Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07030


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-
Anno XXVI
Se
gi
ima-jiera /
rARTIDAt SOS OOBJBJnOfl.
Goianna e Parahlba, segundas escitas futras.
Hio-Grande-do-Norte, quintas feiras ao meio-
Cbo. SerinhSem, Slo-Formoso, Porto-Calvo
e Ulacei, nol., a 11, e 21 de cada mez.
Garanhuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
'ictoria, s quintas feiras.
"a, todos os di as.
*SggS!
Hova. a 5. aos 36 m. da t.
Cresc. a 13. aos 10 m. da ni.
Chela, a 21, aos 15 m. da m.
Mlng.a28, i'2 h. e 40m.dat,
VBJUaUB OJK.
Primeira as 6 horas e 6 minutos da manhaa.
Segunda as U horas e 30 minutos da tarde.
ce Outubro de 8S0
n. aa*
raroau iba soswcairoio.
Por tres meics (dila.loiJ 4/000
Porseismrv.es 8/000
Por un anno ___ 15/000
....
MAMA.
7 Seg. S. Marcos. Aud. J. dos orf. e m. da l.v.
8 Tere. S. Brgida. Aud. do cbanc. do J. da 1. v- do
el, e do dos feilos da fazenda.
9 Quart. S; Dionisio. Aud. do J. da 2. V. do cWel.
10 yuint S. Francisco de Broja. Aud. do J.tlos orf.
do m. da 1. v.
11 Sest. S. Frlmino. Aud. do J. da 1. v. e do dos
folios da fazenda.
12 Sab. S. Cypriano. Aud. da Chae, e do J. da 2.
v.trline.
13 Una,. O Patrocinio de S. Jos
ai
CAMBIOS IM 5 DE OUTUBRO.
Sobre Londrot, a 28 '/' d. por 1/000 rs. 'a 60
. Paria, 346.
O,',, ^,nb.a.,hprnh:..U!:..... 29/000 a ?g
""*' Moeda.defyoOvelha... 0400 a ti
de 6/400 novas .. 16/00 a 16|20O
de 4/000 ......... /100 Va60
/VaU.-P.Ucae.braallelro....... l#0 JsJ
Pesos columnartos....... J/J a **
Ditos uiesicanos.......... 1/809 a 1#SW
diu

PARTE OFFtCUL.
GOVERNQDA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 3 DOCORRENTE.
Olflcio.Ao Eira, presidente do Malto-
Croso, aecusando a recepcSo do olllcio com
qneS Etc. temelte dut eollpcpfle doe ac-
tos da ssaerhbta legislativa daquelU pro-
vincia promulgados ero su* sessto ordioa-
ri do anno nrosimo passado.
Dito.Ao Eira, commandant das armas,
paa que vista de sua informado mandp
pagar"pela cana do segundo bstalhflo de ar-
tilharia p, SO urente da companhii da
barca* de vapor a qusntia de 15 360 res,lem
pus* segundo a conta que remelle, mport
0 freie de doi voluntes de fardsmento que
fram enviados para as Alagoas no vspo-
S.-SebaiHio, aTlm deserem entregues an
commandanle do contingente do mesmo ba-
talhSo asistente naquella provincia.Inlei-
rou-se so referido agente
Dito.Ao inspector da thesourarii de fa-
zenda, seiontificando-o de haver concedido
tres metes de licenca com metaded^seus
vencimentos para ir a corte, a JoSo Antonio
de Paula Rodrigues, laocsdor da mesa de
rendas internar gersos.
Dite.Ao mesmo, recommeodsndo s ex-
pedico de suas ordens slim de que o ins-
pectoF'ds elfndega consinta no despacho
iiento de direltos, nos termos do g 3 do srt.
1 do regulamento de 28 de sgoslo do snnn
prximo passado, de urna lata e un caixSo,
contendo 18 espadas e vsrios objeclos de
fsrdamento dos ofliciaes e msicos do se-
gundo batalhSo de caradores, OS queea f-
ram remellidos ds corte no vapor S -Salva-
dor, a pedido do nisrechal commandanle
dis armas desta provincia.
Dito.--Ao director Jo lyceu, sulorisan-
do-o a mandar proceder ao concurso da
suJastituigSo dss cadeiras de philosophia e
geometra do mesmo lyceu, de conformids-
de com o que a tal respailo se echa estabe-
lecido para OS concu'sos das cadeiras de
preparatorios no curso jurdico de Olinda.
">tp i inspector ds pagadura militar,
o-o de hnverem as pragss do se-
latslho de cagsdores e conipsnlii
Mes oomprehendidas na relagSo que
U* depois de iludo o sen lempo de
sefvlQO, contratado nos termos dn decreln
e regnlamenW' de 18 dn novembro de 1848
para continojlr.no mesmo servido, median-
te as gratillssOBS Jeclaradas na citada re-
lagSo, eordenartdo que man le pagar as re-
feridas iracas sssneneionadas grslificagOes,
sendo 50,000 titti viste, e o resto em pres-
tacOes mensaes uV lO.ntto res.
Relaco a que n refere o ofRcio cima.
Segundo hatalliflo de caladores.
SoldadoManuel Ferreira 200,000
a BOatentura Elias de Ssnla
Alina 180.000
PranciseoLopes 180,000
Ccmpsnhia de artfices.
Soldado-JoSo Domngus ds Cruz 180,000
Intellig'-nciou-se ao Exm. marechal com-
rosndante das armas.
Dilo --Ao mesmo, inteirando-o de hsver
o paisano Kiancisco Jenuin Simes, con-
trata.lo nos termos do decreto e regulamen-
to de 18 de novembro de 1848 servir no ej-
ercito mediante a graiilieagSo de 150,000
ris, ordenando que mande pagar ao refe-
rido paisano a mencionada grstificaclo.
aendb 50,000 res, a vista, e o resto em
prestsgoes mensaes de 10,000 ris. Com-
muuicuu-se ao Exm. commandanle das
armas.
Dilo.Ao inspector do arsenal de mari-
nha, inlelligenciando-o de haver o Exm. Sr
ministro esecretario de estado dos negocios
ds marlnhs, cornmunicado em aviso de 28
de sgosto ultimo, queS. M. o Imperador a
vista da InfoimagJo do inspector do arse-
nal de msrinha da corle, Acerca do mso es-
tado em que se achuru as caldeiras da barca
de vapor I hctkis, determine que se recolha
ao porto do Rio de Janeiro a referida barca,
logo que nflo srja'necessaria a sus estada
nenia provincia.
Dilo Ao Hr Antonio Jos Coelho, dizen-
do licar tenle de haver S. S entrado no
exeroicio das funeges de director do curso
jurdico de Olinda, por impedimento do
Exm. viseonde deCoianna.
Dito.Ao inspector ds thesoursria da fa-
zenda provincial, pata que mande adianlar
ao director das obrss publicar, que sssim o
requosila, s quanlia de 2:000,000 ris, para
continuadlo da obra da casa de delen;fio.
tlommunicou-se ao mesmo director.
Dilo.ao mesmo, oraeuauo que mande
pagar ao arrematante do terceiro lanco do
embsrreamento da estrada do sul Pedro Cs
valcanli Wanderle;, i vista do certificado
passado pelo director das obras pnblicas a
quautia de 4:588,400 ris, importaucia d
primeira presiarj&u do seu contrato, visto js
se achar feila a quarla parte da referida
obrt.Communicuu-se ao mencionado di-
rector.
Dito.Ao tnesmo, psrs que i vista ds
conla que remelle, mande proceder com-
petentemente contra o arrematante da se-
fuoda parle do nono lauco ds eslrsds ds
iciora o seu fiador por falla do cumpri-
mnlo de sus srremstacio.
Dito.Ao director das obras publicss,
concedendo a autorisagao que pedio para
mandar lavrarolermo de recebimenlo de-
finitivo da obra da pintura do Iheatro publi-
co, vu ciiar-se coiicliui, c preveRi-o-'
de haver expedido ordi-m a thesourarisde
fateuda provincial, para mandar pagar ao
respectivo srremauujjsftndre Wilmer o
resto da ultima prefflio que sinda se lbe
i miw i ^"v
deve.Scientiflcou-so ao inspector ds mes-
n Ihesouraria.
Dito.~Ao delegado supplente do primeiro
dlstricto do termo dollecife, psrs que em
cumprimento ao sviso do ministerio do im-
perio de 20 de sgosto ultimo, Taca entregsr
so psdre Caelano Jos Pereira Pinto de he-
mos o conhecimento que remelle dos Jirei-
tos e emolumentos que psgou na recebedo-
ria de rendas internas desta provincia, para
ublencSo da sua caris de nsturalisacao de
cidadSo brssiJeiro. sOm de que posss elle
requerer a restituiefio ds importancia de
taes direitos e emolumentos, visto terem
sido pegas na corte por seu procurador.
.Veste sentido expedio-se ordem s thesou-
rsris de fazenda.
Portara.--D-miltindo do cargo de sub-
delega lo da freguezia de S.-Jns desta ci-
lade a Francisco Oarneiro da Silva. -Exoe-
diram-se ss convenientes communicagOes
Dita.--Momeando sobre proposta do chele
de polica,- para os cargos policiaes do ter-
mo e fregueziss sbsixo declarados os cids-
d3os seguintes :
TERMO DE OURICURY.
Supplentei do delegado.
3.* Dimss Lopes de Siqueira.
3.* Antonio Jos Delmondes.
4.* Jos Anlonio Delmondes e Silvs.
5.* Filippe Fernandes Rodrigues Coelho.
FREGUEZIA DO OURICURY.
Suplientes de subdelegado.
i." Dimas Lopes de Siqueira.
2. Jos Antonio Delmondes e Silvs.
3. Alexsndre Jos Barboza.
FREGUEZIA DO EXU'.
Subdelegado.
Lourcuco de Araujo Chaves.
Supplente do memo.
1. Pedro da Costs Araujo.
FREGUEZIA DO SALGUEIRO.
Subdelegado.
Manoel Jos Ferreira Machado.
Supplente do muo.
1.* Manoel de Si Arsujo.
Commuuicou-se ao clu-fe de polica.
ERRATA.
No expediente do dia 30 de stemt>ro, ul-
timo ollcio, onde diz 50 pranxoes, digs-se
50 duzlas de pranan.
vogsl e secretario de guerra, s fez escrever
e subserevi. Jodo^ Cuhisostomo Callado,
Francisco tosi de SouUt Seares de Andrea.
Cumpra-se e registre-se. -Palacio do go-
verno de Pernsmbneo,* I." de outubro de
(850. Souse Hamos. Conforme, o oiH-
cisl-maior, Mantel CUmtntino Cartieiro da
Cunha. *
Francisco Carlos Bueno Dtschamps,
CepilBo ajudante de ordens.
PE5.NAWIBUCO
Comniando das armas.
Quarlel general na cidade do Rccife, tm 4 de
ouluroclciSbO.
0KDEM DO DIA N. 99.
O Sr. Marechal de campo graduado, An-
tonio Coira Seara commandanle das ar-
mas, manda (rsnscrever na presente or-
lem do dis a imperial provisilo de 2 de se-1
lemhro ultimo, psra que os corpns existen-
tes nesls guarnieo tenbam conhecimento
lo que nella se eonlm.
< Dom Pedro por gracs de Dos, e un-
nime rdanmelo dos povos, Imi orador
constitucionsl, e defensor perpetuo do
Brasil. Faro saber 4 vos presidente da
provincia de Pernambuco, que, tendo su-
bido minha augusjs preseras urna consul-
ta do conseibo supremo militar, datada de
de 12 de julho Jo corrente seno a que man-
ilei proceder sobre o vusso ofiicio numero
18 do primeiro de junho-llo dito anno, a-
companhando o do mamchal de campo gra-
duado commadante dss armas dossa pro-
vincia, que repicseritou sobre as irrigulan-
d ules encontradas no conselho de direc(3o
f.-ilo ao sida lo do segundo halalhao de
cagados. Victorino Antonio de Morsea Mes-
quita l'imenlel, que pretende justificar-se
primeiro cadete. E aiiemb nJo.a que na
couformidade das disposicOes do slvara de
lezessis de marco de 1757, psrs quslquer
prelendente ser admittido a clssse de pri-
meiro cadete deve justificar um dos se-
guintes previlegioe ter o mesmo pretenden-
te o foro de moco (dalgo da casa imperial
e dalo para cima ser lilho de ollie al mi-
litar que lenha ou livesse pelo menos s pa-
tente de major de primeir< linlia, ou da se-
gunda ou capitao mor conflrinado dos ter-
cos dss ordenantes ; e finalmente na falta
das qualidades referidas descender por seu
pai e por todos seus quatro avs de nobre-
za notoria, sem fama em contrario. Al-
lendendo mais a que o referido justifican-
te mediante os documentos quu aprsenla
nao demonstra achar-se compri hendido eni
icoiio ni uto 0 m mi CilZ-S 'j'"*1" a-
certadamenle lambem sustenta o '.sobre-dito
commsndsnte das armas em seu ofllcio :
sendo em consequencisopposla aos princi-
pios estabellacidos naquelle alvaraopi-
uiiio contraria manifestada pelo audiclorde
guerra e pelos membrus que coaiposeram o
conselho de direcgSo ; o que tudo me fui
ponderado pelo mesmo conselho supremo
militar, com o parecer do qual ioleirameo-
te me conformando, bei por bera por mi-
nha id medala e imperial rosolucao 'de 7
do mez prximo passado, msndsr declarar-
vos, que o referido individuo nSo se schs
as cii'cumrtancias de ser reconbecido pri-
meiro cadete; visto nao ler psra esse
Um ss qualidades proscriptas ns respecti-
ve legislagao segundo fies exposlo. Eoten-
dei-o e cumpri-o sssim. S, M. o I. o man-
dou pilos membros do conselho supremo
militar abaixo assignados, Jos Francisco
c ..niara!, a (ez nesU cidade do Rio-de-a-
ueiio, aos dous dias do mez de selembro do
anno do Nasoimeuto de Nusso Sennor Jess
Cbrislo d 1850. Eu o conselbeiro Msnoel
ds FonsecaLims e Silva marecbal de campo
JURY DO RECIFE.
3.a SESSAO ORDINARiA DESTE ANNO.
Presidencia do Sr. Dr. Neiva.
Dia 4 de outubro de 1850.
A's onze e rois horas ds msnha, feila
a chsmada, acbam-se presentes 40 Srs. ju-
rados.
O Sr. Presidente sbre s sessSo.
Silo spregoados os reos e testemunhas.
OSr. Presidente :--Vai proceder-sn ao sor-
teio do concelho, que tem de julgar o ru
Cuil'ierme Raymundo, aecusado pelo cime
de oflensss physicas fetasem Lesndro de
Snuza.
Sorteado o conselho, (ios composto com os
seguintes Srs.: Jos Rodrigues Pereira, Jo>-
iium Alves ds Silva, Bernardo da Costa Tei
xeira, Manoel Lobo de Miranda llenriques,
Antonio Carduzo Queiroz Fonsecs Jnior.
Francisco Correa de Barros, JoSo Arcenio
Rarbozs, Joaquim Jos Ferreira ds Penha,
Thomaz de Aquinn Fonsecs Jnior, Jos Cor-
rea Leal e Jos Rodrigues Torres, osquaes
prestem O jura menln do COStUme.
O Sr. Presidente faz ao reo o seguinte
Interrogatorio.
Jui's-Sabe porque vem a este tribunal ?
A/oNSo Sr.
JhSabe porqueesta processado ?
Reo -NSo sei, nao, Sr.
Jus-Sahe porque foi preso ?
Rio-ns, Sr
Ju'z-Sabe qusndo foi preso ?
/to-Fui rreso no mez do Janeiro.
Jms Porque foi preso ?
/0-N.lo s-i.
Ju/sNnncs iodsgou do motivo porque
(ora preso f
ja^~%liere Lesndro de souzs .'
Aeo-Conliero de visla.
Jiuj-NSo teve com elle alguma desordem
ou briga quaodo foi preso ?
JNoNflo, Sr. nSo tive ..nao me leml.ro.
JuiaNSo se lembra tambera de que o fe-
rra .*
ReaNSo me lembro, nSo Sr.
JmsCom que o ferio ?
/feoNao me lembro que ferisse a elle ;
nSo.
Juis-Nfio se lembra tambem de haver da-
do urnas bofetadas na Leandro nesse mes-
mo lugar em que fui preso ?
ReoUSo me lembro, no, Sr.
Ju.'s-Em que lugar foi voc preso .'
Reo -Foi 14 para Fra-de-l'ortas.
JiisEm cisa ou na ra ?
ReoEm casa.
JaisE nessa ocessifio nKolbe disseram o
motivo porque era preso?
WoNao, Sr.
O reo que seseaba de interrogar, he par-
do escuro, e bem parecido ; reprsenla 22
anuos quejido muito ; nao lem barba algu-
ma ; vem bem trajedo, e declara que uSu
sabe escrever.
Segu-se a leitura dss pegas do processo
Finda ella e as ellegages proe coutrao
reo.'
OSr. Presidente faz o relatono da causa,
e entrega ao concelho os seguintes
Quesitos.
!. 0 roGuilhermeRsymundo, praticou
o fado, de que he secussdo, de haver eito
offensas physicas na pessoa de Leandro de
Souza ? ,
9.* O reo praticou o fado em deesa de
sua reasoa ?
3 O reo tinha certeza do mal que se pro-
pz evltsr?
4 Exlstem circumstancias attenuautes a
favor Jo reo.
O jury, recolhendo-se a sais das confe-
rencies volts pouco depois, repondendo
allirmativamenle e por unanioiidade a to-
dos os quesitos, e declarando existir cir-
cunstancia atteonante de ser o crime pra-
ticado em defess de sua pessoa.
OSr. Pr;r?':;s''. ooiiformando-se com a
lecisSo do jury, bsolve o reo, e levanta a
sessao. ( Eram 3 1/2 horas da tarde.)
a falta desle distincto commsodante, cuja
prudencia, justics e honradez jamis serfio
olvidadas por ns:emfira quizsProvidencia
Divina que pela segunda vez senlissemos
profunda dr, sement sltornada pela cer-
teza qe temos de que o lllm. Sr. lente
coronel graduado JoSo Guilherme de Broce
nSo duvidara de por igual modo se distin-
guir para com seus subordinados.
Terminando offereceraos so Sr. major
Kelly os votos de nossa sincera amizade e
adbsfio.
Recfe, 4 de outubro d 1850.Por um of-
flcial do primeiro batalhSo de cegadores,
7. G. N.
Correspondencia.
Srs redactores. Collegindo-se do ofiicio
lo Exm. Sr. presidente, dirigido a camera
municipal, acerca do monopolio das ca'nes
verdes, que este monopolio era feilo pelos
marcha tes de acenrdo coro os srremstari-
tes do imposto de 2 500 do gsdo consumi-
do neste municin, e sendo eu actualmente o
arremtenle, zelozode minha honra e re-
nuta^So, julgode meu dever declarar so-
lemnemente, que nenhums parlo teuho em
semelhante negocio, que slra de repgna-
lo pormeu genio e principios, prejudicari
altamente meus nleresseg, queconsistem
em haver o maior numero possivl de rezes
murtas. Vivando sempre honestamente
combinando meus nteressescom os de meus
s-melliantes, regeila'ei sempre qualquer
furtuns que me possa spparecer em opposi-
efio a ess'S principios ;e s por equivocas
informsges poderia e,u ser envolvido em
semelhante negocie; para quo nuo pisse
ests Implselo que me chamara a odio-
si lade do publico, fago a presente de-
claragSo e protesto, guardando sempre
meus respeitos e consideragOes ao Exm. Sr.
jresidente.
Itecife, 2 de outubro de 1850.
Manoel loaquim de Rego^tbuqutrgue.
Public i cao a edido.
M V P P V estutlstico d> hospital re-
gtmcntul ilo segundo batnllio
de aitlllierla a p un villa de \-
goa-i'reta lo segundo trlsueatn
de l-i5i.
.1IMII-..M.I.UI lil
Das
MOUSTIAS.
Cnm municado.
Havendo entregado no dia 3 o commando
Jo primeiro batalhSo de cacadores o lllm.
Sr. major Joaquim Rodrigues Coelho Kelly,
por assimohaver determinado o governo,
nSo podemos deixar de patentear ao publi-
co os sioceros votos de amizade que ao
mesmo Sr. Iribulavamo, eagraldSo em
que lbe estamos pela maneira alleociosa
como se dignou de tratsr a seus subordina-
dos em geral, nSo se poupando fazer che-
gar aojionheciaento do goveruo osservi-
gosr estes presisdos, e procurando-lhes
oblar a devida, recompensa. Perdeu o pri-
meiro batalhSo um bom commandanle e
um botnsmigo, que sempre foi enc-ansHvol
em pugnar por seu dueito. O lllm. Sr. K lly
succedeu no commaudo do baieinSo ao
lllm. Sr. coronel Francisco Jos Damaceno
Rozado : nos tambem tiremos de lamentar
Abcessus
Titirite rheumativa
llirnia
Aslhina
Klrnnoliarrgia
liruncbilcs
Un Ues SypbililiCOS
i rolles
Conjiiiicliviie
Conlusrs
Contiisdes por castigo
Dartras
Oidyinie
Diarrha
Dysenieria f
Kufarle Undulares
Knlorse
Krysipclla
Escrophnlas
i-, veo 11 i Oes nos escrotos
Febre beliusa epidmica
Febret inlermllteulea
Ferida incisa
Herida punctoria
Frieiras
CisCiite
Uerinorrhoidas
Hepalile chronica
Hernia inguinal
tlypieiiiica intertropical
Pauariclo
Pleurodynia
Pneunionia
QueiniHilura
Hheuuiaiismo muscular
Sarainpos
Sarnas
Siippreao de iranspiraf no
Sypliili' consliluelonal
Ulceras escorbticas
Uli*ras siinplces
l'lcer.is sypliililicas
Urticaria
Vermes inteslinars
Tu
3
I*
Somma.
SSPI
MAPPA demonstranvo das ora-
cas, ne fallecern no hospital
revlinental da villa de Agoa pre-
ta durante o semestre de Janeiro
n liiiilio de l^r'>
lanr.
Fevr.0
Uarco
Abril.
il mi.
I o 11 lin
Soiuiiia.
FaMecTianerMa
d'arma de fogo c ou
tro de tubrculos
pulmonares,
Ealleceu de desinteria.
Fallecen um de gatro-
enterltc e onlro de
tubrculos pulmo-
nares.
Kalleceram de desintr.*
Fatleceu de gastrite.
II
8 Fallece rain Ires df rte-
senteria, dous de tu-
brculos pulmonares,
um de gaslrile. um
de gastrn-encerile e
um de ferida d'arma
de fogo. _____
A maior morlalidade foi devida desinteria
e tubrculospulpouares, oque bem se explica
pelas causas de enfermidades, a que eslo es-
pseos os soldados, principalmente em lempo
de guerra, em que a alimenticio nao he oem
pode ser das mais s5as, vlslo como s usaiu de
carne fiesca, quasl sempre viva, e umitas ve-
tes de comidas salgadas : e a respeito da se-
gunda rnfrriuidade, coinquanto o clima desta
villa seja salubre, todavia a eiposicao das pra-
vas s intemperies atbmospherica d lugar a
. stas c outras molestias, ^e anda assun po-
dem lraer peiores consequeiicias; pois que
havendo entrado neste hospital, no semestre
que nos oceupa, 431 doentes. apenas fallece-
rn! oito, oque diurna moran tade na rasao
de dous por cenlo que indubilavelmente he
inulto van Lijosa ao eierclto
Hospital reginieiilal na villa de Agos-Preta,
I de julbo de 1850. Or. Manoel Adriano dn
/m i:,iitrs semiiiuln eirurviao encarrezado do
lioipilal.
ACCORDA'O EM RELACA'O.
Que menos bem julgado fui pelo juiz mu-
nicipal da 2." vara oo civel desta citade ,
em seua sentenc fl. de qne se sppellou,
valo os sluos dos quaes, se moslra,!.' que
endo Hypulito Ssnt Martin feilo seu testa-
mento olographo em 18 de maio de I8l4,ns-
iitun lo a l appellante sua herdeira, nesse
mesmo dia o apresentou na chancellara do
consulado fraiiCz para seu reconhecimen-
to e maior validade, e defacto nella fra
reconhecido e sellado como sello das ar-
mas de sue nnglo, como tudo evidencia dito
o w aptio A n.; 2, pue nSo obstante o
nSo poder ter influencia subre este objecto,
como suppoz s senlenca sppellad, a disso-
lug.lo do selo socisl enlre elle testador e
a sobredita r appellante fl 14 verso pela
retrsclagSo assgoada por ambos os contr-
llenles a fl. 15. junta em original a fl., toda-
va logo i.o da 20dosup adito mez de maio
informado o mesmo testador sobre alegis-
lagSodo paiz a respeito, fizera convocar o
t ni iii.iu publico para que em conformi-
il .i lo ila mesiiiu Itl'o approvssse dilto tesis-
memo, como de fado Iheapprovou paran-
te cinco testemunhas presenciies dsquelle
acto, declarando o testador que aquel-
lo era o seu testamento, que quera
que Ib'o anprovssse eos uias quesitus da
lei e eslyllo, seu que se esquecesse de ru-
inica-iu no alto da folba em que se acha
escripto, procipiuu o aulo na mesma lau-
da no lugar, onde terminara o reconbeci-
mento do consulado, e continuando a es-
crlpiuragSo vorticalmente as duas pagi-
nas seguintes, veio a termina-la com cinco
ludias escriptss longitudinalmente sobre a
largura do papel, inclusive o igual publico
< a sus sssigiiatura, seguindo-se logo em
listancia natural e proporcionada A do tes-
tador inon testament Hypulile Saint
llartio e ltimamente as das testemunhas
presenciaes pela mesma ordem, em que f-
ram declaradas no suto ; 3*. que leu lo si-
lo inquiridas tres das sobreditss ciuco les-
lir. i.iu^t .----------------. -.
gio encarregado dos hospital.
Falleceu de uvseuteria.
Dos 144, que'sablssaa. 37 tlveram alta alu-
da nao curados, por se haver retirado para i| m innuiiiu.im-~------------------ -
capital oau.beuuo de catadores que per-Iiemunnas, as propriss e nicas quedeviam
tenciam. .... ,. |se-lo, por serem js fallecidas duss e ums
Hospital em :-: irjssaiiv c w-- mmv antes do rallecimento do lesiauor,
Dr. Manoel Adriano da Silva Pontea, 2. Oirur- l0|JiS ej|>g confirmaram com seus depoi-
menlos ludo quaoto se conten em dito au-
lu seni discrepancia, ou divergencia algu-
ma, oSo s q na uto a esssUncis real do tes-
tador, e entrega pessoal do uiesiuo testa-
mento, como tambem relativamente a au-
seuca da r appellante, a qual js tinna
ludo do paiz, nada pudendo colher-se dos
exames, A que se procedeu fl 65 e fl.
til salire o suto oas palavras. Domingos
Alves Affonso, que vive de negocio, mora-
dor nesta cidade e JoSo de Barros Bran-
dSo, que vive de escrever sssim como sobre
cada urna das asignaturas do sobredlo Do-
mingos Alves Affonso e Antonio Bsptisla
de Faris, ambos morlos,senSo que a peona
do tabelliSo, quanio as sobredilas palavras
do auto, largou ahi s Una um pouco mais
grossa, como acontece frequeotes vezas, e
recoubeceram os meemos pernos ; assim
como que as eSaiguaturaa o mit ou me-
nos pe fdiiss, segundo s3u mais ou menos
apuradas, conforme a dsposigio da penoa,
papel e nata, e tambem de mSo, sem que
Mappa demonstratlvo dos doen-
tes ine se trataran! no hospital
reglmentitl da villa d* A gon-1re-
ta do I.' dejnlho a Sdesctein-
brode IHSO, da em que entre-
guel a dtre.ecao do mesmo hos-
pital.
Acampamento na villa
d'Agoa-Preu 6 de
selembro de 1850.
/S
rmenlo*.
Numerndos doeotea |.Vt 76
ia
K5
44
I
r. Aianu'l WfJ'iuflu da Uva luiilri,
2." cliurglas do corpu de saude do txercito.
Jka>


<-..
m^^^
dahi possa concluir-so nem que tacs assig-
naturas sejam falsns, nem que naquolle es-
pago llcasse intervallo que "fsse cheio de-
pois, nem que o auto nSo Tase celebrado
unoeontexlu perante todaa as testemunbas,
como pretende-se deduzr da declarado
da testemunha Manoel Lucas dos Santos de
Uliveira ti. 92, que nflo vira assignir
a testemunha Domingos Alves Alfonso, nem
alguaia outra, porque tendo elle si lo o pri-
meiro que assignou, logo se relirou sem
mais alinelo quem assignava, tendo cer-
ta que para cada urna das teslemunhas o au-
to te acaba.com a tua assinatura ; 4.* final-
mente que supposto appareca no papel do
testamento eapprovacflo varias dobras no
tadas com as imciaes A. B. C e l>. E. F.
em correspondencia com as do papel do
feiio N. I!. P eX. Y. 1. com as quaea coin-
cidem exactamente esesjustam, ntfo po-
de cooheqer-se nem distinguir-se sensivel-
iiicnt se ha entre ellas algumas mais anti-
gs, e outras mais modernas ; mas he to-
dava evidente que por alli fra dobrado
papel pelo respectivo labelliflo, sem que
quanto ao testamento e approvacflo [se pus-
sa suppr que para a assignatura do testa-
dor (tose approveitade a do rotulo, que ah
se diz existia ; o que nSo he de presumir :
i.', porque a assignatura do nome se acha
por inteiro, eoinguem jamis para memo-
ria ou distingo de papis lirrnou rotulo
senSo com osobrenome ou apellido ; 9.a,
pela ausencia de lodo e qualquer indicio do
fi'ixo quedevcria restare poder observar-
se em qualquer dos la ios do papel em que
se acha o mesmo testamento e approvacflo,
o que uflo apparece, devendo poilanto in
IVi ir-se que tal assignatura n3o fra do ro-
tulo como se arge, mas he a genuln
propria do sobrddito instrumento e auto de
approvacflo to solemnemente feita, como a
do olograpbo, sendo as palavras supra es-
criptas mon testament urna declara-
do tendente a dar um maior grao de Tor{a
a assignatura de um acto seguramente dos
mais serios do homem, o qual nflo sendo
escripto na piopria lingoa he firmado poi
um estrangeiro que niuilo daseja qm
elle prevalece e vigore muito particu-
larmente tendo ja malogrado o reco-
nhecimeoto do couaUlado, declara; e>U
que lei alguma prohibe, niim cuino nem
que o tabellio para allrrar urna ou odira ni t em
pulir linhas o mclhudu regular, qaanda disto thi
parecer que resulta maior commodidade, bem Cu-
ino u laaior espaco para as assignaturas uo ca-
. ao prsenle, ifevendo purm uoiar-c que an-
da resultando disto erro sem concurrencia d>
parte, nunca Ibe podera ceder em prejuizo a
incsina parte, como se acha dlspustu no artigu
l do decreto de 20 de deiembro de 1830.
I'uri.iuto t o mais doa autos, dos quaes cons-
ta terem-se observado na sooredlia appruva-
ciio, todos oa requisitos prescriptos no asseulo
delOdejuobo de 1817, dcclaraudo a ordena-
cao do litro4.*, titulo 70, paragiapho I." e2."e
asseulo de 17 de agosto de 1811 reioruiain a
aentenca appellada, julgaudn como julgam ao
autor empellado carecedor daaccao iuteulada
contra a t appelloute, e o testamento /une ,
valioso, pagas pelo mesmo autor appellau as
cusas, em que o coudeuinaiu. Recife, 1.a de
outubro de i850. Auvedo, presidente. ''cl-
in /tamul, Viltaret. hallo. Ledo.
F8rinha de trigo Existem em deposito cerca
de 3,800 barricas, inclusiva
um carregaaiento chegado
de Philadelphia depois da
ultima revista.
Firaram no porto 41 embzrcacOes, a sa-
ber : 2 americanas, 29 brasiioras, 1 Trance
7.a, 3 hespanholas, 4 inglezas S portu-
guezasi____________________________^^^
rEovimento do aborto.
Navio entrado no dia 4.
Ilarbor-Graca- 33 dias, patacho americano
Cheef, de 135 toneladas, capitSo J. It. Gav-
ie, quipagem 7, carga bacalho ; a Me
Calmont & Companhia: Fundeou no
LameirSo.
Navios tahidos no mesmo dia.
Marseille Brigue francez ^olof, capitSo
Durruly, oarga assucar e mais gneros
Parahiba (.ancha nacional Noua-SenAora
das-Neves, mostr Henrique de Souza Ma-
carga varios gneros. Passageiros, o
fra
Keparliyao da policas.
I'ARTE DO DIA 3 DE OUTUBRO DE 1850.
t?,\r*wi r'**An lli\ la Treguezia deS.-Frei-Pedro-Gongalves do
ReciTe, o escravo Geraldo, por desubdien-
cia : ordem do subdelegado da Treguezia
de S.-Jos, o crioulo Manoel de tal, por
ebrio ; e Gandido, escravo de Manoel Jos
Dantas, sem que se livesse participado o
motivo : e ordom do subdelegado da Tre-
guezia da Boa-Vista, Ignacio Francisco
Alouleiro Baialha, para correcto.
DEM DO DIA 4.
I'Aram presos: ordem do delegado,
o Portugus Francisco dos Santos Gorreia,
i ur nflo baver tirado titulo- de residencia :
e a do subdelegado da Treguezia da Ba-
Vista, o preto Vicente Ferreira, por ch-
ine de ofleosas physicas; Antonio de
Oliveira, por desobediencia ; eo Porluguez
Manoel Ignacio de Souza Teixeira, para
averiguac,0ea policiaes.
COMMEBCIQ.
ALFAJiEGA.
Rendimento do dia 5.....4:674,701
flescarrecain hoje 7 de outubro.
Galeota Lusitana violtos.
Patacho Ckeef bacalho.
Brigue-- WUliam-Priee Tarinhi de trigo,
lliate uvidoso -- mercadorias.
CONSULADO GEUAL.
Rendimento do dia 5..... 56,735
Diversas provincias...... 2,400
59,135
REGEBEDORIA DE RENDAS GEItAES
INTERNAS.
Rendimento do dia 5......3:452,706
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 5......417,005
PRACA DO RECIFE, 5DE OUIIJIIRODE
1850. A'S 3 HORAS DA TARDE.
Reviiia semanal.
Cambios Os saques efiectuados esta
semana, e de que Toi porta-
dor o paquete inglez l'en
otila, tiveram por baso o-
cambius de281/2 8 281/4
d. por 1,000 r>. e hoje ti
leltr-s offerecidas a 28 d
Algodflo-- Entra'am 904 saccaa, que
obtiveram 7,800 rs a arro-
ba deprioieiraeorle, e 7,400
o de segunda.--NSo exis-
lindo nenhum para vender.
Assucar Muito pouco do novo lem
apparecido no mercado, e
so teta sido comprado para
consumo.
Bacalho Tivemos um carregamentu
com 1,580 barricas, que Toi
vendido a prego oceulto.
O existente hoje andar por
1,90O barricas, que deVe ter
prompta extraerlo em con-
sequencla da Taita de carne,
carne secca NSo ha deposito algum a-
bordo, e se nflo entrar na
semana prxima mu pou-
ea Acara por vender nosar-
mazens.
'Teres Joflo Baplista do Reg Barros, Ma-
"oi'l l'ereira de Ara ojo Van un, Manoel
'gnario Lopes, Antonio Florentino de Mel-
'o e Joflo Chrisoslomo Peris.
Macei, Baha e Rio-de-Janairo -- Vapor
Pernamlmcana, commandsnte Otten. Alm
dos passageiros que trouxe dos portos do
norte para os do sul leva a seu bordo :
para Macei, Luiz Jos de Brito, Joseph
Jan, 1 menor da 10 anuos, o engenheiro
Jos Noves Andrade e a escrava Lourenca :
para a Babia, Laurindo de Mello Franco,
Jos Lilly, Jos Lopes Poreira Carvalho
com 1 escravo, Estanislao Antonio da Luz,
Julio Pereira Mouracom 2 estraves, um
caboclode nome Jacinlho, 1 segundo sar-
gento, 1 cabo e dous menores : para o Rio
de Janeiro, Antonio -llenrique, Feliciano
Rodrigues, Francisco Va relia, Antonio Pe-
reira da Silva, Manoel Jos Dias, Dr. So-
bastiflo Jos da Silva, o guarda marinha
Manoel Antonio Viegas, o primeiro-te-
nente Candido Leal Ferreira, o segundo-
dito Manoel Balbinu Nolasco Pereira da
Cunta, o capililo J. P Heitor, o piloto in-
valido Jos Roberto Pereira Silva, o enga-
jado do quinto de caladores Antonio Ma-
noel Barbosa, 41 recrutas para o exercito
e I dito para a marinha.
Navios entradas no dia 5.
Cear 13 dias, escuna nacional ttaria-
Hrmina, de 122 i 1 toneladas, niestre
JuSo Bernardo da Hoza, equi.agem 9.
carga varios gneros; a Luiz Jos de Sa
Araujo. Passageiros, Joflo de Macedo Pi-
lenle!, Aulonio Eugenio da Fonseca, Ma-
noel nas e o americano George Hobert.
Arac*ty 12 dias, hiale Duvidoto, de 43
1/4 toneladas, meslre Joflo ileuriques de
Almeida, quipagem 4, carga vanos g-
neros; a Jos Manoel Mattins. Passagei-
ros, Joflo Ferreira Leite, Marcellino da
Silva Lima, Joaquim Baptisla da Silva,
Baymuodo Jos Teixeira, Francisco de
Mello Brrelo, Antonio Joaquim Anuncio
e Clara Maria da Cmara.
Parahiba -- 1 dia, biate nacional Conceic^o-
Flor-das-Virtudet, de 23 3/4 tuueladas,
niestre Elias do Rozario, quipagem 4,
carga loros de mangue; a Paulo Jos
Baplista. Passagoiro, Francisco Jos de
Souza.
Navio sahido no mesmo dia.
cauiaigiue Ulan- ii.u iuiiiii .tuiu'/a".-. -,
mestre Estevflo Ribeiro, carga varios g-
neros. Passageiros, o padre Manoel For-
tunato de Paiva com sua mfli Anna I.uiza
da ConceiQflo, Thomaz Jos Cusmao e Li-
ra com sua senhora, Manoel lloburlo da
Paixflo, Rozalino Jos Sereno, Joaquim
Pedro da Silva, Antonio Manoel da Cu-
nta, Marcellino Jos de Mello, Vicenta Fer-
reira, 1 escravo de Gusmflo de Lira, e o
Porluguez Bernardo Afluoso de Almeida.
Navio entrado no dia 6.
Porto 37 dias, polaca nacional N.-S.-do-
Carmo, de 195 l|2 toneladas, niestre Ama-
ro Antonio Fernandos, quipagem 17, car-
ga vinho e mais gneros ; a Francisco Al-
ves da Cunta. Passageiros, os Portuguo-
zes Ambrozio llenrique, Joflo de Araujo,
Manoel Meudes da Silva e Manoel Jos
Martina.
Observacio.
Seguio para M-ceio a barca ingleza Ran-
gtr, capitSo N. W. Paige, quetinna Tundea-
do no LameirSo, vinda da Baha no dia 27
do passado, em lastro.
aaaBaaaaaiaBBBiHBBaasHaSi
4.* Para ludo o mais que nao cata determi-
nado as presentes clausulas segulr-se-ha o
que diapoe o regulamento de 7 de malo de 1850.
Recite, 14 de setembro de 1850.
O engeoheiro chefe da 2.a lestio,
Joo un Kirlor Lieulhier.
Approvadas pela directora em conselho, em
sessaodo dia 16de setembro de 1850.O direc-
tor, J^ie Mamede Atete Ferreira. H. A. Milet.
. I. IicIqi Lieulhier- ^.
Anprovo. Palacio do governo de PernairlH-
co, 25 de setembro de 1850. Souta Ramas.
Conforme. No Impedimento do oiBctal-
ma|or, o o&lclal, Domingos Joii Soans.
Pela inspectora da allandega se laz publi-
co que eslstem nos arinatensda mesma, alm
do tempo marcado do artigo 272 do regulamen-
to.-os volomes abado declarado; e pelo pre-
sente sSo avisados os respectivos (tonos ou con-
signatarios para oa despachar no praao de 30
dias coudosdesta dala, lindo oimal serio ar
EDITA ES.
--O lllm. Sr. inspector da thesouraria da
Tazenda provincial, em cumprimento da or-
dem ilii Ex ni. Sr. presidente da provincia de
3 do correnle, manda convidar a quem con-
vier contratar o Trnecimeuto de medica-
mentos para a enTermaria da Torta do corpo
de polica, estacionada din, Pxje-de-Flores,
segundo a nota que existe nesta secretaria,
onde devem comparecer o licitantes uo da
8 do correte mez. '
E, para constar, se mandou afiliar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da Tazrn la pro-
vincial de Pernambucot 4 de outubro de
1850. -- O secretario, Antonio Ferreira d'A-
nonviaedo.
O lllm. Sr. Inspector da thesouraria da Ta-
zenda provincial, em couiprluieuto da ordem
do Eim Sr. presidente da provincia de 26 do
Trente, manda fazer publico que nos dias >2.
23 e 24 de outubro prcisiuio futuro Ir a prara
para ser arreuidMo a quem pur menos lizer,
perante o tribunal administrativo da mesma
thesouraria, a ubra da ponte de Iguarass, ava
liada em 2:388,700 rs. e sb as clausula espe-
claes abaixo declaradas.
Os preiendentes comparecam na sala das
sesaes do obredito tribunal nos dias cima
indicados, pelo ineio-dia, competentemente ha-
bilitados na forma do artigo 24 do regulamen-
to de 7 de malo do correnle anuo.
E para constar se mandou ahilar o presente
e publicar pelo Viario.
Secretaria da thesouraria dafazenda provin-
cial de ternambuco, 28 d* setembro de 1850.
O secretario,
Antonio Ferreirii d"Annimciocio.
Clausulas petioes da ammatafo:
1.a As obras da ponte de Iguarass, serao
Teltas pela forma, sb as condiedes do modo in-
dicado pos riscos e orcamenlo juntos, appro-
vado pela direitorla em conselho, c apresenla-
do o tur. Sr. presidente da provlucla pelo
preco de 2:388,700 ra.
B. as obras principiarao no praso de um
iner, e serio concluidas no de quatro mezes,
ambos contados da entrega do termo da arre-
matacao.
3. O pagamento tara feito de conformidade
com o artigo 38 capitulo 3.a do regulamento de
7 detualo de 1850.
rematados em hasta publica conforme o dea-
posto no artigo 274 do mesmo regulamento,
sem que em tempo algum baja direito a recla-
mar contra a cite i lo da dita arreiuatasao, a
saber:
Aruitm n. 4.
Junho 10 de 1849, barca sarda.Cainariaa. marca
G. & N., n. 3054 1(2, 1 embrulho a Joao Kel-
ler & C.
Julbo 6 de 1848, brigue fraaoez Cesar, marca
J. Keller, 1 embrulho ; a Joao Keller & C.
Agosto 30 de 1848, barca inglesa Serafina, marea
diamante P c, n. 1 a 1000, 1 gigo; a Jonston
Pater it C.
Outubro 3 de 1648, brigue francez Neli-ilalild,
marca G. Ai N., n. 1212 1)2, 1 embrulho; a
Joao Keller & G.
dem idem, brigue dem, marca A S, o. 1,1 em-
brulho; aSoininur.
dem idem, brigue dem, marca Manoel Thoiu
de Jess, l caia; a ordem.
dem dem, brigue dem, atarea G II, a. 155 I|3
I calza; a J. Keller rC.
Idein 16, brigue Uuslkerme, marca XX S 51, 1
embrulho; i ordena,
Armttem a. 5.
Junho 16 de 1846, baroa n'lnni, marca G. & S.,
na. 346 a 357. 1 oalza; Halkmau 4 Rose-
mund.
Jullio 24 de 1846, barca inglesa PrecilU, marca
Y. Toule, 1 chapelina ; a ordem.
Agosto 14 de 1846, brigue francez Criar, marca
P. I)., u. 844,1 embrulho ; a Kalkinan ) Ro-
se inund.
Noveiubro 2 de 1816, brigue Inglez W. Runtl.
marca S. M 1 cana, ale. Calmont & C.
Idem 25 dem, barca ingleza Suvrafiek, marca
J. C. k G., einbrulbo ; a ordeiu.
Feverelro |7 de 1847, barca dem J. Rigder,
marca W. J. W., o. 1, i calza; a Me. Cal-
moni Jt C.
dem 24 dem, barca Idem Irt, marca Jomes
Crabter, 2 cmbrulhos; a James Crabter It C.
Junho >5 dem, barca hamburguesa Ckritiine,
marca diamante, triangulo, irevessio, nt. 9 a
13,1 embrulho ; a Rott & hedoulac.
dem dem idem. barca idem, marca G. & N
na. 1251 a 1252, 1 einbrulbo; a Rolt k be-
doulac.
Agosto 14 idem, barca ingleza Columbus, marca
austiin, I embrulho; a ordem.
Outubro 8 idem. brigue porluguez Amawnae,
marca K., ns. 7 e 8, 2 ca xas; a ordem.
Agosto 31 idem, brigue francez N. JfaliM, mar'
ca S M., 1 crslo ; a ordem.
Janeiro 12 de 1818, barca ingle Coiameus, mar-
ca F., 1 calza ; a ordem.
Idem 13 dem, barca Idean idem, marca O, 1
calza ; a ordem.
dem 29 idem, barca idem Idem, marca P. R.,
ns. 1 a 7, 7 calzas; a C. Sevorillo.
Marco 31 dem, barca Idem J., marca M. I, n.
133, 1 embrulho ; aScli lithein ttTobler.
dem idem, barca idem dem, marca i. Keller,
1 einbrulbo; a J. Keller.
Abril 13 idem, barca' francez; /.illa,marca J. S.,
a, 9, a .! Wj IBWNN
dem idem, barca dem idem, marca Dencber,
1 embrulho ; a Dencher fe C.
dem 26 idem, barca hamburgueza Cinitim,
marca R. It. 1., n, 182, 1 calza ; a Kalkman
Si Rosemuiid.
Juilio.'l dem, barca iogleza Etler-knn, marca
letreiro, 1 embrulho a Me. Calmont i G.
Agosto 5, barca dem Thomai-Mellar, marea
idem, I embrulho i a R J.unisn & C.
Novembro30ldein,vapor f'aruin, maraaldem,
1 caiza ; a Joao da Costa Lima Jiinior.
dem 24 de 1849, brlgue-etcuna alante-Maria,
marca G. U 11.. os. 11 a 14, 4 calzas; a Do-
mingos Alves Hatheus.
Dezembro 27 idem, vapor San-Salvador, marca
A. I1., 1 caiza ; a ordem.
Fevereiro 13 de 1850, hiate Flor do Recife, mar-
ca i M 2 calzas ; a ordem.
Idem idem, hiale idem Idem, marca letreiro,
1 caiza ; a ordem.
Marco 15 idem, barca portugueza Bratkarinse,
marca P. I'., 6 barrit; a lenlo Jos da Silva
Magalbea.
Armaieas n. 6.
Julho 6 de 1848, brigue Inglez Ester-Knn, mar-
ca II. 1 fardo; ao capitao.
Janeiro 27 de 1849, barca Idem Columbus, mar-
ca P. diamante K., 1 grelha; a Frederico
Robeliard.
Fevereiro 20 de 1850, brigue portugus San-ara
no, marca S. M, i'i mullios de arco; a Jo-
s Francisco Uarneiro.
Armaum n. 7.
Dezembro 1 de 1847, brigue porluguez Teloi,
marca S. M., 1 calza ; aTboinar de Parias.
Outubro 3 de 1848, barca Ingleza Coiimfmr,
marca letreiro, t cala ; a lleighllry.
Armas-m n. 8
Outubro 27 de 1849, barca portuguesa Espirito-
Sanlo, marca S, M., 1 canasira ; a Jos Pran-
eisco dos Santos Mala.
Desembro 29 idem, barca idem Tejo, marca A.
F. B., 1 calza; a Antonio Francisco de Barros.
Marco 8 de 1841, brigue idem A'an-Jfano, mar
ca S. M., i sacco ; a Miguel Lopes.
dem Idem, brigue idem idem, marca A. F., 1
fardo; a Jos Joaquim da Costa.
dem idem, brigue idem idem, marca S. M., 1
inulbo de tuuro; a ordem.
Malo 10 idem. bri/UC Idem Tarujo, marca S. M.,
1 vasa; Jorge IVorbeU.
Outubro 9 idem, b-rca Espirilo-Sanlo, marca
I'., I condec! a Angelo francisco Carueiro.
dem Idem, barca isjem dsm, marca S. II.,
saceos : a Carlos Maria Perl> i ;>>.
Idem idem, barca Idem idem, marca S. ti., I
vaao ; ao barao de llamaracii.
Maio 3 de 1848, barca hespanhola Cknisline,
marca S. M., 3 gigos; a Kalkman & Rose-
mu nd.
Julho 24 idem, brigue porluguez Tarujo, mar-
ca S. M., 3 vasos ; a ordem.
Nnvembro 20 idem, baroa i lem Jliila-l'sraoin-
lui-anu, marca C, 2 canas iras; a Antonio Jp
s Pedro GuncMves.
Janeiro 5 de 1849, brigue sueco laura, marca
letreiro, 1 sacco ; a II. Jameson St C.
Fevereiro 6 idem, brigue porluguez fenlura-
Frlit, marca P. M. P. (*., canasira; a Fian-
cisco Mon ir P. larbosa.
dem idem, brigue idem dem, marca P. di C,
1 canasira ; a Jos Pereita da Cunha.
Idem 23 idem, brigue idem Primavera, marca
M. L., 3 canasira; a Manoel Luiz doa Sanios.
Julho 3 idem. brigue Novo- Vencedor, mar dia-
mante S., 1 bail,- a Tboiuaz de AquiaoFon-
seca & Eiilm.
Arazaiaa. 0.
Junho 12 uc 84. brigue ingles- oi/ta, marca
J., ns. 1 a 53, 53 baliteas; a Frederico Robe-
liard.
Janeiro 24 de 1850, brigue porluguez Uaria-Ft-
lis, marca M. I. s, R., S canasttas,- a Maaoel
Joaquim Ramos Silva.
Fevereiro 5 idem, brljjuc idem Idem, marca I.
_________- ______i
M. S., I canastrai; a Manoel Jos de Souza.
AITandegadePernambuco, 1 de outubro
le 1850. ~ 0 Inspector interino, Bento ot
Fe mandes Barros.
jjeclaraajoes.
Pela ropirlicfloda polica desta provin-
cia se Taz publico, que Tica prorogado po>
mais tres mezes o prazo marcado para s
subslituicflo dos ttulos de residencia de es-
traogeiros, na conformidade da portarla de
Dr. cheTe de polica interino, com data de 3
dejunho ultimo. Secretaria da polica dr
Pernambuco, 3 de outubro de 1850. Anto-
nio ou de Freitas, primairo amanuense.
Achando-se a baroa de escavano no
exercicio de seus trabadlos, convida, em
consequencia, o capitSo do porto desta pro-
vincia eos oroprietarios de canoas e donos
de sierros, que quizaran mandar susa em-
barcagOes receber a bordo da mesma bar-
ca a ara, lama e lodo que ella extrahir, a
se enlende'em previamente com elle, afim
le lhes indicar as horas dos dias uleis, em
que dever ter isso lugar.
CONSULADO DE PORTUGAL EM .PERNAM-
BUCO.
Joaquim Baplista Moreira, bacharel forma-
do em direito, cavalleiro da ordem de
Chriato e cnsul de Portugal em Pernam-
buco por S. M. Fidellssma a Senliora I).
Maria II, que Dos guarde.
Faso sebera todos os meus compatriotas
residentes nests cidade e provincia, que por
ordem superior, queme Toi transmittida, e
especialmente recommendada, para o fin*
[de se poder dar o conveniente cumprimen-
to as JisposiQOes sobre estatistica, e outras,
se devem apresentsr oeste consulado todos
os subditos portugueses, que, tendo squi
fixado a sua inorada, anda se nflo liouve-
rem nelle matriculado, como llies cumpre,
nSo so para a deviJa regularidade, mas pa-
ra que assim se possa mais promplamente
lar a compalivel proteceflo desta consu-
lado.
Convidando, pois, os meus compatriotas
ao cumprimento desta dever, no mais breve
espago de lempo, Ibes lembro tambeui por
esta occasiflo o dever que igualmente tem de
se munirem dos respectivos ttulos de re-
sidencia, na forma dos regulamentos poli-
ciaes deste imperio, para se livrarem dos
embarazos que Ibes pode esusar a Talla de|-
les, e melbor e mais perTeilamente terem o
direito competente garanta das autorida-
des brasileiras, e as respectivas isenedes co-
mo estrangeiros. Consulado de Portugal em
Pernambuco, sos 17 de Julho de 1850.
Joaquim Baplista Moreira, consol.
C0RREI0.
Para que possam com promptidSo se-
ren entregues a quem-perleocerem'as car-
tas que coiicorrerem tiesta adminiftragflo
vindas de Tora, he misterque as pessuasque
teem ou esperam correspondencias decla-
rem na mesma administracSo as ras e nu
meros das casas de suas residencias.
com encadernafflo 'ingleza, na rus da Cs-
deiado ReciTe n. 38, e na ra Nova n. 6. O
mrito da obra he attestado pelo nome do
utor : nella depara instrucfBo e deleite o
piilosopho, o romancista, o poets, e geral-
mente quem quer que queira apreciar um
bello escripto. .
Convite Iliterario.
Aclia-se sb o prelo, e sahira mistes pou-
cosdias ama irrteressante obra com o ti tu
le Obtervaccei criticas sobre o famoso ro-
mance do Sr. EugenioSuto udeu Errante."
lio digna de ser lula, e meditada principal-
mente por aquelles, que ja coubecem o re-
ferido romance, e que a houvercm de lor
despidos de toda e qualquer prevenrflo.
Avisos martimos.
Para o Rio-de-Janeiro seguir em pou-
cos das a bem conbecida escuna Galanle-
taria : quem na mesma quizer carregar,
ou embarcar escravos a frete. dirija-se a Sil-
va & Grillo, na ros do Vgario, n. 4.
O patacho nacional falent sahe para o
Rio-de-Janeiro no finida presente semana :
para o resto da carga e passageiros,trala-se
com Novaes & Companhia, na ra do Tra-
piche o. 34.
O brgue-escuna Laura sahe to fim da
presente semana para o Cear e Marnh'flo
impreterivelmente : para o resto da oarga,
trala-se com o capillo a bordo, ou com No-
voaes Companhia, tu ra do Trapiche
n. 34.
Os Srs. que carregaram na barca por-
tugeeza Brocharme, que segu para Moa-
samedes, tenham a bondade de mandar os
conlierimentos para serem asslgnados A ca-
sa de Novaes & Companhia, na ra do Tra-
piche n. 34.
--Para a Baha sahe impreterivelmente o
brigue San-Jos: para alguna resto da carga,
passageiros e escravos a frete, os pretendan-
tes queiram drigir-se aos consignatarios
ViuvaGsudino&Filho, ou ao capitflo Jos
yamos de Souza.
Para o Rio-de-Janeiro sahir at o da
15 de crrante o brigue Prineipt-D-fonso :
para carga ou passageiros trala-se com Ha-
noel Joaquim Ramos e Silva, ou com o ca-
pillo.
Para o MaranhSo e Para
segu, com a maior brevldade posslvel, a
escuna nacional Emilia, de que he capitflo
e pratioo Antonio Silveira Maciel Jnior i
quem na mesma quizer carregar ou ir de
passagem, eolenda-se com Joflo Carlos Au-
gusto da Silva, ou com o capitflo, na ra da
Cruz, armazem n. 13.
JLeilo.
Theatro
23 a RECITA
Qnarta feira, 9
de S. Isabel.
DA ASSIGNATURA.
de outubro de 1850.
nouicaoiitai-ao-ba, epula e urna esco-
Ibida ouverlura, a interessante comedia em
tras actos
AS MEMORIAS DO DIABO.
Persenagetu.
Robn G. F. de Oliveira.
0 marqupz de Losmias A. 11. Costa.
O cavalleiro Raplnre R. J. de Araujo.
O conde de Cerny S. F. Mei ra.
Joflo Gaulhier A. J. D. Coimbra.
Valentiai P. B. de Santa Roza.
A baroneza de Ronquerolles Joinna Ja-
ouaria.
Amelia, aua filha -- Emilia.
A comlessa de Cerny Julia.
Ta Catharioa Rite.
A scena passa-se.o primairo acto em urna
casa pobre junto sos Pyrineos, o segundo
em Paria e o tercairo no casleflo de Ron-
querolles.
llavera no terceiro acto o romance da
mysteriosa companhia cantado pelo ar-
tista Germano, e repelido pela actriz Emi-
lia, como pede a comedia, e com o qual ter-
mina, dando um bello realce ao seu des-
Techo.
Terminar o espectculo com a graciosa
comedia em um acto
(.neta casa quer casa.
* Comees r s 8 horas.
Os bilhetes acham-se venda no logar do
coslume.
Kalkmannlrmflos farflo leilflo, por io-
terveneflo do correlor Oliveira, de variado
sorliaiento de Tazendaa de anda, 18a, lioho
edealgodflo, todas proprias do mercado e
da presente eslacflo : terga feira, 8 do cor-
rate, s 10 horas da manhSa em llanto, no
seu armazem, roa da Cruz.
Avisos diversosC?
Theatro de 8.-Francsco.
BELLAS ARTES.
Continuam todos os dias as segu mes va-
las novas do cosmorama :
O grande jardim de New-York- -
A cidade de Trieste, em duas partes.
A cidade de Tunia, na Turqua.
A viagem de Napoleao sobra os Alpes.
Vieuna, pelo lado do jardim da Prala.
A ra de Santa-Mara, em Londres.
O ultimo acto do drama Preciosa.
O tmulo del) Pedro ]_ e de D Ignezde
Casiru em o. Vicente oh rra, em Lisboa.
O tribunal da inquislgfio, na llespanha.
A aurora boreal Uo pelo rtico.
A galena estar abarla das 6 horas da tar-
de at assdanoile.
lJublicaces iliterarias.
A Tamosa lirjflosobre a pena de mortecom-
posta, e dictada na universidade de Pisa pe-
lo respeilavel Carmjguaui um dos maicres
criminalistas da Europa, esta Iraduzida do
italiano em vulgar pelo padre Lopes Gama.
Vende-se em Santo-Antonio, na leja de li-
vros que Toi do Tallecido Dr. Coutinlio, na
esquina do Collegio; no bairro do ReciTe,
na loja de livros doSr. padre Ignacio; oa
Boa-Vista, na botica do Sr. Gameiro, em
Olinda, ra do Amparo, botica do Sr. lia-
coso, Prepo dAz tos'.Oss
Unpliui'l. paginas da Javen'.ude.
Esta excellente obra de Mr. Lamartine,
chegada recentemente do Rio-de-Janeiro
vertida em bom porluguez, e precedida de
um interessante prologo do traductor, sea-
se i venda pelo mdico preco de 3,000 rs..
Oflorece-se urna ama para casa de am
homem solteiro de portas a dentro : quem
quizer, dirija-se ra dos Assoguinhos n. 3.
4.1-atldao.
Um* grande psrle dos Pottuguezes resi-
dentes em Pernambuco vflo por este meio
felicitar ao muito digno quanlo dedicado
e benemrito seu compatriota o lllm. Sr.
JoSo Vicente Martins, por ae aJiar hoje jun-
to delles.
A taberna da ra da Cruz n. 38, deixou
de vender bebidas espirituosas de produc-
(,'flo brasilera desdo 1 de outubro de 1850.
Na ra do Sol n. 9, precisa-so Tallar
com o Sr- Joaquim Jos Rodrigues da Costa
a negocio de seu interosse
Perdeu-se, da ra do Rozario larga at
a ra Vellia da Boa-Vista, umss eadeas de
relogio com tres ameles de cornalina en-
carnada, um dos quaes finge u na pistolla :
a pessoa que a achou, querendo restilui-la,
leve-a ra Velha o. 61, que recebera 20.0UO
rs. de achsdo ; prevlne-se igualmente aos
Srs. ourives, que nenhum negocio facam
com asmesmas oadeias, caso sejam offe-
racidas.
a Marmota n 51 est venda nos luga-
res do coslume, conten Jo bellos escriptos, a
saber : urna saudoas despedida dos Portu-
guezes que vflo para Mossamedes aos habi-
tantes desls cidade, a descripeflo do feste-
jo do ponto na academia de lioda, um ar-
tigo jocoserio sobro as eleices, extrahido
da Marmota da corte, varias poesas, rarida-
des de Olinda, etc., ele. Est astas interes-
sante.
Bernardino Jos da Silva deixou de
vender bebidas espirituosas de produceflo
brasileira desde o ultimo da agosto prxi-
mo passado, como em lempo annunciou por
esta folha, porque nflo quera pagar mais
do que be devido, sendo que os actuaes ar-
rematantes o collectaram em mutto mais
do triplo do que venda. Ignorando o an-
liunciantea lei ou regiment que perrait-
te ao arremalaue dease imposto enirar do
balcflo para dentro do aatabelecimetilo, aor-
re-lo todo e mandar virar de um para ou-
tro lugar as pipas, sem mandado da autor-
dade compeleule, e s pelo proprio arbi-
trio: pede-Ibes que queira eiciarecei o res-
peilavel publico acerca disso.
--Aluga-se urna aala e Iras quartos de
um pnmeiro andar, deolro do Recife, pro-
prio para homem solteiro : a tratar na ra
da Senzalla-rsova D. 40, priintiiro andar.
Emilia Gandida de Laoerda e seu fillio
los Joaquim da Coala reliram-se para f-
ra do imperio.
Precisa-se'de serventes para .a coali-
nuaefio da obra do caes, aterro e ponte da
ra da Aurora ; bem como quem tiver ca-
noas e quizer deilsr a reir no mesmo ater-
re, dirija-se ao arrematante Antonio Jos
Gomes do Crrelo, ou ao socio administra-
dor Joa Concalvea Ferreira Cosa, para tra-
tarem do ajuste.
Aluga-se urna ama de leite, parida ha
poucos dias: quem a precisar, dlrija-ee ao
Alerru-da-Boa-Vista n 16.
l;g-ne aos crauH i luja du fo-
cido Joa Pinto da Forueca e Silva de aprc-
sentarem suts coutis, ou ttulos de seu*
crditos em casa de J. Kellvr e G., no pra-
zo de oito das, PAjaja txamirem, e coaTe-
rii com oa assoiUon^adilfl fallecido. -
cife. 7 tle outubro doitsW.
\
\



-.....
.. previne-se ao publico de Olimln que
desde o mez prximo passado se rende car-
ne no agougue publico, talhos de Faustino
e l.nurongo.a dez patacas, e coolinua-se a
ven Jer pelo mesmo prveo.
A vis.
O ahtixo assignado faz publico, que, no
da I-de'setembro do corrente anoo de
1850. no tusar de soa morada, denominado
l'arra-de-Tiuma, distrcto da comarca da ci-
dadfl Goiaun, appareceu em sua casa um
de escravos, procurandoo annuncianle
para compra-Ios, e sendo lhe perguntado
iliii-m era seu sr., e onde niorava, disse que
distante da cidade do Itio-Crande do nor-
to duaa legoss, o que se chamava liento,
de que nSo sabia, e como o annunciante nSo
Ihe qner correr risco algum, e nem respon-
sabili a-se ; por isso faz publico, por este
Diarv, par quem for seu senlior o procu-
rar, e querendo vend-loa n3o pora duvida
em compra-los. -- loSa Marinho l'alcdo.
--l'recisa-ae alugar um molequeou pre-
to para fazer o servigo de caaa erua, que
seja Hel : na ra da Cruz, armazem n. 48.
~ No dia 8 do crranle ae ba de arrema-
tar em praca nubiles, na porta da cusa do
Sr. Pr. juiz do cvel 4$ priraeira vara, utn
sitio de coaueiros, eom casa de vi venda de
taipa, no lugar de Camala, avallado em
feOO.000 ra., por execugSo de Jos AntSo de
Andradf, contra Ignacio Jos de Barros : he
ultima praga.
ODr. J. S. Santos Jnior, Q

medico homceopalha puro r
muduu sua residencia da ra t$
do Crespo, n. lo, para a O
ra Nova, n. 58, primeiro
S* andar, onde continuar a
dar consultas todos os das O
X uteis desde s 7 horas da g
q maaliSa at a tima hora da q
tarde, e desta hora em dian- O
. te.visitar os doentes em 2
43 seus domicilios. 9
O N. B. Os pobres serlo O
^ tratados e visitados gratuita- s
q mente. q
o
(;.
i
Precisa-se eogajar algum offleiaes de
caldeireiro para irabalharem em caldeiras
de vapor, sendo arrebilaiorit, ( a que os J11-
glezeschamam fiveters) dando garanta
sua conducta: paga-sa o jornal de 8,500 por
dia, e da-se passagem gratuita para o Itio de
Janeiro, onde iro irabalhar na oflicioa da
compapliia brasilelra de paquetes de vapor ;
adverliudo, porm, que ae depojs de all
chegarem, rom um mez de experiencia,
provarem iacapacidade, sero condolido*
para aqui Igualmente oio pagando passa-
gem. Quem estiaer aeslas circumstancias,
e quizer o duotgajuieulo, pude irigr-
ae ao agenle2 dita companhia, na roa do
Trapiche, p. 40.
InatrucgSo primaria.
1 randSCO de Salles de Albuquerque avisa
ao reapeitavel publico, que j priucipiou a
funcoionar, no dia primeiro do mez pr-
ximo passado, a sua aula de primerss let-
tras eslabelecida Da ni do Mondego, n. 44.
O annunciante continua receber alumnos
externos, pensionistas e meios pensionis-
tas ; e promelte deavelar-se, pela educacAu
delles. Sobretodo para aquellos que nio-
ram fra da praga, a aula do annunciante
otTerece reconbecidas vantagens, altela a
sua localidadee disuibuglo interior, em-
barazo com que lula a educagSo primarla
deesas meninos. Aquellas que possam du-
viarda sinceridade das prumesaaa do an-
nuncianle, e Ihe suppoohan incaricimento
por-proprio interesse, poder-se-hfio des-
engunar dirigi 10-se pessoalmente a casa
do nnunciante, e ah vers par de urna
inteira ragulardade cummodos domesli' os
que maia de accordo ae possam adiar com
o bem eatar aaude dos meninos. 0 an-
nunciaiito espera que o respeilavel publico,
cumpenelrandu-se da verdade, ae suas pro-
mesaas, liberalissr-IIie-ha prolecgo e be-
nigno acolliimento.
-- Neal momento (7 horas da noite) ap-
parreeu era casa do baixo assignado a par-
da lienedic a, escrava de I). Mariana Joa-
quina Mor* ira da ConceigSo, dizendo que
sua aenuora a ia embarcar com sua pa>cei-
ra Mara mulatinhr, e que do caminbo ae
pode evadir, e procurar a proleec.lo do aba-
xo assignado, e como estas escravas eslam
inventariadas, e nfio partiihadaa anda, o
abaixo assignado, como procurador dos
maia herdeiros, faz sciente que ninguem
compre as referidas escravas, e nem podem
ser embarcadas, principalmente a segunda,
por estar tratando de sua adorna, para o
queja Toi citada a referida senhora. Hecife,
6 de oulubro de 1850. ioniiio Hilario
Lopti
Koubo.
Ao amanhecer do da 5 do correle rou-
barac: toja de chapos a SI da praca da
Independencia, conslslindo ease roubo de 80
a 40 chapeos do Chile, duaa pegas de seda,
artbas encelada, tendu Mcovadoa pouro
mala ou menos, sele duziaa de cordOas de
reros para chapeos de senhora e una por-
fo de gommslacar Kecommenda-s* as au-
toridades policiaca a diligencia possivel. a-
li 111 desedtscobrir o verdadeiro ladrlo, e as
peasoas particulares se oflerece a quarla
paite de lodo o roubo, ou daquelle queap-
parecer, sendo por ellas denunciado na mes -
DI loja.
Museo ritioiiKco
histrico e iliterario, ou lino recreativo daa
familias, coulendo a descripgfio de inonu-
anenlos e de fados histricos, grande copi-
de novellaa oioraes a interesssutes, tanto
nacionaea como iraduzdaa dos meiliores
autores francesas, ingleiea eallemSes, va-
riedades, ancdotas, poesas, etc. em folio,
com duas eslaoapas cada numero, pelo di-
minuto prego de *i 0 ra. cada numero com
8 paginas: no paleo do C'ollegio, casa do
livroazul.
-- PieciSa-se de um hornero feitor para
trabaltiar.* um sitio, e mais um eacravo
para o mesmo servico: na ra do RaOgel
numero 11.
aiifnacencia de pasaaportei.
No paleo da matriz de Saolo-Autonio ti-
rara-se passapories para dentro e fra do
imperio, Coirem-se folhas, tiram-se ttulos
de ruidencias e gespaehant se eacravos eom
maior brovdade poMifat e prego rssoavel.
Urna pessoa habilitada para ensinar
grammatica nacional o primeiraa lettras, se
offorece para ease fim, e logo que tenha nu-
mero sufliciente annunciara a abertura da
aula: as pessoas q.ue quizerem, dirijam-se
roa doTlozario estreita n.8, primeiro andar
Lentos Amara! & Companhia previnem
ao respeitavel corno de commercio que
transferiram Oseo estabelwlmento do caes
do Collegio para a ra JoQueimadon. 22
Preciss-se slugar um sibrado de uip
andar para grande f-milia, que tenha sotffo
e quintal com cacimba-, sendo preciso tam-
bera se alogara as lejas, ato em qoalquer
dos bnirros desta dlsde, com preferencia
o de S.-Frei-Pedro-r.ongalves : trata-se na
ra da Senzalla-Nova n. 43.
-- Antonio Drochado Soares Guiarles
roga as pessoai que so julgarem suas ere-
doras que apresentem suas contas para se-
rem pagas.
Rosa-se ao Sr. Flix da Cunha Navarro
Lins o favor de ir ra larga do Rozarin
n. I, segundo andar, que se Ihe deseja fal-
lar a negocio que Ihe diz resneito.
I.emhra-se ans Srs. taverneiros, prin-
cipalmente os de Fra-de-Portag, que tem
o escandelnzo contorne de ven lerem agur-
dente, ou cosentirem que se renda em
suas tabernas ago'ardente a escraros sem
licenca de seus aenhorea, que as posturas
da cmara titulo 11 artigo 9 empoe-lhes a
pena 30,000 rs. e na reinaidencia 60,000 rs.
e iridias de cadeia. No entanto, ae estes
Srs. nlo evitaren) um tal abuso e continua-
rem a vender ago'ardente a esenvos com
tanta deshumsnidade que os vendo j meios
hebados) continua a dar-Ibes bebidas at
cahirem, protesta entregar urna relagSo
destes proprietarios ao Sr. fiscal psrs poder
dar cumpriment a dita postura
O qutlxoio.
Lotera da Matriz da Boa vista.
0 restante dos bilhetes desta lotera, que
corre infalvelmonte no Hu do corrente
mez, fiquem os bilhetes que ficarem, ven-
de-se, alm de outros lugares, na loja de
Bernardioo Jos Monleiro, ra do Queimado.
Precisa-se alugar. para o servigo in-
lerno.de urna casa inglezs, um preto, ou
um moleque de 15 annos pouco mais ou
menos, sendo riel 1 na ra do Trapiche-No-
vo n. 42, ou aononcie.
Um mogo portuguez, que tem as ne-
cesssrias habiItages para caixeiro, tanto
para venda como para ra, ou mesmo para
entro qualquer negocio que se Ihe offerega
conveniencia, se oflerece para qualquer
ama ileslas arrumages, e anda mesmo pa-
ra escrever alguma pequea escriptujagSo,
porter de ludo bastante pralica : quem de
seu prestmo se qnizer utilissr, annuncie.
ATTENC-aO !
Consta que urna pessoa tirara por enga-
o urna carta do correio, vinda de Loando
dirigida a outra peasoa, c que dita carta Ira-
/ia rerommendagSo de negocios tendentes
com Ricardo, genro do Sr. Joflo Seg : roga-
se a easa peaaoa o favor de, no caso de igno-
rar a quem dita earta ae dirige, a entregar
n ra do Crespo n. 5 A, que ah se inderes-
sar seu dono.
Roubo.
Na noite de S.-Francisco roubarara da al-
gibeira da casaca do abaixo assignado, urna
charuteira contemlo 200,000 rs. em cdulas
te 20. 10, e cinco mil rs.: a pessoa que
praticou semelhante acgfio, queira restituir
ao abaixo aaaignado, quan lo nlo aer de-
nunciado a pulira, e fieara por lad'ftn pu-
blico, fcanlo certo qu os nmeros das ce-
lulos os aignaes es'.So prevenidos para
ierem agarrados quem as pasaar, eassim
oder restituir migavelmente, do que ter
de passar por esse dissabor. 0 lllm.Sr.de
legado, e mais autoridades policiaes no
deixarSo a esta pessoa de vis, e que de-
pressa o-tara segura, se nflo restituir ao
abaixo assignado, que persentio quando es-
sa pessoa o roubo 1, mas nada pude fazer
pelo milito pnvo que o apertava, e 0 ladrSo
aproveitou-se para a fuga, por n conheceu
seperfeitamente. Cieinato Vavignier.
0 8r. Joaquim Jos dos Santos Barraca
queira ir pagara quantia de 33.460 rs. do
que cqmeuaonde nSo ignora ; do contrario,
ler do ser semire lembrado nesta l'olha.
Placido Caetano Borges rsi fszer urna
viagem fra da Provincia.
Alguem que tenha penhores na loja do
fal'eri lo Jos Pinto da Fonseca e Silva, po-
de ir procura-Ios para os reagatar, em casa
de J. K-dler & C., na ra da Cruz n D. 55 :
isto no prazo de oito dias. Recife, 7 de
oulubrode 1850.
Antonio Jo.qnim Rabello Peasoa e mais
herdeiros do finado Joaquim J.is Itabello e
sua mulher, Ignez Joaquina Pessoa, teucio-
nando fazer inventario e partilhas amiga-
velmente dos bens dos meamos fallecidos,
convidan) pelo presente sos credores do ca-
sal, para qae no prazo de Oto dias, conta-
dos da data desle, se apresentem com aeus
ttulos, atina de que neonheci los possam
ser pagos. linda. ra de S.-Jo&o, n. 15,
7 de outubro de 1850.
# 9
5 Bemedios de graca os pobres
a Novo consultorio homaaopathico de '
Z Joiiii Vicente Mnriinx.
S Ra de Apollo n. 24.
S lodos os das uteis desde s 8 horas
S da manhaa at 1 da tarde improroga-
S vela ente. Fra deatas horas nn i-
K deoSr. J. V. Martina receber visita
a? nifMima. por estar oceupa Jo em com
i por e asc/ever a quaita edigflo da
aa, pralica r.lemuntar da homaopathia e 0
a? outras obras Quando tenha mais 9
amantada a composieflo deataa obras #
poder deslinar algum lempo pra- #
W ticar opeiages de Calaracla, OU ou- 9
S tras que exigem as molestias de &
% olhos especialmente, no exilo das
0 quaes tem sido, merode Dos, mu-
Si lo reliz.
#
Jos Autoniodos Santos Andrade reti-
ra-se para a nova colonia de Mossamedea.
-- P. Caumont retira-se para o Kio-de-
Janeiro nestes 30 das, por isso roga a lo-
dosos seus freguezes e oiss pessoas que
leoham de concertar seua caudieiros, que os
pode mandar i ra Nova n. 59, {que serio
promptamenle servidos.
Lotera da matriz da Boa-Visto.
No dia 81 do corrente andam impreieri-
velmente as rodas desta lotera, seja qual
Tor o-numero de bilhetes que lie r, e mes-
mo antease acabarem os bilhetes, como ha
esperances- O tim para que fui concedida
esta lotera nlo pode ser, mais juslo, e ella
doyo ser preferida a outra q,ua]quer, por-
e
i
e>
quanlo temos de presenciar o emprego do
seu interesse: o restante dos bilhetes a-
cham-se venda nos lugares ja annun-
ciados.
Aluga-se a quom quizer passar a Tes-
ta a mui commoda caaa terrea, sita no Mon-
leiro, contigua ao sobrado em que mora o
Sr. Joaquim Correia, e do lado do rio : na
ra da Aurora, n. 43.
-- Prestas-se de um trabalhador deenxa-
d, e que aaiba tirar leite em vaccas: na
Magdalena, estrada nova, primeiro sitio de
norlSo de ferro. No mesmo precisa-se de
um bolieiro.
Passa portes.
Tram-se passaportes para dentro e fra
do imperio, correm-se folhas, despacham-se
escravos, e tiram-se ttulos de residencia
para aempre : para esse flm,se procura na
Draga da Independencia, lvraria. ns. 6 e 8,
e na ra do Queimado, n. 25, loja re mu-
dezaa do Sr. Joaquim Monleiro da Cruz.
Precisa-se singar urna preta para o servi-
go interno de urna casa de pequea fami-
lia : quem a tiver dirija-se a ra do Crespo,
loja n. 23, que achara com quem tratar.
Precisa-se de um mesfno de 10 a 12
anno, para caixeiro de loj, o qual tenha
familia no mallo : quem o tiver annuncie.
Um rapaz brasileiro se olTerece para
cobrar dividas de qoalquer loja, dando ga-
ranta a aaliafecSo das pessoas que o en-
erregarem de dilas cobrancas : quem de seu
prestieso se quizer utilisar, dirija-se ra
larga do Rozario, n. 36, botica.
-- Precisa-se de urna ama pata o servigo
de urna casa de pouca familia, a qual soja de
maior idade : na ra da Concordia, casa no-
va de um andar.
A quem convler.
Jos Antonio dos Santos Andrade faz ver
ao publico, que o aviso inserido no Diario
de hnntein 4 do correte, nao se entende
com eile.
Aluga-se, por prego mdico, o terceiro
andar do sobrado n. 20, na ra do Apollo :
a tratar com Antonio de Moraes Comes Fer-
rera, ns mesma casa.
Aluga-se, por mdico prego, um sitio
00 lugar denominado Sanl'Anna-de-l)en-
tro, com comrcolos para grande familia,
baixa decapim, boa agoa, estribara para
quatro cavados e cocheira: a tratar com
Luis Comes Ferreira, no Mondego, o com
Antonio de Moraos Comes Ferreirs, ns ra
de Apollo n. 20.
Offerece-se um rapaz para ser caixeiro
de urna casa de commercio, advertndo-ae
que, alm de entender de scripluragSn,
falla perfeitamente francez : portento, quem
do anu presumo se quizer utilisar, annun-
cie por este Jornal,
Quem quizer comprar urna lettra da
quantia de 56,060 rs. do Sr. Jos Brazalino
da Silva, apparega na ra da Cadeia de S
Antonio, n 13, que todo o negocio se fara.
Carlos clandtr Tresse, fabrican-
te de orgJos e realejos, na roa das
Flores, n. 19,
avisa so respeilavel publico que concerta
orgaos e realejos, pe marchas modernas
desle paiz, concerta pianos, saraphinas.
caixas de mnsicas, accordos e qualquer
instrumento que apparoga lambem faz
obraa novas, e vende um orgSo pronro para
espolia, ou altar mor, com boaa vosea, por
prego commodo.
Quem quizer comprar urna latir do Sr.
Os. Honorio F. -de Sigoiariuga Vas Curado
da quaotia de 110,280 ra., annuncie para
ser procurado, que todo negocio se fari.
Aluga-se por anno, ou para passar a fes-
la, urna grande casa no sitio do Cajueiro,
com urna grande sala de frente, gabinete
ao lado, duas alcovas grsndes, sala de jan-
tarconi quatro quartos, duaa coznhas, um
grande solSo, estribara para dous a quairo
cavados e excedente banho : a tratar no
mesmo sitio, ou com Bernsrdino Maia da
Silva, na ra do Creapo.
Roga-se ao Sr. segundo lente Jos de
Cerqueira Lima, da Baha, que mande pagar
urna bttni, qud se acha vencida ha oito roe-
ze8; do contrario, ter de ver aempre o seu
nome nesls folha.
Nos dias 30 Je setembro, 3 e 7 de ou-
tubro, pelas 4 horas da tarde, porta do
Sr. doulorjuiz deorphSos, na ra de dor-
ias, se ha de arrematar, por ser ultima pre-
ga, por tem o de tres annos, a renda do
sitio da Casa-Forte, denominado sitio dos
Arcos, que fui do finado Francisco Bernar-
dinoda Cunha, hojede seus herdeiros, pe-
lo prego de 350,000 rs. por anno, cojo sitio
tem boa c>sa e lelheiro para rancho de ma-
tulos, bastantes arvoredoa, 26 ps de ja-
queiras, 6 jambeiros, bstanlos ps de la-
rangeiras, 20 e tantos ps de coqueiros,
e grande plsntago de caf e capim.
.Offerece-se um sacerdote para capellfio
de engenho, u inosinu para ensinar primei-
ras lettras, ou grammatica latina : quem
quizer, ahnuncic.
9 Paulo Galg-itour, dentista 9
fi-frucez, reeenteinente che-
9 curio a esta capital, offerece
* si u pi< stiin ao publico pa-
* ra todos os uiisiteres de sua
2 piorlssao, qur extrahlndo, #
limitando e chuiubnndo os #
9 dente* ialiii a< -. qur substi- ?
*) tiiiiido-us por outros urtifl
9 ciacs, liara o que tem os me- 9
# Ilion s apparelhos. Pode er 9
procurado a qualquer hora, 9
*> em Hiin casa :::: I"!!? Irprn rl
3 Itozarioa n. 36, segundo an- 9
9 dar. a*
fe
Alug-se um bom armazem proprlo pa-
ra qualquer estabelecimento, na praia de
S.-Francisco ; e bem aasim um grande car-
illo proprio para urna excedente cocheira,
00 Mundo-Novo : a tratar na ra da Cadeia
ile S.-Antonio, no primeiro andar da caaa
da viuva Cunha Guimarfies.
Alugam-se e vendem-se, tanto por jun-
to como a relalho, as meiliores bichas ham-
burguezaa; na rqa daa Cruzea, n. 40, l-
venla de Domingos da Silva Campos.
Praciss-se alugar um preto para o ser-
vigo de urna casa : na ra da Aurora, es-
criploriQ de C Slarr & Companhia.
Chapeos de sol.
osase acha igual sortimento de sedas e
psnninho imitando sedas, para cobrir ar-
mages servidas : loias estas fazendas ven-
dem-se em porgo e a relalho tambem se
.concerta qoalquer chapeo de sol, tanto de
basteas de ferro como de baleia, assim como
umbelas de igrejas : ludo por prego com-
modo. Na mesma casa ha chapeos de sol,
de marca maior, de panno e de aeda, pro-
prios para feitorea de engenho, por serem
dos mais fortes que se pdem fabricar.

BOWMAN & MC. CALLUM, engenhe:
ros machinislas e fundidores de ferro mu
respetosamente annunciam aos Senhores
proprietarios de engenhos, fazendeiros, nii-
neiros, negocsnles, fabricantes e ao res-
peitavel publico, que o seu estabelecimento
de ferro movido por machina de vapor con-
tina em effeclivo exercicio, e ae acha com-
pletamente montado com apparelhos da pri-
meira qualidade para a perfelta confecgSo
das maiores pegas de machnismo.
Habilitados para emprehender qusesquer
obres da sua arte, Bowman & Me. C.allum
desejam maia particularmente chamar a
attengSo publica para a sseguintes, por
terem dellas grande sortimento ja prompta,
as quaes construidas na sua fabrica pdem
competir com as fabricadas em paiz es-
trangeiro, tanto em prego como em qua-
lidade da materias primas e mo d'obra,
a saber:
Machinas de vspords melhorconstrucgSo
Moendas de canna para engenhos de lo-
dos os lmannos, movidas a vapor por agoa
ou animaes.
Rodas d'sgoa, moinbos de vento eserra-
as.
Manejos independentes para cavados.
Rodas dentadas.
Aguilhoes, bronzesechumaceiras.
Cavilhes e parafusos de todos os tama-
nhos.
Taizas, pares, crivos e bocess de forna-
Iha.
Moinhos de mandioca, movidos a mSo ou
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas de fogo e Tornos de farinha.
Canos de ferro, torneiras de ferro e de
bronze.
Bombas psrs cacimba e de repuebo, mo-
vidas a mSo, por animaes ou vento.
Guindastes, guinchos e macacos.
Prensas hydraulicas e de parafuso.
Ferragens para navios, carros e obras pu-
blicas.
Columnas, varandas, grades e portes.
Prensas de copiar cartas e sellsr.
Camas, carros do mfio e arados de ferros,
ele etc.
Alm da soperoridade das suas obras, j
geralmente recunhecida, Bowman & Me.
C.allum garanten) a mais exacta conformi-
dade com os moldes e dezenhos remellidos
pelos senhores que se dignaren) de fazer-
Ihesencommeodas, aproveitandoa occasiSn
i>ara gradeccrem aos seus numerosos ami-
iios e freguezes a preforenca com que teem
sido por elles honrados, e asaegursm-lhes
que nio poaptrSo esforgos e diligencia.*
para coulinuarem a merecer a sua cuni
a ruja.
Jos Perera da Costa, subdito portu.
goez, retira-se para fra do imperio.
Ulysse Droz, relojoeirosuis-
so, de passagem por esta praca,
onde tenciona deinorar>se 5 ou 6
mezes suiente, concerta toda e
qualquer qualidade de relogios
eem qualquer estado em que se
achem ; assim como lem para ven-
der relogios de ouro e prata do
meiliores fabricantes: na ra da
Cruz, n. 44- primeiro andar.
Compras.
-- Corrpra-se um sobrado de um andar,
ou urna casa terrea, que seja nova e em boa
ra : no Passeo Publico, n. 7, se dir quem
compra.
Compra-se urna canoa que pegue 600
lijlos: quem tiver annuncie.
Na ra da Senzalla-Velha, n. 1O0, se-
gundo armazem aunde se vende bolacha e
p8o, compra se effeclivamente toucinho da
Ierra, sendo gordo e sem sal, a 5,000 rs. a
arroba, e a 160 rs. a libra.
Compram-se escravos de 10 a 30 an-
nos, de bonitas figuras, para dentro e fra
da provincia : na ra larga do Rozario, n.
48, primeiro andar, lodos os dias das 6 as
II horas da maiiha e das 2 s 5 da larde.
___ Cumpra-se efectivamente cobre.
1 chumbo, zinco, estanbo, e toda a qualia-
I de de metal veloo, nflo sendo ferro : na ra
&
31
Nova, n. 38.

Vendas.
Ra dOPssseio, n 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimento destes objedos ae todas aa co-
rea e qualidades, tanto de seda como de
panninho, por pregos commodos ; ditos pa-
ra senhora, de bom gosto : estes cnapos na ra do Cabuga, loja do Duarle.
sflo feitos pela ultima moda ; seda adamas-J Vende-se um molnho de moer milho,
cada con ricas franjas d retros, fia mesma' prompto : na ra de S.-Tbereza n. M.
Lote i-la ila matriz da Boa-Vista.
Aos 10:0008000 e .'1:000*000.
Na loja de miudezas da praga da Inde-
pendencia, n. 4, vonem-se iiiieies, meios,
quartos, decimos e vigsimos desta lotera
que corre impreteriveliiieole no dia 31 de
outubro, ou antes se se acabarem os bilhe-
tes. A elles antes que se acabem, para nSo
compraren! mais cero, como lem aconte-
cido em outras loteras.
" Bilhetes 10,000
Meios 5,000
Quartos 2.600
Decimos 1,100
Vigsimos S*0
Vende-sena ruado Jasmim urna mei-
agoa, com 34 palmos de frente, com peque-
no quintal, ao ladotndo proprio : a fallar
com o Sr, Ferrera, na ra do Livrameoto
n. 4.
Vende-se ums cadera de armar de 2
bragas aiuda em muito bom uso, por prego
commodo no becco da Bomba n. 13.
Charutos de Sau-i>i i x.
Vendem-se oa mais superiores chsrutos
de San -Flix, que at agora aqui teem vin
do, os quaes oa apreciadora poderlo ver
_..!_ .. ____________ "
Vende-se umi taberna oom poocos fun-
dos, na ra de Santa-Tbereza: a tfatai na
mesma. .,
Vende-se a valsa Adslia para
piano : na loja de Cardozo Ayres,
na ra da Cadeia-Velha n. 31,
prego 500 rs.
' VeTidem-se na ra do Creapo n. 11, os
seguintes romances dos melhores autores :
os misterios do Castello de dolpho 6 v., a
llervanaria a v., F.oguenaode de Coocy
v., a Estrangeira 2 v., Apsiboi 2 v., o Sodta-
rio2v. o Tmulo 2 v., o CapilSo Paulo 2
v., oa Esfoladores 2 v 1 la 2 v., os Tres Cs-
tellos 2 v., os Rebeldes 4 v., Vctor 4 V., Ale-
xina 4 v.; Cecilia 2 v., Emma 2 v., Etelvi-
na 3 v., o Mostelro 3 v o Pslaco de Alber-
to 3 v., Castellos2 v. : tudo por prego acotn-
molado, e tambem o Demonio do meio-dia,
a Mythologia da mocidade com fioas es-
tampas, as poesas de Jos Mara ds Costa e
Silva.
Vende-se urna linda escrava moga, e
com algumashabildales: narua Nova n.
41, primeiro andar defronte do relojoeiro
Garnier.
Na ra das Cruzas n. 22, segundo an-
lar, vendem-se tres negrotas de 18 a 20 an-
nos, que engommam e coaem eustura chUa,
oozinnam e Irvam de sabSo, urna dita da
Costa de bonita figura de20 annos, quiian-
ieira e urna parda de 26 annos com as mes-
mas habilidades cima, e urna negrinha de
12 annos com principio de costura.
Na fabrica de chapeos de sol, ra do
Passeo n. 5, vendem-se chapos desold
se la preta, com barra, lisos e sem ella por
6,000 ris.
Aarope do bosque.
A. introducciio do xarope do boiqui em o Brasil
foi animada pnr aucceaao aem Igual noa F.ata-
dos-Uiiidos, onde drpola de aele anooa de ex-
periencia e uao fui clev-do a i.io alio mrito,
que s vezea ai exigenclaa etcediam inulto
quantidade que ae pudia manufacturar.
No principio de aua introducto aqui uao aa
pode logo aaaeverar o aeu mrito neale clima ;
mas aa inmensa provea que os agentes recr;
bem diariamente daj curas inaravllhosa que
elle p rodo/, os habilita a certificar que o zam-
pa do boiqui he urna cura certa para a pluhisica
em t odos os seus diftrrcntes gioa, qur moti-
vada por constipares, tosse, coqueluche,
pleuriz, asthma, bronchiles, palpitaban no co-
raco, dr de coalado e pello, eacarros de san-
gue, dor na garganta e todas aa molestia dos
orgaos pulmonarea.
IJepois de tantas provas do aeu mereciinenlo,
como oulroaim depol de e teatriounhar um
irme augmento da venda dete remedio, como
igualuienle a accumula(o de tanto faclua que
comprovain o seu bom ucceo durante a ejt-
perieocia de 24 mcies, os agente nao aerao
aecusadoa de lerem impoito aobre o publico,
recoinmendando um remedio de um valor in-
cerlo, ou de exigir de qualquer invalido que
fue as suas eneran{as de eura por umallivio
imaginario. O uso principal do arop do bot-
que lem ido fello nicamente na cidade do Rio-
de-Janeiro e auasviiinhamaa ; mas, agora que
as suas vii ludo e pdem conclencioamriile
asseverar, oa agen lea o offerecem ao publico
coma maia segua confianfa, e que rui qual-
quer caao e acbar.uuj remedio de lufallivcl
mrito como de felii aucceaso.
Ha caos deias molestia, quando por ne-
alieencia e deia que a molestia tome coipo
obre a aubatancla do bofe, at que oa reaio
deste flquem liisufftclen-a (e a ua declina-
cao poder er reprimida) a poder fornecer o
sanguc ao elementos neceaaarios vida de
una pessoa, e aemelnantea co ao e aerao
senipre alm do conbecimeiilo da asistencia
humana, e be peior que charlatao aquelle /ur
quizer euganar a alguem com eaperanraa fal-
sas de cura ; mas ha inultos casos que appare-
cein sem eiperancaa, mas pdem ser curados
com remedios proprio.
Com algn a tendencia para ellas molestias
vera de pai pan filho, e por estes he nova-
mente iraninittlda sua descendencias. Isto
he geralmente conhecido por pluhisica cons-
titucional Din semelhante calos a doenc
apparece geraliuente na mesma familia em
uina certa idade, e familia inteira fallecetn a
proporcaoque vio chrgando quelle perioda.
Como dissemos cima, remedio algum pode
remediar este casos, onde uina looga moles-
tia ae acha arreigada, e por conseguiote tem
consumido todos os recurso da vida, mas he
pelo uao de semelhante remedio como o aaro-
pe do boique, e o inulto cuidado na aau.de, que
estes periodos critico se pdem passar, e a vi-
da se pode prolongar at utua idade avancada.
Km caso de molestia de bofes, occasionado
por exposiciio ou negligencia, a molestia ap-
proxima-ae por dill'erenies formas, na qur
no brocblal ou aslbinaca, aa membranas to
arreciadas e as suas secreedea improprias ou
nais que excitadas faieni logo sentirem-se
svmplomas que nao se devoran deiprezar;
urna contlpacao pode produiir uina inflamina-
cSn naa delicadas membranas que guarneceiu
os tubos bronchlaes, esla irrilacoprudui urna
toase, e em seu tumo a loe augmenta a io-
Qaminacao ; e, se se desprrza, as membranas
doa bofe tnrnam-se temelhantemenle attrcta-
das, e por lim a mesma substancia destes he
aucada. lie verdade que multo bofes sao bas-
tante fortes, s v_ees, para resistir ao primeiro
curso, se este nao fr mullo forte ; mas nin-
quem escapa de urna manrira fcil, uina vea
que tenha padecido molestia que tenha atacado
aguelles. He portauto que elles precltain de
algum remedio seguro para ajudar o lystrma,
a lim de corrigir as acciecOes e restaurar frea
ao orgo pulmonares; em casos como rslea
o xanpe do boique lem-se tornado infalllvel, c
nao he 110 principio como na forma (imples
desta moleitia que esle remedio he urna cura.
Teeinj havldo mullo exemplo em que a a-
de ae tem restaurado a peoaa que liavlam at-
do abandonada pelos seu mdicos e amigos.
O xaropt do boique nao se oflerece como um
remedio para qualquer doenca, mas slin be
offerecldo com uina perfrita conlianca como o
mais til remedio al aqu descoberlo para as
molestia de garganta e ao bufes, o qual De
composto nicamente de vegeue, e que ae
pode tomar sem aquelle cuidado em prlica
I ur oa dieta ou no exercicio.
O publico deve-se lembrar que cada garrafia
tem dous letreiros cotu a propria asignatura
do agentes R. C. Yates e Comp.. un na garra-
fa coy tudas as direccSes para uso, e utn no
papel de fra.
Pode ser enviado eom loda a seguridad*
para qualquer parte do Imperio, e aiordens
aeraopontualmente ejecutada.
Veude-ae nicamente na botica do Sr. Jas
Masia Goocalvea Ramos, ra do Quartels,
n. 12.
Olhem que neclilelia:
Vendem se corles de colleles de sarja de
cores pelo baratissimo prego de cinco tus-
toes o corte: no Pataeio-Publico, loja n.
II : cheguem a elles antea que se acabem.
Vende-se vinno do Pono em barra de
qoarto e quinto ; azeitonas superiores ; ar-
cos para barricas e pipas; farinha de trigo
em barricas e meias dilaa ; fio porrele; ca-
vada; progos dolodsas qualidades.em tur-
neas; en xa las do Porto ; cueiros de algo-
dio ; relroz fino do Porto : tudo por prego
commodo : na ra do Vigario, n. II, arma-
zem de Francisco Alvos Ja Cunna.


- _-- .. w


. -ii*_...... .. -.. -. .
mu
Vendem-se monhos grandes a peque-
nos, proprio para reunaciV.se casas parti-
culares, de omito boa qualidade,e por com-
n vioa pregos : Da ra do Queimado, loja de
ferragenso. 4.
Vendem-se sellins infieres
clsticos, chegados agora : na ra
da Crua n. 2, casa deGeo: Ken-
worlhy & C.
-- Vende-se farinha de Santa-Catharioa,
auito superior, a bordo da galeota Sanliiti-
ma-Trindaie, Tundeada junto ao caes do
Collegio.
Farinha de mandioca.
NaruadaCruz, no Recito, armazein n.
13, ena ra da Cadeia, armazem de Cam-
pollo Filho, rende-se farinha de mandio-
ca do Cear, omita alva, gommosa e de ex-
cedente posto, tanto em pequeas como
em grandes porgOes, por prego commodo.
Travessa da Madre-de-Deos, ar-
mazem. 11. 5,
Acha-se estabelecido um deposito, onde
encontrarfio os freguezes um bom sorti-
mento de licores, espirito de vinho, e to-
dasas mais qualidades; superior vinho de
caj ; cha mate; e tingas de vi me, a pregos
moderados.
. A elle* que sao baratsimos.
Vendem-se sapatOes de couro de lustro, a
3,000 e 2,500 rs. he o que valem de feitio :
na ra da Cadeia do Recite, n. 9, loja.
Tu i mis para engenho.
Na fundigSo de ferro da ra do Brum,
acaba-se de receber um completo sortimen-
tode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quses acham-se a venda por prego com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
ou earregam-se em carros sem despezas ao
comprador.
Deposito de potassa e cal
Vende-so nmitn nova e superior potassa
ecal virgem de LishOa, em pedra : ludo em
barris pequeos de arrobas, por prego ra-
soavel: na ra da Cadeia do Recife, n. 12,
armazem.
Vende-se unr preto de bonita figura,
bom ofllcialde pedreiro, e he de boa con-
ducta ; urna mulata de 18 annos, com um
filho mulalinho de 9 annos, a qual corta e
faz um veslido desenhora, corta e fz urna
camisa de homem, engomma com perfeigSo,
be amito fiel e nfio tem vicios, o que se
afianga : na ra larga do Rozarlo, n. 48, pri-
meiro andar.
N casa de modas Irancezas de Mada-
ma Millochaii, no Aterro-da-Roa-Vista, n.
1, alem de um lindo sortimento de chapeos
de seda e de palha, recebeu-se um sorti-
mento de capotinhos e manteletes de sed
e de fil, e chapeos de palha da ultima mo-
da, para montana, e de goslo amazona de
Paria.
Bom e barato.
Vende-se irinceza minio fina e de duas
larguras, a 800 rs ; ainda restara algumas
pegas de panuinho fino, com 13 jardas cada
urna, pelo baratissimo prego de 2,500 rs.
temalgum mofo: no Ateiro-da-Boa-Vista!
n. 18, loja. '
Vendem-se meits de 13a grandes e pe-
quenas ; e rap rolfio hamburguez, em gai-
rafas.- na ra da Cadeia, n. 15, loja do Bour-
ard.
A 4,000 rs. o par.
Vendem-se sapatSes de Imtro
para homem, muito bem feitos, a
4?>oo rs. o par : no Aterro-da-
Boa-Vista, n. 58, loja de calcado,
junto a deselleiro.
Vende-se por muito commodo prego,
una rica secretaria com estantes para li-
aros, bastante grande, propria para advo-
cado, sendo de amarello e ainda nova ; as-
snn como, seis cadeiras e duas mesiuhas
de abrir : na ra estrella do Rozario, o.
28, ultimo andar, das 2 huras da tarde em
diante.
Farinha de Tapuy*
igualmente em sabor, finura ecOr a de Mu-
ribeca, propria para mesa : Vfnde-se na
ra da Cruz, no Recife, armazem n. 13.
Ueposito da fabrica de Todos os
Santos na Baha.
Vende-se em casa de N. O. Bieber & C
na roa da Cruz, n. 4, algodSo trancado
daquella fabrica, muito proprio para saceos
do assucar, roupa de escravos e fio proprio
para redes de pescar, por prego muito com-
modo.
Teeido de algor! fio trancado na
lubrica de Todos os Santos.
Na na da Cadeia n. 52.
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saccoa de assucar e roupa de
escravos.
Meius de linli,,
chegadas ultiman"'.*, rindas do Porto pe-
la Babia, ps grandes e muito finas vende-
se no escriptorlo do Francisco Alves da Cu-
nta, ra do Vigario, n. II.
Arados de ferro.
Na fundigao da Aurora em S.-Aroaro ,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
lelos.
Moendas superiores.
Na fundigao de C. Starr A Companbia
em S.-Amaroi, acham-se venda uioenrl.
ue mima, todas oe ferro, de um modelo e
oonstrucgo muito 'superior.
Alas.a le vapor.
Acha-se abectaa padaria da ra do Bur-
gos, Forte do Mallos, na qual se achara
diariamente todas as qualidades de massas
finas, trahalhadaa por machinismo ; tam-
bera se fahricam exctenle pflo e holexi-
nha de araruta, dilaa inglezas, bolaxOes
quadradose redondos, e oulras mais mas-
sas ludo obra prima: as mesmas seachaiSo
no deposito do pateo do Tugo, n. 10.
Aos senhores de engenho.
vendem-se cobertores escuros de algo-
dSo proprios para escravoa, por serem de
mulla duragflo, pelo diminuto prego de 640
rs. cada um : na ra do Crespo, esquina
que volla para a cadeia.
Chapeos,
A. Colombier, com loja na ra Nova n.2,
vcn.ic chapeos d
Dos de sol, de seda e panno, para homem
e senhora.
NaruadaCruz, n. 10,
casa de Kalkmann
Irmaos,
vende-se um grande sortimento de
instrumentos de msica, com se-
jam :
Caixasde guerra, e tambores.
Zabumbas, e pandeiros.
Arcos de campainha, e pratos
Baixos de harmonia, trobdes.
Trompas, nistoes e clarins.
Cornetas, flautas, e pifanos.
Clarinetes, e requintas.
ViolOes.
mtiitos outros instrumentos.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repoxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum, ns. 6, 8 e 10,
fundicao de ferro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro
differentes modelos : na ra
Brum,ns. 6, 8 e lo, fabrica
machinas e iundicao de ferro.
<4
de
do
de
Da ra doQueimado-
J o barato causa admiraran !
lsto acontece na ra do Crespo,
n. 6, loja ao p do lampeSo.
Vendem-se cassa-chitas de muito bom
goslo, a 240 rs.; cortes de ditas do ruclhor
goslo que leem apparecido, a 2400 fs.; chi-
tas finas de boas lintas, a .160 e 180 rs. o
covado ; riscado americano, a 140 e 160 rs.;
dito trancado, a 180 e 200 rs.; algodSo
mesclado, a 200 rs.; zuarte azul com 5 pal-
mos, a 300 rs. ; dito de cOres, a 300 rs.;
cassa preta para luto, a 120 rs. o covado;
cortes de fustSo muito boas, a 560 rs.; cha-
les de tarlatana, a 320 e 1,280 rs.; coberto-
res- de algodSo de cor, muito encorpados e
proprios para escravos por serem muito
quelites, a 640 re.; alpaca preta de cordSo,
com 7 palmos dn largura, a 1,280 rs. ; ris-
cados de puro lioho, a 240 e 360 rs. o co-
vado.
Antigo deposit > de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muilo commodo.
Queijos londrlnos de 5 e 7 libras.
Veudein-se, no armazem de Manoel Fran-
cisco Martina & IrmSo, na ra da Cruz, n.
62, queijos londriuos, presuntos, para fiam-
bre ; latas com biscoulinho inglez,-ditas
com aiaruta, cha superior de S.-Paulo, a
2,240 rs a libra : ludo novo e barato.
--Vendem-se 16 escravos, sendo um bom
carreiro e meslre de purgar; 3 ditos do to-
do o sorvigo ; 2 mulalinhos do 16 anuos; 3
ditos de todo o servigo de campo ; urna mu-
latiulia recolhida, de 14 anuos, que cose e
engomma 2 escravas mogas, de bonitas
figuras, que cosem bem e engommam ; 5
ditas de todo o servigo : na ra Direila, n. 3.
Vcndeni-se relogios de ou-
ro sabonete patente inglez : na ra
da Cruz, n. 2, casa de Geo:
K.enworthy & C.
Agencia de Edwin Maw.
Ra de Apollo, n. 6, armazem de Me. Cal-
mout & Companhia, fazem ver aos Srs. de
engenho e aos seus correspondentes nesta
praga, que noseu estabelecimento se aclis
constantemente bom aortimeuto de moen-
uas lodas de ferro para animaes, agoa, ele:
meias ditas para armar em madeira ; ma-
chinas para vapor com forga de 4 cavallus
taixas de diflerentes modelos e de todos os
lmannos e grossuras, tanto de ferro batidu
como coado ; espumadeiras, cocos, etc., de
ferro estanhado ; safras para ferreiros : lu-
do muito bom e por barato prego.
, Deposito geral do superior ra-j=j
O p Areia-Preta da fabrica %
de Gaotois Failhet & C. Q
na Babia.
Domingos AlveaMatheus, agente dej?
rica de rap superior Areia-Preta da;?
ihia, tem aberlo um deposito na ra**
^da Cruz, no Kecife, n. 52, primeiro an-^
^dar, onde se achara aempre deste ex-^
Vde-se em botes de urna e meia libra, vpor prego commodo.
Jofio Keller & (Ompanli la. na
ra da tuz, 11. 55,
Vndeme pregos commodos, vinho rni-
ca le I de Setubal, em caixas << ....
zia ; dito muito bom de l.avradio e Col-
lares, em barris de quinto; dito de Cbam-
paBha, da mais acreditada marca ; dito tiu-
l.' de Cortaillod, de supeiior qualidade;
extracto de absjnth e kirsch ligilimo da
ouissa, em caixas de urna duzia ; verdadei-
ro cognac vellio, e da mellior fabrica de
r ranga, em bania de 8U garrafas pouco
mais ou menos : tambera se veudeui por
,.r.go auito rasoavel velas de slearina ,em
ca.x.s de 32 libras; charutos da Babia de
multo boa gualidade.
A. Colombiez, com .oja na ra Nova,
airas da matriz, vende leugos de cambrai
de linho, mudo linos, com bordados e bico
em roda ; ditos de algodao fino, imilaudo
os delinho;diiosariendadoanas ponas-
ditos de linho ocm ores oas ponas ; diio
de algodSo com c.es; ditos braucos lisos
e com barra de cordSo quoseivem para ho-
mansos j de servigo
0.14.
Vende-a manteiga irrgleza muito su-
perior, a40Ors. a libra : na ra da Aurora,
primeira venda.
Vendem-se, na ra da Moda, armazem
n. 15, meias barricas com cal virgem de
Lisboa, a mais nova que ba no mercado, por
prego commodo. fc
C^Rap Pialo Cordelro ^T'
vende-se na ra di Cadeia do Recife, n. 51,
loja de fazendas, de JoSo da Cunha Maga-
IhSes.
Feijao mulatinho,
de superior qualidade e muito no-
vo, vende-se a 6,000 rs. a sacca .-
no armazem do Annes, no caes da
Alfandega, a tratar com Manoel
da Silva Santos.
Grande pechincha.
A 4 Vende-se urna porgSo decassas francezas
de novos padroes>fe de muitas cores, 400
rs. a vara, e muito finas, a 500 rs. ; ditas
pretas muito Anas, a 480 e 560 rs. ; chitaa
largas franceas, a 320rs. o covado: na ra
do Crespo, 0. 14. loja de Jos Francisco
ias.
Cal c potassa.
Cunha & Amorim, na ra da Cadaia do
Recife, 11.50, onlinuam a vender cal vir
gem de Lisboa, e potassa superior, por pre-
go mais barato do que em oulra pualquer
parle.
lina do Hozarlo larga 11. 22.
Vende-se um preto perito oOicial de sa-
pateiro, de boa conducta, proprio para ser-
vir urna casa, enas horas vagas trabalbar
pelo cilicio, pois faz toda a obra de sapatei-
ro cora perfeigSo.
Mlllioe arroz com casca a 2$5oo
i*s. eada sacra.
Vende-ae no armazem do Braguez, ao p
do arco da Conceiglo.
Chumbo de municad.
Vende-se no armazem de J. J. Tasso J-
nior, ra do Amorim, n. 35.
Vende-se urna escrava boa quilandei-
ra, equecozioha o diario de urna casa: na
ra de s.-Jos o. 7, confronte ao muro di
Penha.
Vende-se una marqueza, 6 cadeiras,
2 bancas, una casta e um bah : ludo em
bom estado : na travesea de S.-Jos n. 9.
Vende-se, por prego commodo, a pre-
zo, ou a diniieiro, um terteno ptimo para
edilicaglo, sito na ra da Palma, com cento
e lautos palmos de frente, no qual ja existe
um telheiro muito adequado para deposito
de madeiras, para cujo lira fui construido :
na ra da Cruz, no Kecife, armazem de as-
sucar da viuva l'ereira da Cunha.
Por 3:000,000 de rs.
Vende-se uui terreno com olaria e urna
casinha, tendo de frente 107 palmos, e de
fundos desde a ra da Aurora al a ruado
Hospicio, ten lo frente para se edificar 15
inoradas de casas : na praga da Indepen-
dencia, n. 17.
Para os Srs. alfaites.
Vende-se estopa com alguma averia, a
80el20rs. : ni ra larga do Itozanu, n.
48, primeiro andar.
Fogoes para co/inha
maits proprios para sitios e qual-
qualquer lugar aonde nao ha cozi-
nha, por pre?o commodo : Vn-
dem-se na ra da Cruz, n. lo,
casa de Kalkmann IrrfiSos.
Na ra da Cadeia-Velhe, primeiro n-
lar da casa n. 34, de Manoel Antonio da Sil
va Aniones, vende-se um rico sortimento
de chapeos de palha de Italia, abertos, para
senhoras ; carnudas de cambraia, coleri-
nhos, romeiras, n.auguitos, punbos, tudo
excellenlemente bordado, bicos (inissimos,
ricas litas, e outros objectos de gosto; bem
como ura completo sortimento de fazendas .
tudo se yenda por pregos n>uilos rasoaveis.
Vende-se, na ra do Vigario n. II, ar-
mazem de Francisco Alves da Cuaba, os se-
guintes gneros, lodos de superior quali-
dade, e por menos prego do que em outra
qualquer parte : azeitonas em ancorelas, vi-
nho do Porto em bairls de diU'erenles ta-
m.-inhos, cevada, cal virgem de Lisboa, ar-
cos para pipas e barris, fio porrete, retroz
deSiqueira, cha de San-Paulo, canastras
com alhos e ditas com rolhas.
Vende-se urna mulatinha escura, mui-
to bonita, que cose, engomma, cozinha, faz
renda e o mais servigo de urna casa ; tem
15 annos: na ra larga do Rozario, n. 35,
Vende-ae um preta de nagSo Mina,
muito moga o vistosa, que engomma, co-
zinha e faz todo o mais servigo de urna ca-
sa : na ra do Amorim, n. 15.
Charutos de U.ivana,
de superior qualidade : vendem-
se na ra da Cruz, n. 10, casa de
Kalkmann Irmaos.
Vendem-se 130 saceos novos de osto-
ps, eom duas varas cada um : na ra larga
do Rozario, n. 48, primeiro andar.
Lotera do Itlo-de-Janclio.
Aos 2oiooo$oo.
Na ra eslreita do Rosario, travessa do
Queimado, loja de miudezas, n. 9, A. Ven-
dem-se os muitos acreditados bilhetes da
11.a lotera do theatro de Sen-Pedro de Al-
cantara do lli-ile-Janeiro.
~ Cordas e bordOes para vlolo e rabeca,
na ra estreita do Rosario, travessa do Quei-
mado, loja de miudezas n. 9, A. Vendem-se
muito supreriores cordss e bordoes para
violSo e rabeca, por prego mais commodo
do que em outra qualquer parte.
A 4.-000 rs. e l,5oo.
Carteiras de tnarrocjuim cora chaves,
para commercio, cora os mezes do snno, a
4,000 rs. cada urna, edita de tartaruga pa-
ra aleibeira forradas de selim muito ricas,
a 1,500 rs. : no Atierro da Boa-Visla, loja,
n. 48.
Vinho de Bordeaux :
vende-se na ra da Cruz, n. 10,
casa de Kalkmann Irmaos
AGENCIA
vando a caldeira 45 caadas, com serben-
tma de estanho lino, i prego de 500 rs. a*l.
bra, o qual se vende pelo lugar em queesti
nao poder traballiarse, por ir de encoutrd
as posturas da cmara : no Aterro-da-lioi-
Vista, fabrica de licores n. 17.
A 10,000 rs. o par.
Vendem-se cistigaes de p de casquinha
com mangas, pelo diminuto prego do 10 000
rs. o par: na ra Nova n. a, atris da matriz
Vendem-se, a dinheiro 1 vista, aupe
ores chapeos de castor branco, pelo ai
minuto preco de 10,000 r. : na ra Ron
n. 9, atrs da matriz.
Atteneadt
Na ruadoQueimadon. 27, acham-se p-
timos escravoa para vender, para liquidaco
de contas, sendo tres ptimos para 1 aeens
por serem bonitas figuras,, e urna mulata
ludo por commodos pregos.
Escravos Fgidos.
la fundicao Low-lfoor,
ROA DA SKNZAI.T.A-NOVA, T. /(I.
Neste estabelecimento conti-
aa 'a haver um completo sorti-
mento de moendas c meias moen-
das, para engenho; machinas de
vapor, e tachas de ferro batid
coado, de todos os tmannos,
para dito.
Vende-se urna preta de 90 annos, de
muito boa figura, quecozinba, lava e en-
gomma pouco ; urna mulatinha de 14 an-
nos, que cose, faz lavarinto, engomma, ves-
te e penteia urna senhora ; 2 pretns pegas,
ptimos para carregarem palanquim e ga-
nbarem na ra, por darem 640 rs. por da;
um mulatinho de 10 annos, muito bom pa-
ra servir a urna casa : na ra do Co igio,
n. 21, primeiro andar, se dir quem ve. 'e.
Vendem-se doua prelos mogos, bons
esnoeiros : na ra da Uadre-de-Deos, n. 34,
loja.
Aos Srs. acadmicos do quinto
anuo.
Fitas de chamelote encarnadas largas pa-
ra cartas de hachareis : na ra do Crespo,
o. 5, loja de miudezas so p do arco.
Vende-se urna mulata de 20 annos, sem
vicio* nem achaques, que engomma com
perfeigSo, cose e cozinha : o motivo por
que se venda ae dir ao comprador: na ra
do Hospicio, casa terrea com sotSo, defron-
te do u. 17, das 6 s 9 horaa da uianhaj, e
das 3 da tarde em dianle. ^^
Vende-ae um bom carro nNKas rodaa,
por prego commodo : na ra da Aurora,
n. 48.
Vendem-se silhSes ingleses
para montara de senhora : na
lo.
Vende-se um par de consolos de jaca-
randa, novos, por barato prego : na ra do
Crespo n 10, loja.
Vendem-se dous lindos moleques de
18 annos ,- um dilo bolieiro ; um cabriada
de 11 a 12 anuos, muito esperto; 9 pretas
de todo o servigo ; urna dita de elegante fi-
gura, com habilidades: no pateo da matriz
de S.-Antonio n. 4, segundo andar.
Vendem-se cortes de couro de lustro
para apatoes : na ra Nova n. 2, loja.
Vendem-se meiss de seda brancas pa-
ra meninas, aapstinhos de couro de lustro
para meninas, ditos de iluraque, a 800 rs. e
notius gsspeaiiua cuii uuia|uo ue cures pa-
ra meninas : na ra Nova n. 9, loja atrs da
matriz. '
',500 rs.
Vendem-se, a dinheiro a vista, sapa tos de
couro de lustro fralicezes, forma iugleza,
pelo diminuto prego de 6,500 rs. o par;
chapeos de palba de Manilna, muito finos;
canoa da linlu verdadeira para faier ben-
galas : na ra Nova, loj. n. 9, atrs da ma-
triz.
Na ra Nova, loja 11. 2,
vendem-se jarros de porcellanna para flore
ua'uraes ; nangie para casligaea cora p de
vidro lapidados ; laoternaa de p de vidro ;
ditas de p de casquinha ingleza Una ; can-
dieiros de coroa para sala ; ditos de bom-
ba ; ditos de corda ; ditos para eatudanles;
sapatOes de couro de lustro, forma iogleza ,
, caalo
branco finos e de boniias formas ; ditos di
seda fisncezes para homem ; ditos de palha
Upa; ditos de merino preloa e brancos ; di-
tos do palba de alamina ; ditos para senho-1 .miras mu.las fazendas baraUs"a"dinhirn T
r; de renda branca 1 ditos de palba com te-1 fala. naraus
cido de cabello, ditos para meninas : cha-1 Venden..i.---- s=
. ttdVp&^te^aa^fe
deseos pea grvala, prelos e de cor s di-
tos de seda, lazenda superior para senhora
e meninas; dos para ^Igibeira, a 1,000 e
rs. ; ditos para grvala, a 500 rs.
de cores ; sapaios d.o setim branco. de* lus-
tro, marroquin eduiao.ue ; bolina gaspea-
1 na ila Cruzn. a, casa de Ceo :
Kenworthy & C.
Veudem-se 6 lindos moleques de 10 a
18 annos, sendo um delles ptimo barbeiro
e sangrador ; 6 prelos de 90 a 25 annos,
seodo um delles ptimo sapaleiro, outro
cozinheiro; um pardo de 18 annos, com
principios de carpioa; duas pardas de 16
auuos, urna com habilidades; 8 pretas de
12 a 95 annos, algumas com habilidades, e
propriss para todo o servigo : na ra do
Collegio, n. 3.
a 940 rs. a libra, para acabar com o resto ;
caixas com superiores velas do Aracaty,
braucas eamarellas.; aupos de palha, a
lli.uoo rs. o cento ; barricas com tarn lia de
araruta ; couriubos de cabra ; sapatos de
couro de lustro em porgfio : na ra da Cruz,
n.24.
Vendem-se 5 pretos de 25 annos, de
lindas flguias, sendo um delles ptimo car-
reiro ; um dito de ls annos, ptimo boliei-
ro ; duas bonitas pretas de 90 anuos; urna
dita e 25 annos, que eugomma, cozinha e
cose, tudo muilo bem, esta s quer estar
donu o de casa, por estar a isto acostuma-
da ; 3 mulatas com habilidades ; duas pre*
tas ue 30 aunos, por 300,000 rs. : lodos por
prego muilo em couta: na ra das Laran-
geir.s, u. 14, segundo andar.
Vendem-So lengos de seda para algi-
beira, e que tambe.u servem para hombros
de seuhoias, pelo diminuto prego de 1,000
ti. : na ra Nova n. 2.
Vende-seuuia bonita escrava de nagSo,
propria para lodo o servigo : na ra do Ban-
go I 11. 57.
Vende-se una porglo de travs de
mangue, por proco commodo : na ra da
aeuzaiia-veina, n. v.
Vendem-se relogios de on-
ro e prata, patente inglez .- na ra
da enzalla-lMova, n. 4a.
Vende-e urna toalba de lavarinto, ten-
do urna pequea parle de pauuo uo meio,
be de bietauha de liubo, ou de esguifio lino,
onra muilo bem feu, e o lavarinto he de
modelo muilo moderno, por prego commo-
do: na ra ua Cadeia do Recife 11. 24, por
cuna da loja de ourives. Na mesma casa
laubem se vende urna oulra toalba de bre-
tauba fina com lavarinto as ponas de 5 a
6 pollegadas, obra muito bem l'eita e por
prego commodo.
Na ra larga do Hozarlo, n. 22,
vende-se um luido mulatinho de 13 ennos
muilo bonito, ptimo para pageco; uui
umlaOiihadeU annos, coa principios de
costura e eusomojadu; 2 moleques de
16 aunos, mullo lindos; 2 mulalinlios de 9
a lOauuus; una preta de uago, de 20 ao-
duspara seuhora e meninas; chinelas de l"o=>. deboniu ligura, periu coinheira e
tapete e marroquim : ludo a diuheiro a vis- |com aa liaDilidadea precisas para urna casa
tp fiado nada.. I um. preta da mei. ..q.ae, muito robusta,'
. ^"idfui-se amarras ae ferro: na ra I por 390,000 rs.
Fugio, no dia 10 de setembro proxivo
psssado, do engenho Arussegy, termo dt
comarca do Cabo, o esoravo Inuocencio, da
nago, altura regular, cheio do corpo, cari
redonda, com marcas de bexigas, nariz cha-
to, beigos grossos, pea grandes, com umi
pega na perna ; fui escravo do .Sr. Francis-
co de Carvalho Pas de Andrade e de outros
de aua familia : quem o pegar leve-o ao
dito engenho, ou neata praga a ra larga
dollozaro venda da Joflo Manoel Rodri-
gues Valcnga, que recompensar.
-- Fugio, no dia 15 de abril do correte
anno, da cidade de Olinda, a eacrava Rosa-
na, cabra escura, de 35 annos poueo mais
ou menos, aleijada dos ps, por ter tido
cravos as palmas dos meamos; tem al-
gumas marcas de ralbo as coatas ; be na-
tural do Aracaty : quem a pegar leve-a a
mesma cidade de Olinda, ra de S.-JoSo
n. 15, a Antonio Joaquina Rabello, que se
gratificar
Fugio, no dia 19 de setembro prximo
psssado, o escravo.crioulo, de nomo Jorge;
he alto e secco do corpo, cor bom preta ;
tem falta de dente* na frente, porm he
moco : quem o pegar leve-o ao Aterro-do.
Afogados, a Antonio da Silva Gustsflo, qua
gratificar,
Desappareceu,. no dia 9 do proxino
pastado, um escravo de nome Pedro, mu-
lato, do 98 annos, corpo grosso, rara re-
donda, cabellos torcidos; tem um dente po-
dre na frente; levou caigas de algodSo
azul e camisa dealgodSozinho nova : quem
o pegar leve-o ra da Aurora, 11.48, que
ser recompensado.
-Fugio, na noiie de 29 para 30 dn setem-
bro do corrente anno, do sitio do Bomgy,
um mulalinho de nome Francisco'; de bom
cabello, cOr descorada, de 13 para 14 anuos,
secco do corpo, falla fina ; tem urna marca
de ferida em cima da um olho proveniente
de urna queda ; o melhor aignal por onda
pode ser conhecido he ter vesgo de um
olho; levou camisa de algodSo riscado,
caigas de algodSo trancado- a-lail ; quando
foge diz que he forro, e outrai vezes que
seu senhor mora muilo longe, equa ojio sa-
be o nome da trra : quem o pef leve-o
ra Direila, n. 61, venda de JoSo Jos do
Miranda, que gratificar, 011 no dito sitio
do Bomgy, que fui do fallecido Joto de
Barros.
No dia primeiro do corrente desappa-
receu urna preta de Angola, de nome V/c-
torina ; foi de urna irmSa do Sr. majer
Mayer, esuppde-se ler se evadido do poder
do abaixo declarado, viato a ter arremata-
do em praga no dia 16 de setembro. Roga-
seautoridades policiaes e capitSes decam-
po, que a apprehendam e levem-na ao Pa-
seio-Publico, n. II, nFirmiano Jos Rodri-
gues Ferreira, que gratificar.
Carapuga para quem servir.
No dia 10 do prximo passado, fugio, do
engenho Souza, em Agoa-Prela, nm escra-
vo de nagSo, d nome Ambrozio, estatura
regular, corpolenlo, cor um pouco fula,
rosto comprido, beigos grossos ; be alguma
cousa vesgo ; representa ter 30 annos; ha
de suppOr que este escravo esteja acoitado
em caaa de algum desles bemleitores da
humanidade que estSo sempie promptos
acolherern quantos negrinhos procureni sua
prr.leg.lo ; poro" como todo aquello que se
utilisa do ahleiosem consenlimenlo de. seu
dono, heladrSo, e o abaixo asaignad 11-
songea-soem suppor que uossa sociedade
nSo est tSo corrompida que um ladr&o en-
contr prutegSo naquelles que executam a
le, protesta usar com todo o rigor da Ifi
contra quem o liver occullo, sejam quaes
fnrem os ttulos de que se veja circundado,
nSos para haver o escravo como os das
de servigo, contados do dia da fuga : quem
der noticia certa, ou o pegar, ser recom-
pensado. ose Antonio Ptrtira.
-Fugio, no dia 9do corrente, um prato
crioulo, de nomo Manoel, baixo, meio gros-
so do corpo ; he quebrado de ambas as par*
tes; tem muitos calos ns costas daa mSos
em o lugar das juntas dos dedos de amai-
nar pSo, por ser no que agora ae oceupa;
tambem tem muitoa calos as palmas das
mSos por liantes ter o ofllcio de estlvador de
navios, cujos caloe foram agora corlados a
navalha ; levou camisa de algodSo Irangt-
dn branco, e caigas do mesmo azul: quem o
pegar leve-o ao pateo da S.-Crnz n. 6, pa-
daria, que ser gratificado.
Fugiram de bordo do brigue
Sem-Par, vindo do Kio-de-Janei-
ro, dous escravos, sendo um de
nome Sabino, de cor parda, esta-
tura regular, de ao annos pouco
mais ou menos ; levou caifas e
camisa azues, e bonete encarnado:
o outro de nome Euzebio, criou-
lo, de a4 aunes pouco mais ou
menos, estatura alia; levou carcas,
camisa e bonete aiues. Roga-se as
autoridades policiaes e capitSes de
campo, que os apprebendlim e le-
vem-nos ruado Trapiche, l>i>34>
casa de Novaes & Companhia, qua
recompensar.
- Vende-se um alambique de cobre, la- Patui. : ka m. dim. pt mfshu. IM


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGI6VBGM3_0JEGTE INGEST_TIME 2013-04-24T16:33:36Z PACKAGE AA00011611_07030
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES