimo, e ordem da
presidencia dests proviocis, de 18 de no-
vembVo crrante.
Arsenal de guerra de Pernambuco, 92 de
novembro de 1*850.-- O escriturario.- F.
Sera/ico d* Astiz Carualko.
Pela seiiundi seceso da mesa do con-
sulado provincial se faz publico, que os 30
lias que a lei lem designado para o paga-
mento a bocea do cofre, da dcima dos pre-
dios urbanos dos bairros desta ciJade, do
primeiro semestre de 1850 a 1851, se prin-
cipia a contar do da 3 de dezembro pr-
jimo, e que Ando este prazo incorrem na
multa de 3 por cento sb o valor de seus d-
bitos todos os que deixarem de pagar.
A"Ih;i(,ho coinnierclal de Per-
imiiilinco.
A direccSo da associacSi commercil des-
ts praija faz publico, que desde o da viole
o um do torrente mez se scha a(11 xa-
da na porta da mesma associscSo a'lista
eral dos negociantes habilitados para vo-
tare serem votados na eleicSo para deputa-
dos e supplentesdo tribunal do commercio,
a que, em eumprimento da resolucSo do
Exm.Sr. presidente ds provincia, se ha de
priceder no da 8 de dezembro do corren-
te anno, pelas 9 horas da msnhBs, ns sala
di mesma sssociaso, no largo do Corpo
Santo. Sala da issociico commercia! de
ivrnamhuco, 26 de novembro de 1850.
iWrinoW Ignacio de Olitcira, vlce-presidente.
Antonio Valentn da Silva Barroca, saere-
t f tf f ny fy*ywwff ?
.f CoiupaiiliiH do Ucberlbe.
I__________________________________________________
Jornal das Bellis artes.
Atheneu, jornal litterario, chegaram os
primeiros nmeros at 36.
Semana, jornal litterario, chegaram os
primeiros nmeros at 26.
Revista universal Lisbonense.
Mallil opera,
(ira t mi ticas Frincezas.
MathoJos facilimos.
Na cass n. 6, defronte do Trapiche Ntto.
i ii ,ian
Avisos martimos.
Para o Ceara.
Espera-se com toda a brevidade de Lis-
boa com deslino ao Ceara, o brigue nacio-
nal Empresa, forrado a encivilhido de co-
bre e de superior marcha ; demorsr-se-hs
aqu 12 dias, a recebar cirgs e passagei-
ros; trata-se ni rus da Cadeia do Recife n.
17, segundo andar.
-Para Lisbos o brigne portugus ConeHead
de Maria. sihira impreterivelmente no dia 5
de dezembro : para o resto ds csrga a pas-
sageiros trata-se com Thomaz de Aquino
Fonseca & Filho, ra do Vigario n. 19, pri-
meiro andar, ou com o capitflo, na praca.
Pede-se aos Srs. cirregadores queiram le-
var os seus conheclmentos A casa indicada
st n dis 3 do proxiTio futur?.
Para o Rio de Janeiro sabir* em pou-
cos dias o brigue rVero : recebe csrga a fro-
te assim como escravos : quem quitar car-
rugar, trate com Leopoldo Jos d Costa
Araujo, ou com Ncvaes& Compinhia.
Para a Bihia segu em paaco* dias por
j ter parte de seu carregamsnto engajado
o hiata lgelro forrado e pregado de cobre,
para-o resto e passigeiros, dirijam-se a ra
do Vigario n. 5.
Para o Para com escala pelo Ceari pre-
tende sshir imarotervelmente at 8 de de-
zembro a escuna nacional Mara Firmina,
cipitSo e pralico JoSo Bernardo da Ross,
por ter o seu carregamento quasi comple-
to : para o restante para um e outro porto e
pissageiros, trata-se com o consignatario,
Luiz Jos de Si Araujo, na ros da Cruz nu-
mero 33.
Para o Rio de Janeiro pretende sihir
t o dia 8 de dezembro o patacho nacional
Curioso, capitp Manoel Rodriicues Faneco,
por ter quasi o seu carregamento prompto :
para o reatante, passigeiros e escrivos a
Vete trata-ae com o consignatario, Luiz Jo-
s de Si Araujo, na ra da Cruz n. 33.
Para o Aracaly tem de sihir breve o
histe Novo Ollnda, por ter j parle do seu
carregamento engajada : quem nolle Dais
pretender carregarou ir de piisagem, en-
tenda-secomo respectivo mestre, Antonio
Jos Visnna, no trapiche do elgodo, ou na
roa da Cadeia-Velha n. 17, segundo andar.
Para o Rio de Janeiro segu com mui-
ta brevidade, par ter parla de sua carga
prompta, o brigne nacional Cardiua,, de
excedente marcha : para o restaote da car-
ga, passageiros e escravas, trata-se no es-
criptorio ds viuva Gaudino & Filho, airas
do Corpo Santo n. 66.
O brgua-escuna Gramm, que segu
muito breve psra Buenos-Ayres, recebe pis
sageiros, para o que tem excellentes com-
mo los: quem pretender seguir psra aquel-
lo lugar, dinji-se ao cipitSo a bordo, ou no
escriptorio da viuva Giudiuo & Filho, atrs
do Corpo Santo n. 68.
Quem quizer carregar psrs qualquer
ti m dos portos do norte na barcada Peli das
Ondas, dirija-se ao Forte do Mallos, a tra-
tar com o mestre.
horas da tlfte, urna porclo da trras na r.
beira do Ceari Murim, lando ditas Ierras 3
legoaa, na provincia do Rio Grande do or-
ti, lugar chamado Curur, avahadas em un
cont de ris, por exepuco de Joaquim lli-
bairoBrito, contra Amonio Bernardino Fer-
reira e sua mulbar : as trras sao propriis
pira criar gado a plantaces e he a ultima
praca.
Os annuneios inseridos nos- kVarios di
27 98 do correte com as iniciaes J. C L.
nSo se entende com oSr JoSo Carlos Lu-
machi.
-- Ninguem compre a taberna da esqu ni
do Becco Largo, annuncisds i vend no
Diario de honlem, porque ella se acha ar-
restada pelo julzo da primeira vara, escri-
vSo Sanios, a requermento de Candido Al
borlo Sodr da Molla.
Cavnllo.
Desappareceu um civallo rnco-rodido,
Cipido, bem ardigo, caminhs bem a passo,
qusrtio de meto, mal eneascado; tem doi
ferros, olhos bonitos, e magro; leou es-
bralo de couro e cangalha : roga-sa ios
senhores de engenho ou livrsdores o pe
guem a msndem levar na ra Direila, ven-
da n 76 do abaixo ssaignado, que serJo
pagas todaa ss despezas ; o cavallo estav
na porta do abaixo assignado, e desappare-
ceu na oCcuiloque passsva um comblo de
um engenho, oujo nomo igora-ss ; pgc
sabe-se que o cavallo foi no meio ato eonv
boio, como ia na carraira, o portador nao
o ple pegar.- porlanto, roaa-se a pesso
que o tlver pegado, maqde-o enlregir
quanto antes, do contrsrio^ aera reaponss-
vel pelss perdaa a dimana ciusadoj peli
falta do meamo cavallo. Ra^cife, 97 de no-
vembro de 18J0, s 9 horas da lardai1.
Jtxiffaiin ^sifimas da Stlvt.
O abaixo assignado rogt aos Srs. qua
Ihe rstSo a dever dioheiro de curativos, te-
nham a bondade de quanto antes manda-
ren, aatisfazer-lhe, pelo qua Ihee flcirt
muito agradecido, podendo ser procursdo
os ra do lldsplcio n. 56.
Dr. Pedro d$ Atkayde Lobo Mamoso.
A pessoa que anuunciou no Diario n
270 querer comprar uavretogio patente com
caixi de prati, sendo que ainda queira, di-
90, ue se llw
oomjMdador,
Breca.
^"1 I,
fc'unu
lia deentrega-
Leiles.
1.102,978
49,810
1:459,818
EXPORTACAO.
Despachos martimos no dia 98
Figueira, galeota portugueza l.usitania,
barricas e 963 saceos com 7,509 arrobas e
30 libras de assucar.
Rio de Janeiro, patacho brasileiro Santa
Cruz, de 101 3/4 toneladas : conduz o se-
gunte : 1,140 ssccos com 5,400 iriobss de
assucar, 75duzias de cocos de beber ago,
I calzle birrilinhos da doce, 1 ancoreta ta-
marindos, 9 caitas sapatoa de marroquim,
16 saccascum 96 arrobas e 30 libras -le al-
godSo, 110 livros impressoa usados.
I'hiladelphia, brigue-escuua americano
General Worth, de 935 tonelrdas : conduz o
seguinle: 202 barricas e 2,700 ssccos com
L.15,159 arrobas e 28 libras de assucar'o 25
tneios de sola.
' California com escala por Val-Paraizo,
barca chilena l'i'na del Mar, de 342 tonela-
das : conduz o seguinle : 3,100 saceos com
18,600 srrobaa de assucar.
RECEBE00R1A DE RENDAS CERAES
INTERNAS.
Itendimento do dia 27......576,805
dem do dia 28.........682,376
COWSULAOO PROVINCIAL.
Humlliuento do dia 28......797,870
t*-aimqmmamamtwmkmmmkwm
Al o viniente do porto.
NfiO! introitos no din 98
Itichmond 4*diis, brigue-ascuna ame- "HevisU mliur, de ns. 1 a 19.
lupanliia
O csixa da companhia acha se au-
torisado a fazer o quinlo dividendo :
os Sr. accionistas poden msnda-lo
recebar, segundo a marcha estabele-
cda. Escrptorio di companhia, 98
de novembro de 1850.
la todos
novas do

i*
tfAAflV*M**
Theatro de 8.-Francisco.
BELLAS ARTES
Quinta mudanca das novas ata
* morama.
A galera ptica continua
os das com is seguiotes vistis
cosmorama, a saber:
A galera nacional, em Londres.
A grande prtvcissft de Corpus ChrisV, em
Seviltis.
A rus d'Alcals, em Madrid.
0 \z~Z \\ZzZ-Z\\- *m nott da \'*a>r aa*
IUIia'."
A praca Bel Poplo, em Roma.
A retirada da NapoleSo sobre o rio, ns
Berrisen. t
A cidadede Dublin, na Irlanda.
Zurich, na Suisa.
A cscala de Maximiliano, em Tyrol.
Aliona, nos suburbios de Hamburgo.
O interior da gruta Azul, em Cepri, na
Italia.
O director pretende ipresentaris vistis
cima at domingo 1." de dezembre, e des-
ts data em diaole tem de fechar a galera,
em consequeacia da pouca concurrencia
que tem tido, o que nSo chega nem para as
despezas. A nova abertura ser annuneiada
por este jornal.
Publicaco Iliteraria.
Historia do Portugal, por Alexandre
Herculano, chegou o lereeiro volunte.
Dita do Cerco-ato Porto, dona volumes.
Cotilos do SerSa/um dilu.
Altnanil popular.
O corrector Oliveira fr IcilSo poranto-
risaeflo da lllm. Sr. juiz de orphSos, e a re-
quermento do tutor doi orphos fllhos do
finado Jos Rsmns de Oliveira, da mobilia c
mais trem di casa deste, consislindo err.
meses resrondas de meio de sstls com lam-
pos de pedra e oulros de madeira, cadeiris
de madeira de mogno e de outras madeiras
da difTerentes psdrOes, banda de jogo, o-
fis, consolos com magnficos espelhos, um
grande trem com ptimo espelho, candiei-
roa donrados para cima de mesa, jarros com
flores artificiase de pennas e mangas de vi-
dro. mangas de vidro, um relogio de bron-
ze com flguris emblemticas muito elegan-
te, um lustre ricamente doursdo psraoito
luzss com mingis, tres psres dedirandel-
lasde tres luzes cada urna, tambem linda-
mente douradss e com mangas, guards-
roupss com vidrscas e sem ellas, guarda-
lourjr grande, mesa para escriptorio, meas
de mogno elstica para jantar, um esplen-
dido leilo i franceza de Jacarandas e com
cpula, bercosjSBfcteiras de forra desala,
lavatorios, e mullos outros obiectos otis,
como seja urna linda cadeirinna em pouco
uso a com cnxa correspondente para
guardar-se, etc.: ssbbsdo, 30 do crrante
s 10 horss da mahSa em ponto, no Atier-
ro da Boa Vista casa n. 15.
Kalkmann Irmtos farSo leilSo, por in-
Itervenefio do corretor Oiiveirs, de grsnde
sortimenlode ferrsgens e miudezss, con
sistindo em lesourss, caivetes, cordss, fa-
efies, parnahibas, agulhas, espeluca de- ga-
veta e de damas, meiss, suspensorios,bicos,
rendsa.^perfumariss, hcelas de fsia e bi-
hi-, cucas para rape, cadarcos, grsnde sor-
timento de litas Isvradas, de setim liso e de
retroz, luvss de aigonao e ue seda, majas,
trancas a requifes, palitos de fugo, agulhei-
ros, lapis, botOes de oseo, de midreperols,
de seda ededuraque, dkculos, conlss, pi-
pel de-peso e almaco, lialias porluguezas,
denovelloede mercar, lamparines, Dr
quedos e muitos outros arligos: terrja
3 de dezembro, is 10 horas da manea]
ponto, no seu armizem, ra da Cruz.
O corretor Miguel Carjaeiro, far leudo
no dia 3 de dezembro prximo vindouro s
10 horas st manhSa rio seu armazem na
ra do Trapiche n. 40 de um completobor-
timento de fatsndaa todss proprias desle
mercado, conaistindo em ricas cassaa, cor-
te! de colletes, lencos de seda para grvala
e algibaira, chpeos 4tt ehilil ele todas
chegidas ltimamente para a fesls : alm
lealss fazendas algcmai outras existem
com pequeo loquade avaris. Mo percaiu
a occisiSo qua ante de festa nSo terSo ou-
tra monefio.
i, brin-
.-feirs,
hBaem
Avisos diversos.
Hoie. 90 do corrala, ae ha da arrema-
tar, a poda do Sr. Dr. juiz doeiral, ia 4
rija-se i ra dos Qosrleis n. 90,
diri quem venda um muito bo"
com caita dourada a por com
A iiinsuem nter!
Quem achar duas carias im
sobre espa sem direcefio, naja
las atraz da matriz ao voltar para ra Vellu
aoSr. Claadino Gomes Soares Lopes, qui
sari recompensado.
Deseja-se fallar coa oSr. Francisco di
Salles zeveJo Corrss : ns ra da Cadeii
do Recife, escriptorio do Sr, Jos Antonio
Bssto, ou lununcte.
Precsa-se de una pessoa que entend
bastante de psdari para a adminietrar:
quaaa se achar neste caso, 4irji-seso Man-
gunho. em urna das cisas ao virar para i
Raixa Verde, que alu iciiir com quem
tratar.
Pracisa-ae da um bom forneiro o de ua
massero quem asliver neste caso, dirja-
se so Manguind, na nova psdaria ao vira
psrs a Baixa Verde.
OcapitJo de engenheiros f.hristianno
l'ereira de Azarado Coutinho, nao pdenlo
pela presteza de sus partida para a provm
cia das Alagoas despedir-se de todas as pea
aoaa qne Ihe honraran com aua amizade,
Ibes pede deseo I pi, eoffereee seu dimin
to preatimo, nao s niquelli provincia, co-
mo em oulra qualquer onde por ventun
tenha de estar.
Precisa-se de uma mulher para servir
de ama em casa de duas pessoas recem-ci-
ssdas: paga-aa bem : na ra do Cano n.
36 ; adverte-se, porm, qne nlo tenha por
costume beber ago'ardente.
Constando a abaixo assigmda qne
Sra. viuva do finado Gaspar /ot dos Rail
esl vendendo oa terrenos que tem ns mi
novs dos Gusrarapes, declara em lempo, i
ara evilar quesloes no futuro, queo terre-
no que demarca com o que a abaixo asig-
nada principott a edificar ao lado do aorts
do seu sobrado nSo tem direito ao meio ti-
jollo do que se scha levantado, por nSo ter
o finado e a senbora viuva at hoje eempri-
do a condicSo com que Ihe m. eidido o
meio lijollo do que est edificada, cuja con-
digfio se v na segunda escripturs de 16 di
fevereiro de 1844, no carlorio do Sr. Gui-
llierme Patricio Bezerra Cavalcanti.
Fran-cisca Emilia di .Ubuquerque Maranka*.
Precisa-se de um criado para coxein,
que tenha pratica da mesnu : a fallar ns mi
ta ioda n. 15
-Nodia 26 do correnie, is 7 horas di
lite, em um quarto terreo do sobrsdo, si-
to na campia da Soledade, em que mora
'napolitano Jos Fioamore, apareceu um
preto moco, e eicravo querendo-aender mi
tonieira de bronze, a qual julgando-se fur-
tadanSose qulz comprar ; m pouco de-
pois de se retirsr o dito prejjfc eonheceu-se
ter furlado um relogio e prla iaglez con
correnie do mesmo saetil, que eslava pen-
dorado na parede ; o dito relogio be j co-
nhecido dos Srs. relojoeirosdesla eidade;
toca as horas e qusrtos por ser de repilicSo
Roga-sa encarecidamente a quem for ol*
recido de o apprehendaUs.junlamenle ai
prelo ladrSo. de cujo obsequio Acara agn-
decido o pobre nai olilaoo.
Ainda se deseja rjUajtap Sr. Jos Vn
cisco da Costs GuimiMPias rus do Cres-
po, n. 16.
Precisa-se de urna ama para o aerrn
da uma cass de puuoa familia : na ra si
Fugo, confronte ao becco da Bomba.
Arremala^Ao judicial.
No dia 3 de dezembro, pelas 4 boras di
tsrde, na rus dis llores, se ha da arrema-
tar na praca do iuizuto eivel da primein
vara, a parte de umrCorada de cass de so-
brado de 9 indares, com sotSo f Irepetr,
litans ruadaSenzalla-Velha, o. H, ""
23 palmos de frente, c 92do fundo, cuznW
nos andares, quintal murado, portan, ca-
cimba meieira, e em chaos proprios, avaha-
da toda cea em 8000,000 de. rs., sendo >
parle que tem de ser arrematada da quin-
til de 4:510,708 rs., Bem como um Ierren
que lies alm do quintil di dila cisa, P""
doqusl esl slerradoe parle em Ugado,
sendo fornlro, avallado em 250,000 rs.. ca-
los bpns vio s praca por>xecue8o de D l*
marina Francisca do Espirito Santo contri
Jos da Silva Brsgs, escrivSo Ciirihs.
o inligo deposito Je biaba* di >ul
estrella do Hozario, n. 19, chegou om *>
yoaorlimentO de bichas nunbuigueiei q"J
se aatadain e alugim-se por maia comm
.%


i,
-!
OSr. Jo3o Gavalcanti de Albuquerque,
senhordo ongeuho Canto-liseuro, em Se-
rinhSem, por si, ou por seu correspon-
dente nesla cidade, quoira dirigir-se i ra
da Cadeie-Velha, n. 54, para se llie entre-
gar urna carta de seu particular interesso,
vinda da villa do rombal.
Quem precisar de um caiieiro para en-
genho, tanto para osul como para o norte,
pase oquednr Pudor a sua conducta, diri-
ja-se ra Direlta, n. 80.
- Deseja-se fallar ao Sr. Antonio Francis-
co deSouza MagalhSes Jnior : na ra Nova,
n. 16.
- Precisa-ie alugar urna ma cecea para
criar um menino : quem estiver nestas cjr-
cumstanciaa, aeja forra ou captiva, dirija-
te roe do Trapiche Novo, n. 49
-- Quem quizer alugar urna ptima ama
de leite, ptima em. todos os sentidos, d-
rija-Mao principio da ruada Aurora, no
primelro andar da terceira case em que
mora o I)r Francisco de Paula Baptista.
atJilWilllMllUtW WltWtillIltalWWl'
c do Corpo-Sinto, n. 9. No meimo lugar
$
*
9
Conauliorio hon>ceopathico.
Ra do Hospicio, n. 56. %
. O doutor Hoscoso d consultas to- %
do os das.
! Os pobres sSo tratado* gratuita- p
mer.te.
wmwmmwmwm wmmmwm*mm
na ra iarga do Rozario, loja de miu-
dezas n. 18, precisa-se de um caixeiro que
tenba pmtica do mesmo negocio,
Domingo il\ do frrente,
erdeu-se desde a Passagem da
lagdalena al a ral do Collegio
una pufteira de diamantes en fia-
da em peroles on aljfar : quem
a tiyr achado e quizer restitui-la,
dirija-se a ra da Cadeia do Re-
cite, primeiro andar tfa casa n
38, que ser gratificado com i
qunntia que valer a mesma ataca.
Os bilheles pr a. recita de 1 de detem-
bro serllo distribuidos nos das 30 o t." ate
ao meio-rlia, nosalffo do tbeatro.
--JuliSo Porlclla da Silva, morador nei-
ta cidade, embarca para o Rio de Janeiro a
sua escrava de nomo Luiza.
Aluga-se para todo o aervlgo interno
de urna casa, menos o de cozinhar, orna
I rota captiva, acostumada a servir em casa
e.-tringeira : na ra do Vigario n- it*t
O Operacdes de catarata. 0
Joflo Viente Martins, de vendo ret- $
Q rar-se desta cidade em Janeiro pro- q
ks ximo futuro, previne que s at ao q
O
dia 90 de dezembro poder* pralicar

2r algumas operscoes de catarata, ou i,
SJ outras que exija m as molestias de 2,
O
o
que exij.u.
olhos. J?
Continua a destribuir remedios bo- j
moeopalhicos de grsra aos pobres no
consultorio da ra de Apollo n. 24,
todos os dias uteis at 1 hora da <3
tarde. <5
No dia 20 diste mez prrdeu-se urna
carteira com a quantia de 10,000 rs. e un
meio bllhete da lotera de N. S. do Livra-
mento, com o n. 496 : roga-se ao Sr. Ihe-
soureiro da dita lotera que nSo pague sen-
do que saia .alguma cousa no dito bilhete
o cujo bi'hete est as costas assignado por
Filippe de Paulo A/ruda e Manoel Josqoim
llibeiro, oofti letra de lapes.
Prectn-iede um pequeo para caiiei-
ro de urna confeitaiia : quer seja brasile-
ro ou mesmo portuguez, a tratar na ra es-
trella do Rozarion. 43 loja.
A abaixo assignado, viuvado fallecido
Caetano l.uiz Ferrelra, avisa aos credores
do mesmo, que a loja o Aterro da Boa Vis-
ta, seacha penborada p'or um de Dea ; pon
cuja rasflb faz o presente annuncio, para
que os mais credores fagam o mesmo para
terean direito ao rateio. RvfinaUntunes
di Ulireira,
Fredviico Augusto Rodrigues,rejjia-ae
para Tora da provincia.
Precisa-se alugar uro moleque para o
servico de urna casa que rito teoha virio, e
que 5*Ja flel: na ra larga do Rozaiio n.
39, fabrica de chai utos.
$$O<3*#0
O f Attenco.
*Z Mademoisselr* Moreaux professora
~ de danca, chegada ltimamente a es-
w ti cidade, offerece-se para dar Ilgee
por casas particulares ecollegios: aa
pessoas que a quizerem honrar com
Sr aua conflatica, ter-flo a bondide de O
dii igir-se ao Hotel Francisco. 0 Antonio Pacheco de Andrade.
G0< <&) Sr.J. C. L. queira quanto antes ss~j
- Pu'cia-aa|2:000,0f)0is. a juros, dan- ifazer a sua conta que deve ao armazem
do-se em s-aMffia um nredin. ruin, vninr n ii vende-ge um bom cavallo de estribara,
por prego commodo.
Joaquim da Costa Vieira avisa aos
Srs. que teem penhorea em seu poder, ba-
ja m de os ir tirar no praxo de 15 dias con-
tados desta data [ 28 do corrente]; do con-
trario, serlo Tendidos para seu pagamento.
--Antonio Joaquim de Souza retira-se
para fra da provincia a tratar de sua srude.
Precisa-se de um caixeiro que tenba
pratica de venda : a fallar na ra do Roza-
rio Larga n. 46.
Precisa-se de um pequeo de 12 a 14
annos para caixeiro de urna venda : na ra
ila Cruz do Racife, esquina da Lingoeta, nu-
mero 41.
Chapeos de sol. aja*
Ra doPasseio, o 5. X'
Nsta fabrica ha presentemente um rico
sortimenlo destes objectos de todas as cu-
res e qualidades, tanto de seda como de
panninho, por precos commodos ; ditos pa-
ra seohura, de bom gosto: estes chapeos
sao fe tos pela ultima moda ; teda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mesma
rasa ae acha igual sortimento de sedas e
panninho imitando sedas, para cobrir ar-
magoes servidas : todas estas fazendaa ven-
dem-se em porgSo e a retalho : tambem se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
basteas de-ferro como de balis, assim como
umbelaa de igrejaa : ludo por prego com-
modo. Na mesma casa ha chapeos de sol,
demarca niaior, de paono e de seda, pro-
pros para feitoreade engenho, por serem
dos mala fortes que se pdem fabricar.
Noto eatabeleclmento de entela-
ra flna, na Nova ii. 36.
Jos l'radines.cutileir o earmeiro, partici-
pa ao respeilavel publico desta cidade, e
principalmente a seus freguezes, que mu-
dou o estabelecimento que tinha na ra lar
ga do Rozario para ra Nova n. 36, confron-
te a igreja da ConceicSo, aoode o acharfio
promplo a executar qualquer encominenda
de sya arte com a maior perfeicSo possivel
o pelos precos osis baratos do que em ou-
Ira parte. Oanounciante tendo ultimanen-
te recebido de Franca um grande sorlimen-
o de objectos de sua arte acha que seria
fastidioso de os enumerar nesla folha, po-
rm elle mencionar os seguintes : navalhas
superiores as que teni viudo al agora, te
souras para atraales, coslureiras e cabel-
iereiro, um lindo sortimento-de tesouras
finas para senhoras, ferros de c'rrurgia, ditos
de dentista, caivetes de urna at seis fa-
llas, tesouras de hortelSoe facas de mesa.
Elle lem tambem lodos os preparos ncees-
sarioa aos cegadores, como sejam : espin-
gardas, sacatrapos, polvarinhos, bolgas de
caga, espoletas, ouvidoa de espingarda, etc.,
etc. etc. Nlio se falla da qualidade desses
diversos objectos, que o aonuneianle alll-
anga ser superior, elle tem um grande sor-
timento de fundas, e tem ac superior e fun-
dido de todas as groaauraa. Todos esaes ob-
jectos serlo patentes aoa compradores e li.lo
de agradar pelos piegos rasoaveis. O an-
nonciante para accelerar a execugfio das en-
coininendas que ae Ihe lizer maudnu vir um
ofjlcial de Franca, oquai ebegou no brigue
Ctur, e se acha em exercicio no estabele-
cimento cima. Amolase aempre as ter-
gas-feiras, quinlaao saboadoa.
Piecisa-sn de um caixeiro que tenba
prtlica de verxla, para lomar eonla de tima
dita por balanco : no largo da ribeira de S.
Jos n. I.
-- No dia qoarla-feira, 30 do corrente
mez de novembro, furtaraam da casa n. 8
do largo da igreja de N! S. do Pilar, em F-
ra de Portas, lado esqusrdo i 1 par de brin-
cos de lilagran, I dos brincos ja Um urna
falta em baixo, e no outro em urna argolla a
lilagran eali arrancada e os brincos alguma
eousa sujos, lem suas pedrinhas brancas
por este annuncio previoe-ae aos Srs. ouri-
ves e mais pailiculamiente ao publico a
quem for offerecido este par de brincos
ou quem oa liver comprado ou empeohado,
os venhi restituir na dita casa n. 8 que
se pagar, ou a comnra ou o empenho.
Como em poucoa diaa deve (car promp-
ta a primeira classe, que tem estado ap-
prendendo escripturagao mercantil por par-
tidas dobradas com o abaixo assignado, e
como elle se prope a abrir logo em segui-
da oulra, nos mesmos termos da piimeira,
o faz publico, para que aquellas pessoas
que a quizerem frequentar, se sirvam logo
procura-lo, para escrever seus nomes, no
escriplorio dos Srs. C. Starr & Compnhia
na ra da Aurora.
oi da Haya.
O secretario da irmandade de Nossa
Senhora da Conceigao dos Militares, em
vista do titulo 5, arl. 18 dos estatutos que
regem a mesma, avijfca todos os irmilos da
dita irmandade para que as 8 horas do dia
primeiro de dezembro comparegain no con-
sistorio da referida irmandade, afim.de ele-
ger-se o presidente que ha de servir ao an-
no de 1851.
Roga-ae aoSr. Manoel Mendes d Sil-
va Barang o favor de vir a ra da Cadeia
de Santa Antonio n. 13, para negocio que
nSo ignora.
Antonio de Andrai'a fazaciente ao rea-
peitavel publico que, por baver outro de
igual nome, de boje em diante se assigaau
noel Alves Guerra Jmii r, ou ao bacharel
ChriatovSo Xavier Lopes.
O 8r. Jos Al ves Tenorio baja de se di-
rigir a prega da Boa-Vi-t.i, botica n. 6, a
negocio que Ihe diz les^eito.
Aluga-9eolerceiro andar da casa do
largo da asaemMa 0.8, a fallar com Joa-
quim FrancisdMpe Alui, no Forte do
Mallos.
Aluga-se, pelo lempo de festa, ou an-
nualmentea casa de dous andares, defron-
te de S.-Sebastio, em linda, com com-
modos para grande familia : a tratar na
mesma casa, ou na ra da Cadeia do Iteci-
fe, n. 50, loja.
Engomma-se e lara-se toda a qualida-
de de roupa com todo asseio e muita promp-
tidSo, por preco mais commodo do queem
outra qualquer parte : oa ra de Agoas-Ver-
dea, n. 96.'
Aluga-ae o segundo andar do sobrado
da ra Direita o, SO, com commodo para
grande fajatilia : ,na ra ireila n. 93, pri-
meiro atraer.
Paulo Galgnoux, dentista *
francez, offeree* seu prest- 9
ino ao publico para todos os V
niyaterlos de ana proflasao :
pode ser procurado a qual- 9
_ qner hora etav*ua cpsa, na i#
9 ra larga do srie, a. 3ft, *
te) egundo andan
war^a^MBjja^ajBj^pa^ajBBXja^WwawajaajpW^aa
Na ra estreita do Rozario, n. 98, se-
gundo andar, ae dir quem d dyiheiro a
Premio. Na mesma casa se vendem obras de
ouro e prata ; urna bandeira nacional; aeda
preta lisa e lavrada multo larga, propria pa-
ra luto, a 1,280 rs.
-- Precisa-se alugar um molecote esperto
e de boa conducta para o sorvigo interno de
urna casa ingleza : paga-se bem : quem li-
vor, annuncie.
Manoel deOliveira faz sciente ao res-
peitavel publico, que por haver outro de
igoal nome, de hoje em diante ae assignar
por Manoel Jos de Oliveira.
Compras.
Compra-se um relogio patente de pn-
ta, estando em bom uso, por prego regu-
lar .- na ra da Senzalla-Vellia, n. 100, se
dir quem compra.
Compra-se um sellim inglez em meio
uso: na ra doQueimado, n. 28, primeiro
andar.
Compram-ee, para urna encommenda,
escravos da ambos os sexos : na ra do Li-
vrao-ento, n. 4.
Compra-se a obra de Jos Daniel Ro-
drigues da Costa, intitulada Passa lempo,
ou aa noiles divertidas para o invern, len-
to a confisso do maruro e taful almofado :
na ra da Praia, n. 46.
Compra-se um tonel grande, que sirva
para deposito de urna canoa d'agoa.ou ou-
tra qualquer vazilha que sirva para o mes-
mo effeito : em Sanio Amaro, venda ao p
da casa do Sr. Cardoso, ou annuncie.
Compra-se urna carteira de urna s fa-
ce: em Santo Amaro, venda ao p do Sr.
Cardoso, ou annuncie.
Comprani-se escravos de am-
bos os sexos.* na ra da Cadeia do
Heci/'c, n. 5, piimeiro andar.
Compra-se um jogo de malas em bom
estado : na ra do Sol, a. 9.
Comprm-se 4 moleques sem vicios
nein achaques: na ra do Queimadon. 2,
esquina do becco do Peixe-Frito.
Vendas.
rOl.IIIMI \s PAIA 1851.
Na llvraria da praca da lnde-
SiiHli n.-ia. ns. Oes. vendem-se
olliiiihus de algibeira e porta pa-
ra o anuo que vein.
Vendem-se as partes que tem os her-
deiros do fallecido Francisco Pereira Tho-
mno sitio Bom-Sucesso, junio ao Msngui
nho, no principio da estrada dos Afilelos :
aoa herdeiros pertence mais de metade
do referido sitio e pelo que pertence a viu-
va tem esta declarado que tambem vende-
r : na ra Velha, n. 63, que a vista do mes-
mo sitio se tratar do ajuste.
Vendem-se, por todo o prego, duas
carrogasdesicupira: na ra do Creapo, n.
18, eaquina da ra das Cruzas.
Vende-se um cario de 4 rodas, em
muito bom estado, com arreios para um
cavallu : quem o pretender, pde-se infor-
mar fio armazem deItomfio de C, no Pe-
lourinho.
Vendem-se, por commodo prego, 4 ca-
valiosde ambas as aellas: na cavallarice
atrs do tbeatro.
** m
fj Vende se urna escrava moga, com 9
muito bom leite, e q.e cozinha per- ej
fallamente, lava, cose, ho de boni- a
nra: na ra da Cadeia do S.-An- m
n. 9, casa da viuva Cunba Gui-
'excede do que se pede dez vezes, e inteira-
mente desempedjdo: quem este negocio
quizer fazer, annuncie sua morada, ou diri-
ja-se ra Nova n. 67, segundo andar, que
achara com quem tratar.
Deseja-se fallar com o Sr. Hygino de
Carvalho C.outo, ou com algum seu paren-
te, ou petsoa quttpVca suas vezeanesta pra-
ga : aa ra Novrn. 67, segando ajMar, ou
annuncie sua morada.
Pre< l-se de um fornciro que saiba
drcipcribara* suas obrgsgocs, e Je uir.
caixeiio, anibos paia padaiia: na praga da
S.-Crui, debaixodo sobrado n. 108.
Precisa-se alqgarum piano bom : quem
llver annuncie.
Aluga-se um sitio na Capuoga, com
bstanles arvoredos de frnrtn, cacimba t
lauque para bantio, com conimodos para fa-
milia,' e lie mujlo perlo do rio : a tratar iu
ra do Caldefreiro,' atrs dos Martyrioa,
n. 46.
Aluga-ae umi casa propria para nego-
cio, por aer muito afreguezada, aa tirada
das Allelos : a fallar oa mesma esliada,
dltronte do sitio do Sr. Joaquim de Oml
wrC8JBS Ur.Sixccs^sttao1 Rssia, na pra3
rao deagosto de ver o seu nome por exieu-
so nesla folba.
Alugam-seos segundo e terceiro an-
dares da casa da ra d'Aurora, n. 58, com
commodos para grande familia : a tratar
oa mesma casa.
-- Aluga-se urna casa de sobrado de dous
andares, na ra do Rangel, com quintal
nuirado, raqimba, e ealribaria : a tratar na
ra da Aurora, n. 58.
-Aluga-se urna caaa terrea na ra atrs
da matriz de Boa-Vista, eom grande quin-
tal murado, cacimba, e eozioha fra, com
6 quartos e duas salas : a tratar na ra da
Aurora, n. 58.
O bacharel A. It. de Torree Bandeira,
subatitulo da rhetonca e geographia oo ly-
eeu deala cidade, prope-ae a dar ligfles dea
mesmas disciplinas, e bem assim de pbilo-
sopiia e francea : quem de aeu presumo ae
quizer ulilisar, dirija-se a caaa i* aua re-
aidencia, na ra eaircUa do llourio, a.. 41,
segundo andar.
Aluga-se um sobrado na ra da Uniflo,
com excellente vista, muito fresco, e com
oa melhores com modos paca urna ou duasl lliorea que ae pode encontrar porque- pre-
.'sffliss,; at prtteadeRtd*mm-aje a Sla-|?o'? de i.oooris eaoo ris: -
Vende-se urna escrava de nag3o, peca,
que eogomma bem, ensaboa, cose chSo, he
quitandeira.e faz ludo o mais arranjo de
Juma casa : o motivo por que se vende se
lr ao comprador : no pateo de S.-Pedro,
u. 7.
--Vsd3S>- Mnelas e m!cs Ha .
lotera do Livramenlo qVie corre amaobSa,
30 do corrente : na ra do Cabug, n. II,
loja da eaquina, junto do Sr. JoOo Moreira
Marques.
Vendse a taberna da travesea do Quei-
mado n. 5 : a tratar na mesma.
Vendem-se cobre em folha para forrar
navios, ferro Inglez em barra e arcos, chum-
bo de BiunigSo sonido: em casa de Me.
Calcooat, prega doCointnercio o. 11.
fa ra da Praia becco do Carioca jun-
to ao tanoeiro, veudem-se sacos com feri-
aba de Santa Catharn.a a 2,000 ris, arroz
pilado muito em conta, assim como urna
porgSo de sacos de estopa vaaios 'por preco
commodo.
Lu vas de pelloa.
Veodem-se luvaa de pelica para senhora,
pelo prego da 3,000 ris e' 1,280 ris; ditas
de ponto inglez para hooiem, o melhor pos-
sivel. a 1,800 ris prego que mugueui veo-
de : oa ra do Uueimado, Joja de miudezas
junto a de cera n. $3.
1 uvas pretasdetrocal.
Vendem-aa luvaa pretas de trogal as ese-
ir porque pre-
da ra do Quei-
mado, loja de miudezas junto a de cera n.
33, nos quatro canto*.
Metas de lata para padres.
Vendem-se meias de laia para padres, as
mais superiores que se poiem encontrar,
pelo diminuto prego de 2,000 rs. : na ra
do Queimadii, loja de miudezas, junto de
de cera, n. 33.
Para acabar factura.
Attencaoaflo barato.
Vendem-se corles de vestidos de cam-
braia de seda com listras e quadrqs, a 4,000
rs. ; ditos de cassa francezas, bordadas de
aeda, a 3,500 rs.;- merinos fiaos de duas
larguras e de diversas cores, com listras e
quadros de seda, a 2,000 rs. o covado ; pe-
cas de esguiSo de algodSo com 12 jardas, a
3,000 rs. ; tafet cor de rosa encorpado, a
400 rs. o covado ; lencos de seda de bonitos
padrOes e grandes, 640 rs. ; pegas de mada-
polao enfestado e lino, a 4,000 rs. ; dito fl-
nissimo, a 5,500 rs ; dito para forro, po-
ro m largo, a 2,000 rs ; longos de cassa fi-
na, brancos e com cercadura, a 2,400 rs. a
duzia ; panno lioo azul e preto, proprios
para fardas de pagens, a 2,600 rs. o covado;
chitas escuras, pegas de 38 covado;, a 4,600
rs.; ditas de riscadinhos claros e fixos, pe-
gas de 38 covados, a 5,700 re.,- chapeos
francezes finos do ultimo gosto, a 7,000 rs. ;
alpaca preta fin a a duas larguras, a 600
rs. o covado ; algodBo trangado azul claro e
ilo lislraa, proprios para escravos, a 18 rs.
o covado ; cortes de alcinas dos melhores
oadroes, a 2,800 rs. ; pegas de panno do li-
ndo com 18 varas, e muito fino, a 800 rs. a
vara; bem como um completo sortimento
de fazendas finas e grossas por baratissimo
prego, proprias para negocio; um novo
sortimento de luvas de torcal, feitas em
Lisboa, para senhora e meninas; tapetes
de oleado com franjas de 18a para mangas,
candieiro's, castigaos, lanternas, etc., de fei-
tio triangulares, quadradose redondos: na
ruado Queimado, n. 27, armazem de fa-
zendas de haymundo Cirios Leite, nos
quatro-cantos.
Xarope do bosque.
para cura de pblhislca em todos os seus dillc-
rentra groa, qur motivada por constipa-
fdes, toase, asinina, pleurli, eacarros de sin-
gue, ddr de costado e pello, palpitajao no
coraco, coqueluche, bronchite, dor na gar-
ganta e todas as molestias dos orgos pulmo-
nares.
De todaaas moleitias que por hrranea licain
ao carpo bu mano, n en huma ha que mala des-
tructiva lenha aido, ou'que tenha zombado dos
esforf os dos hoiiiens mais eminentes em medi-
cina do que aquella que he geralmente conde-
cida por- melulin no boft. a Em vaiiaa pocas
do secuto pascado tem ae oerecido ao publico
difterentea remedioa rom attestados das extra-
ordinarias curas queelles teemfeito, porm
quaai que em lodoa oa caaos a illusao tem sido
apenas passagflra, e o doente torna a recahtr
em peior estado do que se achava anles de ap-
plicar o remedio tao recoinmendado : oulro-
tanlo nao acontece com este extraordinario xa-
ropc do bon/ue.
O prop irtario ao principio fot lnduzido a of-
ferecer este xarope ao publico, depois de ler
enectuado n ii nnnii uma cura permanente,
e depois de ter a opinio dos primeiros mdi-
cos da Europa e dos Estados-Unidos, de que
seu estado j nao dava esperanzas de inelhora,
e era como segu. No auno de 1837 apanhei
urna gi-uuclr colistipa;ao que me atacou o pel-
lo, e todos oa syinptoinas de ptilhiaica pulmo-
nar logo argirain. tu luha un,., (oise con-
tinuada com dor no peito, aalivava uina fleu-
ma dura e algumas vetes misturada com san-
gue, uma febre tica, auores de imite, ama-
grec rpidamente, e em pouco lempo fiquei
reduxido extrema debilidade.
Os tneua medicoa (entre oa quaes havia al-
guna dos principaeadoa Estadoa-Unidoa) junta-
mente com meus amigos perderam toda a es-
peranza de iiii-ii inellioramento, e esperavam
que eu brevemente auccuinbiria.
Neate estado de molestia por caaualidade en-
contr! com urna antiga receita dos Indios, e
resolv me com o consentiinrnto dos meus m-
dicos a experimenta-la, visto o catado deses-
perado do meu caso.
Qual nao seria a admiracao dos meus mdi-
cos, e n mru contrnlatnento vendo que desde
que principie! a tomar o xarope, coobeci logo
urna inudaiica no nuil systenia, e pela conti-
nua;o do uso a molestia madurou, os tumo-
res forinaram cabe;a e arrebentarain lanzan-
do grande por(o de sangue e materia. Depois
de ter continuado pelo espaco de 3 niezescoin
o remedio, a minha molestia ceaaou inleira-
mente, e achel me reatabelecido de perfeita
sade, o bofe desde aquelle lempo lem conti-
nuado sem a menor alleciafo de cufennlda-
de. Nestas circunstancias he que me resolv
ao principio a oS'erecc-lo ao publico, flrine-
inente convencido de que he o nico remedio
que se tem descoberto, no qual se pode ter
confianza para a cura de phthisica pulmonar
i mron onde todos os mais remedios tinhaiu ra-
lbado, e, se for tomado e applicado segundo as
direczdes, poucas vetes deixar de produxir
urna cura radical.
O seu principio de operar he fcil de expli-
car : auarisa e acalma a inctnmoda toase,
ainadurece o abacesao, facilita a salivazao, e
em pouco tempe llvra os bofes da materia que
ae rene nos tubos de ar. Regula as funezoes
usuaes sem neerssidade de outra qualquer me-
dicina, forlillca o systema e purifica o sangue.
Nao conten, nein mercurio, opio, ou outro
qualquer ingrediente venenoso, e he feito ni-
camente de rai'wa aarvaj. Tein-se usado ha
mais de nove annoa, e he unlveraalmenle con-
siderado como o grande e nico remedio para
- horrorosa molestia. Os seus effeitos sao
dia curar-se tem desapparecldo desde a Intro-
duefo desta milagrosa medicina. A phthisica
pela descoberta deate medicamento acha-se
despida de metade dos horrores que causara.
Em lugar de se entregaren) ao desespero quan-
do estavam seguros de que a phthisica Ihe tt-
nha lanzado as suas garras, miniares de pes-
soas teem recorrido a este infalrivel remedio, e
com praier e regoaljo continuam desfructando
sade neste seculo que prodiuio tal beneficio
raca humana.
Leinbrem-se todos aquelles que se acham to,
cados de molestia pulmonar, qur por tosae-
conatipazOea, aatbma, bronchltes, plcuris. es-
c.irros de sangue, dor de costado e no peito,
palpitazo no corazao, dor de garganta, e to-
daaas mais molestias dos orgaos pulmonares,
que o nico remedio seguro he o xarope do
bosque.
I.einbrar-se-ha o publico que cada garrafa
t agentes 11. C. Yates e Comp., um na garrafa
com uma perfeita direczao sobre o melhodo
de usar delle, e outro no papel involto.
Pode ser mandado com toda a seguridad c
para qualquer parle do imperio. As ordens
exrcutaiu se puntualmente.
Vende-se na ra dos Quarteis n. 12.
Iii.oiiii rs a duzla.
Verdadeiro e legitimo chamuaohe A Y em
casa de Avrial & IrmSos : ra da Cruz n. 20.
Lotera do liio-de-Janeiro.
Aos ac:ooo,ooo de ris.
Na ri ctreits do Rozario, travessa do
1 Queimado, loja de miudezas n. 2 A, da Joa-
quim F. dos Santos Maya, vendem-se os
muito afortunados bilheles, meios, quartos,
oitavos e vigsimos da decima lotera a be-
neficio da freguezia do SS Sacramento da
curte : na mesma loja est patente a lis-
la da 12." lotera das casas do carilade, e
tambem recebem-se bilheles premiados em
toca dos da lotera cima dita.
Lotera da igreja de N.S. do Ll-
v runenlo.
Aos 5:ooo$oeo rs.
Na praga da Independencia n. 4, loja de
miudezas, vendem-se bilheles, meios, quar-.
los, ducimos e vigsimos desta loleria, que
corre impreterivelmente no dia 30 do cor- "
rente.
Bilheles 11,000
Meios 5,500
Quartos 2 litio
Decimos 1,100
Vigsimos 600
- Vendem-se 2 lindas negrinhas de 10 a
12 annos, com principios de habelidades, e
ptimas para dar a qualquer menina, 2 pre-
tas boas quitsrrteiras, e de todo o mais ser-
viro, 1 preta de meia idade boa para cam-
po muito em conta, 1 parda da exemplar
conducta, que engomma perfeitamente, co-
se e faz tolo o arranjo de uma casa e lis
muito csriuhosa para meninos, 4 pretos
muito mogos bous pira campo ou ra, as-
sim como outros nimios escravos: na ra
da Cadeia do Recifen. 51, pri.neiro andar.

i
m
m
cata
em rbdos os lugares o mesmo, admirarais < (r-
umphantei '.'.'.
Como mrdicainento preventivo e antidoto
contras tendencias do clima para a phthisica.
he de'grande valor.V ".o d,..Bu,.iu ," H'
ffPPP
Hecebeu-se de* Pars a
seguinle obra :
Melodas romnticas para
canto e piano,
Bellissima collecgo de deliciosos
romances de um eslylo expressivo,
originariamente compostos em por
tuguez e tradiizilos em italiano,
perfeitamente gravados, de modo a
poder-se cantar a voutade em qual-
quer das duas Ii liguas: este lbum,
pelas bellezas poticas e musicaes
que encerra he digno de figurar na
estante do piano de to las ai senho-
ras de bom gosto : no pateo do Col-
llegio, casa do livro azul. Na mes- 4
na liviana vende-se a Sonmbula, *
e ilpinta, operado BMIine; Erna-**
ni, opera de Verdi; Bellisario e An- ^
na Bolena, de Donezetli ; os cele- "*
hres duelos do moirinho e a pobie, *
e do II. a vivandeira, modinlias, 3
quadrilhas, etc., ludo para piano. "2
Vendem-se 2 pretos ds Costa de boni-
tas figuras, muito mogos, d.lo-seem conla,
1 dita alta moga boa quitandeira, e 1 preti-
nh.-i de pouca iJade: na ra do Rangel n.
38, secundo andar, se dir quem vende.
Vende-sea teverna da esquinado becco
Largo, com poucos fundos, bem afregueza-
da para trra, e sem alcaides : quem a pie-
tender falle com Jos Moreira da Silva, no
caes da alfandega n. 20.
Vende-se um outaote pequeo mui-
to bom : quem o quizer dirija-se a ra do
Rozario eslreita n. 2.
Sapates de lastro.
Vendem-se sapates de couro de lustro
para homem a 2,500, 3,000 e 4,000 rs. o par,
obra boa ; no Aterro da Boa Vista, loja do
sapatos n. 58, junio a de selleiro.
Grande deposito de carvo
saceos grandes a 5oo rs. :
vende-se no antgo armazem de
capim, na ra do Sol" n. i5.
Deposito da fabrica de Todos os
Santos na Baha.
Vende-se em casa deN.O. Bieber & C.
aa ra da Cruz, o. 4, algodo trancado
daquella fabrica, muito proprio para sarcos
de assucar, roupa de escravos e lio proprio
tara redes de De<*r, por p~> muin anm-
quer medico ou conheerdor dedrogas, po'rm n,dO.
einquanlo se est paliando com estas aoaiuuai
Plllln... J._^._i _.I-------* a ______ *-
miilurat,o doente vi rpidamente empe'ioran
do, e cada dia mala e mais colloca o seu caso
fira io alcance ii tiptrancni'. Nao succed as-
si ni com esta preciosa medicina. He ftmpre
saluiar, e seus effeitoa nunca sao damnaaos.
Nao he opitica, nao be tnica, nao be um me-
ro expectorante, nao tem por objecto a/atar
domte para ter urna fatalugunnea. He ti oran-
'ie remedio, uina grande coinposico curativa,
o grande e nico remedio que a setnela e o
conheciiento medico teem auS hoje produxido
para o tratameuto desta molestia, at hoje iu-
conouistavel.
Em urna palavra be o melbor remedio no
inuudo, e nenbunu peaaoa tocada com esta fia-
gello da familia humana ser justo para si e para
seus amigos, se descer i aepultara sem ana-
la r suas qualidades virtuosas. Uina nica gar-
rafa quaai que em todos os casos produzir
uuta cousideravri mudanza uo estado ete qual-
quer ioenca, leja til qual /tir.
Tem curado casos que se suppunham supe-
riores ao podar medico. Tem levantado doen-
lea como que da sepultura. Tem curado de-
pois que ja todos oa outros systemas, medica-
mentos e methodoa de tratainento teelu falha-
do. Km urna palavra, ducobrit-it o leqrido, a
fklkica cura-se.
A uga opiniao da que phlhisica nao po- |
Gigarrilhos hesDanlies.
SSnchi gados os exeellentea cigarrilboa
hespanhes ao depsito da ra da Cruz, no
Recife,, n. 49.
Arados de ferro.
Na fundigSo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-so arados de ferrode 'diversos m-
telos.

Motndas superiores.
Nafundigaode C. Starr & Companbia,
em S.-Amaro, acham-se venda moendaa
de canna, todas de ferro, de um modelo e
conatrucgSo muito (superior.
Taixas para engenho.
Na fundigSo de ferro da ra do Brum,
icaba-se de receber um completo sortimen-
to de taixas de 4 m8 peljaoa de bocea, as
inaes acnam-ae a venda por preco com-
nodo e com promptidiu embaraamae,
ou carregam-ae em carros sem deapazas ao
comprador.
Folhinhas para o anno do 1851.
No pateo do Collegio. caaa do livro azul,
vendem-ge folhinhs* d algiheirii com
lingosgem das flores, e folhinhas de porte.
J


>
--Vendem-se amarras de ferro: na ru
da Senzalla-Nova, n. t<>.
Redo.
Vendem-se rede muilo benitas, de va-
rfw gostos e precos, proprias para quem
for passar a (Bata descantar ao fresco de-
haixode orvorodos : na ra do Queimado,
n. 1*,
Vcnde-se excellente fannha
de S.-Catharina, a bordo da ga-
liota Santissima-Trindade., fun-
deada defronte do caes do Colle-
gio, por preco commodo: a tra-
tar na ra do Vigario, n. n, ou
a bordo cora o capilSo da mesma
galiota.
Smenlo.
Vendem-se barricas com superior smen-
lo, chegado no ultimo navio de Hamburgo :
na ra do Amorim, n. 35, armazem de J. J.
I'asso Jnior.
< omit pnrn anlmaes;
vende-se na ra da Cruz, no Itecife, n. 13,
armazem. _
-. O proprietario doengenho Tabalinga,
sil" ao norte da barra de Goianna, tendo de
retirar-sede muda para a cidadedo Itecife,
vende o engenho moente e correle, com
grandes obras de pedra e cal., bois, bestts e
atea safra que este principiando a colher :
quem Ihe convier, enlenda-se com o dito
proprietario no mesmo engenho, ou com o
s.'u correspondente na cidade do Itecife, Jo-
s Antonio llasto.
Fogdes para cozinha.
muito proprios para sitio* e qual-
qualquer lugar aonde nSo ha co7-
nha, por preco commodo : ven-
dem-se na la da Crui, n. lo,
casa de Rulkmann lrmaos.
ffff/fffffff<|rfffffffV
ft> N-i deposito da ra da Aloda, n. 15,
i> lia par vender superior cal em pe- *
* dra, receulement cliegada de l.is- sj
* bda), em o brigue ConetieSo-de-Ma- 3
* rif, por preco rasoavel : tambem ahi _
Htt ven Jem peso de duas e de urna 2
$? arroba, f or preco commodo; ha 43
tambem elleotivameiile do mesmo
m
m
m
Siqueira.s

^ deposito barris de mel para embar- m. que. -ej
AAAAAAA*A*AA*AAAAA*fj
Vinlio de Bordeaux:
vende-sc na rus da Cruz, n, io,
casa de Kalkmann lrmaos.
Fazenda nova.
Vendem-se gangas amarellae crdecin-
/.->, fazqgda muito lina, propria para pali-
tos de meninos, e mesmo para roupoes de
senhoms, pelo larati.'simo preco de 200 r.
ocovado : no Aterro da Uu Vista, loja nu-
mero 18.
,9999 #
SHelroz da fabrica do
no Porto :
vende-sena ra do Vigario,
n. lg, segundo andar, es~
criptorio de Machado &c f i-
nbeiro. <
***?*>**)# # #*
Chitas limpss ai3o rs. o corado.
Vendem-se chitas limpas rxas, a 4,600
rs. eat30rs a retalho ; cortes de cam-
liraias com 6 varas, muito larga, de bonitos
padrOes e cores flxas, a 2,800 rs : na ra
larga do Rozario, n. 48, primeiro andar.
Charutos de Ha vana,
de superior qualidade : vendem-
se na ra da Cruz, n. 10, casa de
Kalkmann lrmaos.
31 ilho novo a 28ooo rs.
cada sueca.
Vende-se no armazem do Braguez, ao pe
do arco da C.onceicSo.
Ksguiao de algodao a 2$5oo a
pe<;a de lo varas.
Vende-se esgujSo de algodSo com 4 pal-
moa e meio de largura, a 2,500 rs. : esta
fazenda he muito propria para lencoes, ca-
misas, etc. : na ra do Crespo, loja da es-
quina que volta para a cadeia.
Vende-se a loja da ra do Queimado n.
22, com poucoa fundos, e com urna das 'rr.e-
lliures armaces toda envernizada, os pre-
lendentedrijm-se ao Paselo Publiblico,
11. 11, que se far todo o negocio.
Vendem-se 3 pretas de naffio, sendo
urna de meia idade, que lava bem de var-
rella e sabSo, cozinha o diario de urna casa:
na ra da Concordia, quem vem da pontea
esquerda, segunda cafa terrea.
Vendem-se 10 accrs da companhia de
Beberibe : na ruajarga do Itazario, n. 46,
laverna.
Vende-se um ptimo mulatinho, pro-
prio para pagem : na ra da AsaumpcSo,
n. 4, casa daa afericOes.
a Vendem-ae 5 apolicea do Iheatro de
Apollo, das primeirasa que dito theatro es-
ta hypothecado, por 500,000 rs. as quaea
1* o 111 o uro |uC v> r.ccr.. u r..cio p cuto,
montan em oito eentos e Untos mil rs.;
na ra da Cruz, n. 40.
t liunilMi de itiunicno-
Vende-se no armazem de J. J. Tasso J-
nior, ra do Amorim, n. 35.
Vende-se urna porcSo de figuras para
presepes, muilo bem Teitas, vindas ultima-
mente da Baha : n* ra da Cruz, n. 64.
. No bectq do Goncalves, ar-
zem do Araujo, e na tua da
Cruz, armazem de S Araujo
vende-se superior farinba em aac-
cas, por preco mais commodo do
que em ootra quslqner parte : bem
como tijolo de Lisboa para limpar
metaes ; toht, ktxos de cabra
sapatos.
Vende-se um jogo de mesas de mogno,
le encostar na parede, he de abrir para os
Jadea, moito perfeitas, de boro gosto, e com
muito pouco uso, pelo preco muito em
cont de 35,000 rs. i as Cinco-Fontal, n.
$4, lavara*.
Na ra da Cadeia do Itecife, loja de cam-
bio-n 24, seacham a venda os afortunados
bilhetes e meios a favor das obras da igreja
Je N. Sra. do Livramemlos, sendo pelos
presos correntea :
Vende-se cera de carnauba : na ra da
Madre de Dos, loja n. 34.
Vendem-se dous liados moloques, de
lia 14 anuos; um esclavo de 20 aonos, de
elegante figura, com principios de tanoeiro;
urna preta moca, perfeita engommatolra e
costureira ; urna dita de servico de casspo :
no pateo da matriz de S.-Antonio, sobrado
n. 4, se dir quem vende.
Ven'de-se urna escrava moca, de boni-
ta figura, que cozinha o diario de ama casa,
engomma, ensaboa e cose pouco: na roa
Direita, n. 82, segundo andar.
Vende-se, ou aiuga-se urna canoa aber
la de carga de 600 a 700 ljelos'de alvena-
ria : na ra da Aurora, n. 46, taverna.
Vende-se urna parda escora, fiel o sa-
din.com algumas habilidades; um mole-
que de 15 annos : na ra do Fogo, o. 23, se
dir quem vende.
fiolinhos para cha.
Na confeitaria da na estrella do Rozario,
n. 43, vendem-se blinhos de todas asqua-
lidadespara cha; bem como csstanbas e
confeitos para presentes.
Segundo as ultimas noticiss recebidas
de Franca, os novos processos psra a ex-
tracco do assucar, assim de caima como
de beterraba, de que as gazetas leem fal-
lado lano, ha perto de 18 mese?, acham-se
sempre no mesmo' estado, Islo he, eslSo
sendo anda estudados ; lodosos fabrican-
tes de assucar em Franca pergistem portan-
to no emprego de carvBo animal em grSo, o
qual continua a dar os resultados mais sa-
tisfactorios. A vista disso eremos fazer um
servico sos senhores de engenho desta pro-
vincia annunciando o Manuel fratieo do fa-
bricante de atiuear composlo por A. Som-
mier e traduzido em vulgar por *
Kste manual enslna a maneira pela qual
os fabricantes de assucar devem servirse
do carvSo animal em grfio, e bem assim os
meios pelos quaes cvilarSo os accidentes
que pdem acontecer pela preparafSo dos
(iltros mais ou menos bem feita, a maneira
de tomar o poni, cousa muito importante
relativamente ao produeto, os cuidados que
deverSo ser lomados para^evitar a fermen-
lacBu do caldo da caima, antes de sua depo-
raco, etc.
Vende-se a 2,000 rs. na fabrica de carvo
animal, na ra da Concordia, n. 8, e na
praca da Independencia, livraria ns. 6 e 8.
Astucia de Edwln Mavr.
Ra de Apollo, n. 6, armazem de Me. Cal-
moni & Companhia, fazem ver aos Sra. de
engenho e aos seus correspondentes neala
pracn, que noseu estabelecimenlo e acha
constantemente bom aortimenlo de moen-
uas toda de ferro para animaes, agoa, etc.;
meias ditas para armar em madeira ; ma-
chinas para vapor com forca de 4 cavallos;
taixasde dilTerentes modelos e de lodos 08
tamanhos e grossuras, tanto de ferro batido
como coado ; espumsdeiras, cocos, etc., de
ferro eslanhado ; safras para ferreiros : lu
do muito bom e uor Baralo preco.
LNa loja de'Moreira ck C. na ra
Nova, n. 8,
vendem-se corles de gorgurSo de
seda para collete, a i,5oo rs. o
corte de covado e meio.
Joo Keller Sl Companhia, na
mu da Cruz, n. 55,
Vendem a precos commodns, vinho mus-
calel de Setuhal, em caitas de orna du-
zia; dito muito bom de l.avradio e Col-
lares, em barris de quinto; dito de Cham-
panba, da mais acreditada marca'; dito lin-
io de Cortaillod, de superior qualidade;
extracto de absynth e kirsch ligilimo da
Suissa, em caitas de umaduzia; verdadai-
ro cognac velho, e da melhor fabrica de
Franca, em barris de- 80 garrafas pouco
mais ou menos : tambem se vendem por
preco muilo rasoavel velas de- stearina ,eo
caitas de 32 libras ; charutos da Babia de
muilo boa qualidade.
ffffffffffffWfffffft
^Depositoda (abrica de
5 Todos os Santos, na i
% Baha. %
& Vende-se, em casa de Domingos Al-*
a>ves Malheus, na ra da Cruz, n. 52,*
primeiro audar, algodSo trancado da-jj
aquella fabrica, muilo proprio para sac-
freos e roupa de escravos; bem como,
?fio proprio para redes de pescare l>a-^
^viosjiara velas, pon preco commodo.
flAAAAAA*sXAA>.AAAAAA
Na ra Nova, n. 8. loja le J* Joa
(|iilin 31 oriirii S C, .
vendem-se touquinhaa de 19a Trocadas pela
heira, a mil rs.; bonetes de palhinha de
modellos esquisitos, e o que tem appareci-
do de melbore do mais apurado gosto; po-
rm s servem pari meninos de2, 3, 4, 5 e 8
anuos, por menos do que realmente elles
merecem ; palmatorias de caaquinha finis-
aima, propri.s para piano, e para quartos
de rapases solteiros, a 5,000 rs. cada urna
e outras muilas fazendasde gosto e quali-
dade, que se venderflo conforme as cir-
cumstanciai do comprador.
Na ruada Cadeia-Velha, primeiro an-
dar da casa n. Al, de Manuel Antonio da Sil-
va Antones, vende-se um rico sorlimento
dech.poade palhada Italia, abertoa para
senhoras, cannisetaa ile esmeris, colad-
unos, romeiras, manguitos, punhos, ludo
excellentemente bordado, Weoa finissimog,
ricas titas, capotrnhos e manteletes de filo
e de seda prelos, e outros ohjectos de go-
lo ; bem como um completo soriimeiito de
fstendas : ludo se vende por precos muitos
rasosnia.
Cal e potassa.
Vende-se a mais novs e superior poluta
que ha no mercado, e cal virtem em pfcdrs,
chegada pelo ultimo navio de Lisboa, por
preco commodo : ns ra da Cdela do Re-
cife, n. 50, a fallar com CqajJ k Amorim ;
assimeomo um restantej lda> mes-
ma cal, que floou da safr^BM, Ipor ba-
rato preco. *
.-Vendem-se sabonetes higinicos, o
mais superiores que leem vlndoaeste mer-
eado. assim como outras perfumaras moito
finas: na ra da Cadeia Velha n. 84, pri-
meiro andar.
Bombas de ierro.
Vendem-se bombas de repazo,
pndulas e picota para cacimba r
na ra do Bruin, ns. 6, S e 10,
fondicao de ferro.
Arados de ferro.
Vendem-se arado de ferro de
diferente nUdelos : na roa do
Brum,ns. 6,8 t 10, fabrica de
machinas e undicao de ferro.
Vende-se orna sextante nova feita por
um dos melhores autores de Londres e tam-
bem um oriauuie ariiutia'i o uui iheoeie :
na ra do Trapiche armazem n. 44.
I olera da igreja de N. S. do I.lvramenlo.
Aos 5:00,000 de rs.
Na rus* da Cadeia,a.. 46, loja de miude-
tas, vendem-se meios bilhetes, decimos e
vigsimos desta lotera, que corre'impre-
terivelmente no di SO do correte.
Meios 5,500
Decimos 1,100
Vigsimos 600
NAo he exageraruo.
Vendem-se sapstoe deouro de lustro,
obra muito boa, a 8,500, 3,000 e 3,500 rs.:
na ra da Cadeia do Recife, loja n. 9.
Farinba de mandioca.
Vendem-se sacas com farinba de mandio-
ca muito alva.-e bem torrada'a melhor que
ha ne mercado por 11U0 ter chairo de barco
e ter bom gosto e per asaco eomoaodo : na
ra do Queimado n, 14,
Cobertores de tapete para
escravos.
J se vendem os acreditados cobertores
de tspete para escravos, a 720 rs. cada um ;
por ssovenhsm s elle antes que se aca-
bem, ou pastem para mais alto preco : na
ra do Crespo, loja da esquiaa que v<
para a cadeia.
Na ra daa Crazes, n. 88, segando sn-
dar, vende-se urna parda mee, com habi-
lidades que se dirSo ao comprador; 3 pre-
tas mocas, ptimasquitaudeiraa e com al-
gumas habilidades ; e um escravo de boa
figura, ptimo psr todo o servico.
Lotera do Hio de Janeiro.
Aoe ao:ooo,ooo.rs.
Na'ra larga do Rozario, botica n. 42,
recebeu-se s lista da lotera das cacas de
caridade, e*ahi foram vendidos os seguin-
tes nmeros que sahiram premiados, a sa-
ber t 1,950, 4:000,000 rs., vigsimo ; 8,672,
1:000,000 r., quarto 5,029, 100,000 rs. ,
inteiro ; 1,668, 100,000 ra. vigeaimo ; bem
como bilhetes da decima lotera a beneficio
da freguezia doSS. Sacramento do Rio de
Janeiro, qoe se vendem pelos precos se-
guinles: bilbetes, 1 23,000 r..; meioa, a
11,000 rs. ; qosrtos, a 5,800 r.; oilavos, a
Lotera dor Kjo de Janeiro.
Aos ao:ooo,ooo de r.
Na praca da Independencia,
h. 4, loja demiudets, vendem-se
os afortunados bilhetes, meios,
qoartos, oitavps e vigsimos da
25. lotera do monte pi, da qnal
se espera a. lista nojfrimero navio;
tambem se receben bilhetes pre-
miados em troeo dos que est&o a
venda. Nesta loja.vendeu-se o nu-
mero i,95o da xa. lotera das
casas de csjfidade, que leve o pre-,
mi de 4:*w0 ^e "
-- Vende-se urna preta da Costa, de meia
idade. sadia, e que be boa quitandeira : na
roa de8.-Jos,o.60.
Vendem-se dous escravos muito bons
serradores, e de muito bonitas figuras na
ra do Livrmmealo, n. 4, se dir quem
vende.
***>* mmmmmmmmf
aTMMMt
Vendem-se qustro bonitos moleeo-
tes, sendo nm Bel les bom eoxinbei-
e outro com principios desapatelr ;
3 negros de 28 snnos, de bonita 11-
guris, de ptimas conducta, sende
um delles bom aapateiro, de eortar
e fazer toda obra ; uro preto de 85 an-
nos, bonita tignra.optlmo pedrelro; 8
pretos para todo o aervico; um lin-
do moleque de nove annos, ptimo
para aprender algum offlcio. por ser
^ muito habilidoso; negras mocs de
m ^ailas figuras, com algumas ba-
1 blMBdes de engommar, coser e co-
zliitl*lnegrMdSO snnos, muilo
em ont. m delles eozioha muito
bem: na ra da Larangeir*, n. H,
segundo ndr,
s
obtido fsvoraveis resultados, sfio is segua-
les : esquinencias, pleurices, tposiernaa In-
ternas e externia, eoulrosaquaesquer tu-
mores e inftamacoog, quedes, contusfles ,
pontadas, clicas do cstpmago o balxo ven-
tro retenefles de orina, constipacfjjs, ma-
ignas, febres, snciedade e faltas de respi-
racSo, tpoplexiss, paralizias od estupores,
tosses e grandes deflutos, asmss ou pnta-
mentos de peitos, dores reumticas e taU-
cas, molestias glicas ou venerses, anafw-
ea, hidropesas, abscissos, dOres sciaticas,
etc., ele,; fscilila os partos lenlos e cci-
deoties, promove a mengtruaeflo, cura as
constpacoes e malignas sobre os partos,
doras de madre o mais encommolos que a-
tormentam as paridas,* e he tambem appli-
cavel at as enancas recem-naicida, cu-
lo melhodo minucioso de pplicr-e -
compinh as respecMvss grrf5, qoe a to-
dos se recommendm.
ffff?Wfffffffffff
Aenc*o.
Veodem-se ou form-se 1500 pal-
mos de trra no Atierro dps Arog-
dos proprio psr slgum aitio, ou pa-
ra edificar casas, por ser o logsr aaui- ^
to bom e ado, vende-as per preco .4
commodo: a tratar n roa ni ra da j|
Cadeia de Santo Antonio n. 9. <4f
AAAAAAAAAA*
ae um moleauinho
de 8 annos pouco
[moito bonito,
I
Na ros seMita do RoSsrio n. 15, ven-
de-se msito em conta os HvWs seguintea t
Manual Pratlcoe judicial 1 v.; Classes dos
Crimea por *>reira e Souza 1 r.; Linbas
sobre o processo crimin! pelo metno 1 v.;
Poesas de Dioiz 6 v.; ditas de Cost Sou-
za 9 v.; o Mysopa Ppemt 1 v.; a Brtseliada
1 v ; Saudades de Bernardin Ribeirj 1 v. ;
Prosodia latas 1 Horacio, dos graodea i
v pratica Criminal 1 v.; Tratado de Ceo
crptiia por Balbi 8 v, j Orthographia Por-
tugueza por Ventora 1 v.; Nosss Senhor
dos Gurrpe. (romnce; 1 v.: e muito
livrosi precos commodos.
Vende-se um porc&o de rotim prepa-
rado, chegado ltimamente a ete merca-
do, vinJ no brigue-escun Gramm : quem
oretender, dirija-se ao escriptorio da viova
Gsudino 6: Filbo, strs do Corpo Santo,
-- vendem-se seis dunas de couxueiras
de Jacaranda, o melhor que tem vindo a es-
te mercado : quem pretender, dirija-se ao
escriptorio da viua Gaudino & Filbo, para
tratar iit ,
Vende-se nm sellim novo com todos
os arreios por preco commodo ; na ruada
Cadeia do Recife n. 38.
Vendem-se duas canoas que pegata mil
lijlos de alvenaria, sendo urna nova a ou-
tra usada : na ra imperial, n. 185.
Loleria do Bio de Janeiro.
Aos ao:000,000 de rs.
Nos qoalro-cantOf da ra do Queimado,
loja de rendas,n. 80,vndem-se os muitos
X
no ar-
w^ni^iftv do;Ro. Eto^ttggturtsLi
zario, n. 37, com poucos fundos, propria
para qualquer principiante : a trsiar na
ra estreil do Rozario. n. 33, botica.
O ultimo navio de Lisboa
trouxe o folheto publicado este
anno pelo duque de Sakdanha, em
que se l t\ vida mysteriosa, as
horrorosas ladroeiras e baixesa da
ailmiuistracao presente dos Ca*
brasa : vende-se no pateo de Cpl-
legio, casa do livro azul, a 640 rs.
cada um.
Ilap Faulo-Gordeiro.
Vende-se etTectivanvente este excellente
rap, n ru da Cdeia do Recife, o. 50, le-
la de.Cunhadc Amorim.
Loja de seis portas em frente do
'Livramento.
0sdminisUador desta loj tem a dar ba-
taneo 00 fim de dezembro, a como tejih
reatos de alcaides, quer acabar com e
trocando-os por sedulaa, sendo o preco o
mais rasoavel possivel, como sejam : pecas
de madaplSo com 12 jardas, por seto psta-
cas;cbslesdechita,a 480,640*
ditos pretos de re Je, a meia pal)
preta, a 120 rs. ocovsdo; eoftei
preta com 11 corados, por 1,280 rs.
dos monstros, a 260 rs. o covsdo ; chitas,
120,140,160,180,800, 840 e 320 rs larga
franceza ; bnm branco de lstras, a 200 r. o
covdo ; e outrs multas fazenda por pre-
cos que coadjuvam a oconomia.
P\ Ilap americano. <
q Vende-se este rap, que ha de sgrt- A
m dar a pessoa que goslam da boa pi- Q
*, tada : a roli-lbo, no Recife, em casa q
" do Sr. Davi.atC., Rymond& C. q
vi e Foules & lrmap; no Aterro-d- A
O Boa-Vila, ca do Sr. Manoel Jos 9
Cundes MagalbOes; e por atacado,
O no Recife, rui.do Trapiche, n. 14, 9
segundo andar. -..*.
OOQOOO OOOQQOO
Vendern-se, por pre^e eom
modo, saccaa com iarnha de man-
dioca ; potassa m barriquinhas ;
fumo em folha para espa e mi
lo de charutos : nos armazens de
Gouvea & Das, no caes da Al-
fandega, e df Dias Ferreira,
a tratar com flovaes & C. ,
ra do Trapiche, n. 34-
-- Vendem-se USjrso Pruaeepr la-
verna, como sejas esotsiroa, n
caiXOes para amostras:
, iiUj.
lavse vigsimos da 10.
cremento ; bem oomo da 95." lotera do
monte pi, cujas listas devem chegar no pri-
meiro vapor. Na mesma loja se trocam bi-
lhetes premiados de qualquer lotera, e se
moslrs a lista das casaa da caridade.
--Vendem-se pipss, quarlolase barr,
proprio pra azeite-: na roa da Praia-de-
S.RU.0.17. '
Gomma superior e moinhos.
Na confeitaria da ra estreil do Rozario,
n. 43, vendem-se ssccaS eos gomma, por
preco commodo ; bem como dous moinhos.
Vende-se urna escrava anda moca, da
boa conducta, e que he boa quilandeira:
na ra Velha, o. 71.
Vende-se o sitio Agoszinba em Bebe-
ribe, junto do porto da Madeira: a tratar
com Manoel Antonio da Silva Molt, na ru
de Apollo, n. 3, que far todo o negocio.
Loterio 1I0 Rio de Janeiro.
Aoa 30:000,000 de rs.
Na prac da Indefrggtfencla, n. 3,confron-
te a ra do CrespoOTSjjaeimadb, vendem-se
^bilhetes, meios, quartos, oilavos e vigesi-
' mos da dcima lotera a beneficio da fre.
tuezia do 88. Sacramento do Rio de Janei-
ro, viudos no ultimo vapor. Na mesma loja
se raostsam as listas des que ji correram.
Vende-se um reloglo saboete de ou-
ro, patonle soisso, muito bom regulador*:
na prsca d Independencls, n. 85.
A 3,ooo rs.
Vendem-se pelles de bezerro de lustro,
3,000 rt marca caatelio : na ra do Quei-
mado, n. 24, loja de mludezaa.
Vende-M um moleqoede9a 10 annos,
aem vicioBs achaquea, ou troea.se por
nma nearinna : o motivo por que se vende
ae dir ao comprador : na ras ao ncnt-
mento, n. 13, rmzem.
Na ra Novs, n. 4. loja de alfaia-
te de Augusto Coombier,
vendem-se palitos de linlio de dif-
ferentes padies, proprios para l
festa, a 5,ooo rs.
Vende-se urna parte de nma cata ter-
rea os ru Direita, n. 105 : a tratar ton Joa-
quina Maris da Penh, defronte dos reos
mais ou menos, muito propiio pa-
11 ra andar com meninos : na ra da
' Cadeia do Recite, n. 55, loja.
Sabio.
Vende-se ssblo do Rio, a 3,520 rs.' a ar-
roba; dito da trra, a 3,800 rs.: no arma-
zem de Campello 1 ilho, na ra da Cadeia
do Recife, n. 64.
Vende- um bonita mulata de 20 n-
nos, que poda servir de de lelte, por
estar criando urna filha de 8 mezes; um
relo eozinheiro, da boa figura, moco e ro-
nato, e que tambem he canoeiro; urna
muLtinna de 10 anne, de lind. bgura : na
ra larga do Rotarlo, a. St, primeiro aadar,
se dlr* quem vende.
Vende-se om retogio patente, 1
xa d prata : na ra Nove, n. 1S.
Charuto.
Vendem-se charutos chegados '
mente da Rabia, por barato preso :
matem de Campello Filbo, na roa da Cadeia
do Reoife, b: 64.
Chitas para colierla.
Vendem-se chitas para ooberta, da sores
escura, litas, e de gesto turco, peto bsrs-
tissimo preco de 800 rs, o covado; no Ater-
ro-da-lloa-Vista, a. 18 loja.
Vende-se um bonita esersva moca,
de Angola, que cozinha, engomma bem, co-
se, e entende muito do servico intereo de
urna casa o motivo por que se vende se
dir ao comprador ; na rus da Cadoia-Ve-
Iba, n. 84, primeiro andar.
. Farinba.
Vende-se farioha, a 1,600 rs. a. scc, em
bom estado : no armazem de Campello Ki-
Iho, na ra da Cadeia 00 Recife, o. 64.
A 1,600 rs.
Vendem-se novoa cortes de bnm tranca-
do escuro com duaa varas e meia eada corte,
a 1,600; casa franceza de bom goglo,a 9,600
rs.; pecas de esguiao de algodSo com 12
varas, a 8,400rs. a peca ; cobertores de al-
godSo de cores, a 780 rs. : na ra do Cres-
po, n. 6, loj ao p do lampeSo.
A 800 rs.
o ceolo de ceblas : no armaxeiri de Cam-
pello Filbo, nt ra da Cadeia do Itecife,
n.64.
ISSB-SJL ____jajPjajSaWaaaJaJISSSJBsaa
Escravos fgidos.
- Des p paree
tasan
vo, de nome Ci
OU
na
na raa da Cruz, u.
dt ribeir da Boa-Vista, n. 58.
A 2oo rs. o covado.
Vende-se madspolfio de cores, proprio
para camisas, pelo baratisilmo preco de 300
rt. oeevdo;beu> como ainda rrslam al-
gumaa pocas de cbila de linho e algodflo,
cesa 40 covado cada orne, a 5,600 rs.: no
Aterro-da-Boa-ViU, a. 18, loja.
- He bagado a asta praca o admiravel
licor adte-sypbililico, de Joflo Paes de Fi-
gueiredo, e se vende em garrafas a 5,000
cada urna na ra da Madie-de-
Je Weitak Bravo VC.: ea
qc cus se tsss spf hesdo, e nssi
Fogio, no di 87 do crrante, pelas 4
horas da mddrogada, a escrava Isabel, de
nacSo S.-Thom, de 85 a 36 snnos, bilx,
corpo, regular, um. tanto fula he bem fil-
iante, denles escuras a iberia tem na
costas ds mflo direita ou esquerd um
queimadura frese, pee corto* } krvoo ves-
tido de chita azul com ramagem desbota-
d, e panno da Costa velho sem franja e ou-
tro novo, lev ou mais urna trouta du roupa
de seu oso : quem a pegar leve-a a rus do
Coto em Olinda, n. 8, ou no Recife, ra da
Senzalla-Velh, n. 149,primeiro andar, que
ser bem recompensado.
- Desappareeeu, no dia 84 do corrente,
------. em direeclo a eetrsd do Min-
an t 9 hora da manilla, um
, idoso, magro, ladino e cal-
1. de nome Caelano, cooduzmdo um ca-
vallo castanho sellsdo a enfrido,. com
anta de brim branco trencads, Jojo ca-
va lio est ripado de novo : quem fler noti-
cia, tanto doescavo cmodo osasllo, seri
generosa n nhor, o major Jos Ignacio SoPts de Mece-
do, em seo litio em S^flsi-do-iUnguinho,
ou* na ra Nova, sobrtTn. 46, defronte d
botica do Sr. Pinto.
Fugio, no dia 96 do corrente, um es-
cravo rrioulo, sertanejo, de 84 annos, esta-
tura regular, bem parecido, sem barba;
levou calcas velha, camisa e ceroulag, cha-
peo de eouio e calcado de chinelas: quem
o pegar leve-o ao Forte-do-Mattos, prees de
Joaquim Jos Ferreir, qJJJr-grli!cdo.
u fgiu, n C *.. 17 uv wi i*li-
te, o escravo Bento, de naeJJto Nag, eom la-
Ihos pelos rosto, signal de sus nacSo, de
boa estatura, bem preto, bracos comprido,
pernaa final; representa ler 3 a 85 annos;
he bem parecido, muilo ladino e esperlo;
quasi nunca est calado : quero o pegar le-
ve-o ra ds Aurort, p-18, que seri bem
recompensado.
filio, do dia 94 do oorrents, 6 preto
Antonio, de nacflo Calinda, ebeio do cor-
po, cara abocetada, cabello branco", fes
um pouco apapagatado, arfara regular^ be
1 caldeireiro: quem o' pegar le-
ve-o ra do Brum, n. 21, que seri grati-
ficado.
Fugio, hontem da manhJa^o pardo Ve-
nancio, escuro, reforcado, fafija.beai; fo
escravo do Sr. biogo Jos da (BUaque o
vendeu h um anno ; calare nos asese *
julho, sgosts, setembfoe ouiubro proiimo
passido em casa do Sr. Bait, no Monteiro :
joem O pegar leve-o a casa do Sr. Hichardo
na rus da Cadeia, 11. 37, o entregar 1
Come d Stlv, ous re-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWJ8G40NN_YESVO0 INGEST_TIME 2013-04-24T16:16:15Z PACKAGE AA00011611_07223
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES