Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07119


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anm XXVI.
Sabbado
rlTIAI DO OORBI10S.
Golanna e Parablba, legunda* escita feiras.
Rio-Grande-doNorte, quintas feiras ao melo-
da.
Cabo, Seriobiem, Rlo-Formoso, Porto-Cairo
c Macelo, no I.', a 11, e 21 d cada mez.
Garantan e Bonito, a 8 e 23.
Hoa-Vliu e Flore, a 13 e 28.
Victoria, as quintal felraa.
Ollnda, todoa o dlaa,
Prusn di Ula,
Ming. a l,aa2h. eWm.dam.
Hora a 7, oi 7 h. c M m. da t.
Croe, a 14, 3 h. e 27 m. da t.
Chela a 22. Gh. e52m.d.i t
Mlng. a 3.'as 11 b. eMm.dain.
taitaia DI HOJK.
Primelra aafl horaa e 6 minuto* da manbila.
Segunda ali hora e 30 minuto* da tarde.
de Agosto do 1880.
N. 189
^TJP^V"
a-BEOOe da oauomppAO.
Porlresmei.es (adiaatodof) 4/000
Porseis1ne7.es 8/000
Por an anuo 15/000
'A.
10 Seg. S. Lula- Aud. do J, do orf. e tn. da I. r.
20 Tere. S. Bernardo. And. do chae, do J. da 1. r.
do i-iv. e do do feltos da hienda.
21 Quart S. Umbellna. Aud. do J. da2. v. do eivel.
22 Quint S.Tbeinotheo. Aud.do J.Jdoaorf.edo m.
dal.v.
23 Sext. S. Plllppe Benlclo. Aud. do J. da 1. v. do
civ. e do doi relio* da fazenda.
24 Sab. S. Jff Bartbolouieo.
26 Dom. Sagrado Confo de Mara Sanlluima.
jen*. *SUU___'- *'?" "-^-------!W*gg*
# cambio* n $ AGOSTO.
Sobre Londre*. 27'/e 27 V J, por 1/000
. Parla, 346.
Lisboa, 100 por cento.
Ostro.Onfea* he*panhoe*.........49/000 a
Moeda de 6/400 velhaa.. tftpOO a
. de 8/400 oras I6/IO0 a
, de 4/000........... W00 a
frale.Patacoe brasllelro*...... jaRi *
Pesos oolumnarlo*....... 1/RoO a
. PUpi.meriMBQH.,........ .1/800 a
aUHBi
a 60 dia?.
16/700
16/200
9/2M'
l/9i-
1/9K>
1/8?.
SM4.HBIC0.
- >ka' ni iim iitu
W.RTE OFFICIAL.
'>' '
GOVERNODA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 16 DE AGOSTO.
(inicio. Ao Etm. eommandanteditar-
mas, rommurucando que defiri fivoravcl-
menleos requerimenlosdos al Teros do pri-
meiro batalhSo de capadores Pompeo Ca-
pittrano do Reg Lobo, Uanoel Joaquim
Ramos, e quarlel-mestre Manuel Ferreira d*
I'onsec Lira, pedindo o adisntamento de
tren motes de suido nos termos ds le n.
514 do 88 de outubro de 1850.
Bilo. Aomesmo, intersndo-o de haver
arbitrado ao primeiro sargento do segundo
baUlhSo de capadores, Masoel Dionisio de
Souza a gralificacBo de 160,000 rs., so cabo
Americo Severino e ao soldado Antonio Mar-
cellno de Andrade, .ambos do primeiro da
mestnasrma, s de 940,000 rs., sendo ris
170,000 para cada um delles, visto terem-
se otTereeido para continmrem no servico
do aiercito; e prevenindo-o de que as re-
feridas gratiflcscoes deverSo sar pagas com
50,000 rs. a vista e o resto em prest acoes
mensaes de 10,000 rs. OAlciou-se neste
sentido *o inspector da pagadoria militar
Dito. -- Ao director do lycou, Inteiran-
do o de haver mandado prover na cadeira
de primeiras letlras do sexo feminino do
bsirro do ltecife a Mara Joaquina deS. Tri-
me, profeteora substitua das esdeiras de
piiaeiras lettras desla cidade. Coromu-
nicou-se ao inspector da thesouraria da fa-
zenda provincial.
Dito. -- Ao inspector da thesouraria da
fazenda. iuteirando-o, alini de que faca
constares repartieres competentes, de que
o vice-consul brasileiro em Terra-Nova,
Thomas Belley Job, segundo eonslou de of-
llicio do cnsul geral desle imperio na Gr.la-
Hretsnhs, fra reconhecido oAleialmeatc
pelo governo briUnno em 16 de abril pr-
ximo nassailo, entrara no exercicio de
suas funecos consulares, e que por isso
todos os navios que posteriormente sthi
rem daquella ilha devem trazer seus mni-
feslos por ella legihs* Jos. -- lnteirou-sa ao
referido consol.
Dito. Ao inspector da thesouraria da
fazenda provincial, scienlilicando-o da ha-
ver approvado a proposta, folla pelo enge-
nheiro director das ubraspublics, de Jero-
nymo do llego Barros para aponlador dos
irabalhos do sextu laceo da estrada do Pao-
d'Alho, com o voiicimenlu do 1,600rs. nos
lias utei*. lolelligenciou-se ao referido
engenfsiro.
Dito. Aomesmo, para mandar adautar
ao engenheiro director das obrss publicas,
que assim o requisits, a quaotia de um con-
t de ris para dar principio nos es I o do
grapbicos do termo desla cidade. -- Onn-
municou-seao niesmo engenheiro.
Dito. Aomesmo, para que mande adi-
antirao engenheiro l.ieulbier, por asaim o
haver requisita lo o director das obras pu-
blicas, a quantia de I 000,000 rs para dar
principio sos reparos ds segunda |,arle do
sexto lanco da estrada do Pso-d'Alho. In-
teiiou-Seao referido director.
Dito. Ao bacharel Jo3o de Souza Iteis,
duendo que convm que S. me. entre em
exercicio. do lugar de juiz municipal e de
orphila do termo do Kx para o qual fer
norneado por decalo de 87 dejuluo ulti-
mo; eprevenindo de que tem marcado o
praxode quatro me/es para dentro delle
presentir osan titulo. Fizeram-se as con
venanles oommunicacous.
PE NAMBUCO
CMARA MUNICIPAL DO RECIPE.
ssss*6 EKTBloaMNlaiA de 19 di costodx
1850.
Presideneia degr. Oliveira.
Presentes os Srs. Msmede, Dr. Moeaes.Vi-
anna, llenriqnes da Silva, Pires Ferreir,
Carneiro Monteini, e Figueiailo. jfcr'o-se
sessSo a foi lida a approvsda s acta da ante-
cedente.
Fui lido o seguinte expediente :
' Um oflicio da cmara municipal do Boni-
to, aecusando a recepco do desla, em que
Ihe participou a posse do actual Em. Pre-
sidente da provincia. -- Inteirada.
Ootro do fiscal do bsirro da Boa-Vista, re-
metiendo o mappa das casas de phsrmacia
existentes no mesmo bairro, com as decla-
raefles qun Ihe foram exigidas.Que se con-
servasse dito mappa al que cheguem os
das outras fregoeziss.
Ootro do fiscal dfl Ssn Jos, no mesmo
sentido do anterior. A mesma delihernclo.
Outro do fiscal da Vanea, com exercicio
interino fia dos Afogados, dizendo que nem
era urna nem em outrs freguezia, existem
casas de pbarm'sci. Inteirada.
Outro do engenheiro Jos Matnede Alvet
Ferreira, remetiendo o orcamento pra i
construccito do cemiterio publico, em lan
pos de canto e vinte bracas ; assim como, a:
clausulas especites para a arrematarlo.--
Inteirada.
Outro do engenheiro cordeador, apresen-
lando o orcamento, planta eperflz dos at-
ierros a fazer-se na estrada da Capunga.
A' commissfio de edificaeflo.
Outro do procurador, participando Ierre
cebido da thesouraria da fazenda provin-
cial, a quantia d* doze contos de ris em
notas, para comeen da obra do cemiterio
publico, que linham sido recolnidos ao co
fre municiqal do dia6 do correnle. -^..Intei-
fada.
Oulro do mesmo, pedindo se Ihe msn las-
se adiantar ilgum dinheiro para as despezas
da obra do pateo do Carmo, vislo ter com
a mesma obra, ja des iendido qussi todo o
saldo que passou do mez passado para o cor-
renle.-Que se lirasse do cofre,e se Ihe entre
gasse a quantia de seis centis mil ris.
Outro lo mosmo, aprevenanlo as doze
letras quehavia aacado em favor da thesou-
raria da fazenla, para pagamento do e n-
orestimo da oito contos de ris, que esta
cmara conlrahio com a mesma thesoura-
ria, para a obra dos palana do Carmo e San
Pedro, as quaes ficaram inutilisadas por vir-
tude da le do orcamento municipal de i
de julho ultimo, ecommunicando, que ha-
reno que forma s prsca do capim, o que
por aforamento pede Jscinthn ElesbSo ; ou-
tro, sobre s prelencSo e terrenos de mari-
nha da administraco dos estabelecimentos
de caridad, sobre o que entende a commis-
sflo quesenSo deve a cmara optiOr;com
tanto que, se Ihe mponha a obrjg*r;So de
conservar o alinhamenlo dtrs ras e traves-
as projectadas nos mesmns terrenos; e
oulro Analmente, a respeito das pretencOes
a terrenos de marinha de Antonio Carneiro
Machado Ros, Joaquim Maris itaCarvalho
Guilhermlna Alvs Brancoe Jlnlft* Alves
llranco, sendo S COtnmiss.ln de parecer, que
se informein favoravelmente os requeri-
mentosdos dous primeiros, e nflo assim o
da terceira ; porquanto, o terreno por ella
requerido se cha destinado para logradou-
ro publico, e comotal devia s cmara pe Ji-
lo ao governo da provincia.
O Sr. vareador Figueiredo fez o seguinte
requerimento que foi approvado.
Requeiro que se lecommende sos Aseses
de fra. a fiel execuQo das disposicOes do
art 4." lit das posturas. Joaquim Ca-
nuto i Figueiredo
D'liborou a cmara, que se ofllciasse ao
Exm. Presidente da provincia, relativamen-
te ao terreno de marinha cunee lito a Joa-
quim Ignacio de Carvaiho llendonca, em
Fra de Portas no sentido indicado verbsl-
mente pelo seu advogsdo.
Deliberou mais, que se encarreg-se a
StarrftC. a factura d'um portSo, pilares e
gradara da ferro para o cemiterio publico,
de conformidad com o desenlio pelo mes-
mo machinisla aprsenla lo, e valor orea I.
Coocedeu-se mais quatro mezes de li-
cenca, sem veucieaenlo ao flscil de Ssn
Jos, Jo.lo Jas de Moraes para tratar da
sade de sua mulher fra da cidade, como
o requereu.
Delerminou-se ao fiscal da San Antonio,
mandssse por ora, plantar sement arvo-
res na coniitiuacSo do caes do Collegio, so
.'ido do sul, por nilo os haveram para os
oulros lugares j indicados, deven lo encar-
regar do seu planto e amauhn a um dos
serventes occupaJos as ras de suas fre-
guezias Tirou-ao do cofre, a quantia d*
um oonlo de ris para con'inuaeflo das des-
pezas com os trabalhos do sitio do cemite-
rio. Aceitou-se a quantia (adjenlos e
qua'enta e um mil duzeti|As ris que offe-
receu Vicente Jos di Un..-, pi>l indenini-
*q do maro da casa itollercalann Aires
da Silva, em que foi arbiutJda lila indem-
inisacao e homologada pelra^oiz oompeten-
le, e man lou-se Uvrar dito termo, e fazer
o deposito da referida quantia na forma da
le provincial, n. 1 3, de. .de maio de 18(4
Despacharam-se as nelieOes de Antonio
Joaquim de Olivera, da Antonio Uaptista
l'aareira, do Cnsul de S M. Brilannica,
com 70 snnns.-Com todos os sacramentos.
Molestias internas.
Dis 5.Msnoella, branca, com 6 mezes,
(ilha de Domingos Jos RibeiroeLuiza Joa-
quina da ConceicSo.
dem.-Mariana Nones da PurifieseSo,
parda, casada com JoBo Paulo dos Santos,
com 72 anneB."Com uneflo.Molestia in-
terior.
dem.-Manoel, pardo, prvulo, fllho legi-
timo de Manoel do Nscimento e Henrique-
la Augusta SeiT.v.. -
Dia 7.Severins. parda, com 5 annos, A-
Iha legitima de Jos Leandro Barhoza e Se-
bastiana Francisca.DeAuxAo.
Iderrf.-RuAna, crioula, esersva, com 24
annos.--Com lodosos sacramentos.Phty-
sics.
Dia 8 -Loureneo, pardo, eserayo, com 40
annos.Sem sacramento. Pleuriz.
Dia 9 Catharina, crioul*, com 1 annos.
-Molestia interior.
dem.Domingos, crioulo.com 8 annos.-
Espasmo.
I lem.--Ksym.undn Pereira, pardo, com
80 annos, casado com Mara da ConceicSo -
Com todos os sacramentos Phlysico.
dem Antonio, ernuto, com 9 annos.
Sem sacramentos.Phlysico.
dem.Galdino Amaro Nunes Vianna,
branco, solleiro, com 27 aonos Com lodos
os sacramentosMolestia de peilo.
Dia 10 Mara, branca, com 9 mezes, li-
a do Joaquim Jos da Costa e Antonia de
Jezus.Molestia as urinas.
Oia II.-Mara Gregoria, prets, solteira,
com 70 annos.Coa) todos os saersmentos.
Molestia interior.Pobre.
dem Anua Roz, branca, viuva, com 80
annos.Sen sacramento*. Molestia inte-
rior.
Dia 14.Jos, preto, escravo, com 30 an-
nos Sem sacramentos.Molestia de peito.
I lom.Joaquim de Barros Reg, branco,
com 26 annos.Sem sacramento.--Gan-
grena.
Mam.Joo, branco, com II mezes.
Molestia interior.
dem.-Catharina, preta, escravo, com 25
annos.Sem sacramento.Idropisia. .
Dia 16.Mara Roza, prela, escrava, com
30 annos.Sem sacramentos.Molestia in-
terior.
dem.-Augusto, pardo, omumanno.
tientes.
Dia 17.Manoel, preto, escravo, com 70
annos.-Sem sacramentos.--Molestia inte-
33 ancos.Sem sacramento.De repente.
Ao todo 49.
Santo-Antonio, 5 de agosto de 1850.
. Padre Joo Jote da Coila tibeirn.
coadjutor pro-paroeno, t
Correspondencias.
vi/sacado quatro letras para pagamento da f* Claudio Dnbeux, de Domingos Antonio
metale da referida quantia, a vencer-se J?" GL0,!I! 6 '
as pocas determinada pala citada lei e
assignsdo na mesma thesouraria timos de
respousabilidade, nao so do mencionado
empreslimo, como dos oulros feito, e pe-
Vianna, de Francisco Jos Martins Costa,
Je Francisco do Pauala Pires Ramos, de
Joflo Carlos do Vital, de Joao Biptista For-
reira dos Anjos, de Jos da Costa do Padre
nuo"in"lme"i^ {""o oi& Ja, C,SU beiro, de Jo.lo Jos
I -- i M.vrand ,\,i Iil'li\ C *>> va Ai* A .. ,. ; .^ f i
i Quanlirt de dous mil ris que despendea
com o sello das dilas quatro letras. Que P0> "|* M,noel V*r,'0I d* F",)!i8<;. de Ma
. ^ .. ..ni l.kAjiiiini ,1 /v na aiil m. i. .. .. \ \ .
Commando das armas.
O Sr. alfares Alexanilrino Caetaoo de
01 tula compreos no quarlel-genersl do
commaiHo das armas, para objeclo de ser-
vico.
Quartel-general na ciJade do Kecife, 93
ie agosto de 1850.
Franoieto Cario Bueno Detchamfi*,
CapitSo ajudante dp ordans.
FOLHET1H.
o niea rao.
Kra *m vardade uina vevganba que a grande
e ai*jp|n* capital do auno Peroaiubu^o no >e-
culoXlX, ecnlodo Industrialismo, das luiese
do* goau* inauriar, ainda etlve*e aujeita a
conservar para representaces dramticas mu
arUiaftin relho coju riso*' de casa depurgar'as-
aocar. Assim incsinu l ful multas veies, quan
& rapaz, e applaudl cun os tolltihn do uieu
mm a Salas las aKcoiiifianhta, que entao re-
presenta va,compoata de uuiagaaguila chamada
tawfaoui. d'um pal Mnhor Ucaio intiitu
drseucliatiido, cujo neme tula me necorre. dr
ulna erpenU faunos, que era a prima done, e
al druiu gago coralho, para quem se recr-
yavaiu OS papel de rpadaiic!:im, ou de tiran
So VI na tragedla de Fac representar de Ga-
ilella (porque a primelra dama e*Mva de ca-
ma, com o seo bt-m uccesso,1 urna parda escu-
... rrue na* niasaquf *e calaase e arrlblcase, i
eopiosM uar fol-lhe lavando aqu e all us be-
suatos, da inanelra que lio* oem una cara
inullicor, que drtattaria o rito at a uin candi
dato no fatal momento de urna lografao elei-
Bom lempo era aquelle! Pelo ineno* nao ae
se communlcasse ao inspector da thesoura-
ria a recepto das letras inutilisadas, e se
autorisasse o abono pedido.
Foi lido a approvado, um parecer da-com-
misslo de polica, assignaudo qesod.-li-
riss; favoravelmente a pretencSo do Ascal
dos Afogados c.im exercicio interino na de
'San Jos, que pede se 1 la 3 mande pagar a
ililTeieiice entre o seu ordenado, e o do As-
al da reljasida freguezia de San Jos, que
ae acha licenciado S"m venc ment. E niin-
lou-se participar ao procurador c contado\
Koram lamb ni approvados, cinco pare-
ceres da conimissSo de edific co, um de-
negando a pretoncAOde Agostinho dos San-
ios, capataz do porto da* canoas do bairro
do ltecife; outro.entendendo que se deve in-
formar favoravelmente a pretendo da Ama-
ro Antonio de'Farias, sobre terrenos de ma-
rinha na rus Imperial, e pedir-se ao gover-
no da provincia, coccesslo do terreno exis-
tente na mesma rus, ao norte do requerido
pelo dito Amaro, pata logrardouro publi-
ei;"vistocomo, se acha na respectiva plan-
la, destinado para esse lm ; outro, allir-
mao lo nlo se adiar cooipreheadidu ou lar-
le Maraes, de Jolto Saraiva de Araujo G*l-
conheciam as decepc^e e embtcadelta* do
frlii tfilnua que felumenle aos rege. Entao
"nuel Joaquim do Nasclmento, do Manuel
ilosc Femantes llanos, do Manoel Jos de
Oliveira l.ima, de Silvano Tiimnaz de Sou-
za MagalliSas de Vicente Jos de Brito, de
Verissimo dos Sanios Siquelra, a levan-
tou-fe* sessflo.
Eu. .Manoel Ferreira Accioli, secretario
interino, a eswevi.--WlWi'rii, presidente.
Fiaisna --Mamede.--Carneiro llonleiro.ltr
reir t'ieueirtdo.
RELACA0" DOS BITOS FEITOS NA MATRIZ
DE S.-ANTOMO DO RGCIFE, NO MEZ DE
JIM.lili DE 18.0.
J ilho l.Joauna, parda, com um anno,
(ilha legitima ;de Jos Leandro Blrbozs e
Sebastiana Francisca.Pobre.
Dn 8. Jacintho Jos da Costa, preta, ca-
sado com Mara Francisca da Paz, com 40
anuos ArTogado.
[ Da 3 Rieardo, preto, escravo, com 30
annos.--Com uitco.De urna aneurisma.
I tem.--Reverendo Joaquim Jos Brrelo,
'brinco, con 77 anuos.Com lodos saera-
mentus.De urna quebradura.
Dis 4Antonio J is Ferreira, branco,
aophos pagaos e at ja li o eloquente ducurtu
de Jiuio Jaques Hoaseau contrau* espectculo
a H.aciniia poltica era alna de ferro batido ;fOi que assim discurralo liubam u.uila rasao .
ma* lodos sabiam oque era e cuino haviam del porque o que eracn os Iheairos da antiga Ko-
viver. Moje a iiiaciiiua ne mullo mala vuiisp- :-= ""* """!- .. ::?.rz
cada e ate couta peca (upposillclas. pela que.
UUI.IS vezea lie una esnarrella para ot Incau-
to*, e de boa f. Mas ueixcmos essa machina,
pie mi he para qulqiier tocar-lhe. Vira a
uo*sa liberdade ; deeitere re ite ./uo vasUal;
traelemosde comas de theatro. nni felumea
te j temo* Um bello diedro feil i segundo o
;osio moderuo, e nem que cantarme s re-
)-ra* da Acstica: he peua qae a platea rja
un Unto acanhada.
Como em uiullas cnusas, oio aau daquelles
|ue e louvaiu no voto de certas autoridade,
mi oustrri proferir o principio de que os thea-
tro* *ao cacla de moral. Se cu (ivesse Hlhos,
; principalmente lilbat, mi era nessat casis
|Ue eu Ihe* farla tomar lice* de vlrlude. Ain
dta i, n> me b* aa1 IsaJa'SSWi)
eonveisoes us theatros. Quautos aiosus nao
lerau vltto repreaenur Othcllo, etc.,' e acaso
i alguin deiaou a funesta paiio de um ciume
liga lio
a**--
onde *e apreseiitavam mulherea uuas, onde se
execuMva aacrilicins de victima humana,
onde furiosos gladiadores cnsaiiguentavaiii o
cenarlo e multo all mesmo eihalavam o ulti-
mo suspira. Alada no lempo de Rousseau, e
!na faustosa curte do grande re l.ulz XIV de
JKranca erain tolerado e applaudido diloi,
apodos e revrete* lo obceuos que multa oileu-
jdiam o pudor, aluitaa das pecaa do lias nn-
iiuoilal Molieri tem facrciaa dessa nalurea,
iuc boje nao le solln riain, aluda uo mais pi-
llo tbeatrinho d'aldela.

colha dos dramas, urna vez que esta uo con-
sulta por em cena v. g. a iiifame peca de Lu-
crecia no'rgia, a Torre de Nesle, ele. que ha de
irprovavel cm os oossos theatros modernos?
Ser o concurso de pessoas de ditt'erente sexo ?
O llfea'ino' d-ie na igrrja* e ninguem dir
ue e fecHemas igrejas; porque nestas ha to-
desordenado ? Quanlos ta/ues avesado* o.re-lleirde e tolelroua,e uialcriadusqucvao uauu-
Ut da sota ou aos dados nao lerdo visto rrprc-lrar e galuter-*e. U argumento dos abusos he
eniir rica peca TrltJl'aop"' o ti a vida de "'' venJjntUa solisma. tbeatru bein ordena-
jogaor; e nooMro diafcontluaam a Jo-
gar iioin o mesmo furor.
Tamben nao dlrei como algn* mu auste-
ru* moralista* que o* theatros sao escola de
corrupciio, urna vet que sejaiu bem dirigidos.
N8o iguoro quinto contra o* espectculos cl.i-
maraiu luiiilos padres da igreja, vario pallo-
Jo, cm ineu buniildf pensar, ueni be fscoJa de
moral, acln a3 ut onup^iio, e ue vicios : i^e
simuina casa de h nesto recrelo, epassalempo
mil em qua'quer cidade, cu|o poro convm,
leuha algumas lloras de licito-Stvertiniemo: e
m ba Ui actores iutigue e amostrado*, como
os nosso estimareis compatriota* os senhore*
rior
Dis 18. Herculano Jos de Freitas, bran -
C'), casado com Senhoria l.uiza da Cnnc-i-
co, com 59 annos.Com todos os sacra-
mentos,Molestia interior.
Da 19.Maris, prela, esersva, com SO an-
nos.Sem sacramento.A poploxia.
Dia 20 Cosme Hmulo, pardo, com 50
aonos Com unci.Pptysico.
Dis 32.-Manoel, branco, com um anno,
lilliu de Antonio Franciscisco de Moura e
Clara Joaquina de Oliveira.-.-DelluxBo.
dem alaria, prel*, escrava, com 35 an-
uos.Cnm uncSo.-ldropizia.
Dia 23.Jlo, prelo, escravo, con 70 an -
nos Cun unciio.- Gangrena.Pobre.
Dii 24. Epiphanis Mara do Espirito San-
to, crinla, viuva, com 47 annos. --Com uu-
floMolestia interior.
Dia 2>.-Mathias, preto, forro, com 70 an-
nos. S-.'in sacra montos.I Iropizis.
I lem Antonio, preto, escravo, com 30
aonos.--Sem sacramentos Infl imsc3o.
I lem -Francisco Csrlos Taixeira, brac-
eo, com 16 unos.-Crin unciio.Pobre, sol-
dado i) i i'olicia.
Dia 87.Eduardo, pardo, solleiro, com 37
annoi.Com todos os sacramento.
Da 28Antonio, preto, forro, com 100
annos.Com todos os sacramentos.Mo-
lestia interior.
hii 29. Antonio Leandro da Silva, bn.n-
co, caalo, com 44 annos.Com lodos os
sacramentos.-Phlysico.
Dia 30.-Jos, branco, com 7 annos, tiln.
ds Jeronymo Pereira Villar e Thereza Maris
de Jozus.Cran lulas.
Da 31.Francsc Mara do Monte, prela.
com 70 annos.Com t los os sacramentos.
-Molestis interior.-Pohrs.
I lem.Jos Pinto ds Fonseca a Silva, com
Germano e Jado Cnetaoo, bem pode ser urna
escellente eicola, onde oa nosso atplrautes a
deputados, se alia liverem os dotes ualuraes,
ni o aprender a eloqueucla esterna,como a cha-
llara u granue i.uriu,c weiu .;...,.toes e mo-
Sre. redicloret.k gerencia da cas* com
marcial s cuja testa me acho, me nSo dava
lempo a lee orines; he, noU, a nSo ser a
officiosidade de um amigo que me chamou
a attenco sobre o annuncioque no Diario
de hnniem, pagina terceira, coluna segun-
da, publicou meu primo Veriato da Freitas
Tavares, Acaria elle sem a resposta que ora
Ihe passo a dar.
Em primeiro lugar peco ao Sr. Verialo,
que por sua honra declaro, qual he esse de-
bito, em que diz eslava o meu fallecido pai,
para com o seu ; prevenindo-o de que, se
elle for verdadeiro, ser pago apenas se
a presen tai- em nosso escriploro s respecti-
va conta legalisada, qualquer que sejs s sua
importancia. Entretanto, se o Sr. Veriato
se refere s cuntas relativas ao casal do nos-
so Aade avo.dasquaes me oceupo incesan-
temente desde que aprouve a D>os privar-me
da companhia do meu charo pai, desde ja
Ihe declaro que tenhn duvidas mili serias a
res peilo de SUSS preletices e das daquelles
que o acompanham em seus devaneios, se-
nSo os provocan E s proposito dessas
contas, sejs-me licito observar que lalvez
milito conviesse s minha morte, a quem
quer que dellas pretende tirar grande parti-
do com offe.ns i dos interessns reaes e leg-
timos dos herdeiros do meu Aado pai ;
pois que, sendo essesherdeiros, eu e minha
respeitavel mu, morto eu, Acaria ella s sos,
sini ter quem a dirigase em negocios
coinmerciaes de que nada enten le, o fcil-
mente pollera ser illudida.
Muito sgrsdeco ao Sr. Varalo os votos
que faz pela minha vida, fortuna e bem es-
tar; porm, ja que, ao manifestar to fhi-
lantropicoi sentimenlos, V. S. falla em sua
reputaQo e honra, permilta-me que Ihe
Ihe pergunte se emprestou a slguem o ca-
vallo pedrez, que como segundo procursdor
le seu psi, de quem ers primeiro o meu,
recebo a do cassl do nosso vil, e em que
vinlu montado um dns assassinos que me
procuraran em o sitio de minha mil, se-
gundo atiesta o feitor do mesmo sitio ? Ss
he verdad que quanJo este facto se deu,
eslava o mencionado cavsllu fra da cida-
de .' Se finalmente, he certo que quand'i a
polica si dava ao trabalno de procuraros
meus assassinos. V. S. se reti'ra a p par*
os suburbios da ci la'de, e voltara montado
nesse mesmo cavilo,que poucos dias antes
se achava em poder de um dos referidos as-
sassinos, segundo o testemunbo do referi-
do feitor ?
Se o Sr Veriato se dignar de responder as
simples pergunlas feitas, dar-me-ha lcenca
para que eu intuir o respeitavel publico de
ludo quanto ino consta acerca dessa drama
i nforn 11,cuja victima devia de ser eu,e cujos
pormenores lenho guardado em mim s-
mente, por alinelo a seus pais, que ne-
uhuma culpa leem da suss velludides.
ltecife, 23 de agosto 1810.
Jote Candido de Barros.
Sn. Redactores. Lendu no Diarlo de 23
do correnle,um aonancio dos Srs. JuSoRap-
sti Fragozo e Joo da Costa Lima Jnior,
em que declaran, qu nSotem validado o meu
snnunco inserto ueste mes no Diario, nato
qual previno ao pubico, que desde o di*
21 do mez piesente deixei de ser caixeiro do
Sr Manoel Joaquim Goncalves e Silva, nSo
pude llenar de sorprender-me por ver
sem ceremonia com que aquellas senuo-
res, adulteram a verdade quando aAirmanj,
que cu lom. i couta da taberna de saucons-
liluinte por IniUnco. lie u na insinuaclo
que eu nlo tolero; porque, quando em 13 de
dezembru de 1849 lomei coala da referida
Uberna, ella nlo foi balanceada, erecebi-a
no estado em que se chava, depols do ba-
taneo dado em 8 de novemhro do mesmo
anno, halanco este a que nlo sssisti; por-
que, ainda ii3j era caixeiro da mesma ta-
berna ; ii bem se v, que decorrendo mais
de um mez de 8 de novembro a 13 de-de-
/embro, em que entrei par* ella, nSo he
outras da puresa e corrcccao. Quem nao nas-
ceu para certas cousa* nao se mella nellas : u
iue n>o serve para o theatro pode servir para
outro mult* tnystere*. [No lempo, de uue i
iiei, ua nos uj por ira arvorada em theatro,
lmenlos oratorio que dilo alma e vida aoSnao faltavain adores e aclaras; parque nessaa
discursos parlamentares, toda vez que fr con;
veniente fallar nSo Unto fra rasao, como i
poderosa mola das paltes. Acresce em favor
do theatro o innocente prazer da msica, qur
iuatrumenul, qur vocal.
fctda nao pude assistir a urna i recita do
nosso uovo theatro; e por isso nada posto di-
ser por niiiii mesmo relativamente compa-
nhia, da qual apena conheco na scem o Sr.
Germano pelo ter valo inultas veie represen-
tar no theatro do Rlo-de Janeiro : he lioniem
Una vez. pois, que haj> boa, direcco na es- ,!, habilidadr, de goslo, e pode-e diier, que
he um boiu arlita. lenho ouvido censurar a
ouiros por ella ou aquella taita; mas nem por
isto faco ino conceiio delle*; porque princi-
pio qurreui a* codsa; e a pcrfelfo na* arles
depende inulto do exercicio ; tudu est cm que
o artista leja dotado da natural capacidade-
porque pessoas ha lao delazadas e desgeilosaa
que por demala lie querer que desempenhein
uin papel; pois ludo enterran, com a sua ma
voz, *eu Improprio aciouado, sen ar encolhldo,
sua negacio para actor.
iobreiudo nada me parece lio insupporiavrl
rin um cmico, coujo o fallar iocorrecUmen-
ic ou com urna prosodia propria de unvfiobre
roceiro cm cultura e aeiu aenhuma regra ;
porque toda a Ungoa tem a ua parle musi-
cal e e*la nao be menos importante que a*
eras o ser cmico reputava-se um empregovil:
e euiiio o sapateira mal afreguezadu, e remen-
dao, truca va o buebo pelo scepiro e cora do
ternario ; e a mulher de vida lolgada, a quem
j lam escaceando os amaailes mais pingues,
passava a ser ralnha, princeza, protagonista,
eonlidenie ou lacau de theatro : e res* ei-
sn, quando por velba* e galla nem para Itso
ursino ja servido, acabavam ou em beatas, ou
em curaiideira, ou asa parlelras.
Se cu podse Uar coucelbo* aoSr. Germano,
dir-lhe-bla, que tive*s todo o eacrapulo a rea-
pello das pecas que vao sceoa, e isto nao ni
relativamente i torpe e obceaas, como mo-
no cm relaclo a alguma*, que comquanlo nao
l.equem por ee lado, todava *ervein de
barbarisar o pava. VI, por eiemplo, repre-
sentar na corle o. entrems, dos doudo*. Fot
n.uiiu apptaudidj por gente inconsiderada,
mas as pessoas sisuda* e honesta muito o re-
provaram ; porque a bucura nao he um vicia
voluntarlo, e ridiculo para merecer o rutado
rcitligal mort: he um estado mrbido, a que
ludo eaiamo iujeitos, digno de compaliao e
>,ao de mtelo*. Tal he a humilde velo do
alisMHaWs.
'


.Jk'
posslvel que squelle bataneo tnp possa'o-
brigar responsabiltdade alguma que drl-
le resulte; pelo que he um absurdo, he mei-
Dio urna ralsidade dizerem ossobreditos se-
nliores, queeu recebi a liberna por balan-
co. Oque digo, provarei, so fr mistor, e
desejra quejtgSrs. Fragozo, e Um so n-
formassem aaRinr da verdade, quando t-
vessem de fszer annnnelos semelhantes.pa-
ra nBo avancarem proposites que pdem
ser desmentidas por documentos, mr-
mente tendo ellas referencia com o crdito
de urna pessoa que se acha empregtdana
vida commerciil.
Srs. Fragozo, e Lima .' Mais charidade I
Mais circuoispeccBo .'
Tenham, Srg. Redactores, a bondade de
publicar estas lindas do seu constante lei-
tor oaguim Pereira da Silva.
Tendo-se julgado em primeira instancia
a causa, que intentm contra o Sr. Joaquim
Lobato Ferreira, para reivindicar om bem,
que elle por roeios reprimios, me quz pri-
var, dizendo- se dono, sem o ser, aprsenlo
ao publico as duas sentencas que reconhe-
ram o meu direito. E por ellas,que saben-
do o respeilsvel publico, quem he esse
Joaquim Lobato Ferreira. Manoel de Al-
viuda Lopts.
Manoel de Almeida Lopes,precisa que V.
8. mande ao oscrivilo Molla que, avista
dos autos de libello que o suppllcan-
te move contra Joaquim Lobato Ferreira,
Ihed por certidSo, o theor das sentencas
que forera proferidas nessa causa. --I'ede a
V. S. Sr. doutor juiz municipal da segunda
vara Ihe delira. E. R M,
Certifique, Recife, 23 de agosto do
1850 t'loripes.
Manocl Jos da Motta, cscrivo do civel
desta cidade do Recife, por Sua Magesla-
de Imperial e Constitucional, etc.
Certifico, vista dos autos de libello de
que trata a petlcfio supra, ser o theor da<
sonlencas; proferidas em ditos autos da for-
ma e maneira seguinto : Pede o autor, que
o reo Iheentreguo a canda, e seus rendi-
mentos, a qual fez parte do quinhSo here-
ditario de sua mulher, o reo defende-se
com a materia de sua contrariedade, (re-
plica, etc., o que ludo visto e o mais que
dos autos consta ; atlcndendo que o reo nfio
neg, que a canoa pedida fizesse parte do
quinhAu hereditario da mulher do autor;
mas diz, que hoje pertence a elle reo, por
compra que della flzera a JoSo Roiirigues
Neves, por 120,000 rs., a quem o mesmo
autor vender por 80,090 rs. : alten leu do
que o reo no provou, que com effeilo o
autor vender dita canda a Neves, e nem
anda que este lli'a vender ; porquanto, as
suas testemunhas apenas dizem e de modo
inverosimel, que viram o reo dar a Neves,
120,000 rs. por paga da canOa, o que no
prova que esie a comprara ao autor por
8o,00o rg. ; sendo que tambem, nada prova
o documento a flhas 60, qne he o recibo
de Neves, porquanto que a canoa que vende,
fdra comprada ao aulor, e al o disto he de
data posterior a em que foi proposta a pre-
sente aeco, como se deve crer, u vista da
verba do Sello lineado emdilo documento,
D. portuguez tit. I, n. 1,030, por isso.e mai-,
que dos autos se vjulgo procedente a accSo
intentada para o etTedio do reo restituir a
canda pedida, e os reiid'.mentos. della, que
na execiic.lo se liquidaren!, pagas pelo reo
as cusas. Recife, 36 de junlio de I8jo.-Vom
Baymundo da Cotia Meneze*.
Sentenpa.
A tiendendo que o faci de tocar era pirti-
Iba a canda ao nitor nao he conleatado e prova
o documento a folhas 15, e que o reo possue a
canda he inanifetio doi aulos, Unto que allega
a haver comprado a Nevea, e que por estar em
seu poder Tora mandada incendiar pelo autor,
allendeudo que a venda do autor frita a Neves
nao est competentemente prvada, visto co-
mo nao se inoitra conhecimento de pagamento
le lita como cumpria nos termos do artigo 30
do rrgulamriito de 15 de juuho de 1844, e do
artigo quarlo do alvar de 20 de ouiubro de
1812, e ifem titulo legal desse contrato, e con-
eguinteinente o documento a folhas 66, labo-
ra em vicio de origem : allendeudo que o au-
tor confenou que a canda la-ara no tundo do
armaxem, e que o reo aprsenla esse documen-
to a folhas 60, despreso os embargos de folhas
68 e manilo se cumpra a sen lenca a fullias 65
verso, com deelaraeno, poriu, de ser o reo
obligado a entregar a canoa ao aulor e os rrn-
dimentos da conlrslaco da lideem diante.
Doulrina das acedes paragraa>ho68 nota
licaudo-lhe salvo o direito de haver de Neves a
importancia declarada a lolliai 60, e paguen)
as cuitas em proporco.
Cidade do Recite, 2o de agosto de 1850.
loao Floriptt Diai Harrilo.
E mais se nao conlinha em ditas sentencas
aqu copiadas, que eu eacrivo abaiio aasigua-
ilo bem e fielmente li/. estrahlr por certido dos
proprios autos aos quaes me reporto, e val a
presente sem cousa que duvida faca por mim
subscripta e assigada uesia cidade do llecife
de IVrnamliuco aos 23 de agosto de 1850. Su-
bicrevi e assignei em fe de verdade e C.lla-
noil ioda Hola.
r-nwaanawsajaaaaHawaaaeass*flBasiBaBsaaa>jea
ihor Rosni della, depois de ter orado. Algu-
nas vezes visltou-me a affeigUo ; e a ora-
Cflo deo-me esforco para soffrer cot firme-
za, e fez-me esperar com seguridade. Cre-
le-me, amigos : seja qual fdr a vossa con-
Jicflo, orai sempre ; porquo a oracflo he
um escudo contra as tentaedes, um balsa-
no que cicstrisa as feridas, orna ailo invi-
iivel que sustenta o que cambaleia, um
braco valedor que se extende a quem jaz
unido: nella ha algum* oousa de corno-
vente e magestoso. Desafio o espirito mais
frivolo e leviano pira experimentar ternu-
ra o veneraQo toda vez que veja a innocen-
cia, ou o arrependimento em acto de orar :
desafio qualquer espirito forte a deixar de
sentir-so comovdo 4 Vista da multido
prostrada diante de Daos em urna igreja :
l js .lio o mais endurecido encredulo a dei
tar de venerar o sacerdote, que estende
a inflo para abencoar um povo inleiro de
joolhos
A oraQSo, meus amigos, consolida a f,
reanima a esperance, e mantem a caridade,
tres primeiras virtudes do christo. Mas,
altla/ Rem conheco que aqui devo parar,
comquanto sempre baja prestado ouvidos
s doutrinase explicacdio dovangelho do
Sr. Cura, nem por isso julgo que posso por
i bocea no Co. e intromaltor-me a ensi-
nar-vos os preceitos e verdades da nossa au>
gusta religi.lo. Nfio assenia bem que urna
uvelln encasquel-s de gua'r o rebanho ;
porque podena trausvia-lo o conduz-lo
bocea do lobo. Ao pastor cabe dirig lo.
issim que, meus charos leitores, s-com a
historia das mesnias impressdes tenho sa-
bido persuadir-vos que a religfio he fonte
le todas as virtudes ; queso ella pode dar-
vos a forca de adqulri-las, s ella tornar-
vos felizes nesta e na outra vida ; tocado te-
nho o meu li u : fallar sobre o mais nSo he
peso para os meus hombros.
OS GRANDES F. OS PEQUEOS.
A ultima vez que fallei com Carlambro-
eio, no deixei dedesabsfar com elle, como
se pralica entre amigos liis, e de contar-
me os meus infortunios, minhas malgra-
las esperanzas, meus odios, os padecimen-
los do meu espirito, lamentanlo-me de
ver ocemsos ricos, mos homens tornarem-
si poderosos, malvados ombaracarem as
hdas obras. Era para mim um da do mo
humor, va ludo de edr negra, e quasi mur-
murava da Providencia, culpando-a da in-
juslica dos homens ; porque na minha ida-
de anda me achava ein baixa coudiclo som
poder gratigear noineada, nem adquirir
um emprego, nom aproveilar ao meu pai< ;
e dizia : aBemaventurados os ricos quo com
o seu ouro polen bonificar larga mo.
liornavouturados os g rae. les que nilo sSo
obrigados a trabalhar.a mourejar para tor o
pSo. Beina ventura dos os po lerosos.que no
te ni cousique Ihe d nojo : a sua vontade
he le ; tulos os respeilam, tolos os que-
rem por amigos e prolectores. E porque
nio tenho eu timbea ouro, pobreza o po-
lar, para mostrar quem aou, e fszer o que
quizer ? Carlambrogio deixou-mo fallar,
abanou um poico acabec* em tom de amo-
moravel reprovacfto ; ao depois travando-
mnda uiilo, apertou-m'a com animadora a-
misado ; fez-me sentar, e sem prembulos
coutou-me a seguinte
2-
asa
a
caria o seu posto pelo de outro qualquer que
estivesso mais bafxo.
Mas emquanto soltava gemidos inoteis e
vSos gritos de terror, o raio ferio o balflo.
'luepegou fogo, e o homem da barquinha
foi precipitado das alturas, e fez-se em pa-
tacos O mesmo raio dea sobre a torre e
matou o sujelto qus li eslava, e das podras
que desta se desprendern), urna foi ter'
ao mirante equebrou o braco soque nelle
osta.va. 0 homem do chito, porm, no sof-
freu mais do que o ficsr alagado da chuva,
que as nuvens despe javam a potes. O su-
joito. porm, que se achava dentro do poco,
nem deu fe da tempestado ; e chegada a
hora de repousar, ja se no maldizia, antes
mascando o seu pedaco de po de rala,.
cantarollava alegremente.
EnlSo o liomem do ehflo tendo-o ouvi-
lo, debru^ou-se sobre as bordas do poco,
fallou-lbee Ibeeontou oauccelido, acores-
cantando : no te maulles mais de eslares
enllocado tilo baixo ; pois que, o que se
achava mais alto estiva mais visinho I tem-
pestad e, foi ferido primeira e termnou os
seus dias : oque estiva na torre, foi victi-
ma do raio, a o do mirante foi bem aqui-
nhoado com a quebra do braco. Tambem a
mim por estar mijs alto quo tu, cnube-me
> mmlia porgo. ili pouco la menta vis-te,
emquanto os oulros mostravim-se sobar-
bos e enfatuados ; agora tens razio de can-
tar porque a levpesta'le que os abateu,
nio te tolheu nem o irabilho, nem o des-
canco. Tambem eu quero cantar, nem miis
me amesquinhirei; pois no soffri, seno
um pbuco d'agoa, que o primeiro sol me
enchugar.
A estas palavras o cavador da pocos poz-
sea rflctlr, e dooois disse cunsigo : cou-
soleino-nos de seriaos pequenos ; porque a
graddezi neste mundo compra-so s bra-
gas ; e cuidados, porigos e desastres sSo i
mu la com que se paga. Mas anda conse-
guida, nunca so pode chegar 13o alto que
senSo aciie alguem anda mais eleva Jo ;
pois s Daos goia em paz da sua grandeza.
s Daos nada v que Ihe fique icima, s
Daos nunes pode ser precipitado.
Aqu ter.nimn as mximas e praceitos
que nos deixou Carlimbrogiode Montevoc-
chia, para viveroos o menos mil que he
possivel neste mundo.
UeparlQo da polica.
como fatenda superior. Foram vendidas 150
siccas do Haytl, da antlgalmportafiio a tr.Jiio
quintal. Os novos. importados recentamenle
pelo Paquibol-Ferdinand, achara todos oa das
compradores a fr. 57, o quintal, a relalho. Di-
tcm que as 43 barricas de Guadelupe supe-
rior, por Andromaque, obtlveraiit fr. 1 e40.
Algodo.
Vcnderam se, pouco mal ou tnenoi, 120 ate-
cas de algodo de Georgia c Louiaiana para as
fabricas pelos mearnos precos cora pouc df-
lerenca doa do Havre, 174 aaccas ebegarara era
direilura do Havre para os nossos manufaturrl-
ros. O nosao deposito est hoje reduzldo a 105
s.iccas de Georgia e Louiaiana, 55 aaccas do Pa-
ra, 60 ditas do Brasil e 30 ditas de Calaa. Os
dous navios chegados de Mobile ato trouxe-
rain algodao._______
ov'mento do ?orto.
/Tapio mirada no da 98;
Rio-Grande do Sul-16 dias, brigue nacional
Principe-n.-A/fonio, de 916 tonel idus, ci-
pit3i) Francisco da S. Avelida, equipagom
U, carga carne ; i Leopoldo los da Cs-
ti Ariujo Passageiros, o Brasileiro, Jos
Teixeira Bisto e o Portuguez JoSo Jos de
Paira.
Nato tahido no memo da.
Lisboa pela Parahiba -Barca portugueza
l.igeira, caplilo Antonio Joaquim lio ln-
gues, em lastr. Passageiro, o Drasiletro
Joiquiqi Jos llenriqu da Silva.
- I2DIT.AL
Pela inspectora da alfandega se faz pu-
blico, que no da 28 do correnle depois do
ineo-dia, se hSo da arrematar em hasta pu-
blica, na porta da mesma, 1 folhelos im-
pressos no valor de 19,000 ris, appreheruli-
dos pelo aldante do guarda-mr Luiz Go-
mos Ferreira, abordo do piticho dinamar-
quez Grant, por nSo se ichirem manifesta-
dos, jendo a arremataeflo livre de direitoi,
Alfandega de Pernambuco, 93 de agosto de
1800 O inspector interino, Benlo o$ Fer-
nanda liarrot._____________
Deca ruedes.'
PARTE DO DLV 2* DE AGOSTO DE 1850.
Fdr ira presos : i ordem do sublnlegado
li freguezia de S -Frei-Pedi-o-Goncalves do
Recife, o preto Jos, escravodeLuiz Anto-
nio Vieira, por assimohaver requisitido o
s iu senhnr : f a do subdelegado da fregue-
zia da Bdi Vist.i, Antonio dos Santos Fer-
reira, por desobediente.
aaaajBajBjfaBSjaaaajsjBajp^^
=ss
V.vH1KIaI>1<:.
A RELIGIAO' DE CARLAMBROGIO.
(Con/i/iuafodu n. 187.)
Quem ha que no haja sentido a neressl'
dade da f e do refugio da reHgiflo ? Qu-
creatura numana, a nao ter a alma pervereLi
sa e corrompida deixou de se sentir muita-l*'
vezes levada a prcslrar-se diante du Autos
de todas as cousas? Desde o menino, que
onlra nos penetraos da vida at o velfto,
que desta esta para aahir, quem he que nfio
tem de dar gracas irlos bens quo Ihe san
promeltidos, ou pelos que ja tem gozado?
Desde o humilde e afanoso trabalhadorale
o rei circundado d efmera pompa a ma
geslade, quem ha ah que nada tenlia q le
pedir a esse Dos, coja omnipotencia
pode sustentar todas as franquezas, e fazrr
baquear todas as potencias? Oh! que pena
que tenho de quem u.lo sabe adorar, neo
orar! Se he feliz, he um ingrato : sesof-
frr, 83 sobre elle pesaoi a ddr,ou a miseria,
no tem nem consolacdes, nem esperan-
c,ai: se he culpado, se o punge o acleo
dos remoraos, nflo v o perdi seguir-se so
arrependimento
Santa oraeSn. quantos bens nos razes !
Ku sou homem, e como qualquer outro hei
pago liinanidade a iiiinha divida de tri-
bulafcs e de fraquezas ; mas todas as ve-
zo) que oro pela manilla, acho-me mellioi
e maii forte, por todo o da ; e quando oro
i noiif, durino somnos mais tranquillos
Parbola.
Foi um dia um homem quo trepando ao
mirante da sua casa, que era mu alto e
vistoso, poz-se a olhar para baixo. E nislo
v outro homem ao p de um poco E, em-
quanto assim nlliava, o v-nlo soprava-lhe
de redor, e osibillo deste arvoava-lhe ci-
beca.
E disse comsigo : eu que estou iqui em
cima, son inuilo maor que aquello la de-
baixo, queme parece bem pequenino. E
dizia stoj; porque fszia como quasi lodos os
homens, que em medir a propha altura
sempre esquecem subtrahir a altura do pe-
destal "in que se achim cotlocidos. Ora,
emqua'ilo linda com despreso filos os
olhos no homem do poco, eis que sent ca-
hir-lheoquer que fossena cabeca, o olhan-
do vio prxima ao seu mirante urna torre
iruito mais alta, e nella outro lio nem. E
este homem alientan lo para o mirante que
Ihe lie a va soiuposto, c crendo poier menos-
presar o oulro por Ihe llcar a cavalleiro,
Ihe havia cuspido des lenliusamante na ca-
liera.
Mas o sujejto do mirante licou muito des-
peitoso,oexclamou: ah .' porque no pos-
so eu cliegir ali cmi ? a e ameacou ao da
torre: mas as suas bravatas eram impotentes
e o oulro ria-se delle.e Ihe alirava rmeos.
Entretanto sent esto mesmo cihir-lho titra
cousa na cabeca ; eerguendo os otlios, deu
vista de um balito que librava-se graciosa-
mente nos ares, e na barquinha deste um
homem : o qual, como viss ahaixode'Si o
que estiva na torre, julgou poder tracta-
|0 rom escarneo, e curvava-sa pira atirir-
.he cabrea pedriohas e tremorjos.
/aiignu-si o hoiiiero da torre e disso :
Ah l que nSo possa eu remontar-me
aquello ltul.1i) .' E ameacava com grande
erimeza ao homem do bslflo ; o tambem as
suas roncas nada aproveilavam. Ao mes-
mo lempo o do poco, olhau lo para cima e
vendo > homem do mirante, o da torre e o
lo baln, disse : Que bella cousa, que he
"t 12 !1u Quv* b";,iu uno or ;, Vv." J
longo e respirar livremente I Se so me-
os eu estivesse'no mirante, goza-ia um
pouco de r, e > calor ns>ine suffocaria,
como aqu em baixo. Emquanto assim fal-
la va, nuviou na voz surgir de dentro da
cova, junto qual se aciiava Era a voz de
um cavador de pocos que eslava la em bai-
xo tirar Ierra para achar agoa, e que ex-
elamva : Que triste destino, que he, o pas-
sar a vida debaixo da Ierra, derramar o suor
no meio de urna almospliera hmida, e in-
feca i morlica luz do urna lanterninha,
emquanto que oulros li em cima auJaui so-
bre a enrame respirara ao aol !
E estas palavras rausaram compaxflo ao
homem do clio, e disse comsigo: eis ah
um individuo que he mais biixo e mus
lesgragado que eu. Emquanto estis cousas
se passavim, nuvens con densa ram-sa nos
Gus, e desfachou urna violenta tempesta-
do. O trovSo rihomhava amea^sdor arepa
tidoa raios rasgavam as nuvens scapelludas.
E o bailo vagueava aqui, ali, violentamente
combatido dos ventos encontrados; e o
homem da barquinha J nflo atirova Ire-
mocose pedrlnhas, nem mais fazia escar-
nen de ninguem, antes mil vezes quizera
Toda vez que a felicidad* mesorrio, me-l nflo achir-se tito alio, e de boin grado tro-
COMWStVIO.
ALFANDEGA.
Ilendimnntodo da 93.....3:728,679
Deicurregrim koje M di afollo.
Rarc WUUam-RuittlI -- mere idorias,
Brlgoe Aron dem.
Brgue Yaiof qaeijos, batatas o massas.
ajpniLAOo gkral.
Ilendimento 'ajf da 23 .
Diversas provincias
I68,4fl?
5,741
174.310
EXPORTACAO.
Despacho mar limo no alia 93
Rio-Grande do sul, pelecho brasileiro Ai-
irea, de 147 toneladas : conluz o seguinte :
554 barricas com 4,20.8 arrobase 98 librssde
sssucar, 106 harria niel, 3,850 cocos e 9 cai-
xdes com 181 arrobas de pos antibiliosos.
HEl.KHEIlORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Reu lmenlo do da 23 ...
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendlmonto do dia 23 '
344,290
505,72c
NOTICIAS CO.MMERCI \F.S.
Havre, te9de jnlhode 1850.
A lotalidade das vendas de algodao acates
dous dias orcavain por 5,003 saccai. A procu-
ra foi btataute animada e nio houve alterado
alguma nos procos. Nio temos boje avisos re-
ceutes de Liverpool ; o bulleilm de segund-
frira nao cngara senao esta larde, por via te
trgraphica. ipera-se receberaomesiilo lem-
po a mala hebdomadaria doa Estados-Unidos
pelo vapor Canad, que sabio de Boston no dia
2 dejunho.
O mercado do c*(i conserva os uiesuios pre-
cos. Vi'iidrram-ae liuiueui 74 aaccas de caf
lavado do Hio-de-Janeiro a fr. U2 oa 50 kilo-
graimnaa.
Os mercados da Hollanda e de Londre estao
sempre lirmes, ecouservam-ae raais aulraados.
Nos assucarea brutos nao bouve negocio al-
gum que vallia a pena menclonar-se. Foram
ufferecidas em Jetlao esta manbaa II barricas e
200 sacioj com astucar bruto proprio para se
examinar; poriu a lotalidade fui retirada.
A procura para os couro contina bastante
animada. Huntem de taide cesta manbaa oo-
tarain-se aleda 9,150 couros arceos de uuenos-
Ajres, em tres lotes de fr. 59 a 57, e u m peque-
o lote de 400. boa faaenda, a fr. 78. Os pre;os
dos couros ae conservara aran alterar ao.
Niiales, 6 dijulho.
Gegaram trea navios esta semana : a Ce-
Ita. viada da atavia, o Meeedmia e iIm, de
Mobile. U (JuoiKgu fri-ae a vela para a Reu-
nin, c o /.ii-Cfiaral, para a //atavia.
Em iraiisacces sobre geueros colooiaes, ha
multo lempo que nao liohauoi panado urna
semana tao cileril.
Alinear.
O nico negocio que tenha chrgado ao nono
conliecimruto esta semana, he a venda de IU
oaiades com assucar de Guadalupe, ex-Andro-
inaque sobre a bas de fr. 62 a boa quarta sor-
U. Esta partida nada deiaou que deaejar, un-
to pela dill'rreiifa eoioo pela qualldade A-
char-se-hia com mullo ?uato o mesmo preco
para os assucares ordinario!. Comerrau-se os
prreus dos assucares reunin a fr. 63 a boa
quarta lorie, sem compradores. O noeao de-
posito consta de 8,900 sacoM reunlou, 500 bar-
ricas das niilhas frajacezaa e 5,000 barricas de
assucar eslraogelro,
Al noticias das uoisas Anlilhas, pela mala in-
glesa, sio de 0 de junho. Na Martinlafue, > !
cuacio daSsrassucares tiuha memorado eatio
colados fr-32 a 2jJO. Na GuiUluiie, o preco
era de fr. 21 a 24.
Cal.
Veudau-se urna norcao de siccas Reunin
boaqualidada a fr. le 13.
Acabamos de receber pela CMlia mn rrfor-
co de 4,000 laceas de Java, que ae anuuncfa
-- Ds ordem de S. F.xc. o Sr. presidente da
provincia.o Sr. director do lyceu manda pdr
a concurso as substituidas discidens de
latimede philosophia do mesmo lyceu,
bem assim asubslilulclo de primeiras let-
tras do sexo feminino desta cidade, e na or-
dem seguinte : s de latiin com o praxo de
30 dias, a de philosophia com o de 50 e a de
primeiras letlras com o de 60 : tojos conta-
tos Ja data deste. A I verte so, queooppo-
silor i subsli tuieflo de latim tem de sor exa-
minado tambem em llnzoa nacional, e o
sutistiluicfk. de philosophia igualmente em
arilhmetica, algebra, geometra e trigono-
metra. Secretaria do lyceu, 19 de agosto
de 1850. Jnauririo Alexandrinoda Silva Ra-
billo Caneca, professor de desenbo e secre-
tario.
Pela segunda seceso do consulado pro-
vincial annuncia-se aos JeveJores do im-
posto de 80 por cenlo sobre o consumo d'a-
go'ardente, que o mesmo so acha -a cobrar,
sobre a base de too rs. por caada, na for-
ma da decislo do Exm. presidente da pro-
vincia ao recurso que havia a seraelhante
respeito.
Tendo o inspector do araenal de mari-
mba de contratar em virtude de ordem de
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, a re-
mesas de varios objeclos vindps di edrte,
pira serem enviadas s provincias da Para-
hiba e Rio Grande do Norte, convida aos
capitiles ou meilres disembarcacdes mer-
cantes nacionaes ou eslrangeiras quo se
destiera s ditas provincias, e queiram
tronsporlar a Jlateoscitsdosgeneios, se
enleuderem com elle, adra de contrataren)
a fospeito.
inspecQilo do arsenal de marinha de Per-
nambuco, 39de a goslo de 1850.
O arsenal de guerra contraa a compra
de barretinas e bonetes para a companhia de
eavallaria de Imlii desta provincia, assim
como panno azul para fardamento da raes-
mi, brini branco para calcas, pares de co-
turnos, esleirs de Angola e luvas brancas
lo algodlo trancado :a quer.i convier com-
parece com sua proposta, na ssla da direc-
tora do mesmo, no dia 96 do crrante, ao
meio-dia.
Pela subdelegada do llecife se faz pu-
blico, que no dia 20 do correte CsJ recollii-
lo a ca loia o preto Julio, o qual diz ser es-
cravo da viuva de Manoel Cavalcanli doGi-
q na. O aau verdadeiro dono diriji-se i
mesma subdelegscia com os respectivos t-
tulos, para Ihe ser enlmgue.
-- A admiilistracSo da companhia de Be-
berilio se reunir no da 24 ,do correnle ara
contratar com quem mais der, e melbores
garantas offerecer, s arrecadac3o da laxa
nos chafarizes e bicas do encanainento por
um anno, a comecar do primeiro desetem-
bro. -Os prolendeiites compareQaai uo es-
criplorio da companhia, pelas 10 horas ds
mantilla do referido dia.
bordo : quem na mesma pretender carregsr
ou ir de ssigem, entenda-se com Joilo
Carlos Augusto da Silv.i, ni rua da Cruz,
armazem n.'3 ou com o capliao a bordo.
-- Freta-se para os portos de Inglaterra,
ou Mediterrneo obrigue inglez Avon, do
primeira elasse e do lote de 181 lonelldss:
trita-se com os consignatarios Rozas Braga
6c C
Para o Ancaty segoe at o da 91 do
crrante, o hiate Ugelro : para o resto da
carga o passageiros trata-se na rua do Vi-
gario, n. 5. (*
Leilo.
No da 26 do correnle, so ha de arrema-
tar em leilSo a porta do armazem, n. 14, na
rua da Madre-de-Deos, todos os gneros
moldados nolles existentes, bem oomo to-
los os bens moveis.oscravos, joias, ele, per-
tenceqtes aos fallidos Domingos Jos da Cu-
nta Lago & C.; os quaes bens sao vendidos
psra pagamento dos credores, como foi de-
terminado pelo juizo da primeira vara do
ci'ol : as pessoss que qulzerem lancar, de-
vero comparecer em a manhSa du tnoncio-
nado dia, s 10 horss do dia.
RussellMellorso! Companhia faro lei-
lSo, por intervenco do corretorOliveira,
de um sorlinenlo geral de fazandas ingle-
zasss miisproprias do mercado : segunda-
fera, 96 do crrante, s 10 borss da ma-
nbaa ein ponto, no seu armazem da rua do
Trapiche-Novo.
Leilo de manteiga francezi.
Trrci-faira, 97 do correnle, se far leilflo
de 40 barra e 60 melos de msnteiga. de-
fronte da porta ds Alfandega, ( aa 10 horas)
em lotes de 9 barrls e tres meios : roga-se
aos protendentes que nfio seesjuecsm de
appireoer.
i -'------1- -Jtmmmmmmm
Avisos diversos.
Thealro de S. Isabel.
15' RECITA DA ASSIGNATUIU.
Quarta-fdr a, 98 de afollo de 1830.
Representsr-se-hs depois da execuefio
'?;t: :;"J:t: uu'crima, o i;cc!!c5lc
drairuem cinco actos eum prologo
PEDRO CEM,
que lev e agora nio lem.
A parte de laavinn fllha de Pedro, ser
fe.it! pel Sra. Kelumina Mara Sabina da
Gama.
Rematar Miactaculo a graciosa e inte-
ressan'e com6 OSIRMA'OS DAS ALMAS.
Coinerar* s 8 horas.
Os bilhetesacliam-se venda no lugar do
coslume.
visot, martimos.
| Segu viagem, em ppucos dias, para o
Rio Grande do sul obrigue nacional Maga-
no, novo e de sujierior marcha : recebe car-
gal frete rasoafvl, cBfibjftls Jos commo-
lospara passageiros : trta-se com o con-
signatirio, Leopoldo Jos Ja Costa Arauio.
o ru da lloda, n 7.
ara o Cear, seguo at SI docorrente
i oseana tucion! Emilia, d qu he cap.
tiloe pratic i, AmonioSilreiri Haciel Jnior*,
coma carga que al essa data tirar a seu
O abaixo assignado, roga pessoa ou
pessoas que tem tomado a si o pouco hon-
roso encargo, de por melos indignos trans-
lornar a viagem ao Cear da escuna SmiUa,
que Ibes be mais decoroso a nilo conli-
nuacSo de tses invectivas; pois a conti-
nuaren), ser forcado a publicar seus no-
mes, afim de serem conliecidos oomo pes-
soas de pouca conslderacflo; circumstancia
esla que se omitte, | orquo com osla publi-
cac,rio poder talvez sobrevir o arrependi-
mento. A escuna Emilia segu pera o Cear
em direitura al 31 do corrente.xom a car-
ga que al essa dala tiver a seo bordo.
O capitao da mesma, A. S. Haciel iunior.
Preciss-se de 900,000 rs., pagando-se
o premio de um e meio tor canto, sobre hy-
nnlhecs em 6 esersvos euraa fatenda de ga-
do, bens rstes livres e desembaracados, por
prazo de 18 a 24 mezes ; sendo preciso pin
osle emprestimo maior garanta, sujeita-se
mais eseravos hypothecs, e d-se a firma
de um proprietario aqui ni prac, e at se
reinelto assucares em cotnmissSo a quem
tal emprestimo flzer, pois quem dlle pre-
ciss he agricultor e morador nesta prsQa.
/tttenco
Cresas Providencie queja estes diss te-
nho comprado carne fresca a dez e a doze
patacas a arroba, e fazendo-me alguma ad-
mirarlo uma tilo pequea diminuicSo pro-
curar saber ofliotivo porque irlo belxarim
logo de urna vez para mil oilocentos e oiien-
la rs. a arroba, conforme vendem para a
marinha e enfermara da mesma : achei
quem me respondesse que Isto nBo faiia
conta, vista ds concordia que entre elles
oxliste. e que se fueram essa nequena dif-
ferrnca foi nicamente com o fim do ana ta-
par a bocea, pois se assim pensara os Srs.
marchantes estao engaados, porque pre-
tendo continuar com meus anouncios, que
tanto Ibes tem dado que faaer, principal-
mente o m.....que dizem ser depositario
ds C. e da C. dos MM. com que fazem guerra
aos criadores e ao povo, comprando a mil a
luzontos rs. a arroba e a menos, segundo
dizem, valha a verdade, para a ven ler por
alto preco; peco ao Sr fiscal i quem com-
petir o dislricto do matadouro, que empre-
gue todas as suas vistas no mesmo, porque
dizem que se vende carne sem baver quem
mate as rezes. Sr. fiscal, ou nfto sai Como he
esta michina, quem quizer que adivinho.
O botiquineiro
Domingos Rabello da Luz, com loja de
relojoeiro na rua do Codorniz, no bairro do
Recife, declaras pessdas que tem relogios
para limpar e concertar em sua loja, que fd-
ram penhoradosa requer manto, de D. Ma-
ra Martina, talvez na hypotheae de perten-
cerem ao annuncante, quando de fado
nSo sSo seus.
Alugs-so urna casa terrea, no pateo de
S -Jos, n. 41, com duas sals, dous quir-
tos, cosinha fra. quintal e cacimba : a tra-
tar na praca da Independencia, ns. 34 e 96
F. Ilegord k Companhia avisim a todas
as pessoas que leera penhoras em sua iSo
de os r tirar no prazo do oito disa, confa-
dos da data deste ; do contrario, serio ven-
didos para seu pagamento, podemio os mea-
mos procunrera-no na rua da Cruz, o. 1,
9*0 i." fdiiuiUU U l'JJ. Illa ~l\j,m.
n. 17. Recife, 93 de agosto de 1850.
I'ara algum principiante.
Alugi-seurascisa terrea na rus Direita
da povoacflo dos Afogados, cujo loeal he o
meihor para qualquer eslabeleimento, por
preco muito commodo : quem preteader,
liriji-se a case das aferiedes.
Precisa-se alegar urna escrava para
vender : quem a livor aonuncie por esta fo-
llia, ou dirija-se ruada llanguoira, n 1.
Engamma-se roupa eom toJa perfeiclo
para homem esenhora aa rua do Viga
n. 99. primeiro andar.
Urna senhora portuguesa se socarrena
de tratar da roupa de qualquer estrangeirn,
com aeelo e promptidflo ; oa rua do Vigario,
n. 22, primeiro andar.
(juem precisar de um homem coa 19
anuos de pratica. na chicana da justica, o
qualeacrevesolrivel ccom algum acert:
ofTereco-se para fazer qualquer eicnptura-
cSo, dirija-se rua do Fogo. n. 13, qo ahi
chara com quem tratar a respeito.
--Quem precisar de um moco portu
pin caixeiro de urna boa vegda, do i
ti|tiiitepralica, o armazn de isucar,
Jiriji-se 4Fra-d-l>o.tas, n. 143, a fallar
com o mesmo.



~ JoBo Evangelista Piras, Porluguez, re-
tira-se con. sua mulher Joaquina Mara Pi-
res, Briisileira, pin fra do imperio
Antonio Aroz retira-se para fra do
imperio.
Perante o Sr. Dr. juiz do ausentes, se
ha de arrematar em praca publica duas mo-
ra 'ts de casas terrees de pedrs e cal em
mi estado, avahadas em 350,000 rs. sitas
na cidade de Olinila ru do amparo : segun-
da-feira, 26 do jrrente pelas horas da
tarde, a rrqueriinento de Manoel Firminu
Ferreira, cofflo teslamenteiro de Jos da
Silva Botolho.
-- Manoel Jos Hodrigues retira-se para
Mnssamedes, com sus mulher e tres lllhos
menores.
Antonio Pereira da Fonseea, sua se-
nhoraeD Rlhos menores, retirsm-se pars
Mossamedes.
Francisco Antonio Mesquita, Purto-
gue, relira-* para fra do imperio, levan-
do em sua compendia sua mulher, Joanna
da CbnceicSo Mosquita ; sos sogra, Francis-
ca Maris de S.-Anna ; sua fllha menor, Ma-
rianna; eseu criado, Joaquim Goncalves
Vieira.
Sn. Redactores. Tendo alguna ami-
gos meusdeclarado-mo, quealguem procu-
ra prejudicar a minha reputado, atacar a
minlia pessoa para com sinistro flm,entend
quodevia andar tranquillo em ronscien-
cia porque tilo calumniost era a imputadlo,
que minha vida toda pacifica, meus arlo-
rogulsres, meu theor de proceder e genero
de vida adoptado, bastavam para repellir
urna imputaeo, destituida de fuudamen-
to toda indigna. Observando, porm,
que havia plano de fuzer eiicular boato
prejudicial, entend que nSo devia deixar
paa.a-lo detapercebido, e declarar que re-
presentar, como procurador de meus paos,
para com a casa de mtu primo Jos Candi-
do de Barros; nSo be motivo para se for-
mar cancilios e propalar idelas prejudiciaes,
pois o uso de um direito, nSo se pode pro-
curar impedir com artificios; e que na
qualidade de prente e creJor, como pro-
curador de meus pais teoho todo o interese,
ii.lo a pela vida, como pela fortuna e bem
estar sWSj'. Jos Candido de Barros.
I'oresti minha franca e leal declaracSo,
pelo meu theor le proceder em toda a vida
avallo e julgue o publico, e me satisfaga
rom seu julio imparcial; e por isso, rogo-
Ibes, sonhorea redactores, quciram publicar
o sau lomal esta poucas linhas, pelo que
JAe aarei obrigado.
V. F. Tavares.
"Atrro-h-Boa-Vista, n. af.
Madama Quonlin, modista franceza, che-
gada ultimsrnente de Psri*. lem a honra de
visar s elegantes senhoras deste cidade,
que ella possue um variado sorlimento de
objectos de gosto, os mais modernos para
senbora, e fabrica com especialidade e per-
fei(So chapeos segundo a ultima moda ; e
para quolqur distes ins, pode ser procu-
rada desdeas 10 boras da manhSa ateas 8
da noite dos ds uteis, ns casa a cima dita.
-- Precisa-s. de dous aprendizes de saps-
teiro, forros, e que entendam alguma coli-
sa doofficin : na ra dos Coelhos, n. 9, ca-
sa de um sapateiro francez.
Preelea-se alugar um sobrado de um
andar,com commodos para grande familia,
naa aeguintes ras : Direita, Terco, Nova,
Queimatu. Cruzese Cadeia de S.-Antouiu :
quem tiver annuncle.
-- Joaquim l'ercira da Silva deixou de ser
csixeira, desde o dia 21 de agosto do cor-
renta aono, dos Srs. Fragozo & l.ima, de
queaSo p:c>curadores do eaUbelocimento
do Sr. Manoel Joaquim Con calves e Silva.
OffiTece-se urna crioula para ama de
cesa de portas a dentro, a qual sabe lavar,
enguinmar, cozinhar, e faz todo o mais
serficd; no boceo dos Ferreiros, n 6, na
Roa-Vista.
J Paulo Sigoouv, dentista francez,j
srecencbt}do esta capital, offerece?
Jfseu prestimo ao pnlilico pura todos os^
jn>ysleres de sua prolissflo, quor extra- 43
ta-liiiido, limpsndoe chumbando os den-*
?tes neturaes, quer substituiodo-os por4i
*>outroa artificiis, para o que -lem os<-
*melhere apparelhos. Pode ser proeu-*
*rado a qualquer hora em sua casa, na2
?rua larga do Hozario, n. 36, segn lo
andar. 4
Ilalbina Custodia de Oliveira Diniz,
vluva inventarente dos bens deixaios por
seu (nado marido Manoel Forroira Diniz,
cientfica aos credures de seu casal que
justifiquen! os dbitos do mesmo pelo cario
rio d'orplios, por cujojuizo est a annun-
ciante procedenJo inventario, afim de se-
r*mpago.
Lava-se e engomma-secom perfeicflo e
por preco'commodo: na la de Agois-Ver-
des, n. U.
Preciss-se de urna ama de loite forra,
parida de poucoe sem filho, que tenba bom
e bastante le.ito, e que seje zelosa : na rul
do Hozarlo larga, n. 28, segundo andar, por
cima do armazem de louce.
--O absixo assignado dolxou de ser ca--
xeiro J Sr. Antonio Joaquim de Mello des-
de o dia 18 do correte, e lhe agradece o
bom iralamento que leve, durante o lempo
que esleve em sua casa'. Gaspar Leile a
Silva C.uimaraes.
a psasua que uo ..* :c crtl;;ds ;s
nunciourstar no ciso de ser caixeiro da
venda, baja de se dirigir ao largo da ribei-
ra de San-Jos, cafa n. 3
Pede-se ao Sr. Francisco Antonio de Mi-
randa, morador em um dos enjennos de
Ipojuca, o favor de vir ou mandar trazar o
alliitelf que lem em seu poder, ha dous au-
no', porsoi mil ra. poiaque n.lo be este
seu imparte; o j so lhe ten jo eteripto
na cartea respeilo, en> 7 do junho, al o
presente nlo veio resposta, aa ra dos
foufcoinhoo, na.
Precisa-se alugar uina casa Se dous an-
dares, em alguna das principael ras bairro do Recife, preferindo-se a da Cruz,
arreada-se toda s casa altos e henos, con-
viudo ao proprietario, e afianca-ae a bos
conservacao e zelo no predio : quem tiver
annuncie.
A o publico:
Fajpie *r quo niiiguem faca negocio com
Jofio de liana Bastos com dina casa de taipa
' i propriedadosua, tila no Barro, pois o
Timo hedevedor ao abaixo assignado da
ia ile 978.670 rs. principal e juros,
iaostra por docuinenlos, que o mesmo
abaixo assignado tem em seu poder, e por
cujaquaotis o mesmo se aclis em litigio ; e
para que em todo o lempo pessoa alguma se
chame s ignorancia, faz o presente. Fran-
ufa* Jo de Campos. .
Fabrica de asphalto, em Fra-tle-
Portas, em frente do chafariz da
ra do Brum.
Esls msssa tem a vanlegem de servir pa-
ra toda a qualidade de obra, e he na verda-
Je de grande economiaje apezar de ser mais
oaro do que o tijolo, he mais barato do que
i pedra, por ser de eterna duragio.e de mais
perh!'c,.1o, como se v na calcada da ra No-
va, doSr. Roberto, e em outras obras par-
ticulares. Os Srs. de engenhoe propietarios
pdean aproveilar para ladrilhar casas, ter-
reces, pasados do ras, para o perfeicoa-
mento da cidade, tanques, igrejas, encana-
mentos de telhados, por esta massa vedar as
aguas, soleiras de sacadas que se scharem
em mao estado, pois j se concertara ni al-
gumas; assim como se pode fazor terreiros
para aeccaraasucar em grande escala, ece-
reses coro paies no mesmo terreiro, estes
subterrneos, vflos de asscntamenios de
caldeiras, eoutras obras: para tratar em
dita fabrica.
0mmmMmmmn*.mmm-*mmti.*
t CONSULTORIO CENTRAL IIOMOEO-
PATIIICO DE I'EIINAMBUCO.
Dirigido pelo ""
Dr.Sabino Oltaarto LuJgrtPiako.
Ra do Trapiche, n. ii>.
Todos oa das utela ae darSo consultas
e remedios de gra(a aos pobrea, desrfe
pela manhia at as duas horas da larde.
Aa correspondencias e Inforuia^es
podero aer dirigidas verbalineote. ou
por escrlpto, devendo o doeole Indicar
prlmeiro o noine, a Idade, estado, pro-
nssao, e coot(ituicfio ; segundo, as mo-
leatlaa que teiu Udo e os remedios toma
dos; triedro, a poca do appareclmen
%
lo da molestia actual, e a dejeripcao 10%
nucioaa dos slgnaes ou aymptoiuas qdre
soirre.
Vr. Sabino Olegario Ludglro Pittho.
D'imajuioi de do n por centoao mez
ecom penhores de ourj ou nata a quantia
de 400,000 rs.: na roa dos Msriyrios, n. 36,
se dir quem os Hefini gao.
Precisa-se de urna pessoa quo ssiba rellnsr
assucar, e compra-se um escravo refinador:
na ra da Cadeia do Recife, n. 50.
--O Sr. proprietario da casa n. 7 da ra
atrs da matriz da Boa-Vista procure a cha-
ve da mesma do primeiro-tenente II rmes
Ernesto da Fonseea, no qosrtel do Hospicio.
- Precisa-se de um otTloial de carpins pa-
ra trabalharem urna obra simples e parti-
cular: o que estiver neslss circunstancias,
e queira annulr a este convite, dirija-se .*
ra da 9enzalll-Nova, n. 42. segundo an
Precisa-se de urna preta quitandeira :
paga-se bem, responsabilisando-se seu se-
nhor pelas faltas : na ra da Cruz, n. 23,
primeiro andar, das 9 as 4 horas.
Atuga-se o primeiro andar do sobrado
da ra da Penbs, n. 89, e o segundo andar
dk ra Direita, n. 20, com bons commodos:
na ra Direita, n. 93, primeiro andar.
-,Km 31 de julho, perdeu-se urna lettra
da quantia de 2:833,440 rs., sacada pelo Sr.
Manoel Alves Guerra em o 1. de junho de
1849 a 24 meses, e aceita pelSr. Jos Pinto
da Fonseea e Silvs, e endocada pelos Srs.
JoSo Keller & Companhia ; por isso se pre-
vine, tanto ao aceitante como ao endonante
e sacador, nSo faeam negocio algum com
dita lettra, a n3o ser com o possoidor Joflo
Jos de Carvalho Moraes, e desde j se pre-
dar.'lodos os das al s 9 horas da ma-, vine.o se porventura alguem achar dita le-
nhSa, ou das 3 da tarde em diante, afim de tra e a quizer restituir ao dito Moraes ser
tratar do ajuste. gratificado com generosidade.
Domingos Martina Pont1" declara quej -Alugasc urna casa de sobrado na ra
deixoudeser caixeiro1a8rB. 1). Anna Isa- da UniSo, com excellentes commodos para
bel de Souza Le5o. Recife", 2-2 de agosto de urna ou duas familias: na ra da Aurora,
1850. jaiumero 4.
-Oabaixo assignado faz sciente a seus| A luga-se o terceiro andar do sobrado
devedores, que tem comprado carno no seu n. 49 da rus da Cruz : a tratar no primeiro
acouguee nSo tem pago, que hajam de vir andar, escriplorlo de James Crabtree & C.
pagar; do contrario, verflo seus nomes por! Offere-se um rapaz brasileiro que es-
extenso neste Diario al que paguem. jereve e conta soffrivnl, para caixeiro de
fellarmino Alves de Aroxa. i engenho, do que tem bastante pratica, ou
Um Brasileiro eom tannos de idade so para qualquer eslabelecimenlo : na praca da
offerece para caixeiro de armazem de assu- Boa-Vista, n. 2t.i>oJica.
oa*; ou mesmo de fazends, ainla que d Precisa-sede dous andares com com-
algum tempo gratis : quem de seu prestimo modos para duas familias, em urna das ras
se quizer utilisir, dirija-so ao caes do Ra- seguinlcs : Cruz do Recife, Cadeia de San-
to-Antonio, Crespo, Collegio e ra Nova :
quem tiver para alugar annuncie por esta'
folha para ser procurado.
Aluga-se o sobradinho n. 100 da ra Im
ttt*vWaWMra
Precisa-se alugar urna preta, que seja
boa quitandeira, pagando-se 12,000 rs. men-
sies i quem s tiver, dirija-se ra da As-
sumptjSo, n. 16- r,
l'tigiram, do engenho Ca-
tende, fregueaia de Jaboslfio, os seguimos
escravos : Jos, crioulo, quo reprsenla ter
95 anuos, baixo, grosso, muito fllenle,
ilhos pequeos, rosto rodundo. pamas pro-
porciona es, ps bem feitos, trsbalha de ear-
reirn, i'iixada o fouco; fugio do mez de Ja-
neiro d) corronte anuo, vindo para esta ci-
lade, nonde esteva hnmiziado, e depois
se susentou : Domingos, crioulo, que re-
presenta 35 nus, um pouco mais alto que
o primeiro, grosso do corpo, fallante, olnos
pejuenos, rosto relondo, peinas bastantes
jrossas, ia grandes e mal fei tos. Mu ba-
lita de carpina e em casa de caldeirS7 lain-
liem fugio no mez de Janeiro do correte
anno : quem os pagar leve-os ao dito en-
genho, que ser recompensado com 100/
por cada.um e 900,000 rs por ambos.
Tendo apparecido no sitio de Manoel
Jos da Silva Braga, defionteda igreja da
Estancia, no da 21 do rorrele, as 6 horas
da tarde, um crioulo de id de de 17. anuos,
muco mais oo meaos, e diz ser forro, o que
he lilbo da villa do Cabo, que tendo vindo
em co 'iipauliia de sua mili Isabel de Santa
Anna, so perdeu na Passagem da Magdale-
na, por isso a pessoa inleressala no dito
crioulo dirija-se no forte do Mullos, prensa
le algodflo no largo di assombla, n. I, ou
no sitio cima que sera entregue, e nlo cor-
rendo risco de alguma fuga do mesmo
cnoulu.
-tlaiia lgnaci.s.de GusABo e Lira, pro-
prielaTia e moradora nesla cidade, tendo
principiado a usar desienome ha um an-
uo pouco mais ou menos, antes do qual
lempo hav|-s assignado sempre em to-
las as suas cartas, disposicGes, contratos,
etc., alaria lgncrTvares de Cusm.lo ; e
recejando que esls differenca de nonio ori-
gine dovidas, ou queslOes no prsenle, ou
no futuro, acerca d.i seus negocios, e ve-
nha a prejudicar a sua pessoa, ou a ou-
trem, participa pelo presente ao respeila-
vel publico a subredita mudanza de seu
orne.
O abaixo assignado declara quepis mui-
to tessima com o nome de Policiano l.ou
renco daTilva, e por oto ter guardado os
diarios fazo prsenle aniiuiici".
Quem precisar de um rapaz brasileiro
le boa conducta, para caixeiro, procore-o
na ra do Encantamento, annazem n. II.
OtTerece-8 um rapaz brasileiro de 15
anuos do idade para caixeiro de luja de fa-
zeodas, rniazern de assucar ou carn,.o
qual di fiador de sua conduela : tratar no
caes da Alfandega com Antonio Aunes Jac-
ese Pires.
Os abaixo assignados, procuradores de
Wanoel Joaquim Concalves e Silva, deela-
ram que o annuncio inserto neste Mario,
honlem 99, em que oSr. Joaquim Pereira
da Silva ae da como desembarazado da ven-,
da daquelleSr. dizendo que deixou de ser
s u c lixeiro desde o ais 21 do correnle, n3o
temvalidade, porquanto o Sr. Pereira a to-
mou por balanco, e existe sb sua respon-
sabilidad al o acto da entrega pela mes-
ma lrma a pessoa por ns^ autorisada para
esse fim. Mo llaptiiia truyut:. *? rf
Cosa Lima Juntar.
Faz-se lodo o negocio com urna lettra
da quantia de 4000,000 rs. pouco mais ou
menos, aceita por um senbor de engenho, a
qual troca com qualquer genero que so-
ja, seccoou molliado, ou escravos : a fallar
com Justino Meroz, na praca da Uniflo.
-Joflo AlvesiJo Miranda reilre-sa para Mos-
samedes ns Urachareme : quem com ella ti-
ver algum negocio, dirijas ra do Viga-
rio, n. 2i, segundo andar.
-- D.'seja-se saber da morada dos Srs. D>-
mingos Jos Ferreira, Jos Antonio raga
Jnior e Antonio Pereira de Oliveira Hamos,
a negocio.
O abaixo assignado convida a lodos os
seus credores para hoje, s 4 horas da larder
aclurem-se, reuqidos na sus taberna, no
largo da Ribirs doSsii-Jos o *. afim de
liquidar suas cuntas^- uttao Bonlisla ter-
nandss.
offere. ortugcz dei
nno* para caixeiro de anda, q qual da
ni precisar,
mos, armazom de reeolhar sola, doSr. Ile-
meterio Maciel da Silva
Roga-se ao Sr. B. A K. G., morador na
estrada de Relem, que venlia pagar a quan-
tia de 15,600 ris, proveniente de um val-
le que o Sr. passra, do que nSo ignorai ;
do contrario ver o seu no-ne por extenso
nesta folha.
Koga-se ao Sr. Joo Anto-
nio Fires o favor de dirigirse
ra do Vigario, n, 19, ou annun-
cie sua morada.
O abaixo assignsdo, estabelecido ties-
ta prar;a com taberna no paleo de S.-Pedro,
11. I, avisa aos seus conhecidos da fregue-
ziade N.-S.-da-Escada, do Cabo," S.-An-
ulo, sendo senhores de engenho e Isvrado-
res, que estando breve a chegar as saf queaquellesque quizerem mandar entre^
rjir os seus assueares de commissBo, diri-
jam-se a todo lem po que quizerem; pois no
s vendei assucar, como comprara o qui;
r.aa suasrelacAes mandaiem.pois a(ianea que
ninguem meloor Ibes vender e co i.prar
do que o abarlo .assignado ; em lim quem
se proposer saliera sofica ou nfio salisfeito.
Jos Antonio da Cunha.
Ainla est fugida, desde o dia 26 de
junho prximo passado, a escrava crioula,
de nome Mana, moga, altura regular, cor-
poiefonjado, cadeiras grossas e um tanto
saludas para fra, bocea regular, b icos um
tamo grossos, ps e mSos grossas; tero
marcas de bexigas no rosto, peitos pequo-
nose cabidos, nariz grosso, olhos carnudos,
orelliasna parte do enfeile grossas e vira-
das um taulo para cima ; lem urna marca
da ferida de caustico do lado direito ou es-
querdo das costellas para os vasios; fevou
vestido de chita preta, pumo Ja Costa, e
um uboleiro com iiillio_"srrot quo venda
no da que fugio : esta pwfa suppda-se es-
lar occulls em casa de alguem, ou em al-
gum calugi, oque se vai escrupulosamente
indagar para se proceder contra quem a ti-
ver oceulta : ollerece-se urna boa recom-
pensa a quem della der noticia cert
gtrarJa-se inleiro segredo, ou a pagar e
aaaaaassaa
Vende-se urna escrava de boa lizura,
contalgumas habilidades e sem Mte. algu-
ma j no paleo da ribeira do San-Jos, so-
brado le um sndar, n. 15. -
Vende-se pao palixandre para embutir
e marxelar : na ra Nova. n. 4, casa de I..
Pugi. .
Vende-se, por,preciso, a asa preta mi-
ca, de bonita figura, que entoftde alguma
cousa dn cozinlia, eogomma, cose pouco <
lava bem de sabio; n5o tem vicios nem
achaques; um moleque do J8 a20 annos,
do boa figura e bom sadio, proprio para
qualquer servido, tanto do campo, por en-
tender alguma cousa de plsntsces, como
para o serviQoda praca: na ra do Colle-
gio, n. 10, primeiro sndar, por cima d
botica.
Na rus do Cabug, loja do lluarle,
vendemse tesiiiras para barbeiro, alfaiate,
para costura e unha*. fabricadas pelo me-
Ihorculileirode Guimarfles; cinivetes li-
nos, ospeviladiires do casquinha, caumbei-
ras de 2 caoos, polvarinios e frasco com
seu copo, espoletas, bandejas de 6 ate 91
pollegidas, cindieiro para oseada, a 1,000
rs. chicotes inKiezes para carro, a 4.000
rs pannos de oleado de bom gosto, luvas
loalgoJSo para rnontaria, a200 rs. o par,
eharutetras finas, e chapeos para meninos.
-Vende-se urna prela moca, que engor-
me, cozinha e lava ; nSo lem vicios nem
achaques: na roa de H irlas, n. 66, loj.
Ven'.lem-se tatemas de reverbero para
carros ecabriolis, asmis ricas que neste
genero lem violo a esla praca, as quae.s
com luz dentro a presenta m bellas n varia-
das cores : na ra do Crespo; n 11-
Vende-se urna haixa de capim no lu-
gar da Soltale, no sitio que fui do Sr.
ftIUUa-SC O SUUi iiiiniiu ii. iuii ua lu idi i --' ~.-------r_.. i ., w
portal, lojt lemarmacnoealguns uionsis'Herculano Alves da Silva : a fallar com Ni-
'-* .. .a.'n .1-.. I ...II .,1, \l IMI'IIIII III
em poder
Freilas
da data
zario esl
.queiram, no prazo dequinze dias aqui. lie um dos mellires que tem appare-
i .leste, os vir tirar, na ra do Ro- "''' nesla praca. pela rasBu de ter sonsso-
treita, n. 3. ; do contrario, so.o poroso fortes ..n-Undoos orgBo,di gra-
Precisa-se de um socio que enlro pa-
ra um ngocio, com a quantia de 400,000
a 500,000 rs cujo negocio nao desagradar.!
a quem o fizer, pis vista faz'f : quem
o quizer effecluar dirija-se ao becco do Ca-
rioca, armazem do arroz de Jos Cordeiro
do Reg Pontea.
A pessoa que perdeu um cavallo sella-
do e enfreiado, na dia 18 correnl, as II 1|2
horas da noite hsj de procurar dan lo os
signaes cerlos: na travesa de San Jos, casa
ti. 17.
O abaixo assignado faz ver ao respeila-
vel publico que. .losla data em disnte nBo
he morador em S.-Frei-Ped-o Goncalves, e
sim na fregunzia de S.-Jos. Recife, 20 de
agosto de SbO.Jos Ignacio de Lira.
Perdeu-se na ra do Torres, do bairro
do Recife, em a noite de 19 do correnle,
urna eartetra de Igibcira contando una
letra j paga de 610,000 rs., e outra sacada
por Jones Patn & C. eaceita por lio.nl.
Borgcs da Silva, de lfJ,O"0rs. a vencer
em 3) de novembro prximo ; esta ta'mbem
de nada pode servir a quem a liver adiado,
porque j estam prevenidos o sacador e o
afeitante: roga-se. portento, aquem achou
dila carleira, o favor dn entrega-la na ra
e do Trapiche armazem de Rriiocc C. visto
le-'que ella conlm algumas le libranzas -
cianle, ou licr com o dinheiro quo ella ti-
oha e melt-la por baixo da porta do dito
armazem.
va-la ra do Hurtas, n. 114, a Antonio Cal-' mais papis que s pdem servir ao anulin-
das da Silva.
Alerta.
Sr. Conciliador os M.M. ainla continan) a
comprara arroba de carne fresca a I,-00
rs. e a menos, segundo dizem, valha a ver-
dade, para e vender por alio prego ; se as-
sim he leulia a hondada de os chamar em
sua folha conciliario, principalmente a
esses que dizem ser um dos da P... tbesou-
reiroda C. O espa ia$ sesses.
Deseja-se alugar tres escravos para oj
Compras.
servico de campo, muito perlo da cidade:;
oa ra do Trapiche, o 8
-- Compram-se [ossos : na ra di Concor-
dia, feb'ica de carvBo animal.
Na ra da Calcada, n. 9, eompram-se
obras de curo sem feitio ; e um violto em
meio uso.
--Compra-se um fole redondo, usado,
OOCfOOOOO QQQGQOQQQQ
O O consultorio bomtetipalhico O
Oda ra da Cadeia de S.-Antonio, n. 22,^
^dirigido pelo facultativo i. B. Casano-O
Ova, ni udou-se para o segundo andar do
Qmesoiu sobrado. O
Faz-se todo o negocio e vendem-se mui-
to barato doas leltras aceitas pelo Sr. Ma-
noel Pereira GuimarBes, senhor do engenho
Aratanji, ambas no valor do 3:120,000 ris,
principal e juros al hoja, vencidas em ju-
nho de 1843 : na ra da Cruz, armazem, nu-
mero 62.
Na ra da ConcaicSo, n. 39, d se urna
porcBo de lijlos quebrados, que pode en-
cher 6 a 8 carrosas.
Ks justo por compra um
sitio no lugar do Rio-Doce, deno-
minado Bocca-do-Uio, termo da
cidade de Olinda : quem sobre o
mesmo tiver direito, ou alguma
duvida a respeilo de suas estre-
as, liaj t de reclamar dentro de
15 dias, a contar da data deste.
Hecife, aa de agosto de l85o.
Prr cisa-se alugsr um sitio perlo ds pre-
ga, que lenba boa casa e arvoreJoa : quem
o tiver e quizar alugar, dirija-se 4 rus ds
Ciuz, no hecife, n. 27, escriptorio de Croc-
C i & Companhia.
Roga-se ao Sr. Joaquim Jos dos Sen-
Ios, emprrgado da capstazis do consulado
geral que vuiha pagar a quantia do 33,460
rs a quem uSo ignore ; do contrario, teta
de ver o seu nunie sempre nesta folha.
Aluga-se o primeiro andar
da casa n. 46, da ra da. Cadeia do
Kecile : a Iratar na mesma ra, lo-
ja de ferrsgens, n. 44-
-- Aluga-se urna tos casa eb'm grande
quintal murado na frenl*, parreiral e mul-
los arvoredus de estimacJo, cacimba de
di,ij.-so.Fra-le-Porta5..er.li.lloiL1iao, Afflictos so pe do Mangu.nho defini d.
-Kngom.ia-seroupacomtoJs a JWfel Igreja cabida do Bon-Sucesso : ns Trem-
j mas q ie n.lo esteja inullisado : na ra es-
treita do Kozario, n. 8
rengom
53o e sceio : os rus do Rangel, n
55.
Compra-so urna esrrava, que seja de
boa conducta e tetilla alguma pratica de co-
zinhir e de engommar, e de meia idade : na
ra das Flores, n. 9. so dir quem quer,
Compraai-se du s carroijas e cerrinhos
de man : quem tiver annuncie
Compra-se Ovia casa terrea, nBo sen-
do muilo pequea, e que tenha bons com-
modos: na ra de Apollo, n. 30, se dir
quem compra.
Compra-se urna Trramente de carpina,
montada e completa, estando en> bom es
lado ; liem como outra de pedreiro : na ra
lo Queiotedo, n. 25, loja.
JwCnmpr.-i-se nina escravinba luzida, de
4para5annos: na rua.Augassla, n. 26, so-
hredo.
Compra-se um tanque de majeira, que
servisse deagoa, mcl, ou azeito : na rus ds
Sen/.alla-Vellie, n 110.
Compram-se escravos de bonitas figu-
ras, mor;os, e com habilidades, para fra da
riogegrai-hico o commerciante [ em fran-
cez ) 4 voluntes, por 4,000 rs.; atlas de
Simencourt, po' 6,000 rs. ; Magnumlexi-
cim. a 5 000 o a 3.000 rs.
Na ra do Cabug, loja do Oiarte,
vende n-se botOes Pedro II ; ditos para ca-
vallaria ; ditos para infautaria ; ditos pre-
los e amarellos (rara casaca ; ditos de ma-
Ire-perola; ditos para enfeites de palitos
de meninos ; ditos brancos e amarello para
libr d-s pagensje ditos bronzealos.
Giirlas francL'/.ase porlu-
^uczas parajogar.
Vendem-sefiniSi.Tiss cartas portuguezas
o francezas para voltarete e por pre?o cotn-
modo : na ra do Qu?iimado, loja de miude-
zas, junta de cera, n 33.
Veude-se um terreno alagado, sito no
Hable di cidade do Olin la, contiguo ao si-
tio que foi do finado Antonio Pereira da
Cunta ; e juntamente oulro terreno fr.on-
leiro a aquelle.ej aterrado, e muitu pro-
prio para planUtC.To do caalm : na rus da
Cruz, u. 23, armazem de assucar.
~ Vende-se a casa terrea da ra dos Pes-
cadora, n 23, e metide de outra na m^s-
ma ra, n 25,asquaes lem bons commo-
dos o bom quintal o cacimba : oa ra da
Cruz, no lenle, n. 61.
Vndese, por prego commodo, fsri-
nlia de mandioca muito superior; fumo eaa
folha para charutos : no armazem de Dias
Ferreira.no caes da Alfandega Palhinlia
para calei ras ; chapeos do Chile; cordBo
prelo de retroz : na ra do Trapicne, casi
le Novaes & Companhia.
Na ra do Cabug, loja do Duarle,
vendem-se quadros de santos com inul-
duras douradas, a 500, 600 o 800 rs. ; caluo-
gas de vidro de diversas qualidades; tren-
ca de IBa para enfeites de vest los; grava-
linhas des lim; e enfeites de vestidos dese-
nhora.
Ao bom e moiiemo.
Na rut do Queimado, n. 17,
ven lem-8e as verdaeleiras cambraias prin-
cesinas, de difTerentes des miIios e do me-
llior gosto que lem vindo ao mercado, a
800 rs. a varas. DBo-se as amostras.
Vende-se, no pateo do Collegio, casa
dolivro azul, uina collecgo dos orcamea-
tosda reoila eJespeza do imperio do Bra-
sil, para os exerciciosde 1839 a 1846, o ao
mesmo tempo varias colleccOos de relat-
nos do todos os ministros de estado, en-
cadernados, c*)ntendo cada volume os re-
latnos de lodo o ministerio de cada um
anno.
Vendem-se 90 escravos, sendo 2 lindos
mulatinhos de 14 a 16 aonos ; um dilo de
30 anuos; um escravo crioulo bom ofllcia!
de oleiro ; urna mulatinha de 13 annos ;
urna dita de bonita figura, ambas cosen e
eiigoni na m ; 6 escravas de todo o servico ;
o 8ditas recolliidas, que engommam bem,
provincia: na ra larga do llozar.o. ... 8. ^eni e coxlnham o diario de urna casa:
primeiro andar. M ru ^.^ 3.
-- Vendem-se 3 pretos mocos, proprios
paraioaoo servido, t>ui pie^u
pe, n, t, sobrado que lem venda por baixo.
1-------------------.
--Vende-se, ou permutare por predios
nesta prac< o engenho Una, na freguezia de
S.-Anillo, com Ierras sulllcienles para pen
taces, com boa casa de vivends, e todos
os mais pertenoes : oa rus da Pez, ou do
Cano, n. 40.
II.1111 burgo a 260 rs a
. vara.
Vende-se novo hamburgo com listtas de
Cores, p.oprio para leudos, cadxes, Ira
vessoiros, empenuadas, etc., pelo barato
preco de Seo rs. a vara ; lencos de cassa com
cercadura de cor, de bonito gosto, para se-
nhora, a 240 rs.; inadapolSo de 24 jardas, a
9,000 rs. e a 120 rs. a vara, e de largura de
lies palmse meio; bem como um com-
pleto surliineolo de fazendss finas e ordina
ras : na ra do (Jueimi do, n. 87, srmazeo
de faieudas, de Hayniunuo Carlos Leite.
--Na tus do Cabug, loja do Duarle,
vendea-e trinas, volantes, galOes, espe-
guilliase reudas proprias para armadores,
porpreQo naiscoaimodo do quo em ouiin qualquer parle:
UUUIIUU lu .
na ra do Rango!, n. 38, segundo sndar,
se dir quem vende.
Na ra do Cabug, loja do Duarte. veo-
dem-se franjas e requifest pretos, proprios
para manleleles ; toncas da IBa ; IBa para
burder ; meias pintadas para meninos e
meninas; ebaposde merino branco, a 5/
rs. ; ditos deso para meninas, a 1,600 ra.;
caslicaesde vidro, a 1,400 rs. o par; sapa-
tinhos de IBa para meninos ; papel doura-
do e prateado fino e ordinario.
-- Vendem-se 3 bonitos moleques de 10,
12 o 14 annos, tendo o maior principios de
carpina ; um muUtiah de 16 annos, com
principios de aapaleiro; um pardo de 92
annos, oflioial de atfata*a;,e que he bom bo-
lieiro; pretos asoton ptimos para qual-
quer servico; um casal de escravos por 550/
rs. que Irabelham bem de enfada o pti-
mos para algum silio; urna moleca : urna
peda queeugomma, cozinha o compre na
ra, ludo multo bom, e se siiaoca a condue-
lo; e mais alguns escravos que se vendem
por mais barato preco do quo em oulra
na ra tas Urangetras,
qnalquer parle.
u. 14, segundo sndsr.


Moendas superiores.
Na fundigSo de C. Starr & Companbia ,
om S.-Amaro acham-se a renda monadas
de canna, toda* de ferro, de um modelo e
construcgfio muito 'aupcrior,
\ rados de ferro.
Na fundilo da Aurora, eni S -Amaro ,
vendem-se arsdos de ferro de diversos mo-
delos.
Vende-se fari.iha de man-
dioca, vinda de S.-Gatharioa no
patacho A/ereide, Tundeado de-
fronte do caes do Gollegio, a mais
superior que ha no porto, por
mais barato preco do que em ou-,
tra qualquer parle ; trata-se a
bordo do mesmo patacho, ou com
Novaes & C., na ra do Trapiche,
n. 34.
Vendem-se quatro canoas
grandes de amarello : no estalei-
ro do Jacintho, no Forte-do-Alat-
tos, por preeo com modo, por seu
don ter de retirar-se gara fra
Vendeui-se bezerros para
calcado, chegados agora : na ra
da Cruz, n. 3, casa deGeo: Ken-
wortliy&C.
Novo trem _e cozinha.
No armazem de Joaquim dn
Silva Lopes, vende-se farelo, a
3,oo rs. a sacca, e. farinha de tri-
go franceza da marea BarSo, por
preco commodo.
Rap Paulo Cordero,
viajado do Itio ao Par e do Para a Pernam-
buco : vende-se na ra da Cruz, no Hecife,
1.49, loja.
ffWWfffffffffffff
Depositoda fabrica de^
%. Todos os Sanios, na J
% Baha.
bV Vende-se, em casa de Domingos
rres Malheus, na ra da Cruz, n. 59,
_ r-:'
.*
AI--*
Vendem-se ehaleiras, panell**, fregidei-
ras, e eassarolss de ferro forradas de por-
celana ; bales eeafeteiras de metal, e ma-
chinas para fazercar: na ra Nova, n 16,
loja de ferragens, de Jos Luiz Perrira.
Vende-se assido sulphurico.
a i\o rs. a libra na ra do Ca-
bug, loja do Uarte.
Cbegaram notamente ra da Sen.
zalla-Nova, r. 42, relogios de ouro e pral,
patente inglez, para bomem e senhora.
Vendem-se amarras ae ferro: na
4a Senzalla-Nova, n. 41
Farinha deS.-Catharina.
primeiro audar, algodfio trancado da-^
Jquella fabrica, muito proprio para ssc-J
^.cose roupa de escravos; bem como2
pfio proprio para redes de pescare ps-3
a>vios para velas, por preco commodo..
i'HH
Lotera do 11 o-de-
ja neiro.
Aos 20,000.000 de
v
rs.
ra
do
na praca
andar, com
Vende-se a bordo do hrigue Talle, chega-
doemdireitura de S.-Calharlna, farinha
muito superior, est fundeado defronte
caes 1I0 Damos ; lambem se traa
dorommercio, n. 6, primeiro
Manoel Ignacio de Oliveira.
Vende-se farinha de Sanla-Calharina,
muilo superior, a bordo da galeota Sanlin,'-
mt-Trinduie, fundesda junto ao caes do
Collegio.
Vende-se um escravo mogo, de bonita
Ogura, bom oflicial de pedreiro ; urna prela
IU. moca, de bonita figura, ptima engom-
madeira e cozinheira eum perfeigSo do dia-
rio de urna casa : na ra larga do Rozario
n. 48, primeiro andar.
Superiores vinhos
Na 111a da Gadaia, n. 1,
vendem-se excedentes, vinhos de
diversas qualidades, lano engarra-
fado coaio em barris, sendo do Por-
1 to, Figueira. liucele, Nadeira, Ora-
!cvelos, Colaies, Moscatel de Se-
tubal, etc.; assim como cutios
muito* genero* de o| lima quelidadr, de
que sempre est prevenido este estabcleci-
nieolo.
0 Na loja do sobrado amarello, nos f|
fl quatro cantos da ra do Queimado, &
aj| n. 99, vendem-se os muito procura- 2
fg dos cortes de tapete para sapa tos, 2
0) o goslo turco, a 800 rs. o par. A
Na armazem da ra da MoJa, n. 7,
conllha-se a vender saccas com superior
colla das fabricas do Rio-Grande do sul, por
orego em conta.
Vendem-se rodas de arcos de pi para
pipas e barricas ; fio porrete do Porto ; pro
gos rlpares para barricas : na ra da Cruz
n. 49, primeiro andar.
-N* rudo Queimado, loja n. 19, vende-
se luvas brancas de algodfio para homem, a
100 rs o par, e 1,190 rs. o masso ; meias
para menino a 80 rs: o par, e 900 rs. o
masso.
Vende oros earroca decarregar pipis
por baiio com o leito em bom estado, e as
rodas novas, quem a pretender dirjase a
ra Imperial, n. 37, que se dir quem
vende. J.
Lotera do Rio-de-Ja-
iieiro. .
Aos 20:0000,000 4.
Na loja de miudesas da praga da Indepen-
dencia, n. 4, vendem-se bilhetes inteiros,
meios, qoailos e vigsimos da decima lo-
tera a beneficio do theatro da San-Pedro-
d'Aleantara, que fui exlrahida no dia 14 do
corrente. Na mesma luja tambem se rece-
beni bilhetes premiados a troco dos que
ten a venda.
Vf ndem-se espada* (raleadas i ara
ofliciars de guarda nacional; urna barreti-
na eom chorfio para oflicial de cavallari* :
na ra nova, o. i. w
Na praga da Independencia, loja n. 3, que
volla para a ra do Queimado e Crespo,
vendem-se bilhetes, meios, quartos, oita-
vose vigsimos da 10." lotera do theatro
de S.-Pedro de Alcntara.
Vende-se ummolequede 12 anuos, bo-
nito e proprio para qualquer servigo, por
ser muito humilde e bem (criado : na ra
lirga do Rozario, n. 35, loja.
:- Na ruada Aajrom,. 4, vende-se ums
cana ou trempe com quatro pedras do fil-
trar agoa ; duas carteiras para escriptorio,
de urna s face, onde podem escrever tres
pessoas em cada urna, com grades de bron
Je para os livros ; 3 vflos de caixilhos no-
vos ; 4 ditos usados, dous pares de aros pa-
ra os ditos; um terna de tambores antigos
com rodeies e aguilhdes, por 300,000 rs., a
Jinheiro ou s prazo.
llobtla.
No Aterro-da-Bos-Visb/, loja n. 48, exis
tea venda urna duzia de cadeiras de roog-
(io, em bom uso ; bem como um aparador
de amarello urna cama para casados, com
assenlo de palhinha : ludo bem trabalhado,
e por prego rasoavel.
Agencia de Edwin Man.
Ra de Apollo, n. 6, armazem de Me. Cal-
moni & Companbia, fazem ver aos Srs. de
engenho e aos seus correspondentes nesla
praca, que no seu eslabelecimento se acha
consta lilemente bom soilimento de moen-
uas todas de ferro para animaes, agoa, etc.;
meias ditas para armar em madeia ; ma-
chinas aera vapor com forca de 4 ravallos ;
laixas de diferentes modelse de lodos os
tamanhos e grossurss, tanto de ferro batido
como coado ; espumadeiras, cocos, ele, de
ferro estanbado ; safras para ferreiros : lu-
do muiio bom e por baralo prego.
Vende-se um corlo da verdadeira esta-
menha, propria para habito de terceiros de
S.-Francisco, por prego commodo : na ra
to Nogueir*, n. 1.
Vende-se urna preta da bonita figura,
de i (i anuos, propria para todo o servido de Iha muito frescaes,
urna casa de familia : na ra da Cadeia do
Hecife, n. 56 A, loja de ferragens.
Vende-se urna prela de nagao, de bo-
nita figura, de 18 a 20anuos, que cose, co-
zinha o diario de urna casa, por preco com-
modo : no pateo do Paraizo, n. 90.
Vendem-se duas bancas de Jacaranda;
duas ditas de amarello, 4 calungas com re-
domas, um oratorio com imagens ou sem
ellas, |or preco commodo: no paleo do
Paraizo, n. 20.
--|Vendem-sedous prelos pecas, muito
mocos, prop ios para todo o servigo, tanto
da pragr como do mallo ; um moleque de
10 anuos, muilo esperto, e que serves urna
casa muito bem ; urna preta com a condi-
c0o de ir para o mallo, e que cozinha, en-
gomma e faz todo o servigo de urna casa :
na ra do Collegio, n 21, primeiro andarj
sedia quem vende.
&vf f Wf f vvvv Vf v f vf f ve
Vendem-se, ou aforarr.-se 1,500 pal-*
no Aterro-dos-Afogar*
*jmos de terreno
Cha liysson muilo boni:
vende-se na loja de livros do paleo do Col-
legio, n. 6, do Dourado.
Vende-se, pela urgencia de urna reti-
rada para fr tiesta cidade, os objeclos se-
guintes i duaa rscravas, urna d aervico
oleario, s outra do ealerno de urna casa de
familia, ambas peritas, e a primeira com di-
versas prenda*; urna cama de Jacaranda
para casal, moderna ; unvi duzia de cadei-
ras ; duaa bancaa ; orna mesa de meio de
sala ; ama marqueta Mudo de madeir* an-
u c, novo e no mais perfeilo estado: em
r'ra-de-Portas, atrs u. 94, do lado do mar, se dir quem vende?
Vende ae manteiga inglea, muito
boa, a 790 r*. }dita a 460,400, 390 e940 ra ,
lodss^sta* qualidades a vista do* piecussAo
moilo'boas ; presunto do Corto, a 400 rs.
retalbo, e intoiro a 360 i. ; ch da S.-P.u-
&,dos, proprios para se edificar casas, ou
E para algum silio, por ser o lugar mui-
at>to bom : na ra da Cadeia do S.-Anto-S
aVnio, n. 9, ou na ra do Crespo, d. 10.*
OAAAAAAAAAAAAAAAAAAJiae
~ Vonde-se o engenho Sebir do taval-
canti, por convenci do tutor dos orphos
do casal do fallecido JoSo Carlos da Silva
CuimarUqs, e para pagamento dos credores
lo mesmo casal este engenho he um dos
melhores da irevin.ci", nioe com agoa e
tem excellentas] obras, e Ierras para se le-
vantar oulrn engenho'; he situado em s-
rinhfiem, e tem o rio junto do engenho :
quem o pretender, dirija-se ao mesmo ep-
genho, a fallar com o referido tulor JoSo
lia noel de Barros Wanderley, ou nests pra-
ca, com Manoel Ignacio de Oliveira, na pre-
ga do Coaimercio, n. 6.
Velas amarrllis.
em csixas de arroba e diversos sortmentos
e lmannos : sacras muilo ofandt> H. rr.
nha, a 4,000 rs. : na ra da sjruz, n. 94."
Vendam-se superiores lonas,
as melhores que lia no mercado :
bem como brinzo, proprio para
velas: na ra da Cruz, n. a, cas*
de Geo; Kenworthy fck ".
--Na ra do Queimado, loja n. 19,
dem-se bicos com tres dedos de larg'
Na Loja da ra do Queimado,
numero 3,
defronte do becco do Peixe-Prito.
0 novo administrador est, resolvido
vender ss fazendas pelo mais diminuto pre-
co possivel; e para maior commodjdade es-
tar a loja aberla al s 9 horas da noite.
No armazem ds ra da Mods, o. 7, ven-
de-se sal em pequeas porches.
Vende-se
um preto moco, de bonita figura, bom ca-
noeiroe trabalbador de p, cuja conducta
se aflanca ; urna canoa de carga de mil li-
jlos, em muito bom estado: na ra larga
do Rozario, n. 48, primeiro andar.
Lotera t. a matri da
Boa-Vista.
Aos 10:000,000 de rs.
Na loja de miudezas da praca da Inde-
pendencia, n 4, vendem-se bilhetes intei-
ros e meios ditos da lotera a beneficio da
matriz da Boa-Visia, que est prosima a
correr. Bithetas inteiros a 10,000 ra. e
meio ditos a 5,000 rs.
--Vende-se um caixilbo para porta de
loja de miudezas : na ra Nova, n. 16.
Vende-se, para pagamento dos credo-
res, urna das melhores tabernas, sita na ra
do Collegio, n. 5, de tres portas, com pou-
cos fundos : na Intensa da Madre-de-QlBs,
n. 17, a fallar com Candido Alberto Sodrda
Molla.
Vendem-se doas esclavas, urna de 18
annos.e a oulra de 99, de bonitas figuras,
3ue rozinham o diario de um* casa, lava m
e sabam e vsrrella cosem]: o motivo' por!
3ue se vende se dir ao comprador: na ra
a Cadeia deS.-Antonio, no primeiro andar'
do sobrado da viuva Cunta CuimarSea.
Douralinas
de seds para vestido : fazenda esta a mais
brilhsnte que pera esse fim tem vindo a
esla cidade : vende-se ns ra. do Crespo, n.
K, loja da esquiaa da ra das Cruzes.
-- Vende-se urna crioula de 17 ames, de
bonita figura, que engomas*, cozinha. faz
lavarinio, e he muito Gel : na ra do Cal-
deireiro, n. 4.
Mais barato e melhor que das ou-
tras vzes.
Vende-se, ns ra Nova, Ubernas a. 40,
defronte da ConceicSo, e ao p da ponte,
n. 71, manteiga superior, a SU) rs.; dita s
400 e 200 rs ; dita franceza, a 590 rs.; tou-
cinho, a 120 is.: banha, a 390 rs. -r alelria,
a 280 rs.; macaino, macarronete e talha
rim, a 240 rs. ; covadinha, adMUts.; fari-
nha do MaranhSo, a 100 rs.; dita de sraru
la, a 2(0 rs ; espermacele do melhor, i
800 rs. ; dito immediato, s 440 rs ; velas
de carnauba, a 32Q rs.; azeile doce, a 560
rs. a garrafa ; caf em grSo, a 24o rs.; cha,
a 1,920 rs.: de tudo se da amostra.
Vendem-se sellins inglezea
elsticos, de cabecadas e couro de
porco : na ra da Cruz, n a, casa
deGeo: Kenworthy & C.
- Na taberna da Domingos da Silva Cam-
pos, na ra das Cruzes, n 40, ha bisas Ham-
burguesas para vender alugar, tanto por
junto como a renio.
VendetfTsc queijoa de qua
chegados lti-
mamente do Cear, a 36o ra. a li-
bra : no largo do Livramento,
n. ao.
- No armazem de Dias Ferreira, ao p da
alfandega, vende-se sal em panairos, vindo
do MaranhSo.
lie muilo barato.
sguiao llonstro.
Vende-se esguiflo de algodfio com qua-
tro palmse meio de largara, pecas de 10
varas, a 3,000 rs.; dito de muilo .superior
quslidado, a 5,000 rs. a per* ; alpaca de
quadros muilo lina, e de assenlo escuro,
muilo propris psra vestidos, a 980 rs. o co-
vado : na ra da Crespo, n. 14, loja de Jos
Francisco Dias.
Vt ndem-se relogios de ou-
ro sabonele, patente inglez: na
ra da Cita, n. a, caja de Geo:
Kenworthy & G.
Vend.m-se
de metal para cb
n. a, casa de Geo : Kenworthy
& Couipanhia.
Farinha de Tapuy,
igual em sabor, finura e cor a da Muribeca,
propria paraamess : vende-se na ra da
Cruz, no UeciBj, n. 13 No mesmo armazem
vende-se iguaJmenle farinha, nSo 13o su-
perior, mas muilo clsrs e goma Osa, tan-
Camboa-do-Csrmo, n. 44, junto a taberna
da esquina que volta para o pateo dito.
Vende-se superior lio de la-
godao,, proprio para pavioa de ve-
las, e redes de pescara: na ra
da Cruz, n. a, casa de Geo: Ken-
worthy & G.
HtHlll 99)
Gambraietas ilnissimas de
purolinho, cam 6 varas, por 7, 8 e
9,000 rs. a pega : vende-se na ra do
Crespo, n. 11.
V fc9 ? *+9*
Vendem-se, narua da Moda, armazem
n. 15, meraa barricas com esl virgem de
Lisboa, a m%s nova que ha no mercado, por
prego commodo.
Caf.
Caf eom caica, muilo novo, por preco
commodo : na ra do Amorim, n. 35, arma-
zem de J. J. Tasso Jnior.
*He muito batato.
Chitas tnonstros, a '280.
Vendem-se fins chitas francezae muito
largas, cor de rosa, azuea e cor de ganga,
de goslo inteiramente novoa e de cores
muilo lizas, a 980 e 390 rs. o covsdo; as
mtis fio** cassas franceza* que teem appa-,
Vende-se umi linds escrava recolhid
de 18 annos, com habilidades: se dir i,
motivo ds vende, ns roa do Rangel, n. 57.
Presuntos do Porto,
le superior qualdade, 8,000 ra. a arroba:
venden-so no armazem de Joaquim da
Silva Lopes, na ra da Madre-de-Deos.
Cal e potassa.
Vendem-se barris com cal de Lisboa, pe-
lo diminuto prego de 3,000 rs. o barril; di-
tos da mais nova e mais superior potassa do
Rio-do-Janciro, por barato prego : na ru
da Cadeia do Recite, o. 50.
Ilovidad.
Novo sortimnlo de panno de linbo do
Porto, em pegas de 18 varas, a 800 ra. a va-
ra : na rus do Qusimsdo, n. 97, armazem du
Itaymundo Carlos Leite.
Vendem-se, em conla, 15caixilhoeen-
vidragados, que foram de loja: na roa es-
trella do Rozario, n. 93.
Vende-se urna escrava de 90 anuos, do
muito bonita figura, cora principios de
costura e engommado, be rsndeira o. tai
bem vsrrella e enssbosdo : ns rus do Li-
vramento, o. 4, te dir quem vende.
Vende-se um relogio de banca, muilo
bom regulador, e em bom uso : na ra de
Agoas-Verdes, n. 100, sobrado da don* an-
dares, defronte do oilSo da N.-S.-do-Teign.
- Na cochelra do Sr. SebsstiSo Lopes
co Dias.
recido, gosIpsioUiranienu'novc^Betodasl?"'1?"86.*; -'" sal de burros
as cores e de tinUs milito Oxas.ailSo rs. .. fia nue ultlmauenta chegaram de fra.
vara hamburgo muilo fino, com tres pal-t^^fcT^"^^^-"T^*f**i^i**
mose meio de largura, a 320 rs. a vara : na' HihOTa VOS I* UNIOS.
ra do Crespo, n. 14, loja de Jos Francia-
Cratilica-se a quem pagar o eacravo
Manoel, onoulo,eS0 annos pooco maisou
menos ; com alguna denles quebrados, cor
relinta, baixo, choio do eorpu, baalanu
retinto, andar aparallado ; be bem fallante:
quem o pegar leve-o a ra do Trapiche,
n. 7, armazem de assuosr, Je Reg He-
deiros.
Bous escravos. 9
Vende-se um moleque de 18 sanos J
de bonita figura, bom cozlnheiro e ex-J
callente copeiro, para engenho ojs.fra*
*dk provincia ; dous escravos de 20 a 25w
jannos, sendo um perfeilo cozinheira, e*
fique beVUmo para lodo o servico de#
urna cata mesmo de homem solleiro ;
vendem-se sem condigno : na ra doft
Crespo, n. 9, loja. a>
de
do
de
Arados de ferro.
Wndem-se arados de ferro
diferenles modelos : na ra
lirum, ni. 6, e io, fabrica
machinas e lundic3o de ferro.
Bombas de repuxo.
Vendem-se bombas de repozo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do lirum, ns. 6, 8 e io,
fundic5o de ferro.
lande-se espirito da vinho de 37 graos,
a 980m a caad* ; liaeas de vime, por pre-
go commodo: na trtvesss da Madre-de-
Deos, n. e ns ra de S^-llita, n.85, resti-
tagfio.
Vende-se ums nauta de bano, com 4
chaves, e apparelbada de prata : na roa do
Encantamento, n. 11, armazem.
Nova Pcchincha.
Na ra do Queimado, n 17,
vendem-se chapeos de sol, de seds edr de
esf, a 4,000 rs., e preto a 5,000 ra.; cse-
nmela prela psra cagase pslitOs de homem
e menino, s 1,000 r. o corado; merino pre-
to entrefino, a 2,400 ra. o covsdo ; esguiSo
Dno de puro linho, a 1,410 rs. s vsrs ; e nu-
tras fszendss por barato prego.
Iqlerf s.^e.
Negocio vantajso para-qoent quizer em-
patar pouco dinheiro, ou mesmo alguma
casa para trocar por um terreno na rus da
Aurora, que tem de frente 107 paljnos, e
fundos al a ra do Hospicio; orno se pre-
cise de dinheiro, ou couaa que o renda, faz-
se negocio vantajso : para tratar, na praca
da Independencia, n. 17.
Atlen^rio.
Vendam-se machinas de metal brsnco,pa-
ra fazer caf com a maior facilidade possi-,
vel, pelo* baratissimos pregoa de 1,600,
2,000 2,200, 2.4QO rs. esds ama: na ruado
Queimado, loja n. 37 A.
fffffffftffffft
W Predios Vend. "
ricos rfpparelhoa f A Icatar pa ra do Crespo,
.;na rusdaCruz, | .>,q*lquer dos predios ^
ieu : Kenworthy t 8egu : f
> 7* Ba do Gellegio, ns.
Jiea.
C3T Ba Nova, ns. 54e 56.
*>. <^3~ Ba da Aurora, n. 10. \
AAMaAiA*
to em sacca* como eniala^relre*, e a prego
man, commodo da^ulBHaV oulr qualquer
parle, anda mesmo a bordo.
Farinha de mandioca.
Vende-se superior farinha de%.-a1a4lieus,
por prego coturno* : a bordo d sumaca
S.-A11I0H10, fundeada am frente do Collegio,
u ao lado do Coro-Sai.to. n. 25. loia de
laiatum.
I'rgas de algodioziobo muito largo.
Vendem-se pegas de slgodfiozinho muito
largo e muilo tapado, cooi alguma averia,
a 1,280 rs. o limbo do o esmo, a 2,560 rs.
e a relatho, a 100 e a 180 r- a vara : na ra
Larga do Rozario, a. 48, primeiro audar.
Has5es de revista
que aprcsenlaram ej doelores Fillppe Lo-
120 is. avara: chitas de core* ix.JT tnnlP^* Nell0> JeronynaWillela de-Castro Ta-
,>A,1a. n.r. ,.h00- I 'T* V*i. Feliciano
|o> mallo bom, 2,000 ra- libra : na ra
larga do Rozario, n. 39, defronte da igreja,
taberna por4>aixo do sobrado de 3 saldares.
rs. o covado ; e para cobeilas, tamben de
cores fizas, a 200 rs.
~ Na ra do Quinado, loja u'Xi, vendem-
se meiss brancas de slgodo, muilo finas,
para meninas, de differenle* tamanhos, por
prego commodo.
--Vende-se o engenho Armecegs, na
margem do rio de Une, freguezia de Agoa-
Hrela ; bea, come ama proprinitade annoxa
ao mesmo engenho, com meia legoa de
fundo e mallas com madeira para^oda
conslracgSo : na ra do Fogo, n. 48, daa
7 s 9 horas da manli2a,(ou ao Sr. Jos Mar-
ques da Costa Soarea, na ra do Hospicio.
ares, Feliciano 1
nio Jsorgea da Fu
Mello, Leandro Ce
nio Crrela l'esmj
qu para o supre|
terposersqs. do ac
na m buco que
contra eMam prol
procoso^pcialn
fe de rollos, Jero|
ra 0* Mello, por oc
imdos Santos, Anto-
i, Antonio Feltoza de
faesBsrrelo, o*nto-
Mello, no reenrso
ibunal de juatJoa in-
relagfio de Her-
* aentenga que
jury deata cidade ao
organisado pelo che-
! Bisrtininc Figiwi-
io da re volla de Per-
do Collegio,*
Aencao..
Na ra do Queimado, loja' de ferragens
1.37, A, veoaVs* oateguinte por procos
muito coinmudos : as maia superiores bri-
des que lem apparecido par* cavallos, um
excellente oculo de ver ao longe, ricos es-
tojos em canas de Jacaranda para barba ,
com seus pertencs, urna espada de bainha
prateada para oflicial de leira. ricas ual-
msioriss ae superior cssquuiha para velas,
excelrenles bengallasdeUleia para passeo.
-- Vende-se um bonito preto moca, sem
--Fugio, no da 14 do corrente, do en-
engenho Uruae, de comarca de Gotanna,
o criouio Luiz, represente ter 95a30 annos,
cor-prea, bastante ladino ; coatama a in-
titula r-se lorio. Aoga-se a* ajflljUade*
polciaesecapitfies ue campa, fv* ap-
prehendam levem-no ao oilo engenho,
'iue serio gratilicados, alean de se pagarem
todas as desperas.
-Kugio, ao anoitecerdo da 21 do cor-
rele, estando a lavar roupa na Capunga, a
escrava Isabel, magra, cor retate; 00*1*1-
ma s trazar sempre um lengo alado na aa-
bega;levou chale com campo azul-lerrte
com flores cor de ouro:[quem a pegar lev-a
a ra Nova, n. 91, primeiro andar, que Se-
ta gratificado.
100,000 IV
Fugio, do engenho S.-J0S0 do Cabo, no
da 13 do corrente, um eacravo de nomo
SansSo, da Costa, muito bem feitode cor-
po ; faz-se bem conhecfdo pela sua altura
maia do que s regular; tem bons denles, o
urna marca de ferida em urna .das canellas ;
levou camiss de mangas cuelas e ceroulas
de algodBo da Babia e calesa de brim par-
do com um remend o mesmo panno na
perna esquerda ; carregou dous cobertores
de algodfio que se vendem para fabrica :
quem o negar leve-o so dito engenho S.-
Jofio do Cabo, que reuber cem mil rs. de
gratificaeSo, ou no Mondego, em'casa do
commendador Luiz Gomes Ferreira.
No dis 12 do rorrele, pelas 8 horas ds
noite, desappareceram, da casa de Jos An-
tonio Basto, na ra da Cadeia do Iteclfe,
n. 34, dous aacraves, a salier : Zeferino,
pardo, de alluraregular, representa85 a SO
annos, cheio do corpo, pones barba, olhos
pardos : Adriano, prelo criouio, represen-
ta 99 a 25 annos ; he alto, secro, bem retin-
to, e barbado: rales escraroa viera'm do
Cear no vapor Ptrnaabuguna, rrmeilidos
por Domingos Jus l'ereira l'aeheco, do
Aracaty ; silo lutuiaes da cidade do Ico,
pertencentes a Vicnle Ferreira Chaves:
3uem os pegsr leve-oa s dita d ra da Ca-
en, ou ao Aracaty, a Domingos Jos Perei-
ra Pacheco, que s gratificar generosa-
mente. Advertindo-se oais que os ditoses-
crsvos sSo ofllciaes de pedreiro, o pardo he
melhor oflicial que o prelo.
Fugio, no dia 18 do corrente, do en-
genho Diamante, da freguezia da Eseads,
prelo Jeronymo, que representa 30 anm a,
grosso do cori o, peinas finas, olhos um
tanto vermelbos ; lem um talbo na pona queixo inferior proveniente de una jqueda :
este escravo em sus fgida conduzio Um
cavsllo castanho.escuro; presume-se ter
procurado o Aracaty, onde lem os seusan-
tigos senborrs. Rogs-se ss sutofldsdrs po-
liches e cspites de campo, que o appre-
hendam e levem-no ao dito engenho, ou
nesta praga, a ra das trinatieiraa, n. 48, a
Cernardino Francisco de Azevedo Campos,
que grstiflcsr generosamente.
Fugio, do Uio-de-Janeiro, e suppoe-se
ter vindo'pari esta piovincia, o preto Anto-
nio, esersvo de Bellarmlno de Arruds C-
mara, o qual tem es signaes seguintrs: es-
tatura legular j meio calvo, barba serrada,
com suissss, falto de denles na frente, be-
cos pendurados, naiiz chato, representa ser
de maior idade ; quando falla lew o' costu-
me de revirar um tanto os olhos : quero o
pegar leve-o a Manoel Flias de Moura, na
prega da Itoa-Vista, que lem aulorisagfio do
senhordo mencionado estrave para bom re-
com entar a quem o pegar.
Piivin do enffenhrt o iw~ *- .-. .
pela segunds vez, o dia 17 de juMlo prxi-
mo passado, o esersvo Valerio, tflndo. sido
j um vez pegado em Maria-Fsrhvna, de-
polento, cara curta e larga, p* seceos, ten-
do muito abertos os dedos grandes de am-
bos os pea e a ptlle enrugada e spera:
Vende-se urna preta de bonita Q
com habilidades: na Camboa-do-CarmT
n. 94.
--Vende-se 1 preto de 90 annos, perito
offlcial de sapa lero de tods obra ; oto t-*n
vicios nem achaques: o niotiro por quo se
vende se dir so comprador: na Iravessa do
avpe-Ssnlo, n. 27, lojsdesapaleiro.
* Vende-se um moleque de 18 a 90 an
i
iiambocn : vende-se no paleo
casa do Irvro azul.
-- Vende-se ur.;ar*t* de nagSo, de 90 a
92 anuos, sem victos nem achaque*: us
quem o pegar leve-o so dito engenho, ou
hecife, em casa do Sr. commendador L
Gomes Ferreirs, que graliflcar com 50,
rs. : lambgni te Ratificar a quem dr
ticias do Jito escrtvo.
, --|ePPa>eeeo;naWla,1l do corrente,
os, de l7o. figura, oTmTitTbom ?,.'1^^^'^."3 ET?*' "
liJorde enxeda: ntrua do Queimado n Jl ..P ? X SrTT pern" he
*?, ae dir quera vende. u"n"0. "^^ *? : PPOe-se ler
1 mo para Olinda, Torre, ou para o engenho
l'trapama, na freguejia do Cabe, perteo-
[cente ao Sr Cusniflo, onde oulra vcz^^K-
_ gado : quem o pegar leve-o ra t^^H|
ucazcsdaEBimoi da l.rt- do .".oiario, 11 i i, fabrica b ciiarujaS
ra, a 390 rs.;' caseeura prela mesclada, t. cera generosamente recompensado
crea, propris pira forro!
do; cassas lisaa m.
00 rs. apega: uo Aterro- *aaaaaB.WWaaWajajaa......na
uta, u. 18,,Jeja. (p.taa.: nr. ka di m. r. as
SattU. 185o
Faeendaa _
V'nde-ae ca
ii^simas.
r ; risrados
11 rcivn
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2EZ09OZ7_Y6YIB4 INGEST_TIME 2013-04-24T17:03:45Z PACKAGE AA00011611_07119
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES