Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07122


This item is only available as the following downloads:


Full Text

'.,-T- I i gi,~

r, .
y
Aam XXVI.
Jriarta-feira 58
-partida do comna-ioe.
Golanna e Parahlba, segundas eaextai felras.
Rio-Grande-do Norte, quintal feiraa ao melo-
da.
Cabo, Serlnhaem, Rlo-F e Macelo, no 1., a 11, e 21 de cada mea.
Garanbun* e Bonito, a 8 e 43.
Boa-VIaU e Florea, a 13 e 28.
Victoria, s quintal feiraa.
Olinda, iodos oa d(u.
/Ming. a I,l2h.e97m. dam.
_ ......... Jlova a7,o 7h.e Ka, *a I.
Piala* di ui. lCrtu..,u>ii3n.e27m. eai,
(Chela a22, ih. eftin.da t
Ming. a 30 as 11 h. c M in. da iu.
flIlBH DI BOJ.
Primelra ai 9 hora* e 18 minuto* da manhaa.
Segunda aa 9 horaa e 42 --.iautoi 4a Urde.
d Agosto de 1850.
N. i9.
i>.x:ooe DA OXORIppAO.
Por tres ineze* (adan lados) 4/000
Porseiiineze* 8/000
Por uui anno L_rf l^fjOO
DA* VA lUtiWi,
2G Seg. S. Zeferino.Aud. doJ.doi orf.e m. da 1. v.
27 Tere. S. Jos deCalaians. Aud. do chae, do J.
da 1. v.do clv. e do doi fellos da fazenda.
28 Qunrt S. Agoatinho. And. do J. da 2. v.docivel.
2 Quiat S. Adolfo. Aud. do J. doa orf. e do m.
dal.v.
30 Sen. S. Roza de Urna. Aud. do J. da 1. v. do
clv. e do doefeiloa da fazenda.
31 Sab. S. Rayinuodo Nonato. Aud. da Chae, e do
J. da 2. v. do erime.
Doto. Nona Senhora da Penba.
CAMBIO! *m 27 DI ACOST.
S.ibre Londres. 27 '/, e 27'/d. por 1/000 n. a 80 diai,
Parla, 346.
Lisboa, 100 por cento.
Omo.Onca heipanhoea.........M/000 a fcj/M
Moedaa de 6/400 velhai.. 18/TiOO a 16/700
. de 6/400 nova. 16/100 a 16|20(.
. de4/)0u........... 9/100 a 9/O
Prtla.Pataces brasileiroa,..... I/J60 a 1/Wl-
Pesos columnai-ios....... 1/S60 a 1/PAc
Ditos mexicanos.......... 1/800 a IJBft.
PARTE OFFICIAL.
.^
GVERNODA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 22 DE AGOSTO.
OUlco. Ao Exm. commindinte da ar-
ma*, inteirando-o de hivrr arbitrado ao r-
tifice de logo Jos Das do* Santo, que, lan-
do cabido o seu tempo de servico, e offo-
reCeu para contlniur o nieamo. a gratn -
eico de (50,006 rs. para Ihe ser paga 50f
r. i fala e o resto em preslacoe raensaes
delO.CM r.Communicou-ie ao inpector
da pagadoria militar.
Dito. Ao impeetor da theaouraria de
fazenda, para mandar adiantir ao engenhei-
ro director da* obra* publicas, que assim o
requisila, a qiTantia de 2:000,000 rs. para
dar principio ao concert* e reparos, de
que precisa o palacio d* presidencia.--Inlel-
ligenciou-se ao mesmo director.
Dito. Ao inesmo, transmillindo o aviso
de urna letra da qumiia de 300,000 rs. saca-
da pela theaouraria do Rio-Grande do nor-
te sobre a desla, e a favor de Antonio
Bento da Coala. l'arlicipou-se ao presi-
dente daquella provincia.
Dito Ao director do lyceu desla cidade,
para que ollicie ao professor substituto das
cadeira* de primeira* letras delta cidade,
para requerer o seu titulo, adra de enlrar
noexercio da cadeiri da mesma disciplina
de Fura de Portas, visto que por Torca do
art. 9 cip. .1.' da lei provincial n. 43 de 10
de junho de I8S7. compele-lbe a menciona-
da cadeira.
Dito. Ao juiz relator da junta de juslica,
transmittindo para ser a presentado em ses-
*8o da mesma junta, o processo verbal feito
ao soldado do lerceiro batalliio de arlillia-
ria a fo Antonio Lopes.-- Communicou-se
ao Exm. commandante das armas.
Dito. Ao inspector da pagadoria mili-
tar, para mandar pagar a G. Slirrt & C,
vibta da conta que remette, a quantia de
83,000 rs, sendo 81,0' o rs. de duss barras de
ferro redondo de 9 112 polegada* de grossu-
ra com o peto de 27 arrobas, pelo prego de
3,000 rs. cija urna, as ques vendeu para o
servi(0 da lili da Peinando, o 2,000rs. das
despezas do embarque das mesinag barras.
Dito. Ao director do arsenal de guerra,
^i'.---r-"'- a~p..i. quantia de
ciaos para o farda ment da rum^i.n;. r...
de cavallaria desla provincia, constantes do
pedido que devolve. Scentilcou-se ao
inspector da pagadoria militar.
Dito. Ao director do codalo dos or-
phflo, declaraudo, que pode admitlir na
quelle coliegio o orphlo de que trata em o
seu olllcio de 19 do crrante, filh.o da viuva
Anna Joaquina. Inteirou-se a administra-
dlo do patrimonio dos orphlos.
Dito.A'candara municipal desta cidade;
Communicam-me Voica. emseu olrrcio de
19 do crranle, que l.ourenco de Jess lia-
rla, Amaro Pereira da Cruz e Jacob Miran-
da da Paixfo, arremataran! tres (anco* d_
120 bracas, do muro que deve fechar o ce-
miterio publico por 2:430,000 rs. cada mu,
comoabalimenlo de 3,00o rs. no valor or-
eado por nao ter biviJo quem por menos
o fizesse, requisitando ao mesm tem.o a
approvacBo desta presidencia, para se la-
vraro competente termo do contrato; em
respoala lenho a declirar-lhei para seu co-
nbecimento e direcctlo que tenho approva-
do essa arremalacio, cumprindo que ae es-
tipale 0 lempo em que se deve eomecare
concluir a obra, mediante flanea idnea, e
exigindo todas as mais garantas necessaria*
para execuco do contrato. Assim flc<
respondido o citado cilicio de Vine*.
DEM DO DA N. 23.
Ollicio Ao Kxm. commandaolo da ar-
mas, para mandar assenlar praca como vo-
luntario em um dos corpos da guarnilo
delta provincia, ao paisano Aritldes Doarle
Carneiro da Cunta e Gama, que se ulfere.
ceu para servir no exercilo, cerlo de que te
nho arbitrado ao referido paisano a gratifi-
caeSo de 160,000 f. para Ihe ser paga 75/
rs. A vista e o resto em prestajoes mensaes
de 10,000 rs. Scientficou-se ao Inspector
da pagadoria militar.
Dito. Ao mesmo, devolvendo aflm de
que tenham exefjco as sentencia profer,
das pela junta de j ustica em os p renos dos
ofllciaos e praflae de primeira linhs, men-
cionados os relacio jne remeHe.
He lacio a JIM M re/ere cima.
Terceirohatalhaode Brlilliaria a p. Ca-
pilo Clpmentino Antonio Delgado len-
te Antonio Caetano da Silva Kelly.
Q.iarta classe do exercito. Alfere Jor-
ge Rodrigues Sidreirs.
Quinto hatslhflode fuzileros Soldados
Jos Luiz deCarralho, Minoel Ferreira Ca-
valcanti, SebasliSo de .Si, Julio Caetano.
I'rimeiro batalho de oteadores. Sol-
dados, Jos Ignacio da Silva, Jos Crioulo,
Bento da Silva Goveia, Luiz Francisco da
GonceicSo, Josu de Jess Jardim, Francis-
co Antonio de Paula, Pedro Fernandos de
Souza, Antonio Lopjs de Moraes, Ignacio
Jos Ildefonso, Francisco da Costa Comes.
Terceiro balalhfiu de artilharia a p.-'-
Valentim Jos de Santa Aon*.
Dito. Ao commandante supe/ior da
guarda nacional do municipio do iiecife.
para mandar dispensar do servido activo
da mesma, a Amador de Araujol'essoa de
Mello, Jofio de Sania Monica Lima e Fran-
cisco de Salles (lavaleant: de Albuquerque,'
o primeiro sargento, da segunda oompanliia
do sexto batalhSo da guarJa nacional sol
seu commando, superioi; o segundo, solda-
do da primeira corupanhia do inesmo hata-
lhao ; e o tprceiro, soldado do esquadrSo,
de cavallaria, vistu asiim o requintar o de-
legado supplenle do primeiro dislriclo des-
te termo, por terem sido nomeado* inspec-
tores de qu*rteir3o ns freguezis do I'oqo da
Panella. Communieou-se ao meimo de-
legado.
no frocommum que deve ventilar-se esta
quesillo.
Recito em sessao da junta de justics,
22 de agosto de 1850. Souza lltmos. Oli-
itira. Chabu. Frtitai. Ramos. o/.
- fiaifa*.
Iranaiico CarUn.Bueno Deickamps,
C*nUo ajudante de orden*.
INTERIOR.
Commando das armas.
Quarttl general na cidade do Red fe, em 24 de
ugoslo de 1850.
ORDEN DO DA N. 78.
O Sr. marechal de campo graduado Anto
nio Correia Sera, commandante das ar-
mas desla provincia, para conheci menta da
guaruir;ao e devida observancia, manda
transcrever aa i>ranu aadaan 4" '!>-- 4
senlencaa, que a 39 do correrita tiveram emj
ultima instancia na junta de juslica, osSrsj
eapilSo Clemeotino Antonio Delgado e se-
gundo lente Antonio Caetano da Silva
Kelly, do lerceiro balalhlo de artilharia a
p, e altores da quarls classa do exercito
Jorge Rodrigues Sidreirs, aquelles peta cul-
pa mencionada oa ordem du da do quartel
general de 10 de abril ultimo, su o numo-
ro 21, e absolvidos no conselho de guerra,
e cate julgado no dito conselho incurso no
artigo 28 do* de guerra.
a aleara do capiio Clemenlino Antonia
Delgadoe egundo lente Antonio Caelant
d Silva Kellg.
Reforman) a sentencA do conselho de
guerra, vista a prova existente no* aulos,
lenla a ciicu instancia de nSo ter resultado
a tentativa comeada, julgam incursos o
reo do artigo 15 do* da guerra, e os con-
demna em 20 mezes de prisSo.
Recito em scssSo da juula de jusliej,
em 22 de agosto de 1850. -- Smm Ramas.
Olivara. Chabij. ireitas- llamos.
Leal. Bastos.
Sfaienfe do alferes Jorge Rodrigues
Sidreira.
Conflrmam a senteuCA do conselho de
guerra ns parte em que absolveu o reo re
lalivamente ao extravio das vinle armas,
r.'formara, porm, quanto I quantia de res
p35fi,380, recebid* lia lliesouraria, porque,
alm de se nflo provar que o reo deise recd-
biuienlo lirasse lucro por occasiSo de sen
emprego, porque nflo er< para assim auto-
risado, e somonte respousavel o capilBo Au-
looio Ueuedicto de Aiaujo Pernambuco, Ir
FOLHET1M.
RMANTISMO.
Fazendo umaintroversanem mlnhaimni^i*.
c que falla Horacio, lato hr lamlaior umsmrte ttti
se puero. Siiu nao sou d'aquellei que, porque
ja vaia a tnala de inoia viageiu da vida, vlvein
de i ecordaedes, reprovaui alto e malo ludo que
he luadcnw, e com igual mana gabain, e eK
laui oa lempos paaaadoi, oa risonhoa dlai da
ana Jureutude. A anliguidade tambem teve
inoitoi erroi, muitos prelulzoi e umita coma
runn. En o cathalogo doi erro, entendo ie
aere etnpadroar ra famosa eacolha claa.ica
lao meiqulnba e intolerante que acanhava ai
uatbore concepcOea da poeiia n'am circulo
de regrmhai que era miiier religioaamente ob-
aervar aob pena d'iucorrcr na reprovacao de
lodoi o aulicoi do Parnaso.
Preflro, pols, o romantliino ; porque nio poe
pela* ao cairo, e fea com que ai produces*!
dejle genero lejam o que devein aer ; verda-
djllaj iinplracdcs. Esl )iut in nobis. Mas
d aqu ic nao legue, que cu approve eairava-
ganciaa e inoaiiruoildadci que vam denoon-
trnao^eroalinel, icm o .,ual nao pode haver
fx? ""-f-~"c"' a"' l'. E na verdade que
oh a corde romamico nioguein ha que ai-lie
boni, que strpntes avibus gemineniur, tiaribHs
agni tanto assim que ograude meitre uin-
tilaoo, uauadoaawark**., reeomead I.
tH euibora diga ullra moanm; maa que nuaa
sija (Irii /idem : em sumas tudo qnanto eai
materias d'arle Cor tedioso, montono, glacial,
empollado, illogico. Clao, ludo quanlo nao of-
ferecer aenienca, oa iinagcus, uu iiiorimt-nio
de altelos nao he nem romntico, nem claaal-
co ; be peilantiimo, he produccao ridicula e io-
su)iportavel.
Entretanto, peaos* ha que ou por falta do
devido eitudo deuai cousai, ou pelo prurito
de aingulariiar-ie mettau-ae a eacrever cousas
Iriviara a que dam o uome de rumaoticaa por-
que afia euniuiciadas n'um enylo eitravagaolc,
*h*n A* fi-urzc 'f"'"*"""iaiji". C '' NHf ^^
pelor que luduj furmaudo um embrechado de
lingoagemqulnbeutisla com vocabuloi e phra-
ee-do mala nojento galliciimo, que ora provo-
ca o riso e ora nauseas. Rito sujello se atlra
a compositor de novcllas ou romances, adopta
para logo um modo de dlzer, que poucodiila
d'um rematad .orales. Elle principiara a aua
obra dizendo asiim, poucu oii ou menos.
E ella v i nli pr sobre o monte, que visa o occi-
so do lol: erlla.ab/ era um aojo. Oh ll Ma-
lher. ISo volver dos leus anuos, no dormir
doi teui lomnoi, ai I .' ticos I Um nisriru !....
Urna lagrima !... A nalureza (incrc! de Dos)
oh Nunca.... Anda na loma.... E a Ierra de
tremer j K o astros de ecclipaar-se I (.loando
inesmo.... Dina virgein, na uianha da vida i
E ella era urna llr.... E eata llr I oh | era
iimaroia e esta rosa era.... Seraui de belle-
za e de candura Ras cordal da lyra.' Quem,
juem poder !..., etc., etc.
Mai quem he ella ? lito a le chega a sabir
ai vezci depoii de doiu e tre* piragraphos,
gastos em todas cisai uaravalbas prrlimiaarek.
yue_ narracao he asa que cotueca por unta
--oiijuucco copulativa e por um adjetivo arti-
cular que deve rel'erir-ie seiupie a um noie
aiuecedeuie. J ella ? A islo reipoude-at-,
que he o boni goito do estro romntico. Com
a devlda veula, tita nao be esiylo de neubuul'
COIinESPOMDK.NCIA DO DIARIO DE
PERNAMMJCO.
Rio-Grande do norte, 23 de agosto e 18JO.
Esta provincia acha-se tranquilla. Aa.i-
mini*trac3o marcha regularuienle, e nSo
obstante um ou outro acontecime.nto des-
igrailavel, que nesses ltimos lempos tem
tido lugar, todava pode-se dizer, que o im-
perio da lei foi restabelecido e tem sido sus-
tentado na provincia desde o da, em qu
tevo cu mpriment o decreto de remocSo do
celebre Vieira.
Algumis scenas desagradareis se deram
na Maioridade, promovidas pelo juiz dedi-
reito da comarca e pelo juiz municipal do
termo da cidade, mas com as enrgicas e a-
certadis providencias tomsds pelo Sr.
Wanderley tudo desappareceu, sem que
fosse nislcr erop"regar meios violentos.
Em fim do mez de junho ultimo foi as-
sassinadoo distinelo subdelegado da Calca-
ra Maeoel Comes Falheiros, sendo indicia-
dos como autores desse horroroso atinta-
lo Francisco de Assis Dezerra Jicome, JoSo
Caxo Severino de til: desla sorte quize-
rm os Monistas descirtar-se dessa podero-
9a columna do partido Solista, homem ver-
ladeiramente prestigioso naquelle distric-
lo, eque por cerlo nao contara oulros ini-
migos no lugar, se nn os seus sdversarios
polticos, que para isso n(o tinham outro
motivo mii* do que encontrarem nelle umi
barreira invenctvel nos pleitos eleitoraes.
A villa de Coianninha, que tinha sido um
dos pontos, onde o Vieira miis desenvol-
veu as suas gentilezas, acha-se boje na mais
perfeita tranquillidade. Ja se desmoronou
essa fabrica de precessos, quealii levantou
a policia de enlSo para perseguir os mais
notareis cidadfios do lugar. Goianinha fi-
lialmente, assim como todas provincia, j
comeca a saborear a delicias da paz. Os
cargos de polica fram all confiados a pes-
I -nnn h\l''f)* >* '
SU
den
as autoridades nada fazem i or medo; e nu-
tridos na esperance de brevemente verem
urna inversflo na polica, j de atiternuo de-
talham os planos de persegoig.lo, que tem
deexecutar, quando retssumirem ao poder
quod Deus avertat.
A 2t de junho, falleceu o coronel JoSo de
Oliveira Alendes, um'dos vice-presidentes
da provincia, e um digno biasileiro de sau-
dosa recordacSo para lodos aquelles, que
tiveram a lortuua de o coniinumcar. lima
febro epidmica lem granado ulljinanienlo
nestA capital e por alguus pontos da pro-
vincia, acompanhada d um forte defluxo ;
e com quanto nSo deixisse de causar lilgum
temor na popular;.'io, todava ( Cracas ao Al-
tissimo ) vai passaadopin fazer muito es-
trago, e apenas urna ou outra pessoa lem
suecumbdo, ante* por mo tratamento ou
por molestias inveteradas, do que pelo ri-
gor da epidemia, que por cerlo he bem dif-
fereute da que grassou nessa provincia. En-
tre as victima* desse fligello contam-se,
como pessoas mais nolavcis, o padre Ma-
nuel Piulo de Castro, ultimo membro da la-
milla de Thomaz Xavier nesla provincia, e
Jos da Costa Pereira inspector aposentado
da llieiouraria provinOMl, o qual falleceu
vinle das depeis de sua consorte i estas
mes,as mortes querem alguus atlrihuir a
causas dilTerentes.
No da 2 de jullio p. p. chegou-nos i
agradavel noticia'de lor sido o Sr. D. Ma-
nuel escolhido senador por esta provincia
NSo sei descrever o geral cotilentamenlo ,
o l-J Iwm ltSa
que por tolos os modos se manifestara nest
ta capital. Depoisde muilas demonstrarles
de jubilo, pelas 7 horas da noile as pessoa*
mais gradas do lugar, alm de outra* mul-
ta* de todas as classes, foram al o palacio
da presidencia, e percorreram as rnas prin-
cipaes, cantando um hymno ao noiso novo
senador, quasi todas as casas eslavam illu -
minadla inclusive o palac'.o do governo,
sendo de notar,quo nesseajunlameotenSose
va um s dos noriUUs.que esta vam de por-
tas fechadas evidentusre'uai do"desagra-
do, cot que receberam noticia para elles
t3o triste, e pin n* trio gitisfactorii Na
mesma noile teve lugar um baile ni cisa di
asscmlil.i, *o qual concorreram multas
pessoas do partido sulisti, e a que igual-
mente assisiio o Exm. presidente da pro-
vincia.
O novo chefe de policia o Sr. Dr. Biptisla,
nadi tem feito it o presente. De suis ma-
neiris, de suis pilavras, e das noticias que
delle tenho, espero que se portar bem no
importante cargo qnelhefoi confiado.
DIARIO DE PBRN4VBDG0
JIJ ,tw^|ial ? tmi,mmi**rmr, o l-J lu .,JU,
a moderarlo, que os Nortistas. n3o po-f
ndo negi-la, conteblam-se em uizer que
escola : isto em uiiuha baiuilde opiuiio he o
supra-sumiuum da eitravagancia. Komaulis-
uio no he o ineiuio que Itucura, nem eitaau-
torliado a sallar por cima de lodo! os prlncl-
pioi da ligaefio das idelas, da clareza da elocu-
co e dai regraa indiipensaveia da ilntaxe.
Dos assumptos de iiileraiura o romantismo
lem panado at para os objeeloi phyicoi e
moraes. O romantismo c o vapor leiu-ae que-
rido applicar a lodaa ai prodaecea da ineclia-
nica e da nalureza. Vejo uui homem eitouva-
do, voluntarioso, arrogante, imprudente, ceg
em suas iiaun*-?, ce::: f'"*^ naneada n r.,
com suas tendencias para o suicidio : n'oulrai
eral chamava-ie a un sujeilo desle louco ou
mal criado : boje d-se-llie o noine de romn-
tico. Outro pasieia quinta uiooa avista, na-
mora a todas, traz aa alglbciraiabarroiadaai'dc
veraos e eicripiiuuos de amores, vive aiqiKL
jaudo e luipiando como um aithmatico |>ur'
causa das bellas, que sao loda* quautai mu-
Ihcre encontra. Anligaiucntc a um vadlo dea-
lei dava-ie-llie o titulo de perarvilho : mas
agora be outra eouaa; he um humean romn-
tico. Porque he que eita joven ae euvergonha
de.lomar a bencao a seus pas e beijar-lhrt a
uio, como pralicavam os noasos inaiores se|n
a uilnima quebra da >ua diguidade .' Porque
coire-ie de peijo de dar gracas a Dos depoia
da comida, pranca pledosa uaada al por grao
dci lioiuem dopagauisuiu.' Porque te luccede
ouvlr mina pur acompauliar alguuia familia,
poe um joclliu em trra a iiiaueira de solda-
do na foi ii i.i Porque lie que ei fon tro joven
entra na igreja quando m-lla ha nadamos ; e
coiiu-ra % fazei-lhe gaaionhos, afemeucaiulo
escandalosamente a que Miis iiieagrada e Ha-
do as collas inleiraueute voliadas (sarao aliar?
ludo Uto fai eaaejoven ; porque he desabusa-
Jo, tem a caber, colmada Ue prejuizoi, co-
ubece os leus direiloa e be da escola roinamtica
Um muther niuiu magra, com olhoi de ca-
SBOI, n DI AGOSTO Dat lS.
O piquete inglez Seagul, entrado hoje nes-
te porto, trouxe-nos jornaes fluminenses at
4, e habanos it 20 do correte.
S. M. o Imperador e sui augusta familia
estavam no gozo de perfeita ssde.
O senado approvin, sem debate, em
primeira e segunda discusslo as resolu-
c>s sobre pensOes I). Anna Correia Pinto
de Lamire e D. Anna do,Reg Barros; mas
ltimamente como que apenas se oceupiva
com a terceira discussSo do projecto sobre
Ierras devolutas.
A cimara dos depuladns apreciiva em
segunda discussSo o projecto que reguli *
promncOes do exercito, e adoptara em pri-
meira o que concede crdito* ao* ministros
la marinha e guerra.
A I do corrente assontara-se no arsenal
le marinha da corle.onde ia muitoadianta-
da a construcclo de um >aso de guerra pelo
plano da barca Berenice, a qoilhi, adaste,
roda de pri e caverna-mestre de um bri-
gue das seguintes dimensOes : 102 ps de
roda a roda, e 30 1|4 de horca. Elle de-
mandar 14 ps d'agoa ,- seri de po*ted
AOA looadAdaa iarJaa* s lar* a fre* de 12
cnnhoVs obuze* a Paixhans, cilib-e 30 ; e
em sua*- dimensOes he igual ao brigue-as-
cuna inglez tintine.
Ai-usando garetis do Montevideo it 19
do passa lo, o lornal do Commereio diz :
< almirante Le Prdour eslava anda
em Buenos-Ayres, e nio se sabia quando
partira para o Buceo. O general Rosas ,
continua va doente dos olhos ecumsymp-
tomig de gota O general Oribe eslava"tam-
'"'ni doente, e fra chamado com urgencia
o Dr. Jos Pedro de Oliveira para trata-lo.
a lima carta do du 18 di?:
Que llosas e Oribe estilo doentes nlo bi
menor duvida ; mas creio lingem o cago
mais grave do que realm-nte lie pata croa-
ren! inaiores rmliarar;os 10. almirante frail-
ee/, cuja paciencia tem sido posta i mais
dura prova.
Babia firra tranquilla.
J se sabia do resultado da eleicio para
doa* senadores em 31 eollegio*. O* candi-
dato* mais votados anda eram os Sr*. Con-
Calves Marlins e Tosa : o primeiro contava
1,801 volos, e o segundo 1,800.
A 16 do corrente tinham entrado o porto
ila Baha dous botes com o capito e tripu-
ladlo do brigue Tauvairle, que, tendo sahi
do de Londres para o Mar Vermelho com
um carregamento de carvo, naufragara a
1)0 milhas ao norte daquella provincia.
A 29 do pauado tomara conta da adminls-
racao da provincia o primeiro vicepresiden-
te Dr. Angelo Custodio Corra.
Tinham lido pronunciados a livrainento os
tenhore Mendonea it Baena, proprietarios d
lypograpbia da Yos-Paraense. por terem iui-
preiso era avulio, sem declaracao da mesma
apograpliia, uina carta attribuida a Jesiii-
liristo por quem quer que se leutbrou de a
eierever.
Maranhao nada sutl'ri i quinto tranqaftll-
dade publica ; mas, no tocante aeguranca In-
dividual, nao ia bem em varias paragena, e no-
tavelmente em Caxiaa, onde o espancainen-
loi se reproduziain de ruaneira eapantqla.
De ili ,i .'II dejulho, o theiouro publico prc-
vincial inaranhense arrecadara 11:691,492 ra.
Cear gozava de aocego. Entretanto o ac-
tual vicepresidente la lendo desabridamente
guerreado pelo Pedro II e pelo Cearense; a-
chando-ie deit'arte em lutaconi aopnoiicao,
e com o que ie proclaman) ininiKeriaUatas,
ezolusive aquellea que forinam o circulo que
serve de echo o Saquarema, o qual, alm de
nao cen*ura-lo, como que o anima a prose-
guir na carreira encelada. S. Ec. ha destitui-
do de cargos policiaes e administrativos a in-
dividuos que o citado Pedro II iiualiiic.i de pro-
4)0* e prestantes ineinbros do partido cujas
ideiai hoje dominam
Craves e tilvez tristissi.na* occurrencis
.sortrfio, acaso, desse ricciommeuto do
partido goveroista naquella provincia, que
j vai testemunhando scenis 13o escandalo-
sas como a que houve lugar na assembla
provincial em a sessSo de 16 ansate, no
correr di qual o Sr. padre Pinto deMen-
doilfa deslumhran lo-s da mansidilo e pru-
1 enca i que o obriga o seu alto ministerio,
lesaflou oSr. Barroso, por ter-llieeite dito
que, mesmo na qualidade de visitador do
hispado, havia ello em mais do um* occa-
io abusado da frca publica para voncer
el-ieiles.
A 17 do pretorilo julho, 8 mascarados in-
vadiram a casa de um tal Pacifico da Cosa,
que reside em territorio da Cranja, a 8 ou 9
legoas da villa ; e, depois de o terem ator-
mentado com repelidas facadis, consegui-
raoi arrancar do pobro homem 16,000 ris,
alguma roupa e poucos Instes que elle
tinha.
Da Parahiba mdi sabemos.
O vapor Imperador, chegado hoje dos portni
do norte, trouie-noi jornaes do Para at 10,
do Maranhao al 17. do Cear at 21 e da Para-
hiba al 17 do crrante.
I'ar licjra tranquillo e com a reapectiva ca-
pital isenta do ilagello da febre.
bra mora, dor de um lado, febre peridica, es-
carnidlo de aangue, e com a cor amarella, as-
iim por modo de viola velha, anda no tempo
do I.uti Noguelra chamava-ae thlsica, objecto
de compaixo e que s cuidava em preparar-se
para a Inevltavel elernidade, ultimo paradeiro
de todos o tilhos de Bva : mas preienteiiieiite
nao he aisiin. Esse esqueletn ambulante di/em,
ter o lequisitoi do leulimenlaliimo : aiuda se
atavia, aluda he por ventura requestada, sem
i'er do coveiro, enlrelem-ie em lr novellai,
c goza o predicamento de romntica. J oavi
ixer, que iie |>u;>ci irr por essa muther un
cerlo amor platnico. Amor platnico? fio
rupiro. Que se tenha por tal creatura com -
paiiiio, ternura, ainliade, isso entendo cu e ap-
provo: mas amor paixo, essa arrastradora
tendencia d'um para o outro aexo ; ealava re-
servado para este aeculo dai luzei e do roinan-
hlisiiio aduiiltir-se o uamorar ulna difunta, e
Vcha-ae islo praticavel e boni
ijiiaodo eu era rapaz ouvi inultai vez -s di-
zer que qulnze annosde vigorosa laude, faces
roladas, denles de marlim, cintura breve, for-
mas arredondadas c carnudinhaa sem ohesida-
ile deram calal'rius d'amor a mullos apaixona-
doa dessai eras: omi tmpora muinntur, el n*r
malamar i ittis. iioje uinajovem deltas he
baptisada em muller prosaica; hoje o que le
api ecia he a moca descarnada, pescoco de me,
cintura de inacaqulnho ; mas mettida eru urnas
anca*, como mu rolinho em lanlerna de papel:
e urna aerigaita dcitai recebe a* gaboi de ro-
inaiiliea.
No lempo da miiilia laudos Juvcn lude iiuaa-
<<> e vi mu mull*, taciluiua WCditande,
com os olhos amortecidoi e de ves eui quando
soltando estilados suspiros todos Uina voz
conviiihaiii que estava tocada de melaucolia:
se era soltelradlziam as ms llugoai, (que tem-
pla ai houve) que o motivo era a demora do
casamento ou arrufo* ooui o leu auiaale: ae
Pessoa respeilavel e fidedigna, que reside
no Kio-Graode do norte, comprometteu-se
a entreter comnosco umi correspondencia
que pon lia os loitores ao corrente do que
fdr succendo de mais notavel naquella pro-
vincia. Sua primeira caria lie a que inseri-
mos neste n. do Diario.
mmm i '.ere, i
Commiinicado.
.Vofui viviimas do assaseino os Caetano de
Moraes.
J nSo existe o Sr. tenente-coronel Ale-
jandre de Albuquerque Cavilcinti! Ni flor
de seos anuos acalmo sua existencia, des-
grifadamente, no dia 10 do*corrente agos-
to, do um tiro sobre o peito esquerdo, em
casa de seu resu-Jlavel lio, o Sr. comman-
dante superior Lourenco Bezerra Civitcan-
li de Albuquerque.nl fizenda do Salobre,
termo de Garannuns, freguezia de Pane-
roa I Tinha vindo o Sr. Alexandre do llui-
que a visitar seu tio, que se ac'iava de cama
doente ; ei* que apparece un* grupo de ace-
lralos a civallo, encoindos, procurando
por escravos furtados, e dssfarcadamente
fram voltando o* cavallos e dando um
descarga contra as pessoas que estavam na
porta recebando aa suas infurmiQes sobre
escravos : n.fo s morreu o Sr. tenenle-co-
ronel Alexsndre, comoficou um compinhei-
ro niorle, e gravemente l'erdo O pagem
doSr. commandante superior, que julga-se
ter j morrido.
O anno passsdo se tinha desposiJo o Sr.
tenenle-corooel Atoxindre : ignoramos se
j tena algum fruelo de seu consorcio. No
nielo dos movmeiitos polticos, sumpra
promplo, prestou a bem de seu paizservi-
cos, que estavam ao nivel do seus deveres.
H* pouco tinha marchado do Buique para o
Brejo-da-Vtadre-de-Daos com o seu bata-
casada, brigas o o ci u mes do na i ido ; ae viuva,
saudades do leu di Imito, accoiirpaiihadas do
anhello d'algum vivo, que o lubtlituissc. Mas
hoje a urna mulher nesie estado denomlna-ae
potica c romntica. Uina flha-familia acorda
s II horas, ergue-ie da leito ao meio-dia :
enfeita-se. emboiiecra-se, e nSo ie oceupa em
cousa alguraa. Nao coze, nao reinenda, nio
a, nao lava, nao engomma; s cuida no thea-
Iro, nos baile e em lr novellas, verana, rn-
inaneea. Tal joven no lempo do rei velho, se-
ria lid i e I.vida or nrearilieaa e iradia. Maa
boje I Hoje nao falta quem victoreie por *e-
nliora do bom lom, potica, talenloaa e ro-
mntica.
Al j vi c observe! um velho, que me diue-
raraaer romntico; porque eiae velho esque-
cido da mxima de Ovidio furae ulitis amor,
e nao atlcnlaudo para ai caos desengaadoras,
tambem se alirava a reijueslar meninas, met-
lia-ie a namorado, c era mu dos mais imperti-
nentes dancarinos das valias e quadrilbas l
I iu tartaruga deitei n'outroi lempos seria ob-
jecto de apodas e d'apupada: hoje ha quem
diga que assim procede, porque he romntico:
O que ha ahi presentemente, que sendo ex-
quisito, ridiculo, descoinmunal, extravagante
c tolo, logo ae Ihe nao d o helio nuine de ro-
mntico ? Quem eicrere urnaalgaravia que ae
nao enlcnde, be romntico ; quem faz verlos
energumenoi cheioi i de palavroea, de reti-
cencias, d'exclamafocs, d'apoitropbea he ro-
mntico: quem exagera ai modas, e em ludo
quef faier-ie notavel por ilngnlar, he romn-
tico. At (quem tal Imaginara .')j ouvi dixer:
que niie a immenaa famiia doa chiva wan-
sMaa os ha romanlicoi que lo o* d'Havana .
Neite caso s os rico* poden ser romanlicoi i
e nulo anal!que Ihej liba umita raaao o
Jfuricus,



i
...
......
m
Iluto i exocutar as ordens do presidente o
F.xm. Sr. Honorio ; e quando se recolhia o
leseanco no seio de sui familia, emprehen-
dia udi viagem deaccompanhar seu oari-
nhoso pai capital de Pemambuco, ou da
dahia adrada ver se dos mdicos d'alll al-
cancava a cura de catrselas que elle sofTre :
nem lliu fol possivel eumprir este dever pa-
ra com quem Ihe du a existencia Nflo
foi I)eos que tirou a vida desse cidsdSo
prestante, desse (Uno amoroso, desst digno
esposo, e o melhor dos amigos ; foi a toSo
assassina quelh'a roubou !
Consta que aquella fura, aquella mons-
tro da homanidade-Moraesse dirige para
a provincia das Alagas a sacia/ sua voraci-
dade, contando como apoio que aqu Ibe
dflo as autoridades do interior da provincia,
onde deoutras veies tem encontrado segu-
ro asilo ; contando ja com a immoralldade
de una, ji com a fraqueza ou bonhomia de
outros, que conservam em Palmeira, Que-
brangulo. Imperatriz,autoridades, que dam
asilo a Jos de Moraos. Em 817, quando o
Sr. coronel Appolinario Florentino de Al-
buquerque MarauhSo entrou na provincia
las Alagas porseguindo os Moraes, opre-
Idenle o mandou retirar, deixando as fras
obrarem com toda a liberdade /.'! Desde
18*5 que bridamos jornaes.que brada a
imprensa publica contra os assassinos Mo-
raes, mas infructuosamente. Agora com
tolo o respailo invocamos o sagrado nome
de S.M. o Imperador, pedimos ao Exm.
Sr. ministro da jusliga que acabe de urna
vez com a immoralidade das Alagas, com
o apoio do assassino Jos de Moraes, que
outr'ora com seu irmSo Manuel de Moraes,
co m metiera m 84 mortes.
F.xm. Sr. Eutebio, confiamos na energa
eaclividadede V>Exc., confiamos na mora-
luladedo actual governo do imperio, con-
liamosem flm que remover o mal, cortan-
do-Ihea raz as Alagas.
Publicado a pedido.
PARA CONHECIMENTO DE UNS E DESEN-
GAOS DE OUTROS.
O reverendo padre prior do convento do
Carmodo Recife, tendo sido por varias ve-
. lea intimado para pagar dividas feitas pela
administrscSo transacta do mesmo conven-
to, e recejando que algunas pessoas jul-
guem queesses dbitos fram feitos depoie
do capitulo em que foi nomeado prior, que
teve lugir no dia 2 de julho do correnle an-
no, faz conhecer ao publico para sua defe-
sa, que recebeu o convento com os dbitos
contrahidos no tempo da passada adoiinis-
traclo, que durou nove annos, e sSo os se-
gointes :
A Antonio Jos de MagalhSes Rastos por
escriptura de hypothecs celebrada em 1844
pelo reverendissimo ex-provincial Fr. Juflo
de S. Isabel PavSo e definidores, com juros
vencidos desde 1847 t agoslo do correte
anno 9:221,550
A' erdem lerceira do ('.armo do
Recife por assigoacSo de 10 Jias
em que foi condemnado o con -
valo, correndo o juros de 703,760
A D. Ignez Maria da Trindade
de cera para o convento em 1848,
pelo ex-presidente do convento
Ir. Jorge de Sant'Anna 331,160
A Manoel Francisco Rodrigues
(boje a viuva ) de cera para o
mesmo ronvento em 13 de julbo
de 1849, no tempo do dito padre 219,750
A Manoel EstevSo do Nascimon-
to Quintero restos de cera e ar-
maefio de 1846, e no tempo do
dito padre 116,690
A Antonio Vile lim dos San-
tos cera para o convento em 1848
t 1849, tomada pelo mesmo
padre 137,555
A Domingos Hilario Lopes ce-
ra para o convento em 1848 a
1849, no tempo do dito padre 144,520
A'casa de Jos Josquim Lopes
Noreira resto de cera do anno de
1849 14,520
A Malta e outros de carne-sec-
ca para o engenho em 1848 a
1849 118,000
A Joaquim SperidiSo da Silva
Caimarles de varios objectos de
molhados para o convento, de
1848 a 1850 37,560
A Moreira & Fragoso de medi-
camentos para o convento, des-
de 1847 l 1850 329,620
A llenriqueLuiz de Azevedode
sete meze* que venceu como
barbelro do convento em maio
do correnle 56,000
A Caelano, resto do salario co-
mo barbeiro que foi do contento 40,000
A JoSo Antonio Coelho de bi-
xasalugadas para o fallecido pa-
UieFr. JoSo da Encarnado, em
1848 20,000
Ao Dr. Ignacio Nery da Fonse-
ca, resto deseus ordenados como
medico do convento 160,000
Ao Dr. Jos Bernardo GalvSo
Alcanforado, de dous annos que
venceu como advogado do con-
vento 240,000
A Francisco da Costa Anuda e
Mello, um anno que venceu em
juaiiaV de .oiumauor 120,009
A Mesquita& Dulra, importe
de um sino para o convento, em
18*9 158,760
12:169,445
So estas as dividas de que o convente tem
recebido as respectivss cuntas, fallando al-
gumas que se presumen) baver, que ainda
nSo se iutimaram, assimeomo pleitos ain-
da nSo realisados os seus pedidos e cuntas
de legados, que n;lo se deram no competen-
te juizo. Notando-** que o debito de Ma-
galhSes Bastos proveio de um pleito uo tem
po que era prior o padre Fr. Thomaz (hoje
egresso J, pelo qual se exiga do convento
urna somate consdersvel; e em virlude da
senten(a oblida em parte a prol do conven-
to se conlralou com o referido bastos, e em
resultado se celebrou a escriptura de hy-
polbeca no anno de 1844, assim como o d.
ordem lerceira conlrahido em lempo de ou-
tros priores transad s, e buje demandado.
Convento do Carmo do Recife, 96 de agos-
lo de 1850. Fr. Sna/im do Corardo de Ha-
ra, prior.
VaRIEDADI?.
CONTINUaCAO' DASRBFLEXOBS SOBRE
A LITTERATURA POPULAR.
(ConclHsodo n. 191.)
.Quem quizer compor livros verdadera-
mente populares, deve metter-sa por entre
o povo, mo o figurando unta bosta louca, e
desonfreiada, aferrada a aeus prejuizos,
obstinada nos peiores hbitos, sem princi-
pios, som bons costumes, supersticiosa as
pralicas, estupida as creoejs, cega sobre
os seus interesses, emperrada contra o pro-
lirio bem, toda sentidos e fantazia sem vis-
lumbre de rasflo. NSo, o pvo nSo deve ser
estudsdo as tascas, nos prostbulos e lu-
panares, nSo e-n a artificial atmosphera das
grandes cidades, nem nos bailes e nos sa-
ldes. Se o quizerdes conhecer, metlei vos
por entre s gente operosa, entre a classe
media, entre os bons cidsdffos, que traba-
Iham todo o dia para tornar farlos de ocelo,
e de regalos os privilegiados da fortuna.
Aquella pos, que se quizer fazer entender
do povo, deve expr-lhe cousas adaptadas
4 sua ntelligencia, e em um estyllo claro,
sem ser incorreto, e agradavel ssm ser (Val-
ioso ou guindado; pos do contrario ne-
nhum proveito colher. Dou grandes dio-
dallos disto encontr n'anliguidade, um hu-
mano, outro divino, quero dizer, Scrates
e Jezus Christo. Ao mesmo tempo que os
philosopho suppunham tornar-sa popula-
res, fazeudo-se extravagantes, que u>n ro-
la va o seu tonel de paiz em
2,
ro, e os de Teognide, varias coasas d'Aris-
trtteles, e os documentos de varios phlloso-
phos, bem mnstram, como em um tempe*
em que poucos livros se faziaan, muitos das-
tes punham a mira em formar os boas cs-
tumes.
Entre nos modernas em tanta sobejidSo
rescriptos, quam poucos se oceupam des-
si, que h )sem duvida a primeira de todas
assciencias! Qual he por esta partea mais
eral nstracco populsr que temos ? 88o
ndubitavelmente os romances, as novellas.
A Franca principalmente he urna grandsi-
ma fabrica, d'onda diariamente sahem pe-
cates dessas prodceles,' que para c silo
logo transportadas, e traduzidas em um
idioma, quesera Cassange,ou tudoque'qui-
zerem ; mas portugus nSo be certamente.
F. o que sSo pela mr parte esses escriptos ?
Outros tantos mioanciaes ora de incredili-
lade, ora d'estimulos s paixes mais fla-
grantes e perigosas.
Nesses romances os caracteres por via de
regra sSo desempenhados de tal arte, que
as pessas chelas dos vicios mais torpes, ou
das mais horrorosos crimes alo pintadas
com tanto horoismo, e quasi sempre om
uni triumpho tSo cabal, que mette cubici o
imita-las para obter os mesmos resultados ;
e os bomens de bem, ou sSo dascriptos de
um modo fro, e sem interesse, ou vem a
acabar tristemente. Entretanto he esta a
lieSo quasi quotidiana de innumeraveis jo-
vens d'arabos os sexos, sem que preceda es-
colba alguma, seoSo a da novidade : e o
mais he, que todo, que nflo be romance ou
novella, ja he ba otilado em massada pelo
paz, que outro
ancava ao mar as riquezas, para no ter|e*quadrn corra do dos dileclantet desse ge-
por onde bebesse, sanio a cova da mflo ; uro de litteraturi. NSo so imagine, que
equipagem 8,carga faznndas e mais g-
neros ; a N. O. Bieber & Companhin. Pas-
sageiro, o Hamburgnez H. F. C. Hlirmo.
Port-Filippe 78 das, barca inglcza Deru-
enl, de 368 toneladas, capitSoJ. Lendsay,
equipagem 14, carga ISa, sebo e couros ;
ao captso. -- Vem refrescar e segu para
Londres.
Itio-de-Janeiro pela Babia 23 das e do
ultimo porto 6, paquete ioglez Seagul,
commandanto o primoiro lente Smail.
Pari e portos intermedios 131/2 dias e do
ultimo porto 10 horas, vapor Imperador,
commandanto o primeiro lente Ignacio
Eugenio Tavarcs. Passagelros : para esta
provincia, Unz da Veiga Pessoa, o Or.
Hollino Augusto Cavalcanti de Albuquer-
?ue com 1 escravo, .Joaquim Lourenco da
. e Silva" e 1 esersvo, Miguel Jos Aires,
Leonardo Bezerra Cavalcanti, o cadete
Francisco Clemente Vasconcelos Chaves,
CaetanoAlves da Costa, Lulz Ribeiro da
Cunha, Francisco de Paula Barros, Frede-
rioo Jos Pereira, Manoel Barboza de Sou-
za,Eduardo (encalves Valente.Jos Fran-
cisco Sampao com 9 escravo, o padre
Antonio da Rocha Vianna e 1 escravo a
eolregar : para o sul, o lamente Raymun-
do Concalves Abreu, o cadete JoSo Luiz
Pereira do Lago, J. W. Thorpe, Augusto
Romano de Souza Baeoa e 30 recrutas.
Declnrafdes.
DjVTAES.
que outros com usos ridiculos, e cnica im-
pudencia ofTendam os bons costumes, e
exigiam urna nomeada de grande mrito
gloria; ao mesmo tempo que outros fa-
zam garbo de vaniloquente sciencia em
sustentar os mais destampados paradoxos,
opinies contradictorias, ou em envolver a
raslo em urna inestricavel rede de formas
relhoicas e sop'hislicas, Scrates appareca
por entre o povo com a simplicidado do pro-
ceder e do fallar, e desaliou com isto os
odios dos impostores.
NSoeram o postico, nem osjardins os lu-
gares, onde ajuntava em Ionio de si urna
escnlhida reumSo de discpulos; antes as
pracas, nos theatros, as maiores concur-
rencias^ escala vista de todos lie,que elle
se apresentava,nSodistincto,nem no vestido
diverso do commum, nem com ar vaidoso e
sobrancero ; poim sim de mixtura com o
povo, como um do povo.tomando parte nos
migares, as fadigas, as armas, na curiosi-
dade,nas fraquezas, e ate as frivolidades do
mesmo povo. AI gomas vezesa ofllcina d'um
esculptor, a baiea d'um sapaleiro eram a
su'aula, onde tifio dilava senflo que dos ob-
jectos mais familiares lirava occasao de
perguntar, e desl'arle desenvolver o que
niiis importa, isto he ; o habito de obser-
var, a faculdade de raciocinar.
Nem essas suas prelacias versavam so-
bre os cos, as estrellas, a origem das cou-
sas, a naturesa dos coros e dos espirltos,
o eu, e o nSo eu ; mas sobre o que respai-
la i vida domestica e civil, o serem bons,
honestos, laboriosos, o conlentarem-se do
proprio estado, amar aos outros e a patria,
exercilar devida mente o seu olficio. nSo de-
sertar do seu posto na campanha, nSo illu-
dir a justica no tribunal, adorar a.Dos co-
mo so deve, e encontrar a morle tranquilla-
mete. Muitaa vezes motejava ; porque os
molejos agradam muito ao povo: usava
tembem da fina aalyra ISo presada de muita
gente i confunda a sabedoria eufatuada, e
zorragava a hypocrita impostura : nSo aco-
metlia de frente os rrros do seu tempo ;
mas em lugar destes iosouava uteis verda-
des, que enraizando-so, de certo viriam a
delir as contrarias mentiras. Ao depois
punln por obras os diclames ; e as virtudes
que com pslavras ensillara, pralicava com
(actos, e veio a scellalas com o carcere e
com a propria morte.
Quajito a Jezus Cbristo todos o temos de-
baixo dos nossos olhos : e he elle o nosso
doutor, o nosso mestro, o nosso moJello
E porventura sabio elle nunca por Israel a
vozeare levantar clamores, por haver per-
dido scetro de Ju Jo, apezar de se ver servo
d'ealrangeiros ? Acaso declamou allamen-
mente contra os Cesares, contra as lyran-
nias, contra a escravidSo, que vinha abolir?
Vde-o d'envolla com os pobres, entre os
quaes passa trinl'annos; e quando despren-
de os labios para a palavra renovadora, lu-
do nelle be doce sabedoria, he bumildade
popular. Suas comparares, suas ideas nSo
sSo liradas, senSo das cousas mais triviaes.
Ora, be um pastor, um dos mil pastores,
3ue povoam as mootauhasdeCalila.O cor-
eiro lio comezinlio nesses paizes Ihe olla
rece as parbolas mais frequenteg. Ora,elle
nos falla d'um pai de familia, ji d'am fei-
tor, ja de uo amo : peso, medida, salario
repele muitas vezes. O sal subminist-a-
Ihe urna coaiparaflo, as redes outra, aqu a
lucerna, alio camello domestico usual
d'aquella gente. I Turna vez vendo um pe-
dral ro, que punha os alicerces d'um ed i lu-
cio, logo com a semellianza d'uma podra es-
labeleceu a eterna gerarchia calholica.
Quaes eram os seus perseguidores Reis,
magistrados, estrangeiros, dlsos devolos,
falsos doutoret. Quaes os seus primeiros
sequazea ? Pescadores, pobres e meninos;
e como cordeiros entre lobos, elle os man-
uava ficiu luawuw uus Ccaai oa, |>i uuiauar o
opprobrio do calvario, que sanlificava as
penas, e bem dizia as lagrimas; a gritar
aos ricos, qoe Ibes he diflicil a entrada do
co ; a ensillar aos pobres, que sfio ellas os
predilectos do primognito do bomem ; a
instituir urna sociedaJe, que ainda nos car-
ceres e nos patibolos calando, resignndo-
se, orando, faz baquear o Peripato, e q ca-
pitolio ; e ao mundo da guerra e dos es-
cravos, substilue o niuudo do povo, do tra-
balbo livre, da verdadeira liberdade. Oh .'
que Jezus Christo era Heos: mas he o nosso
protulypo; e quem quizer fallar ao povo,
para o lomar instrumento de verdadeira o
solida civilisaeflo, para o fazer livre e feliz,
em nenlium lugar, como o evegelho, pe-
der encontrar assim os preceilos das cou-
sas, como os exemplos das palavras.
Aqu cabe coofessar, que nos nossos tem
pos sflo em mu diminuto numero os livros,
que tratam de moral. Ualreosanligos pelo
contrario os opsculos de Plutarco, a cyro-
pedia e o econmico de Xenefonte, os olll
cos de Cicero,os tratados e as carias de S-
neca, o manual d'Epiteto.os dictos de Marco
trago ogerisa a taes pro (uceos. Pelo con-
trario entendo, que ama obra dessas bem
concebida, e executada par m8o de mestro,
como um Richardion na sus Pamella, na
Clarissa Harlowe, no Grandlsson, produc-
(ss, dss quaes diz o sahiu Johnson, que
engrandeceram a sciencia do coraefio hu-
mano, como o Prumeisi Spoii de Mazoni,
da qual diz o grande Villemain ser um dos
maia bellos esforcos do espirito humano;
como os romances de Vctor Hugo de La-
martine, de Carlos Nodier, de Mad. Cam-
pan, etc.;. he urna leitora muito apreciavel,
omminentemente popular, e que eu acoo-
selhara a todos os pas ou chefes de fami-
lias : mas essa fazenda, que sabe quasi que
todos os dias das olcinas cerebraas dos Eu-
genios Sues, dos Alexan lres Dumaa, dos
Jorges Sands, psra derramar o racionalismo
e o communismo, he em meu fraco enten-
der urna verdadeira peste, que para ca se
nos imparta.
Amerieux.
Ucpartit^ao da polica.
PARTE DO DIA 27 DE AGOSTO DE 1850.
Fram presos : a ordem do subdelegado
da fregueza da Ba-Visla, oPortuguez Ma-
noel da Cunha nliveira, poroffeosas physi-
css; e opreto Antonio, escravo de Antonio
Jos Comes do Correio, por uso de faca le
ponta.
CO
5m
ncio.
liendimento do dia W-. T". 9:917,717
Oetcarrejam Koj$ 98 di agotto.
Barca WUliam-Kussell mercaduras.
Brigue Yolof manteiga e farioha.
Brigue Siren bacalho.
Patacho -- SattU-Crw gneros do paz.
Hiato Noto-OUnda dem.
Hiate San-Joao fumo e charutos.
CONSULADO CERAL.
Rend ment do dia 27..... 550,626
RECEBEDORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS,
llendimento do dia 27.......
CONSULADO PROVINCIAL.
Kendlmento do dia 27. ....
555,843
888,908
RI0-DE-JANE1RO.
C.VIialOS NO DIA 3 DI 1OOST0.
Cambios sobre Londres
Llaboa .
Parla.
> llamburgo ,
Metaes. Oncas beapanhlas .
-ra patria .
Prcas de 6/4lMl,velhaa.
Muedas dr 4*'U0O. .
Pesos bespanbes. .
da patria, .
> Patacoca ....
Apolicea de 6 por cento .
provlnclaca
CAMBiaS
Londres....., .
Paria........
llamburgo.....,
Lisboa.......
HiTaaa.
Untas heapaublaa. .
mriicauas
Prcas de 6/400 .
Modaa de 4/000.....
Prala........
Afdes do banco
1/1*00
Um
*Wla
85 1,2
(Jamal do Commircio.)
BAHA.
no bu, 20 bi aoosre.
.... 27s97lf4
. 50
.... 650
.... 100 p.c
31/300
31/000
17O00
9/100
105 a 110 p. o.
10 p. c. n.
(Jfreanlil.)
-.,^^a-at
"o vi ment do Por lo.
O Dr. Mantel Jote da Silva Ntlta, /( d di-
riti interino da primeira tara de erlme,
da comarca do Heci/i de l'crnumbucu, por
S. U. 1. e C. que Den guarde, elo.
Faz saber qoe sessSo do jury a que pre-
sid neste termo de Olioda, assiitiram com
assiduidsde os Srs. juires de facto : Porllro
Antonio Estevea da Silva, Mareos Antonio
Rodrigues deSouza, Manoel Nunes de Mel-
lo, Flippe do ISascimento de Fsris, Jos
Candido de Souza Castro, Jos Theo loro de
Moraes Lins, JoSo de Alamflo Cisneiro, Vi
cente Ferrelra Marinho, Antonio Flix dos
Santos, Jos Manoel dos Santos, Vicente Fer-
rer da Silva Braga. Salvador Henrques de
Alliuqqarque, Jos Nunes de Paula, Fran-
cisco das chagas Salqueiro, Manoel Este-
ves de Abreu, Antonio Jacome Bezerra, Dr.
I.uiz Paulino Cavalcanti Vellez deGuevara,
cirurgiSo Francisco Jos do Amaral, Dr. u-
o Ayque de Avellos Armes de Brito IngUz,
Dr. Manoel Ferreira da Silva, Manoel Jos
l'eixeira Bastos Jnior, Jos Lourenco Mei-
ra de Vascoucellos, Antonio Josquim da
Almeida Guedes, Antonio Martins de Mo-
raes, Antonio dos Santos Lopes, Bernardo
Joaquim de Azevedo, Dr. Eduardo Soares do
Albergara, Manoel da Porciuncula Ferrei-
ra, Manoel Zacaras da Silva Braga, Thomaz
da Cunha Lina Cantuaria, Joflo Estevea da
Silva, Ephfanio Jos de Souza, Joaquim Ber-
nardo de Souza Rangel, Francisco Pedro
Celestino, Antonio Bernardo Ferreira, liras
Machado Pimenlel, Jos Jaointbo Tarares
do Arruda, JoSo Concalves Rodrigues Fran-
ca, Jos Policarpo deFreilas, JoSo Canelo
Prospero Mantaoha, Antonio Joaquim Ita-
bello Pessoa, Jos Ferreira Marinho : tendo
sido multados por no terem comparecido,
ue,ui apresenlado escusa alguma os Srs. jui-
*0i4elecu> Paulo Jos de 01 i ve ira, na quan-
tia de 40,000 na. Lua: Goaaae Ferreira na
.iii.i.i,. ii m.oa/1 fm .i (o moa r<
por cada dia quehltaram.
E para coMtar* mandou lavrar o prefMs-
te que ser a Hilado no lugares do costu-
me a publicado pela imprenta.
Dada e paaaada tveata eidade do Olnda,
sob o meu sigoal o sello deale Jarra, oa Mi
elle vaina ex causa aos 26 de agoslo drMM.
Eu, Joaquim Jote Ciriaoo, eserivlo O es-
crevi.
aTanoaJ Jote da Sil* Htiva.
Parante a cmara municipal deale eida-
de rao praca nos dita 9, t i o 14 de aetera-
bro vindouro, para serem arrematado* per
quem mais der, e pelo lempo que eonvier i
luesma cmara, os rendrnosos dos seguin-
tes objectos, que constiluem o aeu patrimo-
nio, isto be : oasinhas da praca da Indepen-
dencia, nbeira da freguozia da Boa-Vista
a do peixo da fregueza de San-Jos, casi-
ribas dt Soledade, dita da ra Imperial, im-
posto da aferifBo, dito de medidas de fari-
nba dos dous mercado* pblicos, dito dos
mscales e boceteira, o os laidos dos scou-
gues pblicos. Os interessados deverSo pre-
viamente habilitar seus dadores, ns forma
da lei, sem o que nflo ser&o admlttidos i
laucar. Outro sim, os que arrematarem ta-
llios, deverflo pagar em continente a impor-
tancia das arrematarles; do contrario, lica-
rao estas sem effeilo. E, para que chegue ao
conheciment do* interessados, te mandou
publicar o presente. Paco da cmara muni-
cipal do Recife, em sessSo de 26 de sgosto
de 1850- traneieeo Antonia de Olivara,
presidente. Manoel Ferreira Aceioli, secre-
tario interino.
Pela inspectora da alfandega se fsz pu
blico, que no dia 30 do correnle se hilo de
arrematar em basta publica, na porta da
meami, depois do meio-dia, por olo ter ap-
parecido licitante na praca de 24 do corra-
le, I33barris com cal, abandonados pelos
seus donos, Oliveira IrmSos & Compaohia ;
sendo a arremalacSo livre de direitos.
Alfandega de Pernambuco, 27 de agoslo
de 1850.O inspector interino, Btnlo vil
Feruandee Barro*.
De ordem S. Kxc o Sr. presidente da
provincia, o Sr. director faz saber a quem
convler, que tendo vaga loa cadelra de pri-
meira* lotras do sexo maseolirto de Fra-
le-Portas, por jubilaQSo do sen proprieta-
rio ; e o substituto as cadeiras de primei-
ras letras desta cidad, a quem competa o
frovimento, em virlude do art. 9 cap. 1 da
si provincial n. 43 de 10de junho de 1837,
havendo renunciado esse seu direito, e>t
posts coocurso a dita nadeira, com o pra-
zo de 60 dias, marrados do dia 29 do cor-
reate.
Secretaria do lyceu, 28 de agosto da 1850.
anuario Alexandrino da Silva RabtU Ca-
nec, professor de dezenho e secretario.
Tendn Inspector'do arsenal rfe ntari-
nha de-contratar em virlude do ordem de
S. Exc. o Sr. presidente da provineia, a re-
mesas de varios objectos vindos da corle,
psra serem envalos is provincias da Para-
li iba e Ro Grande do Norte, convida aos
capitfles ou mestres das embarcares mor-
cantes nacionaea ou estraogeiras qoe se
dealioem s ditas provincia*, queiram
tronsportar a frote os citsdos gneros, A se
enlendorem com elle, alim de coatraUrem
a respailo.
Inspeccflo do arsenal de marinba de Per-
nambuco, agde a gasto de 1850.
Pela segunda secedo do consulado pro-
vincial annuncia-se aos devedores do Im-
posto de 20 por cento sobre o consamo d'e-
go'srdente, queo mesmo sesch a crjbrsr,
sobre-a base de 400 rs. por caada, na for-
ma da decisSo do Exm. presidente da pro-
vincia ao recurso que havia a samelhanto'
respeito.
JUIZO DOS FEIT03 DA FAZENDA.
No dia 30 do correnle, i porta do Ulan.
Sr. Iir. juiz de dimito e do feitos da fazen-
la, s 4 horas da tarde, vSo praca, aflm
de serem arrematados, na forma da lei, os
bens abaixo declarados, penhorados por
aiecuces da fazenda nacional, a diversas
devedores, a saber : 3 candleicos de l*tf(o,
penhorados a Joflo Eduardo Chardon, ava-
dados por 69,500 rs. ; diversos movei, pe-
nhorados a Caetano de Ass's Campos, ava-
llados por 25,610 ; as ren las de um sobrado
oa ra do Livramento, penhoradas ao her-
deiros de Jos Mauricio de Oliveira Maciel.
e avahadas em 250,090 ; diUVentes objec-
tos pertencentes i oja de charutos, penho-
rados a JoSo Pareira de S Vianna, e ava-
hados em 9,500; e?6 livros em branen, t
caixascom vidros para vidraoas e mais al-
gn objectos, penhorados a Lulz Puget &
Companhia, e avahados em 50,030. Os pre-
tendentes dirijam-se ao porleiro do juizo,
para melhormunte serem informados.
O arsenal ile guerra tem de comprar
azeitedecarrapalo, dito de coco, velas de
carnauba, lio de algodo epavlos: quem
ditos gneros se propozer a fornecer, baja
-le comparecer at o dia 99 do correnle mez,
trazando sua proposta em caria fechada,
O vapor Imperador sahiri
para os portos do sul hoje, 28
do corrate, devendo recebar
a mala do correio s 4 horas
rVuoi'oi entrados no dia 27.
Ass 12 dias, brigue nacional Emilia, de
155 toneladas, capilSo Antonio Jos da
Silva (iraca, equipagem 13, carga sal; a
Lima Jnior. Veto receber ordens.
Londres 39 dias, vapor inglez Vulcun, de
III tonelaJas,capillo F. Parker, equipa-
gem 16, em lastro; ao capilSo. Conduz
9 passageiros par* a California.
llio-(,randedo sul 21 das, pataclio na-
cional Emiliana, de 120 toneladas, me.-lrr
Valentn Ribeiro dos Santos, equipagem
9, carga carne; a Amorini & IrmSo. Pas-
sageiro, o Brasileiro, Joaquim Luiz dos
Santos.
dem 28 dias, brigue nacional Santa-Ma-
U-Boa-Sor te, da 221 toneladas, capilSo
Joaquim Dias *> Azevedo, equipagem II,
carga carne; a Padre Dias dos Santos.
I'asaagoiros, o Portuguez Antonio Manoel
de Le a. os e 1 escravo a Aiuuriiii ftuenus-Ayres 22 dias, patacho dinamar-
?uoi Uolilein, de 134 toneladas, capilSo
, Meyes. equipagem 6, em lastro; *
A mohn & InnSo,
Aurelio, o livro dos proverbios e do eccle-
siaslico, as fbula* d'Esopo, os versos d'ou-
Pela inspectora da alfandega se faz pu-
hlipn nua nn da AA Ha rArr.nl. ti^ i..
arrematar em hasta publica, na porta da
meama. depois do meio-dia, por nflo tor ap-
parecido licitante na praca de 26 do corren;
te, o segrate : 40barricas com 106 quin-
Uesdegessoa 1,600, 169,800; 1 erobrulho
co.n um encerado piulado, por 2,000; 15
barricas com farinha de trigo arruinada,
valor de cada barrica 100 rs. 1,500; 99 bar
ricas com 265 quintaos de gesso a 1,600 rs ,
424,000; 34 caixas com 102 medidas de vi-
cho de Sauterne a 2,400, 224,800 ; sendo a
arremalacSo livre do direitos.
Alfandega de Pernambuco, 27 de agosto de
1850 0 inspector interino, Bento ot Ftr-
nandes Barree.
- Pela inspectora da alfandega se faz pu-
blico, que no dia 30 do crrente se hilo de
arrematarem basta publica, na porta da
mesma, depois do meiu-dia, por nSO ler ap-
parecido licitante na praca de 15 de jalho
Jo correnle anno, 50 duzias de potes peque
nos de louca ordinaria com banda, abaudo-
ados por seu donos, Luis Brugiiire ; seo-
'i'ticairo de S. Isabel,
. RECITA DA ASSIGNATURA.
//u/e, 28 de agotto de 1850.
Repreaentar-ae-h* depois da execucffo
de urna agradavel ouvertura, o encllenle
drama em cinco actos eum prologo
PEDRO CEM,
que i leve t agora nio tem.
A parte de Malvina filha de Pedro, lera
falta pala Sr*. Felismin* Maria Sabina da
Gama.
Rematar o eepeotaculoa graciosa e inte-
ressante comedia era 1 acto
OS IRMA'OS DAS ALMAS.
Comecar s 8 hora.
Os bilhetes acham-se venda no lugar do
coslume.
Avisos martimos.
ilo a arremalacSo livre de direitos.
"Alfandega de Penumbuco, 27 de agosto
llamburgo 63 das, patacho inglez Aman- de 1850. O inspector interino, Bento lote
da, de (14 toneladas, capilSo N. Places, Fernanda Barros,
Psra o Acarac e Cear segu com bre-
vdarie, por ter parte da carga prompta, o
patacho SantaCruz : para o resto e passa-
geiros trata so ao lado do Corpo-Santo, lo-
ja de massames, n. 25, ou coro p capitlo
Joaquim Pereira.
*S*gu* viagem, em poucos das, para o
Rio-Grande do sul o brigue nacional Maga-
no, novo e de superior marcha : recebe car-
ga a freto rasoavol, e tem asioiade comino
dos para passageiros : trata-se < con-
signatario, Leopoldo Jos da Coala Arjo,
na ra da Moda, n. 7.
Vende-se o brigue nacional denomina-
do Amoriin, de lote de 196 toneladas, de
boa coo*trocKo, forrado de cobre.com todos
os sea* pertences, e prometo a navegar para
qualquer parle : quem o pretender, o poda-
r mandar examinara bordo, fundeado de-
fronte do Passaio-Publico, a para ajustar
com Ainorim IrmSos, ra da Cadeia, n. 39.
A bordo do mesmo brigue ha um excr-llen-
te escravo cozinheiro, de nome Vctor, quo
tambein se vendo, e sonde pode ser visto.
Para o Cear, seguo al 31 do crrante
a escuna nacional nmiiia, uo que ne capi-
llo a pralico, Antonio Sil veira Maciel Jnior,
coma carga que al essa datatirera seu
bordo : quem na mesma pretender carregar
ou ir de pasasgem, emendase com Joflo
Carlos Augusto da Silva, na ra da Cruz,
armazem n. 13, ou com o capilSo a bordo.
Freta-se para os portos de Inglaterra,
ou Mediterrneo e brigue inglex Avon, do
primeira classae dd lote de 181 lonellsdas :
trata-se com os consignatarios Rota* Braga
&C.
Vende-se ama barraca nova, construi-
da em um estsleiro particular, em Curun
pe : os pretndante dirijam-sn ao Forte-do
Mallos, onda se acba fondeada, ou na ra
do Codorniz, taberna n. (0.
Para Babia sabe em poneos dias o ,bni
conhecido hiatoSM-Jodo -. para carga e
sageiros, trta-*e no Forte-do-Matlos, com
Antonio Jos Fernandes de Carvalhn.
Lilo.
-- JoSo Keller c, Companhia farSo leilo,
por ialarv incito do corretor Oliveira, de mn
completo sortimoalo da fazeudas da teda,


linho, 18a a de algodfio, todas proprms do
mercado: qutrta-feirt.Sido eorrente, s
10 horas da mantilla, no seu armazom d
ra da Cruz. "?
I). W. Beynou, cirurgifo dentista, den-
tista, leudo de retirar-ae brevemente para
lora da provincia, far leilSo, por interven-
CflodocorrctorOliwira.de toda a mobi-
liade sua caaa, consistiudo em mesa de
meio de sala, soph, bancas de jogo, cadei-
rasueuaes, diUad belango, ditas de Dra-
gos, aparadores marquesas, mesa de jen-
tr, quadros, jelusias, toucadorea, mesas
de diferentes tamaiilins, um sellim, un
silhBo, loucas, vidro, objecto da cozinha,
relogio deoro, doua pares de brincos de
diamantes, emuitosoutros objectos uteis:
sexte-fera, 30 doeorrente, as 10 tigras da
inaiihaa.na ra do Trapiche-Novo, n. 14,
nos terceiro e qusrlo andares.
Avisos diversos.
Tendooconselho de administragSo do
tiospil! regi mental da Soledade, a cargo do
primeiro balalhflo de cegadores de linha,
em cumprimento de oraem do F.xm. Sr. mi-
recital de campo, commandante das armas
aleara provincia, de contratar, a quem por
menos flzer, a pintura do todo o referido
lioapitai, eonaistindo ella em portas, janel-
las a barras as paredes ; por hso convida-
se a quem contier, que no dia SI do cor-
rento, pelas 10 horas da manliSa, queira
comparecer no mesmo stabeleciiaonlo pa-
ra o ajuste. O roesmo consollio tem de com-
prar para o dito hospital um reloglo grande
de (rede : quem o niesnio liver e quizer
vender, por eomanode prego, appareca t
referidas horas.
iummmmmmmtm*
"CONSULTORIO CENTRAL HOU0E0- 1
PATHJCO DE PEIINAHBUCO. U
Dirigido pelo g
Vr. SaMao Olegario Lnigra Pinto,
Ra do Trapiche, n. iS. j-
Todos o dias.utcis ae darao coniultaa
e rcmedloa de grafa aoa pobrea, deade p
pela mauhia al as duaa horas da tarde.
A* corrcipondcucl.il e lnforiiiayei 2
poderlo ser dirigidas rerBalmenlc, ou S
par eacriplo, di vendo o lenle indicar *
primelro.o aome, a idadc. estado, pro- S
fisaao, e constitu (lo ; segundo, as nio- iJ
Irszias | i dos; terceiro, a poca do apparrcimen- u
K da molestia actual, t adescripcao mi- E
] nucioaa Me aignaes ou ajuiplotoas que
I aoaVre.
Di. Satino Olegario Ludgtro Pinho.
wmavwwmtmwmwmmmmm
Aluga-se 0 quarlo andar o sotao da ca-
sa de Francisixi Alves da Cunha, na ra do
f!rum, com couiuiodns para familia, muito
lien) repartido, ultima mate edificado e
pintado, boiu como os dous armazens da
mcsmacHsa, com fondos para a mar pe-
quena, proprio para um grande armazem
do assucar: a tratar na ra do Vigario,
n. II.
Sociedcfic fpbllinca.
Acommisa,dminUtrativa da socieda-
de Apolnea, leudo enarcado o dia 14 de se-
tiriKrn iimvImo. ndnuro cara a sua parti-
da, convida aos Sr. socios a apresentarem
aa propostas para convidados, nos 4i3_
10 do referido mez, alim de seren conside-
rada pata commissflo.
O ebalxo ssignado, doxou do ser eaiie-
ro do Sr./bl de Souzs Teiseirs, desdeodr
26 de agosto do crrante auno, e ao mesmo
lempo agradece ao dito senhor e sua Ilus-
tre faaiilia, o bom iratamento que leve du-
rante o lempo qua estere na sua casa.
Antonio de Souza Teixtira.
Luiz Jos Das lirandflo subdito portu-
guez, relira-se para fura do imperio,
Joflo Haptisia la !>ilva subdito portu-
guo, retirase para fura do imperio.
lloga-se ao'Sr. Germano, emprezario
do theatrode Santa Izahel, que tuja de le-
var i scena no dia 7 desetembro, o drama
Abetino ou salteador de Vene/a, ultim
composicSo do insigne dramaturgo Jlo
Jos Leal. /'or a sen aitignanle.
Aos pas de familia, e mais pessoas
que ronrorreram para a compra de sapa-
lOpsainhos muito bemfoitos, ede gosto pa-
ra meninos de 12 annos para baixo no
becco Largo, segundo andar do sobrado, n
9, que a rasfio de o uo encontrar, foi poi
o annuncianle ter adoccido fra desta pra-
ga e agora de novo roga as mesmas pessoas
queliajam do procurar boje e amanha as
meamas horas, e d segunds-feira em dien-
te queacluuflo prompto a prestar-lbe toda
atlenc8o que Mr possivel.
Deseja-so saber se os herdeiros do finar-
do Bastos pretenden) alugar a coa terrea da
ra da Biquinlin, em Olinda : querrndo,
podem annunciar para serom procurados.
"Vende-se rap Fault Cor
deiro, chegado ullimantente do
Hio-de-Janeiri .-na ruada Cadeia,
loj n. 5rj, da Jos Dias da Silva.
Aluga-se urna rasa terrea, no paleo de
S.-Jos, li. 41, com las satas, dous quar-
tos, cosiiiha fra, quintal ecacimba : a tra-
tar na prega da Independencia, ns. 94 e 96
l'ara algum principiante.
Aluga-se una casa terrea na ra Direita
da povoagfiu dos Afogados, cuja local he o
iiil'iuui yi> *ii*.i,uci 0k*uwi^ciiueniO| por
prego minio commudo_: quem pretender,
dirija-te a casa das aferigOe*.
Precisa-M alugar urna oscrava para
. vender: queo a tiver auauucle por esta fo-
llia, ou di rija-se ra da Uangueira, n. 1
Engomma-se roupa com toda perfeigSo
para bomum esenhora : na ra do Vigario,
D. 22, priinriro anclar.
-- Urna senhora portugueza si encarrega
de tratar da roupa de qualquer eatrangeiro,
cos aceio e promplidilo ua ra do Vigario,
D. 94, priuii'iro andar.
(juein precisar de um homem rom (2
anuos de pralica lis, cliicaua da juslica, o
Olialescrevesolfrivel e couf al^um acert:
olTerece-se para fazer qualquer esenptura-
eflo, dirjase ra doFogo, n. 13, que ah
,cliara cun qutm tratar a respeito.
Aterro-d-Boa-Vista, n. a6.
iiiia yueiiiin, modista uinCCZS, Cii-
gaila oltlmainwite de Paris, tem a honra di
avisar as elegantes senhoras desta cidado,
que ella possuo um vanado sorlimento d-
Jactos de gosto, is mais modernos fiara
|wrt, e falirea com eapecialidade eper-
(50 chapeos segundo a ultima moda; e
para qualquer dostes fin, pode ser procu--
rada desde as 10 horas da manha al aa 8
Ja noite dos das utels, na casa a cima dita.
-- Eogomma-se roupa oom toda a perfei-
cSo e aceio : na ra do Rangol, n, 55.
Kefina^ao.
Precisa-se de orna pessoa que saiba retinar
assucar, e compra-se um escravo refinador :
na ra da Cadeia do Recife, n. 50.
Precisa-se de um ollicial de carpina pa-
ra trabalharem urna obra simples e parti-
cular : o que esliver nestas circumstsnclas,
e queira annuir a este convite, dlrija-se
ra da Senzalla-Nova, n. 42, segundo an-
dar, todos os dias at s 9 horas da ma-
ntisa, ou das 3 da tarde em tlianle, alim de
tratar do ajuste.
-- Um Rrasileiro com 16 annos de idade se
offereca para raiseiro de armazem de assu-
car, ou mesmo de fazendas, anda que d
algum tempo gratis : quem de seu presumo
s quizer utilisar, dirija-se aootes do Ra-
mos, armazem de recolher sola, do Sr. He-
meterio Maciel da Silva.
Hoga-se ao Sr. H. A F. G., morador na
estrada de Belem, que venha pagar a quan-
tia de 15,000 ris, proveniente de um val-
le que o Sr. passta, do qne nflo ignorar ;
do contrario veri o seu nomo por extenso
nosta folha.
--0 abaiso asslgnado, estabelecido nes-
is praca com taberna no pateo de 8.-Pedro,
n. 1, avisa aos sen cbnhecidos da fregu-
;ia de N.-S.-da-Escada, do abo, e S.-An-
ido, vendo senhores de engenho e lavrado-
res, que estando breve a chegar as safras,
luesquellesqoe quizerem mandar enlre-
'it osseus aBSucares de commissSo, diri-
jam-se a todo lempo que quizerem; pois nSo
s vender assucar, como comprar o que
nassuasielacOes msndarem,pois alianca que
ninguem melhor Ihes vender e coxprar
doqueoabaixo assignado ; em lim qurm
s proposer saber so tica ou nSo salisfeilo.
Josi Antonio da Cunha.
Roga-se ao Sr. Joaquim Jos dos San-
tos, empregado na capatazia do consulado
geral que venha pagar a quantia de 33,460
rs a quem rio ignora ; do contrario, ter
le ver o seo nome sempre nesta folha.
-Em SI dejolho, perdeu-se urna leltra
da quantia de 9:833,440 rs. sacada pelo Sr.
Manoel Alves Guerra em o I. de junlio de
1849 a 24 meses, e aceita pelo Sr. Jos Pinto
da Fonsecs e Silva, e en Jugada pelo Srs,
loflo Koller & Compaiiliia ; por isso se pre-
vine, tanto ao aceitante como ao eodogtnte
a aacador, nflo faga ni negocio algum com
dita leltra, a nflo aer com o possudor JoSo
los de Carvalho Moraes, e desde j ss pre-
vine, e ae porventura alguem achar dita le-
tra e a quizer restituir ao dito Moraes ser
gratilkado com generosidade.
Aluga-aeo terceiro andar do sobrado
n. 49 da ra da Cruz : a tratar no primeiro
andar, escriplorio de James Crabtree & C.
OfTere-se um rapaz brasileiro que es-
creve e conta soflVivel, para caixeiro de
engenho, do que tea) bastante pralica, ou
para qualquer estabelecimeolo : ua praga da
Boa-Vista, n. 94, botica.
Precisa-ae de doua andares com com-
modos para duas familias, em urna daa ras
seguinles : Cruz do Recife, Csdeia de San-
to-Antonio, Crespo, Collegio e ra Nova:
u,uem liver para alugar annuucie por esta
gorrilha como o annUTcinnl". n que ser
mudo prudento, que se Ion bre tanto do
Im. Sr. subdelegado, qiiaulo este so lom-
fcra dllc.
jLojadc modas Irancezas
na ru Aova, n. 32
Madama Theard
bepi conbcctda nesta provincia, tanto pe-
lo bomgoslo de seu trabalho, como pela
exaetidflo dasuas entregas, tem para facil-
litar seus fregus aherto uma rica loja de
modas, por baixo do sobrado onde foi sem-
pre sua morada, l ter sempre a vista cha-
peos de seda ede velludo da ultima moda e
muito ricos, tanto para senhora como para
meninas; chapeos de palha da Italia, abor-
tos e fechados; ditos de palha de arroz ; d-
tosde diase trancas; manteletes e ca-
potinhos furta-edres, dechamalote, de vel-
ludo ede fil; corles de seJa com listraa
furta-cres; ditos de velludo francez ; ca-
hegOese roaaeiroa de blonde e de linho,
muito rios ; turbantes, capellas e enfeiles
de cabega para casamento e saraos; enfei-
les de trangas, bolotsse franjas de todasas
cores para manteletes e vestidos ricos ; ea-
partilhos muito corcmodos e bem feitos;
grande sortitnento de blondes. Leos e ren-
das de seda e de linho ; fitas de seda de to-
das as cures e larguras ; ditas de garga ; di-
tas de velludo ; (rangas e franjas de todaa as
cores ; flores muito lindas e muitos uniros
objectos que serfio patentes. Madama
Theard tem em sua companhia urnas se-
nhoras muito habis, e por isso pode encar-
regar-so de dar com milita promptidSo e
perfeigiio todas as encommendas de vesti-
dos, ca polinhos e enfeites de senhora, tanto
para casamenlos, como baplisados, bailes
saraos.
Jos Joaquim Alves, cldsdSo brasileiro,
retira-se para forado imperio, levando em
sua companhia uma sua mana de nome Ha-
rta Joaquina do Espirito Santo e uma sobr-
oha menor.
-- Joaquim Monteiroda Cruz embarca pa-
ra o Rio-de-Janeiro a sua escrava crioula de
nome Vallenlina.
Os abaixo assignadosfazem sceole ao
publico, e com especialidsde ao corpo de
commercio, que nada maisdevem da extinc-
ta firma, porm se alguem sejulgar anda
credor apresente-se no prazo de tres dias
para ser pago. C'oifa & Albino.
Sexta-feira, 30 do ccrrenle, porta do
Sr. juiz docivel, na ra das Flores, se liflo
de arrematar, por ser a ultima praga, duas
casas terrease um terreno sitas uo lugar da
Magdalena, penhoradas aos henleirns de
Jos Gongalves CascSo, por eiecugflo de An-
tonio Goneelves Pereira Lima.
A pessoa que annunciou querer com
prar rarrinhos le mflo, dirija-so a loja de
sapaleiro defronte da cadeia que se dir
quem tem.
-- Antonio Francisco Nogueira, Porlu-
guez, retira-se para fra do imperio.
A luga ae uma .escrava muito boa co-
zinheira. e que lava e engomma : na ra do
Collegio, n. 25.
O escrivflo Silva Reg mudou a sua re-
sidencia para a ra da Penha, n. 7.
Relira-se para fra do imperio Fran-
cisco Antonio de Mesq..it", Portuguez, le-
vando em sua compauliia sua inullier, I'
Joanna da Cuncegflo U^uiit sua lillia
pretoni'er.
- Precisa-se Tillar aoSr.P. Vicente Fer- com rodas novas : queffl P' "; ^
reirada Cruz a negocio de seu interesse : na diri)a-se arua Imperial, o. 37, que se
ra do Sol, n. 9.
- Quem tiver dividas nos sorles das pro-
iiom vende.
Fazendas baratas.
faz scienta ao respeitavet publico, e muito
principalmente as pessoas com quem tem
transacgOea, que detxou de ser seu ciixei-
roo Sr. Joslailins de Castro desde o dia
95 do crrente.
*** 9eM
? O f)r. J. S. Santos Jnior,9
^medico homocopatba, ultima-^
? niente chegado a esta cidade,sj>
d consultas todos oj dias uteisj
em sua c.isa na ra do Crespo,^,
#n. lo, primeiro andar, desde!
Jas 7 horas da inanhaa at s a?
da tarde. 9
R. B.U pobres scrSo Ira-*
altados e visitados gratuitamente.9
# *#C*(t
-- OITerece se uma parda capaz para ama
de uma casa de pequea familia, ou do ho-
rnera soltero, para o pi vigo interno : quem
a precisar, dirija-se a ra das Trincheiras,
n. SI, Casa do nicho.
Antonio Jos Ferreira Dias Guimar&es,
subdito portuguez, relira-se para fra do
imperio.
-- Precisa-se fallar com brevidad ao Srs
padre Antonio Xavier de Castro, Francisco
Rodrigues Barboza, J J. Gomes do llego, e
Rocha Lima : na la Direita, n. 59.
-- Precisa-sede ofllciaesde alfaiale : na
ra Nova, n. 18.
Jos da Silva Muniz retira-se pira
Mossa ruedes.
Precisa-se de urna preta captiva para o
servigo de uma casa ffanceza : no Aterro-
da-Roa-Vista, u. I, loja.
Na praga do Sr. juiz de Paz da fregue-
sa de S.-Jo.'p, se tino de arrematar, na lar-
de do dia 99 do corrente, os alugueis de
uma casnha na Cabanga, penliorada a Je-
ronymo SehastiSo de Alein Castro, avaha-
dos por I.60J rs. mensaes. -
Precisa-se arrendar um sitio que tenha
baisa de capim, estribara, e bannn periw
da casa, sendo pelo Monleiro, Cordeiro,
Torre, ou mesmo mais perto : quem o ti-
ver, dirija-se'a ra do Ligamento, n. 14.
Pede-se ao Sr. doulor Luiz Paulino Ca-
valcanli Vellezdo Guivarra o obsequio de
despacharos autos de embargo de nullida-
de da mesa dissolrida da irniandade de N.
S. da Lonceigflode Beberibe, que ha mais
de 4 a ezes, se acbam com vista a S. S.,
apeztr dse j ler requerido neste sentido,
e o eaorivflo Serpa por amizade a S. S., nflo
tem eumprido o aeu requeriojento : islo Ihe
pede um interessado nesta queslOo.
vinclas do norte, e quizer incumbir a co-
branga lellas pessoa capaz que para all se
dirige, annunciepara-aerprocurado.
Aluga-se uma preta boa cozinheira :
na ra Direita, n. 32, primeiro andar.
9 O consultoriohomueopathico O
Oda ra da. Cadeia de 8.-Antonio, n. 22,
dirigido pelo facultativo J. R. Casano-W
Ova, iudou-se para o segundo andar do
mesmo sobrado. O
oooooooooooooooo
'- O arrematante 'do imposto de 20 por
cento, sobre o consumo de agurdente de
producgSo brasileira, dajelira que lem esta-
belecido o seu escriplorio na ra do Rangol,
n.8, primeiro andar, onde pode ser procu-
rado par a qualquer reclaoiaglo, todos os
dias uteis das 9horas s 5 01 tarde.
Aluga-se, vende-so ou permuta-se uma
casa em terreno proprio, sila entre as duas
pontea da passagem da Magdalena ; a quem
convier algum dos referidos negocios : di-
riia-se ao segundo andar da casa na ra
Nova, n. 47, o annuucie por este Diario.
nutro siin, tambem permutarnos* casas ter-
reas por algum sobrado no bairro de Santo
Antonio, que tenha commodo sufliciente
para uma familia : idemnisando-se o exce-
dento do valor.
J se aeha aberta a nova'lo-
jadecerado Uerro-da-Boa-Vis-
la, n.73, conligua a matriz, aon-
de os freguezes poderao encontrar
um completo sotlimcnto do refe-
rido artigo, naos para, fuaeraes e
estas de igrej, como tambem
inui elegantes velas cnfeiladas pa-
ra baplisados : tudo por preco
commodo, attendenJo a boa qua-
lidAde da cera.
ajajajajBajajaf^aiajajaajajaMiajaijpi
f.ii.. n.r. -L-......,.Adt ^___.. Joanna da Conceicfio. "^"a ; sua Iillia
"-- A.to"n"-r.c^?iaAna de MirTIa"" "" ,I",n" : **' *ir.- f',,cb aran.
de S.-Auna ; seus cunhados menores, Ma-
riana e Domingos ; e seu ciiado, Joaquim
Gongalvcs Vieira, Portuguez.
- Margarida de Jess e seu lilho Jos
Pedro, de Souza Pinto reliram-se para
Mossa medes na barca Uracharense, o ten do
do liquidar seus negocios, rogam a todos os
llevadores para que venham quanto antes
satisfazerseus dbitos, visto que tambem
precisam saldar contas com seus credore*.
Aluga-s uma boa casi terrea na po-
voagflo do Monleiro, com 4 quarlos, cozi-
nha fra, com dous quintaes murados, com
sabida para o rio, estribara para dous ca-
vados o cacimba : a tratar na travessa do
Veras,sobrado n. 15.'o mesmo sobrado
vende-seum carro d carregar na alfau-
dega.
--Manoel Jos Pereira, sua mulher Rosa
de Medeiros, e seus lilhos menores alaria,
Kufrazia, Mara l.uduvina, Antonia e Jos,
todos subditos portuguezes, ietiram-se pa
ra Mossamedes.
* Paulo Caignouv, dentista francez*
frecencliegado nesta capital, ofTereccS
g^seu prestimo ao pnblico para todos os^
sj>mysteres de sua profissfio, querextra-^j
Siliiiido, limpaiidoe chumbando OS den-
y les ua tu raes, quer substiluindo-os por*
=>oulros artificiaeg, para o que tem os1*"
melbores apparelbos. Pode ser piocu-*j
*i"'ido a qualquer hora em sua casa, naS
^rua larga do Rozario, 11. 36, segundo1*
aj^and "
l.-!_' i"
Compras.
Compra-se um silhflo para montara
le senhora, que esleja em bom uso : na
ra do Quei nado, n. 2.
Compra-se um boi manso para carro-
ga, queseja novo e forte: na ra de S.-
Amaro, n. 16.
Compra-se um brago de halanga que
pegue em 16 arrobas, com ronchas, ou som
ellas : no Merro-da-Boa-Vista, n. 14, ou an-
nunce..
Compram-se escravosde bonitas figu-
ra, mogos, e com habilidades, para Tora da
provincia : na ra larga do Rozario, 11. 48,
primeiro andar.
Compa-se uma moenda.que esleja em
bom estado : quem tiver annuncie, ou diri-
ja-se ra do Queimado, loja n. 6.
-- Compra-se uma carroga com algum
iso, porm em bom estado : na ra Augus-
t>, n. 46.
Compri-se uma escrava moga, que se-
jt de nagiin : na ra Augusta, n. '6.
Lompra-se um par de ban-
cas ir idi f sop-tra fe Jacaranda, em
boin uso : quem tiver annuncie
Compra-se umi vaeci que d 5 a G gar-
ras de leite : paga-se bem: em S.-Amaro,
venda ao p da do Sr. Cardozo, ou an-
nuncie.
Vendas.
t
A lio i (litada.
N.u he elogio, porm sim a qualida
quem garante o i.ovo rap Princeza, chega-
do ltimamente do Rio-de-Janeiro ; este
rap, nlo SO naquella provincia lem mere-
cido a accilagilo peral, como om mili as aon-
le a sua boa qualidado tem sido experi-
mentado, nada deixando a desejar ao me-
lhor fabricante em Lisboa. O nico deposi-
to nesta cidade, he na ra do Queimado, 11
25, loja de miudezas, aonde se vende de 5
libras paia cima a 1,300 rs. e a relalho 1,400
rs.
\i ra das Cruzes, n. 22, segundo aji-
lar, venden] s: duns cscravas crioulas, de
18 a 20annos, que engommam, cosem elijo,
cozinliam e lavam desabSo ; duas ditas de
nagl, do SO annos, que cozinham, livSo
de sal"10, e sSo ptimas quitandeiras ; uma
parda de bonita figura, do'96 annos, que
engomma, cose cho, cozinna, lava, e he
ptima para lomar conta doarranjo de uma
casa ; uma mulalinha de 14 annos. rom va-
iias labilidades; e umescravoda Costa de
elegante figura.
Jos Ignacio de Lira responde ao autor
Jo aununcio inserto em Diaria de Pernota-
buco n. 187, que mudou sua residencia, no
por causas de tralcancias, pote 11S0 est no
caso do annuncianle, e nem osseus feitos,
coreos dellcs, so compaiain, e por sso
COsaiia O mesmo ailllUllciailU quo liiu
ser calar-se, olliando para si, cujos feitos
iiSq cusa provar-se, e que declare oeeu
nome, para entSo poder entrar em liga:
adverlindo que elle nunca fuglo e nem ru-
gir do tiln. Sr subdulegado Oliveira, cu-
jo nome nao deve ser trazido por um bi-
- Manoel Ferreira'da Cunha, subdito por-
tuguer, relira-se para fra do imperio.
Aluga-se o segundo andar da casa n.
94 do Aterro-da-Roa-Villa : a tratar no
mesmo Aterro, n. 18, loja de fazendas.
Desencaniinliou su do becco do Capim
uma pranchs de amarello, forrada as duas
cabega.* : quem della souber, queira a levar
ra da Conceigflo do Recife, n. 69 : pro-
testa se contra quem a liver recolliido e
comfcrado.
- i-ircisa-se de uma ama ie ieie : na
ra do Itangel, n. 19, fabrica de charutos.
Precisa-se tirar uma certdSo de bap-
lismo na freguezia de Sanl'Anna do Campo-
Largo, termo da villa da Barra : quem disso
se quizer rncarregar, dirija-so ra da
Cruz do Recife, n. 59, primeiro andar, que
segralificar com generosidade.
I'revine-se a pessoa quo diz ler justo
para comprar um sitio 00 tugar do R10-D0-
ce, denominado Rocca-do-Rio, que a ser o
mesmo sitio pertencente ao Sr. n. Meliquel,.
nao o compre, porque est aujeito ao pa-
gamento de una divida, alim deque para o
futuro nSo apparegam duvidaa.
Quem gusta muito Icite diariamente,
annuncando serfio procurados para ajustar-
se a entrega do mesmo em flandres fecha-
dos, a prego muito commodo, a saber : una
caada para cima a 160 ra. a garrafa, de
,q'j:trc gsrrafaa a oilo a 180 rs. e menos de
tj/uatro a 200 rs.
-OSr. Antonio Aroza, que tem tfiinun-
ciado relirar-se para fra do imperio, queira
dirigir-se ra da Cruz, 11. 49, primeiro an-
dar, ou annuncie a sua morada para nagu-
cioque lhe aJii respeito.
Lotera do Riode-
Janeiro.
Aos '20:000,000 is.
Na loja da cambio da ra da Cadeia do
Recife, n. 24, receb,u-?e pilo paquete in-
glez nicamente a lista da relima lotera
concedida para a indemnisigflo do thesou-
ro publico da prestagSo mensa), que auxi-
lia a JoSo Caelano dos Santos, empresario
do theatro de S.-Francisco do Itio-de-Ja-
neiro, extrahida emSO do prximo paseado.
O mais helio gosto.
Vendem-se riquissimas casemiras, tanlo
em gasto como em qualidade : na ra do
Queimado, n. 9.
ieas cores
Vendem-se luvas de seda para senhora e
homem, de ricas cores e fina fatenda : na
ra do Queimado, n. 9.
Vende-se uma carroga de carregar pi-
pas por baixo, com o leito em boa estado
Gongalves* Hibeiro continame vender
em sua loja/na ra do Queimado, esquina
do beceo do Peixe-Frito excellenlcs aca-
dos francezes a180rs. ocovado; lindezas
debouitospadroesmui proprns para vesti-
dos do senhora a 180 ; chitas para coberta*
200 rs ; ditas para vestidos a 140, 160,
180 e 200 rs.; cortes de chitas com 13 cora-
dos, de cores flxas a 2,240 ; cortes de eassa
a 9,000 rs.; lencos encarnados para tabaco
a 300 rs.; ditos de seda de cores a 1,280
rs -ditos pretos mu boa fazenda a 2,000
rs' ; panno fino cor de rap muito boa fa-
zenda a 3,600 rs.; cortes de casemira a rs.
3,200, e outras multas fazendas por bara-
tissimo prego.
Aos Srs. cheles de fa-
milia,.
Avisa o novo administrador da leja, n. S,
defronle do becco do Peixe-Frito, que tem
um completo sortenlo de fazendas, e quo
passa a designar o prego dealgumas dellas :
rscadinhos franeezes finos dn diiTerejjjjes
padrOes pelo baratisaimo prego de MO re
o covado, riscados de algodSo de ditraren-
tes qualdades a 200 ris o covado, cam-
braas da California a 320 ris o covado, di-
tas paiiRienses de diferentes dezenlios a
320 ris o covado, lengos de cambraia de
ciires muito finas a 500ris, gravaijis.brae-
casdefinissima cambraia a 1,009 ris, cor-
tes de castorim para caiga de irrs e meio
covadosa 1,120 ris, e oulras fazeniapelo
mais diminuto prego possivol.
-- Vende-se, por prego commodo, lari-
nha de mandioca muito soperior; fumo en
folha para charutos : no armazem de Das
Ferreira, no caes da Alfandega. Palhinha
paracadeiras ; chapeos do Chile; cordao
preto de retroz : ua ra do Trapicne, casi
le Novaes & Companhia.
.. Ven!e-se uma mesa e duas bancas oe
Jacaranda, em muito bom uso: na ra
Augusta, ilefi011 te, da casa u. 17,
A 0 rs. o cova o.
Chitas francozas de cores fitas de gosto pa-
risience, corles de cassas pintadas a 2,500'
rs.: na ra do Crespo, loja amarella, n. 4,
lado do norte.
.- O propriet rio do*s-
tabelecimento da ra Nova, n. 35, anouncia
que tem um grande e completo sortimenlo
>ls> obras relia, das quaes passa annunciar
seus pregos que silo : casacas esobrecasa-
eas do panno tino le 8,000 10,000 rs.; Co-
lelesde seda de 2.003 e 3,000 rs. ; ditos de
sarja de 1,000 rs. ; jaquela de brim paaJo
le Ijnho puro de 1,600rs. caigasde panno
fino de 6,000 rs. ; ditas dn dura rs.; casacas de brim e risesdos a 2,000 rs..
e oulras multas fazendas novase de bom
gosto e por pregos muito commodos. Neste
pstabelfcimento tambem se aprom;.tam
com toda a presteza e muito bom reitas toda
e qualquer obra que se receba de eneom-
menie, ao ultimo gosto, avistados flgu-
rnschegados prximamente.
Alexaiiirinas.
Fazenda com li-tras de seda, de gosto mui
sublimes, a 9,000 rs. ocile rom 15 cova-
do : na r'ua do Crespo, loja amarella, n. 4,
lado do norte.
Vende-se nma escrava muilo moga e
bonita figura, coze, engomma e corintia o
diario de uma casa : na rui da Cadeia lo
Santo Antonio.no segundo andar da esquina
do|Oiivilor,n. 14.
- Vende-se a venda da Linguete, n. 2,
com os fundos vonlade do comprador, a
tratar na mesma.
Vende-se por prerizo uma negra mo-
ga, e do boa figura cozinha, cose e en-
gomma slguma cooaa e lava bem de sabfio-.
na ra do Collegio, sobrado, n. 10, primei-
ro andar por cima da botica.
Vende-se uma casa terrea com 93 l|2
palmos de frente, e 57 de fundo e ponto
alto: na ra dos Copares, n. 17, anliga-
mente becco do Lobato : na ra de Santa
Tbereza, n. 50.
Vende-se urna porgSo de charutos fei-
tos aqu na t"rr* a 7,000 rs milheiro,
pois sSo muito bons para se fumar : na ra
da Cadeia, n. 25, se dir quem vende.
Na na do Sol n. 9,
vende-se uma porg.to de fazendas, que es-
tavam para ir para o mallo para um estabe-
lecimento, eque por motivos deixaram de
ir estas fazendas sao das mais modernas
que ha na praga e muito finas, sendo cam-
balas pintadas, muito finas e de muito bons
padrtis ; chitas muilo finas e mais ordina-
rias; mailapolOes ; algodozinho; dito tran-
gado, branco e azul; hamburgo muito fino
e mais ordinario ; brim do linho para cal-
cas ; dlos de algodati trangado e de listras,
muito proprios para calcas ; riseadiifhoa pa-
ra caigas ejaquatas; casemiras para cal-
cas; riscados monstros: todas estas fazen-
das vendem-se tanto em porgSo como a re-
talho por muito commodo preco, s vista
la fazendi he que podem avahar a barate-
za, advertindo-se que nenhuma deslas fa-
zendas sSo variadas ; tambem se vendem
pegas de linho do Porto o melhor que possa
hever no mercado
l> > r.tlilKtK
Fazenda de seda, mui transparente de co-
res e gosto mui escolhido, pelo baratisaimo
prego de 13,000 rs.: na ra do Crespo, loja
amarella, o. 4, lado do noite.
Vendem-se 3 bonitos moleajues de 10,
12 e 14 annos, lendo o maior principies de
carpina ; um mulatinho de 16 annos, com
principios de sapaleiro; um pardo de 22
annos, ollicial da alfaiale, e que he bom bu-
hen o; 4 pretos mogos, optimds para qual-
quer servigo; um casal de escravos por 550/
rs. que trabalham bem de enxada e pti-
mos para algum sitio; ama -moled ; uma
parda que engomma, cozinha e compra na
ra, tudo muito bom, ese aflanga a conduc-
to ; e mais alguns escravos que se vedem
por mais barato prego do que em- outra
qualquer parte: na roa das Uranajeijas,
n. 14, soguudu andarr
Vende-se um palanquim de rebuco,
Cougadj icCirii6iTi6i ua uiina, uullipiea-
mente novo o muito bonito : na ra da Ca-
deia do Recife, n. 3*.
Vende-se um piano forte, de mullo boa
qualidade e de excellentes vozos, e que ape-
nas servio tres mezes: na praga da Boa-
Visla, u. 3, segundo andar.


*.. ----**..,. tEw

te''^EEs^-is
Moendas superiores.
Na rundicSode C. Stirr & Companbia,
em S.-Amaro, acham-se venda'moendas
de ranna, (odas de ferro, de ura modelo r
construccSo muito Isuperior.
arados de ferro.
Na fundicSo da Aurora eni S.-Amaro ,
vendem-sfl arados de ferro de diversos m-
telos.
Vcnde-se ari.iha de man-
dioca, vinda de S.-Catharina no
patacho Nereide, Tundeado de-
fronte do caes do Collegio, a mais
superior que ha no porto, por
mais barato preco do que em ou-
tra qualquer parle t trata-se a
bordo do mesmo patacho, ou com
INovaes & G. ,*na ra do Trapiche,
n. 34*
Vendem-se bezerros para
rafeado, cliegados agora : na ra
da Cruz, n. 3, casa de Geo: Ken-
worthy & C.
Vende-se acido sulphurico.
a 24 rs- & l'bra : na ra do Ca-
bug, loja do Duarte.
Chegaram novamente ra da Sen-
zalle-Nova, n. 42, relogios de ouro e prata
patento ioglez, para bomem e senhora.
--Vendem-se amarras ae ferro: na ra
da Senzalla-Nova, n. i.
Farinha deS.-Cathaiina.
Vende-e a bordo do brigue Valle, chega-
do em direilura de S.-Catharina, farjnhi
muito superior, esti fundeado defronte do
caes do Hamos ; lambem se trata na praca
docommercio, n. 6, primeiro andar, com
Manoel Ignacio de Oliveira.
Vende-se farinha de Santa-Catharina,
omito superior, a bordo da galeota Santini-
ma-Trindade, tundeada junto ao caes do
Collegio.
Vende-se um escravo mogo, de bonita
figura, bom ofllcial de pedreiro ; urna preta
alta, moca, de bonita figura, ptima engom-
madeira e cozinbeira com perfeielo do dia-
rio de urna casa na ra larga do Rozario,
n. 48, primeiro andar.
##*##*# l *
Na loja do sobrado amarello, nos {
quatro cantos da ra do Queimado, #
n. 29, vendem-se os muito procura- 2
dos cortes de tapete para sapa tos, a)
ao gosto turco, 1800 rs. o par. flj
No armazem da rus da Moda, o. 1,
conliha-sea vender saccas cum superior
colla das fabricas do Rio-Grande do sul, por
oreco em con la.
Vendem-se rodas de arcos de pi para
pipas e barricaa ; fio porrele do Porto ; pre~
gos ripares psra barrics : na ra da Cruz,
n. 49, primeiro andar.
Rap Paulo Cordeiro,
viajado do Rio ao Para e do Para a Pernam-
liuco : vende-se na ra da Cruz, no lenlo,
D. 49, loja.
Vende-se un molequo de 12 annos, bo-
nito e proprio ptra qualquer servico, por
ser muito humilde e bem .criado : na ra
lirga do Rozario, n. 35, loja.

O
O
o


.
Don ratinas
de seda, mu transparentes, desubli-
mes gostos, com cores grav s e pa- ~
drOesescolhido's'por urna senhora do J
grande tom em l'aris, que as deno-
minou Douralinat, pelo brilho de O
seus drsenhos: vende-se na ra do
Ciespo, n. ti. Q
O O
Acaba de chegar
loja da ra do Crespo, n. 6, un
novo sortimcnto de fazendas ba-
ratas,
como sejam : cassa-cbitas muito finas, de
coras fixas e cum 4 palmos de largura, a
390 rs. o covado ; cortes de ditas a 2,000 e
2,460 rs.; riscado do linho, a 240 rs. e co-
vado ; dito de slgodSo americano para es-
crivos, a 140 e 160 rs. o covado; dito nions-
tro com 4 palmos, a 200 rs.; zuarte azul, a
200 rs. o covado dito furia cores, a 200
rs. ; chitas de cores fizas e de bonitos pa-
drees, a 160 e 180 rs. o covado; cortes de
fustfo, a 600 rs.; cbales de tarlatan
1,280 rs. ; meios ditos, a 320 rs.; coberto-
res de algodao de cor, a 640; alpaca preta de
cordo e com sete*palmos de largura, a
1,280rs.o covado; e oulras multas fazen-
das em conta.
Vende-se um cavallo de estribarla mui-
to novo, de bonita figura, e carregador: na
ra Augusta, n. 60.
Presuntos do Porlr\
de superior qualidade, a 8,000 rs. a arroba :
vendem-so no armazem de Joaquim da
Silva Lopes, na ra da Madre-de-Deos.
Cal e potassa.
Vendem-se bsrns com csl de Lisboa, pe-
lo diminuto preco de 3,000 rs. o barril; di-
tos da mais nova e nais superior potassa do
Rio-.de-Janeirn, por barato prego : na ra
da Cadeia do Recite, rr. 50.
Aovidade.
Novo aortrmenlo de panno de linho do
Porto, em pecas de 18 varas, a 800 rs. a va-
ra -.na ra do Queimado, n. 97, armazem de
Jtayeaundo Garlos l.eite.
Farinha de mandil ca.
Ni ra da Cruz, no Recife, armazem n.
13, e na ras da Cadeia, armazem de Cam-
pado & Filho, vende-se farinha de mandio-
ca do Cear, muita alva, gommosa e de ex-
cdante gosto, tanto em pequeas cerno
em grandes porcAes* por preco commodo.
Vende-se armacSo da toja da ra do
SSiftRSdo, B. 7! e u gssliS : s tratar
nresma leja.
Farinha a 1,920 rs.
Na ra do Rangel, armazem n M, ven-
dern^se tserss com
-- Vendem-se dous pretos petas, muito
mocos, proprios para todo o servico, tanto
da pract como do matto ; uffl moleque de
10 annos, muito esperto, e que serves urna
casa muito bem ; uma> preta com a oondi-
Qfiode ir pira o matto, e que coziuha, en-
iiomma e faz todo o servico de urna casa :
na ra do Collegio, n. 21, primeiro andar,
se dir quero vende.
af ? w w?f?f ff f ffff t>
* Vendem-se, ousforam-se 1,500 pal-*
*mos de terreno, no Aterro-dos-Afogs-JS
dos, proprios para M edificar casas, ouj
? para algum sitio, por ser o lugar mui-^
ja>to bom : ns ra da Cadeia do S.-Anto-^
:>nio, n. 9, ou nn ra do Crespo, n. 10. 0****6****MC>
Vende-se o engenho Sebir do Caval-
canti, por convenci do tutor dos orphffos
do casal do fallecido Joflo Carlos da Silva
Cumiarnos, e para pagamento dos credores
do mesmo casai: este engenho he um dos
melhores da provincia, moe com agoa e
tem excedentes obrss, e torras para se le-
vantar outro engenho ; he situado em Se-
rinhilem, e tem o rio junto do engenho :
quem o pretender, dirija-se ao mesmo en-
genho, a fallar com o referido tutor Joto
Manoel d Barros Wanderley, ou nesta prs-
c, com Marroel Ignacio de Oliveira, na pra-
ca do Commercio, n. 6.
Vende-se superior fio de la-
godSo, proprio para pavios de ve-
las, e redes de pescara: na ra
da Cruz, n. 3, casa de Geo: Ken-
worlhy & C.
Vendem-se, em conta, 15 caixilhos en-
vidrarlos, que foram de loja : na ra es-
trella do Rozario, n. 23.
Vende-se vinho do Porto em barris de
quartoe quinto azeitonas superiores ; ar-
cos para barricas e pipas; farinha de trigo
em barricas e meias ditas ; fioporrete; ce-
vada; progos de todss as qualidades.em bar-
ricas; emadas do Porto ;coeiros de algo-
dSo ; relroz lino do Porto : tudo por preco
commodo : na rus do Vigario, n. 11, arma-
zem de Francisco Alves da Cunba.
Charutos de Havana,
de superior qualidade : vendem-
se na ra da Cruz, n. 10, casa de
Kalkmann limaos.
Oleo delinhaca
em botijas: vende-se no arma-
zem da iua do Amorim^ns. 5(3
58 e no armazem do Armes, no
caes da Alfandega, a tratar com
Manoel da Silva Santos.
Tratado sobre escripturacao
conimercijJ, traduzido do francez,
extrahido do diccionario univer-
sal do commercio : no pateo do
l-ollegio, casa do livro azul.
QQQO0
? Deposito geral do superior ra-
Q p Arcie-I'reta do fabrica 0
deGantois I'ailhet & C.
na Baha.
i? Domingos Alves Muthcus, agente di
^fabrica de rap superior Areia-Prela dajj
^llaliia, li-in aborto um deposito na ruaji
j*da Cruz, no Recife, n. 52, primeiro an-*2
dar, onde se adiar sempre decte ex-
celleulee mais acreditado rap: ven-
de-se em botes de urna e meia libra,
Opor prer;o commodo.
oooooooqoo
I'apel de Hollando, de gran-
de e pequeo formato, em resma*
e a retalbo ; no pateo do Golle-
gio, casa do livro azul.
Vendem-se dous realojos, sendo un
grande contendo 3t peras de msica com
pancadaria, e o outro pequeo com 25 pe-
gas, por prego commodo : na rus Direila,
n 3.
Machina.
Vende-se una machina para serrar ma-
deira, com urna ou duas serras puxadas por
um cavallo ou boi, a melhor obra que para
este im aqu tem apparecido : no Aterro-
da-Uoa-Vista, n. 27, fabrica de marceneiro,
Vende-se o muito aprecia'do
couro de cotia, corlido e surrado,
proprio para calcado, pela maci-
sa e durac3o, em porcSo e a reta-
lbo ; pedes de camurca para for-
ro de obras : na ra da Cadeia do
Hecife, n. 9, loja.
Vendem-se dous sobrados de tres an-
dares, silos na esquina da ra da Cadeia,
ns. 14 e 16 : a fallar na ra Augusta, n. 50,
com Joaquim Teiieira Peixoto.
Vende-se o* flauta de bano com 4
chaveae appareihada de' prata : na ruado
Encantamento, n. 11, armazem.
I-- Vende-se um escravo pardo de 27 an-
nos. ollii-tl 'l.i Isnneirn. hfm ?"CCTC ?5-
dioe robusto: na ra da Cadeia-Velha, n.
40, loja de Francisco Connives da Silva Pe-
reira.
Vende-se urna preta de bonita figura,
que cose bem, faz lavariutu, engomms, la-
va de sabSo, e he boa coziubeira : o moti-
vo por que se vende he por seu- seuhor re-
tirar-so para fra. do imperio : na ra da
aioda, n. 7, primeiro andar.
Vende-se um lindo escravo de 19 an-
nos, bom padeiro, sem defleitos, e de ex-
cedente conducta : na ra do Rangel, o. 57.
*- Vende-se um mulaliiiho peca, ptimo
para pagem, ou prolocolista por ser fiel: na
ra do Hangel, 11. 57.
Vende-se urna bonita escrava recolhi-
da, de 18 antros, com habilidades, e he de
boa conducta : ni ra do Rangel, n. 57.
Vende-se um preta de 3o
Na Loja da run do Queimado,
numero 3,
defronte do boceo do Peixe-Frito.
0 nove administrador esti resolvido
vender as fazendas pelo mais diminuto pre-
co possivel; 0 para maior rom modulado, es-
tari a loja aberta at is 9 horas da noite.
--No armazem da ra da Moda, n. 7, ven-
de-se sal esa pequeas porcOes.
. Vende-se
um pretonioco, de bonita figura, bom ca-
noeiro e trabalbador de p, cuja contlucla
so afianca ; urna canoa de carga de mil li-
jlos, em muito bom eatado : na ra larga
do Rozario, n. 48, primeiro andar.
Vendem-se duas escravas, urna de 18,
annos, e a oulra de 99, de bonitas figuras
queoozinham o diario de urna casa, lavam
desibam e varrella e cosem|: o motivo por
que se vende se dir ao comprador : na roa
da Cadeia de S.-Antonio, no primeiro andar
do sobrado da viuva Cunha GoimarSes.
Vendem-se superiores lonas,
as melhores que ha no mercado ;
bem como brinzao, proprio para
velas; na ra da Cruz, n. a,,casa
de Geo: Kenworthy & C
Vende-se superior rsp de Lisboa, et
frsscos, vindo sgora na barca portogoeza
ligeira : no largo da Assembla, n. 4.
afieocojedfiooerjee
Para militares. O
Vendem-se luvas de camurca bran-
ca : na ra do Queimado, n. 19, cass
(2> desirgueiro. Q
000000Of*OC
- Vende-se o engenho Armecega, na
margen) do rio de Una, freguezia de Agoa-
Preta ; bem como urna propriedade annexa
ao mesmo engenho, coro meia legoa de
fundo e maltaa com madeira para toda
construccSo : na ra do Fogo, n.- 46, das
7 ia 9 tioras da manhfia.Jou ao Sr. Joa Mar-
ques da Cosa Soares, na, ra do Hospioio.
Vendem-se sllins ingiezee
elsticos, de cabecadas e couro de
porco : na ra da Gruz, n. a, casa
de Geo: Kenworthy & C.
- Na taberna de Domingos da Silva Cam-
pos, na ra das Cruzes, n. 40, ha bixas Ham-
burguezas pars vender alugar, Unto por
junto como a retalho.
- No armaztm de Das Ferreira, ao p da
alfandega, vende-se sal em paneiros, vindo
do MaranhSo.'
He muilo barato.
Esguiao lfilustro.
Vende-se esguiSo de algodllo com qua-
tro palmos e meio de largura, pecas de 10
varas, a 3,000 rs.; Uto1 de muito superior
quslidsde, a 5,000 rea peca; alpaca de
quadros muito fina, de assanlo escuro,
muito propria para vestidos, a 280 rs, o ce-
vado : na ra do Crespo, n. 14, laft de Jos
Francisco Diaa.
Vendem-se relogios de ou-
ro abnete, patente iagfez: na
rita da Cruz, n. o, casa de Geo:
Kenn*ortliy.& flt..
quarlsos e bestas gordas, novas < mansas
lo roda e carregar: no engenho Serrar!
na freguezia de JaboalSo.
--Vendem-se chltss-cassas decores fixas,
a 160 r. o covado ; e outras multas fazen-
das baratas : na ra do Passeio-Puhlico,
n, 11.
Arados ie ferro.
Vendem-se arados de ferro de
diTercntes modelos : na ra do
firum,ns. 6, 8 e 10, fabrica de
machinas e lundicao de ferro.
Bombas de repuxo.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Bruui, ns. 6, 8 e 10,
fundicSo de ferro.
Nova Pechiticha.
Na ra do Queimado, n. 17,
vendem-se chapeos de sol, de seda cor d
caf, a 4,000 rs., e preto a 5,000 rs.; csse-
mireta preta para calcas e palitos de hornero
e menino, a 1,000 ra. o covado; merino pre-
to entrefino, a 9,400 rs. o covsdo ; esgulSo
fino de pura linho, a 1,440 rs. a vara ; e ou-
tras fazendas por barato proco.
fnleresse.
tonio, n. 14, no segundo andar do. sobrado
ds esqoina do ueoeo do Ouvidor.
Vendo-se um moleque-de 15 auoos
muita;fiel, ptimo pira pagem : na ra u
Cadeia de S.-Antonio, n. 14, no segundo an-
dar do sobrado, na .esquina do becco do
Ouvidor.
Farinha de S.-athar!o,i
da melhor que ha no
mercado:
vende-se nos armazens dos Srs.
Antonio Annes, e Das Ferreira,
ao p do lampeao, no Caes da Al-
fandega, em saccas de alqueire,
por muito barato preco.
f #f te)
Vende-se Orna geometra
: de Lacroix : na praca da In-
* dependencia, n. \i. 5
*
C J. Asthy & CompaBhia
venden em o seu armazem da rna
do Trapiche, n. 3, balanzas af
600 libras, propriaa para armazem
de assucar ; e carrinhos de mSo,
lUsoas de revista apreaen-
Negocio ventajoso para quem quizer em-1
petar pouco dinheiro, ou mesmo alguma (tadas pelos reos polticos que se
casa para trocar por um terreno na ra di 'acham na ilha de Fernando, em
Vendem-se reos appareihs^ qilo,uer lugar aonde nao ha cozi-
de metal para cha: na ra da Gruz,
n. a, casa de Geo : Kenworthy
& Companbia.
Fnrinha de mandioca.
Vende-se superior farinha de S.-Malheus,
por preco commodo : a bordo da sumsca
S.-Anlonio, Tundeada em frente do Collegio,
ou ao lado do Corno-Santo, n. 35, loja de
massames.
Pocas de algod3ozinho muito largo.
Vendem-se pegas de slgod&ozinho muito
largo e muito tapado, com alguma avaria,
a 1,280 rs., e limbo do mesmo, a 2,560 rs.,
e a retalho, a 100 e a 180 rs- a vara : na ra
Larga do Rozario, n. 48, primeiro andar.
tffffr'*fVfffffffffff

annos pouco rr.ata ou
preco de 1,920 ia.
Uva perfeitamenle, engomraa e
coziuha o diario de urna casa : na
jrua do Vigario, n. lo, terceiro
feriaba, peto diminuto I
andar.
Predios venda.
A tratar na ra do Crespo, 4
n. 11, qualquer dos predios %
seguintee: *
<3" Ra do Collegio, ns. <
i ea. 2
czsr Rui Nova, ns. 54 e 56.
<3T Ba da Aurora, n. 10. ^
UM
Vinho de Bordeaux:
vende-se na rus da Gruz, n. 10,
casa de Kalkmann IrmSoa.
Vendem-se 14 escrevos, sendo um
oleiro ; urna mulatinba de 13 a 14 annos,
que cose e coztnha ; urna negrinha de 14 a
15annos; 4 escravos de bonitas figuras,
proprios para todo o servico de campo; 7 es-
cravas mofas, de bonitas figuras, e entre
ellas algumas com habilidades: na ra Di-
reila, n. 3.
Anda
i-iislom nnr vender 10 nn ii Imrrna man-
sos : quem os pretender, dinja-sc i ra do
Queimado, n. 14'. '
Vende-se umaUlire e um sellim para
montara de senhora, em muito bom uso .-
na ra do Vigario, n. 17, primeiro andar.
He muito barato.
Chitas monslros, a 'J80.
Vendem-se finas chitas francezss muito
largas, cor de ross, azues o cor de ganga,
de gostos intirstento novos e de coros
muito lixss, a 280 e 320 rs. o cotado; as
mais finas csssa* francezas que leem appa-
recido, goslos intelramenle novos, de todss
ss cores e de tintas muilo fixas, a 720 rs.
vara ; hamburgo muito fino, cem tres pal-
mos e meio de largura, a 320 rs. a vara : na
ra do Crespo, n. 14, loja de Jos Francis-
co Dias.
Vende-se um ppreiuo cmplelo para
oQknl superior da guarda nacional, cmo
srja ; urna lianda rica, fiel, espada, talim,
pasta, chapeo armado : tudo em muito bom
eso1, e por bsraloprco: no Passeio-Publi-
loo, o. 11, loja.
Aurora, que tem dr frente 107 palmos, e
fundos st s ra do Hospicio; como se pre-
cies de dinheiro, ou cousa que o renda, fal-
sa negocio vantajoso amara tratar, na prafa
da Independencia, n. 17.
Vende-se umatparda de 20 anuos 9
O pouco mais ou menos, perfeits mu-
O cama, e excelentemente prendada a
O respeilo de lodo o servico do interior
Q frs da provincia : na ra do Hangel,
3 n. 11, de mi ulula al is 9 horas, e a
q tarde das 4 em diante.
Vendem-se os segoinles livros: Diccio-
nario francez por Fonseca LobSo, segun-
das linhas ; a Virgem da Polonia ; Novo
testamento ; Magnum Lexicn; Mestre da
? da; Ceometria de Lzcroix e Trignome-
trla ; Fonseca, diccionario latino e portu-
guez : na praca da Independencia, n. 19
Vendem-se 5 lindos moloques de 12 a
16annos;4 pretos de80a 35 annos, sendo
um dalles ptimo sapateiro ; um pardo de
18 annos, com bons principios de carpina ;
Spretascom algumas habilidades, e que
sSo proprias para todo o servico : na ra
do Collegio, n. 3. -
Deposito de potassa ecal.
Vende-se muili nova e superior potassa
e cal virgem de Lisboa, em pedra : tudo en
barris pequeos de 4 arrobas, por prerc ra-
soavel: na ra da Cadeia do Recife, a. 12,
armazem.
um folheto bem impresso, a aqo
rs cada um : vendem-se no pateo
do Collegio, casa do livro azul.
Calcado. *
Vendem-se sapatoes de couro de lustro
para homem, a 3,000 rs.; ditos de bezerrn
francez, a 3, 4 e 5,000 rs.; ditos do Araca-
ty, a 800 rs.; borzeguins de dursque, a
4,ooo rs. ; ditos de camurca, a ,000 rs.
sapstos de lustro para senhors, s 1,200 rs.
ditos de cordovlo, a 1,200 rs.; ditos s 60o
rs. ; ditos de meninas, a 409 rs.; ditos de
clcheles e de 18a, a SSO rs. : ns prac,a da
Independencia, loja do Arantes.
Vende-so, ou permuts-ie por predios
nesta prca o engenho Una, tttrreguezii de
S.-Ant8o, com Ierras sufficiente pars plan-
tacoes, eom boa casa de tvenda, e lodos
os mais pertences: os rus ds Paz, ou do
Csno, n. 40.
Escravos Fgidos.
y
Fogoes para cozinha -
muito proprio poro ,|'mt .a nha, por pre^a commodo .- ven-
dem-se na ra da Cruz, n. lo,
casa de Kalkmann Ir ruaos.
Vende-se canella. a 1,600 rs. a libra :
as Cinco-Pontss, n. S.
Farinha de Tapuy
igualmente em sabor, finura a cor a de Mu-
ribeca, propria para mesa : veuJe-se na
ra da Cruz, no Recife, armazem n. 13.
Na ra da Cruz, n. 10,
casa de Kaikmann
Irritaos,
vende-ae um graode sortimento de
instrumentos de msica, com te-
jara :
Gaizasde guerra.
Tambores.
Zabumbas.
l'andeiros.
Arcos de campanhinha.
Fratos.
Baixos de barmonia.
Trobdes.
Trompas
Fislbes.
Clarins.
Cornetas.
Flautas.
Fifanos.
Lirmelas.
Requintas.
VioISes.
muitos outro* instrumentos.
-Ns rus do Cabug, loja do Duarle, ven-
dem-se franjas e requifea pretos, proprios
para manteletes; loucas de lia ; Illa psra
bordar; meias pintadas psra meninos e
meninas ; chaos de merino braoco, a 8/
ri.; ditos de sol psra meninas, a 1,600 rs.;
casticses de vidro, a 1,400 ra. o par; sapa-
liohos delSa para meninos; pspel doura-
do e pratesdo fino e ordinario.
Vendem-se, na roa da Moda, armazem
n. 15, meias barricas com cal virgem de
Lisboa, a oasis novs que lia oo mercado, por
preco commodo.
Caf.
Cat com casca, muito novo, por preco
commodo : na ra do Amorta), n. 35, arma-
zem de J. J. Tasso Jnior.
-- Vende-se um cavallo para carro, ou
cabriolet, muito manso, e que se di s con-
tento ; ia sacadas de pedra do rio de p-
Francisco; om alambique meia o, em
Fugio, no dia 23 dejstlho prximo pas-
sado, do aitio do douJefNeto, na Casa-For-
te, um mjbilifrntMwu escravo, d nomo
Rfrnifcio, de 8 annos ; he muito conbeci-
do por ter duas ordensde denles, tanto do
lado superior como inferior: quem o pe-
gar leve-O a ra da Penha, n. 19, casi do
JoSo Francisco Rogis Quiplella, que grati-
ficar.
-Fugio, na noite de 2S para 24 do cor-
rente, em urna p'Sncha de calafate, do bor-
do do brigue Inca, um preto crioalo, de
ob. fi.t-no, do- tjif.tuii irKOrlrr-vw/i)
comprido, edr um tanlo fula, secco do cor.
po ; tem andar de capoeira; lerou calcas
brancas largas e camisa de riscado : quem
o pegar levo-o a bordo do dito brigue, ou
a casa Si viava Caudino & Fllho, na praei-
nha ia Carpo-Santo, n. 66, que se grslifl-
cari.
-- Fugio, no da 21 do correte, do enge-
nho pinto, o escravo Antonio, de nacSo
Congo, alto bastante, represents ter 40 in-
nos, pernas finas, pos grandes e spslbeta-
dos : quem o pegar leve-o ao dito enge-
nho, ou ra Direila, n. 121, que sari ge-
nerosamente gratificado,
Teodo ha annos fgido ds cidsde do
Recife psra a de Goianna, o escravo rriou-
lodenome Luiz, natural da freguezia da
Varzea, de 28 annos completos, cor prets,
estatura alguma cousa pequeos, olhos ves-
gos, ps apalliUdos ; foi se refugir naquel-
la cidado de Goianna a titulo de forro, ha-
bitando em um dos mucambos prximos ao
engenho Coianna-Urande, aonde atsrtem-
bro de 1849 esteve no trafico de aprtsr le-
nba, que conduzia em canoa* parados por-
tosdsquelle lugar, a entregar a diversas
oessoas, que desse trabalho o enrarrega-
vam : e como o dilo osersvo Luiz soubasse
que ss autoridades polkiaes de dito lugar
liaviam dado ordem para ser elle pegado, lo-
mou s deliberscjo de retirar-se para sl-
guns oulros lugsres de embarques de le-
nhsse roadeias, tal vez dos municipios ds
mesma cidade de Goianna, dos de Igusrss-
s, Ilamaraci, ou da pidade de (linda, que
mais prximo* licam iquelles municipios,
onde em alguna delles deve estar no referi-
do trafico de cortar e condnzir leu ha e ma-
deiras. Iloga-ae, pois, ss suloridadcs poli-
ciaes daquelle municipio e mesmo de ou-
lros pars oude quer que dito escravo Luiz
se lenba ido acuitar, que hajam por bem
expedirem asauss ordens, sfirn de ser elle
pegado e remeltido para esta cidade do Re-
cife a entregar a aeu senhor, Jos Lopes Ro-
sa, morador na freguezia de S.-Jos, sobra-
do n. 10, da ra da Culcada-Alta, que ge-
nerosamente gratificara"o trabalho de quem
opegareconjozlr.
Fugio, do Rio-de-Janejro, e suppoe-se
ior viniii) i-, i o rata pru>nii;i,u pretu /nu>-
nio, escravo de Rellsrmino de Arruds C-
mara, u qual tem os signaes seguintes : es-
tatura regular ji meio calvo, barba serrad,
com suissss, falto de denles ns frente, bal-
eos pemlurados, nsrlz chato, representa ser
de nisior idade ; quando falla tem o coatu-
me de revirar um tsnto os olliosM|uemo
pegsr leve-o s Manoel F.liss de Mora, na
praca da Itoa-Vists, que tem aulorisioSo do
senhor do mencionsdo escravo par bem re-
compensara quem o pegar.
Fugio, do engenho S.-Joto do Cabo,
pela segunda vez, iio dia 1T de Julho prxi-
mo paaaado.0escravo Valerio, tendo do
ji um vez pifado em Mara-railnha, do-
pois de alguns di*S d fugnia ; be alt, cor-
poloiito, cara curta e larga, pes seceos, ten-
do muito auertos S dedos grandes da am-
bos oa isi e P*lb enrugeda sapera :
nu... o ncar leve-o *o dito engenho, ou no
Recife, eftTcasa do Sr. coinmendador Luiz
Gomos Ferreirs, que gratificar com &0.000
... botn q
estado j na ra de S.-Franctico, eass apa- V urnbem se grtic*ri a queo der no-
,,cad'- !Licia* do dito escravo
-Vende-ae um* crloul* de bonita flgun),,
Je 23 annos, que cngorrlma btm, e coo
Vendem-se bfc mnjftot e gordos Icom perfeico : na rus di Cadeia de S.Mlfi- -Paa. : *>.* > '


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6808ZN86_71YUJ9 INGEST_TIME 2013-04-24T18:22:36Z PACKAGE AA00011611_07122
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES