Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07105


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anno XXVI.
Quarta-feira 7
VABTIBA* SO OOmMBlOB.
Colanas eParahlba, segundas eiextas felrai.
Rlo-Grande-dn-Norte, quintas felrai ao "">"-
Jljl
Cabo, Serlnhaem, Rlo-Formoo, Porto-Calvo
e Mieel, no I.*, a lt, e 41 de oda mez.
Garanhuns e Bonito, 8 e 28.
Boi-Viita e Florea, a 13 e 28.
Victoria, ai quintal feiran.
Ollnda, todoa oa diaa.
Ii
Paisas di lu.
Mlng. a l,s2h. eWm.da m.
Nova a 7. os 7 li. e 14 m. da I.
Creac. a 14, s 3 h. e 27 m. da t.
Chela a22, sG h.eMm.da t
Mlng. a 3i' aa 11 h. e 54 m. da m.
tillan DI OJK
Prlmeira aa 3 horas c 42 minutos da Urde.
Segunda aa 4 horas e 6 minutos da uinhaa.
de Agosto de 1880.
N. 17.
razotM DA suBscairglo.
Par tres mezea (dio nudo) 4/000
Por seis mezet 8/000
Por um anno
Aud. do J. dos
Ui *
& Seg. Nossa Senhora das Nev
orf, e in. 1. T.
6 Tere.. S. Tiago eremita. Aud. do chae. eJ. l.v.
7 Quart. S. Caelano, Aud. do J. da 2. v. do
8 Quii. S. Ciraco. Aud. J. doa orf. edo m.
di 1. v.
9 Seit. 8. Romo. Aud. do J, da 1. v. do civ e do
dos relio* da fazenda.
10 9ab. 8 S. Loureiico.
iiftOO II Dom. B^Tiburclu.
oa i
I G DE AGOST
O.
Sobre Londres. 27'/. c27'/d. por 1/000 ra. a60dtar.
Parla, 346.
Lisboa, 100 por cento. _.
Ouro.-Oncas bespanboe..........29/000 a 29/*
Moedas de 6/400 veihas.. 16/500 a 16/700
de 6/400 novas.. 16/100 a 16fJ00
. de 4/000........... 9/100 a 9/200
Pr*u.PatacSes brasilelroa...... '/ 6J a 1/9W
Pesos columnarios ....i.. I/1"0 !.
. Ditos mexicanos-....... 1/800 'at*
L.^^aaMMamKHau.. ;
PHWTEOFFICIAL.
MINISTERIO DA FAZENDA.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DA
DE JLLH.
Ao inspector da alfandega, conhecendo-se dn
recurso interpostn por Amonio ramea, con-
signatario da polaca sarda Providencia,da multa
Imposta i capitn, por irrrgularldade de ma-
nifest, se Ihe di provliileiilo quinto dispo-
lcn que se Ihe applicou para a Imposjco da
Inulta, porque estando demonstrado pelo Jor-
nal d Cimmrreio, que o patacho sahlra em las-
tro da cosa d'Afrlca para este porto, trazend
certificado etn fnua, ii* dente que se acha-
la coiuprehendido na dlsposico do arl. 158,_r
nao nado 159, devendo porlanto, eiu aitc-ncio
ao que Informa, Impdr-ie-lhe a inulta de ris
500,000, na forma do dito art. 158.
_
GOVERNODA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 30 DE JUI.I10.
Ollicio. Aojufl relator da junta de jua-
lip, transmiitimlo, pira cer spresentsdo em
sessSo da junla dejuslir-a, ojjrocesso ver-
bal frito so soldado do quinto batilhflo de
fuzileiros Sehasliao di Silva. -- Coramuni-
cou-se ao commandante das armas.
Dito. Ao inspector do arsenal de mari-
nha, dizendo ficar inteirado de que ao ama-
rillecer do dia 23 do corrente fui apique a
bois.qnesoachava collocsda no picao do
aul da barra grande.
Dilo. Ao director do arsenal de guer-
ra, airtorisatvlo-o a despender a quintil de
65,690-r*. coto a compra de lio de algodSo,
pivius, velUsde carnauba e azeite de cij-
co, que for neeessarln, fim de com o azeite
de carra pato, que s nliruu dos quatro mezes
Easado, mandar fazer o rornecimento de
zes ios qusrteis, guardas e fortalezas di
provincia em o mu;, de agosto prximo v4n-
stoawo. intlligeiiciou-so *o inapctor da
pagadoria militar.
Dito. Ao engenheiro director das obras
Sublicas, para mandar substituir por oulra
columna dv pedra.de que trata* mareclial
eomasindanle das armas no oulcio que re-
meta por copia, e enviar em duplcala a
conta da despea djte tizer.com a enlloca (So
da nova columna, ifltn de ser salisfeila. --
Inlelrou-sB ao referido marechal e so ins-
peclur da pagadoria mililir.
Dito. -- An inspector da thesouraria da
fazenda pruvincial, para que, i vista do cr-
tifleado do engenheiro director das obras
publicas, mande pagar ao arrematante da
obra do aterro e ponte dos remedios, a im-
portancia da primei'a prestarlo do aira con-
trato, por ler elle feito a primeira paite da
mesma obra. --8cienli0cuu-te ao dito en-
cesJMn,
listo. A' administracilo do patrimonio
dos arpillo*, declarando que, visto subsistir
anda a disposirlu dos estatutos, que cri
tima asela de msica no cullegio das or-
phlaa, enibora dispensada por porttil de
86 de miio ultimo, nao convm por em-
quinto que se effectue a venda do piano por
Ss. alea, solicitad.-
DEM DO DIA 31.
OMcio --Ao Eim. presidente da Parahiba,
reeoiurnendando a expedicSo de auas oreens no
sentido de ser o arsenal de guerra tiesta pro-
vincia lademnlaado, i vista das tres contal, que
rruirttr, di qiiautla de 4:444.000 ris, em que
importan) o armamento. cu.-.-:i-i::? e Arluss-
sae, que fo enviado para aquella provincia (in
13 oe fevereirn ultimo, e vinle cananas, que S.
Esc. enrr-miiiertdou em orncio de 17 dejunho
proiliuo Rudo.
Dilo.Ao roaimindmlr das armas, para
mandar addhr, de canforuildade com o aviso da
guerra de 8 do corrente, a um doa corpas da
animarla existente nesla provincia, o trurnle
da eslado-malor da segunda classe Jos Ignacio
d Medeiros llego vino achar-se elle desem-
pregado.
Uno.Ao juiz relator da junta de justc,
transn.iiiiodu, pea alepula de visto, aer apre-
} i o ni i ni.
THEATKO DE SANTA ISABEL.
Subi i serna em a noite de 4 do correla o
iniigpe drama Os duu rtaeondu a primrl
ra composico dramtica, na ordem chruonlo-
gleadoeslmlo litteralo portugnez o Sr'.Ven-
dea Leal: bem cunhecldo he elle em ambos os
mundos. O publico desta cldade que por ve-
,M|iai iMs a representacao dessa peca enter-
rada aempre no cemiteiiu do Gamboa pela Iri-
polacaa du chantado theatro de san-Franclsco
leu uessa uoile uiu piazer completo vendo na
rsecaco do drama bem inanllesiado o pensa-
inent do teu autor. Fiel ao nosso dever va
nios dar ao publico una breve uoticla da sua
rxecucao, a qtfil eoili juitiei pndenios diicr
aue em geral toi boa : em verdad de todos os
resttasHevados eena rma primrlra vez n>
themio de Sama-Isabel desde que principiamos
a frequenla-lo, depoil que a ata cidade chege-
-liias, fui eslf sciu duyidaa maiibeui deaempe-
"nliao : eremos ser j esta dillerenca um puro
erTelt'i das nonas censuras,e aluda mala das du
nosso iilstraao coiirga da /aiii. Fi Icm os
cfeartatfas enfatuados,que nao tendo sahido j
niais amia provincia, nunca vliam outro thea-
tro qae o de San-Krancrsco, equeuu por m
voulade, oit por Itnreja, oh por nao aabereiM
star valor ao que he boiu e sublime, costmna
dos aajijJauvlr so.fl que he burlesco e ridicu-
v^radianle sua louca nretencw de des-
cotseeliuar swaasl asatl; tendo o .rroo rnes-
ina de com a usis inqualincavet injustlca ne-
srntado ero sessao da mesma junta o incluso
processo do soldado do tercelro batalho de ar-
lilharlaa p Valentlin Jos de Santa-Anna.--
'ioniinunieou-se ao commandante das armas.
DltO.Ao Inspector da pagadoria militar para
que mande Indeinnisar o arsenal de marlnha
dett provincia da quautia de 79,76.1 rls. em
que scfunio a conU 4Ut remelle em duplcala
importa,o foraecimenlo de etape feito pelo com-
mandante do patacho P4rpm as prajai de pri-
meira llnha. qoe forain 4 llha de Fernando nn
mesmo patacho, racollando oa presos para all
envhdos ltimamente.Sclenlincou-ae ao ins-
pector do arsenal. .
DU.Ao lospeetorda ihesourajia da fasen-
da proajlnclal, inleirsndo-o de ter concedido
um mez de lu-cnca com o respectivo vencimen-
to ao profesior publico de primeiras letras da
nnvoar an de Corren tes.Neite sentido flr.eram-
se as convenientes communlcacoes.
Dilo'--Ao mesmo, para mandar adiaatar ao
engenheiro director das obras publicas, por
aasim o haver rrquisitadn, a quantia de ri 000,000. p.tra eontinuacSo da obra da casa de
deteiicio.Intelllgenciou-se ao mgsmo enge-
nheiro.
Dito.Ao mesmo, para mandar adiantar ao
engenheiro Milel, por assimo haver requisila-
lo o director das obras publicas, a quautia de
500,000 rls. para a continuaco dos estudos
sraphlcos da estrada da Escada.Sclentificou-
DEM DO DU 1 DE AGOSTO.
OIBclo.Ao commandante das armas, para
mandar com urgencia receber de bordo do va-
por /VrwainoiiMiia. e tratar no hospital reg
mental o voluntarlo do exercilo Joao Antonio
deSouza Brasil.Communlcou-se aoooimnan-
dante do referido vapor. .
Dito.Ao chefe de polica, commiinicando.
aflin de o fazer consUr ao Portuguez Antonio
Alvea de Miranda t.uhnaracs, que segundo foi
leclarado em aviso dos negocios do impeiio,
com data de 18 de julho ultimo, para elle po-
der obler a carta de naluralisajao de cldad.io
brasileiro, que pedio, deve apresentar certldao
de idade ou atestado do respectivo cnsul, em
que prove ser nienir de viut* e uro annos.visto
] ne a prova lesleiiHinli.il desle requisito s he
admisslvef em direito na falla de tacs docu-
mentos, e provaudo-se a impossibilidade de 6a
apresen lar.
Dito.Ao director do arsenal de guerra au-
tnriaando-o a despender a quantia de I:4n0,900
rls com a compra dos objectos mencionados na
requisicao que devolve, para fornecimento do
hospital regiuiemal a ca(go do quinto batalho
le cavadores.Inlelligenciou-se ao inspector
la pagadoria militar.
Silo Ao inspector da alfandega. para que
na forma do respectivo regulainenlo. conaio-
la no despacho livre de dlrellns de lo varas
de pedra, que se achain naquella alfandega, e
forain compradas pelo engennetro director das
obras publicas ao negociante Thomazde Aqui-
no Fouceca para a calcada em torno do theatro
publico deata cldadeSgieolificou-aeao mea-
uio engenheiro.
Dito.Ao agente da cornpanhia das barcas
de vapor, recoinmendando a expcdleao de anas
ordena, ao commaiidanie do vapor /*erasiaiiu-
rana, para que receba e condusa para acorte
dispositio do Esm. ministro da guerra o alie-
res Vicente Eerreira Lima e o soldado Mauoel
Antonio de OIlvrHra. Mello. lutelrou-se ao
commandante das ajamas.
Dilo.Ao Inspector da thesonraria da fazen-
da provincial, para mandar adianto ao genhei-
ro Milel, por assim asaaver requiaitado o di-
rector das obras publicas, a quantia deUOO.OOO
ris para coniiiiuaco dos estudos Kraphicos
da estrada da Victoria.Intelllgeuciou-se ao
mesmo direlor.
Dito.Ao mesmo. para que mande adiantar
ao engenheiro Milel, a quantia de 2:O0.0iK)
ris, pira continuaran do decimo-setimo
lauco da estrada da Victoria, conforme requi-
sitou o director das obras publicas.Inteirou-
se ao mesmo director.
Dito.Ao mesmo, remetiendo copla do ac-
trescno-d! abras da ponte da ruada Aurora,
alim de que contrate a sua cxecu(o com o
respectrvo arrematante, se qulzer ujeitar-se
s mesillas candiocdCs com que coutralou a
factura da rirferjda ponte.-Communicou-se ao
director das obras publicas.
Dito.Ao inesin o, ordenando que mande por
a dlsposico da cmara municipal desta cidade,
a quantia de 40:000,000 ris, que pelo art. 32
da lei pruvincial n. 20! de 28 dejui.li ultimo,
fura eonslgnada para o come;o do cemiterlu
publico; sendo dose ..notos, entregues j, e o
reato a proporcao que ella Cosa.. pcdiudo.-Jn-
teirou-se a mesma cmara.
gr o uitrilo iucuulriuvel do primeira artisu
que enlre nos appareccu, o Sr. Germano Fran-
cisco de Oliveira: aue nos e o Klapa quedei-
pre^amos mesquinnas localidades, que justa
rule apreciamos o mrito de qualquer ho-
rnero que o tenha, eja qual for o torro eui
que elle haja nascido. iremos avante Armes
seuipre em osso inabalavel proposito de eln
giar, com loda a imparci.ilidade o bou,, mmS
rar o mi. e acomelbar a este a emenda e cor-
rei'9Jo ; nein o publico que quasl sempre julga
mrllior. atleuder as vagas e insultlas decla-
maedes do sollo, e em resposta su le dar o ri
so do despreso que bem ui4S|rccoi, Fallemos
agora da esecuco da prca.
Foi em geral, corno cima (lisiemos, bem re-
preieqjda ; ao levantar o panuo no primeiro
acto, no-se a sala da casa do Judeo Siuieufu
Sr. Ilajinuiido^ sala limpies, mas bem uiobi-
liada. Simeao, Jonatas, ou ames Lopo da Silva
(oSr. Costa) Esther [aura.Emilia) eiiaa na sec-
as. Esllier pouco tejn a lair, mas dciempe-
ahou lio bem a sue parle qiie nos fez esquecer
oleirainenle a Judia Rachel, a a moca Josefa :
a Sra. Kiuilia. bella aaavda mua eunracada e
linda com o seu vestido de Judia, pieudcu nes-
sa noite toda a nossa attancao. estere animada,
possuida daquelU mesma paixo, que uni
Esther ao amoroso jQualbas, nos nos nao po-
demos dispensar de gradecer-lbe ease desrju
que tem mostrado de irielhorar^ oseil Iraballio
epuaqu* livciuui m honra de 31lglr-iufl nos-
sa* admustiiaroea qae tem sido benigna e do-
etlmeate aoulhidaa pela Sra. Emilia : conria-
mos, pois, que dora fin dianle dos nao dar
uiais motivo, ceusura. Siiueo esleve bom :
justos c bem justos tem sido os nosios julzus a
respe I lo do Sr. Iiaymundo, o qual sobre estar
multo bem caracierisado, Iraballiou atlsfalo-
riamente: conslnta, porm, o Sr.4>vinundo
que Ihe digamos em obsequia seu, que de ve ter
Commando das armas.
Qvarttl general na tidade do Huift, em 1 de
agallo it i850.
ORDEM DO DIA N. 66.
0 Sr. marechal de campo graduado Anto-
nio Correa Sera. comman*lante das armas,
letnrmlna, que passe a llcsr addidn ao se-
gn io baialhto de artilhgrii a pe, na frm
prescriuta no imperial svisr de 8 dejonho
iltimo, e segundo a deliheracBo tomada pe-
lo Exm. Sr. presidente desta provincia em
oih'oio de hontem datado, o Sr. ente do
-stado-maior da segunda classe do exerci-
to Jos Ignacio de aeleiros Reg Mnntolr.,,
e que seja desligado ds cornpanhia'fiza de
cavallaria desta guarnirlo, onde est addi -
lo, o Sr. alferes da mesma arma do corno
("un doMatto-Grosso, Francisco Jos de Me-
t ez es Amorim.
Determina outrosim o mesmo Sr. mare-
chal, que fiquein nests dala annesos
quinto balalno de caesdores, as prarjaa de
pret dos dilTerentes corpos do exercilo, que
como tal tem estado no segundo balalhSo
le cardadores, pela maneira seguinte :
As do segundo batalhlo de artilharia, i
segunda cornpanhia; as da guarda nacional,
corpo de voluntarios e polica ; a lerceira
cornpanhia; as dos dilTerentes corpo de un-
irs provincias, que tenham vindo a esta em
diligencia do servico. eque devam regres-
sar, quinta companhia; as do oitavo de ca-
ladores, sexta companhia.
Francisco Carloi Bueno Deschampa,
capliSo ajudaole de ordens.
PE NAMBUC
THESOURARIA DA FAZENDA PROVINCIAL.
Demonstrado do salda existente na calx
dos depotitos tm 31 de julho de 1850.
Receita no corrente mez 15I:80I|531
Despeza no corrente mez i2GOi7/i:ii
Saldo.
25:734#000
Letras a veneer-se .
em 1850 a 1S5I 7:)*J/332
Letras a vencer-se
em 1851 a 1852 18:320/668 25:73i/0O0
O lliesoureiro,
Thotnas Jos da Silva Gusmo Jnior.
No impc.limetilo tln escrivflo,
Francisco Geraldo Uoreira Temporal.
'9
3 e>
O O
- 3
a -y.
5.
2 3
II
!
2 8
ti
f.
S
a
8.0
8-5

Cl.
P
US.
M
3
e
a
!i, e:
lo v

a
l
o.
o
i r i ?
I |
I U I -
1 K. 1 OtO
-i
it
S-"
s
l!
s
g
5:
B999393
3 2
553
o
8-5
P

..
n j|
a a.
--
' oo ^
sea
BS
Sr?
w a
a ~
%
3
CU
3
O
3
S
SI
o
s
s
m *
* w w w
S<--rr

V
a. -s
* 3
?=.
32
3 3
ni
a.
00 o
"o w
5
o
B i
S
r

* 2 l
oc O K.
S8 01 c
x -1 ~
oc V t
t w *
o - o
Demonstradlo do saldo existente na caixa do
exertirio de 1849 a i 850 em 31 de juUto
de 1850.
Reeeits no corrente mez 409:687,028
Despeza 89:280,220
Saldo 320.406,808
Receila em letras no
corrente mez 38:599,198
Despeza em letrss no
correte mez 32:601.032 5:998,166
326:401,974
Ern cobre 102.808
Em notas 320:301,000
Km letras vencidas 5998,166 326:404,974
Thomat
No
'ran
O Ihesoureiro.
Jos da Silva Gusmo Jnior.
leilimento do rscrjvSo
o Geraldo Uoreira Temporal.
| II ""----------------
inls bem decoiada a sua parle, e deve rclor-
Iar mais a sua voi para ier ouvido de lodos :
Igninis veiesabaixou lauto a voz que as ulti-
mas j liabas e mesmo palavras de suaa fallas
eraiu perdidas: esperamos que n repelicao o
Sr. Ravniuudo nada nos deile adesejar.
Lopii da Silva Sr. Cu.u; itrv ja melhor
loque Antonio i;ouii sua vax lo i mala clara,
I'.ImIIIcIw'I. ;- *CLt-'-:la'**,t rBm **n*ntn ,-
iosseaque deve ser, lorlula foi ine'lli.ir, mas
alada anas palavras silo inuito guluraes, r
quando Talla cosa furor, tanto aperta as-denles
que aa palavras Ihe luorrem iulrirainente nos
libios. Atienda o Sr. i osla para esta clrcninl-
taucia, e nos esperamos qae para outra vea nr-
nliuiii deleito teuliainoi a u ola r I lie Nunca
aos enganautas quando disseiuoi que. o Sr. Cos
rlem propriedade e mesiaa>%al>i|idade para
cena. No dia 4 o .Sr. Costa leve suenas em
Iue aos arrebaloa o espirita; tWm fundados
lOtivos temos para esperar, w seu inelhora-
meuto, e a rasao he estaaos convencido de
aue o Sr. costa no he esse homeiii uigullmso
aue s6e despresar os conselhos dos que ilese-
jasnoaeu apeifeicoaineulo, pelo com ario elle
|ioa vai dando provas de que be o artista estu-
dioso edoCH. Avante, Sr. Costa, nao esinore-
st | ou(a, e tome as licdea do seu digno direo-
or, tome o exemplo dus seuhores Hayutuudo,
ilveslre etWtnbra.
Samuel (o Sr. Germano) qae mais se pode
2is? deste e*lino mista? Jaeonhecido do pu-
blico peruainbiicano. que aatnpre o applaude,
paita appareepr eiu acea para inlereaiar os
espectadores a victoria lo, e para gauhar suas
all'elcdes pelos sentimental variados, e aempre
novos que ui'seus coraces sabe o Sr. Germa-
no crear.
' Isabel.(a Sra. Joiniia) ealeve, como sentpre,
boa. Apea de gemer atada pelo lucoiuuio-
do que auffrca na recita do Captiva ate Fti,
CMARA MUNICIPAL DO RECIFE.
SESSaOUSTUAOUDIURIA Da 22 DE J0LII0 DE 1850.
Presidencia doSr. Oliveira.
Presentes os Srs. Msmede, Carneiro Mon-
teiro, Viafina, llenriques da Silva e Fiauei-
relo, faltando os.mais senhores, abri-
se a sesso, e foi I i Ja e approvsda a acta da
antece lente.
Foi liilo o seguinte expediente :
Um .iili. i,, do Exm. presidente da provincia,
remetiendo copia da circular que en data de
lado correte espedirs autoridades encarre-
gadas do recrutameulo, e duendo que espera-
va que esta cmara dispondo dos meins de pu-
blicidades depersuasao, a leu alcance,as coad-
juvein no deseinpeu o de se oblerem pracas
rolunUTIas para a exercilo mediaute as vauta-
gens, ciocedid.il pelo regiilainento que baixou
com o decreto n. 556 de 18 de novembro de
I818.--Que se aecusaase a rrcepeiio. e se nian-
dasse publicar por adltaes dita circular.
Outro do Inspector da thesouraria da faien
da proviucial, cominunicaodo a resolur,ao lo-
mada pelo respectivo tribunal administrativa,
ii.i i s-i .oliie oeiuprestimo que esta cmara
contraliio com a mesma faienda para a obrado
Iqueducto dos pateos do Carino e San-Pedro,
Drin como a rrspeito do de 11:000,000 rs. que
laiiibrui contrahio para a compra do terreno
m
*B~?
nao deu a menor deoionstr.ic.m, e veiiceudo as
suas pungentes doras, esfoiou-se por desem-
penhar a sua tcabalhota parle a merecer ap-
plauso, e L-oiiseguin com geral satisfaco do pu-
blico. Na seena da capella subterrnea, quan-
do junto ao altar da virgem caniou achacara,
que prime a dir cerba que scnlia u curaro
de Isabel, o som de sua voz doce e melodiosa,
.. i. .11.. (Um ,',ii (UI* PKi.'nn Ala in.iv i.isi.s
iccrnios cinmuuicando-scaos nosssoiividui,
foi um logo cien ico que se transporlou aos rlus-
sos cura,es. e jiistissimos f'orain os cnthusias-
ticos applausos, com que foi geraliuenlc victo-
riada.
Pero Goncalvrs (o Sr. Cbimbra) agradou-nas,
vai correspondrndo bem s nosias esperances,
e o vamos achando melhor: sentimos, porm,
que nao eslivesse bem caracterisado. roe ves-
u.los, na posicSo du corpo, no som da voz e as
longas barbas brancas via-se o velbo porlu-
guez Pero oncalves, uas o rosto era do Sr.
Coimbra pela frescura da mocidade, que se di.
visiva ao travet da espesaa baiha, ino contras-
te que fes desvanecer loda a illusau no animo
dos espectadores: pedimos ao sr. Coimbra,
com queni tanto tfiiipalliisamos, que nunca
ikise de caractrrisar-ie perfritaueote para
desi'arle harinonisar a pessoa com o actor.
Fr. Gil (oSr. Sebailio) brllhou: auhamo-lo
mito melhor nao lu mais a montono padre
raucisoo Cabral, nen mesmo o padre Mena .
Esleve melhor, repelimos, que d'antes. Conti-
nu, Sr. Sebastian, que ha de ser uui bom mis-
sionario e pregador. _w.
O pagem Moiirisco (o Sr. Silvestre) deu-nos
eiais una occasio de apreciar o seu talento
SYsenvoivendo o seu genio Jovial saliifes coin-
aletaiuenle a lodos.
] O creado Simao ABopso (a Se. Jos Alves)
tunbcni agradou-oos ; e o actuaos uvuilo me-
nor do que a padre Paulo das Dores: ceno he
para o cemiterio publico, cdaspreslacoes que
para continuaco da obra do mesmo cernile-
para continuacaa-----------
rio den-i.io ser fcltas em observancia do artigo.
32 da lei do orcamento provincial vigente .-Que
fosse remettido commissao de polica para se
entender a respelto com o referido inspector,
dando do resultado parte cmara.
Outro do advogado da casa, fazendo certas
conaidcracdei relativamente ao offlcio que des-
ta cmara recebera, pelo qual foi ordenada a
reivindicaban d'um terreno de mariuhi em Fo-
ra-de-Poriai.concedido cmara em 1811.- Ad-
diado al a sessao seguinte, fleando a secreta-
ria obrigada a apresentar a lnforomcao dada
pela cmara o governo da provincia, quando
dito terreno foi requerido por Joaqtiim Igna-
cio deCarvalho Mendonya c mais papis rela-
tivos. '
Outro do subdelegado d bairro do Recite,
par O,apando ter em seu poder a quantia de 70
mil ris de multas, sendo rJU.UUU rs. que paga-
rain os vendelhes Antonio de Oliveira Dinii e
Joo Antonio de Oliveira, por vendereinagoar-
dente a pretns eseravos sem bilhetes de sens
senhores, e 10.000 rs. que pagou Lulz Antonio
de Siqueira por seu escravo Clemenlino por
s-iltar foguetes-buseaps; e declarando os no-
mes de diversos individuos que leudo sidotaiu-
liem multados por sullarein buscaps nao li-
iihaiu anda pago as multas, a respelto dos
quaes ta mandar proceder como fesse de lei.
Que sedeteriiiinaise ao procurador recebes-
se as mullas arrecadadas.
Outro do presidente do conselho de salubri-
dade, rogando que a cmara ordenasse ao fis-
cal deSan-Frei Pedro-Gonc.alves c ao de San-
Jos, eslivessein, aquelle no dia 16 e este no
dia 19 do corrente, pelas 10 horas do dia na ca-
sa dssessflcs da mesma cmara, para alii se-
rein procurados pelos inembros do mesmo con-
selho, alim de proceder-se a alguna exames sa-
nitarios. Que se respoudesse segundo o que
uccorreu.
Ouiro do mesmo, pedindo que a cmara pro-
videnciasse sobre o escoamenlo das agoas de
chovas que fazein um grande alagado nos si-
tios do lugar denominado Croz-de-Almas
em prejuizoda sade publica. Que fosse re-
mellido commissao de ediAcafo para con-
juntamente com o cordeador examinar o lugar
|iur onde ser inelhnr fazer-se oesgolo,deven-
lo o cordeador orfar a obra a f,izer-se para es-
te fim ; e se respoudesse ao presidente do con-
elho.
Ouiro do mesmo, rogando se Ihe remettesse
copia do plano adoptado para fornos de palla-
ras, alim de se proceder a um exame^em taes
esiabelrclnieutos, e verificar-se se eslo edifi-
cados de conformidade com as posturas, c que
a cmara ordenasse ao cordeador ac.....panh ,s
se aos mcuibros do conselho, que juntamente
cuiu os liscaes houverem de proceder a se ne-
niante exime. Adiado.
Ouiro do vi-.ii io da freguezia de San-Frei-
Pedro-Goncalves, remetteiido os mapp.is das
pes.nis que fallecern! na referida freguezia.
no segundo semestre do anno passado, c no
primeiro do corrente. Inteirada,
Outro do vigariodo Po(o, remetiendo o niap-
pa dos li.u-.uius feilos em dita freguesia no se-
mestre nudo. -- Inteirada.
Outru do fiscal de Santo-Antonio, partici-
pando seren baldadus nsesforcos que t m cin-
pregado para desavesar as pretal quilaudeiras
da ra do Rosario larga.ondefazem praca.-Que
seofiiciasse ao delegado do primeiru dislricto
desle termo, para com os meios sua disposl-
o.ao coadjuvar ao riscal, alim de se conseguir a
retirada das pretas da referida ra para os lu-
gares marcados para pracas.
Ouiro do engenheiro cordeador, apresentau-
doas plantar do terreno entre o trapiche novo
e o de Angelo Francisco Carneiro, do qae ful
concedido cmara no Forle-do-Mallos e do
da ra da Anima da parle que ao Icm caes.
Inteirada.
Foi lido e approvado um parecer da commis-
sao de edificaran, opinando que se inlunii
favoravelmenle ao gorcruo da provincia os re-
|ueriiiientos do marechal com mandante das
armas Antonio Correa Sera, de Jos Francisco
Mii uilio, de Francisco llarlius doS Aojos Paula,
todos sobre concessoes de terreuo de inirinha,
e rino assim o de Amaro Afflonin de Parlas,
por nao estar bem determinado em sin pellejo
o lugar em que .tica o Icrreuo que requrr, de-
liberando a caraira que este ultima fosse re-
aicttido ao engenheiro cordeador, para, exami-
nando a posco do terreuo c coiuuImihIo a
planta respectiva, informe se est ou nao de-
liguado para serventa publica.
Foi lambem approvado um parecer da coni-
uiisso de polica subre mandar-sc abonar ao
procurador a despeza que fci iiii o concert,
pintura e osseio da casa das sessoes.
A.pprovou-ie igualmente um parecer do vc-
que o Sr. Jos Alves nenhum i propiiedade
lempa i a o calado ecclcsiastico.
Fr. Jorge faSr. Cabral) o que faria? Esteve
sollrivel, dizemos mais. esteve boiniu. olhe
M. Cabral, qiiem o diria1! oSr. Cabral presidio
na qualulade de Fr. 'orge, o julgamento de Si-
meipi e Samuel, filiou pausado e enm aquella
sae/ia rrlir/iosii, com que os inquisidores con-
denivaui or amor de lat. e alona ta rsltaio
fogueiri a qualquer, que liles calila em des-
agrado : flloU sentido, e eremos que por esta
circiinisianeia uo ti miicu tanto. Moni seria que
a Sr.Cabral representis-- sempre sentada, para
ir pouco a pouco pe rdendo os vicios que invo-
luntariamente conserva. J v o Sr. Cabral,
que uao somos injustos, quando censuramos
as suas faltas: queremos que corrija os erros,
principalmente de gesticulacio, e nada mais :
estamos confiados que d'agora por dirale nos .
dar umitas occatiei de faser-lhe elogios...
ao he asslin lir. Cabral ? ab / nao seja emper- .
rado no sen erro ; se desta vez agradou-nos,
continu. Veremos o que fara para o futuro;
tremol aue uu hade serto iugrato, que nos
n.oi latlsfaca o pedido, t que nos obligue a
/olannos carrelra.
Resta-nos o leigo carcereiro da inquisicao o
Sr. Sauta Rosa) oh! gne leiaasso ue bello
corpo de U-ign que tem'o Si'.'UlbflWsa! ana-
fado, e chocarreiro he um verdadeirorleigo que
as ordens regulare lio saviir 'iqleman
rigorositpeuilenciasfazeai I....
for talla Ue. lempo uo uuei nms sninucio-
sus : aguardauo-uos, porm, para a repelicao
du drama, para darmos aupublico urna analv-
se cireumslauclada tanto do deseinpenho das
parles, como di decoracao do sceoario, e ves-
tidos das persoaagem.


reidor Manicde, encarregado de examinaros
terrenos qne formain a praca do Capim, no fin
di ru de Sanio Amaro, pertenrente, parle a
Rosa Mai ia Serpa e parle acrioula Mara da
Conreino, resolvrndo a caniarn que se pedase
ao governo daprovineia, para serventa publi-
ca, para cujo lim est designado na planta da
cidade, a parte pertencente a referida Rosa Ma-
ra, Tlslo er o terreno de niarinha e nao ter
ella titulo de afbramento, e quanto outra
parte, se officiasse ao mesino governo para ve-
rificar a utilidade municipal, e proceder-fe de-
pois a deaapropriaco do lelheiro nella eils-
tente.
Mandou-se remetler commissSo de edi-
fic*cl(o, para dar parecer, o requerimenlti
dos proprielarios e moradores da Capunga,
feito 10 governo di provincia e por este re-
bellido cmara para o tomar na conside-
rarlo que merecer, eopermitliro estado
de seus cofres, em que pedem seja repara-
da a ra principal daquelle lugar, onde se
accutnulim agoas, que privam o transito.
Mandou-se remetler a commisso de edi-
(cacSo os requermentos, vindos do gover-
no da provincia para informar, de Joaquim
Mara de Carvalho, de Cuilhermina Alve*
Brinco. Jovina Alve* Branco e de Antoni
Carneiro Machado llios, pedindo terrenos
de marinha, deliberando a cmara que se
informasso logo o de Jacintho ElesbSo, que
voio ron juncia mente cum aquel les, reque-
rendo titulo de aframenlo do terreno de
marinha, que forro* a prac,* do cipim, de
quecim* sefillou.
Mandou-so consultar ao capitBo do porto
sobre o requerimenlo de JoSo Jos Pereira,
que quer levantar um curral no lugar da
Pied*de.
Dehberoua camtra se ofllciasse ao Exm.
presidenta da provincia, pedindo llie hou-
vesse de approvar, do caso de merecerem.,
a* plantas d*povo*cSo dos Afogados, e es-
tradas d* Ponte-do-Uchoa, Bebenbee Api-
pucos, que em dat* de 13 de agosto do
auno ptssadu foram remetlidas presi-
dencia/
Mandou-se remetler commissSo de pe-
tices o requerimenlo do fiscal Joaquim
JoB Bello, pedindo pagamento da difleren-
ca entre o seu ordenada e o do fiscal de S.-
Jos, que se acha no gozo da lice'nca que
obtivera sem vencimemos, e cojas futiccOes
se acha elle requerente cumprindo interina-
mente.
O Sr. vereador Carneiro Monteiro, ficou
incubido de *e entender com o proprieta-
rio da cas* de sobrado da esqrina do lado
do oeste do becco da ra Nova que conduz
par* Camba-do-Carino Sobre o valor que
por ella pede, afim de se tratar de sua de-
molido.
Aulorisou-se ao fiscal do Recifeo mandar
descarregar a pedra, que disse linlia vmdo
de Hernando, no patacho Pirapuma, e esla-
va i disposicSo d* camar, e mandar urna
canoa della para a ponte do Monteiro, para
ser empregada na obra da mesma poni.
O Sr. vereador Figueiredo declarou que,
do rio de S -Francisco, prximo ao sau en-
genho, havia pedra capaz de ser emprega-
da as obras da cmara, e que esta a poda
mandar conduzir e em consequencia ficou
incumbido o Sr. vereador Viannade man-
dar vir do mesmo lio para esta ciJade urna
canoa da referida pedra, para ser experimen-
tada.
Compareceu Mari* Coelho da Silva, pro-
fesara de primeiras ledras da povoac.lo
dos Afogados e prestou o juramento do es-
tylo.
Despacharam-se as petces de Adriano
Jos Bnrges, de Antonio Pereira Jacome. de
1 ir mino Pessoa da Gama, de Francisco Jos
de Saiit'-Anna, de Cabriel Antonio, de JoBo
Antonio Carpinleiro di Silva, de JoSo Das
Martin*, de Jos Francisco BrandSo de Cas
tro, de Jo.lo Baptista de Souzs, de JoSo Pe-
reira da Silveira, de Manoel Sabino da Cos-
ta, de Manoel Antonio da Silva, de Manoel
Carduzo da Fonseci, de Sebasli3o Mauricio
Wanderley, e levanlou-se a sessSo.
Eu, Manoel Ferreira Aceioti, secretario in-
terino a escrevi. Olivara, presidente.
lloran.--Figuerido llenriques da Silva
Mamtdt. Carneiro Montliro.Ftrrtira.
2'
MSB
Si
dio, eoslesreg, que nSo t'com, p*gm do
mesmo modo, qneosquedilo lucro.
Mas eu trabalho. dizeg vos, e o fisco le-
va-mn a sexta parle das megmas rendas!
Em vosso lugar eu teimav* em chegar a p*>>
gr o durlo do que pagis agora; e assiin
l'Tia gantiado cento porcento, e feito gran-
passar mcllior e tereis a gloria de lia ver
contribuido para a prosneridadfl do vosso
ai?.- A patria he um'arvore, de que so-
mos as raizes o os ramos : para que a arvo-
re crespa vigorosa he misler, que todas as
raizes chupem os humores da trra, e todas
as folhas os do ar, Kis, meus charos com-
patriotas, toda a vossa poltica : amor da
i'ilria, unSo, trabalho, moderacSo ; e islo
heo que aprend, e praliquei toJa am-
nha vida.
Agui Carlambrogio faz-te um poueo medico.
Em cousa alguma deste mundo tenho pre-
tencAes d'inculcar-me doctor, e menos em
medieina. Mis se Deus nosso Senhordeu-
me um grflo de bom senso, fui par* que
me servisse deste; e creio, qus o bom sen-
so pode spplicar-se a ludo. Assiin como as
nossas desgrac's, o* nosso* desgostos silo
pela mor parle (rucios das nossas loucuraa,
lo mesmo modo um grande numero d'acha-
ques e molestias do corpo provem nica-
mente das nossas desorden*. A sciencia,
que nos deve ensinar a prevenir os males
deste genero, he urna especie de medicina
ao alcance de todos, e da cjual pele qual
quer instruir-se indepen lente de ir Uni-
versidades, ou pralicar no* hospitaes, sem
nutro mestre mais, que os proprios odo*,
ouvidos e o bom s'miso ; isio he, com um
pouco de observado e reflexSo.
So esta inedecina preservaliva fosse mais
geralmenteo.inhecid* e praticada, poderla
airuinar algum tanto o olUcio, e diminuir
os freguezes aos facultativo* : mas nflo he
assiin ; e parece, que gustamos de bITYoii-
1 ir todis as consequencia* do mal, antes
lo quedaruio-nos ao cuidado de impedir,
i|ue venha. O contrario pens eu ; pois
creio, que o mal quesesolfre he cousa cer-
ta e real, ao passo que, a cura, que se bus-
ca, he duvidosa : e depois o mal entr* s
carradas, e sabe s polegadas Por isso
sempre procurei premunir-me contra o mal,
para ter menos precisao d medicina : e j
quedahi tirei v*nt*gem no curso da mi riba
vida, e me tenho conservado sito, cono ve-
des, n3o obstante ter j os meus setenl'an-
nos no cachafo; desejarei induzir-vos a
trilhar a mesma estrada; e para ajudar-vos,
escreverei aqui algumas receilas, liradas
da riinilia observarlo.
Advert porm, que, se nSo pretendo fa-
zer de doctor, menos quero passar por cu-
randeiro, ou chirlitflo, raca, que despre-
zo, como a mentira, e temo, como ao ve-
neno. Todava nSo vds imprei, que segun-
do os meus preceitos desterrareis lo las as
loencas; porqmoque he impossivel nun-
pins* ; porque vlve-se melhor e anda-se
mais direito com modat n* algibeira, do
que com fumos de vinho na cibeca.
13. E para nSo cahirde* no laco, estai
sempre orcupado ; porque ntemperanca
nn se d bem, aenSo com o ocio ; e onde
este nSo ha, aquella nlo cria raizes.
14. A inercia he um dormir em que ge
nilu fizem hons sonhos, e nlo se restauran!
a* Torcas nem da alma, nem do corpo.
15. Um braco, que se traz ao eolio, tor-
m-an fraco e descarnado ; mas o braco, que
trabalha, gente engrosar os msculo* e
crescr-lhe o vigor. Tod* a pesio* do ocio-
so est no caso daquelle braco.
16. Faz bem i sade o trabalho, que ex*r-
cita os membros. Mas se a vos** proflssSo
vos obrig* vida sedentaria, e se o vosso
singue nlo circula bem, fatei movimento
na hora do descanso ; porque quem traba-
lha asseut* lo nSo pode livrar-se Jo torpor,
senSo andando: e quindo o Corpo esl pe-
sado um bom exercicioaproveita Unto, co-
mo um* sangra.
17. A inercia produz a miseria ; mise-
ria mit* o corpo com privicOei, e o espiri-
to com o mao humor.
18. A actividade produz a bastan;*, e es-
l* he m.l do corceo contante, e d* sade
19. Evitai, pois, apathia, como ae fura
um apagador, com que se extingue a luz da
candela : ma* tamben acautelai-vos da cha-
ma da colera, que era um instante contome
a torcida.
( Conlinuar-ic ka )
Piiblic;icao a pedido.
AO UIS VIRTUOSO DOS 2 RENEGADOS.
MOTL
A publica ovaren, divida, Ulna.
SOflRTO.
Tudo, tuda Isabel!Tudo o' Germano !
Crenca, familia, patria, dlgnidade !
Que sobre tudo amor he mais verdade.
Sobre tudo elle oceupa o pello humano.
Navios takidos no mamo da.
Liverpool pela Parahiba Brig'ue inglez
Uary-iiouns-ll, capilflo J. Balher, em
lastro.
Ararat; Hiato nacional Flor-dc-Cumripe,
capitn Manool Amonio deSouxa Barro*,
c* gi vario* genero*. Passageiro*, os
Braailelrot, Jos Joaquim da Silva Matu-
lo, Antonio Ferreira dos Santos Catninhi,
Vicente Ferreira do* Sanios Caminha, Sil-
vestre Ferreira dos Santos, Antonio Perei-
ra Craga, l.ino Deolato Rodrigue* de Car-
valho e Joaquim Jos dos Santos.
Observacdo.
Fez-sede vela para Macei a charra Ca-
rioca.
EDITA L
O lllm. Sr. Inspector di theiouraria da
fazenda provincial, manda fazer publico
que, dodia lado corronte mez em dianle,
pagam-se os ordonados e mais despezaa
provinciaes.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 6 de agoato de
1850. ~ O secretario, Jntonio Ftrrtira d'An-
nunciacio.
Conitimlo-DO* que se tr*ta de provar
peranle o juizo competente a alforria do
prelo Manoel, deix*do pelo fallecido O Tho-
maz de Noronha a Francisco Concalves da
Silva ; como procuradores que somos deste,
prolealasio* por qualquer julgamenlo ou
senleoca que possa haver am sermos ou-
vidos. Otivtira IrmJos & Compankia.
Declara^oes.
ceira vi* de 500,000 r*., tnoda de Portu-
gal, pagavel em Lisboa O'ilem de Jo< An-
tonio KimOes, e alguna papis mais que do
nada aervem a quem a tiver adiado, is-.un
como o vale e lef* cima menoiondos, por
estarem provenido* os dous primeiros, e m-
diaerviradej A. SimOes por ser um ter-
celravia e j estar retinada eai* transac-
ello : quem a liver echado e a queira entre-
gar, o poder fazer na Pa*sagem-di-Mg-
dalena, na casa do abati assignido, ns. 1
e 3, ou n ru* dn Quemido, loja n. 19, po-
dando ficar o dinheiro cuntido dentro da
me*ma carteira. Paulo Pereira Sim9e$.
Lotera da matriz d Boa-
Esse d'estado, prcconcelto imano,
A inqulaicao... terror!... erro da ldade
Nao fui della o tropheo de pied ule,
H'ui calbequitia uiu roato soberano.
"Revive Samuel: dlla Camena
Deu-te sua eipretiao, tua firmeza,...
Tu tent seu coracao fra da acea....
Actor aein par Fonnou-te a nalureza I
Renegado, inda asilin, l' tua, c plena
A publica ovarlo, itviia, illtia.
l'm da platea.
Ueparlicao da polica.
PAUTE lu DI V 2 DE AGOSTO.
Foraiu presos ; ordeiu do delegado do p rl-
e PdeU ,,M. ""l'OSS.ve! nun- ,elro di.trlct. dcate termo, o Portuguez Do-
ci se deve pedir, nem crer, nen esperar, moteo, de Souz, Aevedo, para corrceo: e
yuando O lempo ameaCi Ciiover, c lomis Marcelino Ferreira da Costa, sem que ac de-
MKIO IIS PKKN.4VBUC0.
Mirs, e de agosto z> tasa.
Obseqoiaram-nc* com um exemplar do
Crrelo da Tarde, e oulro do Diario do Rio
de janeir, datad* a 30 de jullio ultimo, r
Irazi los pela barca brackareatc, que boj
chegou daquelle porto com 5 I ja das de
viagem.
A corte flera em plena tranquilizado
O senado adoptara em ultima discuss3o
o projecto de reforma da guarda nacional
com algumas emondas, as quaeg com
mencionado projecto seria remedidas i ca-
ara du* deputados.
Nest* ultima cmara tratava-se do projec
to sobre promoces, e de oulros de mtis ou
menos intereste*.
Em ofDcio dirigido peloSr. firrenla Bue
no ao Exm. miiiisliuda ji.tica com dala
de 16 do.passado, assevera o mesmo Sr. que
no ttio-Crande do tul iio lia uraa p*>vou
V.ui, nem mesmo um Rio^Qutaleuaa du
mais aolaveia, que faca opfWcao ao go-
Vv.
Ilav* entrado do llio da Prata a 90 do
passadoo vapor Ilifleman, trazeu lo jornaes
de Ruenos-Ayres at 13, de Montevideo at
17; onde nada havia occorridu que digno
seja de mencionar-se.
piquete inglez Segur ficav* a sabir pira
o norte no d.ia 4 do corrente.
O cambio regulava a 27.
VaRIEJJAE.
poltica DE CARLAMBROCIO.
{Continuado do n. 167.)
Se os lempos correm dilTlceis, lrab*lha
que he esleo meio de torna-loa me
I porque a miseria
man
Ihorrs; porque miseria zomba da* la-
meutacoe* e do* queixumes; mi* tem mo-
do de trabalho, e fuga diante delle. Oa
habitantes laboriosos l'ormtm a riqueza de
una (Miz, e a riqueza dette produz a batan-
ea anquelles. Acbai* mu gravosos o* im-
pottos? N9o os aligerareis de certo com o
murmurar: pelo contrario neise cito apro-
i vo*so capote, nlo estis seguro de que
nilo venha um aguaceiro 13o vitiUnlo. que
o pen-tie : entretanto ha probabili la le
le que vos nSo moldis visto sar sufTi-
ciente conlra una cliuva ordinaria, Assiui
pois a ininha medicina nSo vos nno lira de
mnrrer algum da ; mas pJe retardar a
vossa hora, e al l forrar-vns a iucoinino-
los leves e mesmo graves. Os que adoece procurara receilas de medico : mas eu, em
quanto estis de sade, e para que popei
aquellas, quiz per por escripia as nimbas
receilas', simplices, breve*, em lingo* ver-
ncula sem o engriman(o de vocabulos gre-
gos que ninguem entende; porque teiiho
visto, que os pequeos bocado* raastigam-
se, engolem-se e digerem-se muito melhor,
que os grandes ; alm de que os meus re-
me los leem debomod-lus eudegract.
Heceitat de Carlambrogio.
1. A Torca e i siudd d'alma lem prodigio-
sa efllcacia sobre a forc e a sau le do corpo.
Se a alma est corrompida faz gubre o corpo
o megmo quo um licor corrosivo, quo estra-
ga o vago, em que se tclu comido.
2. Os vicios silo de rica fecunda : ca la um
delle* pode gerar cein enfermidades .
i un ii lo produzem uro s filho, muitasve-
zes esse lilho he a morle.
3. A morle e as enfermidades tem entre
nos cinco ministros activos e formidaveis,
que sao; a inlemperanca, aociosidaie, *
colera, a inveja ea poicaiia.
4. A sabedoria de Dos uni o incenti-
vo do prazer a todos os actos necessarios
conservado. A bondade divina deu-nos o
nazer para repousarmos das fadigas da vi-
da. 0 prazer, pois, he cousa boa, de que
s- pJe fazer uso : mas quem delle abusa
nao ge conserva, nSo repousa, antea fatiga-
se e destroc-se '
5. NSo ha cousa boa, cujo excesso se nSo
torne funesto 0 sol be necessario para ma-
durar as lavouras ; mas se (asiduamente
fere, acc-*s e queima-as. A chuva refres-
ca e fecunda a trra ; porm se cabe em de-
masa, inundaos campos e mala as raizes.
Aasim o amor he feito para dar a vida, e
aformo.se.-la ; mas a liberliuogem cades
envoltura *9o o seu flagello e algoz.
6. Bem como dianle daa. furialezas se
Osla senlinejla para reconhecer quem en-
tra, assim o sentido do goslo foi enllocado
para aeconliecer os alimento*, antes que en-
trem no estomago. (I seu ollieio be adver-
JjU-nos, *e*ao auiigaa). u imniigus e se uin-
rec m, que Ibes demos agazalho. Ai da for-
taleza, sea gula cliega a corromper a enti-
nen* !
7. Qusndo o balita est cheio, introJuzi-
llie mais vento, que o fareis arrebentar. Do
metano modo o que mellis to vosso corpo,
lepois do necessario para nulii-lo, nao ser-
ve, senSo par* o arruinar.
8. O vosso estomago he o cavallo, que
carrega toda a bigigem : com boas cautela
pode levar-vos longo : mas se o carregais
de mais, e Ihe nfio dais taiga, deixara o lar-
do no meio do camioho.
9. Beber para matar a sede, ou par* res-
taurar a* frcasho um prazer justo c sabio :
beber sem sede he loucura. guando um
prado carece de agua, cunduz-se pan all
um regatozinho; mas nao se rompem as
riba* para lhe metter dentro um rio lo
leiro.
10. He mo negocio vender rasfio a tro-
co de alguna copo* de vinho; e to lon-
cos poem sua vid* no bojo de urna gar-
rafa.
11. NSo vos illud* o nome de agoa-vita
elaratte o motivo : ordem do subdelegado da
fiegueila de S -Antuuio, o cscravo Autooio,
por crime de briga : edo subdelegado da
IVegueiia d .i-Vuta, o preto Geraldo, que
dU ter eacravo de Antonio Germano Cavaloauri
de Albuquerque, por uso de faca de pona e
furto.
Farticlpou ae ao Eim. presidente da provin-
cia, quo teudo j/p nocido pelas inoras da ua-
ii ni; i.i.i de hoje, principio de loerndio eut o
lecto de una nliei ni ua ra do Itaogel, se
consegua iiiimediaunieiite apagar-ae o fugo,
tem que quasi ueuhuiu daiuno ti veste Cite eau-
tado.
UMMERCI.
ALHA.NIlKt.A.
Kendimento do da 6.....9:080 474
Deicarregam koje 7 di agosto.
llarca -- Ligcira bagage e tnimae*.
linca -- Etlker-Ann mercaduras.
Brigue -- Daino idem.
Brigue C'e'ar idem.
CONSULADO CERAL.
Itendmento do dia 0 .. .
inversas provincias.....
Pela inspectora do arsenal de mari-
nha se convida a todos os cheles de familia
que queirsam mandar entinar a seus fi I los,
ou tutelados, que liverem a iJade de 13 an-
uos para mais, onfflciode carpinleiro de
machado, a se enteu Jerem com o respecti-
vo inspector em todos os das uteis na* ho-
ras do expediente.
Inspectora do arsenal ita marinha de Per-
nambuco, 26 dejulho de 1850.-- Rodrigo
Tktodoro de Frellai, inspector.
Em virlude de requiscSo odela! do Sr.
capilSo do porto interino da provincia, d
MaranbSo, taco publico o aviso absixo trans-
cripto, ptr* conhecimento de quem por
ventura poss* intereisar. Capitana do por-
to de Pernambuco, 1 de agosto de 1850. -
Rodrigo Theodoro dt Freiat, capilSo do
porto.
O Interino capitBo do Porto abaixo as-
signado faz sciente a todos os navegante*,
que o pbarol do Itaculumim desta provin-
cia de Sau-I.uiz do MaranbSo, va i entrar nos
precisos reparse reedficacSo, am de tor-
narse tSo til, como deve ser, e por gso
faz o prsenle, e declara que se nSo deve
contar com as luzes delle do primeiro de
gosto al o primeiro de novembro do cor-
reute anno, e para que a to los consta, pu-
blica este nn Maranbflo, em 15 de julho de
1850. -- Sevcriano Piunei, primeiro lente
da arma Ja nacional e imperial. Est con-
forme. Raijmvnda Ildefonso de Souza Bar-
radas. Conforme. O secretario interino,
lotd Mar re II i no Alves da Fonseca.
O subdelegado do primeiro dislriclo
Jt freguozia do* Afogados avisa, que pelo
seulior do engerido Ibura, Diniz, fdram ap-
prohendidoaein su*a lavouras qmlro ani-
ma es vaccun*. cendo duas vaccas, urna no-
villit e um garrote : quem so julgar com di-
reito a ditos animaes comparec na mesma
subdelegada.
Vista,
0 thesoureiro desta lotera innuncia ao
regpeitavel publico, que muito breve tem
de marcar o dia do andamento da* ro la* :
as pessoa* que teem bilhetea apartados o*
riflobmcar quanto antes,-do contrario se-
rio vendidos. O reatante doa meamos a-
cham-se a venda nos lugares j annuocia-
dos.
-- 0 Sr. J080 Francisco do Reg dirija-se
ra das Cruzes, n. 30, onde tem urna car-
la viuda de Lisboa. .
Jos Martina da Gru, por
haver oulro de igual nome, de bo-
je em diante se asagnar Jos
Martina Alves da Cruz.
Aluga-se um preto proprio para todo
oservico: quem preten 1er, dirija-* ra
do Crespo, esquina da ru* daa & uzea.
--Quem deseja fallar ao* herdeiroi-de Joa-
quim NunesP-reirsdeFari, morem Dun-
da, ru* do Amparo, n. 3, ou o* mesmos
derdeirn* annuuciem onde no Recita a* lhe*
pJe fallar.
Qualquer homem aolteiro, ou viuvo
que precisar de urna ama parda, de meia
idade, muito capaz e de bons costumes, pa-
ra todo o servico interno de urna casa, pois
tem bastante pratica deste trafico, dinja-se
ao paleo do Carmo, n. 8, sobrado de un
andar, por cima da botica.
Sabbado, S de agosto, no theatro de
Apollo, perdeu-so um alfinete de ouro coa
Sra de hrilhsnte : a pessoa que o tiver
do, querendo restitul-lo a seu dono,
dirij-ge ru Nov, n. 95, que ser recom-
pensado, ese lhe ficir summmenle agra-
decido.
O Sr. Jos da Fonseca Soirea de Figuei-
redo, que foi piloto do estado e casado cora
a ilia do Jos Nicolao da Coda, queira an- '
nunciar sua morada, que se precisa fil-
lir-lhe.
0 Sr. Ernesto Alve* Ponte* tem urna
crt para ae lhe entregar, na ra do Viga-
rio, 11. 11, primoiro andar.
325,771
25,354
veitai bem o lempo, lavrai melhor o vosso I agoardente) : ella a ninguem da vida, e a
.teireno, redobrai a actividade ua vota* ma- algum d morte.
auficlur; pois que o campo, que Oca bal-l 12. NSo esvazieia a bolea para enche a
351.125
EXPORTACAO.
Dtspackos martimos no dia 5
Araealy, hiato naciunal Flor-de-Curuript.
de 97 tonelada* : coriduz o seguate : 142
voluntes fazend**, II ditos esueciariae, 16
barril genebra, ditos cerveja, 4 caixas cha,
76 ditas eharotos,4 bams azeite- loce.l rolo
chumbo, 50 barra* e II pecas ferro, 8 pi.a-
e 5 barris vinho, 3 dita* el quirtola vina-
gre, 1 caixa enxofre, 1 canaslra rolhas, 30
voluines ferragens, 2 barrica bacalho, 22
volumes louc e tidro, 20 dito* miudes**, 3
ditos Ptpel&o, 3 ditos papel, 100 canas *
bao, 13 barr* manteiga, 25 garrafOee, 1 cai-
xa traques, 1 barril lcali Su, 17 barrica* li-
cor, 8 ditas assucar, 2 barr* espirito de vi-
nho, 1 rolo fumo, 3 barns bolachas e bis-
coutos, 4 caixa* rap, 53 caixoles doces, 17
laixas do Ierro, 2 embr'ilbos couro de lus
iro, 1 botija oleo, 16 libra* alvaiade 20 du-
zias tahuas de pind.
Rio-de-Janeiro, brigde aacional Carolina,
da 22< toneladas: couduz o seguate : 3.500
alquetres sal, 409 duzus seis cocos tor-
neados, 100 birnsdoce, 59 barricas com
491 arrobasen libras deassucar, 3 caixas
rap.
Lisboa, brigue portogaz Noto-Vencedor,
de 228 1/2 tonelada* : conduz o eguinte .
87 caixas, 411 barrica* e 28 saceos com 8,106
ai robas e 14 libras de assucar, 36 pranchOe
ueamarello 13 barra mel.
HECEBEDODIA HE RENDAS GERAR8
I.NTEHNAS.
Reu di ment do da .....346,361
CONSULADO PROVINCIAL.
Kendimento do dia 6......793,961
Theatro de 8. Isabel.
13.' RECITA DA ASSIGNATURA.
Hoye, 7 de agosto dt 1850.
Representar-se-h* o bem conbecdo dr-
m* em cinco actos e aete quadros
OS DOUS RENEGADOS.
Comecar s 8 hora*.
Os bilhetea acham-se venda do lugar do
costume.
O* Srs. asignantes que com recita pas-
ada finalsaram suas assignaturas, jueiram
ter a bondade, caso pretendan! continuar,
le man lar renova-las, para se nSo diapor
los camarotes.
'lajVI
imento do *orlo.
/Vavw* entrados no dia ~
New-Zealand -- 107 das, galera americana
Saiif-Anne, de 12 ioneiidis, capitSo
Brooks, ejulpagem i, carga azeite de
peixe ; ao capillo --Vem refrescar.
Ilio-de-Janeiro--5 das a meio. barca por-
lugueza Bracharentt, de S4 toneladas,
CapitSo Manoel de Azevedo Canario, equi-
pagem 18. em lastro ; a Beato Jos da Sil-
va Magalliflcs. Paggageiro, o Brasilciro Jo-
s Camello do Reg Barro*.
Avisos martimos.
Quemqulzercarregar.no brigue ans*
trisco r, capitSo M Tadejevich, para Tri"
este, dirija-se ao vice-consulado austraco'
ru* d* Cruz, n, 4.
-- Para a Parahiba pretende sabir o hale
nacional Espoliarte, no dia 8 do corrente,
por ter a mabr parle da carga prompu :
uara o resto e passageiros traU-se com o
mestre no trapiche do algodBo, ou na ra
do Amorim, nfS4.
Vende-ae a barraca Primeiro-Lauren-
lina, de lote de 30 cana*, bem construid e
le primeira viagem: na ra da Cadeia do
R'-cifc, n. 56, luja de ferragen*. Na mesma
luja precisa-se de urna ama forra.
Para o Aracaty segu em poucoa das o
hiato nacional Ligcira : quem pretender car-
regar ou ir de passagem, dirija-se ra do
Para Kigueira com escala por Lisboa
su he, no di* 15 do corrente mez, o palacho
portuguez Maria-Sf-Joaquina, do >|ual be
capilflo Manoel djAjosta e Silva para o rea-
to d* car* ou paawaguros trata-sa com os
eu* consgtutario, Frucisco Severiano
Rabel lo & l'llio
-- Para o Rio-Grande do *ul pretende se-
guir o brigue Piratinim, por ter pirte de
teu carregamenlo : quem no mesmo qui-
zer carregar, poder* entender-se com os
consigndariog, Atuorim 'IrmSos, na ru* d*
Cdeia, n. 39.
Avisos diversos.
Perdeu-se, nodis 4 do correte mez
de agosto, na Passagem-Ja-Magdalena, urna
carteira com fechoa de metal amarello, con-
leudo o seguala : quarenta e tantos mil rs
sendo quatro sedulas de 10,000 r. e o mus
era miudn, um vale de 388,665 r. paisa-
do pelo* Sr*. MesquiU $ Huir em 15 ou 16
dejulho lindo, pagavel ao abaixo aiaigm-
do, urna letlra da quantia de 300,000 r*.,
aceita no I." do cOrrente porSilverio Gui-
Iherme de Rarrot, a doze meze* preciso*
1pag*vel minlii ordem, urna letra em ter-
0 primeiro gecrutariu scieiinlicj nos
Srs. socios que o* bilhetes par* a rerit*
extriordinaria de 10 do corrente, se dislri-
buirSo nos diaa Se Ittno aalSo do theatro.
Precisa-se d ui amcador n ra D-
reilt, pillara n. 84.
-- O- Sr. Jng Ignacio de Lira queira ter a
hondada de ir a ra do Rozarlo estrella a
negocio que o Sr, nlo ignora.
Desapareceu, do lugar doa Remedios,
no di* 2 para 3 do correala, um cavallo
alazSo, magreirSo, rom a cauda aparada
bem rente, urna ferida no eipinhico ; lem
urna* pequenaa pintas branca* em cima da*
ancas: esl canto nSo p le estar furtado,
por que nflo faz coloca a ninguem ; por iaso
suppo-se que estar em Igiim 'lio par as
bandas da Passagem par* onde elle lem f-
gido as ve/es : quem delle der noticia ao Sr.
Miguel, cobrador da ponte da Magdalena,
ser recompensado.
Na noiie dn 3 do corrente, tartarii da
um sitio na Cruz-de-Almi*. um silhflo do
senhora, com asaento azul escuro, e com
um boleo para a senhora guardar o lenco;
supi Oe-ae ter sido furiado por alguna pes-
soa que esta para fazer alguma viagem com
senhora : roga-so a quem delle aouher, da
participar na ra do Trapiche, a. 13, que
ter gratificado.
-Quem precisar de um caixeiro para
dentro ou tara da provincia, annuncie.
Um Braaileiro da 18 a 80 anno, que
labe ler, escrever e contar, se ofler.-ce para
Caixeiro de qualquer irrumicSo, lano na
prac* como no mallo : na travs** -lo* M*r-
tyrio, n.6
-- Aluga- um* ama eoa muito boa
leite : eui S.-Amaro, ailio qua Um portSo
cor de cinza, ametala, Chegar aos Lazaros.
Deseja-se fallar Com O Sr. JuSo Gaval-
canti de Albuquerque Mello, que alguna an-
uo* pascado* te rucarrogara de cobrar divi-
das no mallo; islo a negocio da aeu inte-
reste : ua ra do Trapiche, a. II.
A Marmota.
A!?f *nda fA*. t. nrel.\ 4la.Ulm
Marmota n. 36, e esl i vend nos lugares
do costume, e de nqvo na ruada Cadeia do
Recife, taja doSr. Burgard.
Tira rain um par de dragona de gran-
de uniforme, da cata do altares do quinto
baialhSode fuzileiroa, Antonio Jos Bap-
tista ('.amacho Jnior : a pesio* qua distar
ondem exittem dita* dragona*, ser grati-
ficada : adverte-se que no quirtel do refe-
rido batalhSo, qualquer hora do dia, acha-
ra eom quem tratar a este reapeito.
Quem aniiuuciou querer fallar com
Francisco Pete Xavier de Lima, dirija-i* i
ra do Vigario, n. 14.
Quem quizer comprar um terrena na
Capunga, com 50 palmos d"'frente, dirja-
te ao becco da Virar/So, n. 35.
A peasoa que annunciou por ett fo-
Ih* precisar de 3:009,000 de res a premio
le um e meio por cenio, dlgando-se o pre-
mio mensalmenie,e dando por hypoiheca
um sobrado na ra Imperial, te linda pre-
cisa, -dirijt-se a praca da Independencia,
livrari, na. 6 e.8, que se dir quem da.
Pergunta-ae ao 8r. Joiquim da Silva
Lope* desde quando se acha embargad* a
venda du Sr. Manoel da Silva Coutd, e por
que cartorio cJhsla semellianti- oxecutja ?
m initreuado.



m

V



.
Antonio Saueravi sos seus amigos e
freguezes, que da novo setena da posso da
coehejra da roa da Guia, n. 1, on'le pode aer
procurado a qualqner hora do dia, asseve-
rando a todo os 8r*. que o favorecerem, e
Ihe confarem os seus csvallos, de o dei-
p salisfeitos, lnto no tratameolo exte-
rior, como no interior doa meamos. Ao ci-
ma dito nada mais accresconta, .porque he
bem conhecido nesta praca.
DRguerreolypo.
Do artista A uguslin Lettarte ,
Tira retrato*, paisagens, copias, etc., des
do o tamanho o maik pequeo ate 10 polla-
pidas ( tamanho que aqui inda ninguem
tirou) e muito superiores, pela invenc&o
de liaguer/eor, tanto'em fumo como colo-
rido*, em qualqner occasiflo, e em muito
punco tenpo, pois qu em 19 segundos p-
de-ae ter um retrato e muito perIVito, e sen-
dn paisagens ou copias liram-se em muito
menos lempo, firmando e garantindn, tan-
to a durahllmade das corea, como a perfec-
ta semelhanca : o mesmo se ohriga a ir ti-
rar em qualqner casa e a |qualquer hora. As
pessoa* que se dignaren) procura lo, pd>in
dirigir-se rua da Cadeia. n. SU, terceiro
andar, da* 8 horas da mandila ia 4 da tarde
AgOSlinho Lettsirle, leudu da lelirar-
ao para o sul no primeiro vapor, participa
ao respeitavel publico, que aa pessoas que
se quzerem utilisar doseu preatimo o en-
coniiai flo em aua caga, na ra da C.adeia. O
mesmo participa que lem urna machina ernn
todo* o* sua pertences para vender, e obri-
ga-sea ensnar a quem a comprar : quem
qui/rr, tlirijn-se aua casa.
Jos Rodrigues Colho comproo, ror
conta do Iteverendo Sr. vigerio Antonio Xa-
vier de Castro e Silva, do Acarac, meio bi
Iheleda stima lotera-do Ihealro de S.-
Francisco do Hio-de-Jaueiro, n. 4569.
Rap P lo Cord'ro.
Vende-se na ra da Gadeia, an
ligo deposito, na leja de ferra-
gens de Antonio Joaquim Vidal.
Francisco Jos Duarle Carnereo declara
ao respeitavel publico, que nada deve a pes-
soa alguma, e se slguem se julgarcredor do
annucciante declare a sua morada, ou man-
de-lhe a ronla casa, e-declare o sen nome,
e nflo costume a calu.nniar e deprimir o cr-
dito de alguem, edest'arle deixaro juizo do
publico suspenso. O annunciante j est
scient donde parti aquille annuncto.
-- E. F. W. C. Bocltendahl, subdito alle-
mfio, rdira-se para a provincia da Baha.
Eduardo Comber, negociante inglez
nesta prega, retira-se para Liverpool com
toda sua familia, levando como criada urna
preta crioula de nome I.inania. ,-
Manoel ))o mingos Maya, subdito por-
tuguez, r*lira-e para o Kiu-ila-l'rala
cy^- Mui .
BOWMAN & MC. (JAI.I.II.M, engenhei
ros niachiniataa t> fundidores de ferro mu-
respeitosemente annunciam aos Senhorea
proprielanog de engenhog, fazendeiros, mi-
ni'irog, negociantes, fabricantes e ao res-
pettavel publico, que o seu estabelecimenlo
de ferro movido por machina de vapor con-
tina em effeclivo exercicio, e se acha com-
pletamente montado com apparelhos da pri-
meira qualidade para a perfeita confeccSo
das maiores pecas de machinsmo.
Habilitados para emprehender quaesquer
obras da sua arle, Bowman & Me. Callum
desejam niais particularmente chamar a
attencSo publica para a sseguinles, por
terem dellasgrande sorlimento jprompta,
as quaes construida* na sua fabrica pdem
competir rom as fabricadas em paiz es-
'rangeiro, tanto em preco como em qua-
lidade da materias primas e mo d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da melhorconstruccfio.
Moendas de canna para engenlios de lo-
dos o* tamaitos, movidas a vapor por agoi
ou animaes.
llodas d'agoa, moinhos de vento eserra-
ta.
Manejos independentes para cavallos.
Rodas dentadas.
AguhSrs, bror.ioanchumaceiras.
CavilhOe* e parafusos de todos os tama-
ndoa
Taisas, pares, erivos boceas de forna
lha.
Moinhos de mandioca, movidos a mi ou
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas de fogSo frnos de farinha.
Canos de ferro, lorneiras de ferro e de
bronze.
Bombas para cacimba de repucho, mo-
vida* a mi, por animaes ou vento.
Guindaste*, guinchos e macacos.
Prensas liydraajlirae e de para fu so.
Ferrageus para navios, carros e obras pu-
blicas.
Columnas, varandas, grades e portes.
Prensas de copiar cartas e sellar.
Camas, csrros do inflo e arados de ferros,
etc, etc.
a.. .,, u aH^uui iiwu *m~z -*-i?f cree, jt
geralmente recooliecida, Bowman & Me.
Calturh garantem a mais exacta conformi-
dade com o* molde* e dezenhos remettidos
pelos seuhores que se dignarem de fazer-
Ihesencommendas, sproveilendoa occasilo
I ara uradecerem aos seus numerosos ami-
gos "freguezea a preferencia com que leem
sido por ellea honrados, e asseguram-lheg
que nSc pouparlo esforcos e diligencia:
para continuaren) a merecer aauacooli
anca.
-- Previne-se ao Sr. Leandro Jos da Sil-
va S -Tiago que nflo pague a nrdem que S.
S. passou a Jacob Luiz da Carvallo, por ter
sido ron bada aa noile de 31 de julho : p.
ra que Oque nullo todo e qualquer negocio
queae Ozrr rom dita oro em, avisa-so aS. S
O abaiio assignado perdeu um lettra
da quantia de 573,000 rs., aceita por Pedro
lionnell, e a vencer em 17 marco prximo
futuro, cujo acetenle ja se acha prevenido
pafa nflo pagar so filio o ha'.xo assignado ,
que r< ga a qu. m a achou, que querendo
reslitu la, de dii gir-ae A ra da Cadea do
Recie, n. i6.-~ Guilkerme Brenkmann.
no prszo de oito das, saldar ditas contas ;
do contrario, terflo de ver seos nomes neste
jornal. Este deposito acha-se hoja no arma-
zem por baixo do escnptorio da companhia
de Beberibe.
O abaixo assignado autorisa a seu cai-
xeiro, Anastacio Jos da Costa, a assignar
os vales do ponto de embarque da ra do
lirum. -- /- A. R. di Almeida.
Em 31 de julho, perdeu-se urna lettra
da quantia de 3:833,440 rs. sacada pelo Sr.
Manoel Alvos Cuerra em o 1. de juuho de
1849 s 24 meses, e aceita pelo Sr. Jos Pinto
ila Fonseca e Silva, eendocada pelos Srs.
JoSoKeller & Companhia ; por isso se pre-
vino, tanto ao aceitante como ao eodocante
e secador, nflo facam negocio algum com
dita lettra, a nflo ser com o possuidor Joao
Jos de Carvalho Moraes, e desde j se pre-
vine, o se porventura alguem adiar dita le-
ba e a quizer restituir ao dito Moraes ser
gretilloado com generosidade.
Alga-se o quarlo andar e sollo da ca-
sa de Francisco Alves da Cunha, na ra do
lirum, com comaiodos para familia, muito
bem repartido, ltimamente edificado e
pintado, bem como os dous armazens da
inesma casa, com fondos para a mar pe-
quena, proprio para um grande armazem
de assucar: a tratar na ra do Vigario,
n. II.
DSo-se 350,000 rs. a juros sb penhores
de ouro : ns ra do Hotario, n. 9, terceiro
andar.
AJoga-se o segundo andar e sotSo do
sobrado da ra da Penha com fundo* para a
ra Dircita.n. 9, com Oquartos e 4 salas,
muito frescoa e por barato preco: a tratar
na loja do mesmo cobrado, ou na prega da
Independencia, n. 19.
Precisa-se de urna ama que teulia bas-
tante leite, que nflo tenha filho, e que saiba
tratar de urna crianza : na ra do Rozado
larga, n. 98, segundo andar.
-Precisa-se de urna ama para urna casa
de pouca fimilia, a qual he para tr.tar de
urna criaiifa de 15 mezes, a que d fiador i
.sua con lucia : lia ra da Cadeia do Recie,
ja de fenagens n. 56. Tambem prrcisa-ge
alugarum sitio que tenha commoJda les pa-
ra urna familia, e que seja margero do rio,
nos lugares da i'assagem, al Ponle-de-
cha : quem livere queira alugar, dirja-
se ao lugar cima aonuuciado.
O abaixo assignado leudo o Diario d-
Pernambueo n. 199 de lOdejunho passa-
doeachando um annuncio do Sr. Justino
da Silva Boa-Vista de Ihe haverein roubado
um meio bilhete n. 3,800, da lotera da
nutriz da Roa -Vista ; por isso o abaivo as-
signado faz sciente ao Sr. thesoureiro da
mesma lotera que tambem comprou um
meio bilhete da mesma lotera e do mesmo
n. 3,800 ao Sr. Francisco Alves de Souza
Carvalho na Parahiba do norte, por isso o
abaixo assignado previne ao Sr. thesourei-
ro da mesma para se evitar algum tngt-
00.'ranciu*! Tavares Perrelra
a reOnacJio do Varadouro, em Olinda,
precisa-se de urna pessoa que saiba perfei-
ta mente retinar assucar : paga-se bnm sala-
rio : a tratar na mesma relinacSo, ou na ra
da Cadela do Hecifd, n. 50, loja.
0 segundo-lente da marinha impe-
rial Buzebio Jos Aniones nada deve nes-
ta provincia.
Fui taram, no dia 15 de julho, do en-
genho Socorrro, dous Cavallos com os sig-
nara soguiutes: um alazSo-rachito, em grito,
espiuhaco comprido, osquatro ps|brancos.
um* estrella na testa e com ferro : a o' nu-
tro rozilho-foveiro, com os quatro ps bran
eos, testa branca ; he capado, bem ardigo,
passeiro e carregador, cauda curta, e con
ferro P : conata terem sido encontrados n..
ponte dos Afogsdos entrando para cata ci-
dade : quem osapprebender leve-os a Cin-
co-Ponlas, n. 66, que ser recompensado
Ra oQ eimalo,n. 9
S.-Felh.
Chegaram os venladeiros charutos de S -
Flix. A elleg antes que se ac bem.
Desappsreceu, no dia 95 do corrate,
urna escrava crioula, de nome Senna, de 3n
a 35annos ; levou vestido de chita preta, e
lem as peruas muito lonas, o que se cosiu-
ma chamar uebra-mangue; consti anda
pela Solrdade : quem a pegar, leve-a i ra
do Inndego, n 44, que se recompensar.
Precisa-se de um caixeiro que tenha
pratica de venda, e que d fiador a sua Con-
ducta : em Fra-de-Portg, n. 135.
-Na ra do Vigario, n. 19, aegunlo an
dar, esrrini/iri,. Jo JJ-chsdo Pinlleiro, de-
seja-sefaliarcoma Sra. D. Luiza Mara do
Sacramento, ou annuneie aua morada
-- Precisa-se de una pessoa que saiba en-
gommar, cozinhar, para casa de pouca fa-
milia, a qual d liador sua conducta : na
ra largado Rozarlo, n. 36, botica do Bar
lliolomeu.
Precisa-te alugar um preto para todo o
servicot paga-se bem : no caes do llamos,
no segundo sobrado.
-Precisa-se de um* ama para o seiv
co do portas a dentro da urna casa de pouca
familia : no Hospicio, n S4.
Aluga-se o sitio da Tacaruna : a tratar
no Aterro-da-Roa-Vista, n. 47, segundo an
dar.
Jos Cypriano de Moraes Lima trtspas-
sou a sua venda dajua larga do Rozario,
n. 99, ao Sr. Julo llenriques da Silva, o que
f;: wuiiu. c;r? i j.1? ; ule/ar seu
ertdor, que eat prompto a pagar o que
dever.
Quem pretender vender osjjps. 56, 57,
dos sitios da Ileirsda, districlo de Coim-
bra, e esteveaqoi occupadii na fabrica das
caracas; bem como do Sr. J is Januario
Soares Ferreira, sobrinhodo fallecido padre
Vntonio Soares Ferreira, e casado com
Sra. I). Ignacia Joaquina de Jess Ferrei-
ra, ou queiram procurar a viuva Caudino &
Filho, na pracinha do Corpo-Santo ou an-
nunciem sua* residencias.
Quem precisar um caixeiro braslleiro,
le 16 annos, annnncie.
0 TELEGRAPIIO.
O n. 3 deste peridico est inloressanlis-
simo, a elle, a elle, na loja do Sr. Uourado,
piteo do Collegio, n. 6. ,
Joflo Pereira de Carvalho Jnior avisa
ao respeilavel nubPcn, que tem de abrir au-
la de primeiras leltras na ra Velna da Boa-
Vista, casa n. 55, para o que olTerece seu
or-slimo a quem delle se quizer servir para
o dito (m.
Avisa-so a quem nteressar, e para que
oBo haja duvidas futuras, que na casa n. 1
lo hecco dos Ferreiros, pertencenle so Sr
los Verissimode Azevedo, existe urna hy-
pothect.
L. B. Armstrong, subdito inglez, re-
tira-se psra Inglaterra.
Quem annucciou querer 150,000 rs. a
uros : dirija-so ra do Rozario estreits,
loja de ourives que se dirt quem d.
Roga-se aos Srs. que so gostarn de ver
o Ihealro dos camarotes dos conhecidos, te-
nham a bondade de comprar bilheles, pois
nflo se p Je aturar, que os taes mnr;iis, pe-
la sua sem cerimonla, obriguem aos que
compram camarote a ficarem de p durante
o espectculo, por eslarein as cadeira* oc-
cupadas pelos filantes
-- Os credores do finido llcnrque Gamil-
lo Ferreira silo convidados pela commissflo
* reunirem-se, munidos de contas corren-
tes ou documentos, psra verlicarjo de seus
creditoa, quinla-feira, 8 do correte, an
meio-dia, em casa de J. I). Wolfhopp & C,
ra da Cruz, n. 16.
Precisa-se de 400,000 rs. a premio,
iando-se por seguranza una cas* nesta pra-
>;, livre e desembara^adi: quem preteo-
ierosjjsjas
58,114, 143, 144, 145 147 ao Diario do
Govnno de Portugal, do anuo de 1848, din
ja-so a ra da Cadea do Recife, n. 4, ter-
ceiro andar, das 8 horas sl so meio-dia.
Quem achou um rilo de Illa com colei-
ra de couro ao pescoco, querendo restilui-
lo, dirija-se ra Nova, loja n. 91, que aera
recompensado.
Precisa-se de tres contos de ris a pre-
mia de um e meio por canto, cujo premio
aera pago lodosos mates, o daudo-se poi
aayuranca dessa quantia um sobrado na ra
Imperial, que hoje vale bem 6 a 7 contos
de ria : quem esta aegoeio quizer fazei
annuneie.
O bacliarel A. R. de Torres Bandeira,
proaetsor adjunto da rhetorica a geogia-
phia no lyceu desta cidade, propOe-sea dai
licoes da anesma diseiplinas, e bem assim de
philosophia francez : quem de seu pres-
umo se quizer ulilsar, dirija-se casa de
sua residencia, na ra estrella do Rozario,
ler annuneie.
Peranle oSr. Dr. juizdeorph&os se ha
le arrematar amanhfla de renda trienal a
asa de tres andares, sita na ra da Cadeia
lo Recife, pertencente ao menor, filho -lo
fallecido Beato Jos Alves ; assim como se
ha de arrematar por venda um escravo mo-
to, sem vicio e oflloial da pedreiro, por
nfio ser neressario ao mesmo menor.
O abaixo assignado desoja levar ao pre-
lo um drama original, intitulado Arco-
Virde tu a gloria atol Jabayrt -, cujo as-
sumptn he exlraMdt)da hisluria do Brasil e
las memorias histricas desta provincia :
mas nflo podando por si so com a despeza
la imprensiu, nem Ihe convndo esperar
pela vendagem, que de ordinario cosluma
ser lenta, para acodir de prompto sobre-
dita despeza, recoire il prolrccflo das pet-
soas amantes da poesa dramatici, para qqal
se digiiem coadjuvar Com a su assignatuc*
i publicarlo desle drama verdadeiramente
nacional, ou antes pernambucano por ex
cellncia, certos de que com < ste auxilio el-
le islvez possa ser levado aseen no dia 7
de setembr, faustoso anniversario da nos-
sa independencia, por ser qjteu assu npti
niiiiio anlogo gloria deas nacional rego-
sijo. As pessoas, pois, que se dignarem
.ubscreve-lo, poderflo dirigir-.-e a loja de
livros do Sr. Figiieiri, ua prafa da Inde-
pendencia, e abi dar o seu no ne, eom de-
clara(Soda ra e numero da sua morada,
assim como do numero de exemplares que
quizerem, pelo preco de l.ooO ris cada
exemplar. lodo Barbota Cordeiro.
Preciaa-se de urna ama para toJo o ser-
vi(o de urna cata de pouca familia: no Aler-
ro-da-Boa-Vsta, n 78, loja.
Precisa-se alugar um sitio margem
do rio Capibanbe, at a Poute-do-Uchot:
na ra de Apollo, armazem n. 4.
Precisa-se do um pequeo porluguez
para caixeiro de um armazem de farinha, o
qual d fiador aua conducta: ua ra do
Rangel, n. 43, deposito.
Pede-so a lllui. cmara municipal, ou
aoSr. Fiscal da freguezia de S.-Anlonio,
que nflo consintam umafeira que todos os
das se cosluma faier de cavallos e burros
ua ra da Cadeia, que mais parece um cur-
ial immundo, do que urna ra principal.
I'recisa-se de urna preta captiva par* o
servieo de urna casa Irauceza : uo Aterro-
Ja-Boa-Vista, o. 1.
A lorani-.se, no lugar da mal-
ta da Torre, i ,2oo palmos de fren-
te e 6oo de fundo de terreno de
barro muito frtil: a tratar na tra-
vesta da Concordia, n. 5, sobrado
Una mulher natural'do lUbo-Verde,
Je 90 annos, quer aer ama de urna casa :
quem de seu prestio se quizer ulilsar,
dirija-ae a Soledade, sitio de 1). Mara Gama.
Compras.
- O S quedevefl) su iniazeaida la- o. 41, segn Jo andar,
boado J gerraria do Montero. dofronte da A negocio de seus interesa** dtseja-se
ordom tereeir de San-Francisco, queiram, noticia do Sr. Francisco Luis, da palotea
Compram-se, para (ora da provincia,
escravo* de ambos o* exos, de bonita* fi-
guras, com habilidades: na ra larga do
Rozario, n. 48, primeiro andar.
Compra-s urna canoa que esteja em
bom estado, aberta, e que tenha capacda-
da da novar 7.000 rs. de leoha da fcixes:
no Fofte-do-Malios, n 7, prens* de Manoel
guaci de Oliveira Lobo.
Comira-se, para urna eneommenda,
urna preta, que nflo tenha vicios, seja ro-
busta e saiba perfeilaineiile coser toda a
qualidade de costuras, fazer vestidos, en-
gnmmar e que seja de bot conducs : na ra
do Rprario larga, n. 28, segunde-andar.
Compra-so urna pela idosa, mas que
seja Sadia e de bom comporslaMuto : na
ra ra da Praia, n-46, armazem de earne
Compra-so um sellim usado : na ra
larga do Rozario, n. 96, loja de miudezas.
Cou>pra-o urna caiza p,ra guaratar
urna cadeira da arruar : na ra do Cabug,
loja de miudezas, de Costa Fajozes.
Ka loja ama relia da ra
de Crespo, n. 4,
venrlem-se chitas francezas de lnJns gos-
tog e de cores fixas, a 2Sd rs. o covado; cor-
tes de chita, a 2,500 rs. ; ditos de cassa pin-
tada, a 9 500 rs. ; pec;as de cambraia ada-
nascadas, blancas e de cores, a 4.000 rs.
lencos brancosdecambraeta, a 300 rs ; di-
tos de cassa, a 100 < 160 rs.; corles de lila
de quadros, a 1,000 rs.; e outras muitas
fazendas de linho e seda por baratissimo
preco.
Vendem-se leitOes de espeto : na Ri-
beira da Roa-Vista, n. 9.
Vendem-se duas banqninhas-e urna
marqueza de Jacaranda, 2 herios de arma-
Cflo, 2 mezas de janlar, duas dita* grandes,
propras para mnslro alfaiate, duas camas
le armapSo, sendo um* de palhinha, un:a
oedra grande de moer tintas: tudo por pre-
co commoJo : ua ra da Cadeia do Reci-
fe, o. 3.
Vende-se, por preco muito rommodo,
farinha de mandioca da muilo boa quali-
dade ; fumo em folha para capa e milo de
charutos; potass* do Rio-de-Janeiro, em
barriquinhas; agoa-raz ; palhinha prepa-
rada para cadeiras ; chapos do Chile : no
armazem de Francisco Das Ferreira, no
.eaea da Mfandega, e em casa de Novaes &
Companhia, na ra doTraniche, n. 34
Vende so um pardo official de alfaiate,
para fra da provincia : na ra do Rangel,
a. 60, sih'a lodo dous andares.
-- Vende-se um preto iM 2) annos, mui-
to bom carreiro ; um moleqno de 14 annos;
im dito de 10 annos : ambos sem vicios
lem achaques : ven lem-sa para pagamen-
to de urna divida : ni ra do LiTramcnto,
n. 4, se dir quem vende.
Vendem-se 25 ro nances em f'ance?
em um volumede papel velino, acompanba-
do cada romance de urna bella estanxpa
ii u i lo fin, dos melhores autores, cmio
liada Ta do Stael, Chateaubrian I, Sir Wal-
terscot; Dogma em porluguez; o piimeiro
volme do Panorama : ludo tamhem se
troca por boas obras : na ra do Crespo,
ii.1l.
Vendem-se 3 p;relhas de chechos cha-
mados do sul, mansos e cantadores, por ba-
>ato preco : na ra das Cruzes, a. 1, taber-
na de Jos Pinto.
Vende-se espirito de 37 graos, a 1,000
rs. a caada : no paleo do Paraizo, n. 20
taberna.
Vende-se una negrinha da 12 a Han-
nos, de linda figura, ha recolhi Ja, cose, e
lem principios de engonmido : vcnJe-se
por precisflo : na ra do Fogo, n. 23.
Kedcs bordadas.
Na ra do Rangel, armazem n. 36, ven-
dem-se redes bordadas de gosto, por preco
commo lo.
Vende-se um escravo de nacflo, de 25
anuos, que cozinha bem o diario de um
casa eo o asseio, nflo tem vicios, o que se
pollera similar ao comprador: este escra
vo tem mais urna circumstancii que so
uerser empregado e d cozinha: tambem
se troca por outro que sirva para o cunpo
na ra Formoza, lerceira casa viudo pela
rua da Aurora, a fallar com Joaquim Amo-
nio de Santiago Lessa.
-- Vende-se ardiles, a 8,500 rs. o cento :
na rua da Cruz, n. 32, taberna.
-- Vende-se urna casa tenea de podra e
cal, n 33. em Olinda, rua de Mathias-Fer-
reira : as Cinco-Puntas, n. 39.
Vende-so urna burra de ferro : no Aler-
ro-Jt-Boa-Vsla, n. 38, loja dealfaiate.
Superiores vinlius
Na rua da Ctdaia, n. i,
veem-se excellenles vnhos di*
diversas qualidades, tanlo engarra-
fado como em barris, sendo do Por-
to, Figueira, Rcelas, Madeira, Cra-
cavelos, Colares, Moscatel de Se-
ioli.il, etc.; assim como oulros
muilos gneros de ptima queli la le, de
que sempre est prevenido este estabcleri-
raeuto.
Interessante.
Ven le-se um duzia de cadeiras de mogno,
um aparador de amarello, um csielhode ja-
caranda, proprio para toilet, de excellenle
vidro, ebom tamanho, um cama de ama-
relio para casados, do feilio de marqueza,
e com issenlo do palhinha, obras esias beni
trabalhadas, com pouco uso epor proco ra-
soavel: estes nlijoctog sflo vendidos, por te-
rem sido substituidos por oulros, e nflo se-
ren mais precisos a seu dono : no Aterro-
da-Roa-Vista, n. 48, ariiia/em.
-r Vendem-se 5 escravos ; 3 pardos de 1*
a 29 annos ; duas escravas de bonitas figu-
ras ; 6 escravas mofas, sendo duas dellas
boa* engommadeiras e costureiras; una
dita de Malinos : na rua ireita, n. 3.
Vende-so, ou permuta-se por um es-
cravo, ou escravo, urna caga terrea no prin-
cipio da rua de S.-Miguel nos Afogados, em
iii"ilo buin estado, com duas galag, 3 quar-
to, coznba lora e quintal grande com ca-
cimba : no Aleir4!a-Boa-Vsi*, o. 17.
Tai xas para engenho.
Na fuiulic.flo de ferro da rua do Brum,
icaba-se de receber um completo sorlinien-
Vendas.
Veii-scus mulatinho da 18 annhs,
de benita figura, e official de sapateiro,
tanto de obra de homem como de aeohora t
em Olinda, no Vaiadoro, rua do Balde, ta-
berna n. 90, se dir queui vende.
Vende-se um vscravo do servicn de
cas*, e que ha ganbador : na raa Direila,
a. Si, sobrado.
lodo la i xas de 4 a 8 palmos do bocea as
quaes acham-Se a venda por preco com-
-uuuu v luui piuuipHuaw ouiuaiuam-sD,
ou carregam-seem carros sem despezas ao
oniprador.
Cartas Praneezas para
Volt i rete.
Vendem-se caries francezas, ss mais fi-
nas que se pdem encontrar, pelo barato
preco de 700 rs. o baralho : tambem se ven-
den) outras mais ordinarias a 400 rs.: na
lua do Queimado, n. 33, loja de miudezas,
junto a de cera.
l sr Vende-se urna machina de copiar car-
tas enllocada em um baieflo, com os seus
competentes armarios ; urna bancada para
seiralheiro,com 2 lomos,sondo um de ferro
e outro de pao ; urna pedra de filtrar, por
prego com modo : em S.-Amaro, na taber-
niao p do Sr. Carduzo.
AoiiiJe est o segredo ?
Vende-se um bah que pode licar de lam-
po aberto e exposio a toda a pirttaria e
com boa porc,.1o de moda, quo aeu dono
poder* licar sem roopa, mas nflo Oca sem
dmheiro, isto be, se nflo carregarem o ba-
h : o preco he dinheiro a vists : ns rua do
Pilar, u. 99. I
Lotera do Kio-de- ,
Janeiro.
Aos 180:000^000.
Na loja de miudezas da praca da Indepen-
dencia, n. 4, vendem-se os afortunados bi-
lheles da solimi lotera a boneficio dothe-
souro publico, inteiros, meios, quartos, ni-
tavose vigsimos. Foiextrahida esta lote-
ra nodh)3l de julho, eespera-se as listas
00 primeiro vapor. Na mesma loja mostram-
so as lisias da 93' do Monte-Pio e 6* das
obras publicas da cidade de Nictheroy.
Ao publico.
Em mu creictdonumero contavam oa mdi-
cos al agora inolealiaa inenraveia, contra aa
1 o i's si) era perinitlido au paciente rrsigna-
fio para lotlier un mal de queja nao Im-.i
esperan(ai de podr liberla-lo, c ao medico
philantropico a dor de ver miiiios de aeua sc-
uirlhantei victimas de enfennidades, contra as
ipiaei se declarara impotente, podrndo apenas
lamentar a fraqueza da inielligencl.i humana.
Mas, grabas .ios progressos da medicina, gra-
tas ao i.e\u de lioineus incansaveis. que, nao
leaesperando da perfectibilidade da aciencia,
e tem dedioado iuvesligavo de remedio*
<|uepoisaiu alllviar a hmnanidade de alguna
nales que a a!H|fein, o numero das nioleati is
reputidaf incuravris val de dia em dia diini-
iiniiido. Aaaioi, achardepoisde boicot traba-
Ihos, de profunda incdilaco e reiteradas expe-
riencias, mcdicaueutos que nos rcstituain o
uso doi dous mais importantes aentidos de quo
he dolado o hoineui, quando este j se acha-
vam no supposto estado de iucur.ibilidade e
intcirainenle perdidos, he por certo um dos
lo.iioi.s servidos que se poda prestar alinina-
nldade; di o que eatava reservado a um ho-
uiein plnl iiiu-opo da cidade de Hraga, em Por-
lisgal, cuj sciencia, cujo amor de seu aeme-
Ihaolra se leem fcito geralmente conhecer. Os
remedios que ora utferf cemos ao publico, nao
entraiu naclaase daquelles que o vido e (Mia-
do charlatanismo inculca com mucs e des-
compasiados bradns, e que o crdulo vulgo"
por Ignorancia recebe na boa fe e sem dUcer-
niineuto, ach.indo-se depoii illudido; tem, po-
rm, de oceupar mui dialincio binar entre oa
medicamentos que maiores beneficios prcstain
ao liomein : coiiiiaiu clles dadiasolucao aqua-
sa de extractos de plintai medidnaea, de vir-
tudes mui reconhecidas e verificadas. O longo
uso, as continuadas e severas esperiencias,
que por toda a parte leem elles sido subinetli-
dos, sem que nina s vez bajaui falnado eiu
seus bous rlleitos, e desmentido aa esperanfas
ipie sobre elles havia fundado o seu iuvenior,
Ihe teein graugeado couslanles c repetidos elo-
gios dos mais sabios e respeitaveis mdicos,
I..HU da Europa, como da America que uoiso-
uos ilion un e proelamaui sua accao sempre
certa c benigna. Um dcsles licores he desti-
nado a coinbater as molestias de ollios, e lein
por principal virtude restituir aos orgaos da vi-
sao suas funcedes ; rcanimr e fater reappare-
cer em sua natural perfeicao a vista, quando
cata estiver fracaouquaai entnela; cointanlo,
porin, que nao haja ceguelra absoluta con
desorganisacao das partes; nio menos til e
enrgico he para defaier as cataratas, destruir
as iievn is r de promplo debellir qualquer o-
II iiinii i.a.i ou veruiclhido dos olbos, Nao
causain dor nem estimulo na parte.
Outro liquido reslitue a faculdade de ouvir
ossons so ouvido tocado de surdez, anda qur-
inveierada urna vez que o mal nao seja de nas-
cenca, sem causar em lempo algum o menor
incommodo ao doenle, e sem pnva-lo de cui-
dar em seus negocios.
INSTRC^OKS PARA 0 USO DOS iiemedio?.
O >ius olhot tmprfga-te do modo itguintt .*
O doente pela inanbaa, em jejum, mu hora
pouco mais ou menos depois que erguer-se do
leito. tomar sobre a palma da niau pequea
porco daquelta agoa ; e com ella moldar
beui os oliios, fasendo que algumas gottas
e ii un sobre o globo oceular : sem os limpar,
os conservar moldados at que naturalmente
enxuguein: ao deitar-se noile praticar o
mesmo : durante o lempo que u-ar do reme-
dio evitar o calor, aeco de fuuiaca e o vento ;
far abstineucia de comidas aalgadas, aiedas e
adobadas com especiarlas.
0 remedio doi uuvot ser applieado do modo que
legue.
O doenle pela nt'Lulia i. urna hora pouco
mais ou menos depois de erguer-se, anda em
jejum, far derramar dentro dos ouvidos qua-
tro ou cinco golfas do liquida, tapando-os de-
pois com algodo em rama ; noile ao deitar-
se repetir a inesma operaco. Durante o uso
do remedio evitar espor, os olivlos princi-
palmente, aeco do calor e do vento, aliin de
evitar grande transpiraco, lia vendo cuidada
em nao inulbar os ps em agoa fra finalmen-
te deve obster-se de comidas salgadas, azedas e
adubadas.
hstes remedios esli venda na botica de
Bartholomeu Francisco de Suma, na rua larga
do .osarlo, n. 1)6, nico deposito em Pernam-
bueo, pelo pi-eco de 2.240 rs. cada vidro.
-- Vende-se o tolueno da rua da Palma,
i. 10, e terreno justo qae fss rsquim con-
fronte ao sobrado do Sr. Gomes Peona: na
rua Nova, n. 65.
Uapc Paulo Cordeiro,
viajado do llio ao Para e do Para a Pernam-
bueo .* vende-se na rua da Cruz, no Recife,
n. 49, loja.
VenJe-se urna pedra marmore com oj-
io palmos de comprido, quatro de largura a
meio degrossura ^. na rua da Praia, n. 55,
por cima da tyBOgrapha.
a?*?t#f*
*> Vende-se duas casas terreas, sitas ii*4E
? travessa do Petxolo; um pardo moco o*
Yiihu>to,-epto pera qualquer servido "~
praca do Corpo-Ssnto, n. 1, primei-2
*ro andar.
Oleo de linhac i
em botijas : vende-se nos arma-
zens da rua do Amorim, ns. 56 e
58, e do Annes, no caes da Altan-
dega. a tratar com 31anoel da Sil-
va Santos.
Vente-se um ctsal de burros, ou de
machos, ptima pareina para carro : na
coxeira doSr. major Se bast lo Lopes Gu-
marSes.
LIVItOS EM BRANCO.
F.mcasadeJ. I). Wolfnopp, C. raa da
Cruz, n. 16, vendem-se livros em Jaraneo
le todo tamanho por precos commodos.
He baratissimo a 480 is.
Un man te monstro.
Veade-se bramante, fazenda muito supe-
rior e de qustro pslmoa de largura, pro-
prio para camisas, leuces, jaquelas e ou-
tras muitas obras, pelo baialo prego de 480
rs. a vara ; cortea de casemira de algo lo,
fazenda muilo encorpada e de multo bom
guato, eom listra ao lado, a 1,600 rs. : ns
rua do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Diss.


,~.V vi.--- *<*"
'4'
i*
Lotera do Rio-de-.Ia-
nriro.
Aos 10:0000.000 rs.
Na prega da Independencia, ir.ii n. 3.
que faz eaquina para ra do Queimado o
Crespo, vendem-se hi'hetes, meios, quar-
to, oilavos e vigsimos da 7.* lotera a be-
neficio do thesourn publico. Nesla Inja est
patente a lista da 33.' lotera a beneficio do
monte pi g ral.
AosSrs. de engenho.
vendem-se cobertores oscuros de algo-
do, proprios para escravos, por sorom do
muita duracflo, pelo diminuto prego de 640
re. cada un : na ra do Crespo, esquina
que volta para a cadeia.
Chegaram novamente ra da Sen-
valla-Nova, n. 49, relogios de ouro e prata
patente inglez, para bomem e aenhora.
Vendem-se amarras aa ferro: na ra
4a Senzalla-NoTa, n. 4.
Vende-se barato
Para se acabar
Sapatos do Aracaty
A oito cotilos, ris o par.
Na ra da Cruz, n. 86, confronto i roa da
l.ingucta e esqiiina do becco do Porto, ven-
deir-so superiores sapatos do Aracaty, polo
diminuto proco de 800 rs. o par; chapeos
de palha ; esleirs ; courinhos de cabra e
sola : ludo por menos prego do que em ou-
tra qualquer parte.
A 5oo rs.
Vende-se cha hysson de superior qualida-
de, pelo diminuto i roco de 500 rs. a libra
na ra do Crespo, n. 93.
Bfossas de vapor.
Acba-se a berta a padaria da ra do Un r-
gos. Forte do Mallos, na qual s achara
diariamente todas as qualidades de massas
finas, (rahalhadas por machirrtemo ; lam-
bem se fabrican) eicollenle po e holaxi-
nba de aramia, ditas inglozas, bolaxfles
qusdrados e redondos, e oulras mais mas-
aas tudo obra prima : as mosmas seacharflo
no deposito do paleo doTejgo, n. 10.
r.-iriiilia deS.-Calh;iiina.
Vende-se a bordo do hrigue Talle, chega-
doem direitura de S-Calharlna, familia
nuiito superior, est Tundeado defronle do
caes do llamos ; tambera se trata na piaca
do rom memo, n. 6, primeiio andar, com
Jlnoel Ignacio de Oliveira.
Vende-se una parda escura, de 35 mi-
nos pouco mais ou monos, de bonita figura,
que cose, engomma, cozinha, faz ronda, la-
va de sabSo e varrella, e faz todo o mais
arranjo de casa : esta parda be bem pro-
pria para ama de casa, mesmo de humero
solleiro, allondeniloa sua boa conduela: na
ra larga do Itozario, n." 46, pi in.eiro an-
dar.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Sanlos na Baha
Vende-se em casa de N. 0. Bieber & C.
a roa da Cruz, n. 4, aleodSo trancadi
daquolla fabrica, muilo po; rio para saceos
deassucar, roupa de escravos efioproprio
para redes de pescar, por prego muito com-
tnodo.
Sapalos de lustro.
Vendem-se sapatos de couro de lustro
.para meninas de 8 a 10 anuos, a 500 rs. o
par; ditos para sonhora, a 1,600 rs : no
Aterro-da-Rna-vi*ta, n. 58, luja de JoSo Ti-
burrio da Silva Cuimartes.
Vondem se os melhores sapalos feitos
no Aracaty, por menos prego do quo etn
outra qualquer parle, isto para liquidar
contas: na ra larga do Hozarlo, n. 35 loja.
Vende-se a safra do engonho Pirapa-
ma. nova, e arrendase o mesmo engenho;
tambem se vende a safra de canoas do enge-
nho Soledade, arrenda-se o mesmo enge-
nho : ambos moom com agoa, 6 silos em
S.-Anlo.
Marmelada de Lisboa.
Cavatios e burros.
Chegaram alguna burros e cavados, o es-
lo venda, na ra-da Cadeia de Sanlo-
Vntonio, das !* horas do dia em diante.-
Vende-se um preto de nacflo Co-i.i, de
-25 annos, bonita figura, proprio pera reli-
nagSo ou padaria por sor de bom corpo ; as-
im como dous crinlos, ambos mogos e
com habilidades : na ra do Rangel, n. 38,
segundo andar, se dir quem vende-os.
Vende-sa urna geometra de Lacroy
oa ra do Queimado, n. 11.
. Vende-se, por precisSo urna preta de
oagSo, de mea idade, que cozinha o dia-
rio de urna casa, e he boa q o i laude ira, por
170,000 rs. : na iravessa dos Quarteis, u. 29.
Tecidos de algodSo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-SantoS.
Xa ra da Cadeia, n. IVi,
'endem-se por atacado duas qualidades,
aroprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
JWoendas superiores.
NafondigSode C. Starr & Companhia,
ni S.-Amaro acham-se venda moendas
le iiiina, indas de ferro, de um modelo e
coiistiuccao muito 'superior.
Chapeos de sol.
Vendom-se chapaos de sol, de aeda prrt-
enm barra lavrada, a 6,000 rs.; ditos furias!1
coros, a 6,500 rs.: estes chapeos sSo mui-
to bem construidos, muito fortes e de boa
seda : na ra do Paselo, n. 5, fabrica de
chapaos de sol.
Wffff?fffffW*>
*Depo?itoda fabrica dej
* lodosos Santos, na *
Vende-se na ra da Cruz, n. 69. armazom
deManoel Francisco Martina, marmelada do
Lisboa, muilo nova, e em latas de urna e
duas libras, por prego commodo.-
Vende-te una mesa de meio de sala ,
Icaixilhos de por amostras em cima do
balefi : na ra larga do Horario, o. 16.
Farinha de S -M theus.
Vende-se farinha de s.-Matheus, ror pre-
go commodo: bordo da sumaca S.-Anlt-
arfe, fundeads em frente do Collegio, ou ao
lado do Corpo-Sanlo, n. 95, loja Je massa-
mes.
Vendom-se peonas muito alvss e finas
propriss para flores, ou outra qualquer obra
de-te genero : na ra da Cruz, armazom nu-
mero 48.
jNavalhas de patente.
Vendem-se navalhas finas de
patente para a/er BarHa ; estojes
completos de todos os ferros para
cirurgia, obra muito fina, por pre-
co commodo : na roa da Cruz, no
Becife, n. 43, loja de Joaquina
Antouio Carneiro de Souza Aze-
vedo.
Fazendas baratas, na
ra larga do Rozario, n.
AS, primeii o andar,
vendem-se pegas do chitas pardas, coros
multo Utas, e de bous pannos, a 5,800 is.,
a 160 rs. a relalho ditas niofkuas de
chuva, a 190 rs. ; estepa com alguma averia
dacwpim, a 4, fie 8 vwtens a vara ; um fule
de folear forangas ; pegas de madapolflo, a
9,500 ra.
Na ra do Cabug, loja de qualro por-
tas, do uarle, veiiUeoi-se meias de cores
de mullo bu* qualidade, para menino* o
menina;. riejuifefes pelos e franjas para
otelAH-casligasderidro, a 1,100 rs o
par; lqsle lellica de multo boa quali-
Baha. *
& Vende-se, em rasa de Dorringos Al-*
sa>ves Malheus, na ra da Cruz, n. 59,*
^primeiro audar, algod.lo trangado da-^
aquella fabrica, muito prupTio para sac-*
eos e roupa de escravos; bem cumo^j
-lio proprio para redes de pescare pa-
^vios para velas, por prego commodo.j
AAAAAAAAAAAaiAVVf
A os fabricantes de velas.
Na ra dos Tanooiros, armazem d. 5, ven-
de-se muito superior cera de carnauba, por
monos prego do que em outra qualqutr
parte.
-- Vende-se cb hisson de superior qur-
lidade, em calzase meias ditas, a lotes a
vonlade do comprador : na ra da Alfande-
ga-Velha, n 36, escriplurio de Malheus
Auslin c. C.
Vende-se um negro perf' ito cozinhei-
rn, bom copeiro, mogo, de bonita figura :
na ra do Crespo, n 9, loja.
Lotera do Ricwle-
Janciro.
Aos 0:000,000 i s.
deseda aanito elasticaes ; pentes de tartaru-
ga para aaarrafa.
Vende-ae um preto mogo, de boa figu
rs.exeellente ganbador : na roa doCreapo,
n. i, loja.
Pelo vapoi Imperador, sabido do llio-de-
Janero no dia 18 do rorronte mez, e entra-
do neste poito no dia 98 do mesmo mez.
recebemos bilholes, meios, quartos, oila-
vos e vigsimos da 7.a lotera concedida pa-
ra indi mnisaglo thesouro publico da pres-
lagAo o ensal cnin quo auxilia JoSo Caeta-
no dos Sanios: tanbem recebemos, pola
crvela Carioca, a lisia da 6.a lotera a be-
neficio das obras publicas da cidade de
\iclhiroy e Irooam-se os hilhotes premia-
dos desl polos que devem correr : na loja
de cambio da vuva Vil ira & Filho, na la
da Cadeia dn a- rile, n. 2t.
Farelo novo a 5.500 rs,
Vendom-se saccas grandes com 3 arro-
bas de farelo, chegadas no ultimo navio
le llamburgo : na ra do Amorim, n. 35,
casa de J. J. Tasso Jnior.
Vende-se urna escrava de bonita figura,
moga, boa engommadeira, e com boas ha-
bilidades: o motivo per que se vende so dir
an comprador : na ra larga do Huzario, n.
?8, primeiro andar.
De Chateaubriand.
Vende-se un excellente roman-
ce, as aventuras do ultimo nbence
rage, .1 v. por &oo ra.: no pa-
teo do Collegio, casa do livio azul.
--Vende-se, no armazem do. fallecido
Hraguez, potaass muito nova, ebegada ni-
miamente do Rio-de-Janeiro, pur prego
commodo.
-- Vende-se urna morada do casa terrea
mei'agoa, de pedia e cal, na ra da Praia
de S-Jos, por muito diminuto prego : na
ruadasTrincheiras, n. 18, sobrado de um
andar.
Enn/cUpeJia de (eogrophia (em inglez )
contenJo a descipgao physica, eslatistica,
civil e poltica da ierra, por Hugo Uarray,
Ilustrada com 82 mappas e mullas giavu-
ras, livro indispensavel a ludas as casas de
commercio, e aos professoro* de geogra-
phia.
Arle ile Furtur, do padre Antonio Vieira,
edigSo de Londres, 1 volume.
Obrat completas de Lu* de Camtet, nitida
edigo de llamburgo, em 3 volumes.
Vendem-se estas tres obras na ra do Ito-
zario larga, loja de miudezas de J. J. I.odi.
Vendem-se quatro bonitos escrava,
dade pr" aenhora ; ditas do torga I ; ga uons p,r8 t0do oaervigo; um dito bom pa-
.(.Ja aaatMJo ulatal Kana nunlaia ra larUru a _. ... i_ ^ _.*..
Jtifo'c fornnrBfSem vicios; quatro p:-Ua
com algumaa habilidades, e muito mogas;
urna parda, que engomma muito bem, co-
se, be muito carfihosa para meninos e de
boa conduela ; urna escrava de meia idad
Vendem-se pisnos de xeellentea vo-
zesj telh de vidro, em grandes e peque-
as rorgOea ; sag fino em barricas de 80 o
160 libras cevadinha em garrafOes do urna
libra : tudo de mu boa qualidade e recon-
temente chegado: na ra da Cruz, n. 48,
armazem. t f
Vende-se tinta para escrever,
em garrafas, muito superior : na
ra larga do Rozario, n. 36
Cera de carnauba.
Vende-se cera do carnauba muito supe-
rior, a retal lio e em porgSo: na ra da Cruz,
n. 36, confronte a I.ingoeta, esquina do
becco do porto.
Por ,000 rs.,
vendem-se os mais asseisdos capolinhos de
chamalote de seda, de gorgurKo, prelos e
de cores : na ra do Queimado, n. 9.
. -I'PA
(uinbtor oaojuy ap lo| 'Biap^rj
ep Btu eu j,)|)iioa b as-uienui|U03
0/0 ^ ?!*?'> VJvd soi|tiiojv
i?i|auiqo.)t! i manSat|:>
Vendem-se pes de larangeiras, boas de
seplantarem ; bem comosementes de cou-
veerepolho: em Parnaoierm, sitio jun-
io a estrada do encanamento.
Vende-se um bonilo preto bastante ro-
busto, canoero, trahalhador de p e enxa-
da ; lamben) vende-se urna canoa forle de
carga de um milheiro de lijlos, na qual a
mesmo escravo.traballia no aterro da factura
da cadeia ; urna preta do Angola, com al-
gumaa habilidades : na ra larga do Roza-
rio, n. 48, primeiro andar.
4 loja de Hvros do pateo
do Collrgio, n. 6, de Jcto
da Costa liourado rece
beu osseguintes livros:
O Verdadeiro modo de confessar-se bem
com um rigoroso esame, por fre Vicente
.Mara de Viceneia.
0 Jornal do ChristSo, santificado pela ora-
glln e meditaglo.
HeliL'io catholira em Iriiimpho.
Itelcaiio anglico de Jess Cbrislo, e de
Maria Santissima.
O Dovoto do SS. Sacraento, e de] Mara
Santissima. atJ| :
CatiieciMuo para uso dos parochos.
Vida dejesus Christo em a.Eucharisla ,
evida dos dimitios.
Hegra da vida virtuosa, por Fr. Luiz de
Cranada.
Calhecismo, ou compendio da doutrina
chnslSa para uso dos meninos.
Vende-se, por melado de
seu valor, um vestido de seda
branca lavrada e enfeitado a tno-
lerna, e que ha pouco ?ervio a
urna noiva : na ultima casa con-
fronte ao oilao do theetro novo.
Antigo deposito de cal
viiiem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
aiuito superior cal virgem de Lis-
boa, por precu muilo commodo.
A rados de ferro.
Na fundgflo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-so arados de ferro de diversos mo-
delos.
NO armazem de Vicente Ferreira da
Costt, na ra da Midre-de-l)eos, vende-ae
vinlio da Figueira, o mais superior que a
este mercado tem vindo, em barris de 5 a 10
caadas, a 8 e 16,000 rs. o barril.
o armazem de Joaquina da
Silva Lopes, vende-se farelo, a
3,ooo rs. a saces, e farinha de tri-
go franceza da marca JJarao, por
ni eco commodo,
Farinha de S -( alhai ina
A mclnor farinha de mandioca que ha no
miTiMiln r vende-^e a bQfdO do b.'igUC-CSV
cuna Olinda, por picgo mais barato do que
em outra qualquer parte, ou a tratar ra
ra do Vigario, 11.19, segando andar, com
llacbadp & linliero.
strt o y, da fabrica
do Siquera, no Porto, de lodaa aa cOres :
venda-sena ra do Vigario,n. 10, segundo
andar, por prego coniaaodo, a tratar com
Machado6 Pinbeiio.
Agencia de Edwin Maw.
Hua de Apollo, n. armazem de Me. (^1-
mont Cooipantiia, razem ver aos Srs. de
engenho aos aeus correspondentes nesia
praea, que noseufslabelecimento se echa
constantemente bom aoriimento de moen-
uas lodaa de ferro para animaes, agoa, etc.;
meias ditas para armar om madelia ; ma-
chinas para vapor om'forga de 4 ravalloa ;
l.i .a de iiierennra moooins e oe tonos OS
tamaitos e grossura", tanto de ferro batido
como coado ; espumadeiras, coco*, etc., da
fi rro eslanbado ; safras para ferr i ros : lu-
do muito bom 0 por barato prego.
Daratinho aim, fiado nao tem.
Vende-se, na ra Nova, na vendas de An-
tonio deAlmeda BrandOo & Souza, ao p
da ponte, n, 71, e defronle da Conceigilo, n.
40, o seguinle : manteiga ingleza, muito
boa, a 610,400 e 200 rs.; dita franceza, a
520 rs. ,- dila de purco, a 320 rs.; loucinho
Santos, a 120 rs. ; esper mcete, a 800 e
Ira. ; cetadinba de Franga, a 160 ra, 5 le-
1, a 280 rs. ; macando, macarronele e la-
rim, a 240 ra. ; velas de carnauba, a 390
rs cb de patente, a 1,920 ra.; queijos, a
1,600 rs.; farinha dMaranhab, a 100 rs. ;
dita demaruia, a OO rs. ; viulio engarra-
do da f-liona, aS6r. mu do Mara-
nbflo, a 70 rs a libss es 3fl rs. a uis ; Ji-
lo vermelho, a 320 rs. ; feijflo n-.ulatinlio,
muilo novo, a 320 rs. a cuia : de tudo Isto
se dflo amostras.
Vende-se a bem afroguezada fabrica de
Na loja de s'jis portas na
ra do Livramento,
contlna-sea vender cAsa preta, a 120 rs.;
Chitas de cOres, a 120, 140, ICO, 180, 200 e
210 rs. ; chales brancos de cassa, a 320 e
480 rs.; ditos pequeos de chita para me-
ninas, a 900 rs. ; e todas as mais fazendas,
por prego commodo.
Vende-ae urna escrava que cose, en-
gomma, cozinha e (az-lodo o gervico de
urna casa bem feito ; urna dila ptima para
vender na ra, ou trabalbar de enxada, com
urna filta de 8 annos ; um molequo de 10
annos, muito vivo e esperto para o servigo
de urna easa : na ra do Collegio, n. 21, pri-
meiro andar, se dir quem vende.
Vendem-se 6 lindos molequea de 19 a
18 annos ; 4 pretos de 95 annos, sendo um
delles sapateiro, um pardo de 92 annos,
ptimo bolieiro, cozinheiro e erffpalhador ;
8 pretas com algunas habilidades, e que
sfio proprias para todo o servigo : na ra do
Collegio, n. 3.
Vende-se urna linda escrava, boa qui-
tandelra e de excellente conduela : na ra
do Rangel, n. 57.
* #
Presos que asradam.#
Vendom-se cassag-cambraiag, a 900aV
rs. o covado ; riscados francozes ; chi-A
tas pretas, a 160 rs. o covado ; lngoa#
9de aeda com franja, a 1.000 ra.; meioaV
chales, a 1,280 rs. ; I uvas de seda, a 320,
?rs. o par ; meias de algodfio, a 160 rs
par; bicos pretos de linho e soda, mu
?Jto largos, a 500 rs. a vara; eoutras mui-jj|
#tas fazendas : na ra do Crespo, n. 9,a
Sitie >?
Vendem-se boas vaccas. de leite, por
prego commodo: no sobrado da campia
do Sr. Ileicul.no, na SoleJade, ou no pa-
leo do Paraizo, n. 90.
Moreira & Vellozo com loja
na ra Nova, n. 8,
apressam-so em annunciar a sous fregue-
ses, que se aclia i venda na sua loja : ricos
capolinhos de cbairalote, sotim maceo,
gros de aple rom listasjasselinadas, guar-
necidos de muito boa franja e feitos pelo
gosto mais moderno; chaposinbos de se-
da dessbadoa, proprios para crianzas de 4
a 19 mezes de idade, que se pode alDangar
ser, naquelle genero, o melhor que aqu
tem vindo; chafos de seda de qualquer
cOr, para sen hora e que nSo excedem de 14
a 16,000 rs. cada um ; chapeos de palha
para sonhora, promptos ou sem enfeitrs;
chapnsinhos de palha abertoi ou arrenda-
dos do feitio dos de sonhora, mas que ser-
ven) para meninas de 3, 4, 5 e6 annos; um
sortimento completo de trangas de seda para
guarnecer vestidos; igual sortimento de
franjas pretas, que mais se usim para man-
teletes ; onlro de fitas de sotim largas e es-
trellas de boa qualidade, lindos padrOese
pouco dinhelro ; sapatos de setim para so-
nhora muilo n'ovos e bem alvos ; borzogoins
para sonhora ; atacidores para os dilos;
riquissimos ramos de Adres para chapeos ;
capellas para noira ; sedas de todas as cOres
para cha |.eos; hicoa de seda brancos, lar-
roa e estrelles, imitando muito ns de blon-
da ; sedas brancas e de cores para vestidos ;
chamalote preto da melhor qualidade pos-
aivol; luvas de pelica para senhora e para
iion.em ; frascos de agoa de colonia n. 94,
que conten mais de urna garrafa; longos
deseiim protos e do cores para grvalas,
e Analmente um escoMiida sortimento de
perfumaras de todas as qualidades e de to-
dos os prrgos.
Vende-se um preto de bonita (gora,
corpulento, crioulo, com habilidades, por-
tillo para padaria'; um dito, bom calador,
tambem de bonita figura : na ruado Han-
gol, n. 38, segundo andar, se dir quem
vende.
Obreas a 9,000 rs. a
libra.
Vendem-se obrejas de muilo boa quali-
dad>, de urna quarta" para cima : no pateo
do Collegio, n 6, loja de Irnos? de JoBo da
Costs liourado.
Vende-se urna n. grinha da 13 a 14 an-
nos pouco mais ou manos : na ra do l.ivra-
meiito, n. 11, se dir qoem vente.
Na i ua do Queimado,
ii. ).
Acabam de ebegar i Ha da ra do Quei-
mado, n. 9, aa mais ricas manguinhas de
Al para vestidos oe snhora.
Vende-se una molecOo perito ollicial de
sapateiro de luda obra, e que nao lera vi-
cios nem achaques : o motivo por' que se
vende se dir aa comprador : na Iravessa
do Corro-Santo, n. 27, loja de sapateiro.
Vende se urna porttil e excellente ma-
china de copiar cartaa, rom todos oa aeus
porteos* ; bem com as obras completas de
CamO s, em 3 volumes, da mala ntida edl-
licAo : tuda por prego commodo : no Aterro-
di-Boa-Vista. lula do Sr. Ketiaaa.
| Na loja do uarle, na ra do Cabula,
vendem-sa volantes, trinas, gaio^se rendas
lourada e prateedas, ajaai^uilna branca e
ama relia, per prego mecoanmodo do que
No armazem que lu do fallecido Bva-
iiuez, na ra da Cadeia-Veltia, n. 64, aa p
ila botica dJMfar. Antonio Pedro, vende-se
r-niihade S^lallieu, a 9,240 rs. a aacea ,
dita de S.-Calhai ina, de superior qualidade,
a 3,000 rs. dita mais inferior, a 2,800 ra.;
dita para anianaes, a it.ooo rs. a sacca ; pe-
taasa ; grsxa ingleza em barricas; conser-
vas ; i>abSo bastante seceo; fumo em folha
deluds as qualidades; e outros gneros
f* ue nflodesagradarSo >os Tregelos, tanto
or gua qualidade como pelo mdico prego.
Male.
A verdadeira erva mate de Pamiagu,
uilorecommendada pela utilidado de seu
?o, a retalbo na Iravessa da Madre-de-
eos, n. 5, armazem.
francezas, de muilo ricos padrOes, de lislras
e florea de muilas diversidades, de assentoj
oscuros e daros, tintas muito Anas e cores
filas, pelo diminlo prego de 320 rs. o co-
vado ; as mais Anas casas francezas que
lem apparecido, de todas as diversidades de
cores, padrOes os mais delicado! que se p-
dem desenliar, cores "muito Axas, a 720 rs. a
vara ; cassas pretas, muilo Anas, de atrepa-
deiras e de listras, padrees inteiramente
novos, a 480 e 600 rs. a vara; hamburgo,
muilo Ano, de 3 e meio palmos de largo,
com urna mistura de algodSo, proprio para
lengos, toalhas, carnizas e oulras muilas
Obras, muito barato, a 300 rs. avara; cs-
eas chitas, muilo Anas, de diversas cores, a
100 rs. a vara ; princeza monstro, de qualro
palmos de largo, a 1,000 rs. o covado; ris-
cado francez, o mais Ano que tem appareci-
do, muilo Axo, a 390 rs. ; brim de linbo pa-
ra jaqueta, de quadros miudog, superior fa-
zenda, a 360 e a 910 rs. o covado ; chitas es-
curas Anas, com uai pequeo mofo, a 16o
rs..; ditas muito Anss, de asaentos escum,
eclsros, padrOes inteiramente novo, cres-
uilo lizas, a 200e2*Or8. ocovado ;nar9a
do Crespo, loja de Jos Francisco Ulaa, nu
mero 14.
1 Vende-ae um bonito moleeAo, bonrQ
cozinheiro, e de conducta muito rego>Q
tflar, sem vicios nem achaques ; um di-
Qto ptimo para pagem, ou para servir
0a urna caas, por ser muito ladino, de>?
_ Qboa conduela ; um pardo de. bonita li-X
N>ej) , o*a /Qf.iale, e que be bom bolieiro; um di-V
i-aTs) qIo de 16 annos, ptimo para pagem ;O
a Xdous escravos de lodo o servigo; urna
Vrprela com algumas habilidades ; duas
^jmolecas ; duas i ardas ; duas pretas de
*meia idade : todos por prego muilo
em cunta : na ra das Larangeiras, n.
14, segundo andar.
OQ>O<->1S>0GO
Vende-se' msnteiga ingleza nova, a
480 rs. ; cha hysson, de superior qualidade,
a 1,800 rs. ; ararula, a 200 e 840 rs. : tam-
bem se vende um preto proprio para en-
genho.
Escravos Fgidos.
Fugio, do engenho Decanto, no dia 91
de julho prximo passado, a escrava Tlure-
za, crioula.de 30 annos. de mediana esta-
tura, corpo secco, denles limados, olhoa
afumagados; tem as costas cicatrizadas da
a coi tes : quem a pegar leve-a a seu seu se-
nhor. o tenenle-coronel JoSo Florentino
Cavalcanti de Albuquerque, em SerinhBem,
no dito engenho, ou nesla praga a l.uiz Epi-
fanio, na casa da esquina, confronte ao
thealre novo.
Fugio urna preta de naeSe, prenhe. de
nome Narcisa, grossa do corpo, de estatu-
ra baixa ; levou vestido roxo da quadros,
panno da Costa com lislras zoes : quem a
pegar leve-a a ra do Hospicio, n. 84, Casa
terrea.
-- Fugio, do engenho S.-Jofio do Cabo,
pala segunda vez, no dia 17 de julho pio-
ximo passado, o esrravo Valerio, temi si-
do ja um vez pegado em llaria-Farinha, e-
pois de alguna dias de fgida ; lie alto, cor-
polento, cara curta e larga, pos seceos, ten-
do milito bei tos os dedos grandes de am-
bos os ios e a pello, enrligada e spera :
quemo pegar leve-o ao dito engenho, ou
no Hecife, em casa do Sr. commendador
Luiz Comes Ferreira, que recompensar
com50,000 rs. : lambem se gratificara a
quem der noticias do dito eteravo.
150,000 rs.
No da 99 de julho do correte inno. fu-
gio o escravo de nome Filippe, crioulo. de
34 annos pouco mais ou menos, de altura
regular, chelo do corpo, bem preto, cafa
redonda ; tem todos os denlos e bem alvos;
tom urna cicatriz no peecogo : quem o pe-
gar leve-o a Luiz Jos de S Araujo, nesla
colado, cu a ra ireita, n 70, a JoSo Cae-
lano de Ahreu, que (ratificar com 150.000.
Fugiram, do engenho S.-Andr, ba 9
mezes, os escravos seguales : Simplicio,
crioulo, de 21 anuos, carrriro, alto, aeren,
sem barba, bocea grande, beigos um pouco
grossos, denles grandes, pernas e pes pro-
porcionaos, falla grossa e alta : Antonio,
iambem crioulo, e carrelro, de 30 annos,
alio, de grossura regular, espadando, cor-
cunda, pouco barbado, rosto romprldo,
bocear e beigo inferior um pouco grande*, al-
guna denles da fente ;odres, toma tabaco,
eiuma cachimbo; trate usa de cotilas gran-
des ao perdigo. Roga-se as autoridades po-
liciacas e capilSea de campo, que os appre-
hendam e levem-no sodilo engenho, ou na
praga da Boa-Vialj, n. 10, que serlo recom-
pensados com 100,000 rs.
.00,9000.
Fugiram de bordo do brigue
Sem-Par, vindo do H io-de-Janei-
ro, dona escravos, sendo um de
nome Sabino, de cor parda, cata-
lura regular, de ao anno* pouco
mais ou menos ; levou calcas e
camisa azuen, e bonete encarnado:
o outro de nome Kuzebio, criou-
d ? "" p""'? ~.zh cu
menos, estatura alia; levou calca,
camisa e bonete aiuea. Hoga-se as
autoridades policiaca e capitSes de
campo, que os apprebendaar* le-
vem-nos ra do Trspicbe, n. 34,
casa de Novaes& Companbia,que
recompensar.
-- Fugio um escravo de nome Francisco,
de 30 annos pouco mais ou menos, O qual
tendo sido vendido a lllm. Sra. l>. Maria de
Carvalho Paos de Andrade*. em 16 do prxi-
mo passado, por ronvWrto se rocebeu cu-
Ira vez he alio, eor prata, nariz chato, tem
denles na frente, olho maHo feiofc rtevpu a
roupa que linha; aeitdo a maior paitado al-
chapo da couro.
Mullirla ;uuia estrava un niei luaue, .,mu uw urjur, i'i iw
- Vende-se arroz, a 1,900 rs. a arroba, J por 250,000 rs. ; aasim como outros mullos [charuto do Aterrq-ds-Boa-VisU, u. 5, pa-
sendo em sacca anda por meos: no paleo escravos : naru da Cadeia do Recife, n. I lo motivo de seu, dono retu-ar-se para fcira :
uofaralzo, n. 20, taberna. 151, primeiro andar. tratar na mesma fabrica.
.{. ,._ ,._i codflo trancado azu; e ch.
PpOSllO (le pOlaSSa ecal. |itK.-;eaa autoridades policiaca e eapitae
de campo, qoe o apprehendam e leVem-no
ra da Cruz, n. 33, esa de S Ar.ujo, oo
ao Cear so'sit seuhor, Franc'seo Luiz Sal-
gado, que recompensar generosamente. *
Vende-se muilo nova e superior potassa
Jcal virgom de Lisboa, em pedes : ludo em
arris pequeos de 4 arrobas, por prego ra-
[oavel: na ra da Cadeia do Recife, u. 19,
iruiaze.
He muito barato, a 3io rs*
Vnoe-so urna porefo do chlls laffja*
pe. I R TtK Bff. F. *ra.tfA.|^ IfJSO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENKVOH0JV_LNU30X INGEST_TIME 2013-04-24T19:24:58Z PACKAGE AA00011611_07105
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES