Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07022


This item is only available as the following downloads:


Full Text
s
'-
ilnno XXVI
_
\
Saxtfi-feira 27
rautidai do ooBauor.
Goianna e Parahlba, aegundas cenlas felras.
Rlo-tiiande-dn-Nnrte, quintal felras ao melo-
da.
Cabo, Seriuhem, Rio-Fonnoso, Porto-Cairo
e Macelo, no I., a II, e 21 de cada raez.
Garaohuns e Bonito, a 8 e 23.
Uoa-Vlita e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas felrai.
Ollnda, todoi o dlaa.
.^:nnoHBgH
Pbasis da ma
rama.
Nova. a 6. s 3 h. e 9 m. da ni,
Cresc. a 13, i Oh. e 1 m. a ni.
Cheia. a21, i 10 b. e'21 m. da m.
Ming. a 28, s 7 h. e 33 m. da I.
WMIM SI OJX.
Primeira as
Segunda ai
10 horas
10 horas
e (> mi autos da manhaa.
c 30 mo utos da larde.
rf Setembro il> f S50.
N. 18.
vBEpo da atTBsoairpio.
Portresmezes (adanlaizo) 4/000
Por seis mezes 8/000
Por mu aunu lo/UOU
DIA* A IWAKi.
23 Seg. S. Lino. Aud. do J, dos orf. e ra. ds I. v.
24 Tere. N. S. das Neves. Feriado.
45 Quart. S. Pirinino. Aud. do J. da 2. v. do civel.
26 Ouint S. Cipriano. Aud. do i. dos orf. e do n,
da I. r.
27 Set. Ss. Cosme e Damin. And. do J. da 1. v.
e do dos fcltos da fazenda.
28 Sab. 9. Venceslao. And. da Chae, e do J. da 2.
v. crime.
29 Dom. S. Miguel Archanjo.
HI' C1MBIOJ ZM 36 SE
Sobre Londros. a 28 '/> d por
. Parts, m.
Lisboa, 100 por cento.
Onr.Onc-as heipanhoes.......
Hoedas de ttf400velhai
de 6/400 oras
de 4/000.........
Prt*.PaueSes brasilelro....
Pesuscoluinnarios.....
Ditos uieiicanos........
SETtHBRO,
1/000 rs. a 60 diai.
29/000 a 2s0C
16/400 a 16/800
16/100 a 16J200
9/100 a 9/20O
l/0 a 1/980
l/r6 a l/98li
1/800 a 1/891'
MSQJtsmra*.. ?,. ,
;Vi ni *[Ffiliiii'1"r "'iiiiMin'iiii
parte ornctAL.
GOVKRNOOA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DD DA 2 DE SETEMBR0
DE 1850.
OdicioAo Exm. commandante das ar-
mas, remullendo para providanciar romo
fr dejustic o requerlmento, em que IV;'
Ann rVonciSQ* e Pu!i Fcrreira ss qUej!
dn minina ndante do destacamento da es-
cada. y-)
Dito. --Ao meimo dizendo, que o inspec-
li r da pagadoria miniar tim ordena, para
mandar pagar ao soldado dooitavo bata-
]hilo deeaesdores, Julio Armienio da Silva
que, leudo floalisado o seajj tempn de prac.
si' olTereceu para continuar no servido dn
exercito, a iratiflcacflo de 200,000.rt. que
Ihe foi arbitrada, sendo 50,000 ra. vista e
o reato em prestaefies mensaes de 10,000 rsr.
. Neste sentido oflloiou-se ao referido ins-
pector.
Dito. -- Ao (reamo, iotairando-o de haver
arbitrado a cada um dos paisanos
portn do sul, recebemos jornaes fluminen-
ses at 13, habanos al 23, e alagoanos at
23 do correnta
Quanto" i corle enmeoaremos por passar
ara osla pagina do Diarlo a carta que, sol
a'data da 13 Merevra do Mercantil da Ba-
ha o sen crirreWpondente daquella praca.
Ei-IH :
' Km data de 3do corrento escrevi. per-
suadido ile que O paquete iaglez Penguin
sahisse. como eslava annunciadn. na ra-
ahila do dia 8, o que se ntfo veriiicou, d-
emlo-se transferido oar o:da 7, a logo ao
opola para o dis 10 Um tal systema de
adiamentos a
de tal
10 sem qi
SI So |
eresceii
ciado
anlarj
los Antonio e Manoel Antonio da Silra,
que S. Kxc. mandara aasentar prapa como
volunlaiioa, este no oitavo hatalhSo de ca-
tadores, e aquello no primeiro da mesms
*' na, por terern sido ju|gados apios para
Calrico do exercito pela junta dn saule,
so o fici-eso de 150,000 rs. que Ibes ser
par., com 60,000 rs. i vista, e o resto em
prestsrOes mensaes de 10,000 rs.--Intelli
gancloti-se ao inspector da pagadoria mi-
litar
Dlfo'.--Ao inspector da tbesoararia de fa-
zenda, acientificando-o de haver o juz mu-
niciipal tde orphSos do termo de Goianna
liacharel Francisco de Panla Rodrigues de
Almeida participado, que em 20 do cor-
rete enlrira no oso dos tres mezes de li-
ceD(a, que Ihe Tora concedida pelo governo
imperial para tratar de sua s>ude.
Dito. Ao inspector ds pagadoria militar,
para que mande com brevidade examinar,
se com effeito deve-se de vencimentoa ao
corpo de batedores 10063,131 rs. e caso ve-
rilique-se existir semelhante debito, faca
entregar ao tenente-coronel graduado Fran-
cisco Vctor da Relio e Alhuquerque, por
cunta dessa quarKia, 5:300.650 rs. para pa-
gamento das pracas que, perlencendo sos
balslliflos te.rceiro de arlilhariaa p, e oi-
lavo de cacadore?, fizeram parte daquel
corpo, conforme requisita o mareclial conli
iiiaiul.iite das armas. -- Inlellfgenciou-se
t,
vi
r. nUo querer saber msis
por isso Isrgou elle no di*
I aproveitasse dessa occa-
noticias piis frescas ; ac-
S.-Silvador eslava annun-
a 12, e entSo promedia adji-
quete na chegada a esse por-
e parece-ne agora nflo acontecer
a mudanca que fez o lempo, cahin-
ddjventos do quadrante do sul. Permuta
r Dm que o Pcnguii* aproveitasse a moncSo,
Mi cruel *e^ me"os al a Babia, afini de que o Mon-
lllUlima 1111(1 C ii a o iii lina.! n i m n I ,- n
lesuroa que foi a seu bordo, eneontrasse
nos elementos benigna coucurrencia para o
feliz xito da visita, que vai faxar aquerida
patria. A Btni tem maia urna rsslo par
aceitar unnime a candidatura de 13o dig-
no lilho : o sacrificio que elle faz, deixando
por algum lempo sua familia e interesse.
l'iinestleoj, sofTrendo mesmo dainos de
nSo pequea nionts, segundo eslou infor-
madw. Mas ludo dar por hem compensa-
do pala honra, que justamente se liga a ob-
teiic.to de urna maioria de votos dos elelto-
res da gaftltde e Ilustrada provincia da Da
hia. He flpr aqui corrente que esse nosso
henemerilocmpalriota se aotia Horneado
memoro do conselliu de estado, juntamen
le com os senadores Holanda Cavalcanli,
Vianna eClemente Pereira ; ao menos o Bra-
Ist' e Correio da 7"nule j ileram esta noticia
qoe he por si muito verosmil.
Fechnu-se a sesso- da assembls feral
no da 11, prorogada at o dia 10. A falla
que o Imperador dirigi, no arito solemne
do aacerrament,aos representantes da na-
c3or be um documento aulhentico das pa-
ternaes iotenQoea do governo de S. M.,
ao mesmo marechai.
Dito. Ao inspector Jo arsensl de msri-
nha, recommen'ilado que rometta para a
provincia da Parahiba no primeiro vapor
que passar para o norte, os barris de pol-
voia, bem .como o restante dos reparos de
arlilhsria, viudos da curto com destino -
quella provincia.
Dito, Ao delegado supplente do primei-
ro di.stricto do termo do Becfe. -- llaven-
tme o cnsul de Portugal em seu officio
21 do crrenle participado que muili's
dos subditos de S M Kidi-lissima, que team
de seguir para, a nova colonia pOrtug'u'es>|
de Mossamedes, bao podem fazer as prris>a
despezas pura alcancar os documentos dn
coslume nesaa reprlicao esecretarii desta
presi lencia,' par ohterem os passapo-les
necessario, aflm deseguirem ao seu desti-
nn, requisitando ao mesmo lempo, que os
hiiiive-sc de dspenssr, ltenla a sua. falta
de meios de presentaren! esses documen-
tos, b"Slando para moslrarem-se desemba-
em estado d SegUjr visgom os
aurfuncisfeiios no Diarto dt Pmambuco,
pnlpquereconimendo a VmC. que haj de
sslslazersemellianie requisjcSo, econceda
a aqullas dos dilos subditos, que por falta
de (neios nSU poderm apre4ontar oj docu-
mentos do esiylo os compelenies passa-
nito-AO de.legs'd'o do termo dolimoeirp,
duendo que com acopia que lemette, do
oQlcio locOmmandaole do corpo de policia,
responde ao' que S. roe. dirigi so chee de
policia, rtquisilando o augmhlo do desta-
camento dsquella villa.
Dilo Ao subdelegado da freguezia do
Ppo-da-Panella, deca i ajttfiMUifcCom a c-
Sia que remett do olcT do commndaiite
o Cor^o de policia responde o' que f?. me.
dirlgi0a9chefe.de policia, requisitando'iim
deslacamcnlo ilaqudle corpo para o servi-
fo da mi'sma "subdelegada.
Dilp.,-1 A cmara, municipal do Recite,
duendo ficir se ente de haver Domingos Jo-
s de SanfAn na arrematado com as preei-
do muro do cemilerio publico pela quantia
de 2 533,lOO is. ; e auloiisamlo-a a mandar
lsvrar ocdtnpetente termo de contrato.
Hilo. A snesma, inteiraiido-a de'tjoe na
secretaria da presiJencis nflo consta a por-
tarla, que Ss. es. dilem le- sido expedida
pela secretaria deestudo dos negocios da
juslica em 7 de aico de 14, e bem as-
aim da ttiu haver aluda solucflo alguma'
acerca da represenUelo lo concelho feral
desalubridadedeala provincia.
- Portada.MaudaudQ 1 6r em liuenia.de
os recrutas Prudencio da Silva .Couliulio e
LaureiiliaoJoa de-Saul'Anna, o primeiro
por ser tuipregado nos Irabalhos da eatrtda
da Victoria, e o segundo por apreaanlar
iwiKao legal.
DiilHO E PEHMrUIHICU
bemi-b, m s szshbbo s isat.
Pelo vapor Salvador, chegado hdje doa

padrflo de gloria para as duas sessoes dn
inne de-1859, cujos-trabalhos n3o polerflo
lelrarde ser ferteis em resultados henefl-
legislativos mais imprtanles, que foram
feitos e concluidos at anoo. Alm dia
loisil ornamentos a Dsaodea de Mrca s-
13o saaocioeadas aa saguintea :Codisjo do
commercio; reforme da gnarda nacional;
sobre repressBo do trafago da Costa d'Afri-
ta f trras devolutsa e colonisacsn ; promo-
fOes dos ofliciaes doexeicito ; antiguidade
dos juizesde direito e. sua esenlha para as
relacAea antranoias de comarcas ; venel-
inenlos dos joizes, divididos em ordenados
a gratilicacOes pera que eata partes tenha
lugar no efrectivo exercicio j transferencias
'lacertos crimes do julgamonto por jurados
para os juizes de direito; reformado the-
nuroe reparlli,-6es (iacaes; provincialisa-
C8ndes notas; rreacAo de urna enntadoria
eral da guerra ; cemiterioa no municipio
do llio-de-Janeiro ; elevadlo do alto Ama-
sonaa m provinria ; colonia em Snitn-fia-
tharina : e salnbridade publica,--KOram ini-
ciadas veis solue cinsurvacSo e corta de
msdeiras ; terrenos diamantinos, enrpo di-
plomtico, quepassou em 3 discussAes no
senado ; pensionistas do estado, que ficou
adianlada naquella cmara ; lecrulamen-
lo;. aposentailoriss ; cursos de agricoltura
e outras tendentes a proteo$3o desta. liase
lia noss'i riqueza, e da industria ; nova pro-
vincia ni comarca da Coritiba, concluida no
senado ; uiitra no rio doS.-Francisco ; es-
Mulos parj ss escolas de medicina e de di-
reito, faltando disculirem-se na cmara dos
leputairns urnas emendas adoptadas no so-
nado para ser concluida esta le ; e reforma
(las leis disciplinares do ejercito. A' vista
desta exposicSo, que lalvez seja incmple-
la anda, nSo se pule negar as cmaras ac-
luaes mullo desojo, pelo menos, de dotar o
paiz dos mlboramentos, de que tanto pre-
cisa. Dir-se-ha : ainda resla muila cousa
a fazer. NS'o ha duvida ; mas essa nSo he a
questSo ; o que afCnno he que nunca O lira-
il leve sessOes legislativas [3o forte i a em
actcis do vital I ulerease ; nunca Irabalharam
|rnj|S ns cmaras ; ir alm he impossivel O
Vj.uc rnereoe ser multo apreciado he que, a
o'nidade de pensamonto poltico nunca fal-
lou maiorin, hem como a maior lealdade
aos principios adoptados pelo partido, que
subi em 29 de seteitlDro de 18*, c jijo ri-
umphou nas eleicocs de 1819. Em outra
materia tornou-se igualmente a cmara do*
depiilado digna de muito respeito ; foi a
dediracSo e desinteresso, que mostraran
os seu 1 membros, no apoio decidido ao mi-
nisterio : esta juslica s negar aos actuses
doputndos a cega palx3o de iriimigos, e eu
convido os homens iniparciaes pira oexs-
me severo dus factos, o eiles que decidam
eio ultima inltancia.
0 sanador Honorio lloro to propoz na
respectiva cmara, no dia 2, um projecto,
suloriasndo o governo, no cuso de guerra,
a reformar as rea, que wgulam a discipli-
na do xercito, alterando a penalldade,
competencia.do foro eprocesso; a nque-
reu logo urgencia para entrar em segunda
iliscussSo, so que annuio o segado.. Urna
medida de tsnto alcance, e que involve urna
extrsma ecafianc,.'! o anisterio ps'*c-">
Indos que parti de accOrdo com o gabine-
te; mas no dia seguiuie o mitiistru da guer-
ia apresentou-se no sena o requerendo que
u projecto fosso reinettido A coinmisalo de
marinha e guerra para flxar as bases aobre
as quaes o governo poder molificar a le-
KislacSo militar sobre as penas, forma do
processo a competaneia do juizo. O Hono-
rio nSo eslava nesta aeaaSo do requerimen-
lo, mas o Alves Brancoo combalou por In-
til, bem como o projecto, porque no enten-
der deste distincto parlamentar, em caso de
guerra, podia o governo suspender as ga-
rantas, e nesse estado reformar as leis pe-
nses, e do p'oeesso, segundo a intelligen-
ciii da constituicSo !.... TSo esquisita opi-
aiSo causn admiracBo, com quanto sus
mentsase a forca do poder, nlo foi esposada
pelos ministros, neiii por saquarema al-
gum. Este incidente maravilhou a torios, e
foi objeclo de muitos julsns temerarios. Dis-
seram quanto ao Honorio, que este eslava
dessvindo com o ministerio, e procurava
derriba lo mediante a discussSo do aau pro-
jecto : quanto ao Alves Brinco, que este
quera armar um lacoao governo para com-
prometilo. Nada disto foi sssm : o Hono-
rio, comparecendo na seguinte sessSo, para
a qual fora adiado o requerimsnto do mi-
nistro da guerra, justificou-se perfeitamen-
te por meio de um discurso, em que se col-
locou na altura de sua reputaeSo de esta-
dista, e concordou noadiamento ou remes-
as para as commissOes O Manool Alves na
qceasio de impugnar o requermento e o
projecto esqueceu-se de seus vastos conhe-
cimentos jurdicos, e s si lembrou que ere
um dos nossos msis brilhanies poetas. Na
verda lo s como poeta he que seria dado
ao nobre senador entenderxjue, quando a
cunstiluicSo diz qua ssseniblt geral ou o
governo, no inlervallo das sessfles, podar,
los casos de rebelliSo, ou invasSo de ini
Oigo, dispensar igumai dat formalidades
que garantem a lbenla 1e individual, dis-
poem o mesmo que autorisar o governo a
eaubelecer tribunaes excepciomes, e sub
jeitar a estes os incursos em qualquer pe-
mlidade .'
Na recusa do ministerio em aceitar a
ampia autorisacSo proposta pelo Honorio, e
que o senado eslava pro-opto a votar, nflo
tiouve pensa mente ocoallo mas abenas a
prudencia, o o desejo de evitar bcchsicO's
de exeesaivo arbitrio em materia de' tanta
qiagnilude, entretanto que, mediante il-
ajumas bases consideradla pelo/corpo legis-
lativo, maior forca deve de adquirir o des-
envolv ment dado pelo governo a essa re-
lormi. 1 *
Alt Mra con effeito publicada a sessRo
ordinina desta auno da asaeuihla geral lo-
gsleliva. como eoosta .^to/rointe acta .-
. SESSA IMPKRUL DO EaTCEftRAMEWTO
DA ASSMbLs'a GERAL KCISLlTIYl,
Em 11 dt telembro dt 1850,
Presidencia do Mr. baraa de Monte Sanio,
Ao melo-dla, reunidos os senhores drpu-
tados e senadores no paco do senado, san no-
mendos para a depulacao que deve recebar a
S. M. o Imperador, os senhores deputados
Ucho.i, Maclrl Monteiro, Aprigio. Magalbes,
Taques, Axainbuja, Mendes.de Almeida, Paes
liarreto. Gomes nibelro, Kerreir.i Penna, Ars-
iili.i, Franco de S, Jansen do Paco, Santos de
tlmeida, Wanderiey, Cdes de Slquelra, Pereira
de Vaaconsellos, Miranda, Pereira da Silra,
Cont Ferraz, Kernandes Vlelra, Dlasde Car-
valbo, Vctor de Olivetra, Goes de Vasconcellos,
Frederlco de Olivelra; e os senhores seuado-
res t.'uuba Vasconcellos, Hollandi Cavalcante,
Oliveira Coutinbo, baraiada Boa Vista, Baptista
de Oliveira, conde de Canas. Caroeiro Leo,
Araujo Bibeirn, Miranda Blbeiro, clemente
Pereira, Cavalcante de Lacerda e vlsconde del
Abr.intes; e pira a que tem dareceber a S. M.I
cussSo, o projecto que aotoriss o governo
a sentar dos diretos de aneoragem os pa-
quetes de vapor da linha estabelecida entre
o Brasil e s Crla-Bretinha.
A 5, o Sr. Monteinmi, orador da com-
mlssSo que por parte da cmara dos depu-
tados, fora felicitar a* S. M. o Imperador
pelo anniversirio de seu felis consorcio,
declsrou que proferir ante S. M. o discurso
infra :
Sanhor.O dia 4 de setemhro records
u,,t!s poca em que a PrnvHencis, entr-
onando com a sua Divina (raga no roracSu
de V. M. I, todas as virtudes que geram e
consolidam a felicidade das familias, dig-
nou-sa de pren lar o Brasil do mais primo-
roso e anglico modelo dos esposos, verda-
leiro typo ideal da perfei(lo{ sentado no
throno.
A cmara dos deputsdo, Stenhor, orgSo
fiel dos sentimentos naciontes, seas i ve I
commoQ3o qua penetra o animo generoso
d V. M. I. em tfio feslivo aniversario, en-
carregou a presente deputac'o a exprimir
nos termos da mais respeftosa lealdade, as
sinceras leliciUcfies com que a mc3o intei-
ra lem a honra de saular tt 'grande monar-
cha hrasileiro por tSo jubiloso e prospero
motivo.
Senhor, prende reste no'tavel e gran-
dioso successn um principio poltico da
mais alta importancia para os povos, que,
no reflectdo enthusiasmo de sua indepen-
dencia, souberam escolher psra forma de
seu governo represontitivo, a miis protec-
tora, a menos complicada, a mais leal pelas
garantas que Offerece. a qua eOCerra em si
mais hiimanidade, mais lija f;'ijiais bnne-
diz o contemporneo foi acolhida pelos so-
cios a noticia da minumissSo de tres oscra-
vos ; foi sem diivida lapso de penus. To-
dava diremos que se julgarmos por essa
ceremonia da installaeSn di Sociedadn, que
he a unica noticia que della temos, parece-
r qne ella he mais abolicionista do que
siaiplesrneate dirigida contra n trafico.
l.imitando-saa ese flm, he innegavel
qoe grande auxilio podar prestir esss so-
ciedsde quer ao governo na Iota que lem
ella Iravado contra preoccupacOas secula-
res, quer ao progresso da civilisaco euro-
pea. NSo puncas bencSos merecer ella,
8a esclarecendo os nossos lavradores acerca
ds coodicOes onerosas da sua actual pro-
luccSo, Ihesindif Ihor produzjre de dispensar psse sacrificio
que annuslmenle Ihas impde a necessidado
de renovar pala compra os escravos d.i ana
lavouM. Cumpre, porm, que s a esse lim
si limite; do contrario, se com a suppres-
sSo do trafico complicar a abolic.lo, entilo
s males far. e comprometiera a causa quo
pretende promover, a
Corra que passaria a ter exercicio na re-
lacSo da corte o Sr. desembargador da re-
laclo do MaranhSo Gabriel Mendes dos
Santos.
Acensan lo datas do Rio Grande at 27,
e de Porto Alegre al 24 do piasado, s-im
como da Sants Catharina at 3 do corrente,
o iornaldo Commercio diz em seu n. 247 :
Na provincia de San-Pedm do sU| rci-
mva a maior ordem, mas com anxialade ,
erain esperadas noticias da corle sobre as
questes pendentes com o general Rosas.
As cartas que temos vista dizem qua
licencia e mais jusliga, qua sSo!sVmais li'm" lOiba tralav.i de aluciar gnle no Rio-Gran-
escora dos estados e da felicidaj&da inelles
1 quem Dos confiou o seu goverso : fal
Senhor, da perpetuidade das dylaatas,
lauto aviva ns uiemori 1 dos pov* os bei
Ocios recebi los de seus principes,''.
O co que tinto se tem amerceado d
nos, que fi benvolo nos tem sempre, acu-
dido com u seu poJaroso e invencivel escu;
lo, que lano iuteresse tem tomado pela
uussa prosperi la le que tao beneficio, em-
fim, se digns dirigir os destinos do Impe-
rio gnanle, Sinhor, a V. M. I. 1 S. SI a
Imperatriz e os nossos principes, dilatan-
do por innmeros seculos a augusta dynas-
la do glorioso progenitor dos nossos Ca-
sares
SSo estes, Senhor, os patriticos e lases
sentimentos da cmara dos deputados que
nos honramos de representar nesta solem-
ne-nccasiio : fica-nos V. M. I. a g.{8 de os
icceilar.
Terminando a leitur desle disco+W, o
distincto orador sccrescenluti que S. II. Ihe
responder assim :
Fazei saber cmara dos Srs, dpputs-
dosque me sSo mu gratos, os seus sonti-
mentos de amor e loalda le.
r*ra pe lugar da provedpr da csaa, ,da
aioia, e paasara a servir no Ihesouro al
er convenientemente empreado oSr. C-|
le para proclamar a repblica. O Diario
Mn-CrandeaeCrescenta ;
Lmns 11-na carta moderna da campa-
, a qual diz que Ignacio Oribe acha-se
Tres Cruzea eom urna forca daa tres ar-
as, fazendoaUi suss reunios ;qui ja tem
marchado para s he encorpnrarem s for-
C por co'iipanhias ; que Limas est no Qua-
f oom urna forca lambam das tres armas ,
) la/eml 1 reunea; que finalm inte falla-
se em que esto dave marchar sobre a fron-
tera de Quaraim, e aquella para a de le-
guario a pretextar de guirner-las para
nSo seren invadidas nesta primavera,
O cor jo lo commercio do Rio-Grande,
deu no dia 95 um esplendido baile ao Sr.
daputado Po 1ro Rodrigues Femantes
Clnves.
,t,.m o n. 219, porm, o citado iornal, ref-
(riodo-s^a lollias do Rio-Grande, PortO-A-
legre, Paraguay, Moolivi !j e Buenos-Ay-
res, accrescenta :
A aitencSo publica na provincia de
San-Pedro do sul, occupiva-se exclusiva-
mente com o estado das relsoOes entre o
Brasil e liuouos-Ayres, ecom os planos at-
tribuidos ao general Rosas. O Diario do Rio-
Cruudi de 3 do corrente transcreve o se-
guinte aitigo :
millo JoSo Valdetaro, tendo pos; substituto I > Dizem de JaguarSo, em data de 28 de
no lugar, de qua o dispensara o governo, ni agosto :
Sr. Candido de Azeredo Coutinbo, lente de
c liin'cn na escoja militar.
A 7 installra.fe no salSo da Floresta a
Sociiddde contra o trafico de fricanot, e pro-
motora da eolaniacio teioiliacSo dot imdi-
gmas.
Dando conti de semelhtnte installacflo, o
Correio Mercantil accrascenti:
a \ direccSo, anteriormente nomeada,
.1 Inipri-airlz, es senhores deputados Lima e-I compe-se dos seguinfis senhores : presi-
>ilva'Sobrinas, visconde de Baependy, Reg
I/arrns. Venancio Lisboa, Rabia, Snaresde Sou-
ia, Pinto de Magadiaes. Paraosgui-Rocha, e
os senhores senadores Liinpa de Abreu, D, Ma-
no. 1 e Mello natos.
a A' una hora da tarde, annunciando-se a
chegada de S. 11. o Imperador e de S. M a Iin-
prratrlt, sahem as drputaedes a espera-Ios i
porta.do rdillclo. Entrando 8. M. o Impera-
dor na sala e ah recebido pelo Sr, presidente
r secretarlos, ns quaes unlndo-se depulacao,
acoinpaqham o mesmo augusto senbor ateo
lliriinu, no qual tomando aasenlo, manda as-
leutareinse os senhores deputados e senado-
res, e pronuncia a seguinte falla:
- Augustos e dignissiiiios senhores repre-
sentantes da naco.
Vlndo encerrar a segunda sesiio da oltava
legislatura, sinto grande praser em coinmuni-
car-vos que a pai e tranquillldade publica se
cliain de todo resla be lecidas nas provincias
t mde infeliiiuenle haviaiu sido perturbadas.
l)o liuui temo e patriotismo do povo Hrasileiro
espero que nao tereuios mais de deplorar tao
desastrosos acontri-imentos
Gracas a misericordia divina, posso hoje
conimunlcar-voi a cesssfo da febre epidmi-
ca que por algum mezes M.igellra varias cida-
des e lugares do nosso litoral.
Coniinnarel a einpregar iodos u i.fu.yu
para inanler, sem olleina de nossos diretos r
dignidade, relacOes pacieas com a> patencias
eatrangriras. A pal he indispensavel para a
prosperidade e llberdade das naedes.
Agradecovos os iinpni lautes actos legisla-
itosque ullimasles nas ilua easOes^este an- torceira, de entchese.
uo, Os IwneBcios que dilles nao de resultar,
ccustiiuriu a malprecila recompensa de vos-
ui fadigas.
Ao cabo de tantos meses de laboriosas func-
^cs he forca que volteis aa seio de vossas fa-
milia, onlii'uai, augustos e dignissiuios se-
uiinres rtprcsenlanles da a oarao, auxiliar,
com o esi larecido irlo de que leudes lado lan-
as provas, a trela que me prapuz de rruair
lodos os Draiileiro* no peusamenio comiiium
da conservar, iilesas aossas benficas inslilui-
ces. MosUai-lhes quanto da obediencia s
leis, da obaervancia dos deveies que iuipdein,
a moral e a religiao, deprndem a grandeza e a
felicidade dos imperios.
- -st fechada sesso.
Terminado este acto, retlrasn-ac SS. MM.
11. com o inesnio ceremonial com que haviaiu
ido recrbldos. c pouco depoisoe senhores de-
plitados senadoies..
A 9 adoptara o senado, em larcaira dis-
dnte. Di. Nicolao Rodrigues Franca l."ile;
vice-presidente, coronel; Miguel de Farias
Vasconcellos ; primeiro secretario, Dr. Fre-
derioo I.--opol lo Cesar Rorlaioaque ; se-
gundo dito, Dr. Manool Mana de Moraes
Valle ; thesourairo, o conde de Iguarass
O Sr. Dr, Franca l.eite, na qualiila.le de
presidente, fez um luminoso dscuiso, em
que ile.envolvou a natoreza e importancia
dos lius a que se pro, 0o a sociedaJe ; e si-
gnos outras socios tambo o oraram no mes-
11111 sentido.
Para realizar o brilho dessa solemne
installaplosocial, o mesmo.-Sr. Franca l.ei-
te declaiou que elle de aecrdo com sua es-
posa Sra. D. Maris RiUde Sampaio Fran-
ca, havia lber lado, as duas escravas sua*
anda menores, que foram trazidas pre-
senes dos socios reunidos OSr. Pedro dt
Alcntara Lisb6,'igualmente comparlindo
sentimeolos de beneficencia e philantro-
pia, p.is.sou carta de liberdadas um escrav,.
seu lisias duas declarables foram acollii-
dnscomrisoe contentamento, e sib pro-
posti do Sr. Dr. Buria-jiaque, eemeonfor-
midaJecom os estatutos, foram declarados
sucios bemfelores os srs. Lisboa e Frsn$a
l.eile.
Findo isto, prssou-so nomeicilo de
tres commissOes permanentes: primeira,
conUa o trafico ; segunda, de colonisaciio ;
1 1 a n n
L
SSo memhros da primeira osse hores :
Ltopuldo Augusto da Gamar L'ina. Pedro
de Alcntara Lisboa, Caodido Baptista de
Oliveira. (\ I I )
Di segn los Srs. : Visconde de Jtar-
hacena. burilo de Cayr, Dr. Francisco de
Paula Candido.
Da terebraos Srs.-. mnpienhor Narci-
so da Silva Nepomuceoo, Dr. Jos do Assts
Alva* Brinco Muuiz Brrelo, Braz Josquim
d Silveira.
Dando conta da inalallacEo da socieda-
de contra o trafico, compenetrados da gran-
deza 0 alcance da seus fl fzemos since-
Migvotss psl sua nrnsperJsd" c conoli-
clacSo. a
iteOexIoninda sobre, este fado, diz o
raill:
a NSo raamos reparo no rito com qua
.-_*_
a Muito se tem rallado por aqui era re-
pblica ; dizem que ha um plano para pro-
cla-ji w-se de novo esse governo na provin-
cia a 20 de setemhro. Ora, combine isso
com ns anhelos qua geralmente se patea-
team de que o governo declare a guerra ao
Gitddo visinbo ; e o melhor he que dizem
Ser a revolts auxiliada e protegida pelos 0-
rentaes. De ludo Isto o que me parece de-
ver-se concluir he que esses boatos sSo tra-
Zidos do outro lado, e espalhados de propo-
sito para cnlloccar o governo em estado de
purplexidade, a verse assim couseguem to-
llas quantas satisfaces tem p<-tiilaninente
Sxigilo. Eis o que me parece, entrelsnto,
na.1 se falla 0111 outra cnus.i
Outra caria do da, 29 diz tambem o se-
guinte :
Por aqui espalham-ss noticias de urna
revoluco, que dizem apparecera a 7 ou a
20 de setemhro, auxiliada por fjrcas orien-
t es. Propila-se que para ella se eslSo ra-
tendo convites pela frootairs, eaccrescen-
liui lautos oulros boatos que claramente
demonstram quo isto he plano dos nossos
visinhos. Oque elles pretende ji he aterrar
nossa populacSo e crear ombaracos ao
govarno.
}Consta-me que do outro lado tem pas-
o fnrujiga para a provincia magotes
do emigrados. Cumpre que as autoridades
ou os fscim evacuar o nosso territorio, ou
os concentren-! pan lugar onde possam
melhor ser vigiados.
Couiu erSo os leiiores, tem ganhado
corpo os boatos de urna prxima rehelliSo;
boatos lomeiiiaiius peios emiaaajios ue Mu-
sas e Oribe, e calculadamente espalhados
palas povoaces da frooleira e da cam-
psiiha.
J uma vez o dissemos, e nSo nos can
giremos de o repetir, he escusado os inl-
migos do imperio reoorrerem a manejos
se nieliianies. Os Rio-Grsndenses todos
os llrasileiros, os estrangeiros mesmo
resilientes na provincia com excepcao u-
nici dos escra visados o despotismo e a as-
tilla inquisidora de Rosas e Oribe, lodos
fazem um s voto, todos tem um spensa-
mento: o de ver chegado o instante em
que o governo do pait se proponhe vingar as
injurias que se tem feilo a soberana a*
honra nacional.
Esses boatos, porm, que Rasas e orjbe
pensaram em sau desvario poder approvei-
lar-ihes na arriscada conjuoctura em que
ss schsm, s!c msi um tsstssiunbc da pro-
leccSo dTina a pro! da santa1 cisa do im-
perio e di huroanidade. Esses boatos yia-
ram convencer ao governo e s autorida-
des que cumpre desenvolver activisslma vi-


T"
W
-MS
"" -W
TT
gilancia, que toda a energa, a mais incao-
savel snliciiucli', Ihe eunpre empregar pa-
ra blilr os planos do immigo.
Esse i xr.iiin iIp tmigradot non ftirnii-
ga vem mirando agora para o-nosso terro-
rio, o ei meter de que se achnm revest ios
os earijaario* de Rosas e Oribe, a envida-
do que se nota em as suas relagfles para as
rontoiras, e de um para outro panto da
provincia, ludo isso reclama, da parte do
gnverno das autoridades, as medidas mais
ellkazes para firmar a conllanca publica e
assegurar a sorte do imperio.
Registramos hoje as columnas do
Diario, un acto da presidencia que contm
as mais adequadas disposigos para so neu-
traliaarem os planos dos inimigos da patria.
So as ordens do Sr. Pimenta Rueo consig-
nadas nessn documento forem religiosa -
m"nle observadas, muilo se lera consegui-
do no empenbo glorioso de manter 11 lesas
a honra o a soberana, nacional.
a Talvez houvesse algiima conveniencia
em declarar os nomos dos nossos benem-
ritos compatriotas que Rosas e Oribe in-
culcan) como dcil Instrumento das suas
inncliinaces republicanas Mas, se porum
Indo fofa, isso excitar o pundonor da sua
nacionalida le, do seu patriotismo, e aeeo-
dor ainda mais a nobre indignago deque
se ni-iam possuidos para com os barbaros
Verdugos da vida e ptopriedade dos Brasi-
leros, lora iiiinbrm isso urna oflensa irro-
gada a esses briosos Rio-Grandenses cujos
nonus s se devem associar a empresa glo-
riosas, e nunca serem desdourados pelo ne-
gro li\-;lu da calumnia, como a Unto se po-
deria dar lugar, se de seus uoiucs porven-
lura lizesemos niengao.
Lamentamos que o imperio tenha sido
arrastado pelo eslrangeiro as extremida-
des da guerra; praiiteaaios desde ja o
saugua generoso que tem de regar o terre-
no onde vai ser desaggravada a gloria da
patria. Mas, com tanta maior conllanca
prevemos a victoria assignalada das armas
naciouaes, quanta he a certeza de que en-
tre os mais bravos dos nossos bravos t> rilo
o pnineiro lugar esses propios Brasileiros
a queco Rosas e Oribe intentam tornar aus-
peilos do alta traicio aos olhos do paiz.
A lula nllo pode lardar : mais (lia me-
nos dia, o desengao lio decidir a Rosas e
Oribe a dar ao imperio as satisfceles quo
.exigimos, e o desengao de oblerem ellea
-as que reclamam com a audacia de desp-
tico iluminador, liflo de fuer echoar na
provincia o alarma da guerra.
Ks tejamos, poitanto, paca- ella prepa-
rados, e seja cada um em Mea-ss Soldado
mais liel, e por isso o aajnj hite. Oan-
le dessa resolugo, disnte^lS recursos i-
nesgotaveis do imperio, nada ha que re-
celar. A victoria lia de ser nossa.
O acto da presidencia a que se refere
o Diario do Uto-Grande he o sogrinte :
l'resideneiu da provincia.
a O presidente da provincia, lendoem vis-
ta manler a nieieesacie polica nas fronlei
ras Oriental e do Uruguay, a bein da sua
tniniiuilliadeeseguranga, em conformida
de do artigo 86 e seguales do regulante!)
ton. 120 de 31 de Janeiro de 1841, ordena
quo se oberPBi as seguintes dieposigdes :
1 Niuguem podera entrar nein saln
pelas ililas fronteiras sein ser munido de
passaporle legal, e ainda mes > o cun elle
n3o se poder* elTertuar apa-s.gem seiiao
lelos lugares designados pelo cummaimio
das armas, que colfAcara nelles as necessa-
rias guarios. Conlinmm todava a ser re-
conheeidos como facultado?, iiidependente
daquella desigusgBo. os passos de S.-Borja,
toqui, Uruguay, o de Santa-Auna do Livia-
menlo oda villa de JgoarSo.
Art 2*. Os passapoilcs para passagem
desta provincia para o Eslado-Oriental, en-
tre Kios 00 Corrientes serio dados pela pre-
sidencia da provincia, commando das ar-
i as cotnvDandanles das brigadas e pelos
eludes de torgas quo forem por estes especi-
almente aidorisaHiis. Fica prohibido eos
delegados o subdelegados do polica conce-
der ues passaportes, excepto quando le-
Dllam p ra isso especial autorissefio da pre-
sidencia ou commando das -armas.
Art. 3*-Todos os individuos que vie-
rem do Ksledo Oriental, F.utie Rios e Cjr-
rienles serlo obrigados a apresenlai-so ao
cc.mniendaiitc da Mica militar do districto
por onde entraram e a produzirem seu pas
sapo*>M>; ficando todava obrigados a apre-
sentar-se posteriormente lamben) as auto
ridades policiaes.
Art. 4.* O commanteda f<>rga dodis-
tricto, quamloos viaudentes nos jain Res-
anas conhecidas e de conceito, poder* xi
girdellas asdeclaracOes quejulgar neces
sacias: e se eutender que alguma he sus-
peila de algum crime, ou be malfeitor, a
poilera enviar ao commando de brigada ou
das armas. Se fr emigrado, Tara tambem
igual rcmessa.
Art. 5." 0 commandanleda brigada ou
das armas, depois dos necessarios esclare-
cimentos, poler obrigar os que vierom
sem passaporte a regressar para o lugar
donde vieram, ou assigtier-lhes resistencia
al ulteriores ordens O mesuio podera pra-
licar em relacSo aos que, embora munidos
do passapoile, ncorram em graves suspei-
tas; e se esta fr maiiifesta, poder* manda-
Ios pfir e.n detengSo e dar parte presiden-
cia, ou envia-los logo a esta com informado
circunstanciada.
' Ari. fi fia dtn a um mez. nfln
se pennitlir* o transito em urna zona da
largura d sois leguas paialelas fronteira
oriental sem passaporle. l-xcptuam-se,
em primeiro lugar, os estancieros e mole-
dores cunliccidos que babilem nessa zona,
sssim como aspeasoaa de reconhecido con-
ceilo, embora nSo sejam nella habitantes.
Exceptua-se, em segundo lugar, um raio
de meia legua de eitcsa un em torno das po
\oigOcs da fronteira.
Estes passaportes sarSo dados pelas di-
tas autoridades militares.
Ait. 7." Nflo *e conceJerSo passaportes
paia transitar no territorio de que trata o
artigo snleiior a pessoas deaconliecidns e
auspiita, e muilo menos malfeitores, va-
dios e individuos que tifio declareut desti-
no legitimo pata o transito. NSo se conce
deiflo tambem a emigrados, que em caso
nerihum podrfio residir nessa tona trtn li-
ecngit da presidencia.
Art. 8 lie proliibjdo pelas leis andar
aneado sem liaenge por quj.qu r parle da
provincia : na zoos, porm, de que se ira-
la, veiilic*r-so-ha sein filia alguma a pri-
s.lo do infractor, sendo elle entregue as au-
toridades policiaes, e as armas ao depsi-
tos militares. As licengas para andar-<4t/J
iiado na dita zona s poderdo ser dadas rfi
lo comroandanle dss armas ou das bri-
i\ la*.
Ait. 9.* No se consentirao reunios
'licitas, e nom mesmo outras quaesquer
mmerosas, sem liceni; do commaifdante
las armas ou das brigadas, qualquerque
-eji o titulo delhs no sobrehilo terri-
to/io.
Art. 10. He prohibida a passigem para
os estados vizinhos de quaesquer artigos de
commercio sem o competente dospacho dos
respectivos empregados fiseaes, e pagamen-
to dos direitos de sahida. Iloaprohibida ab-
solutamente a remess para Jaguarfio ou
nitro ponto da soliredita Zbna, e muito mais
a passagem para os ditos Estados, dequaes-
quer armas. muni(0es de guerra, ferro e
ac, lombilhos, erreioa e seus pertences,
assim como de, animaos de qualquer espe-
cie, excepto os que forem montados, sem
I i cenca da presidencia. Nem mesmo os
e 1 prega los fiseaes darSo despacho para
esses artflos sem que preceda a dita ti-
cen (a.
Ait. II. Para mellior execucSo do arti-
go antecedente, nao consentirao quo na so-
bredita zona, a exceptan das povoacOes,
possa havor casa alguma de commorcio, car-
retas, cargueiros, ou oulros quaesquer
Iransportes volantes de mercaduras ou
conimercio, sem I icen; 1 dos cummandantes*
das armas ou brigadas. A Ihesouraiia da-
r aa providencias necessarias para que a
collectoria de Pelotas inspeccione as entilar-
cac,oe* que forem para Jaguarilo. proceden-
tes deportos 011 lo baja alfandogas, e para
que a de J.guar3o cumpra quanlo fica de-
terminado em relatan ao transito coro-
mercial para o Eslado-Orien cada os direitos de sahida doeommercio li-
cito.
Art. 12. Fica lambem prohibida a con-
servado ou demora de cavalhadas particu-
lares na sobredita zona : todas as quo nel-
la houver serSo conduzidas para o inte-
rior.
Art. 13. Os commandante de quaesquer
tortas daro aein peda de lempo parle ao coui-
inaiidaiue da respectiva brigada de todas no-
ticias que livercn de oeeorrenolaa ou inovi-
inenini ir.liini'Fi nos estados viiiohos, e bem
assim de qualquer violencia que ai autorida-
des dellea coiiinieiterein contra qualquer cida-
dobrasileiro un contra a aua proprledade ou
inlereiiea.
1. Art. 14. Os ditos coinmandantes exercerao
a maior vigilancia sobre a prisao de eicravoa
ou desertores que qneiraiu paaaar para os es-
tados rUInho! riles faraotambem rrciularos
aniniaesque eslslirem por esse territorio, per-
tencentea as forjas mililares.
Arl 15. Viiidn algiiin'-oflicial 011 praca din
estados viiinlios i-eiu cuinuiuoicacdesofficiaet,
aero acoiiipanhadot at o poni de seu desli-
no por uiu piquele correspondeole, facilitan -
Se-llies qitauto seja nrcessario,
Art 16. Os diversus commaiidantes de for*
giLJ_______2
aW
De Madrid alcancain asdaua aJ7 dejulho.
\ raloha eslava Intelramenle restabeleclda.
Aa pequeas partidas de facciosos que ap>
pareceram naCatalunha foram annlqnilados.-
Iialiia ficra em paz. e dentra em breve con-
tinuarla a estar sob a adininlslra{ao_ do Sr.
Gonfalves Martina, que o vapor Saa-Sa/eador
DOndutiri pora ahi.
De Alagoas nada sabemos.
Communicado.
as auxiliar as autoridades civis em ludo que
preciso, e protfgero as pescoas e prop-/ie
cas
for .
dades brasileiras, e dos habitantes das fron-
teira), coulra toda e qualquer aggresso.
Arl. 17. A Iransgressao de qualquer das
antecedentes dispusifdes, quando n.i < esteja
sujeila a peuas maiures. ser punida com a de
desobediencia.
t. Palacio itu goveruo em Porto- M'gie, 17
de agosto de 18511. Sol dnloitio Piattala faeno.-
tm Pollo-a legre fui reculliido cadef a o
Sr. Antonio Gouvalves de Carvatlio por Indi-
ciada de le dado a morle a sua mullier.
K Do Paraguay alcancam as dalas a tilde jw^
llio. I'inli.i causadu alguma seosacao na capi-
tal a noticia do diento, expedido pe 1 sala dos
representante? de tenos A ) iv- em til de mar-
co proaiino passado, autorisando o general llo-
sas para dispur sem limite alguin de todut os
recursos da pruvincia, al tomar eHVctiva a
reincorporado do Paiaguay Confederacio
Argentina.
O Paraguayo Independinle n. 92 diz : -
< Assim cumprio llosas a promeasa solemne
de d*ar una resposta prumpia aus priineiros
passos dado pelo nosso governo, e de que au
pon paria esforfo algum para ebegar a umar-
ranjo aiuigavel.
Agora, sim, que podemos esperar essa res-
posta, acompantiada do decreto que oaulorisa
a vir conquistar 11 Paraguay, como em 184o
resp ndeu prnposla de um ajudante proviso-
rio de navrgajSo e ominercio com u> seus de-
cretos de bloqueio dos nossos porios e de pros-
cripyo dos nossos gneros. Se a oossa lanca
fur feliz, vingar lautos ullrages que uenhuin
cMi.iijj paraguayo pode sollrer : ainel'i da
peno \ he lempo perdido einn um salteador.
lie cum esle titulo que o goveroador dos
poflenlms vem invadir a nossa patria, invocan-
do o dirello do mais forte, que nao he nem po-
de cliainar-se direito, senao abuso do poder
. llosas manduu publicar al em Harisque o
Paraguay be um paia de selvagens, sein earr-
cilo e sem soldados. Sejam, porm, quaes fu-
cein seus meios e recursos, a nacao |>araguay<
juioii a aua indep>ndencia, c levaniar-se-ha
em massa para defeode-la. rrsolvld- a acabar
antes do que presiar-se oggrcssao tsiran-
geira..
De Monlevldo ha datas al 27 do passado.
Sada de impoi tanda lioba occorrido na pra^a.
A forca fraocea estava toda em ierra. Com-
pe-s'e de I.3U0 honiens Je iufanlaria e 200 de
arlillierla com una baieria de campanlia.
As i-arias de 8uenorAarr9 de 25 do paasa
do annunciao que 11 alM Mc^e Prdour ea-
prrava terminar a sua loaodi.i'ido
correnlf ; mas accresceSMH ra aas.o ain-
da dnvidoso, porque o genenHiXiaMS fcvia ca-
lar doente e moslrava-se prnuo alisff ilo com
0 arlir do tratado celebrado pelo almirante
I.e PreMatr com Oribe a respeilo da cleicao do
presliliBTl da repblica Oriental. '
lie nosse de folhas e cartas de Lisboa at n
...- I --,! J /-
.......IIIII aO paSStIUU, V IVIOIUU WW..H. -v WVH-
meocto, diz :
No dia 20 foram encerradas as cmaras
portuguesas. O presidente do cunsellio leu o
aeguinle decreto:
Parecenda-iue opporluno encerrar as crr
les geraes da atactio porlugueta, e occorrendo
circuinstancias que me luipedem drassistlra
esta solemiiidade, bel por bem dar por linda a
'sao ordinaria de 1850. e determinar que a
sesso de rncerramenio se verifique no palacio
Idas corlea, pelas quatru horas da larde do dia
II) do crrenle UUX, rcaoldat ambas as cma-
ras ; que por ijuin asislain a ella os acluaes
noni.tio e secretarios de estado das differen-
les .tpariisoes ; e que o conde dr Thomar, pre-
sidente do conselho de minlflros, inlnisiio
secretarlo de estado dos negociusdu reino, lela
esle decrelo no principio da sesso, farrudo
1 eiueiirr copia drlle a nina e ontra GMiiaJS para
licar depositada nos respectivos aryhfyos. 1)
uiesnio presidente du conselho e os oulros li-
nUlrua c secretarios de estado das dinuHas re.
partifOes, assim o teuhain entendido eSa^ain
circular. Paco det-inira, em ISWie jiio ue
1850. RAINHA. CaniU i Z'fioatnr.' Vrlix
l'iriirn iU Maaalkn. 4numiigl -j*i/.
Adriano lnaricio Gluf/irm t'crtfn. Ycondt
J, CamUun. Cund de /'u/al
- u 1 u. nregadu de negocio dbl Eitados-
Unidus iciiruu-se para oiaiurca uo aia IV.
I en do o Diario de II do brrente, vi com
admiracSo incerta a senten^a de enndemna-
eflo prnlTriila. pelo su idelagado da villa de
Vigia Joso Pedro de Moura Palha, contra o
religioso Matheus de Je/.us Mara Jos, por
ter este dito que as mnllierus que vinham
s >m lenco na cabera nSo tinham vergonha,
que eram como cara de cachorro E-n res-
posta a is'.o digo, que S. Paulo apostlo, na
epstola primeiraaos Corinthios capitulo 10
3, dizPorm quero que vos oulros sai-
nis, que Chrislo ha a esbecade todo o va-
ran, e o varfio caheca da mullier, e Dos
cabec lie Chrislo. 4. Todo o hometn que
faz oraeflo ou que prophetiz com a cabeca
eolitirtii, deshonra a sus cabeQa. 5. Etoda
mulberquefazoracao, 011 quo prophetiza'
nSo tendu robera a cbeos, deshonra a sua
cabera, porque he como so eslivesse ras-
pada. bre, tosquie-se tambem. E se para a mu-
llier he urna deshonra tosquiar-se ou ras-
par-se, cubra aua cabera. Da S Pedro :
I libro Pontifical! deitur expraeepto D. Pe-
Iri caviisc, ul mulitr eclatiam ingretltretur ca-
pile veiato. Quer dizer que a multi-r entre
na igreja com a cabeQa cubera ; no entanto
az-ae guerra, e at silo con lomnados nos
irtbiinaes os sscerdote*. que em observan-
cia dos preceitos dos apostlos consegiiiii-
temenle de sua restricta obriga(3o ios-
trunrn, admoestao, e reprehenden! as mu-
Hieres, que renitentes por sua vai lado, ou
por incorregiveis iifio'querem cobrira c-
beca 00 templo ; e ha ehristilos que se op-
pOem a esta doutrina, corno destiecessaria
mi oppressra, mas que digo ? NSo sfio
clinstSos, mas falsos ctuislSos, porque s
0 fossem, eram obedientes, e u3o rebeldes,
tacamos agora alguntas. FedexCes ferir al
guem, ou cortar alguma parte do corpo hu-
mano he um crime de ffensa phistea, que
as noss s leis com justit; 1 punem ; mas cas
liga-se o medico ou cirurgiiln, que supson-
do necessario para salvar a vida do informo,
auiputa-lhe una parte do seu corpo? De-
carlu que uo, pelo contrario paga-se-lhe e
se flea agradecido ; castigase um medico,
que da a urna seiihora mullier de um sena-
dor, de um deputado, de um presidente, de
um dezembargador, ou do um camarista,
un remedio amargozo, ou de cheiro des-
agradavol.' Deceno qa no Coolinuemos
anula he cosime mudo rasoavol, n justo
que os utestres adinoestem, e reprehen-
dios discpulos, quando uecessirio fdr, e
ate castiguen! ( se a naluresa do eosino o
1 erniide.) Na lei antiga fot, e ua lei nova
'.e prenitp divino honrar pal e mSi, no en-
laniu nenie -uinndaoiento so acna incluido
n.lo s pai e mSi uatural, mas tambem os
superiores, os mefnarchaa, o bispos, os
pesi lentes, os pMtcbos, os eonfessores, 03
sacerdotes*/ lala*is autoridades civis, o.<
milis velhos, ela.ijconseguinlentenle lodos
estes quan lo huur necessidade, tem ubr-
-ie.01 de adinuW, e jep ehender segundo
sua posi(3o, o ayuo de1 niquelita, e al os
uses com a Corretelo fraternal : e s o
ne Jico d'alma, 6 medico espiritual, omes-
tre, e o pal espiritual nlo ser-lrte-ha per
milli Jo curar, ensinar admoeslar, e repre-
nonder segundo a necessidade dea circums-
i.iiicids, porque ludo so rebela contra elle,
o al castiga, qun lo cumpre 0 seu dever '!
Que desgrag.r! Oiga-se-me, porque nSo s
castiga o medico, ou cirurgiilo, q ie causa
lauta dr quando corta, urna perna, um
Ir.ieo, iMusiiiulo 'tanto incDinmodo ao en-
fermo? Quando' receita urna beberagem
amargosa, de un> sabor tedioso, o de um
cueiro desagraxtavel ? porque conheco-ae,
que he necesSaPio sujeilar-se ao tratiment
crlpto, que se datou de 18 de malode 1M4 (da-|horileiros legtimos, com lodosos accesso-
ritis n rotidimentos, e cusas em que acn -
doinno.
Cidadedo Recife, 13 de mar?o de 1850.-
0S0 Ftoripet Diat Uvrreto.
anida cum
obter o resta
no entanto
parte princi
receber o rem.
ni iiialnie.ile,
odo, e repugnancia para
imenlo da sade do corpo,
obier a1 sade, qoe he a
o horaem, ninguem quer
, e quer antes perecer es-
que, que o curem com os
remedios, s parque estes desagraduo a sua
ulierba e vaidade.
Agora dirij*ine ao reverendo religioso
acuna tnencioajldo, e como chnsiao exhor-
lo-vosaque tfo desauimeis na carreira
tnccUda, se.lf*zeloso da honra, e gloria de
lieos, nao vus desanime a injustiQa linihana,
ele lii me. 1180.temis n aborrecitnenlo dos
hmeos, quando disserdes a verdado. por-
que aui-a que os humea vus aborrecain,
aborrerjerSo ao mesmo Salvador do mundo,
lemlirai-vosdos excinplos dos apostlos, e
dus martyres, lembrai-vos dos premios, que
sempru o mtin lo tem dado a todos que pre-
gara o evjtigullio, lembrai-vos das predi-
vOes de ISossu'Senhor Jezus Christu a esle
ies,.udo; liualmenle vede esta passagem
da escriplura. Jil HuliU Umere io, qui occi-
dunl Corpus, animan aulcm non postnnl oeci-
Uere : tei potiui timrtt cum, qui poteit el ani-
tnam, el Corpus perder: in athenum
Vm C/imid.
MBmm*nmmammmmsmmmmmmm
> umic.icuo i i edido.
; Est sujcilo ao liibuual da iiluc/io ade-
'eisu quo abaixo vai transcripta, illa 1 or
si so espine ludo, e o publico a quein a id-
fninisVraciu ala boa juelice sempre ulerea-
se n apreciana e forniai seu juizo.
Vistos estes ames de librllo pede nelles o
olor que-seja declarado millo o testamento
olographo com lermo de approvaco para rf-
tetiu de ser u mesmo autor julgadu com direi-
to a haver a beranca de Hypoltio KalnlMarn
seu ir mao Germano, sendo cuudeuinada a r
a entre|iar-llir esa tarranfa, acessono e ren-
iliinemus e nas cuelas; e Isla porque segundo
allega o auier que o testador Hypolito Saint
Martin faseudo lesiainento ulograptio em Prr-
nambuco, uo dia lHde malo de 1844, etcrrvru
110 verso da ultima lauda da f'ulha do papel as
pilavras luon lesiamento Hypolito Saint
lia 1 (111 caale q-ue esse testamento ologra-
pho, feilu e reconliecldn em 18-de malo de
1844, loi por a r haver dado quilaeao peta rs-
ci iptura da 14 de niaiu de 1844, quanda se re-
liruu para franca da parle que dina
ccad.- liptuiade 1:
oro U-! IfM, e que reconheceudo a r
tainriilu ul graplio
acao, e que por isso sem cou
pais pelo esciiptura de 14 d.
1844, M mosirava uo ler elle par!
luauc, ica quawuu iu svusbcu
ladoteetamento) para deel'arle aalvnr ao inc-
itas a meiade do qoe exista, e que ludo lelo
moelia que nao exletia o testamento olographo
enm approvaco solemne, o qual s existe por
simularlo e lalsldade, que prova-se por indi-
cios e coijecturas, sendo que o engao sempre
se faz Incobertamente. Allega mais o autor
que a approvaco do testamento em queslSo
uno he vrrdadeira, e foi felta poeleriormenie a
sua data, era contravenclo das disposices e so-
lemnidades legaes; e que a tolemnidade es-
sencial do lestainentp, cerrado e cosida e pete
leetador entregue ao labeliao pcranle claco
lesterauabae e que a mesma approcaco nao
fax ineocio de haver-je assim praticado, sendo
mais a approvaco do testamento felta com in-
tcrvallos, e que as lestemunhae uo eao pee-
soae da visinhanca, e ate- deeconhecidas do tea-
lador, e eem poelco social vaolajoaa, e inals
que nao sendo cosime porem oeicstadoree com
declarsttode eer eele o eeu testamento, quan-
do no acto daapprova{o elles (seo declarara
pcranle aa cinco tesleinuulias, onde euepella
de tr eido essa exprselo posta antes do termo
de approvaco ; e que da existencia de cenas
dobras vethas dlfferenles de outras que eacer-
ra o papel, se collige que o olographo foi es-
cripia dobradn e guardado com o roalo
mon leslameni HypulltoSaint Marlin de cujo
rotulo depois seeerviram para o termo de ap-
provaco : finalmente que as solemnidades le-
gaes marcadas para a coofeceo dos testamen-
tos e sua approvaco Sao substanciara e nao ee
podem preterir, s6b pena delnsanavel nulli-
:sde ; e que o labeligo que eeereveu a aelode
approvaco lera eido argido diversas vexe*
em cousas de seu officio, letsdentes a falsl-
dades. >*s
l)efende-se a re coma inaleri,
irariedade de fulbaa 42 e 43
estar o testamento, cuja falsi'
lodo escriplo pelo finado Hypol
uo consulado francez, que aol
1110 letla'iieoao, que a appro
com lodae ae aolemaiadee requ
reilo, asslgnada acia testador,
lemunbae} que neoliuma lei exige q
leiniiiihaa sejaen da vixinbanca, que
iiiuulias da approvaco sao pestoas conhecidas)
residentes nesia cidade, que ueubuma pre-
v:?
ALEANDEA.
Kendimontododia26.....11:304,4)09
Deieamja Hoje 97 de ictembro.
Brgue Hope marcador as.
CONSULADO GEIUL.
Ilendimento do dia Sil..... 160,703
EXPOllTACAO.
Despacho martimo no di 98
Baha, polaca sarda Italia, de 131 tonela-
das : oonduz o segoinle : o resto da Carga
que trouxa de Genova e Gibraltar, e lastro
de arete.
RECEBEDORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Ilendimento do dia 26.....578,768
CONSULADO PROVINCIAL.
Randlmenlo do dia 96. 463,635
RI0-DE-JANE1IIO.
CA.HBIOS NO DIA 12 DI erTKHIBO.
Cambios sobre Londres 981,4 a 98 Ii2
a Ll.bua 99
a Pars .
Hamburgo
Metaes. Oncas heepanhlae
da patria .
> Pas^eaetaatMM. velhas
loadas de 4/000. .
Peaoe licspauhues. .
da pala .
Pataches ....
Apolices de 6 por cento .
provluclaea
396 a 399
615
2V900 aSOfOOO
'" a 30/800
9j^9|200
sumpeo de falsldadc ainda remola resulla de
ser o felxo do testamento escriplo irantvereal-
ueate, einais que nenhuma euspeila por mais
Jve que seja, resulta de haver o testador de-
clarado uo acta de assignar o termo de appro-
vaco, mou teelaiueni, e uieuos das dobras
do papel dierenl, e cuino mais que da mes-
ma conlraiiedade ec v: o que ludo visto e
bem examinado o olographo a folhas 51 e seu
termo de approvaco que acaba transversal-
mente, tesieinunbas defolha a folhas e allega-
ves flnaes por uina e ooira parle, nao se poek
deitar de concluir cora cerleaa que o testamen-
to olographo a folhas 51, depois de reconbeci-
do pelo consulado fratases, foi doDrado pondo
o testador uo verso moa leslamenl Uypolilu
Saint Martiucuino sem faier os coinuierciau
lee que em lodae ae cuntas ou ppele relativas
ao coinmcrclu lancain um rotulo declarativo
do que conten o papel ou curta, para aesiiu
inelliorinente depararein cora esse papel,
mando for de mistar. Vesse mala com a uies-
[Londres. .
Veris ....
Hamburgo .
Lisboa e Pcrto
tflTAI
ncas liespanhlas.
mealcanaa .
Pecaj de 6/400 .
novas .
Moedas de 4/000.....V/0U0
Palacoes brasileiros. l/HO
hespanbes i/Mot)
mexicanos. ... IV40
Navio entrado no da 25.
Rio-dc-laueiro 19 di as e 16 hora* e do ul-
timo porto 18 horas, paqu-.le de vapor S.-
u-.a certexa que a termo da approvaco a fo- ? Salvador, de 350 toneladas, co.nmandan-
,. .,.ij.,is____.f.ifj.l.___....i.____. .- ^ __:___i, I....I. lAl.tnli I' ta l,i.
Ibas 51 e fulbaa 52 verso foi fello potleriortneu-
te a dala30 olographo, eervlndo-se o Ubclli>
que fabrlcou o instrumento da approvaco do
rotulo mon leslanienl llypollio Saint Mar-
tin para assignalura do termo da approva-
^no, sendo esta a rasao elicienle de concluir o
abelliao o lermo da approvaco transversal-
nenie ; poit que se aasiiu uo cuncluissa o ter-
mo, llcaria o rotulo lunado para a assignalura
iio lesiador era Unha vertical relativamente au
lloal do termo o que aluda mais gerarta sua-
pt na de anll-data ou antes de falsldad*.' INeisa
outra alguma rasS pdde ser admistlvel, alta-
la i pericia e grande praltea que tem o tabel-
i.io factor do lermo enl queslu ; e nem pode a
ra socorrer-ee a ignorancia do tratador das
foi nulas e sulemnidadjs das lertuas da appro-
va(iio: porquanloahi eslava wtabellio para Ibe
deaignar o lugar da assignalura, e a uiaueia de
eacrever, cuiuo fez con) as lesteuiuiilias, que
assignaram uo lugar competente.
Ora, apparecendo a assignalura do tes-
ta dor fura de regra, a despeilo da presenta
do iabel|0o, no so pode deixar de con-
cluir que esta assignalura foi feita ftSra da
presenta do tabelliSo antes deselavraro
termo da epprovavn. e para significar cou-
st diversa da ap, rovacilo que llie deu o la-
belliBo, qua por ser (oreado o forcou tam-
bera a apartar-ae do caso, coslume e regra
geral dos lermos de approvacSo, on
antee a sua falsidade se conheco tambem da
maneira porque asi* escriplo o termo de
apnrovecilo na fl. 58. ( omfi.u ) quando o ta-
belliSo menciona as Uslomunlia* fresen-
ciam.no lermo de approyacSo, ah se v
dierenca de tinta acmhamento uas pale-
ras. Freguezia de San-Jos e Domingos
Alvos Alfonso que vive de negocio, morador
nesla cidade e JoBo de Barros UraudSo, que
viva de eacrever.
Nota-se rr.aisdiminuir-flo nos caracteres,
e a brevialura em urna palavra sendo que
lodo 0 mais lermo de epprovecto est es-
rripto regularmente, sem dilTerenca do tin-
ta, acsnhamenlo d letraa e dimiti gao nos
caracteres, eu abreviatura om palavras o
que prova, que ficanm espacoeem branen
para se jreencherem depois que se acertas-
sem astestemunhaa, que deviamaer men-
cionadaa como prenles no lermo da appro-
vaco, que por serem curto* davam em re-
sudado as diflerencss j* notadas icims. A
ejrriplura celebrada contra o .'calador e a
r, e depois declarada simulada para lina
psrticufaes, o grande interesas que tira
r da factura do termo de approvaco, que
danlo Yldade, como auppnzein testamen-
to nlogrepho, a constitua herdelra univer-
sal de todos oa hens de Hypolito, com quem
vivcu exlriclamente unida ; liuslmente, aa
nrovai aue aprsenla o autor de serota-
bellino por mi|itas vezas argido uo oro
de faleidade e at documonlado, ludo con-
corria para gerar uut heraiiOa assa robus-
ta do queoleimo deapprovacSo do olo-
Inaplio a fl. 51, v. al 0 52 foi Teda lora da
presente do testador, ou msli nurineide a
fritura do olographo,, servmdo-se o tabel-
lio do rotulo do olographo para a assig-
nalura ; Sfio sendo ter isso esse olographo
dadoao tatellifio elo o testador com a de-
-claracSo de ser esse o seu testamento, O
que const'tue esle leslameiito a 11 51, uul-
lo por falla de un a das solenmi ades es-
ericiees, cono dis|0e a urd. Itv. 4 *, til
r0, paragrapho 1*e essent m 17 de agos-
to de 1811 e de 10 de julbo" de 1817 ; nllo
podendo pievalecer o ilepoimenttodas tes-
ten unlies da l de II. a fl poiquanto-, sobre
seren inleressadus na sustcntac4o, que
una deltas nSo existi alliusl cunclu.-o,
com rierlar. teneum lr-" elido diffe-
lenga na i.s>ignatufa dos quo falsearan! ,
como so te dos exemes a II. e l e pelo mais que dos sotos Consta, julgo
o testaoienlo a fl. 51 e osutor Cum di
teilo a I aver la rO toda a berenga do f.lle-
ilypoliio S.inl-lleilin irm.io Corfflkuo
86 3/4 ult col.
(Jomni ato Commercio )
-__ BAHA.
ciaitai TU iti 21 BHSETruato.
Jfeweaiil. J
viovimemo do *orto.
le o priii'iet jo lente Antonio C, ti Ate-
reJoCoulinho, eqiiipagem 39. Passagei-
ros: otra esta provincia, o senador Anto-
nio da Cnnlu Vasconcellos coi flous es-
cravos, os deputado Jos liento da Cu
nheKiguciredo comum escrevo, Manoel
Correia Lima com 4 escravo. Antonio Jos
llenriques Oom 1 escravo, Alvaro Itarba-
lho Uchoa C, de Albuqurq, Ass^a Pe-
reira Rocha, o cominendaddr Joaqnim
Manoel C.rneiroda Co*nha com I escravo,
0 padre Venancio II de llesende com 1 es-
cravo, Francisco Domingues d8Hv*do{
' 1 escravo, Prederieo de" ATmeida' Albu-
querque com 1 escravo, Pedro Pmeira Ja '
Silva CuimarSes e R*ymundo Ferrelre de
Araujo, o administrailor lo correio Anlo-
no Jos Gomes do Correto, ocapito de
engenheiros Christiano Perelra de Azere-
do Coitiinho, o capilSo Joo Francisco
Cllete, os Portugoezes loso da Cunhs
Sampaio e o Dr. JoSo Vicente Martina
com sua aenbora, 1 criado 1 escravo,
Flix Ferreira de Mallos com 1 escravo,
Iternatdo Alfonso do Almeida, Guilherme
Jos da Craga con aua familia, Eugenia
Jos Nunes de Andrude, Jos Francisca'
Taboca, Luii Jos de Uaslos, Joa da Sil-
va Pires, as pregas que otniversm baixa
de no.res Francisco Flix das alerces,
Joo Baptista Azevedo, Pedro Nolaaco
IVreira da Silva, Manol Braz de Odorlco,
Pestaa, Manoel Ferreira de Mendonga,
Antonio Francisco Pereira, Jos Rodri-
gues do ftaclmenlo, Jos Loureogo Con-
galves e maia um oufro que ae ausenlou
s m dar o nome, 12 pragaade prete9.es-
cravo* a entregar: para a l'arahiba, o
lenle Felisberto Augusto de Souza, o
aleres Vicante Ferreira de iivera e urna
prega de prel: para o Rio-Grande do
Norte, o alferes Fillppe Joa Bsrnoza
Aranhe : para o Cear*, o aenador Panla
l'essaa c.im doua eacravos, oa depuledos
Jos Pereira da Graga Jnior, Aqdr ^as-
tos de Oulitelra, Antonio Joa Mecharlo
com 1 eacravo, Uaymunlo Ferreira C. Li-
ma e urna praca de pret: para o Mafa-
nhHo, Manoel Eslevea da Cost e Sabino
de Azevedo : para o Par*, o debutados
Joa Joaquim Pimenta deMagalbaes com
1 esdravoeJoSo Bapliata Figuelredo Ten-
rero ATahna, duaa praga* de prel e o Pof-
tuguez Joaquim Freir de Almeidi com
1 escrarq. ,,
/Vaatas lahtdos no memo da. _
Itahia Brigue austraco taaspio, meslre F.
8. Sullura, em lastro. .
Rio-Grande doSul pelo Asae Sentos-Bn-
gue Sagitario, meatr* Joo de Daos Pere-
a-* ni Isilrn _
Liverpool por Maoei -'Barca ngleza Gena-
vere.capinoG. Cooper, carga aauctr e
algodfip." Vai como eativador dd inesao
navio An|eloRoque^^^^^^_^
_ Pela inspectora da allandega le fez pu-
blico que.no dia 1 ducorrenle, U bSo de
arrematar em basta publica, na pona da
mesma, depoia do meio-dia, 8 duxia deeei-
teiras para diiihairo, duxia / rs.; e 10 duzas de penles de niai lim ue tirar
bichos, duaia a.OUO la., total 90,W>0 is.; un-
pilguado ludo pelo guarda at kreajorio
dos Santos, nO despaeno por faciera Je n.
381 de 25 do correle : sendo a arremelacao
sohieita a direiloa.
Alfundega de Pernambuco, 25 de setem-
i.rn de 1850.-.O inspector interino, Jimio
Jote' Fernanda Bnrrvt.
eclai\iya.
iiuuiaao es-mu uior, rioio s< quiio lauociiiu ave aCioinS
I/- O procuradOrda cmara muflic'rpel fiz
s so: Srs. srrsss'.sD'e dos contrato*
::
j!1.:1 j-
asta
A


de afericSo, imposto de medidas de familia,
rlbelra do peixe da freguezia de San-Jos, e
tlhos < 1)s scongues da mesma, que se de-
vem presentar impreterlvelmenle nos das
2G e 97 do correle, na rontidoria da mes-
ma cmara, aeompanhadcs de seus fiadores,
alim deassignsrem as icllras dos referidos
contratos.
O primeiro liatalhSo de catadores de
linta necessita contratar o fornecimecito dos
gneros que cumpoem o rancho do mesmo
bstalhao, sendo elle* carne verde, dita sec-
ca, bacalho, arroz, fi inha, assucar, caf,
pflo deseis ongas cada um, vinagre, Bzeile-
iloce, toucinlio, sal o lenha : quem quizar
fiirnece-lns por prego rasoavel, e de inuito
boa qualidade, dirija-se ao quartel da ra
da Gloria, no dia 30 do correte, i 10 ho-
ras da mauhSa, alim de presentar ao con-
celho reunido tas propostas.
Pela subdelegada do districlo da Luz
foi apprehandidoum quartio castanho, que
se suppoe furtado : quem se julgar com di-
r i to a elle, comparegs, que, dando os sig-
ues certos, Ihe ser* entregue.
As malas que deve conduzir
o vapor San-Salvador para os
por tos do norte priucipioi-ae
a fechar boje ao meio-dia, e re-
cebem-se correspondencias com o porte du-
plo al una hora da tarde
'.'..cairo de s. Isabel.
31.a RECITA |DA ASSIGNATURA.
' Sabbaio, 28 de setembro di fLSO.
Itepresent.r-se-ha o drama em sactos
O MAIIINHEIRO DE SR-TIIOPEZ,
oo
o envenenamiento,
farca
Terminar o espectculo a graciosa
O CHAPEO PARDO,
na qual representar o artista fi, P. da Oli-
veira, aparte de Laponio, e cantar coma
actriz Joanna Januaria o
Fandango Saloio.
Comisar is 8 horas.
Os biliietes achain-se venda no lugar do
coatume.
Theatrp de S.-Francisco.
BELLAS ARTES.
Contina todo* os das, das 6 horas da
lardeas danoile, as aeguintes vistas do
cosmorama
O coloso de Apellino.
A cidade do Porto pela Villa-Nova.
A serra de Panrorvo na llespauha.
Acathedral de MilSo.
A ru* Real de Berln.
A deslruica.i do Caihargo pelo general Sei-
piSo. i
AaahidadeMnyssdo Egypto.
Hilas, as ruinas de Babilonia.
Bruzellas, o jardira da Bulla-Vista.
O tune! gigante na Irlanda.
O interior das minas de sal, na Austria.
Us presos das entradas he de 500 rl. por
cada i'essoa. Os meninoa-di-10 anuos terflo
eulrada gratis, viudo com familia.
| PRACA DOS TOCHOS,
_ RA DA. FLORENTINA.
Dominyo 29 de lelembro de 1850
so dar a primeira. corrida de louros,
( se o lempo permillir ). Os cartazes n-
nunciarflo o dito divurtimetito; pois o
direclor do dito divertimenlo nSo se tem
pou'pado despezas tanto em louros ,
como em fardamentos, aOm de se apresen-
lar Irabalbo e aaseio pessoal, para uielhor
merecer deste. resp^itavel publico Pernam-
bucano o eppluso eacolliimeulo que tem
tildesda o aono de 1837 que ei*ie as
MjvinciM dtste imperio, particularmente
no Rio de Janeiro
oom destino ao desta cidade, ondo sportou
aos deste mez : sexta-feirt, 27 do eorren-
rente, slO horas da manhui,( principian-
do pelo dosSrs. Keller & Companliia nos
seus arroazens respectivos, ra da Cruz.
0 capitSo Mercator Cooper, far leilflo
em presenta do Sr. cnsul dos Estados-
Unidos, por conta e risco de quem perlen-
cer, e por intervencSo docorretor Oliveira,
iranklim, naufragada em Carapib, a saber:
velas, vergas, cabrestante, -sino, bomba de
pao, moites, cavilhas, msstareos, cabos ve-
Ihos, utencilios de cozinlia, fogSo, bolacha,
caf, urna balieira com remos, e mu i tos ou-
irosarligos que se patenlearflo : sabbado,
2H do correte, is 10 horas, no trapiche do
liamos.
Johnston Pater & Companhia fardo lei-
Iflo, por inlervengSo do corretor Oliveira,
de um sortimenlo geral de fazendas ingle-
zas, as roais propriasdo mercado : segunda-
f.-ira, 30 do correte, s 10 horas da ma-
ntisa eui poni, no seu armazein, ra do
Vigario.
Avisos diversos.
Avisos martimos.
Segu vlagem, at o dia 30 do correnle
para o Aracaly, tocando nos pnrtos que ron-
Tiorao carregador, a barcaca Sttx-ioao-Bap-
iisltt, de lote do 30 canas, fabricada de no-
vo, o com ptimo esmerle rr passagei-
ros! n estragadores enlendam-se com
nieslre no tiapiobe do algodao, ou na ra do
Itangel, u. .
Para o Cesrt e MaraiihDo sali, crm t
m\OT> brevidade possivel, o brigue-escuna
laura : quem no saesmo qoizer anegar ou
ir de pasaagesfl, dirija-te-ao capliao na pra-
ga do Commereio, eu a Novaes & Compa-
nhia, na ra do Trapiche, n. 3.
Para o Aracaty segaaioipreUnvelnitn-
te,>n dia Bdo mes prximo vindouro, o;
patacho Sanla-Crut, musir Joaquim PeMt-
ra : anida recebe Carga e pasaegowos : Ifa-
la-se ao lado do Corpo-Sami', loja de man-
sa mer^ n. 23, ou com o mestre.
Para o Kio-de-Janeiro bati com amaicr
brevidade possivel o patacho nacional t-
lente : pata o reato da carga e esCravos a ira-
te, treta-ae con Novaes Ct Companhia, na
ra do Trapiche, n. 8. "
Para otilar eahe em poueoa das a
sumaca nacional Flor-do-AngeHm, o estro
Bernardo de Sonta, por e echar oom par-
le da*rgs | rompa : para o resto o passa-
geiroa trala-se com iiz Jos de S Araujo,
na roa da Cruz do Retire, n. 33.
Para a Bahis, stgue com muite brevi-
liaoe o oiva^uw *> "" -* --, i -"- -"
ga, pamagelvos eescravos a fule, trata se
com viuva Gaudino & Filho: fi prtcinha
do Corno Sanio, a. 86 ou com o Sr. capltflo
Jos Itsmol de Sonta a boro,
Pareo Cer, cen ercalle peto Aracaly,
aahe, at o lm do covente me?, ohiaie
Flor-de-Curuript, Torrado e pregado de co-
bre : para o resto d carga, dirija-Si 4 ru
do Vigario, n. S.
l-otcrla No dia 31 de outubro andam impreteri-
velmenteas rodas dista lotera, seja qual
for o numero de bilbetes que ficarem, e
W.sino antes se te acabarem oa bilhetes
como ha""'e>-sperancas. 0 lim para que foi
concedida esta jloloria, jafto pode ser msis
? "), o ella o> ser prfferda a outra quar
qutl, porqua. ,'uieff de presencisr o enr-
prego do scajBlteresse ; o restante dos bi-
lhetes achai*>te venda nos lugares ja an-
nunciados.
Soclcrlade A p linca.
A commissflo administrativa da socieds-
le Apolnea, tendo marcado o dia 12 de ou-
luhru prximo futuro para ter lugar a sus
partida, convida aos Sis. socios para remel-
lerem es propostas de seus convidados al o
dia 1.do referido mez, depois do qual nSo-
teri lugar concederem-se oais convites.
Quem aiinnnciou no Mario n. 817 que-
rer comprar um violfio, dirija-se ra Nova
o. 35, onde ttmbem se vende um methodo
ara o dito, uoia flauta de bano de'qustro
chaves e elultodo, por pre^o comaiodo.
Roga-se aos Srt sargentos e cabos que
estad I dever na rus da Cuia o. 9, t nliam a
lioudade de ir pagar suas contas; assim
romo roga-se aos Srs. msicos, ja declara-
dos por multas vezes, que se nao esquejan).
Offerece-se um sacerdote para capelltb
di,- engeiiho, e mesmo para ensinar primei-
ras lettras, ou grammatica latina : quem
quirer, annuncie.
O abano assignado faz sciente que o
nnuncio do armazem da ra do Amoriro,
na. 56 e 58, publicado pela Imprenta u. 15,
nflo se entende coui elle. Jote Joaquim M-
vei da Silva.
KKcriptiirucao eoinnit rciul por
pnitulas dobrudus.
O sbaixo assignado proiOe-se a abrir no
dia 7 de outubro proxin-o foturo, no bairro
do Recife, urna aula, para ensinar a escrip-
turacodelivrosem parliJas dobradas, se-
guiodo o sysiema que jje.eerajrr,PI|le prit.
giexas. A sioiplicidade, concitBo e clareza
que esle sysien a offerece, faz com que
baixo assignado se anima., .-ifliancar que,
com um numero roc-nnrcitado"de~Ttftes,
os si us alumnos ficaS/b habilita 'os a encar-
regar-so dos llvros de qualquer casa de
commercio. O abano assignado tem de ad-
vertir que, devefido as suas lrcOes constar
de urna serie regular de lan;amentos em li-
vros aproprlados de todas as transaccOes
que no commercio se podem offerecer, he
de indispensavel necessidade, que as pes-
soesque quizerem aprender, o procurem'
antes do dia da abertura da aula, para to-
dos poderem couiecar ao mesmo lempo,
pois msis ninguem ser admittido, depois
que as lic,0es liverem commegado O abaixo
assignado tan bem instruir aos seus alum-
no* em ludo que diz respeilo a cambios, di-
visOes dss moedss das differenles pracas da
Kuiopa, etc., etc. ; e pode ser procurado
lodos os dias no escriptorio dos Srs. C. Starr
& Companhia, na ra da Aurora.
ios* da Maya.
Na rus Velha, n. 41, recebe-se roupa
Fuja pra dar-se lavada e engommada, por
pre?u comniodo.
- -i Alngs-Seumalcs* terrea na ra Au-
gusta, com hnns commodos pars fan:ilia : a
tratar com o Bastos, eaixeiro dos Srs. JoSo
Pinto de Leroos AFilhns.
l'r. cisa-s" de una ama que ten ha bom
e I asante leile, preferindo_-s_e que seja for-

------------:/V
Possoa algumu fa<
potheque urna pequea
corr-pra nem hy-
morada de casa
terrea na ra do"Ji.r de-R. lia, na cidade
deOljnda, pertencenti" M ria de Je.-ns,
por essa dever s CalboHno Jo Conr;alves
l.essa, urna quonlia de que a vai demandar
em julio competente : e para que ninguem
achame a ignorancia, faz sciente ao res-
peilavel publico pelo presente annuucio.
--Precisa-so alugar urna casa torrea no
bairro da Boa-Vista, sendo as seguintes
ras : Aragilo, Rozatio, ConceicSo, Caixa-
u'Agoa e Velha : quem tiver annuncie.
Alugam-se e vendem-se, tanto por jun
lo como a retalho, as melhores bichas ham-
burguezas.- na ra das Cruzes, n. 40, ta-
verna de Domingos da Silva Campos.
-Precisa-sede um feitor, n de um cai-
xeiro, para um engenho bem porto desta
praca : na ra das Cruzes, o. 40.
Precisa-se alagar urna prea para servir
em urna cas* de pouco familia : na ra lar-
ga do Rozarlo, n. 26, segundo andar.
Precisa-se alugar urna preta escrava,
|u saiba vender, pagando-se-lhe mensal-
mente : na ra do Rangel, n. 17.
-O abaixo assignado deixa de vender
ago'ardentee esperitos de proJuccSo brasi-
leira do dia 30 de setembro em diante, na
sua taverna da ra do Codorniz, n. 16.
Narelio Pereiru do Valle.
Os abaixo assignados deixam de ven-
der ago'ardente e espiritos de producc9o
brasileira do dia 30 de setembro em diante,
na sua taverna da ra do Codorniz, n. 10.
Ktndei & Macieira.
O abaixo assignado deixa de vender
ago'ardentee espiritos de pruucc.lo bra-
brasileira do dia 30 de setembro em diente,
na sua taverna da ra da Moda, n. 25.
Joaquim Duarle de Atevedo.
-O abaixo assignado deixa de vender
ago'ardente e espiritos dii produccSo bra-
sileira do dia 30 de setembro em diante, na
sua taverna da ra do Codorniz, n. 8.
Francisco ot da Silva Macieira
0 abaixo assignado lz sciente ao pu-
blico que o Sr. Caetano li.-llino Monteiro de
Carvalno lia msis de um anno que sal-
dou suas contas com o abaixo assiguado,
e que nada Ihe deve al o presente. Do-
mingo Antonio da Silva Beirit.
Aluga-se o primeiro andar da cass da
ra do Itnogel, confronte a botica : na ra
do Passeio, loja n. 21.
Na ra estrella do Rozario, n. 28, se-
gundo andar, se dir quem di dinheiro a
piemio. Na mesma casa vendem-se dous re-
fugios de*ouro patentes, urna correnle para
seohora, urna dita para relogio,cordes, co-
lares, brincos, annelles, crozes, botues pa-
ra be lluras e punhos, coiazes, urna verni-
ca, 1 bandeira e resplandor para menino
Dos, rozelas, I spparelbo de prata para
cha, 1 faqueiro, 2 salvas, 2 pares de casti-
gaos, 1 bride, 1 par de esporas, 1 assucarei-
ro, e outras obras de ouro e prata.
-- Jos Antonio Comes Jnior remelle pa-
ra o Rio-Grande do Sul pelo Itio-de-Janeiru
seu escravo criuulo, de uoiiie Theodoro.
--Um moco *c offere'e para ensinar as
primeiras lellrs Tora desta praca, em al-
guai engenho, prometiendo o adiantamcit-
lo de seus discpulos: os uis de familia
q'ue deseiarem e.lucer ae-'^').....'' "---------
aBiiuiiCiem.

l'aulo Guigriiouri fjenlisttt
fi ancez. i ce n *tPPe.e5:
Aluga-se o primeira-andar da casan.
31 da ra do Trapicho, proprio para escrip-
torio : a tratar no arrnazem do mesmo.
Precisa-se de urna ama que lenha bom
leile, para amamentar una enanca : na ra
da Cadeia do Recite, sobrado n. 59, a fallir
com Jos Dias da Silva.
O escrivSo da irmandade do
SS. Sacramento da freguezia de
S.-Jos do Hecife convida por
meio oeste aos irmaos da mesma
irmandade, para que comparccmi
domingo, 2^ do correte, pela*
9 horas da manhaa, no consisto-
rio da igreja de N. S. do Ter$o,
aiin de-se tratar Ja eleicao da no-
va mesa regedora, que tem de l'uii-
cioiar os seus trahalhos depois da
esta do orago de sua freguezia :
para o que espera o maior concur-
so de sens irmos para o lim men-
cionado.
Quem annunciou precisar de um mole-
coto psra-o servido interno de urna casa in-
gleza. dirija-so ra atrs da matriz da Boa-
Visia, casa n.4
Aluga-se urna rasa muito boa, com
commodos para grande familia, quintal,
jirdim pequeo, cacimba com boa agoa de
beber, e estribara para 4 cavallcs, no Poco
da Panella, defronle dorio : a tratar na ra
do Trapicl e, n. 44, armazem.
-- Precisa-se aiogar urna loja ou casa ter-
rea com quintal e cacimba, para seestabe-
lecer o contrato das aferigOes, sendo nos
bairro" de Santo-Antonio ou San-Jos : pa-
ga-se bem : quem tiver dirija-se ao actual
arrematante do dilo contrato.
Aluga-se urna cesa terrea naCapunga,
na travessa de San-Jos do Mauguinho, con
dous quartos, duas salas pequeas, cozioha
lora e boa cacimba com agoa de beber : tra-
la-se na ra da Cadeia de Santo-Antonio,
n. 18, loja de marceueiro.
-- Aluga-se o segundo andar do sobrado
n. 12, da ra do AragSo, com excellentes
commodos para familia, cinco quartos, p-
tima cosinha com fogo inglez, e forno,
salla muito fresca por ter janella do lado:
a tratar no primeiro andar do mesmo.
Alugam-se os terceiro e quarto anda-
res da casa n. 40 da ra da Cruz : a tratar
na mesma casa.
Na ra de Agoas-Verdes, casa terrea
11 26, lavase e engomms-se toda a qualida-
de de roupa, com asseio o prumplidlo, por
prego msis commodo do que em oulrs
qualquer parte.
Aluga-se o segundo andar do lobrado
la ra do hangel, n. 59, com dua: salas,
las alenvas, seis quartos e cozinha no so-
lilo : na praga da ludependencia, Lrraria
ns. 6e8.
--Roga-se a todas as pessoas quo eslo
ievendo contas enligas na venda da ruada
Cadeia do Itecife, n. 25, defronte do Becco-
Largn, o favor de irein ou mandaren, pagar
S'Vrt(!ribtywdAiAlw*' -- Compra-se, para urna encommer.da.
nm escravo que seja bom official de tanoei-
ro : paga-si bem, agradando : na ra da
Moda, n. 7, a tratar com Leopoldo da Costa
Araujo.
Compra-so cfTectivamente cobro,
chumbo, zinco, estanto, e toda a qualita-
le de metal velho, nflo sendo ferro : na run
Nova, n. 38.
Compram-se 80 a 1O0 varas de lage de
iiedra da Ierra, 011 de fra : na praga da
lloa-Visla, sobrado n. 8, ouannuncie. .
Compra-so urna espingarda de cacar,
com seus perlences, sendo pur prego com-
modo : na ra da Praia, n. 2.
Compram-se dous escravos, 1 com ofll-
cin c oiitro sem elle, urna negrinha ou mu-
latiuha de 9 a 12 anuos, sendo boas pessas :
no pateo do Tergo, n. II, segundo andar.
Compra-ae um guarda louga, com al-
um uso, e que soja de prego commodo : na
ra Direila, 11 86.
Compra-se um violfio pequeo em bom
iso: quem tiver annuncie.
Vendas.
gado a cstn cjipltiil, olTeiecc f
MU prcstli^.io publico pa- *
m todos os niUtens de sua *
1 pi-oflwao, qu* exti-isliiudo,
lilil.ando c ciiuuibnndo os ff
9 luindo-os por outros artifl- W
4 cines, pitia que emios iuc- %
# lliorcs appnrclhos. I'ode ser
uiocurado ft qualquer Hora, i
% eiu un casa ia ra largw do
l dar. *
#*
Roga-se ao Sr. segundo lenle Jos de
Cerqueira Lima, di Babia, quemande pagar
una leltra, que se acha venala ha oilo me-
zes j do contrario, teri de ver sempre o seu
none nesta fulha
-- Bellarmino de Arruda Camera o I). Joa-
ouina alaria dos Santos vendem quatro par-
tes, que por titulo de haranca possue-ii no
engenho denominado Mas-auassu, silo na
freguezia de Santo-Antao, oioeiitee corren-
le, liom o'agoa, com trras sulcientes para
outro engenho, adverle-se que he um dos
melhores enoenhos da dita f.cgoezia: as
JHiirh T-1
Leiiue.
JoSo Keller Companhia eSchaphei-
tlin & Tohler faro lellSo, por ordem do Sr.
5emite do consulado frtncet, em preseng
e um delegado deste mesmo consulado,
ior cunta c risco de quem perleiicer, o por
ntervengffo docorretor Oliveira, aquellos
de urna caii* numero qualrocenlos setenta
tres, conten diales de algo-
dio, o estes' de ontra caixa n. 639, conten o
150 duzus de lengo* eca do d'agna 8tlgad;rt tordo do navio Havre,
na sos rucalo tugara do uortu leste nomo,
na ra das Cruzes, 0. 36.
Quem Ine fallar um cavallo alazSo, di
rija-se a ra dolondego, n. 42, que, dando
os signaes e pagando as despezas, Ihe ser
entregue.
Na bilhar francu da Ma Novf, n. 69,
precaia-Hedoumcaixelro que lenha prati-
ca do commercio, e d fiador sua con-
ducta.
Madama Dalayrac trevine ao publico
que o Sr. Manoel uo he mais emi regado na
saaeasi.
Deja-sesaber se nesta praca existem
o* Srs. Antonio Jos Antones, lanocl Jos
da Cosa,* Domingos Jos da Costa, pai*
negocio que Ibes'diz respeitoM na ruado
Trapiche, n. 34, casa de Novaes a
Roga-se lo Sr. II R. P. que te'ha a
bc'.-'dc dt'.' "" irianHar k Iravessa da Ma-
die-ee-eos, n 1, pagar ao ibaixo assigna-
do o r-i orle des alugueis de um cavallo
aue ilugou no dia 16 do cnenle, por 2
hora?, equardosppareceu foi no dia 23, <
sendo preciso ir buscar o cavtllo em sua
"case, que S. lie. vendo o eslado em que ti-
iiba posto o pobre animal, nfio levou de
onde o linlia rtcebido, e nem 13o pouco
rpparecemais em casa, por mais que se
procure para pagar os alugueis ; pois seria
oielhor que S. ilc. Toase comprar cavallo
paraos Wra homen* Igut' a sua pes-
soa, para sab ro qiianto he bom: e para
BSsignado, enover o seo nonie por exleo-
40 ns quaolo antes. Gaipor /'ira da Silva
I.uiz da Costa Leile venda o seu esta-
meihores encenhos pessoas que quizerem comprar, di.ijain-se
,oSr. Manoel Klias de Mouia
mora ior na
praga da Boa-Vista, casa n. 28, que, mu
do dosjfoderes necessarios, se ti
sadopar realisar a venda.
Lotera da matriz da Boa-vista.
Aos I o:ooo$ooo e :ooo!$ooo.
Na loja de miudrzas da praga da Inde-
pendencia, n. 4, vendem-se bilhetes, meios,
,liarlos, decimos e vigsimos desta lotera
que corre impieterivaluieuie no dia 31 de
ouluhro, ou antes se se acabarem os bilhe-
tes. A elles nntesque seacabem, para nflo
compraren! mais cero, como tem aconto-
cido em oulras loteras.
Bilhetes 10,000
Meios 5,000
Quartos 2,600
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Vende-se um carro novo e
muito moderno, com arreios para
um ou dous cvailos ; acha-se na
toclicir.-i do Sr. Miguel, no Ater-
10-da-Boa-Vista.
Vende-se, muito barato, urna casa ter-
rea, sita no Cortuine, n. 23, junio a salga-
deira do Sr. Carneiro, em chflos proprios :
na ra .Nova, 11 47, loja desulleiro.
Vendem-se os seguintes livros : Espirit
e E. encyclopedio ; Felinlo Elysio ; Dic-
eionaire analytiqu4 denomie politiquo;
Vrte potica ; Q linliliano do Soares ; oen-
vre de J. Bocine, Cundes ; Uberons ; Obras
o Cicero; Mundo pnmitido; metilo.lo ile
violflo; umaevaloti de inogno com seus
perteni'es do kiuga franceza ; 3 bandejas
11111 bom estado 1 i
7, loja de aapttos.
J**** i'ffijrf ^f f V f f f? ff >?
s> Lanteas de reverbero
* para carros e cabriolets, de dilTe- *
> rentes tamanhos : na ra do Crespo, <
?**A*A*kAA A A AAAAAA9
-- Vende-se urna preta de naglo Nag, de
9 a 30 annos : em Fra-de -Portas, ra do
Pilar, n. 85, segundo andar.
Mava famos & Comnanhia.
Fugio do engenho Canto-Escuro, no da
lOdeseleoibro.ocabraalanoel, de 20 a 25
anuos, entatura regular, bastante grosso,
nariz chato, cabega rodonda, olhos grandes
e cabellos um pouce- afogueados: quem
pegar, leve-o ao dito engenho, que sera
bem lecompensado.ou nesta praca, no Hos-
picio, n. 2, em casa do Sr. Nanoel de Barros
Wanderley Lim Jonior.
ouem quizer trocarapolices da compa-
nhia de B-benbe por casas, annuncie para
"'tfm^n'iilVer de bonscostomes se propOe
. fazer comida para pessoa particular, com
o maior asseio ; ass.in como !:ts engom-
r a : tudo por prego commodo que Kr,,r(*
os prrienuentea: n = .=?'* -
i efroiite da matriz de S.-Joe
-NaruadflS-Thero2.,iuSI, fz-se co-
mida con. todo asseio para ajajalquer casa,
conformavonvier. ;'
-Itoga-se so Sr. II. Man* de Oliveira
que tenhaa bondadflde if pagar 8,600 rs.
que deve na ra do Queimadp, n. 18.
Precia-se de urna ama- ara o servigo
de urna casa de pequea familia : na ra da
Cadeia de S.-Anlonio, 11. 98,*Jgun.toandar.
Snn-Milucl dos Afeados.
O administrador desta capona avisa a ti-
dqs-os Senhores que t.veram a bondade de
signar o requerimento pbr inslalliglo
1. irmandade, que o lllrt." Sr. Dr juiz de
canellasdesignou o 1 roximo domingo, 2
do correnle. para le lugar, no corpo da
Tcsma capullo, pels9 horwAid*, rufe
sua asistencia ; por
todos es-
Arrun.la-se para qualquer estabeleci-
menlo urna propiiedade sila na ra da Flo-
rentina, ao p do eslabeleciinento doSr.
Beranger, o qual tem porto de embarque
por detraz : a tratar nesta lypographia,
Ulysse Droi, relojoeiro.suis-
so, de pa'ssagem por sta praca,
onde tenciona demorar-se 5 ou 6
mezes smente, concerla toda e
qualquer qualidade de relogios
eem qualquer estado em que se
a che 111 ; assim como letn para ven
der relogios de ouro e urata do
melhores febricanies : na ra d
Cruz, n. 44 primeiro andar.
Antonio Lopes da Rosa, subdito portu-
guez, rutira-se pars lora do imperio. -
Attenco.
Rog-se ao Sr JoSo Jos de Lima, que le
nha a bondade de ir ou mandar pagar a
quantia de 16,990 rs. proveniente de ge-
no, os que tomou na venda grande da C-
puna na seis mezes, certo de que, emquan-
lo nio pagar, seu nome nflo sahir desta
folha.
_Jo8o Jos da Silva, Portuguez, retira-
se ar o llio-de-Janeio.
-- |'ieci>a-sealugar oni moleque ou ne-
gro para o servigo de ra e casa, e que se
111 liel : na ra da Cruz, o. 48, armazem.
OSr Manoel Joaquim Soares, que an-
nunciou pela Imprema para se ir tirar urs
peiihores, qoeira declarar a hora e o da em
que o dono dos penhores o deve achar nes-
la cidade, e em quo ra, por isso que igno
ra-se sua morada.
iiecioa-sealugsr urna preta para ven-
da de ra : na ra de S.-Francisc>, n. 24,
casa da esquinajw volta para a Floren-
jj '.Ijpaosdesol.
?K TuaTO Passeio, n 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimenlo desles objectos de todas as c-
rese qualidades, lauto de seda como de
parmnhc, l,nr oreos commodos : ditos pa-
ra senhor's de boro gosto: estes chai eos
: :Vj ffitej ""'" ultima >oda ; seda adama*
cia com ricas franjas de retroz. Na mesma
rasase acha igual soilimenlo de sedas e
psnninho imitando sedas, par cobnr ai-
inauues servids : todas estas fazendas veu-
d.ui-se em porgflo e a retalhg : tambem se
concella qualquer chapeo de sol, tanto de
basteas de ferro como de baliia, assim como
umbelas de igrejas: ludo por prego coni-
modo. Na mesma casa ha chapeos de sol,
de marca maior, de patina a de seda, pro-
prios para fuitoresde engenho, por serem
dos mais lfli a quo a pdem fabricar.
" 1 ''-'"
dos lorestejoroi, o novo romance inu-
lulado-Uma familia corsa -.obra do in-
signe autor Al"XandM Humas, inulto beui
iraduzda, 1 v a 1,000 rs.
Vendes urna carta para bacharel da
academia de Olinda,ein muito bom perga-
miiibo, viuda de eiicommenda do ltio-de-
Janeiro, juntamente a lita parta mesma:
ua ra las i.ruzos, n. 40.
Voude-se um preta de nago, engom-
madeira.e quecozinlia o diario de urna ca-
sa, sem vicios nem achaques, e de 18 a 20
anuos : no becco das Boias, no Forlc-do-
Mallos, primeiro sobrado esquerJa.
Vende-se um pardo, moco,
de bonita ligura, proprio para
qualquer servico: na ra do Cres-
po, D. tG, loja da esquina da ra
das 1 .ruzes.
Vende-se ums mulalinha escura, mui-
to bonita, que cose, engomma, cozinha, f.Z
renda e o mais servigo de una casa ; tem
15 annos: ua ra larga do llozano, 11. 35,
loja. -.
Na fabrica de carros nos coc-
inis, defronte do hospital novo,
vende-so um cab.iolul drscoborio, novo o
com os perlences lainbem nuvos, do me-
Ihor gosto.
Chapelinhos para senhora.
Na loja do sobrado amarello, nos
qulro-eanlos da ra do Queiniado,
11 29, vendem-se os mais modernos
cliap.lmhos para senboras, cores
muilo bonitas, e aiuilobem guatne- <;
cidos ."C

Compras.
uouias do qie su deve a caa do
eommendador Manoel Congalves da S
relativo a loguis da dita loja : a tratar
mustia, com o amiunciaiito.
belecimenlu da ra Nova, n. 58, com o que. ut ,
existir, ous a arinago. ou uro preto ."lli^SKu.iuiair.ao
bonita ligura, ou dous, para o nm u^. iores, que no f-US fw co
o tornar mais sol.
Jerobymo Monteiro mudou a sua
ia para a casa o. 49 da ra da Cruz.
Na ra da Senzalla-Velha, n. 100, se-
gundo armazem onde se vende bolacha *
pBo, compra-seeTectivamente louciuhu da
imrf>aandn gordo e sem sal, a 5,008 rs.
llP,)! 160 rs. a libra.
Coutu -So um sobrado do um SSs,
rea, que seja nova e em *oa rus:
no Pusaajlo-Piiblico, n. 7, se dir quoj>
compra.
Na Vua Augusta, n. 11, veude-so urna
preta, ptima para todo o servigo de una
casa e vender quitanda.
Lotera do Ulo-dc-Janelro.
Aos 2o:ooo$ooo.
Ra da Cadeia do Recife, n. 24, loja de cam-
bio da viuva Vieira & Filhos.
Pelo vapor San-Salvador, sabido do Rio-
de-Janeiro no dia 13 docorronte, recebeu-
se giande soilimenlo de bilhetes, meios,
u-r,lu, ilsvas e vigsimos da 11." loleris
a buelicio do tbealro de S.-Pedro do Al-
u*iii*i, wj*---- --vc.r. coici n u-
28 do presente mez. A elles, a elles.
Vendcm-se taboinhas para
b.peleiro, de superior qualidade:
ua la do Trapiche-Novo, n. 16.
Na loja de Fernandes da Luz & Ir inflo,
na ra do Livrnmenlo, n 10, vendem-se su-
periores coi les de casimiras do ultimo gos-
to, pelo diminuto prego de6,500 rs. o corle.
Oh l que pecbinclia.
Pao verde escuro ( liuissimo ) pelo pre-
go de 4,000 rs. o covodo: no Aterro da Boa-
Vista o- 18.
Kariiiba de mandioca.
Vende-se farinlia de San-Malhcus, de su-
perior qualidade, a bordo do patacho Limn
e sumaca Bella-Carolina, Tundeados em
frente do Collegio, ou ao lado do Corpo-
S.nlo, loja de massames, n. 95.
Vende ss a csss tcrr?i do becco do
Qjiabo, n. li, l>airrn da Koa-Vista, cuja c^i-
sa aclia-se hjnoUiecada : no Alerro-da-Boa-
Visla, n. 7*.
MUTILADO fc:


*
T*
^Tr^T
-4
i
9
Vendem-se balancas deci-
maes de 100 a 600 libras, milito proprias
para pesar assucar: na ra do Trapiche,
n. 3, armazem de C. J. Astley & C.
Vendem-se ricos cortes de
seda branca para vestido,por preco
tao barato que s a vista da i'azen-
da se poder dizer; na ra do
Crespo, n. 16, esquina da ra das
Gruzes.
Novo mappa geographico de
Portugal.
Vende-se o novo mappa geographico de
Portugal, em grande frmalo, gravado, di-
vidido por provincia, diatrictos adminis-
trativo e conelhos, conforme a ultima le
da dlvisSo do territorio, e contando a de-
marcarlo dos paize vinhatalros no Douro
eBairrada;as estradas militare; todas as
trras e lugares nolaveis, com designagSo
daquellas em quena eorreio ordinario; a
escala das distancias das trras principaes
ontre si ; o mappa dos concelhos, a nume-
ro de fogoa de que se compOe cada distric-
to administrativo, correcto e melhorado em
todas as suas especialidades, segundo as
nlteracOea que teem bavido at lioje : na ra
do Collegio, n. 9, 'oja de livros.
Vende-se farinha de Sanla-Calharina,
muilo superior, a bordo da galeota Sali$$i-
mn-Trindade, tundeada junio ao caes do
Collegio.
Farlnlta de mandioca.
Na ra da Cruz, no Itecife, armazem n,
13, e na ra da Cadeia, arrrazem de Cam-
pello Kilho, vende-so farinha de mandio-
ca do Cear, muita alva, gommosa e de en-
cllente gosto, tnto em pequeas como
um grandes porcoes, por preco commodo.
Vende-se, por preco commodo, farinha
de mandioca, em ancosa grandes ; a tratar
nos armazens de liiaa Ferreira, e Gouveia &
Das, no caes da All'andega, on com Novaos
Vende-so rap superior de Paulo Cor-
leiro : na ra da Cadeia do ReciTe, loja de
JoSo Jos de Carvalho Moraes. Na mrsajia
loja tambem se vende um methodo para
viol9o, do autor l.uigi Castelacci, contando
as afinacflcs para se tocar os sons armni-
cos, por barato preco.
Travs* da Modrc-de-Deos, ar-
ma/.cin. u. 5,
Acha-se estabelecido um deposito, oade
encontrarSo os freguezes uro bom sotl-
menlo de licores, espirito de vinho, e to-
das s mais qualidades; superior vinho de
caj; chmale; oliacaa.de vime,aprecos
moderados.
A elle que ao liara tisidimis.
Vendem-se aapatoes do couro de lustro, a
2,000 e 2,500 rs., he o que valem de feitio :
na ra da Cadeia do Recite, n. 9, loja.
A I ><>o<> o corte de calen.
Vendem-se l.rins de cores, com lislra ao
lado, de bonitos padroes, tendo lamben,
cor 'le ganga, a 1.000 rs. o corto de calcas :
na ra
branco ; ditos de lustro ; ditos de marro-
quim ; dltoa de duraque; botins gaspeades
nara senhora e meninas ; chinelas do tape-
te e marroquim : tudo barato a dinheiro
i vista o fiado nada.
Na casa de modas Irancezas de Mada-
ma Millochan, no Aterro-da-lloa-Vista, n
1, alm de um lindo sortimento de chapis
de seda e de paltia, recebeu-se um sorti-
mento de capotinhos e manteletes de seda
a de fil, e chapoi de palha da ultima mo-
la, para montana, e de gosto amazona de
Pars.
Vende-se um sitio pequeo com bom
hanho e bem plantado, por preco commo-
do : no Manguinbo, n. 35.
A 10,000 rs. o par.
Vendem se castiscaea de casquinha com
manga, pelo diminuto preco de 10,000 rs. o
>ar : na ra Nova, n. 9, atrs da matriz.
Vende-se urna porcode ce
vadinha de superior qualidade : na ra do
Trapiche, n. 3, armazem de C. i. Astley &
Companhia.
? Deposito gerat do superior ra-^'
Areia-I'reta da fabrica $j
deGantois l'ailhet&G. O
na Bahia.
domingos Alves Mutheus, agento da
X fabrica de rap superior Areia-Preta da Y
Bahia, tem aberto um deposito na rua^
^da Cruz, no Itecife, n. 52, primeiro an-^J
Odar, onde se achara sempre d.este ''X-
cellentee mais acreditado rap: ven-V
de-se em botes de urna e meia libra,O
Qpor preco commodo. oc>oeoocooo05O
A 5|5oooertedi> vestido.
Vcndem-se as mais modernas cambraias
abertas brancas e de cores, psdrCes ada-
mascados, e os melhores gostos que teem
apparecido, a 5,500 rs. o corle : dSo-se as
amostras rom penhores: na ra do Quei-
mado, n. 8, loja defronte da botica.
Veliden.-se ooulos de aro de ac fino,
evidro braico, para todas ss idades ; ditos
devidroverdee azul para lar de noite, ou
cura de olhos, por ser de vi.Iraca; lonetas
de um e dous vidioa, para augmentar os
obj'ctos, a que os francezes chamaiu pen-
cener, do ultimo gosto: estas lonetas fe-
chadas servcni de microscopios para verifi-
car cdulas e oulros objectos que a vista
nio alcanca ; pulseiras domadas com pe
dras, ultimo goslo de Paria; bengalas da
ultima moda ; fluissimos laplg em qualida-
de ; garganlilhas pretas ; medidas de mar-
roquim para alfaiate; facas e garlos de
cabo de chifre de viado, ao uso do bom tom
de l.on lies; .litas de h.'iianco, cabos de mar-
fim ; flnissimas meias para senhSrM.; cani-
machinas que de una so vi 2~
ram pcrfeitamehle urna penna ; e
(i,uiius miudezas chegadas recentemente :
na ra larga do flozano, n. 35, loja do Lody.
O mitigo harntclrodo l'agselo-l'tw
folleo, loja n II, de l iniiii.no
r^ns UttdAlgucs Femlra. nn
piano verdndairo patente do Colerd & Co-
lard, oom um machinismo de nova inven-
c!o para mudar o teclado em quatro vosas
differenles : tudo se vende a dinheiro ou a
prazo : na roa do Rangel, n. II, de manhSa
at s 9 horas, e a tarde das 4 om diante.
A .4,000 rs. o par.
Vendem-se sapal5es de lustro
para hontem, muito bem feitos, a
4,ooo rs. o par ; no Aterro-da-
Boa-Vista, n. 58, loja de calcado
junto a'deselleiro.
Vende-se por muito commodo preco,
urna rica secretaria com estantes para li-
vros, hastaote grande, propria para advo-
cado, sendo de amarello e anda nova ; as-
si m como, seis cadeiras e duas mesinhas
le abrir : na ra estreita do Rozarlo, n.
28, ultimo andar, das 2 horas da tarde em
diante.
Vende-se urna toalha de lavarinto, ten-
do urna pequea parte de panno no malo,
he de l.retanha de linbo, ou de esguio fino,
obra muito bem feita, e o lavarinto ho de
modelo muito moderno, por preco comino-
il.. : no Recro Largo, n. 1, segundo andar,
da mantilla at as 9 hora, e das 3 s 5 da
*'#
Se las e velludos
Vendem-sa ricos cortea de seda mo-
demos, furia-cores, tanto lisas como 0
de lislras o do barra ; velludos de c- *J
res ; merino azut para roupinhos t>
de meninos : na ra do Crespo, n. 9, a)
% luja de Jnao A. G. Guimariles. fr
9>&.9M*i <** I #
Vendem-se, na ra da Moda, armazem
n. 15, meias barricas com cal virgen de
l.iaba, a oais uova que ha no mercado, por
preco commodo.
^*ltap Paulo Cordeiro :,f
vende-se na ra da Cadeia do Itecife, n. 51,
loja de fazeodas, do JoSo da Cunha taga-
Ihfies.
Eovcasa de lie. Calmonte Compa-
nhia, na praca do Corpo-Santo, n. 11, ha
sempre um sortimento de panno azul'de
diversas qualidadea, oqoal veio de propo-
sito para ser vendido aos Sra. ofciaea e
mais tropa.
Vendem-se gigoa com champaoh
( C & C ) a mclho qualidade que vem a es-
te mercado: em casa de Me. Calmont &
Companhia, na praca do Corpo-Santo, II.
Vende-se um escolente cabriole! des-
coberto de bonilo molde, arreios fortes e
novo, com cavallo ou seru elle, e por pre-
co commodo : na ra do Collegio, n. 16,
primeiro andar.
linces de todas ns vendem-se superioies doces de todas as
qualidade, em barr, e latas com gelcia,
m
r. Chita
lo: nag
Ft*ncTsco
wlr*l v,r^!JjniffV,\commodo, em porcOes e a reta-
36, la-
do Queimado, n 8, loja defronle da ."iil
iA. p,Jt J nitilill)." ||ta^aMa>^taH \f
Na fundi^So de (erro da ra o. Brum,
aCaba-so .le receher un. comjletosortimen-
todo Inixas do 4 a 8 palmos do bocea as
quaes sennm-se a venda por preco com-
modo c com .rocptidao embarcam-se,
un carreKam-som carros sem dospezas ao
comprador.
Deposito (le potassa e cal
Vende-so rnut' nova e superior polassa
eral virgem d.- Lisboa, em pedra : ludo em
barris pequeos de 4 arrobas, por preco ra-
soavel : na ra da Cadeia do liedle, n. 12,
armazem.
Clmpos de palhs para liomem.
Ven.lem-se finis^mos chapeos de palha
de ltlia, pelo diminuto preco de 3,000 rs. :
na. ma do Queimado, loja de miudezas, un-
i de cera, n. 33.
rtr-qililif da
Vendem-se bonitos requ.nles para enfei-i
les de veslidoi de aenhora, por preces que*
agradam aos compradores : ns ra do Quei-'
adn, leja de n.iudezas, junto de cera.'
11. 33
--Na casa de modas francfzas de Mada-
ma Millochau, no Aterro-daBoa-Visla, 11.1,
recebeu-se nova me 11 le nm ico sortimcnio
de bordados de todas as qualidades, gnli-
nhasde carnl.raia e fil, romeiios, cbe-
COes, colerinhos, camisinba, manges <
iinriRiiitosmoda nova, fil liso e bordado,
enmbraia lisa e bordada, lencos de carn-
l.raia de linho bordados, baba !os e ntre-
melos de cambraia bordada: tudo se ven-
de muito em conta.
Vende-se urna escrara do servicp de
campo, bequilaodeira, lava muilo bem de
vaneila e sabio ; un.a dita muito boa cozi-
nheira, e que cose chSo, de bonita figura,
< de 20 anuo; urna dita de nacSo, muito
boa engommadeira, que coso cham, cozi-:
nha para quem quer banquetes, lio muilo
boa duceira, edn 20 a 25 anuos : na ruado
IJvramentn, n. 4,su dir quew vende.
Vende-se urna crioula moc, de boni-
ta figura, que engomma, coinha, faz do-
ees e bolos: o motivo por que se vende se
dir ao comprador: no biccodo bomba,
azues ; ii.ennOs sujeriores; srlim pelo
de Maco ; ditos de cores; gorgorees de se-
da para cohetes ; riscados monslros ; cas-
sa-clnta ; calores ; brins trancados ; cha-
les de 13a e seda ; dilos de larlatana ; cam-
braias lisas muito baratas; alpacas; prinee-
zas, lilas linas; chitas ; madapoldcs ; e nu-
tras multas fazendas que as vender 1 m
prucos que agradar3o aos bous freguezes de
dinheiro a vista, por ser o lempo proprio
pura taes compras.
Vende-se bonitos escravos e
K
ho : na TCt'^tt^da^0^
verna. S
-- Vende-se muito superior vmfin ,
deira, a 800 rs. a garrafa ; dito do ^
480 rs. ; superior mai terga ingleza,^?,. *
rs.; dita a 480 rs.; farinha de ararui'^a8
*^ y* aarljH ]to Waranhlo, ibi> rs, i!leJ:i)1lIirj;;TiMSrlTi1,'ir'8'r'8e ru* d"
muito novo a Sbtb. a nm-a vrafUllK ra da Cqstaque promella UieTggclo peo
genebrade llollamla, a 480 rs. ; e outroTt menos que lliefr possivel
muitos gneros por preco rasoavel: no Aler- [ Vendo-se urna negra da 16 anuos r#.
ro-,l.-Bo.-Va,t< n. 80, taberna defro.Ke Midj^rte. ~$& que cose,Ti\.
f._________ ..!__. _._- r.ito e o maisservicfl V
casa de Me. Calmont & Companhia, na pra-
ca do Corpo-Santo, n. II.
- Vende-st chumbo de munic-lo sortido :
em casa de Me. Calmont & Companhia, na
praca do Corpo-Santo, n. 11.
Vendem-se relogios de on-
ro prata, patente inglez na ra
da Sentalla-Nova, n. 4a.
Vendem-se cetn apolices da companhia
do Bcberibe, todaa ou em porcOea menores :
na loja de Ignacio Jos da Silva, junto ao
arco de Santo-Antonio, no cscriplorio da
companhia, e no do calza da mesma so dir
quem vende.
Casa de modos francesas.
Buecsard Millochau.
Itua do Aterro-da-Boa-Vista, loja n. 1.
Pelo ultimo navio chegido do Havre, re-
cebeu-se as ullimas modas de Paria para
uso das scnboras, romo sejam : chapeos de
seda e de palha, capotinhos, mantelete,
cabeefles de bico, camisinhas, golinhas,
mangoitos, lencos, bieos, fitas, meias, flo-
res para casameuto, chapeos de palha para
montarla, trancas de seda o algodflo, bolOes
de todas as qualidades, fil liso e bordado,
cambraia lisa e bordada, e mais outras fa-
zendas de gosto o baratas.
Grande peehincha.
A 4 Vende-se urna porco decassas francezas
de novos padroas e de multas c/--, k 406^
rs. a vara.e muilo finas, a ^> f. ; ditas
prelas mullo finas, a, 480 e 0
largas franceias, a SW,'*- r '
.lo Crespo, n. 14. loji oTJ
Das.
31 almelada
de mimos, em calimbas pequeas, tanto
em porc-lo como a relalho ; oaf de primei-
rae segunda qualidades, feijao mulatinhu,
encarnado e caboclo, chegado ullimamoii-
te do Rio-do-Janciro, por preco commodo
ua ra da Cadeia do itecife, 11. 25, defron-
te do Recco-I.argo.
MMMMtMMMMOM
ajt Manteletes e capotinhos 9
H ultima moda. #
H Na loja do sobrado amarello 00 9
tj quatro cantos da ra do Qnairaado, M
f 11. 29, tem para vender um grande #
i> sortimento de manteles e ca poln lie #
|f de grosdenaple furia coras, gosto 9
fj muito novos e guarnicidoa com Un- #
#| dos bicos e por preco de agradar ao 9
f> cumarador. #
Hiiiniflfes.
Vendem-se riquifie e Iransinha de Ifla
de todas as qualidades e cores,proprias para
enfeitese por preco mais commodo do que
emoulra qualquer parte : na ruado yuei-
matio, n. 16, loja de Joa Dias SimOes.
Vende-sa a dinheiro a vista superiores
chapeos de castor branco, pelo diminuto
preco de 10,000 rs. : na ra Nova, loja n. 9,
alraz da Matriz.
-Vende-se muilo barato o buhar da Ponte-
de Ucha com todos osseus perlences, este
Inlhar he novo e be dos melhores que ha
nesta praca : roga-.se. a qualquar pessoa que
l
csciavas de 10a as anuos .- natua
Jas Larongeiras, n. I, segnn.'o
n. 1.
Vendem-ae douspretos pecas para car-
reuarem iiiUnquim. servirn, a n.narassn
gaiibarein na ra, por darem 640 rs. por
di : na ra do Collegio. n. 21, primeiro
andar, se dir quem vend
V. mese um pretu de'bonila figura,
I om ollicial de pedreiro. e ho de boa con-
duela ; uina mulata de 18 anuos, com um
liliin inulalinlio de 2 auno, a qual corta e
faz 11111 veslido de aenhora, corta e faz urna
camisa de hooieai.engomma comperroieflo,
be muito fiel e nio lem vicios, o que se
aUaaca : na ra larga do Rosario, n. 48, pri-
meiro andar.
Na ra Nova, n. 2, atrs da
matriz,
vendem-se jarros de porceJIsna pira flores
naiiiracs ; mangas para caslicaea cum v
un vidro lapidado; lanlernaa de p de vi-
dro ; ditaa de p de casquiuha inglez* lina;
candieiro de corta para sala; dilos de*
bombe; ditoa de cota dilos .gr. <-in.
danles ; sapatOea tle cour'o de lustro, forma
inglesa ; bengalas lioas; ciiaruieiras, per-
l.imaiins ; luvas de pellica de- Cfes;
ile aigodOo do cores; sapa tus
andar.
Farinha de mandioca.
Vende-se fhrinlin ar s.-rntlia-
rinn, multo superior: a bordo do
Im-ikiu! Coiiceicao, funilcadu de-
fiiintc ilo tinpielie do nlKodo.
lidc preco ninis commodo HO que
em outra iiialquer parte, ou a
rallar com Manuel Airea tiuerra
Jnulor.
ISa ra Nova, loja de ferragens, n. 20,
le JoSo Fernandas Prenle Vianna, ven-
dem se superiores espadas | rateadas ; bem
como muilo bous estojo 11 ;.i:. ii (iros
Joao KcllerAL t,Oiupaiihia,iui
na da Cruz, u. 55,
Vendema precos cummodos, vinho mus-
catel de Setuba, em caixaa de uina du-
zia; dito muito bom de Lavradiu e Col-
lares, em bar is de quinto; dito de Cliam-
panha, da mais acreditada marca ; dito lin-
io de Cortaillod, de tupeiiur qualidade:
ixtr.cto du absynUl e kirsch ligitimu da
Suissa, em caixas de urna dutia ; verdadei-
10 cognac vellio, o da melhor lal.rica de
Franca, em barra de Ho garrafas i.ouco
mais uu nienus : tambem se vendem por
preco u.uito rasoavel velas de stearina ,em
caixas de 32 libras ; charutos da Babia de
muilo boa qualidade
Vonde-se, ou arrerda-se um silio no
Remedio, margein do rio, com mais de
mil palmos de fundo, ierras proprias, livr.'
edesembarazado, c-cimba com agoa sof-
fnve! ft> ^'-m :!:- .i., a- ..
.. -un u. _;;_ uos aituva
euvidrcdas, 2quart /ii.hH Sr nuirt. srs rl^ .*; *-..
prelos, com janellas envidracad'as, eoquei-
roe, parreiras, tamarineiras, bonsejuciros
' bananeiras prala, tudo d.ndo frucio, nian-
gueiraaealgumaslarangeiras novas, quasi
lodo cercado de espinhos, com embarque
a toda hora, bastante terreno devoluio,
muito pioprio para urna olaria |or ter bar-
ro d-nlro : tambem se vende urna canoa de
carreira.de auiaiello e enterissa : na ra
do Rangel, n. 54, a tratar com Victorino
Francisco dos Santos.
A Ifiuiuitinaiiii.
Na loja n. 3, defronte do neceo do Pei-
xe-Frilu, ven-n-ae panno azul, a cinco pa-
tacas o covado; casemira encarnada e
duas largura*, a 2,00o rs. o covado.
Aiobiiia.
VenJe-ae, por preco commodo, urna mo-
bilia, coaaistinduem dous (ares de lamer- ,
.-------. tom -es ..>. ,.u,o, 1* ...... 11. s.mazrin u
seudo duas de b.acos, 1 sof, a consol, i%, dirila
mesa redonda, una cama moderna com cu-|horas da ma
es; d.ias uapara casados : ludo de j.c.ndemuvl --^ vud-suceu,
de NU01 tobemleito; assiu, como uu, ezceJIeulalda navioi, e prados
da loja de cera
Vende-se 'um eseravo rrjoulo, ainda
inoio, de linda-ligur, proprio para todo o
si 1 vico, por preco commoJo : tambero se
vendem latas com 30 libras de oleo de re-
culo puro : na ra da Ciuz, n. 28, a tratar
com I una Jnior & Companhia.
Vende-se a taberna da Lingota, n. 9,
com os fundos a voutade do comprador, ou
sem elles. ^
Prezuntos do porto.
Je superior qualidade, a 8,000 rs. a arroba :
vendem-se no armazem de Jnaquim da
Silva Lopes, na ra da ladre-de-Ueos.
rano de linho do porto.
puio nojoes s proco muito commodo: ven-'
de-seno armazem do A.V. da Silva Barroca,
na ra da aladre-de-lioos, n. 26.
Burras de Ierro,
do muito boa qualidade, e com segredo pa-
ra as abrir: vtndem-se na ra da Cruz, n.
10. casa de Kalknianu Irmflos.
Vende-se* um grande sitio no lugar do
lliiiiguiibo, que tica defronle dos aillos dos
Srs. Carueiros, com grande casa de vivrn-
da.de quatr*agoas, grande serizalla, co-
clieira, estribarla, l.aixa de capim que sus-
tenta 3a* ra val los, grande cacimba com
bomba e tanque coherio para banho, bas-
tantes arvoredos de fructo : na ra da Con-
cordia, primeiro sobrado novo .leuin andu
Manguiibas para vestido de Se
nhora.
Vendem-se aa mais aasiadas manguinhus
para vestido da senliora : na ra do Queima-
4o, n. 9.
Beiis: alas.
Vendem-se bengaUs, pulo diminuto pre-
C de 1,000 ra. cada urna : na ra do Quei-
mado, n. 9
Vende-se um sobrada de deus andares
sotan, na ra do Rango), e oulru na rus da
Piaia de um anlar, aaeei'lo urna parte em
cada urna das referidaa casas, perUsnoeute
a outra pessoa : quem pretender, dirij|.e
ra de paaaeio, loja u. 21. aua se dir
que 1 vende.
Vende-se. ou oermut-ae or outra ca
na cidade, o no ultimo caso arrenda-se a ca-
sa de pedra e cal, Sita na beira do rio. do,
l'o(, .-da-l'anella, com os romniodus seguiu-
t s : um terrac/i na frente, duas salas, qua-
tro quarloa, cozinha fra,eopiaraJJ(slribaria
para dous cav.Hos, algrele com flores,
dilo com hortalic/, cacimba con boa agoa,
dous poilOes, sendo um para entrada de
carro e o outio n enor, aiangueiras, lar.n-
geiras, sapoliseiros, romeiras, goiabeiras,
pinlieiras, limeiras, esabuzeiroa, bananei-
.as, latadas de uv- de marecujaii. e nm
p de fruta-pilo, sendo dito sitio quasi todo
murado : quemsejujgar habilitado, dirija-
e ra de llortas, n. 0, de manhaa al as
9 horas, e do tarde das 3 em diante.
Sexta-feira, 7 do correnie, estar l
venda um esi ravo de 19 annos, da bonita
figura e proprio para qualquer servieo ; aa-i
iui como um cavallo gordo e bom; 00 ar-
u sai, na Boa-Visia
m-se o menicna
manilla s 3 da tard,
re em fi
do o>e
iini' aiaai 1 .ai .-*-a-'aavw. ia
jas ; ricas filas para chapeos e cintura ; len.
Sos dfl cambraia bordados e imprimidos,
ores o capellas para noivas ; ricos enl'ei-
tes de luvas para senliora ; rendas lisas da
seda e de linho ; cambraias de seda ; espar-
tilhos e corddes para o ditos a para borze-
guins ; fitas de linho e de cassa : tudo mui-
to em conla : no Aterro-da-Boa-Visia, n. 1,
Chapeos.
A. Colombier, oom loja na ra Nova, n.
3, atrs da matriz, vende chapeos de castor
branco, finos e de bonitas formas; dilos
de aeda franceza para horaem ; ditos de pa-
lha lina ; ditos de merino preto e branco;
ditos de palha de Manitha ; ditos de renda
branca para senhora ; ditos de palha com
tecido de cabello ; ditoa de pelleninoa ; di-
tos de sol, de seda, para homem; ditoa pa-
ra aenhora ; e ditos de panno para homem.
#* (I
1 Na loja do sobrado amarello, nos *J
R quatro-canlos da ra do Quejmado, Cji'
9 n. 29i vende-se um grande sort-.9
9 mto de cortes de vestidos de cm- f
# brsia-seda, muito modernose novos
? goslos; ditos de cambraia branca a?
* com barra borhada e adamascada, i*A
t tudo por preco muito em corita. aa
9rt-*fm~99*999**f+
vende-se um forte piano do celabia
autor Bwadwood, o mais magnifico ins-
trumento, tanto na copstriicclo como nts
vozes, que tem vindo a esta cidade: em
casa de Me. Calmont & Companhia, na pra-
ca do Corpo-Santo, n. It.
Na. na ra da Cadeia do Re-
cire, t>, 5\ loja demiudezV, vendem-sa
"Tra ncas pretas e de corea, de todaa as lir-
gurai, pfopriaa^pera manteletes e ,guarni-
cOes de test idos; bem como sderocos pie-
tos para lulo, dos mais modernos que teem
chegado de Parla, por mais barato preco do
que em outra qualquer parle.
Para os Srs. slfaitea.
Vende-se estopa com aljama avaria, a
SOelSOrs. : na ra larga do llozano, n.
48, primeiro andar.
Alpaca de laa e aeda a 30O Va. a
covado.
Na loja da ra do Queimado, n. J, de-
fronte do becco do Peixe-Frito, vende-se
alpaca de Ida eseda para vestidos de senho-
ra, a 360 rs. o covado: esta fazendi he
tecido de xadrexe de 19a e aeda, padrees
muilo agradaveis.
Vendem-se 16 escravoi, sendo um tom
carreiro e mestre de purgar ; 3 djloavdeio-
do itsertico ; 1 niulalinhos de lennos ;
aditoedotodo o servieo de campo; orna
mulatinha recolhida, del! annos, qneco-
se e engomma ; 2 eaoravaa mocas, de boni-
tas figuras, que cosem bem1 0 engommam;
5 ditas de lodo o sarvifo : na ra Direila,
0.3.
Vndese a possa de um terreno de es-
quina, situado por detrs da fundicSo era
S.-Amaro, com 200 palmos eni urna frente,
eperlo deSOOem outra, com um grande
viveiro bem povoado de peixe, eom 3 ca-
slnhas 110 centro qne rendem 22,000 rs.: a
tratar em una das casinbaa do mrswo sitio
com seo dono que far todo o negocio, len-
to a dinheiro como a prazo com boas fir-
mas, visto ter de retirar** para a luropj.
-- Vende-se um preto'de 80 a ta annos,
uom cozmneiro, e com i.bnj.dC3 necaa-
sariss para urna casa de-familia, 00 homem
solteiro : as Cinco-Pon tas, padaria defron-
le da fortaleza.
-- Vende-se urna gentil escrava Si Cosa,
muito valentae sadia, he qoitandeira, lin-
de sabDo varrella, nflo bebe bebida do
qualidade aiguma, he inulto acostumiila
aos. rvii;o da campo, para o que lera muita
habilidade :'na Trempe, sobrado n. '1, que
tem venda por baixo.

f.nio e o maisservied V8 urna casa, urna
mulatinha de 14 aiuiost que cose, engom-
ma, coiiiili, peutea Sesle uina senho-
ia ; uina preta de 30 aniiiis, que cozinlie,
lava, e he boa quitandeira ;\l moleqiies pe-
cas, de 18 anuos, ptimos palM o liabalho
do campo e da praca ;.um cabrlasba de 10
anuos, que serve muito bem a |us)e> casa,
naruadoCollegiu.il. 21, primeirS-aitmrv liscraVS FuSlo.
A I !l)(> o corle. > _______E.
Na toja da ra do Queimado, u. 3, defron-
le do.becco do Pcixe-Fnio, ven'lem-se cor-
tes de caseaiira de algudo, com 3 cavados
e meio, pelo baralissimo preco de 1,960
rs-: ests fazeud bu de lislras e xadre/, pa-
drOes muito modernos.
Agencia de Kduin Alaw.
Ra de Apollo, n, araiaiem de Me. Cal*
moni & Companhia, lazem ver aos Srs. da
engenho e aos seus correspondentes nesia
pisca, que nuseueslatieleoimenlo se sebs
constantemente bom ortimeulo de moeu-
uas todas de ferro para animaos, agoa, ele-
nieias ditas para armar, em madeira ; ma-
chinas para vapor cor forga de 4 cavallo ;
taixas de differenles modelse de lodos os
tamanbos e grossurss, lano de ferro batido
como coado; espumaderas, cocos, ele., de
ferro estaohado ; safras para ferreiros : lu-
do muilo bom e por barato preco.
Q Moderno e bom gosto. <^
O
O Capotinhos e manteletes, sddas lisas Q
3 de furia cores, corles de blonda do O

q lomos de cambiis de linlio borda, c
j dos, ditos liso oom barra S em cada v
"f cartosmho cou estampa cada car- S
? l3o( como* laucos ja tesaba; peto **
diminuto prego de 3,840 r*. lencos O
-> de garcboiiil>s cores 1,280 rs. cada-t&i
Q uai; ,luras ^o'pSca coii borlaade O
w seda, t,500 rs. o par esas iance- O
Q. zes "u.
fl *' paspara pcacoco de Sonbora, Q
Q a^.OOfl'a. cada una ; e outras mu- A
q laX laieudas lainu para senliora 00- v
.i/mq v'* .homem, : vende-so ua ra %
i UO croauo, 11. iutm iS.oli u ja-
do do sul. g
y OOOOOOOOOOOt&QOO 00
Vende-se um relogro de parede novo,
muito bom regulador,' por prego commodo.-
ua ra de Hurtas, n. 20
-- Vende-se um completo fardamento da
guarda nacional, que est lodo novinho,
por preco commodo : na ra do Queimado,
II. S2-
Vende-se vinho de Bor-
laaux, de mullo boa qualidade : na ra do
*^W diaat do correte, fugio, d,0 enge-
nho Cajabus'., freguezia do Cabo, O negro
Jaclntho, de 30 anuos, cabellos vermelhns,
bastante alio e bem parecido ; tem muilas
ricalrizes i elas costas e no aasento ; he bem
fallaule, a natatral do srrtJo ; abe multa o
centro da provincia; descoiiOa-se ter ido
para la ; levou todi a roupa que tnha, ama
jedeeum faeno no qua'to: quem o pegar
leve-o ao mesmo engenho, ou no bVcie, no
Aterra-da-llna-Vis(a, n 43, ou na freguezia
de Cimbrea, na'alenda Caianinha. ou Gr-
vala, quesera generosamente gratificado.
Fugio, ba das, do sitio do Cejueiro, um
preto de noase Antonio, de estatua retlf
lar, cara redonda eeom alguntas -espilo 1,
olboe um pouco vecmelhos 1 lie connheirn,
ladino, e falla a nianeira do ambareadii-
sos: quem o pegar leve-o ao dito silm,
que ser gratificado.
--Fugio, no dia-81 do correntn, uaa ne-
gru de nome Pilipe, ctieio do corpa, da ca-
tatare regular,-porteucente ao asal de I'.
Ano iTnciipia da Cruz Muniz ; eeitpma 1
embriagar-ae, e desconfiarle que aada pa-
la Boa-Vista, ou Cuico-Pontaa : quem o pa-
gar leve-o a fabiioa de Mesquita A Dulra,
na ra do Brum.'que sera recompensado.
3 .,- Boa gratificaclo-
'No da 7. da- correte, fugio um eegro
crioulo, de nome Germano, fulo, dban-
nos, de altura regular, togto seaco, deof*
lmalo, pernea linea,, pos grandes; h
muilo regritta ; desappsreeeo da sitio. Ro-
zarlo, de lerraa do engenho Timb ; quem
0 pegar leve-o ra do I ivraaaealo, o. 20.
quesera gratuicado generosa asente. tte
eaeravoj tem sido visto en ma casa, a
in o es 19-se usar lie io tra o dono della, alm de se publicar o no-
me por Ka folha, se o ufio mandar entre-
j No me* de meio, pela testado Bspiri-
to.Sanio, fugio, de engenho IHiiigs-le-
llaixo, um negro de uoqie Tbomat, alto,
grossura regular, cOr bastante preta, oltiu
afumaciidos, cara um tanto comprUa, per-
itas meias cmbalas, tanto que parece que
puxa por urna, pea muios apatketailo; ha
muito ligeiro uo andar: lie crioulo ; 'e'
1 resent ler 20 a 25 annos ; be omito rhe-
Trapicbe, 11. 3, arniazeiii de C. i. Aslley & torito : este eseravo fol compcado aos her-
Compaubia. driio do fallecido Antn
Vende-se cobre
de forro e
prego Ue Cobre ; chumbo em lencol ; esta-
11I10 em barra | leiro inglez a sueco em bar-
ra 1 na ra do Trapiche, 11. i, armazem te
1: Astley ^V C.
endeiii-to UauceeteM seda de todas as
raciifeilar v:-slidiiJ ; .Jilas de algo.'
|os-ereiulas IruiK'ozs de ludas ft
; bolees de seda para.vsati los; lu-
de blondo da todas aa larguras; Irn-

Barreto, por escnplura^ue ps iaesmos li-
zeram a Joaqalm da Silva Wftfp 8CU
'ido pai, Jos Alve de Castro quem o
r l.ve-oao referido Costa, em dito en-
lio l.'tiniia-de-Baixo, ou nesla praca,
.noel I urcio de Uliveia: na nrac do
u. 6,priqioiroardar. '
(
iHaasu um.Hs. w. mfasu. 11*0
.... .1 .i.
Kuoel
i*a
------
MUTU


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7LYDIAI6_CKJU3D INGEST_TIME 2013-04-24T19:41:46Z PACKAGE AA00011611_07022
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES