Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07118


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'
Aiiim XXVI.
Sexta-feira
vtBTiD** do oousioa.
Goanha e parahiba, segundas esestas felraa.
RIo-Grande-dn-Nerte, quinta felra* ao melo-
da.
Cabo, Serlohlem. lUo^Formoso, Porto-Calf o
e Maceid, no I.*, a 11, e 21 de cada tan.
Garaobuua e Bonilo, a 8 e 33.
Boa-ViaU e Flora, a 13 c 28.
Victoria, os quintal fira. '
OInda, todos o dial.
MIng. a 11 s 2 h. e S7 m. d ni.
[fova a?, oa 7h.e Uto. da .
Ctec. ili a 3 b.e27m. da t.
Chela a 22. G h. e 52 m. da t
Ming. a 3.' as 11 h. e 54 m. da ni.
niaiMa di hojk
Prlmelra as 5 horas 18 minutos da mauhSa.
Segunda as S horas e 4i minutos da-tarde.
gf^Bj^BnMaMasnaaasHBWir ** T"c-.
r!f Agosto .-i f880.
W. I8R.
a>EOO* D iDuoaii}o.
Por ores metes (dianfiioi) 4/U00
Por seis inezea .***
O* DA UiWI.
lUSeg. S. Lola. Aud. do J.dos orf. e m. da 1. t.
20 Tere. S. Bernardo. Aud. do chae, do J. da I. v.
do clv. e do dos felto da fazend.
21 Quart S. Umbelina. Aud. do J.da2. v.doclrei.
22 Quint S Themotlieo. Aud.do J.Jdoa orf.edo m.
da I. v.
83 Seat'. S. Filippe Heido. Aud. doJ. dal.v. do
cir. e do dofeltos da fuzeuda.
^ 24 Sab. S. Bartholomeo. "
a l.yUUO 25 Do.n. O Sagrado Curaca o d Mafia Santhwina
CAMBIO' CJS 13 BI AGOSTO.
Sobre Londres. 27'/, e 27'/ J. po. 1/000 r. a 0 dlu.
. Pars, 346.
. Lisboa, 100 por cento. un
ondas de 6>00velha... {5O0 a 6/700
de 6/4110 ora 16/100 a IdJ-'W
: ^SoOO........... WM V20.'
/>r.u.-Paucaebrailelro...... 1*60 I
Pesoscolumnarios....... A^O a >JM
Dito, mexicanos........^'I fo>"
ERRATAS.
No tereeiro ofllcio do expediente publica-
do bontem, quinta lloh, ls-se-junte de
siuje, o oSodeJuslica.
No quarto dito linhas dnss, la-e--inte-
ritiamente, em lugar de inleiramentc.
Phfij* ornen..
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA U DE AGOSTO.
Ollicio. Ao Exm. presidente da Parahi-
ba, remetiendo a conta na importancia de
350,626 r*. daa despegas feiUs pelo arae
nal de marinlia desta provincia com a fac-
tura da bois, que Tai remettid r*r* aquei-
la pruvincia, aflm de que te digne de dar
sus ordena no sentido de ser o referido ar-
senal indemnisado da mencionada quanlia.
Comsaunicou-se ao dito inspector.
Rilo. Ao Exm. commandante. das ar.
mu, inleirando-o de ha-ver arbitrado ao
paisano AhrahSo dos Sanios, que ge olTaie-
ceu para servir na compaiihia de cavsllaria,
a gratificaeflo de 150,000 r. no caso de que-
rer elle asseiitar praca cm qualquer dos cor-
pusds gusruicao desta provincia ; e sdver-
lindo- deque a mencionada gratiicacSo
llie sera paga 50,000 rs." A vista e o resto em
prstateles mensaes de 10,000 rs. Ueste
sentido tifliciou-se ao inspector da pagado-
ri militar.
Dito Ao mesmo, tcieatificando-ode ter
concedido no mez de licenca com sold o
altores do oitavo balalhilo de caladores
Cuilherme Marques de Souza, | ara ir cor-
te. -- Intelligenciou-se ao inspector da pa
gadora militar.
Dilo. Ao mesmo, intelrando-o de te*
arbitrado as gratificarles de ris 170,000
180,000 e 130,000, a prineira ao segundo
sargento Clorindo Vieira ) Silva, asegun-
da o cabo d'esquadrs'Gabfiel Jos da C.u-
iih e a tereeira ao soldado Severino ila Cos-
ta, ludos do quinto batnlhSo ilc fuzileiros,
os quaes leudo Dudado o. Seu lempo se of-
fereccram para continuara servir; eadvor-
liudo-o deqrees referidas gralificaees'de-
verflo ser pagas 50,000 rs. avista e o resto
ero prestantes mensaes de 10,000. Offi-
ciou-se neal sentido ao iospector da paga-
doria militar.
Dito. Ao inspector da thesouraria da
fazend', inteirando-o, aflm de que iqh
constar O inspector dk alf indega, de ler S.
M o Imperador, por decreto de i0 de juibo
nlliiiig, segundo fui di clarado em aviso do
ministerio da fazenda datado de 96, Hornea-
do a Luiz Gomes Penetra para o lugar de
ajudante daguarda mor da mesma alfau-
deg.
Dito. Ao provincial do convento' do
Caritto desta cidade, conimunicando, afim
deque he* Constar ao religioso daquella
ordem tt. Frei Serafim da Conceicflo de Ma-
ria, quoS.il o Imperador, segundo cons-
lou de avino do ministerio da justlca data-
do de 19 de jullio ultimo, houvera por bem
coneeder-lhe un auno de licenca para fr
do claustro tratar do restabelecimento de
sua sade.
Dito. Ao inspector da pagadoria mili-
tar, pira mandar, em virtude de requisito
do Exm. commandante das armas, entre-
gar aomujor d eompanbia de cavallari
desta provincia, SebasliSo Lopes CuimatSes
a quantia de 640,000 rs. para compra dos
cavallos precisos em substituifllo dos que
por i::u'.c:; f!r::n :rrpmalados. Inleirou-
se ao Exm. commandante das armas.
Dito.. Ao director do arsenal de guerra,
para que mande por disposico do inspec-
tor da pagadoria militar, aliui de seren en-
viados para a i I lia de Fernando "o patacho
l'irapama dous maslros de handeira dos cin-
co que exisiem em deposito no mesmo ar-
senal ; e prevenindo-o de qua dere dar sa-
bida aos referidos maslros como compra-
dos para a menciona Ja ilha, Flzeram-se
neale sentido a convenienles cominuni-
cac^es.
Dito. Ao director di! JaVas publicas,
aulorisando-o a uiinrlar lavrar o termo de
reeebimentu definitivo da obra do primelro
Unco da estrada da Escada, cun o alale de
179,210 rs de Cnormida le ao seu parecer,
visto que foi sujiprimida urna bomba, que o
srremataiito er obrigedo fizer, segundo
" o,vuieuiu ua icoiiiia obra.
Dito. Ao mesmo, concedeodo a autori-
sacSo que pedio para mandar lavrar o ter-
mo de recebimento definitivu das obras dii
segunda parte do 10." lauco da estrada da
Victoria, visto eslarcni ai esladu de serem
definitivamente rerebidas, e bem assim pa-
ra mandar passsr o Competente cerlilica-
do pira pagamento do ai remtanle.
Dilo --Ao sesmo, para mandar lavrar
tormo de reeebimeiito da obra falta por Luiz
de Franca Allemflo Cisueiro com a exlruc-
Co das pedrs do H." Ineo da estrada da
Victoria, visto baver elle cumprido as con-
-dicOes do orcamentu a que sa procedeu pa-
ra esse Irabalho. liUolligenclou-se ao
inspector da thesouraiia da fazend orovin
cial.
orlara. Nomfando, deeonformid.do
coai a proposla do presidente do coiisalho
dr ialubr.dsdo publica, delegado dajnra
innroiiselbo un mnuiciuin de Olind
Candido JOs Casado Lima Kizera
couvenientM eommuDica^oes.
EXTERtOK.
ATTENTADOPfiATICADO CONTRA A PES-
SOA DA HAINJIA DEINGI.ATERltA^.
He para nos um dever penoso, termos que
annunciar que S. M a ralnhi foi hontem
'27 de jnnho) victima de um alaque co-
varde.
Pelas 6 horaj e 20 minutos da tarde, sa-
bia S. M. do palacio de Cambridga. onde
fOra nformar-se da ssode de seu i Ilustre
lio, em companbis de tres de seus reas*
fllhos. e da viscondesss Jocelyn, quando n
occasiflo da partida do carro um individuo
bem vestido e d seis pes e duss pollegadas
te altura, pouco mais oo menos, dando
Idus ou Ires passos para o carro real, dw-
carregou com urna bengalla Qna que tjnlia
na mSo.um pesdoJolpe sobre S. M A ben
galla aleangou iS.II. na parte superior d
i.'nte e rasgou-lhe obonoetque trazia, n
q ni era de ligeira c-intexiura.') acto foi tas-
temunlildo por muitas pessoas, es quae.
Corren Jo sobre o delincuente, o agarrarain;
eiilrelaiito, urna deltas nBo podendocoiitei
o seu reseniimento, deu um to grande gol
pe na face, do mesmo que ella ficou logo
toda ensanguentada, e cei tameute o misero
terii sido sinda msis duramente tratado,
*e nao tivosse logo ebegado a polica ; k
qual o levou para a estacllo de Vi *ir/
S. M. nala-ie mualiou sssustada, c iiume-
dia.lamente depois desls oreurrencia re-
gicssou pera o seu palacio de Buckingham,
sen :u saudada em seu caniiobo com eslron-
atuus BBilWllvJtlI, Signal de [ald.de a al-
feicflo, a quu ella, complefadienie senli-
ra do si, corrrspondia com -a urbanidadd e
condescendencia que Ihesuo usuaes
Quindo o preso fui levado i eslaejo di
Vini-ilrcet, o inspector VUnall, que eVlcha-
va de serv (o i eceni u a accusac.0o, e pir-
guntsndo ao mttmo eosno se chamava, He
resnaadeu sem IicsUqOo. Chamo-me llo-
bertan'ate, sou lenle reforov*"do do de
cuno cegimeuto d cavallari, moro en.
Uuqu leslemunlias lerem dado o seu defoimenlo.
foi pirgunlado ao preso se liuba algum>
cousu que allegar em su defeaa, eolle tes-
poudeu que era ver Jada que lintia didi n
rainlu umapeque.ia pancada com cana fina;
porom, accrescenlou emptialicameine, fa-
zeudu allusSo As lestemunlus : estes bo-
leos DSu pdeiii provar se eu fel a cabeca
,a ranilla, ou se tmenle o seu bonnet.
AJUSTE DAS DIFFERENCAS EXISTENTES
ENTRE A FRANCA E A INGLATERRA-
O general Lahilte, ministro dos negocios
estrangelro d repblica franceza, suhindo
a "tribuna da assembia nacional na sessao
de 31 juntao prximo passado, expressou-s*
da maneira seguinte :
Tenbo a honra de annunciar assembia,
que ogabiuote de S. M Uritannica consen-
e, para o ajustameoto doe negocios da
Cree a, em voltar ao tratado de Londres
subsliluindo as clausulas do arranjamento
concluido em Alhenas a 37 de abril do cor-
rele anno que aiuda nSo foram executa-
ls, aseelipulacoea oorrespondenles da con-
'venfflo felta em Londres i 19 do mesmo mez.
O presidente da repblica deu conse-
guinleuiente ordem de declarar ao embai-
xador d S. II. Britanoica, que o governo
f'sncez aceita esta solucao em ludo quinto
o mesmo he inleressado.
O que o gabinete rancez aceitou a 20 de
iuiilio, be, senhores, em substancia o qae
elle i ropoz so gabinete inglez a lde maio
..la; revncacilo de sen emhaixadnr. O
governo d repblica, esper quesera evi-
dente de ludo que, desde o primeiro it ao
ultimo co desia longa negociacSo, sos
conduela fui nicamente inspirada pelo sen-
limento de dignidad nacional, por um es-
pirito do conciliario e |Clo desejo de mn-
ler a paz geral. ( Estrondosos s,.plausos i
dlreila.)_______
deixar de concordar sem reserva com os
sentimentose Ideie politicas da Austria.
Em vii lude dos principios do direito das
gentes, como elle he entendido pela polti-
ca Russs, ndo pdenone seradmittido que
um soberano forcado.como fui ogsfiu duque
de Toscn pels obstlnscBode seus vassallos
rebeldes, a tornar a tomar posso de posicOes
oecupadas pelos ihsmgentes, eja nunca
abrigado a indemnisar os residentes eslrae-
giros que tiverem soffrido nenias ou inju-
rias occasionadas pelo assaltoMi citMde, na
qual rebelliSodomins.
Quando alguem le eslabelece em um iai/
eslrngeiro qua'quer que elle sejs.be obn-
ga lo a aceitar os riscos e as casualidades a
que Ul paiz p'le ser exposto. Lime
revoltsjii-se, e fui necesssrio empregar a
forca para reduzi-l a nliedieucia. Secer-
los proirtetsrios inglezos tiveram parle na
injuria que soffreram os p'oprietarins ni-
turaos do lugar, isso no Ihes d* o diceito
lo exigirem ama indemnisatRo que o go-
verno Toscsno recusa mi seus proprios
subditos Taes sin ns motivos que obri-
garam o governo Toscino a illrigir-se ao
imperador, para pdir a su arbitrario. O
imperador, no obstante o vivo interesse
que toma pela Toscsn, nlo se tem consi-
lerado iatla abrigado arceder a este pe-
dido. Nlo he por causa da maior ou rrenor
importancia da somma reclamada ; porm.
por amor do principio- qua o imperador
n3o pode admittir, nem meairo a ideia de
urna indemnisacSode qualquer genero, re-
clamada romo um direilo legJlmo. anda
Menos etigida por furfjas ; porgue, fazendo
tal, elle arrerria dar-lhe umi implcita
siiicc3o, coacedeiulo a sua arbtraQiin a am-
bas as partes no c .sa d" que a inglaterra
eonsinta cm aceiti-flpcouio a Toscana es
ta disrosta a entrar 7m esiplicacOes conc-
liatoriis, o governo Russo nOopte lera
gy foram eleitos deputados de Berne ao
conselho de estado. Osmembroi do novo
conselho ejecutivo prestaram o juramento
do enstiime, e o Sr Blosch, sendo eleito
presidente do conselho, pronunciou um
discurso, no qual queixou-se da prcvencSo
de urna certa poreflo do grande conselho e
da punulacflo contra o npvn governo, e b>-m
assim do boato ep|hdo de que o dito go
verno era reaccionarlo, e leneionava resta-
belecr velhos abusos, oSr Blosoh decla-
rou que n novo governo nHo smenln nS"
linh nenlioma iutnnQilo do restaurar abu-
tos, senSo quenSo tocara as lberdades
do povo e faria ludo quanto eslivesse o seu
alcanc.i pr tornar o paiz fez.
( ?!. )
IfriliOR.
PARAHIBA.
l'tlicitarao dirigida pela autmbla ligitlahva
provincial rfa Varuliilm ao Exm p'tiidenl)
da m'tma Sr. coronel Jos* Vicente lie Amo-
rim lleterrt, em rupotta an relalori" apre-
umtndii pelo mamo Exm. Sr. na abertura
da teno ordinario do correnle anno.
III. e Rim. Sr. A assembia legislativa
dst provincia,possuid de vivo prazer por
Ihe haver segunda vez cibidoa honra de
assislirV Exc. installaco de seus traba
Ibos, incumbio-nos de significar V. Exc.
que acceitando d milito bom grado as sau-
dcoes que V. F.xc. se dignou dirigir-lbe
nesse acto solemne pelo inleiro restsbeleci-
inento da ordem na provincia, em nomede
seus habitantes, a quein tem a honra de re-
presentar, protesta a V. Exc o mais profun-
do reeonliecimenlo e grstidSo, por esse glo-
rioso triiimpho da ordem, convencida de
que beella ilevido principalmente as ener-
intengo de procursroppijr nenhum impe- jgicas e acertadas medidas empreitads por
cilho a um arranjarj)nio amigavel com o [y. Exc contra as loucas pretencOes deho-
governo inglez ; VoVm o imperador.tem
lireito a esperar da justiga e moderacilo do
governo inglez que elle n.lo emprega-
ra para o fim de chegar esse arranjamen-
to nenhuns meios senflo os de un ctracter
conciliatorio, e o gabinete imperial pensa
ser do seu dever reservar o seu proprio jul-
io acerca de ludo que elle considera cumo
conforme as maximis recoi-.'iecidas do di-
reilo das gentes- V
O gabinete de Londres, n 'o6le deixar
de entender, que a presento VitSn he da
ntais grave na'urex para- peodencia
di todos o estados continentes. Com e T. i -
to, se os direilos que a Inglaterra procura
actualmente e.-tbelecer re tivamente a
aples ou Toscana, fossem urna vez ad
mitiid.i como prerelente, c resultado seria
urna poslo excepcional para todos os sub-
ditos britannicos, posicHo muilo superior
em vantagens aquella de que gosam os na-
turaes dos oulros pases ; enlrelanto, os
governos que assim os recebessem e a Iniit-
lUsein em seus territorios, seriam colloca-
dvs em orna situac.au intolenvel. Em tez
de seiem como al boje una fonte de be-
neficios para os piizes onde seeatahelecem,
i par onde transporlem com seus eslabele-
cimenlus os hbitos de industria, de mora-
lidad e de ordem, qu' tilo honrosamente
ctractarisam o povo inglez, sua presen? se
tornara urna fonte perpetua de gravames,
eem ceitos casos um mal inevilavel. Sua
presenga se tornara para os agitadores e
perturbadores urna ininiic.lu revolts, por
que atraz das barucada** appurrcera conti-
nuamente a ameacadora uventualidide de
futuras rcclamcd'S em favor de subditos
inglczes injuriados eit anas proprieda les,
PE NAWBUCO
IIBSPANHA.
Asnoticiis que recebemos deMaJrd, il-
riiicim a 99 de junho. O casamento do
conde de MnDtemoln com) Mara Caroli-
na Fernando de aples, receia.va-se que
occaaioniria grinde friezi entre as cortes
de llrtspanha e das duas Sicilias. O gavarno
he.'psnliol queixou-se do profundo myst.:-
rio guardado a este respeito pelo gabinete
napolitano; e ltimamente, o presidente do
conselho t urna entrevista em o prnci-
pe Carini, na qual prutestou contra a falla
decoitizia com que o re de aples tra-
lou a rainlia de llespanha.
O Commercio de Cdiz de 26 de junho, an
un ocia que slm dus dous vapores da forc
i|e 500 cavallos mandados construir na In-
glaterra, acham-se presentemente emeons-
trocf.lo na llespanha dous navios de linha,
um de 86 pecas, e outro de 80 ; urna fraga-
ta de 50 ; urna corveta de 30; qiislro trans-
portes, Cinco brigues, tres escunas, quatro
vapores de torca de 500 ovillos ; quatro dr
350 e um de 200.
NOTA DIRIGIDA A LORD PALNKRSTON
|. PKL0 GOVERNO RUSSO, SOIIRE AQUES-
TA'o BE APLES E TOSCANA.
O conde de Newolrole, depois de decla-
rar que i gbinete de S. I'elerburgo, con-
corda conipletament-) com os principios
aue .-erviram de base a conducta do gabuie-
Oj do Vienna, continua da maneira se-
guinte :
Seria preciso que a Russia nSo se nteres-
*sae pe consarvactlo e independencia dos
Todu o soberano que pela posiQ.lo geogra-
phic.dseu territorio, ou por sua fraqueza
relativa, fosse assim axposto a medidas de
coercilo de urna esquadra inglezi. Picara
irresoluto em presenta da rebelliflo ; elle
nunca ousaria adoptar melidss de coererto
contra os insurgente, e se as a 'optasse,
seria obrigaJo a eiaminrr as pailiculari-
daJes de cada operuSo, a aprecur a neces-
sidadeou a utilidade de tal ou tal malla
estratgica, que podesse expr subditos iu-
gjezes injuria, o i reconliecer o governo
inglez como juiz supremo entre 'si e seus
Vassallos em materias relativas guerra
civil sao governo interno.
O impeador nSo podo concordar com
Ul theoria, e pur maiurquesejae tenba si-
do sempre a sua boa dispoifclft para rece-
ber com benevolencia os individuos per-
tencentesa naoSo brilannca, cuju carcter
ene muao estima.se reclamases iguaes as
que agora s3o feitas a Nspulese a Toscana,
forem sustentadas pel forga, elle se senti-
r obligado por uecesidade, a indicar eex-
plicar da mais precisa e furmal maneira. as
cuudic,es com que para o futuro conseiiira
em conceder aos subditos britannicos, o di-
reilo de rtsidiretu e de possuirem proprie-
,1a Jes em seus territorios.
O governo Russo espara que o gabinete
inglez, receben suas observafOes com o
mesmo espirito de icpaicilidade que as
lein dictado, e que obrar conforme o mes-
mo espirito na conducta que dever adop-
tar para com as cOrtes do Ntpoles e Tosca-
na. A causa deslas corles, he a de lodos os
estados fracos, cuja existencia he smen-
le garantida pela manutenc.fio dos princi-
pios que acbain de ser invocados. FTesen-
temente man du que nunca, smenle
psuailu ds gran es potencias para com
oslus principios poder preservar a Europa
Jos mais graves desastres.
estado, da segunda ordem, e bem assim No graade conselho de bwm "J J-
pela tranquildade inlerna d Italia, para> ho do correnle nno, osSrs. Blosch e Mt-
SL'ISSA.
No gcaede coaselbo de Berne a 19 de ju-
3ens injjiig" do socego e felicidsde pu-
ica.
A assembia igualmente nos incumbi
dp declarar V. Exc. que rerehra cem o
uiais especial agrado a lisonjeira notlci,
transmiUi' Por V Exc. de se b|yerem sil-
vado do lerrvel fiagello da |n sle, mediante
a prottecao do Anjo Tutellardo Brasil, as
rjustas pessoas de S. M o Imperador, de
M. a Imperatriz a da Prole Imperial, as-
sim coT.odese acharem as mesmas augus-
tas pessoas gosando perfeita sade. A as-
srmhla faz os mais ardentes votos, para
que os Ccos continuem a velar sobre tao
preciosas vidas que a assembia encara
como seguro penhor de ordem e felicidade
para os brasileos.
Fira tambrm da maior satisfac,3o para a
assembia saber que todas as provincias do
i m pe io estilo em perfeita paz, e que tem
desapparerido as dssens0s liavi las no
sul entre alguns Rio G-ndenses e Orien-
laes.
A assembia lica inteirada do oslado ac-
tual da provincia e das oecurrencias luvi-
das depois da sua ultima reunido, assim co-
mo de ludas as medidas loma'as por V.
Exc. e das que V. Exc. se d'gnou indicir s
bem da provincia : urnas e oulas protesta a
fsembl, tomar na mais sera considera-
do, asegurando a V. Exc. sua franca^e
leal coadjuvaf fio a todo quanto tender para
o melhorament moral e material da pro-
vincia.
Reronhrcendo, como reconhece, em- V.
Exc. um administrador
pelo bem rstardesta prov
teria de lamentar a noticia, anda que njlo
adiar sucedido na adiiuiiislrac,ii da pm-
vi iici, a 11.I0 ser a considerado de que sem
duvida rasOes de maior conveniencia pu-
blica indusirsm o gov.Tiio imperial a appli-
cara oulra parte do imperio os valiosos ser-
vidos d* V. Exc. legando-nos ao mesmo
ten p-> um surcessor, c ijo nome, ja bem
conhecidona Parahiba, he grato aos Para-
bibanos amigos da ordem e da verdadeira
lil erda !e ; entretanto a assembia, agrade-
ceiido anda as honrosas e benvolas ex-
prs Oes, que V. Exc. se dignou dirigir-lhe
e aos seus representados, se compras em
assev, rir i V. Exc. que a provincia da Pa-
rabyb jamis esqueccr os relovantes ser-
vidos que V. Exc. Ilie prestara durante o
periodo de sua esclarecida a Jniiuistragiio.
I'ago da assembia legislativa da Parahi-
Im du Norte,.9 de g"slo da 1850 Jote
Paulino a> higuereido, relator. Baldoino
*o:i i!?.nz ['i- ;r;^-r"". *~ Cr\i- ~:.\:
tea. Chriifim Anlanio de Miranda Henri-
autt. t'ranciicv Xavier de Andrade J-
nior.
S Exci se dignou responder o seguinte :
l'osauido da mais pura e viva emo(3o de
prazer, o de proluiidu racotihecimeiilo me
ufano pela humosa felicitadlo que a assem-
bia provincial liouve pur bem dirigir-me.
Os votos que a respeit vel asspmbla Par
rabibana exprime a prul da prosperidade
ijo Imperio, e igualmente desta provincia,_
silo os purus scntimenlos de patriotismo^
que borbtflbOuno cori(3o de seus Ilustres
Miembros. j>
Penhorido pela manisfeUc.1o de lauta
hondada para cooiiuigo, vos peco senho-
res, vos dignis trausnitiir a tao sabia,
quanto nobro assumbla us sinceros votos
de meu respeito, e do quanto anhelo a pros
pendade da Parahiba em geral, e de seu
dignos lubka&tes lu particular.
(Do oternlita l'aianibano.)
REI.ACAO" DOS nAPTISADOS FE1TOS NA
MATRIZ DE S.-ANTONIO DO UECIFE, NO
MEZDEJULHO DE 1850.
Julbo 1.Carlos, pardo, nascido em 18 de
novembro de 1845 --Flho legitimo de Sera-
fim Bastse Cordolina Maris da Conceicflo.
Da 2.Eufrazia, parda, nascida em I de
Janeiro de 18U.--Flha legitima de Sera ti m
Restos e Cordolina Mara da Conceic3o.
demCyrillo, pardo, nascido aos 28 de
Janeiro de 1843 Filho legitimo de Serafim
Bastos e Cordolina Mara da Conceicflo.
Di 6.-Silvestre, pardo, com 15 dias.--
Kilhode Mariano Ferreira deAguiar.
Idem.-Marcolim, parda, nascida aos 21
le maio de 1851.Filha lejlm de Luiz
loaquim da Sania Auna'e Helena Mara du
Conceicflo.
Idein.-Juliana, parda, escrava, nscid.i
com 15.Filha deFilippa.escrava.
Da 7.Isabel, parda, nascida aos 23 d
jineiro de 1950.Filha natural de Joaquina
Jos Santos.
I lem- Antonia, parda, nascida em I de
junho ce 1849.-Kilha legitima de Justino
Angelo de Azevedo e Umbelina Thereza do
Jezus.
dem.Fiencsro, criouln, escravo, com 3
annos Filbode Severi na escrava.
I lein.Malhildes, parda, nascida ao.; 12
de margo de 1818 Filha legitima de Jos
Francisco de Arauju Lima e Josefa Calassn
AI ves Lima.
I 'emEngracia, preta. adulta, com 20
anuos.-Escrava de Clara Clemenlina Carlo-
ta de Brito.
Idi ni --l'.-rgenlinr.. parda, nascida aos 23
de marco de 1850 -Filha legitima de Fran-
cisco Pedro da Cruz o Mara lgnacia da Con-
ceigflo.
Id 8 Mariana, prvula,escrav, com 8
mezes.Filha de Thereza, escrava.
dem.Jos, pardo, com mez e mel.
Flho natural de Maiia da Conceicflo.
Da 14.-rAntonia, crioula escrava, nasci-
a 2de junlio da 1848.--Filil natural de
ttinrnaescrava. H
dem.Francisca, branca, nascida em 7
io maio do 1850 -Filha legitima de Antonio
r'rinciscu de Carvaluo e Mara Alexandrina
le Carvalbo.
dem yuirino, crioulo escravo, nasoido
aos 4 de junho de 18>4>Filliu de Jozefa
oiioula.
Moni -Tertulio, parda escrava, nascida
aos 3 de abril de I850.--Filba de Joaquina,
parda escrav. y
Da 17 -Therczi. parala, adulta, cgjj)-41
anuos Filha natural de Marlba de tal7
Dia 21 Guilherme, branco, nascido em
33 de abril do 1850.-Filbo .'egili-na doGui-
llierme da Silva Cuimares o i; nbeliua l.i-
bauia de l.einos.
I em rtemvid, uioula escrava, com 13
meves --l'illia de Mirria escrava.
dem.Jlo, brinco, nascido sos 96 de
junho de 1849. Filha natural de Loiza Ma-
ra Ramos.
Id.-m. Ju3o, cr/oulo. escravo, com 2 me-
zes FUho de Ijzi, crioulo.
Dia 22.-Tieodorp. crioulo, escravo, nas-
cido aos lJe seleotPro de 1849 r'illio de
Chrsiin, escrava.
Da 2Francisco, pardo, nascido em 3
de de?mbro de 1849. Filha natural do
llermia de Tal.
Di 8-Therez, brtnea, nascida emt
io recomiere, em-y. da aiaode 1850.-Filba legitima de Fr.n-
zeloso e desvellidtf e4rC,nJido LuroaChi de Mello e liana
rovmci, a assembloa Egypiaca (.ocio.
Idoi..CUra, crioula, osorava, com II
me./i Fi|b. ti* l)nniinga| aanrav,
Dia3.--ltulina, preta, adulti, com 18
anniif.scrava.
dem.Rita, preta, adulta, com 18annos,
scravi.
Dia 25.-iaro, branco, nascido aos 30
Je junho deuo.-rFilbo legitimo de Jos
eaiidroM^rtinsVauejrageijrijjo.quip,
da Malernidade.
Dia 27-Maria, branca, ,,cidi em M de
ulubro de 1849 Filha '"e"1--} de Anto-
nio Rufino Raymundoe Francisi. nomaoa
da Cruz-
I tem.- Jos,.branco, nascido em i
oierco de 1850 -Filha legitima de Maaoe.
Jos da Cmara e Auna Mara Francisca da
iVixao.
Dia 28.Mrcolina, crioula, escrava, nas-
cida aos 17 de marco de 2830.Filha de Ma-
ra, escrava.
IJem.-Veaancia, parda, escrava, nascida
mo 33 de a Dril ue IBM niia ue jozet, es-
crav.
dem.Jos, branco, nasoido em 3 de ju-
lbo deste anno.Filao legitimo de Jos Ma-
nuel doaSantos Villace e Anua Candida Af-
fonso Villica.
D:a 30.Thereza, branca, niscida em 4
Je martu de 1850 Filha legitima de Bar-
iholoaieu Gue-les e Mello e Joanua Francis-
ca Manyr Ceelt|o.
Au lodo 36 baplizainentos
Si uto-Antonio, i de agoslo de 1850
Padre /Jo Jote da Cotia Ribeiro.
coadjutor pro-pirocbo.
^
.
Corr. spo.delicia
Sr$. redatloret.Han peridico du sul-O
Grito 4a l'l-diinou-e griur i"r-
tendo o sentido genuino e histrico eos
versos dirigidos em urna saaeocjio so Sr.
tarso da ItOa-Vista :
Permiti o recordar-le,
Que para leu ingresso no senado
pernambucoseussngiie ha ti bulado.
Em umi correspondencia na UniU o.


273 psreee-me ttr exuberantemente expli-
cado o entido metaphraatlco destes marty-
ritadoi versinhos : nIo devo hojo reprodu-
cir o mesmo argumento ; quero fingir-me
oplniflo dos que nesses versos lobrigam
urna allusSo funsla : refirome aos factos,
como esses senhores querem que elles
fossem.
Procedeu-se tres vezes em Pernambuco
eleigSo para senadores: as duas primei-
ras, digo eu, houveram grandes desordens.
correu sanguoat. contra a candidatura do
BarSo da Boa-Vista : diz a opposicSo de
lio je, no ha tal; essasduas eleices Tora ni
inteiramente pacificas, legaes e expnla-
neas.Bm: entflo nSo correu sangue,
nem houvc opposicSo violenta muito bem,
eu acredito.
Na terceira eleicSo, nessa em que o Sr.
liaran leve maiorla de votos, nSo se deram
desordena :diz a nobre upposQilo, essa
elnicSo foi um simulacro, nSo houve tal vo-
tarlo, ludo f.ii fantstico, o poro no con-
correu as urnas, o Bario foi. leito nominal-
mente. Iteru : entilo o Tacto he, que nun-
ca houve sangue a respeito da nleigflo de
queselrata; entfio segue-se que os taes
versinhos contm u.na hyperbole infun la-
da ; e pola que se refere esse montan de
caveirasede castellaa esbrugadas com que
os cercou o tirito da Patria, e o Conciliador
n. 19, que aqu o transcreveu ? ? A que al-
I udeni essas caveiras, se as eleicOes de Per-
nambuco nunca correu sangue?.... Querem
por ventura tingir a terceira eleigflo com o
singue derramado pela rebel lia .v Mas a re-
vului;3o. >enhores, desenvolveu-se, e mar-
cliou al scu termo sb os principios ex-
Dustos no Manifest ao Hundo, e neste mani-
fest onde se aventaran] as bases da Comti-
tuinte se nSo indicou, que nunca o Sr. Hu-
mo da Boa-Vista seria senaJor E demais,
allribuir a 18o mesquinhi inimisade, oueai
vordade, a esse joguele de partidos, todo o
lim ecarcter da rovolufSo, sedicao, rebel-
JiSo, ou cutio llie quieretn chimar (cha-
mem-liie t puma-lempo de balas), he tirar-
Ibe lodo o carcter poltico, todo a nobreta
que possa haver em vir Jo mato ao Hecife
matar hoasens.
Pico aqui, Srs. redactores : c quanto aos
versos, nada vez eslou mus persuadido que
elles exprimirn urna verdade-fritami/co
.leutangueha tributado. Olributoexpontaneu
e generoso (o que se allude nos versos), he
una acgSo litro e virtuosa, digna de lou-
vor, ele. : pJem os liberaet dizer que tri-
butaran! exponan-ament o seu sangue
contrariando a eleico do Sr liarao da lla-
VkU, elles, que clauam de lerem sido os
seus brbaramente amaitinados ? Bar liara-
uieole.'Atrozmente!.... por outra causa?
Agora se com versos devnsseinos compro-
var desordena polticas, e eu quiz-tsse re-
cordar as genlillezas das suas primeiras
elevos de 45 e 47, ira cilando versos :
2'
Eu sou Srs. redactores, etc., etc.
S. 8., 30 de agosto 1850.
Joto Bapeista de S.
J'tiblic i^'os a edido.
Senhores redactores.Temi o Sr. hachare! Jo-
ae Mara Moacoioda Vfig Pessoa feito publicar
lilao, na provincia de Pernambuco, una
corrvzriondenaa '"' que irritado pela mereci-
da deiuiaiSP-que recebe u do cargo de promo-
iiir publicoThS^ja capital, derrama lodo o (el
de suaatrabiUiaispre o Kxm. presidente deila
provincia, o Sr. coroNel Jn' Vicente de Aino-
rini Bezerra, e me all(">ue grande parte n'a-
quelleaclo, (rucio necetfario de iua levianda-
"le (para llie nao dar uutrU nome) entendo aer
de incu rigoroso dever pKar danenna nao
lano para reapouder a aqiede aenhor, como
para dar uuia aatiefafao ao publico do mcu pro-
ceder, como Mercurio do gu-verno deaia pro-
vincia, e mostrar a jusilla do acl do Kxm. gu-
verno.
lein desrjra, peladignidade oC .Sr. Hoscoso,
que seinrlhante questao nao foise lral'da pe-
ante o publico; porfm como a Incopeld.'a-
co laqiii-lie Sr a lubmetieu 4 dlscussao, car-
regue elle com as conaequencias de aua iinpru-
dcucla.
Nunca Uve o menor inlerease em que arfnel-
le Sr. foise demillido, coinquanlo reconheices-
te-a neersiidade de urna tal meuida, por jmo-
tivoa que i o Sr. Dr. Moscoso me obrigari.
dize-los chamando-uie outra vez iiiiprena>;
por.n o Sr. Dr. eicilado pela consciencia'de
lena mereciles toa vlvia seinprc aiaustado de
una deiiisaa*, para a qual recouhecia. melhor
lo que niogaem, aobrarem-lheo ttulos, 'ixr-
lamenle que niilo tinha elle aobeja rasao;. mas
he indesculpavel em aujeilar-se a um.-i dls-
cuiao publica Sobre esses ttulos por que de-
via lembrar-ie, que ellea nao honrar,, aquem
os possue.
Mi poder negar o Sr. Dr. V.oscoao, a aer
iiomein brioso como o supn.^nho, que, apre-
enUndo a despacho uiiijrfqucrimc'nio em que
pedia um u.et de llceffoa com o leu ordeuado,
eu reJIcalonc ao>,ul. Sr prcaidenle nao ser
fcil encontrar 4uf,,, a.eilasse o exerciclo In-
terino do eac/go de promotor aem vencimentos,
prini ipa'^iienu' durante aquelle mei, em que
1S PXoiiinaa aeasea do jury de Pilar e Inga
"J^rigaram a alguinas despetas e que nao hara
i| nula para pagaim nto em duplcala daquelle
ordenado, tale nieu proceder nao foi lillio de
in vuulade para cun o Sr. Dr. Moscoso, mal
Min do eaaclo cumpriuieuto de um ui deveres,
no qual pouco me iuiportaiu cuuatderacea
petaoaes.
Ti"-C!" "^rt **''d* rf"**1' 'ni* nara *l*i^'
este obatacalo disse elle So Emi. preildcnte
em confianca, e como em amigavel conversa,
<|ii h*via c< nseguidn do Sr. Dr. l/aiilio o ser
Horneado interinamente professor do Ircu, o
Sr. Manrique Vctor de Lima, o qual gratuita-
mente presiava-se rpielle eaerclcio, com tan-
to que S. K. Ibe coucedeaae a ueceaaaria llcen-
i .i de dexar, emquaulo fura da cidade, o exer-
ciclo de aua cadrlra ; no que S. F.xc. convelo,
irn que eu oppozcise a menor duvlda. Ja v
o Sr. Dr. Moacuso, que se cninproineileu anda
i|ue incoinpetentesneote pela iiomeaco inte-
rina ; entretanto ae aluda julga que isso foi
meedade ou iiiibeclidade tome os predica-
dos ; porm confcaie que o obter do Sr. Dr
juii de dirrilo aquella nomesco nao he um
impesaivel, que lizesse a quem quer que ou-
vlsse a sus asserso duvidar de aua lisudeza,
principalmente attendrndo a que o proposli
ten ejercido per veres aquelle cano, para'o
i| ual lem a precisa oapacrdaoTe.
Se o Sr. Dr. oleoso fhrer'um pequeo ei-
for;o d roiasltencla, Icmbrar-se-ha que S
F.xc, o &r. paeiidensr, depas le ourl-lolhi
dina, que fcsae novauenle eateoder-ae com o
lir. juii de dirello, e professor Manrique, para
que depoii de concedida a licenfa nao appare-
ci-sse algiim inconveniente, e que S. S. retiran-
do te depoii de urna langa hora, voltoa rrpi-
lindo lude quanto flea dito; pelo que lem
maia drlongaa Ibe foi dado o despacho.
LUverla alguiua iadisposlcio eai s, Exc. con-1
i r.i S. S., quando o attendi e dava-llie a honra
de discutir com S. S. aa difflculdades da lioen-
ea pedida, quando consenta em tus meioa,
smente para conciliar o seu interesse com o
doservico publico?
Eu bem podera appellldar com o nome pro-
prlo o aeu proceder, mas reapelto em S. S. um
collega, e a clane Ilustre s que tenho a honra
de pertencer.
Agora referlr-lhe-hei occurrenclai que S..S.
ignora ou finge ignorar, c com que derla
contar.
Doui ou tres dlaa depoli de aua partida ap-
pareceu em palacio o Sr. Dr. juii de direito
prdindo a S. Exc providencias,- porque nao
poda adiar quem qulzesse exercer gratuita-
mente a promotorla interina I!!
S. Exc. maravilbado de tal oceurrencia per-
guntou-lhe, ae nao havia prometlido a S. S. no-
mear o Sr professor Manrique ; c le este tani-
bem llie nao aflancra exercer gratuitamente
e o Si\ juiz de direito responden negativamen-
te. Em tal caso, no meu frco entender, Julgo
quenada havia mais obvio do que aua deinis-
so, para ser nomeado com o aeu ordenado
um promotor interino, com tudo nao emitti
npnio alguma ; e o resultado apparecido foi
lilho da espontaneidade de S. Exc.
Agora clasaitlque como quizer o proceder de
S. Exc, mas tambem deve claasificar o aeu.
Diga o que tevra obrar o govento, rendo-se
enllocado em aerio embarazo por quem anula-
ra de sua boa f por urna tal forma.
Entre S. S na verdadelra queatan, e nao di-
vague, que o publico, para o qual appella, Ibe
fulminar a merecida sentenca.
Escusar-me-bia de responder, assercao eiu
que S. S. ailiim i que o Exiu. Sr. presldeute,
ignorara icranomeicilo di promotores interinos da
privativa ctlribuicSo dos Srs.juitesdc direito, por-
que he nimiamente ridicula, se n*o portease
ella achar asseotlmento em alguinas pessoaa
menos consideradas. Conveuca-se o Sr. Dr.
Moscoso, que a illuslra;o do Knni. Sr. fiexerra
he reconhecida em todo o imperio pelas pessoas
que o leem frequeutado, e uo sao aa calum-
nias de um ou nutro rabiscador desconhecido,
com quem S. S. faz hoi o, que Ihe bao de ron-
bar o merecido crdito.
Na mesma clave poderla eu responder a S. S.
chamando o testeiuuubo de quem Ihe empres-
tou a penna.
Lea S. S. o offteto abaixo transcripto, que o
far corar pela faliidade de sua auercao, e at-
ienda mais que S. S. d a si proprio um solem-
ne deamenlido, quando em sua correaponden-
eia diz, que o Sr. presidente, fea com que se
fosse entender com o juii de direito da comar-
ca para saber quem o substituira interina-
mente. .
Julgar o Sr. Dr. Moscoso, que o Exm. pre-
sidente mandara S. S. enlender-se com o ar.
juiz de direito sobre a noineacao do promotor
Interino te a julgasse de la attribuicao ? Sein
duvda que nao, porque o contrario ser nao
s necedade, como imbecilidade.
Nao admira esta nexactido do Sr. Dr. Mos-
coso a quem le em sua correspondencia, que o
Exm. presidente dissera oluciatinente ao Dr
juiz de direito que elle havia aancado dar
urna pessoa por si quando as expresides do
mencionado officlo sao as seguintes: alian-
fando,(o Sr. Dr. Moscoso) a este governo que
fine. Interinamente uomearia pessoa que tea-
do as ucees.arias habilitares, ae preataise a
exercer duranle a pedida licenca sem venci-
menlo algum, etc, o queeui verdade, para
quem entende portuguez, he muito diverso,
Cert.mente nao fui muito pensado o passo
de traier peraote o publico esta questao, prin-
cipalmente quem nao poupa eiforcot para qus
sna repulacho n&o so/fraa mtnor aurora.
Muito teria que dizer a respeito do penltimo
perodo doSr. Dr. Moscoso. no qual corojosa-
mente appella para o concello do publico desta
capital, sobre a maneira por que desempe-
uhou seus deverea no tungo espaco de onze me-
ses e oito dias, que exerceu de promotor pu-
blico, mas, reapeitandu a minha classe, como
dlsse, recolho-me por eila vea ao alinelo, fa-
xendo o mesmo appel'o, ainda para as peasoai
menos Ilustradas ; e poasn asseverar a 8. S.
que lem longo e duradouro lugar em uosaa
memoria entre aa nolu6iiidadi, que ho asiom-
bradoo povo p.irahybaoo.
U ultimo periodo da correspondencia de S
S., que na aei a quem he dirigidlo, tein breve
resposta. Se diz respeito ao Exiu. Sr. Heierra
he elle bem conhecido no imperio; e se a miui
son muito conhecido nesta provincia, e julgo
S. S. incompetente para emittir qualquer npi-
nio a meu respeito Tenho respo
Sr. Dr Moacuso, e sempren^n jifTuver de ser
injusto couiniigo^iinnrrr-ihe-iiel como mi-
n'_iijl-4ripenniliir; porqne no preso
minha repulac.o do que o Sr. Dr. a sua
Queiram, senhures redaclorea, dar publlci-
dade a eslaa linhas, com jue mullo obrigaro
ao seu menor criado
l.inilolfo Jos Correa das Ntves.
Ao Dr. juiz de direito da primelra comarca.
Coiiimuiiico a Vine para sua intelligencia e
governo pie neata dala demitli ao bacharel Jo-
s! Mara Moscoso da Veiga Pessoa do cargo de
promotor publico da primelra comarca, e mo-
tivos urgentes asiim me obrigarain a faz-lo
estando elle no goso de um mez de lieeuc.1,
coma) em dala de 48 do passado Ihe participe!.
- Requereu aquelle bacharel um m de li-
cenca com o respectivo ordenado, afiancando a
esle governo que Vine, interinamente nomea-
ria pessoa, que leudo as neceaariai habilita-
(dei se preitasse a exercer durante a pedida li-
cenca aem venclmenlo algum alm doi respec-
tivos emolumentos, asse9:10 com que leve por
lim destruir o embaraco oppoalo por miin de
no haver quuta para o pagamento do ordna-
lo ao que fosse nomeado interinamente; ago-
ra, p ii-i'-ni, que Vine, acaba de representar-mc
.1 nei-rss lade de um promotor e de me ataca
uar que em nada aecomprometteu com a|uel-
le bacharel, e que ueiq he posslvel encontrar
quem gratuitamente se queira prestar ao dito
exercicio interino, pelai despetai a que a su-
jelta o prxima abertura do jury do Pilar, para
onde Vine legue amanha, apparece emba a-
C.O sobre a ueceisaria noinca;ao Interina, pelo
que. e pela pouca slsudes daquelle bacharel,
entend conveniente providenciar da forma
que tica exposta: devenda Vine, noinear lin
iieiliaiainenie um promotor Interino nara une
nao dcixc de fuucciouaro jury em prejuixodo
servlco publico.
Ii freguezia de S -Frei-PedroGoncalve do
Racife, JoSo Btptisls Estanislao, parsave-
riguacOes noliciaes; e o pfeto eecravo J0B0,
por suspoito : 4 ordem do subdelegado ds
freguezia de S.-Antonio, o escrsvo.Mstheus,
ior briga : e do subdelegado da freguezia-
da U-Vista, Clara Maris da Conceirjao,
para averiguacos policiaes.
COiPjRg|0.
ALFANDEGA.
Kendimento do da -'-'.....9:270,458
De ierre gam hoje 93 de agosto.
Barca William-Russ'M mercidorias,
Brlgue-- Aro*-- idein.
CONSULADO CEB.AL.
Kendimento do da 22..... 48,477
.Diversas provincias...... 3,901
51.678
KECEBEDORIA DE RENDAS CERAKS
INTERNAS.
Kendimento dodia22.....1:154,472
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendlniunto do - 1 11.1 I > 1 1
* .ovimento do orlo.
laviot entraiot no dia 22.
Hivre-lo-Graca 41 diss, brigue francez
lolof, le 136 lonela las, cauitSn Durruty,
equipsgem 10, cargs fazendas e mais ge-
noros ; viuva B. Lasserre. -
Parahiba --6 dias, la lo nacional Exalaeao,
de 37 toneladas, tnestre Jos Duarte de
Souza, equipagem 3, cargs toros de man-
gue; a Jos ds Silva MendoiiQa. Passa-
geirbs, os Brasiieiros Bernsrdino Jos
liindeira e Claudio Jos le Sant'Anna
Cruz.
Naviot sahidae no BMssna da.
Liverpool pela Parahiba Barca ingleza Es-
ther-Ann, capitSo T. Hunler, carga al-
godSo.
Genova Brigue sardo Daino, capUSo Ma-
noel B.izano, carga sssucar.
mmamosm
EDITA L
A administrado dscompanhis de Be-
heribo se reunirio dia 2i;do corrente par*
ontratarcom quem mais dar, e melhores
garantas offeracer, a arrecadaeuo da taxa
aos chafarizes e bicas do encsnainetito por
um anno. a comedir do primeiro desetem-
bro. Os protendentes eompare;am 00 es-
crptorio da companhia, pelas 10 horas da
mantiBa do referido dia.
Thcalro de S. Isabel.
15.' RECITA DA ASSIGNATURA.
(Juarta-feira, 28 de agosto de 1850.
Representsr-sa-hs depois da xecucRo
deums agradavel ouverira, o etce
drama em cinco actos Um prologo
PEDRO CEM,
que j lev e agora no tem.
A parte de MnMna fllln de Pedro,
feits pela Sra. Kelismina Mara Sabina
Gama.
Rematar o espectculos graciosa a inte-
ressante comedia em 1 acto
OS IRMA'OS DAS ALMAS.
Comecari as 8 horas.
Os bilhetes acham-se venda no luga/do
cos urna.
- --^aasppjassssjsassssjasaai
R*ublcacao Htieraria.
ser
da
Acsbs de cliogar de Lisboa o oxcellente
romauce B '
Chriitina de Slainville
ou
Os effeitosda boa on meducacao:
iStfl romance mereceu tanta sceita^rio
nsquella cidade, que cm poucrrs dias seez-
trahiram o melhor de mil exem piares : ven-
le-se s 2.000 rs. os dous volumes, ns livra-
is da Independencia, ns. 6 e 8
assaj
En cumprimenlo do despscho do III n.
eEsm.Sr presi-lenta da provincia, corlill-
co que reven lo oslivrosn. 29 de porlrins
lo governo, nelle ahei a fia. 76, a portara
Inlsdsde26 de maio de 18 48 nomean lo u
bacharel Jos Raymundo da Costa Meno-
res primeiro siipi'lent" do juiz municipal
la S"iiunds vara desta cidade ; assnn como
csrtilico que em primeiro de junho de 1850
fOra o mesmo bschlrcl nomeado segundo
supplente do referido juiz < municipal, e
iire.tou juramento .em 80 do inesino mez e
anno.
Eis o que pede o sopphcsnte ; e para que
assim o conste passeia prsenle nest se-
cretaria do governo Ja provincia de l'.ir-
nimbuco, sos 2idesgosto de 1850, vige-
jlffro nono da- independencis e do im-
perio.O official archivista, Jodo fatentim
filela. ______
Icparl.cao da policii.
- Pela inspectora ds slfandega se faz pu-
blico qu no dia 26 do corrente se hSo de ar-
re na lar em hasta publica porta da mesma
lepuis do meio dia, as mcrcadorias abaiio
leclaradas, que ja foram snnuneiadas pe-
los editaes de lxdemaA 17 d julho do
correte anno, a saJier rl caixinlia com 2
garrafas vasias de vidro preU) por 166 rs.,
I dita que foi de bitas por 610 rs., 1 dita
com 2 pedacos de ferro em linguado pe-
sando 18 libras s 15 rs. 234 rs. 1 fugareiro
de ferr*o quebrado com 18 libras a 62 rs.
1,166 rs. 1 barril vasio por 1,000 rs. 1
barrica com 34 lampos de ditas por 2,000
rs. 6 csisinhas com 44 duzus de bsrslhos
le cartas para jogar a duzia 3,000 rs. 132/
rs., 2 csixss com 340 libras de gommira-
bia a 400 rs., I36.O0Ors. 37 libras de flor
le violes s 500 rs. 18,000 rs 40 liar ricas
com 106 quinta' de gesso a 1,600, 169/600
rs. 5 fardos 56' oras de raz de altea ar-
ruinada a 13:* 75,245 rs., 1 gigo com I
garrafilo de sem ser empalludo por
J.oou rs. 1 i... ..I vasio que foi de oantei-
a por 200 rs. 1 dito vasio de oilo em
pipa por 1,000 rs. 1 barrica vasis por 500
rs. ,52caixinuas de madeira vasias a 40
t. 2,080 rs. 15 bsrricas vasias a 100 rs
1,500 rs. 1 caixa com 74 meios mnos de
bsrallios de cartas para jogar a 1,500 rs.
115,500 rs., 1 embrulhoeom um encara Jo
pintado por 2,000 rs 99 bsrricas c un 265
quintaes de geaso a 1 .Oujsv-4M$9fr Rr,
34 canas cg.j W-rre Inl.s da vinlio de
ssnleriid s 2.400 rs. 224,890 rs., seudo a
arrematadlo livre de direitos.
Alfandega de Pernainliuco, 21 desgoslu
de 1850.O inspector uiteriuu, liento ot
Feniandet Horras.
Oeclurayoes.
PAUTE 1)0 0IA 82 l'E AGOSTO l)E 1850
Frm preso: 4 ordem do iubJelegadolumbuco,2a desgoito de 1850
Da ordem d S. Exc. o Sr. presidente ds
provincia,o Sr. director do lyceu manda piir
a concurso assuhstituifOss dsseadeiras de
latirn e de philosopliia do mesmo lyceu,
bem assim a substituirlo de primeirss lat-
irs do s -xo feminino desla ci lade, e na or-
diin siguite : tde Utiin com o prszo d
30 dia;, a de pflosopliia Com o de 5'J e : de
prime'as lellras com o de 60 : to los conta-
dos da dala desle. Alverte-se, quedoilpo-
sitor suhstiticSo de latim tem de sor exa-
minado tambem em lingos nacional, eos
substituir;"!., do philosophis iguslmeote em
arithmetics, algebra, geometra e trigono-
metra. Secretarla do lyceu, 19 de agosto
de 1850. -- anuario Atexandrino da Silva lia
bello Caneca, professor de desenlio e secre-
tario.
Pela segunds seceso do consulado pro-
vincial annuncia-se aos desadores do im-
posto de 20 por canto sobre o consumo d'a-
go'ardente, que o mesmo se aclis s cobrar,
sobre a base de 400 n. por esnada, na for-
ma da decsSo do Extn. presidente da pro-
vincia ao recurso que havia a semellianle
respeito ^.
O lllm. Sr. director das obras publicas,
m riimnrimeniu d ordem do lllm. e Exm.
Sr. presidente da provincia de 21 do cr-
renle, manda fazerpublico que, sers ven-
dula a quem mais ofterecer, as anligss grs-
des de ferro da poniendo lloa-Visls assim
como, urna porcilo de ferros velhos exis-
tentes nos armazena da mesma. As pessoss
que pielenderem a compia dossuprs men-
cons tos objeclos, compare^am ns sals ds
repartilo das obrss publicas, uo dia 2 de
srlenibro pelo meiotfrt. E para constar, se
manilou publicsr o presente pelo Diarlo.
Secreta ria las obras publicas, 22 de agoste
de 1850. 0 secretario, oaguim Francit-
eode" Mello Sanlot
Tcndoo inspector do arsenal de mari-
iha de contratar em virtude de ordem de
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, a re-
mesa de varios objeclos vindos da crte,
narsserero envelos s provinciss ds Para-
hiba e Rio Grande do Norte, convida aos
capitles ou rnestres dss embarcarles mer-
cantes nacionaes ou estrsngeirss que s
destinen! as ditas provincias, o queiram
irons,>ortar a frele os etsdos geneos, se
oiitenderein oom elle, sllm de contrslsrem
resuelto.
Inspeccaodoarsensl de marinba de Psr-
AV808 martimos.
-- O patacho Astrea segu viagem em pou-
cos diss psra 6 Rio-Crande do Sul, podendo
receber alguma carga a frete: quem pre-
lender csrregar, enteiider-se-bcom os con-
signslarios. Bailar & Otveirs, na jus da Cs-
deia do Recife, n. 13, srmszecn.
Segu viagem, em poucos dial, para o
Rio-Grande db sul o brigue nacional Maga-
no, novo e de superior marcha : recebe car-
ga a frete rasosvoL e tea asseisdos commo-
los para passageiros : trita-se con ocon-
signatario, Leopoldo Jos da Costa Araujo
na ra da Moda, n 7.
Para o Cear. segn at 31 do corrente
a escuna nacional Emilia, de que he espi-
tan e pratico, Antonio Slveira Maciel Jnior,
com a carga que al esss data tiver a eu
bordo : quem na mesma pretender carregsr
ou ir de passagem, entenda-se com %lo;o
Carlos Augusto da Silva, na rus da Cruz,
armazem n. 13, ou cota O cspitSo a bordo.
Freta-ae para os portos de Inglaterra,
ou Mediterrneo o brigue inglez Avon, de
orimeira clssse a do lote da 181 lonellsdss :
trata-se com os consignatarios Rozas Braga
&.C
Para II ssamedes e
Loa n da.
O Snr8. qoe inscreveram os
seus no mes para seguirem de pas-
sagem para a colonia, e os que
llera tu notas de carga para em liar-
car na linda, nova e veleira barca
pjMtugiiea Bracha/ense+jque jja-
ra all val seguir brevemente, di-
rijim-se a casa n. 6, defronte do
trapiche-novo, a lim de serjm in-
formados do que cumpre a fazer
- Para o Aracaly segu, al o dia 21 do
crrante, o hiato Ugeiro : para o resto ds
carga e passageiros trsta-se ns rus do Vi
gario, n. 5.
ajs_ iUiS.I'ai'1 aSai
Leilo.
M I I
O corretor Oliveira far leilSo da mo-
bllia de que o finado jofio Slwart usava na
sua casa ds cidade. consislihdo cm mesa de
janlar, dita redonda para meio da asa, ca-
ileirss, soph, aparador, mesas de difluien-
tes tsmanhos, consolse mesas com taso
pos de pedrs tnsrmore, e oulras sem estas,
msrquezas, lavatorios, toucadores, Ism-
oeOes, e muitos outros objeclos inclusive
lo la a sua livraria, contendo obras inslruc*
tivase de recreo compostas pelos melho-
res autores, principalmente no idioma in-
glez: sexta-feirs, 93 do corrente, as 10 ho-
ras da man ha a, nos segundo e terceiro an-
dares ds casa onde no andar terreo ex'ste
o armazem de fazendas dos Srs. Adamson
llowie & Companhia.
--No da 26 do crrante, si lia de arrema-
tar em leilflo a porta do armazem, u. 14, na
ra da Madre-Je-D os, lodos os gneros
moUiados nelles existentes, bem como to-
dos osbens moveis.escravos, joiss, ele, per-
(encentes aos fallidos Domingos Jos da Cu-
nta Lage & C. ; os quaes bens s3o vendidos
psra pagamento <* tiouuir,, vutuu ui ue-
terminado pelo jMizo da primeira vara do
cirel : as pessoas que qulzerem lanzar, de-
verSo comparecer em a manhSa do mencio-
nado dia, s 10 horas do dia.
Russcll Mellors & Companhia fsrSo ll
10o, por intervengo do corretor Oliveira,
de umsortimentogersl de fazendas ingle-
zssas mais proprias do mercado : seguods-
feira, 26 do corrente, ss 10 horss ds ms-
i,lula em pon", no sou armazem da rus do
Tra pche-*ovo.
Leilo de manteiga franerzs.
Terca-fnira, 27 do corrente, se far leillo
de 40 barra a 60 meios de snanteiga. de-
fronte da porta da Alfandega, ( as 10 horas)
em lotes de 2 barris a tres meioa : roga-se
aos protendentes que afio se es.,ue apparecer.
m
Avisos diversos.
-- O abaixo assignsdo, rogs pesso 0u
pessoaa que lem lomado asi o pouco hon-
roso encargo, de por meios indignos trans-
lorutr a viagem ao Cear da escuna Kmilia,
que lhes he snsis decoroso a aflo conti-
nuacSu de tses invectivas; pois a conti-
nuaren, ser forcado a publicsr seus no-
nes, sfim de seren conliecidos como pes-
s>ss de pouca consideraco ; circumstancia
sta que se omtte, porque com esta publi-
e.aQSo poder tslvez sobrevir o srrependi-
meoto. A escuna Emilia segu para o Cear
em direilura at 31 do corrente, cora a car-
ga que at esta dala tiver a seu bordo.
O captao da mesma, S. Maciel Jnior.
A. Marmota n 4- gratis para o
povo de i'ernamfcuco
O Prospero Dlniz redactor da Marmota,
tanto dinheiro tem recebido dos portugue-
7ea que chegou a poni de ficar farto, e por
isso d a Marmota do grat;a a lodosos lei-
tores, para apreciarem um extenso artigo
em que d plena resposta aos gritos a des-
composturas de gazetta-
Este numero, slm de nflo o vender ty.
pographia, eu o psgsrei de minha slglbeira
porque eslou recheado de muila prata e
ouro que elles lem dado, a ponto de j nlo
ler onde guardar. --
O Telegrapho.
Todos os nmeros que leem sshdo, prln-
ci pal mente o numero 5, que traz um abe
dos na morados, vendem-se no paleo do Col-
legio, loja de lvros, n. 6, do Sr. Dourado.
JoSo Evangelista Pires, Portuguez, re-
tira-ae com sua mulher Joaquina Maris Pi-
res, Brasileira, para fra do imperio.
Antonio Aroz retira-se para fra do
imperio.
Parante o Sr. Dr. juiz de ausentes, se
ha de arrematar em praca publica duas mo-
radas de casas terrees de pedra e cal em
mo estado, avalladas em 350,000 rs., sitas
na cidade de Olinda ra do amparo : eegun-
da-feira. 26 do corrente pelas 4 horss da
tarde, a requerimento d Manoei Firmino
Perrers, como lestamenleiro de Jos da
Silva Botolho.
O abaixo assignado declsra que]hs mul-
to se assigna com o nome de Ponciano l.ou-
reneo da Silva, e por nSo ter guardado "os
diarios, fazo presenteannuncio.
Oflerece-se urna mulher branca psra
ama de casa de homem solteiro, ou de pou-
ea familia, a qual d fiador a sua conduc-
ta : n ra Direita, n. 74.
Quem precisar de um rapaz brasileiro
de bos conducta, para cslxeirn, procure-o
na ra do Encantamento, armazem n. 11.
Offerece-se um rapaz brasileiro da 15
annos de idsde psra caixeiro do loja de fa-
zendas, armazem de assucsr ou rsrne, o
qual d fiador de sus conducta : a tratar no
caes ds Alfandega com Antonio Annss Jsco-
me Pires.
Os abaixo assignsdos, procursdores de
Manoei Joaqun! Goncalves e Silva, deca-
rain que o annuncio Inserto neste Diario,
hontem 22, em que o Sr. Joaquim Perora
da Silva se d como desembarazado da ven-
da daquelle Sr. dizendo que deixou de ser
seu caixeiro desde o dis 21 do crranla, nSo
tem vslidsde, porqusnto o Sr. Rareirs s to-
mou por bataneo, e existe sdb sus respon-
sabilidado at o acto da nUaga pela mes-
ma forma a pessoa por nos utorisada para
esse lim. -- oo tlaptita Frtiyoto, Juste da
Costa Lima Jnior.
Fsz-ae todo negocio com unuMattrs
da quantia de 4:000,000 rs. pouco atis ou
genos, aceita por um aenhor de en gen ha, |
iual sn troca com qualquer genero quo se-
is, secco ou moldado, ou escaros: a fallar
com Justino Meros," na pra Manoei Jos Rodrigues retira-se para
Moss.1 medes, com sua mulher B tfaT (i I los
iore.
Antonio Pereira da Ponseca, sua se-
nhorae2 lilhos mouorea, reliraas-sa para
Uussamedes.
Francisco Antonia Masajuita, Pcrlo-
guaz, relira-se psra fra da iaaperio, levan-
do em sua companhia sua mulher, Joanna
da Coiiceic.no Mesquila ; sua logra, Francis-
ca Mara de S-Anua ; sua (ilba menor, Ma-
rianos; eseu crisdo, Joaquim Coacalves
Vieira.
__Pala primeira vara doctvel, sscriva
Rogo, se hilo da arrematar dous eseravos,
penhorados a Jos Luiz Innocenco Pogge,
por etecu^So que Ihe move JoOo Mor eir
Marques, ns porta do mesmo juiz, na ra
das Flores, seudo a ultima praca do ais 23
do crrenle.
Msnoel Alvos Guerra embarca para
Rio-Grande do Sul os seus eacravos Deside-
rla de nscSo Cslabar a Jacob de afio Neg.
a.?*<*
t U Dr. J. S. Santos Jnior,*
medico homoeopatha, ultima-J
tmente chegado a esta cidade,#
*d consultas todos o i diss uteisj
lem sua casa* na ra do Crespo,*)
Jn- to, primeiro andar, desde*
-as ; horas(H manhSa at s aj
tda tarde. *
LV B O. pobres serio tra-J
Jlados visitados pratuilamente.a)
.> t**9
__Tnndo annarecido no sitio do Manoei
Jos da Silva Draga, defionte da igreja da
Estancia, no dia 21 do corrente, as 6 horas
da tarde, um crioulo da idsde do 12 annos,
nouco msls ou menos, e diz ser forro, a qua
lie fllbo da villa do Cabo, que ten lo viudo
em companhia de sua mai Isabel deSanti
Anns. seperdeu na Passagem da Msgdile-
na, por isso a pessoa inleresis la no dito
erioulo dirija-so no forte do Mattos, prensa
e algodsu no largo d ascmbla, n. 1, ou
Uo sitio cima que sera entregue, a nSo cor-
rendo risco de alguma fuga do Blestr
crioulo.
Maris Ignacii de GusmSo o Lira, pro-
prielaria e moradora nesta cidade, tendo
principiado a ussr destenome hs um. an-
uo pouco maia.o meqos, antes do qual
lempo havia-e'sssignado sempre em to-
das ss susscsrtss, lUposicCes. eonlralos,
ele Mara Ignacia Tavares de GusmSo a
receBdoueesladilTe:oi ci de nome ori-
gine duvidas, ou questoes no presenta, ou
no futuro, aceres de seus negocios, e ve-
nus a prejudcar a sua pessoa, ou a ou-
irem, participa pelo presento ao res?eita-
vol publico s sobro lila nvidinca de mu
uotue,
ii ii t i i a n n
I


.
/-*, :
Fie todo o negocio e vendtm-seoiui- dopaiMgetw ou copias tiram-se

to barato duas latirs aceitas pelo Sr. Mi
noel PereiraGuimarfles, enhor doengenho
Ara tan) i, ambas no valor de 3:120,000 rls,
principal juros al hoje, vencidas, em ju-
nho de 1843 : na ra da Cruz, armazem, nu-
niero 63.
-- Na ra da ConceigSo, n. 32, di-so urna
por(So de lijlos quebrados, que pode en-
cber 6 a 8 carrosas.
Kst justo por compra um
sitio no lugar do Kib-Doce, deno-
minado Bocca-do-Kio, termo da
cidade de Olinda : quem sobre o
inesmo tiver direito, ou alguma
duvida a respeito de suas estre-
mas, haj < de reclamar dentro de
15 dias, a contar da data deste.
itecife, a a de agosto de 185o.
Domingos Martina Pontea declara que
deixoudeser caixeiro daSra. D. Anna Isa-
bel de Souza LeSo.
Deseja-se alugar 4 escravos para o ser-
vido de campo, muito perto da cidade : oa
ra Nora, o. 07, segundo andar.
Prrcisa-se alugar uro aitio perto da pre-
ga, que lenba boa casa e arvoredoa : quem
o tiver e guizer alugar, dirija-ae ruada
Cruz, no hecife, n. 27, eacripiorio de Croc-
co& Companhia.
Itoga-aeaoSr. Joaquim Jos dos San-
tos, empregado na capatazia do consulado
geral que venbe pagar a quanlia de 33,460
re- > a quem olio ignora ; do contrario, lera
de ver o seu nume sempre neata folha.
A luga-se o primeiro andar
da casa n. 46, da ra da Cadeia do
Recile a tratar na mesma ra, lo-
ja de ferrsgens, n. 44-
Na ra de Agoas-Verdea, n. 14, sobra-
do de um andar, dio-se bolos de vendagem,
de todas ssqualidides, a 80 ra. a pataca:
tambem lava-se, e ngonma-se por miis
barato pre^o do que em outra qualquer
parte.
Aluga-ae urna boa casa com grande
quintal murado nfrente, parreiral emui-
tus arvoredoa de e.timagau, cacimba de
agoe de beber, no principio da estrada dos
Afilelos ao p do Manguinho, defronte da
igreja cabida do Bom-Sucesso : na Trcni-
jie, n. 1, sobrado quelem venda por baixo.
Charutos de S.-Felix
rW deposito do cbarutos Anos da Babia,
a ra da Cruz, no Becife, n. 49, vendem-se
todas as qualidadea de bona charutoa da
Babia, por ruis barato prego do que em
uutra qualquer part-, em rasSo de se man-
dar vir de conti: afianga-se aoa comprado-
rea pelaqualiilade, noltndo-se que sempre
seesl recabando novos e variado* aorli-
menlosdss melhores qualidadea que li se
fabriram.
Lotera da matriz da Boa-
Vjsta.
O thesoureiro desta lotera annuncia ao
reapeitavel publico, qoe muito breve tem
de marcar o dia do andamento daa rodas:
a pessoas que teem bilhetes apartados os
nSo buscar quanlo antes, do contrario se*
rSo vendidos. O restante doa mes moa a-
cham-se venda nos lugares j aiinuucia-
dos.
Prceisi-se de urna prcla quitandeira :
paga-se bem, rcsponsabilismlo-se seu ae-
nhor pelas faltas : na ra da Cruz, n. 23,
primeiro andar, das 9 as 4 horas.
Aluga-seo primeiro andar do sobrado
da rui da Penlia, u. 99, e o segundo andar
la ra Direila, n. 20, com bons commodos:
na ra Direita, n. 93, primeiro andar.
Em 31 de julbo, perdeu-se urna lettra
da qusntia de9.-833,440 ra. .sacada pelo Sr.
Manoel Alvea Cuerra ein ol.de junbo de
1849 a 91 meses, e aceita peloSr. Jos Pinto
JoSo Keller & Companhia ; por isso se pre-
vino, tanto ao aceitante como ao eodoganle
e secador, nSofigam negocio algum com
Illa Ultra, a nSo ser com o possuidor Jolo
Jos de Carvalho Moraes, e desde ji se pre-
vine, e se porvenlura algueni adiar dita le-
tra quizer restituir ao dito Moraes ser
gratificado com geue.rosidade.
- Aluga-ae una casa d sobrado na ra
da Uuiflo, com expelientes commodos para
nina ou duas familias: na ra da Aurora,
n u maro 4.
~ OfTerece-se un homem de moia idade
para scrtjrdc criado de qualquer familia
quo siga viagem para Lisboa, nos primei-
ros navios, do que tem pratica, e- dar lia-
lor a sua conduela : quem do seu prestalo
si quizer utilisar, anuuncie.
Precisa-sede um caixeiro que tenha
bastante pratica de taberna, para tomar
contad urna por balaceo, dando fiador a
sua conduela : na ra estrella do Bnzario,
ii. 31, a fallar com Jos Moreir* da Silva.
-AJuga-eeo terceio andar do aobradu
n. Ma rus da Cruz : a tratar no primeiro
andar, escriploilo de James Crabtree 4 C.
Precisa-so de 1:000,000 a 1:200,000 rs. ,
por 6 a 8 rnezes, sendo os juroa de um e
uieio por cento, o qua| te pagar mensal-
nient'V hypothe*ndo-*e predios livies e
desembragados : quem quizer dar, annun-
meoos lempo,afirmando e gara
to a durabilidade daa cores, como
ta somelhanga : o meamose obriga a ir ti-
rar em quaiqner cana e a qualquer hora. Aa
pesaoas que se dignarem procralo, pdem
dirigir-se ra da Cadeia, n. 26, terceiro
indar, das 8 horas ds mantilla s 4 da tarde.
A cidade de Pars.
ie em multo ra Das bondade de apparecer na
"o'.'p'efe": loja de cambio :1a vi .va Vieira &
I'ilhos, na ra da Cadeia do Re-
cife, n. a4- pois se Me deseja fal-
Fabrica de chapeos de sol, ra do
Collegio, n. 4-
J. Falque participa ao respeitavel publico
desta cidade, quo elle abri o aeu novo es-
(abelecimento, onde se encontrar sempre
um grande e bonito sorlimcnto destes ob-
Jectos doa mais modernos e variados, como
sejam : chapeos de sol para homena de se-
das chamalotadas e lizas, de cores e pretos,
ditos do armagao d'aco muito fortes com
sed>ide Codas escores, ditos para senhoras
de sedas lavradas e lisas, com franjas e sem
ellas, cores muito bonitas, ditos ditos de
panno imitando seda, rom franja esem el-
la, ditos de panuinho para homem com ar-
magflo rica e ordinaria, sortimento de ben-
galas de todas as qualidades, baleias para
vestidos, colletes eespirtilnos para senoo-
ra. Na mesma casa concerta-se o cobre-se
toda a qualidade de chapeos de sol a benga-
las, para os quaes tem boas sedis e pannos
rn pecas : lodos estos objectos vendem-se
em porcffo e a retalho, por menos prego do
que em outra qualquer parte.
~ Lavi-se e engoruma-ea com prompti-
d3o e asseiu : ao pateo do Tergo, n. 17.
Precisa-sed um feltor, e de um hor-
telSo para um eogenho, que entendam de
lodo o servigo, preferindo-se daa lltias : na
ra da Cadeia, escriptorio de Manoel Comea
da Silva, a faltar com Jos Joaquim de Mi-
rauda.
O abaixo assignado, ex-deapachante
da casa dos Srs. Dme Voule 6r Companhia,
tconselha a estes Srs. que lancen os olhos
para o artigo 264 4 do cdigo criminal,
que he concebido oestes termos:
Em geral lodo o artificio fraudulento,
pelo qual se obtenha de oulrom ( eipreasSo
bastante geral pira comprehender a pro-
pria nago ) toda a sua fortuna, ou parte
della, ou qu*esqu*r ttulos : penas de pri-
sBo com Irabalho por seis mezes a seis an-
uos ; e do mulla de cinco vinte por cento
do valor das cousas, sobre que versar o es-
lellionato. a
U abaixo assignado se acha prevenido
contra certas ameigis aterradoras, e em to-
do o caso tem posto a bom recato certoa do-
cumentos quo lerilo de sobreviver-lhe. Se
os Srs. Deane Youle & Companhia nSoesISo
anda satisfeilos com esta clara adverten-
cia, o abaixo assignado julgar se-ha na obri-
-aeflo de ainda mais o esclarecer, e ao pu-
blico. Antonio Bernardo Rodrigues Settt.
Aluga-se o sobradinhq n. 100 da ra Im
perial, a loja tem armago e alguna ulensia
|e venda que se vendein : trala-se defronte
Ja mesma, n. 167.
Todas is pessoas quo tiverem ponhores
em poder da viuv de llerculano Jos de
Freilas, qneiram, no prazo dequinze dias
da data desle, os vir tirar, na ra do Ito-
zaro estreita, n. 31 ; do contrario, serSo
vendidos para se pagar do principal e juros
que eslSo devendo. E para que se nSo chi-
mem a ignorancia faz-se o prsenle, lu-cifc,
21 de agoste de 1850.
je Aluga-se urna grande caaa e sitio que
vai al o rio, na povoago do Monleiro : a
I
Offere-se um rapaz brasilero que es-
crevs t conle soffnvcl, para caixeiro de
eugenho, do que tem bastante pratica, ou
para qualquer estabelaciment : ni pri(a da
liua-Visla, n. 24, botica.
-- Manoel Pareira de S declara pelo pre-
sente que tem frito procurares bastantes a
dlllwenles pessoas e desta data em dianle
licalTseiil ITeito. Itecife, 17 de agosto
de 1850.
Precisa-se de dous andares Com com-
moilospara duas familias, em urna dia ruia
seguintes : Cruz do Itecife, Cadeia de San-
to-Aotonio, Crespo, Collegio e ra Nova :
quem tiver para alugar aunuiicie por esta
l'oihi para ser procurado.
Ilugufrreolypo
Do ai lista .'vtigiislin Le Harte
Tira ratratos, paiaagens, copias, etc., des-
de u tainaibu o mais pequeo at 10 polle-
gadast tamauio que aqu anda ninguem
tiruu ), e muito superiores, pela inven^ao
de agueneor, lauto em lumo como colo-
' idaa, esa qualquer Oeessilo, e em muilo
poueo tompn, pois efeeiii 12 segundos p-
de-se ler um retrato e muito perfeito, e sen-
tralar n ra da Cadeia do Itecife, n. 55, com
Jolto Jos de Carvalbo Moraes.
Aluga-se o quarlo an lar e solSo da ca-
aa de Francisco Abres da Cunha, na ra do
llrum, com eommoilos para familia, muilo
bem repartido, ltimamente edificado e
pintado, bem como os dous armazens da
mesma c-isa, com fundos par a maro pe-
quena, propno pira um grande armazem
de assucar : a tratar na ra do Vigario,
n. it.
Precisa-se de um socio que entre pa-
ra um negociu, com a quinlia de 400,000
a 500,000 rs. cujo negocio n3o desagradara
quem o fuer, pois a vista faz. f : quem
o quizer etTecloar dirija-se ao becco do" Ca-
rioca, iniazrm do arroz de Jos Cordeiro
do neg Puntes.
- A nessoa quo perdeo um cavillo sella-
do e enfreiado, nr> dia 18 correte, as II ||2
horas d< noiie haj i de procurar dando os
signees certos: a travegsa deSio Jos, casa
n. 17.
O abaixo assignado faz ver ao respeita-
vel publico qoe, Josta data em dianle nSo
he morador em S.-Frei-Pedro Con cal ves, e
sim na fregoezia de S.-Jos. RecifV, 20 de
agosto de 1850Jote Ignacio de Ura.
A pessoa que annunciou querer 1:500/
a 2:000,000 rs. : dirija-se a venda dentro da
rib.-irada Boa-Vista, n. 3, queahise dir
quem os d.
Perdeu-se ni ra do Torres, do bairro
do Becife, em a noite de 19 do correte,
urna carleira de algibeira contendo una
letra j paga de 6(0.000 rs., e outra sacada
i-or Jones Patn & C. e aceita por Huirte
ttorges da Silva, de 115,000 ra. a vencer
em 30 de novembro prximo ; esta lamben)
de nada pode servir a quem a tiver achado,
?.iiit jo veisuj yivveuiuu u o,C:dcr ? r
aceitante : roga-se, porlanto, a quem achou
dita carleira, o favor de entrega-la na rua-
do Trapiche armazem de Brito & C. visto
que elia conten algumas le i.branc-s e
mais papcis que s pdem servir so anriun-
ciaute, ou licar com o dinheiro que ella li-
aba e mell-la (or baixo da porta do dilo
aru azem.
-- A loja de fazendas da ru a do Crespo,
n. 10, do meu finado miri lo J os Joaquim
de Freila a Cuimarles, contina a gir.r de-
baixo da firma da abaixo asignada, e soba
gerencia e admioislre3o do caixeiro e in-
leressado o Sr.UanoelComeaKeruaodraLeal,
para seguimeulo da liquidaban, poriecrdo
dos Srs. Credore_ do casal com a innun-
oiauto, Ocandoo dito Sr. Leal competente-
mente habilitado, para comprar veoder,
pagar e proceder ao recebimenlo do activo
como gerente' da subreditla loja, sob ini-
mediaia inspeccao da abaixo assignada, e
dos Srs. credore: adverte-ge aos devedo-
rea da loja, liajam de saliafazerseus dbitos
com promplid3o,pBra avilar o uso de uieios
coercilivos.quesflo de dispendios c odiosos.
Anna Matta do$ l'anoi Cfinha Cuimaraes
l'edc-se ao Sr. Jos Morei-
lar.
Quem precisar de um moleque para
vender ueite, dirija-se 'rua Formse, na
quinta cisa que achara eom quem tratar, ou
anuncie.
- O arrematante do imposto de 90 por
cento, sobre o consumo de agurdente de
prodcelo brasileira, declara quo tem esla-
belecido o seu escriptorio na ra do Rangel,
n. 8, primeiro andar, onde pode ser procu-
rado para qualquer reclamarlo, lodosos
dias uteis das 9 horas s 5 da tarde.
Pede-ae ao Sr. Jos Fran-
cisco Franca a bondade de appa-
lecerna ra da Cadeia do Becife,
n. a4, loja de cambio, da viuva
Vieira & Filhos, que se Ihe dese-
ja fallar.
-- Precisi-se de um feilor que entend
de hortalice, pomar e encberlar: no Ater-
ro-Ja-Boa-VUla, n. 43.
8. Miguel do*< Aiog^dos.
Pertence a capella deste miraculoso Ar-
cbnnjo q ineib bilhote da terceira' lotera a
beneficio da matriz di Boa-Vista, n. 133,
olTerecido por Cuilherme Selle e Bernardo
Cardozo.
~ O abiixo assigmdo. lendo-se propos-
to a eusinar lilim e primeina leltras, se of-
ferece a aceitar alguns alumnos, a cujo res-
peito poderio dirigir-se ra do Pilar, so-
brado a. 85, em Fra-de-Portas, aquellas
pessoaaa quem aeu prestimoconvier
O padre Luiz de Franca Souza Foleto.
Boga-se ao thesoureiro da lotera da
matriz da Boa-Vista, que nSo pague o que
por sortt sabir s iim meio bilhele, assigna-
do no verso eom o nome de Barros, n3o se
declara o numero do mesmo por n9o ae ter
em leinbnnca se he 1231 ou 1334, o qual
fui furtado com a carlein, contendo mais
dinheiro e papis.
Quem annunciou precisar de 600,000
rs. a premio, dirija-ae ra do Rangel, n.
36, primeiro andar.
Manoel da Costa, subdito porUigez,
faz publico, que, por haver outro de igual
nome, se sasignar de hoje em dianle Ma-
noel Luiz da Costa.
Na ra do Sol, n. 9, precisarse filiar ao
Sr. paire Vicente Fereeira da Cruz, para se
Ihe entregar urna carta viada do mato.
Precisa-se de dou. feitores, sendo um
pira um eugenho no Cabo, e outro para tra-
tar de um sitio perto desta praca : quem e<-
tiver uabililailo para eales servicos, dirija,
se ao Aterro-da-Boa-Visti, loja de miude-
sas, n. 54.
Como hoje cliegou venda do Victori-
no na ra Augusta, umsortinentode carne
du sertSo, a mais gorda possivel, por isso se
recomend aos freguezes, que goslDo do
bom petscn, que se surtim ante que se
acabem as melhores mantas.
Aluga-se, vende-se ou permuta-s urna
casa en terreno proprio, sita entre aa duas
puntes da passegem da Mag ulena ; a quem
coovior algum doa referido:*" negocios : di-
rija ae ao segundo andar da casa na'rua
Nova, n. 47, ou annyncie por esle Diario.
Outro sim, tambem permulam-se casas ter-
reas por algum sobrado no bairro de Santo
Antonio, que tenha commodo sullicienlc
para urna familia : demnisando-se o exce-
dente do valor.
Marcellina da ConeeieBo Amorim faz
luiente au respeitavel publico que nin-
guem fa(a negocio com urna casa terrea sita
ni ra da Praiade Santa Hita.n. 25,dequehe
proprietaria a Sra. 1). Anna Joaquina Perci-
r de Mello, que a dita casa se acha hipo-
thecada na mo da annuacante ; pois que,
ninguem a podar comprar sem que pri-
meiro se entend com a dita Sra. em sua
casa no becco da Viracho, n 1
Precisa-sede um caixeiro para padaria,
queseja miior de 20 annos, e que tenha
pratica, para que se dar sofTrivel ordena-
do, abonando sua capacidade ; e tambem
precisa sede um prelo para o servido ordi-
nario de padaria, porm que n9n beba mul-
la ago'ardente, d-se-lbe 1-2,000 ra. meu-
saese o sustento: na priga da S.-Cruz, pa-
daria por baixo do sobrado n. 106. Na me-
ma padaria compra-se papel de embrulbo
(diarios) a 3,200 rs. a arroba.
-Aluga-se a caaa da ra Imperial, n.
104, eom commodos para grande familia :
na ra Augusta, n. 23.
oooaocioeo*ofii&t>ooe
O O consultorio bomueopatliico O
Oda ra da Cadeia de S.-Antonio, n. 22,9
dirigido pelo facultativo J. B. Casino-C
va, uiudou-se para o segundo sudar doO
Omesmu sobrado.
& 09O0
-Constando ao abaixo assignado que
fOiogo Baplisla Fernandes pretende vender
sua taberna, o mesmo svisa que o dito Dio-
go IhehedeVedor de nSo pequen* quan-
lia, e por isso ohrigada a dita liberna. Je
huiro Jjie Tdiiarci.
taberna ao p do Sr. Cardozo, ou annuncie.
-- Compram-se escravos de bonitas figo-
ras, mocos, e com habilidades, para Tora da
provincia : na ra larga do Itozario, n. 48,
primeiro andar.
Vendas.
Compras.
-- Cumpram-se |ossos ~-~ "H Coucor-
dis, fabrjci de carvSo animal.
Na ra da Calcada, n. 9, compram-se
obras de ouro sem eilio ; e um viollo em
meio uso. .
--Compra-se um fole redondo, usado,
sois que uSo esteja uulilisado : na ra es-
treita do Rosario, n. 8
Compra-so urna escrava, que seja de
boa conduela e lenha alguma pratica de co-
zinliar e da engommar, e de meia idide : na
ra da* Flore*, n. 9. se dir quem quer.
Compra-se urna espada com liH.n, e
Sota farda de guarda nacional: ludo em
um uso : na ra de Ailo, u. 80.
Compra-ao urna casa lerraa, nSo sen-
do muilo pequea, e que tenlia bous com-
modos : na ra de Apollo, u. 30, se din
quem. compra.
Compra-se lima ferramenla decirpim,
montada e completa, eslando em bom es
lado ; bem coino outra de pedreiru : oa ru.
o Queimauo, U. 25, luja.
Compra-se urna esenvinha luzida, de
4 para 5 annos : na ra Auguala, n. 26, so-
brado.
Compra-se um vacca que d 5 a gar-
tafss de leile psga-se bem: en S.-Amaro,
('artas para enterro
Na livraria ns. 6 e 8 da prarja da Indepen-
dencia recebem-se encommendas de cartas
para enlerros e oicios para sercm impres-
sos 001 duas horas, com os nomes do fal
lecido, e mais circumslanclss do enterra-
menlo, e por mesmo preco das que se ven-
dein com claros para enxer.
Vende-se umcavallode estribarla mui-
to novo, de bonita figura, o carregador na
ra Augusta, n. 60.
-- Vende-ae, por precisSo, urna preta mo-
ga, de bonita figura, que entende alguma
cousa de cozinha, engomma, cose pouco e
liva bem de sabSo; nSo tem vicios nem
chaqus, propria para qualquer servido,
lauto do campa, por entender alguma cou-
sa de plantafes, como para o aervico da
praqa : na ruavdo Collegio, n. 10, primeiro
andar, por cima da botica.
Livros novos.
A' loja da ra Nova, n. 6, de Jos Joaquim
Maya llamos & Companhia, chegaram re-
centementeos seguintes livros, que seven-
lem por prego muilo commodo, a saber.-
Obras originae* portoguezas:
Poesas de Alcipe, 6 volumes escrptos
pela marqueza de Aloma
Ditas de Ab-xan Ir llerculano, t volume.
Obras poticas de Almeida Garret, 7 v.
Historia das inquisces da Italia, ilespa-
nha e Portugal, nova ediejo, 2 v.
A desmoralisacftn e o ser'ulo, fngiicntos
por Sebastifio Jos Biberode S, 1 volume
Eduardo, ou os myslenos do Limoeiro,
por J C. deCarvilho, 4 v.
A Feiliceira du ouro, romance, 1 volume
OsSete peccadosmo taes, 2 lomos em 1
volme.
O Menino perdido, romance pira a ins-
truc;3o da mocidade, otTerecido as boss
mSis de familia, 1 volume.
O Cozinheiro completo, ou nova arte do
cozinheiro ecopeiro, 1 volume.
ONovo jardineiro, ou modo de cultivar os
jardns, segunda edicSo augmenlaJa, 1 v.
Traduc^as de Lisboa :
Portugal piltoresco com estampas, por
f'erdimm I flenis, 4 V.
Historia da revolucflo franceza, por M. A.
Thiers, 6 v.
Dita deNapoleSo, por Mr. Norvins, 4 v.
Raphael, paginas do vigsimo anuo, por
A. L'imirtine, 2 v.
ASoberba, pur Eugene Sue, 4 volumes.
A luveja pelo mesmo, 3 v.
. A Luxuria pelo mesmo, 2 v.
A Ira pelo mesmo, 1 v.
O Padrusto, por Charles de Bernard, 3 v.
Mauricio ou o mancjbn alucinado, por
Eugenio Scribe, 1 v.
A Methamorphoses da mulher, ou a con-
quista de urna agoa finta la, por Sainline,
t v.
Jernnymo Paturot, em procura de um
po>ic,So social, por llypolilo Bolle, I v.
Historia dos 3 lias de fevereiro de 1848
em Paria, por Eugenio Palltan.
O Tres mosqueteiros di Alexandro l)u-
mas, 4 v.
Mara, ou as llullandczas, 3 v.
A Boda da fortum, por Mr. Aug. Arnauld,
1 volume.
O Antichrislo, por Julio de Fournefort,
2 volumes.
O Cavalleirode Hirmenlil, por Alexan-
dre Dumas, 4 v
Dos o quer, pelo viscon le de Arlincourt,
I volume.
Physiologia do homem casado, por Pau-
lo de Kock, I v.
Beatriz e o avenlureiro, por Gulh. Cen-
lazzi, 2 v.
A Salamandra, por Eugenio Sue, 3 v.
Mais obras originaes :
Pensamentose mximas, pelo cavalheiro
Bisto,2 v.
O Monge de Cister, por Alexandre ller-
culano, 2 v.
Meditadles e discursos religiosos, pelo
conselheiro Bastos, 1 v.
0 Panorama encadernado em 8 volumes.
Mtsicas e rt lralos.
Qiiiiro nmeros da Bovista musical,
ciiendo ilifTerentes pegas de mnsica para
piano, modei as e dos melhores autores.
O Beiju, farga ly rica, n'un acto, para
Canto e piano, vulgarmente Saloia.
Valsa brilhanle lirada do profeta, por
Fred ilurginuller.
Dita composta por Jullien.
Polka nova composta pelo dito.
Retratos de todos os res de Portugal,
vendem-se em colleccdio completa, muilo
em cunta, e tambem avulsos.
Retratos de varias notabilidades porlu-
guezas, vendem-se muito baratos para fe-
char rontas.
Vistas de Portugal, una olleccSo de 5 es-
tsmpis.
Tudo vende-se ns rus Nova, n. 6, loja de
Haya Ramos & Companhia.
11 elogio patente inglez
Na ra do Rangel, armazem n. 36, ven-
de-se um excedente relugio de ouro, por
prego commoao.
Vende-se urna preta moca, que engom-
ma, cozinha e lava ; n9o tem vicios nem
achaques : na ra de Hurtas, n. 66, loj.
Vendem-se laternas de reverbero para
Cirros e cabriolis, as mais ricas que ueste
genero tem vio Jo a esta [iraca, as quaes
com luz dentro apresentam bellas e vana-
das cores : na ra do Crespo, n II.
Vende-se urna baixa de capim no lu-
gar da Soledade, no sitio que fui do Sr.
llerculano Alvesda Silva : a fallar cam Ni-
colao Gedaull, no Manguinho.
-- Vende-se um maguilico orgSo com cy-
lindros, contendo symphonia*. walaas, con-
tradanzas, etc. Este instrumento, fabricado
aqui, he um dos melhores que tem appare-
cido nesla praca, pela raso de ler aona so-
noros e fortes, imitando os orgfios de igre-
ja : a fallar com o Sr. Fernando de Lucea,
ra da Cruz, n. 19.
-- Vende-se, na loja da ra do Crespo, n.
II, as obras completas de Roiieux, e varios
compendios para aa aulas. Cantos Sagrados,
por 160 ra.; Ensaioa sobre* creacSo du
mundo, por 80 rs.; o Cernido d'Alma, por
80 rs. ; o Panorama por 3,000 rs.; dicciona-
rio geograpbico e conimerciante [ em fran-
rs ; atlas de
Magoumlexi-
cp ) 4 volumes, por 4,000
Simencourt, por 6,000 rs. ;
com, a 5,000 e a 3,000 rs.
Cartas francezase porlu-
guezas para jopar.
Vendem-se flnMimas cartas portuguezas
e francezas para voltarete e por prego com-
modo : na fu do Queimado, loja de miude-
zas, junto de cera, n 33.
Vende-se um terreno alagado, sito no
Baldada cidade de Olinda, contiguo ao si-
tio que fui do fundo Antonio Pereira da
Cunha; ejuntamente outro terreno fron-
leiro a aquello, ej aterrado, e muito pro-
prio para plantig.lo de capim .- na ra da
Cruz, n. 23, armazem de assucar.
Vende-se a casa terrea da ra dos Pes-
cadoras, n. 23, e metade de outra na tnes-
ms ra, n. 25, asquees tem bons commo-
dos e lioni quintal e cacimba : na roa da
Cruz, no Recife, h. 64.
Vende-se, por prego commodo, firi--
nha de mandioca muito superior; fumo erq
folha para charutos : no armazem do Dias
Ferreira, no caes ds Alfandega. Palhinha
para cadeira* ; chapeos do Chile ; cordo
preto de retroz : na ra do Trapiche, casa
le Novaes & Companhia.
Ao bom e moderno.
Na rm do Queimado, n. 17,
vendem-se as verdadeiras cambraias prin-
cesims, de diflerentes desenhos e do me-
llior goslo que tem vindo ao mercado,
800 rs. a varas. D3o-se as amostras.
I'alhade carnauba.
Na rui do Rangel, n. 36, vendem-se por
junto 50 molhos de palha, a 300 rs. o m
Uto ; e milho, a 2,700 rs.
Vende-s-;, no pateo do Collegio, casa
do livro azul, urna collecg&o dos orgamen-
tos da roceita edespeza do imperio do Bra-
sil, para os exerciciosde 1839 a 1846, e ao
mesmo lempo varias collecgOes de relat-
nos de todos os ministros de estado, en-
cadernados, c intendo cada volume os re-
latnos de lodo o ministerio do cada um
inno.
Na ra das Cruzas, n. 22, segundo sndar,
vende-se urna parda de bonita figura, do
26annos, que engomma, cose ch3o,cozi-
j ubi e lava de sabSo, he muilo Gel e nao tem
vicios nem achaques; um crioula de 18
annos, que engomma, cose, cozinba e lava;
duas ditas de nag3o, que cozinham e lavam
de s:ib.iu ; um elegante escravo da Costa,
proprio para todo o servigo.
Vendem-se 20 escravos, sendo 2 lindos
mulalinhos de 14 a 16 annos ; um dito de
30 anuos ; um escravo crioulo bom oflicial
deoleiro; uina mulaiinha de 13 annos;
urna dita de bonita (gura, ambas cosem e
engominim ; 6 escravaa de todo o servigo ;
8 ditas recolhidis, que engommam bem,
cosem e cuzinham o diario de urna casa :
na ra Direita, n. 3.
O
j| Douralinas
rx dsela, mui transparentes, desubli- X
j? mes gostos, com cores graves e pa- J-J
J? drOesescolhidos por urna aenhora do
j* grande tom em Paris, que as dono- w
miniiu Douralinas, pelo brillio de O
saus deseuhos: vende-se na ra do
O Crespo, n. II. O
^OO {?
-Vende-se familia de San-latbeus, a
2,000 rs. a sacca ; dita de Santa-Calharina,
por prego muilo commodo; arroz brinco
pilado, a 7,000 rs. cada alqueire : no becco
do Carioca, armazein de Antonio Pinto Soa-
res, parede e meia do tanoeiro.
Vendem-so 3 bonitos moleques de 10
12 e 14 anuos, leudo o maior principios de
carpios ; um mulalinbo de 16 annos, eom
principios de sapaleiro ; um pardo de 23
annos, oflicial de alfaiale, e que he bom bo-
lieirn; 4 pretos mogos, ptimos para qual-
quer servigo; um casal de escravos por 550/
rs. que trahalham bem de enxada e pti-
mos para algum sitio ; urna moleca; um*
pirda que engommi, cozinhi e compra na
ra, tudo muito bom, e se afianga a conduc-
to; e mais alguns escravos que se venden
por mais barato prego do que em outra
qualquer parte : na ra das Larangeiras,
n. 14, segundo andar.
Vende-se, por precisSo, um moleque
mogo e sadio, proprio para qualquer servi-
go, e que traballia bem de enxada; um*
preti moga, de bonita figura, que cozinha :
na Boa-Vista, ra da Mangueira, n. 9.
Vende-se carvSo de pedra de muito boa
qualidade, e que he proprio para ferreiroi,
pelo barato prego de 180 rs. a arroba, ou
ai.nda msis em conta tomando-se maior
porgSo : na ru* di Cruz, n. 15.
Acaba de chegar
loja da ra do Crespo, n. 6, um
novo sortimento de fazendas ba-
ratas,
como sejam : cassa-cbilas muito finas, de
cores fixas e com 4 palmos de largura,
$20 rs. o covado; cortes de ditas 2,000 e
2,400 rs. ; riscadod lindo, 1 240 rs. o co-
vado ; dilo de ilgodSn americano para es-
cravos, a 140 e 160 rs. o covado; dito mons-
tro com 4 palmos, a 200 rs.; zuarte azul,
200 rs. o covado -, dito furia cores, a 300
rs. : chitas do cores fixas e de bonin* na.
Ires, a 160 e 180 ra. o covado; cortes de
fustio, a 800 rs. ; chiles de tarlatini,
1,280 rs. ; me ios ditos, s 320 rs.; coberto-
res de algodSo de rr, a tt alpaca preta de
cordo e com sete palmos de largura,
1,280 rs.o covado; e outras mullas fazen-
das em conla.
Para os Srs. de eogenho.
Formulario ou guia mediea que contem
i'descripglo de todos os medicamento*,
suas propriedades, os caaos em que se era-
pregam suas dses, as subslincus ncom-
paliveia com elles, a mdicacfio das plantea
medicinaes indgenas e daa agoas minarse*
do Brasil, a arle de formular, a esoolha di*
melhores rormulas, um memorial Ihera-
peutico, clissificacJU) dos medicamento*,
etc. pur Chernoviz, doutor es* medicina,
segunda edc3o, augmentada lateiramen-
te reformada : vende-** ne pateo do Colle -
gio. cas* do livro azul.
Vende-se urna parda moca de bonita
figura, que faz vestidos de senhera, cami-
sas de homem, cose palitos, jaquetas, col-
leles e caigas, coziuh* e eogoiuma : na ra
da Priia, no primeiro andar do sobrado de
Jos Hygino de Miranda.


Novo trem : e cozinha.
Vendem-ee chaleiraa, panellts, fregldei-
ras, e cassarolas de ferro forradas de por-
celana ; bules e cafeleiras de metal, e mi
rliinas para fazer caf : na ra Nova, n. 16,
loja de ferragens, de Jos l.uiz Porcira.
-- Vende-se, uoi metdodo para piano, p
alpinas msica do Macbeth : na ra Nova,
X
N
asa
n. 16, loja.
Vende-se assido sulphurico.
a a4o rs. a libra : na rus do Ca-
bug, loja do Duarle.
AosSrs. de engenho.
vendem-se cobertores oscuros dealgo-
dSo, proprios para escravos, por serem de
milita duriic.lo, pelo diminuto prego de 6*0
rs. cada um : na ra do Crespo, esquina
que volt para a cadeia.
Cbegaram novamente ra da Sen-
zalla-Nova, n. 42, relogios de ouro e prata
patente inglez, para homem e senbora.
-- Vendem-seamarras av ferro: na ra
da Senzalla-Nova. n. 42.
A 5oo re.
Vende-ae cha hysson de superior qualida-
de, pelo diminuto preco de 500 rs. a libra :
na ra do Crespo, n. 23.
Massas de vapor.
Acha-se aborta a padaria da ra do Bur-
gos, Forte do Mallos, na qual se achara
diariamente foda a qualidade de massas
finas, trabalhadas por maehinismo ; tam-
ben se febricam excellente pilo e bola\i-
nha de araruta, ditas inglezas, bolaxdes
quadrados e redondos, e outras mais mas-
sas tudo obra prima : as mesmas se acharflo
no deposito do pateo do Terco, n. 10.
Farinha deS.-Cathaiina.
Vende-.e a bordo do hrigoe Yall, chega-
do em direitura de S.-Catharina, farinha
muito superior, est fundeado defronte do
caes do llamos ; tambem se trata na praga
docommercio, n. 6, primeiro andar, com
Manoel Ignacio de Olivelra.
Vende-se, na escadinha da alfandega,
no armazem que foi do Bacelar, superior
cera de carnauba, a 7,000 rs. a arroba, di-:
nbeiro contado, por causa das d lvidas.
Vende-se farinha de Santa-Cal liar i n
muito superior, a bordo da galeota Sanlini-
ma-Trindade, fundeaa junto ao caes do
Collegio.
Vende-se om ascravo mogo, de bonita
figura, bom oflicial de pedrejro ; urna preta
alta, moca, de bonita figura, ptima engom-
madeira e cozinbeira com perfeicSo do dia-
rio de una casa : na ra larga 'do ftozario,
n. 48, primeiro andar.
Superiores viudos
Na ruada Gadaia, n. i,
vendem-se excedentes vinhos de
diversas qualidades, tanto engarra-
fado como em barris, sendo do Por-
ito, Figueira, Bucelas, Madeira, Cra-
fcavelos, Colares, Moscatel de Se-
tubal, etc.; assim como oulros
mullos gneros de ptima quelidadr, de
que sempreesti prevenido este estabcleci-
mento.
0 Na loja do sobrado amarello, nos <4
quatro cantos da ra do Queimado, a*)
f n. 99,vendem-se os.muito procura- ej
t dos cortes de tapete para sapatos, *)
a), ao gosto turco, a 800 rs. o par. (a)
-- No armazem da ra da MoJa, n. 7,
contihi-se a vender saccas com superior
colla das fabricas do Rio-Grande do sul, por
oreco em conla.
-- Vendeni-se rodas de arcos de pie para
pipa e barricas ; fio porrete do Porto ; pre
gos ripares para barric s : na ra da Cruz,
n. 49, primeiro andar.
Cal patente:
vende-se por mdico preco, no armazem
de recolher, deCimpello Filho, na ra da
Cadeia-Velha, n. 64, junto a botica do Sr.
Antonio Pedro.
ilbo
Vende-se no armazem de recolher da ra
da Cadeia-Velha, n. 6, junto a botica doSr.
Antonio Pedro, milhoem saceos, muito em
conla.
Frvilhas
Vendem-se ervilhat bastante novas, em
parra (Oes : no armazem de recolher da ra
da Cadeia-Velha, n. 61, junto a botica do
Sr. Antonio Pedro.
Vendem-se quatro canoas
grandes de amarello : no estalei-
ro do Jacintho, no Forte-do-Mal-
tos, por preco commodo, por sru
fra.
para
dono ler de relrar-se para
Vendetu-se brserros
careado, chegados agora : na ra
da Cruz, n. a, casa de Geo: Ken-
worthy 5c C
- Na ruado Queimado, loja n. 19, vnde-
se luvas brancas de algodSo para homem, a
IDO rs o par, e 1,120 rs. o miuo ; meia
in.. on
,.-.-------
' Vende urna carroea decarregar pipas
por baixo com o kilo em bom estado, e as
rodas novas, quem a pretender dirija-se a
ra Imperial, JFS7, que se dir quem
vende.
Lotera do Rio-de-Ja-
neiro.
Aos 20:0000,000 rs.
Na loja de miudesas da praga da Indepen-
dencia, n. 4, vendem-se bilbetes inteiros,
meios, quartoa o vigeaimoa da decima lo-
taria a beneficio do llieatro da San-Pedro-
d'Alcaailar, que foi rxtrahida nodia14ilo
correte. Na mesma loja tambem se rece-
bara bilhates premiados a troco dos que
ten venda.
Vendem-se aspadas praleadas para
oiiieiers de guarda nacional ; urna barreti
na com cherflo para ollicial de oavallaria
na ra Nova, n. 16.
Vende-ae urna linda escrava recolhida
da 18 annos, eos habilidades : se dir o
u.otvo da vend, na ra do Rangel, n. 57.
No armazem de Joaquim ds
Silva Lopes, vende-se farelo, a
3,ooo rs. a sacca, e farinha de tri-
go franceza da marca Barao, por
preco commodo.
Rap Paulo Cordeiro,
viajado do Itio ao Para e do Para a Pernam-
buco : vende-sena ra'da Cruz, no Itecife,
o. 49, loja.
% Deposito geral do superior ra-j?
O p Areia-Preta da fabrica %
O deGantois Palhet& C.
2 na Baha.
Domingos Al ves Matheus, agente das:
fabrica de rap superior Areia-Preta da!
* BbIib, tem aberto um deposito na rua^
^da Cruz, no llecife, n. 52, primeiro an-y?
jjjdar, onde se achara sempre deste ex-O
Qcellentee mais acreditado rap: ven-Q
de-se em botes de urna e meia libra,O
CJpor preco commodo. J
Vendem-se colleecoes com
mais de seis lindas vistas, repre-
sentando ponte do liecife com a
alfandega, a ponte da lioa-Vista,
a cidade de Olinda, a ponte do Ga
changa, l'oro-da-1'anella, e a ra
da Cruz como arco do Bom-Jesus;
bem como duas grandes vistas de
Pernambuco: na ra da Cruz, n.
10. casa de Kr.lkmann Irniaos.
Lotera do Rio-de-
Janeiro.
Aos 20,000,000 de rs.
Na praca da Independencia, loja n. 3, que
rolla para a ra do Queimado e Crespo,
vendem-se bilhetes, meios, quartos, oita-
vos e vigsimos da 10 lotera do llieatro
de S.-Pedro de Alcntara.
Vende-re um molequede 12 annos, bo-
nito e proprio para qualquer servido, por
ser muito humilde e bem (criado : na ra
lirga do Rozario, n. 35, loja.
-- Na ruada Auroia, u. 4, vende-se urna
caixa ou treinpe com quatro pedras de fil-
trar agoa ; duas carteiras para escriplorio,
de urna s face, onde podem escrever tres
pessoas em cada urna, com grades de bron
ze para os livros ; 3 vilos de caixilhos no-
ves ; 4 ditos usados, dous pares de aros pa-
ra os ditos; um temo de tambores amigos
com rodetes e aguilhoes, por 300,000 rs., a
dinheiro ou a prazo.
Mobilia.
No Aterro-da-lloa-Vista, loja n. 48, exis
tea venda urna duzia de cadeiras de mog-
no, em bom uso ; bem como um aparador
de amarello ; urna cama para casados, com
assento de palhinha : ludo bem trabalhado,
e por preco rasoavel.
Vendem-se dous pretos, um da Cos-
ta, e outro Rebolo, ambos mocos e de bo-
nitas liguras, proprios para qualquer tra-
lialho de radaria, ou outro cstabelecimen-
lo ; nao fogeni nem belicni, e d&u-se em
conta, por haver precisfio : na ra do Ran-
gel, o. 38, segundo aodar, ae dir quen<
vende.
-- Vende-se um corte da verdadeia ests-
menha, propria para habito de terceiros de
s.-Francisco, por prego commodo : na ra
do Nogueira, n. 1.
Vende-se urna preta d bonita figura,
de 16 annos, propria para todo o servico de
urna casa de familia : na ra da Cadeia do
Recife, n. 56 A, loja de ferragens.
Vende-se urna preta de nacilo, de bo-
nita figura, de 18 a 90 anuos, que cose, co-
zinba o diario de urna casa, por prego com-
modo : no pateo do Paraizo, n. 20.
Vendem-se duas bancas de Jacaranda;
duas ditas de amarello, 4 calungas com re-
domas, um oratorio com imagens ou sem
ellas, ior prego commodo: no paleo do
Paraizo, n. 20.
--|Vendem-sedous pretos pecas, muito
mocos, prop ios para todo o servido, tanto
la pracr como do mallo ; um moleque de
10 anuos, muilo espeilo, e que serve a uros
casa muito bem ; urna preta com a coi.di-
c3o de ir para o matto, e que cozinha, en-
gomma e faz todo o servico de urna casa :
na ra do Collegio, n 21, primeiro andar,
se dir quem vende.
ffff^ffffff f f v f ff f f e
# Vendem-se, ou aforsm-se 1,500 pal-*
*mos de terreno, no Alerro-dos-Afoga-J
dus, proprios para se edificar casas, ou
X para algum sitio, por ser o lugar mui-i
rio bom : na ra da Cadeia do S.-Anto-^g
itio. n. 9, ou na ra do Crespo, n. i o. <_;
--Vende-se o engenho Sebir do Caval-
canti, por convenco do tutor dos orphSos
do casal do fallecido Jlo Carlos da Silva
CuimarSes, e para pagamento dos credores
do mesmo casal: este engenho be um dos
melhores da provincia, n.oe com agoa e
tem excedentes obras, o trras para se le-
V.iih uuuo Kiikuiiim ; iie situau um Se-
rinhSem, elem o rio junto do engenho
quem o pretender, dirija-se ao mesruoen-
genho, a fallar com o referido tulnr Joo
Manoel de Barros Wanderley, ou nesla pra-
ca, com Manoel Iguteio de Oliveira, na pre-
ga do Commercio, n. 6.
Velas amareilas
em caixas de arroba e diversos sorlimentos
e lmannos; saccas muito grandes de fari-
iha, a 4,000 rs. : na ra da Cruz, n. 24.
8a bao.
Vende-se sab.lo o mais secco que se pode
encoutrar,a 3,520 rs. a anuda : no arma-
zem de recolher' da ra da Cadeia-Velha,
n. 64, junto a botica do Sr. Antonio Pedro.
Cha liyssoo muito bom :
vende-se na loja de livros do paleo do Col-
iegiu, n. 6, do Dourado.
-- Vendem-se travs de 81 a 43 palmo
de comprimenlo e 9 pollegadas de grossura,
das melhores qpalidades que se encontram
no mercado : no Arrombados, casa da es-
quina da mar.
Na Lojj da ra do Queimado,
numero 3,
defronte do becco do PeiM-Frito.
O novo administrador est resolvido
vender as fazendas pelo mais diminuto pre-
go possivel; e para maior commodidade es-
tar a loja aberta alas9 horas da noite.
No armazem da ra da Moda, a. 7, ven-
de-se sal em pequeas porgftes.
O Na loja do sobrado amarello, na O
rua do Queimado, n. 29, vendem-se, O
para acabar, cortes de calca de case-
0 mira a 3,500. 5,000 e 6,000 rs., ha- Q
Q vendo porgSo para os fregaezes es- Q
q colherem. ^
es OOCd^OGOdOO&OOOOO
Vendem-se 10 acgOes da eompanhia de
Ueberibe, as quses se acham em dia I na
ra da Cruz do Recife, n. 64.
Veiifte*se
um preto mogo, de bonita figura, bom ca-
noeiroe trabalhador de p, cuja conduela
ae afianga urna canoa de carga de mil li-
jlos, em muito bom estado : ni rtia larga
do Rozario, n. 48, primeiro andar.
Lotera v a matriz da
Boa-Vista.
Aos 10:000,000-de rs.
Na loja de miudazas da praca da Inde-
pendencia, n 4, vendem-se bilhetes intei-
ros e meios ditos da lotera a beneficio da
matriz da Boa-Vista, que esli prxima a
correr. Bilhetes inteiros a 10,000 rs. e
meio ditos a 6.000 ra.
Vende-se um caixilho para porta de
loja de miudezas: na ra Nova, n. 16.
Vende-se, para pagamento dos credo-
res, urna das melhores tabernas, sita na ra
do Collegio, n. 5, de Iras portas, com pou-
cos fundos : na travessa da Madre-de-lieoa,
n. 17, a fallar com Candido Alberto Sodr da
Motta.
Vendem-se duas escravas, una de 18
annos, e a oulra de 22, de bonitas figuras,
que cozinham o diario de urna casa, lavam
desabam e varrella : o motivo por que se
vende se dir ao comprador: na ra da Ca-
deia de S.-Antonio, no primeiro andar do
sobrado da viuva Cunta CuimarSes.
llouralinas
de seda para veslido : fazenda esta mai
brilhanle que para esse fim tem vindo a
esta cidade : vende-se na ra do Crespo, n.
16, loja da esquina da ra das Cruzas.
-- Vende-se urna crioula de 17 annos, de
bonita figura, que engomma, cozinha, faz
lavarinto, e he muito fiel: 6a ra do Cal-
deireiro, o. 46.
Mais barato e tnelhor que das 6a-
tr as vetes.
Vende-se, na ra Nova, tabernas n. 40,
defronte da Conceiclo, e ao pe da ponte,
n. 71, manteiga superior, a 640 rs.; dila a
400 e 200 rs.; dila franceza, a 520 rs.; lou-
emlio, a 120 rs. ; banha. a 320 rs.; alelria,
a 280 rs. ; macarrSo, macarronele e lalha-
rim, a 240 rs. ; devadinha, a 160 rs.; fari-
nha do Maranhlo. a 100 rs.; dila de araru-
ta, a 240 rs ; esuermacele do melhor, a
800 rs- ; dita inflhediato, a 640 rs ; velas
de carnauba, a 120 rs. ; azeile dore, a 560
rs. a garrafa i caf em grao, a 240 rs.; cha,
a 1,920 rs. de tudo se Ja amostra.
Ksto se acabando os cdi-
gos do comtnercio do Brasil, im-
piessos na typographia nacional
por ordem dogoverno. Gomo est
marcado o dia primeiro de Janei-
ro de i85i, para entrar em exe-
curao he lempo de se anunirem
delles os Srs. negociantes, com-
merciantes, advocados, procura-
dores, etc.; no pateo do Collegio,
casa do livro azul. Quem comprar
cdigos nesta casa receber gra-
tuitamente o regulatnenlo logo
que elle venlia do Hio-de-Janeiro.
Vendem-se sellins inglezec
clsticos, de cabeendas e couro de
porco : na ra da Gruz, na, casa
de Geo: Keuworthy & C.
-- Na taberna de Domingos da Silva Can
pos, na ra das Cruzes, u 40, ha bixas llm
burguezas para vender e alugar, lano por
junto como a retalho.
Vendem-sc queijos de qua-
111 a muilo freseaes, chegados ulli
mmente do Gear, a 36o re. a li-
bra : no largo do Livramento,
n. -o
--No armazrm de Ola Ferreir. ao p da
alfandega. vende-se sal em paneiros, vindo
do MaranhSo.
A 1,000 is. o corte de
caicas.
Vendem-se lirios com listra ao lado.
l,uvo rs. o corte decalcas : na ra do Quei-
mado, n. 8, loja defronte da botica.
Farinha de Tapiiy,
igual em sabor, finura e cOr a da Uuribeca,
e propria pe-a mesa : yende-se na ra da
Cruz, no llecife, n. II No mesmo armazem
vende-se igualmente farinha, nto tfio su-
perior, mus muito clara e gomoiosa, tan-
to em saccas como em alqueires, e a prego
mais corumodo do que em outra qualquer
parte, ainda mesmo a toordo.
Farinha de mandioca.
Vende-se superior farinha de S.-Miihess,
por prego commodu : a bordo da sumaca
(.-Antonio, fondeada em frente do Collegio,
ou ao lado do Corpo-Sento, a. 95, loja de
mansa mes.
Pegas de algodlozinho muito largo.
Vendem-se pegas de algodSotinho muito
largo e muilo tapado, com alguma avaha,
a 1,280 rs., e limbo do mesmo, a 2,560 rs- ,
e a retalho, a 100 e a 180 rs- a vara : na coa
Larga do Horario, n. 48, primeiro andar.
nha bem, cose, lava de sabflo, engomma,
nao tem vicios sem achaques, o que se
afianga ; urna mulatinha de 10 annos, muito
galante, e com priocios de costura : na ra
do 8nl, n. 9, se dir quem vende.
Vende-se, ou troca-se por urna escrava
que seiba cozinliar e engommar, por um
preto da Costa, moga e sem achaques, mui-
lo proprio para armazem de assucar na
ra da Prais, n. 14, armazem de carne
socca.
Farinha.
Vende-se farinha perfeitamente boa, a
2,000,9,240, 2,560 e 2,700 rs. a sacca : no
armazem de reculher da ra da Cadeia-Ve-
Iha, n. 64, junto a botica do Sr. Antonio Pe-
dro.
Cambraietaa finissimas de
purolinho, con Varas, por 7, 8 e
9,000 rs. a poca.: venderse na rus do
Crespo, n. II.
Vendem-se, na ra da Moda, armazem
n. 15, meias barricas com cal virgem de
Lisboa, a mais nova que ha no mercado, por
prego commodo.
Caf. *
Caf eom casca, muito novo, por prego
commodo : na ru do Amorim, n. 35, arma-
zem de J. J. Tasso Jnior.
Na
!
iaia iiiiiiaiii...........i_ i*
seus competentes remos urna bomba do
ferro, ditas de pao, um gimo, diversas
vergas e msstareos de pind, urna retranca,
dous maatros, um leme, urna gavia, e ou-
lros odjectos par navios tudo por prego
muito em conla ; fallar com Josec Anlo-
nio de Magalhfies Basto.
Vende-se superior fio de al-
godSo, proprio para pavis de ve-
las, e redes de pescara: na ra
da Gruz, n. i, casa de Geo: Keu-
worthy & G.
Vende-se urna escrava crioula de 14
annos de idade, eom principios de costura,
engommado e cozinha, tem bonita figura :
na roa da Cadeia de Santo Antonio, no se-
guakte andar do sobrade da esquina do Ou-
vidor, n, 14.
Vende-se, ou troca-se por um preto ou
preta, urna rase terrea em muito bom esta-
do, de pedra e cal, com duas salas, tres
quartos, cozinha fra, quintal grande com
cacimba, sita no principio da ra de S.-Mi-
guel, no Afogado : no Aterro-da-Boa-Vis-
la, n. 17, primeiro andar : bm como se
Vende um palanqaim por 80,000 rs.
Vendem-se relogios de ou-
ro abnete, patente inglez: na
rna da Cruz, n. i, casa de Geo:
K.enworthy & C.
ruado Queimado, Vendcm-se ricos apparellios
n> j^ Jde metal para cha: na ra da Cruz,
Acabimdechegarloj'eds ruadoQuei- ca8a d,e Geo : Kenworlhy
& Gompanhia
mado, n. 9, as mais ricas manguinh de
lii para vestidos de senhora.
Deposito de potassa ecal.
Vende-se muitn nova e superior potassa
ecal virgem de Lisboa, em pedra : tudo em
barris pequeos de 4 arrobas, por prego ra-
soavel : na ra da Cidei do llecife, n. 12,
trmazem.
Taixas para eng-enho.
Na fundigSo de ferro da ra do Brum,
icaba-se de receber um completo sorli men-
t de taixas de 4 a 8 palmos de bocea, as
loaos achm-se s venda por prego com-
oodo e com promptidlo embarcam-se,
ou carregam-seem carros sem despezas ao
somprador.
He muito barato.
Esguiao Afonstro.
Vende-se esguiSo de algodlo com qua-
tro palmos e meio de largura, pegas de 10
varas, a 3,000 rs.; dito de muilo superior
qualidade, a 5,000 rs. a pega; alpaca de
quadros muito fina, e de assento escuro,
muito propria para vestidos, a 980 rs. o co-
vado : na ra do Crespo, n 14, loja de Jos
Francisco Das.
lie muito barato.
Chitas monstros, a '280.
Vendem-se lina chitas frsncezas muito
larga, cor de rosa, azues o cor de gang,
1
Vende-se, por te nSo precisar del la esa
iaaa, urna crioula de 25 annos, que cozi-
azues o cor
degostos inteiramente novos e de cores
muito fixas, a 280 e 320 rs. o covado ; as
miisllnas cassas frsncezas que teem spp-
recido, goatos inteiramente novos, de todas
as cOres e de lilas muilo Osas, a 720 rs. a
vara ; hamburgo muilo lino, com tres pal-
mos e meio de largura, a 320 rs. a vara : na
ra do Crespo,.n. 14, loja de Jos Francis-
co llias.
#
Bous escravos.
1 Vende-se um moleque de 18 annos ^
Jde bonita figura, bom cozinheiro e ex-J
?cellente copeiro, para engenho ou fra*
*da provincia ; dous escravos de 20 a 25#
?annos, sendo um pcrTeito cozinheiro, e*
jque heoplioio para todo o servigo del
urna casa mesmo de homem solieiro ;
vendem-se sem condiglo : na ra doS
Crespo, n. 9, loja. _
*t tt
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de
differentes modelos : na ra do
Brum, ns.-6, 8 e lo, fabrica de
machinas e lundicao de ferro.
Bombas de repuxo.
Vendem-se bembas de repuxo,
peodulas e picota para cacimba:
na ra do Bruto, ns. 6, 8 e 10,
fundicSo de ferro.
Vende-se espirito de vinho de 37 graos,
a 960 rs. a caada ; liegas de vime, por pre-
go commodo: o* (travesa da Madre-de-
Dos. n. 5, e na ra de S.-llita, n. 85, resli-
lagSo.
Na ra do Crespo, o. 10,
endem-se chitas finas de cores seguras,
pelo barato prego de 160 rs. o corado ; cor-
tes de cambraia de seda, s 4,000 rs.; ditos
de cambraia bordadas, a 1,300 r ; sedas
brancas propria para forros, a 400 rs. q
covado ; lengos preto de gravita, a 160 ra.;'
franja de cores para cortinados, a 3.000 is.
a pega ; corles de IBa para caigas, a 800 rs. ;
ios ae linuu i iuvu, 3,0v i a. vicos oran-
eos e pretos, a KO rs. a vara; lenda lis, a
60 rs. a vara ; mag >s de meias brancas finas
ara senhora, a 3,000 rs. ; mantas de 13a
para meninas, a 940 rs.; di im de palha e
lindo,a 200 rs. o covado; cobertores de
lila, a 1,300 r. cada um zuarte com 4 pal-
itos de largura e 94 covadns a pega, a 3,500
rs.; lila Irangadi cor de caf a 900 rs. o
cavado; luyas dsela de cores para me-
ninas, a 100 rs. o par; golas de cambraia,
aV60rs..; panno encarnado, a 2,600 rs. o
csvsdo
It a do Crespo, n. 10.
Vende-ae sueiaa de seda brancas para se-
nhora, a 800 rs.; lavas de sed com palma,
a 480 rs. dilaa para menina a 80 rs. o par;
gollas de cambraia, a 120 rs.; meias de seda
de cores para homrm, a 400 rs. o par; pei-
tilhos, a 20 i, cada um ; corles de cassa
preta, a 320 rs.;ls prelosordinariosa 800 rs.
Vende-se um sitio na estrada de Be-
lm, com 424 palmos de frente, o 1,200 de
fundo, bastantes fruteiras, pasto para ter
duas vareas animalmente, trra para plan-
tago, boa agoa de beber, e casa para pe-
quena familia: no Aterro-da-Boa-Visla,
n. 17, primeiro andar.
Vende-se urna flauta de bano, com 4
chaves, e apparelhada de prata : na ra do
Encantamento, n. II, armazem.
Nova Pechincha.
Na ra do Queimado, n 17,
vendem-se chapeos de sol, de seda cor de
caf, a 4,000 rs., e preto a 5,000 rs.; ease-
mireta preta para caigas e palitos de homem
e menino, a 1,000 r*. o covado; merino pre-
lo entrefino, a 9,400' rs. o covado ; esgulSo
Uno depuro linho, a 1,440rs. a vara ; eou-
tras faien das por barato prego.
Escravos Fgidos.
Kugio, no domingo. 18 do corrente,
pela mandila, um mulatinho de 18 annos
pouco mais ou menos, espigado, ventas
aherlase arregagadas; he gago: tem bas-
tantes signaes de feridas em ambas as pee-
ras ; levou jaqueta e camisa branca, cal-
cas de riscado escuro e chapeo de palha ; o
seu nome verdadeiro he liamazio, o qnal
pode ser que tenha mudado ; quem o pegar
levr-a ra da Praia de S.-nile, n. 23, ser-
rana.
Fugio.no dia 18 do correte, do en-
genho Diamante, da freguezia da Escaria,
o preto Jeronymo, que representa SO annos,
grosso do corpo, pernas finas, odos um
lano verinelhos; lem um lalbo na pona do
queixo inferior proveniente de urna (queja :
este escravn em sua fgida conduzin um
eavallo caslsnho-escuro; presume-se ter
procurado o Araraty, onde lem os seusan-
tigos sendores. Boga-se as autoridades po-
licii.esecapitSes de campo, que o appre-
hendame levem-00 ao dito engenho, ou
nesta praga, a ra dasTrincheiras, n. 48, a
Bernardino Francisco de Azevedo Campo,
que gratificar generosamente.
l'ugio, do Bio-de-Jneiro, e soppfle-se
ter vindo para esta provincia, o preto Anto-
nio, escravo de Bellarmino de Arroda C-
mara, o qual lem os signaes srguinti s : rt-
latur regular meio calvo, barba errad,
com suissas, falto de denles na frente, bei-
gos penduralo, nariz chato, .epresenla ser
de maior idde ; quando falla tem o Costu-
me de revirar um lano os olhoa : quem o
pegar leve-o a Manoel Elias de Houre, na
praga da Boa-Vitia, que tem autorieagflo do
senhordo mencionado escr.vo para bem re-
com enfar a quem o pegar
Fugio, do engenho S.-J0H0 do Cabo,
pela segunda vez, no dia 17 de julho prxi-
mo paasado, o escravo Valerio, tendo sido
j um vez pegado em Maria-Farinha, de-
pois d alguna das de fgida ; he alto, cor-
pulento, cara curta e larga, ps seceos, ten-
do muito aberto os dedos grandes de am-
bos os ps e a pello enrugada e spera :
quem o peglr leve-o ao dito engenho, ou no
llecife. em casa do Sr. cnmmendador l.ui/.
Comes Ferr ir, que gratificara com 50,000
rs. : tambem se gratificar a quem der no-
ticias do dito escravo.
00,?000.
Fugiram de bordo do Lrigue
Sem-Par, vindo do Bio-de-Janei-
ro, dous escravos, sendo um de
nome Sabino, de cor parda, esta-
tura regular, de ao annos pouco
mais ou menos : levou caira* -
camisa azues, e bonete encarnado:
o outro de nome Kuzebio, criou-
lo, de 24 annos poucc mais ou
menos, estatura alia; levou calcas,
camisa e bonete azues. Boga-te as
autoridades policiaes e capitSesde
campa, que os epprehendam e le-
vern-nos ruado Trapiche, o. 34a
casa de Novaes & Gompanhia, tic
recompensar.
-Kugio, 110dia 91 do corrente,.preto
Jlo, ciioulo, de 25 annos, altura desmar-
cada, hem direito do corpo, roato redondo
e com muilas marcas de bezlgas ; intitula-
se por forro; levou caigas azues e camisa;
lem um laido no pello de m p. Iloga-se
as autoridades policiaca e cepilles de cam-
e outras muilas fazendas por baraUssImoa p0, quem o appreneodam e levem-o a rna
pragoa
-- Vende-se um bom methodo de piano
por melade de seu valor: ns praga da CniSo,
u. 14.
Vende-*e uma lancha quaii nova, con
ila Concordia", n. 4, r linagSo, que aerflo
generosamente gratificados.
PKM. : Ttt. XA os H. t. bk PllU.
TS


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8YCKE9NF_VXX26N INGEST_TIME 2013-04-24T19:57:57Z PACKAGE AA00011611_07118
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES