Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07032


This item is only available as the following downloads:


Full Text
T
Anuo XXVI
Qttartri-fer?. 9
riBTiDAi Boa ouw,
Sohtnna 8 Parabiba, sefjjodaa e.eat.s felraa.
lo-Grande-do Norte, quinta, feira. ao melo-
da.
Cabo, Serlnhem, Rlo-Formofo, Porto-CalTo
e Macelo, nl., a 11, e 21 decadamei.
Garanhun e Bonito, i 8 c 23.
Boa-VUta e Flore, 13 e J.
Victoria, f quinta feiraa.
OUnda, todo of da.
Nova. a 5. aoi.16 m. da t.
Ctec. a 13, ao 10 n, din.
Chel. l.ao.1.'. m. da.,..
Mlng. a 28, i h. e 40 m. da t.
* BOJ*.
Primelra a 7 cora e 42 mi autos da manbaa.
Secunda as 8 hora e 6.minuto* da tarde.
_
de Omuhro de 1850
N. **8
rmljo da anmaoBirpio.
Por tres mete (udlmMioi) 4/000
Porieiameiea a 8/000
1 Por um anno a yOOO
DAS DA MtWAWA.
7 Seg. S. Marco. Aud. J. dol orf, e m. da l.v.
8 Tere. S. Brgida. Aud. do chae, do J. da 1. v. do
civ. e do do folios da fazenda.
0. Quart.fi. Dionisio. Aud. do J. da 2. v. docivel.
10 Quint S. Francisco de Broja. Aud. do J. do orf.
ao m. da 1. v.
11 sext. 8. Frlmlno, Aud. do J. da 1. v. edo do
ni
lypri
relio da fazeta.
12 Sab/S. Cvpriano. Aud. da Chae, edo J. da 2.
v. crlipe.
13 Dom. Patrocinio de S. Jol
OAaKaUOl Zat DE OUTUBRO.
Sobre Londros. a 28 '/ d. por 1/000 rs. a 60 dia
Par, 346.
Lisboa, 100 por cento.
0r.Oncas heipanhoes......... *}1900 ?9
Moeda de 6/400 velbas.. 16/400 a 11
. de6/OOora. lojHOO il
. de 4/000........... 9/100 a 9/100
Pr*U Pataco brailelro..-... '/O a 1/98(1
Pe.o columnario....... U"**0 a '*'
Dito mexicano.......... 1/800 a 1/
PAUTfforne.*!,.
11 ', I !
GOVERNODA PROVINCIA:
EXPEDIENTE DO Dli DOCORRENTE.
Oflicio.Ao Exm. Sr. Fausto Augusto.de
Agutar, dizendo flear scine de' haverS.
Exc. lomado toase t). presidencia da pro-
vincia do Parnodi 13 de seUmbroulli-
mo, e asseverando-lhe queaempreo achar
publico,
lar de S. Eic.
Dito.Ao inspector da pagador!, militar,
nleirando-o de lia ver resolvido, em vist
do que pnnderou o Exm. comm.ndante das
armas, que i imoortancia das gralllicicOes
Que furem arbitradas aos individuos, quer
Sainos, quer militares, contratados para
rirem no exercito nos termos do decreto
legulamcnto de 10 de novembro de 1818,
Ihe seja paga pelos prels e relaces de mos-
tra dos cornos em que estiverem serv udo,
sendo tirada no prjmeiro pret de taes grati-
ficacOei que se mandar abonar a vista, e nos
dos roezes seguintes ss prestacoes mensses
que se forem vencendo.--Communicou-se
ao mesmo commanJante das armas.
Dito^-Ao inspector do arsenal de mari-
nha, para que mande entregar ao commin-
dante da fortaleza do Brum, o restante do
farda ment para recrulas, quo mandou
apromptar osquelle arsenal.
Dito.Ao commandante do corpo de poli-
ca, para mandar a presen lar ao Exm.com-
mndante das armas, para Ihe dar o conve-,
mele destino,, o dezertbr do quinto bata-
lh3o de fozileiros Mauoel Jos Perolra, que
se acha no callabouco do quartel sob seo
commMJo.--Nesle sentido ofllciou-se ao
referido commandante das armas.
Dito Ao delegado supp.lente do primeiro
districlodo termo do Kecife, declarando que
nao devem ser recrutsdas as pessoas qoe se
oceupam nos trabalhos da estrada da Vic-
toria, por ferem all necessarios os ssus ser-
vicos, erobora nao lenriam oulra isenc.lo
Dilo.A' cmara municipal do Rio For-
mozo, declarando em resposla ao ollicio
em qoe pede Ihe esclarec se pode tentar
a desapriopriaco do terreno que Ihe parecer'
mais proprio para aatadouro publico, no
caso do respectivo proprietario nSo querer
cede-lo amigavejmenle; que a desapro-
Dto.-Ao inspector da pagador amili tir.de-
vol vendo as coplas m duplcala das d.espezas
itaa com corpo de batsdores, e dizendo
que em vista de sua iftfornjasflo, nio proce-
den as duvidas por Smc. proposlas, para
qee deixe de ser concluido o sjuste de taes
contas, urna ver que o tenenle-coronel
Francisco Vctor de Mello Albquerqoe
repon!; o qae f.ll para o completo d-
qeanlfa que Ipa foi idiantada parasemlhan-
tt despeza
sala daa esses d aquella cmara e prevenin-
do-a d< que a de.peza que e houver de fazer
priaQo por ulilidada municipal s fleve ler tora mrsmo docet derera irr paga peta ver-
lugar nos Urnin do arl. i da loi provincial
u.129 de2demaiodel8>.
Dito.r-A'cmara municipal do Cabo, d-
zendo em respo.l- ao olficio em que pede
|iermissBo para fundar fatigues pblicos
nos lugares qae designou para matunce do
gado de oonsumondaquella municipio, que
drve a semelhania respailo .ler em vista a
disposiijSodo 8 artigo 68 da lei do primei-
ro de oulubro de iiiS
l'ut tana.Mindando por em liberda Je os
recrulas Antopio Marinho Falc3o e Francis-
co da Costa, vialo terem ao.resentsdo Isen-
V'3o legal.
DEM DO DA 5.
Ollicio.Ao Exm. Sr.- Agostinljo da Silva
Naves, dizendo lic.r sciente do h.ver S. Exc.
tomado posse do cargo de presidente da
provincia da Parahib., e assegurando-lhe
que sempre o achara prompto a cumprir
suas ordens, tanto relativas ao servico pu-
blico como ao particular de S. Exc.
Hito.Ao Exm. comman l.nte las armas'
para mandar postar em frente da igr.-j dn
Corpo Sanio a manhfla as 9 horas do di,
urna guarda de honra para assislir a fnsU
deNossa Senhora do Rozarlo, a qual deveri
retir.r-se depois de rindo o Tr-feum.
Dito.Ao cdnsul ile S. M. Fidelisaima,
Iransmillindo copias do offlcio do comman-
dante do corpo de polica e do subdelegado
da freguezia de S Antonio, e bem assim da
parte do tercero commandaote do referido
'u* corpo a que se elle refere, dando as precisas
" informafdes cerca do aconlecimento que
leve lugar entre o compatriota de S. S. lia-
noel deSonza Tavares eo msico ds gusrda
nacional Filippe Nery de B.rcellos.
l;toAo inspector da thesouraria de fa-
zendt, transmiltindo os avisos de tres letras
na importancia de 2:900,000 ris, sacadas
pela thesouraria do Rio tirando do norte,
sobre a dosis, ti favor de Francisco Pauli-
no de Castro liarme*, Julo Francisco Alves
e Frsncisco Jos Comes. Communicou-se
so Kxm presidente daquella provincia.
Dito.Ao mesnao, autorisando-o a asan
dar entregar vista do balanco e pediJo que
uciulc i p;g;;;; n.;!:t;r, s Ku-ivu
deslinida para as deSpei.s militares em o
mez correnle, na impoitancia de 41:521,662
ljs.
Dito.Ao commandante superior do He-
cife, dizendo qoe pode mandar fazer as hon-
ras fnebres so fallecido a I fe res da guarda
Clj nacional sbieu commanJo superior Anto-
nio Germano das Neves, que se lem de se-
pultar hoje.
Dilo.-Ao director do lyeeu desta cidade.
Ui Ponderosas sSo as rasOes por V. S. produ-
' aidss em sea ollicio de do correnle Infor-
01 mando acerca du requerimento de Joflo Jos
i.i llarrozo da Silva Juvonis, proesior publico
rs. com a compra de 50 resma de papel carfu-
xinbo para reformar no laboratorio daquelle
arienal o cartuxame de fuallaria, que tem sido
rrc illiido peloi corpoa de primelra llnha, e de-
legado do interior da provincia. Coiumuiii-
tou-ie ao impector da pagadoria militar.
Dilo. -- Ao niesinu. cuncedendo a autorlsa-
fio que pedio, para despender a quantla preci-
sa com a compra de IU llvros para a eicriptu-
rafaod'aquelle arseual, mandada observar pe-
lo avl.o do Exin. Sr. ministro e secretario de
estado dos negocios da guerra de 5 de agosto
ultimo. Iiitelligenciou-seao inspector da pa-
gadoria militar
Dito. A o j 11 i / de direilo dcGoianna, tran
inltiindo copia do ufflcio do coinmando do cor-
po de polica, da qual ver, que nao pode aer
salitfeito o augmento que pede para o destaca-
inepto estacionado "'aquella cidade.
Dilo. Ao Inspector da thesouraria de fa-
zenda, para que vista do certificado passado
pelo director da obra* publica, manda pagar
ao arrematante do aterro e ponte dos Reme-
dio a importancia da segunda pretticao da ar-
remataco da dita obra e leu accresevuos, vis-
to ter elle (eito dous tercos della. lolelligen-
ciou-se ao inesino director.
Dito. Ao delegado .upplente do primeiro
dislricto do termo do Recite, derolvendo osof-
liciiis do commandante da liba de Fernando e
dojuiz municipal da primelra vara desta cida-
de e bein assim a respusu do carcereiro da ca-
del.i desta cidade acerca do (emendado Flix
Jos Ferreira, .16111 de que informe qual o as-
senlameuto que tem o' dito sentenciado no II-
vro da mesmacadela.
Dito. Ao director das obras publicas, di-
zendo que vi.io achar-(e em estado de sr de-
linithmenle recebida a obra do 10." Lineo da
estrada do Po-de-Alho, aegundo S me, infor-
ma, pode mandar lavrar o termo de que trata
o a/Migo 31 do rrgul.imeuto das obras publicas
de 7 de maiod 1850.
Dito. -- A cmara municipal do Recife, auto-
risaud-.i a mandar preparar b docel para aer
eollocado o retracto de S. M. o Imperador na
ba eventuae.
Dito. A cmara de OUnda dizendo que,
v|sta dasua nformaco.nd* mandar por no-
tamente em praca com o abate conveniente o.
objeclgs mencionados na relacao que reme lie n.
Dito Aojuiz municipal do termo do Hrc-
jo, Jos Rodrigues do Passo. ll.vendo o Dr.
Wanoel Joaquim Carneiro da Cunba se escusa-
do por motivo de molestia do cargo de deleg..
do de polica do termo dessa villa para que
fura nnmeado por portarla de 17 de seteiubro
ultimo, nesta data nomeei Vine, para o refer-
ate cargo, e convin que quanto ante, preste
juramento ou peraote a cmara municipal, ou
prraule 1, juii de direlto quando aquella nao
pona fcilmente rcunir-sc alim de logo entrar
em exercicii).
Remetlo-lhe por copla a portarla () que ua
referida data dirig ao mencionado iloulor Car-
neiro dii Cunda, alim de que Vine. Ihe di o de-
valo cumprimenla com at(en(o da disposto no
migo 246 do rrgulaiuento n. 120 de 31 de Ja-
neiro de 1812. .Veste sentido expcdlrain-se
as convenientes ordena.
Portarla.' Mandando por em llberdade o
recrula Joaquina Jos de Santa Anna, vi.to ter
presentado iscncfui legal.
Coiinii indo das armas.
Quartel general na cidade do Mecife, ai 8 de
oulubro d$ 1850.
OH DEM DO DIA N. 101.
He nomeado ajudante de orden de pesoa
Sr. capltaodo aegundo batalhao de artilheria a
p Antonio Maria Rebello.
Anidlo Correa Sera-
EXTCRIO
da primeiras letras da cidade de Coianns,
pdindo Mr adautlido como oppositor ao
di concurso da ctdeira de primeiras letras de
.. Fr de Potlas, ealreanto sendo lei osnis-
s. s tal resoei/o comq V. S. reconiiece, re-
'4 solv adwiau |0 a concurso por convir favo-
u, recer o comparecnsento do mator numero
de opposilorea, iicando inlendido que o
, profesior que fr roi>rova lo tara contra sus
suUlcienc um documento pelo qual se de-
vera proceder para ge nava-lo por inhabili-
1& tado para o magisterio.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER
NAMBUCO.
Parit, 19 de agosto di 1850.
A nossa sssembla legislativa, bem como
em outra occasilo snnunciei a Vmc.sepa-
rpu-so no dia II do crreme depois de ter
volsdo s lei do nrcametilo e slgumas oulras
que eram urgentes. Por espaco de tres rae
zea o recinto parlamentar oslar por consc-
guinle mu lo, porm ninguem ha aqu que
mu i.mente ; porqusnlo todos seuiomque
o uosso pobre psiz precisa de vallar calma
o ao irab.lho, entretanto que a assembla,
na qual tem assento os homens os mais r-
lenles de cada partido, parece ter por mis-
silo nica, agitar os espiritse sublevar a-
paixOes. Iiesejo, poslo que no lenho es-
perancas disso. que ella volte com melho-
res seniimenlos e com penssmenlos de
unifln e concordia. Se os represen lentes se
terem so traba I ho de consultar o paiz, de
egtudar saus desejos e ausa necessidsdes,
esta dillicil conVersSo se operar sein duvj-
la nonhums, porm os homens apsixonados
uio veenijnuuca as cousss o que nellss bs,
mis' somante o que uellss quer.n ver.
A poltica tom-se conceulrsdo por agora
nicamente na viagera do presidente. Creio
que ja disse a Vmc. que I.uiz Uonaparte pre-
tenda.visitar os dopartamoulosjdo cenlro e
do ste ds Franca, nos quaes a propagan 1*
'emagogica lem feilo mais desiruicOes.
rule quer experimentar se s influencia 00-
" 1 1 1 1 .i 1
(') \ portarla de que se talla aqui, j foi pu-
blicada com o expediente do da 17.
OiJtaT.
derosa de seu nomo e de seos servidos, po-
dara luctar ellicasmente cfcnlra o espirito
do mal. Coruecando a 12 de correnle ests
tSo laboriosa viagem, no momento em que
escrevo, j.seichi no terc do seuciml-
nbo ; elle visitou a Borgonbp e suas princi -
pses cidsdes, Sans, Joignf, Tonnerry e Di-
jon; psssou dois das em Ljfo.a sn^unds ci-
dade de Franca, e por toda parte foi s-lmi-
ravelmente b-n acolhido: Resti-lhe anda
que visitar o Franco Cndalo, a Alsariaea
l.urrena, onde lieam ascidsrjes importantes
da Bes.ncon, Starburgo, M1?, .Nancy,tc
ele, e segundo o sed teerario fJWViamSn-
te tricado, (estsra de volts em Pars ov dia
la deste.
Os nimigos ds ordem empregarsm todos
os saus esfnrcos pars promover manfesta-
Cdet demaggicas nos lugares que o presi-
dente visitou, porm nloconseguiram ne-
ihum 'resultado. Alguns gritos de viva a
repblica dados sqni e ali pelos snarebis-
tas fraqi abafalos quasi por toda a parle
por acclimafues verdaderamente popula-
res, por gritos formidtveis de vivaopreii-
dmte Viva Napolcno e it de viva o impe-
rador, pois ha em Franc< um grande nu-
mero de pessoas que de bom grado sacrifi-
caran) a pretendida lili na Je que nos d a
repblica para ter a seguraoca, a prosperi-
dade ea graodeza que nos den o rgimen
imperial.
Foi sobre tudo em I.yao que o presidente re-
ceben o mala admlravel acnlhimento. F.ta ci-
dade conlm urna populacao de 60 mil opera-
rlos, os quaes at enlo llnham sido considera-
dos como os soldados mais fanticos da dema-
gogia. Km o anuo passado ssea operarios 11-
surglrain-se e foi preciso dar urna batalha an-
guinoa para reduzi-lo obediencia as Iris;
a cidade foi posl< em estado de sitio, debaixo
do qual anda se conserva, e temia-se que essa
frac(o da popularlo fizesse alguina tentativa
violenta, 011 qmmdo menos, inanifrt.ices of-
fensiras e hostis. O presidente nao recuou
dlante doperlgo e sua corageui foi maravilho-
samentc bem succedda. Ao entrar em I.yao
e alraveisou as ondas de urna multidao rrs-
peitosa que saudava sua vinda com viva. alVrc-
tuoso. Elle visitou os principara edabe'ecl
ment, da cidade, assistio a festa. e revista, es-
tere seinpre em contacto com o povo e este
lesiemiinhos de dedica;ao e de reipeito nfio se
dednentiram um s instante.
O successo do presidente fii completo, i.ias o
que .obre tudo f.ir memoravel a ua vi.ita he
o discurso que pronunciou env:.\ bautupte
que a cidade Ihe otfcrecea, Uiscurso
uin rerddiro '""'"'trni'r rara a Franca.
Ku o reprodurfrel a'qul, porque elle dar a
Vmc. a ideia a mais exacta de nossa situario e
at do projectos do presidente.
Kis-aqui em que termos elle se exprimi res-
pondendo a um brinde que Ihe lizera o maire
de Lyoa:
Sr. mairr, receba V. S. por parte da cida-
de de Lyon da qual V. S. he o digno interprete,
a expresso sincera do meu reconhcclinento pe-
lo arulhimenio sympathicu que me fes ; porm
ere! 1 -1 nc que nio v i m a catea palze onde o im-
perador, meu lio, deixou tao profundo traco,
para colber simiente ovaedes e pasa ir revistas.
O fim de ininha viagem he animar pela minha
presentaos boo, tranquilllsaroa espirito, drs-
vairado. ejulgar por inim uiesmo dossenti-
mentos e das necessldade. do paiz. Para esta
taref hei mister do concurso de V. S.. e para
que o possa obter completamente devo dizer-
Ihe oque .ou e o que quero.
Sou, miu o representante de um partido,
mas o represntame de dua. grandes inauifrs-
tarfle naclnnae. ; que em J804 bein como em
1848 quizeram salvar pela ordem o. gran-
de, principio da revolucao franceza Or-
gulhoio portanto Me minha nrigem e de
minha bandeira, permanecer! hei a ambas;
eslarei Intrirainente .s orden* do paiz. quir
elle exija de mim abnegara, qur perteveranca.
(kpplauto* )
Os boatos de golpes de eaUdotainbem che-
garam, seuhores, ao rossos ouvldos, bein o
ei,' mas vos nao Ihe (lestes menor crdito,
pelo que vo douo meu. agraieclmentos. As
sorprezas e as usurpaedr podem ser sonho
de partidos que nao tem apolo as naedes; po-
rm o elelto de seis inllhdes de suffraglo. exe-
cuta as vontades do povo, e nao o trabe. {Kp-
plmtm estronlttai.) O patriotismo, eu o repito,
pode consistir na abnegado bem como na per-
everauca ; eirt presenta de um perlgo geral,
toda a ambiciopeuoal deve desaparecer,
Neste caso o patriotismo e reconhece co-
mo se reconbeceu a inaternldade em umjuizo
para sempre celebre. V0i estacs Imbr>do>,
senliore, dessas duas mulheres que reclama-
vain o mraiuo inenlno. Qual foi o .la/nal pelo
qual e reconbeceu as entranhas da verdadeira
nal 1 Foi a renum-ia que ella fez de aeus direi-
lo. pira salvar ama vida que Ihe era chara;
nio esquejan) esta sublime llro o. partidos
que ainam a Franca. Eu inesmo me lembra-
rei della, se for necessario ; mas por outro la-
do se preteofoe culpaveis se reaniuiaici e
ameacareui coinproiuetter o repouso da Fran-
;. aaitprel 'ii.-J.s tt impuiCJI, !?.r:c;r.s.
anda a soberana do povo, porque nao recu-
nheco ulnguein com o direit ir dizer-se seu
representante mais do que eu.
tsles seniimenlos, vos os dereis compre-
hender, enliores, porque tudo o que be 110-
bre, gcueruso, sinsero, acha ecbo entre o Ly-
oonezea. Vossa historia oll'erece di.so escul-
pios iuiinortaes; considera 1, portanto, a mi-
nha palavra como urna nrova de minha coolian-
(a c de minha tima, e permit! que eu faca
um brinde cidade de I.yau.a
Nao be preciso que eu insista sobre o alcan-
ce deste discurso, o qual foi .sudado por iui-
ineusos appiausos. Elle conten cid primeiro
lugar um novo e solemne desmentido a ene
boato de golpe d citado qne os partido hos-
tis ao presidente se comprazem em eipalbar.
Sobre este panto elle tranquilla o paiz; em
segiudu tugar elle lis mgeaa vaid.de popular,
subordinando o proceder do presidente ao vola
que o povo eiprimir. Km trreeiro lugar linal-
ui.ente elle ataca mu claramente aa prclencoe
dos legiiiiuisus quetaoantipatblcos a inuuen-
sa inaiorl da nacao. I udo isto-ne uabil, ou-
sado e iiiuipolitico, e por is este discurso tez
uina imprtss.o tUraordin.rueos todos os pon-
to, da Franca.
O presidente aahio de LySo a 17, e boje
tVavu estar em Besaqcon. Eu commuuic*-
rei a Vmc. na primeirs que Ihe escrever, o
que esta segunda parte de sna visgem hou-
ver apresn'ntado de carioso.
Os legitimistas por sus psrte quizeram
fazer urna grande manifestacSo que an-
mense as esperancas e a coragem de seu
oartiilo. pretendente ao qual do o no-
mo de flenrlqu V p que, para a Franca, nSo
lie sen.lo o conde d Chambord, foi ha nou-
co, residir em Wiesbaden, peqnen* cidade
Ja Alloin.nba, onde to los os annosna pri-
maveras. reunem os ricos occiososda Eu-
ropa. O conde de Chambn! ebegou a Wi-
esbaden a 12 deste mez e foi seguido de to-
las as notabilidades do parlido legilimis-
ta, Mr. Berryer, Mr. Ranoit d'Azes, o con-
d 1 de S. Priest, o msrquez de La Rocheja-
quelin. o duque de Lvis, ele. Nsda ha
transpirado ainds do quo se disse e fez nes-
le conzresso legitimi-ila, mis nSo parece
mu difllcil que nelle se concordaste sobre
as medidas que devem ser tomadas, por-
lue o partido tem seos modelados e seus
exaltados, os quaes .t so presente nao tem
nuil lo piit-'iuler-se, e guerreiam-se aqu
mutuamente em suas gizetas. Creio Hr-
memente que osse partido, cujo principio
he excelente, mas quo lia sessenta annos,
mo tem sabido conduzir-se, nSo tem mais
urobahilidade de triumphir ml'ranri, e
que nSo ple trszer-nos senSo a guerra ci-
vil e com ella talvez a viclnria da dems-
gogia.
Seria isso tanto mais desgracado quanto
iiciti iluimii" a demagogia esli bem doente.
Knircl 1 ni<> que o presidente por saa habili-
lade e por sus coragem tira-lbo em Franca
1 maior parte da influencia que ella exercia
sobre os operarios e os camponezes, osca-
lieeis do paililo retirados em Londres, ou
que se assenlam na assemhli, passsm lem-
po em disputar, uns com os ouiros, e suas
luostdes vi.-m arrebent.r em publico. I.e-
dru-Rolliu que pede aquelles que o escu-
ta m a somma necessaris para cnmpAr um
ornamento de tres ou quatro milhOis para
propaganda democrtica, be violentamen-
te' maltratado por outros demagogos, pros-
criptos como elle, os quaes o secusam de
ovarle e traidor. Di outro Udo nossos
montanhezes da assembla estSo plenamen-
te desunidos ; ellos nSo le n podido enten-
ler-st para publicar, urna acta de seustra-
'allios e 1 'iiws ti Jo alternativamente dous
*<^tiT'i>-&ttuTiyls txaltUot da
zwnla.ilia
O Sr. Pniilenti.Vsi proceder-se ao or-
teio do concedi, que tem de julgar o reo
ocesente, aecusado pelo crime de uto, tem ti-
cenca, deorntit prohibidas ( pistolas )
Sorleado o concelhn, ssheai escolhidosos
Srs.: Francisco Jos Vianna. J0S0 Francisco
Pardelnas, Joaquim Jos Ferreira da Penha,
Manuel pereirs Caldas, F'aneiscoMamma^e
Almeida Jnior. Maooel Dusrto Rodrigue.'',
lofio Antonio da SMa Gritlo, Jos Go-iCalves
Torres, Onofre los da Costa, Jos itolriguei
Perelra, I.uiz Antonio Vieirae Joaquim Fran-
cisco de A. Santiago, o qiraer prenta ssrtr 4r-
rsmento do estylo.
O Sr. Presidente faz ao reo o seguinte
Interrogatorio.
JaisComo se chama ?
ReoAntonio Candido de Sorjza.
Ju-S.be porque est processado *
Ma-Mo, Sr.
Juis-Km que dia foi preso P
fleoFui preso denlro de minha casa.
Jtiii--NSo Ihe pergunto isso; pergunln-
Ihe quando foi preso?
Po-f.m minhi casa : das 9 para as 10 ho-
ras d. noito entraran) em minhs casa 3
inspectores, e me prenderam aem me dize-
rem o motivo.
JaiiE nao foi pteso por se achar ar-
ma lo ?
o-NUo, Sr.
JuisQuando o prendersm, nSo Ihe en-
contraran! duas pistolas f
MiQuando fui preso tinhs eu duas pis-
tollas dentro de urna gaveta.
Ju/sCvela de que ? >
/?<;-- He urna mesa minha, que tinha em
urna casa.
uiz Recorda-se do dia em que foi
preso ?
AoNo me record.
JuisFoi de dia, ou Je noite?
/i-" -Era noile.
Jhi'sQuando foi preso nSo foi levado a
presenta do sub-delegado .*
fleoNSo, Sr.; fui para o quartel de po-
icia.
Jui:-Oiide seachavaquando foi preso?
fl-.|)'litro de casa mesmo: quando eu
enlrei dentro de cass eram 4 horas da tar-
de ; assim que acabei de juntar fui pira a
janella ; e, passinlo um inspector, pz-sea
fazer signaos para a mofa que eslava em
cass, mas eu 11 lo o cuten 11 : as 9 horas pa-
ra as 10 da noite, eslava eu conversan-
lo com um moco denlro de cas, entra n
Estas dmsoes *i-f;enl inspector con urna palrulha, dizendo a
amigos da ordem, com lano'nW; ?'(soldado ; corra o homem. Isto tudo era
lbalo aproveitar, reconciliando-se v^oj- causa da moc. ; e, como nada me sehas-
riara os
les as sa
unin lo.
InglaterraO negocio de Mr. Leonel de
Uollieseiiii 1 foi termnalo a 5 do correle,
mas o honrado representante da cilsde de
Londres nilo pode alca icar ain la o direito
do tonar assento na casa doscommuns. A
cmara achou que nlo Ihe era permitti lo
um lni'ar a formula do juramento, e que
era preciso para isso um acto legislativo ;i. '""">'""-' '">
nes lord Joio Russ^l compromelteu-se for- I*"?' "Ol.vo porque
nalni.'iile a 1 presi-nlar
na sess.lo prxima
um projectii de lei especial, o quil ser a
carta ite emancipadlo dosjudeus.
A 16 do agosto, s rajnha dirigiu-se em
gran le cdiemonia ao psIHo do Wjstmins-
ter par. adiar em pessoa eupirlament ; a
maior pa-te do discurso qne-.pronunciou
diz respeilo sos negocios internos da Ingla-
terra, limitar-ine-hei portanto a reproluzir
aqui os dois paragraphos que se referen) aos
negocios estrangeros. (al
Lor I l'almiTsion que falla da paz com
anta iingo, deveria praticar com ospovos
I OS goverdos fracos, esses principios de
juslici, cuja applicac.au constante, he o
uieio mais seguro de evitara guerra. Cer-
tamen!" os actos do ministro estSo em con-
tradiccao flagratltu culi as Suas palanas, e
na 1 h 1 queimando no mar os nivics de um
povo amigo, cono aconteceu com o Santa
Crw, que olla se mostara pirliJario since-
ro da paz.
Allemanha.-Xs questes entre a Prussia
e a Au-tiia oceupam aiuJs o publico alle-
uiilo. A Austria quer vollar a antigs dieta
de Francfort, masa Prussia n9o pode deci-
dir-se a abandonar a sus obra de feJeracSo
restricta. Todava, se mo he permillido
penetrar nastrevasda diplomacia germni-
ca, creio que o negocio se arranj.ra medi-
ante largas concessOes do governo prus-
siano. Mi de Hidwitz,' u homem de estado
mais co isideravel da Prussia, he inicua-
mente desta upiuiao. e como elle tem sobre
o re mu grande intiencla, ha lugar de es-
perar que sua opiniSo ser a que ha de pre-
valecer.
Nos ducados dinam.rquezcs, os eiercilos
cuntnuani em pr-'geng u n .lo outro, e
una vez por oulra tem liavido algumas es-
caramuzas, mas como a Russia, a Inglater-
ra e a Franca estSo decididas a por fioi a
este negocio, creio que a paz ser mu
promptamente concluida.
II' '~ Tm*mu**mtmm
s 'm foi' UID1 gaveta, achou as pistollas
e manlou quS'f'* mettessem no bolqo.
Juis-OSr, dizque??0 ^St4Sr^tw
preso ; e quan lo o s ib-delegado Ihe formn
o processo, nfl.i soube porque o fazia ?
Ho-Xs tole niiiilias que jurarsm fraa>
o inspector e...
Jui.I'ergunto-lhe se nSo tratou de se
era proces-
ado r
flo--OSr subdelegado disse-me que pre-
so nio tinha garantiss.
Juis--Mas o Sr. nilo tratou de se infor-
FE..NAMBUCO
JHY DU UGUIPE.
3.* SESSAO OROI.NARiA DESTE ANNO.
Prttidvusia do Sr. Dr. Neiva.
Dia 7 de oulubro de 1850.
A's onzo horas da manhaa, foita a cha-
mada,' acham-se presentes 39 Srs. ju-
rados.
O Sr. Presidente broa sessSo, continuin-
ilu a multar os Ss. que tem deixadu de
comparecer aem excusa legal.
() ste parsgr.pho j foi publicado em
uro nosso numero anterior.
mar 1
MoNio tive occs3o, e o mesmo ins-
poctor, para formar melhor a tragedia, foi
a casa da mofa dizendo ser chamado por
elia.
Jui. -Entilo nunca tratou de indagar por-
que tinha sido preso?
AseN>o, Sr.
Oreo que acaba de ser interrgalo he
hrancoo ; parece europeo, representa 95 an-
nos ; 11S0 tem barba ; bem parecido ; e vem
trajado de jaqueta, porm com asseio. Dos
auto- consta que um inspector se dirigir a
osa de urna meretriz, onde se achava or 1,
e abi, fazendo-o correr pela palrulha que
comsigo levva, o achara armado de duas
pistollas; bem como que, desde que o reo
tere altercac,des com um pardo, passou a
andar armado.
OSr. Promotor, depois de haver orado,
pede que seja interrogado o Sr. Joaquim Jo-
s Alves, allegando saber elle do faci.
Interrogado o dito Sr., diz, que urna tal
Guilliermina, en cast ds quil fura preso o
roo, Ihe contara ler sido elle preso com um
par de pistollas, porm que no fura ella
quem mandara chamar o inspector; acores-
ee- liando que, diaaantes Ihe contara ler o
reo, para atemorisa-la, disparado dentro de
casi utna pistola.
Toma a palavra oSr. advogsdo : e, dada
a defesa e a replica
O ^r Pr*a'dt"tc fez o r!-t"r:c ** *
e entrega ao concedi os seguintes
Quuilou
I.' O reo Antonio Candido de Souza pra -
lcou o facto, de que he aecusado. de usar,
s-'in I cene,., de armas prohibais i'
2. O i j pralicou o faci, de que be ae-
cusado, de noite ?
3 Existen) circumslancia altenuaotes a
favor do reo.
Oju-y, recolheudose sala das confe-
rencias, volts pouod depois, responden lo,
quanto ao primeiro quesilosim por U ra-
tos ; quanto ao segundo sim por 8, a quan-
to o tercero sim por 8.
O Sr, Presidente conformando-ie com a de-
cislo do jury, coodemua o reo Antonio
Candido de Souza, branco solteiro, natural
de Portugal, pena del mezes edous das
de prisSo simple, grao m lio doart. 3.
da lei de SM de oulubro de 1838, de acor-
do como arl. 4 do coligo criminal, e tas
cusas.
i.ovanta-se a aesao a t 1/2 hora* da
tarde.
PLAR ENCONTRADO


-**_
'
*
Da 8 de outubrode-1850.
A'soiize horas da manhRa feita a chama-
da, nrham-se presentes 30 Srs jurados.
OSr. Presdeme: N8o liavcndo numero
sullicirnte de Srs. jurados, dissolve a reu-
iiiSo, convidando os Srs. prsenles a reuni-
rem-senodiseguiDte
2>

-groapi i.mm
a.M.,0 !>E fflMMCCO
tlBCIM, K OUTBBIIO DE 1S50.
O vapor S. StbaitiSo, chegado hoje dos
cortos do sul, trouxe-nos jornaes do Rio de
Janeirn al 23 do passado, da Bahiaat 4
do corrente, e das Alagoas al 3.
Ma corte nada oceorrera que nos incline a
reeeiar mudenca de poltica o ministerio
no gozo de plena confianza da cora, e per-
feitaiente solidario, la rehusando o seu
pensamento.
O Sr. Dr. Luiz Pedreira de Couto Ferraz,
reassumira a 16 do passado, o exercico da
presidencia da provincia do Rio de Janeiro.
A 18 embarcara para o Rio Grande do
sul, em um dos vapores Impcalriz e Impe-
rador, o segunJo balalhUo do fo7ilerus,
commandado pelo coronel Muniz Tavares,
com 750 pracas; levando por companhei-
ros de viagem 100 pravas de arlilharia, alm
deOO recrulas pira seren devididos pelos
corpos existentes naquella provincia.
Sua Magestade o Imperador assistira ao
embarque do mencionado batalhOo, cujos
oflriaes e soldados ao meterem-se as lan-
chas que os conduzram os vapores, entos-
ram vivas ao mesmo augusto senhor e a sua
familia, os quaea foram correspondidos pe-
lo numeroso concurso de espectadores, en-
15o presentes.
Aprestava-se a seguir para o sul o quinto
JiaUlho de cacadores com 735 pracaa, e
sb o cumulando do tenente-coronel Tama-
rindo. ^
O Sr. F. Ge Acayaha de Monteiuma, tinha
sido Horneado conselheiro de estado extra-
ordinario.
O Sr.' Candido Jos do Araujo Vianna.
fura aposentado no lugai de membro iio
supremo tribunal de justica, com inetade
do ordenado.
Ilaviam baixado a secretaria de estado
dos negocios da Justina os seguintes de-
cretos :
I)e3i de agosto declarando de primeira
estancia a comarca de Monte-Santo, e de se-
gunda a de Camam, novamente creadas na
provincia da Baha.
De 6 de setembro nomeandoo hachare!
Jo3o SidiOes da Silva juiz de direito da co-
marca de S.-Goncalo em Piauhy.
Da mesilla data removendo o bacharel
LuizAgneloftibeirodo lugar de juiz muni-
cipal e de orplifios do termo de S l/ahel de
Paraguassuda provincia da Baha para o de
juiz municipal o de or. hSos dos termos
reunidos de Camam e Barcellos da referi-
da provincia.
Da mesna dala, removendo o bacharel
JoSo de Souza Reis do lugar de jui? muni-
cipal ede orphosdo termo do Ex desta
provincia para o de juiz municipal e de or-
phSos dos termos reunidos de Ceoto-S e
Juszciro da Baha.
Da mesmadata reconduzindo o bacharel
Joaquim de Azevedo llontero no lugar de
juiz municipal ede orphosdo termo de
Catele da provincia da Baha o b/a'charel
Liiiz Lopes Villasboasno lugar.-rVe juiz mu-
V.icipi lia wgundi v*,'e o bacharel Jos
Joaquim SimOes no da terceira, da capital
da mencionada provincia.
Da niesma data, reu ovendo o bacharel
Immingos Ribeiro I-01 ha do lugar de juiz
municipal e de orphflos dos termos reuni-
dos de Cenlo-Se Juazeiro da provincia da
Itahia para o de juiz municipal e de orphfios
do termo de .Minas do rio de Contas da dita
provincia.
lleta, nomeando juizes municipaes o de
orphos os hachareis l.uiz Manoel Ferntn-
drs Itsrreiros, Jus Mariano Lusloza do Ama-
ral, Maooel Augusto de Almeida e Flix Cu-
ines do Reg; o piiooiro, dos te'mos reu-
nido de Campo-Largo eSaota-Rita, na Ba-
t ia ; o segundo, no termo de l'aruagu, em
Piauhy ;o terceiro do termo deSanto-Amu-
ro, na Baha; o quarto, dos termos reuni-
dos de Obidos e Faro, no Para.
Ha mesmu data, removendo do termo da
Piinlicucio na Baha para o de Nazareth na
Difama provincia, o juiz municipal e de or-
phfios l.uiz Antonio l'ereira Franco.
Da niesma data, apresentando os [adres
Jos Claudio Marques, Raymundo Nonato
Saraiva, Jos Ignacio Portugal, Jos Fran-
cisco Martina, Zacheo Francisco da Peuiiae
Ignacio Pinto de Almeida Cavalcanti em va-
rias igrejas parochiaes do hispido do Ma-
ranhSo, a saber: o primero, na deS -Julio
JJaptista de Vinhaes; oaegundo, nado A-
postolo S.-Malinas ila cidade de Alcntara
o leroeiio, na deS.-Jos dos indios ; oquar-
lo, na de S.-Bernardo da Parnaliilia ; o
quinto, na des.-liento dos l'erizes de Al-
cntara ; o Mito, na de Santa-Anua do Bu-
rili.
De 19 de setembro, reconduzindo o ba-
charel Jos de Mello de Carvalho no lugar
de juiz municipal e de orphflos dos termos
reunidos da Victoria e Espirito-Santo.
Da mesmadata removendo os juizes mu-
nicipaes a de orphfios, Francisco Coelho
Bornes e Jos Francisco l'ereir; 0 prisici-
ro, do termo de Santo-Antonio da P.rlrulha
para os de Tnun.pho e Taquaiy, no llio-
Giande do sul; o segundo, do da Feira
de Sanla-Anna para o de S.-Francisco na
Baha.
Da mesma data, roncedendoao bacuarel
Jos Antonio Saraiva, a dimissflo que pedio
do lugar de juiz municipal e de orpnSos
dos termos reunidos da Villa-Nova da Itai-
nha e Jacobina, na Baha.
Da mesma data, roncedendo serventas
vitalicias a Francisco Fimiuo Piulo e a
Galdino Jos de Lira ; ao primero, do ofl-
cio do escrivo de orphfios dos termos da
capital. Muana e Ourem, do Para ; ao se-
gundo, do de cscrivflo e tabellifio do publi-
co judicial e notas da villa de S -Jofio, na
Paramal.
A 18 do passado, S. M. o Imperador, acorn-
paubado dos Srs. ministros da niariuha e
tierra, e dus
O vapor da guerra inglez Skarpihuoter en-
trara a 1* do passado 0 porto do Rio-de-Ja-
neiro, trazendo 7* africanos que aprehend-
ri em urna lancha.
A 18 fundiara no mencionado porto o va-
por de guerra Thilis, conduzindo a reboque
um hate que aprehender ero Macafce com
to los os indicios de ler desembarcado afri-
canos.
Kdra a .rosada nos Buios pelo paquete
inglez Spider, e enviada pira Santa-Klena,
a sumaca Kmerica, sabida do porto do Rio-
de-Janeiro com destino ao de Santos. O
commandante da mencionada sumaca eom-
mtinicou i redaceflo do lomaldo Commercio
o seguinte protesto, lavrado logo depois do
npresamento :
a Tendosahidodo Rio-de-Janeiro, no da
30 do agosto prximo passado, e_no poden-
do, por contratiempos, chegar"! barra de
Campos, arribei acs Hu ios ;e tendo na noi
tedeste dia chegado sudoeste, larguei de
novo, e por infelicidade varei a barra do
Campos para o norte, e fundeei em Piuma,
onde estive oito das sempre com vento sul;
no fin deste tempo suspend aflm de en-
trar nesse mesmo dia em Campos ; porm,
quando cheguei barra, j a mar eslava
secca, e nfio podendo entrar, comecou a
soprar nordeste muito rijo, que me obri-
L'on sogunda vez a arribar aos Bu/ios no da
17 do corrente setembro. No dia 19 alarde
appareceu um barco de guerra inglez e d-
rigio-se ao barco que eslava Tundeado, Eu,
confiado na legalidade dos papis do navio,
esperei tranquillo que elle chegasse : com
elleito, depois de dar fundo, m m ion o es-
caler a bordo, eooflirial exigi os pipis
do navio, os quaes entreguei promptam ri-
te; examinou-os e desceu ao porfo coma
gente ; paasou um exame completo, depois
examinou a meia laranja, e comegou a
queslionar que era muitu grande ; po' llm
pedio-me os papis para levar ao comman
Jante, levo-os, e denois vio o mesmo com-
mandanle emais ofliciaes, e toruou a pas-
sar minucioso exame.rinaliiienle relirou-se,
odisse-me que poda seguir viagem. No dia
seguinte, contra minlia expeclsccao.vi diri-
gir-se o escaler>para meu bordo com gente
armada Ve:o denovo umollicial, e lornou e
ungiros papis ; entreguei-os, levou-Os,
lepois vem dizer-me que era preciso abril
o man i Testo para desengaa r-se quj o bar-
co no era de coiitraban lo, do Contrario es-
lava prsioneiro. Ora, em tal caso, eu disse
que o abria obrigado, e abr : levou-o, e
qu.n,|0 e esperava urna decisfio favora-
Vl''> vem o cscaler com mais gente armada.
ASs'm passou a manhfia, e j diziam que eo
" Para Santa-Helena. |)e larJe vem ou-
lr i llicial dizer-me que loJa a gente
lM-siv.i para a escuna de guerra, e lie .va
s.eu e o cozinheiro, que devia seguir pard
3anta-llelena, e ufioiiia se assignasse um
Papel que me dessem : eu disse-lhe que
nfio, que nfio era pussivel perder um barco
que sempre naveguu em commercio licito:
enlfio desenganou-me que havia ir para
Santa-Helena. Ora vendo eu a g nle promp
la para seguir pira te-ra, vendo que
com elfeilo segua, eque o barco esla-
va de certo prsioneiro, assignei um papel
sem saber o que razia, amedrontido, o'iri-
..'i'lo, teo'n ; em vista sallar para t-rra
para protestar iminediatmiiwl contra se-
iirellia .ir procedmeirto tflorcvoltante.
I'ortamo, declaro altoeliom som que
esse .'apel que assignei nada vale, pois fui
ir-aneado a fflrc,a ; e por isso protesto, em
"orne do dono, por ln;los os prejuizos do
barco o de todo o seu carregamento Tanto
maisquanlu lenlio o teslemlinho docontra-
niestre e de um passageiro que tambem Ira-
zia carga a bordo. Ann r.i,> dos Ruzios, 21
de selembro'dc 1850. Ouestre, Fruuciic*
NUHU da Silva, ilanoel Fernanda, contra-
ineal/e. Jos Goncalves Moreira Jnior, pas-
sigeiro a
llavia datas de Santos at 14 do passadi'.
A Revista Commercial re 9, referin lo-se
urna carta de Iguape, diz que a epedeain
eslava quasi extinta ali.
O Mtrcanlil de 14 estreve o seguinte :
Por cartas de l'ar.m -g- a, que acabam d
chegara esta cidade, sabemos das desagra-
daveis occuirencas que tive'am logar n-
cidade de Curitiba, o cujos- pormenores en
resuvo, segundo os passamosa rrlalar, f*
ram extrahdos de valas cartas que nos (-
ram conliadas.
Ven Jo o respectivo delegido de pal ici
que se approsimava o na 7 de sel. mbro
no qual tinha do procedor-si s nov.iselei
efles, eui virlmle de havere n sido mutila-
das pel-s cmaras dos deputdos as anU
liormeiile f ilas, entendeu dover proceder,
como medida preventiva, a prisSo de algu-
mas peaaoaa inlluentes da oppsic8o, e, en.
consequencia, fram presos o levernn lo vi-
gario Joo de Sa, os capitalistas Jos Borges
'Ih Macedo, Jos Antonio Forreira, seu ir-
mfio Manuel Antonia Ferreira, e o padre
izaias, leudo Tallecido no acto da prisfiu n
naior Andrade, e tendo resisinlo a ella o
majorde primeira linha Antonio Rodrigues
llorba, que ficava no seu silio, em couipa-
nbia do amigos seus para o defendarem.
Ojuiz de direito, que eilfio-se achava
em l'aranagua, seguinrlo a toda a pressa
para Curitiba, a obstar maiores desaguisa-
dos, encontrn allano da Ierra ( dizem as
taes cartas ) os mencionados presos encor-
renlados, e escollados por 40 honran de
irimeiras iinha ; e, coiicelendo-lhes habeai
coroui. o commandante da escolta a nB.i ;.J
mitlio, declarando queso obedeca ao seu
major comman lante ; concordando nica-
mente em esperar essas orJens naquelle
mesmu lugarCampias-, segundo para
isso o dito juiz de direito para Coritiba,
donde se eayeram ulteriores noticias pelo
luluro correo.n
ci do que sertam postos em llberdade den-
tro re poucosdias.
i ha California ha noticias at 13 de ju-
nho. A cidade de San-Francisco parece es-
tir ilestinada a ser consumida polas cham-
mis. No da 14 do junho rebentou nutro
incendio, no qual ardern 300 edificios.
O prejuio hsavaliado om 3 a 4mill0esde
pesos,
As noticias das Minaa eram desfivora-
veis Os rios iam todos tfio cheios que o tra-
balho de mioaraclo se tornar impossivol.
Nfio se esperara que as aguas baixassem
antes de fins de agosto.
Rahia licara plenamente tranquilla.
Em dias do me/ de setembro, Antonio
Xavier de Mitos, tendo encontrado em sua
osa, no districto de Taperinha, em fla-
grante dilicto de adulterio a sua mulher
victoria da Cruz Pratese a seu irmfio Ma-
nuel Tito de Mallos, assassinou-os ; e, pre-
valecendo-ae da escuridfio da noite, entilo
muito adiantada, evadio-se. Ao romper
io da, acharam o radtver di adultera em
laslimavel estado o peito direito achava-
se varado por urna bala, e apnnhalado j o
coraeflo traspassado de duas Tacadas; a
cabeQacom um profundo golpe. Perto deste
cadver, assim mottilado, via-se o do ir-
mfio infiel, todo coberlo de contosOes, e
com nove Tacadas:
Noticiando esta oceurrencia, i Juiica ac-
crescenia que o delegado do lugar deli-
genciava a captnra do criminoso.
Dd Alagas nada sabemos.
da guerra, e dos aeus ajudantes decampo
lialeu a cavilha oiestia du bri^ue que,, le-
gUOdo disseuios em um uus numeios ante-
riores do Diario, acba-su em construccilo
iiiniiseiiil ue marjnhada corle, digmndo- Iquererem tomar parle na' mvaao'da i
se de dar ao mesmo navioonome de aVa-ld Cuba foram sollos 42. Kstavam linda
O loma! do Commercio, aecusando data
de lialiimore al 29 de julho, diz :
O ministerio americano licou definitiva-
mente orgausalu Ja inaneira seguinte ;
Secretaria de esta Jo, Daniel Webster,
Interior, Bates.
Thesouro, Coiwin.
Mar iiiha, G-aliain.
Cuera, interino, J. Anderson.
Ilirector doa Correios, Hall.
Procurador geral, Critlenden.
A queaifio ila escravidfio ainda nfio li-
nlia sido resolvida pelo senado federal;
mas era opinio geral que a projiosla do Sr,
CUy seria p, rova la,
Dosci ladfios Aaiericanos que se acha-
vaoi presos na llavana por suspeiltl de
A barca Columbut chegada hoja de Li-
verponl trouxe-nos a carta do nosso corres-
pondente de Pars, a qual deixamos tnni
ciinli no lugar competente, e bem assim
varias nmeros do Time', sendo o mais re
cente datado de 30 de agosto prximo pas
sado.
Ao que nos commnnicou o nosso dilo cor-
respondente, accrescentaremos quanlo I
Inglaterra; que i ralnha Victoria, embar-
cando-so em Osbnrne fdra soltar em Oslen-
de, donde se dirigir para Bruxellas, com o
esignio do visitar o re e a rainha dos Bel-
gasj dos quaes Tora, como era de esperar,
muito bem recibida. S. M. demorando-ae
pouco lempo n-nuieUa cidade, regressra
logo para o aeu paz, ondo havia chegado
lem novida.le.
Quanio I Franca ; que fallecer em Cli-
vinonl; Inglalena Jno dia 26 de agosto do
correule aunuo ex-reil.ui/ Filippe, cau-
an lu a noticia de sin muite grande sensa-
,'.iii no seu pai/ natal. O Ilustre (laido ims-
eu, como se sabe, em Pars af-de^ulubro
i;o 177J e inorreu por conseguintecom 76
unios 10 mezes e 20 dias de i Jado. A iui-
,ire,ii-a Tranci'Za quasi toda tvm-llie Teto os
majores elogios.
O ypresldrnte da repblica ainda nao se tinha
ri'cuf.iilu de sua visita ao departamentos do
cnir.i i- esie, mas etperava-se que brevemen-
e-i um i de voliaeinParis. Em Bcsanaoa sua
peasoa curren algum perigo. Ao aahir da pre-
leituraNpara ir au baile de Halle, elle fot avila-
do de qluese tralava contra aaua vida, ou pelo
menos luntra a sua liberdade. Um commiaa-
no dcpuiici.i i lie fallou nenes lerinoi: U
ueu rvir e a iniuha -honra obrlgain-me a ro-
U-ir-vo. aeuhor, que nao vades ao baile, poia
lia um i 'cuiiju,1^.1(1 contra a vossa penoa. a
L.o... >...|,..ii ,i., responden com calma peasoa
'ue lile deu ente avso : a Deposito pieria cou-
iima na tyiiipatni dos tiabliantea desta r:l.|.
de, poriauto nao deliarei de ir ao baile de
Halle.
I'.nirclanlo d|i o toniliu^apenas elle chegou
all a e.oijur.ii .io rivt-lou-ae. O presidente fui
iiiteiraiiiente cercado por nina mnlttdao com-
pacta, a qual o envolveu por todos os lados, e
l'2 individuos se Hieram mais que os oulros nu
lavis pelu ardor com que excitavam os mais a
doordein. Foi soiuentc* depois de urna lula
obstinada que LuiNapoleo pode livrar-sedu
cir-ulu dentro do qual se acba encerrado.
() policiat'S que estavain de servicu em Hal-
le para o Tiui de manir r a ordem Toram obriga-
rlos a eiuprrgar os maiures esforcos para o liru
de despersar a ii.irlinlau sendo preciso al que
o geueral de Caalellane pusasse pela sua es-
pada.
Os boatos dr golpe de estado t de prolonga-
fiio dus poderes presldenciaes que tanto il-
.. 11 lu. corrido por tuda a Franca, eram ltima-
mente pouco repetidos. Alm dos republica-
nos vrrmellios e anda de uiriitos uiuderadus
tambem os legitimistas declararan) combaler
estas medidas.
O correspondente da Concordia de Turiin re-
fere u seguinte Tacto:
Mr. liattide, ex-ministro dos negocios es-
trangeiros, disse hontetn islo : Autoriso-o a
declarir e a escrever, se assim julgar conve-
niente, que os generaes Cavaignac, Luiioricie-
ie eoulros, cuino tambem o coroDel Charras
sirio detei in.uadoi. a collocareui-se frentedo
p ivo c do eiercilo, nao someute uo caso de
una sorpreza militar, senao iainbem no de
urna simples proluugacao dos poderes presl-
denciaes.* Mr.' Baklide accrescentou depois:
Se o povo nao se levautar, no. cinco (aqu elle
niuncuu os generaes) constituiremos una bar-
ricada e expuremus uossas vidas cui deTensa da
cunslituicao. Mr. tlastide lie amigo lottiuo do
general Cavaignac.
llunleiu urna pessoa que merece crdito
asscguruii-iue que u general l.ainoriire livera,
lia aigiins dtai, una luuga eunferericia com o
general l.li mg.ii m.-i ijue ua occasiau dele
separaren! os duus generaes' afifrtaraui corde-
aluiente a inau uui > > oulro. Diz-se que o ge-
ueral Cbaugai'uier comprmeuera-se sobre
sua honra a sustentar a couslituicio e a oppor-
-e a toda a tentativa de un guipe de catado.
Nao he porlanlo de admirar que os boatos re-
lativos a um guipe de esiado e at meiiiio pro-
ioneaco dos puderes do presidente tenliain
oliioiaioenie cessado de circular. Bou&parie
percebe e duhoieaue ludo orn ;; i f;icr
lie inanler at 1H2 u slaiu quo exisleiae.a
Eis-aqui como o foHVoir d cunt das confe
de Orleans desse um puto para lito, elle es la-
va prompto para dar daz.a
No dia 20 de agosto falleceu em Paril o dla-
tincto Iliterato Mr. Balzac, oqualfol sepultado
no cemlierio do padre La Gliaise. Asiisllram
\i sitas exequias multas pessoas illustrcs, Mr.
Vctor Hugo pronuoclou aobre o seu Inmuto
um- discurso de despedida, e Mr Desnoyers,
presidente da sociedade dus homeni deleitrs
pruferio tambem algumai palavrai de respeito
e elogio.
A 20 de agosto prximo passado foi encerra-
da a presente leisao doi estados geraes da Hol-
lnela pelo ministro do Interior, o qual neiaa
oceasiao pronunciara a seguinte falla :
a Senhores, volaos tralialhos duiante a pre-
sente leisfio teein sido distinctos, tanto por
sua importancia, como por aua varledade. Re-
lativamente a fazenda approvastei varios pro-
jectos de lei para introducir a economa neila
reparlicao. Al leii que lizestes para o regula-
mento do crrelo e especialmente al que dueiu
respeito I navegaefio merecem os agradec-
inentos eipeciaei do governo.
O governo confia que mediante um bem
regulado lyilema. ellas produziram benficos
resultados aobre o cotnioerclo, aaslas interno,
cuino ruerno, flossos previlegius pulilicos teiu
sido gradualmente desenvolvido! pela execu-
cao do artigo 7 da le fundamental, relativa-
mente ao direito de indagacao da segunda c-
mara, i lei riel toral, e Tormacao e poder doa
rsladoi provincia. A Influencia que estas
medida! bao de produiir lobre o nono mundo
commercial he confidentemente delxada ao es-
piriloe philanlrupia do povo.
(uisus trabalhoa nao ae limllaiam mera
Icglslco. Muitos projecloa, limitas queslea
subiueltidas por vl a consderacao du gover-
no, manifestaran! a vosia vigilante anciedade
pelo bem do palz, e gtiiaram essas delibera-
edes pelas quaes o betn eatar da communldade
foi promovido.
Na abertura da sesiaoliouve urna incerte-
za a reipeito do projeclo propoito sobre a rea-
ponsabilidade dos comelheiroi da corda ; elle
fui por conseguiole retirado.
Vdsajudaate uoin ardor e energa o minis
terlo nomeado pelo rei, no deseuipenbo de
seus arduo! deverei. Aquillo que foi por vos
estimado como a mais alta de todas as neceisi-
dadea, islo he, a unnime eooperacao do gover-
no c dos representantes do povo, vos eminen-
temente o deseuvolvestes para cora o governo
do re.
Ai medidas que foretn adoptada para a
dissolufo desla asseinbla dispensara um dis-
curso ordinario de despedida. As cmaras
dus estados geraes lo diisulvidas, nao por Tai-
ta de uoamiiiidade ou conliinca, porm para
dar nacao amis plena occaaio de levar a
elleito a nova lei eiritoral. Senhore, ros se-
ris sem duvida reeleitos e poderels cooperar
em perTeila liberdade para desempenno da
grande larefa que nos he imposta pela lei fun-
damental.
O re> aulorisou-me, Sr., a eiprcisar-voi o
leu reconbecimenlo pela Ira I dado cora que
cmprales o devere do eitado.
Era o notne do rei declaro encerrada a pre-
sente essSo dos estados geraes,
o da 7 de agosto casara-sc o rei re Di-
namarca com urna rapariga chamada Lola
Rasmtisscm, a qual andar outr'ora ven-
dendo Olas e outros adornos de senhoras,
e fra mui conhecida dos ofliciaes milita-
res de Copenhague. Pausados algns tem-
pos o re a conheceu tambem, e a nomeou
depois baroneza de Dinner. Klla tem gran-
de influencia sobre o re, e pessoas bem in-
formadas dlzem que exerce sua influencia
no sentido revolucionario. Este casamento
be lio impojtante que confirma a ex tinelo
da casa real do Dina marca, e diz o correspon-
tb 3o rtmu.
Mera do dia 8 .
Diversas provincias
931,403
28,797
960,200
BECEBED0R1A DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Itendimento do dil 8......2:712,549
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendlmonto dn dil 8. 619,97a
H10-E-JANEIHO.
CAiiitos ao cu SI oa saTiisaso.
Cambios sobre Londres .
a Lisboa .
Parli .
Hamburgo ,
Melaei. One.as heipanhlas .
da patria .
Pecas de o#400. vclhas.
Modas de 4^)00. .
Peaoi heipanhei. .
da patria .
Patacoei ....
Apollces de 6 por cento .
provincia
a9f*0A
1/920
1/856
83lf
83 l;t
(Jornnf io Commtreio.)
IIAHIA.
cAaatei no au 2 di octiio.
Londres........28
Pars.........342
Hamburgo.......S35
Lisboa e Pcrto.....105 a 110
HITIS.
Onca beapauhlaa.
mexicana! ,
Petas de 8/400 .
novas .
Modas de 4/000. .
Patacdes braslleiroa.
heipanli
mexicano!. ,
. .30/500 a 31/000
JOJfOOO a 30/.'i00
16/400 a 16|bo0
16/900 a 16/400
. 9/KIO a 9/200
1/160 a I/U80
1/WW 1/H40 a 1/980 a 1/980
( MtrcmUt. )
O Nachrichttr de fra,rnburgo annuncia que
no ultimo consclho do 'gabinete o rei do Di-
namarca expressara a deierminacSo em que
est de abdicare resignar\p throno ao seu
successor, logo quo a succefio I conia fiir
flxada, o que elle esperava que terii lugar
dentro de um mez.
O rei da Creca por consclho da iras m-
dicos, resolveo-se a fazer urna viagem a
Munich, niio somonte para o fin de mudar
de ares, seno tambem para fazer urna; vi-
sita sua familia, a qual, ha quatroze an-
uos, que mo ve.
A rainha foi uoineada regente do reino
durante a ausencia de snu marido por um
decreto, o qual mcreceu aaprovac.no quasi
unnime de ambas as ca-as do parla-
mento ; porm os dous ministros o Sr. l.on-
dos e o sr. Cbrysogelos, no podendo apro-
var semelhante medida deran suas demis-
sOes. OSr. Londos, ministro dos negocios
estrangeiros foi substituido pelo Sr. l>. r>o-
lijanni, entretanto o Sr. (hrysogelos, mi-
usitro ila nslrucr;,1o publica ainda n nha tido succes-or.
Em Londres os consolidados ficeram
96 3|8 ; OS fiundos brasileos a 92 l|2; os
cinco por cento russos a 1I2I|2; os cinco
ditos hespanhes a 19 1 ps, e os quatro por
cento porluguezes a 34.
NOTICIAS COMMEKCI \ES.
Liverpool, 23 dt agoito de 185.
klaodlio. O rrcehimento doa aviso*
mui favoraveii da safra vindoura no sab-
bado pasudo pela manhBa, produzio ama
influencia desanimadora no mercado, e co-
mo a procura continuou limitada at lerca-
feri, os precos tornaram-se mu irregula-
res, e baixaram l|4 dinheiro para aiquali-
dades ordinarias e melianai da Amrica,
el|8 dinheiro par todas asdemais sortea.
Com ludo, na quarta-feira, experimentou-
se urna boa procura, quando o mercado re-
assurr.io de urna vez um lom mata flr.ne e
sustenton-se luccessivimente; es presos
linhain subido, e pJe-se cotar urna baila
.le l|8 dinheiro do que a semana passarfa
para os algodOes da Amerie, e igualmente
para ludas as outras descripedes. Os espe-
culadores temaran 11,930 saccas da Ame-
nes 490 do Maranhilo 420 do Egipto 20
das Indias occidenlaes, 2,290 de SmUff
pira exportaco 1,960 saccas da America.
380 de Pernambuco e 480 de Surrate. As
vendis da semana sSo de 37,050 iieesa. As
vendas at Doje nrcavam por 1 6W.S0 sic-
cis. A importacSo desta semana.coiistava
>e 43,217 saccis. A' importacSo ale esta
dita orcava por 1:125.072 saccas. O depp-
silo he eslimido em 94,730 saccas at ho-
ja. Para eipeculacSo al esta diti IM,13u
saccas
Para exportaco at hoje 165.830 siccii.
knvcar. lluuve una procura mui firme,
principalmente da parte dus especeiros e
refinadores, eos precos subiram geralmen-
l 6 dinheiros por .ufnlal; ai vendas com-
prebendem 750 birricis de issucar brinco
de Pernambaco, 6,500 sacos de bengalla
(dos quaes 80o eram de Khiur a 29 s. 6 i.)
e SOOcaiies dis Mauricni A.' procura pa-
ra onsucar estrangeiro.efU mui activa,
e as yendas monlavam ;JttO birrcas de
Porto Rico de 37 4. 6 d. lf. d. 400 lic-
eos brinco da Paraliibej 2 1. para o con-
sumo, e 3,800 laceo* anacarado de Per-
nambuco chegara 18a. porqnintal
Caf. Ha um pequeo augmento ni
urocura.e urna mui grande firmeza nos pro-
cos, as vendas comprabeudem 140 bar-
rica de Jamaica era leillo de 38 S. 6 d. a
82 s. 600 saccas de Laguayri de 40 i. a 50
s. 500 Saccas de Costa rUe de 20 I. 142*.
6 d. 20U saccas de Porto Rico a 43 I e 10
saccas de San-Domingo* %*4 s. o quintal.
runho.
rencias polilicaa que liveram ullituamente lu-
gar ua cidade de \Vieibaden :
Viole e oitu legMmistas foram recebidos
em corporr[o peto conde de (-liambur J, de-
pois de tei em sidu um por um aduieltidos pelo
principe a aulieucral particulares. Depois de
nina conferencia de quasi tres horas, na qual a
sltuaciio da Franca lol examinada analisada e
discutida, decidiu-sa.i Priiueiro, que o partido
legilimista devia abandonar iinmedialainente
o syiieina de concilia^ao, aisumir uina atliiu-
de e o.na p iitica pranria, e obrar exclusiva-
iiieulc cun o tjm de promover o irluinpbo de
Seus principius. Segundo, que no calo de ae
propur na aiiemblea nacional a proluugacao
dos puderes do presidente, os legitimistas de-
via ni < vsi lieinatK'ament combatir esta protn
gaco, porque dando esta medida ao conde de
Pars lempo para completar a aua inaioridade,
as probabilidadem favor do conde de Chara-
bord seriam pur ella con*deraelin>n!r diml-
nuidai. Terceiro, que Mr. lierryer devia con-
tinuar a ser o ilieTe olliciale reconhecido du
partido, eque todus os Irgillmislai leaes ede-
dicados deviam coinbller drbaixo deiuadlrec-
{.iu Fiualuiriiic o conde dcChamboru deca-
rou que a noticia de urna reconciliarlo entre
I os dous ramos da asa deBourbon rra toial-
(/'orrt spiide.icia.
Sr$. Rdactoru Apparecendo no expe-
diente do governo publicado no Diario de
iioulem, 7 do correle, urna portara do
Exai. presidente da provincia, demitlindo-
me do emprego de subdelegado da fregue-
zia de San-Jo> desta cidade; e pudendo
acontecer, que algum meu drsifekoado
queira dar a setnelhanle drmissSo urna in-
lerpretacaodesfavuravel ornen crdito e
reputacao, hado meu dever pedir ao respei-
lavel publico, como pela presente peco, que
suspenda seu juizo sobre este objecto, at
que eu possa provar, como brevemente pro-
r*i; itu- nflo fui ilemitti.lo nt*r esees;
abuso, prevaiicaclo, que no sobredito e
prego houvesse pnticado.
Tenliarn. Srs. redactores, i bondade de
dar publicidade a oslas linbas do seu assig
liante Francisco Carntir da Silva.
COf>.MEHCIu.
ALFANDECA.
Ilendimentodo dia 8.....11:308,986
Descarreaam hoje 9 di oulubro.
Calera Columbas mercaduras.
Biigue -- Wiltiam-Prict farinha de Digo.
Polaca iV.-S.-t/o-Curmo- mercadoriss.
Caleota Luiituna viohos e arcos.
Patacho Cheef bacalho.
Uists iuvidosu gneros do paz.
CONSULADO CEUAL.
Kendimeato do dia 7 ... 1:232,983
uiveraaa proviuctas...... 7I788
,!0 i! caJe :r.is hsvia i atioa seguran-1mente iniuuuada i raaaque se o ebefe do ramo I
Navios enlradtfl Nfia 8.
Liverpool --38 din, gabsif. inglesa Colum-
bas, de 3liMoiii.|ida*,-ppioCoble,equi-
pagem 21,caiga Tazeftdiie mais genero;
lc Calmont & Qompanhia. Passagei-
ros, o Inglez Charles Johosldne con sui
seuhura e 1 criado.
Terra-Mova 30 Jias, brigue inglez anay-
mid$, de 200 toneladas, capitflo Samuel
Prowso, equipagem 12, cirga bacalho;
a James Ciablree & Companbia. Fun-
deou no l.ametrao.
Itio-de-Janeiro com escala pela Capitana,
UihiaeMaeei-14J|aie 16 horas e do
ulllmo porto 15 horas, paquete S.-Sfbas-
ti&o, de 300 toneladas, commandante o
primero lente Antonio Xavier de Noro-
ulia TorrezSo, equipagem 30. Pass ios ; para esta provincia, o senador bario
da Boa-Vista com 2 criados, o deputa-
dos Dr. Joaquim Villela de Castro T..va-
rea com sua familia, Dr Francisco Xavier
Paz Brrelo com 2 eacrawoi, Antonio Joa-
quim de Mello com 1 eicravo e Dr. JoOo
JtIS l.\ii-r,liria lia* iina" nan O >M.--------
o capia'o Joflo francisco do Livramelol
o eicrvdo da armada Jofio Peixoto da Sil -
veira, o Dr. Jos Segisrundo Avelino Pi-
nho com I escravo. Pedro Jos de Pinho,
o Portuguez Joaquim de Azevedo Villa-
rouco, Manoel Joaquim de Albuquerque
Lina com 1 escravo, Palatino Augusto
Barbalho l'cbi, I). Luizi de Barros Men-
donca com 1 escravo, D. alaria de Souza
lleudnos, Ulysses de Barros alendnos,
o Dr. Fernando Alfonso di Helio com 1
escravo, Joaquim Jos Ferreiri Coila, Fe-
luito eiizio da Cosa Cotnm, Ilanoel Jos
de Abreu Farias, o vigario Joaquim. Bali-
zarlo Los de Mello com I criado, Jase do
llego, u vigario Manoel Lopes Rodrigues
de Barros, 6 desertores, varias pracas de
pretcom baixa e6 escravoi i eutiegar :
par o norte, os depuladoa Dr. Jos Tho-
uiaz tos Santos Alaiaiua e Joaquim Mi-
rianno Franco de Si com 9 eseravos. s
Dr. Filippe Alves de Cirvalbo com 1 cria-
do, Francisco Xavier de Castro e Silva, o
alferes quirtel-mastre francisco Antonio
Peieiracoui I camaraJa, Quinliao Hu-
bi ni de Miran Ja 0torio, o eacrivfio da ar-
mada Uarcellino Marques de Lima 2 ora-
cas de pret,

i


Kf*
^A V?:

I
l*
>s
mmm
wmmmmmmS^
Oburvocdo.
Obrigua ioglez Balclutha, que chegoo
hontem de Terre-Nova cotn bicalho, se-
guio para a Bihia com a mesma carga.
Deca ratjoes.
Os Srs. arrematantes doselugues dan
lojas da praca da'Independencia, que inda
nllo assignaram, os respectivos termos de
contrato, compareqam na casa da cmara
pare faz-lo, com eus fiadores.
Achando-se a barca de escavaeSo no
exercicio de seus trabalhos, convida, em
conseauencia, o '.-apitRo do porto desla pro-
vincia aoa propr etarios de canoas e don os
de alemos, que .juizerem mandar suas ero-
barcacoes recelar abordo da menina bar-
ca a ar, lama |0do que ella rxtrahir. a
se entende-eni previamente com elle, alim
de Ibes indica t as horas dos das uteis, em
que dever l ir sao Jugar. .,
O vapor San-SebaitiaO rece-
be as malas para os portos do
'norte boje ( 9 ) o meio-di:
a> correspondencias que vie-
rem depo'/s dessa hora at orna pagarlo o
porte du po. '
Titea tro de S. Isabel.
RECITA DA ASSIGNATURA.
ffabbaio, 18 de oulubro de 1850.
ftapresenlar-se-ha, depois de urna esco-
l'.nde ouvertura, a imeressante comedia em
tres actos
tbia : portanto, devoaotes qnetudo gracus i i.lozinho azul rom lisf/as brancas: quem
a Daos, e depois ao 8r. Paula Carnairo Ledo'o pegar leve-o roa Nova, a en regar a An-
eomo o instrumento da Divina Providencia
Recife, ?de outubro de 1850.
Joto kntonlo doi Sanlot.
-- Deseja-se com empeoho saber com
certeza quem seja o ladrflo, que na madru-
gada do dia 4 do correte outubro foi ao
litio da Iravessa do Remedio n. 91, ealli
roubou urna grande quantidade de ceboli-
nhoseoutras cousas, se bem que ha quem
lomo Domingos Pinto, que g atillear ; as-
sim como protesta contra qualquer pessoa
que o tiver occullo.
s.' Os abaixo i,fsignados declarara a quem
possa inleresVr, que se ada extncta a sn-
ciedade, que sol a firma de Moreira & Vel-
lozo haviam felto na loja da ra Nova n. 8,
(cando a cargo do socio Moreira, e sobre
na responsabitdade qualquer transsccS
liga que o tl ladrSo he o mesmo que na | que sobo gyo da mesme firma nossa ap-
nianhfia do dia 8 de dezembro de 1849. e no
referido sitio furtou gallinbas,sendo umpe-
ralvilho aprendiz de pedreiro, que em ve?
de continuar a aperfeicoar-se no sen ofllcio,
occupa-se as horas em que nfio pode rapi-
ar em algum viveiro la pela noite velha.
parecer at hoje. 30 de seto nbro de 1850.
Miguel Firreira Velloso. io' loaquim Mo-
reira.
Azevedo & IrmSo embarcam para o Rio-
de-Janeiro un seu escravo de nome Cus-
todio.
em furtar laranjas, algumas outras fructas. Precisa-se fallaraosSrs. Alexandre Jo-
e verduras, eat mesmo algum enserado, e s da Luz. Mannel Tavares Pacheco, Ignacio
AS MEMORIAS DO DIABO.
Pertcmagim.
Robn G. F. de Oliveira.
Oarquzde Losmias-- \. M. Costa.
O Csvslleito Rapinire R. J. de Arauje.
O conde de Cerffv S. F. Meira.
Jofio Caulhier A. i. D. Coimbra.
Valentian P. B. de Santa Roza.
A baroneza de-Ronquerolles Joanna Ja-
naaaia
Amalia, sua fllha Emilia.
A condesas de Cerny --Julia.
Tia Calbarioa Rita.
A scena passa-se, o piimeirnaeloem urna
casa pobre junto aos Pyrineos, o segundo
em Pars o terceiro uo casteflo de Ron-
querolles.
llavera no lerceiro acto o romance da
nysteriosa companbia cantado pelo ar-
tista Germano, e repelido pela actriz Emi-
liajaBoio pede a comedia, c com o qual ler-
miJMeBdo um bello realce ao seu des-
Terrolnar oeepeclaculo com a graciosa
comedia em um acto
Quem cnsa qner cusa.
Comecara 4s 8 horas.
Os bilhetes acham-se i venda no lugar do
cos u me-
Avisos martimos.
-----------------------------~--------
Para o Rio-de-Janeiro seguir em pou-
cos das a b*m contienda escuna Caanle-
Mara : qum na a esma quizer carregar,
ou embarcar escravos a frete. dirija-so a Sil-
va & Grillo, na ra do Vicario, n. 4.
O patacho nacional Tlenle sahe para o
llio-de-Jaoeiro no finida i rsenle semana :
para o resto da carga e passageiros,trala-se
com Novaes & Companhia, ua ra do Tra-
piche o. 34.
O brigue-escuna Laura sahe no fim da
presente semina para o Cear e lUranlifln
iinprelerivelmente ; para o resto da carga,
Irata-se com o capillo a bordo, ou com No-
voacs Companbia, na ra do Trapiche
n. 34.
Para o Marat.lino e Har
segu, coa r brevidade possivel, a
escuna nacional imilla, de que lio capilflo
e ortico Antonio. Sitveira Maciel Jnior:
quem na mesma quizer renegar ou ir de
pategem, enlenda-se com Jojo Carlos Au-
gusto da Silva, od com o capilflo, na ra da
Cruz, armazem n. 13.
na impossibilidade disto praticar, emprega-
se em pegar-passarinhos, e em andar pela
margem do Capibaribe de pussar, tarrafa,
rede e samburt lis cosas a titulo de pescar
i'amariles e sers, qusndo esses seus pas-
soios tom por flm explorar os sitios, exami-
nar o campo da batalha, para com seguran-
za dar os assaltos nocturnos, elevar como
tropheos da victoria, laranjas, aapotis, gal-
linbas, cebollinhos, enserados, etc., etc. Ha
tambero quem diga, que O tal larapio por
causa destas e outras gentilezas sahio-se
nal de urna das accOeg que ntentoufle-
vando um tiro do qual escapnu illoso, por-
que o diabo sempre ajuda aos seus, dado
por um feitor nk madrugada do Io de ja
ueiro deste anno, pelo que se nflo foi fen-
ilo do Uro, foi pelo menos posto na embira,
mdo dar com os ossos nocallabouco do cor-
no do polica, donde nunca devera ter sa-
bido, mas donde infelizmente sanio, a roga-
tivas de um velho poiluguez. apezar de sr
por elle tratado como um mo senhnr trata
a um bom escravo ; o que ludo se nao pod*
crer sem urna prova robusta ; porque multo
I en pode acontecer, que o homem nflo pra-
lique taes factos, que se oceupe em pesesr
passaros por divertimento, e que nllo traba-
lde pelo snu ofllcio por ser-lhe necessario
restahelecer-se do algumas enfermidades,
resoltantes de quem mullo pssseia pelos
curraos do valadaaes e feilonza as pretas
raariscadeiras : por cujas rasOes roga-se a
quem tiver noticia certa de quem seja o la-
drSo dos cebo I i nli os, o favor de dirigir-so a
ra do Crespo n. 14, lerceiro andar, das 6 as
7 l/i horas-da mannSa e das 4 is 6 da tarde,
me declarando o fado com todas as cir-
cunstancias e teslemunhas, ser generosa-
mente recompensado, porque muito se de-
jse de Mello, Jnflo Antonio Raposo, Anto-
nio Jos Pinheiro, Antonio Bezerra de Mel-
lo eSimflo Machado Bitancourt, ou a seus
procuradoras ou herdeiros : annuncie para
serero procurados.
Naloja do Aterro-da-Boa-Vista n. 1,
precisa-se alugar um meleque cozinheiro e
urna preta para o servico .'de casa.
No dia iodo correte, pelas 4 horas da
tarde, v8o prace, a porta do Sr. Dr. juiz
dos orphBos, de renda annual, oasegutntes
predios pertencntes aos herdeiros de Jofln
Bapliata Herbster : ama casa terrea no A-
terro-da-Hoa- Vista com sobradmlio no fun-
do, tendo este frente para o rio, por 550,000
rs.; urna dita com mirante, sitio, roxeira,
haixa para capim, no lugar da Lapunga, por
400,000 rs ; outra dita de sobrado de dous
andares e sotflo com quintal murado, na
ra Imperial, por 340,000 rs.
Deseja-s fallar a negocio de seus inte-
resses com os Srs. Manuel Joaquim de Cal-
das Ferrs e Antonio Flix de Oliveira Co-
mes Peixolo, aquelle natural do Portella de
l'anellas e este da villa do Pico de llegalla-
dos da provincia do Minti, em Portugal: na
ra do Queimado o. 1.
Podios.
Fazeni-se pudins de fiucta pflo e de ou-
tras qualidades : no Alerro-da-Boa-Vista,
luja n. 48, se dir quem faz.
Alugam-se os segundo e lerceiro anda-
res da casa do largo da Assembla n- 8 : a
convidam pelo prosente aos crotores do ca-
sal, para que no prazo de oito dias, conta-
dos da data deste, se apresentem com seus
ttulos, afim de que reconhecidos possam
ser pagos. Olioda, ra de S.-Joflo, n. 15,
7 de outubro de 1850.
Lotera da mati-l-/. da Boa-Vi>ta.
No dia 31 do crrente andain impreteri-
velmente as rodas desta lotera, seja qual
for o numero de bilhetes que ficir, e mes-
mo antese acaharem os bilhetes, como hi
esperances. O hm para que foi concedida
esta lotera nflo pode ser imais justo, e ella
deve ser preferida a outra qualquer, por-
quanto lomos de presenciar oemprego do
seu interesse: o restante dos bilhetes a-
cham-so venda nos lugares j annuu-
ciados.
Precisa-se de um ttabalhador de enxa-
da, e que saina tirar leile em vacos : na
Magdalena, estrada nova, primeiro sitio de
porlSo de ferro. No mesmo precisa-se le
um bolieiro.
Um rapaz brssileiro se oflerece para
cobrardividas de qualquer loja, dando ga-
ranta a satsfacflo das pessoas que o en-
erreuarem de ditas cobrancas : quem de seu
prestimo se quizer utilisar, dirija-se ra
larga do Rozario, n. 36, bolica.
Precisa-se de urna ama para o servico
de urna casa de pouca familia, a qual seja dr
maior idade : na ra da Concordia, casa no-
va de um andar.
Aluga-se, por prego mdico, o terceiro
andar do sobrado n. 20, na ra do Apollo :
a tratar com Antonio de Moraes Comes Fer-
reira, na mesma casa.
Aluga-se, por mdico prejo, um sitio
no lugar denominado Sanl'Aqna-de-lien-
tro, com c(iiiiii o ios para grande familia,
haia de capni, boa agua, estribara para
quatro cavallos e cocheira : a tratar com
l.uiz Gomes terrena, no Mondego, ou com
Antonio de Moraes Comes Ferreira, na ra
de Apollo n. 20.
Quem quizer comprar urna lettra da
quanta de 56,060 rs. do Sr. Jos Rrazalino
da Silva, apparefa na ra da Cadeia de S
Antonio, n. 13, que todo o negocio se far.
Quem quizer comprar urna lettra do Sr.
Dr. Honorio F. de Sigcnaringa Vas .Curado
Forte-do-Mallos, ou com Prxedes da Fon-
seca Coulinho, seu propriolario.
Aluga-se o segundo andar da casa da
ra Nova n. 25, que faz esquina para a ('.ani-
lina do Carino : a trttar ua loja do mesmo
sobrado, oi'na ra i!a Cadeia do P.ecife n.
seja procejer na forma da le contra senie- ,2, escrlLtorio de Antouio Valentim da Sil
da quantia de 110,280 rs. annuncie paia
ser procurado, que lodo negocio so far.
Roua-se ao Sr. segundo tenenle Jos de
fdl.rcom Joaquim Francisco de Alem._ no Cerquej U(M> ,, ^ ,ni)Ill(e pig,r
Leiles.
Leiiaode manteiga franceza na porta
da aliandega hoje, 9 uo crrenle, pelas lo
horas da loanhSi.
C. J. Astlcy & Companhia farflo leilflo,
por interveinn-o orretor Oliveira, de va
riado ssrliment de fazondas de seda, Ua,
Jinho e de algodlo, as mais propras da es-
tacSo actual qumU-feira, 10 do crranle,
s 10 horas da manhSa, oo seu armazem,
ra do Trapiche-Novo.
Husaell Mellors& Companhia farSj lei-
Ifio, por intervengo do rorretur Oliveira,
de grande sorlimenlo de fazendas inglezas,
todas propras do mercado : sexta-feira, II
do Correte, s 10 horas da mandila em pon-
to, no seu ariuwein, ra do Trapiche-Novo.
Avisos diversos.
Jliante ladrSo de gallinbas, cebollinbos, la
ranjaa, sapotis, enserados, etc., etc. para
que delle fiquem livres os propietarios dus
sitios da povoacflo do Remedio.
Aluga-se para fesla um sitio na Capuaira,
com bailantes arvoredus de fructos, cacim-
ba, tanque para liando e muito pertu do rro:
atrs dos Marlyrius, ra do Caldeireiro, Da-
mero 46.
Aluga-se urna excellente casa com tres
quartos na ra da Aurora, Cidade-Nova : a
tratar com o seu proprielario Antouio Jos
Comes do Crrelo.
Alerta.
Ser bom que a il lustre com ti ssflo doa
colonos que vSo para Hosaamedes uSo coo-
rinlam embarcar doineiis como Francisco)
Jos Pavflo, que est devendo na ra do
va Barrora.
No da 10 de selembro do crrante an-
no, is 7 horas da noite, desappareceu urna
parda, indo fazer o despejo na praia, de no-
me Joanna, representa ter 25 a 30 anuos,
alta, cheia do corpo, rosto redondo, olhos
grandes, desdentada na frenl, pellos cabi-
dos u cheios, mitos o ps grandes e grossos ;
ievou vestido de chita escura j usada e
omas rosetas francezas lias orelhas : quem
a pegar ou della souber noticias, diiija-se
ra Direita n. 7, terceiro andar, com entra-
da pela ra da Penda, que sera generosa-
mente r"componsado.
Oarremataole dasaftjrices contina a
ser o mesmo do uno prximo paasado,
faz certo. que do primeim do correte mez
urna lettra, que soacha vencida ha oito mc-
zes; do contrario, ter de ver sempre 0 seu
nome nesla folba.
9 l'aiilo tiaiiriioiii-. dentista *
*- fraiicez, reeentemente che- *
J g'ado a esta rpita!, offercre
sen prestimo ao publico pa-
* ra toilos os mlsterea de san u
Itrollssao, qur extraliindo, >
i llnipaiiilo < chuiubamlo os y
9> lentes iiaturaes, qnr substi-
" tuindo-os por litros artifl- *
? rlars, para oqne tcm os me- />
i> lliores nppnrrllins. l'Me ser >
# procurado a qualquer hora, j
S* eui sita casa na na liirsn do
j> lio/ario. n. :m. secundo un- A
3 ihiv.
n- #(*> o <> *?> % p
(l Sr. Joaquim Jos dos Santos Hurraca
qnera ir pagara quanlin do 33,160 rs. do
que minen aonde nflo ignora ; do contrario,
Msnal de ffratldo.
Tve urna febre maligna, exacerbada por
*ni,s .Ktavi, o iiinguu a iai eatauo o
raeu mal que os mdicos, que me cuidayam
me consideraraai morto. Com cffeilo eu era
um cadver, tanto no Interior, cujo orga-
nismo se achava putrefacto, como no exte-
rior, pois quealem de todas as apparenciaa
desse estado comatoso, a sensibili Jada me
ha va no todo aban lunado. Reste estado
meus irruios escreveram a umnosso amigo
para que raoorresse a homoeopalhia, e esle
leva a feliz lembranr;a de man lar chamar o
Sr. Francisco de Paula Carneiro LeSo, que
seencarregou de ressuscitar o meu cada-
ver com as suas dses homceopalhicas. N.
verdadeeu nflo posso contar esta successo
seoflo prla relacSo que delle me tem feito
as petabas qoe me cuidavam, porque en s
voliei a mim, ou tive consciencia do que ge
passava depois que me fizeram engolir as
'iimairaa golas de urna dse homceopathi-
('a por doa ou tres vezes. Kra tal a miuba
tseSo, qasr.ao foi cliaiu.do o Sr. Paua,
que elle'recosoa, a vista do meu deplora-
val estado encarrogar-se do meu curativo,
porque na opiniBo dol llBjjJicoa aliopathas
eu eslava moru.; poi*Ralado para que
fiaeaaeum ultimo e.fr^o, fe-lo. e eu aqu
aslou vivo com o favor da Hmk. a n >.
graa lampera com o ftor da' hoibeopa-
Crespo n. 12, e outros, pois que a-ser assim
ha bom mu lo de saldar cuntas.
'^ Aluga-se o armazem da ra das Flores
n. 10, com um grande slito, com cozinna
para grande familia, quintal e cciaiba :
quem pjBtcoder, dirija-se a na Nova n. -n,
para tratar.
Aluga-se um sitio na entrada da Casa-
Forte, com cacimba com boa agoa, tanque
: arvoredos, por anno ou por fesla : na i ui
de S.-Concalo, casa do BaslOS.
Quem precisar de um forneiro, dirja-
se i r> a larga do Rozario n. 19, ao p do
quartel de polica, ou annancie.
Jacinlho Jos Pavflo,
com loja de darlniro na ra estreila do Ro-
zario, oOVrrce ao respeiltvrl puMicooseu
prestimo, com toda a proni[:'.id9u e asseio.
-- Quem tiver duas pretas que as queira
alugar para venderem na ;ua, sendo fiis,
dirjase a esta typographis, qua se dir
quem qu-r.
Aluga-se o segundo andar do sobra'o
da ra istreita du Rozario n. 30 : a tratar
oo prineiro andar do mesmo sobrado, ou
na ra do Mundo-Novo, n. 30.
--lu rapaz poituguez se oflerece para
caxerode loja de fazendas, do que lain
Iguii.a pratica, ou para caixeiro d.i ra, o
qual d fiadora ua conducta: quem de
eu prestimo se quizer utilisar, dinja-se
ra Direila o. 14.
Pergunta-se ao Sr. aeverendo padre
cummissai io da veneravel ordo o terceira
do Carmo.seest de aecurdo da levar na
nomina para prior pessoas a quem o Sr. G.
A Iba lem fallado, e sendo assun, como
us informan', Iba daremos un pequeo
conselho, que su nflo illuda com Cantigas
destes meus Srs .voto conforme a sua cons-
ciencia Ihe ditar, e seja imparei! neste ne-
gocio- para evitar qualquer desgosto que
possa apparecer, a V. Revi. continuar na
estima de seus irmflos em Christo.
Vm irmo
Eu abaixo assienado como
retirar-me para fra do imperio
emdiaole jaseacha aferindo para osnno ier de ser sempre lomhradn nesta Iblha.
- prximo vindouio, na mesma casa, ra da
Assnii' q,"io n. 4.
Precisare alugar urna casa terrea em
, ualqusr ra dos bairrns de Sanlo-Aulonio
I Boa-Visto, com quintal e cacimba, cujo
aluguel un nsal nflo exceda a de/, mil res:
garanle-se o pagamento : na prac,a do Cor-
po-Santo ii 2, ou annuncie. .
Joac.uiui Jo.- Rodrigues da Costa par-
ticipa a > odas as possuas que com elle tr-
aban) negocio, que inora na ra do Ruzario
(islreite n. 20, srgundo andar, onde pode ser
procurado lodos os dias.
Alugam-se duas casas terreas, urna na
n.i d'o Ci.iovcllo n. 7. na Box-Vial, eoutia
na tn vessa dos Maityrios, porbaixo do so-
hradf lamsrello : a tratar na ra do Amo-
ro :n. 15.
Roubi).
Be udaraoi do abaixo assignado, no dia 29
de m teidlo, das 6 1/2 lloras al as 7 a quau-
Ita i e um cont IrezenUw e tantos mil is.,
seiW io em sedulas l:26l,O00rs. eo mais
eui 3 atoadas de ouro. 20 e lanos mil
eui piala vi pares de bules de P^,i|,0 :
qu. em descobrir um tal rout.o e del'lC S0U|,f'
le :eber a gralilicar;fio de 400/joo rs. Esle
re ubo foi le Jo dentro de s>.,a serrana.
IHanotl (iomet da Silva.
Precisa-se lugar um mole^ue ou pre-
o para o servico de casa, assim como urna
ama loira ou captiva, que rozinhe, rae a as
comprase o servico de urna casa de pouca
lamilla ; na bolica o. 12, junto a pulira.
I'iini mullid-que veio do uiatto, bran-
l :a, capaz emuilo zelosa, se prupe a sel
l Na de portas a dentro de urna casa de lio-
nem solteiro, ou de viuvo com pouca ra-
milla, menos a do Sr. Francisco de Paula de
Albuquerque. serveute da adimniotraco do
correio : quem de seu prestimo se quizer
utilisar annuncie.
A taberna da ra da Cruz n. 8, deixou
uy vender bebidas espiriluus de produc-
bro de 1850.
. c seu tillio
quim
>m trml "i""1": w'"" pirtiuos. ,
tenho de fl l>'. e,r desrt' 1 e oulubi
, detxo por i "', m"'j>" ma "" Uc'. ,
m ,im.,r! Jost" Jo.qumida Costa retiram-s
meus bastthtes procuradores, era primeiro "" '"ri""" ua CoaU reliram-se para r-
lugar, ao Sr. Manuel Rodrigaes da Silva, !,V,'''*"" ,
em segundo, o meu Mido Manoel Jos lio- "l1 *, ucln 'Ie PB^aportes.
drigues do Kspirito-Sanlo, e em terceiro ao no "'leo i "nalnz de Santo-Autuno l-
Sr. Manoel Jos Moreira. Declaro tambera i r"""se P"s" Partea para deotro e fora do
quoa casan. 3 da Iravessa do Carmo, oielf'nP6"0'co.'r-*-e folnas, tiram-se ttulos
be devedora pur nielo de urna obrigacflo de i(1" r*?,ue"r,a;a e despachani-ee escravos com
500,000 rs. e por isso fa?o o presente para ">a|orjnrev ,jad(, possivel e preco rasoavel.
que no fucluro, ou na muida ausencia
nfio faga negocio com a mesma.
Manuel Joi Hodrigues
No dia iodo crreme se hfio de arre-
matar eui praca publica do Sr. doutOr juiz
de orphflos e ausentes, duas casas terreas,
ilas na ra Augusta, outra dita do sobrado
de dous andares e sulo, sito na ra das
Trincbeiras, urna casa teriea, sita oa ra
dos PortOes, e mais duas mci'agoas na mes-
ma ra, por execu^So de Lalham llibert, e
outra contra a heranca do.fallecido Jos
Francisco Collares : be a ultima praca.
No dia 6 do crrente ausentou-se o es-
cravo bomiogos, de nafo Mocambique, re-
presenta 90 e tantos annos, barbado, d.
boa (igora; tem um signal bem visvel,
no a marca de um laido no beico ufer'iorlsua mulhei. I^n.z-JoaqunPese
soC!=Udiicc, ,c rm*? ?*Hs ranu-ln.fifei;.- t-htsris e prunas amiga-
cba o beico ; lovoucalcas e camisa de algo-' velraeute doa baados meamos fallecidos,
Lemos Amarai i Companhia previnem
i.o res,eitavel corpo de cooimercio que
Uansferu ain o seu estabelecimeuto do caes
do Colirio para a ra uoQueiraado n. 22
Lotera da Matriz la Bou vista.
O restante dos bilhetes desta lotera, que
corre infalivelmcuta no fim do crrente
mez, iiquein os Ribetes que llcarem, ven-
le-se, alm de oulios lugares, naloja de
Bernardiou JosMontuiro, ruado Queimado.
Precisa-aa alugar, para o servico in-
terno de uaia casa iugleza um prelo, ou
um inoleiltuaue i anuos uuuco mais ou
menos, snujr bel ua ra do Trapiche-No-
vo n. 42, ou aunuaicie.
i io Ipiquim Rabetlo Pessoa e mais
Slw flnado Joaquim Jos II.helio e
essoa, tencio-
-, Placido Caelano Borges vai fszer una
viageni iitra da Provincia.
Alguere que lenha peuhores na loja do
fal'ecfdu Jos Pinto da Fonseca e Silva, p-
.!e ir procura-Ios par os resgalar, em casa
de J. K' ller & C., na roa da Cruz n n. 55 :
islo nu prazo de oito d3S. llecfe, 7 de
outubro de 1850.
Aviso.
O abaixo assignado faz publico, qup
dia 1 do setemdro do correnle ""
1850 no hiKar de sua morada, d' an!10 "'
Brra-ile-Tiums,'dislricto -la r -""minado
dado de Coianna, apparecee '""'rea da ci-
casil de escravos, procu' 'r,n su c*s um
para compra-Ios, e :C1?ani,,,nc,?n
quem era seu sr.! ^ *,"d,?'-",e P*rntado
dislanle da cW^"JHimr,"Ad'*Q'
to duasleB' '"de 'l0 Rl"-'-"nitedo nor-
denuen" -"" Q" ehamava Bento,
I, -<> Sabia, e como o annunrianle nflo
, 4 -er correr risco algum, e nem respon-
^iliss-se; por isso faz publico, por este
ihario, para quem for seu sentior o procu-
rar, e querendo vend-loa nflo pora duvid
em com ra los. Jou Slarn/io ralcJo.
Precisa-se alugar um moleque ou pre-
to para uzer o servico de esa erua, que
seja liel : na ra i!a Cruz, aruiazein n. 48.
uacionaes como Iraduznlas dos lucidores
autores francezes, inglezes eallemfles, va-
riedades, ancdotas, poesas, ele. em folio,
rom duas estampas cada numero, pelo di-
minuto preso de 4< 0 rs. cada numer com
8 paginas : no paleo do Collegio, casa do
livru azul.
--Pieci.-a sede liabalhadores na capita-
na da alfandega : quem quizer comparera
as TJdoras da manhfla.
para ama de um homem solteiro, por ser
muito fiel : na ruado Queimado n. 14, SO
dir quem compra.
Lotera da matrir. da Boa- Isla.
Aos lo:ooo$ooo e ">:ooo!$ooo.
Na loja de miudrzas da pra?a da lnde
pendencia, n. 4, vendem-se bilhetes, meios,
quarlos, decimos e vigsimos desta lotera
que corre imprrterivelmente no ds SI de
outubro. ou antes se se acabarem os bilhe-
tes. A Piles antes que se acabem, para nflo
compraren! mais caro, como tem aconte-
cido em outras loteras.
Bilhetes 10,000
Meios S.000
Quartos 2,600
Decimos 1.100
Vigsimos O"
Vende-sena rus do Jasmim urna me-
agoa, com 34 palmos de Trente, com peoue-
no quintal, ao ladotudo proprio : a fallar
como Sr. Ferreira, na ra do Lvramenlo
ii.4.
Vende-se urna preta croola, que coz-
nha, engomma e cose alguma couza : na
ra da S.-Cruz n 18.
ltonete.s de panno a 2$ooo.
Vendeui-se bonetes francezes, de panno
muilo li. o e forrados de seda, para bo-
rnese meninos : na jua do Queiroade n.
16, loja de Jos DiasSimOes.
Konbo.
Ao amanhecerdo dia 5 do correte rou-
baran: a loja de chapeos o 21 da praca d
lodeiendencia, conslstindo esse roubo de 30
a 40 chapeos do Chile, duas pecas de seda,
ambas enceladas, tendo 50covados pouco
man ou menos, sele auzias de cordOes de
retroz para chapeos de sendora eumi por-
cSo de gommalacar Recommenda-se as au-
toridades policiaes a diligencia possivel, a-
fitn de ae descobrir o verdadeiro ladrfio, e a-,
pessoas particulares s-i oflerece n quarts
parte de lodo o roubo, ou daquello que ap-
parecer, sendo por edas denunciado na me-
ras loja.
Museo IMttoreseo
histrico e lillerario, ou lirroree* ..gj^y,, jts
familias, contenJo a desciipsS'j e mon.
tenlos e de factos histricos granle copia
de novellas moraes e inte' reSjtes, Ulll0
Cortes de calcar n m,, ^
Vendem-se bnns c,m HslrHS ,,d0i
hrancose de cores, a dez lus,tOes o rrte de
calcas: na ra do'^eimajo .8 im con-
fronte a botica.
- Vende-se um molecotede 15 annos, de
bonita figura ; umaescrava de naco. do
servico de campo, o que he boa quitandei-
rae lavad eir de sabflo e varrell : oa ra
do Lirraroeiitu n. 4, se dir quem vende.
--Vunde-s um faqueiro dohrado, con
leiido as pecas necessarias para mesa de
jan lar, duce e cha ; e bem assim urna gran
bi bandeja, ou taboleiro : ludo de mujlo
tiom goslo, do boa prata e chegado ltima-
mente de Lisboa : na praca do Corpo-.San
lo n. 15, casa defronte da igreja.
-- Vendem-se 8 toalhas de lavarinto, son
do duas de rosto, e todas muito ricas, por
preco commodo : na ra da Cadeia do Re-
are n. 48: quem as quizer ver nflo leuda
demora, pois ellassflo poucas muitos o-
compradores.
- -vendem-se 16 escravos, se,i j0 um bult)
carre.ro e meslre de 0urgar 5 ",.,
todo o servico; 2 mulalinho* .1
i ditos de todo o serve "J ^ ,6 am,0S :
"> de campo ; una
e 14 anuos, que co
esrravas mocas, de
>: G ditas.'' -ue cosem bem o ngom-
relta n 3 -etodo oservico : na ruaDi-
armac1" -,e"Sl!i ou aluga-se urna elegante
lr, ..o luda envidracada, muito propria
I loja de fazendas, ou miu le/as, pela
jcali i.nle em que se ada : no Aterro-da-
Boa- Vistan 14
Ven !e-se farinha de S.-Matheus, mu
lo boa, o que nfl.o faz dfferenca a de S -Ca-
tliarinha : a bordo do patacho Uso, ou da
sumaca Helia-Carolina, defronte do trapi-
che, ou ao ladu do Corpo-Sanlo n. 25.
Panno verde escuro.
Vende-se panno fiuo verd escuro, pelo
diminuto preco de 4,000 rs o eo va lo : aio -
da resta alguma i cliitis francezas, rom al
gum mofo, que sevenderfiu a quem com-
prar peca, a 14o rs., o a retalho a lfio rs. o
covado: no Atlerro-da-Boa-Vista n. 18,
loja.
- Vende-se um moleque de nacilo Nago.
le i lade de II a 12 anuos: em Forado
P ras, ra do Pilar n. 85, segundo andar.
-- Vende-se urna laberna com poucos fu-
ios, na ra de Santa-Tbereza : a Iratai na
mesma
uulalinba recolnida, <
bonitas figuras, o-
Coiupras.
-- Coii'pra-sn um sobrado de um and ai
ou urna casa Ierres, que seja uova e em boa
ra : no Passeio-Publco, n. 7, se dir nuem
compra.
-- Na ra da Scnzalla-Velha, u. 100, so-
gundu armazem anude se vende bolacha e
pflo, compra -so efectivamente loucitibu da
torra, sendo gordo o sem sal, a 5,000 rs. a
rioda, e a 160 rs. a libra.
Cumpram-se escravos de 10 a 30 an-
nos, de bonitas figuras, para dentro e fra
da prova na : na ra larga do Ruzario, n
48, i rimeiro andar, lodos os dias das 6 s
II lluras da maiihfia e das 2 s 5 da tarde.
-- Na ra larga do Rozario, o. 15, cooi-
pra-se papel de diarios, a 2,880 rs.
Compra-se urna bomba de ferro, que
esiija em bom estado : no pateo do Paraizo
n. 20, ou aiinuncifl.
Compra-se um ""roquete : s fallar com
usacdristflo do Livramenio, ou annuncie.
Compra-se, ou aluga-se um prelo ca-
noeru, eque entenda uo servico decampo :
qu,em liver annuncie.
VeilliaiS.
Vende-se barato, por ter um pequeo
deleito, urna mulata que sabe cozinhar o
diario de urna casa, cose beffi "JBr eos.
tura, he muito diligente no seiyisti de a*
sa, e propria para casa de pouca
Vende-se a valsa Adalia para
piano : na loja de Car tozo Ayres,
na ra da Cadeia-Velha n. 31,
prerp 500 rs.
Vendem-sMna rua do Crespo n. 11, os
seguinles romances dos lucidores autores :
os misterios do Castello de Udolpho 6 v., a
lie vanara > v., Kugueuande de Coocy 2
v., a Eslrangeira 9 v., Apsiboi 2 v., o Solita-
rio 2 v o Tmulo 2 v., o Capilflu Paulo t
v., os F.sfoladnres 2 v Ua 2 v., os Tres Cas-
tellos 2 v os Rebeldes 4 v., Viclor 4 v., Ale-
xina 4 v.; Cecilia 2 v., Em.ina 2 v., Elelvi-
na 3 v., o Mosteiro S v., o Palacio da Alber-
to 3 v., CastellosS v. : ludo por preco acora-
mo :ndo, e tambemo Demonio dn main-dia.
a Myltiologia da nocidade com finas es-
tampas, as poesas de Jos Mara da Costa e
Silva.
Dinheire a vista.
No Aleno-da-Boa-Visla n. 54, venda
nova, vrnde-se o seguinte -. manteiga in-
gleza muilo boa, a 640 480 rs.; franceza, a
50 rs ; banba, a 320 rs. farinh i de araru-
t, a 200 rs.; dita do MaranbSo, a 120 rs.;
arroz do MaranbSo e cha muito bom lan-
t) em gostu como em qualidade, a 1,920
rs : velas de rsparnii-cele das milhores, a
720 e 01(1 is. ; dilas de carnauba, a 280 is.,'
rqilboapista, a 960 rs. a cuia ; fejflo mu-
lalinho, 400 rs. a cuia ; azeile doce, a 560
rs. agarrafa; azeitonas, a 940 rs. a garra-
fa ; e a ancorela, a 1,120 rs.; bolaxinha
inKleza, a 280 rs.; dita doce de araruta a
40 rs ; caf em caroco a 160 is. louci-
ulio, a 200 rs.; alelrls; a 240 rs. ; macar
rlne talhjrim, a 200 rs. ; e oulros bss
gneros que se far toda a diligencia para
servir bem os freguezes o alanca se a Des-
dide de ludo, pois he ludo novo a ***
aleaides, d-se a mostr.
W ......m
Vend"-"
<>ii--:" --uO.
J ILFGIV FI
.uulpeiio
i?*%ZZ&.VS


i._A<



Vendem-se sellins inglezes
elsticos, chegados agora : na ra
da Cruz n. 2, casa deGeo: Ken-
worlhy & C.
-- Vende-se farinha da Santa-Calharina,
muito superior, a bordo da galeota Santhti-
ma-Trindade, fondeada junto ao caes do
Collegio.
I'nrinliii de mandioca.
Na ra da Cruz, no Recife, armazem n.
13, ena ru da Cadeia, armazem de Cam-
pello Filho, vende-se farinha de mandio-
ca do Cear, muita alva, gomoiosa e de ex-
cedente posto, tanto em pequeas como
em grandes porgOes, por prego commodo.
Travessa da Madre-de-Deos, ar-
mazem. n. 5,
Acha-se estabelecido um deposito, onde
encontrarSo os freguezes utn bom sorti-
mento de licores, espirito de vinho, e to-
das as mala qualidades; superior vinho de
caj; chmate; e Hacas de vime, a pregos
moderados.
A elles que sfto borntisslmos.
Vendem-se sapatoes de couro de lustro, a
2,000 e2,500ra. he oque valem de feitio
na ra da Cadeia do Recife, n. 9, loja.
Tnixns para engenho.
Na fundido de ferro da ra do Brum,
acahi-se de receber um completo sortimen-
tode taixas de* a 8 palmos de bocea, as
quaes acham-se a venda por prego com-
modo e rom promptido embarcam-se,
ou carregam-seem carros sem despezas ao
comprador.
Deposito de potassa e cal
Vende-se milito nova e superior potassa
ecal virgem de Lisboa, em pedra : tudo em
barrls pequeos de 4 arrobas, por prego ra-
soavel: na ra da Cadeia do Recife, n. 12,
armazem.
~ Wnde-seuBi preto de bonita figura,
bom oflicial de pedreiro, e he de boa con-
ducta ; urna mulata de 18 annos, com um
filho mulatinho de 2 annos, a qual corta e
faz um vestido de senhora, corta e faz urna
camisa de n'omem, engomma'com perfeicflo,
he muilo Hele no tem vicios, o que se
alianca : na ra larga do llozano, n. 48, pri-
meiro andar.
Bom e barato.
Vende-se princeza minio fina e de duss
larguras, a 800 rs. ; anda restam algumas
pe^aa de punninho fino, rom 12 jardas cada
urna, pelo baratissimo prego de 2,500 rs. ,
tem algum mofo : no Aterro-da-Boa-Viata,
n. 18, loja.
Vende-se por muito commodo prego,
una rica secretaria com estantes pora li-
vros, bastante grande, propria para advo-
gado, sendo de amare lio e anda nova ; as-
sim como, seis cadeiras e duas mesiobas
de abrir : na ra eslreita do Rozario, n.
28, ultimo andar, das 2 horas da tarde em
diante.
Farinha de Tnpuy*
igualmente em sabor, finura e cor i de Mu-
ribeca, propria para mesa : vende-se na
ra da Cruz, no Recife, armazem n. 13.
Deposito da fabrica de Todos os
Santos na Itahia.
Vende-se em casa deN.u. Kieber & C.
a roa da Cruz, n. 4, algodo trancado
aquella fabrica, muito pioprio para saceos
deassucar, roupa de escravos efloproprio
para redes de pescar, por prego muito com-
modo.
11 lid de algodao trancado na
fabrica de Todos os Santos.
Xa rila da Cadeia n. 52.
vendem-se por atacado duas qualidades,
p.-oprias para saceos de assucar t roupa de
escravos.
Arados de ferro.
Na fundigo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-ae arados de ferro de diversos m-
telos.
Moradas superiores.
Nafundigaode C. Slarr & Companhia ,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
consfrucgSo muito isuperior.
Alussa de vapor.
Acha-se abata a padaria da ra do Bur-
gos, Forte do Mallos, na qual se achar
diariamente todas as qualidades de masaas
finas, trabalhadaa por machinismo ; tam-
bera se fabricara eicellente pSo e bolaxi-
nha de araruta, ditas inglezaa, bolaxoes
quadrados e redondos, e outraa mais mas-
sas tudo otra prima : as mesmas se acharo
no deposito do pateo doTergo, n. 10.
Aos senbores de etfgenbo.
vendem-se cobertores escuros de algo-
do proprios para escravos, por aerem de
mulla duragBo, pelo diminuto prego de 640
rs. cada um : na ra do Crespo, esquina
que volta para a cadeia.
Chapeos.
A. Colombier, com loja na ra Nova n. 2,
atrs da matriz, vende chapeos de castor
branco finos e de bonitas frmis ; ditos de
seda francezei para liomem ; ditos de palha
Coa ; ditos de merino pretos e brancos ; di-
toa de i alna dellanilha ; dito* para senho-
ra, de renda branca ; ditos de palha com te-
cido de cabello, ditos para meninas; cha-
peos de sol, de seda e panno, para bomem
e senhora
Lotettn do Rio de Janeiro
. Aos 2(i:no()S()(i.
N>prags da Independencia, luja n. 3, con-
fronte la do Quelmado, vendem-se hilhe-
tes, meios, quarto, oilavos e vigsimos da
11.a lotera do Rio de Janeiro a bentficiodo,
tiieatio de8. Pedro de Alcntara, vindos no
ultimo vapor. Na mesma loja moslram-se
as listas oas outias loteras.
Yenile-se um moleque de
24 annos, ptimo cozinheiro : ns
ra do Vigario n. 19, segundo
mular, escriptorio de Machado &
i'inheiro.
Charutos de San-Fellx.
Vendem-ae os mais superiores charutos
de San-Felix, que al agora aqu leem vin
do, oa quaes os apreciadores poderSo vei
na ra do Cebug, loja do Duarte.
Vudo-si: lu oioinho de moer milbo,
prompto : na ra de S.-Thereza n. 38.
Vendem-ae (26 libras de pennaa de
ema.- na ra larga do Rozarlo n. 26, lojn
de miudezaa.
-- Vende-se um bonito molecole: na ra I
da Cruz, n. 52, segundo andar, daa 6 a 9|
horas da mannaa, e daa 3 as 5 da tarda. I
Joyo KellerAc COmpanhia, na
ra da Cruz, 11. 55,
Vcndern a pregos commodos, vinbo mua-
catel de Setubal, em caixas de urna du-
zia; dito muito bom de Lavradio e Col-
lares, em barris de quinto; dito de Ctiam-
eomo um completo sortimento de fazendas .
ludo se vend"por prego rnuitos rasoaveis.
Vende-se manteiga ingleza muito su-
perior, a 400.'* libra : naroa da Aurora,
primeira venda.
Vendem-ae, na ra da Moda, armazem
panha, da mais acreditada marca ; dito tin- n. 15, meias barricas com cal virgem de
Lisboa, a mais nova que ha no "mercado, por
prego commodo.
f^Rap Paulo Cordefro :^J
vende-se na ra da Cadeia do Recife, n. 51,
loja de fazeodaa, de J0S0 da Cunha Maga-
IhSes.
Feijao mulatinho,
de superior qualidade e muito no-
vo, vende-se a 6,000 rs. a sacca ;
no armazem do Annes, no caea da
Alfandega, a tratar com Alahoel
da oilva santos.
Grande pechincha.
A 4*000 e 5,ooo rs.
Vende-se urna porgSo decassas francezas
de novos padreas e de muitaa corea, a 400
ra. a vara, e mullo finas, a 500 rs. ; ditas
pretas muito Anas, a 480 e 560 ra.; chitaa
largaa francezas, a 330 rs. O covado : na ra
do Crespo, n. 14. loja de Jos Francisco
Das.
Cal e potassa.
Cunha & Amonio, na ra da Cadeia do
Recife, n. 50. continan) a vender cal vir-
gem de Lisboa, e potassa superior, por pre-
go mais barato do que em oulra pualquer
parle.
Una do Hozarlo larga 11. 22.
Vende-se um preto perito oflicial de ta-
pa teiro, de boa conducta, proprio para ser-
vir urna casa, e nas horas vagas trabalhar
pelonflicio, [mis faz toda a obra desapalei-
ro com perfeigo.
Mil lio 1 arroz com casca a 2$5oo
rs. cada sacra.
Vende-se no armazem do Braguez, ao p
do arco da Conceigfio.
Chumbo de 1111111 i cao.
Vende-se no armazem de J. J. Tasso J-
nior, ra do Amorira, n. 35.
Vende-se urna escrava boa quilandei-
fa, e quecozioha o diario de urna cata : na
ra d- S.-Jos o. 7, confronte ao muro da
Panha.
Por 3:000,000 de rs.
Vende-se um terreno com olaria e urna
casinha, tendo de frente 107 palmos, e de
fundos desde a ra da Anrora at a ra do
Hospicio, tendo fente para se edificar 15
inoradas de casas: ua praga da indepen-
dencia, n. 17.
Foges para co/iuha
muito proprios para sitios e qual-
qualquer lugar aonde nao ha cozi-
nha, por preco commodo : ven-
dem-se na ra da Crut, n. lo,
casa de Kalkmann IrmSos.
Vendem-se dous lindos moleques de
18 annos; um diLu bolieiro ; um cabriada
de II a 12 anuos, rauilO esperlo; 2 pretas
de todo o servigo ; urna dita de elegante fi-
gura, com habilidades: no pateo da matriz
Je S.-Anloiiio n. 4, segundo andar.
Vendem-se cortes de couro de lustro
para sapatoes : na ra Nova n. 2, loja.
Vendem-se meias de seda brancas pa-
ra m> ninas, sapslinhos de couro de lustro
para meninas, ditos de duraque, a 800 ra., e
liolins gaspeados com duraqoe de cores pa-
ra meninas : na ra Nova u. 2, loja atrs da
matriz.
6,500 ra.
Vendem-se, a dinheiro a vista, sapatos de
court de lustro francezes, forma ingleza,
pelo diminuto prego de 6,500 ra. o par;
chapeos de palha de Manilha, muito finos;
canna da India verdadeira para fazer ben-
galas : na ra Nova, loj.. n. 2, atrs da ma-
triz.
Xa ni Nova, loja n. 2,
vendem-se j>rrode poicellanna para flore
naturaes ; angs pira caaligaea com pe de
vidiu lapidados ; lanlernaa de p de vidro ;
nas de p de casquinha ingleza fina ; can -
dieiroa decoroa para sala ; ditos de bom-
ba ; dilot de corda ; ditoa para eatudanles;
sapatOes de couro de lustro, forma ingleza ;
bengalas linas ; chsruteiras; perfumara :
luvas de pellica de cores ; ditas de algodo
de cOres ; sapatos do selun branco, de lua-
tro, marroquioi e duraque ; bolina gaspea-
dos para senhora e meninas; chinelas'de
tapete e marroquiu : ludo a dinheiro a vis-
to fiado nada. .
-- Venuein-seamarras a ferro: na ra
Ja Senzalia-Nova, D. 42.
Cera em velas. ?
O Vendem-se caixas com ce- O
X ra em vela, fabricadas no g
Kio de Janeiro, muito bem
G> soitida, por ser de un* a
16 em libra, por proco mais
q barato do que em outra qual
O quer ; aa ra do Yigario, n
ig, segundo andar, a fallar jj}
q com Alachado & l'inheiio. X
Vende-se unV prela de uago Mioa>
muito muga e vistosa, que engomma, co-
zinha e faz lodo o mais servigo de urna ca-
sa : na ra do Ainoriui, n. 15.
Charutos de Havana,
de superior qualidade ; vendem-
se na ra da Lruz, n. 10, casa de
Kalkmann Irruios.
tu de Cortaillod, de superior qualidade ;
extracto de absynth e kirsch ligitimo da
Suissa, em caixas de urna duzia ; verdadei-
ro cognac velho, o da melhor fabrica de
Franca, em barris de 80 garrafas pouco
mais ou menos : tambera ae vender por
prego muito rasoavel velaa de slearina ,em
caixas de 32 libras ; charutos da Babia de
muito boa qualidade.
090Q000QQ9C
? Deposito geral do superior ra-^
<$ p Areia-Preta da fabrica
de Gaotois Pailhet & C.
na Bahia.
? Domingos Al ves Matheus, agente da^
ifabrica de rap superior Areia-Preta da^.
^JBahia, tem aberto um deposito na ruar*
J^da Cruz, no Recife, n. 52, primeiro an-"
dar, onde se achara sempre deste ex-v
cellentee mais acreditado rap: ven-
de-se em bolea de urna e meia libra,
por prego commodo. G
O
Agencia de i'.ilwhi Alaw.
Ra de Apollo, n. 6, armazem de Me. Cal-
moni & Companhia, fazem ver aos Srs. de
engenho e aos seus correspondentes nesta
praga, que no seu estabelecimento se acha
constantemente bom sortimento de mpen-
uas lodasde ferro para animaos, agoa, etc.;
meias ditas para armar em madeira ; ma-
chinas para vapor com. forga de 4 cavados ;
laixas de diflerentes modelos e de lodos os
lamanhos e grossuras, tanto de ferro batido
como coado ; espumadeiras, cocos, etc., de
ferro estanhado ; safras para ferreiros : lu-
do muilo bom e por barato prego.
Na ra da Cruz, n 10,
casa de Kalkmann
limaos,
vende-se um grande sortimento de
instrumentos de msica, com se-
jam :
Caix9sde guerra, e tambores.
Zabumbas e pandeiros.
Arcos de campainhn, e pratos.
Baixos de harmona, trob5es.
Trompas, psl5es e clarins.
Cornetas, flautas, e pifanos.
Clarinetas, e requintas.
ViolSes.
rnuitos outios instrumentos.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repnxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brutu, ns. G, 8 e 10,
fundidlo de ferro.
Arados c ferro.
Vendem-se arados de ferro
diflerentes modelos : na ra
Hi'iiin, ns. G, 8 e 10, fabrica
Loterlado Rlo-de-.Ianelro.
Aos 2oooot|ooo.
Na ra eslreita do Rosario, travessa do
Quelmado, loja de miudezaa, n. 2, A. Ven-
dem-se os muitoa acreditados bilhetes da
11.' lotera do theatro do San-Pedro de Al-
cntara do Ri-de-Janoiro.
-- Cordas e bordoes para vlolo e rabeca,
na ra eslreita do Rosario, travessa do Quei-
mado, loja de miudezaa n. 2, A. Vendem-se
muito supreriores cerdas e bordea para
violSo a rabeca, por prego mais commodo
do que em outra qualquer parte.
Vinho de Bordenux :
vende-se na ra da Cruz, n. io,
casa de Kalkmann IrmSos.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor,
HtTA DA SKNZALt-A-NOVA, N. 4^.
Neste estabelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
las, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos,
para dito.
Vos Srs. ncademieos do quinto
anuo.
Fitas de chamelote encarnadas largaa pa
das d'aco : os Srs. que flzeram encommen-
das queram'manda-las buscar logo, antes
que seacabem.
-- Na roa da Crua n. 9f, primeiro andar,
ha para vender um bom cavallo andador e
bastante grande, proprio para carro, por
prego commodo.
O arrematante do contrato daa aferi-
c'b deste municipio vende aa freguezias
de fra, como sejam : Afogados, Varsea, S.-
Lourengo, JaboaUo, Murlbeca e l'ogo da Pa-
nellu, por pregos commodos.
Vende-se urna prta da Costa, de boni-
ta figura, de idade de 20 a 22 annos, cosi-
nha o engomma algiima cousa : na ruado
Qeuimado n. 65.
ftfff ? f VVfffffVVf9
* Na loja do sobrado amarello, nos *
- quatro-cantos da roa do Queimado Js
j. o. 29, venHem-se cortes de vealidos 2
y> decasaa-aeda com flores, a 7,000 ra. 4
a> cada corte; ditos do cambraia oran- 4a,
a> ca com barra bordadas adamascada, 4
a> a 6,000 ra.; ditoa da cambraia-aed,
* ricb e de m i lo modernos gostoa, *
* por diflerentes precos, hHvendo de "*
2 tudo grande sortimento para sa esco- s
>Z. Iher; cortes de vestidos de seda, de 2
aa, gosto muito modernos, e por prego 2,
10. em conta ; eoulras fazendas finas e ^
> de gosto.
AAAAA AA A AAAAAAAAAA
Na ra daa Cruzea n. 22, segundo-an-
dar, vendem-se tres negrotas de 18 a 20 an-
nos, que engommam e coscm cuslura ohda,
cartas de hachareis : na fu do Crespo, jcoziobam lavam de sabio, urna dita da
de
do
de
machinas e lundicao de ferro.
.l;i o barato causa ndmiraco l
Isto acontece na ra do Crespo,
n. G, loja ao p do lampeSo
Vendem-se cassa-chilas de muito bom
goslo, a 240 rs ; cortes da ditas do melhor
goslo que leem apparecido, a 2400 ra.; chi-
tas finas de boas tintas, a ICO e 180 rs. o
covado ; nscado americano, a 140 e 160 rs
dito trangado, a 180 e 200 rs. ; algodo
mesclado, a 200 rs. ; zuarle azul com 5 pal-
mos, a 200 rs. ; dito de cOres, a 200 rs.
cassa prela para luto, a 120 rs. o covado
cortes de fusl3o muito bous, a 560 rs.; cha-
les de tarlatana, a 320 e 1,280 rs. ; coberto-
res de algodSo de cor, muito encorpados
proprios para escravos por serem muilo
quentes, a 640 rs.; alpaca preta de cordSo,
com 7 palmoa de largura, a 1,280 rs. ; ris-
cados de puro liuho, a 240 e 360 rs. o co-
vado.
Antigo deposit > de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por prefo muilo commodo.
Qucijos londrinos de 5 c 7 libras.
Vendem-s, no armazem de Manuel Fran-
cisco Marlins& IrmSo, na ra da Cruz, n.
62, queijos londrinos, presuntos, para fiam-
lalas com biscoutinbo inglez, ditas
com araruta, cha superior de S.-I'aulo, a
-2,240 rs. a libra : ludo novo e barato.
Vendem-se relogios de mi-
ro sabonete patente inglez : na ra
j. -____ .- -- J. n
ua vjiua, 11. Jy tciaa uc mu .
Kenwoi'lhy & C.
A. Colonibiez, com .oja na ra Nova,
atrs da mairiz, vende leucus de cmbrala
de linho, muiln linos, com bordados ebico
em roda ; ditos de algodo linu, imitando
os de linho ; dilosariendados nas puntas;
ditos da linho com flores oas ponas ; ditos
de algodo com cores; ditos brancos lisos
e com barra de cordo. que servem para Mo-
ni ni ; ditos para meninas, a 240 ra.; ditos
de seda para gravata, pretos e de cOrrs; iji-
tos de aeda, fazenda auperior para senhora
e meninas ; ditos para blgibeira, a 1,000 e
1,600 rs. ; uitos para grvala, a 500 ra. ; e
ootras mullas fazenda* baratas a dinheiro a
vista.
Vendem-se 6 burros, entre elles alguna
manso* j de servigo : na ra do Queimado
n. 14.
Na rus da Cadeia-Velha, primeiro an-
dar da casa n. 24, de Manuel Antonio da Sil
va Anlunes, vende-se um rico sortimento
de chapeos de palha da Italia, abertos, para
aenboraa; camizeUa de cambraia, coleri-
nlios, romeiraa,' manguitos, punhos, tudo
excedentemente bordado, bicos unissimos,



ra
n. 5, loja de miudezas ao p do arco
- Vende-se urna mulata de 20 snnos, sem
vicios nem achaques, quo engomma com
perfeicflo, cose e cozinha : o motivo por
que ae venda ae dir ao comprador: na ra
do Hospicio, casa terrea com sotlo, defron-
te do n. 17, das 6 s 9 horas da manha, e
das S da larde em dlante.
Vendem-se silbes inglezes
para montara de senhora : na
ra daOuzn. 2, casa de Geo :
Kenworthy & C.
- Vendem-se 6 lindos moleques de 10 a
18 annoa, sendo um dellea ptimo barbeiro
e sangrador ; 6 pretos de 90 a 25 annos,
sendo um delles ptimo aapateiro, outro
cozinheiro; um pardo de 18 annos, com
principios de carpina ; duas pardas de 16
annos, urna cora habilidades ; 8 pretas de
12 a 25 annoa, algumas com habilidades, a
propria* para todo o servigo : na ra do
Collegio, n. 3.
(neljos do sertdo,
a 240 ra. a libra, para acabar com o resto ;
caixas com superiores valsa do Aracaty,
brancas e amarellas ; chapoa de palha, a
16,000 rs. o eento; barricas com farinha de
araruta ; courinhos de cabra ; sapatos de
couro de lustro em porgfio : aa roa di Cruz,
n. 24.
Vendem-ae 5 pretos de 25 annos, (da
lindas figuras, seudoura dellea ptimo car-
reiro; um dito de 18 annos, ptimo boliei-
ro ; duas bonitas pretas de20 annoa ; urna
dita de 25 annos, que engomma, cozinha e
cose, tudo muito bem, esta so quer estar
dentro de caaa, por ealar a isto acostuma-
da ; 3 mulatas com (labilidades; duas pre-
tas de 30 annoa, por 300,000 rs. : todos por
prego rtuitoem conta: na ra das Laran-
gejras, n. 14, segundo andar.
.Costa do bonita figura de 20 annos, quitan-
deira e urna parda de 26 annos com as mes-
mas habilidades cima, suma negrinha da
12 annos com principio de costura.
Olhein que pi chincha !
Vendem-se cortes de colleies da sarja da
corea pelo baratissimo prego de cinco tus-
tOes o corte; no Pasaeio-Publico, loja n.
II: cheguem a elles antes que ae acabem.
Reles a 240 ra.
Vendem-se bonetes para meninos, a 240
rs. cada um : no Alerro-da-Boa-Vista, loj*
n. 58, junto a de selleiro.
A 18600 o covado. .
Na loja n. 3, defronte do becco do Peixe-
Prito, vendem-se caaemiraa escuras de bo-
nitos deseuhos em xadrez, ptimas para
pannos de cima de bancas, a cinco patacas
0 covado : esta fazenda torna-ae Juito re-
commendavel pelo seu modernismo.
#
*j> Na loja do aobrado amarello, nos M
ja) quatro-cantos da ra do Queimado #
n. 29, Ivendem-se aa mais modernas
chapelinhas de seda de cores para se-
nhora, muito bem guarnecidas ; bem >
como manteletes de seda furts-cres, #.
IB oa mais modernos que existem : tudo JJ)
SJ por prego commodo. >

Vende-se superior rap de Liaba, em
frascos, chegado agora na barca portugue-
za Ligeira : oa Snrs. freguezes que esto
acoslumados a tomaren) boa pitada, nt3o
deixarSo da mandar buscar no largo da A*-
sembla n. 4.
Vende-se a taverna da ra
do Pailre-Floriano n. 7a, com
poucos fundos, a qual faz 10 a
1 a,000 rs. por dia .- a tratar na
--Vende-se urna loalha de lavarinto, ten- travessa da t oncordia. souriua
n. 5, das G s 8 horas da manhaa,
Vendem-se ISO saceos novos de esto-
pa, com duas varas cada um : ua ra larga
do Rozarlo, 11. 48, priireiao andar.
Vende-se, na ra do Vigario n. II, ar-
mazem de FiancisaVO Alvea da Cunha, os se-
guinlea gneros, tudo* de superior quali-
dade, a por ineuos prego do que em oulra
qualquer parte : szcloses em ncoretss, vi-
nho Jo Porto rin bairls de Afler-foles ta-
m.inhos, cevada, ca) virgem da l.isbOa, ar-
cos para pipas e harria, fio purrete, relroz
deSiq.eira, cha de San-Paulo, cauaatiaa
com albos e ditas. com rolbas.
Vende-se urna cadeirinha da Babia,
ricas utas, a outro* objectes de gosto; eo icom pouco uso: na ra ora >>
do urna pequea parte de panno uo mel,
be de bretanha de linho, ou de esguio fine,
obra muito bem feita, e o lavarinto he de
modelo muito moderno, por prego commo-
do: na ra da Cadeia do Kecife n. 2i, por
eima da loja de ourives. Na mema casa
tambera se vende urna oulra toalba de bre-
tanha fina com lavarinto ius ponas de 5 a
6 pollegadas, obra multo bem feita e por
prego commodo.
Na ra luis do Hozarlo, n. 22,
vende-se um lindo mulatinho de 13 annos,
muilo bonito, ptimo para pagem; urna
mulaliuha de 14 annos, cora principios de
costura e engommado; 2 moleques de
6annos, muilo lindos ; 2 mulaiinhos de 9
a lOaunoa; urna prela de nago, de 20 as-
nos, de bonila figura, perita co/inheira, e
com as habilidades precisas para una casa ;
urna prela de meia idadade, muito robuala,
por 320,000 rs.
A 10,000 rs. o par.
Vendem-se casligaes de p de casquinha
com mangas, pelo diminuto prego do 10,000
ra. o par : ua ra Nova n. 2, airas da matriz.
Vendem-se, a dinheiro vista, supe-
riores chapeos de castor branco, pelo di-
minuto prego de 10,000 rs : ua ra Nora
n. 2, airas Ja matiiz.
Attencad:
Na 1 ua do Queimado n. 27, acham se p-
timos escravos para vender, para liquidagSo
de cuntas, sendo tres ptimos para pageos,
por serem bonitas figuras, 0 urna mulata :
ludo por commodos pregos.
Arroz de casca.
Vende-se arroz com casca : na ra da
Cadeia do Recife, armazem n. 64.
Arroz.a 1,000 rs. a arroba :
vende-se na ra da Cadeia do Recife, ar-
mazem n. 64.
Batatas.
Vendem-se Ricos com 40 libras de bata-
tas : na ra da Cadeia do Kecife, armazem
n.
barricas com farinha SSSK :
vendem-se na ra da Cadeia do Recife, ar-
mazem n. 64.
Farelo.
Vendem-se saccas com farelo : na ra da
Cadeia do Recife, armazem n. 64.
Cha nacional.
Vende-se cha nacional, em caixinhas de
4 a 16 libras : na ra da Cadeia do Recife,
armazem n. 64.
Potassa.
Vende-se potassa em barris pequeos :
na ra da Cadeia, armazem n. 64, junto a
botica do Sr. Antonio Pedro.
Aviso a pobreza.
Vendem-se saccas cum farinha de man-
dioca, a 1,600 rs. : esta pechincha est se
acabando: na ra da Cadeia do Kecife,ar-
mazem 11. 64
Enxadas calcadas d'aco.
880 chegada* novamente ra Nova, loja
de ferragena n. 20, de J0S0 Fernandos Pa-
e das 4 s 6 da tarde.
Escravos fgidos.
No primeiro do eorrenle, fugio, de e-
tio da Trempe, o. 1, urna rrels de nagfo
Costa, de nome Mara, hem alta e gorda ;
tem varios sigoaes de samas pelas pernas,
e urna costura na munheca 1 mSo esquer-
da ; tem o* beigos preos, dentes alvos,
pernas e bragos bem 'I oa; levou vesti-
do de chita encarnada e panno da Cusa
azul ; tem sido vista pela Boa-Vista ; an-
tes de vir para a praea, fol moradora em
Maria-Farinha, e depois foi escrava de Joo
le tal, com venda no becco largo, e a ue-
zia vendendo efleilos da aua venda ; ollims-
mrnte foi vendida ao avnunciante; tem
paitos grandes e js cnidos, reprsela ter
28annos Hopa-s as autoridades poliriata
e capies de campo, que a app ehen im
ievem-na ao dito sitio, ou na ra' da Caeajia
do Recife, defronte do Beeeo-Urgo, n 25,
que serio gratificados generoanmenle: lam-
hem roga-se aes Srs. commandrntea de
embarcagOesque conduzem escravos: para
fra, deexaminaremoa que se Ihes1 apre-
senlar, nSo seja ella um delles, que ae quei-
ra evadir com a protego de alguem ; da
mesma forma se protesta contra quem a tl-
ver recolhida, ou Ibe der abrigo, com todo
o rigor da le. Omesmo avlao se faz de oa-
tra escrava, pertencente ao mesmo doaa
e que fugio no melado de setembro prxi-
mo passado, da nome Mara, de nago Ca-
laba, de 50 annos, balxa do corpo, bem pre-
la; tem a bocea meia loila de lomar ca-
chimbo, paitos pequeos e cahidos; tem
urna costura em cima do peito direiio ; ha
muito falladeira, voz groase, bracos e per-
"> meia* foeiras: levou vestido de chita
encarnada de ramos ; quando foge coatu-
ma a ir tirar marisco. Dor aer mariacadeira;
tambem coatuma andar pela Casa-roue,
onde foi pegada na a tima fgida que fez.
No dia 4 do corrente fugio uan preto
de nome Joaquim, de nago Cagaoge, esta-
tura regular, representa ter 20 a >9 annos,
com pouta de barba, cOr um pouco fula,
cara redonda, nariz chato, maa todo arre-
panhado em roda qua parece ter aido quei-
madura ; levou ceroulas a camisi de algo-
dSo trangado. ltoga-*a) as autoridades po-
liciaca e capilsea de campo, aua o apre-
hendan! e levem-no ra larga do Rozario,
o. 18, que seio gratificados.
Fugio, do engenho Victoria, dialricto
de Una, o pardo Luiz, de 18 annoj, cor pa-
lJa, rosto oval, baixo, cheio do corpo,
bastante prognoatico; tem nas (Ollas al-
gumas marcas de chicote ; levou camisa^ de
algodo azul, caigas de algodJa
j velha, chapeo de palha : que
leve-o ao dito engenho, aeu
cisco Alexandre Dut/a, oa neale praga, a
Francisco Jos Leila, ua ra de CollegiOi
n. 12, que recompeaaar.
vou camua uo
dio de K*tfas
rnie vianna, as .,.. ?u*.u. yj^- s^. :-....,
IMi sDli
L. 186a


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENNIBKEQF_8BTHZE INGEST_TIME 2013-04-24T16:46:41Z PACKAGE AA00011611_07032
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES