Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07029


This item is only available as the following downloads:


Full Text
v -.
AtlWO aaVI
Sul) hado 5
flTIDAI Mi ooavaaiioe.
Cotanna e Parabibs, segundaa esextas felras.
RIo-Graode-dn-tiorte.squIntas feirai ao melo-
da.
Cabo, Serinbaeni, Rio-Fortnoso, Porto-Cairo
e Macelo, no 1., a 11, e 2! de cada mei.
Garanbnnt e Bonito, a 8 t 23.
Voa-VliU e Florea, a le 18.
Victoria, a qulnlaa felraa.
blinda, todo* oa diaa.
Noya. a 5. aoi 36 m. da t.
Cresc. a 13. aoa 10 m. da m.
Chela, a 21, aoa 15 o., da m
Ming.a28, s2h.e 40m.dat.,
rmMMAM. ds ojk.
Primelra ai 4 horas e 3o minalo da larde.
Segunda as 4 horas e 54 min uloa da manha.
a*vaaaaaVaaVaaa*avaaaaB^*anaaaaaaaBaaaiauawaBaak
Outubro d lifO.
N. MK
rnrpoa da BUBaOBiKjAo.
Por tres metes (aJianiWoi) 4/000
Por seis mezes 8/000
Poruinannu *___ ltyOOn
niwiy,-^."'
JAS DA SUtAlS*
30 Seg. S> Jeronymo. aud. J. dos orf. e in. da 1. Y.
i Tere. Uemlgio. Aud. do chano, do i. da 1. v. do
cir. e do dos tollos da fazenda.
2 Qoarl. S. Ceodegari". Aud. do J.da2. T, doclrel.
3 Uuiui S. Candido. Aud. do J. doa orf. e do m.
dal. v.
4 Seal. S. Francisco de Assls. Aud. do J. dal. y.
e do dos (eiios da fazenda.
9 Sab. S. Placido. Aud. da Chae, e do J. da 2.
y. criinr.
6 Ooiu. O >S. Rotarlo de Nossa Scnhor.
J.J.W.. .i...... ari ati.aaaarsasutasas
CAMBIOS IB 4 DE OUTCJBB.O.
Sobre Londres, a 28 '/ d por l#0O0 rs.
. Paria, 346.
. Lisboa, 100 por cento.
CiroOneas heapanhoe......... foT*;
Moka, de 6*400 Yelbaa.. 16/400
. de 6/400 novas. 16/100
. de 4/000........... 9/100
"rala.Patacdes braailelroa...... J/gj
Pesos coluinnarios...... *S
DUosuieiteanos.....
60 da
DIARIO DE
l'lll.......i II
PARTE ttlCliV
Iransmillinilo copia do aviso do SI de ros-
to.ullimo, em que o Exm ministro e secre-
tario le estado do* negocios da guerra com-
munica queS. M. o Imperador, em solucfio
s duvidas propostas pelo Exm. presidente
deSerwpe, houvera por bem declarar: pri-
meiro, q'ie o oTIri! doenle nKo pode per-
ceber a gratincac.no addicinnal, que peta
le il I de ilezembro de 1841, sjiento he
concedida aoqueestier em elecliv servi-
co do exercito ; segn Jo, que Os ofHeiaes do
oiesmo exercilo, empregados nos corpos
policiaes, devemreceber pelo cofre geral o
geu mido, nlo obstante o que rece >em pelo
cofre provincial, em virlude do exercicio
em que se scham ; lerceiro, que nSo se de-
ve consentir que pracas do exercito sirvam
destacada!, ou por qualquer titulo, nos cor-
pos de polica, nem para elles teuhatn pas-
sagem seiii ordein do governo geral ; quar-
to, que os ofllciaes do exercito empegados
noi corpos de polica das provincias, que
ser viren) de ajudanles de ordens das presi-
dencias, teem direlio eos vencimenlos deste
exercicio, posto que percebam pelos cofres
drovincite os spidusque Ihes competir,
por isso que as gratiucaces nao sao dadas
a pesaos, mi* sim ao servico ou exerci-
eio
Dit -- Ao mesmo, communicando que S.
U. o Imperador, por decreto de 39 da agob-
io ultimo, segundo foi declarado em aviso
do ministerio da guerra, datado de 4 dese-
letnbro prximo lindo, houve por bem pas-
ear de una para outros corpos do exercito
iis Dulcios mencionados ua relacSo que re-
metle por copia.
ielacSo que se refera o offieio cima.
Para o corpo de arlifiets da curie.
O *.? lente do S bstathSo de ariilha-
ria a pe, Msnoel Bal bino Nulasco Pereira da
Cucha'.
Para o quinto batalMo di fuzileins.
O major graduadodo4.*da mesnia arma,
Joaquim Manoel l'ereira, para segunda com-
pannia.
Para o guarto batulhto de futiteirot.
O Capillo do 5.'da mesnia arma Joaquim
I.uiz de Azevedo para a I.' companhia.
Para o primtiro batalhto de cacadorei.
O tpneiite-coronel graduado do 8.* Ca
mesmaloao Gnilherme de Druce.
Para o oitaeo batalho de cacadoret.
O major do I.* da mesma arma Joaquim
liolrigues Coeltio Kelly.--Inteirou-se a pa-
gadura militar.
DitoAo mesrao, transmittinJo, em cum-
primento s portara exped la pelo conce-
Iho supremo militar em 28 de agosto pr-
ximo fludo, o rraiictimenlo do lente do
oilavo balalhao da caca.lores Carlos Cyrillu
de Castro; aflu de que hiendo junlar-lhe
eartidSo dos esssnlsmenios de praea do
peiicionario, informe sobre sua pretenco.
Dito. Ao mesmo, inteiraudo-o da have
fi. H. o I. segn lo constou de aviso do mi-
nisterio da guerra datado de 26 de agosto
ultimo, concedido passaijeu) para um dos
corpos da gnriiicSo drsta provincia aOs
soldados. Amonio Fisiicisco llias e Manuel
Hibeiro do Sjcramonlo.
Dito --Ao mesmo, iraosmiltindo em cum-
priiuento do aviso do uiiuislerio do impe-
rio datado de 24 da agosto ultimo, afim de
qu j (lilla a devida publicid >dp, um exem-
plar do decreto o. 691 de 14 do mesmo mes
e instrumento, a qoa se elle refere, do r-
coiiheiiuiuulu da pr ncesa imperial a Sra. D
Isabel como suecasdrs do trtono cora
GOVERNODA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 1. DE OUTUBRO.
DE 1850.
nflloioAn Kxm. presidente de S.-Caths-
rina, aecusando recebido o ottcio com qu
S. Esc. reasetteu duaa-AilleeeArs dos actos
legislativos da tsg&ta-*ia*iU ***mn-
cia, promulgados na sesso ordinaria do
correte aono.
DitoAo Exsa. oommandante das armas, no respectivo corpo, on em qualquer outro
desta imperio. Igual reistissa se Tez a to-
dos os eneres darepsrticoes.
Dito. Ao mesmo communicando que S
M. o I. por sua inmediata e imperial reso-
IncSode 15 de agosto ultimo, toma la sobre
consulta do conselho supremo militr, se-
gundo fof declarado ero aviso do ministe-
rio da guerra datado de 2(1 do oiesmo mez,
bou ve por bm determinar, qu o atieres do
5.a bilslliSo de fuzleiros Jos Anlnnio lio
drigues l.ins conlra quem se mandou pro-
alar o catiaelho d> inquricOo nos termos
lo Jj S. do artigo 2~*> actalit 860 do
I.' desetembrode 18*1, continu a servir
Is arma de infantaria, visto nao estar pro-
vado, que ten ha tilo mao oomportamento
habitual no servico do exercito.
Dito. -- Ao mcsniu, ioteirando-o dehavnr
S. M. ni. conforme foi declarado em aviso
lo ministerio ds guerra de 23 de agosto ul-
timo, prnrogado por dous mezes, mas regis-
trada, a hcenes com quf foi corte o 2 c-
lete do 8 batalbao de caca dores Francisco
Msnoel de Faria
Dito. -- Ao mesmo Irsnsmittindo copia
iloaviso do ininislerioda guefradatado m
10 de agosto ultimo.
Dito. -- Ao mesmo scen(iflcando-o de ter
s. si. o I. por decreto d 17 de agosto pro-
simo pissadu, segundo constou d aviso
mez, nomeado para caPellSo do 2 o bitalhlto
da fuzleiros a fre Antonio de Santa Rosa
Lima, que se acha nesta provincia, o qual
deve seguir para o referido hstalhSo, con-
forme determina o citado aviso. -- Intelli-
genciou-se ao inspector da pagadoria mili-
tar e ao provincial do convento do Carino
lesta cidsde.
Dito. Ao mesmo, communicando que
S. II. o I. segundo fui declarado em aviso do
ministerio da guerra de 23 de agosto ulti-
mo, houve por bem conceder'q na tro me-
zes de licmca com sold simales so cap-
to do 8* balalhao de caca lores M moni
Jos da Soledada para ira provincia dollio-
Grande do sul tratar de sen* negocios.-- lu-
leirou -seso inspector d*a pagadoria militar.
Dito. -- Ao mesmo, transmittindo em
cumprimento ao aviso do ministerio da
guerra datado de 26 de agosto ultimo, co-
fias das ts de oicio, cujos originaes exis-
tan! archivados ua secretaria daquelle mi -
i.islerio, do capiUo Jos Pedro linitor, pri-
nui rus t'iieuUa Joaqmos iota Ferreira Son-
to e Miguel Mana de Noronlia Foital e dos
egundos lenles Msnoel Lopes Rangel,
I.uiz llenediclo l'ereira l.eit.e, Luit Frmcis-
cu Teixeira, Antonio Caetano da Silvs Kel-
IV a SebasliJo da Cunta d'Eca e Costa, to
los pertuncenles so 3.' balslhio de anilba-
ria a p.
DitoAo Exm. director do curso jur-
dico de Olmda con mullicando que 8. M. o
I. houve por bem, por decreto de 19 de a
i,oIo ultimo, segundo consli;u de aviso do
ninislerio do imperio datado de 22 do mes-
mo mez nomear o substituto ds csdelrs
le latim do Collegio das arles dsquelle es-
tableciineuto Jos Loureuco ileirs de Vas-
concellos para O lugar do prolcssor effee-
nvoda mesma cadena com o vencinienln
mnual de800,000 rs. de ord.-nadu e 200,000
rs. de gralilicafao. lutelligenciou-se ao
inspector da thesoursris de fazenda.
Dilo. Ao Exm. presidente do relelo
ioteiraildo-odo lia ver S. M. o I. por decreto
de 97 de agosto ultimo, segundo foi decU-
rado em rviso do ministerio ds justica de
20 do mesmo mea, aposentado o conslhci-
io Jos Joaquim Fernandos Torres no lugai
de desembargador da relaco desta provin-
cia com o venciuienlo aiinual de 1:400,000
rs, dependendo esta merce da approvaclo da
assembla geral.
Dito. Ao inspector ds thesouraria de
fazenda, scientilicaodu-o de haver S. II. o
I, segundo foi declarado em aviso do mi-
nisterio do imperio datado de 31 de agosto
ultimo, spprovado a deliberadlo que a pre-
sidencia lomou de mandar abonar por a-
quella thesouraria ao doulor Agostinhu
da Silva Neves presidenta nomeedo para *
l'itraliiba, a quanlia de 1.000,000 rs. como
juila de custo para as despezas da visgeut
JiHT i nUasT-fT iri^tmmeemaMMmtmlam,
FOLUET1M.
TIIE ATRO DE SANTA ISABEL.
Eat a traite de t do correte tivemoa o bello
drama em cloc actos 0. Cetar di Sitan
levado pela trreeira vea a acea; a eircnco
tul boa, nein uan'falla IQe noUuios, e'coui-
quaoto j (eiilixuioa eniinldo onostojaiioa
reapelto, todava be obrlga^ao nossa dar ao
publico una circuiiMiaodada notiiia deisa
jioikr, em que o Sr. Gcrmauo deu-nos uui n-
cellente dlverllusealo; he o'que pataauos a
fuer, principiando;|>ela Sra. Juanea, que un-
norotaineule desrmpeuhou a parte de iiarlia-
i na : no prinidro aelo fui lio bem caraclcrisa-
da, que a deaconhecemus, pareceu-nos dina
iiienina de 16 annus ; seu aralegre, seu soin-
blaut risooho, uo audar ligeiro e engracado,
aeu vestido curto e bem feiio, ludo concurreu
para despeiur a nossa adiuiraco; iicamos
entlo arrebatadoa, quando a viiuua danfar cout
0 grupo que aacoinpaubava e que a applaudia.
1 uinpre-noa aqu slgnihcar Sra. Joanua a
ndssa gralidao pela ducilidade com que aco-
lbeu ai nmiu buuiildea rrfleiA>a em o nilinei-
ro folhrtliii ijue demos desle drama, jiui to-
das oa mala aclov a Sra: Joan na irabalrrau, cu-
iiMseiupre a Mitsoa visa*, brai, muUo hem, e
cun aquella uaiuraiidade, iu felo re-
coiiiiueadavpl e que ua utasinos iuiuiigos do
ihcaira.que luO> d. prinaiu, apesar de ivdaa
u cscessiva uialedincla, nao Ibe
"onejar: em multas aceas lomos
doa, principalmente no quinto acto, quando
scienle de todo o misterio de se'u casamento,
pouhcce o trama que conlra a sua honra ae ur-
da, quando o rei ji por ella condecido, anda
Insiste em declarar-lite sua libldloosa patito,
e humilde Ihe auppllca a correspondencia de
aeu eaoeaaivo amor, eiia uis *J!.v-">v Sr.: e
inustraiido-lhe utu punhal continua, mala uin
passo, a dar-me-hei a tnorie! a Sra. Joanua
inuslrou pcilcitameiite a coragetu da uuilher
honrada, da esposa liel que recelosa de receber
duroa ulira'ge's de um seductor, prelerc a mor-
tc antes que a deshonra e a infamia. A Sra.
Joanua aetupre que apparece eui scena, alcan-
ca um novo trluinpbo. Nao laca caso alguin de
cerloa ditos Inconsiderados, desprrse algutitaa
rxpresses mal cabidas de algueut, prosiga a
yante que ver sua fronte singida aemprc dos
victuriusos louros que Ihe pteparam os justos
apreciadores do seu raro itetecinieulo pira a
scena.
U. Ceiar de basan foi representado pelo Sr.
Germano : este noute be batante para saber
e que nada deliuu a desejar que fui prrl'eito o
deseinpenho desta parle. Admiramos aluda
cata-ves a forca con! que este Insigne artista
lstenla a inalterabilidad* do sen selubtaule,
quando a occasiu asiim o requer : adtitiramos
aluda mala a graudesa, e subiimidade dosseus
transportes vivamente repre.e.itadn ilsUH-
djade, e ao mesnao lempo a naturalnlade dessas
beilas ransiedei, com que arrebata os abluios
dos espectadores, eaae poder, com que pene-
trando o pfnsaiuenlod autor, o Sr Uenn.iiro
em sceua o uiaufenta, como te filia elle o utea-
ino autor, qu aquella cuju papel representa, e
teeupodl- (rodiit nos eipecla'doret as man bellas illuses.
arrbala- Dito' Ao hiesmo tranimiltindo para ter
a devida execuQo o decreto de 2 de setem-
bro ultimo, pelo qual S JI. o I. houve por
bem nomear a Manoel Jos Teixeira Bastos
para o em prego dotliesorirn Jos ordena-
dos dsqulla tnesouraria
Dito. Ao mesmo communicando s fim
le que o fac constar ao administrador do
correib desla cidade, que por decreto da 31
de agosto ultimo segundo constou da avi-
so do ministerio do imoerlo data lo de 2 'fe
setembro prximo lin lo, lora ajama*do
Thomaz Jos Pinto fferquira pSrloTBfsr
le director gftral dos correios. \
flito.-- Ao tneeino, inle||ignncianilo-o de
haver concedido msis 15 das de licenca
com vencimentos sojuiz de direito.do cri-
me da comarca do llio-Fornso Caetsno
Jos da Silva Santiago. Nesle sentido fj-
zeram-se as convenientescommunicur;i5es.
Dito. Aojuiz relator da junta dejustica
transmittin lo para ser aposentado em ses-
sSo da mesma junta o prucesso verbal felo
ao soldsdo do 3. batalbao de srtilharia a
p Pelro Antonio Soares, Inteirou-se ao
Kexm. commandante das armas.
Dito. Ao inspeclor da psgsdoria mill-
lar, remetiendo para os flus convenientes
urna gula pssada pela pagadoria militar
do Rio-Crande do sul, ds qiial consta o
lempo, em que fia suspenso o pagamento
la prestaco mensal de 10,000 rs. quo ha-
via consignado naq'uells provincia o cap-
to do 8.- balalhao de cacaddres Jos Fer-
reira de Campos.
Dito.Ao mesmo.remeltendo, psrs que
tenlia execu(3o, copia do avis circular ex-
pedido pela secretaria de estado dos nego-
cios da guerra en 26 de agosto ultimo.
Dito. -Ao mesmo, iransmiilindo tres con-
tas, que f-sm enviadas pelo msrechal com-
mandante das armas, fin de que, mandan-
io-ss examinar, rnfotme a prdsideticia se
estilo no csSO de. Ser pagas.
Dito.--A'o mesmo, communicando, alim
le que mande proceder ao devido descont,
que o Exm. Sr. ministro e secretario de es-
tado dos negocios da guerra participara, em
aviso d* 23 J agosto ultimo, haver man la-
do abonar pela pagadoria das irosas la cor-
le, a contar do i.' do mesuY nYe.z, ao le-
ii-iiie-rpronel reformado, Manuel Jl'endes da
Fouseca, a quanlia de 15,000 rs., que.Ihe
consignara seu filho o priin me EsiMsSto da Konssca. .
Dilo.Ao mesmo, inleirando-o de havn-
rm as pracas de pnmeira linlia comprehen-
didas na relacflo que remelle, assignada
pera secretario interino di provincia, de-
fots de lindo o seu lempo de servido, con-
ratado, d cohformi lade com o decreto e
regula ment de 18 d novembro de 1818, pa-
ra continuar no mesmo servigo, mediant-
asgrsliflcafOes declaradas na citada re cilo,
c ordenando que mande pagar as referidas
pracas as mencionadas gratilicacOes, sendo
50,000 rs. i vista, e o resto em presta en es
tiieusaes de 10,000 rs.
Dito.Ao mesmo, inteirando-oinm deque
faca constar ao agraciado, de haver S II. o
Imperador, em detrimento a sunplica de
Francisco Ribeiro Pavo, mestre das oflici
as da quinta classe daquelle arsenal, se-
gundo foi declarado em aviso, do ministerio
da guerra datado de 28 de agosto ultimo,
confirmado-o no referido lugar com o venci-
mento de 2500 ruis diarios.
Dito.Ao director das obras puhlicas, re-
metiendo copias do aviso do ministerio de
juslica datado da i da satoutbrs nlljmo,
do artigo 10 do decreto n. 687, i que se ell"
refere, para que de conformida te com o
modellu que tambem remelle, organisia-n
mappa demonslrativo das distancias pelo
caminho mais curto entre ss canecas das
comarcas desta provincia.
Dito.A' Msnoel de Uliveira Cavalcanti
le Albuq'uerque, dizendo Picar sciente de
haver Smc. na qualidade de siibftituto do
5'iz municipal e de orphSos do termo do
o-d'Alho, entrado em exercio daquelle
oirgo.
.Dito.Ao delegado do Pao-d'Alho.Em
resposta ao ofllcio de 30 do correte, em
qae Vine, comntunicando-me que t-quisit i-
rrfdoescrjvSo do jury, Jesuino Dominguef
Cmara uro processo que existe em seu car-
torio contra Manoel Beserra, alim de proce-
ier algumas in lagacOes ace'ca do preso
Manoel Bezerra de Abreu que se acha reco-
lludo a cadeia desss villa, allribuindo-se-lhe
un processo pelo crime de homicidio e fur-
lo, participa-me ao mesmo tmpo, que o
djlo oscrivSo se opposera ao cumprimento
d sua requisico, remeitendo-me por copia
a duvida que ouVeceu a execucu de sua
portara, cumpre-me declarar a Vmc. que
lee pora disposiQu du juiz municipal des-
s turnio o mencionado preso, para qu-
proceda a seu respeilo ss necessanas aven-
jatO;s. c t -iUi________^_______
XTE^IO !
HtlaciO oue te rifan o officio aima.
5." bstalhlo de faxileiros.
Furriel Mannel folijuim Dinlz
.. Leo
Sylario Jos de S.-Auna
aitiuh da Triiidade
Cabo
'
180.000
180,000
180 O iti
180,00 )
i i MRitmui/ua ll|Hi|,i|C
Soldado Benedicto de Flanea
Antonio Pedro Ito-
drigues
Aniceto Pereira
8.' batiho de cjdores.
Corneta Jos Francisco Tlicnorio 170,000
Soldado--Antonio Francisco d
l.ima
a Manoel Desiderio
Manoel Antonio de Uli-
veira i
lntmigenciou-se ao Ex n. marechal oaajv
mandante das armas.
Dito -Ao director do arsenal de guerra,
coneedendo a autor isa c.1o que pedio para des-
pender a quantia de 9J&,000 lis cooi a com-
pra dos gneros oecesRYOs para o fOrneci-
mentode luzesno crranle mtfz as fortale-
zas, gti i rdas e quartis doa corpos da guar-
nido desta provincia.--Commnuicou-se ao
inspector da pagadoria militar.
k%%*m^mkamaWmaamka*am
180 090
180,000
180,000
180,000
180,000
LONDItES 30 DE JUI.IIO E 1850.
Urna observado que foi ltimamente fei-
14 por lord Brongham sobre a lei que regu
la os casanteotus dos membros da familia
real stiggere materia para graves conside-
raciVs a todo o iii.iivi lito que cuidadadoso
nlis -iva o que entre nos se passt. A appro
vacilo unnime que na casa dos lords ob
tave a nroposta de urna ensilo para a fmi-
lla do filiado duque de Cambridge, he sem
luvi la una prova signiiic.ativa do grao de
sensibilidade daquella respeitavel assein
bla ; mas, nao imagin4 ningunos que essa
nroposta tem oblido do puvu d.-sl-i paitu
mesmo bom acolhimenlo. A profusSo des-
uecessuii da cuncesso tem rovoltalo os
millioes de industrioso*, pelos qua.-s o di-
nheiro lem da ser subministrado, e estric-
tas in lagacOes teem sido (eit-s por elles pa-
ra saber se tSo eslravsgantes dous sao ou
tifio cjnsequeitcias necessarias das i isti-
tdicOas monarchicas. Aquelles que since-
ramente a mam esta forma de governo estfio
natural nenie anciosos por saber do resul-
tado dessas in lagacOes ; purquanto, bem
s Miti'tn que ella correr grande p'engo, se
eise resulla Jo fr afllruiativo.
A idade p escoto he essencialmente in-
vestigadora e calculadora. A adorac^o cega
|uer dus homens.quer das cous cjncia nao motivada a qualquer proposi-
Qo, por maisantiga que seja, vilo se tor-
nan lo de da em da ca la vez ntais raras
a lealdade eiilliusisslica tem sido succedi-
ia pela lealdade nacional, o o qua o.tra
o a era urna mera emuc,fio apaixunada, he
hjoje unta firme eonviccao, proveuieuie de
cuidadosa invcstigacii, e de calmo e exac-
to raen cuno O sentimentalista plela-
nlentir esta mudenca ; mas ao tiomuin sa-
bio ella causara regosijo
Para a manulen(io de utns monarcltia he-
reditaria toioa-se evideiitamenle indespen-
ssvel urna familia real. Em outras palavras
a existencia de urna familia real he um dos
incidentes necessarios na instituifSo de
umi monarchis he preditaria V u nos gran-
ules objectosque pela inslituicao desla for-
ma de governo os notnens procuram obier,
le s.-m contradiccSo a successao nao dispu-
deria euioi-llexar e dar vida ao ultimo quadro,
quando U. Crzar, ao relirar-se o re no lint da
peca, abraca sua iiiullu i 1 Descoocerlada gri-
tarla, rouca voaque clama no deserto, caes que
tsdram a la. nunca serio capaaes de diminu'
un so pice do reoouhecido mrito do Sr, Ger
inabo.
O inarquez e a inarqurza de fclontefior, em
nada, drimereceraw ; quanlo a eia siuiprc a
acbainoa ba. c. o deseinpenbu das partes que
Ibe sao destribuidas, lem-noa agradada e
'luaiito aqucllc j temos conl'essado que quan-
do os papis, que na drstubutcao Ibe cabem
por sorte, sau do seu carcter secnico o adia-
mos multo bom -. cuiupenetre-se p Sf. Haj-
uiuudo desta verdade, e nao nosj. d daqui por
tiaiile o dissabor que ups deu coi Manoel iti-
beiro. D. Jos de Sautarm acbaipo-lo nimio
lioiu Susleotou a sua voz aeinpre igual, dando-
Ihe aquellas liijleades que eraua precisas para
lazer agradavcl a sua declama'.ao : eremos ser
iurte a parle par* o Sr. Silveslrq, nas recorda-
iu ubique elle be discpulo da Sr. Germano,
que lem l'eilo desenvolver coiu asas lices o ta-
leuio oalural do Sr. Silvestre, aaua grande ha-
bilidade para a sceua, de sorle que as parles
que primelra vista parecein funes psra este
ulentuio artista bahiano, tem aidoquasi aeui-
prebeni deaeinpenhadas. Avante, Sr. Silves-
tre t avante! e vira e breve a'ser erauda so-
It
ano que seeucaxrcgou,. da parte
iteV inelhor, sua' voz foi mais
c Carlos IT
itelligivel e Timos em uuu scCiia fazer um.i
A>clia iransi(o do estallo c|e furor, o de icrnu*
ni cun proprirdade. 3e o 3r. Cosa alleuder
i aossat adii.oetafes, ser biil, hade algum
O uieuino J. J. Pereira esteve opitm" u par
te de Cazarilbo c quanto dissemos delle da vez
passada, coiihrinatiios agora.
kO Sr. Sebastio cui seu genero, igualmente
atleve bom.
Consta-nos qne o uosso especial amigo, o Sr.
Oabral. anda trate e ae tem uui'ixado atuarsja-
laeuic de nos por nos nao'termos oceupado
delle etu mullos fulhriins, nao tem inulta ra-
*ao o Sr. Cabial, anda uo Ihe perdi aainisa-
de, c para que nao continu o seu dcagoslo, l
val. Fez o papel de alcalde optimaiucute, gos
tamos du if/tpasun com que o alcaide appare-
ceu eui sceua, e dlsse : aiat nonas do ra tttaei
prno loi sd oque fes, mals isto uiesuio foi mul-
to, o que! siiraiMo froi*!
l'iudou o espectculo com a engranada farja
Ochaio urdo. Sr. Germano desrmpe-
nhou perfeitaiunte a parle, do Laponto, eo Sr.
Silvestre a do l'upa picidet, o Sr Rayinuudu,
as Sras. Juanita e Soledade, igualiiicule o Sr.
.oinra trabalharaiu bem. Multo gostSuios
do iaudaugo cantado pelo Sr. Germano e a Sra.
Joauaa, eui ludo estes dous artistas sao gran-
les e dignas de adiulracao. kan permitan
ios liceuca para dizer Ibes que somos de opi-
nl.iu que o Sr. Germano etn quali.lade de direc
tur da coiupaubia, e a Sra. Joauna lie priiuejae
dama, au deveill represeutar etu lar(aa^Bj
cent da sua altapuslcao, ir.oruieute quando nao
isa pr;i>2a porhaver umita geule u ebuipa-
orna para ser ulsto empregada.
Fallaremus agora na decaraco. A vista de
priso do segundo acto esieve pitinoroaanien
u piulada, e bem assliu a sala do palacio do
tuarques de Mousenor que da oulra ve uao
tava acabada. Louvores ao Sr. Sebastio,
Klnr Ai\ llaalrn
tada, e por consegulnle pacifica ; mas essa
successao nao leri eeriamente luga', senSo
quando Mr bem determinado o numero
laqueiles que tem em seu favor algum
fundamento de direiio ; poii, quanto mais
distante esia o herdeiro do ultimo oeeu.
paute dolhrono, fflais provsvel hequea-
che competidores de preleiices qussi i-
guaes s suas, e sempre que pontos deli-
cados de consangninidadn livernm quesT
decididos, muitas influencias alm das de
otero direito entrarfid nrovavelmente em
aceo. Alliancas poderosas e ntmerosas
jesarSo n-sle caso sobre a balance ; a po-
nularidale pessoal se tornara de: grande
importancia,o entfio os mismos pangos que
se soppunhs havism de ser prevenidos polo
estabeleetinerito de Urna monarptiis hare-
litsiia, resultarSo necesssriamento delta
Bsciocinando deste modo nossos ante-
passados para prevmir as consequencias
pnssiveis s^nfio provsveis, da existencia de
um grande numero de pretendentes ao
throno, flzram no reinado de Jorge III. a
lei que regula os casm'enlos dos membros
la familia real Golfos motivos almdes-
ts, inl] nram tambem nos ani nos ilaqnd-
les que proposeram e apoiaram essa cele
bre modida, O ciume ds casas rivaesdt
aristocracia coniribaio muito para a faci-
Itdade com que a mediJa foi approvada. O
casamento com um duque real era urna dis-
tincilo grande e desejaVel, at na opiniln
las mais poderosas das ramillas nobres ;
e o desejo de alcancar a mSo e a grande
fortuna da bella La ly Waldegrave habili-
tou Jorge III. a obter o poder dispotico so-
bre toda a familia real.
A disposico mais importante ds novs
lei, he aquella que declara millo todo o
casitnenlu com um membro da familia real
i)ue nao liir ssuccionado pelo monarcha
reinant-'. Os direilos dos pas sobre os fi-
nios menores, os direltos que to la a pes-
aos iui ;tiri tm para casar-se com quem
ihe apraz, furam lirados aos membros da
. mi I a real o Confer los para ana gran In fin
le estado ao che.fe da mesma ; isto he, ao
monarcha reinante. Parece seguir-so co-
mo necessaria e justa conseqtiencia de u-
na tal pnvacao do direilo comraum, que
aquelles que sao assim despjalos para o
liuin do estado, tienen sir sustentados pe-
lo estado. Aquelles que Segundo ss sup-
P0e, colliem o beneficio d/ta mel laeoer
i-ivj. devetii em juslica cmnmum, susten-
tar os que sotrrein por ella ; ha poten um
resultado possivel eat provavel qua pa-
rece nao ter sido ai .tendido. Quaes sa i os
limites que devem sar pastos a esta coer-
co, bem como a obrigago que llalla ra-
ulti P Ueverao ser julgados membros da
familia real, e sujaitos por conseguidles
nSo contrahir mairnnuniosem o coiisfnli-
uienlo do inon i relia, t idus os c dlateraes.por
nais remoto qo- seja o grao em q-iesaa-
ebem '! Se lodos elles devem estar a isso
sujeitos be necessario que todos sejsm
sustentados pelo estado.
No Oriente urna breve resposta se di a
esta quesillo, e adopta-se um meio mui
prompto e rpido para solver a diQicoldade.
O turco que nfio solfre irmfio junto do tro-
no acaba com os membros.da familia real,
a pr .vine urna successao disputada, estran-
gulando sitmdesm nte seus irmfios ; py-
rm como uni tal methodo nfio se confu mi
com as ideias que tainos do justo e do in-
justo, este precedente de nsdi nos servir
para desatar a diMculdade que preseme-
inenle nos oceupa. Todava a familia dos
HurliO.'s he um exempto tiolivel das ms
consequencias, que polem resultar da sus-
tenta cilu de ramos reaes colla to. aes. O ra-
mo Oilefies dessa familia lem sido desde n
lia de seu estabeleeiineitlo at no presente
um rival perigoso, e mao para o -mo pri-
m igeuito da mesma, e o que a Franca lem
experimentado at hpje,a Inglaterra pode
paiao futuro ter talvez que deplorar. Os
lilhos de Jo ge III, comquanlo muito nume-
rosos, deixarsm cooparStivamenlo poucos
descendentes, mas isso nlo obstante o seu
numero exigir logo ser lomado em consi-
d-racao, amia mesmo debaixodo punto de
visia liuaiiceiro.
O rei de llanovre e seus lillios podem por
mkmmmwBB
ii rn.iT i
Nunca nos persuadimos que fazendo ao nusao
collega \\ di Imprenta poucas e humildes re-
lie ves acerca do modo porque elle falluu do
Sr. Silvestre c da Sra. Joauna etn leu priineiro
fulheliui, elle i-vio ae resaeutisae ao pnntu de
sobre nos querer tancar todo,u odioso do seu
e5;a:::c2trj : *^dera!^""* "" h?:r. fui Uim>
analysc minuciosa da sua eiplicatao e dos
equvocos de sua resposta a nds, mas nosso
flu nao be sustentar polmica!, hecertsuraro
que for ino, elogiar o*que fof bom na scena,
se ni que as aceites deste ou daquelle actor co-
mo hoiiiciis nos airvam de regra para faceras
iusulluusas e olleusivas, lauto da conduela dr
cada um. como do respeito que se deve au put
buco, e ainda mais olleusivas da mor^lidaJe do
proprioescnplor. Nem uin servico particular
queremos faz'*r, nem podemos saber a quem,
o seivico que pretendemos fazerhao publico,
e se tem alguma cousa de Individual, he ao col-
lega que queremos servir".
Nao concluiremos esie iiosto lt)lhlit* seip
dirigir ao Joi> do Teltgrapho siuceras eaprga,;
stJes do nosso reconheciiiiento e gralidao pela
maneira urbana e clvilisada, de que ulou,
quaaado de us fllou em o seu numero 13, an-
da mais agradecidos Ihe somos pelos dous ter-
mos inu.lu inoraes, e dignos do publico, cora
que o Joao liualtsou a uosso respeito o seu ar-
tigo adulador i detfrut-Mi foram asea oa
...-.iiiius irruios com que n Joao nos cou-
Ja^^^DsTrequtnte de sua hondade p.coiu
uosW coiifessamo-nos in ilguos de tanta hon-
ra, que a eivdisacCo e consuma la sabedoria do
Joao nos queresa dar; mal' calta 'itn d o qie
lew.
atrio*.


-* N.. -
(ton ser posto de parte j restflo portento
smente S. M e eeus (ilhos, e os descendan-
tes do finado duque CembriJge. Examine-
mos os descendemos destes ltimos, se os
filhos do actual duquoeos das princezas
tem ou nflo direito a seren sustentados por
osle paiz.
Ao nosso ver, esse direho nflo Ihes pode
ser contestado. O poder do ehefe da fami-
lia, sgundo lei ingleza, estendese sobre
tofos elles; nenhum matrimonio por elles
coulr*hdo he valido, seomomrcha brit-
nico I lio recusa o seu consent ment, (salvo
se este consenlimento he dispensado por
um acto do parlamento) logo elles tem um
direito sobre a nacSo, e esta os deve sus-
tentar.
Para remediar to grande mal, emanci-
pemos lodos esses collateraes ; livremo-Ios
da digniJade onerosa que os opprime ; dei-
xemos que elles formem as alliangas que
quizerem, e que deste modo abandonen! to-
dos os seus|direitos ao throno. Facemos, por
exemplo, que o octual duque de Cambridge
saiba que seus descendentes podetn casar
com as pessoas que Ihes agradaren); trace-
mos urna linha que separe a familia collate-
ral do real,veremos que elles desceran) logo
a condic&o de individuos particulares, for-
mando alliangas feliies com os ricos e no-
bres do reino, e ficicarflo habilitados para
alcanzar urna independencia honrosa, ga-
nhando para si a liberdade, e llvrando o
povo da carga de sustenta-los. Nem se diga
que isso lie indecente ou impoltico; por-
cjuanto, sondo a idade presente, bem como
j dissemos no principio deste artigo, peeu-
liarmenle calculadora e investigadora, o
povo, se essa linha nflo fr trabada, pora
em questao a propria instiluigSo, da qual
resullflo Les consequencias. O bem real da
monarcbia hereditaria ser esquecido i
vista do mal immedialo de despezas desue-
cessarias, e veremos rssOes tlscaes veoo-
rem as suggesldes.de urna experiencia poli-
tica previdenle. Dentro Je poucus anuos o
povo lera que resolver este problema, guan-
do talve7 todos as nossasautigas associagOe
eslej.m ja obscuiecidas e apagadas pelu
ti'iii|.o, quando a experiencia viva de na-
goes intelligentes,*lguaes a nos em ludo, e
se mi litantes em lingoagein, coslumes e
modo de pensar e oe seulir, nos leuham
dado um exemplo que os uiilhoes Je ituus-
triosos deste paiz nao larjaiao em seguir
variedad^

HlSPOSTA AO COMMIJNICADO DO SR.
BRASIL1CSNO DIARIO DE PBRNAV-
BUCO N. 2-21 DE TERCA-FEIRA DE 1.
OUTUBRO DESTE ANNO.
[Tima.)
PE.NAMBUC
Jury do Recite.
3.' SESSAO ORDINARIO DESTE ANNO.
Presidencia do Sr. Dr. Neiva.
A's onze horas da manhSa, feila a cha-
madla, acham-se presentes 39 Srs
rado.
Ju-
OSr. I'residmie abre a sessflo, multando
na quanlia de 10,000 rs. aos Srs. que, tendo
fallado, nfloapreseutaram excusa legal.
Sao apregoados os reos e testenunhas
OSr. Presidente:--Vai-se proceder ao sor-
toioJo CuDcelho, que tem de juigaroro
Jacmtho Jo Pavflo, accusado pelo ctime de
ofensas el'y-ic.is.
^Sehroi sorteados osseguintes Srs. : Manoel
Vieira Caldas, Manoel Francisco Coelho,
Ant. nio Cardlo Queiroz Fonarca Jnior!
Jnse Carlos TeiXfira, l.uiz Antonio Vieira!
Mmioel Duarte Rodrigue, Manuel Antonio
Feneira Gomes, Bernardo da Costa Teiiei-
ra. Francisco Cavalcanli de Mello, Candido
1 hnmaz Pereira Dulra, Jos Alfonso Ferreira
e Firmino Jos Flix da Rosa, os quaes pres-
tara o juramento do estylo.
O Sr. Presidente faz ao roo o seguinte
Interrogatorio.
Jau'sComo se chama ?
ReoJacinlhoJos Pav3o.
Jwi--Sabe porque est (reso, evem peran-
teeste tribinal?
flaV-Ignoro, lilil. Sr.
Juta--A que lempo est preso ?
KoHa perto de 8 mezes
Juj-Nunca tratou de indagar, durante
esse lempo, o motivo de sua prisSo.
nVoNfio, lllm, Sr.
Im'3-E porque foi processado ?
RioIgnoro : no dia immedialo ao de mi-
nha prisflo foi que me disseram que eu li-
nha l'-ilii urna cousa ; mas eu n8o liz nada,
eal nesse dia eu linha jantado bem.
Juisf. qual foi esse fado, ou essa cousa,
como o Sr. llie chama ?
/feoFoi do dia de entrudo.
JuisMas o que? Qual foi o facto ?
ffroNoaei, lllm. Sr.
luCondece a Emilia Candida?
Reo--Conhego, sim,Sr.
Jnix-Nflo se recorda delhe haver eito um
ferimento?
JtsV-Nflo Sr. ; nem aeria capaz. A m.li de
meus filhos ?
Jara nao sabe se ella foi ferida ?
Rio- Ignoro.
Ju.'i-Pois o Sr., morando com ella, nSo
sabe se foi ou n.lo ferida ?
Riofio outro da foi que me disseram ;
mas eu nao me lemhro de nada, lllm. Sr. :
si'i sei que eslou preso ha 8 mezes.
luisNfio teve ne.'se dia alguma desaven-
ce com essa Emilia ?
RioNflo, Sr. ; se eu estava preso .'
jifcs& iiu da anterior?
Uro -Nada ; uto, Sr.
JaisSabe escrever ?
/leo--Umbocadinho, lllm Sr.
Fimi.io inlerrugatuno s3o lides as pecas
do prucesso, e enira-.su na accusagflo e de-
m.
Fmda estas
OSr. Prndente faz o rea torio da causa
e entrega ao concelho os seguiuiea
Quesitoi.
i.' O reo Jacintlio Jos Pavflo pralicou o
facto, de que he accusado, de fazer offen-
sas physicas na pessoa de Emilia Candida?
2.' O ropraticou o facto, tendo superio-
riilade em torgas, de maneira quea ollendi-
da So tiveste probabelidade de o repellir ?
3. Existen) circunstancias atlenuantes a
favor do feo.
Voltando penco depois, o jury reapondeu
negativamente a lodos oa quesios, quanlo'
ao primeiro por II votos, equanto osou-j
tros por unanimidad.
OSr. Presidente, conformando-se com
J me tardava o qur que fosse pelo prelo
em contraposicBo ao meu artigo relativo ao
escandaloso monopolio das carnes verdes.
Com effeito sabio a campo o Sr. Brasiljcus
com o seu communicado em defesa dos con-
tractadores, e marchantes, e pretendendo
combalere refutar as minhasassargOes. Se
o conaeguio, agora o veremos : e decidam-
no as pessoas intendidas e desapaixonadas,
para cujo tribunal ioterponho respeitosa-
nii'iiio o meu recurso.
No meu citado artigo sobre as carnes ver-
des nao ha, n3o poda, nem devia haver
alarde deerudigflo : entretanto he urna es-
pecie de torquezada, que me di quando diz,
que all eu ostentara erudigSo profunda
Muito pedante cabia, fosse eu, para despen
der erudigOes em umobjecto de carne de
agougue. Tambem affirma, nSo sei com
que fundamento, ser affectado o meu zelo
pelos gozos e commodidades das classes
menos abastadas. Affectado, fingido o meu
zelo a tal respeilo I Que interesse, que pro
veito, que lucro posso eu esperar advogan-
do a causa da barriga das classes menos a-
bastadas, dos pobre em sunima, que nada
teem quedar, eque para os venturosos do
mundo s3o deapresiveis proletarios e cam-
ina? Seja tudo pelo amor de Daos. Sr.
Ilrasilicus, eu fallo como queixoso, eu grito
contra o horrivel prego da carne; porque
tambem pertenga s classes m:nos abasta-
das ; tenho numerosa familia ; e a carne a
12 e 14 patacas pOe-me em ternveis apui os
linancairos : e ouvinJo gemir a tantos, co-
mo eu, digo com a rainha linio na Enei la
Non ignara mola miterii suceurrire disco. --
Mas deixemos essas franjas, que chame-
rei episdicas. Vamos aos argumentos do
Sr. Ilrasilicus desinteresado e imparcial.--
Para proseguamos com or lem, com preci-
san e clareza, cumpre dividir extremaros
raciocinios do nosso adversario por urna
exacta enumeragSo: e depois iremos res
pondendo a cada um, como convmI
que o subido prego actual das carnes ver
des naso da secca, porque temos passadn
depois ile cinco annos 2 Que depois dos
esiragos feitos pela secca de 1816 n3o pJ.
o prego da carne continuar, como d'anles
o menos nos quatro annos seguintes; por
que, como he sabido, o gado vaceum nBo
cresce de um dia para o outro : s3o mystei
3 annos pelo menos, para que elle esteja
em estado de servir ao consumo.3.* que
he calumnia atrocissima o ter eu dito, que
ha] um conluio de contractadores e mar-
chantes para o monopolio das cirnes : que
os campillos, ou magarefes eslSo compra-
dos por essa compannia, etc.I.* que qual-
quer individuo pode abrir agougueem sua
casa : qualquer plc ir comprar gados s
reiras: que os campinos sBo homenslivres
e pdem ir servir aquem melhorlnes pa
gue.5 Oquea causa do alto prego das or-
nes, alm da secca, he a accumulagao dos
i <'pnslns sobre o galo, e a especulag.o dos
atiavessadorrs.6."que he em mim aleivo-
sia o haver dito, que os marchantes sSo mo-
nopolisadores, etc. : uue j houve aqu urna
sociedade composla de r^speitaveis capita-
listas com olin Je marchant -ar : e apenas
diirou dous mezes. 7 que he lastimosa
contra licgflo minlia o ensoar ao goverm
a iinniu opini3o como exemplo dos Est -
'os [ ni 'os a respeito dos canaes, haVenJo
eu combat lo o monopolio particular.
Quinto ao primnirn h menos exacto o
que diz o Sr. Btasilicus ; porque se isso Ba-
ln) fosse, a carne nos invernos dos mencio-
oadn cinco annos, t^r-se-hia vendido por
mais sobid i prego, que o actual ; e aconte-
cen justamente o contrario, do que todos
estaro I.miiIiimiIos s annos decorridos
depois da secca s3o suflicientes para erial
novo galo, alm deque urna grande parle
deste para o nosso consumo vem do l'iau-
hy, onde n3o houve secca.
O segundo argumento he um lago, quea
si mesmo armou, e em que puerilmente ca-
hio o meu estintaVdl adversario ; porque se
elle mesmo diz, que em tres annos nunca
menos, o novo gado vaccuin fica em estado
deservir para o consummo; tendo termi-
nado a secca em 1816, ja l v3o qualru an-
nos, e desdo o auno passado pelo principii
eslabeleci lo, por elle mesmo deve de ha-
ver novo gado para o consummo. Que mi-
seria, Sr. Brasilicus
Terceiro ponto He t.lo geralmente sabi-
da a existencia dosse conluio de monopo-
listas descarnes vrdes, Snn/a Ramos 13o prudente e moderado em
tolos os seus actos, tendo repetidas denun-
cias de 13o escandaloso abuso, officiou nes-
se sentido illustrissima cmara municipal
desla capital. Sim, 8r Brasilicus, essa
compannia he desgragadamente um fado,
que niiigum ignora, excepto S. S., talvez
pela sua Innocencia e boa f. Essa compa-
nhia paga aos pequeos marchant-s um
cerio quantitalivo para nfio maltar gado
a'reda-os da feira, espalhando o rumor de
que silo passadores de cdula Talsas, maos
pagadores, etc., e aUumas vezes at se tem
recorrido a certa influencia policial de po-
dras de fogo...
Quarlo ponto. He vtrdade, que nenhuma
!f i h, qu't prohiba a qualquer ahnr agou-
gue : ni.-s ha mil astucia, n arlimanhts, pa-
ra conseguir, que se nSo abram : por exem-
plo alugam-se previamente as casas are-
guezadas nesse trafico, e conservam-se fe-
cha las : asseauram-se aos cortadores des-
ses tainos 30.000 rs mensaes para an n..
prestaiem a tal servio* ; faz-se com que se
jam ameagados os i ais esistentes com j>n
cessus, como recrut.ment : eseistofa?
tremer outra gente, e heepaz de a afu-
gentar de qualquer concurrencia, quanlo
mais a qiiem usa de picar a carne, a ho
Hiena em summa, que vivem sujeilos aos
marchantes ? Quanlo liberdade dos cam-
pinos nada diret ; porque nao ha qtiem ig-
nore, que laia de sujeilos sBo entre nos es-
se senhores, e qual a sua independencia.
Quinto ponto, (juera ha, que ignore, que
o impostos nos vveres recaben) sobre os
consumidores T O actual altissimoe escan-
daloso prego da carne nao provm dos im-
postos, de quo se ella acha ouerada ; por-
que os meamos eram em outro anno, e a
carne nunca esteve ISo cara no mozos de
iuverno, como agora tem estado; e fora ds-
arrobas, importa 500 rs. por arroba : e se se
l a carne para os doentes da marinha a
menos de 9,000 rs.; porque se nflo vende
o poyo, quando muito, rasflo de 2,560
ris
Eston bem informado por pessoas desse
interiore desinteresadas, que o gado tem-
sn vendido nt feira regularmente de 16 a
18,000 rs., e militas vezes at a 14,000 rs ,
como nflo ha um mez m'o allirmaram dous
creadores de gado: e ho i alo tflo exacto,
me tendo o corpo de rtilharia un poucos
le bois para vender, os colnndissimos Srs.
narchantes offereceram 18,000 ou 14,000
rs. por cada um Veja oSr. Ilrasilicus co-
mo eu sei de tanta cousa a esse re jeito.
Sim (conlinuarei a sustentar ) os lucros
dessacompannia, desse conluio monopolis-
ta sflo enormes; porque cusiendo actual-
mente um bol de 14,000 a 16,000 ts.; e o
couro e o facto dando largamente, como
d, para os impostos e desnezas, segue-se,
loe vem a sabir a carne a 2,000 rs. a arrobi.
Mas ella vende-se a 3,840 rs. : logo os g-
libos sflo exliorbitant"?, podendo se calcu-
lar de 600,000a 8)0,000 rs. diario E se
lmannos lucros, ja tem chegado para tres
respeilaveis marebantos compraren) um bri-
gue de sociedade : esse brigue devra ter
na poupa este letreiroPretium innguinii '
se at tem da lo para certo carniceiro com-
prar terreno e levantar predio, cousas es-
tas, que nunca seviram na nossa trra;
como nflo chegarXo para comprar camin-
os, e para dar 30,000 rs. diario aos pe-
queos marchantes, aflu de terem fachados
os agougue, e por embaragos livre con-
currencia ?
Sexto ponto. Que oSr. Brasilicus inno-
cente, desint -ressado e da melhor f sobre
ase objocto chamasse calumnia ao que eu
escrevi relativamente a esse conluio dos
narchantes, enten le-se; porque era possi-
el, que o fosse: mas aleivosia Cest trop
(ort\ Aleivosia qur dixer IraigBo seb capa
le amizade. Onde est pois, nesta mate
lia a miniia aleivosia ? Quaes sflo esses
neus amigos, que eu com o meu artigo do
Diario alragoei ? Serflo os marchantes, os
carniceiros, oscampinoa.' Mas eu perdda
isla injuria ao Sr. Brasilicus tanto mais,
luantoelle nisto parece-me ter peceado de
entend ment, e nflo de vontade. Todava
sempre o aconselbo, que nSo escreva para o
publico sem um cabal coubecimento da pro-
inedade dos termos. Vamos porm, ao que
mais importa.
He verdade que houve aqu esia sociedade
le capiullilaa de que falla o Sr. raaillcus. Ei-
iei eslimaveia cidadoa liuham arreuulada a
nnpusio de 2,500 ri. por cabrfa de gado do
consumo dcsu cidade. Mas obaervando, que
a legao marcbaatal se uiaooutnonara para ma-
tar multo meuui reaes, atim de auteuurea o
prefo eaorbilante da carne, maudaraui por
seui agentes cumprar gadoa faira, e Hieran
picar carne para o povo por um preco baiao :
e com elleilo o cooauuio foi iiniuenso Maa o
que fez a tal legiao lempre monopotlsu ? Es-
cugiuram todo oa enibararoi iinaginaveii;
peitaran oa seus fela campillo que de cada
bol que iiiauvaia da sociedade liravam de 24
iic 12 libraade carnea titulo de seus dirriioj;
analmente taolo trabaiharam, ata que Aieraui
cabir esta llluitre companliia io til, Uo be-
nfica ao povo. Detallo para couiranai* ne a
tudo lato o Sr. aubdelrgado Rurinu Joi Cr-
rela de Almcida qu? fot gereute desta socieda-
de. Elle melhor poderi coolar as lenlilrini
jueeoio pratlcaram os luexoraveia aeobures
marchames.
7. l'oniu. A' viiU do qua ja tenho eacripto
escusara responder a eate ponto: mas repnl.
re em poucas palarras, que por via de regra o
luiiupullo he sempre um mal: por.n elle p-
iini bem, quando for o nico
CONSULADO GERAL.
V'ndimento do dia 4.....
Diversas provincias ......
87,125
3,393
90,718
EXPORTACAO.
Despacho martimo no dia 4
Marseille, brigue franeez Yolof, de 995 to-
nelada : conduz o aeguinle : 9,400 aacco
com 19,000 arroba deassucar, urna pioa e
2 barris vasio.
RECEBEDORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Keodimento do dia 4......3:864,720
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendlmento do da 4 ...... 635,637
EDITAES.
-
-Para a Baha sabe impreterlvelmente o
brigue San-Josi: para algum restwda carga,
passageiros e escravoa a frete, os pretonJan-
tes' queiram dirlgir-se aos congfgnataro
ViuvaGaudino de Filho, ou ao cipitflo Jos
llamo deSouza.
-- Para o ftio-Je-Janeiro satura al o da
15 do correle o brigue Principe-D -Affonio :
para carga ou passageiros trata-se com Mi-
noel Joaqulm llamse Silva, ou com o ca-
pillo.
Para o MaranhSo e Para
segu, com a maior brevidade possivel, a
escuna nacional Kmdia, de que he capitflo
e pratico Antonio Silveira Maciel Jnior:.
quem na mesma qulzer carregar ou ir Jo
passagom, colenda-se com JoSoCarlos Au-
gusto da .jilva, ou com o capitflo, na ra da
Cruz, armazem n. 13.
Para Wossametles.
A barca Brocharense sahe
dia 6 do corrente : o
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda nrovincial, em cumprimento di or-
dem do Exm. Sr. preaidento da provincia de
3_ do crreme, manda convidar a quem con-
vier contratar o fornecimenlo de medica-
mentos para a enfermara da forga do corpo
de polica, estacionada em Paje-de-Flores,
segundo a ola que existe nesta secretaria,
onde devem comparecer os licitantes no dia
8 do crranle mez.
E, para constar, se mn lou afiliar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambucn, 4 de outuhro de
1850. O secretario, Antonio Ferreira d'\n-
nonciacio.
Pela inspecto'ia da alfandega te faz pu-
blico que, no dia 5 do corrente, te b!o de
arrematar om hasta publica, porta da mes-
ma, depois do meio-dia, 9 peitilhos de cam-
braia de algo 13o bordados para senhoras,
um 1,200 rs., total 10,800 rs. 67 pares de
punnos de dita ditos, um 50) rs., tota
33,500 rs. ; 52 toucas de dita para cenhoras
e meninas, urna 800 rs., total 41,600 rs
15 pares de punhos de dita ditos; um 500
rs. total 7.500 rs.; 37 manguito de dita
dito, um 600 r., total 22,201 rs. ; 74 ca-
mizetasde dita ditos, urna 1,500 rs., total
111.000 rs. ;70 romeirase cabegOn do dita
ditos, um 1,200 rs., total 84,000 rs. : tudo
impugnado pelo feitor conferente Joflo Her-
menegildo Borges liiniz, no despacho por
factura n. 2 e 20 do l. e 2 do crranle ; sen-
do a arrematagflo subjeita a direitos.
Alfandega de Pernambuco, 3 de outu-
bro do 1850. -O inspector interino, Binta
ios Fernandes Barros.
Oeclarnyes.
no
pasa^geiros
queiram-se presentar na casa n.
6, defronte do trapiche novo, pa-
ra ae I lies dar os respectivos lu le-
les, aim de serem recebido a bor-
do com a sua bagagem.
Leiles,
Jame* Crabtree dr. Companhia farfio
leilflo, por intervenga-a do corretor Oliveira;
de esplend lo sortimento de fizendas la-
leira, 7 do corrente, s 10 horas da tnauhSa,
no seu arma/em, ra da Cruz.
Kalkmann IrmAos farflo leilflo, por io-
lervengBo do corretor Oliveira, de varalo
sortimento de fazenlas desala, 19a, Tlnho
e de algo 13o, todas propria do mercado e
I presente estagflo : lerga feira, 8 do cor-
rente, s lomoras da manhSa em ponto, no
sau armazem, ra da Cruz.
Avisos diversos.
le lurinr-
meio de evitar nin mal ina'lor: e til he ocaso
em questao. Entre na nao ha mel termo ou
a carue ha de aer aempre borrivelmeuie ino-
nopollsada por eaaa legio de insaciaveif mar-
ciiautes, ou ba de p.isiar a aer um monopolio
de direito creado pela publica adiniuistiacio.
i.Jual deateadous oiremos offerece meaua in-
couvenieniei. mais garant., mais vaougeas
aopovo? Heladubitavelmente oseguodo : lo
go he deste que ae deve lmar mi. O gover
no deve ser pal do povo, e a um pal corre es-
iricu obrigaco de proporcionar a seus Alboa
os meiosde subsistencia.
Desde que existe Pernambueo, depois do seu
descobrimento, a agoa pouvel para o Hecife
sempre foi um ramo de coinmercto livre. Maa
a nossa asaembUa por urna lei creou o mono-
polio; foruiou-se o n.i companhia com esse
privilegio exclusivo, tasou-ae o praco da mes.
maagoa; e jopovo do Hecife est guiando
deste grande beneficio. E porque se uio far
nesino pouco mais ou meaos a respeilo da
carne, precedeodo pronoita da llluairlssima
cmara da capital)' Porque, v. g uo Acara
eslaencarreeada de f >rnrcer de .ame verde o
mercado do seu municipio, formando ella una
companhia sob taes e taea condicocs, anda
que para isso Ibe seja adiantada ceruquautia
por emprestimo dos cofres prvinclaea ? A car-
ne verde em Parla be laxada nflo aei ae tjdas
as semanas ou lodos os meses, e o mesmo ac-
conlece com as farinhas. Oeaemplo de com-
panhias de emprezas commerciaaa lio multi-
plicadas n s Estados-Unidos uo be para que o
despresemos n, que uH cessamos de arreme-
dar, ou macaquear os rstrangelroa em bugia-
rias, em cachimbaches, cm cousas lodifereutes
c ote" ridiculas.
r'inalineiiie nao obstante a defesa do supra-
slncero e desinieressado Sr. Brasilicus, todo o
povo clama e grita contra essa liga de alia po-
tenci i marchantal. Entramos no vern, e es-
ses animis e cuidosos senhores levam geilo
de por-nos a carne a 18, a 20 c a 25 patacas,
alegando a secca qne terminou ha quatro an-
uos.' Alguma providencia he precisa para obs-
tar a lio grave mal. S Esc. o Sr. presidente da
provincia pelos rnelos, que ba dirigido a este
resinlo eainsrj a-uniclpa!, lustra ;s cea
veacido da justa rasao do clamor publlco"e
que deaeja por termo a case veame. Nao trl-
pides, Exc. na honrosa oarreira comecada. Ar-
ranque este misero povo das garras famlicas
drsses iinnii.polistas, faca baquear case colosso
de marchante, magarefes e campinos; nue o
inesmo povo Ibe dar mil applausos, e lera as
beiicoes de todos oa coraco bem formados,
lieos se digne de ajudar os nobres esforcos do
Sr. Snma Hamos, e a lllusti Isslma cmara mu-
nicipal coadjuve-o com o mais decidido euipe-
nho.
Quando o mesmo Sr. Brssilicua se convencer
deslas verdades, elle que tainbeinse compade-
ce dos soflrimentos do pavo, ser da opinlo do
Amtricus.
Pela repartieflo da polica deata provin-
cia se faz publico, que fica prorogado por
mais tres mezes o prazo marcado para a
substituigflo dos titulo de residencia de ea-
traogeiros, na conformidade da portara de
Dr. ebefe de polica interino, com data de 3
dejunbo ultimo. Secretaria da polica de
l'ernambuco, 3 de oulubrode 1850. .Iso-
nio loside Freitas, primeiro amanuense.
Achsndo-se a barca de escavagflo no
esercicio de seos trabalhos, convida, em
couaequencia, o capitflo do porto desla pro-
vincia ao ooprii'iarios de canoas e dono
fe aterro, que quizerem mandar suas ern-
barcagdes recebar a bordo da mesma bar-
ca a rea, lama e lodo qne ella extrahir, a
se enlenderem previamente com elle, am
le Ihes indicar as horas dos das uleis, em
que dever ter isso lugar.
Theatro de 8. Isabel.
Por se achar bastante doente a actriz Jo-
aana Jaouaria, deixa d* haver hoj o espec-
laeuloannunciado, e fica transferido para
qusrta-f.iire, 9 do correte.
PKACA DiiS (UUllOS
RA DA FLORENTINA.
Domingo, 6 do corrente, haver pela e
gunda vez corrida de touros, novos e bra-
vos. O director deste diverlimenlo nflo e
lem poupado a trbalos para descubrir em
distancia de 5 legoas em torno desta cid le
gado mais aproprlado a este interessante
entreliment, afim de satisfazer ao respeita-
vel publico, de quem tem recebido provas
de amizade e toda a protecgflo.
Aengragada res posta do Sr. Brasilicus,
exsrada no Diario da lerja-Fe|ra primeiro
de outubro n. 221 nflo p le jamis desmen-
tir o Sr. Americus, nea defender os mar-
chantes do monopolio de um negocio de
primeira necossidade que prov.n de ama
concordata que elles marchantes Szeram
ora comprar e vender pelo preco que Ibes
convier, como de faci comprado tem os cra-
los, e a eutros as botadas rasflo de 1,2 Mr,
a arroba e a menos, e vendido da primei-
ra qualidade a marinha a 1,880 ri, e ao
povo a 3,840 ris e a mais, nflo to a sec-
ca, como diz o Sr. Brasilicus, a causa de se
ler vendido a carne freses por alto preco,
nem por falta de gado, porque a concurren-
cia delle lem sido com Unta abundancia
que das reiras tem regressado para trax im-
mensss boladas, por causa dos marchantes
as nflo qiererem comprar, s-nflo por dimi-
nuto prego, quero que hsjatn alraveasadores
ueste negocio, como diz o Sr. Brasilicus;
porm nao sflo elle a cauaa do alto oo di-
minuto prego da carnes frescas, tanto na
compra como na venda, nem sil) os que
contrataran) com o arrematante do contra-
to pagar Illa diaria mele um grande numero
de malanga, anida que a nflo baja, nflo sflo
os que pagant diariamente avulladas qua li-
nas a diversos, com o Bm de nflo negocia-
ren) em tal negocio, nflo sflq os que pag.m
meosalmenti o aluguel de muitas casas e
talhos que se acham fechados em lugar pro-
pno deste negocio, com condigflode nio-
tfuem nelles picar carne, alim de'fazer
guerra aos creadores a outro que deste
negocio queiram usar, e o povo em geral;
olo 3o segundo se diz os que pagam men-
talmente outras mualas quantias, afim de
nflo haver embauco no monopolio, nflo
sflo segundo se diz os que mandam malar
moribundos tristes e alegres, gordos e ma-
Igros, dzendo que para o povo lulo snrve,
Ptihlicacoi s litlcrarias.
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Kemiimentodudia 4.....7:6*3,868
bestarregam aoje 5 do outubro.
Caleota Lusitana ', violtos.
A famosa ligflosobre a pena de mor le com-
posta, e dictada na uuiversidadede Pisa pe-
lo respeilavel Carmignani um doa maiores
criminalistas da Europa, esl Iraluzila do
italiano em vulgar pelo padre Lopes Cama
Vende-se em Santo-Antonio, na luja de Ii-
vros que foi do fallecido Dr. Coutiuho, na
esquina do Collegio; no bairro do Becife,
na loja de livros do Sr. padre Ignacio; na
Boa-Vista, na botica do Sr. Cameiro; em
Olinda, ra do Amparo, botica do Sr. Ha
coso. Prego dez Loaloes.
"uiiliui'l. paginas da Jurrii'mie.
Esla excellente obra de Mr. Lamartine,
chegada recenlemente do Hio-de-Jsneiro,
vertida nm hnsn prtagse. 'Odids de
um interessante prologo do traductor, echa-
se venda pelo mdico prego d* 3,000 rs. ,
com encadernagflo ingleza, na ra da Ca-
da do llecfe n. 38, e na ra Nova n 6. O
merilo da obra lie attestado pelo nomedo
autor : nella depara nstrurgflo e deleite o
p'i ilosopho, o romancista, o poeta, e geral-
mente quem quer que queira apreciar um
bello eacripto.
fon vi le Iliterario.
Aclia-sesob o prelo, esabir nestes pou-
cos dias urna nteressaole obra com o titulo
de Observaees criticas soore o famoso ro-
manee do Sr. Eugenio Sue o ludeu Errante.
He digna de sor lila, e meditada principal-
mente por aquelles, que j conhecem o re-
ferido romance, e que a houverem de le
despidos de toda e qualquer preveneflo.
Avisos martimos.
Sumaca Carlota fumo,
deciaflo do jury, bsolve o reo, e levanta a! lo todos'ns impmio^jTitoVnflTi'xcedeii^de Ir-86""* Co'<-Aor/a mercadorias.
14,000 r. por ctbsit, que rflSn!,ndo-- s Krisus XfiUUm.PtU, .'.fisi d i.igo-
sessfiosduas boraa da tarde.
Para o Rio-de-Janeiro seguir em pou-
cos diaa a bem conhecida escuna Galante-
Hara : quem na n.rsma quizer carregar,
ou embarcar eacravos a frrte. diriia-se a Sil-
va Grillo, na roa do Vigario, o. 4.
os tnarcliaiites ainda nflo compraran) gado a
dezassejs e dezuilo mil ris, como di o Sr.
Ilrasilicus, porqueapoucoa dias nesla cida-
de compraram a um sertanejo erra Jor urna
boiada com cenlo e qualro bol, de dez a
dozearrobas, cada urna qulme mil ris, e
em dois dias a vendern) ao povo a 3,840 r.
a arroba, e o mais apurando eoi cabega qua-
renta e tantos mil ris ; os alraveasadores
nflo so os que diariamente entram com
utn tanto por cabega para urna caixa e urna
caixiuha que entre o marchantes existe ; a
vista de tudo isloSr. Brasilicus, nflo entra
em <]ii villa que o monopolio deste negocio,
proven dos marchante, o nflo das seca.--,
nem doa atravessadores. .
O Sertanejo.
Previne-se ao publico de Olinda que
desde o mez prximo pasas do se vende car-
ne no agougue publico, talhos de Faustino
e l.ourenco, a dez patacas, e continua-se a
vender pelo mesmo peveo.
Aviso.
O abaixo assignado faz publico, que, no
dia 1 de .setombro do corrente anno de
1850, no lugar de sua morada, denominado
liarra-de-Tiuroa, distMCto da comarca da ci-
dade de Goianna, apparecea em sua essa om
casal deescravos, procurandooannuuciante
pira compra-Ios, e sendo Ibe perguntado
quem era seu sr., e onde morara, diste que
dislanlo j CdS'i? ''" Rio-^rvi^cln nor-
te duas legoss, e que se cbainava Bento,
de que nSo sibia, e como o aununciante nflo
Ibe quer correr risco algum, e nem reipon-
sabili ase; por isso faz publico, por este
Diarir, pira quem for seu snhor o procu-
rar, e quereudo vend-los nflo pora duvida
em compra-los. --Judo liarinho Falcdo.
Pede-se ao Sr Germano Francisco de
Oliveira a repeiigflo do Captivo de Fez com
acomeda o Junde Paz da Roca.
Um siu admirador.
Preciss-se de urna ama que tenha bs-
tante leito, preferindo-se forra, na ra da
Soledade n. 12: d-se bom tratameolo e
paga-se bem : quem estiverneste caso, di-
ija-ie a dita casa, que achara com quem
tratar.
Precisa-ae alugar um aaOleque ou pre-
lo para fazer o serrico da casa erua, qua
seja fiel i na ra da Cruz, armazem n. 48.
No dia 8 do correnl* s ha de arrema-
tar em plaga publica, na porta da casa do
Sr. Dr. juix docivel da primeira vara, om
sitio da coqueiros, com eaaa de vi muda de
taipa. no lugar dfrt&smaia, avallado em
00.000 rs., por exeneflo de Jos Aullo da
Andrade. contra ignacro Jos de Barros: he
la ultima bra^."-*****!-'^aji


- I. .. -* I
Alerta Kapazancos.
O negocio he o que faz conla
Ouem n.1o engaa lie udeu '.
O teu genio meu freguez
He todo igual ao meu.
( Trapolhoda.)
NSo me teodnaide possivel responder io
meu migo e freguez da chita doumda, por
ter undulo atrapalUadiitimo com os estudos
da Paulo e hoques, e nutras muilu obras
de moral e instruecAo .. rr Pder dar
urna rspnsta adequada de minha capacida-
de eitupilifiimn, como de velho carranca, so
agora eque me acho habilitado para ras-
pondr rom toda clhgorica espcrteta de
que sou dotado, nflo s ao meu uiississimo
freguez da chita dourada, como lambom ao
nmito illtttn malanrtro de carluxo. Ao pri-
melro tenho a reaponderem aboito da ver-
dado, que nSo he exacto querer engolir o
meo rnpainriro, mas aim dar-the urna dse
dopunho. Emquanto a leauunnha, foi pan
aer ligeirodaiaaoistnAa. como resa 01 ea-
latutns da mlnhi ca$a!\.. A magnifica
descoberla demadapoldosanoo de dual mar-
cia 1 i-so, meu Malhnti, he que tu nfio chu-
pas, nem nunca entrars no conhecimento
da tnagicalura, porque ha contra oa meus
inleresses, e igualmente te acontece com oa
cortemaneot de euiacancot, porque emquan-
to 01 meta vizinhos vondem um, eu ven Jo
tres 1 /! He vcrdada que ellea vendem em
um s panno, e os meua leen maia exlrac-
cAo porque teem trea pannos, oa quaes ea
Ido marcadoi para o japaianco saber. Ao
segundo respondo qoe Olo lia pan mi ni cai-
xeiro que aeja bom, porque todoa aSo ma-
landroi de carluxo. V. com iato duu por aca-
bada a minha larefa O Irapalhada.
--I'reciaa-ae d um horneo leilor para
Iralialnar em um sillo, e oais um oseravo
para o mesmo serveo: oa ra do Raogel
numeiS II.
O bacharel SebasllAo Jos da Silva Bra-
ga, em rasio da brevidade de sua yiageni
para o Rio, pede aoi leus amigos* collegas,
que hajam de aceitar, por eale joroal, as
suas despedidas e off. reclnenlos que Ihes
faz do leu pequeo presumo, no lugar para
que loi despachado.
A ntiga agencia de pasHaitorte.
No paleo da matriz da Santo-Aolonio li-
ra m-se paasapories para dentro e Tora do
fmperio, coirem-se folhaa, lirm-se ttulos
de residencias e despacham-ae escravos com
a maior brevidade posaivel e preco raaoavel.
Urna paaaoa habilitada para enainar
grammilica nacional e primeiras letlrat, se
offerece para esse lim, e logo que tenha nu-
mero sufiicienle annunciara a abertura da
aula: ai peasoaa que quizerem, dirijam-ae a
ra dq Rozario estrella n. 8, primeiro andar
-- Lems Amaral & Companhia previnem
ao reapeilavel corpo de commercio que
traneferiram o leu ettabelecimeuto do caea
do Collegio para a ra do Queimado n 22

BOWMAN & MC. CAM.MI, engenhei
ros machinislas 'fundidores de ferro mui
respe-liosamente annunciam aos Senhorea
propietario ilfehgenhos, fazendeiros, mi-
neiros, negociantes, fabricantes e ao res-
peitavi publico, que o sen eslahelecimento
de ferro movido por machina de vapor con-
tina em effectivo eiercicio, e ae acha com-
pletamente mnnlado com Bpparelhos da pri-
meira qualidade para a perfeila confeccAo
das motores pecas de machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer
obraa da sua arte, Bowman & Me. Callum
desejam maia particularmente chamar
atlencflo publica para a aseguifites, por
terem delln grande lorlimenloj proropta,
as quaes construidas na aua fabrica pdem
competir com as fabricadas em paiz es.-
trangeiro, tanto em prego como em qua-
lidade da materias primaa e mo d'dbra,
a saber:
Machinas de vapor da melhor construccAo
Moendas de canna para engenhos de to-
dos os Umanhoa, movidas a vapor por aga
ou animaes.
Rodas d'agoa, moinhoi de vento eaerra-
as.
Manejos independentei para cavalloi,
Rodas dentadas.
' AguilhoV, bronzes e chumaceirai.
Civlhoes e parafusos de todoa oa lma-
nnos.
Taixas, parea, crivos e boceas de forna
Iha.
Moinhos de mandioca, movidos a mfio ou
por animaes, e prensas pan a dita.
Chapaa de fogAo e fruos de farinha.
Canoa de ferro, torneiris de ferro e de
bronze.
Bombas para cacimba e do repuMio, mo-
vidaa a mAo, oor animaes o i vento.
GuJndaslea, guinchos e macacoa.
Prensas hyjraulicas e de parafuso.
Ferragens para navios, carroa e obras pu-
blica.
Columnas, varandas, grdese portOes.
Prensas de copiar cartas e sellar.
Camas, cairos do mflo e arados de ferros,
ele etc.
Alm da aoperioridade das suas obras, ja
geraJmenla recvnhecida, Bowman & Me.
i.atium garauem a maia exacia conrormi-
dade com os moldea e dezenhos remettidos
pelos senhores que se dignarem de fazer-
Ihei encommeodn, aproveilandoa occisiAo
para agradecerem aos seua numerosos ami-
gue e freguezes a preferencia com que leen
sido por ellea honrados, e aaseguram-lhes
que nSo pouparAo esfurco* e diligencia,
para conlnuarein a merecer a sua conli
anca.
'Deseja-ie fallar com o Sr. Joa Rodri-
gues, Porluguez, queja morou na praia de
l'ilimb, provincia da Parahiba : anoun-
clesus mora Ja.
(ifforece-se urna ama aecca para todo
oservico de urna casa : na ra daa Cruzes,
n.18
--CaueaadmiracAoque em una cidade
eiviliada como esta, baja anida quem quei-
raesoqreee.ro escandaloso monopolio qu*
"* isla i'jm genero de primes.': necessi-
dade, bem como aeja o de carne fresca; e
defender, segundo aa diz, a esses monopo-
listas chamados marchantes^-- O etpia.
Jos Pereira da Cojgpkubdilo porlu-
guez, retia-se para fajjib imperio.
Preeisa-se lugar TO OOrailo de um
s-tW j-i bivS 'ajina, que ienna solio
equi lal cot cacimba, (ando preciso tam-
bero saalugarA as lojas, iato em qualquer
ilos bairros desla cidade, com preferencia
o de S.-Krei-PedroGoncalves : trata-se na
ra da Senzalla-Nova n. 43.
-Antonio Brochado Soares CuimarSes
roga as pessoas que se julgarem suas ere-
dores que apresentem suas contas p?ra se-
ren pagas.
-- Boga- te ao Sr Flix da Cunta Navarro
Una o favor de ir ra larga do Bozario
n. 1, tegundo andar, que se Iha deseja fal-
lar a negocio que Ihediz respeilo.
I.embra-so aos Sri taverneiroi, prin-
cipalmente oa de Fra-de-Portas, que leem
o esesndelozo costume de ven lerem ago'ar-
dente, ou consentirem que se venda em
suas tabernaa ago'ardente a escravos aem
licenca de seus senhores, quenas posturas
da cmara titulo II artigo 9 empun-lhes a
pena 30,0001. e na reinsidencia 60,o00 ra.
elidas de cadeia. No en tanto, se estes
Srs. nSoevitarem um tal abuso e continua-
ren) a vender ago'ardente a escravos com
tanta deshumanidide que os vendo j meios
lidiados, continua a dar-lhei bebidas at
cahirem, protesta entregar urna relacSo
Jestea proprietarios ao Sr. fiscal para poder
dar cumprimento a dita postura
O quiixoso.
DAURORA
C. Starr & Companhia teem a honra de
avisar aos seus freguezes, e ao publico em
geral.quea sua grande fundicHo ern S -
Amaro, alm do sortimento que constan-
temente tom acha-se de novo provida de
muitas moendas de canna, e de varios ta-
maitos feltaa no mesmo eslabelecimento
peloa mais periloi officiaei, e com o maior
cuidadoe per-feico; tinto assim he, qus
os annunciantosse ufanam em garant-las
pelo primeiro anno. Aa moendas inleiras
todas de ferro construidas as offioina,-
dos annunciantes s.lo muilo superiores a
quaesquer oulraa da mesma natureza que
al agora teem sido aqui olferecidas, pois
aquellas encerram em si cerlose importan-
tes melhoramontos, resultado ae mais de
20 annos d experiencia e pralica no paiz.
I.i.li riii ilu Matriz ca Iioa vista.
U restante dos bilheles desta lotera, qu
corre infalivelmonte no lim do corrente
mez, fiquem os bilhetes que.flcarem, ven-
de-se, alm de outros lugares, na loj* de
Bernardino JosMonteiro, rus do Queimado.
-BozaMaria d Nnscimenlo, Brasileira.
retira-se pata Mossamedes, levando em sua
companhia sua tilha menor Antonia Vieira
do Nasci ment.
No da quarta-feira, S do corrente, ap
."areceu um preto na ra de Apollo, ven-
den.lo um sellim, e como se desconfiasse
ser furia Jo, se apprehendeu : quem for do-
no, dinja-se a dita rua, cavallarice do l.ou-
reuco, que, dando os signaes, Ihe sei en-
tregue, pagando aa'deapezaa.
I'recian-se alugar, para o servi?o in-
terno de ma cala ingleza, um preto, on
um moleque de 15 annna pouco maii ou
menos, sendo liel : na rua do Trapiche-No-
vo n. 4-2, ou annuncie.
-- Um mo.'o portuguez, que tem aa ne
cessariaahabilitacOes para caixeiro, tanto
para venda como para rua, ou meamn para
ouiro qualquer negocio que se Ihe offerec'
conveniencia, se offerece pira qualquer
urna deslas arrumacOcs, e anda mesmo pa-
ra escrever algo m pequea esciplujacSo.
por ter de ludo bastante pratica : quem de
seu preslimo se qui'er uiilissr, annuncie
ATTENCA !
Consta que urna pessua tirara por enga-
o urna carta do correio, viuda de l.oaud *
diiigida a nutr peasoa, oque dita carU tr
zia rei'oiiinien liiciio de negocios tendentes
com Ricardo, genio do Sr. JoSo Seo : rog-
su a essa peasoa o favor de, no caso de igno-
rar a quem dita carta se dirige, a entregar
na rua do Crespo n. S A, queahi se inderes-
sar seu dono.
-- Antonio Jos da Coala CuimarSes dei-
tou de vender espirito de producefio hra-
silei'a des lo 30 de selea liro, na sua venda,
no llecro-Largo n. *
Lotei'ia da uiutri/. da Doa-Vint.
No da 31 do corrente andam impreteri-
velmenle as rodas desta lotera, sej.i qua
for o un n ero de bilhetes que lie ir, e mes
ii o antes se acaharem os bilhets, como h
esperanzas. U hm pasa que f i concedida
ella lotera nffopoJeair mais juslo, e i II
Jeve ser preferida a nutra quabiuer, por-
quauto tomos de presenciar o em prego do
a u iuteres.se: o restante dos bilhetes a-
rlMm-.su venda nos lugares j aunuu-
ciadus
tmS9>9 #< 999
* Kemedios de graca os pobres
' Novo consultorio homceoDathico de '
.load Vicente xVlartiiiH. ^
Rua de Apollo n. 94.
* lo los os das uteis desde as 8 horas *
? da inanhSa at 1 d tarde improroga- fl
r velmente. Fri deslas horai nflo | ?
t de o Sr. J. V. Martina receber visita "
9 aiguma, por estar orcupa to em com- *J
te por e escrever a quartu edicto di V
9 pralica elemantar da homaopathia e *
>* nulras obras Quando tenha mais 9
SI) adiantada a compoMcflo destss obras *
: poden destinar algum lempo a pri- 9
f ticar opetei;0es de citrsela, ou ou- 9
9 Iras que eiigem as molestias de #
9 olhoa eapecialmenle, no exno das aj>
quaes tem sido, merode Dos, mui- aj
to reliz. t
9Mlf 99 **
Jos Autoniodos Santos Andrade reti-
ra-se para a nova colonia de Mossamedes.
P. Caumnut relira-se para o Rio-de-
Janeiro nesles 30 das, por isso roga a to-
llos os seus freguezes e n ais pessoas que
tenham de concertar seus candieiroa, que o-
i la man Jar a rua Novan. 59. que aerlo
prcrr.pUrr.cnto servidos.
O bacharel Jofio de Barros Palclo de Al-
buquerque Mranl)So advoga nos audltorior
desta cidade ; e, pira oque, pode ser procu-
rado lia rua eatreila do Bozario n, SO pr
uieiro andar, das dez horas da mantisa ate
s dina da Urde ;e, quamlo o nio achem
23, ni meima rua V.slide. aj ute raioa-
vel e o maior Vsw II "s prnbores que
offerece aos seus benignos clientes.
HeitorBaboza Xavier da Silva relira-
se para Mossame les com sua mulher Helena
Francisca do Mello o seus lilhos Merentina
Corris Barboza, Manoel Theotono da Sil-
va, Joilo Capistrano Barboza (menor), e
sus sobrinha Claudina Francisca de Seoa.
O armazem dn fama da rua da Cruz n.
37, deixoude vender bebidas espirituosas
le prodcelo brasileira, por nSo con-
venconar com os Srs. collectores, e par
constar faco a presente declaracSo. Recl-
fe 1 de oulubro de 1850.--JM" ^'ee de Vli-
veira.
Aluga-se a quem quizer passar a fes-
la a mui commoda caaa terrea, sita no Mon-
tero, contigua ao sobrado em que mora o
Sr. Joaquim Corris, e do lado do rio : oa
rua da Aurora, n. 48.
Precisa-so de um bom moleque, que
enha prattea de vendar na rua qualquer
venda que ae Ihe entregar, e que aeja fiel: a
iraUr naa Cinco-Pona, padaria de Soares
& Silva.
A pesooa que deseja aaher quem he o
procurador de Antonio Ferreira Lima, diri-
ja-se a la do Collegio n. 12, a fallar com
SebaatiSo Jos Comea Penna.
Preciaa-aede um trabalhador deenxa-
d,e que saina tirar leite em vaccaa : na
Magdalena, estrada nova, primeiro sitio do
porlSo de ferro. No mesmo precisa-se de
um bolieiro.
Passa portes.
Tiram-se passaportes para dentro e fura
do imperio, correm-se folhaa, despacham-ae
escravos, e tiram-se ttulos de resi lencia
para sempre : para esse lim se procura na
oraca da Independencia, livraria, ns. 6 e 8.
e na rua do Queimado, n. 23, loj a de mu
dezss do Sr. Joaquim Mnnteiro da Cruz.
flPrecisa-se alugar urna prets para u servi-
rlo interno de urna casa de pequea fami-
I a : quem a livor dinja-se a rua do Crespo,
loja n. 23, que achara com quem tratar.
Precisa-se de um menino de 10 a 19
anno, para caixeiro de loj i, o qual lonha
familia no mallo : quem o liver annuncie.
Um rapaz brasileiro se offerece pan
cobrardividasde qualquer loja, dando -<-
'antia a satisfacSo das pessoas que o en
erregarem de ditas cobraogaa : quem de s -u
preslimo t. quizer utilisar, diriji-se rua
larga do Rozario, n 36, botica.
D. Mara Feliciana de Oliveira quer ven-
der a aua casa da rua de S -Theresa n 13,
se alguem aejulgar com algum direito por
qualquer onus, queira declarar por osla
rolha.
Quem quizer trocar apolices
da companhia de Beberibe por
propriedades, annuncie.
It-se um cont de res a premio de 1
e meio por cento, por lempo de um anno,
pagos os juros roensalmente, sobre hypo-
iheca em bem de raz, ou firman conten-
to : na rua Direila, n 59.
O bacharel Francisco de Sallea Alve
Macirl, advogt nos termos do llecfe e
(Huilla ante qualquer juizo : quem de seu
preslimo se quizer utilisar, dirija-se roa
do Collegio, n. 20, primeiro andar do so-
brado da ei-quina, por cima da luja de li-
aras, e emOlinda, na ruado Amparo n 36.
Precisa-se de urna ama para o semen
de urna casa de pouca familia, a qual seja de
maior i la le : ns rua da Concordia, casa no-
va de um ni lar.
--Joflo Jos de l.ima, natural da ilha de
S -Miguel, vin 'o de Lisboa, na ultima via-
gem da barca Ligeira, chegada a este porto
no da primeiro de agosto ultimo, vio um
snnuncio para outro Joo Jos Je Lina pa-
gar a.quanlia de 16.990 rs., gastos do urna
venda ni Capunga, ha 6 me/os ; e como o
annunciante esta aqui ha dous mezes, faz
scienle ao publico que n.lo se enlan te com
elle tal annuncio : e por este motivo e mais
alguna que p1 s-am occorrer, de hoje em
'liante se assignar JoSo Mara Cordeiro
Lima.
O escrivo da iimindade do
SS. Sacramento da freguezia d
S.-Jos do llecile convida, por
meio de&te annuncio, a s -us cita-
ros irrao.i, para que domingo, o
do corrente, roinparecam s 9 lio
ras da manliaa, na igreja de S. S
do Ter90, em seu consistorio, a
(im de se tratar de um objecto
muito interessaote a mestna ii-
mandnde.' para cujo lim espera
merecer que o seu convite seja
attendido.
Aluga-se, por preco mojico, o terceiro
andar do sobrado n. 20, na rua do Apollo
a tratar com Antonio de Moraes Gomes Fer-
reira, na mesilla eas.i.
--Aluga-se, por mdico preco, um sitio
110 lugar denominado Sanl'Anna-de-Den
iro, Com com o los para grande familia,
baixa de capim, boa agoa, estribada para
quatro cavallos e cochina : a tratar com
l.uu Goaiea Ferreira, no Mondego, ou eom
Antonio de Monos Gomes Ferreira, na rua
de Apollo o. 90.
Offerece-se um rapaz para aer caizeiro
que, alm de entender de escripturaeo,
falla perfoitamenlefrancez : porlanto, quem
do seu preslimo se quizer utilisar, annun-
cie por este Jornal.
-- Quem quizer comprar urna lettra da
quanlia de 56,060 rs. do Sr. Jos Brazalino
la Silva, appareca na rua da Cadeia de S
Antonio, o. 13, que todo o negocio se far.
tulles Claudio Titease* fabrican-
te de orgSoa o realejos, na rua das
Flores, u. 19,
avisa ao respeilavel publico que concerta
orgfios e realejos, pAe marchas modernas
deste paiz, cuucerta pianos, aarapbinas,
canas de mnsicaa, accordfloa e qualquer
instrumento que appareca: lambem faz
obraa aovas, e vende un orgao proprio para
capella, ou altar mor, com boas vozes, por
preco commodo.
Quem quizer comprar urna lettra do Sr.
Dr. Honorio l'\ de Sigoiannga Vaa Curado
da quanlia de 110,980 is., aoouocit) paia
ser procurado, que todo negocio se far.
Preciaa-ae alugar urna ama pan todo
usetvicode uuia caaa de muito pouca fa-
milia : psga-se bem : na rua de Agoas-Ver-
- 60, primeiro SSdS"
Aluga-so por anno, ou para paasar a fea-
ta, urna grande casa no sitio do Cajueiro,
com urna grande sala de frente, gabinete
ao lado, duas alcovas grandes, sala de jan-
lar com auatro quartos, duas coznhss, um
grsnde solSo, estribsra para dous a quatrO
cavallot o excellente hanho : a tratar no
meamo sitio, ou com Bernardino Maia da
Silva, ns rua do Crespo.
- Roga-se ao Sr. segundo lente Jos de
Cerqueir Lima, da Baha, que mande pagar
urna 1 'tira, que se acha vencida ha oito me-
zes j do contrario, ter de ver sempre o seu
nome nesta rolha.
Nos dlss30dflselembro, 3 e 7 de ou-
lubro, pelas 4 horas da tarde, a porta do
Sr. doutorjuiz deorphfioi, na rua de Mor-
as, se ha de arrematar, por ser ultima pra-
c, por lempo de tres annos, a renda do
sitio da Casa-Forte, denominado sitio dos
Arcos, que foi do finado Francisco Bernar-
dino da Cunha, hoje de seus herdeiroi, pe-
lo preco de 350,000 rs. por snno, cujo sitio
tem boa casa e telheiro para rancho de ma-
lulos, bastantes arvorodos, 26 ps de la-
queiras, 6 jambeiros, baatautes ps de la-
rangeiras, 20 e tantos ps de coqueiros,
e grande plantaco de caf e capim.
Offerece-se um sacerdote para capellSo
de engenho, e mesmo para ensinsr primei-
ras leltras, ou grammatica latina 1 quem
qui:er, annuncie.
t ***<#+
Paulo Galjrnonr, dentista 9
* france/., recinteim-nte cite-
jado a esta rnuittil, offerece
V tan |iit-iiiio ao publico pn-
ra todos os misterea de sua <>
liroflssao, qnr extrahlndo, 9
9 limitando e chumbando M If
dentes naturaes, quer substi- 9
9 tiilndo-os por ontrn nrtifl- *
ciaes, para o que tom os me- %
a) Iliorcs apparrllios. Pode ser *
9, procurado a qualqner hora. a>
< em sua casa na rua larga do
3 Hozarlo; n. 30. seiriindo aa- *
1 dar. *
iii
Aluga-se um bom armazem proprio pa-
ra tj 1 l< 1 ier 1 .sUili.'lecimenlo. na praia de
S.-Francisco ; e bem assim um grande cai-
xSo proprio para urna excellente cocheira.
no Mun 1.1- Novo : a tratar na rua da Cadeia
de S.-Anlonio, no primeiro andar da casa
la viuva Cunha CuimarSes.
--Aluga-se u na casa terrea de pedra e
cal. com 3 quartos, 2 salas, cozinha fra
Iui 1 a 1 < cacimba,sila no principio da rua de
S.-Miguel, nos Afogados: a tratar no Ater-
ro-da-Boa Vista. 11. 17.
-- Alugam se e vendem-se, lano por jun-
lo como a retalho, as melhores bichas ham-
hurguez is; na rua das Cruzes, n. 40, la-
erai de Domingos da Silva Campos.
Rogi-se ao Sr. alferes do
primeiro l>ataih3o de cacatlores,
Antonio Ma'.ozo de Andrade Ca-
marade mandar pagar o que de-
ve, na uta do Crespo, n. 16
--Precisa se alugar um preto para o" ser-
vic, 1 de urna casi : n< rua da Aurora, es-
c i ilari 1 ile C SUrr& Compan'iia.
-- O ali.-ino assignadn declara a cerlo Sr
solicitador, que ello recebeu de Vicente Per-
rera de .Mello aqjanlia de 32 000 rs., e
tue em 'juste da conla lo abaixo assiunado,
ezsteute em poder do dito Sr solicitador,
os levou em conla, cuja qumlia fui prove-
niente dos al'.iituns da casi da rua da Cal-
Cada, deque elle solicitador he procmlor,
x que ueste ajuste de conla o abaixo "asig-
nado recebr de sua conla o resto da im-
portancia de 10.000 rs. E pira quo no hja
di vi la di parle do Sr. solicitador, quando
houver de passar os recibos ao Sr. Vicente,
lance suas vistas em dita conla. Munoel
Goncalv* Gamboa.
Ulysse Droz, relojoeiro suis-
s i de passagem por esta praca,
onde tcnciona demorar-se 5 ou 6
mezes smente, concerta toda e
qualquer qualidade de relogios
eem quulquer estado em que se
achem ; assim como tem para ven-
der relogios de otiro e prata do
mclliores fabricantes: na rut da
Cruz, n. 44* primeiro an lar.
(.ha 1
lina do Passeio, n 5. >*
Nesta fabrici ha presentemente um rico
soriim 'ii'i desles objectos de todas as co-
res e qualidades, (auto de se la como d
p.inn nho, por precos commodos ; ditos pa-
ra senlii.ia, de bom gosto : estes chapeos
sio fritos pela ultima mo la ; seda alamas
cada com ricos franjas de retroz. Na mesma
asi se icha 'gual sortimento de seias e
panilinbo imitan Jo sedas, para cubrir ar-
macOes servidas : todas estas fazeulas ven-
lem-se em porreo e a retalho : lambem se
conc:i lo qualquer chap de sol, lauto de
nasteas de ferro como de huais, assim como
umbelas de igrejas: ludo por preco com-
modo. Na mesma casa ha chapeos de sol,
de marca maior, de panno o de seda, pro-
prios para feitores de engenho, por serum
dos man fortes quo se po.lem fabricar.
I'recis.-se de um rapazinhode 11 a 13
annos de idadepara caixeiro de loja de- fa
zeudas na cidade de Macci : a fallar na rua
lo Crespo n. 16.
Compram-sealguns escravos de am-
bo? os sexos para dentro e fr da provin-
cia, de 5 a 23 anno, de lindas figuras : pa-
ga-se melhor do qoe em oulra qualquer :
parte : na rua das Lirangeiraa n. 11, segun-
do andar. .
Compra-ae efectivamente cobre,
chumbo, znco, eatanho, e toda a qnalt in-
le de metal velho. no aendo 'erro : na rua
Nova, n. 38.
Vendas.
Um Al I las re.
Vende-se por um tustflo, um folhelinho
contendo o milagro acontecido na Italia, e
publicado nesle Diario : Na livraria n. e
H, da praca da Independencia.
Laceriada matriz da Boa-Vista.
Aos I o:oooooo v .>:00o$000.
Na loja de miudrzas da praca da Inde-
pendencia, n. 4, vendem-se bilhetes, meios,
litarlos, decimos e vigsimos desta lotera
que corre imprelerivelmenle no da 31 da
uutubro, ou soles se se aesbarem oa bilhe-
lea. A elles antes que se acabem, para n.lo
compraren! maia caro, como tem aconte-
cido em outraa loteras.
Bilhetes 10,000
Meios 5,000
Qua 1 tos 2,600
liecimos 1,100
Vigesimoi 600
BBESTOL .SALSA PABBILHA AMERICANA
Melhor e mait extraordinaria do mundo.
Preiervalira iofallivel contra asfrbres.
A s.iU.i parrilha original egennia de t'res-
lol posHiip lorias aa virludea para curar ludas
:i oil'inuilnlrs que pinvrui de um estada de
mipui i-i.i de sangue das secreyoe9 niorviilas do
ipado c esluinago, e coi lodos os cnus pie ne-
.i'ss 11 im rciiiedios para purificar e robustecer
isi-ii-iui I.ni tudiii o caaos de escrophulas,
erisipelas liulia, ei u|ic;iics cutneas, inanchaf,
tiiti. eutl.11u.19.Ti e drbilidade nos albos, eo-
chacao u.is glandolai, dores lombare, afl'ec-
c6e rbeumalicas, dores nos ossot e as jumas
hydropeiia, despepsia, aalhiua. diarrhea, dea-
emeria, ioe, resfriados, enflainma{5n do
pulinoes pluhisica quaado pruvm diobslru-
cao dos broiichius cni pesaoaa escrnphuloaaf,
rulluenza, indige9iao, icieticia debilidade ge-
ral do syslruia uervuno, febres agudas, calores,
eoferiuidades das omitieres, rufertiiidadcs be-
liosas, c em (odas as alecedes provenientes dr
oso moderado do mercurio. Ksti salsa parri-
lha se einprega com elBcacia em l'idos os so-
bredeos ea.ii-., e he reconhecida como a me-
lhor medicina que existe. Os frascos de salsa
de Hrlslul leeui mais de qualro taiuauhos dos
de salsa de Sands enlrelanto que oa de Urislol
se vendem por 5,00" ra. e os de Sands par 3,000
r. Deposita central no Bio-de-Janeiro, casa de
Vilal I .apupe, e em PernainlmcD na holica de
Jos Maria Goncalvcs Banios, na ruados Quar-
icis pegado ao quarlel de polica.
Vente-se um alambiquo de cobie. le-
vando a caldeira 45 caadas, com serpen-
tina do estuibo fino, a preco de 500 rs a li-
bra, o qual se vende pelo lugar em que eslk
11S0 poder trabalhar-se, lor ir de encontr
as posturas da cmara : no Aterro-da-Boa-
Vista, fabrica de licores n. 17.
A 10,000 rs. o par.
VenJoir.-se osticaes de p de casquinha
com mangas, pelo diminuto preco do 10 O00
rs. o par : na rua Nova n. 2, aira da matriz
Venlem-se, a dinbeiro vista, supe-
riores chapos de castor branco, pelo di-
minuto preco de 10,000 rs : na rua Nova
n. 2, atrs da matriz.
Ollieni que pechicha!
Vendem se cortes de colletes de sarja de
cores pelo haratssimo preco de cinco tus-"
trtes o corte: no Paaoeio-Publico, loja o.
II : cheguem a elles antes que se acabem.
A i| 111 ni ronvicr.
Jos Antonio los Santos Anlradefaz ver
ao publico, que o avisi inserido no Diario
de honlem 4 do corrente, o8q se entenie
com elle.
Atteuca!
--Na rua doQueimado n. 27, acham-se p-
timos escravos para vender, para liquidadlo
Je contas, sendo tres ptimos para pagens,
pur aerem bonitas figuras, e urna mulata:
ludo pur commodos preces.
Vendem-se monillos grandes e peque-
os, proprios para reliiiacuese casas parti-
culares, de muilo boa qualidade, e por com-
modos precos : na rua do Queimado, loja de
ferragens n. 4.
$
Compras.
-- Corrpr-se um sobrado de uro andar
ou urna casa terrea, que seja nova e em boa
rua : no Passeio Publico, n. 7, se dr* quem
compra.
-- Compram-se 4 escravos ou escravos
para o servico do campo: na rua hireila,
n. 3 se dir quem compra.
- Cnmpra-se um preto canoetro : na rua
la Aurora, 11. 44.
Com ra-se urna canoa que pegue 600
lijlos .' quem tiver annuncie. .
Na rua da Seuzalla-Velha, o. 100, se-
gundo armazem nondo ae vende bolacha e
pao, compra -s eflestivsmete toucinho da
trra, sendo gordos sem aal, a 5,000 rs. a
arroba, e a 160 rs. a libra.
-. Compram-se escravos de 10 a 30 an-
nos, de bonitas figuras, para dentro e fra
da provincia : na rua laiga do Bozario, 11.
48, primeiro andar, todoa oa diaa daa 6 s
11 horas aa mnima e daa a aa 5 da tarde.
OEOSo*
para curar da phlysica em todos os seus
difieren tes graos ou molivsda por consli-
pacoes, tosse, aslhma, pleuriz, escirros de
singue, drtr de costase peitos, palnitacAo
no coracAo, coqueluche, bronchites d6r
ns careante e todas ai molestias dos orgAos
pulmonares.
Do todas as molestias que por heranca fl-
c 1 ni ao corpo humano, nenhuma ha que
mais deslruitiva tenha sido, ou qu- I en ha
zombado dos asforcos dos liomens oais
eminentes em medicina do que aquella
que he geralmenle conhecidavpor moles-
lia no bofe. Em varias pocas do se-
cuto nassado, tendo-se offerecido ao publi-
co difTerentes remedios com atlestadoa dos
extraordinarias curas que elle tem feilo ;
porm quasi que em lodos os casos a ilusSo
lem sido apenas passageira a o doente
torna a recahir em peor estado do que se
achava antea de applicar o remedio l8o re-
commendado oulro tanto n.lo acontece
com es le extraordinario
Xai <)[' do Bosque.
Novaei & Companhia, oa unicoa agentes
nests cidade e provincia, nemesdos pelos
Snrs. B. C. Yates & Companhia agentes
geraes no Ilio-de-Janeiro mudaram o de-
posito deste xarope para a botica do Sar-
jle Maria C. llamos, na rua dos Quarteia, n.
12, junto ao quartel de polica, onde sempre
acharAo o nico e verdadoiro, a 5,500 rs.
cada garrafa,


- -?-. i ..,.. JWv .
_ -. a _.-. : ,
.-"i
Vendem-se sellins inglezes | oos de sol, de seda psnno, pin homem
, .. i |> senhora.
elsticos, chegados agora : na ra
da Cruz n. 2, casa deGeo: Ken-
worlhy & C.
Vende-se farinlia de Santa-Catharina,
muito superior, a bordo da galeota Sanlmi-
tna-Trindade, tundeada junto ao caes do
Collegio.
Fnrinha de mandioen.
Na na da Cruz, no Recite, armazem n.
13, e na ra da Cadeia, armazem de Cam-
pello Fillio, vende-se farinha de mandio-
ca do Cear, umita alva, gommosa e de ex-
cellente (rosto, tanto em pequeas como
em grandes porches, por prego commodo.
Trnvessa da J>ldre-de-Dcos, ar-
mazem. n. 5,
Acha-se estabelecido um deposito, osde
encontrarSo os freguezes um bom sorti-
mento de licores, espirito de vinho, e to-
das as mafs qualidades; superior vinho de
caj; chmate; clisis de vime, a precos
moderados.
A clles que sao baratlsslmos.
Vendem-se sapattfs de couro de lustro, a
2,000 e 2,500 rs., he o que valem de teitio :
oa ra da Cadeia do Recite, n. 9, Ioja.
Tnlxas para engenho.
Na fundicSo de ferro da ra do Brum,
acaba-se de recober um completo sortimen-
t de taixas de* a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
cu carregsm-soem carrossem despezas ao
comprador.
Deposito de [xitassa e cal
Vende-se limito nova e superior potassa
ecal vjrgem de Lisboa, em pedra : tudo em
barris pequeos de arrobas, por prego ra-
soavel: na ra da Cadeia do Recite, n. 12,
armazem.
V*nde-scum preto de bonita (gura,
bom ofllcial de pedreiro, e he de boa con-
ducta ; una mulata de 18 anuos, com um
lilliu inulalinho do 2 annos, a qual corta e
l.i/ uro vesli.lo de seiilioia, corla e faz urna
camisa de homem, engomma comperfeiglo,
he mu i to liel e n.to tem vicios, o que se
afianga : na ra larga do Rozarlo, n. 48, pri-
meiro andar.
N casa de modas Iraneezas de Mada-
ma Millochau, no Aterro-da-Boa-Visla, n.
1, alm de um lindo sortimento de chapeos
de soda e de palha, recebeu-se um sorli-
menio de capotinhos e manteletes de seda
e de fil, e chapeos de palha da ultima mo-
da, para montana, e de gosto amazona de
Paris.
A I$tioo ocovado.
Na Ioja n. 3, defronte do hecco do Pei-
xe-Frito, vene-se panno azul, a cinco pa-
tacas o covatlo; casemira encarnada de
duas larguras, a 2,000 rs. o covado.
Ooni c barato.
Vende-se rrinceza manto fina e de duas
larguras, a 800 rs ; ainda restam algumas
pe? de punninho fino, com 12 jardas cada
urna, pelo baratissimo prego de 2,500 rs.
tem algum mofo : no Alerro-da-Boa-Viste!
n. 18, Ioja.
Vendem-se meias de 13a grandes e pe-
queas ; e rap rol3o hamburguez, em gai-
ta fas: na ra da Cadeia, n. 15, Ioja do Bour-
gard.
A 4ooo rs. o par.
Vendem-se sapalues de lustro
para homem, milito bem feitos, a
4,goo rs. o par ; no Aterro-da-
Boa-Vista, n. 58, Ioja de calcado,
junto a deselleiro.
Vende-se por muilo commodo preco,
urna rica secretaria com estautes para li-
vros, bastante grande, propria para advo-
cado, sendo de aoiarello e anida nova ; as-
sim como, seis cadeiras e duas mrsiubas
de abrir : na ra estrella do Rozario, n.
28, ultimo andar, das 2 horas da tarde em
diante.
Fnrinlia de Tapiiy'
igualmente em sabor, finura ecr a de Mu-
ribeca, propria para mesa : vende-se Ha
ra da Cruz, no Recite, armazem n. 13.
Deposito dn fabrica de Todos os
Santos na liabln.
Vonde-sc em casa de ft. O. Bieber & C.
na ra da Cruz, n. 4, algodSo trancado
daqucll.i fabrica, muito piorno para saceos
deassucar, roupa de escravos e fio proprio
para redes de pescar, por preco muito com-
modo.
Tecldo
Va ra da Cruz, n. 10,
casa de Kalkmann
Irmaos,
vende-se um grande sortimento de
instrumentos de msica, com se-
jjin :
Caixasde guerra, e tambores.
Zabunibas e pandeiros.
Arcos de campainha, e pratos.
Baixos de harmonia, trotines.
Trompas, pisldes e clarins.
Cornetas, flautas, e pifanos.
Cirmelas, e requintas.
Violoes.
muilos outros instrumentos.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repoxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum, ns. 6, 8 e 10,
fundico de ferro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro
Jifferenles modelos
na ra
de
do
de
4
aaa
Brum,ns. 6, 8 e 10, fabrica
machinas e lundicSo de ferro.
J o haralo crtusa ndnii meti !
Isto acontece na ra do Crespo,
n. 6, Ioja ao p do Ianipeao
Vendem-se cassa-chitas do muito bom
gosto, a 240 rs.; corles da Jilas do melhor
gosto que leem apparecido, a 2400 rs.; chi-
tas finas de boas tintas, a 160 e 180 rs. o
covado ; riscado americano, a 140 e 160 rs.;
dito trancado, a 180 e 200 rs. ; algodSo
mesclado, a 200 rs. ; zuarte azul com 5 pal-
mos, a 200 rs. ; dito de cores, a 200 rs.;
cassa prela para luto, a 120 rs. o covado ;
cortes de fustSo muito boas, a 560 rs.; cha-
les de tarlatana, a 320 e 1,280 rs. ; coberto-
res de algodflo de cOr, muito encorpados e
proprios para escravos por seren multo
quelites, a 640 ra. alpaca prela de corcino,
com 7 palmos de largura, a 1,280 rs. ; ris-
cadosde purolinho, a 240 e 360 rs. o co-
vado.
Antigo deposita de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muilo commodo.
Vende-se urna estola rica, j usada : na
praga da Independencia, n. 12.
Queljos londiinos de 5 c 7 libras.
Vendem-se, no armazem de Manuel Fran-
cisco Mrtins& Irmflo, na ra da Cruz, n.
62, queijos londrinos, presuntos, para fiam-
bre : latas com biscoutinbo inglez, ditas
-- Vende-ge ama loalha de lawinto, ten-
do nma pequea parte da panno no mio,
ha de bretanha de linbo, ou de esguiflo fino,
obra muito bem teits, e o lavarinto he de
modelo muilo moderno, por prego commo-
do : no Beceo-Largo, n. 1, segundo andar,
de manbfia at as 9 horas, e das 3 s 5 da
tarde.
Vendem-se, na ra da Moda, armazem
11. 15, meias barricas com cal virgem de
Lisboa, a mais nova que ha no mercado, por
preco commodo.
JC^Rap Paulo Cordelro :^j
vende-se na ra da Cadeia do Recite, n. 51,
Ioja de fazondas, de J0S0 da Cunha Maga-
IhSes.
Vendem-se cem apolices da companhia
do Beberibe, todas ou em porgfles menores :
na Ioja de Ignacio Jos da Silva, junto ao
arco de Santo-Antonio, no cscriptorio da
companhia, e no do caixa da mesma so dir
quem vende.
Grande pechincha.
A 4 Vende-se urna porgo decassas francezas
de novos padrOes e de multas cores, a 400
rs. a vara, e milito finas, 500 rs.; ditas
pretas multo finas, a 480 e 560 rs.; chitas
largas francezas, a 320 rs. o covado : na ra
do Crespo, n. 14. Ioja de Jos Francisco
Dias.
Na ra larga do Rozarlo, n. tt,
vende-so um moleqoe de 14 anuos, de na-
da, muito lindo; urna mulatinha e dous
iiulatinhos de 9 a 10 annos; urna negra de
M annos, de linda figura, que cozinha e
vende na ra ; um preto de nacffo, de meia
Idade, por 300,000 ra ; um mulatinho de
13annos, proprio para pagem, por ser mui-
to bonito.
Cnl e potassa.
Cunha & Amorim, na ra da Cadeia do
Recite, n. 50, continuadla vender cal vir-
gem de Lisboa, e potasaa superior, por pre-
go mais barato do que em outra pual,|uer
parte.
Itua do itozario larga n. 22.
Vende-se um preto perilo offlclal de sa-
pateiro, de boa conduela, proprio para ser-
vir urna casa, enas horas vagas trabalhai
peloofllcio, pois faz tuda a obra desapatei-
ro com perfeigflo.
Vendem-se, na ra Direita, n. 59, ve-
dem-se velas de carnauba, de superior qua
iidade, a 8,000 rs. a arroba.
-Vende-se urna casa terrea em chSos
proprios, cun bous commodos para familia,
cita em urna das priheipaes ras do liairro
de S -Antonio 11a ra da Cruz, h. 64.
Mllhoe arroz cora casca a2$5oo
rs. cada sacra.
Vende-se no armazem do Braguez, ao p
do arco da Conceiglo.
Chumbo de munlcad.
Vende-se 110 armazem de J. J. Tasso J-
nior, ra do Amorim, n. 35.
Vende-se urna escrava boa quitandei-
ra, e quecozinlia o diario de urna casa: na
ra de S.-Jos n. 7, confronte o muro da
l'euha.
Vende-se una marqueza, 6 cadeiras,
2 bancas, urna cama e um bah : ludo em
bom estado: na travessa de S.-Jos n. 2.
Vende-se, por prego commodo, a pra-
zo, ou a dinlieiro, um terreno ptimo para
Vendem-se amarras de ferro: na roa
a Senzalla-Nova, n. 42.
-- Vende-se um preta de nacSo Mina,
muito mora e vistosa, que engomma, co-
zinha e faz todo o mais servigo de urna ca-
sa : na ra do Amorim, n. 15.
Charutos de Havana,
de superior qualidade : vendem-
se na ra da Cruz, n. 10, casa de
Kalkmann Irmaos.
Fogoes para cozinha
muito proprios para sitios e qual-
qualquer lugar aondenSo ha cozi-
nha, por preco commodo ven-
dem-se na ra da Cruz, n. lo,
casa de Kalkmann IrmSos.
Vendem-se 130 saceos novos de esto-
pa, com duas varas cada um : oa ra larga
do Rozario, n. 48, primeiro andar.
Lotera do Klo-de-Janetro.
A os 20:0008000.
Na praca da Independencia, Ioja n. 3,com
fundo para i do Queimado,vendem-se bilhe-
tes, meios. quartos. ollavos e vigsimos di
dcima primeira loteria a beneficio do tliea-
tro de S -Pedro de Alcntara,vindoa pelo ul-
timo vapor. Na mesma ioja musir m-se as
listas das loteiias pastadas.
Lotera do Hlo-de-Janelro.
A os 2 0:000 #000.
lueljos do sertAo.
a* rs. a libra, para acbar cora o resto ;
c*'*as com superiores velas do Aracaty,
brarcaa esmerellea; chapeos de p=lha,
16,000 rs. oceoto ; barricas com i'arioha de
raruta ; courinhos de cabra ; sapatos de
couro de lustro em porefio : na ra da Cruz,
n. 24. .
Vendem-se 5 pratos de 85 annos, de
lindas figura*, sendo um delles ptimo car-
reiro ; um dito de 18 annos, ptimo boliei-
ro ; Juas bonitas pretas de 20 annos.; urna
lita de 25 annos, que engomma, cozinha e
cose, tudo muito bem, esta so quer estar
dentro de casa, por estar a isto acostuma.
da ; 3 mulatas com habilidades; doas pre-
tas de 30 annos, por 300,000 rs. : todos por
preco muito em conta: na ra das Laran-
geiras, o. t%-, seguudo andar.
Veodeiii-a-' lengos da seda para Igi-
heira, e que tamben servem para hombros
le senlioras, pelo diminuto prego de 1,000
rs. : na ra Nova n. 3.
Confcilaria crense.
Na nova conteitaria cearense da ra eslrei-
ta do Rozarlo n. 43, vendeai-se superiores
holinhos de todas ai qualidades para cha ;
bem como carnauba mais superior que ha
presentemente no aereado 1 ludo por pre-
go commodo.
'arlaba baratisslma.
Na roa do Kangel, armazem o. 36, ven-
dem-se sarcaa com farinba, a 1,600 rs ; mi-
Iho, a 2,70i) ra.; arroz de caica, a 3,500 rs. ;
dito pilado, a 6.500 r*.
mangue, por prego commodo
Senialla-Velna, n. 100.
na ra da
Queimido, loj de miudeis, n. 8, A. Ven- '.1 7 *
,rrteV?.Toin:.,Tde^i-Pbe,ll?oetdee,Ad,: -ve"d- *~* de -
cantara do Ri-de-Janeiro.
Curdas e bordees para vlol&o e rabees,
na ra eslrei ta do Roairio, travesa do Quei-
mado, Ioja de miudezai o. 2, A. Vendem-se
muito supreriores curdas e bordoes pira
violSo e rabees, por prego mais commodo
do que em outra qualquer parle.
a 4:ooo rs. e 1,500.
Carteiras de marroquim com chaves,
para commercio, com ua meiea do anno, a
4,000 rs. cada urna, edita de tartaruga pa-
- alibeira forradas de selim muilo ricas,
no Atierro da Boa-Vista, Ioja,
1 de algodo trancado na
fa inica de Todos os santos.
Na na da Cadeia 11. 52.
vendem-se >ur atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Alelas il< li 11 li<>
rhegadas ltimamente, vindas do Porto pe-
la bahia, 1 s grandes e muito finas vende-
te un escripturio de Francisco Alves da Cu-
nha, ra do Vigario, n 11.
Arados de ferro.
Na fundigao da Aurora, em S.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
loloa.
Moendas superiores.
Na fundigao ue U starr & Companhia,
em S.-Amaro, acbani-se a venda uioendas
He canoa, loaas oe ierro, ue um modelo e
uonslrucgSo muilo 'superior.
Alas8a de vapor.
Acha-se abena a padaria da ra do Bur-
gos, Forte do Mallos, na qual se adiar
diariamente lodas as qualidades de massas
finas, trabaibadaa por machinisino ; tam-
bera se fabrican) escellenie pSo e bolazi-
nha de ararula, ditas inglezas, bolaxOes
quadrados e redondos, e outras mais mas-
sas tudo obra prima : as niesnms se acharSo
nu deposito do paleo do Trigo, n. 10.
a os se 11 llores le eugenbo.
vendem-se cobertores escuros de algo-
dtlo proprios para esclavos, por serem de
muila durug.lo, pelo diminuto prego de 640
rs. cada um : na ra do Crespo, esquina
que volta par a cadeia.
Chapeos.
bre ; latas com biscoutinho inglez, ditas io'.?u ulf,elro<* ""> lerreno ptimo para
com araruta, cha superior de S.-J'aulo. a fedificagao, sito im ra da Palma, com cento
* 1.. .i>i___. __ o I i,f 2,240 rs a libra : tudo novo e barato.
Vendem-se 16 escravos, sendo um bom
carreiro e mesire de purgar ; 3 ditos de U>-
doo servigo ; 2 mulalinhos do 16 anuos; 2
ditos de lodo o servigo de campo ; urna mu-
latinha recolhida, de 14 annos, que cose
A. Colombier, com Ioja
engomma 2 escravas mogas, de bonitas
figuras, que cosem bem e en:ommam ; 5
ditas de lodo o servigo : na ra Direita, n. 3.
Chapeos de sol para senhoras.
Vendem-se chapeos de sol de seda com
franjas, muito ricos, com cabos de marlim
e dus mais modernos. A cidade de Paris,
ra do Collegio, n. 4.
Vmidem-se chpeos de sol de seda pre-
ta e decores a 4,500, 5,000 e 5,500 rs. cada
um, com armag&o de balcia e muilo bons.
A cidade de Pars, ra do Collegio, n. 4.
Grande sorlimenlo de chapeos de sol
de panno trancado, muilo giaudei, com ar-
mages de baleia das mais lories, cabos de
lats-o e de pao, proprios para senbores e tei-
toros de engenlio. A cidade de Paris, ra do
Collegio, n. 4.
Chapeos de sol de panninho com arma-
gao de baleia, pelo diminuto prego de 2,000
rs. cada um. A cidade de Pars, ra do Col-
legio, n. 4.
Wa Ioja de Moreira & Velloso,
vendem-se lindos toucadores de Jacaranda,
muilo piupho para rapazes sulleiros, lan-
o pelo qualidade do objeclo como pela
cominodidaUado prego que nfio excede a
4,000 rs. : na Tua Nova, o. 8.
-- Vende-se vinho do Porto em barra de
quarlu e quinto azeilonaa superiores ar-
cos para harnease pipas; farinba de liigo
eui barricas e meias dilas ; fio porrele; ce-
vad; pregos de todas as qualidades.em bar-
ricas; enxaJas do Porto ; coeiros de algo-
dSo ; relroz fino do Porto : ludo por j reg
commodo n. ra do Vigario, 11. II, arma-
zem de Francisco Alves da Cunta.
-- Vende-a*, por muilo menos prego, o
sitio do Miiguinho, u. 35 ; urna casa gran-
de, por 400,000 rs. no Pogo : tambera se
veiiuem gairalas e liotijan: no n.esinu sitio.
= Veiidem-ae, vialio,a)o Porto, diiu Saeriy,
cuaci..., muuraa,iic*|Miiiw. aaiiiiao, carite
em couaerva, aal rrliuao, corran.. paia jio-
diua liaui,.! branca da nirlhor qualidade, oia
escura, grurbra de Hulljiida, Ujuloa auna liui-
pai lacas, licorea lino., tuuciubo de fuiuelro,
cli pulo aupci iur qualidade, pboaplioroa em
Sin/as c a rculliu,cliainpagulie da melborqua-
liuade que tu 110 mercado, vrala pretu e Oran-
cu ; iiiappat iiiaiiiiiuoide Macelo, dilo da coa-
la do 1 1 a,11, dilo do golfo de Ven<-a, eaeovaa
para aapaloa, dllaa de eafregar, vaaioraa de ca-
bello para varrri aalaa, azeite-doce rrlinailu e
aliuauaks maiiilmoa paia 1350: na ra do Tra-
piche, a. M, ariuuiu de Kaywuud 6 C.
A. Colombiez, com .oja na ra Nova,
airas da man;, vende leugus de cambraia
de liiihu, muito linos, com bordados etnco
era roda ; ditos de algodSo tino, imitando
01 de liutio ; ditos anendados lias
e tantos palmos de frente, no qual j existe
om ti-lheiio muilo adequado para deposito
de madeiras, para cujo lira fui construido 1
na ra da Cruz, no Recite, armazem de as-
sucar da viuva Pereira da Cunta.
Por 3:000,000 de rs.
Vende-se um le reno Com olaria e urna
casinha, leudo de fenle 107 palmos, e de
fundos desde a ra da Aurora al a ra do
Hospicio, ten lo frente para le edificar 15
moradas de casas : na praca da Indepen-
dencia, n. 17.
Para osSrs. alfates.
Vende-se estopa com alguma avaria, a
80e120rs. : ni ra larga do Rozario, n.
48, primeiro andar.
I)t po.-iio tli fabrica de^
1 oilos os Sa n los, na
laliia.
puntas;
datos de linliu cora flores as puntas ; ditos
de algodSo com cores; uiloi brincos lisos
ni rui Nova n. 2, jo cun barra de cordfio. que servem para lio-
atras di matriz, vende chapos de caslor|"em ; ditos para meninas, a 240 r. ; ditos
brinco finse de bonitas formas; ditos de I de seda pata gravita, pretosedo cor. 3; di-
seda francezes para homem ; ditos de pllbaf tos de seda, fazenda supeiiur pira seiiliora
lina ; ditos de merino prelos e brancos ; di j ineuiuas ; mius para klgibeira, 1 1,00o e
tos de palha de Main I ti a ditos para senho-11.600 rs. ; ilus para grvala, a 500
ra, de renda branca ; ditos de palha com te-loutraa tuuitasfatendas baratas a
'"'I" d cabello, ditos para menina* .-ti. I vista.
\
a>
I l.aliia.
Vende-se, em casa de Domingos Al-*
*ves Matheus, na ra da Cruz, 11. 52,*
*pnmeiro audar, algodflo trangado da-jj
Jquella fabriea, muito proprio pan sic-*
jj.cos e roupa de escravoa; bem como
ja>lio piopno para redea de pescare pa-
ja-vios para velas, por prego commodo.41
- Vende-se urna mulatinha escura, mui-
lo bonita, que cose, engomma, cozinha, f.z
renda e o mais servigo de urna casa ; tem
15 anuos : na ra larga do itozario, n. 35,
l0j|
Vende-se um par de coosolos de jaca-
randa, novos, por barato prego : na ra do
Crespn 10, Joja
Neiidern-ie doui lindus moloques de
18 aioios ; um dilu bolieiro ; um Cabrinha
de II a 12 anuos, muito esperto; 2 pretas
de todo o servigo ; pina dita de elegante fi-
gura, ce* habilidades: 110 paleo da matriz
de (.-Antonio 11. 4, segundo audar.
Vendem-se cortes de couro de lustro
pira sapatOes : s ra Nova n. 9, Ioja.
Veudera-se meias de seda branca* pa-
ra meninix -...ilnhoi de couro de limim
para mininas, ditos de duraque, a 800 rs. e
bolina gaspeados com duraque de cores pa-
ra meninas : ua ra Nova 11. 2, Ioja alias da
nutriz.
6,500 rs.
Vendem-se, a diuueiroa vista, sapa tos de
couro de lustro fraucezea, frma ingleza,
pelo diminuto prego de ti,500 rs. o par;
chapoa de paliia da Manilna, muito finos;
Caima da ludia verdadeira para fazer ben-
galas : ua ra Nova, loj. 11. 2, airas da ma-
triz.
Na ra Nova, ioja 11. 2,
vendem-se jarros de porcellinnk para flore
ui'uraes ; u angas para castigaes com p de
vidro lapidados ; lauternas de p de vidro ;
oilaa de pede casquinha ingleza tina : cao-
dieiroadecoroa para sala ; ditos de-Tiom-
ba ; ditos de corda ; ditos para estudantes;
sapatOes de couro de lutro, forma ingleza ,
bengalas linas ; chsruieiras ; perfumarla :
luvas de pellica de cures ; dltat de slgodo
de coree ; aapaios de selim brefte, de lus-
tro, marroquim e duraque ; bolins gaspea-
MH rs. ; e Idus para senliura e ineuiuas ; chinelas de
dinheiro a I tpele e marroquim : tudo a diuheiro a vis-
ito -1do nata.
a 1,500 rs.
n. 48.
Vende-se superior palha de carnk'ba,
chegada recntenteme doAss : na ra da
Cadeia do Recite, o. 36.
Vinho de Bordeaux :
vende-se na roo da Cruz, n. 10,
casa de Kalkmann Irmaos
AGENCIA
da fundicao Low-Moor,
BOA DA 8ENZAIA.A-SOVA, 4a.
Neste estahelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas meias moen-
das, para engenho; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos,
para dito.
- Vende-se urna preta de 80 annos, de
muito boa figura, que cozinha, lava e en-
gomma pouco ; urna mulatinha de 14 an-
nos, que cose, faz lavarinto, engomma, ves-
te e penteia urna senhora ; 2 pretas pegas
ptimos para oarregarem palanquio e ga-
nharem na ra, por darem 640 rs. por dia-
ura mulatinho de lOannoa, muito bom pa-
ra servir a urna casa : na ra do Co tejo,
o. 21, primeiro andar, se dir quera ve. 'e!
Vendem-se dous prelos mogos, bons
ranoeiros : na ra da Madre-de-Deos, n. 34,
Ioja.
Aos Srs. acode mieos do quinto
anuo.
Fitas de chmatele encarnadas largas pi-
ra cartas de hachareis : na ra do Crespo,
o. 5, ioja de miudezas ao p do arco.
Agoa de Sel ti
Je excellente qualidade, e por pre-
co muito commodo : na ra do
Trapiche-Novo, n. 16.
Vende-se estauho em ver-
guinha, de muilo boa qualidade ;
na ra do Trapiche-Novo, n. 16.
Vende-se um siliojque'nilo he foreiro,
no principio di estrada que vai da cam-
pia de S.-Amaro para llelem, com boa
casa de vivenda com sotflo e cinco janellas,
copiar, muilos commodos, cozinha Tora,
cacimba, estribara, rugar para bezerros, 5
viveiros, om sem numero de cajueiros,
muilos coqueiros, mangueiras, jaqueiras,
sapolizeiros, larangeiras, ele., muito ler-
reuo devoluio, que poda dar pasto para 8
ou 10 vaccas de leite, com desembarque
para a camboa da Tacaruna para a maior
canoa carregida : ua ra larga do Itozario.
n. 35, Ioja.
Vende-se urna mulata de 20 anuos, sem
vicios nem achaques, que engomma com
pi-rfciciio, cose e cozinha : o motivo por
que se venda se dir ao comprador: na ra
do Hospicio, casa terrea com sotSo, defron-
te do d. 17, das 6 as v horas da manhSa, e
das 3 da tarde em dlaate.
venae-se um oom carro de ouas rodas,
por preco commodo : na ra da Aurora.
o. 48.
Vendem-se relogios de ou-
ro sahonete patente inglez : na ra
da Cruz, n. a, casa de Geo:
Kenvvorthy & C
Vende-se um refe com lergado, em
bom estado, por prego commodo : oa ra
da Senzalla-Velha, n. 100.
Vendem-se tilhSes inglezes
para montara de senhora: na
tua da Cruzn. a, casa de Geo :
kenworthy 6c C.
- Vendem-se 6 lindos iroleques de 10 a
!8 anuos, sendo um delles ptimo barbeiro
sangiador; 6 pretoi de 20 a 25 annoa.
sendo um delles ptimo sapateiro, outr
ozinheiio; uui pardo de 18 annos, com,
uncipiosde carpiua; duas
Escravos Fgidos.'
pardas de 16
Fugio, di noite do dii 99 de setemhro
do sitio de feqoim Ferreira de Azevedo, o,
negro Trajino, de nagSo Congo, de 33 an-
nos; de estatura regular, cara redonda;
temos beigos grossnse virados para cima,
falla bastante deacangado e atraptlhado ;
est alguma rousa amerello de le-r ha pou-
co se restsbelecido de uma frialdade ; le-
vou caigas de merino preto, camisa de al-
itodBo trangado com lslras aruea, e ootra
lebaeta azul, uma coberta lambem de
hata azul; consta- ir junto com outro, que
fugio na mesma oceasiSo, pertencetite a
Sra. D. Francisca Thomizii da Conceigto
Cunha, de nome Pedro ; he bastante alto ;
representa ter 38 a 40 annos ; tem una ca-
lombos da pona do nariz al so meio da
testa; be bastante molerlo e desdentado
ni frente. Koga-se a todas as autoridades
policiaes e capilSes de campo, que os ap-
prehendim e levem-nos a roa do Crespo,
Ioja n. 10, que serio gratificados. -
Desappireceu, no dia 9 do;
passado, um escravo de nome Pe
lato, de 28 annos, corpo gromo, ci
donda, cube los torcidos ; tem um denle y.
dre na frente; levou caigas da a
azule camisa dealgdSozinho ni
o pegar leve-ot rui da Aurora, n.
ser recompensado.
--Fugio, na noiie de 29 para 30 de aelem-
bro do correnle anno, do sitio do Bomgy,
um mulatinho de nome Francisco, de bom
cabello, cor descorada, de 13 para 14 anuos,
secco do corpo, falla fina ; tem una matea
de ferida eo> cima de um olho proveniente
de uma queda ; o melhor n'gnal por onde
pode ser coonecido he ser veago de um
olho; levou camisa de. algodSo riscado,
caigas de algodflo trangado azul ; quando
foge diz que he forro, e oulraa vezes que
seu aenhor mora muito longe, e que 0B0 sa-
be o nome da trra : quera o pegar leve-o
i ra Direita, n 61, venda de Joflo Jos m
Miranda, que gratificar, ou no dito litio
do Bomgy, que foi do fallecido Joflo de
Barros.
No dia primeiro do corrente desappa-
receu uma prela de Angola, de nome Vic-
torina ; foi de uma irmfia do Sr. major
Mayer, esuppOe-se lerse evadido do poder
do ibaixo declarado, visto a 1er arremata-
do em praca no dia 16 de setembro. Roga-
se autoridades policiaca e canilles decam-
po, que a apprehendam e levem-na ao Pas-
seio-Publico, n. 11, n Firmiano Jos llodri-
gues Perreirs, que gratificar.
Carapuga para quem servir.
No dia 10 do prximo pasudo, fugio, do
engenho Souza, em Agoa-Preta, um escra-
vo de nagflo, de nome Ambrozio, estatura
regular, corpulento, cor um pouco fula,
rosto comprldo, beigos grossos ; he algoma
couss vesgo ; representa ter 30 annos; he
de suppr que este escravo ealeja acoitado
em casa de algum destes bemfeitorea da
humanidade que eslo sempre promplos
acolherem quintos negriohol procurara ma
protegi ; porta como lodo aquello que le
otilisa do ahli'iu som cunsentiniento de seu
dono, he ladrlo, e o abaixo asaignado li-
songea-soem suppor que nossa sooiedade
nflo est Ifio corrompida que um ladrlo en-
contr protegi naquellea que executam a
lei, protesta uur com lodo o rigor da le
contra quem o liver oceulto, aejain quaes
forera os ttulos de que ae veja Circundado,
nflo so para lia rer o escravo como os diaa
de servigo, contados do dia da fuga: quem
ler noticia certa, ou o pegar, ser recom-
pensado- Joie Anionit Pereira.
Fugio, no da 9 do correte, um relo
crioulo, de nomo Manuel, baixo. meio gros-
so do corpo; he quebrado de ambas as par-
tes; tem muilos calos as costas das mflos
em o lugar das juntas dos dedos de stni-
sar pSo, por ser no que agora ae occupi;
tambera lera muitoi calos as palmas dn
ralos por dintel ter o officio de eslivador do
navios, cujos calos foram agora cortados a
navtlha ; levou camisa de algodlo tranga-
do branco, e caigas do mesmo azul: quem o
6, pa-
auuos. uma com, habilidades; 8 pretas de (ser ratificado?
12 a 25 anuos, algumas com habilidades, ____;
jroprias para todo o servigo: na ra do
pegar leve-o ao pateo da S,-Cruz n.
dalia, que ser gratificado.
Fugio, 110 dia piimeiro de outubro do
corrente anuo, o escravo crioulo de nome
Feleci.no, de 37 anuos, estatura baUa.ai-
cOes miudas, nariz e beigos fino* ; tem
peni direila quebrada e mais curta que a
esquerda ; lera um lobiilho na cabeca a
cima da nuca, loma mull tabaco; levou
chapeo de pallia do carnauba novo, camisa
J inaclannlSn iiaaila. calis 'Je bfirr! hin
eo trangado ; ful encontrado 111 estrada no-
va, iodo para o mallo : quem o pegar leve-o
a ra da l'rala djsi.-nila-Nova, n. 7, qua
I
aaaaW.. SW ..______ aa ^
'mtm'l mm a ar.^fVM re t/BJ P\l. #>#
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYI57EZHS_C3I9GB INGEST_TIME 2013-04-24T18:58:34Z PACKAGE AA00011611_07029
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES