Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07012


This item is only available as the following downloads:


Full Text
7
Anno'UVI
Seguoda-era 16
*abtidai mm cam*icn>
Coianna e Parahlba, segundas esextas felrss.
Rlo-Grande-do-florte, quintil feiraa aomeio-
Cabo, Serlnhlem. Rio-Farmoso, Porto-Calvo
e Macelo, no 1.', a 11, e 21 de cada mea.
Garaahuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Viata e Florea, a 13 e 48.
Vitoria, quintal feirai.
ilada, todo) o dlaa.
Nova. a 8. aih.eOm. da ni.
Crenc. a 18, ii Oh. c 1 m. da m.
Chela. ail,al0h.e2lm. da ni.
Miag. a 28, s 7 h. e 33 m. da t.
raiuun di bkw*.
Primeira a 1 hora e 18 mlnutoi da Urde.
Segunda a 1 hora e 4i minutos da manbaa.
A% Setembro d 1850.
N. 08
DIARIO '.DE
staoosi m aaMomiaoio.
Por trex mete (asuiatados) 4*000
Porfeiimexea 8/000
Por uui anno 15/DQO
MA*
16 Seg. 8. Bogelloj*JU. opl. dot orf. em.tl.t.
17 Tere. S. Pedro dSJTaTrbucs. Aud. do chae, do
J. da 1. v. do clv. do dos fe'lo da faienda.
18 Quart. 8. Jos de Cuperllno. Aud. do I. da 2. v.
do clel. a .
19 Quint S.Januarlo. Aud. do J. doa orf. e do m.
20 Sex S. KuiUiiuio. Aud. do J. da 1. v. do oiv.
e do dos felloa da faienda.
21 Sab. S. Malheus.
22 Dota. Festa de Ptossa Senhora das res^
CAMBIOS M 14 MTWIMBno.
SobreLondres. 28'/ d parl^W. 60das.
. Paria, 348.
. Liboa, 100 por cento. a.ml. A
Pr*se.-Pac5e.braeilelroi...... A gg
os oalumnarle*....... |/*0 a /W
Dltoi mexicano*.......... xjaaj
PARTE OFFICWL.
GOVERNODA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 3 DE SETEMBRO.
OlDcio. Ao Exea, commandanle das ar-
mas, Boifflunlcaodo o caroprimento ao
aviso do ministerio da guerra com dala de
20 de agosto ultimo, e afim de que faca cons-
tar ao commandanle do segundo batalhSo
de eacadores que oe He* Antonio Joa-
qiiim Ferrera Piolo e Leopoldo da Fonsec
elvfio, perlencentes ao referido batalhSo,
que noi respectivo mappas teni siJo con-
sidersdos atapora na cOrte, fram manda-
dqs servir no Rio-Crmde do sul, conforme
cunsta do aviso que remelle por copie.
Dito.Ao mesmo, inteirando-o de hever
S. M. 0 Imperador, por decreto de 8 de agos-
to ultimo, segundo foi declarado era aviso
do ministerio da guerra de 80 do mesmo
mez, pausado para a companhia fixa de ce-
gadores da provincia do Espirito Sanio o te-
nante do oKavo batalhBo da mesma arma
Manoel Pereira de Souza Burity.Intelli-
generou-se ao inspector da pagadoria mi-
litar.
Dito.-Ao mesmo, remetiendo em cum-
pritnento ao aviso do ministerio de guerra,
datado em 31 de julho ultimo, a conta do
algodSo enviado para esta provincia pelo
arsenal de guerra da corle, na charra Ca-
rioca, di importancia de 3:125000 ris, afim
de qoe seja rala quantia descontada na con-
signado para tordemento aos cprpos i que
se foriiecer este artigo.Seientiflcou-se ao
inspector da pagadoria militar.
Dito.--Ao mesmo, iuleirando-o de. haver
dado o conveniente distino ao mappa de-
monslrativo das preess de prel, que tendo
fmdado o seu lempo de servico, se oflerece-
ram pira continuaren! servir no exercito,
dos individuos que se engajaram com pre-
mio, e bem assim dos que assentaram pra
(a volunlaiiamenle, dos recrulas durante
o mez de agosto ultimo.
Dito.Ao mesan, intelligenclando-o de
ter 8. M. o Imperador, por decreto de 9 de
agosto prximo findo, segundo foi declara-
do en* aviso do ministerio da guerra de 10
do mesmo mez, pessado para a segund
classe dos ofliciiesdo exerril, nos termo
do 10 do artigo 3 da'lei n. 260 do pr dedeiembrode 1841, o alferes secretario .lo
oiiavo batalhao de catadores Antonio los
de Santa Anna. Sclenlflcou-se o inspec-
tor da pagadoria militar.
Dito -Ao mesmo.reeommendando a expe-
dido desusa ordena par que a tropa de pri-
meira linha, existente nesta capital, marche
reunida aguarda nacionaldesle municipio,
ao corpo de polica, o sOb o immmedisto
commando de S. Exc ,' no di 7 do crreme
anniversario da indepedenciadesle imperio,
e preveniodo-o de que a guarnieflo da praca
nesse dia e no antecedente deve ser feila
pelos guardas naciooacs do mesmo munici-
pio, que nflo poderem marchar, e pelo p i-
meiro batalhSo dodeOlinda.Nesle aenii-
do expediram-se as convenienles ordena.
hilo.Ao mesmo, communicando que
segando conslou de aviso do ministerio da
guerra de 10 de agosto ultimo, S. M. o Im-
perador, por decreto de 5 do referido mex,
ouve por bem concedor passagem para o
deposito de recrotas na Baha ao lente
do corpo filo do Piauhy Manoel Luciano da
Cmara Guaran.luteirou-se ao inspector
da pagadoria militar.
DitoAO Exm. presidente da relaeflo,
scientificando-o de ter S. M. o Imperador,
por decreto de 6 de agosto ultimo, segundo
*~ em aviso do ministerio da jus-
de 8 do mesmo mez,tcceiUdo
que fes Joaquim Jos Ferrera
de Carvalho do ofllcio de escrivfio de appel-
lacOoe e eggravos da relteflo de Pernambu-
rn, afeito merce a Antonio Joaquim Fer-
r ira de Carvalho da serventa vitalicia do
mesmo ofllcio.
Dito.Ao Juiz relator da junta de justict
tranamittiodo para ser spreseotado em ses-
sSo da saessaa juuts, o processo feito ao sol-
dado do primeiro batalhBo de caladores
Berosrdino dos Santos.CommuOjicou-se
ao Exaa. commandanle das armas.
Dito,Ao inspector da pagadoria) militar,
para anudar pagar, vista da conta que
remeta em duplcala, a Antonio Simplicio
de tTarros administrador da enfermara do
auenil de manaba desta provincia a quan-
tia de 152,764 ris, que drspendeu cora o
FOLHKilM.
TRO DE SANTA ISABEL.
Nio podemos asslstlr ao espectculo do da
7 do corrate estlvemoe ^lessa nolte doeote,
mullo dnrntr, e foi estaaraslo por que nio
damos o folheltin deai nolle, aguardavamos a
repllelo para cumprir o noiau dever, e nc
esperramos qoe fosas uto breve livemo-las
em a noile de II, a nao obstante esurmos an-
da cDcominodados, fouios ao ihaalro, e pode-
mos asslsllr al o fin do espectculo: vamos
dar ao publico urna exacia Infornaco do que
SKanndo o que sentimos em tusa, e bser-
M Sitt os onlros.
O drama/ *f$r i sb be por si asssla-
teresAMS-, e a ua esecucao geralmeaie boa,
ful urna daa snelhores que temos vislo : em ver-
Aadanarece no aue acompanlii dramtica do
nota*' siteatro moataaU oa esfoicoa a incansa-
vrl zelo do san digno administrador, ae le
esforcado para corresponder a expeclacao do
Jubileo; dlgsm o que quiserrn os invrjosos
ntnilgos do Sr. Germano, ouuca podero rou-
barlha a gloria que lhe tem adquerldo o seu
mcrecimento.
por oecreio oe
loi dqsjarado e
tica-al
a detencia c
curativo de vinte e nove recrulas do exerci-
to, que fram IraUdos nsquella enfermara,
durante o mez de agosto prximo lindo.--
lolerou-se so inspector do mesmo arsenal.
Dito.Ao mesmo, ordensndo em cumpn-
mento so sviso expedido pela secretaria de
estado dos negocios da guerra datado em le
de agosto ultimo, que preste os esclareci-
meolos mencionados ns ntnrmscao que
remello da pagadoria das tropas da c-te,
exarada no orncio que o commandante inte-
rino das srtnes da mesma corte, dirigi a
aquella secretsra de estado, versando so-
bre a lomada das contas do segundo bata-
lhSo de fuzlleiros, que esleve em serrleo
nesls provincia.
Dito Ao juiz de direito de Coianna, re-
moliendo um ofllcio, que psrs lhe ser en-
tregue, foi envalo pelo Exm. Sr. ministro
e secrotsrio de eaUdo dos negocios da jus-
tica.e preveniodo-o de que deve enviar a se-
orelaria ds prasidenca o competente recibo,
e bem assiro o ofllcio que em resposta diri-
gir ao mesmo Exm. Sr. ministro, sltm de
lhe serem trsnsmiltiodos.
Dito.Ao juiz de orphSos supplentes des-
te termo, Iransmittindo par os fina conve-
nientes, copias do termo de bito, i que se
procedeu na chancellara do consulado ge-
ral do Brasil em Portugal, pelo fallec ment
do cidsdflo brasleiro Francisco Joaquim
llibeiro de Brito, bem oproo do Inventario
do seu espolio, que f6ra para aqu enviado
no brigue portugoez Ihwi-Wtneedor.
Dito.Ao commandanle do vapor T/kii,
dizendo que pode fazer desemembarcer
de bordo da barca s6b seu commando, o
grumete Jos Francisco do Rozario, visto
que elle [por motivo de molestia nflo pode
prestar servico algum, segundo Smc. dolara
em seu ofllcio de Jl de agosto ultimo.
Dito Ao administrador interino do cor-
reio iiestacidade,scientincandoo dnhavero
Exm. Sr. ministro e secretario de estado dos
negocios do imperio, participado em sviso
de 7 de agosto ultimo, qoe nesla data fra
nomeado Narcolino Quinlino de Mello para
sjudpnte d'agencia do correio de Garanhuns
com o vencimento do respectivo agente
quaodo o substituir em suas falt. s --Intel-
' ;enciou-se a cmara municipal daquell
Dito --Ao delegado supplente do primeiro
lslistricto deste termo, psrs que mande ex-
tratiir com breidsde, polo crcerelro da
cadei dcata cdade. urna relacJo de todo
os presos' aatalmente retidos na mesma
cadeia com deelaraQSo em resumo do que
constar dos sssenlos de entrada, que devem
ter sido feto em observancia ao disposlo
nos arligos 158 e 159 difregulameoto n. 120
de 31 de Janeiro de 1842.
Dito.-Ao inspector da Ih'sourana pro-
vincial. Dispondo-se-no artigo 6 do regula-
mebio provloclal de de junhode 1845 de
que trata a poMarW de 7 do mez passado
expedida para a exseucSo do 13 do artigo
3i da lei provincial-ti. Vi que o inspector
da alfmlega seja obligado a permittir aos
agentes da arrersdacSo pnwincial a verili-
ca^Bo dos desposhos, que diariamente se II-
7. rem, quando os ditos agehU>e elles nflo
assistirem, e sen lo por um ladoin applicavel
semelhante disposicBo, porquanto a rego-
aridide do servido dsquella reparticBo nSo
supporla semelhante ingerencia de empre-
ados exlranhos, he por oulro necesssro
que os ditos agentes sejam convenienle-
mente informados de taes despachos, re-
commendo porlanto nesta data ao inspec-
tor da alfandega que opportunamente faci-
ite aos ditos agentes os esclarecmentos,
de que precisaren), mnistrando-llies regu-
larmente urna nota dos respectivos despa-
chos. 0 que lhe oommunico para sus in-
telligencia, e expeditflo de suas ordena nes-
le sentido.Ofllcou-se s respeilo ao os-
pector da alfandega.
Dito.A cmara municipal de Goianaa.
Tando os moradores da povoacSo de PeJras-
de-Fogo requerido a assembla geral legis-
lativa a corporacSo da dita povoacSo a esta
provincia, ordenou-me S. M. o Imperador,
por aviso expedido pela secretsra de esta-
do dos negocios do imperio, que remellase
com a possivel brevidade os escisreclseenlos
que esta presidencia podesae obter acerca
4a seaeelhanle pretoncfo. Avista do que re-
commendo a Vmc, que tomando conheci-
mento della subministre i esta presidencia
os ditos esclarec mentos alim de dar-se
cumplimento ao citado aviso. Neete aeuti-
0 '*"""
a ,jien
fila.
* ,U.lri
do offlciou-se ao Juix de direito dsquella
comarca. .
ERRATA.
No Diario n. 207, priowi'a paria*, co-
lumna segunda, lnbasSO, em vez de defe-
za do throooeda independenciadiga-se
-em defeza.da couslituicBo e ds ordem pu-
blica. _
TRIBUNAL D\ RELA^AO*.
SESSAO DB 13 DE SETEMD80 DE 1890.
FBBSIDSNCU DO X1S. StNBOa 00-
SELaaiao azavr.no.
A*s 10 boraa da manbaa, achaodo-se presen-
tes os Srs. desembargadores Ramos, J*ssto.
Lelo, Souxa, Rabello, Luna Freir e Telles,
fallando com causa os Srs. desembargadores
Ponce e Villares, o Sr. presidente declara aber-
ta a sesso.
lOLOtMSMTOa.
AfplifOf avis.
Appellames. Pedvo Soares de Mello e ana mu-
Iher; .ppeUsjo, Josi Marlina Torres.-Lon-
firinarain a sentenca.
Annellaate, Manoel Pires Ferrera ; appellado,
tCnaa*i Francisco de Agujar Montarravos.
Coairmarain a senlenca
Appellaata, O. Harbora Franclsaa Xavier de
Malti.*ir*lra: appellados. Ajstonlo Lin.
Caldas e lUri Candida de MagaMaaea. -Des-
preaaram os embargos.
Appcllacao' crime.
AppelUnte, Antonio Joaquim d*lvaGiqulrl;
appellado, Manoel Corra de Mello Jiaasor
Julgaram improcedente a appellacao.
nasioascdas.
Appellante, o Julio; appellado.JTheodoro Mar-
ques Vleira.
asvisOiS.
Passaram do Sr. deseinbargador LeSo ao Sr.
desc.nbargador Souxa as segulntes appellacdes
AppeHanis.' Anna Ooncalves Vleira e outros ;
appellado, Pedro Martin, de Araujo-Veras.
Appllanles, Marcellino Joao de Quelrox c o-
tros ; appellado. Ellas Francisco de Sanip o.
AppelUnte. Rilas Coelho Cintra ; .appellado,
Domingos Calda* Pires Ferrera.
Passaram do Sr. esembargador Rebello ao
Ss. desembargador Lana Freir as seguioles
appellaceseinque sao:
Appellante, Antonio Gomes Villar; appellado,
Domingos Francisco Tavares.
Appellante, NunoHara deSelxas; appellado,
os credores dlssidaates do >*" .
Appetlanl*.aJaia(teaBieaiali appelUdo, An-
inlo Joaqnt Ooncalves Oalmarea.
Passiram do Sr. Sesembarajador Luna Freir
a* 8r. deseinbargador TeUes as segulntes ap-
pellacdes em qae sao:
Appeilanu. Joaquim Pereira Homem; appel-
lidos. Jos Leopoldo da Silva e outros.
metanle, Maaoel Antonio Gomes Ribelro;
appellado, Jos Ignacio de Barros Leite
Apellante, a preu Manoela; apellado, Ha-
noel Francisco Rabello.
msraraDi(Sas.
Ao Sr. desemhargador Bastos a seguioU ap-
pellacAo em que sao:
Appeilanu e appellados. D. Isabel llarl.osa Ro-
drigues Machado freir e Francisco Machado
Teixejra Caralcante.
Ao Sr. deae'mbargador Lelo a seguale ap-
pellacao em que sao:
Vnpellante, o Esm. bario de Suassuna; appel-
lados, Manoel Pires Ferrera e oatros.
Ao Sr. desembargador Sooza asegulnte ap-
pellacao em que sio: .
Appellanle, a adoiials-aih^alrhaeDjo doa
orphaos deila cidade ; appaaJo, Filippe Me-
na Calado da Fonieca.
Ao Sr. desembargador Raboaaa a seguate ap-
pellacao em que sao:
Appellaulea, oa Indios de AnaBches ; appella-
do*. o berJeiros de Joao afsMla a Silva.
Ao S. deaembargador Ransi* a segulnle ap-
pellacao em que sao:
Appellante, Mari do Amparo; appellado, Vi-
cente Cnedes Gondlm.
Nu foram julgados os inals felloa com da
asslgnado pelas faltas j mencionadas.
Levantou>se a sessao ao melo-dia.
Din-ir.f-M*tn. !. Uv.i.ana ra Sra. JoannaJ
satlsfes-nos completamente, com ludo neve-
mos notar qoe ao comeco do primeiro acto de-
via quando dlrrgia a danca nao esur em pe co-
mo de observacio, sim acompanbar tamben a
danca e manejar o eu pandeiro: esteve bem
vesilda, e em versade pareceu nos urna bella e
joven cigaua : nunca erao asceaaivos os elo-
gios que Ibe prodigalisainoer aem imuierecl-
dos os applausos, que lhe d a publica. A sua
cantorla encaniou-nos pcUaaa vos doce, secu-
ra e melodiosa. I). Jos da antarem (o Sr. Sil-
vestre) ag'radou-not, e nao temos falta alguma
a noiar-lhe : tinha a sua paste bem estudad,
clrcumstancia esU que mullo coucorreu para
que brilliasse o digno dlssipulo do Sr. erina-
no. Admiramos anda mala o Sr. Silveatre
qnandu o ouviuios cantar: ignoravamos que
livesse lio boa vox, e cantaise com tanto rslylo:
receba, pols, o artista bahia.no cate sincera tri-
buto de nosso reconheclmenlo, certa de que
sempre que deaempruhar aaaim as seas panes
nio hesitaremos em dar-lbe elogios, cao cen-
surainos alguma ves, nao be senao pelo desejo
que leinos de o ver sein defeiios.
O marques da.MualcBore (o 3r Rayiuundo)
esteve bem a carcter e desempenbou adinfra-
Velmene asta pana taienda-nos perder a
nausea, que aoa causou Maaoel llibeiro do rt-
dreNM
A maiajacaa*laaauera(a Sr*. Riu) Igual-
CAMABA MUNICIPAL DOBECIFE.
saSSAO OaDlNAaU Ba 10o*MTSU>aOoC 1850.
Priildeniin doSr. Olivera.
Presentes os Srs. Msmede, Carneiro Mon-
teiro, Visona, Moraes.l'ires Ferrera e Fi-
gueredo, ab: io-se a sessSo, e foi lida e ap-
provada a acta da antecedente.
O secretario nSo teve expediente a men-
cionar.
O Sr. vereador Csrneiro Monteiro fez o se-
guate requerimento, cuja primeira parte
foi unnimemente approyada, emquanto vi-
nha da secretaria de polica a portara ex-
pedida pelo ministro da justica em 27 de
marco de 1846, sendo rejeitada asegunda
eontrs oa votos do seu autor, e dos Srs. alo-
raos e Pires Ferrera.
a Requetro, que nflo estando ainda regis-
trado o deploma de Jofio de Souza Santos
Jnior, esta camera faca suspender tal regis-
tro, fique seja elle remeltido oominissflo
de sa le, aII n de que ella d parecer a res-
pailo. 10 de seleaibro de mu. Camciro
Munlttro.
Enirou em primeira discussBo o projecto
de posturas, organisado pela commssSo que
para isto foi nomeada. o fram approvndos
os ttulos 1., 2 e 3.' da primeira seccSo,
deliberando a cmara que dito projecto paa-
sasse por trea discuuOes.
O Sr. vereador presidente declarou, que
havia contratado por 904.800 rs. a abertura
da vals para serventis do cemiterio publico,
o qualdeve ficarcom 30 palmos de bocea,
20 de profundidades 1,600 e Untos de ex-
tensa.). A camsrs approvou.
A cmara annuio a que se collocsssera as
pilastras do porlflodo cemiterio os emble-
mas, cujos desenbos apreseolou o Sr. verea-
dor presidente.
Tirou-se do cofre, eentregou-se ao pro-
curador a quantia de 500,01)0 rs. para con-
tinuaeflo da obra do aqueducto do pateo do
(.'armo, e mais 200,000 re,, importancia do
leposito feito por Joso Pedro Marques, e
mandado agora levantar pelo subdelegado
do S. Antonio.
Despacharam-ae as pelcOes da sdminis-
traefloda companhis de Beberibe, de Mara
Antonis ds Conceicflo, de Francisco Pereira
da Silva Santos, de Sebsstiflo Lopes Guima-
rSes, e levanlou-se a sessfio. u, Manoel
Ferrera Accioli, secretario interino s es-
crev. OUveira, presidente. fiaaaa.
Uamede. Carntiro Monteiro. Fifutirto.
Ftrrtira.
O ENSINO DA HMOEOPATIIIA NO BRASIL
FUNDADO NO RIO DE JANEIRO, PELO
DR. MURE.
Nenhuma arte, nenhuma profissSo, pode
ser exercid* sem um estudo preliminar.
A medicina, que IraU do ipleresse o mais
grave, aquella da vida humana, acha-se oo
mesmo caso, a por isso ai legisladores jul-
garam necessario a existencia de grandes
estabelecimentos destinados so seu ensino.
Sera por acaso a homcaopathia isenU desU
le geral t Podera ella ser pralicada inJe-
.lendeute de qualquer estudo pievo? Ser
IBo sinipies a dbutrina de Hahnemann, que
qualquer pessoa possa, sem nenhum traba-
Iho principiar s pratica-la ? !l NSo, a ho-
moeopithia. como todaa as outrss scioncias,
exige um profundo e aturado esludo. A
doulrina de llahneman, muilo simples em
seus principios fundainentaes, oflerece com-
i Jo, uros complicacSo extraordinaria as
suas applicar;oes,e pede o exatne de immen-
sos symptomas antes que se possa escolher
um mediesmento n'um caso especial. Pode-
mos'por isso asseversr quo a liouioeo-
pathla deve ser estaduda.
Ora, como nflo existia nenhum meo de
esludar convenientemente a homceopathia
no Brasil, o instituto homceopathico do
Brasil, fundou urna escola, na qual ella fos-
se ensina la com toda a sua puresa. EsU es-
cola depois de muUs lutss e polemices,
oblevo emlim do governo de S. M. I. s auto-
risaeflo de continuar o seu ensino e de oo-
thorgsr. CERTIFICADOS DE KSTUDOS.-Aos
seus almnos, e pde-se dlzer que tem pres-
tado os mais vsliosos servio** as sciencias
a humanidade; primeiro, formando os
mdicos homosopathas, -necesssrios hoje s
povoacSo, e dando-lhes a inslrucfo conve-
nante ; segundo, provocando as experien-
cias purss sobre os medicamentos indge-
nas, e introduzindo os pratica as modifica-
t}0es exigidss pela posiQflo geographica e
clima do Brasil; desenvolvendo os princi-
pios scentlioos da homceopalhia. Vejamos
se ella cumprede urna maneira sstisfactoris,
os tres ol'jectos de sua inslitui(So.
$ 1.' FORMAgA'O M I1OM0EPATHAS.
He evidente, que sO escola homa3opa-
hica pode formar lioxens habis a prali-
ticsr a bomcedatliia, nSo o sabendo nem o
podendo fszer a escola allopathica. Admit-
an, a ecessldsde do ensioo homceopatbi-
cJfninguem pode peossr que elle devia ser
confiado aos homens quedesconhecem, ein-
sulta-n a doutrina de lUhnemann.'!! O*
lllms. Srs Drs. lentes das faculdadesasaove-
ram.que a homceopalhia nSo exisU.seoloi M
imsgmscflo dos discpulos de llahneman..'.'
Pois, bem, lllms. Srs. doutores se a ho-
mceopalhia nflo he nada, dexem Vv. Ss.
que este nada, em que o povo acredita, seja
ensinado e exercidq pelos borneas que o
estndaram, e que nelle acredtam e conse-
graran) suas vidas e fortunas ao seu desen-
volvimento Ums ninlbidsda ensinadasem
nenhum detrimento da fazenda nacional,
nflo deve ofiender a Vv. Ss. em nada. -
llecife. 13 de setembro de 1850. Dr. Joto
de Souza Sanloi Jnior.
(Continmar-teha.)
ESTUDOS.
pxr.io-
irracnvos. ,w,i
Lifo'u outida ftlu ^
atumnoi io mito
ugnint.
Segundo anno.
|| | I.* aono |
o

t) a
2.3
P
mente no merece elogios, estevsrfcem caracte-
,;...! Cri itm auwuiu. :=i? "c c:
bello e nio podemos deisar de advertir ao ca-
bellereiro que aeja mais coldadoao no arraujo
das cabelleiras e do seu perneado, para nao ap.
pareuerem eaaea cabello ein|>aaUdoa de brao-
oo a Irregular mente peuleado. .As demons-
tracoes de praxer, o riso de alegra, os reque-
br de corpo, a faceirice com que abanava
com o seu leque na occasle em que a gaba-
vam de foruioaa, bella e ainda com a frescura
da inocidade foram bem representados pela
ara. Rila, gastamos e nao podemos rcaUlir a
um impulso de praser que nos fea dar algu-
inas risadas : igual aensacao experimentamos,
3uando D. Cesar a vi e he por I). Jos nersua-
ido que he sua mtslhcr e a trata por velli hor-
rendamente tela, e que de bam grado a repu-
dia, que a Sra. Hita moslr eiu seu semblante
o deagosto e a ralva. cumpre-noa aqu dizer
que u disaabor do marques, sua raiva, foram
bam manifestado ate semblante da Sr. Rav-
luuodo, e a preciplUcau com que retirou da
sceaa saa gaaeU nada no deiaou a desajar.
O c.,.:;'-' (r Sr. anasuao) poace teve a fa-
aer; iuorreaasaja aa principio ; Umnem nada
llvemos nour-ibe, a se aos pao merece elo-
gios lambem nao ate digno de censuras.
Laaarilbo (o ar. i.J Perciraj esteva aaaim,
assim: smuuaos-lae manalaoia a atulta Masa:
bedenoesa ebrliaceeeawKaaar acataJsrvea
artista, que esl fazendo o ten tirocinio nothea-
ii w* Eii; .!b?! .ra 5*? ; T habi-
tuando a ceos vicios que'ao depois lhe ser
iiiipossii-el corrigir; veja que o Sr. Cabral se
tem feito incorregivel porque se nao dava ao
trabalbo no comeco da sua vida dramtica de
laucar fra de ai os mullos deleito que Unba e
que crearain raise lao profundas e fortes que
be iuipossivel boje arranca-la.
Cario II rei de Uespanba (o Sr. A. M. da
Costa) uenhuuia diuerenca apreaeutou, esleve
lio ruli como o Appiaai da Mulktr io pe:
nao sabemos porque motivo o Sr. Costa tem
deixado de aculker as nossaa reQeioes: nao o
uerrmoa oender, inuitaa vexes temos con-
catado que tomos afeicoados a sua pessoa
desejainos ardenlemeute consagrar-lbe a mes-
ma afeicao na sena, mas nio o podemos faxer
visto que, como actor est o mesmo, senao
peler: ainda noa JJeut vraeaaavs fallou com
mais clareza, mas ao depois voltou para o acal
otntriloqmimo favorito.
1). Ce zar de Basan (o Sr. Germano) eslave co-
mo sempre, ptimo, observamos que eslava
um pouco rouco, mas fainos informados que
em um pasaeio recreativo pilhara Bina ugeira
oonalipafao, e qoe neata noite ainda ao eslava
de todo rcatabelecido. Tem-ac dito que oa elo-
gios por aoa aarotUajalitadet ao eximio arsia
brasiUiro ala preaipludat, teviaosa, IntaM
ctdoa a ale rsasUflss; digam o que quiteram,
....... nuna.-i
.....' ".H 3 55
ouus.fi B fra
JUilJjd OMU S" O
oa souiaa|SSo] BiS-
td tvfvf ,o>7 a 3
i ii n m
soiipjdjj taiuai so aiuejjj
EaU escola ae acha em plena aclividade dea-
de o dit de tua inslallaco. O metbodo de en-
tino nella seguido he o de Jaootot: e al aillo
metmo a escola est (asando um servico de alia
importancia ao paiz, pondo i prova o avtlema
de ensino universal aem nenhuma deapesa a
nacao faser. No decurso deate anno a escola
ha de fazer, sua cusa, a aquislco de profes-
sores que por este melhodo ensioem ai lingoas
e at sciencias accessorlas, tanti qnellet que aa
destinam ao estudo da homoeopathia, como a
quaesquer oulroa joveos, que de ontra manei-
ra um dia poatam vir a ter uteit ao Prxsil.
Os prufessores actualmente em exerciclo sao ot
tenhores Dr. V. J. Lisboa, Dr. F. A. Bioura, Mr.
J. V. doa Santos e Souxa, Dr. Cocrane, Dr. M.
Duarte Moreira. Dr. Benlo Jos Hartlns e se-
cretario o Dr. Carlos Cbidloe.
lirio fie pitmiBUCo
.cira, 11 oz itnatao aa lasaV
Temosa vista jornias do Rio-Graode do
sul st 10 de agoto, dous oumeros do Jor-
nal do Comnurcio da cOrte, datados de i e *;
peridicos da Dahia, em fin, que alcmsim
a 5 deste mez.
A provincia da San-Pedro fleira tran-
quilla.
Em coosequenca de haver o Sr. brigadai-
ro Manoel Marques de Souza entrado ao go-
zo de urna licene,a de 0 mezas, que ba tem-
po lhe fon concedida, passira o Sr. coronel
Joflo Propicio Menoa Brrelo a eommaodar
as fronteiras de Quarahy e MessSes, testa
de urna brigada que, com a denominarlo
de lerceirs, ser composta dos coros ds
guarda nacional destacados n'aquellsa fron-
teiras, do quarto regiment de civillaria
ligeira e do lerceiro batalhSo de eacadores ;
sendo substituido pelo Sr. coronel Francis-
co Flix ds Fonseca Pereira Pinto no com-
mando da fronteira de Bag e no da quinU
nos proseguiremos em notso proposito teta at-
ender a gritoi da lvela au mi voniade. C-
lao nio elogUr ao Sr. Uermano veodo-o na des-
rinpeuliu de U. Cezar aalislaaer eompaetaniea-
te ao publico e aem commelter a mala leva fal-
la ? Nao aera mal qu* iojuslica reconhecer
que o Sr. Germano he o primeiro actor kwatl-
leiro que entre Ba apnarrecu, e gritar o Sr.
Germano nao presta, be peior que Clr Gorda?
Nunca : nunca seremos lao revollantemente
iiijuftto. Confessamos que a Sr.Germano nao
he artista perfeit j, que precisa ainda de algu-
ma cousa para obegar a ette ponto; mal por-
que este Sr. nao ba o proprio genio dramtica
basemos diaer que elle para nada presta? Ha-
vemos callar o que cita tem de bom. da pti-
mo ? Nio. Aquellesque tem dito que o Sr. Ger-
mano nao be o que nt aruuwnoa, isio he, o
uiilbor artista dramatice qae Um vindo a Per-
naiubuco, nao se tem dado ao trabalba de mos-
trar ao publico quaes lio oa defaitoe skitc ac-
tor eerto be que aa ea nio aonfaecam e eataa
s o desejo, nao de oensurar, su deaaprimlr
a laU es forca, oo te oa cosmacem sao km la-
Juitoi em ot nio paleatcar ao publiee^ caja
iminir querem aiiuKai, fvi^az tiSUSm *~
lavor do notto mal aUgeo patricio a Sr. Ger-
mano, que para ser eUaiado nao preoieeu vari
Prruaaiauco: ao nio-de-Janeiro e aa aula,
onde nao ae d exnaacio a esse uaeaojalaUao kuda>
rasase, queae (a* tajuelos a almlimtait* aV
I MUTILADO !l


Y\
brigada, rom posta e varios corros de
guardes nscionses, do segundo regiment
lo cavallara ligeira e do oitsvo batalhao de
caradores,
Fora pronunciado a prsfln e llvratnento,
como incurso nos arts. 90 e 119, em referen
ciatos arts. 68, 85 e 116, e bem assim no
art. 994 do cdigo crimioal, e por cqnse-
RUinl como reo inafiancavel, nos termos
do art 38 9.da lei de 3 de dezembro de
1841, o Sr. Manoel Jos da Cmara Jnior,
editora redactor do peridico Phartl.
A sentones que o pronunciou he a se-
guate :
Julgo procedente* denuncia, e obrigado
o reo Manoel Jos da Cmara Jnior, pri-
sfloelivrmento, como ocurso nos artigos
90, e 119 em referencia aos artigos 68, 85 e
116, e bem assim no artigo 244 do cdigo
criminal; porqoanlo, vistos os autos, deltas
se niostra, pelos escriptos impressos indica-
dos na denuncia, e contidos nos numero*
do peridico I'harol, que se achflo juntos
de folhas sete urque folhas Tinte e seta ,
que, se destribuiram por mais de quinze
pessoas segundo afDrmam as testemunhas,
e o confessa o mesmo reo a folbas cincoen
la e cinco, que este provocou directamente
por meio de taes impresaos os crines
attentatorios da integridad* do imperio, e
da forma do governo estabelecido, e de re-
sistencia, nos termos dilllnidos nos citados
artigos, e alm disso o de injuriar a cmara
do senhores deputados; crimes estes, dos
quaes os tres ltimos se repelram Das di-
versas reincidencia especificadas pela de-
nuncia a folhas trila e oiLo. Nem se pode
julgar declinada a responsabilidad do loo,
como elle pretende, i vista do documento
de folhas cincoenta e oito, pelas pondero-
sas rasOes claramente manifestadas dos au-
tos ; primeramente, provase do peridico
denunciado no fim de sua ultima pagina,
que elle he o propietario da lypographia,
como i rapressor da mesma folha, e como
tal o responsavel por ella; prova-se alm
dissopor seu interrogatorio a folhas qus-
renta e dous verso que elle confessa ser o
redactor, ou edictor daquella folha, alie
gando apenas nfio ser o nico, por isso que
utros lambem escrevem para ella ; termos
em que ara da sua obrigaco apresentar os
instituicflodossdvogsdos, e considerara
em segunda o que apresenlra o 8r. Car-
neiro Leo autorisando o governo a refor-
ma, no caso de guerra, as leis que regulan)
a disciplina do exercito e marjnlia, de mo-
do alterar, como convier, as penas, o pro-
cesso e a competencia do foro militar.
A cmara dos deputados adoptar as emen-
das do senado ao projecto sobre Ierras de-
volutas o colonisacflo; e bem assim, em
terceira discussSo, o que di faculdade ao
governo para sentar dos direitos deanco-
ragem os vapores que navegarem entra o
Brasiles GrSa-Bretanha.
Tinham bailado secretaria de esta-
do dos negocios da juitica os seguintes de-
cretos :
Mandando que d juixde direito Manoel
Jos Kspimlola continu a servir o seu lugsr
na corncea de Camam, da provincia da
Itahia. .
Mandando que o joiz de direito Evaristo
Ferreira de Araujo continu a servir o seu
lugar na comarca de Itapicur, da provincia
da Baha.
Hemovendo o bacharol Josquim Rodri-
gues de Souza do lugar de juiz de direito
da comarca de Porto-Seguro, d provincia
da Babia, para o lugar de juiz de direito da
comarca de llhos, da mesma provincia, na
forma por elle pedid.
Kemovendo o bacharel Manoel *emendes
Vieira do lugar de juiz de direito da comar,
ca de S.-Goocslo, da provincia do i'iauhy,
para o lugar de juiz de direito da comarca
de Pombal, da provincia da Parahiba, na
forma por elle pedida.
Nomeando o bacharel Francisco Xavier
Paes Brrelo, juiz d direito da comarca
de Oeiras ecbefe de polica da provincia do
Piauhy.
Nomesndo o bacharel Bemvenuto Augus-
to de Msgalhfies Taques juiz de direito da
comarca do Monte-Santo da provincia da
Baha.
Concedeodo ao bacharel Izidoro Borges
Monteiro a demissfio que pedio do lugar de
juiz municipal e de orphSos do termo de
Barra Mansa, da provincia do Itio-de-Ja-
neiro.
Na madrugada de 9 do correte arder o
predio da ra de S.-Jos n. 35, que, sendo
Butogrspbos-, que demoostrsssem nflo ser muito velho, de sobrado o frente, de
grande solflo nos fundos, ora occupado por
vinte e um moradores em quartos singados
Dando cunta dosiaistro, o loma! do Com-
mercio diz :
Manifestou-se o incendio pelas duas
horas da madrugada. As labaredas sahiam
do edificio com tanta violencia, que bem se
via que o fogo lavrava no interior havla
muito tempo. Pelas duss horas e n eia ile-
sa bou o sobrado para o meio da ra, toda
forra do incendio passou psra o solflo,
que ficou em pouco lempo, assim como o
resto do edificio, reduzido a cinzis.
obra sua o arliges denunciados, i
sim de outros individuos, o que nSo fez,
soles declara se terem extraviado como se
v de folhas quarenta e tres em fim e verso:
v-ge mais dos nmeros do mesmo peridico
trint e quatro e Ireze a folhas qusrenta o
cinco e folbas quarenta e sete queo proprio
reo se declara nflo s proprietario d* lypo-
gaafci, mas nico edictor delta, embora a
folbas quarenta equalroqueire dividir a res-
ponsabilidad entre si e outrss pessoas,cojos
DomesdissenSo poder declarar:manifesta-se
queellelmesmosereconhececomo um dose-
ditores, ou autores dos escrinfos denuncia-
dos e que por mais esta rasSo eslava na
precisa neeessidade de apresentar os auto-
graphos para resalvar-se da responsabilida-
de.finalmente a prova de que elle he o edic-
tor da dita folba mais se reforja pelas res-
postas da Claudio Dubrenil, empregadona
typographia, folhas sessenta e seis verso,
onde declara ser o reo o edictor responsa-
vel do peridico que se trata. Em taes ter-
mos nflo ae poderta admittir a obrigaco de
folhas cincoenta e oito, se nflo como Iluso-
rio da responsacllidade legal; e. ainda
quando assim nflo fosse, se nflo como im-
procedente, visto sua irregularidad ; por-
quanto o pretendido responsavel nflo se de-
clara nella edictor da folha como fora in-
diapensavel, e contrahe urna obrigaco n-
delinida, eiimin lose dos artigos, que te-
nham autor; rasfio esta que de novo im-
punha o reo o dever de produxir os auto-
graphos dos denunciados, par se recouhe-
cer se elles se incluiram ou nflo em seme-
llianle obrigacSo, asiim indefinida. Accres-
se aindi, que a obriuacflo de folhas cin-
coenta eoito he Uo de proposito, e mali-
ciosamente concertada, que, sendo o in-
culcado respoosavel chamado a perguntas
a folhas sessenla e dous vers, denegou-se
obstinadamente a responder os quesilos ,
queso the fizeram, relativos ao peridico
circumstaaciaa em que, nflo tendo o reo
aposentado oa necessarios autograpnos ,
lorns-se impossivel declinar sua responsa-
bilidad*, Unto mais patente quinto elle ,
alm de impressor, declara-se edictor, co-
mo cima (ca observado. Porlanto, e mais
doa autos, obrigo i prisSo e livrameuto o
denuncisdo Manoel Jos da Cmara Jnior,
pelos crimes dos sobreditos artigos, camo
reo inafiancavel nos termos do artigo 38,
paragraphos 9.' da lei do 3 de dezembro de
1841, pflo s atlendendo-se somma das pe
na elle por communicada.mais lambem aqu-
resulla das reincidencias nos crimes com-
mettidos. Oescrivlo lance o seu nomo ao
rol dos culpados, reccommede-o na prisSo,
e proceda-se ultreriormente nos termos da
le. -- Porto Alegre 15 de julho de 1880.-
Antomo Ludulau de I tgutirtdo Rocha.
Na corte achavam-se as cousas no statu
i/mi, no tocante a poltica ; sendo que nada
respira va que fizesse arrecciar pe deca-
dencia d que ora domina.
O senado copcluira a terceira discuasflo
do projecto sobre Ierras davolulas, e do que
da nova oigaoisacflo ao corpo diplomtico :
approvara em primeira o que diz respeito
pouco se sslvou ; os moradores do solflo es-
caparam a cusi; eflcou muito maltratada
urna enfermeira franceza que eslava doente
o de cama.
Comparecern) os Srs. inspector das
obrss publicas, commandante das armas
com seus ajudantes de ordena, director do
arsenal de guerra, inspector do de marinba,
commandante de permanentes, subdelega-
do deS -Jos professor degymnaslica Bide-
gorry o muita* outras pessoaa. Todos ri-
valisaram para atslhar os progressos do in-
cendio. Pelas 6 horss ds mantilla eslava o
fogo apagado.
Os dous edificios contiguos flcsrsm bas-
tante arruinadoa.a
minado Caracas. Foi daqui despachado
com carregnmento de sal para o Rio-Cran-
dff; descarregou em Paranagu, donde se -
guio convenientemente apparelhado para a
empresa queacabou dereslisrtr em Csbo-
Frio. Consta-nos que trouxen 850 ne-
gros, dos quaes 150 fram dizmados na
viagem.
Como cima dissemoe, o brigue foi in-
cendiado pela sua propris equipagm ; mis
sempro salvaram-so o panno e mais algu-
ms miudeza. U commandante do cter
pode prender a um dos eaarinheiro?; o de-
legado prendeu a dous outros e ao patrio
da lancha em que se fez o desembarque.
Uavia na corte gazetisde flew-Forck al
13 de julho prximo passado.
. Trasladando para aqu o artigo em queo
Jornal do Commercio da conta do que colbe-
ra nessss gazetas, nflo supprimimos a par-
te relativa ao passamenlo do general Zi-
chariaa Taylor, annunciado por nos em o
Diario a. 199 de 5 do rorrete, por conter
elle urna noticia biographica cere deate
distincto general e do Sr. Millord Filmore,
que, de coaformidade com o estatuido pela
eoiistituicflo dos Estados-Unidos, foi cha-
mado a substituir o Ilustra, finado na pre-
sidencia da Unido
Eis o artigo i que nos referimos
O general Zacharias Taylor, presidente
dos Estados-lio idos, faiieceu em Washing-
ton as 10 horas e me'.a da noi te de 9 de ju-
lho. Tendo-se exposto O80l DO da 4 para aa-
sistir celebradlo do anniversario da inde-
pencia do seu paix, aggravou-se a molestia
3ue soffris, disenteria milign* contrthidi
uranle a campaoha do Mxico,e soluoveio-
Ihe um typho ao qoal sucumbi em cinco
das. A noticia da sua morte rsusou o mais
profundo pezar em toda a linflo.
O Ilustre general nascau no condado de
Orange, Estado da Virginia, em novemb-o
de 1790, e entrou para o servco em 1808 na
patente de lente do stimo de infantera
de Imlia. Em 1819, quando rabentou a
guerra com Inglaterra, achava de capillo e foi norneado Nsmaaote doj
forte do llaraisoo, na Indians, Bwieao im-
portante, slluade*jo meio de tribo hostia.
A maueira brilhanle porque defendeu
aquelle ponto cootra lodos os a laquea dos
lodios, valeu-lhe a patente de mejor, as
operarles subsoquenles daqneila guerra
nflo teve o majo r Taylor occasilo de distin-
guir-ae proeminentemenle. Ligado divi-
slo do general llopkins tocou-lhe a peooss
larefa de perseguir os lodiose cont-loa. -
Em 1839 foi promovido ao posto-de coro-
nel e passsou a lomar parte activa aa guerra
da Florida.Da toda as lulas que os Estados-
Unidas tem tido com os lodios foi aquella
por sein duvida mais reunida e Migan-
te. O mu vi ni en tos e victorias do coro-
nel Tsylor contribuirs porm poderosa-
mente par a sua terminadlo, o elevaram-o
Dos objectos que continha o predio ao Iposto de brgadeiro. Norneado pouco
abala* traoacrevemoi
-'" 101 eiop-iaao :
1 aoneio ioiprovliado
pilo Sr. Y. Munii Harrelo da platea do Iheatro
deS. -loso na Bakia, representndose o faot*
da a(ju6arrala. O Sr. atuoiz nao era amigo da
Sr Germano, mas vendo-o representar ease
papel, fulliusiasmou-se lano que a petar de
nao ser seu amigo nao pode retiitir, e lax-nde-
juslica linprovlsou o referido soneto : ouanlo
lie digno de iiniUr-ae esle ejemplo de nnpar-
uahdade. utas oa loimigos gratuitos Jo Sr.
Germano em Pernambuco, raladoa por nao ve-
rem no Ihratro de Sania Isabel aa fandanea-
da* de Gamboa, enlrndeui que a porque se
aprecia o metilo de um amala nacional, me
deaempeohaauaaobrlgafOea com geral aaliala-
fo, aleve este acr victima da nata arrieiral
deaestasnoalura. o d o Sr. Germano o me.
sor cavaco rom o graaaar de um pequeo ban-
do de (ralba*, gota da estima geral enlre ai
peasoas mais gradas e entendidas do Recife
le em seu favor a nplniao publica e acceita-
ao do povet he qnanlo Ihe basu, he este, o
aeu tnaler podri d loria.
Corre-nos udispriavei obrlgacao de fallar
uuibem sabr a deeoracao. A visu de aala do
tercclr*clo aleve anagniflea, bem piolada e
de inuilogoaio, mas a de columnas atuea, que
O ornal citado copia de Crrelo Mercantil
de 9 do correte o seguinte :
O cter da alfandega Nareeja, andando
cruzar fora da barra do Ho-de-Janeiro,
avislou ao norte de Ctbc-Fro. prximo
prata do Pir, um barco com todos os indi-
cios de querer desovar Africanos. o di
96 de agosto, em que este facto teve lugar,
officiou o cammandanle do caler autori-
dad policial daquelle dislriclo par que
houvesss de proceder a diligencia de appre-
hensfio. A autoridade hesitou, allegando
receio de compromeltimeotos, e s no di
seguinte pela manilla compareceu no lugar
lo contrabat lo, mas nada descobho. Nes-
se mesmo dia, tendo o culer dingido-se pa-
ra o sobredilo bsreo alim de regisla-lo, a
trpulaco deste deitou-lhe fogo e fugio pa-
ra Ierra. Este facto e oulras circumstan-
cias, deixaodo fora de duvida a perpeira-
c3o do contrabando, o commandante do cu-
ler, depois que se retiraran-i as sutoridades
do lugar, deliberou-se a proceder por si s
novss diligencias, e inmediatamente deu
com ai vistas n'um espectacul > horroroso
trlnla e cinco Africaooaque nflo bou ve tem-
[o para serem recolhidosso deposito, e dos
quaes cinco eslavam morios e outros, para
ssciarem a fome comendo ara e querendo
devorar-so uns ios outros.0 commandante
do cuterapprehendeu-os edeixou-os deposi-
tados em urna casa, dando de tudo psite ao
delegado de polica. Chegando esle, ja es-
lavam reduzdos a 99 os 30 Africanos, leo-
do portento desapparecido 8. Dos 99 viera ai
17no cter, e 5 fram mandados para Ca-
bo-Fro; destes, 4 ja tinham fallec Jo, e o
outro scliava-seea vosperas da mesma des-
grao.
o brigue Sagaz, outr'ora americano e deno-
depois commandante da fronteira, auccedeu
uo anez seguinte ao general Jeeaup ao com-
mando em ebefe do exercito da Florida, e
durante o quatro sanos que exerceu aquel-
le commaudo houveaae aora tanto tioo e
prudencia qce conseguio a sahmisslo ami-
gavel de todos oa chefes indios.
Passsndo depois commsndar o depar-
tamento meridional, compasto de quatro
Estados, s Louislan. Uisaissipe, Alabama e
Georgia, foi uomoado finalmente
1829 foi eleito membro da legislatura pro-
vincial, e em 1839 foi norneado deputado ao
oongresso, onde muito se distingui. Eleito
vce-presidante da repblica em 1848, sus-
lentou ns presidencia do senado a reputa-
eflo que saos grandes talentos lhe tinham
grangeado. BJ
O Hra/tf dt:
0 Sr. Filimore entra as funcefles do
seu cargo, em um periodo critico da nosss
historia. Antes de expirar o prazo da sua
presidencia, estar [esolvida a questflo da
eseravidlo ou dissolvids a Unifio. Opaiz
o far responsavel pels mineira porque des-
ompenhsr os seus deveres, Muito se espers
dalle, e conliamos que essas esperanzas
nflo serlo malogradas. ,
a primeiro resultado do governo do Sr.
Fillmore ser a organissQlo de um novo
gibinete. 0 velho deu honlem sua de-
missflo, enem por um momento ae podis
suppr que o Sr. Fillmore cooservsrie na
admiuistracSo homens que se teem mos-
trado imbeceis, corrompidos a impopu-
lares.
..." 9 .ue nJe oceup mais ttenelo po-
blic, he influencia que ter presiden-
cia do Sr. Fillmore oa grande questflo do
di o bil de IrtnsscSo que se discute
em ambas as cmaras. Inclinmonos a crer
que produzir effeitos benficos, pelas ra-
soes seguintes. Couhecemos o Sr, Fillmore
e nenhuma duvida temos de que fsr todos
os esfrcos para queo seu minlsleria whig!
obre de eccordo, lano quanto fr possivel,
com os principaes estadistas vtrhigs deam-|
bs ss cmaras, representados pelo Sr.
Glay. 0 Sr. Killmore he bomem do norte,
mas nSo pensamos, nem por um momento,
qae, como presidente dos Estados-Unidos,
acoroce elle os fanticos douoite.nam
os'ultras do sul. Temos, pelo contrario, a
convierto de qu far ludo quanto eativer
ao seu alcance par o ajuste da questflo da
escravidSo, epsra a approvacflo do bil de
compromisso ou de trsnsacclo, como o me-
llior meio de por termo agitadlo em que
se echa o patz. a
0 funeral do general Taylor teve lo-
gar no dia 18, com grande pompa.
a Corr como certo que o 8r. Webster
ssria norneado secretario de estado.
a O exercito doa Estados Luidos foi ele-
vado de 8 a 14 mil hojneaa.
a No dia de julho houve em Philadel-
phie urna das maioresconfigraces de que
lia reeordacAo nos Estados-Unidos. As 4
e meia horas da madrugada, pegou fogo em
urna cas situad em Water Mreet, que
servia de armazem de reno, velas de navios
e salitre. Tinha-sequssi conseguido domi-
nar o incendio, quando a explosSo de mil
saceos de sslilre lhe veio dsr forca irresis-
tivel, incendiando e derribando as casas
contiguas, onde trabalha grande numero de
bombelros. Emquanto estes procura va m ti-
rar daa ruinos a seus infelizes companhei-
roa, lavrou o incendio espantosamente, e
qaando foi possivel extingui-lo, estivam
quemadas 350 casas, em urna reia de 15
geiras. A perda he avahada em um milhlo
d pesos, porm o mais lameniaval he que
pereceram 4* pessoas, e Qcasam 150 feridas,
Da Havana hara noticie* em New-'
York, t 4 de julho. Parece qae o conde
gulamento qae b'aixou com o decreto nu-
mero 415 de 49 de juobo do mesmo anuo,
no que poderflm sor applicadoS a arrecada
rio das imposicOes lanzadas a respeito dos
diversos objectos de que traa o menciona-
do paragrapho da lei provincial.
Palacio do governo de Peroambuco, 7 de
agosto de 1850. Joi Ildefonso de Souza /la-
io.-Conforme.U oflieil-maior, ktanoii
Cltmenlino Carneiro da Cunka.
Com a organisaeflo ds novs lista dos sup-
plentes do juiz de orphSos, em i qual nflo
inclu s Vmc, attendi ao que rae represen-
tou em o seu offlcio de 28 do corrente quan-
to dispenss que pede da cargo de primei-
ro supplente, e assim respondo so seu men-
cionado odelo.
Dos guarde s Vmc. Palacio do governo
ile Pernambuco, 31 de agosto de 1850. lo-
s Ildefonso di Sousa Jtamos.- Sr. Vicente Pe-
reira do Reg, juiz de orphflos primeiro
supplente do termo desta cidade.
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimento do d 14 .'.15:081,575
Descarreiam koje 16 de telembro.
Barca Julet-- vinhos.
Barca Templo fsrinha.
CONSULADO GErUr..
Rendimeoto do dia 14..... 499,605,
KXPOHTACAO.
Despachos otar limos no dia 14
Barcelona, brigue hespaohol Thamae, de
986 toneladas : coiadu o seguinte : 900-sc-
ca com 5,0if arroba o i libras de al-
go Jilo.
Ass, brigue nacional '/lie-Destino, de
199 toneladas : couduz o seguinte : 3 Totu-
mes fazeodas.
RECEBEORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rendimento do dia 14.....471,326
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do di 14......117,312
Me. Keeaar a promata entrega dospresio-
- ^? ffflffi ss ssrr s.vr
capilis uao lein ordein alguma.e aera para de-
aejar qae a digna administrador nao ae sirva
mala deasa vista em a insudar emendar, assim
cuino o panno de fundo que faixa a vista de pra-
ca. He para lamentar que o Sr. Claudino Cor-
rea Cabral nao lenha lldo occasi.io de pintar al-
guia decora;ao para o theatro este artista
aeenograpbico, nosso comprovinciano, tcm si-
do victima das calumnias, segundo consta, de
mu artista ealrangeiro que luvejoso do talento
e pericia do artista peroambucano lem'eurida-
do lodoa os seus esforcos para o desconceituar.
Cuanto ganhar o theatro com aadinisao do
Sr. Cabral / Quanto nflo aprovellai a Sr Se-
basiiao pinlor do theatro datado de um raro
talento Irabalhando com oulro que rene oa
conlieciiiienios lliaortcoa! N6a reoommenda-
moi novamente ao Sr. Germano o Sr. Cabral.
Fiadou o espectculo com a comedia em una
acto Os iranios ias almas que foi repetida;,
e coui Juatica podemos diser que a acbaiuoa
mala bem secutada que da prlmeira vez.' o
Sr. Santa Rosa esleve muito melhor, fez-nos
rfr!s d=.- pulo: dssaidcnadv* aiu Uzot-,
mullas carelaa: permita Deoa qae o B. Sania
Rosa perca o cosiuuie de fazer carelaa forfadaa
quando ellas nao sao preclaaa.
Agora que a entrada da platea he pela frente,
exercito que invadi o Meico pelo Rio
Grande, e com o qual ganhou e*sa serie de
victorias que collocaram esvu notas par
dos generaes mais distinto da UsMo.
s Promovido ao poalo de marechal de
campo, relirou-se o general Taylor, no fim
da campanlia do Mxico, para Mua fazenda
do Baotono Houge na Lousiana. O seus
grandes servicos linham-lhe grangeado a
eslima dos seus concidadSos. Aprensentado
em 1818 pelo partido conservador como
candidato presidencia dos Estados-Uni-
dos, foi recebiJa com entuuiasrao 8ua
candidatura e obteve um grande triumplio.
Km 4 de marco de 1849 tomou poasa o Ilus-
tre general do cargo eminente de primeiro
magistrado da repupllca.
Como magistrado civil, diz o Uerald, o
procedimento do presidente Taylor foi an-
tes negativo do quo positivo. Tolo o paiz
reconhece porm ter elle sido, no sentido
mais lato, patriota, sincero, virtuoso e livre
de ambicio paasoal. II* o maior elogio que
se pode fezorga hornea cuja gloria militar
uflo ha palasraa que possam engrandecer, e>
a quem todoo mundo civiliaado rendeu h'<-
menagem detsisniraQflo. Desceu ao tmu-
lo com urna reputsgflo e fama dignas d< en-
veja, e su memoria vivera no coragSu dos
seus concdadlos, qua univeraalmenie cho-
ran a sua parda, en um dos peridicos
rna crticos da confederadlo, como orna
calsmidade nacional. /
Segundo o artigo da conjMsiicSo dos
Estsdos-Unidos, que estatua. da morte do presidente, or da aua demis-
sflo, ou incapacidado da d/aampenhar os
devores e fuucces daqueip* cargos, ser
chamado a exerc-lo o vje-presi lente da
repblica > he hoje prea|nt dos Esta-
dos-Unidos o Sr. Millard /Ulniore, gue era
vice-presidenla 0 Uuiflo e presidente uo
senado felersl.
0 Sr. Fillmore nasoeu em 7 do Janeiro de
lSO.no condado de Cayuga, Estado de New-
york. Em ISZG formuu-sa em direito, em
poder do alrairaate Ae-
mero, que linda a respeito defst entregr
opiuiflo mui diUerente da doaapitflo gene-
ral. Os besdsnhoas rauui.1q.uina grande
forca naval na llavan. Acaba va de chegar
um reforco de tres fragata* e dous brigues.
* Da California aloanfam as datas ao I."
de junlio. Aquella aa,z, o Herald, mar-
cha rpidamente par o ponto de grandeza
e de importancia qu parece lhe marcar o
destino. Os seus -thesoa/os mlnaracs sflo
o-di as sedescobrem
Miquanto o coogres-
da escravidSo a da
mala muito iusparteita. aa columnas sao mais publico a Sr, Germano ouc .ara canunado
groases par cima, e mal au pus balxo oa da fauilia* que frequenlam o t^uoT\\^ad
abrir as duas portas mteraea, e a rasao he, que
tendo so aa frente duas portas de sabida Mea
uiua(a do lado do aorta) apiuhoada de boinena
que ah eaiao a recebar aaaa beugallas, a ouira
da parte do aul igualmcute entupida pelos mi-'
ronriaasiiii com bstanle diliculdade e eocom-
moda paaaain por ahi aa aeuhoras, demaia com
a entrada da platea pala frente as eacadas da
E rimen a ordem rlcaiii cela* com os que aa-
erada platea; portan lo, abenas as portas la-
teraea, tem as lunillas de deacer pelaa escadas
do fundo dos corredores aem embaracos, nem
eiieoiiiinodos. Conliamos que o Sr Germano
atlendera a esle n saa pedido, c aatiafar a tala
urgeuta neeessidade.
_lonsU-nos queja no da 7 esleve aberloo sa-
ino, no dia II elle eslava feizado, talvez por ca
recer ainda de lignina obra para o seu acaba-
meato : nada portento podeinoa diser delle
por ora.
Su> o nosso iblheUea aaaerlor prontctlemoa
responder cabalius-nie ao Jobo do telegrapbo,
mas agora rellcctindo melbor julgamos nada
wisci-Iiic, cisa-io em pica lucrade psra de
noi dlzer o que inulta lite approaver, aem que
de nossa pane llie dirijamos una a patarra.
Cunheceaos que o Joao ha una guia que re-
anaala cus voos ao seis alto das eapheraa, e
atoa buauUde borbolata,qae esvoaca rastelra pe-
la pamela a no Uuaiaaraznas a agradecer ao
Joao aa palavraa notidaa. oa termo c! v is e de-!
inexhaunveis, e
novas minas da
so discute a q
admissflo dto*
com urna ra n de que nflo haexemplo
na historia do mando; Cidadas, villas eai-
deisssurgem em lodos os pontos como por
encanto.
Dn 15 de abril a 99 de maio, tinham
chegado a San francisco, por via de mar,
7,087 passageiros, do quaes 340 mu-
\eres. *
Baha gozava de pax.
' Eslava concluida a eleicSo que all se
proceder pare dous senadares. Seu resul-
tado be o seguinte:
Os Srs. Votos.
Francisco Concalves Maitins 1,919
Manoel Vieira Tosa 1,905
G.etano Silvestre 1,534
Joflo Joaquim 1,993
Pinheiro 1,002
Netlo 814
Cornelio 740
PRAGA DO RECIFE, 14 DE SETEMBRO DE
1850. A'8 3 MOKAS OA TARDE.
imilla semanal.
Cambios llouversm treosaecOe* a-
vultadas a 98 1/9 t- por
1,00* rs., e ha lettras offe-
reeidss a este preco.
Algodflo-- Entraram 809 saccas, quo
ae venderam de 7,900 a
7,300 rs. a arroba de pri-
sa eir sor te, e de 6,800 a
6,900 rs. a do segunda.
Assucar- Nflo ha.
Bacalho Exixtem em deposito 3,000
barricas. Relalharam-se
de 11,000 a 13,000 rs. por
banica. }
Rameas vasias Vendersm-se a 500 ria es
levantadss, e a 40* re. as
abatidas.
Carne secca Apenas flesram 5,000 arro-
ba por vendar da exilente
a bordo.
. Os procos rogu-
de Aleoy tiuha promeltido ao coaBodoraJ ; laram de 9,800 a 3,900 rs. a
Caum
arroba,
mbo Vendeu-se a 13,000 rs. o
quintal em lencol.
Farinua de trigo dem a 19,500 rs. a barrica
da deRichniond, 90.000 rs.
a de Baltimore, 18,000 a
19.000 rs. a de Philadel-
phie, 19,000 a 19,500 ra. a
de Trieste SSSF, e de 18 e
18.500 a franceza marca ba-
rn.
Oit de msnd. Ha abundancia, tendo-se a -
penaaobtido den. 1,800a
2,300 pela sacca.
fio de sspstoiro Vendeu-se de 600 700 r.
libra.
.'Bstsdo, prospera elle Manteig dem 480 rs s libra da in-
glexs, e 360 rs. di fran-
ceza.
Msssss -, dem 5,900 rs. a arroba.
Vinhos-------- IJem a 95,080 r. pipa do
de Marsellia.
Exlstem no porto 46 embarcacoes, a -
ber : I americana, 1 austraca, 31 brssiiei-
rs, 1 dinsmarqueza 4 francezas.'l hambur-
gueze, -i bespauliolas, 4 inglezls 1 porlu-
gueze.
ior-i ii .........iassg*aasgq**a
lovimeoto do Porto.
iTbn
cales a 1 edido.
*i
O presidente de provincia, ussndo da at-
tribuieflo que lhe conere o $ 4 do art
slw-. carta de lei de 19 de agosto de 1834
resolve que pera a execuc.80 do $ 13 do art.
34 da lei provincial, numero 941 de 98 de
junho do correte anuo, se observe provi-
soriamente disposicOas do regulamento
provincial de 97 de junbo de 1845, e do re-
licarios de que ae servio para fallar de noi, e
confetsame-nos indignos de lana honra qua una
quer dar o Joao letegraphlco, -honra que ex-
clusivamente lhe compele, l'ediiuos-llie eiu-
liin que nflo continu a atribuir a nosio folbe-
Um a oulrem que nenhuma parle lem nelle, so.
moa nos que o escrevruoa, e nao eata peaaoa,
a qual a de vista?tullecemos, e nao pudciuoa
sollrer que o Joa a queira lser victima da-
quillo que nao he aeu, assim como nao cauhe-
cemoa ao Sr Germano, aenflo da aceaa, nunca
lhe apenamos a mi, nanea fallamos com elle,
ecouitudo Irihulamoa lhe stecera ainisade por-
que damos apreco ao mcrlto em quem quer
aua elle appareca, e ache quem quUeroSr.
erniauo ino, nos o adiamos boiu, estamos
em iguaes direlloa, o que nao queremos be que
aquelle* que deprimen o Sr. Germano uoa
descompoabam a porque o achamoa bain!
nao he asilan que ae reapeltam aa conviccoea
alhelas. Abl val o aonelu de que cima falla-
moa.
? *
JVaefos entrado no dia 14.
Baha 6 das, patacho nacional Ptor-dm-
Bmkia, da 915 toneladas, capilOo Domin-
gos Jos da Silva Papafioi, equipagem i4.
em lastro; a Manoel Ignacio de Ollveira.
Veio receber pratioo a segua para o
Ass.
dem 7 das, brigue nacional S -Jas, de
159 toneladas, mestre Jos Ramn de Sou-
za, equipagem 19. carga varios genero;
viuva Caudino & Filbo. Traz um eaera-
vo a entregar, -t *^^^H
Rio-de-Janeiro8 das, brigue-escuns llen-
ngueta, de 133 toneladas, mestre Manoel
Joaquim Lobato, equipagem 13, Carga
carne e mais geueros; Jos Rodrigues
de AraujuPorlo.
wss^mmwmwsmmmhssummmwmmmm
AO INSIGNE ACTOR BR#SILE1R0
o cario r tiirmaiu Francisco sle O Unir.
Depoii de haver elle primoroiainenle eiecu-
Udu o papel do J-ayaa is AUntarroU na bllla-
drama deate Dome. "^
SOMETO.
Da miierrima /*( o grande esposa
Trouzrilcs vivo a bahiaua acea.
Qur na phrase de amor leda c serena,
Quer daa paiides no impelo fogoa.
No Luso Himno,'*) cuja fim penoao
D'ingralo t faro a Portugal eondemna,
Ouanlo elle brllliou co'a espada e peana,
Na comioa brilhaale, actor famoso.
D'AIjutarota no tililimt payem
Taulo agora l'ergueate qu'luapiraale
Mau estro a le reuder eata omenagem.
O genio de Leal ('*) eetn o un hanraste,
Avante, Fluminense, eia coragem !
Tena nonie em la patria, tala te baste.
lmprov liado por F. Monis Barrs
('j No papel deCamei no drama aislin in
() O Sr. J. da S. Mendes Laal, ezlmlo poeta
dramtico n autor do excelleate drama--Opa-
ss i* *|/Mpro'*
MUTILADO i


Naotat sahidos h memo dia.
Parahiba Hiate nacional Nova-Sanla-Crut,
mostr Antonio Manoel Alfonso, carga va-
rios gneros. Passogeiros, os Brasleiros
Ricardo Francisco de Oliveira e Jlo Por-
firio de Carvalho.
demlllata nacional Parahihan, mealre
Nicolao Francisco da Cos, carga varips
gneros. Passageiros.-os Brasleiros, Jos
Hilarle de Soma, Lniz de Franca Costa,
Brnardino Jos Bandeira e Joaquim Jo-
s da Silva.
N. B. -- Moje, 15 do correte, nfio hou-
veram entradas nem sahidas.
na
EDITA ES.
I'eraole a cmara municipal desta c-
dade contina a estar em praca, nos dias 18,
204 83 do correte, os objectos que anda
nao fram arrematados, taes como ribeira
da Boa-Vista, imposto dos mscales e hoce-
teiras, casa da ra Imperial, e alguna talhos
tloeacougues pblicos e bem aesim o im-
posto de 5C0 rs. por cabeca de gado vacum,
eas calinitas da ribeira de San-Jos em que
estilo os tainos, sendo a arrematacSo das
Diesmas de urna a urna, e nSo em globo co-
mo dantes : os licitantes podem comparecer
nos mencionados dias, munidos de fiadores
devlsmentc habilitados. E, pra eonstef,
se manda publicar 0 presente. Cago da c-
mara municipal do Recite, em ess.lo de 1*
de S'tembro de 1850. Francisco Antonio
di Olivtira, presidente. -- Manoel Ferreira
Accloii, secretario interino.
Pela inspectora da alfeandega se faz pu-
blico que, no illa 17 do correnle depois do
meto-da, se hSo de arrematar em hasta pu-
Mii* a porta da mesma, 48 cortes de vesti-
dos de cassa bordados por factura, um,
5,000 rs. total 9*0.000 rs. Impugnados pe-
lo segn lo escripturario Gabriel Alfonso
Itegueira no despacho n. 166 de 13 do cor-
rente, sendo a arrematadlo sujeita a di-
reltos.
Alandegi^de Pernambnco, 1 4desetembro
do 1850. --O inspector interino, Benlo los
Fernn des Parral.
-' Pela inspectora da alfandega se faz
publico que, no dia 17 do crrante, depois
do aneio-dia, e na porta da mesma. se hilo de
arrematar em hasta publica 217 pecas de
litas de veludo, urna peca 500 rs. total ris
108,500; impugnados pelo ama mense Con-
gelo Jos da Costa e S, no despacho por
ftetura sOb n. 145 de 12 do correnle, sendo
dita arremalacSo sujeita a dlreitos.
Alfandega de Pernambuco, 1 de setem-
bro de 1850.O inspector interino, liento
ot Fernanda Barroi.
Pela iuspecloria da alfandega se faz pu-
blico que, uo dia 18 do correte, se ba de
arrematar em basta publica aporta da mes-
ana, depois do meio-dia, 4t duzias de gr-
valas de seda no valor de 14,009 rs. eada
duzia total 616,000 rs.; 15 pares de casti-
ces de porcelana no valor 2,500 rs. o par,
total 37,500 rs. ; 6 infladores desnetal para
agulhas, iro valor de 800 rs. cada um, to-
tal 4,800 rs. ; 2 1|2 duzias de pestes de tar-
taruga no valor de 35,000 rs. cada duzia,
toial 82,500 rs.; impugnados pelo feilert
conferenle Pedro Gaudiano de IWtis e Silva
o despacho por factura sb ns. 160 e 171
tie l e 11 do con en te, sendos arromauV-
tflp aujeila a direilos.
Alfandega de Pernainbuco, 14 de aeleanbr*
T-
maniei Barroi.
jo leilSo foi requerido pelos liquidatarios
da mesma caaa.
- O capiitSo Mrcala Cooper, f ir le.il.1o
em prsenos do Sr. cuiisul dos Estados-
Unidos, por corita e risco de quem perten-
er, e por intervencSo docorretor Oliveira,
4a balieira americana Franklim, viuda da
pescara e naufragada em Garapih, onde
se acha encalhada o dos seguiuUs artigos,
que se suppoe estarem abordo da dita ba-
lieira ou perto della : 2 ancoras pesando
poucomiisou menos 1,800 libras cada una,
I ancorte de 500 ditas, 2 correte! senda
urna de 90 e oulra de 150 bracas de cum-
primento. 4 ditas de 18 a 20 bracas cada
uina para segurar baleias, 4 anzoes de-7o a
80 libras cada um, 1 caldeirSo de cobre, 3
ditos de ferro, 75 ou 80 langas e harpoes, e
diversas toneladas do lingoados de ferro
para lestro: lerca-feira, 24 do correte, as
II horas em ponto, na praca do Corpo
Santo
Kalkmann IrmSos fardo leilSo, por in-
terven-jilo do corretor Oliveira, de um gran-
de soitimcnto de mobilia, parte nova e
parte pertenceote ao Sr. H. V. Kalkmann,
ha pouco retirado para Europa, comosejam:
cadeiras de pinho e canna, mesas para meio
de sala, dilas pequeas de Jacaranda e com
pinturas, aparador, sophas, marquezas,
pianos, espellios, toucadores, commodat,
camas, dites para meninos, um esplendido
sortimento de vasos para flores, apparellios
ricos do louca, cryslaes e vldros de cores,
vasus, garrafas, copos, o inultos outros ob-
jectos ; bem como de um elegante carro de
4 rodas, com arreios para um e dous cav-
los, o qual se acha na cochaira do Sr. Au-
gusto Fiscber, no paleo do arsenal de ma
milis, onde pode ser visto pelos pretenden-
tes : terca-feira, 17 do correute, as 10 horai
damaoofla, oa ra da Cruz.
-Schapheitlin c Tobler farflo leilSo, por
intervencSo do corretor Oliveira, -de um es-
plendido sortimanio de fazeodas de aeda,
laa, linho e do algodo. todas proprias do
mercado : terca-feira, V7 do corrente, slO
horas/ noseu armazem, ra da Cruz.
Alamson llowie & Compaohia farfio
leilSo, por inlerveocfiodo corretor Oliveira,
de um completo sortimento de fazendaain-
glezas, todas proprias do mercado : quarta-
l'eira, 18 do correnle, as 10 horas, no seu ar-
mazem, ra do Traaiche-Nov >.
- Lal.ham t liibbert, oslando p olimos a
se letirarm para Europa, Cario leilo, por
iolerveocfio do corretor Oliveira, da mobi-
lia de seu uso e objectos de escriptono, a
Siber : sofas, cadeiras, dilas de bataneo,
bancas de jogo, mesa para sof, marquezas,
urna excelleote mesa dejaotar, con modas,
toucadores, guarda-rqupas, camas de jaca-
raod e de farro, secretaria, maogas de vi-
dro, facas e garlos, loucas, garrafas para
viniio, copos, Irem de cozlnba, carteiras
grandes.e pequeas, relogio de escriptono,
burras de Ierro, machina de copiar, o mul-
los outros objectos; assim como de obras
de prala, inclusive um faqueiro, salvas, ser-
peiilinas, colheros, garlos, ele : quinta-fei-
ra, 19 do correnle, as 10 horas, nos primei-
roe segundo audares da casa do [.sua resi-
dencia, 11. 32, ra do Trapiclie-.Novo.
Declaradlo.
0 capitilo do porto dests proviaico
competentemente autoriss Jo por S. Exc. o
Sr. presidenta da provincia, engaja mari-
nhoiros para servirem na charra Pernam-
bucana, que se acha na provincia do Para, e
tem de seguir para o Kio-de-Janeiro. Os pre-
tendenlesapreeentem-se com a maior bre-
vidadeaomesmo capitflo do porto.
Avisos maritimos.
Segueviagem para o Araeaty, al o fim
do crtente mez, o hiato Flor-de Ctrnt-
ripe : para carga ou passageiros trata-se na
raja do Vigario, n. 5
Pira o Aracaly segne, no dia 4 do mez
prximo vindouro com a carga que liver, o
patacho Sanla-Crus : para carga a passagei-
ros trata-se a o lado do Corpo-Santo, n. 25,
loja de massames.
I'ara o lio-de-Janeiro salie.
com a major brevidade possivel, o
patacho nacional falente : quem
no mesmo quizer carregar ou ir de
nassagem, dirija-se ao capitao na
praca do Commervio, ou rita do
Trapicbe, 11. $4, casa de Novaes
P Compauhia.
Para oear saheem poucos diaa a
aumaca nacional Fltr-do-Angelim, meatre
Bernardo deSouza, por ae adiar com* par-
lo da carga prompla : para o resto a passe-
geiros trata-se com Luiz Jos de S Araujo,
na ra da Cruz do Recife, n. 33. .
Para o itio-dc-Janeiro
vi! sahir eoin toda a brevidsde a polaca na-
cional Sociedad*-FeU*: quem na mesma
cttiiier rarreuar. dirla'-e an runcionaia-
rios, Oliveira Innlos & Compauhia, ra da
Cruz, o. 9.
Para Mossamedes
abe, no (ni do corrente mes de
aaepibro. a barca portugueza Bra-
chrente t, m> retobe vol mes de
caiga at ao dia a3 os Srs pa
sa^eirogque nella seguem, quei-
rau-se apromptar. e apresentar
os seus pasaportes na csa n. 6,
defronle do li apiche novo, at
dia 96, para que no dia 28 Bquem
a bordo todas as suas bagagens.
Avisos diversos.
Leilo.
,Hoje, 16 do crranle, 110 escriptorio que
foi de r'irmino Joae Flix da llosa, na ra
da Sanzalla, s It horas do dia, haver lei-
ISo de prala. ouro, movis e dividas, uer-
tencentes a casa fallida do dito Firmioo.cq-
' Urna mulher branca de bous costumes,
ss oiiereoa para amanioutar urna crianca em
sua casatTquem deseu prestimo se quizer
ulilisar, dinja-se i ra da Viraco, 11. 39.
Francisco Ignacio Ferreira, subdito
porluguez, relira-se para Mossamedes.
I'olojuizo da primeira vara, escrivSo
Molla, se ba de arrematar 00 dia 17 do cor-
renle, as 4 horas da larde, no lugar do cos-
lume, p>r sor a ultima praca, urna casa ter-
rea sita na ra Imperial, n. avallada
em 1:000,000 do rs. por exocuc,3o do pa-
dre Albino de CarvalboLessa contra Fran-
co HibeiroPavfio eaua mulher.
Jeronymo Ignacio ValaJar relira-se
para Mossamedes, levando em sua compa
nhia seus sobrinbos, Frsocisco Ignacio, a
Manuel Jos Machado.
- Na porta do Sr. Dr. Juiz do civel da pri-
m ira vara, pelo cartorio do escrivo Mol-
la, lerca-feira, 17 do corrente, por execu-
Cqde Juilo Fortunato daS Avedra contra
Alvaro Fortunato Jourdlo. se bao de arre-
malar csescravps penhorados.
- Hoje, dezsseis do corrente, vai a
pra;a, na porta do Sr. juiz do orpliDos, s
4 horas da tarde, urna escrava de duas me-
nores, a reuuerimento de 'seu tutor, para
pagamento das despezas que tem feilo e se|-
1j nacional : he ultima praca.
Bernardo Francisco Fontes, Porluguez,
relira-se para fra do imperio.
Luiz Jos Dias Brando deixou de ser
caixeiro do Sr. Jos Kibeiro Puntes, desde
0 dia 11 do corrente ; e muito agradece ao
mesmo Sr. o bom Iratamento que teve, du-
rante o lempo que esleve em sua casa.
O abaixo assignado deixou do Ser cai-
zeirodoSr.Joi Diasda Silva, desde odia
13 do correnle. Ricardo Ferreira da Silva.
--Aluga-seum bom e grande arinaxem,
propno para recollier gneros, ou oulra
qualque/occuptcSo, na praia. Jo Sau-Fran-
cfsed a Iratar na ra do Crespo, loja o. 13.
- Dsseja-se fallar, com urgeucia, aoa Srs.
Jos Corris Aunes, Jos Bernardo da Silva,
Jos Comes Soares, Francisco Moreira da
Costa, Jos lleorique de Carvalbo, Franois-
co Jose-ila Silva, Antonio Oorues Pereira e
Bernardo que foi da I.ingoeta, ou a alguem
Sor eiie ; na ra uo Vib.,,, ? inrtn. =;
ias, das 6 s 9 boras da manliSa, e das 3 s
6 da larde.
Jos Antonio Lopes, Porluguez, relira-
se para fra do imperio.
No dia 10 de setembro, s 7 horas da
noite, desappareceu urna parda, indo fazer
despejo na praa, de nome Mara, represen-
ta ler 25 a 30 anuos, alia, ebeia do corpo,
cara redonda, olhos grandes, desdentada na
frente, pellos cabidos e ebeios, inSos e pos
grandes e grssos; levou vestido de chita
verdeja usado, umaa rosetas fraocezas as
orelhas : quem a pegar ou della liver noli-
cas, dinja-se ra Oireita, n 7, lerceiro
andar, que ser generosamente recompen-
sado.
- Desappareceu, no dia da correte,
um escrava de noaie Pedro, pardo, de 28 au-
nos, grosso do corpo, rosto redondo, cabal-
s
de 90,000 rs. s -al.is ? -r Jlo Martins de
Birros, eaceiliis (mr An Ir Xavier Vlanna ;
um val da quanlia de 200,00] rs. passado
por Joaquim Correa de luvemla Reg; e
diversos papis que SO seivem ao proprio
dono; por Isso roga-se por favor a pesaos
que a tver adiado de a entregar na traves-
sa da ra da Madre-de-Deos, o. 19, ou ao-
uunciar poreate jornal.
O tenante-coronel Luiz Antonio Favil-
la, londo de retirar-s para a provincia do
Cear, e nao tendo tempo para dsspedir-se
de lodosos seus amigos. Ibes roga descul-
pem esta involuntaria falta, contando sem-
pre com o seu diminuto prestimo em qual-
quer parte que se schar. Igualmente docla-
ra que julga nada daver nesta provincia,
nem em outra qualquer ; mas todava se al-
guem se julgarsen credor, queira apresen-
tar suas cootea em oailio do Cajueiro, na
Passagem-da-Magilalena.
Precisa-aa alugar um preto captivo pa-
ra fazer o tervico de orna casa, preferindo-
se um que enlenda de coziohar: na ra do
Trapiche-Novo, o. 49.
OSr. Antonio Jos Antones queira de-
clarar sua motada para ser procurado, ou
dirigir-se rus da Cadeia do Recife, n. 20.
a negocio de seu inlerease.
O Sr. Francisco Fernandos Antunes
queira dirigir-se ra da Cadeia do Recife,
n. 20, a negocio de seo inleresse, ou decla-
rar sua morada para se lie i'aiiar.
Quem precisar de um forneiro, dirja-
se ra larga do Rozario, n. 19, ao p do
quartel de polica.
Quem precisar de um pequeo brasi-
leiro, de 12 annos, que sabe ler, escrever e
cuitar soffrivelmente, para caixeiro de lo-
ja, ou armazem de fazen las do casa estran
geir, pare o quedar fiadora sua con lue-
la, annuncie.
-Na ra da Boda, n 32, precisa-se de
urna ama que lenha bom leite, preferindo-
se escrava.'
Precisa-se de um criado forro, ou cap-
tivo, para pservico de portas a dentro de
urna cata eslraugeira: paga-so bem : na
ra da Cruz, laverna 11. 44.' se dir que o
precisa.
ajoga-ae a pessoa que liver echado, ou a
quenrforofferecidas 4 obras de Corris Tol-
las, ( dNilo civil) sendo ana deltas dou-
trina das aeces, queira annunciar. pois
extraviaram-se na noi'.e de 9 para 3 do cor-
renle.
-Quemsouber botar ac em espelhos,
equizer incumbir-se de preparar alguns,
annuncie sua morada, ou dirija-so a ruado
Trapiche-Novo, n 40, primairo andar.
Sahio o n. 4< da Marmota contendo
um grande artigo sobre a febre gazeteira,
doenea reinante ; um bella artigo sobro o
systema barrigario, ou regras de coziohar e
fazer a economa das cssas de familia ; urna
excelleote receita de pastis de nata, viuda
da Bahia ; um commuoicad instructivo
com o titulo a ro la da fortuna ; poesas ; e
muilaa variedades. Acha-se encarregado
da .M ariuota. por ser o proprietario della,
o Sr. Flix Cypriaoo da Silva Teixeira, que
nao he Porluguez.
-- Precisa-se de urna preta captiva, para o
servico de urna casa : na praca da lodepeo-
deocia, o. 3 loja.
JlZO DE OIIPHAOS.
No dia 19 do correnle, is II boras da di-
nhSa, tem de se arrematar urna loja de fer
ragoos, sita 00 Aterro-da-Boa-Visti, que fo
do fallecido Caetano Luiz Ferreira, a qua|
vai praca a requerimento deTiburcio An-
tunes de Olieira como tutor dos meoores,
fllhos daquelle fallecido. Os licitantes de-
vem comparecer no dia e horas, na referida
loja.
Precisa-se de um pequeo de 19 a 14
annos para caixeiro de urna venda : na iu
da Craz do Itecife, esquina da I.ingoeta, nu-
mero 41.
Ob*erece-se urna mulher para asa de
casa, a qual engomma muito bem, faz do-
cea* todo o mais servido de casa na rus
dos Copiares, n. 53.
Caro magioo irapalliado!
No dia 10, s tres boras da tarde, entre!
em certa loja publica, a presencie! um ba-
rulho na loja do rupuUada, indagando de
que era procedido aquella barullio, disse-
ram-me que o tal Trapalcada, furioso como
MCiftr, quera eogolir atrapalhadamtnte o
seu caixeiro, e que tal be o raido t! .'... O in-
nocente caixeiro nilo podando engolir a.pi-
lla alrapalhou-ie com oa atrapa!hados corte*
de casta de tris pannos, arranjados na fabri-
ca a ti a pal liada '. De certo he homem de
muila esperteza Finalmente foi descober-
ta naquella loja urna nova nvencSo de pe-
Cas de madapnloem que consiste iluas,qua-
lidsJes, poin: esta suporior fazenda he s
vendida aos bous freguezes I F. quando a
quer mostrar pede ao caixeiro na seguinte
lingos atrapalbada : Itapazanco dacaran-
{o niadapoinozaiiQO ordinaianco dentranco
do bomzanco : ora, o rapaz nSoentendendo
esta lingoagem atrapalbada teve de levar
com a tesourinha atrapalhadamente. Rece-
ba, pois, meu Trapalhada, os parabens mal
atrapalhadoade seu venerador alrapalhado,
pois em signal de estima atrapalbada I lie
dedico a seguinte chula airapalkada que foi
cantada, no meu mole alrapalhado, pelo
meu compadre Cbove nSo Chove.
_ .CHULA.
Fazenda alrapalha
O abaixo assignado faz sciente a todas
as pusaoasquo teem penhoresem seo poder,
que os vBo tirar no prazo do quinze dias,
contados de hoje, 14 do correnle; do con-
trario, ficarSo vendidos ; pois basta de con-
ternplscOes : e para que se nlo chamem a
ignorancia, faz o presente annuocio.
Francisco Vieira de Cartalho.
Precisa-se de um caixeiro de boa eoo-
duets, prefere-seoquetverpratica de pe-
dera : oa ra Direita, o. 82.
Quem precisar de urna ama de leite,
dirija-se ra dasTrincbeiras, n 48.
Um rapaz brasileiro se offerece pira
caixeiro de qualquer negocio, fra desta
praca qnem de seu prestimo se quizer uti-
lisar, dirija-se ao arco de S.-Antonio, n. 2,
loja de chapeos.
Na ra estreits do uozsrio, n 28, se-
gundo andar, se dir quem d dinheiro a
premio.
Precisa-ae alugar urna preta escravaaf
que saiba engommire comprar, para urna
casa de pouca familia: na rna do Dique,
n. 9.
Aluga-se o primeiro andar da casa n.
4, defronto do trapiche novo, propria para
escriptorio : a tratar na mesma ra, ou oa
dos Tanoeiros, armazem n. 5.
--J0S0 Ales de Carvalbo Porto, vendeu a
Antonio da Cosa Ferreira Estrella, a casa
de molhados da ra da Cadeia do Recife, n.
23, (cando o comprador desonerado do
passlvo e activo que a mesma casa contra-
ho at esta data.
- Antonio da Costa Ferreira Eslrella ,
comprou ao Sr. J0B0 Alves de Carvalbo
Porto, a casa de molhados da ra da Cadeia
do Recife, n. 93, e nella offereca aos seus
amigos e freguezes, gneros de toJas as
quali ladea | orcommodo preco.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado
na ra estrella do Rozario n. 16, a fallar no
segundo do mesmo.
Retratos por daguerreotypo.
Todos os dias das 8 horas da manhSa s
4 da tarde : na ra da Cadeia de Santo-An-
tonio, n. 26, terceiro andar.
Urna mulher portugueza deseja servir
de criada interna dealguma casa de fami-
lia deceote oesla cidade : quem a pretender
procure-a oa ra do Torres, n. 14, escripto-
rio dos rs. Joao Pinto de Lemos & Filho.
l'recise-se de um feitor para
o servico de campo, para um en-
genbo perto desta praca quem
estiver nestas circumstancias, di-
rija-se ra das Crutes, n 4o.
Precisa se alugar urna preta para ven-
der na ra : na ra de S.-Francisco, n. 24,
casa da esquina que volta para a ra da
Florentina.
Alugam-se os segundo e terceiro an-
dares ds casa do largo da Assembla, n. 8 :
a iratar com Joaquim Francisco de Alm no
Fort-do-Mattos, ou com seu proprietario,
Prxedes da Fonseca Coutinho.
Precisa-se de um menino de
10 a i'2 annos, para caixeiro ; na
ra do Ltrmenlo, n. 10.
PerJeu-ee, nanoiledo dia 11 do cor-
renle, en um dos corredores do theatro
publico, 1 ullinele de peito de urna senhora,
com 3 diamantes : quem o acho.i, queren-
do restituir, dirirja-se ra da Prata, o.
20, que sera gralicado.
--Aluga-se urna sala com dous qusrtos,
muito propria para homem solleiro, na ra
do l.ivramento, n. I: a tratar no primeiro
andar da mesma casa.
Na ra Se Agoas-Vcrdes, casa terrea
n. 26, lava-se e engomma-se toda a qualida-
do de roups, com asseio e promplidSo, por
preco mais commodo do que em outra
qualquer parte.
Meia9 ile llnho.
Voudem-se n ra doQueimado, Inji o.
19, por preco commodo.
-- Vende-se urna escrava de nacSo Nag.
le 96 a 97 aonos : em Fra-de-Portas, ra do
Pilar, o. 85, segundo sndar.
Vlnho l'ltli
branco, em barra de cinco em pipas, nw-
Ihore mais barato do que m outra qual-
quer parte : no caes da alfandega, armase n
de Das F'errera.
itteias de laa a 6,400 rs. a duzia.
Vendem-so meiasde Ifis brancas para ho-
mem, grandes e pequeas, pelo diminuto
ureco de 6,400 rs. a duzia : no armazem de
fizendas de Itaymundo Carlos Leite, ra do
Queimado, n. 27.
Vende-se panno de algodo da trra,
le milo suporior qualidade, a 200 rs. a va-
ra ; casss chita, a 240 rs. o covado; dita
mais fina, de bonito padr.Vi, a 320 rs ; man-
tas de seds para senhora, a 4,000 rs. cada
urna : nos qualro cantos da ra do Queima-
do, n. 20.
Vende-se um relogio de ouro, patete
iuglez, novo : oa ra do Queimado, n. 10,
loja.
Vende-se urna escrava crioula, de 24
annos, de bonita figura, muito sadia, que
sabe cozinhar, lavar de varrella e sabo,
he propria para todo o servico : na ra Au-
gusta, casa do Pacheco, junto a do escri-
vlo Alcanforado.
Vendem-se 162 oitavas de prata, eT di-
las de ouro : ludo em obras velhas : oa rus
da Cadeia do llecife. loja o 5,
Lotera ila matriz da Hoa-Vlsla.
Aos Joroootjoooe 5:oootfiooo.
Na loja de miudezas da praca da Indi
peftdencia, o. 4, vendem-se bllheles, meios,
quartos, decimos e vigsimos desU lotera
que corre ateo fim do corrente mez.
Compras.
Na loja alrupalkada
Por ser veluo mui seadeiro.
Todos -- Caixeiros p'ra elle,
Sao pelintras ladros .'
Ah Se o pillira no mallo
O pasaaria a cachacea.
O fregu da chita dourada.
Na ra Velba, casa terrea n. 115, lava-
se o engomma-se toda a qualidade de rou-
pa com asseio e promplidSo, por mais com-
modo do que em oulra qualquer parte.
Os abaixo assigoados declaram ao pu-
blico, que o anouocio de venda de urna es-
crava que sahio no Diario n. 230, nfio se en-
teode com ellos, si ni por engao da impren-
sa, Bowman S Me. Callu*.
(ilerece-se um nio?o brasileiro para
caixeiro de qualquer casa de negocio, e
Compra-se urna banca re
donda de Jacaranda, para meio de
sala, em meio uso: nesla typo-
grapliia, ou annu.icie.
Comira-se urna mesinha redonda ou
quadrada com lampo de podra : na ra da
Cadeia, n. 1.
Compra-se um bali grande, em bom
uso, n.lo sendo caro; e um casal de ganaos
na rus da Praa, n. 2.
= omprain-se Irea parea de caxilhoa^dr
varanda : quem liver nuuncie para icr pro-
curado.
Compra-seo terceiro volume da bisto
chumbo, zinco, estanho, e toda a qualida-
de de metal velho, nflo sendo ferro : oa roa
Nora, o. 38.
Compram-se escravos com habilidades:
oa ra I, rga do Rozario, n. 48, primeiro su-
dar.
Compra-se, para urna eocommeoda.
nm escravo que seja bom oflicial de lauoei-
ro : paga-se bem, agradando : na ra da
Moda, n. 7, a tratar com Leopoldo da Cosa
Araujo.
Compra-se urna correte chata para
senhora, com passador, um relogio de ou-
ro pequeo, ou cassutcla que floja relogio,
urna pulseira, um par de brincos de dia-
->>> !.- ....I. An I...I. 'IIITU f|. hni. rt.Ml* A
aem feilio : oa ra do Livramenlo, o. 4, ou
annuncie.
ra de Portugal por Aleandre Ilerculaoo, e
as pateadas do (lieatro pelo padre Jos Agos-
iho de Macedo : quem tver annuncie. u.n'tes gneros". To'dos' de"uperor qifi-
Compra-se effectivameole cobre a.de fi imr mBnos nreco do oue m outra
Bilhctes 10,000
Meios 5,000
Quartos 2,600
Decioios 1,100
Vigsimos 600
-- Veode-se a poca, joroal de industria,
sciencia, litteraturae bellas artes : oa ra
da Cadeia do Recife, loja de Joto Jos de
Carvalho Morass.
Veode-se rap superior de Pauto Cor-
leiro : na rus da Cadeia do Recife, loja ds
J0S0 Jos de Carvalho Moraes. Na mesma
loja tambem se vende um metholo para
/iolSo, do autor Luigi Caslelacci, contendo
as afiuacOcs para se tocar os sons armni-
cos, por barato preco.
~ Vendem-se 6 pretos mocos, de bonitas
figuras, ptimos para qualquer servico, lan-
o ila |iraca como do mallo ; um dito bom
coznheiro; um mulalinho de 15 annos;
um dito de 10 annos, muilo lindo ; urna
mulalinha de 20 anuos, que engomma, co-
ziohaecose com peifeiQSo ; 3 prctas mo-
cas, de benitas figuras; urna parda com
urna linda cria, a parda cozinha, faz doces,
lava, he despenscira, enfermeira e cuten.lo
le partejar, ptima para adminislrsr sl-
guma casa de familia; urna dita que en-
gomma e cozinha com perfeicSn ; urna dita
com algumas habilidade, por 350.000 rs.;
urna preta de meia idade, por 300,000 rs.;
e outros escravos que se vendem mais em
conta do que em outra qualquer parte, e
nfio esconden) molestias, vicios nem acha-
ques, caso os tenham : na ra das Larao-
geiras. n. 14. segundo andar.
Vende-se pedra de cantara hespanho-
la, de 2 palmos em quadro, mui rija 1 a tra-
tar com Manoel Cardozo da Fonseca, na pre-
ga do Commercio, a qualquer hora, ou em
S-Amaro (cidade oova) eme isa de sua re-
sidencia.
Vendem-se, ou permutsm-se 3 terre-
nos com 260 palmos de frente e 320 de fun-
do, 00 sitio do fallecido barfio do llamara-
c, cujos terreos so oa nova ra do Hos-
picio que segu para o corredor do Bispo,
por urna boa morada de casa terrea no ba ir-
roda Boa-Vista; tirabem se compra: oa
ra do Pires, n. 19.
Vende.n-se obrss portuguesas, a sa-
ber : Carlas da India e China ; conlos do
Serfio; Jornal das bellas artes,- Almanak
popular ; Universo Piltoresco ; Autopsia
dos partidos ; Vista de diversos edificios nu-
la veis de Portugal; Itetratos de pessoas ce-
lebres ; ss Duas Dianas, romance de Alo-
xandrd Humas, tradureflo portugueza : na
ra do Crespo, loja n. 5 A, ou na casa o. 6,
defroote do trapiche-novo.
I'ai i lilla liarat is>ima.
No armazem da ra do llangel, o. 36 veo-
dem-se sacess com farioha, a 1,800rs.
Vende-se urna mesa e duas bsneas de
jacaraod, em bom uso : na ra Augusta,
defronte da casa 11. 17.
Vende-se, na ra do Vigario n. II, ar-
mazem de Francisco Alves da Cunta, os se-
Vendas.
los torcidos ; tem um denle podre na frente mesmo para escriptorio, cobraocas, ou ar-
da bocea ; levou calca de algoJio azul e ca- mazem aecsr, ^iucipaimeoie para ca-
misa de algodflozlubo nova : quem o appre- aa estrangeira : na ra do Collegio,n. 6.
Hender leve-o i ra da Aurora, o. 48, que Aluga-se um sitio com bastautes arvo-
sera bem recompensado. reJu, e boa casa, uo principio da estrada I
--PerJeu-se.no da 14 do corrente, urna nova : a tratar ua ra do Trapiche-Nove, I
cirteira, contendo ijuilro latirs da quanlia 0.10.
Veodem-se 3 liodos moleques, sendo
um bom coznheiro ; um dito com princi-
pios de carpina, muito lindo para pagem e
de boa cooducta ; um dito bom bolieiro;
Suatro pretos bons para todo o servico ; ubi
ilo de meia idade bem robusto, bota para
campo ; urna negrinba de 10 anuos, com
bons principies de costura ; urna dita de 14
aonos, para lodo o servico; tres prctas, que
cozinham e afio boas quitandeiras ; urna
parda de 25 annos, que engomma perfeita-
meole, cose, faz o mais arranjo de casa, he
muito cariohosa para meninos e de muito
boa conducta ; urna preta de meia idade,
uiuiui em coma ; assim como oulroa mul-
los escravos : na rus da Cadeia do Itecife,
n. 51, primeiro andar.
l'allia de carnauba.
Na ma de Rangel, n. S, vende-se por
I junto 50 nlhos de palba.a 20 rs. o mlho.
dade, e por menos preco do que em outra
qualquer parte : azeitonas em ancorlas, vi-
nho do Porto em barrls de differentes ta-
mnnhos, cavada, cal virgem de Lisboa, ar-
cos para pipas e harris, lio porrete, relroz
deSiqueira, cht de San-Paulo, caoaslras
com alhos c ditas com rolhas.
9 Vendem-se superiores chapeos de &
0 castor branco, dos melhorea venda &
Q no mercado, por pree,o commodo, a Q
Q vista da excellente obra : na praca da q
q Independencia, ns. 24, 26 e 28. 0
-- Vende-se urna carta de pergaminho,
manada vil" e ncoiiiiiioiiu. u nio-u^-ia-
neiro, para liacharel do curso jurdico de
Olinda, em muito bom papel e com a com-
petente lita : na ra das Cruzes, n. 40.
C. J. Astly & Gompanhia
vendem em seu armazem da ra
do Trapiche, n. 3, balancaa de-
cimaes, de 200 a 600 libras ; car-
linlis de mo; superior vinho
de Botdeaux.
Agencia de Eldwlii Maw.
Ra de Apollo, n.6, armazem de Me. Cal-
mont ei Companhia, fazem ver aos Srs. de
eogenho e aos seus correspondentes nesla
praca, qoe noseu eslabelecimento se acba
constantemente bom sorlimenlo de moen-
uas todas de ferro para aniones, agoa, etc.;
meiaa ditas para armar em madeira ; ma-
ciiiuaa yim Vapui cOi lry. uo v CiV.uOS ;
taixas de differentes modelse de todos os
lmannos e grossuras, tanto de ferro batido
como coado; espumadeiras, cocos, ele, de
ferro eslanhado ; aafras para ferreiroa : tu-
do muito.bom por barato proco.


-n-
---------
_S-
-/
Aa moderno e bom<
Na ni a do <_ut imiulo. n. 17 r
vendem-se cambraias francezas da cores
muito finas e padroes os maii modernos,
600 re. vara ; cambraias de cordfiozinbo,
do cores muito grave e padrees miudinlins,
intituladas phocezinas, a 800a vara; lencos
de seda de corea, de muito bom posto, a 2#
rs.cadaum; um completo sortiinento de
meias muito finas para meninas de todos os
taannos, por prego rommodo.
Vende-se farinha de man-
dioca muito superior, e em saccas;
potassa em barriquinhas, por pre-
co commodo : no armazem de Dias
Kerreira, no caes da Alfandega,
ou na ra do Trapiche, n. 34, ca-
sa de Novaes & Gompanha.
Meendas superiores
Na fundicSode C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro, acham-se rende moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construccSo muito Isuperior.
Arados de ferro*
Na fundigSo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se erados de ferro de diversos mo-
letas.
Vendem-se amarras ae ferro: na roa
da Senzalla-Nova. n. 49.
Vende-se farinlia de Santa-Catharina,
muito superior, a bordo da galeota Sanlini-
mn-Triudade, fundeada Junto ao caes do
Collegio.
Cal e potassa.
Vendem-se barris com cal de Lisboa, pe-
lo diminuto prego de 3,000 rs. o barril; di-
tos da mis nova e mais superior potassa do
Rio de-Janeiro, por barato prego: na ra
da Cadeia do ltecfe, n. 50.
Farlnha de mandloea.
Na ra da Cruz, no Recife, armazem n.
13, ena ra da Cadeia, armazem de Com-
peli Filho, vende-se farinha de mandio-
ca do Ceara, snuila aira, gommosa e de ex-
cellento goato, tanto em pequeas como
em grandes porgoes, por preco commodo.
A boa pitada.
Nao be elogio, porem sim a qualidade,
quem garante o novo rap Princeza, ebegs-
do ltimamente do Rio-de-Janeiro; eate
rap, nSoso naquella provincia leo mere-
cido a acelagfio peral, como em outras son-
de a sua boa qualidade tem sido experi-
mentado, nada deixaodo a desejar ao me-
lior fabricante em Lisboa. Os nicos depsi-
tos nasla cidade.he na ra do Queimado, n.
23, loja de miudezas, e na ra da Cadeia-
Velha, ns. e 9, tojas de miudezas.
Yende-se a taberna de Ni-
colao Rodrigues da Cuuha, no
pateo do Paraizo, n. 16, com pon-
eos fundos, e muito afreguezada a
retaiho : a tratar na mesma, com
Jos Pereira da Silva.
Vendem-se dous pretos mogos, de
muito boas figuras, ptimos para o traba-
Iho do campo e da prega ; um dito de 90
annos, alto, de muito linda figura, bom ca-
noeiro, seiu falta ; um cabrinha de 10 mi-
nos, muito esperto para o servigo de urna
casa; urna esersva de 20 annos, a mellior
figura que pode haver, a qual cozinha, en-
gomma pouco e lava ; urna mulalinha de
H annos, muito linda, que cose, engom-
ma, e amarra o cabello de qualquer senho-
ra, ludo faz muito bem : na ra do Colle-
gio, n. SI, primeiro andar, se dir quem
vende.
Un eaiTo.
Veden-se um carro de quatro rodas com
ssenlts para 4 pessoas, e vidrsgas para o
invern, o qual esti em muito bom estado,
e d-se por prego commodo : para ver, na
(ocheira.do Lo u rengo, na ra de Apollo,
que dir quem he o proprielario.
Lojasde modas, ra Nova, n. 34.
aladame Rosa Hardy, modista brasileira,
tem a honra de annunciar a seus freguezes
que, continua a ler constantemente um lin-
do e variado sortimenlo de manteletes e ca-
I otinhos de chamalote preto e gros de ua-
ples furta cores, bem como de fil de seda
l reto, para senhoras e para meninas, tem
igualmente completo sortimenlo de chapeos
de seda de todas ss cores, chai eos de palha
te llalla abeitos e fexados com ricos infei-
les para senhora e meninas, armagfies para
chapeos de seda e de crep, e seda para os
meamos, bem como lodos os preparos para
enfeila-los, veos desedamuilo ricos pa-
ra casamento, franjas pretas, fitas, luvas,
meias si palos de setim branca e de couro
de lustro, perfumarlas finas, fil liso e ci- i
pe de todas as cores. Faz igual ment pela
ultima moda vestidos de casamento, man-
teletes, capolinhos, vestidos de baptisar,
loucados de changa e toda e qualquer obra
le sua proiiesflo de muito bom gusto, por
pregos commodoa e com promptidSo.
Na ra da Cadeia do bairro do llecifa,
no primeiro andar da casa n 24, de Manoel
Antonio da Silva Antones, vende-se um ri-
co sortimenlo de chapeos do palha de Ita-
lia abarlos, camixelas de cambraia borda-
das, coleiinhos, romeiraa. manguitos, pu-
ntaos, bicos llnissimos, ricas litas, e outros
iihjpctitS de gosto, os onaes ge vendem por
menos do que'em outra qualqyar parte
t nmfiAin Inni
nm inrtimAntn -I- t..*n
o ........
das ing leas.
-Vende-se urna eacrava moga, eogo ol-
ma, cozinha e cose coto peiieigflo : na ra
da Cadeia de S.-Antonio, nu segundo an-
dar, espoina do Ouvidor.
Na ra do CaLug, ioja do
Duarte, vende-se seda irouxa de
lindas cores para bordar.
A os Srs. cltefesde familia.
Avise o novo administrador da loja o. 3
defronte do boceo do Peixe-Ffito, que tem
um compiti snrliinenlo de razendaa, eque
pasca a designar o prego de algunas del las :
hscadfnhus francezes, Unos e da difTeren-
les psdies, pelo baralisaimo prego de 160
rs. ocovado; riscadosde algodto de di He-
rrles qualidades, a 900 rs. o covado; cam-
braias da California, a 320 rs. o corado;
di las parisienses de diOerentes desanhn;
320 ra. O covado ; lencos de cambraia de
cores muilo Unas, a 500 re. ; grvalas bran-
cas de llansima cambraia, a 1,00* rs.;
corlea de caalorin para caigas, com tres co-
vudoseeaeio, a 1.180 rs. ; e outras fazen-
das pelo mais diminuto prego posa! val.
Tnlxa* para rngenho.
Na fundigSo de ferro da ra do Brom,
icaba-se de recebar um completo sortimen-
lo de taixas de 4 a 8 pannos de bocea as
quaes acham-se a venda por prego com-
nodo e com promptidSo emharcam-se,
iu carregam-seem carros sem despezas ao
comprador.
O mais bello so-i.
Vendem-se riquissimas casemiras, tanlo
em gasto como em qualidade : na ra do
Queimado, n. 9.
Bellas cores.
Vendem-se luvas de seda para senhora e
homem, de ricas cores e fina rateada : na
ra do Queimado, n. 9.
Na taberna de Domingos da Silva Cam-
pos, na ra das Cruzes, n. 40, ha bisas llam-
burgnezas para vender e alogar, tanto por
junto como a retaiho.
. Vende-se cha hysson de superior qua-
lidade, em calas e meias ditas, e em lotes
a vonlade do comprador; caixas com velas
de espermacete da melhor qualidade : na
ra da Alfandega-Velha, n. 36, escriptorio
de Matheus Austin & Companhia.
Vende-se superior farinha
de mandioca, a melbor que ha no
mercado, e por mais barato preco
do que em outra qualquer parte :
a bordo do patacho Nereide, ebe-
gado de S.-Calharinha, ou a tra-
tar com Joaode Carvalho Ha pozo,
ou com Novaes & Companhia, na
ra do Trapiche, n. 34.
Na ra do Cabog, loja do Duarte, ven-
dem-se botOes de Pedro II; ditos para in-
fantina ; ditos pretos eamarellos para ca-
sacas ; ditos de madre-perola ; ditos para
infeites de palitos de menino; ditos bran-
cos, amarellos e bronzeados para libr;
ditos nara cavallaria.
Vende-se farinha de mandioca, de boa
qualidade, pelo mdico prego de 1,400 rs. a
aacca : no armazem de Dias Ferreirs, no
caes da Alfandega,
Na ra do Cabug, loja do Duarte, ven-
dem se franjas e requifes pretos, proprios
para manteletes; toucas de 18a para bordar;
meias pintadas para meninos e meninas;
chapeos de merino branco, a 5,000 rs.;
ditos de sol, para meninas, a 1,600 rs.; cas-
ligaes devidro, a 1,400 rs. o par; sapati-
nhp de Ifla para meninos, papel dourado e
prteado, lino e ordinario.
He inulto barato a 400 e 040 rs.
Vendem-se cassas finas francesas, cores
muito fixas, padrOes miudinhos de. muilo
bom gosto, de muilas cores a 400 rs a vara,
dito de superior qualidade,os melhores gos-
tosque tem apparecido, a 640 rs. avara,
chitas muito linas de gostos muilo delica-
do a 940 rs. o corado, dito de 4 palmos de
Isrgura a 280 e 320 rs., dilos muilo miudi-
nhos cacuros a 200 rs. o covado na ra do
Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco Dias.
500 ris.
Vende-se cha hysson de muito boa quali-
dade, pelo prego de 300 rs. a libra : na ra
do Crespo, n. 23.
Fogdes para co/inha
muito proprios para sitios e qual-
qualquer lugar aonde nio ha cori-
ntia, por preco commodo ; ven-
dem-se na ra da Cruz, n. lo,
casa de Kalkmanu IrmSos.
Umescrave offlclal dc-pedrelro.
Vende-se um prelo mugo, de bonita figu-
ra, bom odicial de pedreiro, de boa conduc-
ta ; urna bonita mulalinha de 10 anuos,
propria para servir de companhia a urna
menina : na ra larga do Rozario, n. 18,
primeiro andar.
Na ra da Cruz, n. 10,
casa de Kalkiuaiiii
1 roaos,
vende-se um grande sortimenlo de
instrumentos de msica, com se-
jaiu :
Caixas de guerra, e tambores.
Zabumbas, e pandeiros.
Arcos de campainba, e pratos.
Baixos de harmona, troLoes.
Trompas, pisles e clarins.
Cornetas, flautas, e planos.
Cirmelas, e requintas.
ViolSes.
muitos outros instrumentos.
- Vendam-se saccas com farinha de man-
dioca de 1,800 a 2,600 rs. ; gigos com bata-
tas, caixas com charutos, saccas com mi-
Iho, ditas de arroz com casca e pillado,
fumo em palha graxa ingltza, barricas com
potassa, garrafee com ervilhas, rap Paulo
Cordeiro e cha nacional em caixlnhssdel
a 90 libras muito superior, ludo por pregos
couiinodos : nO armazem da ra da Cadeia
do l'.ccife, ;n. 64, ao p do arco da Con-
ceigo.
aik a mi ir os dos lio a romanees.
A' Imana do pateo do Collegio, n. 6, de
Joii da r.uala Hniirailn, ?> '! """eber i:
Frauga urna factura de excellentes livros
em diversos gneros de lilteralura, e do au-
tores os mais recommendaveis, pela ins-
IrucgSo e bom gosto desenvolvidos em suas
obras ; entre os muitos lomances que vie-
ran), silo recunimendareis os seguinles: a
Cabana India, ou o caf de Surali; Uarua-
riski ; Emilia, ou os foragido* dos frmeos;
A ventura a IristSo da Cunba ; Cuillieriae
Tell, ou o libertador da Suissa ; D. JoSo de
Falperra; 1). Cusoifio de Alfaracbe; o l'assaro
azul; 1). ilaymundo de Aguiar, ou os fra-
des portugueses ; Aventuras de liobnisson;
ps Keereius de Uugenia ; Aventura de l'edri-
ibo o l'icarilo ; o Uenegado; Joaquina Hosa;
tiustaro, ou a boa pega ; Lazarinlio de Tor-
iles ; o Pai; Joto boccacccioj o Bandolei-
ro doa apeiiumos; Conalanga, ou a lilha
maldita ; Conloa de fadas; Paulo Verginia;
iHoidfio amoroso ; o Dota de Suzaninha ;
iiilirn ya jalai da quitos muitos romances que os
freguezes acuario para escolner, sendo oa
pregos os mais commodoa possiveia.
I -- Vende-aa cbita francesa com algum
inoo, palo diminuto prego de 160 rs. o oo-
vado : uo Aterro-da-lioa-VisU, o. 18, loja.
Vende-se por muito commodo prego,
urna rica secretarla com estantes para li-
vros, bastante grande, propria para advo-
cado, sendo de amarello e anda nova ; aa-
sira como, seis cadeirss dnas mesinhas
de abrir : na rna estreita do Rozarlo, n.
98, ultimo andar, das 2 boral da tardo em
diente.
Vende-se urna toalha de lavarinto, ten-
do uma pequea parte de panno no meio,
he de bretanha de linbo, ou de esguiSo fino,
obra muito bem feita, e o lavahnto be de
modelo muito moderno, por prego commo-
do : no Becco-Largo, n. 1, segundo andar,
de maobSa at as 9 horas, e das S s 5 da
tarde.
Vende-se uma mulalinha de 16 annos,
de bonita Agora, que cozinha o diario de
uma casa, engomma liso, fax lavarinto e
renda, marea, cose qualquer costura, pro-
pria para mucama de uma casa: o motivo
por qoe se vende ae dir ao comprador t na
ra do Queimado, n. 14, ae dir quem
vende.
Quepechlneha!
Potes de banha Trancis a 100 rs.
vendem-se potes de banha franceza, com
muito bom chairo, a 100 rs., e em duzia a
1,000 rs. : no Aterro-da-Boa-Vista, n. 48,
pois be multo pouquioho: venham fregue-
zes, que nSo ebega a todos.
Charutos de iiuvana,
de superior qualidade : vendem-
se na ra da Cruz, n. io, casa de
Kalkmann IrmSos.
Na ra do Cabug, loja do Duarte, ven-
dem-se trinas, volantes, gales, espegui-
Ihas a rendas, proprias para armadores, por
prego mais commolo do que em oulra qual-
puer parte.
5? Deposito geral do superior ra-
O p Areia-I'reta da fabrica O de Gaotois Pailhet & C. O
na Baha.
S Domingos Airea Matheus, agenta daS
S fabrica de rap superior Areia-Preta daX
^jahia, tem aberto um deposito na ra?
rda Cruz, no Recife. n. 52, primeiro an-^
dar, onde se achara aempre deste ex-v
cellenlee mais acreditado rap: ven-0
Ode-se em botes de uma e meia libra,O
por prego commodo.
9OOQOQ9QQOQO0
Na ra do Cabug, loja do Duarte, ven-
dem-se quadros de santoa com molduras
douradas, a 500, 600 e 800 rs.; calungaa de
vidro de diversas qualidadea ; tranca de
ISa para enfeiles de vestidos ; gravalinbas
de setim; e enfeiles de vestidos para se-
ahora.
Vende-se uma preta de 98 annos, por
prego commodo, por ser para pagamento :
na ra de llortaa, n. 48, sobrado, se dir
quem vende.
Vende-se uma taverna sita na rus Im-
perial, n 43, com muitos commodos para
familia, bem afreguezada, e com fundos de
1:000,000 de rs. pouco mais ou menos : s
tratar na mesma taverna.
Vende-se um lindo moleque, proprio
para lodo o servigo, cuja conducta sa allan-
ga : o motivo por qUs se venda ae dir ao
comprador : na ra do Rangel, o. 57.
galsa-parrilha de Sands
para removor e curar radicalmente todas ae
enfermidades que proceden da Impureza
do sangue, ou habito do systema.
Esta medicina est operando constante-
mente curas qusai incriveia, de molestias
que procedem da impureza do sangue. A
infeliz vctima de molestias heredilarias
com glndulas jochadas, ervos encolhi-
dos, e os ossos meios arruinados, flcou res-
tabelecida cosa toda sua ssde e fqsgas.
doente escrofuloso, coberto de cha gas, cau-
sando nojo a si mesmo, e a quem o servia,
ficou perfeito. Centenares de pessoas que
tiritiani soffrido ( por annos, ponto oe
desesperarem da sua sort) molestias cu-
taneaes, glndulas, rheumatismo chronico
e inultas outras enfermidades procedentes
do dessrranjodos orgos de aecregSo e da
circulagSo, teeawaerguido qussi milagro-
samente do leito da morte, e boje, com
consliluigoes regeneradas, com prazer at-
iestan) a elllcacia desta iaestimarel prepa-
rado.
Comquanlo lanham apparecido grandes
curas at aqu Soduzidas pelo uso desta
eslimavel medicina, comtudo a experiencia
diaria aprsenla resultados mais notareis.
New-York, 92 de sbril de 1848.
a Srs. A. B. e D. Sands.-' Julgando ser
um dever para com vosco e para com o pu-
blico em geral, remetto-voa eate certificado
das grandes virtudes da vossa salsa-parri-
Ibs, para que outros que boje estilo sof-
frendo eslabeleeam melhor a sua conflanga
e fagam sem demora uso da vdaaa medi-
cina.
Vi-me perseguido com uma grande re-
nda no lornozelo, que se estendia pels ca-
nalla cima ale o joelho, langava grande
porgfio de nojenla materia, com comichoes
que me privaram muilas noites do meo des-
canso, e eram muito penosaa de auppor-
lar.
a OSr. biogo H. Connel, que havia sido
curado com a vossa salsa-parrlha, recom-
mendou-me aue eu lizesse uso della, a de-
pois de haver turnado cinco garraUa Uquei
porfeilamente curado.
Teuho demorado um anuo mandar-voa
um certificado, para reeonhecer com cer-
teza se a cura era permanente, e tendo ago-
ra a maior salisfagSoem daelarar que nSo
lenho visto, nem sentido cousa alguma du-
rante lodo este lempo, acbo-ma perfeta-
mente restabelecido. Sou vossa, ele.
Smrah M. Intire.
240, ra Delancey.
Nesla provincia o nico agente deste rai-
ravilhoao remedio be Vic nle Jos de tirito,
com botica na ra da Cadeia do Recife.
Veude-se, ou permula-se por urna cass
nesla praga, um sitio uo llouteiro, com ca-
sa de pedra e cal, arvoredoa de fructo e tr-
ras : na ra de Hurlas, casa terrea pintada
a frente de azul e as portadas brancas, se
oir que faz este negocio.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de
differentes modelos : na ra do
Brum.mhjS, 8 e io, fabrica de
machinas e undicSo de ferro.
Bombas de ferro.
Vendaj*-se bombas de repozo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Bruto, ns. 6, 8 e 10,
fund9So de ferro.
Deposito do potassa c cal.
Vende-se muiti nova e superior potasss
acal vjrgem de Lisboa, em pedra: tudo em
barris pequeos de 4 arrobas, por prego ra-
soare: na ra da Cadeia do Recife, n. 19,
armazem.
Farinha de Tapuy.
igualmente em sabor, finura a cr a de Mu-
ribeca, propria para mesa :. vende-se na
ra da Cros, no Recife, armazem n. 13.
Vendem-se, na ra da Moda, armazem
n. 15, meias barricas com cal virgem de
Lisboa, a mais nova que ba no mercado, por
prego commodo.
Pcchluchas novas.
>a ra do Q.nelmado, n. 1T.
vendem-se chapeos de sol, do soda prets a
5,000; ditos da panno rom asteas de balis,
a 9,000 ra.; gangas trancadas da listras a
quadros de corea, fazenda que parece linbo,
500 ra. o covado';.merino preto fino de uuas
larguraa, a 2,400 ra.: casemireta prets a de
cor, propria para Salgas e palitos de homem
e meninos,a 1,000rs. o covado; cortes de
colletes de velludo lavrado de cores a de
linhoe seda, a 1,600 rs.; mantas de setim
preto para grvala, a 800 rs. cada uma e
outras fazendas por barato prego.
OOO
o Novo upethodo o
O---------- praticoe theorico .ia>'
wmmmmrm>
preto ; e diversos outros objectos : nsru a
lo Trapiche, n. 34, armazem da Raymond
& Companhia;
Vendem-ae cem apolices da companhia
do Beberibe, todaa ou em porgOes menores:
ns loja de Ignacio Jos da Silva, junio ao
arco de Santo-Antonio, no escriptorio da
companhia, e no do caixa da mesms se dir
quem vende.
Vende-se uma preta natural do serlSo,
moga, sem achaques, e que cosa, engom-
ma e faz renda : na ra da Cruz, n. 18, ar-
mazem. Adverte-se que be chagada do Cea-
r no vapor Bahiana.
Na ra das Cruzes, n. 99, segundo an-
dar, vende-se uma parda da 96 annos, de
bonita figura, que engomma,osechdo, co-
zinha e lavs de sabo ; uma negrota da na-
gSo, de 18 annos, com as mesmas habilida-
des, para fra da provincia, ou engenho
um escravo da Costa, de elegante liguas,
ptimo psrs armazem de assucar.
Vendem-se 90 saceos de estope e al-
godto, novse com duaa raraa cada um,
proprios para farinba : na ra larga do Ro-
zarlo, n. 48, primeiro -andar.
de muito bonita figura, que cose bem, co-
zinha ( diario de uma casa, engomma liso,
fas raada, e he bem propria para acompa-
ahar ama noire, atlandendo a exemplar
onducta : na ra larga do Hozarlo, u. 35,
hit.
lingoa franceza, por

irubc*a, yvt -
Burgain, por
ra. : vende-se



q **^r"^a^m nt prl^t ao Corpo
Santo, n. 2, primeiro andar.
O O
Venham ver pura erer.
Snperior cera de carnauba em porcSo, e a
retaiho, por menos prego do que em outra
qualquer parte : no Aterro da Boa-Vista,
n. 17.
JA o barato ennsa admlragSo !
Isto acontece na ra do Crespo,
n. 6, loja ae p do lampeio.
Vendem-se cassa-chitss de multo bom
gosto, s 940 rs.; corles da dilas do melhor
goato que leern appareeido, a 9400 ra.; chi-
tas tinas de boas tintas, s 160 e 180 rs. o
covado ; riscado americano, a 140 e 180 rs.;
dito trancado, a 180 e 900 rs.; algodOo
mesclado, a 900 rs. ; zuarle azul com 5 pal-
mos, a 900 ra. ; dito de cores, a 200 re.;
cassa preta para luto, s 190 rs. o covsdo ;
corles de fuslao muito boas, a 560 rs.; cha-
les de tarlalana, a 390 e 1,980 ra.; coberto-
res de algodfio de cor. muilo encorpados a
proprios para escravos por serem muito
quentes, a 640 ra. alpaca preta de cordSo,
eom 7 palmos de largura, a 1,980 rs. ; he-
cados da puro linbo, a 940 e 360 ra, o oo-
vado.
Travessa da Madre-de-Deos, ar-
inazem. n. 5,
vende-se espirito de vinho de 37 araos ; vl-
nho de caj superior ; cha mate de Parana-
gu ;e todas as mais qualidadea de espiri-
to, por prego commodo.
Vende-se, ou permuta se por escravos
robustos, psrs o servigo de esmpo, o sobra-
do de um andar n. 4, silo ns rus do Im-
perial, canto da travesea do Lima i nesla
la lypographia se dir quem vende.
g^*Rap Parlo Cordeiro :^J
vende-se na ra da Cadeia do llecife, n. 51,
loja de fazendas, de JoSo da Cunba Maga-
IhBas.
Vendem-se saccas com farinba de man-
dioca, a 1,800 rs.; ditas de arroz de casca,
a 9,400 rs.: no caes da Alfandega, n. I,
primeiro armazem defronte da escadinba.
Obras socialistas.
As ideias socialistas debatem-se hoje no
mundo inteiro; e seria vergonha Ignorar
as verdades dests escola s quem vive no
actual seculo. Ellas tanto interesssm ao ho-
mem de estado e ao publicista, como ao
jurisconsulto, ao commerciante, ao homem
da arte,e al ao simples homem do povo.
As seguinles publicagoes dasle genero es-
lo vends, ns loja de J. J. Lody, na ra
larga do Rozarlo:
oh. Fourier, obras completas, em 4 v.
I'ellarin, vida edoutrinade Cli. Fourier,
1 volume.
Aa novas transsecoes sociaes, religiosas e
scientifieaa de Virtomaius, 1 v.
Tres grandes discursos socialistas, pro-
nunciados na casa da municipalidade de pa-
rs, por Mil. Daio, Consideran! a D'lza-
guier, 1 v.
Mettray e Ostwald, estudo sobre estas
duas colonias agrcolas, por F. Cantagrel,
1 rolume.
Da poltica geral, e dp papel que a Fran-
ca representa na Europa, por V. Cosjside-
ranlv,t
Vende-ae uma bonita cnoula.-de 17
annos. que faz lavarinto, cozinha, engom-
ma, ou troca-se por outra que sama vender
fazendas : ua ra do Caldeireiro, n. 46, por
detrs dos ariyrios-
Na ra do Cabug, loja do Duarte, ven-
dem-se tesouras para barbeiro, atraate,
de costura e para unhas, fabricadas pelo
melhor cutileiro de CuimarSes ; caivetes
fios; espivitadore de casquinha ; chum-
beirss de dous canos, polrarinhos e frascos
com seu sopo ; espoletas; bandejas de 6 at
24 Ipolle|adas; candieiros pasa aseada, a
1,000 rs. ; chicotes inglezes para carro, a
4,000 rs.; i anno de oleado de bom gosto ;
luvas de algodSo para montara, a 900 rs. o
psr; charuleiras Unas; e cbapos para me-
ninos.
Psra osSrs. alfaiates.
Vande-se estoupa para inteitelas, a 80,
190 e 160 rs.; pegas de madapolfio, a 9,500
rs.; chitas com arara de chura, a IOS rs.
o ;nvnriiv alajndaosinho muilo laeo, lim-
po e muito tapado proprio para loalhii, a
180 ra.: na ra larga do Rozarlo, n. 48, pri-
meiro andar. -
Vendem-se queijos londrinos, a pre-
suntos para fiambre, ltimamente chegados
de LlTrpool; bem como tamiz branco o
Escravos Fgidos.
Fugio, no da 10 do corren te, a .preta
Jacintha, de nagfio Congo, cor fula, altura
regular, pea grossos e cambados ; tem falla
dp denles aa frente : quem a pegar lere-a k
ra do Hospicio, n. 36. quesera gratificado,
De bordo do brigue braallairo Inca,
fugio, na noile de 93 para 94 de sgoata, um
lescraro fulo, crioulo, de nome Sabino, da
tripolag&o do mesmo brigue ; levou cajtjaa
brancas largas, a camisa, da riscado; cons-
ta que anda pela? ras do bairro da S.-An-
tonio, Aurora, Solidade e Ulinda : quem o
pegar leve-o ao escriptorio da riura Gaudi-
no & Filho, na pracinha do Corno-Santo,
n. 66, ou a bordo, onde ser gratificado.
Fugio, no dia 8 do correnle, o preto
Manoel, de nagfio Rebollo, de 35 annos, cor-
po regular, bem parecido; levou jaqueta
ireta de alpaca com pouco uso, caigas de
Inho j suja. camisa de riscado azul do
listras nova, bonete prelo j velho; o me-
lhor aignal que tem beaa oralbaa acabaa-
das para frente, couza em que em outro
nfio se encentra : este preto levou um pa-
nacum pequeo com pfio em saquinhos que
ia entregar aoa freguezes, e nfio'meaos de
oito mil rs. em cobre que recebeu de al-
guna; foi encontrado no dia 10 j passsndo
o engenho Fragozo, qussi chegsndo a Igua-
rass : quem o pegar leve-o a ra do Co-
tovello, pallara nova, que ser gratificado.
Fugio, no dia 5 do correte, uma pre-
ta de nome Nicacia, de 90 annos; levou
um roupfio de chita roxa llslradoj desen-
lodo, panno da Costa novo Je listrss azues
e brancas, com matamos as ponas, um par
de estrellas em argolas de ouro as orelbas;
lem os ps um tanto groasos e bastante ra-
diados de andar: quem a pegar leve-a
ra do Padre-Floriano, n. 97, que ser re-
compensado,
5o,ooo rs, de gratifcacSo
a quem pegar a prela Mara Joaquina, de 30 a
40 annos, que fugio no da 11 de abril, de Da-
cao Congo, baila, garda, cor relila, bexlgoaa,
olhoa pequenoa; tem cin una daa faces um
aignal de carne ; he bastante ardlloaa, por laao
be capaz de llludir qnalquer peaaoa que a nao
conneca ; aabe todaa aa poroafdea da provin-
cia, por trr andado a vender mludeas pelo
nato com una crioula de uome Feliclda.de* de
que ni foi eacrava; lalrez aua luga ande enco-
bera com o negocio de vender intudcias, pola
J de oulra re aue fugio a qual foi pegada ena
lerraa doengrnlm..Aaaa, andar rendendo-
aa,e aaiim mala cOalnsa de aer negada. Roga-
ae aa autor Idade* poRcIs/a e capilar* de cam-
po, que a appiebendain e levein-n* a ra do*
Quarlei*. n. 22 ou na pra(.a d Independen-
cia, d. 17.
100,000 rs. de gratifioagao.
No da primeiro de agosto prximo pas-
udo, fugio, do engenho Pirapama, o cabra
Francisco, que representa le 18 annos, de
estatura regular, ebeio do corpo, cara re-
donda, com algumas pequeas marcas de
panno*; tem falta de denles na fenle do
queixo superior: este escravo foi compra-
do ao Sr. Antonio Comes Pereira, morador
no Sobral, que o vendeu nesla praga no dia
92 do referido mez; levou um surrfio com
alguma roupa e rede ; foi visto com calcas
e camisa de riscado azul, e chapeo de coli-
ro: quem o pegar leve-o ao dito engenho,
quesera gratificado.
Fugio. no dia 8 para 9 do corrala, o
escravo Manoel, do engenho S.-I'aulo, fre-
qoezia dos Afogados ; he de starura regu-
lar, um pouco corpolento, pelle bem preta,
rosto liso, e um pouco arrendado, denles
limados, falla grosss, porm expreesiva ;
foi visto nests cidsde trejando caigas azues
de algodfio e camisa branca algum tanto ao
ja, e chai o de palha de abaa largas : que*,
u pegar leve-o ao dito engenbo, que aera
bem recompensado.
Fugio, o prelo Antonia, cara redonda,
com pasas piolho aparado, falla muito bem,
a he cozinbeiro : quem o pagar leve-o ao
sitie cajueiro, que ser gratificado.
100,000 rs. de gralificaclo.
Fugram, no dia 19 do correnle, o osara
Raphael, alto, seoeo, rosto chupado, teata
muito pequea, ps grandes ambos pea
dentro, com falla da denla* na frente; ala-
ria Therex, grosss, feia de cara, representa
ler 25 annos pouco mais ou menos, eom fal-
la de denles na frente; foi comprad aesta
cidade ao Sr. Antonio Ricardo do Reg, e
Mh.. -.mnriiln an 0# 1 ut Anlninn Ha
Siqueira: qem os pegar lere-os ra da
Concordia, casa do Sr. Geraldo Correia Li-
ma, ou no engenho Pereira, em Jaboa-
tfio, que receber a gratificsgfioa einuMt
Fugio, no dia primeiro de agosto |Sjjj>
ximo paasado, o preto Gabriel, de nagfio, da
30a tantoa annoa, 4a estatura mediana,
bem ladino, falla bem, bstanle barbado ;
tem uma cicatriz junto ao lornozelo da per-
na direila ; tem o costume de abaixar a ca-
bega quando falla, gosta da tmbriagar-se ;
veio ha pouco do Itio-de-Janeiro; lerou ca-
misa de madapolfio, caigas da cesemira ris-
cada ; furlou uma irouxa onde lavara al-
gumas caigas, culheres de prata e a
objeclos: quemo pegar leve-o n
Cadeia do llecife, n. 21, que aera gew
mente gratificado.
ERR ATA-
O aiiai do cxin. ar. ovinn p
dente da ralagfio, publicado em o numero
909 deste Diario, em logar de no decreto,
|eir-se o supracitido decreto.
Psas.: nrr.'au na r.. os mu. 1850


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ER9VH3TN7_QC7C71 INGEST_TIME 2013-04-24T16:41:09Z PACKAGE AA00011611_07012
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES