Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07117


This item is only available as the following downloads:


Full Text
tetra 99
P A*TIPA XK OOatBZK.
Colanas e Parahiba, aegundaa e sextas felras.
Rio-Grande-do-Ttortc, quintas felras aomeio-
dla.
Cabo, Serlnhaem, Rio-Formoio, Porto-Calvo
e Macelo, no 1., a 11, e 21 de cada mei.
Garanhun e Bonito, a 8 e 23.
Hoa-Vlita e Florea, a 13 e 28.
Victoria, s quintal felran.
Ollnda, todos o dial.
ka
Mltta. a l,a2h. eWm. di ni.
Nora a7,aoa7h.eMm. tal.
Cresc.al4.tl3 b.e27m. da t.
Chela a 22. 6 h. e 62 m. .la t
Minaga 3V as 11 h. e 54 m. da ur.
ra"" nM-bon.
Primelra ai 4 hora* e 30 minuto, da Urde.
Segunda ai 4 horas e 54 mlnutoi da manhai.
d> Agosto de I9&0.
N. 187.
wnxqot da soaucairpio.
Portresiuezes (dlasiiado,) 4/000
Por seis mezes 8JTO0
Por nm anno ______13/000
da a inua*.
I'J Seg. S. Lula. Aud. do J. dos orf. e m. da 1. v.
20 Tere. S. Bernardo. Aud. do chae, do J. da 1. v.
do clv. e do dos feito da fazenda.
21 Quart S. Umbellna. Aud. do J.da2. v. do civel.
Quint S.TIieinothco. Aud. do J.Jdot orf.edo in.
d*l.. ., .
23 Sext. S. Flllppe Benicio. Aud. do J. da 1. v. do
civ. e do dos feltoa da fazenda.
24 Sab. S. Bartholoineo.
25 Dom. O Sagrado Coraco de Mara SanUMima
> OAMBIOSMtal DI AOOSTO.
SobreLondres. 27y,e27'/M.por 1/MOri. 60 dial.
. Paria, 346.
. Lisboa, 109 por cento. _.
Ouro.-Oncas haspanhoes......... 20/000 a 290
Moedade6i^00velhas.^l6/5(>0 a 16/700
de 67400 novas. 16/100 a Wm
de4/O00........... 9/100 a VffO
Pnt*.-PatacSes brasilelroi...... 60 a 1/08.-
Pesoscoluranarlo........ 1/-60 a 1/980
Ditos mejicanos......... 1/8U0 1/820
*.
PAUTE 0FF1CUL.
GOVERNODA PROVINCIA.
XPBDrBNTE DO DA 13 DE ACOST.

Oficio. AoEm. presidente di Parahiba.
inUiraiMo-o de Ur feito embarcar i dispo-
siclo. de S. Esc. no vapor Bahna, que ora
legue para oa partoi-do norte, a boi de
que trata o seu oflicio de 8 de junlio ultimo.
- Cosmuocou-se o inspector do arsenal
demirioba.
Dito. Ao Esm. commandante das ar-
mas scientilicsndo-o de baver arbitrado.
i vala de aua informaoSo datada da hon-
tam, ao'segundo sargento sjudante do prl-
meiro batalhio de catadores Aurelio Jos
da Costa eso msico do mmo batalhan
Gya Manoel (ornes de Carvsllio, quesaef-
fereoeram para continuar no servico Jo
exoreilo, a giatiBcscSo de 170,000 rs. a ce-
da 0* dalles, sen lo 50,000 rs. pagos apun-
tados o resto em prestacOe mensaes de
10,000 rs. Intellig-nciou-se ao inspector
da pagadoria militar. .
Dito.Ao metano pera mandar assent"
praa como voluntario no segundo lutslhSo
de capadora, a o paisano Franciscode Pau-
la Carneiro LeSo, rfe segund* o parecer da
junta-de justica, foi jelgado apto para 0 ser-;
vico do exercito ; ceilo de que lem erbitrr
do ao mesmo paisano a gratiQcacSo do i '
rs. para I lio ser paa,OJWO r*.
resto om prestares mensaes de 10,000 rs
Communlcou-se ao luspector da pag
doria militar.
Dito.-Ao mesmo. diiendo-Ucsr inteii
de hiver S. Exc. Borneado nteiramc
primeiro lente d lerceir elasse do exer- cj>r,
cito, Pompeo Homano de Carvilho. para o
einprego de ijudaiile do forte do l'o-Ama-
rello.- Intelligeneiou-se ao inspector da
pagadoria militar.
Dito. Ao mesmo, remetiendo copia do
aviso com data de 2* de julho ultimo, em
que o Esm. Sr. ministro e secretario d'es-
ladodam negocios da guerra, eommunici
a esla presidencia. deordemdeS H. o I. ,
que 8 pode ser approvadl i drcisSo toma-
da de Mn !ar abonar aos efikiaes do exer-
oito, quanlias para alaguis de casa.
Sciantitioou-w ao inspector da pagadoria
miiiUr.
Dito. Ao mesmo, cnmmunicindo que 8.
M. eTl. segundo foi declamado em aviso do
ministerio da guerra de SMe Julho ultimo,
houver por bem conceder pssssgem para o
primeiro batilhOo de rapadores so cadete
do ?.'da arlilbsria a p llsnocl Jos de Ma-
galhles Leal.
Dito. Ao mesmo inleirando-n de ters.
II. o I, segundo conatou do ministerio da
guerra com data de 99 de Julho prximo An-
do, permittido que o sollado do asilo de
invlidos da corte, Francisco filippe de
Santa Alina,' Venha "servir como sddido em
um dos corpos ds guarnidlo desta pro-
vincia.
Dito. Ao mesmo, para que*em cumpri-
melo de viso do ministerio da guerra
com dala de 29 ile julho lindo, mande ins-
peccionar o estado de saudMo lente Jos
Xavier freir de linio, que nos mappas do
6." battlbJo de oteadores be considerado a-
lrjedo.
Cito. 4a mesmo, dizendo que, por -
vlsodo miuisteriod guerra de 29 dejulho
ullimo, foi declarado esta presidencia, a-
fUn de fazer constar a S. Exc. psia que nSo
contlnuem ir nos mappas do ?. batalhSo
de srtilbsria a |, e 5.* de fuzileiros, A
que rerlenceram o primeiro teneiitd Au-
gusto Fredorico de Vasconcellos Souza
!!;!:i;r.s, c G sITcrc stonio J ra, visto haver o piiineiro por decreto de 17
luqSode 17 de julho ultimo, lomada sobre
consulta do conselho supremo militar deSI
(fe Junho prximo passado, reformado no
posto que actualmente oceupa o lenle
qnartel-meflre do 5.* batalhSo de cacado-
res Francisco de Paula Si Pexoto, veneen-
do a terca parte do respectivo sold pe
tabella aetusl. de conformidade com o arti-
go S.' 3.* do decreto o. 200 do primeiro de
dezembro de 18M. -g Commonicou-se so
inspector da pagadjJMis11itr_
Dito. Ao metano, tnteirande-o de ter
S. M. o I. segn lo conitou de aviso do mi-
niatario da guerra com data de 88 de julho
ultimo, concedido passagem para a compa-
uhia fixa de cavallariajda Babia, aos cade-
tes do quarto batalhSo de artiINKia a p
l'eflro Nieolo Marques e Nicolol'ea'ro Mar-
quesIntelligenciou-se ao inspector da pa-
gadoria militar. I
Jilo r- Ao mesmo, transmiltindo para
terem o conveniente destino as partes aecu-
satorias edepoimentos de taslejn un has so-
bre a dese'cSo que commolleram os sol.la-
M
> do aviso do mioslcrio da
ultimo, a expedicSo
l nSo continu a ser
mappas do oitavo ImtalliSo
apeJIao do masmo ba-
ironba aples Masa*.
por decreto de 23
denov
a rela(
com dais de:
zir o bachera
du julho do anno prximo pausado, pbtidu
passagem para a segn Ja elasse do exerci-
to, o segundo tambem, por decre'o de 30
de abril do mesmo anno, ti lo passagem pa-
ra o estado maior da segunda elasse
Dito. Au mesmo, inieirsndo de ter S.
M. o I. por sua ImmeJiala e imperial rejo"-
aaax*l
FOLIIETI3H.
TIIEATIIO DE SANTA. ISABEL.
Tlveoioa em a olle de 14 do correle um
hrillnnie espectculo. Subi icen em Ire actos e um prologo A pobre ia$ rui-
nai rica produccao.do engenhu fecundlo
erudito cicriplor portuguei, o Sr. Aleudes LOsl.
a sua execufrio, nao ful, oamo dcsrjavainoi,
perfeita, mal lambcn tem injusli(a nao pode-
moi dlzer que foi in, os palo menni a acha-
iiios boa : todava bouve alguuias fallas, qae
vaiuoi inenclouar, e como o sasso lint lie s-
uiente fallarda rrprrsentacao dos dramas stin
entrar ua aualyse bitturlca delles, trabalbo
elie de que se tein encarregado o collega da
fnfo, e que por elle he cabalmente deseiupc-
nhado, tralareiuos de mostrar os defeilos de
algums aclnrea, acouaelhaudo-oa para que'
delles se corrijan!. Nao aeremos nimiamente
aeveroi, e sim Justo c iinparetaea; d'aqni uo
ae periuada alguem que nossoa juiouar(am
de aQeices, oudeaafleisSes; se tlvis.eums |u-
liina amisade a um, e iulmiaade a oulro, nuu -
c raer vlamoi. para que oa noaaos penaamen-
toile nao resentssemde Injusta parcialldade
lemos, be verdade, pequeas relacOrs com al-
guua dos acollares actnrea, mas na abena a uc-
nliiii Cwmucuviuos c limito cm hUiiiS dis-
tinguir riesea d" aeiar : eu mnmii pon-
cas rela(Aea qe* Icmoi dalam de uiulto depois.
da noasa residencia nesta cldadc, nao tem por-
tan to o lempo uecessario para aiuadurecergiu,
e faierem aaacer et'i nos casa Incliuacao Irre-
conselheiro presidente
jue, S M o I. por de-
illio (indo, segundo foi de-
so do ministerio da jostica
, houverp per bem recomi-
Itanoel Jos ra Silva Nelva no
lugar de juTz municipal da segpnds vara
dcste termo. Ma sentido esojadiram-se
as convenientes comm.unicac.0es
Dito.-- Ao mesmo, commuoican lo que
mi
ultimo houver, or bem nomear, por de-
creto de 27, pars juizes muuicipaeS(pdjM|
ph.los dos termos da Bnn-Vists, o bacharel
Miguel Concalves Lima; do F.xu, o bacharel
JoSo de Souxa Beis e do Ffnfea otmcharel
Joaquim Gongalves Lima. Epediram-ae
ueste senil iu as cou)muiiica(0es do estillo
Dito Aoinspuctorda thesouraria da fa-
zenda, inteirando-o de haver 8. M. Imperial
segundo conatou de aviso do ministerio
da guerra datado do mez crrante, deter-
minado que nenhom despeza pertencente
aquella ministerio ~
loteirou-se soExm. commandsnte
_____A fre Lino do Monte Carmello,
provincial do convento do Carmo desta ci-
dsde, scientiOcindo de ter S. M. o Impera-
dor, segu do foi declarado por aviso do mi-
nisterio da justlca com dala de 19 de ju-
nho, concedido aS. Rvma. um anno de It-
cenca, para fra do claustro tratar do resta-
helecimenlo de sua sade.
' Dito.Ao commandante superior da guar-
da nacional do municipio de Olinda para
mandar dispensar do servido activo os guar-
das pertencente so batalhSo do Po-Ama-
rallo Antonio Francisco de Paula, Jianoel
Kelix de Sauza, Francisco Franco da Fon-
dera, Augusto Jos Leopoldo, Uartinho Jo-
s dos Santos e Manuel Antonio da ltveira,
Bo lerem si lo naincados inspectores de
arteirSo, e sssim o baver requisitado o
delegado daquelre termo.
Dito.Ao inspeetbr da Ibosooraris da fa-
zenda provincial, para que mande pagar
depois de convenientemente examina la,
- director das
dos MsnqsCVicente Peftqto^d segundo ba, conta^que Ihe rem'"f fjr"l" ??
UlhSo desrtilbari a nc, e llanoel JosTfi- obras psblica. w importancia de ,8/160
xeira do segundo de aaeadores. Partici-
ao presidente das Alagas.
no, recommendendo para
5iJ?T:RlBIJN4L DAHELAC^-.
SESSAO DE 20 DE AGOSTO DE 1850.
. das despejas Mas com diversos reparos
ile obras desta cids le no mez dejulho ul-
timo. Intelligenciou-se so meffmo di-
rector. !
Portara. Concodendo a dupensa que
pedio o Bacharel Caelano Estellita Oval
canta) Pessoa, do cargo de juit municipal
interino do termo do Ex a Neste sentido
expeiiram-se as convenientes communica-
cOes.
Dil>.-- Dispensando por asaim haver pe-
dido, o kfcharol Caetano Estellita Csnte Pessoa do lugar de primeiro supplen-
te do delegado do termo do Ex.-Expedi-
ram-se as convenientes cOmmunicaQOes.
Dita. Nomean lo^sOb proposta do com-
manlante do corpo ele polica, para segun-
do commandante da primeira companhia do
referido corpo s Joaquim Jos Pntenle!.--
/"izeram-se as convenientes comuuni-
>apOei.
asipsncu DO EXW. se-nhob coa-
SELar.iao Zevkdo.
A's 10 boras da manhia, achando-ae presen
lea oa Srs. deaeiubargadores Ramos, Villarea.
Haalos, l.eao, Souza, Rebe,"%Luna Freir e
Tille, fallando rom causa V. desembarga,
dor Ponce, o Sr. presdeme declara aberla
a sessao.
VO Sr. presidente leu em mesa um officio do
xm Sr. preaidenle da provincia em qur com-
laauiicava que por decreloa de 10 de julho pro-
seja feita nesla provin-Jjluso passado. fra removido do lugar de juU
ci'a'senSo pele' pagadoria militar ou suas fl- muAlcipal e de orphaos do termo do Sobral
-L.-...-iZ...... nmarior rt. ._ para a comarca doCaboo bacharel Manoel Fir-
doa, viuva e herdelroa de Joao da Silva
Santos.Despreaaram os embargos.
niLiciRcia. .
Appellanle, Jos Thomai de S Brrelo; ap-
pcllado, Antonio Franclico de Paula brrelo
Mandaran) descer ao juizo doclvel desta
cidade para ser avallada a causa e averbado o
imposto da dizima.
Appellanle. Francisco Gonfalves de Medelroa e
auamulher: appeMados, Andr Barbosa de
Miranda e S e sua mulhcr.Mandaran) ou-
vlr la partea. '-
DXSIGNacOEa.
Appellanle, o Julzo ; appellado, Manoel Joa-
quim doRegoe Albuquerque.
Appellanle, Joaquim Galdino Alvca da Silva;
appellado, Rahno Jos Correa de Almrida.
Appellante eappellados, liento Jos da Casta
e Jos Joaquim Beierra Cavalcante.
Appellanle, o promotor publico; appellado.
Joaquim daa Mocas Tiinbauba.
, arviiOEi.
Paaaou do Sr. deaembargador Bastos ao Sr-
deseinbargador Leao a aeguinle appellaco
era que sao:
Appellanle, Jos Tbamaz de CampoaQuaret-
ma; appellado, Joaquim Mara Rlbelro de
Andrade.
Paiaarim do Sr. veaembargador Luna Freir
ao Sr. deaembargador Tellea aa aeguintea ap-
pellacVs em que sao:
'Appellante, Manoel Alvea Guerra ; appellado,
Gaspar le Menezes Vasconcellos de Uruinond.
Appellanle, D. Barbara Francisca Xavier de
Malos Moreira; appellados. Antonio Llns
Caldas e Maria (.andida de Magalbaes.
Appellanle, Manoel Pires Ferreira; appellado,
Fernando Francisco de Aguiar Montarroyos.
Appellante, Ignada Manoel Virgas; .appella-
do, Joaquim Viegas
Appellarfte. Joaquim Rodrigues de Almeida ;
appellado, Manoel de Souza Couto, boje sua
tnulher.
Appellantes os herdeiros de Joaquim Ignacio
Correa de Brito; appellado, o juizo da fa-
zenda.
Pasiaram do Sr. desembaraador Tellea ao Sr'
deaembargador Ramos aa segrales appella-
coes em que sao :
Appellanle, Joo Jos, Jos Joao e outros; ap-
pellado, Leilbelier Lale.
Appellanle, J s" Antonio Bato; appellado,
Vicente Jos de BrUajjW
Apnelfante, Francisco Carneiro da silva; ap-
pBlado, Joao Alvea Carneiro Cezar.
DisTaiaoiffiES.
Ao Sr. deaembargador Leo a aegulnte ap-
pellaco em que sao:
Appellaate, Jos Diogo da Silva; appellado, Jo-
s Antonio I.r.pes.
u-se a sessao a urna hora da larde.
liaes.Communicou-se ao inspector da pa-
gadoria militar.
Dito. Ao mesmo, psra mandar abrir
vista da nota que remelle, os sssentamentis
de praca do corneta Pedro Paulo da Sil,
que se alistou psrs servir no segundo ba-
talhSo da guirds nacional do municipio de
Olinds.--Communicou-se so commandaoto
superior respectivo.
Dito.Aojuiz relator ds junta dejuslie
transmittindo par depois de vislos serem
spresenlados em sessSo d rnesma junta os
procossos feilos sos soldados do primeiro
batalhSo de cacadores Jos Ignacio di Sil-
va e Jos oreoulo. Communicou-se so Esm.
Commandante das armas.
Dito. Ao mesmo, rmelJenJo par ser
presentado em sessSo da mesma junta o
processo feito ao solsjjsdo do oitsvo bata -
IhSode ce>dores Francisco da Costa Co'
ms -- luleiroo-se ao Esm. comminfante
Ua roas 4*
Dito Ao Inspector d pagdori mitiur
par mandar abonar os odiciaes do quatto
balaltiSo do arlilharia a p mencionados na
rplacjOo quo remelle, os vencimentos do
mez corrente, menos etape que devera
er at odia 15 gmente, vilo terem elles
Je seguir pira a Babia com o referido bi-
talhfio em cumprimento do orden? impo-
aistivel qunos leve a elogiar oque fr donoa-
ao amigo, I porque he aeu, eiubora indo seja ;
ao : uascldo e educado nos serles, fura do
liimullo e rrbulielo das fraudes cidades, nos
nao siamoa aluda elvados desse veneno, que
loe inficionar u lisongeiro cidadao ; descoulie-
cemos o que seja adulacao : eacieveiuos o que
entendeiuoa, e segunda a lensafScs diversas
que experiiiientaiuba A maledicencia de al-
guiii no lem recriminado de nimiamente in-
dulgruies e-parclaes; sio nos imprtalo eisa
recrimlnaces. urnhum oeao bsein em nos,
desptesamodaa e vamos avante no ueiruipeui.-
lo huso dever. como fulhetinlsta, dever que
mullo gratuilamente nos imposeinos so com a
mira no mellioramento d> companhia dram-
tica do nosso llieatro.
A \i Auriosidade de inultos tem querido des-
^-oliur "qiiem srj* o escriptor do. lolhetiut do
Diario, lem-se feito mesmo vagaa e injuilas
inpiilacei. nos, porm. vamos salisfazer a ea-
tea declarando quein elle he. Querra aaber,
senhorea curiosos, qual be o folhetlnista do
Diario} fteparai; somos nos iiicamoa : .eaiais
laiiifcHos? Pois bem, nSo conlloueia aattrl-
balr a alguem iqulllu em que uem a mala pe-
quena parte esse alguem tuina.
Iteleve-noao publico este cavac, julgamos
mdlspenasvcl eal eiposiio pelo que teuioa
Ouvido fallar-se por ahi algures. Vamos ago-
ta o que devemoa ao publico, luanlfestemos-
Ibe o uoaaojuixoa respeilo do espectculo da
noite de M do corrente.
, Principiaremos pelo Sr. Germano, que dcs-
mpeubou, como cosUnia, aparte de U. Nuuo
je Cara com ioteira aaiisfayao de toaos, c qaja-
i.. i i,,1,,, nao merece, aenao elogios : iienhuina
lalt par mais leve qua Toaae. Ibe podemos no-
tar eaetes admiramos a coaitaucia e iuailrra-
killdade da aeu seuiblaala eiu lodoa pa trea ac-
tos. O urgulbo, aaltives do corsario veimeilio,
mino de Mello; e nomeaJo o bacbarel Gaapar
de Menezes Vasconcellos de Drumond para o
lugar de julz municipal e de orphaos de Sauto-
to-AaJJO.
' Ouffo participando que por decreto de 10 de
julho proiimo passado, fra Horneado o juiz
municipal e de orphaos de Santo-Antao o ba-
cbarel Jos Filippe de Soasa Leo para o lugar
de Juiz de dircito do eriju de Florea.
julo aojaros.
Ptlito.
De Jos Velloso Soarea. Mandaran) que oea-
criviodase a caria leateiminhavel.
Appellafui crine.
Appellante, Pedro Fraootsco de Lima; appel-
do, o Julzo de direilo de Santo Antao. Jul-
garam iuiprocedenle j apprllacio.
^ppel/aeeieicri.
Appellanle, o Juizo; appellado, Feliciano Jos
llenriquea Confiriuaram a senlenca.
Aannellanle. Jos Dlaa la Silva: annll h jorge Kenworth Ir C-j Conlirmarau) a sen-
tenca.
Appellante. ilartholomcu Branciico de Souza ;
appellado, Gabriel Antelo Confirmaran!
a senlenca.
Appellanle, Jos Maximino Pereira; appella-
do, Francisco Antonio Perelra da Silva.
l(cformaraill*a senlenca.
Appellanle, Jos Goncalvea Torres appella-
desse houiem, que, esposa iulirl e injuilo, e
amante trahido e despresado, prefendeii repa-
rar os ullragea que fez a sua mulhcr e vingar-
ae doa despresos de urna amante prfida, se-
nhoreando-ae dos mires, e conslltuindo-ie o
terror e o llagello do mundo inleiro. faiendo
abalerein-se todoa os eslandartea dianle da
ana b.ndeira, nao sollreu a mais pequea dif
(brenca uo aemblante do Sr. Germano, e live-
nos mais esta occasiao de admirar o seu raro
tlenlo. Receba, pols, o nimio artista flumi-
nense asnosaas ingenua congratulares.
V. *?.... uw ut ,v..- .-----------., -..LO
eacellenle nn prologo : vimos u amigo e hon-
rado caviilheiro, aferrado a essas opiuies que
lano o dialinguirasn ; dispoato a uiorrer pela
patria : sentimos, porm, dlzer que nos tres
ctoioSr. Sebaatiao esleve mo, fri, monolo-
o, e tes-nos perder o praae* de que nos pos-
iiimosa principio: nao nabaa parle decora;
.da, e por isso inultas vi rs tltubeava palavras
que se nao entendalo
Malatesia (o Sr. liajinundo) desempenhou
multo bem sua parte : coiAinetleu urna falla,
que oaodeisaremos de notar. -Appareceu sem-
precoiu o mesmo vestuario novo tein loilrer
tlleraco a'guma aa idade : suas botas eslavam
uSo -novas no segundo c terceiro atslos, coino
i|o prologo: nao he possivel que drnois de 18
annoso aialateita conaeivaaae lurrsup* no
mesmo citado, mornienlc aeudo elle un ban-
dido sem habilaeio, e repouzando na primeira
casa, cuja porta va aberla, uem podemos erar
que o Italiano que combate ireaaonos pelo Im-
perador contra os hereges e outros Irea pelos
jcrrgcs conlra o Imperador, fosae lio favore-
oido do cj, como foraiu os IsraelKas na aua
ipiig peregruiacao de 4u jubos pela desertu.
asta uiilforinidade da seu ves,ido tirou-aos to-
da a illuso, e multo desejaiuos qte oSr. Rav-
uiuudo para outra vez atienda a calas nosaaa
m,rio m nmnmn
B\tcirs, 21 DI AGOSTO DI IS5S.
Foi sepultado hojo em um dos jazigos d,
matriz do Ssnlissimo Sscrsmento da B-
Vista desta cidade o cadver do Sr. coronel
los Maris de Barros Barroto, que sucumbi-
esen! a de Nszrelh a um taque de apo-
plexia.
m
(orrefcpo .dencit
Jr. Hedactous Tendo lido no Diario d
Pernomburo n 183 de 18 do correle meafforem embregados,
urna exposiijSo do Sr. I.uiz Lopes defllivei-
rs, acerca do occon ido com o cnsul fran-
cez, porocrasiSo de urna diligencia por elle
requerida aojuiz da segunda vaia civel, pa-
ra o li'ii do garantir una divida env que pa-
ra com o Sr. Lopes eslava a su.ervss.1o do fl-'
nado Desenclos de quem fra caixcTO, na
quai me convida o-correspondente dizer
ilgtima rousa para o esclareciment'o do di-
reilo com que elle rt querer, e o Sr. Dr.
juiz do civel expedir o mandado de remo-
rilo que dera lugar sobredita ocurrencia
annuindo ao convite do Sr. Lopes, direi
alsuma cousa acerca da quesillo, submet-
telFIn minhas opiniOes e argumentos cen-
sura dos dotilos.
humildes refleides. F.m ludo mais achamo-lo
milito boni e bem caracleriaado.
Ismael o Sr. Silvestre) sentimos diierque
nHo o aehamos bom. Muilas vezes leinos-lhe
notado algumat fallas, e mitras "om justlca
Ihe temos dado elogios ; anas agora estranha-
uo lo : esleve inicuamente desanimado : liada
sabia do seu papel; aua attencao eatava loda
preaa e applicada ao ponto, eremos sei esta a
causa, por que nos lian agradou ; conhecemos
que eui ajguuias scenas se rsforcava por ani-
inar-sr, mas perdia-se porque logo oue fallava
mata pilo ueitava ue ouvir o pona, cuja vos se
faaja mais lenslvel ans especladores que a do
ador. O Sr. Silvestre deve estar einveneido
de (ue decorando bem os seus papis he que
o ai lista pude brilhar na scena, coma ja por
muilas ve/.e tem aeoniri-ido com S. me. ob !
Ismael lem aceas patticas e arrebatadoras,
mas nirprodualram a.ell'rilo que se esperara
por estar a poste omito mal estudadj. gjpe-
raiire que ~
d, como d
mos. Uuia
Silvealrc. o
versao, quando
midade lo eva!
vence da divind
de da rrligajasf
lamael deSSar
tras de liabel que
obisto, que a
aua rellgj,
nos que dev"
lepa o bar
...J% de
-ignia religiosa '
entre nos he o
lindado a ir
tie-a aadls
es de Mahoui
i repet5io o Sr. Silvestre nos
os, occasiao so de o elogiar-
kr laul um conselho ao Sr.
groTcaa na acea da sua con-
pl profkndo-llie a subli-
' tajllcorao, o con-
Chri
sobre
'esus llrialo. e a unida
se monelo em uie
pergiadaapaa-
a a le do profeta, e be
e o Dos de Isabtl sao
Dos, entendemos
te tirar de sua
e arrojarlo par*
rcturbiiic Ulna in-
Oiiirar.Gi, una
as ; leudo elle re-
a desde' logo des-
usan) OS legoido
Creio que o Sr. Dr. juiz do civel expodin-
do o mandado de remor;So contra o Sr. Sen-
lis, cnsul da repblica franco/., nSo ferio
privilegio ou prerogtiv algn consular.
Primeramente he doutrin corrente, que
os cnsules sSo meros sgentes commvr-
ciies, que nSo se podem considersr minis-
tros publicps. por conseguinte nSo gozan
dos privilegios, prerogtivas e inmunida-
des inherentes aquelles ministros. Esta
duulrina ba exposta por Vittel no seu tra-
tado de direito das gentes, liv. 9, cap. 9, e
*, e 1 iv. 4, cap. 6, $75. Hangin, om seo
tratado da accSo publica, liv. 1, secc. 2 ,
n. 83, assim se exprime :
a O que tenho dilodos ministros pbli-
cos das potencias eslrangeiras, e dos ho-
mens de sua commitiv, nSo seapplica aos
consule exlrangeirot Da-se o nome decan-
tulei as pessoa que leem commissBo de ra-
sidir nss cidsdes e portes d'um dominio ex-
trangeiro, par oflm de ahi protegerem o
cdmmercio de sua nacSo ; dest'arlV, os cn-
sules nSo sSo ministros pblicos encarro-
ados de representarem o governo junto
outro governo ; su missSo limila-se ape-
nas i nr/jteger os subditos de s"u principe
no quesrespeita so negocio, e algumas ve-
zes decidirs quesloe que entie elles es-
se respeito se suscitam. a
E Merlin, rep. de jurisp. v. oonmlu fran-
cesa, 2, n. 4, emita a mesma opiui.lo,
que so tem tornado geral enlre os autores
Je direilo das gentes ; e cita em seu abono
um aresto di Coi le real de Aix.
Mas como soluto da quesillo pende es-
pecialmente- dos tratados, cumpre que a es-
tes recorramos.
O tratado enlre o Brasil e a FrniiQa, de 6
de junho de 1826, rt. 3.*. marcando o grao
le considerado que levem ter os cnsules
de um e outra nacSo no pa z em que re-
siden), he assim concebido:
s cnsules, de qualquer elasse que se-
jm, devidimenlo nomendos pulo seus res-
pectivos'soberanos, nSo poderSo entrar no
exercicio de suas func;<5s sem preceJer p-
prov*r,8odo sobertno, em cujos dominios
houverem de ser empregados. Elles goza-
iSo em um e oulro paiz, tanto para as suas
pessoas, como pr o exereicio de seu em-
prego, e proleccSo quedevem seus com-
patriotas, dos mesmos privilegios, que sSo
ou forem concedidos aos consoles da nc8o
a ni.is favorecida.
Estas expressdes bastante genricas, pos-
las em rclacilo com as palavras do artigo
segundo, dSo a entender o carcter de agen-
tes comnierciaes, que distingue os cnsules
de nina e nutra nif.lo. Mas o tratado de 17
de agosto de 18J7 entre o Brasil e a Ingla-
terra, sendo mais explcito a est; respeilo
nos pode servir de' norm no caso presento.
Creio.que ninguem poder a declinar do jui-
zo da na;flo inglez acerca das prerngiti-
y*s dos cnsules, ja como n ic.no forte, j
como nacflo que comprebende perfeitamen-
te as relafOes diplomticas e os principios
do direito das gentes.
Ur, o artigo segundo do tratado com
Inglaterra, exprima-so pels maneirs se-
guinle :
Os cnsules, de qualquer clssse que el-
les sejam, nSo entraran no exereicio de sus
functjoes, sem serem dotada mente nomea-
dos pelos seus respectivos soberanos, eap-
iTovados pelo soberano, era cujos dominios
Ha ver reciprocamente para com os
cnsules de tolas asclssses, dentro dos do-
minios de qualquer das altas prlesertrilra-
tantcs, urna perfeita gualda le. Os cnsules
gozarl.i dos privilegios, qoe perleucem ao
seu lugar, como sSo ususlmeifte reconho-
cidos n adniillido.
fcm oJa ai catual, anim civil como eri-
ininnei, elles serio ljalos s meimas leii do
paiz em que reiitUm, como os seui compatrio-
tas, e gozo rilo tambem ds plena e inleira
protecQSo dis leis, einavantn a ellat obe-
decen.
Dahiseve: 1.*, que os consales ingle-
ses esi i sujeitos, tanto jurisdictSoci-
vil, como jurisdicfSo criminal dis *ulo-
i
Abumeleck (o Sr. Coimbra) be o nosso sym-
palhico ; eajeve bem caracterlsado, mas nao
e.irrespondeu em ludo noasa ci|>eclaco. us-
ier e tras c nao moatrou aquelle logo e eulliu-
ilasino de um homcm, que vrrgado ao peso
dos padecinieutos. lutando entre as saudades
da patria e oa tormentos de um amor oceulto,
concentra fin seu coracao suas amarguras, de-
vora em silencio suas lagrimas e s procura
desabafnr sua dor pela recoidscao das delicias
do seu palt He-nos doloroso que o Sr. Coim-
bra nm ili^ce eal nrraalfin Ae n e^no,.-;- p-
rm na iilllina icena do terceiro aclo nos satis-
tes cauplctameiite ; c mesmo exceden nossa
expeetacfc. Quando o povo amotinado gritava
morra o corsario vernielho quando H.
Nuno de Lara contava inevilavelmeote com a
UidVte, Abumeleck pega do ferragolo que o cor-
irio liona largado, env >lve-se uelle, e chegan-
oa janclla grita I
Ei-lo aqu, aou eu o Sr.
Coiinbra ao receber os Uros que llie disprala
da paite de (bra, cabio tiio bem queproduzio-
aos a iiiaij brllajllusao, a aiuda mais quando
!ior enlre as agonas da mbrle fez um novo cs-
ir;o, levanla-se a cusa, e com palavras en-
Uecoriadas pede a D. Nuno a mo desuafilha
par, seu liman Istliacl, c acaba por declarar
que morre satisfeiio, porque inorre pela Inde-
pendencia e llberdade da patria: o Sr. Coim-
bra prolerio estas ultimas palavras que^.'am
seguidas do ultimo suspiro de Abumeleck to
patticamente que una lagrima de ternura
eacapou de nossos olhoa; represeutou eal ace
na. quauto a nos, perfcKamcnle: justos e bem
uiereeidos furam oajSJjUilausos que entao rece-
oeu. cacuproiius-aae as faitas auterlare pelo
dccmpenb dsia ultima acea.
Leonor (n Sra. Joanna) ac nao livesse coininel
(Ido una falta bem sensivel na ultima scena do
-llereeiro acto, teria por aem duviua oblido
,' na couipleU victoria. A,excepco desaa ace-
LADO i


------
TT
_*.-.
<2'
ridides do paiz onde rcsidem a., que ellos
s podem reclamar a proteccflo das leis,
emquanto obedecem 'a ellas, obediencia a
que estSo obrigados como qualquer outro
subdito do aua nacflo.
V-so por corjseguinte, que, segundo o
juio da nacflo, mestra em sujeitos de di-
plomacia edireito das gentes, nem os cn-
sules, nom a sua residencia, podem attri-
buir-se as immuuidades que so sSoconce-
didas aos ministros pblicos, cuja classe
n.lo pertencem.
Nflo podia, portanto, o Sr. Sentis, em qua-
lidade de cnsul francez, eximir-se da dar
cumpri ment aos mandados de urna aolori-
dade civil brasileira, e muito menos desres-
peilaresses mandados, rompendo-os o in-
sultando os agentes incumbidos de Ibes
dar execucflo.
Agora pelo que reapeita ia fuocces do
Sr. Senta, como arrecadador do espolio de
Deaenclos, nada dii o tratado com a Fran-
ca ; ma.uge quizermos cooceder-lhe o rnes-
mo privilegio de que goza m nesti parte os
cnsules inglezes, cumpre que recrranos
ao artigo 3 do tratado com a Inglaterra.
Ahi ae diz o seguinte :
Da mesma sorte (os cnsules) exereita-
rilo o direito de administraren a proprieda -
de dos subditos de sua nacflo que falloce-
rem ab intestado, a beneficio dos legtimos
herdeiros da dita proprie lade, e do credo-
res heranca, tanto quanto o admittirem ai
Itii do paize* respectivos. >
Temos, pois que, o Sr. cnsul da rep-
blica franceza uflo podia prejudicar os di-
reitos do credor brasileiro, que solicitava
garanta judicial nos bens do espolio de
Desenclos
Pelo que respeita aosdireltos do Sr. Lo-
pes como credor de Desenclos, he evidente
quedepoisda morte de Desenclos oSr. Lo-
pes coniinuou a ter os meamos direitos que
tinha contra Desenclos vivo.
Em direito internacional,e com relacflo s
acedes civeis, o estrangeiro p ie ser consi-
derado como autor ou como reo. No caso
presente o estrangeiro, ou quem ajarepre-
sentahe reo. Mas. lanton'um coiaFn'uii-
tro caso, a competencia das autoridades e
a fi o a do processo, se regulan) pelas leis
do paiz, onde a aceflo he propoeta ; e fra
com effeilo absurdo que em um estado in-
dependeate, a orgauisacflo e Competencia
dsa autoridades dapendessem da legislacfio
de outro estado ; do que resulta, que as
formalidades da proposicflo e direccflo de
urna eceflo parante as autoridades, assim
como as regras que estas devem ter em
vistas para proferirem sua decisflo, nflo po-
dem tirar sua sanceflo, senflo da lei do raes-
mo territorio.
Anda essaa formalidades se dividem, se-
gundo a classificaeo admittida pelos mais
celebres escriptores de direito internacio-
nal, em disposices ordinatoria Un, que
dizem respeito a competencia das autori-
dades n forma do procesan, e disposices
decisoria lilis que res jelam ao objecto da
que* Ufo.
Sejam quaes forem asopiniOcs acerca dos
actos decisoria litis, o certo he, que to-
dos os autores eslffo de aecrdo quinto s
djsposicOes ordinatoriie litis, preceituando
que ellas se regulam pelas leis do paiz onde
a aceflo he proposla. E assim ae pratica na
Inglaterra, nos Estados-Unidos e na Alle-
manha, que reconhecem o forum re. forum
contractus, admini'trationis, arresti, rti lita,
ele. etc.
NSo he por conseguinle duvidoso ; pri-
meiro, que aqui em Pernambuco devora u
Sr Lopes propr a sua ac(8o contra o es-
polio de Desenclos, por ser este o foro com-
petente ; segundo, que nSo poda o juizo
denegar o arresto, tanto para garantir a
competencia do foro. senflo como medida
caucionara, vista da natureza movel dos
bens da successSo e da reduceflo de todos
clles a dinheiro.
Mas desde o momento que o direito in-
ternacional adinille o arresto, cumpre re-
eonheeer que o detenlOr dos bensheohri-
gado ao deposito, porque na forma das nos-
as leis nao se pode dar arresto, ou seques
tro sem depositario. B recusando o cnsul,
como detenlor do bens arrestado, a en-
trega destes, esta aujeito legislacfio do
paiz ; porque sUo aelos estes que perteu-
cem i classe dos ordinatoria litis.
A nflo admittir-se a doulrina exposla, a
senlenca da autoridade (icaria sem execu-
c.lo, porque elTeituaodo-se esta por penho-
ra, avalistj.lo, arremalasflo, etc. elCaraS
consol nSo querendo assignar aque
pudendo ser a islo cornpellido, zombaria da
legislacflo do paiz edo preceito judlelanoT
E seria entSo bello, que urna questflo toda
da alfada judiciaria foe tratada, para sua
execueflo, pelo? meips diplomticos.
A achilo do Sr. Lopes vai proseguindo, e
se tivermos de executar a senteocs, no caso
de ser-lbe favoravel, veremos se o seu pa-
gamento se elTeituar pelas reclamaces de
governo a governo.
Dizem-me, que contesta-s o meio da en-
n impacflo ; mas appollo para os pralicos do
fdro. .
Do que Tica exposto segue-se que a ac-
eito do Sr. Lopos foi regularmente propos-
ta ; que o arresto foi feito segundo a legis-
larlo do paiz ; que o Sr. cnsul nSo podia
pretextnr mmuoidades e muito menos des-
autonsar o juizo ; o que o Sr. Dr. juiz do
civel.da segunda vara obrou muito regular-
mente, e sua conducta he digna de elogio.
Desdo o momento que o Sr cnsul menos-
respeitara o acto judiciario, o Sr. juiz de
vera fazer-se acatar.
Eis, Srs. redactores, aminha optniflo na
queslSo vertente. Felizmente, o Exm. Sr.
(residente respondeu devidamente s exi-
gencias impertinentes, do Sr. cnsul.
Dr. titanio Vicente do Nascimento Feitosa
VARIEDAD!.
, A RELIGIAO' DE CARLAMBROGIO.
{Continuaco do n. 1SS.)
Antes de todo cumpre saibais, que meu
pai me educara como bom christflo, temen-
te a Dos, e que tendo a principio como ja
vos disse algn intento de fazer-me padre,
para ter um reverendo na familia, nflo se
limitara s imples inslruccfies religiosas,
que commummente receben) os rapazes.-tnas
com a assistencia do nosso bom cura, Gze-
ra- me aprender um pouco mais as mximas,
da fe. Quera que todos os domingos eu
Ihe repetase em casa o qie tinha ouvido na
igreja, de maneira que em pouco tempu
choguei nflo s a responder sobre tolos os
pontos na escola da doutrina christla, senflo
de poder eu mesmo servir de mestre na clas-
se inaior.
Avezado desde criante s praticas da re-
ligiflo, o tendo cometa do a esludar os seus
preceitosem urna ida Je, em que anda se
nflo reflecte muito, e mais trabalha a me-
moria que a rasflo, decorei o calhecismo, e
as orajes, como outra .qualquer licilo.
fessar que a minha piedade mais era um
habito, urna usanea, urna rotina, do que um
profundo sentimento.
Nflo obstante isto, essa instruecto, esse
habito nflo me fram inuteis e vflos. Ten
do-me resolvido a meltiorar a mim mesmo
adquirindo algumas virtudes, e combaten-
do certas inclinaces ms ; e rellectiniln
por urna parle, que'ceflas virtudes planu-
das de fresco em meu coraeflo oppunham-
se a crescar, e por outra que certas baldas,
certas paxOesIohas enraizadas, resisliam a
todo o esforz para estirpe-las; e a maueira
da grama, toruavam a arrubeotar em mim
de um lado, apenas as havia arrancado de
outro; perceb, que nflo me bastavam as
proprias frcas para sabir vencedor dess
contraste, perguntando a mim mesmo, on-
de poderia eu encontrar urna assistencia
maia poderosa.
Quando me faziam esta pergunla, senta-
me quasi desanimado ; mas os meua ollios
me deram a reiposta, logo qua os v'olvi ao
co. Entflo pareceu-me que um raio des-
oa do alto sobr'a minh alrna, e repenti-
namente a illuminava. Sim, exclame! : ali
em cima est a verdadeira frca. S Dos
a dispensa ; s na religiflo pode um christflo
enconlra-la. SmeRle com esta fresche-
ga -se a domar os inimigos, e a trumphar o
iioinem de si mesmo.
Entflo todo o passado de sbito se me an-
toliiou ao penaamento, e vi-o cercado de
una nova luz. Ao recorflar-me o que em
rapaz aprender, maravilhava-ae de nunca
o ter comprehendido bem, de nflo ter visto
ludo oque agora de um jacto descobri.de
haver levado tanta fneza e negligencia
mquolles actos religiosos, que alitceniam a
vi Ja d'alm. A' medida que na mente per-
corria por todas estas cousis, cada vez mais
su illuminava o meu espirite, c enchia-se-
me o eoraeo de utia commncjlo, que posso
verJadeiraiiicnte chamar santa.; parecendo-
me, que so naquello momento tinha apren-
dido a conliucer a lieos. Penetrado e com-
pugin lo, os meus passos levaram-me quasi
oiii sentir igreja : entret'nella, prosle-
me por ierra, e pela printeira vez dirigan
Senhor supplcas, e agrad.cimentos vera-
detraibeiile sentidos.
DesJe.esse dia, charos amigpi, a minha
pieiaiie uo foi mais um na tuto friu e v.io :
nem orecouliecimeulo, o pasno, o amor ha-
ran entrado om meu coraeflo : tinha euj II-
nlmente coinpreneu lulo essa sublime re i-
gifln, funte eterna da verdadeira frr;a, das
mlis preciosas esperanzas, das consol a (Oes
mais suaves. Entflo com todas as mais dis
posigoes preenchi os deverea.de piedade: j
nflo conduzia s o corpo 'maqinalmenle a
igreja ; nflo eia a minha bocea suientr,
ijueenloava os louvores do Senhor, ou que
murmurava distrah la orac<3es, j nflo era
s nos ouvidos, que me soava a palavra de
Cumpria as ilevocOes, como fana a respeito
le qualquer outra obrgai2o: nflo faltava a
lenhum dever dechristflo; mas devo con-lelerno ; e os laco< que o Senhor santifleou
Dos; senflo que toda a minh'alma sents,
orava e glorificara.
Daad'esse momento outro sim nunet mais
no faltn frca para lutar contra as minhas
oaixes.eprogredir no caminho do bem. Se
nflo aprouvera Dos, que neste me adiantas-
se, quanto eu desejava, dovo todava agra-
decer-lhe o baver-me (ustentado, toda vez
que implorei o seu auxilio, e ter-me ajtida-
do a torntr-me menos indigno da sua bon-
dade.
Grande he este beneficio, meas amigos;
mas nflo be o nico, que colhi no gremio
da religtflo. Cheto da grandeza de Dos,
reconheci a cada passo ot seus vestigio, e
testemunhos : sublime contemplacflo, pela
qual toda a naturaza a meus olhos se afor-
ino-eou Desd'o carvalho secular at a er-
vinha nasclda ntquells manhfla, desd'o bol
vigoroso, que ara os nossos campos, at o
pobre vermezinho.que 'esconde debaixo
musgo.detd'a'guia.que se remonta aoi
atea abelha, que zuna sobre o timo;
sussurro das ondas do mar at o brindo
murmurio do regato ; desd'os astros que
scintlllam no firmamento, nl o perlampo
que sola um fraco lampejo as sombras da
noite, tudoeu via accorde em glorificar o
Senhor, em altestar seu poder e sabedoria ;
e o meu coraeflo unio-sc deliciosamente a
esse liymno de amor, a esse perpetuo con-
cert de louvores, que todas as creaturas de
continuo olTarecem ao sea Creador '
No meio porm desse xtasi de bemaven-
turanga Deosquer certamente provar-me, e
le mimrequer aquel le tributo de afflices,
que todos devenios pagar. Kaleceu meu
pai, exeellente home.n! A sua longa e do-
lorosa enfermidade, durante a qual nflo se
Ihe ouvio urna s quelxa, deu-me vera
conflanca em Daos quanta paciencia inspira
ao justo para soffror, quinta esperance e re-
signaeflo para morrer. A sua perita que foi
a minha prmeira desgrac, tamban me en-
sinou, que ha certlt dores, que s a reli-
Kiao piie mitigar. Ah como sapportare-
mos a morte do que nos he mais charo, se-
nflo pMessemos dizerTornaremos a viver
.ni um mundo melhor? .'Consoladora es-
ieranca! Sim o dearadelro aafeos.nBo be
COHIAERCIO.
ALrAlfDECA.
lirinilimentododja 2t.....9:197,4*9
Descorre a am$tit 93 de agosto.
arca -- WiUiam-Rumll mercidorias.
Brigue. ^m--idem.
CONSULADO CF.IIAL.
Rendimento do dia 31.....
Diversas provincias......
1:953,153
95,430
na,que adianle iiiencloiiarrinoi.rin ludy uju-
ma nos aatisfea completa ni en te, sobre ledo nas
scenat de loUcura: sua voz quando cancouaen-
i.id.' uas ruinas do enligo templo, onde resid.i
a pobre Leonor, locou-nos vivamente, pareceu-
niis anda maia aouora e doce, do que a de Isa-
bel dos doua renegados,tiio sentimental ae mos-
trou em sua loucuraoue vimos deslisarem iip.
las engracadas laces de inuila tenberas, lagri-
mas de sentimento ,- seniimento de que eslava
aSra. Joamia povsuida e que aecolhinunicava
aos ciiracfleadaa eapeclodoras,- e de cerlo cata
i liiso agradavel nao morreria, ae a Sra. Jaau-
na no fin do terceiro acto, i|uaodagaiMMibe-
ceu no cortarlo vermelno-seu espostf^P. filuno
de Lara. c logo sua lillia Ignez, conaervaiae .i
iit'iui lugu, u mesuio cutliusiaaino que uios-
ir. u desde o prologo ; mas nao eafrioiaXoiupte-
laiuenlc : nao pareceu a esposa que Unto ama-
va a aeu marido, apeai dos seui despresos,
nao fot a esposa ettremosa que perdeu a rasflo^ ifueceinos de todo o gorduxo
por se ver abandonada daquelle que era o cen-
tro nico do aeu amor verdadeiro; foi esta a
nica falla que notamos na Sra. Joanua, e pe-
d nios-llie cheios de etperaata que aliendeodo
ao qne agora Ibe dizemos para a repriieo nos
d lugar de nos desdiaermot, porque sempre
que assistlmota um ciprctacuto nu ilieatro de
.Santa Isabel, temos una nova ocuasUu de ad-
mirara Sra. Joann'.
Igoez (a Sra. Kutlliaj quasi Jm'Jado o drama
etlevecaiO i!uri iimm, aintarque sempre
al .cuco Utflt i-iu.,ai, iia que aempre
leva o aeu papel liein estudado, ueata uolte fez
boro com os vadios, e quasi nada sabia delle ;
eremos que foi este o motivo da sua desanima-
i,,io, e de nos fazer perder toda a illuto que
no. causn a bella etber: todava utna sceua
Iiouve ciu que sos enebeu de prazer e mesiuo
le enthusiasuao : ful no terceiro acto quando
i onve leu seu amante Ismael ao cbi ttiauismo;
iina-se, |iosSue-se, penetrada das verdades
que declarava, inllainou-se tanto que nos nao
pareceu que tiogia. mas que eatava iuspir.ida
do alto, i'edinios-llie que continu firme sem-
pre na ana crenca, e que iiieamo fra da acea
n*o deixe de confundir essa chusma de profa-
nos que imprudente caprichosamente ousam
n*>npsmr n <-::;u-:':" An ,,-t!;i....
Pedro Alfareiro (o .Sr. Sania llosa) nunca o
achatos to ruim. Temos visto maia jrezea o
Sr. -Saula Rota em scena, j em outras occa-
i'ic o temos apreciado, |nai> iietta noite pare
ceu-uos que eslava uos seus instantes de infesj
la: eujoou-iiaicoiupielanieuic com tan
lar* lioforcadas caretas que fez, orcuina que
para o Sr. Santa l'.osa tallar nao he preciso l-
ser tantas careta, para a platea: so urna cousa
Ibe achantes sotfrivel. e foi o seutremor na oc-
caaio ciu que despejara vluho a vas do Sla^
laie>la, em ludo in.in esteve insuftorlavel,
neste vale de lagrima, nflo se quebram para
todo sempre. BF
Niquello lempo anda me tinham (loado
na ment alguns vestigios .las fbulas, em
que me haviatn embalado na puericia pes-
soas indiscretas e ignrenles. Sem erar
precisamente nas aaparicoes dos morbos e
nos me los, eu de ahilo nflo estafa sent
de certa disposieflo supersticiosa, que em
mim se despertoulpeloabalo que entflo sof-
freu a minha sensibililede. Essa impres-
sflo em vez de inspirar-me terror, fazia-se-
nio agradavel, e desejra que a sombra de
meu pai me pparecese ; pois nada devia
temer da sua apparicflo. Urna noite peguei
no somno com a imaginacilo cheia dessas
i leas, e abnndo os olhos ao clarflo da la,
pareceu-me ver a imagen) de meu pai en-
volta em um lencol branco, e encostada
minha cami. Krgui-me, soltando um grito
le alegra; mas apenas me puz em p,nada
mais vi ; e convenci-me que ora urna illu-
8o dos meus sentidos; e pondo-me de joe-
Ihos junto o meu leito, exclamei
O' Deot, perdoa-me um deaejo e ama
esperanca irrell&iosa. Nflo : um'alma, de-
pois que Itorr.i > teu seio, nflo se desta-
ca pura esta twra de miserias. Cabe-nos
terminar o nosso desterro, e nos ajuntar-
tio a ti e aos que nos del xa ra ai, Senhor,
nenhum horaem be dado penetrar por
via dos sentidos em os arcanos da outra vi-
da, nenhum pode 1er no futuro, nem con-
jurar os espii los, ou os elementos ; porque
s tu, meu Dos, e meu Senhor, abracas o
lempo, e o espseo ; s tu mandas ludo, s a
ti pertetice o poder sobrenatural. A tua bon-
dade uos ha ensillado lulo quanto de
Crer ; e nflo ha outra verdade senflo a.dTlua
divina palavra. Assim acabei de aclarar
e consolidar a minha rasflo contra.os prejui-
*os do medo, dos sonhos, e das rsOes : e
dest'arlea religflo dissipoe df meu espiri-
to alea .sombra da supersticflo; porque es
Si que s viva de erros e terrores, pJe li-
ar de pare iris com a religflo, que he tola
esperanca e venia Jo. S o impo e o malva-
do tremooi continuamente, e vem por toda
a parte meacadores portentos, ou procu-
ran) o refugio em creocas insensatas, o
bom.'ni piadoso e justo nflo pe a sua f,
senflo om Daos, e s delle espera .os au-
xilios.
EXPORTAQAO.
Dispmekos martimos no dia 91
Genova, brigue italiano Daino, de 177 to-
neladas : conJuz o seguinte: 9,809 saceos
com 14,010 arrobas de assucar e 55 quintaes
de ferro velho.
Liverpool pela Parahiba, barca inglesa
Either-Ann. de 344 toneladas : conduz o se-
guinte : 600 saceas com 3,997 arrobas e 3
libraa de algodflo, 1 gamflo encapado, 1 ocu-
lo usado, 1 gigo e 1 cesto louca, t machi-
as de engommar, 1 fardinho fazendas e 1
caixa flores.
KECEBEDORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rendimento do dia 91...... 164,908
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 91......489,583
??ovimento
do lorHj..
le mitrado no dia 91.
New-York por Barbadas 54 dias e do ul-
timo porto 39. vapor americano Comodore-
Prebble, d 351 toneladas, capitSo C. B-
blard, equlpuan 94, em lastro ; aiteane
Youleft Compsiihia. Conduz 15 passa-
goJJBBVQfiBbwm para California.
^"fta^Kmm mimo dia.
Rio -de-Janeiro pela Babia Vapor de guer-
ra nacional Aconto, eommandante o ca-
nitflo de fragata Jesuino Lameg
Conduz o quarto bal
O quinto *B CHssssssssss!
Ass pela illU'd.
nal ripiritO'San
Rapos
passageTros,
Ferr ira com
toda Snl'Ann.
Araujo com jk^^^^^^^^^H
vier da Silva e Ant

tn l criado, ,
kita:
s.
(Continuarle-ka )
r
Kcpirlitjo da pulici'
l'AUTK DO DIA 91 DE AGOSTO HE 1850
Ki-.iin preso': ordem do sub lelegado
di fregueiia de'S.-Frei-Pedro Concalvos do
R 'Cife, o escravo Daimflo, por tentar con Ira
sua senhnra : e do subrtelega.lo da fre-
guezia da Bfli-Visla, oecrao"Miguel, por
Arlo. ,_
carecreiro da loquisicao.
Ot outros que llveram
eio nos nao merec
como he que laieft aque
eiaT amigo o 3|fCbra *
Jie.la nuite VVi
fatajpio justic
Julos que o S
isiaiiros ootfve
drunalito t lyrieo'.'.'.
vi moa a sua voi. q
agradavel, ineiodi
llora, vibrante, pe
ladra, parallepi,
queiio a bauda, q
^^^Ha acentos, i
i Sr. Cabial I II
iao treineu com
com ut ..I10^^H
tigos bardos diveHasno
o peniHkle
repretenta-
lltao. Oh! -i-
< nosso espe-
to nos agraieu
ral, como" Ibe
anas, peraua-
(Mm agora
po : he artilla
ntou bonita: ou-
Une, doce,
i, gonoM, as-4
(ada, encari-
Mcanius dr
oiaeus iiar-
aargaou. que
la argntea!
neui pis-
um detses an-
as trovas aoi rl-
BB>BS>^MlSJS>aSji
coa honieni da lempos feudaea. Continuamos
a pedir ao Sr. Germano, que para nao termos o
deso.io de notar defeito* ao insigne cantor, o
faca representar nos dramas sempre sentado,
uu ento cantando
Notamos ein cada um dos acloret aa fallas
que podemos deicobrir, agora notaremos como
Quasi todos nao labiain ns leus papis, e i ei-
cepeo de D. [tuno, Leonor e M.ilatesta o de-
iHais uhiain c enlravam pelos bastidor que
repres. utavan as paredes das salas, e bem se
v que nao he mu i lo ou nada salisfatorio para
us ilouos da casa ver as pesioai que os vein pro.
eurararroinli.il as paredes de suas casas, quan-
do ba portas para entradas eSahida: o tercei-
ro acto f.n de algtuna sorle allnhavado ; D. Fer-
nando sahio antes de tes", e Malatesla ratar-
muito a sua lalifata : seria para contratar
rom I). Fernando ? Nfp o eremos : descuido
foi por certo do contra-regra alejrt disto
Iiouve pouco rumor do povo dentro dos baste-
dore, e vmioi que o Sr. Germano, finglndo ir
observar os amotinados, sahio una vez da sce-
na, cntao onheeenios que loi advenir eita
falta, porque nao tahto pela porta, pene-
trou irMauieiipel.1 parede. Estamos ccrioi que
ipara outra^ve/ se nao bao da reprodiulr estas
faltas. Somos iulurmadosque todas ellas fram
oceasionada pelos poucos ensaios que hoiive-
ram, j por ritarem doentes alguns actores,J
por taita de lempo, e J, lioalnienle, pelo gran-
de iraialiio que pesa sobre o Sr. liermano; inc-
reeem, portanto, toda a Indulgencia.
Fiudou o espectculo cora a comedia ein um
acto Ingles naqninsmtn eompoilcio do r.
Feona ; a sua execuco foi in, soiueutc o In-
gie o or. Kayiuiiudo ) noi agradou, eslava
muito bem oaracterisado, e posto que apparc-
cesse com cabellos ruivos, e tuinas pretas, nao
O lllm. Sr. inspector da llieeouraria da
fazenda provincial,em cumprimento da or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia de
5 do correle, manda fazer publico, quo
D lidias 20, Ste 9i do mesmo-mez, ir a
praca, perante otribunal administrativo da
mesma theaouraria. para ser arrematado,
a quem por menos lizer, duas bombis de pe-
Ira e cal na estrida do sul, avahada em rs.
I.'188,000, e sb ss clausula* especse abai-
xo declaradas.
As pessoas que se propozerem s esta ar-
remataeflo comparecam na sala das sesses
do mesmo sobredito tribunal, nos diss ci-
ma mencionados, pelo meio-dia, competen-
temente habilitados, na forma de artigo 94
Jo regulameulo da 7 de maio do correte
auno.
E para constar se mandou atusar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
f Secretaria da Ihesouraria da fazenda pro-
Incial de Pernambuco, 7 de agosto de 1850.
-- O secretario. Antonio Ferreira d'Annun-
r.iaco.
Clausulas tspeeiaes d'arrematando.
% 1 Os trabalhos para a construceflo de
las bombas nos lugares de Po-Secco e
Xexo, serflo feilos pela forma e sb as con-
dices indicadas no orcameuto apreaentado
ao Exm presidente da provincia, pelo pro-
co de 1:188,000 rs.
a 9.' Aa obras principiarfio no esparo de
un mez, e acabarlo no de seis mezes, am-
bos contados eyj) conformidade do artigo 30
capitulo 3.* do regulamento de 7 de malo
de 1850.
3* O pagamento do importe da arre-
mUcSo ser feito como determina o artigo
ggdocapilulo'al* do mesmo regulamenjo.
4.a Para ludo quejiflo est determina-
do nas prcsentesclauswas seguir se-ba in
telramenle o qae dispOe o mencionado re
gulamento. llepartiQflo das obras publicas,
8 de julho de 1850. O ajudanle de engo-
nheiros, Manoel Lourenp de Malioi. Appro-
vaifas pela directora em conselho no dia dt
de julho de 1850. O director, Jos Nasned
Atnes Ferreira. O eogenhelro, Jodi Luis
Vctor l.ieuthier. H. A. Milet, engenhelro
chee da terceira leccBo. --. Approvo. Pa-
lacio do govornn de Pernambuco, 5 de agos-
to d 18p. Souna Ramos. Conforme. -
W pfllcial-mair, Manoel Ctementno Carne tro
m
daCunha. Conforme.-0 secretario, An-
tonio Ferreira d'Annunciacdo. s
0 lllm, Sr. inspector da Ihesouraria da
fazenda provincial, em cumprimento da or-
dem da presidencia de 93 do corrente, man-
da fazer publico, que nos dlsg 90,21 e 92 do
prximo futuro mez, Ir praca, parante o
tribunal administrativo da mesms Ihesoura-
ria, para sor arrematado, a quempor menos
lizer, o 13 lenco da estrada do Pao-d'Alho,
avallado em 16:908,109 rs. e b as clausu-
las especiaos abaxn declaradas.
Os licitantes que se propozerem dita ar-
, rematteflo comparecam na sala das sesses
" do mesmo tribunal Sos das aeima indica-
dos, pelo meio-dia.com seus fiadores, com-
petentemente habilitados.
Secretsra da ihesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 30 de julho de 1850.
No impedimento do secretario, o segun-
do esrripturario, Franclieo Antonio Cavat-
canti Cousssir.
Clausulas especian dm arrematacit.
1 Os trabalhos e obras deste lenco de
estrada serflo feitos pela forma sb as con-
digOes, e do modo indicado no ornamento,
planta e perfil, e mais riscos approvados pe-
la directora em conselho, e apresentado ao
Exm. presidente pelo preco de 16:908,109 rs.
a 9.' As obras principiarlo no piafo de
um mez, e serflo acabadas no de quinze me-
zes, ambos contados da entrega do termo da
arremata ;3o.
8.' Em lodosos pontos onde a estrada
aova coincide ou encontra-se coro o cami-
nho actual, deveri aer dirigido o servico de
SI modo que haja sempre um transito fa-
I, ou na estrada nova on no caminho.
*. O pagamento do importe da arre-
matado ser feito em quatro prestaces re-
gulares, como o marca o artigo 38 capitulo
3.* de regulamento de 7 de maio de 1850.
5 Para ludo que nflo est determina-
do nas presentes clausulas seguir-se-ha o
que dispe o^recitido regulamento de 7 de.
maio.
Recfe, 19 de julho ajo 1850. -- 0 enge-
ebefe da segunda seceflo, Joii LuU
\p,irovadas peladireclo-
a 15 do julho de 185.
Alvet Ferreira, director.
Jeao mls f'iclor Ueulkitr.
^^^^^^Bbverno Pernam-
^^^^Ht*50. -- Souta Ramo*.
M* Leite de Pinho.
di ment do secretario,
rio, Frondio Antonio
Cavateunti Couiseiro. a
lllm. Sr. inspector da Ihesouraria da
Meada pro cumprimento da re-
^Batrativo da 8 do
la fazer publico, que nos dias
o mesmo mes, peranle o mesmo
ribunal, se ba de arrematar, a quem por
lenes lizer, o fornecimenlo dos medica-
lente* e ulensis para a enfermara da ca-
nela desla cidade, pelo lempo que decor-
rer do dia da arremalaco a 30jde junho de
1851.
As pesaoas que te propozerem a esta ar-
rematado comparecam na sala das sesses
do sobredito tribunal, nos dias cima indi-
cados, pelo aaeio-dia, competentemente ha-
bilitadas, qtjeahl acnarJo o formulario e
condictateda arremata(Bo.
E, para constar, a mandou afiliar pr-
senle e puWi*r pelo Diario.
Secretaria da ihesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 19 de agosto de
1850.--O secretario, aioitmie 'errarad'^a-
nuneiaeso.
Pela oapeetor da aKandega sefiz pu-
blico que no dis 93 do corrale se ha de ar-
rematar em basta publica porta da mesma
reparlicflo 133 barricas com oal vindaa de
Genova na barca Batuta, e no brigue Daino,
a abondonadaa pelos resqcctivos consigna-
tarios Olveira Irmlosi C., sendo a arre-
matarlo vie de direitos.
AKandega do Pernambuco, 18 de agosto
de 1850. t) inspector interino, Denlo ot
Fernanda Barros.
I'ela Inspectora da alfandega ae faz pu-
blico que ao da W do correuie.se liao de arre-
matar em hasta publica porta da mesma de-
pois d meio dia, tres peces e dou relalhos
do chita com 68 varas no valor de 37,400 rs.
tres pecas de panno de algodflo liso azul
coa 61 varat 00 valor o. 141,915 xa. ;
cinco p?ces de morim fino com averia com
139 varas no valor de 35,350 rs. ; todo per-
tencente a galera americana Frnklim nao-
fra gada na praia de Carapib, sendo a arre-
Inaiacflo livrede direitos.
Alfandega de Pernambuco, 21 de agosto
je 1850.O inspector Iqterino, -
Fernanda Horro*,
- De ordem de S. F.xc. o Sr. presidente da
provincia,o Sr. director do lyceu manda por
a concurso as substituidas dascadeiras de
laiimedephilosoflliif do mesno lyceu, e
bem assim a substltuiclo de prmeiras let-
M
Julgamei ter lito defeito, pode inulto acontecer
qne aisiin as liveise o lugle, vlslo que os que
naicem na Inglaterra, nio esta o Isentos deitei
caprichos da naturea, com que ella moatra a
varledade de auaiproduocoet. Aqu mesmo no
Recife conheceinos nos alguns hoineui com ca-
bellos negros, a auisat da cor de casca de co-
co aciiu, um icuius riato com caueiios ruivos,
e aobrancclhai pretal ; ser com ludo bom que
Sr. Ilayinuude, quando apparecer segunda
vez ein icena no carcter de Inglez, traga sula-
aaa iguaet aoi cabellos da cabeca.
NSo concluiremos sem dar, como nos cun
pre. os elogios bem merecidos ao Sr. Ilajinuu-
ito Jos de Araujo, mestre do guarda-roupa do
tbeatro, pelo selo c bom gosto com que djgaein-
peulia ai arduas obrigaertet det>e laborin
cargo. FeliclUmos ao Sr. Germano pela mu
Uem acertada eicolha que fez deue artista, qne
leiu apresentado ao publica, pa vestimentas
Jos actor, pericia, carcter e riqueza. am-
bara merece os nossos obieqoiot o Sr. I'heo-
du.ro Oresles, director da orebestra i muito sum
lera agradado, no s pela esculla das pecas
como pela tua esecucn, e em a noite de 14 nos
encantou lobre nianclra com o ui-Jrm!
Km Junho do auno prximo panado, lmoi no
Oitrio de Pernambuco, l no serlao onde uos
achavainos, muitoi elogios a um tal Mr. Moe-
lilando-noi os cobret, muito se fallava no al-
Jeiui! da sua rabeca, nunca podmot aaber o
que ialo era: ai-Jeiut de rabeca? di Jamos
mis, o quesera? Fouios esclarecido! pelo Sr
Theodoio, que oloenu tan bem que nos pare-
ceu, no o lom saccado das cerdas de utna ra-
beca. mal a voz dotorota de atguem que ge-
ma ; podemos dlzer, iem estarmoi em erro,
|ue o rabequista da europa nunca poder oes-
la parte exceder ao artista Peroambucaao. Re-
Bento o*4
JJeclttrufdee.
ceba o ir. Theudoro eate iuccro tributa da
noisa admlraco.
O candielro, no fin doprimelro acto, j es-
lava quasi todo apagado : iiiforwam-uns que
nao he falla de elo do.isBalre cauca, e alan
defeito do inclino caodieiro: concedemos;
mas porque se apagain os dos corredores ? se-
ta m*mwiii |wi WW.ihj.Ci..'.. My >.C p-T
que mestre Joo csala est couitantementc
na entrada do theatro a uramellar com o ga-
rotos, c nao ie Importa que andemos a cabe-
cada l por cima.
J dio viraos toldadaa de polica sentados
pelas escada, e multo agradecemos ao Sr. de-
legado as providencial que deu paran; acabar
com este escndalo, mas vcmoi coma anda
pelor ; nrgroa escravos ein mangas de canilla
a dormir por enat inesinas escadas, e uo aa-
bemos para que lim se poilain lenlinellai pe-
los camarotes se nao he para prevenir tea e
Otros lacios. Chamairioa a 311(0930 do Sra.
eetoinandaiiles da guarda do thealro para que
deiu auas rdeos, alim de ac acabar cora cite
abuso, anda mullo mais repreheuivel do que
I que pratlcavam ps leus soldados.
Continua anda a inicrlpcio das bengalas.
Pedimos leguuda vea em nume do publico ao
Sr.Germano, ,, r -u de parleesM rita mal
entendida d HcaderV'J"* fsi nie emendar
mu errode onlreni, e qe multo depde coo-
tra o Uiealro, aeja quera querque fr o leu au-
tor : nao, meu rico Sr., deitrua essa vergouba,
d o quinao a quem trrou.
uiitii Ann


T?"

i
'
'

tria do no Cemnino desta cidade, e na or-
den ssguinte : de latim cotn o prazo do
30 dia*. da philosophia cora o de 50 a a da
primeirss letlraa com o de 60 : todos conta-
dos Ja data deste. Adverle-se, qe ooppor
sitor a subgtituicSode Istim tem de arexa-
minado lambem eni lingoa nacional,.a o
substituirle, de philusoptiia igualmente em
arithmetiea, algebra, geometra e trigono-
metra. Secretarla do lyceu, 19 de agosto
de 1850. anuario Alexandrino da Silva Ra-
helio Caneca, profossor de desenlio e secre-
tario.
Pela segunda seceso do consulado pro-
vincial annuncia-se aos ievedores do im-
posto de SO por cenlo sobra ocousomo d'a-
fio'ardente, queo mesmo aeaclia a cobrar,
sobra a base de 400 rs. por caada, na for-
ma da decisSo do Esm. presidente da pro-
vincia ao recurso que liavia a semelbante
respeito.
A administracSo dacompanhia de Be-
beribe sa reunir no da 94 .do correte para
contratar com quem niaisder, a raelbores
gsrntias offerecer, a arrecadaefio da laxa
nos chafamos e bicas do encanainento por
um anno. a comecar do primeiro deselem-
bro. Os pretendeotes comparecim no es-
criptorlo dacompanhia, 'pelas 10 horas da
nianhfis do referido da.
Thcalro de 8. Isabel.
Em consfqnencia de se acharem doeotes
alguns artistas, deixa de haver espectculo
e, logo que estiverem restablecidos, ae fa-
rSo os competentes annuncios.
Theatro de 8.-francisco.
Grande galera ptica.
O director fr ver ao respaitavel pobiieo,
que no pode ser hoja 82, o (lia da abertura
portar anda oque fazer por aate motivo,
(ica transferida para o dia do priaaeiro n-
nuacio que nest* ful ha sabir, jfc _
PublicaeolitieraHa.
Leilao de m=tnteig francezi.
Terja-faira, 27 do crrante, se'far leilflo
de tobarris e 60 meios do manteiga, de-
fronte da porta da AlfanJega, (as 10 horas)
em lotes da 2 barra a tres meios t roga-sc
aos prelendenles que D(so cs.|uecaiii de
apparecor.
nmmmmmmmmmmtm
Avisos diversos.
Acaba de chegar de Lisboa o excellente
romance
Ohristina de Slainville
Os effeitos da boa ort m educacao:
Este romance mereeajs) tanta aceitacSo
naqnella cidade, que icos dias
trahtrsm o melhordemil e
de-se a 2 000 rs. os dous ve liimes, na livra-
ria da Independencia, ni
nai
Avisos
timos.
Manoel Alves Guerra embarca para o
Kio-CrandedoSul osseus escravos Deside-
ria de nacSo Calabar e Jacob de nicSo Nago.
Preoisa-se de um menino com princi-
pio de pharmacis.ou em ella : no Aterro-
ds-Bua-Vista, botica p. 76.
Aluga-se o sobradinho o. 100 da ra Im
perial, a toja tem srmscSo e alguna uteosis
de venda que se rendem : trata-se defronte
da raesma, n. 167.
- Quem precisar de um moco portuguez
para caixeiro de urna boa venJa, do que
tem bastante pratica, dirija-so a Fra-de-
Portas, n. 143, a fallar com o mesmo.
Tolas as pessoas quo ti ver tn penhores
em poder da viuva de llerculano Jos da
Frailas, queiram, no prazo dequinze diaa
da data desle, os vir tirar, na roa do Ho-
zirio estreita, n. 31 ; do contrario, serfio
vendidos para se pagar do principal ejuros
|"que estilo devando. Kpera^ua se d9o cha-
mem a ignorancia faz-seo prsenle. Hecife,
21 de agosto de 1850.
~ Alug-se urna grande casa a sitio que
rai al Ario, na potOicSo do Monteiro : a"
tratar na ra da Cadeia do Recife, n. 55, com
Joflo Jos de Carvalho Moraes.
Aluga-se o quarto andar e sotlo da ca-
sa de Francisco Alves da Cunda, ni rus du
8rum, com com modas para familia, mullo
liom repartido, ultiiimtiiente edilicado a
pintido,*bem como os dou* srmazons da
mesma casa, com fundos para a mar pe-
quea, proprio para um grande armazem
de assucar: a tratar na ra,' do Vigario,
...11.
Joflo Ja Costa Uanginclo, sus mulher
Barnard de Jess, e seus fillios meoorea]
Anua, Therasa e Jos, subdito* portuguezes,
reliram-se para Mossamede
-- Miitira-se pai .'.' !> imperio o subli-
to poi
^^^K dous
penhoradoaa J Inocencio Pogge,
por iv o. a ive Julo sloreir*
IO jUIZ, li
lia 23
reara de Almeija. subdito por-
tuguez, retira-se para fon da imperio, le-
vandoemsua companhii Mu cria lorise
Mara deSouza.
^H^Hdaciorer. lando alguna ami-
gos meus declrado-me, que siguen procu
prejudicar a minha r.planlo, atacar a
minha p.;ssoa para com sinistro flm.'iitenh
que da i a andar tranquillo em ronscieu-
eia porque tflo calumniusi era a imputado,
que minha vida toda pacifica, meus actos
regulares, man theot de proceder e genero
de ida aJopUdo, bastsvam para repellir
urna imputacSo, destituida da fundamen-
to e (oda indigna. Observando, porm,
que liavia plano de fazer circular boato
prejudicial, entend que nSo devia deixar
pasaa-lo desapercebido, e declarar que re'
preaonlar, nomo procurador de meus pas,
para com a caca de nuu primo Jos Candi-
do de Barros ; nSo he motivo para se for-
mar cancilos e propalar idelas prejudiciaes,
pola o uso de um direilo, nSo se po Je p'ro-
curar impedir com artificios; e quena
qualidado de prente e color, como pro-
curador de meus pas tenho tu Jo o interese,'
nSo s pela vida, como pela fortuna e bem
eslsr do Sr. Jos CanJido de Barros.
I'or asta minha franca e leal declararlo,
pelo meu theor de proceder em toda a vida)
avalie e julgue o publico, e me satisfice
rom seu juizo imparcial; e por isso, rogo-
llies, souliores redactores, queiram publicar
no seu urnal estas poucas lionas, palo que
I he SBieiobrigado. -'
V. F. Tavartt,
Precisa-sa de um socio queentre pa-
ra um nrgocio, com a quintil de 400,000
a 500,000 rs. cujo negocio nSo desagradara
a quem o lizer, pois a'vista faz f
eseu cralo, Joaquim Concalves

rianns
Viein.
Alerro-d--Boa-Vist;i, n. a6.
Madams Quontio, n oclista francezs, che-
gsda ltimamente de Pars, tem a honca de
visar as elegantes senboras desta cidade,
que ella posaueum variado sorlimento de
objectos de gosto, os msis modernos para
senhora, e fabrica com especialidade e per-
feicflo chapeos segundo a ultima moda; e
para qualquer destes fins, podo ser procu-
rada desde as 10 horas da manhfla ateas 8
da noite dos das uteis, na casa a cima dita.
Precisa-se de dous iprendizos de sapa-
loiro,forros, e que enlendam algumaeou-
sa doollicio : na ra doa Cocidos, n. 2, ca-
sa de um sapateiro francoz,
Precisa-so lugar um sobrado de um
ndar, com commodos para grande familia,
e as seguintes ras : Direita, Terco, Nova,
QueimaJo, Cruzese Cadeia de S.-Antonio :
quem Uver annuncie.
Nanoel Jos Itodrlgues retira-se para
Mossamede, com sua mulher e tres filhos
menores.
--Joaquim Pereira da Silva deixou de ser
caixeiro, desde odia 21 de agosto do cor-
rente anno, dos Srs. Fragozo & Lima, de
que So procuradores do estabeleciment
doSr. Manoel Joaquim Goncalves e Silva.
Offerece-seuma crioula para ama de
casi da portas a dentro, a qual sabe lavar,
eogommar, cozinhar, e faz todo o maia
ervico: no beceo dos Ferreiros, n 6, na
Boa-Vista.
-Aluga-se a casa da ra Imperial, n.
104,tk commodos para grande familia :
na ra Augusta, n. 23.
Antonio. Pereira da Fnnseca, sua se-
oliorae filhos menprese reliram-se para
Mossamedes. .
-Foi pegado um urub rei: quem for
sea don, dando os signaes cortos, Irle ser
entregue : nrrua do Cotovello, n. 5*.
*ff?ffffffWlffffff* "compensado.
! Paulo Gaigoouv, dentista francez, J ~ U f nenrique Jos Brai-
oerde Souea nangel e TristSo
Francisco Torres, aquelle everi-
vo de Pao -do- k I lio, eeste apun-
tador de urna das estradas novas,
DSo-se 500,000 rs. a premio de 2 por
cento ao moz, sobre penhores de ouro : no
pateo do Carmo, n, 3, loja, se dir quem d.
Na | ra Direita, n. 78, precisa-se do
urna ama de leite, forra o'i captiva, para
acabar de criar um menino de 8 mezes.
Attencflo.
Offerece-se urna mulher para ama secca
de urna casa capaz, a qual dar fiador r:"*"_,""" ][''
sus conducta, se preciso for : no pateo de ?,,'"'?!,.
S.-Pedro, n. 9.
Acbou-se urna canoa grande de carre-
jar lijlo : quem for seu dono, dirija-sos
S.-Amaro, taberna ao pedo Sr. Cardozo.
Fugiram, do engenho Ca-
lende, freguezia de JaboatSo, os seguintes
escravos : Jos, crioulo, quo representa ter
25 annos, baixo,grosso, muilo fallante,
olhos pequeos, rosto redondo, pamas pro-
porcionaos, ps bem feitos, trabalha de car-
reiro, enxada o fouce ; fuglo no mez de Ja-
neiro do corrate anno, vindo para esta ci-
dade, aoade esleve hoaiiziado, e depois
seausentou: Domingos, crioulo, que re-
presenta 35 annos, um pouco mais alto que
o primeiro", grosso do corpo, fallante, olhos
pequeos, rosto redondo, pernas bastantes
Rrossas, ps grandes e mal feitos, traba-
lha de carpina a em casa de caldeiras ; tam-
bero fugio no mez de Janeiro do corrente
anno : quem os pegar leve-o* ad*Vilo en-
genho, que era recompensado com 100/
por cada um e 200,000 rs por ambos.
-- Jos Dusrte da Silva Lisboa, mestreds
barcaca Gloria-de-Maria, perdeu, no dia 15
do crrante, diversas cartas e ordens, com
450,000 rs. para entregar a diversas pes-
soas, no Forte-do-Mattos, junto ao cbafariz,
ambrulliailo tu loem um lenco "amarellc,
com quadros brincos e azuas : quem ti-
ver adiado e quizer restituir aos Srs. Lima
Jnior & Companhia, na ra da Cruz, no
Recife, n. 28, segundo andar, ser genero-
fe

[ecenebegado nesta capital, olTerece^
leu prestimoso pnblico par* todos os^
Hstystareai de sua prolissao, quer extra-^
huido, limpando e chumbando os en-4g
tes nataraes, quer substitalnde-os por*
t*putros artiliciai's, para o que- tem os"* i
rnslboresappsrelhos. Pode ser procu- queiram por laror de dlzer quan-
^.rado asjualquer hora em sua casa. nado eslarao nesta cidade, para se
&rua larga do Hoza i io, n. 36, segunJo^ii. < .. ., .
jjandar. *!Ibes fallar, afim.de evitarem a de-
r-#**** ^tn .Iha, po.sniooignardm.
-.- O patacho Atlm segu viagem em pou-
coi dias para o Rio-Cranda do Sul, podondo
receber*alguma carga a frete : quem pre-
tender carregar, entender-se-ncom os con-
signatarios, Bailar & Uiveira, na rus da Ca-
deia do Recife, n. 19, armazem.
Segu viagem, em poneos dias, para o
llio-Grinde do sol o brigue nacional Maga-
no, novo O de superior marcha : recebe car-
ga a frete rasoavol, e te n asaeiados comnio-
dos para passagelroa : trata-se com o con-
signatario, Leopoldo Jos da Costa Araujo,
na ra di tloda, n 7.
Para oCear, seguo at SI docorrenle
a escuna nacional Emilia, de que he capi-
tSoepratico, AntonioSilvelrwlfaciel Jnior,
coma carga que at essi data tiver a seu
bordo : quem na mesma pretender carregar
ou ir de pissagem, entenda se com Joao
Carlos Augusto da Silva, na ra da Cruz,
armazem n. 13, ou con o capiliio a bordo.
Para M ssamedes e
LOrrlldM.
Os Snrs. que- inscreveram os
seusnoines para seguirem de pss-
sagem para a colonia, e os- que
ilerain notas de carga para embar-
car na linda, nova e vefira barca
portuguesa Brachaiense, que pa-
ii all vai seguir brevemente, di-
i ijam-se a casa n. 6, defronte do
:_i e j quem o lizer, pois ivisla raz re : quem
trapicue-novo, afun de serem in- oqaifaer eJJbcto.rdirija-seao boceo do Cs-
Ibrmadus do que cumpre a fazer. r,'2*> armaz_ejn do arroz de Jos Cordeiro
-- Para o Ariesty segu, at o dii 21 doJ
crrante, o biale Ligtiro para o resto da
carga e passageiros trata-se na ra u Vi-
gario, n. 5.
-i. i 'B
Leilao.
- Kalkcninnlrm.los farSo leilflo, por in-
tnrveocaodocorretorllliveira, de um com-
pleto sortimento de fazandas de algodflo,
ISi, Hnho soda, todas proprias do merca-
do, ss>imcomo de porcJo de chiles ada-
mascados com toque de ira.a: qunti-
fairs, 22 do crrante, s 10 horas da ma-
nilas, no reu arm zem, ra da Cruz.
--O corrtorOlivelrafar Mflin di roo-
billi de que o finado Jo.lo Slwirl usiva ni
sua casada cidade,consistindoem mesa de
juntar, dita redonda pan meio de sala, ca-
deiris, soph, parador, mesas de dieien-
tes lmannos, consolle mesas com tam
POS de npiJra m.afiinr^ Mi.tr.c .m
uurquzas, livitorios, toucadqres, ain-
ceues, e muslos, outros otijcclof inclusive
to la a sua livrtria, conterirJo obras inslruc-
livise derecreio compostas pelos melbo-
res lutores, principalmente no idioma ln-
glez: sexta-feira, 93 do cor rente, as 10 ho-
ras da manhla, nos,segundo a terceiro an-
dares da casi onde ne andir'ierreo ex'ste
u armazem de fuendas dos Srs. Adamson
llowieqt Companhia.
- No'diai 28 do corrente, se ha de srrems-
laremleiiao porta do armazem, n. 14. na
ra da Mad.e-Je-D os, todos oa gneros
molnado* nelles exialente, bem como to-
dos os baos moveis,-seravoa, joiaa, ete per-
lencentes aos fallidos Domingos jua da <~.a-
Ib-se boas firnias e penhores de ouro
qu%m quizer dar, nnncie.
Aluga-se una escrava milito boa, que
engomma, lavae cozinha o diario de urna
casa : na ra do Collegio, n. 25, segundo
andar.
Balbina Custodia de Oliveira Diniz,
viuva invenlariante dos lieos deixa los por
seu finado marido Msnoel Ferreira Diniz,!
scleuliflc os oradoras de seu casal que'
Anda est fgida, desde o dia 26 de
juntio prximo pissido, a escrava crioula,
de nomaMaria, moga, altura regular, cor-
po reforcado, cadeiras grossas. e um tanto
sabidas para fra. bocea regular, boicos um
tanto grossos, pea e mSos grossas; tem
marcas de hexigas no rosto, peitos peque-
nos o rain .os, nariz grosso, oibos carnudos,
orelhas na parte do enfeite grossss e vira-
justifiquemos dbitos do mesmo pelo carto- das um tanto para cilna : tom urna marca
de ferida de caustico dolado diraitoou es-
do Reg Pontea.
Os prelendenles d% inmensa trafi-
canciatdosr. usi Kuacio de l.ra,desajm
sabor por este Jerawi/ qual rus e o nume-
ro ds casa, em quo vai morar na Treguezia
exeeutido quindofOr preoiso: emende, Sr.
los Ignacio de Lira? nSo fuja do Sr. Olivei-
ra pn>- n.io comparlilhar con oque Vmc.
tem fallo no Recifj elle he homein de bem
para com os seus feitos, ouvioT Sr. subdele-
gado de San Jos, olho vivo com o tal me-
nino.
Pica revogidi s procunc3o, pela qual
hivia constituido o Sr. Antonio da Cunta
Sor CuimirOes meu procarador, por
Ilaver nesta data constituido por procura-
dor oui lodos meus negocios ao Sr. slaooel
J
rio d'orphSos, por cujo juizo est a annuu-
ciaote procedeudo inventario, alim de se-
rem pagos.
Lava-se eengomms-secom perfei^Bo e
por preco commodo : na rus de Agoas-Ver-
des, n. 13.
Na ra da Praia de SanU-llila, casa n.
31,,onl tem lampeSo, lv*-se e engo-n rua-
se foupi com brevidade e preco rasoivel.
I'recisa-se da urna ama de leite forra,
parida de pouco e sem filho, que tenhi bom
a bastante leite, e que soja zelost : nt ru
lo Hozar io larga, n. 28, sagun lo andar, por
cima do armazem de louca.
Oibiixp issiguido deixou de ser cai-
xeiro do Sr, Antonio Joaquim de Mello des-
le o dia 18 do corrente, e Ihe agradece o
bom intmenlo que leve-, durante o lempo
queesiwe em sui casa. Gaspar Leite da
m
A pessoa que no
nunciou rstar no cso
vend, baja de su diriu
ra de Sao-Jos, casa n.
Pede-seaoSr. Fn
rsnds, morsdor em um
desibbido iri-
sar caixeiro de
rgo ds i i bei-
Antonio de sli-
engenhos de
quardo das coslelas psra os visios ; levou
vestido de chita prela, panno da Costa, e
um laboleiro com milho e arroz que venda
uo dia que fugio : esla prela suppOe-se es-
tar oceulta em casi de alguem, ou em al-
guin calugi, o que so vai escrupulosamente
indagar jara se proceder contra quem a ti-
ver oOtsUte : offer. co-se lima boa recorn-
pens quem dalla dr noticia certa, e
gusrda-se inteiro segredo, ou a pegar e le-
va-la ra de Moras, n. 114, a Antonio Cal-
das da Silva.
OOOOOOOO 0&0Q&&&O90
9 O consultorio honuEopatliico O
Oda ra da Cadeia de S.-Antonio, n. 22,9
dirigido pelo facultativo J. B. Casauo-0
Ova, iiiiidou-se para o segundo andar dofj
CJmesmo sobrado. OOOOOOOOOO OOOOOOOT5
Preciai-se lugar urna prela, que saja
boa quilandeira, uagando-se 12,030rs. man-
saes quom i tiver, dirija-se a ra da as-
suuipcOo, n. 16.
Obaixo assignado roga aoSr. escri-
vau das hvpothecis o favor de responder-
NaruadoQaimado, loja n. 19, vendem-
se meias brancas de algodo, muito finas,
para meninas, de diferentes tamaitos, por
preco commodo.
Interesse.
Negocio varttajoso para quem quizer em-
patar ponco dinheiro, ou mesmo alguna
casa para trocar por um terreno na ra di
tem de Trente 107 palmos, e
ra do Hospicio; como se pre-
cisa de dinheiro, ou cousa que o rends, faz-
se negocio ventajoso : psrs trtr, oa praca
I Independencia, n. 17.
Vende-se o engenho Armecega, na
margem do rio de Un, reguezia de Agoa-
Preta ; bem como urna propriedade nnexa
ao mesmo engonho, com meia legoa de
fundo e maltas com madelrs psrs toda
construcc,3o : na ru do Fogo, n. 46, das
7 s 9 horas da manhS,|ou ao Sr. Jos Mar-
ques ds Costs Sosres, na ra do Hospicio.
Kasdei de revista
que presentaram os doutores Filppe Lo-
pes Netto, Jeronymo Villela de Castro la-
vares, Feliciano Joaquim dos Ssntos, Anto-
nio Borges da Fonsecs, Antonio Feitoza de
Helio, Leandro Cesar Paes Brrelo, e Anto-
nio Corroa Pessoa de Mello, no recurso
quepan o supremo tribunal do justic/i in-
terposeram do ccordKo da relacHo de Per-
nambuco que eoofirmou sentenca que
contra ellas proferio o jury desta cidade no
procosso ofllcialmeuto organisado pelo che-
fe de polica, Jeronymo Martnisno Figuei-
ra de Mello, por occasiSo da revolta de Per-
oambuco : vende-se no paleo do Collegio,
cisi do livro azul.
Vende-se urna prela de DcBo, de 20 s
32 anuos, sem vicios nem achaques: na
Cimboa-ilo-Carmo, n. 44, junto a liberna
di esquina que volta para o pateo dito.
Atlciie.au.
Vendem-se machinas de metal branco,pa-
ra fazer caf com a inaior facilidade possi-
vel, e petos baralissmos presos de 1,600,
-2,000 2,2SjJfA 2,400 rs esda urna: na ra do
Queimado, loja n. 37 A.
Attcuco.
Ni ra do Queimado, Inji de ferragens
do Antonio Jos Rodrigues do Souza Jnior,
n 37, A, vende-se o seguinte por precos
muito commodos : as mais superiores bri-
des que tem apparecido pan cavallos, um
excellente oculo de ver ao longe, ricos es-
tojos em csixas de jscarairl pan barba ,
com seus parteores, umi espida de bainha
prateada pan ofiicial de fileiri, ricas pal-
matorias de superior cis|uinha pan velas,
excallenteabengallasdebsleia para pisseo.
ffflWffWHMrfffffffff
Predios venda.
A tratar na ra do Crespo,
n. 11, qualquer dos predios
seguintes :
i e a.
3T Ra Nova, ns. 5/je 56.
Ba da Aurora, n. io.
I
a
Ipojuca. o fvordavirou mandar Inzer o \t,t nosta mesma folht, se consta pelo seu
alneie que tem em seu poder, hs dous sn- cartorio, haver alguem com direito aos sea*
no, porseis mil rs., poisqueno he este Uens, por qualquer onus quo saja, o que
useuisspoite; eja se Hm lendui escripto muilo*obrigra oseu, ele. Joaquim Afar-
uniarirtai respeilo, enf dejunho, te o qut, Santiago.
oreseule nao veio resposti, n ra dos
Acou^uinhus, n. t.

Compras.
Praciss-se slugsr umi cisi do dous in-',
Jarea eui igumi d*s principies ras do
liairrodo Kacife, prrferindo-sa a da Cruz,1
arrenda-s toda a casa altos e biixos, con-
vioo ao propietario, e fianca-se a boa
eonservacOo e ztlo no predio: quem liver
nouncie.
Faz-sclmoco|ejnlar para frs com
mOito sceio: ns ra da Praia, becco do Ca-
rioca, sobrado da esquina.
#-Precisa-se de urna prela captiva. qu6 do n.u.to pequea; e que tenha bons com-
modos : na ra de Apollo, '
--Compra-s urna espada com laliai, e
nma farda de guarda nacional : ludo em
bom uso : na ra de Apollo, n. 30.
- Compra-se um* nagrinh* de menor
idade, qie nSo exceda em preco de 200,000
ris : na ius de Jlortas, sobrsdo n. 48, e
dir.
sai lia cozinhar e engom'mar bam : na ra
di Pra, becco* do Carioca, sobrado da s-
quin. /*^
A o publico.
Faz-se ver que ninguem faca negocio com
Coropra-ae urna cas* Ierra, nSo sen-
ta t
n. 30, se dir
to d.i 1850.-- Auna liara dot Ptuoe Cunka
Guimirdet.
A pessoa que perdeu um csvillo selli-

I- .. Aim SO .-_
Comes Feinnd-Ul..-ltccife, 22 de Sgoj- Moflo de Lima Bastos com urna cas detaipa
do propriedade sua, siti no Barro, pois o
mesmo hedevedor ao abaixo assignado da
quantia de 278,670 rs., principal e juros,
pomo mnatra nn_. jQ^^anirta non n mKmn
abaixo assignado tem em sau 'poder, e por
cuja quantia tj mesmo se acha em'liligio ; e
para que em todo o lempo pessoa algoma se
chime k ignorancia, faz o presente. Fran-
oieeo los de Campos. a
Prensarse engajsrum msico, qussai-
horas da noilc baja de procurar dando os
sigues certos: ni trsyssa de Sio Jos, casa
o. 17.
Mirccllina da ConceieSo Ainorim faz
sarilla ao respeilavel publico que iiin-
guem faga negocio com urna easa terrea sita
na ra da Praia de Santa Bita,n. 25,de que he
proprieteria a Sra. D. Ann Joaqun Perei-
ra da> Mello, que a dita Casa se cha hino-
tlit'cada na mo da aununciante ; pois que,
ninguem a poder* comprar eui que pri-
meiro se enlanda com a dita Sra. emsua
casa no becco da Virtc9o, n. i'
-- I'recisa-se de um caixeiro para padarit,
quaiejsi naior de 20 annos, e que tenha
, ritic, pr o que e dir sofTrivel ordeoi-
do, boniudo ua capseidide ; e timbem
precisa se de um preto psra o ervico ordi-
^jiario de padari, porm que nlo beba omi-
ta Bgo'srdenu, d-se-lhe 12,000 r*. mea-
-.!< e u anateulo: na praea da .S.-Cruz, pi-
i!T!* -.T bio do sobrado n. 10*. N ma-
quem compra.
- Constando 40 abaixo assignado qua
Diogo llaplista Fernandas pretende vender
sua taberna, o mesmo avisa que o dito Dio-
go Ihe he llevador de nSo pequea quan-
tia, e por isso obr'igada adilt taberna. Je-
nuino ot Tavarts.
- Compra-se urna ferramanta de carpina,
montada e completa, estando em bom es-
tado liem romo nutra de nndreirn n. .._.-
do Queimado, n 25, loja.
--Compra-se urna escravinha luzida, de
4par Salinos: pa ra Augusta, n. 20, so-
brad.
- Compra-se um tanque de madoira,"(fe
servissedeigoa, nal, ou aasite : na ruad
Vrndc-se um bonito preto moco, sem
vicios nem chaqus : ua roa do Collegio,
n. 15, segundo andar.
Vende-se ums prela do bonita figura,
cotn Inhilidajes: os Camboa-.lo-Carmo,
n. 24.
Vende-se 1 preto de 20 annos, p 'rilo
ollu-ial de sapaioiro de toda obra ; nSo tem
vicios nem achaques : o motiro por que sa
vende se dir ao comprador : na travessa do
Carpo-Santo, n. 27, loja de sapateiro.
Vende-se um molcquo de 18 a 20 an-
uos, de boa figura, e he muilo bom tnbi-
Ihidor de enxada ; oa rui do Queimado, n.
44, se dir quem vende.
Fazenrias baratissimas.
Vende-se cassa-chila, i 240 rs. ; riseados
nionslros e francezes de 4 palmos de largu-
ra, a 22* rs. ; casemira prata mesclada, a
1,900 rS. ; dita decores, prepria pira forro
de carros, 2,000 rs. ojcovsdo; cassas lisas e
de quadros, a 2,500 rs. a peca : no A Ierro-
da-Boa-Vista, n 18, loja.
Para os Srs. de engenho
Formulario ou guia medica que conlem
a'descripcSo de todos os medicamentos,
sais propiedades, os casos em que se em-
pregam suas dosas, as substancias incom-
naliveis com alies, a inilicacSo das plantas
medicinaes indgenas e dasagoas mineraes
do Brasil, i irle de formular, a escolha das
melhoes formulas, um memorial tbera-
peutico, a rlassifieacSo dos medicamentos,
etc. por Chernoviz, doutor em melicina,
segn la edico, augmentada e inteinmen-
te reformada : ven lo-se no pateo do Colle-
gio, casa do livro azul.
Vende-se um* parda moca de bonita
figura, que faz vestidos de souliora, esmi-
sas de homem, cose palitos, jaquelas, col-
Mas e ealcss, coziuh e engomma : na ra
ila Praia,iio primeiro andar do sobrado de
lo- llygino da Miranda.
Venda-se um* linds esersva recolhida
de 18 annos, com habilidades : se dir o
motivo Js venda, ua ru do Rangel, n. 57.
ts melhores que ha no mercado ;
bem como brinzao, proprio para
velas .-yua da Cjuz, n. a, casa
de Geo; Kei
bl bam toer pistn. pra ir servir na pro- 'Senzalla-Vellia, n lio.
1. das Aiagas : quem rsliver uestes
mstancias, dirjji-se ra di Praii, n.
nh* Lage&.(:. ; os-quaa bens sAo vendidos
iaa pagameuiu dos crauras, coofo foi d-
tarinmado pelo juizo da priiuoir* varado!,
ciel : *s pessoas que quizerem fincar, de- 1
TerLi" r?mParecar c* 3 anhaa do malicio-
II ii a II "
llu" onTlni^* (1,n^"n^,", fr8olef.4>Mpad.ria compra-se papel de embrulho
iao, por lotervenflo do corrttorOliveira, ( diarios)* 8,200 rs a irrobs.
de um sorlimento eral ,l r.pn,i.. .i.! fcv....;: ".T_ ..*":.. .. .
urliment geral de fazendas ingle-
zas ts mais propri* do mercado : segunda-
faira, 26 do correle, as 10 horas da mi-
Francisco Antonio Mesquiti, Portu-
gus, retira-se psra fofa do imperio, levan-
i do em sua companhia sua mulher, Joanna
iihsn..>...i. J, ...-. m- >. .iu.ua cumpanuia aua muiner, Joanna
Tr.plcKvo' no,ou,rm,ze,n <* '" do id, Co,.Mi#tei|eW,uiUJa.Wgr.;Vr.DCi,.
lea Maris dea.-Anna; sus filha menor, ala-
vi ncia
circums1
85, segundo an lar.-'
--0abaixo assignado faz sciente ao res-
peilavel publico, que Ibe sendo mandada
polo Sr. Francisco Tavarrs Ferreia, resi-
dente ns cidade da Parahiba, urna ordem
di qniolia de 340 000 ris, saccad* eui 3 do
crranlo, pelos Srs Carvalho artrnios,
contra oSr. sltnoel Coi calves ds Silva, ne-
gociadle desta pra^a, iconlece que dita
ordem fosse furlada da malla do correio
siiticular do commercio da mencionada
provincia da Pafalliba. o qa o annuncin-
le f-z pnhllcn psra conhecimealo do Sr.
Concalvas di Silva, e psra poder obler dos
Srs. Carvalho & Irmfios, por urna segunda
via, nova ordem para oannuneianle poder
Itaveroseu dinheiro.
Ftaneiseo Tacares Correia
Preciss-se de ums am* de leite, parda
ou preu: na ra Direita, o. 68.
Comprase urna vacca que d*5 a Agar-
rafas de leite :jfcgi-se bem : em 6 -Amaro,
taberna ao.' 'Sr. Cardozo, ou annuncie
Couipra-se um raeitiodo para piano,
qua. seja resui
lioa-Vista, ii;
-- Cumpram-i
ras, moyos, o co
provincia '- na ra
primeiro an
Matriz da
lijadas,Wra fra da
Hoairio, u. 48,
E ide-ss!
noB-WaU,
n. 5, livro al
graphi* a fallar
--N ru doQu
dera-so bicos co
180 rs. s vsru
rs. o covsdo; e pan a
cores Oxas, a 200 rs.
asa le re u>
da Alegra,
typo-
n. 19, ven-
largun,
i 160
mbem de
uworthy 8t C.
Vende-se, pels urgencis de ums reti-
rada para fora desta ciJade, os Objectos se-
guintes : duss escravas, urna do servico
interno, e oulra do externo de ums casa de
familia, ambas peritas, e a'primeira com di-
versas prendas ; urna cimi de jicannd
pira casal, moderna ; um dulia de cadei-
2T?!.SIC?!!1 g2' ras; du"s b"s.; -" de meio de
sala ; urna marqueta : ludo de madeira s-
nico, novo e no maia perfoito estado : eui
Fra-dc-Porlas, atrs da igreja do Pilar,
u. 24, do lado do mar, se dir quem vende.
Vende-se annteiga ingle, muilo
bo. a 720 t. j ts a 480, 400, 890 e940 rs.,
ludas eslas quaiidades a isla dos precos sao
oroiloDOii) presunto do porro; a 400 ra. a
relalho, e iateiro 360 ra ; cha de S.-Pau-
lo, muito bom, a 2,000 rs a libra:, na ru*
larga do Rozarlo, n. 39, defronta ds igreja,
taberna por baixo do sobrado de.3 andares.
Vende-se urna cabra com um cabrito de
15 das, muito mansa e da bom leite: na
ru* d'Apollo, n. 19.


^^
Novo trem Vendem-se chsleiras, panellss, fregidei-
ras, e csssarolas de ferro forradis de 'por-
cellana ; bules ecafeleiras de metal, e ma-
chinas para fazer caf : na ra Nova, n 16,
loja de ferragens, de Jos l.uiz Pereira.
VenJe-se un methodo para piano, e
algumas msicas do Macbeth na ra Nova,
n. 16, loja.
Vende-se assido sulphurico.
aa4o rs. a libra ; na ra do Ca-
bug, loja do Duarte.
vendem-se cobertores escuros dealgo-
dSo, proprios para escravos, por seren de
muilmluracSo, pelo diminuto prego do 640
rs. cada um : na roa do Crespo, esquina
que volta para a cadeia.
Chegaram novamente roa da Sen-
zalla-Nova, n. 42, relogios de ouro e prala
patente inglez, para hornero e senhora.
Vendem-se amarras av ferro: na ra
da Senzalla-Nova, d. 42.
A Soors.
Vende-se cha hysson de superior qua]ida-
de, pelo diminuto prego de 500 rs. a libra :
na roa do Crespo, n. 83.
Massas de vapor.
Acha-se aberta a padaria da ra do Bur-
gos, Forte do Mallos, na qual se achar
diariamente todas as qualldades de massas
finas, trabalhadas por macbinismo ; tem-
bem se fabricam eicellente pSo e bolaxi-
nha de aramia, ditas inglezas, bolexoes
quadrados e redondos, e outras mais mas-
sas tudo obra prima : as mesmas se acharSo
no deposito do pateo do Terco, d. 10.
Farinha deS.-Caihiiiina.
Vende-se a bordo do brigue Valle, chegs-
iloein dirrilura de S.-Catharlna, farinha
multo superior, est fundeado defronte do
caes do Ramos ; lambem se trata na praga
docommercio, n. 6, primeiro andar, com
Saploes a 800 rs. o par
Po Aterro-da-Boa-Visla, n. 58, loja di
JoBo Tiburcio da Silva CuimsrSes, vendem-
se sapatOes do Aracaty, dos melhores qu
lecm vindo a este mercado, pelo diminuto
prego de890 rs. o par; sapatos de lustio
para senhora, a 1,600 e 1,900 rs. o par
pellos de couro de lustro, de 3,600 s 4,ooo
rs. ; ditas de bezerro franeez, a 3,000 rs.
Vende-se, na escadinha da alfandega,
no armazem que foi do Bacelar, superior
cera de carnauba, a 7,000 rs. a arroba, di-
nheiro contado, por causa das duvidas.
AosSrs. de engenho. Tecidos de algodo tran
cado da fabrica de To-
dos-os-Santos.
va ra da Cadeia, n. i>2,
h P'
Manoel Ignacio de Olivelra.
Deposito da fabrica de
Todos-os-San tos na Bahia
Vende-se em casa de N. O. Bieber & c
su ra da Cruz, n. 4, algodSo trancado'
daquella fabrica, muilo proprio para saceos
de assucar, roupa de escravos e fio proprio
para redes de pescar, per preco muito com-
modo.
Mermelada de Lisboa.
Veode-se na ra da Cruz, n. 62, armazem
de Manoel Francisco Martina, mermelada de
Lisboa, muito nova, e em latas de urna e
duas libras, por preso com modo.
Navulhas de patente.
Vcndem-se navalbas ('mas de
patente para fazer barba ; estojo
completos de todos os ferros para
cirurgia, obra milito fina, por pre-
co commodo : na ra da Cruz, no
Hecile, n. 43, loja de Joaquim
Antonio Garneiro de Souza Aze-
vedo.
Vendt-se farinha de Santa-Calharina,
muito sujarior, a bordo da galeota Sanliiii-
ma-Trindade, fundeada junto ao caes do
Collegio.
Vende-se um escravo moco, de bonita
figura, bom olicial de pedreiro ; urna prela
alta, moca, de boniU figura, ptima engom-
madeira e cozinbeira com perfeigSo do dia-
rio de urna easa i na ra larga do Rozarlo,
n. 48, primeiro andar.
Superiores vinlos
Na ruada Cadsia, n. i,
vendem-se excellentes viuhos de
diversas qualidades, tanto engarra-
fado como em barris, sendo do Por-
oto, Figueira. Rcelas, Madeira, Crs-
fcavelos, Colares, Moscatel de Se-
tubal, 'etc.; assim como outros
muitos gneros de ptima quelidade, de
que sempre est prevenido este estabcleci-
mento.
endem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
iscravos.
Moendas superiores.
NafondicSode C. Starr & Companhia,
m S.-Amaro, acbam-se k venda moendas
Je canna, todas de ferro, de um modelo e
construcgSo muito (superior.
No armazem de Joaquim da
Silva Lopes, vende-se (arelo, a
3,ooo rs. a sacca, e farinha de tri-
go francea da marca fiarSo
preco commodo.
Bichas de Hamburgo.
Ven*dem-se as verdadeiras bi-
chas de Hamburgo, aos centos e a
retalho : tambem se slugam e vo-
se applicar a quem precisar na
ra da Cruz, no Hecile, n. 43, lo.
ja de Joaquim Antonio Carneiro
de Souza Azevedo.
Rap Paulo Cordeiro,
viajado do Rio ao Para e do Para a Pernam-
buco .- vende-se na ra da Cruz, no Recife
n. 49, loja.
fWffmfffffffffm*
^Deposito da fabrica de^
j lodoso*Santos, na
t Bahia. |
8> Vende-se, em casa de Domingos Al-*
*ves Matheus, na ra da Cruz, n. 52,*
primeiro andar, algod3o trancado da-*
aquella fabrica, muito proprio para ase-*
STcose roupa de escravos; bem como?
^.lio proprio para redes de pescare pa-2
^.vios para velas, por preco commodo.*
A*AAAAA*AAAAA9V
Vende-se um pardinho de 18 anuos,
bonito, cem principios de corneiro, e que
he hbil para qualquer outro ofilcio, por
prego commodo, por baver preciado de di-
nheiro : na ra larga do Rosario, n. 35,
loja.
Agencia de Edwin JMaw.
Ra de Apollo, n. 6, armazem de Me. Cal
moni & Companhia, fazem ver aoa Srs. de
engenho e aos seua correspondentes ntsta
piafa, que no seu estabelecimenlo se acha
constantemente bom aoilimeolode moen-
uas todas de ferro par manaes, agoa, etc.;
meias ditas para armar em madeia ; ma-
chinas para vapor com forg de 4 cavallos ;
laisas de diferentes modelse de lodos os
lamauhos e grossuras, tanto de ferro balido
como coado; espumaderas, cocos, eic.de
ferro estanbado ; safras para ferreiros : lu-
do muilo bom e por barato prego.
Instrumentos
4
Vendem-se doos relogios de ouro, pa-
tentes, urna correte, cordes, collares,
brincos, annelOes, ligas, crazes, baldes de
abertura o de punho, rosetas, um bracele-
te, urna bandeira e resplandor de Menino
Dos, 1 apparelhn de prala para cha, um fa-
queiro, 2silvas, 1 pardecastigaes, urna pa-
tena, urna bride, 1 assucareiro, um par de
esporas, e outras obras de ouro e prala na
ra estreila do Kozario, n. 28, segundo
andar.
Na Loja da ra do Queimado,
numero 3,
defronte do beeco do Peixe-Frito.
O novp administrador est resolvido a
veoder as fazendas pelo mais dimiodto pre-
go possivel; e para maior commodidade es-
tar* a loja aberta at s 9 horas da noite.
No armazem da ra da Moda, n. 7, ven-
de-se sal em pequeas porefles.
0000000000000(30000
O Na loja do sobrado amarello, na O
O ra do Queimado, n. 29, vendem-se, O
O para acabar, cortea de calca de case- O
O mira a 3,500, 5,000 e 6,000 rs., ha- Q
0 vendo porcSo para os freguezes es- 0
0 colherem. 0
G&OOOOGOQdOOOO
--Vende-se urna moleca de 12 a 14 en-
nos, muito esperta, ssdis, sem defeitos nem
achaques : as Oinco-Pontas, n. 82, ou na
ra da Praia.n. 50.
Por 2,000 rs.,
vendem-se os mais asseisdos cspotlnhos de
chamalotedeseda, de gorgurflo, arftos
de cores : na ra do Queimado, n. ff.
Antigo deposito de cal
nha bem, cose, lava de sabio, engomtns,
no tem vicios nem achaques, o que se
allanes ; urna mulatinha de 10 annos, muito
galante, e com princiosd costura : na ra
do Sol, n. 9, se dir quem vende.
Vende-se, ou Iroca-se por urna escrava
quesaiba cozlnhar e engommar, por om
pretoda Costa,Aloca e sem achaques, mui-
lo proprio para armazem de assucar: na
ra da Praia, n. 14, armazem de carne
secce.
Farinha.
Vande-se farinha perfectamente boa, a
2,000, 2,240, 2,560 e 2,700 rs. a sacca -. no
armazem de recolher da roa da Cadeia-Ve-
ilia, n. 64, junto a botica do Sr. Antonio Pe-
dro.
Cambraietas finissimas de
m
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, m
muito superior cal virgpm da Lis-
boa, por preco muito commodo.
arados de ferro.
NafundicSo da Anrora, em S. -Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Farinha de S.-( atharina
A melnor farinha de mandioca que ha no
mercado : vende-se a bordo do brigue-es-
cuna Olinda, por prego mais barat do que
em outra qualquer parte, ou a tratar na
ra do Vigario, n. 19, segundo andar, com
Machado & I'inheiro.
ff ####
gj* Na loja do sobrado amarello, nos ff
> qostro cantos da ra do Queimado, ff
> n. 2. vendem-se os muito procura- ff
(p dos cortes de tpele para sapatos, ff
a> ao goalo turco, a 800 rs. o par. ff
dffffffffffffffffff ffffffffff ffffffff*
; No armazem da ra da Moda, o. 7,
cntihs-sea vender sacess com supeiior
colla das fabricas do Itio-Crsnde do sul, por
orego em conta.
Ka ra larga do Ko-
zario, n. 22,
veode-se um preto de meia idade, proprio
para sillo, por prego rasosvel.
--Vendem-se rodas de arcos de pao para
pipas e barricas ; fio purrete do Porto ; pro
gos ripares para barricis : na ra da Cruz,
n. 49, primeiro andar.
Caf patente:
vende-se por mdico prego, no srmazem
rsumtii, lioCainpeiiu rimo, na ra da
Cadeia-Velba, n. 64, junto a botica do Sr.
Antonio Pedro.
Milho
Vende-se no armazem de recolher da ruar
da Cadeia-Velha, n. 44, junto a botica do Sr.
Antonio Pedro, milho em saceos, muito em
couta.
l mitins
Vendem-se ervlhaj bastante novas, em
garra fCes : do armazem de recolher da roa"
da Cadeia-Velha, n. 61, Junio a botica do
Sr. Antonio Pedro.
Vendem-se
quatro canoas
grandes de amarello : no estalei-
rq- to*^ por prer/ccommodo, por seu
u'uuo er de reiirar-se para Jora.
Vendem-se beterros par
A& Td",TrG.Lr|P^ 1'y-on.a.Miio bom,
,, n I vende-se na loja de livro4o pateo do Col-
M'Oimy O li. Ifcgio, n. 6, daiourado.
para m-
sicas.
Vendem-se instrumentos para msicas
militares ; bem como pianos e violOes mui-
lisimos ricos : na ra da Cruz, n. 10, casa
de Kalkmann IrmSos.
Cadeirii de palhinha,
esohs parmeninas: vendem-se na ruada
Cruz, n. 10, cass de Kalkmann Irmfios.
Dunas de (err
Jo muilo bos qualidade, e com segredo pa
ra,s abrir: vendem-se na ra da Cruz, n.
10, casa de Kalkmann IrmSos.
Charutos de llavana,
de superior qualidade : vende-se na ruada
Cruz, n. 10,casa de Kalkamann IrmSos.
Vinlio de Bordenux,
de superior qualidade : vende-se na ruada
Cruz, n. 10, casa de Kalkmann Irmflos
oooooooooooooooooo
O Canoas. O
O Vendem-se duas canoas grandes, deO
Omuio bos madeira e novas, por pregoO
Ocommodo : na ra da Cadeia de S -An-0
Otonio, n. 9. Q
oooooooooooooooooo
-- Vende-se o engenho Sebir do Caval-
[ panu, por convengo do tutor dos orphSos
'do casal do fallecido JoSo Carlos da Silva
OuimarJes, e para pagamento dos credores
do mesmocssal: este engenjjo he um dos
melhores da provincia, moe com agoa e
tem excedentes obras, o Ierras parar se le-
vantar oulro engenho ; he situado cm Se-
rinhSem, etem o rio Junto do engenho :
quemo pretender, dirija-se ao niesmo en-
genho, a /aliar com o referi Manoel de Uarros Wanderley, ouSiesla pra-
ga, com Manoel Ignacio de Oliveira, na pra-
ga do Commercio, n. 6.
Vela a ruare Has
em caixaa de arroba e diversos sortimentcs
eUmanhcsj saccas muilo grandes de fari-
nha, a 4,000 rs. : na risa da Cruz, n. 24.
8a bSo.
aGKNCIA
la fundicS- Low-Moor,
VJk Da. 8EW2AIXa.-NOVA, N. /Jo.
Neste estabelecimento conti-
na a ha ver um completo sorti-
mento de moendas c meias moen
daa, para engenho; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido a
coado, de todos os tamanhos,
para dito.
Oleo de linhaca
em botijas f vende-se nos arma-
7-ns da rua'do Amorim, ns. 56 e
58, e do Aunes, no caes da Alfan-
dega, a tratar com Manoel da Sil-
va Santos.
Vende-se fari.iha de man-
dioca, vinda de S.-Catharioa no
patacho Piereide, fundeado de-
puro linho, com 6 varas, por 7, 8 e
9,000 rs. a peca : vende-se aa ra do ff
Crespo, n. 11. ff
Vff##ffffffffffffff#ff#l#
--Vendem-se, na ra da Moda, armazem
n. 16, meiaa barricas com esl virgem de
Lisboa, a mais nova que bs no mercado, por
prego commodo.
Caf.
Caf com casca, muito novo, por prego
commodo : na ra do Amoro, n. 35, arma-
zem de J. J- Taaso Jnior.
Na ruado Queimado,
n. 9. *
Acabam de chegar loja da ruado Quei-
mado, n. 9, as msis ricas manguinhas de
fil para vestidos de senhora.
Deposito de potassa ccal.
Vende-se omito nova e superior potassa
e cal virgem de Lisboa, em pedra : tudo em
barris peqaenos de 4 arrobas, por prego ra-
soavellna ra da Cadeia do Recife, n. 12,
armertro.
Taixas para engenho.
Na fundigSo de ferro da ra do Brum,
acaba-se de receber um completo sortimen-
tode taixs de 4 a S palmos de bocea as
qoaes acham-se a yenda por preco com-
modo -, e com promptidSo embarcam-se,
ou carrejam-seem carros sem despezas ao
somprador.
He muito barato.
Esguiao Hfoustro.
Vende-se eaf uifio de algodflo com qua-
tro palmos e meio de largura, pegas de 10
varas, a 3,000 rs.; dito de muilo superior
qualidade, a 5,000 rs. a peca; alpaca da
quadros muilo lina, e de assento escuro,
muito propria para vestidbs, a 280rt. o CO-
vado : ns roa do Crespo, n 14, loja te Jos
FranciseeUiss.
Be amito barat.
Chitas monsIros, a 980.
Vendem-se finas chitas francezas muito
largas, edr de rosa, azaes a er de ganga,
deselos inteiramente novo* e de corea
muito lixas, a 280 e 320 rs. o covado; as
mris finas cassas francezas que teem appa-
recido, gostos inteiramente novos, de todas
as cores ede tintas muilo lina, a 790 rs. a
vara ; hamburgo muito lino, com tres pal-
mos e meio de largura, a 380 rs. a vira : na
ra do Crespo, n. 14, loja da Jos Francis-
co Dias.
#.
Bous escravos.
seus competentes remos urna bomba de
ferro, e duas de peo, um guinxo, diversas
vergas e msatareos de pinho, urna retranca,
dous maslros, um leme, urna gavia, ecu-
iros ohjectos psrs navios tudo por prego
muito em conta : a fallar com Jose Anto-
nio de MagalbBes Basto.
Vende-se superior fio de al-
godSo, proprio para pavios de ve-
las, e redes .de pescara : 'na ra
da Cruz, n. 2, casa de Geo: Ken-
vvorthy & C.
Vende-se urna escrava crioula de n
annos de idada, com principios de costura,
engommado e coziba, tem bonita figura:
na ra da Cadeia de Santo Antonio, no se-
gundo andar do sobrado da esquina do Ou-
vidor, n, 14.
Corram pechincha de 4 e 5,ooo
rs na loja dos bsrateiros.
Na roa do Queimado, n. 17, ha chapeos de
sol de seda cor de caf, com um pequeo
toque de mofo, a 4,000 rs. esds um ; e pro
tos, sem defello algum, a 5,000 rs.
Vende-se, ou troca-se por um preto ou
preta, urna casa terrea em muito bom esta-
do, de pedra cal, com duas salas, tres
quartos, cozinha fra, quintal grande com
cacimbs, sita no principio da ra de S.-Mi-
guel, nos Afosados: no AUrro-da>Boa-Vis-
la, n. 17, primeiro andar : bem como se
vende um palanqun) por 30,000 rs.
; Vendem-se relogios de ou-
ro sabonete, patente inglez: na
ru da Cruz, n. a, casa d Geo:
Kenworthv & C.
Vendem-se ricos spparelhos
de metal para cha; na ra da Cruz,
n. a, casa de Geo : Kenworthy
8c Companhia
Vende-se um sitio na estrada de Be-
lm, com 424 palmos Jde frente, e (,200 de
fundo, bastantes fruteiras, pasto psrs ter
doaa vaects annualmente, trra -para pian-
tagSo, boa agoa de beber, e cass para pe-
quena familia: no Aterro-da-Boa-Visla,
n. 17, primeiro andar.
Vende-se urna' (lauta de bano, com 4
chaves, e apparelhada de prala : na ra do
Encantamento, nrll, armazem.

Escravos Fgidos.
a*
Vende-se sabflo o mais secen que se pie
encontrar, a 3,520 rs. i arroba : no arma-
zem de recolher da ra da Cadeia-Velha,
4, junto a botica do Sr. Antonio Pedro.
tra qualquer. parte : trala-se a
bordo do mesmo patacho, ou com
Nov8es8 C., na ruado Trapiche,
n. 34.
Vendem-se 10 aegoes da companhia de
Beberibe, as quaes se acham em dia : na
ra da Cruz do Recife, n. 4.
Vende-se ama prensa ou armazem d
recolher no Foite-do-Matos, n. 20, que foi
de Alexindre Lopes Kibeiro, a qual tem 71
palmosde fraalee 110 de fundos, estando
bem Ululada e prxima a alfandega, sendo
por isso preferivel a qualquer oulra : aa ra
da Aurora, o, 4.
Vende-se
um preto mogo, de bonita gura, bom ca-
uoeiroe trabalhador de p, cuja conducta
ae afianga ; urna canoa de carga de mil li-
jlos, em muilo bom estado : na rus larga
do Rozario, n. 48, primeiro andar.
. Vende-se urna pedra marmore com ai-
lo palmos de comprido, qualro de largura e
meio de grossofa : na ra da Praia, n. 55,
por cinia da Ijrpographia.
No armazrm de llias Ferreira. ao p da
alfandega, veude-sa sal em paneiros, vindo
do MaranhBo.
A 1,000 is. o corte de
calv as.
Vendem-ie bros com listra so lado, a
1,000 rs. o corlo decalcas : na tua do Quei-
mado, n. 8, loja defronte da botica.
Farinha de Tapuyi,
igual em aabor, finara e cor a da Wuribeca,
propria para mesa : vende-se na ra da
Cruz, no Itecife, o. 11 No mesmo armazem
vende-se igualmente farinha, n3o Bo su-
perior, mas muito.clara e goma.osa, tan
teem saccas como"emalqueires, e a prego
mais commodo do que em oulra qualquer
parte, ainda mesmo abordo.
Farinha de mandioca.
Vende-se superior farinha de S.-Hathe&a,
por preso commodo : a bordo da sumaca
S.-Antomo, fondeada em frente do Collegio,
ou aa> lado do Corpo-Sanlo, n. 25, loja de
A Vende-se um moleque de 18 snnos 2
de bonita figura, bom cozinheiro e ex-*
eel lente copeifo, para engenho ou fraff
da provincia ; dous escravos de 20 a 25
fronte do caes do Collegio, a mais
superior que ha no porto, ntrN*,n"0,'**n',0',mperfeil0 oiiheiro,eff
* 1 .. __ r ffque he ptimo para lodo o servigo deff
mais barato pre?o do que em ou- JJ,,,, 0M, mtamo de homem solteiro ;
massames.
IVgas de algodiuzinho muito largo.
Vendem-se pega de algodaozinho multo
largo e muito Upado, com algnma avaria,
a 1,280 n., e limbo do mesmo, a 2,560rs.
e a retalho, a 100 e a 180 ra- a vara : na ra
Larga do Rozario, n. 48, primeiro andar.
Veude-se, nor.ae alo precisar del la em
casa, urna crioula de 25 annos, que cozi
ff vendem-se sem condigno : na ra doff
Crespo, n. loja.
Arados de ierro.
Vendem-se arados de ferro de
differenlea modelos : na ra do
Iirum,ns. 6, 8 e 10, fabrica de
machinas e. lundic3o de ferro.
BoEibVde reniivO:
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba:
na ra do Bruta, ns. 6, 8 e 10,
fundicSo de farro. .
-Vende-se espirito de vinho de 37 graos,
a 960 rs. a caada ; liegas de vime, por pre-
go commodo: na (travessa da Madre-de-
Dos, n. 5, e;na ra de S.-ltita, n. 85, rcsli-
IsgSo. a
Na ra do Crespo, n. 10,
vendem-se chiles finas de Ores segaras,
pelo barato prego de 160 rs. o eovado ; cor-
tes de cambraia de seda, a ,000 rs. ; ditos
ilocmbraia bordadas, a 1,300 rs ; sedas
brenca proprias para foros, a 400 rs. o
covado ; lengos prelos da grvala, a 160 rs.;
franja de corea para cortinados, a 3,000 rs.
|iri,. lin o >"* para caigas, a 800 ra. ;
los de linho branco, a 3,500 rs.; biros bran-
Cose prelos, a 80 is. a. vaia ; renda lisa, a
60 rs. s vara ; mag>sd meias brancas finas
^ara senhora, a 3,000 ra.; mantas de 1.1a
para meninas, a 240 rs.; brim de palha e
linho,a 200 ta. o covado; cobertores dt
1.1a, a 1,300 rs. cada um, zuaite com 4 pal-
mos de largura e 24 covados a pega, a 3,500
rs.; lila trancada cor de caf a 200 rs. o
cavsdo ; lu vas de se la de cores para me-
ninas, a 100 rs. o par; golas da cambraia,
a 160 rs. ; psnno encsrnsdo, a 2,600 rs. o
covado
ll a do Crespo, n. 10,
Vende se meia de seda brancas para se-
nhora, a800 rs. ; luvss de seda com palmas,
a 480 rs. ditas para meniua, a 80 rs. o par;
gollas de cambraia, a 120 rs.; meias de seda
de cores para homem, a 400 ra. o par; pei- i
tilbos, a 20 is. cada um; cortea de casss I
preta, a 320 r.;!s prctosurdinarios a 800rs.
e outras muilas fazendas por bsraiissimos
preco*.
- Vende-se um bom melhoio de piano
or melada de seu valor: na praga da UniSO,
Vende-e urna lancha quasi ora, con
Fugio, no domingo, tg do correte,
pela minjifia, um mulalinho de 18 annos
oouco msis ou menos, espigado, ventas
abertase srregacadas; he gago: tem bas-
tantes algnses de feridas em ambas aa per-,
as; levoujaqueta'e camisa branca, cal-
gas deriscado escuro e chapeo de palos ; o
seu nome verdadeiro be Pamazio, o qual
pode ser que tenha mudado : quem o pegar
leve-a i ra da traa de S.-lita, n. 23, ser.
raria. ,
Fugio, no dia 18 do corrate, do en-
genho Diamante, da freguezia da Escada,
O preto Jeronymo, que representa 30 annos,
grnsso do rorpo, perna's finas, olhos um
lant o verrrelhos; tem um talbo na ponta do
queixo inferior proveniente de urna Jqoeda :
este esersvo era sua fgida conduzio um
cavallo caatapho-escuro ; presume-.se ter
procurado o Aracaly, onde tem os seusan-
tigos senhores. Roga-se as autoridades po-
licites e capiUea de campo, que o appre-
hendam e levem-no ao dito engenho, ou
nesta praga, a rus dasTrincheiras, n. 48, a
Bernardinn Francisco de Azevedo Campos,
que grattflcaia generosamente.
Fugio, do Hio-de-laneiro, e soppfle-se
ter vindo para esla provincia, o preto Anto-
nio, esersvo de Beliarmino de Arruda C-
mara, o qual tem os signara seguinles : es-
tatura regular meio alvo, barba serrada,
com suissas, falto de denles ns frente, bei-
gos pendursdos, nariz chato, representa ser
de maior idade ; quando falla lem o coslu-
me de revirar um lauto os olhos: quemo
pegar leve-o a Manoel F.liaa de aloura, na
praga da Boa-Viata, que tem autorisagSo do
senhor do mencionado escravo para bem re-
comi ensar a quem o pegar
Fugio, no dia 4 do corrate, a prela An-
glica, crioula, baixa, grossa do corpo, bem
feita e bem fallante ; cosluma a vender to-
los ; levon vestido de casas e panno da Cos-
ta : quem a pegar leve-a a Camboa-do-Car-
mo. na nadara. no s*r reenmiwnuiln.
i.000 rs"
Fugio, do engenho S.-JoSo do Cabo, no
dia 13 do crrante, um esersvo de nome
gansflo, da Costa, muito bem feito de cor-
po ; faz-se bem eonhecido pela sus altura
msis do que a regular ; tem bons denles, e
urna marca de ferida em urna das canellas ;
levou camisa de mangas curtas e ceroulas
de algodSo da Bahia e calcas de brim psr-
do com um remend /.o mesmo panno na
pernaesquerda ; carregou dous cobertores
dealgodao que se vendem para fabrica :
quem o pega* leve-o ao dito engenho S.-
Jofo do Cabo, que recebe/i cero mil rs. de
gralificaclo, ou no Hondego, em casa do
commendador Luiz Comrs.Ferrera.
No dia 12 do corrale, pelas 8 horas da
noite, desapparecerem, da casa de Jos An-
tonio Baslo, na ra da Cadeia do Recife,
1, ..un tmeravea, a tibor : eiermo,
pardo, ile alluraregular, reprsenla 25 a 30
annos, chelo do e*rpo, pouca barba, olhos
pardos : Adriano, prelo criouio, represen-
ta 22 a 25 annos ; he alto, secro, bem lelin-
tn, e barbado: estes escravos vieran) do
Crar no vapor l'irnainbucina, rrmettidos
por Domingos Jos Pereira Pacheco, do
Aracaty ; silo naluraes da cidade do Ico,
pertencenles a Vic. nte Ferreira Chaves:
quem os pegar leve-os a dita da ra da Ca-
deia, ou ao Aracaly, a Domingos Jo>Perei-
ra Pacheco, que so gratificar generosa-
mente. Adverlindo-se mais que os ditos es-
cravos sin olliciaes de pedreiro, o pardo lie
melhor ofilcial que o preto.
-- Fugio, no dia 21 do eorrente, o preto
JoSo, criouio, de 25 anuos, altura desmsr-
cads, bem direilo do corpo, rosto redondo
o com muilas maicaa de bexigas ; intitula-
se por forro; lavoucaigas azues e camisa;
|lem um ialiio no paito de um p. Iinga-se
as aulondaiioa pollciaea a CapHSes de Cam-
osh quemo apu/ehendame levem-o a ra
da Concordia, D. 4, refinago, 'qoe serio
generosamente gratificados.
I. or
a. 14.
fttl. : TTF. NA DS M. f. OS FtlU. 1850


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EY55S8DVL_4W11TY INGEST_TIME 2013-04-24T20:02:37Z PACKAGE AA00011611_07117
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES