Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07033


This item is only available as the following downloads:


Full Text
XAnno XVI-
Qointa-fer*
UnTIDJI DO CORRstlOS.
Goianoa e Parahtba, fecunda tiolu feiras.
Rio-Grande-dn-Norte, quintal feira ao melo-
da.
Cabo, Serlnhiem, RIo-Formoio, Porto-Calvo
e Mace 16, no 1.", a 11, e 21 de cada mez.
Garanhun e Bonito, a 8 e 23.
Boa-VUta e Florea, a 13 e 38.
Victoria, quintal fcira.
Ollnda, todo o dia.
RoTa. a 6. aoi 30 ni, da 1.
Creac. a 13. ao 10 m. da in.
Chela, a -2l.ao.ia ,. da m.
Mlng. a 28, i 2 h. e 40 m. da U
HIUU DI BOJB.
Primeira ai 8 hora e 30 minuto da manbaa.
Segunda a 8 hora e 54 minuto da tarde.
Ontnbro de 1880
W. 5
rrtEQOa na aaUoaivpJLo.
Portreameze (adUniadn) 4/000
Por sei mete 8/000
POr um anno 15/000
oas da amASA.
7 Seg. S. Marco. Aud. J. do orf. e m. da I.t.
8 Tere. S. Brgida. Aud. do chine, do J. da I. v. do
el, e do do frito da far.coda.
0 Ouart. 8. Dionisio. Aud. do i. da 2. r. do clvel.
10 Quint S. Francisco de Broja. Aud. do I. do orf.
do tn. da I. v.
11 Sext. 8. Friinino. Aud. do J. da 1. v. e do do
felloa da fazenda.
12 Sab. S. Cyprlano. Aud. da Chae, edo J. da 2.
. crime.
13 Oom. O Patrocinio de S. Jos
CAMBIOS ID 9 DE OOTUBRO,
Sobre Londros. a 28 '/> d. por 1/000 rs. a 60 dia
Parla, 346.
Lisboa, 100 por cento. ~
Onro.Onca heipanhoe.........29/000 a 29/WO
Modat de 6/400 velha.. 16/400 a 16/600
. de 6/400 ora .. 16/100 a 16#200
. de 4/000........... WI00 a 9/200
/VM.PatacSe brasileiro...... l/*0 a 1/980
Peo coluinnario....... 1/'80 a 1/"J8(>
Dito intalcMO.....
PARTE QFF1CUL.
MINISTERIO DO IMPERIO.
DECRETO N. 583 DE 5 DE SETEMBRO DE
1850.
Avtorita o governo para determinar o numera
e localidiul'% dot cemilerin* publicni que
conunha tttabelutr aai tuburlnn do Ri.
ii-Janeiro.
Hei por bem sancionar mandar que se
execute resoluc&o seguinte da asseiubla
geral leg'aialiva :
Artigo 1.a O governo he BotorlM>lo :
1 Para determinar o*xmtn>ro e loca-
liias dos cemiterios pblicos que oonvenh
estsbelccer nos suburbios do Illo-de-Ja-
neitn.
S 2 Para regular o quuntitaiivn das es7
molas das sepulturas e o pretorios caixOes,
e vehculos de condcelo de cadveres,*
ludo o inais que fr relativo ao servico dot
enterros, organisando tabellas de txs, at
quaes nSo pdenlo ser alteradas senflo no
fin lecadad'cenuio.
3* Pra commdler, pelo tempoeconi
as con lices conteniente.salvos os ilireitn
do ordinario' lis parte religiosa, a (undulo
e a dminhtrscSo dos' mesmos cemiterios,
aasim como o foroeciment dos objectos re-
lativos ao referido servico a urna irmanda-
de, corporacin civil ou religiosa, ou mes-
mo a empizanos, com o encargo de es-
tahelecer mtnlerem e conservaren! tres
enfermaras completamente servidas com
boticas regulares, para tratamento e soc-
corro da pobreza enferma, lauto em lem-
pos ordinarios, como nos casos de epedimia
que possni msnifestar-se.
vAaL-9.* A iroiandsde, corpora^So ou em
arios, a quem a referida concessflo
filrJWU, darBo aiiuiialmenta conlas aogr>
verno do que receberem e despenderem,
sem que este sejsobrigado a indemnissra'o
alguna no caso de dficit.
tZJiJ^JS^^^ 3 P* ."-stos de omci.es geoer.es sero
os cemiterios publica*, anenhuma irman-
dade, corporac,llo, pessoa ou asaociacSo, se-
r permeltido ter cemiterios, ne n forne-
cer os objectos relativos ao servido dos en-
terros declarados no art. I 2.* com a pe-
na-do perd ment dos terrenos em que es-
tlverem fu dedos os cemiterios, o dos ob-
jectos do servico dos euterrus, alm das
Outrrt em que | qssam incorrer em virtude
dos regulaimntos do governo.
Art. 4 O govflrno po'Jer permitltr ce-
miterios particulares coto as condiccoe*
quejulgar convenientes.
l, Aos prelados diocesanos, que pode-
ro ter jngos as suas catlie iraes ou ca-
pellas.
2. Aos mosteiros e conventos, para
sepultura smepte daa pessoasda sua com-
munidade. ?
S 3. A's irmandapes que estavam na pos-
se de ter jazigos, anuanlo que os eslabele-
!im dentro dos terrenos dos cemiterios pu-
licus, e sejam destinados para sepultura
dn seus irmSossBienle; estas irmandades
torflo a administraeflo do seus cemiterios
independeuie da admiuisCjagao geral, po-
deudo levantar capellas se quizerem.
% *. A's pessoas de culto diverso duda
religiao do eslado.
Art. 5.a NSosfiocomprehendidosna pro-
bicSo do art. 3.*
I.* O cemiterio dos mnimos de San-
tos saber i todos o nossos subditos que a
assemhla geral decrctou, e nos queremos
a lei seguinte :
Art I O accesso aos poatosde oltlciaes
la* ilifferenles armas do exercito ser* gra-
dual e successvu desde alferes ou aegundo-
lenente at mareehal do efreito.
Art. 2 As promor;6js serSo geraes em
cada oin dos corpos e anaas abaixo decla-
rados.
Corpo de e*tado-maior general.
de engenheiros.
deesiado-maiorde primeira classe.
do elado-miior de segunda classe.
Arma de ait'lharia.
da ovallaria.
de infantaria.
Arl. 3.* Neolium militar pnder ser pro-
movido ao poto de alferes ou segundo-le-
nenle sem ter completado dezoito anuos de
idade, edous annos pelo menos de prava
effectiv* no esercito
Art. i. Nenhum oflHal poder ser pro-
movWo al o p"Sto de capitSo, inclusive,
sem ter as liabil'tacOes marcadas nos regu-
meotos do governo, e dois annos de servi-
co em cada posto ; nem ter accesso os
postos superiores sem tercompletado treze
anuos nsquelle em qoe se achar.
Art 5.* O tempo -djq servico marcado no
arligoantecedente ser redujido metade
para os ofliciaes qoe se acharem em opera-
ragOes activas de guerra.
Art. 6.* Para o preenchimento dos postos
vagos no exercilo nbservar-se-ham as
promoeOes as regras seguinte8 :
1. Os poslos de alferes e segundos-te-
nentes serlo preenchidos pelos sargentos ;
pelos cadetes que liverem servido por al-
gum lempo de ofliciaes inferiores; e pelos
Slumnos da escola militar na forma da lei
sspeclira.
2. ().< postos de tenentes, primeiros-te-
nenteso capitSes, serSo conferidos por an-
liguidade ; e os de mapires, tenentes-coro-
ns e coronis, metade por antiguidade e
metade por merecmento.
Para V. M. Imperial ver, Jos Antonio
Eerreira CuimarScs a fez.--Euj6io de Quei-
ro Cntilinho Malloso Cmara.
Sellada na chancellara do imperio, em
II de setembro de 1850.Josino do Natti-
menlo Silva.
Publicada na secretarla de estado dos ne-
gocios da guerra, em 17 de setembro de
IH.'jO. I.ilmnio AUSKSio da Cunlia Nattot.
Registrado na mesma secretaria de estado
no livrn respectivo. Rio, em 17 d setem-
blO de 1850.Jes* Anlunat t Auvtio.
conferidos por merecmento.
Art. 7.* As eonlic.'s dos artigos 5 e po-
dero ser aderadas ;
S I. Por serviros relevantes, e acedes nV
bravura eintelligencia devidamenle justifi-
cadas, e publicadas em ord*m do dia do
commtodanle om chafe das forjas em ope-
racOees.
j 8. Quando nSo fr possivel preencher
por outra forma as vagas dos corpos que se
acharem em presen? do inimigo.
^jjt. 8* A antiguidade para os accessos
ser contada da data do decreto que confe-
rir o posto ; em igualdade destas, da dos
postos anteriores ; e quando anda sejam
iguaes, da do assentamenlo de prac,a. A
maior idade, e por fim a sorle, determinara
a priordade, quando todas as circunstan-
cias anteriores forem idnticas.
Art. 9.a N3o ser contado para a anligui-
lade militar o tempo passado om servico
estranlio repartidlo da guerra.
Exce,dua-se desla disposi(9o o lempo de
servico na guarda nacional, nos corpos po-
licites, na marinha, mis-oes diplomticas,
presidencias de provincias, ministerios,
corpo legislativo, eo que dentro ou fra do
imperio fr empregado em esludos milita-
res oui in luslriaes, com pormisso do mi-
nisterio da guerra
Art. 10. Os piisioneiros de guerra conser-
vado seus din iros dn antiguidade ; mas m>
fOVERNOOA PKOVINGIA.
EXPEDIENTE DO OA 7 D0C0RHENTE.
Ollicio. Ao juil relator da junta de jus"
rica transmittindo pra depois de visto sor
auresentado em sessSo da mesma junta o
procegao feito ao tambor do 2. batalhffo
learlilhari* a v Manuel Antonio dos San-
tos. -- Inteirou-se ao Eira, coinmandaot
das armas.
Dito. -Ao inspector da pagadura militar,
transmitindo para os flus convenientes a
uia de vencmentos do caplffo do impe-
rial corpo de engenheiros Christiano Pere-
ra de Azeredo Coutinho, que vio para es-
la provincia em virtude de ordem imperial.
Dito. Ao mesmo, inteirando-o de have-
rem as pracas de primeira huta, mencio-
nadas na relaco que remette, depois de
liu lo o seu lempo de servico contractado
nos termos e decretos de 18 de novembro
de 1848 para continuar no mesmo servico
mediante as gratificares declaradas na ci-
tada relacSo ; o ordenando que mande pa-
gar as ditas pravas as referidas gratifica-
rlos, de conformidad com o ollicio da pre-
sidencia de 4 do coi rente, sendo 50,000 rs.
vista, eo resto em prestaces mensaesde
10,000 rs. Ofliciouse neste sentido ao
Kxm. commandaole das armas.
Itelaco a que s refere o ollicio cima.
Segundo balal/ido de eacadoret.
Soldado, tlanoel Francisco $.' 180,000
Oilavo liatiilho de eacadoret
i.. i. i, t ----- --------------.----- varno seus um iros onanugumaue ; mas-so
Lninf seT 'rffi"0A'. "em Pm "fMun d '" 'Penor aquello que occup.rem
seus innSos s,i ente.
J 2.' As armarOrs e mais objectos do ser-
vido fnebre dentro das capellas dos cemi-
terios particulares, ou dentro das igrejas
paiodhi.es, por-occasiSo de funeraes. exe-
quias OU encomnieudacOes, sampre que
esies actos posaam celebrar-se dentro das
mesmas rejas sem prejuizo dataudepu-
blica.
^ 3." O vehicnlos de conduccHo de ca-
daveres, e os objectos de servido fnebre
que l.em de propriedade da casa dos fina-
dos, un prestado* graiuilanitnle por pessoa
de sua familia ou auiisade.
Arl. 6 Fice declarado de utilidade pu-
brica a dessppropriarjo dos terrenos e edi-
ficios necessarios para estabelecimeiilo dos
ceuutei ios e enfermaras que o governo de
signar ; dovendo o valor da propriedade ser
previamente indeuinisado pela iruihiidude,
corpora^loou empresarios que forem cucar
regados -' fiindacJo jo meamos ceai -
tao* e enfermaras.
>i T O averno, no resulamer.ln
InsliuccOesqo expedir para a boa execu-
CSqa}a pre.-ente le, e para t economa e po
licia dos cemiterios o funeraes, podr.ra
i ni por penas curreccionaes de pris.lo al
seis me/es, e multas al 200,000 rs. obser-
vando-so a mesuia forma de piocesso, es-
tabehcida para a applicarjSo e execu(3o das
pen.a ibiposUs tas posturas das cmaras
municipal
Oviucontle de MonfAlegre, conselheiro
de estado, presidente do cuncelbo de mi-
iralros, ministro e secretario de estado
dos negocios do imperio, assiui o tenba en-
tendido e faca execular.
Palacio do Itio-de-Xaneiro. em 5 de setem-
bro de 1850, visegimo nono da Indepen-
dencia edo impsrio. Com a ruPric* de
a I. Vuconde de NonMegrt.
MllNISTKlUU.UAGUEBRA.
i,K N. S5j 6 DE SETE.ilhho HE 1850.
htgula a uceesfo aos postal di uf/ieiaet datdif-
ferenles ama* o txercilo.
Dom Pedro porgrace de Deose unnime
acclamacao dos povo, imperador contito-
cioaal defensor perpetuo do Brasil: Pazo-
quando fra n feitos nrisioneiros.
Art. II Kica o prohijas :
S I. Oualquer promoc'o com clausula
sem prejuizo de antiguidade
2. A concesfo de graduarles, excepto
aoofllcial mus antigo de cada classe
3. Toda o'qualquei graduac&o militar a
empregado civis das secretarias, conla lo-
rias, ars*-nes oulros estahelecimentos ou
reparli(0es militares, com exceptu po em
dos pagadores e commisse:iosdas tropas.
Art. 12 O govemo he aulorisado a trans-
ferir para as armas em que se exlgem co-
nlieciiiieulos Iheo'icus e scienlilic i.s, os ofTl
ciaes das oulras armas que liverom as halti-
lita<;-s completas; e do corpos de enge-
nheiros, eslado-maior earlilharia para ou-
lros os ofliciaes que nSo ti ver em as habiii-
tacOe precisas. Esta disposi^So s ter Vi-
gor durante o primeiro auno que decorrer
da pubhct'o da presente re.
Art. 13. O prccr.chimenlo das vagas que
occorrerem n3o s ?r demorado por mais de
::=: zr.r.r., c ;; p'ofTO^Cfr-'mmeJiala-
menle publicadas pela impronsa.
Art 14. O governo he aulorisado a expe-
dir os regulamenlos necessarios para a
execufSo da presente lei, flcodo porm de-
pendentes da approvaciio do poder legis-
lativo.
Art. 15. Ficam revogadas as disposic,es
om contrario.
dudamos portanto a toJas as autorida-
des a quem o conlieciineiilo e execucao da
referida lei pertencer, que a cumpram, efa-
;am cumpnr e guardar iSo inleiramenteco-
mo oella se contm. O secretario de eslado
dos negocios da guerra a faga imprimir, pu-
blicar e correr.
Dada no palacio do Rio de Janeiro, aos 6
das do mez dsete nbro de 1850, vigesimo-
iioiio da independencia e do imperio.-Im-
perador, com rubrica e guarda.Manat Ft-
lizardu e Stuta e. Mello.
Carla de lei pela qual V. Magestade man-
da execular o decreto da assombla geral,
que liouvo por bem aanrcionar, regulando o
accesso aos postos de oflkuea das dillren-
ies armas do eercilo, como nella se de-
clara.
Soldado, Joo Pedro Machado 200,000
Pelis Jos Baptista 180,000
Jos Joquim de
Sania Anua 180,000
Bernardino Gomes 180,00n
Angelo Malaquias 1*0,000
Joaquim Jos, de
Sant Anua 140,000
Msico da 2.* classe Francisco Rodriues
de Mello 180,000
Dito.Ao inspector doarsenalde mari-
nha, ordenando que nomee interinamente
um dispenseiro para substituir odo brigue
escuna Campo Fernn lo Alves Peroira, qu
por molestia acha-se impossibilitado de
embarcar. Officiou-se neste sentido ao
com mandante do referido brigue escuna.
Dito. Ao criminante do tingue escuna Ca-
nopo, inteirando-o de haver expedido ordem
ao agente da companhia das barcas de va-
por para mandar dar passagem para a corte
no vapor, que se sepera do norte, ao segun-
do tenente Francisco Gomes da Silva.
Dito. Ao inspector da thesouiaria da
fazenda provincial para man lar adiantar ao
ofllcial e mais pracis que com Oem o des-
tacamento de Barreiros tres mezes de sol-
do a contar do primeiro desto mez ao ulti-
mo de dezembro vindouro, vislo assim o re-
quisilar o commandaute do corpo de poli-
ca. Inlelligenciou-se ao mesmo com-
mandanle.
Dfio. Ao mesmo, para que mande a-
diantar ao engenheiro Milet, visto assim o
requisitar o director das obras publicas
quantia de 2 000 000 rs. para continuado
la obra do 17." laufo da estrada da Victo-
ria. -- Sciedtificou-se ao referido director
Dito. Ao delegado do termo do l'o-
TAilio dizendo que, i vista do que ponde-
ron o commandaiitu do corpo de polica na
ollicio que remelle por copia, nllohe po-ai-
v-l augmenlar-se por agora u destacamento
daquella villaa.
Dito. Ao Dr. ilanocl Joaquim Carnriro da
Cunba, conccdcndo a escusa que pedio do car-
go de delegado do termo do Arejo, atlendentu
o eitado de mole*ti i que allega em aeu odien.
de 26 de aeleinbro ultimo .
Dito. -- A' cmara dr Iguarassii, Inleirando-
a de haver ea\ 26 de (etcuibro uUimo expedi-
do ordem ao inspector da thesouraria da la-
eoda provincial, para per ciu arremataco a
obra da ponte daquella villa. .
Dito. A'cmara municipal de Olinda, pa-
ra que informe acerca do aforamroto da i Ih.i
do Capui, que dix o vercador Antonio Joaquim
de Atmetda Guedes Alcaurorndo, no ofUciu que
remelle, fura friin por aquella, cantara a Hei-
rlo Alve''5!!ri=d: Vnrpjao. eiclni.wi" e-
tro pretendeute que mcliiore condlcde of-
f erecta aa.
Dito \' cmara municipal do llculc, Em
olucoao ollicio que Vine, inedirigiraui com
dala de 30 do mei passado, cuntuliaiido-se us
titulo passado pela esrola liouucopathica es-
I ale decida no Rio-de-Janeiro, habllilam a a-
qurlles a quem bouverein sido conferido para
exercer a arte de curar, tenho a declarar-Ibes
que. como ar acha decidido no aviso dr -2 d
agoito de 1846, os crriilicadosdc um curso par
neniar de medicina pelo sjltccna hoiiueopathl-
co, estabelecido no Rlo-ue-J*Brlro u. o lem o
carcter dos titulo a que alludeo ariiyo 14 da
lei de 3 de outubro de 1X32, e qaeasniin nao
raiao coinprebeadido nesla diiposicao legis-
lativa, nem podeui habilitar alguem, que nao
eja medico ou cirurgio formado as uossas
escolas, ou que leudo-o sido eut^scolasestran-
geiras e lenhaui sujeilado as provaa exigidas
na citada diipoacao rgislatlva; cumpriudo
pulanlo, que pesia conforuildadc procedaui
Vincs no caso exposto em seu dito ollicio.
Dito. A' cmara municipal de Olinda.
Em resposla aos omcios que na datas dr 31 de
asoalo e 31 detetrmuro ultimo me dhiglrain
Vuics. consultando e ao vrreador Antonio Joa-
quim de Alineida Guedes Alcanforado be per-
mlttldo recusar-se a asiigoar urna procuraco
que a cmara municipal deliberou patsar com
o fundamento de er eu voto contrario a e-
nelhante dellberacao, tenho de declarar-lhe
que determinando a lei do 1.a de outubro de
1828 no artigo 35 que o tecretario na respecti-
va acta declare o nomrs dos vcreadores que
volain pro e contra a drciides que le tomaui,
ficam assim livrrs de toda a lesponsabibdade
o que sao vencidos pela mainria, e devem as-
signar a decises. porque d'outro modo nao
poderao em alguin occaside er expedidas e
ter oseueffrllo, dando se o abuso de prevale-
cer sobre a opinio da maioria a do menor nu-
mero.
Dito. Ao vereadorda cmara municipal de
Olinda Antonio Joaquim de Almeida Gurde
AlcanforadoEm reapoata ao ollicio que Vine,
me dirigi n u ida de 3l do mez de agosto ulti-
mo, rxpoudo a rases porque drixara de aig-
nar una procuraco que acamara municipal
d.-sl i enlaile resolver pissar para ser sulnla-
belrcido em Baxilio Alves de Miranda Varrjo.e
pedindo esclarecimenlos a respeito, tenho a
declarar-lhe para seu conliecimento que adu-
vidaproposla sobre sua rrcusa a assignir adl-
la prncuracao fica resolrlda por portarla desta
data a cmara municipal, e qtianto aos prejui-
zos, que Vine, suppoe que provirao a cmara
municipal do contrato que Y me: din liiera'a
inesnia rom o mencionado Bazilio Alves de Ml-
cmili Varejao, alim de aeccitar a dita procu-
racu nao os deve Vine, receiar porquanto sen-
do a cmara municipal incompetente nos ter-
mos do disposiv no artigo 42 da lei do I de ou-
tubro de 1838, para de propria autoridade e io-
dependente de approvacao desla presidencia o
fazer, nao p ie elle ter eil'eiio valido, e para
que se providencie a respeito nesta occaaio
exijo da mesma cmara a necessarias infor-
maede.
l'urui ia. O presidente da provincia, alte-
rando adispasico do artigo59, capitulo 2. do
rrgulameuto das obras publicas de ?deinaio
ultimo, em vista do que llie representou o ins
peclor da thesouraria da fazenda provincial em
llicio de 5 do correle, resolve o seguinte : as
conlas relativas a obras e trabalhos pblicos,
que por loica -do referido artigo eram presta-
das no lio de cada mes, e devero ser d'ora em
diante de tres em tres mezes, ficando em seu
i ule 11 ii vigor o mais que diapde o referido ai ti
go. Remelteu-sc copia ao director das obras
publicas e ao inspector da thesouraria da fa-
zenda provincial.
------ 'll i ------Sm.ami

CMARA MUNICIPAL DO RECIFE.
srssxo EXTatOnDlNXRik nn 27 de sctimuiiu
de 1850.
Prttldeneia doSr. Oliveira.
Presentes os Srs. Mimede, Moraes, Vian-
na e Pires Ferreira, faltando os mais Srs.,
bo-se a sessSo, e fui lida eapprovadaa
acia d antecedente.
Foi Hilo o seguinte expediente :
Um ollicio do Kxm. presidenle da pro-
vincia, spprovando a arrematscSo que fez
Domingos Jos de Santa-Ann, de um lan-
qo do muro do cemiterio publico por rs
2:533.400 -- Que se lavrasse o respectivo
termo rio contrato.
Outri dizendo que na secretaria da presi-
dencia niio consta a portara que esta c-
mara por ollicio de 14 do corrente disse ter
sido expedido pela secretaria de estado dos
negocios da Justina cm 27 do m'c,o do 1816,
assim como que niio leve anda s iliic.,1 > a
representaijln do conseiho geral de salubri-
dade desta provincia, de que tambe i tra-
lou a cmara em dito ollicio.--Quesesub-
metlnsse ao conhecimento do Exm. presi-
dente da provincia o negocio relativo ao
diploma de Julio de Souza Sanios Jnior,
passado pela escola bomoespatliica do llio-
l -Janeiro, e .se cnnsultasse sobre sua luga-
lidade, ou nflo legalidade, votando contra
o Srs. Mnraes e Pires Kerrer.i.
Ouiro do mesmo Kxm. presidente, corn-
municando ter chegado ao seu conhecimen-
to o monopolio da venda das carnes verdes
feito pelos marchantes conluiados nutre si,
> rom os contraladores de arreca lar;So do-
respectivos impostos, e raro nmendando
que esta cmara procure inmediatamente
colher todas as infornaces precisis, para
conhecer-se em toda a sua exlenso e cir-
cunstancias semelli inte abuso, e adopte lo-
go as medidas e providencias que cahem tas
all i Ii i i toes que I be confere a lei do I.* de
outubro do 1828, podando contar com o
apuio e cuadjuvac/lo da pre.idencia.Foi
oomoi la ii na commissDu especial dos Srs.
Vianna, Pires Ferreira e Moraes, paiaco-
_da as providencias, que se devem tomar,
.coinmunicaudo-se islo mesmo a S. Exc.
i iih o do mesmo, approvando as arrema-
lates que 11 ver., ni lugar nesta ranura no
ii 14 (lo cnrrente, menos a dos tal os dos
(ougues pblicos, omquanlo se niio provt-
leneia sobre o mouopolio da venda das car-
nes verdes. '
Outrodo ni -.Sino, tiaiismiUin lo copia da
reoluto que lomara, sobie a alleracao
|iie soll'rou una paite da planta desla Ci
dule; em. consequeiicia da que serve de
plano para a casa de dalenQ3o, bem como a
oanla que ipprov.ra paia regularisar a
parle alterada Que fissea planta remet-
uda a commissu'o de edific<(3o. -
Outrodo capitn do pinto, con mullican
lo ter ouvi lo ao engenheiro eucarregado
ilas obras do mellioraunto do mesmo por-
to sobie a iirelenfilo do comineu iador Luiz
Gomes Ferreira, e nada ter a oppor, urna
vez que.soja a liceiiQa concedida com a con
dicto do desitiaiichar o accreasimo da
pouU de embarque de sua propriedade da
ra do Appollo, logo que esteja concluido
o caes quo pretend) fazer.luteirada, edes-
pachou-se ueste seiuido a peliyio do mes-
mo comtnendador.
Foi approvado um parecer da commisso
encan egada de indicar o meio de se lazer a
arrecadatSj dos impostos creados pela lei
provincial de 5dn jullio do corrente anno,
art. 23 16, deliberando a cmara que se
lase 3 por cento ao que fosse encarregadn
le arrecadar o imposlo de 500 rs. sobro ca-
heca de gado vaocum, nesta ri Indo, di-
xando por hora de resolver sobre a manei-
ra de se cobrar o mesmo imposlo as fre-
guezias de fra ; e quanto to imposto de
gado suino e ovelhum, qoe se annonciass^
oor editaes, que a cmara contrata a >ia
arrecadacSo, mediante 10 por cento em fa-
vor de quem a fUer.
OSr. vrreador Mamede fez os seguintes
requerimientos, qui foram approvados de-
liberando a cmara quanto ao primeiro, qui-
se oflHasse ao Kxm. presi lente da pro7in-
ia para verificar a utilidade da dcsapro-
oriatilo da parede deque elle Irata. e quan-
to ao segundn, que so remettesse a com
misilo de edificarjSo.
Itequeiro quo se pessa no Kxm. presiden
teda provincia a demolicSo de um pedacn
de oiio, que divida o terreno pertencente
ao esiab Iri'iniento dos orphSos com o pre-
loda viuva do Maduro, que esta cmara
comprou e mandou demolir, afim de se po-
ler abrir a travessa, que vai da ra do Vi-
gario a da C idea-Velha.
Paco da cmara municipal, J7 de selem-
l)ro de 1850.O vereador, Mamede.
Requeiro que se contrate com oabbada
do convento de S -Benlo de Olinda, a Nal -
nra de um predio na ra da Linguete para
str demol lo afim de dar passagem da ra
di Tanoeiros para a dos Torres, que vem
lerao largo da igreja dn Corpo-Sanlo.
Paco da cmara municipal, em 27 de se-
tembro de 1850.--O vereador. Mmele.
Determinou a cmara que se s.tisfize ao despacho do Kxn. presidente da provin-
cia, exarado no ollicio feito ao mesmo pre-
sidente pelo director das obras publicas,
dizendo que se nSo opoOe a que tire pedras
los arrecifes desle porto para as mesmas
obras, comtanlo que isto se fvi nos'lugi.-
res ja designados para esse fim d'onde se li-
ram para as obras do melhoramento do
mesmo porto.
Mandou se exnedir orJem ao cordeador
para no dar cordeaciJes para e.li(c ni ruaa novas, cojos quarteirOes n.i i te-
ntiam o uurdero de palmos marcados uas
posturas.
Aceitou-se o ofierecimento que foz M i-
noel do Carmo Hibeiro de '20,000 rs. pela
compra do material do muro desapropria-
do a llercul .no Alves da Silva
Despacharam-se as peticas de Antonio Do-
mingues Rodrigues, do cominendador Luiz
Gomes Ferreira, de Antonio da Gosla Hi-
beiro e Mello, de Jacinthb Jos Bolelho, de
Jos Amonio Bastos, de Jos Jaeintho Sil-
veira.de Jeionymodo Monte Baptisla, de
Gabriel Antuiy o, de Joaquim Jos de Souza,
da Paulo Jos Gomes, de Francisco de Bar-
ros Coria, da Viuva I.acerr, e levatilou-sa
a sesso.
Eu Manuel Ferreira Accioii, secretario in-
terino aescrevi Oliveira, presidente. '/-
nina Mamede. -- Uornet. Carneiro Mon-
teiro.Ferrtira. Figueiredo.
Correspondencia.
linda o Bnisilicut ao Sr. Aintricut: re-
fulacBo do artigo publicado tm o n. 225 do
Diario de l'ernamuco.
Veio afinal o Sr. AmiHcui com a sua con-
testafo ao communicado, que em defess
la verdade calumniada dos conlractadoros
e marchantes desta cidade, usemos publi-
car no dia l. do crrente mez; e bem
longe de limilar-se ao ohjecto principal da
queslo-- O intulcado monopolio dat carnes
nerdt S. 9 gastou boa parte do seu pre-
cioso tempo om mostrar a improjrieda te
11 substantivo aleivosia, de que fizemos
anpHcaeo o uso no referido communica-
do, chegando a acouselhar-nos, quefoss1:-
mos mais caulellosos na escolha dos voca-
b ilos, quando para o publico tivessemos
do escrever, e ltimamente declarando,que
nos perdoava aquelle erro por supp-lo fi-
n do enlimenlo e niio da volitado. A-
,'radrcomos ao Sr. Americut tinta bondade,
porm cunsinta, que O nflo aceitemos para
nosso mostr, porque (com o devido res-
peito ) o reputamos senSo om ignorante
c un va ida de, o fumacas de sabio, ao menos
um enfacluado que nao Taz digestSodoque
le, ou tem lido sobre a accepf So e proprieda-
d dos vocabulos. A out'os me.stres em quem
confiamos e entre ellesaoSr. Constanciocoti-
sullamos.ns e todos nos eusiiiam queos ubs-
l intivn aleivosia lm da sniliraeflo.uue
S S. menciona tamben significa calum-
nia, perfidia, machinacio contra o crditoe re-
putaeo de alguem etc etc. : portanto, o
quinao quo todo vaiduso prelendeu dar-nos
o Sr. Amerieut, receba-o elle ; e a nasso
turno o aconselharemos, que quando se qui-
zer inculcar como sabio, eagaarde primei-
r enle a malaria de quo se trata, para
n'io ler o desgosto de ver sua ignqrancia
esmascarada como presentemente acon-
tece, llenando porm, de parte o inc-
tenle de que al aqu noshavemos oceupa-
lo, trataremos do ponto principal sobre
que versa a riossa discusslo com o Sr. Ame-
ricut, e esperamos que S. S. como bom
cli rsto, tera a benevolencia de consentir,
que nos expliquemos pela manelra se-
guinte :
Diz o nosso phitantrnpico tgtneroto ad-
versario, que os annos decorridos depois
la secca, silo sufilclenlea para crear gado
en abundancia, e que portento, he falsa a
ras.lo que pro luzimos sobre este objecto,
a t tribu indo a caresta e subido precodas
caroes aos estragos l'etlos pela referida sec-
ca i diz mais, que viudo do l'yauhi a mor
I DATA INCORRETA


I
.
2
parte do gado, que serve paro o nosso con-
sum, e nSo tendo havido scca na-
quella provir.cie, visto esta, que i usa do
niiil por nos indicada no he a verdadeira,
concluindo, que o monopolio dos marchan-
tes, e i ella, he que tem dado origem, pro-
grosso e desiovolvi ment S calamidade que
deploramos. Engtnou-se porm, re hui-
damente o Sr. Amercus nos seus racioci-
nios; porquanto, tendo a scca principiado
em 1846 e durado at o invern de 1848,
pois q icientes como S. S estar* lembrado, he e-
yidante que apenas sSo decorridos tres
invernos depois daquelia desaslrosa no-
c, e apegar que elles fossem bastantes
para a criaefio dos gados em lempos ordi-
narios, assim nSo poda acontecer, depois
da n nrtandade quasi geral das vsccas, da
derrota e pobreza da maioria dos azen-
deiros; e Analmente do destroco de quasi
toda populacho serla neja. Se o Sr. Ameri-
>us esteve nesta cidade nos annos. de que
cima f1z>-nios mcncAo, hvia de ter lulo
nos ditTorentes peridicos daquellelemuo a
diaeripefio melanclica dos estragos feitos
pela scca nos sertoes ; e S, S. nfio p le i-
gnorar qne um criador, que perdeu quasi
lodo o seu gado, que vendeu escravos, ou-
ro e praia para comprar farinha a vinte, e
trinta mil riso alqueire, licou em estado
do nSo poder talvez nos 3 ou annus se-
guimos, comprar vaecas i ara prefazero nu-
mero das que possuia antes da scca.
. Alguns fazendeiros conhecenrios nos, que
apandando antes de 1846, 600 bizarros ,
presentemente apenas colnem 150 a 200, e
dfio-se por f-lizes porque outios anda se
conservam em peior silusefio.
Sem vaecas, rifio he gado para o consumo;
morrendo ellas he mister comprar unirs
para as substituir; porm o criador que
licou derrotado pela scca, que vendeu sens
nena para alimentar a si, esua familia,
nilo temdinheiro com que effectue a com-
pra e o resultado nflo he oulro, so n.lo
sentir-se por limito lempo a falla de gado,
econseguniemenle a caresta das carnes;
mas, diz o Sr. Amerieui que o Pyauhi, a-
onde a scca alo ebegou be que fornece
bois pata o nosso consumo; e que por isso,
be improcedente a rssfio que acabamos de
presentar, engana-se ; algum gado sahe,
be verdade, daquelia para esla provincia ,
porm, '-m tilo pequea quanli lado, que se
fosse elle o nico que vi>sse ao nosso mer-
cado, cortamente teimos de comer carne,
a 40 e 5o valacas. 0< sertoes, rujos gados
ver ter directamente as nossas felras sfio oa
desta provincia Coar, Parahiba e Rio-Gran-
de : quando nelles ha prosperidade e abun-
dancia lomos a carne baraia ; quando pelo
contrario, a criaefio ali he exigua por efTei-
to das sceas ou de quaesquer oulras cau-
sas extraordinarias ; forcoso se torna
rom-la por alto preco, al que cessem os
motivos da caresta.
Os gados do Pyauhi sSo pela niaior parle
vendidos nos mercados do Maranhfia eBi-
hia ; poitanto, Irucou de falso o Sr. Ame-
rieui, quando oslentou estar a par desla
materia, smenle para tirar conclusoOes in-
veriucase aleivosas Aqu anda mencio-
naremos urna circunstancia que muito pro-
va em favor do que bavpmos expendido, e
vem a ser que antes da scca seaores-nla-
vam na feira de Pedras de Fogo 1,600 e
i.OoO hus por semana; mas agora assim
u.'i'i acontece; quando muito apparecm
800, e nao sera isto bastante para mostrar,
que anda mo existe nos serios abundan-
cia de gado i' Certamente, que sim Con-
cluimos, pois, que o Sr. Amerieui prelen-
dendo debellar o primeire fundamento do
nosso communicado.nada alianlou, n antes
deu-nos nova occasifio a provar, que a sc-
ca transada fui e be indubilavelmente a
causa piincipal da escacez dos gados, e
rmisequcnlu alQa O preco das carnes ver-
de' ; trataremos agora da refotacSo de
oulros tpicos do artigo do nosso deiinle-
lanido anlogonista,
Diz elle firmado em inforroacOes quelbe
doral, que o gado comprase, as feiras, a
14,000,15,000 e 18,i 00 rs. por cabeca. e-ac-
cresrenla que, podendo nn; r os iinpostos
oulras desprzas, a 4,000 rs. justo era qui
carne fosse, vendida por 2560, quando
muito, o que nfio acontece pelo coiiluu
monopolista que s. S inventou o qual no
sen enlendeu comprimi a acefio dos pe-
queos marchantes e cortadores, urnas ve-
jes por meio doameacasde procesaos, prj-
sOes, recrutment, ele, etc. e oulros me
diante i prumessa ile certas quaolias. l'.-l-
sidade requintada .'
O gado de acougue tem lido constante-
manle o preco de 22,OUO, 30,000 e 34,0000
rs,; eae algum ha sido comprado por me-
nos he t,lo magro e ordinario, que apenas
pode servir para solas; talvez, seja desle
ultimo que falle o Sr. Anericus, porm S.
S. deve saber que gado de semelhante qua-
lidade so serve para o consumo quando
existe filia absoluta de outro melbor; e,
nel'-m de coslume mandar ao acougue, h
de ler visio que a eme exposta a venda be
gorda ; o que aasaz indica que o ga lo com-
prado para aquelle um, nfio be eaae refago,
qua em todos os lempos coslumou-se ven-
der por um i reco menor, alienta a sua in-
ferioridad*. Ora, sendo aquelle o proco
do gado do consumo,'como poderemos pro-
var ao nosso adversario com a retarn il
compras feites nos ltimos niezes, resta
saber qno despelas se faz al levar ao a-
cougue a carne de cada boi, e arrecadar o
seu produelo :ei-ls, 2,5t0 rs. de i i -posto
provincial, 500 rs. de imposto municipal ;
1,280 rs. para o caruiceiro ; 200 rs. de car-
reto, I 000 rs. a quem faz a compra na Teira
500 rs o tangedor, ou boiadnro, 80 rs. ;
a peajsoa rncsrregada de pesar a carne ; 8
boas1 libras da mesma, e mai duas libras
em cada arroba ; ao arrecadador do diuliei-
ro chamado cobrador ; alem do salario do-
campias. Sfio alas as despezas cenas,
que faz o marchante com-qualquer boi, cu
ja carne vai Mr ao acougue;e se a ellas o Sr.
Amerieui acerescentar o aluguel doSSQOU-
gue, aflericoes uobradas, collectaa e poi
qualquer cousa multa, assnn comu os uxlia-
vios, que ordinaiiameuteacontecein, juna
con lucefio do gado para osla cidude.ja lina-
m^nie no pasloradnuro ; coiihecara. que ca-
loiniitnii desapiedadaniente oa marciianles,
quando atUibui-los a caresta das carnes,
o anda na s quando afliroiou, que ellos
cnluidos empregaram meios torpea e in-
dignos para airedar da felia os pequeos
compradores ;e tratando desle ponto, per-
aunlaicuios a 6. 8. quem he eese que foi
gmeacado com processo,* pnsfio e recruta-
monto para nSo dedicar-sea vida de mar-
chante, carniceiro e talhadnc, de carne "
Que autoridade policial he eas, que pres-
ta-se a semelhante manejo? Diga-nos, Sr.
Iiieri'cua, pelo amor de Dos lhe pedimos,
Diga-nos. Se he homem honrado, so nSo he
um calumninador abjecto, e refalsado, cum-
prequefassa a deca raefio que exigimos
par que a materia possa ser devldamente
elucidada, Nada de relicencias, quando
se trata de assumptoa desta ordem : quem
rr prevaricador seja punido; mas, nfio
queira a calumnia por meio de um ardil es-
tudado prejudicar reouta^Oes sem manena
Nos lhe atiramos a luva, Sr. Americua, e o
enllocamos em um dilema terrivel: ou faz
a declaradlo que lhe pedimos, ou fjcar co-
nhecido como um calumniador covarde;
escolha e anda o advertimos,que nSo venha
com o favorito talvez dizem ele, etc.,
para Iludir a acefio da juslica, e escapar a
responsabilidad. Aguardamos a resposta
Jo nosso adversario ; entretanto voltando
a questfiodos acougues e tainos, betn como
a dos pequeos marchantes; peguntare-
mos; nfio se achaoi fechados quasi lodos os
acougues pblicos ? E porque nfio appare-
cem alugadores ? Ah o Sr. Amriciu ja dis-
se qui) isto aconteca por causa das amea-
cas, etc.olc. Inventa miseravel! Ha porven-
tura prometa! de fazer mal, ameaQa, e mes-
no alliciacflo, que possa comprimir o deso-
jo de ganharsommasconsideraveis? Cor-
tamente que nfio ea contmuacSo doabo-
miiiavel trafico de africanos, nfio obstante
a severidade dos cruzeiros inglezes, piova
maisque tudoa falsidade das ussercOos do
Sr Kmericui.
Cotn eleito, se o negocio do carnes ver-
des offerecesse os lucros diarios de 600,000
a 809,001 rs., at o mesmo Sr. Amerieui cor-
rera a elle, porque pelo que parece gosta
tanto de dinheiro como qualquer um mise-
ro peccador', e nem ameacas, nem mesmo
effeclivas prisoesembargariam o pasto aos
differentes especuladores, que por ah an-
l,iai explorando lodos os meios de lucrar
grossas quantias : assim, pois. o arrasoado
ilo Sr. Amerieos nesla parte he manifesla-
menle improcedente por sua notoria inve-
rosiinillianca.
Dous marchantes existem, quo achando-
se em extrema pobreza, sfio alimentados
por seuscompanheiros ; e sto que tolo ho-
mem lie o e lucado n generoso applaudira,
o nosso adversario interpreta de urna ma
ueiM diffe ente Paacieuca Vamos aos
tres ltimos ponlos, que sfio : o foruecimoii
lo da carne para a marinha, a coiipra de
um bruue feita pordous marchantes e o ga-
lo docorpode arlilharia.
Sobre o pnmeiro, diremos, qus he verda-
.1" leralguem arrematado o fornecimento
us carnes para o hospital da marinha a rs
1.880 por arroba ; poim nfio sabe o Sr
Amerieui, que itto acooteceu, em conse-
luencia de piques que houveram na arre-
mataefio? Ignora, que em actos aemelhan-
tes muitas vezes ae deseovolvem as animo
sidades, a ponto de Picar o arrematante pre-
ludicado Esse fornecedor ah tla ; elle
que diga o prejuizn que lhe resullou da-
quelia arremataefio.
A respeilo do segundo ponto, cumpr-nos
observar, que nfio consta que marchante al-
gum baja comprado o brigue, de que faz
inencfio o Sr. Americos ; apenas cliegou ao
nosso conhecimenlo, que dous- cobradores
da ra do Rangel haviam contrabdo socie-
lade sobre urna embsrcacfio i\\ tnham
comprado, pom o que prova isto contra
os marchantes? Nfio. teem aquellas indivi-
duos outros negocios i' .N.lo sfio solinos."
Nfio fazem economas ? Como, pois, preten-
de o Sr. \merieoi expor os marchantes a
odiosidade por factos que no diurna rela-
cao teem com a marchanlaria ? poique ra-
sao nfio esteude sus vistas sobre lanos su-
jeilos, seus conhecidos, que sem meios li-
jilos de adquirir, arrolam riqueza e op-
puloncia t Ah desses nfio falla S. S.,
porque toda sua atrabillis he pouca para se-
derramada sobro os pobres marchantes
I.ouvadii seja Dos.
lerceiro ponto est por si mesmo expli-
oado. Qualquer um pode fazer ideia de que
qualiJade poderia ser o gado da arlilharia;
gado trabalbadoe cantado, cuja magreira o
mluliililava de servir ao consumo ; portan
lo nfio admira, que como relugo que era, os
uiaictianteso quizesseui comprar por bara-
to preco.
Conclue oSr. Awierfcu o seu artigo, elo-
giando a S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia pelos exforcos que esta l'azendo, par*
moderar o prego das carnes; nos tambem
ahenroamos os desejos de S. Esc. cuja
honda lede coiacfio reconhecemos, porm
atamos convencidos que as suas tentativas.
em vez prova irrecusavel 'las verdades que temos
enunciado, e juslificarOo os marchantes ca-
lumniados pelo Sr. AawrfeiM. Esperemos, e
o lempo lar a triumpliar os argumentos e
rasos do Brasilieui,
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
II -ndincntododia 9......7:479,670
Dtiearregam koje 10 di oulubro..
Calera Columbui -- mercadoriai.
Origue WiUiam-Price farinha de trigo.
'olaca N.-S.-do-CarmO'- mercaduras.
(alela Luiitana o resto das mercado-
rita.
CONSULADO GERAL.
Hendimonto do dia 9..... 480,932
RECEBEDORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rend ment do dia 9......983,864
CONSOLADO PROVINCIAL.
Kendlmento do da 9......504,526
Movimiento do Porto.
Navios entrados no dia 8.
I'erra-Nova 34 dias, barca americana R-
W.'R'ght-lunior, de 270 toneladas, capi-
tfio \V. II. Averiun, equipagem 10, carga
bacalhao; a llenry Eorster ti Companhia,
A'iei'o tullido no meimo dia.
Cortos do noria Paquete de vapor San-
Sebaitigo, commandante o primeiro l-
ente Antonio Xavier de Noronha Torrt-
zSo. Alen dos passageiros que trouxe
dos portosdo sul para os do noite leva a
seu bordo : para Parahiba, Manuel Mar-
ques Caniacho e Jos da Silva Coeltio.
BKBaaaMaaaaasiaaaaaBaa
Ueclarayes.
l.tjrtriK;.".) da pulicid.
PAUTE DO DIA 7 DEOUTURRODE1850.
I Tiram presos ordem do delegado,
JoBo llcnriqnn da Suva, part correcQfl'i : i
ordem do subdelegado da fregnozia daSantn
Alliolllo, .-a \",, lu(lur/.>-3 Ar.l."":C iinoii m
da Cunha Cuimarfies e Domingos Eagundes
da Cruz, por desordem ; e Olimpio, escrao
de II Mara Keneilirta, para correcofio : e k
do subdelegado da freguezia de S. Jos, o
muleque Euzehio, escravo df F. de Tal
Wainfcrley, para averiguares policia''s.
O comniandmite do corpo de polica com-
muiiicou que em nm presepe na ra da
Roda, fOra ferido Jofio de Tal, sem que |i-
vesae sido preso o aullior desse mliuto, por
que quando ebegara ali a patrullia ja elle
se linvia evadido.
DEM DO DIA 8.
Fram presos : a ordem do subdelegado
da Mguezia de Santo Antonio desta eida-
le, Frncisca Mara, pordesorJem : a ordem
do subdelegado da fregoezia da Ba-Visla,
Justino Alves da Coala e Jofio Rodrigue?
I.eite, para averiguares policiaes : t a or-
le m do subdelegado do segundo distrietod.
freguezia .dos Aflogalos, Maicolino (orne
Feneira, sem que fosse declarado o motivo.
DEM DO DIA 9;
Foi preso ordem do juiz municipal da
O secretario da cmara municipal da
cida le de (Huida faz saber a quem convor,
i'nrdom da mesma cmara, que nos dias 10,
II e 12 do correte vio a praija os seguin-
lesohjectos, que deixaram de ser arrema-
tados : o ar.na/ein pequeo do Varadouro,
as me lulas da ribetrt, a casa do Manguinho,
e os 500 rs. por cabeca do gado que se con-
sumir no muuicipio : as pessoas, pois, que
jjuizerem lanzar em alguns dos referidos
oiqecios cnmparecain coinpeleiitein.Mile ha-
inlitadas na sala das sessOus da mes-na c-
mara as II horas do dia. Manotl oagutm
de Iliranda Lobo, serreta'io.
O esenvfio de orpbfios convida ao Sr
Branio Cordeiro, procurador de sua u-
ui.ia a Sra. D. Mara Leopoldina, a compa-
recer no seu cartorio a negocio de nteres-
se de sua consiituinte
CURREK).
Cartas para osSrs. Eslevfio Jos da Ro-
cha, JoSo Francisco di Araujo Lima, Anto
nio Joaqun) de Aloaeida Cruz e Manoel fien
riqu.-s Cardiiii.
Cartas seguras, existentes na adminis-
traefio do corretoal 9 de oulubro de 1850,
piraosSrs. padre Antonio da Cunba Fi-
gueiredo, Antonio Jos Mara Jorge, Anto-
nio Jos Sanl'Aima Jnior, Amonio Mar-
gues de Faria, Um nardo Antonio da Cruz
Pinto, padre Francisco Antonio da Cruz Pe
eir, Francisco Taques Aloim, Jeronymo
Jos Ferreira, JoSo Francisco Leitfio, Jofio
Silva Nazaielh, Jos Bezerra Cavalcauli Al-
liuquerque, Joaquim Domingues de Souza
i-'iltio, Jos Ignacio de Abreu Lima, Jos Ma-
ra Cardoso, ,D. Luiza Mana lavares, Luit
Fortnalo Mendos, Luiz .ioncalves Hodii-
gues Franca, Manuel Jos Lopes e Roberto
Gomes Pereira de Carvalho.
Obligue-escuna Laura recebe as ma-
las para o Cear e MiraonSo no da 13 do
corrente as 4 horas da larde.
-- Manoel Soares de Unto, Jos Antonio
Lopes e Roza Mara do Nascimenlo, quei-
ram comparocer boje at ao meio-dia, no
consulado de Portugal, para seus proprios
inlateases.
Publica^oes litterarlas.
A famosa lcSosobre a nena de morte com-
posta, e dictada na universidade de Pisa pe-
lo respetavel Carmigoani um dos maiores
criminalistas da Europa, est traduzida do
italiano em vulgar pelo padre Lopes Gama.
Vende-se em Santo-Antonio, na loja de li-
vros que foi do fallecido Dr. Coutinho, na
esquipa do Collegio ; no bairro do Recife,
na loja de livros do Sr. padre Ignacio; na
Boa-Vista, na botica do Sr. Gamero; em
Olinda, ra do Amparo, botica do Sr. Ra-
poso. Preco dez lostes.
Kapluicl, patclnas da Juventnrle.
Esla excellente obra de Mr. Lamartine,
chegada recentemente do Rio-de-Janeiro,
vertida em bom portuguez, e precedida de
um mteressanle prologo'do traductor,echa-
se a venda pelo mdico preco de 3,000 rs. ,
com encaderoacJJo ingleza, na ra da Ca-
deia do Recife n. 38, e na ra Nova n. 6. O
mrito da obra he attestado pelo nome do
autor : nella depara inslrucQo e deleite o
pbilosopho, o romancista, o poeta, e geral-
mente quem quer que queira apreciar um
bello escripto.
Convite Iliterario.
Acha-se sb o prelo, e sahir nestes pou-
cosdias urna inleressaoleobra com o titulo
de ObienaeBei crttica iobre o famoso ro-
manee do Sr. Eugenio Suco iudeu Errante.--
lio digua de aer lula, e meditada principal-
mente por aquellos, que jt coi.hecem o re-
ferido romance, e que a houverem de ler
despidos de tola e qualquer prevenefio.
Avisos martimos.
Para o Maranhao e Para
segu, com a maior brevidade possivel,
escuna nacional Emilia, de que he capillo
e pralico Antonio Silveira Maciel Jnior i
quem na mesma qulzer carregar ou ir de
passsgem, eutenda-se com Jofio Carlos Au-
gusto da Silva, ou com ocapilo, na ra da
Cruz, armazem n. 13.
<*seaaagaaaBgg=MJ 1 ..
Leiles,
Theatro de S. Isabel.
RECITA DA ASSIGNATURA.
23
Sabbado, 12 de oulubro de 1850.
Re resentar-se-ha, depois de urna esco-
lluda ouverlura, a interessante comedia em
ires actos
AS MEMORIAS DO DIARO.
I'nsonogem.
Robn G. F. de Oliveira.
O marqtiez de l.osmias -- A. M. Costa.
Ocavalleiro Raplnire--R. J. de Araujo.
O conde de Cerny S. F. Meira.
Jofio Caulhier A. J. D. Coimbra.
Valentiai -- P. II. de Santa Roza.
A haroneza de lionquerolles Joanoa Ja-
nutria.
Amelia, sua illia Emilia.
A condessi de Cerny Julia.
Ta Calharina Rila.
A scena passa-se, o primeiro telo em urna
casa pobre junto aos Pyrneos, o segundo
em Pars e o lerceiro no casteflo de llon-
luerollrs.
llavera no lerceiro acto o romance da
myslnosa companhia cantado pelo ar-
tista Germano, e repelido pela actriz Emi-
lia, como pede a comedia, e com o qual ter-
mina, dando um bello realce ao seu des-
fecho.
Terminar oeapeciacuio com a graciosa
comedia em um acto
Comecara is 8 horas.
Os bilhetes achtm-se venda no lugar do
cosium--.
Theatro deS.-Francisco.
BH^HS ARTES.
A galeria ciia-se aberla das 6 horas da
tarde al as nove da noite, com as seguin-
tes vistas do cotmorama :
O grande jardim da New-Yotk.
A cidadede Trieste, em duas partes.
A cidade de Tunis, na Turqua.
A viagem de Napoleao sobre os Alpes.
Vienna, pelo lado do jardim da Prata.
A ra de Santa-Maris, em Londres.
O ultimo acto do drama Preciosa.
O tmulo de D. Pedro I e de D Ignezde
Castro em S. Vicente de Fra, em Lisboa.
O tribunal da inquislgfio, na llespanha.
A aurora boreal do polo arlco.
C. J. Asi ley & Compannia farfio leilfio,
por nterveii(S do corretor Oliveira, de va-
riado sortimentn de fazen las de seda, 12a,
linlio e de algodSo, aa mais proprias da es-
laQfio actual : quinta-feira, 10 do corrente,
as 10 horas da manilas, no seu armazem,
ra do Trapiche-Novo.
-- Russedl Mellqrs & Companhia farfio lei-
lfio, por intervenefio do corretor Oliveira,
de grande sortimentode fazeudas inglezn,
todas proprias do mercado : sexta-feira, ti
do corrente, s 10 horas da uianlifia em pon-
to, no seu armazem, ra do Trapiche-Novo
O corretor Oliveira far leilfio no seu
escriptorio, da mobilia e ohjoctos seguiuiet:
esdeiras, commodas. mesas, ditas para sofs,
aparador, toucadores, msrquezas, lavato-
rios, consolos com lampos de pedrs, t es-
deirinhs de arruar, um rico relogio de ci-
ma de mesa, outro dito, proprio para es-
criptorio ou reparffio publica, quadros, 1
carteira nova de urna face, estojo de facas e
garfos, um rio apparelho de porcellana
branca franceza para jantar, oulros ditos pa-
ra alino;o, garrafas ecoposgalheleiro, por-
ta-licor, candelabros de bronze, differentes
obras de ouro e de prata, e moitos oulros
objectos : segunda-feira, 14 do correle, s
10 horas.
Avisos diversos.
.Jos Adolpho "de Barros Corris, resi-
dente em Porto Calvo, faz publico, pira co-
nheciment de quem conver, que en mu
poder existe en deposito, por ordem ds de-
legaca, urna escrava croula, quo represen-
ta ter 35 annos, diz chamar-se Thomasiate
ser pertencente ao Sr. Portuguez Anlonio
Praca, que leve armazem de marcenara em
a ra da Cadea de Santo-Antonio, do cujo
poder se evadir em 1848, e esteve muito
tempo na prisllo ; protesta-se pelas despe-
zas que teem sido feitas com a mesma at
o dia da entrega dola a pessoa que se apre-
sentar munida com os ttulos legaes de seu
dotnio, e quem pretender algumas infor-
ma Oes nesta praca, diriia-se a Bastos &
Concalves, na rua da Cadea, loja n. 28.
Porto Calvo, 25 de setei.bro de 1850.
Relira-se desla provincia para a do Rio-
da-Janeiro Joao Marlns Franca. Ilespanho!
oga-ae encarecidamente aos Srs. que
liverem contas no curro di/ijam-se ao dono
dodilo curro o Sr. Manoel Jos da Silva
Marques, que he o responsavrl por todas
lespezs pertencente so curro, como existe
trato e declarado ; tambem roga-se ao mes-
mo Sr. Marques que pague aos trabajado-
res e director da companhia, por isso que
sl agora nSo tem dado contas de legali-
dtde.
A (truca".
Piecsa-so saber se existe nests cidade
Jofio llibeiro Mendes, natural de Santa Ma-
ra doCorvile, comarca de GuimarSes do
reino de Portugal, neto de Domingos Jos
Mendes, exlstindo ou havendo pessoa que
saiha dar noticia delle, roga-se-lbe o favor
de dirgir-se *rua do Crespo, bija n. 5 A, a
faltar com Ricardo Jos de Freitas Ribeiro,
a negocio que lhe diz respeilo.
s roa Nova n. 60 precisa-se de um of-
licial de alTaate para concert.
-- Aluga-sa.um sitio que nfio sejs muito
distante ds'praca, e que tenha commodi-
dade para 3 ou 4 vaecas de leite : quem o
liver, dirija-se a rua Augusta, n. 26, ou an-
nuncie.
Msnoel Jos Fernandes Barros mudou-
se pera o segundo andar do sobrado n. 40
da rua da SenzalU-Nova, freguezia do Re-
cife.
Mariana Candida, subJits porlugueza,
retirase para Mossamedes.
Ias-iiporlrs e tit ulns
Na antiga agencia da rua do Rangel, so-
brado n. 9, conlinuam-se s tirar paasapor-
tos para dentro e fra do imperio, despa-
cham-se escravos, e requerem-se ttulos de
residencia, qur com prazo, qursem elle :
ludo por.) re^o commodo.
Oabaixo assignado vsi demandar.ao
seu es caixoiro Jos Borges de Medeiros,
visto ler provas suflicienles que o tal Medei-
ros lhe oceultou qussi todos os ganhos de
sua venda por eapacod* 20 e lautos mezes:
prtenlo roga at pestss que lhe assignaram
Ocas e lettraa lhe as nfio pague nem a ou-
pnmeira vara desle lermo Antonio Lopes,! vistas, por isso que lem om qualquer des
sem que o motivo fesse declarado. | les dias de subttitui-las por oulras.
O director espera pelos Srs. assignanles
o pelas pessoas qae anda nfio vram ditas1 tros por elle, ate uue o inesio abaxo assij-
' nado prove e muido fazer embargo. Jode
da Cunha Reii
Aluga-sepelo tempo ds fests, ou por
auno, um sobrado de um andar e sotfio, na
rua de Ssn-Bento, na cidtde de Olinda, no
principio daladeira, com commodos para
grande familia e bastante fresco : quem o
pretender, dirija-so rua do Amparo, so-
brado n. 42, ao p da pidan.
--Convida-se a todos os IrmSos'profes-
aos da ordem lerceira do Carmo para que
compaiccam no dia 14 do correle, pelas 9
horas da manhfle, para darem o seu voto ao
novo prior que se tem de fazer.
Atteiicao.
0 abaixo tssigndo faz ver aos Srs. ere-
dores de Luiz Antonio da Silva Burgos, que
teve venda na rua Nova n. 71, que tendo
comprado o seu estabeleclmento no dia 17
de abril do corrente aono, precisa realizar
suas contss; e como o nfio possa fazer sem
os ditos Srs. apresentarem suas contas por
inleiro pura serem psgos conforme o que
Ibes tocar em rsteio, roga aos ditos Srs.
o queiram fazer no prazo de trea dias, a con-
tar de boje, do contrario nfio sa responsable
lias por qualquer divida que possa appare-
cer. Recife, 10 de oulubro de 1850. An-
tonio de Almeida Branddo e Souza.
Joaquim Ricardo Ferreira faz ver ao
publico que a loja de barbareiro na rua es-
trella do Rozsrio be do cima dito, e nfio de
Jaciqtbo Jos PavSo, que se ouerece a quem
sequizer utltsardoseu presumo de pm-
cur-lo na mesma rua n. 28.
^luga-ae, por commodo preco, um si-
tio no principio da estrada nova, com boa
casa de viveuda, muito bom terreno para
planlac.es e boa baixa de capm, proprio
para quem quizer ter vaecas: quero o pre-
tender, dirija-se i rua do Crespo, loja n. 9.
Roga-se ao Sr. [que no da segunda-
feira, 7 do correle, foi a loja de n.iudezas
de A. J. Mu/eira Pontos, na rua da Cadeia-
Velha n. 17, buscar dous livros de amostras,
o favor de os mandar entregar.
-Aluga-se para fesla um sillo ns Cspungs,
com bastantes arvoredosde frucios, cacim-
ba, tanque para banho e muito pe tu do rio:
airas dos M,rtyrios, roa do Caldeireiro, nu-
mero 46.
Aluga-se o armazem da rua das Flores
n 10, com um grande soto, com connia
para grande familia, quintal e ccin.ba :
quem pretender, dirija-se roa Nova n. 97,
para tratar.
Alejje-se um sitio ns estrada ds. Casa-
Forlr, aap cacimba con boa agoa, tanque
e arvoredos, por auno ou por fasta : na rut
de S.-Goncalo, casa do Bastos.
JacintltoJ.osPavao,
com loja de bartieiro na roa estrella do Ro-
zarlo, ulT/orece aoreapeit presumo, cum toda a promplidfio e afaaio.
-Quem tiver duas pretas que MDMMra
alugar para veniterem na rua, sendo neis,
dirija-se a esta typographia, que se dir
quem quer.
Aluga-se o segundo andar do sobra 'o
da rua larga do notario n. 40 a tratar
no primeirp'andar do mesmo sobrado, ou
na rua do Muqdo-Novo, o. 30.
Um rapaz" portuguez se offerace para
eaixeiro deloja iha fazendas, do que tem
alguma pralica, ou para caixeiro da rua, o
qual d4 liadora aua conducta: quem do
seu prestimo se quizer uliltsar, dinji-se
rua Direila O. 14.
--Eu abaixo assignado tomo tenho de
retrar-me para lorardo imperio, deixo por
meus bstanles procuradores, em primeiro
lugar, ao Sr. Manoel lloJngues da Silva,
em segundo, o meu fllho Manoel Jos Ro-
drigues do Es p i rilo- Santa, e em lerceiro ao
Sr. Manoel Jos Moreira. Declaro tambem
que a casan. 3 da irveisa d Carmo, me
he devedora por meio de urna bbngaijSo -de
500,000 rs. e por isspTaco o prsenle para
que no fucluro, ou njVfliinha ausencia se
ifio faca negocio com 4^Resms.
NanuMieti Rodrigues.
-No dia 10 do correg te tifio de arre-
malar em praca publica i Sr. doulor juiz
le orpbfios e ausente, duas CSSSt terreas,
sitas na rua Augusta, outradila do sobrado
de dous andares e solio, silo na rua das
i'riiicbeiras, urna casa tarrea, sita na rua
dos PoriOes, e mais duaa mei'agoas na mes-
ma rua, por execuefio de La Iba m Hibert, e
oulra cunta a heranca do fallecido Jos
l'rancisco Collares : be a ultima praca.
No dia 6 do corrente ausentou-su o es-
cravo Domingos de nao,Su Mozambique, re-
presonla 20 e lautos annos, birbado, da
boa ligura; lem um sgual bem Tai'M|,.que
he a marca de um taino no beifo tonrior
no canto da bocea, que quando talla repu-
cha o beico ; levou calcas e camisa ds algo
dfioziuho azul com lalras brancas : quem
o -pegar leve-o a rua Nuva, a entregar a Au-
lonto Domingos Piolo, qne gratilcar ; as-
sim como prtesis contra qualquer petaca
que o ttver occullo.
Azevedo & IrmSo embarcam para o Rio-
de-Janeiro ua seu escravo de nome Cus-
todio.
Precisa-se fallar aos Srs. Alexsndra Jo-
s ds Luz, Msnoel Tavares Pschvco, Ignacio
Jos de Mello, Jofio Anlonio Raposo, Anto-
nio Jos Pinheiro, Antonio Bezerra de Mel-
lo eSinifio Machado Bilancourl, ou a seus
procuradores ou berdeiroa : annuncie para
serem procurados.
Na loja do Atarro-da-Boa-Vista n. 1.
precisa-se alugar um moleque coznhelro e
urna preta para o servido de casa.
No dia iodo correlo, pelas 4 horas da
lu c, *u |ii.V"l pwifc UU ^l". l, )UI
dos orpbSos.de renda anoual, osseguinies
predios perienceutes aos berdeiroa Jw Jofio
Baplisu Heibsier: una cata terrea no A-
lerro-da-boa-Vista Com sobradiubo no fun-
do, leudo esle frente para o no, por 550,000
rs.; urna dita com mirante, sitio, coleira,
baixa para capiro, no tugar da tapunga, por
400,00 is oulra dita de sobrado de dous
anuares e sulflo com qumial muiado, aa
rua Imperial, por 240,u00 rs.
Deseja-sd tallar a negocio de seus inte-
resaos com os Srs. Manual Joaquim de Cal-
das Ferras e Anlouto Falla, de Oliveua Co-
mes l'eixolo, aquolla.nalural do Portel la de
Pauellasoeste da villa do Pico de Hegalla-
dos da piovincia do Muo, em Portugal: na
uado yueimado o. 1.
Pudiofl.
Fazem-se pudiua de fructa pflo e de ou-
tras qualidadoa; no Alerro-da-Boa-VisU,
loja n. 48, se dir quem fsz.
0 r. Josquim Jos dos Ssntos Barraca
queira ir pagara quanlia de 33,4(0 rs. do
que comeu aoode nio ignora ; do contrario,
lera de ser sempre lembrado nesta folha.
Precisa-se alugar um mohMoeou pre-
lo para fazer o servido de cata'a rua, que
seja Uel na rua da Cruz, armazem a. 48.
I


Roubo.
Na noite de S.-Francisco roubsram da al-
giber da casaca doabsixo assignado, iimi
eharnieiracontendo 200,000 rs. em cdulas
de 80,10, e cinco mil rs.: a pessoa que
praticou semelhanle accSo, queira restituir
ao abaixo assignado, quaodo nBo aera de-
nunciado a polica, e Acar por ladrSo pu-
blico, ficando certo que oa nmeros das ce-
dulosft os sigoaes esto prevenidos para
serem agarrados qqem as pasaar, eassim
poder restituir smigsvelmnte, do que ter
de passar por esse dissabor. O lllm Sr. fie
legado, e mais autoridades policies nSo
deixsro a esta pessoa de vista, e que de-
pressa estar segura, ae nlo restituir ao
abaixo assignado, que persentio quando es-
sa pessoa o roubou, mas nada pode fazer
pelo muito povo que o epertavs.e o ladrSo
aproveitou-se para a fuga, porm conbeceu
se perfeitamente. Cieinato Uavignter.
**
: Remedios de graca os pobre
Novo consultorio homceopstbico de _
.loa Vicente Martin*. Z
S Roa de Apollo n.
S todos os das uteis desde f horas
2. da manhSa at 1 da tarde mproroga-
P velmente. Fra deslaa horas nSo i J
5 deoSr. J. V. Martina receber visita J
B aiguma, por estar occupado em com- *
W por eacrever a quarta edicto da
8 prulica eltmantar da homatopatMa e
diriia-se ao arrematante Antonio Jos |" gsrtfte-sepagamento: na praca do Cor-
' ea no Crrelo, ou ao aocio administra- po-Santon 2, ou I

9k outras obras Quando tenlia mais
4$ adiantada acomposicflo destas obras
poder* destinar algum lempo pra-
9 ticar opeiscoes de tarada, ouou-
m iras que exigem as molestias de
Solhos especialmente, no xito das
quaes lem sido, mercede Dos, mui-
4 to Mil.
- Aimla est fgida, desde o dia 26 de
junho. prximo passado, a escrava crioul
llenme Mari, moca, de altura regular,
corpo reorcado.Cadeiras grossas e um lan-
o sabidas par fra, bocea regular, beicos
grossos, pea e roaos grossas ; lem marcc
de bexigaa do rosto e em lodo corpo, peitos
pequeos e cabidos, nariz grosso, olhus
carnuilos, orelbas na parle do enfeite gros
saa e viradas um tanto para cima ; lem um
marca de ferlda de caustico do lado direiio
ou esquerdp, talvez que poucoja se devul
guedas costeltat para os vasius ; levou ves
tido de cliila ja ussdo, panno da Coala, i
um laboleiro com mllho e arroz que venda
10 da que fgio: fsta negra segundo o
seus costumesdesrdiiosa, ide ter mudi-
dop norne e mesmo usar de qualquer.ou-
todeffarce para nao ser conheeida, poi1
consta andar dizendo ser torra e que a que*
rem qaptivar : foi de Macei e aqui vendida
Klo Sr. Antonio da Silva GusmSo so ja fal-
lido Jos Antonio da Silva Costa, tend..
no poder do dito fallecido 3 filhos, Candida,
Luiz e Marcelino; pode esta negra ab pre-
texto ealocculu em cas de siguen), ou
em algum calugi, oque sevai escropulnsa-
mente endagar para se proceder contra
quean s tiver occulla : D-se urna boa re-
compansa a quera dola der noticia certa,
Ola pegare levar ra de dorias, n. 114,
casa de Antonio Caldas da Silva.
Ulysse Drox, relojoeiro suis-
so, de passagem por esta praca,
onde lenciona demorar-se 5 ou 6
mezes sinente, concerta toda e
qualquer qualidade de relogios
eemqualquer estado em que se
aciiem ; asnim como lem para ven-
der relogios de ouro e prata do?
melliores fabricantes: na ra d>
Crui, n. 44> primeiro andar.
-- Existe na corte do Itio-de Janeiro um
pessoa com as habilitacOes necessarus, qui-
se incumbe de agenciar pelas secretarias di
estados, ttulos honorficos, diplomas, pen
sOes, patentes mililari-s, cartas denalurali-
sscRo, cerlidoes e outros quaesquer nego-
cios que penilerem das mesinas secretarias
de estado, e bem assim se incumbe de agen-
ciar pela nunciatura apostlica brevea para
dispensas de casamentos, secularisarflo,
etc., etc. etc. ; e iurumbe-se, finalmente,
, de sollicilar todo e qualquer negocio, que
lenha de correr nos tribunaes d-quella cor-
te. Qualquer pessoa que se quizer utilisar
do presumo densa pessoa, encarregaudo-
all de seus negocias, pndor dirigir-sa ao
Sr. Antonio Jos Gomes do Correio, o qual
dar as informacOes precisas, e com quen
so polerflo entender a semelhanle re-sptito
esobre a reroessa de qualquer pretencao ou
''documentos.
O abaixo assignado, em respoaU ao an-
nuncio publicado por Josnna Mara da Con-
ceico, declara que nunca pretenden ven-
der as duas mei'agoas que pertencem so ca-
sal de seu finado pai,e que isto he inventa-
do pela annunciante e seu procurador, para
exiorquir do abaixo assignado assignatu-
ra de urna partilha amigavel, e na qual be n
mesmo abaixo assignado mui lesado ; pois
que dito procurador nSo quer dar contas da
quH.itia de 391,000, que recebeu da mBo do
testamenteiropara roen Jar dzer missas
mais despezas, nem dos 159 000 rs. que re-
cebeu do Tratante de urna casa vendid
BernardinoJosLeilflo. Ainda nBo fez in-
ventarlo, e procora-sa tonos os meiosde ii-
luilr e allerrar o abaixo assignado, que
prtesis usard'accflo que Ihe compele.
ilarchmnu do E'piritoSant.
lternanlino Jos da Silva deixou de
vender bebidas espirituosas de prodcelo
brasileira desde o ultimo de agosto prxi-
mo passado, como em lempo annunciou pin
esta folha, porque no quera pagar man-
duque he devido, sendo que os actuaes ar-
remalaniea o cnllecUram em muilo maia
do triplo do que venda. Ignorando o an-
nunciante a lei ou regiment que permil
te ao arremalanie desse imposto entrar do
balcBo para dentro do estabelecimenlo, cor
ro-lo todo e mandar virar de um para ou-
tro lugar as pipas, sem mandado da autori-
dad* competente, e so pelo proprio arbi-
trio: pede-Ibes que queira eiclarecer ores
peitavcl publico acerca disso.
--Aluga-se urna sala e" tres qusrtos de
um primeiro andar, dentro do Hecife, pro-
prio para liomem soltciro : a iralar na ra
da Senzslla-Nova n. 40, primeiro andar.
--Preciaa-sede serventes para a couti-
nuac3u da nbra do eses, aterro e ponte da
ca-
dor Jos Concalves Ferreira Costs.para tra-
larem do ajuste. .,,,,,.
-- liogs-se sos credores da loja do falle-
idoJos PintodsFonsecseSilvs de spre-
sentarem suss contas, ou ttulos de seus
crditos em csss de J. Keller & C., no pra-
o de oito diss, psra se examirem, e confe-
rir com os sssoutos do dito fallecido, fle-
cife, 7 de outubro de 1850.
Chapeos de so!.
Ra do Passeio, n 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimento destes objectos de lodss as co-
res e qualidades, Unto de seda como de
panninho, por precos uommodos ; ditos pa-
ra senhors, de bora gosto: estes chapeos
sSo fe i lo s pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mesma
casa se achs gusl sortimento de sedas e
psnninbo imitando sedas, para cobrir ar-
mBC,0es servidss : todss estas fszendas ven-
lem-se em porcSo retslho : tambem se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
basteas de ferro como de baleia, assim como
umbelas de igrejss: tudo por preco com-
modo. Nsmesms esas hs chapeos de sol,
de marca maior, de panno e de seda, pro-
prios psra fcitores de engenho, por aerem
Jos mais fortes que se pdem fabricar.
Precisa-se engajar alguns olTIciaes de
caldeireiro para trabalharem em caldeiras
de vapor, sendo arrebilaiora, ( a que os In-
glezeschamam Riveters) dando garanta
su conducta : paga-se o jornal de 3,500 por
da, e d-se passagem gratuita para o Rio de
Janeiro, onde iifio trabalhar na ofllcina da
companhia brasileira de paquetes de vapor ;
Hdverlindo, porm, que se depois de all
chegarem, rom um mez de experiencia,
provareririncapacidade, serSo conduzidos
psra aqui igualmente nlo pagando passa-
gem. Quem estiver neslas circunstancias,
e quizer o dito engajameuto, pode irigir-
se ao agente da dita companhia, na ra do
Trapiche, n. 40.
5> U Ur. J. S. Santos Jnior, O
* m1:<>n Komoappalha puro
a
rj mudon sua residencia da ra q
3 do Crespo, n. lo, para a
| ru Noya, n. 58, primeiro
i andar, onde continuar a
3 dar consultas todos os dias
| uteis desde s 7 horas da
manliSa al a uuia hora da

O
O
o
o
tarde, e desla hora em dian O
te visitar os doentes em g
seus domicilios. &
N. B. Us pobres serSo O
2j tratados e visitados graluita- ^
2 mente. q
5>0OO0O>OCG Instrncco primaria.
Francisco de Salles de Albuquerque avisa
ao respeilsvel publico, que j prinoipiou a
l'unccionar, no da primeiro do mez .pr-
ximo passado, a sua aula de primeirts let-
iraseiabelecida na roa do Mondego, n. 14.
O annunciante contina a receber alumnos
externos, pensionistas e meios pensionis-
tas ; e proinelte desvelar-se, pels educado
lelles. Sohre ludo para aquelles que mo-
ran fra da praca, a aula do annunciante
ofrere.ee reconhecidss vantagens, ltenla a
sua localidad!' e distribuirlo interior, em-
baraco com que lula a educado primaria
lesses meninos. Aquelles que pnssam du-
vidarda sinceridadedas promesais do an-
nuncsnte, e Ihe supponhsm incaricmento
por proprio interesse, poder-se-ho des-
rnganardiriginio-se pessoalmente a casa
lo annunciante, e ahi verSo a par de urna
inteira regularidade commodos domsticos
que mais de accordo se possam achar com
o bem estar e saude dos meninos O an-
nunciante espers que o respeilavel publico,
compenetrando-se da verdade, ae suss pro-
n.essas, liberalisar-lhe-ha protec^So e be-
nigno acolhimento.
Alugam-s-i duasessas terreas, urna na
ra do Cotovollo n. 7 na Boa-Vista, e outra
na travessa dos Mariyrios, por baixo do so-
brsdo smsrello : s tratar ns ra do Amo-
rim n. 15.
Roubo.
Roubaram do abaixo assignado, no dis 29
de setembro, dss 6 1/2 horss at s 7 a quan-
tia de um cont trezentos e tantos mil rs.
' sendo em sedulas 1:261,000 rs. eo msis
em3moedas de ouro, 20 e tantos mil rs
em prsls e 2 psres de botOes de punho:
quem descobrir um tal roubo e delle souber
receber a gratificacSo de 400,000 rs. Este
roubo foi feito dentro de sos serrara.
Vanoel Gomei da Silva.
Precisa-se alugar um rooleque ou pre-
to para o servico de casa, sssim como ums
ama torra ou captiva, que cozmhe, faca as
comprase o servico de ums casa de pouc
familia : na botica n. 19, Junto a polica.
Urna mulher que velo do mallo, bran-
ca, capaz e muito zeloss, se propOe s ser
sms de portss s dentro de nina cass de ho-
mem solteiro, ou de viovo com poucs fa-
milis, menos s do Sr. Frsncisco de Paula de
Albuquerque, servente ds sdministracHo do
correio: quem de seu presumo se quizer
utilisar annuncie.
Antlga agencia ne pnusaportes.
No pateo da matriz de Santo-Antonio ti-
rsm-se passsportes para dentro e fra do
imperio, correm-se folhas, lirain-se ttulos
de residencias e despacham-se esersvoscom
s msior brevidsde possivel e preqo rasoavel.
-- Lemos Amaral & Companhia previnem
ao respeilavel corpo de commercio que
Iransferiram o seu estsbelecimenlo do caes
do Collegio para a ra doQueimado n. 22
Lotera O restante dos bilhetes desta lotera, qu-
corre infalivelmente no flm do correnlf
mez, fiquem os bilhetes que fiesrem, ven-
de-se, aliim de outros lugares, ns loja de
Bernsrdino Jos Monleiro, ruado Quemado.
I'recisa-se alugar. para o servico in-
terno de urna casa ingleza, um prelo, ou
um moleque de 15 anuos pouco mais ou
menos, sendo liel: ns rus do Trapiche-No-
vo n. 42, ou annuncie.
Lotera da matriz da Boa-Vista.
No dia 31 do corrente andain impreteri-i
*
i
i
*
i
2 000
1,000
9.400
4.000
Os imbeles para a recua de 12 do corren-
te se distribuirSo nos diss 11 el2.no salSo
do theatro.
Prerisa-sn Je ums ama para fazer com-
pras e o servico interno de urna casa, 00
aluga-se ums escrava que sja fiel e dili-
gente : no segundo sobrado do caes do
Ramos.
Alugaovse os segundo e terceiro anda-
res d casa do largo da Assemhls n. 8 : a
fallar om Joaquim Francisco de Alm, no
Forte-do-Matlos, ou com Prxedes da Fon-
seca Coulinho, seu proprietario.
Aluca-se o secundo andar da casa da
velmente as rodas desta lotera, seja qual
for o numero de bilhetes que licir, e mes-
mo antes se scabarem os bilhetes, como h-
esperanzas. O hm para que foi concedida
esta lotera nSopdeser msis justo, e ella
deve ser preferida a oulra qualquer, por-
qusnto tomos de presenciar oemprego do
Si u interesse: o restante dos bilhetes s-
chsm-se venda nos lugares j snnun-
'ciados
Precisa-se de um trabalhador deenxa-
da,eque saina tirar leile em vaccas: na
Magdalena, estrada nova, primeiro sitio de
pon So de ferro. No mesmo preciss-se de
um bolieiro.
~ Um rspsz brasileiro se offerece psra
cobrar divhlas de qualquer loja, dando ga-
ranlia a satisfazlo das pessoas que o en-
erregarem de ditas cobrancas : quem de seu
preslimo se quizer utilisar, dirija-se
|arga do Rozario, n 36, botica.
laIo GalffnoiiiVetoBtlsto
Sfrniiccz. recenteuiento ene-
gado a esta capital, offerece
sen prestlmo ao publico pa- *
ra todos OS miste res de sua *
9 prollsso, qur extrahtndo, fr
> llmpnndo c chumbando os 9
dentes natraes, qursubsU- 9
9 tulndo-os por outros artlfl- 9
#xlaes, pun oque lem os me-#
* l hm i procurado a qualquer linca. s>
* em na casa na ra larga do 19
* Itozarlo, n. 30, segundo a 11. Ir,
*#*##*
Aluga-se, por preco mdico, o terceiro
andar do sobrado n. 90, na ra do Apollo:
a tratar com Antonio de Moraes Comes Fer-
reira, na mesma ctaa.
Aluga-se, por mdico prego, um sitio
no lugar denominado Sanl'Anns-ds-Den-
iro, com commodos para grande famili,
baixa decapim, boa agos, estribara psrs
quatro csvallos e coehsira : a tratar com
l.uz Comes Ferreira, no Mondego, ou com
Antonio de Moraos Gomas Ferreirs, na ra
de Apollo n. 20.
Quem quizer comprar urna leltra da
quanlia de 56,060 rs. do Sr. Jos Brazalino
da Silva, eppareca na ras da Cadeia de S -
Antonio, n. 13, que to Jaro negocio se far.
.- Quem quizer comprar urna lellra do Sr.
Ilr Honorio F. de Sigmaringa Vas Curado
da quantia de 110,280 rs. annuncie para
ser procurado, que lodo negocio se far.
Roga-se so Sr. segundo lente Jos de
Cerquera Ums, da Babia, que mande pagar
urna leltra, que se acha vencida ha oito me-
fts; do contraro, tere de ver sempre o seu
no m f nesls foi ha
Piecisa-sede trabajadores ns capita-
na da alfandega : quem quizer compareca
as 7 horas da manha.
diario de urna csss, Cose bem quslquer cos-
tura, he muilo diligente no servico de ca-
sa, e propria para casa de pouca ramilla, ou
para ama de um homem solteiro, por ser
muito fiel; nsruado Quemsdo n. 14, se
dir quem compra.
Vende-se urna linda escrava moca, e
com algumaa habilidades : ns rus Novs n
41, primeiro sndar defronte do relojoeiro
G'arnier.
99#OM
Na loja do sobrsdo smsrello, nos
quatro-cantos da rus do Queiroado J
n. 29, vendem-se ss seguinles fa-
9 zendas :
Cortes de esless de cssemira a 3,500,
5,000 e 7,000 rs.
Ditos de dits de slgodSo, s
Ditos de colletes de fusto de
cores e brsnco, s
Ditos de dito superiores, bor-
dados, a
Ditos de velludo de cores, a
e)) Ditos de gorgurSo de seda com
listras, s
Lencos de seds de cores psra
grvala,a 800,1,000 e
Z Luvas de algodSo, lio da Esco-
> cia, para bomem, a
m, Ditas de torcsl, s
S Alpaca de slgodSo para casa-
a cas e palitos, o covado a
I Chapeos francezes finos, a 6 e 7,000
Vende-se ums preta de 18 a 20 annos.
que cozinha, lava e trata de meninos: na
ruadas Cruzes n. 41, se dir quem vende
-- Vende-se urna preta, com idade de 30
annos pouco maisou menos: quema pre-
tendender drija-sea ra do Pilar em Fora
tle Portas n. 86.
Domingos Jos ds Silva Amorim.por
Ihe ser preciso ir tratar de sua ssde, vende
s sus taberna, sita na ra da Senzalla-Velha
n. 48: quem a pretender, dirija-se s mesma
para- tratar ; adverte-se que lem poucos
fundos.
-- Vende-se uro faqueiro de prala, obra
do Porto, com todo o servico para mesa,
sobre-mess ech, tudo novo e por prego
commodo : ns ra da Cadeia-Velha n. 24,
primeiro andar.
Pechincha para a pobreza
9,000 #
1,500
400 9
1,000
300
Compras.
ra da Aurora ; bem como quem tiver
ifui utar cii' v iCu CI- ..i uioiia-
Compram-se alguna esersvus ue am-
bos os sexo, nara dentro 4 fra da prono-
rua Nova n. 25, que faz esquina para a uam- I C|f ae 5 js nnos, de liadas guras: pa-
hua do Carmo : a tratar oa loja do mesmo gtm se me|hordoque en outra qualquer
sobrado, ou na rus da Cifdeia do Itecife n. parle oa rua uas Larangeiras n. 14, segn-
19, escriptoriodeAntouio Valentim da Sil- (lo >ndr.
va Barroca. Na rua da Senzalla-Velha o. 100, so-
No da 10 de setembro do corrente an- gUnj rmazem aoiitle se venda* bolacha e
no. As 7 horas ds noile, desappareceu ums ufl0i compia-aeefleciivamente toucinho da
parda, indo fazer o despejo na praia. de no- ieira, sendo gordo e sem sal, a 5,009 rs. a
.I r,Ss esced" de mil reis:
me Joanna, reprsenla ter 25 a 30 annos,
alta, clieia do corpo, rosto redondo, olhos
grandes, desdentada na fr.ule. pellos caril-
los cheios, niflos e ps gr.ndcs e giosos ;
levou vestido de rbita escura j usads e
urnas roetas francezas as on Ihas: quem
a pegar ou drlla souber noticias, dirija-se
rua Direila n. 7, leiceiro andar, com entra-
da pela rua da Pehha, que sers generosa-
mente recompensado. ,
- O arremtame das sfericOes continu s
ser o mesmo do annn prximo passado, e
faz certo. que do primeiro do correte mez
m diante ja se acha aferindo para oanno
prximo viudouro, na mesma casa, rua da
Assumi cSo n. 4.
Precisa se alugar urna cass terrea em
rualquerrua dos bsirros de Sanlo-Anlonio
0,Bo,q-v,.t.,com ^^K^r'^cM,:.ufr:t^Z LTX. no
arroba, e a 160 rs. s libra.
-- Compram-se escravos de 10 a 30 an-
nos, de bonilaaUgoras,ara dentro afora
da provincia : na rua hi'ga do Kozario, n.
48, primeiro andar, todua os dias das 6
II horas da miuhaa e das 94 5 da tarde.
-- Compra-asuma bomba de ferro, que
eileja em boin estado : no pateo do Paraizo
u. 20, ou anuuncio.
Comprase um roquete : a fallar com
osachristBo do Livramento, ou annuncie.
-Compra-as.ou aluga-se um prelo ca-
noeiro, eque'entnda do servico decampo :
quem liver. annuncie. ^____
Vendati.
iirito. urna mulata que sabe cozinbar o
Na rua do Rangel, armazem n. 36, ven-
dem-se saccas com superior fsrinha de S
atharna, a 1,500 rs. : milito, a 2,400 rs.
e arroz de casca, a 2,400 rs.
Vende-se ou troca-ae urna cama de
condur em bom esta lo por urna marquesa
nalgumascadeiras : na rus dss Cruzes nu-
mero 10. ...
=Venile-sealojademiudeza e qulniuilha-
riaa de Victorino & Gulinarie na roa larga do
Rosario 11. 42, anli^ameole ruadoiQuarteis oa
sortlmcntoa aballo declarado e alin disto ou-
traa limita dirersa cousas proprias do dito es-
taheleciinenio.e tudoae veode por preco muito
rin conta: blcotde llnho largos e eatreltoa e di-
tos pretoa para 40, 60 t 80 rs. a vra; rendat
de linho largas eealreitas. franjas par* cortina
dor editas para loalhaa, frocos para vestidos de
todas ai cores,babados de linho largo para loa-
lhaa e lancoea, guaeaasjapos para mrsa. toalhas
de meia de duas r. tre varal, fiai de veludo
preto e de core, ditas de seda lizas e lavrada
largase cstrciui, ditas muito linas de sellin.
ineiai brancas e azues e cruas oara homem, dl-
t.- branca par menina, carnizas de meia pa-
ra dentro, barretes de la de corea para velha,
ditol pretos de aeda para padrea, atacadorea
para broiegulna, fitas proprias de relngio e go-
liro de padres, ditas de laa e retroz para de-
brum de lapatus, diUa de linho branco, encar-
nada! e rouaas e de coa larga, e estrella, dltai
largas para suspensorios, ligas de aeda de co-
rea, encarnada, verde e ainarella que he bra-
sileira, couros de luslro pele grandes e peque
na, .iisini como escoras de dentes e ditas inul-
to linas cabo de baleia. ditas de cateado, roupa
e cabello, litaa de seda brancaa com cores es-
maltadas proprias para sinteiros de meninos e
suspensorios, auspeniorioj ordinal ios e ditos
linos de seda e la. Iranf ai de lia de corea para
v.-su ilns, traucel lins, retroz proprio para obras
de alfalate, advertlndo que he do verdadriro
retroz. luvas de seda curtas para scnboras e
meninas, linhas de miada de peso, ditas mia-
dinhas pequeas de cores preta e branca, ditas
de cabeca branca e dita de cabrea encarnada.
(rotas, e finas de cambraia, di las de carriteis
de core, ditas de nvalos de corea e brancas
de n. l(ia 120 sorlldas, ditas de marca encarna-
da e azul tina e groisa, retro preto a azul e de
dlveraaa cores, volantes largoi e eatreito, cor-
ilei par venidos finos egrouos, proprioi pa-
ra os sriihores padres da ordrm terceira de S.
francisco, medidas de alfaiate, estampas de
ilitterenles lmannos para 10, 20, 40, 80 e 800
rs., peines decoc de invos padrea, ditos de
iravessaa de tartaruga para uiarrafas, ditos de
alisar ordinarios e baleia, trancellins de bor-
rad, alfinetei de cabeca preta em caizinhas,
agulhas de n, 1 a 12, dliai francei.as de n. 4 a
Mou 14, caias de rap de varias qualidades,
liolOei linos de osso, ditos de inaili e-pe rola e
louca para camisa, ditos para abertura de di-
versos padres, agulhas grossas paracbapo,
penas finas de a<;o, chapeos pretos de cutir,
mic-ligas grossas para padre-nosio de rosario,
caetas de metal e de outras qualidades, cant-
vetea para pennaa de urna e duas folbas, lesou-
ras, luvas de l pretas e ditas de seda de cor de
carne, tesoura de uuhai, peales de inarrafa de
ac, boldea de metal para calca, brincos de
ouro fiaacez de diversos padroes, ditos mais
ordinarios deoulrai mullas qualidades, brin-
cos prelos de vidro e rame, gargantilhas de
dito e de filigrana com brinco e sem elle, di-
tas de vidro, clcheles, botes de louca e vidro
aoin p para vestidos de senhora, estojos de na-
valhas, abotoaduras de maisi, velludo e seda
para casaca, rosarios e tercos de ac, palhitet-
ros de louca e didaes linos par meninas, a|jo-
lares de noroa pauroea, vctaa para cOi de co-
letea e caifa muilo finas, carteiras de inola
grandes e pequeas par militar e meninos,
chavea para relogios, volantes largos e eslrei-
tos, relogios para meninos a 80 rs-, bonetes de
panno feitoi na trra c ditos franoetes, pe-
dos de papa, parede e gaveta lodos ordinario!,
butoes de relroz e maca para farda do corpo de
pxficia e guarda nacional, canas de palitos de
fugo e diloa para denles, papel aloiaco de peao
e ditos de cores, ditos em folhas separada pa-
ra capa de hvroa, ocio de aro pelo para se-
nboia e dlloi de armaco para vista de senho-
ra e homem de multas qualidades, caoulilbo,
crespos e lisas esombras decores, vidroi de
Unta encarnada para rlacar llvros, livrinboa de
meninas prender marcar e ditos para inenl
nos com alguns liguriiu, torcida para cande-
eiros franceaea, eicova de ourives, brelas em
calinitas, rio de sapatelro muito forte, cru ea-
marello, broiaa fuudidas e batidas e seda para
dita,.lapes de lisia, coUetea e cordio de ouro
Traucez, ditos para vesdo sendo lisos e balida,
linteiroa de vidro de onres, divenos coleie
Ihrelos finoa, rap cui libras, gaase fino, grosso
e luelo-grosso e arela pela, canela, bacetas
de piulio grandes c pequeas, rosetas de pedia
de varias qualidades, inacu de conta do Hlu
douradaa, peona lapea ordinarias e finas,
melas de lindo para homem, coiberas de me-
tal de cit e sopa, ditas de lati para aopa.dL
toa arrendados do uso, linba de cor
rs "bral barretes branco. de algodSo, faca,
finas para sapatelro, ditas llarnenga.. graiupi,
lancetas de cabo de chlfre par. ""' f
de alfalate forrados, cordas de viola e guitarra
bordees, retroz e ararse, "reas d cobrir
rande e pequeas, calas amare lias de rlz
para rap, ditaa redondas com retrato.
_ Em a nova refln.cSo da ru do Vigario
n 97. h assucar retinado de diveras qua-
lidades, do melhor que tem vindo aotrier-
csdo.assim como.caf moido, etc.; tudo por
preco commodo.e a contento dos froguezes:
odono destenovo estaheleciment espers
pela concurrencia dos freguezes, a quem
proroelte agradar. _____
O Tcrdadetroa riscados monstro
a 26o rs.o covado.
Ns lojs da rus do Quemado n. 3, ven-
Jem-se riscados monstros de quatro palmos
a meio de largor, pelo barstiaslmo preco
de -260 rs. ocovsdo.
A 46o rs. o covado.
Defronte do beceo do Peixe-Frrto, loJVP;
3, vende-se gsngs amarella de listras, palo
haralissimo preco de um cruzsdo -.esta Te-
lenda toroa-se muito reconsasenaava por
ser muilo fina e de padrtes agradeveis.
Cha a 5oo rs. a libra.
Vende-se che hysson, de muilo nos qos-
lidade, a 500 rs. s libra: na rua do Crespo,
n 23. ..
-Vende-se urna carroca com um bonito
boi: no camiobo novo que vai psrs o BUn-
guinho.
Vendem-se duas rotulas em muilo bom
estado, na obra junto a igreja de S.-Rita-
Nova.
-Vende-se, ou trocs-se por escravos, um
sitio em terrss proprias, margem do ro
no rtemedio.com marea tola hora.com
mais de mil pemos de fundo, bos csss,
cscimbs soffrivel psrs urna fsmilis, muito
terreno devoluto, com slguos arvoredos, e
muito proprio para plantar, ou hter-M
ums olaria : na rua do flangel n. 54, a tal-
lar com Victorino Francisco dos Santos
Vende-se urna armacSo toda enndra-
cada, nropria para qualquer esUbelectmen-
lo, por ser tods ero calxoes separados '. na
praca da Independencia, n. 22. se msndsra
mostrar e se fsr quslquer negocio a di-
nheiro.e fiado com segoranca. ou a troco
de qualquer outro negocio que convenna,
--A verdadeira farioha de Tapuju exis-
te s venda no arenazem do Sr. Antonio Ao-
nes, no caes da Alfandega, a retslho ou por
junto ; afianca-s ser novs, alva, torrada
gommos e de excellenle gosto, como po-
dero ver os compradores : bem como mi-
Iho muito uovo, s 2.500 rs a cca
Vende-se uro rico csndieiro de 5 luzes,
muito moderno, por preco commodo: na
rus estreit do Kozario, por cima da botica
do Sr. Paranhos.
Vende-se ums mulata que corla e faz
camisas de homem, cose con tods s perlei-
cSo costurss de alfaiate, isto he palitos cal-
cas, jaquetas e colletes, engommsdeirs, bos
coziuheira do diario de urna csss, nSo be-
be espirito de qualidade aiguma, he muito
fiel e boa corapradeira ; urna preta de An-
gola, de bonita figura, moca, sem achaques,
boa engommadira e com outras hsbilids-
.lesquese informarSo; u.ua mulstinhs de
10a II anuos, com principios de costura, e
le bonita figura : na rua larga do Rozario
n. 48, primeiro andar
Veude-se un: mulatinho proono psrs
pagem, ou aprender qualquer oflieio: oa
rua de Agoas-Verdes n. 5.
Gasa do livro azul.
Paleo do Collegio.
Obras chegadas da corle pelo vapor San-
Salvador.
O Passado, o presante e o fuluro
da repblica franceza, por Lamartine, 1850.
Nesta obra, summamente inleresssnte ns
actualidad!', o cloquete autor moslra aos
homens sisudos e de bos f, quaes forsm
oserros da repblica,oque ella deve fazer
presentemente, e qual ser o seu futuro se
ella seguir este ou aquello caminbo ; em
flm, delinin lo oque se deve entender por
sulTrajio universal, ella declara que nSo he
o surragio de qualquer individuo, mas sirn
o do eidadao honrsdo e amante da patria.
A Decadencia de Inglaterra, por
l.odru-Rollin,2 v., 1850.
. iiiu patrien do povo no foro clv. I
ecrime brasileiro, porCo-reis Telles, aite-
rads de conformiJsde com a legisIscBo bra-
sileira.
Diccionario de medicina popular,
em qua se descrevem, em lingusgsm se-
commodada a intelligencia das pessoas es-
tranbas, a arte de curar, pelo doutor Cher-
ooviz .. ~
l'nlloxoplila popular por Ur. De
tayac, antigo magistrado francez, traduzi-
da e anotada por llenriquo Vellozo de Oli-
veira as.
N a fabrica de carros nos Coe Hit,
defronte do hospital novo,
vende-se um cabriole! descoberto, novo
com os pertences tambem novos, do malhor
gosto.
Vende-a um escravo bom canoetro
trabalbador de campo: ns rua da Cadeia do
Recifen. 52.
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos ao:000,000 de rs.
Na praca da Independencia n. 4.
vendem-se os afortunados bilhe-
tes, meios, quartos, oitavos e vi-
gsimos da a4. lotera a benefi-
cio do monte po. A elles, que j
lia poucos.
Ven ie-se urna negrinba de 10 anpos,com
habilidades ; ums preta muilo boa. coz-
nhei a,lavadeira e que faz o mais arraojo de
urna casa; duas ditas boas quitan le ras ;
urna dita de meia idade, por 850,600 rs. ;
urna parda de 30 annos, de axemplar con-
ducta, que cose muito bem, eogomma
peritamente, he muito carinbosa para
meninos, e fax o mais arraojo de urna casa;
4 pretos bons para todo o servio; e outors
muitos escravos: na rua da Cadeia do lle-
cife n. 51, primeiro andar.
Vende-se urna preta crioola, que cozi-
nba,engomma e cose aiguma cotiza: oa
rua da S".-Cruz n. 18.
Bonetes de panno a 3Sooo.
Vendem-se bonetes francezes, de panno
muilo II. o e forrsdos de seda, para ho-
mens e meninos: na jua do Queimade n.
16. loja ds Jos Dias Siasfles.


p -
tmmm
Vende-se, ou aluga-se urna elegante
armecfio toda envidiada, multo proprht
para loj de azendas, ou miudezis, pe?
("rnlniadeemque sa acbs: no Alerro-da-
Itoa-Vlstan. 14.
Vende-se farnhs n> S.-Matheus. mui-
(n lina, e que nSo faz dItTerencs a da S.-Ca-
thannha : a bordo do patacho Lima, ou da
limara lillln-Carolina, dnf-onte do trapi-
che, ou ho lado do Corpo-Santo n. 25.
Furinhn ilc ninndtocn.
Na roa da Cruz, o Recife, armBzem d.
13, una ra da Cadeia. armazem de Cam-
pello Filho, vende-se farinha de mandio-
ca do Cear,.mnita alva,, gnmmosa o de ex-
celinnte coito, Unto em pequeas como
m grandes pnrcOes, por preco commodo.
Travessa da Mndre-de-Deos, ar-
mnzem. 11. .",
Acha-se estabelecida-um deposito, onde
encontraran os fregtiezes un bom sorii-
mCnto de licores, espirito do vinho, e to-
dasas mala cualidades ; superior vinho de
caj; chmate; oliacasde vime, a procos
moderado.' i
A eUes que siin baratsimos.
Vendem-sesapatflesdocourodo lustro,-a
2,000 e 9,500 rs. heoquevalemdefeilio :
na ria da Cadeia do Recife, n. 9, loja.
Talxns pnrn engenlio.
Na fundicflo de ferro da ra do Brum,
caba-se de receber um completo sortimen-
ted taixas do 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por preco com-
modo e com promptidSo embarCam-se,
ou carregam-iecm carros setn despezas ao
comprador.
Deposito de potassa e cal
Vende-so ntviln nova e superior potassa
ecal virgem de Lisboa, em pedra : ludo em
barris pequeos de 4 arrobas, por preco ra-
soeyel : na ra da Cadeia do Recite, n. 12.
armazem. '
na ra Nova n. 12,
vandem-.se riscados francezes de lindos pa-
drOes, a 220 rs. o covado ; chitas francezas
com 4 palmos de largura, a 180 rs. o cova.
do; cambraias de diversos padrfles, a 320
rs. a vara ; cassas francezas, a 500 rs. a va-
ra ; sai ja bespanhola, a 2,400 rs. o covado;
. e millas niuitjs fazendas, por preco com-
modo.
Bom e barato.
i Vende-se nrinceza muilo fina e de duas
larguras, a 800 rs ; ainda restam algumas
, petas de panninho fino, com 12 jardas cada
un>a, pelo baratissimo prego de 2,500 rs. ,
tem algum mofo : .no Aterro-da-Boa-Vista'
n. 18,|oja.
Vende-se por muito commodo preco,
urna rica secretaria com estantes para li-
vros, bastante grande, propria paia advo-
gado, sendo de amarello e anda nova ; as-
sim como, seis cadeiras e duas mesiuhas
de abrir : na ra eslreita do Rozarlo, n.
28, ultimo andar, das 2 boras da larde em
dimito.
Farinha de Tnitiiyir
igualmente em sabor, linura e cor a de Mu-
riheca, propria para mesa : vende-se na
ra da Cruz, no Recife, armazem n. 13.
Deposito da fabrica de Todo* os
Santos na Itabia.
Vende-si; eiA casa de ft.o. lcber & C
a ra <)a Cruz, n. 4, alerodSo trancado
i -ur-lla rahrica, muito proprio para saceos
'' issucar, roupa de escravos e fio proprio
para redes de pescar, por preco muito cora-
modo.
Teeldo de alffodo trancado un
talirica le. Todos Os Santos.
Na rna da Cadeia n. 52.
v.'iideui-se por atacado duas qualidades,
p-oprias para saceos de. assucar e roupa de
e.< era vos.
Arados de ferro.
Nafondigao da Aurora, em S.-Amaro
vohJem-se arados de ierro de diversos mo-
ldo.
.Moemlas -!i;,< ri,,i( s.
NafundicSode C. starr A Companhia,
em S.-Amaro acham-se venda u.oendis
de canna, todas do ferro, de um modelo e
roiistrucijio muito Isuperior.
Mn-i-a de vapor.
Acha-se aberla a padaria da ra do Bur-
gos. Forte do Mallos, na qual se achara
diariamente lodas as qualidades de massis
linos, trahalhadas por machinisino ; tam-
ben se fabrican) excedente pao e holsxi-
nha de aramia, ditas inglezas, bolaxcs
quadradose redondos, e outras mais mas-
sa ludo obra prima : as mesmas seacharSo
no deposito do raleo do Terco, n. 10.
Aob senhores de engenlio.
vendem-se cobertores escuros de algo-
dfto proprios para e>cravos, por sprem de
muita duraefio. pelo diminuto preco de 64o
rs. cada um : na ra do Crespo, esquilo,
que volta para a cadeia.
Veiule-.se um moleque de
24 annos, ptimo coxinheiro : na
ra ,'0 Vigario n. 19, segundo
andar, eseriptorio de Machado &
Pinheiro.
--Vende-se farinha de SanU-Cathari'na,
tiinto superior. 1 bordo da grenla Santini-
na-lrindai, fundeada junto ao caes do
Colleeio.
4
r-
tes
Vendem-se, vlnbo do Porto, dito Sherry,
conserva, inustarda.ilcaparraa. salmao, carne
em conserva, lal retinado, corrila! pal a po-
dios, franca branca da melhor qualldade, dila
escura, genebra de Hollanda, lijlos para lim-
nar facas, I i corea finos, loucinho de fumeiro,
cha prrio superior quatidade, phosphoroa em
rozas e a retalho.cliainpagnhe da inrlhor qua-
iMadequr ha no mercado, vernitpretu e bran-
co ; inappas 11111 dimos de Macei, dito da cos-
ta do Hraall, dito do golfo de Venca, escoras
para sapatoi, ditas de esfregar, vasioras de ca-
bello para rarrer salas, azelte-doce refinado e
almanaki maritimos para 1850: na ra do Tra-
piche, n.34, armazem de Raymnnd & C.
Cliapos de sol para genhoras.
Vendem-se chapeos de sol de seda com
franjas, muito ricos, com cabos de msrliin
e dos mais modernos. A cidade de Paris,
ra do Collegio, n.4.
Vendem-se chpeos de sol de seda pre-
ta e de cores a 4.500, 5,000 e 5,500 rs. cada
um, com armacHo de baleia e muilo bons.
A cidade de Paris, ra do Collegio, n. 4.
Crande soritmenlo de chapeos de sol
de panno trancado, muilo glandes, com ar-
macoes de baleia das mais fortes, cabos de
la tilo e de pp, proprios para senhores e fe-
lores de ongenho. A cidade de Paris, ra do
Collegio, n 4.
Chapeos de sol de panninho com arma-
Cito de baleia, pelo diminuto preco de 2,000
rs. cada um. A cidade de Paris, ra do Col-
legio, n. 4.
Na ra du Cruz, n 10,
cas de K Ikm mi
Iriuos,
vende-seum grande sortirnenJo de
instrumentos de msica, com se-
m :
Caix^sde guerra, e tambores.
Zabumbas e pandeiros.
Arcos de campainha, e pratos.
Baixos de harmona, trobdes.
Trompas, pistes e clarins.
Cornetas, flautas, e pfanos.
Clarinetes, e requintas.
ViolSes.
E ni ni tos ou ti o^ instrumentos.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cocitnba :
na ra do Bruui, ns. 6, 8 e 10,
lundirao de ferro
Arados e ferro.
Vendem-e arados de ferro
dfferentes modelos : na ra
Brum,ns. 6, 8 e lo, fabrica
de
do
de
machinas e lundicSo de ferro.
J o barato cansa admira*a o :
Isto acontece na ra do Crespo,
n. 6, Ifjfi ao p do lampeSo.
Vendem-se cassa-chilas de muilo bon>
gosto, a 240'rs corles ddditas do melhor
gosto que teeni apparecido, a 2400 rs.; chi-
tas finus de boas lilas, a tt.o e 180 rs. p
cova.io ; riscado aoiericano, a 140 e 16 rs.;
dito trancado, a 180 e 200 rs. ; algodilu
mesclado, a 200rs. ; zuaitt- azul com 5 pal-
mos, a 200 rs. ; dito de corea, a 200 rs.;
casi-a prcta para lulo, a 120 rs. o covado ;
cortes ne fustao muito boi.s, a 560 rs.; cha-
les de lar Mana, a .120 e 1,280 rs.; coberto-
res de. algo 13o de cor, muilo encorpados e
proprios para vrravos por seren muito
quenles, a 640 rs. ; alpaca preta de cordflo.
com 7 palmos de largura, a 1,280 rs. ; ris-
cados de puro lioho, a 210 e 360 rs. o co
vado.
Antigo deposito de cal
li
-- Vende-se um moinho de moer milho
protnplo : na ra de S -Thereja n. 38.
Cortes de cairas a muris.
Vendem-ae brins com listras ao lado
braocns e de cOres, adez tuslOes o corte de
, >*"---m~m~Su ii. o, ioia con-
fronte a botica. '
Vende-se um molecote de 15 annos, de
bonita figura ; umsescrava de nacflo. do
. servico de campo, e que he boa quitandei-
rae lavadrira de sabSo e varrella ; na rus
do Ltvramento n. 4,aedirquem vende.
Vende-a- um faqueiro dohra lo, con
tendo rs pecas necessarias para mesa de
jamar, doce e cha ; e bem assim urna gran-
de bandeja, ou laholeiro : ludo de muilo
bou gosto, de boa prata e chegado ltima-
mente de Lisboa : na praca do Corpo-San-
1o n. 15, casa defronte da igreji.
Vendem-se 8 toalnas de lararinto, sen-
- preco ommodo : na ra da Cadeia do Ite-
cilV H.48: quem as qni7er ver nflo tenha
demora, pois ellas s.lo poucas e muitos os
compradores.
I'anno verde esenro.
Vrnde-sc auno lino verda escuro, pelo
diminuto preco de 4,000 rs. o covado : ain-
da resta .Igumas ciiitns francezas, com al
:uiii mofo, que se venderOo a quem com-
prar pjjca, a 14o rs., e a relalho a i(o rs. o
covado: no. AltHro-da-oa-Vista
loja.
D. 18,
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17,
muito superior ca virgem de Lis
boa, por preco muito commodo
Qiieijos loudrinoH de 5 e 7 libras.
. Vendom-se, no armazem de Maoocl Kran
cisco M.riins & Irmflo, na rna da Cruz, n
62, queijos Ipndrinos, presuntos, para fiam-
bre ; latas com biscoiilniho ingle?, ditas
com amrula, cha superior de S.-Paulo, a
2,240 rs a libra : ludo novo e barato.
Vendem-se telonios de ou-
ro sabonele putente inglez : na ra
la Ciuz, n. a, casa de Geo.
Kenworthy tk C.
-- A. Colombiez, com .oja na ra Nova
atrs da matriz, vende lencos do cmbrala'
delinho, ni mo linos, rom bordados ebico
em roda ; ditos de slgodSo fino, imitando
os de linho ; ditos anendados as pontas -
ilitos de linho cem llores as pontss ; Uiios
dealgodflocoin cies; ditos brancos lisos
ecom barra decoidSo queservem para li-
me m jditdspara meninas, a 240 rs. : di!s
je seda paia grav* la, prttos e de cr-s; di-
tos de seda, fazenda superior para senhura
u meuinas ; dilos paru klgibeira, a 1,000 e
1,600 rs. ; ditos para grvala, a 500 rs. ; e
outras multas laiendas baratas a dinheiro a
vista.
Vendem-se 6 burros, entre ellos alguna
mansos j eservico : ua ra doQueuuado
5- posiioa fabrica dej
lodosos Sa,"4 "-*
Vendem-se, na ra da Moda, armazem
n. 15,-metas barricas com cal virgem de
I.ishoa, a mais nova que ha no mercado, por
preco commodo.
K^Rap Paulo Cordeiro :,^J
vende-se narua da Cadtiia do Recife, n. 51,
loja de fazendas, de J0S0 da Cnnha Magn-
IhSes.
Feijo mulatinho,
de superior qualidade e muito no-
vo, vende-se a 6,000 rs. a sacca ;
no armazem do Annes, no caes da
Alfandcga, a tratar com Manoel
da Silva Santos.
botella do lito de Janeiro
Aos 2e:ooo8ooo.
" Napra;a da Independencia, loja n. 3, con-
fronte roa doQueimado, vendem-se Hie-
les, meins, quinto, oitavos e vigsimos da
24.a lotera do Rio de Janeiro a beneficio do
monte pi, viudos pelo ultimo vapor.
-- Vende-se urna crrante de ouro de lei,
com 48 oitavas de peso, sem feitio : na rus
do Livramento n. 1, primeiro andir.
Cal e potassa.
Cunta & Amorim, na ra di Cadeia do
Recife, n. 50, continan) a vender cal vir-
gem de Lisboa, e potassa superior, por pre-
co mais barato do que em oulra pualquer
parle.
lina do Hozarlo larga n. 32.
Vende-se uuj preto perito official de sa-
pteiro, de boa conducta, proprio para serr
virumac, enas horas vagas trabalhar
pelo iiflicio, pois faz toda a obra desapalei-
ro com pe-fecSo.
MUI10 e ni ro/, com casca a 2$5oo
rs. cada sacca.
Vende-se no armazem do Bnguez, ao p
do arco da ConreicSo.
Chumbo de muirn.
Vende-se no armazem de J. J. Tisso J-
nior, ra do Amorim, n. 35.
Vende-se urna escrava boa quilandei-
ra, e que cozinha o diario de urna casa : na
ra de S.-Josc n. 7, confronte ao muro di
Penha.
Por 3:000,000 de rs.
Vende-se um terreno com olaria e urna
casinha, leudo de frente 107 palmos, e de
fundos desde a ra da Aurora ate a ruado
Hospicio, ten lo frente para se edificar 15
moradas de casas : na praca da indepen-
dencia, n. 17.
Foges para coxinha
muito proprios para sitios e qual-
qualquer lugar aonde nio ha coii-
nha, por preco commodo; ven-
dem-se na ra da Cruz, n. lo,
casa de Kalkmann Irmaos.
--Vendem-se dous lindos moloques de
18 annos ; um dito bolieiro ; um cabrinha
de II a 12amios, muilo esperto; 2 pretas
de todo o servico ; urna dita de elegante fi-
gura, com habilidades: no pateo da matriz
de s.-Antonio n. 4, segundo andar.
Vendem-se amarras u ferro: ni ra
la Senzalla-Nova, n. 42.
.Cera em velas.
Vendedi-secaixas com ce- O
ta em velas, fabricadas no *
Hio de Janeiro, muito bem
0 sor tid\i, por ser de um* a
|j iG em libra, por prefo mais
q barato do que em outra qual-
Q quer : ,ia ra do Vigario, n
|* ig, segundo andar, a fallar
^ com'Machado 8 Pinheiro.
0QG9QQ0QOO00OQ9OQO
Vende-se. um preta. de' nago Mina,
muilo moca e vistosa, que engomara, co-
zinha e faz. lodo o mia servico de una ca-
sa : na ra do Amorim, u. 15.
Charutos de Havana,
ile superior qualidade : vendem-
se ha ra da Cruz, n. io, casa de
Kalkinann Irtnaos.
Vendem-se 1S0 siccos novos de esto-
pa, com lillas varas cada um : na ra larga
lo Rozarlo, n. 48, pri jielro andar.
Ven ie-so umu cideirinns da Babia,
com pouco uso ; na ra Nova n. 27.
-- Gordas e bordOes para vlolSo e rabeca,
Vendem-se 3 pratos de 25 annos, de
lindas figuras, sendo um delles ptimocar-
reiro ; um dilo de 18 annos, ptimo boliei-
ro ; duas bonitas pretas de 20 snnos ; urna'
dila de 25 annos, que engomma, cozinha e
cose, tudo muito bem, esta s quer estar
dentro de easa, por estar a isto acostuma-
da ; 3 mulatas com habilidades; duas pre-
tas de 30 annos, por 300,000 rs. : todos por
preco muito em conta: narua das Laran-
geirjs, n. 14, segundo andar.
Vende-se urna toalha de lavarinto, leu-
do urna pequea parle de panno no maio,
he de bretanha de linbo, ou de esguiilo fino,
obra muito bem feila, e o lavarinto be de
modelo muito moderno, por preco commo-
do: na ra da Cadeia do Recife n. 24, por
cima da loja de ourives. Ns mesma casa
tambem se vende urna outra toalha de bre-
tanba fina com lavarinto as pontas de 5 a
6 pollegadas, obra multo bem feita e por
preso commodo.
Na ra larga do Hozarlo, n. 22,
vende-se um lindo mulatinho de 13 annos,
muito bonito, ptimo para pagem; una
mulatinhadeU annos, com prinripioa de
coslura e engommado; 2 moleques de
16 annos, muito lindos ; 2mu!alinlios de 9
10annos; urna prela de nacao, de 20 an-
uos, de benita figura, pavita cozinheira, e
rom as habilidades precisas para urna casa ;
urna preta de meia idadade, muito robusta,
por 320,000 rs.
A t tencao!
Na ra doQueimado n. 37, acham-se p-
timos escravos pira vender, pan liquidado
poucos fundos, a qual faz
ta,ooo r
to a
por dia : a tratar na
trdvessa da Concordia, sobrado
n. 5, das (5 s 8 horas da manb.ua,
e das 4 s 6 da tarde.
Vendem-ae 16 sernos, sendo um bom
carreiro e mestre de purgar ; 3 ditos de
todo o servico 2 mulatinhos de IC annos;
ditos de todo o servico de campo; urna'
mulstinha recolliida, de 14 annos, que co-
se e engomma ; duas* escravas mocas, de
bonitas figuras, que cosem bem e engom-
mam; 6 ditas de todo o servico : na ra Di-
reitan. 3.
Vendem-se sellins_ inglezes
elsticos, chegados agora : na ra
da Cruz n. 2, casa de Geo: Ken-
worthy & C.
Vende-se urna taberna eom poucos fun-
dos, na ra de Santa-Thereza : a tratai na
mesma.
Vende-se a valse Adalia pan
piano r na loja de Car tozo Ayres,
na ra da Cideia-Velha n. 31,
preco 500 rs.
Vendem-se na ra do Crespo n. 11, os
seguidle romance* dos inelhores autores :
ns misterios do Castalio de dolpho 6 v., a
Hervanaria 2 v., Euguenande de Cnocy 2
v., a Estrangeira 9 v., Apsiboi a v., o Solita-
rio 9 v., o Tmulo 2 v., o Capitn Paulo 2
v., os Esfoladores 2 v lia 2 v.,oTres Cis-
Q
O
9
&
de contas, sendo tres ptimos para pagens, (tellos 2 v., os Rebeldes 41., Vctor 4 v Ale-
tina 4 v.; Cecilia 2 v Emtna 9 v., Etelvi-
na 3 v., o Mosteiro 3 v., o Palacio de Alber-
to 3 v.. Castellos 9 v. : tudd por preco acom-
mo lado, e tambem o Demonio do oieo-dia,
a Mylhologia da mooidade com finas es-
tampas, as poesas de Jos Mara da Coala e
Silva.
Vendem-se 26 libras de pennas de
ema na ra larga do Rozarlo n. *6, loja
de miudezas.
Vende-se um bonito molecote: ns ra
da Cruz, 11. 52, segundo andar, das 6 s ti
horas da manhSa, e das 3as da Urde.
II omance modernissimo.
Os Mysterios do povo ou histo-
ria de urna familia de proletarios,
por C. Sue, traduccao do Rio,
e chegada pelo vapor S.-Salva-
dor : vende-se no pateo do Colle-
gio, casa do livro azul.
He grande pechineha.
A 2oo e a4o rs.
Vende-se urna porcSo de chitas franoazas,
de 4 palmos do largura, rozas, de cores li-
xaa, a 900 rs. o corado ; cisnas francezas
de bonitos padrOes, a 240 rs. o ovado : na
ra do Crespo n. 14, loja de lose Francisco
Das.
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 2o:ooo$ooo.
Na ra da Cadeia do Recife n. 40, loja de
fazendas, de Francisco Concalves da Silva,
vendem-se bilhetes, meios e quartos da 94 '
lotera do monte pi geral do Rio-de-Jauei-
ro, chegados no vapor S.-Sfbaiiio.
por seren bonitas figuras, e ums mulata
ludo por commodos presos.
Arroz de casca.
Vende-se arroz com casca : na ra da
Cadeia do Recife, armazem n. 64.
Arroz a 1,000 rs. a arroba :
vende-se ni rus da Cadeia do Recife, ar-
mazem n. 64.
fiatatas.
Vendem-se gigos com 40 libras de bata-
tas : na rus da Cadeia do Recife, armazem
n. 64.
B irricas com farinha SSSF :
vendem-ae na mala Cadeia do Recife, ar-
mazem n. 64.
Farelo.
Vendem-se saccas com farelo : na ra da
Cadeia do Recife, armazem rr? 64.
Cha nacional.
Vende-se cha nacional, em caiznhas de
4s 16 libras: na ra da Cadeia do Recife,
armazem n. 64.
Potassa.
Vende-se potassa em barris pequeos .*-'
na ruada Cadeia, armazem n. 64, junto a
botica do Sr. Antonio Pedro.
Aviso a pobreza.
Vendem-se saccas com farinha de man-
dioca, a 1,600 rs : esta pechineha esta se
acabando: na ra da Cadeia do Recife, ar-
mazem n. 64
Enxadas calcadas d'aco.
SSoehegadas novsmente i ra Nova, loja
de ferrsgens n. 20, de Jo5o Fernandos P-
renle Vianna, as acreditadas enxadas calca-
das d'aon : os Srs. que fizeram encommen-
das queiram manda-las buscar logo, antea
que se acabem.
Na ra da Cruz n 5, primeiro andar,
ha para vender um bom cavallo andador e
bastante grande, proprio para earro, por
preco commodo.
O arrematante do contrato daa aferi-
cd sdiste municipio vende aa fregueziaa
de fra, como sejam : Afogadns, Varsea, S.-
Lourenco, laboalSo, Murlheca e Poco da l'a-
oellu, por precos commodos.
Vende-se una preta da Costs, de boni-
ta figura, de idade de 20 a 22 annos, cosi-
nha e engomma alguma cousa : na ruado
Ueuimado n. 65.
Escravos Fgidos.
* f f ? v f f v? m m ?f?e
na ra streita do Rosario, travesea do Quei-
niBdo, lijad* ttiiiidezas n. 2, A Vendem-se
1111.'to superiores Cordas e bordOes para
violilo rabeca, por preco mais couimodu
do que em oulra qualquer pin t >.
\ inio de liordeuux :
vende-se na ra da Cruz, n. 10,
casa de Kalkmar n Irmaos
B>
ilos, na
lahia.
* Vende-se, em cssa de Domingos Al-
ves Matheus, na ra da Cruz, n. 52,"*
pnmeiro audar, algodo trancado da-2;
"Tquella fabrica, muito proprio para sac-J
Jeoae roupa da escravoa; bem.como
^fin proprio para redes de pescare pa-an
^.vios para velas, por preco conimodo.a.
Veiidem-seielogios de un- le.ooor
ro e prata, patente inglez na ra lrru
A* n-all.-M-.w ., /- lCouro
AGENCIA
d funriico Low-Hoor,
ROA D* SKNZAT.T.*-NOVA, W. 4.
Neste estabelecimento conti-
nua haver asi completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenhu ; machinas de
vapor, e tacha* de ferro batido e
coido, de todos os tamanhos,
para dito.
Vende-se uma mulata de 20 annos, aem
virios nem arinques, que engomma com
perfeicDo, cose e cozinha : o motivo por
que se ven la se dir ao comprador: na ra
do Hospicio, caaa terrea com sotao, defron-
te do n. 17, diis 6 a 9 horas da manliaa, e
das 3 da tarde em diante.
Ven.>eni-se silhoes ingleses
para montara de sendera : na
ra da Cruz n. a, casa de Geo ;
Renwortdy & C.
UneUjOa o sevtao,
a 240 rs. a libra, pira acabar com o reito ;
superiores velas do Aracaly,
chapeos de palha, a
Ri luja do sobrado amarello, nos
quatru-canlos da ra do Queimado
n. 29, vcri-lein-se cortes de vestidos
decaasa-soda com florea, a 7.000 rs.
cada corte ; ditos de cambraia bran-
ca com barra bordada eadamascada,
a> a 6,000 rs.; dilos de ramhraia-aeda,
J* ricos e de m 10 modernos gustos,
* por difiranles precs, ha vendo de
X ludo grande sortimentn para a* esco-
0. Iher ; corles de vestidos de aeda, de
9 gosto muilo modernos, e por preco
*> em ronta ; e outras fazendas finas e
a> de gosto.
a>
>
a-

I

e
as
<
A A A *AAAAAAAAAO
Ni ra da .ruye n. 92, segundo an-
dar, vendem-se.tra negrotas de 18 a 90 an-
nos, que engommam e cosem cusluri chfla,
cozinham e lavam de sabo, uma dila da
Costa de bonita figura de 90 annos, quitan
d.eira e urna parda de 26 annos com as mes-
mas habilidades cima, a uma negrinha de
12 annos com principio de costura,
oiliem que peelinclu:
Vendem-se rrles decollles de sarja de
cores pelo baratissimo preco de cinco lus-
loes o corte : no Passeio-Publico, loja n.
It : clieguem a elles antes que se acabem.
Knnetes a 240 re.
Vendem-se bonetes para meninos, a 940
Ta. cada mu iorro-a-wc-Viaa, toja
n. 58, junto a de selleiro.
A I Sfioo oeiiviido.
Na loja n. 3, defronte do becco do Pexe-
Frito, vendem-se casemiras escuras de bo-
nitos desenlio* em xadrez, ptimas para
l annos de cima de bancas, a cinco patacas
o covado : esta Tazeoda lorna-se muito re-
commendavel pelo aeu modernismo.
9 *# mmmm mmmmm
9 a loja do sobrado amarello, nos V)
A qualro-cantos da ra do Queimado ft
IB n. 29, |vendem-se as mais modernas 9
<% chapelinhasdeseda de cores para se- #
f. 11I1,.111, muito bem guarnecidas; bem fe
9, como manteletes de seda torta-cores, fe
A os mais modernos que axistem : ludo f)
H or preco commodo. a.
t A A t AAA0
Vende-se superior rap de Ushda, em
Irascos, chegado agora na barca porlugue-
r Ligtlra : oa Snrs. freguezes que estSo
sroslu'nsdos a ton.arem boa pitada, nSo
leixarflo de mandar buscar no largo da As-
-- Fugio, no dia 5 do correte, depois de
meio-da, o preto Patricio, da nacSo Costa,
alto, cheio docorpo, res grandes a pal he-
lados ; anda alguma cousa devagar; tem os
ps engiadoa e os toruozelos grossos ; lavou
calcas azuest camisa de algodgo riscado:
quem o pegar leve-o i ra Direita, n. 96,
que ser gratificado.
No primeiro do crranle, fugio, do si-
lio da Trompe, n. 1, uma preta de nacflo
Costa, de nome Maris, bem alta e gorda ;
tem varios signses de sarnas pelas pernas,
e uma coslura na munheca da mflo esquer-
da ; tem os beicos prelos, denles alvos,
pernas e bracos bem grossos; leven vesti-
do de chita encarnada e panno da Coala
azul ; lemsido viata pela Boa-Vista ; an-
tes de vir para a praca, fui moradora em
Maria-Farinha, e depois foi eacrsva de Joflo
de lal, com venda no becco largo, e a tra-
zia vendendoefleitosda sua venda ; ltima-
mente foi vend ta ao annunriante; tem
petos grandes e j cabidos representa ter
28snnos lioga-s- as autoridades polioiaes
e capitSesde campo, que a apprehendnm e
li-vem-na ao dito sitio, ou na ra da Cideia
do Recife, defronte do Becco-I.argo, "n. 9S,
que serSo gratificados generosamente: tam-
bem roga-se sos Srs. commandrntes da
embarcacoesque conduzem escravos par
fra. de examinarem ns que se Ihes spre-
senlar, nflo teja ella um delles, que se quef-
ra evadir com a prnteefio de alguem ; .la
mesma forma se protesta contra quem a t-
ver recolliida, ou Ihe der.altrgo, com todo
o rigor da lei. Omesmo avisse faz de ou-
tra oscrava, perleocente ao meimo dono,
e que fugio no meiadode setembro prxi-
mo passado, de nome Maria, de nacflo 6a-
lali, de 50 annos, baixa do corpa, bem pre-
la ; tem a bocea meia torta de tomar ca-
chimbo, peilos pequeos-e cabidos; tam
uma coslura em cima do peilo direiio ; he
muito falladeira, voz grossa, biacos e per-
nas meiaa foveiras; levou vestido de chita
encarnad ma a ir tirar marisco, por ser manscsdajra;
tambem costuma andar pela Casa-Fojrte,
onde foi pegada na u tima fgida que fez.
No dia 4 do correle fugio um preto
de nome Joaquim, de naco Ci>cange. st>-
lura regular, reprsenla ter 90 a 99 nnos,
com pona de' barba, cor um pouco fula,
cara redonda, nariz chato, maa lodo arre-
panhado em roda que parece ter sidlj^Bli
madura ; levou ceroulas ecamisi da' algo-
dllo trancado. Roga-se as autoridades po-
liciaese capites de campo, que ,<;" apre-
henda m e leveiii-110 a ra larga do Hozario,
u. 18, que serflo gratificados.
Fugio, ao engenlio Victoria, districto
de Una, o pardo l.uiz, de 18 innoj, eor pi-
lida, rosto oval, baixo, cheio do corpo,
bastante prugnoatico; tem naa costa* al-
gumas marcaa de chicote ; levou camisa da
algodJo azul, raleas de algodjo de
j velha, chapeo do pass : leve-o ao dito engenlio, a aeu senhor,'
cisco Alexiodre Dutn, ou neita praca, a
Francisco Jos Leito, na ra do Collegio,
11. 12, que recompensar.
j= iaM,.,T.,,s,s, ^u.
'11.94.
I>rs. o cenlo; Irarriea eom farinha de sembla n. 4. '
ta; courinhosde cabra; spalos del ___ V/>r,t 0 (.. j
deiunroemoorcflo: naruad.r-, "~ Ve,u,'-S(: a wverna da ra
Ido ralre-flonauo n. 7a, comlPaa*. : itir. sien. r. oiranu. 1850
rutea aa
rfM
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECND6MXLO_G4WMPO INGEST_TIME 2013-04-24T19:39:57Z PACKAGE AA00011611_07033
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES