Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07106


This item is only available as the following downloads:


Full Text
7

;
I


Anno XXVI.
Quinta-feira 8
VAKTISA* BOS OOSBIIOI.
Golanna e Parahlba, segunda esextas felra.
RIo-Grande-do-Horte, quintal felras ao meto-
Cabo. aWlnbem, Rlo-Formoso, Porto-Calvo
e Macelo, lio I., a II, e SI decadamex.
Garanbuns e Bonito, a 8 e 23.
Hoa-VUta e Flore, a 13 e 28.
Victoria, i quintas felra.
Oliuda, todoa oa dial.
Piuiss o los.
momisu.
MIng. a 1, a 2 h. e 57 m. da m.
Nova a 7. oa 7 li. e H m. da I.
Oeac. ili, 3 b.e27m. da t.
Hiela a 22, i 6 h. e52oi.dat
Ming. a 3,' as I i h. c M m. da ni.
miaui Di KOn.
Prlmelra as 5 horas e 18 minuto da manhaa.
Seronda ai 5 boraa et minuto da Urde.
tto Agosto ile i 850.
N. 176.
raizpot da tjbschi i-oAo.
Por tres mezes (oationlaiio) 4/000
Por seis ornes 8/000
Por un anno 15/U00
HABA.
Neves.' Aud. do J. dos
da da su
5 S'e. Nossa Senhora das
orf. e in. 1. v.
9 Tere. S.Tugo eremita. Aud. do chae. rJ. l.v.
7 Quart. S. Caetano, Aud. do J. da 2. v. do
ciyel.
8 Quint. S. Ciraco. Aud. J. dos orf. edo m.
da I.t.
9 Seat. B. Roma... Aud. do J, da l.v. docivedo
dosfeilos da fazenda.
10 Sb. S. Lourenco.
11 Uom. 5 Tiuurcio.______________
OAUTSIOS :
I 7 DE AGOSTO,
SohreLondre 27l/4c27'/'d.por 1/OOOrf. arJOdbu.
. Par, 346.
Lisboa, 100 por oentc. -**
r;uro. Oncas heipanhoes......... 29/000 a 29/50
Moedas de 6/400 velhas.. 1J*00 a 16/700
de 6/4(i oras.. 16/100 a 16/200
de 4/000........... 9/100 a 9/21.0
/'rala.Patacfles brasiletros...... l/!6Ja 1/9
Pesos columnarios....... 1/160 a 1/W0
Ditos mexicanos.......... 1/80" a l/bJ
MARIO DE PERYiH
*E
0FFICIAI.
COVERNODA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO.DI A .DE AGOSTO.
Officlo.-Ao eommajidante das armas, com-
mnicandoqneS.i. o Imperador, segundo rol
declarado em aviso do ministerio da guerra enm
daU de 28 de Jumo ultimo, houvera por ocn
determinar que valor da forragem seja hxada
de conforinldade cum a le do ornamento em
480 rli, uao sendo ojeito as avaliacdes semes-
tres coma se procede com aetape.--Intelllgen-
clou-se ao Impector da pagadorla militar.
Dllo.o uieimo. inlrirando-o de ler S. sr.
o Imperador, por decreto de 20 de ullio pr-
ximo lindo prvido a graduacao do posto de
le nenie-coronel ao mjoi doquloto batalbao de
catadores Franclaco Vctor de Mello Albuquer-
ue.-Communicou-se ao inspector da pagado
la militar. .
Dito.Ao mesmo, sciriitllicando-o de haver
S. M. o Imperador, segundo constnu de aviso
do ministerio da guerra de julho ultimo,
dlgnado-ac de nomear o lenenle-coronel gra-
duado Francisco Vctor de Mello e Albuquer-
que, para coininandante Interino do terceiro
batalbao de catadores estaclouado n provincia
do llio-Grande/dosul.
Dito.Ao mismo, para que transmita a se-
cretaria do ouverop, aflu de ser enviada ao
F.xm. presidente do Maranhao, que a requisita,
a fe d'offlcio/do toldado do lercelro batalbo de
arlilbaria a p.Joi Mariano uaConceicau, que
tein de responder a conaelho de guerra naquel-
la provini, por ter delsado fugir iciilen-
ciado a cal Manoel Joaqulin, que eslava sb
sua guarda.
0llo.~Ao nieimo, dizendo que pode mandar
asseolar praca no segundo baiallin de caca-
dores, ao paisano Joo Francisco dos .-autos,
se para isso o julgar apio.
DitoAo Inspector da llieiourarla de faten
da, Iraniinilindo os avilos de duas letras na
Importancia de 1:160,000 reis, sacada pela Ihe-
sanarla do Rio-Giandedo norle sobre a deila,
e a favor de Canuto Ildefonso Kineienciano.--
I'arlitlpou-scao presidente daquella provincia.
Dito.Ao Inspector da thesourar! da fa-
zenda provincial, para que confate com o
arrematante da estrada e paste do Remedio,
Manoel Ferreira dos Santos rmenle!, nos ter-
mos da sua infurmacao e de conformidade com
O remenlo, que remelle por copia, os acres-
clmos dos atierros da mesma estrada, que nao
aorain comprchendidoa no orcamenlo, que ser-
vio de bsse ao c trato, a que se sujeltou o re-
I ferldo ain matante.--Intelilgcuciuu-se ao di-
. rector das obras publicas.
Dito.A* clireitora do collegio das orphaas.
inleiiaudo-a dr ter utorlsedo a admiiiiiirac'i
dos eitabelecinienlos de carldade, a mandar
retirar daquelle collegio as i-xpostjs, queje
receberam o eualno que se Ibes poda dar.de
conformidade com os respectivos estalutos,
enviando Smc. igual numero de espolias
para seren all educadas.Nenie sentido offi-
ctou-se mesma admlnisuarao,
Dilo.Ao directordaaobias publicas, Intei-
rando-o de ter approvado o orcanieuto, que
Smc. envi.iu, para duzenlat bracas de atierro,
que se df ve fazer no sexto lauco di estrada do
Pao d'AlhO em lugar do que all abateu po
ter f6xo o terreno, em que fra construido, i
pieveniido-o de que o referido atierro devera
er felto por adamistraco.Communicou-se
ao Inspector da tbrsouiarla da fazenda pro-
vincial.
RISPADO DE l'ERHAMBUCO.
V. lodo da Puricaco Maretas Perdigdo,
cemego regru di Sanio Avoilinho. por
grata de feos t da Sania S Apostlica, bii-
. po di l'trnambuco, do conttlho de S. M. I
i C. etc. etc.
A todos os nossns diocesanos sade, paz e
beneflo, tm nonn de Jess Christo, eda su
pursoims mili, noiliadeseu niaior e mais
lorincn Irinmnho
A ricordagaodo da 16 de agosto, dilec-
tos filos e irruios, no qual pretendemos ce-
lebrar, pordifina permissio, o ioefabilissi-
mo mysterio d'sssumpr.'io de Naria Santis-
iiua,(predilecta filha de Dos Padre, glo-
iosissinia nii'ii de Dos fillio, inimaculada
esposa do Espirito Santo, e purissimo tem-
plo da Saniissima TnnJadeJ nos excita
prevenir vossa menle, e a inflamoiar vnssos
cori(oes no amor e verdadeira devo^So para
oom a rhalsamavel das ereaturas, protecto-
ra dos altribuiados, 'consoladora dos afile-
los, defensora dos naufragantes, por quii
fovnos remidos, e porquem esperamos sor
ss I ri s, se preenchermos lodos oa dever s de
filhos da mais terna oai, lelosa da honra e
gloria de seo fillio Jesus-Christo, cujos pre-
ceilos devenios observar, se queremos so
leu nisar rom sincero aiTecto u magmlico e
marsvithoso da, em que a ml dos pecca-
"cr-? f"' *!r;; : Uic: coa, para
Mr collocada da lieatissima Trindade, go-
zara singular gloria, que IIib fui assigna-
Itdi antes dosseculos; tnalor sem duvida
que a de todos os aojos e santas da corle ce-
lestial.
He verda'de que todos os cultos, venera-
(oas, respeitos elogio* que a fragilidade
humana pode tributar a asta soberana im-
peratriz do cd eda trra, nSo silo sufllcien-
les a lio subllrr.e dignidad, occorramos,
porm, a esta noasa insufliciencia coqi Sau-
tti Agostiiino, pelo ariente desejo de que lo -
dos oa no.-sos membros se convertessem em
liugots para louvar e bein dizer urna crea-
tura, enr quema Divina Omiiiuoteucia mais
resplaodtceu, esgotando, por assim dizarj
todo o seu poder pata a constituir albea e
lenta de qualqurr mauclia ou sombra de
culpa.
I 0"ge de "O" aterrar a nrnnria Hefllcie;
cia, prestm-lhe os cultos venersco ao
nosso alcauce para n9o desmerecermos sua
ios Inlercesso, concorremlo a digna re-
m;!Io des sacrari.entos da penitencia, e da
_cratissima cuebaristia, i quedevemos re-
correr na vesrea, ou di do fllicissimo
irauaiio da einpie Virgeci Man, em corpo
ealma, para ser eternamente advngada da-
quelles, que em seu efllcaz patrocinio con-
liam.
Para eslefim compareceremos na igreja
dorecolhimeoto de Nossa Senhora da Glo-
ria, para, em nome do santisslmo padre Pi
IX, concedemos indulgencia plenaria, e re-
misslo de tolos os pecesdos aquelles que,
enn I relos e vardadeiramenle arrependidos,
se confessarem e receberem a Sagrada For-
ma, como ja dissemos, supplicando a Dos
pelo feliz estado de sua san I i lado, a faror
lo prelado diocesano e da santa igreja.
Igualmente abencoaremos o povo ehris-
to, em nome do mesmo santissimo padre,
como se o'ln presente fosse. em conformi-
iade com a faculdade pontificia, de que es-
tamos munidos.
Prostremonos diante da veneranda ima-
gem de Nossa Senhora da Gloria, digno ob-
jerto, ao qual devemos dirigir nossos votos,
rogando-lhe se digne collocsr-no* entre os
seus predilectos filhos e servos, converter
nossos corado**, ser nosso refugio na hora
da morteena eternidade de nossa ventura
0' mili de piedade, por ruja intervengo
esperamos honrar, quanto nos seja possi-
vel, vossa protentosa assumpgo, ofTerecen-
do vos nossas reverentes homenageos j en-
visi vossa clemencia sob'e aquellos que, no
mais brilhanla dia da vossa inenmprehen-
sivnl exallaflo. sentem seu cora^So apode-
rado do inexplicavel prazer em que fastos
sulimergida, abysmados oa contemplacAo
letana gloria e poder, que vos fot concedi-
do, para protegerdes os que vi vem as tre-
vas do erro, Maqueados pela venenosa ser-
pente, cuja cabera esmagastes.
Favorecei os que existem alheios do cum-
primenlo dos pmprios deveres, para (atis-
fazerem execrandas paix>s, quaes, fallan-
do differenle lingoagem, todava lendem ao
mesmo fim. Neate dia, o mais aprasivel,
manifestai a vossa misericordia, abrindo o-
thesouros das gracas que vos foram confia-
dos, para por vos seren distribuidas, como
vos aprouver. pelo etrno e jucundissimo
prazer que gozis, reinando junto da Omni-
potente Trindade, nos communicai as lotea
e auxilios necessarios i consecuqo da ven-
'urosa eternidade, cuja fruicSo anhelamos.
Dignai-vo* guiar nossos passos, dirigir nos-
sos pensamenios e reger nossas palavraa, de
naneira que a f, a eaperanca e a caridad
se iranifestem em lodos oa nossos movi-
menlos e acfOea, a pureza dos oostumaa,
que imploramos por vossa benigna media-
cao, nos designe vossos protegidos, a cuja
ventura aspiramos. Nesle dia em que vosa
consumada e inexhausta beneficencia pode
felicitaros peecadores, de quem sois cari
uliosa mSi, intei pondo todo o vosso vali-
mento para nos relractarmos inmediata-
mente dos excessos, que nos occasionam
perda da eterna gloria, e que na hora da
niorte qnieramos ler detestado em lempo
oppnrtuno, para naquelle terrvel momento
nilo desnierecermos vossa piodosa prolec-
q8o. sem a qual o tefmo final de qualquer
vvente ntlop le ser agradavel a vosso pre-
di'eclii-S'ino lillm. U'maismorosissima, fa-
zei-nos ver pela serla reflexfin, quedevemos
etforr;ar-noi para sennos Deis imitadores
de vossas virtudes. NSo permiltsrs que a
maior parte dos chrislSos viva Iludida com
a vfia esveranca de obler sua slvelo, sem
que trilhe o caminho da recuda.i, ensinado
e platicado por Jesus-Chrislo vosso fiho,
para nos felicitar, na luminosa eternidade.
M0i aniabissiina, o vosso mais ineff.vel
transito, .o vosso mais singular trlumpho,
vossi coracSo a mais rutilanU, excedente
a toda com|irelicns3ohumana, nos inflam-
me em desojos d preneher es doveres de
lilbos e servos vossos.
Nesle da vos prevenimos com especial
fervor eansedade, para que no dia de nos-
sa exinanieflo sintamos efileazmenle vosso
patrocinio, supplicandu-vos, corniola far-
ga do nosso espirito, nos livres de nossas
inimigos, constantes na prelencao de nossa
eterna loprovaclo.
Predilectos diocesanos, nos estamos con-
vencidos da proleccSo que a lilha de SiSo,
farinosa como a celestial Jerusalem, r o-
toin prestado as erises mais arriscadas,
naa tribulacdes mui perigosas, apezar do
nosso mais teconheciJo demerito.
Pernambuco com a mais sstisfafSo ron
fessa esas verdade, e nos esperamos que es-
ta conlissflo seja 19o ingenua, que vos abri-
gue a imprimir na mente os beneficios pro-
digahsados por SaMsa benigna mBi, que ja-
mis daixsr efeaceilar nosso reconbeci
ment, se nos inclnarmos a tribuUr-ine
generosa gratido, qu I nBo podemos ma-
nifestar, sem que observemos exactamente
os i roprios deveres, respectivos ao estado,
em que a Providencia nos eollocou. Hodie-
rnos com particulares grolas a prol da in-
iigencia, ogloriosissimo momento, que fe-
Itcitou extraordinaria e superabunJante-
inenle a rain ha da gloria.
A le tura da pastoral, ( qie vos dirigimos
no anno transarto sobre o mesmo objeclo)
qual niuilQ vos recommendamos, Ihc ser
mu agradjvel. Mara, a quem smente po-
demos sltclbuir.p. inaudito lit'ilo de mSi
virgem, tt| lasylo, e nos soccorra,
proiej.el lurante a nossa existen-
i particularnientena hora
damorte. Maris, mSi do cordeiro mmacu-
ado^por cujas bjsBeficas mSos temos rece-
las uierces, fortifique e cor-
ii espritu, e o laca constante e
juilo de seus edificantes e ins-
(emploa. Mara, Ilustre pela dos-
rendfliicla da casa e ramilla de David, ealu-
da mais dilosa pela prallca de porfeitisai-
inas virtudes e emiuentlssima dignidade,
Ilustre, e iltumine nossa obscurecida me-
le, para que a lempo previnamos nosso xi-
to final, renunciando a todas as illusoes,
que nos posssm constituir ineptos, psra no
reino da gloria gozarmos a presenta da mSi,
corredemptora do genero hvmano.
Palacio da Soledad, 8 de agosto de 1850
foto, bispo diocesano.
fiommantlo dns arma.
Quarttl general na cidade do lecife, em 9 de
agosto de 1850.
0RDEM DO DIA. N, 67.
0 Sr. mareclial de campo graduado Anto-
nio Correa Sera. commandante das armas,
deata provincia determina, que fique de >e-
nliuin eflelto a ordem do da n 66. datada dr
honiem, na parte lmente que mandava anne-
xar ao quinto batalhSo decacadores dilferentes
pracas do exercito, que como talcontinuarSo a
ser consideradas no segundo batalhaoda mes-
ma srina.
Francisco Carlos Bueno Detcham^m,
capitSo ajudante de ordens.
TRIBUNAL DA HELADO'.
SESSAO DE 6 DE AGOSTO DE 1850.
raaStDBNCIA DO KM. SlNUQ CON-
SKI.HKIHO AZEVfDO.
A's 10 horas da manhaa, fchando-se presen-
tes os Srs. desembargadores Ramos, Villares,
Hastos, l.esio, Souza, llebello, Luna Freir e
Felles, faltando com cama os Srs. deseinbar
gadores Ponce, o Sr. presidente declara abena
asesso.
O Ex">- Sr. presidente leu uin olllcio do che-
fe de polica uterino desla provincia em que
participa sabir pan fra da cidade a servico.
aoteiiUNro.
Uafcffli-corniu.
Pedido pelo promotor publico do termo do lle-
cile a favor do preso Florencio de Barros
Montelro. Foi concedido para aer apresen-
lado o paciente nasesso de 9 do crrente,
ouvindo-ae o subdelegado de Santo-Antonio
ate o mesmo dia.
^jgraro di ptllfd.
Aggravanle, Antonio de Paula SousaLeao; ag-
gravado, Antonio Jos VazSalgado Nao
loinaram conhecimeiito por ser apresenlado
fra do termo legal.
Aggravante, Jos Fe-uandes Kj ras aggravada,
D. Mara Francisca do llego. Deram pro-
viuiento ao aggravo.
desembargador Ramos o seguinte recurso em
que sjo :
Recorrrnte, Jos Ttillv eoutros: recorridos
KelllCastello 4t tt e outros.
mitrisezcSes.
Ao Sr. desembargador Telles as seguintes
causas:
llebtas-carpui de Florencio de Barros Monteiro.
Aggravante, Jos Jeronvmo Momeiro ; aggra-
vado, Nuno Maria de Scixas.
Recrreme, Henrique Jos Uravner de Souza
Rangel ; recorrido o julio.
Ao Sr. desembargador Luna Freir o seguin-
te recurso em que sao :
Heccorrente, o juizo de direito do Poinbsl ; re-
corridos. Jos Severino da Silva e mitins
Ao Sr. desembargador Batios a seguinte ap-
pellaco em que sao :
Appellanle, o juizo ; appcllado, Domingos Al-
vea da Silva.
O Sr. desembargador Hanoi appreientou o
accordam para ter asiignado na appellacao ci-
vel eni que sao :
Appellanle, Francisco Carnriro da Silva i ap-
pellado, Jos Fianciscn Kranco.
I.evaiilou-sc a sesiao s.duas horas da larde.
EXTERIOR.
AM.0GUCA0' DO PAPA NO CONSISTORIO
DE 0 DE MAIO DO CORRENTE ANNO.
Veneraveis rmilos, al hnjn temos til
rasflo para admirar o cuidado da Divina Pro-
videncia em defender a igrejs calholca ;
po'm nesles ltimos das temos visto en
um grao ms que nunca nntavel provas des-
a prolpcclo que n omnipotente prometteu
* sua igreja at ao fim dosseculos 0 mundo
todo sabe das lainenlaveis orcurrencias que
nos obrgaram a viver no exilio por mi
de 16 mezes, todos foram testemunhas dos
lempos para sempre deplorareis e terriveU
em que niin so fa pormeltilo ao prineipe
das trevas desenvolver a sua raiva conlra a
igreja, e contra a s apostlica, senSo tam-
bem Ihe foi concedido introducir a desor-
dem nesta cidade, o centro da verdade ca-
tliolica, com neltavel dr nossa e do todas
as pesseas honestas ; porm todos vimos
timbero como o Dos .de jostra e de mise-
ricordia, o qual fere e cura, d a morte e
restilue a vida, lan^a no inferno e delle
lira. nos consolott pelas sempre ptesen-
podemos igualmente deixsr de mencionara
lien cuidada de outros principes nflo unidos
cadei'ra de S. Pedro, os quaes deram pro-
vas da afTeicSo que nos consagram, e por
seus conselhos e assistencia contribuirnni
para o reslabelecimentos de nossos dreitos,
pelo i]iie llies damos siiirerns u lieiri mere-
cidos agradeeimentos.
Neste ponto nSo podemos suincientcmcn-
le admirar a Providencia, a qual dirige to-
das as cousas com Torca e bra ndura,e dis o/.
os coracOeg dos principes nSo unidos igre-
ja romana, al no meio das perturbares
e nmnrguras, fazendo que sustentsssem o
manlivessem o estado temoo*l da mesana,
o estado que o s >l erano pontfice tem con-
servado pela vontade do Omnipotente por
espai;n de tantos seculos surcessivos corn
jtisio direito, afim de que nognverno d
igreja universal, divinamente confiada aos
seus cudalos, possa exercer sua aulorida-
de apostlica com aquella lib-rdade que lio
necessiria para asseguraro bem do rebanlio
de Ciinso. He nossa voutsde darmoh Ion -
vnres e honras aos embaixadorps e agentes
daquellas nar;oes e princ pes quo provaram
sua benevolencia e affeiQo defendendo-nos
anlesde nossa partida e acompanhando-no
em nosso exilio eregresso Tilo profunda-
mente abalado nos deixaram os muitos ac-
tos de piedade, intensa sffeico, grande
rcspeilo, e abundante heralidade que tes -
temtinlinios em toda a rhrislandade que.sa
o lempo o pernntlisse, de boa vontade de-
eUrariamos aqu a nossa gratidSo nSo s a
cada cidale e villa, senilo tambero a cada
um de s mis habitantes ; comtulo julgamos
que 11."i i llevemos deixar em silencio as es-
trondosas e maravilhosas provas de f, pie
lade, amor e liheraliJade que com tanla'ale-
|lia recebemos de nossos veneraveis ir-
m.im, os bispos da greja universal. Anda
qun eiii aperto e dilliculdades, ells no
leixaram decumprir o seu ministerio com,
fortaleza e zelo, elles nilo cessaram de pe-
lej ir a lio i peleja, nem de defender por suas
palavras, por seus uleis escriplos. e em suas
assemblas episcopaes, a causa, oa direi-
tos e as libenlades da igreja, ne n finalmen-
te de prover as necessidades espirituaes de
suss ovelhas.
Como podereroos expressar a nosss gra-
tidSo para com Visco, veneraveis rmilos,
cardeaes da santa igreja romana, que nos
Recrreme
Tlioma/. Ferreira Alvea. Rodrigo Joaquim
Correa e Manoel de Atevodo Canario. Jul-
garam procedente o recurso qnanlo a Tho-
maz Ferreira Alves e quinto aos outros dous
julgaiaiu Improcedente.
Apptllacn ilrn'i.
Appellanle, Thomai de Aquino Fonseo ; ap-
pellados, Manoel de Olivrlra Faneco e oulro.
i nnlirmarain a aenlenca.
Appellanle. Elias Coellio Cintra: appellado,
Agoslinho Heoriquea da Silva. Confinna-
ram a sentenca
Appellanle, Jos da Costa Guunarcs; appella
do, Joaquim Antonio do Forno. Despresa
rain os embargos-
llKl.lINCll.
Appellanles, Antonio Kabio de ifendonca e
sua mulhere outros; appellado, Eitevo Jo-
f Paes Brrelo e suamulher. Mandaran
avallar c averbar a dizima na appellacao
clvel-
Disiemcdes.
Appellanle, o promotor publico; appellado
FelizardToscano de Brllo.
Appellanle, o bacharel Manuel Jos Pereira de
Mello; appellado, Joao de Barros brando e
outros.
Appellanle, Gabriel Malheui Evangelista ap-
pellado, O JulZG.
Appellanle o juizo ; appellado, Antonio Alves
de Miranda Guimaries.
Appellanles, Machado ai Pinheiro ; appellado,
Francisco Marlini de Lima
aavisdEs.
Passarain do Sr. desembargador Bamoa ao
Sr. deiembargador Villares a seguinte appel-
laei'io em que lio :
Appellanle, Jos Thomax de lampea Qua resma;
appellado, Joaquina Maria llibeiro de An-
drade. ,
Appellanle, Jos Antonio Gomes Jnior: ap-
pellado. Jo5o Pinto de Lemos Jnior.
Appellanle, Pedro Fianclsco Lima appellado.
o juizo.
Passaram do Sr. desembargaUpr Villares ao
Sr. desembargador Bastos ai seguintes appel-
lacdes em que sao :
Appellanle, Manoel Ferreira da Silva ; apnella-
Appe'llane, Oon5alo Jos de Mello ; appellado,
l,.5n ni- Frr;;.-s.
Appellanle, Jos Maoorl Monteiio Braga; ap-
pellado, Deanc Youle & C. eoutros.
Passaram doSr. desemliargador Bastos aoSr.
desembargador Leo as legujslcs appellacoei
tes e mnnifestas provas de sua' bndade, el,lestes soccorro e consolarlo ; por quanto
como attendendo compassivn as no-sas ora-I fustes os compaiibeiios de nossas aflccac.-.
Recursos eriefm.
o promotor publico; recorrida, Cflos e gemidos e igualmente as suppIieasfsoiTresles as provacescom inabalavel cor-
Apleanle.'o juizo ; appellado, Feliciano Joi
Henriquei como tulor.
Paiiaram doSr. desembargador Souza ao Sr
deieinbargador Hebello ai seguloles appella-
ftrXT&' Rodrigua. Ferreira; Wel-
lanle, o juiao de auzentes.
.npelnte, Joaquim Pereira Hoinem; apprl
lados, Sergio Ucmenlino Souto malor e Al-
buquerque e outro
Paasaram do Sr. desembargador Luna Frer*
aobr ae..ibarSadorTll.aa. ^gulo.e. ap-
A,n^
C'v,lc",eFr.e'.co oarnelro da Silva i
Appellanle,
Kr-^d^r,^.rx..,e..os,
de toda a igreja, se dignnu acalmara tem-
pestado e livrar nossos mutu amados subdi-
tos do miseravel estado em que se acliavam,
e restituir-nos a esta cidade sania no meio
da alegra do rovo e da exultaefio de todo o
mundo cathnlicn. Sendo esta a primeim
vez que nos dirigimos a vos depnis do nosso
regresso, he do nosso dever dar i Divina
Providencia nossos corJeaes agradecimen-
tos por tantos favores, asim como daros
mereci os louvores aquellas afies e prin-
cipes poderosos que foram movidos pelo
Omnipotente s prestar esle servido santa
s, di fendendo por seus meios, conselhos e
srmas o principado temporal da s e restau-
rando a paz publica e a ordem cm nossa ci-
dade e em nossos estados.
Nosso amado filho Fernando II, re das
Duhs Siciliiis merece o especial trbulo de
nossa gratidHo e a mais particular menean
em nossas oraches. Logo que foi informa-
do de nossa chegada a Gaeta, sua profunda
piedade f-lovoar nossa preseuca acomp-
nhado de sua augusta cor.gnrte, Maria The-
reza, para expressar a satisfcelo que Unh
de poder dar-nos provas de sua filial aiTei-
$So e rcspeilo ao vigario do Christo na tr-
ra ; evsmesmos, veneraveisr imBos, les-
tcmiinl ales a magnifica hnspitalidade com
que elle nosrecebeu e a neessante attenco
que teve por-ns em lodo o lempo em que
residimos em seus estados. Anda mais,
quando as outras nacOes correram a defon-
deros nossos dreitos temforaes, ello em
pessoa dirigi as suas tropas ao campo da
batalha, Os merecimentos dcste exellenle
e poderoso principe para comnosco e para
com asenta s permanecem tilo profunda-
mente mpressos ero nosso espirito, que na-
da i odera nunca remover de nossa memo-
ria a agradavel lembranca d. lies.
Em segundoJugar devenios mencionar
com grande honra e coin o penhor de nossa
perpetua gratido a muito nobre oac.no fran-
ceza, Ilustre pela sua gloris militar, pelo
seu respetto nossa s apostlica, assim
como por tantrs outras rasOes Essa ncao
o seu oigno presdeme, coi rendo em nos
so soccorro, enviaraoi generosamente olli-
ciaes c soldados bravos, os quaes, veucendo
militas e >,-is dilliruliladis, Itvraram esla
cidade ds miseria e prostrarc3o em que se
acliava, e tiveiam a gloria de fazer-nosen-
trar outra vez dentro de seus muros.
Nesta expresso de nossa gradSo e lou-
vor, llevemos unir o nosso smado filho Fran-
cisco Jo^ impsrador da Austria e rei apos-
tlico de Hungra e Bohemia, o qual, imi
immedialamenle as suas tropas em defensa
de nossos estados, e por suas armas victo-
riosas livrou as provincias das Lagunas c
Umbra do umadominagflo Ilegal' e allliclt-
vs, e reslituio-as s nossa legllrma autonda-
de. \o>sa graliduo lie lamliem devida de
um modo iispecinl A nossa muito amada U-
Iba Msria Isabel, rsinha de Hapii, eo
seu governo; porquanlo, a o ser informa-
da de nossa desgrara, o seu penssuienlo
como bem sabis foi nao sOmenie iouiar
ludas as nagOes calholicas a sustentasen! a
causa do pal codimum dos fiis, senfio lam-
bem enviar suaa valenlos tropa* pava defen-
derem as possessOes da igreja romana. au
gem, e e.stivesles promplos a todo padecer
pela honra da alta digni lade de que ves)
achnis revestidos, nunes deixandodeassis-
lir-nos con vosso conselho ecoopersQo Y
Ja que i or esyecial fsvrdo Omnipotente
ss cnis is foram ordenadas de sorle que i>o-
dessemos vultar a nossa sede no meio das
congratulares de nosss cidade e de lodo o
mundo, he nosso primeiro dever dar nos-
sos sinceros agradecimenlos na humillada
de ii'is-ii roi.-iQ.n) nflo smente ao pai das
misericordias, o qual f misericordioso pa-
ra com nosco sen.lo lamliem immaculada
infli de Dos cuja poderosa intercessao he
devida nossa silvuelo.
Tendo tragado, posto que rpidamente as
orcurrencias que nos encheram de prazer,
o nosso cargo supremo obriga-nos lambem
a mencionar aquellas que nos perturbara e
iill crin Urna guerra continua seacba tra-
vada entre a luz e as trevas, entre a verdade
e o erro, cutir o vicio eavirlude, entre
Belial e Christo ; e vos sabis com que mas
artes e impos engaos os horneas tem pro-
curado, peftinbar e destruir a nossa santa
religio, arrancar os germen de toda a vr-
tu (e cliristSa, propagar por teda a parle urna
licenga sem limites, do oeosamenlo e de
vidae abalar o corromper os espritus espe-
cialmente da mocidade inexperent corn
todo o genero deeiros perigosos ; elles tem
procurado subverter todo o direito Intua
no e divino, destruir o que he indestructi-
vel, a igreja caUolica, e guerrear contra a
cadera de S. -ledro. Ninguem pode deixar
de ver as provages a que o rebanho do
Chrislo esta exposto e os perigos de que a
propna sociedade est ameacada. Nos de-
vemos un-notem coragilo ealma na vigi-
lancia, zoo e energa para pelejar bem as
pelejas do Senbor, e levantar um muro para
a casa de Israel. Nos mesmos, nilo obstante
conhecermos a nossa fraqueza, confian lo
na assistencia. do Omnipotente, nao sere-
nes silenciosos em favor deSSo, nem inac-
tivos em favor de Jerusslem, e tendo os
nlhiw dirioi^ns nmiirft nr nnman Smji;;
Jesus-Chrlito.-o autor e 'consuinmador do
nossa le,nilo poupareinos cuidados,nem tra-
iiallins para fortificar o templo e reparar as
aiTl eces da greja, e prover pela felicidade
de todos, estando promptu al pars dsr a
nossa vida pelo a mor de nosso Senbor ama-
do, e de sua sania greja.
Dirgindo-oos a todos ps nossos venera-
veis limaos, os bispos da chrislandade, o
lelicitsudo-os oulrs vez pelos trabalhus que
nobremenU) soffreram pela gloria de Deu o
lando os seus" antepassados'em'piedade empela salvagflo das smasenos os ammamos
reverencia cadeira de Pedro, despachou
a seren unidos na terrvel contestadlo em
palavra e aegao, e fortes noSenhor, e no
poder de seu poder, a levontsrem o escudo
Ja f e a espada do espirito, que he a pala-
vra de Dos, o a sahirem, bem como tem
fetto, a combater corajosamente por nossa
santa religio com zelo sempre crrtscenle,
vilor episcopal, constancia e prudencia, e
bem sssiai a frustrar o Bfigos de uossus
inimigos, arepellir os seus aasaltoss a de-
fender suas ovelhas das violencias dos mes-
mos. Elles que exhorten os eclesisticos
especialmente a seres activos oa oragflo,
fervorosos em espinto e edificantes oa asis-
tida Je de vida para que posssm ser model.
los de boas obras, chelos de zelo pela ssi.


'"' -''
<2<
varRo das alma?, unidos em pelejar pela
mais intima uniflo da candarle e entejan)
proraptos para annnnciar debaixo da gira de
seus respecllvos bispos a palavra de Den,
Si le e os precaitos de sua groja. F.lles
que activem os ecclesiastieos em expr ao
poro as fallacias e engaos dos homens per-
Tersos e em mostrar-lhe como todos o < ma-
les decorrem dopoccado, e que os homens
so pdem actiar a verdadeira feliridade nn
observancia da iei diyina,.ena fldelidadc
com que os homens cumprtm os sus deve-
res, procuran a virtude e fogem do peccado
e das trevas para oSenhor.
Nos vos convidamos, veneraveis irmes, a
tomar parte em nossa alegra e na consola-
cao que no mcio de tantas alllcceshave-
mos recebido po causa dos decretos lti-
mamente publicados pelo nosso amado fl-
Iho o imperador da Austria, Francisco Jos,
o qual, scciiin lo o impulso de seus pro-
prios sent inn tos religiosos e cedendo s
iiossas supplicase pelicflo dos bispos do
seu grande imperio, adquiri um titulo de
gloria, e merecen o applauso de todos os ho-
mens honestos pela liberdade que por meio
de seus ministros, (So prompta e noli remen-
te. conceden i igreja.
Nos damos os nossos agradecimentos a
tSo nobre piincipe e com elle nos congra-
tulamos por este acto tSo digno de um so-
berano catholico. Nos ntrelemos urna se-
gura esperanca de que elle completar a boa
obra que comecou, e por* em pratica os
seus designios religiosas pelo hem da gro-
ja : porem uossa alegra ha sido reprimida
pelas noticias affliclivas e penosas que re-
cebaos dos soffr menlos da igreja em un
outro estado, ejiel maneira pela qual seus
direilos e os direitos da s apostlica sSo
alli calcados aoa pea. Fallamos do reino do
Piemonte, no qual urna Ui injuriosa aos di-
reitos da igreja e contraria aos tratados so-
lemnes celebrados com a Santi S fol ulti-'
mmente publicada. Dentro destes ulti-
mo das temos saludo com profunda dr
como o pi arrebspo de Turiro, nossn vene-
ravel irmo, Aloysius Franzoni, lOra arran-
cado de seu palacio por urna escolta mililar
o com dor de toda a cidade de Turim e de
todas as pessoas honestas ilo reino, melti-
do dentro da cidadella. tem como o nosso
levere a gravidadedo casoeiigilo, apres-
s imo-nos rm protestar por meio de nosso
secretario de calado, primeiramenle contra
a le em quesillo, edepois contra o violen-
to tratamento daquelle excellente prelado.
Nossa ddr he mitigada pela espcronc do
que nossos esfoigos serllo coroados desiic-l
cesso, equaudo as circiima'.ancias o reque-l
rerem nodeixaremns de dirigir vos outra
allocucflo a resreito dos negocios ecclesias-
tieos daquelle reino.
Km nossa paternal solicilude, nflo deve-
nios deixar de declarar nossa anxie'ade
i|uandri considerrnosos perigos que corre
o calholicismo no illustre reino da Blgica,
o qual tem sempresido conspicuo pelo seu
zeloem favor da f catholica. Confiamos
todava queS. M. o rei eo governo daquelle
pai7, cons lrrm o em sua sahedoria que a
igreja calholica e o seu ensino concorrem
para a felicidade temporal das nagoes, e que
elle protegeros os direitos da igreja e sus-
tentado os esforcos dos bispos e minis-
tros da religRo. Como a candada apost-
lica coro que abracamos todas as n-cues e n
Chnslo nos leva a desejar sohre todas as
cousas que todos os homens estrjatn uni los
nj f e no conhecimenio de Dos, dirigi-
lo-nos aquclles quersl.lo separa tos de nos
na fe Ihes rogamos com loda a alTeicfio e
ardor do nosso coiacAo queolhem paras
luz da verdade e venham para nossa santa
igreja n para a s de S.-Pedro, sobre a qual
nosso Senlior fundou a sua igreja
Finalmente, veneraveis irmflos, nSo
cessemos de rogar fervorosa e constan-
temente a Dos, o nador de todos os bons
dona, que pelos merecimentos de seu uni-
gnito filho nosso Senhor Jesus-Christo, po
los de sua sanlisaima un* i e dos santos apos-
tlos Fe lio e Paulo e de todos os santos
do oo sn digne proteger e guardar a sua
Igreja, augmentar os aeus triumphns sohre
toda a trra, derramar sua gragas sobre
nos, premiar as naces c os principes que
tein merecido bem de vos e conceder a paz
ao mundo.
( Traducida do ingles )
l'iiblicico a pedido.
Francisco de Salea da Costa Hontciro, tabe-
liao publico de rrotat, da comarca da cidade do
Rrclfe de Pernambuco, por S. al. o Imperador,
que Dos guarde, efe.Certfico, que pelo sup-
plic-inle nr fol Bprrs, nlailo un documentos
citraliirios pofeertldo prln nolario .-ipposloli-
co da cidade de Lisboa Joao Evangelista de Si
Caldevia, cujos docuiuriiios eslo retonheci-
dos pelo inlieii'n da mesma cidade de Lisboa,
Antonio Pedro Brrelo de Saldanba, e do cn-
sul geral braalleiro Vicente Ferreira da Silva,
pie turto reconhrco verdadeiro, e me lol apon-
ladn e pedido por certlda o aegulnte :
SvfplirnKinlnentisslio e reverendiaiimo
senhor.Feliciano iosi Comea e Aleandrina
Roza Gomes, elle natural de Pernainbuco, e
ella detta cidade, baptiaada na fregurzia de
Santa Justa, un 'e ambos sao moradores, p-
fenles em segundo grao de consarlguinidaue ;
aiipplicain a vossa eminencia, dispensa nia-
trfmonial com a tanta de infamia, e em forma de
jnbre.-3l Den.
Artigosjuitifieatitm.Por arligos jtialiliratl-
voa.--fe sendo neceaaario.Provaia que oa im-
petraste Feliciano Jos Gomes e Aleandrina
Roza Gomes, elle natural de Pernambuco,
:!!: Jy!i- ."anta Justa, onde ambos sao moradores, sao
os proprlns.Provar que riles impetrante
s'io prenle em Segundo grao de consangtii-
nidade.Provar que sabendo do parentesco
tem dado suspeila de copula carnal, a qual po-
rin nao houve.e nrm o dito trato fez com ani-
mo de por laso devem inals fcilmente dispen-
sado.Provar que pela dita raso a impe-
l ante ae achagravemente infamada com o Im-
petrante,ea nao etleuuar este casamento fiema
isrnta e sem esperancas de oulioProyar que
os Impetrantes sao pobrea Provai que a im-
petrante nSo fol raptada, nein cunitranglda
para rale casamento, o qual fol por aua livre
vontade.
/nr/utricdo.--Hefaina pnblica.--Inquirirlo de
teslemunha, u. 4.-Aoa -ti de fevereiro de 1837
em cmara patriaren! de Lisboa, formn per-
gunladaa > 'rslrmuuha seguidles. Joo
tvangellsta de SCaldeira, o escrevl.
Priaai'ra UHimunk*. Feliciano Jos Gomes,
piloto, morador ua ra do Amparo, n. i'\, de
idade ilex' amiu. preaiou juramento aos sau-
toi evaogelbo, e prometeu verdadeartigot
fls. 3.E depondo aos artigos, disse ser o pro-
,rm e verdadeiro, todo o eafiendldo em os hirs-
uto, fin trr uials a dizer. -.'uao Evangelista
de S Caldeira, o eacrevi.Felicianu Jote" Go-
lnei.-Goeiro.
ejuiuii teiUmanha.Alexandrina Itoza Co-
mes,moradora na rua da Bitesga, n. 4, de Idade
de 22 a unos, prestou juramento, e promoteu di-
ierverdad.H depondo aos artigos, disse vera
proprla, e verdadeiro o expendido em os mea-
mos sem ter mala a dizer__Joo Evangelista de
S.i Caldeira, o escrevi.Alexandrina Itoza Go-
mes. Cosaeiro.
Terrtira teelemunka.--I.niz Pinto de Meirelles.
leniista, morador no becco do Forno, n. A, de
idade de 47annos, teitemunha jurada aos san-
ios evangelhos, ao cotume nada.1' pergitnla-
lo disse serrn os proprins, pelo conhecimenio
que dellc tem. e sabe que he verdadeiro o
expendido em seua arligoi, srm ter inals a di-
zer. Joao Evangelista de S Caldeira, eacrevi.
-Cosseiro.
Quina iMlrmuafia Apolinaria Vieir.i, cai-
xeiro de Alexandre Jos Gomes, morador na
rua Augusta, n. M, de idade de (i.'i annoa, les-
(einuiilia jurada aossantoa evangelhoi.e ao eos
turne nada. E perguutado disse coolieccr aos
inpetranUa, e sabe que o expendido em leus
artigoa he verdadeiro, sem ter mal a ditrr,--
Juo Evangelista de Sa Caldeira u eacrevi.
Apnlinariu Virira, Cousseiro.
Senienra. Chritti nomini i'nrocaio, visto eale
autos, ditppnsa tullas duas, artigos folhas tres
recebido a folhas tres verso e provas a elle da
da. Mostra ae que os impetrantes Feliciano
Jos Gomes e Alexandrina Roa Gomes, riles
moradore ua freguezla de Santa-Justa deata
cidade, sao os proprios; que o prenles em
segundo grao de ronsangulnidadc, oque ludo
visto e o inaia que dol auto consta julgamos
provadas aa priineiras alegadas, os impetran-
tes pelos proprioa r pela autorldade apostlica
a no* concedida. Dispensamo-lhea oaobredito
grao de parentesco que lern,e Ihe concedemos li-
ceiicaparaseunirem em matrimonio conforme
determina o sagrado consilio tridenlino e cons-
tllufco deate patriarchado. E outro alin de-
claramos legtimos os Hlhos que deite matri-
monio nascerem, tudo na forma da dita dispen-
sa que ser valida e proficua aos dito impe-
trantes, os quaes paguem os auto.
Lisboa, 10 de marco de 1837. Marcos, arce-
bispo elcllo de l.acedcmonra.
E nao secontinha mais cousa alguina em a
dita sentenca. bem como em tudo o ibais oeste
inserto que tudo val sem levar cousa que duvi-
da faca, e havendo-a me reporto aos ditos au-
las em uieu poder e carlorio. Em f do que, vai
esta por uiiiii subscripta c asaiguada e luda nu-
merada e rubricada com o appellido de que
uso. I Isboa, 5 de seteinbro de 1849. E cu Joao
Evangelista de SCaldeira.
Eslava o sello appostolico,
Ittconhrcimenlo. Reconhrco o slgnal retro
do eacrivo Caldeira. Lisboa, 10 desrtembro
de 1819. Eslava o sigiul publico ein tesie-
unho de verdade. 0 tabelll'o, Antonio fe-
rfro farrrlo de Saldanha.
Reeoheeimento consular. Vicente Ferreira
da Silva, cnsul geral do imperio do Brasil em
Portugal e dominios, ect., recouhefo verda-
deiro o signal e assigualura suppra de Antonio
Pedro llarrelu de Saldanha, publico notario
Beata cidade, c para conslar onde convier, liz
passar o presente que as>igne e liz sellar com
oscilo das imperiaes armas deste consulado ge-
ral em Lisboa, aos II de setembro de 1849. Ki
rente Ferreira da Sifca, cnsul geral.
Eslava as armaa do sello consular.
Ealava o sello n.7, rs. 1,120 de aello. Reclfe,
27 dedesembro de 1849. Carvalko. AJatca-
renhat.
E mais ae nao continha nns documentos que
me t o .mi apresentadus que eu stibredilo ta-
nellio no principio declarado e no Din asatg-
nadu fielmente lir. extralnr do original que me
fol presente ao qual me reporto, tornei a en-
iregar a quena m'o apresentou conferido, con-
certado, subscripto c assignado masa cidade
do Recite, aos lOdejaueiro de IS.'iii. Siibsereri
e assignei em ( de verdade e concertada.
Francisco de Salle di Costa Mantaro, couuuigo
.lluilur .Inlunii Coilho de OliceirJ.
ros gneros. Passsgelros, S esoravos a
entregar.
Lisboa llrigue portuguez Ne\to- Vencedor,
cpililo Antonio Perers fiorges, carga g-
neros do paiz. I'assageiro, o padre Joa-
(|itim Fercin dos Santos
MI
K DITA IS.
UcimrliQo dn polica.
--Pela inspectora da alfandega se faz pu-
blico que, nos armazens da mesma existem
liversos voluntes alm do praso marcado
pelo regulamento, os quaes deverflo seus
ionoscomiarecera despacha-los dentro do
praso de SO das contados desta data (indo
o qual serijo arrematados em hasta publica,
comodis.fl o art. -274 do tnesmo regula-
mi'ii'o, a saber : i cana com a marca C sem
n. vind.1 do Lisboa em 18 de julho de 1849
pelo brigue "rti/o/. t Pedro Aletandrino
Comes; 1 barrica com a marca i It. C. a
ordem.-vinda da Baha pelo hiatn Flr-di-
Cururipe em 31 de maio de 1819 64 resteas
le albos a JoSo Pinto de l.emos pela polaca
hespanhola Bslrella viuda de Malaga era 16
de oulubro de 1819 ; 20 gigos com enarca
triangulo w. vindos de hamburgo pelo pa-
tacho Chritllna em 15 de novembro de 1849,
a \\'." Oauck I caixa sem mares a Jos Goti-
Qalves Curado, viuda de Figueira pelo pa-
tacho UI aria-loajui na e I dita com a mi rea
>i. p. viada do porto pelo brigue Vtntura-
Felis, i ordem, em 3 de oulubro de 1849.
Alfandega de Pernambuco, 7 de agosto de
1850 --0 inspector interino, Benlo os Fer-
nandts larros.
Pela inspectora da alfandega t faz
publico que, no da 10 do crreme, se hilo
Je arrematar em hasta publica, na porta da
mesiru, deaois do meio-dia, 90 pegas de al
.o l*o cr liso rom avaha n- ral, a requeri-
meulo do seus consignatarios Jones Patn
& Companhia, na forma do *" 4 do art. 963
lo regulamento, salido a airemst8f,1o Itvre
de direitos.
Alfandega do Pernambuco, 7 de agosto
le4850.-O inspector i uterino, Benlo ot
Fernanda Barro.
Perante a cmara municipal desta ci-
lade hira a |iik,m nos dias 12,19 a 26 docor-
ente, para ser arrematada por quem me-
nos fizer robra de um cano depedra e cal,
na estrada denontinada-Ciuz d'alma's. o-
int.....-sa los po Icio comparecer us men-
cionados dias na casa da mesma cmara,
onde se Ihes apresentar o respectivo or;a-
i.eilto.
K para que cli-'gue ao conhecimenio de
quem convier, semandou publicar o pre-
sente.
P$o da cmara municipal do flecife, em
sesslo de 5 de agosto de 1850 Franciica
Antonio de Ol-eir', presidente.Manotl Fer-
reira Accioli, secretario interino'
prega da Independencia, livraria ns. 6 e 8, o
excellente drama
GIUALDOSF.M PAVOR,
. ou
A tomada de Evora
em quatro adose cinco quadros
por
l'edro da Rocha Filgueiras, com duas estam-
pas.
M
Avisos martimos.
Quetn quier carregar no brigue aus-
traco Mir, capit.lo Jf Tadejevich, para Tri"
este, dirija-se ao vice-conulado austraco.
rua da Cruz, n. 4.
-- Para a Parahiba pretende sahir o hiate
nacional Eipadarte, no di 8 do corrente,
por ter a maior parte da carga prompta :
para o resto e passageirns trata-se com o
meslre no-trapiche do algo Jilo, ou na rua
do Amorim, o. 36.
Para o Aracaty segu em pouct>s diss o
hiatu nacional Ligeiro : quem pretender car-
rejar ou ir de passagem, dirija-se i roa do
Vigaro, n. 5.
Para Figueira com escala por Lisboa
snlic, no dia 15 do crrente saez, o patacho
portuguez Marin-ty-Jonquina, do qual he
capiflo Manoel da Costa e Silva : para o res-
to da earga ou pssssgeiros trata-se com os
seus consignatarios, Francisco Severiano
(tabello & Filho
Para o Itio-Crande do sul pretende se-
guir obligue l'iratinim, por ter parte de
seu carrega ment : quem no maimo qui-
zor carregar, podera entendrr-se com os
consignatarios, Amoiim Irmilos, na rua da
Cadeta, n. 39.
Avisos diversos.
Declara^des.
PVKTF. IIO DI\ 5 DE AGOSTO.
Fram presos : ordem do subdelegado da
fregueiia de S.-Fn i-Pedro Goi^aFves'do Recl-
fe, o soldado de pr'uncira Imlia Francisco An-
tonio da (.lianas, eo manijo Jos .-nares, por
uso de armas : ordrm do subdelegado da
Ireguezia da lia-Viala, o prelo Francisco da
Corta, para nveriguaces policiaes : ordem do
subdelegado do segundo diatriclo da frrgiirzia
do Airogadns, Franciico Prrrira da Silva, e
Germano, escravo do /far'o de Suassuna, para
o inesrno fin : e do subdelegado da fregue-
za da Var ceiiii-i, por offensas physicas.
MU M Dt) liiA 6.
F-am presos : a ordem do chefe de poli
ca, Alexandre da Mlva Peieira e Manoel Car-
neiro'doa Pasaos, para correc^o : a ordem do
subdelegado da freguezla de S.-Frei-Pedro-
Goucalves, ns pretu Antonio Jusiiniano
nernardn Antonio, paca averigoacurs poli-
ciaca: e do snli lcie_ad da freguezia de S.-
Antonio, Miguel de tal, por ofinsas pliysicas.
ALFANDEGA. |
Kendiineiiio do dia 7.....17:147,485
Dtiearregam koje 8 de agoito.
Barca Ligeira mercaduras.
Barca Efther-Ann dem.
Brigue Cesar idem.
Brigue -- Uainn idem.
CONSULADO GERAL.
Itendimento do dia 7..... 105,073
llF.C.KBKDliltlA DE RENDAS GKItAKS
INTERNAS.
Reudimenlo do dia 7......1:068,444
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimenlo do dia 7. .... 258,912
'IIMIUICIIIU it>
i III.
fiaeoi entrado no dia 7.
Barcelona-- 42 dia, sumaca hespanhola
Carinhoia, de 128 toneladas, capilaoTho
maaPabrega, equipagem 10, em lastro
a Joo Pinto de i.einos & Filho. --Fundoou
no laaieiro. .
Parahiba 8 dias, biate nacional Patnhiba
no, de 36 toneladas, meslre Nicolao Frao
cisco da Cosa, equipagem 4, carga loro.
de mangue ; ao meslre. P.-ssageios, o
Portuguez Manoel de Almeida Basto, i
Bn.sileiro Francisco Joflo Alves Jeronymo
Fiiieii.iiio.
MaceiIti horas, galera ingleza fion.u
de 299 lotieladas, capilDo William Kelly,
equipagem 17, carga assuc-r ; a Deanr
Yuiiln & Companhia. Futtdeou no 1.a-
mcirSo. -'-Segu para Liverpool.
Natos tuhidot no meimo dia.
Tamandar -- Vapor nacional de guerra
Thelit, commau lante o capilSo tenente
Aiiton'io Francisco Pereira Segu1) em
commissao.
Rio-de-Janeiro -- Brigue nacional Carolina,
A cmara municirsl do Recite compra
as collec;0es completas das leisdo Brasil,
los anuos de 1839, 40, 41, 42e47: na caaa
las sessesda mesma cmara, ou na rua de
Santa-Hita, n. 63.
OSr, director do lyceu manda fater
oublico, que en virtudo da portar-ia du
F.x-n. Sr. presidente da provincia de de
agosto crrente, est a concurso a cadeira
l primeiras leras de Fra-de-Portss, em
virtula dejubi/acflo do respectivo profef-
sor, portanto os ciJados hrasileims, que
se qnizerem oppr respectiva cadeira de
veo comparecer da data desloa 60 dias,
ni sala do palacio da piosJencia pelas 9
h 'ras do dia.
Secretaria do Ivoe.n, 8 de a gosto de 1850
-Januario Alextndrlno daSllva tabello Ca-
neca, p-ofessqrde desenho e secretario.
-- 0 arsenal de guerra lem de comprar
tahoas de ssoalliu de amarello, ditas de'
cedro o roslados de amarello, un barril
com s i litro refinado e resmas de papel car-
illo pardo : quem os meamos objeclos qui-
zer fornecer haj de comparecer com a com-
netente proposla em caria fechada,ateo dia
9 do corrente. -f
Pela inspectora do arsenal de mari-
nha se convida a lodosos chefes defamili
que queiratn man lar ensinar a seus nitros,
ou tutelados, que liverem a idade de 12 an-
uos para mais, oolliciuda carpinteiro de
machado, a seenlenlerem com o respecti-
vo inspector em lodos os dias utajs os ho-
ras do expediente.
Inspectora do aisenal dd marinln de Per-
nambuco, 26 deijiilhu de 1850. Rodrigo
TheoJoro de Freila, inspector.
-- Em viHude de requisieflo oOlcial do Sr.
capililo do porto interino da provincia do
Mar*unan, faco publico o avisoabaxo trans-
cripto, para conhecimento de quem por
ventura possa intiestar. Capitana do por-
to de Pernambuco, 1 de agosto de 1850.
Rodrigo TheodoTo di Freilus, capililo do
porlo.
a 0interino capililo do Porlo abaxo as-
signado Taz sciente a todos os navegantes,
queu phaiul do llaculumim desla provin-
cia de San-Luiz do .MarnliSo, vai enlrar nos
precisos reparse reeditlcsfiio, aftm de lor-
nar-ae Ifuiulil, como lleve ser^ e i ur isso
faz o presente, e declara que se nao dt-ve
contar com as luzes delle do piimeiro de
agosto at o primeito de novembru do cor-
rente auno, e para que a lo Jo conste, pu-
l H* este no Marantifio, em 15 da julho de
1850. Severiano Nunts, primeiro lente
da arma la nacional e imperial. -- Esl ron-
fjime. -- aymundo Ildefonso de Sama Bar-
radas. Conforme, --0 secretario interit:o,
Jt/ ilurcetlmo Alves da lomeen a
PtlblicAca Iliteraria.
Pelo juizoda segunda vara docivel es-
crivlo Molla se ha ale arremataras horas do
costume, urna ineta-agoa, por detrs da
rua dos Pescadores, no llecco,eslr>iio que
vai para a i raa,avahad por400,000 rs., por
execurjAo de Jos Moroira contra Francisco
Uonteiio de Andrade, no dii 14 do cor-
rente.
O abaxo assignado, Portugez, natu
ral da ilha de S. Miguel, declara, que por
ha ver outro de igual nome o qual he Jos
le Souza de hoja em diante accreserntara
mais o appellidoPachecoque perlenre a
sau av e como tal sera conheriJu --Jos de
Sonsa Pacheco.
Viuva Vieira & Filho scientfleam ao
respcitavel publico que em consequencla de
ter chegado do Rio-de-Janeiroa harci'/Jra-
eharenu com 5 l|s dias de viagem, sabida
daqueilacditeem 31 do passado julho, dia
este em que Ib i extrahi la a 7 lotera do
t'tesouro publico e por supporem haver
algumas noticias por carta particular acer-
ca da extraci;:1o desta lotera, por isso sa
ipressSo em publicar o presente, declaran-
do que desde a chegada da referida barcal
nao venderam mais bilhetes da dita lotera.
A pesso que liver e quizar vender
Cirrocas, urna que seja puxad por deua
bois, e outra que oceupe um, annuncie.
Sihio luz o teiceiro numero do Helio
S-'xo, ei esta a ven la tas livraria dos Srs
Figueira, Honrado, e Mor.l.
Quem annunciou querer 150,000 rs.
juros' sobre penhore, dirija-se s travess
das Cruzas, n. 10, que* dir quem d.
Ouem precisar de umi ama ps-a o ser-
vico do iii csa de homem solteiro, ou
da pones familia, a qual engoman e eozt-
nlu, dinja-seao paleo da rbeira, n. 1, la
berna
Quem annunciou precisar de 400,000
rs. a premio com seguranza em urna casa
terr.s, dirija-se ao pateo do Carmo, n, 3.
A mrsa rege dora da lf
manda le de Nossa Seuhora do Livramenlo,
lendo de festejar a sua nadroeira no dia 15
de setembro proxmofuluro, annuncia ao
irmflos e devotos da mesma Senluua que,
no da 6 do sobre lito setembro levanlar-
se-ha a ban-leira a qual sera conduzida por
doze virgens pastorilmente vestidas, een-
toanlo hymnos: lera vesperas, festa com
uiissa nova e grande orciiesta e Tt-Deum.
Espera, porlanto, a mesma mesa .que os ir-
mios e devotos concoiram com suas esmo-
las para que se Ionio mais sublime a festa
da nossa bemfeitura .
Precisa-se fallar a um sacerdote para
ser capellflodo rngenbo Lopes, comarca do
Riu-Formoso : quem Ihe convier dirija-se
casa de Joaquim Flix Machado na rua da
PraiadeSalita-llita-Nova, n. I.
* #
4J I)r. J. o Santos Junor,l
medico homti-opjtlia, mora tia^
? na do Crespo, n. lo, prmei-f
io andar.
ilapliael, |iaginas da juvenlude.
Esta excellente obra de Mr. (.amaitine,
chegada recontemenle do Rio de Jmiro,
vei lida em bom portuguez, e precedida de
um intercssanle prolugo do traductor,
acha-se a venda, pelo mdico prefo de ri
3,000, com encailernafSo ingle/, ns rua da
Casto i* do Itecife, n. 38, e ua rua Nora, a.
II. O meiito da obra he attestado pelo
uome do au'or, nella depara instruc^So e
deleite, o philosuptio.o romancista, o poeta,
ogeralineute quem* quer que queira apre-
ciar um bello enripi.
-- Quem liver achado um meio hilhele da
sexta lotcrii conwdida a beneficio das
obras publicas da imperial cidade Nicthe-
roy. e o queira residajir, cedendo-se-llie
metade do premio, dirtjVea ruado Cres-
po, n. 12.
Passaportes e ttulos.
A antiga agencia da rua do Rangel, so-
brado n. 9, caiitiii i a tirar p tssaportes pa-
ra dentro e fra do imperio, despachar es-
c::*TCS C r"-Crcr .iut"* |uC um prazu,
qur sem ello : tudo isto com multa pres-
teza e commodidade no ajuste.
- Penleo-se, no dia I do corrente, urna
carrele de relogio, de ouro de le, fruta
aqui, sendo ac rente chata, com um si-
tete tambem do mesmo ouro, nss ras No-
va, Cabugt, Ttincheiras, Cruzes, e pateo do
r.oll. gio : quem a scliou, querendu icsli-
lui-ls, dirija-se rua de S.-Francisco, de-
fronte do becco do Paraizo, n. 8, pois pei-
tencea Domingos Jos Marques, que dar o
achado.
-- rrecisj-se de m ciixoiro pira repita,
de 13 16 anuos : na rua dj Snzalla-.\o-
v, n. 9.
-- l'n cisa-soJBJ Upara ven-
der na rua : f-,
Quem precisiT "*J^^H wra lavar, larga,
engomuinr e cozuhat com f Ntflo, diri-
js-se rua de S -Amar :ja defron-
te de ii m ferreiio.
Aluga-se a casa da rua do Sebo, 15 :
a tratar na mesma rua, n. 13.
I'iibltc.te.io (iran t tica.
IAluga-se um primeiro andar pi
para escriptorio, ou para homem solteiio :
no becco da l.tngoela, n. 3, taberna.
Sa noite de! do corrente, fuilaram da
u-n sillo na Cruz-rte-Almss. um silhflo do
sntiora, com assento azul escuro, e com
um hou*i> par.* a sentiora guardar o lenco ;
siipi On-se tnT sido fu> lado por Mgu na pes-
aos que esta pira f^zer alguma viagem com
senhora : rnga-soa quem delle suuber, de
participar na rua du Trapiche, n. 13, que
ser gratificado.
Precisa-se de ua amacador na roa Di-
reila, padaria n. 24.
-- Quxlquer homam solteiro, ou vittvo
que precisar de urna ama parda, de mei
idade, muito capaz e de bons csstumes, pa-
ra Indo o servirlo interno do urna cas, poi
tem bastante pratica deste trafico, dirija-se
ao pateo do Carmo, n. 3, sobrado de um
andar, por cima da botica.
Sabbado, 3 de agosto, no theatro de
Apollo, perdeu-se um alfinele de ouro com
pedra de brilhahte: a pessua que o liver
achado, querendo restilui-lo a seo dono,
dirja-se roa Nova, n. 95, quesera recom-
pensado, e se Ihe (icir suamamenle igra
decido.
Lotera da matriz da Boa-
Vista-
O ihesoureiro desta lotera annuncia ao
respeitavel publico, que muito breve tem
de marcar o dia do andamento das rodas:
as pessoas que Uem bilheles apartados os
nSo buscar quanlo antes, do contrario ga-
rfio vendidos. O restante dos meamos a-
cham-se i venda nos lugares j annuncia-
dos.
OSr. Joflo Francisco do llego dirija-se
rua das Cruzes, n. 30, onde tem urna car-
ta viuda, de Lisboa.
Aluga-se un prelo proprio para lodo
oservco: quem pretender, dirija-ae i rua'
do Crespo, esquina da rua das C'uzes.
Perdeu-se, no dia 4 du correle mez
de agosto, na Passagem- la-Mag lalena, urna
carteira com fochos de metal amarello, con-
tando oseguintn : quarenta e tantos mil ra ,
sendo quatro seJulas de 10,000 rs. e o mais
em miudas. um vale de 388,865 rs. passa-
do pelos Srs. Mosquita & Outra em 15 ou 16
de julho lindo, pagavel ao abaxo assigna-
do, Jima leltra da quanlia de OOOnOrs. ,
aceita no I.* do correnta pnrSilverio Qui-
Iherinn de llarros. a doze mnzes precisos
pagavel minha ordem, urna ,etra em ler-
ceira va do 500,000 rs muela de Portu-
gal, pagavel em Lisboa ordenrde Jos An-
tonio.Simoes, alguna papis mais que da
nada servem a quatn a tiver achado, assim
como o vale e letra cima mencionados, por
esiiein prevenidos os dous iirnnelrol.e na-
da servir de J A. SintOes por ser ama ler-
ceira va e j estar roalisad esss transac-
cAo : quem a tiver acha Jo e a queira entre-
gar, o po lera fazer na Passagem-Ja-Mag-
dalena, na esa do abaxo assignado, ns. I
e3, ouna rua doUueitna lo, luja n. 19, pu-
dendo lirur o dinlieiro cuntido dentro da
mesma caiteira. l'uulo Pereira Smiles.
X ciladcdc Pars.
Fabrica de c>fios de sol, rua do
Gollegio, n 4-
J. Falque paiticipa ao respeilavel publico
desta cidade, quo elle abri o seu novo es-
labelecimento, onde se encontrar sempre
om grande e bonito suri i ment destes ob-
jetos dos mais modernos e variados, como
sojam : chpeos de sol para homens du se-
das chamaluladas e lizas, de core e pretos,
ditos de annac,Su d'a(o muito fortes com
sed' de todas as cores, ditos para senhoras
de setas Uvrada lisas, cun franjas e sem
ellas, cores muito bonitas, ditos ditos de
panno imitando s'da, rom Iranja esera el-
11, ditos de paoninho para homem con ar-
macilo rica e orJinaria, sorlimenlo de ben-
galas de lo las as qualidadeg, baleias para
vestidos, cohetes eespartillios para s-nno-
ra. Na mesma Casa couceria-se o cobre-sa
toda a qualidade de chapeos de sol e benga-
las, para os quaes lem boas sedas e pannos
em pegas: todos estes objeclos vendom-se
em porefio o s reUlho, por menos prego do
que em outra qua'quer parle.
Desapi areceu, uo dia 2 do correte, da
quinta para sexta-feiri, da serrana de Ma-
noel Luiz de Mello, na rua da Praia, n. 49,
um prancho de cedro rom tres palmos de
largura e nove pollegadat de grossura, com
a marca de Unta M : quem delle souber e o
trruxer m;sma casa receber de gralifi-
caeflo quatio m>l ris.
Charutos de S.-Felix
No deposito da charutos finos da Babia,
na rua da Cruz, no Itecife, n. 49, venJem-sa
todas as qualidades de bous charutos da
Baha, por mais barato preco do que em
outra qualquer parle, en rasao de se man-
dar vir de cunta : aflanc,a-se sos comprado-
res pela qualidade, notaiido-e que sempre
se est recebendo novos e variados sorti-
meulos das melhores qualida les que l se
fabrican).
D-se at um como de ris a juros so-
bre penhores de ouro e prata : na rua de
S. Rita, n. 14, se dir quom d..
Passa por tes.
Tiram-se passapnrtes para dentro e fra
do imperio, despacham-se escravos e cor-
rem-so folhas : no pateo da matriz de San-
to-Antonio, obrado n. 4, segunJo andar.
Precisa-se mandar fazer urna porgSo da
carnizas de homem muito bem taitas, assim
como oulras costuras miuda. Dezrja-se
perfeicSu e brevidada. A coslureira qucaa
quizer encirregar desta euCiiiuiiieiida, e l-
carcom a freguexia da casa, ple dirigir-se
a rua das Trinche-iris, n. I.
Aluga-se o primeiro andar
da casa n. 46, da rua da Cadetada
Kecile a tratar na mesma rua, to-
ja de ferrsgens, n. 44*
-. Precisa-se de dous uflicises de sapa-
leiro tara Irabalharem em sapatoesde lus-
tro, senlo peritos: no Alerro-da-Bea-Vi.ti,
a. 58, luja de calgado.
Priciu-se de urna a apa que tealia bs-
tanlo leile, que uo iculia filhu, e que saibi
tratar do
langa : na rua do Rozaiio
lo andar.
rapas waailairo, de
wmCtv'S 'iat.fi, para
para o que Um has-
naso roga-e a qualquer
entiu que o pretender, de o
lapragada Uoa-Visla, u. l'hu-
stiuna quo rolla para a rua do Tni-
bia, ou iiiiiutiee,


UUS-
W~
--Vm grande armuzem por bailo da so-
ciedad Anodine, a dous pequeos nos
fundos da mesma cas.i, qu" Icem comrcuni-
c.Qfo com o grande, alugam-se na ra do
Crespo, n. 9.
-OSr. I)r. Antonio liorges Louo queira
ter a bondadede r rui largo do Rozario,
n. 38, segundo andar, ou annunciar sua
morada para sor procurado.
A o Publico.
NosCoolhos, n, 13, defronte do hospital
novo, acaba de ahrlr-se um estabelecimen-
topara a ronfeer^o completa de carros de
todis asqualidades : Os modelos s3u sem-
pre do ultimo gosto, ou segundo a vont'ade
do freguezea. Todas aquellas pessoas que
se dignarem honrar este estabelecimsnto
com a sua confianza, serflo servidas com
promptido e seguranca, tanto a respeito de
obra nova, como relativamente a qualquer
especie de concertu ou Iroea guarnios
dintura, arreios. Neste estabecimenlo a-
rham-ae venda duas crruagens novas.
A venda do Sr. Manoel da
Silva Cont, na ra do Alecrim,
n. a, acha-se embargada por exe-
cucao de Joaquini di Silva Lope.s
~ Aluga-se o Redundo andar e solo de
um subrado na ra da l'enha : a tratar na
ra do Csbug, toja do Costa Frjozes.
Aluga-se a casa do Mondego, n. 137 : a
tratar na ra do Aragilo, n 5.
Jj| Chapeos de sol JJ
Ra do Passeio, n. 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimento drsles objectos do todas as C-
rese quididades, tanto de seda como de
panuinho, por presos commodos; ditos pa-
ra senhora, de boro gosto: estes chapeos
s.1o feitos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Ka mesma
casar se acha igual sortimento de soda e pan-
ninhos iiMtaudo sedas, para cobrir ar-
niafAes servidas : todas estas fazendas ven-
dem-se em porcSoe a retadlo: tamben se
concerla qunlquer chapeo de sol, tanto de
basteas de ferro como de baleia, assiui co-
mo umbelas de igrrjas: ludo por preeo.
cummodo. Na merma casa ba charos de
sol de marca maior, de panno o de seda,
proprio para l.ilore- deeugenlio por sercm
dos nais fortes queseruem fabricar,
OOQGOOOOOOCrOOO/OOO
g Homorjopathia pura, g
preparada por Mr. Calellan, discpulodeQ
<-Hhneiminn, e director da primeiraQ
mpharmacia hoa.ccopsthica especial dog;
q O consultorio homueopatliico
Oda ra da Cadeia de 8.-Antonio, n. 22,
dirigido pelo facultativo J. II. Casano-
m va, estar aberlo todos os Mas uleis
Tdesde as 7 huas da mantilla at >2 t%
?Urde. %
** Os pobres contintiarSo a receber con->*
Csultas e remedios gratuitamente.
N>o sondo parase tratar pela homooo-C
palhia iuia, he osruz'd procurar o
director deste consultorio.
ooooooooO
- Troquej o meu escravo Matheus com o
Sr. Jos da Fonseca e Silva por oulro crioo-
lo de uniue Sabino, o qual ou segniito da
me fes ver que elle era captivo do l'otlu
gu'-z Miranda, bomein rico d MaranbSu, e
que este fallerendo bem testado deixra seus
lieos a urna fi I ha bastarda, deixaivlo alguns
esciavos farros, e que elle julgava ser um
delles, mas que u lestanieoteiro Jos Ferei-
ra BarbOU o lizeia embarcar a noile, ma-
Iriculaiido-o como marinheiro. e entregan
do-o ao meslre da escuna ioirfina a entrga-
lo nenia provincia de Pemambuco ao Sr
Jos llaptisl da fonseca e Silva, o qual o
mandara para a casa doSr. Jos da Fonseca
arima, e que este o vender, vendo-so ai-
. siin captivo na suppnsicSo de ser forro ;
mas que assim mesmo me servir i i conten-
te, porm eu logo o cooduzi a casa do dito
Sr. Fonsec a averiguar este negocio e des-
troearnios ditos pretos, mas o dito nSo acre-
ditando o dito prelo aliancou-me vocalmen-
te que, sendo apptrecesse seiibor a dito cri-
oulo Sabino, que se responsabilisava a fazti
a troca firme e valiosa, nes'.ea lermus tfcr-
nei com o ditu Sabinu, poim este, passa-
ilos quinze das, uei os do da da troca, que
lu un 1.a de jii 1 lio prximo passado, se poz
ein fuga, temi dito SOS parreiros que l
para seus similores, e ver a sua liberdade :
islo posto, ecomo no podesse sahir, e an-
da possa estar occulio, rogo a quem iute-
ressar a ra captura, lie bSixo e grosso eni
proportjSo, mos denles, bei^udo, testa
grande e cantud ; levou camisa de chil,
cilcs de risradinho azul e chapeo de palba
Rogo maisaosSis. herdeiros habitantes na
cidade doMaranhflo,que me facam ool se-
quo de iuformi.rem-me do conledo neste
annuncio, na certeza de que se appsrecer,
I erante as autoridades com plenles irei dos-
fizer a troca aeim, e quaodo no, o fare
iccoJber a eadeia tiesta cidade al queap-
pareca a verdade do objeclo. Stbatlido do
Ucului Arto Veril l'enwmbuco Caralcanti.
O.Sr. Manuel liias Toledu lem uuia Car-
ta ua ra das Crines, n. 40.
Dflo-e 450,000 is. a juros a 2 por cen-
iu ao u*e/, sut'i ^ ^i-iiiiui i t; uuiu : lio pa-
leo do Carino, o. 3, se dir que d.
- Aluga-se urna casa na Capunga, com a
frente para o rio, com muitos bous com-
modos psrs grande familia, rocheira, estri-
bara, cas para pretos, e com dous qu i ii-
taee murados : a tratar com SabasliSo Jos
Comes Peno, ua ra do Collegio.
I'cde-seao Sr. Juilo Eduardo Chardon,
qu ame de se retirar para lora do unpe iu
a ou .o ande pagar na ma do Collegio a
quaulia d 90,000 rs. de que S. S. So ig-
nuia ;do contraiiu, o auuuiicianle lera a
huma da o acoupanbar at a bordo con.
esle aniiuncio.
huessita-se de urna ama
que lenlia bom leite ; jjj Uerro
du-Boa- Vista, n. 48,
I'rt'cisa-se lugar uin
ea.miM lel!; t'O* ra A >
u Iivit equizer alugar, liij
Ci uz,' na hecifa, a, 27, escnpiorio de Croe
i'.i & l.oiiipaiihia.
C-.xoeira da mesma freguezia a fallar com
seu prnprielario Theotonio da Silva Vieira.
Um homem solleiro precisa alugar um
escravo para pequeos servicos, fleando el-
lo n noile cu csa : quem tiver, dirija-se
botica do Sr. Barlhnlomeo, oo no terceiro
sndar da-mesma casa, na rus do Hozarlo
larga, das 7 al s 8 horas da manh.1.
-- Existo najojade Msia Hamos & f.om-
panhia, na ra Nova, n. 6, carta de Lisboa
para Jofio Haptista Cislanha. ausente. Jos
ou Carlos Caslanha, dirigida por Jos Gui-
Iherme Caslanha, de Lisboa.
Preciss-se alugar um moleque para o
servico de casa de homem solleiro, que te-
nha praticadecozinhar ou sem ella : paga-
so bem, conforme o seu merecimenlo : na
ra Nova, defronte da ConceirjSo, venda
n. 40.
Urna pessoa bulante habilitada ein es-
cripturacSo se oiTerece pira escrever cm al-
guma cass commereial, com multa perfei-
(3o e limpeza : quem de seu presumo se
quizer utilisar, annuneie, ou dirija-se ao
Aterro-da-Boa-Vista, luja de miudezas, nu-
mero 7.
- O liaixo assignado roga a todos que
ilevem cas que fui do fallecido Antonio
DiasSouto, hoje perlencente aoabaixo as
signado, que venhsm ssldar suas cuntas
aruigavelmente com o mesmo abaiso assig-
nado, no prazo de 15 das. Joto Uarttni
Oimfalvei.
Aoamanhecer do di 4 do correte foi
fu, tal urna canoa nova de madeira de an-
gelim, com 40 palmos de comprida; iles-
eunlia-se ter sido conduznla para as bandas
do norte, visto ter sabido urna jangada da-
quolles lugares no dito dia : rog>-se, por-
lanto, a qualquer pesso que a encontr, ou
della lentia noticia, enlender-se com Joo
l'iinicisco de AtluyJe, na ra da l'raia, 0.
43, primeiro andar.
- Itoga-se ao Sr. Joiquim Rodrigues T-
vares de Mello, de Porto-Cilvo, ou a seu
correspondente o Sr. Joo da Costa Lima
Jnior, deentender-secom a viuva de Bur-
gos & Filhos, no engenho Agoas-Ciaras do
Urur, que oblor e todas as precedencias que se teem dadoteso-
bre o escravo, pardo, Victorino, que annun-
i ciou estar fgido, e diz ser de seu dominio
-- Alugani-seos fundos da padariada ra
do Burgos, Forte- lo-Matlos, que faz frente
para a ra do Amorim, propria para estabe-
lecimeolo de sapaleiro, por ter j do mes-
mu arinacSo : a tratar na mesma padaria,
oo na praca do Comniereio com o Sr. M-
mede,
Uuem quizer alugar um moleque, que
cozioha o diario de uina casa, annuneie.
Precisa-sede urna eserva para vender
fazendas etn taboleiro: na ra do Hospi-
cio, n. 34
Itoga-se ao Sr Joaquim Jos dos San-
ios, empregado n capaUza do consulado
geral que v>nha pagar a quanlia do 13,460
rs a quem olio ignora ; uo contrario, lera
de ver o sen nonie seinpre nesla folhi.
-- eseja-se fallar com o Sr. Placido Cas-
tao liorges a negocio de aeu inleresse : ua
ra ds Cruz, n. 23.
A veneranda imagem do Senhor Bom
Jess dos Navegantes flea ex posta no cru-
zeiro da igreja de N. S. da ConceicSo doa
militare, at esta-fain, 9 do correte.
O aliaixo assignado declara ao respei-
lavel publico que comprou, em 5 da maio
de 1818, o Sr. James CrabtreecV C. a luja
de louca com armaeffo da mesma; bem
Con.o as dividas que devem mesma loja da
roa da Cuz, n 68, que linlia sido do falle-
cido Antonio Das Souto, declara o'mesmo
abaixo assignado que ja ssldou suas cun-
tas com o Sr. lames Crabtree & C. e que
11 a i insis deve a Jila casa ; assim como
moslra no recibo saldo dede cuntas.
Judo Marlins (lonrulvea.
Os ahsixo assignado fazam sciente so
respeitavel publico, principalmente ao cor-
po do eominei ci detta praca, que no dia
21 de julhi) prximo passado amigavelmen-
te ilissulveram a sociepade que linham na
venda da quina da ra doRangel, n I, li-
im ii.l>> toda a liquidacSo da casa, lano o ac-
lii-o como o passivo, encarregada a Jos Ro-
drigues Coellio l'ernambuco, 2 de agosto
de 1850. ose llodnguet Cotillo. Antonio
loi da Silva Ctiipiano.
l'recisa-se de urna ama que leu ta bas-
tante leite e seja sadia : na ra da UniSo,
peniillimi casa, indo para i mu.
Boa pralica^ao.
Itoga-ie as aulurMs les policiaes,cpilfle
de campo e a qualquer posos do povo pren-
dan.! un>f*crvjr*l*nun)e Fortunato refale.
escravo fug<0 em ibas do oiez de ;uotlibro ;
lem I8a 20 anuos, crioulo, beicos grandes,
cauellas Comprida ; tem duss fstulas no
queixo inferior urna de cada lado : o mes-
mo foi encentrado no dia 22 do crreme
miz de jullfo com um balaio, que ia lomar
caue eui Cruz-de-Almis ; a pessos.que o
encontrou dirgo-se s elle para o prender,
poim Ihe nilo foi possivej por ler elle cor-
rido para um sitio e o perder de vista : esle
moleque lem sempre estado no Arr.ial 1ra-
balhaiidua di versas..passoas, e he uonheci-
do por lodn quellee moradores por Miguel,
por ter elle mu lado o ame : consta que
fugindo para Beberibe para cass de um Sr.
de nome Jacintho, de la fugira para outra
paite : quem o pegar leve-o rus do Livra-
menlo. n. 14. a Francisco Cavalcanti do Al-
buquerque, que reconpeossri generosa-
mente.
H Manoel Domingos May, subdito por-
luguez, relirs-se pira o llio-da-l'raU
Constando-nos que se trata de provar
perante o juizo competeolo a alforria do
prete Manoel, deixaao pelo fallecido 0. Tho-
maz de Noronha a Francisco Gosrt*lves d
Silva ; como procuradores que somos deste,
protestan os. por qualquer julgamenlo OU
senteuc que possa haver sem sermos ou-
vidus. Olifira Irmlos Si Couipenhia.
C. Bockendl|l, subJito elle-
para a provincia da Bshia-
;omber, negociante Inglez
'.iverpool com
o criada urna
de orphfios deata
atada de venda, a
Tallecido Pedro aiarcia-
t Cruz, n. 57, a requer
giros, na praga do mes-
_ i crrente mez, na ra dt>
Ila-se um terreno com as rr ^^Hp pretendeules pdem eo-
propor<0es possiveis par um cugenhu o'a-1 leu oso o coherdeiro Julo Baplis Fra-
gua, ua freguezia de Ipojuc,a quem n qoi- goso, queeal auioriaadv para moslia-l
zer levantar pelos senos, que se convenci- ale o da da arremataeflo.
nar: o*pieleadeotes dirijaoi-se ao engenho -- Mara Barbara da Cucha Maya Tai Mi-
111 '.. o ------
ente so respeifavel pulilico. que de hojo em
diente nSo he ma^s seu pioeurador o Sr.
Joaquim Francisco de Alhuiiinrque Santia-
go, e bem assim que lem constituido por
seu bastante prucur-dur. pira tratar do suas
questOes judiciaras, ao Sr. Itulino Jos Cor-
ren de Almeida.
-- Um Brssileiro rio 18 8 20 annos, que
sabe ler, escrever e contar, se ofTerce para
cajxero de qualquer arrdmaeSo, tanto n>
oraga como no mallo : na travessa dos Msr-
tyrios, n. 5
Deseji-se fallar com o Sr. Joflo Caval-
canti de Albuquerque Mello, que alguns an
nos pansidos se encarregara de cobrar divi-
das no matto; ato a negocio de sou inte-
rnse : na ra do Trapiche, n. II.
Quem annunciou querer fallar com
Francisco Pete Xavier de Lima, dirija-se
ra do Vigario. n. 14.
Quem quizer comprar um terreno na
Capunga, com 50 palmos d' freute, dirija-
se ao berco da Viracho, n. 35.
A pessoa que annunciou por esti fo-
Iha precisar de 3:000.000 do ris a premio
le um e meo por cenlo, pagando-se o pre-
mio mensalmente, e dando por hypotheca
um sobrado na ra Imperial, ae anda pre-
cisa, dirija-se a pra^a da Independencia,
livraria, na. 6 e 8, que se dir qu.em d.
Antonio Sauer avisa aos seus amigns e
freguezes, que de novo se aclia de po-se da
cocheira da ra da Guia, n. I, onde pode ser
procurado a qualquer hora do dia, asseve-
rando a todos os Srs. que o' favorecerem, e
Ihe confiarem os seus civallos, de os del-
ta' saljafeitos, tanto no tratamenlo exte-
rior, como no interior dos meamos. Ao aci-'
ma dito nada mais accreiconta, [porque he
bem conhecido nesta praca.
DKguerreolyiO.
Doarlisla '-tiptislin Letlarte
Tira retratos, paisagens copias, etc., des-
de o lamanho o mais pequeo al 10 poile-
gadas ( tamanlio que aqu anda ninguem
lirou ), e muto superiores, pela invenr;o
de llagiieneor, lauto em lomo cono colo-
ridos, em qualquer ocrasifio, e em muito
pouco lempo, pois que em 12 segundos p-
de-se ter um retrato e muito perfuito, e sen-
do paisagens ou copias ti rain-so em muito
menos lempo, afirmando c garanti lo, tan-
to a durabilidade das cores, romo a perfei-
la senielliaiica : o mesmo se obriga a ir ti-
rar em qualquer casa e a (qualquer hora. As
pessoas que se dignarem procura lo, pdeui
dirigir-so rua da Cadeia, n. 26, terceiro
andar, das 8 horas da manliSa s 4 da tarde.
Agostinho Lettarrte, tendo de retirar-
se para o sul nu primeiro vapor, participa
ao resp. Havel publico, quo at pessoas que
se qu'Zerem utilisar do seu presumo o en-
conlrarfloem sus casa, ns roa da Cadeia. 0
mesmo participa que lem urna machina com
lodos os seus pertences para vender, e obri-
ga-se a eiisuiar a quem a comprar : quem
qui/er, dirija-se suacasa.
liap I*a lo l'.orl iro.
Vende-se na ruada Cadeia, an
ligo deposito, na leja de ferra-
gens de Antonio Joaquim Vidil.
Previne-se ao Sr. Leandro Jos da Sil-
va S.-Tiago que nflibprigiio a nrdein que S.
S. passou a Jacob Luiz de (Jrtyaltio, pur ler
sido roubada na noile do 31 de jolln .- e pa-
ra que fique nullo ludo e qualquer negocio
que se lizi r com .dita ordem, avisa-se a S. S
O abaixo assignado penlea um lUr
di quanlia de 573,000 i S. aceita por Pe tro
lioniu II, e a vencer em 17 marco prximo
futuro, cuju aceitante j se.acha prevenid!,
para nu pagar so niio ao a ha mi assignado.
que roga a quem a achou, que querendo
restitu la, de di'igir-so rua da Cadeia do
Rerife, n. 16. Guilkerwu Brenmnnn.
Em 31 dejulho, perdeu-su urna letlra
la quanlia de 2:833,410 rs. .sacada pelo Sr.
Manuel Alvos Guerra em o 1." de juulio de
1849 a 24 meses, e aceita pelo Sr. Jos Pinto
Ja Fonseca e silva, eeu locad i pelos Srs.
JoSo Keller & Companhia; por isso se pre-
vine, tanto ao aceitante como ao endonante
e saedor, nao fa;am negocio ilgum com
dita letlra, a n3o ser com o possudor JoSo
los de Caivalho Moraes, e desde j sa pre-
vine, e se porventnra alguem adiar dita le-
tra a a quizer restituir ao dito Moraes sera
gratificadolom generosidade.
--Aluga-se o segundo andar eot5o do
sobrado da rua da Penha cun fundos psra .
rua Direila, n. 9, com 9quartos e 4 salas,
muilu fceauos e pur barato precu ; a ratai
na laja do mesmo sobrado, ou na pra(a da
Independencia, n. 12.
Pr'cisa-se de umamassador : na rua
Direila, padaria n. 82.
lUia o i} emaiio, ii. 9
S. Flix.
Chegaram os verdadeiros charutos de S.-
Felix.'A ellos antes que se acabem.
-- Desappar con, no da 25 do corrente.
um escrava crioula, de nonie Serina, de 30
a 35 aunas ; levou vestido de chita preta, e
lean as peni muito tortas, o que se custu-
ma chamar quebra mangue ; cunsta anrlai
pela Soledade : quem a pegar, leve-a rua
do Mondego, n. 44, que se recompensar.
I'recisa-se de um caixeiro que lenha
urlica de venda, e que d liador a sua con-
ducta : em Fra-de-PoiUs, n. 135.
i-recisa-se alugar um preto para todo o
servico : psga-se bem : no caes do Ramos,
do segundo sobrado.
:- O bacharel A. II. de Torres Bandeira,
professor adjunto de rhelorica e geogra-
pliia no lyceu desta cidade, prop.'-se a dai
liCOas ds u.esma disciplinas, e bem assim de
phtlosophia e francez : quem de seu pres-
umo se quizer utilisar, dirija-se casa de
sua residencia, na rua estrella do Rozario,
n. 41, segundo andar.
Avisa-se a quem inleressar, e psra que
nSo hija duvidas futuras, que na cas n. I
lo becco do Ferreiros, perlencente ao Sr
Jos Verissimude Azevedo, existe uma hy-
potheca.
A negocio de seus interesses deseja-se
noticia do Sr. Francisco Luiz, da palluca
dua sitio* *a Beirada, disiriclo de Cuim-
bra, e esteve aqu oceupado na fabrica das
carsess ; bes como do Sr. Jos Jnur|,.
Sones F rreir, sobriuho Jo fallecido padn
\nluiiio Sua i es Ferrer. e caaado com i
Sra. I. Ighacia Joaquina de Jess Ferrei-
ra, ou queiram procuiar a viuva Caudillo 6.
Fiho, na piacinha do Corpo-Sautoou an-
uunclem suas residencias.
Jo3o Pereira de Carvalho Jnior avisa
so respeitavel publico, queden de abrir au-
la de primeras leitras na rua Velha da Boa-
Vista, cass n. 55, para o que offerece seo
prslfn o dito flm.
Os credores do finado Ilenrique Cimil-
lo Ferreira 88o convidados pela commissiu
a reunirom-se, munidos ile cuntas corre-
les ou documentos, para verificmjSo de seos
crdito*, quinta-fcira, 8 do correte, an
meio-dia, em casa de J. D. Wolfhopp & C",
rua da Cruz, n. 16.
Precisa-so de 400,000 rs. a premio,
dando-se por seguranc9 urna casa nesta pra-
ca, livre e desembaracada : quem preten-
der annuneie.
Perante o Sr. I)r. juiz deorphos se ha
de arrematar amanha de renda trienal a
casa de tres andares, sita na rua da Cad.eia
lo Recife, perlencente ao menor, filho do
fallecido Bento Jos Alves ; assim como se
ha de arrematar por venda um escravo mo-
on, sem vicio e ollicial de pedreiro, por
nilo ser necesssrin ao mwsmn menor.
0 abaixo assignado desoja levaran pre-
lo um drama original, intitulado Arco-
Verde ou a glora dos Tubttyrts cujo as-
siimpln lie extra hido i'a historia do Brasil e
las memorias histricas desta provincia ;
us nflu podendo por s suj-um s despeza
la iinprensfio, nem Ihe convindo esperar
pela vendagem, que de ordinario cosluma
ser lenta, para acudir de promplo sobre-
lila despeza, recorre proleccltu das pes-
soas amantes da poesa dramtica, para que
sediguem coailjuvarcom a sui assignatur
* publicacSo deste drama verdadeiramenle
lacional, ou antes pernambucano por ex-
celencia, certos de que com rste auxilio el-
e talvez posss ser levado scena no dia 7
le selembru, faustoso anniversaro da nos-
sa independencia, por ser o seu sssumplu
muito anlogos gloria dessenacional rego-
cijo. As pessoas, pois, que se dignaren
lubscreve-lo, poderio dirigir-fe loja de
livros du Sr Figueira, na praca da Inde-
pendencia, e ah dar o seu no ne, com de-
claraclo da rua e numero da sua morada,
ssim como do numero de exemplare que
(Oizerem, pelo preco de 1,000 ris cada
'Xemplar.--JoJo liarbosa CorUeiro.
-Precisa-se de uma ama para tu lo o sor
CO de una casa do pouca familia: no Ater-
ro-da-Bua-Vista, n.73, loja.
Precisa-se alugar un sitio margem
lo rio Capibanbe, al a Ponte-do-lichoa:
na rua de Apollo, armazem n. 4.
Alorarn-se, ou lugar da mal-
ta da Torre, i,2oo jvi linos de fren-
te e 6oo de fundo de terreno de
barro muito frtil : a Ir,lar tu tra-
vessa da Concordia, n. 5, sobrado.
--Una mulher natural do Ctbo-Vorde,
le 20 anuos, quer ser ama de una casa
quem de seu prestalo se quizer utilisar
iirija-so a Suieda ie, silio de 1). Mara Gima.
i .
Compras.
Comi>ram-se, para fra da provincia
esrravos de ambos s sexos, de bonilas li-
suras, com ha ni i ida les : ni rua larga do
Rozario, n. 48, primeiro andar.
Comira-se, par urna encomienda,
uma preta, quo nao lenha vicios, seja ro-
hua'a e aaii perfeitamenle eoaw 'luda a
qualnlade dn-costuras, fnzor vesliJos, en-
gmrnr p que seja de boa conducta : na rua
do Itorai iu larga, n. 28, segundo andar.
Compra-se urna piola i lu-a, mas que
seja sadia e ds him compo lamento : na
rua rua da Praia, ii. 46, armazem de carne.
Com larga do Rozario, n. 26, lu i de miudezas.
Compra-so uma caixa para guardar
urna cadeira de arruar: na rua do Cabuga,
loja ile miudezas, de Costa Fajozes.
Compra-se urna preta que seja boa en
gommadeira, e-que orl le senhora : na rua do Crespo, n, 12.
Vendas.
Vende-se um pequen casi sita na
eslra la nova da Soledade ao Manguinhn,
em chitos propiios, a qual est por acbar :
a tratar no Forte-do-.Maltos, n. 10, tenda de
tanneiro, on no mesmo lugar, com Antonio
do Espritu Ssnto Sena.
Vendem-sp, na antiga loja de selleirn,
d Antonio Ferreira da Cu-ia Brasa, na rua
.\ova, n. 28, defronte da Conceicao dos mi-
litares, sellins inglozesde patenle, forra los
lecouro de poro, elsticos, bordados e
isos ; silln -s |,aia iiiuniiiM.i de senhora, de
todrs as qualidades ; estribos de metal
ora neo, dilos de latSo ; cabecillas inglezas
olicas e chalas de fivola coborta ; o ludo o
mais que pertenco a loja. de selleiro, por
menos preco do que em outra qualquer
parle, por se precisar de apurar dinheiro.
Vende-se um excedente, cabriolct des-
cube'I o, em muito bom estado, e com ar
reos novns; um elegante cavado de carro :
noAterro-da-Koa-Vist, cocheira do Miguel,
ou na rua do Collegio, n. 16, primeiro an-
dar.
Vonde-se um eabrnha de 12 a 14 annos,
de muito bonita ligura, proprio para pagem
mi bulleiro, e mesmo para aprender qual-
Iner odien, por s r muito hbil: na roa do
au una

que vende.
A bordo da sumaca Peipique, fumlea-
da na praia do Collegio, vende-se a reta-
Iho eem porc^o, boa farinba de mandioca
la procedencia de S.-.Malheus, a melho em
qualidade, e a preco favoravel a tratar a
luir lincom o meslre, ou na rua da Cadeja,
o. 39, Bom Amoiim Irmfios.
Vende-se um sobrado novo de um andar
i sntilo, na rua Augusta, n. 3 A : na rua da
Uoda, n. 25.
Vendse uma esenva do gento de
\ngola, de bonita ligura, de 20 annos, que
cozinha alguma cousa, lava du salan, com-
pra, he quilahdeir, e muito sadia: no pa-
leo dw Carme, n. 9. loja do tarlarugueiro.
Vendem-se missaes no'os, e ootros j
us'dos: no Recife, roa da Cacimba, arma-
sem por baixodo Sr. Vigario Barreta.
Carnauba
superior, a 7.500 is. a arroba : na rua da
Gniz.no Recife, n. 24: bem como couri-
uho miudos, esleirs, sapa tos, chs.usde
pslh, calzas com vela de carnuuba, ara-
rula eui banicas : ludo por precocummudo.
lislevao tiasse.
0 encarregado do deposito de rap gros-
so e meio grosso de. Gasae scientilica sos
seus freguezes, que.o deposito acha-sa pr-
vido de todas as qualidades, e com boa por-
Cfo de nv'ias libras, de que love falla por
alguns das: vendo-se de 5 lil ras para ci-
ma, a 1 ,VR0 ra. : n rua da Cru.. n. 38-
Vende-se uma crioula de. i" n IG annos,
do bonita liiura, que engomsia him liso,
coso chSo, ensaboa, cozinha o diario dr
una casa, efaz o mais arranjo dj uma casi;
o "u tern vicios nem achaques : na rua da
Senzalla-Velha, n. 36. segundo andar.
Vende-si um moleque do jucSo Costa,
do idada de 12 a 13 anuos : cm Fra-Jc-
Portas, n. 85, segundo andar.
Vende-as uma morarla de esas terrea
feita ha milito pouco tompo, e que tem
comnio los para familia, sita na rua da Pal-
ma : n tratar na ra do Sol, n. 9.
- Vcn,le-sn urna linda escrava sem rlef-
feito ilgum, boa engomma lojra, co/uihei-
r, e quo cose chilo: na rua do Rangel |u 57.
Vendem-sn gargantilhas do aljofares
sortiilas, a 4,000 rs a duzia, em porcO is dn
duzias par c:mi ; aljofares so'lidos, a 610
i-. n,:i i-i. n i ma di Ma Iro-do-llUS, n.
i8, primeiro andar.
Na rua do Sol, n. 9, vende-so um por-
CIo de fazendas muito superiores, como se-
jarn : camlir u i ile cores as mais bonitas e
modernas que pode haver no mercad.); chi-
tas limito linas e mais ordinarias; riscados
uionsl'os; m.i,la; ula i ; brim liso ; ham-
liurgo fino e mais orJinario ; casenete pro-
la e parda ; duraqueazul muito lino; mera
casemira; riCados de linho. todas estas
fazendas vendem-se lauto em pecas corno a
e tal lio o por muito comino lo preco: adver-
tindo-se que todas silo muito molernas o
sem o menor delfeito.
Vendeai-se 7 vaccas escolhidss e 6 ca-
bras muito boas : na rua da Manguera,
n.7.
-- Vende-se, para fra da provincia, ou
para o mallo, um crioula de 18 annos, pa-
i la ha dous mezas, com muito bom leite,
por ser ilc primeira barriga, e quecozinha,
lava de sabSo e varrell i, en.;,mi im muito
bem : na rua .lo Rangel, n. 51, a fallar co:n
Victorino Francisco dos Santos.
Vende-se um mulalinho de 16 annos,
de bonita figura, e ollicial de -sapaleiro,
tanto de ulna de hOmein como de senhora :
em (llindi, no Varadero, rua do Balde, ta-
berna n. 20, se dir quem ven le.
Vende-fe um escravo do servico de
casa, eque he ganhador : na rua Direila,
n. 32, snhr.i.ly.
>i loja am.'ircll i da rua
de Cresjio, n. 4,
vendem-se chilas franeczas de lindos gos-
tos c de cures lixas, a 2*0 rs. o covadn; cr-
lcs"de cliiln, a 2,51)0 rs. ; ditos de cass piu-
lada, a -2 500 rs. ; pecas de oamhraia ada-
mascadas, blancas o de cores, a 4,000 rs. ;
loncos brancos de cambraeta, a 300 rs ; di-
tos de cassa, a 100 e 160 rs, ; cortes de ISa
de quadrus, a 1,000 rs. ; e oulras multas
fazendas de linhu e sea por baralissiino
preco.
--Vendem-se leiles do espeto: ga lii-
btirs da lloa-Vista, n. 9.
--Vendem-se duas banquinhas e umi
marqueza de Jacaranda, 2 lo-i c is de arma-
e.lii 2 mezas ile j miar, duas ditas grandes,
propria para mi'si'ru alfaiato, duas cjmas
le armacao, sendo um i de palltinha, ur
i' ira grando de moer tintas: tu ln por pre-
" cun niel lo : na rua da Cadeia do Reci-
fe, n. 3.
--Ven le-se, por pre?o muito commoln,
fumn de mandioca de muito boa quali-
dade ; fu ; o vm i'.ilua para capa o milo de
ciarulos; polassa do Rto-de-Janeiro, em
liarriquinhas; agoa-raz ; palhinha prepa-
a la para ca letras ; chapeos do Chile : no
iiinnze n de Francisco lii.is Ferreira, no
aes da Alfaudega, e em casa de Novaas &
Companhia, na rua do Trapiche, n. 34.
-- Vende se um parlo ollicial de alfaiate,
para fra da provincia : na rua do Rangel,
n. 60, subalo de dous andares.
~ Vende-se um prelu de 2) annos, mui-
lo bom carreiro ; um moleque de 14 annos;
um iliin de 10 annos : ambos sem vicios
nem schaquns : venlem-sa para pagamen-
to de uma divida : na rua do l.ivraincnln,
ii. 4, se dir quem vende.
Inleressiinlc.
Vende-se um duzia de cadenas de mogoo,
um aparador de auiarello, um os.lelho do ja-
cal anda, proprio para loih-L, de excedente
vidro, e bom timanho, oaadMp de ama-
rello para casados, do faitmK marqueza,
o ni n assenlo do palhinlia, Obras eslas bem
trabadla.las, com pouco uso e por preco ra-
suavel ; o.los nlijocins s.lo vendidos, por te-
rem sido subsiiluidos por ouiros, e nao se-
ren mais precisus a seu dono : nu Aterro-
la-ltoa-V'ista, n. 48, armazem.
VenJe-o, ou permuta-so por um es-
cravo, ou escravo, uma casa larrea no prin-
cipio da rua de S.-Miguel nos Afogados, em
inilo bom estado, com duas salas, 3 quar-
los, coz.'iitia lora o quintal grande com ca-
cimba no Aleiro-ja-Boa-Vis:a, n. 17.
Hapc Paulo Cordeiro,
viajado do Rio ao Para e do Para a Pernam-
buco .- vende-se na rua da Cruz, no Recife,
n. 40, loja.
Vende-se uma pedra marmore com oi-
.0 palmus COriipiidu, qu.ii-'j lie iari^uia o
meio de grossura: ni rua da l'raia, n. 55,
por cima da typographia.
Yende-se um escrava de nacSo, ao 25
anuos, que cozinha bem o diario de uma
casa com asseio, nSo tem vioioe, o que se
p niei a ifl mear ao comprador este escra-
vo lem mais urna circumstancii que so
querser empregado e cozinha : tambem
se troca por oulro que sirva para o campo :
na rua Furmoza, lerceira casa vindo pela
rua da Aurora, a fallar com Joaquim Anlo-
uiu de Santiago Lessa.
-- Vende-se ardiles, a8,500 rs. o cento :
na rua da Cruz, n. 32, tabern..
Vende-se uma Casa terrea de pedra e
cal, n. 33, emOlinda, ra ue Mtinas-Fer-
ien m : as Cinco-Punas, n. 39.
Vendem-se 25 romances m f'ancez
em um volme de papel velino, compsnha-
do cada romanee de urna bella estampa
muito fina, dos melhores autores, corno
Madama de Slael, Chateaubriand, Sir Wal-
terscot; Ougma em purluguez; o pii.ueiro
voluine do Panorama : ludo tauhem se
troca por boas obras : na rua do Crespo,
u. II.
Vende-se espirito do 37 graos, a 1,000
rs. a cunda ; 00 pateo do Parazo, n. 90
taberna,
_


"S,*l
> .
.4
AosSrs. de engenho.
vendem-se cobertor* eacurns de lgo-
dlo, proprios para escravq, por serem de
inuiti dunrao, pelo diminuto prego do 6*0
r. cad* um : na roa do Crespo, esquina
que Tolta para a cadeia.
Chegaram novamente ra da Sen-
talle-Nov, n. 2, reloglos do ouro e prala
patente ingle/, para nomem e senhora.
Vendem-seamarras ae ferro: na ra
da Senzalla-Nora, n. 9.
Vende-se barato
Para se acabar
Sapato.-do Araealy
A oito ceios riso par.
Na ru da Cruz, n. 36, confronte a ra da
Lingocta e esquina do becco do Porto, vcn-
dem-se superiores espatos do Ararat y, polo
diminuto preco de 800 rs. o par; chapeos
depalna ; eateiraa ; courinhos de cabra c
sola : tudo por menos preco do que em ou-
traqualquer paite.
A 5oors.
Vende-se Che hysson de superior qualida-
de, pelo diminuto preco de 500 rs. a libra :
na ra do Crespo, n. 23.
Massas de vapor.
Acha-se aberta a padaria da ruadoltur-
gos, Forte do Mallos, na qual se 'adiar
diariamente todas asqualidades de massas
finas, trahalhadaa por machinismo ; lam-
ben) se fabricam escolente pSo e holari-
nha de araruta, ditas ingle/as, bolaxoes
quadrados e redondos, e outras mais mas-
sis tudo obra prima : as mrsmas searhaiio
no deposito do paleo do Terco, n.'tO.
Farinha deS.-Calhniina.
Vende-se a bordo do brigue Talle, chega-
do em direitura de S.-Calharina, familia
muito superior, esta fndeselo defronle do
caes do Ramos ; tambem se (rala na praea
docommercio, n. 6, primeiro andar, com
llenoel-Ignacio deOliveira.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na fahia
Vende-se em casa de N. O. Iiieber & C.
a ra da Cruz, n. 4, algod.to trancado
daquella fabrica, muito proprio para saceos
deassucar, roupa de escravos e (lo proprio
para redes de pescar, por preco muito com-
modo.
Sapalos de lustro.
Vendem-se sapatos de couro de lustro
para meninas de 8 a 10 anuos, a 500 is. o
par; ditos para senhora, a 1,600 rs : no
Alerro-da-Roa-vista, n. 58, loja de .Inflo Ti-
burrioda Silva Guimarfles.
--Vendem se os melhores sapalos feilos
no Aracaty, por menos prego do quo em
outra qualquer parle, isto para liquidar
conlas : na ra larga doitozario, n. 35, loja.
31 ai-melada de Lisboa.
Vende-se na ra da Cruz, n. 62, armazem
deManoel Francisco Martin, marmeladn de
Lisboa, muito nova, e em latas de urna e
dua libras, por preco comrxodo,
Vendem-se pennas muito alvas e finas
proprias para flores, ou outra qualquer obra
deste genero : na ra da Cruz, armazem nu-
mero 48.
avalhas de patente.
Ycndem-se navalhas finas de
patente para fazer barba ; stojos
completos de todos os ferros pare
cirurgia, obra muito fina, por pre-
co comniodo : na ra da Cruz, no
Recite, n. 4^i loja de Joaquim
Antonio Carneiro de Souza Aze-
vedo.
Fazendas baratas, na
ra larga do Hozar io, n.
AS, primeiro andar,
vendem-se pee* de chitas pardas, cores
muilo lisas, e de bous pannos, a 5,800 rs.,
e a 160 ra. a retallo ; ditas mldalas de
chuva, a 120 rs.; estopa com alguma avaria
decupim, a 4, 6e8viottns vara ; um fole
de folear formigas ; recas de madap0I80, a
2,500 rs.
Na ra do Cabng, loja de qualro por-
tas, do Oaarle, vendem-se meiasde cores
de muito boa qualidade, para meninoa e
meninas ; riquifefes pelos e franjas para
manteletes; castigas de vidro, a 1,400 rs. o
par; luvaade pellica de muito boa quali-
dade para senhora ; dilas de torcal; ligas
desrda muito elaalicaes ; pontea de tartaru-
ga para marrafa.
Vende-se um preto moco, de boa figu-
ra, eicellenle ganhaifor : na ra do Crespo,
n. 9, loja.
Vende-se arroz, a 1,300 rs. a arroba,
sendo em aacca anda por menos : no pateo
doi'araizo, 11. 80, taberna.
Cavallos e burros.
Cnegaram alguns burros e cavajlos, e es
1S0 a senda, na ra da Cadeia de Santo-
Antonio, das 9 horas do dia em diante.
Vende-se, por precisao urna preta di
naca, de meia idade, que cozinha o dia-
rio da urna eaaa, o t |iiUSou, l'or
170,000 ra. : na travessa dos Quarieis, n. 29
Cadena e pilau.
Veade-se, anda que em nSo muilo
bom estado, urna cadeira de arruar com
dous fortes bracos, para quem queira man-
dar trepara-la; por um preto assas diminu-
to assim c-.0o um pililo grande de aicui i-
Tecidos de algodao tran-
cado da fabrica deTo-
dos-os-Santos.
Pa ra da Cadeia, n. 8*2,
'endem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
ascravos.
Moendas superiores.
Na fundicao de C. Starr & Companhia ,
un S.-Amaro aefinm-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construccSo muito 'superior.
A os fabricantes de velas.
Na ra dos Tanoeiros, armazem d. 5, ven-
de-se muito superior cera de carnauba, por
menos preco do que em oulra qualquir
parta.
Vende-se che hisson de superior qur-
lidade, em caitase meias dilas, a lotes a
vontade do comprador : na ra da Alfande-
ga-Velha, n 36, escriptorio de Matheus
Austin & C.
Instrumentos para m-
sicas.
Vendem-se instrumentos para msicas
militares ; bem como pianos e violes mui-
lissnros ricos : na ra da Cruz, n. 10, casa
de Kalkmann Intuios.
Cadenas de palhinha,
o solas para meninas: vendem-se na ruada
Cruz, n. 10, rasa de Kalkmann lrinflos.
Burias de Ierro
de muilo boa qualidade, ecomsegredo pa
ra as abrir : vendem-se na ra da Cruz, n.
10, casa de Kalkmann Irmfioa.
t barutos de Ha van,
de superior qualidade : vende-se na ra da
Cruz, n. 10, casa de Kalkamann Irruios.
\ olio de Bordeaux,
de superior qualidade : vende-se na ra da
Cruz, n. 10, casa de Kalkmann Irmflos
5? Deposito geral do superior ra~2
p Areia-I'rela da fabrica
deantois l'ailhet& C.
na Babia.
O
a : neala typogripiiia dir-se-ha aondo.
-1 Vende-se faiinha de Santa-Calharina,
muito superior, a bordo da galeota Sanliw-
ma-lrindade. tundeada junio ao caes do
*Na ra do CabugJIoja do Duarle, ven-
dem-se qoadjos do diversos santos, com
moldura douradas, a 00, 600 e 800 rs.; t
cba;eos de pjola, a 5JM rs.
N ruada Moda, armazem n. 15, ven-
dem-se meias barrica com cal virgero de
Lisboa, amis nova que ba no mercado,
por preco commodo.
_Vaode-wunia duzade cadelras de ja
caranda, e duas banquinbas anda novas,
por preco muito commodo: na ra Nova,
"'..Vendem-se dous camarote de embar-
ccSo.aiada novo, por preco commodo
Domingos Alves Matheus, agente da,,
J fabrica de rap superior Areia-Preta daj,
j; Ilalua, tem aberlo um deposito na ra ~:;
jjda Cruz, no Recite, n. 52, primeiro an-^
dar, ondese achara sempro deste ex-'''
relenle e mais acreditado rap: ven-
de-se em botes de urna e meia libra,
por proco commodo.
o
Farelo novo a 5,500 rs.
Vendem-se saccas grandes com 3 arro-
bas de trelo, cliegadas no ultimo navio
de llamhurgo : na ra do Amorim, n. 35,
casa de J. J. Tasso Jnior.
Vende-se una escrava de bonita figura,
moca, bol engommadeira, e com boas ha-
bilidades: o motivo per que se vende se dir
ao comprador : na rpa larga do Rozarlo, o.
48, piimeiro andar.
Vrnde-sc, no armazem do fallecido
l'.raguez, potassa muilo nova, chegada ul
1 mmenlo do llio-de-Janeiro, ptr preco
commodo. -
Enryclifedin it Ceogrophia Cen inglez )
coirteiiilo a ilo.-cnpcflo physica, estatifica,
civil e poltica da ierra, por Hugo Marra;/,
Ilustrada com 82 mappas e multas giavu-
ras, livro indispensavel a todas escasas de
commercio, e aos professores de geogre-
pbia.
Arle de Furlar, do padre Antonio Vieifa,
edirflo de Londres, I volume.
Obrn completas de luit de CamOes, ntida
oilu,So de lian.burgo, em 3 volumos.
Vendem-se estas Ires obras na ra do Ko-
zario luga, loja de miudezas de J. J. Lodi.
Vendem-se qualro bonitos escravos,
I.htis paia lulo o soivico ; um dilo I o ni pa-
deiro e forneiro, sem vicios ; quatro pretas
oam tlgumas hahil'lailes, e muito nocas;
urna parda, que engomma muito bem, co-
se, he muito carintiosa para nenios e de
boa condurta urna escrava de meia idade,
por 250,000 rs. ; assim como outros muitos
escr^vOH na ra da Cade! do Recife. n
51, primeiro andar.
ISo armazem de Joaquim de
Silva Lopes, vende-se farelo, a
3,ooo rs. a sacca, e farinba re tri-
go franceza da marca BarSo, por
preco commodo.
No armazem de Vicente Ferreira da
Costi, na ra da Madre-de-Dcos, vende-se
vinlio da Figueira, o mais superior que a
este mercado tem vindo, em barr de 5 a 10
ranadas, a 8 e 16,000 rs. o barril.
Bichas de Hamburgo.
Vendem-se as verdadeiras bi-
, lias de Hamburgo, aos ceios e a
retalho : tambem se alugam e vao-
se-appiicar a quem prKsar : na
ra da Cruz, no llecife, u. 43, lo-
ja de Joaquim Antonio Carneiro
de Souza Azevedo.
Maca de vime,
vende-se por preco commolo : na Vives
da Madre-de-Deos, n. 5, armazem.
-- Vende-se urna casi terrea na Soledade,
feita a moderna e acabada ha pouco lempo,
ou lamber se troca por escravos : na ra
das Larangeiras, n. 14, segundo andar.
Vende-se urna poreflo de enchameis de
se.lro, de 30 a 40 palmos de compr i lo, pro-
prios para obras : na ra do Vigario, n. 5.
Vende-se a taberna do becco do Muti-
leiro. no Recite, n. 6, proprio para qualquer
principiante, por tur poueos fundos, e es-
lar bem afreguezada : a tratar na mema,
eronie do eacripiono da viuva Lasserra,
na ra do Vgaiio. n. 14.
Na ra das Cruzes, n. 22, segundo an-
dar, vende-se uina rrioula, de 20 ajino,
que engomma, cose chflo, cozinlra e lava;
3 pretal muilo robustas, que cozlnhtm, la-
vam de sabio, e s3o ptimas quitandeiras ;
Vendem-se pisnos de exeellente vo-
zes; telhasdevilro, em grande e peque-
as rorcoe; ag fino em barrica de 80 e
160 libra; cevadinha emgarraWe do um
libra : tuda de mu boa qualidade e reerh-
Umenle chegado: na ra da Cruz, n. 48,
armazem.
Cera de carnauba.
Vende-se cera de carnauba muito upe-
rior, a retalho e em porcOo: na ra da Cru,
n. 36, confronte a Ungoeta, esquina do
becco do porto.
'or !L%000 rs.,
vendem-se os masisaeiadoa capotinhosde
chamalnie deseila, de gorgurflo, preto e
de cores: na ru do Queimado, n. 9.
*IP!A
(uinbeoj- 01110)11 v op foi (Bl9pB^
np eiu bu jjpuaA 36-oiBnut|uoo
'Mil 9)v0 BJ,!d soquioiij
tfijDiiiipntl t? oanSoiji
Vendem-se ps de larangeiras, boas de
se planlarem ; bem como sement* de cou-
veerepolho: em Parnameirim, sitio jun-
to estrada do encamnenlo.
Vende-ge um bonito preto bastante ro-
busto, canoeiro, trabalhador de pa. e enxa-
da ; tambem vende-se urna canoa forte de
carga de um milheiro de lijlos, na quil
mrsmoeicrivo.lrabalha no aterro da factura
da cadeia ; urna preta de Angola.com al-
gumas habilidades : na ra larga do Roza-
rio, n. 48, primeiro andar.
Antigo deposito de cal
vintem.
Na ruado.Trapicbe, n. 17, ba
muito superior cal virgem dt Li-
ba, por preco muilo commodo.
\ rados de ferro.
Na fundidlo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Farinha de 8 -Calliai ina
A melnor farinha de mandioca que ha no
mercado : vende-se a bordo do brigue-es-
cun Olinda, por preco mais barato do que
em oulra qualquer parte, ou a tratar na
ra do Vigario, n. 1, segundo ndr, com
Machado & l'inheiro.
Iit-troz da fabrica
doSiqueira, no Porto, de todas a cores :
vende-se na ra do Vigario, n. 19, segundo
andar, por preeo commodo, a tratar com
Machado o. l'inheiro.
Vende-sa bem aTreguezada fabrica de
charutos do Alerro-da-Boa-Vlsta, n. 5, pe-
lo motivo de seu dono relirr-*e pra fra :
a tratar na u,ema fabrica.

l Vende-se um bonito molec.io, bom
coinheiro, e de conducta muito regu-QS
Qlar, sem vicios nem achaques ; um di-
mto ptimo pra pagem, ou para aervir
ja urna caaa, por ser* muito ladino, e dem
mbot conJuCTa ; um pardo d bonila ll-gj
officio de al-
de22 auno, com oniciu un i-
_ laale, e que he bom bolieiro ; um di-r
^to de 16 annos, ptimo para pagem ;r
dous escravos de todo o ervico ; urna**
batido
tamaitos*

v'laiaU..
ptimo para pagem
__ todo o ervi^o; un.
preta com alguma habilidades; duas**
molecas ; duas 1 arda ; duas pretas de
meia idade : lodo por proco muilo
em cotila : na ra das Larangeiras, 11.
14, segundo andar.
0GOOOOO0
Vende-se manteiga ingleza nova, a
480 is. cha hysson, de superior qualidade,
11,800 rs. ; araruta, a 200 e 240 rs. : tam-
bem se vende um preto proprio para en-
genho.
AGENCIA
da fundico Low-Moor,
HUA. PA 8ENZALT.A-ltOVA, $. 4.
Nest^ estabelecimento conti-
na a baver um compteto sorti-
mento de moindas e meias moen
das, para enenho;. machinas de
vapor, e taclias de fe
coado, de todos o
para dito.
Vende-se carnauba de primeira soile ;
saccas com farinha da Ierra, muilo fina e
alva ; courinhos muidos ; esleir ; chapeos
lo palh ; farinha dear<.ruta, em baruca ;
caitas com velas do Aracatv; pato em
poreflo, de todas as qualidade : na, ra da
Cruz, 110 Itecife, n. 24.-
Livros que se vendem peliquarta
parle de scus valorea, no pateo
do Collegio casa do-livro ainl :
Voyage en Italia, contenant 1'hfstoire
elle ancdotales plus amgulie-
res de l'ltalle, t descripllon ;
le uaages, le'gouvernement, le
*..-..-...... 1, ii)proiiir,> lea arla
"iVioi're n'atur'elle, et les ntiqui-
ls; vec de Jgemens sur les ou-
vragesdePeiulore, ele ; em 9 v.
grossos por Mr. de a La l.an Je
Voyage du jeunoanachersis em Crece
por J. Barihelemy ; em7v.
OEuvre completes d'Abb de Mably ;
em 10 v
Le Censeur Kuropeen, ou examen do
divers queslions de droil publie
e de diveis ouvrsgs litterairea par
M. M. Comle et Dunoyer; II v.
OEuvredeL. U. Picard ; II v.
CollecfSo de DisseiutOra por LobSo;
I v.
Tratado das obrgacOe reciprocas de
Lobflo ; I v.
OEuvres de II. Plissot; 4 v. groaso
C*uvre choisie de Voluey ; 1 v dilo
Filosophia chimic ou ver lados ,'un-
dauteniaes da chimica nio lerna,
por Fouicioy ; I v. em quarlo
Vendem-ae superiores bandas para offl-
ciaes do caladores: na ra do Crespo, n. 17.
Vende-se um lavatorio de mogno, no-
vo, com loius o leu* preparas de lonck
franceza; um parda lanternas lavradas ; B f -m ehdo proprios, que faz esquina para i
Na loja de seis parlas na
ra do Uvramento,
contina-se a vender cassa preta, a 120 rs.;
chita de cores, a 120, 140,100, 180, 200 e
210 r.; chales brsncos de cassa, a 320 e
480 r.; dito pequeos de chita para me-
ninas, a 200 rs. ; e tod a fmai fazendas,
por preco commodo.
Vende-te urna escrava que cose, en-
gomma, cozinha e faz todo o lervico de
urna caaa bem feito ; urna dita ptima pera
Vender na ra, ou trabalhar de enxad, com
urna fllha de 8annos ; um moleque de 10
annoa, muilo vivo e eaperio para o servico
de urna casa 1 na ra do Collegio, n. 91, pri-
meiro andar, se dir quem vende.
Vendem-se 6 lindos moleques de
18annos; 4 preto de 25 annos, sendo um
delle8 sapateiro, um pardo de 2* annos,
ptimo bolieiro, cozinheiro e empalhador;
8 pretai com alguma habilidades, e que
afio proprias para todo o trrico : na ra do
Collegio, n. 3.
1* Vcnde-se um linda etertv, boa qui-
tandeira e de exeellente conduela : na ra
do Rangel, n. 57.
f r e
{Precos que agradam.*
Vendem-se cassas-camhrsias, a 900#
rs. o covado; riscados francezes ; chi
Jtas pretas, a 160 rs. o covado ; Iencos#
le seda com franja, a 1.000 rs.; meins#
chales, a 1,980 rs.; luvas de seda, a 320S
rs. o par ; meia de algoddo, a 160 rs. o#
par; bico prelo de linho e sed, mu
to largo, a 500 rs. a vira; e outras mui-aj
tas fazendaa: na ru do Crespo, o, 9,aj)
l"j-________________________^_1
6,000
5,000
4,000
4,000
4,000
I.6C
1,600
4000
2,000
500
brelas a 2,000 rs. a
libra.
Vendem-se obrejas de muito boa quali-
dade, de urna quarta para cima : no pateo
" Collegio, n 6, loja de livro, de lodo da
la Dourado.
Vende-se um nrgrinh de 13 a 14 an-
nos pooco mais ou menos: na ra do I.ivra-
mento, o. 11, se difa quem ven le.
Na ra do Queimado,
i 9.
Acsbam de ebegar i loja da ra do Quei-
mado, n. 9, as mais ricas manguinhas de
Ot para vestidos de senhora.
Vende-se um molecfio perito official de
sapateiro de toda obra, e quejiflo lem vi-
cios nem achaque : o mlivWpor que se
vende se dir ao comprvlor i na travessa
do Corpo-Santo, n. 27. loja de sapateiro.
Vende-se urna porttil e exeellente ma-
china de copiar cu tas, rom lodos os seus
peitencea ; bem com as obras completas de
Cameg, em 3 volume, da mais ntida edi-
Qflo : tudo por preco commodo : no Aterro-
da-Boa-Vista. loja do Sr. Kstima.
Na loja do Doart, na ra do Calmea,
vendem-se volante, trina, galoes e renda
douradas e praleada, espiguilha branca e
amarella, por preco mais commodo do que
em oulra qualquer paite.
No armazem que loi do fallecido Bra-
auez, na ra da Cadeia-Velha, a. 64, ao p
da botica do Sr. Amonio Pedro, veade-se
.nnhe de S.-Maiheus, a 9,940 ra. a sacca ,
lila deS.-Cathaiina, deauperiorqualilade,
a 3,000ra. ; dita mais inferior, a 2.800 r.;
dita pr animaos, a i,000 ra, a aacca ; po-
tassa ; Rraxa ingleza em barricas; conser-
vas; taliSo bstanle sccco; fump em folha
lelod'sas qualidade; e outros gneros
que nSodesagradarflo aos fregueze, lano
por sua qualidade como pelo mdico preco.
Mate.
A verdadeira ervl mate de Partnagu,
muilo recommandada pala utilidade de seu
uso, a retalho i na travessa da Madre-de-
neos, n. 5, armazem.
Deposito de potassa e cal.
Vende-te muiti nova e superior potassa
o al virgem de Lisboa, em pedra : tudo em
barra pequeos de 4 arrobas, por preco ra-
aoavel: na ra da Cadeia do Itecife, n. 12,
armazem.
lie muito barato, a 3so rs*
Vende-se urna poreflo de chita larga
franaezas, de muito rima padrOes, de lislras
e llores de muiias diversidades, de astelo
tacuros e elaros, lintas muito finas e core
dxas, pelo diminto preco de 320 r oro-
vado; as mais linaseassts franflpas que
lem apparecido, de todas aa divelaidades de
cores, padioea os mais delicado que ae p-
dem desenliar, core muito liXfSi a 790 r. a
vara ; cassa preta, muilo linlf, deitrepa-
novo, a 480 e 600 rs. a vara ; hamburgo,
muilo fino, da le meio palmos de largo,
com urna mistura de algodo, proprio par
lenci-s, toalhas, carnizas e outras muitaa
obra, muilo barato, a 300 r. vara ; ca-
-a chitaa, muilo lina, de diversas corra, a
104 ra. a vara ; princeza anonatro, da qualro
palmo de largo, a 1.000 r*. o covado ; ria-
cado francez, o mais fino que tem appareci-
do, muilo flxo, 320 r. ; brim de linho pa-
ra jaqueta, da quadroa miudo, superior la-
curas finas, com um pequeo mofo, a 160
i.; dita muito lint, de asientos escuro
e claros, padrfl-i luleiramuute novot, cores
r uilo fitas, a tOO e 940 rs. o covado : na rna
lo Crespo, loja de Jos Francisco Dits, nu-
mero 14.
Vendem-se capolinhot de 13a para
n.eninose meuin/s; loucas de lia para se-
nhora meninas : na ra do Cabug, |oja
do Duarle.
l-'abricA de lie res.
Na fabrica de licores do Aterro-da-Hoa-
Visla', n. 17, ha sempre um torlmento de
tarop de resiua de angico, dito da mar-
cuja, dilo de grozclas, dilo de cidra, dilo
de flor de laranja; licores Uno, entrelio
e ordinarios.
Vende-se, por precsfl, um preto mo-
co, de nscao Costa, da bonila figura, e de
ptima conducta ; he gauhador de ra,
e nao tem vicio nem achaques, o que ao
aflanca ao comprador : na preca da lioa-
Vista. n. 9 A, loja de calcado.
- Vende- um ilio na ra dos Pires, com
boa casa, arvore.lo e cacimba de boa agoa,
Oleo de linhac. a
em botijas : vende-se nos arma-
/.ensda ra do Amorim, ns. 56 e
58, e do Annes, no caes da Allan-
dega. a tratar com Manoel da Sil-
va Santos.
Vende-se um casal de burros, ou da
michos, ptima parelna para carro : na
coxeira do Sr. major Sebaatifio Lopes Cui-
m a raes.
LIVROS FU BRAJICO.
F.mcasa deJ. I). Wolfnopp, & C. ra da
Cruz, n. 16, vendem-te. Jlvros em branco
ile todo tamanho por preco commodo.
He biiratissimoa 400 is.
1ramante m'onslro.
Vende-se bramante, fazenda muito supe-
rior, e de quatro palmos de largura, pro-
prio rara camisas, lences, jaquotas e ou-
lr muita obras, pelo barato preco de 480
rs. a vara ; cortes decasemirt de algodfio,
fazenda muito encorpada e de multo bom
gosto, com listra ao lado, a 1,600 rs.: na
ra do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Dia.
Superiores vinbos
Na ruada Cadaia, n. i,
vendem-se excallentea viuhoa de
diverta qualidadea, lano engarra-
fado como em birria, sendo do Por-
to, Figueira. Rcelas, Madeira, Cra-
ca velos, Colares, Mosca lo I de Se-
tubal. etc.; assim como outros
muiios griierv do Optimfi qoiidadr, uo
que sempre est prevenido este estabclen-
mento.
Vende-se um burra de ferro : no Ator
ro-Ja-Boa-ViU, n. 38, loja dealfaiate.
Escravos rugidos.
i
.- Anda est fgida, desde o dia 86 de
junho prximo passado, a escrava crloola,
de nomeMara, moca, altura regular, cor-
po reforcado, cadeira grossas e um tanto
sabidas para fra, bocea regular, beicos um
tanto grossos, p* e mSos grosws; tem
marcas de betigat no rotto, peiloa peque-
os e cshidos, nsriz grossn, olboa carnudos,
orcinas na parte do enfeite grossas e vira-
das um tanto para cima ; tem ama marra
de ferida de caustico do lado dirollo on es-
querdo da rstelas para o vasto ; levou
vestido de chil preta, panno da Costa, e
um taboleiro com milho e arroz que venda
no dia que fugio : esla preta auppoe-ae es-
tar occulla em caa de alguem, on em al-
gum cakjgi, oque te vai escrupulosamente
endagar para se proceder contra qi.ein a li-
veroeculla: uflerice-se urna boa rerom-
pens quem dola der noticie cert, e
guarda-te intniro segiedo, ou a pegar e le-
va-la ra de Dorias, n. 114, a Antonio Cal-
da du Silva.
Boa rrralificac2o.
No dia 31 de julho do crtenle inao, fu-
gio. d ldadn da Victoria, urna ecereva
crioula tiandoa cabra, de non e Antonia,
le 18 a 20 annoa, alta e eheia do corpn
lem um carocoenlre um peilo e outro, ps
grandes ; he muilo beatalhada que parece
losa ; foi comprad* a Antonio l.eite de Li-
ma, morador em Piauc, para onde sedes-
confia que a dita escrava seguase, por ter
ndaJo gente daquelle lugar cohhecida
lella, ou mrsmo que segulssn para o Reci-
fe. Roga-se ss tulorida.ies policiaca, cap
liles de campo e qualquer pessoa, que i
pprehendame levem-na ra do uvra-
mento, n. 14, Funcisco Ctvalcanti do
Vlhuquerque, ou a cidade da Victoria, a
Joto Cavalcanti de Albuqueique, que ierSo
gratificado.
Pogio, do engenbo Reeanto, no dia 21
Je Julho prximo passado, a escrava Tbr re-
za, crioula, de 30 annos, de mediana esta
tur,corpo ecco, dente limado, olhos
Huiniacidos; lem i costa cinlrlzadas do
Coite : quem a pegar leve-a a sen *eu se-
iibor. o l. nenie-coronel Joflo Florenlino
Cavalcanti de Albuquerque, em Berlnhaem,
no dito engenho, ou neata prc a Luit Epi-
fanio, na casa da esquina, confronte ao
theatro novo.
fugio urna preta de nac,3o, prenhe, de
nome Narcis, grossa do corpo, de ettatu
rabaiti ; levou vestido roto de auadros,
..acno da Cos ecm Hslrss szues :. q-ics: a
pegar leve-a a ra do Hospicio, n. 84, casa
terrea.
150,000 rs.
No dis 99 de julho do correte snno, fu-
gio o rgeravo de nome Filippe, crioulo. do
34 anuo pouco nuil ou meno, de llura
regular, chaio do corpo, Dem prelo, cara
redonda ; lem lodo o denles e bem slvos;
temumacicatritno pescoco : quem o pe-
gar leve-o a Luiz Jos de S Ara ojo, neala
cidade, cu a ra Direita, n 70, a JoBo Cse-
tano de Abreu, que gratificar com ISO.OCO.
Fugram, do engenho S.-Andr, ha 9
mezo, os escravos segirintes : Simplicio,
crioulu.de 91 annoa, carreiro, alto, secco,
sem barb, bocea grande, beteo on pouco
grossos, d< nles grsndes, pern e ps pro-
porcionaes, falla giott* e alia : Antonio,
lambfmcrioujo, e crreiro, de 30 nnos,
,,- -- ---- -------- ain.il. ''(^n .Ar-
-lixi, ai (.UI 1'fUl --.------------. .
runda, pouco barbado, rosto corop'ido,
bocea e beico inferior um pouco gran !il al-
guns denles ds frente (Odres, luua tabaco,
e fuma cachimbo; traz e usa de contas gnu-
de ao pcaageo. Roga-se a autoridades po-
liciies e ciPlges de esmpo, que o PPre"
hondam e levem-oo ao dilo engenho, ou na
praca da lioa-ViaU, n. 10, qae tero reco'-
pensados com 100,000 rs.
-- Fugio, no dia 99 de junho do crreme
anno, do engenho Sclubal, freguezi do
Cali, um molecote, de nome KDa, crioulo,
de 94 anno, bem preto, olhos grande, n-
riz afilailo. com todos o dente na -frente e
limados, corpo aajpigado, pernaa flns; tB
bem fallante, ladino a pachola ; Htvoo cal-
Va jaqueta e chapeo preto; consta que loi
seduziiio, eanda pelo Recife. Roga-se as
autoridad policiae, capilflos de campo,
ou niiim noaluuer peaoa. ou oappreiieB-
danie levem-00eu aenho, Joaquim ao
Hego Uarreto, no dilo engenho, ou a, w-
n.ingo d SHv Cmpo. na iua di -'";
zea, ii. 40, quo ero generosaoieule gra
liflado. H
no esliro do Sr. Figueiredo, no Forte-do-1 umescravo crioulo, de 35 annos, proprio bandejas, em muito bom estado : na ra do lastrada : a Tallar com'Jus Aptouio Correi
Haltof defronte d cs da Assembla. Ipara oservi?o de campo. Livramerllo, o. 7, loja desapto. Humor.
Pihii. : hUTrr.nla. a."*'*'*
1*30


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4ADIZSFT_GOSYSM INGEST_TIME 2013-04-24T19:07:13Z PACKAGE AA00011611_07106
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES