Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07213


This item is only available as the following downloads:


Full Text
7
>
nno XXVI
Segunda-feira 18
Guiaona e Parahib, a tegundas e sextas feiras.
Hio-Grnnde-do-PIorle, todas ai quintas fcira ao
mtUfllm
Cabo, Serlojiiem, Rlo-Formoq, Porto-Calvo e
Macelo, nol.'.n 11 c 21 de cada uici.
Garauhuns e Honilo, a 8 e 33, '
Boa-Villa c Flores, a 13 e 28.
Victoria, i quiniai feirai.
iilinda, tudoi oa dlu.
Nava, a 4, ao 20 m. di io.
P..1H i mi !Greo- >> 8 b. eoara. da t.
Piusas di -"i.iCheUi a io, m2 h. e 15 ra. dat.
VMlog. a 28, a 10 h. 13 da in.
MIAAD DIHOJI.
Priineira aa 4 horas e 30 minutos da Urde,
Segnnda as 4 horas e 54 minuto* da manba
deNovembro de 1850.
N26I.
MICKJ DA SBMSCn.lp0AO.
Por trc metes (adan lados; 4^000
Por seis nezes H/000
Por um anno 15,000
das da semana.
18 Seg. S. Romao. Aud. do J. dosorf. e do m. 1 v.
19 Tere. S. Izabel. And. do i. da 2. t. do
civel, e do dos feilos da rateada.
30 Quart. S. Flix de Valois. Aud. do 1. da 2. v.
21 Qulnt. Apreseniacao de Nossa Senhora. Aud.
do i. dos orf. e do m. da 1. v.
SI Sext. S. Cecilia. Aud. do J. da 1 v. c. e do dos
eltoa da fazenda
ab. 8. Clemente de Lagos. Aud. da Chae, e
do J. da 2 t. do civel.
24 Oom. S. Joo da Cruz.
CAMBIO EM 17 DI WOTSMBK
Sobre Londres, a 29 d.por 1/000 rs. a 60
Paris, 333 por Sr.
Lisboa, 100. por cento.
Ouro. Oncashespanholaa..... zMSO
Moedas de 6/400 velhas. 16/300
de byiOO nova. lsTJOO
detjOOO....... 9/u00
PrataPatacoes btnlleiroi 1/960
Pesos columnarios..... 1/960
Ditos mexicanos........ 1/700
O.
dlasl
30/000
a I6500
a IWS00
a 9/200
a 1/180
a 1/D80
a 1/780
PiWTC OFFICUL.
ibMtsV
CyRBP
Mente do da ia de noveubro.
WWcloAo Ei, eoaselhalro presidente
da relscflo, ieleirandp-n de havor o juiz de
direito da comarca de Flores. Lachare! Jos
Filippede Souzs Leso, entrado no exercicio
do seu ciriro npdia 4 desie raes.UQIsiou-
se aesU sentido ao inspector ds Uiesouraria
de razentV.
Dilo.Ao Juiz relsetor ds junta de justica,
Siostaftlindo para ser apreseatado em ses-
dda atesis junta o proeesso .verbal feito
ao soldado dcdWvo bstalbSo de oteadores
Antonio Joaquim primeiro.Intelligeoci-
ott-aeeo Exsn, oosnmandante daa armas.
DICo.-Ao inspector da pagadori* militar,
ar* que satnde ajusttr as contag do oitavo
batalhao de secadores, no caso de anda o
Dio ter feito, visto aasim o requisilar o Exm.
mereehal commandinte das armas.Com-
munfeou-e so mesmo mareclial.
Dite.-Ao nasmo,inteirando-Bde biverem
o cabo-de eequedre Alexandre .Manoel dos
Pasaos a saldados Manoel Amonto, Ber-
nardofJoe Daatfs, Manoel da Porciuaeula' e
Monos J4o, tosi* do oitavo bstalhSo de
caeadotea, deei da concluido o seu lempo
de> sarvico, contratado de couformidade
com o decreto eregulamento dolsde no-
ven bro de 1848, para continuar no mesmo
sarvico; mediana a gratificicOe de rea
180,000, a ordenando que Ibes mande pa-
gar ss referida* gralificcoes.sendo 50,000 ra
a isla, eoralo em preslscues mensaesde
10,000 reiSr-ls*eirou-ae so Exm. comman-
dante das arme*.
Dfta.-Ao mesmo, trsnsmittindo *g reli-
efles de tn ostra do mez de outubro ultimo,
perloneentesaa cootingenle do corpo Gxo
4o Ceas*, ora destacado na comarca de Fio-
res, atea da^oo atando conformes, mande
pagar a afiliarlo Eduardo Pina procura-
dor do delegada daquelle termo a quantia
de!77i,Oris, ataque importam as referi-
jsjtaa, retatOaa. 'ViLILlJov
Uito.-Ao raaaaio, para que a viU dos re-
cibos que remelle em duplcala, mande in-
detnaisar a caix* do primeiro batalhao de
esoadres 4 quintil 63,700 rs., que se das-
pendan coas* mbumaqo do cadver do al-
ar feres do quinta batalhao de fuzileiros Jos
Corris de Oliveira Castro, pela riso de
estar inutiliado sau espolio, por ter elle
morrido BBHIfeo.cowrauuicou-so u Exm.
contmanddMa das armas.
-Dito.Ao mesmo, para anaodir indernni-
ssr caix* do primeiro baUlhfio de catado-
re da quantia de 6,0 ris, que sa despeo-
deu, conforme consta do recibo que remet-
tea* duplcala, coma inliumacAo do cada-
ver do soldado do quinto ltlh3o de fuzi-
leiros Keinal Jos- Lins.Inlelligeuciou-se
ao Cxm. eoetmsodinte das armas.
Orto.Ao inspector do arsenal de mari-
nba, dizendo flear inleiradode haverSmc.
cotraUdo com JoSe Carlos Augusto da Sil-
va eomora domis duzenlos alqueires de
farnba do mandioca palo proco e condi-
C,0e cawlaradis no termo da que remelleu
cofa>i a prevenndo~o de ter expedido or-
den so inspector da psgsdoria militar para
meadar paajara importancia da referid fa-
rialM.->N(ataaentido ulliciou-se ao mesmo
iBstawton
Dito.-Ao director do arsenal da guerra,
sctentilicando-o de baver concelido dons
meza, de iiceract com ordenado a Bento
Martins Concalves Lisboa, guarda ds plvo-
ra, adilido-Aquello arsenal.Communicou
ke ao inspector da pagadori* militar.
Dito.Ao mesmo, autorisando-o a des-
pender a quaatU da 187,730 riscom s com-
pra de US ovados de baetillia para factura
desaco para poca a de differenlM calibras,
lim de poderSmc. sitisfszeraarequiaices
daa oraeUzaa.-lotelliieooieu -se o iapec
Iftr d* ntlTBiLlSi. Bslil.r
Dito.-A cam*ra municipal do rtecire, au-
torsndo-a a dar a providencias necassa-
ris vara qae as seseos do tribunal dos ju-
rados deste termo tenbstn lugar no edificio
em que actualmente esti a vaccina, urna
vez que destn em na cas desuas sessfles,
ama sala suficiente para nella e eTectuar a
mesma vaccina, como em outrss oidades se
pratics.Neste sentidoofOciou-se ao com-
missrin vaocinador.
DEM DO Da 13 DE NOVEMBRO.
' Olil. Ao Eim. commaadante daa arma,
part Mandar retwtber eila capital a destaca
ment de trosia J lluha da rreguetia da escada
Dito.Ao dlreotor dolyc'u, dizendo que o
Inspectorda thetourarla da 'atend provincial
infrmou que o proressor deprimeiraa lettras
da villa do Po-d'Alho Francisco Jos da Silva
Perelra justifico a falta deexerciclo decorrldo
de IT de feverfelro a 36 d* abril ludo deste an-
no, nao so com duas licencas, untada respecti-
va cantara, concedida em 18 do mesmo mez de
fevarelro e outra do director interino daquelle
lyciu. ambas de 15 dias, como Umbemcom
dousattestados de molestias, e que tendo-se
lindado em nove de agosto tres mezet de llceo-
ca com ordenado, concedida por portarlas da
presidencia de 26 do eludo abril e 10 de julho,
presentemente acha-se elle fruindo mal tres
lueze sem ordenado, que obteve em 19 de se-
teanbro.
Dito. Ao mesmo, dizendo Mear intelrado
de baver S. S. marcado o da 15 do corrente
Sara nelle e preceder ',ao concurso da cadelra
e prlmelra lettra do exo femlnino de Pao-
d"Albo.
DitoAo dlreetar do artenal de guerra, pa-
ra fornecer, mediante a competente indemnl-
tacad, aoctmmandante do primeiro batalhao
de cacadores as 875 varas de algodaozinho da
imperial fabrica de San-Pedro-d' Alcntara por
elle requisltada*.
Dito. Ao commandaute do corpo de poli-
ca, ordenando que faca marchar para a fregue-
xlada Escada em tubstituico ao destacamento
de primelrs lioha, que all se acha, e tein de
retlrar-se o primeiro commandante l,u Fran-
cisco Barbalho com 20 pracaa d'aquelle corpo,
devendo o referido ollicial receber ordena da
presidencia ante* da tu* partida
Dito. Ao Inspector da thetourarla da fa-
zenda pnvincial, para mandar abonar mais ao
cominandante do corpo de polioia 3rtW0,000 r.,
para compra do reato de armamento ntcessa-
rie aontesaae corpae pagamento daa despaies
fritas eaan e concert da arraaa qoe seacham
treittnadm. confortne Iba requiaiu en offlcio
de hontein.(loimnunicou-se ao referido com-
mandante.
Dito. Ao ebefe de polica, para que orde-
na aos subdelegados das rreguetia* da Escada
e Ipojuca que liinitem o exercicio da jurisdic-
f ao policial ao reapeatltt dittrlcloa, oestaodo
o atrnio que era sentido coxrari* mu barer-
le dado em alguma occasllo.
Dito. Ao mesmo, para providenciar em
ordein a qae oa subdelegados da freguezla da
Escada facain aua correspondencia do modo es
tabelecido no artigo 190 do rrgulamento a. 120
de 31 de Janeiro de 1842;
Dito. Ap commandante do vapor Thelii,
ioteirando-o.de haver etpedido ordein ao a-
gente da coinpanhia dabateas de vapor, pare
mandar dar transporte pera o Para na barraque
tt espera do sul ao primeiro uiariubeiro com
exercicio de praticante, da guarolcao do vapor
(uapioM Jos Antonio de Sa.
Dito. Ao primeiro supplente dojuit mu-
tes de ordens o Sr. capltaes Francisco
Csrlos Bueno Desch*o1p* e Antonio Mari*
Rabello-, e Ihes sgredeo a co*djuvcao que
me prestr*m ; e ao 8r. capitSo Francisco
CameHo Peseoa de Laeerda secretario do
com mando das arroil, lomo e agr*dec,o os
seus bons servaos.
Jamis nunca olvidetei os offleises que
serviado sb a minha ordens, durante o
tempe decorrido em qustu exerci a dit*
commie8o, se houveratn com probidade e
telo, pelo ervico de 8. U. o Imperador.
Fio Intente, nea ao por detxar eiitiatun
ao reconhecido mereainMttto do Sr. coronel
Belerr, i foro* ora exilente nest* provin-
cia, como por hiver sempre feito juslics
meu* camarades d'armas, delles me *p*rto
tranquillo.
AVISOS.
Determina S. M. o Imperador, que V. S.
entregando o commando da armas ao olli-
cial que pelo presidente da provincia for
indicado, siga para a corte oo primeiro va-
por, afim de ser empregado em commissSo
importsnte do ministerio da guerra.Dos
guarde i V. S. Palacio do Rio de Janeiro,
13 de outubro de 1850.MeMosi Ftliaardo de
.Sonsa Millo.Sr. Antonio Corris Sea ra
lllm. e Exm, Sr.Si M. o Imperador,
houve por nemesr comm*nd*nte das armas
deesa provincia io coronel Jos Vicente de
Amorim Bezerre, etiesta dala expeco-lbe
ordom para quo se aprsente a V.Exc. a lim de
entrar no exercicio d* commissao, ora des-
empeahida pelo marechal Antonio Correia
Sera que em servico foi chimado a cor-
ta. A demora do coronel Bezerra nao
deve embaracar a viuda do marechal Sera,
poisque em aviso do honlem aadeterminou
que passase o commande interinamente
offlcial por V. Exc. designado.-Dos
gusrde V. Exe. Palscio dofoverno do Rio
de Jsneiro, 13 de outubro de I850rManuel
FeUznrdo de Sonta Mella.&t. presidente
da provincio de Pornomuoco.
a Cuinpr*-*e reglstre-se. Palscio do go-
verno de Pernambuco, 30 de outubro de
1850.Seas* Jtasae*.
Antonia Carrea Sera.
Do nfimo Sr. ao Sr. desembargador Leao
a teguinte appelUcio em que sao :
Appellante, Jos Rodrigue do Paco; appella-
do, Manoel de Souza GulmarSes.
DIST*I1DI(6CS.
Ao Sr. desembargador Villares o seguate
aggravos em que ajo :
Aggravante, anoel Ferrelra da Silva aggra-
vndo, o juixo. *
AoSr. desembargador Luna Freir o seguin-
te recerco em que sito :
Reeorrent*, Lnnreoco Beaerra Carneiro da Cu-
nta; recorrido, o jtiizo.
Levantou-se a seasio a urna hora da tarde.
^"""--
nicipal do termo do Bonito, ditrndo em resttaa- municipal da comarcada Imperalrlz
TRIBUNAL DA RKLaGAO'.
SESSAO' DE 16 DE KOVEMRRODE i 850.
rlESlDEHCIA DO IXM. SfKHO C0MILHEIHQ
AZEVSDO.
A'* 10 hora* da manbia, achando-te preten-
te ot enhorca desembargadnres Villares, Bas-
to*. Lead, Sauza, Itabelloe Luna Freir, faltan-
do com causa o Sr. detembargadorTelles, o
Sr, presidente declara aberta aseijao.
JULGAMEHT0S.
Ha6i.
De Aadr Gome de Sonsa. Foi concedido
rara ter apreienudo o paciente nasetsaodr,
9 do corrente, ouvindo-se ata ene mesmo
da o delegado do primeiro dittricto do Re-
cite.
flcurto ert*.
Rccorrentes, Antonio Gomes e o bicharel Joo
Valentim Dantas Penag ; recorrido, o
INTERIOR.
lar da pagadori militar.
Dito.Aa mesmo, inielrsndo-o de baver
expedido orden ao cltefe de polica par
mandar entregar a Smc. un Africano bocal,
qoe Cor* appreliendido na freguezia dos
Afetrado, afijn de que o faca empregar no
servico dsquelle arseaal.-Oulciou-se rtoste
*eot'*V ao nteacionado ebefe de polica.
Olio.Ao-eommindaot* do vapor Thelit,
dizendo que podefazer desembarcar o pri-
meiro- Bjmrtrheiro Loureneo Jos da Santa
Ana, pertencente guirnlolo do vapor
a-aeucoaninando, visto ter elle cabadoo
,-i^~ -S Si MigtjaootMiui, e niu querer
coatiaaar no meamo servico.
DitoAe mesmo, inteirando-o de ter re-
sorvido, qu tquera perlencendo a guarni-
oao dioajelta vapor os- tres tnerinlieiroa e
um grumete, de que faz menefio oro seu of-
flcio deiboatem.
Dito.Ao iHpeetor da lae*our*ri da h~
toada provincia), para mandar adianttr ao
director das obras publicas, que assiot o
3?.'!'!'7,|Wl*u*'a<,i600'800 ril). *no0
8laO0P0.ri*paTa* caa da detencSo, eo
resto para os reparas das diversas obra* do
do Reoife. Communicou-se a
idireetor.
II tA-AainiMN, reatetUndo a conU das
iiWiahlimao primairodajulbo do cor-
yante uno al o Ora de seteaibro, com os
presos pobres ds cidei* do Cibo.iQa, de que
esUndo conforme mando ptgir *ua im-
porUgci* ae cMvereito da raesma cadei*
tole vio dos Aojos da Porciuncuis.-lntei-
rou-se ao.chefe de pocia.
Dito.-Ao director dss obra publicas,
a que msnde concertar um rombo, que
> presos da cadeii dsU cidsde
em om dss puede da meso cadoU..,
otbificciss-scio ceft is pclicis.
ta ao blelo em que S. uic. consulta, ta pa sjfja-
lidade de primeiro supplente do juit munici-
pal e d'orphaoa daquel e terma em exercicio,
por se acbar com liceoca o respectivo juit, pu-
de exercer a* funcedes de juisde direito do ci-
vel da incsiua esmarea, que os suppleotes do
juiio uiublcipal apodem substituir oajnltes
de direito quando nao bouver juiz inunieipal
na comarca. Neste temido omclou-se a c-
mara municipal do Bonito
CircularAo juize de direito e promotores
publico da provincia, trantinitlindo para aua
intelligencia eetecucao um excmplr do Diario
Je Pirmambuco n. 246 de 30 de outubro ultimo,
o qual contara a le n. 581 de 4 de telembro pr-
ximo pastado e o decreto n. 708 de 14 do cita-
do mez de outubro, ettabelecendo medidas pa-
ra a repressao do trafego de africanos ueste
imperio.
Portarla. Mandando por em liberdade os
recruta Alelio Jos de Barro* e Loureneo do
Monte cierra valo terem apresentado Isemp-
oocs legaes.
Dita. Restaurando a divisao que tioba a
freguezia da Kscada do municipio de Sanlo-An-
V tate* da portarla de li de malo do corren-
te anno, a qual redutio a um o* dout dittric-
to da referida frrguetla.
Dita. Horneando para ot cargos poliches
do primeiro distrlctoda freguetiada Kscada os
Idadao seguale*:
SnbaVawada.
Candida Jos Lope* de Miranda.
Samlmm,
1.' Manoel da Rocha Lint.
2. Fjanci*coCordeiroFalcao.
Coinmunienii-aA n ijofo Am -<->.
Dita. O pretideote da provincia de Per-
nambuco, em virtnde da autorittcao que Ihe
be conferida no cdigo do commercio e rega-
lameuto n. 696 de 5 de leurobro ultimo, detig-
na o da 8 do raede dezeinbro prximo futuro
para nelle, as nove boras da inanlia, na sala
da aasociacao commercial proceder-se a elei-
(ao dos deputadot coinnierciaulet, esupplentes
que na couformidade do mesmo cdigo, deve-
rSo coiupor o tribunal do commercio da capital
detta provincia, e determina que para liso se
ripenatn a orden necestarias. Neste tentl-
^a-tUmWlttam-se a* convenientes orden-.
. .
do, o juit
z, Nao
tomaram conlieciinento do proeesso.
O proeesso de reponsabilidade dojuit de direi-
to interino Antonio de S Cevalcante ludc-
ferirain o requeriracnto e marcaraiii novo
praso para comparecer ao tribunal.
Apptllactn erimti.
Apppellante, o julio; appellado, Manoel Jos
Goncalve da Silva, Julgaram improceden-
te a appellaco.
Appellante, o promotor publico do Rlo-For-
iiioso'; appellado, Antonio Joaquim de Mel-
lo e Silva e Filippe Nuaes da e-Hva, Con-
firmaran a sentenca de absolvlfao.
Appellante, o julio appellado, Manoel Valen-
tim Francisco. Julgaram improcedente a
appellacao.
Afptaea thtl.
Appellante, Joaquim Galdioo Alve* da Silva :
appellado, Rohno Jos Crrela de Almelda.
betpretaram ot embargos.
Appellante, N. O. J/ieber it C.; appellados, ot
adiniolttradoret do patrimonio dos orpbSos
desla cidade. Mandaran! com vista ao ac-
tual Sr. desembargador procurador da coro,
Appellante, o Jutzo ; appellada, Agulda da Sil-
va Maya. Mandaram com vita ao curador
a heranca e ao depois ao actual Sr. desem-
bargador procurador da coroa.
1EVUOU.
Paitos do Sr. desembargador Villares ao Sr.
desembargador Bastos a seguidle appellacao
em que sao:
Appellante, Manoel Simes de Barros; appella-
dos, Antonio Nunesde Uarros eoutro.
Passaram i? 5r, icsss:S!rfito. Lelo a s
desembargador Souia ai teguinte* appellacdes
era qua sao:
Appellante*, Manoel Lopes de Souza e nulros;
appellados, Joao Zeferino de Oliveira Caval-
cante e outro.
Appellante, Maaeel Anisla Gome* Kibelro;
appellado, Qaerino Antonio.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Ctar, 13 de nocembrode 1850.
Pelo ullimos vapore tenho-lhe dado no-
ticias desla proviocit, e hoje continuando
nesla tarefa, comecarei por dzer-lbe que
anda nSo he chegado o presidente dests
provincia Dr. Silveira da Molts, que jl o va-
por passado tioba deixado no MaranhSo ;
sem que me conste qual o motivo porque
nao veio neste ; aseveram-me porrn que
vir em todo caso no vapor, que *l se tem
demorado para fazer obra, e que deve aqui
chegar nestes tres dias: Deas queira que
asiim seja para cessarom os inconvenientes,
que em geral sSo inherente s interinida-
des, e que no caso presente se teem tornado
to notaveis no Cear pela circumstanca
especial de ser o vice-presdente Mendes
um homem ligado a um gropodiminuto,
quemosjseus conselheiros procuramdsrim-
porlancia,a prove tando-se da sua posicSode
administrador da provincia, isto he, guian-
do-o de modo que fsrs o maior mil ao par-
tido Csrangueijo, e promov os interesses
do grupo equilibrista, o que anda mais
augmenta o mal; porque se ao menos o
Mendes fosse um homem de alguna illus-
traQo, e que obrasse por si mesmo, estou
persuadido qoe tomaria responsabilidad!;
moral, e no teria promovido, como tem
feito, entre o partido do governo tintos
odios e malquerencias ; mas homens do
commercio, sem a menor educarlo Ilitera-
ria, t sem ter mesmo orna certa polidez e
deslnvolvimento, que se adquire com i
communicarjlo e Iraquejo das grandes ro-
das, porque nunca sabio do Cear, elle tem
necessidade de ser aconselhadoe dirigido
nos diflleieis negocios d* administradlo, e
seodo assirr,, ainda mesmo tendo bons dese-
jos, mui fcilmente pode ser comprometti-
do por aquelles em quem confia, os'quaos
nenbum* responsabildade tendo por si,
aprovetam a oportunidade para fazer suas
paixoes.
E com cffeiio o que querem dizer tantas
retcOes praticadis pelo Mendes contra o
partido Cartngueijo? Elle succedeu na pre-
sidencia ao Dr. Fausto, a cuja administra-
cSo, elle e todo os equilibritas elogiavam
sempre pela folln, que Ihes sei ve de orgSo,
oSaquareina ; e sendo o Dr. Fausto Ilus-
trado e cordato, e mere'cendo sempre a coo-
lianca do governo a ponto de llis ser con-
fiada em prova disso urna provincia de
maior importancia, como he o Par, deve-se
presumir que governou o Cear conforme
*s vistas do ministerio, e mellior do que o
Mendes, que nSo tem iquelles requisitos :
mas, sendo istoassim, como he que o Man-
des entrando pira a governanr;* tem de-ti-
toido 13o grande parte do pessoal que o Dr.
Fausto deixou nos empregos ? Pouco mais
'le cem dias fazem que esl o Mendes os
presidencia, e me informam que o nu-
mero dss diiisso"s feitas por lie n.lo
dista muito de cem. Ora, sendo entre nos
cosime reduzirem-e is vice-presidencias
o mero expediente das secretarias, excep-
to o nico csso dss mudanzas da poltica do
estado, porque eolito muitos vezes conrm
mandar um vice-presidenle aplainir as dif-
ficuldsdes, dimittindo omoxiltados sda-
nos da poltica decahida, para nao ter o
novo administrador de carregmrcam odio-
sidide de demissOos necessarias, e nSo ten-
do no caso presente havido mudanca algu-
ma na poltica ; eu me persuado que o go-
verno nao poder deixar de levar a mal a
marcha reactora, que tem o mendes segui-
do, e nem elle msoio poder deixar de co-
nhecerqueosseus amigos o comprometie-
ran, empenhsndo carregar sem necessi-
dade com o odio de tantos patricios, a quem
tem dimiltido.
Ochr ,|n nnliei >r. nnmingi>:sa qa5 >'
S. conhece por j.ter alii occupido Untos
csrgos com honradez, prudencia e bom
senso, tem feito boa hsrmonia com o Men-
des depoii que ebegou do Kio como depu-
tado gerl, eatrou pan a direccSo da repir-
ti(9o ds polica ; mas prevejo que esta har-
mona nao poder ser doradora, porque
chegado ao meu conhecimento; e indo
cumprir este dever de noticiador corres-
pondente, nSo posso deixar de lamentar
que em minha noticia tenham de en-
trar pesaoas do sexo amavel, j como viti-
mss, j como fon te de icoons/crimino-
sos, pois que tendo a mulher sirio dada ao
homem pela providencia para aua fiel e con-
solador compmheir, psrece qu devia
*er sempre ornada de virtudes, e ou sej
ou nSo, Ser sempre respeitada pelo homem
em silencio a sua fraqueza. Islo posto,
dir-lhe-hei, que houve ha pouco a Gran-
ja, islo he, nos limites daquelle termo com
o da Parabyba (no Piauhy) um assissindo
perpetrado em orna vluva respeitavel, sogra
doDr. Clemente Francisco da Silva, a qual
vndo de viagem foi assassinadi com o in-
tuito dearoubarem. N* cldide do Araca-
t houve neste ltimos dias outro assassi-
nato praticado etn um pobre homem, quo
sendo victima da infidelidad de sua esposa,
veio osel-o igualmente do punlul do cor-
reo que de concert com ella planejararn o
seu asssssinato, depois do qual ism-se eva-
limlojuntamentee muiloa seu vigar.qusn-
do foram capturados peta polica. Interroga-
dos os criminosos o assassino confessou seu
crime.e procurando tomar toda a responsa-
bildade delle, defendendo a sdultert, e dis-
so nSo ter ella influido par* o tsssssinato,
o que no parece ser verdade, vislo o as-
sentimento que ella Ihe deu, acompinhan-
do o ssassino de seu marido. Adeos. O
vapor esta largar.
mmwmmmmmtmmmmmmmmmmwmmwmKm
ERNAMBUCQ
JURY DO BEC1FE.
4. SE8SAO ORDINARIA DESTE ANNO.
Presidencia da Sr. Dr. Ileii e Silva. '
Di 17 de novembro de 183o-
Por filia de numero nSo houve sessSo,
comparecendo apenas 35 Srs. jurados.
Foram chamado os Srs. que faltavam
para completar o tribunal, sendo multados
os que deixaram de comparecer, sem excu-
sa legal. Dissolva-se a reuniSo ao meio-
di. _____________________
QUALHEMELHOR?
A allopathia,
Tem por base a experiencia de medica-
mentos no homem doente : esta experiencia,
alm de prejudlcar os doentes, be rarlavel co-
mo sao as enfermldanes:
A hoauaopalnia,
I. Tem por base a experiencia dos medica-
mentos no bomern sao: esta experiencia, alm
de nao prrjudicar oinguem, be to pouco va-
riavel como a laude perfeita:
A allopathia,
II. Sua materia medica lie um monillo de opl-
nides disparadas, onde o absurdo disputa com
o rl-ilculo (Blchat, Boerhaave, Guleu):
A homosopathia,
II. Sua materia medica he um rico tbesouro
de Tacto bem observados por pesaaa* probas e
dedicadas ao bem da huinaoidade:
A allopathia,
III. Tem menospresado aa proprledadea me-
dlcinaes das substancia mais enrgicas, como:
o mercurio, a quina, o emofre. o iodo, e ein-
prrga rail substancias que lbe sao deioanbe-
cidas;
A homaopathia,
III. Tem descoberto prupredadet rtredlci-
naesem substancias reputadas inertes, como :
o lycopodio. a arela pura, o carvo, etc., e nao
emprega substancias que Ihe sejain desconbe-
cidaai
A alloattkia,
IV. Tem por principio* opinies variaveis
do* autores:
A aoauaottata,
IV. Tem por principio* a lei invaravel dos
teuielbanles:
A allopathia,
V. Examinando superficialmente algunt aof-
frimentos do enfermo, vai logo clatsilica-los
arbitrariamente, e lan^a mao de urna mistura
de substancias, cujot elfeltos nSo foram obser-
vados oo homem sao, e assiin ao acaso se deci-
de na escolba dar remedio :
A homaopathia,
V. Examinando alternamente todos os soffri-
mcnlos do enfermo, sem classifica-lo* arbitra-
riamente, procura o medicamento que tem a-
presentado efieitos no homem sao mais seine-
Ihantes a e,jet sollrimentos, e por eita regra
se decida na escolba do remedio
A allopalhia,
VI. Serve-se de muitu medicamentos de ca-
da vez, nao podendo previamente estudar-lbcs
o elicito, nem tao pouco calcular-Ibes o resul-
Appellante, ojuito; appellado, Vicente Jos IJ1""00 B**"-*. um moco de genio esqu
Teitaira. tado, que por motivos mui frivolos, e i
Appcilaale, Joo Daniel Wolphp it C ppel-
lados, a viura de Jos Francisco de llorja e
outro.
Commando das armas.
QaarUt gtntral na cidade da Heeife, emtde
uemambroaaiatO.
ORDEM DO DA N. 131.
Pasto o commando das armas dest* pro-
vincia ao Exm. Sr. coronel Commndnte i Feito* que te acbavam cora dU auignado
do quarte batslho de artilharia a p Jos bara julgatnento e que pe'o fallecimento do
Vicente de Amorim Bezerra, em execacla r. deteinbargador Ramos patiam a retiaao do
i oaden do governo impettjflbue mala- Pr> etembarfadar vinares em que sao.
ram COmmunicada pelos aviles do minis- Appellante, Mara da Mstrraidadeda lovenco
terio da gperra abiixo transcripto, cortas i ""oUfta( appeltada Mara Manoela de
t,rutDb"'fS,lePn)X,,n0 tn^ fcXtte. Josdd.Siiv.bUae.r.G.lra.rie.;
Paiiou do Sr. daseinbargador Rabello ao Sr
desembargador Luna Freir a teguinte appel-
lacio em que tao :
Appellante*, Affonso Joi de Albuquerque e
. outros; appellados, os Indios de Arroncbet.
en-
que
uo hiiram a nenhuma autondade policial,
tam tratado mil ao mesmo ebefe de polica
'Oi sua correspondencia uflicial, querendo-
he prescrever deveres, e fazendo exigen-
cias no utorisadas por lei; o Dr. Domin-
gues j se vio na neceasidade de propdr sua
demissSo; e sendo mui provavel, que o
Mendes s no d, por ser elle equilibrista da
gem, embora ao mesmo Domingues lenba
confessdo reoenhecer suas imprudeucia,
he de suppor .que seja islo principio para
cerrar essa harmona, illas tao indispen-
sivel entra as duas primeiras lutoridades
da provincia.
Occupando-me com a politice tenho dei-
X*do de Ih* dar cont des critaes uiliia-
mente occorido*na proyinci, e que teem
A homaaaalkia,
VI. Serve-ae ds um ti utedJcamento de cada
rez, tendo previamente eatuaUdo seus efieitos
no homem sao, podeudo aasim calcular-lhe o
multado:
A tUapatkia,
VII. Emprega dote multo grande, que mul-
to excifam prrjudlclae* effeitoA primitivos, e
desenvolvem desordenadamente effeitos secun-
darios, tunado incapazes de curar aaener-
imdadet:
A hontataatkia,
VIL Emprega dosaa muito pequanat, que
nene* excitara inuteis etteitoa ptimilivo* e
desenvolvem em toda a sua lalilude os effeitos
secundarios, nico capaze* de curar as enter-
midades:
A alloaatkia.
VIH. AdmialMra tneio tao barbaros deta-
cerUHlo, falta de experiencia para, que, te
da eafennidadet a* IrartatU stutateJ/ite longa
* convajeacenca.
A hoimaopathia,
VIII. Administra matos lio tuavea e acerta-
do*, pala experiencia pura, queda enormida-
des te transita aaude quaal sem convalesceaea:
IX. Carece de atnfoijjajEa todos seus enter-
mot com atqneroaat tHEV, eauttlco, bicha,
ferro c lugo em que vaTmorte:
^an jsfi^rea^i^^paaraa*m
IX. Nio carjioc d alorwcotajr tuua criaoca


w
que toma com prazer vidamente o nequenino
globulohomreopalhicoemeue vai vida:
A aopalhla,
X. Nbo cura doencas chronlcu, exacerbando
a todas; ciiraapparentemcnte com extraordi-
naria lentido e sem seguranca a> molrstlai
agudat, enfraquecendo o doente extraordina-
riamente:
A homaopalhia,
X, Oura a raaior parte das doencas chronicas,
alliviando a todas; cura radicalmente com ex-
traordinaria rapidez e seguranca as molestias
agudas, sem enfraqueccr o enfermo seusivel-
mente:
A allopalhia,
XI. Nos casos agudissimos e as epidemias
perde 50 ou 60 por cento de seus enfermos, co-
mo consta de documentos e das publicacdes
quotidianas dosobtos, em que se vi extraordi-
naria mortandade, principalmente de crianzas:
o que evitarla nao srgulndo o emprego sem ba-
se, sem lei, de meios que desconhece :
A hontropalUia,
XI. Nos caso* agudissiinos as epidemias
nao perde mais de oito por cento de seus doen-
tes, como consta de documentos offlciaes pu-
blicados, e como se pode verificar exainiuand o
os obtos diarios, principalmente de criancas ;
e este numero Mearla aluda mais reduzldo se
fosse geral o uso de preservativos que bem co-
ndece :
A allopalhia,
Vil. Ordenando dieta exquisita e severa, e
administrando inuitos medicamentos, nao po-
de sem grave damno ser exercida por um pai
de familia ou cliefe de estabelecimento, ou cu-
ras de almas:
A komaopathia,
XII. Ordenando dieta sobria e frugal, e ad-
ministrando poucos medicamentos, pode com
muita vantagem ser esercida por uui pai de
familia, ouebefe de estabcleciiuento, oucura
de almas.
Qual be ineldor?
9000000000000000
o
0

o
o
o
REMEDIO DE GRACA AOS POBRES,
assim como aos escravot di pe-
toas pobrti.
CONSULTORIO 1I0M0EOPATH1CO
HE
Joio Vicente Martint.
0
0
0
O
0
Na ra do Apollo n. 24 lodos os O
Q
O 'lias uteis at urna hora da larde.
DIAKI M PKHNABIJCU
mxcir, 17 DI JSOVEMBRO D> na*.
Tomou honlem posse do commmdo das
armas desta provincia o Sr. coronel Jos V-
renle de Amoriro Bezerra. S. Etc. o Sr.
marechal de campo Antonio Correa Sera,
dexsndo o referido com mando tem de se-
guir viagem do pritneiro vapor, que partir
pan o sul, alltn de serempregado em com-
nnssfio mais imponadle nesle lado do im-
perio.
Das gi zetas recebidas pelo vapor do sul,
extrabimos mais as seguintes noticias rela-
tivas aos estados americanos:
Em Montreal (cidade do Canad) linda ha-
vido um grande incendio, cujo prejuizo era
calculado em mais de cem mil libras.
Continuava a desavenga entre os estados
de Tesas e do Novo Mxico, por causa de li-
mites terriloriaes ; desovenct que se ia ag-
gravBndo cada vez mais, a ponto de se ja
adiar o governo federal autorisado pelo se-
nado fazer marchar para Santa Fea forca
necessarla para a sua occupaco, e estibe-
lececireenlo da jursdicefio do Texas sobre
o territorio, que se julga com direilo.
Do Mxico ba a noticia favoravel do des-
apparecimento do cholera, que desolou a
capital durante cem dios, fazendo nesse es-
paco de lempo 18,000 vitimas.
Di repblica do Equador sabe-se, que re-
bentou urna nova revolucao, por amor da
qual foi o general Eliealde obrigado a bomi-
zisr-se a bordo de um vszo de guerra in-
glez, que ae achava em Guayiquiol.
Pelo vapor Uahiana entrado hoje dos portos
do norte recebemos gatetas do -Para ate 27 de
outubro passado, do Marauho at 2, doCear
e da Parahyb* at 9 du correte.
O Para permaneca no gozo de perfeita tran-
quilidad, durando anda os trabalhos de sua
asseuibtfa legislativa.
Do Maranho nada temosa referir de impor
tante, a nao ser a conllouaco de deplorareis
alternados contra a seguranca individual dos
cidadaos.
O Pregriuo m o seu n. 123 de 30 de outubro
passado publica a noticia do brbaro assassl-
nato perpetrado na peasoa do capitfio Jos Joa-
quim fiarbosa, um dos primeiros negociantes
tando o infeliz em sua propria casa, train irf-
digitados como mandantes o subdelegado do
lugar de cognoin Panaca, e como cumplices
um sargento e um soldado do destacamento
que all exista.
Este acto de execravel barbarismo ful em
poucos das seguido de outro ; sendo aquelle
subdelegado igualmente assassinado.
Segunda o inrsmo jornal, o governo daquel
la provincia aocudio ao segundo alternado, fa-
zendo marchar enlfio para Ical uina partida
de 30 pracise um official. -
O Jornal Csaienu tambera refere, que no da
primelro dcoulubro pastado, um par Jo de no-
ine Antonio de 16 a 18 annos de idade, apren-
diz de alfalate, dra urna facada no hombro es-
querdo de urna mulata chamada Vlcencia ;
mas que logo lora preso.
Continuava em seus trabalhos a assembla
legislativa, e faziam te reunldes eleltoraes pa-
ra a designa;ao dos candidatos aos tres lugares
's !B!!cTcd;;:ic!cput2d=!j qse m;!: tem
de dar aquella provincia; sendo que o Kxia
presidente o Sr. Azeredo Coutioh que era
censurado por se apresentar como candidato,
vira-se na necessldade de faier publicar pelos
peridicos urna declaracio solemne, eiu que
regeitara paramar de seus principios urna tal
bonra, fazendo ver que nunca Uvera seiuelban
te pretencW.
Esta daclaracao de S. Exc. nao fot entreunto
bastante para dlssuadir a opposicao.que em res-
posta allegara o exemplo do Sr. Penna, que lo
tieinassimpiucedera. S. Esc. e a assembla que
o apoia eram-Cortementc batidos pelo I'royns-
io, Jornal Cexien i, etc.
Tinha chegado a Casias no dia ludesetem-
l>rooExm. Sr. Or. Ignacio Francisco Silvelra
da Motu, presidente noineado para o L'ear.
(uanto a esta ultima provincia nada pode-
mos accreaeentar (por nao haver) ao que seis
ni a corraspondencia particular que d'aiii
nos eterevem. e que val inserida nesle mesim.
numero do Liarlo.
Do Rio-Grande do norte t da Parahjba nada
sabemos, que de leve posea iotereasar os lel-
tores.
Corre^p^dencia.
ATTT.NCAn
Senborea, atteudei-me Na be no ter-
reno das diatribes, Insultos e injurias que
me vou oollocar ; pola, ahi, me confesso o
mais fraco de todos o borneas. He no mun-
do das ideiase da justici, que eu vou apre-
- 'atar una violencia de typo novo e bem
celebre, para que os conefles cheios de le-
Made e as almas justas possam v-la e jul-
ga-Ia.
Eslava o processo de Bento Jos di Silva
Magalhfies e Jos Moreira Lopes submettido
ao conhecimenlo dos jurados e o tribunal
funecionando, quando o Sr. Neivas, rece-
bendo ofllcilmente copia da nova lei, que
remetteu o julgamenlo de certos croies pa-
ra os juizes de direito, immediattmente
considerou esta nova lei em execuefio, e,
fundado neste principio, declarou o jury
incompetente para conhecer da causa dos
dous pacientes, e ordenot a remeasa dos
aulos para o juizo de direito.--Veji o leitor
a pnmeira certidlo abalxo publicada.
Constituido o Sr. Neivas por este seu des
picho juiz na causa, depois de ter o proces-
so onze dias em sua concluifio, ifinil mm-
dou sobr'estar o frito at chegar o regula-
menlo, que elle pedia ao governo; visto
que sem o dito regulamento a nova lei nfio
pode ser executada --Veja-se a segunda cer-
tidlo.
Eis abi dous despachos, que se comba-
ten! e se destroem reciprocamente. Das
duas urna ; ou a nova lei est em execuefio,
ou nilo esl. Se est, entSo o Sr. Neivas
nao pode fazer o processo dormir somno
profundo e repousado e aa duas victimas li-
carem encarceradas, com algozes e sem
juizes, at que venhao regulamento, que
elle pedir, pois que neste caso o esperado
rogulamenlo nSo be o quo vem dar execu-
c,3o a tima lei j execu,tida. Se nfio est i
le em execufSo, entSo oSr. Neivas nilo he
juiz competente na causa, nSo p lo profe-
rir despacho alguo no feito, e deve quin-
to antes remettero processo para os jura-
dos, cuj competencia, na falla de execu-
(3o da nova lei, linda prevalece e subsiste.
Que bomem poder responder a este di-
lemma ? .' Pols estiva a nova le em execu-
53o para roubar-se aos accusidos o direito
e garanta de seren julga Jos pelos seus pa-
res, e para o Sr. Neivas constituir-se juiz
da causa, e iio est em execuefio para o
Sr. Neivas, depois de coiislituiJo juiz, or-
ganisir o novo processo escripto e julgar ? !
Que disparale irracional!
Com efleito, em occasiOes de reformas de
leis de justica, cuja icc9o e aclividade nSo
pd v8o sendo recebidos, procurados ejulga-
dos ou pelas velbas leis reformadas-, ou pe
las novas leis reformantes, confu me os
principios tutelares do direito e equidsdee
as regras da hermenutica, e para isto he
que os juizes devem ser homens descien-
cia e illuslracSo. Mas apparecer urna nova
lei de jurisdicSo e ficarem duas victimas
encarceradas em dura prisSo, sem poderem
ser julgadas pela velha lei, enera pela no-
va, nSo pla velha, por nao estar miis em
execucao, n8o pela nova, por nSo eslir an-
da em axecugo, islo, em verdade ba um
lisparale estpido sem termo de compa-
rado.
Entretanto o ficto, apezar de parecer so-
nho ou fbula, existe, e existe, porgue, nes-
te seculo de luzes e liberdade ha um Juiz que
ompreiionde a justira por lal icolo, que
deixa licar dual crealuras presas, vendo
prolongar-se indellntivamenie seus enor-
mes maflyrios e vivos padecimentos, sem
iribunaes e juizes que as julguem, e, como
se fizesse cousa mu jusla e excellenie, com
sua propria nulo escreve e assigm esti
obra de iniquidades.
E como explicar-se esle ficto, como j
disse, de lypo novo e bem celebre P A que-
rer ter-se toda a deferonc ao Sr. Neivas,
pira no acreditir-se, que elle tenha em-
pregado estas cousas para perseguir os ac-
cusados, nBo sei que alguma outn explic*-
cJo se lhe possa dar.
Talvez'o Sr. Neivis estej bem contente
com a defesa, que alguem lhe fez, de eu
me haver conforma lo, como advogado dos
aecusados, com o seu despacho, que expeli
a causa do julgamenlo por jurados.
Quero, com poucas explicarles da scicn-
cia, desvanecer as tristes iliusOes do Sr
Neivas. Primeiro que ludo si i lia o Sr. Nei-
vas, que, em materias de jurisli^Oes im-
prorogaveis, comoso a jurisdicSo do jury
e dos juizes de direilo, a icquieacencia e
consentimenlo das partes nao tem expli-
carlo ilgnmi. Saibi em segundo lugar,
que antea d'elle proferir aquella senlenQs
nio podia saber, se eu recorra ou nSo d'ella
o por laso nSo pode achar defesa no meu
procodimenlo posterior como advogado,
salvo se proferto aquella sentenga contra
sua coniciencia no interesse de perseguir
os aecusados e demorar senssoffrimentos,
contando ao certo, que eu r. corresse pan
a reli^So, e dall viesse a certa repararlo
de suas injustQis empregsdis com syslo
matico apuro. Saiba em lerceiro lugar que
o recorrer ou n3o recorrer as parles dos
despachos ou sentencia nflo lira a respon
sabilidade dos juizes, que as proferem. Sai-
ba em quarlo lugar que.se eu me conformei
com a sua senlenr;, foi para evitar a de-
mora do recurso e abreviar o julgamenlo,
nao me podendo capacitar do que o Sr.
Neivas quizesse constitur-se juiz na causa,
para Hnna t**o* i-rd. !c '^"'^n'
ou iguorante, sobrestando o feito pela ra-
llo de nSo estar em execucjio a nova lei,
em virtude do quil est eJIe feito juiz di
Ciusa. Siiba em ultimo rebultado,' que i
sua defesi he um escspalorio ridiculo i
he mesmo defesa de quem n8o tem de
fesa.
Disse um senbor anonymo-F. I.. F --no
Diario de 13 docorrenle que Bento e Lopes
alo dous reos pronunciados, sustentada
pronuncia na relicBo, como introductores
de inoeds falsa, sendo eu, lente e deputado,
o advogado d'elles.
NSo se afadigue, meu charo Senhor ; por-
quinto desde que o seu amigo Neivas as-
sentou para si no consentir que os dous
aecusados fssem julgados pelo jury, que eu
tambem aisentei para mim levar ao domi-
nio do publico a sua defesa e a ntida re-
zenha do processo rico de monstruosidades
TOra de todi a cotnprehensBo humana ;
nessa occasilo entSo he que mostrarei que,
em vei de desairse, he assa honrosa a
mssSo de defender as victimas opprimidas
por crueis vinganc^aa.
Recife, 14 de novembro de 1850.
Dr. Frantiee dt Paula BapUila.
JoHo Saralvi deArujo Catvlo,' eierlvOe
dojuisode direito da 1.* vara do crlme
da comarca do Recife, por S. M. I. eC.
que Dos guarde, ete.
Certifico que revendo os autos erime
ex-ofllcio, em quo s3o reos Bento Jos da
Silva MsgalhSes, e Jos Moreira Lopes delles
a fls. 210, se acha exarado o despicho que
fez mencSo o supplicante em tua petiQBo
supn, oquat he'da forma, modo, maneira
seguinte: Attendendo, a qce o prsenla pro-
cesso inda nSo foi julgado como mostram os
autos, o que pelo governo me foi remettido
o decreto n. 563 de 2 de julho de 1850, j
publicado na gaseta ofJiciil, o qual decla-
rou fra da competencia do jury 08 julga-
mentos sobre crime de moeda falsa previs-
to no capitulo 8.' tit. 6." do cod. penal: at-
tendendo a que desde a publicarlo das leia,
sust seu efleito, os direitoa e obrigacOes
que ellas sem restriocSo estabelecem ; at-
tendendo a que o supridito decreto nfio al-
terou as penas nem coirctou os meiosde de-
fe e produceo das provea; mis, smente
confero a outro Juizo o julgamenlo das
causis de que traa ; attendendo a que na
especie seguida ( Ranter tratado do direito
criminal, livro 1.* cap. 1. n. 8.'; he que a
nova lei regula o julganeoto, urna vez que
uno viola meio ilgum do defesa; atten-
dendo a que o julgamenlo pelo juizo reco-
nhecido pelo decreto garande todoi
os meios de defesa, discussfio de factoa e
provas : visto como tem o processo de se-
guir os termos de contrariedade, e os de
mais establecidos noa artigas 402 e seguin-
tea do regulamento n. 120 de 31 de Janeiro
de 1843, os quies em substancia sfio odo
arl. 263 do cdigo do processo, e nfle se
pode considerar menos girantido da recta
administracSo da justica o juizo eslabele-
cldo para julgar os empregados da nicSo ;
ttendendo i que esas jurisprudenciawe
conforma com o que ae seguio nos artigos
25 e 26 do regulamento a. 123 de 2 de feve-
reiro de 1843, e artigo 92 do regulamento
de 3 de Janeiro do 1833; attendendo a que
o simples facto de ter aido apresentado nos
jurados um processo nSo firma a competen-
cia para o julgamenlo sendo que o arl. 353
do regulamento n. 130 de 31 de jineirode
1842 incumbe ao juiz da direito nfio con-
sentir se sujeite ao juiry um processo, cujo
julgamenlo a lei cooferea outro juizo ; at-
tendendo a que se nlo podem confundir
os autos consumados antes da publicado
da lei, sem os que estfio por praticar; inde-
liro o requerimento a fls. 231, e declaro
competente o juizo designado no decreto
o. 563 de 3 de julho de 1850, prosegaitido-se
nos ulteriores termos do art. 402, e seguin-
tes do regulamento n. 130. Cidade do Re-
cife, 14 de outubro de 1850. Newa.--Na-
da mais secontinha em dito despicho, que
eu ecr\j/3o no principio desta declralo e
abaixo assignado, beme Belmente extrah
por cerlidfio dos proprios autos a que me re-
porto, oeste val sem cousa que duvnla fici
escripia e assignada nesla aobredita cidade
do Recife de Perninrbuco, aos 13 das do
raez de novembrp de 1850. Escrevi e aasig-
nei, Em fe de verda Je. ~ Jodo Saraiva
da Araujo Qalvio.
Dfpteko ultimo.
i Deferindo o requerimento a fls. 354,
mando na conformidade do aviso de 3 de se-
texbro de 1850, que o escrivfio Aprigio re-
mella ao earivOo Saraiva ; e qusnto ao re-
querimento a fls. 355 constando existir re-
gulamento marcando o andamento do pro-
cesso qne tem de seguir-se psra o Julga-
menlo, e lendo-o pedido ao governo, antes
de me ser remettido nfio posso deferir. Ad-
virto ao advogado aignalario da peticSo que
n3o pode exceder-se no exerciclo de seu
ofllcio sob penada lhe ser applicadudi
le. Cidade do Recife, 9 de novembro de
1850. E nada mais se conlinha em ditas
peQts quo me foram pedidas, e que eu es-
criv.lo, bem e fielmente as flz exlrabir por
cerlidfio dos proprios aulos a que me repor-
to, e vii na verdade sem cousa qua duvida
fac subscripta conferida e concertada,
nesti cidade do Recife de l'ernambuco, aos
II dias do mez de novembro de 1850, --
Subscrevi e sslgnei, Em f de verdade.
Jodo Sarairo d> Aran/o Ga/vdo.________^^
OMMftCIU.
ALFANDEGA.
nendimento do dia 16.....33:579,841
eiearrifa hoje 18 di noveibro.
Barca Sword-Fih mercaduras.
CONSULADO GERAL.
Rendimeulo do dia 16.... 571,262
EXPORTACAO.
Despacho marilimo no da U
Rio de Janeiro, escuna nacional Berenice,
de 107 toneladil: conduz o seguinto : 1,100
saceos e 120 barrioas com 6,411 arrobas
27 libras de asaucar, 2,523 meios de vaque-
ta e sola, 100 birnlmhos com 800 libras de
doce, 1 Cinocom 328 borraxinhis.
RECEBEDORIA. DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rendimento do dia 16......475,747
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 16. ./ .. 9:045,313
PRAQA DO RECIFE, 16 DE NOVEMBRO DE
iov. A'a iiuus i>\ i Aitiit.
Reviiia semanal.
Cambios-------Fizeram-so IrausactOes a-
vultadis a 29 d por 1,000
ria, e eat Arme a esle
preco.
Algodfio---------- Enlraram 715 saccis, que
furain vendidaa a 7,300 ra.
a arrobado prinieira sorle,
e 6,800 ra. o de segunda.
Assucar As eutrada tem avultado,
e os hrencok sulTaeram que-
bra, tendo-se vendido de
1,900 a 2,700 rs. o eiisacci
do e embarricido, e o mis-
cavado de 1,630 a 1,700 rs
Nfio ha da encaixido.
Couros----------Vender m-se de 115 a 11%
rs. a libra dos salgados.
Ago'ardento- Vendeu-se de 40 a 45,000 rs
a pipa.
Bactlho 0 cirregimento que ae a-f
chata em ser na semana an-
tecedente foi vendido acer-
ca 4* 19,000 rs. a barrica.
- Retalhou-se de 13,000 ai
hsH
Carne secca Nfio houve entrada, e nem
ha em prisaeira mfio.
Fari nha de trigo Os preces foram os mesmos
da semana antecedente.
Entrou um crregamento
de 1.475 barricas, de Phita-
delphia, com o qual o depo-
sito boje he de 5,000 bar-
ricas.
Oleo de linbaca Vendeu-se a 1,930 rs. o ga-
lfio em cascos de mideira.
Qoeijos dem 11,250 rs. os (limen-
gos.
Ficaram no.porto 44 embarcabas, sendo
I american, 28 brasiieiras, 1 chilena, 5 in-
glezis, 7 portiiguezis, 1 sirda e 1 aueca.
Movimento do porto.
Navio entrado na iU 16.
Parahiba II horas, lancba naciontl Con-
ceicMo Flor das Virlvdes, de 83 3/4 tone-
ladas, mestre Elias do Roztrio, equipa-
em 5, carga toros de mangue ; a Paulo
as Baptsti.
Navios suhidot no mesmo dia.
Parahiba -- Lincha nacional Nova S. Cruz,
mestre Antonio Manoel Alfonso, carga va-
rios gneros. Paasageiro, o Porluguez Jo-
te Joaquim Peixolo.
Em commissSo Escuna Lindla, commin-
danteo piloto Joaquim Alves Moreira.
Para peloa portos intermedios -- Paquete de
vapor rerMwbucan, eommandente Ot-
ten. AlMdoepaa*agrosqiroiMdoa
portos do lu para os do norte leva a aeu
bordo para a Parahiba, Manoel Divino
das Naves Telxeira Bastos, Antonio Fran-
cisco de Oliveira, Jacintbo Jos de Medei-
roi Corris, Custodio Domingos dos San-
ios, o'criminoio Nicolao Jos de Mello e
o preso Salviano Bezerra de Brito : para
o Ceir, o Dr. Pedro Pereira da Silva Cui-
mirSes oom um filho menor e urna escra-
va, Jos Lbenlo Birroso e lloguliuo Al-
vea de FreiUs Albuquerque : pira-o Ma-
ranhfio, Jos de Almeid Martina Coala,
Filippe de Barros ellmbelino Moreira de
Oliveira Lima : para o Para, o pralicante
Jos Antonio de S.
Obtervaeto.
Fundeou no LimeirSo um brigue inglez,
que nfio leve communicaffio com a trra.
Navios entradoi no da 17.
Pari e portos intermedios -- 16 disi e 6 ho-
ras, vapor Uahiana, commindante o pri-
meiro lente Segundino, equipagem 28.
Pissigeiros : para esta provincia, Joaquim
Ignacio do Almeida com t escravo, Au-
gutlo Jos da Veiga, Antonio Vicente de
MsgalhSes com 1 lllho menor, Francisco
Fidelles Barroso, Dr. Jos da Costa Me-
diado e 3 escravos a entregar : para o sul,
o Etm. Sr. conselheiro Jeronymo Fran-
cisco Coelho, o capitfio de mar e guerra
Antonio Firmo Coelbo, o major Jos Pe-
reira de Azevedo, Fr. Fructuoso da Sole-
dade, 37 praxis para o exercito e 5 ditas
para a mirinha.
Liverpool -- 59 dias, barca ingleza Goiden
Fletes, de 312 toneladas, capitfio James
Palelborpe, equipagem 16, carga fazen-
das e carvfio de pedra; a Russell Mellon
& Companhia
Ais-13das. biate brasileiro Galgo, car-
ga aal. Veio largar o pralico e aegue pa-
ra Macei e Baha.
Serra l.ea 19 dias, pstaoho inglez Geor-
je Vean, de 150 toneladas, capitfio G. W.
Turring, equipagem 8, em lastro; ao
mesmo capitfio.
Barcelona- 63 dias, brigue hespanhol fran-
cisco, d 352 toneladas, rapilfio Lourenco
Cirran, equipagem 14, em lastro ; a Jofio
Pinto de Lemos.
Macei5 dias, brigue Inglez Kmma, de
990 toneladas, capitfio 1. Towill, equipi-
gem 12, carga assucar e algodfio ; a Crab-
tree & Companhia.-- Veio receber ordena
e legue pin Liverpool.
Lisboa -- 40 dias, brigue porluguez 'JViriy'o
///, de 232 toneladas, capitfio Francisco
Jsjfconlo de Almeid, equipagem 13, car-
ga vinho e mais gneros; a Manoel Joa-
quim Ramos & Silva. Passageiros, os Por-
tuguezes Dellino dos AnjosTexeira, Poli-
carpo Jos l.iyme e Jofio Licio Marques,
o Brasileiro LuizCezario do Reg, o In-
glez F. Edlmaon.
GUsgou 40 dias, brigue inglez St. Beln,
de 144 toneladas, cipilfio T. Williims,
equipagem 8, carga fazendaa ; a Adimson
& Companhia.
Navio tahido no mismo ii*.
Rio de Jineiro Escuna brasileira Bireni-
ce, capillo Filippe Nery de Oliveira, carg
assucar. Passageiros, ocspilSo da guirdi
nacional Jos Goncalves da Silva com 1
criado e Jos Joaquim Geminianno de Mo-
nea Navarro. ______^_
retalbar-se 4,000 barricas.
Declarares.
JUIZO DOS FEITOS DA FAZENDA.
Na larde do dia 19 do correte, a porta do
lllni. Sr. Dr. juiz dos feitos ds fazenda, vam
a pnca para serem arrematados os bem se-
guintes: "
Otrrceiroindir di caaa da rna do Livra-
menlo n., pinhorado aoa herdeiroi de Jos
Mauricio de Oliven Miciel.avaliadode reo-
da aniiual em 950,000 rs; diversos objeclos
de loja de charutos, pohorados a Jofio Pe-
reira de S Viaona, o avahados em 9,500
ria i um siCrava, piunoriui i *o
Costa Albuquerque, o avallada em 400,000
ris ; um sitio com duas casi e excedentes
commoJos, no lugar do Caldeireiro, pinho-
rado ao coronel Franciaco Jscinlbo Perein,
e avahado em 14:000,000 rii: a renda de
urna casa de dous andares na ra do Jardim,
avaliida em 132,000 ris annual, e perten-
cenle a heran^a jacente do aben testado,
Fre Caelano de Santa Engracia de Jess
Munz, fleando o arrematante obrigado a
fazer os concertos de que a casa preciaa
cujo importe sen descomido as rends,
providi plenimenle a verscidide di deipe-.
zi; a metido da renda annual da casa n.
12 na ra dai Cruzes, iviliida em 72,000
ris, e pinhorada aoa herdeiros de Jofio da
Silva Santoa.
Para pagamento da fazenda, foram pi-
nhoradoa oa bena supra mencionados ; os
pertendeiites dirijam-se ao porleiro do jui-
co, para melbormenle serem informados
COMPAS!.A DOBEBEtAIBE.
Nlo tendo comparecido numero sufllcien-
te de accionistas da coiupioliii do Beber-
be pira haver awembla geral no dia 15, o
!3Jr90 f. ficanm para dirnninrconvid d"o sSrs. accioniaLa
para que hijam de reunlr-se Impreterivl-
mente quart-feH, 20 do crrante, s dez
lloras da manhfia, no escriptorio da com-
panhia.
-- Na subdelegada di freguezia Bol Vis-
ta exilie umi cabra (blxo ) com orna cria,
que foi apanhadi fon de hons oom urna
corda ao pescoco; quem for seu dono, dan-
do os sigmes lhe aera entregue.
--Pela subdelegicia de San-Jos desta
cidade foi apprehendido ora pequeo relo-
gio de pirede, com filia dos pontelro, a um
pretoqueoindiva vendendo pela quanlia
de 160 rs : quem fr leu legitimo dono,
procure-o na mesmi subdelegada, que,
dando o signaos certoa, lhe ser entregue.
As malas do vapor Bakiana
para os portos do sul fechim-
se hoje ao melo-dia : as cor-
_ respondencias que'vlerem de-
pois deisa hora at urna pagarlo o porte du-
plo._____________
Theatro de S.-Fran
BELLAS ARTES.
Contnuim poreitM tres diMUU
vstado coimorima, emquinto te
rim outrii para aquintaw ci^
Avisos maritimos.
Para o Ass
segu no dia 19 docorrenU o hiabs Fiord*
Cururipe : quem quizer r-erregar ou Ir da
pisssgem, diriji-ie ro do Vigirio n. 5.
to d> Janeiro.
O psticho;Santa Cruz segu neites dias,
s recebe algnaa carga minda, passageiros
e escravos a frte -. traU-se ao lado do Cor-
no Santo, loja de massames n. 35.
Para o Ceara
aegae viagem por toda a aeroana o hiato l-
qiiro, por j ter parte do seu oirregaiiento :
para o reato ou passigeiros, dirijam-se
ra doVigarion. 15. I
Para a Baha tibe impreterivelment
no dia terca-feira 19 do correle a lumica
mcionil Carlota, pira receber' algumaa
miudezasepaisageiros, trali-aeeom con-
signiliro l.uiz Jos de S Araujo na na dt
Cruz n. 33.
Para Cotinguiba tahe neetea oito dias a
sumaca nacional Flor da kngelim, acetre)
BernirdodeSouza, por ter a carga pronpU
pode receber algunas miudezas e passagei-
ros, tratar com o meamo alastre, ou com
Luiz Jos de Araujo na ra da Cruz n. 33.
Para o Porto.
O brigue portuguez af aria Feliz, capillo
Lourenco Fernandos do Carmo : quem no
meamo quizer carrogar ou ir de passagem,
dirija-se ab dito capillo na pnca, ou ao
consignatario Antonio Joaquim da Souza
Ribeiro.
Para a Baha sihe em poucos din o
bem conhecido biite San-Joo: pin eirfa
e pissigeiros triti-se com Antonio Jos Fer-
nandas de Carvalbo, aa ra de Amorim nu-
mero 36.
Pin Lnindi com eacala por BengueUa.
o brigue portuguez Oriente pretenda seguir <
coa i miiorbrevidide posslvel, por tero -
seu crregamento completo, apenaa ncebe
alguma carga miud e passageiros, para o
que offerece os melhores commodoa : trati-
se com os consignatarios T. de Aquino Fon-
seea & Filho, na ra do Vigarlo a. 19, pri-
meire andar, ou com o capitfio na pnca %
Para o Araeaty labe com toda a bro-
vidade o date hngelica, por ter a parte da
carga prompta : para o restantee passagei-
ros, trata-se com Antonio Joaquim Seve na
ra da Cadeia do Recife n. 49, ou com o tne-
tre Jos Josqum Alve di Silva, no trapiche
do algodfio.
Para Santa Catharina
sahe com brevidado o patacho nacional li-
vremento, capitfio Francisco Joa Ratea J-
nior : recebe carga e escravos a frete : qjeoa
quizer embarcar, filie com o dito capitfio,
ou com Manoel Ignacio de Oliveira, na pnca
do Commercio, n. 6.
Para o Rio de Janeiro
sahe, nestei 3 diis, o brigue nicional Valle:
recebe pissigeiros e escravos frete : quom .
pretender, filie com o cipitfio na prega, oa <
com Manoel Ignacio de Oliveira, na pnca
do Commercio, n. 6.
Para o Rio de Janeiro sane en poueoa
diai o pitixo nacional Curioso, capillo Ma-
noel Rodrigues Fineco, por ie acbr parte
da carga engajada, para o reelmte a pis-
sigeiros trsti-se con. o consignatario Luis
Jos de S Anujo na ra da Cruz u. 33.
Para o Ceara.
Espera-se oom toda a brevidado de Lia-
boa com deslino ao Cear, o brigue mcio-
nil Jaiprcsa, forrado o encavilbado de co-
bre e de inperior marcha; demorar-M-na
aqu 12 dias, e receber carga e paisigei-
roi.- tnU-se na ra da Cadeia do Recife n.
17, segundo aodir.
Pin Lisboa o brigue portuguez Conciicai
de liarla, pretende seguir por todo o maz
de novembro, por ter a miior parta da car-
ga prompta, quem no mesmo quizer carro-
gar ou ir de passagem, dlriji-se aosseui
oomignitirioi Tbomaz de Aquino Fonaeca
6) Fil$o, ra do Vigario n. 19 primeiro
anda r, ou ao capilSo, na praca
Leiles.
=
-- Eilkmmn Irmfioi farfio leilao, por in-
tervencSo do corretor Oliveira, de grande
soriiment de lazendaa de seda, lia, llono
e de algodfio aa mais proprias da eetaejo :
segunda-feira, 18 do correle, a 10 horai
da manhfia, no aeu armasen, ra da Cruz.
Ridgwiy Jamieson dt Companhia farfio
leilfio, por iniervenclo do correlor Oliveira,
de variedade de fazendaa inglezas, par fe-
char conias : lerca-feire, 19 do correle, i
10 hons da minhia, no aeu armazeos, ra
do Trapiche-Novo.
O corretor Oliveira farA leilfio, por au-
torisaefio do lllm. Sr juiz de orpbSos, e a
requerimento do tutor doa orphfios DIIio
do finido.Jos Hamo de Oliveira, de toda
a mobilii e mus Irem da caaa deale; quar-
ta-feira, 20 do correle, a 10 horas da ma-
nhfia em ponto, no Aterro da Boa-Viita, ca-
li o. 15. .. jV
Avisos diveriio.
Archn do Eipirito Santo Menezes e
Arlhur do Espirito 8into Menezes, nfio po-
dendo depedir-se de todoi osseui imigoi,
em consequeneia-da prealeza de sua viagem,
o fszem por aaain daita joruil1: a outfoiim
declarim nida derer eati pnca.


Oabaixo asignado provine ao publi-
co, e com particularidade aos sennores,
que negocam com bilhetes das loteras do
Rio de Janeiro, que se extraviaran! hon-
tem de sua asa seis bilhetes inteiros, vin-
to e tres meios, o sete quartos, pertencen-
tes 12". lotera, concedida a beneficio
das casas de candado do Rio de Janeiro;
cuja lotera flcava a correr no da 5 do pre-
sonte mez, e bem assim, um bllhete in-
toiro da lotera de Nossa Senhorado Li-
vramenlo, que tem de ser extrada pr-
ximamente. A saber cinco tntoiros cornos
numero* 820,2317, 3225, 3226 e 434* ; doze
meios, com os nmeros 1240,1372, 1374,
138o, 1579. 8415, 2829, 3124, :H26, 3127,
4738 a 6822 ; a cinco quajttos com os nu-
meros 964, 966, 1179, 1263 o 3143, com-
prados em 89 de outubro prximo passa-
do, na loja-do Sr. Francisco Congalves da
Silva Pereira; um inieiro de numero 1074,
" ija do Sr. Jos Joaqnm
d; dez ineios com os nu-
?81 .IR, 1600, 2072, 2424, 2426,
3166. 3659 e 3851; e dous quartos
numero 1315, e 8653, comprados
lo Sr. JoHo da Cunlia Magalhles
'um mel6 de numero 144, com-
I loja do"8r. Antonio dosSantos Vi-
eira. Adverto-se, que todos os bilhetes
anima Jiencionados, estro rubricados na
frente cora F. e Lobo, e asignados por
extenso no verso com o nomo do annun-
ciante, por ser tnico dono dos mesmos
bilhetes *. asirn como, declara, que o bi-
lhete inieiro da lotera de Nossa Senhora
dofJLivramento, tem o numero lili; est
rooricado, e signado da mesma maneira,
que os outros referidos; e alm da dita fir-
ma, tem igualmente assgnatura do Sr.
Francisco Antonio da Chagas, por tcr nelle
tito rnente sociedade. Offerece 50/000
ris a quem presentar algum dos ditos
bilhetes, com tanto que declare de quem
o' reeebeu; e bem assim protesta de man-
dar indiciar a qualquer pessoa, que fizer
negocio, ou pagar algum dos ditos bilhe-
teajgatfl caso de sairein premiados. Fran-
tite Jotomm Ptnir* Lobo.
aOui-mquizer arrendar algum oflicio de
JrvSo na praga oo fra (della, em lugar
perle, anauMie r ser procurado, j
A orden tereeira de S. Francisco tem
para regar aecaatsn. 4 da ra Bella, en.
84 da roa de 8. Francisco : quem as preten
der pode dirigir oseurequeriuiento a mesa
Pede-ae ao lllm. Sr. anminstrador do
crrelo que lanceaoaa vistis para o empre
gadodo Ulegrjpho, pois tem deixado de
fazer alguna siguaes, a rasJo nSo se qua
eja..'
Roga-se ao Sr. Theodoro Rabello da
Luz, que anda trahathando de machinismo
pelos engenhos do Cabo, o favor de mandar
ou vir pagar 94,5*0 re da obrigago que
tem venc la desde 14 de outubro de 1849.
Fugio, no da 1A do correle, pelas qua
tro horas da tarde, um negro de nacflo Re-
bolo, de nome Jos, de 40 annos pouco mais
oo menos, altura ordinaria, corpo largo e
aecco. rosto tambero se eco, pea largos, po-
da timbem se reconliecer por ser quebrado
e levar urna funda anda nova; eite escravo
foi comprado na quatro mezes ao Sr. Fran-
cisco Gomes Ferreira Guerra, morador no
eogenhe Aurora, comarca do l.moeiro, fre-
gueiia do Boal Jardim, o qual senhor este-
ve no Itectfe de aeguoda-feira al sexta-
feira, 15 doeorrente, que se foi. escravo
Slma fol vjalaomiuhando com ocomboio
o mesmo Sr. na estrada de Santo Amaro,
sem duvida que foi acompanhando por ser
casado com urna negra escrava do uiesmo
senbor, e existente no mesmo engenho ci-
ma : quem o apprehender ou delle der noti-
cia no Aterro da Boa Vista, padaria france-
za n. 50, ser recompensado.
Fugio, no da 87 de ootubro prximo
paseado, um moleque de nome Juvencio, de
18 a 80 annoa ; levou caiga de casemira es-
curar, jaqueta branca, chapeo braoco com
cordSo e borla branca de copa bsixa, de es-
tatura regular, reforjado, beicos grossos,
niriz chato, com alguna siguaes de bexigaa
no rosto| o qual nao tendo sabido para fra
da cidade, suppOe-ae estar aqu oceulto ou
nos arrabaldea: quem o apprehender leve-o
casa desau Senhor, na ra Formosa u. 9,
qua ser generoaamente gratilicado.
0 baixo assignado roga aoa Srs. An-
gelo Jos Thomiz, Jos de Sa BrandSo Gui-
marses e Manoel Silvestre do Monte o favoi
do Ihes fallar o mais breve possival.
Simio Coma Cavalcani ilacamblra.
Aviso tnteressantc.
0 proprietario do mnibus aviss ao res-
peitavel publico, e aipecialmente aos cos-
lumados sssignantes, que na segunda-feira,
18 da novembro. principiar a trabalhar o
mnibus qotidianamenle do Recifeao Api-
puco, como tem sido o coatume, sahindo
do pateo da matriz de Santo Antonio ia 5
horaa da tarde, edo Apipucos a 7 horas :
idvertindo qffe os Srs. que se inscreverem
como asignantes deverdo pagar um mez
diintado, nfio por desconfianza do paga-
mento, mas porque tem acontecido que al-
guna Srs Sfl insrr.va e preenchem os luga-
res, e no fim de dous ou tres dias largam, fa
zendo assim o proprietario soffrer un grave
prefoizo.
Pergunta-ae aoa 8r. tcapicheiroa da al-
fandega se coosentem que um Brasiieiro
vi negociar na mesma affanden.
-- frecisa.-ee de um eaixeiro brasiieiro oo
DOrtufuez. aun tnh nmliri da Tonda. rtA
fiador a ua conducta, de idade de 16 a 40
annoa e que seja solteiro : no pateo do Ter-
co, Venda n. 7.
~ Os Srs alferes Antonio Mattoso e Jorge
Sidrelra quelram vlr loja n. 6 do pateo do
Gollego, a negocio qua nao ignoram.
A pesaos que ha dias annunciou urna
vacee mana* de corda para vender, com bi-
zarro novo, caso anda a tenha, ou meamo
outra qoalquer peaaoa que tenha para ven-
der, dirHa-e i ra do Paselo, loja n. 81
Wttf d nm rapaz para tomar con-
ta de urna vend., tendo ja pratica deste oe-
mdo de boa conduela, dirija-se
i hvros da ra do liozario eatreit
i ahi se dir quem pretende.
-O abaxo signado viaa ao publico,
que urna lettra passada por Antonio Pereira
l'iftto da Farja da quanlia de 1:080,000 ra.
em que pparece a assgnatura do mesmo
abalxo assignado, nSo he verdadeira, pelo
que nioguem contrate a dita latir; poL.
que pretende oabaixo asaignado oppr-ae
ao aeu pagamento, e moatrar que a sua aa-
signalura uto he verdadeiro.
Joto d* klltmso Cuntir o.
* Bqje S U oo, 6 U> e grroma-
la os u (na ve ni
goeio e sendo i
i delivn
n. 15, que ahi
tari porta do Sr, Dr.-julz de orphaos e au-
sentes um sobrado de dous andares, sito na
ra das Trinchelras, por exeeucSo de I.a-
ihan de Hibert, contra a heranca do falleci-
do [Jos Francisco follarla: he a ultima
araga.
Precisa-se de costureirat que aaibam
bem cozer, assim como deuma riada que
(ambemssiba bem coser e engommsr : na
ra Nova n. 32
Deseja-ae saber se hs alguma lei que
prohiba a qualquer Brasiieiro nSo poJer ne-
gociar na alfandega. lito ped um Bra-
lileiro.
Precisa-sede urna ama secci que co-
inhe e faca o mais arranjo de portas para
dentro: na ru.a do Rangel, n. 36.
Procisa-se de um bom eozinheiro, po-
rm que seja escravo : na ra do Queiraado
n. 18, loja da esquina.
Precisa-se de urna ama : na ra do Ran-
gel n. 85.
- Jlo Soares da Fonseca Velloso parti-
cipa a quem intereaaar, que se acha nomea-
do scrivSo interino da subdelegada de 8
Jos desta cidade, e reside na ra do Padre
Florianao, casa n. 33.
Na ra de Santa-Thereza n. 21, apromp-
lam-se com toda perfeigo comidas para
qualquer c particular, conforme o ajuste.
'--Clara Mara de Moura embarca para o
Rio de Janeiro, e leva em sua companhia o
seu fillio menor de nome Antonio e sua es-
crava crioula|lde nome Ignacia.
O Sr. Joaquim Joa Ferreira da Rocha,
nSo he compatente para alugar a casaa do
patrimonio da rmandade das almas, erecta
na igreja Matriz de Santo Aetonio, esimo
respectivo thesourero ou quem suss vezes
lizer, por ser o nico encarregado da recei-
la e despeze e por ter sOb sus guarda to-
los os bens da irmsndade a vista do cap.
3. do compromisso. As atiribuicOes do Sr.
Ilocha So bem differentes como se poderi
ver no cap. 5. do mesmo compromisso que
trata dos procuradores. Elle poderi semen-
t procurar loquilnos para as casas, e ar-
recadar os alugueis se para aso for autori-
zado pelo theso'ireiro, ou quem auaa vezes
fizer. Fica aaim respondido o annuncio do
meamo Sr. Rocha. O thesourero he o Sr.
Joaquim Innocenco Gomes, equem presen-
temente faz auaa vezes he
llernardino ii Scena t Silva.
OSr. Francisco Xavier Flix de Lima
tem urna carta, vinda da villa Ouricury, em
poder de Jos Thomaz Cavalcani l'essoa,
na Magdaleoa, ou annuncie sua morada.
Precisa-ae de urna ama para o servigo
de urna caaa de familia : na ra de Horta,
o. 54, caaa terrea na esquina que volta pa-
rua de S.-Thereza. Na mesma casa se dio
bolos de vendagem a prelaa que sejsm fiis:
tambem se apromptam bandejas de encom-
menda.
O abaxo assignado, morador as Cin-
co-Ponas, n. 4, nllo obstante fazer o seu
ajuste a relo fechado, com toda e qualquer
pessoa que Ihe empenba oh j 0c tos vocal-
mente, ou com papel; comtudo, para que
ninguem poass allegar ignorancia, que des-
tes ha moitoa, faz publico a todas aa pes-
soss que tiverem objectos em seu poder, se-
ja qual fOr o trato e qualidade do objecto,
ajam de os resgatar no prazo de 30 dias,
contadoa da data deste (16 do crrante
do contrario, o abaixo assignado paasa a
vende-los para aeu pagamento, isto mullo
cooslrangido, por |ue s os pode vender
por menea de aeu valor e sem feillo, e des-
ta forma mais servem para aeus donos, do
que para o abaixo assignado, o que faz pu-
blico pelo presente psra a ana regalva.--.Wu
noel Joaquim Pinto Machado GuimarSu.
Precisa-se de um pequeo hespanhol,
ou porluguez, de 13 a 14 annos, psra criado
de urna casa de pouca familia, e que d fia-
dor i sua conduela : na ra das Trincbeirss,
sobrado n. 19, a qualquer hora.
Precisa-ae de urna ama para casa de um
homem solteiro : no pateo de S.-Pedro, n
10*, segundo andar.
Dessppareceu do paleo de S.-Pedro, n.
10, segundo andar, urna mulata de nome
l.uiza, de 84 a 85 annos, balxa, cor bem
clara, denles podres; levou saja e manto
preto ; desconfia-se eatar oceulta em al-
guma caaa : quem a pegar leve-a ao pateo
deS -Pedro, n. 10, segundo andar, que se-
r recompensado.
Antonio Alves Barboza faz scienle
quem convier, que desde junho doeorrente
anno, deixou de ser eaixeiro da casa com-
mercisl dos Srs. Jobnston l'ater & C., e que
contina como at aqu a negociar no su
estabeleci ment dearmazem de assucorsb
a firma de Barboza & Oliveira.
Engomma-se roups, tsnto de homem
como de senhora, com toda a perfeicSo, e
por prego com modo : na ra de S.-There-
za, 0. 3.
Quem precisar de um canno de cobre
osado para padaria, rcfinagSo ou outra
qualquer fabrica, procure na fundirlo dos
Srs. Mesquita & Dutra, que se vender por
commodo prego : a tratar na ra da Cadeia
nu.nero 83.
O Sr. lonocencio Anlunes de Faras an-
nuncie a sua morada para ser procurado.
Precisa-se de urna ama para urna casa
de pouca familia, a qual aaba eogommare
fazer o mala servigo : em Fra-de-Portas,
rus do Pilar, n. 78, segundo andar.
Precisa-se alugar um moleque, ou pre-
to para o servigo de urna casa de pouca fa-
aijs : ss rus d: Cruz, n. 9, rmazem.
Manoela Medina, subdita oriental, re-
tirarse para o llio Grande do sul.
Arrenda-se um sitio com excellente
asa, no qusl pda-se ter 6 a 8 vaccaa de lei-
te por ter bastante terreno, no logar da
Magdalena, estrada quevai para o Luccas :
as pessoas que o pretenderem, dirijam-ae ao
mesmo lugar, a fallar com JoSo Anaalacio
Camello Peasoa Jnior.
Aluga-se um pequeo sitio com casa
cacimba, arvoredoa e banbo, na povoagSo
de Apipucos, proprio para se passar a fes-
la ou por anno: a tratar com Marcellioo Jo-
s Lopes, na rus da Alegra n. 34.
Precisa-se de um eaixeiro para um de-
posito de caldereiro : na ra Nova o. 27 a
tratar no mesmo.
~N ra Direita, n. 78, precss-se de
urna ama deleite, para acabar de criar na
menino.
Atteu,o.
da Cadeia de Santo Antonio n. 9, casa da
ViuvaCunbaGuimarficS, que sea bem re-
compensado.
A Sra. viuva ou lierdeiros de om logis-
taque leve lojaa de fazendas, o que tem
urna lettra aceita por Pedro Alexandre, que
morou no Altinho, annuncie sua morada,
ou dirija-se i ra Direita, venda n. 93, a
tratar de oerto negocio de seus interesses.
Alugam-so os segundo e terceiro anda-
re* da eaaa da ra do Amorim n. 46 : tra-
tar na ra d Cadeia n. 18.
O corretor Oliveira aluga, pelo lempo
da festa ou at o fim de aetembro do anno
prximo, a sua grande casa de campo, aita
na povoago do Pogo da Panella, a qual tem
oa melhorea commodoa para qualquer fa-
milia por numerosa que seja, e no quintal,
plantado de arvoredoa, tem cacimba com
muito boa agoa, a respectiva bomba, um p-
timo banheiro de pedra (nSo obstante es-
tira Caaa perto do rio ) cocheira e estri-
bara eapagosssios prelendentea dirijam-
se ao meamo para o arreddamento, e aoSr.
J. G. Carneiro Monteiro, na dita povoago,
para Ihes fornecer as chaves para o eiame.
A mobilia existente na dita casa, e instru-
mentos proprios para sitio tambem podem
fazer parte do arrendamento.
Paulo Caumont retira-se para o Bio de
Janeiro com sus familia, kuma mulher, tres
filhose urna criada.
Traspasanm-se as chsves da loja de dou-
rador com muito boa armagSo; na ra No-
va n. 58.
Mara Joaquina Vianna autoisou ao seu
fllho Jos Pinto Vianna para recebar os alu-
gueis de sua casa, ficando ctassdo todos os
poderes anteriores este.
Antonio Joaquim Vidal & Companhia
mudaram o seu estabeleci ment da ra do
Amorim para a rus da Cadeia o. 23, onde
ae acha gyrando debaixo da firma de Anto-
nio da Costa Ferreira Estrella.
Lotera da matriz da Boa Vista.
O thesourero desta lotera faz aciente ao
respeitavel publico que coutlna a pagar os
premios da mesma todos os dias uteis, des-
de as 10 horas da mantiSa at is duss da
tarde, no seu escriptoro da ra da Cadeia
do Becife n. 36.
Fugio do engenho Caiape da freguezia
de Iguarasa, um escravo de nome Mximo,
he cabra-negro, barbado, ebeio do corpo,
olbos pequeos e brancos, falla mansa; j
levou surrt na grade, tem 35 annos de ida-
de e representa os ps com algumas racha-
duras ; foi comprado tiesta prag a Hay-
mundo Carlos Leile, viudo da villa do Gra-
to, e foi captivo do Sr. Antonio l-uiz Alves
Pequeo Jnior ; suppOe-se que dito escra-
vo tenha ido para esses sertOes: roga-se por
tanto as autoridades policiaes e mais capi-
tSes de campo que o apprehendam e levem-
no ao mesmo eogenbo Caiape, ou nesta pra-
ga em casa da Viuva Pereira da Cunha, que
recompensar.
Ausentou-se no da 8 do correte, um
esnoeiro de canoa de lijlo de nome Joa-
quim de nagSo Cacsnge, estatura regular-
dade 84 a 86 annos, csra redsfnda, e picada,
de bexigas, nariz chato e todoarrepanhado
em roda que parece queimadura, cr um
pouco fula, pouca barba e he quebrado de
urna das virilhas, levou camisa e ceroulas
compridas deslgodfio eotrangado ; quem o
pegar leve-o a ra larga do Bozario n. 18,
que aera gratificado generosamente.
Aluga-se a casa terrea n. 38 na ra de
Gloria da Boa-Viata, a qual tem no fundo
urna padaria : a tratar no Atierro da Boa-
Vista, na loja de fazendas de 4 portas de-
fronte do Sr. JoSo Pinto de Lemos.
Engomma-se e lava-ae toda a qualida-
de de roupa com todo asseio e muita promp-
tdfio, por prego mais commodo do que em
oulra qualquer porte : na ra de Agoas-Ver-
des, n. 36.
Compras.
Perdeu-se, no dia 13 do correjate, deade a
ra da Cadeia de Santo Antonio al a do
Crespo um annel de cabello encastoado em
ouro, com a firma de M. R. L. ; eate annel
tem una cabello brancos: roga-s* a quem
o aciiou e quizar rosiui; do o Icrsr *> n
Comprara-se escravos de ambos os se-
xos, de 10 a 30 annos, e de bonitaa figuras :
na roa larga do Rozarlo, n. 48, primeiro
andar.
Compra-se um carrinho de duas rodas,
novo, ou usado, e com cavado : na ra
Nuva, n. 27.
Compram-se, para urna encommenda,
escravos de ambos os sexos de 10 a 40 an-
nos : na rus do hangel n. 57.
Compra-se um cabriol que tenha co-
berta, e que sirva para um cvallo ; igual-
mente compra-se um cavallo para o mesmo:
na ra da Cadeia do Becife n. 54.
Compra-se um ornamento rxo para
se poder dizer as missasdo advenlo, que es-
leja em bom uso : quem ti ver annuncie, ou
dirija-so ra Direita, venda n. 93.
Compra-se urna mesa dejantar, sendo
de amarello: na ra do Cabug, loja de
Joaquim Jos da Costa Fajoze.
Compra-se urna batanea completa, e
propria para armazem de assucar: na ra
da Cruz, n. 13, armazem.
Compra-se urna duzia de colheres de
soupa, e urna colherfio-de prata sem fetio;
um oculodevenolooge, em bom uso: na
roa do Collegio, 21, prfvheiro andar.
Compra-se urna rasa terrea no barro
de S.-Antonio, cujo prego nSo exceda do
800,000 rs.: quem tiver annuncie.
Compra-se um preto que sirva para o
servico de campo, e que tenha principios
do ollicio de tanoeiro: quem tiver annuncie.
Compra-se um bom cavallo com anda-
rea proprios para aenbora : paga-se Jiem
oa cas* das aferigOes.
Vende-so urna escrava de 30 annos, bas-
tante sadia e robusta : na ra Velba n. 71
Vende-se doce de calda em barris, e
gelea em latas, da casa da viuva de Ma-
noel Ferreira Pinto, por prego commodo :
na ra do Encantamento, n. 10, taverna.
Vende-se orna parda escura, com ha-
bilidades : na ra larga do Bozario, n. 35.
9OOOOOC1O9OOOC&O390
0 Novo estabeleclmento de
q iiiodiis.iiii roa Nova n. 32, 0 de Madame Theard. O
O Madame Theard, tem oprazerde Q
O annunciara tolos os seus freguezes, O
0 e msis respeitavel publico desta ci- (")
q dade, que alm do bom sortimento Q
q que j existia em aua loja, acaba de Q
(* receber pelo ultimo navio vindo do q
Franca, oa maia lindos chapeos de q
j seda, veludo, palhinhaefil arrenda- ~
r dados de palha, do mais moderno e V
v ullimo gosto de Paris ; manteletes, :
* capotinhos e vesilas de grodenaple *j
9 prelo e furtacores e de chamalote, jj
O com as mais luidas guarngOes de- O
O franjado e tranga, que tem vindo a O
3 eate mercado ; os mais lindos enfei- Q
j tes para cabega a parisiense ; as mais Q
0 modernas e delicadas capellas de fio- Q
0 res artificiaos tanto para noivado co- q
jf. mo para bailes ; riquissimas guarn- q
s ges para vestidos desenhoras; ro- q
? meiras, colerinhos e cahegOes, cami- Jr
2* setaa, tanto para paaseio oo baile,co- j
9 mo para montara, eapartilhos, fio- J
O res, luvss, leque, seda e copas para w
t> chapeos de senhora e outros im- Q
9 mensos objectos que nSo se mencio- O
Q nam para nao cansar a paciencia dos
0 amadores;lo sement se asssevera a
0 boa qualidade e bom gosto de tudo
q por prego o mais raaoavel a con-
lento dos compradores. Juntamente
i se fazem vestidos, manteletes echa-
J pos; e ludo quanto fr tendente a
& modas, com a maior brevidade e
& perf-'igSo possivel, por ter as mais
Vendas.
4o,ooo rs. a dada.
Verdadeiro e legitimo champanhe A Y em
caaa de Avrial & IrmSos : ra da Cruz n. 30.
Lotera da igrejA de. N. S. do l.i-
vrn nclito.
Aos 5:oootc-eo ra.
Na praga da Independencia n. 4, loja de
miudezas, vendem-se bilhetes, meios, quar-
tos, decimos e vigsimos desia lotera, que
corre Impreterivelmente no da 30 do cor-
rente,.
Bilhetes 11,000
Meios 5,500
Quartos 2,0o
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Vende-se om escravo de nome Miguel
com 32 ansas de idade sem vicio algum, o
3usl ae vende por precalo : quem preten-
er comprar dirija-se a ra do Caldereiro,
*9M b. 52.
&
*

O
O
o
o
o
O peritas costureirss que mui bem exe- &
9 cutam sua arte. O
>OO990QOOOQQ9OQOOO
Vende-se om cavallo bastante gordo,
e proprio para montara de menino, por
ser pequeo e raaoso : na ra da Aurora,
0. 46, taverna, se dir quem vende.
Vende-se urna parda de II a 12 annos
oa ra dos Tanoeiros, n. 5, primeiro andar.
Vendem-se pipas de ago'ardente de
superior qoslidade : na ra do Hospicio, n.
9, se dir quem venle.
Vende-se um escravo de elegante fi-
gura, oprimo carreiro, e proprio para todo
servigo, principalmente o de campo, por
prego commodo : na ra do Hospicio, n.
9, se dir quem vende.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Aos 2o:ooo,ooo rs.
Na loja de miudezas da praga da Inde-
pendencia n. 4 vendem-se os afortunados
bilhetes inteiros, meios quartos, oitavos e
vigsimos a beneficio da 25* lotera do
Monte-Po
Museu Fittoresco histrico e Ili-
terario, ou
livro recreativo das familias, con-
tendio a descripcSo de monumen-
tos, e de lacios histricos ; grande
copias de novellas moraes e inle-
ressantes, tanto nacionaes como
tradiiz'ul.is dos melhores autores
francezes, inglezes e allemes
variedades, ancdotas e poesas
3 v. bem encadertiados em folio,
com 418 pag. cada volume orna-
dos com 96 estampas
Esta preciosa obra em formato grande,
impressa no Bio de Janeiro com typo novo,
em excellente papel, e ornada de gravuras
de tal fineza que pdem soffrer compara-
gSo com as mais bellas e Ilustradas edigoes
da Europa, offerece'ao respeitavel publico
Brasiieiro, amante de leituras inleressantes,
variadas e instructivas, um verdadeiro tilo-
so uro de divertimento, como se encontr
em poucas horaa escriptas no idioma por-
tuguez : vende-se cada volume por 6,000
rs., ou os 3 volomes por 15,000 rs. no pa-
teo do Collegio, casa do livro azul.
Grande deposito de cha.
No pateo do Collegio, casa do livro azul,
vende-se
chi hysson superior 2,500
dito aljfar brasiieiro 2,400
dito paquequer 2,000
dito de outras diversas quslidades 2,000
O vapor trouxe do Kio novas mu-
siese para piannos.
O Meirinho a pobie, duelto jocoso, brasi-
ieiro, arranjado para pianno e canto :
Como poderei viver,
Sem as esmolas dos fiis
Senhor meirinho vi se embora
E me d alguna dez ris.
Marche ji minha devota
Tenho ordens aperladas,
Velhas, tontas, mogas, tortas
irSn todas amarradas.
O Militar 1 a fivandeira: romance e
duetto.
A nova lyre. Hymno da independencia,
composto porS. M. Pedro I. Al Provinciaes,
e mollas quadrilhts : vende-se no psto do
Collegio, casa do livro azul.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Aos 20:000,000 de ris.
Na ra estrella do Rosario traveasa do
Queimado loja de miodezaa n. 2 A de Joa-
quim F. dos Santos Maya, vendem-se os
muito acreditados bilhetes, meios, quartos,
oitavos e vigsimos da decima-segunda lo-
tera da Sania Caaa da Candado do Rio de
Janeiro, cujas rodaa andarSo no dia 6 do
correnta : na mesma loja est patente a lis-
ta da primeira lotera do Hospicio de Pe-
dro II.
Vende-se sarja preta, muito superior,
a 1,800 o covado ; setim de Maceo, a 1,800 o
corte ; corles de brm de linho, a 1,440 ;
lencos de seda finos, a 1,500; cortes de 18a,
a 1,930 ; ditoa de cassa-chita, a 8,000 ; e ou
tras muitas fazendas por pregos mui bara-
te: : ns ros 4oQiasdyoj a. t!.
Na roa das Cruzes n. 32, segn lo an-
dar, vende-se urna parda do bonita hguri,
que engomma, cose cb3o, cozioha e lava ;
uma crioula de 15 annoa com habilidades;
duas pretas de nagSo, queengommam liso,
cozinbamelavamdebfio j euro moleco-
te paga para todo o servigo.
Lotera do Ltio de Janeiro.
Aos ao:ooo,ooo rs.
Ns praca da Independencia, loja n. 3, que
volta piria ra do Queimado e Crespo, ven-
dem-se os muito acreditados bilhetes,
meios, quartos, oitavose vigesmos.da 12.
lotera da casa da caridade do Rio de J ro, cujas rodas andaram no dia 6 do corren-
te. Na mesma loja est patente a lista da
1." lotera do Hospicio Podro II.
-.Vende-se um par de mangas de vidro
lavrado de muito bonito gosto, e um pr de
castigaos de dito : na ra da Gloria n. 81.
Vendem-se bicos e rendas
de fil de linho de muito bom
gosto, e de um dedo de largura a
um palmo : na praca da Indepen-
dencia, loja de miudezas ft.JL Nu
mesma loja dao-se amostras para
ver.
Na ra Nova loja de alfaiate n. 14, ven-
dem-se camisas brancas a 2,000 ris, ditas
com peitos de esguiSo a 3,000 ris, ditss de
riscado francez a 2,800 ris, ditas a 2.000
ris; como tambem obraa fetas de todas
asqualidades, cazacas, palitores, cnletes,
caigas, e outras ouilis obras, por pregos
commodos.
-Vende-so muito superior tlnla de os-
crever em garrafa : na ra larga do Rozarm
o. 36.
Agencia
da fundicoLow-Moor.
BOA DA SENZAIXA-NOVA, N. 42
Neste establecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
da, para engenho; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido
coido, de todo* os tamanhos,
pira dito.
Deposito de potassa e cal.
Vende-se muito nova e superior potasas,
assim como cal vlrgem em pedra, recento-
meulechegada de Lisboa, por prego rasoa-
vel : na ra da Cadeia do Becife, n, 13, ar-
mazem.
Deposito da fabrica de Todos os
Santos na Baha.
Vende-se em casa de N.. Bieber 4 C.
ta raa da Cruz, n. 4, algodSo trangado
(aquella fabrica, muito pioprio para saceos
le assucar, roupa de escravos ello proprio
para redes de pescar, por prego muito com-
modo.
Teeldo de algodo trancado na
fabrica de Todos os Santos.
Na rna da Cadeia n. 52.
cndoni-se por atacado duas quslidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Arados de ferro.
Na fundigSo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
letas.
Moendas snnerlores.
Na tun ligio de C. Starr A Companhia,
em S.-Amaro, cham-se i venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
constriicgSo muito Isuperior.
Aos senhores de engenho.
vendem-se cobertores escuras de algo-
dSo proprios para escravos, por serem de
muita duragSo, pelo diminuto prego de 640
rs. cada um : na ra do Crespo, esquina
que volta para a cadeia.
Antigo deposito de cal
virgen?..
Ra ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
no brigue Conceiccto-de-Maria.
A 2,24o rs.asacca.
Ns ra da Cruz, no llecife, armazem n.
13, e na ra da Cadeia, armazem de ('.im-
peli Filho, vende-se farinha de mandio-
ca do Ccari, de excellente qualidade, ,a
2,240 rs. asacca.
Uogt-se aos freguezes que tenkan
toda nttencao para o novo sor-
tlmento que existe na loja da
ra do Crespo, n. 6, ao jir do
lampeo.
Vendem-se cassas pintadas de cores fizas,
a 260e 380 rs. o covado; cortes de brim
brauco de linho puro, a 1,930 rs.; ditos de
fustilo muito linos, a 560 e 640 rs. ; cassa
preta propria para luto aliviado, a 130 rs. o
covado; zuarte de cr, a 300 rs.; riscado
de linho para casacas, 340 re. o covado, e
outras muitas fazendas por prego commodo.
Talxns para engenho.
Na fundicSo de ferro da rna do Brum,
acaba-se de receber um completo sortimen-
to de iai5 dS-i S 5 p;!r,OS uiiwc,
qaaes acbam-ae a venda por prego com-
nodo e com promptido embaroam-se,
00 carregam-aeem carroasem despezas ao
comprador.
N ru do Llvraenento n. 11 vendem-
se burzegulns francezes de fazendas de
cores, com biquelra decooro de lustro, pa-
ra enancas ; sapatos de duraaue preto para
aenbora ; e um par de brincos de ouro com
alguna brilhante*.
Vende-se 1 preto da Costa, mogo, sea
vicio algum, 1 preta moga; tambem da Cos-
ta, 1 pretinha com principio do costura; 1
pardinbo de 7 annos ; 1 preta de nagSo, com
habilidades ; e 1 preto crioulo sapateiron
que trabalha de selloiro : na ra do. Rangel.
n. 38, segundo an-:ar se dir quem vende,
Vende-ae a taverna da I ingoata, a. 8:
a tratar na mesma taberna.
-- No escriptoro de Francisco Severiano
Rabello & Filho, no largo da Aaaembia-
Provincial, n. 4, vende-se um lavatorio de
marmore, ped*as compridas e redondas Da-
r meio desala, tudodajJBsrmoree de Bo-
nitas cOres ; assim aVami concha de
pedra lavrada, que sirve para ermda: todo
por prec,o commodo..


.&-
II !......
Mi
aMAss
Vendem-se 180 saceos de estopa, com
dusa varas cada om : na roa larga do Ro-
zara, n. *8, primeiro andar.
Vendem-se uns folhelos que tem por
I tulo Inspirares poticas, e a duquesa
de braganca conferido 339 paginas, obra
esta escripia pelo muilo digno e Ilustre
Maraohense o 8r. bicbarel Frederico Jos
Correia : na ra larga do Rozario, n. *8,
primeiro andar.
r Na ra do
Sol, armaajm n.
i5, vende-se effectivamente car-
vao de boa qualidade, por preco
mais commodo do que em outra
qualquer parte.
MUlio novo a 2$ooo n.
cada saeta.
Vende-se no armazem do Braguez, ao p
do arco da Conceicfio.
Chombo de ninnlcad.
Vende-se no armazem de J. J. Tasso J-
nior, ra do Amorim, n. 35.
Vendem-se amarras ae ferro: na roa
da Senzalla-Nova, n. 43.
Redes.
Vendem-se redes muito bonitas, de va-
rios gostos 6 precos, proprias para qnem
Cor passar a resta descancar ao fresco de-
baixo de arvoredos : na ra do Queimado,
n. 14,
Vende-se excellente farinha
de S.-C'atharina, a bordo da ga-
liota Santtssima-Trindade, fun-
deada defronte do caes do Colle-
gio, por preco commodo: a tra-
tar na ra do Vigario, n. n, ou
a bordo com o capitao da me-ma
galio ta.
He grande pechincha.
A 2oo e 340 rs.
Vende-se urna porclo de chitas francezas,
de 4 palmos do largura, rdxas, de cures -
xas, a 900 rs. o covado ; cassas francezas
de bonitos padrdes, a 240 rs. o covado : na
ra do Crespo n. 14, loj de Jos Francisco
Dial.
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos a o: 000,000 de rs.
Na ra estreita do Rozario, travessa do
Queimado, loja de miudezas, n. a A, de Joe-
qulm Francisco dos Santos Maya, vendem-
se os muito acreditados bilhetes, meios,
quartos, oitavos e vigsimos da 19.* Joteria a
beneficio das casas da caridade.
Slinento.
Vendem-se barricas com superior smen-
lo, ebegado no ultimo navio de Hamburgo :
na ra do Amorim, n. 35, armazem de J. J.
Tasso Jnior.
Travessa da Matlre-de-Deos, ar-
mazem. n. .">,
Acha-se estabelecido um deposito, onde
encontrarlo os freguezes um bom sorli-
mento de licores, espirito de vinho, e to-
dasas mais qualidades; superior vinbo de
caj; chmale; e Hacas de vime, a preces
moderados.
Veudem-se espanadores e mel
de pi de superior qualidade, em porc,3o e
a retalho, por preco commodo : na ra da
Cadeian.S3, armazem.
CERA M VELAS.
Vendem-se cixas com cera em
velas, fabricadas no Rio-de-Janei-
ro, sortida ao goato do compra-
dor, por preco mais barato do que
em outra qualquer parte ; na ra
do Vigario, n 19, segundo andar.
Comida para anlmaea:
vende-se na ra da Cruz, no Recife, n. 13,
armazem.
Vendem-se cabecadas roli-
cas e chatas ; loros e silbas :'na
ra do Trapiche, n. 10, casa de
Jones Patn & C.
sito ao norte da barra de Coianna, tendo de
retirar-sede moda para a cidadedo Recife,
ende o engenho moente e correte, com
iranes obras de pedra e cal, bois, beatas e
atea safra que est principiando a colher :
quem Ihe eonvier, ontenda-so com o dito
proprietario no mesmo engenho, ou com o
seu correspondente na cidade do Itecife, Jo-
s Antonio Baato.
Vendetn-se 4 escravas mo-
cas, e de bonitas figuras, entre as
quaes urna engomma muito bem,
cozinha. faz doces, e he muito ar-
ranjandeira de urna casa ; um mo-
lecote de 16 annos, de conducta
exemplar, e que he bom cozinhei-
ro ; um dito de lo annos, muito
lindo, ptimo para aprender algum
ollicio ; 3 pretos ptimos para o
trabalho de campo, ou armazem de
assucar ; um molecSo bom boliei-
ro e jardineiro ; e outros escra-
vos.- na ra das Larangeiras, n.
14,segando andar.
Olliem novas pichinchas no pas-
elo Publico loja n. 11.
Casemiras de lieos padres msis moder-
nos; a preco de 7,000 rs o corte, brim tran-
cado de puro linho, areos e de cores, fa-
zeoda a mais rica, 2,000 rs. merinos pro-
tos, alpaca, setim, gasinetas e ootras mais
faiendas de gostos que se vendero pre-
cos commodos.
Vende-se feijao mulatinho
em saccas grandes, por preco
commodo: no armazem de Das
Ferreira, no caes da Aifandega, ou
na ra do Trapiche, n. 34, a fal-
lar com Novaes & C.
Brins barato.
Vendem-se brins de linho de quadrinhos,
a 380 rs. o covado : anda restam algumas
pec^s de algodSo largo e com algum mofo,
pelo baratissmo preco de 3,800 rs. cada
urna : no Aterro-da-Boa-Visla, n. 18.
Vendem-se cabecadas inglezas, chatas
e rol cas : na ra da Cruz, n. 2, casa de (leo;
Kenworthy de C.
-- Vendem-se silhOes para montara de
senbora : na ra da Cruz, n. 3, casa de
Ceo: Kenworthy & C.
Foges pora cozinha.
muito proprios para sitios e qual-
qualquer lugar aonde nao ha cozi-
nha, por preco commodo : ven-
dem-se na ra da Cruz, n. lo,
casa degKolkmann Itmaos.
calxa de tOOeharutos : na ra do Queima-
do, n. 16, loja de Jos Das Simes.
Vendem-se e cortam-se vidros para vi-
Jracas, ou quadros para reaistoa dejodas as
dimensfies, e por commodo prego: na ra
doAragSo, n. 8.
Na ra da Cadeia-Velha, primeiro an-
dar da casa n. 34, de Manoel Antonio da Sil-
va Antunea, vende-se um rico sortimento
de chapeos de palha da Italia, abarlos para
Faeenda Isava.
Vendem-se ganga* amarella e cor de cin-
es, fazenda muito fina, propria para pali-
tos de meninos, e mesmo para roupes de
senhoras, pelo baratieeimo prego de 200 rs.
o covado : no Aterro da Boa Vista, loja nu-
mero 18.
Cal e potassa.
Vende-se a mais nova e superior potassa
que ba no mercado, e cal virgem em pedra,
^"^^"''Inaf.il'nTnl'.n^.00!!!^ chegada pelo oltimo navio de Lisboa, por
n*?s,\.?llh m5!yitof.pB excellentemente bordado, bicos finissmos,
ricas Otas, oapotinhos e manteletes de filo
ede seda pretos, e outros objsetos da gos-
to ; bem como um completo sortimento de
fazendas : tudo se vende por procos muitos
rasoaveis.
fffffffffffffffffffft
Deposito da fabrica dej
Todos os Santos; na *
Baha. J
* Vende-se, em casa de Domingos Al-ml
?ves Malheus, na ra da Cruz, n. 52, J
?primeiro andar, algodfio trancado da-]*
?quella fabrica, muito proprio para **c-2
Seos o roupa de escravos; bem como J
aa^fio proprio para redes de pascare pa-,
avvios para velas, por preco commodo.._
*
Vende-se vitho do Porto em barris de
quarto e quinto ; azeitonas superiores ; ar-
cos para barricas e pipas; farinha de trigo
em barricas e meias ditas ; fio porrete; ce-
va da; pregfts de todas as qualidades.em bar-
ricas ; enxadas do Porto ; coeiros de algo-
dfio ; retroz fino do Porto : tudo por preco
commodo : na ra do Vigario, n. ti, arma-
zem de.Francisco Alves da Cunna.
\ CIDADE DE PAR 15.
Una do Colloglo n. 4.
Neste novo esta bel ec i ment se aeha sem-
pre um grande e rieo sortimento de cha-
peos de sol, dos mais modernos e variados,
para horneo* senhoras, tanto de seda co-
mo depanninho; lindo sortimento de ar-
mscOes de baieia com cabo de marfim. e
outras para se cobrirem de seda, que hSo
de agradar aos compradores ; chapeos de
sol, para hornera, de ehamalote de cores e
pretos ; ditos de seda de cores, pretos, U-
vrados e liaos, de 4,500 rs. para cima ; ditos
com armagSode ac, muito Tortea, de seda
a de chamklote ; ricos chapeos de sol, para
teahora, de lindas sedas e franjas, todos
uii.j. pui ucuii'o o coi iwuos de mar-
fim, oa mais bonitos que se pollero desejar,
e proprioa para presentes de tasta ; ditos
mais simples de seda com franjas o singel-
los.de 4,000rs. para cima; ditoa de pan-
nnho imitando seda, com frsnjas e sem el-
las, de 2,000 a ,50O rs., proprios para me-
ninas andarefna escola ; chapeos de sol,
de panno para homens, de todaa as cores e
qualidades, Unto de armacSo de a 50 como
de baieia, de 3,000 a 3,500 rs. ; ditos de
pauno trancado, muito grandes e fortes,
com cabos de lati e de madeira, proprios
para senhorese feitores de engenho ; gran-
de sortimento de sedas a pannos empegas,
de lodM as crese qualidades, para cobrir
armacOca servidas ; variado sortimento del
cabos de marfim dos mais ricos, e de ootras'
multas qualidades para chapeos de sol, de
hornera; igual sortimento de bengalas e
chicotea. Tambero se concert m e cobrem-
se todas as qualidades de chapeos de sol 0
Han aja las. Todosaates objertos ae vende nV
em poroso e a reVfea por menos prego do*
queem outra qualqlfr parte.
- 0 proprietario do engenho Tabating*,.
fVffffV??Vfff9WMW
t> N'i deposito da ra da Noda, n. 15, *
? ha para vender superior cal em pe- J
dra, recentemente chegada de l.s- J
boa, em o brgue Conctif&o-de-Ma- 2
ra, por prego rasoavel: Umbem ahi ^
se vendem pesos de duas e de ums 2
arroba, por prego commodo; ha 2
tambem effectivamente no mesmo ^g
deposito barris de mel para embar- ^
que.
***M *****<*** *****
Vinho de Bordeaux:
vende-se na ra da Cruz, n. 10,
casa de Kalkmann J nnaos
O MODERNISMO.
Na ra do Queimado, loja n.
17, vendem-se as mais molernas
cainhraias abertas de laa e seda,
verdadeiramente chamadas baila-
rinas, de padreg e gostos muito
delicados, a 5oo rs. o covado.
l)ao-se as amostras com os compe-
tentes penhores.
Charutos de Havana.
de superior qualidade : vendem-
se na ra da Cruz, n. 10, casa de
Kalkmann Irmaos.
Vende-se urna prela de nago, de idade
18 a 20 annos, sem vicios nem achaques,
boa engommadeira, coznheira, lavadeira e
quitandeira : na ra da Cruz, terceiro andar
da casa n. 17.
--N venda de Domingos da Silva Cam-
pos, na roa das Cruzes, n. 40, ha bichas
hamburguezas, das melhores que appare-
cem no mercado a venda, tanto por junto
como a retalho : tambem se alugam.
Vende-se sag de primelra sorte, gom-
ma de araruta, tapioca do MaranhSo, ceva-
dinha de Frange, ecevada, por prego com-
modo : na ra das Cruzes, n. 40.
Vendem-se um preto bom odlcial de
sapateiro, trabalita bem de selleiro, muito
mogo, bonita figura, sem vicios nem acha-
ques ; urna prela de naeSo com 25 annos,
engommadeira, cosiohabem; urna dita de
13 annos, um pardinhode7annos, proprio
para se educar 1 na ra do Ranael n. tu.
segundo andar, se dir quem vende.
a
u t
Xl O
c
tt)
>
CB -j
0
O -0
Na ra da Cadeia do Recife, loja de cam-
bio n. 24, seechecn a venda os afortunados
bilhetes e meios a favor das obras da igreja
de N. Sra. do Livramemtos, sendo pelos
prego* correles :
Bilhetes inteiros 19,000
Meiot 5,000
Charutos de S. Flix.
Vendem-se a* verdadeiros charutos de
regala da fabricaba S.-Falix, a 3,800 rs. a
Joo Keller 8c CompanhlA, na
ra da CrU, n. 55,
Vendem a precos commodos, vinho mus-
catel de Setubal, em caixas de urna du-
zia; dito multo bom de Lavradio e Col-
lares, em barris de quinto; dito de Cnam-
panha, da mais acreditada marca ; dito tin-
to de Cortaillod, de superior qualidade;
extracto de absynth e kirsch ligltimo da
Suissa, em caixas de urna duzia ; verdade-
ro cognac velbo, e da melhor fabrica de
Pranga, em barris de 80 garrafas pouco
mais ou menos : tambem se vendem por
prego muito rasoavel velas de stesrina ,em
caixas de 33 libras : charutos da Babia de
muito boa qualidade.
Na ra Nova, n. 8, loja de Jos
Joaquim Moreira & C. ,
vende-se um rico sortimento de
franjas pretas para manteletes e
capotinhos, por preco rasoavel.
A ajnela de Kdwln Maw.
Ra de Apollo, ni 6, armazem de Me. Cal
moni & Companhia, fazem ver aos Srs. de
engenho e aos sens correspondentes nesia
praga, que no seu estsbeleciment se aeba
constantemente bom sortimento de moen-
uas todas de ferro para animes, agoa, etc.;
meias ditas para armar em madeira ; ma-
chinas para vapor com forga de 4 cavalloa ;
taixasde diflerentes modelle de todos os
lmannos e grossuras, tanto de ferro batido
como coado ; espumaderai, cocos, etc., de
ferro estanbado ; safras para ferreiros : tu-
do muilo bom e or barato prego.
Xarope do bosque.
GRA-NDBCURA.
Nao podendode outra masteira faier maii pu
Mica a miaba gratldao pelo bom remitido que
obtive de em pouco lempo e debaizo aempre
de unta mealacSo, como a que temsido enea
ultiiiioaineira, tempo em que principie! a cu-
rar-ine de umaenfermidade baatante grave
quejatnaia de nove meiea a offrla
Uina iinpiTiiiienie loaae que fes-me paaaar
bastantes noitea sem quail poder reconciliar o
sonino ; nao obstante que seinpre ealiresae em
uio de remedios nunca pode ver-me llvre de
lio aillictiva molestia, a eonlinuacio da toase
carrelou-me outra molealla, que juntaa cau-
savaiii'iiie tantos aoft'riiuealoa, a tal ponto que
juigaei muiaa vetea o fatal termo de miaba
existencia, que era na occaalao da tost vi-
reui-me vmitos de aangue ; vendo-me neasa
triste aituacao pouco esperancosa, ou! fallar
e fui acn se I hado que tomaaaeo xarope do bos-
que que se Tende na ra do Hospicio, n. 40,
nao Uve logo multo desejo de o tomar, quii
primeiro ouviro cootelbo de algum profesaor,
dirlgl-me a uui bem acreditado nesta corle
expui-Ihe o estado de uiinha molestia, ouvio-
me, e disse-me que o meu mal necestilava ser
curado com bastante cuidado, porque era mo-
lestia que de era pouco lempo ae tornarla mui-
to mala grave, perguntel-lhe o que dliia do xa-
rope do bosque se aeria bom, respondeu-me
que l'uessc uto dalle, pois quejulgava^o mullo
conveniente para rainha cura ; dirlgi-me im-
mediatamenle aobredna cata da ra do Hos-
picio, n. 40, compre! utua garrafa do dito xa-
rope, assim que ebegue! i inlnba casa lomei
urna die dette aempre precioso remedio, por
mesmo na casa do profettor ter deludo em tUa
preseoca urna porco de aangue, e multas ve-
zes Uve estes ataques nat ras e em casas de
alguns dos meus amigos que se ndmiravam
como eu anda podia river com seinelbanle
molestia ; conlinuei a?lomar com a graca d(
Ueos, e o bom effeilo que produtio o xarope
do bosque, era menos de oito diaa ja nao dei-
lava mala sangue pela bocea, a toase Ji era
multo menos, ja poda dormir sofl'rlvrlmente,
coutinuel sempre a usar do xarope, nao preci-
aei mala do que duas garrafas deste precioso
remedio para ver-me perfeltasnenie bom aem
o menor iocoimnodo, e reslabelecido ao meu
I
prego commodo : na rna
clfe, n. 50, a fallar com Cunha & Amorim
assim como um restante de bsrris da mes-
la cal, que fteou da safra pateada, por ba-
rato prego.
-* vendem-se queijos londrinos frescaea,
chegados ltimamente; ditosde prato; la-
tas con- biacooto inglez ; ditas com sardi-
nhas ; ditas com ervilhas; e garrafas coa
vinho museatel de Setubal: tudo da supe-
rior qualidade: na ra da Cruz n.46.
Anda veode-se a verdadeira farinha de
Tapuy : no armazem de Antonio Aanes.
No mesmo armazem ha milho muito novo
2,500 rs. a sacca.
Jftt**ffffffffffffff Vieir-(
Crtesde tapete para sapatos ^^^Mi^
Na loja do sobrado amarello, nos agarrafa; macarrflo e talharlm, a lo'
qostro-Cantosdarua do Queimado, -tt libra; manleiga maleza nava 406 rs.
f> 5- f9' ,continu,m-e <>" cortes qevtda, a 80 rs.; gomma lina para engom-
a> de tapete para sapatos i torca, ha- mar, a 60 rs. t libra : no pateo do Carmo,
t vendo muita variedades de padroes ^ o. 9, venda nova
a21VIa!aa Aaaa .A*..? s. Y*nae-a """a Uverna d.a melhores do
m+ AAnlft. b*'rro de --Jos, pqr ter defronta do qutr-
Na ra do UulHilvJo, lufa tUT d" c>' Ponas, muito afregueza
dir quem vfcnd urna Mterr''e *at
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Aos aojoo,ooo de rs. t
Pelo vapor Ptrnombucana, c
le porto a 15 do coi reate, t.
1UU da primeira lotera do hos,
dro II, comoibem os sempre
Ibetes e cautelas da "
de caridade, que se 1
Slite. Das 8 horas da
, acha-se a venda
ra da Cada do Reo:
Vieira
n. 10, se
boa casa terrea no bairro de S.-
Antonio.
Vendem-se sabonetes higinicos, o
mais superiores que teem vndoaeste mer-
cado, assim como ootrss perfumaras muito
finas : na ra da Cadeia Velha n. 34, pri-
meiro andar.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de reputo,
pndulas e picota para cacimba:
na ra do Brutn, ns. 6, 8 e 10,
fundicSo de ferro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro
diflerentes modelos : na ra
Brum, ns. 6, 8 e 10, fabrica
machinas e fundicSo de ferro.
Vendem-se amarras de fer-
ancoras : fateixas : e estanho
de
do
de
s-'nn-
f
ro
em verguinlias : na ra do Tra-
piche, n. 10, casa de Jones Pa-
tn & C.
antigq.estado de gande do que poucaa esperan
... ira.. ..--.-...*- "i, sU0 -
poiso dlxer sem lisonja, que o xarope do bos-
que be um insigue aamaiiio contra as moles-
lias do pello,'pois que antea do uso del le com
iicnliun dos que tomet achei o menor all vio,
porra com o xarope do bosque achei o que
j ulgava perdido, que era ininba sade.
Esta uiinha declaracao foi feila de miaba
muilo llvre vontade, .oHerecida aos Sra. pos-
suldoresdo xarope do bosquejara ser publica-
da da luaneira que Ibes conrler.para que loria,
as peasoas que tirerem a iofrlidade de sofl're-
rem o que eu sott'ri, aakerem aonde bao de
achar o aliivlo de .c: insics aHiiu tomo eu
achei.
Ilio-de-Janciro, l5deoUtunro de 1848.Boa
de Hau-Caraltos, n. 104. J. i. Poluta.
Vendc-sc na raa dos Qoarlets, n. 12.
At que ebegaram.
Yeodem^se ocnlos para mipio-
pes, ou- vista corta, chegados de
Lisboa, dos quaes ni o haviam no
mercado. A elies, que vieram pou-
eos: na ra larca do' Hotario, n.
35,loj.
Vende-se urna sextante nova feta por
Om dos melhores autores de Londres e tam-
bem um orisoote arlillcial e um llieodilele :
Da ruado Trapiche armazem a.
Aon pintores.
Tinta verdo a 100 rs. a libra :
vende-se no deposito de esldeireiro, oa ra
Nova, n. 97, em barris de 16 a 90 libran.
Vendem-se 90escravos, sendo um lin-
do moleque de 18 anuos, bom oflicial de
pedreiro ; um dito oleiro ; um dito de SO
annos, carreiro e mestre de assucar ; 6 di-
tos mocos, de bonitas figuras, para iodo o
servieo decampo; um mulatinho de> 15an-
nos, bom pagam ; urna mulatnba de 19an-
nos, recolhda, d muilo boa conduela, que
cose ptimamente, faz lavarinte, e roarc
bem de linhe ; 9 escravas mogas, com va-
rias hsbil'dades: na ra Dreila, n. 3.
Vpiidem-eeseiliiieelsticos, chegados
agora : na ra da Cruz, n. 9, casa de Geo
Kenworthy 6t C.
Vendem-se cigarros de pa-
lha, chegados ltimamente do
Hio-de-Janeiro, por preco com*
modo: na ra larga do Rozario,
n. 3a.
Vende-se urna casa terrea na ra da
Praia-de-S.-Kita, n. 25 : na ra de S.-Jos,
n. 68.
--Vende-se um lindo escravo pardo,
moco, muito proprio para pagem : no Ater-
ro-da-Boa-yjsta, n. 80 primeiro andar, ou
na ra do Queimado, ik 19.
Lotera da igreja de N. S. do I.ivraniento.
Aos 5:000,000 de rs.
Na rus da Cadeia, n. 46, loja de miude-
zas, vendem-se meios billietea, decimos e
vigsimos desla lotera, que corre impro-
terivelmente no dia SO do correte.
Meios 5,500
Decimos 1,100
Vigsimos 600
He ebegado a esta praca o admiravel
licor adte-syphilrtico, de J0S0 Paes de Fi-
gueiredo, e se vende em garrafas a 5,000 rs.
cada urna na ra da lladre-de-Deos, botica
de Weitck Bravo & C.: as enfermldades a
que elle se lem applieado, e as quaes tem
obtido favoraveis resultados, sflo as seguin-
tes : esquinencias, pleurices, apostemsj io-
lernss e esternas e outros quaesquer tu-
mores e inflamafOet, quedes, contuiOes ,
pomadas, clicas do estomago e baito ven-
tre retences de orinas, conslipsgOas, ma-
lignas, febres, ancledade e faltas de respi-
"C, :pop!c::, p-ri!lM o oaiupurc,
toases e grandes defluXos, asmas ou puia-
aentos de peitos, dores reumticas e gli-
cas, molesliaa glicas ou veneraes, anavar-
cas, hydropesias, abscissos, dores sciaticas,
etc., etc,; facilita os partos lentos e acci-
dentaes, promove a menstruscao, curs as
constipsr;0es e malignas sobre os partos,
dores de madre e mais encommodos ques-
tormentsm as paridas, e he Umbem appl-
cavel at as crancas recem-nascidas, ca-
jo melhodo minucioso de app|car-se s-
30,000 rs. como ae far ver ao comprad.,
he propria para principiante, 'por -se fazer
negocio com poucos fundos: o motivo por
que se vende he por ter o dono outro ne-
gocio : a tratar na ra deS.-Rta, n. 97.
Vendem-se duas pretas de naejlo, seo.de
oma de meia idade, que lava bem d varre-
la, cozinha o diario de urna casa. entrada
do servido de campo; ea outra da 18 n-
eos, boa qulandelra, enSo tem vicios Di
schsqes: vendenf-se para pagamento]
dividas : na ra da Concordia, quem 1
pontea esquerda, segunda casa lar
w dir quem vende.
-*VeflrJa>*eguaodsem libras: calo le-
tame he a imitacfio de hervilhaa, aaaito
proprio para guisare muito saboroso. viu-
do prximamente do Rio-de-Janeiro, a 19
fs. a libra : na travessa do Queimado. n. I.
larerns.
! Vendem-se 9 moloques de bonitas fi-
gorss, proprios para qustqoer ofllcio : na
roa do Fogo, n. 83, se dir quem vende.
Vende-se um moleque de 12 a 13- an-
nos : na ra de Moras, o. 44, casa da esqui-
na que volts psrs a rus dS.-Thereza.
Vende-se ssl do Ass: a borda do bri-
gue S.-Mautel-Kugusto, 00 na praca do Com-
mercio, n. 6, a fallar com Manoei Ignacio
de Olveira.
Vende-se om ptimo oculo de ver ao
longe : na ra do Queimado, n, 37 A, loja.
Vendem-se pesos de dusa arrobas no-
ros, proprios para armazem da assucar : na
ra das Larangeiras, n. 18.
Bom negocio com poocodinh'tro.
Vndo-se urna prets. cortada no valor
Oicamenle de 120,000 rs., que apxinba
bem, engomma e cose soffrivel; este ne-
gocio he feito st que a prela pague com
leus servicos este dinhelro, e depois re ca-
bera a carta d'alforrrt, que be o pnhor en
mo do quom der cale dinheiro : no largo
do Terco, taberna n. i4i, se-dir qom faz
este negocio.
Nfto c exagcraco.
Vendem-se sipatfles de couro de lastro.
Obra muilo boa, a9*00. 3,000 e 3,500 rs.:
pa ra da Cadeia do lienta, loja n. 9.
- Vende ae urna negra de naci ; era Fo-
fa de Tortas, rus do Pilar n. 104.
boa fama da Cachoeira.
Joaquim Bernardo dos Res svisa ao pu-
blico e aos bona fumantes, que na sua fa-
brica de charutos, na ra larga do Rozario,
0.39, se acha um ptimo sortimento de
charutos contando as q nal i dada* segu otee :
3uem fumar sabers, a vista (ai f#, S.-Kelix
e Brandao, a experiencia provare, f,mt
da Baha, lber ees, cigarroa de la Devana,
regala de diversos sulores, oa afamados,
bos fama da Cachoeira,- segunda ver que
vem a este mercado esta qualidade de cha-
rutos, que tem sido preteridas aaoutras que
o usa ni dobredo preco.
O corretor Olveira recebeu ultima-
mente, e vende cobre de forro para navio,
com os pregos de composico correapou-
O vapor trouxe do Rio o
quarto e quinto volumes dos Mis-
terios do Povo, por Eugeout Sue,
l,ooo rs. o volume .vendem-se'
no pateo do Collegio, casa do li-
vro azul.
companba as respectivas garraas, que a to-
dos se recommeodam.
Domingos Alves Malheus, tem para
vender no seu escriptorlo na ra da Cruz do
Recife n. 55, mui superiores e verdadelrds
charutos de Havana, a preco de 7,000 rs ca-
da cenlo.
Escravos fgidos.
Fugio, hontem da manh3a, o pardo Ve-
nancio, escuro, reforcado, falla bem j foi
escravo do Sr. Diogo Jos da Coala, que o
vendeu ha um aasx ; esteva noe mezes da
julho, agosto, setembroe outubro prolimo
passado em caaa do Sr. Baixa, no Haaleiro
quem o pegar leve-o a casa doSr. Richardo
sy, na iua u'a Caeta, a. 87, a entregar a
Antonio Machado Comea da SHva, qu* ru-
co m pensar.
-Rugi, na dia 10 de seteavbr de 16*0, as
7 horas da noite, indo fazer o despeja,
parda Jjanns, de 95 a 30 aonos, aiu, sacca
do corpo, de bonita flgwa, cara redonda,
olhos grandes, bocea regular, deadentada
na rreote, mSoa e ps grandes a grossos,
pellos cabidos e cheioa; levou vestido de
chita verde jivelho; urnas rosetas france-
sas as orelhas : quem a aerar I;.*.. m
Dtreita, n. 7, terceiro andr,"am-a entrada
pela ra da Peoha, que ser gratincado-.
--Fugio, no dia 10 do corrale, o rema-
voThomaz.de oaC3o Angola, da esUKors
regalar, sem barba; tam faUa da 'denlasaa
frente ; reprsenla Ur 18 s aonos fla-
vo u calcas de panno fino aul, camiaa-de
slgoddo trancado, jaquela da aivaMa* Cor de
-- Veod-se urna escrava de naci, mo-< --,
qt, de bonita figura, com principios de eo- Jviubo. Roga-se as autoridades' safa
gommado ooe cozinha, sem deleito algum: icapiUes de campo, qne o apprehaai n a
na ruado Qaaimado,n. 88, segundo anJar. levem-noao Alen-o-da-Sa-Vista, TmT.ou
v a. ,Ar,nVOra. na Psssagem-da-Magdalaaa.siUodo finado
Vendaje farinha da araruta, a S.sOS m a j V. Brilo, que serta gratilcidos.
arrota, asuito nova : no armazem d* II11.1a^aisjsjsjsj sjh>__________-=---------


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKT1QM10B_NC681G INGEST_TIME 2013-04-24T19:11:35Z PACKAGE AA00011611_07213
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES