Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07201


This item is only available as the following downloads:


Full Text
W^r
Anno XXVI.
w
Segunda feira 4
PARTIDAS DOS COI

(OS.
__ o ParaWba, i segundas e sextas fclras.
rande-d-Norlr, todas al quintal fclras ao
aelo-illa.
Cabo, Serlrrbaeni, RuwFormoio, Porlo-ilalvo c
Macelo, no 1., alie 214e cdame*.
Garanhuns c llonlto, a 8 23.
Hoa-Vltia e Flor*, a 13 e 28.
Victoria, i quintas feirae.
""da, todo* os diaa.
XPREMKRIDES.
-Nova, a 4, aoi 20 m. da m.
Creo. a II, a* 8 b. e56in. da L
Chela, a 19, as 2 h. e 15 m. da t.
Mlog. s 26, s 10 b. 13 da ni.
PBUtAMAB D1IOJC.
Prlmelra a 6 borat e 18 minutos da mauhaa
Segunda a 5 horas e 42 minutos da-arde.
' de Novembro de 1850.
N. 249.
MM90 da amascmpijlo.
Por tm meses (adiautadus) 1J/000
Por afatiezes [ 8/000
Por nal anno 151/000
XSIAS DA SKMANA.
4 Seg. S. Claro. Aud. do J. dos orf. m. 1-v.
5 Tere. 3. Zacaras. Aud. do i. da 2. v. do
chrel. e do dos feltos da faieuda.
6 uart. S. Severo Aud. do J. da 2. v.
7 Qulnt. 8. Florencio. Aud. do J. doa orf. e do
in. da 1. v.
8 Sen. S. Sevrriino. Aud. do J. da Iv.c. e do
dos feitos da (alenda
9~Sab. S. Theodoro. Aud. da Chae, e do da
2 v. do civel.
10 Dom. O Patrimonio de Nona Senhora.
CAMBIO KM 2 9IOTTTUBBO.
Sobre-Londres, a 28 lt2 d. por 1>000 rs. a 60 diasl
Varia, 333 por .Sr.
* Lisboa, 100. por cento.
Ouro. Oncas hespanholas.....30/000 a 30/500
Moedas de 6/400 velhas. 10/300 a I6|500
de 6/iOu novas 16/000 a 16*200
de4lO00....... 9/100 a 9/200
Prata.Patacdes brasileiroi ... 1/970 a 1/980
Pesos columnarioi..... 1/970 a 1/980
Dito mexicanos........ 1/760 a 1/780
ERRATA.
'
Na pastoral deS. Etc. Bvmd., publicada
no BH&io efe Pernnmtmoo n. 28
Pag i .'col. 5.* Imitas 36-desirreigardes
leia-senSo desarreigardes.--
Ni mesina psfjf., ni mesma col. Mnhas 86
- doloro$amenie--leia-gedolosamente. -
aa^Hataaaaaaaaai-------- -r___iijjaxiij
PARTE UFFlOiAL.
M1MSTER10190 IWPEHK).
DECRBTMl. MI. HE 13 de setembro
DE 1850.
, Aulorlsi o gorerno a sentar dos direltos de
ancoragem, e de outro qtmlquor ilireilo
de porto que se haja de estibelecer, o*
piquetes de vapor que flzerem o servido
da correrpondencia entre o'Brasrl e a Grfli
KreUnlis, tifio se corapreheniItmJo na
iaenco os direitos actualmente estsbele-
cidosem favor das casas de caridad*.
Ilei por bem sanceionar e niindar que se
execute a resolujflo seguinte di issembli
gea legialalivi :
Art. T 0 goverro he autortsado a sen-
tir doa direitos de, ancoragetn, e de outro
qualquer djreilo do poito que se hija de es-
. tibelrcer, os (aqueles de vapor que flzerem
o servico da jrrespaajdencia entre o. Bra-
sil e a CrSa-Breliqlia, nao se comprehen-
dendo porn nfiif mao os direitos actual-
mente eaMp-fecidos ern favor das casas de
dide. e sendo ella limitada ao prazo
o gbverno julgar conveniente marcar
respectivo contrato ou convenci.
Art. 3* Ficam revogadas as dispusieres
emcont'irio.
O visconde de Mont'Alegre, conselheiro
de estado, presidente do censelhode mois
tros, miutstro e secretario de estado dos ne-
gocios do imperio, assiru o ten lia entendido
e faca ezecutar. Palacio do Rio de Janeiro,
em 13 de setembro de 1850, vgesi.no-nono
da independencia e do imperio.--Com a ru-
brica de Sui Magetlade o imperador. Tit-
eante it Kont'Alfgrt.
MINISTKBIO DA GUERRA.
DECRrfrO N. 705 DE 5 DE OJITUBR
DE 1850.
Determina quaeias instroeces porque le
deven -regular aa manobras e eierci'cio
das diferentes armas do exordio.
Coiivindo regularisar as manobras e exer-
cicios das dilTerentes armas do eiereito, liei
por bem decretar oiegointe :
Art. 1.* Silo adoptadas para as armas de
artilliaria as lustruccOes orgmisadas .pela
commuefia- de pratica de artilliaria para o
servico das difiranles nocas de fogo mon-
tadas em raparos Onofre ; regulando para
a artilliaria montada as inslrucces organi
sadas peiomireetial de cimpo JoSo Carlos
Pardal, apara as manobras das baleras de
campanbi as da guarda leal franceza.
Art. a.' I'an V arma de avallara be
doptado o regulamenlo do marechal.gene-
ral lord Beresfonl, approvado pan oexer-
cito porluguez por decreto de 6 de marco
de 181*.
Ait. 3. Pira a arma de infamara he -
doptado o systema le Bernardo Antonio Zi-
galo, olljei.l do exercilo porluguez.
Msiiocl Felizsrdo de Souza e Mello, do
meu cunsellio, ministro e secretario de es-
tado doa negocios d guerra, o lenhi assiin
enloudido a especa os descacho necesa-
rios Palacio do Rio de-Janeiro, em 5 do ou-
tubro de J850. vigeiiuio-nono da indepen-
dencia edo iinperio.-Com a rubrica de S.
M J) Impeador.-A/aaoi ltardo de Souza
e Helia.
de procurar resolver cada urna das quesUSe
Stendentei entre o Araill e o governo argentino
anda ineimo de menor momento, leparada-
nente teorpre pela manelra que pretende
impar. /ni propurado resolve-las em remon-
tar i luis causas e orlgem, sem corfrlrem des-
trui-las o inodillca-las, aiiin de eiubclecer
garantas de paz e tranquillidadepara ofuturo.
O goverao imperial, pelo contrario, dtaejaa-
do liquidar por unta ves todas easas questes.
evitar o aeu reappateclmenlo, tornar rSeetiva
a coveneaajsrall minar de paz de 37 de agosto
de |88 ea Independencia 4a tal da Uruganr, que ella eHabeleccu, tein en-
tendido e er/fende, e o abalxo asslgnado mul-
las rrtea o fez ver aoSr. Guido, que couvinha
considerar o asittmpto em grande, por de par-
te.qurlldes velhis e j eigotadas, equeoe-
nhmua influencia poderiaiu exercer para o fu-
turo, se francamente ex.minadas assuaacau-
aas e as dlflculd .des da poilcao actual, foaiem
rilas removidas por um accordo franco, since-
ro e leal, que enntivesse todas as ooudieAea ne-
ceisarias p.ra rinr de urna vez a tranquiili
Nade no Rio-da-Prata, e portanto na provincia
do Rio-Grande do sul.
A legafao argentina nunca se preslou a isa*.
Raigio lempre que cada uina das inultas quet-
zal que o govrroo argentino tein levantado
contra o Brasil folie separadamente rriolvida,
Siela nica maneira que o governo argentino
irradiara.
E nao contente com laso tem tomado a si ai
qnrsles do Brasil cora o general Oribe.
Dai IofanuaoSea que o abalxo assignado eli-
gi e recebeu do presidente da provincia do
Rio-Grande do sul se rnoitra:
Que n,i frnntelra do Ctiuhy e S. Miguel eiil-
tem 36 estancias possuidas por llrasilel ros, com
$4? legoaaquadradas, segundo as. informarles.
Oeitat enuncias 38, cora >97 Irgoai quadra
das, 42i ,000 cabecas de gado vaccuin, 16,950 ca-
ralloi, e 49 aaoravoi. eatao embargada poi
ordem do general Oribe.
Que na fronlrira do Quarablm exiifm 161
estancias possuidas por tfraiileiros, con 38l Ic-
goaa quadradai.
Destas estancia!, 53, com 141 legoai quadra-
das, e 36,000 cabreas de gado vaceum, es lio
embargadas por ordem do general Oribe, e 39,
MIMSTERIO DOS NEGOCIOS BS-
TRANCEIBOS.
Rio-de-J>Beiro. Ministerio dol nrgocioi
estrangelro. cmSQdr setembro de l850.
O abalxo assignado duconselho dAJM.o Im-
perador, amador rio imperio, m iotas I' secre-
tarlo m retado-dus neg clin rsusia^Hroa, tem
* hoara de rnnetier ao Sr. I hrrna Guido
enviado rtraordinario e ujfhtro plenipoten
ciaalb da^.'onfdera(ao Aigaaiina, o pasaapor-
'e 9Uta>d#eni ma n la de 23do correnle mes
de seleinbro, rairrgue so abaiio assiiioado ao
dljji *
, Slllafatendo aislin ao pedida do Sr. Guido j
anaunciadoei sua ola de 16 ile juulio pro
no panado, o abalxo assignado, no Intereise
-r. mm vcauma e aa jusilla, jniga deaen
devex T]|iiinjJ||gr risa remeaaa de atreves ob-
aerv>coea a* <* alguns pontos da nota do Sr.
Mj9te'x o Sr. Cuido que o abaiio assigna-
J^Hpocou a qitNUo riu um terreno comple-
llWfnte aovo, eslianhp a ordem espreiiai
icfurain dadas'por seu gvverno, e con-
cluspdindo oieu passaporle.
Heaile.'ein verdade, um meio estraordina
rio dHavitar e cortar a diicussao de queiloea as
naasarlasporlaiitei, e cuja eluoklacao be da
maja transcendencia para a |ut, trmquilida-
dc fttiui 4u lio-da-Praia
lia qujeo abalxo aiaignado cliamoo
cora 84,000 caberas de gado vaceum, abando-
nadas por seua dooos, fgidas em conieqnen-
cia de prrseguicei.
Qoe ao al do Arapebj riiitem 77 estancias
possuldaa por rasileiras, com 227 legoaa qua-
drada,
Deatai estancias, seis, cora 44 legoaa e 37,000
Cabecas de gado vaceum, esli embargadas por
ordem do general Oribe, e 40 can) 111 legoaa e
136,000 cabecas de gado vaceum, abandonadas.
Nasfrontelras do Jaguaraoe Bag, estao em-
bargadas nove estancias e abandonadas olio.
As informales na^ couUm a numero da gado.
Em i843 prohibi o general Oribe, todo olr
balho do campo, e obrfgou todos os hoiaens
da campanha oriental a reuolrem-ie ao exercl-
to do aeu mando, ou a relirarem-se para aa po-
voa{es guarnecidas por suas tropas ; e juan
do em 1847 Lmase oulroaoffielses cbamaram
os Or.alleiros para quede novo fosiem povoar
as suas estancias, acbaram-naa coinplclament
deslruidas, e oiaeui gados aleados como estao
boje.
Era aummi, o general Oribe invadi o seo
paiacora Ha eiereito argentino de ina.li de i2
mil homeni, e bsete annoi ene ererelto se
sustenta cora gados das eslaucias braiileiras,
com cujos cavallos se remonta, cujos gados co-
me, vendendo os oouroi, sem iodemnisaco al-
guma, sendo estas violencias acoinpanhada
da exigencia de eooriuissimos tributos.
Grande quantidade de Hraailelros assiin cipo-
liados achain.se refugiados ua provincia do ltio-
Oraude to aul, redutidoi a desespera[o e
miseria.
Dahl provieram as incursdes do barao de Ja-
cuhy. ig.
Pela ultima, e pela ultima soineote, pedirn)
o governo argentino e o general Oribe saiUfj-
(ao solemne, isto be, eiigiram queoajaveina
Imperial, que por considerares que uao leem
Ido apreciadas, n.io tein caberlo com a sua
proteccao aquellei Araiileiroi, o penegubir
C I ii(aise nal prisOes, persegulndo em casa a-
queliesque nella linbam viudo buscar refugio
contra a periegui(o estrangeira, eiito sem ao
menos lar oblido,' em compensaco algum le-
nitivo aoi seus males.
O goreino Imperial olo appravou o procedi-
meutu do barao de Jacuby, e dos aVrasileiros
que oacompaobaiam, a.queui uao compela
rehaver par mas mui as uropriedadea'de que
um accordo justo e raaoavel. F. apresenta-ie
fundando-se em um dlrelto de allianca.
O governo Imperial qiser discutir ease titulo,
Villar o alcance qoe elle pode ter para ofutu-
ro sobre a Independencia da llanda Oriental ;
demonstra que, ao menos pelo que he conhecl-
do, nao he o governo argentino competente
para intervire tomar a aiasti questn ; eoSr.
Guido responde pedind\es seus passaportes,
porque este terreno be aovo, alheio da natu-
leza especial do aeu pedido, e eatranho ja or-
dena expressas que Ihe narim dadas!.' O abal-
lo assignado concJue d'abi que o Sr. Guido te-
re ordem para I ipare iio tdinitHr dlscussao
OSr. Guido, referindo-se i sua nota de 13 de
(everelro prximo passado, declara que rece-
beu documentse nao ordena do general Ori-
be. Pede nena nota uina re par a en o solemne.
Declara agora que o fez em virtude de ordem
do seu governo.
Mas o Sr. Guido nao adverte que, atienta a
data daquelle documentos, e sendo a sua nota
de 13 de fevereiro, nao he posslvel que os Tac-
tos de que tratara oa ditos duoumenlos chegas-
tam ao conbecimento ilo governo de Buenos-
yres a teuioo de poder dar ordem para a ana
legac.ao exigir por riles, aqu, em l3 de feve-
reiro, urna reparacao solemne. A confronta-
o daa dataa e as distancias da fronleira do
Quaralm ao Cerrito, do Orrilo a Auenos-Ay-
rei.de Buenoi-Ayres ao Rio.de-Janeiro, des-
Lraemaassercao do .-r. Guido.
r o Sr. Guido que escreveu a sua nota de
13 de fevereiro em ririude de ordens grraes
anteriores do seu goveuin, Isto prova anda
mal a confiisao e cons .lidaco da auloridade
do general Oribe e do Sr. governador de Bue-
eo*-Ayres, taqueo aballo asiignaatofallou em
ua nota.de 4 do correnle ; e em todo o calo fi-
na liquido que a reparacao solemne de que tra-
ta a aaH de I34e fevereiro oko fol.ao princi-
pio, pedida por ordem especial do governo de
Um-iioi- Ayres, baseada sobre o coahecimento
dos factos era que rila se funda.
O abalxo assignado nao repetir o que diste
fa la ola anterior relativamente allegada
allianca enlreo general Oribe c o Sr. governa-
dor de Huenos-Ayrrs. As noedesque drlla d
o Sr. Guido aao a tiram do embryao cm que a
tein apreienlado, e doqual tamo conviera que
niiuina cunaideracao ha que o leve a faztr urna
olera contra Humen que Untas esbulhos
sahisse E he por ino que quanto oais que'r o
Sr. Guido explicar essa alliaea mal le enreda.
Diz agora que he urna allianca occailonal,
incvilavel, necessaria e circumicrlpla, unica e
eiclusi vaiueate guerra das repblicas do Pra-
ta Gootra um inimigo commum.
He o Brasil inimigo eoinmum ? Nunca fol ha-
vido e declarado tal. -.Se nao he inimigo coni-
uiuin le a allianca procede contra o inimigo
commum, le o Brasil tem sido neutro naa quel-
ites do Rio-da-Prata, como se quer applicara
uina das murtas emergencias que tein sido fre-
cuentes as frontciiaa. u n-- 'iinu aisili i
poltico, que o governo Imperial fez cessar, di-
reitos que pode dar urna allianca feitacoatra
um inimigo coininuin ?
a Os governos do Rio-da-Piata, acrescenta o
Sr. Guido, isto he, o general Oribe"eo governo
argentiuo, marebam em orblia distiacla, sem
oulro ponto de contacto,leno aquelle em que
a uniao be necessaria para triuinpbir do ini-
ailgo commum...,
A auloridade de aaibos o governos est
perfeiainente destinada entre si.
Sendo assim, como pdde o governo argenti-
no levar a mal que o Brasil, que nao era inimi-
go cummum, procurasse cntender-se so cora
a autoridide do general Oribe, distincta e des-
lindada da do governo argentino; como dic o
Sr. Guido, sobre urna queitao que be evidente-
mente albeia guerra existente entre o gover-
no argentino, o general Oribe e o gorerno de
Montevideo, questo que desappareceria para
nao apparecer mals, mediante algutna boa von-
tade c justas providencias Ja parte do general
Oribe, a que corresponderan, outrai da parte
do governo Imperial?
Oabaixo assignado diiie'em sua nota deoito
de marco prximo passado, referindo-se ana
lacios pratlcados pelo bario de Jacuhy : O go-
rerno Imperial.... espera (Me nao se reprodu-
llrao fados seiuelhanles, (principalmente f.\
como he de esperar, o br. general Oribe e o go
rerno argentino, pelo sea lado, conlribuirem
para que desapparecara as amiga e priinor-
diaea causas de semelhdnati acontecimentos.u
Obierva o Sr. Guido que por esta maneira o
abaixu assignado recoabece a iulluencia do go
vcnio argentino para SMtabalecrr na zYandaUri
rntal a ordem de cousas pretendida pelo Bra-
sil. Equem ba ahi que possrduvidar diaau ?
Mal reconhecer que. o Sr. governador de llue
haviam s.do eioUlhadoa. Expedio ordeui p'a.alaw:. yres leu. urna Mraord.naria inuencia
que folien, disperso e desarmado! Mas ne- ^re general Oribe, aqaein deu um e.erci-
a disco se face dcbaixo, da qual encaruu
ai ordem que tem o Sr.
Ouldo !..i.. .\.. iiopreheiidem, coijto repelle elle
a salu(oqi| aquella dlscussao paderia enca-
nuobarrtSKir orden, que a nao llveram, usurpo
diant ter era viata ?
Sar Uso parque a legac* argeailaa he iiei,
ate sita rerada, ao syste.aaa.ue invariareluico-
y tem ... -->s:r :;:!. =ssc;
faxer a menor couerssao, de nunca admittir
scuao aquillo ajae pela prlmelra vex exigi, e
isto pelaformaVmaneir por que o exigi T
__ Mas o campo a que o aballo assignado cha-
inou a discuass nao he novo, tem sido inuius
fexes perconldo. Nenliuuia das qtiesiaes qUe
,A lagaca argautina tein" segoldo o srstema
e violencias ueiuaall'rido.priucipalMente quai-'
du osaulure desses e.bulbo. e violencias apo-
ca se quizeram piestar a un arranjo que o la-
ca deuparoer para o fnluro. pc lisa di-
xia o aballo assignado eoSr. Quidu, era sua,
bola de 8 de marco do correnle anuo.
ProucdiiucQloasetnciuantcsao do barao de
acuby suiutnte pdem ser evitados par med
tai tomada! si ultaneameutepeloSr. general
Oribe e peto governo imperial.
a Pelo Srgpoeral Oribe, atlendendo ai re-
clamacdei qtfie tem sido feitai, e fazendo cessar
ps veamei e violencias que trra soflrido o
rasHelros na (Tanda Oriental, ou pelo menos
pcrmittlndo que se retirein com seus gados,
dispoodo de outrai prupsledades. Destruida coes
assiin a cauta, cessariaui os eHeitos.a
A estas lio justas, loo moderadas, e lio ra-
soaveis iiroposicOe, respoudeu o general Ori-
be, em l2 de juuho prximo paliado, aorncar-
regado de negocios do nraiil era Montevideo,
que nealiurna observa;So tomarla em conslde-
rscao sobreest assuuinto, eiuquauto elle eo
Sr. governador da luenos-Ayres nao obli,ves-
sem as satlsfacOes que haviam exigido. A' sua
uota replican o dito encarregado de aegocios
com outra, de cuja respoila nao tem aluda o
abalxo assignado conbecimen'o, se be queja
l'oidatfa.
N entanto tinba-se o governo argentino mei-
Hdo de permeio, c tomado a ai a oaesto. Nao
era elle que liada dado ai ordena que alo or.
geni, le santas complicantes e vexaroe, nao
era elle a queso /porque roo*)a)eee o general
Uribe como presidente da repblica do Uru-
guay) competa revogar ou inodicar aquellas
ordens, e comtudo be elle quera se apreienu v
em frente do Brasil a eiiglr satlsfacOes, sem
to argentino para iuvad ]A ir publica do Uru-
guay, qu* ninguem mal do que elle poderla
diapo-lo favoravelinente a um arranjo com o
Hrasil, ier porventura reconhecer oa effeitos
taja allianca que se invoca, e o dlreito
co gov |fto argentino para tomar a il a queitao
de que se trata i*
Emende o Sr. Guido ter splicado a al-
>m questSo com geaaralidades que
ihzi la a incerteza no futuro Essa al-
laut; urna uniao necesaarii pan tri
Kiiindo eisa triumaho qual he a sorteds re-
pblica oriental djUrugusy ? Como equem
ha de gverna-li ? Como e debaixo de que
infliiencias hilo de ser feitas as suas elei-
N3o importa isso muilo a indepen-
dencia desse estado e a tranquillidade de
seus vizinhos ? A to ile 1828 no o iveonheceu ? Puis o go-
verno argentino e O general Oribe disculem
essfi pontos com um governa euro, fij, o
da Franca, a quem nexant, ^inno se v das
ntiadoSr. (iaido o abatxo assignado de
90 de abril e 3 de agosto prximos passa-
[dos, o direiio do zelar e manter a indepen-
dencia da repblica oriental, e nao as quer
esclirecer e delucdsr com um governo i-
-mericino, viznihp, e com o qual assignou
-a convenci preliminar de paz de 27 de
agosto de 1823, psli qual ambos se obri-
tgaram, a rjunler aquella independencia !
Us.pouivel qua nessa illianiji entre o go-
voruu argliuoa ogetioral Oribe nflo l'us-
;sea\ a Hendidos e cousulladoa esses pon-
a de erar: he urna Kprevideucie
; e se o foram, P*afjfl^Hfeae ex-
!>..., Orte osano
riental) faxer e4tcsso aiguraa, e entrar em
querer e mesura aeui pader(vlato reconli-. ; lorUntissiat* r^rVui allian
V-U da rep-jr.ill ca ? ;.
ccr S-b s" Bra
saber ?
io de
Has o Sr. Guido cerrou essa discussSo
com o pedido de seu passsporte.
Insiste o Sr. Guido em que o governo im-
perial discuti desde ISAS com a legscSo
argentina a .su mu tos relativos ao general
Oribe. Emquinto. foi simplesmente con-
siderado como genersl argentino, nSo po-
lis ser de outro modo. E i condescenden-
cia qu.i algumas vezes tnve o governo im
penal ( nutrindo linda esperances de poder
arranjar honrosamente as suas queslO
com o governo argentino e o general Or-
he ) de receber alguns documentos, como,
por exmi-lo, o summsrio de que o Sr. Gi-
lo falla, para inteirar-se delles, ou mandar
ororeler a averiguaces, ple infirmar as
declar-cOjs positivas e solemnes i que Ilu-
da o absixo assignado em sua nota de 4 dn
crrante, e autorissr exigoociis intermeio-
mea. da natureza di que fez ltimamente o
Sr. Guido ?
O exemplo di ilbi do Cuba que cita o Sr.
Gilo n7o tem a menor soplicacSo. Os ca-
sos sJJo diversos, e as relacGes em que a lal
res eiio estilo os Estados-Unidos com a lies*
oauha silo diverssimas das que sn do en-
tre o Brasil, a Confederarlo Argentina e n
general Oribe. A expedicSo de Lopes tinha
lim mui diverso, do que leve a do baro de
Jacuhy
O governo imperial nSo perguntou em
1812 pela allianca, porque se ella entilo exis-
tia era mental, ou tflo secreta, que nilo ti-
nha sido aventada.
0 general Oribe invadi o territorio ori-
ental como general argentino ; e por cerlo
qoe is notas do Sr. Guido daquella poca
nflo dan a entender outra couss.
O abaixo assignado sabe nerfeitamento,
e nSo era preciso que o Sr. Cuido Ih'o dis-
sesse, que a ConfedencSo Argentina nSo
amproheo leu a guerra contra a individua-
lidade de Fructuoso Rivera, mis sim con-
tri o circulo e tendencias que represen-
lava
Tudo isto, porm, est hbje desfeito ; os
sete annos ilecorridos de ento at hoje, as
carnalidades e desgracas que por esse lem-
po te cu pesado sobre a Banda-Oriental, e
especialmente sobre a prega de Montevi leo,
teem modado tudo. As circunstancias de
l>nj nSo soas de 1812; as influencias sSo
diversas, e parece que era tempo de, por
mriu de concessOes justas, restaurar na
Handa-Orienlal a paz, a liberdade e a tole-
rancia. -
O governo imperial nunca leve recejo de
que as potencias interventoras prjudicas-
tem, em seu provalo, a inJependencia da
Kand i-Oriental. Os fados teem justificado
essa sua previsSo.
Na repblica oriental smente exislem
am armas, mimigos do general Oribe, os
que estSo encerrados na prsQt de Montevi-
deo. Como pretende portanto o Sr. Cuido
considerar a fronteira do Quaraim como
thoatrodaguern? Tem as forcas srgenti-
nisde manobrar ahi contra o inimigo en-
cerrado ni priQi ? Os dest8Cimentos esla-
belecidos na fromeira ahi estSo para a sua
polica, no fazem parle do exercHo sitia-
dor, nflo o desfalcaran) para rebaler o ba-
r.lodo Jacuhy. E se foram mandadas em
reforco tropas de observscflo para a li-
nha, forsm-o depois de dispersas as forcas
do barflo de Jacuhy; e sem necessi ia-
de, porque as forcas impenaesji estavam
na fronteira pira embaracar novisaggres-
soes.
A proclamifflo do barflo de Jacuhy, em
que tanto insiste o Sr. Guido, nunca ehegou
olTicialtnente ( ou luihenticamenle ) ao ctv
nhecimento do governo imperial. Nao se-
ria facto do urna auturidade, porque o ba-
rflo de Jacuhy no o he, nem oflicial do
ejercito, sendo apenas honorario, e o que
nella se diz nSo ple tor a importancia que
o Sr. Cuido Ihe quer dar. O que Ihe pode-
rla dar importancia e frca, seria nicamen-
te as violencias e vexames pralicadns con-
tra os brasileiros estsbelecidos lm do
Quaraim, que tem levantado um brado ge-
ral de indignaeflo na provincia de San-Pa-
iro do sul. As palavras daquella proclama-
qSo nflo podem dar incursflo do barflo de
Jacuhy e dos que os acoupanharam outra
cor, carcter, e flrn, do que aquella que na
realidade 'eve rehaver os saus gados de
que linhsm sido esbulhados.--Nlohi por-
tanto, entre essa incursflo e as precenden-
uJs oulra ailTorenca, seufio aquella que o
absixo assignado deizon aponlada em sua
dea) do corrente.
as expresivos uu prraiviiie da provincia
ile San-Pedro do sul, a do encarregado de
negocios do Brasil em Montevideo, a que
alindo o Sr. Guido, nSo estao em contradic-
eflo com o procedimento do governo impe-
rial, nem este com ell.s. O governo impe-
rial nunca considerou como meritorios os
ctus do barflo de Jacuhy. 0 que elle en-
tende lie que, outtca lendo podido conse-
guir que as suas reclatnacdes fossem alten-
ddias, e declsrando o general Oribe que
nflo as loma em coiisidcracflo, nflo pudendo
por isso melhorar a surte dos subditus do
imperio que tem propriedsdes alm dn
Quaraim, nflo leve servir smentepara ig-
gravirseus males.
O sbaixo assignado nto termion sem
repellira aecusafflo de deslealdade que se
comm no final da notado Sr. Guido. Nflo
he da parte do governo imperial que ella
est. Elle explicqu semnra eos? fianqueza.
e com urna longaaiaidade sem exemplo
lodosos seus acto*; mostrou-se sempre dis-
posto a lazer conceagoes justas e risoivels,
urna vez que fosaaxn juslaineale compensa-
das ; mostrou-se semptv disposto um ar-
ranjo quo definitivamente cor tuso todas is
termo- i guerra que tem devastado o rio da
Prata, e o que ha de continuar a devasta-lo
se nflo forero ouvidos os cnnselhos da mo-
doricSo, da justiga e da tolerancia, e se
nSo prevalecer o esquecimetHo do passado ;
reclamou muitis vezescontra as clamorosas
e imnumerss violencias de que tem sido
victimas subditos'brasileiros, e que, se li-
vessem sido reparadas a lempo, nflo teriatn
produzido os ltimos acontecimentos.
A deslealdale est da parte de quem, ac-
cumulan lo sempre quoixas sobre qaeixas,
por infundadossggravos,nunci uiz admit-
tir explicaces francas e claras; est da
parte de quem nunca fezconcessfloalguma,
o nunca quizligar-se por um accordo que,
dando una snlucflo is questOes do Rio da
Prata, assegurasse i paz, a tranquilidadn
dessss paragense a independencia das na-
cionalidades que as oceupam.
O governo imperial, pelo contrario, lem
sido,ehe tflo lesl.que nunca duvidar subs-
tituir discussOes interminaveis e esteris
por con vengoes solemnes que as evitein pa-
ra o futuro, e que, regulando por urna ma-
noira positiva e clara, todos os pontos que
tem sido, e infelizmente amia nflo de ser
causas de discordia entre as naeinnali lados
queoecupatno sul da America Meridional,
conlrihuain para firmar salidamente a sua
indepen iencia.e cora ella i paz.a liberdade e
a ordem.
0 absixo assignado reitera ao Sr. Cuido
tincta considersco
Paulino lote Soares de Souza.
GOVERNO DA PnOVlNCU.
EXPEDIENTE DO DA 88 DE OUTUBRO.
Ofllcio.Ao Exm. presidente de Santa
Calharina censando recabido o oflicio,
com que S. Exc. remeltou m exemplar
impresso do regulamenlo dado por aquella
presidencia em 9 de setembro ultimo, par
as cnbrancas das rendas lincsdas da mesma
oroviocia.
Dito.Ao Exm. commandinte das armas,
dizenlo que comquanlo i presidencia ti-
vesse ordenado em 9 de Janeiro do anno
uassado, que fortji em operaeflo fossem
fornecidis etapas gratuitas e addicionaes,
procelimento este que fui approvado por
aviso de 18 do miio do^mesmo snno ; toda-
va nflo pode ser ittendida a representaQo
feita pelo commandante' do quinto bata-
lliflo de fuztleiros, no sentido d ser resti-
tuida caixa do mesma batalhSo a quantia
de 131,750 ris, que sendo lurucci I.. como
etapes addicionaes e gratuitas s pracas do
referido batalhSo, de 86 de novembro a
11 de dezembro de 1848, foi descontada
pela pagadoria militar da consignacSo de
fundos de farJamento das ditas pracas,
sor Jiaver a mesma presidencia determina-
Jo em 27 de junho desse anno, que seme-
ntantes etapes fornecidas antes do dia 12 de
Janeiro cima referido, fossem descontadas,
como tudo consta da informaeflo dala k
respeito pelo inspector da menciona la p,t-
gadorii.
Dito.-Ao mesmo, inteirindo-o de haver
S. M. o Imperador determinado, segundo
foi declarado em aviso do ministerio da
guerra datado de 12 do correte, que exija
e remeta com toda a brevidaftei aquella
secretaria de estado as cerlid/ies dos au-
senta metilos dos nfliciaes dos cornos e com-
patihiasem guarni^flo tiesta provincia, in-
cluindo os que tiverem tido psssagem para
outros corpos no corrente anno, o bem as-
sim as dos ofilciaes do estado maior de pri-
men a e segunda classe qoe aqui existirem.
Dito.Ao mesmo, scientilicando-o de tez
S. M. o Imperador, conforme foi declarado
oui aviso do ministerio da guerra datado de
7 do correte, conced lo psssagem para a
companhia fixa de cavallana dosis provin-
cia ao segundo cadele do segundo batalhSo
de aitilharia a p Lourenco Justiniano Jor-
ge Concalves.
luto.Ao mesmofnteirando-o de haver
S. M. o Imperador, determinado segundo
constou do aviso do ministerio da guern
datado de 30 de setembro ultimo, que se ve-
de expressa mente que os corpos aqui esti-
ciotudos tetilla-n oulras bandeinse estan-
dartes, que nflo sejaro os forneci Jos pelo ar-
senal de guerra, por convir evitar-so o abu-
so reprebensivel de se presentaren) os cor-
pas do exercito com insignias, que com
quaulo m-is rieis, sSo menos marciaes, e
feitss po*r meio de economas pralicadas
l'orgadamente parar com aa pracas dos mea-
mos Corpus.
Dito.Ao Exm. conselheiro presidente da
relacflo, coiiimunicando que S. M. o Impe-
rador, houve por bem par decreto de 3 do
correle, segn lo foi declarado em aviso do
ministerio da jusra, datado de 10 do mes-
mo mez, nomear o desembargado! daquella
relacSo Joiqulm Francisco Goncalves Pouca
de Leflu, para u de ministro do supremo tribunal de justi-
?a.--!ule!!igenciou-se so nomeado.
Dito.Ao inspector da tliesourana de fa-
zends, traosmiltindo os avisos de.duas le-
tras ua imporlaucia de 1:600.000 ris, saca-
das pela thesouraria do Rio Grande do nor-
te, sobre a desta, e a favor de Jos Gom.is da
Silva e Joaquina Ignacio Pereira.Parlici-
pou-se ao Exm. presideule daquella pro-
vincia.
Dito.Ao juiz reblar ja^yf^'1* i-Hs^js,
transmiltindo para ser aprisenUdo em sos-
sao da mesma junta o prooawo verbil do
soldado do ottavo batalhSo de caoadores
Joaquim Lopes lotelligenciou-se ao Exm.
commondanle das armas.
Dito.Ao inspector da pagadoria militar,
asuiga.iaiivi quaaies que Ihe tem suso- i para que mande examinar e pagar, estando
lado o governo argentino, e puzesse nm' conforme, a coot que remite em duplica.-



*
*

>2'
na importancia de 106,390 ris, .la despeza
feili com o transporte das pravas lenles
do lerceiro hatelbfi de arlharia p par
a capital. --ScientiGcou-se o Exm. com-
mandante das armas.
Dito Ao mesmo, intelran.lo-o de baVer
nesta ilata tleferi lo favorevelmente um re-
queriincnto eni que o lente do ti-rcero
batalhflo de a'rtlliaria a p liarme! Ernesto
da Foncecn, peda para consignar niensal-
mente nesta provincia, a contar de 1 de'
novembro prximo vindouro a quantia de
10.0(0 ris, at preenchero total de 160,000
ris, para ser entregue a seu procurador Ig-
nacio Francisco Cabral Cantanil.Commu-
nicu-se ao Exm. commandante das armas.
Dito.Ao mesmo, inteirando-o de have-
remocabo de esquadra do primeiro bata-
Iho de capadores Francisco Xavier, e o
nspetada. do segn lo de ertilharia a p
Jos da Costa Sacramento, depois de (indo o
sen lempo de prac, contratado nos termos
do derroto e regulamento de 18 de novem-
bro de 1848, para continuar no servido do
cxercito, mediante a gratificado de 180,000
ris cada um, e ordenando que mande
abonar-Ibes as referidas gratificares, sen-
do 50,000 ris a vista, e o resto um presla-
coes mensaes de 10,000 ris.--Intelligenci-
ou-se ao Exm. commaodaute das armas
Dito.Ao mesmo, para que mande abo-
nar ao lente do quinto balalhBo de fuzi-
leiros Joaquim Barroso de Carvalho, que
tem de seguir paraosul, dous mezes de
sold, que Ihe serfio descontados de seus
venc nclitos na forma das ordunsetn vigor.
Commuoicou-se ao Exm. commandante
d s armas.
Dito.Ao mesmo, dzendo que nSo obs-
tante oque Smc. exLOe em seu oflicio de 93
do correnle, deve mandar pagar quando
lhe forem entregues competentemente des-
pachadas, as contas da despeza. que o arse-
nal de guerra houver de fazer com os sac-
eos para marmilOes e moehillas, que man
dou apiomptar naquelle arsenal, para os
batalhes primeiro e oitavo de caladores,
terceiro de artilbaria a r, e para a compa-
nhia fila decavallaria.
l'oi taha. -Ordenando ao agente da com-
panbia dos paquetes de vapor, que mande
dar passagem par a corle no vapor S. Sal-
vador, ao capellao de segundo bataltiau de
fuzileiru Irei Antonio de Santa llosa Urna.
luleirou-se ao ,Exm. commandante das
armas.
IAlIT ^tiJlCPT
oicira, 3 ovuiano di es.
Entrou boje ueste porto procedente do de
Fernando de Noronha, o brigue escuna Le-
galidade, que no servicod'aquell ilha fr
rendi lo pelo Cnnupo. Trouxe seu burdo o
preso poltico l)r. JroriymO Vilella de Cas-
tro Tavar. s, que a rei|ueiimeiito sen, e por
molivode molestia, fui transfer lo para a
fortaleza do llrum ueste cidade.de ordem do
Exm. Sr presidente da provincia.
A ilha lc-iva ein paz.ojss se recenlia anda
do flagello de que lora infelizmente assxlta-
da a fehre amarella. Mathia Jos da Sil-
va, Mil.lado do segundo batalhSo dearlilha
ra a pf, eque fez parte do Jeslicamenlo,
que ro render, as pracas do qu rio da mes-
iiin arma, chegara a aquella ilh afTectado
da tcrrivel molestia, e surcumbio no pri-
n.cu o de setembro ; em 19 do mesmo mez
romecoo, e depois se desenvolveu com
ba.stante intensidades epidemia. At o da
26 do mez prximo passado haviam sido
accommeltidos da epideada 255 pessoas.
I), stas 145 lora ni (raladas pelo cirurgiSo -do
presiiijo, e fall ceram smenle 5, inclusive
0 soldado de aitilharia, de que leaos fl-
lalo. Aconlecandoqueenermasse porsua
vez o dito ci'urgio, o commandante do
presidio aceilnu o nflVreci tenlo do preso
poltico Anlonio Borges da Fonseca, que
tralou pelo syslema lio i oeopalhico 110 en-
fermos, e todos ic-inun rest'belci'idos.
1'elo resultado v-se que a epidemia nSo
se manifestou all tSo lerrivel comoem ou-
tros lugares, e nutro snn, consta quo ca-
bida do legallidade, cra qoasi exlincta ;
entretanto, estamos informados que o
1 xni. Sr presidente, pretende, que com a
m.'iior brevidade sd faca de vela para all o
[alacho Pirapatna, para prover de dietas o
tlinoxarifadu, e levar outros soccorros, de
que O presidio posSa neC'. ssiiar.
Correspondencia.
Srs. Kedaetotet. Desecando que o pu
Mico coiiheca alguus actos de justica, que
se vai praticando pela nossa tena, peco-llics
a insercSo das sentencas abaixo dejlaradas,
que oblive na queixa que dei pela subdele-
gada de San Jos contra o rnoulu Marcia-
no do Espirito Santo pelo crime de furto,
de urna redoma dvidro com um Menino
Dos e suas alfaias de ouro, e um Espirito
Sanio de prala, que se achava dentro da
mesiiia redoma, e qne fura confirmada, ou
sustentada pelo juizo da 1.a vara munici-
pal desta cidade.
Coufiandlo, pois, na Justina de minba
causa, nunca receer paila sua decisSo, pois
que estando entregue as mSos do muito
digno subdelegado supplenle daquella fre-
cueiia o.Sr. Franntaaavluniiaia a Alsstiis,
ecouhecendo seu carcter probo ejusticei-
ro, e sem que lhe acenasae com o menor
empeulio, e quando mesmo eslava em mi-
nba rasa bastantemente descansada live o
prazer de me ser intimada essa senteaca,
toda bascada de justica, e propria desse ho-
niem em quem eu sempre reconheci umita
probidade. I'rasa sos Leos que todas as
nossas autoridades polica.s fussem confia-
das as roSostBo habis, como as do Sr. Al-
meida, que geralmente he bem conceilua-
do,de grande opimao. uaqueiia treguezi,
receba pois o Sr. Almeida, uieu eterno reco-
nhecimento. e nSo menos o digno e Ilus-
trado Sr. Dr. juiz municipal da 1.a vara
francisco de Assiz de Oliveiie Msciel, que,
sabendu pesar na batanea da juanea os tac-
tos, e suas circunstancias leve por seu ca-
rcter probo, de sustentar esa seiitencaque
lhe fui remeltid por aquella dgito subdele-
gado. E !'. v:. H. actores, spciv que
no ieci.no que se pretende iuteutar pan
o juizode diieito, eu veja a justica coroada
de louros, e o meu prejuizo ressarcido por
rSse Domen que sem temor de Uros e ua
justica da teira, nao se peijou pralicar
u m Tacto contra o mesmo Daos.
Queirata, Srs. Redactores, iuserir em seu
conceiloado Jornal estas linhas, para prova
de minlia gratidSo, e nara que o publico co-
nheei corro foi decidida a minba causa; no
entretanto, que eu me coufesso de Vv. Mes.,
nttencion serva e criada.
JoAy-ui'na Varia dt Santa-Anna.
JoBo Saraiva de Araojo CiIvSo, escrivBo
do juizo municipal da 1.a ara da cidade
do Recife de Pernambuco e seu termo,
por S. M. 1. e C que Dos Guarde, ele.
Certifico, quo revendo os autos os de
queixa dada pela supplicaote, contra Mar-
ciano do Espirito Santo, dalles a lis. 19 at
fls. 90, se acha exarada a seutenca de pro-
nuncia dada na subielegacia de San Jos
dotheor forma e maneira seguinte :
i As tesiemunhas do presente summario
tornacn procedente a queixa que contra
Marciano do Espirito Santo, intentara Joa-
quina Maria de Santa Anna, pelo crime de
furto; porquanto, altendendo, que para
pronuncia senSo exige provea to valiosas
como as que devem fundamentar urna con-
demnacSo definitiva, bastando sOmente in-
dicios vehementes contra o indigitado de-
linquento. na forma do artigo 145 do coli-
go do processo, e sendo indicios poderosos
de que foi o summario do Marciano do Es-
pirito Santo o autor do furto de que trata a
peticAo de fls. 2, as circumstancias da quei-
xa immediata da oflendida contra o mesmo
Marcirno, como se v da segunda testemu-
dha a 0., e tambem do interogatono a Os.
a estada do sebredlto Marciano no lugar,
da e hora em que so deu o furlto como o
mesmo coofessa, sendo que mais valor di
aos indicios precedentes, o inlereste que o
summariado mostrou em avisar a queixoaa
da existencia do furto, quando esta nem se
quero suspeilava, offerecenlo-se at para
seguir o incgnito, sobre quem o referido
Marciano fizera recahir a perpetrarlo do
ficto idconilo qne alias nSo appareceu, at-
tudendo finalmente, que accoeamodaco
de que falla a queixosa sr he negada pela
testemuuha a lis, he confirmada e por urna
maneira mais verossimel pela testemuuha a
til. e pelo mais que dos autos consta, julgo
procedente o prsenle snmmario contra o
ecusado Marciano do Espirito Santo, e o
julgo incurso no artigo 957 do cdigo pe-
nal, e obrigo a prbflo e livramenlo, e o
condemnonas custas. Oescrivo cumpra
o seu regiment, fara s llar os autos, e os
remella ao juizo municipal da 1.' rara des-
ta cidade.
Sbdelegacie de San Jos do Recife, 21
de outubro de 1850 Franeieco Dupliiia de
Almeida. --Senlenca no juizo municipa"
Sustento o despacho de pronuncia contra
Maiciano do Espirito Santo, a fls. e fls.; pe-
los fu ma incnius jurdicos em que se basea.
O csciivSo passe mandado de captura pa-
ra ser o mesmo reo preso, se aioda nfio o
foi, devolva os presentes autos ao juizo a
quo, e cumpra em lulo mais seu regiment.
Recife, 29 de outubro de, 1850. -- Francis-
co de Aisiz Oliiveiira Maciel E mais se n.lu
continha em ditas se lencas, queeu escri-
vSo no principio desta declarado e abaixo
assignado, bem e fiel as exlrahi de seus ori-
ginaos, evai na verdade sem cousaquedu-
viita faQ, escripia eassiguada nesta cidade
do Recife de Pemtmbuco, aos 31 diasdo
riiez de outbio de 1880. Escrevi e assig-
ni'i. -- Em f de ver Ja de, uo Sur un de
Arnujo Gal'llo._________ .
COMM
i c m'
5
ALFANDEliA.
Rendimenlodo di* 9.....10:656.129
Dito extraordinario. Restituido 351.000
11:007,199
Deicarrejam Hoje 4 de novembro.
Brigue -- Mara Filii mercadoi ias.
Marca America gneros do paix.
Iliite S. Jao--fumo o charutos.
Galeota ~ Sepluno queijos e farellos.
Brigue Sotve botijas vasias.
CONSULADO GER Al..
Rendiaiento do dia 2.....1:530,706
EXI'ORTACAO.
Despacha marilimoi no dia i
balo i. patacho nacional Alfredo, de 195
toneladas : oonduz o seguinte : 170 bsrris,
13 pipas e 99 quarlolas azcile de carrapsto,
50 caixas velas de carnauba, 78 pip va-
sias, 50 feixesde arcos, 1,926 liacas de vi-
mes, 20 caixas genebra, 60 vol mes fazen-
das, II fardos cabos de linho, 940 ro las de
arcos para pipa e barricas, I caixa escovas e
colxeles, 165 birras de ferro, 9 fardos bar-
bante, 1 rodete de ferro, 1 caixa pilulas, I
dita utencilios para chapeos e 10 canaslras
ralbas.
I'arahibs, hiate nacional Eepadarte, de
97 toneladas i conduz o seguinte : 94 vohi-
roes fazendas, 9 pipas vinagre, 4 ditas e 9
barris vinho, 4 barricas genebra, 19 barra
manteigs, 58 barricas familia de tiigo, II
quinlaes de chumbo, 3 caixas cha, 36 ditas
passas, 3 volumes papel, I botija oleo, 3 vo-
luntes especiaras, 1 harnea e 10 mlllns
salsa, 35 barricas bacalho, 2 volumes lou-
ca e vidros, 5 caixaa massas, 7 volumes fer-
ragens,' 9 caixas perfumaras, i canaslra
sitios, 3 chapeos e bonetes, 9 fardos fio, 6
duzias tabeas de pinho, 3 caixas miudezis.
20 gigos btalas, 2 caixas queijos, 1 diia se-
ra i ni velas, 60 caixas sabao, 25 duzias co-
tos, a caixaa (jengibre, aou dunas bilros, I
caixa charutose 3 saceos amla de cobre.
HECEBEIHIRIA DE RENDAS CERA ES
INTERNA.
Rei.dimenlo do dia 2 ... 125,400
RENDIMENTO NO MEZ DE OUTUBRO
DE 1850.
Foros de terrenos de marinha 102,695
Ladennos 20.83J
Sizadosbens de raiz 4-928,185
Novos e velhos direilos e de chrn-
cellaria 265.209
Dizima da chancellara 296,793
Matriculas do curso jurdico 16:332,800
LegilimacOes 00,800
Sello fixo e proporcional 4i637.502
Premios dos depsitos pblicos 277,925
Emolumentos de cerldes 2,560
Mulla de 3 pur cenio sobre os im-
poslos
impusiu sobre iojas nrUnaSS
de drscouios, etc.
Dilo sobre seges
Dito de barcos do interior
Tasas de escravos
3,192
1:349,800
38,0(.
1,2ti
44,0O0
Recebedorla, 2 de novembro de 1 ,58e
escrivSo, Manoel AntonioSimOtt do Amoral
CONSULADO PROVINCIAL.
Rend ment do dia 2 .1:212,905
PRA^A DO RECIFE, 2 DE NOVEMWO DE
1850. A'S 3 HORAS DA TARDE.
fleviata semanal.
Cambios Os saques de semana fo-
ram I imitados, sustentando
281/2 d. por 1,000 rs.
AlgodSo---------- Vieramao mercado 683sac-
caa, que foram vendidas de
6,700 a 6,800 rs. a arroba
de primeira sorle, e 6,400
rs. odo segunda.
Assucar- A entra la anda nllo avul-
ta. -- Vendeu-se o branco
de 2,000 a 2,600 rs a arro-
ba, e o mascavedo de 1,53o
a 1,600 rs a arroba, sende
estes mais procurados e dO
prompta venda, -- Ainda
nlo ha do encaixaJo.
Couros Continan) oblar de 119
1/9 a 115 rs. a libra dos sal-
gados.
Bacalho Retalhou-se de 19,500 a
13,000 rs. a barrica, Meando
em ser cerca de 3,000 bar-
ricas.
Carne secca Tiremos dous carregamen-
los'com doze mil arrobas,
dos quaes se venderam
3,000 aos precoa de 3,500*
4,000 rs. a arroba ; se o pre-
o nSo fosso tSo alto pouca
carie, por estar o merca-
do inteiramente exauslo, e
regular o consumo do 8,000
a 10,000 arrobas por sema-
na nestes mezes.
Farinba delrigoO movimento da semana
forde 3,500 barricas, entre
a exportad! e consumida
na trra. Ai vendas nao li-
veram alleracSo dos ulli-
tnnos precoi. Ficaram
emser 9,000 barricas.
Dilademand.- lis abundancia. As ven-
das da ensaccada de boa qua-
lidade eflecluaram-se de' rs.
1,800 a 9,000 a'sacca.
Mantega Vendeu-se de400 a420rs.
a libra da ingleza, e de 95
a 34* da franceza.
Paos de Lisboa Idain de 2,600 a 9,800 rs. a
duzla, e chouficas a 19,000
rs a arroba.
Sab3o----------dem de 110 iIMnvi li-
bra do nacional captivo a
direilos provinciaes.
Toucnho dem a 1,400 rs. a arroba
do de Lisboa.
Ficaram no porto.45 embircacOes, sendo
1 americana, 99 brasiieiras, I chilena, I
hollandeza,4 inglezas,T portuguezas.t sarda
e 1 sueca.
Movimento do
doa differentes navios de guerra surtos no
porto ; portento convida-se aos quo inte-
ressarem em dito fornecimenlo, a compa-
i-ecerem as 18 horaa da manhSa do dia 3
do mez vindouro na sala de suas sessoes,
nunldos de amostras, e das propostas com
loclaraces dos ltimos presos; podando
is pretendentes dirigirem-ae ao almoxari-
ado as hort do expediente, para veremot
nodelos das fardas, calcas e camisas. '
Safa das sessfles ilo conselho da admiois-
{raoSo naval, 94 de outubro de 1850-0 se-
cretario, CkiittovSo Santiago.de Oliveira.
O arsenal de guerra compra ateite dr
carrapato e Bode algodffo : quem os osea-
mos generas tiver e se propozer a fornecer,
comparece com sua proposta, no dia 4 do
correte.
O fiscal Ignacio Jos Pinto mudou sua
residencia para a praca da Boa-Viela, n. 19,
primeiro andar.
O patacho Nirrtdi, recebe a mala para
o Rio de Janeiro a mantilla (5 ) as 11 horas
lia.
i ... i ai i,
Theatro de Santa-Izabel.
98 a RECITA DA ASSIGNATDRA.
Quarta-feiro, 6 ata novttnbro i* 1850.
Depois da etecu$3o de urna agrada vel ou -
ver tura, a companhia nicional representar
o bello drama asacados
AFFO.NSO IITWO VALIDO OTL-REI.
Denominao in actos.
1.a O conselho.
2." Marti a de Fre tas.
3." A partida para o Algarve.
4o Atraicflo.
5.a .. 0 segredo.
Perionagtni.
D Affonso III Germano.
D. Mendo Maximlano.
D. Paio Peres Corris -- SebastiBo.
D. Martiru de Freitas--Coimbrs.
D. Ruy de Menezes Cabral.
D. Pero Estaco Jos Alves.
D. FernBod'Aguilar Silvestre.
Assan Rsymundo.
D. Mathilde, condeca de Bolonha --J.
Januaria.
D. Clara de Tergas -- Emilia.
D. Brinca Maria de Solidado.
Fidalgos, pagens, soldados, ete.
Terminara o espectculo com a graciosa
farca.
O velho perseguido.
Comecar is 8 horas.
Os bilhetes acham-se i venda no lugar do
eostume.
13. pnlacio d Glicho, junto a Z-issIck, ns
Italia.
#
14. 0 templo de Memnon, emThebas:
15. O palelo de Virio do Imperador
16. O interior da mosquita de Santa Sophia,
em Constantinopla.
17. Duas faces glomelicas.
18. 0 retrato da rainha Victoria, de Ingla-
19. Dito do principe Alberto, idem.
20 Um psvBo.
jarro de
99. O mgico
93. Um galo apanbsndo o rato.
94. Urna duzia de fogoa artiflciies chimo-
chramo hope.
Os bilhetes esto i venda no mesmo
theatro. "
. B>-T -71_ m M IXllMaiajaagaHsaaajjBajBMI
Avisos martimos.
21. U-n j>rro de flores.
porto.
Navios sahidoe no dia 9.
Aracaty Hiate nacional Punidos, mestrr
JoBo Manriques de Almeida, carga vario
eneros. PassageiroS, Luz de Franca '
Souza, EstevBo dos Anjol da Porciuncu
la, Antonio Jun de olivir, l.uiz Gonza-
ga iie Menezes Lira Com I escr-vo, Anto-
nio Jos Corris, Francisco Jos Pereira.
JoBo Antonio Coireia. o padre vigario Jo-
s de Si Brrelo, o padie Francisco Co
riolano de Carvalho.
Parahiba Hiale nacional Espadarte, mes-
tre Victorino Jos Pereira, carga vario.-
gneros. Passageiros, Vicente Jos da Sir-
va Lima, Jos ca Silva Neves, Leonardo
Francisco Bastos, Manoel Jos de Paiva.
fianoi intrads na dia 3.
Parahiba 24 horas, lancha nacional Tro
limitas, de 31 3/4 toneladas, mestre Jos
Duarle .le Souza, equipagem 5, carga t
ros de mangue ; a Joaquim Duarle de A
zevi-ilo Passageiros, Anlonio da Coat
Barboza e Maria da CoiiceicSo com 1 lillio
menor.
Aracaty por Macei --19 dias, hiate nacio-
nal Flor do Curvripe, de 97 toneladas, mes-
tre Manoel Antonio da Silva Barros, equi-
pagem 9, carga varios gneros ; a Tihur-
cio Valeriano Baptista. Passageiros.os|Por.
luguezea Jos Antonio de Souza Penetra
e Francisco Jos de Medeiros, os Brasi-
leros MsrcolinoFerreira daSilva, Anto-
nio Bernardo Mirtins, Calharioa Maria dr
Jess com dous filhos-menores e Jos
Francisco de Oliveira.
Ilha de Fernando 4 dias, brigue-escuna
nacional de guerra Legatidade, comman-
dante o capilBo lenle Lourenco da Silva
Araujo Amazonas. Conduz o preso polti-
co Dr. Jerony irlo Vi Hela de Castro Tava-
res com sua familia, Manoel Thomaz dos
Santos, Amaro JosFerreira, Antonio Pa-|
cilico F. EstevBo, 1 cadete, 5 soldados e
I paisano que acabou a suisentenfa.
Paiahiba 24 huras, hat*!Bteh>nal Para-
hibano, de 36 toneladas, mestre Nicolao
Francisco da Costa, equlplgem 5, carga
loros de mangue ; ao mesmo mestre. Pas-
sageiros, Manoel de Medeiros Carvalho,
Placido Ferreira ra-8lva, Jos Joaquim
Lima Jnior, JoBo Mlria Mascarenha Ro-
sado, Jos Antonio Moreira, Ignacio Maria
Borges eFausliniMooteira de Lima com
urna H!h* r!>eHrtr-
llamburgo-- 54 dia, *#ina dinamarqueza
Sueeouri, de 104 toneltdas, capitBo N. II.
Schmidl, equipagem 8, carga varios ge-
neroa ; a N. O. Bieber & Companhia.
Navio sabido no mesmu da.
Babia-Patacho nacional Alfredo, capitBo
Candido Severino d'Avila, carga varios
gneros. Passageiros, Fr. Diniz do Amor
Divino, EstevBo Vaz Ferreira, Gulherm
no Marques de Souza, Virgilbo Silvestre
de Faria, Angelo da Molla e Andrade, An-
tonio l.uiz Bastos dos Res e Jos Francis-
co de S Boa Ventora.
Observando.
Fundeou no LuneirBo um brigue inglez,
que iiio leve commuiiicarAocom aterra.
IJeclarai^fies.
!'.S.
Peanle o conseibo de adminitlracSo
naval, Uiaa de conlraur-ae a factura do lo
fardas e 38 calcas de pao asul, 179 calcas i
outras lauta camisa* de bnm ingle/, ea
compra de 85 lencos de ceda prela para
grvala, 173 pares de sapaloe* de com
vaqueta de duas solas, para pagamento do
98:839,923 semestre vencido pracas do corpo de
.-------------- Imperiaes marinheiroa deslicadas a bordo
Theatro de 8.-Francisco.
BELLAS ARTES.
Terci-feira, 5 de novembro, seri levada
cena a segunda rapresenUcflo em physicas
iperinientaes, em tres actos em quadro de
nuvens, sendo os intervallos preenebidos
com msica militar.
PRIMEIRO ACTO.
( Coi quadro de nuvens.)
1. Urna figura giometrica.
2. O esposo infeliz.
S. Urna escola de meninas em urna villa.
4. U na casa de campo em Tnunin, na Su -
lasa.
5. O interior da cathedral de Milfio.
6. Bella plaga junto Florencia, na Ita-
lia.
7. As calacuaabas do conde Roland, em
. I.eiceslershires
8. O interior da igrja de S. Maria del Car-
mina, em Nanoles.
9. O palacio do Dogo, em Veneza.
10. O tenido de Juggernaul, nas Indias Oc-
cidntes.
A cathedral de Manyena, no Roano.
O interior do C dlegio, em Maacbes-
ter.
O castello da Janb em Washington.
.. O interior da eathedral de Lefio
15. O templo circulo, em Balbeee.
t6. A capella de N. Senhora, ero Jeruza-
lem. .
,0 interior da mesma capella.
Conspiro, remendador de sapatos, em
tres moviroentos. -
Urna duzia de fogoa artiflciaes, chamo-
chronio hopea.
SEGUNDO ACTO.
( Em quadro de nuvens.)
O imperador da China.
2: Um curador de eziripella.
3. Urna faitea da pilo velho.
4. O crescimento de um cravo.
5. O castello Bernardo, na Inglaterra ( em
eclipse.) ...
6. 0 interior da grande sala dos senadores
no palacio do Doge, em Veneza.
7. O templo de Sybilla em tyveo, na Ita-
lia.
8. A cidade de Londres pelo Tamisa.
9. O eastello Kalz, no Rheno, vista noctur-
, na com relmpagos.
10. A pona Seids, em Veneza.
11. A entrada da cathedral de Lincoln.
19. A erupcSo do Vesuvio.
13. A mesma vista de noite.
14. Um moinho d'agua, no Rheno, dito.
15. O caetello Abbals, na Eacossia.
O castello Slolzanfel, no Rheno.
i palenla Ionio de.aples.
As ruinas'do lempto de iupiter,
Balbe. ar**
Um caminbo de ferro e locomotivas em
movimento.
Excedentes bebidas.
Pos de sapa loa.
92. Um ponen.
23 Urna duzia de (ogos artiflciaes cbamo
chramo hopea.
TERCEIRO ACTO.
Para a Baha sae em poucos dias por
se achar com parle da carga prompta a u-
mca nacional Galota, para o restante da car'
ga e passageiros trata-se com o consignata-
rio da mesma Luix Jos de Si Araujo, na
ruada Cruzn. 33.
. Para Lisboa o brigue portuguez Conceica
dt Maria, pretende seguir por todo o mez
de novembro, por ter a maior parle da car-
ga prompta, quero no mesmo quizer carre-
jar ou ir de passagem, dirija-se aos seas
consignatarios Thomas deAquino Feoaeca
& Fllbo, ra do Vigario o. 19 f primeiro
andar, ou ao capitBo, na praca
Para o Ce ara
segu em poucos din o hiite Ugeiro: quem
quizar carregar ou ir de passagem, dirija-
se i ra do Vigario n. 5.
-- Para o Rio-Grande do sul segu, com
brevidade, o patacho ous-lrmios: para
carga e passageiros, trata-se com Antonio
Francisco da Silva Carneo, na ra de Apol-
lo, n. 4, ou com o capitBo na praca. .
O pataio nacional Nertid, tae para o
Rio da Janeiro no dia 5 do correnle, quem
quizer ir de passagem ou embarcar escra-
vos, dinji-se a Novaea & C, oa ra do Tr-
pixe n. 34.
Por todi este mez sae para o Aracaty o
hiate Anglica, forrado de cobre de boa
marcha : quem nellequiser carregar ou ir -
de passagem, dirija-se a ra da Cadea do
Recite n. 49 : a tratar com Antonio Joaquim
Seve.
Vende sea barca nacional Anwriea, to-
da construida de carvalho, forrada e prega-
da de cobra, de primeira marcha, e de loto
.le 14 mil arrobas, propria para andar para
o Rio Grande do aul por entrar e sabir na-
quella barra completamente carregadk,'
tem urna encllente cmara : quem a pre-
tender pode examina-la no Forte do Mallos,
onde se acha tundeada, e para tratar opa)
Novaes & Companhia, na ra do Trapicha
u. 34.
Veode-se o hiate brastleiro Alecto, de
37 toneladas, novo e de primeira marcha,
construido em S -Calhains,.das melhures
madeirss, por preco commodo : a tratar a
bordo do mencionado hiato, ou con o ca-
pitBo, Joaquim Baptista Cequia, ou ao lado
do Coi po-baiito, n. 25, loja de masasmos.
a i i i. iT.

Leiles,
ti.
19.
13.
4.
&
19.
I
16.
17.
em
I Em quadro de nuvens. )
I. O poeta destruido.
3. Um lefio.
3. Un hornero transformando varias ca-
becas.
4. A entrada do palacio do Dogo, em Ve-
neza. -,
5. A estraa% , Suissa.
6. Aymar, n's'.ta Granad., no invern.
7. Uro moinho de venlo, idem.
8. A visla d'ollio* do conde Olto i sua mu-
Iher assassinada.
9. A cidade de Belm.
10. A cidade de'Alexandria.
11. o templo d'Appolinopoles,
19. O lago' de Gamo, na Italia.
llenryC.ibsonr.ra leilfio, por nter ven-
cSo do correlor Oliveira, de or grande e
variado aorlimento de fazendas ingtexas as
m.ais peprias do mercado: seguuda-foira,
4 de novembro, as 10 horas da manliSa, no
seu armazem, ra da Cadea.
- m consequeocia do Exm. Sr- general
Antonio Corris Seara haver de retirar-so
para a corte do imperio, o corrotor Olivei-
ra far leilBo, por ordem a em case do mes-
mo Exm. Sr. ua ra da Aurora, quarla-fei-
ra, 6 do correte, i 10 horas da mauliBa,
de toda a sua inobilia, roiisistindo em um
primoroso piano, mesas de sala, consolos,
sophs, e cadeiras de Jacaranda e de ojeo,
ludo de feitios modernos, mesa de jautar,
aparador, guarda -vestidos, armarios, com-
inodas, marquezas, toueadoies, um leilo
rrancez do mais exquisito gosto, vasos para
cima de mes, crystaes, louca de mesa' e
sobremesa, apparelhoa para cbi e caf;
trem de cozmha, ca rallos de montana, sal-
lins. e outros muilos artigos de presumo e
adorno.
Avisos diversos.
Jos Soares de Aevedo,
professor Je lingoa franceza no ly-
ceu, tem abertp em sai casa, ra
das Trincbeiraa n. 19, um curso
de PHiLosopHiA, e outro tfvmoo,
FRADCfjNt. As peNsoasquc (ixeja-
rrm esludar urna ou outra daaias
fiisciplinas -podem dirigir-sft'
mencionada residencia a qualquer
hora.
-Aluga-se, na ra de Horlaa, um *Hb^h
lente solfio corrido de frente a rundo, coa* ,
su Bidentes couiuiodos para homem solle-
ro, ou pouca familia, portar dous quartos,
cozmha, quintal e cacimba : a tVaiai 110
mesmo sobrado de um andar n. 136
Preciaa-se de uro rapaz portuguez para
caixetro de venda, do que lenha pratica :
nr rus Direita, n. 9.
-Precisa-sede un ama da lelte fom
ou captiva : na ra Nota, n. 99.
Eduardo Nolke relira-se para fra da
provincia.
Aluga-se, para tepassira festa, broa
caaaabeira do rio, com coalmodos para
grande familia : nrusdeS-*ma
Preci que saiba engommar e cozinhafr, para o ser-
vico de urna casa de pouca familia :
Nova, n 39, segundo andar.
na tua
A viuva de Antonio Jos DilU* Macha-
do avisa aos oradores de seu e ral, ou a
quem convier, que acha-sn pracedenlo a
n ventano nos poucM neos dei xa dos por seu
r.z-.-i- r\m\n lnl'S arntlln< dn larmn do
llio-Formoso
_ No dia 13 do crranle futieram da es-
sa de Jos da Rocha Prennos, um relogio
de ouro saboneie patente iogiez. Com cor--
rente, n. 9,048, fabrienteJ Jaeksou Liver-
pool : qoeui u apprehehder ou delle 4er
noticia ao enuuncianle,ioi reooutpetiid



-5
-. Un rapaz portuguez, que tem pratica
,)BmJi, prope-s ser ciixeiro em al-
galHlsles esiabeleeimoiitus, 011 mesmo.i
entrflfrmoocio cons quantia d500,000
i.: qom rreeisar, dirija-so 4 ra do Ran-
gel n.79. Ni mesma casa compra-se urna
venda com poucos fundos, sendo eiri boro
local.
Preciae-se alugar nma preta pira cozi-
er em uan casa de pooca familia: na
fiara do Rozario, loja de miudezas, hu-
J*>26
Na cata de pasto da ra do Sol, ao lado
da ponte da Boa Vista, precisa-ae de um
preto e urna prea para, oserviso de casa,
de urna perena que enlenda bem de cozi-
nhe, assim como de bulra diligente para
fazer compras de ra.
Precisa-se lugar um sitio, que tenha
banho, sendo da Ponte de Ucha al o Mon-
teiro : na roa .das Cruzas n. 4t, ou an-
nuncia.
"'- Roga-se por eepecial favor
ao Sr. administrador do patrimo-
nio de N. S. da Guia, do Paratihe.
lmja de mandar no prazo de cinco
das pessoa competente autorisa-
da, no Aterro-da-Boa-Yista, n.
63, primeiro andar, para receber
os juros vencidos do onnus que he
obrigada a caaa n. 36 da rna da
Guia do bairro do Recife.
-- Desippareoeu do engeolio Garana no
lia 8 docorrente urna escrava mulata cor
de canalla, altura regular, cabellos prelos
e mel estirados, s vezas raz os cabellos
amarrado*, olbos um pouco grande, cheia
do corpo : quem a pegar leve-a ao dito en-
genho, ou- a ra da Cruz 0. 46.
(i Dr. J. J. Pinto, mudou a sua residen-
cia para a praca da Boa-Vista, n. 19, pri-
meiro sobrado ao entrar n ra do AragSo.
O abaixo aasignado traspassou todos
os poderes que t tilia na venda do pateo da
Penlia, n. 10, ao Sr. Ilanoel Jos da Silva
Pimental, por ter delle recebido o seu im-
parte, conforme o papel.
luit Jote Marqnet.
Existe para le alugaf para lempo da
festa nma caaa no Poso da Panella, na ra
da Sade : trale-ae na travessa do Carmo
numero te.
Narua do Rangel, n. 11, precisa-se
alugar un preto que saiba cozinhar o dia-
rio deurortaaa.
Perdeu-se na nolte do dia 36 para 37 do
crrante, da ra do Queimado at o largo
du Livraaento, urna caxorrnha pequea,
toda branca, com urna uioda de prala de
80 rcis e ama liga pequea tambero de pra-
ta ao pescoco : quem a niesma tiver e qui-
zer entregar no becco do Carcereiro n, 4,
ser recompensado.
Aluga-ae o aegundo andar do sobrado
n. 13 da ra do ArangSo, com bous commo-
doa para pequea familia e muiio fiescu,
preco'rtsoatel: a tratar no primeiro an-
dar do eamo.
-- Precisase de urna mulher nacional ou
estrangeira. que seja capaz dse encarre
garr.gai a aueiiCta do chele da menina : na ruado
Cullegion 16.
Lava-see engomma-se roupa com todo
o acceio e'| erfeisfl", por preso commudu,
reapousabilisando-se por qualquer falta que
baja : na ru* do Queimado, toja n. 10, se
dua quem be.
-Aluga-se una preta para o servido ex-
terno ue urna casa de pouca familia : na ra
do Rozario larga n. 48.
lasaapoites.
Tiram-se passaportes para dentro efra
do imperio, correm-se folhas, despacha m-
se escravose tiram-se ttulos de residencia
para aeoipre : para este flm procura-sena
pra;a da Independencia, livranaria na. te
K, e na ra doQueimado n 35, loja de miu-
dezas do Sr Joaquim Mouleiro da Cruz.
-- Voou dos'fuudos do segundo andar do
sobrado n 98 do Alerro-da-Boa-Vista, uro
randue, anda novo, poiin ja fallador. Ho-
ga-se a quem o Iivit pegado, que o mande
entregar em dita casa.
O arremtame des aft'eiicSes
desle municipio faz certo a quem interessar
que nao Iti lM lyQativel descachar a tantos
eso. to poucokdiaa, violo todug guardarem-
se paraos ultimo das, pois esta se finali-
saodo o lempo marcado por li i, e o depois
nSo se'dasculpem cora o menino arrema-
tante.
Chapeos de sol. ^u
Ra doPesseio.o 5. St
Nesla fabrica ha presentemente um rico
sortiinento da|ea objectos de todas as cu-
res e qualidades, tanto de aeJa como de
panninho, por presos commodos ; ditos na
ra sanbora, de bom gosto: estes chai eos
aSo fritos pela ultima moda; seda adamas-
cada eom ricas franjas do reirnz. Na niesma
caaa aa acha igual sortimenlo do sedas e
panninlio imitando sedas, para cobrir ar-
inasaa servidas : todas estas fazendas ven-
dem-se em pore,So e a retalho i lembem ae
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
basteas de ferro como do baleia, assim como
umbeUade igrejas: ludo por preso coro-
mudo. Na mearos casa ha chapeos de sol,
de marca maior, de panno e de seda, pro-
urins para feitores de engenho, Dur anrem
dos mais m s que se pdem rabricar.
SOofooo.
Fugio. na ooite do dia 16 do correte,
o preto l.uiz, crjoulo, reprsenla 38 anuos,
de estalvra e corpo regulares, um pouco
fula, olhos um pouco encovados, tero fal-
ta de S| denles do lado superior, pouca bar-
ba, coca algumas cicatrizes pelas costas e
um Ulboose coatas da inflo esquerda ; le-
vou camisa branca e calsaa de riscado de
aigodSo cd/.df caf, chapeo de palha j
usado : eio i.cuvo mih piincipios de sa-
aleiro; heofficial de colcboeiro e traba-
lia lambem de selkiro ; ha noticias que ha
poucosdias passouem Coianua, iutitulan-
do-se tangeor da boiadao levava aguiada
na mflu ; descoulia-seque elle siga para o
centro, aoudo elle tem cooliecimeptos, e
meamoser natural.do sert.1o Roga-ae as
autoridades policiaca e capilSes de ca upo.
quo ppreneu mu e levecn-no tua du
Cabuga, o. 3, loja de selleiro, de Antonio
Ferretr Braga, que gratificara com a quan-
tia. tai ra.
ecisa-ae alugir unta prala para o
aefvlso interno e externo de urna caaa, ou
nm. imSt s a ,j. nstar a sesmo ser-
viflo : na rna Nova da Praia, ou ces do Ra-
mos, segundo sobrado.
Lotera de N. 8. do Llvrauento.
apois de tUo longo deaappareoimento,
torna a raiar aos mimosos a Dauza chamada
Fortuna, a lotera concedida a favor daa
obr da igreja de y. S. do l.ivramenlo. E
deque modo I Tal, que bem pode ella re-
partir, anda meamo com os mais pobres,
quanto Ibes potsa servir para paisarem
amargem do bello Capibaribe, essea das
calmosos do vero, no meio da abundancia,
pois est completamente approvado pelo
governo o novo plano abaixo declarado,
que divide em quatro parles a lotera, cujas
rodts tnham de correr duas vezes.
Este novo plano prometi aos amadores
leste jogo duas grandes conveniencias, a
brevidade na extrasflo dos bilhetes, por se-
rero menores os capitaea empregados, e a
brevidade por consequencia que ae deve
dar no espaso que deve intermediar entre
hinia e outra lotera. Aaaim anima-ae o
respectivo tliesooreiro a promeltor qne a
primeira destas quatro 'parles deveri tero
seu andamento no dia SO de novembro do
crrante anno.nSo s porque ha urna gocie-
ladequesepropOe acompraruma porslo de
bilheles, romo porque o thesoureiro-rece-
bera em troca os bilhetes da actual lotera
da matriz da Boa-Visto, que aahirem pre-
miados. O resto dos bilhetes acham-se
venda no Recife na ra da Cadei, loja de
cambio do Sr. Vieira ; ama Antonio ra
do Cabuga, botica do 8r. MaCam ; ra do
Queimado, loja do Sr. Moraes ; ra do Li-
vramento, botica do Chagas ; em S. Jos,
largo do Terso, loja do Sr. Piulo CuimarSes.
PUNO.
Para a quarta parte da lerceira lotera
concedida 6 favor das obras da igreja de N.
S. do l.ivramento desta cidade do Recife.
1600 bilhetes 10,000 16:000,000
1600 verbas 150 240,008
*
15:760,000
1 premio 5:000.000
1 dito 1500,000
1 dito 710,000
3 ditos 900,000 609,000
8 ditos 100,000 800.000
10 ditos 50,000 500.000
94 ditos 95,000 600.000
484 ditos 19.500 6:050,000
Rs. 15:760,000
N. B. Todos os premios deate plano ao-
frem ffo acto do pagamento o disconto de
30 por cont em beneficio da obra o do the-
soureiro, leudo da sofrer os dous premios
mais 8 por cento do novo imposto.Appro-
voPalacio do governo de Pernambuco, 6
deoutuhrode 1850.Cotia Pinlo.Con(6r-
me.los lonacio Soaret de IHaeedo, ofilcial
archiviata da secrotaria.
Precisa-se comprar grande quanti lade
de canoas de areia para concluir-so o atier-
ro du caes da ra da Aurora : quem quizer
as forneeer dirija-ae ao aocio e administra-
dor Jos Gonsalves Ferreira Cosa, em Santo
Amaro.
.- Quem precisar de um cozinheiro para
qualquer casa : dirja-se venda n. 4, bec-
co da Lingeeta.
Roga se ao Sr. A. J. O. J. a
graca d < sotisftzer o saldo de urna
conta que a bastante tempo a con-
trabio, do contrario ver seu ri-
me por extenso.
A peasoa que annunciou para vender
Igumas canoas de carreira : dinja-sc a ra
de Sauta Rila n 74.
A Menead.
Tiram-se passaportes para dentro e (ora
do imperio, folhas corridas, ce'tldOes de
idade, dispensas para casamenlos, ludo
com brevidade e presteza, pelos seguinles
presos :
Passaportes para dentro do imperio 1 4,000
Ditos rara fora do imperio I 6,000
Crrlidoes de idade 1 1,000
Dispensa de rasamentos 1 10,000
Pasaportes de i ,r> anuos 1 5,000
Hilos para sempre 8 000
Todas as prssoas que quizerem annuncie
para serem procuradas.
ATTENCO.
Avisa-so ao respeitavel publico que nin-
guein faQa transscsSo alguma com o enge-
r lio Allinho no termo d'Agoa Preta. em
quanto os herdeiros do finado Pedro Fran-
cisco de Mello nSo litigarem urna questflo
judicial quo leem de propor a quem se
inculca seulior da dita propfiedade.
Precisa so fallar ao Sr. Joto Coelho da
Silva do Itrejo d'Areia : na prasa da Inde-
pendencia n. 4.
Domingos Joaquim Ferreira,
laz atiente ao respeitavel publico,
que mudou sea estabelecimento de
intilhados da ra da Cruz n. 47 i
para a mesma n. 43, armazem que
Ib i do finado Manoel Joaquim Gon-
calvts e Silyo.
Engomma-se perfeitamente tanto para
liomem como para senhora, no caminho
navo que alravesaa da Soiedade para o
manguinho, do ledo eaquardo antea de che-
car a urna poca d'aeoa. or tria de duas ca-
sinhas novaa qaie estao pintfQas de verde.
Precisa'ande um caixeiro dos ltimos
chagado, para ser admitlido em um depo-
sito de padaria anda mesirosem terprati-
ca : a tratar na ra do Cotovelo n. 39.
Quem annunciou ter canoaa novaa pa-
ra vender, ou alugar, annuncie, ou dirija-se
a Fra-de- Portas, ra dos Guara rapes, n. 36.
--Aluga-se, por lempo de fesla, urna
grande casa no Poso-da-Panella, perto do
banho, e na melhor posisSo possivel, muito
elegante e fresca, com commodos para orna
grande familia, a saber : excelentes salas
de frente e de janlar, 6 grandes quartos,
copia e recreio, cozlnha fora, com o seu
nielo sitio todo murado, contando diversas
arvoresde fructo, estribara, senzalia para
escravos, e commodos para carras: ua ra
do Rozario, n. | : a tratar com Antonio Do-
mingos da Almeida Pocas.
Precisa-se alugar um sitio na
Magdalena,pelo tempo da (esta,o
,>->r anno : quem tiver annnncie,
ou difija-se ra do Trapiche,
3
Precisa-se alugar un oziiili.iiro forro
ou coptivo, para nma c-.sa VMningeira de
pouca familia : paga-se |iem : ni ra da Au-
rora, n.-8, segundo andar, das 6 s 8 ho-
ras da manliSa, e das 4 hurta da tarde em
diante. ;
Precisarse alugar urna ama deleite:
na ra dos Wartyrlos n. 15
|'recisa-sede urna mulher de idade pa-
ra ama de casa de hornero soateiro, que sa-
be cozjnhnr e engommar: quero estiver
nestas circumstanciaa, annuncie para ser
procurada.
O Sr. Francisco Antonio da Silva, que
teve loja de lousa narua dojlangel, queira
mandar receber urna encoramenda, na pra-
Sa da Independencia ns. 6 e 8.
Aluga-se para, passar Testa, no lugar
da Capunga, urna casa inulto boa e muito
fresca, perto do baoho e indopenlenta de
casas ao p, tem bons comino los e he daa
melhores: trata-se na Lngoela n. 3.
Aluga-se um primeiro andar proprio
para escriptorio ou liomem solteiro : no
beaco da Lingoeta n. 3.
Precisa-se de um forneiro : na ra Direi-
ta padaria n. 82.
-- O Sr. Jos Mana Ribeiro natural da
villa Real, que veio para Pernambuco em
1814; bemcoTio o Se. Antonio Pedro de
Figuir'edo, lambem Portugue*, que esteve
de caixeiro emS.-Antfloem 1831, queiram
deixar nesU tvpographia a sua inorada pa-
ra I lies sor entregue cartas cem ; bem como se pede a quiquer pessoa
que por eates Srs. se interesse quora deixar
na mesma typographia a sua morada, aflm
de dar algum esclarecimento a este respeito.
96 #
*J Galera lag/oerreana,
do artista
9 Augustln Lettarte. t>
Tira retratos mursuperiorespela in- *1
vencSo de Daguerer, tanto em fumo- >
odmocoloridosemqualqueroccasiao, 9
.aflirmandoegarantin lo, tanto a du- ?
'rabilidade das cores, como a perfeita %
aeaielhansa- A
ji Aapessoas quesa dignarem proco- ej
9 rtlo se pdem dirigir a sua galena, e fgf
9 examinar os modelos que aempre #
9 tem Je mostra daa 9 horas da ma- fe
0 nhSaats 4 da tarde.
'9 N. B. Declara mais que vende ma-
A hinaa, laminas, caixas, ele., ludo
9 pertenconla mesma prolissSo, e p
> ajuem se proposer a comprar poder fe
a obtertoJos os esclarecimentos cum <>
m a clareza e perfeiso que he neces- ^
J saria. Ra da Cadei a de Santo Auto- fe
nio n, 26, terceiro andar. .
a *>##* mm,%w>% m*mmm*,$
- l)So-se 200,000 rs. a jwoe de 3 por cen-
to ao mez, cos penhores do ouro ou prata :
no Aterro da Ba Vista, relinfeS de assu-
car, n. 42.
Aluga-se o armazem da eaaa da ra do
llrum, com caes proprio para embarque, e
muito proprio para armazem deassucar,
para o que tem continuamente' servido : a
tratar com os administradores da casa de
Francisco Alves da Cunta, na ra do Viga-
rio n. 11, primeiro andar,
O Sr. Joaquim dos Santos Azevedo,
genro do Sr. Viegas mocador no Rozarinho.
queira ir pagar 17,000 ris que deve na Ota-
ria dos Colhoa, e qunto o nfio fuer ter
de ver aeu n ou naota folh. .
No dia 4 de novembro se hSo de arre-
malar em prasa publica drjrSr. Dr. juiz de
orphflos e ausentes um sobrado, sito na ra
Augusta desta .cidade, de dous andares e so-
Md, grande, com quintal murado e cacim-
ba, he novo, e se actia avahado por sete ron-
tos de ris; assim como um sobrado d>
lous andares e sntSo, na ra das Trinchei-
ras, por tres conloa de ris, cojos sobrado
vSo a prasa por execuf 3o dos credores do
fallecido Jos Fraucisco Collares : he a ul-
tima prasa.
Quem precisar de unr forneiro aqu pa-
ra prasa, ou mesmo para fra, dirija-se a
ra larga do lio/ario, ao p da polica.
Precisa-se de 200,000 rs. a premio sn-
breuma morada de casa, que rendo 4,000
rs. por mez : quem quizer fa/er este nego-
cio, dirija-se a Fra de Portas n. 95, ou an
nuncie para sor procurado.
9t.*4t*+fta>94f
A Paulo Gnignniix, dentista >
fe frunce/., offerecc seu prest- *
1110 ao publico para todo.s os
iuyaterloH.de ana pronsso : ta>
fe) pode ser procurado a qiial- *
9 quer liora em sna cusa, ua a
4) rna larga do Itozarlo, 11. 36, *
segundo andar. <
mm*^9'9'99ff>m)9!m*>m9*'
-Aluga-se urna caaa torrea narua Im-
perial, com commodos para familia, e por
barato preso : na ra Augusta n. 25.
Os abaixo assignados fazem verao pu-
blico e mormente aoa Srs. negociantes da
alfandega, que amigavelmante vendern) a
taberna em que linham sociedade as Cin-
co Ponas n. 27 ao Sr. Antonio Florencio
Cordeiro da Fooseca, fietndo o mesmo Sr.
ohrigado ao pagamento daa dividas presen-
lea, assim como autnrisado a receber as di-
vidas activas. Sanio & Medeirt.
- Precisa-se alugar um eacravo para o
serviso de cata : a fallar no escriptorio de
C Slarr & Companhia, ra da Aurora.
Quarta-eira, 6 de novembro, pelo jui-
zo do civel da segunda vara, leem de ser ar-
;m*aitn* v;;o ioCS "lre as <5iJ
pontes da Paasagem da Magdalena, penhora-
dos pelos herdeiros de Francisco da Silva a
Jos Joaquim Bezerra Cavalcauli : he a ulti-
ma praca.
Precisa-se de dous odiciaea charutei-
ros : na ra da ConceicSoda Boa Vista n. II.
-- O tacnygraplio Carlos Ernesto de Mes-
quila Falcao d licOes de sua 'arte por casar
particulares : quem de seu praalimo se qui-
zar ulilisar, dirija-se prasa da Indepen-
dencia, ns. 6 e8, para ahi deixar aeu nome
k murada.
Aluga-se urna casa nos Arrombados em
Ulinda, com commodos sulllcieoles para
urna familia, quintal murado, cacimba e
portfioao lado do muro : tratar em Fra-
d'e-Poi tas, ra do Pilar, n. 68..
Aluga-se um grande armazem em a ru>
do Bru em Fra-Je-Portas, do sobrado ao
sul da fundisSodoSr Calum: a tratar con,
Jos Antunes GuimarSe.
O Sr. Antoniu Maximiano da Costt, teo
urna caria na lirraria n. 6 68 da prasa di
ladoaaudui
Quem liver para alugar algum sitio na
paasagem, ou no Caldeireiro.-annuncie.
' Aluga-ae o primeiro andar da casa n.
84 da ra do Trapicho : a tratar no armazem
do mesmo. ;
Preciaa-se de um caixeiro portuguez,
3ue seja intelligenl", entend bem de veo-
a n d fiador A sua conducta, pois agradan-
do dar se-h bom ordenado : na ra larga
do Itozario n. 53, venda.
O O Dr. J. 8. Santos Jnior, O
!* medico homceopatha puro j|
9 mudou sua residencia da ra q
& do Crespo, n. lo, para a O
ra Nova, n. 58, primeiro 2
9 andar. q
Precisa-se alugr um eacravo para o
trabalho de um sitio p rto desta cidade : na
ra da ConceisSo, n. 2.
-- precisa-sede um homem para feitor de
sitio, que tenha intelligencia de seu offlcio,
o d fiadora sua conducta : narua do Col-
legio, n. 13, das II horas da mantiSa s 3
larde.
O hachare! formado Egidio Henriques
da Silva advoga e ensina rethorica e geogra-
phia : quem de aeu presumo se quizer uli-
lisar, o pode procurar na ra de Hortas,
11. 22, residencia do juiz de orphSos.
0
<
3
e
0
9
9
3
Compras.
Compra-so, effectivamente, prata fina
de galio queimado, em grandes e pequeas
porr;0es: no armazem da ilIuminaQIo pu-
blica, ni ra de S.-Amaro, e no escriptorio
de Jos Ramos de Oliveiro, ra da Cruz.
Compra-se um diccionario Magnum Le-
xicn, que esteja era bom estado : na ra
da Madre de Daos n. 36.
Compra-se, para urna encommenla,
urna negrinha sadia, de 2 at 4 annos : na
prasa da Una-Vista, n. 32, segundo andar.
Compram-ae escravos de ambos os se-
xos, de 10a 30 annos, e de bonitas guras :
na ra larga do Rozario, o. 48, primeiro
andar.
Compra-se urna carrosa que sirva para
um'cavallo na ra do Trapiche, n. 8.
Vendas.
Vende-se um escravo de nasSo, muito
bom serrador ; um dito de 15 annos; um
dito de 20 annos, bom sapateiro e com prio
ciuios de podreiro ; uina escrava de iiac,3n,
muito boa quitandeira e trabalhadeira d
campo, e que lava bem; urna negrinha d
10 annos : todos de muito bonitas figuras
na ra do l.ivramento, n. 4, se dir quem
vende.
-- Vendem-se 120 saceos de estopa, com
duas varas cala um : narua larga do Ro-
zarla, n. 48, primeiro andar.
Vendem-se uns folhetos que tem por
titulo Inspirases poticas, e a|duqueza
ile bragansa conten lo 339 paginas, obra
sta escripia pelo muito digno e illustre
Maranhenso o Sr. bacbarel Frederico Jos
Correia .- na rna larga do Rozario, n. 48,
primeiro andar.
Legislaco brasilea ou
colleccio das c\s, decreto, reso-
lurfii's de consultas, provisdes,
ele. do imperio do Brasil, des i.-
oannode 1808 a 18.'7, em a5
volumes : vende-se no pateo do
Collegio, casa do livro azul.
Vende-se um lelogio patente suisso, d>
ouro, vovo, e 13o bom regulador que um
inglez 11 "10 o excede, mas que pela precisSo
dodono so vobrigado a vende-lo pelo ba-
ralissimo preso do 100,000 rs.: na ra No-
va, n. 8, luja.
I'ara jogo de voltarete.
Vendem-se ricas caixinhas com tentosde
marlim para o volurel- : no paleo do Col-
legio, pasa do livro azul.
Lotera do Hiode Janeiro.
Aos 20:000,000 de ra.
Na ra estreita do Rozario, travessa do
Queimado, loja de miudetas, 11. 2A, de Joa-
quim Francisco dos Santos Maya, vendem-
se os muito acreditauos bilhetes, meio*,
quartos nilavose vigsimos da 12.* lotera a
beneficio das casas da ca i lade.
Vende-se um sitio na Agoa-Fria, com
casa de vivenda de pedra e cal, baixa para
capim, Ierras para plantar, e proprio para
ter duas al Ires vaccas de leite : na ra
Nova, n. 46, loja de chapeos.
Veode-se, por preco com-
modo, osseguiutes gneros de pri-
meira qualidade, iarinha de man-
dioca em saccas ; fumo em folha
para capa e milo de charutos
potassa em barriquinhas, muito
nova : a tratar nos armazens de
Gouveia rk Dias, e Francisco Dias
Ferreira, no caei da Alfandega,
ou com Ncvaes ck G. na ra do
Tiapirhe, n. 34. .
-- Vende-se urna preta de 20 annos, que
engomma, cose e cozinha ; urna dita da
Costa, boa quitandeira ; 9 pratos bous para
o trabnlho de armazem deassacar; um mo-
leque pesa de (8annoa ; um cabriuha de 10
annos: na ra doCollegio, n. 21, primeiro
andar.
Vende-se, por preco commo-
do palhinba para cadeiras, e cha-
peos do Chile : na ruado Trapi-
che, n. 34, ca^a de Sovaes & G.
Vende-se a loja da ra do
Crespo, n. 5 A, ao p do arco de
S.-Antonio, com pouecs fundos :
garante-se o arreudamentu una
vez que o inquilino agrade ao se-
nhorio : s tratar na mesma Oja.
Loteria do Uio-de-Janeiro.
Na prasa da Indepandeneia, n. 4, loja de
miudezas, ven lem-se os afoiluuadoa bilhe-
tes, meios, quartos, oitavus a vigsimos da
decim-tegunua loteria das eaaas de caridade
ila provincia do Rio-de-raneiro. Na maaii
loja lambem se racabam bilhates prenii
dos da loteria da B la-Vista em troco dos
que tem a venda do Rio-de-Janeiro, o sa
mostra a lista da maUlz da Boa-Vista.
Vende-se na padaria de <
0 Jo5o Luz Ferreira Ribeiro' ^
O no pateo da Santa Cruz n. <3
6 ararutadoceajeogoa-das, O
^ a mt is bem feita possivel, a ^
lestias a podem comer por
nSo ter composicao alguma ; ^
assim como todas as mais 0
massis doces e agoadaa ; o
preco da ararta doce he ^
de '480 ris a libra, o na- 0
is barato que se pode ven-. O
,5 der, e a agoada a aio ^
5>OOOOOOOO0iOO0OOO0p
Vende-se caixilhos promptos com vi-
dros, para tres portas, por muito barato
preso : na praca da Independenoir n. 26.
Vendem-se superiores chapos para
senhoraa, do mais moderno e elegante gos-
to, e de varias cores, denominados Ama-
znnaa : na prasa da Independencia ns. 94,
26 e 28.
Vendem so muito superior papel amar-
roquinado, de lindas e variadas cores ; cha-
peos da Italia de copa alta, a 2.000 ris : na
prasa da Independencia n. 26.
Vende-se urna bonita escrava crioula,
que sabe cozirhar, engommar e coser, afi-
ansasea boa coflducta o perfeito eatado de
sade, vende-se por motivo particular: na
ra do Rozario larga a. 22.
Vende-se saccas defarinha,
com alqueire medida velha, vinda
de Santa Gatharina, por menos
preco que em outra quBlquer par-
te : na ra da praia n. 32.
\u loja d s< s portas da rita do
l.iviniiiento,
continua-se a vender chitas a 12G, 140,160,
180, 200 e 240 rs, muito finas; corles de
calsas de briin transado branco com listras,
a 800 rs., o a 200 rs o corado ; riscados
monatros, a 260 rs. o covado, e mais es-
treilo a 200 rs.; cortes de cambraia lis, a
2,500 rs ; chales de chita e tarlatana, 1,000
rs.; lensos braneos para mSo de senhora,
iberios de renda, a 240 rs.; um completo
orliment da fazendas, lano em porcSo
como a retalho por preqos rasoaveis.
Ocorretor Oliveira tem para vender
urna ptimo ecravo cnoulo, ainda 01050,
perito ofllcial de pedreiro, sem vicios: o
nolivn por que se vende se dir ao compra-
dor. Pelo vapor do norte recebeu outro os-
cravo oara vender, o qnal h-i proprio para
todo o serviso, e tem Si annos.
ioiuiiui-rs Himleruos em portu-
gue/. a 4*ooo rs. cada um.
A Quinta para vender, por Frederico Sou-
lie; os dous liraiusdop, pelomsmo ; vi-
la e amores de II loiaee Abeillard ; l.eoca-
lia ou a innoieiile vieiima do crine ; as ar-
rias e as letlras por Alexan Ir de Laverg-
;ie; a incgnita ; as aventuras do ultimo a-
Oencerage, por Chateaubrian I; E Imuud o
suaprina por Pulode Koclc; o leflo aoai-
xonado, por Frederico Souli; o procurador
ln rei ; Saooles em 1841 ; a rosa awarella ;
oaia nio serem treae ; o mendigo; a fllhi do
negociante ; o artista e o sida lo ; o homem
poltico, novella histrica extrahida da obra
ngleza, intitulada diario de um medico ; a
iieransade meu lio; a amada anouyma;
ramalhete de no/e novellas ; o pirata, por
Sand ; a tomada de Lisboa ; chronicas por-
tuguezaa, por Feliciano Cattilho ; JuSo ou
o poder de amor, por Paulo de Kock ; Janny
l.illeou os amantes desirfasdos ; o casa-
mento por vingans", por Bocage ; os amo-
res de um ladrSo ; a ressurreis3o du amor;
chrooics Rio-Gran lense : veudem-ee no
pteo do Collegio, Casa do livro azul.
Boticas Homueopatliicas.
Na ra lo Crespo, loja n. 4. veudem-se
bolicaade24, 30e36, tuboa grandes e pe-
nenos ; ha lambem tolos os livros oeces-
sariosaoestdo e pratica honceopalhica,
viudas ullinauente do grande esiabeloci-
m^nto central da roa de San-Jos n. 59, no
Itio de Janeiro, o qual estabeleceu-so ha
maisdeaeisanoos, possuindo j urna col-
lecsSo preciosa dos medicamenlos melnor
cotihecidos na Europa e na America, e co-
Inidos uns oos lugares mais aproprudos o
escolhidos, outros com maior esmero nos
mais acreditados laboratorios. Desde essa
poca tem sido constantemente renovada a
enrequicida essa eolteesflo ( renovada ) com
muitos outros remedios, quo a experiencia
do todos os homoeopathaa leem reconhecido
efucazes, c alero dislo com mullos outros
quo ainda carecendo de expeneucias ho-
mceopathicas mais positivas sSo coas ludo
jA acreditados como uleis e ellicazes por
disiinctos praticos, e por muitos amigos da
scienciae da humanidade, qur naamerica
do sul, qur na frica o ua Asia.
__ Vende-se em casa de Fdx
Brothers, na ra da Gadeia do He-
cile n. 5-7. lonas inglez as de n. 1 a
5, e aim'itacaoda tussu de n. 1
a 6.
VenJe-se um palanquim em muito bom
estado, por preso commodo ; urna commo-
iia com secretaria, com pouco uso : na ra
da Guia, ii.7, loja.
Veade-ae uina porsio de barricas va-
sias. que foram de farinlia do reino, por
pres cummodo : na ra das Tnneeiras
n. 9.
Loteria do Kio-de-Janeiro.
Aos 10:000,000 de rs.
Nos qualro-cantot da ra do Queimado,
loja de fazendaa, o. 90, teudem-aa; os uiui-
tus afortuuadoa Diliieles. meios, quartos,
oilavuse vigesioiosda* 12,'loLeria a beuo-
licio das casas de candada da proviucia,
cujas listas devem cliagar no priraoiro va-
por.
Charutos de Francisco Groa da
Baha.
Deposito das melhores qualidades deste
fabiicaule, cuino aejan lauoeroe, regalos,
cacadore* e ouUoa : na ra Nov, loja n. *.


'

4
i
prar, na rna do Crespo, loja esqninn que volta para a Ca-
dla.
Panno fino preto milito bom, 3.600 e
3,00 rs. ; dito milito superior, *,500 c
5,000 rs.; dito azul muito fino, a 3,000 e
5,500 rs. ; casemira preta, 5,000 rs. o cor-
to ; dita TC'iito superior, i 10,000 rs. ; er-
tes de fostRo a 330 a 00 rs. ; ditos muito
bonitos, a 800 rs. ditos desetim de cores.
a 1,600 rs.; ditos de gorgurdo, a 1,280 rs. ;
cassas de coros fizasede bonitos padrOes,
a 240 e 280 ra. o covado ; cortes de cassa
preta, a 2,200 rs.; ditas a 1*0 rs. o covado;
riscadodelinho azul, a 2*0 rs.; corte de
hrim de linho, a 1,600 rs. ; ditos muito
bons, a 1,800 e 2,090; Mos superiores, a
1,280 e 1,600 rs. a vara ; lencos de seda de
cores, muito bonitos, a 1.000 rs. ; ditos pa-
ra gravita, a 1,000 a 1,280 rs. ; ditos de
cassa rom listras de coras, a 210 e 320 rs. ;
ditos cora listras de seda, a 500 rs.; algo-
do azul de vara de largura, a 200 rs. o co-
vado-; dito furta-crcs, a 200 rs.; picote
muito encorpado, proprio para escravea, a
200 rs. ; riscado de algodSo americano, a
1*0 rs.; cortes de brim de listras, a 1,000
rs. ; chitas de (Ores fisas e de bonitos pa-
drees, a 1*0,160,180 e 200 rs. o covado;
. riscades monslros, a 220 rs. ;^ camhraias de
quadrus, a 2,720 rs. a pee, ; cortes de case-
mira de algodSo. a 1,600 rs. ; cassaa fran-
cezas muito bonitas, a 320 rs. o covado ;
chapeos deso, com asteas de balis, a 1,800
rs. ; e outras muitas fazendas por prego
commodo.
Fogoes para cozinha.
limito proprio* para sitios e qual-
qualquer lugar sonde nlo ha coii-
nlia, por preco cotntaodo : ven-
ilem-se na ra da Cruz, n. lo,
casa de Kalkmann lrniaos.
l'iHvess da Martre-de-Deos, ar-
mazem. n. 5,
Acha-se eslabelecido um deposito, OBde
enenntrarto os Tregeles um bom sorli-
mento de licores, espirito de virho, e to-
das as mala qualidade*; superior vinho de
caj ; cbi mate; e Hagas de vime, a precos
moderados.
Talxns para engrenho.
Na fuidigao de ferro da ra do Bram,
acaba-se do receber um completo sortimen-
_ tode taixas de*" a 8palmos de bocea, as
qoaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
ou carregam-seem carros sem despezas ao
comprador.
Deposito de potassa e cal.
Vende-se muito nova e superior potassa,
assim como cal virgemem pedra, recente-
meute chegada de Lisboa, por prego rasos-
vel: na ra da Cideia do Recite, n, 12, ar-
mazem.
Deposito da fabrica de Todos os
Santos ua llanta.
Vende-se eu casa de iV O. Bieber & C.
aa roa da Cruz, o. *, algodSo trancado
aquella lubrica, milito pioprio para saceos
deassucar, roupa de escravos eflo proprio
para reiles de pescar, por prego muito com-
modo.
Tecldo de lRoilao trancado na
fabrica de Todos os Santos.
Na na da Cadela n. 52.
vendem-se por atacado duaa qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa do
escrevos.
Arados de ferro.
Na fundicSo da Aurora em S.-Amaro ,
venJem-se arados de ferro de diversos mo-
teles.
Mocndas superiores.
Na fundiese de C. Starr & Companhia
em S.-Amero acham-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construcoSo muito Superior.
Aos senhores de engenho.
vendem-se cobertores oscuros de algo-
dSo propriospsra escravos, por seren de
multa dureciio, pelo diminuto prego de 6*0
rs. cada um : na ra do Crespo, esquina
que volta para a cadeia.
Vinlio de Borrfeaux:
vende-se na ra da Cruz, n. io,
casa de Kalkmann rmeos
Vende-te cha preto : na ra do Trapi-
che, n. 3*, armazem de riaymond & C.
AOMDKhNISMO.
Na ra do Queimado, loja n.
vendem-se as mais mo lernas
sasaaaaMttattaattmatttaaatatMattasSattstaisatatatat
--Vende-se ama porgBo de rutlm, por ata-
cado ou a retalho : no escriptorio da viuvs
Gaudino & Filbo
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de r'epoxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Bniiu, ns. 6, '8 e ip,
fundicao de ferro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de
differenles modelos : na ra do
Rrum, ns. 6, 8 e to, fabrica de
machinas e fundidlo de ferro.
cambraias abertas de lia e seda,
verdaderamente chamadas balza-
rinas, de padres e gotos muito
delicados, a 5oo rs. o covado.
I)ao-se as amostras com os compe-
tentes pen liorcs.
Charutos de Ma vana.
de superior qualidade : yendem-
se na ra da Cruz, n. io, casa de
Kalkmann limaos.
Vende-ae.. n/ir o ilnnn le'r
outro negocio, urna taberna mui-
to acreditada, com poucos fundos,
na entrada dama de S.-Theresi.
-- Vemaem-se stboiietes hfglemooa, o
mais superiores que teem Indo a este mer-
oado.aaaim como nutras prifuiuaiins muito
fiase: na ra da Cadeia Velna n. 2*, pri-
rneiro andar
-- Vendem-se Islas com superior bolsehi-
nha de llamburgo, chegada recenlemente :
na ra da Cruz, n. *8, armazom.
-- Vende-se urna preta orioola, oplima
engootmadeira, cozinheira, e que coae chSo;
urna dita de 12 annos, cum principios de
costura, propria para alguma davda, por
ser recolnida ; una plrda eacura que cozi-
nha bem, e com priucipios de engommado
na ra do Hangel, n. 38, segundo andar,
se dir que.vende.
tilcuas.
Capotinlios < manteletes.
Na ra Nova n. 6, loja de Maya kamos & C,
acaba-se de receber capolinhos e man
leletesde can.brala branca bordada, da ul-
lima moda, e muito bem guarnecidos com
liico a imitagSo de blonde : os piecoa con-
vidam aos compradores.
Na rna Nova. n. 6, loja de .Maya
Hamos 6l ti.,
vende-se, alm dos livros ja annonciados
por este jornal, o novo romaace intitulado
Urna familia corsa obra do insigne au-
tor Alejandre Dumas, muito bem traduzi-
do, 1 v., por mil rs.
Na ruada Cruz, n. 10, casa
de Kalkmann lmaos,
vende-se um grande sortimento de
instrumentos de msica, com se-
j h ni :
Caixasde guerra, e tambores.
Zabullidas e pandeiros.
Arcos de campainho, e pratos.
Baixos de barmonia, trobdes.
Trompas, nislftes e clarins.
Cornetas, flautas, e pfanos.
Clarinetas, e requintas.
ViolSes.
muitos outros instrumentos.
Vendem-se meias de.algo 13o grossas,
muito duraveis, feites a agulha, optimaa
para conservarem a saude: he ponto eate
em medicina, em que nflo divirgem os di-
versos autores que teem escripto at hoje;
isto he, ps queoles, ventre desimpediJo,
caheca fresca, ato os signaes evidentes de
perfeita saude, e he por isso que estas
meias sSu recommendadas por todos os m-
dicos, nao exceptan lo os dignos discpu-
los de Hanneman : quem as quizer vi ra
larga do Itozario, n. 35, loja.
.ti illio i- arroz com csea a 2$5oo
rs. cada sacea.
Vende-se no armazem do Braguez, ao p
do arco da ConceigSu.
Chumbo de niuntcad.
Vende-se no armazem de J. J. Tasso J-
nior, ra do Amorim, n. 35.
Vendem-se amarras uo ferro: na roa
la Senzalla-Nova, n. 2.
Redes.
Vendem-se redes muito bonitas, de va-
rios goslos e precos, prupnaa para qnem
for pastar a Testa descangar ao fresco de-
baixode srvoredos ; na ra do Queimado,
o. 1*.
Vendc-se muito boa faria de mandioca,
em barricas grandes, que sejulga ter um
alqueire, tanto pelo prego do 3,000 ris sem
o casco,como com o casco a 3,500 rs: na ra
larga do Itozario n. 22, loja de miudezas de
Victorino & GuimarSes.
-- Vende-se nm perito ofllcial de pe-
dreiro, preto, mogo e bonita figura : na
ra da Cruz, srmazem n. 33, de S Arauju,
se dir quem vende.
Vendem-se colleecSes com
mais de seis lindas vistas, repre-
sentando a ponte do Hecile com a
ilfandega, a ponte da Boa-Vista,
a cidade de Olinda, a ponte do Ca-
changa, Poco-da-Panella, e a ra
da Cruz com o arco do (iom-Jesus;
bem como duas grandes vistas de
Pernambuco: na ra da Cruz, n.
lo. casa de Kalkmanns Irmao.
Vende-se brim de vella e lona : na ra
Velha ii. 57
BRESTOL SALSA PARBILHA AMERICANA.
Melhor i maii extraordinaria do mundo.
Preservativa iofllivl-| oontra aifebrei.
A salsa parrilha oriKina| egenuta de Hres-
lol possue todas aa viriudea para curar todas
a> interinidades que provin de um cauda de
impureza de sangue das urcrrcdes morviilaa do
najado e estomago, e em tudos o casos que ne-
ceasitam remedios para puriAcar e robustecer
o siaieina. Em tudos os casos de escrophulas,
erisipelas, tinlia, rrupedea cutneas, manchas,
bllii, euilaiiiajao c rbilidade nos oihoa, rn-
chacao oaa glaudolas, dores lumbares, aflec-
coea rbrumaticas, dores nos ossos euas jumas
hydropesia, despepsia, aslhma, diarrbea, des-
enieria, tosse, resfriados, cnilammacao do
pulmdes phllilsica quaadu pruvtu d.i obstru
fac- dosbroncliioa em pessuaa eacrophulusas,
enlluenia, nnligesiao, icirricia debilidade gc-
ral do systeiua nervoso, frbres agudas, calores,
enreriuidades das molheres, rul'crmidades be-
" 'odas asaleccdesproTeuieatesde
4
Cera amarella do SertSo.
Vende-se cera amarilis do serto, di me-
Ihor rjue lem apparecldo : na ra do !Un-
gel, lija de cera.
--Na rna da Cruz n. 33, armazem de a
Araujo, vende-te tijollo de limpar melles
em porcOes, s vontade dos compradores, de
50 oara cima, por prego commodo ; saccas
com superior farinba de mandioca, chegt-
da ltimamente do Ceari muilo alva e tor-
rada ; ditas com bom milho ; urna porcSo
de couros de cabra eneonta para liquidar
contas, sapatos bem feitos, etc.
Vende-e rap Paulo Cordeiro, chega-
do ltimamente- na ra da Cruz, esoripto-
rio de Ro trigo da Costa Carvalho,
.Joyo* pai a (lirertiniento.
Chegaram a loja de Maya Ramos & C., (la
ra Nova, n. 6, o divertido jogo do assalto,
sendo urna fortaleza defendida smente por
dous soldados, sssim como o lindo jogo da
gloria, os tnelhores que teem appsrecido
com dados, a lixss para marcar : timbem
se vendem jogos de xadrez e de vispora :
ludo por prego commodo.
tvvffmfffffVfVffVff
{Depositoda fabrica dej
w
w
lodos os Sanios, na
ahia.
uso moderad do mercurio. Esta salsa parri-
lha se einprega com etRcacia em Mdosos so
breditos catos, t be reconhecida como a me-
Ihur medicina que eaiste. Ot frascos de salsa
delinstol teem mais de quatro lamanbos dos
de salsa de Sands eutrelanto que os de Urislol
te vendem por 5.000 rs. e os de sands por 3,000
a. Deposito central no Hio-de-Janeiro, casa de
Vital I Jipupr. e em Pernambuco na hollca de
Jos Mana Goncalves Hamos, ua ruados Quar-
teis pegado ao quartel de polica.
Novos retratos do desem-
bargador Wunes Machado, metti-
dos entre o fumo e o caf, ebega-
!os ltimamente de Faii-., a 5oo
rs. cada um : vendem-se no pateo
do Coilegiu, casado livro azul.
- Vende-se urna preta de bonita figura..
>u ngvtBffiaifeira 6 uzheira ; 3litas de
elegsntes figura, tambero com algunus ha-
Vendem-ae e alugam-se bichas de llam-jbilidades; um cabrinha de. 12 annos.
burgo, daa melhores que lia no mercado, J boa conducta
por preo commodo : na ra do Aragao, I to Antonio, sobrado
tenda do btrbeiro TheoOlo. Ivande.
S>- Vende-se, em casa de Doniagoa Al-*
ves Malheus, narua da Cruz, n. 52,*
e*primciro andar, aigodfio trangado da-*
qualla fabrica,muito proprio para *eo-2
^fs e roupa de esoravos ; bem comoj
^lio proprio para redes de pescare pa-^;
>vios para velas, por preco commodo..aj
*
Vendem-se rclogios de on-
ro e prata, patente ioglez : narua
da Sen*alla-Nova, n. 4a.
~ Vendem-se duas parles do engetilio
Cuiambuca. sendo urna de 11-.872,796 rs. e
a oulra de 855,902 rs., mais duas partas no
engenho Riacho do Padre, urna no -Mor de
1:800,000 rs. e oulra no de 800.0M rs. :
todos estes engenhos moentes e corenles,
cuja venda se f..r* com grande abate : tre-
ta-s no escriptorio da viuva Gaudino At Vi-
llio, na pracinba do Corpo-Santo, n. M.
l'ara fra da provincla
vende-se urna bontta escrava criouls, de 18
annos, que corta, faz vestidos e camisa pa-
ra homem, he engommadeira, e muito fiel ,
un moleque de 2 annoa, muito esperto, l-
llio da mesma escrava : na ra larga do
Itozario, n. 48, primeiro andar.
Vendem-se duas lindas negrlnhas de 10
a 12 annos. com principio* dehabilidades ;
urna preta boa cnzinheira, levedeira e qui-
tandeira, que faz doce e engomla aolTri-
vel; ditas de muito bonitas figuras, mui-
to mogas, perfeilas quitandeiras, e quesfia
boas para lodo o aervigo de casa ; urna par-
da de 25 annos, de muito boa conducta, o
que se afianga coa* muito bem, engomma,
e he muito carinhosa para meninos; um
molequedeSO annos, de elegante figura;
B pretoa muilo mogos, bons para todo o ser-
vir; ; e outros muitos escravos : na ra
da Cadeia do llecife, n. 51, primeiro andar.
Joo Keller dt i ompttnuU, na
ra da Orna, n. 55,
Vendem a precos commodoa, vinho mus-
ealel de Setuoal, so oixas de urna du-
Kia; dito muilo bom de Lavradio e Col-
lares, embarris de quinto; dito de Cham-
panha, da mais acreditada marea ; dito tin-
to de Corlaillod, de superiur quslidsde;
extr.acto de absynth e kirsch ligilioio da
Suissa, em caitas de urna duzia ; venladei-
ro cognac velho, o da melhor fabrica de
Franca, em barris de 80 garrafas pouco
mais ou menos : lambem se vendem por
prego muito rasosvel velss de stearina ,em
caicas de 32 librss ; charutos da Babia de
muilo boa qualidade.
Agencia le Ktlwin law.
Ra de Apollo, n. 6, armazem de Me. Cal-
moni t Companhia, fazem ver aos Srs. do
engenho e aos seus correspondentes nesta
praga, que no seu estsbeleciment se acha
consta lilemente bom ur limen lo de moen-
uas todas de ferro para aniones, agoa, etc.;
meias ditas para armar em madelra ; ma-
chinas para vapor com forgs de eavalios >
taixas de differenles modelos e de lodos oa
tamaitos e grossuras, tanto de ferro batido
como coado; espumadeiras, cocos, etc., de
ferro estanhado ; safras para ferreiros : lu-
do muito bom e or barato prego.
Vende-se vinho do Porto em barris de
qusrtu e quinto -, azeilonaa superiores ; r-
eos para barricas e pipas ; fannha de IligO
em barricas e meias ditas ; fio porrete ; ce-
vada; pregos de todas as quslidades.em bar-
ricas ; eniadas do Porto ; coeiros de algo-
dau ; retroz fino do Porto : ludo por irego
conimojo : na ra do Vigario, n. 11, arma-
zem de Francisco Alves Ua Cunta.
Vende-ae um moleque marinheiro, de
20 a 22 annos, de muito bonita figura: r.a
ra do Vigario, n. 9, a tratar com Carnei-
ro i Kanics.
Vende-se, ns ra do Vigario n 11, ar-
mazem de Francisco Alves da Cuaba, os se-
guidles gneros, lodos da superior quali-
dade, e por menos prego do que em outra
quulquer parle f azettnas em ancorlas, vi
nhu do Porto em barris de dItrenles ts-
manhos, cevada, cal virgem do.J.islia, ar-
cos (.-r- pipas e harris, fio porrete. retroz
duSiqneira, cha de San-Paulo, canastras
He grande pecbincha.
A 2oo e a4 r9-
Vende-te urna porgSo de chitas francezas,
de palmos.do largyra, rO.xas, de cores II-
itt, a 200 ra. o covado ; castas francezas
de bonitos padroes, a 2*0 rs. o covado : ns
ra do Crespo n, 1*, loja de Jos Francisco
Dias.
Manteletes e capotlnhos. >.
Na ra Nova n. loja de Maya Ramos & C,
acaba se de receber de Franca um torltmen-
to de manteletes e capotinhos do seda la-
vrada e lita, da ultima moda, e que se.ven-
dem muilo em conls.
Para vestidos de senhoras.
Vendem-se os mais estelados msngultos
psrs vestidos de senhora : na roa do Quei-
mado n. 9.
Agencia
da fundicao Low-Moor.
UA DA 8KJSZALI.A-DI0VA, V. 4*.
IHeate estabelecimento conti-
na a ha ver um completo orti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho; machinas de
vapor, e taclia* de ferro batido
co-ido, de todo os tamaitos,
para dito.
A elles qoe s5o barlissiaios.
milho-alpista, a 960 rs. a cula ; painso, a
660 rs. ; feijSo niulatinho novo, a 320 rs. a
cuia ;e outros muilos gneros, que aejatir
o prego a vista do comprador : no Atajaras
Boa Vista, venda nova, n- 5*. ao pe da toja
do Sr. Eslirna, e igualmente lambem se ven-
dem estes mesmos gneros na ra Nova n.
71, venda da esquina ao p da ponte, para
mais commodldade dos compradores, poig
sffoiguaes tanto em prego como cm quaIj.
dade, e de tudo se dito amostras.
Vende-se un psrda que cozinha, coto,
lava fazrenda.de 30 a unos pouco mais ou
menos, por 300,000 rs., isto por ser para
lipuidacSo de cunta : narua largado Ito-
zario, n. 46, primeiro andar.
Na ruadoCabuga, loja de Moreira &
Duarte, vende-se um reiogio de ooro, pa-
tente inglez, superior,_________
Escravos fgidos
Desapparoeeu, do Ater/o-di-BotVvs-
, n. *3, o pretode nome Mareos, ganha-
dor de profissSo, de SO annoa pouco mais
ou menoi, com urna marea na eabeca de
urna colilada, aoube-se que ate preto j
Urina sido pegado: quem o pegou leve-o a
dita oaaa, que ser gratificado.
Cominea fgido, desde s noite de 17
a 18de setembro, o eteravo Possidonio, de
Jos AnlooioPereira de Brito : este escra-
vo he tem conhecido negta cidade a no sul
desta provincia ; he cabra, cor de gager,
altura regular, bem feito de cotpo, d 20
principia
V. .annos pouco mais ou anenos, pn^tipn
endem-se sapales de lustro, a ig D(lrb)ir. Im3 nfnca| de taneiro; j esteva
000 e 3,5oo rs. O que valem. na ocluir de lo Maria.na, rutidas Flores,
';
de feitio na ra da Cadeia do Re
cife, n. 9, ioja.
A 4,0001. o par.
Vendem-se sapalOes de lustro para ho-
mem, multo bem feitos, a *,000 rs. o par :
no Alerru-da-Bos-Vista, n. 58, loja de cal-
gado, junto a de selleiro.
^itpatoes para meninos.
Vendem-se sapales para
a 12 annos, muito bem feitos: no Aterro-
ida Boa-Vista, n. 58, loja de calcado, junto
a de selleiro.
Itosa-s aos frearnezes qne tenhnm
toda nttencao para o novo soi%
lmenlo que existe na loja da
na do' Cre*po, 11. 6, ao p do
lampio.
Vendem-se csssas pintadas de cOres fizas,
a 260e 280 rs. o covado; cortes de brim
branco de linho puro, a 1,920 rs.; d|ps de
fuslOo muilo finos, a 560 e 6*0 rs.; cassa
reta propria para luto aliviado, a 120 ra. o
covado ; zuarle de cor, a 200 rs.; riscado
de linho para casacas, a 210 rs. o eovsdo, e
outras muitss fszendis por prego commodo.
Anillo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muilo superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
apredendo a boliat; he muito .esperto,
monis bem s cavsllo ; tem muita intelli-
Kencia e hahilidade para q alquer oousa a
que se arplica ; quando trabalha pelo offl-
cio de tanuairo, costuM numerar.as pegas
d.asohrsoem leitras de coala ; fuma a-
ila trajado de calcas ejaqueta ; nada e mpr-
gulha muito bem ; j esteva preso na cadeia
desta cidade por prdem do ex-possuidor
menuTo". de 6 Sf- C"1?? *&}*JX2S!?
a>
t
*
-- ^a la do Vjgario, n. 9, armazem Car-
11.-ir-) fi Bunios, \ende-se superior cal de
Lisboa, em em pedra ; melaa barricas cooi
farinha gallega ; ludo por prego commodo.
-- Vende-se urna preta moga sem vicios
nem achaques com tres liliios pequeos:
aaiiga-se ao comprador : na ra da Crui,
escriptorio da viuva Gaudino & Filbo, nu-
Lmeio66.
Lotera do Hio-de^Jauelro.
.toi 20:0004.000.
Fui vendido na loja de cambio da viuva
Vieira & Fillios, da prtmeira lotera do Hos-
picio de Pedro 2.', o premio seguate n.
5,076-10.000,000.de rs.; na mesma luja
Iroca-se bilheies premiados ds lotera da
Matriz da Boa-Vista, por bilheies da 12* lo-
tera a beneficio dat casas de caridada do
'Kio-de-Janeiro.
iilvros multo* baratos.
Processo orpharologico, por l'ereira de
Carvalho ; l'iimeiraa Indias, por l'ereira e
_e Souza ; Manual du Tabeliflo, por Caries
leo da matriz de Sao-llelles ; lloutnn daa ecgOW, po
n. *, se dir quem eendem-se estes livros por mui diminuto
Ifrejo, oa ra do CoKegio, loja o. 10.
no brigue Conccic&o- A 2,34o ra. a saeea.
Na ra da Cruz, no Recito, armazem n.
19, ena ra da Cadeia, armazem de Cam-
pillo Filho. vende-se farinha de mandio-
ca do Cear, de excellente qualidade, a
2,2*0 rs. a sacca.
Antes que se aciibem.
Novoaortimetito de lindos tapetes de to-
dos os tamanhos ecores ; grsnde quanti la-
de de luvas para senhora e meninas, de ver-
dadeiro torcal : tudo chegado ltimamen-
te ; bem como un completo sortimento de
tazendas finas e grossss, e o verdsdeiro pan-
no de linho enfestado, a 800 rs. a vara, em
pegas de 18 vsrts e meia : na ra do Quei-
mado, n. 27, armazem de Tazendas, de Ray
mundo Carlos Lete.
Ni deposito da ra da Moeda, n. 15, *
ha para vender superior cal em pe- *
dra, recenlemente chegada de l.ia- 'i
hila, em o brigue Conct<-,Ho-dc-Ma- 2
tia, por prego rasosvel : lambem ah ,
se ve.ndem pesos de duas e da urna 2
arroba, por prego commodo ; ha 2
lambem elTeclivamenle no mesmo
depotito barra de niel para embar- ^
_ que. 2
****A*m
Faiinhn de mandiocH.
Vende-se farinha de mandioca muilo al-
va e bem torrada, a melhor que tem vindo
ao mercado, poetar fabricada na aerra.de
Meruoea : na ra do Queimado, n. 1*.
Vende-ae urna oaaa terrea no sitio Ca-
gte, com -pouco. fundo : na ra Augusta,
o, *9, junto ao viveiro.
Lotera do Hio-de-Janeiro.
Aos at:ooo,ooo do ris.
Napraga da indaMndencia n. 3,que vol-
ta para as ras do Queimado e Chspu, ven-
dem-se es muilo acreditados bilheies,
muios, qusrtos, oilavoe e vigsimos da 12."
lotera a beneficio daa cisas da candade.
O abaxo assignado, estando a despejar
aua cata da ra da Aurora n. *, vende urna
banca mnzeica, 2spellios grandes, Ire-
mos. 1 lustre de 19 luzes e 12 cadeiraa ren.
Usneel Aira Gvcrra.
Vende-se um reiogio patente, com csi-
dS "ftS tl^^ V*** r*OI,l.lnr nr.r n-a_
co muito commodo : na ra do Hangel n 9.
Vende-ae urna preta de oaco, bonita
figura, sem vicios nem schsques, oplima
para aservigo tanto interno como externo :
na ra de Hurtas n. : o motivo por qne se
rende se dir ao comprador.
Vende-se um escrava parda, propria
para o servigo de casa, qi.e cose, engomma
a cozinha soffrivelmente : na ra do Codor-
niz, casa que faz esquina para a ra da Moe-
da, por cima da venda do Sr. F-uncisco Boa
Vala, primeiro andar.
?liH'in quizer poitpai' rciiliu ver e
comprar.
Vende-te manlega ingleza da melhor, a
640, 480 e *00 rs. ; dita franceza, a 520 ra. ;
de tempero e para bollos, a 2*0 rs.; bsnhs,
a 360 rs. ; cha, a 1,920 ra. do melhor ; velas
de espermtcete, a 720e 610 rs.; de cerna-
ba, a SOra.; lelria. autora.: macarrn 9
talheriai, a 200 rs.; farinha de araruta, a
200 ra.; dita do MaranhSo, a 120 rs ; bula-
ejinha de araruta doce, a CtO rs.; dita in-
Igleza, Ji0,ra.; azeita doce, a 560rs. a gar-
I < afa ; azeitonas, a 240 rs. a garrafa; cafe de staataa
Icarogo, a 160 rt.; dilo moido, a 200 ra. ; 1'tnn. :
rio do engenho Burerema em ,torinh3im,
morador actualmente na ruado S0L5 sbe-
se com certeza que est nesta cidade, e que
a noite anda aempre da Boa-Viata para S.-
Antonio, e frequenls mais as rusa do Sol,
Nova, Camhoa-do-Carmo, Mundo-Novp ,
Alerro-da-Boa-Visti e as ruta e heccoe que
deso ao norte do Alerro, etc. ; um sido
encontrado de dia de Olinda para Beberibo
e deste para o Recite, as vezas pela Pjnte-
(le-llcha e nutras palo Rozrinho ; dizem
que tem ajustado-te com um Portuguez que
tem de embarcar para Mosssne les, ou Por-
tugal, para o levar como criado; por isso
rogs-se aot empregados do porto do re-
giato, ou a quem competir, e aoa capiSes
ileemharcegoes que sshirem doste pono
toda atteneflo e vigilancia a respeto Pede-
te a polica, capilSea de campo, equalqner
particular que o encoptrem.que o prendam
e recolliam a cadeia deata cidade, e avlsem
ns ra do Padre-Florianno. a Francisco An-
tonio Pereira de Brito, quem tambem o
poderSo entregar, ou levar ao engeoho S.-
Croz, n* Ireguezia de Una, que serijo gene-
rosamente reeompenasdo.
Fugirsm, do qngenlto Jtguarc. na noi-
te do dia 19 de outubro do correla anno,
o escravos Francisco e Lsureotino, o pri-
meiro representa ter 50 annos, de nagao,
bsrba branca } tem um agnl no nariz de
um taino queeoflVeu, estatura regular, an-
dar apressado : o aegundo ha crioulo, de
25 annoa, faigOea grosseirss ; acha-se com
ss costas feridaa de um* turra que.ba pou-
co lempo levou ambesso sapsteiros; jul-
gs-se si.darem junios, porque o Francisco
hepai do Laurentina. Rogs-se as authpri-
dadea policiaeae ca pitaes de campo, que os
apprehendam e levem-os ao dito engeoho, a
Uiguel Accioly IFanderley l.ins, na fregue-
zia do SerinhfiVm.ou a Joaqun Flix -Ma-
chado, morador na ra da Praia de S.-Bita-
Nova, n. 1.
Anda fgido, desde o dia 80 do proii-
mo passadn, o escravo Silverio, crioulo. de
22 annos, estatura ordinaria, reforgado do
corpo, bracos compridos e nadecas sflen-
les ; he muito regrisla e ofllcial de sapatei-
ro, cilicio que aprenden com o mestre An-
tonio de Pais: quem o pegsr leve-o
ra da Aurora, n. 12
--Na noiledeSOde setembro, fn|ffo, da
villa dn Principe, provincia do Rio-Grande
do norte, o mulato escravo do Reverendo
vigario Manoel Jos Fernsndes; he' bsixo,
cheio do corpo, cabellos prelos e corridos,
csra redonda e fraozlda, pois j lem 40 an-
noa, ar iriainnho ; he de ponen fallar en-
tende de sapateiro e sabe ajudar a mista.
Quem o regar leve-o a (Hieda ao Reverendo
oonego Pedro Jos de Queiroz e S. ou pes-
ia cidade ns rus do Queimr do, n 27.
Futri, da fregueiia de S.^kntRn, oes-
cravo Manoel, de 35 a 40 annoa pouco mais
ou menos, cor um tanto fula, hnixo, de bom
corpo ; he muilo esperto, e falla h*m : tem
um lalbo na lesta procedido da um pniice
de cavado que Ihe ficou urna baiva: eiee-
cravo j fez nm fgida e fol preso na comar-
ca de Pajap-de-floroa ; desappareeeu a
dia 6 ile oiitiibudo crrante anno : quera
o pegar leve-o a dita fregnezia, ao enge-
nhfoMinhocas que ser recompensado.
'-- Fugio, no dia 98 do correrte, pelas 3
horas da Jarde, a prela Minervina. d nacSa
Naeo. de 30 a 25 annos pouco mais ou me-
nos, de estatura alta e magra, pernea flns,
cabegs e cara pequeas, edr preta. bstan-
le desforrada, com a cabrea raspada de pon-
co, ecom slguns tslhes no rosto; tem os
bragoa um pouco defeituozoa, n!to ro 'lando
estirar ss mSos por os conservar estirados
doscotovelos psrs raiz ; cotluma a mu-
dsr o nome psrs Fallcidede ; levou .cami-
sa de madapnlao, sais branca e outra azul
rom ramos amsrello, vestido de chits com
listras szues eem psrtes desbotadas, panno
'la Cosa com matsnies, um lenco de chita
azul com ramos encarnados anl^aVMo na
cabega. !!oga-se as s: potlciaes e
cspitSesde campo, que a apprehendam e
levem-na a rus dos Cuararapos, n. 1*, casa
terrea.
Fugio, no dia 28 do crrante, tarde,
o moleque Itherlo, crioulo, de 20 annos,
cflrpreta, roato redondo; tem um denle
quebrado na frente, olhos grsnde*, cabellos
rigados e com eaforna bem feta, ps cris-
tos nff!2s ciiScntss *^cr c.u*- ^* i..i
que leve; levou camisa de riscado nova,
calcssde casentira d quadros : quem o pe-
gar leve-o ao pateo da matriz de 3.- Antonio
lar, qtte ser gratificado.
*Ttr kb a. r. aar.au. 1860


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8HUKGA0E_M92ZFA INGEST_TIME 2013-04-24T17:43:38Z PACKAGE AA00011611_07201
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES