Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07217


This item is only available as the following downloads:


Full Text
feira 26
TARriB*0tO3 COHIBIOS.
Golinna e PanhH, i legundas e sextas felns.
Rio-Grande-do-Norte, todn quintil felrai 10
tnel-dla.
Cabo, Serinhacm, Rio-Formoso, Porto-Calvo e
Macejd, nol.'.a 11 e 21 de cada mrt.
GaraiUmn e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Villa e Flore,. I? e S.
Victoria, i quintal feirai.
llnda, todoi oa din.
XnlCmilXDEll.
PlilMI Di LOA.
-NoVI,
Cresc.
Chela, a IB, uU.t 15 m. Ming. a 28, s 10 h. 13 da m.
a 4, aoi 20 m. da m.
a II, ii 8 h. e 55 ui. di t.
PRXAJSAH BIBOH.
Priinelra ai 7 horai e 42 minutoi da luautiaa
Segnnda ai 8 horai e 6 mlnutoi da tarde.
de Novembro de 1850.
N.26.r>.
pkjcoo da axmtcntrtjlo.
Por trei raeiei (adlftajor) 4j>000
Porielsme7.es H/000
Por uta aono 2? 15|000
das da ismava.
18 Seg. S. Romio. Aud. do J. doiorf. c do m. 1 v.
10 Tere. 8. Iubel. Aud. do J. da 2. v. do
civel, e do doi feitos da faienda.
20 Quart. 8. Flix de Valois. Aud. do i. da 2. v.
21 (Julnt. Aprcsentacao de Nossa Senhora, Aud.
do J. dos orf. e do m. da 1. v.
22 Seat. S. Cecilia. Aud. do J. da 1 v. c. e do doi
feltoi da faienda
23 ab. 8. Clemente de l.agos. Aud. da Chae, e
do J. da 9 v. do civel.
24 Oom. S. Joao Oa Crut.
CAMBIO IH 21 OX NOV.
Sobre Londres, 29 d. po 1,1*1)00
Pars, .13:1 por Sr.
> Lisboa, 100. por cento.
Ouro. Oncas hespanholat...
Mocdasrieo/i'OOvelhai.
de ri/IOn novas .
> de 41000.......
Prata.Patacoei brasileiros....
Peoi coluiuiiarios.....
Ditos mexicanos........
las I
.130,^000
(MI .1 lOftOO
lli#000 a lb>>00
9V00 a 9/*K>
i^-f30 J|i^rto
I/960 Tl/WM
1^700 a 1/780

:iiwtE orjfiqut,
EHiNSDA FKUVINCIA.
EXrtOMCItTE DO DA 18 DE NOVEMBRO.
Offitf. Ao commandmte dis srms;
cotamunicindo qu por decreto de 23 de
outubro ultimo, Segundo fui declarado en,
Siso do niinisterip da guerra datado de 29 obFe o "territorio que o dito canal teiu que a-
m*amo mez, l'e COncerteu passagem para travrliar, oom o flin de adquirir ou con.ervar
osextodeeewUortwaoarTeresdoorUroda
amboa ellei, ou dis suai atilintas de outroi
Citados pira conitrulr ou conservar fbrtlflca-
ces que doininrm o canal de Panam, ou pira
oceupaf, rortlflcaroucotonliarllicsragua, Cos-
ta-lt Ica.Costa dos Mosquitos nem quilquer par,
te da Amrica central, ou raercef autorldade
ditas regldes. A Gra-Aretanha eol
|Unida, onrigani-ie igualmente a nao
ir partido das alliancas. relajees ou lnflurn-
a que poisain ter oom os estados ou governoi
te ua Amr
tirar partii
dreau oa ladirectaninste entre o tabaa*
2aSJfcSSrgS& -3=?"-=s""?8?
ffi' -u sata. ^ Art- %' nario da grla-Bre'tanba ou.dos
no,AO mespio, pira qu em Cumpri- Estados-Unidos alravessando o canal serorau
menlo da portaria do conselho supremo mi- idamente, em caso de guerra entre as partes
litar, datada de 33 d outubro ultimo, re- contratantes, iiemptos das medidas de blo-
HMtte aflm de ser enriada a respectiva so- luel- de detencao ou d* captura eita dlspo-
cretarlf, eertidad dos aseemamentes de pn- sMo tere etTelto a urna disuada da nireinl-
ca do capillo doait.ro bsUlbSo de cacado- ?"?? *Jc*nJ,'i,<1n1! ST" con""la"1" J"1'
I_- u.li i -~ u.ni.i v iirem oonvenienle usar.
nt a T^S ..- I Artf3.Paraiusaguraracoustruccao dooi-
*.-Ao; inaftfclor da thesourar.a de fa- t0 canil, os governSs da Graa-Bretinha c do.
mlalligenciaudo-o da disposicflo do BsUdos-TJnldos obrigam-se, se este projecto
1 do ministerio da juslica datado de 30 (or ejecutado por pessoai iiitorisadas pelo go-
do selambro ultimo, polo qual foram con- rn0 loclou Por ouiros goveroos a cajo do-
cedidos quitro mezes de licenca con mero mD0 P*Mf o territorio que baja de atra-
ordenido, par* tratar desua gaude ao ba- aro_caoaU aprougerdeideo comecoate
traas outras nacoes, do,' que o govarno
oglez.
E cuitas cnceber ctno assim procede
o (foveroo, Je uro, nacSr: em que a opIniSo
publica tm grande Inllpencia ; e em que
i opiuiSo publica parece raprovar a poli tica
de violancia adopUda polo goverao contra
nacAos.
A poltica agfressora do enverno foi so-
lemnem>nte oitlgmatsada por S. R. Peel no
Seu celebr discurso no parla
conclusa i dos tratalhos, os individuos empre-
ados pa conslrucco do canal aubn corno a
Pfopriedade que deve servir' aoi dltoi traba-
Indr, contra toda a injutla deteneao, conQica
(So ou violencia qualquer.
Att, i." A Gr3a-Kreunha e o Estados.Unl-
aciarel Joaquim Pedro da Costa l.obo juiz de
direito da comarca da Roa Vista.Fizeram-
so neslo sentido as convenientes communi-
cacoes.
Dito.Ao mesnio, rpcouimendsndo que i
vista de aaa ioformacuo, sb a responsa- Jos e'to de accordo para usar de leus bons of-
biliJade da presidencia nos termos do de-
creto de 7 de oaio de 1842, mande gupprir
o arsenal da marinha com a quanlia de ris
11:8*7,332 pin occorreras degpezatdaquel-
la rspsrtiflo js feitas no correte mez, por
* ichar segundo consta de ofliciodo rea-
pectiro inspector sinda dever :I88,73
rii, sendo *:076,:8O ris, das despezas eom
os nivioa d armada, 118,680 ris eom as d
ment, poneos
lias antes da sai morte ; e anda estadista
lepoum recebeu mais testemunhosdesym-
patilia e respeito do que S. R. Peel na sus
morte ; anda ofio liouve morte d'eatadista
que fusse miis geralmente seotida.
A queda de l.uiz Filippe foi urna oalaroi-
dade nos pera a paz do mundo, mas pa-
ra as nacoes, que pela sua pequebez nSo
pdem resistir as violencias do governo
britnico; sea Franc nao se achira reta-
Ihida por partidos, e Uvera a mesma in-
flueocia e fr^i que nos dada monarchia,
p ministro Boti-fogo bavia da hesitar mais
tutes de praticar as violencias, que agora
anto san cwemonii pritica.
Se pi)d'cilcr o Viso-hi do Egipto, foi
rfara iss nceinVio luver o consentimento
'das poleucjis do norte, consentimentu que
SSo cppseguiria para, viulepcias. que ellas
em..*UO. praieir*s l eslsjaiatisar.
eodaraut ia da tiurinha, 4:93,407 ris com
o costeio dWvapor Aftmo, e bem assin
mais a quanlia de 2:658,567 ris para o que
j fe deve ao rspor 6'uflBiaiir.~Neste sen-
tido o(Iiclou-se a adnaiaistrteflo na vil.
. Dito.Aomesmo, transxiltiu lo o aviso
de ama lettra na importancia de 863,000 rs
aseada pela ibesouraria do Rio Urande do
norte sobre a dasti, e a faror de Francisco
Paulino de Castro Barroca.Intelligencou
seaoEzm presidente diqueila provincia.
Dito.Ao director ddTyeu, inleinodo-o
o
de
de harcrapprovadoa prooui.aBBaa fea
vice-presidente da cmara municipal
Cois una de liento Ferreira Mirinlio para re-
ger a cadeira de primeirastetlris da povoa-
SIo de Cruangy, por ter fallecido Francisco
e Safes dos Pasaos, que na ausencia do res-
pectivo proTessor Loiz yrisco da Silva,
achararse regendo interinamente a mencio
ada cadeira.lDciou-ae a respeito a mes-
ma csjnsra.
Dito.Ao juiz relator da junta de justica,
remetiendo para ser a presentado em sessSo
da maiaaaa junta o processo felto ao soldado
pilaftilo bslalhfio de cacadores Ado
.- ti
Helos da nuneira a mais conveniente para com
o governoi competentes aflu do estabelecer-
se uu porto livre as embocaduras do dito
icanal.
Art. 5.* As parles conlracUnlc. obrlgam-se, I
lando o dltu caaul estirar terminado, a Impe-
dir toda a iuterrjtVfSo, e garanlein a sua neu-
tralldade de tal lorie que fique seinpre aberto
le livre, e que os capitaea que forein emprega-
doi estejiui sempre seguros. Tomiudo os go-
vernoi da Gra-firetanba a dos Eatadoa-Uni-
dos protegendo a construccao do canal, e
garantida a sua seguranza quando elle eativer
leriulnado, entendem que esta protccao e ga-
ranta devem ser condiccionaes.a poUem ces-
sar da parte de um ou dos doua governoi, una
ptnmMcQ
JURY DO BECl'FE.
?.' SESSA'O 0RD1NAIUA DESTE AN.N0.
Prisidencia do Sr. Dr. ffl/i Silva.
Da 20 de novembro de 185o.
A's onza horas da msnliSa, feita a cha-
mada, acham-se presentes 38 Srs. ju-
ados.
O Sr. PreiiieniK ahe a sessSo, multindo
os Srs. que deixaram de comparecer, sem
excoss legal.
Procede-se ao sorleiodoconcelho eslo
do
Custodio.- Intelligeuciuu-ss ao coxman-
daoleda armas.
Dito.Ao iaspeetor da pagadoria militar,
para mandar pagar io marechal Antonio
Correia Seara ajuda de custo, que Ihe
competir da rolta para o Rio de ianeiro,
bem como os seus veocimentos at o lim do
correte mez.
Irtto.Ao agente di companhiadas bircis
de vapor para que mando dar passagem para
acorte no vipor fuhiana, como passigeiro
du governo ao marechal Anlonio Correia
Sera.
i'ortana.-Mandande ;dir passagem pin
corle uo vapor flriAaao, a, i cabo e dous
soldados do cqrpo de permaneules, que
d'ali vicram sscoilaudo presos de juslica,
sendo referida passagem na mesroa curie
Neste sentido ofllciou-se so corpo de poli-
ca d corte.
DiU.-Mandando dar psssigem para a
Usina como passigeiro d^Mjerno ao le
nenio do estado-miir aguiida elasse
Joiquim Erancisco dej* reir, sen-
do a aiosiiia pissigedl paga niqueila pro-
vincia. -Comrnunicou-ae ao Eim. presiden-
te da menina provincia.
DiU 0 presidenta da provincia lando
em vista o dispoito oa le* n. 823 de 17 de
igosto de 1848, e respectivo regulimento,
resolve proveros lugares ragos da thesou-
rara da fazeuda provincial do modo se-
guinte : ..,
OUcial-maior. o otlmeiro escriaturarln
Jos Mi ni di Cruz. '.
I'rimeiro ecripturatio, o segundo dito
Frascisco Gcraldo Murara Temporal,
Segundo esenptunrio, o amanuense Ale-
jandre Americo de Caldas lirandflo.,
Amaauaose, o praltea ni e Corioleo SbV|
veriQ do A na ral. -
PraticiBte Rayrauos^Nonato Schilk.
E ordena que pela secretaria sa Ibes pasee
os oorjipeteoeee Jkulos. liommunicou-a
ao inapeejor da soataaa Ibeaouraria.
a convidar a todo o estado com queco tenhaui
relaces amigaveis a fazer com ellas as mesrnas
estipulacdci que ai partes conlractantes liie-
rm entre si, a lim de que os outros estados se
aproveiteui das vantagens de ter contribuido
para urna abra de urna geral utilidade.
Art. 7.* Attendendo neceisidade de se cons-
truir quaoto intes o cioal, os goveraos da In-
glaterra e dos Estados-Unidos coucordaram em
darcni o seu apoto couipaubia, que com o ca
pltal competente emprebendeu. primeiro a
cooiirucco do canal. Mas le oulra qualquer
companhia liver felto um contracto com um
estado que atraresse o camtnho projectado pa-
ra aconstruoco do inesino, e que as parte,
sigqatarias da presente convencao nao teiiham
nada a objeclar, a dita coinpan'ila ter a pre-
ferencia sobre todas ai outraa. A' mesma di-
la coinpan'da ser dado um anno desde a data
du laiilicaco do prrsent* tratado para termi-
nar o seus arranjos e Justificar le leni um ca-
pital sullicienle para aitemler a empresa. Se
qnando concluir o dito praso aquella compa-
gina nao ooancar o leus trabalbos, ns gover-
oos de Inglaterra e dos hstados Unidos sero
livres de dar iiuaprokccao a toua oulra qual-
quer companhia qne se proponha a einpreben-
der a construccao do canal.
Art. 8.* O governo da Gua-Uretanha e doi
com 19 tacadas, tendo slguroas 8 polegacMs
de profunlidade, e um gnlpn no pescoco
que penetrou at ao osso. N9o eztstem tes-
temunhis de vista; mas s o indicio de ter
apparecido o reo com o chapeo dp issassi-
nado, ou nutro semelhanie; accrescendo
qne no primeiro interrogatorio, que se !hr>
fez na formicffo da colpa, confessou ter
feito a viagem rom o Hollanda ; mis que,
tendo aoparecido un cavalleiros. e*te se
unir a elles. e dosapparecera ; ouvindoelle
'o uns gritos pouro depois, pelo que rol-
tou. O reo musir bastante presen? de es-
pirito.
Lidss ss pegas do processo, e findss as
allegacoes pro e contra o reo.
O Sr. Presidente faz o relitorio da causa
e entrega ao concelho os segnintes
Oueiitoi.
1.' U reo Antonio Joaquim da Annuncia-
c'o praticou o facto de ter dado em JoSo de
Holland* umss lacadas, de que Ihe resultou
a mort ?
2." O reo commelteu o crime em lugar
armo?
. 3.* O referido crime foi commettido com
a circumslancia aggraranto da premedita-
qSo, isto he designio formado antes de pra-
ticar aicqSo.
4.* Existem circumstancias altenuantes a
faror do reo ?
O jury rollindo pouco depoi, responde
quanlo ao primeiro quesito, nSo por uoi-
nimdide : quanlo ao segundo, no por uni-
nimidade : quanlo ao terceiro, nSopor uni-
nimidade: e quanlo ao quarto, pela mes-
ma forma.
O Sr. Presidente conformmdo-se com a
decisao do jury absolveoro. ( Eram 3 ho-
ras data rile.,'
DlAfO f}| P(BS.\M!1C0.
alCWI, 31 DE NOTEMBBO DI USO.
A barci William Kussell chegida hoje de
Liverpool, Irnuxe-aos o rime de 17 23 de
outubro prximo pissado ; mas no tendo
vez que as companb iai que einprehenderein es- ,
la obra adoptem regulamentos contrarios ao sfiolhidos js seguiqles Srs ,,Dr. Pedro Dor-
esplrito e IniencSo desta couvencao, seja laten- nellis Pessos, Fonseca e Silva. Jos Joiquim -
do dislinccoes parciaesem beneficio do com- Jias Woreira, Uanoel Joaquim Rodrigues, nos inda recebidode 5 a 16 do mesmo
merclo d'umas das parles contractantes em de- ir. Antonio Epaminondaa de Mello, Miguel I mez, nSo podemos communicsr aos nrissos
triinento da outraou operando eit rsci lobre ,eran,n de Castro Nunes, Francisco Euze-llHt(1rps lulo quanto se ha passsdo no velho
los paisigetros. navios. merodorUs, etc. Com- Rio de Paria, Jos Marianno de Albuquei-l'nun I. O seguote Iib comente o quecons-
tudp urna daSMjWs contracunlea nao deve ,e- ^u Latz .^ Je fnn^ ^,ior |>roj1H,oi la das gazelas que nos forgm entregues :
Inglaterra e India. 1ro primeiro destes
tlnr aMfa^VaWiPaTieVlRtTrrilr ourr. A"0'
partes conlractantes obrlgam-se
todo o estado com noem irtiham rl _
Prestado o juramento do estylo e apre-
l.uiz os d" franca Jtwior, Domingos
jean
ronymo Mohteiro.
Art. Ai partci contractantes obrlgam-se eonquo lafra, JoSo Diniz e Silva a Jos Je-
iudos-liuidos, desejando |>or eita couveocao lo que livesse amisade com elle j
uao so atlemler ao lim a que se propdem como -
ampliar maii o beneficio, coucordaram em
proteger todas ai outraa coinmuuicacdes pra-
licaveis, seja por meio de canaes ou caininboi
de ferro auavez .do iithuio que liga ai Aineri-
as do norte com a do sul, e pn un plmente as
omniuuicacOes entre os dous cceanos, le c-
as furcia realmente praticavels, aeja por meio
be canaea ou caminhusde ferro, que neste uao
Miento se propdeui ettabelecer por r'elinaole-
pec ou Panam. Comtudo a Gra-Urctauba e
01 EstaddS-Unidoa concordindo em dar a sua
protecf ao aos canaes e aos camlnhos da ferro
emenden!, que os cotutructore ou propieta-
rios destas vas de comuiuuicacao nao iinporao
En obrigaedea ou coadlcdei de coiaatercio,
que aquellas que 01 dilos governoi appro-
11 como justas, llcaodo os ditos canaca ou
caiulnbos de trro Iberios igualincule aoaiab-
diios da Gra-bi.ianlia e daiEsudos-Unldos,
Bsslm como aos Subditos de outro qualquer es.
proiecjao qual a Graa-bretanbaic O Eitados-
Uuldos le Obi igaram.
feA(t. 9.' Ai raiilicacdes deite tratado serlo
cadas etu Washington seis metes depols da
ta desle da. Waihingtou, 10 de abril de
FIB50. Jimriou yllon iVuluisr. Jk M.
Claytun.t
(Psrb4i*e ios pobres.)
goados o reo e testemunhas.
O Sr. Presidente faz ao reo oseguinte
Interrogatorio.
iuizComo se chama ?
IWoAntonib Joaquim da Annunciaco.i'l"* *''menUr"se'
Jsrs-Qoando foi preso e em que lugar ? ,.Em londres osconsoldsdos flearam a
"oFui preso defronte do quartel de po-
paizes no consta que tivesse acontecido
facto algum que mereja ser mencionado,
ns Irlanda he que s bitatas continuim a
serstacadis da molestia que as deslrne. Em
Kerry to grande-tem sido a 1 -_ *tr uqo que
julga-se qussi certo que para o Natal a po-
pulico diiiuelle condado no ter mais de
97
lela.
Jm';--Em que da ?
ReoO da nlo me lembro,
JursSabe porque foi preso ?
ReoSei, que he por urna imnutaflo de
Urna morte, que dizem eu ter feito, o que
be falso, porque eu era soldado de Doli-
da, eno podia tur sshido pira fazor essa
norte.
JuizE que morte he essa, que Ihe im-
putam .'
Reo Ouvi dizer, que era a murto de umj
sujeito chamado JoSo de Holanda.
Jui'iConbeceu esse Jlo de Hollanda ?
ReoConheci quindofu prsr;i do corpo
de colleja, e tambrm de espsrrella ; mas
en-
nio
m
EXTEIOR.
Tratad* nltkreionitrs o govermn da l'.r'ia-trela-
B/ia eosEtl4iUi-Vni rm canal airav do lallmo d Panam.
Artigo 1. do goveraoi da Uraa-Bretanha e
dos Eatadea-lJnjdos dccliran pelo preanu
tratado, que nealiuui dellc procurara ter d-
1 ella exclusivo, sobre o canal que deve cons-
truir-se no inlerior de Panaiia, concordaudo
tambe ni os ditos governos em nao const
conservir neuhuma foriineiitd' no dito canal
ou nai suii viiinbaaeai, niu fortifica bu co-
laotsai' Nicaragua, Cosu-Kica, Losta di
qafte,a aira qaaiaaer parte di Amrica
cutaai, aseas tpiuar W eaercer Oomimo de
quatqastr aaturexa. Nenbum dos dous gover-
noi ae poder servir da protccao reciproca da

__
No procedimento do governo inglez para
com o Brasil nida ha que eslrauhir : he o
ftello intarnacionai Jo xormaudos posto
em ortica.
So um governo dolido di huiiiiiiidide do
inglez be que escolhenia occaiSo, em que o
Brisil he assolado pela fehre amsrelli, para
praticar qir'njAm Unta' cariJade pan
com os negros, e tanta crueldade pin com
o* braor.
Esquec preces para que Dos linase da* febfe inia-
rella os nosilis iruifioa do Brasil, pdir-llie
lambem qoe os livri>se das garras do Leo-
pardo, que Ibes pdem ser anda rusia fu-
nestas.
fsHsr de goveroos barba-
oSpliccs, ffi s r* dim-
te por ler-mos sido pravas no
cO'po.
JaiIva noilede 9de'outubro de 1818
esleve com Jlo de Hollanda no lugar deno-
minado Pio-Secco?
Jleo.lio sei dizer, porque eu l no
fui.
JutaSabe, que JoSo d Hollanda foi ss-
sassiuado nessi noite oesse lugar da Pio-
Secco.'
Reo Sei por ouvir dizer ; no estire la,
alo posso dar certeza.
JaisOuvio dizer quemlinh sldp o au-
tor desse assassinato .'
aVa~Nlo, Sr. I
Ju3- Fez alguina viagem com Anlonio
de Holln la f
RoMoiSr. : no diiemque elle mor-
reu estar eu nos Afogidos, na ponte do
Motucoiuuiiiu, vi-o passsr com una tal ue-
zerra montado em um civillo; pissou, fil-
loucomatigo, efoi-se embora, e eu voltei
para casa ; quando foi no outro dii son
preso, e oto sei como se me imputa urna
cous, que eO no llz, e pela qual ealou
preso, faz um anno, vito mezes e quaiorze
das.
JaisEn to nunca visjou con'elle ?
Ma--NIo,Sr.
hUz- -Recordare londe estar a a ou-
tubro d !oi| s jKIi0 ;
Keollivia de astar em ininha casa, por-
que mu 110 cedo eu eslava era casi.
JutaEra amigo ou inimigo de JoSo de
Hollanda 1
eoEu nqnea tire amisade com elle se
nSo de o salvar a elle e elle a mim, asas nSo
que us vjsitassemos.
JkSabe escrever ?
Aeo-NIo, Sr.
O interrogado he semi-branco, bistanto
alto, birbio, usando de bigodu e pera, re-
presenta ter 28 annes, e vem trajada d cal-
ca e jaqueta, porm com asaeio.
Fot neesaado, porque consta, que alie
fizen um> riajrum cota Antonio da rljifan-
cl ouvir "fallar de governo'que ern menos da e trutis outro iadivrtuo, e no da subs,-
tWlfhtWA'illYioWncrisscon-'tl^ appareaau Hollanda assassiaado
lempo'1
S|8 ;. os fundos bnsileiros de901|4a9l
os cinco por cento portuguezes de 87 7|8
88 ; os cinco porcenlo russos de 110 a lio
l|4 ; o% quatro e meio por cento belgas de
91 1|2 a 92 l|2 ; e os dous e meio por cento
hollaudezes de 58 a 58 l|4.
A India inglez ficra tranquilla at o (lia
17 de selembro, su qual alcancam as noti-
cias que de la recebemos; mas os territorios
de Nizam cntinuavam 1 ser desolados pula
guerra civil, sem que oeuhum dos partidos
que se combattem tenha alcanzado sobre o
outro urna vantagem decisirs.
Na cidade de Hyderabad houre um pe-
queo tumulto. Cento e cincoenti solda-
dos sahiram daqualli cidade, levando rom-
sigo urna per; de campanha, para se psgs-
rem, disseram elles, dos sidos que liles
eram devidos, mas tendo o governa Jor feito
marchar quatrocenlos rabes em sen se-
guimealo, estes conseguiram tomar-lhes a
peca, depois de urna peleja, na qual marre-
ram 17 ou 18 pessoas.
CAnn e Kgypto.As noticias do imperio
celeste, alcaiiQam a 24 de agosto.
Na provincia de Kuang-si, um corpo de
honieiis numeroso acha-se em rebllilo con-
tra as autoridades imperiaes, sobro as quaes
lem j alcatifado algumas vantigens impor-
tanlea. A cidade capital do districto do Ho,
a qual terp urna grande importancia, com-
mercial, poc isso que tica situada sobre 1101
braco navegavel do rio Canto, e borda a
provincia de Kuang-tung pelo noroeste, ca-
hio recentemente em poder dos rebeldes.
A rebelliflo teo por fim pxltirminar a dy-
nastia Uanlchu actualmente reinante, e res-
taurar a primitiva entapia. O seu cnefe
Li-ling-l ang ds-se por commissionado pelo
co para a ex-cu(.1o desta empreza, e fez
insciever isto mesmo em suas bandeins
Corra quo ella lem debaixo do seu rom-
mando 50,000 homens; mis muita gente
jnlga exagerado este numero.
AS dill'erencis entre a China e Portugil ,
anda nflo tinlum sido reguladas.
O Egipto ficra tranquillo. As ocliciss
que d II recebemos ehrgam a 9 de outubro.
O cholera depoia de lar inleiri.iiente des-
aparecido de Alexindna,' lornou a rebril-
lar naquella cidade, o que era attribuido ao
excessiro calor que fazia.
As agoas do Kilo nlo tinham erescido
como he neessario que.cresr;aui e por isso
receiava-se que para o anno prximo futuro
a laroura riria solfrer por essa causa'
Franca. Nada de extraordinario tinha
tido lugar nesse paiz. A commisslo per-
manente da assembla iinha-so reimi.lo
ulliiHanienieeni sesslo sem que
ocessiao a neiihuma deslntellisencia entre
os poderes execulivo e legislativo, como
laoto haviam apregoado os vormelhos.
A Patrie analysando um documento, cujs
aiitlieniicidade'garante, mostra que o par-
tido revolucionario coinquauto, presente-
mente passivo e spparentemente snhjuga lo,
todava trabalba secreta e mystnriosamen-
te, e rigia para approvettar-sa do primeiro
momento de fraqueza do partido di n'rdem.
< Osocialismp, diza Patrie, finge-semnr-
to, porm do documento que temos vista
resulta que elle tribalna no bas-fondt da
Europa. O elemento communista, o qual
at ao presente tem formado o nupleo. das
aociedides secretas e das conspirarles po-
lticas, eseolheu recentemente para sus s-
le permanente as cldades di Leipsie, Ko-
nigsburgo, Kerlin, Prags, Milo, Londres,
Genebra eParjs: Fillou-se ha alguns lem-,
pos que os chefes do partido anarchico ti-
nham resolvido reunir um congresso secre-
to em Londres, lognos primeiros das do
mez dejunho prximo passado, e agora es-
ta circumslancia he confirmada pelo docu-
mento que temos presente. Por ello sb vt-
queOdesses chefes tinhsm ja #egado n-
juells cidade quando se decidi que a r-
uniSo fosse adiada.
, Esta contra ordem so tere por Iludir a
allencao do governo; porquanto, urna re-
unio secreta leve lugar em Paris no dia 2
de junho, na qual se forniou o plano de
urna insurreico.
: As famificacoes desta vasta conspira-
Cfio.contiai a Patrie,e estendem-se a toda a
Europa, e at ao corceo da llussia onde
da ameaca urna terrivel exploso. S. se-
nta por ella adoptada he singularmente sig-
nificativa ; ella he, Sampti ni tnerei.
Ninguem portanto, se admirar de saber
que us raberas do movimento decidiram ,
que os cheles dos estados sejam assassina- "
dos A associacSo tem adoptado metidas
para assegurar a subsistencia das muiheres
o lilhos dsquelles de seus membros que
morrerein nesta impa lula contra a socie-
Uade. Entuma das numerosas reunies se-
ruiidarias e secretas feitas 1 ros iniciados
lebaixo da presidencia dos agentes prin-
cipaes.foi jurada a morte dos Bouapartistas,
0 ella ser o signil para a destrincad de to-
los os Bourbons e de todos os amigos n
Mstenla lores dos mesmos. Nessa mesiia
reuiiiii um. dos membros da assoriapSo
ptonnnciou contra a viuva do duquo de Or-
leans nma horrivel ameaca. Um dos che-
fes allemfles da couspiracao proferio ose-
guinte juramento : (No campo da baislha a
ninguem poupsremos, mataremos os nqasos
siroprios amigos, sa elles nao forein c iji-
uiunistas decididos. Depois de indicar os
depsitos de armas formados oelus conspi-
radores communistas em todas as capitaes
em que elle tem urna sede permaneule,
pois de enumerar os meios empregados |
ra lacar os tolos eos ambiciosos depou
desenvolver lodos os seus recursos oj
nos, o documento diz-nosque o object_
poiispirscflo he conseguir pot meio da coti-
fuso geral e de um combale sanguinoie.utn
o exterminio de lodos aquelles que pos
suem nm p de Ierra ou um real do renda e
que ella tem dado o.juramento de Hannibal
contra todas as inonarchias (la Europa. O
saque e o assassinato formam a base dos
planos. 0 documento t-rrnina assim. U so-
lo da Europa est minad?} urna catastro..
hpe horrorosa.est portanto, imminente.a
Blgica.
Em diis do mez de outubro prximo pas-
sado foi lieos servido de chamar a si a ru-
nda dos Belgas.
. 0 Cai'onani'i Messenger mirando o funeral
da i Ilustro finada exprime-se da nianeint
seguinte :
a Os restos desta Ilustre e amavel pessoa
foram chollados io seu ultimo jasigo no dia
sexta-feira Anda no eram 10 horas j s
achavam reunidos na igreja os ministros,
os presidentes das cmaras, o orpo di-
plomtico, o presidenle e o procurador ge-
ral do supiemo tribunal dejsliga (coui
de casta t ion), o_ presidente ovocurador
geral da relacio', as damas e criados do pa-
co e bem assim um grande numero de se-
nadores, deputados, empregados pblicos
e personagens eminenls. Quatro coronis
i'stavam en) peos quatro ngulos do cai-
xo com as espadas .unas e em torno delles.
jOofliciaes rolhos nlo coinmissionados, os
quaes tinham sido escolhidos para levar o
caixlo para pcarneiro.
' Pelas tOhoras e tres quartos o ranhSo
annunciou a partida do re e da familia real
do castello de Laeken. Elles foram rece-
idos com s guaes du maior respeito pelo
povo reunido no pateo da groja e pela
guarda cvica. O canleai arcebispo do Mi-
linas e o clero recebeu o re I entrada da
igreji. Ocardeal dirigi ao rei algumas ob-
servarles, mas S. M. no Ihe respondeu sa-
nan com ligrimas. O re entrou primeiro
tendo pelo braco a rainba Amelia, ellees-
lava lio aneciado que nlo poda bem andar.
Ao passar pelo ceootapbio S. M. cimba
ieou, o que pressenlindo a rainlia o segu-
ro u pel braco para suslenta-lo, dirign-
do-lbe Ib mesmo lempo algumas observa-
eoss. Este incidente excitou s mais penosa
seiisacjao. Os lilhos do re, o duque de Bra-
bante e anude de Flindres, acompanoja-
dos pllDrOceza Clemeiitina, seguiaiu a
S. M. o eram seguidos do duque de Ne-
miurs, o qual pareca profundamente afec-
tado, do principe de Joioville o qual eslava
mais pallido do qu de ordinario, do duquo
dAumale e do principe Augusto do Six
Coburgo Gollia. O p/eatito real rraacosu-
panlialo pelo duque d Cnzes, pelo gene-
;al de S. Yon ( ministro da guerra 110 lem-
po de Loiz 1 ilippo J, por Mr. De la lluo, Mr.
de Monlesquieu, Mr. d'Houdotot, pelos du-
ques de slarmier e de Trevise, etc.
O ofllcio comernu entSo e dureu por
es'psqo de urna hora" A voz do cardes! que
olUciou era frequeutealeole inlerromptda

aa,


\< '-#- .
pola eirujjl^que senta e todas as pessoas
que estfJajp na igrefa choraram. Quando
o veneravelprelado voltou-se para lancir
a be*NHa^H[os rePremidos rompern) o
solemne Sirwlco. Concluido o rquiem, o
re e a familia real retiraram-se. Os vinte
ofliclaes levaram entSo o caixSo para o car-
neiro^ o cardoI lanzando sobre elle agoa
lenla, tlirou-lhe depnis com um punhado
de p, duendo, Tu s p e em p te has
detornar* Depositado ocaixSo devidmon-
te, o carneiro foi fechado e triste ceremo-
nia terminada.
i Todos oa Belgas aem distincSo de clas-
se nem de opiniSo continuam a mostrar
profunda dor pela morte da rainha ; em
um grande numero de igrejas tnm-se ce-
lebrado ja missas pelo repouso de sua al-
ma, e oulras mais terSo anda lugar
Italia.A Toscana ficra tranquilla, uSo
obstante o desgosto geral causido pelo de-
creto recentemenle publicado pelogrS-du-
que, supprituimlo ali o rgimen representa-
tivo. Diversas municipalidades linham
protestado contra essa medida, inclusive a
da capital, mas o ira-duque persiste na
carreirn encelada, f a nada tem querido
Hender.
O Piemonte ficra aocegado, mas as suas
diffewn5as.c0m a santa s cada vez se iam
tornando mais complicadas.
O papa em um breve que designara ao
arcebispo Wercelli com data de 6 de setem-
bro eiprime-se da maoeira seguinte acerca
do procedimeoto do goveroo piemontez.
Como podern abrir-se negociacOes para
preparar urna serie de conferencias e rac-
lificscOes destinadas a determinar a justa
oompensacfio devida liberdade ecclesiit-
tica, se ogoverno subalpino sustenta, pelo
meo do persona ge m destnelo que nos en-
viou, que-as leis por elle promulgadas
nSo excedeu em nenbum grao os limites do
seu direito, excluindo detle modo toda a
applicicSo preliminar s apostlica, aem
embargo de existir urna convenci solemne
entre ella e o dito governo ? Ainda isso nSo
he ludo. O mesmo governo alm desse prin-
cipio absurdo aconselhado meramente para
promover seus fins actuaes, nSo hesituu em
ir adiante, e sustentar que para restaurar a
paz igreja subalpina, o remedio mais efli-
caz consiste em foresr o nosso veneravel ir-
mfio Luiz Franzoui, arcebispo de Turim a
resignar a s.
Um tal procedimento transformara osla
cadeira apostlica em cmplice daqqelles
quedesejam a ruina dos saudaveis princi-
pios em que ella tem achado seu mais fir-
me apoio, e leva-la-hia a punir p mu 1 Ilus-
tre prelado, digno de todo o louvor, eji
lio violentamente maltratado e opprimido
por ler instruido os paradlos debaixo de
sua jurisdiccSo em que casos deviam admi-
nistrar ou recusaros sacramentos.
'Ora, nSo ha quem ignore que tal aulo-
ridade pertence nica e absolutamente a
igreja. Demais, que Cinltanca pode ter
eata, s apostlica em um novo tratado ,
quando umaprimeira e solemne couveucSo
foi plenamente despresada e calcada aos ps
accSo, por cario condemnavel, mais qual,
nSo obstante isso, o governo piemontez nSo
quer nem que se faca allusSo 1
S. Sanlidadeconcluindo, recommenda ao
arcebispo de Vercelli e aos seus iruiSos que
offerecam suas oraedes pelo triumpho dos
direito da igreja.
.Yo Wi'i rgiwunlo de Turim de 17 de outubro
Use o seguinte:
*, O Sr. Pinelli retlrou-se de Roma porque
cwvrui:eu-ae d.i iiiipossibilidade oo smente
determinar alguma cousa, senao laiiibeiu alu-
da deeuiabolar negociarles preliminares com
a corte de Roma. Esta corte eliga antea de
entrar em alguma n^gociaciu a revgaco daa
lcis adopta laa pelo prlameato sardo e o resta -
beleclrnento do primitivo itatn qno.
O Sr. Pinelli nao pudia tratar sobre estes ter-
mos e foi por easa raso que nao julgou pro-
prio antes de sua partida pedir una audiencia
de despedida ao papa. Confiamos que o gabi-
nete poder brevemente apresentar s cma-
ras urna cotila plena e precisa de lodos o pro-
cedinicntoi. A cttrte de Roma recusou reco-
nhecero carcter real da missao do Sr. Pinelli.
Ellaprocurou perverl-la, e eiforjou-se iuva-
riavelmenle por collocar a queslao sobre oulro
terreno ; porin o nosso hbil estadista traba-
Ihou por manl-la dentro de seu circulo real, e
fiel as suas instrueces, antes quii vollar sem
ter concluido nada,do que compronietler, alu-
da mestno em apparencia, a Independencia do
estado que to dignamente represenlava. O go-
verno sardo continua, como requeren) os iule-
reasea reaes da religio, respeiioso ao chefe da
igreja calholica, por que as lela quecslabele-
cem a igualdade entre as difterentes clanes da
populaco sao una reforma civil e nao um
chisma religioso, como o partido ultramonta-
no quer fazer crer.
A volla do Sr. Pinelli nSo he o signal
de um rompimento com Roma, nem um cu-
meco de represalias ou de hostilidades. O
governo ha de perseverar em sua empreza ;
elle continuar a respailar, honrar e pro-
teger a religiSo e ao mesmo lempo* fazer
as reforma* eivis exigidas pela coostitui-
cSo, e a saanter, dentro dos limites do que
he praticavel e conveniente, a mulua in-
dependencia do* principio polticos e re-
ligioso.
A influencia do clero nos dominios lar-
dos he muilo grande, por iaso eremos que
o governo piemontez encontrara grandea
dilliculdades na consecufSo do fin que se
propOe. .* .
segundo 8 U/Maio u uuuidiuuh v.-.- religiosa* existentes nsquelles dominio*
anda por MI, islo he, 384 no Piemonte e 99
na ilha de Sardenha. Dos 384 conventos
sitos no Piemonte, 253 san para humen*,
e 131 para mulhere,. e do* 99 sitos na ilha
de Sardenha, 88 slo para horneo* e II pira
mulhere*.
A gazeta cima citada, calculando 20 pes-
aos* par* cada convento, acha 6,|10 ira-
das), e 2840 freirs, islo he, um fride par*
870habitantes e urna freir para 1,645,
AceordSo em relacSo, ele Que menos
Lean julgado foi pelo juiz municipal sup-
plente da segunda vara civel desla cidade
en sua senten^e 0. 21 de qoe se appellar.
fl. 93 r. Reforman), perianto, a senlenca
appellada para julgar, como julgam, proce-
dente e provadada a accao de liliaclo cons-
tante do libello a 11. viales os utos, do*
quaes se pruva : 1, pelos documento* a fl.
9 il e!2a menifeatacSo da vontadedo fi-
nado pai dos appellanies em perlilha-los e
lecoubec-lo* como aeu* fllhos naturaes,
faaendo abrir eteento de baptinio parante
os parochos, mostrando muilo empenho,
que iassem criptoa com toda especifica-
flo. como se v dos seus requerimentos fl.
39, 39 v., e fl. 40 em os quaes menciona-
a serem seos lilhos, que pretenda reeo-
'.hecer em seu testamento, preferindo an-
tes os assentos e os livros eclesisticos por
-eretn da mais diflicil extravio, sendo que
a favor doappellante celebrara de mais seu
pai a escriptura a fl. 12, pela qual consti-
lundo o patrimonio para a sua ordenacSo
leclarava-o seu fllho natural: 2.,prova-se o
reconhecmento da appellada ta dos appel-
lantes com a conflssSo a fl. 18 que f6ra re-
duzd* i termo, tornando-se judicial, e so-
lemne pela assignatura da mesma, como
se v a fl. 20 destes mesmos autos nestes
termos, estabelecendo o 3 do decreto de 2
desetembro de 1847, queapprova da filia-
cao natural smenle se possa fazer por es-
criptura publica, ou testamento, sendo 1-
quella o instrumento com que se instrue a
causa L. i,tiig.de fide inilrument, o que he
munido com a autoridade publica, e feito
porofliciaes para isso deputados 17, Cod.
eod. til. considerando-se tambem Instru-
mentos pblicos os livros ecclesiasticos a
respeito dos casamentos, baplismose bi-
tos Ord. L. 3, til. 25 5, que merecen) fe
pubica, tanto que o paracho passe cerlidflo
por extenso do theor de lodo o assenia men-
t, que est no lvro, e temi o carcter
de solemne, isto be, o ligitimo numero de
leslemunhas, ou a subscripto das partes
outorganles L. 17, Cod. de proboi, exube-
rantemente est prorada a filiaeflo preten-
dida no rigor da disposicSo da citada lei,
que leve por lim fazer pender o facto da 11 -
liaQo nicamente da espontineidade do
pai, e evitar a multiplicidade dos pleitos
com provas diflleeis, e s vezes immoraes,
e pelos quaes se habillavam muitos fllhos
Com prejuizo de honra de alguem, e dos in
teresses dos legitimo* successores oucol-
lateraes. 0 decreto citado no arl 3.* men
cionando a escriptura publica, como um
dos meios de prova para a lilisc.lo natural,
uo quiz excluir, e nem excluio a certidio
extrahida do* termos de baptismos assig-
nados pelo pai, e por testemunhaa, que lem
a validade da escriptura publica, como se
fossem feitos em nota, e por isso tendo eo
tre nos a mesma Torca e f, qua as notas
do tabelliSo, lem os appellanles provado
por escriptura publica o reconhecmento
paterno ; porquanto, se a lei contemplasse
a nota rnenle do tabelliSo, como escriptu-
ra publica, de certo mencionara : 080 o
tendo feito, licito nao he por excepc3o on-
de o legislador nSo poz. Quando nSo bas-
tassem os documentos pblicos ja mencio-
nados, a coulissao da appellada a fl. 18, u-
nica herdeira, e pesso* inleressada na he-
rn< sem questSo, ou a menor suspeita de
poder add-la, e della dispor, como Ihe ap-
prouvesse era prova aufllciente na forma
de direito para se julgar procedente e pro-
vada a ac?ao intentada : a conflssSo de
uma parte em juizo dos facto* sobre que
oulro funda oseudireilo desonera. estede
prova-los Uraf. /.. 3, di 50 1, poia que he
prova plena, superior as oulras provas, e
induz logo a condumnaeto : e n8o sendo
prohib lo esse genero de prova pela le
referida, visto como s podem regular as
mais dispusieres quando lia controversia so-
bre a qual tem o juiz de declarar a sane-
cao da lei, accresce que .a confissBo a fl
18, nSo pode neste caso, fazer fraude
indirecta a lei, por ser feta por pessoa,
que tem a livre administrarlo de sus bens,
como he a supplicada, nica e ligitimacol-
laleral, argm L. 6 Cod. de Ugib. I'ortamo,
a vista da prova exhibida pelos documentos
fl fl. e fl. corroborados, e-rectificados pela
conflssSo a II. 18,reformada a senlenca appel-
lada, como dito fica.julgam provada a accSo
proposta, eos appellanles como fllhos natu-
raes do Gnado Jos Antonio Lourenco, para
poderam liaver lula a bursnea, e gosar de
todo o direito successorio que como taes
Ihes toca, e pertence, pagas as cusas pelos
mesmos appellanles ex-causa, vislo que
0S0 houve opposicSo da parte da appella-
da. que logo no principio confessou o
pedido no libello a fl. 8. Recife, 6 de
OUtubro de 1850. Kteved: presidente.
So^sa.Ramoi. Rebetto Auna Freir.
Tellei.
RECEBEDORIA. DE RENDAS CERAES
INTERNAS.
Rend ment dodia2l......475,620
CONSOLADO PROVINCIAL.
liendlmento do dail. .3:062,923
NOTICIAS CO.MMERCUES.
/.it)ernol, 21 de outubro de 1850.
AlgoHlo A Hrinesa que se apreaentou no
eacerramento da semana passada continuou
at segunda-feira, as noticias recebidas no en-
tinto do CanatM nao produiiram effelto algum
no mercado,. Na terca-felra, lb a Influencia
de uma procura limitada, e tendo-se mostrado
evidente i.cnte- inaior disposicio para vender,
os preros tiuliam uma apparencia mais fcil ;
appareceu succeulvamente urna procura con-
sidera vel no mercado, i|uc os possuidores eu-
contraram livremcnte ; o mercado, comtudo,
reassumio u'ii toui mais lirnie-e frenou-ae bola
sem alteracao alguma matfhnajdoi precos de
saxta-felra passada para as descrlQ(desda Ama
rica. Us algoddea do Arasil e do tgypto esto
em boa procura, e permanecer aem alteracao,
eiceptuando as qualidades mais ordinarias do
ultimo, que baiiaram I i;8d. Avultadiislmas
transacfcs ae Hieran) nos de trrale, eos pre-
cos foram algum tamo irregulares, e fecbaram-
se a* meamos da que a semana panada. As
vendas da semana orcam por30,280saocas,(das
quaes 550 saccas da America, 140 de Prrnain-
buco, 620 do Maraohao, 60 do F.gvpto, 2,480 de
Surrati-, e 100 de Madras para eipeculaco,
com 1,340 sacca* da America, 490 de Pernam-
buco, 2 450 de Surrale, 50 de Madras e 70 de
llengala para espor, fego) compreheodeodu 350
deSea-lsland de MlUd, a ti d., 20 ataioed
de 8 1/2 d a 10 d., 5070 owed 7 1(8 d. a 8 1/8
d., 3,480 de Mnbile, Alabaina, e Tenoessee de 6
d. a 8 1/4 d., 10,300 de Orleans de 6 a 9 d., 010
de Pernainbuco, l'arabvba. etc. de 8 1/4 a 9 1/4
d., 650 da Babia e Naceio 8 1(8 a 8 1)4 d., l,4l(
do Maraobo de 7 1/4 a 85/8 d., 10 das Indias
Occldentaes a 8 d., 30 de Suiyrna a 7 3/4 d.,
1,280 do Egvpto de 7 1/4 a li d., 5550 de Surra-
le de 4 1/8 a63/8 d., 150 de Madras de 5 5/8 d.,
e 70 de Aengaia de 5 1;4 a 5 3/4 por libra. Aa
vendas de algodao al 24 de outubro orea vam
por 1,997,750 sacca. a Importacso ate esta
data montara em 1,320,770 saccaa. A exporta
(jo al este dia he de 197,200 saccaa, O depo-
sito he estimado at este dia em 459,600 aaccas.
I) consumo cumia va al hoje ara 1.137,900 aac-
cas. Para eipeculacSo al esla dala 683,775
aaccas.
Anucar. A procura tanto da parte dos es-
pecleiroi como dos refinadores continua ani-
mada, e realisou toa adiantamento poueo nai
on menos de 6 d. a 1. Aa vendas montas i
750 barricas da Plantelo e 13.000 saceos de
/Tngala. No aisujar eslrangeiro as traniac-
Ses cornprebeudein 1,850 calas de Hivanade
a 43 s 80 barrica* de Porto-Rico de 40 s. 6
d. a 41 a. 6d 100 caisas de assucar baiio
triguelro da Babia a 18 a., 8,000 taceos d* Per-
uambnco e Parahyba a 17 i. ti d. para o balso,
de is. tiid. para o Uno tngueiro, e de 21 s. ti d.
a 23 a. para o balso ao mediano branco, com
300 caisas do Kio aob a vela a 20 a. 3d. por
quintal.
C/f. A procura no mercado est frouxa, e
4a-se a preferencia ainda na Plantaco de Cey-
Iam, daa quaei 110 barricas, e 60 sacoai foram
vendidas de 56 a 68 a 50 barricas grandes de
Jamaica foram inubem mencionadas. Da caf
eslrangeiro Hieram-se alguinas vendasconsldc -
raveis igualmente para esportaco e para eipe-
culavo, comprehendendo 3,060 saccaa de La-
gulra de 50 a 52 s. 3 d..600 saceas de Haracaibo
a 49 a., 600 saceas de San-Domingos de 49 a 50
s. no mesmo lugar, e a 48 s. aob a vela, e um
carregainenlo do Rio aob a vela do qual nao ae
sabe o preco exaclo, 1,300 saccaa de Guaya-
quil Cocoa foram tomadas de 30 a 31 a. e 590
saceas do Par a 2. e 4.
COtfMEfiC.
ALFANDECA.
Itendimento do dia 21.....6:427,813
Detearregam koje 22 de novembro.
Briue-- Gugleelmo ~ Tarinha de trigo.
Ilrigue Arago mercaderas.
Brigue S. Helene taixa*.
Ilrigue Tarujo III mercadorias.
Brigue foleto Uboado.
Brigue Quien bacalho.
Brigue- Santo Otu-\inbo e ceblas.
CONSDI.Al)<) GERAL.
Rendimento do dia 21.....1.525,926
Diversas provincias...... 61,320
j 1:587,216
EXPORTACAO.
Despetekoi martimos no dia 20
toneladas : conduz o seguinte-. 13 pipa*, 18
guarilas e 134 harria azeite de carra palo,
119 caixas velas de carnauba, 13 mlhos es-
leirs de palha de dita, 200 mlhos palha
de dita, 1 caixote assucar, 10 barricas ferra-
gaoa, 13 volumes fazendss, 125 barricas fa-
milia de trigo, 12 pipa* abatidas, 10 barri-
cas cevada, 3 volumes utencilios para cha-
peos, 2 dito* (lo de barbante e 1 caixa col-
xete.
Aas, hitte nacional Flor de Cururipe, de
97 tonelada* : conduz o seguinte: 16 vol-
me* fazendas, 2 ditos mitidezas, 2 ditos do-
ce, 1 pipae 1 barril ago'ardenle, 34 volu-
mes ferragens, 2 saceos assucar, 10 caixas
sabSo, 1 ancoreta azeitonas, 2 bsrris pixe,
2 volumes cbatos, 1 caixa cha, 2 rolos fu-i
mo, 3 taixos e 1 baca de cobre, 3 barricaa e
2 garrafasgenebra, 2 duziaa taboas, 3 volu-
mes louca, 16 barricas farinha de trigo, 1
volume pimenla e erva-doce, 3 barri* man-
teiga, 2 alumes garrafas de licor, 3 kjarrj-
caa bolacha ebolacbinha, II barri* vinho,
3 ditos e 1 garrafSo vinagre, 4 garrafdes
azeite doce, 4 saceos caf, 2 bsrris cervej,
100saceas farinha de mandioca, 6 ditas ar-
roz 31 chapeos da ma**a
Canal, brigue ingle* Caroiine Soben*, de
239 toneladas : conduz o seguiste : 3,500
saceos com 17,505 arrobas de' assucar.
M o vintenio do porto.
Naviqf entradui no dia 21.
New-Csslle 47 dias, brigue sueco l.innia,
de 160 tooeUdas. capitSo A Olssou, eqii-
pagem 10, carga carvSode pedra; a ale.
Calmonl& Compauhia.
Liverpool 27 dias, barca ingleza Willia
Rustell, de 298 toneladas, capitSo I. Shel-
ford, equipagem 17, carga fazendas; a
Russcll Mellorarv Companla. Passagei-
ro, o Inglez T. W. II. Nell.
Mouievdo 34 dias, brigue hespanhol
Wipjredo, de 247 tonelada*, capitSo Jos
Ferrer, equipagem 13, em lastro ; a JoSo
Pinto de Lamo* Killio".
Pa rali iba 24 horas, lancha nacional Tret
Irmloe, de 31 3/4 toneladas, mestre Jos
Duarte deSnuza, equipagem 5, carga lo-
ros de mangue; ao mesmo mestre. Pas-
sageiros, Msnoel l'orfiro Araoha e JoSo
Carvalho da Silva.
dem 24 horas, lancha nacional Exala-
(o, de 37 1/2 toneladas, meslre Joaqun
Antonio de Figueiredo, equipagem 4. car-
ga loro* de mangue; a Jos da Silva Men-
donea Vianua. Pastageiros, Luiz Franca
Ja Costa e Bazilio Francisco de Oliveira,
Terra-Nova 40 dias, barca ingleza Norval,
de 245 toneladas, capitSo James Wallace,
equipagem 16, carga bacalbo; a Pa ter &
Con,panhia.
Havre 48 dias, patacho franoaz loeeph
froiptr, de 166 toneladas, mestre Fre-
bourg, equipagem 16, carga fazendas ;
a Viuva Lassene Companbia. Passagei
ros, Gossetcom sua familia
Harseille60 dias, brigue franoaz Oatoi-
nette, de 115 tonelada*, capitSo Brunlio,
equipagem ti; a N. O. Uieber & Compa-
nbia.
Pliiladelphia 45 dias, patacho americano
Wavt, de 192 toneladas, cspitoW. Joli-
no, equipagem 8, carga farinba; a Deaoa
Vouie& Companbia.
Natioe sahioi mesmo dia.
A*S Hiale i'lor ta Cmruripe, uiesli a iim
noel Antonio da Silva Barros, carga va-
rio* genero*. Pastageiros, Trajano Jos
Cavalcanti, JoSode Ueoa Goncalve, Le-
andro Ferreira de Moraes, Neonardo Fran-
cisco Duarte e o Porluguez Francisco Jo-
s da jedeiro*.
Canal -- Brigue nglez Carolina, capitSo
Lhoroat Wiiis, carga assucar.
Porlos do bul -Vapor S. Scbastido, coniman-
danle o pruneiro lenle TorrezSo. Alm
do* passajeirus que trouxe dos porto* do
noria para os dosul leva a seu bordo:
Firmino Gonzaga da Silva e- Francisco
Concalves Meiralt* Bastos
Art. 7. Nenhum carro aera conduzido
a correr as pontea; os cavados deverSo ir
a pequeo trote ; e as ras nSo podero ir
a galope : os infractores terSo multados em
6,000 rs.
Art. 8. A'noite nenhum carro deixarl
de trazer lanterna* com luios : os Infracto-
res serio multados em 6,000 rs.
Art. 9. as ras ou lugares da cidade
ondehouver lama, ou goa empocada, os
cavados irffo a pasto : os infractores sardo
multados em 6,000 rs.
Art. 10. Os almocreves nao podero en-
trar ou sihir da cidade montados nos caval-
las que tiverem carga, e deverSo conduzi-
los pelot ctbrestos : os infractores serflo
multado em 8,000 rs.
Art. 18. Sobro os passeios ninguempo-
der carregar fardos, caixOes, palanqun*,
ou outra qualquer coma que por seo volu-
nte possa incommodar o* que por ellet tran-
sitan) : ot infractores terSo multados em
2,000 rs., lendo paga a dos escravos pelos
teut enflores.
a Art. 14. Ninguem poder indar ca-
vallo sobre os passeios : os infractores pe-
ftrBo a moa de 5,000 rs.
a Art. 13. Todos ot lotes ou combofos de
animaet de carga, que entrarem Desla cida-
de, serSo conduzidos ptsso, e atados ura
atrs dos outrot, e levados pelo meo da ra
at o lugar de seu destino ; e, logo qoe te
houver feito a descarga ou novo carrega-
aento, erflo reconduzidos pira fot ata
mesma maneira : ot infractores serSe mul-
tados em r.000 rs e te Tr esenvo, seu se-
nhorou correspondente pagar multa, e,
deixando da o fazer, o inductor dos ani-
maos tofTrer 24 hortt de pritSo.
a TITULO X.
* Art. 1. Quero ilter pela* ras vozerias
e alaridos pagar a multa de 1.000 rs.
a Art. 9. A nenhum individuo livre ou
escravo ser permiltido nsar as ra* da
cidade e povoacoea do municipio tem calca
e camisa por dentro de calca ; aa escravas
ao poderSo aahr ra estando honestamen-
te vestidas : ot infractores pagarlo a multa
de 9,000 rs., tendo a dos escravos paga pe-
los seus senboret.
Art. 8; Toda e'peseoa que de dia fr
aebada nua em beira de preia, ou tomando
banho com o corpo descoberto tem a deridt
decencia, ser multada em 1,000 rs. sendo
ptgt t dos escravos pelos seus senhores.
Art- 17. Oi carros que servirem para
conduceflo de quaetquer objeclot, pucha-
dos por bois, eu por cavado*, serio guiado
por pessoas que irSo (ua frente; alvo
aquelles que, puchados por cavados, nflo
poderem *er guiados seoSo de dentro : o
infractores pagarSo a multa de 4,000 ra.
Art. 18. Fica piohibido cooduzir den-
tro da cidade carros que faceta chiadaa em
ua marcha : ot carreiros on conductores
doa mesmos carroa pagarSo a multa de ra.
4,000 : se forera escravos, seut lenhoree ou
correspondentes t pagarSo. >
E para que nio aleguem ignorancia vai
publicado pela imprenta. Bairro deS. Fr.
Pedro Goncalvot, 20 de novembro de 1850.
~ O fiscal, tanoel Ignacio de Oliveira Lobo
Declaiacoes.
tiOJTAL
Manoel Ignacio de Oliveira Lobo, fiteal da fre-
yueia de S. Fr.Pedro Goncalvet do bair-
ro do Recife, aa virtude da lei.
Fas publico aa .diepoaicoe do* rligos
abaixo transcriplot, daa poslurat munici-
paes vigentes:
a JITULOIX.
a Art- 6. Ninguem a cavado poder ga-
loparon correr pelee ruat e postea da sida-
de, excepto os ordenancaa montado*, e oili-
oiaes em ervico : sb pent de.pagar 8,000
rs. de multa.
- S. Exc. Rvm. juigando conveniente que
a proetsafo de Corpue Cnrteli passe pela ra
Nova, determina quechegando a dita pro-
cissSo ao pateo do Carmo, seja dirigida
ra das Flores para te recolher na matriz
pela ra Nova.
- O arsenal de guerra compra carvSo de
pedra e limas de differentes qualidas, assim
como papel almaco e de peso, peonas e tin-
ta de escrevor, Itpet e obreiti: quem os
mesmo gneros te propozer t fornecer,
comparece com su proposta no da 23 do
corrente, trazendo suas amoslrta.
O vice-consulado argentino foi transfe-
rido para a ra da Cruz do Recife o. 40.
Theatro de Santa-Isabel.
30.' RECITA DA ASSIGNATURA.
Subbado, 23 de novembro de 1850.
Depoit da exccucSode uma bella ouver-
verlura, a companhia nacional representa-
ra o drama em 5 actoa
AFFONSO III OU O VALI ft'EI.-REl.
No fim do drama o* artiatas Silvestre e
llaymundo cantarSo a*e*Nto do
B.IRA MGAADO.
Terminar o espectculo coa a graciola
comedia em um acto
Knilliu travesta.
Comessar s 8 horas.
Os bilbetet acham-se venda no lugar do
costume.
gue nacional Cd*or ler parte do
carregamento prompta : para o reatante,
paasageirot e escravos a frete, trata-so com
Manoel Alvet Guerra Jenior, na ra da Cruz
do Recife n 40, ou com o capitflo Manoel
Francisco dos Reis.
Para n Para, tocando no Cetra, sahe
em poucos dias a escuna nacional Marta
l'jrmina, capitSo e pratico JoSo Bernardo
da Rota, por ter parte do teu carregamen-
to engajada': para oarga pranme oulro
porto epassageiros trata-se com o consig-
natario, Luiz Jos de S Artujo, ni ra da
Cruz n. 33.
IIlo ilf Janeiro.
O patacho Sania Ou segu nestes das,
s recebe slguma carga mlud, passagelror
e escravos a frete : trata-te ao lado do Cor-
po Santo, loja de massames n. 25.
Para o Ceara :
segu viagem por toda a semana o biate Li-
geiro, por j ter parte do teu car reg manto :
para o resto on pastageiros, di rija Ate i
ra do Vigarion. 15. a. ',#
Para Colinguiba tibe netles oitodiaaa
sumaca nacional Flor do kngelim, mestre
Bernardo deSoula, por ter a carga prompta
pode recebar algunas miudeza* e paetefai-
ro, a tratar com o mesmo medre, ou com
Luiz Jo* de Araejo n* ra da Cruz n. 33.
Para Luanda com escala por Benguella
o brigue portugdez Oriente pretende seguir
coma miiorbrevidade posslvel, por tero
se arrsgaoaanlo complelo, apenas recebe
alguma carga miuda epassageiros, para o
que ofiereee ot melhore eommodos i trta-
te com ot consignatarios T. de Aqu no fon-
seca & Filho, na ra do Vigario o. 12, pri-
meiro andar, ou com o capito na prasa.
Pan o Aracaty sahe, no da 98 do sor-
rente, o hiate Kngelica, por ter j parle da
carga prompta : para o restante epaatagei-
ros, irata-se com Antonio Joaquim Seve aa
rus da Cadei* do Recife n. 49, on com O mes-
tre Jos Joaquim Airea da Silva, no Irapjek
do algodSo.
Para Santa Catharna
aahe com brevidado o patacho nacloaal Li-
vramento, capillo Francisco Joa Ratea J-
nior : recebe carga e escravo a frete: quena?
quizer embarcar, falle com o dito capillo,
ou com Manoel Ignacio de Oliveira, na praca
do Cominercio, n. 6.
Para o Rio de Janeiro sahe sai poacot
dias o pataxo nacional Curioso, capitSo lia-
noel Rodrigas* Faneco, porseaehar parte
da carga engajada, para o restante e paa-
sageiros traia-se com o consignatario Luiz
Jos de S Araujo na roa da Crui n. SI.
Para o Ceara.
Espera-se com toda a brevidade de Lis-
boa com deslino ao Cear, o brigue nacio-
nal Emprea, forrado e encavilhado de so-
bre s de uperior marcha; de*aorar-ie-ha>
aqu 12 dias, a recebar cire paatagai"
rot trata-se na ra da Cadorftb Recife n.
17. aegundo andar.
Para Lisboa o brigue portugus Coaicriciid
de Marta,' pretende seguir por todo o mez
de novembro, por ter a aaior parte da car-
ga prompta, quem no mesmo quizer carre-
gar ou ir de paitagem, dirija-* toa tesa
contignattrot Thomt* deAquino Fonaeca
& Filho, ra do Vigario 19, primeiro
andar, ou ao capillo, na preca
Leiles.
Richard Hoy le continuar, porinterven-
ClQ do correlor rlrwira, o seu leilSo de fa-
zendas ingleztt todas de lei e at atis, pro-
priaa do mercado, coatittindo em brina de
linho brancot de muitat qualidadea, ditot
de cores, algodSoxinhos lisos e Inusados,
casa** brincas, riscadot diversos, esadapo-
lOet linos, entrefinos e ordinarios,.panno*
de ISt, etc., quies, por falla de lempo
nSo poderam expor-ee honleru venda : no-
je, aextt-feira, 82 do correis, s 10 horat
di manhSa em ponto, ao teu armtzem, ra
dt Cadeia.
Ocorretor Miguel Carneiro, far leilSo
no dia 25 do crranle aa toharat em ponto
no eu armazem na ru* do Trapicha n. 40,
de di veras* trales, louca e obra* de prala :
lodoa-stles objectos tero vendidos'muilo
em conta, por serem de uma peatoa que as
retira deala provincia, attim como ao aa
recebera qualquer objecto para dito (cilio
at o dia 21 do correle ao meio-lia.
Avisos diversos.
Theatro de JS.-Francisco.
BELLAS ARTES.
Quinta mudanca da$ novas villa do coi-
tnoramm.
Hoje 22 do corrente, licht-so i ga-
lera abarla com as ricas vistas non do
cosraorama, a atber:
A galera uaciajaal, em Londret.
A gnnde proefaafio de Corpue CkritU, em
Sevilha.
.. a>'--*; CSHirid.
O ligo lloaobeil, em noite de lu, ni
lUlia.
A pnce Del Poplo, em Romt.
A retirada de Napolelo sobre o rio, n
Berriseo.
A cidade de Dublio, ni Irlanda.
Zurich, naSuiaa
A cscala de Maximiliano, em Tyrol.
Altona, no suburbios de llamhurgo.
O interior da gruta Azul, em Capri, na
Italia.
O director espera que o respeitavel purifi-
co ha do licar bstanle stlisfeito com as ri-
cas vitttt desla mudenca.
O escrivflo da irmandade do Divino Es-
pirito Sanio convida a lodo* os icmlos(eotn
etpeeialidsds a aquelles que teem capa* asa
aeu poder ) a comparecern) no convento de
S. Francisco no dia 24 do corrente, ea i ho-
ras da tarda para acompanhar a precsalo
de Cotpu* Chriati.
i
s
e
a
Avisos martimos.
Para o Rio de Janeiro *ahr em pou-
cos di* o brigue ero : recebe carga a fre-
te assim como escravos : quem quier car-
regar, trate com Leopoldo Jote da Cotia
Araujo, ou com Ncvaet & Compiohia.
Pan o Rio de Janeiro segu em poucot
ditt, por j ter a maior parte de teu carre-
gamento engajada, o hiale Ligeiro, forrado e
pregado de cobre : para o reato, trala-ta na
ra do Vigario n. 5.
Para o Kio de Janeiro
sigue viagem com mu la brevldide o bri-
?*W,3
?*K/^
<553G0S33sfc?eee*^
1
8
$
e
O Dr. J. S. Santos Jnior,
m
o,
O medico homoeopat.i ora
9 Qa rui No?a,n. 58, primei-
ro andar.
9
I
9
9
O
0>t>OOOO2X?O#O>
- Precia-se um cosinheieo retro ou cap-
tivo, no ultimo titlo do lado direito antes
dechegar ponte do Maoguln.no, ou na ra
da Cruz, no Recife. n. 27.
- Nagosia-ae urna letra do bsetarael ex-
{romotor do Limoeiro Antonio Joaquina de
hjueiredo Seabr, da quantia de t2,4ar.
nucida im oulufo do 1847 Wse asgocio
te faz a vista do pretndeme : aa ra Nova
d.W.



.*
_
Deposito de bridas espirituosas
na travessa da Madre-de-
Deos, n. 5.
Neste deposito acharao os fra-
geles todas as qualidades^ de be-
bidas espirituosas fabricadas no
paiz, Hvres de imposto' para os
compradores, que as podero re
talhar em suas casas sem mais
onus algum, visto ter o Exm. 5r.
presidente di provincia ordenado
no regulamento que deu para a
cobranca do respectivo imposto,
que a coltecta se fizesse as fabri-
cas, e depsitos, e nlo as casas
qne retalham para consummo, pe-
lo qoe j se acha este deposito
colleetado por todas as bebidas
que vender para a trra.
Oibiito asaignado faz publico que a
criouli Mara da PiixSo, escrava da Seoho
t* Domingas Prancitca do Rozrio, mora-
dora em Jaboetlo, be forra desde o da 18
de fevereiro da 1843, oo qual a mesma se-
nkbra receben do abalxo attignido a im-
portancia de aeu vilor.em coBtequencia ot
servigos qoe Ihe prestir criando um de
seos Filhot, o que prora pala carta d'alfor-
ria que existe em aeu poder, e exarada no
livro das nolis do Ubelliflo Coelho, perian-
to, todo o negocio (sito respeito da mes-
ma, be inUiramente Millo. /. F. Eira.
OITereee-se um mogo para caixero de
quilquer stabelacimenlo, de idade lian-
nos, o qual tero boa conduefa e di fiador
a mesma, quem de" aeu presumo se quizar
utillsar: dirija-te so atierro da Boa-Vista
Agencia de passaporas.
Tira-aa passaporte* para dentro e fon
do imperio coin prestes* e commodo prego:
aa ra do Rangel o. 57
O Sr. Francisco Antonio da Silva, que
teve loja de louca na ra do Rangel, quaira
mandar recebar urna encommenda, na pra-
ca da Independencia na. 6 e 8.
- Precisa-se alugar um preto para o ser-
vios de um pequeo sitio : paga-se be m
aa ra do Trapiche Novo n. 10.
--Precisa-se alugar um molecote esperto
de boa conducta para o servigo interno de
urna cata inglezt: pagase bem : quem ti-
|h annuacie.
-- Achando-se em andamento as obras da
igreja N. S. da Paz, noa Afogados, precisa'
a de alguns serventes Torro oo escravos
paga-se bem jem casa das iferigoes.
Quem ptjjilirde um eanno de cobre
otado para padaria, relinaeSo ou otra
qualquer fabrica, procure na fundicSo dos
8ra. MesquiU & Dutu, que se vendara por
commodo prego ; a tratar na rus da Cadeia
numero 23.
Vlritpissim-se as chaves da loja de dou*
rsQor com multo boa jrmaclo; na ra No-
va o. 59.
Antonio Joiquim Vidal & Companbia
mudaran) o seu eslibelecimento da ra do
Aroorim pira ruad*. Cadeia n. 98, onde
se acna gyrando demrto da firma de Anto-
nio da Costa remira Estrella.
~ Engomroi-se e leva-se toda a qualids
de de roopa.com todo asseio e muta promp-
tidSo,,por prego maiicommoJo do queem
nutra qualquer parla : na ra da Agots-Ver-
dea, n.96.
Precisa-sede urna ama para nota casa
de pouca familia, a qual aaiba eogommir e
fazer o'mtil seivico : em Kra-de-Portas,
ra do Pilar, n."72, segundo andar.
Precisa-se alugar um moleque, ou pre-
to para o servico de urna casa de pouca fa-
milia : aa rus da Cruz, n. 48, armaxem
Alugam-se os segundo e terceiro anda-
res da saaa da rus do Amorim n. 46 : a tra-
tar na vetar ata Cadeia o. 18.
Precisarse de um Portugoez para cai-
xeiro deengenlio, preferindo-se ebegado de
prximo a este imperio : aa ra do Livra-
meliton. 90.'
Quem anaunciou querer comprar una
casa terrea por 800,000 reis, dirija-sa ao pa
teo do Livrameato o. 8 segundo andar.
Prectta-ta orna ama deleite: no pa-
teo da rugara n. 9L
Paulo Galgnottx, dentista
_. franaez, olTereee sen prest-
ano a o publico para lodosos V
proflsso :
a qual- *J
enea, na aa
J ra larga do Hozarlo, u. 36,
erecta na igreja de S.-Gonzalo :
isto deseja saber um irmao da
mesma.
Retirs-se para fra do imperio Ignacia
Maris do Rotario com tus fllia Antonia Ma-
ris do Espirito Santo, lavando emsut com-
panhia um moleque.
No dia 92 do crrante, pelas 4 horas ds
tsrde, i porta da moreda do Sr. Dr. juiz do
civel da 1.a vsra, te ha de arrematar por
aer a ultima praga, urna casi terrea na ra
Imperial n. 83, avahada por 800,000 rs.,
penhorada a Francisco Ribeiro PivBo e sua
mulher, por execucSo do padre Albino de
Carvalbo Lesea.
~ Pela primeira van do civel, escrivflo
Molla, no dia 33 do crrante, pclat 4 horas
da (arde, se ha de arrematar i porta do Sr.
Dr. Custodio Manoel da Silva GuimirSet,
um sitio nt estrada do Rosariuho, por exe-
cuello de Antonio I.uis Ferreirs contra An-
tonio Muniz Pereira.
Convida-se e roga-se i todos os ir-
mSotda irmindadedo SS. Sacramento dt
fragueiia de S.-Jot a comrarecerem do-
mingo, 94 do correte, pelaa 9 horas e meia
da tarde, na igreja que boj serva de ma-
triz, aflm de encorpradoa a companharem
a procittSo de Corpui-Chri$ti.
Sr. Manoel Pernambuco.Como Vmc. be
lo ousado que se atreve em urna ciJade
destas a guerrear a homens honrados, que
por nflo tereai inclmaco i pratica dos
meios hediondos, vis, abjectos e infames de
que Vmc. te (em servido para enrictr de-
presss, pretende-m.dar-se muito honrosa
profiss.au do cnmmercio, consentir que em
ptga de tal picard, vamos submettendo
ao dominio do publico a sua ebrooics, tan-
to mais escandalosa, quanlo piOo be o ob-
jecto a queae ella refere.
Rogamos-lhe muito de attender i msnei-
ra pela qutl escrevemos o primeiro artigo,
certilicando-llieque anda porcaridade dei-
xamos de laze-lo d'outra forma, mas te o
seu futuro comportamento nos induzir i
suspender esta caridede, en 15o Sr. M P.
tema e trema, porque esta lacuna ser pre-
enchlda por umt maaeira muito sitisfacto-
ria para o publico, e para Vmc. muito......
lisongeirs.
Vamos a contis. Diga-noa Sr, M. P. que
poden ou devera chamar-te a um hornero
que sem temor da divindaoe, sem alinelo
as lea civil, e sem respeito a tociedade, em
que por mal da mesmt vive, linca no abyi-
mo horroroso da prostituido duas infeli-
zet irmas,na flor dos snnos, ambaa incau-
tas, innocentes nibas, equetiveram a 'ri-
queza de attender as suas seducedes ? Di
gi-nos mais Sr. M. P. Se este homem tendo
assim deshonrado duas innocentes, hauver
dellas filhos, e desprezar a urna a a nutra,
se a accumulacfio de tantas infelidadus ac-
carrelar um velho pai i sepultura, o que se
deveri fizeraesse hornea? Todos oa su-
plicios athoje inventados serio solucin-
enles pira castigar tanta malvados, a me-
nosqueai furias infernaet nSo ponhato o
maiorempenho na iovencSo de algum c-
digo da sua pessoa e qualidides. Basta por
hoje, mas breve rollaremos, continuando
a narracBodoiMua brilhantes faltos netti
notas boa trra.
r. Nano*. Antonio da AsevedcvPara
que Vmcoio diga para o futuro que au del-
xa de o reprenhnder em alguma couaa.por
isso nio quero deixar pstttr i em que mi
vou agora occupir. Eu tal' que oa meus
conselhos nBo pOe termo as tuaa atneirts e
com tudo continuarei i aonselht-lo bem,
por ter um dos trtigos dtt obns de mise;
i ico rd ii Vi m os a o ca so.
Disseram-me hoje que Vmc. anda de rus
em ra nabulando-te que pedir a cerlo
Exm.Sr. conselheiro pira ser oseu prolector
cans crime pela qual lem de responder
'.T
se pan forado iarperio, o decan ao publi-
co que vendeu o seu rstabelecimento a Do-
mingo! Mirtins Vieira, sitio na rui da Ct-
dait de S -Antonio.
lrmandade de S. lltn de Cassa.
Teadoi mesma de icompanhar no dia
94 do crranle procistSo de CorpiM-CAra-
l. pelo presente convida a todas os seus
irmSos pira o metmo fim.
-'- A mesa regedora da venenvel ordem
tercein do Cirmo convida a todos os seus
irmBoi psra no dia 24 do oorrente, is 3 ho
ras da tarde, acompanharem a p/ocissSo de
Corpai-CAriH.
Precisa-se deum caixairo, de 19 a 14
aonos, para .de urna (averna: na ra da
Cruz, n. 39.
Offerecesa urna mulher portugueza
para urna casa de horneo tolteiro, ou de
po'ica familia, a qual endent de todo o tr-
rico : quem dalla precisar, dirija-ge i ra
lo Calabouco, o. 34.
rfVfflrVffffVffVVffVf *
Gabinete portnginz de -0
* leltnra.
A directora ognrida sos Srs. socios
\ instaladores do gabinete.ea todos os
Srs. que s teem alistado, A" que tam-
^ bem slo considerados socios insta-
J I adorea, para comparecer no sa-
X lio do theatro de Apollo, sexta-fei-
0. ra, 99 do correle, pelas 7 horas da
t> noile.
AMAAsjA AAMAAAAAA*
O Sr. Manoel Vaz deSouza LeSo, venha
ou mande pagtr a tua letra veucida em 18
de novembro do auno prximo ptssido : di
ra do Crespo, loja n. 19.
Alugi-se o segundo sndsr do sobrado
da ra Direlta n. 90, com commodo ptn
grande familia: na ra ireila n 93, pri-
meiro indar.
O lllm. Rvm. Sr. ptdre Antonio di Ro-
cha Viaoni e o Sr. Jos Francisco de Arau-
jo Guimarles, queiram mandar buscar car-
tas que Iheforam dirigidas do Maranhfio :
na ra do Viga rio n. 93, segundo indar.
Pede-ae ao lllm. Sr. subdelegado ds
freguezia de S.-Jot o obsequio de recom-
mendar a guarda para que faca medir a fa-
rinba direitamente, pois que os atravessa-
dores estJo vendendo por menos do seu va-
lor, e usurpando o pove na medida, e por a
guarda senao importar se fai ver 8. 8.
Johuston Pster ti Companbii decla-
ra m qup deixam de seguir pera i Bahia as
pretas Verginia e Cuilhermina, de cuja nida
para aquella provincia tralaram em seu an-
auncio publicado nette Diaria em 3 do mez
de outubro Qodo.
Quem precisar de una caixeiro que
tem bastante pratiea de venda : diriga-se ao
pleo da Hibeira n. 1.
Deteja-te fallar com o Sr. Jofio Antonio
Maciel a negocio de seu interesse: na ra da
Cadeia de Santo Antonio n. 9.
Veetero-ee injos para nrocittSo com o
maior asseio possivel e mdico preco, e alu-
gam-ae izis para ot mesmos : as ra Nov
n. 41, primeiro indar, confronte io relojo-
eiroGarnier.
Compras.
8 ni yate ros de ana p
pude ser procurado
qner hora emana >
Srua larga do Kozurl
rgiindo andar.
atgmmgtammammatmthMatiM^a^^amM
as as a*wvaw^r^va'vav^t"araj^aajejret/tp#ai
v vito tnteressante.
O proprietario do mnibus avisa ao rea-
Kitavel publico, e etpecitlopente aot col-
mados atsignanU, que na tegunda-faira,
18 de novembro, principiara a trabalhar o1
omnibua quotidianamente Ha Reciba ao Api-
puco, como tem sido 6 coetme, aihiodo
do pateo di matriz da Santo Antonio is 5
bortt di tarde, o do Apipucos is 7 horas :
advert ndo que os Srs. que aa iucreverem
idiintado.nlo por deaconusnqp do paga-
mento, mat porque tem icontecido qoe a!
gunt Srt aa intrrevi e preeacbem os iu
re, e nofun de dout ou tret ditt largara,
zende aaaim o proprietario toffrer um gri
prejuizo.
~ 0 eorrelor Olivei*filuga, pelo le
da (esta ou Ufo Um da aelexbro t\o i
prqjtkno, tua randa ciaa de campo, _
aa jtjvoacio do Poso di Panelli, i qual te
liores rjommodos pan quilquer
illa per numrc qu ja, e no i:
pitnUdo de irvoredoa, tem cicim.^
muito boi igoa, respectiva bomba, od
limo ben*eiro de pedra-f aSo ebtlanu es-
tara cata parto do rio.J;,;ae*eira e astrl-
barit es pa cosa a i ot arelendentos dir&am-
rao metmo para o arranJameato, eH Sr.
<. Carawtro Mouteiro, na diU pvoa$So,
para Ihit forneaer aa chavea pira o exime.
A mobilia exilenle na dita can, e inairu-
menlos propriot pira sitio lambem podem
fazer parle de irrendimento
Ferguuta-se a quem aouber
quem.ije o provedor, thesonreirb
e suia irmos da taesa d. i.-ma&da-
de tio Sr. Bom Jess das Dores,
o jury; e que S. Exc. Ihe prometiera al-
cancar naquelle tribunal a tut absol vi
?So.' Ora meu ciro aenbor, itto tilo cou-
att que se digim ? Nao v Vmc. que eom
essss mentiras etti comprometiendo miis
a sua sorte? Pois Vmc. nao sabe, que S.
Exc. oceupa na sociedade um lugar impor-
tante, e que merece toda i alinelo pela
sua probidade, e independencia de carac-
tar; e ajtattmiit desser di illa posic.no
Lem que tkat^ka pira pedir por um qudSo }
Vmc. nSetjHom i caler,a no lugar natu-
ral : (taes aSoavtjtaaremoraos) i descober-
ta de Vmc. tervir-tVffo nome respeitavel de
Exc. nSo Ihe a provala ; porque, ou Vmc.
ominoso, ou innocente; secomelTet-
trlmnoso ( o que be cerlo )S. Exe.
( como i diste.) nio te legrada a proteger
reos fie polica ; nem o tribuosl do jury aa
delxa ficcinar por influencia dealguem; e
se esti innocente (o que nao he possivel) he
injuria que Vmc. faz aot dignos juizet de
fasto; porque eom ittodt a entender, que
alo ae bando na impircialidtde de seos
julgadoret, aoecorre-se a um nome respei-
tavel pera oa contar aosilimiles di justici. A
vista poiadeata8Coniiderace8 fica claro.que
sou bom, conselheiro, e como tal Ihe peco
que respaile aa pestas ; que ponhs termo
ao. aeu, procedraeoto reprovado, tanto em
obras eotao em pitarras, pois que st hoje
Vmc. fallando itici a tudo quinto ha de
mait honesto e perfeito : ratpeite t reputi-
(9o de todos, e nSo diga mal, aluda metmo
dos seus inimigos ; cumpra sempre os aeut
mu ; unmment cumpra m et "ui...
dimentoi da lei divina,que aasim tatiifiz
tudo. (Assim iconselni o intatjBBitta de
leut mios costumes.)
Precisa-se de urna ams farra, arela, e
que tiibi coziahar : aa roa larga do Roza-
Vio, n. 4a, segundo andsr.
Quemajnnuncioo querer comprar um
vallo boa, e proprio pin tenhora, aJtrMe
linda, indo do Varadouro para aaatci
.-Pedro, primeira cata i etquerdi.
Est iiiiids i compra di ciaa Ierres a.
i 24. da ra di Roda : quem te julgir coa di-
Caito a dita cata, bajade declarar no praio
de Uee diaa, oontadoa do da 93 do correot*.
- Sabbido, 93 do corrente, is borat do
costuaai porta do Sr. Dr. Neivss, juiz mu-
nicipal asegunda vira e tuMBalo di pri-
meira do civel, se Hflo de arraatir, por
sen ultima prac/, os eacrivail'Jtclntho e
Msnoel, ofllciaea de marceneir, penhora-
dos por exeqpcSo de Anselmo Concalves
Pereiri contra Joaquim Cirneiro Leal.
Aluga-te nm sitio no beoda do Quiabo,
pvoac&do Monteiro, com casa e fruc-
s, proprio pira te pastar a 'etli: i tra-
tar rtirw d s -Francisco, n. 8, defrontel
dolirgodoPinizo.
-Jos Antonio Mtrlint dos8antos ratirt-
Comprim-se escnvoi deimbos os se-
xos, de 10 a 30 anoos, e de bonitas figuras
aa ra larca do Roxario, a. 48, primeiro
andar.
" Compra-te um civillo gordo com bons
anJaret; na rui da Sania Cruz, ni Boa Vis-
ta n. 38.
Compra-te escravot de loboa ot sexos,
para urna encommenda : na ra do Livra-
mento, n. 4.
Compra-te urna relinic3o, ou padaria,
sendo em bom local: quea tiver innuncie.
Comprim-se trastes utidos de todas a>
qualidades : tambero se trocam por novos :
na ra Nova, loja de tristes de Piolo, de-
fronte da rui de S.-Amaro.
Coinpra-se, em segunda mto, o ro-
mance Segredo da geracao : na loja dos Srs.
Moreira & Doarte, se din quem compra.
- Cmmpram-se em segunda mao dous
piret de brincos modernos de ouro de lei :
quem tlver, dirija-te i roa do Mondego n.
98, ou aonuncie tut morada.
-- Compra-se urna balanca completa, p
propria para irmizem dtaatsucir: na ra
da Cruz, n. 13, armizem.
Compra-se um bom cava I lo com anda
ret propriopara senhora: piga-se bem
oa casa das tferieOes.
Compra-te um cabriolet ji usado, ou
mesmo novo: na rui do Trapiche n. 40, ar-
mizem de Miguel Cirneiro.
Vendas.
__ Vendem-se dous civsllos de Cirro e 1
cirro de 4 rodas pira um carillo : ni rui da
Gloria, n. 91.
KOMIIMIAS I'AII A 1851.
Na llvrarla da praca da Inde-
iendencla, na. (> e 8. vendeui-se
olblnbas de nlgibe-a e porta pa-
ra o mino qne vera.
40,000 i-a. a dnzla.
Verdideiro e legitimo cbampanbe A T en
oaaa de Avrial & IrmSot: ra da Cruz n. 90.
Na roa da Cruz, no Reeife, n. 59, pri-
meiro andar, vende-se urna eterava crioula,
de 18 a 90 anuos, porfeia eogommadelra e
cozinheira, por prer;o commodo.
"m aonca ae uimulc: i; ra Nova,
n. 56, achi-se um grande d novo aortmen-
to de charutos, chegados pelo ultimo na-
vio da Bahia : o dono deste eatabelecimen-
to, pel grande prov que tea lido do pu-
blico e de seus freguezes, espera que nSo
te demorem a avaliar esti boa fazenJa, co-
mo sejam : fama da balita, quem fumar li-
bera, especlaea, provari, regilii de S.-Fe-
lix, regala e regalos ds llavana, defenso-
res di patria, libanes, mimos, afama va,
acadmicos, yay, caeadore da Baha, fa-
ma, diputados, cavalheiros de llavana, ci-
firro de la Divina, pastores, e outraa qui-
1 dad es que serflo patentes.
Folbinlias para o anno de #851.
No paleo do Collegio, caaa do livro azul,
vendem-ae folhinhas de tlgibeira com a
lingoagem dn flores, e folhohit de porta.
- Vende-se um cirro de quitro rodas em
bom uso: ni rui do Trapiche n. o.
Vendem-se espanadarea
e mel eje ibelhi, da superior qualidade, em
portaqyi a retalho, por prego commodo : ni
ra da Cadeia, n. 93, armazem.
-- o eatriptorio de Francisco Severano
Ribeiro Filho, no Urge da Atsemnti-
l'rovinciil, n. a, vnude-se um lavatorio de
aarmore, pedral compria e redondas pa-
ra meio desala, tudo de marmrea de bo-
nitas cores ; assim como umt conchi de
iiedra lavrada, que serve pira ermid todo
por prego commodo.
Calcado.
Vendem-se sapatOes de couro de lustro
para homem, a 3,000, 3,500. 4,000, 5.000 e
7,000rt. ; ditos de bezerro frsncez, 9,800,
1,000 e 5.000 ra.; borseguins de duraque
om ponli de lustro, 1 4,000 ra.; ditos di
llahii, a 5,000 rs ; snalos de couro de lus-
tro psra seohors, a 1.000,1,600 e 9,000 rt.;
ditos de cqrdivSo, 1 1,000, 1,200 e 1,400 rs.;
ditos de duraque de l.isboi, a 800 e 1,000
rs.; e eligidos pira meninos e menims de
todos os lmannos, por prego commodo :
na prigi di Independencia, ns. 13 e (5, lo-
ja do Arantes.
Vendem-se cinco paos de 29| palmos de
comprido e palmo e meio de largura, pro-
prios pira bugirdis de caudas, btrcicaa e
mesmo pira navios por serem de volti : no
eatileirojunto i cm de Mtnoel Fumino
Ferreira, rus di Concordia.
Vendem-se bicos e rendas
de fil de linbo de muito bom
goslc, e de um dedo de largura a
um palmo : na praca da Indepen-
dencia, loja de miudetas n. 4' Nt\
mesma loja dao-se amostras para
ver.
~ Vende-se urna sobrecisac militar : na
rui do Rozarlo larga n 8, loja de pintor e
vidraceiro ; assim como um gran le sorti-
mento de vidros, imagens, oratorios, Meni-
nos Daos e figuras para presepe.
Moendas superiores.
Ns fun-ligSode C. Starr A Companhii ,
em s.-Amaro, ichim-se i venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo" e
constrncgSo muito Isuperior.
A os senbores de engenbo.
vendem-se cobertores oscuros de algo-
dio proprios pira eteravot, por serem de
multa duragSo, pelo diminuto prego de 640
rt. cada um : ni rui do Crespo, esquina
que volti pira cadeia.
ilojru-sc nos fregueses que tenhaui
toda attenco para o novo sor-
tmenlo que existe na loja da
na do Crespo, n. 6, ao p do
lampeo.
Vendem-se cusas pintadas de cOret fixas,
' 260 e 280 rs. o covado; cortes de brim
brinco de linho puro, a 1,930 rs.; ditos de
fustSo muito finos, a 560 e 640 ra.; cassa
preta propria para luto iliviado, a 120 rt. o
covado ; zutrte de cor, a 900 ra.; riscado
de linho para casacas, a 910 rs. o covsdo, e
oulras moitas fazendas por prego commodo.
Vende-se um par de msngss de vidro
hvndo de muito bonito goslo, e um pir de
ctstigses de dito -. ni rui di Glorii n. 81.
A 2,24o rs. aaacea.
Na ra da Cruz, no Recite, armazem n.
13, ena ra da Cadeia, irmizem de ('.em-
pello Filho, vende-te firinhi de mandio-
ca, do Coar, de excellente qualidade, ta
2,940 rt. a steca.
Tai xas para ensjenho*
Na fundigSo de ferro da rui do Brum,
cabt-se de receber um completo sorlimen-
tode taixas de4 a 8 palmos de bocea as
qoaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promptido embarcara-te,
ou carregim-seem cirros sem despezis tro
comprador.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra;
chegada ltimamente de Lisboa
no brigue Conceic&o-de-Maria.
Vendem-se superiores batatas em Hi-
gos e cimitras defronte da eseadinha, e su-
periores cebollas de Lisboa : no armazem
da ruada Cadeia,junto ao arco da Concei-
g3o, por prego commodo.
Vende-se um preto crioulo, bom trata-
dor de cavados e vaqueiro : na roa da Cruz
n. 40, primeiro andar.
Lotera do Bio de Janeiro.
A os 20:000,000 rs.
Ni praca da Independencia, loja n. 3, que
volti pan 1 ra do Queimido e Crespo, ven-
dem-se os muito acreditsdos bilhetes,
meios, quartos, oitavose vigsimos da l.*
lotera da casa di earidade do Rio de Janei-
ro, cujas rodis indaram no dia 6 do corren-
te. Na mesma loja esti patente a lista da
1.' lotera do Hospicio Pedro II.
Lotera do Kiode Janeiro.
A os ao: 000,000 de ra.
Nos qualro-ebtos di rui do Queimido,
loja de fazendat.Vj. 20,vendem-se os muitos
afortunados bilhetes, meios, quartos, oi-
tavose vigsimos da 25.' lotera do monte
pi (eral, cujss listas devem cliegar no pri-
meiro vapor. Na mesma loja se trocam bi-
lhetes premiados de qualquer loteril, e te
mostra a lista da primeira lotiria do Hos-
picio de Pedro II
(iu'iii comer saber.
Vendem-se lingoeas do serlaOa 320 ra.
libra, e latas com mermelada de 9 e 4
Wm : arenlo 88, vend da esquina do Hospicio.
Vende-se cera de carnauba : na ra da
Madre de Deas, loja n. 34.
Vende-se superior panno de
linho do Porto, em pecas, muito
proprio para casas de familia; bem
como meias de linho finas : tudo
por pre?o commodo : na ra do
Queimado, n, 17, loja.
Vende-se umi rica toalha bem feita de
lavarinlho : ni ra do Cabugi n. 9.
Vende-se urna escrava cortada, muito
sadi, 1 qual vende na ra, lie muito fiel e
cozinba o diario de urna casa ; quem a pre-
tender, dirija-se a Fra de Portas n. 95, que
te dir o motivo por que se vende.
Vende-se papel phanteia,
o melhor que tem vindo .ueste ge-
nero : no pateo do Collegio, n. 6,
loja de livros de JoSo da Costa
Dourado.
Pannos flatos baratas!mas .
Vende-te panno "fijo verde-escuro Hnis-
tioo por tttir alguna cousa seoco, a 4,600
o Ater
e a ra-
ro da
rs.; dilo preto, a 3,000 rs. em pegt
tilho, 13,200 rs. o covsdo : no
Boa Vistt, loja n. 18. .-
Attenc&o
Joffo Luiz dos Santos, tendo de relirar-se
pira fra di provincia 1 tratar da tea siu-
de, detejt vender o seu pequeo estibele-
cimento, com poneos fundos presentemen-
te, ni ra do Roxario estreits n 43, proario
rara alguma paaapa que queira principiar,
n3o s pela loealidade, como pelas boas fre-
gueziss que tem adquirido: a tratar no
mesmo esUbelerimento.
Sapatoes de lustro.
Vendem-se sapatoes de couro de lustro
para homem a 2,500, 3,000 e 4,000 rs. o pir,
obra boa 1 no Aterro di B01 Vistt, loja de
sipitos n. 58, junto a de selleiro.
Grande deposito de carvSo
saceos grandes a 5oo rs. ;
vende-se no antigo armazem de
capim, na ra do Sol n. i5.
Deposito da fabrica de Todos om
Santos na Babia.
Vende-se em casa deN.O. Bieber & C.
tt rui di Cruz, o. V's'godSo tringido
diquelli fibrici, mnito proprio para siccns
deissuctr, roupi de escravoi e fio proprio
pin redet de pescar, por prego muito com-
modo.
Tecldo de ale;odo trancado na
fabrica de Todos os Santos.
Na ra da Cadeia n. 52.
'endem-se por itacado duas qualidades,
proprias pin saceos de assucar e roupa de
nscrivos.
Lotera da igreja de N.S. do Li>
vramento.
Aos 5:ooo$oeo rs.
Na praga da Independencia n. 4, loja di-
miudezss, vendem-se bilhetes, meios, quar-
tos, decimos e vigsimos desta lotera, que
corre impreterivelmente no dia 30 do cr-
renle.
Bilhetes 11,000
Meios 5,500
Quartos 2,60o
Decimos 1.100
Vigsimos 00
Ricas canelas de marfim de dil-
ere.ites go.stos.
A Ii vi aria n. 6 do pateo do Col-
legio, de Joo da Costa Dourado,
acaba de receber oque neste ge-
nero ha de melhor para se fazer
um presente.
-- Vendem-se duis vergas de pedrt e urna
rotula : ludo em bom estido: ni ra de S.
RiUn. 14,
-- Vende-te cera de carnauba, em porgSo
nunca menos de 4 irrobts : na rut di Seu
zilli-Velhi, n. 100.
Grande descobertas allemacs.
Acaba de chegar do Rio urna descobertas
allemacs psra acalmar immsdiatameote is
dores dos callse extirpa-loa para sempre
em pouco lempo, fleando o lugir sSi e per-
feito como no seu primitivo estado. Gran-
de tceittgSo mereceu no Rio esta deseo-
berta como se observa dos jornaes e geral-
mente se experimentava seu effeilo admi -
ravel : vende-se em um vidrinho bem la-
crado por 2,000 rs. no pateo do Collegio, ca-
sa do livro azul.
Na ra do Vigario, n. 19, primeiro lu-
dir, vendem-se pegas de ouro de 4 oitavas
de cunbo velho.
Vendem-se cigarros de pa-
Iba, chegados ultimamenta do Kio
de Janeiro, por preco commodo :
na rtii larga do Kozario, n. 32.
A 3,5oors. o ce rilo.
Vendem-se superior chirutos de S.-Fellx:
ni ra do Cabugi, loja do Huirte.
Cigarrilhos hespanhes.
SSo chegidos os excellentes cigarrilhos
hespanhes ao deposito dt ra dt Cruz, no
Reeife,, n. 49.
-- Al. A. S. Corbetl's. Rus ds Cadeia n. 45.
English jockey Siddles orine best qualily,
weighing, ooly 7 Ibs complete.
A lurge issortment of Dressing Cases,
fitled up wilh fine Sheflleld cullery.
Cutelarias.
Vendem-se muito bos cutelsrias : na ruu
da Cadeit, n. 45, casa de A. S. Corbett.
Ferrsgens.
Vende-ie ferragens muito finas e do me-
lhor gosto : na rui di Cadeia, n. 45.
Gracas a Dos queja chegaram.
Causava pena ver um pobre miope quasi
os trimbolhOes, mogos ou velhos, porque
esti molestia nBo respeiti idade, devtgir
pelas ruase de loja em loja a procura de
um par de ocultis psrt vistt curt, para po-
der lar, escrever, ir ios nossos tbettros,
tonde s por informtgOes sabia do seu es-
pantoso progresas, e vallar ni mesma, por-
que os nfio bsvis neste mercado ; se. recor-
ra a medicina encontrava-se ir u i las vezes
com um igual paciente-a quem de balde se
queixava, e ao ouvir ver is lamurias.quei-
xas e caricaturas que reciprocamenle te
faziam, perdera de riso 10 homem mais tt-
citurno que de parte este dialogo ouvisse;
psrs'J** ala mAllia > ; ;CD? enm n*
llopithas, como al metmo com ot bo-
loapiuii! que muitot dellei aioflrem ; pu-
rera gragasa Dos que chegaram os 18o de-
tejados oculos por especial encommenda
que delies se fizeram e se vender ni ra
larga do Rozario, n. 35, loja.
Vende-se, umt preta de nagfio, de 25
innos, que eogommt com muila perfeig3o,
cozinh o diario de umt cali, cosa alguma
cousa ase afimga sui conducta ; urna dita
boi quitindeirt ; umt pirdinha de 9 10
anuos, com principios de costura i uuih
pretinillas 12 anuos, oue cose : um psrdi-
nho de epataos ; um preto de nag3o, pro-
prio para lodo o servigo ; um crioulo sipt-
teiro, e que tambera trabaiha de selleiro:
na ra do Rangel, n. 38, segundo andtr, se
din quem vende.
C.oiuiua superior.
Ni confelttria da ra do Rozario eatreiu
n. 43, vendem-se saccaa com gomua, por
prego commodo, e igualmente dout moi-
nbot um grande e outro pequeo.
Vende-se igo'irdeote de Franca, mui-
to boa : na ra da Cadeia do Reeife, n. 45,
cara de A. S. Corbett
Vende-te chambo de munigSo, de mui-
to boi qualidade, de n. tal 8: na ra da
Cadeia, n. 45.





Charutos de Ha vana.
de sujkior qqalidade : vendem-
se na ra da Cruz, n. 10, casa de
Kalkmann limaos.
Vendetn-se 120 saceos de estopa, com
duas varas caita um : na ra larga do Ro-
zariavn. 48, primeiro andar.
>lUlio novo a 2a)ooo rs.
caita sueca.
Vende-se no armatem do Braguez, ao p
do arco da ConceicSo.
Chnmbo de munlcad.
Vende-se no armazem de J. J. Tasso J-
nior, ra do Amorim, n. 3S.
Vendem-se amarras au ferro: na roa
4a Senzalla-Nova, n. 42.
Redes.
Vendem-se redes muito bonitas, de va-
rios goslos e presos, proprias para quem
for passar a festa descangar ao fresco de-
baixo de arvoredos : na ra do Queimado,
n. 1*.
Vende-se excellente farinha
dcS.-Calhariua, a bordo da ga-
liota Santissi&u-Trindade, Tun-
deada defronte do caes do Colle-
gio, por preco commodo; a tra-
tar na ra do Vgario, n. II, ou
a bordo com o capillo da mesma
galiota.
Slmento.
Vendem-se barricas com superior simen-
to, chegedo no ultimo navio de Hamburgo :
na ra do Amorim, n. 35, armazem de J. J.
Tasso Jnior.
Travesa da J>rndre-dc-Deos, nr-
mazeni. n. 5,
Acha-se estabelecido um deposito, onde
encontrarlo os freguezes um bom sorti-
mento de licores, espirito de vinho, e to-
das as mtts qualidades; superior vinho de
caj; chmate; e Hagas de vime, a presos
moderados.
CERA EM VELAS.
Vendem-se ceixaa com cera em
velas, fabricadas no Hio-de-Janei-
ro, sortija ao gosto do compra-
dor, por preco mais barato do que
em outra qualquer parte ; na ra
do Vigario, n ig, segundo andar.
Comida pnra nnimai -:
vende-se na ra da Cruz, no Recife, n. 13,
armazem
-> O proprietario doengenho Tabatinga,
sito ao norte da barra de Goiaona, tendo de
retiiar-sede muda para a cidadedo Recife,
vende oengenho moente e corrente, com
(randas obras d pedra e cal, bois, bestas e
at a safra que est principiando a colher :
quem Ihe convier, eutenda-se com o dito
proprietario no mesmo engenho, ou com o
seu correspondente na cidade do Recife, Jo-
s Antonio Basto.
Vendem-se cabegadas inglezas, chatas
e rolicas : na ra da Cruz, n. 2, casa de Ceo:
Kenworlhy & C.
--Vendem-se silhoes para montara de
senhora : na ra da Cruz, n. 2, casa de
Ceo: Kenwortbyc C.
Fogoes para cozinha.
muito proprios para sitios e qual-
mialquer lugar aonde n5o ba co?i-
nha, por preco commodo : ven-
dem-se na ra da Cruz, n. lo,
cast de Knlkmann Unaos.
Na ra da Cadeia-Velha, primeiro an
lar da casa n. 24, de Manoel Antonio da Sil-
a Antunes, vende-se um rico sortimento
le chapeos de palha da Italia, abertos para
i'iihoras, camisetas de cambraia, colari-
ihos, romeiras, manguitos, punhos.tudo
'xcellentemente bordado, bicos finisflmos,
icas fitas, capotinhos e' manteletes de filo
i de seda pretos, e outros objectos de gos-
to ; bem como um completo sortimento de
azendas: ludo so vende por presos muitds
asoaveis.
fffffffffffffffff
^Depositoda fabrica de

3*"
lodosos Santos, na
Baha.
Vende-se, em casa de Domingos Al- *
. s Matheus, na ra da Cruz, n. 52,*
? primeiro audar, algodao tra ligado di-J
Jqiella fabrica, muito proprio para ssc-]j
Feos e roupa de escravos; bem como4
^lio proprio para redes de pescare pa-^
jkVios para velas, por prego commodo.^
Vende-se vinho do Porto em barris de
quartoe quinto ; azeitonas superiores ar-
cos para barricas o pipas ; farinha do Ir i yo
em' barricas e meias ditas ; fio porrete ; ce-
vada; pregos de todas as qualidades,em bar-
ricas; enxadas do Porto ; coeiros de algo-
d9o ; retroz Anido Porto : ludo por prego
commodo : na ra do Vigario, n. II, arma
zem de Francisco Alves da Cunha.
A ur ncia de Kdwlll Jluff.
Ra de Apollo, n. 6, armazem de Me. Cal-
mont & Companhia, fazem ver aos Sra, de
engenho e aos aeus correspondentes nesia
praga, que noseu estabelecimenlo so acha
constantemente bom sortimento de moen-
uas todas de ferro para auimaes, agoa, etc.;
meias ditas para armar em tnadelra ; ma-
chinas para vapor com forga de 4 cavallos;
taixas de diferentes modelos e de todos os
tamaitos e grossuras, Unto de ferro batido
como coado ; espumadeiras, cocos, etc., de
ferro estanhado ; safras para ferreiros : tu
do muilo bom e or barato prego.
azul,
2,5
2,0*
9,4*0


.Vi deposito da ra da Moc.la, n. 15,
ha para vender superior cal em pe-
dra, recentemente chegada de Lis-
boa, em o brigue Conceifo-de-Sla-
ria, por prego rasosvel : tambem alii
se vendem pesos de duas o de urna
arroba, por prego commodo ; ha
tambem eflectivamente no mesmo
deposito barris de mel para embar-
que.
N
A O MODERNISMO.
a ra do Qoeimado, loja
n.
17, vendrn-se as mais modernas
cambraias abertas delaa e seda,
verdadeiramente chamadas baila-
rinas, de padroes e gostos muito
dtlicados. a 5oo rs. o covado.
Dao-sc as amostras com os compe-
tentes penhores.
Na venda de Domingos da Silva Cam-
pos, na ra das Cruzes, n. 40, ha bichas
hambuiguezas, das melhorea que appare-
tem no mercado a venda, tanto por junto
como a retalho : tamben! se alugam.
Vinho de Bordeaux:
vende-se na ra da Cruz, n.
casa de Kalkmann Irmos.
I l,-...tKW 4-
viiuiuwp uv
D-M
A CU*.
Vendem-se os verdadeirns charutos de
regala da fabrica de S.-Flix, a 2,800 r-a
caixa de 100charutos : na ra do Queiml-
do, n. 16, loja de Jos Das Simes.
Vende-t retro sonido do Porto**
mercurio, ebegado ha pouco : na ra do
Vigario, n. 18, primeiro andar.
Fazeniia nova.
Vendem-se gangas amarella e crdecin-
za, fazenda muito fina, propria pira pali-
tos de meninos, e mesmo para roapit de
senhoras, pelo bera tissimo prego de 200 rs.
o ovado : no Aterro da Boa Vista, loja nu-
*#* 0CtH BM
2*\e!roz da fabrica do Siqueira.z
no Votto : i,
vende-se na rus do Vigario, !
n. 19, srgurdo andar, os- 9
criptorio de Machado &c P-
nheiro.
###****
Vende-se urna mulata oozinheira
ffoanrrladwr*': no pateo fe S.-Pedro,
ieguado andar.
i
Na ra da Cadeia do Recife, loja de cam-
bio n 24, so acham a venda os afortunados
bilhetese meiosa favor das obras da igreja
de N. Sra. do Livramemlos, sendo pelos
pregos correntes :
Bilhetes inteiros 10,000
Slcios 5,000
Aviso satisfactorio.
O ahaixo asslgnado acento do Dr.
Brandreth faz sciente ao respeilavel pu-
blido ter recebido novo provimento de pi-
lulas vegelaes de seu proprio autor ; estas
celebres pilulas sSo recommendadas por
uiilliaresde pessoas a que ellas tem curado
de phtysica influenza, catarros, indiges-
lOes dispepsia, dores de cabega, dores ou
peso na nuca que geralmenle sSo sympto-
mas de apoplexia, illiricia, febres intermi-
tentes, billis, escarlatinas, febre amarella,
e todd a classe de febres, asina, gota, reu
matismo, enlermidades nervosas, dores no
Ggado, pleuressia, debilidade interior, aha-
timento de espirito,'roturas, inflamagOes,
(MiicliagOes dos olhos, accidentes, pareljsia,
hyilropesia, bexiga, sarampo, enfermidades
dos meninos, losse de lodvsas classe, cli-
cas colera-morbos, or ue pedra, lombri-
gas desiuteria, surdez, vagadas de c.iLeca
erysipela, ulceras, algumas de 30 annos,
cancros, tumores, inchagOes nos pese per-
naa, almorreimas, erupgSo de pelle, so-
nhos horrives, pesadellos, toda qualidade
de do-es e molestias de mulheres, como
obstruegoes, relaxages, ele etc.; he un
medicamento inteiramente inofei^ivo po-
dendo applicar-se al as criangas lecem-
nascidas ; ltimamente se tem applicado
a urna enfermiJade de molestias julgadas
|mnumeraveis;de cuja appligagSo se tem li-
rado ISofelizes resultados que parece cada
vez mais resolvido o problema deum re-
medio universal : vende-se com o seu re-
ce 1 la rio na ra da Cadeia Velba n. 61, bo-
tica de Vicente Jos de Brito.
Na ra Nova, 11. 8. loja de J- Joa-
i|ni 111 .Moreira \(.'.,
vendem-se touquinhas de ISa 'rocadas pela
beira, a mil rs.; bonetes de palhinha de
mcdellosesquisitos, e o que tem appareci-
do de melhor e do mais apurado gosto ; po-
rm s servem para meninos de2, 3, 4, 5 e 8
annos, por menos do que realmente ellet'
merecem ; palmatorias de casquinha linis-
sima, proprias para piano, e para quarlos
de rapazes solteiros, a 5,000 rs. cada una ;
e oulras muitas fazendasde gosto e quali-
dade, que se vendern conforme as cir-
cunstancias do comprador.
Vende-se um cavallo ruda-
do, uiuiio grande e novo, carre-
ga baixo a eaquipar, muito pro-
prio para carro, por ser muito bo-
nito: na ra do Queimado, n. 10,
loja.
iNu loja amarella da ra do Cris-
po, n. 4,
vendem-se cambraias francezaa de padrOel
modernos, e de cores Uxas, a 500 rs. a vara!
Graxa.
Vende-se superior graxa mgleza em latas
a 120 rs. ; dita 97 em pasta, a 30 rs.: na rus
Direita, n. 81,. loja de miuezaa.
Vende-se a taverna da ra do Rangel,
n. 4. com poucos fundos, a dinhuro ou a
prazo sobre tirinas a contento : a tratar ni
esma taverna.
Cal e potassa.
Vende-se a mais nova e superior potassa
qoha no mercado, e cal viiaem em pedra,
chegada pelo ultlnto navio de Lisboa, por
rejo commodo : na ra da Cadeia do Re
cife, n. 50, a fallar com Cunha ti Amorim
e en-lassim como um restanle^e barris
n. 10,1 na cal, qe Acou da iit passada
ralo prego.
10,
Vende-se urna parda escqrs. com ha-
bilidades : na ra larga do Rozario, n. 35.
Vende-se um cavallo bastadle gordo,,
s proprio para montara de menino, por
ker pequeo e manso : na ra ;da Aurora,
h. 46, taverna, se dir quem vende.
i -- Vendem-se pipas de ago'ardente de
Superior qualidade ; na ra do Hospicio, n,
, se dir quem vende.
i Vende-se um escravo de elegante fi-
gura, ptimo carreiro, e proprio para todo
servigo, principalmente o de campo, por
prego commodo : na ra do Hospicio, n.
9, sedirqdem vende.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
As' 2o:ooo,ooo rs.
Na loja de miudezas da praga da'Inde-
pendencia u. 4, vendern-se os afortunados
bilhetes inteiros, meios guarios, ottavos e
vigsimos a beneficio da 25' lotera o
Monte-Po.
Grande deposito d cha.
No pateo do Collegio, casa do llvro
vende-se
cha hyssbn superior
dito aljfar brasileiro
dito paqueqinr
dito de outra diversas qualidades
- Vendem-se sabontes higinicos, o
mais superiores que teetn viudo teste mer-
cado, assim como outeas perfumaras muilo
Anas : na ra da Cadeia Velha n. 24, pri-
meiro andar.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de rcpuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Bruui, ns. fi, .8 e 10,
fundicao de ferro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro1
differenles modelos : na ra
Brum,ns. 6j 8 e 10, fabrica
machinas e lundicSo de ferro.
Vende-se urna sextante nova leita por
um dos melhores autores de Londres e tam-
bem um orisoule artificial e um Ibeodilete :
na ra do Trapiche armazem n.
Vendem-seaMlin elsticos, 'ehegados
agora : na ra da Cruz, n. 2, casa de Ceo:
Kenworlhy & C. ,
Lotera da igreja de N. S. do vramenlo.
Ans 5:000,000 de rs.
Na ra da Cadeia, n. 46, loja de miude-
zas, vendem-se meios bilhetes, decimos e
vigsimos desl lotera, que corre impre-
terlvelmente no dia SO do corrente.
Meios 5,500
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Livros demasiadamente baratos.
Cdigos dos jurados, ou collecgSo das leis
princpaes como a consltugao, le da im-
prensa, cdigo criminal, e cdigo do pro-
cess criminal e regulamenlos de que de-
vem ter coohecimenln todos os cidsdos
queexercem as funcgOes de jurados, 1 v.,
por 800 rs.
Guia policial e criminal, contend) a lei
das reformas do cdigo dolprocesso crimina
os regulamenlos ns. 120 e t22, e as dls-
posiges provisorias, I v. por 400 rs.
Cdigo criminal, t v., por 640 r$.; Cdi-
go do processo, 1 v. por 640 rs.
Vademcum das guardas uacionaes do
imperio, comiendo todas as disposIgOes a
respeito, 1 r". por 500 rs.
Itepertoftav da legislagto Jbrasilera, por
2,000 rs.
Vendem-se no pateo.do Collegio, casa do
livroazul.
O
-a
-- Vende-ae asi do Asaii: a bordo do bri-
gue' S.-Mantl-Huguito, 00 na;praea do Com-
raarcio, n,,,a fallar cora Manoel Ignacio
de 01 i ve ira'.
Nao he exageracao.
Vendem-se sapatOes de cooro de lustro,
obra muito bo, a fl,50, 3,000 e 3,500 rT:
na ra da Cadeia do Recife, loja n. 9.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
i. Aos Q(,:ooo,ooo de ris.
Na ra eatreita do Rozario travegsa do
Queimado Jaj de miudezas n. 2 A de Joi-
jquim F. dos' Santos Maya, vendem-se os'
muito acreditados bilhetes, mefos, quarlos,
foitavos e vigsimos da dcima-segunda lo-
leria da Sapta Casa da Caridade do Rio de
Janeiro, cujas rodas andarSo no dia 6 do
correnta; na mesma loja eat ptente a lis-
ta da primeira lotera do Hospicio de Pe-
dro II.
Vende-se junco superior pa-
ra lecer cadeiras, o melhor que
lm vindo a esta presa ; bem co-
mo mais ordinario : na ra Nova,
loja de trastes do Pinto, defron-
tc da ra de S.-Amaro.
de
do
de
Vinhtfssiiperiores
recentemente cliegdos de Inglaterra peta
galera ingleza Sword-J'iik Xeres, Ma
ileira e l'orto, tanto em i*r/ispeque-
-1 ,caiaa de ajo
ma
-- Vende-se urna taverua com poneos fun-
dos, ou s mente a armagb e pertences,
com commodos para familia, bom quintal
e cacimba : na taverna da esquina do nec-
eo das Barrei ras. n. 4V, a tratar con Joo
Jos Lopes da Silva, que far todo o nego-
cio.
Vende-se casaa-chila com lislras de se-
da, a 800 rs. a vara ; cambraias brancaa com
llores de coi es, a 240 re.; longos de selim
decores, a 1,000 rs.; ditos oe seda' com
quadros, a 500 ra. ; ditos com toque de mo-
to, a 360 e 400 rs. ; obapos de maasa fran-
ceses e de formas modernas, a 6,500 e 7000
rs.; cortes de casimir, a 4,000 e 6,000 rs. ;
mantas de toquim decore, a 3.0SO rs., e
ontras muitas fazeWda por barato prego:
nos qatro-canlos da ra do Queimado,
n. 20.
Couros miudos :
vendem-se na ra da Cadeli, n. 33, arma-
zem.
Sapatoa do A racaty,
vendem-se por meaos do que em outra
qualquer parle :ak ra da Cadera,'o: 81,
armazem.
Velasde carnauba,
em|porgSo e a retalho : vendem-se na ra
da Cadeia, n. 23, armazem.
Itap americano.
Vende-se este rapj que ha,de agradar aa
pessoas que goslam da boa pilada : a rola-
nos, como engarrafado,, era,
criptorio
piche-Novo, n. 18
O verddeifo rap Paulo-Cordeiro
Na ra da Cruz, n. 67, vende-so rap Pau-
lo-C.orueiro, viajado do Para, responde-se
pela qualidade, a 1 ,O0 rs. a libra.
Vende-se a bordo do brigue Itero, tun-
deado ae p do trapiche do algod&o, sal do
Ass, e palha de carnauba bem nova, por
prego em conta.
Bancos.
Vendern-s" slguns bancos que anda
restarn, por prego commodo: no theatro da
ra da Praia, a fallir eom CuiInerme Sette,
ouno no Aterro-da-Boa-Vista, 0. 10.
No armazem de massames de Bra-
ga & C. na ra do Vigario, o. 1,
existe constantemente a vende nste esta-
balecimenlo amarras de (erro, ancoras de
diversos lmannos,;cabos de linhav patente,
de todas as hitlas, lonas de todas as qua II-
dades, brios da Russia, bandeiras imperiaes,
guillas de marear, e mair objectos concer-
nentes a navegag.lo : tambem s alugam
amarras e ancoras, por mdico prego.
Vendem-se 20 arrobas de carnauba,
em cbnta para acabar: na praga da Boa-
Vista, n. 17.
-Vende-se espirito de 38 graos: no pa-
teo do Paraizo, n. 20.
-- Vendem-se tres bois mansos e duss
carrogas : na ra da matriz da Boa-Vista,
n. 52.
-Vendem se saccas de muito superior
farinha de S.-Catharina: a rallar COm Ma-
noel Alves Guerra Jnior, ou na roa da Ca-
deia do RectTe, n. 38.
Charutos de Ha va na.
Veadem-se charutos de Ilavana, de supe-
rior qualidade : na ra da Cadeia do Reci-
fe, n. 2.
Vendem-se queijos londrinos e pre-
suntos ingleses, conservaa inglezas e frao-
cezas, lingoas inglezas, gigos com batatas
inglezas, latas com bolachinha ingleza, cb
preto, latas com marmelada, caixas com
massas finas : ludo de superior qualidade:
oa ra da Cadeia do Recifo, n. 2.
Kap Paulo-Cordeiro.
Vende-se efectivamente este excellente
rap, na ra da Cadeia do Recife, n. 50, le-
la defCunha & Amorim.
Champagne.
Vende-se muilo superior vinh de l'liani-
patrne, recebido ha poneos dias pelo
Sicord-Fik em casa de Eduardo H. Ifyatt,
na ra do Trapiche-Novo, n. 18, e existe
anda urna pequea porgodeste vinho em
garrafas pequeas.
Raratissimo.
N ra do Crespo, n. l, esquina que'
volta para a ra das Cruzeg. atarlem-se ex-
cedentes fortes d jj^patnr, pelo barato
prego de 5,400 rs. e outras mutsi razen-
das por prego corrimsMo.
-- Vende-e urna ttpbia em bom estado:
ns rus da Penha, n 9. "
Vendem-su 4 eseravas, duas cosem
engommam, cozinham e fazem o mais ser-
vigo de nma casa ; duas ditas boas qailan-
deiras ; urna mulatinhade 18 annos, que
cose, engomma, veste nma senhora, e nao
tem falta alguma ; um preto de 30 anuos,
ptimo pnra servir um casa e ganbar na
ra ; um molque d 18 annos, de muilo'
bonita figura ; um dito,de 5 annos, muito
esperto e lindo : na ra do Collegio, n. 21,
primeiro andar, se dir quem vende.
Vende-se, ou aluga-se s prensa que
foi de Alejandre Lopes Itibeiro no Forte-do-
Maltos, comllO ramos de fundo e 71 de1
frente, propria para leeolher moldados, por
estar porto da tlfande^e B trapiche de em-
barque j yu | tratar na ra da Crui, no Recife, n. 40.
Ni loja amarella da ruado Cres-
po, o. 4,
vendem-se chitas finas; riscadinhos fran-
cezea de cOres Qxas e com 4 palmos de lar-
gura, a 140 e 300 rs. o covado.
Vende-se urna praia pira todo ser-
vigo de ctsa e rea, e melhor par* o servicolj
decampo: na ra das I.arangeirae, n. 2f
fra loja amarella da ra do Cr<
po, n. 4,
vendem-so cortes de caserrJira enfestads, d
Ores modernas e romnticas, a de pura 18a,1
a 6,000 rs. ; ditas de urna s largura, a 6,5*;
rs.; panno fino verde par| frdOes mila
res, e de outras muitas Crjr por biratissi
mo Oreo^ji
-- Ve%pB*B 20 eseravos, sendo'um bom
odlelal d oJj|if o; um dito d So annos, que
lie caS^^HKealre de assuear ; 6 ditos
mogos, *> bonitas figuras, o que So opti
Vende-n- jarras, q^Prlinhas^ moahgus,
garrafas finas eom preto pira resfriar agoa,
vasos para dores, alquidares vidrados de
todos os tnjannos, halaios- para ensinar
meftnos srfdr, ditos cbertos para com-
pra, Sitos para costara, condegas de todos
os Umanhffc : na ra da Cadeia-Velha, n,
8, armazem.
Vende-se um cavallo muito bom de
carro, por. prego commodo : na travesa do
Monrtego, n. 11.
Vende-se un taberna sita na Passi-
gem-da-Magdalena, com poucos fuudos,
pertencante a Agostinbo da Silva Cuima-
raes.-a.tratarco'm Candido Alberto Sodr
da Molla, na (travessa da Madre-de-Ueos,
n. 17.
Chitas para Coberta.
Vendem-se ctlICas para coberta, da oofw
aacuras, fixaa, e de gosto turco, pelo bara-
tisaimo prego de 200 rs. q covado: 140 Ater-
ro-da-B6a-Vista, n. 18 loja. A4|>'
Alten?. .
Vnte-se.ou passs-aedp sociedade urna
botica fra desta Waga, em lugar de se fa-
zer inleresse : quem'se efrar flabililado e
quizar entrar em negocio de nma 00 de ou-
tra forma, dirija-se a toa daa Trlncheiras,
n. 34, que achira as Informadora precisas,
Vende-se cha nacional, mu-
. r
tjo superior, etn caixinhas de 8 li-
bras, por preco muito commodo ;
uzia: os prelendnts, dinjam-se ao es-.amada Lrtiz, DO J\eeile, n. 40,
riplorio de EdusrdoH. Wyatt, ra do Tra- Lrmero anJar#
primeiro
-- Vende-se Lizl* poelic*, produego de
todos OS poeja portugoezes ; s rainha Mar-
got, romance por A. uinaa ; os exceden-
tes dramas, t)ous renegados; Mascara negra;
Pobre das ruinas, por Mandes Leal; Trata-
dos das paixoes, por Young ; Captivo de
Fez,drama : na ruada Praia, armze
39. No mesmoarmazem compra-se o I
de Cister: e o poema CamOes, por
de A.Garrett.
Vende-se doec' de calda de
todas as qualidades, muito bem feito, em
barris proprios para embarque, e aa libras,
por prego commodo : na roa doQueimado,
n. 1; esquina do bajjaco db Pelxe-Fnl
Escravos fgidos.
tPU UD
m
Fugio, no da 17 do corrente, ua> roo
leque de'nome Francisco, de naci Angola,
de 18 a 20 annos; he bastante ladino, tai-
vez queira intitular-se forro ; levou camsa
de riscado; consta ter andado em Olinda ne
dia 18 do corrente : quem o pegar leve-o 4
ra da Cadeia do Recife, loja do Sr. Manoel
Congalves da Silva, qoe gratificar. < m
Deaapparecen, no da lt, do corrente,
una preta de nome Thereza. de nagftO An-
gola, de 30 anr.os pouco mais ou menos ; he
baixa, ps grandes e mal feitos, como o
corno ; levou vestido de rlscadinho rOxo e
panno da Costa : quem a pegar leve-a ra
do Pilar, n. 123, em Fra-de-PorUs, que se-
r recompensado. -,
No dia 19 do corrate, desapparecu,
da casa de Joo Jos de Carvalho Meraes,
um escravo crioulo, d nome Manoel, de
16 annos : levou caigas novas de algodSozi-
nlio azul, camisa branca, chapeo de palha
velho : este escravo cbgou de prximo a
esta praga, e foi remettido da villa do Cra
to, provincia do Cear, pelos Sra. Billar t
lrm9o; foi encontrado no mesmo dia na
Passagem-da-Magdalena, em eompaishia de
una comboieiroa ; julgs-se ter sldosedozi-
do : quem o levara dita casa, ser recom-
pensado.
Em a noite de 18 do corrente tornou a
fuglr o preto Mossambique, de nome Do-
mingues, de boa figura, reprranta 20 e
tantos annos ; levou cslgas brancas e ca-
misa dealgodSe azul ; o signal mais visi-
vel que lem be oros marca lo un laido no
canto da bocea no beico inferior, que quau-
do falla repuxa o beico ; he msreeneiro ; e
por isso desde ja o a baixo assigaado pro-
testa pelo jornal diario de 1,280*rs contra
qualquer pessoa que o tiver em sefr poder;
assim como promeite ratificar generosa-
mente a quem Ih'o entregar narua Novi, n.
3. loja de trastea. -- Artosrfo l*mii*n
Pinto.
Fugio, no da 16 do corrente, a preta
Maria, de nago Costa, hebem Itar'e gor-
da ; tem os peitos grandes e cabidos ; levou
dous vestidos, um azul e oul.ro da hita en-
carnada ; costuma vender n roa bortalice
e frucUs; qe> a pegar lev-a ra da
Cadeia do Recial, n. 25, defronie*to Becco-
Largo, que ser recompensado.
Fugio, no dia 27 de oolubro prximo
pasaadb, um moleqtade nome JuveociO, de
18 a 30 annos ; levou caiga de easemira es-
cura, jaqueta branca, chapeo branco com
conlao borla branca e copa baixa, de es-
tatura regular, reforgado, beig gronos,
oariz chato, com sigues signis do bexigas
norsto, o qualn-o tendo saiido para flra
da cidade, sppOe-se estar aqui oceulto coi
nos arrabaldes i quero o apprehender leve-o
casi de seu senhor, na ra Formos n. *,
qu ser geneiosamenta uralillcado.
-Fugio, no dia'10 desAesbro de 1850, s
7 horas da noite. indo iazer o despejo, a
"t: .'j;^!,"/ '4t!5 : 2?***"' !*s :ec??
do corpo, de'bonita figura, can redonda,
olhos grandes, bocea regular, desdentad
l frente, ralba e ps grandes e grosso,
ilos cahidos e chelos; leVou vestido de
verde ji velho; urnas rosera/ fraKce-
s orelbee : quem a pegaf lev-a i ra
ita, n. 7, trceiro andar, com* a entrad
pala ra da Penhaaque sera gratificado.
Fugio, no dia 25 de ouluBro'prblfmo
isado, do engenho Sttlo-d-Meio, d rl-
ra de Una, o mulato Benedicto, de 25 an-
os, de altura regular, grosso corpo, ca-
is carapinhados, cara esrarnada. olhos
M.os, pouca barba, dete's abertos, per-
! arqueadas ; lem os oVdos grandes dos
,5o I* abertos, todo mal feilq d corpo ; quan-
li(aa- do anda acbmphha com os bragos as rs(-
issi- "das; faz-se muito umilde ; he natilral iie
vea uu ne- noa-visia, casa 00 sr. Manoel Jos, uuedes da mulaliuha de 12 annos. fecolhida.-
U Amorim ; GujDurfl-s ; e par stsCs Iccifa, ra ffnmlu boi li. quo cu, faz uplm^H
ns da mes- do Trapiche, 11.14, segundo andar, he lari>,TnirC.bem de nha WE
da, por ba-J yehde-se um rnolequ de 12 innos: na Icravas deas, cum varias habilidades; na
'rurd Hortas, n. 54. 'ruaOiroiU, n. 3.
Carery-Velho ; foi escravo de Fraiici!
Hezerra de Vaaconsllos e Silva, dt""Cting%
Vermettia da Grvala. Rog'a-afWttoriil-
dfspoliciesa caffles de' cahipo, que o
aiWhehdlm e letem-in ab dito ei
ido-teio, ou ao engenho Carad'aaWda
mesma ribeir, ou ao" Recife, a Antonro
Caldeada Silva, na ra dos Martyrios, 11.
14 que sero rttflcados.*1
wmmm-mmmmmmmm*mm~m
iPaM, : rTatrr. DB i. r. (frajut. ~loO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZB7THBC2_Q6VQF8 INGEST_TIME 2013-04-24T18:47:56Z PACKAGE AA00011611_07217
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES