Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07013


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVI
Ter
rJLMTVOA* DO OOKBXK.
Goianna e Parahlba, segunda esextas Airas.
RIo-Grande-do-rjorte, qalata felra aomelo-
da.
Cabo.Serinbaem, Rlo-Formoo, Porte-Calvo
e Macei, no I., a 11, e 21 da cada mex.
Garanhun e BoqIo, a 8 e 23.
Uoa-Viata e Florea, a 13 e 28.
Victoria, s quintal felraa.
(linda, todos os da.
i-

Nova. a 0- t.lb. eOm. da m.
Creac. a 13, a (ih. e 1 m. da m.
Chela, a2l.aal0h.e21m. da ui.
Mlng.a28, 7h.e 33 m. da t.
ssmsatas d ion,
Primeira a 2 hora e 9 minuto da urde.
Segunda ai 2 horas ej,30 uilnutoa da maohaa,
! Setembro d* f ftlf-f).
If. 109
aBpoa da aoauoai(jio.
Por tres meze (aawtdo) 4/000
Por seis mezea 8/O0O
Por uhi anno
DA 1A
16 Seg. S. Rogelio. Aud. do J. dos orf. e m. da 1. v.
17 Tere. S. Pedro de Arbues. Aud. do chae, do
J. da 1. t. do cl'v. e do doa feitos da fazenda.
18 Quart. S. Jos de Cpertlno. Aud. do J. da 2. v.
do cliel.
19 Qulut S.Januarlo. Aud. do J. doa orf. e do m.
dal.v.
20 Seit. 8. Eustaquio. Aud. do J. da 1. v. do el.
' e do doa feiloa da fazenda.
21 Sab. S. Malhcus.
15/000 22 Dom. Festa de Nossa Senhora das D6rn.
CAMBIOS XM 16 DK SETEMBBO
Sobre Londros. a 28 '/ d por 1/000 rs. a (0 dias.
. Par, 346.
. Lisboa, lOOporcento. ^^
OtroOncas hespanhoea......... 2JrWW a *g*
Moedasde'W*'*"- 16/400 a I0WO
. de 400novas.. 16/100 a 16#200
. de 4/000........... WI00 a 9/20
PraM.-Paucaea braaileirca...... l/JW a 1J98"
Pesos columnarloa....... l 1/980
Ditos mexicano.......... 1/8" a 1/
IARI0 DE
PARTE OFHCiAL.
| I I I ni i i
MINISTERIO DA GUERRA.
DKMtVO N. 692, DE 85 DE ACOST DE 1850
Explica ai disposiefles do airar de 16 de
dezambro de 90, obre a consJMsao da
ordem de S.-Bnto de Aviz aoi ofllciacs
doexercito.
Me! por bem mandar rclsrar que os offl-
ciaej atrperlorea do exercilo cresera de bor i
informacOes doi respectivo chafes para
poderem ser agraciados eom ordem deS.-
Kanto de Aviz ; e que dos vinte anno'* eli-
gido pelo art. 18 do airar de 16 de de-
zembro de 1790, se excluir o lempo que
no fflr de-servigo elfretivo e o da licengas
qua nlo lenham sido dadas por motivo de
molestia.
Ilanoel Felizardn de Sooza e Mello, do
mea cmiseiho, ministro e s-cretario de es-
tado dos negocios da guerra, o tenha assini
entendido e expeca o despacho necessa-
rio. Palelo do Rio-de-la neiro, em 24 de
julho de 1850, vigesimo-oono da indepen-
dencia o do imperio.C.om a rubrica de S.
M o Imperador,Manuel FelUordo de Souza
eVfitW. .
MINISTERIO DA FAZENDA.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DA
DK AGOSTO DE 1850.
M
A tbesourari do Rio-Crande do sul.decla-
rando que na conferencia da sabida de mer-
cadoriselrangeirs navegadas comee ra de
guiedeve-sn observar o art. 313 do regula-
mento de 22 de junlio de 1836, (literal e ex
piessso.ento, como nelle se delermiua, sem
applicagloao disposto no art. 227,relativo a
caso diverso; porquanto, emhora o dito ar-
tigo 313 diga que na" conferencia de sabida
das ditas mercdonas se observe o meanio
qtie nado despachos de consumo, comtu-
do n((o manda faze applicag&o das mullas
do art. 227, antes prescreve o contrario no
final do meimo artigo na palavias-a se
proceder como cima a reapeilo das diffe-
rengas -, ito he, que senas conferencias
de sabida se acharem mercaduras de mal
do que as escripias na carta de guia, licam
tujeitas aos direitot do consumo e expedi-
enta como se importadas fossem dilecta-
mente do porto estrangeiro, e se se acha-
ren! de menos pagarlo o expediente nomo
se nao faltasem.
PEi.NAMBUCO
CMARA MUNICIPAL DOBECIFB.
3' SKSS10 ORDIKln DB II DK SETEMBRO
DE 1850.
Prtildencia doSr. Olivtira.
Presente oa Srs. Mamede, Carneiro Mon-
leiro, Horawa, Viann, Pire Ferreira e Fi-
gneiredo, abrio-se a sesso, e fbi lid e ap
provada a cta da antecedente.
O secretario fez a leitura de um ofiicio do
Exm. 8r. presidente da provincia, eppro-
vasjJo (8 arrenutages de dous tangos de
muro do'cemiterio publico, fritas porJoa-
quim Lope Pereira GuimarSes e Manoel do
ItOMrio.
Foi nomeada urna commissilo do* Srs. Ma-
mado e Vianna para indicar o melhor meio
de faztr-so a arre cadaglo dos imposto Cria-
do pelo 16 rllgo 23 da lei do orement
municipal, que tem de vigorar do primeiru
do oulubro cm dlaute.
Foi lambem nomeada urna commissSo
do Srs. Mora eFejtjeiredo para indicar
lujare proprlidos para colocaco do im-
tadeuro publico dela cidade, revezo para o
gado, behedouro, ele
-Itaodou-se ollciar ao capilo do porto,
pedlndo pomse a disposieAo desta cmara
algbM carregaiiiento de podra denomina-
da granito --. que coslumam trazer eori
lastro os navios procedente do Hin-.le-Ja-
noiro, par ser embregada no o!cmento
das ruis deala cidade ; e mandou-se deter-
minar ro cordeador orcasse a despea em;
que podar importar o calcamenlodas ras
do l.ivrametito pateo do Terco.
Appareeou, na quaiidade da licitante ao
lango do muro do cemiterio publico que es-
lava prag, Domingos Jos de Sant'Anna,
e deelarou qua se comprometlia a arrema-
ta-lo-por-2 533,440 ra., ialo he, por mais
160,000 M. sobre o valor orgado, se a cma-
ra mase couviesae. visto ser a obra maia dis-
pendiosa que a do mais lauco*, porllear
nos fundo.do eemiieiio, offerecendo oor
liadora Jos Igoacio Soares de MaceJo ; ao
annulo a cmara mandando communi-
engenbeifo Jos Mimede, para, na
incordar, alterar oorcamenlo.
. a diseuisloduprojecto de'pos
ih approvadis com as emendei*
lia os Ululo,*., .', 6. e7.d.
primeira ecc,ao.
Despacuam-so a petiglo de I). Kraacisea
CaodiuaMd Miraiidaj e levantou-se a safio.
Eu, Manuel Ferreira Acnoli, secretai to inta-
riao a escrevi Ulivetra, presidente. -- fi-
pmicl*. btgutired. herreita.
DA IIOMOEOPATHIA NO BRASII.
DO NO RIO DE JANEIRO, l'ELQ
HMV*JkaV**Jlh
( Conthtuafdo do Diarlo n. 208.)
Di/iaiu tambeni os IIIms. Sr. doctores .
lentes da Tculdde de medicina do Rio
de Janeiro, a escola hointuopalhica, vai
formar medico, e edender o diieit
faculdades, qua^'por le gusam desle mono-
polio.i Nlo ba tal lllm. Srs A escola ho-
mmopalhica forma unietmente homaeopa-
thas, os quaes applicam urna (ciencia des-
conhecida as as exercer a allopalhil, cirurgia, ou qual-
quer dos oulros ramos ensioados as fa-
culdades, enlSo elle incorrenm commui
la jusliga, as pena* da loi, que o prohibe.
A le, lllms. Sr. Dra, prohibe o exercicio
da medicina tal qual ella se conheci, na
pooa da sua promulgago na ella nfio
se oecupou, am e poda oceupar de urna
iciiencia inteiramente estranha e diame-
tralmente opposta medicin vulgar. A
lei, que he a ras.lo sanecinada, nSo p Je de-
cidir sobre o futuro, nem sobre o desconhe-
cido ; mal nicamente sobre os fados pa-
tentes no da de sua publloigjo.
Mis, dizem mis|estos lllms.Srs. Drs., a a
homiBonathia he umi arte de curar, eos
nos alumnos s teem o direilo de prati-
car esta arte. Aquiha o mesmo equivoco.
A irte do curar, da qusl a lei falla, nilo po-
da incluir a homtcopalhi, cujo mime al
era desconaeciilo aos illualre legisladores
do Orazil no auno da til?, esta arte de cu-
rar era nicamente aquella condecida as
facilidades, a qual (lannemann, chama alto-
patilla. Alm disso, a actual prelengSn cahe
por tal frm no rediculo, que apenas s>
pJeria acreditar que partisse do lioinens
serios e positivos. J temos visto que os.
lllms. Srs. Drs. lente da faculdades negam
o direilo de exercer a homcepilhia, aquel-
es que a esludaram, e os honiuoopalitas,
levom pedir o mesiiii) direilo em favor da-
quelles, que a desconliecem, e injuriam dia-
riamente.
Nilo basta, que o exercicio da nova arta
seja vedado ios que inostram te-la ostuda-
io, precisar provar por diplomas aulbenli-
cus a ignorancia o o odio mais violento pa-
ra pod-I praear. Com eiTeito, um tal
sysleina be muilo proprio para desacredi-
tar a nova doulrina.' Eaiquaato elle fr se-
guido, n3o be de eslranbar que a allopalbia
coiiliiiinue a subsistir para martyrio da hu-
rnanidade, e a despeilo da opinio publica,
ou para que os homorjoplhas teuliaui inaior
clnica.1
Vollcmos ao senso commu-o. Nilo te
lugar quando se trata de l'elle Humana de
querer mauler privilegios gothicos O mo-
nopolio dos copistas, do alcliiuislas, dos
astrlogo, iiSu prevaleceu contra a inven-
gao da lypograpbi, da chiauca a da utro-
oomia ; e inulto menos ha de prevalecer o
monopolio da vellia escola contra oa lio
aiceopallaas Salut popvlt, suprema Itx e$l
As boas leis devoto ser a expressSo do
lacios. Quando o camponaz Priessoilz in
veulou a lly Jrotherapia, elle offeudeu mui-
tos iuteresses, eos medico lambem eligi-
rn o monopolio desta descoberta, a qual
o3o tinliam feito; poriim o goreroo aus-
inaco prtlino a justiea ao previlegio e au-
torisou o camponez 1'iiessniU a couliuuai
o exercio de sua, trie. Ser mais severo o
lirasil com os discpulos de llahuemaon?.'!
Continuar elle a perseguir os homoeop-
thasem. vil tuda de leis faiU antes d'appa-
rigo da liomopatlii i'!l Nu lie de acredi-
tar. A opiniao lio j esclarecida, a. o so-
phismas do nossos adversirios n3o hSo de
Iludir por milis lempo 8 illustradas auto-
ridades ; nem 13o pouco o illustrdo povo
brasileiro o qual unnimemente reco-
nliecem os immesusos bcnelicios da uossa
doutrina. Rtcife, 15 de Miembro de 1850.
r. Jododt Soma Santoi Jnior.
exlraet. (Cnlir--a.)
--------;.-------.
ESTTJDOS.
rrEcriro.
tfo' out'fdJi pelo'
alumnos otmio
itginU.______
Segundo anno.
FazriaxTO-
aio.
I"
i
s
e
quaesqurr oulros jovens, que de outra manei
ra um dia postam vir a er utei ao Hraall.
0 professore actualmente em exercicio aao" os
senhorea Dr. V. J. Lisboa, Dr. F. A. Moura, Mr.
i. V. doa Santos e Souza, Dr. Cocrane, Dr. M.
Duarte .Horeira, Dr. Bento Jos Martin e se-
cretarlo o Dr. Cario Cbldloe.
Dr. Joio di Sutua Sanio Jam'or.
|| | 1. annu | ( | *_.
6.3
tt
ft3
2 "J =
_ 3 a
rn
==
r* O O
S 3 S ,

si
iiuiitid ouu
ov lumufV to^
nt irptp t'.oifj
0Allt>d 1 |UJ| O J)Ujj
Esla escola e acha em plena aclivldade de4
d o dia de su installacao. O inrlhodo de eui
o de Jacotot: e at nlst
DIARIO DE PRRWBIJCO
a >- >
arnoire, 18 o anaiMBBO x tas.
Obsoquiarim-nos com urna collecgSo do
varios nmeros do "rnal do Commercio do
Itio-ile-laneiro, datados de 98 de agosto ol
timo at 2 do correle, os q*iaeg aupprem
lacuns que se dava entre aa datas daquella
corte, accusidas por nos em o Diario do 2
loste nez, e M do que lizemes menguo em
o numero anterior.
Constav que seria prnrogada at 10 do
correte a msente sesso da assembla ge-
ni legislativa.
O senado apptovra em rimeira e segun-
de discussloo projeclo vindo da outra c-
mara sobre ere tilos para pagamenlos dos
exercicios lindos ; o que prov sobre pro-
es no exercicito, corp as ementas 4
ma cmara, e o que diz respailo a ere-
ditos supplemenlares para os exercicios de
1848181 e 1849-1850 :em tercelr o
que eleva categora de provine! comar-
ca do Alto-Amazona ; o que autoras o go
verno a effeiluar operteties de crdito par
salrsfaer os encargos externos de 4823 e
1824; o que concede so ministerio do im-
perio um crdito de 900 conloa para melhn-
ramenlo do estado sanitario do imperio ; o
que augmenta o numero dos deputa los do
Marap.ho, Mitto-Grosso e RjoGrande do
norte ; e a proposta do governn para o anno
financeiro de 1851 a 1852, com varios arti-
go* additivos.
Esta cmara lambem adoptara as emen-
das offerecids em tercoira diseussl > ao
projeclo que d novos estatutos escola de
medicina e aos cursos jurdicos, e com el-
las o mencionado projeclo.
A cmara temporaria approvre as rnen-
las da vitalicia lei do orgamento par
1851 --185-2, as quaes aulorisam o governo a
lespeniler 500 contos na compra do edificio
e terreno do trapiche da cjdade; a fszer a
despe/ai nnceasariaa com u continuagflo das
obras do ees do largo do Pago e do novo
matadouro ; a levar a effeito o censo gcral
lo imperio*, e a eleva desde j 26,000 ho-
rneo a frga de primeira liuha, podendo
contratar nacionaes e estrangeros, sflb
condigno de n3o deverem estes servir senOo
ns fronteiras :-adoptara em lerceira dis-
cussfio o projecto que incumbe ao governo
organisago de um novo regi > ento de
custas judiciarias, e orcupava-se do ou-
tras materias de mais ou m nos transcen-
dencia.
Tihanj,ldo ooineado : juit municipal e
de orphao do termo de Uaturit na provincia
do Ceara, o bacharcl Clemente Franciscas da
Silva; thbelliao de notas e scriviu do judi-
cial da comarca do Rio-Frmoso, Antonio Pi-
uheiio da Palma..
S. M. o Imperador houvra por bein conce-
der jo hachare!' Alexandre Joaqulm deiquei-
emlssao que pedio 4o lugar de Jult dr
Jireilo da comarca de Vastouros da provincia
do Rlo-de-Janeiro, dgnando-tc de remover
para essa comarca ojuide direilo da de Oti-
ras e chafe de polica do Piauhy Manoel Joa-
3UIU Baha, bem como para o lugar de julide
Ireito da segunda comarca da provincia de
Santa-Catharina ojuis dedircito da primeira
vara do crime da capital do Para, Francisco
Vicira da Costa.
O misino augusto se nhor resolver aposen-
tar oconselhriro Jos Juaquiui Fernando Tur
res no lugar dcdesemba'gajdor da relacao des-
ta provincia com o ordenado de 1:400,000 r.
anuuacs, e o lia ha re I Francisco de Souza Mar-
tin no dejuiz de direilo ioiu o ordenado por
inleiro.de 1:000,000 m. per auno.
Haviain tieo apresemados:-- na igrejBj paro-
cbial de Nossa Senhora da Desterro de iiainli
nectaprovincia, o padre Antonio lluAooScre-
riano da Cuaba; M de Nossa Seahora da
Ciineeicao do Po-dos-Varro, no Rio-Grande do
n.... ,, '-'<'; llellannlao ile Almeida Caval-
cauc ; n oa Presa e Eaecada de Per-
Cilikbneo. os padr* Francii00 pedro de Carvv
Sima d As^. do ,,,; _.na ote-Se-
nbor bou Jeau. doV in Klllli ,ui Alagdaa, o
padre Francia Man*, ul Silf, na dc -,.
a henhora dos Hilagsr ei| ptr,[1.bai pauie
Jos dcSouia Magalhi. oade No8|aScat0r
&%8X&&' K0"a Senhorada
-=as#?. es padre" MiWI
#g>feAl**,.-c;,ae.
--i-, _
aporto do Rio-de-Ja.iriru pelo vapor i ngle
6'urrniirani, a escuna nacional 'tlicirii eguii-.-i
paraSaula-Helena por oidem doalmiranle Kej
uojda, por usjieitas de estar ella prrparau.-
do para urna vuSJIiii a costad frica
Assiui, pols, o cruieiroinalet continua a ins-
peccionar denlro dnoslos poiios,iiaoobstautc
estar-seo governo eslorcando por acabar com
f criminoso trauco de Africanos, e ter dado
mal de urna prova da sincerldade com que
trata de senielhaole negoeio; aaiiin. pols, oses
i Urn.gtiros.coino que se preparan para rc-
uovareta o insultos com que, anda nao 0*
muilo, provocaran! o loio nacional dos bous
biasllclra, que. se rcconhecein a niiiioraliUa-
dtdo tranco c esiaodispo>lo a concorio
Is^La^LaaaaaBrnte
lUallliiaWltiilio
ha de faaer, i sua cuta, a aqalticao de profeij
sore que por este metlsodo entinein a> lingoal
e a cieiuiaceesoria, lauto eqoelles que s
dettinaiuao Jtudo da hoioteoaaillia, como i
rabuatama, em Cea-
ancisco da Trota e Ro-
pauivai i
, Tiara que elle cesie de
pouco patriotismo, que*
lllm. eExm. Sr.Participo a V. Exc
que hoje, as duas horas d larde, fuodeou
na entrada da barra desta villa o vapor de
guerra iiglez (ignoro o nome J, e appro-
xlmando-se trra o mais possivel, lancnu
o mar tres escleres, todos elle guarneci-
dos com 'oflicises e gente armada de espin-
gardas o pistolas, e, sem neuhuma politiea,
fiiram entrando pelo rio cima at onde se
chava ancorada a escuna nacional l'ri/i-
eeira : abordaram-a osallaram todos den-
tro da tneama, e tralaram logo de aTnove-
rem do lugar. A'vista deate inslito prov
eedimento, mandei perguntar aos odlciaes
inglezes porque raso tivcram a ousadia
de entnrom sem lioene pela barra a den-
tro armados esedirlgirem pelo ro cima
at ao interior da villa : quando chegou a
bordo da escuna o inspector de quarleirSo
Lu/. das Chagss Franga, e fazendo-lhes a
pergiinti do minha parte, os inglezfs, sem
a nada allenderem, o despediram, amea-
gaiirlo eom armas ao inspector, e dirigi-
ram-lhe palavras grosseiras, proprias de
sua pouca poltica, o disseram por um que
nSo recenheciam a autoridade do paiz, sim
nicamente s de seu chefe, e que por or-
dem do qual vinbsm buscar a escuna. Essa
resposta dada pelos aggrvssores britanni-
cos foi no idioma portuguez, por essa cau-
sa bem a coinprehendeu o inspector e a tri-
pulagilo do bote que o conduzio es-
cuna.
Os Inglezes, sem fazerem caso de nada,
iViram conduzindoa escuna pelo rio abai-
xo ; o vento soprava pelo sul, a mar va-
ava, esss dous elementos obraram em
sentido favoravel para elles, por isso que
navegaran! fcilmente sem encalhsrem as
infinitas cordas de ara que abundam neste
rio. Chcgaraui emD ao canto do Mangue
s 7 horas da noite, tendo elles rebocado a
escuna tola a tarde.
A' vista pois de tantos insultos e ataques
positivos feilos pelos Inglezes, decidi-me a
recorrer aos meus honrados patricios para
junto com elles reprimir audacia ingleza.
Achei de momento junto a mim muita gen-
te, todos abrazados naschanmas do patrio-
tismo e bem disposlos acgSo. Mandei pos-
tar a gente armada de embosca la pela mar-
en do rio, e collocar em boa posigSo urna
pega eslibre oito, guarnecida com gentt e
muuigo. Depos que tomei as mais enr-
gicas medidas, de novo 1 pela segunda^vez )
erdeoei aos Inglezes que desistissetn da em-
preza e se retirassem sem demora para seu
bordo; a esse passo os Inglezes da escuna
romper in o fogo de mosquetera sobre mu-
la gente, e em seguida o vapor fez fogo de
pega com bala raza. Ordeoei logo e logo o
al-que, rompen Ju-s t: mira os Inglezes um
vivo fogo de mosquetera, de metralba e
balas. Principiou o fogos 7 horas da noi-
te, e durou ats 8 horas emeia e tres mi-
nutos, sem cessar. Da nossa gente nSo sanio
pessoa alguma ferida, porque todo o fogo
que fizemos foi emboscado.
Conseguirn) os Inglezes levar a es-
cana ; mas crea V. Exc. que empreguei, pa-
ra salvar a honra nacional e a escuna, todos
os meios e recursos que pude obter ; as Tor-
gas inglezas eram superiores as nossas. mas
eomtudo deu-se-lh-'s um prova signiflcsli-
va de que os nilo tememos quando Siles nos
provocam. lie o que tenho a honra de levar
ao conheci monto de V. Exc., todo o occor-
riJo nest villa no da referido.
Dos guarde a V. Exc. muitos annos
Subdelegada do polica da villa de Guarapa-
ry ( s 11 horas da noil !, 12 de agosto de
1850. lllm. e Exm. Sr. Felippa Jos Pe
reir l.eal, dignissimn presidente desta pro-
vincia. loaquim Ramalhele Maia, subdele-
ga lo de polica.
0 Diario do Riode-hntiro publicara o se-
guiiite :
Tenio o conselho fie estado de Franga.
declarado mas presas a sumaca Vencedora,
pertencenle a Franciaco amacho e Zacaras
Antonio, bem como a lancha 7>e Coruross,
de propriedade do Manoel l'mheiro Teixeira,
presionadas pelo cruzeiro francez na Cos-
a d'frica como snspeitis de emprega-
rem-se no trafico de africanos, foram aquel-
los navios ven li los n#S'l\'g.il por ordum
do governo francez.o ptimeiro por seis
mil vinte cioo)*'Trncos, fl o segundo
Eior mil si-iscentosWgta 0 cinc >, a deposi -
kdo osle valor para ser entregue a quem
A 4 do passado esmparecera ante o tri-
bunal dos jurados, acompanhado por um
oflicial do corpo de permanentes, com pas-
so vagaroso e bastint: desllgurado. o Dr.
Jos Thinnaz de Aquino, aecuso pela ju-
liga pelo crime de lalsilacle do testamento
u Hiiao Miguel tiuiigaives oa i.unlia e es-
lellionado.
O reo j linha sido julgado urna vez pelo
referido tiibuntl ; mas. havendo o juiz de
direilo, que presidio a sesso que elle com-
parecen deixailo de guardar algumas das
formalidades legaes na maneira porque for-
mulou os quesilos, a relagilo da baha, a
cujo conhcirr.ento fra levado p'rocesso,
o n amlou submelter a novo jury.
Renhi lo debate se travara entre o prorao-j
lor publico ( o Dr. Ferreira Baptista) e*W
advogados do reo, o Dr. Andr Pereira l.ima
e o di'Semhargador l.uiz Fortunato de Brilo,
par piovarem, aquello a criminalidide, e
estes a innocencia do mesmo. Ouvidasas
: taaiemunhas, o conseibo respoudeu aos que-
rein sigoaes de vida, consInJ Htos que Iba foram opresenlados, de mo-
do a levaren o presidente do tribunal
pronuiioiar a segninle senteaga :
A vista das deeisOes do jury, julgo o"
reo lar, Tboinaz ue Aquino incurso no
grao mximo do artigo 167 do cdigo cri-
minal e por isso o coademno a 4 annos de
prrtsio eom traba!ho, na multa do dsano
(ani em sera cada passo iud feriado <- ir
cabidos, assini. p,.u, os aaaaAa do (ja ver no
britannicoj quasl uue uiui de pioposiiu, <|ue-
rai obrigar-tros a figurar em ceiuia taca como
a que liante logar em Guarapary por occasiao
da lomada da taferMa rscuua nacional Filli.
crra, e queoaoaia ato oAicio <^r, copiado do
Airrio asi l'iclarm pelo Jornal doCommirtiu, -
causado.'ou que se poderte caur, enas
custas,
FE quanto ao crime de estellionsto, o
absolvo, e mando se Ihe d baixa na culpa,
pagss as respectiva custas pelo cofre da
municipalidadn.
Sala das sesses do jury do Rio-de-Ja-
neiro 25 de agosto de 1850, em conlinuagio
da sosaAo do da antecedente. Manoel
Klicarin di Catiro Menf.zci.
De posse de ful has de Porto Alegre at 13
e do Rio lirondo at 14 do correte, datas
mais moderna do que as aecusadas por nos
em o n. antecedente o lornal do Commercio
resume assim as noticias com que all de-
parara
O Diario do Rio-Grande de 5 do corrento
diz que foram embargadas no Estado Orien-
tal,por ordem do general Oribe, mais desem
estancias pcrlcncentes a cidados brasilei-
ros, que continham para cima de quatro-
centa marcas. Essas estancias sSo situadas
entre os orroios Quaranim e Arapehy, e,
segundo a relagSo publicada pelo mesmo
Diario, portencem aos seguintes senhores :
Herdeiros do finado Cuedes. Manoel
lio irignes, Fortunato Fernandes, tenenle-
coronel Fernandes, D. Mari Martins, te-
nente-coronel Jos Ferreira ilejAlmeida,
Seraflm das Tallas, D. Jernimo, Robarlo
Moreira, SerafJm Teixeira, JoSo Monteiro,
osplSo Tavares, Irapluel das Tallas. Boa-
ventura Ignacio Barcellos. fazenda no ar-
rojo Quar, Francisco Micliado, capilla
Molina, Manoel Concalves, Domingos Mar-
ques, Jos Mirques, capilo Silverio, Joo
llrazero, cspitSb Sequeira, fazenda to ar-
roio das Tres Cruzes, Antonio Caelano, te-
nonle Pire, Vicente Preira filho, Jos Pe-
reira llamos, Vicente Gomes, Anastaoie Go-
mes, Antonio Jacinllio, Claro Alves, Moy-
ssAnlunes.
Segundo as Fallas do Porto Alegre, ti-
nliam chegado minios Orientaos dos que
ndavam dispersos pela campanil, e ia-
viam sido recomidos ao quarlel do stimo
hutalhao de cagadores ,
No dia 3 falleceu naquelisrcapital o Sr.
Jacintho Ferreira da Silva, tbesoureiro da
alfandega, e achou-se as suas conlas um
alcance de quatro contos de r*. O Mercantil
de Porto Alegre er que essa fsltr n2o pode
ser devida a abuso de confsuga da parte
Jo fillecido thesoureiro quo gosava do
innior coaceito, e viveu sempre sam oston-
lagSo, e que encerra um mysterio que tsl-
vez algtim dia se descubra.
citado lornal noticia qu os Estados-
Unidos adoptara, na sssSo de 18 .lejunho ,
por 38 contra 5 votos, a emenda proposta
pelo S. Clay para ser admittiJa a Califor-
nia como estado da uuio, com ucrava,
ou sem elles, segundo aprouvr ro seu povo.
lluvia gazetas do Valparaizo at 22 da ju-
lho, Montevideo al 19 daagoslo, o de Bue-
nos Avies at 14.
Oque nessas lera de maia importante a
[rodacgSo do lornal do Commercio consta dos
seus artigos, que vamos copiar :
As noticias de l.isaa alcangam a I de ju-
lho. Nos departamentos do sul tinha havi-
do alguns molios de pequea gravidade e
sem conseqqencias. No dU 30 de junho
c 'lio -ou o presidente da repblica a pedia
fundamental do camiuho de ferro enlre
C11 ha o Lima.
De linlivi nada ha de nteresse. O ge-
neral Belzu linha publicado urna procia-
nugao felicitando o pvo pela prxima re-
uni3o docoogresso.
As noticias da California, por vi Uta
Valparaso, alcangam a 30 de maio.
II mam grandes receios na cidade deS.
Francisco de urna nova inundagSo n cida-
de do Sacramento, As agoas tiolaam cres-
cido durante una semana inteira, o tema-
se muilo que o vapor tionxosse a noticia de
estar aquella cidade inundada.
O governo c.eou um imposto sobre o
irabalho das minas, e esperava-se que as
Plenles jttessemao novo estado um renda
enorsjai.
As uulicias du interior dos Estados-Uni-
dos annunciavam grande emigrago terres-
tre para a Cilifornla.
Dizia-se que as minas de Agoa-Fria li-
nha sido achado um pedago dc ouro do peso
de 91 librasen ongas .'
O temporal de S. E que tantos estragos
causn no Rjceo e em Montevideo sentio-
se'lambem fortamente em Rueos-Ayre
nos dias 21 e 22 do passado. O rio cresenu
c ins leravelnienle, subindo mais de nove
pos no Banco-Chico. As ierras baixas, as
ImmoJiagdes d Palffmo, Boca e Quilines,
lio iram inundadas, e perdeu-se algum gado.
A *ble :!-. ?-: ovsis pcU >.-
cliente, bem comStoJi as madeiras depo-
sitadas naqnella visinhanga. Das casas pr-
ximas ao no ficaram dezasete maisoume-
pos damnificadas, e calnra n lodas as barra-
cas e mais edificios de madeiras. O muro
do passeio de Julho, em frente i ra de Cor-
neles, licou arruinado.
No porto encalbiram os seguintes
barcos :
Brigue argentino Concordia, na costa
o S. Ilulro; briguo francez '.amnvenas,
carregado para o Havre, na foz do Mini;
barca franceza Nouveau l'rovmeal, eom
parte da carga, em Abra-Vieja, qt/inze mi-
litas acuna de S. Fernando.
Estes dous ultimo soffrdran< avarias
taes que fram julgados i na vega veis. as
demais embarcagoes Tundeada no porto li-
uiilaraiii-sa os sinistrus a perda de alguns
ferros, amarras a escalar*.
,\ lml..nl T n-'<----- .-..
'_ \I Z..-. ---- ^ TMM. .vlihlUtf u 1 M-
ajustes com o general Oribe, e regreisou
llueuos-Ayies, Assegura-se que o tratado ora
celebrado he quasl o mesmo de 1849, consis-
tlndo a principat dilfercnca era riscar-ie o ar-


~A.^IX. .MJS7<
tlgo secreto pelo qual compet o general Or" 0 medico, que j o tinha visittdo I pri-
Ue convocar e dirigir ai eleices geraes. e esll- meirs vez, fo chimndo neiise di*, eporelle
milnr-aat <*> nana ...__i a > a *.*
'2'
pular-ie agcra que ao governo de Montevideo
tocar esa Urefa dentro da praca, e ao cene-
ral Oribe ein toda acampanha.
No da 17 de agosto e nio anteriormente,
como annunclavam noticias iudlreclai, princl-
piou o desembarque da tropa franceza em
Montevideo, (altando em trra naquelle dia a
artilberla da expedlclo, que fol aquartelar-ie
no forte de San-Jos. Noi dia* a, 21 e 22 de-
via desembarcar o resto da forca, e Irla aquar-
telsr as barracas do Sr. Obuland e na casa do
Sr. Caparro, junto ao molhe.
No da 30 de iulbo forain passados pelas ar-
ma* em Montevldo.o tenente Pedro Martnez e
o soldado Homero, da guarnlcio do Cerro, por
xcessos commettidos na jurisdiciodo general
Oribe, con assassinatos e violaco do armis-
ticio.
No dia 3 do correte fol executado lamben)
Jos Lorenzo, como agente ou instrumento do
general Oribe para perpetracao de cerlos crl-
ines em Montevideo.
O celebre naturalista Rompland tinha chega-
do a Montevideo.
x O general Pacheco y Obes velo de passa-
gem no paqueteSatdVr, e segu para Paris, on-
de val desempenhar de novo as luncedes de
ministro da repblica oriental missio especial.
De Buenos-A vres alcaiifam as datas, como
dissemos, a 14 do correte No dia II chegou
all o almirante I.e Prdour de volu da sua via
Sem ao Cerrito, e no dia !2euvlou ao general
osas o tratado ajustado cora o general Oribe.
O Commtrrio del Pitia diz:
Rosas devera assiguar agora o tratado que
ajutlou em Junho, mas que nao aetiaium at ver
seoseu supposto e imaginario alindo se en-
tenda coin o Sr. Le Predour. Depola lera Ori-
be de assignar tambein o seu tratado.
Mein que o brigue Alabiada, sahido desta
para Franca no dia 8, sela portador de urna
copla do ainda nao assignado tratad de juuho,
e do tratado celebrado eolio no Cerrito, falta
anda rematter as convenedes aMigoadas. Se-
gundo somos informados ser parlador desses
tratado* o Sr. Goury de Rosland, que sablr
para Fraosa nos priiueiros dias de seteinbro a
bordo do vap r rony.
Tratava-se em Bueoos-Ayres de fazer assig-
nar urna represenlaco assembla nacional
francesa, pedlndo a ratificaco dos tratados ce-
lebrados pelo almirante Le Prdour. 0 Com-
mtrtiodel Plata diz que os autores dessa repre-
senta fSo atko tendo encontrado nos negociante
francezes toda a cooperaco que esperavain,
se dirigiain a charqueadas, barracas, etc., on-
de ira balitara o vascos para o fin de reuni-
ris) maior numero de asslgnaturas.
Pela barca Geneviive ehegada hoja de Li-
verpool recebemos quatro numero* do Ti-
ma datado* de 6, 9 de agosto prximo
pateado.
A Franca toda ficrt tranquilla, rnente
emMarielha ge manifestara alguma agita-
cSo por causa de um decreto do governo, o
3ual acabava com o conseibo de sslubrida-
e daquella cidade e o substitua por um
commissatio extraordinario.
Urna columa de betn 2,000 pessots, com-
merciantes pela maior parte, dirigio-se
prefeiturs pata pedir revogseflo dease de-
creto, me* ll fui oeffeitoque sobre ellas
produziram as palavras tranquillisadorss
do main, o qual promelteo-lhes que as au-
toridades nao abandonaran] naquell cir-
cumstancia os mais charos inleresses da ci-
dade, que todos se retiraram tranquilla-
mente para suas casa*.
No dia 6 de agosto cabio tanta chuva so-
bre a cidade de Paria quo muitas de suas
ras flearam completamente inundadas ;
chegando a agoa em alguma* a quatro ps
de altura ; as lojas e aruiazens nellas situa-
dos flearam alagados, sotTrendo seus donos
grandes prejuzos, pnrm nenhuma vida ae
perdeu.
A chuva foi acompanhada de relmpa-
gos e trovoes, sendo estes lo forte* que
fram ouvidos em mu grande* distancia*.
Em Marselhs linham apparecido tres ou
quatro casos do cholera, o qual ainda con-
tinua a fazer destruidlo em Malta.
O presidente da repblica (cara a sahir
no dia 13 de agosto para visitar os departa-
mentos, e era sua intenso dirigir-se pri-
inciro que ludo a i.yo.
lar. Lairartioe scbava-seem Smyrna, on-
de chegta a 18 de julho. All Uchad F.flVn-
di tinha partido de Constantnopla para a-
inclla cidade a flm de regular com o poeta
francez certos pontos acerca da ex ten ello
do terreno que Ihe fura doado pelo sultSo.
A guerra entre a Dinamarca e os durados
ainda ole fr concluida, e corra em Ham-
eurgoqueo governo hanuveriano tinha de-
cidido enviar tropas em soccorro do exerci-
to dos ducados.
Da Inglaterra a mis psizes nad* const*
que meras;* ser mencionado.
Em Londres os consolidados Acanta, de
9* 7/8 a 97: os fundos brasileiros, de 92
1/9 a 92 3/4; os quatro por cenlo portu-
guezes, de 33 a 33 3/4; os cinco por canto
nrspsohos, a 17 1/2 e osdous e meo por
cenlo bol ande*, de 57 3/8 a 57 1/8.
Commun icarios.
NSo procuramos polmica*, mesmo deze-
jamosevita-las, aohre tudo com os Sr*. bo-
irceopaJhas, que baldos de ra-Oes, e nSo
poden** disfazer serias objecoes que
contra o seu melhodo cada pasao se Ihes
pode apresentar, nem as contradicOes*fre-
qnenles que'se Ihes noto, contentam-se de
appel lar para os fados, dizendo que es-
tes e nSo as palavras sfio ss suss respostas,
eni hora esses fictos bem examinados, ae-
iam do mesmo modo a*i/pr.irw e ennir*.
dictnos; mas tenlo visto que desde o
principio esaes senhores, en vez de fazerem
a historia da molestia dos seus doentes,
usando-da franqueza e leaiadde com que
costuras a proceder quem lem por s'
a conviccJo da verdade, e deseja ftzer
valer a sua cauu, lleram esses mea-
mos Cielos, engrandecendo-os e tornndo-
os graves de simples que s3o, para desta
forma teres* o gusto da derrubar castellos
levantados no ar, nSo podemos deixar de
corriglrmos a ultima exposi^So feta pal
Sr. official di mude Casanova no Diario de
Pernambuco de 13 do correte, alim deque
o publico que se procura Iludir, veja se be
exacto ou nao o que dissemos.
Em 3 de seWmbro do anuo pastado leve
o Sr Francisco Simplicio um dos seu ata-
ques deepilepsia (golla-coral; de quesoffre,
ha muiloa naos, e sendo chamado um me-
dico .Ihe fram receitado* diverso* reme-
dio* com o que melhorou, e prssou sem in-
cummodo al o dia 1 de abril, em que foi
accomoiettido por outro ataque, semelhan-
teao piimeiro, mas estando nos AtTogadoa
onde reside, foi conduzido para o Itecife.
slim de ser Uando regularmente, e o mes-
Toi tratado at o dia 5 No primeiro di
i'm que fra examinado, eslava lem senti-
dos, tendo o rosto injertado, e achava-se
evidentemente sob a influencia de umacon-
gestflo cerebral : nos das seguintes essa
congestSo foi diminuindo gi anualmente, a
ponto de poder o doente' dar materia par
conflssSo, a entilo vendo esse facultativo
que nBo era ncossario continuara medi-
car o doente, esperando qua o lempo com-
nletasse a resoluto, queja se ia operando,
deixou de repetir visitas, e prevenio aos
eus parantes, que elle irla melhoran lo
progressivamente como da primeira ves,
sendo necessario, para islo se realisasse,
dieta e um rgimen branlo.
Alguem, que desejava v-lo logo restsbe-
lecido, e estar enthusiasmadopela homceo-
pathia, dirigise ao Sr. vfficial de mude
Casanova, que administrou-le duas dses
bomoeopathicas, mas parecendo aos seus
prenles, que o doente peiorava com ellas,
pagaram vinle mil Hit ao Sr. Casanova, e
nSo querendo que elle continuasse a dar
outras dses, flzeram reverler-lhe o liquido,
que Ihe mandara pela terceira vez. Foi en-
13o que a generosidade homceopathica do
Sr. official de laudase Jespertou, e s depoii
de ler recebido vinte miaris he que se resol-
eu a dar gratis os seus frasquinlios d'agoa,
visto que nes&e lempo venda mais caro
esse genero, porque nSo tema t concurren-
cia, que depois o fez bailar de metade, e
tendo sido por islo bem maltratado, procu-
rou fazer certas revelscoes hamos >pethicas
Ninguem ignora que os ataques epilpti-
cos sSo acompanhadoi de congestSo cere-
bral, e que depois de cessaretn as convul-
sos, contina o engorgitamenlo, que dura
mais ou menos tempo, dissipando-se gra-*
dualmente : ninguem dir que os doantes
que se acham neste estado, esto sb a in-
fluencia de urna apoplexia, comquanto esta
passa vir ser o resultado ; mas no caso vr-
teme ss cousas se preparan) naturalmente,
o qne se prova com o lestemunho dos pa-
rantes. Como pois o Sr. official de taud diz
que acbou o doente no dia 7 de abril sem
conhecimento, com um ataque apopltico,
eqoeu medico vendo que elle estiva no
mesmo ou peior estado, aconselhou que
fosse sacramentado por n2o ter mais espe-
ranza ? Como pois estando o doenle sem
sentidos mandava o medico que Ihe fosse
administra Jos os sacramentos ?
0 Sr. Casanova nSo salisfeilo com slterar
os factos, afllrma que a nSo ser a hooiceo-
patbia o Sr. Simplicio seria conduzido
para a sepultura em vez de ir pira a sua
casa gordo e bom ; mas o Sr. official di laude
n8o refleclio que o Sr. Simplicio he corpu-
lento e aprsenla urna gordura plascida,
propria das pessss que sotTrem certas af-
feccDs chromcas do cerebro, e que sffren-
do de epilepsia ndo poda diser-se bom.
O Sr.Simphcio ja tem sido por duas vezes
accoinmettido pelo mal de que o Sr. Casa-
nova o dizia bom : e comquanto nio tivesse
lomado nessss duas yezes, dses hornos pa-
llucas, lodavia ainda nfio succumbio, uem
foi para a sepultura.
Como nSo he honesto illudir groiseir-
menle o publico, aconselhamos so Sr. of-
cial de saude que seja CircumspeclO quaudo
escrever para os iaraaii, porque aln de
comprometter causa que quer susten-
tar, pode succeder-lhe o mesmo, que expe-
rimenta va quando Tazia annunciar, que cu-
rava em poucos minuto* dores de denles;
lembrsndo-lhe que quasi tojos aquelles a
quem applicou o seu elixir adoulalgico vi-
ram-se obrigados a arrancar os dentes que o
Sr. official de laude havis carado.
A. A.
2.a parte : Convites academia imperial
de medicina psra entrar em una disoussffo
scientiflea sobre os abusos do remedios da-
dos allopathloamente. -- Dr. Haximiano M,
de Canalho, primeiro secretario.
( Jornal do Commircio de 15 de agosto.)
KqiartiQo da polica.
PARTE 1)0 DIA 14 HE SETEMBRO DE 1850
Fram presos : ordem do delegado, o
preto Anastacio, por crime de offensas phy-
sicas : i qrdem do subdelegado da fregue-
zia deS.-Jos, a prela Carolina, escrava de
Jos da Penha; Benedicto das Chagar e
Silva, para cor rece So: e do subdelegado
la freguezia da Ba-Vista, os guirdas na-
cionaes Jos Eustaquio de Lira Pasada e
Fortunato de Jazus, Barbara Mara iFerrei-
ra, Epifana Mara da ConceicSo, para o
mesmo flm ; e Joaquim de tai, por desor-
deiro.
0 delegado do termo de Ouricury, em of-
flcio de 19 do mez prximo passado, com-
municou ao ebefe de polica, que no dial
do mesmo mez'no lugar Touco-Preto, havis
sido asstssinado Carlos Kodrigues da Silva,
com um tiro que Ihe dra Manoel do Nuci-
mento, conhecido por Cachiado, mandado
por Jos Ignacio da niiveira, tendo ido pre-
sos os authores de semelhanle delicio.
COMMERGIO.
ALFANDEUA.
Rendimento do dia 18.....9:596,779
Deiearrefam kaje 17 de iilimbro.
Barca Gene viene mercidorias.
Barca Templo farinha.
Brigue Henriquila fuao, toucinbo e
botijas.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 18..... 999,50*
Diverssi provincias...... 8,557
SOS.OsM
HECEBEDORIA DE RENDAS CERAKS
INTERNAS.
Reudimeato do dii 16.....409,715
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 16.....147,913
?ovimenta do Porto.
por factura sb n. 193 de 14 do crrante .
sanio dita arremitacSo subjeita a direitos.
Alfandega de Pernambuco, 16 de setembro
de 185o. O inspector Interino, iViato Joii Fer-
ntndci Barroi.
= Pela inspectora da alfandega ae fi pu-
blico q_ne no da 18 do crreme,depois do melo-
da e na porta da mesma. se ha de arrematar
em basta publica 82 crozas de medalhas de co-
bre, urna groz 1,200 rs., total 98.400 rs., im-
ugnadaa pelo ajudante conferente Firmino
us de Ollveira no despacho por factura sb
numero 193 de 14 do correte : sendo dita ar-
reuiatacao aujelta a direitoi.
Alfandega, 16 de setembro de 1850.-O ins-
pector interino, *rnto ot Pernandn Borne.
Pela inspectora da alfandega se fz
publico que, no dis 18 do corrente depois
do meio-dia, se ha de arrematar em hasta
publica na porta da mesma 24 manleloles
de seda, um 14,000 rs totsl 336.000 rs im-
pugnados pelo guarde Jofio Gregorio dos
Sanios, no despacho por factura sob n. 192
de 14 do corrente, sen lo dita arremataeflo
sujeita aos direitos.
Alfandega de Pernambuco, 16 de setem-
bro de 1850.
O inspector interino,
iTMio Joti Fernandet Born.
Pela inspectora da alfandega se contracta
com quera por menos flser duas bolas de fer-
ro para seren collocada* entre o ancoradoaro
de descarga c apante da alfandega ; a pessoa
que qiiizerrm lser esse contracto, dirljam-se
a inesina repartlcao durante a horas do espe-
diente at o dia 20 do corrente.
Alfandega, 16 de eteinbro de 1850. O Ins-
pector lalria Deca raides.
Consta-nos que unxdos Sra. Ferreiras
de Capobres intenta acijSo civil contra o Sr.
Joilo do Reg Barros FalcSo comm.n-
danta do corpo de polica,por actos que elle
praticou em virtude de nstrucfOes que re-
cebera de autoridade superior.
Ei* urna tentativa que, em verdade, no*
sorprebe.i le. O Sr.Ferr. ira,depois de amnis-
tiado (m I memoria nos nSo falhaj, rebel-
la-se anda urna vez contra as instituicOes
do paiz, pe-se a tests de bomens armados,
enguerrilha-se as maltis, provoca novo
derramatnento de sangue bnsileiro, edes-
t'aite pa-se fra da le : a autoridade pu-
blica, como era de seu dever, euiprega lo-
dos os meios para faz-lo parar na vereda
criminosa que leuaz e cegamente Irilhava :
agora vem o Sr. Ferreira haver perdas e
damnos do agente deesa autoridade!
Esporamos que as jusligas do paiz anre-
ciaro devidemente a queixa do Sr. Fer-
>ein.
t'ublicaQdes a edido.
O presidente de provincia, usando da at-
trbuiclo que Ihe confere o $ 4.' do art
94. da carta de lei de 12 de agosto de 1834
resolve que psra a execucSo do 13 do art.
31 da lei provincial, numero 261 de 98 de
junho do corrente anuo, se observe provi-
soriamente ss dispesicOes do regulsmento
provincial de 27 de junho de 1845, e do re-
gulamento que tliixou com o decreto nu-
mero 415 de 19 de junho do mesmo anno,
no que poderem ser applicados a arrecida-
Qlo das imposicOes lanzadas a respeito dos
diversos nhiisetns Ha nuo trata o miiAinn_
do paragrapho da lei provincial.
Palacio do governo da Pernambuco, 7 de
agosto de 1850Vose Ildefonso de Sonsa llm-
ioi Conforme.--O ofliciil-maior, Manoel
CUmentino Carneiro da Cunea.
Kavioi entrado! no dim 16
Liverpool 33 das, barca ngleza Genetie-
ve, de 270 toneladas, capito G. Cowper,
equipagem 14, cargs fazendas ; a Deane
Youle & Companhia. Passageiros, os In-
glezes John Dorlin Saudlad, JoSo Cowie
e sua familia.
liba da Farnando-de-Noronba -3 dias, trans-
porte nacional.Pirapama, comaiaodante
Gamillo dcl.ellisFonseca. Conduz o ex-
commaodanle da ilha de Fernando o co-
ronel Cypriano Jos de Almeda com sua
familia, o ex-aiudante o lente Manoel
ctaudno de Oliveira Cruz cora sua fami-
lia, o preso poltico Antonio Corris Pee-
sos de Mello com um escravo, orna pra-
a do exercito, S sentenciados e duas mu-
lleres.
Nao/o* tahidot no metmo dia.
Ass -- Brigue nacional FeUi-Dulina, mes-
ire Antonio Marlios Dias, en lastro.
BarcelonaBrigue hespanhol Thomai, ca-
pitSo Pedro Roces, carga aigodlo.
Porto-Calvo Hiate nacional Santo-Anlo
nio-Flor-dt-Rio, mestre Andr Bezerra de
Souza, carga varios gneros. Passageiros,
os Brasileiros Manoel Francisco, Antonio
Jos Antunes GuimarSes, Manoel Ferreira
Lima Tubarfio, Constantino Antonio Al-
ves de Souza, anuario Jos da Costa, Ma-
noel Francisco de Medeiros e francisco
Alfonso do llego e Mello.
EDITAKS.
Escolo, boiuneopnhticn lo Brasil
no Klo-ilc-.laiiilio.
Ai sulai ebrem-se no dia 15 de sgoslo
prximo futuro, em urna das salas ds esco-
, la.no pre lio da rus de S. Jos n. 59. Os Srs
"ffeinnus que se quizercm matricular e fa-
'e xer exames preparatorios, qna sfio: fran-
cez, lalim, arithmetica, geometra, geogra-
pbia e pliiloscphia, deverSo apresentar seus
reqtierimenlo* at odia 10, no meu cumula ,^ui0^^.ln^.
TCc dCb%1oT" ^ ""*" ^SMS l^nambucr'.
'0< i 5J C^marafo do M de agoe.CT fi t^.^JT^^
ACADEMIA MEDICO IIOMUEOPATII1CA DO
BRASIL.
Praaidencia doSr. Dr. Duque-Estrada.
Sendo, note ao mtio-dia, por ter da ututo.
Ordem do dia.
1.' parte : -- Parecer sobre as propostas
da novo* socios.
O Ulin. Sr. inspector da tbesourarla da fa-
zenda provincial em cuniprimento da resoiu-
cau do tribunal administrativo de 4 do corre-
te manda taser publico que nos dias 17, 18 e 19
de setembro prximo viudouro ir praca pa-
ra ser arrematado a quem mais der, o Im-
posto do dizimo do gado cavallar nos munici-
pios seguintes:
brrjo avalid anualmente por 61,000
Clmbrra 122,000
Flores e Floresta 324,000
Boa-Vista e El 246.000
A arremalacio ser feiu por lempo de tres
anuos a coutar do ptimeiro de julho de 1850 a
30 de Junho de 1853.
Os licitantes que se propoierein a estas arre-
inat.-icors, coinparrcain na alia das sessoc do
mesmo tribunal nos das cima indicado pelo
orla da, coin seus fiadores competentemente
habilitados.
Secretaria da thesouraria da fazenda provin-
cial de Pernambuco, 5 de julko de 1850.
O 2.* ascripturario serviodo de secretario,
faaelMO ilnloaia Caoakanis Coiteiro.
Pela inspectora da alfeandega se faz pu-
blico que, no dia 17 do crranle depois do
meio-dia, a porta de mesnu, se h* de arre-
matar em basta publica 9 pecis do gase com
291 varas, por factura vara 700 rs., totsl
203,700 rs ; 20 manteletes seda, por fac-
tura um 10,000 rs., total 200,000 rs, ; 2 cor-
tea d vfitid-'s bcr^d?? -- ? ?!wod!c,
por factura um 30,000 ra. total 60,00 rs.
tudo Impugnado pelo amanuense JoSo Can-
do Gomes da Silva, no despacho por factu
ra sb n. 199 sando a arrematadlo subjeita
a direitos.
Alf.indeg>e Pernambuet,16 de setembro
de 1850t) inspector interino, Benlo loi
Fernandet Barra.
Pela inspeetoris ds -alfandega se faz
publico que, no dia 18 do eorrente, t>e U*
de arrematar em hasta publica, i porta da
mesma, depois do meio-dia, 60 chales de si-
da no valor de 4,500 rs. cada um,' total
270,000 rs. ; impugnados pelo feitvr con fe-
reute PeJroCaudianno de Ralis eSilva, no
despacho n. 219 de 16 do correte; sendo a
14 de etera-
iiterino, Binto
'ei pu-
ia O Sr. director do lyceu desta cidade man-
da fazer publico que em virtude das orden* do
Rain. Sr. presdeme da provincia de 13 do cor-
rente mez esta a concurso a cadeira de primei-
ras iettraa para o sexo reminino da villa do Pao-
do- Alh; portanto, as seohoras brasilelras que
quizereni oppor-aa referida cadeira, deverao
comparecer da alWBeste aBO dias na sala do
palacio da presidencia pelas nove horas da ma-
nilla, tendo reinettido deata secretaria o aeus
requerbaentos preparado olla dias antes do
referido concurso.
Secretarla do lycu. 17 de setembro de 1850.
Jumiaro AUxtndrino ia SI ha tabello Caneco,
Professor de desenlio e secretarlo.
CONSULADO DE PORTUGAL EM PERNAM-
BUCO.
Joaquim Baptists Moreira, bacharel forma-
do em direito, cavalleiro da ordem de
Christo a cnsul dePortugsl em Pernam-
buco por S. M Fidelissma a Senhora D.
' Mara II, que Dos guarde.
Faco sebera todos os m'eus compstriolss
residentes nesls cidade e provincia, que por
ordem superior, que me foi transmittds, e
especialmente recommendsd, para o flm
de se poder dsr o conveniente cumprimen-
lo as disposicOes sobre estilstica, e outras,
se devem apresentar neste consulado todos
os subdito) portuguezes, que, tendo squi
flxsdq a sus morsas, ainda se nio houve-
rem nelle matriculado, como lites cumpre,
nBo s para a devida regularidade, mas pa-
ra que assim se posta mais promplemente
dar a eompativel protcefio derte cooau-
lado
Convidando, pois, os meua compatriotas
ao cumprimentodeste dever, no mais breve
espacode lempa, Ihes lembro tsmbem por
esta occatilo o dever que igualmente tem de
se munirem dos respectivos ttulos de re-
sidencie, ns frms dos regulamefltos poli-
eiees deste imperio, para se livrsrem dos
embarazos que Ihes pode causar a falla del-
les, e mellior e mais perfeitamente terem o
direito i competente garanta das autorida-
des brasileirai, e as respeclivss isenges co-
mo estrengelros. Consulado de Portugal em
Pernambuco, aos 17 de julho de 1850. -
Joaquim Baplisla Moreira, cnsul.
thcatro de 8. Isabel.
90. RECITA DA ASSIG.NATRA. i
i 91 de mimbro di 1850.
Coper; e entre os seus bellos romincso
Leonel Lincoln, or O Cerco de Roelon, he um
dos mais estimados. Essencialmente.no-
ral, oque nem sompre acontece ainda as
melhores obras desle genero, est fondado
este romance em um grande ficto, e da
maior importancia, acontecido no seculo
passado ; e este grande ficto he a emanci-
padlo da America Ingleza, depois de urna
luta vigorosa e tenaz com a mli-patris a
Inglaterra. Por esta circumstencia se v
qusnlo devo ser interessante esta obra
eni que, no meto de todos os enfeltes da
urna rica imaginacSo, sedesereve o com-
bate da liberdade com a escravidlo; o do
patriotismo com a dominando eslranha ; e
o da independencia com o poder da frija.
E para quo nada falte neste concoituoso ro-
manee, tem elle, no meo dos assumptos os
mais graves e serios, episodios de multa
grifa, adecente jovialidade, o que muilo
Ihe augmenta o meclmento, fszemlo com
que se|a agradavel e til. E para que fique
mais completo, e para mellior intelligencia
dos leitores, a traductora o tem igualmente
enriquecido com mullas notss histricas,
tiradas da biblia, assim como ds fbula, e
outro* lvros : vende-sena livraria da prai;
da Independencia, n. 6 a 8, a quatro mil
ri catH um exemplar, contando quatro
volumes.
Avisos martimos.
Representar-se-lu o excelente drama om
tres actos e um prologo
A POBRE DAS RUINAS.
Rematar! o espectculo a graciosa come-
dia em um acto
O Dllettante.
Coruscar s 8 horas.
Os bilhetes acbam-se venda no lugar do
coslum?.
Pub!candes Iliterarias.
, oro u
t Jo. r,
blico que, no di* 18 do correte, depois
do moio- lis, ns porta da mesma, a ha de
arrematar em hasta publia 25 duzias de chi-
neiaa de tapete, urna duzia 6,000 ra., total
150,000 r. ; impugnadas pelo amanuense
;oncalo Jos da Costa o S. no descacho
jijj'JouiTroy no pode entrar
Aos amigos las Iettraa.
Sabio luz a precios* lieSu acadmica
sobre a pena de morte, ditsda da cadeira de
Pas pelo eximio professer Csrmigntni, o
primeiro criminalista da Europa, vertida do
italiano" em porluguez, obra que interesas s
todo mundo.
Para prova do seu grande mrito basta sa-
ber-se, que achando-se em Pisa por motivo
de molestia o grande philosopho francez
Jouffrojr, e tendo assistido** llco de Car-
mlgnani sobre a ongem titulo do direito
de punir, mostrou-lne Manato desojo de o
ouvie ereapeilo de tb debatida pena de
morte : ao que annuio o egregio professor,
marcando dia para ese deaempenho. Mas
?end le em Santo-Antonio na loja de li-
vrosda esquina doCollegio; na Bda-Vis-
ta. na botica do Sr. Gameiro ; na ra da
Cruz, n. 56, loja dos Srs. .Santos & Compi-
tila ; tem Olind, botica da ra do Ampa-
ro, do Sr. Itaposo. Preco 2,000 ri* cada
exemelar.
Acaba de chegar de Lisboa o oxcellente
romauoe
alirislina tle Slainville
ou
Os effeitos da boa ou m educaca'o
Este romance mereceu taots sceiticflo
oaquella cidade, quecm poucos dia* seex-
trabiram o mellior de mil exomplares : ven-
de-se a 9.000 rs. os dous volumes, na livra-
ria d* ladependenci*, ns. e 8.
Acsbs de ch'sr de Lisb p
romano*
LO.NELUNCOLiN,
ou
O Cerco di MoUon.
Segu viagem para o Aracaty, al o flm
do cociente mez, o hiate Ftor-da-Curu-
ripe: par* carga ou passageiros trata-ae na
ra do Vigario, n. 5.
Para o Aracaty segu, no dis 4 do maz
prximo vindooro com a carga que tiver, o
pitirho Sanla-Cruz : para carga e passagei-
ros trata-seao lado do Corpo-Santo, 1.25,
loja de massames.
Para o tiio-de-Janeiro sahe,
com a maior brevidade possivel, o
patacho nacional Valcnte : quem
no mesmo quizercarregar ou ir de
passagein, dirija -se ao capito na
praca do Commercio, ou ra do
Trapiche, n. 34, cejjfi de Movaes
& Companhia.
-- Psrs o Cesr sahe em poucos dias a
sumaca nacional Flor-do-Angelim, mestre
Bernardo de Souzs, por se adiar com par-
te da carga prompla : para o resto e paass-
geiros traa-se com Luiz Jos de S Arsujo,
na ra da Cruz do Itecife, n. 33.
A escuna EuropiU, sabe itnpreleri-
velmente no dia 18, o que se avisa ao* qu*
teem tscrlvo areraelter rara o Rio Gran-
de do sul, os quaes devem. lear a bordo na
raspen, e trata-ae com a viura Gaudino tt
Filhs, na praemha do Corpo Santo, n. 66.
--Par a Baha, ligue com muta brevi-
dade o brigue brasileiro San Jote, para car-
ga, pissigeiro eescravog a frete, traa se
com viuva Gsudino & Filho: ni pracinlia
Jo Corpo Santo, n. 66 ou com o Sr. capillo
Jos Ramo* de Souza a borJo,
Para o 11 io-de-Janeiro
val sahir com toda a brevidade a polaca na-
cionil Sociedade-Felio: quem na mesma
quizer csrregar, dirija-se aos consignata-
rios, Oliveira InuJos & Companhia, ra da
Cruz, n. 9.
Para Boamedes
sahe, no fim do corrente mez de
setembro. a barca portugneza Bra-
charente ; s rebebe volumes de
carga at ao dia a3 ; os Srs pac-
sageiroeque nella seguem, quei-
ram-se apromplar. e apresentar
os seus pasaportes na casa n. 6,
defronte do trapiche novo, al
lia 26, para que 110 dia aS iiqueui
a bordo todas as suas bagagens.
Leudes.
da
0 capullo Mercst* Cooper, fir le
em prsenca do Sr. cnsul dos fala
Unidos, por conta e risco de quem per!
cer. e por intervencflo do corretor Olll
da bilieira americana Franklim, vinl.
pescara e naufragada em Carapb, Onde
seacha encalhada e dos seguintes arligos,
qua se suppOe estarem abordo da dita ba-
lieira ou peilo della : 2 ancoras pegando
iiouco mais ou menos 1,800 libras cadauma,
I ancorte de 500 ditas, 3 comentas senda
urna de 90 e outra de 150 bracas de^^H
primelo. 4 dilas de 18 s 20 bracas cada
urna para segurar baleiaa, 4 anzoet de 7o a
80 libras cid* um, 1 cildeirSo de cobre, 3
dito* de ferro, 75 ou 80 langas e hirpei, e
dversi* toneladas do lingoidos de ferro
psra leslro: terga-feir, 24 do corrente, as
II horas em ponto, na pract do Corpo
Santa.
Kilkmann IrmBos farflo leilfo, por n-
terveocto do corretor Oliveira, de um gran-
de sortimenlo de mobli. parte Ma a
parle perlenceole ao Sr. II. V.'Kalsmann,
ha pouco retirado para Europa, como sejsm:
cadeiras de pinhoe canna, mesis para meo
si* sata, unas pequeas de Jacaranda a com
pinturas, aparador, soplias, msrquezas,
pianos, espelhos, loucadoras, commodas,
camas, dita* para meninus, um explendido
sortimeiito de vasos para floree,
ricos de louct, ciyalaes e vidros
visos, garrafas, copos, e mullos
jectos; bem como de um elega
4 rodas, com arreos para um e dotcaval-
los, o qual se ichaTl cocheira do Sr. Au-
gusto Fischer, no paleo do afj|pal de mt-
riiilis, onde pode ser visto peloTpreteiulcii
tes : terca-feira, 17 do corrate, i 10 horas
da uianhSh, na ruada Cruz.
-Schapheitlin & Tobler UBLm
inlervengao do corretor Oh
plendido sortimenlo de fazoui
lia, linho e do aigodlo,
mercado : lerca-felr, 17 di
lloras, no seu srmazem, ru
AJjuon lluwio & Cumpa
leiljo, por niervonQo do corretor un reir,
de um completo sortimenlo de fazeiidas in-
giera, toda* proprias do mercado : quarta-
Ppira, 18 do crrente, s 10 horas, no seu ar-
aazem, ru* do Trapiche-Novo.
Eaire ee mais romancista* moderno* lem | Latham & llibbert, estando prximo* a
"^l SOSS SU, .tClu u uO Auiericioo|se icuiaiom para Bufupa, larau ,5>.C, por


intervencao do crrela*- Olivelra, da mobi-
lit deaeuuso e objeclos de escriptono, a
siber : gofas, cadelras, ditas de balanco,
bancas dejogo, mesa psra sof, marquezis,
uma excrlente mesa de jantar, commodas,
toucadores, guarda-roupes, camas de jaca-
randa e de frro, secretaria, mangas de vi
dro, facas e garfos, loucss, garrafas para
vinho, copos, trem de cozlnha, carleiras
grandes e pequeas, relogio de escriptono,
burras da ferro, machina de copiar, cmu-
toa outros objeclos; assim como de obras
de prata, inclusive um faqueiro, silvas, ser-
pentinas, colheres, garfos, etc.: qpinta-fei-
ra, 19 do correte, as 10 horas, nos primei-
ro eegundo andares da casa defsua resi-
dencia, n. 32, ra do Trapiche-Novo.
O Sr. Temando Bieber, tendo-e re ira-
do para Europa, ordenou ao correlor Olive-
ra. por cuja inlerrencao seeffectuara, o let-
13o de gua mobllia, conaistindo em um ex-
cediente piano, cideirss de differentes qua-
lidades, ditas de balanco, aofs, bancas de
jogq, mesade janlar, ditaa redondas, lava-
torios, commodas de differentes qualidades,
bancas para luz, aecrelaria, marqueies,
guarda-roupas, banca de costura, urna ma-
china de engomnar, esteira de forro, guar-
da-muaicaa, armarios,, aparador, gurda-
lo uca, cama de eel com cortinado), e es-
cada, Olla de farro, (iiias pai iiieninos, es-
pelho, toucadoies, lanternas, candieiro de
globo, tapete, banbeiro, trem de cozinha o
outros mnlloa objectoa assaz neceaaarios :
sibbado, 31 do eorrente, as 10 horas, em a
rasada Campo, na Passagem-da-Magdalena,
primeiro sitio grande direita, pastado o
vivetro.
Avisos diversos.
Pergunta-se ao ongenheiro encarrega
do da estrada do Remedio qual a rasSo por-
que a mesma estrada nSu seguio um s ru-
mo da igreja daquelle nome al o becco do
Maiixe, onde deve terminar, poupando-se
desl'arie a compra de cinco casas que cus-
ieran) seisconlos mil ruis, e a parte do sitio
onligoo aquelle becco, que lem de ser des-
appropriada ao respectivo-dono, mediante
a competente inJeranisar^So T NSo consfde-
rou S. S. que, soguindo-se aquelle alinha-
tnento, alm de economiaarem-se os dinhei-
ro provinciaes, "dava-se mais eformoses-
mento a estrada ? So nSo consMerou, dig-
ne-sede fai-lo, e de emendar atrillo, que
anda esla lempo. -- O obtenador.
Jos FraocisMfde Paula, subdito por-
lugu#7, reltra-se para Mossamedes.
Roge-seaos Srs. Joaqun) JosPereira,
Jos Machado Sonrea, Cae tan puarle Pe-
reire, Antonio Alves da Coste, Francisco
dePaola lavares de Mello, l.osHenco Men-
deada Silva, Antonio Francisco Vibeiro Ca-
neca, Venancio Riboiro de Aguiar, ea Sra.
Feliciaena Maris do Fspirito Santo, o favor
de dirigirem-se & ra do Rangel, a Callar
com Manoel de Souia CuiroarSes.
Precisa-se lugar um moleque, ou ne
gre, para O servico de ra 6 cas, e que se-
je fiel: na rus da Cruz, armazem n. 48.
O-Mu* cont de ris a premio de
umeroeio por eenlo, por tempo de um
enno, eobre hypotheca em bens de raix, e
pagos os juros mentalmente: na ra Di-
reila, n. 59.
- A mesa regadora da ir manda le de N.-
K. do Rozario do bairro da Boa-Vista con-
vida a todoa oa irnifios para no da SI do
crrenle, s 9 horas da mantilla, se acha-
ren! no consistorio da mesma igreja, aflu
de se proceder a volacSo da nova mesa que
(em de servir no anuo de 1850 a 1851.
Precisa-se de uui carpina para traba-
lharem madeira : no pateo do Collegio,
n. 30, oflicina de bahuleiro.
AttencSo.
rergunta-se ao 8r. JoSo Fructuoxo da Sil-
va quando faz lencflo de liquidar suas con-
tss com seus credores, e lembrando se-
Ihe juntamente que nao pode leceher divi-
da alguma, como tem feto. aislo os fundos
existente na sus venda nSo Ohegarem pa-
ra pagamento de tolos os credores : isto es-
pera um en creJor.
PiiHsiiportts c titulo-.
A antiga agencia da roa atar Rangel, so-
brado n. 9, contina a tirar passaportes pa-
ra dentro e fra do imperio, despachar es-
cravoa, e requerer ttulos, qur cmpralo,
qur seni elle : ludo prego muito com-
modo.
Pede-so ao autor do annuncio inserido
no Viario n 208, de 16 do corren lo, em quf
chama diversos sonhores ra do Vigario,
n. 7, se'seentende com Francisco Jos da
ilva, calxeiro na ra do Queiniado da loja
Roga-se a todas as pessoss que estSo
devendo ao llotol-Cnmmercio de irem p-
ar suas cototasal o fia do correte mez
o contrario, verOo rcus nomes publicados
por extenso tiesta folha.
Precisa-sa de um l'orlnguez para feitor
de um engenho perto desta praca : na ra
da Madre-do-Deos, n. 18.
A Sr. D. Mara Joaquina Alhuquerque
CardozO tenha a hondada de mandar rece-
borda mo de P. J. Cardozo, caitas do Sr.
seu marido, ou ordenar ondo as quer que as
entregue
Manoel Rodrigues Pinto da Rocha, sub-
dito portugus, esua mulher Malina, Bra-
silera, relirm-* para fra do imperio.
Qnem pr ra ttaut* nri\v*nri% Hirilft-ao a nriri la ln.
i le reiojoeiro do Sr/ Ment
aliar rom o Sr. Francisco
i do Mello : na roa Nova,
rece-s urna mulher para ama de
pouca familia, a qual he de boa
I na rus da Hurtas, n. 6.
|ni Jos KoJngues da Costa, pela
ede aoa seus deve lores que
pagar na ra estrella do Ro-
Bgundo andar ; do contraro,
nomes publicados por ctense
nesta fo.ha, visto eerem catea dbitos bae-
lanle mitigo.
I ra de liortas, n. 51, apromplam
i de bolos de encommenda; lara-
| do vendagem a pretas, fleando
ttres responsaveis. Na mesma.cass
-See liva-se com ssseio e porfei-
preeo commodo.
/..,.w. aln>in0 G- i**aAneaa i\m t?ranai_
co Jos Comes de Oliveir, ainda nao lem
apresentado suas contas correnles ao abai-
xo assignado, par >erem conferidas e re-
ceberem aquillo que llies tocar em ra "
Sor isso o abizoaftignado Taz ver aos i
dores, que o queram fszer no
prsso de quinze das do contrario, flndos os
qucsflcar sem elTeito qualquer reclama-
cno. Recife, 16 de setembrd de 1850.-
rictorino lote Correa de S.
Precisa-se de urna escrav costnheira ,
para o servico de urna casado pouca fami-
lia : no Aterro da Roa-Vists, n. 1.
Alugam-se o terceiroe quarto andares
da casa n. 40, na ra da Cruz, t tratar na
mesma cssa.
- Margarida da Silva Culm: rles.brasilelr,
retira-se pa'a a nova colonia de Mossame-
des. levando em sua companhia dous filhos,
Jos da Silva Colmarais e Antonio da Silva
JuiTiarflea estes, tsmbem brasileiros, leva
mais en sua companhia um caixeiro e dous
oHlciaes refina dores, JoSo Ferreira Couti-
nho, Franeisco J*s Rodrigues e Jos ds
Silva Manir, estes subditos portuguezes.
Aluga-se o armszem n.20, defronte da
ra da Madre-de-Oeos, largo da Assembloa,
o qual serve para prensa, armazem de reco-
lberasucar ou couros, por ser perto da
alfandeg e do trapiche de embarque, ten-
lodo fundo 11* palmos e 71 de largura :
quemo pretender, falle com Manoel Alves
Guerra.
Quem precissr deum csixelro brssi-
leiro para venda ou padara ou refinaco.
para esta provincia ou outra qualquer : di-
riga-se s rus Direi'.S, B. .23, que achar o di-
to a espera de quetn se quizer utilisar de
seu pouco preslimo.
-- Anea Rita dos Ssntos, Porlugueza reti-
ra-se para fra do imperio.
Armand Niesseren, cutileiro tendo
comprajo ao Sr. Luiz Conzaga a armaqSo
da loja de charutos que o mesmo Sr. Con-
zaga linha no Atterro-da-Bot-Vista, n. 5,
declara por mel do presente annuncio, que
pelo ficto da referida compra oSo se res-
ponsibilisou o annunciante por modo algom
ao pagamento do que deve o Sr. Conzaga,
com quem o annunciante nSo leve outra
transaccSo mais do que a mencionada
compra.
AVISO IMPORTANTE. -
Alerta Srs. veroadores, a lei vos impflem
t obrigacBo de cuidar do bom estsr dos vos-
sos municipes! Vele que meia duzia de
homens traficantes e monopolistas de car-
nes verdes, verdadeiros flagellos da hums-
idade, ainda nSo sstisfellos com o deses-
pero em que tem posto o povo desta capital
com o excossivo preco das csrnes, durante
os quatro mezes psssados e o eorrente,
( cousa na terJade estupenda .'; pretendem
|ue esle desespero suba a maior grao : elles
procuram a todo o custo ficar com os tullios
da ribeira de S.-Jos, prra desl'srle tolhe-
rem a livre concu/rencia doi que queiram
negociar com este genero Srs. vereado-
chantes para lancar em praca al at at. .
Srs vereadores, a necesgidsde gera a deses-
l>erac5o Providencia. Vm do poco.
lysse Droz, reiojoeiro suis-
so, depassagem por esta praca
oode lenciona demorer-se 5 ou 6
mezes smente, concerla toda e
versos meios env^fc*" p'rasua cura, e
como que, se rds vetnatrnl va maia ter-
rvel, ca la vez ms+s herr< n i. Aquelle que
a seflria, fleava como -e hunvera tocado a
maldiefio de Dos, alm laridade da phisiinnmii'.romo que era cons-
trngido a perder tambem o ser de homem,
vende-se obrigado a fugir vista de seus se-
molhnles,psra quemse tornava um objecto
le horror. O sbaixo assignado, tem a for-
tuna de poder annunciar a cessaeflo de tan-
tos males, declarando qo* se-comprometle
ourer completsmente essa onfermidade, e
essa cura ser tanto mais rpida, quanto
frnova a enfermidade. Mullos resultados
feliz-s tem sssegurado ao abaixo assignado
da efflcacia do meio que ha descoberto pa-
ra essa cura.no qoe oltereco seu preslimo as
pessoasquedelle se quizerem utilisar aqu
no becco do Azeite de feixe, n. 18,e em Ma-
celo no lugar Jrgu. -r Manoel Borget de
Vendonca.
{%% f
l)r. J.S pantos Jnior,*
'medico bojnoeopatha, ultima-^
mente cliegado a esta cidade,*
d consultas todos o dias uteis^
!em sua casa na ra do Crespo,*
_n. lo, primeiro andar, desde*
#as 7 horas da manhSa al s afe
da tarde, e desta hora em dian-*
*le visitar os dotes em seus^
^domicilios. *
R. B-O pobres acro Ira-J
atados e visitado* gratuitamente. 9
l'm brasileirocoml6 annos de iJade,
giofferece para caixeiro de armazem de ss-
gucar, ou mesda de fazenda, ainda que d
algn- tempo gratis : quem de seu presli-
mo se quizer uliHsar, dirija-aj ao caeg do
llamos, armazem de recolher sola, de Re-
meterlo Msciel da Silva.
Negocia-se s taverna que fji do falle-
cido Pedro Marciano, sila na roa da Cruz, a
qual lem poocos fundos, o que deve con-
vir a qualquer prelendente: trala-se com
Julo Baplista Fragozo, na rus da Cadeja
do Recife, n..
A cidadede Pars.
Fabrica de chapeos de sol, ra do
Collegio, n. 4-
J. Falque participa ao respeitavel publico
desta cidade, quu elle abri o seu novo es-
tabelecimento, onde se encontrar sempre
um grande e bonito sortimento desles ob-
jeclos dos mais modernos e vsrisdos, como
sejsm : chspos de sol para homens de se-
das chsmaloladase lizas, de cores e pretos,
ditos de armac8o d'aco muito fortes com
sed-s de todas as cores, ditos para genhorag
de sedas lavradas e lisas, com franjas e sem
ellas, cOres muilo bonitas, ditos ditos de
panno imitando seda, com franja esem el-
la, ditos de panninho para homem com ar-
de ben-
qualquer qualidade de relogiosImacBo rica e ordinaria sortimento i
ijuoi4uc. n o lg,Ui de todas as qmslidades, baleas psra
eem qualquer estaao em que Brlve8tiOSiCO|ieteseespartilhos par.i senho-
achem ; asiim como tem para ven-
der i-elogios de ouro c prata dos
melhores fabricantes : na ra da
Cruz, n. 44, pnmeiro andar.
- Atoga-se por mdico prec.0 urna casa
com enmmodos para grande familia, com
cacimba, um pequeo sitio com capim pa-
ra um eavallo. no lugar denominado Sanla-
ninha o SanfAnna de Dentro : a Tallar
com Luiz Comes Ferreira, no Mondego, ou
na rus de Apollo, u. 20, com Antonio de
Moraes Comes Ferrreira.
Chapeos de sol. -ag.
Ra do Passeio, o. 3NR
Nesta fabrica ha presentemente um rico
lorlimenlo desles objectoa do todas as co-
res e qualidades, tanto de Seda como de
panninho, por precos com modos; dilos pi-
ra aenhora, de bom gosto: Ales chapeos
silo fe i tos pela ultima moda ; seda adamas
cida com ricas franjas de retroz. Na mesma
casa se acha gual sortimento de sedas
panninho imitando sedas, para cubrir ar-
macOes servidas : lodas estss fazendas ven-
dem-se em porco e a retalho : tambem se
concert qualquer chapeo de sol, lanlu de
basteas de ferro como de haleia, asawconio
umbelssde igrejas: ludo por prei;o com-
modo. Na mesma casa ha cbajiosde sol,
de marca maior, de panno e de aeda, pro-
^rios paiaVitores de engenho, por serem
dos mais lories que *e pdem fabricar.
OSOOOOOO O0&00}0000
llomceopathia pura.
.1. 'I, (asanovn, facultativo
honiu:jpalha, da consultss lodos os g
dias uteis, desde s 7 horas da ma- **
nh.la al s duas da tarde, roa da Ca- JJ
O deia do Sanlo-Anlonio, n. 32, segn- O
O do andar. Os pobres serlo tratados Q
Q gratuitamente. O
QQ&OO+OQO OOOOOOOOC
Preclfc-a engajsr alguns ofllciatji de
caldeireiro"ara Irabalharem em caldeiras
le vapor, sendo.flrrWtadorii, ( a que.os lo-
ra. Na mesma casa concerta-se o cobre-se
tods a qualidade de chapeos de sol e benga-
las, para os quaes tem boa sedas e pannos
em pecas : todoa ales objectos vendem-se
em porefloe a retalho, por menos preco do
que em outra qualquer parte.
I.otei-in tu Matriz da Boa vista
O thesoureiro desta lotera annuncia ao
respeitavel publico, qoe muito breve tem
de marcar o dia do andamento das rodas :
s pessoas que leem bilhetes apartados os
nSo buscar quanto antes, do contrsrio se-
rSo vendidos. O restante dos mesmos a-
cham-se a venda nos lugares j annuncia-
dos.
/aurlea le obran .le tullas le
Klainlus. ra Nova n. 38, 1c-
Tronte la 4.ocelrao.
Nesta bem acreditada fabrica ha conti-
nuadamente um completo sortimento de
obras de folha, bem como baciaa, hanhei-
ros, balis da lodosos tanianbos, objeclos
de servico domestico e.par connhaa* bem
como se fazem lodas as obras por preeo com
modo, e com perfeiclo.
Voto estabeleelmento licotllniiii
Una, na rna Nova, n. 36.
Jos Pradines, cotileiro-armeiro, participa
no respeitavel publico desta cidade, e prin-
cipalmente a seus freguezes, que mudou o
estabrlecimento que linha na ra do Roza-
rio larga para a roa Nova, n. 36, confronte a
igreja da Conceic.flo, ondeo acharSo promp-
t* a execular qualquer encommenda de sua
arte coro a maior perfeieto possivel e pieco
Aluga-se um bom e grando arm
proprio para recolher gneros, ou
qualquer occupa-lo, na praia de 8
cisco : a tratar na ra do Crespo, laja n. 15
Deseja-se fallar, com urgeocia, aos Srs.
JosCorreia Annes, Jos Bernardo da Silva,
Jos Comes .Sosres, Francisco Moreira da
Costa, Jos llenrique de Carvalbu, Francis-
co Jos da Silva, Antonio Comes Perena e
Bernardo que foi da l.ingoela. ou a alguem
por elles i na ra do Vigario, n. 7, todos os
dias, das 6 s 9 horas ds manhSa, e das 3 s
6 da larde.
Jos Antonio Lopes, Portuguez, retira-
se para fra do imperio.
lo dia 10 de setembro, s 7 horas da
noite, desappareceu urna parda, indo Tazer
despejo oa praia, de nome Mana, represen-
ta ter 25 a 30 annos, alta, cheia do corpo,
cara redonda, olhos grandes, desdentada na
frente, peitos cabidos e cheios, mos e pes
grandes e grossos ; levou vestido de chita
verdeja usado, urnas rosetas francezas as
orelhas : quem a pegsr ou dalla tiver noti-
cias, dirija-se ra Direita, n 7. lerceiro
andar, que ser generosamente recompen-
Desappareceu, no dia do correte,
um escravo de nome Pedro, pardo, de 28 an-
nos, grosso do corpo, rosto redondo, cbe-
los torcidos ; tem um dente podre na Trente
da bocea ; levou calca de algodSo azul e ca-
misa de algodozloho nova quem o appre-
hender leve-o ra d Aurora, n. 48, que
ser bem recompensado.
-- OSr. Antonio Jos Antunes queira de-
clarar sua morada para ser procurado, ou
4irigir-se ra da Cadeja do Recife, n. 20.
a negocio de seu inleresse.
O Sr. Francisco Fernandos Antunes
queira dirigir-so ra da Cadeia do Recife,
n. 30, a negocio de seu inleresse, ou decla-
mar sua morada para se lhe fallar.
--Quem precisar do um pequeo brasi-
leiro, d 12 sanos, que sabe ler, escreyer e
contar sofTrivelmente, para caixeiro de lo-
ja, ou armazem de fazen las do casa eslran-
geira, pare o que dar Dador sua condue-
la, annuncio.
-Na ra da Roda, n 32, precisa-se de
urna ama que tenha bom leite, preferindo-
seescrava. '
-Quemsouber botar ac em espelhos,
e quizer incumbiese de prepsrar alguns,
annunciesua morada, ou dinja-se a ra do
Trapiche-Novo, n 40, primeiro andar.
Precisa-se de urna prets captiva, para o
servico de urna casa : na praca da Indepen-
dencia, n.3 loja.
JUIZO DE ORPHXOS.
No dia 19 do correle, stl horas da ma-
nhSa, lem de se arrematar urna loja de fer-
ragons, sila no Aterro-da-Bia-Vista, qne foi
do fallecido Caetano Luix Ferreira, a qual
vsi praca a requerimenlo deTiburcio An-
tunes de Olivelra como tutor do* menores,
filhos daquelle fallecido. Os licitantes de-
vem comparecer no dia e horas, na referida
loja.
Precisa-so deum pequeo do 12 a 14
annos para aixeirode uma venda : na ru
da Craz do Recife, esquina da l.ingoela, nu-
mero 41.
Offerece-se uma mulber psra ama de
casa, a qual ongomma muito bem, hz do-
ces e lodo o mais servigo de casa : na rus
dos Copiares, n. 53.
Na roa Velha, casa terrea n. 115, lava-
-e e engomma-se toda a qualidade de ro.i-
pa com asseio e promptidfio, por mais com-
modo do que em outra qualquer parto
Os abaixo assignados declaram ao pu-
blico, que o annuncio de venda de uma es-
crava que sahio no Diario n 230, nSo se en-
tende com elles, sim por engao da impren-
sa. Bowman & Me. Callum.
OftVrece-se um moco brasileiro para
,vl;nm, Compra-sos hlstorlsTomUna oTomps-
, otra somem i"Bl. colombel iustiiu.c.Vs d.
n-Fran- Frenes, e director espiritual : na rna cslroi,
la do Rozario, n. 15, ou annuncio^________
asaaaaaaajea^aatfa-aajaBMSja
Vendas.
Bilhetes
Meios
Qgartos
Decimos
Vigsimos
Lotera O nalilz]l.a Hoa-Vist...
A o* Jo:ooo$oooe 5:oooSooo.
Na loga de miuuexas da prac da Indo
pendencia, n. 4. vendem-se bllheles, meios
quarlos, decimos e vigsimos desta lotera
que corre aleo lim to corrnle mez.
lilheles 10,000
5,000 .'
2,600
1,100
800
- Na rus doQueimado. n 1, vendem-se
cdigos commerciaes, pelo preco de S.ooo
rs, cada um. ,
- Vendem-se ptimos chapeos hrancos
para passeio : na praca da Independencia,
"'-- Vende-se um armario que podo servir
nsra guardar louca : na ra Direita, n. 24.
Z mesma essa se dir quem compra um
sellim inglez em bom estado.
_ Vende-se um preto corpolento e ro-
busto, sem vicios nem molestias: na ra
lo Collegio, n. 6. i ....
- Vende-sequeijo trancez, laias euii-
melada, ditaale bolaxinhas finas ing ezas,
salame, latas de ervilhas francezas, ditas dn
tes quali tades, garrafas de mante.ga frau-
ludo de supe-
Cadeia, venda
O
O
a
elezeschsmam Rivelert) dando garantia i
gua conducta : paga-se o jornal de 3,500 por
J. o ,j.a na a irem uratoils para o Rio de
Janeiro, onde irSo trabalhar na oiucuia da
companliia brasileira de de)a)uetaa4e vapor ;
adverlindo, porm, que so depois de all
ebegarem, rom uffl mez ter experiencia,
provarem incapacidad*, ser.ft conduzidos
para aqu igualmente jilo pagando oassa-
gnm. Qjfem esliver neslas circumstancias,
o quizer o dilo engaja ment, pode dirigie-
se ao agente da dila companhia, na ra do
Tra plebe, n. 40.
-- Aluga-se uma casa na povoaclo do
Honleiro, fronteira ao uitio da igreja, do
lado do norte, com4 salas, quarlos, sotSo
n cozinha: a tratar no largo do Terco, n.
31, sobrado de um andar.
Atlencao.
De todoa os males que afligem a miaer
humanidade, nenhum certamente ha, que
poasa comparar-se a elepbanleasis, vulgar-
mente conhecida pelo nomo d norpha ou
! -,!s Sit; L;zsro. '.'.>U terrive! Ses!J'
disfigurando inteira mente o misero, que
tem a infelicidadede soffre-la, torna-se bem
depressa objeclo de repugnancia e inven-
civel, asco Aquellos mesmos que por jos
tos ululo ftodeviam ser caros. Al boje,
moTptle linha zombado de Untos e tilo di-
caixeiro de qualquer casa de negocio,
mesmo para escri, torio, cobrancas, ou ar-
mazem de assucar, principalmente para ca-
sa estrangeira : na ra do Collegio, n. 6.
Aluga-se um sitio com bstanles arvo-
redna, e boa caga, no principio da estrada
nova : a tratar na ra do Trapiche-Novo,
Precisa-se de um caixeiro de boa con-
ducta, prefere-se o que tiver platica de pa-
daria : na rus Direita, n. 82.
Na rna estreila do llozsrio, n 38, se-
gundo andar, se dir qum ds dinheiro s
premio.
Preeiss-se alugsr uma preta escrava,
que sslbsengommsre comprar, para urna
casa de pouca familia: na rna do Dique,
n. 9.
Aluga-se o primeiro andar da casa n.
4, defronto do trapiche novo, propria par
scriolorio :a tratar na mesma ra, ou na
j,is commodo do que em oulra qualquer | dos Tanoeiros, armazem ii
5-
parle. O annunciante, tendo recebido de
Franca ltimamente um rico sortimento de
objeclos de suu arte, nflo lhe be fjossivel
mencions-loi pela grande quantidjdo e va-
riedade dos mesmos ; mas assevera que lu-
do he o mais fino possivel, e ser plente lu-
do aos compradores por precos mui ra-
zoaveis. O annunciante para facilitar a bre-
vidade das encommenda que se lhe lize-
re'm, mandouvirum ofllcial de Fraifca, o
qual chegou pelo brigue Cesar,, se acha no
axercicio dt sua arle no estabeseci ment
cima.
Pradenis, culilctro, previne
e respeitare! nblico. >'Jo
un loja da ra dos (juaitcis, para
a ma Nova, n. 36, del'ronte da
igreja di ConceicSo.
Alnga-se_nnualmente uma casa de
sobrado na ru da UniSo, que accooimoda
duas familias, e tem visto para a barr : a
tratar na ra da Aurora, n. 4.
Uma mulher branca debona coslumes,
se offerece para amamontar uma enanca em
sua casa : quem ae seu preslimo se quizer
plisar, dinj-se ra dirac.uo, d. 39.
Francisco Ignacio Ffrreira, subdito
portuguez, retira-* para Mossaruedes.
.. palo juizo da primeira vara, escrivSo
Motta, se ha de arrematar uo dia 17 do
4 horas da lardo, no lugar do cola-
rente,
tumt-bi
cea, Sua
orsi
na
a ultima prac,a, uma casa tar-
rua Imperial, u. ~ L avaliaaja'
, aval
cao uo
Itctrntos por daguerreotjpo.
Todos os dias das 8 horss da manhSa s.
4 da tarde i na ra da Cadeia de Santo-An-
tonio, n. 26. terceiro andar.
--Alugam-se os segundo e terceiro an-
dares da c sa do largo da Assembls, n. 8 :
a tratar com Joaquim Francisco de Alem no
Forte-do-Matlos,o*"Com seu proprietario,
Prxedes da Foiiaott Cootinho.
' -- Na ra de Agoai-VerdOs, casa terrea
n 26, lava-se eoogomma-se toda a qualida-
de de roupa, com asseio e promptido, por
preco mais commodo do que em outra
qualquer parte.
aiyGaaU pa Compra-se uma banca re
donda de Jacaranda, para meio de
sala, em meio uso: nesta lypo-
graphia, ou annu.icie.
Compra-se etTecliumente cobre,
chumbo, xinco, estanto, e toda.a quali 'a-
de de metal velho, nSo seudo forro ; na ra
Nova, n. 38.
Compram-se escravoscom habilidades:
na ra lerga do Rozario, n. 48, priHieirejaAy
dar.
Compra-se, para uma encomienda.
om escravo que seja bom oOicial de lanoei-
,ro : paga-se bem, agradando : na .ra ds
Hoda, n. 7, a tratar com Leopoldo da Costa
Jfujo.
Compra-se urna negra, preferindo-se
om 1:000,000 do rs. por cxocucSo Uo pa- de necfioa seja perteila engommadeira, sai-
dre. Albino de Carvaino Lassa contra tran-jba corlar o fazer vestidos com porfeiQSo e
co Itibeiro PavSo e sua mulher. qualquer uma costura, e tenha algum prin-
Jeronymo Ignacio Validar retira-se Icipio de cozinha, gem vicios nem achaque
par Mossaraodes, levando em ana comp-le seja recolhida na ra Larga do Rozario,
nhi seus sobrlnhos, Francisco Ignacio, e n. 28, egundo andr por cima da loja da
Manoel Jos Machado. {louca.
tes q
ceza, massas finas para sopa,
rior qualidade : na ra da
"-- N ra estreita do Rozario, n. 15 ven-
dem-se os livros seguintes, por muito com-
modo proeo -. tratado de geogr.phw.por Ral-
bi 2v. ; or-cOes do (.cero 1 -. m
portuguez 3 v.; poesas de A. Dada Cruz o
Suva 6Bv. ; ditos, de Costa e Silva 2 v. ^pro-
sodia 1 v. ; philosoplua de Cousin, Char-
ros. Geruzezl e L-romiguere; Sovene, f y.,
historia da restaurs8oda llahia 1 V. ; dlCiO-
nario da fbula Iv ;dito, daroarinhal V.
Aarope d bosq^;.
A Introducao do nrepr do boique em o Brasil
foi animada por succeaao aein lgl nos ena-
dos-Unidos, ende depoia de aete annoiid. ei-
pertencia e uso fl etev-do a.tfj. alio raer lo,
me s veiea a. e.igenciaa eacedlam mullo ..
quanlidade que ae poda manufaclurar.
No principio de aua introduccio aqu nao se
nde oi0 asseverar o aeu merilo neale clima ,
ra.V. tm-nen... prova, 1"* .genle. rece:
bem diariamente da. cura, iiiarav.lhoaa que
rila produL o. habillu a cerl.Bcar que o*.ro-
n. do bou,- he urna cura certa para a pl.lhia.ca
em l odo. os aeu. dlfl'ercnlea graos, qur -
vada por eonaipacca. tose, c..,ueluche.
neurlz aslhraa. brouchitra, palplUfle, nai co-
?at5o, dflrde co.tado e peito, eacarro. .4e aao-
gue, dr na garganta e odas aa mole.tlaa dos
orcSos pulinonareS.
Uepols de lantai p. ovas do aeu inerec.inenlo.
como ouiroaim depoU de ae ie.len.ur.har u.n
li......augmento da venda de.te remedio, como
iiialiiiente a accumulacjao de lanos tacto que
comprova.no seu bomsjiecesso durante a ei-
periencia de 24 me.ea. os-agente. nao. aerao
Lcciisados de lerem mpo.tr. .obre o publico,
rcco.nmendando um remedio de um valor in-
certo, ou de exigir de qualquer invalido que
lixe a. auaa e.neran5a. de cura por umallivio
imaginario. Ou.o princp.l do arope do bo,-
,u, tem .Ido fallo nicamente na cidade do Ilio-
de-Janelro e .ua.vizinhonca. ; mas, agora que
a.sua. vlrtudea e p ..aeverar, o agente, o oflerecem ao publico
coma inai. egura conlianca, e que en. qual-
quer ca.o te achara un. remedio de Inlallivel
merilo como da felli ucce.so.
Ha ca.oa de.ta. inole.lias. quando por nc-
ulteencia.e dalia que a molestia lome coi po
.obre a substancia do bofe, at que o restos
de.te fiquem nsufficlente (e a ua declina-
cao poder aer reprimida) a poder foroecer o
sanguc ao. elemento necearios a vida de
urna peuoa, e cuielliaolea cao ao e .ero
semine alm do conbccimenlo da aiiisirnc.a
humana, che pcior rujecharlatao aqnelle aun
auizer eueanar a alg*em com esperanca fal-
sa de cura ma ha multo cato que appare-
cem sein esperanca., ma pdem er curado
com remedio proprio.
Com alguna a tendencia para esta mole.ua.
vera de poli pan filho., e pore.le be nova-
uienle iransinlltldaisuadeceuVncia. Uto
he geral.nenteconhccido pur phllilsica coo-
litucional Em je.nelhante. ca.o. a doenca
apparece geralmente na ine.ma familia ero
uma certa idade, e familia iuteiraafallecein a
pru|uircoi|ue vio chegando aquelle periodo.
Como disaeiuoa cima, remedio algum pode
remediar e.lea caaos, onde urna lor.ga moles-
tia se acha arrelgada, e por conseguate lem
consumida todos o. rccur.o. da vida, ma. lie
pelouaode emelbante remedio como oxaro-
pe do boique, e o muito cuidado na auide, que
este periodos erilico se pdem pasiar, e a vi-
da c nde prolongar ata una idade.aVai.cada.
Em caso de istoledia de bofe, occa.ionado
por exposicao ou negligencia, a molestia ap-
praxiuia-sr por difleranie ferinas, mas qur
no bruchial ou ailbmatica, aa membrana, sao
alleclada'a as aua. secrece impropria otl
mal-que excitada faiem lago enllrrm-se
syniplaara que neo se deverao desprexar;
umacon.tipacaopde produiir uma inflamma-
tao na delicada, membrana que guarnecem
o tubo bronchlae, esla irritocaopro*! uma
tnssa, e era eu turno a tosie augmeala a in-
(lamiuacao; e, e e deiprexa, a membrana,
do bofe tornain-e einalhanlenieUaiaflecta-
das. e por li.n a uic.iiia, substancia 'featea be
alocada. He verdade que mullo bolea lio bai-
lante forte, tveae, para roiatir ao primeiro
curo, se ele nao f4r muito forte : ina nin-
quem ecapa de uma maneira faclC uma vei
que tenha padecido molestia que tenha atacado
atruene. He norUulo oue elle, precisan) de
algum remedio seguro para ajudar oayttema,
alim da corriglr a ccrecOca e restaurar fSrca
ao orgiio palalaaiiare. em caaoa cawno eate
0 xaropt do boique tcni-.e tornado iiifallivrl, e
mo lie s no principio como na forma limpies
desta. mole.tla.que e.le remedio h urna cura.
1 aeiiij havido multo exempla em que a uu-
de e tem restaurado a pessoa que haviam ai-
do abandonada pelo eus medico e amigos
O lampe do bniqm nao e ofl'erece como um
remedio para qualquer doenca, mas aim he
offereclilo com uma perfeita coofianca como o
mal til remedio al aqu decobeto para aa
molestias de garganta e do bofe, o qual he
L-ompoito nicamente de vegelae, e qu ae
pode tomar em aquelle cuidado em pratlca
qur na dieta'ou no ejercicio.
O publiro deve-.e letriBrar qoe cada garrafa
tem don leireiro coin a propria as.ignatura
do aeeoe B. C. Yalea e Comp., um na garra-
fa co.u lodas a direccOe par uae, e um no
papel de fra.
Hdetaer enviado com toda a aegaridada
liara quasi|U> p"'.1? "= i;-j":"=> iic
seraopontualmrute executada.
Veude-ie nicamente aa botica do Sr. Jos
Maaia Concalve Ramo, ra do Quarteis,
o. W.
Vendc-seum carneiro manso e capa,
d o oa roa do Rangel, n. 54.

rJ=^


f
A a moderno r bom<
\a mil ilo vendem-so cambraias francesas de core*
mnito fins e padr6<"s os mais moderno*. *
600 rs. avara ; cambraias de cordfiozinbo,
de cores muito grave e padrees "miudinhos,
intituladas priocezinas, a 800 a vara; lengos
de seda de core, do muito bom gosto, a 2/
ra.cada um ; um completo sortimento de
meias muito Anas para meninas de todos os
lmannos, por prego commodo.
Afoenda* superiores.
Na firndiSo de C. Starr & Oompanhia ,
enaS.-Amaro, acham-se venda moendas
de carma, todas de ferro, de um modelo e
onsttucgfio mnito Isuperior.
Arados lie ferio.
Na fundigso da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados de Trro de diversos mo-
loloa.
- Vendem-se amarras ae ferro : na ra
da Senzalla-Nova, n. 49.
Venda-se farinha de Santa-Calharlna,
muito superior, a bordo da galeota Santini-
ma-Trindade, Tundeada junto ao cae* do
Collegio.
Cal e potassa.
Vendem-se barris com cal de Lisboa, pe-
lo ilirojnotoprecc d s.ono rg, n barril di-
toa da mais nova e mais superior potassa do
Bio -de-Janeiro, por barato prego : na ra
da Cadeia do Recife, n. SO.
Farinha de matVdioea.
Mama da Cruz, no Becife, armazem n.
13.ana ra da Cadeia, armazem de Cam-
pillo Filho, vende-se farinha de mandio-
ca do Ceaia, muila alva, gommoaa e de ex-
rellente gosto, tanto em pequeas como
em grandes porcoes, por prego commodo.
Vende-te a taberna de Ni-
colao Rodrigues da Cuolia, no
paleo do-Paraizo, n. 16, com pou-
cos fundos, e muito afreguezada a
retallio : a tratar na mesma, com
Jos Pereira da Silva.
Vendem-se dous pretos mogos, de
muito boas figuras, ptimos para o traba-
lho do campo e da praga ; um dito de 90
annos, alto, de muito linda figura, bom ca-
noeiro, sem falta ; um cabrinha de 10 an-
nos, muito esperto para o servigo de un
casa; urna escrava de SO annos, a melbor
figura que pode haver, a qual cozinha, en-
gomla pouco e lava; urna mulalinba de
14 annos, muito linda, que cose, engom-
ma, e amarra o cabello de qualquer senho-
ra, tudo faz muito bem : na ra do Colla-
gio, n. 91, primeiro andar, se dir quem
vende.
I.'in carro.
Veden-se um carro dequatro rodas com
assentas para 4 pessoas, e vidragas para o
invern, o qual est em muito bom estado,
e d-se por prego commodo : para ver, na
cocbelra do Lourengo, na ra de Apollo,
que dir quem he o propietario.
Na ra da Cadeia do bairro do liecifj,
no primeiro andar da casa n. 94, de Manuel
Antonio da Silva Antunes, vende-se um ri-
co sortimento de chapeos de palha de Ita-
lia ahi-rtos, camizetaa de cambraia borda-
das, colerinhos, romalras, manguitos, pu-
nbos, bicos flnissimos, ricas litas, e outros
objectcs de gosto, os quaea se vendem por
menos do que em outra qualquer parte :
tambem tem um sortimento geral de fazen-
das inglexss.
A os Srs. chefesde faiullla.
Avisa o novo administrador da toja n. 3
defronte do becco do Peixe-Fito, que lem
um completo sortimento de fazendas, e que
passa a designar o prego de algunas deltas :
riscadinhos francezes, finos e de dilTeren-
tes padies, palo baratissimo prego de 160
rs. o covado; riscados de algodfio de difle-
' rentes qualidades, a 200 rs. o covado ; cam-
braial da California, a 390 rs. o covado;
ditas parisienses de fuerentes desenos, a
3-20 rs. o covado ; tingos de cambraia de
cores muito linas, a 500 rs.; grvalas bran-
cas de (inissima cambraia, a 1,000 rs.;
cortes de easlorim para caigas, com tres co-
vado* e meio, a 1.120 rs.; e outraa fazea-
das pelo mais diminuto prego possivel.
Alelas de Unlio.
Vendem-se na ra do ueimsdo, toja n.
19, sor prego commodo.
Vende-se urna escrava de nagfio Na gn
de 26 a 97 annos: em Fra-de-l'ortas, roa do
l'ilar, n. 85, segando andar.
Vinlio l'lill
braaco,am barra de cinco em pipas, me-
lbor e ans barato do que em outra qual-
quer parte : no caes da alfandega, armazem
de Diesferreira
Vende-se panno de algodo da trra,
de muito superior qualidade, a 200 rs. a va-
ra ; cassa chita, a 240 rs. o covado; dita
maja lina, de benito padrfio, a 320rs ; man-
tas.de seda para senhora, a 4,000 ra. cada
urna : nos qualro cantos da ra do Queime-
do, n. 90.
Vende-te um relogio de ouro, patente
ingles, novo: na ruado Quelmado, n. 10,
loja.
Vende-se urna escrava erioula, de 24
nno*vee bonita figura, muito sadia, que
sadacozindar, lavar de varrella e sabSo, e
be propita pera todo o servigo : na ra Au-
gusta, casa do Pacheco, junto a do eseri-
iavniaiiiviiuVi
Vendem-se 162 oitavas de nrata, e 7 di-
tas de ouro : ludo cii obras vertas : na ra
da Cadeia do Recife. loja n 5.
Vende-se a poca, joiaal de industria,
scieueia, litteralura e tillas artes : na roa
da Cadeia do Becife, loja de Jofio Jos de
Carvalbo Morasa.
-- Veude-se rap superior de Paulo Cor-
deiro : na le da Cadete do Becife, loja de
JoBo Jos de Carvalho Moraes. Na mesma
loja lanibem se vende um methodo para
vilfio, do autor Luigi'Castelacci, contendo
as afuiacjoos para ae locar oa aons armni-
cos, for barato prego.
TraYeiwa da Madre-de-Deoa, ar-
niazein. a. 5,
Acha-se estaberecido um deposito, onde
encoatrarSo os freguazes um bom sorti-
mento de licores, espirito de violto,- e lo-
das as mala uualidade; superior vinero de
caj ; di a mate; e liara de vime, a prego
moderados. j, a 1,100 ra. cada um ; cambraia ntursu-
Vend-e xcellente cera de Caro*- l'us.a 360 re a vara e outra* muilas ta-
ba, em bonicas, 7,000 ra. a arroba, ja a.|"d* *>' Pre n>uilisi.ao "rato, s
MlVcoolandoo dinheiro, para nlo haver *",u de se acreditar a loja.
durldas : no armazem defrunleda acidiT| Vendem-se 14 escravos, sendo 4 mo-
"\ Aiaaoega. >reoae bouaa iiguras; uw .Tiui.'uuU. s
Talxaa para engenho.
Na fundigso de ferro da ra do Brum,
icaba-se de recebar um completo sortimen-
ode taitas de 4 a 8 palmos de bocea, a*
(naos acham-se a venda por prego com-
nodo e com promptido embarcam-e,
iu carregam-seem carros sem despezas ao
comprador.
Vende-se cha hyssoo de superior qua-
lidade, em caixas e meias ditas, e em lotes
a vontade do comprador ; caixas com velas
Je espermscete da melbor qualidade : na
ra da Alfandega-Velha, n. 36, escriptorin
de Matheus Austin & Companbia.
Vende-se superior farinha
de mandioca, a melhor que ha no
mercado, e por mais barato preco
doqueem outra qualquer parte :
a bordo do patacho Nereide, che-
gado de S.-Calharinha, ou a tra-
tar com Joaode Carvalho Ha pozo,
ou com Novaes & Companbia, na
ra do Trapiche, n. 34.
r- Na ra do Cabug, loja do Duartr, ven-
dem-se boloes de Pedro II; ditos para In-
fantina : ditos pretos eamarellos para ca-
sacas ; ditos de madre-perola ; ditos para
infeites de palitos de menino; ditos bran-
cos, amarellos e bronzeados para libr;
ditos naracavallaria.
Na ra do Cabug, loja do Huarte, ven-
dem-se franjase requifes pretos, proprios
para manteletes; loucaa de ISa para bordar;
meias pintadaa para meninos e meninas;
chapos de merino braceo, a 5,000 rs.;
ditos de sol, para meninas, a 1,600 ra.; cas-
tigaos de vidro, a 1,400 rs. o par; sapali-
oboade Ifia para meninos, papel dourado e
prateado, fino e ordinario.
SOOris. .)<
Vende-se fh hysson de muito boa quali-
dade, pelo prego de 500 rs. a libra : na ra
do Crespo, n. 23.
Umeaerave oflleial de pedrelro.
Vende-se um preto mogo, de bonita figu-
ra, bom oflleial de pedreiro, de boa conduc-
ta ; urna bonita mulalinha de 10 annos,
propria para servir de companhia a urna
menina : na ra larga do Rozario, n. 18.
primeiro andar.
Vendem-se sarcas com farinha de man-
dioca de 1,800 a 2,600 rs ; gigos com bala-
tas, caixas com charutos, saccas com mi-
Iho, ditas de arroz com casca e pillado,
fumo empalna, graxa ingleza, barricas com
potassa, garrafoes com ervilhas, rap Paulo
Cordeiro e cha nacional em cixlnhasde4
a 90 libras muito superior, tudo por pregos
com modos : nO armazem da ra d Cadeia
do Itecife, 'n. 64, ao p do arco da Con-
ceigao.
Vende-se chita franceza enm algum
mofo, pelo diminuto prego de 160 rs. o co-
vado : no Aterro-da-Boa-Vista, n. 18, loja
Prezmitou do porto.
de superior qualidade, a 8,000 rs. s srroba
vendem-so no armazem de Joaquim da
Silva Lopes,'na ra da Madre-de-Deos.
I'ano de llnho d. porto.
puro nojOes a prego muito commodo: ven-
de-seno armazem do A.V. da Silva Barroca,
na ra da Madre-de-l)eos, n. 96.
Vendm-se relogios de ou-
ro e prala, patente inglex .- na ra
d Senzalla-Nova, n. a.
Burras de ferro.
do muito boa qualidade, e com segredo pa-
ra as abrir : vendem-se na ra da Cruz, n.
10, casa de Kalkmsnn IrmBoa.
Vsndem-se 6 pretos mogos, de bonitas
figuras, ptimos para qualquer servigo. tan-
to da praga como do mallo ; um dito bom
cozinheiro; um mulalinho de 15 annos ;
um dito de 10 annos, muito lindo ; urna
mulatinba de 20 annos, que engomma, co-
zinha e cose com perfeigSo ; 3 pretas mo-
gas, de bonitas figuras; urna parda con
una lida cria, a parda cozinha, faz doces,
lava, he despeoseira, enfermeira e entende
de parlejar, ptima para administrar al
gurna casa de familia; urna dita que en-
gomma e cozinha com perfeigSo ; urna dita
com algumas habilidade, por 350.000 rs.;
urna preta de meia idade, por 300,000 rs.;
e outros escravos que se vendem maia em
conla do que em outra qualquer parte, e
nilo escondem molestias, vicios nem acha-
ques, caso os tenham : na ra das Laran-
geiras, n. 14. segundo andar.
Vende-se tedra de cantara hespanho-
la, de 2 palmos em quadro, mu rija : a tra-
tar com Manuel Cardozo da Ponsera, na pra
ga do Commercio, a qualquer bor, ou em
s.-Amaro ( cidade nova) em casa de sua re-
sidencia.
-- Vendem-se, ou permutam-se 3 terre-
nos com 260 palmos de frente e 320 de run-
do, no sitio do fallecido barSo de Hamsra-
c, cujos terrenos sSo na nova ra do Hos-
picio que segu para o corredor do Bispo,
por urna boa morada de rasa terrea no bair-
ro da Boa-Vista ; tambem se compra: na
ra do Pires, p. 19.
Vende.n-se obras portugueza, a sa-
ber : Caitas da India e China; conlos do
SerSo; Jornal das bellas arte*; Almanak
popular ; Universo Pilloresco ; Autopsia
dos partidos ; Vista de diversos edificios no-
lavt'is de Portugal ; Belralos de pessoas ce-
lebres ; as linas Diana, romance de Ale-
xandre Humas, traduegao porlugueza : na
ra do Crespo, loja n. 5 A, ou na casa n. 6,
defronte do trapiche-novo.
Vende-se, na ra do Vigario n. II, ar-
mazem de Francisco Alves da Cunha, os se-
guintes gneros, lodos de superior quali-
dade, e por menos prego do que em outra
qualquer parte : azeilonas em ancoris, vi-
niio do Porto tm barris de difierentes ta-
annos, cevada, cal virgem de Lisboa, ar-
cos para pipas e barris, fio porrele, relroz
deSiqueira, rlia de San-Paulo, canastras
com alboae ditas com rolhas.
Ota qne pecnineila !
Ma iua do Collegio, loja n. 3, vendem-se
superiores meias casemiras elsticas, lina
e de listrss muito modernas, pelo diminu-
o corle
,4,
15 annos; umuioleque de 14 annos; um
escravo que cozinha o diarlo de urna casa ;
urna linda mulatinha de 13 annos, que cose,
engomma e cozinha ; urna dila de 94 an-
nos ; duas aacravas mogas, de bonitas fi-
guras, boas engommadeiras, e que cesem
bem; 4 ditas de todo o serrigo : na ra
Direita, n. 3.
Vende-se por muito commodo prego,
urna rica secretaria com estantes para li-
vros, bastante grande, propria para advo-
gado, sendo de amarello e anda nova; as-
sim como, seis cadeiras e duas mesiobas
de abrir : na ra estrella do Bozario, n.
98, ultimo andar, das 2 horas da larde em
diante.
Venda-se urna toalha de lavarinto, ten-
do nma pequea parte da panno no meio,
he de bretanha de linbo, ou de esgoiSo fino,
obra muito bem feita, e o lavarinto be de
modelo muito moderno, por preco commo-
do : no Becco-Larco, n. 1, segundo andar,
de msnbla at as 9 horas, e das 3 ts 5 da
tarda.
Que peclilneha!
Fotos da banha franceza a 100 rs.
vendem-se potes de banha franceza, com
multo bom cheiro, a 100 rs., e em duzia a
1,000 rs. : noAterro-da-Boa-Vists, n. 48,
pois be mullo pouquioho : venbam fregue-
zes, que nSo ebega a todos.
Ma ra do Cabugl, loja do Duarte, ven-
dem-se trinas, volantes, gales, espegui-
Ihss e rendas, proprias para armadores, por
prego mais commodo do queem outra qual-
puer parle.
wfvfffvfffvfvmm*
Deposito da lab rica de,*
% Todos os Santos, na
Baha.
MU, II.
''^a^r
i
t
Vende-se, em casa da Domingos Al-'
>ves Matheus, na ra di'cruz, n. 59,'
?primeiro sudar, algodfio trancado da-*
quella fabrica, muito proprio para *ac-
"eos e roupa de escravos; bem como
^(0 proprio para redes de pescare i>a-3i
a>vios para velas, por preco commodo.41
**A*AAf
Na rus do Cabuga, loja do Duarte, ven-
dam-se qusdros de santos com molduras
douradas, a 500, 600 e 800 rs.; calungas de
vidro de diversas qualidades; tranca de
ISa para enfeites da vestidos : gravatinbas.
de selim; e enfeites de vestidos para se-
nhora.
Vende-se um lindo moleque, proprio
para todo o servigo, cuja conducta se a fia n-
ca : o motivo por que se vende se dir ao
comprador : na ra do Bangel, n. 57.
Vende-se, ou permuta-se por urna casa
nesta praga, um aitio uo Monteiro, com ca-
sa de pedra e cal, arvoredoa de fructo e tr-
ras : ns ros de llortes, casa terrea pintada
a frente de azul e as portadas brancas, se
dir que faz este negocio.
Vende-se urna pardinba de 15 annos,
de muito bonita figura, que cose bem, co-
zinha < diario de urna casa, engomma liso
faz renda, e he bera propria para acompa-
nhar nma noivs, attendendo a exemplar
conducta : na ra larga do Rozario, n. 35.
loja.
Vende-se um grando sitio no logar do
Manguind, que fica defronte dos sillos dos
Srs. Carneiros, com grande casa de viven-
da, dequatro atipa, grande aenzalla, co-
cheira, estribara, bata decapito que sus-
tenta 3 a 4 ravallns, grande cacimba com
bomba e tanque coberto para banho, bas-
tantes arvoredos de fructo : na ra da Con-
cordia, primeiro sobrado novo de um anda
Na loja" de Moreira & Velloso,
vendem-se lindos (oucadores de jacsrsnda,
muilo proprios para rapazes solteiros, .tan-
to pelo qualidade do objecto como pela
commodidadedo nrego que nSo exceda a
4,000 rs.: na ra Nova, n. 8.
Vende-se violto do Porto em barris da
quaito e quinto 1 azeilonas superiores ; ar-
cos para barricas e pipas ; farinha de trigo
em barricas e meias ditas ; fio porrete ; ce
vada; pregos de todas as qualidades,em bar-
ricas ; enxadas do Porto ; coeiros de algo-
dfio ; relroz fino do Porto : tudo por prego
commodo : na ruado Vigario, n. 11, arma-
zem de francisco Alves da Cunha.
Novo mappa geographico de
Portugal.
Vende-so o novo mapps 'geographico de
Portugal, m grando frmalo, gravado, di-
vidido por provincias, distrietoa adminis-
trativos e conellios, conforme a ultima lei
da dlvisfio do territorio, e contendo a de-
marcagSo dospaizes vinhaleiroe no Douro
e Bairrada; aa estradas militares; todaaPas
trras e lugares notaveis, com designagSo
daquellss em que ha correioordinario; a
escala das distancias das terraa principae
nutre si ; o mappa dos concelhos, a nume-
ro de fogos de que se compon cada distric-
to administrativo, correcto e melhorado em
todas as anas especialidades, segundo as
alleragdes que teem divido al boje : na ra
lo Collegio, n. 9, 'oja de livroa.
Vende se urna carta da pergamindo,
mandada vir de cncommend do Rio-d. Ja-
neiro, para bacharel do curso jurdico de
Olinda, em muilo bom ppele com a com
petante fita : na roa dea Cruzea, n 40.
C. J. Astly & Companhia
vendem em reU armazem da ra
do Trapiche, n. 3, balancea de-
r--------.-----V1--.--,.- .-AS*.
na do sertlo, a mais gorda' possivel, pelo
prego do coatum : sflanca-se ser a mellior
que se tem tido.
-- Vendem-se eem apolices da companhia
de Beberibe, todas 00 em porgOes menores:
na loja do Ignacio Jos da Silva, junto ao
arco de Santo-Antonio, no cscriptorio di
companhia, e no do caixa da mesma se dir
quem vende.
Vende-se urna preta natural do sertSo
moga, sem achaques, a que' cose, engom-
ma e faz renda : ua roa da Croz, n. 13, ar-
mazem. Ailverte-se que be chsgsda do Cea-
r no vapor Bahiana.
Na ra das Crozas, n. 29, segundo an-
dar, vende-se urna parda da 96 annos, de
bonita figura, que engomma, cose cho, co-
zinha e lava de sabo; ums negrota de na-
gfio, de 18 annos, com as mesmas habilida-
des, para fura da provincia, ou engenho ;
um escravo-da Costa, de elegante figura,
ptimo para armazem de assucar.
Vendem-se90 saceos de estopa a al-
godfio, novos e com duas varas cada um,
proprios para farinha : na roa larga do Ro-
zarlo, n. 48, primeiro andar.
Vendem-se chapos do Chile, mui-
to finos, e da moda, por muito ba-
rato proco ; na praga da Indepen-
dencia, n. 21.
Ao*xua!s bell rosto oeriiam-
bucano.
Vendem-se flnissimos chapos para se-
nhora, a Amazona, fazenda s mais rica e de
mais delicado goslo que tem viado ao mer-
iiniin ur *>/u. .cado, chegados recenlemenle do Havre, de
igualmente em sabor, finura e cor a de Mu-I.encommerida : na praga da Independencia,
* n.26.
Vende-se um moleque de 18 annos; urna
preta de 20 annos : na ra do Queisaado,
n. 6,loja.
Aos Srs. meslrr8 sapateiros.
Vende-se couro de lustro, a
a,5oo rs. a pelle na ra Nova',
n. 6, loja de Maya Ramos & C.
Vendem-se velas de carnau-
ba, por preco commodo.- na ra
Formosa, quinta casa.
Casa de modas franeezai.
Buessard Mlllochau.
Ra do Ateiro-da-lloa-Vista, loja n. 1.
Pelo ultimo navio chegado do Havre, re-
cebeu-se as ultimas modas de Paria para
uso das senhoras, como sejan: chapoavde
seda e de palda, cspQtlnhus, manteletes,
cabegOes de bico, camiainbas, golinhas,
manguitos, lengos, bicos. fitas, meiaa, flo-
res para casamento, chapos de palhas para
montaria, (rangas de seda e algodfio, boloes
de todas as qualidades, fil l.-o e bordado,
cambraia lila e bordada, e mais outras fa-
zeudas de gosto e baratas.
Vendem se dous raixCes em bom esta-
do ecum 5 depsitos para assucar, por pre-
go commodo : na ra de Apollo, n. 2.
Solidado; tem muilas fruteirss, duas casas
de taipa, ptima cacimba com boa agoa de
deber : no sitio do Sr. Teixeira, fogueteiro,
e achar com quom tratar.
*
Sedag e velludos. a
Vendem-se ricos cortes de seda mo-
darnos, furta-cOres, tanto lisas como l
de listras e de barra ; velludos de c- >
res ;| merino azul para roupinhos aja>
de meninos : na ra do Crespo, n. 9, Jt
al loja da J080 A. C. Guimarfies. #

Arados ce ffrro.
Vendem-se arados de ferro de
dfferentes modelos : na ra do
Brum,ns. 6, 8 e 10, fabrica de
machinas e iundicSo de ferro.
Bombas Vendem-se bombas de repoxo,
pndulas e picota para* cacimba :
na ra do Bruin, ns. 6, 8 e io,
fund93o de ferro.
Deposito de potassa e cal
Yoic-s iit'i BOJfS e superior potassa
ecal virgem de Lisboa, em pedra : tudo em
barris pequeos de 4 arrobas, por prego ra-
soavel: na ra da Cadeia do Recife, n. 12,
armazem.
Farinha de Tapnyu.
na
rinhos de m5o; superior vinho
de Bordeaux.
Vendem-se 3 lindos atoteques, sendo
um bom eozinheiro ; Um dito com princi
pio de carpina, muito lindo para ptgem e
ile boa conducta; um dito bom bolieiroi
qualro pretos bons para todo o servigo ; um
dilo de meis idade bem robusto, bom para
campo ; orna negrinha de 10 annos, com
bons principies de costura ; urna dita da II
annos, para todo osefvieo ; tres pretas, que
cozinham e so boas quitandriras ; urna
lo prego de 2,500 rs. o corle ; brim de li- pajrfa de 25 annos, que engomma 'WfeiU-
nho, a 1,600 rs o corte ; dito de algogflo,-a toante, cose, faz o mala srranjo de casa, h
900 t. o cite ; merino preto fino, a 2,000|Miiocarintosa para meninos e de muito
ra. o covado : lencos de cambraia para m|tvH(rja conducta ; urna preta da meia id.de.
* a?*,'..c,d* um.' dil* de*A* .com_jr*n"^liuiUem conla ; aasim como outros mu-
tos escravos .- na ra da Cadeia do Recife)
n. 51, prlmeiroaadir.
- Vende-se um terreno no aitio da So-
ledade, com 58 palmos de frente e mais da
nbeca, propria para mesa : vcnle-se
roa da Cruz, no Recife, armazem n. 13.
Vendem-se, na ra da Mods, armazem
n. 15, meias barricas com cal virgem de
Lisboa, a mais oova que ha no mercado, por
prego commodo.
Pecblnehas novas.
Xa rna d 0,nelmado, n. 17.
vendem-se chapos de sol, de seds preta a
5,000 ; ditos de fauno com asteas de baleie,
a 2,000rs.; gangas trancadas de listras e
quadros de cores, fazenda que parece lindo,
500 rs. o covado; merino prelo fino de duas
larguras, a 9,400 rs ; casemireta preta e de
eOr, propria para ealgase palitos de homem
e meninos, a 1,000 rs o covado; cortes de
col leles do velludo lavrado da cores a da
lindo e soda, a 1,600 rs.; mantas de setim
preto para grvala, a 800 rs. cada urna e
outras fazendas por barato prego.
Venbam vernara erer.
Snperior cera da carnauba em porgfio, e a
retalho, por menos prego do que em outra
qualquer parte : no Aterro da Boa-Vista,
n. 17.
Jii o barato causa admiragao !
Isto acontece na ra do Crespo,
n. 6, loja ao p do IstnpeSo.
Vendem-se cssss-chitas de mnilo bom
gosto, a 240 rs.; cortes da ditss do melhor
gosto que teem apparecido, a 9400 rs. chi-
tas finas de boas tintas, a 160 e 180 rs. o
covado ; riscado americano, a 140 e 160 rs ;
dilo trancado, a 180 e 900 rs.; algodfio
mesclado, a 900 rs. ; zusrte azul com 5 pal-
mos, a 900 rs. ; dito de cores, s 900 rs.;
eassa preta para luto, a 190 rs. o covado ;
corles de fustfio muito boas, a 560 rs.; cha-
lea de tarlatana, a 390 e 1,280 rs. ; coberto-
res de algodfio de cOr, muito encorpados e
proprios para escravos por serem mullo
quentea, a 640 ra. ; alpaca preta de cordto,
com 7 palmos de largura, a 1,280 rs.; ris-
cados de puro linbo, a 940 e 360 rs. o co-
vado.
_/"Hapc Paulo Cordeiro :^J
vende-se na ra da Cadeia do Itecife, n. 51,
loja de fazendaa, da Jalo da Cunha Maga-
IhSes,
Vendem-se ssccas com farinha de man-
dioca, a 1,800 rs.; ditas de arroz da casca,
a 2,400 rs.: no caes da Alfandega, n. 1,
primeiro armazem defronte da escadinba.
Obras socialistas.
As ideias socialistas debalem-se hoja no
mundo inteiro; a seria vergonha Ignorar
as verdades desta escola a quem vive no
actual s-culo. Hilas tanto interessam ao lio-
mem de estado a ao publicista, como ao
urisconsulto, ao eommercianle, ao homem
da arle, e at ao simples domem do povo.
As segulnles publicagoas deste genero es-
to i venda, na loja de J J. I.ody, na ra
larga do Rozario :
Ch. Fourier, obras completas, em 4 v.
PeJIarin, vida edoulrinade Ch. Fourier,
I volme.
As novas transaccoes sociaea, religiosas e
scieolilicas de Viitomnius, 1 v.
Tres grandes discursos socialistas, pro-
nunciados na casa da municipalldade de Pa-
rs, por MU. Darn, Consideran! a D'lzal-
guier, I v.
Mettray a Ostwsld, estudo sobre estas
duss colonias agrcolas, por K. Cantagrcl,
1 volume.
Da poltica geral, s do papel quo a Fran-
ca representa na Europa, por V. Consida-
rsntv ,I
Na ra do Cabugl, loja do Duarte, ven-
dem-se tesouras para barbeiro, a I fu i ate,
de costara e para unhas, fabricadas pelo
melbor cutileiro de Cuimartes ; caivetes
fios; espiviladores da casquiaba ; clium-
beiras de dous canoa, polvarioaes e frascos
cam seu copo ; espoletas; bandejas de Sal
24 {potincadas; candieiros para oseada, a
1,000 rs. ; caanles inglezes para carro, a
Escravos JPugidos.
4,900 rs.; pona* de oleado do. uom gosiu -,
I uvas de algodfio para montaria, a 200 rs. o
par ; cbariiUiraoUinas; a chapos para me-
cimaes, de aoo auoo librea ; car- uinos. aa9
Para os Srs. alfaiales.
Vende-se atoupa para inteitelas, a 80,
190 e 160 rs.{ pecas de madapolSo, a 2.500
rs.; chitas com averia de cliuva, a 100 rs.
ucovodo, e algodSosinlio muilo lago, lim-
poe muilo tapado pioprio para toa I ras, a
180 rs.: a roa larga do tozario, n. 48, pri-
meiro andar.
Ob que pechiucba I
Na ra do Passaio-I'uplico, n.
Albinopos Leite,vendm-se risctdos mons-
trua, padrOea de muilo bom goslo, a 900
rs. o covado ; aasim como se dfio amostras
aos compradores ; lengos de seds, a 1,000
rs.; cassa de quadros e listras, propriaa pa-
la hadados, a 240 ra a vara ; chitas escuras,
a 140,160, 200 e 940 ra. o covado ; leugos
encarnados da fabrica, a aoo rs.; castores
rara calcas, a 160, 240 e 320 rs. o dovado ;
brim branco traogado de listras, a 1,000 rs.
o corle ; e outras muilas fazendas por me-
., nos prego do queem outra qualquer parte
mil de fundos, lendo dua* frentes, urna pa, Na ra Auglists, venda por baixo do
rs s estras sst s *5!r par ru? ,U l.0,:iii0 fm d Jos alaria, venda-as oar-
Fugio, no da 10 do corrente, a preta
Jacinlha, do nagfio Congo, cor fula, altura
regular, ps grossos e cambados ; tem falta
de denles na frente : quem a pegar le ve-a
ra do Hospicio, n. 36, quesera gratificado.
5o,ooo r, de gratiicacio
a quem pegar a preta Mara Joaquina, da 30 a
40 anuos, que lugio no da II de abril, de a-
fio Congo, baila, gorda, cor retala, bexlgnsa,
olhoa piqurnoa; tem em una das face um
igual de carne; he baalante ardilosa, por isso
he capai de illudir qnalquer pesioa que a nao
conbeca ; aabe lodaa aa powacoes da provin-
cia, por trr andado a vender tniudrzas peto
nato com una crloula de nenie Kelicldade, de
que ni foi racrava ; lalvrz ma ftjga'aade emo-
berla com o negocio de vender miudeua, poia
jde oulra vei que fugin a qual fol pegada em
terraa do engenho S.-Auoa, andava vendrndo-
aa.e aasim mala cunos de aer pegada. Refa-
lo a autoridades policiaca e caplUea de cam-
po, que a apprebendain c levrm-na a ra do
Quartela, n. 21 on na praca da Independen-
cia, n. 17
100,000 rs. de gratllicagfiOS ~
No dia primeiro de agosto prximo pas-
sado, rugi, do engenho PiropamsJ, o cabrj
Francisco, \w representa ter 18 annos, de
estatura regalar, cheio do eorpo, cara re-
donda, com algumas pequeas marcas de
pannos; tem falla de denles na frente do
3oeixo superior : este escravo fol comipra-
o ao Sr. Antonio Comes Pereira, morador
no Sobral, que o vendeu nests praga no dia
22 do referido mez ; levou um surramHB
alguma roupa e rede ; foi visto com calcas
e camisa de riscado azul, e chapeo de coo-
ro: quem o pegar leve-o ao dito engenho,
que sera gratificado.
Fugio. no dia 8. para 9 do corrente, o
escravo Manoel, do engenho S.-Paulo, fre-
quezia dos Afogsdos ; he de esarura regu-
lar, um pouco corpolenlo, pelre bem preta,
rosto Uso, e um pouco arrendado, denles
limados, falla groosa, porem expreesiva ;
foi visto nesta cidade trajando calcas azues
de algodfio e camisa brsnea algum tanto su-
ja, e chai o de palda da abas largos : quera
o pegar leve-o ao dito engenho, que aera
bem recompensado.
-- Fugio, o prelo Antonio, cara redonda,
com passa pioldu aparado, falla muilo bem,
e he cozinheiro : quem o pagar leve-o ao
aitio cajueiro, que ser gratificado.
100,000 rs. de gratiflcagfo.
Fugiram, no dia 12 do crrante-; o cabra
iiapiaei, aiio, secen, ro-in cnupi, ;. '
muito pequea, ps grandes taoos para
dentro, com falta de dentei nodJI^Ba '
ria Thereza, grossa, feia de cae,
ter 25 annos pouco mais on mensa
t de denles na frente ; foi eomri
cidade ao Sr. Antonio Ricardo do
o cabra comprado ao Sr, Lu>z
Siqueira: quem os pegar leve -o 'Wb* da
Concordia, casa do Sr. Cera I do CorJ?ia Li-
ma, ou no engenho Pereira, em Jaboa-
tfio, que recebera a gralilicagll* eleja.
Fugio, no dia primeiro de agosto*'pro-
9, loja de ximo paaaado, o preto Gabriel, de nago, da
30 e tantos anuos, de estatura median,
bem ladino, falla bem, bastante ido ;
tem urna cicatriz junto ao tomozelo i per-
no direita ; tem o eostumede of^H ca-
bagaquandofaMa.gosla do ambffi B
veio ha pouco do IMo*de-Janeiro;- lavo* ca-
misa de madapolSo, nalgas de easemira ris-
cada ; furlou urna irouia onde ;v.. -
gumas caigas, colheres de prala e outros
objectos: quem o pegar leve-o 4 roa da
Cadeia do Itecife, a. 21, quo ser generoaa-
ratiucado.
' m
Mama*
WrnSt**
.AADBH. r. 0KF4BU
7Z7!,
50


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVP3EU3S4_S4DMKI INGEST_TIME 2013-04-24T19:39:06Z PACKAGE AA00011611_07013
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES