Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07208


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVI.
.i
'<*
Terca-feira 1^
!!
PABTIDAB DOS OOBBItOS,
Goianna e Parahiba, s segundas e sexta felras.
Illo-Grande-do-Norle, todas as quintal felras ao
melo-dla.
Cabo, SrlnhJem, Rlo-Forraoso, Porto-Calvo e
Macelo, nol.,a II e 21 de cada mes.
Garanhuas e Honito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, t quintas felras.
Olinda, todos os das.
irainuon.
'Nova, a 4, ao* 20 as. dam.
Cresc. a 11, k* 8 h. Km. da t.
Chela, a 19, as 2 h. el5m.dat.
Ming. a 26, a 10 b. J3 da en. !
PHEAMAB DI HOJI.

Prlmeira as II horas e 42 minutos da j'inanh;7a
Segnnda as 12 horas e 6 minutos da 'urde.
de Novembro de 1850.
N.256.
PREtJO DA lSCaiF(jAo.
Por tres meses (asila ntados) 4|000
Por stis metes 8/000
> 15*000
4
Por um anno

DIU DA SXMAWA.
11 Seg. 5. Menna. Aud.do J. dos or. edo m.4 v.
12 Tere. S. Martinha. Aud. do J. da 2. v. do
civel, e do das feitosda faienda.
13 Quart. S. Eugenio. Aud. do i. da 2. v. do c.
14 Qulnt. S. Clementino. Aud. do J. dos or. e
do id. da 1. t.
15 Sext. S. Gertrudes. Aud. do J. da 1 v.c. e do
dos feitos da fazenda
18 Sab. S. trncalo de Lagos. Aud. da Chae, e
do J. da 2*. do civel.
17 Dom. S. Gregorio Thaumalufgo.
CAMBIO XM 11 ni ovMao.
Sobre Londres, a 281|2 d. por 1/000 r. a 60 diasl
Paria, 333 por Sr.
Lisboa, 100. por cento,
Ouro. -Oneas hespanhoUs.....30/000 a 30/500
Moedasdcb/IOOvelhas. 16/300 a 16J500
de 6/400 novas.
defOOO.......
Prata.Patacfles brasileiros...-
Pesos columnarlos.....
Ditos mexicanos........
16/000 a 16J200
9/100 a 9/200
1/970 a 1/986
1/970 a 1/980
1/760 a 1/780
MKTE OFFICIAL.
GOVEBPiODA PHOV1NCIA
EXPEDIENTE DO DA 8 DE NOVEMBRO.
f Oflloio Ao Exm. commsndante das ar-
mes, para mandar pAr a disposigSe do juiz
municipal supplento da segunda vara deta
ctale obacharel Jos Raymundo da Costa
Heneie um toldado de cavallaria afim de
por ello aerea remettldo* aoe divino ub-
delegedos date termo os editaos para a
convocante do jury.Intelligenciou-so ao
mesmo jolx municipal.
Dito.Ao commandante da ilba de Fer-
nando, remetiendo as guias dos.sentencia-
dos Luduvino Jos de Souza, Luduvico, es-
cravo, Domingos Jos Alve, Joaquim Jos
de S.-Anna, Manoel Jos a Jos Francisco
Moreira, que geguem para aquella ilba no
brigue Galliope, afim de cumprirem ah suas
senteneea.Neste sentido expudiram-se as
convenientes ordena.
Dito. Ao inspector da pagadoria mili-
tar, para que t vala da cautela, que re-
melle, mande adiaolar ao commandante do
primeiro batalhSo de cegadores 1:500,000
rs. para pagamento do sold e maia venci-
mentotdeste raez edo dezembro prximo
vindnuro dos officiaea e, praeas do destaca-
maato, que lew de marchar para a comarca
de Flores, devendo essa quantia ser le-
vada em conla nos prets e folhas do referi-
do beUlhSo ero oa aobreditos mezes.
Scientiflcou-se so Exm. commandante das
armas.
Dito. Ao mesmo, dizendo que, visto
constar da guia do eapitSo de engenheiros
Cbristiano Pereira do Azeredo Coutinho,
que se Ihe abonara na corla dous mezos de
seu sold, stm que, porm, se decarasse a
maneira porque Ihe devem ser desconta-
dos, mande faxer Smc. descont pela quin-
ta parle do sold, que r vencendo o referi-
do capitflo.
Dito.Ao inspector do arsenal de mari-
nli*, declarando que os 16 caixoes de far-
demento do quinto batalhSo de fuzileiros
existente naquelle arsenal devem ser envia-
dos para a corle no vapor kffonso, fleando
sem effeito a ordem que Ihe expedio em 22
de outubro ultimo.
Dito.Ao director do arsenal de guerra,
para mandar apromptar duaa capoeiras de
dous andares com as aceommodagoes pre-
cisas para transportar 100 galinbas para a
ilba de Fernando, pondo-ss depois de pre-
paradas a disposigSodo inspector da paga-
doria militar.Communloou-se ao mesmo
inspector.
DitoAo meamo, dizendo (car inteirsdo
de baver apparecido o africano liste Thia-
go, que achaodp-se ao servico daquelle ar-
senal, havia ausentsdo-se na manhia do
dia 4 do crrante.
Dito Ao juiz de direito da comarca do
rejo, dizendo que nfio pode ter lugar a re-
messa, que Smc. pede, do reo Riymundo
Jos hamos para essa comarca, alo ter
elle fgido da cadeia desta cidade em 9 de
dezembro do anno passado, conforme de-
clarou o chafe de polieia.
Dito. Ao director das obrss publicas,
pettendo urna relacSo assignada peloca
i engenheiros Cbristiano Pereira de
t'.nho, alio deque Iba lomera
> os instrumentos nella inen-
desamaenbo da commissSo
ncarregado pelo governo im-
perial, ee por vanlura houvecem desponi-
veis nequella repsrIic.Su, fazende comprar
os que fallare*) para o completo da uies-
ma relagSo, os quaes sorflu pagos a vista da
respectiva conta.luteirou-se ao masmo ca-
pitSo. '
TRIBUNAL DA RKLACAO.
SES8AO DE 9 DE NOVEMHRO DE 1860.
PI9(0EICU DO BXM SrKUOt COUSLHEtaO
AZSYRDO.
A's 18 horas da maoha. achando-se presen
tes os enhores deserobargadorea Ramos,Villa
re, Bastos, Leo, Sonta, Haberlo Luna Freir,
e Tellea, o Sr. presidente declara abena a
pjuMattf eritm.
Appellante, o julio; appellado, Francisco i An-
tonio. Julgaram improcedente a a ppel-
laco.
Appellante, o julio; appellado. Joo Evangrells-
U da Costa. Mandaran! a novo jury.
Appellante, a Justica ; appellado, BarnabiS Pe-
reira da Rocha Calhcirus e outros. Ju.lga-
ram Improcedente aappellacao.
Appellacti citeii.
Appellante, Marcellino Jos Lopes ; appell ado
Francisco Jo3o Carneiro da Cunha e ou tros.
Jasgeram millas as avallares e part Ibas.
Appellanles, Antonio Fablo de Mendon.ca e
sua mulher; appellados, Estevao Jos Paes
Brrelo e sua mulher. Reformaran a en-
tenpa.
\npellante, Mara Helena Pessoa de Mello ; ap-
pellada, Catbarina Francisca do Espirito
Santo. Conflrraaram a eentenca coaa de-
claracao de que inandam liquidar as perdas
e dainos.
Appellante. Joao BaptlsU Alves Montelro; ap-
nellado, Domingos Csrneiro de Lima. Jul- ...
garam os arligoa de babelitacSo. Capitular, 6 mullos Srs. sacerdotes,
queja em S. Sebastite esperava, e por al-
algunsSrs. sacerdotes o bastante poro devo-
to, que logo formando procisso dirigimo-
nos, en com o retabulo da SS. Virgem, e o
Itvm. vigario de S. Pedro com a Imagem do
Senhor santa cathedral, onde ao entrar-
moa foram as Imsgena-e o Itvm. mlssiona-
rio recebido. pelos Hveai. Srs. capitulares,
queencorporados no esperavam. Feitaa
oradlo ao SS. Sacramento, e collocadas as
Imagena no lugar competente, subi o Itvm.
missionario ao pulpito laslinado para an-
ounciar o santo evangelio, e echando nos
liis lanta dispbsicSo para ouvirem a divi-
na palavra, anda mais convencido ficou
quando no seguinte dia vio triplicar-ge o
numero do seu ouvintes, a assim progres-
iva mente se ia augmentando o auditorio,
que. ajo ltimos dias da misalo calculou-se
ch'jgar ao numero de quatro a cinco mil
pe.ssoas, distinguindo-se entre outros os
K vms. Srs. mestres do seminario, corpo
lentes,
W*
LeaMsr* l*SM tros olficlo ato Exm. Sr.
|>niciujajjla provnola.
O pridsVro cominuaicaudo que o bacbarel
los TnoaMi Mabuco de Araujo. juu de di-
reito da prlmeira vara do crluie desta cidade
ehtlrer? cenca coiu o'respectivo ordenado, a contar de
l de setembro prximo passado.
O segundo, communicando qne o baonarel
Lourenca Caeuno Pinto juii do civel da Ll-
inoctro obtlveva seis mexes de Ikenca sem vea-
cimento de ordenado para tratar de sua laude
O terceiro. remetiendo o Drio de Peruain-
buco a. 264 da 30 de olubro prximo pascado,
conlendo a le n. 581 de 4 de setembro do cor-
rente anuo e o decreto n. 708 de 14 de oulubro
prximo passado, rstabelecendo medidas para
a reprsala tranco de Africano* neste Im-
parto.
JULGSMXMTOS
IhffMpeorpiff.
De /olo Severo Rodrigues. Mandaram pa-
sar ordem de soltura.
De Manoel Alves do Naaclinento. Pol conce-
dido para a sessu de 12 do cotraote.ouvlndo-
seo aubdategadoda fMmaeaiade ttau-a'rei.pe-
dro-Goncalves do Reclle at cate mesmo dia.
4||IB%M,
Artrasrwjte-, Jao Vtelra daCtmka; aggravado.
VVanciscsi Jtas da C oatt. Mo tentaran eo-
nJiednirnta por nao se* caso de aggrava.
Aggrsvante, Manoel Francisco Unraes aggra-
vado, Onofre Joji da Costa Negaram pro-
vimentoaoaggrsrvo.
gravante, Joaqnim Carnetro Leal afgrava-
i Anselmo GoacalreaPereira. ^agaram
prayiaaauto o aggravo.
RtvU civil.
Recrreme e recorrido, o prior do convento do
Carmo da cidade da Baha e Jaqulm Jos de
Araujo. Julgaram deconformldade com o
pedido do recrtente Joaquim Jos de Araujo.
niLlGINCUS.
Appellantes, a santa casa da Misericordia de
Lisboa e Antonio Alves Vianna ; appellada, a
fasenda nacional. Mandaram com vista ao
Sr. deaelnbargadoi procurador da coroa.
D9IO.Mk$0BS.
Appellante, o juizo ; appellado, Joio Francis-
co Tavarea.
Appellante, o lulzo appellado, Jooescravo
do padre Jos Crrela de Aranjo.
Appellante, Jos Dlogenes de Bourbon; appella-
do, o julio.
Appellante, a justica ; appellados, Damiao Soa-
rea da Hora e outro. -
Appellante, a administrado do patrimonio dos
orptios desta cidade ; appellado, o Exm. his-
po de Marlanna.
EVISORS.
Passaram do Sr. deaembargador Ramas ao
Sr. deaembargador Villarea as seguintes ap-
pcllaces emqueiio :
Appellante, Domingos Jos Marques appella-
do, Manoel Jos Soares de Avilar.
Appellante, Maria do Amparo por si e como tu-
tora de seu lilho Antonio ; appellado, Vicen-
te Guedes Gondim.
?assaram do Sr. deaembargador Villarea ao
Kr. deseinb>rgador Bastos as seguintes appel-
lacdaa em que alo :
AppfHbtr, Pranclico Antonio Fernsndes j ap-
pasaaao, Jse Antonio de Magalhaea Bastos.
Appellante, Manoel Maria Ferrelra da Cuuha ;
appellados, Antonio Galdioo Alves da Silva.
Appellante, Jos Rodrigues dos Passos ; appel-
lado, Manoel de Souxa Guimaraes.
Appellante, N. O. J/ieber S C; appellados, os
administradores do patrimonio dos orphaos
desta cidade e outros.
Appellante, o juio ; appellado, Jlo BaptlsU
de Vasconcellos
Passou do Sr. desembargado r Bastos ao Sr.
desembargador LeSo a seguinte appellacia em
que sao:
Appellante, o julio ; appellado, Maaoel Valen-
tiiu Francisco.
Passaram do Sr. desembargador Leao ao Sr.
desembargador Souia aa seguintes appellacdes
em que sao :
Appellante, Joaquim Antonio doa Santos An-
drade; appellado, Antonio Bolelbo Pinto de
MesqulU.
Appellante, Jos Felj de Mello; appellados,
Jos Gabriel de Moraes Mayer e outros.
Passaram do Sr. deaerobsi-gador Souza ao Sr.
desembargador Rabello as seguintes appella-
(es em que sao :
Appellante, Joaquim Galdino Alves da Silva :
appellado, Rolino Jos Crrela de Ahneida.
Appellantes, Alfonso Jos de Albuquerque e
Mello e outros; appellados, oa Iadio* de Ar-
ranches.
Appellante, Jos Antonio fastos; appellado,
Vicente Jos de Brito.
1 Passaram do Sr. desembargador Luna Freir
ao Sr. desembargador Xelles as seguintes ap-
Sellafes em que sao :
ppellante, Nuno Hara deSelxas appellados,
os credores disidentes do mesmo.
Appellante, Luli 3rugnler e outros ; appella-
do, Avrlal Irmos e outros.
Appellante. Antonia Francisco de 6'arvalbo;
appellado, Francisco Manoel da Silva Tavarea
Paasarasn do Sr. desembargador Telles ao Sr.
dosembarsjador Rautas aa seguintes appella- turaoca do justo, a gloria da humanidade
(es ein que sao
Appellaute, Francisco Vai da Silva; appellado,
Jos Joaquim Crrela da Lux.
Appellante, Francisco do Prado; appellado,
Joio Anastacio da Cunha
Appellante, Maria da M.lernidadcda InvancSo
da Santa fru; appellada, Mara Manoem de
i.....
Appellante, Jos da Silva Slsneir uimarsm.,
appellado, Leopoldo Cazo |de Mello Guara-
rema.
DISTBiaUICIS.
Ao Sr. desembargador Telles o seguinte ag-
vo em quo sao :
Aggravante, Alfonso S. Martin; aggrarada. Au-
na tlisabet Adelle Poerson.
Levantou-se a sessao as duaa horas da tarde
o muitos Srs. acadmicos, que se portaran)
de urna maneira edificante.
Nos primeiro dias o Rvm. missionario
procurou pulverisar tantos erros, e maxi
mas espaltiadas pelo moderno philosophis-
mo, provando satisfatoriamenle a existen-
cia de lieos, da religio revellada, verdade
e ssatidade da igreja romana, immortalida-
da d'aima, e eomeoaodo a desenvolver o
dogma e santa moral, se eoaiouou de ma-
neira nos coracOs dos ouvintes, que inmen-
so era o numero das confissfies, pois que ha-
Vendo bastantes confessores anda assim se
nSo venca o povo, que arrependido corra a
fonte da gracas, implorando a divina cle-
mencia.
Digno era na verdade onaorvar-seo gran-
de respeilo e religioso silencio que reinava
entre o rico a o pobre, o douto e o ignoran-
te, o grande e o pequeo, sem llavera me-
nor perturbarlo na palavra divina. O que
cortamente mais me convonceu de quanto
he dcil a encunado o povo a religio, que
temos a felicdade de professar. |Por muitas
e muitas vezes ouvi levantaren!-se as mSos
aos cos, a por outra tanta bem dizer-se
da palavra do Senhor li.'os, por ser ella g-
mente capaz de em pocas 13o tristes obrar
nos coracoes lanta magnificencia!
Deixo em silencio, para nfio ser mais df-
foso, aquellas serias medtac,fl."s, principal-
mente a do peccado mortal, do escndalo,
da justica divina, da morts peasima, do jui-
zo universal, e a do inferno, que causaran)
tSo grande aballo no auditorio, que muitos
resolvern) mudar de duvida, dexar a man-
ceba, e reconciliar-.se com seus inimigos ;
smunto me oceupo dedzer algumacousa
do tres ltimos das, em queconcluio-se a
santa missSo
Tendo o povo na note de 18 de outubro
ficado sobre maneira consternado com a
meditacSo do inferno, no dia seguinte o
Rvm. missionario ampliou de urna maneira
nova ernz no lugar, atrs do mostero de S.
Sent, bem prximo s tres fontes d'agoa
doce, qualificada pelo povo milagrosa, r*)
ja se achava estendijo pelo pateo a toda
Trente da cathedral, donde sahiram com o
Rvm. missionario, alguns Sr. sacerdotes
com as Imagens, e a nova cruz conduzida
por alguns Sr. acadmico a mais pessoas,
percorrendo as principaes ras com os ps
no chSo e corAas de etpinhos, chegaram s
fontes,nnde tlnha de ser ella erigida,alii de-
pois de adverlidos pelo missionario da gra-
ca, que acabavam de recober do co com a
discoberta daquella agoa, deixou-lhes em
ignal de eterna memoria este estandarte
sagrado, que depois de erigido e benlo, foi
respetosamente beijado o santo lenbo por
todo, que de bom grado offertsram suas
eimollas para reparo das ruinas do conven-
to de N. S. do Carmo, Picando urna commis-
sSo nomeada pelo missionario d'entra as
pessoa distinctas. TSo grande foi a dispo-
siefio do povo, que dentro em tres horas
apromplou-se urna grande cacimba d'agoa
doce, quetem servido de amparo para a po-
bresa.
Acabada a cacimba dirigio-se o Rvm. mis-
sionario acompanhado do mesmo povo, que
ia cantando, igreja parochial de S. Pedro
llartyr, onde esti estabelecido ha Sanos
desta parte, o mez Mariano, abi celebran o
santo sacrificio da missa, acompanhado de
urna terna e tcenla cantona ao SS. Cora-
(So de Mana, acabada esta, pregou sobre o
inneffavel poder da Virgem SS., exortando
assim os fiis i serem seus devotos, e fre-
quentarem aquella igreja, especialmente pe-
la devocSo dos sabbadosannuaes, lembran-
'lo-lhes que o santo Mez Mariano all estabe-
lecido por um fervoroso e devoto conego,ha-
via de consolidara doutrina das misso>s,pre-
gada com tanto disvello por 16 dias. Oalli em
seguimento foi para a cathedral I eram lo
hora) donde despedio o povo, pedindo-ihe
um perfeito silencio em sua casas at o
momento de netta tarde receberem a ben
cSo papal, que lie de costume dar-se no lim
ds missOes.
Pela cinco e mcia, nem dentro, nem fra.
sendo preciso estender-se ate o cruzeiro, e
depois de indulgenciadas medalbas, roza-
rio, crucifixos, etc., paramentado solem-
nemente o Rvm. missionario, e acompanha
lo Je 2 Rvms. Srs. capitulares du"a tolo
o povo a bencSo papal, em seguimento
profiri um importante discurso sobre a
santa perseverante, tSo persuasivo, e ao
mesmo lempo terno, que produzio muitas
lagrimas nos ouvintes, principalmente com
suMaudosa despedida, que sendo surpre-
hendida, dificultosamente conseguio sahir
acompanhado de dous Srs. capitulares al
a ra de baixo fra da ci Jado, onde desoe-
dio-se do constante povo que o seguira
a Beberibe, se os nfio dispensasse. (nega-
do all por mim e um met compauheiro
neg Marcellino Antonio DornelUu, cora da
cathedral de Olinda.
GAB1NETR PORTGUEZ DE
LE1TURA EM PI5RNAM-
BCO.
Sob os auspicios da divina providencia .'
ICst fundado em Pernambuco um gabinete
portuguez de leitura, conforme o plano e
estatutos do gabinete portuguez de leitura
do Rio-de-Janeiro. Celebrou-se no dia 3
do crrante a primetra reuniSo de accionis-
tas : continuam a ser inscriptos como ac-
cionistas fundadores todos os portuguezes,
que o quizerem ser, dirigindo-se para essa
lim ao consulado deS. M. F., pessoa I mente,
ou por carta, ou por intermedio de outro
accionista. Os fundos que existen) ja subs-
criptos sSo sufljciente para a primeira ac-
quisigSo dos peridicos e dos livros mais
ni iispenssveis.
Honra aos portuguezes residentes em
Pernambuco pela unidade de pensamentos
e de vontade que os liga, sempre que se lne
offerece occtsiSo de mostrar-so dignos da
nacSo briosa a que pertencem, e desta ge-
nerosa nacfio irmSa sua, que Mies di fran-
ca hospitalidadeem troco dehospitalldade,
tambem ISo franca e tSo gen rosa, que em
Portugal recebem os filhos do Brasil Pos-
sa a iostituicSo do gabinete portuguez de
leitura ero Pernambuco ser urna demons-
trado bem clara dos sen timen tos de frater-
nal amisade que unem os portuguezes com
os brasileiros, qnerendo aquelles viver en-
tre estes tSo pacificamente, que de seus
bens adequeridos a custa de tantas fadigas / *
facam rices patrimonios a seus filhos que
aqui tenbam, brasileiros, e nesta trra hos-
pitalera, que he de seus filh js e de suas
esposas e de seu irmos, eslabeleijam a
mantenham custa de seus cabedaas, mui-
tas iostituc,0es como este gabinete, pacifi-
cas, morigeradoras, e outras de caridade,
como sejs, e em breve, que Dos quoira,
urna tocieiadt portuguesa de betufieencia i
miiacSo da que existe no Rio-de-Janeiro,
' tein feito j os maiores servicos^a
a qua
Eu me congratulo com os meus I'
da cathedral pode arranjar-se todo o povojguezes residentes em Pernambuco por ha-
verem de tSo boa vontade e com tanto acer-
t fundado o gabinete portuguez de 1-itu-
ra. Eu me congratulo igualmente com os
Srs. Pernambucanos porque recebem desta
associacSo de Portuguezes, tflo nobra em
seus Ons, mais urna certeza de que nSo dis-
perdicavam a sua bospilaliJade com es-
trangeiros ingratos, que s quairam daa-
fruclar o paiz sem plantar nelle arvore ne-
uhuma que d bons ('rucios.
Jojo ViceaJe Martim.
ISo tocante a divina miiericordia, que ap- jaco npanhado, e mais eavslleiros leve de co-
parecendo inmediatamente nomeio'doser-
mSo a Imagem do Senhor crucificado traza-
do do altar collteral em procissSo para o
pulpito onde se elle chava, mudo mais to-
cante tornou-se este egpetaculo ao ver-se os
fiis banbados em lagrimas procurarem an-
cosos seu maiores o rencorosos inimigos
para abrrcallos, pedindo-lbes perdSo. a imi-
la;8o do Rvm. missionario, que abracando
de um a um os Srs. capitulares que se acha-
va m presentes, tambem lhes fazia igual
supplica. Sabidos assim do templo santo,
mocar novo Irabalno,smente com descanco
de 4 dias, pregando com tu.lo por 9 dias
com grande emuito feliz resultado; poii
que a intriga, o dissabor, o odio o Inimi-
sades, estando all em seu auge entre as fa-
milias na noite da ben^So, dando o minis-
tro do senhor ordem de se abrasc,arem im-
mediatamente levantou-se um choro conso-
lador, que pareceu abencoar a divina pala-
vra e Beberibe ficou como s urna familia
na boa paz e harmona, principalmente en-
tre as pessoas importantes do lugar,e o que
atroavam os cos bdmdizendo a misericor- mais me consolou foi acabar-se as intrigas
dia do Senhor, que com todos fazia mise-
ricordia. NSo menos aprasivel foi o dia 20,
da da innefavel meditacSo da gloria reser-
vada aos santos no co ; pois pelas, cinco e
meia horas da tarde, depois de ler-se lauca-
do as chamraas da urna grande fogueira
preparada prxima ao cruzeiro, qualruceu-
to los, armas prohibidas, livros Immoraes,
e outros objectos contrarios a moral e bons
costume, como bem desinvolveu o incan-
savel ministro do Senhor, subi ao pulpito
que se achava mais visinlio da porta princi-
pal para ter melhor ouvido do povo que
se eslendia do pateo al alm d,o cru-
zeiro, e coniecauJo com voz forte sono-
ra a descrever a celeste SiSo, a bemaven-
Comijiunicados.
DE
AS MISSOES NA SANTA CATHEDRAL
OLINDA E BEBEK1BE.
Na qualidade de cura desta santa cathe-
dral de Olinda, acho conveniente dar publi-
cidade ao triumpho que a sania reiigiSo
acaba d alcancar sobre o indeferentisroo
religioso e frieza, merco deVida as missoes
enviadas pelo Exm. a Rvm. Sr. Bispo a esta
cidade no dia 6 de outubro.
Pala cinco oras e aneirda tarde daquel-
la dia, o actual prefeito de N. S. da Penas,
apenas deaembarcou no varadouro com a
Imagem do Senhor Cruoilicado a o retabulo
da Santisma Vwgem, foi imediaUmenle re-
ceido peia rmaudd" do SS. SacranFetran,
sanlissinia de Jess Chrtsto, e igualmente
aquella da sempre Virgem e Triumphante
CoracSo da Maria Santissima, eneheu de
tanta alegra os assistentes, que nos seus
semblantes descobria-se um applauso ge-
ral, que se confundid com aa armoniosas
cantigas ao obiecto que se descrevis
lerminou-se este acto com a BencSo do
SS. Sacramento. Todo d povo, bomens e
meninos, tinliam acezas em suas mSos vel-
las bentas no momento de receberem
bencQo do Senhor Sacramentado, produ-
lindo lio grande illuminacBo, que a santa
cathedral pareca revestida daquella ma-
geslade digna do culto do Daos vivo. Im-
med ata mete, depois de concluido este lo-
cante acto, ordenou o Rvm. missionario ao
povo, que com' as mesmas luzes percorres-
sorr. ato-procissSo com as Imagoos condu-
zida por sacerdotes pelas principaes ras
da cidade, cantando armoniosamente em
louvor da Virgem Maria, percorridas as
principaes ras com toda a edicacSo chris-
13a, tanto palo assistenles, como pela
pessoa, que apinboadss de suas janellas ob-
servavam o iuihusiasmo de um povo im-
menso, recollierau-su a santa cathedral
pelas tu aras da noite, a ah exorUdos do
Rvm. missionario para moderaren) sua ale-
gra, silenciosamente ausenlaram-so as au
as cacas.
Apenas arana emeo horas da madrugada
do dia 21, o Blasmo povo eoervidado da ves-
pora para nAtir ta'mmfmmX'* de una
entre duas irmandades, quando os vi como
perfeitos irmfios percorrerem pela casas
da povoi>cSo a as mais a lirarem esmolas
para reparo da capellinha deS.-Boavenlura
onde licou tambem encarregadoa urna com-
missfl i. Deixou all tambem estabelecida a
devocSo das dores de Maria Santissima, as
primeiras domingas de cada mez, e em to-
dos os gabbados a do mez Mariano.
Pretender au discrover a miudo todo o
provailo Irasido a minha freguezia por es-
p.igo de um mez com as missOes seria nun-
ca acabar ; por qua sendo i inmensas as con-
fissits na cathedral e ero Beberibe, ondo
por 9 das trabalhamos 6 sacerdotes como
Itvm. missionario quasi sempre Jas 5 horas
da ma nhfia al a 3 a 4 da tarda, ai nda assi m
se nSo venca o povo. O grande numero
de bapMsados entro prvulos a adulto a o
Traquele concurso de casamento de quem
linha sua vida errada, e aiasta vai conti-
nuando a realisar-se, bastara somonte pa-
ra confirmar esta verdade.
tuin-tiiiilu, fiii o maig sagrado ao-
var, aeoSo agrsdecesse ao meo digno prela-
do ter enviado para a minha freguezia o
digno ministro do Senhor, trazendo-lhe
tanto proveito, pois queS. Exo. oSr. bispo
desde o anno de 1845, vendo o grande fruc-
to que liouve na 4 freguetias da capital
tencionou logo man lar para esta cidade.
Mais penhorado fleo para Com meus fregue-
zes pela maneira edificante com qne se por-
taran) as missoes e acolheram o digno mi-
nistro do Senhor, por quem rdanles votos
fago a Dos para que o queira cada vez mais
fortalecer na sua Divina Graga, afim de ser
sempre til ao estado e a igreja pelos pon-
tos por onde tero de recomegar seus trans-
idos apostlicos Iguarass a Goianoa para
onle parti de Beberibe na madrugada do
dia 5 deste mez.
Olinda, 9 de novembro do 18. O co-
1*1 Por lerem sido descoberta no dia em
que comegaram nesta cidade as Santas Mis-
sOes, lempo at entSo em que oenbuma
agoa doce havia para beber-ae ; e juncta-
menle por ter nascido no sthmo 130 passos
distante do mar, e 36 da mar nanuena.
Corresponde, icias.
ito quiz
expS-
a harto
Sr. Redactor. Ha muito estou convenci-
do, que nem a regularidade de proceder,
nem mesmo a mais acrisolada virtude he,
nestes nossos tempos, garanta bastante,
para eximir-so alguem da maledicencia
e injustas recriminagOes; e quasi diariamen-
lii apparecem Tactos, a robustecer a minha
opiniSo. Nem sempre se pode vencer in-
dignagSo, que essa recriminagOes, Causam,
a quom inteirsdo da verdade, as buve, ou
l ; a foi isto que justamente sucoedeu ,
quando li a correspondencia contra o Dr.
Neiva, pubicada no Diario n. 254 pelo Dr.
Francisco de Paula Baptista, lente da aca-
demia de Oliuda e deputado, quo esta plei-
teando a causa de Benlo Jos da Silva Ma-
galbSe, que tamdeger julgado pelocrime
le inlrodacgSo de moe la falsa valo baver
pronuncia sido confirmada pelo tribunal
da relagSo ; e para que o publico conhega a
injustiga com que o advogado do Bento i
deprimir ao juiz, farei urna breve exg
gSo comprovada com documentos
transcriptos.
Confirmada a pronuncia do Bento, foi o
processo remeltido ao jury ; a aborta a sea-
So foi designado o dia 14 para o julgamen-
to dessa causa. No dia 8 foi remetlida ao
juiz pelo governo, a le que decratava o
julgamenlo pelo uiz de direito, e surtido
enUo ella seus affeilos. pois que he unajBi,
competentemente publicada e existeiflHp
poder do excutor, declarou o Dr. Neiva^Sr
deeisSo nos autos ser o jury incompetente
para o julgamenlo da referida causa.
Coro essa deeisSo se conformou o advo-
gado Dr. Francisco de Paula Baptista. a foi
assignado o larmo competente, cosi pro-
varo os documentos n. 1 a 2 Appareceu
30 de outubro prximo, publicagSo d'onda
se coohece a existencia de uro regulamea-
to especial, que marca a ordem do processo
que deve eguir-se para o julgamenlo, e o
juiz pedio-o ao governo, e uo entanlo nSo
proseguio na marcha do processo, docu-
mento n. 3. He, pois, evidente que o Dr.
Neiva por modo algum leve em vista fazer
mal; porm, gmente procurou resoeitar a
lei, e regular na aonTormidade dalla aeu
nrocedimento. Se ebegou ao oonbecimeo-
to do juiz a existencia de um regulamento
especial, que marca a forma do processo,
como ordena-lo por outra norma? So a
lei nSo vigorava, porque conTormou-se o
Dr Baptista com a deciafio do Dr. Neiva.
qoa declarou ser o jury incompetente para
o julgamenlo da causa, deixando de inter-
por o recurso qae Ihe facullav oart. 438 &
10 do ragula ment e ti de Janeiro de laeav
Por muitos lacios a unta xrie ate srvete)
preatados pelo Dr. Neiva, deve-se estar eoo-
vencido da tua moralidade, inteiresa e pro-
bidade etn3o poda o advogado fri-lo, s
por que ella nSo se presta as suaa exigen-
cias. O que qusrena dixer o advocado
cea a sxsrs&So = 3Qi>aoatici) r; Sa
^aasii^B^aH



foi em mo sentido, nflo pode ser cabivel
contra n l)r. Neiva ; porque nunca commet-
teu infamias, indignidades, immoralidades,
nem prevaricacoes. Como tambem, nfio he
meu intento dizer ludo de urna s vez, ter-
mino aqui, e peco-lhe Sr. Re jactor a inser-
sSo deslas lindas, pelo que ser obrigsdo
sen constante leitor. p. ^ p
DOCUMENTOS.
N. t. -- Dizem Rento Jos da Silva Ma-
galhes e Jos Moreira Lopes, que no pro-
cesso criminal, em que se acham pronun-
ciidos pelo crime de introdcelo dosedu-
las falsas, tendo Ihes sido intimada a sen-
tenes de V. S. que julgou que na conformi-
dadedo decreto de 9 dejulho do correte
anno, aos jttizes de direito e nfloaojury ,
lie que compete julgar definitivamente a
dita causa, se conformam com a dita sen-
tenca ; e pedem que V. S. atteodendo ao
teippo de nove mezes de prlsflo que elles ja
tem soffrido mande dar quanto antea anda-
mento ao processo. Pele a V. S. Illm. Sr.
Dr. juiz presidente do jury se digne aasioi
mandar. E. R. al. Dr. Baptiita. Re-
duzida a termo e assignado pelos reos a de-
claracflo, f.ica-se os autos com vista ao Dr.
promotor publico. --Cidale do liecife, 15
de uutubrode 1850 Keiva.
N 9. --Aos 16 deoutubro de 1840, nes-
ta cldadedo Recife, e lugar da cadeia aonde
se ai'bavam presos Rento Jos da Silva Ma-
galhfles e Jos Moreira Lopes, pelos mea-
mos, em virtude do despacho enfronte, foi
dito e declarado que se ronformavam com a
decisao do Dr. juii de direito interino da
primeira vara do crime, dada uestes autos
em que julgou que na cnformidade do de-
creto de 9 de julho de 1850, competa aos
juizes de direito, e nflo ao jury julgar de-
finitivamente esta cauai. E nada mais ten-
do ditos p.esos a declarar, liz eate termo
em que assignaram. -- Eu Aprigio Jos da
Silva escrivflo interino o escrevi. -. Ututo
los Ja Silea Magalhiet. -loei Moreira Lope
Y 3 Deferindo o requerimento a II
254 mando na conformidade do aviso de 3
desetembro de 1850, que o escrivflo Apri-
gio remella o processo ao escrivflo Saraiva ;
<; quanto ao requerimento a II. 955 constan-
do existir regula me nlo marcan lo a ordem
do proceaso, que tea de seguir-se pan o
julgamento e tendo o pedido ao governo,
antes de meter remettido, nflo posso defe-
rir. Advirto ao advogado signatario da pe-
tic.1o que nflo pode exceder-ae no exercicio
do sen ollicio, sb pena de Ihe ser applica-
-a a da lei --Cidade do Recife, 9 de novem-
bro de 1850. Neiva.
JtV o-:-
9^-
ijuepoisa haver theorla d'omasclencia, a qual
seiencia nao tem systero* algum? Como pode
dai-se theorla onde nflo ha ayalema, se eatc he
a unidade lublectiva, e aquella a coordena?So
dos factoa ou dos fenmenos ? Senao estiveaie
convencido que estas coniaa vos escaparam pe-
la pretsa, com que quiaeatea suplantar a tao
fraco contendor, dira que eicreveis para cat-
xeiros.tofermelros, officlaes de saude. curan-
deiros de papeleta e carteirinha, ensoparan
gente que poisue dous dedos de philosophla.
Mas vos dlzels, que a homopopathla he uina
causa assim por modo do quer que seja desli-
gado de toda a relacao com os que secharoam
systeinas de medicina : ein sunima nao he sys-
tema alguin, nem tem relacto com a medicina:
e se medicina quer dizer Arte de curar se-
gue-se que a homceopathia sera tudo, menos
arte de curar Entao o que vem a ser titt o
quer que teja? Ser alguma glrla, algum enig-
ma, alguma gerlgonca i* Ser algum myiterio
Kleusi no. ou algum orculo dos bosques de Do-
dona ? Ctrinqne ttupor, utrinque miracutam [
Pola, Sr.. se a mesina palavra bomo;opatbia
quer dicer medicina seinelhaote como he
que he o quer que seja, e nflo um systema de
medicina ? Em um palavra ae a homceopathia
nao he um systema seja qual forde medicina,
nao pode ser aeno o maii ceg einpyrlsmo, a
naii destampada e mlseravel charlatinlce ri-
ca multo abaiio do mesmerisnio. A' vista desse
vosso dizer, se algum homeiu do povo; meu ir-
miio em Jess Christo, e por eousequeocia Ido.
neo para curar, me perguntasse o que he a ho-
uin'iipthia ; ru estarla-autorisado a dlier : a
homceopathia he urna coma anim por modo o
quer qut tija, he urna cauta, que em materia de
priniipaemmtom I......il Pl furllet.
Tornemos atrs, e vejamos no voaao pa-
Illm. Sr. loo Vicente Martin,. Aindadepois
que acodindo a tao urbanos e tao repetidos
desaHos, del-voi, Sr.. a minha primeira respos
to, tive impulsos de arrepiar carreira; por que
eslava convencido, que para tnetter-se a gente
em urna dlscusiao, releva conhecer sutBciente-
mente a materia; e sendo eu a respeito de me-
dicina um pobre clrigo,- ou antes um leigo de
todos os quatro costados, trema de justar e
medir-ine comvosco professlonal, e que noa tr-
nelos hmiiceopathicos sois um valente e amos-
trado Roldao ou Ferrabraz de Alexandria.
Mas depois que eacrevesles e eu li com estes
olhos, que a trra fria ha de comer, (e nio
innrrer no alto mar) que o povo tem mnito bum
tent, e eerto capital de tobedoria para ser medico
hoinffiopatha ; eu que sou uina fraccaotinha,
uina partcula do povo, cobrei animo e diste
comuilgo Ol! Pois a aublime ciencia de
llahnemann he um chega a todos? Entaoj
no receio combater nesse campo universal
com o inesmissimo II ibnemann. A homceopa-
ihia nao tem tyitema. He applicar as doses
dos cathalogos, tulle cautam, > Diot lo depare
bueno.
Senao estl vera convencido, como eslou, do
quanto o zelo do bein publico e amor dn povo
vos Instiga, vos come, vos devora, euapplicar-
vos-bla parafraseande-os, os segulntes versos
do glande pico Poituguez:
Aos InBels, senhor, aos inlieis,
E nao a miiii, que tei o que qutrtit.*
Vos dizeis que eu defiendo o privilegio, que
tem os mdicos de rurar exclusivamente; e de
pols de Iraierdes um epigramina d'Antonlo Rl-
beiro dos dantos contra os mdicos ooncluiz
F. por certo, que o poeta nao se referia aos ho-
nn-npalhas. Senhor, eu nao defiendo privi-
legios de ninguem; defiendo sim os previle-
rii.s da inlelligenciaeiu materia tau importan-
te, qual he a saude, a vida {do meu proilino ; o
que repugna ao simples bom srnso he que a
.me de concertar e pur em seu estado normal
a machina cnmplicadissiina do corpo humano,
arle que foi, he, e ser sempre acompanhada
de snmmas dificuldades, seja entregue as
nios de homens ignorantes, desconhecedorrs
de todos os estudos previos e iodispensaveis, e
que s teem porjguia o ceg empyrismo d'uns
livrecos e d'uns catlogos de receituarios abs-
tractos que postos a dlscripcao de tal gente,
bajase Ihes pode dsr o titnlo de Livros de
oblersO que se nflo caa com as minhas ideias
be, que o povo, s porque compde-sc de ho-
mens, irmaos meus era Jess Christo, seja in-
dis (infamente idneo para curar.O epigram-
macitado be contra os mdicos: e se medico
vein do latiiu medicare, que quer dizer curar,
applicar remedios, etc., segue-se que essa sa-
lyra pode servir para todos os que appllcam
medicamentos, quer aeja pela allopalhla, quer
peUflkamceopalhla pura ou homceopathia com-
po^Hpdrosudopatha, ou outro qualquer nif
thdapEcabado em ptthit.
IVruiiiii agora que adiando a vossa resposta
que principia Segredo nao senhor para
inelhor ordem e clareza da discussao ru paise
ao vosso trecho imuiedlalo onde me afirnuies,
(cusa a crr) que homceopathia nio he um tyt-
lema.mai o quer que teja detligado de toda a relacto,
com o que si chamam tytlemu de medicina. Com
i licito, Sr..nunca espere! que vos lio Instruido,
1# s;!!;d;, corrff ??!;, c'. u;ss ssaain
3ue tanto avilta, tanto degrada e Unto deve
esacreditar n conceito das petsoas Ilustra-
das, a vossa chara, a vosia umnorada boiuoeo-
palhia 1 Os nosso conhecimentos que taes nao
podein estar sob o imperio da raso das rapso-
dias: devem pelo contrario formar um syste-
ma, nica forma, pela qual pdem elles firmar,
eaecelerar os fin esSenclaes da rasao humana,
nflo tlnde a ser qualquer systema, seno a uni-
dad* de diversos conbecimentoi debaixo de
uina Ideia : e ninguem at hoje procurou estay
beleocr, urna seiencia, se un Ihe dar uina dla
por fuiidaivut i: c a architectouica ou aaric
dos tysiemas be asua explicacao, o seu desen-
volviuieuto racional ou theorla.
Esta be a tal respeito a doutrina crreme de
todo* ospbilosophos desde Aristteles alRant.
E seahomceopsthia nflo he um systema; o que
he esta densa na ordein dos conhecimentos hu-
manos Seta toda divina? A theologia o he,
todos a reconheeein por orna seiencia, e por
consrguinle Una sea aylienta ou ufcidade.
Tudas os V9SS9S dotoies.e nflo dotores nio teem
cessado de proalamar a homceopathia como
una seiencia mui alia, mui sublime. Vos mei-
ino, Sr., eserrvestes que de proposito vlestes a
IVrnainbueu (por inlssao divina, toda em pro-
veito mta) sd para ditcutirdei coramlgo (en
ikio mereca tanta honra) aobre a theoria, a
>>ralica'fcomeeap5tt!oa. E enmo coacebels vos
ragrapho, que ficou adiado, a seguinte prc-
posif;oA naturera he assim que sem me-
dico alcance as mais brilhantes curas es-
pontaneas, que sSo perfeitamenlc h imcso-
pathicas.Se vos, Senhor, procurastes dar-
me quinaos em qualro versinhos de urna
fbula, e at na observancia da raridade
christs, nflo me eslranhareis, que aqui eu
volos d bem clarse evidentes a respeito
do vosso mesmo o quer que leja, ou a ho-
tnceopathia. Essa vossa proposito he o
contrario do que vos ensina o fundador, o
patriarche, o orculo Jo referido quer que
seja, quero dizer o colendissimo llahne-
mann na su obra entituladaExposicSo da
Doutrina Metical, ou Organon d' Arte de
enrir, traduzida do tlletnSo por Mr. Jour-
dsn.--Vs alrmaes, que a natureza alcan-
ca brilhantes caras espontaneas : Mahne-
mann, portn, procurando combater o sys-
tema allopathico diz assim.--Limilhram-se
a seguir marcha da inslicliot natureza] !
Nos esforeos, que esta lenta, e que silo
corosdos de um plido successo as mo-
lestias agudas pouc intensas : o nislo nao
zeratn mais do que imitar o poder vittl, o
qual, repouaando nicamente sobre as leis
orgnicas do corpo, tambem nflo obra, se
nflo em virtude dessas leis tem raciocinar,
tem reflietir lobre os seus actos. Copiaran) a
qrotteira natureza, a qual nio pode, como
um cirurgiflo intelligente, ajuntaros labios
abertosdeumachag, etc.. .A natureza do
homem entregue a si mesma no s) pode
salvar das molestias gudas, se nflo pela
destruirlo e sacrificio de urna parte do mes-
mo organismo ; e se se nflo segu a m
RECEREDOWA DE RCNDAS GKRAE8
"TERNAS.
Itaodimento do dia 11......899,8
CONSULADO PROVINCIAL.
RenJlmento do diall......9:946,814
retificacaO.
0 prego do algodllo publicado na revista
commereial do Diario de hontem deve ler-se
de 7,900 a 7,300 rs. a arrobas
em^mmwmmmMammmmmmmmmm
Movtmento do porto.
y avio entrado no di* II.
Ceir 39 diaa, sumaca braaileira Flor do
hngelim, de 99 toneladas, capitflo Bernar-
do de Souza, equipagem II, carga varios
gneros a l.uit Jos de Sa Araujo Con-
duz.Sesera vos a entregar.
A'avio tahido no miento dia.
Porto-Seguro -- Lancha nacional !t. 3. da
Penha, mestre Jos Antonio Dias, em
lastro.
Deca rages.
Viliuinl-trnro do patrimonio dos
rp linos.
Perantc a admlnistracilo do patrimonio
dos orphflos se ha de arrematar a quem por
menosIIzeros reparos deque precisan) o
moro exterior, baaibeiro c levada do colle-
go dos erphafos em Olnda, avallados em
590,840 rs. : as pessoas que se propozerem
arrematar ditos reparos podero compare-
cer na casa das sessOes da administracSo em
o dia 14 do presente mez, pelas 4 horas da
larde Secretaria da administracSo do pa-
trimonio dos orphflos, 8 de novembro de
1850. JecTa Framlieo di Chaby, secretario
comprnilila le beberibe.
O director da companhia de Bebiribe con-
voca a assembla geral dos Srs. accionistas
para O dia 15 do corren te as 10 horas da
mantilla, fim de se dar cumprimento ao
despeito no art. 17 dos estatutos e de se tra-
tar acerca do quinto dividendo. Escriptorio
da companhia do Beberibe, de novembro
de 1850.
oior-
s V
le, a harmona da vida, e di saude
pode reiabeecer de um modo lento, e in-
completo. Finalmente tola a marcha das
operaces, pelss quaes o organismo procu-
ra por si s (espontneamente ) desemba-
ra{ar-se das molestias, de qu>s he accom-
meltido, nflo faz ver ao observador, se nflo
um tecido de solfamentos, e nada Ihe mos-
tr, que elle poss, ou deva imitar, se qui-
zer exercer realmente a arle de curar. ^a
A' vista, pois, deata doutrina tilo cfm,
tSo positiva, tilo terminante do mestre, do
Dos do quer que leja, o que vem a sor 6ri-
Ihnnttt curat etponlaneas alcanrada pela na-
tureza ? Ser crivel, que vos, Sr. Jollo Vi-
cente Martins, prelendaes dar dos vossos
quinaos no propiio Hahneman fundador do
nunca asss aplaudido o querqueieja ? Ora
supponhamos, que all qualquer piegas.
homem do povo ; mas meu irmflo em Jess-
Christo, ac per comequene muito capaz para
exercer a arte de curar, quera dar-'! a ca-
ridosa especulado do tal o quer que icis : a
quem acreditara neste importantissimo
ponto, a vos, que dizt-is, que a natureza
faz curas brilhantes, e espontaneas, ou ao
soberano llahnemann, que chama a natu-
reza urna grosseirona.e allirnia, que o po
der vital nflo raciocina, nSo reflecte, que
todas as operacesdo organismo de nada
servem per si para curar ? Decida a sabedo-
ria popular.
Aqui me vem a pello urna objecfflo, que
me parece indestruclivel. Ei-la.llahne-
mann, como acabamos de ver, sustenta
conlra a vossa alias respeitavel opiniflo,
que a natnreza, o organismo, as (oreas vi-
taes par si s nada curam. Maa a base fun-
damental da homceopathia, desta teja o que
(dr, he que a dse medicamentosa forma no
corpo humano urna enfermi iadn aemelhan-
te, a qual enfermidade artificial expulsa
natural. Ora, expulsada esta, Oca neces-
aariamente a outra. E quem Ibe expedir
o mandado de despejo P A natureza, o or-
ganismo, as forcas vitaes n3o ; porque tudo
islo be ceg, he bruto, he irreflectidb, na-
da faz per si s. Quem ha de pois, operar
esse milsgre, ou essa feiticiria? Outra d-
se bomceopsthica, nflo he assim ? E neste
caso teremos um circulo vicioso, um con-
summo incaanle, e eterno das cousinhas
das cartoihnhas. Senhor, vista de tan-
tos, e tflo alvares absurdos, eslou quasi
ajs cuivsco, que a luuiceopaUia nao
he seiencia, nflo tem systema, lie um quer
qut leja, que em materia de principalmente nio
he anua de maior aquella. Parabolam nano :
paremos aqui, como traduzia o leigo ; e
ir por dianle.
O padre, /pe Gama.
comm^io.
Theatro de Santa-Isabel.
99.' RECITA DA ASSIGNATORA.
Quarta-fcira, 13 ala novembro de 1850.
A companhia nacional representar
excedente drama em 3 actos
D. MARA DE ALENCASTRO.
Terminar o espectculo com a nova
bella comedia em um acto
l.milln travessa.
Comecar* s 8 horas.
Os hilhetes acham-se venda no logar do
coslume.
I
Para o CearA.
Espera-s com toda a brevidade de Lis-
boa com destino aoCear, o brigue nacio-
nal Emprea, forrado e enoavilhado de co-
bre e de superior marcha; detnorar-se-ha
aqui 19 das, e recebar carga e passagei-
ros : trata-ae na ra da Cadeia do Recife n.
17, segundo andar.
--Para o Rio de Janeiro a escuna nacio-
nal Jlerenici, pretende seguir em poucos
dias : quem na mesma quizer carregar ou
ir de passsgem, dlrija-se a Olveira, Paiva &
Companhia, ra da Alfandega Velha n. 5.
Para a Baha sahe em poneos dias por
se achar com parte da oarga prompta a au-
mca nacional Cafla, para o restante da car-
ga e passagelros trata-se com o consignata-
rio da mesma Luiz Jos de S Araujo, na
ra da Cruzn. 33.
Para Lisboa o brigue portuguez Coneeica
de Mara, pretende seguir por todo o mez
de novembro, por ter a maior paria da car-
ga prompta, quem no mesmo quizer carre-
gar ou ir de pasaagem, dirija-se aosaeus
consignatarios Thomaz de Aqutno Fonaeca
V Filho, ra do Vigario n. 19, primeiro
andar, ou ao capitflo, na praca
Para o Rio-de-Janeiro sahe,
com a maior lirevidado poasivel,
por ler parte de sea carregameato
engajado, a barca nacional Ame-
rica, de primeira marcha, com
urna rica cmara para passageiros:
quem na mesma quizer carregar,
embarcar escravos, ou ir de pas-
segem,dirija-seao capilao na pra-
ca do Com mere i o, ou a Novaes &
C. na ra do Trapiche, n. 34
Leiles.
Ptiblimcoes Iliterarias.
Johnston Pater & Companhia farflo lei-
18o, por intervengo do corretor Oliveira,
de um geral sortimealo de fazendas ingle-
zas, todas prop'ias do mercado l quinta-
reir, 14 do crrante, a 10 horas, no seu ar-
mazent, ra do Vigario.
Schapheitlin & Tobler farfio leilflo, por
interveneflo do corretor Oliveira, de grande
sortimento de fazendas de seda, linbo, ISa o
de algo ISo as mais proprias do mercado :
terca-feira, 19 do correte, s 10 horas da
manlia, no seu armazem, ra da Cruz.
O corredor Oliveira, far leilflo por
con la e risco de quem pertencer, e em pre-
senta de um Sr. delegado do Illm. Sr. ins-
pector la alfandega, de tres mastos gran-
des, urna verga, um gurip e urna baleaira
com sete remos ; sexta-feira, 15 do corren-
te as 10 horas da manhfla, nos armazens do
trapiche do Ramos, onde os pretndanles
poderfio examinar ditos artigor coui aotici-
paeflo.
ALFANDEGA.
Rendimentododia 11.....91:877,310
Deiearreqam Ae> 19.de noeeasero.
Barca Stoord-Fih mercadoriaa.
Brigue Carolim bacalbo.
Brigue Sprau dem.
Brigue Solee lijlos.
Patacho .Sania Cruz gneros do paiz.
CONSULADO GERAL.
Hendimento do dia 11.
Diversas provincias. .
9:149,503
903,685
9:348,188
l'ara qnantoa presam a religlo,
-apledadee os bous costames.
Sshio finalmente luz oj annunciado
opsculo com o titulo Observacoes erl-
tlcnsaobre o romance do Sr. I0u-
?enlo Sur, o Jndeu Krrunte, onde
sa mostram as impiedades, e o rencor desta
obra contra a sacrosancta religiflo de nos-
sos pais, e faz-se a victoriosa defeza da
mui digna, e prestimos companhia de Je-
ss. Vende-se em S.-Antonio na loja do II-
vro azul, no pateo do Collegio. e na Boa-
Vista, botica do Sr. Csmeiro, a dezlustOes
cada exemplar.
A famosa ti(3osobre a pena de morle com-
posta, e dictada na universidadede Pisa pe-
lo respeitavel Carmignani um dos maiores
criminalistas da Europa, est traduzida do
italiano em vulgar pelo padre Lopes Cama.
Vonde-se em Santo Antonio, na loja de li-
vros que foi do fallecido Dr. Coulinho, na
esquina do Collegio ; no bairro do Recife,
na loja de livros do Sr. padre Ignacio; na
Boa-Vista, na botica do Sr. Gameiro; em
Olinda, ra do Amparo, botica do Sr. Ra-
poso. Preco dez tostes.
Sahio luz o drama Arco-Verde ou
a Gloria dos Tnbayrs, e desta abra
apenas reslam 96 exemplares a dispor, os
quaes se acham a venda na livraria da pra-
ca da Independencia, ns. 6 e 8, a 9,000 rs.
Os Srs. que subscreveram, e a quem por
se ignorar asua morada, nio se tem man-
dado entregar, pdem mandar recebe-la na
sobredita loja.
Avisos martimos.
Para Luanda com escala por Benguella
o brigue portuguez Oriente pretende seguir
roma maior brevidade posslvel, por tero
seu carregamanto completo, apenas recebe
alguna carga miuda o passagelros, para o
queofferece os melhores commodos : trata-
se cornos consignatarios T. de Aquino Fon-
aeca & Filho, na ra do Vigario n. 19, pri
meiro andar, ou com o capitflo na praca
Para o Asad
sahe, em poucjs dias, o brigue brasileiro
Conceirao, do qual he capitflo Manoel Fran-
cisco dos liis: quem no mesmo quizer
carregar ou ir de pasaagem, dirija-se a Ma-
noel Alves Guerra Jnior, ou ra da Ca-
deia dn liecife. n. 38.
Tara o Cea t.
O hiate Ligeiro, por ja ler parte de seu
carregamenlo engajado, para o resto e pas-
sageiros : trata-se na roa do Vigario n. 5.
Vende-se o patacho nacional Curioio,
prompto deum tudo para seguir viagem,
forrado e pregado de cobre, de lote de sete
mil arrobas, pode ser examinado no anco-
radouro do Forte do Mallo: a tratar com o
consignatario do mesmo Luiz Jos de S
Araujo, na ra da Cruz n, 33.
Para a lialila pretende seguir viagem
at o dia 15 do corren te mez a sumaca na
cional Carlota, por ler a seu bordo doia ter
Cos da carga : para o restante e passageiros,
trata-se com o mestre da mesma, Jos Con-
calves Simas, ou com o consignatario, Luiz
Jos de S Araujo, ra da Cruz o, 33.
l'ara o itlode Janeiro
o brigue nacional Falle, novoe de primeira
marcha, segu com brevidade : quem qui-
zer carregar, ou ir de paasagm para o que
tem excedentes commodos, ou escravos
a frele, dirija-se ao capitflo Candido For-
jas de Lacerda, ua praca, ou a seu con-
signatario Manuel Ignacio da Olireiro, na
prsi do Ccss^Sra: 8. ^
Avisos diversos.
etari al;
iilioaBre
de Santi
Quem precisar deum padeiro de todo
aervico, procure na ra do Rangel, no de-
posito da padaria que volta para a ra da
Prai.
O abaizo assignado, propriei
urna padaria sita na ra de Domini
n. 44, e do deposito sito na praca de Balita
Cruz n. 4, faz sciente a qualquer pessoa que
ae julgar eredora a ditos estsbelecimenlos
hajam de se entender com o mesmo pro-
prietario. Kndr Nauzer.
A pessoa queannunciou querer com-
prar o Universo Pitoresco, dirija-se ra da
Cruz, armazem n. 7. '
Aluga-se urna grande sala forrada de
papel com dous quarlos, muilo propria pa-
ra escriptorio de advogacia, situada em urna
das principaei ras do bairro de Ssnto An-
louio : quem quizer, dirija-se ra do Cres-
po, loja n. 3.
Aluga-se urna boa casa na Caponga,
m'lito perto do rio, com commodos para fa-
milia e com quintal murado : aluga-se al
o mez de junho ou julho : quem quizer di-
rija-se ra do Palacete, casa pegada is-
quina onde mora o escrivflo de paz.
D3o-se 500,000 rs a juros sobre periho-
res de ouro e prata : do Aterro da Boa Vis-
ta n. 49
Jos Joaquim da Costa Maia comprou
por coala e ordem de Aulflo do Sacramento
Rosa, do Urejo da Madre de Dos, um malo
bilhele o. 148 da lotera de N. S. do Livra-
ment.
No dia 14 do corrente, ao meio-dia, se
lia de arrematar em leilflo judicial pela se-
gunda vara municipal, a loja de Manoel Fer-
reira Ramos, na ra do Crespo, e a parte
que o mesmo tem na casa onde existe a lo-
ja : o que tudo he feito por aecrdo dos ere-
dores e o mesmo Ramos.
Precisa-se de um moco para caixeiro de
loja de ferragens : na ra do Queimado n.
37 A.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado
da ra do Rangel n 59, com doas salas,
duas alcovaae tres quarlos i a tratar na li-
vraria ns. 6 eBda praca da Independencia
Precisa-se alugar urna cadeira ale ar-
ruar por um ou dous mezes, ou comprarse
estando ella em bom uso : na ra do Cabu-
g,Rijan. 9.
--OilAm nraciur da lima ama nara caaa Ho
homem soleiro ou de pouca familia, falle
na ra de Hurtas, casa n. 6.
> Quem quizer comprar urna casa terrea
noa Afogados, ra de San-Miguel n. 16, di-
rija-se a,ra do Raogel n. 9, venda.
- Na ra da Concordia n. 6, fazem-se bo-
linbos francezea dos mala linos e superiores,
assim como tambem enfeilam-se bandejas
com asseio e promplidflo.
Preciaa-ae de urna ama de lei te forra ou
captiva, que aeja aadia : na ra Velba n. 109.
Aluga-se urna casa terrea na ra da
Gloria : a tratar na ra do Cabug, loja de
Joaquim Jos da Coala Fajoze.
Aluga-se urna boa caaa na Capunga,
pelo tres mezes da festa : na ra do Cabu-
g, loja n. 3
uem tiver dous escravos para alugar,
Sara andarem com urna peasoa vendendo
zondas, dirija-se a ra do Queimado n. 3,
que se dir quem precisa.
-Oval de 900,000 ris do Sr. Joaquim
Matado Albuquerque Lina, passado a 15 d>
outubro prximo passado, e perdido na noi-
te de 9 para 10 do torrente. Oca de nenhuu.
effeito, por ter o mesmo senhor pasudo
ouftv.
Novo estabelecimento de ctitela-
Inflan, ra Nova n. 36.
Jos Pradines.cutileiro earmeiro, partici-
pa ao respeitavel publico desta cidade, e
principalmente a seus freguezes, que ma-
dou o estabelecimento que tinha na ra lar-
ga do Rozario ara roa Nova a. 36, confron-
te a igreja da Conceicf o, sonde o acharflo
prompto a exeeutar qualquer encommenda
de sua arte com a maior perfeiclo posslvel
e pelos precos mais baratos do que em ou-
tra parle. 0 annnciante tendo ltimamen-
te recebido de Franca um grande sortimen-
to de objectos de sua arte aoba que aeria
fastidioso de os enumerar nesta follia, po,
rom elle mencionar ossettuintes : oavalhaa
superiores as que tem viodo al agora, te-
souras para alfalales, costureras e cabol-
lereiro, um lindo sortimento de tesourai
linas para senboras, ferros de cirurgis, ditos
de dentiata, caivetes de urna at seis fo-
Ihas, leeouras de hortelBoe facas de mesa.
Elle tem tambem todos oa preparoa neces-
sarios aos cacadores, como sejam : espin-
gardas, sacatrapos, polvarinhoa, boleas de
caca, espoletas, ouvidos de espingarda, ele.,
etc., etc NSo se falla da qualidade desses
diversos objectos, que o aonunciante am-
anea ser superior, elle tem um grande sor-
timento de fundas, e tem ac superior e fo-
dido de todas as grossuras. Todos esses ob-
jectos gerSo patentes ios compradores e bao
de agradar pelos precos rssosveis. O an-
nunciante para accelerara execueflodes en*
commendaS que ae Ibe flzer mandou vir um
ofllcial de Frapga, o qual ebegou no brigue
Citar, eseaehaem exercicio no estabele-
cimento cima. Amola-se sempre as ter
cas-feiras. quintas e sabbados.
Precisa-se alugar urna preta catira para
o aervico de urna casa de pouoa familia :
quem tiver annuncie por esta folha, Ou di-
rija-se a ra da Cadeia do itecife n.56.
O Sr. que por engao ou por graca le-
vou para sua casa, na noile de 6 do correa-
te, urna bengala de eanna da India, com caa-
tflo de cornalina, que eslava guardada no
botequim do theairo de 8anta-Isabel, baja
de manda-la entregar seu verdadeiro do-
no, em o sobrado n. 41, segundo andar, na
ra do Rozario eelfeita ; do contrario lera
de ver o sea nome por inteiro neste Diaria.
Precisa-se de urna ama para casa de
pouca familia, que aaiba coser e engom-
mar: na botica da ra larga do Roflafo
n. 36. '
O abaixo assignado corretor geral tes-
ta praca avisa ao respeitavel publico, que
tem estabelecido o seu escriptorio e arma-
zem para receber qualquer meresdoria, na
ra do Trapiche n. 40, e all encontraran ef-
ectivamente o Sr. Ino, Edwin Robera, eom
quem podero tratar sobre qualquer traos-
ceflo commereial, visto tero abaizo as>
signado conferido ao dito Senbor Ro-
berts, (seu bastante procurador) nio s
a direcrjSo do seu estabelecimento co-
mo os necessaros poderes para Armar
qualquer trato deresponsibilidade. As
materias essenciaes a que se prope o abai-
xo assignado silo ss segaintes vender e
procurar venda a toda O qualquer mercado-
ra, tanto em particular como em leilflo, e
pela forma que determinaren os seu* res-
pectivos rinos, eomorar qualquer genero
de exportado, agenciar deeeontos de let-
tras, despachar navios, tanto na alfandega
como no consulado, traduzlr manifest*, e
finalmente toda e qualquer IraJisaecfl que
seja relativa ao referido lugar : tudo medi-
ante urna mdica corretsgem.
Miguel Carneiro.
O Sr. Manoel Dias de Toledo tem urna
carta na rus das Cruzes.'n. 40.
Aluga-4o segundo andar do sobrado
n. 82 da ra Direita cem bastantes commo-
dos : a tratar no primeiro andar do mesmo.
0 abaixo assignado faz sclenle a todas
as petsoas que goatam de comer peixe, que
querendo agulhas, agulhdes, ou outra qual-
quer qualidade de pelxe de curral|, dirija-
se a Fra-dc-Porlas, n. 95, que de urna hora
da tardiBm dianle, llavera do dito peixe,
e se guardar para aquellaa pessoaa que o
encomaiendarem. Damlnfoida Botar.
Hypotlieca-se urna cata dn pedraecal,
no largo de N. S. da Paz noa Afogados, |
200,000 rs. : em Fra-de-Portas, o. 92
Aluga-ae um molecote esp
boa conducta, para o aervico
urna casa ingleza : quem tiver ac
O Sr. Francisco Bento de olveiTa, que
se declarou aulor do aonuncio nserlo no
Otario de 7 do corrente, 'pode qnando qui-
zer diriglr-ae a MarcetlMo flenriques Pe-
rcira, com reeH legal para recebar o (rete
de que trata o seu annuncio.
D-se dinheiro a premio, sobre penbo-
res de ouro e prata, em pequeas quantias.
no Aterro-da-Boa-Vista, o. 73, loja de cera;
Luiz Epifana Mauricio Wanderley, quo
ha aonoa ae oceupa em agenciar os negocios
de varloa Srs. de engenno nesta praca, a-
chando-se habilitado para receber maior nu-
mero de correspondencias se offerece para
agenciar a venda dos assucares daquelles
Srs. que se dignarem consignar-m's petos
maiores preces da praca, eo8iprar-J.be* to-
das as encommendas, sejam da qnajtnture-
za forem, pelos menores preeos pBaaiveia
e mesmo forneeer-lh'as a prazo, tendo cas
preparada para as sua* aasistencias e de
seu* recorjimendadoa, e eumprindo todas
as auas ordena : tudo uto sem inU'resse al-,
gum, liramio apenas a cummsaao ae uuu
por eento obra a vaadadoa aatueare* : na
ra da Florentina, caaa da esquina confron-
ta aooitflo do theatro novo, cuja caaa tem
lampeflo e jaoellaa envidraceda*.
Precisa-sede urna ama de leile: na
ra Velha, n. 102.
--Joaquim Itibeiro Pon tes faz aciente ao
publico, que desde o di* 5 So correte, dei-
xou de ser seu caixeiro o Sr. Manoel Jos
Mechado.
Aluga-se uma cas* no Poco da P*s4l*
com bous commodos para grande familia,
estribara para quatro cavallos. boa *go*
de beber e jtrdim ua frente; adverlarff
maiaque a dita caaa lia murada e
lem um grande copiar tapado, com frente e
sabida pava o rio : a tratar na ra do Tra-
piche, armazem n. 44.
Sfjooode gratifleacio
i-e s quem aehou un mlho eom seis
chaves, do Recife ponte de Ucha, e dalli
al a Pasaagem da Magdalena, na ra do Tra-
piche, rmazem n. 44.
- Aluga-ae para passar.a festa uma ex-
peliente casa ao Monteiro, com muitoa com-
modos. perto ,do banho ; dirijam-fs tra-
I vessa do vera* cas* do Sr. Trataiao.


**
31
Jos' Soares de Azevedo,
profcssor de linga franceza no ly-
ceu, tem aberto em sua casa, ra
das Triacheiraa n. 19, um curso
de GEOORAPBIA HISTORIA, e Ol-
tro .de RHF.TomrA e potica. As
peasoas que dezejarem estudar
urna ou outra destas disciplinas,
podem dirigir-se indicada resi-
dencia a qnalquer hora.
Alugam-se B cinoeiros forros oo cap-
tivos. dando-lhe boto ordentdo mensalmen-
te,.eo sustento ou aeeca, para confluzi-
rem lijlos cm duaa canoas, do remedio pa-
ra o Recite : a tratar oa ra larga do Rosa-
rio, padaria, n. 18
Um moco portuguez, qaa tem bastante
pralica de'venda, se offerece para caiseiro,
oumesmopars tomar conta por balando,
para o que di fiador i sua conducta : quem
de seu prestio se quizar utilisar, Jirija-se
i ra Direita, n. SS.
^fe Chapeos de sol.
"^ Roa do Passeio, o 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimento destes objectos de todas as co-
ros e qualidades. Unto de seda como de
panninho, por precos commodos ; ditos pa-
ra senhora, de boro gosto : estes chapeos
alo feitos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mesma
casa se acias igual sortimento de sedas e
panninho imitando sedas, para cobrir ar-
macfies servidas : todas estas fazendas ven-
dem-se em poreSo e a retalho : tambem se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
basteas de ferro como de balis, assim como
umbelas de igrejas: tudo por preco com-
modo. Na mesma cas* ha chapeos de sol,
de marca maior, de panno e de seda, pro-
prios para feitoresda engenho, por serem
dpi miia fortes que se pdem fabricar.
2oot$ooo.
Fugio, oa noite do da 14.do correte,
o preto Luiz, crioulo, representa 28 anoos,
de eatatvra e corpo regulares, ,um pouco
fula, olhoa um pouco encovado!, tem fal-
ta de 8 denles do lado superior, pouca bar-
ba, oom alguoias cieatrizes pelas costas e
um taino as costas da mo esquerds ; le-
tou camisa branca e calcas de riacado de
algodo cor de caf, cbapo de palba j
usado : este escravo tem principios de sa-
pateiro; beofflcial de colcboeiro e traba-
Iha tambem de selleiro ; ba noticias que ha
pouco*das passou era Goisnna, intitulan-
do-se tangedor de boiada e levava aguiada
na mi ; deaconfla-se que elle siga para o
centro, aonde elle tem conheciraentos, a
mosmo ser natural do serl3o Roga-se as
autoridades policiaes e capitaes de campo,
Sue o spprehendam e levem-no i ra do
aboga, n. 3, toja de selleiro, de Antonio
Ferreira Braga, que gratificar com a quan-
tia cima.
Quem quizer comprar urna lettra do
Sr. Dr. Honorio Fiel Sigmaringa Vas Cura-
do da quanlia de 110,280 rs. annuncie pa-
ra ser procurado, que todo negocio ae faj
Um moco nacional, o qual di conheci-
mento a sua conducta, offerece-se para ar-
rumando de venda, armazem de assucar ou
outro qualquer, eslabelrcimento, quem de
aeu prestalo quizer utillstr-se djnja-sn a
ra da Cadeia do ftecife, loja de ferragen?
n. 56 ou annuncie.
Precisarse de um caixeiro de 12 a 13
annos : na ra do Itozario da Ba-Vist
n. 5.
-Offerece-se orna mulher parda para
ama de urna cesa de borneo) solteiro : na
ra das Cruzes, o. 4.
OSr. Fiederico C. Ellester comparece
naesquins da ra do Cabugi, loja n. II
queae lhedeeeja fallar.
-- Arrenda-s*. e tambem permnta-se por
urna casa de aobrado de dous sndsres nos
luirroa de S-Antonio, OU Boa-Vista, com
com modos sufflcienles para grsnde familia,
um sitio niuito perlo da praca, por ser logo
ao sihir ds Soledade para o Manguind,
com nSo ooucos arvoredos de fructo, cho.-
proprios, com grande e decente casa dn so
brJavAsotlo, toda envidiac>da, contendo
15fl arios, um alegrle na frente, e est
toS aMaVa e engredada, co-n dous ele
BaMSPavMcs de ferro, oom qualro colum-
nas, em cila das quaes descansara mag-
nficos leOes, e no fundo outro portSo, duas
grandes estribara para 7 cavallos e 2 co-
chelras, casa para pretos e cozinha, grande
poced'agoa da beber tanque para banho
a pesaos a quem con?ier este negocio, ou
arrendamento, dinja-se ao raesmo sitio, a
qualquer hora do dia, a tratar com o seu
propietario, que, no caso de effeituar se
dito arrendamento, ou permuta, vender
um carro de ? rodase urna boa parelha de
cavallos.
Quem precisar de um rapaz babil para
cobranzas, ou veoda, e mesuio para al-
gume pequea eacripturacSo, dirija-se i
ra do Trapiche, n. 31, casa dos Srs. Moraes
& C., ou annuncie por esta folha.
Sabio luz 0s na. 5e6do Hel
losexo,* acliau-se renda nos]
1 ligares ajb eostume.
l'recisa-ae alugar urna preta para o ser-
vico internode uuia casa, e que engomme:
na ra da Cadeia de S.-Antonio, o. 14.
Aluga-se, pelo lempo da festa, ou por
inau, o uieaOMi irou-oo >iur preuioa oetta
cidade, ou vende-se um sitio na Passsgem,
entre aa duaa pontea : na rus da Cadeia de
S.-Antonio, o. 14.
Precisa-se alugar urna ama para criar
urna creanca de pouco* dlaa de naseida,
com tanto que seja de fra da praca : tra-
ta-se na roa da Cruz, no Hecife, n. 13.
Precisa-se alugar urna ama para casa
de peora familia, para comprar, e que en-
gomme e cosinhe o disrio de urna casa ; na
rua'to Fogo, caga tarrea i, .,
* nevase ao Sr. segundo-tenente da Ba-
ha Jos de Cerqueira Lima, que mande
pagar o qae comeo, o qaal nflo ignora aon-
de, etc.
Declaramos que nasta data temos en-
tregado ao Sr. Antonio l.uii dos Santos os
livros borrador diario e lin meatre perten-
ce'utes 4 massa fallida de Jos Msnoel Mon-
leiro Braga para que o dito Santos promo-
vi s cobranca das dividas pelos mois ami-
gaveia, e nos entregue o seu producto para
pagamento de todos os credorea. que re-
I a*f utamos, e p*ra este fim I be damos s
competente antorisacao. E na qualidade
de nmMiradOiea ncnsdo "S to Jo* 0a
crodores psssamos a presente. Reclfe, 3
le setembro de 1850. Hmry Glbton. P.
P. de Dtane Youfs l C. -Alfredo Toule,
Quem precisar de ums ama de leite
forra e com muito bom leite, procure na
travesea do Corpo Santo n. 27 segundo
andar.
Inrtrucco primaria.
Francisco de Sales de Albuquerque avisa
o respeitavel publico, que ji prncipiou a
funccionar, no da l. de setembro prximo
passado, a sua aula de primeiras lettras es-
tabelecida na ra do Mondegon. 44. O an-
nunciente contina a recebar alumnos ex-
ternos, pensionistas e maios pensionistas;
e promettedisvellar-se pela educacflo.dellea
Sobre todo para aquelles que moram fra
da praca, a aula do aonunciante offerece
reconbecidas vantageos, atienta a aua loca-
lidade o distribuido interior, embaraco
com que lula a educado primaria dessesme-
ninos. Aquelles que possam duvidar da sn-
ceridade das promessas do annuncisnte, e
Ihe supponham encarecimento por proprio
intereaae, poder-se-bBo desengaar dirigin-
do-se pessoalmente i casa doannunciaote;
e ahi verti i par de urna inleira regulari-
dade com modos domsticos que mais de
accordo se possam achar com o bm estar
e sade dos meninos. O snnunciante espera
que o respeilavsl publico, compenetrndo-
se da verdad de auaa protncsaas, liherali-
sar-lhe-ha proteccSo e benigno acolhimento.
!
Paulo Galgnoux, dentista
franeez, offerece eu prest-
ino ao publico para todos os
niyuterlox de sua pronVso :
9 porte ser procurado a qual-
9 qner ora em sua casa, na
ra larga do Rozarlo, n. 36,
9 segundo andar. a
9mmmmm99tf^
Aluga-.ss, ou vende-se o sitio da Casa-
Forte, com bos cssa, 25 ps de jaqueiras, 6
dejambeiros, bastantes larangeirase outros
muilos arvoredos, grande planta de caf;
denominado sitio dos Arcos, que foi do fina
do Francisco Bernardo da Cunha Pereira,
lioje de sena berdeiros : quem o pretender,
dirija-ae a Casa-Forte, a tratar com o Sor.
Jos-Ignacio, ou com a viuva D. Josepba
Joanna do Sacramento, qoe mora do sitio
ta pitombeira defronte do sitio do coronel
Francisco Jacintho
- Precisa-se de um hornern para feitor de
sitio, qpe techa intelligencia de seu ofDcio,
e d fiador i sua conducta : na ra do Col-
legio, n. 13, das II horas da manha as 3
tarde.
No dia. 13 do correte furtaram da ca-
sa de Jos da Rocha Paranbos, um relogio
de ouroaabonete patente inglez, com cr-
reme, o. 9,068, fabrieante J. Jackson Liver-
pool : quem o apprehender ou delle der
noticia ao snnunciante, ser recompensado.
O Sr, Francisco Antonio da Silva, que
teve loja de lonca na roa do Rangel, queira
mandar reeeber urna encommcnda, na pra-
ca da Independencia ns. 6 e 8.
Eogomma-se a lava-se toda a qoslids-
de de roupa com todo asseio e muila promp-
lidSo, por preco mais commodo do que em
outra qualquer parte : na roa de Agoas-Ver-
des, n. 26.
1 Precisa-se alugar um cozinheiro forro
ou captivo, para urna casa eslrangeira de
uouca familia : paga-se bem > na roa da Au-
rora SMC, segundo andar, das I ii 8 ho-
ras de^lV *
diante.
os pontos essenciaes dn .mcinlina da igreja,
sacramentos, despcnsis, reiiMiraa, impedi-
mentos, etc., etc. pelo atibarte D. Prospero
ab Aoville* ', 5 vol.
Voz de Jess eliristo pela bocea dos
parochos dos pas de familias; 5 edicSo em
1849.
A voz do pastor discursos familiares
de um parocho aos aeus freguezes, 4 vol.
Voz evanglica deum parocho aos
seus freguezes, ou nova eoUecSo de pra-
licas2ve4.
-- Na ra das Cruze n. 22, segundo an-
dar vende-se umaescrava erioula de 26 an-
nos, bonita figura ptima engommadeira,
costureira e cozinhelra, tsva de ssbSo.
Vende-se una carraca muila boa, as-
sim como um opiio c. lio pars a mesma:
na ra Nova n 61.
A. CIDADE DE PAR 15.
uhBa, e das 4horas da larde em
Compras.
Compram-se escravos de ambos os se-
xos, de 10 a 30 anoos, e de bonitss figuras
nalrua larga do Itozario, n. 48, primeiro
andar.
-- Compra-se urna preta moca que seja
de boa conducta, sem vieios nem achaques,
quesaiba cozinhar, engommar, e sendo que
seiba coser mellior sera; bem como um roo-
lecote que ssiba cozinhar, e que seja de boa
conducta : pagam-se bem : ua ra do Ran-
gel, n. 36, primeiro andar.
Compram-se globos grandes de vidro
ora neo, destes que veem de Portugal com
peixinhos; ns rus dss Cruzes, n. 40.
Compra-se o Universo Piltoresco, im-
presso em 1839 a 1840: quem tiver annun-
cie.
Compram-se toalhas todas de lavarin-
to : na ra Nova, n. 24, ao p do relojoeiro.
Compra-se um hsbilo da Roza i na pra-
ca da Independencia n. 19.
Compra-se um selim inglez com os
competentes srreios em meio uso : nss Cin-
co Ponas o, 63.
Vendas.
Lotera da igreja de N.S. do I.i
vramento.
Aos 5:ooo$oeo rs.
Na praca da Independencia n. 4, loja de
miudezas, vendem-se bilhetes, meios, quar-
tos, docimos e vigsimos desla lotera, que
corre impreterivelmente no dia 30 do cr-
renle.
Bilhetes 11,000
Meios 5,500
Quartos 2,60o
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Fara oa latinos.
Burros de Horacio ou as odes tie
Horacio, traduzidas de um lado com o latim
de outro, 3 volumes.
Interpretacfto dos 5 primeiros livros
ds historia romana do famoso escriptor Ti-
to Livio ; 1 volumes : no pateo do Collegio,
loja do livro axul.
A casa do livro aiul acaba de reee-
ber de Lisboa as seguales obras
importantes.
defensor da eliga* ; 3 vu
despulas com incrdulos : 2 vol. em pales-
tras religiosas ; 2 vol. bomillias para todos
os domingos e festividade principaes do
anno ; I vol. ; calhecisasocatholico.
Diccionario theolegico, obra uti-
lissima e muito necessaria para todos os
qoe desejam ter urna ideia perfeila de
tudo quanlo ba de mais importante na sa-
grada Tiieologia, neila se couloi a exposi-
cto e as provss ds reveis jBo de todos os
dogmas da fede ssnts moral;ssdiffeiente
.ipiniOes dos principaes theologos, e de
maa mala famosas escolas, os pontos de
controversias, a as mais celebres heresias;
o summario ana !s-rc Cantos dos concilios
ltua do Collogto n. 4.
Neste novo estabelecimeito se acha sem-
pre um grande e rico sortimento de cha-
peos de sol, dos mais modernos e variados,
para bomens e senboras, tanto de seda co-
mo de panninho; lindo sortimento de ar-
tnacfies de balen com cabo de marflm, e
oulras pars se cobrirem de seda, que h3o
de agradar aos compradores ; chapeos de
sol, psrhomem, de chamalote deedres e
pretos; ditos de seda de cores, pretos, la-
vrados e lisos, de 4,500 rs. para cima ditos
com armacSo do ac, muito fortes, de seda
e de chamalote ; ricos chapeos de sol, para
senbora, de lindas sedes e fraajas, todos
forrados por dentro e com cabos demar-
liin, oa mais bonitos que se pdem desejar,
e proprios para presentes de fests ; ditos
mais simples de seda com franjas e siugel-
los, de 4,000 rs. para cima ; dito de pan-
ninho imitandoseds, com franjas e sem el-
las, de 2,000 a 3,500 rs. proprios para me-
ninas aodarem na escola ; chapeos de sol,
de panno para homens. de todas as cores e
Jualidades, tanto de armacSo ds ac como
a baleia, de 2,000 a 3,500 rs.; ditos de
panno trancado, muito grandes e fortes,
com es bos de IstBoe de madeirs, proprios
para senhores e feilores de engenho ; gran-
de sortimento de sedase pannos empegas,
de todas as cores e qualidadea, para cobrir
armacOes servidas ; varisdo sortimento de
cabos de msrQm dos mais ricos, e de outras
mullas qualidades para chapeos de sol, de
liomem ; igual sorlimento de bengalas e
chicotes. Tambem se concertara e conrem-
se todas ss qualidades de chapeos de sol e
bengalas. Todos estes objectos se vendem
em poreao a a retalho, por menos preco do
que em outra qualquer parte.
Vende-se um silio pequeo; urna casa
no Poca, ou troca-si por urna preta : tam-
bem ae vendem garrafas e botijas vasias :
no Hanguinbo, 11. 35. Quem for dono de
urna a I mofada de carro, dirija-se a mesma
casa.
Madama lca Hardy, modista
braslleira, na rna Nova, n. 34.
Madama Rosa Hardy novamente tem a
sttiafacode annunciar ao respeitavel pu-
blico, que recntenteme acaba de despa-
char uro luzido sortimento devsrias fazen-
das, proprias de se ussrem na proaima fes-
ta, consistindoem ricos chapeos de seda de
differentes cores e com enfeiles mais ele-
gantes possiveis para seohors; ditos de
rica alhmba da Italia, rendados e fecha-
dos, tanto para senbora eomo para meninas
e de varios tamaitos, eom enfeiles e sem
elle.i; cbaposzinbos de abas largas e en-
tenados, proprios para meninos ; ditos de
palbiiiha redondos e enfeilados para ditos
ditos de seda com lindos enfeiles, para me-
ninos e meninas de 6 mezes a 3 annos, do
mais rico gosto possivel; rlquissimas tou-
cas de superior seda, feitas em Franca e pro-
prias para creancas de 6 mezes a i annos -
ricos afanteletese capolinhos e ios d
aples funa-cOres e oretos ; ditos de fil
ue iinho preto de gosto o mais moderno
possivel; capolinhos de fil de sed, lano
brancos como pretos, para senhoras e me-
ninas ; brilhanlissimas capailas para senho-
ras, proprias para casamenlos e bailes ; su-
periores veos de seda, proprios para ditos
ricos pescocmlos de Uldelinho bordados
para senhoras, do gosto o mais rico que
tem vindo de Franca ; camisinhas de cam-
braia bordadas para senboras, com golla de
cambraia de lioho; espartilhos de mola,
os melbores que teem apparecido nesta
praca ; um variado sortimento de trancas
de seda ; lit de liobo a da seda ; sa patos de
setim brancos; luvas de pellica para senbo-
ra ; ditos de seda de malha para ditas ; di-
las de seds preta para homem; ricos gros
de aples pretos e furla-cres, que se ven-
dem aos corados a vontado do comprador ;
cbamalote preto de grande consistencia
para manteletes; um completo sortimento
de perfumaras finas; e outras muitas di-
versas fazendas. Na mesma casa se fazem
5siisletos e capolinhos para senbora e me-
ninas, assim como chapeos de crep preto
eom inda p.foivSu: ludo por pre;c aia
commodo do que em outra qualquer parte.
Vendem-se sspatos brancos a pretos, s
800 rs. o par 1 na Llngota, n. 1.
-- Vende-se a taverna da Lingota, o. 2 :
a tratar na mesma taberna.
Vende-se urna boa escrava crioola, com
urna cria : qual cozinha bem, lava e en-
gomla pouco; nSo tem vicios, o quem se
afinca : oa ra do Hospicio, n. 32.
Vende-se, por preco commodo, um sel-
lim novo, com lodos os arreioa : na ra da
Cadeia-Velba, n. 38.
Vende-se ama cabra com dous cabri-
tinhos muito mansos, e boa leiteira .* as
Cinco-Ponas, n. 112.
Vende-se a armacSo da loja de urna
porta da ra do vrameulo, D. 34, propria
para qualquer eslabelecimenlo : a tratar na
mesma loja.
Veade-se urna mulata de ao annos, que
cose, engomma, lava e cozinha, com urna
til ta de dous mezes, proprta para ama, por
ter multo bom leite e ser multo sadia : na
ra Nova, n. 21, primeiro andar.
Vende-se urna porcio da spalos do
Arscaty, da malbor quadoj* possivel. a
800 rs. o par : na ra do Livramento, n. 13,
loja.
Vende-se um sitio na ra Direita dos
Afogados, tendo cssa com bastantes com-
modos, todo morado, com S cacimbas e tan-
que para lavar roupa, dilT-renles arvorea de
fructo, e sendo o terreno proprio: tambem
se permuta por alguma propriedade nesta
cidade : na ra Direita, n. 78.
Vende-se urna excellenlecanoa de car-
reira, calafetada e pintada de novo com
muito bom gosto, que pega 10 a 12 pes-
soas, muito bem construida, por preco com-
modo : na ra dosCoelhos, n. 13, defron-
te do hospital, casa onde ha padaria.
Vende-se urna morada de casa terrea
ns ra da Alegra, n..44, no bairro da Boa-
Vista : a tratar no pateo da ribeira, n. 21.
Vendem-se cabecadas roli-
cas e chatas ; loros e silhas : na
ra do Trapiche, n. 10, casa de
Jones Patn & C.
Vendem-se 15 saceos de feijSo anulati-
oho : na prensa de Manoel Iguacio, Forte do
Mallos, largo da assemblca.
Vende-se mel de assucar a 200 rs. a ca-
ada de 8 garrafas, sendo de urna caada
para cima : na rus da Concordia, relinacSo
franceza.
-- Vendem-se dous paUnquins em bom
estado, por barato prec,o : na ra do Caldei-
reiro, atrs dos Martyrios, sobradinho n. 4.
- O propietario do engenho Tabatinga,
sito ao norte da barra de Coiaona, tendo de
retiiar-sede muda para a cidade do Recife,
vende o engenho moente e correte, com
grandes obras de pedra e cal, bois, bestas e
at a safra que est principiando a colher :
quem ibe convier, eutenda-se com o dito
propretario no mesmo engenho, ou com o
sea correspondente na cidade do Recife, Jo-
s Antonio Basto.
Bom gosto.
Vendem-se riquissimos manteletes de se-
ds pretos e de cores, os mais bonitos que se
pd.im fazer, a por preco commodo : oa ra
do Crespo, loja o. 16, esquina da ra das
Cruzes.
Vendem-se sacess com feijSo mutati-
nlio a seis mil ris a sacca, ebegado ltima-
mente Jo Rio de Janeiro : a tratar no arma-
zm do Sr. Antonio Aunes junto s escadi-
nba da alfandega, ou com Maooel Firmino
Ferreira, oa travesss do Queimado n. 3.
Vendem-se 4 escravas mo-
cas, e de' bonitas figuras, entre as
quaes urna engomma muito bem,
cozinha. faz doces, e he muito ar-
ranjandeira de urna casa ; um mo-
lecote de 16 annos, de conducta
exemplar, e que he bom cozinhei-
ro ; um dito de to annos, muito
lindo, ptimo para aprender algum
ollicio ,- 3 pretos ptimos para o
trabalho de campo, ou armazem de
assucar ; um molecao bom boliei-
ro e jardineiro ; e outros escra-
vos : na ra das Larangeiras, n.
l4, segundo andar.
vende-se por preco commodo um sitio
no Monteiro, com fructeiras, casa principia-
da e j coberta de telhas, defronte do sitio
loSr Tiburcio : a tratar oa ra Imperial n.
3, ou^m paleo do Terco n. 21, venda.
ttodeni-se 200 barricas vasias que fo
ram de farinha do reino, todas americanas,
e por preco commodo pnrse querer desocu-
par a casa onde ellas estilo : quem as pre-
tender, dirija-se defronte da ribeira de San-
Jos n. 3, que se far todo o negocio.
Vendem-se dous qusrtcs, proprios pa-
ra carregar assucar na presente safra, ou
para outro qualquer servico. por preco com-
modo : na ra ds Prsia, armazem n. 18.
-- Veudem-se bstatas inglezas em gigos,
chegadas ltimamente na galera Sword-
Fith : na ra do Trapixe n. 40.
Vende-se muito superior vinho xeroz,
a 20,000 ris a duzia '.de garrafas : Da ra
Trapixe do numero 40.
V.'iile-s-i urna escrava de nacSo, de ida-
de de 18 annos, ptima quintandeira, e
sem vicios nem achaques, o que se affianca:
o motivo se dir ao comprador : na praca
da' Boa-Vista n. 17.
Olhcm novas pecnlnchas no pas-
seio l'ublieo loja n. 11.
Casemiras de ricos psdres mais moder-
nos; a preco de 7,000 rs o corle, brim tran-
cado de puro Iinho, arencse decores, fs-
zenda a mais rica, 2,000 rs., merinos pre-
tos, alpaca, setim, gasinetas e outras mais
faaendas de gostos que se venderSo i pre-
cos commodos.
llgnas, febres, anciedade e falta de respi-
racSo, apoplexias, psralizias 00 estupores,
toases e grandes deOuxos, asmas ou pula-
mentos de peitos, dores reumticas e gli-
cas, molestias galio -s ou veoeraes, ana var-
eas, hydropesias, abscissos, dores sciaticas,
etc.. etc, ; facilita os partos lentos e acci-
dentaos, promove a menstruacSo, cara as
constipacOea e malignas sobre os partos,
dores de medre e mais encommo los qoe a-
tormenlam as pandas, e he tambem appli-
cavel at as enancas recem-nascidas, cu-
jo methodo minucioso de applicar-se a-
companha as respectivas garrafas, que a to-
dos Be recommendsm.
Vende-se urna sextante nova feita por
um dos melhores autores de Londres e tam-
bem um orisoote artificial e um theodilete:
na ra do Trapiche armazem o.
Para a grande parada do da 2 de
dezembro, e os passeios da festa.
ptimos sellios inglezes estufados oom
todos os seus pertences: vendem-se em casa
de Admson Honier <*<;.: na ruado Trrpi-
ebe n. 42, por prego commodo.
-- Em casa de Admson Howie & C. ra do
Trapiche n. 42, existem para se venderem
riquissimss pecas de metal lino, que rivalisa
com a prata, feitas com o mais apurado
gosto, e todas muito necessarias ao servico
de urna mesa delicada, como sejam garlos
e eslheres para mesa e sobremesa, colhe-
res para terrina ,- ditas para arroz ; ditas
para ovos ; ditas para sal, ditss para cha ,
galbeteiras, porta-pSo, porta-fatias, porta-
ovos, porta-garrafas, porta-licores, sslyas,
alenternas psra pianoo e outros amitos
objectos de utilidade e gosto, o que tudo se
vender por preco commodo para feicbar
conta.
Aos 5;ooo,ooo rs.
Na roa da Cadeia do Recife, loja de cam-
bio n. 24, se scham a veoda os afortunados
bilhetes e maios a favor das obras ds igreja
de N. Sra. do Livramemtos, seodo pelos
presos correles :
Bilhetes inteiros 10,000 rs.
Maios 5,000 rs.
Vende-se um escravo de nacSo, bom co-
sinbeiro e pedreiro, a o motivo da venda se
dir ao comprador: na roa das Laranjeiras
n. 26, sobrado de um aodar.
Bollnhos para cha.
Na confeilaria da ra estreita do Rosario,
n. 43, vendam-se bolinhos de todas as qua-
lidades para cha, o melhor que he possivel
ejuntamente apromptam-se qualquer in-
commenda, que facam com brevidade e as-
seio.
Gomosa superior.
Na confeilaria da ra estreita do Rosario,
n. 43, vende-se saccas com gomas porgan-
do por preco commodo.
Farinha para prancas.
Na confeilaria da ra estreita do Rosario,
43, venJem-se saccas com farinha de
No Passeio-l'ublieo, n. II,
loja de Firmiano Jos fo- %
drigues Pereira, *?
existem as o>ais modernas chitas fi- *
as francezsse largas; gazoeta|de laa
pura e de padrOes de gostos, pelo ba.
rato preco de 3,500 rs. ; setim preto
de slaco, a 4,000 rs. o corte; cha-
pos de masas franceza, fazaoda de 9
gosto, a 7,200 rs.; cutim de Iinho *
para palitos, a 440 rs. o covado; gor- 9
gurio ieseda, a i,2v rs. o corte; V
cortes de colletes de sarja de 5a, a 9
500 rs.; lencos de seds de cores, a *J>
2,000 rs.; cambraia lisa de 10 varas, 9
ao barato preco de 2,000 rs. s peca ; A
castores de gosto ; msdapoles, cbi- ojy
tas; e oulras muitas fazendas, por s>
precos commodos ; bem como supe- m
rior panno fino preto, a 8,000 rs. ; a
brins de quadrinbos lencos e cba- X
les de 18a e seda ; riscados monstros, m
a 200 rs. o covado; eassa-chita de c- 7
res, a 160 rs. o covado ; chitas finas A
de coberta de padrOes modernos.
He ebegado a esta praca o admiravel
licor adle-syphihtico, de JoioPaesde Fi-
gueiredo, e se vende em garrafas a 5,0u0rs.
esda urna na ruada Madr-'ie-i>eos, botica
de Weilck Bravo & C. : M eafermidadea a
que elle se tem applioadu, ama quaes tem
oblido favoraveis resulUJos, 3o as segua-
les : esquinencias, pleurices, apostema* in-
ternas e extern-s e outros quaesquer tu-
mores e iiiflamacdes, quedas, coolusOes ,
pouladas, clicas do estomago e baixo ven-
tre retences de prn- oonsinj2# ma-
sante Calharint, 1.800 rs.; dita de arroz
pilado superior, a 5,uO0 rs.; dita com casca,
a 2,301) rs. lodos estes ge ieros esto per-
itos.
Moinhos baratos.
Ns confeitaria da ra estreita do hosario,
o. 43, vendem-se 2 moinhos por preco com-
modo.
Vendem-se 40 pipas vasias, por preco
muito commodo : na ra da Cadeia do Re-
cife, o. 51.
Vondo no um bonito moloquo ; urna
mulata recolhida ; e um cabnolet i o mo-
tivo por que se vendo ae dir ao comprador:
na ra do Pires, n. 19.
Vendem-se tres cssss sitas na povoa-
cSo de Cruangy, comarca de Goianna, sendo
urna de pedra ecal, com aotflo e trapeira,
com varanda de ferro, tudo de gosto mo,
derno ; outra encostada a mesma, de taipa-
de boa construccio e bem arranjada, aonde
existe um estabeiocimento de fazenda e mo-
tilados, bem afreguezado; as quaes se en-
contrsm muilos commodos, sendo um del-
tas quinlsl grande com frute i ras e um ha-
cho permanante denominado Canoa-Brava;
mais outra dita de taipa, feita a moderna,
com commodos para familia e negocio, no
lugar da feira da mesma povoacSo : a tratar
nadita povoacSo com Manoel Joaquim Du>
rans, Ou com Francisco Jos deSouza Pinto,
que se far todoo negocio.
Na ra da l'raia becco do Carioca, ven-
lem-se farinha de Santa-Catharina a 2,000
rs. a a 2,600 rs. cada sacca ; arroz pillado a
5,000 rs. o alqueire; milho a 3,000 rs. a sac-
ca ; arroz de casca : tudo por prego ra-
sos vel.
Vende-se um sellim psra montara de
senhora em bom estado : na ra da Cadeia
do bairro de Santo-Antonio o. 25, segundo
andar.
Vende-se urna escrava de boa figura,
para o servico da ra : no pateo de S -Pe*
dro n. 3.
Vendem-se urna poreao de caibros in-
teiros e em pedacos, assim como estacas
grandes e pequeas, tudo proprio para es-
tacadas e cercas de sitios, por preco muito
commodo : no armazem do Sr. Joaquim Lo-
pes de Almeida atrs do theatro.
Vende-se urna preta de naci, de ida
18a 20 annos, sem viejos nem acliaqu
boa engommadeira, cozinheira, lavader
qitandeira : na ra da Cruz, terceiro aodar
da casa o. 17.
Vendem-se cartas geogra-
phicas do imperio do Brasil, a
800 rs. cada urna ; grandes map-
pas com todas as bandeiras do
mundo, a 3,000 rs. .* no pateo do
Collegio, casa do livro azul.
No armazem do Araujo, becco do Coa-
cal ves, e oa rna da Cruz, armazem de S
Araujo, vendem-se saccas com superior fa-
rinha de mandioca, por proco commodo;
bem como no ultimo armazem tambem sa
vendem espatos, couros de cabra, sola a
lijlo de limpar metass.
-- Na veoda ue bowiugoe da Silva cam-
pos, na rus das Crutes, n. 40, ha bichas
hamburguezas, das melbores que appere-
oem no mercado a veoda, tanto por junto
cornos retalho : tambem sealugam.
Vende-se sag de primaira sorte, gonv-
ma de araruta. tapioca do Maranhio, cava-
dinha de Franca, e cavada, por preco coa-
modo : oa ra das Cruaes, o. 40. .
oteadas de theatro.
Vendem-se as pateadas de theatro, por
Jos Agoslinho de Macado a 1,000 rs.: na
praca da Independencia, linaria ns. 6 s t.
Vende-se muito superior Unta da as-
crever em garrafa : na ra larga do Rozario
n. 89.
<1
lirPsjF


1 llBtiJij
Vendem-se pipas de ptima f fro'arden-
te, porjpreco rasoal : na ra do Hospicio1,
d. 9, so dir quem vendo.
Vende-se um cscravo de elegante figu-
ra, perito nestre carreiro, e ptimo para
todo o servico, principalmente o de campo,
cor preco commodo : na ra do Hospicio,
n. 9, se dir quem vende.
Vende-se, ou tfoca-se por escravos um
sitio margen do rio, no Remedio, prxi-
mo aPassagem-da-Magdalena, com embar-
que na porta a toda hora, boa casa para
familia, envidracada, casa para feltor e
prelos, cacimba grande, ludo de lijlo e
cal, mais de mil palmos de fundo, cerca na-
tiva, com coqueiros, tamarineiros, parrei-
ras muscatel cheiroso, bananeiras maca e
prata, e cajueiros, ludo dando fructo, al-
gumas larangeiras novas e poucas, muito
terreno devoluto, com proforcfles para um
oMria : o sitio he de lerrti proprias, muito
pCrto do Recite, e com muito boa vista : a
tratar na ra do Rangel, n. 54, com Victo-
rino Francisco dos Santos.
-- Vendem-se tO saceos de estopa, com
duas varas cada* um : na ra larga do Ho-
zarle, n. 48, primeiro andar.
Vendem-se una folhetos que tem por
titulo InspiracOes potica, e a duqueza
de braganca conlendo 339 paginas, obra
sta escripia pelo muito digno e Ilustre
Maranheflse o Sr. bacharel Froderieo Jos
Correia ; na ra larga do Rozarlo, n. 48,
prHneiro andar.
Vende-se urna pagara sita no bairro
de S.-Antonio, com muito boa freguezia de
pilo e bolacha, livre o desembarazada : ven-
de se por o dono no querer maia conti-
nuar e querer retirar-s : no Hotel-Com-
mercio se dir quem vende.
Na ra do Sol, armazem n.
i5, vende-se efectivamente car-
vao de boa qualidade, por precc
mais commodo do que em outra
|ualquer parte.
iMilho novo a 2S'ooo rs.
cada sacea.
Vende-se no armazem do Braguez, ao p
do arco da Conceicao.
Chnnino de mantead.
Vende-se no armazem de J. J. Tasso J-
nior, rus do Amorim, n. 35.
Vendem-seamarras ae ferro: na roa
da Snzalla-Nova, o. 42.
Redes.
Vendem-se redes muito bonitas, de va-
rios goslos e precos, proprias para qnem
for passar a Testa descansar ao fresco de-
baixo de arvoredos : oa ra do Queimado,
n. 14,
lUcas bengaltag.
Vendem-se as mais ricas bengallas com
castOes de diffeientes e superiores gostos :
na ra do Queimado n. 16, toja de Jos Das
Simoes.
Vende-se excellente farinha
de S.-C'atbarina, a bordo da ga-
liota Santissima-Trindade, Tun-
deada defronte do caes do Colle-
commodo
gto, por preco commodo: a tra-
tar na ra do Vi gario, n. n, ou
a bordo com o capitao da mc-ma
gaiiota.
He grande peehihcha.
A 2oo e a4o rs.
Vende-se urna porcSo de chitas francezaa,
de 4 palmos do largura, rosas, de cores li-
sas, a 200 rs. o cuvaiio ; cassas francezas
de bonitos padroes, a 240 rs. o covado : na
ra do Crespo n. 14, loja de Jos Francisco
Das.
No armazem n. soda ra da
Madre-de-Deos, defronte da guar-
da da alfandega, vendem-se sue-
cas grandes com ferelo, por pre
co commodo
Lotera do Rio de Janeiro/
A os ao:ooo,ooo de rs.
Na roa estreita do Rozario, traiessa do
Queimado, loja de miudezas, n. 2A, de Joa-
quim Francisco dos Santos Maya, vendem-
se oa muito aeredaaos bilheles, meio,
querlos, oitavoae vigsimos da 12.* lotera a
beneficio das casas da car ida de.
Vendem-se 16 escravos, sendo um
bom carreiro e mrstre. de assucar ; um di-
to oleiro; urna malalinhade 13 a 14 air
nos, que cose, fax lavarinlo, marca, cozi-
nlu e engorme; urna escrava da 18 anuos,
-*fue cozinha, engomoe cose ; 6 escravos
do servico de campo ; 6 ditas de todo o ser-
vroo : na ra Direita, o. 3.
Velas de carnauba vindas do
Aracaty.
rndem-se velas de carnauba,
chapeos, esleirs de palha, e sa-
jpCos : todo por preco commodo^
e viudo ltimamente do Aracaty
no hiate Novo-OHnda\ entrado
to i 5 do corrente : na ra da
Cadeia do P.ecife. D. i3, arma-
Vendsm-se barricas com superior simen-
to, ciegado no ultimo navio de IWmhurgo :
na ruado Amorim, n. 35, armazem de J. J.
Tasso Juaic-r.
1'stnnoB o nzul.
Na roa Nova, n. 30, loja de alfaiarte, de
Jawattllio Soarea de Menezes, vende-se ta-
an arul do maia superior que ha no merca-
do o que se a(isnce,e a vista desengaar,
por pre^o commodo.
preco e bella localidad*, e sobre
ludo o. merecido crdito de que
sempre gOz'ou at hoje: a tratar
na ra da Cadeia do Recife, n. a3.
Qnem admirar ven ha ver e com-
prar, na rna do crespo, lojn da
esquina que volta para a Ca-
nela.
panno fino preto multo bom, a 3.000 e
3,600 rs. ; dito muito superior, a 4,500 e
$.000 rs.; dito azul muito fino, a 3,000 e
$,500 rs. ; casomira preta, a 5,000 rs. o cor-
le : dita milito superior, a 10,000 rs.; cr-
tei defustSo a 320 a 600 rs. ; ditos muito
bonitos, a 800 rs. ,- ditos de setim de cores,
1,600 rs.; ditos de gorgurSo, a 1,980 rs. ;
cassas de cores fitas e de bonito pad res,
a 240 e 280 t o covado ; cortes de cassa
preta, a 2,200 rs. jditasa 140 rs. o covado;
riseadodelinho azul, a 240 rs.; corte de
brim de linho, a 1,600 rs.; ditos muito
hons. a 1.800 e 2,000; ditos superiores, a
1,280 eJpOOrs. a vara ; lencos de seda de
cOres, flrolto bonitos, a 1,000 rs.; ditos pa-
ra grvala, a 1,000 e 1,280 rs. ; ditos de
cassa com listras de cores, a 240 e 320 rs. ;
ditos com listras de seda, a 500 rs.; algo-
dSo azul da vara de largura, a 200 rs. o co-
vado ; dito urta-edros, a 200 rs.; picote
muito encorpado, proprio para escravos, a
200 rs. ; riscado de algodo americano, a
140 rs.; cortes de brim de listras, a 1,000
rs. ; chitas de cores fijase de bonitos pa-
droes, a 140, 160, 180 e 200 rs. o covado;
riscados monstros, a 220 rs. ; cambraias de
qoadros, a 2,720 rs. a peca ; cortes de case-
mira de algodSo, a 1,600 rs. ; cassas fran-
cezas muito bonitas, a 320 rs. o covado;
chapeos de sol, com asteas de balis, s ,800
rs. ; e outras multas fazeodas por preco
commodo.
Foges para cozinha.
muito proprios para sitios e qual-
qualquer lugar aonde nSo ha cozi-
nha, por preco commodo : ven-
dem-se na ra da Cruz, n. lo,
casa de Kaikmana Iranios.
Travessa da Madre-de-Deos, ar-
mazem. n. 5,
Acha-se aatabeleeido um deposito, onde
encontrarSo os freguezes um bom sorti-
mento de licores, espirito de vinbo, e to-
das as mais qualidades; superior vinlio de
caj; chmate; oliscas de vime,apresos
moderados.
Talxas para enajenn*
Na fundicSo de ferro da ra do Brum,
iraba-so de receber um completo sortimen-
to do tafias de 4 a 8 palmos de bocea as
qoaes aeham-se a venda por preco cora-
nodo e com promptid3o embarcam-se,
ou carregam-so em carros sem despozas ao
comprador.
Deposito de potassa e cal.
Vende-se muito nova a superior potassa,
assini como cal virgem em pedra, recente-
meule chegada de Lisboa, por preco rasoa-
vel: na ra da Cidela do Recife, n, 12, ar-
mazem.
Deposito da fabrica de Todos os
Santos na Itnliia.
Vende-se em casa de I*. O. Bieber & C.
a raa da Cruz, p. 4, algodSo trancado
aquella fabrica, muito proprio para seceos
d assucar, roupa de escravos e fio wjpprio
para redes de pescar, por preso mtJHJc-m-
modo.
Tecido de nlgortiio trancado na
fabrica de Todos os Santos.
Na rila da ('adela n. 52.
.endem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Arados de. Trro.
Na fundc5o da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados do ferro de diversos m-
telos.
Moendas superiores.
Nafundio3ode C. Star'r & Companhia ,
emS.-Amaro, acham-se a venda woendas
de canna, todas de ferro, de um modelo <
conslruccSo muito Isuperior,
a os seiiiiores de engenho.
vendem-se cobertores escuros de algo-
dio proprios para escravos, por.serem de
mulla durara o, pelo diminuto preco de 640
rs. cada um : na roa do Crespo, esquina
que volta para a cadeia.
Vendem-se4 pretas, 2engominam, co-
sinham e lavara roupa ; Ss3o boas quitan
detrs ; urna uiolstinha de 18 annos, boni-
ta niocama, cose, engomuia o faz todo o
servico de un casa ; um preto bom para
servir urna casa e ganhar na ra ; um mole-
quede 18 annos serve muito liem urna casa;
I diio de 5 annos muito esperto e lindo: na
ra doCollegio n. 21, primeiro andar, se
dir quem vende.
Na loja d Moreira & G. na ra
Nova, n. 8,
vendem-se cortea de gorguro de
seda para collete, a i,5oo rs. o
corte de covado e meio.
Agencia
da fundicSo Low-Moor.
TOA WA 8ENZALT.1-WOVA, 4*.
Neste establecimento conti-
nua a haver um completo sorti-
mento de moentlas e mcias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, c tachas de ferro batido
co>ido, de todos os taannos,
pafa dito.
k elles que sao baratissimos.
Vendem-se sapat5esde lustro, a
2,000 e a,5oo rs. o que valem
de feiti* na ra da Cadeia da Re-
cife, n. 9, loja.
tH&G*Q+^+ .
ti Na loja do obrado amarello nos
fi n. 29, ven'dem-se chapelinhas de seda
0. de corea para senhora a 12,000 rs. ;
H> manteletes e capotinhos da se-la fur-
m la cores bonitos gostos a 16,18 e 20g k
^ rs.; crtaa de cambraia da seda para 0
ja vestido, teno grande sarllmeato p-
S ra cscolher, de 8, a 19,000 rs. cada
2 corte; ditos de cambraia de barra
2 bordada o adamascada a 6,000 ra.,'
2 outras fazendas muito em ponte.
$## 9&99Qm ####
Uoga-se aos freguezes qne tenham
toda attencao para o novo sor-
tlmento que existe ua loja da
ruado Crespo, n. 6, ao p do
lampe o.
Veudem-s cassas pintadas de cores fixas,
a260e280 rs. o covado; cortes de brim
brancodelinho puro, a 1,920 rs.; ditos de
fustSo muito finos, a 560 e 640 rs.; cassa
preta propria para luto aliviado, a 120 rs. o
covado; zuarie decOr, a 200 rs.; riscado
de linho para casacas, a 240 rs. o aovado, e
outras muitas fazendas por prego commodo.
Vende-se cavada nova, a 80 rs. libra ;
gomma fina deengoramar,a0 rs. a libra :
no pateo d Carato, n. 2 venda nova.
Vende-se na padaria de
0 Jo5o Luiz FrreirH Hibeiro $
O no pateo da Santa Cruz n. O
g 6; arartita doces e agoada, '
i
aaaaaaaaBaaaaaaaaaMBaMaaMWsa^aastiiBssaBaaaaaaKW >^
hydropesia, bexiga, sarampo, epfermidades
dos meninos, tosse de todts as classa, cli-
cas, colera-morbos, dor de pedra, lombri-
gas desinteria, aurdez, vagadas de cateca,
oryslpeta, ulcere, algumas de 30 annos)
cancros, tumores, inchaqOes nos ps e per-
as, almorreimas, erucdo de pella, so-
nhos horriveis, pesavafpa, todi qualidade
tle dores e molestias de mulherea, como
obstrucijOes, relaxacOes, etc., etc.; he un
medicamento inteiramente Inofensivo po-
dando appliear-se at as crianoas. recero-
nascidas ; ltimamente se tem applicado
a urna enfermidade de molestias julgadas
imnumoraves;decu]a applicaQlo se tem ti-
llado tSofelizes resultados quo parece cada
fez mais resolvido o problema de um re-
medio universal: vende-se com o seu re-
ceituario na ra da Cadeia Velha n. 61, bo-
tica de Vicente Jos de Brito.
Na roa das Crazer. n. 18, segunda an-
dar, vende-aa urna bonita escrava da Costa,
de 20 annos, ptima quitandeira ; um bo-
nito eacravo da Costa, da 80 annos, proprio
para todo o servieo.
Vende-se um sobrade de ara sodsr a
aotSo, em chaos proprios, a grande quin-
tal, na ra do Livrameolo, n. 28 : a tratar
no Alerro-da-Boa-Vista, n. 8, segundo an-
dar.
A' livraria da rus do Collegio, n. c,
de Jofio da Coala Dourado, acaba de receber
os segufnles livros para enslno de meninos:
Thesouro de meninas; dito de meninos;
Simio de Nanlua ; Cathecismo de Monpleir;
II Joto de Castro ; Manual epistolar ; Codi-
(godoBotom; Manuscriplo ; Alfabeto por-
a mt.is bem feita possivel, a
qnal mesmo pessoas de mo-
lestias a podem comer por
0 nSo ter composico alguma ; g
O assim como todas aa mais O
9 massas doces e agoadat; o O
S preo da araruU doce he ^
O de 48 r^'s a UDrai o uia- O
O is barato que se pode ven- O
2 der, e a agoada a 3ao. q
OQ0OOOOOOO OQOOOOOO
At que chegaram.
Vendem-se ocnlos para mipio-
pes, ou vista curta, chegados de
Lisboa, dos quacs nao haviam no
mercado. A elles, que vieram pou-
coa: na ra larga do Rozario, n.
35, loja.
Fazenda nova. ~
Vendem-se gangas amarella e crdecin- luguez; Acdente ds infancia; Bsrfon dos
O
Opti
ganhar
lima coaverieacia para
drrheiro.
Tende-se a avinacao e utenci-
lios da aereoStadBS*na casa de mo-
Ihadbs. qu ft'i do fallecido Vaz
de liveira, e ltimamente de Vi-
dal & C. : esta casa acre-
ditad, tanto por gross como a
retaihflc oiTerece vantagema qnem
ttb prtpozlr ptabelecer-se, j
pe/a boa casa.' commodlade
Deposito geral do superior ra-O
p Areia-rreta da fabrica %.
deGantois lailhet& (J. %
na fiahia. O
Domingos Alvos Matheus, agente da?
^fabrica de rap superior Areia-Preta dav?
WBahia, tem aberlo um deposito na ra
V.la Cruz, no Itecife, n. 59, primeiroan-t&
dar, onde se achara sempre deste ex-O
Jcolleiitee mais acreditado rap: ven-
tde-se embotes de urna e meia libra,O
por preco commodo. &
O000O9O0OQ90O90OO
Na ra do Vgrio, n. 9, armazem Caf-
neir*& Ramos, vende-se superior ctl de
l.iabda, em em pedra ; netas barrieiB com
farioba gallega i tudo por preco commodo.
Vende-se, por preeisao, um manto
de seda novo, obra muito rica : na ra da
Soledade, n, H7r
t/ouiiila pura aniinae.:
vende-sa na ruda Cruz, no Kecife, o. IS,
armazem. .>
Aotigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
no brigue Conciccto-de-Maria.
A 2,24* rs. a sacea.
Na ra da Cruz, no Recife, armazem n.
13, e na ra da Cadeia, armazem de Cam-
pello Filho, vende-se farinha de mandio-
ca do Coar, de excellente qualidade, [a
2,940 rs. a aaecs.
fftffW*Wvfftff?i
N-i deposito ds raa da Moda, n. 15,
ha para vender superior cal em pe-
dra, recentemente chegada de Lis-
boa, em o brigue Coneeif&o-de-Ma-
ria, por prego rasoavel: tambem ahi
se ven Jem pesos de duas e de urna
arroba, por preco commodo ; ha
tambem effectivamente no mesmo
deposito barris de mel para embar-
9t,At
--Vende-se urna cama de Jacaranda, em
muitd bom estado, com oolchOes e eaxer-
gOes : tudo anda novo: no Aterro-da-Boa-
Visla, n. 27, loja de marceneiro.
Vende-se um escravo de bonita figura,
e moco: em Fra-de-Portas, ra do Pilar,
n. 27: o motivo per que se vende se dir
ao comprador.
Vende-se urna parda que cozinha, cose,
lava faz renda, de 30 annos pouco mais ou
menos, por 300,000 rs., isto por ser para
lipuidac-lo de cuntas : na raa larga do Ro-
zario, n. 46, primeiro andar.
Vende-se, por preco com-
modo, os seguintes gneros de pri-
meira qualidade, larinha de man-
dioca em saccas; fumo em folha
para capa e milo de charutos ;
potassa em barriquinhas, %nuito
nova : a tratar nos armazens de
Gouveia & Das, e Francisco Dia
Ferreira, no caes da Alfandega,
ou com Novaes & G. na ra do
Trapiche, n 34.
Vende-se a loja da ra do
Crespo, ri. 5 A, ao p'do arco de
S.-Antonio, com poneos fuidos :
garante-se o arrendamento urna
vez que o inquilino agrade ao se-
nhorio : a tratar na resma loja.
Vende-se, por preco commo-
do palbinhn para cadeiras, e cha-
peos do Chile : ti, rha do Trapi-
G.
za, fazenda multo fina, propria pars pali-
tos de meninos, e mesmo para roupOes de
senhoras, peto beratisslmo preeo de 200 rs.
o covado : no Aterro da Boa Vista, loja nu-
mero 18.
Cal e potassa.
Vende-se s mais nove e superior potassa
que ha no mercado, e cal virgem em pedra,
chegada pelo ultime navio de Lisboa, por
prego commodo: na ra da Cadeia do Re-
cife, n. 50, a fallar cosa Cuoha ti Amorim ;
assim como uo restante de barriada mee-
ma cal, que lleou da safra paseada, por ba-
rato pre^o.
Veodem-se queijos loudrinoa frescaes,
chegados ltimamente; ditoade preto; la-
tas con- biscouto inglez ; ditas com sardi-
netas ( ditas com ervilhee; e garrafas com
vinho muscatel de Setubal: tudo de supe-
rior qualidade : na la da Cruz n.M.
--Aida vende-ae a verdadeira farinha de
ipuyu : no armazem de Antonio. Anoes.
Tapuyu : no armazem uo nuim,r
No meamo armazem ha millio muito *,iovu a

che, n. 34, cao de Novaes &
Vinlio de Bordeaux:
vende-se na ra da Cruz, n. 10,
casa de halktnann Ixnios.
AO M(?DRNtSMO.
Na ra do Queimado, loja n.
17, vendem-se as mais modernas
cambraias abortas de la e seda,
rerdadeirarnrttte chamadas bartt-
rinas, de padroes e gostos muito
delicados, a 5oo rs. o covado.
Dao-se as amostras com os compe-
tentes penhores.
Charutos ele Havana.
de superior qWilid&de : vefrdem-
se ua ra da Cruz, n. 10, casa d
Kslkmann Irmaos.
Vende-se um negro de naco, muito
bom serrador ; u.n dito de 20 annos, bom
sapateirn ; um dito de 15 annos ; urna pela
Verrde-se ama preta mOa, de nar;3o,
lx>n lavadeir eengommaeir%, e que cozi- ,
nhaodlariodeumneas*: altaW{*-se a boa ji anuos : lodos de mnito bonitas figuras : liiment.i de
dscs /s fu. i San, n. 'tfa ra do ti vistosa t O1, n. *. HMtiliflVs i
2,500 rs. a sacoa.
VffffVfffffffff?*ft
Grtes de tapete para sapatos.J
Na loja do sobrado amarello, nos ^
qualro-Caotosdarua do Queimado, -e
11. 29, oonlinuam-se a vender corles -0
de tapete para sapa tos turca, ha- ^
^ vendo muita variedades de padrOes jg
ia> para se escollier. -m
MaUMA* UA****
Na ra do Queimado, loja
n. 10, se dir quem vende urna
boa casa terrea no bairro de S.-
Aotonio.
--Vende-se urna parlada malta .J* Ala-
ga-do-Canto, que lica parto dos Prateres,
com o bracas as duas frentes, e urna le-
gua de fundo : ua ra do liondego, 11. 64.
Vendem-se abneles higinicos, o
mais superiores que leem vindoaeste mer-
cado, assim cocoo outras perfumarlas muito
finas: na ra ds Cadeia Vetha n. 94, pri-
meiro andar.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pe ululas e picota para cacimba :
na ra do Brum, ns. 6, 8 e 10,
fundicao de farro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de
differentes modelos : na ra do
Brum, n. 6, 8 e io, fabrica de
machinas e lundkao de ferro.
Noescriptorio de Francisco Alves da
Cunda, na ra do Vigario, n. II, vendem-
se as seguintes obras, viudas de Lisboa : a
Palavra de Heos, regeneracSo da humani-
dade pola revelacSo da organisacto social,
um volunte de 350 paginas, por 9,500 rs. ; o
alarquez da Letoriare, de Eugenio Sue, por
1,500is.; Max, romance de Frederico So-
li, por 2,000 rs: ; ma familia corss, por
i acadmicos de Coimbra, por 1,000 rs.;
Horas do ocio, por V. Mattos, por 600 rs.;
Um quarto com duas camas, farcj, na qual
representan so duas pessoas de sexo masco-
lino, por 500 rs.; o Discurso do conde de
UWdioein resposta a Costa Cabra I, por
400 rs
Venderse, na raa do Vigarfo n. II, ar-
mazem de Francisco Alves da Cuaba, OS se-
guintes gneros, todos de superior quali-
dade, e por menos preco do qoe em outra
qualquer parle azeitonas em ancorlas, vi -
ratio do Porto em barris de diferentes ta-
maitos, cavada, cal virgem de LisbOs, ar-
Xm m-Jm. .---;- --------- --,--
cha de San-Paulo, oanaslras
vi
6
meninos.
Vendem-se amarras de fer-
ro ; ancoras ; fateixas ; estanho
em verguinbes : na ru do Tra-
iche, n. 10, casa de Jones Fa-
on & G.
- Vendem-s duetos, c sn ins-
trumjsntal a 5,000 r
e um pianno em conta ; na rus d8S.-Fran-
cisoo d. 17oua rallar ua vendado air. Car-
Valho.
. Vende-se urna preta de oacBo: em F-
ra-de-Portas, rus do Pilar, a. 197..
W
Escravos fgidos
-Fugio, no dis 10 de setembro de 18S6, s
7 horas da noiU, indo fazer o despejo, a
parda J.>anna, de 95 a 30 annos, alta, aecca
do corpo, de bonita figura, cara redonda,
olhos grandes, bocea regalar, desdentada
tria frente, mSos e ps grandes e grossos,
peifos cahidos e chelos; levou vestido de
chita verde j velho; urnas rosetas france-
zas as orelhss : quem a pegar leve-a ra
Direita, n. 7, terceiro andar, com a entrsda
pela roa da Penda, que ser gratificado.
--Dessppsreceu, n dia 8 do corrate, o
preto Marcelino, crioulo, de 20 a 25 annos,
alto, secco do corpo, falla um pouco des-
caocada, ps seceos, andar de papsgaio a
quando anda torce um pouco 0 corpo da
umlado; tem una cicatriz em dos lados
do rosto quasi ao p da bocea; igno-
ra -se s roupa que levou. Itoga-se as auto-
ridades policiaca e capitSes de. campo, que
o apprehendame levem-no ra do Viga-
rio, armazem deCarneirodaRamos qoe e:-
rSo gratificados generosamente.
Ausentou-se, no dia 5 do corrente, um
cnoeir de canoa de lijlos, de nome Cae-
tano. de naeSo Cabunds, de estatura regu-
lar, cor um pouco fula, cara redonda e pi-
cado das bexigas, pouca barba; tem um
slgnl d caustico no logar do vasio, por
onde pode ser bem conhecido; he quebra-
do da venida direita ; representa ter 2S a ao
annos; levou'camisa e ceroulas compridas
de algodSo trancado : quem o pegar leve-o
ra larga do Rozario, n. 18, que ser gra-
tificado generosamente.
-- Fugio, no dis 95 de outubro prximo
passsdo, do engenho Sitio-do-Meio, da rl-
beira de Una, o mulato Benedicto, de 95 an-
nos, d altura regular, grosso do corpo, c-
belos carapinhados, cara escamada, olhos
fundos, pouca barba, denles abertoiujff
as arqueadas ; tem os dedos graodsjAoi
ps iberios, todo mil falto de corafl Bri-
do anda acompanhi com os bracJrJIarlBV^a-
sadas ; faz-se muito umiTd ; he natural de
Csrerys-Velhos ; foi escravo de Francisco
fiezerla de Vasconselto'e Silva, de Catinga
Vermelha deCraval. ROga-se as autorida-
des policiaes e capites de campo, que 0
appfehendam e levem-no ao dito engenho
Sitio-do-Meio, ou ao engenho Carauass da
mesma ribeira, ou ao Recife, a Antonio
Caldas da Silva, na ra dos Martyrios, n.
14, que serio gratificados.
~ Fugio, no dia 27 d outabro, o mole-
que /uveneio, de 18 a 20 annos, altura re-
fular, reforcado. cara larga, nariz chito,
BI50S grossos, ps largos, com poucos sig-
naes de bexlgss pela cara ; levou calcas de
casemira escura, jaqneta branca, chapeo de
pello branco com cordSoe borlas brancas,
e de copa baixa ; nunca sabio para fra ;
suppOe-se estar oceultonesta cidade, ou as
anas immediacfles : quepo pejsar leye-o
ra Forrnoss, n. 9, que srl genwosamente
gratillcado. {'
Fugio, no dia 4 do correte, um escra-
vo crioulo, de nome Manoef. de 4 annos
de Siqueira
corneo.edita, coas romas.
Vendem-se i-elogios de on- querds; leva calcas szues
ro e prata, patente inglez : na ra i
da Senzalla-Nova, n. ^1.
20 a 21 annos, de mello bonita figura: aa<
ra do Vigario, n. 9, a tratar com Camei-
ro& Ramos.
' Aviso atiRtaetorlo.
O aballa esaigaado agenta do l)r.
Brandreth faz scienta ao reapeitavei pu-
dldo ter recebldo novo pruvimento de pi-
lul vegetase de sen proprio autor; estas
celebres pitlas sB recommandadas pon
mil liares de pessoas a que ellas lem ctiradoj
de phtysica iufiaanza, catarros, indigas-
lOes, dispepsia, dores de cebica, dores ou
peso na nac
mas de a
lentes,
fl todd
pooco mais ou menos, balxo> corpohsnto;
tem o dedo grande da mSo esouerda aleija-
do, e urna frids na canella da perna ^s-
querds; leva calcas szues e camisa de
rnadapolfio branco : quem o peUr leve-o
ao largo do Pelourinho, ns. 5 e 7, a Romao
Antonio da Silva Alcntara.
Vende-se ummoleque marinheiro, de Desappareceu.da padaria da Paasagem-
' da-Magaalens, o escravo Gabriel, de 96 aa-
naw, corpo regalar, de ncfloCosts, cam ta-
Ihos de sus naci no rosto ; levou caflia
da linho grosso, e barrete de reUlfeos de
dita
chita j sujo : quem o pegar leve-o a
padaria, que sera bes*recompensado.
- Fuga, da fttguezta de S.-Antlo, oes-
cravo Manopi, de Si 1 40 amos pouco mais
ou menos, cor um Moto fula, bsixo.db hom
corpo : he muito esperto, o falle.' bem; lem
um talho na testa procedido d m couce
de cavatlo que lhe licou ixa: este os-
era vo j fez um fugVla re! prfflo na remir-
es de Pajahu-de-flores ; desappareceu no
que cozinha o diario de urna casa, engom- atismo, enfermidades nervosas, dores ao
uia, e he boa quitandeira ; urna negfinha de Iflgado, pleuressra, debilidad intrior, aba-
'- eolrUn. roturas. inflamarAe*.
naca quo gersisacnte ayinpto-
.cla.se de febras. mp, gota, reol pegar UW-pj. d.u f^g(=, jo enge-
nhoMinh
alte ser recompensado.
oV>-'olT^al(lsjtei, fam^^V^ : ^rir. db u. r. ,***-1W0


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ED9THG8LV_B5950C INGEST_TIME 2013-04-24T18:38:25Z PACKAGE AA00011611_07208
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES