Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07206


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anno XXVI.
Sabbaco 9
pjur..n.-3 zn-rmr/-,:
PARTIDAS BOS COBRXIO*.
Golanna c ''arahlba. l segundas e sextas friras.
Itio-Oraiule-do-Norle, todas ai quintal fe iras o
mrio-.Ha.
Catn, Scriuhem, lUo-Formoso, Porto-Calvo e
Macelo; jiu |.', a 11 e 21 da cada uiei.
(l.ii .i.'ni iis e lionlto. a 8 e 23.
im.i-\ i-i.i e Floren, n 13 e %6.
Vlclona, s quintas fciraa.
Oliuda, tudos os das.
1'lUtIS Di LB,
IPBEMtiHDtS.
Nova, a 4. ao 20 m. da m.
One. a II. ai 8 h. e 55-111.' da t,
(.'liria, a 19, as 2 h. e 15 m. dat.
Mlng. a 26.s 10 h. 13 da m.
rnEAMAR DHOJE.
Prlmeira as 9 horas e 18 minutos da tnanhaa
Srguuda as 9 lloras e 42 minutos da tarde.
Novembro de 1850.
N- ?5*.
'j. .".utixarau.-- Lia
VREQO DA Ss7BSC*I**OAO.
Por tres meaos (adlntaduj 4S0O0
Por seis m-xes 101)00
Por um anno 15^000
DAS DA SIMA VA
4 Seg. S. Claro. Aud. do J. dos orf tn. 1 .
5 lerc. 3. Zacarlai Aid. do J. da 2. v. do
cvrl.r/dodos feitosda f.nenda.
6 Vuart, >. Severo Aud. lo J. da 2. v.
7 Ouint. 8. Florencio. Aud. do J. dos orf. e do
ni. da 1. v.
8 Seat. S. Severiano. Aud. do J. da Iv.c. e do
dos feitos da i a. mi i
9 Sab ti. Theodoro. A.ud. da Cbanc. e do J. d
2 v. do clvi'l.
10 Doin. Ul'atrlinonio de Nossa Senhora.
CAMBIO E 8 Df0VBa\O.
Sobre Londres. 28 l|2 d. par t/000 r. a 60 d.asl
Paria, $13 or Sr.
Lisboa. 100. por cento.
Ouro.-Oncaslie.panhnlaa S^nOO a 3MS00
lucias de O-MOv-lliaS. IBnKl n lOiMO
de flO > imva lUfO' a I6'2(H
de 4 000....... /ll a fi Prata.Pataca' hrasileiros ... l/'70a 1/H-jO
Pesos cnliim.iariol..... 1/970 a l**UctO
Dito, mexicauot........ M7o0 a 1/780
LW -'
PARTE OFFIC1AL.
GOVERNO DA PUOV1NCIA
expediente do da 5 de novembro.
omcioAo Exm. eommindtnte das ar-
mas,' inteirando-o de haver concedido tres
iriezes de licenea enm os Mncimentns que
Ihe competirem na forma das ordens em vi-
gor ao doutor Pedro de Athayde Lobo Moa-
coro, primeiro cirurgiSo do segundo bata-
IhSo de artilbarla a r.In'elligeneiou-ae
ao inspector da pagadoria militar.
Hito.Ao meamo, scientifleando-o de ter
recehido as relaco>s de conduc'a perten
cent ao semestre do primeiro de Janeiro
ao ultimo de junho destn anno, dosoll-
eiies. cadetes e inferiores dos hatalhons se-
gundo, terceiro e q -tarto de artillnria a p
qointn de fuzleros, primeiro, segundo,
quinto e oilavo di c-cidore. das comea -
nhisg de oavallaris e .le artfices, bem co-
mo dos officies do estsdo-in*i r de P'i-
meira e segunda classe, que tiveram o con-
venient deslino.
*Dito.Ao inspector da thesouraria de fa-
senda, devolvendo oa (illancos da pagadoria
militar, e autorisando-o i man lar abonar a-
quella reparficSo, a vista do pedido, qtl" re-
melle, 1:531,862 rs. importancia da presta-
rlo designada n-s despeas militares dests
provincia en. o Crreme mez.
Dito.-Ao inspector da pagadoria militar,
para que, i vista do recibo, que remelle
em duplcala, mande indemnisar a csixa
do oilavo batalhSo de capadores da quantia
de 6,610 rs., que se des .en leu cot a inhu-
ma-.So do cadver do soldado do meamo ba-
talhSo II-reulano Homero de Siqueira Ca-
valcanti.Int rou-se ao Exm. cotnmandan-
te das armas.
Hilo Ao meamo, para mandar eiami
nar e pagar, rstando conforme, a oonta que
rem-tteem duplcala na importancia de r*.
37,770 d despeza feita pelo cominandaule
' do oavo batalhSo de eacadores, com o for-
tiecimeiilo de presos e alugueres de caril-
los.-Communicou-se ao Exm. commandan
te das ir tas.
Dito.Ao mesmo, inteirando-o de haver
o cabo de eaqfladra do segando batalhflode
cacadores Manoel Filippe de MagilhSes,
"depois tte lindo o seu lempo de servico con-
tratado, nos termos do decreto n reguls-
rhento de 18 de novembro de 1818, para
continuar no mesmo servico, mediante a
. gratiflcicSo de 170 000 rs., e ordenando
StUf mande pagar ao referido cabo a men-
Egda gratificnc3o, sendo 50,000 rs. 4 vis-
E2 o resto em prestarles measaes de rs.
l'JoOO. Int-lligenciou-se ao Exm. com-
mandant daa armas.
I)ilo.Ao mesmo, dizendo que visto es-
tarem leg.es as conlas, que remette em du-
plcala das despetas feitas, do primeiro de
julho de 18*9 a 31 de agosto do corrente
anno, com areite e algodSopara luzca do
oitsv.i batalhSo de desdores, mande Smc
pagar ao lenwite-coronel commamlante do
referido batalhSo a quantia de 196,50 rs.,
em que importam.as mencionadas contas
Scientillcou-se ao Exm. commandante
dat armas*
ito.Ao mesmo, para que, mande pagar
conformes, as contas que remette,
spezas feitas com o fornecimento de
meninae dietas dos recrutss do ex<>r-
lUa esliveram em trata ment na en-
ra do arsenal de mannha em o mez
de outubro ultimo. Communicou-se ao
inspector do referido arsenal.
Dito.Ao director do arseoal de guerra,
autorisando-oa comprar cem motos de sol-
la, que diz serm necessarios para conti-
nuado dos irabalbos das oQIcioaa de cor-
rieiros- e selleiros daquella arsenal 11-
trirou-se ao inspector da pagadoria mi-
litar.
Dito.Ao inspector do arsenal de tnarl-
nha, para miiular furnecer ao brigue escu-
na Cnllinpe os msntiuieiitos precisos para
um mez, visto ter elle de seguir no da 8 do
crreme pura a ilha de Fernando de Noro-
nlia.--Ne.sie sentido ofllciou-se ao comman-
dante do referido brigue escuna.
Dito.Ao insoector da thesouraria da fa-
zend'i provincial, para que mande recollier
a tbesou'raria de fazen la a quantia de ris
600,000 i i porlancia dum retrato de 8. H.
o Imporador, que foi enviado para esta pro-
vincia cuai aviso do ministerio do imperio
dataria H ajcSo da presidencia para ser collocadoua
Sala das sessfies da assembla leuislaliva
provincial, aliin de que possa aquella ie jar-
tiSSo em cuinprimenlo ao citado-aviso sac-
car leltra deasa impoilaocia sobre o tlie-
souro publico, nacional e a favor do direc-
tor da acadaOtia das belUa artes da erte,
Flix Emilio Tauny, que se iticumbio de
apr.imi.tar all o dito retrato
Dito Ao mesmo, o donando, que man
de a lantr ao cirurgiSo-mr jo corpo de
polica, oa em cura.uis\3u ta.comarca de
Klmes quatro mezes de sold a cuntir do
primeiro. io correnle,visloiswm o requisita
o respectivo cirnimadant iComuiumcuu-
seao dito ropimaudatile.
Uilo.-Au agilite da ciimpanbia de bar-
cas de vapor, recommendaiido a expedicSu
de suas ordens uo sentido de ser transpor-
tado paia a l'aikbiba uo primeiro vapor
ofilcio, em que Smc. pergunta, se Ihe com-
pele o ordenado de juiz municipal, por ter
exercido esse lugar na qualidade le sup-
plente, de lde julho deste anno at de
setembro, lempo, em que ainda nSo eslava
impossado o respectivo juiz municipal, que
a le nSo concede ordenado aos supplentes
de taes juizes.
..... iii i ........
BIARIO DE PGRNIMIJCO.
que seguir para u norte o pesu aliviano ac-
ierra de Boto, que llie sera mandado apie-
sentar pelo cefe de polica, devenlo a sua
patsagei ser paga all pelo reapeetivo Co-
fre provincialMesle seuliJo expediram-se
as couveuienlea oruens.
-J..O.o bchale! Duarie Coeio e Ai-
buquerque Mello, dizendo em resposti ao
HatOXTat, 8 DE ROVCHBHO DI ISM.
Das gazetas que hontem recebemos ex-
tractamos miis as seguintes noticias :
Portuqal e Bupanka.
Nada de extraordinario tinha tido lugar
oestes dous estados, bem que no primeiro
o governo rnceioso de que a ordem publica
fosse perturbada, havia ltimamente orde-
nado que as tronas dormisse.m aquarleladas.
Pessoss bem inforiad*s asseguram que o
ministerio ser mo lineado, e li/.en que he
mu nrovavel queo-duque da Terceira e
Silva Cabral entrem para o gabinete.
O papa havia elevado o arcebispo de Bra-
ga a digoidade de eardesl.
Em llespinha dava grande cuidado ao go
verno o estado da ilha de Cuba ; urna ex-
pedicSo C'insidersvel ficava a partir para
essa ilha, da qual o general Concha fra l-
timamente nomeado governador ganer
O duque de Montpensier, mandara convi-
dar aua familia em Inglaterra, particular-
nenie sua mSi, a rainha Mara Amelia, para
irpassarcom ellnalgum temuona Anlalu-
ll. A pessoa encarregada desle convite lie
Mr. Antonio de Latour, secretario do duque.
Grtc'a e Turqua.
No primeiro .lestes dous paizes, enmes
horrorosos teem sido ltimamente commet-
lidos. O ministro dos negocios ecclesias-
t'Cos fra assassinado publiclmente em
Athenas porum individuo que assegura-se
er sido pago para praliear tSo enorme at-
tentado.
O Crner de Athenai altribue a aulaci
que uostnm all os malvados a impunida-
lo de que at o presente lem gozado em
virtudedo apoio que encoutram em indi-
viduos poderosos. Elle diz que um tal es-
do de causas nao pJe contiuuar.e que be
preciso que a espada da jusica fira os cul-
jados sem itlencSo s suas pessoas.
Urna carta de Constanlinopla datada de 5
desetembrq, diz que a queslSo relativa aos
refugiados hngaros ameacava dar tugara
novas complicatOes. Como quer que o pe-
rio lo durante o qual a Porta se compro-
metiera a guardar uma restricta vigilancia
sobre es refugiados, tivesse de expirar na-
quelle mez, o governo turco manifeslira a
intencSo de por em liberdide a Kossutb e
aquelles de seus companheiros que fram
eocarcerados com elle em Kulayeh. Me-
didas tinham j sido lomadas para que alies
fossem transportados em um barco do go
verno para a Inglaterra ou para a America,
recebendo cada um 500 piastras no momen-
to do embarque, para aatisfazerem suas ne-
cesidades immediatas, quando o governo
austraco assuslado por esses amojmen-
los protestara contra a soltura immeqyala
dos refugiados, sustentando que o peno lo
de um anno estipulado na convengSo, deve
ser contado a datsr do da do encarcera-
mento. Divn recusara-se a esta exigen-
cia como infunda Ja eresolulo a mauter-se
em sua intencSo original, consultara os re-
presentantes da Franca e Inglaterra.
Auitri* t Pruuit.
A nava constituicao da coofederaco Germ-
nica que a Austria pretende submetter consi
deracao do consellio doi estados por ella reun
dosein Fraockfort he uma conibluacodc todos
os pr.geelos que teem sido apreseutados para
resolver aa difficufdades da questo, ella esia-
belece um directorio no qual a Prussia e a Aus-
tria presiden! alternativamente ao passo que
oa estados menores sao representados em gru-
pos, b tambero una represen! icao do p .voou
aotei dos povos procedente das dietas doi es-
tados individus.es. A mooarcbia austraca oui
todas as suas dependencias dever fsier parte
desta confederaclo; entretanto a Pruisia per-
slstlndo sempre na sua resol.icn de nao tomar
parte naa transaeces da dieta de Kranrkfurt
continua a sustentar a illegtlldade da inesma
a conseguloteineote a invalidade de seua de-
cretos.
A Hungra acba-ae definitivamente organi-
ada. Afrente do seu governo est o Slad'Aoi-
tr, o qual reside em ouaou rV-iw, cc:n >l>n
vlce-presldenle, conselbeiros, secretarios, etc.
As terral da coroa sao divididas em cin o da
trelos Auda, Pesth. Presburgo, Oedembur-
go. Kasehau eGrosswardrlo. Cada districto he
goveroado por um obt'g'ip'in (lugar tenentej
imperial e real com oa cuipregados necessarios
l)js deeisdes dos obtrteipam haappellacao para
os ulinislios- Os ciuco diatrictos ao subdividi-
dos cin provincias. O diatricto de Auda-Pestli
conten 10 provincias, o de Presburgo 12, o de
Oedemburgo 9, o de Kascbau 8e odeGros-
swardelo 7, etc.
HTljeafcHl
Em virtude doi facts que ltimamente II-
veram lugarem Hesse eleltoral todos os gover-
nos germnicos se pozeram em inovimento.
Um enercilo bavaro acha-se concentrado naa
margena do Meno e uai fronleiraa do Hesse,
i oulro liaooverlano, postoque tenor que o
bavaro se aproilina deslas inesmaa fronteirai.
Correspondencias.
Um. Sr. Soio fietnu Marlim. Tardou V.
S. em sua resposla miona pobre carta publi-
cada no Diario de Periuimbueo : mal agora apparece para me combater. vem armado do
eicalpellodaanalyae comecando pela cabe-
?a, leva geito de me nSo deisar illesoa nem um
nervlnhn. e nem um musculo da'minha fraca
produccao. Asslm pratlcam o que eitao avesa
dos as mludeas d'anatnmia.
Mas permltta-me V. S que o nao Imite neisa
parte, desfiando tambein todas as suas reapos-
!as cstendidas em o n 10 do, seu Medico do
Poro; porqu"Bft tenho lempo, nem pichorra
para tanto. Alguem diria que fol liso urna es-
trategia para encheros vaslos desie peridico:
eu porm que j conliefO o eitremoso amor
que V. S. consagra a su bella homreopathia,
attribuo ludo a eisa p-nx-io que o leva a dse
jar entreter-se, e eapraiar-ie por estas mate-
rial o inais que Ihe for possivel.
Ir-lhe-hel poli na colla, respondndo cao l
lente aquelles tpicos que me offerecerem ra-
ides em contrario, tratundo-o sempre c im a
lecencla e urbanlrlade prnprias de dous con-
tendores honestos e bem educados.
Nio se contenta V. S. em procurar refutar os
meus argumentos, tambein se arvora em mo
rllala, e lem missao apostlica digna-se de pas-
sar-ine urna lico de caridade sbristaa, nao obs-
tante ler eu aacerdote. Tlnha en dito On-
servando a facilidade e promptld com que
qinlquer animal de doui pnein pennas fo
liomeni de Plitaojarmava-sea'uo- livrrcoa.rnet
ti. n'algbeira um i botica corpuscular e itira-
va-se ao mundo a curar e a faxer milagrea,
ele. Nao lia untas ininhai palavras nenhuma
fiema pessoal; e por cooseguiute ninguem
dir, que faltei caridade.
At ulsto qoii V. S. dar-me seu quinan, dl-
zendo O hornera de Platao nan heohomem
de Jess Christo, voiso ii mi. que vo merece
maior deferencia, por ler uin'alma como a vos-
sa emanada do mesmo Dos e tao perfeita pela
intelligencla como qualquer outra, podrndo
corupreheoder as inesmas verdades e' ler a*
niesinas virtudes, se tiver a mrania educaban
ouavontade enrgica de luprir-lhe as fallas.
_ Ul fliit ptrdio hac, direi Com o discpulo
do Divino Meatre. Para que toda esla tirada?
O que eu quii diier e todo o mundo emende,
fol, que qualquer edlota, qualquer Ignrame
armavi-se d'uina carteira hoiucenpalliica, ele.,
etc. Em que ba aqu odrina dignidade da
especie humana? Puiohoinemde Jess 6'lirls
lo nao pode ser supinamente ignorante de mul-
las cousas ? E por ser ignorante ediola. estpi-
do, doudo, .fei\ de ser meu irmao ? Nao, era
Salomo divinamente inspirado nos seus pro.
verblos e nao dlsse em um delles, Sin'/ .rum n
lnim, ni numerui: o numero dos tolos be Infi-
nito ?
Ora pois J que V. S. quU nesse seu trecho
ensinar-me at a ser chriatao, au me ser v
ii auliu, que eu Ihe mostr ah mesmo uma ini-
perdoavel heresia, que como pliilosopbo chris-
to.e ainda mais como padre nao devo drixar
correr inclume, e publicada por quem procu-
ra identificar a homoeopatbia com a t christa.
Dizer, Sr., que a alma humana he emanada de
Dos be aobre absurdo, uma formal heresia:
absurdo porque sendo a noss'alma espiritual,
isto he, sem partes, sem extemo, nao pode
ser sabida da substancia d'outro espirito, qoal
he Dos : logo nao pode provir de emanarlo,
como um corpo sal do outro, em que eitava en-
cerrado. Se a alma humana lie urna emanac.i-.
de Dos, tanto este.coino aquella sao materiac*:
e conieguinleinente l se vai por Ierra toda a
revellacao, toda a rellgio de Jess Christo.
A crenca geral da igreja he, que as almas bu
manas sao obra inmediata do poder de Dos,
que Ihei d o ser pela creaciio : e esta f est
fundada na sagrada escrlplura, a qual expres-
saineute dis, que Deoa creou todas s cousas
sem excepeo. Finalmente, das ditas uma, ou
as almas sao eternas, e sem couieco como Dos,
ou de necessidade comrcaraiu a existir pela
creacao. Alma humana emanada de Dos he
a doutrina d'EpIcuro.eda mor parte dos mate
rlalislas. Sendo, pois, V. S. tao ortodoxo, he
d'esperar, cante nesta parte a palinodia, e re-
tire a expressao, que alias pode por ejn muita
duvida a slncerldade da suaf religiosa.
Tambein nao posso delxar passar livre a pro-
posiciiu de qne todas as almas humanas sao
ij;ii lmenle per Lilas pela intelligencla, e que
potsam comprehender as mesmas verdades.
Asslm serla com eOelto, se ellas fussein emana-
(6ei ou partculas de Dos. Mas, V.."-. que ci-
ma de ludo l.e ebristao. como j disse, nao que-
rer sustentar seiuelhanle do.ilriua tan falsa e
lo fuuesta. Dos a reipeilo do couheclmenlu
d bem e do mal a iodo o genero humano in-
fundio este dctame, aflu de que alias sen lo
llvres. lodos se p.idrssem salvar : mas uo as-
slm paraoi objecios puramente intellecluaes e
nao morara. Dos reparle as capacidades, co-
no apras sua eterna aabedoria. A experien-
cia de lodos os seco los e de todos os pitaes exu-
berantemente prova esta verdade, isio be; qu
piegas, qualquer hajoujo possa ser bomreopa-
tha, excepto se isso de hotnreopathla he uma
coma assim por modo de rol de roupa auja
Caoiixas tantas, calsas tanta, lencos lamo, etc.
isto hePara sezfles acnito: para clica r-
nica: para enchsqueca bella dona, el r/iona.
Mas o lllni Sr. JoSo Vicente Wartins certo nao
admiltir tal pronosicao. Paremosaqui, econ-
tinuar j agora.
O ni-irv Lovet Gama.
WtciicfH.
NSo he meu fim patentar dests vez todas,
qusntas perseguiqO^s se tm empregado.
com dura deshomanidade e shherracSo da
jualics, contra Jos Moreira Lopes e Benlo
Jos da Silva M'galhSes. Esta causa, pro
mello que ser julgada pelo paiz ; hasta,
que nesla occasiSo entSo a ver'ade mostr
todos os horrores de uma paixSo furiosa e
ving-nca cruel.
Por agora oque quero, sim, he manifs-
ar ao publico, o bello systema que o Sr
V ivas, juiz municipal com exercicio ns
primeira vara do crime, vai eguindo.
I) 'pois do Sr. Neivas, entSo presidente do
iu'y, nao ter que'idn, spezar de minhas
inslanciss. submetter a causa dos dt s
Bentos e Lopes ao conheci" ento dos jura-
ilos, pretextando precisar levar os auto
para a sua rasa afirn de estuda-los, depois
de protelar assim o juluamotito da causa ate
apparecer a remessa cfuYial da nova lei,
que tirou o julgamento dos crimes d mo-
la falsa do jury para os juizes de direito ;
leuois de por este modo, ter rouhado as
vilimas o direito de seren julgados por um
tribunal popu r, onde de necessidade ha-
vism de apparecer muilosjuzes j nstrui-
los e certos da Inste trage lia do proceso ;
e depois liii/ilniente de tsr sujeitaito as vic-
imas um novo processo escripto, sempre
demora lo e dispendioso, h..je constituido
juiz na causa, nSo satisfeilo ainda com o
trr-"'
e encargos do srt. S3 da lei cima citada de
* de outubro de 1831 ; e. por consegointe ,
havendo novacSo com o regulamento de 2<
de junho de 18*0, qne eriou um novo the-
soureiro com diversas obrigaefles, e condi-
cOes, he claro que a fian<;a a 11. 5, flcou ex-
tincta ; e, quando se podesse consi.Irar va-
l la seria apenas respenssvel o fiador
frssto pelas faltas, em que inojfcss so-
bre o dinheiro das folhas, de que tfcsse en-
carrega.lo em um mez, e nSo OS alcances da
conta 0. 3, a fl A Aecresce que do docu-
mento fl. 25 verifica-se que o outro fiadoi
Manoel Moreira Lino falleceu a 25 do setem-
bro de 1810, tres meses depois de creada a
nova thesouraria com seu thesiiureiro, e
regulamenlo dado de 20 de junho de 1840
e dev.'iido ejigir-se por parte da fazenda
publlcs nova limes, como em rasos anala-
gos [ir.it 14-iiu o lliesoureiro como se v dos
documento II 212. fl 215 e fl. 216, v., euro
varios elinoxnfes e recebe.l.ires, e co-
mo reconlieceu o poder juliciario na sen-
lenca constante do documento fl. 206, nSo
fol chamado o fiador Crasto para reprovar
preexistente obrigaQSnnx-11. 5, r. tlflea-la
ou prestar outra, que abrangesse o novo
incs'go da nova thesouraria excedente a
dous mil o quatro ceios rnntn, romo se
leprehende de documento n. 225 Restes
termos he minifesta a importancia Ha aceno
execuliva II 2 e nulla a penhora n 10 v. e
nanliuina ohngafSo do (ador Craso, o
hoje seus herdeiros os pagamentos men-
cionados na conta de fl. 3 a fl. *
R formara,portanto.n ceoriSo embsrga-
do fl 219. esenlenca 11. 97efl 131, v; re-.'
cebem e jiilg.m prova los ose ubargus II 39,
juigam improcedente a prsenlo accSo exe-
cutiva, e nulla a ..enhora il. 10 v.,e man lm
Se puse mandado de levsniamento dos bens
penhorslosso menciona lo fiador Francisco
lvi.mi.-i dos Santus Crasto, e condemnm
as cusas a embargada deflridos, jul-
para jurarem, e ainda nSoosdes- qUeira
a^h8U i c- w .. Esleve presente o desembargador Braga.
Ainda mais, requerendo ao Sr. N-ivss, procurIa0 da cor0a interino -- Rio-de Ja-
que houvesso de dar o simples desoaeho,^,,,,.,, 0s d favarsuro .le, iBift. isftoa.
le que os autos precisSo rara seu andamen-
to, no da 7 do corrente entregou elle o re-
querimento com oseguinte despacho .lta-
lo com o dia 5ajume aos autos para ser
difierido
Eis-ahi o despacho de um juiz homaMpa-
thico; porq-janto em requerer-sa psra se
abrir a conclusSo, em Ir o escrivSo a casa
do juiz receber os autos e leva-Ios para seu
carlorio. em ajuntar a peticSo e fazer os
autos novamente donclusos gasta, se tempo
o muio lempo, e para quem quer demorar
os autos, o expediente ho bem lembrado.
O governo prussiauu prepara-se tambein para
concentrar um corno de obiervaco as VVest-
phalia, jumo de Paderborn. u conseibo dos
governos reunido, em Franckfartdebiixo dos
auspicios da Amtria lomando em considerarlo
oa negooioa de Uesse, dsclaroii que a dieta da*
quaUj eleltorado reouuno,conceder os sub-
sidio* ao governo,obira itlegalmeole e eiu op-
posifo aos iulereisesda coutedera^o.
a reaueliu de talentos ha uiuitoa graos, e gran-
de .iflcr.-iii;.! eolre os boiuens. Un aao dola-
dos de inail imaginaco, oulros sao prodigios
de memoria races teem agudesae peneiracao.
aquelles sao rombos e esinpios, etc., etc.
Que distancia nio ral de um Pascal, por ex-
einplo que na idade de 16 aunos compoz um
iralailo Oas secces cnicas, aos 19 Invrulou a
machina arilhinelica, e aos 23 repello' ai expe-
riencias de Torricclli sobre o vacuo, a cerlo
mesire de primeiras lettras, que armado da
mexoravel frula torturava a um de seus mise-
ros discpulos, pergumando-lhe mui ancho,
circumspecto e aulorlialivo Meuiuo.que lel-
tra he esle A ? Ao que respoodia-llie o trmu-
lo pei|ueoo Sr, ineslre eale A he um ii. D'a-
qui cun muito acert disse o sabio e profun-
Oissiiuo Aristteles, que mui tas venes de ul bo
meui a tal homem d-se maior distancia, que
du lioiuem ao raaoaco Ora suponhanios que
um desses meus irinos era Jess, brlulticoan
a capaeldade dease uie&tre de meninos d para
hoiiKcnpallia o que se deve' esperar da sua I-
Caulri.dVi clnica? f*>lo dixer de V. S. tal indivi-
duo, tendo a iutelllgencia cobio a de qualquer
oulro, e vontade de andar homceopaiisando o
.tu prximo, nao tein mata do que prover-se
dos livroa precisos, c cada psr e.irs, vira a pe
dir mecas a V. A'.,ao proprio Haliuemaun .'
Mullo pode a educacao ; mal nao pude ludo,
dem far Jmala que urna lopeira se tome a-
Iuia." A educa;lo pdde apurar, aperfefoar a
aturen mas d certo uo d talento a quem
dasccu eaiupido e upada-- Kss trsitto ;ir-
I unto (com o devido rcspelto/qtteatai qualquer
E como este negocio est claro !.' Mandar
unir aos autos um requerimento, em que
se pede simplesmente que o juiz despache
os autos que em sua conclusSo eslSo, be
isto feliz lembranca '
O que resla pois?! Curvarem-se as vitimas
a fatal necessidade I de nlTerecerem a ma
volitado .lo se. Veivasl Nove diss, repito,
nove diss? para se mandar tomar leslemu-
nhis, e nada de despacho '!! NSo posso sa-
ber o que ipparecert ainda. Comtudo devo
dizer que ja tanta gente sabe das violencias
e.... contra as vitimas, que o Sr. Neivas, se
reflectir um pouco sobre o c-iso, sentir o
dever e necessidade de seguir novo trilho
Se for preciso, Sr. redactor, appareceri
mais vezes o seu assignsnte.
Itr. Francisco du Ptala Bnptista,
neiro, 25 de fevereiro de 18W.
AaiSes da revitta.
Senhor. Manoel Moreira Lirio da Silva
Caroeiro por decreto de 12 de novembro de
1833, que se ve por cerliiiSo a II 51. vea
il. 110, foi nomesdo lliesoureiro dos orde-
nados da provincia do Rio- le-Janeiro na
conformidade dos arts. 83 e 83 da lei de 4
de outubro de 1831, conforme ao alvar do
28 de junho de 1808, tit. 4, 44, e seguin-
tes : e, assim, serviu at que, se jara.la da
capital do imperio a thesouraria do Rio de-
Janeiro, suas attribuirjOes ficaram reduzi-
a^^a-a
Publicayo pediJo.
final itlsultado dv questa'o que des-
de o anno de 1847 l'cmha soiike a
i--i.m,;\ liriu
Da nos a publicidade o seguinte accordSo
da relarSo desta capital, as ult-mas ras-
dos recorridos testamenteiro e herdeiros -'e
Francisco Peretra dos Sanios Castro, e a de-
isSo do su: remo tnhiirial de jusliQ*, ne-
gan lo a revista interpnsta por parle da fa-
zenda nacional, nSo s como uma incootes-
t.vi-l r.ivi la i flic-ica do poder judieiarjn
exercido por magislra los ntegros e llus-
tr.dos; como poresiabelecer um principio
ortico de jurisprudencia administrativa e
fiscal, que, porventura, d'anles esquecid",
etislli somonte na dsposicSo litierii das
leis.
il corrija.
AccordSo em relaoSo, etc., que reeebem e
juigam provados OS embargos fl. 328 para
elTeitii de refnrmsrem o accordSo embarga
4*i fl 219, e reforman lo-o, o he>n assim as
sentencia fl. 131, v. e 11. 97, receb-m e jui-
gam prvidos os embargos fl 39 opposios
a peuhora II. to, v. e ao exeeutivo 11. 2, e
em consequencia juigam improcelenie o
axecutivofl. 2 e nulla a penhora ex-fl, 10
v. por nSo dever proceder a accSuexec 11-
s II. a vista do objecto, e flm da Hinca
II. 5 : porqiiuilo, mosiram os au os que a
limgi fl 5foi presta la por Francisco perei-
ra ilos Santos Crasto i da agosto de 1836
aoex-thesuureiro M .noel Moreira Lirio <|a
-silva Caruero, o i qual coticorreu Manoal
Moreira Lirio, ofTrecilo, nomeado assig-
nado primeiro que o dito Cralo, esta flanea
fui au lliesoureiro djj^ue tralavao os arts.
83. e 88 da si ue ttvvuiubru ile. 183! e art.
7 do decreto de 25 de novembro de 1834,
Um as condicOes e obrigaedns do tit. 4 do
alvara de 28 de junho de 1808, deixou de
existir esta thesouraria em 20 de junho de
1840 em que pelo regulamenlo do dito mez
e anno se creou urna thesouraria como o
seu lliesoureiro, que tinha as attribuicoes.
dass que Ihe prescreveti no art. 7, o de-
creto de 25 de novembro de 1831.
Servia pois o thesoureiro de fl. 51 v.,
nomeado pelo decreto de 12 de novembro
de 1833 conforme os arts. 83 e 88 da lei de
4 de outubro de 1831, o til. 4. do alvar
de 28 de junho de 1808, e o art. 7 lo decre-
to de 25 de nuvembro de 1834, quando
pela peticSo constante da cerlidSo de 11.
251 v., feita em 3 de agosto de 1836, qua-
liflcando-se thesoureiro dos ordnalos e a.I-
diefies miudas, offereceu por seus fiadores
Manoel Moreira Lirio e Franci.sHS Pereira
dos Santos Cristo testador e ti' dos r re-
corridos, que com a expressa referencia
Nanea, )!;' a lei exiga, e a Clasuls diese
responsabrisaren! desde que o Ihesourreiro
servia, Iheforam acceitos, como tanibem so
v a fl. 255.
Em consequencia lavrou-se no subse-
guinln da 5 de agosto e anno de 1836. o
termo, que se vea fl. 252 v., a fl. I21fl.
5, obrigando-se por elle os offerecidosTI-
dores de fl. 251 v., a fl. 252 i.or esla ma-
ueira :
Compareceram Manoel Moreira Lirio e
Franrtico Pereira do* Santn Crasto, para
sssignarem termo de litica pelo l''esou-
i reiro dos ordenados Hanoe Moreira Lirio
t da Silva Carnetro declaran io que... se
olirig.impela eobredilo Ihemureiro donardt-
c nadan dente que principiou a terotr etle iai-
preg i." latn iul'rinamente como depon de
eff'ciivament' nomeadS
On, is obrigacOes do thesoureiro de fl.
51 v., all anca lo no -lia 5 de agosto de 1836,
a fl. 5. a II. 121 e a fl. 252 v.t confurn a
lei de 4 de outubro le 1831 nos arts, 83 e
iS, .*!?. d 18 do jt.". d ;S0i, un iii. i,
3 eseguinles eo decreto de 2 de novem-
hr.i de 1834 no art 7, eram a de ser cat-i-
eul.rrio du seu cufre Cum o eicrwo de sua
receila a, despeil, recber met limante a
quantia nec-issaria para pagame-to du> folhai
mis cargo, e, a vista dellat, iiuiiCi a da uo
ni.-z subseguinle jen mtttrar pagan, ese
Ihe descontaren! upar pagar do me aate-
redente, sujeilo por qua|qa.n falta a ser tu-
rne latamente suspenco, preso e sequeslra-
lo, si Por Coiiseguinte os fiadores de fl. 5, fl.
121 e 11- 952.v accessoriaoaeute' obr-qa-
rii ptincipul do thesoureiro afianzado em 5
de agosto de 1836 de 5 v., fl. 190 v. e fl.
951., constante do til. 4. do alv. de 28 de
junho d- I8n8, vista dos arts. 83 e 88 da
lei de 4 de outubro de 1831, e d.i art. 7 do
dec eto de 25 de aovetubru do 1831, ato le-
rum de responder senSo pelas [altas, que
se iue verilicassetn da quaiiita por ee re-
Cebida para pagamento dat fothai a seu car-
go de um a oulro mti, porquanto :
I m medula mente da la e reconbaci la, co-
mo devia logo flear, essa falta, seria sutpen-
to, preio l tequetlraio o lliesoureiro alcanza-
do nos termos do titu!" 4 do !. de
8 de junho de 1808, conforme o artigo 88


-
1 '.I ...
"
?"
.- -a.-------------l
^-'-*^V^;
m*w~
u le de 4 de outubro do 1831, e essa mes-
.ih falla tnensal nunca sen* >'.'. iiv ilo ris
i':Oro.nflO "a propo'Cdo dos 119:968 966 rs
m 18 in*7*S constantes da certid.lo a II
23. O'i do 27000,000 rs. na proporcdo de
i60:000,000 rs. .cbidos e despend loa no
tili.iiMscii,. re .le 1839 a 1840 conforme a
oertidta a il 25 ein todo o caso soluvel pe-
lo pmprios liens 'lo thesruretro alcancado,
m-Mil. les imr sii.-is arr*nc0*8 om oais
de 35li0O,000 rs como s v de fl. 265 v.
... 2-6. I.. 3 1. D. de transact L. 27
i. fl de pac. I. 42 fl. de fldejusa., I.. II. de
cond. inal., L 29 fl de verb, nblig., cod.
civ da Franja ari. 2013, 2015. 237, ele.
Nunca entretanto se ileu cname ile caso
aljiU'ii <-m niiedHves.se ser applicavi'l fian-
ra de 11. 5. fl 121, mo II 211 a II 252, Jo
tlies.iureiro nlfl meado em 5 de agosto de
1836. d*fl 51. efl. 120 v. emqusnto elle
sn vio cnifurme o> ai tigus 83 e 88 da le de
i de outubro de 1831, o tlt. 4. do alv. de
28 dejunho de 1808, e o art. 7. do decreto
de 25 de novembro de 1834 : pois q,ue nun-
ca ioconra elle em falla alguna seivindo
at junho de 1810, como he notorio dos au-
tos e exclusivamente se acha instrumental
mente demonstrado de fl 263 a 261. de fl. 3
fl. 4 .le 11.80 fl. 82, e fl. 122 a fl. 124 v. ,
ede II. 126a O 127.
Depuj^oaqulle mei do junho de 1810,
porCT.f^fassou a ser absolutamente outru o
reei i lo ttiesnurejru, creando se e pondo-
se em exercicio urna nova thesouraria pelo
regulamento de 20 do niesiiiome7.de junho
e anuo de 1840 conten lo para os seus iru-
balhos urna nova serie de officiaes constao-
te oe um escrivu sem ser clavicularlo como
fura o preexistente, um ajudunte, um fiel e
dous escriturarios, reunindo todos os tttear-
gus, que conforme o art. 33 da antecedente-
mente citada le de 4 de outubro de 1831
tram exercidot pelo Ihtsoureiro geral do the-
souro nacional no computo de uisis rls
2,348 000.000 a 3,000.000 rs. animalmente
sigo. fl. 251, sempre lecebi Jos por presta-
efles e nfio mensalmente vista das compe-
tentes fulltas, cura differentes CondicOes e
modo de liscaltsatjflo, e sem se lile exigir
iiem fallar de prestando de flanea algums.
Em consecuencia nSo leve de ser nenhum
dos dous Dadores asignados em 5 de agos-
to de 1836, no termo de fl. 5, fl. 121 v, e de
fl. 851 a 852 v., nem foi nunca algum dalles
chamado para ratificar, reforcar, ou reno-
var e ampliar aquella sua preexistente flan-
ea, sobre urna obrtgacfio de 20 30:000,000
ris por mez, de 240 a 300 000,000 rii por
anno, creada, esubelecida e posta em exer-
cicio pelo regulamento de 20 de junho de
1840, na rasdo da240a mais de. 3d0:000,000
ris por anno,jr<*a*f*oauthenticaii,ente se v
das eutregae fctlaj de julho do refer lo an-
no de 1840 a nove*tiro de 1846, a fl 1555
v., a fl. 166 ?., a fl. 169 v a fl. 158 v., a fl.
159 v, a fl. 160 v., ea fl. 161.
Ain la mais ; fallecido lies mezes depnis,
islo he, em 25 de sel e rubro do referido annu
do 1810 o pri'jieiro dos meamos preexisten-
tes fiadores, assignados em 5 de agosto de
1836. lio termo de fl. 5. fl. 1211 fl. 252
v., como se v da cerlidtio de fl. 25 v., se
nSo considnrou restar o segu lo deixsn lo
S absolutamente de exigir do actual thr-
S"Ureiro da th'sotiraria dn regul.nn uto de
20 de julho de 1810 que o lizesse anda res-
tabelecer ou cunrtrmar, ou renovar, ou am-
pliar sua nbrigacAo fidei jussuria, e trala.-s
dea rom fletar porqu-m bastan e fosse pa-
ra suceder ao irineiro liador defunlo.
Procedeodo-se, assim, de accordo, em
todo o caso, comaveidadu ju'idica de se
achar ca Inca e extincia a arcessoria obriga-
eflo lidejussorie desde q'ie deixuu de exis-
tir es*et nttuio a principal do thesonrei-
rn, ifriaticado em 5de agosto de 1836 a li.
232 V., pela novaclO frita e realisada pelo
regulamento de 20 de junho de 1810, q >*
i-r-oo e eslabeleceu a actual n >va e diversa
th souraria. entrada em exercicio no ori-
meiro de julho do mesmo anno, niuilo
inoor doqne aquella outra reur/ida pelo
decreto de 25 de nuvembio de 1831 no art
7 de cnfoiiiiidiide rom OS arts. 83 e 88 da
l*i de 4 de ouluhro de 1831, rom o til. 4
d j t Ivaii de 28 de junho de 1808, como h
crreme e obvio, L. I fl nolav.,1.. 4 col d*
fi lejuss, L, 3 1 l>. transan., L. 27 4 fl
de part., L 42 fl. de fi lejuss., li. 5 fl. de
londit lot., I,. 129 II de v*rb obl cod
civ. da Franca arts. 1234, 2015, 2037, etc.
Verifica a cusa julgada em todas as
instancias ea pnmei'a a esta suprema c-
thrcoria do poder judiciario de fl 205 a fl.
209 v ; o ha pratirameitte recOnhecido o
poder expeutivo eni todos os casos, que sr
demonslram pelas rerlidOeS de (I 20 a fl
^OJsT-edefl 215 fl. 217.
mp> como em se cuidar jamis de fian-
c^Brnma, depoisde publicado e posto em
excu*o o regulamento de 20 de junho de
1846, se procedeu coherentemente com o
adoptado principio de 8e considerar exitnc-
ta a olirigacSo de caucionar, que tinha o
empregado, cujas attrihukO foram de no
vo alteradas, se por outra lei ou novo rogu
Intento nSo he renovad', ede jamis ba
ve-la,izando nSo se acha expressamenle
prescitota, nos termos dos avisos de 29 de
novemhro de 1834,8 de outubro de 1836 e 4
de fevereiro de 1830, como se demonstrou a
11. 242 e segi'inle.
FOi aOmeote depois de demittido pelo de-
creto de 3 dezembro de 1846 a fl. 121 ., o
actual theaoureiro da thesouraria do regu-
lamento de 20de inulto de 1840. adiado in-
curro de commum com dous dos emprea-
dos da otesma thesouraria nos crimes, pe-
los quaes foram denuncia ios de fl. 80 a fl.
82. e de fl. 126 a fl. 127. a vista dos exa es
de fl 192 a fl 124 v. :foi smenle/ ento,
tralando-se de proceder ejecutivamente
i'ontra odemitlido Ihesoureiio da thesou-
raria do regulamento de 20 do junho de
1840, pelas faltas, assim criminalmente per-
petradas, extraordinaria e inesperadamen-
te deparada fl 243 v e de fl 264 a fl 265,
nos ejercicios de 1843 a 1814, e de fl. 3 a fl.
4 nos exrrcius de 1846 a 1847, que huuve re-
cordaeSo daquella li.nca. oll'er.cida e pres-
ta ta ero 5 de agosto de 1836 de fl. 5. n i2i
v., d* fl. 251 a fl. 252 v.j caduca e ewincia
hi n.ais de 6 anuos antes, como lica de-
monstrado, d> s Je que drixou de existir a
ih'Sourana dn arl. 7 >io derrito de 25 d<
noven.bro de 1834 e dos arla 8) e 88 da le
de 4 da outubro de 183! Conforme O tlt. 4
do alv. de 28 de junbu de 18o8.
segundo liador Francisco Pereira uos San-
tos Crssto de fl. 5, fl. 121. e de fl. 251 a fl.
252 V nos nrnhargos dn fl. 39 sua susten-
t.i.-:ii>, de fl 63, nos de fl. 111 e sua suaten-
tacAn as rasOes dn apnllafAo de fl. 185
nos ltimamente prvidos de fl. 227 e sua
sustentculo de fl. 272, sempre parece que
nos lummosnse cnncludnnles fundamen-
tos tro accordHo de fl. 284 a fl. 286 achara
este supremo tribunal a mais bem baseada,
t*cpssara o irrecusavel justiQa do seu lili
nitivo julgado adoptaiido-o no indeferi-
ii-nto qui a tolos os resoeitos moroce a
revista maoifnstaua por parte da fazundi
publica fl. 287.
. Ex more.
Sentenca do supremo Iribfal de ntica.
Vistos, expostos e relatados estes auto-
civeis, entre partes, reco'rnnie, a faxen la
tacional, recorridos, Muiod Francisco 1.i -
rio, e outros, n-gam as revistas do fi. -'-''i
v. a II. interposlas pelo conselheiro procu-
rador da rora.por nSo haver nuli la te mi-
infesta, nem injustica notoria nos accordSos
recurridos. Itegressem os autos ao juizo,
onde foram sentenciados, pagas pelo rnror-
rentn as cust.s. Rio 6 de agosto de 1850.
fabuco, presidente interino Pmto V.hichor-
ro. Franca. ~ Sequeira Almeiila.--Perdi-
gan ilutheiros. Oirneiro -- Veiga. Peca-
nha Estere presente, mas nSo votau por
impedido oExm. conselheiro Campos. O
secretario, Stryno Antonio de Lemos.
( A Nova Gateta dos Tribunaes.)
iiiiija^p^Miteia*!i?flia^i.^^pj(>
Keparligo da Polica.
PAUTE DO DI\ 5 DE NOVEMBRO lE 1850.
Foi preso : ordem do suhJclegado da
freguezia de Santo Antonio, o escravo An-
tonio, por disturbios.
DEM un DA 6.
Fdram presos : ordem do delegado do
priindio districto deste termo. Malinas Ro-
drigues dos Santos, por infraccSo de pos-
turas muncipal: a ordem do subdelegado
da freguezia de s. Antonio, o preto Antonio,
escravo de Joanna de tal, para corrrtelo ; e
Joo Muniz, sem derl iragSo do motivo : e
a do subdelegado da freguezia de S. Jos,
Leonardo Lourenco Bezerra, por estar ar-
mado de um caivete.
COMMEftaO.
CONSULADO GERAL.
Rendiroento do da 8.....
Diversas provincias......
875,017
81,774
956,791
Assim, pois, ainda piesciiidindo de to-
do* 08 argumentos Coui suas piovas de dl-
r ilo e f-cio cunaei vadoa por parle nos re-
coi rtdo8, tealaueuleiro e aobrinnas h.bni-
adas hrdsirss do ltimamente defunio
EXPORTACAO.
Despachos martimos no dia 8.
San-Matheiis, sumaca nacional Bella Ca-
rolina, de 92 toneladas : comuz o seguin-
te : 6 raden s de palhinha, II barricas com
13 arrobas e 26 libras da assucar e 1 pacote
fatenda*.
Sn-Matheus, hiate nacional Alecto, .de 38
toneladas : r.ni luz o seguiltte : 1 caixSo
co ii ililTerenle objndos eslraniintros, 1 di*
o diveisas fazenlas. II ha rus com 4qutn-
aes e 10 libras de ferro, 2 gtgos Iones 3
(Mixas esperuiacele, 12 barucas baciihao,
6 ditas f^rtnha de trigo, 1 gairafSo a/eite-
loce, 3 barra vuino. 1 barica eerreja, ton
lioll ,s, 15 uiliios d'alhos, 1 barril man-
leiga, 20 barricas com 148 arrobas e 22 II-
ras de assucar, 4 Callas velas da carnauba
15 libras de rap.
RECKBEDOltIA DE RENDAS t.KIUKS
liMERNAS.
Iteodimento do dia 8.....612,991
CONSLAO PROVINCIAL."
R*ndlmento do dia 8..... 1:094 201
iMoviuienlo (Jo |)i)il. ).
Novio suhido no d>a 8.
Parahiha --Hiato nacional Parakibano, rnes-
tre Nicolao Francisco Cosa. ca>ga va-
rios gneros. Passagei'OS, JoSu Mari
Masrarenhas Rozado, Manuel da Silva Nn-
ves, JUno-1 Meileirnsde Carvalho e Ma-
nuel da Silva Medeifua.
Obstn-acSo.
O hiate Conceico Flor das Virtudes, que sa-
bio h .ni-m para a i-ai ain lu arribou a este
porto com agua bert<.

Declarado*.
A ultima notte de Potnneia.
O santo epufuhro em Jeruaalera.
aples pelo paaielo publico.
\ bella uilade da Praga na ^uatria.
A de (i inicuo da galera de Dinamarca.
Chrlstiano VIH na batalba de 5 de abril de
184.
O (unel ou galera debaixo do rio Tamisa etn
Londres.
t-L.-.X-^ayaasM8gisX~773WBBga88l
Avisos martimos.
"*"-- Vend-sn o patacho nacional Curionn,
tiromoto doum lulo para seguir viagem,
forrado e pregado de cobrt de lote de sete
mil arrobas, pdn sr examinado no anco-
i loor do Forte dn Mallo : a tratar com o
consignatario do mesmo Luiz Jos de S
.raojo, na ra' da Cruz n, 33
Para a Baha pretende seguir viagem
le o dia 15 do crrente mez a sumaca na-
cional Carlota, por ter a seu bordo dois ter-
cos da carga : para n restante e passageiros,
trata-se com o m*stre da mesma, Jos Gon-
calves Simas, on com o consignatario, Luiz
Jos de S Araejo, ra da Cruz n. 33.
I'itra n Hiede Janeiro
i brlgue nacional falle, novoe de primeira
marcha, segu com brevidade : quem qui-
z*r carregar, ou ir de pasaag*m para o que
tem excellenlea commodo*, ou eacravos
. frntn, iiinje-jc ao ca pido Candido Fur-
ias de Lacena, na praca, ou a seu con-
signatario Manoel Ignacio de Oliveiro, na
praca doCommercion 6.
Par* o Ceara.
Espera-se com toda a brevidade de Lis-
boa com destino aoCear, o brigue nacio-
nl Empresa, forrado e encavilhado 'le co-
bre e de superior marcha ; demorar-se-ha
aqui 12 dias, e recebera carga e passagei-
rns : trata-se na ra da Cadeia do Kecife n.
17, segundo andar.
Para o Rio de Janeiro a escuna nacio-
nal Derenlce, pretende seguir em poucos
lias : quem na mesma quizer carregar ou
trde passagem,dirija-saa Oliveira.Paiva &
Companhia, ra da Alfandega Velha n S
~ Para a Baha salte em poucos dias por
se achar com parte da carga prompta a su-
me nacional Calla, para o restante da car-
ga o passageiros trata-se com o consignata-
rio da mesma Luiz Jos de Si Araujo, na
ra da Cruz n. 33.
Para Lisboa o brigue portguez Conericio
de Mara, pretende aeguir por todo o mez
le novemhro, por ter a maior parte da car-
ga prompta, qum no mesmo quizer carre-
jar ou ir de passagem, dirija-se aos seus
consignatarios Tnomaz deAquino Fooseca
& Filho, ra do Vigario n. 19, primeiro
andar, ou ao capitdo, na praca
Para o Uiode-Janeiro sal,
com a maior lirevitlad j possivel,
por ler parte de seu carregamento
engajado, a barca nacional Ame-
rica, de primeira marcha, com
urna rica cmara para passageiros
|uem na mesma quizer carregar,
embarcar escravos, ou ir de pas-
segem.tlirij -se ao capillo na pra-
ca do Commercio, ou a luvaes &
U na ra do Trapiche, n. 34-
Leiles.
Os Srs JoSo Cliriso-touin Fernandes
Vjanna, Jo3o Elias Pinto de Gouveia Arro-
da eseu liador, e Domingos Tertuliano Soa-
res. cnmparecam na esa da cmara mu
cipal para assignar os termos das arrema-
tacrtes que lize'am das lujas da prafa da
Independencia; assim romo os Srs. Jos
Joaituim Ribeiru, Aprigio Carlos Pessoa de
Mello Saboia, Jos Francisco de Paula e Jos
Vtrissimo de Azevedo, facaai*>"m que seu.-
fiadores assignem otermos dis que arrt-
mataram.
- Pela administtaco do coneio se U/
publico a quem convier o artigo do regula-
mento abaixo transcripto.
Art. 268. SerSo sujeitas a porte todas as
cartas, anda que nSo estejam fechadas.
Theatro de Santa-Isabel.
2.' Kr.CI l'A DA ASSH..NA I UltA.
Domingo, 10 de notembro de 1850.
A comp
excellente
inhia nacional representar
drama em 3 actos
D. MARA DE Al ENCASTRO.
Terminara o espectculo com a nova
bella comedia em um acto
Emilia traveaaa.
Comecara as 8 horas.
Os bilhetes acham-se venda no lugar do
costume.
Theatro ->.-.< i incisco.
BFI.L4S ARTE1.
Qunrtt mudunca das vistas dn r smorama.
Ainaiiliia domliiRn 10 dr iioveiubro, achar-
le-ha i Berta a galera do comiuraiua cun
grandei vistas novas, a saber :
A cidade de Lisboa priAIinada.
Peruaiubuco pela l.rut do Patrio, vista as 6
hora r um quarlo da larde.
A columna de Alexaudre em San-Peter-
burgo.
A praca re. I de Bruiellaa.
O buulrvard de au Mag'dalena em Pars do
ataque do poro contra as tropas, na revolujao
do au paaaaiiu.
--O correlur Oliveira fari leilSo. por or
>lem e em presenca do Ulm. Sr juiz da se-
una vara docivel, escrivilo Cunha, das
nerradorias existentes na loja que foi d
fall to Chardon, e annagjo na mesma, ludo
m um so lote, ou a armscBo separada-
nente, aeitundo o respectivo invnta-
lo a avaliacoes f-itas pelos peritos judi-
cialmente nomeados ; fazendo-.se bom ao
arrematante o arrendndolo da indicad lu-
ja pelo tetn.io que s- Convencionar : sahba-
lo, tdu correte, as 10 limas da nmn'na
no Aterro da Boa Vista, casa n 3i onde exis-
te a Sobredila loja.
-- James Oahtrer cv Companhia fardo lei-
Ili. por inieivenlo do corretor Olivetra, de
* ran le sorii ment de fizendas inglezas, to-
dis proprias d> mercado : segunda-feira, II
do eorrente, aa 10 horas da manltda, no seu
armazein, ra da Cruz.
Srhapheitlin & Tobler fardo leildo, por
int'rveui;o do corretor Oliveira, de grande
sortim uto de fazeodas de seda, linbu, Ida
de IkOddo as mais proprias do mercado :
lerija-teira, 12 do correte, as 10 horas da
tnauliAa, i,o su arniaz ni, ra da Cruz.
Avisos diversos.
O Sr que por engao ou por graca le~
vou para sua casa, na noite de 6 do corren*
le, urna bengala de carnuda India,com caa~
Ido de cornalina, que eslava guardada no
botuquirn du theairo de Santa-Isabel, haja
de uiauda-la entregar a seu verdadeiro do
no, em o sobrado n. 41, segundo andar, na
ra do Itozarto estreita ; do contrario lera
de ver o seu no me por m tetro nesle Diaria.
OSr. que aiuga canoaa de carreira,
quoira annunciar sua residencia, ou dirigir
sea ruadaSenzalla Velha n. 100.
Precisa so de urna ama para casa de
pouca familia, que aaiba coser e engom
mar: na botica da roa larga do tlozaiio
o. JO.
O abaixo assignado corretor geral nes-
ta praca avisa ao reapeitavel publico, que
tem eslabelecido o seu escrtptorio e arma
zeai para reclu' qualquer mercadoria, na
ra do Trapiche n 40, e all encontrardo ef-
fectivamenie o Sr. loo, Edwin Roberls, com
quem podeido trataraobre qualquer trans-
acfdo commercial, vlato ter o abaixo assig-
nado Sr. Roberls, (seu bstanle procura-
dor) nosu a direcedo do seu eslabeleci-
meiito ruino os ni cessartos poderes para fir-
mar qualquer Irato de responsabilidade. As
materias essenciaes a que se propOe o abai-
Su assignado siio as seguintes : vender a
procurar venda a toda e qualquer merca Jo
ra, tanto em particular como em leildo, r
pe.a fOrma que determina-eiii usseus res-
pectivos doiius, com,nar qualquer genero
le ex, urtaedo, agenciar descunlos de lel-
Iraa, deapacnar navios, tanto na elfsn lega
como no consulado, tiadunr manifeslos, r
filialmente toda e qurlquer lransar(3o que
aeja relativa ao referido lugar : ludo mu or-
ante urna mdica Correlagem.
Miguel Corneiro.
OSr. llanoel liias de Toledo tem urna
carta ua fui da* LtUlOt, U. 40.
i Aluga-se o segando andar do sobrado
n. 82 da ra Dirita com bastantes commo-
los : a tratar no primeiro an lar do mesmo.
Precisa-se alugar urna preta para o ser-
vico dn urna casa da pouca familia : na ra
da Cadeia do/lecife, loja n. 56.
0 abaixo assignado no- responde ao
Sr. Joaquim Lobato Ferreira ( que agora se
ligna de o tratar por genrn ) porque isua
merc he ja mui bem condecido, sendo que
por isso de ana correspondencia publicada
no Diario dn hontnm nenhun elTeito desfa-
voravel ple resultar ao ahaixo assignado.
e muito menos aos meretissimns juizes que
leram as sentnncas da que elle trata em sua
correspondencia. Se todava algn-m ain la
o ndn conliecer, rodera ler os Diarios ns
229, 214,357 e264do anno de 1849. e on
189 -leste auno. -- Hanoel Mmeida Lopes
Aluga-se urna casa terrea na ra da
Gloria': a tratar na ra do Cabug, loja de
Joaquim Jos da Costa Fajoze.
Aluga-se Orna boa casa na Capunga;
oelo tros mzes da fasta : na ra do Cabu-
g, loja n. 3
0 abaixo assignado faz sciente a todas
as pessois que gostam de comer peixe, que
querendo agulbas, aguIhOas. ou outra qual-
quer qualidade de peixe de currall, dirja-
se a Fra-de-Portas, n. 95, que de urna hora
da larde em dian'.e. hayera do dito peizc,
e se guardar para aquellas pessoas que o
encom vendaren). Domingos da Roza.
Bypotheca-se urna casado pedraeeal,
no largo de N. 8 da Paz noa Afogados, por
2 K),000 rs. : em Fra-de-Portas, n. 92
Aluga-se um molecote esperto e de
boa conduela, para o aervjco interno de
urna casa ingleza : quem tiver annuocie.
O Sr. Francisco Beoto de Oliveira, que
se declaro autor do annuncio inserto no
Diario de 7 do eorrente, pode qusndo qui-
zer dingir-se a Msrcellino Henriques Pe-
reira.com recibo legal para receber o frete
de que trata o seu annuncio.
-- Dase dinlieiro a premio, sobre penho-
res de ouro e nrata, em pequeas quanlias:
no Aterro-la-Boa-VIsta, n. 73, loja de cera.
Joaquim Ribeiro Pontea faz sciente ao
publico, que deade o dia 5 do eorrente, dei-
xou de ser seu caixeiro o Sr. Manoel Jos
Machado.
ATTEISG40'.
Tendo-se, no expediente da re-
lacao, feito mencao de urna causa
entre partee Salustiano Augusto
Pimenta de Souza Peres e Manoel
Joaquim riamos e Silva : o abaixo
assignado apressa-se em declarar
que nunca leve, e nem tem qnes-
to algum* com este Sr. ; sendo
que intentando a de que trata o
expediente, contra a companhia
brasileira dos piquetes de vapor,
dev o mesinoSr. Ramos e Silva,
na qualidade de agente que entao
era da dita companhia de enter-
vir na mesma causa, a qual pros-
segue boje com Thomaz de Faria,
.uce.ssor do mesmo Sr. Ramos na
dita agencia Fazendoeste annun-
cio por defferencii a pessoa da-
qnelle Sr. S. A. P. de Souza
Peres.
Aluga-se urna cass no Poco da Panella
com bous rommodos nara grande familia,
estribara para qualro cavados, boa agoa
de beber e jardim nt frent-; adkerle-se
mais que a dita casa h murada em roda e
tm um grande eopiar tapado, com frente e
sabida para o rio : a Tratar na ra do Tra-
piche, armaze n n. 44.
Jos Peres de Aibuquerque Maranhdo
acha-s< no Kecife receheiido assucar para
vender, tirando dous por cento de commis-
sdo, e pe isso s offerece aos Srs. de enge-
nho que ltie queiran re nelter Suas safras.
a-segurando fazer quanlo de sua parte es-
liveaaafitn de satisfazor a todos, e deseja que
man lem suas ordena para ser mmediala-
niente entregue o liquido producto a quen
lites parecer, visto ndn querer que fi-
que em seu po ter. Aquelles a quem o ore
sent offerecimento convier, po rn procu-
ra-lona ra Furmosa, quarta casa Ierre
domanhAa muito cedo, ou das 3 boraa da
larde em (liante.
Luiz Fpifanio Mauricio Wanderly, qu
ha annos se oceupa em agenciar os negocios
de varios Srs. de engenho nesta (faca, a-
ctiindo-se habilitado para receber maior nu-
mero de correspondeeciaa se offerece para
agenciar a venda dos assucares daquelles
Srs. que se dignarem consignar-lh'os pelos
maiorea precosda praga, comprar-lites to-
dasaa eticommenlas, aejam de que nalure-
za forem, pelos menores precos possiveis
e mesmo fornecer-lh'as a prazo, tenlo casa
preparada para as seas assiatancias e de
seus recommeodadna, e cumprindo todas
as suas ordena : ludo lato sem interasse al-
gum, tirando apenas a commissdo de dous
por cento sobre a venda dos as-ucares -. n
ra da Florentina, casa da eaquina confron-
te aooitdo do theatro novo, cuja casa tem
limnaln A ianA|l>f ;C?; drC,*dV.
Pt eciaa-se de ama pessoa para tomar
corita de urna padaria por bataneo, que d
liador a aua conducta e aeja entendida :
quem convier, dirija-se a esta lypographia
que se dir quem precisa.
Preciaa-se de urna ama preta idosa, de
boi conducta, que compre e cozinhe para
casa de homem solteiro : na ra estreita do
Rozario, loj de miudezas, 0. 8 A.
Quem quizer alugar um moleque, di-
rija-se a roa do Livramenlo, n. 1, sobrado.
Nt notte do dia ido correte me?; dei-
xou de apparecer em Oka de Sr. Jos Cun-
des S-lgueiro morador na ra Dtrelta, no
primeiro andar do sobado n. 88, urna sua
escrava cabra de mime Anglica de idade
tle 30 annos, poucc mais ou menos ; a qua
se rmpregava em fn ler bolos de b.cia, e
p3o du l, sendo constante uessa venda n<>
acoda Sra. da Conceiclo do llecife, roga
por Couaeguiuie ssuseniora toda, e qual-
quer peasoa que a apprehender a conduzn
a casa de sua morada, que ser generosa-
mente recompensada, Adverte-se que a es-
crava tem um signatsaliente de quetmadu-
ra debaixo do btaco djieito
.iX'oo le iri-atlf1riir.no
chaves, do Uecife ponte de l'cltoa, e dalli
al a Passagem da Magdalena, na ra do Tra-
piche, armazn) n. 44.
Precisa-se de um caixeiro de 19 a 13
annos: na ra do Rozario da Boa-Vista nu-
mero 53.
lnatrucrao primarla.
Francisco de Salea de Aibuquerque avisa
an reapeitavel publico, que ja pnncipiou a
funecionar, no da 1 de setembro prximo
passado, a aua aula de orimeiras letlras es-
tabeltd la na rua do Mondego n 44 0 an-
nunciente contini a receher olumti's ex-
tiirnos, pensionistas o meios pensionistas;
e prometledisvel lar-so uela elucagilo del les.
Sobre ludo para aquellas que tiiorim fr
da praca, a aula do anntiucianto offerece
recotiheci las vanlanens, atienta a sua oca-
lid le o distribuido interior, embaraco
c mi que lula a educaedo primaria d.-sses me-
ninos. Aquelles que possatn duvidar da sin-
tJKidade das promssas do annuncianta, e
me supponhaTi encarec ment por proprio
intereste, poder-se-hdo desengaar diri^in-
do-se pessoalmente i c*sa doannuncianle;
e ahi verdo i par de urna inleira regulari-
dade com modos domsticos que mais de
accordo se possam achar con o bem astsr
esaledos meninos. Oannuncianle espera
que o respeitavsl publico, comoenetrando-
b da erdsdn de suss prostesus, hera-
sar-lhe-ha prota*t;Soe benigno acolhimento.
Jos Maris Palnteira declara que tem
jado ao Sr Joaquim Jos Goncalvrs llel-
Irdo aociedade em lodos os seus negocio*,
e lato ji a contar desde 3 de maio do cor-
rente ; sendo de ora a vante a firma de
sua casa a de Palmeira & Beltrto.
Os abaixo assignados declaran ter-se
ligado em aociedade, sOb a rasdo de Pal-
meira & Beltrdo, de que ambos p le* fa-
zer uso. llecife, 7 de novemhro de 1850.
Josa Mara Palmeira, oaquim Jos Con-
calves Beltrd.
Ndo tendo appsrecido pessoa alguma
que queira arrematar a dinhetroa laverna
deixada pelo finado Francisco Peixoto. si-
ta na rua larga do Rozario, a teslamenteira
se acha autorisada pdo Sr. Dr. juiz de or-
phdos, para a beneficio dos orphdds vende-
la pela ultima avaliacdo que se proceden}^
com o prazo de 6, ta e 18 mezes, com ga-
ranta a contento: quem pretende-la, di-
rija-se rua estreita do Aotario, n. 33, bo-
tica.
Precisa-se alugar urna preta captiva,
que aaiba cozinhar, engommar e comprar : '
na rua Nora, n. 39, aegun lo andar.
Na rua estrella do Rozario n. 28, segun-
do an lar, so dir quem da dinhetro a pre-
mio. Na mesma casa se ven Jem varias obras
de ouro e prala.
tt>MtttHHHfttl4>
9 Paulo Gaignnax, dentista *
U frahcez, offerece seu prest-
ua
1
d-ae a quem achou um mlbo com seis des, n. 28
4 mo ao publle para todos os #
fc porte ser procurado a qual* 9
9 qner hora ein sua easa, na #
a) rua larga do Rozarlo, a. 36, #
9 Mi-guudo andar. #
J Aloga-ae, na rua de Hurtas, om excel-
lente sold corrido de frente aa fundo, rom
sulTIcieutescommndos para homem soltei-
ro, ou pouca familia, por ter dous quarlos,"
cozinha, quintal e c cimba : a traiar na.
mes oa rua, sobra do de um andar, o. 130.
Precisa-sede urna ama de laite : na
rua Velha, o. 102
io,r>oo rs de grtiificico.
D-se 10.000 rs. de gralicacio a quem 1
noticia seria morador nena cidade, ou de fra, aupAe-tr ser
de fra ; este humeiu aluguu um cavallo no da
5 do crrente pela selr horas da manhaa. pa-
ra Ira Passagem anude pretenda deinorar-se
res horai; e como at ao presente uo tenha
apparecldo, rega-ae a aquella pessoa ,jue co-
nbecer o dito aujrfto, e que possa dar delle n-
l'urinaces, que dlrtji-se a coirira da na da
Kloreuiini pie ser gratificado ; o cavallo riu
que elle foi he allasao, capado, com os quatro
ps cale ido,, frente abena, gordo, leni nina
beiiga no tumbo, <|uatquer sufreiada que ae
liie der levanta uiutto a cabrea, que or Uso le-
vou una gamarra, o sujpito r'iaalriii irn
nouie trocado, be brarico, cor b|sm morra
alto, ohelo do corpo, barba toda rap.
larga, representa ler 30 anuos de Id
mais oa ornos, quando vria oiilir I
a ruupa preta e a casaca debrnaita de ]
pede se encarecidamente a aquellas
que o conbecei, ou prlo noiue ou prll
sigues que dirija-se ao lugar arlon decla-
rado on aununcie a sua morada, e d-se a quem
aprehender dito cavallo 50,000 ra. de gratifi-
cado
Aluge%s, on vende-se o sitio da Casa-
Forte, rom boa casa, 95 ps iba jaqueiras, 6
de jambeirns, bastantes laraogeirase outros
muitoa arvore loa, grande planta de caf;
denominado sitio dos Arcos, que foi do fina-
do Francisco Bernardo da Cunha Pureira,
boje de seus lienleiroa : quem o pretender,
dirija-se a Casa-Forte, a tratar coa o Snr.
Jos Ignacio, ou com a viuva D Josapha
Joanna do Sacramento, que mora ao sitio
da pttombeira defronte do sitio do coronel
Francisco Jacinlho
0 Dr. J. J. Pinto, mudou a sua residen-
cia para a pratja da Boa-Vista, a. 19, pri-
meiro sobrado ao entrar na rua do Aragdo.
Preciaa-se de um horneo para feito^H
sitio, que tenha intelligencia deaeu ollido,
e li fiador a aua conducta : na rua do Col-
legio, n. 13, das II boraa da manhda as 3
larda.
No dia 13 do eorrente furtaram da ca-
sa de Jos da Rocha Paranbos, um relogio
de ouro sabonete patente ingtez, com cor-
rete, o. 9,068, fabrieanle J Jackson Livor-
pool : quem o apprehender ou delle der
noticia ao annu ocian te, ser recompensado.
Fugio do sitio do Parrfamri'im de-
fronte da campia de Sania-Auna, oa
no le de 29 do eorrente. o preto Manoel de
nagdo Benguella, de 30 annos pouco msts
ou menos, alto, tem um olho verme lito,
vestido Je camisa branca e ealsa de riseado,
apezarde ler bstanles anoos de ierra, ani-
da tem a falla um pouco alrapalbada, ja ira-
t'alhou na padaria da rua Direila ti. 82:
|uem o achar ou souber "noticias delle, dt-
rija-aea mesma pa laria, ou na ruado Tra-
otxe n 8, nu nu sobredilo sitio donde elle
luglo, que sera bem recompensado.
O Sr. Francisco Antonio da Silva, que
leve loja de louca na rua do Rangal, queira
mandar receber urna encum tica la, na pra-
ca da Independencia lis. 6 e 8
K igomma-se e lava-ie. toda i qualida-
e de loupa com todo assei e muila protnp-
tidflo, por prefo mais coturno lo do que em
tta anialoiiar !'* : na mu ta in..,i.Var. .


jilugam-ge para se pssr a rosta 011 an-.
nualroente 2 sobrados na 29 e 30, na ra d
S. Be> lo em linda, em frenie da ladeir* di>
Varadouro, sendo o primt-irn muitissim<
grande, rom commodos para duaa numero-
sas familias por ter duasespsens* sala, 5
quarlrs, cozinha grande com fogflo inglez,
forrlo e doiis quartos mai, alm de um an
dar terreo com grande aniso, 3 quartos i
mus una saleta enm janell na frente, com-
modos par cavado* etn armazem interior, r
dona quintaos, salido um murado o nutr
cerrado com fundo para a parte da mi
grande, e asegundo contiguo n primein
oni commodos para granos f-mili, con
du-s sls 3 quartos, um andar terreo, e
quintal murado com lugar do estriban,
anillos nmito feseos e prximos de banhu
doce esalgado : os pretendentes ra lmi erial q. 79.
Chai eos de sol. ^t^l
Ra do rasseio, ii 5. J)9t
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sorlimenio destes objeclos de todas as c-
rese quididades, tanto de se la como de
panninhn, por pregos commodos ; dilos pa-
r senhora, de bom gosto: estes chai con
sfln fritos pela ultima moda ; seda adamas
cada esa ricos franjas ile relroz. Na Oiesma
cu*; ; schs 'mi! sortimeoto ''? c.ia:; ;
panninho imitando tedas, liara cubrir ar-
nia-oes servillas : todas estas fa/eu-ins ven-
deui-ae em porgue, e a retalhn : tambi-m se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
basteas de ferro como do baleia, assim como
umbelas de igrrjas: ludo por prego com-
modo. Na mesma casa ha chai eos de sol,
de marca piaior, de panno e de seda, pro-
prios para Ifitores de engenho, por serem
dos mais fortes que se pdem fabricar.
..~.7.:t. i
&
Compras.
2oo8ooo.
Fugio, na none do da 16 do corrente,
o preto l.uiz, crinulo, repiesenta 38 annos,
de estatvra e corpo regulares, um pouco
fula, oihoi um pouco encovados, tem fal-
ta de i denles do lado superior, pouca bar-
ba, cora algumas cicaliizes pelas costas e
um'taltio as costas da ni So eaquerda ; le-
vou c ni isa branca e caifas de riscado dr
SlgudSo cor de caf, chapeo de palh* ja
usado : este escravo tem principios de sa-
pa leiro; he oQJcial de colchoeiro e traba-
lli lanihem de selleiro ; ha noticias que ha
poifcos dias passou em Coianna, intitulan-
do-!; Ungedor de boiada e levav sguiada
na ni a o ; deaconGa-seque elle siga para o
centro, aomie elle tem conhecimentos, e
mesmo ser natural do serillo; Koga-se as
autoridades policiaes e napilSe* de ca upo,
que o apprehendem e levem-no i ra do
Catinga, n. 3, lojs de selleiro, de Antonio
I'er reir Braga, que gratilicarcom a quan-
tia cima.
-- ///. Sr. Redactor. Consla que no
meado do presente auno pouco mais ou me-
noa fr cercada a casa da Sra. It. Francia
c, prupriela>W doeng-nlio Ilo-Fornioso,
d'ordem do Sr. Clemente, proprietario do
engriilio Vermelho, estando servindo de
subdelegado, para rffeilo de ser preso um
escravo dadita teoliora, llenme Adriano,
reo de polica, e danoo-se a respectiva bus-
ca, enlista que ulo fui encontrado, ele.
ele eic..... Consta que esle reo de poli-
CM a-sassiiinviem alto da, no lugar oai-
publicoda ci lade do Itio Foru osu, um es-
J;a-o do dito Sr Clemente, qoo tendo e-la-
ii pr'SO oa cade i de.-ta cidade do Recife,
d 'Ha fugio; que fdra um dos companheiros
do assassiuo uraiicado na anuo* oa ra da
' eia e >' alto da. Nada du espendido eau-
TadniracSo ao povo da ci lade do Rio For-
oso, o que se admira lira scnicerio oni*
com queo M in de polica oassea em al-
to di pelos lugares mais pblicos de du
rulaile, armadii de rliviuolo tic, sem qu<
seja pegado pelas aiiliv ida l.s policiaes da
referida cidade Illm. Sr. Chefe de poli
cia e mai antori ladea pol cfaes digoeui-s<
por tiem da humaiiiil de e seguran;* In ti-
vidual do novo do Rin-Formosn. dar provi-
denriis sobre este feio tilo escandaloso, se
p ir ventura forverdaJu lulo qu mo acim.
8 rala-a. *
Compra-s, effectivamente, prata fina
lo p;a 13o queimado, em grandes e pequeas
nor^fes: no srmazem da illumioagfio pu
iilica, na ra de S.-Amaro, e r,o escriptorio
le Jos Ramos de Olivni-o, roa da Cruz.
.- Compram-se esrravos de ambos os se-
tos, de 10 a 30 annos, e de bonitas (guras i
ia ra larga do Itozario, n. 48, prlmeiro
a idar.
Compra-se um oratorio de Jacaranda.
q ie nflo saja grande nem pequeo : quem ti-
ve.r annunrie para ser procurado.
Compram-se globos grandes de vldro
brinco, deste que veem .le Portugal com
iieixinhoi; na rus das Cruzes, n 40
Comp'e-aeollnivrsn Pitloresco, im-
presso em 1839 a 1810 : quem liver annuo-
cie.
Comnram-se tO'lhas todas de lavarin-
lo : na ra Nova, n. 24, ao p do relojoei o
Compra-se una prela moga que sja
le boa ronducta, sem vieios nem achaques
que saina cozinhar, engommar,e sendo que
saiba coser melhor sera; bem como um mo-
lecole que saiba cozinhar, e que seja de boa
on lucia : pagam-sebem: ua ra do Ran-
gel, n. 36, primeiro andar.
Compra se s collerrllnrl Aurora' do
.nno do 1834. jornal publicado no Kio-dn-
J.aneiro: na ra do Queimado, n. 3-2, se
tundo andar.
Compra-se urna morada de casa na coa-
cto do Cachang, que nflo esceda a son/ .
rom algumas fruteiras, e se ti ver o fundo
para o rio melhor ser : na ra larga do
tozario, n. 33, taverna.
Compra-se urna espada prateada, para
'Ricial da guarda nacional i na praga da
Independencia, n. 17.
Vendas.
Os lu el i- para lecilM 9 iu crreme
serSo distribuidos nos das 8 e 9 no saldo do
theatro.
Jo8o Francisco deSouza faz scirente ao
resneitavel publico, que, por llave outro
de iuual nonv, de hoje em dlante se assig
nara Joto Francisco de Souz l'inheiro.
I'rrrisa-se de una ama de leto sem
fllho, par* eriar urna menina de tres mezes:
na ra de Agos-Ve:des. 11.(96.
-- A Iverle-se queo capillu o os consig-
natarios da barca Chiltna Finii rf Gallar nflo
se resiionsab'lisam por divida alguina que
a IripWarflo da dita barca possa cunlratiir
em qualouer parte, durante a demora a que
o mencioiiadu navio estiver sujeito nest.
porto.
Aluaa-se n r?!ro nile /; zzzt d;
casa da roa do Queimado, rom commodos
para una grande familia, com duas salas
de frente : na ra do Passeio, lojs n. 21.
--A luga-se a casa terrea envidracada no
lugar do Monteiro, confronte ao oitto d
ignjadeS Pautaleflo: na ra do Queima-
do, II 13, luja. '
Queo quizar comprar urna lettra do
Sr. Dr Honorio Fiel Sigmaringa Vas Cura
duda qu nlia de 110,280 rs an nuncio pa-
ra ser procurado, que todo negocio se fara
Francisco Giuseppe Quagge, subdito
austraco, relira-s* para o Rio Formoso.
-- Precisa-se lugar um cozinhelro forro
OU captivo, para uuia casa eslrangelra di
pouca f-milla : paga-so bem : na ra da Au-
rora n. 8, segundo andar, das 8 s 8 ho-
ras da oanlia, e das 4 horas da tarde eu
diauta.
Pelo Juizo de orphos e na porta do res-
pctivu juu se iia de arrematar no da II do
c.irenio. por sera uliini pra^a, um sobra
dodeum andar, silo na ru de HoiUs n.
Si, requeriiueiito do lislameiilviio e in-
Vdiilarialite .10 beus do CaSal do tinado Jo
s Uau icio dcUliveira M.cul, para paga
uiciilota* dividas luaiiflr-oaa nn uveut.-
no dos dilos beos,'
Lotera dalgrejn le x.s. lo I.l-
vramento.
A os :. :oiioSiii'o vn.
Na praca da Independencia n. 4, Inja de
niudezas, vendem-se bilhetes, meios, quar-
tos, decimos e vigsimos desia lotera, que
corre impreterivemente no dia 30 do cor-
rele,
Bilhetes 11,000
Meios 5,500
Quartos 2 60o
Decimos 1,100
Vigsimos 600 .
-- Vende-se um louro de raca tourioa
no sitio de L. A. Dubourcq, na Capuoga.
No armazem do Araujo, becco do (ion-
calves, e na ra da Cruz, armazem de S
Vraujo, ven 'em-se saccas com superior fa-
nnha de mandioca, por prego commodo
liem como no ultimo armazem tambera se
endem gapalos, couros de cabra, sola
tijolo de lito par meteea.
Na venda de Domingos da Silva Cani-
nos, na ra das Cruzes, n. 40, ha bichas
lamburguezas, das melbores que appare-
eem no mercado venda, Unto por junto
como a retslho : tambem se alugam.
Vende-se sag de pnmelra snrte, gom-
ma de a amia, Upiuca do Maranlito, ceva-
iinlu de FraiiQa, e cevada, por prego cun-
mudo : na ra das Cruzes, n. 40.
Vendeoi-s.i 6 lindos muleques de 10 a
(8 annos, sen io um optium b.rbeiroe san-
grador ; 8 pretus de 20 a 30 auooa, seml.
>m d lies ptimo coziiiheim, e ouiro ca
iineiio di us pretus sapaleiros ; um par
lo de 18 anuos, rom principio* de carpma
loas pardas de 15 a 16 annos, com haluli-
lades; 7 pretascom algumas liahilidades,
e que sfln proprias para lodo o servigo : na
ma do Collegio, n 3.
-- Vi n leni-se franjas para mantelete* e
para sapalos, por Paralo prego : na ra lar
i do Itozario, n. 26, luja de miudezas.
Vende-se um oiuilo bunio moleque
i mulo, d 18 iinnns, imito s.ilin, sem vi
cios, he bom cuznheiro, engomm liso.co-
c siill'. i'.el, cum piincipios de sapati u,
leslilador licorista, fa Saropes e CflUSkijat
e inultas qualidades. bstanle civilisad-
para qu Iquer pessoa que quizer possuirum
esrKVu pega : o motivo por que se ven i-
edira ao con.piador : no Aterro-da-Boa-
is'a, n. 17.
Na ma Nova, u. 8. loja rtc J- Joa-
qniiu Moreira 4t C..
vendem-se tuuquinhas de Illa Trocadas p-la
eiri, a mil is. ; bonetes de paliinlia de
toodellos esquiSlOS, eo que lem a .pareci-
do de melnore do mais ap .rado goslo ; pu-
rin saerveni para meninodei, 3. 4,5 e8
annos, por menos do que reslmenlx elle>
nierecem ; palmatoiias de casquiuha linis
'imi, proprias para piano, e para quarlo
de rapazes fotteiros, ( 5,000 rs. cada urna ;
e outras muilas fazendasde gosto e quah-
'de, que se venderto conforme as cir-
cumstancias do comprador.
Pateadas de ttaeatro.
Vendem-se as pateadas de thetro, por
Jos Agoslnho de Mcedo 1,000 rs. n*
praga da In lependencia, livraria ns. 6 a 8.
Vende-se um relogio de ouro, sabone-
ta, palele auiaso : na praga da Indepen-
dencia, ns. 13 e 15.
Que bellos brinqnedos para
meninos e meninas.
Vendem-se ricos cavalliohos.calungas com
rodas e selados com lodos ss arreos neces-
sarios, ptimos para meninos aprendercm
montar a cavallos, tambem se vende um*
rica bonecar que valsa e anda sozinha sem
se Ihe bolir e outras mais caluuga* ; ludo
mono barato ua ra do Queimado, loja de
miudezas junto a de cera n. 33.
No rscriptorio de F. S. Ka-
bello & Flho, no largo da Assein-
bla, n. 4, vendem-se pedrascom-
pridas e redondas para meio de
sala : tudo de inarmore e de boni-
tas cores, por preco commodo.
Vende-sn multo superior tinta de es-
crever em gairafa : na ra larga do Rozario
1.36
Vendom-se charutos de Havana, os me-
Ilion s que tem viudo a esta praga : no ea-
criplono Viuva Gaudino & Filho ra da Cruz
n. 66.
Vendem-se urna bonita escrava engom
maleira ; a ditas rom habilidades ; t lindo
Cabliliba de 1* anuos, prupno para apien-
ler uflicio ; I prelo de 20 annoa de bonita
tia-ura, com bons piincipios de taooeiru,e
lambe ni serve _p*ra 0 sarvtgo de canil o : no
p.teo z sallidofinto-Aatrain, !?Va<1
o. 4, se dir qutm o* vende.
s
es
m*
C5
>
s
O

3
* ^

c
4)
?5j
2 o
-rf c -. aj c
-3 . ijj
i OJ n O
o eo "> O CO
in v aJ*
E 4J 3 o
a> O " 0) m*
ai X"^3
-j t- o w r
a; 3 1 S .-5 2
OJ ;?, re
o %-* eo eo ^
- 1 o 00 0
OJ 6 - OJ eo = O 3
O o OJ "O 1 s d s i*
:.+* -
es
a 9
eo <
Vendem-se 40 pipa* vasis. por prec
mullo commodo: na ra d Cadeia do Re-
cife, n. 54.
Venle-se urna preta moga, de nacSo,
boa lavaleira eengummai'-ira, e que cozi
nha o diario de urna casa : aliangi-se a boa
conducta : n* ra da Cuia, n. 9.
-Vende-se um bonito moleque ; urna
mulata recolhida e um cabnolel: o dio-
uto por que se vende se dir ao comprador:
ua ruado Pires, n. 19.
Vendem-se tres casas sil seo i povoa-
g de Cruaogy, comarca de Goianna, sendo
urna de pedra ecal, com sotto e trapei'a,
com varanda de ferro, ludo de gosto mo-
derno ; outra encostada a mesma, de taipa,
de boa construcgto e bem arranjada, aonde
existe um estabelccimentodafazenda e mo-
Ihndos, bem afreguezado; ns quaes se en-
cmlram muiloscommodos, sendo um del-
lequinial grande com fruteiras e um na-
cho permanante denominado Canna-Krava ;
mais outra dita de taipa, feita a moderna,
coro commodos para familia e negocio.no
lugar da feira da mesma puvoagflo : a tratar
na dita povoagSo com Manoel Joaquim l)u-
rans, ou com Francisco Jos de Souz* I'iu o
que se tara todo|o negocio.
-- ra da l'raia becco do Carioca, ven-
Jem-se farinha de Santa-Catharini a 2.000
rs e 2,600 rs. cada sacoa ; arro' pillado *
5,000 rs. o alqueire; milhu a 3,000 rs- a sae-
ta ; arroz de case* : ludo por prego ra-
soav%l.
~ Vende-se um sellim par* montara de
senhora em bom estado : na ra da Cadeia
Jo bairro de bauto-Aulonio n. 25, segundo
andar.
Vendo-se urna escrava de boa figura
para o servigo da ru* : no pkleo de S -Pe-
d.o n. 3
-- Vendem-se um porgSode clibros in-
leirose em pedagos, assim como estacas
grandes e pequeas, tu lo proprio para es-
tacadas e cercas de sitios, por niego miiit i
ciimiiiu o : oo armazem do Sr. Juaquim Lo-
tes de Almeida airas do theatro.
Ven le-se una preta denago.de dade
18 a 20 anuo, sem vicio nem scu-que,
liua enguiumadeira, coznheira, Uva lena e
quilaiiuei' a : oa ra da Cruz, terceiro aodar
da casa n. 17.
Vendem-se cartas genera
piucas dQ imperio do Brasil, a
ioo rs. cada urna
todas
i
as
gran Jes n.ap-
^asi com todas as bandeiras do
mundo, a 2,000 rs. .* no p>teo do
laolicgip, casa do livro azul
Contina ven ler-se na roa do Cres-
ri, lojido banteiro n. II, s s-truinte-
>hrs : charmi, ligues de ihilosophia pelo
iiminuto nrego de 4,000 rs. nova ; e usa-
a-, 3.000rs. ; ligOes deeloquencu n'Cm
al pelo pa Irn fre Miguel, a 4 e 5.000
-. ; historia ila philosophia por Cousiu em
3 viilume*, ricamente enc 4,ii00 rs. ;c!iiislo porania o s Culo. 4,o0o
listado da religlAo, por 5,0 '0 rs. ; II-
mr.in, philosopia, por J 0"0 >s. ; ori,0is
de Cicero em 3 voluine*. 3 000 rs.; ohr.-i.
d- Virgillio, 2,000 rs. e 4,00o rs.; hialorta i]
liiglaleira, por Goldomilh'i, por 3 000 rs
diciouario da lingoa iugl ta, por 4,0uo ra.;
-rammalica frauceca e mglizi, a 1,600 e a
2,1)00 rs.; historia on Brasil, por Itoucham
em 3 voluntes, a 2,000 is. e um uielhudu
para piano, enea croado, por 5,000 rs., e
outras inuiias obras de poesa, e um sorti-
inenlo de novellas portuguesas e francezas,
por mdico prego
-- Continase a vender manteiga ingle-
za nova, 400 rs. ; caf de carogo, a 160
rs.; dito moldo, a 200 rs. ; bom cha, 1,600,
1,920 e 2,400 rs ; velas de espermacete de
6 e 7 em libra, a 720 rs.; ditas de carnau-
ba de 6, 7 e 8em libra, a 280 rs- ; queijos
trescaes, a 1,600 rs. no paleo do l.irmu,
ii. 2, venda nova.
Tara mogos do boratom.
Ven etn-ee ricas grvalas de mola, pelo
baratissimo prego de 2.000 rs., charuleiras
douradas de muito bom gosto, a 1,800 rs ,
chicotinhos tambem de muito gosto, 800
rs., oa ra do Queimado, lujado miudezas
junto a de cera, n. 33.
Peehfneha.
vendem-se caivetes de machinas par*
peonas, t ,000 rs., por prego que nunca se
vendeu : o* ru do Queimado, loja de miu-
dezas junto a de cera, n. 33.
-- Vende-se, por prego muito commodo,
um barretina de pello, nova para oflkial
d guarda nacional, urna farda de panno,
um refe com lergado, uns correiame, u-iia
banda de 13, um bonete cora gallo ; ludo
em bom estado : na ruada S.-Cruz, n. 26.
Legislaco brasileira ou
coiiergflo chronologica das leis, decretos,
resolugOes de consulta, provises, etc. do
imperio do Brasil, conteni, alm do qu-
se acha publicado as melhores collecgoes,
para mais de duas mil pegas inditas Culli-
gidas pelo conaelheiro Nbuco, pur 40,000
rs., si ta volumes grossos : vende-se no
ateo do Collegio, casa do livro azul.
-- Vende-se urna prita da Cos, moca,
muito boa qnitandeira, de bonita Ugura, e
s m vicio nem achaques; urna pretmha
crioula de 12 minos, com principios uc coa-
tura, e he recolhida ; una pardmha de 7
aiious : na ra do rtaiigal. u. 38, segundo! (os, a
udsr, se diraquea] vende.
I achaques : venle-se por precisSo na rui
i aalceil do Rozario, n. 47, ao virar'para o
l pateo do Gamo.
Xarope do bosque.
para cura de pblhialoa em todos ot sena dirte-
renii-H groi, qur motivada por cunsipi>-
efles, loase, aalhuia, pleurii, eacarroa de aan-
gur.. dor de collado e pello, p.ilpil ir.in no
coraco, coqueluche, briinchile, ddr na gar-
ganta e tudas as ni.deslas doa orgo pulmo-
nares.
De todas as moteltlaa qne por hrranfa fi-m
ao enrpo humano, neiUttiina lia que maia des-
tructiva lenha sido, ou que icnh i.....indo do
esforz* dua livuf na mais eminentes em medi-
cina do que afllla que lie geralmenle conlie-
cida por.- mclt$tmno bofe, a Km varlaa poraa
do seculo paaado tem ae oflerecldu ao publico
iill-riiiii. remedioa com allealadua das eatra-
ur quali queeiii lodos os caaos a illuso tem ai'lo
apenas paiaageira, e o doruie loma a recahir
nn pelor raudo do que se achava antea de ap-
plicar o rcmf di i to recoiumendado : outro-
tanto nao acoutece com este eilraordioario xa-
ropa do botan*.
O proprietario ao principio foi Induzido a of-
ferecrr este xarope ao publico, drpois de ler
cll.-ciii.ido em ti mttma urna cura prrmanente,
e depoia de ler a opiulilo dos primeiros mdi-
cos da Europa e doa Kitadoa-Cnidoa, dr que
si-ii estallo ja nao dava esperanzas de nielhora,
c ca como segu. Ko auttade 1K17 apanhri
urna i;ioinli' conatlpa^ao que me alacou o pel-
lo, e todos os symplomaa de phthisica pulmo-
nar logo se srguiram. Eu lluha una toase coo-
tiuuada com dor no peito, aalivava urna fleu-
in.i dura e algumas vexes misturada com san-
gue, uina l'ebre tica, auores de uolte, ema-
grecl rpidamente, e em pouco lempo fquci
irdmiilo eairein debilidade.
O uieua mdicos (entre os quara havia al-
guna dos principaes doa Eslados-Uoidos) junta-
mente com ineus amigos perdern) lod.t a ea-
peranca de meu inelhuramento, e espi r.ivain
que eu brevemente tuccuinbiria.
Neate estado de molestia por caaualldade en-
contr! com una antiga receila dos Indios, r
rraolvi-me com o coosentimelo dos ineus me-
dico a esperiinenla-la, vlato o estado de.es-
perado do meu caso.
Qual nao seria a ailmiracao dos ineus mdi-
cos, e o mea contentamenlo vendo que desde
que principie! a lomar o xarope, coui.eci logo
urna mudjica no meu syatema, e pela conli-
nuaco do uao a molestia madurou, oa tumo-
res formaram cabera e arrebrutaraui* lanzan-
do grande poreu de aangue e materia. Depoia
de ler continuado pelo espaco de 3 mezes com
o remedio, a ininha molestia ceasou inleira-
ineote, e achei me restabelecido de perfeita
sade, o bofe desde aquelle teinpo tem uunli-
nuado sem a menor att'eelaco de enferinida
de. Neatas circumatancias he que me resolv
ao principio a ouVrer-lo ao publico. Heme
mente convencido de que he o nico remedio
que se tem deicoberto, no qual se pode ter
conlianca para a cura de pluliisiea pulmonar.
Curou ondr lodos us mais remedios tiubam la-
Ihado, e, se fr lomado e applicado segundo aa
direccea, puncas vezes deliar de produiir
una cura radical.
O seu principio de operar he fcil de eipli-
car : suavisa e acalma a inciuiiioda loase,
amadurecc o abscraso, facilita a sallvacao,
em pouco lempo livra os bofes da materia qur
e rene nos luboa de ar. Regula aa fuaecrt
o-ii.ii s sem necetsidade de outra niialquer me-
dicina, forlilica o aysleina e purifica o aangue.
Nao conten, nem mercurio, opio, ou outro
qu*Iquer ingrediente veneuoso, e he feito mil
carnele de rriiira hercar. Tem-se usado ha
mais de nove annos, e he niiiversdliiieiiie con-
siderado como o grande e nico remedio para
isla horrorosa molestia. Us seus llenos sao
em todo o lugares o infamo, admiraceu t tri-
uitifihanlet i
Como medicamento prrvenlivo e anlidot
contra as tendencias do clona para a plithUica
he de grande valor, e nao d,segundo faz qual
quer medico ou couhecedor de drogas, porn
con|ii mo se rata paliando cum estas rna'inu.u<
ralurui.o doeule V i rpidamente empeoran
do, c dada dia mais mais enlloca o seu caso
fr* do alcance dt tsperanfat'. Pao succede as-
sim cum esla preciosa iiicdiciua He sempr
aalutar, e seus elliUos nunca sao damuusu.
Nao he opitica, uo lie tnica, nao he um me-
ru ezpecloraule, nao irm por objeelo /"ifl.ir
dornte paia ler urna fat'il teguranf*. He um gran-
de rcfN'frifi, nina grande cumposicu curativa
o gr.iude e uno o remedio que a ciencia e n
co lieciioi-oto medico leem al huje produiido
para o iratamenlo desla muleslia, ate hoje iu-
cuui|uisiavel.
Km urna pnlavra he o melhor remedio no
inmolo, r ueuhiiina prssoa locada cum este Ha
-ello da /amilta humana ser justo par si e para
s-oi-. amigos, se descer epulin< a sem alica-
tar suas qualiilades virtuosas Urna nica gar-
rafa quast que em ludos os casos pruduzlr
urna cousideravel mud.toca no estado (te qual-
quer d 'enea, ttyi ella qual [r.
Tem curado caso que ae suppunham supe-
riores ao poder medicu. Tem levantado doen-
lea como que da sepultura. Trio curado dr-
pois que a iodos os ou ros sy.lemas, medica-
meulos e meihodos de ti aumento leem falha-
do. Km una palavra, detcobrio-ie o tegiedo, a
pAthio'cii cura-se.
k auliga opluiao de que phthisica nao in-
dia curar-se lem dpsappareci.lo desde a nitro
dnecao desla milagrosa medicina. A phlhisica
pela descoberla deste medicamento acba-se
despida de melade dos horrores qur causava
Em lugar de se rnlregarem ao desespero quan
do eslavam seguros de que a phthisica Ihe ti-
nha laucado as auaa ganas, milhares de pes-
soaa lerm recorrido a este infallivel remedio, r
ooui praaer e regosijo conlinuaui desfruclando
jde ueste secuto que produiio tal beucAcio
raca humana.
Ceuilo eni-se todos aquelles que se acham to
cados de molealia pulmonar, qur por tosse-
constiparOrs, asinina, brunchiles, plruris. ea-
carros de aangue, dr de costado e no peito,
palpitaco no corceo, dr de garganta, e to-
das as mais molesliaa dos orgfios pulmonares,
que o nico remedio seguro be o laroj i,
bosque.
Leuibiar-se-ha o publico que cada garrafa
ti ni dous papis com a propria assignalura dos
ageutes 11. C. Yates- e Coiup., um na garrafa
cum urna perfrila dirrecao sobre o melbodo
de usar delle, e outro no papel invollo.
Pode ser mandado cun toda a seguridad)
para qualquer parte do Imperio. As orden.
exrculam se puutualiurnle.
Vende-se na ra dos Quarteia n. 12.
\en le-se urna canoga mulla boa, as-
sim romo um ptimo cavallo para a mesma:
na ma Nova n 61
Veude-s i om aderego e outras obras :
que n pielenJer annunrie.
-'- Veiide-s-i urna escrava de nago, de Ma-
e
li;r d'.e-syphiiitico, de rOO H*Ce .-
gueiredn, o st vnnd em garrafas a 5,0 0t*.
ca 'a um na ra d Madro-de-Deos, botica
de Weitrk Brvo C : s enfermidades a
que elle se tem a iplicado, enas quans lem
olilido favoraveis resulta los, so ss s -guin-
tea : esquinencias, pleqrice, posiema* !.-
trnas e extern s e outro*) qu*esqu*w in-
mores e iuIHmacO'S. quedas contoSOfS,
pilotadas, clica* do estomago C bsivi ven-
ire rete-igfles d orinas, co uMipagr iipnas, fehres. nciedadei e f das de resp-
ragflu, apnplexi. pralzis ou estopo e
tosses e mudes defluxos, asmas oo pnvs-
entos de peilos. dores reu males e gli-
cas, molestias glica* ou venerar*, navar-
ras, liyilropesias, abscissos. dores srialiras,
etc. etc.; facilitar os par'" lentos e acci-
dentaos, promove a menstruagao, cura as
c-nstipagOes e malignas sobre os partos,
lores de oadre e mais encommo los que a-
toimentm as penda, e he tambero appli-
cavel al as criangas recem-nascid*, cu-
n meihodo minucioso de apnlicar-so a-
rompanlia as respectivas garrafas, que a to-
dos se recommendam.
Vendem-se4 tretas, 2 engommam, co-
sinham e lavam roup ; 2 sSo boas quitan-
icnvs ; urna luolatinh de 18 unos, boui-
ls) morarna. cose, engomirisy a fsJttodo O
servigo de urna casa ; um preto btm para
servir urna casa e gauhar na ra ; um mole-
quede 18 annos serve muito bem urna casa;
1 dito de 5 annos muito esperto e lindo: na
ru* do Collegio n. 21, primeiro andar, se
iir quem vende.
* No Passeio-Publico. n. II,
loja de Firmiano Jos lo- o
*J drigoes Pereiri,
* existem s n.ais modernas chitas i- ~~
* na* francezas o largs;giinet|de I3s *g
* pura e de ndiOes de gustos, pelo b*
* rato prego de 3.500 rs. ; setim prelo 2
W de Macan, a 4,000 r. o cne; chs- J
* pos de massa franceza, fazen I* de
* goslo, a 7.200 rs. ; culim de linho *
para palitOs, a 440 rs o covado; gor- ^
* gurSo Je seda, 1,200 r*. o corte; *
% cortes de colletes de serj* de Ss, *
* 500 rs. ; lengos de seda de cores,
H 2,000 rs. ; cambra* lis de 10 var, #
<* ao barato prego de 2,000 rs. a pega ; *>
% stores de gosto ; m*dpolo>, chi- a)
% tas; e outras multas faadas, por &
fi prego* commodos ; bem co no upe- 4*
aj or panno fino prelo. a 8,000 rs ; -aj
> luios de qiiadrinhos lencos echa- 3
f les > a 200 r*. o covado; eam-chita de cJ-
a res, a 160 rs. o cuvado ; chilis finas 4^
f ile colierla de pa IrOes no lernas. ^
Na ru Nova, n. a, I ji atr* da
matriz, de A. Calombier,
vendem-se ricos encera los ninta los de co-
res, que s-ivimii para toslhas de mes de
janUr, por serem de largar de 4, 5, 6 e 7
almos ; p|irelhos de porcellana branca
muito fina pra cha ; jarros ca a baci s Tvem para Isv.io lo, brancas, a 4,000 rs.
* doiir.das, a 5,000 is. ; gran tes cnavanas
le porrellana que servem pra C'f; dilos
.ara cal lo de iloentes ; bont-s francezes de
inno fino, a 1,410 ra. ; pe fu osrias novas;
leques de papel Ii ios, a 1.000. 2,0-10 3,000
s. ; dilos de * o-1 s .le fin da Ccocia, par seniora, a
l.OOOrs ; ditas dealgodao cooi borlado de
e.la, a 1,000 rs. ; dita* de inda prela com-
andas, muito linas; botina d* duraque
irelo gas ae dos de couro d lustro pea se-
ihnra, a 4,000 rs. ; di'os par* meninas, a
1.000 rs ; pilles de courn de lustro fraiicez,
un. as e inulto boas, a 3 500 rs ; egpel-ios
i--.| llenos Can molturas douradas; ilnns
utan io jaciranila ; chap.is de Castor
raneo,* 10,00o rs ; oitos francezes. a 7/,
7.500 e 8,> 00 rs ; dito* de palh amar-lla.
linos ; Can leiros pan sala; ditos para a
l'est. por serem barato* : na 1 disto se veo-
e fiado, e sim diuheiro a vista.
Chapeos.
Na r a Nov, n. 2, vendem-se chapeos
francezes par. humeni, a 7, 7,500 e 8,000
rs ; ditos de merino pre'o com /ola, a
6,000 rs ; dito* brancos, a 000 rs. ; dilos
le castor braiico, linisgimos, a 10,000 rs.;
litoide palha fina au arrlla. a 4, 5, e 6,0-(
rs.; ditos de mss alvadis para eampa-
nha, com aba laiga e co,*a redunda, a 3,0-0
rs l'.ii seiiln r s : chapos de i tilia cum
lecido ile cabello, a 6.000 rs. ; ditos de ren_-
la branca, 7.000 rs ; uilos de islha
meninas, I..V0 is. ; chapeos de sol
seda, 7,000e8,0oors. ; ditos par sent
ra, a a,ni o is ; dilos de paiininiio, muito
liuos, a 3.000 rs. dinheiio a viaia.
Na mu Nova n. 2, loja atrs da
matriz,
Calgado fiaiicez barato.
Botins de duraque preto gsueados de cou-
i 001
I reu-
'IvsP
MihTtt
Vende-se ui prs!
padeiroe bom foroeiro, sei
sern'^cioa
de de 18 unos, ptima quinlandeira,
sem vicio* nem achaquen, oque so filtica:
o motivo se dir ao comprador : ua pr.c*
da boa-Vista n. 17.
Olbeni novas peeUiicbas no as-
sely i'ubco soja n. 1 1.
Oagemiia* de neos padides mais moder
nos; p.o-i de 7,00-rs o corto, hrim Irn
gado de puro linho, a zonda a ujij re, a|u00 rs. merinos ure
g'.m tas e outras mi
que se vendaSt, pre
u-ai* nc,
alpaca^ setim,
l-ISSxVIoslOS
faien
boa,' go commodos.
i nem He ebegado a esta praga o admirave
rod lustro para senhora 4,000
sap; Ditos preto* 1,280
Hilo* de couro de lustro 2 000
Ditos de setim branco 2.500
Ditos de duraque preto 2,2o#
Hitos iie duraque de cores 800
uilos de tapete pira senhor* 1,440
Dito* pira hooiem 1,500
Hitos de marroquim 1,500
Ditos de duraque de edres para me-
ninas 700
Botins de duraque de cores e gaape*-
ons para meninas 3,000
Sapatos de couro de lustro com sola
franceza para homem 6,500
.NSose veode fiado, esim a dinhelro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de
liffereules modelos : na ra do
Brum,ns. 6, 8 e to, fabrica de
machinas e lundico de ferro.
Vendem-se dous hois mantos, muito
gordos: na ru do Queimado, n. 6.
Bichas.
Vendem-se ealugam-se bichas de llim-
horgo, da* melhores que ha do mercado,
por prego commtnio : na. la do AngSo,
leuda du barheiro TheOfilo.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repozo,
pe adulas e picota para cacimba :
na ra do bruui, ns. 6, 8
undicao de ferro.
e io.


Vandem-se pipas de ptima sen'a'den-
te, oor'preco rasoal : na ra do Hospicio,
M. 9. 8" dir quem vend.
Vende-se um esprvo do elegantn figu-
ra, pprilo mestre carrean, e ptimo par
lodo o servico, principalmente o dp campo,
por preco commodo : na ra do Hospicio,
n. 9, se dir qnem vende.
Ven te-se, ou troca-se or pravos um
si lio margen) do rin, no Remedio, prji-
mo a Passagcm-ria-Magdali'iia, cum embar
que tu porta a toda hora, boa casa para
familia, enviriracada, casa para felnr p
pretus, cacimba grande, ludo do lij.do p
cal, mais de mil palmos de fundo, reren na-
tiva, com enqupiros, tarnarippirns, pa rei-
ras musoatol cheiro*c, b*naneiras maidli p
prata. e caju-iros, ludo dando fruclo, al-
gunos larangeiras novas nimos, muilo
terreno dpvolulo, pom propo-eOes uara urna
olaria : o sitio he de Ierras proprias, muilo
perto do Recife, ecom muilo boa vista : a
tratar oa ra do Rangel, n. 54, com Victo-
rino Francisco dos Santos.
Vende-se rap de Lisboa em frascos,
chegado agora de fresco : os Srs. freguezes
que esto acostumados a tomarem a boa pi-
tada, nfio deixarfio de mandar buscar ao
largo da Assembla, n. 4.
Vendem-se 120 saceos de estopa, com
duas taras cada um : oa ra larga do Ito-
zario,%. 48, primeiro andar.
Vemiem-sp uns folhetos que tpm por
titulo Inspirares poticas, e a duqueza
de hraganca conten lo 339 paginas, obra
esta escripia pelo muilo digno e ilustre
Maranhense o Sr. bacharel Frederico Jos
Corren ; na ra larga do Rozario, n. 48,
primeiro andar.
Na loja de seis portas da roa do
LJvraiuento,
continua-se a vender chitas a ISO, 140,160,
180, 2>0e240 is, muito finas ; cortea Je
caifas de bnm trancado branco com listras,
a 800 rs., e a 2> o r o covado ; risc idos
monstrns, a 260 rs. o cova lo, e mais es-
trpilo a 300 rs.; cortes 3,500 rs ; chales de chita e tsrlalana, 1,000
rs.; lencos brancos pra ni 8o de senhora,
iberios d* renda, a 240 rs ; um completo
sortimento de fjzendas, tanto em poic.lo
como a rrtalho por presos rasoaveis.
Ven le-se urna pa tarta sita no bairro
de S.-Antonio, com muitu boa fregnezia de
pSoe bolactia, liv-e e desembarac.da : ven
de se por o dono nSo querer mais conti-
nuare querer retnr-se : no Hutel-Com-
mercio se dir quem vende..
Na ra do 5>ol, armazem n.
i5, vende-e efectivamente car-
vo de boa qualidade, por preco
mais commodo do que em outra
qualquer parte.
Vendem-se duas carrocas
de sicupira em muito bom esta-
do, sendo nma de lingota, por
preco muito commodo : na ra do
Crespo, n. 16, loja da esquina.
Mllho novo a 2-S'ooo rs.
cada sacea.
Vendr-se no armazem do Braguez, ao p
do arco da Concejero.
Chumbo de mnnlcao.
Vende-se no armazem de i. J. Tasso J-
nior, ra do Ainoiim, n. 35.
Vendem-se marras ne ferro: na ra
da Senzalla-Nova, o. 42.
Redes.
Vendem-se redes muito bonitas, de va-
rios gostos e precos, proprias para quem
l'or passar a Testa descancar ao fresco de-
b iio da arvoredos : oa ra do Queimado,
D. 14,
A 3}5oo rs.
Vendem-se pellos de couro de lustro da
fabrica pernambucana, a 3,500 rs.: na ra
Nova, n. 2, loja.
ticas bengallas.
Vendem-se as mais ros bengallss com
castOes de diffei entes e superiores gostos:
na roa do Queimado n. 16, loja de Jos Olas
SimOes.
Vende-se em casa de I'ox
Broth/rs, na ra da Cadeia do He-
cile n. 57, lonas inglezas de n. I a
5,e a imitaran da hns.si de n. t a 6
Va loja de seis portas da ra do
Llvramento,
vendem-se para luto c tes de chita prela
*-1 rom 11 rovados, a qualro patacas chi-
ir*ta, a 160 r ; dit lustros, a 200 rs.,
_ Ka treta, a WO rs.; alpaca de 3 palmos
a 440 rs. dita de 4 palmos, a duas patacas;
ch l-s relos de rede, a meia palac, cujos
precos sSo para acabar, por se ter poreflo,
querer-se dar balanco enJo se quer in-
cluir em dito bnlanco.
-r Vende-se excellente farinha
de S. ( alharina, a bordo da ga-
lia Santtsma-Trindade, Tun-
deada drfron te do caes do Colle
io, por preco commodo: tra-
r na ra do Vigario, n. 11, ou
bordo com o eapitao da me-ma
galota.
lie grande pechncba.
A 2oo e i4 r;<-
Vende-se urna porco de chitas francezas,
de 4 palmos de largura, rojas, de rre li-
las, a 200 rs. o ruvadu ; Cassas fiancejas
de bonitos psdrOes, a 240 rs. o corado : na
ra do Crespo 11.14, luja de Jos Francisco
Diaa.
Attenco.
Vendd-se, ou permutase por escravos,
un morada de casa grande com solio, as
soalhada e anda 11B0 repartida ; paga de
foro 12,000 rs. atiouaes : na venda grande
da Capuaga, ou nofAterro-da-l!oa-Vista,
d. 4.
Vende-se um cavado mellado de crinas
pretas, de bonita figura, que esquipa, car-
rog* oaixoatmeio, e he muito mperto :
quem prelea iw annunce.
* fio'arhBiem n 3o da ra da
Madre-de Dos, defronte da guar-
da da alfandega, vendem-se sac
1
O
-- Vende-se Mm grande sitio no lugar do
^langiiiiiho, que lic.i defronle dns sitios dos
ra. Carneiros.com g>a 11 le casa de viven-
li, de qualro aguas, grande sonzalla, col
iheira, esirbari. baja de espiro que sus-
lenta 3 4 cavallS, grande cacimba, ron.
onilia e tnnque cohorte para banho has-
Motes arvoredos de froclo : na ra da Con*
oruia, prinviro sobrado novo de um en la-.
Na ra .Novj, n 8, luja de Jos
Joaquim Moren-a ck C. ,
vende-se um rico sortimento d
'aojas pretas para manteletes
capiitjnhos, porp.(50 raoavel.
9>0O ?Deposito gera! do superior ra-O
p Areia-Preta da dbrica S
deGantois Fai!het& C. q
na Babia. O
, Domingos Alveslatheus, agente da^f
'^ffabrica de rap superior Areia-Preta da
**Bahi, lom aberto um deposito na ruaO
^da Cruz, no Recife, n. 52, primeiro ao-CD
Qdar, onde se achara sempre deste ex-O
^cellenteemais acreditado rap: ven-Q
Ode-s em botes de urna e meia libra,O
Jpor pre;o commodo. es
rV cidadede Hans
fabrica de chapeo de sol de J
Pulque, 111a dO Collogio 11. 4.
Neste novo estabelecimento se acha um
grande e rico sortimento de chapeos de sol
dos mais modernos e variados, para ho
mens e senhoras, de seda e de paninho, sor-
timento de sedase panos em peca para cu-
brir armncOes servidla, igualmente benga-
las e chicles, veodem-se em pi>n,.iue a re-
tlbo. tauliein se conceitii qualquer quali-
Jadfl de chapeos de sol e bengalas, lud.
com brevidade, e por meos prego do que
em outra qualquer parle
Venlom-se chpeos de sol de seda pre-
ta e de cores a 4 500, 5,000 e 5,500 rs. ra ia
um, com armario de baleia e muilo bous.
--No escriptorio de Francisco Alves da
Cunta, na ra do Vig.rio, n. 11, vendem-
se as seguintes obras, viudas de Lisboa: a
1'aUvra de lieos, regeneraeflo da humani-
dad* pela revelHco da organisacSo social,
um volume de350 paginas, jor 2,300 rs o
Mrquez de Letoriere, de Cunenio Sur, por
1,500 rs.; Maz, romance de Frederico So-
li, por 2,000 rs. ; Una familia corsa, por
2 acadmicos de Coimbra, por 1,000 rs. ,
llraselo ocio, por .M. Mallos por 600 rs ;
U 11 quarlo co n du s c representan) s duas pessnas de sexo masco-
lino, por 500 rs.; o Discurso do conde de
l.avraiioem resposta a Costa Cabra), por
400 rs.
Na ra do Vjgario, n. 9, armazem Car-
neiro & llamos, enJe-se superior cal de
Lisboa, enieni pe ira; nielas barricas com
farinha gallega : ludo por preco commodo.
Loteria do Hiode Janeiro,
A os 10:000,000 de rs.
Na ra estreita do Rozario, travessa do
Ouelmsdo, loja de miudezas, n. 2A, de Joa-
quim Francisco dos Santos Maya, vendem-
se oa muito acreditados biHieles, meios,
quartos, oitavose vigsimos da 12.a Joteria a
beneficio das casas da cari lade.
Vende-se rap Paulo Cor-
deiro, muito novo c chegado pelo
ultimo vapor do Bio-de-Janeiro :
oa ra da Cadeia do Recife, n. 7,
loja de miudezas, de Antonio Lo-
pes P reir de Mello.
Vendem-se 16 escravos, sendo uoi
bom csrreiro e mestre de assucsr ; um di-
to oleiro ; urna mulatinha de 13 a 14 an
nos, que cose, faz lavarinto, marca, cozi-
nha e engomina ; urna escrava de 18 annos,
que cozinha, engomma e rose ; 6 escravos
do servico de campo ; 6 ditas de todo o ser-
vico : na ra ireita, n. 3.
Vende-se um braco d-i batanea que fo
le armazem de assucsr, do autor RomSo,
com as competentes conchas e pesos : s
se vende ludo: na ra da Cruz, no Recife,
n. 46, taberna do Sr. Correia.
Velas de carnauba vindas do
Aracatv.
vendem-se velas de carnauba
4
*&>
r^o Low-Moor.
i RlfD. SKWZ4LT.A-WOV*, ^. 4.
fte.-rtc est ihelccsmento conti
iiia .s haver um completo srtMi-
nento de mocadas meias mten-
las, par* nvnho; machinas rj
'apor, e thchao de ferro batido *
ojd, de "iodos os tamanhos,
ara dito.
A elles que s3o baralissimos.
Vendem-se sapaldesde lu-lro, a
i.ono e a,5oo rs. o que vultm
de feitio : na rtia da Cadeia do Ke-
cife, n. 9, loja.
Na loja do sobrado amarello nos 4^
# quatro cantos da ra do Queimado i
# n. 29, vendem-se chapelinhas de seda 0
ajj) de cores para senhora a 12,000 rs. ; fjj
y manteletes e capoliulios de se la fur- aj|
41 ta cores bonitos gostos a 16,18 e 20g 9
ffi rs.; cortes de cambraia de seda para m
aji vestido, tendo grande sortimento pa-
^ ra escolher, de 8, a 12,000 rs. cada m
aj) corte; ditos de cambraia de barra Z
bordada e adamascada a 6,000 rs., e S
^ oulrasfazendas muilo em conta.
Q&9&4t *R&4jr' &4&09b&G&
Koga-se ao- i'rev;uezrs qne tenham
toda rtlciico para o novo sor-
timento que existe na loja da
rnado Crespo, n. 6, ao p do
lampeao.
Vendem-se cassas pintadas do cores fitas,
a 260 e 280 rs. o covsdo; corles de brim
branco de Hnho pora, a 1,920 rs.; ditos de
fuslo muito linos, a 560 e 640 rs. ; casss
preta propria para lulo aliviado, a 120 rs. o
covado; zuarie de cor, a 200 rs.; riscado
de linho para casacas, a 240 rs. o covado, e
outras umitas fazendas por preco commodo.
Aiitifijo deposito de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ba
muito superior cal nova em pedra,
thegada ltimamente de Lisboa
no brigue Conceicdo-de-ltfaria.
A 2,24o rs. asacea. *
Na roa da Cruz, no Recife, armazem n.
13, ena ra da Cadeia, armazem de Cam-
p.dlo rilh", vende-se farinha de mandio-
ca do Ceiri, de excellente qualidade, ta
2,24u rs. a acca.
Loterido Rio-de Janeiro.
Aps lo:oo*,ooo de rs.
Nos qu:ilro-ranis da ra do Queimado,
lojfc de fazrn l, n. 20, venlem-so o* mui-
tos aforlunados hillietes meios, quartos,
oitavos O vigsimos da U, lotnria a hn-ie
lirio das casas d caridade da provlliei,
cujas listas detem chegar no primeiro va'-
Q
o
9
a>
>
*
sa-
>- N deposito da ra da Moda, n. 15, 41
* ha para vender superior cal em pe- *
*" dra, receotemente rhrgada de Lis- *
boa, em o brigue Conott^io-de-Ma- 2
ria, por preco rasoavel: tambem ah ^
se ven iem pesos de duas e de urna ;
arroba, por preco commodo; ha 2
tambem eflectivamente no mesmo
deposito barris de mel para emhar- ^
que. 2
9Ml9
Lotera do Kio-de-Janeiro.
os ao:000,00o de ris.
Na praca da Independencia n. 3, que vol-
ts para as ras do Queimado e Crespo, ven-
dem-se os muito acreditados burieles,
meios, quartos, oitavos e vigsimos da 12.a
loteria a beneficio das casas da caridade.
-- Vende-se urna parda que cozinha, cose,
lava faz renda, de 30 annos pouco mais ou
menos, por 300,000 rs., isto por ser para
lipuidacSodecontas : na ra larga do Ro-
zario, n. 46, primeiro andar.
Vende-se, por preco com-
modo, os seguintes gneros de pri-
meiro qualida.ie, ariuha de man-
dioca em saccas ; fumo em folha
para capa e milo de charutos ;
potassa em barriquinhas, muito
nova : a tratar nos armazens de
Gouveia & Das, e Francisco Dia
Ferreira, no cae* da Alfandega,
ou com Novaes & C. na ra do
Tiapiche, n 34.
Vende-se orna preta de 20 annos, que
engomma, cose e cozinha ; urna dita da
Cosa, boa quitan ieiri ; 2 pretos bous uara
o IihIi lliu de armazem deassucar; um mo-
leque pe;a de 18 annos ; um cabriuha de 10
anuos: na r
chapeos, esleirs de palha, e
rom II rovados, a qualro patacas ''cni- patos : ludo por preco Commodo.
r*ta,a l0rs dit lustrosa, a 20ors. ; i.- ... '
a rreta, a fM rs.; alpaca de 3 palmos e vmdo ltimamente do Aracaty
no hiate Novo-Olinda, entrado
no dia 5 do corrente : na ra da
Cadeia do Hecife. n. a3, arma-
em.
Simento.
Vendem-se barricas com superior simen-
to, chegado no ultimo navio de Haniliurgo :
na ra do Amorim, n. 35, armazem de J. J.
T.sso Jnior.
trio, por.preco commodo : a tra- --vf"'e-wum preudenacfio: emF-
f j v ra-de-l'orUs, ra do l'ilar. n. 104.
ar na ra do Viaario. n. 11. 0.1 Ven le se orna ca.ie.ra de arruar, con.
lo los os s.-us periences, em meio uso: na
ra da Aurora, b. 62, luja de lunleiro.
.iiiiiimiiii.uiii
Na roa Nova, n. 84, loja de atraate, de
JaemilioSoaresdeMenez-s, vende-se pan-
I" no azul do mais superior que ha no merca-
do, o qoe se sflanca, e a vista desengaar,
por preco commodo.
ptima conveniencia para ganhar
dtnheiro.
Vende-se a armecao e utensi-
lios da acreditailisim 1 casa de mo-
ldados, que foi do fallecido Vaz
1ieOI1v1.ua, e ltimamente de Vi-
lal &c C. : esta casa sempre acre-
ditada, tanto por grosso como a
retalbo, offerece vaiithgeni a quem
e propozer estabelecer-se, ja
^ela boa casa, commodidade de
preco e bella loculidade, e sobre
rudo o merecido rdito de que bem como duas grandes vistas del
cas grtndes com farelo, por pre- jsiempre gozou at hoje : a tratar/Pernamhuco: na
ce com'modo.
Vende-se na padiria de
Jo5o Luiz Ferreir Hibeiro
no paleo da Santa Cruz n.
6; aramia riles e "go-id'is,
a mi is Ihiii feita poBsve), a
0 qual mesmo pessoas de mu- o
^ lestias a poden comer por
0 nSo ter composicao alguma ;
Q assim como todas as mais Q
massas doces e sgoadaa ; o
preco di araruta doce he 0
O de 480 ris a libra, o' ma- O
is barato que se pode ven- O
j-_ ....j. o O
q uci, c a aguada a 10, q
At que chegaram.
Vendem-se ocnlos para mipio-
pes, ou vista curta, chegados de
Lisboa, dos quaes nao haviam 00
mercado. A elles, que vieram pou-
cos: na ra larga do Hozarlo, n.
35, loja. 1
Pazenda nova.
Vendem-se gangas amarellae cordecin-
za, fazenda muilo fina, propria para pali->
los de meninos, e mesmo para roupOes de
senhoras, pelo bsratissmo preco de 200 rs.'
o covado : no Aterro da Boa Vista, loja nu
mero 18.
Cal e potassa.
Vende-se a mais nova e superior potassa
que ha no mercado, e cal virgem em podra,,
chegada pelo ulumo navio de Lisboa, por
.recii commodo : na ra da Cadeia do Re-
cife, n. SO, a fallar com Cunha & Amorim ;
assim como u-d restante de barris da mes-
ma cal, que flcou da safra passida, por ba-
rato preco.
Vende-se urna bonita preta da Costa,
que lava, cozinha, engomma alguma cousa
e entende de quitan Jeira : na ra do Tra-
piche, o. 4
Na ra do O netmado, loja de
chupos, n. 38,
vendem-se superiores chapeos francezes,
chegados ltimamente de Parig, da mais
acreditada fabrica, e da ultima mo la da di-
ta cidade ; chapeos de (castor branco, sem
pello e de superior qualidade, proprios para
01 passeos da resta do Natal; bonetes de
cabello para trazer por cass, por seren
nuito frescos ; ditos para meninos, de su-
perior qualidade ; chapeos de palhinha do
ultimo gosto para meninos : tudo por pre-
co commodo.
Vende-se doce de calda muito bem fei-
to e de todas as qualidades, em libras e em
barris proprios para embarque : na ra do
Queimado, n 2, esquina do becco do Peixe-
Frito.
Vende-se urna taverna em muito bom
lugar, bastante a feguezada ecom os g-
neros que quizar : no becco da Liugoela n.
8, achara com quem tratar.
. Vende-se um relogio de ouro sabone-
te, patente suisso : na praca da Independen-
cia ns. 13 e 15.
Vende-se um ptimo relogio com caixa
de prata, patente suisso e muito bom regu-
lador, hem como urna corrente de ouro para
o mesmo por commodo prego: ns ra do
Queimado, loja 11. 37 A.
Vende-se urna robusta e sada preta de
28 annos, denac.no Nago, a qual he quitan-
deira, engommadeira n cdzinlieira, por pre-
co commodo : na ra do Queimado. loia
n. S7A.
Vendem-se queijos londrinos frescaes,
chegados ltimamente; ditos de pralo; la-
tas con- biscouto inglez ; ditas com sardi-
nhas ; ditas com ervilhas; e garrafas com
vinho muscatel de Setubal: ludo de supe-
rior qualidade : na uta da Cruz n. 46.
Vendem-se, a dinheiro a vista, supe-
riores chapeos de castor branco, pelo di-
minuto ureio de 10,000 rs. : na ra Nova,
o. 2, loja atrs da matriz
Vende-se urna mulata de bonita figura,
de 18 annos, oropria para mucama, e que
cose com perfeicJo, tanto roupa de bomem
como vestidos de senhora, engomma e co-
ir -ti li 111
O I mas, ei
Qi. 14,000 1
OlOKUvst
r\ Uno 1 .
Na ra das C1u7.es, n 22. segn lo ri-
lar, verutr-ae u- oar.ia de 9C anuos, W9
engomma, cose chQn, cnzinln e lava de sa.
Mu ; duas pn-tas, urna ango'nm, c 'Zinha
lava, e a outra he ptima para o aerviro
de Ciipo, ou para ra.
< iaiuisn.-, I'cilas.
Na roa Nova, n 35. loja de alfaiale, ,\
lacinlho Sos rea i* Meney.s, vn.lem-se en .
misas do utadapol-ln flu, a 1,6i'0n 2,000 rs.
Vpnde-se urna prea de 11-cJlo, ue. meia
idade, boa lavadeira de Sahflo e vairella;
nflo lem vicios nern achaques: vende-sij
uara pata^ienlodedlvi las : na ra la Con-
cordia, q-iem vein da pon'e a esqunrda, so-
ttunda casa terrea., se di. a quem vende.
Itouikiiccs molerntwiniMS.
No pateo do Collegiu, casa do livro azul
1 Monle-i lullu, p,.r ^lexan ir .i.
iicadernaffio inteira, em v., U0P
rs.
>lj-tcrios do Povo, por Eugenio
Sue, 3 v., por 3,000 rs.
A forg-one, 4 v. de 150 paginas cada um,
ecellente romance martimo, traduzido
pelo senador Vasconcullo em 1848, por
3,000 rs.
fWfff fff ff ff f f fff fe
*Cori?s de !p*ie para sipatos.*
f Na loja do sobrado amarello, nos ^
a> qoalro-Caatosda ra do Queimado, g
~ n. 29, continuam-se a vender corles 43
^ de tapete para sapatos turca, ha- ^>
aa> vendo muita variedades de padrOes
O para se escolher. 2
Na ra do Queimado, loja
n. 10, se dir quem vende urna
boa casa terrea no bairro de S.-
Antonio.
Vende-se urna parte da malta da Ala-
lOa-dn-Canto, que Hca perto eos Prazeres,
com 60 bracas as duas frentes, e urna le-
gua de fundo : na ra do Mondego, n. 64.
Vende-se urna morada de casa terrea
na ra da Alegra, n. 44, no bairro da Boa-
Vista : a tratar no pateo da ribeira, 11 21.
Escravos fgidos
rga
ua do Collegio, n. 21, primeiro 1 z'n,u mu'10 bem, esta pratca no asseio e
andar. I arranjo de una'casa de familia; nSo tem
Vende-se aloja da ra do n,c^e(|'cta"iM' ru' lo ".
Crespo, n. 5 A, ao pedo arco de
S.-Antonio, com pouecs fundos :
garante se o airendamento nma
veit que o inquilmo agrade ao se-
nhorio : a tratar na mesma loja.
Vndese, por preco commo-
do on.i..i ssrs eadssr00
pos do Chile : Ba ra do Trapi-
che, n. 34, ca&a de fivaes 8c C.
Loteria do Rio-de-Janeiro.
Na praca da Independencia, n. 4, loja de
miudezas, ven lem-M os afortnalos bhe-
les, meios, quartus, oitavos a vigsimos da
decim-segun.ia loteria das cssas de caridade
da provincia do llio-de-aneiro. Na mesma
loj tambem se raeebem bilhetes premia-
dos da loteria da Bua-Visla em troco dos
qu tem a venda do Itio de-Janeiro, e se
moslra a lista da matriz da Boa-Vista.
Vendem-M colleeces com
mais de seis lindas vistas, repre-
sentando a ponte do Hecife com a
alfandega, a ponte da Boa-Vista,
a cidade de Olinda, a ponte do Ca,
changa, Foco-da-Panella, e a ra
da Cruz como arco do Bom-Jesu?;
ama Nova. n. 3, loja atrs da
matriz,
vendem lencos de seda, a 1,000 rs. ; ditos
seoceres, de linho com seda, a 1,000 rs. ;
litos de algodSo, pequeos que servem pa-
ra meninas, a *40 rs. ; dtoa finos, a 500 rs.;
ditos de cambraia branca lisos a 500 rs.;
grvalas de seda para homem. a 1,000 rs. ;
leos de seda da enr.iSo. a non ra : ditos
lecassa.a 640 ra.; ditos pintados, a 480
rs. ; ditos de seda para algibeira, a 1,600
ra.; ditoa para hombro de seniiora, a 1,600
rs.; ditos de eambraia da linho finse bor-
dados com bico em roda, a 10,000 rs. a di-
nheiro a visla.
Mana Nova, 11 8, loja atrs da
matriz,
vendem-se encerados pintados de corea,
com 4, 5, 6 e 7 palmos de largura, que ser-
vem para coberlas de mesa de juntar.
Vendem-se dous sitios de lerrs, com
Casas de vlvenda, proprios para levantar
urna eiigenhoca, pela fertilida le do Wrreno
no lugar de Jararaca, comarca de Coianna,
, or prec,o commodo : na ra do Collegio,
n. 16, primeiro andar.
Anda vende-se a verdadeira farinha de
Tapuy : no armazem de Antonio Aunes.
No memo armazem ha milho muilo novo a
2,500 rs a saces.
Vende-se aletris nova, a 200 rs.; ms-
carro e talharim novo, a 160 rs. a libr
CevarJinha freneeza, a 20 rs. : no pateo do'
Carmo, o. 9, venda nova.
Muas para gravatas.
Ira ra da Cadeia do Hecife, n. 23.110. cas
na ra da Cruz, n. I Vendem-ae mola* para grvalas, em da-lohoM"
lbmo... _x- J.aea raumo : na roa do Ouettnado. n atMBun
Ikmanna IrmSo. IM, ,0j.ate iodezse, Jerrtb a de cera \4ttZST:
Fugio. no dia 25 de outubro pronimo
passsilo, do engenho Sitio-do-Meio, da ri-
beira de Una, o mulato Benedicto, de 25 an-
nos, de altura regular, grosso do corpo, c-
belos carspinhados, cara escamada, olios
fundos, pouca barba, denles abarlos, per-
nas arqueadas ; tem os dedos grandes dos
's abortos, todo mal feito de corpo; quan-
do anda acompanba com os bracos as -.as-
sidas ; faz-se muito umilde ; he natural de
Carprys-Velhns ; foi pseravn de Francisco
Rezerra dn.VasConsellos e Silva, d Catinga
Vermelha de Grvala. Roga-ss as autorida-
des policiacae capules de campo, que o
apprehen lam e levem-no ao dito engenho
Sitm-do-Meio, ou ao engenho CarauasaiH
mesma ribeira, ou ao RecifK, a Autos!
Caldas da Silva, na ra dos Martyrios, n.
14, que serSo gr>tiflcsdos.
Fugio, no dis 27 da ootobro, o aaole-
que Juvencio, de 18 a 20 annos, altura re-
gular, reforeado. cara larga, nariz chalo,
beifos grossos, ps largos, com poucos sig-
naos de bexigss pela Cara ; levou caifas de
casemira escura, jaqnela branca, chapeo de
pello branco com curdo e borlas brancas,
e de copa baixa ; nunca sabio para fura ;
suppoe-se estar oceulto nesta cidade, oi| *
suss immediQOes : quem o pegar leveSiTf
roa Formoss, n. 9,que ser* generosamente
gratificado.
Fugio, no dia 4 do corrente, um esera-
vo crioulo, de nome Manoel. de 40 annos
pouco msisou menos, baixo'e corpolento;
tem o dedo gratide da m.lo esquerda aleija-
do, e urna ferida na ca ella da peroa es-
querda ; levou caigas a/ues e eamisa de
madapolSo branco : quem o pegar leve-o
ao largo do Pelourinho, ns. S e 7, a Romio
Antonio da Silva Alcntara.
Ausentou-se, no dia 5 do corrente, um
canoeiro de canos de lijlos, de nome Ce-
la no. denacBo Ca hunda, de est tora
"ar, cor um pouco fula, cara r*don~
ca dorias bexigas, pouca ba< "
signal de caustico no lugar
onde pode ser bem ennhecido ;
do da verlha direita ; represeni
annos ; levou camisa e ceroulas eomrWas
de algodSo trancdo : quem o pegar leve-o
ra larga do Rozario, o. 18, ajee aera gra-
tifica do generosamente.
Fugio, no dia 18 de oolnbro prximo
passado, do engenho Recanto, o psoeavo
Antonio, de nacSo llenlo, de 40 annos
ronco mais ou menos, estatura mediana,
muito preto, nariz afilado, falla muito bran-
da : quem o pegar leve-o a sus senhora,
f). Clara Cavalcanti de Albuquerque, oa ao
dito engenbo em SerinhJem, que se recom-
penrari.
Desappsreceu, da padaria ria Passagem-
rie-Magrialena, O escravo Gabriel, da 26 an-
nos, corpo regular, de naco Cosa, con ta-
inos de sua naeAo no rosto ; .levou camisa
Ue linho grosso, e barrete de relalhos da
chita ja sujo : quera o pegar leve-o a dita
padari que sera bem recompensado.*)
Fugio, no da 14 He agralo, do enge-
nho Jurisaaca, o nrelo Euzebin, erioulo, csr-
reiro, cor fula, d erUl-ri tis=,c?r;o re-
gular, barbado, nariz e ts chatos; he es-
cravo do Sr. coronel l.emenha. e dns que
foram compreheodidos no contrato do ar-
reo lamento do mesmo engenho cm p-
mingos Francisco de Souza Lefio: quemo
pegar leve-o ao dito engenho, ou nesia pra-
ca, na praia de S -Rila, n 17, a Jos Merxles
deFreilas, que gratificar. ."*]
Ands fgido, desde o dia 20 do proii-
too passsilo, o escravo Silverio, crioulo, d
ti annos, estatura ordinaria- rrforcado do
Corpo, brac s compridos e nadegaa salien-
tes ; he muito regrista e nflicial de sapatei-
'0, oftlcioque aprendeu com o mestre An-
tonio de Paula : quem o pegar leve o 4
fus da Aurora, n. 12
Fugio, da fregueiia deS.-Antfio, o fS-
cravo Manoel, de 35 a 40 annos nouco mais
eu menos, cor um tanto fula, baixo, de bnm
Corpo ; he muito esperto, e falla bem ; lem
sin talho na testa procedido de um csuo
de cavado quelhe llcou utna baixa: esieos-
dravo ja fez un fugi Ja e fpi preso na cernir-
os de lajah-de-Flores ; desappareceu no
I dia 6 de outubro do crreme auno: quem
d pegar leve-o a dita fregnezia, ao enge-
Minhocas. que ser! recompensido.
mm
Til*, di m. f. itr^iA. 1W0
ata*
I ILE6
Ci
c
p
SI
n
r
11


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPHU96F5J_P452YQ INGEST_TIME 2013-04-24T19:19:58Z PACKAGE AA00011611_07206
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES