Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07035


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Armo XXVI
SaT>baio t?
VERTIDAS SOS COX1RXIO*.
Goianna Paralilba segundas esextas felras.
nio-Graode-do-Nurie, quialai felras ao mcio
lia.
Cabo, SerinhAeni, R.lo-Formoso, Porto-Calvo
e Macelo, no 1.*, a 11, e 21 de cada iiicj.
Garaubuns e Honllo, a 8 e 1.
oa-Visla t Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas fciras.
Olinda, tooa os dias.
PlIASKS Da MU.
iPHrmtBinM.
Nova 5 aos 88 m. da t.
tCrrsc. a 13 aos 10 m. di ni.
IChria, a 21, aos25 in. da m.
'.Mlng. a 28, ai 2 horas da t.
phkamah di Boji.
Primrlra s 10 horaa e 6 minutos da manban
Srgnnda s 10 horas 30 da Urde.
te Outubro efe 1850
N. M.
MEfO DA SBSCnic/A.
Por tres metes (adianlados) 4*000
Por seis mezes .8/U06
Por un anuo 15|0OO
DA SA SIS* A NA.
7 Sea. 9, Haraos, ud, do i. dos orf. edo ni. 1 v.
8 Tele. S. Brgida, Aud. do chae, e do J. I. v. do
cir. e do dos feilos da lascada.
0 (,>uarta B. DIontT.io. Aud. do i. da 2. v. do civel.
10 Quinta 8. Francisco de Borja. Aud. do J. dos orf.
e do ni. de 1. v.
11 Sett. S. Firinino. Aud. do J. da 1. v. e do dos
fritos da faieuda,
12 .'ab S. Sypriauo. Aud. Ja Chae, e do I. da 2.
v. crine,
13 Dnm. O Patrocinio de 8. Joj.
CAMBIO IH 1 DI OUTUBRO.
Sobre Londres, a 28 1)4 d. por 1/000 rs. a 29|5O0
Paria, 346.
Lisboa 100 por ernto.
Ouro.-Oncashespanhoe.s... 29/000 a 30/000
Mocdaade 6/400 velhas IOOO a IS400
de 0J40U novas 16/100 a 16*200
. de4|000........ 'J/I00a 8/200
Prata.-PatacOes brasileros... 1/960 a 1/880
Pesos coluinnarios----- 1/960 a 1/080
Ditos mexicanos....... 1/800 a l/82
-
PAUTE OFFICIAL.
DECRETO N. 557, lE 26 DE JUNIO DE 1850.
Marca o modo de se contar aos juizes de di-
reito o lempo de effectivo ejercicio nos
seus lugares, deduzidas quaesquer inter-
rppcOe
Hei por bem sanecionar, e mandar que se
execute a resoluto seguinte da assembla
geral legislativa.
Arl. 1. Por anliguidade dos joiz^s de di-
reilo f se entender o lempo de eirectivo
ejercicio nos seus lugares,deduzidas quaes-
quer interrupcOes. Exceptua-sa:
SI. O lempo era que esliver em com par-
te ou licenca de doenle, com lano que nflo
exceda de seis mezes rm cada periodo de
tres annoa:
2. 0 lempo apj-azalo ao juiz retr.ovido
de so transportar para outro lugar, senSo
for excedido.
3. O lempo de suspensflo por crjme de
rcsponsabilidade, de que forem ahsolvidos
Arl. 2. Estas dispnsir,0es serSo applicadas
um auno depois da publicarlo da prsenle
le ; e, quanto aos membros da asaemhlc*
geral, t depois de concluida a presente le-
gislatura.
Arl. 3. A nomeacSo de deaembardor aera
feila U'enlre os dez junes de direito mais
anligns, Cuja relsgflo dever aer apresenta-
da pelo, supremo iribuual de juslics, sem-
pre que bouver de lar lugsr.
Existin.Jo, porm. juizes. de direito, j
presentados cinco vezes, a relaeflo dos que
forem proposlos a Humeadlo co opr'hende-
ra al os quioza mais auligos, nunca ox-
Ce.UMiJu este numero, e nein em caso al-
gum, puder BConler mais de dez daquel-
leajuizea, que nao tetiliam si Jo aprsenla-
dos as ciuco vezes.
*rt. *. Flcam revocadas as disposicoos
em contrario.
Euzebio de Queiroz Coulinho Matloso C-
mara, do miu conselho, ministro e secreta-
rio de estado dos negocios da justQs, o te-
nha assioi entendido, e faga exacular. Pa-
lacio do llio de Janeiro, era 26 de juulio dr
1850, vigesimo-nono da independencia e
do impeiio.
Com rubrica de S M. Q Imperador.
F.uitbia de Queirtt Coullnko Mattaso Cmara.
DECIJETO N. 558, DE 26 DE JU.MIO HE 1850
Marca a lrnia de preencliT as faltas dos ju-
rado, para poder-se itistallar o ju y, ou
continuar assUas sessOes.
Ile por bem sanecionar, e mandar que se
execute a resolucflo seguinte da assembla
gem legislativa. ,
Art. I. Quando por falta de numero legal
de jurados, nflo puder installar-so, eu con-
tinuar una sevsflo do jury, o juiz de direilo
proceder publicamente aosorteio, d'enire
os jurados supplentes.de tsntos quantos fal-
taren!.
SSo'jurarlos supplentes os juizes de fado
residentes dentro daridadeou villa em que
reunir-seo jury, ou al a distancia de duas
legoi*.
Art. S. Dos nomes de cada um delles, far-
se-ham duas cdulas, dasquaes uina entra-
ra- para a urna geral, de que trata o art. 31
do cdigo do processo criminal, e outra pan
urna urna especial dos supplenles. Quando,
abrir-se a sessSo do jury, a u na especia
ser depositada no tribunal, para o aobredi-
to sorleio, em casos nrcessarios.
S3o applicaveis lista dos jurados sup-
plenles, e a urna especial, disposicoes an-
logas s que a le decreta, em relaeflo lis-
ta u urna geral, com a differenca de quea
urna especial a tere duas chaves, de que
serio clavicularlos o juiz de direilo e o pro-
motor publico.
Art. 3. Quando esgotada a urna especial,
nflo poder installar-s-, ou continuar a ses-
sSo do jury, o juiz de direito, convocan-
do osoutros dois Claviclanos da urna ge-
ral, proceder ao sorleio subsidiario d-
tantos quantos faHarem, e os far notificar
para que comparecam no da que for apra-
zado. Oeste surt io o juiz Je direilo ex-
cluir os jurados, que residirem distancia
maior de cinco legoas do lugar da sessflo,
salvo quando nflu furetu siaflacientes os ju-
rados mais prximos
Art 4 Ficam r. vogadas as dWposicoes em
contrario.
Euzrbio de Quriroz Coulinho Matloso Ca-
rnara, do meu conselho, ministro e secreta-
rio te raudo dos nrgocius da jusiice, o le-
lil a.-siiu entendido, e laca executar. I'a-
!;c:sUS'?f? is u..o.r m 6 de iuiibo de
1850, igecimo-nouo da independencia e do
imperio.
Com a rubrica de 8. M. o Impera Jos.
Kuztbiudc Qunros Coulinho AJaltuio Cmara.
gsr as remocOes, ha vendo tres anuos de ef-
reclivn servido na olasse anterior. Esta
classilicacflo ser feita pelo governo, mas
nflo poder ser alterada senflo por acto le-
gislativo.
As comarcas novamente creadas ser&o en-
corpora.las pelo governo i classe que pare
cer mais propria.
Art. S. Os juizes nSo poderfio ser removi-
dos, sem requeritnenlo sen, para comarca
de classe anterior ; e na oneama classe, se-
nflo nos casos seguales :
1. Se liver apparecido rehellirio; guerra
Civil ou estrangeira, ou mesan sediceflo ou
insurreiglo dentro da provincia, ou conspi-
rarlo dentro da comarca.
2. Se o presidente da provincia repre
sentar sobre a necessidade da sua remoco,
com especificadas rasoes de ulilidade pu
hlica. Neste caso ser ouvido o conselho de
estado, precedendo audiencia do magistra-
do, sempre que dalla nflo resultar inconve-
niente ; dandii-se em todo o caso, ao juiz
removido conheciineiito das rasOes da re-
muc<1n.
Art 3. Aos juizes de direito, mudados de
unas para nutras comarcas, se abonar a
aju li de cusi, nunca menor de qualrocen-
tos mil ris, ii'in maior de duis conlns de
ris. Estas ajudas de custo serflo marcadas
pelo governo. segundo as distancias, e a
liHiculilal" da viagem.
Nflo ter lugar porm a i.jinl de cusios
quando a remocho for entre comarcas, cuja
listancia for menor de cincoenta legoas.
Art. 4. Osjuizes dedireito removidos nflo
serflo obrigados a prostar novo juramento,
nema tirar nova carta, servimlo-ln.es de ti-
tulo a copia dos decetos de remoeflo, por
cuj expediedo nflo pagarflo direitos, nerr
emolumentos alguna.
Art. 5. Ficam derogadas aa dispnsicOes em
contrario.
Euzebio de Queirnz Coulinho Mattoso C-
mara, do meu conselho, ministro e secreta-
rio de e-lado dos negocios da justica, o te-
lilla assim entendido, e faga executar. Pa-
lacio do Itio do Janeiro, em 28 de. junho de
1850, vigesimo-nono da independencia edo
imperio.
Com a rubrica de S. M. o imperador.
juztbio DECRETO N. 562, DE 2 JUI.IIODE 1850,
Marca os c mes qne devem ser processados
pelos juizes municipaes e julgados pelos
ui/.-s de di'pilo. ,
lei por be sanecionar e mandar que s*
xecute a resolucSo seguinte da assembJca
geral legislativa.
Art. i. Serflo proccessados pplos juizes
municipaes al a pronuncia inclusivamente,
e judiados pelos juizes da direilo,os 3 'gui-
les enmos ;
I. Mncda falsa.
ti 2. Itoubo o homicidio, nommeltidos aos
municipios das frontoiras do imperio.
3. A resistencia compreheudiJa na pri-
mira parle do artigo cenlo e dezeseis do
cdigo criminal.
*. A tirada de presos, de quelratam os
srt-gos 120, 121, \. 123 c 127 do cdigo
criminal.
Art. i O crime de banearola tanibem se-
r delinilivaineut* julgado pelos juizes de
direilo.
' lont'rio.
Euzebio de Queiroz Coulinho Mattoso C-
mara, do meu concelhn, ministro e secreta-
no do estado dos negocios da Justina, o te-
nlia assim entendido e faga executar. Pala-
cio duuRio-de-Janeiro, em 2 de julho de
1850, Jbr.es: mo-no da independencia edo
i incuria.
Coirtjj.liilrica de S. M o Imperador.
meW~ Queirot Coulinho MaUoso Cantara.
DECHETO N. 55, DE 28 DE JU.MIO DE I
Marca as classes em que licam divididas a
camal. du iru,eiio, os casos em que pp-
dem sor removidos os juizes Je direilo, e
as ajudas de custn, que a estes devem ser
abonadas, quando loreui mudados de
.urnas para oulras comarcas.
Itei por bem aancciouar, e mandar que se
execute a rwoluclo seguinle da assembla
geral legisla.
ArUt As comarcas serflo divididas em
tres classes, a saber : da pijmeira, segunda
e lerceiraeiilianc ; sem que por isso se
aaasiderem da maior ou menor graduaco.
Anbum csds!!" Ii-liii!'';1'.1 **' ocla pri-
meara vez nouiiado juiz de direito, senflo
para comaica d pruneira entraiicia, ucm
pisssra desia para outra du segunda, se u
qiiu "i ulia quatroaiinos do servio ellectivo
Da segunda pasa a Urceiraiiuotgu ler, lu-
DECRF.TO N.663- de 31 de Agosto de 1850.
Htgula t Modo' por q*i >i ha ii orfmitat a lisia
o Jurados Supplentu, o caso s a /rma por
oii A.o d> $tr ckamadoi.
Hei por bem, mando daaltribuieo que me
confer- o art. 102 12 da constituirn do impe-
rio, decretar o seguinte i
Art. I. Ka lista dos cidadaoa aptos ,>ara Ju-
rados, que o regulamenlo u. 120 de 31 de Ja-
neiro de 1842 no art. 225 incumb- aos drlru/a-
doa de polica, devero estes declarar ridlaitle
dni nomes de cada um os lugares di residen-
cia, e o numero de legoas, que diste .-em da ca-
sa das scssdrs do jury pelo camlnho mais curto.
As juntas revlsoras fario Iguaes declara-
efies as Hitas, que apuraren! pudendo emen-
dar os erros que enconlrareni a respefto das
rMlHanrlx itiiiancias. baja ou nao reclama
co.
Arl. 2. As Juntas revisoras. ao apurar a
lista geral, repetirn logo em outra especial
para supplentes os nomes dos jurados, que
resldlreui as cldades ou villas, em qne se
eiinir o conselho de jurados, ou deuiru de
uas legoas de distancia,contadas da casadas
s do Jury
I. A lista especial ser lancada em segui-
nto da grr-1 no livro, de que trata o art.
130 do citado regulamenlo n. 120 de 31 de Ja-
neiro de 1842.
S 2. Os uoini-s dos jurados contemplados nas
duas listas Serio cscrlptos laiubrm em duas
cdalas, para arruma recollilda i urua geral,
e outra a especial dos supplentes.
Ari. 3. Ksta urna especial ser fornecida
tela ermara municipal, e lera duas chavas, de
lie serio clavicularlos o juii de direito e a
promotor pulico.
Quandi o jury funecianar, easa urua ser
depositada ua aala de suas scssoes,
Arl, 4. Quando, por falla de numero legal
de jurados, pao puder insiallar-se ou conti-
nuar umasessftn, o juiz de direito proceder
publicamente ao sorleio de tantos supplentes
quaritoa falUreiu para completar o numeio de
48 jurados prorapios
As cdulas sargo cilrahidas par um me-
nor, e as sorteados inscriptos segundo a ordein
do sorleio na acta respectiva, e limnediata-
menla notificados para cemparecer deordem
do juit de direito
Art. 5. O jurados supplentes, depois de
comparecerem, s pode"' ser excluidos do
tribunal pela presenca des prlmelros sortea-
dos, se comparecrrem-m> niesmo da. Quan-
do porm aconteca preatotareui-a estes em
dia posterior, da maneira que o numero dos
jurados presentes ou promplns exceda de 48.
senio eicluidoa nao os aoppleutes, mas esses
priuieiros sorteados, que nao ae apresrnt-
ram em tfmpo, cujoa noinri nao Viiarao poi
este tardo compartltireoto de ser lan;arlo no-
vamente na urna, segando o disposto no artigo
333 do regulamenlo rr. 12o de 3| de Janeiro de
842.
Arl. 6. Quando esgotada a urna dos supplen-
tes, nao poder iustalkar-se ou continuar a sea-
sao do jury, o juiz dedireito, convocando os
outros dous clavicularlos da urna geral, proce-
der ao sortelo subsidiario de tantos quantos
faltaren! para completar o numero de 48 ju-
rados.
5 1. Durante o sortelo estar prsenle a Nata
gf al dos juradas, aflinde se nao chamaren os
que residirem a distancis maior de cinco le-
goas ; e su em falta absoluta destes poderao ser
chamados os de inalores distancias.
2. Na acta deverao ser declarados por sua
ordem os nomes que forem sendo eslrahidos,
anda quando por inorarem alm das cinco le-
goas nao aejain chamados, faiendo-se dessa de-
liberaco eapressa menea na mesma acta.
Art. 7. Concluida o sorleio, de que trata o
artigo antecedente, o juiz de direilo poder em
.llnelo s distancias marcar novo da para
reunlr-se o jury, faiendo-o publico por edi-
laes, e declarando-a nas nolieaedea que man-
dar fazer.
O adiamento nao exceder de tres das se os
jurados chamados residirem dentro das cinco
legoas de circumsferencia. So no caso de ser
necessano recorrer a maiores distancias pode-
r etender-se al oilodias.
Arl. 8. Se apezar da deligencia cima de-
terminada, uo dia novamente aprazado nao
houver numero sufflcienle de juradas, o juls
de direilo iinpor aos que sem causa justifi-
cada livereni ileixado de comparecer, a' nuil-
la coi respndeme aos i.'i dias de setsio, ou
aos que fallaren! para comple'ta-los, e conva-
car nova sessiio.
Os Jurados qua houvrrem comparecido f-
elo coiuprehendidos no beneficio do arl. 28
do cdigo do processo criminal, isto lie, nao
Serviro em outra sesso, em quanto nao
livereiu servido indos os alistados, ou nao o
exigir a nrceasldade por falla absoluta de
outros.
Art 9. As disposicoes deste regulamenlo
sd aerao guardadas depois que esliver orga-
uisad.i a lista eupecial de jui.dos supideiiles
I. fcssa orgamsaca tei lugar nas quali-
fcacOes, que, em coiiformidade do art. 28
do regulamenlo n. 120 de 31 de Janeiro dr
1842, devem cuuiccar no mes de Outubro
proximH futuro.
2. Naquetles termos, em que por faltado
coobeciuieuto drale regulamenlo, ou por
oulro qualquer motivo, a nova qualica-
Arrancadn desse ponto em quo os seus
ollios seabriram pela primeira vez luz do
da, elle deve julgar-se cnlilo, como chris-
Ifloe como pliilosopho, entre seus irmflos,
porque elle os lem sonde encontrar ho-
mnns. O universo foi feito para todos,
inda que a Providencia, solicita, collocou
em diversos pontos do globo que habita
mos cada urna das narjOes, jamis esta d-
visflo deve desspossar o homem de qual-
quer parte deste mundo, porque be de to-
dos. O crime separou-nos, mas aiuaao nos-
liga e as relacoes de amizade nos fazem en-
trar na posse do quo em realidade he nos-
so.
Idc, pois, sstisfeitos. A industria he a
fontc da prosperidade. A d-ilicacflo ao tra-
balho ti'az a riqueza, e com ella vem n go-
zo. A ociosidade enerva o espirito, relia i-
xa os grandes corarles e embrutece a intcl-
iigonria. Ide. L enconlrareis um co dif-
ferente e um clima inteiramente novo. De
baixo desta influencia, estranha i>ara vos,
animados por vosso amor cuitara, descu-
briris mattanriaes inexgotavris para una
existencia mais suave, depois das.vossas
nflo nterrompidas diligencias.
O repouso provem da abundancia. A mi-
seria despe o homem da sua dignidade, a-
cahrunha-o, e o torna um objecto impor-
tuno para os seus semelhantes.
Ide, pois, amigos, animados na vossa no -
bre empresa.
IJe, e povoali essas plagas. Dai nossa
nacflo mais esle testemunho de amor e de-
lidelidade.
Quo as ondas se aplainem debaixo das vos
mi.- quilhas empavezadas : que os lufdes,
revolvendo cm montanhas o ocano, respei-
tem vossa passagnm que o Dcos de nossos
pas mande pelo caminho turbulento das
aguas, que o archanjo das navegares des-
arme com seu sopro de Iranquillidade es-
sas ondas que e encapellam e rtigem sober-
bas no espado quasi indefinido dos mares.
Ide. lteccbei o derradeiro e patritico a-
deos de um patricio vos-o que vos tleseja
cordialmonte felicidade. Adees.
Ide, amigos, habitar
Esses campos de belleza;
Xa veris sahir da trra
1'roduc.es da natureza.
Thamus Pereira de Matos Estima.
I'cniaiiiliiicii, 12de outubro de 1850.
CcHTi spoiltlt!, .liu.
Leudo eu a tmprtnia elide outubro correo-
te, nella deparei com nina correspondencia as-
signada por um ofncial do primeiro balalho
de cacadores, na qual esle representando-me
ao publico, como pessoa indigna e de baixos
seniimentns, impula-me factos calumniosos
que milito comproineltein .a dignidade do pos-
oulro qualquer motivo, a nova qualUu-a- nat i nipiinnmin atiii>w[ uv r,-
cao dos Jurados nao estlver felia com as ex-ilo tue oceupo na classe militar; pois que^nada
' iihuiii: iiuiiiirliiii >tn ma allriluiir_inP ta var
pcacd'S uecessariis parase organlsar a lista
dos supplentes,. o juii de direito, precedendo
Informacao dos delegados de polica que a
deverao dar no praso pelo inesinn juiz mar-
cado, convocaudo os outros dous membros
da junta revisora, proceder d'enire os qua-
licados na lista geral classificaco especial
dos jurados sujiplenlea,
Arl 10. Nas sessdes do jury, qne civerem
lugar antes de concluida a nova i|iialiHcacilo,
a substituieSo dos jurados, que f.tltarem, ser
feita pelo metbodo al agora seguido.
O mesmo se observar naquelles ter
em que a nova qualiflcaco houver sido feita
autes do couhecimenlo deste regulamentn,
se antes delle tambein esliver convocada a
sesso. Em qualquer das duas lijpoiluses o
escrivao certificar no processo o motivo,
porque se nao guardrain as dlsposlcdes re-
lativaa aos jurados supplentes.
Arl. II. Sao applicaveis i lisiados jurados
supplenles e urna especial disposicOes an<
log e urna geral, e eapccialmcnte as dos ar-
tigo* 237, 333, 334 e 335 do regulamenlo o. 120
de 31 de Janeiro de 1842.
Art. 12. Nos termos em que se apuraren! 50
juradas smenle, nao lem lugar as dlsposices
relativas urna especial, e Hsla do* supplenles,
sendo a iiilisiunn-a dos jurados feila pelo inc-
itando at agora seguido.
Euzebio de Queiroz Coulinho Matoso t.amara
do meu conselho, ministro e secretarlo de es-
'lado do) negocios da justica, o lenha assim en-
tendido e faja executar. Palacio do Rio-de-Ja-
uelro em 31 de agosto de 1850, vigesimo-nono
da Independencia e do imperio.
Com a rubrica de S. M, o Imperador.
Entibio dt Qutirot Cutlinho Jf.iluso Cmara
C'tiiTiiti;mo (lita arniiS.
>uarltl general na eidade do fecife, em 9 de
.-.uubro de 1850.
OROEM.DODIA N. 101.
u Sr. marechai tie campo graduado, An-
lonio Corroa Setra, romroandante das ar-
mas, determina qe a junta de sade se re-
na no quartel-general as 10 hoias da ma-
ubfla do dia 15 do correule, e que os Srs
cominandaiit'.sde corpos comparecam nes-
-a occ sir rom as [iracas, que por suas en-
fcrinid i d-s so lem tornado invalidas depois
da ultima insprcefio a qu se procedeu, ou
que j si-n-io laes consideradas di-.ixar.nii
entilo de comparecer ntquella iuspi Cfflo.
' I ranciico Car toe Bueno Itescnam/it,
Capilflo ajudaule de O'deus.
mmmmaammmmmmmmmmamm^mmmmm
CuoitiiUiiicadu.
l!i*a exprestio di saudade aos ruetii amigos,
e compatriotas na sua despedida para a nova
: e especncoia colonia dr Moslamedes.
Um adeoe!... He a Lllima palayra que
(i amizade nos enins s balbstciar. Ades,
de.
i A vida do homem he um longo destorro.
O mundo inleiro Ihe perlonce.- Nfio ha re-
gulo que n&o seje sua.
menos importain do qne altribuir-me haver
olorquldo, na gerencia da compra de objrctos
necessarios para o meu balalho, parle dos prr-
eos porque declare! e lei em coma have-lo*
comprado: na verdade seuielhante imputar'
he gravissima, para que eu nao drixe pausar
inc.liinie o calumniador, contra quem deja
protesto proceder criminalmente, e convnce-
lo da calumnia, eulrelanto supplienao publico
benigno digne-se suspender qualquer jiiizo
desfavoravel que Ihe podease sugerir aquella
correspondencia, al a declsao dos tribunaes,
para oude apprllo offendido rm ininba repu-
lacuo.
Joo (ifficahn Netto.
Publicayes pedido.
Illm. Sr. I'or inuilas e repetidas exigen-
cias, que os moradores do Atierro dos Afo-
gados me lem feito, e considerando que
riles lem summa juslica em suas pretuu-
co 's, e quorcm ser garantidos em suas vi-
das o piopne Ind -, pnrquanto, estando a-
mear;ados por pessoas suspeitas queefTecti-
vamenle estflo apparecer j atacando os
viajantes que por all transitan), eja tam-
lieiii o fizando a diversas pessoas que all
moram, e deven lo a polica oslar munida
dos necees*'ios meios pira previnir os de-
liclos, e capluiar os criminosos, garanlindo
pessoa e vida dos ct la 1,1o, e nflo sendo
possivel quo ella fiquo mu la a esssas exi-
gencias bem fondadas de seus con paroclna-
uos, que solicitam com inslaneia lodasas
providencias de tumba parle, e convlndo
remediar tudo isto e remover esles obsta-
culo* que impedem o curso ordinario da
matcli.i regular da i olici.i ;cuvou requisi-
tar do Exui. Sr. piesidenlo da provincia
por intermedio de V. S. urna patrulha de
Ires lio nons de cavadaria para rondar i! n
lloras di noile a l 5 da madrugada o sobre-
d:to !^!'dn f5 '-'_; \!szoi, pe'* en.
mo sabe Y. S. a sua exteueflo. he quasi de
urna legos, e du-s patrulhas de polica, que
vem de mela-noiln para o dia para fazerem
as rondas desta freguezia lao extensa nflo
pdem dcseiupciiii.il mu b-im os deveres
que estflo a seu cargo ; e, nflo sendo pos-
sivel que ellas possam rhegar ao ponto em
que ora silo atacados os cidad.los, e rouba-
dos como frequenlemunte sou iuformado,
pdenlo mesmo iieaaa digressflo, o regres-
soque fazem pelo mencionado lugar appa
recerem muits etimes, o que decerto nflo
ae da com a ac^flo innuedinla dacavallaria
que pule pereoner com mais rapidez a-
quelle terreno, digno-se V. S. a vista do que
levo de ponderar; e sem mais demora levar
esta niinha requisicSo ao conhecimentodo
Exm. Sr' presidente da provincia, aliui de
dar as precisas providencias, que u caso
u rie, para que soco uflo impute desieixo
'S ?>. o SC poisi eitsf i.'jdo O
i)ual |Uer proc* tmenlo que os criminosos
tennain' e u vistas, deveud essa patrulha
ser-oae apresentala, para de miui receber
directamente aa ordeus que foreus precisa*
sata*'
fleos guarde a V. S. subdelegada de S.
Jos do liecifr, 8 dooulubro de 4850. Illm.
Sr. tenente-dorooel Rodolpho JoSoBirata
da Almeida, delegado anpplentn em exerci
co do termo. ( Assignado. ) O subdele-
gado supplnnte em exereielo, Fuancisco
Baptista de Almeida
Illm. Sr. Tendo-me oex-delega lo de<-
ta freguezia, Francisco Oarneirn da Silva ,
remellido em data de 5 do corrente osob-
jectos constantes da inclusa relecflo que fo-
rtn por ella anrahnnrtiiiai. if"-i turtaalos ;
e parecendo-me que esees ohjectos deve-
rflo ser considerados como bens do evento
qu cumpre rJar-lhes destino, enflo a mim
como aulorjdade meramente policial, que
me julgo iucompetente;ahi o* devolvo com o
olficio qua os acoinpanhou, n a sobredita re-
lacflo. por julgar que a V S. perlence tomar couhecimenlo. por liom do que se a -
cha disposlnno artigo 2.' S*- do reuula-
mento ti 143 de 15 de marco de 1842; n
assim de seu leeebiinentu se dignar com-
rnunisar-me para meu governo e inlelligen-
cia.
Dos guarde a V. S. subdelegada da S.
Jos do llecife, am 7 de outubro de 1850.--
Illm. Sr. hr, Joflo Floripes Dis Brrelo ,
juiz municipal supplenle da 2." vara em
axercicio. Assignado. ) 0 subdelegado
supplente em exercieio, Francisco llaplisla
de Almeida.
Illm. Sr. Fico en treguo de todo* os oh-
jectos constantes da relacilo, que acoinpa-
nhou a remessa para Ihes dar o deslino
conveniente e legal.
Dos guarde > V. S. llecife. 7 do outubro
le 1850, Illm. Sr. Francisco Uaplista de
MmeiJa, II. subdelegado da freguezia deS.
Jos4 -- Joiio Hori.cs Dias Brrelo
Illm. Sr. -- Incluso achara um recibo dos
Ij'clo* que me foram Irans niltidos por
osa* subdelgame.
I) <>* guarde a V. S. Cidadedo llecife, 9
de outubro de 1850.--Illm. Sr. Francisco
liaptisla deAlmida. D. subdelegado de S.
Jos. it Floripes Dial Barreio, juiz mu-
licipal supplente da segunda vara.
Recib do Sr. sub lelegado supplento
la freguezia de S. Jos, Francisco Bap-
tista de Alinela osseguiutesobjetos, que
foram apprehendidos uaquelle juiso por se
suppnrom furtados ; 9 pares de fivelas de
suspensorios de prala ; 1 canudo de prata
de tomar disteis ; 1 dedal de prata ; I co-
0a pequea do prata ;2 pedacos de cor-
rente de prata ; I resplandor pequeos de
prata; outro dilo,' mais pequno ; 1 al-
dete do ouro com utn p-queno diamante,
com esmalte; 2 resplandores pequeo de
prata ; 1 relegie de ouro com um tranec-
lim : I imagem de prala da Coneeicfle; *
pequeos coraces de ouro ; 2 pequea*
lijas la.' b'Mii dd ouro ; i pequeos pedamos
Je cordflo de oiro ; I pequea moeJa de
prata, rom urna argolinha de prata ; um an-
nelo de ouro cjm um pequeo diamante
es pallado; outro aunelflo de miro ; 3 ati-
nis pequeos de ouro; 1 dilo pequeo com
,i :n pequeo diamante ; | par de brincos de
ouro com diamantes n-quenos ; 1 par de
brincos de cobacinlias de ouro ; 1 inflo de
ouro ; 3 facas de mesa com cabos de prala
ludo novo; 1 colher de tirar arroz, de prata
nova ; 2 coras de pratas nova* ; 1 maraca
de prata com cabo de marlim ; 10 eolherea
de prala de cha novas ; 6 eolheres de sepa
de prata nova ; I colher de tirar assucar do
prala nova ; 4 eolheres de metal domadas ;
I titulo lo Senhor, de prala ; I resplandor
gran le do Sunhur, de prala; 1 barra de
prala com o peso de urna libra pouco mais
ou meuos ; 1 toalha de bretanba fina ; 1
nnageiu grande do Senhor Crucificado ; I
illa pequea de metal com cruz de madei- (
ra ; 1 imagem da Senhora de marm ; I
imagem de Santo-AUlouio com o seu me-
nino Daos, e resplandor dd prata; 2 man-
tas de seda ; 1 peca de madapolflo ; 1 col-
lele de selim macau ; 3 penles decilitro do
cuc; 2 dilos travessas lambem dechifre;
3 ditos de alisar; 1 cabaciuho cheio de
chumbo; 1 guarda sol de suda ; t rede de
dormir ordinaria, velha ; 9 pequeas facas
com pona ; 5 esporas de lalflo e 1 pequea
trouxa com roupa ordinaria. ~ Recite, 8 de
oulubro de 18io.
Joo Floerpes Dias Brrela.
Illm. Sr. Acaba de encerrar-so a ses-
so do tribunal dos jurados, que se tornou
do vital nlcresse para todo este termo.
Comparecern os dez reos que da capital
subiram para serum julgados, e outros que
feram capturados, depois de nflo pequeo
o aturado esforc-o, nflo s de niinha parte,
senflo lambem da dos diversos subdelega-
dos com quem sirvo. Desta vez nflo tivo o
desgoslo de ver baldada a minha coopera-
eflo para quo livesso efleito ajusta vindicta
da lei : a solicitude e decidido empenho
do niuito honrado juiz du dereito interino
Josta comarca o doutor Joflo Francisco im-
ane Jnior, se deve a recliduo com quem os
jurados se portaram ; eoque neste faltou
fui judiciosanicnte reparado pelo referido
juiz na rbita de suas atlribuices. Os ban-
didos de Pocu-tiomprio-o o que tasto terror
diliuHdiram ha pouco lempo por eulre a
populadlo, e outros crueis assaaisnos que
parecan* nvalisarcom os sanjiiiiiarlos Is-
maelitas; os passadores da mobd falsa, e
outros de igual jaez conheceram euilim que
o imperio da le est plantado neste termo.
Concluida esta expusic-io uflo posso dei-
xarde rogar a V. S. a bondadu de a levar ao
conheeimanto do Kxm. Sr. presidente da
provincia, sm de ane S Kxe. cnntie;s
Iqnl o estado actual de seguranza publica
nesie termo apenas, atacada ltimamente
pelo atoz assasisnato do tenante coronel
Alexandre Cavalcante d'Albuqu-arquo, P"-


tiendo por Jos Caetano de Moracs o que Venha cs- Sr- Braslllcus : o Sr. no rae parece
certo eslava fra do alcance de todos prev- mio ln0*- Po* M>-me f- S. (ao plegaa,
nir, bem como trzer punicilo esto sc.t 1,"lran0> ,a0 m*n P1!*MCM
lerato, que infelizmente teve sua des-
posic&o meios de prompta e rpida fuga.
Dos guarde a V. S. Delgacin do ter-
mo de Gnraulnins, .10 da setembro de 1850.
lllm. Sr. rr. Jos Nicolao Rcguera Cosa,
digno ccfe de polica enterino da provm-
Cia Antonio Tetxeira de Idacedo. nelncmln
do termo.
Ionio Tetxeira de Macedo, Delegado
VaKIEi>ai)<;
RF.SPOSTA PACHORRENTA AO SR. BRA-
SILICVS l0 DIARIO N. 229.
T.ce* iterum Criipinus ; el est rnihi sape o-
randas ?...
{Juvenil..
Ah temos outra vez Crispim ; e terei lia-
da de me oceupar delle *
l"is outra vez o Sr. Urasilicus combatondo
o met communicado, e defendendo os seus
clientes, isto he ; a companhia dos mar-
chantes monopolistas das carnes verde nes-
ta capital; e alm disto querendo travar
com o pobre do Amerieui urna discusslo
philologica sobre a propriedade do vocabu-
)o altiposia, com que me brindou eai o seu
prmiro communicado. Mas em conscien-
cia deve o Sr. Braiilieui restituir o que Ihe
deram por esse trabalho ; porque nto s
deituu a perder a causa, que seencarregou
de defen ler, como que so mostra.ao respei-
tavel publico mui pouco, ou nada versado
n' arte de escrever.
Rem sei eu, que os taes Srs. marchantes
do conluio ao lerem esse estirado escripto
eo seu advngado, naturalmente exclama-
ran! Bravo! O nosso Braiilicui brilbou :
ilnu uin solenina quinao no enfatuado Ameri-
cus, que nofa digeitio do que t, que he um
ignorante, e ludo oais, que o despeito llies
pnssa sugerir. Mas nole bem o Sr. |>r
llratilicui, que os Icitures do Diario, nflo se
reduzem meramente a classe dos marchan-
tes ; que ha muita gente Ilustrada, e que
esta naturalmente ha de ter rldo da sua es-
capatoria sobre a mpropriedade do termo
li-ivnsia, que empregou, e que importara
orua grave imputac&o contra niiiu, se olio
fu-a a sua falta de coohecimenlu a este res
peito.
fita pretendo ser mestre de ninguem, e
nn'irmente d'aquelles, queso porque teem
banca de advogados, e arranjam mullas ve-
jes, sabe I) 'os como, uin requerimenlo, uns
provaras, urnas rases limes, ele, enten-
dem, que slo incyclopedicus, quo sito h-
tenlos, crticos e douloies de omni icibtli.
Se eu com elTeiio livesse sido mestre do Sr.
Brasilina, alguma rou a Ihe teria ensilla-
do sobre a syionimia, ea propriedade dos
termos, alas a caridade cbristSa sempre
me induz a pedir-lhe, que por seu propriu
credilo lulo t-ime en sustentar, que aleivo-
sia he o mesmn, que calumnia. Aleive sim
he que vulgarmente se toma porcalumnia.
Que bella autoridade a do uiccionario de
Constancio para deci lir da propriedade das
palavras? Nfio sabeoSr. Broiilicui, que
esse diccionario nSo traz os synonimos P
Recorra, se quizer, ao Vocabulario de syuo-
nimos do iniinir. e mais respeitado plnlolo-
go portuguez o fallecido patiarca de Lis-
boa o profundissimo Iliterato D. Fr. Fran-
cisco de S. I.uiz; e ah acharque infide-
l.lade, perfidia, deslesldade, IraicSo, alet-
vosa sSosynonimos : que ateivouu signifi-
ca troico eom capa di amitade\\t propria-
mente o vocabuloprorfido, dos Latinos ; e
por sso he, que nos Evangelhos muilas ve-
zes se d a Judas o e. itlieto de proditor, alei-
voso. Os Srs. Roquete e Fonseca no seu
diccionario de synonimosdizem assimA
Inicio em seu sentido propno refere-se
principalmente a parte poltica, assim co-
nio a aleivosta a amizade. Calumnia nunca
foi synonimo desles vocabulos. Um ho-
mem pdeser calumniador sem ser aleivo-
so, e aleivososem ser calumniador. Aislo
lie, que se pode applicar o dito vulgar : vir
buscar lis e sabir tosqoeado. Agora se o
Americut sabe alguma cousinhada lingos
em queescieve, isso fica a juizode outros,
que oSo O Sr. Urasilicus, e os seus Clien-
tes os respeitaveis monopolistas da carne
verde.
Paseando a materia da nossa polmica,
materia, que tanto tem oceupedo a alteado
do publico, que accrescentarei ao que ja
disse se o Sr. Bratilicui nio faz outra cou-
sa mais do que contrariar por negaclo ? Sa-
be todo o mundo nesta cidade, quo exista
essa companhia de marchantes, que (em
nmnopolisado escandalosa e encomporta-
velmente esse genero da primeira necessi-
dade. Sabe to'lo o mundo, que ha urna cai-
xa dessa companhia, d'onde se tira o nu-
merario preciso para pagar aseases efre-
guezadas, que licain fechadas, para dar aos
pequeos marchantes, que nSo entram no
conluio 30,000rs. tnensaos, afim de nio pi-
caren) carne, e para compraros camplnos.
Sabe todo o mundo, que na feira lem-se
vendido bois de 13 a 14 mil retar., e que i I
tem sido a abundancia, que algumas bola-
das teem voltado para traz. Todo o mun-
do sabe, que a tal ponto ha chegado a ousa-
dia dessa polestade marchantal, que at al-
guns agentes policiaes metleram-se na mal-
di!", negociada, e tem-se valido da autori-
dade para amedrentar campinoscom ore-
porado, que declara por seu nonie c so-
bre iiomea a este patuico? NSo Ihe apanho a
luva : logo espelei-me n'uma das ponas do
seu dltemma o terrlvel. Estou porlantotldo
e liavido por calumniador covarde. Mas dga-
me, Sr. orasiltcos por vida su, de quein he,
(|ue en lie o sendo calumniador/ D'um Indivi-
duo em abstracto? D'um hornera nio indigna-
do, nao determinado ?
Diga-me mais. Sr. BraslllcUi do terrivel di-
leinma ; S. S he formado no curso jurdico ?
Leu e ettndou o nosso cdigo criminal? Como
he que este no artigo 229 sessao 3.a define a
calumnia > Julgar-se-ha crirae de calumnia
o aitribuir falsamente a alguem um facto que
a le tenha qualificado criminoso, etc. Duas
condiedes, pola, sao indispensavels para ae dar
o criine de calumnia : o calumniador e a pes-
soa calumnia Ja, ambos sujeltos certos e deter-
nim.idns. Como he, portanto, que o seu terrl-
vel dileinma Iha uiciteu em cabrea que poda
harer ura calumniador anonyino, (o Americus)
e um calumniado que ae nao diz quera be ? la-
to he, que he aer desfrutavel. Senhores mar-
cbantea da caixa pa, cobrem do seu advngado
que Ihe deram; porque tein-se espirAa**
completamente. O dilemina, Sr. Urasilicus. de-
via ser assim. Ou V. declara o nome deasa
autoridade policial, e nao provando as auas vi-
olencias, etc., etc., ser aecusado como calum-
niador, chamado a julio e o mais que se segu ;
ou nao declara quera elle seja, e neste caso nao
merece crdito o seu embuste : mas entao o tal
ililriiinia deixava de ser terrivel. Valha-rae
Ueos cora taesdoutore*.
lie provavel que nao torne a oceupar o lem-
po ao respeitavel publico com esta materia. Na
typographia do Diario esto mais dous artigas
ineus a este reipelto, eque anda nao sahiram
por estar o Diario abarrotado cora outros objec-
tos. Espero que elles se publiquen! e terei da
minlia parte dito o que me parece sobre case
Importante asturanlo. Km ininha humilde opl-
oiao o primeiro e o principal de todos os Jirel-
tos cvis e polticos he a barriga. Um povo f.v
rainto nio pode gosar de seus foros e liberda-
des : e por sso entendoque o governo tem ri-
gorosa obrigaco de empregar tod s os meios
honestos pira que o povo nao padrea fome.
Cousta-me que S. Etc. o Sr. Souta Ramos
est emprimado era acabar cora esse horrivel
monopolio. Srjaqual for a medida que elle de
aecurdo cora a illuslrissiina cmara municipal
haja de tomar, lera d'encontrar grandes emba-
racos da parte d'alta potencia marchantal:
mas a uraa vontade vigorosa da parte da pre-
sidencia tudo lera de ceder; e S. Exc. far cora
isso ura revelante servico pobreza, i maloria
do povo desla cida le. S o Sr Brasllicus me
chamar irnicamente desinteressado arate ob-
jecto. Era verdade, quera he que me paga pa-
ra escrever ueste seutid.? Sei pelo contrario,
que tenho incurrido na indiguaco do coululo
uiarchauta Paciencia. Est(>u bem com a mi-
nha consciencia. Advogo a causa dos desvali-
dos, dos pobres ; e nislo julga fuer alguin be-
neficio a seus concldados o
Amtrinii
rat, Amador Antonio da Cunta, Augusto
Cozar Leite, Aureliano do Almeida Rodri-
gues S. Andre do Santa Mara, Angelo
Si mito da Silva, Augusto Carlos Bitancourt,
Augusto Cosme Dami.to, Amaro Joaquim
da Encarna?no, Aurelio Joaquim Pinto, An-
gelo Simiio da Silva. Augusto Carlos Bi-
tancourt, Augusto Masimiano R. de Arau-
jo T., Augusto Souza Lefio, Antonio Ale-
xandrlno de Leo, Antonio |de Araujo e A.
B ilcilo, Antonio de Araujo Pereira, Anto-
nio Corroa de Brillo, Antonio Carnoiro da
Cunta, Antonio da Cunta e Oliveira, Anto-
nio Caetano Silva Kelly, Antonio Dorotheo
Rodrigues, Antonio Fernandos da Silva, An-
tonio Francisco Fernandos de C., Antonio
Francisco C. Guimarfics, Antonio F. de Oli-
veira, Antonio Francisco Regs Leilo C. ,
Antoniode Gouvea, Antonio de iiollauda
Cavalcanti, Antonio Joaquim Carvalho J-
nior, Antonio Joaquim Oavalcante Cuima-
rlos, Antonio Joaquim M. Bastos, Antonio
Joaquim Pontea, Antonio Joaquim Rodri-
gues Jnior, Antonio Joaquim Souza Arau-
jo, Antonio Jos, Antonio Jos Barboza do
Oliveira, Antonio Jos Baptista Camaxo J-
nior, Antonio Jote de Castro, Antonio Jos
Carvalho Jnior, Antonio Jos Fernandos
de Carvalho, Antonio Jos dos Pasaos, An-
tonio Jos da Silva, Antonio Jos Soares,
Antonio Jos Souza Comes, Antonio Lou-
renco de Carvalho, Antonio Lopes Pereira
de Mello, Antonio -Luiz Mendos, Antonio
Marque* Aranjo Oliveira, Antonio Maxado
B. M. Antonio Maxado Itabollo, Antonio
Manoel Oliveira Bolo, Antonio Pereira Pin-
to de Faria, Aulonto Pinto de Barros, An-
tonio Pedro Goncalves, Antonio Pedro Ro-
drigues C.uimares, Antonio Pedro Silva
G Antonio Paula Souza I,e0o J-
nior, Antonio da Rocha, Antonio Ramos,
Antonio Souza Barroso, Antonio Soares
Bricio, Antonio de Sampaio, Antonio Sou-
a Loio, Autonio 8. M. e Oliveira.
garfos, um rico apparelho de porcellana
riranee, franceza para jantar, outros ditos pa-
ra al mogo, garrafas e copos galheleiro, por-
ta-licor, candelabros de bronze, differentea'
obras de ouro e de prata, e moitos outros
objectos : segunda-feira, 14 do correte, as
10 horas.
Ilepariiyao da toiici.t.
PAUTE 00 DA 10 DE OUTUBRO DE 1850.
I-oram presos: ordem do.subdelegado
la freguezia de S.-Fre-Pedro-Goncalves do
Itecife, o bolieiro Antonio Francisco de Sal-
les Costa, por haver passado o carro por
cima de um inlividuo ; eopreto Jos, es-
cravo de Luiz Antonio Vieira, para correc-
to : e do subJelegado da freguezia de S.
Jos, Francisco das Chagas, para o mesmo
lim; e o Portuguez JnSo ConcuKes, | fracciies de postura municipal ; e Manoel
de Souza, para uveriguacoes policiaes.
0 delegado do termo de Nazirelh, por of-
flcio dirigido aoDr. chefe de policio, com
data de 8 de do correle mez, participou
que no da 7 de agosto ultimo, o pardo JoSo
escravo de D. Mara, assassitiara a Antonio
Cantazo, evadi Ju-se. sem que livesse sido
presOj_____________________________
*^*,i'*1"*'*^^''^i'^B,^'^,>'^'^''>'>^,"'1''aH',*i
Theatro de 8. Isabel.
93.a RECITA DA ASSICNATURA.
Moje, 12 dt outubro de 1850.
Repreaenlar-se-ha, depoif l um* escc-
Iht.la ouvertura, a inieressant* comedia m
tres actos
AS MEMORIAS DO DI ABO.
Personagent.
Robn G. F. de Oliveira.
O marquez de l.osmias A. M. Coala.
O civalleiro l'.aplnire R. J. da Araujo.
O con le de Ceroy S. F. Meira.
JoSo Caulhier A. J. I). Coimbr*.
Valentim P. R. de Santa Roza.
A haroneaa de Rdbquerolles-- Joanna Ja-
nusria.
Amelia, sua filha Emilia.
A coadaaa de Cevary--Julia.
Ta Calharna' Rita.
A scena passa-s, o primeiro acto em urna
casa pobre junto *M Pyrineos, o segundo
em Paria a o terceiro no casleflo de Ron-
querolle*.
llavera no terceiro acto o romance da
mysteriosa companhia cantado pelo ar-
tista Germano, e repelido pela actriz Emi-
lia, como pede a comedia, e com o qual ter-
mina, dando um Jiello realca ao seu des-
fecho.
Terminar! o espectculo com a graciosa
comedia em um acto
Qnetn ensa quer rara.
Comocari as 8 horas
Os bilhetes acham-te 4 venda no lugar do
costume.
ALFANDEGA.
Bendimentododia II.....5:331,436
Deiearrejam koje 12 de outubro.
Calera -- Columbui mercadorias.
Barca -Wughl bacalho e familia
Polaca N.-S.-do-Carmo mercadorias.
Brigue Runnymede bacalbao.
CONSULADO GERAL.
Kendimeoto do da 11.. .
Diversas provincias.....
295,691
45,235
."Vaoio entrado n "dia II.
Barcelona e Malaga -- 50 das, sumaca hes-
pauliula liare, de 1IU toneladas, capitao
Jacoino Pa, equipagein 9, carga fiulas.
passas e mais gneros a JoSu Pinto de
Lemos & FiIho Fun leou no l.ameiro.
Nato ahido no mamo dia.
Parahiba Lancha Tres-lrmuot, mestre Jo-
t Duarte de Souza, carga varios gneros
Paasagetros. i os Brasileiroa Antonio Ca-
millo dellollan.la 9 Antonio Pollino A-
rauha.
que essa companhia dos nossos peccados de
proposito faz matar talvez um terco de mo-
no* do ga conservar sempre o alto e horrivel prego da
caine. Shbe todo o mundo que ha ISo con-
sideravel o rdito dessa caixn, que bem po-
de ser nSo caibam menos no dividendo de
60 a 80,(10.) rs. diarios a cada socio! Mas
o Sr. Ilraiilicui nega tudo redondamente
lebalxo da sua palavra honrada, O que se
Ihe ha de responderf '
S a um trecho do ultimo com i.unicado do
Sr. Urasilicus paaao a responder ; porque he
um* bravata insultuosa que todava nao me
aposteinau, cautou-me riap pur aer (perdoe-
jios) uina partida de menino. Quer o Sr. lira
silicus que eu declare o nome da autoridade
policial que :c lera prestado a violencias em
favor do monopolio ; e por uiaa tel 'KOnca que
llir aprouve chamar tlemm* lerripr/j (melliot
fra alia-li ein quiouda) diz : ou fat a u\-
c!-r-v-- ? '** F-'~:Vnu,, i fc..ri csstuevto coas no .piuuoia, aiiiuoia nnuuma v
umea/miiaa.-reprr./e(ot>rlKa inas se o dilru.m-terrivel auliu oque.I;m- zabeli Adeli P. Atina Francisca S Bailar.
colha .ni. o aUverump., no ./u> com o /i.a- A Joai,una Ferrera, Anna Josphina do
dL^;Srdt;^ar,r-"^
Oue.ialoSr. Braslllcusf Melhor fra ter-se Hioieza Senna Couto, Agosttnlio Bezer-
.limado Orntes. nela furia cora ouc me ac-i ra S. Cavalcante, Arthur do Espirito San-
340,926
EXPORTACAO.
Despacho martimo no dia II
Parahiba, hate nacional Eipadarte, de i7
toneladas : conduz o seguinte : 29 volumes
fazendas. 20 gigos champagne, 95 barricas
fariulia de trigo, 3 volumes drogas, 2 ca-
xas garrafas de aieite, I ditacnxofre, 1 dita
colchetes, 1 dita msrroquim, 1 dita cha
pos, 16 fardos fumo, lliduzias de cOcos,
I bilhar, I cama de steupira, 9 talbas de
louc,a, 12 alguidares, 1 pipa vinagre.
RECEBEDOBIA DE RENDAS CERAES
INTERNAS.
Reodimento do dia II......627,711
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendlmento do da II......339,887
Theatro de S.-Francisco.
BELLAS ARTES.
Amanha, domingo 13 de outubro, ser* o
ultimo dia que tem de apparreer a* vistas
j annunriadas, e na segunda-feira estar a
galena fechada para se tratar da mudanza
le novas vistas, que devem apparecer na
terca-Mn aqueiero annunciadas.
m
'"i.' ..
Publicacao Iliteraria.
A famosa licBosobre a pena de morte com-
posta, e dictada na uuiversidade de Pisa pe-
lo respeitavel Carmignani um dos maiores
criminalistas da Europa, eslt ira iu/i la do
italiano em vulgar pelo padre Lopes Gima.
Vende-se em Santo-Antonio, na loj* de li-
vros que foi do fallecido Dr. Coulinho, na
esquina do Collegio; no bairro do Recife,
na Inja de livros do Sr. padre Ignacio; na
Boa-Vista, na botica do Sr. Gameiro; em
Olinda, ra do Amparo, botica do Sr. R
coso, precn dez loslOes. ___
''nv-rniiUa tin *nrln:
Declaradlo.
Liita geral das cartas que fcarma em ter not
meza de julho a setembro de 1850.
Alipia Camarina dos Sanios, Antonia Coe-
" o Eipiiidula, Antonia Francisca (gdaval
O corretor Oliveira far leilo no sen
sacriptorio, da moblia e oljoclo geguiules;
oadeiras, coro moda, mesas, ditas para sof,
aparador, toucadores, marquezas, lavato-
rios, consolos com ampos de pedra, 1 ca-
leiriulia de armar, um rico relogio de ci-
a de mesa, outro dito, proprio para es-
en pin rio ou reparticfln publica, qnadros, 1
linmetle. He milito apenar com os amigos, lo, Archias do Espirito Santo, lberl l'ie- (carteira nuva de ama face, estojo de fsess
vvisom tanriticaos.
-- Para o Rio-de-Janeiro segu viagem, no
da lfi do correnl, o bergautim brasileiro
O -Affomo, capillo Francisco da Silva Ave"
Inda : quem no mesmo quizer carregar ou
ir de passagem,.dirija-se ao mesmo capi tilo
ou ao escritorio de Manoel Joaquim Ramos
e Silva.
-- O veleifo e bem condecido paticho na-
cional Alfredo segu para a Baha em poucos
lias, por ja ler a tnaior parle de sua carga
prompta : para o resto e passageiros, para o
que olforece excdllenle* commodos : trata-
Vgario n. Il.oucoufo CapilSo.
Para a Baha pretende seguir viagem
com brevidade a sumaca nacional Carlota,
mrslre Jos Goncalves Simas : para carga e
passageiros liala-se com o mesmo mestre,
ou com Luiz Jos de S Araujo, ra da Cruz
numero 33.
I'ara o MaranhSo e Pura
segu, com maior brevidade possivel, a
escuna nacional Emilia, de que he capitSo
o pralico Antonio Silveira Maciel Jnior :
quem na meama quizer carregar ou ir de
pasaagem, eulenda-se com Joao Carlos Au-
gusto da Silva, ou com ocaplfio, na ra da
Cruz, armazem u. 13.
m--------------------rTBBSBBsmmsatmmmWkmma'
Leilo.
Avisos diversos.
No di* 6 do corrente ausentou-se o es-
cravo Domingos, de naco Mozambique, re
jresonta 20 e tantos annos, barbado, dr
boa Figura ; tem um signal bem vsivel, que
he a marca de um taino no beico inferior
no canto da bocea, que quando falla repu-
cha o beico ; levou calcas e camisa de algo-
dSozinho azul com lislras brancas : quem
o pegar leve-o ra Nova, a entregar i An-
tonio Domingos Pinto, qne gratificar ; as-
sim como protesta contra qualquer pessoa
que o tiver occullo.
Attencao.
Pede-se ao autor dos annuncios com as-
signatura Manaerona, que por delicadez* ha-
ja de declarar o seu nome, para ae Ihe po-
der dar urna' reaposta cabal, pois que he
muto escndalo defamar pessoas de reco-
nhecida probidad*, como bem o capitSo da
tlracharemc, queja mais se comparara com
o infame detractor e um vil calumniador,
como moslra ser o tal Mangtrona, que desla
vez a tal berva exhalou mi balito.0 Ca-
utn.
Prccisa-aie de urna lavadeira
Je varrella, a qual d conheci-
mento sua conducta : na rna de
flor tas, casa com a trente pintada
de aznl e portadas brancaa.
lloga-se a quem for con-se-
nhor da casa de umandir com so-
to, no becco tapado da' Camboa-
do-Carmo, n. 5, que tenha a bon-
dade de eutender-se com Jos dos
Santos INeves, na ra do Crespo,
n. 17, ou declarar por este jor-
nal a sua residencia.
Aluga-se um moleque bom cozinheiro,
dando-se preferencia a casa estrangeira : a
tratar na ra da l'raia, armazem n. I.
-- Precisa-sede urna preta para o servi-
eo de ums casa : na praja da Independen-
cia n. 3, toja.
Quem tiver para alagar uai aegrioba,
mulatinha, ou caboclinba de 8 aonos, para
carregar urna crianza de poneos das, e to-
mar aentidu a outra* duas meninas peque-
as, dirijs-se i ra da Aurora, n. 8, segun-
do andar.
- Deseja-se fallar ao Sr. redactor da Es-
meralda : queira annunciar a sua, morada.
-- l.ava-sj eengomua-se com toda a per-
feicao e aiseio: a* roa das Larangoiras,
o. 15. /
Precisa-se alujar urna eass terrea, cu-
jo alugue So exceda) de la.oors men-
ses, prefer 11 do-ee no bairro de S.-Autonio:
na ra larga do Rozarlo, o. 26.
Alugam-se duas casas terreas, urna na
ra do Cotuvollo n. 7, Da Boa-Vista, e unir
na travessa dos Marlyrios, por bario do a
brado amarello : a tratar na ra do 1
rim n. 15.
Aluga-se um preto para o servlco de
ra : quem quizer, dirija-ge ra Nova n. 69
--Quem tiver urna casa par* alagar no
bairro de Santo-Anlouio, que alo exceda
de oilo a dez mil ris, dirija-se % roa dos
Mariyros, venda de Victorino Jos Corris
des*.
-- Precisa-se de um menino de 10 a 12 an
nos, que saiba 1er e seja fiel, para caixeiro,
e que nlto leona familia aqu na eraca : na
ra larga do Rozarion. 35, se dir quem
quer.
-- tlnsitio.com plantase banho, urna ca-
sa no Poco por o,000 rs., ou troca-se por
urna preta : no Manguind n. 35.
Quem annunciou no Diario de hontem
querer comprar um preto canoeiro, e que
enteml* alo servico de campo, dirija-se
ra do Crespo n. 16, loja da esquina.
Aluga-se o terceiro andar da casa n.
40 ds rus da Cruz no Itecife : a tratar na
mesma casa.
A mesa actual da veneravel ordem ler-
ceira do Carmo desta cidade faz sciente a lo-
dos os seus irmas professos, que no dia 14
do correle mez, as 9 horas da manilla, de-
ve ro comparecer na greja da meama or-
dem, onde tere lugar a nome*sao do novo
prior.
Aluga-se o sobrado de dous'andares e
sot.lo, silo na praca da Boa-Vista n. 19: a
tratar na ra do Crespo, loja n. 6, ou na es-
trada do Monteiro, sitio do Sr. Gama.
Aluga se s cass terrea para patsar a
fasta, no lugar do Monteiro, en vi dragada
"com commodos sufflcientes, confronte
igreja de s. Panlalefio : quem a pretender
procure na ra do Qneimado n. II.
O abaixo assignsdo responde ao ca-
lumnioso annuncio do Sr. J0A0 da Cunta
Reis, qre sssevera haver o abaixo assigns
do ncrultidii o* lacros d* venda de que fr*
caixeiro : l., que se deu baltnco com tod*
a especificarlo pernote teslemunhas, e a
quelle Sr se ded porsatisfeito, nSo fazendo
reclamacSo alguma: 2 quedepois destetc-
heis, e se elle ousar intentar a celo o abai-
10 assignado mostrar a ftlsidade dest*
imputacSo : 3 qne o Sr. Reis se figura lu-
cros Imaginarios, que alm de nSo seren or-
dinarios, se nio poJism obler pelo aorti-
mento escasso da taberna. Por amor de meu
crdito me apreso a fazer rsts declaraos
para que nfio passe desaprcebido o caviloldeia-V'elha, botica n. 61.
- Estar novrseme abarlo, domingo 13
do corrente, o bolequim da ra do Trapi-
che n. 28, lendo no primeiro andar casa d
pasto, aonde echarlo petiscos promptos a
qualquer hora a vontade dos compradores:
tudo por preco eommoJo e com ssseio
0 abaixo assignado, esorivlo d* irman-
dadedeiV S. do Bom Parto, faz sciente *
tolosos irruios, quino di 13 do corrente
se ha de proceder a eleicSo da mesa que ha
de rager ao anuo de 1851. -- loaquim Mili-
ISo Aloes Lima, escrivlo.
JoSo da Silva Braga relire-se para a no-
va colonia de Mossacnedes : quem com elle
tiver contal queira apresenta-las nestes tres
das, na rus Nova n. 89, ou na rna dasTnn-
clieirts n. 14
Deseja-se fallar com o Sr. Joaquim da
Cruz Neves a negoelo de i ulerese : na ra
das l.irangeiras 11. 14, segundo indar, ou
annunoieaua morstla.
Alntta attencao!
0 abaixo assignado roga ao Sr. chafe de
polica e aa mata autoridades a quem com-
petir, qua n5o concedam paporte pera a
Parahiba, Rio-Je-Janeiro ou outra qualquer
parte ao Sr. D, Jlo de Franca ou Jlo Mir-
tina de Franca, ex-dlrector da praca de tou-
ros, emquanto elle nfio salisfizar o mesmo
abaixo assignsdo a quanti* de 73,000 rs. ,
dinheiro que pedio emprestado pira despe-
za dos bois ao mesmo sbaixo assignado,
alm di quintil de 16,000 rs. que Ihe esli
devendo por trabilhar com elle no curro,
na travessa da ra Bella n. 4. Joaa Marque*
da Silva //erquei.
O Sr. Frsncisco de Psula e Albuquer-
que queira vir ou mandar buscar s obra
que mandn fazer na loja de alfaiate da
ra Nora n 35, desde Janeiro do corrente
anno
Precisa-se alugar um* ama forre ou
captiv*, que saiba engommar e cotnhar,
para casa de pouea familia, eque nSo tem
enancas : ns ra do Pilar n. 79, segn Jo
andar, om Fra-de-Porlaj.
Preclss-se alugar um escrava para o
servico externo do, collegio das orphlas :
os pretendentes drijim-c o referido col-
legio, fallar com a directora.
Aluga-se pelo lempo da festa, ou por
anno, um sobrado de um andar e sollo, na
ra de San-liento, na cidade de Olinda, no
prineipio da ladeira, com commodos para
grande familia e bastante fresco I quem 0
pretender, dirija-se i ra do Amparo, so-
brado n. 49, ao p da pidirii.
Cunvida-se a todos os irmSos* profes-
sos da ordem terceir* do Carmo para que
comparecam no dia 14 do correte, pelas 9
horas ila mantilla, para darem o seu voto ao
novo prior que se lem de fazer.
Anda est fgida, des Je o da 96 de
junho, prximo passado, a escrava crioula
de nome Maris, moca, de altura regular ,
corpo retorcido, cideirtsgrossas e um tan-
to sshidas para fra, bocea regular, beioos
grossos, ps e mos grossss ; tem marcas
de bexigis no rosto e em todo corpo, peitos
pequeos e cabidos, nariz grosso, olhos
carnudos, orelhss na parte do enhile gros -
sase viradas um Unto par cima ; tem nma
marca de ferida da caustico do lado dreito
ou esquerdo, talvez que pouco ja se devul-
gue dis coslellis pira os vaslos ; levou ves-
t lo de chita ji usado, panno da Costa, e
um taboleiro com milho e arroz que venda
ao di* que fgio : est* negra seguodo os
seus costumes de ardilosa, pode ter muda-
do o nome e mesmo usar de qualquer ou-
tro desfarce para nio ser coiihecida, pois
consta andar dizendo ser forra e que e que.
rem esptivar : foi de Macei e aqui vendida
pelo Sr. Antonio da Silva GusmSo ao ji fal-
lecido Jos Antonio d* Silva Costa, lando
no poder do dito fallecido 3 fillios, Candida,
Luiz e Marcolino ; pode esta negra sob pre-
texto esta oceult* em casi de alguem, ou
em algum calugi, o que se vi i escrupulosa-
mente endagir para se proceder contra
quem tiver oceulta : Di-se urna boa re-
compensa a quem della der noticia certa,
ou a pegare levar i ra de Moras, n. 114,
casi de Antonio Cildas da Silva.
Chapeos deso.
Ra do Passeio, o 5.
Nesta fabrica ha presentemente om
ortimenlo desles objectos de todas as co-
res e quslidades, tanto de seda como de
panninho, por presos commodos ; ditos pa-
ra senhon, de bom gosto : estes chpeos
sfio fritos pela ultima moda; aeda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na meama
casa se echa igual ortimenlo de sedas e
panninho imitando aeda, para cobrir ar-
iiiacoes serv Jas : todas estaa fazendas ven-
lem-se em porclo e a reUlh > : tamben) se
conceita qOalquer chapeo de sol, Unto de
basteas de ferro como de balei*, assim como
umbelas de igrejas : tudo por prego com-
modo. Na mesma cas* h chapeos de aot,
de marca maior, de panno n de aed, pro-
prios para feiloreada engenho, por aerem
dos mais fortes que se pJein fabricar.
Preois*'Se eogajar alguna otllciaea de
caldeireroaar* Irabalhirem em calderra*
Je vapor, sendo arrebiladore, ( a que os la-
gleze* cbamatn Bivelen) dando garanta i
sua conduele; paga-se o jornal de 3,500 por
da, e d-se pesssgem gratuita par* o Rio de
Janeiro, onde iifio trabalhar u* oUlcina da
companhia brasilera de paquete* de vapor ;
advertndo, porm, que se depois de all
chegarem, rom um mez de experiencia,
provirem inoapaeidade, serlo conduzidos
gem. Quem esliver nesU ciroumsUncias.
e quizer o dito engsjameuto, pode dirigir-
se *o agente da din companhia, na ra do
Trapiche, 0. 40.
-- Aluga-se um sitio no corredor de Ver-
zea, bem plantado e com boa casa de viven-
itfs : os pretendentes dinjam-se rus da Ca-

so annuncio do Sr. Re* Recife, 11 de ou
tiro de 1850. loi Borgeide Medeiroi.
Preciss-se de um padre par* capelllo
de um engenho distante 13 legoas-dests
prac*, e que seja habilitado a ensinsr alguna
preparatorios, principalmente o de lo ti id
francez : quem estiver nenias cin umslau-
cas snnuncie poresU folha, ou dirija-se s
ra Nova 11. 19, onde achara com quem tra-
tar.
No dia II do corrente voou um oapa-
gaio de um sobrado do pateo do Hospital, o
qual suppe-ia ter tomado o vo para os
fundos dos quinties da ru* das Cruzes : a
pessoa que u achou, quereodo-o restituir,
leve-o ao piteo do Hospital, aobrido ir. 1,
segundo and r, que *eia gntilicado.
Alug-e a caaa da ru Imperial n. 104,
com Cirmmodoi para faniia |PA|
ra Augusta n. 5.
Na 1 ua Nova n. 60 precisa-se de um of-
ficial de alfaiate para concert. -
Aluga-se um ailio que nfio seja muto
distante da praca, e que tenha comoiodi-
lade para 3 ou 4 vaccas da leja.: quem 0
tiver, dirija-se ra Augusta, n. al, ou en-
nuucie.
Manoel JosFernandes Barros mudou-
se para o segundo *nd*r do sobrado o. 40
da ra dt Seozll*-Nova, freguezU do Re-
Cif *J-eat.
-Mariana Candida, subdita porlugueza,
retira se pira Mossamede.
PuNsa|oi'tCK e ttulos
Na antiga agencia da ra di Rangel, so-
brado n. 9, conlinuam-se a tirar p***por-
tes par* dentro e fra do imperio, despi-
cbam-se escravos, e requerrm sa titulo de
nata '*,*? C-- ,*?a?'1 onf-rsem elld
tudo por preco coattuodo.



,
Na ra de Agoas-Yerdes, casi terrea
n. 2*. lava-se e engomma-se toda a qualida-
de de roupa, com asseo e promptidfio, por
preco tnsis commodo do que en outra
qualquer parte.
Jos Adolpho 'de Barros Correia, rf ai-
dente em Porto Calvo, fiz publico, para co-
nhecimenio de quem convier, que en) aeu
poder existe em deposito, por urden) da de-
legada, arpa escrava crioula, que represen-
ta ter 95 annos, diz chamar-se Thomasia e
ser pertencente ao Sr. Partuguez Anlooio
l'raca, que tete armazem de marcenara em
a ra da Cadeia de Santo-Antonio, do cojo
podar se evadir em 188, e esteva muito
tempo pa prisSo ; protesU-se pelas dospe-
zas que leem sido feitas com a mesma at
o dia da entrega della a pesso quesespre-
sentar munida com os Ututos legaes de seu
dominio, e quem pretender algumas infor-
m4oes nesta praga, drija-se a Bastos &
oncslves, na ra da Cadeia, foja n. 28.
Porto Calvo, 25 de setetnbro de 1850.
Relira-sn desta provincia para a do Rio-
de-Janeiro Joso Martina Frao;a, llespanhol.
Attenco.
Precitada saber se existe nesta cidade
JufioJlibeiro tiendes, natural de Santa ala-
rla MCorvite, comarca de Guimarfiea do
reino de Portugal, neto de Domingos Jos
Mendes, axiatindo ou bavendo pessoa que
saiba dar noticia delle, roga-se Ihe o favor
de dirigir-se i ra do Crespo, luja n. 5 A, a
fallar eom Ricardo Jos de Freitas Ribeiro,
negocio que Ibe diz respeito.
Attencao.
0 abaixo aasignado faz ver eos Srs. ere-
dores da l.uiz Antonio da Silva Burgos, que
tere venda na ra Nova n. 71, que lendo
comprado o seu eslabeleci ment no dia 17
de abril do crrente auno, precisa realizar
auas contas ; e como o nfio possa fazer sem
o ditos Srs. aprsenla'em suas contaa por
inteiro para seren pagos conforme o que
llie locar em raleio, roga aos ditos Srs.
0 queiram fazer no prazo de tres dias, a con
tar de hoje, do contrario nfio se reeponssbi-
lisa por qualquer divida que possa appere-
cer. Recite, 10 de outubro de 1850. -- An-
lonlo da Ahmiida Brando e Souto,.
Aluga-se, por coturno lo preco, ntn si-
tio no priacipiu da estrada nova, com boa
c9a de manda, mullo bom terreno para
plsnlacooae boa baixa de capim, proprio
para quem qaizer ter vccs : quem o pre-
tender, dirija-se i ra do Crespo, luja n. 9.
Quem tlver duas prelas que as queira
alugar par venderem na ra, sendo liis,
dirija-ae eaU typograpbia, que se dir
queaa quer.
igundo andar do sbralo
Rozario n. 40 : a tratar
ardo mesmo sobrado, ou
Nfo, o. SO.
de eraca os pobres
Nordtmnsuirdfibhomceopalhicode
.loaft Victo te Mnrtlns.
Ra de Apello o. 24.
lodos os dias utatdeade s 8 horas
1 da manhBa al t da tarde improroga
! velmente. Frs lentas horas nfio t-
P de o Sr. J. V. Martins receber visita
L aiguma, por estar occapa lo em com-
P por e escrever a Juarta ed'K;3o da
pr altea eltmantar ata liomaopat/tiu e
nutras obras uando toaba mais _
adiantada a ompnsieSo deetaa obras 9
podis Ysti*r Igum tempo pra- tg)
# ticar opeffifis de oUracto, ou ou-
tb- tras que exlgem aa molestias de
t> olhos especialmente, no xito das
') qiiaeslem sido, merode Dos, mui- f
*>#* teco ve 144
Fudtns.
Fszem-se pudins de fructa pflo edeou-
tras qualidades: no Aterro-da-Bua-Visla,
loja n. 48, se dir quem faz.
O Br. Joaquim Jos doa Santos Barraca
queira ir pagara quanlia de 33,460 rs. do
que comeu sonde nfio ignora ; do contrario,
ter da ser sempre lembrsdo neala folha.
--Precisa-se alugar uih moleque ou pre-
til para fazer o servico de casa e ra, que
seja fiel na ra da Cruz, armazem n. 48.
Ulysse Droi, relojoeiro suis-
so, de pansa ge m por esta praca,
onde tenciona demorar-se 5 ou 6
metes sement, concerla toda e
qualquer qualidade de relogios
e em qualquer catado em que, se
achem ; assim como lem para ven-
der relogios de ouro. e prata do.
melhores fabricantes : na ra dj
Cruz, n. 41 piimeiro andar.
O arrematante das afericOes contina a
ser o mesmo do anuo prximo passado, e
faz cerlo. que do pritneiio do correte mez
emdianle j seaclia aferiudo para o anuo
prximo vindnuro, na mesma eass, ra da
AssumpcUo n. 4.
A litiga ntrrnrla le pnesaporte*.
No pateo da matriz de Sanlo-Aotoniu li-
ra m-se passaporiea para dentro e fra do
fmperio, eorrem-se folhaa, lira m-se ttulos
do residencias e despacliam-ae escravns com
a maior breviJade possivel e preco rasosvel.
Existe na corte do Rio-de-Janeiro urna
pesso com as hsbilitacOes necessarias, que
? C urcuiupud Kcnciar pcios o* violaras uo
estados, (itulos honorficos, diplomas, pen-
sOes, paleles militars, cartas denatural-
saefio, certides e oulroa qusesquer nego-
cios que penderis das mesmas seeretarias
de estado, e bem assim se incumbe de agen-
ciar pela nunciatura apostlica hrevea para
dispansas de casamento, seculsrisscfio,
etc., etc. etc. ; e incumbe-se, finalmente,
de sollieilar lodo e qualquer negocio, que
tenba de correr nos tribuimos daquella cor-
le. Qualquer pessoa qu se quizer utilisar
do preatimo dessa pessoa, encarregando-a
all de seus negocias, peder dirigir-se ao
Sr. Antonio-Jos Gomes doCorreio, o qual
dar as informarles precisas, e com quem
se podarlo entender a eeaieihanle respeito
sobra a remessa de qualquer pretendo ou
docosaittoe.

i
i

s
s
gente: no segundo sobrado do caes lo
llamos.
Alugam-se os segundo e terceiro anda-
res da osas do largo da Assembla n. 8 : a
fallar com Joaquim Francisco de Alm, no
Forte-do-Matlos, ou com Prxedes da Fon-
seca Coutinho, seu propietario.
0 Dr. J. S. Santos Jnior, O
JSJ medico homoeopallia puro 2
0 mudou sua residencia da ra q
O do Crespo, n. to, para a O
ru Nova, n. 58, primeiro 2
q andar, onde continuar a 9
O dar consultas todos os dias O
^ uteis desde s 7 horas da 2
q manliaa al a urna hora da
O tarde, e desla hora em dian- O
2 te visitar os doentes em S
O ... O
^ seus domicilios. q
O N. B. Os pobres se rao O
tratados e visitadof gratuita-
q mente. q
oooooooooooooooooo
Lotera. !n niati-i/ la Boa-Visitn.
No dia 31 do correle andain impreleri-
vclmente as rodas dests lotera, seja qual
for numero de biihetesque ficir, e mes-
mo a ules se acabarem os bi I heles, como ha
esperaiiQas. O lim para que foi concedida
esta nterin nfio pode ser |ma8 justo, e ella
deve ser preferida a oulra qualquer, por-
quanlo tomos de presenciar o emprego do
seu inleresse: o restante dos bilhetes a-
cham-so venda nos lugares j annun-
ciados
Precisa-se de um trabalhador deenxa-
da, e que saiba tirar leile em vaccas : na
Magdalena, estrada no, primeiro sitio de
pOrlflo de ferro. No mesmo precisa-se de
um bolieiro.
Os administradora) da liquidado ilos fun-
dos da coiii|ianliia geral enlacia de Pcrn.1111-
buen e Parahiba, lendo recebido da xin.
junta encarregada da liquidafo dai extinctas
coiiipanhlai do Grao-Para e Maranhao, Per-
nainbuco e Parahiba, em Lisboa a parllcipa-
(o que ae segu ; em aua confuriuidade
convidan) oa devedorrs dita companhia
cuja liquida;o Ibes eiU couada, ou a se-
us hcrdelros, ou representantes para apre-
zeotareni aa suas propostas nos prazos em dita
participado designados, e para o lm nella
indicado. K podem assegurar aos inesnios
devedores que desejando a mesma Ezm.
joiici conciliar do modo posaivel o ioteresse
dos seus aduiinlstradoa rom o dos referidos
devedores, est prompta a exerver toda a
equidade, que possao inciecer-'he as propos-
tas que de conforiuidade com a dita paiticipa-
f ao liajam de apresentar-se a esta adininistra-
(ao nos pra/.os Indicados; devendo porcia
entender-se que se lindos esses prasos acon-
tecer terem deixado alguns dos sobredllos
devedores de corresponder ao convite, que
ae Ihes faz, ter esta adininislrac.o de re-
querer iiiimediaiainentc a aeco judicial com-
petente.
I'arilcipajao a que se refere o annunclo
supra.
Convindo dar toda a publlcidade ao me-
thodo que temos adoptado, e nos propomos
egnir ua arrecadafo das dividas compa-
nhia, quando os respectivos devedores, seo-
briguein aulve-la em preslafAes dentro
dos prasos para esse lim conrencionadoa,
ou salisfaxe-las de promplo como inilhor Ihes
vonvier; devero Vv. Ss. pelos jornaes, e
papel pblicos d'cssa provincia, convidar
quanlo antes os sobre-dito devedores seus
lierdeiros, ou representantes a apresentarem
n'essa administrado dentro do praso d'um
mez, os que residirein na Cidade, e de trez
meses, 1 s que se acliarem fura d'ella, propos-
tas por escripto sobre o modo porque Ihes
convein salisfaier seus dbitos, Isto he, se
por mcio de presta;0es pagas em dinhelro,
letras, ou elfeitos, nos prios que se con-
venclonarein; se por encontr com acedes
da companhia recebidas pelo seu valor no-
minal huma vez que o pagamento se ellectue
desde logo pela totalldade da divida. Jos
Sardio Camello, ianotl Josi Uuucateu Braga.
Jiu P. da Carilla.
-- O 'luilDistradores da liquldacao dos fun-
dos da companhia geral exlincta de Pernain-
buco Parahiba tein nomeado ao Sr. Jos
Aotouio de Souza Machado, procurador vo-
lante da administrado, e encarregado das
cubran(aa de fura d'esta Cidade. Jos Narciso
Camtllo. Manos! Joi lioncalvu Braga, Mi P.
aa Cunda.
<5<
oetese insismiuilfl/asque e%netamente se
nfio sab->- Roga-se ss sutori In tespoliciaes,
a quem jase prevcuio, todi a diligencia
alndese descubrir e-8< ro'iho J e outra
quslquerpessna que dendnesr com certe-
za aonde se ada e.sse roubo, que amia por
400/ p iuoo rnas ou menos, recdier a
quarta parle eseu vallora sa lite guardar
todo osegre lo.
tmmm
Compras.
Compram-se alguns escravos de am-
bos os sexos, para dentro e fra da pro ri-
en, de 5 a 25 annos, de lioJas (iguras : pa-
ga m se melhor-do que etn oulra qualquer
parte : oa ra das Larangeiras n. 14, segun-
do andar.
Compra-seum parda brincos de ouro
de lei, sendo modernos,e que tenham de '3
a 4 oitsvas : na ra do Cabug, loja de Joa-
quina Jos ds Costa Fsjoxes.
-- Na ra da Senzalla-Velha, n. 100, se-
gundo armazem aonde ae vende bolacha e
pfio, compra -se effectvamente toucinho da
trra, sendo gordo e sem sal, a 5,00 rs. a
arroba, e a 160 rs. a librs.
Compram-se escravos de 10 a 30 an-
nos, de bonitas figuras, para dentro e fra
da provincia : na ra larga do Rozario, n.
48, primeiro andar, todos os diaa das 8 s
II horasda manhfia e das 2 as 5 da tarde.
-- Compra-se urna bomba de ferro, que
estejs em bom estado : no psteo do Paraizo
n. 20, ou annuncie.
Compram-se os seguintes livros em
mel uso : compendio de geogcaphia por
Gaullier ; dito por Vellez ; historia sagra-
da por llernardino; dita universal por Raus-
sou ; dita anliga ; Chronologia por llernar-
dino: na ra da ConceicSo da Boa-Vst,
n. 58
Compram-se, psrs um encommenda,
escravos de ambos os sexos de 10 a 40 an-
nos : m ra do Rangel n. 57.
Vendas.
_ I Matriz da Boa vWta.
ante dos bilhetes desla lotera, que
coate inralvelmonte no flih do correte
mez, (quem os bilhetes que flcsrem, ven-
^M, alm d outros lugares, oa loja de
Bernardiuo Josalopteiro,ruido Queimado.
- Precisa-se tt ums ama para fazer coni-
P[s e o servico interno de urna casa, ou
ala.... ^ qss js Se! iii-
.i*
Os bheles para a recita de 12 do corre-
te se dlslribuirfio nos dias 11 eli.no salfio
do Diestro.
Aluga-se, por preco mdico, o terceiro
andar do sobrado n. 20, na ra do Apollo
tratar com Antonio de Moraes Gomes Fer-
reir, ns mestna rasa.
Aluga-se, por mdico preco, um sitio
no lugsr denominado Sant'Aniia-de-fien-
tro, com commodos para grande familia,
baila dneanim. boa asna, estribara par
qualrn cavallos e cocheira : a tratar com
l.uiz Gomes Ferreira, no Mondego, ou rom
Antonio de aloraos Gomes Ferreira, na ra
de Apollo o. 20.
Quem quizer comprar urna ledra da
quanlia de 58,060 rs. do Sr. Jos Brazalino
Sis Silva, appareca na ra da Cadeia de 8
Antonio, 11 13, que lodo o negocio se far.
Quem quizer comprar urna lellra do Sr.
Dr. Honorio F. de Sigmaringa Vaa Curado
da quanlia de 110,280 ra., annuncie para
ser procurado, que todo negocio se fari.
Roga-se ao Sr. segundo tenenle Jos de
Cerqueira Lima, da Bahia, que mande pagar
urna lettra, que se acha vencida ha oito me-
ze ; do contrario, ter de ver sempre o aeu
noaie nesta folba
Boubo.
Aioda se nfio descobrto o Isdrfio, autor
do roubo fallo na loja o. 31 da praca da In-
dependencia, ao amanbreer do da 5 de ou-
tubro, apenas ha bem fundadas suspeitas,
consta o dilo roubo de 40 cbaposdo Cbile,
duas pec,aa de pelluca de seda com SO cora-
dos puuco mais OU menos ; 7 duzias de cor-
dOes de relroz com borlas, para aenhora ;
b pOr^Su o uiSl-ls^UC i Sljjnna ho-
l.olci'ia ila mal i i/, la Boa-Vixta.
a o- 10:0008000 5:ooo!$ooo.
Ns loja de miudezas 'da prag da Inde-
pendencia, n. 4, vendem-se bilhetes, meios,
quarlos, decimos e vigsimos desta lotera
que corre mpreterivelmeiite no dia 31 de
outubro. ou antes se se acabarem os bilhe-
tes. A elles sotes que seacabem, para nfio
compraren! mas caro, como lem aonto-
Cdo em nutras loteras.
Bilhetes 10,000
Meios S.000
Qusrtos 2,600
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Milho. .
VenJem-se saccas com milho : na ra da
Cadeia do Recife, armizetu n. 64, do Cstn-
pello.
Cha superior.
Cha superior, brasileiro, e da
India a 1,000 rs. libra : no
pateo do Collegio, casa do livro
azul
Na na te Llvrainetttf, n. 38,
vende-se um escravo da 24 anuos, muito
bom para o servido de campo ; uma escra-
vi de 24 annos, para o servico de campo :
ludo em conta por seu dono querer retirar-
se para fra.
He pechincha.
Vende-se urna canoa grande de carregar
l'jolln por prego muito commodo, por eslsr
com um pequeo defeito, e 1 mastro de 40
a 50 palmos de comprimento, que serve pa-
ra qualquer embarcaefio : a tratar na ra
Nova, loja o. 35, ou na roa do Sebo n. 36.
Vende-se usa escravo muito bom ser-
rador ; um dito de 15 annos, de muito bo-
nita figura, sem vicios nem achaques : n
ra do Livrament n- 4, se dir quem vende.
Para vestidos de sen lunas.
Ven lem-seos mais sssaiados manguitos
para vestidos de senhora : ua ra do Quei-
mado n. 9.
A 32o rs. o covado.
Vendem-se esmbraias francezas de cores
fixas, e de desunhos do goslo parisiense :
na tua do Crespo n. i, loja amarilla.
A 24o rs. o eovado.
Vendem-se chitas francezas ds cores fi-
xss, do mais moderno gosto para roopes
de seohora ; pegas de cambraia de rama-
gens adamascadas e com vara do largura,
a 3,000 rs. : na ra do Crespo u. 4, loja
aniarella do lado do norte.
I'echincha para a pobreza.
Na ra do Itangel, armazem n. 36, ven-
dem-se suecas com superior familia de S.
Calharina, a 1,500 rs. arroz do casca su-
perior, 2,300 rs. a saces ; milho, a 2,300 rs.
a sacca : lodos estes gneros estilo perfeitos.
Redes bordarlas.
Na confeilaria da ra estreils do Rozario,
n 43, ven lem-se duas redes do goslo, para
quem souber apreciar o que he bom.
Na loja aniarella da na do Cres-
po 11. I,
vendem-se chapeos verdaderamente fran-
cezes j ricos cortes de collelea decasemira,
m rio, aetim, todos bordados a sgulha e
ch-ga.ios ltimamente de Franca ; riquis-
simos lencos de sa ja italiana ; gros da a-
ples de cr<>. ruara aravalss ; e oulrss mul-
las lazr-ndas de sedada ultima moda.
Vende-se, para fra da provincia, ou
para o interior, um bonito escravo de 25
anuos, ciionio : o motiva porque se vende
se dir ao compeador: na ra larga do Ru-
zsrion 36, bulles de Bartholomeu Francis-
co de Souza.
Veude-se um mulstnho proprio para
pagem, ou aprender qualquer ofllcio : na
rus de Agoas-Verdes n. 5.
Vendem-se dous srmszens ni rus ds
Praia, ns. 34 A e 36 : a tratar nbs mesmos
srmazens.
Lotera do Hio de Janeiro.
Aos 20:000,000 de ra.
Na praca da Independencia n. 4>
vendem-se os afortunados bilhe-
tes, meios, quartos, oitavos e vi-
gsimos da a4.a lotera a benefi-
cio do monte po. \ elles, que j
ha jioucos.
Ni a fabrica de carros noa Loe Iho >,
defronte do hospital novo,
VauB-S E CSbf'Olel deCCfcit, uvvu 6
com os pertences tsmbem novos, do melhor
gosto.
Lotera lo Kio-de'Jnuelro.
Aos 20:0008000.
Na ru da Cadeia do Recife n. 24, loja de
cambio, existe anda um resto de bilhetes
e cautelas da 11.* lotera do thealro de
S.-Pedro de Alcntara, que se exlrahio a 25
lo prximo passado, e que hfio de vir as
lisias, sem falta, pelo primeiro vapor que
chegar do sul: tambera recebeu-se um sor-
lirnentode bilhetes, meios e cautelas da
24.' loteria a beneficio do monte po geral
la economa dos servidores do estado,
acham-se a venda das 9 horas da manhfia as
S da tarde.
Vende-se na loja de nludezas e qulnquilha-
ria de Victorino & ('niiiiiares na ra larga do
Rosario 11. 22, antif ament ra dos Quarteis o
sortimentos abaUo declarados e alm disto ou-
tra inultas diversas cousas proprias do dito es-
tahelecimento.e ludo se vende por preco mullo
em conta: bicosde lloho largos e estreitos e di-
tos pretos para 40, 60 e 80 rs. a vara renda
de tinlio largas e estreitas, franjas para cortina
dor editas para toalhas, frocos para vestidos de
todas a cores,babados de linhn largo para toa-
lhas e lanc-oe, guardanapos para mesa, toalhas
de mesa de duas c tres varas, filas de veludn
preto e de cores, ditas de aeda lizas e lavradas
largase estrellas, ditas inulto finas de setim,
ineias brancas e azues t cruas oara homein, di-
las branca! para menina, carnizas de meia pa-
ra dentro, barretes de laa de cores para velha,
ditus pretos de seda para padres, atacadores
para brosegulns, filas proprlaa de relnglo e go-
|.-iro de padres, ditas de la e retroz para de-
brum de sapatos', ditas de linho branco, encar
nadas e rousas e de eos larga, e estrella, ditas
larga para suspensorios, ligas de seda de co-
res, encarnada, verde e aniarella que he bra-
sileira, couros de lualro peles grandes c peque
na, assim como escoras de dente e ditas mui-
to finas cabo de baleia, ditas de calcado, roupa
c cabello, filas de seda brancas com cores es-
maltadas proprias para ainteiros de meninos e
suspensorios, suspensorios ordinarios e ditos
fios de seda e la. trancas de la de cores para
vestidos, traiicellins, reiroiproprio para obras
de alfaate, advertindo que he do verdadeiru
retroz. luvas de seda curtas para senhoras e
meninas, llnhas de miada de peso, ditas niia-
dinhas pequeas de cores preta e branca, ditas
de cabeca branca e dita de cabeca encamada,
grocas, e finas de cambraia, ditas de carriteis
de cores, ditas de nvalos de cores e brancas
de 11. 16 a 120 sortidas, ditas de marca encarna-
da e azul fina e grossa, retroz preto e azul e de
diversas cores, volante largos e estrello, cor-
ili.e* para vertidos linos egrossos. proprios pa-
ra os srnhores padres da ordein terceirade S
Francisco, medidas de alfaiate, estampas de
(lill'erciues tamauhos para 10,20, 40, 80 e 800
rs., pentes decoc de navos padrde, dito de
travesa de tartaruga para uiarrafas, ditos de
alisar ordinarios e baleia, trancellins de bor-
racha, allineies de cabeca preta em caisiuhas,
agulhas de n. I a 12, ditas franceas de n. 4 a
Izou M, calaa de rap de varas qualidades,
boides finos de osso, ditos de inadie-perolae
loufa para camisa, ditos para abertura de di-
versos pul Oes, agulhas grossas para chapeo,
l>enas Unas de ac, chapeos pretos de castor,
me ngas grossas para padre-nosso de rosario,
canelas de metal e de outras qualidades, cai-
vetes para peonas de una e duas folbas, lesou-
ras, luvas de Id pretase dita de seda de cor d
carne, tessura de uuhas, pentes de marrafa de
ac, lniir.es de metal para caifa, brlucos de
ouro l'iauce/. de diversos padrdes, ditos mais
ordinarios deoulras muilas qualidades, brin-
cos prelos de vidro e rame, gargantilhas de
dito e de filigrana com brincos e acinelle, di-
tas de vidro, clcheles, botesde tunca e vidro
*oin |.e para vestidos de senhora, estojo de ua
valhas, aboloaduras de inassi, velludo e aeda
para casaca, rosarios e tercos deafo, palhitei-
ros de louca e dldaes finos para meninas, aljo-
fares de noros padrOes, fivellas para cs de co-
letes e calca muito fina, cartelras de mola
grandes e pequeas para militar e ineniuos,
chaves para relogios, volantea largos e estrei-
tos, rclugios para meninos a SO ra-, bonetes de
panno li i tos oa trra e ditos franeexes, espe-
tos decapa, parede egaveta todos ordinarios,
boliies de relio/, e maca para farda do corpo de
policia e guarda nacional, caixas de palitos de
fogo e ditos para denles, papel almaco de peso
e ditos de cores, ditos em tullas separadas pa-
ra capa de livroa, ocios de aro preto para se-
nhora e ditos de arinafo para vista de senho-
ra e homein de muilas qualidades, caouliltsos
crespos e Usos e sombras de cores, vidros de
tinta encarnada para riscar livrns, livrluhos de
meninas aprender a marcar e ditos para meni-
nos com alguns figurina, toreadas para cande-
eiros franceses, escovasdeounves, brelas em
calinitas, lio de saipaleiro muito forte, cru e a*
in.ii ello, brozasfuudidas e batidas e seda para
ilua, lapes de lisia, colxetes e cordo de ouro
lame/, ditos para vestido sendo l Unteiros de vidro de cores, diversos coletes
pretos lios, rape mi libras, gaste Ano, grosso
e ineiu-grossu e arela preta, caetas, buceta
de piulio grandes e pequeas, rosetas de pedia
de varias qualidades, ina(os de conta do Rio
douradas, peonas lapes ordinarias e finas,
nielas de Hubo para homein, eolheres de me-
t il de cha e sopa, ditas de lato para sopa, d -
tas grandes de tirar sopa, alfmetes para arina-
(o de igreja, Ilhoies pira aervir ao ollicio dr
alfaiate e aapaleiro, pentes d coco viradoe di-
tos arrendado do uso, linbas de cor. tnnn
rs. a libra, barretes branco de algodo, facas
linas para sapateiro, ditas llamengas, gramnas,
lancetas de eabo de chilre pura sangrar, didaes
de alfaiate forrados, cordas de viola e guitarra,
bordes, retroz e rame, marcas de cubrir
graudes e pequeas, cala ainarella de raiz
ara rap, dita redondas com retrato.
-- Vende-ss um escravo bom canoeiro e
trabalhador de campo : na ra da Caceia do
Reciten. 52.
Vende-se uma negrinha de 10 annos.com
habilidades; ums prela muito boa cozi-
utici.a.lavideira e que faz o mais arranjo de
urna cisa ; duas dilss boas quitan leiras;
uma dita de meia idade, por 250 000 rs
urna pa'da de 30 annos, de exemplar cooa
lucia, e que cose muito bem, engomma
perfeitamenle, be muito carinhosa para
meninos, e faz o mais arranjo de uma casa;
4 pretos bons pars lodo o servico; e outros
.nuitos escavos : na ruada Cadeia do Re-
cife o. 5, primeiro andar.
Vende-se una preta crioula, que cori-
ntia, engomma e cose slguma couza : na
ra da S.-Cruz n. 18.
Bonetes de panno a 2$ooo.
Vendem-se boneles frsucezes, de panno
*8 !!.c s orauus lia seda, para iso-
mens e meninos i os jua do Queimade n.
16, loja de Jos DiasSitaoes.
2 000 *
1,01)0
9
2.400 f)
4.000 9

2,000 <>
lar
1,500 #

400 #
1,000
300 S
Na loja do sobrado amarello, nos
I qustro-cantos ds ra do Queimado w
n. 29, vendem-se ss seguintes fs- *J
zendas :
% Corles de calcas de casemira a 3,500,
5,000 e 7,000 rs.
Ditos de dita de algo 13o, a
% Ditos de cuteles de fuslo de
cores e branco, a
% Ditos de dito superiores, bor-
4J) dados, a
% Dilos de velludo de cores, a
4) Ditos de gorgurto de soda com
m listras,a
j) Lencos de seda de cores para
<) grvala, a 800,1,000 e
|| Luvas de algodfio, do da Esco-
41 cis, psrs homem, a
O Ditas de torgsl, a
a. Alpaca de slgodfio para casa-
sa cas e palitos, o eovado a
Chapos frsocezes finos, a 6 e 7,000 a
mitHIIWNlWHH
Domingos Jos da Silva Amorim, por
Ihe ser preciso ir tratar da sua sa le, vende
a sua taberns, sita na ra da Senzalli-Vellu.
n. 48: quem a pretender, dirija-se a mesma
oara tratar; adverte-se que lem poucos
fundos.
Vande-se um faqueiro de prala, obra
Jo Porto, com todo o servico para mesa,
sobre-mess echa, lodo novo e por preco
commodo oa ra da Cadeia-Velha n. 24,
primeiro andar.
Casa do livro azul.
Paleo do Collegio.
Obras chegsdas ds corle pelo vapor .San-
Salvador.
O Passado, o presente e o futuro
la repblica franceza, por Lamartine, 1850.
Mests obrs, summsmenle interesssnle ns
aclusl 1ade, o eloquente autor moslra sos
homens sisudose de bos f, quaes foram
os erros da republics, oque ella deve fazer
presentemente, e qusl ser o seu futuro se
MI seguir este ou aquella caminhn ; em
lim, dclnin lo o que se deve entender por
sulTragio universal, elle decltra que nSu he
o sulTragio de qualquer individuo, mas sm
i do cidado honrado a amante da patria.
A Decadencia le Inglaterra, por
Lclru-Rol1n,2 v. 1850.
na patrien do povo no foro civel
ecrjme brasileiro, por Correia Teltes. alte-
rada deconformidade com a legislarlo bra-
lileira.
Uieclonario de medicina popular,
em que se deserevem, em liogusgem se-
commndada a intelligenca das pessoss es-
iranhas, a arte de curar, pelo doutor Cher-
noviz.
l'liilo-ophin popular por Mr. De
layac, antigo magistrado francez, traduz-
da e anotada por llenriquo Vellozo de Ol-
veira.
Arroz a 1,000 rs. a arroba :
vende-se ns ra da Cadeia do Recife, ar-
mazem n. 64.
Batatas.
Vendem-so gigos com 40 libras de bita -
las: ns rus ds Cadeia do Recife, armazem
n 64.
Barricas com farinha SSSF:
vendem-se na ra da Cadeia do Recife, ar-
mazem n. 64.
Parejo.
Vendem se sacess com farelo : na rus da
Cadeia do Recife, armazem n. 64.
(jh nacional.
' Vnde-se cha nscional, em caixinhas da
la 16 libras : na ruada Cadeia do Recife,
armazem n. 64.
Potassa.
Vende-se potasas em bsrris pequeos:
na ruada Cadeia, armazem n. 64, junto a
bolica do Sr. Antonio Pedro.
Aviso a pobreza.
Vendem-se saccas com farinha de man-
dioca, a 1,600 ts: esta pechincha esl se
acabando : na ra da Cadeia do Recife, ar-
mazem o. 64
Arroz de casca.
Vende-se arroz com casca : na ra da
Cadeia do Recife, armazem n. 64.
O Vende-se farinba de m?n- O
Sr rlioca muito b trata em s,.c- j*
0 cas : na ra da Cadeia n. i. ry
Veml i-seuma casa terrea feita a mo-
derna, sita na ra Velha dobairro da lloa-
Vista n. 92: a Iralar com llypolitu Jos
Elias, na mesma ra n. 105.
Veude-se uma gran le porc/io de entu-
Iho e exlrurr e : na la da Assumpffio n. 36.
No deposito de go'argente, defronte
da igreja da l'eutia, n. 10, vendem-se loJas
as qualidades de bebidas espirituosas, li-
vres do consumo que se deve pagar ao es-
tado, principalmente as vendas que nfio po-
dem comprar cargas : o seu preco he, alm
do cusi, o importado consumo.
Vendem-se ns ra do Cabug loja da 4
portas do Duaile, oceulosde todss aa gra-
duafdes, por pre^o mais commodo que em
oulra qualquer pule, cinteiros de couro da
i.juo. liara hamansa mnninna
Vende-so um preto cosiuheiro da 22 a
23 annos de idade : quem precisar dirija-se
as Cioco-Ponlas, venda defronte da wtta-
leza ti. 152.
-- Na ra da Cruz, armazem de Si' Aran-
jo, veodem-se saccas com superior milho,
viudo do Cear, couros miudos, sapatos,
chapeos, etc.
Na ra do Cabug loja de linaria, vn-
lem-se suspensorios de seda, dlloa borda-
dados a seda, vazos de vidro de diversas
cores, chicotes inglezea para carros, diloa
para cavallos
Vende-se um sortiraenlo de vidros da
cores para mesas, sendo copos pira vinhoe
para agoa, campoteiras, garrafas, fruteiraa
e pratos, por preco commodo : aa ra do
Cabug loja de 4 portas je Duarte.
Vende-se, na ra do Vigario o. II, ar-
mazem de Francisco Al ves da Cunba, osse-
euintes gneros, lodos de superior n-is!;-
dade, e por menos preco do que etn outra
qualquer parle : szeitonas em ancorlas, vi-
nho do Porto em barra da differeolea ta-
rnanhos, cavada, cal virgem de Lisbs, r-
eos para Dipas e harris, fio porrete. retrox
deSiqueira, cha de San-Paulo, canaatrea
com atoi e oius coa roibu,



--Vende-ae barato, por trtr um pequeo
defeilo. urna mulata que sebe coiinhar r-
diario de urna raaa, cose bem qualquer eos-
1 nra. ha muilo diligente no gervico de ca-
sa, n prpria para casa do poiica familia, oi>
par ama de um hnmem gnlteiro, por ser
milito fiel : na roa do Queimado n. 14, se
dir miem compra.
Msicas novas para piano,
vindns da corte pelo ultimo vapor.
SiHlndc ilii.has nacional soh a musir da Norma
As provincial"-. C.nllecSo de 35 pecas
de msicas escoladas das melliore ope-
ras, dedicadas as 18 provinciaes do im-
perio.
Ab inodtnhns. Quero cantar a saloia, ja
que nutra moda nAa sei, minha mili he
saloia, eu cmn ella me cnei. A fresca
sombra, etc.
iiniIrlIliRs. As seductoras. L'F.ldorado,
Concordias et I edia, Delicias do baile,
scliaf'T quadrille non, iohann Strauss,
Batrice de Tenia, etc.
Vendem-seno pateo do Collegio, casa do
tivro azul.
Calcado.
Vendem-sesspalfles de cooro da lustro,
a 8.50fl. 4, 5 e 7,000 rs ; borzeguins o ssns-
toes fritos na Baha, a 5,000 rs.; sspatoes
de bezerro, a 2,800, 4 e 5,000 rs. ; sapatos
de lustro para genhora, a 1.000, 1,600 e
2.000 rs.; ditos de eordovBo, a 1,000 e 1,280
rs. ; borzeguins para senhnra, a 3,000 rs. ;
ditos prelos e de cores, a 4 5n0 rs ; sapa-
tos para meninas, a 400 rs.; ditos de lila, a
.loiiis ; ditos de 13a, a 240 rs ; e muitas
ootras qualidades de calcados por prego
commodo: na praga da Independencia, lo-
ja do Arantes.
Vende-se, ou aluga-se urna elegante
armacSo toda envidragada, muilo propria
iara loj de fazendas, ou miudezas, pela
ocalidadeemque se acha : no Aterro-da-
Boa-VIstan. 14
Vende-se farinha de S.-Matheus, mui-
lo boa, e que nfio faz dilfereng a de S.-Ca-
tharinha : a bardo do patacho Ama, ou da
sumaca Belta-Carolina, defronte do trapi-
che, ou ao lado do Corpo-Sanlo n. 25.
ramilla lie na lidiara.
Na ra da Cruz, no Kecife, armszem n.
13, ena ra da Cadeia, armazem de Cam-
pello Filho, vende-se farinha de mandio-
ca do Ceara, n.uita aira, gommosa e de ex-
rellento gosto, lano em pequeas como
em grandes porgues, por prego commodo.
Trnvessa la Madre-de-Deos, ar-
mazem. n. 5,
Acha-se estabelecido um deposito, onde
"iicoiitrariln os freguezes um bom sorti-
mento de licores, espirito de vinho, e to-
das as mals qualidades ; superior vinho de
caj; chmale; eliagesde virne, a pregos
moderados.
Taixas para engenho.
Na fut di gao do ferro da ra do iirum,
raba-so da receber um completo sortimen-
tode tnixas de 4 a 8>>almos de bocea as
qoaes'achani-so a vena por preco com-
modo c rom f.roxplidao embarcam-se,
ou carrepnm-seem carros sem despezas ao
tfiHtifh" ailor.
Deposito de potassa e cal
Vende-se muito nova e superior potassa
ecal virgem de l.isrrta, em pedra : ludo em
barris pequeos de 4 arrobas, por prego ra-
soavel: na ra da Cadeia do Recite, n. 12,
armazem.
Na ra Nova n. 12,
vandem-se riscados francezes de lindos pa-
drOes, a 220 rs o cunado ; chitas frene*? a
rom 4 palmos de largura, a 180 rs. o cova.
do ; cambraias de diversos padr0es, a 320
rs. a vara ; rassas francezas, a 500 rs. a va-
ra ; sai jn bespanhola, a 2,400 rs. o covaito;
e outras muitas fazendas, por prego com
modo.
Veode-se por muito commodo preco,
un a rica secretaria com estantes para li-
vras, bastante grande, propria paia advo-
gado, sendo de amarello e anda nova ; as-
sir.i ronio, seis cadeiras e duas mesadlas
de abrir : na ra eslreila do Rozario, o.
2, ultimo andar, das 2 boras da tarde em
diante.
I'ai inlia de Tapiiy*
igualmente em sabor, finura e cor a de Mu-
ribeca, propria para mesa: ven le-se na
ra da Cruz, no Recife, armazem n. 13.
Deposito da fabrica de Todos os
Santos na llahia.
Vende-se em casa de S.O. Bieber & C.
* ra da Cruz, o. 4, algodSo trancado
da queda fabrica, muito propria para saceos
deassurar, roupa de escravos efloproprio
para redes de pescar, por preco muito com-
modo.
Tecido de atgorto trancado na
. fabrica de Todos os Santos.
Na ra-da Cadeia n. 52.
vendem-se por tacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Arndos de ferro.
Na fundigao da Aurora em S.-Amaro ,
vonlcia-so irados de ferro de diversos mo-
"Vl'is ^
Moendas snperiures.
Na fun ligao de C. Starr & Companhia ,
em S.-\maro aclis m-se a vonda moen>s
do ..nna. indas de ferro, de ve 2!?dc! ;
conslrucgo muito lauperior.
Alassa de vapor.
Acha-se aborta a padaria da ra do Bur-
gos, Forte do Hallas, na qual ge achara
diariamente todas as qualidades de massas
linas; trabalbadas por macliinisuio ; Uni-
liem se fabrican! exeellente pSo e bolaxi-
nha de aramia, ditas inglezas, bolaxOea
quadrados e redondos, e outras mTa mas-
gas tudo obra prima : as megmaa se CharSo
no deposito do pateo do Tuco, ti. (0.
Aos nitores de engenho.
' vendein-se cobertores eteuroa dealgo-
dSo praprios para escravos, por seren de
multa duraeflo, pelo diminuto preco de 840
rs. cada um : na ra do Crespo, esquina
que volta para a cadeia.
<.'rtc*de calcas a mil rts.
Vendnm-se brins Catn listras ao lado,
branco's.e de cores, a dez lustoes o corle de
calcas na ra do yueimado n. 8, ioj con-
fronte a bntica.
Vtmde-se farinha de Sanla-Calharina,
muito sop'eror. a bordo da galeota Smi/iM*.
ma-trindade. tundeada junto ao caes do
CqlBgio. ______
iMH'l'Un iimMKiiii,
ou'nova gtris manual para se azerero to-
las as qualidades de doces seceos, de cal-
i, robertos oo confeitados compostaa, s-
as dores, conservas de doces, natas e ere-
nesde lele, gelelas, fahrieacOes das pasli-
i>rs, flores e fructas, difTerentes llguras e
ihjectos de assucar : cons^rvaQo das frue-
sem ago'ardente, dnpnraQfin e refinaefla
le assucar, do mel e da rapadura, fabric-
"flo dos xarnpes, ratafias ou licds de su-
nos de fructas por enfusSo, gelos artificies
m lodo o anno e sorveles de tods as nu-
idades. Obra nova desteanno, e utilissima,
xtrahida de diversos autores, e de militas
eceitas nBo impressas, or Constanza Oli-
va de Lima, natural do Rio de Janeiro : ven-
le-se no pateo do Collegio, casa do livro
izul.
COElnhelro impeiial,
iu nova arte do cozinheiro, e do copeiro
em todos os seus ramos : vende-se no pa-
teo do collegio, casa do livro azul.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Bruto, ns. 6, 8 e io,
fundirao de ferro.
Arados re forro.
Vendem-se arados de ferro de
difTerentes modelos : na ra do
Iirum, ns. 6, 8 e io, fabrica de
machinas e fundicSo de ferro.
,l o barato cansa ndnilraco !
Isto acontece na ra do Crespo,
n. 6, toja ao p do lampeSo
Vendem-se cassa-chilas de muito bom
gosto, a 240 rs ; cortes da ditas do melhor
gosto que leem apparecido, a 2400 rs.; chi-
tas Tinas de boas tintas, a 160 e 180 rs. o
covado ; riscado americano, a 140 e 160 rs.;
dito trancado, a 180 e 200 rs.; algodSo
mesclado, a 200 rs. ; zuarte azul com 5 pal-
mos, a 200 rs. ; dito de cores, a 200 rs.;
cas-a prela para lulo, a 120 rs. o covado ;
corles de fuslo muito boas, a 560 rs.; cha-
les de lar Itana, a 320 e 1,280 rs. ; coberto-
ies de algodSo de car, mulla encarpados e
proprios para escravos por seren muilo
quentes, a 640 rs. ; alpaca prela de conlfio,
com 7 palmos de largura, a 1,280 rs. ; ris-
cados de puro linho, a 240 e 360 rs. o co-
vado.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ru do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muilo commodo.
Vendem-se relogios de ou-
ro sabonete patente inglez : na ra
da Cruz, n. a, casa de Geo
Renworlhy & C.
= Yi-ndeiii-se, vinho do Porto, dito Sherrv,
conservas, mustarda,alcaparras, salmao, carne
< 111 conserva, sal refnadu, corrilas pal a po-
dios, franca branca da mrlhor qualidade, dila
escura, genrbra de Hollaoda, lijlos para liui*
par Tacas, licores finos, tmicinho de fumriro,
cha prelo superior qualidade, phosphoros rm
gratases rrlalho.cliampaguhe da mrlhorqua-
li.lade que ha 110 turnado, vernlzpretu e Oran-
co ; mappas 111.11 i limos de Marrl, dito da cos-
a do Kraill. dito do golfo de Venca, escovas
para sapatos, ditas de esfregar, vassoras de ca-
bello para varrer salas, aielledoce refinado e
atmanaks martimos para 1850: na ru do Tra-
piche, n.34, armazem de Rayiuund & C.
< napea'- de soi pura Neuioras.
Vendem-se chapaos de sol de seda com
frrnjas, muito ricos, com cabos de marfim
e dos mais modrinos. A Cldade de l'aris,
ra do Collegio, n. 4.
Vendem-se ch|os de sol de seda pre-
la e de cores a 4,500, 5,000 e 5,500 rs. cada
um, com armac-lo de balvia e muilo bous.
A cidade de l'aris, ra do Colkgio, n. 4.
Grande soilimenlo de chapeos de sol
de panno trancado, muiiogiandes, com ar-
maces de balis das mais lories, cabos de
latfio e de pao, proprios para seubores e fe-
tares de engenho. A cidade de Pars, ra do
Collegio, n 4.
Chapeos de sol de pannipho com arma-
cao de baleia, pelo diminuto prego de 2,000
rs. cada um, A cidade de l'aris, ra do Col
legio, n. 4.
^Depositoda fabrica de*
% lodosos Sanios, na t
% Baha. t
* Vendc-se, em casa de Domingos Al-*
>vcs Matbeus, na ra da Cruz, n. -,^'
*primeiro audar, algod&o trancado da-J;
*quella fabrica, muilo profiri para ssc-*
^cus o roupa de escravos; bem como*
j^lio proprio para redes de pescare pa-*
pvios para velas, por prego commodo.4;
tA&&ikikt
Vendem-se colteecOes com
hihs de seis lindas vistas, repre-
sentando a ponte do lenle com a
alfsndega, a ponte da boa-Vista,
a cidade de uiioda, u ponte do Ca-
changa, Poco-da-1'anella, e a ra
da Cruz como arco do bom-Jesus;
bem como duas grandes vistas de
Fernambuco: na ra da Cruz, n.
10. casa deKalkmanus Irmo.
Durras de ferro.
de muilo boa qualidade, e com segredo pa-
ra as abrir : vendem-se na ra da Cruz, n.
10, caga de Kalkiuann Ironas.
Copotliilios c manteletes.
Na rus Nova 11. ti, toja de Maya kanias & C,
acabarse de recuber capotuihos e man
teleles de can.brala branca bordada, da ul-
tima moda, e muilo bem guarnecido* com
hico a imitacilo dehlonde : es piegas con-
vidam aos compradores.
A. Colombiez, com .oja na ra Nova,
airas da mairit.'vai ter elleclivamenle um
grande sortimenlu de ra IgaJo para homem
esenhora, que os vender mais barato, por
ter contratado com um das mel liareis fa-
bricantes de Paris. Na mesis laja vendem-
se pelles de couio de lustro ; bem cania
~ Vendem-se, na rus da Ifoda, armazem.
n. 15, meias barricas com cal virgem de
Lisboa, a mais nova que ha no mercado, por
preco commodo.
5Kap Paulo Cordelro :^)
vende-se ns roa da Cadels do Recite, n. 51,
Inja de fazendaa, de J080 da C.unha Maga-
IhUes.
FeijSo mulatinbo,
de superior qualidade e muito no
vo, vende-se a 6,000 rs. a sacca ;
no armazem do Annes, no caes da
Alfandega, a tratar com Manoel
d Silva Santos.
I.alitia do Itlo de Janeiro
Aos tfo:ooo$ooo.
Nipraca da Independencia, loja n. 3, con-
fronte ra do Queimado, veodm-ge bilhe-
le, meias, qusrto, oitavoa vigsimos da
24.a lotera do Rio de Janeiro a beneficio do
monte po, vindos pelo ultimo vapor.
-- Vende-se urna crrente de ouru de lei,
com 48 oilava de peso, sem fei lio : na ra
do Livramento n. 1, priueiro andar.
Cal e potassa.
Cunha & Amorim, na ra da Cadeia do
Recife, n. 50. continan) a vendar cal vir-
gem de Lisboa, e potassa superior, por pre-
go mais barato do que em outra pualquer
parle.
Milliai arroz eoni casca a 25oo
rs. cada sacca.
Vende-ge no armazem do Braguei, ao p
do arco da ConceigBo.
Chumbo de municad.
Vende-se no armazem de J. J. Tasso J-
nior, ra do Amorim, n. 35.
Vende-se urna escrava boa quilandei-
ra, equecozinha o diario de urna casa: na
ra de S -Jos n. 7, confronte ao muro da
Penha.
Por 3:000,000 de rs.
Vende-ge um terreno com alaria e urna
casinlia, tendo de frente 107 palmos, e de
fundos desde a ra da Aurora at a ra do
Hospicio, tendo frente para se edificar 15
moradas de cagas : na praga da Indepen-
dencia, n. 17.
Foges para coxinha
muito proprios para sitios e qual-
qtialquer lugar aode n3o ha cori-
nha, por preco commodo : ven-
dem-se na ra da Cruz, n. lo,
casa de KalkmannlrmSos.
--Vendem-se dous lindos moloques de
18 anuos ; uui dilo bolteiro ; um cabrinha
de 11 a12annos, muito esperto; 8 pretag
de todo o servico ; urna dita de elegante fi-
gura, com habilidades: no paleo da matriz
de S.-Anlonio n. 4, segundo andar.
-- Vi'ueni-M!abarras ao ferro: na roa
la Senzalla-Nova, n. 42.
Cen em velas.
O Vendem-se caixas com ce- O
? ra em vela, fabricadas no
): hio de Janeiro, muito bem q
O soi li.-la,
iCtm li
9
, por ser de umi a O
liKra, por pr-co mais
q b.ralo Jo que em outra qual- q
< quer : aa ra doVigario, n
f* ig, segundo andar, a .fallar
n com Machado & Finlieiro.
-- Vende-ge um preta de naglo Mina-
muilo maga e vistosa, que engomma, co-
zinha e faz todo o mais servigo de urna ca-
sa : na ra do Amorim, n. 15.
Charutos de Havana,
de superior qualidade : vendem-
se na ra da Cruz, n. io, casa de
Kalkmann Irmaos.
Ven.iem-se 130 saceos novog de egto
pg, com duas varas cada um : na ra larga
do Rozario, n. 48, primeiro andar.
Violto de Bordeaux :
vende-se na ra da Cruz, n. io,
casa de Kalkmann Irmaos
Vendem-se silhoes inglezes
para montara de senhora : na
ra da Cruzn. a, casa de Geo :
K.en\vorthy & C.
I'anno verde escuro.
Vende-se panno lino verde escuro, pelo
diminuto prego de 4,000 rs. o covado: an-
da resta i Igumas chitsg francezag, rom al
gnm mofu, que se venderSo a quem com-
por pega, a Uors. ,oa retalhoa 16o r. o
covado: no Atterro-da-Boa-Viata n. 18,
Em a nova refinsgSo da ra do Vigsrio
n. 27, r.aassucir refinado de diveras qua-
lidades, do metlior que t.-in viuda au iiut-
cado.issim coa.o,caf moido, etc.; tudo por
prego commodo.e a contento dus freguezes:
o duno desle quvo eglabelecimento espera
pela concurrencia, dog freguezes, a quem
ama larga do Rosario, n. 88,
vende-se um lindo mulatinho de 13 annus,
muilo bonito, ptimo para pagen ; unm
Kiulalinhadel4 a unos, cors principios de
costura e engommado; 2 moloques de
i6annog, myito lindos; mulalinhos de 9
a 10 a anos; urna prela de nago, de 20 au-
ito, de btnila figura, perita cozmheira, o
com a habilidades precisa parg urna casa ;
urna prela de mois idadade, muito robugta,
por 320,000 rs.
O arrematante do contrato das aren-
g-a deste municipio wode as fregueziaa
de fra, como aejam : Afogudos, Varset, S.-
Lourengo, JaboalSo, Murlbeca e Pogo dPa-
nellu, por pregos commodos.
df??ff? f fffffffff2

a>

Na loja do sobrado amarello, nos
qustro-cantas da ra do Queimado
n. 29, ven^em-se cortes de veslidog
de cassa-soda com flores, a 7,000 rs.
cada corte ; ditos de cambraia bran-
ca com barra bordada e adamascada,
a 6,000 rg.; dilog de cambraia-seda,
rico e de m iio modernos gastos,
. 2
por difTerentes pregos, h ven do de J
tudo grande aorlimento para ga esco- s
J Iher ; cortes de vestidos de seda, de ^
jT gosta muito modernos, por prego ^
J em conta ; e outrss fazendas finas e 4t
ik de goslo. *
AAAAAA AA A AAAAAAAAAAO
Bonete a 240 rs.
nes, no caes da Alfandegs, a reUlho ou por
junta; sflanga-sser nava, *!. torrada
ummosa edeeiceHenle goato como po-
lerflo ver os compradores : bem como mi-
lito muito uovo, a 3,500 rs a ateca.
Vende-se ama mulata que corla e faz
tamisas de liomem, cose com toda a perlei-
gfio costuras de alfaiale, isto he palitos, cal-
es, jaqueles e colletes, engommadeirs, boa
cozinheira do diario de urna casa, nflo be-
be espirito de qualidade algurha, he muito
fiel e boa compradeira ; urna preta de An-
gola, de bonita figura, moga, sem achaques,
boa engommadeirs e com outras habifida-
degquege informarBo ; u.aa nulatinha de
10 a II anao, com principios de costura, e
de bonita figura : na ra larga do Rozario
n. 48, pnmoiro andar
Vende-se urna escrv de nsgfio, de
30 aonos, cujas habilidades so dir&o so
comprador : na ras Velh n. 71.
Manteletes e capotlnnos.
N ra Nova, n. 6, loja de Maya Ramo ct t ,
acaba -se de receber de Franga um orlimcn-
to de manteletes e capuln
vrada e lisa, da ultima mod, e que'ge ven-
der muito era coala.
Escravos Fugi
- No da S da agosto proxi.no psado,
fugio, do sitio de SebagtSo dos Oculos Ar.
. co-Verde Pernambuco no lugar da C.
Vendem-se bonetes para meninos, a 240 ~ .
r.cadum: no Aterro-d.-Boa-Viata, loja pellih. doondego.o seu^Scr.vo de no-
n. 58, junto a de selleiro.
A I S'Ooo o covado.
N loja n. S, defronte do becco do Peixe-
Frito, vendem-se casemiras eacurgg de bo-
nitos desenhos em xadrez, ptimas para
pannos de cima de bancas, a cinco patacas
o cavado : esta fazeoda lorna-se muito re-
commendavel pelo eu modernismo.
Ui io a
tratar na
sobrado
a 1,000 rs.
'" palos ja leilos do meamo euuiO,

Os vi rilatli i ios riscados uionstios
a ulio rs. o covado.
Na laja da ra do UVCimado n. 3, ven-
dem-sc ii.-cados tuonstrogde quatro palmos
h ineio de largura, pelo baralissimo prego
de 260 ra. o covado.
Vende-se a laverna da travess de S.-
Jos li- 2, cum poucos fundos, e caminados
para familia : o motivo por que se vende be
pelo dono rehrar-se para fra do imperio : a
tratar na mesuia taberna.
Vende-se urna casa terrea, sita na tra-
vessa da ra Helia, cea do Machado, n. 5 :
no Ati rra-da-llaa-Visla n. 60.
Veudem-se snpates
chegadog agora rcesmo do Aracaly, feilos
s capricho, segundo as recommendagOes
que para la se leitl leito, por mdico prego,
para se liquidar : na ra larga do Rozario
n.S5
--'Vende-se um rico candieiro de 5 luze,
muito moderna, por prego commodo : na
ra estrella do Hozara, por cima da botica
do Sr Prannos. '
Vende-se ou troca-se urna cama de
con luieni bom esta.io por urna marque.a
uinag caueiraa : na ra aas Crutea nu-
mero 10.
9 Na loja do sobrada amarello, nos &
% qustro-cantos da rus do Queimado #jt
% n. 29, Ivcndem-se as mais modernas #
% chapelinhas de seda de cores psra se-
nhora, muilo bem guarnecidas ; bem #
^ como manteletes dn seda furta-cres,
% os mais moderos que existem : ludo
ti por prego commodo.
# *
Vende-se uperior rap de Lib0a, em
frascos, chegado agora na barca portugue-
za jeira : os Snrs. freguezes que estao
acostumados a lon.arom boa pilada, nSo
deixarSo de mandar buscar no largo da As-
sembla n. 4.
Vende-se a taverna da ra
do Palre-FIoriano n. Ta, com
poucos fundos, a qual
i2,ooo n. por dia : a
travessa da Concordia,
n. 5, das 6 s 8 horas da manha,
e das 4 s (i da tarde.
Vendem-se 16 escravos, sendo um bom
carreiro e roestre de purgar ; 3 dito de
todo o servigo; S mulatinhos de 16 anuos;
2 ditos de lodo o servigo de campo; una
mulalinha recomida, de 14 anuos, que co-
se e engomma; duas escravas mogas, de
bonitas figuras, que cosem bem e engom-
inam ; 6 ditas de lodo osirvigo : na ra Di-
relia n. 3.
w~ Vendem-se scllins inglezes
eos, chegados agora : na tua
da Cruz n. 2, casa de Geo: Ren-
worthy ck C.
Vende-ge a valsa Adalia para
piano : na loja de Carduzo Ayrea,
na rus da Cadeia-Veilia n. 31
prego 500 ra.
-T^endem-ge 26 libras de penngg de
ema i na ra larga do Rozario n. 26, loja
le miudezag.
Vende-se um bonito molecote: na ra
da Cruz, n. 52, segundo andar, das Casi
horas da maobSa, e das 3 s5 da larde.
Romance modernissimo.
Os Mvlenos do povo ou histo-
ria de urna familia de proletarios,
por E. Sue, traduccao do Rio
e chegada peio vapor S.-Salva-
dor : vende-se oo pateo do ( olle-
gio, casa do livro azul.
lie grande nechineba.
A 2oo e a4<> "8-
Vende-se urna poigSo da chita franceza,
de 4 palmos do largura, rozas, de crea li-
za, a 200 rg. o cavado ; casga francezag
de bonitas padies, a240rs. o covado : na
ruadoCregpo n. 14, laja de Jos Francisco
Dia.
Lotera do Itlo de Janeiro.
Aos o;ooo8ooo.
Na ra d Cadeia do Recife n. 40, loja de
fazendas, de Francisco Congalves da Silva,
vendem-se billietes, meios e quaitoa da 24.a
lotera do monte pi geral do llio-de-Janei-
ro, chega Jas na vapor S.-Sebaiiio.
A Kiois.ii covado.
Ilefrante do becco do i'eixe-Frito, loja n.
O vanil.-ta ir,no muroll; o li baralisgimo prego de um cruzado : esta l-
cenla tornase .imito recommendavel por
ser muilo lina e de padraes agradavei.
t 'lu a 5oo rs. a libra.
Vende-se cha hysson, de muilo boa qua-
lidade, a 500 rs. a libra ; na ra do Crespo,
n 23.
Vende-ge, ou Irca-se por escravos, un>
sitio em Ierras proprias, a margem do rio
no Itemedio, com mar a toda hora, cora
mais de mil palmos de fundo, boa casa,
cacimba solTiivel usa urna familia, muito
terreno devoluto, com alguna a varedos, e
muito proprio para plantar, ou faier-se
urna olana : na ra do Itangel n 54, a. fal-
lar com Victorino Francisco dos Sanias
Vende-ge urna carroga com um bonito
boi: no caminho nava que vai para o Man-
guinbo.
- Vende-se urna armacSo toda eovidra-
gada, propria i ara qualquer eslabeb cimen-
to, por ser toda em caixOes aeparados : na
praga da Independe icia, n. 22, se a andar
mostrar e se fara qualquer negocio a di-
nlieiro, liada com seguranga, nu a Iroco
de qualquer outio negocio que convenha.
-.- A Vciaueira farnia ae i'apuj aliar-
te a venda ao armazem do Sr. Antonio An-
ime Sabino, criaula, de 24 annos, estatura
ragular, refurgado do corpo, testa redonda,
denles mios, beigos grossos, bem fallantQ
falla branda; he natural do MaranbSo.
foi escrava do fallecido Antonio Rodrigue
de Miranda, e foi mandado vender nesta ci-
dade pelo lestamenteiro : quem o pegar le-
ve-oao dito sitio ao annunciante, querr-
tilicar generosamente.
-- Fugio, no dia 6 do correnle, o escravo
Jos, de nigflo Angola, mas parece crioulo,
alto, elieio do corpo, car bem preta ; tem
signal de pciurigso em um dedo, que ba
pouco sarou ; tem is pernas arqueadas :
quem o pegar leve-o ao palacio da presi-
dencia, entregar aoajuJante de orJeosdo
governo, que gralificari.
-Fugio, na manhSa do di 7 do corren-
te mez, do engenho Velho de JahoatSo, o
prelo Filippe, de nagfio Congo, de 30 ando
pouco mais ou menos, altura e corpo re-
gulares, olbos pequeos, cara comprida e
larga ; levou emisa e ceroulas de algodSo,
com a marca F na abertura, feito de ponto,
e na perna da ceroula a mesma letlra F do
linhs encarnada ; tem o andar um pouco
halangado, ou fargola; coglumi Irazrr
cingids a cintura urna patrona ; tem al-
Kuns cabellos no bugu e no queixo, bem
feio de pos e pernas. cor um pouca aver-
melliada : quem o pegar entregando ao
proprietario do mesmo engenho,, ser ge-
nerosaaienle gratificado.
Fogirao, do eogenho llh-dai-Mercez,
os prelos Candido, crioulo, de meia idade,
calvo ; tem dou dedos da mSo direita co-
mido da moenda lo engenho ; tem as per-
na arqueadaa : Conrado, bailo, com as
magSes do rosto ba alan tes galienteg, nariz
chato ; sui'pOe-se lerent seguido paia .Paja-
h-de-Flores: quom os pegar leve-os ao
lito engenno, que ser gratificado com
50,000 ra por cada.
Desai | arereu, no dia 9 do coirenle, 0
egeravo Kliaa, de Anlonio Ferreira de liar-
os Campello, de estatura regular, Cor pre-
la, de naglo Angola, de 20 aunes tem una
cicatriz vertical sobre a sabranselha esquer-
da ; o embigo saliente, dontes limados de
pona, queixadas grandes, pernas um
pouco arqueadas dos jodias para bailo,
parece ter mo genio : quem o pegar leve-o
so engenho S.-Brtbolomeu, ou na casa do
ciimmandante do corpo de polica, no lar-
go da matriz da lida-Vist, que recompen-
sar generosamente.
Fugio, no dia 15 de abril do correte
anno, da cidade de Olinda, a escrava Hose-
na, esbra escura, de 35 annoa pouco mais
au menos, aleijada dos ps, por ler tido
cravos as palmas dos meamos; tem al-
armas marcas de reino as costas; he na-
tural du Aracaly : quem pegar leve-a a
mesma cidado de Olinda, ra de S.-Joflo
n. 15, a Antonio Joaquim Habello, que se
gratificar
Desapptreceu, no dia primeiro do cor-
rente, do lugar de Beberibe, litio de Sapu-
caia, um moieque de nome Joaquim, de na-
glo Kenguela, de 18 a 20 aono pouco mais
ou menos ; levou caigas de algodo da tr-
ra, camisa de dilo j bem suja, chapeo de
palha ; he alto, peruas compridas; tem an-
dar miudinho, meio fula ; tem dous denles
da frente limados, olbos ea, sotados ; anda
semprecom a bocea abarle ; foi vislono
da 8 ao melo-dla na Linguete, e s duas
lloras na taberna ao p da ponte da liua-
Visls. Itoga-se as auloridades policiaes e
cajiacsde campo, que o apprehendaroe
levem-noao sitio d'Agaa-Fria, adianto da
Cruz de Almas, que serSu gralificadus.
Fugio, ou foi seduzid na noite de *
do concille,s muala Ignacia, de 35^ 40
nnos, cor acaboclada, cabellas corridos;
levou em sua companhia urna filhi de 10
mezes, com mesma cOr, e principiando
a uijlMNif, aiiiioiii uVO uui IrCU"
roupa, inclusive um, veatido de casaama-
rella nuvu : quem apegar leve-a a S.-Aea-
ro, casa de Manoel Coelho Cintra.
--Fugio, no dia 8 do Correnle, a prela
alaria, de nag&o Nag, de allura regular,
cheia do corpo ; lea um furo sobre a ll1*
esquerda, c urna cjstura tas costil; ten o
peilog cabidos; repreietita ter 28 anoos;
aluda uSo falla muito bem ; Isvuu cabeco
de riscado azul com o.tame, mas muilo
suju.iiuas saias,uma de chita desbalada {<>'
b.ixo de uulra de cbiu bian'ca pintad'1'
cucarnado, panno da Costa com iiW
azueg e brajicas, portn meio velho ; <
mata a vender na ra em taboleiro bal"*
leijDo, iiiilliu arruz, outros comesti'f'<.
neite de carrapalo ; perteuce a Jos Ro""j
gurs de Souza Jnior, que a cdiiiprou B
dia 28 de getembro prximo pggsado i '
Zoilo aJarque Coneia que lie pratic0":.,
rador na ra do Pilar n. 85: quem a y*iy
eve-a ao dito aeo genitor, na ra do Q*
. ,i. rn.P.tcid nue '
mado n. 37 A, loja de ferragen, q"9
coin^enaare.
Panal.
RATTr. DSU. r. DHFaBU


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7TV7WBS7_KVEDNB INGEST_TIME 2013-04-24T15:55:54Z PACKAGE AA00011611_07035
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES