Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07220


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AnnoXXIV.
i i i
Terga-fleira 26
rxw
TIDA* O

niNi.
Golauna e Paralilb. i segunda e citas feiras.
Mo-Grande-do-Nortc, toda ai quinta felca ao
aelo-dia.
Cabo, Serinhaem, Rio-Formosc, Porto-Calvo e
Macelo, nnl ,*,a 11 e 21 de cadainci.
Garannun e Bonito, a 8 e 23.
lloa-Villa e Florea, a 13 e 28.
Victoria, f quintas feirai.
lllinda, todoi oa di.
Nora, a 4, ao 90 in. da
-Nora, a 4, aoi 90 m. da m.
_. .. jCreic. a 1J, u t b,e95m, da t.
PlUitf di tPa-jo,,!,. a 10, 2 h. e 15 m. at.
iMlng. a 26, a 10 h. 13 da li.
PaXKAlWAa IIIOH.
Prlmelra ai 10 hora e 54 mloutna da mtnliia
Segunda ai U hora e 18 mralo da tarde.
de Novembro de 1850.
N.268.
tt^MB0*afcl*9lO.
r. tre meie (aVinldw) 4/(
Por ...
Por acia mezej
Por uro. anao
DA DA ENANA.
S5 Seg. S. Catliarlna. Aud. do I. dosorf. rilo m.
16 Tere. S. Pedro Alexandrlno. Aud. do J. da 3.
v. db clrel.edo dosfeitosda faxenda.
27 yuart. S. Margarlda de Saboia. Aud. do J. da
?. v'. do elvet.
28 Qulnt, Gregorio III. Aud. do J. do orf. e
29 do m. da 1. v.
Sen. S. Saturnino. Aud. do J. da 1 ne. t do
,30 dos fritos da fazenda
Sab. S. Andr.
Dota. S. Eloy.

CAMBIO EM 25 DE lfOTMUEO.
Sobre,Londret, a28 1,2 d. por 1/100 r. a 60 dias
Pars, 333 por Sr.
Lisboa, 100. por cento.
Ouro. Onca hespanholas.....20/500 a 30/000
MoedasdctiltiiOvelhas. 18/000 a Kij.'iOO
> de (i/IOii uova. 16/000 a 1JM)
* de4|000....... 9/000 a 9/200
Prata.Patacfles-braslleiro.... 1/i60 a 1/80
Pesos columnario..... 1/WW a 1/TWO
Ditos mexicano........ 1/700 a 1/780
PAUTE GFFtC.Al.
MINISTERIO 1>A JSTIGA.
DECRETOJN. t*. DE SI DE OUTuiltO
DE 1850.
Extingue o lugar da juiz de direito do eivel
Sa comarca do Cabo, da provincia de
crnarrvtrtieo.
Heif r bem usando da atlribuieno qua
me casaera rl. 112, a o> coustiluicao
do imperio, en eonformidade do ar(. ||J
da le de 3 da dezembro do 16HI, dirpar
exmelo o tugar da juii de direito do civel
da y arca do Cabo provincia doPernarn-
KJrVkia- da Qyelioa Contlnln Itatoso Cma-
ra, do ineucontelbo; inlolatro e secretarlo de
catado doi negocios da juitici, o tenha asilin
entendido e faca executar. Palacio do Rio de
Janeiro, em 31 de outubro de 1850, vlgeilms-
nonok fnderrendeocUl e do Imperio.
Can a rubrica de 8. M. o Imperador. gu-
" dsQueiro, Cesar*.* Umlfo Caara.
rrto de 91 de oulubro, perdoando
_ i Teixeira da Cunha a Joaquim Fer-
3ira de Paira pena de doua mezet de pri-
o, que I he fot iropoala por salmea do
juiz de direito da segunda rara crime desla
corte, datada de 7 do meino soez.
tdxmjomelodo o bacliarel Luiz Francis-
co da Sifra para o lugar de juiz municipal e
de orpMo do terme de Oliveira, da provin-
cia de Uioas Ceraee, por tempo de.'quatro
annos, na eonformidade da lei des da de-
zembro de 18i.
Ideen, dem o bacbarel Manoel de Freitaa
Ce*feliro4Z para o logar de juiz munici-
rplifloa doe termos reunidos de S.
BoaSoccorro, de provincia deSer-
- Ra. por lempo de quatro aanoa,
n"eonformidade da lei de 3 de dezembro
de 1841.
Idea,. Calendo merc a Francisco Alves
I)uarte.8jva da sarventia dos oiDeios de pri-
meiro tibelliio e de escrirSo do civel, cri-
me e orphoO, a privativa de cipellta e re-
siduos e do jury davilUdePirahv, depro-
viucia do flio de Janeiro.
dem, idem a Jos Antonio deSouza Fi-
Jlio, partidor do jurzo de orohloa do termo
de S. Joto, da perra, di provincia do Rio de
Janeiro, da serventa vitalicia do ofllcio do
pulidor do geral do mexmo termo.
Comnuntai dm ti
EDITAL.
O llla.Sr. coronel Jos Vicente d'Amorim
Bezerra commandaoledss rmis desla pro-
vincia, de eonformidade rom o disposto no
art dsyregulimentoque baixou com ode-
cretode 17 de fevereiro de 1832,manda con-
vidar os Sis. pharmaceuthicos eslabeleciJos
can boticas oesta capital, i eomparecvrem
na secretaria milite as 10 horas da toanliB
do da 5 de dezembro prximo vindouro ,
emoqual lera logar,perante o conselhoex-
traordinsio, a arremalacto em basta publtV
ca dos medicamentos para o hospital regi-
ment! desta cidade, por tempo de un an-
co, segundo o formulario orgenisado para
esse flor, quesera presentado aquellos
dosSrs. plisriimaceoticos, que anticipada-
mente quisarem consultar, nos das uteis
e dnranto a* hora do expediente.
Quartel do com vando das armas ni cida-
de do Itecife, em 86 de noveatbro de 1856
Franctteo CamtU Peana di heetr; capi-
lo secretario do comoiando dae armas.
Sr. desenibaTgedor Matos ti seguales appel-
lace em que sao :
Appellante, Jos Franetoo Xavier ; appellado,
ojiao.
Appellante, Pedro da Cunha e Albuquerqoe e
outros ,- appellado, Josa Feroaudes da Cruz.
Panaram do Sr. desembarrador Reatos ao
Sr. deaemeergador Leio as sega lates appella-
fdes em asna sao :
Appellante, Jos Tclloso loares; appellado,
Lulz Gomes Ferreira.
Appeilante, Manoel Nunca Ba.boaa; aonella-
' dos. Antonia llaan Barbos routro.
ipruHImte. Francisco Antonio rVrnandei; ap-
pellao, Joa Antonio de ragathe* Bastos.
Passaram do Sr. deaembargador Leio ao Sr
desembargador Souxa as seguintes appella'>Ies
iiii que sao:
Appellante, o promotor pabtlco ; appellado,
Manad Antonio da Cunha.
Appellante. o jalao; appellados, Joo da Silva
liego Mallo e outros.
Appellante, Leopoldina Emilia de Moraes Sls-
neiros ; appellados, Manoel Phea Ferreira e
outros.
Appellante, Manoel Pires Ferreira ; appellado,
remando Francisco de Agular Mootarroyoa.
Passou de Sr. des embarcador Souza ao Sr.
Jeaeiubargador Habello a aegulnte appel.laco
m que sao
Appellante, Antonio Perreira do Valle e ou-
tros ; appellado, Eugeolo Jos de Sant'Anni.
Passaram do Sr. deaembargador Rabetlo ao
Sr. deaembargador Lona Freir as seguinles
appellacdesem qae sio:
Appellante, Josd FerMde Mello; appellados,
Jos Gabriel de Uoraes stajrer.
Appellante, Joaai AodrigsMS Ferreira appel-
lado, o juiao.
Appeilantes, Joo Daniel Wolpbp At C ; appel-
lado, a viuva de los Francisco de llorja e
OUt'O.
Appeilantes, Manoel Lopr de Souza e outroi;
appellado, Joao Zeferlno de Hoilanda i'.aval-
cante e aua muIhST
Passaram do Sr. deaembargador Lnna Freir
ao Sr. deaembargador Telles a regulnte p-
peliaoSet em que sio:
AppHIante, o juiao ; appellado, Maoael da Sil-
va Ouarabira.
Appellante, Saluatlano Augusto Pincola de
Souxa appellado, Manoel Joaquiu Ramos e'
Silva.
Passaram doSr. deaembargador Telles ao Sr.
deaembargador Villares aa srguintes appella-
goes em que lo :
Appeilantes, Amelia Josephina de Mello Ac-
cioll e outros; oppellado, Manoel Marques
da Costa soares.
Appvllante, Franrtaoo Jota! Peretra; appellado,
Martlnho de Uoaia.
Appillsasiw; tiassa n sjaal) m
lados, Avrlai k Irmos e oulrn.
Appellante, o juiso ; appellado, Atexindre An-
tonio Soares.
TR.BUNAb DA RKLvGAO'.
SESSAO' DE 23 DE NOVEMnQQi850.
rarsiBisWA O XW. MKM* ceisjixflliso
azavsooi
A's 10 horas da manh.a. acbaodo-ae presen-
tes os enhore deiembargadnrca Vlllare, Bas-
tos, Leio, Souza, (tabello, Luna Preire.e Telles,
o Sr. presidente declara: abarla asento. -
*'" JULCiMIRTOS.
Ilubitt-corfiu.
De Ansaal Alve Ferreira. Dengant-n a or-
deiu.
De Lourenco Antonio de Lima, Deuegou-se
a o r de ni.
Ktcurio crlmi.
Recrreme, -juila municipal del,
recorrido, o Julto de direito. Julgaram
procedente e reformaran! a pronuncia.
fflUttu trimii.
Appellante, o julio; afltylladn. Viceute Jos
leixeira .-Julgaram procedente a appeila-
go para impor a pena no grao medio do ar-
jol3
Appcllaole, o jolzo; appellado, Joio Baptiau
de Vascoucelloa. Jalgaram procedente a
appellav*.
DILrOBRCia*.
Mandaraoi cdb vista ao Sr. deaembargador
procurador d* coren os itnbHe kilos.
Appellanie o jala i appellada, Mari Fernn.
Appelianle, o jubjai appellados, SebasMoPac
mrreto e out*.
Appellante, a santa casa da Miserlcerdiade
Lisboa Antonio Alve Viauna ; appellado, o
luisa.
Appellante, o julio; appellados, Joo Joi In-
uocenclo Pogge e ouiro.
Appellante, o procurador sea!; appellado.
Joto Pinta dt>livetra efauza.
Maadaramoomriita ao curador geral a se
gulute aDpelIscao:
Appellanlat, Vicente Ferreira da Fonseca u-
n4oVY|Hl6o. Pedro Joarts de Araojo,
curador dapicas Ataa a Maaia.
nuiotisc.0iA.
Anpeilsnte, Jos Rodrlgae do Paco; appella-
do, Manoel da Seas* nimaraca,
n**aAae.
d Sr. dnwaanastasVjr viutre o
DiSTaiaaicOM.
Ao Sr. deaembargador /Vatio o argate
aggravo emque sao:
Aggravantc, Cnllherme Augusto ItodrigaesSe-
te; aggravado, HenriqueGIbson.
Ao Sr. desembargador Leao a aegulnte ap-
pcllaco em que sao;
Appeilante, Antonio Ricardo do Reg; appel-
lado, Pedro Beaerra de Araujo Be I ir o.
~ Ao Sr. Veseinbargador Sonsa as seguintes
appellacSes em que sao:
Appellante, Francisca Tbowazia da Concelcao
Cunha; stppelladoa. Joio Keller At C.
Feltoa que ae achavam destrlbuldos ao Sr.
deaembargador Souza, e que por ser agora o
procurador dacoroa, e como tal ter de Jniervir
nelles, sato novamente destrlbuldos aos se-
guintes senhores:
Ao Sr. desembargador Bastos a seguate
appellacao eso que sao :
Appellante, a anta casa da Misericordia de
Liaboae Antono Alve* Vlanna ; appellada, a
fazeuda nacional.
Ao Sr. desembar|ador Villares a seguinte
appellacao em que sao :
Appellante. Bernardo Antonio de Miranda; ap>
pellado, Joaquim Jos de Miranda.
Levaatou-ie a sesiao a urna nonas Terdade acerca d'qm re que fol tao nial coohe-
flfo; Ibte^amSWpsr- ere oblecto explicar
Srlmelro a causa desles falso Julzos a respelto
LrilsPnlllpp, e cBrrtgxrdrpol erro da opl-
nllo tnodlda-oU'prevenirJa.
O'rel LnlZ Phlllppe er eertos reipeltos o
rcjieieotante das Idela, opiniOe. imtloctos
da. sjia Ipocbi ; e a outros a aua vira contra-
VI d qde Lulz Phillppe era repreentante
rio relevado das Idfas do sen cenlo. Era
liberal, humano, tolerante, sera prejulzos de
rae, tem aiiperallcio de qualidade algnma.
semprereneoes aiittocratloa, mas eavalleiro,
apaisanado da digaMaaaV da sua casa, hbil em
transigir cOm o capricho pblicos, de fcil
iccesso aos Hurguetes ennobreeidos, hllando-
Iheade boamentc dos inleresses driles, intro-
duzindo o seu sem Ibes coarelar a llbrrdade.
mas nio sem dignldade: harebdo airavessado
a primeira pocha revolucionaria com pruden-
cia em lenra idade, as proras de guerra com
brilhante coragem e superior habilllidade em
nina poskSo precaria, o exilio com nobresa,
pubresasorrindo-se, as viagens com singular
prove lo para a aua experiencia; e quandoa
aua fonlaina voltsva sua familia, ao mesmo
desamparara a Franca, nao trium-
pbava por esta feliz mudanca de destino con-
tra a aua patria, conservando-se fiel a causa da
{liria vencida, is suas idela sutpcita, s con-
blstas da revoluco que consagrara a carta, e
ipresentando na oppoeicao ao qae agudamente
le chamara espirito reentrado os sabios
principios que o acompanharsAn a trra estra-
nba; proscripto, mas nao emigrado, nunca o
fol, nuncaae riependeu disso, c morreu nota
patritica Independencia.
Foi assim que o re Luiz Phlllppe, pni que o
tomamos para Iraear este esbo;o, no momento
emque o toinou arevoluco de jumo, quando
a sua vigorosa Idade' madura delxava vr nelle
t sua verdadeira slmethaoca, he assim, diae-
moa nos, que o re Luiz Phiiippe nos repreien-
ta u espirita moderno.
Eis agora no que este principe era a contra-
diccao viva do seu secuto:
Este seclo he urna pocha de universal ex-
panso, liberal at excess, at ex trasigante,
gostaodode derribar todas a barreiras.ein po-
ltica, lltteratura. pbllosophla, Industria, thea-
tro, parlamento ; apaisanado do livre exame
em luden sfaimado de igualdade, sonhando
com- o nrogresso indefinido e inelhoramentn
sem fim e sem limites da sorte da raca huma-
na. Taes sio, no seu mesmo excesso, as vir-
tudes do nosso teaapo, uin grande desinteresse
philosopbico, urna inmensa generosidade pu-
blica, urna necessldade prodigios de emoedea
bumanitarias, todas as qualidade que provin
de uimsoare-excilafao phitantropica do cere-
bro as aiacdea, aa quae o progresa das laes
i frito abrir os oiuWaobrJ m mais reconilitsn,
EXTERIOR.
0 RE LUIZ PHLIPPE.
O re que toaba de morrer ne exilio dizia
EUlUts veies, o que mal de um principe infe-
r. Hu conhecido poderla dixer antes delle,
neiihun applicaria com mais justlca
ao seu destino. O rei Lulx Phlllppe dizia: nio
me faro Justlca senio depolsda inlnha inorte.
" O principe que a rerolufao de julho elevou
o llirnuo de Franca Tai na verdade malfaesd*
To anana do edlssatA palitlea, najai poaltao mi.
ente, ero que todos os olnos o podlam achar e
er, coadjuvando de uer al esta curiosidade do
ublico coma benevolencia doseuacolhimen-
o, com a sua hospltaldade Cacit e cordeal,
franco com lodos e viato de todos, mngOem em
Franja e na BarTvrp fol mais mal juigado, mais
Inal conbecldu, mais etrnmntade. Nio ralla-
mos s dos seu inimigas prevenidos ou Inte-
rcalados, multo dos sensmeswoi amigos nio
o conheciam. Onde a natureza. Dos, a expe-
riencia, a retleao tinbao posto nelle nina boa
qualidade, julgaram elle achar um defello.
Eitianba contradiccao dos julzos humanos
O re era moderado e benvolo, e foi objecto
de odios feroses clemente, e nenbnm dos que
amnistiara Ihe fol grato; sendo liberal, cabio
dothronocoin reputacao de parlidarlo vido e
intolerante do poder; sem. ambicio poltica,
allriDuirain a sua o|>psieio sob or res do ra-
po mala velho s motivos criminosos e pessoaesf
sendo at prodigo em despeza nobres, foi ac-
cuiado de ararento, leal e franco at chegar a
Ser indiscreto, derain sua finura un uome
to ; fll a ten ministros at nao passar as
reirs da sua prerogatlvc, M aecusado de
le e de prfida; levando a caraasean ata'a
rudencls, censuravain-ne de have, por l-
fnldes decorpo e d'aluia, deixado na bainha,
odia do raotim, a espada qne poda salvara
vimentos que nascem dests agltacao superficial
do confio humano Impellldo pelas revoluedes
populares e preocupado de inelhoramentos de>-
eouhecidos.
He este o carcter honroso e em verdade su
perior da nosia pocha ; maaquem nao cora-
prehende os seus defeitos! A cxaggeracao, e
intemperanca, o gosto das sMnturas, a impa-
ciencia do jugo, a paixao dasliudanjaa, a bus-
ca obstinada do iupessivel, por una contra
dicelo que se nao tem frito anas sobrrsahir, a
par da inobilidade das opiarlgafi, o calculo ris-
pido e_a obstiiiaeio do inleresses, a par de ab-
negacao ideolgica, o egoiamo ardenie do ga-
nbo, Impaciente de concurrencia, por ntreos
extases da pbilantropla os enrdados do logista,
e escrlptorto unido a escola, larine contraba-
lao(aodo Platio.
Tal he a dupla e morel pbvsinnomia desle
ettranlio seculo. Luiz Phlllppe, ousamos dl-
z-lo, reprekeotsva- Rio era nem de ctrymerasVfc h aventurlo,
nem acclainador, nem romntico. Tinha ulna
repugnancia natural e invencivel ao utopis-
tas. Ea melaphjslea mentirosa que corre aps
as abslraccdes e que acaricia a rcalidade, casa
pbjlautropiade palavra oem a burra chapeada
de ferro, toda essa enalteci eciicia e oca que
termina na- cobica de diulielsjp, honra on po-
der, lodo ene falao progresjo eiicanicado atrs
das chimeras, caniavam-lhe nin desgasto irre-
ilstivel.Nao porque quieafe.fcar atrs, quando
o outros latn para dimite. Sbnuia-se susceptl-
vel deperfeelibildade, e gabavw-se disso. Logo
no comeoo da sea car reir eilndou as duas es-
colas da guerra e do exilio. Hale estudava na do
throno, abr,oomo elle uitsuio dizia,todos os dias
se ia educando. Niiigueos no priineiro im-
pelo era mais decidido, raalt rpido, mais
Hourbon dizia um deseus atis Ilustres m-
niatros; niassuersY se modinoava depois com
ai facilidade pela Inlluencla de bons conte-
Ibos ou por grandes necessidadns pnlliicas. .Co-
aheco que ha 10 anao teohogaulin milito, di-
aia em 1840 um dos seus mais liis couaelhei-
ros, a M. o conde de HohUllYel, observara es-
eudava coblianadanente. Bs assim que en-
tenda o progressd para si e para o estada. Pe-
dia-oa experiencia e nao i esati.
(Ptriadito dos Fetrss m Porto.)
., {CouMuar-se-h.)
ierti,<
ranea | Niogasn he verdad o accuiou de al- mgis cordigl tcblblmeOtO. N
a de talento, m o talento que a justlca avara
la opinlao Ib* attribuia era para Idea e pro-
jeoto aaesqalafes, Assim nenhuin respelto
pbteve Luis Pbllippe em vida Justlcv qne iba
tradevlda, e que alada espera no tmulo.
Parsrteu-i/,u da iiu:: do nos;? icasno. e d'l-
gpMb Intbretse parir a hlitori tentar ditera
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO.
a Entrn hontem do Rio da Prata o vapor
de guerrs inglez Kifiman, e por elle recebe-
mos folbaa e carlis de Buenos-Ayres at 21,
e de Montevideo at 84 do pessido.
Na praca de Montevideo na campinha
Orientil nadt de importancia tinha occor-
J O Sr. general Guido c!
Ayres oo da 16 do passtdo
cket de 18 diz i
i 0 general Guido, minl
ciario na erle do Brasil, d
mtohS de 16 de bordo do Vapor inglez Ri-
Buenos-
iA Pa-
o plenipoten-
embsrcou na
e Ibe lizeram o
o esquecism o
motivo da os chegids, porque so mesmo
tempo que entusisticos vivas strosvam os
ares em honra da CoofederacSo Argeotins,
da honrada gala de representantes, de S.
Ele, o gnvernidor, os grito de MoYraax os
fieman. Numeroso concurso dos seus conci-
dadSos te reunira, pan ssittirem ao des- responder a ludo quinto pudesse ter reli-
i* Bratll, ertm correspondidos com o nuior
enthtisiasmo.
O Wano de Avisos do dia 16, dando con-
la da chgtdt do Sr. Guido nos mesmos
termos, sccroscenta que a se dertm tsm-
bem morras aos Jacuhys, e que o Sr. Guido
tomara urna parte entnosisstica nestas pa-
triticas iccIamicOeS.
a Cms carta que temos vista dil:
a t.uidu apenas desembircou foi visitar
Arana. Disse-lhe que eslava persuadido que
gabinei do Brasil se chiva dividido, e
que aquillo que mais convinb era Irabi-
Ihar por todos os meios pnssiveis pira mu -
dt-lo, on pelo menos modiliee-lo. O Diario
de Avisos e n hritith Pack'.t dizem que mu-
ta gente foi esperar o general no sen desem-
barque e qne houve muitos vivas e morras
Posto sssegnrtr-lhe que nessas demonstra-
res nSo tuinaram parte senSo Iguns mem-
bros da mashores, capitaneados pelo bem
conheeido louco Ensebio da Federacdo, que1
ne a pessot que em nome do goveroador foi
cumprimentar o general t, bordo.
At hontem, 3o, nSo sedignou o gene-
ral Rotas receher o sen ex-minitlro.
a A Gaceta do dia 5, publieada tomento
no din 13, iranacreve urna nott do'ministro
Arana dirigidt no dia Sao general Guido,
nt qutl Ibe dizques. F.xc. o foverntdor,
sannnilo pela sua partiripacSo de t de se-
lenrbro que se prepsrava part pedir os seus
ptssaportM e retirar-se do Brasil, folgtvt
Je ver que oSr. Gui lo sania de um paiz co-
jo desleal e prfido tbinett, inimign asquero-
so da America, Unto ofTendia e otTenda in-
justa e inauditamente a Confederaeto Ar-
gentins.
O Commtrcio del Plata di o seguinte es-
tillo das forets deque pode disprj o gene-
ral Retas
Estido Orieotil, soldados argentinos e
orientaes das tres irm9. 6,500.
Has provincias d'Entre-Rios e Corrien-
tes po lera pr'em esmpatiba 6,000 homens.
"e Buenos-Ayres e dos corpos que se
acham em Santa F, 1,500 ; total 17,000 ho-
mens, dos qnsee s 15,000 podenam entrar
em csmpanh.
No dia 18 chegou a Buenos-Ayres um
navio de Antuerpia com graniequantidade
de miuiiciVs de guerra. Esperava-ae outra
embarcaoSocom arti'hana. No arsenal de
guerra trabalhava-se com muila actividade,
a varias remessas de armis ede fardamen-
Ujso linhsm fe.lo, tanto para o Estado Ori-
ental como para Corrientes.
Cartas de Entre-Hlos aulrmam que a
desintelligencis entre os generaos Rosase
Urquizs tugmentav tolos os dias. Como o
goveroador do Buenoa-Ayres instava com
este para que marchasss sobre o Paraguay,
dosculpnu-se com a falta de armamento e
Je munictleS. Como ludo Ihe fosse fbrneci-
lo,- lembrou-sQ de pelir cavallos, e sem es-
perar pela resposta convidou o governador
de Corrientes, Virasoro, para urna confe-
rencia na fronieirs, que leve lugar no dia
3 de setembro, e na qual se assegura ajus-
ta ram as bases e urna allian^a. Segundo
cartas de Buenos-Ayres a noticia desla con-
ferencia causou ao dictadora mais dolorosa
sensaclo. Accroscenlatn as mesmas cartas
que o general Urquiza eslava gusrnecendn
a sua arlilharia com martelos de percussSo,
sendo oncarregsdo desle trabalho um Belga
que dizem foi empregado na legac3o da Bl-
gica tiesta corte, e que serve boje como of-
licial de arlilharia no exercito entreriano.
O Sr. Pedro Ferreira de Oliveira tinha
demorado a sua sihida para o Rio Grande,
para onde devia seguir no dia 26 do pis-
tado.
O lente Brinch,commmdenle do va-
por Riflemn, atlron-se ao mar na noile de
IS de oulubro, quando aquello vapor nave-
gava entre o banco Chico e o (Miz. Lanca-
ram-se immediataaente os escaleres ao mar
e flzeram-se estorbos pirt salva-lo ; mas f
ratn baldado, e nem se acbou o cadver.
Hontem (11), pelas 10 bons da munhSa,
oeleluou-se a primeira sessodo conselbo de
guerra a que responde o Sr. capitSo Pedro
Ivo Velloso da Silveira pelos crimes de ler
excedido a lioenca com quo se achara na
provincia de Pernambuco, e tomado parte
na ultima rerolla que bouve naquell pro-
vincia.
O conseibo he composto dot segnintes
olliciaes presidente, o Sr. tenente-coronel
los da Coala Barros da Fonseca ; vogaes,
otSrs. tenente-coronel graduado Pedro Jo-
s de Albuauorque da Cmara, maior Ma-
noel Alvares de (iusmao, dito Rento Jos
l.eite de Firia, dito graduado Joaquim Mon-
des GuimarSes, dito dito Caetano Manoel
de Faiia Afbuquerque; auditor, o Sr. Dr
Jos. Baptiata Lisboa, sudilor de marinba,
em substituirlo do Sr. Dr. Francisco de
(jueiroz Coutinbo Mattoso Cmara, audi-
tor de guerra, que se deu por suspelto.
0 Sr. PeJro Ivo comparecen vestido a
paisana, acompanhado dos seus defensores
os Srs. rs. Nicolao Rodrigues dos Santos,
Franca Leite e Urbano Sabino Pessoa de
Mello.
i Aberta a setsio, e sendo pelo Sr. audi-
tor perguntado ao iccusado se tinha algum
requenmento a fazera bem de aua juslica,
declarou ste, depois de breves reflexe
do Sr. Franca Leiie, quo presentes est*vam-
os teus advogados, a queni encarregsva de
4Ao conj a sua uefesa o presente processo
O Sr. Frauca l.eite onderou entilo ao
consellio que sendo esta a primeira vez que
so encootrav com o aecusado, assim co-
mo o seu collega o Sr. Urbano, nada tinha
com elle combinado anda quanto aos ter-
mos em que a defeaa devia ser presentad;
ulwatni wvturiot, morra o inftmt gabinete ''que por laso roe pareca Inditpentavel urna
conferencia previa entre o accusido e seus
defensores para o referido um ; e concluio
reqnerendo que essa conferencia Ihe fosxe
concedida.
a Annuindo o conselbo a esle requen-
mento, retirou-se o aecusado com os seus
defensores para outra sala, onde conferen-
ciaran) poreapacode urna hora, suspenden-
do-se entretanto a tessSo.
A's 11 hora* e meia declarou o Sr. pre-
sidente que a aattso contnuava ; e, pre-
enchidas todas as formalidades da lei, o Sr.
Urbano pergunton se constara do processo
o decreto que amnisliou o S*r. capitSo Pedro
Ivo ; e, depois da resposta negativa do Sr.
Baptista Lisboa, requereu que se ajuntssse
sos autos urna copia aulhentica queapre-
sentou desse decreto, e que se lesse so con-
selbo o aviso do governo, om virtudedo
qual foi o acensado posto em juigado.
a OSr. Baptista Lisboa leu o aviso, no
qual tambem se nSo falla no decreto da
amnista.
O Sr. Urbano epresentou entilo a se-
guinte excepcio de incompetencia:
Por excepcio peremptorii de amnistis,
nnlli lado e incompetencia, ou como em di-
reito melhor lugar hija, diz o capitSo Pe-
dro Velloso da Silveira, o seguinte :
E. S. N.
P. que o aecusado nlo foi preso pelas
Toreas legaeg, esim voluntariamente denoz
as armas, e submetteu-se as autoridades,
com os aeus companheiros e foress que
commandavam, em virtude de promessa de
amnista geral, feita por su pai o tenente-
coronel Pelro Antonio Velloso da Siveira,
acompanhado do Dr. Manoel Rodrigues
Leite Ollioiea, em nome dos presidentes das
provincias da Baha e Alagoas. com a seten-
la do governo, o que o aecusado alTInna
perante heos e os homens
P. que espontneamente epresentou-se i
ilisposicflo do presidente das Alagoas, don-
de embarcou para a cidade da Bahia.ua qual
esleve sott->, como se nSo Cora criminoso,
viudo para esta edrte em companhia do res-
pectivo presidente da mettna provincia, o
conselheiro Francisco Goncslves Msrtins,
sempre em plena liberda.de, desle o mo-
mento dossa apreaentaQ.lo as Alagoas.
P. que chegando a esta corte no lia 7 de
maio do crranle anno, logo que o vapor
il-ui funlo, e esl-'U lo anda a bordo o lito
presidente, recebeu o aecusado, com gran-
de sorpresa e admiracSo, ordem de prisSo,
foi recolhid A fortaleza de Santa-Cruz
pela 1 hora da tarde, e s 4 horas se apre-
sentou na mesma fortaleza o chefe de poli-
ca, e leu ao aecusado e ao seu companhei-
ro o decreto de 3 de maio deste anno, exi-
gindoqueassigiiaasem um termo, obrigan-
do-se a residirem fra do imperio por seis
annos, em lugar spprovado pelo governo.
a P. que tomado ainda de maior sorpresa
o aecusado, que tinhs vindo na firme e
consoladora esperanca de ver restabelecida
a paz, restituidos os comprocneltidos ao
seio de suas familias, e laucado o veo do es-
quecimento sobre o passado por untado
magnnimo da clemencia imperial, recu-
snu assignar o lermo de residencia fra do
imperio.
P. que essa condigno, imposta pelo po-
der etecutivo, he nulla e inexequivej, e de-
ve repular-se nio escripia, e n3o poda de
maneira alguma limitar os elTeitos da am-
nistis, porque o poder'moderador he supre-
mo em suas attribuicOes.
a P. que segundo o 9 do art. 101 da
constiiuicSo do imperio, a amnista he um
acto de alta poltica, seonselhado em caso
argente pela humanidade e bom do estado,
que deve ser em todo o caso cumpndo, nilo
uodendo nenhum poder poltico e muito
menos individuos, nullificirouneutralisar
os seus elTeitos, devendo por conseguinto
executtr-se, independenlemente e contra a
rootide dos mesmos agraciados.
I', que o decreto desde maio e 1850
em sen inteiro vigor no foi, nem poda
ter, revogado por poder algum, e nao he
um aviso do ministro da guerra, nem acto
algum do poder executivo, pue p Je rovo-
ga-lo, ou preterir aeus elTeitos, pois que a
amnista he um acto do poder moderador,
e esta delegado privativamente ao Impe-
rador.
P. qae o referido decreto pdz em per-
petuo silencio os crimes que se imputim ao
aecusado, e os amotstiou, e sobre elles nSo
te pude inslaurar processo criminal, sendo
por conseguinte este conselbo evidente-
manln incompetente e tttentatorlo rlj ji-
las prerogatlva de poder imperial,
Nestes limos.
O acensado protesta contra qoalquer
deliberadlo do eonselho tendente a neutra-
Jisar, preterir, ou destruir os elTeitos da am-
nista, assim como nSo presentar outra de-
feaa alm da presente eieepcSo ; e, conven-
cido da incompetencia do tribunal e da vio-
lencia do procodimenlo criminal contrs um
amnistiado, pMaiesl no responder aos in-
terrogatorio, a a quaesquer jerguillas; e
faz o reo protesto chelo do mais profundo
respeito ao.tribunal o aos seus superiores
que o compoea.
Declara ser also que a revolta livesse
por fim mudar a forma do governo, e en-
trega com resignacSo a sua aorte a justi-
ca do tribunal.
P. que a presente excepcio deve ter re-
cetada, julgada provada, pira o fim de so
declarar incompetente este eonselho, e nul-
la o presente, laipondo-so-lhe perpetuo si-
lencio em vista do referido decreto de am-
nista. Juslica.
Assignados, Urbano Sabino Pusen de
Visito, Niealo Rodrigues dm Smntoe Frane
Lnie.


T
'
I .'l
-
O Sr. Bspists Lisboa disse que Unto a
certidSo como a excapclo presentada pn-
diam ser recehidas e juntas os autos para
serum tomadas em considerado pelo
conselho quando tiver de proferir o seu jul-
gamento ; mas que, segundo a le, nflo era
dado ao conseibo prescindir dos interroga-
torios ao accusado, inquirirlo das tcstemu-
nhas emais termos do processo.
0 Sr. Franca Leiteobservou que.havendo
urna excepcflo de incompetencia,o conselho
nBo podia praticar acto algnm' antes de co-
nhecer della;quea primira obrigac,.1ode um
magistrado ou tribunal qualquer, he firmar
a sua jurisdiccSo ; emquantn esta nilo esta
liem firmada nada rodo fazer. Se apezar
da excep(9o de incompetencia o tribunal
proseguir nos seus trabalhos prtlicari ac-
tos nteiramente rollos. Que havia es-
incompetencia no raso presente, parece-Ihe
claro a todas as luzea ; houve a favor do
accusado um decreto de amnista ; os effei-
tos de orna amnistia sSo suspender toda a
accSo da justica contra o delinquente am-
nistiado, eelles nKopdem sor nullicados
por nenlium poder do estado, por que o po-
der que amnistiou be soberano nesta parte.
Accresceniou varias outras considera
CflasqueproeuruU fuiialecer com cxcmplos
do que se pralica em outros paizesem ca-
sos idnticos, e concluio declarando que o
seu lim nilo era arrancar do conseibo urna
decisSo que nlo fosse medtala; que o con-
selho podia sem maior inconveniente ada-
la pira outra sessflo, e que isso requera.
Entregou ento ao Sr. auditor alguns n-
meros de folhas que se publicam nesta ci-
daile, as quaes j foi tratada esta questSo,
e que no seu entender muilo poJerao escls-
rec-losobreell
a OSr. AaptisU Lisboa insisti na aua opl-
nio, dizendo inais que nao sabia como ae la-
chava de incompetente um tribunal militar
que
tambera
Sr. Urbano observou que nao se trata va
dVssa especie de incompeteucia ; que a eicep-
(5o por elie e por seu collega apreaentada fun-
dava-te oa policio em que ae chava o accusa
do. conselho de guerra foruiou-se por uin
avilo do respectiva luiolstro para julganienlo
de uiu miliur, mal rite militar apreseoia-se
prrante o conaelho ediz: Eu j uo pono
aerjulgado peloi crimei de que ineaccusam
parque eitou amnliliado. A amnista coaita
do decreto de q ue apreaenlra certldao autben-
tica ; pode o conselho proseguir em leus traba
Irioicontra o accusado? Nao lero nulloi to
dos os actos que praticar tendo iciencia dese-
inelliantr decreto t tila be a nica queatio de
que o conrlho, em sua opiuiao, deve tratar,
e para a qual he competente, attendeado ao fo-
ro do'accusado. Nao se pode negar que he umo
questao prejudicial,sobre a qual cuiupre tomar
seuiua drliberafao
Que o Sr. Pedro Ivo esl amniatlado, nao p
de ser objeeto de duvida, ah esl o decreto
que o amnlitioii i e sendo aulin, eouio pode
elle aluda paliar por um julgamento ? Nao ba
tribunal algum, nao ha poder no palz que poa-
ta nulliucar os cacitos de um decreto de am-
nista, que est cima de tudo, que iinpde si-
lencio a lei, aos tribunaei, que lauca o veo do
esquecimento sobre iodos ui crimea. O con-
trario seria um atlentado contra ai prerogitl-
vaido poder moderador. Din simples avilo do
minlilro da guerra, que forma a baie do pro-
ceno, nao pode destruir aquelle acto, por-
que elle parti de un poder que pela comii-
tui(o be privativamente delegado ao impe-
rador.
a O argumento de que o acensado recusou
assignar o termo de residencia fura do iuipedo
nao lem furca alguma; tal recula nao podia
nullilicar oa elTeitoi do decreto de aronillia.
porque ie iiso nao he dado a poder algum do
estado, muilo meooa o podia ser ao accuiado
Se eite nocuuiprir ascondiedea impostas, fa-
ca o governo com que >i cumpra, mas nao ae
colloque cima do poder moderador,"ullilican-
do um acto que nao pode aer revogado, acto
queheaempre aconselhado por coniideracCes
de .-.lia poltica, que nunca le revogou em par-
te alguma, que 01 proprioi roi teem de aceitar,
ainda que o nao queiraiu.
Concluindo, o Sr. Urbano declarou concor-
dar com o aeu collega nos deiejoi que manifea-
luu de que o comelbo reioiveiie queilao.de-
poli de ter meditado nella, e por isio requereu
igualineute oadiamenio da esso.
Depoii de niiis algumaacooilderacSeidos
senbore Franja Lei te e baptlila Lisboa, o con-
selho votou peloadlamenlo da sesso resolven-
do rcunir-sc amanhaa meima hora para de-
cidir a questao prejudicial.-
O correspondente da meima folha em Porto-
Alegre communlca-lhe, com dsta de 24, o ae-
lt ii iii te:
A polica deita capital acaba de prestar um
assignalado lervljo causa publica no desco-
brlmento c captura de urna qnadrllha de la-
drad nue de algum tempo Inteilavain a clda-
de. Ocouto deuei cavallelroi de industria
era por bilio do malho de urna venda uta no
largo da alfaodega, sendo o calxelro da venda
o chefe da malta.______
saaajjBjaaajsaaaaaajaaamas^^
IHARIO DE PERTOBCCO.
amfi, as di lonmo d tas.
O brigue-escuna Ugalidad commandado
pelo capitlo-tenente Amazonas, que deste
porto sabio em commisslo do dia 19 do
crrante, aprehendeu na barra do Rio da S.
Francisco no dia 17 a escuna Innocente, que
a poucos diaa baria desembarcado na costa
da provincia de Alagoas urna porclo de
Africanos livres; mas o pslrSo-tnr da
barra, sem durida connivente com os con-
trabandistas, fez com que se encalhasse e
perdeesa o nsrio negreiro.
Entrou boje o vapor S.-Salvador vindo
dns portos do sul; e por elle recebemos
jornaes do Rio, que alcancam a 15 do cor-
rente, da Dahia a 82 e de Mieei a 91.
Acham-se em paz todas as provincias
desse lado do imperio; mas tulo quinto
lemos acerca das nossas relagdes cora Bue-
nos-Ayrea nos indica umprogres'o para a
guerra, que parece ji nSo podar-so evitar.
I)j dous artigos do Jornal do Commercio de
4 e 19 do corrente, que vfio publicados ues-
te mesmo numero, verlo os ieitores o re-
cabimento entlmsisstico, que tjve o general
lem de"jlg.'rm"ro mitaT por ata fiui? > C?,0U> Vi* O"? ET.
em militarei. ae desenvolvan! ntreos subditos de Rosas
os senlinientos de hostilidad para com o
Brasil; sssim como o estado do seu ter-
cito, a altitude amparadora, que tomava
pelo recebimeoto de muoicOes de guerra,
e pela marcha de urna forca de 1,500 ho-
rneas sobre a frontlrs de 3. Thereza, onde
lioava estacionada. Tinha sahido da cor-
te no dia *|do corrente para o Rio-Grun-
de do sul o vapor Imperatrit levando o res-
to do quinto batalhSo de caladores.
Oque alm disto hade importante he o
julgamento do capitfio Pedro Ivo, o qual
leve cotneQO no da II deste mez ; sendo
n'esse mesmo dia ada Ja a sessSo do conc-
ibo de guerra para melhor resolver sobre
a excepcSo peremptoria, que appresents-
nm os advogados do reo, bascados no
decreto de amnistia, qne pelo monarcha
Iho fra concedido; cujo adiamanto foi pe-
los mesifjos advogados requerido; e teve
em resultado o despreso da referida eicep-
tjilo, julgando-se o concelho competente pa-
ra connecer dos crimes daquelle militar,
que por urna semelhanle decisSo reputou
nlo amnistiados, o que tudo appreclarao
melhor os Ieitores pela Helo inteira dos res-
pectivos artigos, que ueste numero Ibe pro-
porcionamos.
Foi nonvisdo chefe de polica da corte o
Sr. Dr. Francisco Dogo Pereir de Vascon-
celos, e entrn no exercieio de suss fune-
cOes em odia 5 do corrente imraedialo ao
da sua nomesjflo.
O governo tinha mandado regresasr sem
nerda de tempo para a corte o Sr. chefe de
esquadra Grenfell, que se achava em Ingla-
terra, servindo o lugar de cnsul geral do
Itrasil, com o intuito, segundo const, de
confiar-lhe o commando da dvisSo naval
Jo Rio da Prata, a qual vai ser augmentla
com mas 7 vasos dos malhores da nossa es-
quadra.
lluvia partido no dia 19 deste mez para
Falmoulh bordo do vapor inglez Cram o
Sr. Hermenegildo Francisco de Nitheroby.
ancarregado de urna commissSo ante o go-
verno da Liberta.
Foram nomeados commandantes supe-
riores da guarda nacional do Rio-Grande do
sulosSrs.: David Canavarro, da fronteira
Jo Quarahim : Jos Joaquim de AnJrade
Neves, do Rio Pardo : Jos Gomes Porlinbo,
de Cs(apava.
Tinha fallecido no hospital de marinha o
chefe de divhjSo Guilherme Eyre.
De S. Paulo sabemos, que contioua o re-
cratamento com extraordinario rigor,
nao sendo maispoupados os estudsntes ma-
triculados as aulas publicas ; de maneira
que as famlias se hlo assusUdo s ponto de
fazerem sahir para as rocas todos os Olhos
de Uannos para cima.' Segundo o corres
pondente do Jornal do Commureo nao podia
ser maior o clamor escitado por ums tal
providencia; sendo que at se attnbuia
sabida do respectivo presidente para visitar
as ciliadas,, e villas do interior ao desejo de
fugir sos empenhos, e as lagrimas dos In-
teressahos pelos presos- Corra tambem
que um dos lentes requeren ao director
da academia a convocaco da urna congre-
garlo para o flm de represintar-se ao go-
verno contra o recrutameoto dos estu-
Reltrao que por muito tempo sssolra o dis-
tricto de Picualoo.
Da Bolivia annunciam que o general Rel-
zu mandara retirar do Per e seu ministro.
Km Guayaquil fstia progressos o partido
lo general Florea.
Quanto a Bahia t-mos a satisfacio de annun-
ciar que he destituido de fundamento o artiga
publicado no Comi Mireanl da H docorren-
te aobre o reappareciinento da febre amarella,
qne a redaccao deasejornal dava como effectl-
to ; poli que o conselho de salubrldade reu-
nido para o flm de responder i um ofBclo da
preildencia, que pedia informactea a reipelto,
ailira o declarou, bascado no teatemunho da
leua raembroi, os quaes ae bavlam entendida
com outros medlcoi.pariftrmarem o leu Julio.
Oque nao duvldapios he que anda por alli se
d um ou outro cato de febre como, anda ha
pouco, noiconitou. le deu eoUe b*; sem que
comtudo ae poaia tato quallticar de reappare-
ciinento da epidemia ; do qual a Providencia
noi ha de llvrtr, como espranos de tea aaiie-
ricordla.
O afercli( de 11 do correnta refere aeguln
te tacto deploravet:
Na cldade de Nauretb, i ra da Quitanda,
s 10 horas da manha de dia 16, Jlo Radrl-
8ues de Abreu, offlcUI de ourlvei. rascado coa-
uxir a inulher para o seu quarto, i preteato
de Ibe preatar roupa para veir-ae, fechou-i
por dentro e degolou-a com ums nsv^lha. da
golaodo-se depoia a t com o intimo fatal Ini-
ti lmenlo. A polica daquella cldade, depoia
de proceder carpo de delito nos cadveres
dos doua infellaea, proiegue naa todagacOei
convenientea, para conhecer as cjrcumltanciai
que precederam lio lamentavel facto tendo
entretanto certo, nac n'aquella cldade vivera
empre o desgrajada par, na maior harmona,
com excelleote conducta, tanto publica, cerno
particular.'
O Corris Uaeiioau nada nos diiseque tive
e q menor lnteressi para os nossoa Jaitorei.
lisie que
COMMERCIO.
Mscel pelo Aas Sumaca nacional "*-
ladra, mestreJoSo Antonio da Silva.
Veio recebar oprelioo.
Navios takidot na metmo dia.
Rio Crande do Sul -- Brigue nscionsl Al-
grete, capillo Manoel Pereirs Jardim. car-
ga assiioaV.
CotinguibaSumaca nacional Flor de An-
tiei,,nutre Bernsrdo de Souzs, carga
varios'gneros. Passigeiros, Gorujilo Vi-
eira de Csrvalhoe Mello, Leandro Ribei?
rodeSiqueira Sobral, JpSo Barbosa Dan-
tas, Joflo Henrlque Winter com 1 escravo
e Eduardo Nolke.
Parahibi Lancha nacional Coitceifdo Flor
da* Virtud**, mestra Elias do Rozsrio,
csrgs varios gneros.
dem Hil nacional ParmMfno, mestre
Nicolao Francisco da Costa, earga varios
gneros. Passageiros, Luiz de Franca da
Costa, Franciaco do Reg Pontea*, Vicen-
te Jos de Bulhoes o Brazlliaa Maria Ra-
mos.
OburoacOtt.
Acabou os 6 das de quarentena o brigue
dinmarquez Luizm, capillo M. L. Alberg.
- Entrou para o Mosqueiro.
Appareceu barra o vapor Afelio, porm
nflo leve communicacSo com trra.
A praca Del Ppelo, em Roma.
A retirada deNapolelo sobre o rio, na
Berriseo.
A cidadedeDoblin, na Irlsnds.
Zurich, naSuissa.
A cscate de Msximillino, em Tyro?.
Altods, nos suburbios de Hsmhurgo.
0 hitorior da gruta A"ol, em Capri,, na
Italia. ,. ,
O director espera que.o reseeltavei publi-
co ht de ficar bstanle satlsfeilo com ss r-
es* vistss desta mudanga. m*
Avisos maritimos.
KIIITAL.
i. ;
0 conseibo de guerra nomesdo psra o
julgamento do Sr. capillo Pedro Ivo Velloso
da Silvera tornou a reunir-se hontem (13j,
e, porunsoimidade de votos, declarou-se
competentemente para conhecer dos crimes
de que este olicial he accusado.
a No dia 16 do corrente, pelas 9 horss da
msnnaa, continusra o mesmo conseibo os
seus trablhos.
Pelo paquete de vapor Todot os Santos rece-
bemos cartai e folhas do Rio-Grande at 2 do
correte, e de Porto-Alegre at 29 do panado.
No dia primeiro do corrente noite, che-
gou ridadr do Rio-Grande a noticia de que o
general Oribe mandara marchar aobre a fron-
teira de Santa-Therea urna forca de 1,500 lio-
neni, compoita de doui batalhdca de infama-
rla e um de arlilharla, e que esia forja fi.ava
estacionada no forte de Sanla-lheresa e sua
iminediacdes.
- D, Albanasio Agulrre. agente do general
"in-Pedro-do Sul, labio
oa A*
ba-
ALFANDEGA.
Rendimento do dia tS.....96:7M,948
Desearriaam kajs M de notemaro.
Brigue S. Hilene forro e carvlo.
Brigue Qnean sMoalkao.
Barca WillUm HtuaaU mercadorias.
Brigue ioieph firinba, queijos e
Utas.
Brigae AntointUe Timbo, farioba i
massaa.
Brigue Bwutie laboado.
Patacho Watt Cariaba.
Barca Jv"on>a/ bacalho.
Barca. Cont Koaar mercadorias.
Brigue Luisi garrsfOes, bichea fa-
rellos.
Brigue Tamo III mercadorias.
Brigue Oneisefate -- fsrioha.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 95.....
niveraaa provincias......
Pela inspectora da alfandega setaz pu-
blico que, no dia O do correle, depoia do-
meio-dis, se bs de arrematar em hasta pu-
blica na porta da mtinu, s Seguinte appre-
hendido pelos ernpregados da visiU da es-
cuta hamburguezs Amanda, 1 barrica com
I arrobas de farinha de trigo, no valor de
19,000 rs.; S barris com agoardente de
Franca com 25 uadas no valor de S7.5O0
rs. sendo a ariaitutacto lf' <> direitos ao
arrematante.
Airatidega de Pernao>buco.95 de noven-
bro de 1150 Beata asi Feraandee Barro-
TfeZhx
rayoiss.
__.. -.^a^sssssB
9.3B6.869
SS9.4W
9:719,408
EXPORTACAO.
DajpaMjAo ater/tase ate dia 95.
Liverpool com escala por Macei, galera
inglez .Stoard-FiA. de 594 toneladas : con-
iluz oseRuinle i 1,300saceos e 150 barricas
com 6.S90 arrobas 28 libras de asquear,
101 sseess com 466 srrobss e 17 libres de
algotao, 1 cbonomelro el oceulo.
RECEBEDORlA DE RENDAS GERAES
TTER'AS.
Rendimento do dis 95.....474,044
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 95......1:940,764
rUO-riE-JANIl.RO.
c.mioi odi l4as nsvaataao.
Cambloa sobre Londres ,
a Lisboa .
Paris .
Hainburgo
Hetaei. Oneas bespanhlas .
da patria .
a Pecas ate 6/0. velhas.
a Modas de 4/1100. 100 e 9#2fl
Peoa hespanhea.
> da patria. .
a Palacoes .
Apollces de 8 por cenia .1
> provtnciaes .
Joravil ato Comuaoreia.)
UAH1A.
ciuiias no bu, 40 bb jtoviitaao.
- O lllm. Sr. director de lyceu manda l-
ser publico que em virtude das ordena do
Esm. Sr. presidente ds provincia de 18 do
corrente, est vaga a oattelra de primeiru
letras para o sexo msseulino da povoacao
tangi, cujo concurso deveri proceder-
S em fevereiro do anno vindouro de 1851.
Secretaria do Lyceu, 99 de nove abro de
1840. Jemsarfe AUxandrino da Silva Babel-
U Caneca, profeaeor de .leienho e seereUrio.
- O III* Sr. director d< menal de guer-
ra eontraU oBiciaes ] 'erralhelros, es-
pingardeiros, eoroobeHrO' para irem trabs-
Ihar no arsenal de guerra da corte, pelo
lempo que se eonveneionar, sendo os jor-
naes nos diss em que trsbalharem de 9,000
rs.; dars o primeiros ofticiaes. e de 1,600
1800 rs. psra os segundos ditos ; ludo
conforme o aviso circular do ministerio da
guerra presidencia desta provincia, de 18 de no-
vem'bro corrente.
Arsenal de guerrs de Pernambuco, 99 de
oovembro de 1840.-- O escripturario- F.
Serfico da Assit Caruatho.
O administrsdor da racebedoria de renr
das internas geraes manda fater publico,
que acabam da chegar do Rio de Janeiro,
re^ellloTal pelo a phia nacfenel 300 cartss de bacbareis para
ocurso jurdico de Olinla. Recebedoria, 94
de novembro de 1849 -O administrador,
afano*/ CerMiro de Soarae Ueerdi.
Londres.
parli........
Ilamburgo......
Uaboa e Porte ....
HiTiai. Uncaa beapauhlaa
> inexicaavaa ...
Pecu de 6/40 ....
novaa <
Modas de 4/000. .
Patacdes braeileiroi. .
hespanhea .
a mexicano!. ,
Oribe na provincia de Sao-I
do Kio-Giid i i""" oeM *-- -.
panado. Paiaa por certo que tra chamado
pelo general Oribe.
. O Sr. Pedro rerreira de Oliveira chegou de
Montevideo ao Rio-Grande no dia 31 do palia-
do, e aeguio no dia primeiro para Porto-Ale-
gre, aliui de tomar poiae da preildencia da
provincia. ...
.Na fronteira de Santa Borja nada de impor-
tante tinha occorrldo. Ai uliimai cartai rece-
bidat daquelle ponto, annunciam que bavia
perlo de um mez que nenhuma partida corren-
tn anparecia por aqueilai linmediacoea.
.O U'atio J*Mtasjmndi de ">9do panado dis
Um noaio.correspondent de Jguaro,
em data de 24o corrente, man
egulnte:
. Nodla SI do corrente leve lugar, na char-
queada de Joio Agoilinbo da Silva ; um da-
quelles faetoa barbaroa que apparecem por ei
s fronteirai. pr.llcado pela gente de Oribe,
tlleuel Antonio Vieira da Silvaera caiieirodo
Joao Aaostiuho Ji mencionad*. Nao iel por
nue motivo, no dia 21, foi ete mofo agarrado
or um tal Acosta. sargento, perlencenle ai
forcaa de Oribe, que alm de treientos lacacoa,
o mandn estaquear!...
0 coinmandante da guarnicao deala fron-
teira J officiou para o outro lado, e vamoa ver
o retuliadu que tem ene atlentado. lia quem
110 q-c aatsWridades do tado uinho han
de tomar todas ai providencial; maseueitou
naii que convencido que eite negocio hade
pasaar Impune, aasira como r
que por aqui teem succedido.
M 1|S
34J
634
100 p.c.
. 30/500 a 31/000
, 30f000 a 30/50}
, HVzOO a 1
. 16/000 a
'/O a|
1/910 a i
Msrea.li.)
daote*.
Deu-se ns mesms academia um facto que
por sua raridade e injustas merece, que o
mencionemos. Foi reprovado um estudsn-
te do quinto anno de nome Paschoal Perei-I
ra de alalina, n q?! sgano O COrr^apon-l
dente gozara' da replselo de talentozo, e
poesuia escolenles qualidades ; srsesslo
esta que em abono da rerdade conflrmi-
mos; poisque este estudsnle frequentou
a nossa academia de Ulinds sl o terceiro
anno, e abi tiremos ocessilo de o conhe-
cer. A injustic,! dos Srs. lenteser explica-
da pelo procedimeoto indiscreto do estu-
dante em comparecer a um baile na noite,
em que eslava de ponto. Este motivo po-
rm, so por si parece frivolo, e apenas de-
nota urna injustic, e falta de digntdade a
par de urna indescripelo de rapaz.
Dos estados americanos pouess noticiss
temosi accrescentar ss que teem sido pu-
blicadas por este Diario.
O congresso federal dos Estsdos Unidos
approvara a lei prohibitiva do trafico de es-
cravos no distrirto de t'olumbia, e islo por
urna grande miioria. No sensdo hsvia
urna proposta, para que fossem applicados
ao novo estado da Californita as leu, e sys
lema judlciario dos Eslados-Unidos. Em
Texas tinha sido submettida pelo govema-
dor a decalo do povo a revolu^So do con-
gresso federal acerca dos limitu daquelle
uetuu.
No Mxico havia-ss reunido o congresso,
tadaV^'co'usas cuja maioria era cooservsdors. Tinha sido
preso epssaado peJ.sssrn.as o insurgente
Movimento do porto.
Companhta de lleberlbe. c
Hoje, 96 de novembro, pelas 10 (J
horas do dis ha reuniao dos Srs. ae- q
cionistas no eseriptori da Compa- 2
nina do Beberibe : he a lercoira
9 rounio que se marca para que tenba U
Q lugar o quioto dividendo, sendo de O
O esperer que deats vez compareci os O
O os Srs. associonistas O
0000d090000000l>0
Cartas seguras na idsoinistracao do
correio para a Srs. D. Thereza Emilia de Me-
detroa, D. Josefa Maria dos Prszeres, Micha-
do dt PinnauajJsajttssH* ios da Co*ta A"
raojo, tilverio ierCarvalho, Amo-
s Ugas, Antonio
ipoldins Nery Fon-
Bo,Norberto Joa-
quim Jos Goedes e Antonio Joaquim de Al-
meida Cruz. i
O vapor S. Salvador recebe
as malas para os portos do or-
le hoje, ao meio-dis : ss cor-
respondencias que vieras de-
pots daeaitiors at ama psgsrlo o porte
duplo. ......
Santa-Isabel.
SIGNATURA.
Qaara-feira, 4*no*H*ro de i
i oonaiaj-
i rus da
1
Mate t.-
amento :
njam-se 4
^JssssssV.
no* i B
Sshe para a Babia no flm do presente
me* o hiato San oda e psra o resto da carga
e passageiros : a trsUr na roa do Amorim
n. 36.
Para o Rio de Janeiro satura em potsajj
coa diaa o brigue JVrro : recabe csrgs a fraW
teassim comoUeravoe : qoean quiser car-*
regar, trate oa Leopoldo Jos ds Costa
Arsujo, ou eom NcvaMot Companhia.
Para n Par*, tocando no Cearl, sabe
em poneos diaa a escuna nacional rio
Firmina, capillo e pralico Jlo Bernsrdo
ds Rosa, por ter parte do seu carregamen-
lo engajada : para cara par* uta e outro
porto e passageiros trata-ee eom oeonsig-
natario, L-uiz JosdeS Aratijo, na
Cruz n. 33.
Para o Cear*
agua viagem por toda a semana o hiate Li-
ttira, por j ter perlero seu carregsmento :
oara o resto eo passageiros, dinjam-se i
ra doVigarion. 15.
-- Para Landa com escsls por
o brigue portosjsjK Orlsals Pretsdl
coma maiorbrevidade poeslvel, por tero
eu csrregamento completo, speoas recebe
alguma carga mluda e passageiros, psra o
queoffereee 08 melhoru eommodoa : trata-
se com oa consignatarios T. de Aquino Fon-
teca l Filho, na ra do gario n M, pjfc
aneiro andar, oo com o capillo na praca.
' Psra o Aracsly uhe, no da 98 do Jor-
rante, o hiele Anglico, por ter jiparte ds
csrgs prompts;para o restante e passagei-
ros, trata-se com Antonio Joaquim Seve na
ra ds Ceder* do Reclfe n. 49, mi eom o mes-
tre Jos Joaquim Alves da Sllvs, no piche
do algodflo.
Para o Rfo de Janeiro sahe emwoeos
diaso patsxo nscionsl Curios, capitflo Ma-
noel odrfgau Fsneco, por se echar parte
da carga engajsds, para o restante e pas-
sageiros trale-se con. oconsignstsno Luiz
toc de SI Araojo na ros ds Cruz n. SS.
"Para o Cear.
Espers-se com tods s brevidsde de
boa eom destino ao Cur, o brigue ni
nsl Empresa, forrado e encjvilhado de
bree de superior marcha | deaorsr-se-he
aqui 19 diss, e recebert esrgs e passagei-
ros : trats-se na roa da Csdeia do Reeifa n.
17. segundo andar.
-Par l.isbos o brigue portugaet Coweelca
de Maria, sahir* impieterivelmente no dia 5
de dezembro : para o resto da carga e pas-
sageiros trats-se com Thomsz de Aquino
Fonsece & Filho, ra d Vlgario n. 19, pri-
meiro andar, oo com o capillo, na praca.
Pede-se aosSr. carregederu queiram le-
var os seus eonh"Intento* casa indicads
at o dia 3 do prximo futuro.
Vende-se a harcac 5. o, nova e bem
Construida, da lote de 35 a W calza* -. quooi
pretender, dirija-se* m do Vigario n. 5.
Para a cirjade do Porto sahe,
com muila brevidade, a veleira e
bem jonheeida barca porlugueza
Cruz : quem na mesma quizer
carregar, ou ir de rtassagem, para
o que tem excellentes comtnodos,
dirija-se ao eu consignatario
Francisco AI vea da Cimba, na ra
do Vigario, n. 11, primeiro andar.

Leiles.
-Kalkmann Irmlos farlo leilSo, poria-
s^SuJLVl
Navios antrada no dia 95.
Rio de Janeiro 1 diaa* 19 horas, e do ul-
timo porto U'ftorss, taquet de vapor S.
Salrador, cuamafl/lant > primeiro te
ionio Aniuiiio Lano o ii Ci.'
nht). Psssageiroa t pars esta provincia, o
capitSo Manoet Jos F.spIjBjp. O I reres
Jlo Carlos LUCOHle *tJJB
licio Cezar Coutlaho, I^^H ilno
svier de llrilo, o Dr CassisnajaJl
ronhs Gonziga, Jevino Siaplieio Monlei-
ro, o Dr. Silvioo Csvslcanti de Albuqner-
qoe, Francisco44ale* Cuimarles eCo-
nh*, JbSo MintalMarques. D. Anna Ma-
thilde da Silva Marques, Jos Fernamlsis
Povoaa com 1 filho. D Alina Moarmn, 8
escravos a entregar e praess de pret:
psrs a Parahib, o alfares Antonio Ceeta-
no da Silva: pira o Cear, Antonio Theo-
doro da Costa : p*ra o MaraohBo, Antonio
Pires de Jess.-pars o Psr*, o Dr. Anto-
nio Dsvid de Vssconcellos, Flix Ksbu.
Terrs Novs -- 35 das, brigue ingle Caroli-
na, de 186 toneladas, capillo "W. Nsnt,
equipsgem 10, csrgs 9,18; aricas de
bsoalhao ; Me. Calmo* JJ jpaMjIa.
Philsdelphis JOdias, patea i Mar-
mudiana, de 8* toneladas, ta Me piul
S. Ottlerbridg, equipsgem earga fari-
nb* de trigo; Me. Calmont & Compa-
nhia. W&
Santa -- iw dia, h*t DiCicss! .-;!;'s, di
6S toneladas, mestre Joaquim Jos ds
Silvelrs, equipsgem 7, carga carne e
quartinbss; a Nbvaes t Cotlpanhis.
Depois da execoclo de urna bella ou
tura, a companhta nacional representar*
o'drsma em 5 setos, cumposiglo do Sr. L.
A Burgain
LUIZ CE CAMES.
Personagcns.
lili? rin Camfies Germano.
D Pedro dis AUiside Cnimura.
Carlos de MeitH Sebsslilo.
D. Fernando Costa.
D. Ruy- Rayatuodo.
I). Rodrigo Cabral.
Anlonio -- Sirvosire.
D Cstb*rina,de Athsyd--D. Josnns.
Lsura D RiU.
Terminar* o em um acto #
Fallar rerdnde a mentir.
Comesssr* ** 8 horss.
Os bilhete acham-se* venda no lugar do
eostums.
Theatro de S.-Franc.co.
BELLAS ARTES.
Quinta mudanca da novas vista do eoi-
moraaa.
A galera ptica continuar aberta todos
os diss com a* seguiotes vistas novas do
cosmorama, a saber :
A galera nieinal, em Londres.
A grande procissflo de Cotjmm Ckrtili, en
S:-i!f!!
A rus d'Alesla, em Msdrid.
O Isgo llosobells, em noite <|e la. na
Italia.
tervenefio do corretor Olivelri, de multas
razeitdss de algodlo, linho, lis e seda, si-
gomas para lexar contss: qusrts-feira 97 do
is 10 horss ds manilla, no seu sr<
snszem rus ds Cruz.
O corretor Miguel Carneiro sootius o
seu leilSo de trsstes e msis objectos, con-
sislindo em dltTerentes 'obras de preta, re-
logios de oro etc., no dis 97 do corrente as
10 horas em ponto: no seu srmazem na
'pa do Trapixe n. 40.
O corretor Miguel Carneiro, far* leillo
oo dia 98 do crranlo as 10 horss em pon-
to, oo seu armazem na ra do Trapiche o.
40, de vais porco da fsrinhs de mandiocs
com loque de averia, arroz de cases e pi-
tado.
orrectorOveira fari loilSoporsuto-
lllm. Sr. juiz de orphlos, e a re-
p do tutor doi orphAos futios do
limos d Oliveirs, ds mobilis e
i casa deste, consislindo em
Ddaa de sneo de salla eom lam-
ida madeira, cadeiraa
e de outras msdeiras
^ bsness de jogo, so-
fas, eos***.*! anincos espeigoa, u
grsnde trem e- aspelho, csndiei-
ros dourados ps HMss, jsrros com
Dores arli nss e mangas de vi-
Jro.sj) ro, um relegio de bron- ,
ze com fl| lematicas muito elegan-
Kdourado para oito
res de dirandel-
Issde tres li is cada urna, tambem liada-
mente doursdas e com epengss, guarda-
roupas com vidraas e sem ellas, guarda-
lousf gr| de, cesa per-e eserti,torio, meaa
de uiogn elistios psrs jsn", um esplen-
dido leilo ifranceza de javarand* e cora
cpula, bercos, esleirs de forra de ssils,
isvatorios, e muitos outros objectos uleis,
como srjs ums linda cadeiiinha em pooco
uso e com s cana correspondente pars
guardar-se, etc.: sabbsdo, 10 do correnta
as 10 horss ds machia em ponto, ao Atier-
ro da Boa Vista csss n. 15.
Avaos di
versos.
- Drsejs-ae tallar so Sr. Jos Domingos
Pereira de Mattoa. natural da Babia, e cotno
senOo pode saber de sus residencie, pede-
se so mesmo senhor que aonuncls Pur
este Vidrio.


m
p.~
O solicitador de canias Pernambuco,
pera quPilKumis pessoas que o nflocdhhe-
csm perfeitamente, e nSo saibam dp seu
rorro por inleiro, e n8o supponhim ser eom
elle um annuncio que appsreceu negte Dia-
rio no dia 99 do carrete contra un Manoel
Pernambuco, declara que o aeu nome h*
Miguel Jo'ft de Almeidn Pernambuco, e que
a exeepcSo de sena (litios que ainda aSo
moilo chanca*, de seu avo materno, que
he fallecido ha majada 40 annos, nSo tem
prente algum que elle saiha que ae chame
Pernambuco, no obstante ja haverem nos-
ta eidade notraa pessoas que lm lomado
este appellldo de Pernambuco ; e como esta
bem certo que) dito aonuncio nSo ae refere
a elle, rois tom conselencia de ai, por iaso
nSo pede ao annunciante que faca declara-
c6es a aeu respailo, pora, sracaa a Dos, at
o presente jobjra nao precisar deltas.
>*/ hiSdiAimeUm Ptrnamimeo.
Qnrntefro S Irma, estabeleci-
dos com fabrica de estampara se ras Nova
n. 63,tm a honra de annunciar so respei-
te vel publico, eos aeabam de reeeber de seu
correspondente Heatom e Rinsburg, lito-
grapho da caaa imperial, urna grande e va-
riada rorco de resisto*, iendo ero maior
nomero os de N. 8. ds Conceicso, os quaes
sSo de drtTerentes tsmanhos, goato e mode-
lo, ten Jo ss tarjas douradaa, outros doura-
doagun rozo, em fumo e coloridos. Taaa-
beaSa iocombem de mandar vir ero pouco
tosJaprT, e mediante unta modiea porcenta-
gem, carteepara participeeflo de cooeor-
oio, ditos para visitas, para eonvttea de so-
ciedades, tarjas para boticaa, tontea para
ilras quaesquer eneommendas que
concernentaa a litographia e
loulrs
5
r uja auparioridade deixa-se de a
.porque socos arista ae podar
asolhor apreciar.
Precisa-ee fallaran Sr. capelllo quefot
da recolhlmenlo da lela, a beneficio do
: na ra do A morir n. 69
- --Peda-aea nana pesaos da eidade do Na-
- tal, provincia do Rio Grande do Mor te, qui "rl.'8,v'"i" io'*"**
- responda ascua que se Ihe tem escriptoT *n,r! homoopethleo < Olegario Lod-
enlo desde respoaU ae i'Jt nelarecendo
maia algtrma coima.
- O lilm. Sr. Joaquim Teixeir i de Ollvei-
ra Jnior, de Olinda, tem urna carta na roa
doVjire7.
- jKiga-ae um sitio nos Alelados, na rus
deOpigiMl u. 39: a trataros ruada Con,-
ceiclo d Boa Vista n. 58.
aluga-se urna grande eass pira pastar
afala, e escamo annualmente, com com-
modo para grande familia, estribarla para
cavallo, grande quintal, fructas, e tambem
uai ptimo puco : oa estrada da Casa-Forte
Jflfconte da capaila de N. S. daa Neceaaida-
Ha*, a tratar na ra da Panba n. 93 segundo
ndsr.
o oo oooooooaeoooQti
O REUmO DE CRACA AQS POBRES, Q
Samm como mot eteravot de pe- tnai pobrei. 0
CONSULTORIO UOMOEOPATH1CO
DE
Jcio Vicente Uarlim.
blics um eatsb_elociment to til iquellea
que riSo pdem possuir abastecida livraria,
uretend recorrer ao Exm. Sr. presidente
delta provincia,oara que haja.por bem man-
dar recolberao lyou, psra q mesmo Bm,
ppr este motivo convida ao&Bra. aociosque
quizerem assignar dila rapregeoUc*o "a
tomar alguma outrs medida. O gabinete se
sena em poder do depositario, o Sr. Vicen-
te Ferreira Comea
Preciganse de serventes : na
obra da-jiova igreja matriz de S.
Jos.
O Sr. Jos Alvea Tenorio baja dse di-
rigir a praes di Boa-Vista, botica O. 6
negocio que Ihe diz respeito.
luga-seo terceiro andar da caaa do
largo da assembla a. 8, s rallar com Joa-
quim Francisco de Alero, no Forte do
iHatto:
SSeverfno Antonio Ribeiro Viannavsi
ao Rio de Janeiro.
Na ra Nova, n. 35, loja de
alfaiate, precisa-se de cficiaes de
obraa miadas.
~ Francisco Jos da Costa faz aciente aos
seus credorea qne vendeu s sua taberna da
jo. .o. sr. jos jos ^r^triu^nZrZpViunir;
ttsplisU e Jofio Duarle Maginario. para no -
prazo de diaa na mearos venda Haas apre-
aentar aoaa cpntaa correles.
- AluBam-sejDpr preco eom modo, os ar-
mazena da caaa as ra nova do Brum, per-
tencentes a Francisco Alvesds Cunha, pro-
prios para armazem de asaucar, com caes:
na ra do Vigario, n. II, primeiro .j^H
OSr. B. A. F. C. queira pagar a
que mora no Arrombado o importe da le-|
nbaque Ihe est devendo ; do contrario,
ser publicado o seu nome cor extenso.
- A Srs. E. Mathilde Camilla de Figoeire-
doCato, o Sr. r. Manoel Adriano da Silva
Pontea e o Sr. Augusto Jos da Veiga (asm
Sr. ManoelPeruambuc.-- i; nosso ante-
rlor eierlpto promplirmos c miiuiar ua pu-
blicaffio da sua chrnni.n, < mino nao sabe-
mos faltar as nosgs~pri)iiieisai. \ val... a
respailo asiduas meninas por Vnlc. deshon-
radas temos taals aacreiceutar para conhr-
elroento do publico, que eram ellas lhas de
u>n pebre vellio chamado Pr-droso, e que em
nutro tempo morou oo breco do Azeile de
Peixe; eita declarado fatemos no intuito
de inelhur dar a conhecer os seus brilhantes
ral tos.
Nova descoberta que filemos, l val a pos
a antecedente, e pelo mesmo theor Taremos
publicar outros que contamos alcancar em
breve. Ha annos um negociante mullo hon-
rado desla prats conduiinilo de Lisboa suas
irmaas, trouse para companhia dellas, uma
menina, lilil de pobre, man honrada gente,
0 nosso hroe que por infelicidadc freqnen-
tava eolio casa do negociante, pi vistas
impuras sobre a desgraci* doncella, e nao
descancau uin momento emquanlo nao poz
por obra n aeu nefando projpcto : os meios
mals reprovados foram paitos em acc.io.
estesalHmderam em resultados o rapto, pros
tiluIcSo e abandono da infelii victima. Qusn-
toa Crimea- ens um a facto O abuso da con
flanea neile depositada sedutindo urna Infe-
li. protegida pelo seu amigo; a prostitu-
fio dossa mesina iofelii, f|ue a nao ser este
perverso, poderle aspirar a mn futuro seno
biilhante, ao menos honesto o obaudono
desaa mesma Infelli depoii de have-la tur-
O Na ras do Apollo n. 94 todos os O
Q diss otate at uma hora da lar.de. Q
oooooeooGooooooeo
Na roa de Santa Thereaa n. 13, ae dir
quero di al a quantia de 200,000 rs. a pre-
mio aobre prala ou puro, mesmo em F.eque "L""^*, *OT^C..rWr .booo.o
quvmtaa
OSr. Frncisco Xavier Car-
neiro da Cunba Campello, quei-
ra annunciar sua morarla, ou di-
rija-se a ra de S.-Bita, n. 1
que ae Ihe deseja fallar.
O abaixo asaignado fas aciente a todos
os Srs. que veodeua gneros no Irapicne,
que se arha justo e tratado com o dono da
taberna.da ra Direita, n. 23, para Ih'a com-
prar. l'rancise Antonio Mar Un do -M-
rssafa.
Alugam-se os segundo e terceiro in-
dares da casa da ra d'Aurora, n. 58, com
commodos para grande fsmiiia : a tratar
na mesma caaa.
-- Aluga-se uma casa de sobrado de dous
oxidares, ns ra de Bangel, com quintal
murado, cacimba, e estribara : a trataros
rus da Aurora, n. 58.
Aluga-se uma caaa terrea na roa atria
da mslriz da Boa-Vista, com grande quin.
tal murado, cacimba, n cozinha fre, com
6 quarloaeduaaaalaa : a tratar na ra ds
Aurora, n. 58.
ObacharelA. R. de Torres Randeira,
substituto de rhetonca e geographis no ly-
ceu oosta eidade, propOe-ae a dar lices das
mesmss disciplinss, e bem sssim de philo-
sophia e francez : quem de seu prestimo se
qoiier utiliaar, dirija-so a esas da ua re-
sidencia, na ra estreils de Rossrio, n. 41,
seguodo sndar.
Aluga-se um sobrsde ns ra ds UniSo,
com excellente vista, muito fresco, e coi
os melbores commodos para urna ou sVwasI
familias : oa pretendcnles dirijam-ae a H
noel Alves Guerra Jnior, ou ao bacharet
Chnstovso Xavier Lopes.
-Jos eMheue Ferre
fura da provincia. ^^
OSr. Antonio Ri aesVor-----
ra mandar, ou ir so Alerri-ds-Bos-Vista,
n. 10, sobrado.m| osearla.
ftA| a^K"ptnor
do engenho Piojento, p tomar cooU
de um cavallosxisteate na matriz da Vr-
ica, : na ra Direita, a. 17, fabrica de lico-
res, so darS Mi tSFeSSiriss.
-- Hoje, 94 do correte, l 4 boras da lar-
ra darFlo.es, se h Imslar varios
movis penhorafoa a AlrtoMo Bernardo
Ferreira. e sua mulher, secucBo de
Josqu.m Ribejfo de Brilo s I preea
-Preciss-gt de um jardlneiro a hovfa-
lso para um sitio,
oru,n. 48.
ro Pinho, rus do Trapiche, n. 15.
A pesaos que quizar singar um andar
de um sobrados rus da Penhs, dirija-as a
ra do Cabuga loja de Jos ds Coala fo-
joies.
-No dis 12de setembro fuglo um__
vo e uma esersvs dos nome aeguin
escravo de nome Joo, idade 50 annos, ros-
to chupado, pouca barba, pernea um pou-
co ai/albetadas, altura regular,
lo, tem ofl eiro: a eacrava de
nome seca, rosto redeose,
mel* 4HH *** "nos portento pede-
ae a I Jadas} polieisea, sssim
como a todos os espilles ds campo que
sobando dos ditos estraves o bajam dos
aprehender e leva-loa a pr, l.ivrs-
mento n. 50. vtnda de JoBo raaos ala filia,
ou noengenlio Juricaea amo do Cajueiro n
Francisco Xavier alendes, que se reeeas
penaar geseroaa mente, e protestado con
ira a pesaos .onde lar encontrado ditos os-
era ros.
RofS-se so Sr. Jlo Josquim Rsbello-n
favor de dirigir-so S rus ds Csdsia do Reci-
fe, n. 35, a negocio de aeu interesse.
J. Germano faz ver so respeitsvel pu-
blico que deapedio seu catxeiro Jos AfTon-
co de Azavpdo Campos, oo dia 90 do cor
rente.
ofllcial de Frsnca, oqual chegou no brigun
Cuar, e se acha em exercicio no estabele-
cimento cima. Amola-se sempre nss ter-
i,'as-feiras, quintas e salitrados.
Compras.
seu crdito, Lraz aciente ao respeilavel pu
blico que se despedio do Sr. J. Cermsno no
dia 21 do correte, e nao como dito Germa-
no aonunciou no Diario de 23 do mesmo
mez.
Precisa-se alugar uma preta captiva
par* o aervigo de uma casa, quesaiba cozi-
nliar, lavar e eognmmsr para duas pessoas:
quem liver dinja-se a Mica da Independen-
cia n. 99.
Remedios de graso para oa pobres,
ossosaaiasimoa para o sarampSo,
que actualmente reina.
Diatribui-ae no feoiinultorio cen-
tro! houoeopathtco de f'er> _
nanitMico dirigido pelo Dr. Sabi- 8J
no Olegario Ludgero Pinho, ra do #
Trapiche Novo a. ti. s)
l
Precisi-ae de uma ama forra, ou de
ums esrrava alugada, que cozinha, engom-
me e faca compras : a tratar na ra do '
gario, n. 8, primeiro andar.
-- Aluga-se uma canoa a berta, qne carre-
gue do 800 a 1,000 lijlos de alvenarla :
!uem a tiver e a quizar alugar, folla com
falves Ferreira Costa, em S.-Aroa-
rinho, qoe dir quem precisa. J
-Nos abaixo aasignados declaramoa as
pessoas que nos sSo devedorss dos nego-
cios lomados em nosso eslsbelrciment de
miudezas ds rea do Rozario larga n. 99, que
instituimos para nosso cobrsdor a Manoel
Joaquim i i Nsseimento dss dividas de&ts
pases, Afogsdos, Msnguinho e Oliods, em
eidade uma legos, e
sor ae Tacemos este.
Victorino l Guimatei.
Aluga-se, pelo lempo de festa, ou an-
at?. ^rcosfeoT
modos para grande familia : a tratar na
mesma casa, ou ns rus da Csdeia do Reci-
te, n. SO. loja.
0 *h"'*" -;"'"'lnrso|aolicoque ler-|dou o
de ter-lhe roubado a hanra, unico bem que
potauia aterra! A Justina dos homens an-
da nao punto taola perversidade, mas a de
Dos, que i mals recta jirompla, j come-
cou o castigo linprlmlndo-lfte na fronte o fer-
rete da infancia da perveraldade e da malva-
deis
Kncaral-o fijamente, e observareis que na-
quelle avalo plido, macilento e descarnado,
se relraqa a hedlondei de seus criines.
Isauthoridade publica a cuja guarda
esto enearregadas ai nossas vidas, proprie-
dades e a honra de nessas familias, mo per-
cala de vista um malvado, que toma por
dlvertimenlo seduilr e desgrapr ai incaulas
que lera a Ipfellcidade d'agradar-lhe : f.iel
ealr sasaaease reprobo a espada lerrlvel da
justlca, expnrgai a ocledad* d'um ente que
pelo aeu*caracler i a deshonra da especie hu-
mana :se asslm o prailcardesobamarels sobre
vos as beocaos do Ceo a as doladas as pessoaa
Honestas.
Sr. M, P. Paramos aqu por troje, mas em
__jda vallaremos com urna ouira historieta
multo engracada, e que tambe ni faz grande
honra a aeu genio libidinosa. Ale" logo.
) Sr. Manoel Vaz deBouza Lefio, venha
io mande pagar a sua letra veucida em 18
denovembro desuno prximo psssado : na
ra do Crespo,-loja n. 12
- Alosa-aa o segn in sndsr do sobrsdo
'da ra Direita n. 20, com'eommolo para
grande familia: na ra uirejla n. 93, pri-
meiro andar.
>??>Ofc*
Paulo {Galg-noux, dentista
franees, offereeo ion jirr-stl- 9
*9 mo ao publico para todo* os M
9 niystrrto- de stisv protlsso
pode ser procurado a tjual
8qner hora rm sua casa, na
ra larga do Itoznrlo, n. 36,
r sr-gmado andar. sj
96mm.mmm99m9>mm9m#-m*ms
Precisa-se alugar um moleque, ou pre-
to para o servico de ums ess de pouca fa-
milia : na ra da Cruz, n. 48, armazem.
fi-sede comer e 10,000 rs. por mez a
um escravo, ou escravsque tenji geito de
.vwuier fructas benarros'de dfti arcss' mu.
lo perto da praca : na ra da Ca-Jela do Re-
cite, n. 95, que se dir quem precisa.
Na ra estreita do Rozario, n. 28, se-
gundo andar, se dir quem d dinheiro
premio. Ns mesma casa se vendem obras de
ouro e prnta ; uma bandeira nacional; seda
preta lisa e lavrada muito larga, propria pa-
ra luto, a 1,180 rs.
Precisa-se slugsr uma ama seca, forra
ou cativa para crear um menino : quem es-
tiver nestas circunstancias, dirija-ses casa
n. 42, TrapUhe Novo do Recife.
Precisa-se de orna ama para uma casa
de pouca familia, a qual saiha engommere
fazer o maia servico : em Fra-de-Portas,
ra do Pilar, n. 72, segundo andar.
Precisa-se alugar um mnlecnte esperto
e de bos conducta para o servico interno de
uma casa ingleza: paga-ee bem : quem ti-
ver, annuncie.
Chapeos de sol. ^sja
Ra do Passeio, n 5. 2|
testa fabrica ha presentemente um rico
aortimenlo destes objectos de todas as co-
res e qualidades, tanto de seds como de
panninho, por precos commodos ,- ditos pa-
ra senhora, de bom goato: e-tes chapeos
afiofeitos pela ultima moda; seda adamas
cada com ricas franjas da retroz. Na mesma
casa se achs 'gual sortimento de sedes e
panninho imitando sedas, para cobrir ar-
macOes servidas : todas estas fazendas ven-
dem-se em porfo e a retallio : tsmbem se
concert qnalquer chapeo de sol, tanto d
basteas de ferro como de baleia, assim como
Umbelas de igrejas : ludo por prego com-
lodo. Na mesma casa ha chfeos de sol,
le marca maior, de panno e de aeda, pro-
prios psra feitortt ds engenho, por aerem
as mais fortes que se pdem fabricar.
Voto esta b decline uto de entela-
ra tina, ra Nava n. 36.
Jos Pndines.cutileir o asrmeiro, partici-
pa ao respeilavel publico desla eidade, e
principalmente a seus Ireguezes, que mu-
Compram-se escravos de smbos os si
xos, de 10 a 30 annos, e de bonitas (guras
na ra larga do Rozario, o. 48, primeiro
andar.
Compram-se trastes usados de todss as
qualidades tsmbem se trocam por novoa
na ra Nova, loja de trastes de Pinto, de-
fronte da ra de S.-Amaro.
Compram-se duas venezianas, que
sirvan) para jannllas de sacadas, em bom
uso : na ra doQueimado n, 14.
Compra-so urna canoa pequea dea-
marellodeum s peo, que esteja em bom
estado: quem a tiver annuncie.
Compra-ae uma mesa dejantar, sendo
deamarello: a tratar na ra do Cabuga,
loja de Joaquim Jos da Costa Fajoses.
Coupra-se uma morada de casa terrea,
sendo grande e tendo bom quintal : quem
a tiver annuncie, ou dirija-se ra da Con-
cordia, n. .das 9 As 10 boras ds .nanh,
n das 3 as 4 da tarde, a tratar do ajuste com
Jos Antonio Corris Jnior.
Obmpram-se os livroa seguintes em
mel uso : compendio de geogrsphis por
Caultier ; dito, por Valle;. ; historia aagrada
por Bernardino; dita, universal por Bous-
aue: na ra da Conceic.li> da Boa-Vista
n.58.
2,400
170
1,800
800
Venc
as.
FOI.HIMIAS l'AIIA 1851.
Na livraria da praca da Inde-
pendencia, iix. 6 v. S, vcndem.se
folhinhas de alglbelra e porta pa-
ra o anno pie vera.
4o,ooo rs. a du/.tn.
Terdadeiro e legi/imo champando A Y em
casa de Avrial & IrmSos : ra da Cruz n. 20.
Veode-se ums cadeirinha da Babia, em
bom estado, por preco commodo: na ra
da Cuia, n. 7, armazem.
Lotera do Hio-de-Janeiro.
Aoa ac:ooo,ooo de rig.
Na rus estreita do Rozario, travesss do
Queimado, loja de miudezas n. 2 A, de Joa-
quim F. dos Santos Mays, vendem-se os
muito afortunados hilheles, meios, quartos,
oitavos e vigsimos da decima lotera a be-
neficio da freguezia do SS Sacramento da
corte : na mesma loja est patete a lis-
ta da 12 loteria das casas de caridade, p
timbeen recebem-se liilhetes premiados em
tora dos da loteria cima dita.
Vende-se uvas brancas moscatel : ns
ra daf ConceicSo n 58.
Vendem-se 4 carros de 4 rodas por pre-
co commodo : da cocheira da ra da Roda a
fallar com o Sr. Henardo a qualquer hora
do dia .
Vende-se um outante pequeo mui-
to bom : quem o quizer dirija-ses ra do
Rozario estreita n. 2.
- Vendem-se boas liogoicas do sertSo ,
a 280 rs. a libra i na venda do becco Largo,
que volts para o porto das canoas.
Preteiide-ae vender 200 barricas vasias
todas americanas e novas, por pre^o com-
modo, por ae querer deaoceupar a casa on-
de ellas esto ; e por is^o se oflsrece a quem
as pretender.de dirigir-ge defronte da ribei-
rada fiiiiiha de San Jos o. 3,que Ihe dirSo
quem as vende.
Vende-ae cal de Lisboa, chegada pelo
Tun>-Terceiro : no becco de Jos-Caetano,
confronte ao botiquim, ou na fabrica de
charutos, n. 4.
Vende-se um slmofariz de bronze, com
o pezo de 52 libras, e com a mSo de ferro,
por prrc,n muito commodo : na ra estreita
do Rozario psdaria n. 13, defronte da boti-
ca no Sr. Paranhos.
Na fabrica de charutos da rus INova,
Lindos lenrjos de cassa finos proprioa
para meninos, con bonitas cerca-
duras, duza
Algodflo encorpado para ascos, pees
do 32jar.las, com pequeo toque
deavaria, jarda
ptimos cobertores de papa, um
Novos guarlanapos.de panno de li-
nhoconi lista esul, um
Luvss de trQsl para meninas, chapeo do
castor branco patente inglez com aba gran-
de e pequea, os melhores cortes de fusto
de moderno gosto, bam como um completo
Sortimento defmenlas finas e grossas por
barato preco : no armazem de fazendas de
Kaymundo Carlos Leite na ra do Queima-
do n.27, quatrocantos casa encmala.
Vende-se farinha do man linca a 2,200
risssscca, ditas com milhoa 2,000 ris ; e
de ludo se allanes a boa qualidade, ven-
dem-se por tSo diminuto preco por ser res-
to : no armazem de Antonio Annes, no caes
da Alfandega.
prar. na rna do Crespo, loja da
esquina que volta para a Ca-
dela.
Panno lino preto muito bom, a 3.000 e
3,600 rs. ; dito muito superior, a 4,500 e
5.000 rs.; dito azul muilo tino, a 3,000 e
5,500 rs. ; caseojira preta, a 5,000 rs. o cor-
te ; dita muito superior, a 10,000 rs. ; cr-
les de fustflo a 3*0 a 600 ra. ; ditos muito
bonitos, a 800 rs. ; ditos desetim de cores,
a 1,600 rs ; dilosde gorgurSo, a 1,280 rs. ;
cassas de cores fixss e de bonitos padrOes,
a 240 e 980 rs. o covado ; cortes de cassa
preta, a 9,900 rs.; ditas a 1 lo rs. o covado ;
riacado de linho azul, a 240 rs.; corte d.
brimde linho, a 1.600 rs.; ditos muilo
bons, a 1,800 e 2,0)0; ditos superiores, a
1,280 e 1,800 rs. a vara ; lencos de seda de
cores, muito bonitos, a 1,000 ra. ; ditos pa-
ra grvala, a 1,000 e 1,280 rs. ; dilos de
cassa eom lislras de cores, a 210 e 320 rs. ;
ditos com lislras de seda, a 500 rs.; algo-
dio azul de vara de largura, a 200 rs. o co-
vado ; dito furta-cros, a 200 rs.; picote
muito encorpado, proprio para escravos, a
900 rs. ; riacado de algodfio americano, a
140 ra. ; cortes de brim de lislras, s 1,000
rs. ; chitas de cores fizase de bonitos pa-
drOes, a 140,180,180 e 900 rs. o covado ;
riscados monstrua, a 220 rs. ; cambraiaa'e
quadroa, a 2,720 rs. a pees ; cortes d.i case-
mira de algodfio, a 1,600 ra. ; cassas fran-
cezas muito bonitas, a 320 rs. o covado;
chapeos deso, com asteas de baleia, a 1,800
rs. ; e outras muitas fazendas por preco
commodo.
Na fabrica de charutos da ra
Nova, n. 56,
aeha-se um sortimento de charutos, vin los
Ja provincia da Baha pelo ultimo navio,
contendo as seguintes qualidaies' h.-F-
lix, de Brandfio, a experiencia provari,
quem fumar saber, fama da Babia, cava-
ineiros.liberaes.defensores da patria, acad-
micos, regilos, afama voa, mimos de Ve-
nus, deputados, yy, regalia de diversas
marcas, fama e oulras mais qualidades, que
se venderlo por commodo preco.
Para acabar factura,
Atlencao ao barato.
Vendem-se corles de vesdos de cam-
braia de seda com list-as e quadros, a 4,000
rs. ; ditos de cassa francezas, bordadas de
seda, a 3,500 rs.; merinos finos do duas
larguras e de diversas cores, com lislras e
quadros de seda, a 2,000 rs. o covado ; pe-
Cas deesguifio de algodfio com 12 jardas, a
3.000 rs. ; tafeti cor de rosa encorpado, a
400 rs. o covado ; lencos de seda de bonitos
padrOes e grandes, 610 rs. ; pecas de macla-
pollo entestado e fino, a 4,000 rs. : dito II-
nissimo, a 5,500 rs dito para forro, pn-
rom largo, a 2,000 rs ; lencos de cassa fi-
na, brancos e com cercadura, a 2,400 rs. s
duzia ; panno lino azul e preto, proprios
para fardas de pagens, a 2,600 rs. o covado;
n. 56, acha-se um grande e novo sortimen-
- JoBo francisco Untos faz aciente sos
Sra. socios do gabinete Iliterario que este
fora pe aorado, pelosalugoeisdeSa 4 an-
ni, que esti a devsr ds casa era que se
acha, e queja liavendo o imiunciinle com
maia 2 socios, a ti la do abandono em noel
deixoej cahir a rei ;go, repro
senlado a assembla provincial, para man-
da ra da Cadeiado Recite, com commodos
para grande familia, com um grande ae-
lio para trr fmulos separados e com uma
boa cacimba : trata-se na loja da mesma es-
as, aonde acham-se as chavea pa ra se po-
der ver os commodos e arraigos da oieaina.
-Eogomma-se e lava-setoda a qualida-
_ dederoupscomlodoasieioemyilapromp-
dar tomar conla, ifim da servir de base a lidio, por preco mais commodo do que em
.ueu biblioteca publica, pagando-se oaalu- <"r qusiqosr parte': nt ra de Agoas-Ver-
; gueis pela thesuuraria, e indos uma cos- Je*. n. 91.
masflo, esta nao deu ainda o seu parecer, e
assim nio reatando outro meio para evitar
vsraonbs do que seja levado a basta pu-
minou todas aa auases rigavelmenie
com n Sr. Francisco Jos OS, e com os
herdeiros do fallecido Manoel Malbias de
Freitaa. Antonio Gomes Villar.
- Precisa-se da um rr.uleque que Renda a
alguma cooaa lecosinhar, embora aeja pe- tra part
queno: a^^^Lw ra da Gloria n, 114,
relinacfio deassucar.
Mobilias de aluguel.
Alugam-se mobilias a voniade de aluga
dor.- tambem ae alugam caderaa para ofli-
cios e bailes: na ra Nova, luja de trastes
do Pinto, defronteds ra de S.-Amaro.
ento que tinha n .--;
ra nuve a. 38, confron-
C3o, aonde o acharfio
r r qualquer encommenda
a maior perfeicfio possivel
__ais baratos do que em ou-
anounciante tendo ltimamen-
te receido de Franca um grande sortimen-
to de objeetoa ate sua arta, acha que seria
fastidioaode osenumerar nesia fulha. po-
raa elle mencionar os seguintes ; navalhasj
superiores as que lem vindo al agora, te-
vuras para airante, co^urmias o cabel-
lereiro, um linde sortimento de tesouras
finas para sanboras, ferros ds cirurgia, ditos
-- Aluga-seo segundo andar da caaa o. 20 de dentista, esniveles de uma at seis fo-
Ihsa, tesouras de bortelfio o tacas de mesa.
Elle tem tambem lodos os preparos necea-
sarioa aoa cacadores, como sejam : espin-
gardas, ase sapoa, polvarinhoa, boleas de
cacs,jj s, ouvidos de espingarda, etc.,
filia da qualidade desses
_ que o BonuQcitnla^H
anca ser superior, elle tem um grande
timeolo de fundas, e tem ac suponor e fun-
dido de todas as grossurss. Todos estes ob-
jectos aerfio patentes aoa compradores e hSo
--Tresnaasass-se as chaves da loja ded,ou-|de agradar pelos piecos rMQaveis. O ti-
rador com muilo bos at macio: na na o-j nuncianiqjm Cvmerar a execuefio las eri-
va n. 51 < couimeudp que as lhe.fizer masdou vif um
to de charutos, chegados pelo ultimo na-
vio da Babia : o dono deste estabelecimen-
to, pela gran le prova que tem tido do pu-
blico e de seus freguezes, espera que nSo
sedemorem a avaliar esta boa fazenda, co-
mo sejam : fama da bahia, quem fumar sa-
liera, especiaes, provari, regala d S.-F-
lix, regala e regalos da Devana, defenso-
res da patria, liberaes, mimos, afama va,
acadmicos, yaya, cacadores da Baha, fa-
ma, deputados, cavalheiros de llavana, ci-
garros de la llavana, pastores, o outras qua-
lidades que serflo patentes.
Lotera do Itio de Janeiro.
Aoa 30.-000,000 rs
Na praca da Independencia, loja n. 3, que
volta pira a ra do Qoeimado e Crespo, ven-
dem-se os muito acreditados bilhetes,
meios, quartos, oitsvoae vigsimos da 12.'
loteria da casa da caridade do Rio de Janei-
ro, cujas rodas andaram no dia 6 do corren-
te. Na mesma loja esti patente a lista da
1 loteria do Hospicio Pedro II.
Lotera do Rio de Janeiro.
A oa 30:000,000 de rs.
Nos qualro-cantos da ra do Queimado,
loja de fazendas,n. 90,vendqm-se os muitus
afortunsdos bilhetes, meios, quartos, oi-
tavos e vigsimos da 25.a lotera do monte
piu cr:!, cjj*; !'? ^tcsj !icr r.o p
meiro vapor. Na mesma loja se trocam bi-
lhetes premiados de qualquer lotera, e se
mostra a lista da primeira loteria do Hos-
picio de Pedro II.
Tnlxnn para engenlio
Na fundicSo de ferro di roa do Brum,
icaba-se de re.ceher um completo sortimen-
to de taitas de 4 a 8 palmos de bocea, as
quaes acham-se a venda por preco com-
modo e com promptidlo mbarcam-se,
ou carresam-ae em carros sem despezas ao
comprador.
Antgo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cai nova em petlra,
llegada ltimamente de Lisboa
no brigue ConceicHo-de-Maa.
Fazendas baratas sem deleito.
iptimo brim trancado de pao de
linho pardo, corte t,600
n lona branca para cales,
2,000
Aa melhores easemiras de listrs de
cores, corto 0,000
cintas escuras, pecas de 38 corados, 4,600
rs. ; ditas de riscadinhos claros e fixos, pe-
Cas de 38 covados, a 5,700 rs.; cbapos
francezes finos do ultimo gosto, a 7,000 rs.;
alpaca preta fina e de duas larguras, a 600
rs. o covado ; algodfio trancado azul claro o
do lislras, proprios para escravos, a 183 rs.
o covado ; cortes de alcinis dos melhores
padrOes, a 2,800 ra. ; pecas de panno de li-
nho 00ni 18 varas, e muilo lino, a 800 rs. a
vara ; bem coYho um completo sortimento
de fazendas linas e grossas por baralissimo
preco, proprias para negocio; um novo
sortimeoto de luvss de torca I, felas em
Lisboa, para senhora e meninas; tpelos
de oleado com franjas de lila para mangas,
candieiros, casticies, lanternas, etc., do fei-
lio triangulares,quadradose redondos: na
ra do Queimado, n. 27, armazem de fa-
zendas .de haymundo Carlos Leile, nos
quatro-cantos.
Agencia
da fundigoLow-Moor,
HO. DA SKNZALT.A-NOV A, ,N Neate estabelecimento conti-
na s haver um completo sorti-
mento de moendas e meias (ten-
las, para engenho ; machinas de
Vspor, s.tschss z ferro bside s
codo, de todoa os tamanlioa,
para dito.
Deposito de potassa e cal.
Vende-se muito nova e superior potassa,
'assim como cal vjrgem em pedra, recente-
rneule chegada de Lisbs, por preco rasoa-
vel : na ra da Csdeia do Hecife, n. 12, ar-
mazem.
Folhinhas para o anno de 1851.
No pateo do Collegio, casi do livro azul,
vendem-se folhinhas de algibeira com a
lingoagem das flores, e folhinhas de porta.
Vende-se um carro de qualzo rodas em
bom uso : na ra do Trapiche n. 40.
Vendem-se espanadores
e mel de abelha, de superior qualidade, em
porcSo n a retalho, por preco commodo : na
ra da Cadeia, n. 93, armazem.
Tecldo de nlgod&o trancado na
fabrica de Todos os Santos.
Na rna da Cadeia n. 52.
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
Vende-se cera de carnauba : na ra da
Madre de Dos, loja n. 34.


Charutos de Havana.
de superior qualidade : vendem-
se na ra da Cruz, n. 10, casa de
Kalkmann irmaos.
-- Vendem-se 120 saceos de estopa, com
duas varas cada un : na ra larga do Ro-
zara, n. 48, ptimeiro andar.
Mil lio novo u 2.8000 rs.
carta sueca.
Vende-se no srroazem do Rraguez, ao p
do arco da ConceicBo.
Chambo rte iiiiinlia.
VenVse 110 armazem de J. J. Tasso J-
nior, ra 1I0 Amorim, n. 35.
Vendem-seamarras as ferro: na ra
a Senzalla-INova, n. 49.
Redes.
Vendem-se redes muito bonitas, de va-
rios gostos e precos, proprias par qiiem
for pasear a festa descansar ao fresco de-
ba xo de arvoredoa na ra do Queimado,
n. 14,
Vende-se excellente farinha
de S.-Catbarina, a bordo da ga-
llla Santissima-Trindadey Tun-
deada defronte do caes do Colle-
gio, por preco commodo : a tra-
tar na ra do Vigario, n. 11, 011
a bordo com o capitn da me-ma
ge hola.
Slmcnto.
Vendem-se barricas com superior smen-
lo, che-nado no ultimo navio de Ilamburgo :
na ra do Amorim, n. 35, armazem de J. J.
Tasso Jnior.
< 'o 111 illa paro a 11 i 111 a es;
vende-se na ra da Crui, no Itecife, n. 13,
armazem.
O proprietario doengenho Tabatnga,
sito ao norte da barra deCoianna, tendo de
retirar-aede muda para a cidadedo Recife,
vende o engenho moente e corrente, com
grandes obras de pedrs e cal, bois, beatas e
al a safra que esta principiando a colher :
quem Iba convier, eutenda-ee com o dito
proprietario no mesmo rngeaho, ou com
seu correspondente na cidide do Recife, Jo-
s Antonio Basto.
rogoes para cozinha.
multo proprios para sitios e qual-
qualquer lugar aonde nio ha cori-
ntia, por preco commodo ; ven-
dem-se na ra da Gru, n. lo,
casa de Kalkmann lrmaos.

I
-i deposito da ra da Moda, n. 15,
4a ha para vender superior cal em pe-
j*" dra, recentemente chegada de l.is-
" bfla, em o brigue Conctif'o-tle-Ma-
? Ha, por prcijo rasoavel : ttmbem ahi
| se vi-ii lem pesos de duas e de urna
arrolla, (or preco commodo ; ha
tambem eflecti va mente no mesmo
deposito barris de mel para embar-
ga, que.
**<* Vinho de Bordeaux:
vende-se na ra da Cruz, n, 10,
casa de Kalkmann Irmos.
I 'a /ruda nova.
Vendem-se gangas amarellae crdecin-
za, fazenda muilo fina, propria para pali-
tos de meninos, e mesmo para roupea de
senhorai, pelo baralissimo preco de 200 rs.
o covado : no Aterro da Boa Vista, loja nu-
mero 18.
m > #
SHelroz da fabrica do Siqueira.j
a no Porto
* vende-se na ra do Vigario, J
) n. 19, segundo andar, es- a>
criptorio de Machado &c Fi-
aj nlieiro.
? *>#?*# # *
Grsxa.
Vende-se superior graxa ingleza em latas
a 120 rs. ; dita 97 em pasta, a 30rs. : na ra
nimia, o 81, loja de miudezat.
Vende-fe, ou aluga-se um sitio com
grande casa de pedra e cal, com 6 qusrtos,
estribara, alm do saudavel liando perio da
casa, excellente cacimba : na travssa da
ra Bella, n. 6, daa 6 horas da inanhSa s 9,
a das 3 as 6 da tarde.
Chitas limpas a i3o rs. o covado-
Vendem-se chitas limpas rxas, a 4,600
rs., e a 130 rs. a retalho ; cortes de cam-
braias com 6 varas, muito larga, de bonitos
padrOese cores liza*, a 2,800 rs. : na ra
larga do Rosario, n. 48, primeiro andar.
-- Vende-se urna tipoi em boro- estado :
na ra da Penba, n. 9.
Vende-se chumbo em barra,Isulphalo
de quina, e gomma arabia em partida maior
ou menor : na ra do Amorim, n. 15.
QQQQQOG0000000090Q
<> Rap americano. Q
Vende-se este rap, que ha de agr- Q
q tada : a rol<-lhn, no Recife, em casa q
- do Srs. Oavis&C. llaynmnd & C.
J-J e Fontes & Irmao ; no Alerro-da-
j Roa-Vists, casa do Sr. Manoel Jos
O Cuedea Magelhaes; e por atacado,
O no Recife, ra do Trapiche, o. 14, O
O segundo andar,
OCOOOOOOOOQQQQQOOQ
Ksgulao rt algoiio a 28500 a
peca de Jo varas.
Vende-se esgoiffo de algodffo com 4 pal-
mo canelo de largura, a 2,500 rs. : esta
fazenda be muilo propria para lences, ca-
misas, etc. : na ra do Crespo, loja da es-
quina qua valla para a esSea.
Vende-se vinDo do Porto em barris de
quar lo e em (ipas, chegado ltimamente;
peneiras de rame; cevada ; arcos para pi-
pase barricas; fio porrele; pregos de to-
das es qualidades, por praco comnodo : na
ra do Vigario, n. II, armazem de Firncis-
co Alvcsda Cunlia.
Vende-se a loja da ra do Queimado n.
22 com poucos fundos, < com urna das ir e-
lliorea armacVs tuda envernaada, os pre-
t..-.^..nl ff?4lefW *" ----"* .iKliKIirtrt
d. II que se far todo negocio.
Madama Rosa Hardy, modista
brnsttelra, na na Nova, n. 34.
Madama Rosa Hardy novamente tem a
satisfcelo de annunciar ao respeitavel pu-
blico, que recentemento acaba de despa-
char 11 ni luzido sortimento de varias fazen-
das, proprias dse usarem na prxima fes-
ta, consislindo em ricos chapeos de seda de
diferentes Crese com wifetes mais ele-
fantes possiveis para senhoras; ditos do
rica palhinha da Italia, rendados e fcha-
los, tanto para senbora como para meninas
e de varios tamanbos, com enfeiles a sem
ollas ; chaposznhos de abas largas e en-
redados, proprios para meninos ; ditos de
palhinha redondos e enfeitados para ditos ;
ditos de seda com lindos enfeites, para me-
ninos e meninas de 6 mezes a 3 annos, do
mais rico gosto possivel; riquissimas toa-
cas de superior seda, feitas em Franca a pro-
prias para cranlas de 6 mezesa 3 annos ;
ricos manteletes e capotinboa de groa de
Mapolea furia-cores e pretos ; ditos da fil
de linho prelo de gosto o mais moderno
possivel; capolinhos de fil de seda, tanto
brancos como pretos, para senhoras e me-
ninas 1 brilhanlisslmas cepellae para senho-
ras, proprias para casamentos e bailes ; su-
periores veos de seda, proprios para ditos;
ricos pescocinhos de tilo de linho bordados
para senhoras, do gosto o mal rico que
tem vindo de Franca ; camisinaas de'cam-
braia bordadas para senhorss, com golla de
cambraia de- linho; espariilhos de mola,
os melhores que teem apparecido nesla
praca ; un variado sortimento a> trancas
de seda ; fil de linbo edeseda|; sapatos de
setim brancos ; luvas de pellica para senbn
ra ; ditos de seda de anana para dita ; di-
las de seda preta para bomem ; rios gros
de rs a polea pretos e furta-cres, que se ven-
den) sos oovadosa vontade do comprador ;
cbamalote preto de grande consistencia
para manteletes ; um completo sortimento
de perfumaras finas ; e outrss muitas di-
versas fazendas. Na mesma casa se fazem
manteletes*a capolinhos para senbora o me-
ninas, assim cono chapeos de crep preto
com toda a perfeicSo : ludo por preco mais
commodo do que.em ou ira qualquer parte
Vende-se oassa-chita com listras de se-
da, a 800 rs. a ara ; cambraies brancas com
flores de cores, a 240 rs. ; lencos de setim
de cores, a 1,800 rs.; ditos de seda com
quadros, a 500 rs.; ditos com toque de mo-
fo, a 360 e 400 rs. ; chapeos de maasa fran
cezes e de formas modernas, a 6,500 e 7000
rs.; cortes de casemira, a 4,000 e 6,000 rs.
manas de toquim de corea, a 3,000 ra. ,
ontras muitas fazendas por barato preco:
nos quatro-canlos da ra do Queimado,
n.20.
Na ra Nova, n. 8, loja de Jos
Joaqulm Moreira & C. ,
vende-se um rico sortimento de
franjas pretas para manteletes
capo ti n los, por preco rasoavel.
Deposito geral do superior ra-
p Areia-Preta da fabrica \
deaotois l'ailhetck C. t
na Baha.
Domingos AlveaMatheus, agente da
:4,
fabrica de rape superior Areia-Preta di^
5JBabia, lem aoerto um deposito na ra
'^da Cruz, no Recife, o. 52, primeiro an-O
Ociar, onde se achara sempre deste ex-
Qcellentee mais acreditado rap: ven-
de-se em botes de urna e meia libra,O
por prego commodo. 009000Q00900QOOOO
Vendem-se relogios de on-
ro e prata, patente inglez : na ra
da Senzalla-Nova, n. 42.
Aviso aatlatactorio.
O abaixo assigr.ado agente do l)r.
Brandreth faz .cenle ao respeitavel pu-
blido ler recebido novo provmento de pi-,
lula vegetaes de seu proprio autor ; estas
celebres pilulss sao recommendadas por
anillares de pessoas a que ellas tem curado
de phtysica influenza, catarros, indiges-
lOe. dispepsia, dores de cabeca, dores ou
peso ns nuca que geralmentesfio sympto-
raas de apoplexia, lltiricia, febres intermi-
tentes, bi I lis, escarlatinas, febre amarella,
e tod< a classe de febres, asina, gola, reu
matismo, enfermdades nervosas, dores no
ligado, pleuressia, debilidade interior, aba-
t ment de espirito, roturas, inflamares,
inchacOes dos olhos, accidentes, parelisia
bydropesia, baxiga, ssrampo, enfermidtde,
dos meninos, tosse de todas as classe, colis-
cas. colera-avorbos, dor de pdra, looibri-
gas desinleria, surdez, vagadas de caleca-
erysipela, ulceras, algumaa de 30 annos,
cancros, tumores, inchscOes noa pea e per-
nas, almorreimas, empego de pelle, so-
ulios liurnveis, pesadellos, toda qualidade
de dores e molestias de mulheres como
obstrueces, relapcOes, ele etc.; he um
medicamento i 11 te tramen le inofensivo pu-
dendo applicar-se at as enancas recem-
nascidas ; ltimamente se lem applicadi
urna enltrmiJade de uioleatias julgadss
imnumeraveisjdecuja applicacSo te tem li
radu 13o felizes resultados que parece cada
vez mais esolvidu o problema deum re-
medio nmxirsal : vende-ae com o seu re-
ceiiuarionar.ua da Cadeia Velha n. 61, bo-
tica do Vicente Jos de Brilo.
Veudem-se 3 pretas de nago, sendo
urna de meia idade, que lava bem de var-
rella e sabtu, cozinha o diario de urna casa:
na ra da Concordia, quem vesa da ponte a
esquerda, segunda casa terrea.
Vendem-se 10 aeces da eompanhia de
Beberibe : na ra.larga do Razano, 'n. 46,
laverna.
Vende-se um ptimo mulalinlio, pro-
prio para pagem : u roa da As^uuipySo,
n. 4, casa das afericSes.
Vendem-se 6 apolice do theatro da
Apollo, das primeiras a que dilo theatro es-
ta hypotbecado, por 500,000 rs. as quaea
com o juro que vencem de maio por rento,
niuntaui em oito reatos e tantos mil ra.:
na rus da Cruz, n. 40.
Vende-se urna porc3o de figuras para
presepes, muilo bem feitas, vindaa ltima-
mente da baha .- na ra da Cruz, o. 64.
Vende-se salsa parrilha nova
32,000 rs. a arroba, na bolica
de Bartholomeo Francisco de Sa-lba,B*0* p**
I ra. do Craaao
ia na ra do Kosario n. 6b. | para a cadeia.
r*.s w*
ova Mi por
Cal e potassa.
Vende-se a mala nova e superior potassa
que ba no mercado, e cal vrReo em ledra,
chegada pelo ultimo navio de Lisboa, por
preco commodo : na ra da Cadeia do Re-
cite, n. 50, a fallar com Cunha & Amorim ;
assim como um restante d barris da mes-
ma cal, que ricou da safra passada, por ba-
rato pre^o.
Vende-se urna arda escura, eom ha-
bilidades : na ra larga do Rozarlo, n. 35.
i.oteria do lio-de-Janeiro.
A os aojo 00,000 1*8.
Na loja do miudezas da rae da Inde-
pendencia n. 4, vendem-se os afortunada
bilhetes intelros, meios quartos, oltavos
vigsimos a beneficio di 95' loteri
Monte-Pio.
- Vendem-se saboneta) hj;ienicos, o
mais superiores que teem vindo eal
cado, assim como outra parfumaria
finas: na ra da Cadeia Velha o. 94, pri-
meiro andar.
Bombas de Carro.
Vendem-se bmbasele repuxo,
pndulas e picota para ai
na ra do Bruui, ns. 6, 1
fundido de ferro.
Arados de ferro.
Venrlem-8 arados de ferro de
diferentes modsJos t na roa do
Krum.ns. 6, e i o, fabrica machinas e tunacSo da ferro.
Verrde-se urna sextante no
uro dos methores autores de L01
bem um orisonle artificial e um
na ra d" Trapiche armazem n. 44.
Lotera da igreja de N. S. do l.lvramento.
Aos 5:000-,000 de rs.
Na ra da Cadeia, n. 46, loja de miude-
zas, vendem-se nietos bilhetes, decimos e
vigsimos desta lotera, que cayre impra-
terivelmenle 110 da 30 du corrente.
Meios 5,40*
Declmos 1,100.
Vigsimos S00
Coiiros muidos :
yenilcm-se na ra dCadeia, a. 91,
tem.
Sapatos do Araeaty*
vendem-se por renos do que em outn
qualquer parte : na ra. da Cadeia, n. !
armazem.
Velas de carnauba,
em porefio e a retalho : vendem-aa aa ra
da Cadeia, o. 93, armazem.
Vende-se sal do Ass: a bordo do bri-
gue S.-ftuel-A"gutU, 00 aa praca do Com-
mercio, n. 6, a fallar coOMlDoel Ignacio
de Oliveira.
Nao he exag-eracao.
Vendem-se aapaUJes de couro da lustro,
obra muito boa, a 9,500, 3,000 e 3*500 rs.:
na ra da Cadeia do Recife, loja n. .
He chegado cata praca o Sdmiravcl
cor adte-aypailitico, dfl Jlo Pea de Fi-
gueiredo, e se venda em garrafas a 5,000 rs.
cada urna na ra da lladre-de-Deos, bolica
de Weitck Bravo &C : as enfermdades a
que elle se lem applicado, e as quaea tem
oblido favoraveis resultados, s3o as seguin-
lea : esquinencias, pleurlces, aposlemas In-
ternas e externas, e outros quaesquer tu-
mores e innaroacOes, queda, contusfies ,
pomadas, coliess do estomago e baixo ven-
Ire retencoes de orinas, constipabas, ma-
lignas, febres, snciedsde e fallas de respi-
racSo, apoplexiaa, paraliziaa ou estupores,
toases e grandes defluxos, asmas ou puia-
soenlos de peilos, dores reumticas e gli-
cas, molestias glicas ou veneraes. anavr-
cas, bydropesiaa, sbscissos, dores sciaticas,
etc., ele, ; facilita os parios laatos e acci-
denlaes, promove a menstruaclo, cura as
constpsroea a malignas sobre os partos,
dores de madre e mais encommo-loa que a-
lormentam as paridas, e he tarabea appl-
cavel at as criancas recem-naserdaa, cu-
jo methodo minucioso de applicar-se a-
compariba as respectiva garrafas,que a to-
dos se recomroendam. ^j
Farinha de mandioca.
Vendem-se sacas com farinba de mandio-
ca muito alva.e bem torrada a melhorque
ha no mercado por nllo ter ebeiro de barco
e ler bom gosto e por preco commodo : na
ra do Queimado o, 14,
Rap de Lisboa.
Na loja nova na pracinha do Livrameato,
de Jos Rodrigues Coelho, vende-ae rap
deLisba, a 40jr. a otava; chales de chla
com pequeo deleito, s 400 ra. cada um ;
lencos decambraia de seda, a 640 e 800 r.
cada um ; chale de 13a e seda, a 4,500 rs.;
chitas finas, a 390. 240, 200, e 160 rs. eco-
vado e outras muilaa fazenda que a vista
das qualidades se dir o preco.
Vende-e junco superior pa-
ra tecer cadeiras, o melhor que
tem vindo a esta praca ; bem co-
ma mais ordinario : na ra Nova,

loja de trastes do Pinto, defron* 5-
te da ra de S.- A maro. S
Vinhos superiores
recentemente chegados de Inglaterra pela la.
galera ingleza Steord-Flik Xercs, Ma-
Sara
nos, como engarrafado, em calxaa de urna PaMaMeMalAAi #)a
duzia : oa pretendentes, dirijam-se ao el- A 200 rs. a Vara.
torio de Eduardo H. Wyatt, ra doTra- Tenderi-sosciss getecentas varas de pan-
te-Novo, n. 18. ,0 de 'todSo da trra, muito bom, a 200
3 Vende-ie espirito de 38 graos : no P- ri- "* quem tomar todo : na ra do Li-
teo do Panizo, n. 90. "JH* n. 16.
nhariitoi da Hnvana N*- Wrranj proroptos a edifi-
oa vlMatoa.de pena j. rallos,
'. Vaarfaaajaaebaroloa.de Hi rana, de SM propria. i tratar conv Uoot
riorqualidade : sarna da Cada do Reci-1^
das pelo
pre-

15 a 17 annos, com habilidades; e seis pr
tas de 12 a 25 annos, slgumas com habiti-
ddea e proprias para todo o servico : na roa
doCollegion. I.
TWfTWrvfffffffm
Attenc&o.
Vendem-se o aforam-se 1500 pal-
mns de Ierra 00 Atierro dos Afoga- ^
dos proprio para algum sitio, ou pa- *
ra edificar casas, por ser o lugar mui- 2L
to bom e sadio, vende-se por preco 2
commodo : a tratar na ra na ra de .4?
Cadeia de Santo Antonio n. 9. -el
Lnjz da ycgta|ria.-Aniar

Escravos fgido*.
*
fe, n. 9.
Hap Paulo-Cordeiro.

ape, na ra da Cu la do Recife, n. 50, fo- No d|a M do eorrmlt, desappareceo,
|ade;Cunha& Amorim. aaaMI Paula Quinte, na as-
Chamooirne. *" vimM Caiaaiielo.
atoxao
na ra do Trapicoe-navo. u. I8,eexiet __,.. u_n MiPM aiaaraUai
^>W P0rclo.da.t6 vinbo a ^^2la^'!aaaaaaaaa?a.ZmL j^
.._.pj.j _-ttZ^l&^,m'*'
- rugi de bordo do brigue (
vico de nma caaa ; duaa dita boas quitan-
deiras ; urna enulMinha de 18 asnos, que
eacravo de aaana fillpaa, a> na
esperto e lindo : naroado Collegio, n. 91,
primeiro andar, se dir quem vende.
Vende-se, ou aluga-ae a prensa qua
foi de AlexandreUpeaKbeirooororle-do-
Mattos, com 110 palmos de fundo e 71 de
Trente, propria paaa tecolher molbados, par
estar per lo da alfandega e trapicha da em-
barque ; 00 para madeira por ser f rande: 1
tratar na 1 1, no Recito, n. 40.
escravos, sendo um bom,
oficial de dito da 30 annos, quo
hecarreiroe meitre de aasucar; 6 ditos
tas figuras, c que si> opti-
mos pa campe; um mu-
15 annos, bom pagem ; urna- lia-
da nralanba de 19 annos, recolhida, da
aullo boa figura, que cose, faz ptimamen-
e lavarioto, a marca bem de linba j 10 es-
cravas mocas, com varias habilidad; na
roa Diroita, n. I.
Chitas para coberta.
Vandem-se chita para coberta da eOraa
escuras, fixaa, e de goato turco, pelo bara-
tiaaimo preoo da 900 m o covado: no Ater-
ro-da-Uoa-V*ta, u. 18 loja.
Vende-se cb nacional, mui-
to superior, en caixinhu de 8 li-
bras, por preco mnito eommodo :
ns ra da Crnz, no llecife, n. L\or
primeiro andar.
Vende-ae um moleque de 19 nao: Jna
ra de Horiaa, n. 34.
Vende-ae louca vidrada, vinda de Mar-
seiba no brigue francez Arago, como aejam:
cassarolaacom cabo, panellss grandes o pe-
queas, potes para manteiga, alguidares de
ri
Vende-se oleo de corar glndulas: na recompensado,
roa dos Qoarteia, n. 8. Anda fgido, desde o dis 17 do corren-
Vendem-se 15 sc^oes da eompanhia de l*. oeacravoBento.denacBoNagO.com ta-
Bbcnbe:na ra da Queimado, n. 87 A, |lhoa pelos rosto, slgnsl de sus nacSo, de
oja. boa estatura, bem preto, bracos comprdos,
-- Veoam-so,na ra larga do Rnariovf ipras finas ; represents ler Si. a 35 annos
n. 29, loja de miudazaa, barricade farinha
com mais de alqueira. a tres mil rs., me-
nos o casco, e com elle 3,500 ra.
|Vende-se urna mulata com urna cra da
os
Lotera do RLo-de-Janeiro.
Aos 10:000,000 d* ra.
Peto vapor S.-Salvaior racebeu-se
muitos afortunado* bilhetes e cautelas di
10.* lotera a beneficio da fregueia do 8S
Sacramento da corle do Rio de Janeiro: ven-
dam-se na roa da Cadeia do itecie, n. -i,io-
ja de cambio.
-- Vende-se a taverna do pateofde S.-Jos
n. 3, com muito poucoa fundos,e.com rom-
modos para familia : tambem se' vende s
a armacSo com alguna gneros, e alguna
raeia em bom estado, por preco commp-
: a tratar na mesma laverna.
Cobertores de tapete para
escravos.,
Jt Ja se veodem os acradilados cobertores
atpate para escravjaja a 790rs. cada om ;
por issovenhain a eflft antes qae se aca-
ra^aiaia alta preea : na
cose, ei na, veste urna seahora, e nao .
T^vxT.rj'^*: tj tedo^rT-voTcm^a
a ; vtu vui uw uva
imaaava 1 levou a-
0, saia da tta Mar-
1 baba**: ceta ffJ>i-
qum da LiiigiiM| a
vio da vow Caurfno & Fllho, ou a bordo
do mesmo brigae, que serj recompensado.
--No da lado-corree-te, fugo urna ea-
ava.levaado comago am Ubolairo, ato
1 aaeto Coala, da U aaoaa
pouco ma aenoa, co> prata, pea graa-
daa e feio flm-i 1 tatn am um* das
parnsaaatvaas do aaaoiaa^iia L tovjo a-
miaa de SlgodSoznho,
adaaVeobarraecaai !
va foi da eaaa da Joaqun
li dissechamar-se Theroaa, mas lenda-a*
arrematada poz-se-lha o aabre-aoane da Au-
na r quem a pegar lava-a a Balea, no aillo
Torre.
Fogio, no di a 14 do corrreal*. ama
preta de nema llufina, criouH, e t7 *>
nea. edr fala, rosta pequio> baicoa groa-
so, da boa eslatore. saeca aeorpo, peifea
pequeos e em p ; levou vestido de chita,
panno Uno prelo eom oreto, anda calcada :
eata eterava qusndo sabia da casa foi com
orna bandeja da bolinhos, qua tia de cos-
tume vender na ra ai lardes. Boga se aa
autoridadaa policiaca e capiUe da campo,
que a apprbendam e levem-na ao pateo do
Terc.0, n. 8, sobrado, que sarao generosa-
mente gratificado.
Fugio.no da 99 da- correara, pelas;*
horas da tarde, um cabra mucama da qua-
si 40 annoa, altura regular, baatante aecca
do corpo, com falta de denles na frente ;
levou nas orelhas brinco de pedra, veslido
de casss-chita, chales de 13a rxa, e aapa-
toa de couro; julga-e andar mti.o miU
cdade, por ter dous filhos escravos de ou-
tra pessoa : quem pegar leve-a ao seu se-
nho, o tenenle-eorooel Joo Florentino Ca-
lcanti de Albuquerque, no engenho Re-
alo : na ra da Cadea-Velha, n. 8.
lodosoatamanhoa: tudo domelhor goaio.e canlo.em SerinbSam, ou a aeu correspon-
o mais foite possivel, por preeo muito ba- danae, na ra da Florentina, casa da eaqui-
L* iiia'ar-la_-_n w. Kn *<..>< .. n Inaa Iva rtnun una mr K na confronte ao theatro novo, que seri bem
3 mezas, o moliao da venda se dir ao coro-
Kadnr : 1 sof novo; urna marqoeza em
m uso j 3 mesas pequeoaa novas; 1 de
amarillo boa P** jantar; 10 cadeira deja-
caranda : na ru Nova a. 91, se dir quem
vende.
Loja de seis partas en frente do
Livramento.
O administrador desta loja tem a dar ba-
taneo no iim de deiembro, a como lanha
restos de alcaide, quer acabar com ellas,
irocando-os por sedulaa, aendo o preoo o
Sais rasoavel possivel, como aejam : pecas
i niadapolio com 12 jardas, por sete pala-
cas ; chales de chita, a 480, 640 e 1,000 rs.;
ditos pretos da rede, a meia pataca ; casa
preta, a 190 rs. o covado; corles de chita
preta com 11 covado, por 1,980 rs.; ruca-
dos nioustros, a 260 t. o covado; chitas, a
130, 140, 160, 180,900, 240 ,e 390 ra. larga
francez ; bnm braneo delistraa, a 900 ra. o
covado ; e outras multas fazenda por pre-
sos que coidjuram a economa,
--Na ru'Ulfuz, no. Beca", a. 52, pri-
meiro andar, vede-e urna escrava eriouia,
de 18 a 90 aunos, parrala eiiKommadalra o
Cuzinheira, por preco c
BBoeom-
modd, sacca Wrinha de man-
dioca ; potas em bariiqjaintaas ;
fumo em olhn para capa e mi-
lo, de charutos : nos aravasens de
Gouvea & Dias, no eses da Al-
fandega, e de Dias Ferreira, ou
0 tratar com Novaes & C. na
ra do Trapiche, n. 34-
Animaes para engenho.
Vendem-se 8 a 12 animaes ptimos moa-
alores, por pre?o mais commodo que he
possivel: no engenho Carabs, ou na tra-
vssa das Cruzes, n. 4.
Vende-se urna escrava de meia idade,
perita cozlnheir, por prego commodo : na.
ruaooRangel, n 5J.
-Vendem-se tra temos de medidas de
iolhisj uzados: na venda daquiua di ra
do Rangel de Jos Rodrigues Coelbo.
Vendeoi-se quatro liados moloques de
8 a 18 aunes ; treapretos, sendo um ptimo
cuziiibelro, edous peritos sapateiros ; dous
niMnadea a 18 annos. tendo um bons l*a-----
Iprineia+aa de earpinteiro; duasj pardas de|Paiuv.
{bem parecido, muito ladino e vivo; quasi
nunca esta calado ; levou urna canoa aber-
de carga de 600lijlos de alvenara, em
ue andava irabalhando no aterro da casa
e detenco; tem sido visto com a mesma
a de capim, e or de
ireia para differentea obras, e qusndo an-
da em trra he sempre com a pi de tirar
arela na mo : quem o pegar leve-o ra
da Aurora, n. 19, que] sera bem recompen-
sado.
Attenc&o.
Nanoitede17 para 18 do corrente, das-
appareceu, do engenho Dourado. da fregue-
zia de Ipojuca, o escravo lataoel, crioulo,
baiao, grosso cor preta com alguna
Eannos pelo rosto e peitos, muito pouca
arba, ps grossos ; tem na cabeca baatan-
tea marcas como de rutiladas, e um lobi-
bflo junto a orrlha direila, suppOe-se que a
esquerda tenba furo para arga; he bstanla
barulhento ; heprovavel que carregue'um
chuco que furlou ; levou cha) o de palba,
e camisa de madapolSo, podendo andar de
calcps a jaqueta e mudar, bem como da ca-
iaa, por ler conduzido a ropa envnlia
em urna maca de couro de ouvelha ; ha indi-
cios de que anda nesta praca : quem o pe-
gar leye-o ao dito engenho, a seu aeobor,
eu nesla ptffea, na ra das Cruzea, n. iO,
rosar recompensado.
fo dis-19 do correte, deaapypareceu,
da casa de JoSo Jos de Carvalho Maraes,
nm>-pron 1-Fmiln iln roma UumI ^
16 annos : levou calcas novas di algodozi-
nbo azul, camisa b c, chapeo de pallia
velho : este eacravfl ebegou de nroximo a
esta praca, e foi rrneltido da villa do Cra-
to, provincia do Ceara, pelos Srs. Buhar &
IrmSo; foi encontrado no mesmo da na
passagem- da -Magdalena, em compaaoia da
una cemboieiros fulga-se ter sduiedozi-
do : quem o levar a dita casa, seri recom-
pensado;
--Em a noite de 18 do corrale lorneai a
iugir o preto Mosssmbique, de noma Do-
mingues, de bos figura, reprsenla 20 a
tantos annos ; levou caigas brancas e ca-
misa oaalgodao acal 1 o aignal mais visi-
tel que lem be urna marea de um tattre na
fintii da bocea no bsieo intanor, quequao-
o falla rapuza o be-ico ; he marceneiro )
or i sao desde ji o balso assgnado- pro-
Ma palo jornal dvio de 1.280 rs. contra
uaJquer pastee que olivar era saa peder;
assim como promatla gralificar generosa-
mente a quem Ih'o ealragarna roa fova, D
loja da Uaslea. Antonio Itomt-
S4 TI.
WM,. oawau-----*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EC6ITENH5_EFAFUJ INGEST_TIME 2013-04-24T19:09:57Z PACKAGE AA00011611_07220
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES